Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16957


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-
"IB
>IVH>i*MIH"9WV>IMVWMmMl

'
if
ANNO L. NUMERO 62
u &b :r
PARA A CAPITAL B LIG1BE* OIDE N.i SE PAttA POBTE.
**or ires mexes adiaatados................ 6*000
a*or Mis ditoa idem......'............
iPor um anno idem.................. 34JK)00
Cad* naraero atulso................. *326
mm FEIRA 17 DE MARCO K 1874
PAAA UEVrROEFOBADA FBO*kVCl A
For tres mezes adiaatados..........,.....
Per seis ditos idem.............
Per nove ditos idem ...........-.. 90P250
tor am anno idem. ?................ S7JJ00*


,
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA ft FILHOS.
-r
f* Sri. Gerardo Antouio Alvesdc Mhos, no Far*; Goocalves & Pinto, oo Maranhao; Joaquim Jose de Oliveira & Filho, no Ceara; Antoniu de Lea,u Braga, do Aracatj ; Joio Mma Juiiu Chares, qo Assd; Antoaio Marques da Siiva, no Bated; Jose Justin*
Pereira d'Almeida, em Mamauguape ; Carlos Auxoocio Monteiro da l'ranca, aa Parahyba ; Antouio Jose Gomes, na Villa da Penhaj Be'armiuo dos Santos Bulcio, em Saato Antao ; Domingos Jose da Costa Braga, emHaxareth;
Antonio Ferroira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antouio Machaeo, do Pilar das Alagoaa; Aires dC, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
-4
PARTE OFFICIAL
G over no da Provincial.
FALL A com que o Exm. Sr. commendador Henrique Pe-
reira de Lucena abrio a sessao da assembl6a legislate
va provincial de Pernambuco no dia.l. de marco
de 1874,
nfe
Coutinuacao do u. 61.)
AMa'JJlJJTilI3H*lfD 'JJ'AU'SA-
Companhia Beberibe.k falta d'agua cootiuua na povoacao de Afogados, e a companhia
Beberibe, a quern se concedeu nma subveucie de 10:000*000 para collocar chafanzes era numero
sufflciente a abastecer d'agaa aquelln povoado, uao tern satisfeito o seu cornpromisso, resultando
d'abi repetidas queizas contra a mesma companhia.
Nao e soraente da povoacao de Afogados que surgera queixas contra essa compannia por
este notivo^ moradores dog bairru. do j^ffa SaBt0 Antonj0i s. Jo^ e Boa Vista tern requerldo
a eiia o fornecimento de pennas d'agua para. os seas predios, e e?te I es tern side- recusado sod a
fuadamento de qae manaacial acha se empobreeido. ..,...
A companhia, ha mais de Ires annos, reciraheceu a neeessidade de augmeniar e extender o
abasteciroento d'agua, em vista do desenvolvimento material da provioxiie crescimenio de sua po-
oulacio : no entretanto ate hoje se ha Iraittedo umcamente a compra do acnde Dous lrmaos.
0 fornecimento d'agua em abundancia a lodes ds predios e por modrco preco e astumpto
qua deve merecer a vossa particular atteucao, porque elle ioteressa a populacao a muitos respeitos.
Espero, "pors, que habilitereis a administracao com os meios necessanos, para que possa pro-
videnciar em ordem a melhorar esse raino do service publico.
Companhia Santa Thereza. Corro a cargo desu companhia o abaslecimento a agua ua
Terminadas as obras da mencionada empreza, comecou no dia 3 de maio proximo passado
a ser conudo o praso do privilegio de quarenU annos, concedido a companhia.
Tambem no dia 3 de deaembro proximo passado toi inangurada a casa de banhos, de que
irate o respectivo contracto. ....
Moradores do Curato da Se pedera que a canalisacao va ate ah.
Dir. o gerente da mesma einpresa que. com uuaato seja esse o desejo da companhia, ve-se
eUa obrigada a adiar para mais ttrde a realijasao desse intento por falta de capital precise, visto
ser neces3ario, alem da canalisacao, um tanque e substituijaj de machmas a vapor por outras
lEmpresa de Goianna.O empresario Justin) Jose de Souza Campos procedeu ia aos neces-
sari03 estudos e levantou as respeelivas plantas. que me forara presentes e remetti a dirtctona das
obras publicas para dar seu parecer.
0 empresario solicitou permissao para que as obras do oncaaamenlo d agua comecem ao
mosmo tempo que as do gaz ; o que resolvi conceder em data de 4 do mez proximo undo.
33 BMD 2 AsJ3"a"Jb 3)i\ BTJ)A'J)3 J)0 H3CTJ3-
Este servico e feito pela companhia Recife Drinage nos districtos do Recife, Santo Antouio,
S Jos6 e em parte do da Boa Vista. _
Segundo deelara o respectivo engenheiro fiscal no relatorio que vereis appenso, nao teni
cessado de chasaar o attencao do gerente da companhia sobre a falta de uao haver ella estabeleciuo
uma conservacio ^ermanente para cuidar nos estragos de suas obias.
EsU necessidade reconhece-se constantementc, ja pela natureza do servico e neghgencia dos
particulares, ja pelo mal acabado de algumas obras. ,.,.
As irregularidades do servi^ dos appareihos da companhia, o estado de ruma a que alguns
dalles estao reduzidos, sao muius Yeses devidos a indiffe;en<;a e deleixo das pessoas que delles se
uulisam, e na maioria dos casos a) systema adopUdo.oaa acpao d'agua salgada sobre os canos
6 efIDos exames procedidos e dts veriflcaQdes ultimamente feitas por uma commissio que no-
modi, evidenteaiente se dduz o quo esti exposto. No curto lapso do tempo em que-*a funccio-
aado as obras, a experiencia vai demonstrando que o suppnmento,a agua saig ida para a lavagecn
dos appareihos, embora seja isto uma das condicoes do contracto, c um mal que convina ser evita-
do.por interesse da companhia, sabstituindoesse supprimento par agua dace.afira deque o enca
namento nio seja com facilidade estragado.
O respectivo engenheiro fiscal tem providenciado conforme urge o caso, fazendo a compa-
nhia cumprir as clausulas do seu contracto.
Os appareihos collocados ate o lira do anno proximo passado sao os seguinles:
Nos districtos de Santo Antonio e S. Jose 5,090
No do Recife........1J*
No da Boa Vista ........ 1,147
7,883
A respeito dos appareihos oae estao fum-cionaudo uos dois ultimos districtos, poucas teem
sido as reclamacoes feitas de sua Bio n-gularidade ; o que deixa crer que o servico am e mais
Por causa do derramamenlj J agua sobre o apparelho antomatico, que nao so produz uma
raoida oxidacao, como outros desarranjos, propoz a companhia em 7 de marco do anno passado
urn melhoramento nos appareihos ji collocados. E como esse melhoramento proposto offerecia a
vanlacem de nio serem elles damuilicados por falta de cuidado das pessoas que delles se serviam
^eparando o apparelho automatics da bacia. sem que d'ahi resultasse augmento de despeza
ao$ particulares, nern alleracao bas Jisposicoes do contracto, resolvi por acto de II de marco ulti-
mo nomear uma commissao de proflsMoaaes para que examinando as modificacoes propostas,
mittisee o seu parecer. ,
Em vista do resultado do exama proccdiJo pela mencionada commissao e do parecer aaao,
concediem ii de abril a autorisajaj jiedida pela companhia para levar a effeito as respectivas
nodificacoes nos appareihos e latriuas de 3J classe ja collocados.
Essas modificaijoes feitas pela companhia em alguns appareihos tem apresentado summa
viutagem, nao so a ella, mas tambcm aos particulares.
Dos dados forneeidos pela companhia ve-sc que a canalisacao e esgoto, que tem sido asscn-
Udos dentro do perimetro privilegiado i-elo contracto, e de 1,179:924 palmos, a saber:
Canalisacao para esgoto.......ataos-
Idem para agua..........j
Idem de chumbo que tem dc ser retribuido 40.9 Idem de term dc IHrinas.......65,988
Beade
As contas apresentadas seu
Total
oompanhia ale 17 de Janeiro
lmportancia dos appareihos collocados
Idem dos encanamentos
Idem das annoidados ....
1,179:924
ultimo sobem a
;-;:>i.225*000
232:283*514
122:912*780
709:421*294,
Total 709:421*294
testa quantia recebeu a companhia por conta reis 586:773*059, a saber :
Dinheiro 266:773*059
ApoliMS .' 320:000*000
Total 580:773*039
0 servico da limpeza e esgu'.o da cidade acha-se dividido em duas partes : a 1' consiste
no escoamento das matenas fecaes e aguas servidas ; e a 2* na remoc3o do hxo, a cujo respeito
aao tem apparecido reclamacoes.
Foram dirigida* a companhia 2,721 reclamacoes para serem concertados os respectivos
ariparelhos, sendo :
No districto de Santo Antonio 2,003
No t do Recite ... 643
No da Boa-Vista 75
2,721
As duvidas suscitada; entre a president e a companhia, e que motivaram a lei n. 1,115,
do 17 de iunho do anno passado, foram resolvidas com a expedic,ao do acto que encontrareis ap-
penso, sob n. o qual se oorapletou com o acordo, tambem annexo, sob n.
Em consequencia deste ultimo, ja obteve a proriucia, era favor de seus c-fres, a unportan-
cia de reis 27:181*467, proveniente do abate do 10 por cento feito pela companhia nas contas
apresentadas sobre o preco da caaalisacao, e de 12 por cento sobre os appareihos de classe in-
tsrmodiaria, tendo tambem a provitina igual direilo sobre as contas que tiverem de ser apresenta-
das pela rcferida companhia.
2A.h'IiIil]MgjlLi A (iiia2 'J)A BIJ)i\J)3 J)l) JHB1I?3
A liluminarao deste cidade i i-M\ com regularidade. A empreca empenha-se em melhorar
ev.e servico.
Ma um facto que positivam*:ile revela a boa intencSo da empreza em bem cumprir os
swsdweres. .
Com isso quero referir-me diminaiqlo das multes em que incorreu este empreza duranie
o aaoo proximo passado, comparativarnenUs as de aauos anteriores.
No anno de li7t foi ella maltada em 2:448*120, ao p*sso que, durante o anno proximo
passado, foi em 1:899*540. ... .
Os appareihos velhos foram subrtltuidos por outros que molhoraram a illuminasao, e toao
mcanamenlo estragado este renovado. .
Tambem foram sotettaidiw oi eauAafUm por ontr>s eajo erWew, ?endo de inair.r
diBB-'Hsao, prouuz uma Inz lOpenor a tyn cNi.-tia.
AcluaimentC fuucciona n i-'--^ lamjH6e*, di'AribuHUM da seguiut! forma :
Prcgaeiiado Recife. ti>4
de S. Joe, 332
t de Sauio Antonio 218
i da Boa-Vista .
de Afogados
Estrada dos Remedios .
de Apipncos

448
31
8
91
66
I
0 gazometro e suas dependwncias aeham-se jta perfeito estado de conservacao.
Sendo eensivel a fafla de lampedes entre a dote estacJo do largo do Carmo, atravessando
a rua dos Hilagres ate o Varadouro, os moradores dahi pedem a collocaQao de alguns
comb us tores.
2iiij*'ii3^i\ m UM idi imsjiji
Contractada com Justi.io Jose de Souza Call's, foi incorporada uma cumnaaba, para
levar a eftetie as neeearias obras. cujos estatutos, sendo sabmettidos a approvacao do governo
imperial, agaarda-!"< a pnblica^ao do Jecreto, aixorisando a compannia a funccionar.
(Ba\9salJi (Da irJ>3i\ttaA
As obras deste canal execnteram-se irrcgularmente duraute o anno proximo passadu.
Attribue-se essa irregulariJade a nao fmccionar bom a draga empregaJa pela empreza
na escavacao do canal.
0 canal acha se aberto em toda a sua atensao, e ja da passagem a pequenas barca;as nas
marts d'agua viva ate a cidade de Goianna.
lUi\4JfAID'D7ilD j*'fJJlTBD
Oo conformidade com o art. 6* da lei povincial a. 1,101, de 28 de maio do auuo passado,
tres propostas foram recebidas para a constnecao do matadouro publico deste cidade.
Foi preferida a de Auguslo Cesar Fernaides Eiras e Evaristo Julian j de Sa, por sar a mais
vantejosa d'entre ellas.
Effeciivamente, em 9 de Janeiro deste amo, eontraelei eom os referidos proponentes a con-
ttruccao do matadonro publico e a aequiic>oseterrenos para o iogradouro dos gados dostinados
ao consnmo da cidade e muaicipio do Recife mediaute as clausulas, que lereis no appens >
sob n.
Os contractantes, a quern a provincia g rante o goco da reaia polo esparo da 20 annos,
estao obrigados a dar priucipio as obras do mald^uro e a acquititao dos terreuos para Iogradouro
no praso de 6 me;es, contedos da data da assigiatura do contracto, e a eoaeluil-os no de 2 ann.-s,
a contar do comeco das obras.
Jlfltt^aAiaaiilla'iaJja J)3 BAlliJJAJ)3
Santa Casa de Miser ,cordia. Acha-se na provedoria interina da Sanla Casa o bacharel
Antonio Maria de Faria Neves.
Hospital Pedro II. Existem neste hopllat 9 enfermarias, -bora preparadas e com ae-
cotnmodacoes para 280 doentes em tempos noiijaes, seudo. que foi ali admittido o numero de
400 por occasiao da epidemia qne reinou ne>tacidade. .
Possue esle estabelecimento uma das mejiores boticas da provincia e um importante labo-
ratorio, providos, a primeira de todos os mediqmootos neceesarios ao tratamento das diversas
enfermidades, e o segundo dos respectivos uteSili'e e appareihos.
Grandes raelhoramentos se fizeram no fccurse do anno passado, a saber : preparo da
sala de operacSes cirargicas, canalisacao das ajuis servidas do lab oratorio e cosinha, conslruccao
de um extenso muro fechindo o edificio pelo .ado posterior, telheiro para lavagem de roups,
tanques, duas cosinhas, iardim no paleo qnejeita P*a a enfermaria das mulheres, arborisacio
do terreno fronleiro ao eoiflcio, compra de mcjeis para a sala de consultas, reparos nas latrinas,
eaiamento e pintura, interna e extTnamenie, lodeo hospital.
Reclama o provedor da.Sauta.Casa pela:onstruc?ao do mais um raio do ladodo sul, aOm
de poder-se evilar a agglomeracao de enfermo; medida que recommendada pelos medicos
como uma da* principaes condicoes de Boa hjiene, assim como pela canalisacjao das materias
fecaes pelo systema adoptado na companhia Damage.
Reconliecendoasdifficuldades pecuniaria da SMta Ca--a, augmentedas pelo creseido numero
de doentes pobres, qne teem affluido para o hapitel durante a epidemia, auxdiei a respectiva
junta administrativa com a quantia de 13:000.000, iodados dar oola verbs soccorros publi-
cos -; abrindo para isso creditoj sob minha ,ep\ oMbilidade, os. quaes foram approvados pelo
governo imperial.
Com licenca de um anno, por vos concelida, Mha se nfcEurepa am io-, medicos deste
hospital, o Dr. Joaa da Silva Ramos ; servindo >m"ealugar, e por elle remunerado, o Dr. Fran
Cisco da Cunha Beltrao. i
Servem neste cstabelecimeBto : 1 supeiior* (inais 3 irinas de caridado,! capellao, 1 me-
dico, 2 cirurgiSes, 1 pharmaceutico, 1 praticante, 1 uarbeiro, l eofermoiro. 4 lavadeiras,- 16 ser-
ventes, servindo 3 na botica e 1 de porteiro. / \
0 movimento de Janeiro a dezembro uittmo foipsegxiiute : ..* %
m Exisliam :**^. 272 doentes
Entraram 2982
Sahiram \S147
Falleceram. \ 565 >
Existem 342 >
Casados expostos.Eili quasi concluida a obralo primeiro raio do ednicio.que se construe
oara recolhimento dos expostos, na qual se despende. ate 31 de dezembro a quantia de.....
50785*861, sendo que, a excepyao do 8.000*000, mariados d; r por um dos meus antecessore*.
e do 9:083*271, concedidos por esta assembled, toda anais despeza correu pelos cofres de can-
dade, mediando alguns donativos agenciados pela juot; ... ,
S*o empregados neste estabelecimento : t supewra, com 8 irmas de candade, 1 ajudante,
1 capellao, 1 medico e 1 regente interino.
De Janeiro a dezembro do anno passado liouve li o seguinte movimento
Exisliam.
Entraram.....
Sahiram.......
Morreram.......
Exiatom.......
Em poder das amas :
Exisliam.......
Foram expostas......
Enlregues a seus pais. .
Recolheram-se ao estehelecimetlo.
Morreram.......
Existem
89
10
2
5
92
81
38
4
5
39
71
educandas
ortaaoaa

I'Aiaicui ......* ... ...
Hospicio de alienados. Funcciona este hosfcio om ulna parto da igreja da MisencoMia
em Olinda, servindo nolle : 1 regenle, 1 capella, 1 medico, 1 porteiro, 2 enfermeiros, 3
eafermeiras e 1 servenle.
0 movimento de Janeiro a dezembro foi o seruinte :
Exisliam. 69 loucos
Entraram. 50
Sahiram. ... li <
Morreram. S3
Existem ... 83 >
No meu relatorio do anno passado tive occaiao de fallar-vos do estado raiseravel em quo
encontrei esses desberdados da sorte, habitando una casa acanhadissima e sem uma so das con-
dicoes aconselhadas pan os esteuelecimentos dessegenero ; o quo me suggerio a idea de melho-
rar tao penosa situacao, proraovendo a edificaeio oj um asylo em proporcpes compaliveis com o
nresente e adaptadas inesmo ao fnturo. ,.-
E' com especialissimo prazer que vos annuuio os lisongeiros resultaaos uo meu leniameu.
0 appello que fiz aos sentiracntos humanitarios denossos comprovincianos tem sido correspond!-
do de um modo honroso e satisfactory, sera ombarjo da crise financeira que atravessam a, agri-
cultura e o commercio, com a grande baixa dos jrejos dos generos nacionaes nos mercados da
A subscrip?ao aberta para este lira da atd hqe o seguinte resultado:
Donativos era dinheiro, recolhidos aos bancos.
Donativos era dinheiro, recolhidos ao cofre da Sana Casa de Misericordia.
Dinheiro a receber pelo contracto de Agra & C aa vinte prestac^es annuaes.
Dinheiro a receber do contracto do matadouro em :eis mezes.....
Dinheiro a receber pelo mesmo contracto em vinte prestecoes annuaes .
Dinheiro a arrecadar de offertas nao liquidadas (apuximadamente)
81:166*260
8:420*000
496:750*000
20:000*000
20.000*000
600*000
Produclo de niuites offertas em joias o objtctos de
se effectuou.
Total,
arle para
. 626:936*260
um leilao, qne ainda nao
Cal.....230 alqueires
ua raor parte a perversao moral que tem causad-j seu crime data da sua primeira adolneaacia,
C>uveocido de que e uma verdaJe geraknente recebida que as escoUs devem vir antes
das prisoes, e as prisoes devem ainia ser completidas por escolaii; empreh-adi reformar inteira-
menteo actual eollegio dot orphaos, de modo a reeeberem nelle os raenrnos, nio so nma educa-
cio religiosa e moral mais do-avolvida, corao tambem a educai;io eteoeotar e prothsioaal. qua
tento coocorre para lorna-los eidadaoi atei*i e aueiiido.__
Nao dispondo os cofres do patrimoairfMe sufflcientes recdrsbs para levar-se a efleito oaaa
reforma radical, hesitei por rauilo tempo em emprehendel-a ; mas, lembrando-me do anexim da
que -comecar e fazer a metade-e que Dens protege as boas ideas, put bombros a emprea, e
com tal fortuna, que se acha ella era boa via de reaiisacao.
Aproreilei a exlincta coloaia railllar de l'iment-.-iras para nella fundar a colooia orphaao-
logica, a que dei o norae deIsabel -era homenagem a pre:lara princuza imperial, de cuja pro-
tecf ao muito tern a ganbar esse estabelecimento.
Delineado como e^te o piano da coloaia -Isabel, vai ali o orpbao desenvolrer suas auti-
does naturacs para a iudusiria, artes e agricultura podendo mais tarde entrar para a socieda-
de com am meio de vida seguro e honesto.
No dia 8 de dezembro live a salisfacao de assentar a primeira pedra do edificio, cujot
trabalhos marcham sob a aJministrajao do virtuoso capnehinho Frei Fidelis.
Rslev.i dizer vos que o governo imperial, sol cilo em acorocoar os commettimenl s vanuj-
sos ao bem publico, ja me auxili ,u neste empreza com a quantia de 13:000*000.
Colleaio das nrphas. -Construiu-se neste estabelecimento um pavilhao de pedra e ral, co-
berto de lelhas, onde se assentaram novas latrinas, casas para lavagem dc roupa e para deposito
d'agua e 20 banheiros; melhorammtos estes que importaram em b:681*460.
0 pessoal goveraante consta de t superiora, 9 irmas de caridade, 1 medico. 1 capellao, t
professor de rausica, I porteira e I servente.
Honve o seguinte movimento de Janeiro a dezembro :
Existiam........ 156 educandas.
Entraram........ 16
Sahiram......... 15 c
Falleceu......... 1
Existem......... 156
Asyl. de Ueiidicidade.Puucis obras se fizeram no aatigo edificio do asylo e Mas de
pequeno valor.
0 concerto feito na ala esqaerda, que se achava em complete ruina, correu por conta do
novo edificio, pois qne essa parte do antigo servia soraente para deposito de madeiras e de abri-
go aos obreiros.
