Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16961


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A.WO t. MHEfiO 66
------------------------------------------------

31

for tres mezes adiantados......,.......... 6?KX>0
ft* seu ditos idem. ...;............. la#d00
For umanno idem.................. i*00
Cada numero arulso................. .jjjq


SABBADO 21 D MARCO DE 1874

PABA MWTM K FOft A DA PRO Y1W1 A.
*wr trOS BOMS nOiatttaQOS.
ftor mm ditos idem ....... ".",~ 4 .
?0r note- ditos idea................
For am aaao idem.............
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FAJRIA ft FILHOS.

f. fcs.^aido Antonio Airesdt Filhos, no Pars; Gonealr* 4 Pinto, no MaranMo; Joaqaim Jose de OJireirt Pereira d'Almeids. em Mamanguape ; Carlos Auiencio Monteiro da Francs, a. Panthjba ; Antonio Jose Gomes, na rjls;4 Peon*: Befarsiino dos Santos Balcao, em Santo Antio Domingos Jose da CostaBraca, am Baxarrtfa,
Autooio Ferreira de Afuiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, wWudmAkjmi Aires C. m Bsiua, Lssle, Cerqakho d C. no Rio de Janeiro.
asasBMii>^iP*--^-^ i i.i MM^MMM .., .,., i ______i
PARTE OFFICIAL
G over no da Provincia.
FALL A com que o Exm. Sr. comemndador Henrique Pe-
reira de Lucena abrio a sessao da assemblea legislati-
va provincial de Pernambuco no dia 1. de raarco
de 1874.
(Conclusao.)
DUtfAMIJtiA. JiHii 1) G^iiiiLL UJ5 jMallAVdl3iB&l)
Por acto de .11 de dezembro ultimo prorogaei par quinze Ji..- o pra-u de um anno conce-
dido a essa empresa para recolher o grande numero de bilhetes que estavim em eireulacao, como
\08 annunciei em raeu relatorio du auno pa.-sado.
Quando expirou essa prorogagao ja nao havia mais am so billiete para trcco.
Por deer to a 5,281 de 19 de maio do auno passado, concedeu-se a essa companhia, que
entao denoiaiBarnJVrn'ins&Ma) Street R-iliray, a preeisa autorisaclo para funccionar com a de-
nominacao actual, Esse decreto approvou os respectivos estatutos, passando a companhia a ter a
sun sMe do Rio de Janeiro.
Em rirtude de petigao dos m.radores da Torre, e do disposto na lei provincial n. 1,112, de
17 de jultu ultimo, mandei abrir concuirencia para o es'abcleeimento de carris de ferro em diffe-
fsntes suburbios jesta capital; e sendo a unica concurrent'.' a companhia Ferro Carril, con ella
contractei o prulongamento da linha da Magdalena ate a Torre, assim com o servico de omnibus
on diligencias para Caxaaga, Varzea Jaboatao. cotno vereis do appenso sob u. 7, ticandu o respec-
tive eontracta em vana.- paries depeadenle de vossa approvacao.
Euteudn o engenheiro fiscal que uraa v.'.: que, nao foi estipulada a clausula de ser a com-
panhia obrigada dentro de um prazo rasoavel a substituir os trilhos existentes por outros mais
aperfeicoados, e conhecidos pur trilhos de feoda, usadus em New York, dereis consignal-a, si vos
resolrerdes a approval o referido cuutracto.
Durant; o anno fiudo tiveram lugar oito accidenles, dos quaes dous someate foram de ca-
racter mais grave; sendo todos oc.tasionados por imprudt'ueia da; victimas.
A' falta de dados estatisticos pedidos pelo engenheiro fiscal ao respectivo gerenle, so pflde
aqaelle dizer que a companhia tem 31 carros ; o pessoal e de 176 inlividuo? de difforentes cate-
gorias, e o numero de animaes sobe a 400, inclusive 50 de reserva.
\ w'iiA.aiiiJji'itrA\'ii'Jia.
Esle ramo do servico publico continua a cargo do capitao de engenheiros, Chryssolilo Fer-
reira de Castro Chaves, que se esforca por bem curoprir sens deveres.
Sio tendo esta npartiiau edificio proprio, asarrematacpes,que por ella correm, sao teitas
eai uma das salas da reparticao das obras publicas provinciaes.
0 estado dos esUbeJecitnentos miliUrea e um geral precario. e todos resentem-ss da- falta
de asseio e deuiandam reparos necessarios a *ua conservacao.
K idea de que os orcamentos elevados nao serao autorisadas faz com que os chefes desles
eatabelecimeatos se limitem a solicitar reparos parciaes e incompletos. Dahi resulta que, aiuda
oao esta acabadu um servico, apparece a necessidade de outro.
A antiguidade dos predios tambem concorre para tornar o engenheiro perplexo na esti-
nutira da despesa exacta a fazer-se com ceitos concert -s, porque muitas vezes, depois de come-
tados, sobrevem outros imprevistos, que, nao podenio ser prevenidos, transtornam o calculo pri-
mitivo. Assim tern se feito nos ditos e^tabelecimentos apeuas ligeiros reparos, considsrados abso-
luiaraente indiipensaveis.
0 Exm. Sr. ininistru da guerra autorisou a coustrucQlo de um novo quartel para a compa-
nhia de eavallaria do quintal do quarlcl do Hospieio; mas, representando o Dr. inspector da saude
publica contra o estabelecimento de uma cavaflanca nas proxiiuidades do hospital militar, coin
o qual limita o terreno escolhid), resolvj mandar sobr'estar aa d.ta construcrjao.
Presentemente pendem de decisoes do governo imperial, a cuja apreciacao sujeitei, duas
(ropostas; uma para a venda dos predios sitos a rua do Hospieio, em que outr'ora esteve o collegio
da s. Francisco Xavier, pertencente ao cidatUo Vicente Feireira da Costa, e outro do sitio adjaceo-
te ao'cemiterio publico, de propriedade do commendador Vicente de Paula de Oliveira Villas-Boas.
Tendo incuiubido a uma St mmissao, que nomeei, exaininar as localidades que raelhor se
prestassem para a coostruccao de um quartet de eavallaria, dando parecer a respeito, opinou ella
pels preferencia das duas acima alludidas, cotno as que reunem as coadicoes desejaveis.
K de esperar que nao surjaui motivos, que retardem a solucao desta questao, que, a ser re-
.-')Kida pela compra dos predios de Vicente Ferr.'ira da Costa, que oflcrecem vastas accommoda-
Sies, seguodo pensa a refenda commissao, nao so dara lugar a rioc*o para alii da compaohia
e eavallaria, couio tambem facilitara a transferencia do quartel general, que naopode continuar
no lugar em quo se acha.
ii'diJiiiUi, IDS OJSii'iiA
Acha-se ainda a frente desta estacio publica o intelligente e honradj major do estado-
maiorde 1' classe, Francisco Rapiiael de Mello llego.
A refoi'iiu operada uos arseuaes de guerra pelo regulamento de ID de outubro de 1872, e
utttmainente posts en execugio no desta provincia, Irouxe inconleslaveis vantagens para o er-
yi;o, alem de attender a urgeote necessidade do augmento dos renciiuentos dos respectivos em-
^regados, que eram mal retribuidos
Esta reparticao continua a funccionar no antigo edificio, quo, alem de sua ma posicao
qae o torna iuteiramente desabrigado de qualquer bombardeamento, nao tem as proporcoes pre-
c: a um estabelecimento dessa ordem.
A necessidade, pois, de sua prompts transferencia para oulro edificio, que offcreca as
accommodacoes iudispensaveis, e intuitiva. tornando-:e cada vez mais ditQcil a sua permanencia
no actual; pois que, quaudo mesmo se tentasse fazer alguns melhoramentos tendentes a am-
piial-o, seria ito inexequivel por nao haver terreno para esse fun, attenta a area acanbada em
qae esta situado.
Aii. ditto, esia no piano da cidade o prolongamento da rua do Imperador ale o ho, e ainda
por esta razao pondtrei ao governo imperial a conventencia da remocao do mencionado arsenal,
e coaQo que o actual Sr. minisiro da guerra, a quern esta provincia se ufana de contar no nu-
mero de seiis mais distinctos ex a sua gratidao, dotando-a com mais e?Ie imporlante melhoramento.
Sent embargo disto, tem este estabelecimento podido sati;fazer com a promptidao deseiavel
as diversas reclaraacoos do servico, para o que muito tem concorriio ; ze!o do seu digno chefe.
0 pessoal euipregado e o seguinte ;
XA DIRECTOR1A
1 director.
1 ajudantc.
2 adjnntos.
1 secretario.
1 official.
1 amanuonse.
1 escrevente de I* clasre.
1 Dito de 2-
NO ESCRlPlORiO DO AJl'DA.NTE.
1 eserivao chefe.
1 anianuense.
1 escrevente de 2' classe.
NO ALMOXARIFADO.
1 almoxarife.
1 eserivao.
1 amanuense.
1 guarda da I* secrao.
1 dito da 2'
1 dito da 3*
1 escrevente de 1' classe.
1 dito de 2'
Companhii de aprendizes arl-fkes. 0 estado etleciivo desta
Janeiro ultimo de 122 ; sendo o completo de 150.
Tendo o governo imperial resolvido elevar a 150 o numero da* praca? da relerida com-
panhia, que ate eniao era de HO, o director lem encootrado dilBculdades, senao completo em-
baraco, em realisar essa medida, reclamada pela importancia desta provincia, e em poder assim
attender aos coustantes pedidos de admissao de menores na dita companhia, em razao de nao
ter o arseoal esparp sutuciente de modo a proporcionar o convenienle aloj imeato a um numero
ta crescido de pracas.
0 estado sauitario da companhia, no anno que terminou, si nao foi completamente satis-
tactdrie, tambem uli se poJe dizer que tenlia sido desanimador. Uurante elle houve somente
um obito, tendo se dado apenas alguns casos de variola e de outras molestias de caracter
l>enigno. .
0 movimento da respectiva enfermaria durante o anno passado foi o seguinte : existiam
17, eatraram 256, sahlram curados 253, falleceu 1 e Qcaram exislindo 19.
Companhia de operarws militares. Ate o ultimo de Janeiro proximo passada contava
i--1 pracas esta co npanhia,|cujo estado completo e de 116.
A seccfto de sapadores e bombeiros, que se compSe de 3 sargento?, 4 cabos e 11 soldados,
M todo 18, preit* regularmente seus services nas occasioes de ineeudios, com quanto resinta se
ainda da falta de um habil mestre de gymnasiica.
,7 LAJttiRATOKlO PYROTECllNICO.
Uedido e. estabelecimento, em virtude de autorisacao do governo imperial, ao major Wood,
para semii ,!- ertacio ao telegrapho submarine, cam a condigao de ser por conta da Western
and Briniiian Telegraph Company constmido em lugar designado um outro edificio em subsli-
HMV&o aquelle, foi em 25>de setembro ultimo apresentala pelo engenheiro das obras militares a
planta do novo laboratorio, e eseoihids para a sua con-trucgao o istbimo na parte compreheadida
eatre o forte do Ruraco e a cidade de Olmda.
A phiua js loi re netlUa ao lelcndo major, a |ilra:-o. ientro dja qua!
devera dar >.; c iiie Pre-eulemente esia cste estabeiecimento iunc:ionando provisor:auiente aa furtaleza do
* Bram pra jnie foi removido, emquanto nao se i-oaclue o novo editicio. de que acabo de fallar.
DEPOS1TO l)A POLVORA.
Os e*forcos empregados por mim e por varios antece;sores meu*. no senltdo de ser o de-
pwsito da polvora, que actnalmente e feito do forte do Buraco, removido para outro local, que
pela sua rlistancia' d'esta capital nio troaxesse esta em coatinuo s jbresalto, pelos fundados re-
cos de alguma explosio, foram coroados de bom exito.
Por ordem do ministerio da fazenda, de acordo eom o da guerra, ja se acha em constrnc-
ci> no silio denominado Fazendaentre os poroados dos Afogados e Boa-Viagem, a conveniente
diatancia d ambos, um edificio com a capaciAale e solidez precisas para servir de deposito de
toda a polvora importada na provincia.
Esse serriep, qae foi arrematado pelo Cldadao Manoel Thomaz de Albuquerque Jlaranhao
pela quantia de 46:303*190, e esta sondo execuUdo sob a Oscalisagao do engenheiro das obras mi-
litares, tem marchado com presteza, e aa paredes-ate o flm de i&zembro ultimo tinham ja a altura
4e l", 30 aciraa da sapata.
compaubia era ate 31 de
L
Calcula o mesmo engenheiro que por toda o corrsate anno estara o edificio concluido. e-
aue sera uma realidade a transferencia para alii de toda a polvora recolhida ao antigo paiol, fican-
do assim a populosa e rica eidade do Recife fora do afcance do perigo, qua por tonto tempo t
tem ameacado. j
HOSPITAL MILITAR.
Este hospital, que funceiona em edificio pronrioJJNtasJso a rua de Gsrvasio Pires, do bairro
da Boa-Vista, continda .>b a direccao do brigadeiro hoaorsrtl do exercilo Francisco Jjaquim Pe-
reira Lobo, que se ma.-tra solicito ao desempenlw dos detxsto* inhereot a esse cargo.
Embora este edificio fosse feito exclusivaraeote ^ra o iratamento dos offlciaes e pracas
do exercilo, em guarmcao nesla provincia, forcoso e ooCswwr qns na sua coostruccao aao foram
deridamente atteadidas todas as accommodates iodispensarais em estabelecimentos taes, nem a
escolha do local apropriaJ > ; e por isso resents-se de alguns defeitos que se tem procurado ir re-
mediando.
Alem de pequenos melhoramentos neeeessarios ao bora aadamento do servico e a hygiene
dos doenies, loram durante o anno passado autorisadas e conclaidas outras obras, taes como: a aber-
aarsde oito jaoeUas dos pavimentos superiores e terreos, afira de dar-lhes maior rentilacio, e a
coostruccao de uma casa mortoaria para deposito dos cadareres, qne por uma pratica perniciosa,
ate entao seguida. era feitofem uma sala cootigna a enfermaria, com a qual se communicava por
uma porta. que as separara.
A adopcao desu provideocia trouxe a dupla vanlagem de poupar aos doante* a dolorosa
impressao qae nsturalmente Ihes deroria causar a conHmplacao de tao compungeote qaadro, e
de eritar que os miasmas desprendidos dos cadaveres ja era come^a de decomposi ;ao, alguns
defies de pessoas accomraettidis da variola, iofectassern a enfermaria e concorressem, nJo so pjra
a propagacao desse terrivel flagello, como para aggravar aa molestias dos doentes que nella se
acbassem em tratamento. ditHcultar ou entorpecer o curso do seu restabelecimeoto.
Providenciei tambem para qae a capella, que era collocada em a u acaahado corredor,
fosse removila para uraa sala espacosa, iadicada pelo digno director, aa qaal se pjde actualmen-
te celebrar com deceacia e recolhimeato qualquer acto da nossa santa religiio.
A pharraacia que por algara tempo nip se presUra ao seu mister, a falta de rasiihame,
utsnsilios e medicaraentos, viodos ultimamente da corte, acha-se conveaientemeote montada, ten-
do principiado a aviar os recettuarios desde o dia 26 de Janeiro proximo passado.
< movimento do hospital no decurso do anno qae terminou foi o segaiote : Eatraram
130i, sahiram curados 1160, fallecerara 57 e flcaram era tratamsato 87.
Todo o esubelecimeato e illumiaado a gaz, e possue 13 apparelhos da pompaahia Drainage,
distribaidos coovenieatemeate.
ARSENAL DE MARiHBA. '
Esta important reparticao, a (rente da qaal continua-o distinct.)' capitio de fragata Fran-
cisco Roman) Stepple da Silva. vai apresentando notarel iucremento.
A' reconhecida actiridaiie e inexcedivel zelo des tiaguido no desempenho do cargo que acertadameule Ihe M eoafiad >, deve ete estabelecimento
em grande parte o estado de desenvjivimeoto e prosperi.lade a que tem attiagido.
Com o rim de proporcionar maiores accoramo lac^as a enformaria de marinha, que fane-
cionava em um edificio acanhado, pouco venulado e inleiraraente fora dos preceitos hjgienicos,
foram feitos algnns melhoramentos na casa da antiga residencia do inspector e em outras que
Ihe fleam adjacentes, aHm de ser para ellas removida a raaacionada enfermaria ; o que tere lugar
oo dia 17 de agosto ultimo. 0 eompartimento por esta deixado, depois de receber tambem varios
reparos, passou a ser oocupado pela companhia de aprendizes marinheiros.
Agssar de haver a tabella, mandada obserrar pelo decreto n. 5163, de4 de dezembro de
1872, reduzido considerarelmeote o pessoal artislico, mesmo assim tem o digno inspector conse-
guido que as otficiaas trabalhem com regularidade, e sejam n'ellas executadas com perfeicav) e
presteza as obras nacionaes, de que sao iocambidas, e outras perteocentes a particaUres, medi-
ante indemalsacao por parte destes, e precedendo autonsagio da presidencia.
As duas aalas fanccionarara regularmente durante o anno passado.
Foram freqaentadas : a do arsenal por 47 aprendizes da companhia de artifices e 43 ox-
ternos, ao todo 90 ; e a da companhia de aprendizes marinheiros por 81. De todos esses alum-
nos foram sujeitos a esame 41, sendo 33 d'aquella e 16 desu aula. Dos primeiros, foram appro-
vados S3 e reprovados 2; dos seguodos, obtiveram todos aaprovacao.
Por ter sido exooerado pelo governo imperial o bacharel Joaqaim Jose de Carvalho de Si-
queira Varejao, qne a regia, deixon de existir desde 26de abril passado a aula de geometria ap-
plicada, mechanica e desenho de machinat, que funcciooava duas vezes por semana, e era fre-
quentada por 10 alumnos. 0 inspector opina pela resiauraeao dessa aula, atteotos os b.ras resul-
tados que della se deve esperar para o aperfeicoaraento dos operarios.
-A eompanhia de aprenaliei marinheiros contava ate 31 de dezembro passado 89 pracas;
o seu estado completo e de 200.
A de aprendizes artifices acha-se em seu estado completo, qae e de 40, os quaes fre-
quentam as differcntes officinas ; sendo 16 a de carpinleiros; 9 a de carapinas ; 4a de calafales;
8 a de ferreiros e 3 a de machinas.
Conta mais esta companhia 31 avulsos, distribuido%pelas mesmas officinas ;Jsendri na pri-
melra 13 ; na segundo 8 ; na tercelra 1; na qnarta 6 e na quinta 3.
iii3Ji3iJjriiiAiuaaijfjj ah w&vih
Nao me e dada ainda a satisfacao de annuciar-vos que pelos altos poderes do estado esta
definitivamente resolvida esta magna questae, de cuja solucao depende esseocialmeate o futuro
engrandecimento desta rica e imporlante provincia, e consequente augmento de suas rendas.
Todavia posso dizer-vos que os papeis e estudos concernentes a esse melhoramento foram na data
de 8 de Janeiro ultimo remeltidos pelo ministerio da marinha ao da agriculture, commercio e
obras publicas, visto a este competirem taes obras; concorrendo aquelle, por interessarem tambem
ellas a marinha de guerra, com raetade da despeza qne se tiver de realisar, para o fim de se
cootraclar o engenheiro que tem de estadar o regimen das aguas do nosso perto.
Emquanto, porem, nao for uma ealidade essa projectada obra de summa importancia para
esta provincia, o emprego das dragas na escavacao do porto vai produzindo algum proveito, em-
bora provisorio
Derido ao piano adoptado pelo digno inspector do arsenal de marinha, de barmonia. com
as correntezas das aguas, o nos^o porto, na preamar das mares viva?, ja tem offerecido iranca
entrada a navios de grande calado. Mesmo na preamar das aguas mortas alguns navios, medin-
do 16 pes, ja teem entrado e sahido livreraente; pelo que, no entender do mesms inspector, si o
porto nao estivesse constantemente cheio de navios, si tivesse maior capacidade, e a profundidade
fosse igual em todo elle, seria facil o accesse a navios de calado superior a esses, ate 23 pes.
Para que esse melhoramento se torne mais proficuo, lembra ainda aquelle inspector ,a con-
veniencia de ser cada uma draga anxiliada por dous vapores, pois, sendo, como e actualmente por
am so, tem aquella ae paralysar seus trabalhosaesperaque este volte do lamarao, onde vai deixar
a areia recebida, bem como propde qne sejam empregadas nesse servico mais dnas dragas, anxi-
liada cada uma igualmente por dous vapores, e bem assim por uma outra de pe.|uenas dimen-
s5es pa. a trabalhar entre as pontes e nos lugares de pouco fando.
Reconhecida a grande vantagem, que para o porto, e mesmo para o commercio, resulta da
maior profundidade nas proximidades dos caes, nao so porque proporciona aquelle maior espaco,
como a este prompto, facil e menos dispendioso embarque e desembarque das mercadorias, tentou
o inspector por em pratica tal melhoramento junto ao caes da companhia pernambucana, no Forte
do Nattos; mas forcoso foi nao proseguir, em razao de haverem-se desmorooado 76 pes do mencio-
nado caes e ticarem 8 aluidos.
0 inspector da como cansa desse accidente a ma enstrucjao do referido caes, como e em
geral a de todos que orlam o porto, e oao a eseavacio, que nenhum damno Ihe teria causado,
si por ventura houvesse elle sido feito eom a conveniente solidez.
0 desabamento, acontecido poucos dias depois de uma parte do caes da rua da Aurora,
lado do sal, proximo a ponte de Santa Isabel, veio corroborar a opiniao do inspector.
Estao sendo ja reparadas as ruinas de ambos os caes
Presentemente fazem o servico da escavacae as duas dragas vindas da Europa, e a antiga
barca desse servico, que, depois de concertada, continuou a funccionar e tomou a denominaijao de
draga n. 3.
Todas, no decurso do anno passado, extrabiram 435:249 tooeladas de areia e lodo, isto e,
mais de mil toneladas diariamente.
Da demonstraeao seguinte conhecereis da profundidade do porto' verificada pela sonda-
gem feita aas mareVdos ultimos svzigios.
BARRA GRANDE
Preamar ... 16 pes
Baixa mar 10 >
BARKETA
Preamar .'. 15
Baixa mar 9
BANCO PROXIMO AO PHAROL
Preamar ... 23 pes
Baixa mar 16
Ql'ADROS DA CARGA E DESCARGA
Preamar ... 30 pes
Baixa mar 22
EM FRE.NTE AO CAES DA COMPANHIA PERNAMBUCANA
Preamar ... 23 pes
Baixa mar 16 >
MWlimL IDD ^iiiflJJ-
p. r decreto de 5 de maio do anno passado foi nomeado capitao do porto desta provincia
e capitao de mar e guerra reformado, Joaqaim Jose da Silva, que se acha no exercicip do seu
cargo desde 23 do mesmo mez e anno.
Esta reparticao continua a funccionar em um edificio por demais acanhado e sem as ac-
commodates indispensaveis a respectiva guaraicao e ao acondicionamento e boa guarda dos ob-
jectos a seu cargo.
0 policiameuto do porto nao & desempenhado de modo completamente satisfactory ; para
isso concorre sem duvida o pequeno e mal retribuido pessial incumbido desse pesado servigo,
qae teode a obstar por meio de uma consume e efficaz vigilaneia qae alguns navios, espeeial-
mente a noite, laocem ao rio as areias e pedras que formam seus lastros, com grande detrimento
do porta.
No infuito de impedir que se procure por qualquer modo damnificar o porto, ehamei por
nfflcio de 20 de azosto d > anne passado a atteocio do capitao do porto para o abasivo cosiame
de se nrar peilra- nos arren'e* : e a meile funecionario, segundo communicou-me, ja tomou as
precisas providencias an seatido l b-tr a C-Mitinuac*0 ^e semelhate abuso.
0* pharoes da baria e de Ulind* nsnim co ombQm osiado
  • cionatn regularmente.
    Nomeei aa data de 20 de dezembro ultimo Joao Henriques de Souza Rangel para 2. poaro-
    leiro da barra, em subsiituicio de Manoel Alves Pereira, que falleceu.
    Acha-se vago o lugar de ajudanle da canitanla, pela demissao coucedida, a sea pedido, ao
    1. tenente da armada, Joao Kgydio Castro de Jesus.
    No aooo passado foram apurados para o senrioo da armada 32 recrutas; destes, 4 ficaram
    pertencendo as gnarnijoes dos navios de guerra surtos no porto, e os demaii foram remeltidos
    para a corte.
    a\asDi2\|<5a3 iDa^iia^a-
    Alem da seeiedade Propaigadora da Instruccio Publica, da qual ja tive occasiao de tratar,
    muitas outras existem e se tem or ganisado ultimamente, como vereis da relacio que ves apresenu-
    rei no fim deste artigo.
    Eatre eltas, merecem especial meneao apatriofica sociedade Doze ds Setesabro e IssMnto
    Arcaeologico e Geograpbico Pernambucano.
    twnn^f p.J!S!Uv*men,?.-l>a" /*fjr "o*508 triumphos na gujrra qae o Brad morea so
    iy-.t^ P*"fB*y> incambio-se depois a seeiedade patriotica Doit de Setembro de soiemnisar
    25SL2r-=S!S? e de *?xi iar *""' commercio e agricultura, promoreado SSnsslSssSs
    tornassem conhecidos os productos da provincia. i~vw 4u
    Em observanciaa esse louvavel intuilo, a t da dezembro ultimo, do edificio do hoamtal Aa
    nos annM^vfndouros UDa'reaUsou eIU 3aa P"""'^ exposicio agricola, que espera reprodtuir
    Si mm exposicaoDio se notaram todos os nossos productos agriolas, nem por i-so dei-
    sou eiia ae ser mieressanlo e rica, e tan to mais admiravel, por ser o resuitado do esforco indrri-
    auai, tenao por umco movel o cumprimenlo do dever contrahido e fazer coobecidas dosus ri-
    (juezas.
    Posto que modesu, oem por isso deixara de cootar a exposicSo bellissimos e ricos sseci-
    roens de nossas prmcip tes fontes de riqueza agricola, e rauitos prodactos novos, mioeraes e refp-
    tae<, aill se mostraram pela primeira vez. ^
    Foi um facto novo do Brasil ver-se congregados alguns homens para por seus esforcos in
    diyiduaes realisarem uma des as festas do trabalho, era que na competent dos productos tetn a
    palma o qae melhor se apresenta, creando por consequencia um inceativo ao prodactor e tao in-
    usressante foi o resuitado colhido, qoe o governo imperial oao so mandou loarar a roesma socie-
    dade, como instantemeaie recommendou que fosse ella auxifiada pelos poderes pubKeos em snas
    tnturas expos'coas.
    Para isso ordenou o ministerio da guerra que do presidio de Fernando de Noronha viwee
    a raawr porgao possivel de productos para as exposicoes faturas, e em virtude de anso do minis-
    terio da agricultura, commercio e obras publicas, de 26 de jaoeiro ultimo, soticitai das dirersas
    camaras muuicipaes que convidassera os seus mumcipes para concorrer a taes festas.
    E de esperar que esta patriotica sociedade, duplicando de esforcos e assim anxiliada, not
    apresente nos antios vindouros mais importaates exposicdes.
    uma outra asseciacio que
    0 Instituto Archeologico, coatandoja 12 aDOosde'existencia,
    muito se deve reeommendar aos pernambucaoos.
    Empenhada principalmente em elucidar a historia patsia, maxime a desta beroiea prov
    desejosa de commemorar novos fastos e gravar em monumentos que attesiem aos vindonros s
    grandes nomes e feitos de nossos maiores, o Iasiitato se faz digno de nossas atteneies e gtHislii
    Convem, senhores, animar essa pleiade de homens estudwsos, qae, ebeios de patriotism
    se occupam da historia patria, sem outro morel que oao seja o amor one eonsairam a<>
    seu pair. w
    Todo o auxilio que dordes a tao bella e patriotica lostitaicao sera am servico que prestaree
    a provincia, enja historia e geographia ella procura bem estabeleeer Auxiliando-a, iriiianiindi
    reis aos vindouros os pernambucanos que se hao iBustrado e os feitos briihaotes que tomans tao
    glonosos nossos annaes.
    Alii teremos o oosso Pantheon ; alii as geracoes irio aprender como se node amar, servir e
    illustrar a patria. *^
    Tambem por isso e para desejar que seja restabelecida a subvencao annual de 1:1084, qne
    a lei de 1863 desiinou a essa util instituicao, e que foi rednzida a 600i pela lei do orcamento ri-
    gente, trazendo como consequencia a aao publicarao de sua Ketisla, cuja cootinuacao tanto
    convem.
    Alem dessa subvencao, urge que marqueis uma quota destinada a gradear de ferro o mo-
    numento que por es.-a associacao foi erigido do Arraiat do Bom Jesus Importa que essa colum
    aa de marmore, qae commemora um dos brilhantes feitos dos nossos maiores ; que aponta as ge-
    racoes de hoje e as do porviro patriotisms das do passado, nao continue exposta aos damno*
    de malfeitores.
    E', senhores, zeanJo nossas glorias que nos poderemos reeommendar aa historia como
    povo que preza o seu passado, sem envergonhar-se do presente, nem ter receios do futuro
    Pouco sera para isso sufficiente ; e v6>, patriolas como sois, espero, nio deixareis de providenciar
    a respeito
    Alem dessas associagoes, recommendam-se por seas fins mais oo menos uteis e patrioti-
    cos as segulotes sociedades :
    Meote Pio Popolar Pernambucano.
    Typograpbica Pernambucana.
    Gabinete Portuguez de Leitura.
    Monte Pio Portuguez.
    Uuiao Beneficente de Artislas Selleiros
    Beneficente dos Cocbeiros
    Umao Beneficente Marilima.
    Bsmteitora Pernambucana.
    Arttstas Mechanicos e Liberaes.
    Ptutantropjca Beneficente dos Artistas Alfaiates.
    Liberal L'niao Denoaeente. ^
    Beneficente de Soccorros lluiuos.
    Recreativa da JuventuJe.
    Hospital Portuguez de Beneficencia.
    Recreativa Nova l'niao.
    Amor a Beneficencia dos Talhadores de carnes verdes.
    Monle Fio Brasileiro.
    Luzeiro daVerdade.
    Luso Brasileiro.
    Monte Pio Santo Amaro das Salinas.
    Monte PiO Santa Cruz.
    Phiiantropica dos Artistas.
    Guarda livros.
    L'niao Catholi.a Orthodoxa Pernambucana.
    Recreio Dramalico.
    Beneficente dos Caixoiros Despach antes.
    83B!MffAYMi J)D VWWSI*,
    Achando-se com assento na camara dos Srs. deputados o secretario da provmca, bacha-
    rel Elias Frederico de Almeida e Albuquerque, e tendo de tornar parte nos trabalhos da assem-
    blea provincial o oulcial-maior, bacharel Adolpho Lamenha Lins, foi por pqrtana de 1 de mar-
    co do anno passado^ e de couformidade com o regulamento de 12 de fevereiro de 1872, desig-
    nado o bacharel Joao Dioiz Ribeiro da Cunha, chefe da 2.' seccan, para exercer ioterinamtnte
    o cargo de secretario, qae passou a ser exercido depois pelo official maior.
    Tendo oblido exoneracao o bacharel Elias Frederico de Almeida e Albuquerque, foi no-
    meado parasubstitnil-o por decreto de 24 de janeirj ultimo o bacharel Joao Diniz Ribeiro da Cn-
    nha, que entrou em exercicio no dia 9 do mez proximo passado.
    Acha-se com licenca de 3 mezes, para tratar de sua siiide, o official -maior ; sendo sub-
    stituido interinaraente pelo chefe da 1.* seccao, bacharel Luiz Salazar Moscoso da Veiga Pessoa.
    Por portarias de 1, 7 e 21 da julho, e de cooformidade com a lei, eoncedi aposentadoria so
    chefe da 3.' seccao, Francisco Lucio de Castro, ao official archivista, tenente-coronel Joao Va-
    lentim Villela e ao 2. official do archivo Luiz Fraocisco Vieira de Luna.
    Os empregados em geral cumprem regularmente os seus deveres.
    A secretaria acha-se balda de livros de consulta ; o que traz nao pequenas difliculdades e
    embaracos a boa e prompts raarcha do expediente. Conv6ra, pois, que me habihteis com os meto
    necessarios para a acquisigao de obras de consukas, julgadas indispensaveis, com as quaes se for-
    me uma bibliotbeca especial em tao imporlante reparticao.
    Do qnadro seguinte vereis a somma dos trabalhos que por ella correram durante o anno
    passado.