0 piano do novo edificio soffreu alteracoes, aconselhadas pela experiencia, e mais detida
estudo de semulhnnte estabelecimenio.
E' de esperar qne durante o corrente anno fiquern concluidos os dous raio? ora ea
eonstruccao, aos quaes tem-se gasto ate 31 de dezembro 34:287*779.
Sao empregados no hospicio : 1 director, I medico, 1 capellao, 1 mordomo, I amanueasa,
1 porteiro, 3 guardas, 2 enfermeiros, 1 barbeiro, 2 cozinhoiros e alguns servente; tiradoa dos asy-
lados, a quem se <1\ uma pequena gralificacao.
Seja que a nossa populagao nao esteja ainda affeita ao> beneficios resultantes de estabete-
cimentos desta ordem, seja que o actual nao offereca os necessarios coramodos, o qne e certu
6 que ba uma seria repgnancia da parte dos "rnendigos em eslarem all recolhidos e conser
?ados.
Honve no asylo o seguinte movimento durante o anno nassado
Existiam..........
Entraram.........
Sahiram..........
Evadiram se.......
Falleceram........
Existem----......
Seroico mortuario. -Em virtude da lei n. 1,121, de 17 de janho do MM passado, a Santa
Casa de Misericordia abriu concurrencia por duas vases ao contracto do servico mortuario e de
carros lunebres, effectaando o om Manoel Gonjalves Agra, majores Miguel Bernsrdo Quiatetro
e Antonio Bernardo Quinteiro, sob a firma social Agra d C, umcos que se aprosentaram. Esta
contracto vigora desde o 1* de dezembro ultimo.
ia'jiii3ai>-
Esta reparticao coo'inua a cargo do sou intelligent"?, honrado e zeloeo admHiistrador.
Affonso do Rego Barros, que reassumioo exercicto no dia 30 de outubro do aaao passado, 4e-
pois de haver gosado no Rio de Janeiro a licenca que obteve.
Durante ena u**5 '
Durante o anno proxirr. -j custou a illuminaciio' paWica a quanlia de 92.486*990 ; os
iampeSes com luzes atnortecidas subiram ao numero de 7,093, e sem ellas 1,730.
H214inS)4\|aa a\ driiift IDA (klliDailDS 3)3 a)iaaj)ii
Ja se acham fanccionando os 190 cSmbastores, de que falls o contracto dessa empreza, |
cujo servijo continda a ter regular execuclo.
Dita .... 100 barrieas
Traves.... 117
Caibros. ... 90
Tijolos 86 roilheiros
Pranchoes 25
Taboas. ... 24
Hospital d-oj lazaros.Servem neste estebfteeimeuto : 1 regente. unu regeaU, I capellao
1 medico e 3 servenles. 0 movimento de jaueiro t dezembro foi este :
Existiam..... 38 enfermos.
Entraram.' ... 10
Morreram. .... 4
Exisiem. ... 44 t
Colleaio de orphaos. -Tendo o-jtido deiaissao fc viee-director, aao foi prof ido este lugar.
0 eollegio conta: 1 director, 1 medico, 1 pedagogo, 1 enfermeiro, 1 porteiro, 1 narteiro,
e 2 serventes.
0 movimento de Janeiro a dezembro foi o segainte :
Existiam. ... 94 orphios
Entraram. ** '
Sahiram. ... 12 <
Morreram. ... 4 <
Existem. *** .,
Continua ioslallado em um edificio proprio a rua da Gloria, que nao e devidamanle areja-
do e nao tem espaco suttlciente para os coliegiaes, qus por isso soffrem* muito no seu desenvmvi-
mento physico, arhando-se quasi na totelidade anemicos ou enfesados.
0 easiuo que ali se \bo6 da consist- cm ler, eserever e contar mal, e era um pouco ae
rausica, de sorte que, ao deixarem o ostebolecimeuJo em idado ja crescMa, quando e aimcil a
aprendisagem, e sem habilos de trabalho, que so so adquice ua iufaucia, se Hies pole prognosti-
car o mais triste a laaiimoso future. .
Dar a infancia a educacio moral e religiosa e cumprir para com ella um grande dever pu-
blico ; e pagar-lhc uma divida sagrada. ,
A soeiedade deve o ensino aos meninos, como deve a justica aos hotnens;disse algures
Henry Martin. 0 ensino comprehende a educacio moral e religiosa e a instruccao elemenlar,
clasaica ou proassioaal. ., # .& Pela educa^o moral e reiigiosa reforma-so as inclinasoes naturaes e viciosas, quo possam
existir no menjao ; pel* instruccao elemenlar e profissional esclareoe-.se, oleva-se p sea espinto,
facilite-sq-ime os meios de trabalho ; em todos os casos afasta-so-q do crime, embora para Isso
conc&rra o temor da deshonra ou do casligo. .... v _j
Compeuetrado destas verdades, e recoiaado qua a infancia miseravel, ignorant* e abanao-
nada, veulw a omsUtuir cedo ou tarde a classe intefra dos malfeilore^ porquanto esta hpjo ven-
ficadopor aijuulies auehao estudado e observadp a vida anterior dos coadem^ados adultos, que
92
170
48
87
2t
105
r-i
.;^u uVlv ^UU-Jw>
-TI-*
satisfactoriamente os seus deveres.
re|>ar
a-
UnCUlaNrPeriXd^rridoTJ'l. dejan^o ao,"uimo de dezembro, ira """"""
tlcao 2,765 objeclos com valores declarados, aa imporbncia de 137J******* 3end0 |.W7
pedidos represeouudo 56; 178*060 e 1,358, qoc' iraportarara era J^fM>*I 348 278 franuuea-
NesTe rnes.no periodo expedio a reparticao 404,627 ^/^WS-
dos, e 56,349 nao traujueades ; recebendo ncsse espaco de tempo 434,j04, sendo S7o,b2b fraa
queados, e 158,878 nao franquoados. _.
4 0 numero das malas expedidas subio a 4,631, c das recebidas a 3,%.
A receita foi de 84:553*170, e a despeza de 71:567*2 j9, dando o aaldo de
13:185*961 a favor da fazenda. _____ ... ^--
Da tabella infra vereis qual o numero da; agencias existentes na pw.ncta,
racao dos dias das partidas das malas.
Tabella das agencias dos concios, com dcchiracao dos dias din p,\ilii"f
eoa decU-
xi-..-.:<6i\s.
Colonia Isabel
Aua Preta .
WAS DAS PAH110AS.
1. 4,7,10, 13, 16, 19, it, 25 e 28
1, 1, 7,10,13, 10,19, 21 25 c 2*
1,5,9, IM?>1,S5 6.
1, 5,9, 13,17,2l,25e2'..
2, 6, 10, 14, 18, 22, 26 e 30
% 7, 12, 17' 22 o 27.
.|3, 7, 11,15,19,23 e27.
;>3, 7, 11, 15, 19, 23 e 27.
'} 3, 8, 13, 18, 22 e 28.
; '. 4, 8, 12, 16, 20, 24 e 28.
h, 8,12, 16, 0, 24 e 28.
lguarassu
Goianna
ilambe .
Victoria ...
Gravate ...
Bezerros .
Carurru' -
Brejo.....
Ipojuca .
Serinhaem. .
Rio Formoso
Barreiros .
Pao d'Alho .
Nazareth .
Limoeiro .
Bom Jardim .
Floresta .
Cabrobo .
Boa-Vista ..
Petrolina. .
Paneltas .
Canhotinho .
Boni'.o.......
Garanhuns ....
Bom Conseiho .
Aguas Bellas .
Villa-Bella ....
Salgueiro.....
Granito......
Omicury.....
S. Bento .....
Bnique.......
Tacaratn' .....
Allinhe ......
Pesqueira.....
Afoglde logazeira
Ingazeira.....
Flores......^.
AlemTrsrahuhas'a'ciraa/ descriptas, exisiem mais as seguintes aftiM.- J&2?
Pontas,Cabo, Escada, r>ecJ^ras.GaMleira^tfteWo,eateg- U ****** 52L
sendo que as malas para a primeira sao expedidas dianamente por um estafeta que iransiia
* l^aalegldatpede-se tambem diariamente toda a SS'SfiSSS'imJt
mais agencias, sendo nellas fechadas as malas, que sao conduzidas por um carteiro qao M^a
M Viatraeav Hflf de SJS'SSL **~ Exm Sr tffi*SJSS3-ft
asricultura, commercio e obras publicas nio convw a compra dos 21 predios mp^raaendi4
ealrfas rnis do Bom Jesus, Alvares Cabral. Commercio e Thome Sanaa P^^jg^g
de um edificio destinado ao servico deste reparticao e ao do telegrapho; devendo-so auw-
aluaar ou comsrar um com as proporcoes exigidas.
Telegrapho electrica suomorino.-Srato o mats vivo prazer em >nnuaciar-vos fB> a Mt*jM>
plua electrica, essa maravilha do seculo actual, ja nos pde em communica^ao com altumas nn-
^fiSHX.^'SS Wesum and BrasiUan TeUaraph, M4*J
obteve ^ytlg55.5jflUfc. gleria de ser o^rtedor dassecc^es ****
gou ao por^ desta capital no dia 31 de julbo do anno passado, comeoaaao a imtaerwo a r
para o Para no dia !. de agosto, e cancluindo-a a 3 de setembro.
CbeuaaaroBNp> de novo a'esla capital no dia 4 de dezemaro com o caboquc dea pir
em commuuicacao este provincia com a da Bahia e a corte do iinperip, .de,*Rr^2K? iLjrl. u
mersaono dia 7, conoluindo.a ate a Bahia em 11. A iuauguracao deste f^^.'JTijJ* IKrj.
A 16 segliio para o Rio de Janeiro, compUtando-se a o Kabalho desta altima SKf^.
cuja inauguracao efflcial teve lugar no dia l.'dejaneyodo eo"entei^^ -.^ ,s ,-*.
' Por occasiao das inaugurates destas tres seccoes Wocram-sa tM^mnws eair. j
cipaes autoridados e associacoes ; sendo Sua Magestede o If^r J^^XlaawKSS
aos presidontos das provincias, da Bahia, Perqaraonco e Para por o0**3140 "* i""0^^
C6fte- A exiensao total da Unha 6 dc 2 8*0 miihas, aeado do Para ate e.te capital de 1,240 ; fa**
a Bahia 430 e dahi ao Rio de Janeiro 850. aeiabelecida entre o Rio de Janeiro e Maa-
Em breve teremos commuoicacao tslegraphica eetaiwRiiua cuc o .
levid6oas8im corao entre o Part sSJll^sr commercio e obras publ.ca d-> 15 da
Por aviso do minister o dos aogocios aa agin u <" renresentinte dassa c-a^aaJMa
Janeiro ultimo, dirigiio 4 nrwldencia do Maranha^ c.u.ta oue o repre.
aeclarou haver levado ao {onuecimepto da d.ree.om em lyuidr. a rec
er-ommccJacio fetta, pra
_l


^MHhMi
enanto anmiaja ardabalaaida eemmiinicaflin lelag
do Paia.
K8t aawMtt-jujA tatm dftSt
de Pematabuco
^'fr *.**
R1 uipliil iliijuBlla piutlml.t e a
ibuco-aoPera WOW pur o^ lw,avni_ -fc .' : -sxaila
* Bt* UOOQ i^ f^.M .........ffiaj
, ao "V,8, ,a-^UoW idem, idem idm......t .
aas >Ssoas qua iransmiitirem e rcceberem te!cgrararaa3 no incluu,
Desde o di;i
De

dos no nuftWWft pahrvras ? ^r;
Linha telegraphic^ & ft^ Aigoas.-Em maio de 1871 comecuu nesla provincia a ex
, o SUL UilkU Coital H-i *'i""'fr villa a linha fiL coil
ploraeao do terreno
siruida acompa^'
Desdc ent
sos e pessoal de
a consliuccio
Cisco Codtho
nesta provincia
da Tilla de Porto
Em 12 de
cei6, porCraifci
Co<*
iem-nmrfiitimmA
quo olle to:>tinih
ber os incsmos vericbncntoa 'Meretados
a'^v.Si'lill-i'YV-'^ "> naalid.. |,i (!u
1 ,rfVwmoffla,0Ao\ineial, em mianto n
aapenonk**** viitude de ro'solucSo .W*d
17 de Margo de 1874.
to pira quo t^Sid adiadli y projecto
te qii) a assemblea decjf
i) em ser nimead
:os, ccnfrnKtfnalirci di
iros in-poctoi*s o oogftrul
gramas a*
i 3 enco
o Matto-
undo- OS recur-
i, e eaneiuio-s
.kxjEi Fra
Wamesse service
ao narte. .lie*
graphos, transferio-se
k6.
5 da, rjia, I
tal e a de Ma-
term db edit-
.eudai ^JH
a 1." da agoslo
Duque da Ca-
lm *a comt
Wlecendo-
cio publicoMPo a P%caMdro f^ndJtyfermanecia
Em virtuae ae afltoris'icao daalrectoria do
estacao e escrietorio para a parte lerrea e primtiro andar do predio
xias, quo tambem serve de residencia aos csiacionarios.
Em agosto do mesrao anno estabeleeeu-se u:na estacao de segtmia) Maw aw- alia do Jffiir,
Jgrovincia das Alagoas, que esta em eomwiuni cacao instautanea com esta capital ; sendo aberta
a concurrence pufflica uo dTa Ode hbveiiib'rb.
A nao pequena distancia de 26i kilometros, qae ha d'aqui para Maceid, fez com que se s-
tabeleccsse lambem uma outra estacao na villa de Barreiros, (testa provincia, afini de preslar o
servi^odeiulermediana, faeiliiauduVinc!paliihi/>le a in^oeccaiv^s linha*.
Essa esta'fSb ffcoii estabelecida lambent em noveinbro, e iranqueaua ao publico em 2'de de-
zembru. 4
6 service de trausmissao' e reccpcift) de-telegnammas tern sido feito com regularidade, eni-
fcora teaham-se dado algumas iBterrupcSes de mai-r on menxperiodo, mas acctdentaes, a qutfas
lillia; aa malignidado do individuos que nao avaliam a iinportancia de semelhante melhori-
tatsf.9.____
De 12 de aliril do aono passado, data em que comecou a taasmissao e recepcao de tel-
ae, att} 31 de dexemlMu, ^*i u seguiute o movimeati* e repdiraetfto* da eria^ai de-ta capital.
T^lejcammas reeebirfos l.iiil, com3i,403'pihvj-an, importml > em :!:6"iOiS00.
Telegram mas oxpedici -, i.iM.'j, com 3tf,2ilO pai-aYnts, importaado em 3:707^601).
Duraale o merino Mriuido dpeuden-so com asesiarous e wnservacVio da liuliaa quanlia
^7:11630.
No rendimento qtM aa/ rib a adarito dostarcapilal nio osu in-luida a quaMia nominal
de Hoi Iflegraramas reocfeido*, e a de IM^SOl) do* qae feram kansmitiidos, gratuitaiMbte.
Tek'jivpki opticx- ito 10 de maio de 1872,-em cinsurimealo de avi-o do ministecn do^ ie*
g cios da agneuliura, commcroie c obras puWieas, passttu o ser^ioo dusle lelegcapbo a Her ad niftrad i pela directoria gerai na cOrlu.
(Cntia*ar st'ha).
__________-,. .....___________< '. 1; I---------------1--------------HI---------------------------1---------------1-------------
i f*vS-<*i"^*' iWien' *0i vencimentos aqti
jUlgSk o lupplicante com diroito. at'.entas as raz3es
quo aUi-ga e nao deixam do callar no espirito da
er que g
de ofde
do supplioao-
iie para
suppjpinte a
eroar-
onlca ta'niboMt *m diseas-
mniMMko, Ijjgferrt-i d
Igar sp in
inaierja
ra deleri
com j j
ease lim a
esla assa
co de 1
no Cac
Sao li^aa; julga
a imprijfcwos s
A assemble*
I
Mibertcao o tio
egislativa provincial de Pernam-
io uM iugar *; eifcHnao
nstraielr f MSa^ tern o
|.prde'.iado de. f;0QUi annualmcnte.
Art. T.*Na ralta ou impedimento dos profes-
sores publicos dkaMftrfadK) JMmacm serao is a-
deiras de ambos^s sIXo^egTiias pelos professores
pariicuJaws, 4uiadc pela diiectoria geral da
instfuccjio puhlica, que serao para isto desigoa
ESPAi:iioS DA PBESIDE.NCIA, BO DiA H DE l UlC ) DE
IS71.
Antonio Joaquim dos Santos -Informe o'Sr. ins-
pector da these uraria de fazenda.
Antonio Peregriuo Cavalciinte de Arbuquer^ue
Encaminbo se.
Anna loaquina V00^ Ferreira Seja relevado.
Oasimiro Lucio Tavares Informe o Sr. iosp tor da tliesourariarfo fazenla.
Tenente ChUforao Francisco de Paula Oval-
canteinform* o 5r. ia^pector da theouraria de
lazeoaa.
Francises Maria Barboza Janie certid.io de
obito do pai dos orph is, a qne se refere em ana
petiao. assim como a? certido^s de idade dellas.
Dr Joao da Silva Ramos -Pas^e portariajuitfor-
tna requenda, tie conforraidade com. a lei.
Joa.i' Carneiro Uodrigues Campello Seja rele-
vadtt.
0 mesmi -S.-ja relevado.
Jeaodos Santos Perreira Barros-Sim, nio per-
tenpeodo ao arcbivo da reuarticio.
JosJ' Franeisoi de Souza tioii Infqrmo o Sr
-inspector do arsenal de wariuha.
Jose Joaqmm da Cnneei^o Indefendo.
Padre Jose Vicente Kerreira-Paguc-se.
Fr--i Ludgaro do Saatis-imoNoine de Maria-
Informe o Sr. inspector da thesouraria provincial,
eao sb quano a qiianti." pc!Ma. wino Jos pKCjoa
do or-;.inento.
Manoul Jo-e de Va-c i.'-liis Santos CoceeJo,
a contar de boje.
Maria Candida Wdiiloru i,lVes- Atteste, nao
haveiul'i inconvenie'nte,
Mamel Fernandes di Oosta i; C. Sim, uvdian-
te recibo, nil havenJo ii:-onvn:enie.
DlARLU DE PEKNAiUtiUa-
KGCLtfiv ft** SliiW.O DE I87i.
%'npor am<'ricaf Sfttoth imp-
rica,
N dr.Tninfj ao ORfo dia, fundeou no lamacio,
egi:in,i.i a tarde para o sal do imperlo, trazendo
joraaes : de New York ate 23 de fevweiro, do
Nos jornaes americanos nada encontramos d'gno
d8 menc-'io.
ATUmUtH.
lira jornal de Maniiea pnblica o sagniale :
Sao vao Iwm o* negocios do Madeira. Bxigi-
Tam-f (iroridencias de modo a evitar a- repro-
duced de factos que alii se dao, pondo em sobre-
salto <.s espiritos de a as hauitantes, devido as Iro-
polias quo se c^mnsettem com o lim rte se tharem
iraballadores ana de outros.
Sfgundo nos informant, o Sr. D. Ji5o Prado,
aotual vice-consul da Bolivia, em lugar dc procu-
rar barmonisar os espiritos, pelo coutrario, para
prover interesset projirios, tern creado eonllictos
entr'1 as a itori 1hleg.
li.'. maneira que o cargo e.;ta Ibe servindo
para fuulameutar reeiama^oes inju-las, e quo uni-
eatoente lent p t&te*.
' N.io queremo* acreditar em taes informaeoes,
aatds desejamos nos euaveneer qne o Sr. ft Joao
Prado ioterosses licitos do seas compatriotas, sem impe-
de q ie as auloridades brasileiras cumpram com
eus deveres, fazendo pnnir o< criminosos.
Ja cm noveiuliro >le I8i>8 n boliviano Francis-
co Soares, em 3 eam>as tripoladaa e armada*, ata-
cob uma barraca que exi*tia ao lado da fuz do rio
'amary, ondo estavam e-iabelecidos os brasileiros
Francis.-o Antoiio da Costa F.iria e Lnciddrb An-
tonio Tavares.
0 primeiro foi amarrado e o se-jundo receben
fernnenUs graves; os feriuientos nao foram
cidos.
\)3 affirmam tambem que em noveinbro do
auno passado, o proprio Sr. D. Joao Prado atacou
e reduzio a cinzas a maloca dos Araruun, indios
"-tabelecidos ao lado es-juerdo do rio Jamarv,
quando se sobe.
D..-.-te facto consta que resultaram duas mor-
tis e ate se diz que houve nm grande saquo.
Em setembro de 1872 o mesmo Sr. D JeSo
^ustcntou uma luta com a autoridade polieial do
iugar, apossandose de terreno?, derrubando I
queimando mattas, mostrando nao se importar
com a illegalidade de seus actos.
a Ainda nessa mesma occasiao, dizem ser facti
avenguado, qae se apropriara do espolio de urn
paraguayo, negando-se eatrega-lo as auloridades
I'ompeteutes, assim corao nesse mesmo i nno fci
por elle e saa gente invadida a propriedadc de
Marjoel Jose Rodr;gues.
Em 3 de Janeiro proximo passado foi amarra-
do o porttiguez Franciseo Joaquim Martins, por
Pio Marinho e Xifas Rojas, confor tie a partc dirigi-
da pelo offendido ao inspector do quarteirao.
Ultimamente chegam ncs noiicias de que no
vos conflictos tem e.-tabelscido para augmentar o
pessoal de sens fregnezes qae trabalham na extrac-
.So da serinpa, e ao tossjio tempa proeura impe-
cir a mareha regnfar, que ifers irsprimtr em Sen?
actpa o subdelegado para impedir desordens, con
segnir pMceder aos inqueritos [Kjlfpraes e prOnW-
ver a punicSo dos criniinoqos.
Foi invadida a casa do commercial:te brasilei-
ro Primo d Goes, por um dfesdflo nan:ero do in-
dios ao mando denm aggre.-a1o do Sr. Prado, re-
fultando dil' graves ferfm*n!-v e dos^'.lms qae
poderDtm ler fido de maiorei e0Oeflaaeia<
* A autoridade policia tem-se esforcad; para
efcegar ao conrweimento da verJade defeoberta
dos .ratons destes crimes ; pireio, pegando aos
iniormam, o Sr. ft Joao Pradu, como aeetrte con
gala/, \< r todos os meios t.5m procarado'ta?er des-
appareeer os vestigtos do crime, difflcultaado oda*
as diligencias.
A eamara muaiei al de Manaos nomeou araa
r/n'o haver ji annunaado a sua saliuli desse por
io a^dd cQitrenx''.
Ma'i fado pt-rsegue esfa companhia, apezvji de
ter silo tuo regular em suas viageos-
t Por aqui nao ha novidades de coasidera<;ao ;
tudo mareha em pa/, e segurauca.
Furtcciona a assemble} proviaciil, onde ja t.-m
rinvido escaramujas parlamentares, algumas des-
agradaveis, soli re assiiinptos do in^trtlccao pablica,
entru as influencias da mesma paljttaa, pots, eon-
vem dizer, quq a assejoblea 6 fotalraepte coirtposta
de membro's da actual situai;Ao donudante.
a na eamara municipal, tambem iraouipeti, ha
poiicos dias, umamova dissidencia entre os actuaes
ver'ead'ores, por causa dos abusos e extorcoes de
Om dos fiscaas aos muuicipes, e dospezas taes que
tem feito sera serem autorisadas em vereacao com
junta.
Es'le acortteoirneBtQ tem dado molivo a diffe-
'rentes artigos na imprensa, pro e cotUla, sobra as-
sumntos iHunicipaes.
Veiemos cm qiie ferminara tanta questio e
desgoflc's enire os proprios partidarios do conago
Sequeira Meades.
0 presidents por-em quanto, pouco tem feito;
ao que parece distiincia-ie da situacjo politica que
dirige os destinos da provincia ; por isso ja ?b tal-
ia em opp-sicau, mas ells, a ter lugar. deve ser
iniciada na assembles, que. como digo, csta fuac-
cionando.
Ao ehefe. de policia Dr. Innoceneio Pinheiro
Correia, foi desi^nada a comarca de Santariu ;
agoarda-se nova uomeacao, que ainda nae coasia.
nem pelo fe!egfapho.
Consta, seguudu dnforma^oes que me deram,
que o Exm, e llvm. Sr. bispo, D. Antonio, partici
oara verbahuente ao presidente a sua retirada
para o l\io de Janeiro ; mas que S. Exc, fazendo
Ihe algumas ponderapoes, nao annuira a sua via
pem, tanto ujais attendendo aehar-se a sua noes
tao .'iii-ciqial. nas m-.--mas circumslancias da do
Exni. a Rvai. J> Frei Vital, cuja coudamnncao ja
agui teibos coniieciineuto ; mas qua- fabzmoote,
nao imusou notavel iiuprc&o no publico, a tao
serun ou dmrq arligo pela imprensa, qjua tem
ir.-.lali do a.-sunnpto, quant a malaria Do comni'-rcio nada ha de notavel ; vai feliz-
mvatvrecuperando a aclividade, qne ha tempos a
esta parts o tUtrha desanimado e esrttorecnlo. d
pa-
i-onmissn i do tres de seas vereadoro* para agra-
d e r ao presidente_da provincia o auxilio que elle
prestou na acquisicao do patrimonio que a mesma
eamara foi eoncedilo por. aviso de 30 de junhoul-
litoo do ministerio da agricuiUira. Os edls com
tnisffcnados forara reeabldoa par S. fixe, em pala-
do e,i 40 do p>?terrtb e hoave oescambo dos dis-
tarsos de rigor.
\o dia 2a- de fevereirb aasuraira a vara de
-jniz'ds dirfito da comarca da capital oDr. Miguel
fr.mf > ie Plgueiredb.
i' r acto do 27 a presilencia da provincia
mm- > ivomotor publico da comarca de Barcel-
J?s a nemo de Figueiredo Tenreiro Aranha.
Pin*.
-- Em 10 rscreve noaso correspondente da ca-
Estvn h aqal a espera do Merrimaek, qae
ainda nio ctiegoa e por tanlo sappe-se perdidoi
ASSEMBLEA PROYMGIAL
SKSSAO 0RDINAR1A Ed 10 DE MARCO
wusmumn no sa. rMUlBim m amhab,
Ao meio dia, feita a cliaraada, acham-sc presen-
tes os Srs. Souza Leite, Ratis e Silta, Arebacio
Umboim, Uuacalves Ferreira, Peretti, Manoel do
Rego, Ahari Uebo*, Laierda, Goes (jivalranli
Meilo Rego, Tolentiuo de Carvalho. Felippe
de Hgneiroa, Olivefra Andrade, Ant-uio Paulino
Dano, Cnnna CavalcanU, Jose Tiburcio, Travasso
de Arrnda, Snares, Firmino do Novaes, Xascimen-
ti> Porteila, Aguiar, Olympio Marques, fiondim.
Caspar de Drummond, Ernesto Viaira, Joao Bar
baliio, Gomes Parents, Pinto Junior e Pinto Pes-
soa.
Abre-se a sessao.
E" approvada aiaeta da sessao antecejente.
0 Sr. seeretario 4a eonta do seguinte
KXPtDIENTR.
.Oflicios:
Do secrelario do gov.Tno da provincia, remel-
-ndo p.ir copia o aviso circular do mini.-terio do
impcrio, de 17 da Janeiro de 1873, e o parecer do
director dos carafe da socfe'dSide Auxiliadora da
IndMstna Naciodal, sobre a proposta que apresen-
tou Joio Uoeiho Gmnes, a respeTto dn construceao
de predios nas provincias onde se rceolbam as me-
n:nas de.-valida-. As co:iimissOes reunidas de
DSlrOfcSo pUhlira e on;amento.
Dj mesmo, remetteodo os regulameutos expedi-
dos pela presidencia da provmcht, era virtude da
lV.- 'lm,ie i8P' art: 3i l|a ,:} de junho de
i7l, i3 e 44 do art. 18 da lei n: 1,113 e da de
n. 1,121 e as instraccdes de 13 de setembro d>
anno passado.-A arcbivar-se.
Do mesmo, rcmeltendo os balancates das cama-
ras mumcipaes de lguaras.su, Bom honselbo, Flo-
re ta Petroliua, Biirreiros, Yrlla-Bella, Caruarti.
itambe, Palmares, Triampho, rfnfnca, Victoria
Buique e Salgueiro. A'commissio de orcamento
monicigal.
Peticao :
Da Antoni) Ignacio de Torres Banleira, 3 es-
cnpturario da thesouraria provincial, pedmdo 6
mezes de licenja com todos seas vencimentos.-A'
commissao de pelicoes.
E'lido e sem debate approvado o seguinte pa-
A eommissad de legislacSo, a qaem foi pre-
sente a peticao do conego Lino do Monte Carmello
Una, vem daroseu parecer acerea da maieria da
mesma peticao satire a qual foi consultada.
He pier o pertcionano qub a asjemblea, loler-
preta'ido as- lets do ornament > dos annos de 1871
a 1873, na parte em quo ellas se referent a biblio
theca provmenrt, declare em vhta da vertW de
1:8003 nellas voiada para o pagamemo do soil-
phcante, na quatrdade do biblioth.-r-trio se devom
on nao coaswerar-se angmeniados ns sens venci-
mentos at* esta ijaantia, e se t-,,n elle o drreiti de
Dercebe-la, em vet de J:050| qae lite tem conti-
nuado a pagara thesouraria, e no caso afflrrtativj
que se designe na lei do orramento que tem de
vigorar no exercicio de I87i a 187S quota suffl-
ciente paraSar oago ao snpplicante a- dnTerertca
quo lem fleixido elle de perceber.
Requer em 2' lugar, que-sejam au^mentados
o aeus veneimenlo^ e a-assorotaJua explioaadoas
lets sitadas deeidir/)ue o auguiunio rtH|uerido nao
esU amda coocedido e autorisado pela* mesmas
leis, cup interpretiKio solicita.
A commisao tendo exammado com a devida
atteneao aimderia sobre que foi ouvjda, caapt-
derando uae nas discassfies da lei do orcamento
provincial nio>podera saradmittidasamtddas com
disposi;6os qua nao sejam anoais, a excep.ao da
qae disserem rospeito a arrecadacio e ttscalisaeao
ds reodas croviaciaes a da autOi-isacfies eonoe-
bmm ao goverao para a reforma daa" reparticpes
publicaa a pruasulgatoe} dos rugulament-.s; con -
sKJerando quo todas as resoluco-.s qua envolvcm
aisposicods permaneutes, ues eomo as que -flxam
ido e a.uiado,
s'io esta f" |ih'rim.Miio :
i.len.'.eiiM qifir. project i "JuAli p,ra dc-
pois que se revolver a subvene ;*oitca/ce ffv
rro.
? Sr. Baila Nilva:-Sr. presidente, ve-
rilicaBdoajaraq'.ie o urojerto veio'da comrnisBio
delagislacao, que ja solre elle detvo sea parecer,
peop a retirada do men re luerimento, a declaro
que voto pelo adiamenfo, ue aeaba do propor o
men nobre cotlega.
Gonsultada a assemblea, decida pela retfraia do
requerimeuto do Sr. Ratis e Silva.
Ninguemmais pediuda a palavra, arocade-ae a
votapao e.*approvado o requeriraaato do Sr. Qon-
valves Fdtreira, ficando,
jecto.
E' approvado sem debate, em l.'discussJo o
projectorm do 187*\ auadando pai|tencar-a^Be-
guezia de Santo AnCao, dacidade da Victoria*, dos
os terrenes do engenho campo Alegre.
SegiUi-aa a L discuasao do prajecto a. 80 de
1871, creando duas escolas de instruccio prima-
;ria, aando uma am S. Jose,.-** extrema da freguezia
de Gamelleira, e outra no povoado de Pao Branco,
da ffegaezia de Serinhaeqj.
Sr. Hanoel do Rego (pela ordem) de
das pelo pre*identeda prefmoia, daodo areleran* dara que esse prajacto Hoi otfcreeido coaw emea-
ciaaos mais habilitados pela sua antiguidade e
iBOraJldado. i t.
Art. 3." Fleam revogaJas as disposicSes em
coiUfario. Paco Ja a*combtea logisriiiTva 'do Per-
nambuco, 10 J-s marco de 1874. -fiuti-e. Siloa.
t A asscmbfed pj-o inpial die Peraaralju'o^ re-
solve :
Art. I. (Tsubsidioe ajalla de cu' bros da assemblea legislative ptovincial de. Pe-:
nambuco, na futura legiskiuM.- seraa- i*g'adas
pela lei u. 1,039 de 22 de abnl dp 1,872,
* Art: t.' Ficarti rav'egadas as disposi^e*
conlrarlo. 'Parjo- da asjctntJlea provincial, 10 de
raarco de 1874.Afttrro V.CMrttbanti.AHiomo
Paulino. Goes Cavulcnnti. o
Ldseee remettida a commissaode'porkh esta
iodicacjp:
IndTcam/s.qua oregiaieino dji ca-a fique as
siflt alierado eni algmii dos sett's artigos':
Art. % Reunidos os deputados, ocoupara a,
cadeTra de pf'esidehte o quo for de rtaior idade
E>te chamara para sorvir de I- secretario qual-
atier deputado e p,,ra o-.cupar a eaaataaida It a
mais m6co d'entre os prcseutes.
(i Art- lAr-aucrasoeater-sa -A saisaai sera man-
dada celetirar.ptjw P. peza pela ver'jtt.do.axpedieutek So, por qualqoer
cireumstancia, d ixar de ter lugar a missa, o pro-
sidonia ao pacstdjk aasetablea def.srira jafaiaeato
ao. Je|iut*vs-, |ire:and'j-u elki ns mans V 1*
secratarip. ,
Art. 20. A mesa sera composta do presidente
a do us seoretaiaos. A- eleieait Ida cada um dos
membros daTaasa sera feita spar;idame*te e pur
::iuuna aasolutai d'< vi'ios, e reaovada no uHimho
dia de cada mtz de sessao. Sera substitute do
presidente um vice presidente, eleito tambem por
vatacao especial e renoyada.mcasalint^te.
t Art. 21. Os immedftlae***" fcwaaVor secW-
tan.'- serao os supplenlas destes, segundo a ordem
em que forairi votados.
. .\ri oi -accresccuterse : Serio pjablicados
nojpfiiiX da casa os. .flames d*os deputados que
nao eompaTecerftm a sessao, ou que com.jarece
rent depots da chamada.
t Art. i>6.accrescanl^-fo : Quaoda a sessao
for levantada antes da hora, por :'alta do nuiaeru.
se fhr.i nova chamada, antes de declarar a presi-
di-:ite -ievjuitar-so a se-siio por [alia de numero
para. Voter. aeodopuMioadOi- no jornal da casa os
noatea. dtw aue sa. hou-verem retirado. Sala das
sessu-18 da assemb|a provincial, 10 de marcp de
1871.J. de Hello Rego. Darto Cam/ctiUL-
Gonfitives Ferreira.^-Antonio Paulino. U. Ca-
valcanU.
0BO4CH DO Of A.
Entra em 1" discussao o projecto n. 37 de I8J0,
appxavando a labelia. orgaaiuda pela comptiRpia
de -vapanea de reboqoe.
O Sr. Talenaiaa ilganjaa coOAiiitiraeoes a favar do projecto.
Sr. Rutis p Silva i-Sr. presidente, roe
parece, qua nos nao podatnos approvar ou rtpro-
var.-;eroi5Uo mi* ajta em disaossao, sem qua
tenhamos conhecimento da labelia a que ele se
refere*
E' prei-o ipie vajamos o ipia dwpfia eas^ ta I
da a um outro. que esta affecto a commissa de
instruocao patoUca.
El vi^i^^ declaragSo, o Sr. presidente ode-
Segue sa a- La discussao da projecto n. 19 de
1873, alterando a lei n. 1,013 da 18 de abril de
1871
E'lid), apoiado, e entra conjunctamente em dis-
oussao o seguiiUe. requerimunto :
-B^ju^iikrtjne-o^projecto a suas emandas vao
a cuimnissao dp obras pablkas para>dar aeu pare
car.lidM.e SUou.t
Osr. Ji.io Bai'ballio nao dovalvau o
sea disciirso.
( Nad Iravaada mais quem peca a palavra e pro-
fsfa'en'do-s'e'a'votafao e rejeitado, nao s6 orequeri-
uento, omo tambem qpcojacta.
. CoBsidera sa tambem prejudicado o^projecto n
4 esola de iastrucca.* priuuria para o se.vi femini-
ne, por haver q Sr. MaaoaL do Rego deolaeado
aciar-se no mesrao caso do project) n. 8) de i87i.
'Saira.eaD- is discussao o projecto n. 46 de 1867,
fftcatidb nJfernto do Bonito uma freguezia com a
daomiaac*0 de Capoeiras, a marcando limites
ptra a mesma.
( sr. >l;irines a Silva:Xa synopse
qie i-ulio em maos, vejo que esio> assanblea> pe-
dii inf-.*mac5e ao goveroador *i biapado, nao
isinsttndo da mesma synopse qua viassom easas
iriormJuQoea
0 Sr. Pi\ksidente : Se nao consta da synopse,
eporqne. nio vieram. Comoratiaiide ?n perfeita-
OBnte que, pedidas om: 1S67, e nao undo vin>l
ae agura, uao A posaivel uaa aaasfcafbHl comi-
nie a nao resolver aobre-ette assampOo.
0 Sr. Marques dv Silva :-Pode-se pedir dc.
uvu essas iofor:na\;6os, a ueste seuti lo inanlarei
w famWifttenfe'a'mas*.
0 SuOmveio* AjioaAos : Para levarmos mais
sis ou sete aim is a espera-las.,
0 Sa. Mahques ba Siuva,: Sao sedava so'ppur
rio, a nio tne consta qua. em casos1 identtaos. se
."ns tebha negado informasoes pur parte do prela-
.'i diocasano.
0 Sn. Ai.varo Uchoa : Agora com, tnaioria de
nzao devemos snppo To.
,Vozes :Nao.
0 Sn Mabuues d.v Silva : Pocque? Xao-vejo
rza.i para tal supposic&i.
0 Sit. Puesioentbi : 0 nobre deputado queira
mndar o scu requerintorrto.
) Sa. Maboues da Silva :Vbu faze Io. Per-
mtla V. Exc, porem, accrescenfar que, se ha fa-
il)' para os receios que mauifestam afguns dos
n.bres-deputados, fiuaremo3 privados de fazr
qwihjuer alteracao nas frogueiias d^i provincia.
0 Sr. GoEs Cavalcante : E de que servira
criat-se uma rag,ueiia, sem qae seja de aecordo
-dm o govcrnalor do bispadij f
0 Sr. Marques da Silva : De ocrto. Vou,
piis, mandar o rejuerimento.
IE' lido, apojado a entra conjanctamanto em d*!s-
cisalo o seguinte reqoerimapjq :
Reqneiro que seja ouvido sobre o pi ojecto o
povernad .r do bL-pado.Si. d'i SHc.i.
Eacerradia a discussao, e rejeitado uao.so o re
tuna
Bandeira, approvado
consagttir ps rasu!t*dJ5. d^j-.d.is, oemom.i mi
pSa** ',,J para- M' resPej,l*::V u"-
Nkel!e ciimeutlo, Concern que V. Exc. uomee
comimssoes que, aos diversos municipios dessa
provincia, vao promovendo o quo for necessario
paia, na occasiao competente, obtcr-se jyandenji-
Tsero de prolactos e speemtens da infusiria na
ctoaal, alimtaquaoBrasiJ figure vantajosamantc
na projeetada txpoa*cJo. -Dens iruardea V. Exe.-
Josc terna**t da, Cotta Per.ua Jmior.-X S.
Exc. o Sr. pfVfeidente da provincia da Peroambu-
co.-Lumpta-ae. -Palacio da pre^idencia de Per-
nambuco, U de marep de 1874 -Lucmit. i
lnni v<-rario .Oompletam-se hojo 51 an-
nos i|ue se nanno, ao Bio de Janeiro, pela priaaei
portanwv adiiaaa o pra vez, a assemMia eonstituinte do Brasil
lueulilafle de dtrefto.-Fizerarrt aoa
no dia 14 do corrente os estudantes abaixo dccla-
radas, quo oiifciverirai o fagnioie rcsultado :
J* anno
Francisco Ferreira via
Alfredo Moreira Gomes, idem.
Fraucisco Muniz da Silva Ferra:, pleiiamen!e
2. anno.
MaitoelMiffa Olympio d Soixas Borges, appro-
vado sun plesi neu te.
f .dir Antonio Pires de Carvalho e Albaqoerqne,
idem.
4. anno.
Jose Patricia de Castro Nataleaae, approvado pie-
uamente.
Jose de Qut-iroz Mattoso Ri'eiro, simplesraente.
Aceudiuo Cavalcante Simdes, idem.
Adolpho Carlos Sanches, idem.
Thomaz Accioli Gusmao Wanderley, idem.
Joao T mmaz de Araujo, idem.
Ernesto Augusto da Silva Freire, idem.
Vapor icrjnmiitiK-. Sahiu hontem as 2
bora) da tarde da Balna para o nosse porto ; a
deve ai]ui chegar araanhi.
efeaa de SheseaPerante a Paeuldada
de Direito do Recife defenderam theses para obte-
.mogn) dtt duutor em direito, na semaaa pas
sada, os Srs. bachareis Ulysses Segismundo de
Araujo Balinga, Luiz de Almeida Araujo Caval-
cante o Antonio Herculano de Souza Baudeira
Filho, os quaes foram approvados.
Eistradtt de ferro do Hecife
FraiH'iscK.- Esta via de
proximo findM mez de fevareir
lUmdeu
DeVpemta
Dan Io de saldo a favor da garantia
de jnros
a
commanicaeao.
no-
8^:418*130
37;50:i*3l7
ft 924*8 '.3
A, relacao entre a despeza e a receita foi de
44, No mesmo periodo transrtaram na linha 1(1(443
passageiros; a feram transportados 3,302 volumes'
de &*ggera. pesafldo 56.8z2 kilograriwios ;
7:24^73? kilbgramm-is denvrcadovias e"ll ani-
maes.
Nas merevdorias estSo eompra*>ea4idaB I,d97
sacras-de algodfto, pesaado 136;u26 kShigrammos
66, Hi sarcos de ass-ncar, posando 5:056; 136 kilo-
grammos.
Bfn-taeh-ot. -0 vapor South America tratfxc
para :
BaHariver*a'iO.
Joaquim Gerardo de Btutoa
i4 Ratha Omlaaie e
25:8OOOO0
S>.fMaflga>
8:5t>0i00:l
3.-210f0:'0
2:5365000
2:OW)000
2:ft0i000
1:000*000
:arde, passou do
que se suppCo
bella, que vt-jamos se os precos nella e3iabelcidos qu^rimento como tambem o pjpjacto.
------- .... n7... \ 1 Am Ch Xt........t .1,. >...*..
l
ii 0 projecto creio qae ede
convcem, ou nao.
Um Sr. Dbputad
uma commissao.