    ESPECIE DE TRRBALIIOr-.
    sgcgSss.
    Portarias........................
    Officios aos miaistros.............
    c a diversa- antoridades.....
    do secretario as mesmas....
    iTitulos e provisoes provinciaes-----
    a de policia...............
    Apostillas........................
    Copias..........................
    Patentes provinciaes da guarda na
    cional...................
    DespSchos e respectivos registros..
    Registro de ordens do thesouro.....
    de patentes provinciaes da
    Suarda national.........
    e ditas imperiaes.......
    de titulos geraes e provisoes
    Srovinciaes.............
    e apostillas.........
    de titulos de policia......
    de patentes da guarda na-
    tional de outras provincias.
    99
    521
    1.764
    909
    17
    285
    2*
    3/
    38
    925
    221
    876
    .575
    55
    317
    25
    264
    204
    Cartas..
    Passes.
    Somma-----
    3 633
    55
    25
    317
    177
    81
    3.371
    86
    78
    146
    5.*
    1.076
    150
    1.792
    421
    1621
    29
    215
    TOTAL.
    294
    109
    6.090 4342
    452
    112
    1.238
    4lli
    68
    108
    2.71
    I A
    10.041
    3.1
    317
    159
    29
    126
    68
    28
    102
    l.(
    11.2

    317
    13
    4.099 2.587
    20.7511

    OBSERVAgAO.
    No presente quadro nio vSo coraprehendidos difTereates trabalhos. como sejam : informa-
    cdes das seccoe% minutas, despachos de navios, portarias de viagem para fora do imperio,
    certidoes, roappas, malriculas, termos de juramento, exame de pansis, resraUrnentos, pahlieso8s
    no Diario official, etc. ^ -r
    N5o devo
    aao que mo euro
    a expeev
    por may tempo abusar de vossa indulgencia, -<, por iss.o .-- Mtti
    pna Tazervos sobre o estads das Begocias puh- ^ Zhs.
    As lacunas. e imperfei\es, que wrn duvida nella vr c0? a ^,,^a ssb o esse-
    , pe^as vossas luzes e experience, e bem assinj -^'^'^ one nmSss^o S
    gardes, e que com a melhor boa vontade vo* ^ esclarectmentos que porontora o reesa
    Animado do mais ardeute desejo d- S8rao minlstrados. __
    vmcia, podeie contar com a ralnha ? Poorer o engrandecimento moral e material da sm
    meotido, patriotlsmo nwte nib*- ">cera e leal cooperacao para seenndar o vojso oanca aW-
    Rita ln u j .4 e grandioso empenho.
    * "KaiadS I t ses3ao da 20.* legisiatura.
    4 ratacio da presidencja de Pernambaco, em 1 de margo de 1874.
    0 president*,
    Henrique Pereira de Lucena.

    v-
    r*L.
    Q
    /
    l






    DE
    Andre dc Abreo Porto.-Infor
    nheiro direc
    Alexandri
    mediants re
    Tenente F
    Joan Lias
    kudo
    im Ti ras public. .
    na de Freitas Ucnba.Sim,
    avendo racotfveniBnte!
    Perelra dd Lago. -"Sim.-
    ti da Albuquesque,Seja rs
    Jose Francisco de Sou
    varaente a praca o fo;
    coxcorra a ella a
    Capita.i Jose An
    mi u he sc.
    K. Henmuren.j
    Maaocl da Costa
    Santa Casa de Mis.
    Ir. Pedro de At
    om urgencia
    eife.
    . Capita a Tin
    Sr. commandant') do corpo de p.iicia.
    Vicente Licinio da'Costa Campello. -iVJ-se, me-
    idianle recibo.
    I a ill
    lo'mec
    japitao
    Sr. pn
    linformar.
    Wojco-i. lajfornae
    imifa niumcipil do Ho-
    a*)*-**
    forme
    Cntw*inlw 4ms nrmai.
    UARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
    DE PERNAMBUC0, EM 19 DE MARCO DE
    tan*.
    Ordem do dia n. SOi
    O brigadeira commaudaMe 4as armas declara
    paraos fins convenientes que em viitude d'auto
    risacao da presidencia, c -ntidR em offlcio de 17 do
    cor rente, cosjsiderou n.esj3_ dnta resxinuido o cuu-
    trat* eeiebrado com o Sr. -betieario Braz Marceili-
    no-di> Saccameuto, coadjnfa.iiU} da phannacia 0,0.
    hospital Ailftar1, por assim o'ter pedrdo em'conse-
    tpara srvir em sen lugarna mesma pharma:ia ao
    Sr. p^_armaceutico civil Carlos Lui.z de Jfagalh3.es,
    emqwrutb pelo mrataerio nado 0 pharmaceutjco do corpo de saiide que (em
    de-jffvir nesta eaarni^xo coiijuoctamente com 0'
    Sr. tenente pnamaccctico do 'mestno corpo Lacio
    ?Fiosoulo da Silva, empregadc- a subradita phar-_
    raa'Cta
    (Assignado.) Mf-.noel da Cunka Wanierley
    Lens.
    Conforme. Q alfcres Jose Eliziqrio fas Santos,
    ajudante de "Wde'oi intoririo.'encarregado do'na-
    tal be. '"'
    M .20 -
    Oirfrrtf dp dia r. -905.
    O brigadwro cprjiHiand^nto dasarmasvem neme
    da presideeeia, cmvija ao scahorcs official dos
    corpqs ao '-CTgrcim^ houorarios e rcforipa'dss, a
    couip'areeerem em palacio is 4 1/2 horns datarde
    do dia -l'i floats inez, anuiversario do junmicntu a
    conslituicjo pcjmperi'i, afiui de a^stsiirerri ao cor:
    lejo ijiie pajps o'noras desse dia se tern fletaxer a
    eflifc'le do SVC. 0 Imperador.
    ( As.-i;:i:a ij. ) MuROcf 4a Ou*hn Wandcrley
    Lins.
    Conforms.y ^Iferes Jose EliztariQ dos'Sautes,\
    ajud'ante de'ordehs interino, encarrogado dodo-'
    tallie.
    ft Sn PBrfl.nrTr -ffnf.n,^ 1ir
    sossidade darf ramnvnt^a, tnesaj?odejtanj|r
    fa/.e bs distfjbuir, pe,loi tSrs, douuta,
    que desta uianeira fica.a satisfoit j 0 deiolo 1
    ft-e depufado.'-.....* "
    ' 0 9r. Manuel do Rbco :'-Melliorserta quo
    seni iinprns3o4enuaviUsos.e distribaido3 aepa
    mente. Se for preciso projecto, indica^ao ou 1
    querimento para que os regulamenlos cxpedid
    os con-*erta,
    rop.iros de que (irtoisam as oaJeiis ,Ie P, '
    e do Uraji, qi;,, se auhain o:n deploraw
    hiMt^aiM Wt'i : -0 da Pesqaeira pj
    a diitilf \n *r na ^lagao
    Iauiafs : Creto q;ic
    U) de urn como de outro
    dos e submettiJos a consi
    da presideneia, mas as obras ainda nao fo-
    am arreinatada* dot filta de credi
    0 SiMoRsiHf AH
    da provlncia de 17 d>> wm'fHlf, M liu-f
    [al le marlulia.^Wi^itarm da-cosvuijoes....... -"''"'
    d< provincia.de i7 l>OMjiiih
    iivi Cinlil 1 do "1' ijifi^ Hi 1
    IT4SS.
    -tato<
    (Jo prajecto n.
    da prJem ter-
    a emopda offa-
    foMftiro.
    OSr. Caspar t>e Drvmmuno: Ji ha algum\
    consa feita, mas nan toda ^q^rrada
    <5-Sn. TiBi-ano dl Mac-.luaKs : -feta feita ate
    a ponte do i'irapama.
    >algo. DOftarlto." dtue 0 Droiocte ttao torn mate;
    ifclgo. portadto, que 0 projecto nSq torn r
    mio de scr.
    N5o havendo mais
    SttSfi*Oit)BBr.\AaiA EM 13 WB MARCO.
    I'jiiiTiiuENci \ Dp sb. FionneiiiA di: agi.'a'r.
    Ao rr.eio dia, feita acfiamada, aobam-se preran-
    IM os fers. : Ar&ineio. S^mza Laite. Oliveira Ati-
    <1rade. !)irio Cavalcanti, Aatooia Paulino, 1. Seilo
    Reg i, i^unoel do Iteg tomes Pwoote, Gon;a(ves
    F,'rrtira. Uumlqgos W:it9. Gl^nHiio Marques, Ati
    pi" (iftfta, Cunlu C/ival-anli. L'utaJttinu de Ckrva-
    M10, t-jes Cavaleanli, Ajjuar, ArruJa, Camhuim.
    G. (iucdiin. IV.reili, Kina nu de Navaes, -Nascinien-
    to Piiriolla, Helippe dp figueir." 'Fiburcio de Ma-
    gat'vks, Alvaro l|JclniA, iiafea, noMa) do Arru-
    da,4i ispar de UrummoBJ, blrnesio Vimra-e Ralis
    e Siiva.
    A'.'re-se a sessao.
    >'. iida 0 aup/ovada a ac! 1 da .1 ite^odi'aie.
    Ot.r. 1 secreiario da oonu do soguinte
    FSNMGMTB.
    PeU(joes
    Oe Francisca The idera de S. Jose, regente do
    resolhiuieati) de Xissa Senhora da C mceiijao da
    Olin!a, podindo n estabeleciiaeoto da quota de
    l;K>>i, risto tor sid rediizida a SO)J 110 exerci-
    eioearreate.A' ommista-j cial.
    De Francisca Seralieodo Assis Carvalho, profes-
    Bora piblici d; iu-truc^lo primaria da cadeira de
    Sosga Seahora do 0' de Haraagaape^'pedindo um
    ami-; de lieen^a con lodos os seus veneimentos,
    paratralar de soa sanle. A' om-nissao de pe-
    Oe Jostiao Frauds w de Assis, pedinJo um pri-
    vilegl) par 20 anno- para esiahelecer cesta cidaie
    earros de praca. -A* comini^sao do potigSes.
    ^ tt-^i-. .Uamtpi do u*s< fpela c'rdem) :
    Sr. presileu'e, doexp-sliente li
  • seasao da 10 di orrente mez, consta .<;ue foram
    mueMidos pela pre*deaeia da proviucia os regu-
    lanBct>s cxoelidis era virtn-Je da lei n. 963 de
    1870. art. 3i di de \.', de iuniio de 1871, gg 43 e
    4i do art l.'i da lei n. 1.118, da de 11. 1,121, e ins-
    IneaSes \' 13 de setenbro do anno passado. B-
    aas reguiamentos-, coia V. Exc. sabe, tern forca
    de Jhj, p >i- sio i-xiedilos pelospresid>>ntes da pro-
    wacia em vi.tude d 15 r lu art. 24 di acto addi-
    ci.m.,1 [earta do lei de IS de agesto da l34, ou
    de autorisai.'o js espeeiaes Mnl'eridas pelas assem-
    btfas p&Nrjueiaes. K pjrtuito iudispensavel que
    os maKiu-oi desta asscmin-:-, cmuegam perfeita-
    menw as d'.'tarm'naj'ies d-js mesmos regulaiuun-
    tos, prieeipalinente existiudo entre estas urn quo
    tern siJ.;acolludj cum graudo repugnaacia pjla
    maior pa'rte da populacjw do con'xo da provjucia,
    aquelle ne diz r<(ieita a malHpula do gaiio ca-
    vallar, ciyas disposi^oes sau entreLanlo pouco co-
    aheddas, cr.io que ate pir graode numero de
    membrai-t^sta assemblea, eu, ao .uienos, ua as
    conhero ism.
    ii Sa, tui !..vri.\o uk CujiAi.HJ : Pois foi puhli-
    cad-j no ffiano OffkUU.
    O Sit. .ti,-..- ki. mi Heuo :II.on sei, loas 0 Dia-
    noOflkitU nao pode er sempre eooontrado com
    faciIidaJe, principalineuie quandp e de data atra-
    aada, como agaelle a que rrfere-jc 0 iiobre de-
    putado.
    0 Sb. GotvBS Feubesra da umaparte, quo
    nao ouvimos.
    OSii. Manss'. di Heoo : Estou expondo as
    razoes que taatu) par.i apre*e*iae 0 lueu aaaaaatr^
    mento ; 0 nobre deputado vouira corao-entender.
    O Sa, GoNCAb\Ks Feiiheira 0 nobre deputa-
    do queiitolher-me o direito de dar apar4es?
    0 SE%MA.N0Er. 00 Hego :Xio ^uero telher esse
    direito^ aseoas digo quo o nobre 4ep como qtelhor entender. Tambera polerippergun-
    - de juiUptar um reoiierimento que veu aoresentar?
    Comiia dizeodo, Sf. pnuidftUe, este regula-
    mento teat dado lugar a variaa nepresentapilej,
    3uo tea ttio levadas a pres*n.;a do Exoi. presi-
    ente da proviucia, 0 que nao dew per carlo ter
    passado de&apercebidaroeate aos roeiobiios dsta
    assembiea ; coo em, poi, que souatos, como de-
    vemos jar, pelo bem estar de nassos eomprovin-
    cianos, proenremos ter pieno confaecimeoto das
    disposiaBes deate regulamento, aim de qae, apre-
    ciaodo-JH devidamente e ecu madureza, peesamos
    reformip aquellas que tem-w tornado na #ratiea
    vexatu^ia e por ventura inexeiuiveis; e esta araa
    de n>i~s 1 inais importances miMdes.
    O Sr, Fblippe de Agl-biroa : Entao rtofoajpa
    Beforraajr as leis'eos regnjameatns. *
    0 Sr, Ma tori, do Reco : QuaJquer artigo de
    regulanjantn confeecionado pela gresideacia, pole
    aer refMMO por uma lei desta assembiea, e as-
    simoju|nr &>nveniente ; creio ae 0 nobre de
    puudo nao pode contestar-lhe semeJhaBte attri-
    ooicao.
    Em ojuiia- provincias do imperio e de costume
    que os ragalauientos exoedidos pela presideneia
    jsejam ajjMieados juntamaaie eom as lei* coafec-
    cienadaj pelas respectiraj a'ssenibhUs prprtneiaes.
    Este cofMsae, que tern toda a razao de ser e sua
    saturanaapHMaaa.-m atteaderrao* a qne esaes re-
    gulameotos, como ji tive occasiao de dizer^ 4p
    equiparados as mesmas leis, pareee-me digno de
    ser irmtadadfltre aos, e no entanio nao 0 tern sidi
    ate boje, nao lei porque inotivo.
    As*w, pois, sa V. Ssa. (atga que a commwsao
    de poiieia .-6 por si nao pode tomar qual.mer de-
    liberacdo a respeito, sem que preceda requerimen-
    *"' ';v"caS* ou projecto, como quer que eluraem,
    de qiai(|fder njemfcrd desta efts, nao terei duvida
    alguma om satiifazer a exigencia de V.-fixc.
    quem pec.1 a palayra,
    racerrada at discussao e rejesiaab 0 projecto.
    M86.
    man da r collocar 15 larcpeoes na^vijja do Bonho ;
    0 de n. 89, eoncedfndo ao barr/eiro da casa.de
    detenrao nma gratifica.-.io 'annc'a'f de 200i,
    Sfgue-se a alscussao fl.o projecto a. "58 de
    1878, autorisando 0 presidente da proviucia .a
    mandar admittir no gjinnasio os menpres Fran
    cisco e Ulysses, fljnoi de Sebastiao Jos<5 flp Re'go
    flarreto.
    ^Sr. Himori iioRoso :(po'o ordem).
    Sr. presidente, na lei n. 964 de 23 de julno tie
    1870 esla consignada dispssicao id8ui:ca a desle
    projecto, que V. Exc. acaba de por cm ()iscus-
    sao, e que e de 1872.
    Ris a Integra daquella Iqi : (L<5).
    Admira, pois, como etn 1872 se-apresentisse
    um projecto contendo a mesma disposicap, sobre
    a qua I ja existia le"i-eqpe'cial" liavia'opus annes.
    cerrantente 0 aiitor de?te projecto desconhecla a
    exisfenria da Id ti. '964.
    EticliTada a di-cussao, e rejeitado 0 0rQjectp,
    Entra em 21 discussao 0 pjreletSlo n. XI 'de
    1872, autorisando 0 presidente da proviucia. a
    cbnt'rata'r o cbricerfo 'do ediflcki' que' serve de
    cadeia u paui da camara municipal de SerT-
    rihiem.
    O Sr. itatin r Si^ya : Sr. presidepte,
    como autor destc projecto, coiisidero-me na ri-
    gorosa obrigatao de, fazer breves coniderac5es
    acerca da sua utiffdafle.
    0 Sr. Gaspar be.,Diiummond :-E' uma neces-
    sidade publica.
    0 Sr. tl.vTts e Stlva ..- 0 projecto determina
    que se antorise e presidente da provincia a cpn.-'
    tratar ns concertos de que careee 0 ediQcio que
    serve de cadsiae de paco da pamara" munici-
    pal da villa do Serinhaem.
    Esse edifkio, Sr. presidente, qae outr'ora foi
    muitissimo Hnpbrtante, luge, sem duyija nao
    0 deixa de s.t. ainda porqjie, mesrno como esta,
    nao vale Mends de :t0 a 40:000i, entretanto peja
    acrno do tempo tern se arruinado, eacha-sjj
    quasi a cahir'; e, para que se nao perca um
    edilicio tao bouj, e tao necessario, taino mais
    quanta nos temos pelo cen(ro falta, a$/t>nas ca-
    deias, me, parece jusjo e cqqvenicnte que se
    evite esse prejuixo a provincia o'que se trate de
    conservar essa boa caueia da villa de Serinhaem,
    despendendo com isso nma tao pequena quantia.
    0 Sr. Goes Catalcan te': '.Quo seria muito
    mais insignilicante se as repafas fossem feitos
    ha mais tempo.
    0 Sn. Ratis e Sii.va : ^enyduvida. Se os
    concertos fossem feitos aterrapv certamente ira-
    porlariam em muito menor qoauJia.
    O Sn. Kki.ippe db Pioceiroa 1 Facam-se as
    desnezas por conta da municinalidade. (Nao
    apoiadoj. )
    0 Sr. Ratis e Silva : Como e i|ue 0 nobre
    deputado diz isso ? Pais nao sabe do estado dos
    cofres das municipalidades d provincia ?
    0 Sn. Filippe de Ficueiroa : Sei tambem
    que os diuheiros das municipalidades do cenlro
    sao esbanjadjs.
    0 Sr. Raiis e Sjlva : Mas isto e uma cen-
    sura que 0 nobre deputado lanca com toJa a in-
    justica e vai offmder a todas as municipalidades.
    0 Sr. Felippb de Fioueuioa : Va a quem
    toca.
    0 Sr. Ratis e Silva : .. porque se se pode
    apontar uma ou outra camara municipal ]ue haja
    procedido iqal, outras muitas ha, que procedern
    regularmente. 0 aobre deputado c bem injusto
    quando lanca uma censurageral.
    <)8r. Fblippe bh Figueir'ia :--l
    fa I lei em these, em geraL
    0 Sr. RatIs k Silva : Ahi -c que e justica, contra a qual pretest).
    Como dizia, Sr. presidente, cow uma pequena
    quantia, talvez que com i ontos de reis se possa
    tuer os reparos de que precisa o edifieio.
    0 Sr. T serain que cam seis contes de r6is nao se faz 0
    concorto necessario.
    0 Sit. IUtis e Silva : E as-.im se pode eon-
    servar na villa de Serinhao.n a canleia, que alias
    e uma da? melhares qae temos pelo centra, sem
    1 uaiores dispeadios da provincia.
    Nao e isto uma tao granle qumtia, que possa
    cauaar estremeciraento wn cofres arovineiaes.
    O Sr. Tolemtixo bs Carvalho Se fosse se
    esla, bom seria.
    0 Sb. rt.\Tis a Silva : 3iaa sei o qua a casa
    decidira ; estou me referiudo a cadeia do Seri-
    nh5ra, cujo concerto d 0 qae sa determina nesta
    projecto. Com 2 contos do reis, quantia pequena
    e insignificante, se pode fazer esse concerto, *
    nao e isto 0 que vai pesar na balanca das linancaa
    fovinclaes. "^
    0 Sr. Felippb e Figubiboa : Se o nobna
    deputado volar coaigo pela suppressao da eour*
    grua dos coadjuctores, votarei pelo seu projecto.
    0 Sr. R\tis e Sh,va : Porque razao me imT-
    pee esta coadifae ?
    0 Sb. Felippb be Fioueiroa : E' para havee
    dinheifo, aiim de se faaerem esaes concertos.
    O Sr. Ratis e Stlva : Se 0 nsbre deputado rod
    proccetter que ha de votar tambem contra tod.4*
    as despezas gecaes, que nos aaui appro-vamo*
    todos os annos, como as da policia, eecretaria da
    goveroo e outras, eu entio concordaret em qud
    se vote -contra as eoogruas.
    OSr. G. de DRDasteco .Entao acabe-se cona
    forca pelicial, secretaria do goverda," sustecutf
    ES
    conc^lea
    Breja,
    i * 0 Sn. Tj
    nas mesa|
    Abjam :
    em a.-ta
    i|uaec
    n
    roalisauos
    de
    te
    a
    n
    pr
    AN.^
    Cootimia a V dis
    69 da I860, altera-i
    ^irado Cirmo'd.^ia cidade, coai
    recida pi > Sr.-ttiiaBirdo Rego
    O Sr. 4. hi par dtc DriiiMniuuil : (Nao
    devolveu seu discursaArf. i a
    Ningnem mais pedflBlftaala^a, ancerrPle a
    discussao, e proredowR-1ra*vTOrJo, sio rejeitados
    0 Maja^te 0a. ^MiT^nda ..
    O Hr. Fviipru- dc Piguclroa (pela or-
    dem) faz algumas consideracoes sobre a volacai.
    Entra em 2" discussao 0 projecto n. 14 de 1871,
    j^UloriSMdo presidents da proviacra a aaandaa.
    censtruir 0 primeiro lauco daestrada cntrc a vil-
    la do Caao e a ponte do engenho Pirapama.-"
    O Sr. Tibm riA do >I:saII;'^ Eu
    creio que 0 priraelrt> lan^oda eatrada, de que falla
    0 projecto, ja foi autorjsadq pela prosideucia dal__E' ttmbein IM11, apnjailn -p. nntra f~i
    [iravincia, mandado arrematar, conslrwdo ereee ~
    bi-Jo provisqrLamente em princioio 014 weaJo de
    f..vl*r..liA :'
    foi n i
    ninoCandilo do I'l^najoriBLMia iu^eri
    servir 0 lugar de apouuJoi do arsenal
    arinha. w*
    inquerltom policiaos.-Tiveram 0 con
    OS OllfiJivara.n d affailn
    em a a attbdl"gacia do
    Baptista Bez.'rra,^or en
    [a pessoa
    ento; e B.]o*i
    victiina Mafia
    m
    1 DBerii^Hio
    imadeef. i I
    .1 sobre igi|al cri
    Francisca.da Con
    re%*ainrt;<>. 0 novo prazo de 30
    annuqeiamos em. 18 do eorrc'roe^ter sido
    anlHtm igwalmonle
    mmtitMz'MP^itM* de
    discussao as seg'
    Igual amorii
    Olinda, aagmentande-se a,quota cam mail 6;000i.
    .G. rtatf.O0 .aftim aA,aisJ b vtar. 1"
    Pesqooira.
    AlU1esento osm
    0 erne
    irpjectos .as. 32
    metya provincial. .pik^f/. P&#*
    ^ Sr. Portciia : ( Nao devolveu
    irscurso.) MATUli
    i) Nr. i".Ii|>A<' dc I'i);ucirA diz q.UC
    vota cantra 0 proje3to, etnendas, e requerimedto,
    porque acha meluor que 'n^M do onjadi^nto se
    : con'igne a quota uossivel para os concertos dc
    easas de camar^ e de cadeias, ficando apfjJWfin,-
    cia 0 afvitre de preterir aquedas qae ruais urgen-
    teme'nie os reclamarem.
    OoSr. no'nat'ugos Plnt;-Sr. presiden-
    te, faj apresqnLadij como enieada ao pxqjaolo que
    dias, que
    onccdido para.p.-^aincuto dos debitos proveniea
    tes de collocajab de apparelhos. entjaunamento e
    annuidades do-servico da eompanhia'urainage, en-
    tende se com os que sao felativos as ruas seguiu
    mesma cadeia, ja iorai*"feites desde 0 auno passa-
    zao
    : ser, porque.os reparos de, que prccisava a
    OeJowdq Rego, da.Ubit do Carvalho,
    Fraucisco, Iravessa da rua Bella, rua da Iloda,
    largo do Paraizo, travossa do Marquez do Recife,
    rua larga do Rosano, bacco da Mainz, travessa da
    Matnz.dos Bpostos rlii u Patos, travessa dos
    Qaarleis, rua dp.. CaJaboucQ Kelbp, travessa do Ca-
    lalonce, beeco do Calabougo, ruas de Santo Amaro.
    do Marquez de Uerval, Duuue da Caxia-*, do 1'ri-
    meiro de Mar.:.o, do Cabuga, do BarSo da Victoria,
    do ^nperador, das Larangeirai, das Triracheiras,
    oe r;ilmoT;amara, do Caes Vinte e Dons de N
    veaibto, travessa das Fl ,re. rua de Malhias de Al-
    K* disetmao iwtyTTrraeirmenta-r ------- bfiquerqne, da "PazTesireita do Rosarm," travessa
    '<.yujuair*.iua-a dwc#ja^idi> 8Coiecto*-anjea-; :das Cruzes, rua do Ltvrameato, de Marcilio Dias,
    dajs.ya a had* m quPisaiviMBO**, lei ito-OCi-*-. Uravasaa dp S. Pedro, rua te Fogo, travessa do M-
    i vraioento, da Carina, da Botnba,'de S. Pedro, do
    su Carmn, do coronel Suassuna, iravessa do Quei-
    maqp,
    *. d Palaua, Monujoras dessa rua
    atteqto 0 estado de inundatao em qae se acbi a
    mesma, pedem que, quando m.aia nao possa ser, a
    camara municipal a soccqrra com a abertura de
    um rego que facilite 0 escoaraeoto das aguas que
    alii estao represas. Se a chuva- contiauar, como
    ajaeaoa, bavera necessidadfl de salva-vidas.
    Amor ao omIiuIo. --Nossa sociedade htta-
    raria bavera amauha sessao exiraurdiiuria na rua.
    Direita n. 100, i.elas II boras da man hi.
    He-rinaaot.Segundo telagranima da Pat*
    deve d'ahi aahir para New-York por S Tftomaz.
    amauh.i a tarda, 0 vapor amaricaao Men-muck.
    i Liverpool, sahio bontem a tarde do portoda 11a-
    bia para os do Lisboa e Liverpool.
    Aualcrtti-i. Aumnlia completa 77 an
    aos de idade 6, M. 0 imperador da Allemanha.
    *# pulu*a<;es.0-Sr. 8. L. Gamier
    Iivreiro editor do Rio de Janeire, acaba de ang-
    mentar a sua callec.ao ou bipliotheoa de aigibeira
    com a pulili^acijj le Ices novos romances do sem-
    pre apreciado rpmaucista francez Xavier de Mon-
    tepio, denominad#s : -0 iBigams, etn-quatro vo
    lumes0 Amanle de Alice, em dous volumes --e
    4 cmdessa de Nancey, em dous volumes, cada um
    dos. quaes se recoiqjuanda, pur mais de um ti-
    lulo.
    Acham-se 4 venda nas livrarias desU cidade a
    I ^000 o volume.
    - 'idadn> dc Olinda.Amanba a Urde sera
    ,ejpota a veaeracAp dos liei-, em solarane procis-
    sao, a imagem de1 Nossa Sefjhora da Soiedaje, qua
    se yenera na igreja^da S. Jo in Bapijsta,' 0 trajec-
    to da procissjo sera pelas pr^cjuaes. ruas desaa ci-
    dade.
    ' Bcnacdlo contra a dor d,u a.-m.-. -
    Logo que Vos. doer'uin dsnte tumai um pViac-j de
    zinco, do tamanno. de qfna,naoeda de dez reis, e
    uma inoeda op 50'J rfiis; ponde estes dous inetaes
    um sobre o outro e applied qs sobre o depte quo
    vps doer,,. Se a 46r fur nervosa elh^ vq* deixara
    com esie simples remediq.
    Bctncdid contra o i-li.-uiuaii-iuo
    lomnnr.-QuariJas vezes naq vos leri am nleci-
    do licardei tolhidas nos mpvimentos de uma parte
    ar que
    u mesmo
    do. Aohq, poriai^p, desnecessariojvo}ar a enienda
    de que faJlo, porqjie o projecto a que QUa, se rele-
    m iijp tein mais razao qc ser0
    0 is'. J.ue Hf.lLo Rkga :Ficara aautonsaijao
    para quando houyer neoessidade' do i^atro cun-;
    ceito, .
    0 iRj DuMkNGys Plvto : -Estou certo de %ue se
    passatab mqitos aunps sem apparecer essa neqes-
    sidade, porque a" cadeia'. esla em muito turn es-
    tado.
    O Sr. J. op JJellq R^co: -Tern ca.deialpara fillips
    e netos.
    Le* se, e apxiiada e entra tambem em discussjip
    a. seguinte emenda aa requerimenlp :
    ' S"5 P*?sai iiftHJfifill? do Sr- P^^Ha. eJa sem
    prejinzo desta aiSLTfssSB.-Dr. ManOetao Rego.
    O Sr. 1.! nli*o do < 'an a I Ho diz que
    podenlo er que a casa approve nao so "o projecto
    ccmo todas "lnVe#fas, julga convenient*- obser-
    va
    a
    ar queexiste perPeito engano entre o proiecto'e
    emenda no nobr'e deputado pelo 1* dtsWclb, o
    qual concede ig*"> aqtorisacao ao presfdente da
    proviucia para as concertes" das cadeias de fes-
    qjaeira e do Brejo.
    0 projecto concede antorisacao para epresidenr
    le despender somenfe a'qnaritia de 2:0063 com
    o^ concert.is'da cadeia de Serinhaem ; entretaato
    qjie o or.ainento fei'tft- pela reparticao-das obras
    ppblicas para os da cadeia de Pesquoira b de mala
    dp 4:000*. Por-conseqnencia a emenda autorisa
    o presideute.a gwtnp 2:060* com uma obra orca
    da em mais do dobro dessa quantia. "Embbra
    se diga que deve subenteiider-se b 'augment-) da
    verba, parece que precisada como esta a quantia,
    nos termos da emenda igual autorisafSq nao
    ppde o presidente despender mais do qne aquillo
    que a assembiea o autorisa a despender.
    Assim entende o orador; certo de qne a casa
    decidira c mo julgat mais convenient, sendo bom,
    como pondera o nobre deputado, emendar a redac-
    fio, augmentando so a verba.
    .Ningnem inais pedindo a paftvra, enctrra-se a
    discussao e e appruva'do o requerimento Je- Sr.
    Pertella, sendo rejeitada a emenda do Sr Manoel
    do Rego.
    Fica, gortaoto, adiada a discussao do prcjepto
    e das emeiidas.
    E' seni daeato approvado em 3' discussao e re-
    mettido a coaimissao de radaceao o projecto, n 39
    de 1873, desmembrando da fregnezia de S. J*e de
    Agua Preta as panes do- engenhos Oaclioeira'Lisa,
    P^cos Alegre e Capoeiras, liiaudo os mesmos en-
    genh- s em toda a sua iutegndade pertenceudo a
    Ireguezia de Gamelleira.
    Entra Dnalmente em uniea discqssiio oproject)
    n. 80 de 1870, appravando alguns ariigos addicio-
    naes as posturas da camara municipal de Ipo-
    jupa.
    Indo proceder se a vola;ao, reconhcce-Si nio
    haver numero.
    0 Sr. preidente desina a ordem do dia se-
    guinte e levanta a sessao.
    :W*o especialisei;
    de presos, etc.
    0 Sr. Felippe de Figubiboa : Queav nio soda
    fazer tudo, faz alguma coasa
    0 Sr. Raiis i Silva : Eatao poruue e ba
    cosiecar pelas congruas ?
    0 Sa. J. m Mbllo Hbtio rE, depois, ellas nd|
    estio em discussao.
    0 6r. Ratis e Silva :St. president?, a uti'jt
    ranle
    rao^lles faze'r parte da respectiva ablleccao de
    *>i*. mm***** fonninanuu e distribui-
    das aqnjZ; mas, a paeo a V, Brc. qae ae digne de
    manda-Ios impnrair com urgencia afim de serem
    igualraente diitribuidos nesta casa.
    - '? lL^ae tiDha a Pedir'e agiWdo a deeisao de
    oe V. Exc.
    dadq que resutta da materia' dfo pro|ect-j, estJ
    demauutrada de modo qua os nobresnepetadoa
    nao ice podem eontestar, e apenas, erri aaartifl
    me dizeui que as despezas devem eorrer bob)
    conla da retda das camiras manieipaes ; laocata
    contra asjmesmas camaras ceasuras injusf"
    entretanto gue nao pxnduzem razfiea que poss.
    destrofr as qne acano de apresentar com re!a*
    a utilidade i0 projecto.
    Assira, convieto de que esta casa, esta certa de
    sua utilidade, conflo nV seu patriotlsrao, e espero
    que vote a favor do projecto qae se diseute.
    Sr. tpar mas cinsiderac/o-'S. -
    O Mr. Tlbarcio de Magalli&ea. -
    Sr, presidente, aeudiado ao appi;llo qua fez o
    aobre collega qua acaba de aeatar-se devoax
    pemlar to
    REVISTA DIARIA.
    AsseniHIca aroviaciat. -Ilontem fuue-
    cionou com 10 senbores deputados, sob a presi-
    deneia do Sr. Dr. Agqiar.
    Approva las as actas de 18 e 19 do corrente, o Sr.
    1 secretarij.leu o seguinte expadieute :
    Um offlcia do secreiario do governo da pro-
    vincia,;reinBliend.Q artigos addidiyos as posturas da
    camara municipal da villa de Palmares. A'
    couiraissio de posturas.
    Outro do mesmo, transmittinJo por copia as
    inforuiacoes ministradas pela Santa Casa de Mi-
    sericordij acerca do contrato do servico mor-
    tuario.A* quem fez a requisicaq.
    Outro do mesmo, remattpndo a representacao
    qae dirigo a camara municipal le Barreiros, pe-
    diqdo a consigaacao de uma verba de 6:0J04,
    para a conslraccab de uma pontp sobre o rio
    Carima.A' commissao de "obras publicas
    Outro do mesmo, rerqetteudo o bala'pcele da
    camara muaicipal da villa da Granito.-A' com-
    missao de orcamento municipal.
    Outro dp mesmo, transujittiu lo as iafonmedes
    do inspector da, alfandega, acerca da publica-
    cao que Fez o /ornu/ Ao Recife, sobre o deposito
    de viuhos trazjdos pe.lo navio b,espanhi Caodu-
    tpe. A quem fez a requisiclo.
    Uma peticaode. J.o.ao da Silvpira Borges Ta,vo-
    ra, procUrador dos presos pobres, pedindo que
    se Ihe marque um ordenado por aquelle servico
    A commissao de petigSes.
    0 utra dos arrematantes da estrada do norte,
    entre acha da Mangabeira e Bujary, pedindo
    absplvicao da multa e prorogacao do prazo para
    o acabameato dareferida estrada.-A' commisiao
    de peiicdes.
    Outra de Abdias Ribiano da Cunba Sallps, J'
    esqripturario do consulado provincial, pedindo
    um anno de licenea com to Jos us seus veaci-
    meptos.A' commissao de petic5es. '
    Outra de diversos cidadaos, pedindo medidae
    que nio offeadam a liberdada do impioioVoS
    e exclusivaraeute dos tstrangeiros, a acreacaede
    urn. imposto de 6:Q00< a cada caw de commaT
    CIO a relalll". Ulin nan ulmliii. ,I...:...L.._V7-
    te vosso corpo em copsequeqeia de algum
    panhastes pelas cosies estaado suaja, bu
    sem'que pq-sais apreelar a causa? pois bem, eu
    vou vps ensinar um ruiiiedio, cuja ellicacia ja ex-
    Denmentei cm mira. Logo uue vjs sentirdas ala-
    cada desse mal raapdai, aqulcer modecaipenia, um
    botao de ferro Farma chata, e tocai rapidamente
    Com elle repetldas Vi>* an Milnr iin Inrr.n iljoni..
    Se o ma( for em
    cio a reulh-i, que nao admittir expJiwvamaa?e>
    caixeiros brasileiros natos. A' eomSssio' de
    onameaj W8V4WM-
    Foram tara]Nim.]idos e approyadpa traa pare-
    ceres, sendo am da commJlSo de--redaccao, so-
    ira o projecto b. 3^ de 1*73; qutr* di eem-
    uiissao .dfluheuttujr, coimercjo e obras pu-
    libqas, ladeffirinao a peticao do Costa Ma'ia & C
    e futra da co(nnMWq_de e-waUttica*, e nW
    se*, acerca da redcap pap sflpSada%e
    orea 2i cadfiiraii de inslr^caq prfrrwr^ToradX
    sabre eate p %r-H4a.e Silva.
    L ccnsiderando objeeto da deliberacio, man-
    ^LWt J:Brojacfe flue resuara a
    aatiga yrila do Exu', mareando os
    limMes.
    ._ ^ qne penso a respeito do uraiecto am
    yuanto, _porem, aos rertjlamefltos expedidos du- diseasalo.
    ?"lfi.lan,n6 P***86 P*14 ir!idencla,-iapode'- Os cenoertos das cadejas a0 ^'Alho a
    Goyanaa foram feitos a ex .^psas dot coin* pro-
    ?inciaes. 'Ora-, estaado aas .neemas eoodicoas o
    eJtfleio em que funccionam a camata utuoioipai
    e a cadeia da villa de Serinhaem, eu eniea*) que
    e da toda a jastica qye,tarapem delos cofres
    proviBdaes sejam feitos os rerpeetlvos concertos
    Mas en vou offerecer a e?ia casa uma emenda
    rVsaado a ordem do dia.
    r-espectivos
    foi rajeoado em t* ]
    e approva
    1871, que auto- los pulmonares.
    ^.OU* nap possajs. yoj ma-
    masfaze^ esla^ra^Irj n^lai-a, executar por
    ^jp*d'S '^^ftW-* a '* e a rou-
    qutdao. -netguoytflo um pedaca de flanella
    em agua fervenip. boj'ril^-se com esien:ia de te-
    rebentina e appllca-te soqrq o paito da oe^sba
    doente que nio .tarda, a seniir o ailivio proJu/ido
    por esta qperacin.
    Outro c oiuro o dciliaxw.Quando scn-
    tirdi'salgara deffuxo fazei o cozimento que abaixo
    vos ensino e tumai dalle uma chicara ao deitar-
    dos e serapre que vos sentirdes atacada de un ac-
    cesso do losse.
    Ponde n'uma pauella nova qualro oncas de pas-
    Uas a quatro oncas de pios d'alcaijuz; fazei ferver
    de vagar ate reduzir a metade da agua qne deve-
    ra ser dez quartilhos.
    Logo qpe esteja reduzida a ciuco quartilhos,
    ponde Ihe quatro oncas de assucar candi, e passai
    por uma penaira fina, logo que elle e'iver dissoi-
    vido, junlai-lhe uma colher de rhura velho, e uma
    de suinmo de luuio.
    Este remedio tornado logo que comeca o mal e
    do modo acima indicado nunca deixa de proJuzir
    o seu beueJieo eifeito.
    acmedio contra a cnxaiiucca. Se
    a enxaqueca nan fur proveniente da algum emba-
    racp gastrico ve la-heis desapparecer como por en-
    canto com a applicac4o na testa de paunos molba-
    dos na seguinte preparacao que tereis grande cui-
    dado em que nao vos caia nos olhos quando lizer-
    des uso della.
    Fazei derreter em 32 oncas d'agua, 4 oncas de
    sal de cozinlu ; juntai-llie 2 oitavas a meia de al
    coj| acamphprido e 18 oitavas de ammoniaco li-
    quidp.
    Quando qnizerdes fazer usu desta preparacao,
    agitai-a antes de luolhar nella o paono qae naveis
    do por na testa.
    Hi-modin toiilrit < oi lew on pi-lladll-
    rai*.-Eis minhas amaveis leitores tres ou qua
    tro incio* pelos quaos pojerais eviur que se vos
    iqfla,mme o lugar qua vos acoatecer corlar ou pel
    mi
    Ponde no lugar olt'endido papel queimado, ou
    erva celidonia amarella, passada em azcile doc*.
    ou cobri o lugar com. lafeta inglez, e se nao tiver-
    des dado tempo a inllammar-se a ferida, vereis
    que com applicacao desses meios o obstareis.
    Loteria.A que se acha a venda e a 93.* a
    Uenelicio da matrix de Muribeca, que corre no
    dia 28. .
    Casa de tleteayxko.Jlovimanto da casa
    le detencao do dia 19 de marp de 1874 :
    Existiam presos 297, sahiram 4, exis'.em 293.
    A saber :
    N'acioaaes 229, mulhores 8, estrangeiros 23,
    escravoa 31, escravas 2.Total 293.
    Alimentados a custa dos cofres publicos 240.
    Mowraenlo daenfermaria no dia 19 de maroo de
    1874.
    Teve bajxa :
    Thoraaz Antonio de Gouveia, rheuraatisrao.
    Jose Marques da Silva, cephalalgia.
    Tivera al(a :
    Emihano Jose dos Santos.
    Vaierio Gouies de Souaa,
    Domiagos, escravo de Francisco do Rego.
    , Ceiuitcario publleo -Obituario do dia 18
    de marao :
    Ole Gftbart Baotinoteck, branco, Noruega, 21
    aaaps-,eltaiiM, Boa-Vieta, hospital Pedro H, febre
    mmSL
    Adelino R .drigues da Silva, branco, WrtogaJ,
    19 ajino^aolliiro, ReciSa, febre amarella.
    AdoJone: Burtai, bfanoo, Fraaoa, M anoot, sol.
    teiro, Boa-Vista, febre amarella.
    Joae do Aantps Oliveira, branco, Portugal, 24
    annos. salteu-o, Bva-Viata, febre amarella.
    Isabel Majia do EspiriW Santo, aardu, Peroam
    buco, 60 aMBos, viara, Graca, eeiigas.
    Adelaide, Branca, Pernambuco, 3 mezes, a Aa-
    tomo, hepatiia,
    Amelia, branca, Pvrnambuto, I aano, Boa-Vis-
    ta, convuWee*.
    Antonio Martins de Carvalho Azevedo, branco,
    rW,
    Maria Uatboj* de Ssuza, parda, -Pe.-narnbiK-o
    l9.aunos, sj lleira, Graya, beaigas. .
    Jacintho Pereira da Cuoha, p;elo, Piauhy, 2Z
    annos, militar, hepatite chronica.
    Julia Clementina Camargo, branca, Pernambu-
    28 annos, v*a, Boa-Vista,- !ul>?rculos pnl-
    onares. M k
    Francisca, ftoncaj. Pernaiabp-;\ 4 mezes, S.
    Boa-Vis-
    . OKinca,. -.
    Alexandre Manpel Ja.- Jose, Moge^tio cerebral.
    Maria, brauca, PetMuabucOj 3 mezes,
    la, convulsdes..
    PARTE
    PARTIOO COHSEItVAOOlf
    RECIFE, 19 DE MARCO DE 1874.
    Na deftctencia de factos pratlcados pelo illustre
    adininistraJor Sr. Dr. Lucena, ijue im.-recam cen
    snras, oorgSo opoicionistaoccup>-se em cousas
    de minima importancia, sophysraan lo e adulte-
    rando tudo, sem que d'ahi resulte nenhum inte-
    resse pnblico,
    Pois bem : satisfaremos o compromisso contra-
    hido era nosso artigo anterior, analysando um por
    om os imp'ortantes serviyos feitos pelo honrado ad-
    ministradoriduuos a3sim occasiao a uue a oppo-
    sifab conteste or factos, e em vista delles demons-
    tre se ha razao para essa onppsicSo intolerante e
    parcialissiiria, de que e orgao a Provincia.
    Ja ha muitos annos que se fazia seniir a grande
    neeessidade do estabelecimento de um matadouro
    publico, com as accommodacoes e melhoramentos
    existentes na Europa, e de logradonros qne servis-
    sem oara os gados desiinados ao cousurao desta
    importanle cidade e de seu municipio.
    0 activo administrador nao se fez esperar.
    Autorisado pela lei provincial n. l,t(H, de 28 de
    maip do anno passado, e depois de aberta a con-
    ouxrepcia por edital, contratou com Augusto Cesar
    Fernandes Eiras e outro em data de 9 de Janeiro
    deste anno aquelles services.
    Foi assim satisfeita uma das mais urgentosne
    cessidades da provincia, sem dispenlio aignm para
    Seus cofres.
    Quem attender, porem, para a- JansoJas do
    contrato vera que os interesses da provincia foram
    attenlidos a todos os respeitos, sendo que, Undo o
    praso do pri/ilegio, que e de 20 annos, sao os
    contratanles obrigalos a entregar, sem indemni-
    Bead alguma. todas as obras e lograJouros em
    eetado de perfeita conservacao a camara munici-
    pal, como propriedade que Ihe fi;ara perten-*.endo
    d'ahi por dianle.
    Este acto do illustre adminlstardor nem a> me-
    nos merecau as_ Ijonras de uma noticia da mais
    intolerante orgao da unprensa opposici inista.
    Em uma qqeslio dessa ordem, em que os mais
    sagrados interosses da provincia estao erapenhados,
    njio 6 licit) o silencio da imprensa, sobre tudo da-
    quella qne tern por missao especial iis:alisar us
    a;tos do governo.
    Os hoqieps imparciaes qqe digam o qne siguili-
    ca o pro/undo sigillo qae a Provincia guarlou
    por occasiAo de ser expedido 6 acto de 1 le Janei-
    ro deste anno ; se eua reserva nao e o reconheci-
    rqentbtacito do granle service prestado pelo bon
    rado Sr. Dr. Lacuna.
    Com effeito nao se pode explicar de modo diffa-
    rente um tal procedimento, t into mais quapto os
    factos o van pr-^vando.
    Todos ja cmhocema reform.i radical- feita pelo
    iHu'tre administrador no caduco regulamento do
    corpo de policia.
    Essa reforms, ja tambem ha maito tempo recla-
    mada para a boa regularidade do servico publico,
    satisfez I todas as exigencias.
    Delia se occupou a Provincia em termos lison-
    geiros, mas som^nte para dispensar elogios a um
    dos illustrados membros da eommisslo encarre
    gada da cuiifecgao desse trabalho ; elogios que tao
    bem mreeid imenle foram tributaJos pelo hon-
    rado Sr. I)r Lucena.
    Em todo o caso os nossos adversarios, posto
    que injustos e parciaes, reconheceram a utilidade
    e grande merecimeuto do novo regulamento do
    cprpo de policia.
    Entretanto nao concluiremos esta parte sem
    lembrar que o deputado Silveira Martins ainda ha
    bam pouco tempo, a proposito do decieto que
    creuu mesas de exames nas provmcias em que
    nao existem academias, dizia: nao set onde na
    nwis merccmento ; se na concep<-ao dn id*a, ou se
    na sua execucuo e rtspnnsabilidade.
    0 deputicfo rio-grandense referia a opiniao por
    el|e manifestada na camara dos deputados, e que
    ria ter a gloria de ser o aut^r da id& contida
    naquelle decreto, expelilo pelo illu'trado Sr. mi-
    nistro do imperio. r
    0 nosso easo e um pouco differing.
    0 honiado administrador foi o autor da idea,
    exeeutou-a e por eila se responsabilisou ; se com
    effeito ine-wee elogios a illustre commissao ira-
    cumbida de confeccionar o regulamento, nao o
    merece menos o distincto Sr. Dr Lucena.
    No contrato Recife Drainage para esgoto e as
    seio da cidade, S. Etc. conseguio, estando elle
    em plena execucao, uma modificacao de 10 por
    cento sobre o preco da canalisacao e 12 sobre os
    apparelhos de elasse intermediaria, resulUndo
    d'ani am abate, nas conias ja apresentadas em
    favor dos cofres da provincia, de 27^181/467, ten-
    do igual direito sobre as contas que tiverem de
    ser apresentadas pela companhia.
    Se nao era possivel modificar aquelle contrato,
    por demais oneroso a provincia, naqucllas dispo-
    sic5es, que maior dainno e embaracos acarreta-
    ram a provincia, todavia o accordo celtbrado pelo
    presidente e a eompauhia foi de grande vanta-
    gem.
    Conlinnaremos.
    'lo srriiti
    ptfis mft
    jilal
    I.
    ?tmicAceis A FEQID*
    ra n
    < iiiviioo .liabiliUiay j
    i! h6s jr.ga a anr a as m ni
    tra/icancia. ^m0t ^_ ^
    Ora diga-nos, Sr. Dr., porque antes !c
    cbegar a precatoria de Mamatiguape, e an-
    tes da jer aqui conheciJo o (topaclio u> 9.
    S. peeuiaii'la cumpri-Ia, haTtatn os rredores
    ile amearor coo. a iaaprcust um juiz coo-
    ceituado e contra cuja'jusiica e | rutiil'ida-
    -ta ninguem ate a-iui tnha rrguilo a
    voz T 6
    Estas circumstdiietaa, se oio couibiuaia
    entre si, ellas estabeleeem a itaerosi nilban-
    ca, que e um dos mo se da a conhecer.
    A nao suppjr-se os oredores de seu ami
    go Pedro Lopes, mna sucia de douJos, nao
    ba a fugir il.-ste diltwinia : ou nao aeaa
    de que, antes de chegada a precatoria a
    Mamanguape c antes de ser aqui c-mbeci-J)
    0 ile-paclio de S. S., os creJoiea outcast
    sem a justica de Mamaugnapo com a un-
    prensa, oo. de alnumn timsa tinh m < s
    dores conhecimeiito do molo a s-.-rcm !-.va-
    los a manifestar tal preven^ao contra
    juiz.
    Se este era geralmente ccin menos rorao t'nham os eridores para Jn-
    confiar do sua justiga, quant-j o quo UaitV
    vam de obter tm Mamanguape n;io era ^-
    nao o cumprimento >\* um deprooa4o da
    respeitavel juiz especial do nnrneri-io Jes'.a
    cidade, devendo S. S. adroitti-, qua, pel>
    menos, o que os oredores requerera lutiajja e
    tern em seu favor a presumpran ita jurti a.
    pois a precatoria (ni passada f depois de u r.
    jultjameiilu profc-rido por aqyuU IllusUa-io
    juiz. x **
    Diga-nos mais ; quando o assumpt) pr.
    cipal de nossos artigos tern sjJo o procei!:-
    mento de S. S. em relafao ao n..ss) hor.
    devedor Pedro Lopes de Mendon-.a, |>->ra)M
    poe S. S. esse assumpto ile parte pira o
    parse exclusivamente da questio do ter h-
    vido ja algum litigant-- que deuuii:ias^
    seu [irof -.limmito como juii?
    Neste pooto queita-se. S S. de o hriMs
    calutnnia lo ; mas o que dis-:emo; sobreM#
    ponto, S. S. o i onfirma. Dissetaos q^e j
    ak'uem se havia queixado do procediineoto
    de S. S. como juiz, e S. S. em sua f>?r?s-
    poml-iiicia dd-nos noticia nao so de '-.-.nn
    queixa', como de duas !
    E houvessein ou nao quoixas, mas etiaro
    senbor, a questao e e S. S. nesse negocvi
    tem feito justi>;a, t u tem-so constitui-Jj
    protector do devedor frauduleuto.
    llospondam-nos aos factos qu-. temos oar-
    rdo e aos quo continuaremos a narr*-.
    nada a-liantan os elogios <-m bocca nro|
    e ain Ja menos a apoligiado fallido. L' est-
    um saato varao ; was os creJons quo Ib<
    confiavam suas fazendas e que at<; ioram --
    nerosr-s para com elle, h8o de ver por h i
    oculo a impor'ancia das mesmas.
    OSr.juiz municipal de Mamatijiua^t,
    figurs-nus cbeios de prevencAo e md vonta-
    de para com elle, e d<; odio para com a tal-
    lido. Fstamos aco:tumados is eventual!
    Jades do eomm- r*>, todos os dias su-
    cm-se n-'sta prara l'ollencias, com as quaes
    de certo os credores tem prejuizos notave-.-
    pois que s6mente os do Sr. Pedro tofes
    de Mendon^a, se baviani da moarar ilo.ua-
    dos do desejo de perscguirao, sendo
    al:asu:n santo homem ?
    E porque esses c.-eiores se baviatn dr;
    mostrar, sem justa causa, possuidos
    prevcnc.il) contra o Sr. juiz mut.'.c.-
    palt
    Ab Sr. Dr., nao queira atirar poeira i. -
    olbo^s do publico, os que tiverem li-lo a pa
    cborra de lor os nossos mal alinbava Jos -
    tigos, nao deixarao cegarse : a verda .-
    como a luz, tende sempre a romper
    sombras em que procuram ei.volve-ia.
    Guardaremos para outro artigo a r-.p
    ta que te ;:os a dar ao amigo X., poi- cuia-
    pre n3o abusar da atteii^ao dos Irito-
    rcs.
    Recife, 19 de marijo dc 1874.
    Alguns credores.
    Hinnnaanpe.
    IV
    COMO 0 SR. DR. JUIZ MLMCIPAL i)E MAMAN-
    GUAPE, Manoel Juvenal Rodrigues da
    Silva, administra a justica.
    Somoshoje obrigados a interromper a
    narracao e apreciacao, que iamos fazendo,
    dos mcidentes na celebre fallencia do cel-
    bre Podro Lopes de Mendonga. Cumpro nao
    deixar sem resposta, ainda que ligeira, duas
    publicacoes que a respeito de nossos artigos
    se encontram no Jornal do Recife n. 59 de
    13; do cerrento, uma assignada pelo pro-
    prio Sr. Juvenal, e outra por um Sr. que
    censurando duyidou acabar envolvendo-se sob a inog
    nitaX.
    0 Sr. Dr. juiz municipal de .Mamangua-
    pe, attribue-nos o mero proposito de detra-
    hirde sua reputacao, a qual diz Dao pode >&p
    prejudicada pelo juizo desfavoravel e atre-
    vidp de credores.despeitados. jne $6 querem
    enpontrar juizes facets, instrumeotos de seu
    despeito e cego interesse.
    Diz mais nao ter aiada encontrado quem
    duvidasse de sua probidade, es'ando isto
    reservado aos que acostumados a" arma da
    menttri da traJicaiicia, eqteodem que cec
    tos factos s6 p )dem ser explica-Jos pjr o eia-
    prego de metoa tao-^ ignobeis. Protests na.q
    se haver j^majs alguem queixado de suaj:
    justica, a e^ci-psap do Sr. Barbosa Junior-'
    >9 de Margarida Alves Feitosa
    lemT^uSo'de'n.4S11?& *"?!*I?*& i^^STtoV-TSe7
    ri-a, a coaytrnceaq do uma esirada de" rpdaaeiu
    do Bio Parmuso" a SameHeira, depois de oraF-
    n 73 de
    o ST. Ratis 4. S-Jya.
    B entrando em 1* discussao o de
    i8?*. Wfef'l'W'l.f c,nstrucb M ui
    de SiFW -^ -ftf>' vrfa qo pm
    reeom66Mao-ie flao haver numero para votar o"
    Sr. presidente Ivan to u a sessao.
    A ordem do dia para boje
    anterior, 1" discussao dos projector
    m ta -
    Luiz,GgniiW do* Santos, parda, reraambuce, M
    vutvo, AoanViaja,. hospitaj Pedro it, va-
    Ftaaca, 30 annos, aasado,
    dno m. dtattf iaarUa.
    nnoceHcio Lniz Bezerra, pardo, fo aanos, oa
    aaoojjfla-v'isu, hospital Pedro II, dyarrhea.
    ftPW%f.yflvKBet0- Uahia, 23 annos, sol-
    sra, hoJpTBl Pedro II, phtysica pnl-
    .lKfla,.brMfla.
    ^UosouaJp,
    18^8 ; 18 de 4870 e iO de |87.3 ; 3- do da*. 69 dftMMV
    A tfucstito do Ui-awil c o uaon**-
    hor lint, de ( ninpon.
    Ciiarissime Sr. director da BUM Cafhcti-:
    Turim. 7 de fevereiro de 1874. Chego neste
    mento de Boma. conlentissimo pela maneira pwi -
    que fui acolhido pelo nosso santissimo padre, pe-
    cardeal Antonelli e por outras respeitabilisMi ,
    personagens da cbrle pontificii i'ada vez
    me convenco da rectidao e da justica c m que c j
    tama proeeder a Santa Se.
    Meitra infallivel da verdade, sempre prompu
    onvi-la, ea praiica-la. nao pode, nem podera na
    c.a transigir com a iniqnidade. Os meos desej<-s
    foram satisft-itos : e sabe Dens com qne pnreza ae
    iotenrbes eu me dirigi a capital do raundo ca-
    tholico I
    Agora, chanssimi Sr. director, permitta ,u-
    antes de voltar ao men paiz natal, Ihe agradf ;a
    cordialmente o modo affectuoso c lisoofeifc
    que se dignoa annancir.r a minha viagem a Rorr.a-
    Quando nan tivesse obtido outra compens^-i..
    ao men saerificio, battar me-hia a particular
    nevolencia enconlrada na sua pessoa, cuja arr.;;.
    de terei sempre na conta de um wrdadeire tt-
    souro..
    Com a liberdade que esta amisade me coo
    peco Ihe qne conclua a obra, dignando se reia-
    primir, corrigida, uma carta que julguei necesa
    rio dingir a Voz da Verdade e publicada no n 1R
    daqaelle importante jornal com algumas hfsaeti-
    does e erros. devidos certamente a pressa om "ii^
    foi escripta.
    Apertando-lhe amao, declaro-me com toda a e-
    lima.Devotado e obngadissimo criado. loauuh.
    Pinto de Campos.
    Presadissimo Sr. director da Voz di Verfaw
    Roma, t de fevereiro de 1874.
    Neste momento acabo de let em seu acreditad--
    jornal de hontem um artigo assignado nor nm >,.
    Senbte Brasikiro, no qual enontm insinuaci'V.
    assas drsfavoraveis ao men caracter de sincere ca-
    tholico.
    Nao respondo singnlarmente a todos 'spooio*
    do dlte- artigo, nao so porque rst. u de partid<
    como porque julgw de sorama inconveniencia dis-
    caUr un questao que foi submettida a alia saa.'-
    Jderia dt Santa Se. e por ella res.lvida com a cir-
    oumspeceao e prudencia, que sempre caracterisa-
    tstu as suas decisdes.
    Com qaanto nio tema que as insinnacOcs do
    pseudo-rSacerdotr Brasileiro -possam damnrftca-
    *nea caracter peraote a Santa 9e, com tudo unm.
    a>rei o man aggressor a pnblwar integralm^nte o
    meu ditoarso partaaentar de i\de julbo, afim de
    exacto do
    do que se
    comprornette a trazer documentej peraota o
    publico, e eonclue assevetindo nue nao d* fr*- pu*h possa formar ma]
    via estranhar os nossos artigos, poruue an- ?*** p "**'" iado por am
    Kb, de la cnegar anreGatoria0 coutra4 Pe4r *&**+
    Lopes, e mm* 4e saber-se aqui o deapa- a, troaca o aeoUdneral ooV ai^iio T
    cuq que nella proferio, ja la e ca era elle e da9 ">iaas ideia
    toda a justica de Mamanguape ameacada "*aone"e diseurso proeurei, se:n saenicar a
    com a imprensa, desdea Ctoital de vinria ti >T i. \-AriJL ^Vm\ aeW P"- ,belecer a neeessidade da boa harmoaU nas rea
    vinctd ate a da c^rte do imperto I ooes entre os dou. poderes, maxi.na. trataade^
    bor servico que nos podena fazer o 'de,ojjaierla.mtPtta,coraosao asconfrarias religion*
    Sr. Juwoaleraexhibir-se, na imprensa'pfr **JMii
    cor?"P. ir defender-se,nao cou, h^^Tm^Z mf$3P$Z
    correra co,a es^e seu procedimento seoaa fieW-,^ JMvM ^cJaad**, seme achaaaa *Ti
    ptna oanstrtnar as impuUcoe} que the term* r"
    feilo.
    aP Jw^ta, Sr. Qr^ fftyfa a iio:i,gej>a
    raws oumewsiebwiwut^ar razao a 4#ro. .
    * ; o qaie vale e a reflexi>', o aa
    iciocinio.
    ijsouzso caaaurai com Uo riaor ^
    confi-anas pelo madp vnfrito ppm que sa wndui*
    rafl^r^ flpm o sau aupeaier eWr^ttl. w
    .-i^e daciirso, depot* de haver mc
    qne a
    y?roo
    combatem, soitemaj- aq pmrno tea
    imperial ccutra as accusaqSes i^iili*