0 Sa. Ratis e Silva :-...qae conheeaios
essa tabella, alim de vannos se csto projecto on-
tem, ou nao, materia de utilidade publica.
0 Sb. ToLGNTno dbCaiivalho :Isso poJ.ser
xarainada na ft diseussio.
0 Sn. Rao* b Silva:-Sem isto oniendaque
nos na.i po lemws diir um voto justo ao projeto,
pelo que peep a V. Exc. que manda ver na
tana a tabella,-alim de ser pela assemblea eiai-
nada.
(ET satisfeito o oradar.)
O Sb. Ratis e Silva : Sr. presidante, cnte os
papeis que me t'oram entregues nao esta a latella
a que se refrre o projecto. Vejo aqui (indioudo
os papei-) o contrato da companhia pernamtaca-
na e o decreto que Ihe cooeeJeu o privilegio, mis
nao a tabella de que se ir.ita.
0 Sr. Oliveira Avdraoe :E' o i|ue exisB ta
secretaria.
O Sr. \ameimento 1'itriolla pondera
qae, declaran'lo a mesa nao ter sido encontraa
a tabella, deve, para habilitar a assemblea a dei-
berar, prestar a seguinte informacao:
Que. em virtude do decreto n. 1,511 de 20 *
dezembro de 18S4, que concedeu privilegio a coa-
panhia, foi eonfeceionada e approvada uma t-
bella.
Qoe, muitos annos depois, quando na airaini
tracao da provincia, em 1869, approvou a noa
labelia. a quo se refere o pi ojecto, modiloatia
dos precos regalados na anterior, como pcrmitleo
jitado tiecret >, gozando assim a companhia ia
subvencao decretada fio art. 6'J da lei do orci-
rnento daqaelle anno.
Que, nap Ihe cinstando ter havido postenoi-
mente contrato cam a companhia, entra em duv
da se a assnablda compete approvar a tabelt.,
acto administrativo, ex^ialido am virtude de din
creto imperial.
Qua, sa nao houve contrato, e a companhia nil
tem direito adquerido a subveocio, nada ha qia
ver com a tabella.
No cam eoatrario, poranaj cumpro quedeHacc-
nhei^, fazendo-lhe as alteracdes qua jolgar con.
veniente, tanto mais ja tend* decorrtdo iaais d>
m Sra. Hanoel do Rego e Peretti
pedem que sa declare na acta, que vut-am a fa-
vor do requeriaento.
Considera se tambem prejudieado o projecto n.
15 de 1872, creando duas aulas oocturnas de ins
trucfio primaria, sea do uma na villa de S. Jose
de Agua-Preta, e outra no povoadode Gamelleira,
por achar-so no mesmo ca?o do projecto n. 80 do
1871.
Entra finalmente em 3." diseussio o- projeclo n.
39 de 1872, autorisando o presidaate da nravfacia
a ntralar com Joaquim Cavalcante da ATbuquer-
qu, a coas'fruccao do uma estrada do ferro.
JJ' li Jo, apoiado e entra conjuojtamente em dis-
cussao o seguinte requerimenio :
t Requ;iro que o projecto com as suas emen-
das va a commissao da obras publicas para dar
parecer a respeito da saa cenveniencia.Goes Ca-
rulcante
Reeonhecendo-se nao haver oiunero, flci a dis-
cussao adiada.
0 Sr. presidente jlesigna a ordem do dia seguin-
te e levanta a sessao.
RE VISTA DIARIA.
qualwaanos, a poJando talvet o aarvioo ser fait)
por preco inferior ao admittido na tabelia, ja ii-
ferior a 0/0, segund > se lembra, ao da antin
tabellb.
E eon.iiuio, apinando pala conveniencia de sr
i-uvida a commissao a que de direito caiba, pan
emittir parecer.
E* lid i, apoiado e entra conjunctamonte em dis-
cussao o Mgointe requerimenio :
Reqneiro que seja o pmjesto rBraetatdo i
commissao de h-gislafao para dar seu paro:ef so
bre elle.Ratis c. Siloa. a
Sr. Ctaaealvca Ferreira a Sr: pre-
sidente, pedi a palivra, nao para discutir a qaestac
se a subvencio concedida a companhia da'rebo-
jqnaae da*i Ja -pela. pro wacia, poqeae nio* oeca-i
,'siao propria para se tratar della.:; mas para lem-
brar um expedienle, qua pode resorrtr a duvida
quo levantou o nob." deputado que acalia
fallar.
Assemldea prawincial. -Ilontom func-
cionou com 33 senhores deputaldos, eob a presi-
dencia do Sr. Dr. Agaiar.
Approvada. a acta da sessao anteceJcnle, o Sr.
!. socretario leu o 3eguinte expedients :
_ Um nilicio do secretario do governo da proviu-
cie, rometteodo capia dos actos rcferentes ao ac-
corJo feito com a companhia Recife Drainage.A'
quem fez a requisicao.
Uma petigao de Joao Joao Telenlino, arrematan-
te das afarigoaa do municipio do Cabo, repreaen-
tando acerea dt uma d*oisi) da eamara do rafe-
rido municipio, dispeasaado todos as estabeleci-
meatoa atehdos daravieao.A' eomini?aio de or-
QameBto mamcipai.
0 Sr. Olympio Marques, obtdAdd a palavra pela
ordem, requereu qne se sotcitasse da presidan
cia da proviocia diversas informaeo^s, ,-ohre.a lia
ferrea do Recife ao S. Francisco, "oiivinda-sn o su
perimendnnte e o enganheira fltual, eajo fejuati-
mento foi apf>rovadoy deaoie de oraretn sea aator
e as Srs. Eiguein'ia a PorKHa,
0 Sr. president-i depois da fazer aigam.is obsei-
vaeoes ace*ca do paieeer adiado da commissao de
legislaeJo sobre o n-querimmto de Paula it Mafra,
pedindo a revogajao da lei que autorisa o contra-
to de carros funebres, o submetteu a discussao. 0
Sr. Pinto Junior, pela ordem,jusliiicoue mandoua
mesa um requerimenio, pedindo o adiantan,nlo
da discussao ate serem fornecidos pela Santa Casa
de Misericordia as informapaes por elle pediJa-1, e
apoiado, foi disoatldj conjunct-amenta com o pare-
cer, orando sobre a raateria o Sr. Peretti, que
mandando a ms uma eraenda i conclusao do re-
J. rm Gonjalves BeliraoAf Filh
Miguel Joso Alves
J ao Martins da Costa & Filho
Domlrtg.h* Ftfrreiira Maia
P M. Maury &
Mamwl Teixeira Bastos
Para o norte.Honiem,
sut para o norae-um vapor inglez.
perteneer a linha do Glasgow.
S. SalvadorEs:e vapor da companhia
Bahinna, sahio daporea da Balm para o nosso-;
pelas escamS do eoftume, no dia liidV corrente.
laua e lux. -Por ag.ia e iai reciamain ine-
tinte e alHietivamenm bs ir.ir:.v! >res do povrfrf)
le Santo Amavo das salinas.
.Nao reconhecemos na verdade reilamaeao mais]
justa item mais attanoNvel, s-jbre tiflo a' quse'
refere a- a^aa, qne entenJa direelaiuonfe esna
uompanhia do Beberibe, que quasii qne tem es-
quee'Mo de Hei 0 coprimento de saps dareres.
Espcra-se que a administracao provincial, de al'-
gum modo procure saenrrer "aquellea, em traoso
tao i'alamiloo.
Hwnt0 tmar de ^abuat;t. -Acbd-se
funccionaudo, desde o dia 14 do corrente,"a collec-
toria geral. ani nR*mainente 5tabe!ecid3.
Proi*aftaMru>ra .da Inalruwao Pa-
1.1if u. -Desde'O dia 2jjo corrento, acha-so atier
jta funeefonando fta rua 24 de Maio, oulr'ora
praia *y Citdtoirette, aola primaria para o
inasculino, de fundacao dessa sociedade
Ferimentoarra re.-.',<. Vicente FcrtWW
da Silva, conhecido por Vicente Anael, ferio gra-
vemente a Juveaiaao Gomes da S;lva, na termo-da
Pao d'Alho, em 9 do corrente 0 deliaqaenta toi
preso em ilagrantir, o o respectivo iuquerito logo
remettido ao juiza Osiopetente.
Outro.No lugar denominado Cotia, dodis-
tricto de Malhadinha, Mmoel Xunes de Moura fe
rio gravementa com am tiro de pi-tola a Joio
Xuods-da Aftiaral. O delinq tente evadio-sa ; o
inqueriu, que tal occurrence prodozis, teve logo o
convenient* desfino.
LdKeria do nut.- A hiteria n 300 em
benelfcto das obras- da igreja da Nossa Senhora da
I'enba do Recite, corre amanha.
liiltordade. -^ De Pesqaeira nos eserevem
em 9 do corrente:
o Jtosd Camello Pessoa de Siqueira Cavalcante,
olrncr^fa,tfrnfefc- r Gomes
Jaaqiiifrt dfe ^w-flJ/,mfl* fSottles ho, f a-
deta Joao Viria*h *ot*b,'majr* S. Raphael A
V.iz e Silva, S. B. Cansaneaa, Jes* Maria Garca.
Maaoel Jose do OUeira Vascoaeeiios, Fraaeiwo
Ponton, Joaquim M. G. Rosa, Joa^ Castelloes Filho,
Henrique da Co.-ta Rodrigues, Josa CTdeiro, tot-
dado Jose de Siquoir.i Lessa, Aatoaao Tito deGoes,
Joaquim Very dt Silva, Oknipad aa Silva, soldados
reorala> An.'nlo do Nasameoft\ Anlonio G. de
Lima, Joao J. de Am. rim, Josa Ahes da OjU, !da-
noel T. da Silva, Eugenia A. dajMiscirncnlo, Benu.
Jos6 Ribeiro. C. Luiz da. CunaaV Manoel M. Fi-
gueiredo, Caspar do Atevedo, Francisco Duraa,
71 eecravos a entregar.
Cbegados dos portos do aarte no vapor amc-
ricano South America :
. Geiulio S. dos Reis, Jean Elekatpyen, Clemea-
lino S. Lisboa, M. Reuseng, Jose Goncalvea, Do-
mingos F. de Araujo, Joaquim Antonio de Aroo-
rim. Manoel Jose B. Cunha, Nicolai A. de Xattos,
Manoel Pereira de. Souza.
Sahidos para os portos do sul no vapor aroe-
ricano Soulh America:
Conselheiro Diogo Vclho a sua senhora, C M.
Coelho, L M. E>tevao e D. Ida Zanella.
Hospital Pedro II. o laovimento de>b>
estabelecimenlo, de 9 ao dia 15 de mareo foi d se-
guinte : exist Lain 35), entrarnm C3, -ahiram 41.
falleceram 9, existem 3G6, sendo : 249 bomeus
117 mulheres.
Aahwtmeiaii
Foram visitadas as enfermanas nesles dias : a'
8, 8, 8, 8 Ij4, 8, 8, pelo Dr. Beltrao ; as 12, I |,t
It, 12 li2, 12, 12, pelo Dr. Sar.nenlo ; aa 9 tft
9. 8,8, 8, 8. 8, pelo Dr. Malaqnia* ; as 9, 9,
8 1/2,8 1|2, 8 \, 8 1/2, 8 1|2, pel. Dr. Vianaa,
Fallecidos.
Janh i'di!; ; MMB amarella.
Bernardino Jose das Santis; variolas conflu''1:.
Felix ; ferimeetos na? pernas.
Anastacia .Vk.ria da Cireicao ; ana-ar,M.
Maria ; interiie chronica.
Bignolaiae Raoul ; f?!.re amarella.
Germano b'eraand.'s ; %-ariolas exnlliientes.
Antnnia Maria da Conceieia ; fraquera -t-nil.
Jeronymo Ferreira da Silva ; diarrhea.
Cemiterio publico.Otiuri > do din II
de marco :
Auacku, preu, Pernambuco, 5 raezes, Santo
Antonio ; denticjL>.
Ben o Jose da Silva, prcto, Pernaubnri, 38 an
nos, solteiro, Santo Antonio; tub^rculos pulnao-
nares.
Miurilio, e-cravo, preto, Pernambuco, 24 anaa-.
solteiro. Boa-Vista ; phtystea pulraonar.
-15 -
Januaria Maria de Jesus, branca, 50 annos. vbj-
V3, Santo Antonio ; t^xigas.
Ldpercio, branco, Pern.vnbn :o, mez a meta.
"$. Jose ; variolas.
Manuel, preto, Pernambuco, 8 dias, S. Jm* :
ISdttgastan cerrfcraf.
- Francisco Fernandas Caville brtn^o, Portniral.
l\ annos, Recife ; tebre amarella.
Maria rfenriqaota do3 njos Fontes, brawta,
Peruamhaso, 28 aimos, solteira, Bna Vi-ta ; phty
sie.i.
Joaquim Alves Ferreira, branco, Pemambneo
19 aanos, solleiro, S?nu Antonio : tubefenio-
pulmonares.
Jeronymo Frreira da Silva, branco, Pernaabw
co, 65 annos, viuvo,Boa-Vita ; irjarrhea.
do
o ordooado e vencimentos doe empregados publi
cos, so poderao ser apresentadas segundo o dtsens
sem qaerer diseutir a questio da subaancir,
por pie, qamo ja dlssa, nio a oceasi-tn propria;
duel, t'idavia, ajajaj esla questio se toiule.antt4)
todos os annos aqui....
Os Sns. FaxiPPB de Ficueiroa e Tolestwo Dt
Caryalhj : Apoiado
0 Sn. MAnouus ua Slva :-.VSysenh.**: dis-
eutio se so uma rez.
0 S:i. Go.xgALVKs Fi:iinr.uu : -..;p senapre sa
tem resolvido que a provincia tem> oaracora a
companhia nm quasi couiraio, rasuttanta dasobri-
gandes a que a mesma eompanhia'tieoa su.eita
0 Sit. Douingos Pisto : -O&rigaeoes quo nao
cumprio.
0 8r.Tole.vtwo D5 flAnvAi.it.)--Mo c caso
divr i,
0 Su. Go.ncalves Febreitia :Desde [tie, por
lajito, nao e pro var aqui que esaas ob/tyae iW
nao foram saiisfeitas, deve permaneeer a subven
cao concodida .|x*r lei.
gundo o diswis
r0,'^'arl\97',100' *0, e lOid, regiXen
to ; conslderaod.* Iin.^aente ,ie so oemo por en
gano, facjl.dd dar-ae p-ios algarisuws daequaiitias
acima rrferidas, hgurou aas lets d'a-iueiies wca-
metos a verba de 1:W- para pagameoto .'o
supphcanle, que nao nde |ereeber outr,,s voei-
raeotos aleiu noa qua tbe-aao Hxaaos
ferido, re*ogdo a lei n. 1,121; e apos este ora
ram os Sra. Alvaro Uchoa, Tolentino de Carvalho,
Pinto ianior e Olympio Marques, qae tambem re-
quareu qne fossem todos os papeis a commissao
da legislacAo para feconsiderar a materia e inter-
pretar a Ifli.
Eueerrado o debate, foram rejeitados os reque
rimentos e emoHda, e approvado o piracer, cuja
conclusio indefere a peticao dos supplicantes.
A ordem do dia para hojs e : continuacio da an-
terior: 1* disenssao dos projectos ns. 13 de 18-78
e 28 de 1833 ; 2 dos de ns. 105 da 1873 e 45 de
1873 a uniea do narccer n. 39 de 1867
Evposica* Universal de Philadel-
phia. -D unos em seguida a circular dirigula
peio govern* imperia', sobre a exposijao univeisal
da Philaib>lha, ?s presideutes Jas diversas pro-
vlnows 'do fottjvjrio, cam a coinpelanto ~eumpru-se
do Exm. Sr. eommendador presidente da pro
vinci*.
I.' seccJo. -Directoriacentral Rio de Janei-
ro, minislem mflrcio e obr:ts paWoas, era 1 do dezembro de
1871. -Illni. Exm. 6r. Teado o govarno imperial
riiilvido iuajgunda>rt Piiaaddlphia por occasiao do oen-
lo-imo am livers i rvo da iiKlependebelada republica
morador ua fazenda Fayilia do Moxolo, deste ter-
mo.attendendiyaos bons servrc"? que Cuiza uma saa-
filhaprestara- a sua escrava, crioula de idade de 15
annos, libertou-a, passando-lhe a competente car
ta de libefdade; e ha dons annos que Laiza vive
corao litre.
0 anno pasiado, porem, Jonas Marinno de Sa,|
fez premier Luiza como escrava, que tin^a sido
vendiJa pela genro io Hbertador. Sabendo este
do facto, c irreu ao subdelegado Paiva e mostrou-
Ihe a carta do liberdadJ passad ha dous ans,
pelo que este po-la em llberdade. Descaocava elle
em que Luiza niio serla mais incomraodada na sua
liberdade.auaQJoagorae ellacovamante'presa pe
lo niesmo Pafva a reqttarimeCto de f.eonardb Be
zerra de Almeida Cavalcante, morador em Buique,!
e para la conduzida para ser vendida.
E' para admirar' osse acto praticado pelo sub-
delegado, quanlo Ji este tendo feito prender
dita Luiza, a soltara pof ter recoihecilo o sea es
tadode litre.
Josi5 Camello. tendo-flie oassado a cirta do li-
depois qua a u.-is.'mid6a_manifeslar a sua opiniao
a re-p-ita; 4sio>dt *p .is qua aaimib1eaeHkB<
rar so deve hi uao ilar a -uhveocio, vaia"*- ponto
m cow grave sinistro, rislo o telegrapho aubra'a-icalTe'^^^^l:iAnmMZl^lU^^^a'u^^W^'l',
0 -livure aw que faliei a qua me pareoe'raaori- p, ^os. Hsu dos-lim tos da America do a duvid.i, a o -"gumte : na occasiao e n quo se ti vind.. qu-i i nportaotes imtdeetos de^ioasaila
ver dn discutir o.pr;aeto aa orcamento provinmal, aonr.i e -s de outras iadustriaa. exercldas no paia
q-.e uaturalwanw miiilo breve ..era apreentloa pans \anlacein a auicertogiiude-desenvitlrihwato,
zi a, ralratara da quea'io la subven^a^e eetio^ tigarem nesso flraada jory de todos os aoveboivi-
berdade, e della feito entrega a escrava, esta por
ignorancia nunca lanoou a noj iiv.-o-- de notas, por-
que julgava se garantida em sua ,'iberdade, mas
de repente ei-la segunda vez levada a escravidao, s
d'onde havia sahido pela gcnerosidaJe e gratidao
de scu legitimo senhor.
0 Sr. Dr. cbefe de policia n":. deve consentir
em ser escrava r|uem de direito e livre, e q ie if
providencias para que seja ella reuituida ao gozo
de sua liberdade.
Loteria. -A que se acha. a venda u a 92.' a
beneficio da igreja da Amparo de Goyanna, que
corre no dia 20
HoHuilal Portuguez de Bcaeflcea-
cia. Movhocnto do hospital portuguez de bene-
Gceiiefa na serttana de 8 a 14 J) orrente :
Existiam 42, entrarara 17, sahira.u 2!, existem
38.
E-ta de semana o Sr. morJom Jose Lipes
Alheit-o.
Casa d de detencao do dia 15 de mark-.o de 1874 :
Existiam presee-3i9j ealroa 1, o\,.-.em 33ti.
A saber :
Naciooaes 25u, mulheres 7, oslt'.laga'.coa sd,
escravos 36, cscravas 3 total 330.
Alimeotados a custa dos cofras pnblico: 269.
Movimento daenfermaria no dia 15 de mzreo de
1874.
Tiverara baixa :
oosa Copes liuintino, gaslrile.
Einiliano Jose da Penha, feoro.
Ti vara in aha :
Iguacio D do Oliveira.
Anhiiiio Jiayuia da Silva.
Passagefros. Sahidos para os portos do
sul no vapor brasileiro Parana.
Raymundo de Almeida Sampaio, Fran;isco da
Silva Dias o um criado, Adolpho Drnfu^, Antonio,
Pedro da Silva e sua familia, Ruiinje L. do Rego.
Braga, C. Bandeira de Mello, Jose P. de Almeida
Pernambuco, Justino M. da Assumpcao, Antonio.
B. Mottenogro, Henrique das Merces Jausen, An
Tribunal ia cemiacrrit..
ACTA DA SKS8JP1 DE 12 Db MAR*A) Df".
1X74^-~-~
?SSIDEXCIA 00 EXW. *. CO.ISELHGIBO A3El.-
nttkMBWi fatanri.
A's 10 boras da manna, present** os Sra. de-
putados, seiT"trio tHinto Bastos, Copes MachaJ->
e Alves fiu'-rm, f n Sr. Minplente Sa l^itao, S.
,-Exe. n St. conadheiM pres*lenle declaron abrr'a
ra "essao.
Foi lida e k-p-'is approvada a acta da s- --
sao de 'J.
EXPEDIBKTR.
Poram distribuidos o* Ihrros egaiates :
Diario de Braga rijmes 4 d, copiador de Jaa
qaim Jose Goo^alves Beltrao, dito de Luiz l>i
prai.
DPSPAOIOS
Rerfuerimeirtae:
De Jose Teixeira Lefts Bastos, pediaao- aer-
mis3io para escripturar nos livros qae eerriMm
a tinna Basto, Oliveira A 11Daferido.
De Manoel Nopo.-miceno dos Santos Siqaaam
para dar-so Ihe por rertMio a nomeacao de cai -
xairo da Belforminc- A!v ArOcha. Ootao f
sexe- qoar.