    J

    1
    _




    njl
    ffMicWw'i'lftBamfeuco *f?6M6a3o fyrRWBlfqo^e BdW
    id'eisarios pMfiSiI]qjefltendei
    raligiao como de ul'l|3l|lrra
    qfe conhecendo >SH^9^V min
    aentimantos religioSMaiVld"d3
    vi&m de;larado nwllll IP nao
    casamento civil Taim auDptanara
    4a igfeja do Estado) era jus to quo eu 03
    sa in.MfmidouXqp$j^> que uuuam em mira
    provdfcr jHk ippov >a no iinpcri o.
    XflelflHscarso J -ifapdiSfida o governo. pois
    forAs|Mpia ocular' dos-esforsge qae eile fez
    an rompimeBto serio entre a igreja e o
    3siaio, e ao inestno dMipo as desgracadas conse-
    quent, quo eu praida com dor em mea eora-
    cao !" IVVMUllill
    Xaquelle discurso doieudi o veneraado inter-
    HaaoJo, monsenhdr SanguinV da imputacao de
    oaaiyencia em actos nns quaes nao tioha elle lido
    a oaUjiHM parte, louvaudo o procedimeoto sempre
    leil e circun13peclo.de Uo.respeiUvel funccionario.
    7lw|uaHe discurso Justifiquei a pUusibilidade da
    publicagao do ultimo breve cxpedido pelo sanlo
    i*daa ao bispo de Pernarabuco, asseverando qae
    gUrAjle malarias *uito mais graves baviam uio
    pubucados sem a formalidade At placet ( oue real-
    meiite no I^rasil nunca f i applicado em seotido'
    owlflive a indapendencia da igreja ). Apenai dis-
    se que, atteata a delicadeza das circumitaucias,
    d<*ya ter sido asua publieacio adiada como exi-
    gia a prudencia.
    Natjuelle discurso usoi de oxprossoes que nao
    poderjain ter sido agradaveis a miipneria, a quem
    qualifiquei de burlesca em seus ntos eceremo
    nias ; disse. por^m, que, acbando-me no ca-o de
    algum de nossos bispos, nao lhe daria imporlaacia,
    limitando-me a fuhnina la em seus erros com a
    na'.avra incessante, e deixando que a verdade pro-
    duziise os seus prodigiosos afleitos nas conscien-
    cias dos fleis.
    Quando assini me exprimia, tinha na mente os
    exemplos de moderacao da santa igreja em tod js
    us tempos.
    Lembrava me de que no quarto seculo, tendo
    dous bispos hespauhoes prevocado uma jaaccao
    contra os hereges priscillianistas, da qual resnl-
    taram ferimentose raortes, o papa S. Siricio im-
    iugdiataraente os separou da eomraunbao da
    igreja, exemplo que seguio Santo Arabrosio, ate
    que foram alinal condemnados em dous concilios.
    Dous sesulos depois, sabendo S. GregorioMa-
    gno, que em Constaatinopla se havia dado igual
    tamnlto contra os hereges, escreven ao patriar-
    cha reprovando o uso das medidai violentas
    contra is mesmos hereges.
    Sem remontar-ine aos seculos primitives, eu
    nan* di.inie dos uliios o exemplo vivo tto immor-
    tal Pio IK, qno no citado breve diri^ido ao butpo
    de Pernatnbaco, ao raesmo tempo que lbe aeon-
    selliava energia, reccnimendava-lhe toda a mo-
    deracJo c ciridade para oa tranwiados.
    Hantem, dia que sera para mim- sempre me-
    uioravel, live a alta lionra de assistir a uma das
    scenas mais commoveakes que teiho visto : as^
    sisti a urn improvisado c e-plendido discursa
  • 1
    Santo Padre em resposta a eloqueute falla que
    Ihi-dirjgio o pre?idente das associagoes catholicas
    qae mandaram cumurimentar o augusto prisio
    neiro do Valicaoo.
    Xaquelle discurso, verdaleira in-piracao do
    ceo, em que a belleza da forma, a f iciliilade da
    paiavra, a magestado dos gestos, as (lores da
    i-rudioiojLauiiieiiidi) Ji W.umiiM* 4 ajtplua-
    m ?c' emrcla^vam do um moJo o
    ,vilho?o com es f.ictos preseotes : pa<-
    qoeild que
    plans
    typo ijfortaloza, d^ijtanfl'a'do e 4* coaataocia,
    Ire
    o
    dor
    e leitura, e*
    perag^es) nocik
    lara cha e cr<
    defended chet.
    t. i.' A instruecao.aecundaria fiomprbendt
    guknaeitHiil,franceiJjnglez, itaiiai}o, '.histo.
    ria, gt'ographia e ariibmetica.
    Art. 5.' A instruccao religfosa c.dadc #elo ca-
    ttiecistno ; as alumnfcs arprmideffl doafrina Chris-
    a, e *odos os dereres relipoBosa enmprir para corn;
    Dens, seas pais e parentfk, e em geral com a so-
    i-ciedade.
    Art. 6." A instruccao d,e civilidade abrange to-
    dos os acfos da vida de nma senhwra, em relacao
    com as pessoas de sna familia e eom a socie-
    dade.
    Art. 7.' A instruccao do recreio eoosta de
    des'enbo. musica, piano e danga.
    Art 8." A instruccao de prendas, reuae todos
    os trabalhos de a gal ha, e to la a especie de bor-
    dados, que deve saber uma senbora da melbor
    sociedade. ,-, -k dTfll
    II
    Art. 9. 0 collegio admitte alumuas internas,
    meio pensienistas e externas.
    Art. 10. A lingua que se falla bo irrterior do'
    collegio, e a franceza; e duraute as aulas daiagtez;
    e iiali a no so se fallara es|a> linguas.
    Art. 14. As -ahicoaas quaasiadam fraacez, in-
    glez e italiano aprendem a lallar, escrover e tra-
    duzir estes idiomas grammaticalmente.
    Art. 11 A mensalidade para as internas, ede
    'tOfOOO, para as meio paosionistas 20;000, e para
    as externas 5^000, pagos adianlados por tcimestres
    que, uma vez comegados, consideram-se ven-
    cidos. .
    Art. 13. A instruccao das aluranas externas,
    remunerada segundo o artigo antecedente, 6 a
    dos arts. 3 e S; as inleraas e meio-penMonisias
    teem direito a dos arts. 3, ^, 5, 6, 7 e .8, podendo,
    todavia, qualquer alumna exlerna frequeolar as
    aulas superiore?, mediante a indemnisacao, que
    se couvencionar.
    Art. I'i. As despezas com livros, papel, etc, sao
    da competencia dos pais bu correspondenles das
    alumnas, e hem assim a materia pritna de borda-
    dos, e estes executados sao propriedide das
    mesraas.
    Art. 15. As aulas do collegio da santissi.ma
    trindadk, trabalham duas vezss ao diade manha
    das 9 as 12, e de tarde das 2 yi as 5 /*" -
    Art. 16. 0 enxoval das internas e ao gosto de
    seas pais; assim como a roapa lavada, engom-
    mada e pertengas, por elles serio foraecidos.
    Ast. 17. As pjdueuas indispqsijoes e molestias
    das internas, sao tratadas no collegio; nas graves,
    porem, a diroctora raz avisar aos pais ou corres-
    pondenles nara providenciarem sobre otratamen-
    (o. que pode ser em saas casas, ou no collegio.
    Art. 18 Os ferialos sao as das aulas publicas;
    salvo as qaiulas feiras que, no-collegio, ficam des-
    linadas a in?trucgao de recreio.
    Art. 19. Tedas as materias leccionadas no col-
    legio da s. ntissikX trisdade, sao professadas pela
    directora e. suas jfmaas, ou outas senhoras com a
    aptidao pcecisa, e que a directora julgar neces-
    saria.
    Recife, 30 de dezembro de 1873.
    PkUowem iiimrmm-4$ A, Q'.Qewitt,_
    Approve Dirtoria' &*t>\ 4 -wstme^*
    W*ea de Pernambnco, 8 de Janeiro de 187i.
    isiio lSubillto Uchoa Cavalcante..
    - do uma vi-z pi iv*k.u respei|dfM ap-
    da iaip.mante rsmoSq, Pio IX, o pro to-
    il que fo.liaiaava com vljwrosa p rase
    dos perseg^doEea da- 4r#ja, d<^ prufa-
    dos lugares ?amiticados pelo sacjjae do
    |da religiao. acqaselhava tulavia qae, a
    oca do Diviao ididemptur, orando no Liol
    pe'los seus persetrrtWoros, deviamos pedir
    pela sua conversiio, combatendo
    balaira, e com os exemplos os deplora-
    oii da sua cegiieira, dlZCPW corjio Santo
    ii : fn'erfirHc droves pwdte errantibus'.
    I K*t5o de Jesus Christo 1 Bis a refi-
    tudfeV4| seus aposlolos ate o invencivel
    , que ora preside os destinos da igreja
    a, <|uciAk(os triumphos lbe de.ve, apezar
    entre
    os
    :. ;
    tllil-tjl
    ^einel
    gotha
    iucess ilemente
    coai
    veis
    Agost
    E:>
    giao
    Ponti
    da R
    da alfcvian da karesias e nequicias vomftaaas
    pelo (pferno !
    ininpertai Pio IX, pontifice e rei, salve !
    Podaria dizer mais, *>rem o re to direi da tri-
    buna aarlafuantar d'emde, espero em Oeus, eon-
    !iuuarii defender a verdadecomaquella raesma
    i!;Jepeada^pia cow que uie separei em 1857 de
    urn rainist^cio arnica, presiJido pelo veneraado
    Marquez da Otinda, combatendo com toda a f ->rca
    d'aniino a pronesta dos asanuntos mixtos, resis-
    tindo a tod is as bumanas considcracues !
    E' com i^tas precadentes da minha vida poM-
    tica que (tsp^ndo as iD-inuagoes do Saurdote
    brasileiro, quando ou.-a asseverar qua eu sus-
    teato o mWsterio Rio Branco com a mira em ser
    senador. fierdoe Deus Nosso Senher ao autor de
    lao negrajnjuria.
    CnncluiMo, Sr. director, nao posso deixar de
    >eutir-me Jfcov.imente dos ataques cootidos na
    carta do Sutrdole brasileiro contra um homem
    que ba triotii aanos se tem consagrado a defeza
    dos principiiis catholicos e que, emprehendendo
    o>ia penosa viagam a Roma, obeleoeu a seus sen-
    tinientis neligiosos e aos ardentes desejos de ver
    restabelecidf a dot. e a harmonia entre os dous
    re;. que regem o muudo, segundo a pharse
    do grande papa (ielasio.
    Posso assesurar que intorcedendo oftkiosamenle
    pela causa do men pai? porante a Santa So, nao
    me. e?capiu,*a paiavra de reorimioagao contra
    pessoa alguma,
    Referi os,.-|cio9 com franqneza e submissao,
    e levo a do qos nio sarao inuleis.
    Salvei a minha consciencia, cumprio men de-
    ver, sinto-me por i-so satisfeito.
    Muito the agradecerei se so dignar inserir
    esta minha replica em seu jornal, que tanto bem
    faz a religiio e a oivilisacao. Joaquim Pinto de
    Campos, prelado domesticode Sua Santidade
    (Ua Unit a Catholicu).
    COLLEGIO
    DA
    SAMISSIM TRIXDADE
    2Mea ts Coclh ;s--20
    A abaixp assignada, Hcenciada pelo Exm Sr.
    presidenteda pro-iuci^e pelo Illm. Sr. Ur. direc-
    tor geial da io.-iriKrio publica, tern estabelecido
    na rua do Coelhos, n, 20, a poucos passos da
    igreja de ^. Goncalo, um collegio para meninas,
    sob a invoeacao da Santisslma Tkindade.
    Auxiiiada por suas irmaas D. D. Landelina Jer-
    ey e Olindina Jersey, ambas as quaes, em corn-
    mum com a abaixo" assignada, receberam igual
    eiucaQio, duraute quasi seta aunos, em um dos
    melhores collegins fraucezes da cidade do Porto,
    esta por certo habilitada para transmittir a suas
    alumnas ta|os os CHiihecimenlos adquiridos nesse
    1 ongo espap de tempo.
    Cbamanf* a atlemvao dos illustrados pais de fami-
    lia, nacionpes e estrangeiros, para os estatutos
    abaixo, a annunciaBte eepera merecer decidida
    preferencia,,poi3 o seu cstabelecimento ee distin-
    gue, nao s&jborque nada pagara em separado pelo
    e-tudo das rtes de renreio, como tambem pelo das
    linjuas esfrongoiras que, em geral, somente se
    easina a trduzir, ao passo que no Collegio.da Saw-
    tissima Trbbdabs se aprendera a fallar e escrever
    'orrectamel^e ; o que se lorna sem duvida de
    uma vantaflm e utilidade ineontestaveii.
    InvocandK cheia de jconlianc*, a proteioao da
    seus comp^riotas, e de todos os estrangeiros illus-
    trados, a ajpunciante e suas irmaas, no cumpri-
    mento dos us deveres, esperam e promettem en-
    vidar todosas esfarc9#,.a8tn da pr*vr um, entna
    nos, exisleqwernambucauas sufBciente mente ha
    bilitadas pattjnstruir e preparar nossas innocent
    i amaveMbatricias, nao s6 a desempenharera
    no futuro o aobic a tcsofiiisyei mintst?rip .de
    mais de familia, com* a se lorearem aiui, on em
    qualquer paiz, onde se acharem, o brilhante or-
    JUJrTA DOS ComtffToRES
    Praca d Recife, 1Mf do man
    AS 3 ROTAS DA TARDE.
    qoTAC.o.Es Qk'WCiAjis... n
    Algoduo do sertio 1 serte 8^000 por CjiikiJ
    hontem. m/m
    Dito de dita regular' 7^^00 por %1i
    hontem.
    CambiooM sobre lari a 90 4(v. 332 rs. o franco
    Cambio sobre o..Porto a 90 di* 8 U[0 di
    'premio. hontem.
    Deseynto de letras W-Ortl ao aane, honlea.
    a. de Vasoancetlos
    Preaideoto.
    A. P. de Losjos
    Se&etano.
    ifilosi
    648:398211
    mais culta e disttneta sociedade.
    Minervina de A. 0' Connett Jersey.
    EST4
    5TAJUM| a
    Collegio da Santjssima TRiTOAftE, sob a
    liaacgao de Philomena Minervina d'Al-
    buqiierr^ije 0' OonnellJertey, eoarljuvada
    par suta irmaas B. Landelina d'AIbuquer-
    que 0' Connell Jersey e D. Olindina d'Al-
    buquerque 0' Connell Jersey.
    Art. 1.* 0 Collegio ointido par Philomena ML-
    nerviaa d'Alhunuerque 0 eonoell Ie/sey daaqmi
    aa-se-CoLtKGroiiA Saxtissima Trlndade.
    4LFA.5EEGA
    Readunemo do di? 2 a 19. ,
    iam do dia -JO
    [)ni;.<:.. ;a:a ojo 21 de marco de 187i.
    Baica diaiaiar^ueaaFuveur(atracada) mcrq|-
    doiias para alfandega.
    Escuna ingleza Florence mercadorias para a!-
    fandega.
    Lugar francez Hio Grande mercadorias para
    alfandega.
    Barca hespanhojaD. Luiza materiaes e machi-
    uismo para a empreza da compauuia |j-
    comotora no uapicue Concei^ao, p:t/a
    despachar.
    Barca iogleia-Oi>iy)A-materiaes para aempra-
    za da companhia locotnotora ja dospa.-lu-
    dos para o caes 22 de Novembio.
    Barca noruega Capella carvjjo e ferro ja
    daspachados para o e?es do Apollo.
    Barca iugleza Currisbrook carvio ja d^spcha-
    do par<- o caes do Apollo.
    Barca iagleza *- Rossini *m carvao ja despaeuado
    para o caes do Apollo.
    Brigue francezMines de Soumaciu 2 mer-
    rias para alfandega, carvao e coke ja des-
    pactudos para o caes do Apallo, e mate-
    riaes para a empreza da canipanb.a la-
    comotora, ja despachados para o cats da
    companhia pernambucana.
    JS.SPAGHOS DE EXPOHTAGAO NO DIA 19 Di
    MARQO DE 1874.
    Para os portos do exterior.
    Xa barca ingleza Hermione, para Liverpool,
    carregou : H. & Labille 4-il saccascom 37,187 1|2
    kilos de algodao.
    No lugar inglez Beltrees, para o Canal, car-
    regou : J Pater & G. 600 saccos com 45,000 kilos
    de de assucar mascavado.
    Na barca franceza Minerva, para o Canal,
    carregou : Keller & C. 46 saccas com 3,150 kilos
    da algodao.
    No patacho portuguez Fausto, para o Rio da
    Praia, carregou : Amorim Irmaos & C. 100 barri-
    cai com 11831 kilos de assucar branco e 700
    ditas com 81,769 1[2 ditos de dito mascavado.
    Para os portos do iHfenor.
    P-^a Santos, no hiate portuguez Diligente.
    carregou : P. Carneiro &C. 600 saccos com 60,000
    kilos de assucar branco e 50 ditos com 30,000 di-
    tos de dito mascavado.
    Para Santos, na barca brasileira Claudim,
    carregou : A. Loyo 1,800 saccos com 72,0f0
    kilos de assucar mascavado.
    Para o Para, no brigue portuguez Michte-
    lense, carregou : A. Cordeiro 1 caixa com 206
    kilos de doce.
    Para Alagoas, na barcaca D. Cotutancia, car-
    regou : A. e lr-'ira 1 bariica com 60 kilos da
    assucar branco.
    GAPATAZIA
    steadimenjo d<. dia 2
    Afo do dia 20
    DA ALFANDEGA
    a 19 13:476*
    ... 598*71
    aqmat tea |4;tt75*66*
    VOLUMES SAHlp
    No dia 20
    9fo dia 2 a 19.
    ^iWejrijwoa ..
    jagonda por'.a .
    .CpKeira poru .
    '}uaa pftrta
    Ci *p wi-i i'J-:-a c-^a -
    . .
    SERVigO 14AR1T1M0
    ir>ranga3 desoarregadaa no trapicte
    alfandesa da dia 8 a 18.
    , __ No dia 20
    So trapicht Goaoeijio.....
    94
    36,881
    73