De Jose de Obvpira Mallo, arnaader do biafw aa
Cional D Luiza, r."-"lliendo a carta-do mwi
hia'.e, vi-ti te lo vendido a Bartholomeo ijnmre\.-_
Vista ao St. des-mibargader fiscal.
Da Bartholomeu Lonrenco, pedindo carta iU>
hiate n-acional D. Luiza, comprado a Jose de Oli-
veira Mello, declaran'hi que d'ora em dianti >*
denominara dito l.iaie Dens le eaaasaV.Vhta v
Sr. desembargador flral.
De Antonio Alberto da Souza Agniar. solisitaa-
do o registro da escnptura qne junta. Regisn?e-
seno hvro ompetente.
De Anlonio Mendes Pereira da Costa, trazendo a
rogistro o documento annexo Visla ao St. *e*-
embargador liscal.
De Anlonio Pereira de Miranda, sabnaettaoee a
registro a procuracio inclusa.ilegisira-ae.
De Machado i\ C, reqaereaito que se refiatra *
procurarao que deram a Jose Machado dos Sae
tos. Depois do sel ada, volte a peticao.
De Antonio Jose Bovges Costa, sujeitando l re-
gisiro a procuracio junta. Seja registrada.
De J >a<|uiiii Paubno >.'ice Muniz, hnpetratMte
regi'tro da nomeacio fonwdida a Antonio Olympic
da Fonceca Omtinho e baixa em a nomeacio de
Benhj Campello de Albnqne-que Galvio. IToce-
da-se ao registro pedido.
De Manoel de Abreu Maredo, para registrar e
noirnsacao que ;inu a Frao'isco Alves Macba.' -.
Como pelo.
De Azevedo & C, trazendo para rejistrar-se a
ia;lusa nomeacao de seus caixeiros.Sim.
De Ferreira "& Lonreiro, declarando que, ten ie
fhHido e feilo aoacordata com osseus credore.
ja lenioa cumprido, pedem a sua rehabilitaaao
nos term' s do art 81'3 *> eodigo commeroia:
Autoala e desigoado o Sr. official Torres para
funcciooar como eserivio, d* se vista ao Sr. d>-
eotbaraador tiscil.
De Manoel Francisco da Cunha e Manoe
da Preitas, apresentando a registre o coatr. <-
cial junto que Celebraram. Vi-ta ao Sr. desatn-
barga.lor fiscal.
De Felix Pereira da Silva e Jose Joaquim Aff; n
so Guiuiaraes, trazendo para registrar-se o disti.
tanto.Vista ao Sr. d-sembargador fiscal.
De Agoatinho Luiz Alves de Brrto e Gaadna
Ernesto de Medeiros, para procoder-se ao eagiea*
do coniratn social annexe. Vista ae Sr. dese',v
bargador fiscal.
De Frederico Alves- Pereira Pinto a Julio oe
Jfello Salgado, pedindo o registro do ccntrato
fizeram.Vista ao Sr des-mhargador fiscal.
De Justino Jose de Sooza Campos, pedindo op-
se Ihe conceda o prazo de quatro dias para ap"
sentncio da carta impcrtal da companhia Sar.u
Thereza.Vista ao Sr. desambargador ffaeal.
De Adolpho Birle, offereeendo a registro a *-
caracao inclusa. Na forma pedida.
Nada mais havend' a -lespachar, ^. Exr. e * Conselheiro presidente encerrou a srssi* a*
meio dia.

Vou, por consequeocia, offerecer i caa um re-
tonio Ribeiro Seabra, Julio Samuel, Antonio
de Airuda Falcao, Autonio Jose Feireira, At
PARTE POLfflCA
P4RTIUO (OV^Ht
|i-al.ia, com qua q Brasil uato dare lucrar, re
Dainmendo a V. Exc. que pelos meios a seu alcao
ce oouvade os proJuet.ro- des.-a provincia a pre
pararan-ae para a mesma expoji de que oppo:lunameme a coramissio, quo tera do I Luiz Nery da Silva, commendador Francisco da
anw faculti.l<
it" pr.'teneiosos
V. IVr.-im, FeJipue da Silva Porlo, sua sen**** a rii) 6 um
um e>cravo, C. L. Traeasso. Vlauael B. tiuade-v
Francisco P. B. Gued's, Amelia Rosa Bez.rra e
uma cnada, JosAfliajo, Airr.'doSirteeio do Sowa ajpizar das
e um cria.lo, Pedro uarie de Lima, Antonio Frao-
ei-eo M.ta, Sacun'lino de Faria Lobo, Fidelis In
Oliveira a Silva, Jose de Seixas e sua sent era, Jo3e
RECIFE, 17 DE MARCO UE 1874.
0 que fazemos a tamos feito diaote de Jifci
esses di-smaudos a am>in.ilia, que luu uiautido ae
paiz mais franco e ousadamento do qua niuaaaam
despotisnio de faslo, awliaate e msuiiorlavel f
Esses liberaes prof<'/ifi3Boi,por uu.i*^ua ^net-
rain, nao podem eccnltar os reserv-dos intuitos,
que os dirigem em sua teu.br.ua poblioa
apioando sempre para o metmo uorte a saber,
contra o despotismo de facto, aviltante e insup-
portaiel.
Oaando us instigam s para que deix. m cahir H
mflscaras, declarand* n.s qual e o despota, qne
o-li. a denunciar nos eonsecutivaiBente, mudaui
de elate a. 14 vein a srena o fallado pixfer pessool.
Uia^LS* aiuda os a.ossamos, fazem uma revira
atonio fotta e aiir^a i>e ao poder moder-ior, qae
' meramtnle arUitrmrio, uus
ie.-oiila a aim-u.. e j^t
provincunos ; emfi-.n qaerem
poutiou cuaferme as regras.
na i do nosso Jir. Kn Mnsnu-iooal e-cripto, teas
conforms >>< pri ipi.mos .la maa scieucia, que e ae
exclusivamaala dedis.






s
Apreciem com o devido criterto os pici
f
J






4^%BftttitaiAu# ^ef$#if
g'*mw
M*M**MVM
eaeas con6tue3
sobre assumpto
politica e modo
c No Brasil _
illusio, ostenu-.
nao ha represen
Nad haja duvi
oio.
intra as qaaes
diaMipaMHtanfeiKs dtKneaaoriados
Nii looge vio 03 tempos, em uue a as-
Jneial, composta da* aamrafdades da
j adheria-se com patriotismo ao seu tor-
rio natal para our at nos inleresses peculiars*
delle. if.
Entretanto agora cooiessam de urn modo abo-
UUo qua so Brasil nao ha representaca >.
Ha poucos dias tambem dizia:a que a monar-
ch**, aophisraa de un terco de. teealo, tinha feito
da represenlacao nacional uma burla.
<&' o taso de diier :
Ex abundant ia cordis, os loquitur.
H liberaes da Provincia ja nao podem, disfarcar
os.principios., sobre os quaes osienlam a sua pre-
a Que iraportam lodas essas farinas apparato-
ii lr foveroos livres, earn qua o Brasil se pavo-
nea, jc no fundo a realidade desmente ? Que im-
port? niesmo esses arligos couslitucionaes coin pa-
larras retuudas de liberdade, se, postoa em pra-
tica, o facto contrasta com a linguagem ?
E' posswei'c niisslo taais cample e cabal
A coaslitui;ao politica do impeno, a Trca
Santa das nossas liberdades, para esses doscndos
provinciano$, ja nao paasa de/orw- apparutosas.,
com que o Brasil se pavomh I
Rua coustituicao liberrima, que tem feito ad-
miracao dos povos cultos; que consagra a maxi-
ma liberdade para o cidadio bra9ileiro ; que foi
nm legado de honra e de pat-iotismo dos nossos
pais, torna-se para os redactores.da Provincia nm
objecto siraplesraente apparatoso e risivel!
0 que e mesmo digno do roais cuidadoso reparo.
e que esse3 redactores levam a sem ceremonia e a
coragem a ponto de condemnarem a propria base
de todo edilicio politico, nestes termos bem signi-
licativos : ,
a Tudo islo (artigos consliteeionaes) devia con-
correr para acabrunhar-nos; pois, alem das gran
des despezas, que tcdas essas formas nos custam,
torna-se ainda inais risivel a nossa posicao de go-
vernados. Compramos o ridiculo, e por urn alto
pre^o ; e a nossa tarefa
De modo quo (enten lem os provincianos) a for-
ma de governs, que nos rege, deve acabrunhar-
nos e as despezas com a mesma 'forma de gover-
uo.aleni de graades, tornam ainda mais risivel a
nossa posicao do governados I
Qual e entao, Srs. da Prouincia, a forma de go-
verno, que pretendeisimpor-uos e que nao nos seja
aeabrunhatlora, dispendiosa, risivel e ridtcula I I
Porque enteudeis vos, me a nossa tarefa se
reduc a comprarmps^sjo ridiculo e por urn alto
preco? .__
Estamos admirados da vossa coragem, se aao
da rossa audacia I
Vos precisais explicar-vos com maior clareia e
lealdade, deixando os caminhos tortuosos e as era-
boscidas, para virdes com viseira erguida e como
destemiios cavalheiros offerecer-nos, bem de pu-
blico, as armas do combate.
E' sobre modo treJa a vossa linguagem, quan-
do, depois dos treclws tem expressive?, que acima
aeabamos de aaatysar muito .perfunctoriamente*
eonfessais que :
t A aojsa tarefa e arriscada e yenosa porque,
ainda em tal situaoao, respoitamos as bases consti-
mcioaaesda nossa sociedade, e defendemos mesmo
os altos interesses de ordem, de paz e tranqnilli-
dades publicas.
Ceriannnte, Srs. da -Prmincia, ou vos zombais
i? escarneceis do bom seuso publico ou sois per-,
feitamente iaeptos.
Com effiito, c|uando acabais de aiiirniar, era
pleno dia, que a* nossas formas eoustitucinaes sao
apparatasas, acabrunhadoras, dispendiosas, risi-
Mil e rtdiculus, asseverais, ao mesmo tempo, que
respeitais essas mesmas formas, que nao sao ou-
tra cousa, seoao as bases constitucionaes da nossa
sociedade I I
Como poJeis rtspeitar o que nao e senao appa-
i aloso e tuicel f
Este artigo da vossa Provincia de 13 do corren-
te, que eslamos examinando, e um arligo coutua-
dictorio e grandemente revelador de toda vossa
meticulosa politica. ,
Beoi sabomos, que vo- na) vos cmbaracaw de
fazer jus a coherencia e a sineeridade politieas,
alias o3o deverieis ter consentido que fosse esse
artigo estampado, como o chief master da vossa
earata.
0 credito, a consideracao publiea nao respeita
. uem applaude os escriptos inconsiderados.
Naturalmen'.e e aquelle artigo da lavra de al-
burn moeo fogoso e igoaro, que alii esta compro-
mettendo os creditos de urn jornal redigido por
E' n?^essario por, ja e ja, nova genie ao leme,
nao para eviiar o infallivel naufragio, mae para
poupar. ao menos, mais lameutav;is deslroces.
Verdade e que cstais ficando com o vosso di-
reetork) muiio reduzido e cada dia vos estao fu-
i^iudo as ovelhas, que o vosso conselbeiro mandou
arrcbanhar, para o Club Popular, ondo se acham
mais a vontade e mais bem resguardadas do lobo
ou do leao, que a; podem devorar.
Tumai seniido !
indome a exis-
iito em compleu
desembargador
__m I'aoM Mie se tramava, e
Jive por despacho sera ouvido quando hoaver
de responder em juizo civil ou crinunalmenle.
B resultado, oSr. A**, d^u**i mmn*
us us mqoerlios, nao os inaoaou pBfa jaizo,
ues nsaau ao sen suetjisdr
O *r. daaambargidor AM' *^. ^Us
offlcioa publicados, impugoaya despesas feitas por
mi.n.aresidiu-eeoncordou f>m a junta da santa
flasa! fine .BlOTou iniegMmente as comas que
apresentei, sem glosar dellas nm real se quer I
Estesfactos, u3o me poem a salvo da -naligm:
dade ? Nio deraonstram a toda a luz que, refulei
as accusacoes? .
Dado este cavaco, qae vem talvez por demais,
cumpre-me rogar ao redactor da eArmicn qoe, a
men respeito, proceda com lealdadeie nobrea de
cavalbeiro. Nunca pedi o sileneio dos mens ad-
versaries, .nunca erapreguei raelos para qae nje,
poapassem ; peco bole, porera, que nfeauein-rao,
tregoas, mas sejam Raes nas arguic5*s, assuraam
& reapoosabilidade do que esoreverein. 86 por
este modo poderei couvanaer ioxknttkUimin ao
sou e&magavel I
Recife, 14 de marco de 1874.
J. P. B. de Mello Regv.
Mtm Mwionel AdeHrio dosAnxjw, n dte'flfictfo, en'-li-flt> Wmintee co^^tpW*
Jfn'rfoW Jos^ da .liriha Porto, laaaifas-
tou":
a Jose L. Gongatves
iritm, 3 a Jos L.
is'Leite, irmios, i4 a
d-'Oa-
Sob acplgraplio Mais umescandalo nfegiUrar
levaram a Itiwtncta uma noiicia ^ae foi publiea-.
da com reforencia ao escrivio da subdelegacia da.
Boa-Vista, contando se uma historia iespeitada,*
em que se disidentre outraa.que, assnmmdo o sub
delegado o exercicio sera reintegrado em su< fum-
cdee o escrivao demitiido mais tira escandalo a re
gistrar.
Todos sabem e infelizmente paramrm, que sou
o subdelegado e que a.raim se Uingera
Perde quem quer que seja tempo e trabamo;
porque deve aber antes de ludo que rjioaatisfaco
nem nuoca aa*isfiz oapricbi) de gente/numo dt
maiores b sides; que nao sou neranunoa fflt oi-
rigido por pessoa alguma, e qne;assim procedo
semprc com a ju^titja que cojtumo. -
Outros escandalos estao regirados, que pasma-
rio meano a qualquer criancola, sendo como po-
dem ser publicados.
Quanto a cavilosa e exageraii historia que se
diz praticada pelo escrivao, elle la que a explique
como deve : o quo sei por ter visto e qae a demis-
sao foi dada\ pkdido.
E, o meen dos africanos, 6 lem ridicnla, tao ridicula como
quem a proraoveu, e ainda proraove.
Sera bom que o antor de tio nauseabunda his-
toria arrefeca o ard>r juvcnil, porque lhe pode ser
prejudicial outros contos verdadeiros.
E' conselho de mais velho, que toraara se quizer
visto me nao ter pedido. .
Goncluindo, direi que, sera nomeido escrivao
quem fdr de tninlia confiaBc>a ; a este nao ddega-
rei poderes, como nunca deleguei a nenhum outro
para depois, por sua conta e risco pneeder ava-
rtjii arrombameatos, que me podem conlranar,
por se referirem a feilicirtas, que lanto aprecio,
embora sirvam som 'nte para sugar o suor dos
iguorante8.e inexpirientes.
Se continuar a repeticio da lusiorii mat conta-
in dc-floe se servio o noliciador da Vrovincia, ve-
rei se nmmerccc resnoila.; e se ader, sera bem
agradavel. ^-
Recife, 15' de marco de 187*.
Decio de Aquuio Fomeca.
Algo4ao
Ferreira & tU.* to
Gong lives, 26 a So
Moreira Reis & C.
Cera jie caraauba 1% saccos e 8 barricas
& ordem, 3 saccas a t. 0. Lacerda.
Pelha desaruaOba -300 raolbos
dera.
Sal iO alqueires ao eonsignatario.
liiate oaoional Graciosa, eotrado do Ara-
caty eia .16 do corrante e consiguado a Bar-
tbolomeu Loureogo, manifestou :
Algodio 6 saccas a Pogas 4 C. Agusr-
den'.e 1 ba-eil a.Davin & l^ernaudes.
Gar a tie carnaiiba 32 saeos aoi mesmos.
'Gouros curtidos 60 molhos os ines-
mos.
Esteires 96 molhos com ^50 Leao fto-
cba & C., 23tmn 500 a Davio & Fernan-
da, 15 corn *T6 a&nfciiio A. 8. Aguiar.
4?Palha de cMMnSfbe t>moHi0s & ordem.
iP nna de ema 1 pacrile a Davin & Fernan-
da.
Sal 300 alqueires ao eonsignatario.
Vassonras 1 gigo com 1,430 a Datin &
Fernanda.
14D
rc*.^**5*bre c
0 UNION BANK 01
AMD HANSEAT1C BANK,
......
mmtwm a mm
A Pwvmcia
0 chronistn da Provincia, provocado por mim
nccudio a espora, mas do modo a rcvellar-se mais
ensidioso e male.-olo do que o suppunha.
Em vez da fi auqueza, "bu*cou os subterfugios,
ili/.eodo que lhe pedi accasaoSesfrancafl sobre fc-
tos determimdos !
Devo crer que esta coarctada signifioa coafissao
da injustica que me tef. Entretaato para nao d:ir
> brago a toner, daclara-se o echo fiel da publica
opiniao, di. |ue nunca respondi a muitas aecu^a-
fdaa que, em termos claros e precisos. rae lera sido
ffitas p>'la impren-a ; allega que, como proraeiti,
ainda nao destrui as esmagndoras, accusago ^s que
contra m m turmatoa o Sir. dHseiubjrgador Peret-
ti cm rclacao aos ncgoiios do asylo de mendici-
dade I
Bem poleria nio replicar d;sJe qm sobre a
minha interp<-ilaeao nada disse a Provincia ; as-
sim, porem, nai procederel c:n viata das novas
aleivosias a que se soceorren.
Todo o calamniader iaealsa se orgao da opi-
niao puiilica, e e por isto que a I'rovincia eateude
ser public i opined} aqudlo qua nio paesa de echo
de aigun-i maldizfntos. Se dies constituissem a
apmiao publica, mal o muito mal r.-iaria muiia
gedte.
A aceitar-s? como expressio da rordade o que
i* calumniadores inai tuou, nem os lionestissimos
da Prooineia ficarao ileso-, muita coasa feia o le
nebrosa teria de ser posta no o!hO da rua.
Mis a impren-a moralisida, os v-.aracteres no-
hres e leaes nio teem cousa alguma a ganhar com
a defamo^io. E lanto e assiin que a irapreusa li-
noral da cdrte alii esta a roclainar quo nao ata
quem a lionra dos sous homens de posicao, por-
que o ataque nao e ao boaem, e a posicao ; que
aio a.jcusem os seus hoineus aitameote colloca
la', porque nio e ao homem que de:raorali^am,
.' a gloria do paiz que deshtstram.
Entretaol > aqui os liburnes fu&emespirito a ens-
la da reputacaoaiheia, divertem-te com a malegni-
dade e tentam desmoralisar os iiiividuos em suas
posiQOes I
K asiim e que se iaculcara echo fki da puwioa
npiniao I
Nego. porem, o acerlo da rrovincia de qae
nunca me def.-ndi de aecusacoes fraacas qae,
p.jrventura, me tenha feito a imprensa.
Sempre que eoteuJo ne'"?ario a rainha reou-
laeio sabtr a luz d >dia, o teaho foita COiu ppomptie
dao e leaMad-), nujca rae abandonai a gaaa da
inaledicencia.
Quanto ao cancado bordao do aylo de menJici-
dade, devo declarar qua teotio cousciencia de ha-
ver tirado toda a vantage in da dla 'ussao havida, e
os factos ahi estio p ira fallaratn bem alto em meu
favor. .
Ainda hoie, oolerui vuliar a easadisciisaftn, sa o
chronhla da Prooineia, com o seu nome a deseo-
berto, QUifter nella iopenliar se. Tbooo ainda
materia de reserva, que *uaniei ua esperanca de
pode uua dia eotjiidor-iae com uindos priuoipaes
i*entes das urdiduras que contra rnlai- i>rep*ra-
,'am ; a ma.ito gr*> ma dan a o lilustre akronisla,
s,i me da**a easejo de usar d'aqnella rescrva,
N44 ia^wia qua fosse o Sr. d?3einrjaxgador Assia,
llocha, o pr>*sideote que me ocmitlio sem ser a &*
i seroifo gubliw. Etava em iateira dcmlariBOBia I
com elle e entre nos ^neideutes occorrerara que
Comnrcn de Veus
Srs. redaclores : Nao podendo -soffacar os tan-
iimantos de qae estanws.pojsaraos, vtraes hoje arn
uma das colnmnas desle conceittiado Diario, Oar
uma prova de aprcco as bois qualidades do dis-
lincto bacharel Cassiano Bernardino dos Ris-e
Sllva, qae como promotor publico desta comarea,
protisaao que exercen durante o tempo que aqui
esteve. foi sempreeredjr degrande estima e con-
siderai'Io. Tendo esse digno auxiliar di justica
sido removido para a comarea do Limoeiro, os
causou esta sua inudanca profnndos sentimentos ;
porque-esse sympathico e intftlligente moeo, se bem
que muito joven, tempo era que as pawoes mais
se agitam, soube sempre levar-se com prudeaoa
e acerto de justica na pratica dos seus actos, que
tao honradamente pautou aqui sua vlda, quer pu-
blica quer particular.
Todos deste lugar sentem sinceramente a sua
remogao; mas, como foi ella para uma corrmrea
superior a esta, por suaipoBieio e reoureos, o feli
dtam pela boa aeouisiefto que fez. 0 Sr. Dr. Gas-
siano disculpe-nos se nestas poucas linhas, onde
someute manifeslamosos nossos sentimoulos, often-
demos a mode-lia que tauto o distinauo; e flque
cerio de que, ne*ta comarea sera sempre lembrado
com saudades.
Villa .do BajO, '> de marco de 1874.
Os aprcci idores do merito.
Pedido ao Sr. Vicente
Esperamos que S. S., attendendo ao desejo de
inuilos frequentalores o apreciadores da sua com-
panhia, nos de mais uma rcprerenlaQio do drama
Naufragio nas cost da Bretanha.
Um por muitos
Agiin de "lat*ttla de Hurray
liiiMaii.
Inteiramente different a gonerafrdado dessas
intituladas aguas de cheiro e extractor rte esson-
cias para o tftUCador, a< qu es1n|o sao mais que
merae esseneias aromatisadas ; esta rico o delica
do perfume e um cosmetico exce lente, e ao mee-
mo euipo possiie a nt'tiessam virlude de serir
como um grande remedio externo.
Diluide n uma pouca d'agua pura, torna-se uma
excellent e a-/r ulavel lavagem par* a pcllc, re
movendo toda .'.spareza da pelle, maculas, erup-
coes, empinge^, sarda?. etc., iransmittindo em
seu lugar uma clara compleicSo, rosada e linda,
maeia e formoa. Applicada a testa ou fontes,
dis-ipa dores de cabeca, previne desmaios e verti-
gens, dando uma nova vitalida.le rpfngeradora ao
espirito,; empregada como uma lavagem para os
denies e o rosto (lUfiDdo dilui la em agua) 6 de
uma aroraitica fresquidao sem igual, assim como
serve de suavisar e mitigar a ardencia da pelle de-
pois que se haja feito a barda.
SSPACHOS OEIEXi'ORTACAO NO DIA
MAB.CO DE 1S74.
Par* oi portos do exterior.
Na barca franeeaa Jfinerua, para o Havre,
carregou : E. A, Burte 4 C. 5Q0 couros verdes
com 10,500 kilos. ....
Na barca rngteza Her.miow, para Liverpool^
carregou : M. taaati & C.uCH .saccas com 37^524
kilos de algodao ; Keller,& C. \%> ditas com 9,6ofi
ditos de dito; Viuva Basloj 406saccos com 30,450
flitos de assuar maacavado.
fto patacho inglez little Annie, para o Rto
da'Praia, carregou : M. Paes Barre'to 100 barncas
com 15,034 kilos de assuear braqco e 50 diUs
com 6,"7d ditos de dito massavad .
No brigue hespanhol TSicacia, para o Bto da
PraU. cairegou: P- Carijeiro & U 150 barrj0*3
torn 18,680 kilos de assuear mascavauo e SOOdilas
com 34.358 ditos de dito branco.
No vapor francez Erimanthe, para Taris,
carregou : I, if. de Barros Filhos A C. I caixa com
18 abacacbis.
No navio francez S. Louis, para o Canal,
carrejou : Keller & C. "116 saccas com 8,587
Hilos de algodao.
Na barca portugueza J. Adelaide, para Lis-
boa, carregou : A. Loyo 131 saccas com 10,362
kilos de alpodao.
ar,a os por tos do interior.
.Para o Rio de Janeiro, no vapor nacional
Pdrand. carregou: M. J. do Rfigo Barros 1 barril
oom 48 litres de mel e 1 dim com 48 ditos de
aguardente.
Para Grauja, no vapor nacional Pirapama,
carregou : J. Ramos & Machado 2 barricas com
126 l|2 kilos deassuear refinado.
Para o Natal, na barcaga B. Flor, carregou:
A. da Costa Araujo 15 barricas com 802 1(2 kilos
de assuear .refinado e 5 saceos com 375 ditos de
dito branco.
Para Maceio, na bareaca Leopolitna, carre-
gou : Carpinteiro Filho & Sobriaho 50 barricas
com 3.0J0 kilos de assuear branco.
Para Maceio, na bareaca Fere Fago, carre-
gou : A. de Mesquita 1 lata com 15 kilos de assu-
ear refinado.
Para Maceio, na bareaca Joventina, carre-
gou : Faria & Filho 1 garralao com lb litros de
de aguardente. ;
Para MamaBgUap*, aa bnrcaja >Baviagem,
carregou : Fernandas 4 rrttKo 'l^alxa com 44
kilos de doce. L .
Para o R Grande de Snl, no patacho nacio-
nal Francolin, carregou: Anorkn Irmios Ok C.
150 barricas com 14>167 kilos de assuear branco.
Pai a o Aracatv. no hiale nacional Nona Es-
perar.ga, carregou : 'Costa 4 C. 23 barricas com
1.834 kilos deassnear refinado.
Para o Rio Graade da Sei, bo patacho na-
cional Bemfica, carregou : B. Ottveira & C. 50.
saceos com 3,750 kilos de assuear braaeo.
Para o Natal, na bareaca Constancia, carre-
gou : L. F. Vianna 13 barricas com 450 Kilos de
assuear refinado.
Para o Rio Grande do Sul, no navio nacional
Abilio, crreguu: P. P.'Pires Rames 1,000 saceos
com 75,000 kilos de as barricas com 4:857 lpTWlos de assuear refinado.
Para Mamaoguape, na bareaca Flw de Ma-
ria, carregou : J. B. de Carvalho 6 barricas com
360 kilos de assuear refinado.
Lendr
loMBON, O LONDON
limited, e/Tirip caL__
Parlafi 4- fobre oi Moqleiros fOcld
A c, marVdmb ANDREifSLa keli. bl*cque,
VIGNAL & C.
lUHhurgn, Sobre os -Sis. toko
*3BW *ACK 4 MEN S.
IJsboa. Sobre os Srs. ,fon&ecas,
SANTOS & VIANNA, 6 SEBAMliO-JO*i DE
' Porto. Sobre P BANCO uniAo do porto
o Sr. J0AQCIM mnto da fonseca.
Papa. Sobro o banco commercial
do para, e es Srs. francisco gaudbncio da
COSTA & F11, II OS.
Maranhao. Sobre o Sr. josFI fer-
reira DA SILVA JUNIOR.
CearA. Sobre os Srs. i. s. de vas-
CONCELLOS A; SONS.
Bahia. tSobreios Srs. shrinuos & c.
Rio de ianelro. -i-*9bbre o banco
INDUSTRIAL E MBRCANTIL, BANCO NACIONAL e
RANOWE BRASILIENNE FRANCASSE.
wtkmTuwKk
wgttw>6 maritimos wreb-
ti-es estabeleoWa ua- Bafei*
CAPITAL 4,#6t:00te000.
foma !guro de ;iBaraBfloVi|is e dinheiro
,tco m8ritimo em navio de vela e vaporei
ipara dentro e f6ra doitnperio, assim come
:.jontra Togo sobre predjos generos e fa
ondas.
Agetife : Joacjuira Jose Goi\calves BcltrSo
i\s do Coraraercio n. 5, (* anaar.
COMPANIJA
y,heaix Pemambucana.
Torha riscos marRfmos em mercadorias,
fretes, flinbeiro a risco ofinalmentede qual-
Her nalurem. em vapores, -tsrrios ri ela oc
barcacas, a premies muito ntodieos.
RUA DO etfMMERCIO N. 34.
tohert Wfiiitbom^ aM*fA6/ Jose*
Aiutar **)(., ** Joaqoim Goncajvw
11M200, Adriai
mios&C.,'
! Jnaaw, _r ~
dos Santos A|oiariu^.
BeNniolOSJjIOO, "Wjlpps 'Brothtrs *i C^IW*000,
Ifcnrfqne Leger 30o*fllO.
Credores ehirographarios-iJoiolleiaas 385*880,
tJimeiro Sr Nogueira 178#740, Keller &C. .
3:363*440, Eduardo Alexandre Buriefc C, por
conta de hvro 5:292*645, por letra 422*000 ; An-
gusto Cesar de Abren 1:571*910, Lmden Wild
man & C. l:332*290 livro 220*730. por fetra 2.919*320, Mendes Aze-
vedo A C. 6:703^37J, Mills Latham AC.......
7:035*100, Cramer Prey & C. 6:321*510. Mo
nhard MelUer & C. 4:0433740, Antonio Valentira
da Silva Barroca 383*870, Saunders Brothers la
C. 1:540*340, Pereira Vianna 4 C. 4:021*200,
Francisco Gomes de Oliveira Sobrinho, por couta
de livro 311 *70O, por letra ^i0*4OQ, Izidoro Bas -
tos & C. 340*496", Buarte Irnrab'517*9i0, Alcofo-
tinmMSttsmaas&
teiro Cregorio ft C.:fc042*MIS, bemos & Gueri-
neau 3^3*390, AJvas 4 C. 42*iHX), Daniel Pan-
cracio, Wild A C. 2/34000, Hodrfcaes Irmios A.
Guimaraas 6:62fiH0, ftcOa fc & jfif *0*0.
E por este edftai' sao"crtados da reftrtdbs credo-
res para dentro de cinco, dias contadosda aublica-
cio do mesmo, diwrem tobrc a classificacao. E
para qne chejrne ao conhecimeato de todos man-
dei passar o presento que sera pubieado pela im-
preasa e aflixado no lugar do costume.
Recife, 4 de marcdpie 4874. Eu, Manoel Maria
Roirigues do'Naseiinenlo, eserivio, o aubserevi.
Sebastiao do Rego Barros de hicerda.
m$Lm}$& ^a*$&> irbrtio. m~
i!C. 582J990, Cosu Ir4 urt*ct,idfla.
litro flft9001por
3S
ax
Segnfo tnlra-fego
TM HVERVOOI. '& LONDON 4 GLO>
BfSBRASCE COMPANY
ijentes
SAUNDlillS BROTOERS d C
tlCorpo Santo11
NORTHERN.
;auital..... 20,000:0000001
tiiuilo de reserva. -8,,000i0080t
Agwtes,
Mills Latham &
RUA DA CRUZ N.-38.
0 film. Sr. inspector da thetourarla provin-
cial manda fazer publica, que em cumprimento 4a
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 18
de fevereiro ultimo, se ba de arrematar perante a
junta dessa thesouraria, no dia 26 do corrente, a
quem por menos flzer, a obra da factura de uma
bomba para o povoado dos Montes, no lugar da
levada, orcada em 1:903*000 e debaixo das con-
dicoes abaixo copiadas.
Asoessoas que se propozerem a esta arremaia-
cao.-eomparecam na sata das sessdes da mesma
junta, competenlemente habilitadas no dia acima
iudicado ao meio dia.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo Diario tie Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 9 de raairo de 1874.
Clausulas especiaes para a arrematacao da obra
da bomba ou arcada de alvenaria no povoado
dos Monies.
'I.'A obra da bomba ou arco de alvenaria do
povoado dos Montes, sera feita de conforraidade
com o respectivo orcamento, na importaneia de
1:903*000.
2.'-0 arrematante eomecara a. obra no prazo
de um mei e conclurra no de tres mews, coniados
da data do dito contrato.
3/ 0 pagamento sera offectoado em duas
prestacoe6 ignaes na proporci? do servi^o exe-
cutado.
-4.To Jo mais que nao estiver especincado nas
presenles clausulas, sera regulado de conforraidade
com o disposto no regulamento de 31 de julho de
1874.
Victor Fournic, engenheiro ehefe.
Conforme.-Miguel Affonso Ferreira.
Arroz do Idaranbio, Idem
Bacalhao, kik'grao.
Banha de porco, idem.
Batatas, idem.
Chi Hysson, idem.
Cafe em grio, idem.
Carne secca. idem.
Cebolas, wnto.
Farinha de mandioca da terra, Htfe.
Feijao mulatinho, idem.
Fsfelto. sacea.
Fumo do Rio, kilogramme.
Gar., lata.
Hilno, sacca.
Manteiga franreu, kirfgrammo.
Potass?, idem.
Rape, idem.
8abte, Mem.
Sal, idem.
Tapioca, idem.
Touch*o,'idm
Velas de carnauba, kilogravmo.
Vinagre, litfo.
Vinbo tinlo de Ltaboa, idem
Vittw brancB, idem.
Velas steariaas, kilogrammo.
A juuui adminisiraliva do Sam..
cordU do Recife precis* conlralar _
de pao e b eslabelecimenloe pios a i^u carga, xt> trtmeetre-*
abril a junbo : reeebe propoUs a sala de sum
Aessoes, peias 3 horas da urde ao d 19 do am-
rente. -. .__
A juaU admieistrativa da M*M L*-a e wm-
ricordia do Recife precisa i-ontratar o fr.rneciMi
to de assuear rflaado os estabelecimentoa pius a seu carg.) n<> inmetfr*
de abril a junbo : reeebe proposta" s" *'
suas sessdes, pelas 3 boras da larde do OB 19 w*
corrente. ^^
A junu administrative da Sanu uasa de mm-
ricoTdia |io Recife precisa contratar o foraed-
mento de came verde qne lem de consumlr ftMtos
os esubelecimentos pios a seu cargo no trunestra
de abril a junbo : reeebe propostas na sala m
suas sessSes, pelas 3 horas da tarde do dia a ao*
corrente ^ .
Secretaria da Santa Casa de Hisencordia a>
Recife, II de marco de 1874.
0 escrivao,
Pedro Hodrijma de Sotaa
tiiasa de _
o jorneck
re*%srviua
. !.I]
*&*
K't
M5iMCT6 IB
'Navio entrado no dia 15.
New-York e portos iaterraedios-21 dias, vapor
americano SoufA America, de 2,000"toneladas,
commandanteTenklepangh, equipagera 28, car-
tfa farinha de trrgo e outros generos ; a Henry
Forstcr & C.
Naoio entrado no dia 16
Assii6 dias, hiate brasileiro Graciosa, de 96 to
neladas, capitao Manoel Joaquim da Silveira,
equipagera 9, carga sal e outros generos ; a
Barihotomeu Lourenco
Naoios saludos no mesmo dia.
PortoBarr-a porlugneza Diana, capitao Joaquim
M. da Silva, carga a*sucar c outros generos.
Havre-^Barca Traneeza Jean Baptise, capitao E.
Jaeq, carga algodao e outros genero3.
Cdnal -Brigue inglez Dora, capilao George De-
brix, earga assuear.
Rio dc JaneiroPolaca hespanhola Juanita, capi-
tao Pages, earga cattle.
Portos do sul-Vapor americano South America,
commandanle Tenklepangh, carga a mesma
que trouxe dos portos do norle.
capatazia da alfandrga
.lendlmento do dia 2 a 14, 4*EEn?
dem do dia 16 'iT!*. .
10:589*6-9
SESUMCOES.
Hospital militar
Tendo concorrido uma so pessoa ao fornecimen-
t j de sanguesugas de Hamburgo para serem ap
plicadas aos doentes deste hospital, e bem assim
para objectos do expediente, concerto e lavagem
da roupa, eutendeu o conselho deste hospital
adiar para o dia 18 do corrente o contrato destes
objectos, para o que convida a todas as pessoas
que quizerem foaer ditos fornecimentos, se apre-
senlem no iudicado dia, pelas 10 horas da manha,
com suas propostas cm carias feebadas.
Hospital militar, 14 de marc/o de 1874.
0 escrivao
Aveline Preira da Cunha.
~ No dia t7 do corrente, depois de meio dia,
tem de ser vendido pelo porteiro do juizo, a porta
do eslabelecimento de laverna, a travessd ik i'rau
n. 1 A, a armagao e generos nello existeutes, a
requeriraento de Joao de Azevedo Pereira, proprie-
lario do prcdio, e despacho do juiz de direito da
1* vara.
EDii m
No dia 2 a 14
VOLUMES SAMIDOS
No dia 16
*C*-^-*3>"t*--*
,mmm
JUNTA DOS CORRETORES
Praca d Recife, 16 de 1894.
AS 3 HORAS DAT\RDE.
rllf#n orn i'ES
Algodao do Rio Grande do Norle 7*800 por 15
kilas pono a bordo a freie de 3|4 e 50|0
Assuear mascavado purgado 1*900 por 15
kilos.
Dito -dito n. 4 2*240 nor 13 kilos.
Cambio sobri Lisboa a 90 d|v. 103 OiO de pre-
mio, sa'b^do.
a. de Vasconceilos
Presidente.
A. P. de Lemos
Seeretario.
rimeira ports .
Jegunda portn
fbrceira porta .
iuarta porta
r-?4Diche Coneeira"
SSRV1CO MAU1T1MC
tl>arengas descarregadas no trapwi e
alfar.aega do dia 2 a 14.
No dia, 16
Mavns atraeados no trap, da aitaadafi
Alvarengas ........
*lr. traniche C'.oeeicao .
27 383
121
63
83
761
28,611
;>7
57
Pela thesouraria provincial se faz pub ieo
que foram transfendas para o dia 20 do corrente
as seguintcs arrematacoes :
Obra da coberla do gvmnasio provincial, orcada
em 5784600
Dila dos reparos da bon.ba n. 2 no setimo Ian-
r-o da estrada do sol. orrad.i em 1.012*000.
Repa-os da capella da cada de detenciio ox^-
dos em 1:4785000.
Obj.-etos do corpo de policia.
lllumiuaeao da cidado de Goyana orcada em
28*i rs. -liari^s p >r cada lampeao.
Secretaria da ihe-onraria provincial de Pernam-
bnco, 9 de marco de 1874
0 eflkial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
RKCEBEDORU DE BENDAS r;i.UNA;KE-
RAES DE PBRNAMBUC
^pdunsnto do dia 2 a 14. aii&*S&
-, dij 16 2j622*0o0
37:96.^292
CO.VSITLADO PROYINClA#,
Rendimento do dia 2 a 14.
Idem do dis 16
AUFAVDEGA.
Readimenw dtj dia 2 a 14. .
idm do dU 16 .
464:116*276
62:634*924
5*6 788..2O0
RECIPE
^andimtnto do dia 14.
'rtem do dia 16. ,.
DHAINAQE.
63:513*792
5:584 i247
69.098*039
601*014
46*875
derarn lugar a minha deini'sao. 96depoi* della, em
^ecordo, aqnello ex president! o o Sr. Dr. Pdrulli,
tnimados ambos de odws e rauoores, U\ .luesur .
giram os intefrogatorios o posquizas InqueH-' ;
Descarregiini r.^jo 17 de marco de 187 i.
Barca dinamarqaeza-Farur(atraeada) raerca-
dorlas rnra alfandega.
Patacho hohande -Aiudie (atracado) mercado-
rias para allanJega.
Escuna rngieza Flvcncc mercadorias para al-
ftrade^a
Barca ingfeza d^lrm -mercadorias para alfan
de?a f m itriaes pam aeraprpza da com-
panftfn iVo'-iiotora, notraplche Coucei;io
pam despachar.
It Brigue fran-ez Mines de Soum ichs u. 2'*- mor-
ria? paraalfaiidBga, carva> aok4a des_
pach.Jjj tiara.o ca-jf do ApoUo, e uwl*-
riae.-: para a emp'reza da eampantMa k>-
conipL..'a, ji d.-paciwdos para o ca/a da.
Comua,nhi> periiaiabuoaBa.
Barca aornega' Capella ma himsmo, ferrp,.oi-
mmit'j t saUtre ja uospaeaados parao.
c?e* di> Apt44<.
H'uto naci mal Adelina d t Au[os gpnems n%
i'i.mae.1- ptr.i d|p-Ho- no aizea df
Aa7T I 1T *f -
Barca- inglez tC irrisbrook carvao ja despchaaa-<
par-, terra.
Oarca inglfza Hbwini eawao ja dpspac ado
para terra.
SEGDROS
1IAIIITH10S
OONTftA O FOQO
A v.ompanliifl fiiiiomiiisadora, estabelcld
ista praca^ toma segoros maritimos sobr>
lavios e sous carregarnentos Q cotltra log'
in ediflcios,' la^rcaddriap motoilia*: '
i Vigario n. 4, pavjowoto ierreo.
0 lllm. Sr. inspeol'r da thes mraria provin-
cial manda fazer publico que em cumprimento da
>rdem do Exm. Sr. presidente da provincia d-o 7
le Janeiro corrente, perante a junta desta thesou-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pro-
ximo vindonro, a obra da ponte deneminada ^Pao
Sangue snbn' o rio Serinhiera. orcada em 9:570*,
a&gos em apolices da divida provincial a juro de
7 por coulo ao par.
As persons qaese propozerem a esta arremata-
i-ao oompafecam na sala das sessoes da mesma
thesouraria n.> dia indicado acim.i, pelo meio dia,
eoirtpMcntemeiiie habilitaftas.
E-para constar se mandou pnbliear o presente
delo Owrfo de Pernambuco
Secretaria da thesouraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874.
Victonano Jose M. Palhares,
Official maior interine.
Claumlas especiaes para a arrematac.ao da ponte
denomraaaa Pao Sangue sobre o rio Sen-
nhSem.
i. A ponte denominada Pao Sangne sera exe-
critada de conforraidade com o orcamento e plan-
la approvados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
viaca,no valor de 9:6704.
8.' 0 arrematante dara priuci)iio a obra no pra-
zo de um mez e a coucluira no de 12 mezes.
3.* 0 pagamento sera effecluado em 3 presta
poes iguaes a proporcao da tabella execulada.
4.' Para tud i j mais que nao se aehar especitt
cadosera reguladp clo que dispdeo regulamento
de 31 dejullio dej,6$.-0 engfenheiro ehefe, Jo-
se Tiburcio PereirVde MagaKaw.
Vicloriano Jos6 M. Palhares.
Oonsulado provincial.
Por esta adaiinistracao se faz sciente aos deve-
dores da companhia Recife Drainage, a por tana
abaixo iran-cripta, do lllm Sr. inspector da the-
sonraria provincial, prevenindo-se nao so qu 0
prazo fatal principia a ser contado do dia 11 do
andante mez, como tambem, que somenle agora
se abrlo a cabranca dos encmamentos e difTerenja
dos precos de app'arelhos.