    :i.W>
    76
    RiJB5vv.
    ''.MJlitnaatf-
    d*ffi .'.o Hi
    f.lL.ifi.'l;
    20.
    DE REXDAS INTIRNAS GE-
    3 DE PERNAMBUCC
    lit 2 a 19. 41:9^4*970
    6ii/621
    42.556;591
    nwfflorf eisq bmoUB^.
    i' a mod aurtofcl tUmi% iian^ si inaio'-
    Saitien 9o 41a *??? f^SF***
    Idem do dia 80. P00** "H?"1*
    in a ,anflMt \u,>. at imait MM
    .T (aof in'a ii liiiiilTii iiM>'
    povoado|
    com o
    1:903*000.'
    aformida^
    irtancia
    diti contrato.
    > 0 pagamento- sera efTectuado em
    4.'-Tulo m
    dual
    exe-
    SEG
    JMITHWS
    a .-- pid am afm-mkbm
    COiTFRA O fQQtO
    A companhia Indemnisadora, -estabelecid*
    aeata ptaja, torao seguros marhitnos'sobri
    qavips. e<(3eus carregamentos eaonlra fogt
    em edificios, wercadorjas e aofliiilias: n?
    rua do Vigario n. 4, pajrimeito terreo.
    r especificado nas
    de conformidade
    doiaideioiho de
    AugystoF. d'Olivcira Ifo
    A. ^asa commercial e bancaria do Augusto
    j d'OIiveir# & C, -a *ua-4<^^:nmercio ns
    42, eaoarr)g-se de execugao de ordens
    para emharqae de prodoctos e de todos o-
    mais negocios de commissae. auer commer- ** Pe*>as ipiese propozerem a esta are
    r-iaes miPr hnnnVrffts w aa0.com|i.ire3(H oa sala das sessoes da E
    mats, quer tiancanos. ibesouraria uo dia iudicado achna. neio met
    Deconta ieuras, e toma .qinnetros a pre-
    mio, compra cambiaes, a saca a vista e a
    prazo, a* vontade do toraadOT, sabre as se-
    guinles pratjas estrangeiras e nacionaes :
    Londres. .- Sobre o bhion ank of
    LONDON, 0 LONDON AND HASSEATIC BANK,
    limited, a varias casas da l.e classe..
    Paris. Sobre .os banqueiros foold
    Ac, MARCUARD ANDR^ & C. e A. BLJkCQL'E,
    TIGNAL & C.
    HitBtihiirgo. Sobre os Srs. joAo
    SCHU BACK & FILH 8.
    Lishoa. Sfobjo os Srs. fonsecas,
    SANTOS & VIAKNA, 6 SEBASTli.0 JOSE DE
    ABREU.
    Frto. Sobre o banco vm\o do porto
    o Sr. JOAQUIM pinto da fonseca.
    Para, -r Sobro -o banco 'xoMhercial
    do para, eos Srs. FRANCISCO oaudencio da
    COSTA & FILUOS. x]
    Uarauh&o. Sobre o' Sr, jose fer-
    REIRA DA SILVA JUNIOR. U
    Cearw. Sobre os Srs. J. s. BE vas-
    CONCELLOS & SONS.
    Bt.thia. Sobre os Srs. MARINHOS & c.
    Rio de Janeiro. Sobre o banco
    INDCSTRlA'Lt MKRCANTH., BANCO NACJONAL e
    BANQUE BRASRIENNE FRANQA1SE.
    COMPANHIA ALLIABCA
    seguros maritimos e terre*-
    ires estabeleoida na Bah it-
    em 15 de Janeiro em 18 7 0
    CAPITAL <,000:0002000.
    Toma seguro de mercadorias e dinhem>
    uco maritimo em navio de vela e vapore^
    para dentro e f6ra do imperio, assim con
    :ontra fogO sobre predicts, geueros e fa
    ondas.
    Ageute : Joaquim Jose Goncalves Beitrao
    |-u do Commorcio n. 5, 1* andar.
    ANH1A
    Phenix Pernambucana.
    Toma riscos maritimos em mercavlc.riaa
    (retes, dinheiro a risco efinalmente de qual-
    juer natureza, em vapores, navios va ela 01
    oarcacas, a premios muito modicos.
    RUA DO COMMERCIO N. 34.
    Seguro contra-fogo
    TflE LIVERPOOL & LONDON & QMA
    INSURANCE COMPANY
    Agentes
    SAUNDERS BROTHERS & C
    liCorpo Santo11
    Capital.
    ?undo
    M)ETHERN.
    . 20,000:00O#OO<
    de reserva. 8,000:000500*
    Agontes,
    Mills Latham & C
    RUA DA CRUZ N. 38.
    Banco do Minho.
    Joaquim Jose -Goncalves Beltrao ex FiDio saccara
    por todos os vapores" sobre :
    Anadia. Evora.
    Aguida. Fale.
    Aveiro. Faro.
    Beja. Gaarda.
    Chaves. Leiria.
    Elvas. I.isli-ia.
    Amarante. Darcellos.
    Guimaraes. Coimbra.
    CovilhS. Mirandella.
    Melgaco. Penafiei.
    Portalegre.
    Arcos de val de vez.
    Celorico de Basto.
    Caminlia.
    Mangualde.
    Ponte do Lima.
    Povoa de Lanhosa.
    Villa-Nova de Portimao.
    Monsao.
    Ovar.
    Porto.
    Tavira.
    Regoa.
    Vizeo.
    Figueira.
    Latnego.
    Estarreja
    Valenga.
    Villa Real.
    Cabeceiras de Bastos.
    Castello-Branco.
    Espozeude.
    Olivcira de Azemeis.
    Povoa de Varzim.
    Vianna do Castello.
    Villa-Nova de Fa.nalicao
    Villa do Conde.
    Mas illm*.
    Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
    m
    miMWW DO
    fiavio enirado na dia go.
    Rio de Janeiro -30 dias, galera porlugaeza Firme-
    po, de 49 toneladag, caprtSo Antonio Jos6 Far-
    nandes, eqaipagem t6, em hwtfo ; a Silva Gui-
    maraes& C
    Navio sahido no mesmo (ii(j.
    Maranh&o Palhabote nacional Joven Arthur, ca-
    pitao Joaquim Marianno de Souza, carga assucar
    e outros generos.
    E01TAES.
    t- 0 Oloj. Sr. inspector da thetouraria provin-
    cial manda fazer public*, qua em cumprimento 4a
    ordem do Exm. Sr. prestdenle da provincia, de 18
    de fevereiroanhBo, s ha do arrematar peratite a
    junta deasa thesouraria, no dia 26 do ooreote, *
    quem por raenos iier, a otora da factora de uma
    tiooiba para o povoado doi Moatei, ao lugar da
    levada, orgada em t^OSjQOO a -deb#iito das con-
    dicpes abaixo copiadit. i
    As pescoas que se prpppaerem a 8su arremaia-
    c5o, compajecam pa saU da seasoea da msma
    junta, competentemeflte habilitadas no dia acima
    indjcado ao meio'dia.
    5 para constar, se mandou ppbiicar o presente
    polo Diario de Pernambupp. .
    ^ecretaria da thesouraria" provincial de Per-
    nambttou, 9 da mat^e da iMk.
    Clapealaj'wpeeiies para a areraalaoao daotanM
    dja bomto va araada dw alvenarda do poroado
    dos Montes. ?'. "Imi' i
    1.*A obra da bomba ou arco de alvenaria do
    presentes clau
    jjBy Fournn;,
    j#Ti ?e'a theaouraria provicfcial se faz publico
    que fcram traosteridas nara o dia 16 do corrente
    as sega!u'e atfemataMes : ^mTFtP\~
    Obra da"Wtfcrft'W^ymnasio provincial; crcada
    em 578^600. ~"
    DjU dos reparos dai)on.ba fl.lno setima Ian-
    CO da estrada-do sul, orcada em 1:012*000.
    Reparos da caneHa da cada de detencao orca-
    dos em, 1:178*000. !
    Objeetor'do eorjte 8e pobeia.
    Tlfumina^b da cidade de Guyana orcada em.
    280 rs. diaf^os^r-cadalampaao.
    Secretana d Miesouraria provincial de Pernara-j
    baco, 9 de marco de 1874
    u .0 ofDcial-maior,
    jt Miguel Alf.iibo Ferreira.
    - 0 Ulm. Sr. inspector daihesQuraria provta-
    oiai aiauda fazer publico que em wimprimeuto da
    jrdem doExm. Sr. preaidaole.da pruvineia. do 7
    dfijaneiro corrente, perante a junta desla tliesou-
    DMta-se lia do arrematar no dia 23 de abril pro-
    ximo vindouru, a obra da ponte ddDiuuinada Pao
    Sangue sobre o rio Sermbaem. orcada em 9:670J,
    pagosem apoliccs da diviJa provincial a juro de
    7 por seua ao par.
    Mtreiaata-
    taeama
    LjJMttouraria no dia iudicado acima, peio meio dia,
    corapotememente habilita E para coastar se maodou puidiear o presente
    delo Diario de Fernambuco
    Secr-otaiia da llwscuraria proviacial, 30 de Ja-
    neiro de 4874.
    . Victoriano Joea M. I'alhares,
    Olllcial maior intcrine.
    Clansulas esneciaes para a arrematacio da ponte
    denominada Pao Sangue sobre o rio Seri-
    nhaem.
    "1." A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
    icutada de e> nfoiinid.-ide com o orcaroeato e plan-
    ita apnrovadfis [ielo Exm. Sr.' presidpnte da pro-
    ivincia.no valor de 9:5704. ^f
    2." 0 arroiuataulo dara pnucipio a obra no pra-
    10 de um mez e a conclulra no de 12 mez.es.
    3." 0 paganento sera effeetuado era 3 presta
    coes iguaes a proporcao da tabeTIa executada.
    4." para fait a mais qae nSo Sfe aohar especifi-
    cado sera regulado pelo quo dispdeoregulamenio
    do 31 dejulho de 18uG. ^0 eugenlieiro chefe, Jo-
    seTiburcio Peceira de Magalliaes.
    Victoriano Jose M. Paloares.
    T jji iaj(
    L-iat or
    *-.
    *anta Casa da Bliserioordia do
    Ueoife.
    A junta administrate da Santa Casa da Mi.se
    ricfrdiadoll".cil'e, precisando taaer os concerto:
    de que necessita o pradio que possue o patrimo-
    nio dos orphaos, a rua da Gruz, hoje do Bom Je-
    sus n. 12, contrata com quem se proponba a rea-
    lisar ditos concertos, mediante certa renda e al
    guns annos de prazo para des'fructar ; devende
    os que disso se.quizerem encarregar, apretentar
    snas propostas em. cartas fechadas, devidamente
    selladas, acompanhadas- do re=peetivo orfame ito
    nesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
    douro.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
    Recife, 17 de Janeiro de 1874.
    0 werivao,
    ____ Pedro Rodristues de Souza.
    " SANTA CASA HA MISERICORDIA DO *
    RECIFE.
    Venda de predios
    A Illma. junta admiuistrativa eesta Santa Casa,
    devidamente autorisada pela prcsidencia, na sala
    de suas sessous, pe.as 3 boras da tarde do dia 26
    do currente, vn-ie ou permuta por apoliees da
    divida publiM os seguintss predios. perti^ncentes
    ao legado de ilo,'.quiai da Silva Lopes, de que e
    administradJirf : Forte ilo Ma'tos, metade do so-
    brado d 3 3*tiWs n. #7, for f>:504 ; becco do
    Abreu, 3' narto do sobrado n. I ;>- 2:66!i666
    rua da 'juia, sabrado da dous auJares n. 69, por
    6:0004 ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
    1:4004, sobrado de um andar n. 30, por 9:0004,
    dito meia-agua por 5004 ; rua dos Guararapes,
    oasa terrea n. 65, por l:-004 ; rua dis Acougui
    nhos, cosa terrea n. 26, por 6004 ; Largo da Cam-
    pina, dita n 3, por4004 ; rua da.Sdedade, dita
    n. 72. por 70O| ; becco do Teixira, oita n. 5:
    por 2o!># : largo das Cinco Pontas, terreno, por
    1:0004000.
    Secrataria da Santa Casa da Misericordia do
    Racife, 14 de fevereiro de 1874.
    G escrivio
    Pedro liodrigues de Souza.
    Armazens da companhia per
    nambucana.
    contra o fbj
    Kcguros
    [O
    A companhia jiernambucana, dispondo de ex-
    cellentes e vastos armazens em seu predio ao for
    te do Matlos, offerece-os ao comraercio em geral
    para deposito de generos, garantlndo a maior con-
    servagao das mercidorias dep0:itadas, serviQo
    prompto, prejos modicos, etc.
    Tambem recolhera, modiaote prevk) accordo, ex-
    clusivamcute os generos de uma so pessoa.
    Estes armazens, alem de arejados e commodos,
    sao inteiranunte novos e aspbaltados, isentos de
    cupim, rates, etc., etc.
    As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar-
    mazens, pederao dirigir-se ao eseriptono da com-
    panhia pernambucana, que acharao com quem
    trutar.______________________
    Hospital militar
    Precisa-se contratar para o trimestre de abril
    a junho do corrente anno, o fornecimento de
    pies de 114 grammas, e de 123 para os doentes,
    e hero assim para os empregadas.
    Gbjecto8 para escriptorio.
    Quem qnizor fazer dito fornecimento, apre-
    sente no di. tt do corrente pelas 10 horas do
    dia na secretaria do raesmo hospital, suas pro-
    postas em cartas fechadas.
    Hospital militar, 18 de marco de 1874.
    * 0 escrivao,
    _______ Avelino Pereira da Cunha.
    .Vssociacao portusuezu do Bcik-Ii
    cinia doa <-unn i-Kojito- no mercio e luduatria cm Pcruami-
    Ituto.
    for ordem d i Sr. presidente da assemblea ge-
    ral couvido pela scgunda vez a todos os sennores
    associados, a reunirem se era assemblea geral ex-
    traordinaria, na secretaria d?sta associac4o, a rua
    do Imperidor n. 35, t0 apdar. np proximo domin-
    go. 2! do corrente, pelas 3 1)2 fioras da tarde,
    alim de preencher as vagas da directoria a tratar
    de outros assumptos de interesse da associacao.
    Recife, 19 de marco de 1874.
    0 secretario
    Leonardo Antonio da Silva.
    . -
    -
    irgb do Paraizo
    telc^i do Marquez do Recife,
    ftrga do Itosario.
    Becco da Matriz.
    Travessa da Matriz.
    Idem dos Expostos.
    Una do9 Patos.
    Travessa dos Qnarteis.
    Rua do Calabonco Velho.
    Travossa do Cabihouro.
    Becco do Calabouco. f^
    Rua da Santo Amaro.
    Idem do Marquez de Herval.
    Idem do Duque de Gaxias.
    Idem do Primeiro de Marco.
    Idem do Cabuga.
    Idem do Barao da Victoria.
    Idem do lmperado(.
    Idem das Laraugeiras.
    Idem iasTxinclwiras.
    Idem de Piujino Caraara.
    Idem do Caes Vmte e Dous de ^ovembro.
    Travessa das Florea.
    Rua de Mathias de Albuquerque.
    laVn da Paz.
    Idem e9treita do Rasario.
    Travessa das Grazes.
    Rua do Livramento.
    Idem de Marcjiio Dias.
    Travessa de S. Pedro.
    Rua do fogo.
    Travessa do Livramento.
    Idem do Canto.
    Idem da Bomba.
    Largo de ?. Pedro.
    Idem do Carmo.
    Rua do Cyronel Stiassuna.
    Travessa do Queimado.
    Ctnsnlado. ProJtlaatal, 19 de aiarfe de 4874.
    0 administrador,
    ___________Antonio Carneiro Marhado Rios.
    S Htta oasa di Mi8erirx)r(lia tio
    Recife.
    Era vista da ordem da lllma junta administra-
    tiva sao convidados os parentes das inenores infra
    mencionadas a virem retira-las do collegio- das
    orpha. por ja tercm attingido a idade marcada
    no respectivo regulamento, e acharem-se com suas
    educaedps trminadas. Aquellas que nao forem
    re'.iradas dentro do prazo de 30 dias, contados da
    data do presente, serao entregnes, de accordo
    com o 3* do art. 48 do mesmo regulamento, a
    familias honestas para ahi se empregarem no ser-
    vice domestico.
    Senhorinha dos Santos, filha de Jose Joaquim
    dos Santos- e Antonia Maria.
    Leopoldina.Ma/ia da Paixao, filha de Clara de
    Jo'tia.
    Maria Eliza Alves, filha de Joanna de tal.
    Valeriana dos Santos, filha dc Joaquim dos San
    tos e Maria Margarida.
    Alexandria Bezerra Cavalcante, filha de ros6
    Bezerra Cavalcante e Rosa Bezerra de Menezcs.
    Idalina Lacerda, filha de Pedro Alexandre de
    Laoerda e Anna Franuisca Pacs Barreto.
    Josepha Lima, filha de Joajuim Lima de Oli
    veira e Joanna Maria.
    Candida, filha de Vital das Ghagas Coelho e Car-
    ota da Lacerda.
    Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
    Dionizia, filha de Vital das Chagas Coelho e Car
    lota de Lacerda.
    Antonia, filha de Manuel Felix Barbosa e Mar-
    colina Guimaraos.
    Adelaide Francisca da Silva, filha de Francisca
    de Assis.
    Alexandria Maria, filha de Felippe Martin'.j do
    0' e Maria Joaquina do Espirito Santo.
    Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
    Recife. 13 de marco de 1874.
    O escrivao
    Pedro Rodi igues de Souza.
    --------------1------f
    pelo bendMiafe.
    As i li
    l| ho
    oom
    A' J,9 liana* da
    Segunda represented do ken aceHo a
    do drama h K aeios :
    0 Mascara,l\egra
    Terminara com a aria comtea canlada pelo ar-
    tisla Peaante:
    Hscal kaliHiio.
    As 5 1,* horns da tarde
    Prepara-sa com todo t luo e fumtmo
    do Dr. Souza Pinto :
    Saiilii Cloliltle.
    Irmandade do Senhor Bom
    Jesus dos Passos do Cor-
    po Santo.
    Em virtude da niuita chuva no dia sexta-feira
    20 do corrente, fica a Imagem do Ssnhor Bom
    Jesus dos Passos exposta a veneracao dos lieis no
    e domingo
    sabkaJo
    nolle.
    21
    a
    22 ate
    as 10 horas da
    TVotectora. das Familias.
    AMdorinrno braHileira de seprnro
    nauiuo sofcic a vldH, gerida pelo
    tune o raral iiypothecarlo do Brio
    de Janeiro. -----
    A todas as pessoas que desejarem flliarse o es-
    ja assoeiacfto se darao os asclarecimentos precisos
    e se formularao os contratos, dapdose tambem
    ordens ou saques- pagaveis ao thesoureiro do
    mesmo banco pelas importaucias q-.e para ahi
    hopverera de'sbr remettidas pelo? Srs. contrltuin-
    tes que te aaiierem ponpar a este incommode,
    na rua d Vigario Thenorio u. 7.
    J^areira Vianaa
    A^entes.
    &C.
    Consulado provioeiaA
    far esta administracSo se daclara os nbmes das
    caas-abaixo' menetoaadas, aas quaes os possuWo-
    res da prsdwa, astao obrigados a virem, ao prazo
    de 3j dia^ pteis, coa.la.dus do dja 11 do corrdate
    mez,. realisar os dobltos a que eslap sojeilgs, para
    cora%' eompanhia Reoife Drainage, pela cortocacio
    dos apparelhos, differenca dos mesmoa, atHMida-
    fdesle eucsnawnie^.jZMirMaoejBtee ao-aamtrada
    ftua de Joao tto Ifefo.
    Idem da Una do Carvalho.
    M
    SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
    RECIFE.
    A Hlma. junta admiuistrativa da santa casa d.
    Misericordia do Recife, manda fazer publico qut
    r.\ sala de suas sassoes, no dia 19 de marco pe-
    las 3 horas da tarde, tem. de ser arrematadas a
    piem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
    i lies anuos, as rendas dos predios em seguida
    lr1l*lflT"idliS
    F.STABELECIMEXTO DE CARIDADE.
    Travessa de S. Jose.
    Gasaterrean.il.......2014000
    Rua de Santa Rita.
    Idem n. 32........250^000
    Padre Floriano.
    Idem n 49........2074000
    Rua da Alegria.
    Idem n. 31........3714000
    Ponte Velha.
    Idem n. 31. ......15640C0
    Bua de Antonio Henri mm.
    Idem n. 26........ 994000
    PATRIMOXIO DOS ORPHAOS.
    Rua da Senzaila velha.
    Casa terrea n. 16.......2094000
    Becco das Boias.
    iobrado n. 18 ....... 4214000
    Rua da Cruz
    Sobrado n. 14 (fechado).....1:0004090
    Rua do Pilar.
    Casa terrea n. 100......2414000
    Rua do Amerim.
    Idem n. 34........1224009
    Rua da Guia.
    Idem n. 29........2014000
    Rua d.is Larangeiras.
    Casa terrea n. 17......3614000
    Os pretendentes deverao apresentar no acto da
    trrematacao as suas fiancas, ou comparecerem
    wompanhados dos respectivos nadores, devendo
    oagar alem da renda, o premio da quantia eu
    rae for seguro o predio que contiver estabcleci
    mento commercial, assim como o senrico. da lim
    peza e precos dos apparelhos.
    Secretaria da santa casa da misericordia do Be
    sife, 17 de marco o de 1874.
    0 escrivao
    Pedro Roirigues de Souza.
    Santo Antonio
    Sabbado 21 e domingo 22
    do coiTente.

    Positivamente ultimas representacoes do drama:
    rWAPeHFORCA
    as 8 horas e uo domingo as 6 1|2
    No sabbado
    em ponto.
    I
    THEATRO
    PHENIX JMillTICi
    JfflPIIEZIHp PEMAMTE
    ^abbado 21 do corrente.
    BeneDri* do nclor L,yra.
    Segunda repreeealaijao do nnilo applaudido
    drama em IS actas :
    D. Cesar de Bazan,
    Terminara o espectaculo com uma scena comica
    Rio Grande do Sul
    Para o rcferido porto pretend* w^uir eonxpaa
    ca demora a oarea p>>rtogima Secitt. por ifer a
    maior pane de seu carregantento eu aja!o efsra
    o resto que lhe falla frata se earn < e^t^'t*nv>
    rios Joaquim Josd Goncalves Uiii.i i Kiiiio.
    rua do Commeraio n. 6.
    Rio-Grande do Strl.
    E*_'e?perado do Rio de Jan. ir, em porcoi dias,
    o brigue nacioaal Amelia, o qoal aapiira para
    porto acima ; eom pouca deuora para o resto da
    carga qne lhe falta, trata-se coai sa r msigm
    tario Antonio Luiz de Olivoira Azevedn na rua du
    Bom Jesus a. 57
    an ,*
    mm
    mssm wsxl
    fa!>nvajmr
    Linha mensal entre o
    Havre, Lisboa, I'crnaiubueo* Rio de
    laneiro, (Santos, somente na ?!
    ta ) SInnlevideo, !!urnos-A)res,
    (com baldea<;ao f>ara oRosario)
    VILLE DERIO t)E J4HEIR0
    Connnantlaute A. Fleary
    Partindo do Havre no 1ia 8, e etperado ad- *
    dia 28 eu 29 do corrente, sepuiodo d-pois da la
    dispensavel demora u^a p..rt-j do sal de sua
    escals.
    Relativamente a fretcs, enc mmendas, passafei-
    ros, para os quaes tem excelleatei arc mmodacoaa
    por prf;o reduzidus : trata-> i
    08 CU.\Sir,XATA*K)8
    AUGUSTO F. D\>LI.Eia.\ 4 C.
    12Rua do CoianettfoEntrada pela rua
    d-> Torres.

    i" classe 3- class*
    15 C 10
    20 M
    I agario meia pas-
    Parilie Siea:;; ^avipli .b Confflf
    ROYAL MAIL 8TE4MH
    Sao esperados do sul us rap akaia m.-i
    cionados :
    Marco i"-Potosi.
    Abril 10lllimani.
    Abril H Britannin.
    Mm 8 JoAn /;'.'...
    Maiu 22 Galirin
    Talx'lla daa wimfi l*>rnaai-
    Para a Boropa 1 .;
    A Lisha 27
    A Liverpool '!(
    Os men. res de doze aai
    sagem, os de oito uma quaria parte. e uma eriao-
    ca menor de tres annos i:id > c. ma familia
    gratis.
    Criadaspagarao ilu.is U* cas oarles das pm-
    sagesA dc primeira classe ; e serao atujadai Wf
    salao das senhoras.
    Criadus pagarao passagem de segi.nd cla^se.
    Os camarotes nio devcm ser considerado* en-
    gajados. emquanto a passagem nao tiver sid"
    paga.
    Os passageiros-que nao seguireoi depois da
    terem tornado suas passag 'n^. perderao metaia
    da importancia dellas.
    Bilretes dc ida e v-dta 'nao trausleriveis) -
    rao conccdidos a paasageiroa do piimira class-* e
    a seus criados que os a-uinp;i:.ii ireo, e apas-
    sageiros de segunda classe. com uma reduce^*
    de viiite e cinco pir cento aubre a iinportaa a
    das passagens ; os qoaaa valerao pelo espa^o da
    doze mezes calendnrios. Neaokma ooacessto ser-
    feita. se dentro do tempo c.-peci:icaJo. n
    zer uso delles.
    Bagagem.Sao conce-lid-i- viite pes cuhicos a
    cada passageiro adullo; todo o exce?so pagara
    frete.
    N. B.Nao sahirao antes das ires bora* da
    tarde.
    AGEXTES
    Wilson Rowc a C.
    14RUA DO COMMERCIO -I 4
    PROGRESS!) MARITIMO DO PORTO
    Empreza portucuse de navega-
    cilo a vapor cut re Portugal e
    o Bras il.
    O vapor
    ALMEIDA GARRET
    Commandante Tonaaaiui
    Que deve estar aqni procedente de Portugal ate
    o dia 3 de abril proximo futuro, depois de indis-
    pensavel demora deniro do porto, seguira para a
    Bahia e Rio de Janeiro.
    Passagens e fretae da cargas, cacommendas a
    valores, tratam-se com
    OS AGEXTES
    E. It. Rabello ft C.
    48 Rua do Couaioercio 48
    N. B. As pessoas que quizerem ir para
    Portugal na volta do va|>or, que deverd 9er
    pelo meiado do mesmo mez de abril, podein
    desde ja tomar as suas passagens para preve-
    nirem que os lugares sejant orcupados oor
    portos do sul.
    pw ^* W
    Pacific Steaa Baitetfwi Cont|a>
    ROYAL MAIL STEAHBR
    SORATA
    aapera-se da Europa atd o dia do corrente,a do-i
    poii da demora do costume, Mgaira para Bate,
    Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Ayrea, Yjb*-
    raiso, Arica, Lilay e Callao, pan oaJe raoaben
    passageiros. eucoratnen las diaheiro a Mia.
    r*io sahira aatas das trea horas da diaa eha-
    gada.
    OS AGENTES
    Wilson Rowe A C.
    li^RUA DO COMaERCIO14

    4





    L
    ' ^l


    ^vhhhmhpbh



    I
    I
    Diario de Fermmimco Saabado 21 Marto do UM.
    (tie #> Janeiro
    V esperada do Rio 4* Janeiro todo o momen-
    10 bares portoguaca FWi'2 #'&>, a qaal segui-
    ri para o rtterido porto acima com poucos dias
    da demora, per ter ja grande porcao de carga
    u-aada, e para a qm fce (aha : trata-se com os
    ciawjpnitirtoa Jsaquta Jose Gon^alves Beltrao
    k Filbo, a raa do Comroereio n. S.
    PACIFIC STEW NAVIGATION COM
    ROYAL MAIL STEAMER
    POTOSI
    iommaiidaiiie Shannon.
    espera-se dos pottos do sul ale o dia *9 do eor-
    rente, e depois da demon do costume, -eguira
    para S. Vicente, Lisboaa Liverpool, lai.-i ona"e
    passageiros, encommendas e ^ga a
    Nao sahira antea de meio dia.
    OS AGENTES
    Wilson Rowe 4k C
    (4RUA DO COMMERCIO14
    CfllMUU BAMA.Yt
    .DE
    NJiVEG\CAO \ WPOB
    L1M1TADA
    Maeelo, Penedo, Aracajd
    c Bahla.
    E' esperado dos pottos do sal ate o dia 21 do
    comnte o vapor S. Salvador, o qaal sahira para
    oa portos acima no dia seguinle ao da saa che-
    R$cebe carga, encommendas, passageiros e di-
    nbeiro a Irete.
    AGENTE
    Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
    87Raa do BoraJesas57
    0 apente Martins fara leiEo. com auttriueia,
    de I titio na Torre, com casa de pedra e cal. axu-
    to bem eonservada, onde mora o Sr. Andre do
    Abrea Porto.
    Um dilo u'Agua Fria, com casa nova de pedra e
    caL defronte do Sr. Flavio Catao.
    Um terreao ao iugar da Torre, defrenM da Poote
    d'Ucbda.
    Os preteadeotes podem eotender-se com o mes-
    mo agente, qne dara as informacdes oecessarias.
    No armasem da raa do Imperador n. 48, as 11
    horas do dia.
    Agente Dias.
    leiiao
    DE
    H) barris com peixe salgadr, de Portugal
    SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
    as 11 horao
    No armazem do Sr. Annas, "defronte da al-
    fandega.
    0 preposto do agente Pestaaa fari leiiao, por
    cobu e riaco de quern perteneer, de W barri;
    com peixe salgado, de Portugal .
    SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
    A's 11 boras em ponto
    ao armazem do Sr. Annes.
    Grande
    LEILAO
    Segunda-feira 23 do w-
    rente
    Grande sortimento deferra-
    gens, miudezas e muitos
    outros artigos
    Rua do Bom Jesus n. 2tf.
    J. A. Moreira Dias, tendo de acabar completa-
    meole com o sea estabelecimento, a raa do Bom
    esas a 26, fara leiiao, por intervencao do agente
    Dia?. de am grande sortimento de ferragens, miu-
    dezas e muitos ontros artigos existentes em dito
    sea armazem, pelo qae espera a concarrencia dos
    seas amigos e freguezes.
    Principiara as 10 horas.
    C0HJPANHI1
    trilhosIjrbanos
    DO
    Recife a Olinda,
    e Beberibe.

    SUJJPAS
    A companbia dos tri-
    Ibos urbanos do Recife!
    ribe, compra sulipes de e'ti-
    cica com 9 p. linos de comprido, 9 polio*
    gadas de largura e 4 de espessura ou gros-
    sura.
    Ogereule,
    Laurtntino Jo*4 de Miranda.
    COMPANHIA BRtIl,i;iRi
    DE
    NAVEGACAOAVAPOR
    Porto* do norte.
    0 vapor
    HVZAIVO\H> S13L,
    Conmandante Gullherme War-
    dington
    E' esperado dos portos do snl ate o dia 22 do
    cerrente e seguira para os do norte depois da de-
    snora do costume.
    Para carga, encommendas, valores, passageiros
    nuis informacoes, dirijam-se no escriptorio da
    agenda
    7RUA DO VIGARIO-7
    Pereira Vianna C.
    _________________Agentes._________
    Companhia Allianca Marl-
    tima Portuense.
    A galera portugueza Savdade, seguira em pou-
    mm dias para o Porto, com escala por Lisboa.
    Ja tem conlratada grcnde parte da carga ; e
    para o resto, irata-se com os consignatarios e
    agentes da companhia,
    Jose da Silva Loyo em seu escriptorio a raa da Companhia Pernam-
    bncana. __________________________
    Para o Para
    recebe carga 9 brigue portugaez Relampago, e
    pretende seguir com toda a brevidade por ter
    grande parte da mesma engajada : quern no mes-
    mo qaizer carregar, trate com seus consignata-
    rios T, de Aquino Fonceca 4 C, successores, a
    rua do Vigario n 19.
    DE
    80 caixas com queijos prato, 20 ditas com ditos
    flamengos, sendo 10 ditas inteiras, 10 meias e
    1 dita com to presuntos da Westhephalia,| des-
    embarcadas ultimamente
    SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
    As 11 horas em ponto
    No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
    0 preposto do agente Pestana fara leiiao, por
    conta e risco de quem perlencer, de 80 caixas
    com qneiios prato, 20 di(as com ditos flamengos,
    sendo 10 ditas inteiras, 10 meias e 1 dita com 15
    presuntos da Westnephalia
    NA
    Segunda-fcira 93 do correlate
    & 11 horas em ponto.
    No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
    Leiiao
    DA
    taverna da rua do Rangel
    n. 4
    SEGUNDA-FEIRA 22 DO CORRENTE
    0 agente Martins fara leiiao, da armacao, gene-
    ros e utensilios da taverna acima. em um ou mais
    lotes. a vonlade dos compradores.
    A'S 11 HORAS DA MANH>
    Attencao.
    Constaado ao abaixo asaignado, proprietarie da
    fabrica de doarros ao becco Large as. 1, l A e %
    qua alguns laftncantes oescios ou ambiciosos,
    acompanham eempre em sum nvencSes, e, aaa
    satisfeitos em fabriearem seas dgarroe coma
    cbapa inna da sua, maadaram iaaprirair em tints
    rerde, como OWtsaniente mandou (azer, para vea-
    derem aos seas fregueaes como seas, qne na boa
    fe, ou por igaorancia laes compram, previae en-
    tao aos seas treguezes, oae reparem para o sea
    nome, que assigna em eada maco, alem do tea
    nome qae tem em lettras maiscalas com tinta
    amarella, por baixo da cbapa verde e reparem
    tambem para os diiticos que tem ae lado de" cadaj
    map>, por baixo do nome ( Figjoeiredo ), pois
    soppoe que o meamo elles nio pooecao dizer, qne
    eena ami infamia mentirem inda man assira, pois
    alem de dizerem qne sao inventoret, ainda arro-
    gara a si um iireito quasi qae de pnpriedada.
    0 abaixo astigaado nio desejava reeorrer a
    iinprensa, porem, obrigado por seus collegas isto
    fax.
    ftecife, 17 de mareo de 1874.
    _____Jose Antonio Domingues de Figueiredo.
    A 9:000
    Botinas para homem
    Aeabam de ebegar graades factoras bem aor-
    tidas de bolioas de beterro, de cordavao, de pelli-
    ca, de duraque com biqueira, de bexerro com Iw
    tee*, m com ilaoaes a 94000 (a esoolh- r) por ter
    tijJo grande quantidwle por conta ordam dus
    fabncaoles : ao armazem do vapor fraoeec, a rua
    do Ratio da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
    Calcado

    francez.
    CASA DO OURO
    4o 4:0009000
    Bilhetes garantidos
    Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
    n. 63, e casa do costume.
    0 abaixo assignado acaba de vender nos seas
    araito felizes bilhetes um meio bilnete de n. 1334
    com a sotte de 100*000, alem de outras sortes
    menores de 40*000 e 20*000 da loteria qne se
    aeabon de extrabir (92*); convida aos possoidores
    a virem receber, que promptamente serat, pagos.
    0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita
    vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
    prar os inuito felizes bilhetes,que nao deixarao de
    lirar qualquer premio, eomo prova pelos me. annuncios
    Acham-se a venda os moito felizes bilhetes ga-
    antidos da 2' parte da loteria a beneflcio da
    iereja matriz de Muribeca, que se extranira no
    dia 28 do eorrente mez.
    Precoal
    Inteiro 4*000
    Meio 2*000
    De 1009000 para cima.
    Inteiro 3*500
    Meio 1*750
    aecil.,20 de mar?o de 1874.
    Joao Joaquioi da Costa Letts.
    Pede-se ao Sr. fiscal da freguezia de S. Jose1
    o favor de lanc/r suas vistas para uma taverna
    na rua de Bartholomeu, visto existir am grande
    abuso contra a postura da camara municipal, de
    vender-se aos domingos ate 9 horas da noite, bem
    como garapSo e outros generos que os frequentv
    dores pecam, incommodando a visinhanca com
    gente de su?peita.
    _______ Os espectadores.
    Para honaeraa.
    BOTLNAS 4e bexerro, cordavao, pebica, lustre r
    4e daraque com biqueira, dos melhoro
    ^^faorkantes.
    SAPATOES de beierro, de cordavao e de case-
    mifa.
    SAPATOS da lostre com salto.
    SAPATOES atamancados com sola de nao, pro-
    ..*'..^atfM par* Danh08. >rtos e jardias.
    SAPATOS de tapete, chariot, castor e de O-anca
    fraaceces e portnguexes.
    Pmra aeatkara.
    BOTINAS peetaa, brancas e de cores diierentes.
    .. .-r*aa enfeitadaa e bordadaa.
    SAPATDfflOS de phanUsU com salto, brancos,
    > n.^^^'T**** e ** corw d'fferentes, bordados.
    SAPATOS de tapete, chariot, castor e de traaca.
    Para ateniaaa.
    BOTINAS pretas, brancas e de cores difereates,
    .__ usas, enfeitadas e bordadas.
    ABOTWADOS 4e diversas qualidades.
    SAPATOS de tranca portuguexes.
    BOTINAS de bexerro, lustre e de cordavio.
    ABOTLNADOS sapatdee de bexerro, de di versa.*
    rudades.
    tranca francezes e portnguexes.
    Botas de montaria.
    Rotas a Napoleio e a Guiiherme, perneiras
    meias perneiras para homen*, e meias perneiras
    para meainos.
    Mo armazem do vapor francez, a raa do Baric
    B* Victoria a. 7.
    Mobilia de vimes.
    Cadeiras de balanco, de braco, de guernicdes,
    sofas, jardineiras, mexas, conversadeiras e costu-
    reiras, tudo isto inuito bom por serem fortes
    leves, e os mais propries moveis para saletas e ga
    binetes de recreios.
    No armazem do vapor francez, a raa do Barao
    da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
    PIANOS.
    Aeabam de chegar moito bons pianos fortes *
    de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
    conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
    Bldonel, Henry Hers e Pleyel Woln* 4 C. : no
    vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
    tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodoe.
    Pernimarias.
    Finos extractos.'banhas, oleos, 'opiata e pos den-
    trifice, agua de nor de laranja, agua de toilete.
    divina, florida, lavande, pos de arros, sabonetes.
    cosmeticos, muitos artigos delicados em per f uma-
    ria para presentes om frascos de extractor, cai-
    xinhas sortidas f .arrafas de differenles tama
    nhos d'agoa de cologne, tudo de primeira quali-
    dade dos bem conhecides fabricantes Piver e Con-
    dray.
    No armazem do vai
    da Victoria, outr'ora
    ipor francez,
    Nov
    Para Lisboa
    0 patacho portuguez Graciosa, vai sahir com
    brevidade por ter a maior parte da carga promp-
    ta, e para o resto trata-se com os consignatarios
    Silva Guimaraes & C, praja do Corpo Santo mi-
    mero 6.
    PARA'
    Segue com brevidade para o referido porto a
    escuna Georgiana, tendo ja parte de seu carrega-
    memo engajado ; para o resto, trata-se com Ta9so
    Irmaos & C, a raa do Amorim n. 37.
    LEILAO
    DE
    miudeza. sapatos para homens, chapeos parase-
    nhoras, chapeos de sol (cabos de marQm): ditos
    para sen horas.
    SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
    A's 10 1^2 horas em ponto
    0 agente Pinho Borges fara leiiao, das seguin-
    tes miudezas e mais artigos
    A SARER:
    Fitas de velludo, pecas de filo, tintura para ca-
    bello, requifes, franjas de seda, la e algodao, en-
    feites para cabeca, invisiveis, duzias de baralhos
    de cartas, linhas de novello, duzias de marro-
    quim, linha para bordar, chapeos de sol para se-
    nhora (cabo de marfim), ditos para homem, bo-
    toes de seda, corles de seda, chicotes para caval-
    los, escdvas, e outros muitos artigos que se
    acharao patentes no acto do leiiao, no seu escrip-
    torio, a rua do Bom Jesus n. 33.
    N. 55,400
    Pede se ao Sr. Joaquim Pires Ferreira
    o favor de apparecer na rua Primeiro de
    Mireo n. 7 A, I.0 andar, a negocio de seu
    particular interesse.
    ENGENHO.
    Arrenda se ou vende-se os engenhos Machado
    ou Estrella, junto a cidade do Rio Formoso, e o
    Montevideo, junto a villa de Ipojuca ; os preten-
    il.-rites acharao com qnem tratar no escriptorio da
    companhia dos trilhos urbanos de Olinda, ou na
    rua Duque de Caxias n. 30.
    LEILAO
    Beal companhia de paqnetes in-
    glezes a vapor.
    0 vapor
    BOYNE
    < ommandante F. Reitea
    espera-se da Europa ate" o dia 27 do eorrente, o
    lual depois aa demora do costume, seguira para
    Bnenos-Ayres, tocando nos pottos da Bahia, Rio
    de Janeiro a Montevideo.
    0 vapor
    NEVA
    Commandant*- II. Bax.
    espera-se dos portos do sul, no dia 31 do eorrente,
    o qua! depois da demora do costume, segaira para
    Southamptou, tocando nos pottos de S. Vicente e
    Lisboa.
    Para fretes, passagens, etc., trata-se na agenda
    rua do Commercio n. 40.
    AVISO
    Pelos vapores desta companhia da-se bilhetes
    de terceira classe para o Havre e Cherbourg, por
    via Southampton, pelo diminuio preco de treze .
    A companhia encarrega-se de transportar os pas-
    sageiros sem mais despezas, por vapores que par-
    tem diariamente de Southampton (Inglaterra) pa-
    ra aqaeHespottos^_______________
    DE
    60 potes com manteiga iogleza.
    20 latss com dita sem sal.
    30 caixas com garrafas de cognac.
    12 ditas com velas stearinas para carro.
    5 barris com vinho Xerez.
    10 caixas com garrafas de vermouth.
    450 garrafas com Bordeaux (ordinario).
    Quarta-feira 25 do eorrente
    as 11 horas
    Por intervenjao de agente Pinto, em seu es
    criptorio a raa do Bom Jesus n. 43.
    Aliens.
    0 abaixo assignado, membro da firma social de
    Reis & Nascimento, com estabelecimento de caica-
    do e chapeos, a rua de Marcilio Dias n. 13, cons-
    tando Ihe que seu socio Jezuino Antonio do Nas-
    cimento, depois de terse ansentado deste, propala
    que fdra expellido do mesmo ; apressa-se em pro-
    testor pela imprensa por tal occurrencia nao ter
    -havido ; bem como scientificar ao respeitavel pu-
    blico e coipo commercial desta praca, que isto nao
    e mais do que um innocente traquejo daquelle
    senhor, na idea de que sua ausencia se p5e a
    salvo dos compromissos sociaes ao que e solida-
    mente responsavel. Recife, 18 de raarco de 1874.
    Diogo Augusto do Reis.
    Porto e Lisboa
    ilera portagaeza Firmeza vai seguir com
    ide para es dous portos acima por ter a
    maior parte da carga engajada ; para carga e
    passageiros trata-se com os consignatarios Silva
    QpJEgrjgsAjl, praca do Corpo Santo n. 6.
    A gale
    brevidade
    Leiiao
    DE
    fazendas avariadas
    QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE
    as 10 horas
    0 agente Pinto levara a leiiao, por conta e ris-
    co de quern pertencer, differentes brins pardos,
    parte de volumes avariados a bordo do vapor Hen-
    ry IV, assim como vendera na mesma occasiao
    outras fazendas, como sejam : algodao azul, baeta
    e grosdenaples preto, exist entes em seu escripto-
    rio, rua do Bom Jesus n. 43
    Em continuacao
    vendera generos de estiva.
    LEILOES.
    ops sitios com casas de pedra e cal e 1 terreno
    avisos OVEBSOS
    CASA DA FORTIA.
    AOS 4:000#000.
    BILHETES GARAMTIDOS.
    I rua Prirrmro de Marco (outr'ora rua dt
    Crespo) n. M e casas do costume.
    Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidw
    la y pane dae loterias a beneneio da matrix
    de Muribeca (93'), que se extrahira no sabbado.
    28 do eorrente mex.
    PRECOS
    Bilnete inteiro 4*000
    Meio bilhete 2*000
    IM PORQiO DE 1009000 PARA ClBU.
    Bilhete inteiro 3*800
    Meio bilhete 1*750
    Manoel Martins Fiuta
    0 abaixo assignado, lendo no Diario de bon
    tem uma declaracao ou protesto de Diogo Augusto
    dos Reis, dizendo nao ter expellido o abaixo as-
    signado de sua casa em que era socio, vem agora
    perante o pnblico protestar por sua vex contra
    este acto. 0 abaixo assignado nao sendo tratado
    como devera e como era costume, sendo-lhe ne-
    gada a mais pequena direccao nos negocios da
    casa, nem tendo ao menus o direito de passar um
    troco a freguez, nio tendo subshtencia a custa da
    sociedade, tendo familia, ouvindo indirectas, reti-
    rou-se forcadamente pele que expoe, e por outras
    cirenmstaacias ainda mais positivas, qae a sen
    tempo serao provadas, e uma das provas do que
    expoe e a segainte carta, que abaixo se transcreve.
    Recife, 19 de raarco de 1874.
    Jezuino Antonio do Nascimento.
    Recife, 9 de outubro de 1873.Illm. Sr. Anto-
    nio Pedro Gomes.-Aroigo e senhor.Escada.
    Dou Ihe parte que o Sr. Jezuino Antonio do Nas-
    cimento, nesta data deixou de ser men socio, e
    espero a ccntinuacSo dos seus attenciosos pedidos,
    que eu aqui estou serapre prompto para os des
    pachar.Sou com estlma de Vmc attento, criado
    obrigado.- Por Diogo Angusto do Reis, Joaquim
    Jose Tavares.
    Estava reconhecido e sellado.
    A pessoa qae precisar de um homem estran-
    geiro, habil para qualquer servioo, dirija-se ao
    hospital Pedro II, qne o porteiro the informara.
    Aluga-se ama casa em Santo Amaro das
    Salinas (estrada de Olinda) n. 17, propria para pe-
    quena familia, tendo 1 sala, 1 quarto, e cozinha e
    ultimamente caiada e pintada : a tratar junto a
    mesma.
    Tendo aebntecido um desarranjo na ma-
    china de gelo, os fabricantes vem por meio
    deste pedir desculpa aos sens freguezes pela
    (aha que tem havido nestes dias ; esperam
    porem, em qualquer destes dias fornecer a to-
    dos as quantidades do costume ; aproveitam
    tambem a occasiao para prevenir aos seus
    freguezes que teem em viagem uma ma-
    china nova, de maior forga e do systems
    mais moderno, que fabricard em maior es-
    cala e com toda presteza as quantidades que
    forem exigidas.
    Santo Amaro, 17 de marco de 1874.
    Pelos testamenteiros de C. Starr d C.
    William W. Webster.
    a rua do Baric
    ova n. 7.
    Quinquilharias.
    Artigos de liflercntes gofltos *
    phantnzia0.
    Espelhos dourados para salas e gabinetes.
    Leques para senhoras e para meninas.
    Luvas de Jouvin, de no de Escocia e de camurca
    Caixinhas de enstura orcada earn musica.
    Albuns e quadrinhos pa: a retratot.
    Caixinhas com vidro de aagmentar retralos.
    Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
    Correntes de plaque mnito bonitas para relo
    gios.
    Brmccis a imitaoao e botoes de punhos de pla-
    que.
    Bolsinhas e eolres de seda, de velludo e de con
    rinho de cdres.
    Novos objectos de phantazia para cima de mes?
    e toilette.
    Pincinez de cores, de prata dourado, de ago
    de tartaruga.
    Oculos de aco flno e de todas as guarnicSes.
    Bengalas de luxo, canna, com castdes de mar
    la
    Bengallas diversas em grande sortimento par*
    omens e meninos.
    Chicotinhos de baleia e de muitas qualidade;
    diversas.
    Esporas de tanacha para saltos de botas.
    Ponteiras de espuma para charutos e cigarroj
    Pentes de tartaruga para desembar a;ar e par
    barba.
    Ditos de marfim muito linos, para limpar ca
    beca.
    Escovas para roupa, cabellos, onhas e para den-
    tes.
    Carteirinhas de medreperola para dinheiro.
    Gravatas brancas e de seda preta para homem
    e meninos.
    Campainhas de mola para chamar criados.
    Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
    mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
    mSes e francexes.
    Malas, bolfas e saccos de viagem de mar e ca
    minhos de ferro.
    Argolinhas de marfim para as criancas morde-
    rem, bom para os dentes.
    Bercos de vimes para embalar criancas.
    Cestinhas de vimes para braco de meninas
    Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
    criancas.
    Venexianas transparentes para portase janellas
    Reverberos transparentes para candieiros de
    gaz.
    Estereoscopos e cosmoramas com escolhida>
    vistas.
    Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
    vidros.
    Vidros avulsos para oraorama.
    Globos de papel de cores para illuminacoes de
    festas.
    Haloes aereostaticos de papel de seda mui facil
    de subir.
    Machinas de varios system; para cafe.
    Espanadores de palha e de pennas.
    Tesourinhas e canivetes finos.
    Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas
    Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
    Tiras de molduras douradas e pretas para
    quad ros.
    Quadros ji promptos com paysagens e pbanta-
    tu.
    Estampas avulsas de santos, paysagens e phan-
    taxias.
    Objectos de magicas para divertimentos em fa-
    milia.
    Realeios pequenos de veio com Had as pecas.
    Realejos barmonicos ou accordions de todos os
    amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
    rias difflceis de menctonar-se. No armazem dc
    vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
    Nova n. 7.
    Medidas de 40 a 100 metros.pes e palmos para
    medir terrenos.
    Brinquedos para meninos
    A maior variedade que se pode desejar de to-
    dos os brinquedos fabricados em differentes partes
    da Europa, para entretenimento das criancas, todo
    a precos mais resumidos qae e possivel : bo ar-
    mazem do vapor francez, rua do Barao da Victo-
    ria, outr'ora rua Nova n. 7.
    Cestinhas para costura
    Grande sortimento de bonitos modelos cbegados
    ao armazem do vapor francez, raa do Barao da
    Victoria, oatr'ora raa Nova, n. 7.
    1ST. 55*400.
    Pede-se ao Sr. Joaquim Pires Ferreira, o favor
    de apparecer na rua Primeiro de Marco n. 7 A,
    primeiro andar, a negocio de seu particular in-
    Mate.
    Chacon.
    Araga-se am sitie no Chacon, petto da estaoao
    do camioho de ferro; boa casa, murada, fructei-
    ras, banho, etc etc : a irattr com Alfredo Gar-
    cia 4 Irmao, raa da Cadeia n. 49.
    41 Rna do Imperadir 44
    0 novo proprietario deste acreilitado o bt-in montado esUbele<'iin*-ntn, com o tiro de
    couservar oscreditos de iiuiiii iirsle gt'iiero. t< in refnrmado e mt-llinradti cumpteUiBtnte
    o mesmo em ordain a podur sj.tisf..Zfrqualqu*T pedido para as provim ins do norte e in-
    terior desta, g-rsiitindo perfrtQin fir todas as prep race's. Hlta e mo -Uridade nos pre-^os,
    compa'ivel com e^te getu-ru 't iln>gas.
    Espera a tixlu motuanftti anui grande reiin-ssa de fkmrmm im h'unn.pnt'iica 4$) i.
    Epss di C, de Londres, composU de medicameiHOS, carteiras, porolotes, Opodeldocft oa
    Rbus, de Ruvonia, de Arnir-a e dep6s especia4S para di'ntes.
    Tem a disp
    Mco do povo, ja em 3.* edieSo.
    Tem carteiras degbbnlos e '.inturasde 12 ineiicamentos ate 18, a escolba do *i-
    prador.
    Plumeria, para mordeiura de cobras
    Seracena i
    I Para bexigas como prcsercalivo.
    Vaccine (
    Choiolate homeopathico.
    Cafe homeopathico.
    t Elor u'ararula.
    i P6s para (rentes, inglezes.
    China cruzeiro, para intermittentes.
    Schynus. para anginas.
    Calendula, para queimaduras. |
    Taranlula, ptira pofalysia. Jericd, para rheumatismo.
    Tintura mai d arnica, para contusoes, cdr Matta-rostta ou jaboti, para (osws.
    les, etc.
    A CUEGAREM
    Opodeldock d'Aruica.
    Dito de Rhus i
    'para rhr-matisnio.
    Dito deRryoiiia]
    Espirito
    I ra.
    de Hahereman on it- enmph*-
    Cactuc grande.florus /iira pmmmtmim #
    molestias do coracdo.
    insppc lonando todas a pre-
    Acha-e coiistontemeiite a testa do estabeleciraente e
    parav'd-.s o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Hello
    COKSULTORIO HOMEOPATHICO
    DO
    Dr. Santos Mello
    Consultas pela manha, e a noite ate 9 horas
    Gratis aos pobres.
    hS^^
    ^s>-
    Mj^ P9dcro,!? mais agradavel de todos os ferruginosos recom-
    mendado pelos Professores e Doutores : Piorht, Troussbao, Jobet (di
    LAJtBAUE), Mamaigre, Ricord, Neiaton, Chassagnac e muitissimos outros
    23SJL "2fflas. de co?*".m?5J clorosis, opilacdes, florts brancas, anemia,
    suffocafoes, palpitacoes, rachitis, etc.
    EH TODAS AS PHARHACIAS DO MUSDO.-
    Deposito geral no Pernambuco, A. REGORD.
    PARIS, 25, rue de l'Entrep6t, 25, PABIS.
    COALTAR
    DE
    SAPONINADO
    LE BEUF
    DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS CHAGAS.
    Adoptado pelos hoipitaes de Pariz e pelos da IHarinha militar fr.occia.
    Esse eicellenle tonloo possue ama eflfcacia veriladeirameote maraTilhosa nos ti/ceras gangre-
    nosas e escrofulosas, nos cancros ulcerados, no anthrax, na otorrhea /lurutenta, na ozena, no
    crup, feridas pelas annas de fogo, enfermidades do utero, etc., etc.
    Emprega-se, mezelado com mais oo menos agua, em chumacos, locoes, injeccoes, gargarismos.
    Como dentifricio orJinario (uma colherada das de chi n'um*quarto de copo il'agua) e muilo espe-
    cialmente efficaz para purifioar o baTo, tanar a* geneivaa doentet e tornar firmr, o*
    dentes esearnadoi.
    0 seu nso e muito hygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
    Uma noticia circumslauciada vae com cada frasco. Exiga-se a firma do inventor.
    Fabrica em Bayonna (Franca), em casa do Sr. LE BEOF, Pharmaceutico de V classe.
    Depositos: Pans, 85, rua Reaumur; fernambuco, A. REGORD, onde se encontra tambem s
    Emulcao de Aleatrlo vegetal de te BeuT para faier a agua de Alcatrao, a unica preparacio cos-
    centrada e titulada conteodo em si o alcatrao sem ser alterado nem niodiflcado.
    BENEDICTINE
    LICOR DOS MONGES BENEDICTINOS DA ABBADIA DE FECAMP
    Este celebre licdr tao
    appreciado do publico
    ao ponto de se encon-
    trar hoje em todas as
    boas mezas, tanto no
    Restaurante como no
    jantar domestico; nos
    grandes hoteis como nos
    saldes dos principes, por
    isso e elle tamben o ob-
    jecto de numerosas imi-
    tacoes, cuja maior parte
    de falsa provenencia.
    ^

    ,KSU
    ^
    Como termo final de
    garantir aos consomma-
    dores cuidadoxos um
    producto puro, exquisito
    e essencialmente hygie-
    nico, contra estas lalsi-
    ficacoes detcstaveis de
    man gosto e nocivo, A
    saude, damos retro o
    modelo da garaffa e mais
    acima o dos sellos e le-
    treiros que envoi vem o
    rerdflde-iro licdr benedic-
    tino.
    OBSERVACAO IWPORTANTE.
    Recommendamos particularmente ao publico em geral, o exi-
    gir o letreiro acima, gui 6 sempre poslo no fundo das garaffas
    desde o i" de Outubro de 1872 que tem a assignatura de
    A. LEGRAND aine. director cehl.
    h. B. Em tempos de epidemia o BEniaDiCTlifO am preeerraMvo
    oerto; am grand no mero da oelebridados medioas tem dado
    certiflcado bem formal.
    Drpoaito Kerexl: A* LEGRAND siiaie, em F4mmp (Fraara.
    Deposito geral em Pernambuco, A. REGORD.
    '?
    FUMO DO PARA
    0 verdadeiro fumo de Rorba, em chicote, picado, desfiado e crespo,
    como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quartets n. 11.
    Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarlo os seguintes e bem conhecidt
    fumos manufacturados na mesma casa,
    Flor do Brasil
    Novo Caporal
    Bes Bird'seye, ( Olho de Pasearo. )
    Vende-se a retalbo, e em grande quantidade se fax grande abatimento.
    t
    I


    si
    )
    f
    1
    X&fft Mimln Babbado M Ma*p de MI4.
    FUNDIfjAO DO BOWMAN!
    ROA DO BRDM 1. 52
    (Passaudo o enafariz)
    PEDEM AOS ttobom de fDgTibo e oolroa agricnl-ores, h tun prop An Trs de o
    mlojsom o favor da tma viaiu a aeu atttbelaciiaento, pr v,,rem o uff\u twriiCuiU
    mmpkUt qua aai laa; icndo todo aaperior en qoalidade e fortidlo; o qoe com a ins
    tiipa p*aoal poAa-ta veriflcar.
    ESPECIAL ATnDfCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDiaO
    Tlirinra\M a vt\Aaa AJocrna do8 ma'8 mod6rno ayateuiaa eem u
    * VpOIW m rOQao U ag Uci auaboa convanieotet para aa (tiveraat
    kircnaaaunciaa dot senhores propriettrios e part datcaro$ar algodao.
    Woendaa de canna de-todoi 0umaab0 ^>^^ w w
    existe*.
    para animaea.
    agaa e vapor.
    Eodas dentadas
    Taixas de ferro fandido, batido e de cobre.
    Alambiqnes e fdndos de alambiques.
    VflAriiniomna P*n mindioci algodioJ Podeado] todot
    Wllimamua e p,ri madeira. Ir mofidoi a mao
    HftmhftA |Pr aga, vapor'
    UVU1UOB de pateote, garantidai........ Jon aaiauet.
    Todas as macmnai Fai qualquer concerto ""*"' w mi nmaMo-
    Formas de ferro y"^**1'111*^ no
    dtAAmmAnilafl Incaabtvie de mandtT vir qaaiqtnr machinismo i vod-
    aUUUinmenaaS. tada fa clientat, toabrando-lhea a vaotagem de faaerem
    mat comprai por intennedio de peteot entendida, e qne em qualquer neceuidade p6de
    *m preetar auxilio.
    Artdot amerioanot *"">* **
    RUA DO BRUM N. 52
    PASSANDO O CHAFARIZ
    FUNDI^AO DE FERRO
    A* rna do Barao do Triampho (roa doBram) ns. 400 a 104
    CARDOSO & IRMAO
    RECEBERAM de Inglaterra complete sortimento de ferragens e machmas para: r
    genhos, asmais modernas e melbor obra que tem vindo ao mercado.
    Vapores de for^a de 4, 6,8 e 10 cavallos.
    0aiQ6iraS de sobresalente para vapores.
    JiOGIlGaS mtCiraS e meias moendas, obra comoaonca aqoi veio.
    TaixaS (fundidaS e batidas, dos melhores tabTrcantes.
    IvOdaS Q a^lia com ctrbaje de erro, fortes e bem acabadas.
    KOdaS aentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
    Relogios e apitos para vapores.
    oODlbaS de ferro, derepucho.
    AjadOS de diversas qaalidades.
    FormaS para aSSUCar grandes e pwquenas.
    ConCGrtOS con<,erta,n compromptidao qualquer obra ou machine* para o sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
    EnCOmnieildaS man(^am y*r Por encomraenda da Europa, qualquer machinismo,
    para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londras
    * com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
    htas machines, e seTesponsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
    Rua do Barao do Triiunpho (rua do Bram) ns. 100 a 104
    P U N D I C A O DE CARDOSO & IRMAO.
    I Boa do Inperador 49
    Ha i o.-te K-UDf^ecimontn n rr-lhor .rimo '\n ^jaun dos mis afamaJos autort-s,
    fumo sao : \i$a% Tlejei, I'lap, etc. U'florwe**s riorw, mandtdot expressamente construir para este clima, o qual os amadorea cos
    bons pianos so encontrarao nett cast.
    Recflbem-so pianos usados em troca.
    t'oiic<:rtMn-se e aflnam-se pianos.
    Tamtam aisa-se aos Srs.
    concertadores de pianos
    que ha sempre o roais complete sortimento de roateriaes para coDcerttr pianos, como
    s*o: cepos, folba para os mesmos, eraTelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
    marfim, etc., etc.
    49 RUA milUPKRAHOll #g
    REDUCCAO DE PREfOS
    FABRICAS DE CHAPEOS DE SOL
    DE
    MANUEL & MAESTRALI
    Una do Barao da Victoria a. 25
    ESQC1SA DA CAMBOA DO CARMO
    E
    Rua Duque de Caxias n. 64.
    Os proprietaries destes estaberecimentos participam ao rspeitavel pubSces a seus
    fregnezes, que teem sempre um compieto e yariado sortimento de cbapeos de-sol de to-
    das as ^ualidades e atmanhos ; tendo tesolyido fawr reduc^to nos precos des mesmos,
    e acham-se em condifoes de podereM vender mais barato que em visto receberem todos oe seus arligos em direftura, e achar-se um dos socies na Europe,
    percorrendo as principaes fabricas.
    Cbamam a attencSo dos seofeores logistas para visitarem seus esiabekcimentos, e &
    yiAe, dos precos e boas quaiidadet dos artigo, ao deixario de comprar.
    obrem-se e concertam*se ohape'os de solde todas as qualWades, -com promptidao
    e a preejOB modioos.
    Na rua do Barioda Vietona n. 36 precisa-*
    allar ao Sr. vigario Andre Curciiio de Araajo P
    eira, i netocio de sen interesse._____________
    AUen^ao.
    Prccisa so, ci m urgei.< w^.do uma ama iv
    leiti;, quo *j s dit, e qne trtiha bom ?
    abun-la ite \<\\o, p.-ra tln^r ctiM de uma
    cuair. ;^. .i.ij, ian \-: |>r. ftf n< u i
    'tut iio ii.Mid (l'H'.n, |"s, rtiliv.-r n*-*
    rirc4in.t-!i'-iis .!(!' 'i-. <.' .''it iar dr'.a
    tj|i g .tj.iiij pi: \ iraur. ^^^^____
    Um sttio na lraessa da Crnt das Almas, ptru
    das e^ta^oos da Tamarinuira e Jaqaeira, com n-
    cellente ca>a de viveoda, nova, muilo eoflMBoda
    e usciada : lendo t u'a<, 6 quartus, e fora eo-
    zinha, dc zinheiro ; a?>im cumo cocleira, c tubaria, dou*
    quartus I'ara criadoi, laUiru-, crroado de fetn,
    banheiro, gallinheiro, etc etc.: a tratar do iUo
    do commtQiladur Taso.
    Garanhuns.
    Na rua do Bario da Victoria n. 36, precis*-*
    allar aos Srs. Pedro do Rego Chares Peixolt e
    os6 Paes daSUra, a negocio de particular iate-
    s*e _
    Apreciem
    AVISO.
    Nao se prestendo o pequeno-espapo do armarem
    g. 10 A, a ma-da Madre de Deos, para um abasto-
    cido deposito das diversas marcas de fumo, qoe o
    abaixb assignado almejava ter, acTia-se d'ora-em
    Jiante abei lo outro estabeleciinento sob a mesma
    denominaeao de
    Armazom fa fumo
    A' rua do Amorim n. 41
    com todas as proporc&es deseiadas, e onde pede-
    rao os senbores fregnezes dirigir-se, certos de
    3ue, como sli aqui, acharao sempre a par da mo-
    icidade dos precos, a maior sinceridade -possivel.
    Enire as diflerentes marcas de fumo da Bahia e
    Rio de Janeiro, que tern sido annnnciadas, acaba
    de chegar uma encommenda especial, e que muilo
    deve convir aos senhores fregnezes. Conscience o
    abaixo assignado de que neste genero de negocio
    nao esta sem competidores, fara muito por eviiar
    qne tamoem oe tenna com relacio ao pequeno lu-
    cro que proeurara obter da dita mercadoria.
    Jose Domingue; do Carmo e Silva.
    ODILON DUARTE & IRMAO
    CABELLEIREIROS
    Premiados na exposi^ao de 1872
    RUA
    DA
    1MPBRATRIZ
    N." 82
    1. AMDAR.
    ;EBI0Q/War
    /- -a^g"/
    RUA
    DA
    mPERATRTZ
    N.' 82J
    i. ARMR.
    Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
    dilecoes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmes. Sras. n'a-
    qtiiUo qjue fdr tendente a arte de cabelleireiro.
    Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
    co ques modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
    miUares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
    O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
    gein*s, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
    rinos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
    perfei^*'to no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
    Pen team senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
    porao e a relalho e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
    Collegio de \. S. do Amparo
    A abaixo assignada, competentemente licenciada
    pelo Exm. fir. commendador presidenle da provin-
    cia, e o Illm. Sr. Dr. director geral da instrucjao
    publica, tern aberto sob a iavoeaiio de N. S. do
    Amparo, em a rua da Imperatriz n. .16, um colle-
    gio para edacacao do sexo ferainino O collegio
    acha-se competentemente preparado pariTeceber
    alumnas ioternas, meio-pensionistas e externas, e
    os ramos de ensino, qne serao instrnccao prima-
    ria, portuguez, francez, inglez,.geographia, histo-
    ria, piano, desenho, danca, crccbet, obras de 15,
    bordados a matiz e ouro. serio leccionadas por
    pessoas devidamente habilitadas, moralisadas e da
    inteira confian^a da abaixo assignada. Avisando
    assim ao3 refpectivos pais de familias desta pro-
    vincia, a obaixo assignada espera merecer delles
    a confianca de educar suas filhas, garantindo aos
    pais de suas alumnas de que sera solicita e zelosa
    em cercalas da vigilancia e carinhos qae nunca,
    quando bem di-tribuiJus, sao de mais para tao
    innocentes creatnra?. Recife, t6 de marco de
    1874.
    Carlola Augusta de Figueiredo Relfort.
    Para aboaconservacao
    DE
    VOSSO CABELLO
    PERFUME
    ^gflmtt
    i