0 inspector da thesouraria provincial remetten-
do ao Sr. administrador do consUlado provincial
as folh33 junta* de coulas de nppirelhos, encana-
mentos e annnidadfes, pelo servigoda Recife Drai-
nage Company, perteneentci a primeira remessa
ja existente nessa repartiqao, e ora devidaraente
liquida'dos na forma do aecordo de 15 dc dezem-
bro proximo passado, recommenda a S. S. a ex-
pedicao de suas ordens, para que se abra inconti-
tinei'ite o prazo da respecliva cubranca por 30
dias uteis improrogavois.
Na publicacao qne houver de fazer nesse sen
lido, raandara S. S. declarar que todos os que ja
effectuaraiu pagamentos na rado do 505 por
apparel ho, com obrigacao de satisfazerem a diffe-
rent de 20J direetamente a companhia, e que o
nao'fizeram, devem agora realita-la nessa re.ar-
licao, naquelle prazo. uma vez que pelo refondo
aecordo passou a ser feita tambem essa cobranca
pela fazenda
Thesouraria provincial de Pernambuco, 10 de
marco de 1874. Antonio WitruVio Pinto Bandeira
e Accioli de Vasconceilos.
taesa do consulado pravincial, 10 de marco de
1874. .
No iropedimento do adrainistrador,
Eduaido Augnsto d'Oliveira.
SANTA CASA DA MISEK1C0RDU DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa cam 4*
Jlisericordia do Recife, manda far publjeo qw
ja sala de suas sessoes, no dia *2 de marco pc-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
juem mais vantagens offerecer, pelo tempo de r
i tres annos, as rendas dos predios an segu*
leclarados._______
KSTABLLECIKENTO DE CARTOADE.
Travessa de S. Jose.
Casan.ll.......I MtfWO
Rua de Santa Rita.
Idem n. 34 fechada o .. 26**000
PATRIMONIO DOS ORPH.lOS.
Pateo do Paraizo. ^^
2." dito dtto .... 300#00
Rua da Senzalla velha.
On terrea n. 16.......20WO0O
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......nt0M
Rua da (*uz
Sobrado 14 (fochado) .... l:000*0f
Ruo do Pilar.
Casa leirce n. 100......S412*
Idem n. 102 fechada......241*wO
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. I"......381*000
Os pretendentcs devnrao apresenlar no aeto da
irrernatacao as snas tianca, ou compareeenB
w>:npaBnados dos respettivos Badores, deveudo
pagnr alem da rend a. o promio da qaanlia MB
rae for seguro o predio que cntiver estabdeea-
nento commercial, asalm como o servico 4a lia-
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da niisericordia do p-
ilfe, 2 de marco o de 1874.
0 escnvao
Pedro Rodrigues de Souz*.
Armazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o Togo
A companhia pernambucana, dispondo de tx-
cellentes e vastos armazens em sea predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em feral
para deposito de geucro-, garanUndo a maior con-
servacio das inert vJorias depo.-iudt., sorvito
prompto, pre<;os niodicos, etc.
Tambem recolhera.mediante preyioaecordo,ex-
clnsivamentc os generos de uma so pessoa.
Estes armazens alem de arejados e com mam,
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas quo quizerem ntiliar-se destes ar-
mazens, pederao dirij-'ir-sc ao es rird.Tio da
panhia peruainbucana. qne achaiao com
tratar.
do
Santa Casa da Uiserieordia
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, urecisando fazer os concertos
le que necessita o predio que possue o patrimo-
aio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se prnponha a rea-
lisar dilos concertos, raediante certa renda e al
guns annos de prazo nara desfructar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
*uas propostas em cartas fechadas, devidaraente
selladas, acompanhadas do respectivo orcame ;to
aesta secretaria at6 o dia 19 de fevereiro vra-
douro. ..... ,. ,
Secretaria da Santa Casa da Misencordia dfl
Kccife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Itodrifraes dc Sonza.
.-. j
IT
. Derdem do lllm. Sr inspeeior da thesou-o
rbrtia de fazenda deatt provinbia se faz pnbHcoo
para conhecimento de qitett rinteressar, que n,
diai 18 do corrente rae*, pelas 2 boras da tarde,
perante a juuta delawaAa, ira praea para ser
arreiuatada, por quem mni vantagans OflaJreeer a
ifmaf^ilada dos reparos naesssariofl a casa em ^ue
uaeiiyna a recebeJoria.- ,
Qs. propooeujia dewnw, em carU feobada,
apresenlar >ua pr.ipostaK, devidameute sellada*,
'aa-iguadas por elles e sens fladoraa; podeado
d^ede ja examinar a r spectiva pUBta-aargamen-
lajMa lbes actio Iraa^ueados oesta secreiawa.
SfccreUria da luesou*ia de Pornambiicoy te
Lmatco.de 1874,, ...
'0 2. escjVpturarjo. #rviado de secretoMO,
Carlos h de Souz! tiorwox
praio, a voHtaae do tomaaor,1 SbDfe as
Tgiiirites praoas ostrangeiras e nacionaes ;
.Aiigflslir-F. d^Kwin Ifi.
A casa commerciul a batwaria dfeA,u^i*l#-
a d'Oliveira &-C, a rua do Commercio fls1
42, encarr.'ga-se do GxecuajSo do ordens
para cmbarr|U8 do prudocias 4 db-foifes o-
mais negociofc da ooimaisste, <^e6oinloer-
liais, quer pam-arios.
Ujeonta lettraB, o toma diobairot i
nai^, compra cambiaes, e^K # l^^ ff*FlIa&W* ***** ti}Wt~Wtu>
prato, d vontade do tomarftr,- ^jbfe'ai *en dVt ,lva eAWam^WlWO, frime1co fe C. Martins
a Dr. Seba^tiio do Rego BarnM a**aberd|, jftft
.'da direiioWla^<**^^I^',**?do
fccifo e sen lerroq^oa^l daprovintia da-Per-
nimbuco, fior Ka. I. e constitucionala Sr. D,
Fic*^oi'e* die- e' pr^eute e^aj'yffem'ou.
dellJwiieja*tl*eWai, -tfna.tWos admWIsftWtores
.<*& foa^h felWa 1-ttdes ttA-ajrft*mft
-""is kfiiwentada a seiuinte alassifica^ao dos credW
assa
1216*608, Francisco-Barros Pereira 19*ooOt Joao
SANTA CASA DA itflSMRlCORDlA DO
RECIFE,
Vcnda de predios
A Illm. iunla admi.iistrativa esta Saula Casa,
devidaraente autorisada pela pre-ideacia, na sala
de suas Sessoes, peas 3 horas da tarde do dia 25
do corrente, Ten le ou permuta por apolices da
divida publica o> seguiales predios, pertencentes
ao legado dfe Joiquin da Silva Lopes, de que e
adniimstradora : Forte do Ma'tos, metade do so
brado de 3 andareS n. 17, por 8:500* ; becco de
Abreu, 3' oarte do sobrado n. 1. pur 2:666*666
rua da Juia, sobrado dadous andarajs u. 6i>, por
60000* ; rua de s. Joriie, ca teraea n. 92, por
1:400*, sobrado de drrt 5nd"ar iJ. 30, por 2:000*.
dito meia-agua por 5'K)*; rua dos Guararapes,
casa te rea n. 65, por 1: 00*; rua ds Acougui
at6s, eosa terrea n. 26. por 600*; Largo da Cam-
pina, dilan 3. pur 4004; rua da SoT-jdada, dila
a. 72. por 700*; beCco db Texwa, eOa n. o,
por 250* ; largo das Craco '.'oatas, lerreno, por
-lc00O* Secretaria da SaMia Casa da Misencordia d(
Racife, 14 de revere!-o de lTi.
Oe*ofc*W>
Pedro Rodrigues d Sapta*
Saafa Gaa de Misericordia
do Recife.
A junta administrativa da Santa Caia de Mise-
ricurdia do R-cife precisa contratar o f irnecimen-
TO dos.gVberos abaixo declarados, quo leern do
conjumir Os e^abeleciraento* pios a eu cargo,
axcaotuando o bospital Pedro Hr no lrime*lre
de abril a Juno > vmd.wro fle^ho prbpastas na
sM'a de suds'sessSes, pelas J horas dalartte do dia
ly do corrente :
Alelna, kilogrammo.
Ikxlnrugao ? /.
Pela contadoria da camara municipal desta ci-
dade, sao chamados a virem pagar a bocca do
cofre, do 1 de marjo vindouro, lodas aqu-Tlaspea-
soas que se acham sujeitas ao pagamriiti d >- m-
postos crealos pela lei provincial u. 1126 de 18 do
junho de 1873, relativamenlc ao exercici i corren-
te de 1873 a 1874. enjos sin o* s.Riiinle^ : for a
e laudemios de terrenos muuicipais ; 2*5uO sobr
estabeleciflaenios qne venlcr espiriin; 3* por
cada licenca que tirar.'in as b a iras para vea-
derem dentro d< muni-ipi", e de :i0* p--!..s ra-
cates ; 6* por cada carroca i vehirah empre-
gado nos servicos da cidale. %ill-
100 rs. por palmo de lerreue dentro da cida.h> j
Recife e sens soburbios. que nii eslja edin^jla
ou cultivado, embora e conserve murado ; T'*
por cada casa ne sobrado na n lale do Raeifa, mi
conservar varan ia ou sacada da madeira; 10*
por cada ca var estragado, e XSHOQ por cada casa lama cm
i.-uaes circumstancias ; 10* p.>r cada ca-a i! -
brado cas ruas quo ja foram caicadas, qne n
tiverem os passeioa a ella rorresponoVn:.-,
no mesmo nivelamenln c alinhameuto dos oaa ja
tiverem sido execulados de conf-rmidadc coin a*
po-turas uiunicipaes, e ?>* por cada ea>a i rr i
nas mesmas condi..^'-s : !* por eada casa dc so
brado, cujos quinines deiteiu para oatras r.
nao estejam murados ate o respildo do paumento
lerreo em forma exterior de edidcio, c o*OJ0
cada casa lerrea em identicas rimms aci is .
60 r-. por palmo d: terrcao uoa povoaaoa da Mag
dalena, Capunga, Chacon. Casa Foi U>, I'uco da n-
nella, Caideireiro, Moiitfiro e Apipueos, que
esliver murado ou ecreado; 40 rs. por palmo de
lerrenocm t"d: a extencao da cidade do R^ife a
Apipucos, que nao esiivtr n.urado, exceptaaado-
se os terrenos quo tiverem -ercas nalivas em b >m
eslado de conservacao; 20* por calabaixad,'
capun denlro da cidade do ecife : 10* por cada
mac ia a vapor, a-mtada na cidade do Recife
nara quilquer mister ; e fiaalm -nte o imposto de
45 p..r eada ea a de negocio nas cidaJ;s, villa.-.
soburbios e powwif^ta, devendo, porem, os cjntr:
buintes, quando liverera de pagar e-la imposto, a
apresenlar na contadoria o conh'rimento do tm
posto geral sobre indusUia e pn OsM, afa de
provar ter assim sstisfeito o refcrido iir.
geral.
Deckiragao n. 2.
A mesma contadoria da camara municipal d
cidade scientitica a todos as dhnos de diTerso? e-
tabelecimentos de porta aberta, a virem pagar o>
imposio-. atrasados que se acham a aever, d^*
exercicios pas-ados, bem como os deawfe in.pos-
tos acima especificados.
Conudona da camara municipal do Recite, T7
de fevereiro de 1874.
0 con! L:
llypolfco t..4e Vas- lo-A. araatiao
s uta
i
to
d "rlisen
Rer-IV.
Bn visra da ordem di I'lwa junta *d-nini
tiva sao eonvi.lad-.>s os parpntei l..s menircs l_
wif acionadas a virem r-lira-las do c IlegJ. da
orph5. por ;a terem at'ingit.* a idade mareada
no respectivo regulamento, earharem-s* com sns
educacdes terminadas. A|:ieflas qnn nao forcrn
i e'.iradas dentro do prazo de N ****, cWl i los da
data do prewule, seran entregiret, d nrwrd*
com o 3 do art. 48 do roa;uo regulaaiaat-s a
familias bouestaspara abi se empragarem aa
vino domestico.
-euhorinha dos Santos, flha le Jdw loat,
dos Sanus e Aut->ma Maria.
Lcopoldiua Ma,aa da Paixao, fllna da Clara 4m
Je-us.
Maria Eliza Alves, ulna de Joanna le tal
Valeriana dos Santos, fllha de Joaquim dos Saa-
tos e Maria Margarid*
/ *



-j-




PeraaiakK
de
m rataneaBm Csvalcsnte, nfna
Mrn Cavaieante e Rom Beterra de
Mftiina Lacerda, filha de Pedro Alexandre
Lacerda Anna Francisca Pae* Barreto.
Josephs. Lima, filha de Joaquim Lima tie Oli
y**r e Joanna Maria.
Minervina, filha de Jos6 de Azevedo -e Antonia
Qoerubina de Azevedo.
Candida, filha de Vital das Cuagas Ceeiho e Car-
ol* de Lacerda.
Rosa, filha de Antonia Joanna de.Barms.
Dionizia, filha de Vital das Ghagas Cealho e Car
lota de Lacerda.
Antonia, filha de Manoel Felix Barbosa e Mar-
Gulina Guimaraes.
Adelaide Praiicisca da Silva, filha de Francisca
de Assis.
Alexandria Maria, filha de-FelippeHartinbo do
0 e Maria Joaquina do Esptrito Santa
Rosa, filha de Antonia Joanna de'Barros.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 13 de marco de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
^jCompanhia Allianca Maritk
ma Portuense.
fesa de navrQ-nnn ml re
> *e navrSHcan
Portugal e Brasll.
A barca portugueza loce* Adelaide, recebetw-
ga afrete para os portos de Litbna e Porto, de
wada seguir com a maxima brevidade ao eea
destrno : trata-se com os respectivos consisnata-
Jios Jose da Silva Loye Filho.
IHIOES.
S
Luso-Brasileira
De ordem da presidencia convido aos senhores
soaos para assistirem a sessao magna, inaugural
da imagem do nosso padroeiro e venerando pa-
triarcha S. Jos*, e do retrato do illustre fandador
dasta associacao o Dr. Agostinbo Maximo Njguei-
nJPenido, no salio de honra, pelas 7 horas da
ttrde do dia 19 do corrente ; e amplio o mesmo
eonyite aos senhores candidatos que tera de pres-
tax juramento e inscrever-se no grande catalogo.
Secretaria do conselho fiscal da scciedade be-
nefleente Lpso-Brasileira em Pernambuco, 10 de
marco del874.-
0 1 secrerario
Joio Martins de Andrade.
Quinta-feira t9 do corrente, pelo juizo da
provedoria, escrivao Xunes Ferreira, depois da
respectiva audiencia, serio arremattados os pre-
dios pertencentes ao e.>polio do finado Dr. Anto-
nio da Assumpcao Cabral, a saber :
Dnas tercas partcs do sobradinho do dous an-
dares, na freguezia de S. Frei Pedro Goncalves, a
roa do Campcllo n. 2, tendo 38 palmos do compri-
mento e 19 du largura, com uma sala e um quar-
to em caJa andar, cozinba interaa e andar terreo,
servindo de deposito de ferragens, sendo o fundo
do sobrado entaipado e em mao estado, avaliado
em ana totrhdade em 5:000*, sendo que as duas
-tercas parte3 tem o valor de 3:333*331
Uma casa terrea de pedra e cal no lugar do
Barro, fregue2ia dos Afogadas, com 3 janellas de
frente, portao de madeira ao lado, duas salas, 2
quartos, cozinha, quarto junto e despensa, com
26 palmos de largura e 58 de comprimento, sita
em terreno foreiro, com 690 palmo3 de compri-
mento, e 39 de largura avaliado tu dos quaes se abate 559*023, pertencente aos filbos
de Alexandre Jose da Silva, licando o restante
que tem de ser arremaitado no valor de 2:4403977,
Um terreno foreiro no mesmo lugar com 690
palmes de comprimento e 193 de largura, tendo
2 casas de taipa em mao estado, undo cada uma
delias 44 palmos de comprimento e 24 de largu-
ra ; uma delias tem duas salas e 1 quarto, e por-
ta e janella na frente : a eutra em caixao, com
porta e janella na frente, avaliado tudo em ....
1:000/.
Uma casa terrea na cidade de Olinda, no lugar
Paco do Castelhauo, hoje rua 27 de Janeiro, fre-
guezia de S. Frei Pedro Goncalves, n. 1, com 58
1|2 palmos de comprimento e 29 i|2 de largura,
com uma porta e janella na freute, porta e janel-
a no oitao, duas salas, sendo a de detraz assoa-
Ibada, sob a qual existe uma loja, 4 quartos, co-
zinha rateroa, quintal muradu com 60 palmos de
extensao, cacimba, um terreno ao lado do norte
com portao, avaliada em 2:500/.
Recife, 16 de marco de 1874.
Macario de Luna Freire,
Procurador.
ilffte
**
COMPA.MIIA
JHESSAGERIES MARITIMES
Linha ntensal
ERYMANTHE
Espera-se ;dos poitos do sul do dia 15 do cor-
rente em diante, seguindo. depois da demora do
costume para Bordeaux, tocando em Dakar (Go-
roe) e Lisboa.
Para rondicdes, fretes e passagens, trata-se coi*1
OS AGENTES
Harismendr A Labille.
9 Rua do Commercio 9
LEILAO
DE
uma casa terwa a 214, com duai -freutes. umi
para a rua de Vidal de Nt-greiroa, e outra pan
a rua Augusta, tendo sala e 4 quartos, em ehao
proprio, e estt livre e desembavacada de todo e
qualquer uous
Quarta-ieira 18 doeorrente
Ao meio dia
0 agent* Tinho Borges, basiarrie autorisado, le-
vara a leilio a rtara acima sitada, am su escrip-
torio, a rua do Bom Je.us r M, ijirlmeirn andar.
06 prttendentes_ podem desie ja examina-la, e
qualquer declaraQao roUtiva, o ine>mo acciik' po-
de dar.
LEILAO
No dia 20 do correuta vio a leilio todoa os
Objectos dados em penuor que estiverem renci-
doi, salvo aquelles qua ate aquella data Darem
oa premtos vencidos. ^*
Traversa da roa das Crazes n. 2.
LEILAO
DA
arma^ao, generos e utensilias da Uverna da rua
da Penha it. <6
Quurta-IVirn IS doeorrente
1J 0 ageme Martins fara leilio, "corapetentemente
autorisado, d'armacao, generos e ntensilios da ta-
verna da ma da Penha n. 6, a qnal se acba sorti-
da e afreguezada, egarantese a casa ao compra-
dor do estabelecimento.
DG
dons siMosoein casas de pedra e cal e 1 terreno
Sabbado 21 do corrente
0 agenle Martins fara leilao, torn autrlsac4o
de 1 MtHian Torre, com casa de pedra e cal, mui-
to bem onservada, onde mora o Sr. Andre" de
Abr forto.
Um dite n'Apna Fria, e.im casa nova de pedra e
caL defronte do Sr. Havio Catao.
Um terreno no lugar da Torre, dofronte da Pome
dXJcboa.
mo agente, qne dara as infrrmacoes necessarias.
No armazera da rua do imperador n. 48, as 11
horas do dia.
Agente Dias.
LEILAO
Principiara as 11 horas.
PACIFIC STEAM NAVIGATION
PANK
ROYAL MAIL STEAMER
COM
POTOSI.
< ommandante Shannon.
espera-se dos portos do sul ate" o dia 29 do cor-
rente, e depois da demora do costume, segoira
para S. Vicente, Lisboa e Liverpool, para onde
recebera passageiros, encommendas e carga a
frete.
Xao sahira antes de meio dia.
OS AGENTES
Wilson Rowc A C.
14RUA DO COMMERCIO14
leilao
DE
3 caixas com papel maiz, para cigarros
AVARIADAS
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
6s 11 boras
0 agente Pinto fara leilao, por autorisacio do
gerente do consulado de Franca, em presenca de
seu chancellor, e por conta e risco de quem per-
tencer, de 3 caixas marca L R contra marca F,
ns. 1,254, 1,256 e 1,257, com o conteiido acima
mencionado, avariadas a bordo do vapor francez
Mendoza. 0 leilao sera effectuado no dia e hora
acima mencionados, no escriptorio do referido
agente, a rua do Bom Jesus n. 43.
Grande e importante
LEILAO
DE
Sociedade Propagadora da
Instruccao Publica.
Teve lugar, como foi annuciada, a abertura da
aula pnmana para o sexo masculino, no dia 2
do corrente, a rua 24 de Maio, outrora Praia
do Caldeireiro, onde funcciona a mesma aula.
Os interessados podem dirigir-se a casa d'aula,
ou a rua do Bartholjmeu n. 53.
Secretaria interina do conselho parochial da
Propagadora da Insiruccao Publica de S. Jose, 10
de marco de 1874.
Jos6 Bandeiri de Mello.
_ _____Conselheiro servindo de secretario.
Correio geral
ReUicao dos objectos regislrados existentet
na administrapdo dos correios desta pro-
vincia, para as pessoas abaixo decla
radas :
Antonio Jose Francisco, Antonio da Silva Fer-
reira Junior, Antonio LuizCaelano da Silva, Ame-
nco Vespucio .Moreira de Almeida, Carlo Simoni
Chnsolilo Ferreira de Castro Chaves, Do minims
AntUBes Villaca. Edouard, Francisco Xauer Ca-
valcante Lins, Francisco Domingos Ribeiro Vian-
na, Goncalo Jose Alfonso, Henrique Bernardes de
OUveira, Hercuiano Marcos Inglez de Souza, Igna-
cio Nery da Silva Lopes, Joao Marlins da Silva
Loutmno Joaquim Nolasco Pereira da Cunha,
Joventino Lins Themudo, Leonie, Lourenco Jose
de Figueiredo, Maria Carmelina Barbosa de Souza,
JHanoel dos Santos Pimentel.