    Constructor e alinador de pianos
    Rua do lmperador33
    E^-aflnador das antigas e afamadas casas Pleyel & HerZj antigo director dae offici-
    al casa AJpbonse Blonde!. ......
    Tem a bonra de declarar ao respeitavel publico desta made, que tern aberto sna easa de
    L-oncertoe e afinacoes de pianos, qualquer que seja o estado do instrumento.
    A mesma casa acaba de reeeber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricates
    de Paris oomo Erard Pleyel, Henri Hers e Aiyhonse Blonde!) todos os pianos sahidos da casa
    Dhibaut 'sao tarantidos.
    ComJra-e e receb-se em troca os pianos usadoa.
    PEMORES
    Na travegsa da rua
    dasOruzes n. 2, pri-
    meiro andar, da-se
    dmheiro sobre pe-
    rihores de ouro, pra-
    ta e briifcantes, seja
    qual for a quantia.
    Na mesma casa
    compra*se os mes-
    mos metaes epedras.
    J ^^ W3& SS^S|__
    Engenho
    Vende-se o engenbo S. Pedro, situado na pro-
    "vioeia de Alagoas, comarca do Porto Calvo, a
    menos de uma Tegoa distante do porto de- mar de
    Gamella, tem oxcellentes terras, matas, e safreja
    regularmeate 2,(00 paes : a tratar na rua. do'Vi-
    jaiiaa. 31. _______________
    Cordeiro Siindcs & L
    Acabam do reeeber pelo vapor Xendoza :
    Riquissimos cortes de gorgurao de seda lteos-e
    com li tras achamalotadas.
    Ditos de linbo para vestidos, contendo cada cor-
    te, a uecessario para sea enfeite, como seja :
    t'ranjas, trancas, t.otoe.*, fivellas, etc.
    RiqutBsimos chapeos para senbera, ultima roods,
    a rua Primeiro de Marco a. 7 A.
    ga-se
    nma grande casa para familia, na Capnnga, roa
    da Ventura n. 22, teado-quartos fora, banheiro,
    cocbeira, gallinheiro, etc, etc.: a tratar na mesma
    casa.
    Cosieheiro.
    Na raa do lmperador
    n.28
    precisa-se fallar aos seguintes senhores :
    Domingos Martins > Barroa Monteiro.
    Emigdfo Marques de Santiago (Dr.)
    loio Vaz de Oliveira.
    Jose Francisco Lopes Lima (Nazareth).
    Maaoel Pereira Brandao.
    Manoel dos Passos Miranda.
    Tbeotoaio de Barros e Silva. s
    Francisco de Paula Borges.
    Francisco Antonio Pootua
    FUGI0.
    Fugio no dia !. de marco, da casa de wu se-
    uhor. a mulata de nome Lydia. com os st^naes
    seguintes : balxa, gorda, cabellos erespos, pNtos
    grand* e cara larga : quern a appretender trJ1-
    a rua d* SanU Riu n. 3, eatrada pela rua
    ava._____________________
    Aloft-ae andar do sobrado a rua do
    Amorim n. II : trau-se na rua dos Ossot n. 14
    de 4 baraa 4> t*rd em dlaata.
    Sementes de hortalices
    vindas pelo ultimo vapor, a rua da Cadeia do
    Recife n. 53; tambem na mesma loja recebem en-
    commendas para o sitio do Abrigo em Olinda, de
    arvores fructiferas e outras propriae para adorno
    de ruas e jardins, sortimento de pairaeiras impe-
    riaes e de ontras qaalidades ; assim ccmo pes de
    (lores para jardins e vases, todo por modieo pre-
    co e garante-se estaiem bem enraizadas todas as
    plantas como e de costume.
    Precisa-se de uma ama para comprar e co*
    ar o diario de uma casa de pouca familia:
    . na rua do Marquez de Herval, outr'ora da Con-
    j cordia n. 16.____________________________
    , Precisa-se de um rapaz para os serrieog
    diarios de uma padaria : na roa da Guia n. 54.
    Nova
    SAQUES
    Carvalho d Nogueira, nt rua do Apollo
    f, SO, accam sobre o Banco Commercial
    de V?anna e suas agencies em todas tt ci*
    dtdes'e ttIIm do Portngat, 4 vista e a prtzo
    por todos os paqaetes.
    Elle um preventivo -seguro e certo contra
    acalvice.
    Elle da e restaura foFca e sanidade a* pelle da
    cabeca.
    Elle de prompto az cessar a queda prema
    tuivi dos cabelles.
    F'le da grande riqueza de lustre aos ca-
    bellos.
    Elle dome e faz preservar qualquer forma ou posi$ao que se dete-
    je, ii'ihb estado forrooso, liao e macio.
    Elle faz ocescer os cabellos bastos e compri-
    e os.
    Elle conserve a pelle e o ca>co dajcabeca
    limpo e Itvre de toda a especie de caspa.
    Elle previne os-cabellos de se tornarem bran-
    cos.
    Elle conserva a cabega n'um estado de fres-
    cura refrigeraote e agradavel.
    Elle iiao e demasiadamente oleoso, gordu-
    rento ou pegadigo.
    Elle nao deixa o menor cheiro desagrada-
    vel.
    Elle e o melhor artigo para os cabellos das
    crian$as.
    Elle e* o melhor e o mais aprasivel artigc
    para a boa conservacSo e arranjo dos ca-
    bellos das senhoras.
    Elle e o unico artigo proprio para o pentet-
    do dos cabellos e barbas dos senbores.
    NENHUM TOUCADOR DE 8ENHORA SE
    PODECONSIDERAR COMO COM-
    PLETOSEMO
    TOMCO ORIENTAL
    o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
    O CABELLO.
    Acha-se a venda nos estabelecimentos d+
    H. Forster d C, agentea. E em todas as
    principaes lojas de perfumarias e betioas.
    Qaem precisar de um homem caeado pan
    algprna arrumacio, djrija-se a roa da Trempe n.
    ,No cacs do Apollo n. 71, paga-se bem a
    unborn cozinheiro : prefcro-ie cbiaa.
    Precisa-se alugar am eriaio qne saifea tra-
    tar dc sitio, entenda de andar com carroct e su-
    jeiUvse a vender na rua, preferese escravo : a
    tratar na estrada da Capuaga, passando a barrei-
    ra, casa n 1_______________
    Pirecisa-se alugar uma preta de roeia
    [aps : na rua do Ouro n. 71.
    Invea^o Paiva.
    (Privilegio exc-luwivo. )
    Se nio guereis pagar eerta quantia
    exigi ao V06so credor ontra maior.
    Devendo^nos Antonio Paiva da Foaeeca cerca
    de 2:000 vencidos ha mais de dous xnezes, e
    coavictos de que perderiamos totalmenle aquella
    divida se deseancassemos sobre a probldade do
    nosso devedor, tomamos o partido, hoje renutado
    o unico que pode dar algum resuliado favora-
    vel......isto e, lancarmo-nos de joelhos com as la-
    grimas aos olhos, ante o pesso honradissiao de-
    vedor, e assim impiorar, regar, supplicar...... ate
    commove-lo se isso fosse possivel.
    Felizmeme para nos, estava de bom humor o
    nosso poniuatissnno devedor, poii, pareeendo con-
    doer-se da nossa situacao, permittio que trouxes-
    semofi alguns retalhinnos de fazendas, tres ani-
    maes, qne sua merce abaliou a seu talante, e al-
    gmuas dividas para recebermos, o que tudo som-
    mado, two montou a nietade da nossa divida. Foi
    pouco o qoe recebemos ; mas que faaer ?
    Se o honradissimo Sr. Paiva nao tioha sequer
    um bintempar far sot seui credores l..
    Mais val pouco do que nada.
    Isto passou-se a II de fevereiro proximo passa-
    do em S. Loureaco da Matta. Tratamos logo de
    reeeber algumas das dividas que o Sr. Paiva
    nos deu em pgamento, aeodo que o mesmo Sr
    Paiva presenciou as nossas diligencias para co-
    brar as dividas, e acompanhoa-nos de perto em
    alguns engenhos, sem fazer a menor opposicio.
    Agora, porem, passidoe 40 Has, leuibra-se o
    Sr. Paiva nio to de fazer um ttrrivel prolesto,
    poblicado no Diario de bontom (para o qual cha-
    mamos a attencio do Ieitor), como tambem de
    cbamar-nos a iuizo para |ue lne paguemos a ba-
    gatella de 8:8004 I....
    Realmente o Sr. Paiva anda mal aconselbado, e
    se arrependeuse de nos ler dado alguina cousa
    per conta de sua divida, deve lembrar *e de que
    nao sao dessa natureza os arrependidos que ae
    saivam.......
    A lei assim o diz, e tambem Ihe ba> de dizer
    os tribunaes, quando chegarem a conhecer bem o
    honradissimo, probo, poDtoalissimo e pagadoriiii-
    me Sr. Antonio Paiva da Fonceca.
    E. A. DELOUCHE.
    -l Rua do Marques de Oltnda *4
    Acaba de reeeber um grand* sortimento de re
    logios americanos para parede e mesa, de corda
    de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertadoi
    dos melhores gostos e qualidade.
    Relogios de ouro patente inglez verdadeiros, des-
    eoberto com ponteiro grande no mcio, dos maia
    modernos e do melhor fabricante de u ndres.
    Grande sortimento de relogios de prata, prata
    duorada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
    foliada (plaque ), orisontal e patente, de todo
    preco.
    Cadeias de plaque e de ouro.
    Lunetos e oculos de todas as qaalidades.
    Verdadeiros Vidros de cfanstal da Rccha. para
    vista cansada.
    Veade-se tudo por preco mais barato outta qualqner parte.______________
    eomo se \eode barato
    i' RUA DO CRESPO
    Wk M % MRTAS
    DE
    Gmlherme & Qk
    CASSA-LA
    Acdba de chegar esta fazeoda com bonitos pa-
    dr6es, e que se vende pelo diainuto preco de 20
    ra. e covado 111
    METIM
    etim trancado, padrdes bonitos, a 320 rs. e
    covado III
    ORGANDY DE CORES
    Cambraia ougandy de cores, fazenda fina.boai-
    les padroes, pelo diminuto pre^o de 320 rs. o co-
    vado III
    LAS ESCGCEZAS
    Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
    padroes, que re vende a 240 rs. o covado!!!
    CRETONE
    Cretone ckaros e escuros, bonitos padroes, e fa-
    zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
    vado III
    LAS MODERNAS
    Complete sortimento de la de todas as qualida-
    des, polos diaiinutes precos de 400 rs. o covado,
    e pechioha 11 I
    Cortes de casemira di cores, a 5f (09.
    Colchas estampadars e com barra a 3/500 e
    4/000.
    Cobertas de chila adamascada a 3/500.
    Lencoes de bramaate a 2/000.
    Dites de algodao a 1/400.
    Toalfca* -alcochoadas, duzia, a 5/800
    Lencos de cassa com barra a 1/000 a duzia.
    Ditos de cassa abanhados a 2/O00 a duzia.
    Ditos de esguiao abanhados, em caixinhas mo-
    dernas. dpzia, a 3/500.
    CamEfla transpareote fina a 3/000 a pera.
    Chales de todas as qualidades e precos.
    Bramaate de algodao e linho a 1/600 a vara.
    Dito de linbo puro com 9 e 10 palmos de lar-
    gura a 2/500 e 2/800 a vara.
    Algodao marca T, largo, a 5/000 a peca.
    Dito demestico a 3/000 a peca.
    Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
    sas, a 440 rs. o covado 111
    Madapoldes Irancezes de todas as qualtdades de
    5/ a 8/500 a peca.
    Cbapeos de-sol de seda com 12 asteas, pelo di-
    minuto preco de 8/500.
    Camisas mglezas, todas forradas, fazenda de
    linho puro, a 44/000 a duzia ; e pechincha, so se
    vendo.
    Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
    de 800 rs. o covado; e pechincha, e dao-se amos-
    tras.
    S6 o n. 20 da rua do Crespo
    Loja das (res portas
    DE
    Guilherme & C.
    JUNTO A LOJA DA ESQUINA
    ESCRAVO FUGIDO.
    Desapparecen ao amanhecer do dia 4 do cor-
    rente, do engenho Serigi, comarca de Gnyanna, o
    escravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
    tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
    nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
    grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
    uma gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a
    todas as autoridades e capilaes ae campo queiram
    apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
    genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
    go do Corpo Santo n. 19, que serio generosamen-
    te recompensados.
    Muito barato
    Aluga-se a loja do sobrado da rua Bireita n.
    120, serve para negocio e moradia, mediante um
    modieo repartimento, tem agua, gaz, e apparelho
    de Tmpeza, o aluguel e favoravel : trata-se na rua
    do lmperador n. 81, ou a rua da Palma n. 25.
    Padaria.
    Precifa-sc de um socio com capital para nrra
    padaria, tx-m afreguezsda tanto para a terra como
    para o matto, on wtkia te, f.zse qualquer ne-
    giKio : no pateo do Terpo n. 63.____________
    O Sr. Ant.-nio da G*ta Oliveira deixa de fct>
    je em diante de ser caixeiro de escripta ie mi-
    nha casa.
    Recife, 18 de marci de 1874,
    Bernardino de fen* Puntua!.
    Fugido.
    Fugio ha 5 metes parados, do engenho N iru^p,
    fregufiia da Escada, o escravo pardo, Manoel >e-
    verino e pur ant"Uomasa Manuel Vennclho, com
    os signaes seguintes : alto, aorpa regular, corn a
    junta de urn dos joelfco> inchada e manca desU
    metma perU'a, com cicatrize? nas co*ta?, tem faJ-
    ta de denies, rendido de uma verilka, e it>w
    desagradavel: foi escravo do finalo coronet Ma-
    noel 1'ereira de Miraes, pr prietario que foi do
    engenho Inhaman, freguezia de Iguara su, e ia pr
    uma vea fugio e ettave dmniciliad > em poder de
    um morader do ines uio engenho Khanua, pete
    que pr'esame-se ter para ahi ido outra vex. Ro-
    ga-se as autoridades policiaes e c.ipiiaes de caa-
    po a captura do mesmo, podendo dirigir se ao
    mtsioe engenho Noruega. rr^idenTia seu se-
    nhor Jose Ignacio de Mello, ou no Recife a rua
    da Cruz N. 4, 2." andar, onde generosamente se
    recompensara a apprehensio do mesmo escravo.
    Antonio Paiva da Poaeeca avia a todos os
    ikjus dovedores de S. Laureaco da Mitta qae nio
    paguem a ninguem seus debitor, visto que Silveira
    dt C. apossou-se ill<-galmentp fle i"s os ?eas
    bens ; bem como do livro borrad r a ode so a>*ha-
    va a nota e conta dc seus devedi-ns. Cfi
    agora an conhecimnto do aanu ci.inte qa -i!-
    veira & C tem andaJ.i reeeWndu 6 -r-anlo '!-
    tras contra seus devedorcs rilra I rectbtff
    brevtdade ; por iara, o Nnnncianti pn loMa
    tra o procediirento dos 9rt. SBv it i \ C,
    ver que nao paguen. porqae n .. La
    com accao contra os mesmos Sftvrira i C, arlm
    de Ihe re.-titnirem os hens me !h n araa i Ie
    galmente ; portanto, o annunciatt- e o cosnpe-
    tentc para reeeber os debitos de seus devedore*.
    e por isso faz o present* para n-> all^rem ...
    norancia futura.
    de dous criados para
    hotel de Bordeaux.
    J 'reeisa-se
    tudo service.
    a tratar M
    Paris, 36, Rua Vivienne, D
    H333D icdkh srtci.il
    DAS ttirr.Kuwn:, s dis sums, as if ft., 90M
    C,t\tfi: r n.THi-ro-s CO SMcn.
    eurts lulMyta.
    I T"i'.pus'n!as. herpet,
    >urna,comuoes, acri-
    .nonio, eallerioe<,ti-
    fciosas do icngve, vi-
    rus, e alieiuiiKi Uj sangue. Xari'pe vegetal
    Still iiicrcuiio). Borurali 11, iri.d
    mhm HiVEBaES tomao-sr ifoD< por
    semana, seguindo 0 trscUmeoto Depuratuo: t
    emprepirto nas nifsmas moleslias.
    I Este Xarcpc Citracto da
    Terro de CHABLE, con
    I a.mediaia:. en'.e qual-
    rarao, e debtlidadt,
    e iguuliuenie o> ujoi e florrt 'ranras das
    mulheres. Esta iujeccao, benign:, ctnpregaste
    com 0 Xarnpe de CHratto de Jtrro.
    BeB*rr*l POMAOA ANTIHERPETICA
    Contrs: des affecfots eutanetu e comixoet.
    PILULAS VEGETAES OEPURATIVAS
    do Chable, cada frasco vrai accumpahad*
    de um folbetx.
    DEPU,
    du.SAlV:G
    PLUS OE
    COPAHU
    AVISO
    D-FORGET
    Cozinheiro ou cozinheira.
    Precisa-se de um e de mais uma criada para
    todo 0 servijo domestico de pouca familia : a tra-
    ar na rua do Passeio n. 60, loja.
    ALUGA-SE
    ama casa na Capnnga, rna das Pernambucanas,
    com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
    Vigario Tenorio n. 31.
    Caixeiro.
    Precisa-se de um caixeiro com pratica de mo-
    lhados, para a cidade da Escada, de 12 a 18 an-
    nos : a tratar na rua da Praia n. 54.________
    Carros para enterro
    a 4^000.
    JustinoFrancisco de Assis, com cocbeira de car-
    ros de aluguel na rua do lmperador n. 23, de-
    clara que d'ora em diante aluga os mesmos para
    acompanhar enterro dentro da cidade pelo preco
    aciraa indicado.
    AOS SRS. MEDICOS.
    I Cora caiarrkot. tot:ei
    coqveluckes, tmtaftu
    neivouu lat dot brmt-
    ckiot e lodai at doenfM
    I do pet*; kadi so doeatt
    nmi colhe rehdea de?ta xarope D* roscer.
    Dr. CBtaau em ParU, r Ivieaae, S
    Deposito hot ca Prtncata
    22 Rua da Cruz 22
    Aluga-se
    uma boa casa com sitio. teudo bistantes ;,i
    dos, na Capunga, rua das Pernambucanas u t
    achara no mesmo com quern tratar
    ALUGASE
    o 2 andar do sobrado n. 32 da rua Marquez de
    Olinda : a tralargarroazoa era do mesmo prediu.
    i:
    Na rua da Imperatriz n. 30, padaria fraoceza.
    precisa-se alugar um escravo para entregar t
    mais servicos domeslicos.
    ATTE
    Precisa-se de nma senhora que esteja nas c>n
    dicoes seguintes : !. qne saiba ensinar bem
    portuguez, francez, mnsica, piano, costnra, bor-
    dado, etc. ; 2.* que queira ir para um engenh}
    perto de uma das eslacpes da estrada de ferro de
    b. Francisco ; 3. e ultimo que seja uma senhcra
    capaz em tudo, para aperfei;oar. porqne ja estlo
    ct m principio, is 5 meninas, paga-se um con to
    de reis e gratifies se : aquella que estiver nessa*
    cendifoes, annuncie para ser procurada
    Casa para alugar.
    Na rua 24 de Maid, outr'ora travessa da rua
    da Palma a 10 ; aloguel 8W0M measael : a tra-
    tar na rua do Hoapicio a. 3i
    Pre vine-se ao Sr. Julio Isaac que nao entre-
    gue os objectos constants da cautella n. 3,560,
    senao a abaixo assignada, visto a mesma terse
    perdido. Recife, 16 de marco de 1874.
    ___________Maria Bandeira de Mello.
    Francisco de Lima Coutioho participa ao
    respeitavel publico e espeeialmente ao eorpo do
    covnmercio que tem justo e contratado com o Sr.
    Van<*el Ferreira Pinto, comprar Ihe o seu estabe-
    lecimento de faieadas, da praca da Independen-
    cia n. 2, li'r.re e desemoaracado de qualquer obri-
    prjao oucBoi. '________________
    Arata-se unN escrava que coxinha. compra
    e faz os mais servic.? de casa ; na ma de S Jor-
    ge o- 74.
    ATTENCAO
    Consundo aos abaixo assignado achar-se nes-
    U pract o Sr. Manoel Fernandes de Carvalho. rea-
    deiro dos engenhos Barra e Preguica. em Ma-
    manguape, provincia da Parahyba, veera rogar ao
    mesmo o obzeqnio de vir entender-se com os
    abaixo assiguados immediatamente sobre negocio
    tendente a as reforidos engenhos. Rna do Amorim
    37, escriptorio.
    __________________Taase Irmaos A C.______
    Aluga-se uma escrava par servico de rasa :
    no pateo de S. Jus4 n. 49.
    Club fppico*.
    (k associados do Club Ippkos fazem a sua pn-
    meira partida de conquisU a mestria no dia 22
    do corrente, no povoado Aptpocos, em espleadidt
    cavalbada, com os quatro manejos de lanca. Co-
    mecara as 4 horas da tarde.____________^^
    Olferece-se um homem casado, de boa i
    portamento para feilor on copeiro de alaaaa
    estrangein e se for fora da provmcla sera sad
    quem pretender curijase ao beeco do Ponbal a.
    32, nue achara com quern tratar, das ft as 10 no-
    ua manU.
    m
    I
    >

    *
    TT
    Jl


    11 m ii '


    L
    /
    )
    *
    SM*te$*M*mi<& -t/bMmfa- '-^aitaibw* A MSC
    CASA MMMNA
    Rua 1. de Marco n. 23
    Aos 2MM$<100.
    0 abaixo assignado tem sampre exposto a ven
    'Mfflbetes da loteria do Rio, cuja extraccSo an
    nanciara pelos jornaes.
    Precos.
    Jnteiro 24|000
    Meio 12*000 '
    Quarto_ 64OOQ
    anael Martins Fiuza.
    laid > ii preto Ignaein,
    Na ma do liar^
    fallar ao Sr.
    Aasada.
    da
    ria n 36, precisa-s
    1___________1
    eoropre
    AMAS
    isa se de ubm am para
    natravessa io Corpo Santtfu. VC
    swlnas.
    * a* vj|
    AindncAt!
    a':ura regular, gee
    d-
    do corpo, eabeca e pes' do-
    oaenos falta de denies na frente, .deve ter r no$
    d m dedos da maos calejados, do servico de padae
    rJL'^l" J **no\ d0 id:,d,,' f"*1' em 4 de fa-
    n?rro proximo passado, euttta qrle anda no Barro,
    on entao ?<>gnto para 0 scnao : pede^sB as auto-
    ndades on pnscas que b des-ubram, a sua cap-
    SS'A,cva-'- a rua do Lrnrm n.'72, padaria, em
    *)5o00 mnr que ?e 8"tificara com
    ~~j^S**"*? < andar do predio n. 53 da
    rua do Bom Jesu.s, aotigamente rua da Cruz : a
    tratar ni piaBfca roa n. 53.
    Antonio Martina tie Citrvnlho
    Azovcilii.
    Fancisco Jw tins Gomes da ffllva. Amancio Martins de Carva-
    ino Azevedo, genro e filhos, agradecem cordfal-
    rnente a todas as pessoas que se dignarara aco'm-
    panhar 0 c.idaverda" sea orezad > srgro e pai, o
    as novo as conwrfam para ss#stiras mnsas que
    por sua alma se nao de celehrar no converrto da
    I'lqria no dia 2i do corrente, as seis boras da
    rrnnha
    Augtisln
    Antonio Jt'sd
    llnlli !
    v Dantas
    Dantas, manda dizer missas se-
    gunda-'eira 23 do corrente, pelas 7 horas da ma-
    nna no cinvento do Carmo, primeiro anniversario
    do fallecuncnr.- !a sua sempra lembrada esposa
    Augusta Hallidnv Danlas, eoonvida a seus paren-
    tes e amigos |jara as^istirem as mesmas, desde ja
    se cor fe.---ando agraJecido por raais este aclo de
    caridadc 0 leligiao.
    uiroiiio hiizeu Aalunes Ferreira
    pede a sens parentcs e amigos pa-
    ra que se dignem asistir no dia 23
    do corrente as 7 horas da manha
    na igreja de Sacto Amaro das Sali-
    nas, uina missa que manda dizer
    ; alma de sua sempre chorada
    65| osa, de cro -- .]C religiao e caridade desde
    ja protcsla s-:, rua <;ratidao.
    \av4ntHi- :: r.ti.n da Silvr-irn Xofto.
    AntOQM B< r .- .k Silveire Lobo, Mauoel Ubo
    6 MifltOda Ili-unques e sous irmaos. pungidos tl
    ! lor. so wniimeato plo passamento do sua
    irma rtdelnida Emilia da Silveira Lobo, con-
    vi.lain a -ens p,Ment-;s e amigos e dos daquella
    talln-ida para as-it rein as missas do setimo dia
    qu per ua Irrra mandara.rcUbrar na isreia da
    a 2i as 8 horas ,l.i manha.
    Precisa-fe de dnas amas para*
    nma casa de ponca farmlia, sendo
    uma. para cozinnar e ootra paraJ
    engommar, preferindo se escrava ; paga-sefeera s-
    agradar : a tratar na traveasa do Tkario Thenoe
    no n. i, escriptoriq, das 9 as 4 da ttrde.
    AiriJl lospjclo n *," precisa-se
    Ii* de ama ama qjie batba aozinhar : paga-
    se bem, agradando. ;
    km ^ M& ~
    Preeisa-se de uma ama terrfia bom -leite :
    na rat Direlta D^M em+oiBe *-l'chd sitio
    numefo 9.
    1 araa ate saiba bem
    cOBBhar ecomprar :na rua de Pedro
    Ansa
    AIToiwo ps.JI riia da .Praia."
    Ama rf> Jeite
    -Na ruado Hospieio 49, pweisa-s* rfir uma
    ama de leite.
    - Precisa-se de uma ama para caaa de horaem
    solteiro : na rua do Marittez de Jlerval n. 32, re-
    fiuagao. '
    Prfecisa se de uma ama- para cozi-
    nhar. comprar e engommaf, para
    casa rte pouea faroilia : ;na rua do
    Vigano n. 33, andar. .:!
    AMA
    Grande pocliincha a 200 rs o
    covado.
    *6
    Fa
    covado I
    Chegaem freguezes que se acaba
    Fogao de. ferro economicol
    Vende &e urn chegado ha peucos dias, tendo for-
    nalbas para lenha e carvlo, lorno para assar'
    depoHto para agua qnente e lugarpara se gnar-'
    dar qnente as comidas depois de feitas; estes fo-
    goes tornam-se recommendaveis porque sab de
    terro batido, e fa brie ados cem perleicao e coii-
    nham com mui diminuta lenha : na rua do Apollo
    n. 20 ^
    Lazinhias japonezas
    a%0 rs. o covado.Na rua do Queimado n. 43,
    dnrtttite' da pradrifta da FnSppenderfcia.
    E' PECHhNCHA f !
    LazifteAja
    a 280rTPdmr
    nandes : daose amsstras
    muito modernos,
    loja de Ofterra A Fer
    Vende se a arnauo da casa sitt a rua Alr-
    cilio Dias n. 95, pRimjKir* qne se qnwer et-
    tahelecer com peueo Aahin, pois hbo icbi
    ros : a tratar na B.eurn*,
    Atte&^ao
    O Dr. Amaro Joaqoim Fonserea de Albuquerque
    declara a seus deveddres que se acharh em mora
    que Ihes concede o Improrogavel pfazo de 30 dias,
    contados desfa data-, para vfrem saldar os raesmos
    oebitos, sob pena de, sem exwpjao algntna, flndo
    o indicado prazo, ser promoviab o recebiaentq-jii-
    dicialmente. Recife, 6 de marco de 1874.
    Sifio nD Arrafflf.
    _Aluga-se urn sitio no Arraial, proximo a esta-
    cao da Casa Araarelia (um minu) com nteHen-
    tes casa de moradia, tendo os seguintes commo-
    dos : o quartos. 2 salas, cozinha ealern*. Wrra-
    co, casa de tanho e diversas fructofras. Alfa se
    tambem uma oulra casa no mesmo logar, com 3
    quartos. 2 aalas, cozinha externa, agua de. beber'
    e um bouiHiuiiital por coriaaddo proeo : a-tratar
    na rua Primeiro de Marco n. 16, !. andar.
    rU f AfeTOBA MffiUUBOT
    jtuux.n i t;.")j o mm* um MnmlmJm
    \ Rua da lmperatfiz
    PARA LIQUIDAR
    m4tk 9M. MMM
    m m iw4 9
    m* ;Mtowp
    n. 60
    op jp *9iod!da(i
    GROSDENAPLES PRETO A A 2J500. 3^000 E S500.
    O Pirlo vende grrtdesortimettto de gros- O pflTo vende urn boot
    |
    tJftW
    l.denaples preto de Mifi.^Bd*, a 15iO.
    \ 19800, 29000 e 5W o eovaJe, tend*
    tambem do mais largo e mais encorpado que
    costurna a vir ao oierctdo, e vende por pre-
    qo em conta. Man .toy m\
    mmmms _
    Chegon esta fazenda, com padroes inteiramente
    qovob, e que se Wnde pel*.dimirjtftr>Dre* de M0
    rs. o covado : isto nor ter grande qaaanda'de.
    SO NA RUA DO CfiSSK) N.
    Na noite

    Dr. Auloatio lUuia r>>T<-ii-a do Me-
    ''<' VKtim<>lls de Drum-
    monii
    Manda-se rezar missas pelo re-
    p uso ierno de Antonio Luiz Fer-
    r> ira de Meoeacs Va=concellis de
    Diummond no c nvento de Santo
    Antoi, i de-I.: c.idale, pelas 7 ho-
    ras da manha do dia 23 do corren-
    t' prjmeiro anniversario do seu
    'samento.
    Vicente fugio.
    te de 19 para 14 de marfo do corrente
    anno fitgio o mulalo Vicente,.ecivo, de- 20 a^nos
    de ida<:% bonita figura, barMa, eesta*ra Wglar.
    levaudo vesfida e em ntn sfeco roupa d algodao
    branco, e alguma maia |fina, pertfnccote a um
    caixeiro da casa d'onde fugio ; 4. natural da fre-
    giieziadeSant'Anna do Mattos, diz ser livre, ca-
    sado, e ler sldo cflado em companfiia da madri-
    nha, D. Anna Luiza da Luz, de quern alias foi
    escavo : roga se, portanto, aos senhores caprtaes
    do eampo e autoridades po1Kiaes a apprehenslo
    do duo escravo, e entrega lo na cidade do RMife,
    rua do Crespo n. 10, aft Sr. Joaqnim Moreira Reis,
    ou na cidade do Aksii, ao Sr. forquato Augasto
    de ohveira Brptista. que serao gorierorameate
    gratilicados.
    hn\
    m
    3
    -
    Mm
    . o
    mria a etar fugida desded dia 11 de Janeiro
    sv de icB itn rrj Ha le 30annos, pou-
    te.m os i Ibos um puico abo-
    lei i, traja v.-siido e cbale
    ion lar trajos. te n uma cicatriz na
    "'"'' .ni, lit n ..i c,;i' n senbnr nior-
    "' f.:-r>, psta la para o Cabo por
    me 1-MIn -. c p ir isso roga-se
    iltrt.la pili -: ics ou aos capitaes ae campo
    nsa i rfa rjfia escrava, le/ando-a ao Ca-
    na senh ra, mho n. 110, ou na
    '., que t .'." ,:!ip.'nsara gene-
    ute. b
    :: ;. ;,i!l-'-.
    DO
    Bin CSuriilu.
    KUA DA CMIZ N. 26,2." ANDAH.
    \\w,i ::;.;..-,Jn (|j Eurepa, onde fre- 'a
    ntu os hospitat's de Paris eLondres, '*
    ser prijcurado a qualqu.^r hora do O
    '- noite para objeeto de sua pro- fZj
    Consi .: das 6 horas d manha as 8 ho- F,
    x;is, :\r, meio dia as das da tarde. M
    Gratis aos pobres. /
    BttALlDAOES rd
    Mwestias de sefthoras, da pelie e de y
    a
    mWA
    Esta eucoura^ado !! !
    ?:'i
    l1
    9
    Asua mole em pcdr.i dura
    Tnnto da at6 que a fnra.
    Roga-s" a.. Illra. Sr. lgnacio Vieira de Mali
    scrivao na cid*Ie do Nazareth desta provincia,
    I favor de vir a rua Duque de Caxias n. 3, a con-
    cluir a,,uelle negocio que S.. S. se comprometteu a
    reaiisar, pela terceira chamada deste jornal, eft i
    fins de dazembro de 1871, e depois para Janeiro,
    passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cuuiprio;
    9 por este motivo e de novo chamado para dito
    dm, pois S. S. se deve lembrar que este negocip
    ie mais de oito armos, e quando o Sr. sen flfto se
    ichava nesta eidade.
    Empreza do gaz
    A empreza do gaz tern a honra de annunciar.ao
    publico que recebeu ultimaraehte um esplendido
    sortimento de lustres de vidro, caadieiron, aran-
    delas e globos, cujas amostras est5o no escriptorio
    a rua do Iruporador n. 31, e serao veadidos aos
    seus freguezes peloprogo mais razoavel pessivel.
    Aluga-se a casa da rua das Flopee n. 35,
    prqpria para estabelecimento : a tratar na rua da
    Uniao n 5o. Na mesma casa preeisa-fe alugar
    uma preta que saiba vender doce e bolon, que
    seja bel e diligente.
    crianca.
    Carneiro Viana.
    . A' sta grandf estabelecimento tern che-
    gaoV) am twoi rtim#a* de machinas para
    costara, de todos os autores mais acredita-
    ^dos ttltirilJftnelrtena Fftropa, cujas machinas
    sao garantidas por um anno, e tendo um
    perfeito trtirta ptra rtsinar as mesmas, em
    GuiliieTifle'&'C.,iutrto alA^^^^f , vvjuu*u awr S4m conce/ta-las pelo tompo tambeni d um
    -Sqillfia *ano se* despendio alguta do conprador.
    Haste estabeleeiaaento tambem ba pcrtencas
    para as mesmas macbiaas e se suppre qual-
    quer pega que seja uecessario. Kstas- ma-
    cbinas trabalham cam toda a peri'eir;Br> de
    ana e dous pospoatos, franzo a" .V.-rda toda
    qualquer..estara.per fipi qiaa seja, sens
    precossflo da segumtequalidades jv-ira tra-
    bftthar a mao de 365*600, 40jJ0<*\ iS^OOQ
    Ccrrqa Kenwga
    Ida raarea fcL, Te*db'se a dinheiro mais batafo
    que em outra parts-: armaaem da roa do Gem
    merctoa. 4.
    vende-se o grande e espacoso
    . armazem de
    molhados, com duas freotes, proprio para grande
    progresso ; a razao do- actual proprietario dispor
    * ter deretjrar se para o sertio, aeontelaado pelos
    medicos, por incomm do de saude, no pateo do
    Carmo, esiatina da-iua de Uortas a. i.
    Sobrado.
    Vende-se Ui bam sobrao em oma das mriho-
    reg ruas desta cidade : a tratar na rua 4o Mar-
    quez do fferval n. 20,.taverpa, on na rua da hn-
    peraii^ n. 10,.tavema. _______^^^
    Cal^as braucas debrim fino
    a 5*00d!!!
    Venham ver para eter : na loja fla Ron Sran^
    ca, a rnaida Lnperauiz n. 36.
    E* jxira luto
    >ranadii
    50 ra.
    805000, 9o*eoo,T ^aoftooa, io#ooo,
    1203000, 130JWOO, ISOT'WO, ~;^.?f>00 5
    2S03000, emqaanto aos-autores nao ha sl-
    teracao de p^,-eos compradors podorao
    viakar este estabelecimeat, oue rcwito de-
    ve* goalar.pela variedaie de abjett#e que
    ha sempra para Tender, corno sejam : cadoi-
    ras para Viagem, raalas pa^a viageia, cadei-
    ras para salas, ditas de ba!.?n crianca (altas), ditaa para escolas, costurei-
    ras riqiiissSniai, para senho.^i, despensaveis
    para triancas, de todas as qualidades, camas
    de fearo pnrhom&me criaa$as, capachos,
    espelhoa aourados para sala, grandes e pe-
    quenosy apparelbas de metal para cba-, fa-
    qaeiros com cabo de motel e de marfim,
    BombMinattTacaaa.fitra, para vesifdo* de Into a idit0S avu,80s: *eres de metalfino, condiei-
    U200 o covado, faaenda que val IrffiOO : iste-g ros para sala, jarros, giiarda-comidas de
    sdf:naloa Bhmca, a rua da rmperaniz u. ooV. jerarae,. tampas para cobrir pratos, esteiras
    Cal^as de cascmira a 7^ i P,r*'.fomlr.sa,as' 1*vator!os compietos, ditos
    preta ,
    covado.
    0 Pav2o vende grauadina preta a lavraJa
    pelo barato preco de 500 rs. o covado.
    GHALES PRETO f)E GUIPURE A 49000.
    0 PavSo vende chales de tres pontas, sen-
    do de guipure verdadeiro, pelo barato pro-
    60 de 4000 cada um. .>sn Ifadapolffo enfestado a Sr-OOO'
    a peca.
    0 PavSo vendo pecas de madapo!5o en-1
    festado, pelo barato preco de 3&00Q a pega.
    Ditas sem ser enfestado, earn 20 jardas, a
    55000. Ditas com 24 jardas raafto boa
    fazenda, a 63000, 6^500 e 79000.
    ALPACAS PRETAS A 500, W> E 8*0 RS.
    0 Pavao tem um grande sortimento de
    alpacas pretas, qtae endea 510/640 e 800
    rs. o covado, as&ira. eomo granda eo^i-
    .mento de' cantfles, bomb'azinas, princetts
    )0, para tr&balhar com o sao de pretas, meriuds, e outras muijas fazendas
    proprias para hito.
    j simples, objectos para toUetto, e outros mai-
    de casemira preta e de cores obra-bem feita eTda tos arVs que nwuto devemagradar a todos
    E' na loja da Rosa Brant
    drargfe) ?

    ---.- \S?%SS'cSSS$^
    MAlNJ
    l Srs Jovino Fernandes da Cruz.e Joaquim Cle
    de I. :. is Duarte, sio chamados a rua do
    -."I Suas-uua n. 282, a rje-oeio de particula
    -:. n sse.
    TTillO
    Fugio o escravo Juvenal.
    Foi trajando cal^a de brim listrado, camisa,
    chita de riscado e chapeo de palha de Italia. E'
    de cor parda, idade 12 annos, tem falta de um
    deute na frente e e bastante paroleiro. Roga-se a
    apprehensao do mesmo, e conduzili a rua da
    Crnz n. 3, ou Conde da Boa-Vista n. 51 para ser
    gratificado.
    moda, a 7* ;" 6 grande pechi'rrcha : aaraa'dalm-
    peratriz n. 56.
    Vende-seduas casas-eontiguas e qoe tem com-
    mnnusacao de ama oar* entra, ns. 33 e 35 4 roa
    de S>. Miguel tlos Afogados, com sitio murado e
    poriao para a rua do Bom Gosto : utata-se nas
    mesmas easas, das 9 as 10 horas da maaha.
    quo visrtarem este grande esUbelecimento
    que se acha aberto desde as 6 boras da ma-
    nha ate as 9 horas da nouto &
    [Rua doBaraoda Victoria n.
    22.
    Livraria Uniyesalf rw i do
    Imperador n. $4.
    aria
    RUA MATHIAS DE ALBUQUEBtjCE N. 25
    (antiga rua das Flores).
    Tingi se, lava-se e limpa-se com a maior per-
    feicao fazandas em pecas ou em obras de qual-
    quer qualidade que sr-jam, taes como, la, algodao,
    seda, touqnim, pennas, cbapeoe dr feltro e de
    manilha, ou pallinha de toflai as cores, etc.
    Os Srs negociantes, logislas e particulares
    experimentem que todos acharao proveito e van-
    tagens
    Aviso : Depois do ultimo deste mez corrente,
    ficam considcrados como abandonados todos os
    objectos entregues a esta casa no anno de 1873,
    e serSo vendidos pelo prego do seu trabalho.
    uma caneira contendo 1 sedula fle qninhentos
    mil r6i- e tres ditas de vinte rail reis, perdeu-se
    no dia 18 do corrente, no caminho do Arraial,
    Casa a mar' I la : quem a achou pode dar in forma
    goes e receber cem mil reis em gratificapao; no
    armazem da rua do Commcrcio n. 4.
    Pi -i ; alugar urn mole me de 12 a 13 an-
    n...- deid'.J .|ie seja fiel : q em o liver, dirija-
    rua i treita do R..sario, sobrado n. 35. iS'a
    oa casa fornece-se comidas para fora.

    ******

    Verdadeiros
    ** GRAOS DE SAUDE]
    *dodoutor frakok.
    * 0 Melbor e o mis
    * Mi 4os pargnntes coo-
    hecidos. \iiwer
    fmlsiueayaea
    exlsteu d'onlr me-
    _ MtouiH,-Eiigir,
    m da assjgnalura m tiitU limill i na
    de A. ROUVEERB, o ljtreiro, aqyi JMto,
    feito em 4 COKES.
    Paris, pbarmacia lj, 13, rua d'Anlin.
    '*^*i***'
    .Itf^'CORC
    Deposit* em Pernamhuro, A. REG
    ora.
    Aotonio foti: Rodngues de Seuza, em seu
    escriptorio a rna do Crespo n. 6, compra escra-
    vos das diversas cOres, sexos e idades.
    f rastes- |
    JgL. Compra se e vende-se traste % novos >*v
    w e usados no armazem it rua o ta- ^9
    ^perador..48. g
    Obras de direit > nara o estudo r>s Faenldade do
    Recife, qup se encoutraa) na livraria Univers I,
    a saber :
    Aulran, Contpendio deB'treito Publico Uaiversal.
    Prelecgpts de direito Publico sobre o mesmo
    compendio, pelo Eim. conselheiro Silveira de
    Souza.
    Autrm. -Compendio de Direito Natural (tra-
    duccao do Zeilhr).
    Moura Mg*lhars.Syoopsis de Direito Natural.
    PifcMa.-CnMsndlo de direito Etel*siastico.
    " Mem. ( Joaqiun >, IfisiiluicSes d..> Direito Ee-
    clesiastico.
    Aulran.Tratado de Eeonomia Politics
    MendesdiiCunha fiodigo Penal.
    Idem, id-m, idem dn Pmcesso.
    Braz.Poder ( o) Moderador.
    Idem.Os tres codigos.
    Bleifdo dirscta. Por diversos eecripJores.
    Gharma. PbilosopliLt;
    Idtm.Elemento de Philnsophia.
    Pedigogta. Por Daiigault, obra muito util a.*
    Srs. aluranos da escola normal, a 4j00a para
    acabar.
    Nesta loja se en:oairara outras mjitas obras-de
    direito e litteralura, que se vendam por preco ca-
    modo.
    Aivi^aras.
    Venham todos apressados
    E C' in os bols'os recbeados.
    Do Campos ao -.-rroaiem ;
    Vauham, nao f.->!te nir.gum
    Ver o grande sortimjnto
    (Um verdadeiro portent j)
    Cue para a quaresma- tern ;
    Comprehendem t ora bem !
    Camisas de cretone
    as mais- modernas que tem vindo ao ruercado, saa-
    do lisas e com listras, e que se vende a 40^000 a
    duzia e a 35u0 eada uma ; e peepincha.
    Holland'a
    Brim pardo liso, o que ha de mais fino, com um
    toque de avaria, e que se vende a 48 rs. o cova
    do, fazenda pwpria de paw por ser linho puro,
    E' com as tripas pulando de conteatamanlo que
    me apresento ante a onla gastronomica das sa-
    bias e illu.-tres barrigas pernambucanas, felicitan-
    do-as por ja se aoharem livre da pena de iaterdic-
    to e podorem sem receio de alguma indigestao ex-
    commuogada, cmierem os mais linos e saborosos
    comestives, coadjuvados por uma cascata de vi-
    nhos de tnrfcis as quaKdades, deixando a quem
    dezojar o direito de gritar: viva o triumpho-das
    barrigas 1 !..
    Ma?, como ia dizendo, nao podia deixar de
    acontecer assiro, coniideraado-sc como foi sabia e
    bem barrigalmeato planejado o aque das bar-
    rigas grandes, contra.a sucia dos bandulhos ca-
    ninus, que ostrificados a idea ficticia do infer-
    no bisho inventado pelas grandes barrigas, pa-
    ra horrorisarern as barrigas sem tripas, sus^enta-
    yam a rr.ais ab-urda das monstruosidades : a
    infallibittdade do principal bqjo do amor as avessas
    e de tripas dadas e a forca de tripadas qoeriam
    hypocritamente aliraenttrera a pailuda e famigera-
    da -ex-qnestao do-dia centopea negra que en-
    rolada no capote chamuscado da iBquisieao, pre-
    tendia assar o muado das barrigas, privando an-
    tes a humanidade de ganhar dinheir> e- de em
    tempos como este de quaresma :
    De fazerem penitencias
    Euchendo bem as narrigas,
    Pois nao e tempo d> brigas,
    E sun e, de abslinrocias.
    Mas, como ia contando, eustou, porem aOnal,
    LAZ'NHAS DE ORES A2S0.310 400RS
    0 Pavao vende boottas lSzinoaa de cores
    para vestidos, a 280, 320 o 4*0 rs. oce-
    vadj tendo ate a 15)1000, sen Jo das-mais Hil-
    das que tem vindo ao raercado, assim como
    granadinas de seda com os mais delicados
    padroes, a 640 rs. o covado.
    Sedinhas a l$GOO.
    0 Pavao vende sedas com listrinhss de
    cores a 132600 o covado. Ditas com pal-
    minhas a 2#u00. Ditas com toque ck-mofo
    a ltfOOO e 19400.
    CAMBRaIA VICTORIA A 4*000, 4$500,
    05000 E 7oor>.
    0 Pavao vende um grande sortimento de
    cambraia Victoria e transparente com
    8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precos
    de 4$000, 4JJ500, 5J5000, 69000 e 7.-000{fetes de todas as qualidades, por
    a peca. assim como, ditas de salpico bran- muito commndos, por qnerer ecab^r cora
    co, a 74000, e peohincha. jtoda a roojw qoe torn em can.
    Acha-se constantemente aberto o cstabelecimetro do PAVAO, das 5 horas da manbs
    as 9 de noite.
    fto sortimetrto ie
    camisas franeezaa com peito ae aifedao, a
    2000 e 2jr500. DHas com peito de rmhc
    de 3*000 a 69000. Ditas bordadas moio
    finas da 60C0 a 109000: assim come
    grande sortimento de eeroulas de liabo e ie
    algodta, por precos baratos, e tambem tem
    com pie to sortimento de puabos e nollaiiafaai
    tanto de-lmho eomo Oe algodao, por precos
    eat coma. *tAfBal
    '"pai'tfifca* a 9V999. 49OO0 *
    ">
    0 Pavao vende um bonito sorUraeoto de
    espartilbos modernos a W6I0, 4^aa
    *909ii, aesim ceaao an boarlv aorttaiaaia
    desaias brancas, bordadas, a 59000 e09000.
    e ditas de lasinba de cOres a 39000 : e pa-
    ehincaa.
    (^RTINADOS BORk>AD05 PARA CAMA E
    JANELLAS, DE 7f ATE' 239000 0 PAR
    0 Pavao vende um grando sertiraanto ae
    eortroados bftrdados, proprioa para eama e
    janellas, pelfj barato pre?o de 79000,89000,
    lCJOOQ ate 2bmO0, asaim como : colxn
    'e Jamascade lamalta- Ira de 109009
    i*9MMF-c0lamni.
    BRAMAMES A 19800, 29000 E 29500.
    0 Patio vende bramantes para le^c^as,
    tendo fO palmos de largura, sendo o de
    algodSo a 15?iOO e ICOOO a tara, e de linho
    a 29*00, 29600 e 39000 a Tara: e pechin-
    cha. ^
    CASEMIRAS A 59000, GC0O0 E 79000
    0 Pavao vende cortes de casemiras pan
    cairas, send) prtdroes modernos, pelo bara-
    to preco de 5CO00, 69000 e 79000 e corte,
    assim como : pannos pretos dos melhore*
    que tena riado ao mereedo, de 49000, 89 e
    1OJJ0O0.
    ROUPA FEITA.
    0 Pavao vende uma graade porcao de
    roupa feita, sendo : pa'.itots, frakes de ca-
    semira preta e de cores, assim came : nk-
    simos sobrecasneos do panno preto, e cal-
    cas de casemira preta e de brim branco, col
    SABAO DO RIO DE JANEIRO a 200 rs. o kilo, no armazem da rua do Amorim a. 41,
    de Jose' Domingurs di C8rmo e Silva.
    GAZ A 550UO a lata, no armazem da run do Amorim n. SI, de Jos5 D^miujues do
    r.->rmo e Silva.
    VISHO MUSCATEL de uva branca, pura, de custo'de t3300t. en armazem da rua do
    Amorim n. 41, de Jose Domingues do Carmo e Silva.
    GRANDE
    qas
    SaSiEIra E&^&SSBni
    Varandas fondidas*
    Na fundi.^a de ferro de Cardozo A IrmSo a
    rua do Borao do Triumpho, outr"ora rua do Bruue
    n. 100 a 104, tem para vender varandas de fee-
    ro fundl^o de divarsos e bonitos gostos e precos
    commodus.
    m
    AVffSO
    5

    IPHOSPKATEdeCAL!
    ULLAI iftU.^U
    deLEKO'V
    t MONfUAro i CAl tiUATIAOZO DE tlilOT j
    fa#err sokrc s ia4iTiiuo6 affeHmiot de'
    enprmidailu nas <, de um conOitwtetlo
    dew. Korna-se iDdi<|fcnsavl.uataa5 ariaivas
    a auem ajuda e [orlifica a creicer.fn. _
    ** 6o omttoagtaAMel e*e uma*-'!
    gMMo 4*ort. -u- vne{ io fsw, g awow.
    Part^fbanaacafcEROy, -is nw HVWii.b
    Precisa-se comprar Jous escravos, .pedrelro e
    carapina, pegase bem : a WaUr na fttefwufaria
    das lotenas, a rua Pr Na rua Duque de OXias n. 50, compra-se
    os saguifltes Hvros di direito roniane ;"Ot!hiMam,
    La frange, comreBdia* HeioJclo, WWdelr'*:Diretto
    Natural -Zaiie.
    Sedas a 1$50Q.
    Vende-se bonitas e4as de liaaas cores pelo
    barattasimo prego ide -HSGO o covado ; reafcam a
    ellas antas quo m acabem, na rua do Duque de
    CaxiM n. 88, loja de Demetrio Ba*tos.
    Orande feortimeiito de-las pa-
    a'240;$20v400e500rs.
    Na loja da Rosa Branca vende-se findo sorti-
    mento de Hs para vestido, por precos baratissi-
    raos, como 6 coslmttfe ttesta fo]a, manda se levar
    nts casas : na rua da Imperatriz n. 56.
    Yos para cnapeos a 1$
    A Rosa Branca vende
    Grosdenaple preto
    Senda lisos o de cordao, e o mais largo
    vein ao mercado, e qne se vende pelos diminrtos
    precos de 2.4*00, 2*H00, 3ai00 e 3*500.
    SO' NA HUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
    TK5S PORTaS DR
    Guilherme & C.
    Junto u loja da C3K|uina
    A Nova i-.speranca, area Duque de Caxias n. 63.
    ' apressa-se em-ronvidar a seus freguezes. cora e-
    peciahdatla ao hello sexc a virea apreciar os se-
    jnuntes artigos expoatM a vends e todos por mm
    ; commodos, como sejam;
    FINAS BOXECAS mansas e cboronas
    BONITAS E EXliHACADAS vistas para sterios-
    copios.
    COMMODAS LATAS para guardar cha.
    ELEGANTES HOLSAS para seahoras e menina
    BONITOS VAS03 com Ona banha e ehalrosos
    extracts, trazendo cada frasco um noaie, nma ini-
    cial ou um distico.
    FINAS AiElAS D de carae.
    Para quem goslar.
    1 A' Nova Esperane? a rua Duque de Caxias n.
    B* acaba de recebw tentos e caixas para o ioto da
    Voltarelte. wm
    rapaqneiHSiffredas pernas.
    A Nova Esperanra, a rua Duque de Caxias a
    63, acaba de receber as procuradas roeus de bor-
    racba para quem soffre das pernas.
    FLORES ARTIFICIAES
    LI!
    uma casa na villa de Barrafros, na rua do Cora-
    lercio, por prejo modico: a tratar com Tasso
    >mao3 A C
    pipes raros, deliciosos e que
    Cahindo era qaalquer barriga
    -i Faz a mellwr digeatao,
    E nao faz mal a bexlga,
    Como comendo, verao.

    Mas, como ia fallando, iamos entrar na vida de
    ouir'ora, i*to 6, na epoca das festa^ e portanto
    vamos ter festas, festas e mais festas, e como todos
    n^^LXL ^t J? dVt'(!a para cba-. owem das festas, visto que uma parte da para as
    p^s^sentiora, sendo pretos, braneos. e de ou-! festas a ras recebem para preparar as festas, 6
    lo|ico que o bregeiro diobeiro one anda tao v'as-
    queiro, saia dos cofres dos aqjanle6 ortbodoxos e
    se va farailiarisando com as alglbeiras vasias dos
    uecessHa*M,e estes por sua vez venham ae arma-
    em do Campos & rua da Imperndor o. 58, pr*pa-'
    rare-s8 para a quaresma, lampo de absimenciai I
    do do rio e o ratoo, como ruim de ssfollar, ficou
    ao secco exposto aos pontapas de qualqner gato
    pingado, deuemdo 6 verdade, magra as collepas
    barrigas, qus despeitadas vao tratar de se nulri-
    rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im-
    perador n. 28, onde com eertm encontrarto alem
    do que desejarem o seguirue : ovas de diversos
    peixes e de bacalbao ; peixes de yinte qualidades
    em conservas, sardiahaa em latas, camaroas sec-
    cos, bacalbao, pescadas, sardas, lagostas, salraao,
    batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
    mauMpa iagleza a franceza; doces, froctas e
    cmeotnta qualidadea de vinhos finos do Porto e v,8ltas) m completo sortimento de bolinhos pira
    outcas tantas do outros lugares mais afaroados de cha> bolos inglezes, pao-de-lQ, cha da melhor qua-
    Portngat, alfim de um completo sortimontode ace-;"dade, diversos doces, geldas e tudo qnanto for
    hmh Dials ea'bellos
    braneos.
    hitduiu A-mmi.
    So e unicaapprovada pelas academias de
    seiencias, reconnecida superior a toda que
    tem apparecido ate boje. Deposito priaci-
    pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
    quez de Olinda, n.51, l. andar, e em| a Nova Esperanca, a rua Duque de Ca
    bottcas e casas de cabellei- 63, acaba de receber um liBdo e completo sorti-
    maoto de Boras artificiaes das roelborea que terc
    viado ao raercado
    A ellas antes que se acabem.
    Costumes para crianga.
    A Mova Esperanca, a sua Duque da Caxias n
    n.'l, acaba de receber bonitos costumes para crianca
    ft esal se vendendo nor precos razoavak.
    km KSRVOSOS
    A N iva E-pcranr;^, a rna Duque de Caxias a
    63, recebru um pequcao sortimento de an new
    pulseiraaeleclricas, propriaipara quem soffre do*
    nervos.
    ruro.
    VENDE-SE
    Lede e allendei
    Exceilentissimas familias!....
    Heconirarets sempre ^para ob6auiiafdes vojjsas

    !-------
    nu.rii
    '
    a-ai
    TT a 1 > '' />lifl- oLiL
    tras urattae cores, pelo baratissfmo preco de 1J
    caida ma ; Isto e'tfe grata : na rua da Imperatriz'
    n.|C6.
    Peitos bordados a 1$500
    AflosaBrabea vende peftos de flno esguiao
    bordades, a ;j!500; e" grande pechinoha : na rua
    ni'vrt da Imperatriz n. >6.
    jpreciso para fazer uma boa recepgao as pesssoas
    [ a qoera
    Mais estimais
    Tudo isto se encontra
    Na confeitaria do Campos
    9-4, Imperador H.
    Al^m disso
    Encontrar-se-ha sempre alii
    Sobremesas
    Deliciosas
    Que a fallar a verdade
    Nao sao para a bocca do vuigo
    ( Ca^o dir o lexicbographo P. Bluteau.)
    T-"^ilwi Rowe 4 C vaaiem no sea araate*
    a rna de Commercio n. HH
    Lindo chfariz.
    vqIc-S9 mr pre?o barato usn: rico chalan:
    dp marmore nroprio para jardim, o qual se acha
    armado na offlcina de raarmore do Sr. Lima
    rua do Imper idor para quem o quizer ver
    tratar na ma do Crespo, Iota d--Passoiaati
    arco de Santo Antonio.
    ihapiMis para soaiiora.
    A toja do Passe a rua Primeiro de Marco n.
    7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
    mento de chapeos para senhora, ultima moda e
    vende por prsjjo commodo.
    J. 0. C. Doyle.
    Vende- e o sitio MelOes de Ciroa, en- ca^a em ~ ouso-
    e o qual se ceme sera iionca, oQBiprarea o quo 7.''ZZaJtZZ""""tluj"' ?*i* Cha preto em lattas da
    tn as engenh >s
    prelsodfr fa lie
    Antonio da Cruz Pires vende seaAeaeflda-t?1!?'5'1' qU0 *"1
    rna do Encantanjento i es pretendeotokidirfmsa wj*___________-dl u.'S. _______
    p wii .mi ft, 4- Venus-** 'a taveraa alia a roa de D. Maria '
    Kaultsti e Fragoso. quem i
    ao major Mangninho, em'
    acha autorisado a ven-1
    D#
    em Permmbwo, A. BBGORO.
    Peixe de vtoaiSlSr^EE ^^^SS^SSSOXSA
    posito.
    Ppfifm, eaawrios ecasaoebas,.
    -jdra do dia ou da> noite ; veaA
    'Lisboa. nos Afogados.
    Miaaoo ofaajj
    . guirloftafcei
    , Cognac de 4* qualidade
    *> Wttii 0 { f.) I /() IJSKS^S
    especiaes | ^srvao de Pedra de todas as qualidades.
    s
    Tem para ve i c
    Cognac de Hamessy, wpepor a varaaaafro.
    vmho Xeres das melhorea qualioaaVas.
    Bitters de Angostura.
    Whisky.
    Cha preto em lattas da 10 ijbjraa.
    ;*a-
    -

    A3
    V Antes ^ee B.*eaft43iH.
    VeaanHwhm rtoiwaailrio poro, nralto forte \
    a dA mcenaatai vozea, avatar pa rua do Barao
    , *
    Fouco mSfo.

    armazem da fa do Qnmmarw n 3a
    Gaz a
    a data, do melhor qne vem
    a rca uc Repry Torster a com
    *r>e' ^t,,,B-e>?',,, wntlitirai-a*fc S.'Wijnei uefle uA*1oa*oM!l
    m, 6m Afogados : a traiailoifcmMmu, | rMJ e em perfeito estado.
    H*ida, com pcuco na.rua do Queimado n. 43; aproveitam que pe. L me a or preco possWeT 0
    [Hand, vindo pelo ultimo
    T.
    ri
    melhor que. vem a esta me
    . Renry^orster & t co
    corap'ela, rjb IWuMb: nos arma*e
    mingue*; -do Canno e Sitva, t :
    Pens n. to, c rua rjo Ateorlm j.

    chincha, na loja de Guerra'iSj Peruan'des.
    ,*""
    z.

    _^



    V
    dAHM j^rtjMlhMbJMri^^f^rtlllg!
    iwnq 4 Wftaooaa .of
    I tlUl'lMP"'1 r' *bi:
    III! BHHftlPi fi' .camm u -wq
    roMl fa) .eaoMfoaaoiB
    Ml aMi b
    da ^hmmagial ii
    HBTftaz 0 .88M91SI
    ataabflto*
    aiurub aun
    . ebetKaaooa aid
    PS.HK \
    oaf) neii 'f
    Mr
    1-vUTE
    ili9 oifl I
    n a *'i
    i. IKachina
    !>d
    eteoa&l
    04 o!nto

    -iefl cb eJia<| eJae ii
    obo ob inof aarttp m iiwi(
    abefchdo s giB|eiVibsQr (.It
    *!>' Llft*)*V kW Si I
    IM'.OSiatiNKPAIi PREltt) A **8i0. LENCOS BRANCOS A 29000.
    \KBi6-e.gwl*opia.preto para Tfstwto ;k -Ven'tie-so Jengos braocosftnos, a 89000, |
    ifo$ a$M)ra,.{tta,Du.qua deCaxiaaa.', .-,
    sertipre o respeitavel publico nm ,, ^__t_. i. in
    tofo de perfnmarias rmas\ obje^ai JS a Ilia (iO (JJUWfnattO II. *>,
    dcfro. te da pracinha da
    Independeucia.
    . aniaria, lavas de JiHivin, artigos lie mbdae
    nuyliiis tinas, astm como medieidade oos pre
    i.,r,a

    as para qua
    covado.
    TAN SO i'RETO A*00.
    Vei.de-sea w>o preto de dms largaras,
    para .:;.^s e p.-iliuits, a 29501',. S9, 8#50a,
    I, it tKpttV* O 'OTdo.
    ! CORTES U1-. ( A>i:M4RAPRETA>A H9000.
    Veinte-eecoiaea de cat emirs pretupaia
    ,|calfii,a 33>, 69, 79 e89O0O eorte.
    I MERINO" PRETO A 2*800.
    i;

    Com *s faisifica,oes que tern apparecido
    DAS MACHIHAS PARA COSTUBA
    Henhuma
    china Singer elegi-
    tima se nao levar
    esta marca fixa no
    j "braco da machina.
    O
    00
    X
    ><
    Para evitar falsi-
    o
    x
    1
    J
    ficacoes notem-se
    bemtodosos deta-
    iner da maroa.
    I
    A dinheiro a prazo!
    A eontento dag Exmas. familias
    MACHINAS DE SINGER
    Sao maisjb.'tratas.
    Sao de do us pospontos.
    Sao simples.
    Sao rapidas.
    . Sai duradouras.
    MACfflHAS IDE SINGER
    Sao de dous pospontos.
    Abainham.
    Franaam,
    Pregam tranras.
    Ma ream pregas.
    Bon!am de linha de suda.
    Alcolchoam.
    Pregam cordoes.
    UNIGA AGENCIA
    EM
    it.di'**
    A CASA AMERICANA
    45 RUA DO IMPERADOR
    Veil-e-se merino prato tino, a 8*800 e
    39000 o covado.
    BOMBAY NA l'RETA A 19600.
    Vende-se bombaaaa preta enfestada, a
    19500, 1900 e 500 o covado.
    ALPACA PRETA A 500 RS.
    Vende se alpaca prela fiua,-a 500, 640,
    800 rs. e 19000 o covado.
    1-AGENDAS i>E CORES E CAMBRAIA
    1HUNCA A 350v0.
    Vende-se peQas de cambraia brenca traos-
    parente a 39, 49< 59 e 6J09O, dilas de cam-
    braia tapada, Victoria, a 39, 39800, 4
    e 54000.
    CORTLiNADOS PARA CAMA-A 190CO.
    Vende se cortinados bordedos para cama,
    a 1G9, 209. '25* 309000:
    CAMBR IA DE CORES A 300 SS.
    Vende-se cambraia decores Unas, mmdas,
    a 300, 320 o 360 rs. o cov<'o
    CHITAS LARGAS A 800 RS.
    Vende-ae cbitas largas para vestidos, a
    340, 320 e 360 rs. o covado.
    BRAMAMK A 19500.
    Vende-se braeiante com 10 palmos de
    largo a 19600, 19810 e 495( 0 o metro.
    MADAPOLAiO A.89000.
    Vende-se pegas de madapoifio enfestado
    a 39000. Duo inglcz a 49500, 59'
    I 50500, 69000, 79000 e 89000 a pessa.
    iCOR'iNADOS PARA JANELLA8 A-89000,
    Vtnde-se o par de cottkiado* borda,de.
    : para janellas, a 89 e 1090 0 o par.
    ALGODAO A 4O00.
    Vende-se per.s de algodao, a 4(J, 89 e
    69000.
    CEROIRAS A 19000.
    Vende-se ceroelas do algodao, a 190OO,
    ditas finas de bramante a 19500 e 29 cade
    uma.
    CAM1SAS BRANCAS A 29000.
    Vende-se camisas brenc8S finas, a 29,
    29500, 39 e 49000.
    BRI&S DE CORES A 400 RS.
    Vende-se brins de cores.para calcas, a 400,
    e 500 rs. o covadn.
    CHA ES A 800 RS.
    Vende se chales de IS a 800 rs., cbalesde
    merino de cores, a 29, 39, 49 e 590O0.
    COLCHAS DE CORES A 290G0.
    Vende-se colcbas de cores para Co ma, a
    29, 39500 e 49000.
    CIIITAS DE CORES A 360 RS.
    Vendo-se cbitas finas de cores, a 360 e 400
    rs. o covado.
    ALPACAS DE CORES A 500 RS.
    Vende-se alpacas finas de cores, a 500,
    640 e 800 rs. o covado.
    TAPETES A 49500.
    Venle-se tapetes para salas, de diversos
    tamanhos, a 49500, 59, 09 e 89000 cada,
    Dm.
    ^89 e 69000 a duzia.
    C.ROCHKS PARA CAUEiRAS A 1-^500.
    Vende-se pannos de crocbo para cadeirts,
    a 19500 cada nun, colcbas de di o para
    ooivas.
    MADAPOLAO FRANCEZ A 79000.
    Vende-se pe^aa de anadapolan francax
    muito fino, a 79, 8j-e 109000.
    BRIM PAR DO A ^00 iR. 0 COVAD.
    Vende se brim pardo para ealcas, a 400
    TS- o covado.
    CORTES DE CASEM1RA DE 99900.
    ajiaeis electrifies
    da oriil-^&llaiBoaa, a raa Buque ae Caiia* n 46, aca-
    ;a qua- ba de raceber o verdadeiros anaeis e voius elec-
    tricas,, proprios para es nervosps. |
    Meios adereqos
    A Magnolia, a raa Dnque de Caiias a. 45, r-
    cebeu am complete soriimento da
    Meios aderecos de larlaroga.
    Weios aderecos 9e madreperola.
    Mioe adre06 d* sda bordado?. (nUima mods)
    e de muilas outraa iroalidades.
    Botoes de aco
    fines
    AprovMliii
    de qaadros prrtos a 320 r-. 0 co-
    Metins
    vado.
    Pecasde eambrai?, anjo di mm aoite, a il
    a pafa.
    Granadine de lh\ru, a ultima m 4a de Part*, a
    fJOO rs. o covado.
    Teeas de rambraie transparent?, fln, a 3ioOO
    a psca.
    Ditas bordadas com floret a 'M a p?ra.
    lirim pardo iina a 400 rs. o c\ id->
    Camuas de creune, o mail modi rno co DM -
    cado, a 3150O.
    i rnnni> A, fasias n W*s ** ''Dh' fin*s' 31^0 oroa
    para veiiidos.
    Oolmhas e punhos
    dar tfiats-tDodernas que ha no mercado ; a ellas
    na Magnolia, a ma Dnque de Cmfa? n. %5.
    Lencos chinezes
    A Magnolia, a rua Dnque de Caxias'n. 45, re
    ccbeu tima ppqnena quantHade de lencos de seda rao de 12 a 30 pollegadas c di- p^l" intetfaaa
    anvi.tra :
    na rtia do Qaeimado n. 43, l> ja de Guerra 4 Fer-
    nandez.____________________________
    Bandejas.
    Amara! Nabuoo A C, wndtm baudojas da
    Vwnde-se oortes de caeemira do coaes para chiiwe8i"eom iindissimo* desenho*, fazenda intei- te ncvo e d? mtal, tambem bomia pinlura d
    diverfostainaohoa : Bo Daiar \ictonao t.
    Calais, a 59, 69500 e 09000.
    GROSDENAPLE PRETO.
    Vende-se grosdenaple preto com
    palmos de largura, a 59 O'covado.
    ESGUtAO FI0.Ai29000.
    Vende se esqsiuo lino delinho,
    29500, U e.49o metro.
    .ramente neva.
    Leques
    * 1/* Lindos leques de mndreperola, de tartarnga, de
    1 marltm, deosso, e de muitas outras qnalidalles : ,
    ! reaebea a Magnolia, a rua Duque de Caxias no-
    _ 2jj mcro 43.
    Attencao.
    CHITAS PARA COBERTA A 280 RS. A loja da Magnolia, a ma Diiqne de Caxias n.
    Vende-sechitas para coberta, .280 e 400 ^^iJ^^^SZ^ZrRm.
    rs. o corado.
    BRIM BRAM'.O A U060.
    Vende-se brim branco del mho, a 19,
    19280, 19600 e 29 o metro.
    W1ETAWBA DELUSUO A 640 RS.
    Vonrte^-se bretanha de ttnho, a 640 a
    vara.
    FLANEJ.U DE CORES A 800 RS.
    Vtnde-se ILaiwlla de cores, a 800 r*. o
    covado.
    OOBERTORES DE ALGODAO A 19400.
    Vende-se cobertores de pullo a 19400.
    Cobertas de chiu a 19800 e 29 ditas en-
    cmiaia*, forradas,. a 49, no Bazar Naoionai,
    rua da -Imperatnz n. 72.
    CORTES DE CASSA A 39000.
    Vende-se cortes de cassa rriudas a 39
    cada um.
    GRAV.,TAS PARASENHORAA19000-
    Vonde se gravatas para seuboras, a 19,
    ditas para homens a-SOOr*.
    ALGODAO ENFESTADO A 19*00.
    Venderse aigodlo eufestadopsfe-lenooeB,
    a 1(51000 a vara.
    fiRANOE SOKTIMtNTO DE ROLPA FEITA
    NACtOXAL.
    Vende sepalitots depenno preto, a59, 79,
    8;S e iO.xiOO.
    Vende-se galUote de a*paca preta,"aB9,
    39500 o 49000.
    Vende-se calcas pretas de panno, a 49k
    #,.79 e89000.
    Veude-se colletes pretos, a 35, 39*00 e
    493tC0-
    Vende-se ceronlas, a 1-V, 19500, 29 e
    3^000.
    Vende-e camisas brancas, a 2^,-29500,
    39..e 490 00.
    Vende-se cemisas do cbitas, a 19400, 2?J
    e 3 ClilTAS PRETAS A ^iO RS.
    Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 360
    rs. 'o cotalJO-
    LAZINHA A 200 RS.
    . Vende-se ISzinhas para vtstidos, a 200,
    320, 400 e 500 rs. o co*ado. No. Bawr
    Nacional. rua da Imperatn/. n. 72, de Men-
    des Guinwracs dclrmaos.
    Manual do madreperola, tartaruga
    Tlicos alhiui< com capa de madreperola,
    gr'en, madeira, veihi'dq, couro, etc.
    cba-
    Lfndas raixas com fini^imas perfnmaTias.
    L'Rasde tcda.br^ncas e de cores.
    VuiUs de madreperola.
    Pu'seiras de madreperola.
    Picas c.iixas para CbftuTa.
    Vestuaiios para baptisado.
    Toncas e sapaonbos de setim.
    Modernos chapeos de sol de seda para senhoras.
    Lindos port-bouquets.
    Gravatmhas de velludo, etc etc.
    Eogenlios em Mamam-
    gnape.
    Vende se os scgniutes :
    Barra,
    PlM'gll Ion.
    PtilririA.
    A tratar com seus proprietari's ne e para informacd>s '"> Joaquim Phifci d> H*-i -
    relli-s Fiiho, na mesma cidade .1- M i.na :>.- .
    Vcndem
    Wilson, Rowe & 0.
    Em sou arniazem a rua la T; tpMM n !'. -
    gniule :
    Algudao ami ninericBO.
    Fio de vela.
    Carvao de pedra de tidas as quaiidade*.
    Tndo muito barato._____________________
    Farello novo e
    Arrw^ao
    Vende-se uma armacao de amarello, em bom
    estado : a tratar na rua Pnmeiro de Marco d. 10,
    >PJ4._ '. ____________________
    Lindas las escocezas.
    be varios padroes^ e inteirauiente- modernas, *
    O60 rs. o covado : na rua Primeiro de Marfo
    aotiga do Crospo n. 13, loja das celumnas, de .\u-
    tunio Correia de Vaiconcellos.
    CALCADO
    eslraBgeiro.
    Paris n'America, a rua Du-
    que de Caxias n. 59
    primeiro andar, acaba de receber um completo
    sorttmemo 8e calgados estrangeiros para homem e
    senhora, vindo entre elles um lindo sortimento de
    elegairtas chiqnitos, sapatinhos e botinas para n0~ ^aalho, e'enrraqn^ido, dentro d*
    az0aVC,S-- pouco tempo wvolye a oor^/e Ihe I nataial
    Milho pequeno
    Da melhnr qnalidade no arraa/. m de f.r'r. a
    de triyi. de fhwa Irms.is t- ('.. na iTa.a '!n
    Id Aiwlh. ______ ____
    Vigor Ho Cabollo
    DO
    Dr. Ayer.
    Para a renovac3o do ca-
    bello, restituicao de sua cor
    e v'rtalidade primifrva e nat-
    ural.
    O Vigor do Cabkllo e uma preparaoio a.>
    mesmo tempo agradavel, saudavel e effi<-ar para
    conservar o cabello. Por meio do seu mso o
    45
    Panno de algodao da Bahia.
    Vende de tolas as quaJidades Joio Rodrigues de
    I'aria : na rua do Amorim ft. 33.
    Fumos
    Da Bah a e do Rio, voade Joao Dodrigues de Fa-
    a a, raa do Amorim a. 33
    Farinha de mandioca nova.
    Recentemeute cbegada de Santa CaOtarina tem
    para vender no trapiche Companhia, e para tratar
    no seu escriptorio a rua do tommercio n. 5, Joa-
    quim Jose Geoealves Beltrio & Filho. Advertindo
    I aos compradores que desejando acabar, vendem
    j mais barato do que em qualquer outra pane, tan-
    1 to em graades como em pequenas porches.
    ApoHces.
    Vendem-se quatro apolkcs da divida pro-
    vincial ; quern pretender comprar annuncie
    sua morada, para ser procurado.
    I venoese uma taverna na rua das Cairo-
    e>s, asquina da rua de S. Joao, com boa casa de
    vivenda e basunle- commodos uaJ-> familia : quem
    pretende-la dirija ae a mesma.
    Vende-se as casas lerreas seguinles :
    Rua 24 de Maio (outr'ora dos Ossos) ns. 2 e 4.
    Rua do Pogo n. 1.
    Raa do Padre Flnriano n, 35.
    Travesia da Bomba a.-5.
    Becco do Padre Lobato n. 8 A.
    Becco do caes da Cadeia-aova ns. 3 e 5.
    A tratar ^ Largo-do Carmnc. 1._______^__
    xisunicas verdadeiras
    Pichas hamburguezaa Ope vera a este mera*Jo
    ua r*f Marquex da oUadni p..*!___________
    primitiva, e adquire o brilho e a frescura do
    cabello da juventude; o cabello ralo se tori;a
    denso e a calvicie muitas vezes, posto que &*>
    em todos os casos e neutralizada.
    Nao ha nada que pode reformar o cabtHo
    depok dos folliculos estarem destruid- 9, e as
    glanaes cansadas e idas, mais se ainda r<-stareHJ
    algams podem ser salvadas c atflizadaa pcla
    yo^dtoiaalo"weCj"oe applicacao do Vigor. Libre de essas rahtan^ia9
    loja de Guerra e Fer- deletorias que tornam muitas pwparacocs de eHe
    genero tarn nocivas e destmctivas ao cabello, o
    vigor somente Ihe e beneficial. Em vee Ie
    sujar o cabello e o azer pegajoeo, o cuaaerva
    limpo e forte, embellizando o, impediiMlo a qoida
    e o tornar-se ruco, por consequiute pre nee a
    calvicie.
    Para uso da toilette nio ba nada mais a dese-
    jar; nao contendo oleo nem tintura, nao pode
    manchar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
    perdura no cabello, Ihe da um lustre luxuriflea,
    e um perfume muito agradavel.
    Para reformar a cor da barba, e uecestarie
    mais tempo de que com o cabello, porent se pode
    appressax o effeito, envolvendo a barba de twite
    com um leooo molhado no Vigor.
    Laazinhas
    a i60 re. o covado
    Na rua do Queimado n. 53, confrcnte da
    practaha da Independencia.
    Aproxaitem qne so 6 barato.
    iiaiinbaa a cbineza com padroes do t'urta-cures,
    propria para vestidos,
    i0 reis o covado, so na
    aandes
    Dae-se amostras.
    Fazendas baratas
    Granadines com palmas de seda, padroes intei
    ramente noves, a 5t'0 rs. o covado, chitas de cores'
    de diversas qnalidades a 240 rs. o covado, brim j
    pardo para calca a 360 rs. o covado, colarinhos'
    de linho a 41 a duzia, lencos de cassa, pequenos, i
    a 900 ra. a duzia, lazinhas de cores, padroes muito j
    lindos, e outras muitas fazendas baratas ; dao-se
    amostras. na rua Duque de Faxias n. 44, loja da
    esquina do becco do Peixe Frito.
    Baratissimo.
    Vende-se las escocezas de mui hadosfpadroes,
    pelo diminuto preco de 280 rs. o covado, fa7enda'
    (rue se ^endeu por 500 rs.: na rua do Crespo n.
    So A, loja da esquina. D.'o se amostras.
    Paeheeo & Auvedo tem para vender tapioca
    de Ararula de qualidade especial : em seu arma-
    zem na rua do Duque de Caxias n. 29.
    6.
    Dr. J. C. AYER A CA., Lowell, Mtm,
    EstaUos XJnidoB,
    Chimiceu Practice Aumivtic*.
    VENDK SS POB
    ib
    2
    a

    DOS PREXJ10& DA U. PARTE DAS LOTERIAS CONCED1DAS POR LEI PROVINCIAL N. &M A BEUKFICtO DA XGREiA DO AMPARO DE GQVAMA, EXTRAHIDA EM AD DE MARCO DE 1874
    9*
    98
    209
    24
    -27
    29
    43
    66
    74


    nS. PREMS. NS. PRKMS. NS. PREM5. NS. PREMS.
    3
    25
    32
    33
    35
    52
    62
    65
    67
    72
    73
    76
    86
    9i
    9
    94
    108
    9
    I*
    19
    24-
    30
    40
    83.
    6*
    69
    PRE MS. .NS. PRE >
    3771 ti
    73
    /!>
    7S M
    81 so
    82 >i
    5
    95
    07
    3807
    42
    m 4
    35 M
    52
    49 .
    53
    5*
    68
    76 I**
    83 4
    95 44
    96
    3905
    15
    19 !*
    25 v#
    34
    49 **
    50 U
    M
    96 __
    58 __
    65
    70
    T%
    M
    90
    W



    J_
    iH
    ILEnMH.
    i
    !