Administragao do correio de Pernambuco, 16 de
marco de 1874.
Jose Candido de Barros
Encarregado do registro.
COMMIA BffllAilA
DE
N\\EG\C\0 \ WPOB
mmik
Unceid, Penedo, Aracajn
e Bahia.
E1 esperado dos portos do sul ate o dia 21 do
corrente o vapor S. Salvador, o qual sahira para
os portos acima no dia seguinte ao da sua
gada.
Recebe carga,
aheiro a irete.
AGENTE
Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo
57Rua do Bom Jesus 57
no dia seguinte ao da sua che-
encommendas, passageiros e di
Porto por Lisboa
A galen portugueza Firmeza, tjue se espera a
todo o momento do Rio de Janeiro, seguira pou-
cos dias depois de sua chegada para os portos
acima, para onde recehe ainda alguma carga a
frete barato : trata-se com Silva Guimaraes & C
praea do Corpo Santo n. 6.
Rio de Janeiro
Para o referido porto pretende seguir com pou-
^a demora o patacho brasilciro Arabe, por ter a
maior parte de seu carregamento engajado ; e
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com os consignatario? Joaquim Jose Goncal
v.-s Beltrao & Filho, a rua do Commercio n. 5.
moveis, louca, vidros, permmarias, miudezas, ma-
chinas para cafe, caixas de Flandres para con-
feitanas e uma machina para cortar furno
Quarta-feira 18 doeorrente
A's 1 I horas < a marha
No armazem da rua do Vigario Thenorio
n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
eonta e risco de quem pertenco'r, de 1 mobilia
de jacaranda, com tampos de pedra, 2 pianos in-
glezes, de mesa, 1 mobilia de junco, corn tampos
de pedra, 1 dita de amarello, I secretaria de dito,
1 nca toilette de jacaranda, 1 rico santuario de
dito, 1 guardalouca dc amarello, 1 guarda-vesti-
do de dito. 1 guarda comida de megno, 1 dito de
amarello, 2 quartinheiras, 1 cabide, 1 carleira, 1
par de cadeiras de balanco, de vime, 1 par de
consolos de amarello, 1 apparelho pira janlar, 1
dito para almoco, 12 pratinhos para bolinhos, uma
poicao de musicas para piano, uma percao de li-
vros de poesias, etc., 2 mesas redondas, 2 mesas
de pmho, 2 aparadores, 2 meias commodas de
amarello, I commoda intcira de dilo, 1 par de ca-
deiras de balanco de jacaranda, 1 dito de ditasde
amarello, 2 bancos para piano, 2 toucadores de
jacaranda, 1 dito de faia com pertencas, 2 mesas
pcquena*, uma porcJo de botoes para punhos, 2
mcsinhas para tomar caf6, cadeiras, marquezas,
marquezSes, camas francezas de amarello e mog-
no, camas de ferro, e muitos outros artigos que
se acharao presentes no acto do leilao
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
A's 11 horas
V RUA DO VIGARIO THENORIO
ARMAZEM.
Pelo preposto tana.
DE
locomotoras e carros do syste-
ma Thomson, ou carros de
borracha
No dia 15 de abril.
Em virmde de nao se poder.disp6r de boas es-
tradas de rodagem nesta provincia, os possuidores
do material acima mencicnado estao resolvidos a
vende-Io todo em leilao ou separadamente, confor-
mese convencionar.
0 emprego destas machraas em grande nnmero
do paizes da Europa, Asia, America do Norte,
onde ellas tem suhstituido os antigos systemas de
transportar cargas pesadas, disppnsam os seus
possuidores de encarecerem a sua grande utilida-
de, como meio de transports economico e commo-
do para os engenhos, e toda sorte de propriedade
agri ola ou industrial, que disponha ae planicies,
cuja situa.So dos respectivos deoositos ou arma-
zens Gquem distantes do lugar de produccao ou de
fabrico.
Estas machinas podem trabalhar como machi-
nas fixas, para o que tem competentes volantes, e
servir para serrarias, enfardamento de algodao e
fazcr mover toda a sorte de apparelhos, etc., etc.
0 materia 1 consta do seguinte :
2 locomotoras de forca nominal de 8 cavallos
cada uma, com caldeivs verticaes e fornalhas
quadradas e oval, podendo queimar earvao ou le-
nha, com fumigadores e cinzeiros, dispostos de
sorte qne se previne qualquer accidente de incen-
dio. Estas machinas possuem todas as pecas in-
dispensaveis de sobresalentes, e saO comptetas a
todas os respeitos, estao novas e em perfeito esta-
do de consenacao, visto como, apenas trabalba-
ram o tempo necessario para se demonstrar pra-
ticamento as suas vantagens.
6 carros solidamente construidos, suspenses em
excellentcs molas, sendo dous com portas late-
raes, dous com ditas na parte posterior e dous ra-
sos, proprios p;ra transporte decaldeiras. moen-
das. etc.
0 leilao sera eiTcctuado pelo agente Pinto, a rua
d'Aurora n. 91, estacao das ditas machinas. e pe
las 11 horas horas do dia 15 de abril.
Da se t"dos os esclarecimentos a rua do Bom
Jesus n. 8, primeiro andar.
Rua do Imperador 41
0 novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento eom o Cm d
conservar oscreilitos de unico neste genero. b m reformalo e melhorado compIeUmeote
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedi.lo para rs provim-Ue do norte e in-
xerior ilesta, g^rantu.do perfeito em todas as pr.-p-racoi s, aceio modkidade bos nror-fx
compauvel com cste genero da drogas. Pr*r.
Rh. !tSreraj V0''0 "10,Ilenl uma grande retnt-ssa de pharmacia homeopathica de J
RnW *Mi L?ntJ^es- cpmposti de medicamen'os, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Rhus.de Buyonia, de Arnica e de pds especiaes para dentaa. wm
Tqm a* disposicao dos amantes da homeopathia excclknte, obra do Dr Mnra Me
lleo do povo, ji em.3.a edicSo.
Tem carteiras de globulos e linturas de 12 medicamentos ate 120, a escolha do com-
prduUrB
Plumeria, para mordedura de cobras-
SeracenaI
I Para bexigas como prcsermtivo.
Vaccina (
China cruzeiro, para intermitlentes.
Schynus, para anginas.
Calendula, para qxteimaduras.
Taraulula, para paralysia.
Tintura mai d'arnica, para conlusdes, cor-
tes, etc.
A CIIEGAREM
Chorolate homeopatbico.
Cafe homropathico.
Elor d'araruta.
P6s para dentes, inglezes.
I
Jeric6, para rheumatismo.
Matla-matta ou jaboti, para losses.
Espirito
ra.
rJc Hahereman
ou
de i:?'!,
Opodeldock d'Arnica.
Dito de Rhus 1
>para rhematismo.
Dito de Bryonia)
Acha-seconstantcmente d testa do estabelecimento e
pararoes o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Sautos SIcllo
Cactuc grande fldrus. para pneumon* '
moleslias do coracdo.
inspr-c -ionau-lo tod
is
.
GOiNSULTOltlO HOM EOPATHICO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e a noitc nib 9 horas
aos pobres.
1S0S Dlk'RSOS
N. 11,
Pes-
PARA'
Segue com brevidade para o referido porto a
e.-cuna Gcorpiana, tendo ja parte de seu carreca
memo engajado : para o res to, trata-se com Ta'sso
Irmaos & C, a rua do Araorim n. 37.
Attencao.
Precisa-se com urgencia de uma ama de
leite, que seja sadia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianga de dias, dando-se preferencia a mu-
lher do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias appare^a no 3. andar desta
typographia para tratar.
CASA DA FORTIA.
AOS 4:000^000.
BENEDICTINE
LICOR DOS MONGES BENEDICTINOS DA ABBADIA DE FECAMP
Este celebre licdr tao
appreciado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje em todas as
boas mezas, tanto no
Restauran'te como no
jantav domestico; nos
grandes hoteis como nos
saloes dos principes, por
isso 6 elle tamben o ob- \
jecto de numerosas imi- *.'..
tacoes, cuja maior parte I
de falsa provenencia.
ADMIMSTRA AO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO, 16 DE MAIO DE 1874.
Faco publico que do dia 18 do corrente em
diante sera expedida mala para a agencia do cor-
reio ultlmamenle creada na villa de Santo Amaro
de Jaboatao, cuja fxpedicao sera feita diariaraente
e a correspondence recebida nesta reparlicao ale
a3 8 horas da manha.
0 administrador
Alfonso do Rego Barros
Para Lisboa
0 patacho portnguez Gmciosa, vai sahir com
brevidade por ter a maior parte da carga proniD-
SiUa Guimaraes & <:., praca Jo Corpo Santo ou
lllr.1 (J O.
armacao, generos e niais pertencas do estabele-
cimento de molhados, em a rua do Rangel n.
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
4s 11 horas
no mesmo estabelecimento.
un,rteeilte Diat Yl'nder no dia e hora acima de-
Mvr. i' ^^'ecimento indicado, que se acha
riai nfi,Sehmbf a5fd,',e ^uo se ,orna recommen-
davel pela boa localidade em que se acha
Santo Antonio
Companhia Allian^a Mari-
tima Portuense.
A galera portugueza Sadade, seguira em pou-
cos dias para o Porto, com escala por Lisboa.
Ja tem coniratada grrnde parte da carga ; e
para o resto, trata-se com os consif-natarios (
agentes da companhia,
Jose da Silva Lnyo & Filho,
em seu escriptorio a rua da Companhia Pcrnam-
Quarta-feira 18 de mar Terceira reprosentaeao do rauito bem recebido
drama em 1 prologo o 5 acto* :
FORCA POR FORCA
Traduceao do Dr. F. Prazeres.
A8 horas em pento.
4VIS0S MARITIMOS.

Pacific Steam \avirati on Coropam
BOVAL!UIt?TE*llElt
SORATA
aapera-te da Europa ate o dia Si do corrente, a de
pou da demora do costume, segairi parjk ^4hifl
Rio de Janeiro, Montevideo, Baenos-Ayres Yaloa'
raiso, Arica, Ljlay e Callio, par* onde recebert
passageiros, encommendan > dinbeiro a frete.
Nio sahira attfes das trea horas do dia da che-
gada.
OS AGENTES .
Wllsoa Bowe A C.
l*-^-UA DO COMMERiJO----U
jm ii'W
SeC^..alS,ra\-car8.a. f""-"'^ico a barca
portugaeuJouphma //. i, bre-- rnente tra
4MJ com & R. Rapelto ^ rna ffg^.
C(Hi?panhia wmtem e brasileira
de paquetes a vapnr.
Ate o dia 16 do corrente e csperado dos norto<
,h1rt5-0i 1TaPrD'no South America, com'.
Jantc Tinklepangb, o qual depois da demora do
costume, seguira para os portos do snl
aj?/al,fretfj e Pa-^agens, trata-se com os agentes
tlecry Forster & C, rua Jo Commercio n. 8
Para o Araeaty em direitnra sahe o novo
jurjer:or palhabote nacional leonilia da Cruz ca
pitao e.pratico Manoel Caetano da Costa, tem part6
de sen carregamento engajado; e para o resto que
alta, irata-se com o consignatario Antonio Alberto
de Souza Aguiar, a rua do Amorim n. 60
Leilao
DE
uma nca mobilia de faqueiro, 1 cofre (prova de
togo), porcao de papel para forro, I prensa para
f "J" 1'i-e!lsas ^S88 de seda de '' d'er-
brinc^s 8 bl5es' leqaes' broches e
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE.
A's 11 1{2 horas era ponto.
No armajem da rua do Vigario Thenorio
n. U.
ao comer do marteUo
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
D? 5 r,s,de LLlaM' { ?rensa grande para copiar, diver
JnrrP 5,a de 8ela de liMras- Prcao d PaPeI para
forro diversos boloe.-, para punhos, de marfim e
madreperola, metal, guarnivao de madreperola
paracamisas, porcao de broehes, 1 chapeode pas-
t'nii>ar dM e-p^as dou"das, leques de sanoalo,
tapetes, collannlios, carteiras para cigarros poru-
SkU' abot-oadu.ras Para colletes, toucadcres,
espelhos de mao, diversas duzias de permmaria,
yuarta-feira 18 de marco.
AS 11 li2 HORAS DA MANHA
-\o armazem da rua do Vigario Thenorio o. H.
Pole preposto do agente Pes-
tana
lilLHETES (iARANTIDOS.
I rua Primeiro de Marco (outr'ora rua d<
Crespoj n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seu fe
Uzes bilhetes, um inleiro n. 3,4IS com 700$, um
mleiro n. 1437 com 200/, um inteiro n. 3454 com
100*, e outras sortes de 40* e 20* da loteria que
se acabou de extrahir (91-), convida aos possui-
dores a virsra receberna conformidade do costu-
me sem desconto algnm.
Acham-se a venda os feiizes bilhetes garantido^
la 6> parte das loterias a beneficio da icreja
do Amparo de Goyanna (92'), qne se extrahira na
sexta-fena, 20 do corrente.
PREgos
Bilhetc inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
CM PORCiODE 100JJ000PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
Grande
LEILAO
para
Pa
ra.
Prelende segnir para o indicado porto, eom pou-
ca demora, a barca portugueza Soelal, por ter
porcip da carga eogajada; e para o que lhe fafta,
trata-s com os eoqslgaatarios Joaquim Jose Gon-
calvea Beltrao A Fllbo. a rna do Commereloo-A
DE
fazendag, miudezas, chapeos de sol. chapeos
senhoraa, enfeite* e cortes de seda
A SABER:
Chapeos para senhoras, enfeites para cabeca
CS dl Sf F vel,ud9> *"a^ botoSs de setim
banda. bordadas, palitos, cachomira para senborM
^SF^,f"a SLW .*.?! P.reUs- Pv*8 de re-
de gar-
lencos,
brasileiras. veoa
Tendo acontecido um desarranjo na ma-
china de gelo, os fabricantes vem por meio
deste pedir desculpa aos seus freguezes pela
falta que tem havido nestes dias ; csperarn
porom de amanha em diante fornecer a todos
as quMitidarie* do costume ; aproveilam
tambem a occasiao para prevenir aos seus
feeguez^s que teem cm viagem uma ma-
china nova, de maior for^a e do syslema
mais moderno, quo fabricara" m maior es-
cala e com toda presteza as quantidades que
forem exigid'S.
Santo Amaro, 17 de mar$o do 1874.
Pelos testamenteiros de C. Starr & C.
William W. Webster.
Um siuo na travessa da Cruz das Almas, perto
das estacoes da Tamarineira e Jaqueira, com ex
collente casa de vivenda, nova, muito commoda
e assciada : tendo 2 salas, 6 quartos, e fora co-
zinha, despensa, sala de engommar, quarto de co-
zinheiro; assim como cocheira, estnbaria, dous
quartos para criado?, latrinas, cercado de ferro
banheiro, gallmheiro, etc. etc.: a tratar no sitio
do commendador Tasso.
Como lermo final de
garantir aos ronsomma-
dores caidadoxoa um
producto poro, i xquisito
e essencialiiicnte hygie-
nico, contra estas lalsi-
ficacdes detcstevda de
man gosio e nocivo, a
saude, damos retro o
modelo da garafla e mais
acima o dos sellos c le-
treiros qne envoi vem o
rerdadeiro licdr benedic-
tino*
OBSERVACAO IMPORTANTE.
Recommendamos parlicularmcntc ao publico cm oeral o en*.
gir o letreiro acima, qui c sempie posto no fundo rf ..,/.,
one tem a ossignaluia de
de Outubrode 1872
A. LEGRAND aiue. dhector
GERAL
N. B. Em tempos de epidemia o bbnedictino e am preservative
certo; am grande nnmero da oelebridades medicaa tem dado
oertlflcado bem formal.
Deposito fjeral: A. LEGRAND oinc, cm F*cn*p (Franra .
Deposito geral em Pernambuco, A. REGORD.
<
W&**
selecta e de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
sapoteiros de II palmos (em vasos) e de todos
precos mais commodos que dan-
as seguintes outras plantas de
os tamanhos e
tes ; assim como
frucla e de ornato
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do prmcip*-.
Conde^a.
Coracao da India.
Figueira.
Flamboyant.
Fructa-pao.
Inga do Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dita do ceo.
E outras plantas :
ura n. 20.
Laranja cravo.
Dita dc doce do Para
Dita brnca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
I.imao francez.
Dito doce, emaertado.
Oiticoro.
Palmeira imperial.
Parreins.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras.
Rozeda.
Ubaia.
na Capuoga a rua da Ven
Tinluraria
MOPINA
Estd encoura^ado I! I
CHAMAIW.
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz e Joaqu,-
mente de Lemos Duarte, Ha chamados a r
Coronel Suassuna n. 282, a ncgocio de part
1 interesse.
I ALUGA-SE
?r;ia casa B Capunga, rua das Pernambu.-i. .
com eoxefea e quartos fora : a tratar na r
gario T.-norio n. 31.
Houbo.
>'a noite de i para 5 do corrente mrfeaj
rna do? Pescadores n. 19. toda roupa di mo
as irjiciaes du abaix.i assignado, inclusive 1 cfia-
I p*i jTifellr0, ,,ar de bu,inas e 2* em dinh.
| o ladrao aproveitando a occasiao cm qne as
.soa^da casa donniam no quintal; entron pela
frente na ueova e alii pescou tudo quanto or
! trou nao so nas canastras por esurem aberii*
I como rora; desconfla se deum velho que ha u .
' suspendeu com 3*200 de ura quarto da mesnM
j casa. GraUfica-se bem a pessoa que djscobr i
I der noticias certas.
j Recife, .'i de marco de 1874.
|______________ Lanriauo Jose Pimenla.
i
RUA MATHIAS DE ALBUQUERQUE N. 23
(antiga rua das Fiores).
Tingi se, lava-se e limpa-se com a maior per
felcao fazandas em pe^as on em obras de qua!
Bio-Grande do Sul.
E' esperado do Rio de Janeiro, em poncos diw.
onrigue nacional Amelia, o qual seguiri para o
porto acima ; eom poura demora para o resto da
?\2,ae lh? Mt*s ,rataN5 comieu consign*
Bom iiSsDn S7U ,'l'veir* A"vwl0' na *>
%z^r%^%^^
Para
o Piiri
recebe carga a brigne pprtoguez Fklompago, e
pretende seguir com toda a brevidade dot ter
grande pSrte da mewa engajada ; qnem nornes-
mo qnirer carregar, trate com s n consfgnata-
nos T, de Aquino Fopceca A C., sncceMorei. 4
rua do Vigario n 19. '
^T'lHyt' di MJ Para senn'oras (ca> "> m"
fiml, ditos de cabo de osto, chales, veatnano nara
senhoras, peCas de 1116, cartas para jogar, intS
veis, frascoa com tintura para cabello, ric saias
de popelina, e muitaa outra* fatendas e miu ifl de gosto e pbanUsia ^
QUARTA-FEIRA 18 DO CORREMTE
8 JI hvrasda m;:uhA
0 agente Pinbo Borgea, baiunte autorisado 1#-
vara a leilao, a* faxendas e miudezas acima deck-
radas, por eenta e risco de quem perteneer
seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 53. nri-
meiro andar. r
Of Srs. togfstas df>dc ja est5 < -invidious Dara
virem exammar as refenda '
atje se act am patente* no rr
seda, touqnim, pennas, chapeos do fellro" e de
manilha, ou pallinha de todai as ceres, etc.
Os Srs aegociantes, logisUs e particulars
experiraentem que todos acharao proveito e van-
Ugeni
Aviso : Depois do ultimo deste mez corrente.
fleam considerados como abandonados todos os
objecto* entreeuea i> esu casa no anno de 1873,
serio vendidospelo preco do sea trabalha
"ITIBUO
Autoiio Pernandes Ramos .te Oliveira, na rua
dePeiroAffpiison.34. deeja fallar com 0 Sr.
Autonio Pereira da Rocha e D. Beruarda Joaquina
Xgaa. mole cm pedra dura
Tanto da ate qne a fora.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mall
escnvao na cidade de Nazareth desta provincia,
ravor de vir a rna Duque de Uaxias a 36, i con-
elrnr aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
reausar, pela terceira chamada deste iornal. em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro
passou a feverelro e abril de 1872, e nada cutaprio
e por este motlvo e de novo chamado para dito
Bin, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
to mais de eito aanos, e quando 0 Sr. seulino s*
achava nesta cidade.
ATTEMO
"rA^llPJESr w ^ >;
a negocio de
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a honra de annunciar ao
publico que reeebeu ultimamente um esplendido
sortiraento de lustres de vidro, esndieiros, aran-
delas e globw, cujas amoatras estao no escriptorio
ft rua do Imperador n. 31, e serio vendldoi aos
seas fregue;es pelo preco mais rttoavel possivel.
Precisa se alugar um moleque de 12 a 1 '. aa-
nos de idade, que seja fie! : qnem 0 tiver, diriia-
se a rua estreita do Rosario, sobrado u. 33 V'a
mesma easa fornece-se eomidas para fora.
Cosioheiro.
No caes do Apollo n. 71, paga-se bem a
um bom cozinbeiro : prefere-se cbina.
AVISO
Garanhuns.
p^Jf? ***u*1*' tabelecMos a rua do
Coronel Suassuna n. 258, declarata ao puWko <
com fspec.alidarte ao corpo do commerdToaa
nada devem nesu praea on fora Wlft^iC
se ioigar.