    8
    S
    Pfrrio de Penumbgoo SsOftedo 21 de Jforgo de 1874


    UTTERATDRA.
    A lnMtrnc$*o public* earn Ingla-
    POR C. HtPPEAU.
    Prologo.
    CAPITULO I.
    INSTRl'CCAO PRIMARIA.
    V
    (Continuacdo)
    Isto nao impede que as diversas commu-
    nhdes lutem d porfn a quem fun lard mais
    dessas terriveis escolas, tdo importante pa-
    rece derramar a iustruccdo mesmo ate nas
    classes mais inQmas. Recrutam-se com
    hem facihdade alumnos para os roggd se-
    kools, gramas a* sociedade dos Missionarios
    da cidade de Londres, encafretfedos de re-
    solver os pais ladroes ou meodigos a man-
    darem seus filhos para alii. 0 mais diflicil
    estd usto, 6 achar mestres. Por isso se ar-
    wou em Londres outra sociedade a ragged
    schools Uuionjae carreg* com esta ta
    refa.
    Estas mesraas sociedades estabelecem de
    ordraario junto dqaellas escolas uma casa
    de refugto para os mo^os vagabundos de
    ambos os sexos, que ellas pderaem estado de
    ginharem honradameme asua vida.
    As cas de trabalho work houses manti-
    das com o imposto dos pobres, recebem toda
    a casta de alumnos necessitados. Seus fi-
    lhos sdo admittidos em uma escola annexe
    ao estebelecimento. Tambem sdo ahi rece-
    bidos meninos dc f6ra 0 g verno creou,
    em 1851, a escola normal de Kneller, para
    dar mestres as escolas dessas work houses
    A instruccdo ahi e gratuita, como nas ragged
    schools; os alumnos, porem pertencera a
    difforentes classes de pobres.
    Em Inglaterra ha categorias de pobres,
    como ha categories de ricos. Para ser
    admiltido em u:na escola work house, deve
    o meniuo aprosentar-se vestido conveniente-
    mente, e, se elle quer ficar alii, submetter-
    se d discipliia da casa.
    Nao se dd o mesmo nas ragged shools.
    De conformidade com a idea .afouta e gene-
    rosa que preside a esta instituiQao destina-
    da aos meninos inteira mente abandonados
    e perdidos, sao ahi recebidos todos os me-
    ninos como elles so apresentara, sujos, es-
    farrapados, andrajosos. Ahi se reco'hem
    aquelles que por uma insubordinacdo in-
    vencivel ou vicios precoces tem sido expul-
    sos por toda a parte. E' para esses, justa-
    raente, que se estabelecem as ragged
    schools. Os magnanimos c iracoes que con-
    ceberaui tdo alta i *ea, pensavam sem duvi-
    da que in guerra feita d ignorancia, cum-
    pre pplejar ainda mesmo quando se nao es-
    pSfa uma victoria.
    Eis aqui alguns pormenores extrahidos
    de urn artigo publicado por M. P. Lacombe
    ea) um excellenta jornal, a Escola, que ap-
    pareceu em 1867 e nao pdde continuar por
    falta de leitores, tdo indifferente 6 o publi-
    co de Franca, a todas as questoes do en-
    sino.
    Os esfarrapados vao a sua escola como
    querem ; emquanto ahi ficim, procura-se
    instrui-los; se fazem bulha de mais, des-
    pedem-n'os por esse dia, mas ndo os expul-
    sam. Quer elles voltem no dia seguinte,
    quer 6 mezes depois. sao igualmente bem
    recebidos, tomam-n'os como elles Tem e
    tji instruem como podem. Os pobres, que
    sdo sdmente pobres, inandam seus filbos as
    vjork house e nao ds ragged schools ; por
    toda a parte ha aristocracia. Elles nao que-
    riam apresentar a sua progenie coberte de
    vestidos mais ou menos rafados, mas emflm
    coberta, com andrajos, que as mais das ve-
    zes valem tanto como se estivessem mis.
    A dedicacao ao ensino dos meninos do
    povo se manifesta pela mais louvavel ma-
    neira nos campos. Nao ha uma s6 fregue-
    zia-rural onde as familias ricas se ndo oc-
    cupem della seriamente dando ellas mesmas
    aos meninos liijoes de leitura e escripta e
    lendo-lhes a Biblia. Os proprietaries ge'ntl
    men ou burguezes, tem o bom espirito de
    preferirem, d residencia das cidades, os
    castellos e risonhas casas de campo, onde
    elles vivem no meio das populates sobre
    as quaes ex^rcem um benevolo patronato.
    Os services que Ihes prestam estabelecem,
    entre a massa dos trabalhadores e as clas-
    ses privilegiadas, relates affoctuosas que
    torna menos acerbosos sentimontos de in-
    veja e cubiga, de que o pobre e natural -
    mente animado contra o rioo.
    Em algumas communas, os proprietarios
    tem fundado leituras por um soldo, penny
    readings, assim chamadas por causa do
    pre$o da admissdo, o qual e applicado &
    compra de livros As reunioes tem lugar
    nasala de escola. Ahi se leem fragmentos
    escolhidosde autores em voga. Entre as
    leituras alguns cunosos executam pedacos
    de musics.
    Analogas instuigoes tem lugar em gran-
    J,n.U.mf^de ,oea,kla<,e8 P^whww Mtno do dewoho, mediant* fr*d retriboi- yr "----------------
    tenasetdades maoufactureirM. Km Prw- fio determioada. ^^ li mik ILi. .
    ?i!5. 3incb.d.S. asined^U^ & JtitK^K^U
    IPJ!?l!iT^li*LwpWwa5 qo* ""?** 09>u'nno$.me$tre5die^lMpifci
    ioraii:bibliothecsempequeMs loch-( 8 A commissio da ciMe Am>w*+
    <**. cajonamero come os forcoa d* Sociedade Franklin mmm fencimentos ro7f.. A JEST nlrmll
    muito mais efficaz^s, se, nas nossas com- de South- Kensington (ornece pots professo-
    munts ratm, os eastellos se chegassem pa- res de desenho a toda a Inriatwa Oen-
    ra as choupanas, se nossos ricos pruprie- sino abi e gratuito ; e calcutado de raanei-
    torios occupando se elles mesmos da ins- ra a forroar n*o paros artistas como a
    truccao dos mninos pobres, mostressem nossa escola de bellas artes, mas sim in
    assim todo o valor quo se deve dar i edu- dustriaes cjoo osentimento da arte. Uma
    cacdo popular. tantagem ineontest?el desse bello estabele-
    A iniciaUra particular execula na Ingla-! eimento sobre o nosso, 6 que elle 6 franco
    terra uma obra igualmente interessante aos doos sexos.
    creando para os adultos as escolas fabris Uma justa solicitude pela educacao e fu
    Mechanics Institutes, e de desenho e scien- turo das mulberes i ainda um ponto em
    cias apphcadas. qae somos rencidos pelas outras nacoes,
    As primeiras devem sua fundagao aos es- n6s qua por tanto tempo tivemos o nobre
    na r""1"108 de lord Brougham e do desejo de servir-lbes de exemplo.
    Dr. Birkbeck, de Glasgow. Aquelle per-1 Um museo possuidor de riquezas artisti-
    correu daraote 15 annos a loglaterra. pre- cas de grande valor foi creado ao lado d
    gando ao publico e doutrinado os particu- escola de South-Kensington.
    lares ; este ia por toda a parte onde ha via 0 ultimo relatorio do miniro dat-sdea-
    uma grande fabrtea, uma fundijio conside- cias e artes mostra que a esola normal de
    ravel, reunia os operanos, persaadia-lhe South Kensington cantava 994 alumnos em
    que tormassemsociedades, se cotisassem pa-; 1870, que novas escolas haviamsidofunda-
    ra comprarem uma bibhotheca, para alu- das em Belfast, Derby, Dover Kendal Lea
    garem gabinetes de leitura, onde professo- nington, etc. A Inglatarra posiueboie 117
    res voluntanos Ihes cnsmassem a noite asestabelecimentos desse genero. reunindo
    sciencias em suas applicacdes a iodiuiria. M.M0 alumnos. As escolas nocturnas,
    Os patrdes e mestres dai fabncas olha- fundadas nos condados sao em numero de
    ram como um devet e se honraram de mi- 351, frenmdo 11,119 alumnos.
    xiliar essesdous homens de bem, e funds-!to as que sao estabelecida*
    ram em seus propnos estabelecimentos es- bres, sao ellas, cousa muito
    colas para os trabalhadores e seus filbos.
    Estas escolas sao em geral seculares. 0
    ensino religioso, eliminado do programme,
    numero de lr3.S9esao
    147,243 alumnos.
    0 principio- de gratuidade
    Qoan-
    para os po-
    aotavel, em
    frequentadas por
    deixou-se iiiteiramente ao cuidado das U- plicacToaesU ultima classe de eatabeleci-
    minas. Uemais, ellas sao profissionaea mentos, e ben* se ve quaes os Mat felizes
    quano ao ensino theorico das scienciaa, resultados. ^uaoto aos oatros, sflo elles
    aos elementos das bellas letras juntam-seos mantidos por subvencSo do estado e retri-
    conhecimentos especiaes di um certo nume- bui^de* escola eer qum 1870 subiram a
    Ol Lea l:i____._^_T^ *
    F9LHETIH.
    LUCBECIA BQH&IA
    MEMQRIAS OE SATANAZ
    POR
    <#. if nnoel Fernandez v Gonzalez
    QUINTA PARTE
    LEONOR
    II
    EM QUE SE EXPLIGA COMO MICHELOTTO CHE-
    *.OU A PARIS E SE ESEABELECEU ABI COM A
    SLA FAMH.IA.
    CContinuacao do n. 64. )
    i'ois bem, colho-lhe a palavra, duzen-
    tas 'nil libras tornezas, disse Michelotto ;
    o sWu lucro e bom, mestre judeu, e se Ihe
    doa essas joias por tal preco, nao 6 por
    ignbrar que valem muito mais, mas sim,
    porqnp mebasta essa quantii. Agora diga-
    m?, que juro e o do emprestimo do di-
    nheiro ?
    Com bons penhores, cincoenta por
    cento
    Ouer isso dizer quese eu eraprestar
    duz^ntas mil libras, terei cem mil libras de
    renic.
    . r.frtamente cavalheiro, disse o judeu
    -lornaudo o caminho da porta.*
    **spere, atalhou Michelotto ; necsssi-
    to de nm gentil homem que responda por
    mim ao grande preboste de Paris. Julga
    que sera" sufficient*! e?se seu conhecido Jac-
    ques de Arnesteville ?
    Creio que sim j- esse cavalheiro deve
    ate o ar que respira ; n3o ha prestamista
    em Paris que o ndo conheca, desgracada-
    TH?nte ; por^m na cdrte i respeit.ado, c con-
    ro de industrias, a* prauca do coinmercio
    ou d da navegacdo, se^undo as escolas.
    Muitas veres annexam-se officinas as es-
    colas para que os alumnos possam por as
    maos no officio. Em outras partes fal-
    se ainda melhor; i mesma fabrica a que e
    annexada a escola s^rve de officina de
    aprendizagem para os alumnos destinado&a
    serem um dia operarios, ou na fundicjlo oa
    em outros estabelecimentos.
    Sao evidentemente essas condigdes as
    mais favoraveis para um ensino em verda-
    de profissional. Muitas cidades de Fraacar
    e entre outras o Havre e Lyon, possuem
    algumas semelbantes. I'm modelo neste
    genero era a bella escola profissional de
    Mulhouse, nessa Alsacia cada vez mais cara
    a" Franca, da qual nao esta, nos o espera-
    mos, separada para sempre. Veraos com
    prazer o novo conselho muuicipal de Paris,
    que annuncia altamente a rasolucjlo de dar
    a maior extensao ao ensino primario, dis-
    posto a dotar a capital com essas escolas
    de aprendizagem, que no podem deixar
    de prestar os maiores services a* industria
    pariiiense.
    Persuadamo-nos bem era Franca, segun-
    do os exemplos que dao ao nosso paiz as
    naroes mais adiantadas, que as administra-
    tors municipaes e departamentaes, auxilia-
    das pelo concurso dos particulares, 6 que
    poderao tirar-nos do estado de ioferiorida-
    de em que nos achamos a muitos respeites.
    Ja Id vai o tempo em que a lei oppunha
    aos esforcps dos particulares e & iniciativa
    das communas invencivel resistencia. O
    homem que em 1825 tentasse, como faziara
    em Inglaterra lord Brougham e o Dr. Birk-
    beck, percorrer a Franca, afim de crear as-
    sociacoes e estabelecer escolas livres, seria
    digno de correcrao policial. No;sas insti-
    tuiraes politicas muito se tem depois disso
    modificado. 0 que hoje se faz preciso e
    que nossos concidaddos tenbam boa von-
    tade e zelo. Nenbuma tareta mais |bonro-
    sa nem mais util poderia ser proposta ao
    seu patriotismo.
    E' sabido que por occasido da primeira
    exposicao universal que teve lugar em Lon-
    dres, os inglezes reconheceram que nos
    eram inferiores em todos os ramos da in-
    dustria que exigem a pratica do desenho.
    Desde entao trataram de reformar neste
    ponto de vista a educagdo de seus opera-
    rios. Formou-se no seio do conselho Ce
    instrucgdo publica uma secgdo que, debai-
    xo do nome de Art department comecou a
    sua obra estabelecendo na cidade de South-
    Kensington uma escola normal para os pro-
    fessores e uma administrai;4o incumbida de
    fazer ;rear em todos os eondados escolas de
    desenho. Mas o governo, fiel aos seus habi-
    tos, nao fundou por si essas escolas ; offere-
    ceu ds municipalidades quo as estabelece-
    ram, subsidios e professores.
    A sociedade que quer ser auxiliada sub-
    screve as seguintes clausulas :
    1. Quinhentos alumnos pobres pelo
    menos devem estar promptos a receber o
    11,468 libras esterlinas.
    Animado pelo bom resuJtado do Are de-
    partment, o governo ingtez projectou fezer
    para diffusdo das seiencias o- que havia posto
    em pratica para o desnho. to Art department
    tornou-se em science and'art department.
    Applicou-se ao nvo ensino o methodo
    empvegado para o primeiro-^ commis$6e9
    locaes estabeleceraro escolas seientificas, et
    o estado deu-lhes suMrencdefr para acquisi
    Clo de livros, instru mentos, apparel bos, etc.
    South Kensington vie-pois crear junto ao-
    aeu mtisea artistico, ootro scientifico. coai-
    posto de substancias, productosr materiaes
    proprios para onstrucjpes, etc.
    A administracdo do* primeiro mandou
    photographar as obras primes que possue.
    Ella vende por baixo preco estas-reproduc-
    ers, e afim de iniciar publico nos senti-
    montos da arte. Ella remette ora para uma,
    ora para outra local.dade copias ou dupli-
    catas de seus quadros oa desenhoaj Faz o
    mesmo aos seus museus scientificos. uma
    parte dos quaes tem eaa mobilisado, afim
    de- praticar o mesmo com- as pnneipaes ci-
    dades de Inglaterra.
    Tanta dedicacao em favor da edueacjk* das
    classe*pobces e operariaa-terd suarecom-
    pensa nos progreseos moraes que-oio dei-
    xaraode efiectuir-se nae-populac6es. Pon-
    do-se de continuo em centacto com os tra-
    balhadoces, tratando assim do bem estar del-
    les, os ingi zes tornaram. menos violenta a
    ense social de que esta* ameacados.
    Na organisacao da educacdo popular, a
    Inglaterra, como se ve, conserva-se fiel ao
    espirito que reioa em todas as suas- insUtui-
    Coes. E* d inioiativa particular, ao poder
    associacoes e sobratudo as mligiosas,
    os de continente do que existe quanto ao
    que diz respeito a* IogSterra. .
    Em virtude de uma lei esta parte do Rei-
    no-Unido poaaua um avatema geral de edu-
    cacao nacional. Cada fregaezia e obrigadi
    a cmr e manter uma escola. Mas estas
    escoia* parochiaes nio teem s6 por objeeto
    dar is classes pobres a instruccdo primaria.
    Ellas foram fundadas em mais elevado sen-
    timent) da importancia da educacao publi-
    ca, cujo fim principal e formar cidaddos/do-
    tados de conhecimentos solidos e variados.
    Como nos Estados Un dos cujas insutuicoes
    se tem evidentemente modelado pelas tradi-
    C&js presbyterianas importadas da Escossia,
    a educac*o nacienal abraga ao mesmo tem-
    po o ensiao primario e o tecundariot ainda
    separados em outras na^oej da Europa por
    limites quasi absolutos.
    Easa diviado da instruccdo publica em
    tres grdos primario, secundario e superior,
    e desconhecida nos E*ados-Unidos. AJIi s6
    hi, propriameute fallen Jo, duas ordens de
    ensino, a primeira consuuiinlo um ensino
    geral aberto a todos os meninos de ambos
    os sexos, de 6 a 18 annos, e a segunda
    prepirando directaraente para diversas pro-
    tissOes : agrieultura, commereio-, industria,
    direito, raedieina, etc.
    Ua muito tenpo que um puMfeiata cujo
    espirito esta" aberto a todas as ideas progres-
    sivas, M. Emile de Girardin, em m 1 vro
    que e por certo o que se tem escripto de
    mais aeusato nestes u4tiatos trinta annos- so-
    bre a instruccdo publica, propunha unaa-or-
    genisac^ analoga & que se adoptou n Es-
    cossia. Proelamava elle bera alto a naces-
    sidade de por em harmome a kstrucco pu-
    blica com a* novas iDstituicdes- politicas de
    noseo paiz. Separava com raaaa nitidez o
    ensinoetemew&ir, gerair nacional, larga
    Se na Escocia como oa Inglaterra a lei
    ndo impoz as familias a obrigaclo de dar a
    todos oa teas filbos sufficiente instruccdo
    primaria, ndo ha mais duvida alguma so-
    bre a oecessidade de impor to governo a
    obrigtcdo de prover a que essa instruccdo
    seja por toda a parte organisada de modo a
    torna-la accessivel e proveitosa a todos.
    0 accordo, neste importante ponto, do
    estado das associac,6es religiosas e leigas e
    dos particulares demonstra que o desejo de
    derramar a maior som.na possivel de instruc-
    C3o primaria nas classes da sociedade qne
    della tem sido privada ate" agora, setornou
    universal.
    A questdo da gratuidade, absolute ou fa-
    cultativa, tambem ndo encontra se'na oppo-
    sico. rr
    Ndo se dd a mesma cousa na da separa-
    Cdo do ensino scientifico e religioso, recla-
    mada pelos pensadores livres e igrejas ndo
    conform istas.
    0 acto de 1870 deixando subsistirem as
    antigas escolas particulares fundadas por
    meio de contribuicoes voluntarias, em vez
    de apossar-se deltas arbitrariaroente, limi-
    tou-se a estatuir como acima fica dito, que
    nos districtos onde ndo existem escolas, ou
    possuem somente insufficientes, se estabele-
    cerdo escolas publicasonde ndo se eosinard
    cathecisme algum, nem formulario perten-
    eente d uma confissdoparticulir ; quo para
    todas is outras escoias, quer anglieanas,
    quer nao conformistas, so se poderi dar
    subvencdo publica sob condicdo de nenbura
    meinno ser obrigado a aprender um ensino
    religioso contra a vontade dos pais. Be-
    mais, osinspectores ao govern), aos quaes
    essas escolas devem sempre eUar fraucas,
    ndo temo di-eito de estender oseu exame
    ao ensino religioso, nem devem corapre-
    bende-lo em suas notas.
    Estas garantias parecem insofficientes a
    um partids'numeroso e particulermcnte aos
    todas
    0 astado, iocumbido ds prover a
    as necessidades, de estudar taio, 4*
    tudo por si mesmo. hsnJsiw aMajral das
    tradicoes monarchicas, terd asm trabalho,
    mesmo nestes tempos do democracia ascen-
    dente, em se desembaracar dos sans aaai-
    tos autoriutivos, t distribuir largameote aw
    cidadios, chamados hoje a occuperem se se-
    riamente de seus interesses, os documentos
    que Ihes e indispensavel coobecerem.
    E' uma obrigacao que em wa falta,
    tmprensa periodica daveria cumprir.
    A sua tarefa seria mats facil, se, come
    se faz em Inglaterra e principal mente nos
    Estad.is L'nidos, se poxessera todos os di.s
    d sua disposicdo documentos officiaes sobre
    todos os ramos da administracao.
    meute d.siribmdo a to lc*sem excepedo, for- Uembros da iiga de Manchester, ilia quer
    man*) cidaddos uteis, instruidos de seusFqoeo ensino propriamente dito seja dado a
    leveres-e providos de conhecimentos indis- todos pelo estado, e c religioso pelos pais
    tinuard a se-lo ate ao dia em que desespe-
    rado por ndo poder sustentar a sua posigao,
    se lancard no Sena.
    E onde vive o Sr. Jacques de Arnes-
    teville ?
    Na sua casa solar, rua de Montmar-
    tre.
    Pode dizer-lhe que um seu antigo
    conhecido, a quem vio a ultima vez em
    campanha, estd em Paris e deseja ve-lo ?
    Certamente que sim, e para isso basta
    ir procura-lo d casa da sua amante na rua
    Valois.
    Faca o que quizer, com tanto que
    ndo volte sem as dozentas e cincoenta mil
    libras, e sem o Sr. Jacques de Arneste-
    ville.
    0 judeu sahio.
    Michelotto mandou que Ihe servissem a
    si e aos seus companheiros de viagem que
    estavam n'um outro aposento da bospeda-
    ria, uma excellente ceia.
    Uma hora depois de ter sabido messer
    Elias Japhar, bateram d porta.
    Abi temos o Sr. Jacques de Arneste-
    ville, disse Michelotto ; poe a mascara,
    Tonetta, vai abrir, e entretanto dd-me cd a
    crianca.
    Tonetta poz Ihe nos brai.os a pequena
    Leonor, Michelotto voltou as costas para a!
    porta, Tonetta cobrio o rosto com a masca-
    ra e foi abrir.
    Entro'o um homem que pelo trajobem se
    via ser fidalgo, baixo, e um tanto raagro, o !
    qual avancou lentamente conservando o
    chape'o na oabeca.
    Fui avisado, disse rile, de que um ho-'
    mem coberto de ferro desde os pes ate* a* ca-:
    beca, me deseja fi'.lar, b mirn Jaffiif's de
    Arnesteville, para uni aasiimpto imuortau-
    tissimn, < vim, nda sei aorque, sa'isljzendo
    o desejo de um desconbfcido.
    On viva n JTia.^. n> fojpo J\i

    das
    que ella deixou ha mqko lempo o cuidado
    de prover a instruccdo das classes inferiores.
    Nao havendo influido piano abjum geral,
    nem uma vista total A fundaedo e adminis-
    tracao das escolas, apresentaram ellas as
    vantagens e inconvenientes unidos d descen-
    tralisacdo. As sociedades clerkaes applica-
    rara-se menos a dar ao-estado populates-
    instruidas do que a formar adhereotes & tiamo.
    pensavt is para o desempenho desses deve
    res, e -ensino especial, complementer, pro-
    fissions*,, p-eparando para dfeteminadascar-
    reiras. Eis abi intairamente, repito.iOsvste-
    ma amerncano, e alguns rospeitos oque
    parec pr^relecer na Es -ossia.
    Outra relacdo igudmente notavel entre as
    escolas da Escossia as dos Estados-Uiados
    je que ellas sdo franqueadas t ambos os sexos.
    QDasi por tods a parte rapazes- e men!nas
    sio admittidos nos mesmos'estabelecimentos
    e-partilham os mesmos estudos. Podem-se
    snscitar, e soscitam-se- eom effeito contra
    essas escolas miitas objeecoes, qoe sd teem
    vaJor para as nacdes onde os costumes pu-
    blteos tornam- as suas vantagens duvir
    dosas.
    A America, Escossia, Dinamarcs, SueciaJ
    e-Suissa, ondaellasestae^stabnlecidas o Qo-
    reseentes, acbom-se muito bem cora o sea
    systeraa, e ndo-Ihe descobrem os inconve-
    nientes que se encontrariem em outros pai-
    zesi Damos parabens aquelles em qae a
    moral publica, e uma legislacao protec-
    tora do sexo fraco os toraam possiveis I
    Todas as a-colasque reunem osdoas grdos-
    de-ensino sdo aceessiveis tanto aos- pobres
    como aos ricos, aos habrtantes do campo
    como aos das eidades.
    Posto que fundadas e ragidas em grande
    parte pela igreja bresbyteriana (e sabido
    que na Escossia esta igreja- ndo tem. lithur-
    gia, nem altar, nem rausiea instrumental],
    em parte alguma 6 a liberdade de onscien-
    cia mais altamente reconhecida, nemmjis-i
    religiosamente respeitaia*
    As diversas crencas, a igreja estabelecida,
    a dos presbyleranos unidos, a igre^i episco-
    |al anglicana, aigreja liweea cttholioa ro-
    mana, vivem em perfiitB.^harmonia quanto
    ao que diz respeito d eduoacao publica, lia
    muito poucas- escolas que ndo declarem es-
    ptar abertas a tolas as anencis, e se ndo
    privem de toda a. teotaUva de grosely
    ou por intermedio voluntario das congrega-
    tes religbas. Quer em uma palavra, a
    instruccdo obrigatoria> e leiga. Em um
    c jngresso celebrado recentemente em Man-
    chester, o no qual tomanam parte mais de
    1,800 pessoas, foi decidido que o-parti do
    liberal excluiria do seu seio todos os que
    ndo adoptassem este programma e recusaria
    o seu concurso ao governo se ellendocon-
    sentisse em proper a sua adopca > ao parla-
    mentoi
    Seri interessante ver como o bom senso
    pratico da Inglaterra resolverd uma quetao
    em qiiv> estd envolvida a dapla necessideda
    de satist'azer o sentimento religioso e salva-
    guardar os direitos da liberdade de oon-
    sciencia*
    CAPITULO II.
    Como ha infinitaraeute mais leitores par
    os jornaes do que para os livros, sua im-
    mense publicidade vulgarisaria uma nral-
    tiddo de factos que e importante coohe-
    cer.
    Foi assim que duas ou trcs cartes not*
    veis de M Tame, pubheada no jornal L?
    Tempt, fizeram saber a respeito de Oxford
    e Cambridge, a milhares de pessoas o qua
    so era conhecido pelos rarissimos leitores
    das obras de Mrs. Demogeot e Montocci.
    Pela minba parte peco pennissio a meas
    sabios colleges de com largura aproveitar-
    me de sua obra magistral.
    Os estabelecimentos de instruccdo seeao
    daria, os collegios sdo na loglaterra, escra)-
    sivamente ornados e mantidopeli inicia-
    tiva particular.
    O estado ndo inter ve n por modo algum
    nessa ordem de ensino.
    Vivemos em um paiz litre, dizii ess
    186-3 o conde de Herrewby, presuhndo uma
    distriburedo de premies em Liverpool, ois-
    sa educacao ndo p6deser-nos imposts pela
    autoridade de um so- homem, de uma so
    eorpc racdo.
    diversas comraunhdes. que ellas represen-
    tam. Quanto ds numerosas escolas leigas
    livres devidas d especula0o particular, tem
    ellas estado na impossibilidade de sustentar
    a concurreocia com as primeiras, e as mais
    das vezes so tem apresentado miseraveis re-
    sultados.
    Depois que o parlamento' julgo l qae- Ihe
    importava intervir e introduzir mais osdom
    e regularidade no regimen das escolas, um
    progresso notavel a produzio por toda a
    parte nos estabelecimontos primarios. En-
    carregando-se de dar uma inst-uccJoreal a
    todos os meninos que se acham f6ra dos es-
    tabelecimentos livres, cuja prudencia foi
    respeitada, pensou elle com razao que ap-
    plicando d educacdo nacionai uma quantia
    consideravel tirada de budget do estado, era
    do seu dever velar no seu emprego. Ndo
    e pessivel duvidar da efficacia de uma in-
    tervencdo exercida com prudencia e medida
    magestade o rei Carlos XII, replicou Miche-
    lotto com inflexdo zombeteira.
    E Micbelolto roltou-se.
    Ah I per Bacco, mio signore I excla-
    mou o gentil-homem ao ver o rosto de Mi-
    chelotto. E' deveras singular ; ha bons
    viute annos aue nos ndo vemos, e apeoas
    Ihe tem mudado de cor os cabellos.
    Pois saiba que o meu nome jaz de-
    baixo da terra, Sr. de Arnesteville, replicou
    Michelotto. Fecha a porta Isabsl.
    Era este o nome supposto que Michelotto
    dera a sua mulher.
    Como 1 pois o araigo raorreu ? disse o
    Sr. de Arnesteville, que tirara o chapeo ao
    reconhecer Michelotto, prova evidente de
    que o reconbeeia por nobre.
    Quasi, quasi, respondeu Michelotto;
    o raeu nome, esse e* que deixou de exis-
    tir.
    Entdo como se chama agora ?
    Ndo sei, meu araigo, e ama das razdes
    porque tomei a liberdade de o mandar cha-
    raar, foi para que me confirme.
    Como assim I Pois quer que eu lbe
    ponha o nome que deve substituir o seu ?
    Ndo, quero que me procure um no-
    bre arruinado, que a troco de algum ouro,
    me venda o seu nome.
    Ndo tem aecessiiade de comprar,
    disse o Sr. de Arnesteville sentando-se, e
    atirando se ,i ceremonia com o chapeo para
    cima da mesa ; posso dar-lhe o que neces-
    sita.
    Um b >m nome ?
    Magniflco, antigo, respeitido, Pedro
    Boncamp, nobre appellido da velba Breta-
    nha, que pertenceu a um meu prirao em
    decimo grdo j desgracadamente morreu de
    fome e ab intestate. Rosultou d'isso, se-
    gundo os homens de lei d'aquelle paiz, que
    era eu o seu herdeiro, e perguntaram-me
    56 acpitj'vn a heranc*. "APr^*4,'"Tri^ 6H1
    <.OJ
    Para raelbor alli.mrsr a sua independen-
    cia, uma dellas adoptou. como principio fun
    damental que o poder civil nao deve envol-
    ver-se nos Uegocios da igreja. E' a igreja
    livre, Free Kick.
    Vio-se em 1843 uma grande parto do cle-
    ro presbyteriano separar-se da igreja do es-
    tado, renunciar posicoes lucrativas e deci-
    dir-se a viver s6mente das contcibuicdes vo-
    luntarias de seus adberentds, sem apoio de
    alguma, d -. proteccdo alguma parlamenta,.
    Esta igreja que fundou, de conformidade
    com os seus prtneipios, numerosas escoUs,.
    e hoje tao grande e poderosa, como sua it-
    mi mais velba, a igreja presbyteriani esia*
    beleoida.
    A Escossia conta 5,141 escolas da to-do o
    genero.
    Da-se alii agora mesmo grande movirac-n-
    to em favor do ensino obngatorio e gra-
    tuito.
    aceita-la, julgando uma providencia a mor-
    te do meu parente, e encontrei que a he-
    ranca consistia n'um archiva roido pelos
    ratos, n'uma velha torre, restos unicos do
    castello de Boncamp, h>bitaia por mochos,
    coruj is, lagartos e aranbas, e que mesmo
    apezar de ser de pedra, ndo podia aprovei-
    tar-me, porque a pedra abunda no paiz. A
    gente da justice comeu-me alguns reaes a
    pretexto de fransmissdo de dominio, e eis
    ahi que se ndo fdra o senhor, ndo saberia
    o que fizesse da heranca do tal meu primo
    em decimo grdo, cuja existencia ndo co-
    nheci nunca ate o dia em que me disseram
    que deixara de existir. Estdo, pois, d vossa
    disposicdo os pergaminhos do raeu parente
    e os quatro muros velhos de pedra da unica
    torre que resta do u'outro tempo formidavel
    castello de Boncamp, quando ainda se cha-
    ma va Franca as Gal lias. Ndo sei se perde
    mos ou se ganham >s, convertendo-nos de
    gallon em francos ; ndo me iraporta o que
    fui, na j quero saber do dia de hontem, e
    so me da" cuidado o dia de araanhd. para
    me livrar dos credores que me cahem era
    cima da cabeca. Em Paris vive-se muito
    caro, meu amigo, sobre tudo com o faosto
    do nosso sem par Francisco I. A cas) de
    Valois empobrecerd a Franca ; entraram
    em competencia o imperador da AHeraanha
    e o rei de Friuca ; e os pobres gentis-bo-
    mens, que ba muitos annos devoramos jd as
    nossas rendas, vemo-nos negros, verdes e
    azues, para nos apresentarmos oa cdrte sem
    cabir. no ri liculo.
    ' Todavia e ainja. muito respeitado na
    cdrte.
    Certamente ; ninguem mais do que
    OS usurarios, S3be seeu posso eugmentar
    as minhas dividas.
    De sorte que podo apresentar na cdr-
    te. esse seu pfimo em decimo grdo, hein ?
    Pedro dp Boncamp, poqnpnn bardo dl
    i.,-
    ISSERUCCAO SECUNBARIA.
    I
    ; A Franca esteve por muito tempo per-
    suadida que podia dispensar-se de estndar
    as instituigdes d;)s outros paizes sobretudo
    em materia de educa^Jo pubhea. Conhecia
    ella de nome e reputacdo, per exeiopl-i,
    as celebnes universwlades de Oxford e Cam-
    hridge : tinha, porem, raiuto incomplete
    idea de sua organisacd). Ignorava, se ao
    lado abu'-so desses corpos illustrados, In-
    glaterra ndo possuia estabeteeimentos im-
    portante*. para a educacdo das classes-me-
    dias. N&o era que faltassem aos leitores
    relacoes-e documentos sufficiantes, faltavam
    por desgraca leitores a esses documentos e
    relacoes.
    Ha alguns annos um inspector da uni-
    versidade M. Rendu, publicava interessan-
    tissimos-pormonores sobre as escolas de In-
    glaterra. Um poueo-mais tarde Mrs- Mar-
    gueriee Mothere, iocumbidos de uma mis
    sao especial pelo prefeuo do Sena, relata-
    vam a esse administrador os resultados de
    suas observacoes. Emlimj, ha muito pouco
    tempo, Mrs. Demogeot e MonttuecL publi-
    caram, dous magnific >s volumes nos quaes
    esses- distinctos membros- do nosso corpo
    universitario dao, sobre o ensino sucunda-
    rio e- superior na Inglaterra e Escossia, os
    raai& preciosos pormenoees. Mas, quem se
    aproveitou dessas conscienciosas iodagacoes,
    dessas informacoes, cuja maior parte sac
    yerdedeiras revelacpes ? Essas obras tdo
    instructivas deverao ter sido publicadas e
    espalhadas por milhares de exomplares. Iav
    pressas, porem, com grande luxo (faHo
    principal mente das duas ultimas), sahidas
    dos prelos da typographia nacional, sdo ac-
    eessiveis somente aos possuidbres de boisas
    bem recheiadas. Conservadas com um cui-
    dado quasi, eiumento na bibliotheca do mi-
    nisterio da instruccdo publica, remettidas d
    algumas bibJiothecas departamentaes, ou
    dadas a alguns funcciooarios |laboriosos,
    sdo quasi carta fechada para os pais de fa-
    milia ou directo-es de escolas, que alii
    achariam as mais uteis indicacoes.
    Sdo as univerdades, as diversas igrejas.
    partidos pohticos, as associacoes industriaes,
    as companhias de accioras:as, uma cbusma
    de particulares, que levaotaram escolas e
    eseolberam seu bel prazor os program-
    mas- respectivos, seus regutamentos e pee-
    soaK
    O'clero tem tido ate aqui o padroado do
    ensino secundario superior, tal qual o pos-
    suia, como acima dissemos, para as escolas
    de iasUuccdo primaria.
    A opiuido publica ainda lbe custa a se-
    parar a escola da-igreja.
    As communhoes dissidentss tern igualmen-
    te suas escolas. Mas afora esses estabele-
    cimentos, um partido numeroso e il.ustra-
    de fundou instiiuicoes seculares onde o ca-
    tbolico vai sentar-se ao lado do protesUnte,
    o quaker a par do israelista.
    Dous partidos portanto estdo- boje em ki-
    te na educacao, como ba muito tempo 9
    estao no estado.
    I'm-sustenta as tradicoes do passado,
    outro, mais sensivel ds exiganaias do pre-
    sente, applaude as- inuovacoes-, se esforga
    em realisa-Us.
    As universidades, as grandes escolas, pa-
    blicas, as antigas- escolas de grammatica,
    quasi todo o clero anglicano compdem o
    primeiro ; corporacoes municipaes, associa-
    coes de negoeiantes, fabricantes. ricos pro-
    prietarios, constituem o segundo.
    0 antagonisroo entre as duas ordens de
    estabelecimentos, se exteroa pela naturaaa
    do ensino que recebem seus alumnos. Oa
    primeiros tem conservado, sem modifica-los
    de modo notavel, o ensino alassico, teodo
    por fundemento oestudo do latino e grego ;
    os segundos fazem parte legitima do ele-
    mento scientifico e linguas raodernas.
    Os primeiros sao, naturahnente os rnaU
    antigos. Creados com doaooes e legados,
    sao organisados segundo as regras eu uta-
    tutos do doador, e governados por um
    corpo que re-presenta o seu direito e auto-
    ridade. A unica funccdo do estado em raU-
    jao a estas funda-.-oes foi a de reconbaeei-
    Ihes a existencia e constitoi-los pessoa, civil
    pela outorga de uma carta de corporacio.
    Estes collegios possuem pela maicr parte
    rendas consideraveis. Ndo havendo soffri
    do o nivelamenlo que a revolucao fraaeeza
    impoz a nossas corporacoes, ficarara pro-
    prietarios e senhores de si. Nao contain
    com o estado, a quem nede podem, nem
    com os pais de femMie, dos quaes pode-
    riem absolutamente dispensar-se. E' uma in-
    dependent que nao tem nessas cidades de
    Franc-i, mesmo para os collegios chamados
    communaes, pjr ellas fund ados e maoti-
    dos. 0 estado aceita-lhes o dinbeiro, mas
    poupa-lhes o cuidado da administrecdo e
    direci.-ao dos estudos.
    Bretanha, senhor do castello solar e de es-
    cudo osquartelado.
    Occorre-me, porem, uma difficulda-
    de, Sr. de Arnesteville ; toda a gente deve
    saber na cdrte que seu primo raorreu de
    fome.
    Meu primo nao sahio nunca do seu
    cazulo, preso como a hera ds parades do
    seu velho torrdo de Boncamp, rodeado por
    quatro cepas, cujo fructo esprimia com as
    raaos, obtendo uma colheita de tres garra-
    fas de um vinho detestavel, que segundo
    me disseram os que conheceram o meu pa-
    rente, sdodiabo o podia beber. A bisto-
    ria de Pedro de Boncamp pode resumir-se
    n'estas palavras : Viveuso, e morreu so.
    I m dia encontrarim-n'o raorto, tendo por
    travesseiro os seus pergaminhos, e pendu-
    redos por sobre o leito, em vez de ume Vir-
    gem e de um crucitixo, um escudo de armas
    e a sua espada. Cedo-lhe igualmente a no-
    bre espada hereditaria dos Boncamps, que e
    uma excellente folha, necessitando apenas
    um punho d moda, e uma bainha nova, e
    a taboleta em quo estd pintado o brasdo,
    que pede collocar por sobre a porla da sua
    casa, se e que a tem. Ndo deve, pois.re-
    ceier que o eccusem de falssrio, porque a
    unica pessoa que Ihe pode dizer que mor-
    reu Pedro de 'Boncamp, e um pequeno
    bailio de um pequeno povo da Bretanha,
    que certificard, sendo necessario, que
    Pedro de Boucemp resuscitou com tanto
    que Ihe deem alguns soldos.^
    Convera-rae desde jd o meunovo no-
    me. Vaitti's a outra cousa ; necessitn de,
    uma bonita casa, digna da um gnl! 1-*;,.>-
    mem de antigo solar.
    - Posso v.-uJer-lhe uma. ou ,,
    hor dmr, vender-lh/a-hS^ os m& credo-
    tK, os respeitave.s j.y^u;, ft quem Deus
    ivitt-i ripraps, ps .,,:,,, i. j ,,. .
    ; LtJnl>lU\-\ (l.i prae-i na-i yirto-
    (Coutinuar-se-haJ
    rias, com grandes jardins, e mobilia rica e
    entige.
    E' sempre o mesmo homem senhor ds
    Arnesteville. sempre servical e alegre, dissa
    Michelotto sorrindo. Passamos bem bons
    bocados quando estive em Rome com o
    meu desditoso senhor Cesar Bergia.
    Nem eu me esqueci tsmbem d'aquel-
    le tempo, D. Michelotto, quero dizer Sr. de
    Boncamp, e sobre tudo de uma noite am
    que me livrou do furor da alguns lazzaroni.
    Mas, a proposito da cesa em que Ihe fallei.
    Sebe o emigo quanto me emprestaram so-
    bre elle? Quinhentos ducados deouro;
    mas de entdo para cd, os juros teem cres-
    cido de um modo tdo espentoso, que em-
    bore e casa se vendesse a peso de ouro nao
    receberia eu nem sequer um soldo.
    Serd nor venture messer Elias Japhar
    quem tem direito sobre essa casa ?
    Exactamente, e com quanto seja um
    verdsdeiro vempiro, poderemos cbegar a
    um accordo com elle.
    Muito bem, vejo que nos enteodere-
    mos sobre esse negocio. Vemos agora a
    outro essumpto. E' casado ?
    -/- me migo, com uma admiraval
    filha da G-ascunha. A senhota de Arneste-
    ville e uma mulher adoravei. que tem tao
    somente um defeito io.voluntario; adoece
    de tristeza em Paris, e os medicos enviam-
    n'a com summa frequ^ncta a tomar oa ares
    do seu paiz nata'. e prohibem-rae qae*
    tcotnpanhe.
    (ConUnwarse-ha.)
    jk? v. ;: \>.:... -. :-v.\ wqi'l iE caxi5,



    %'

    r



  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ERY0ASJC3_T5LEFP INGEST_TIME 2014-05-21T23:20:47Z PACKAGE AA00011611_16961
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES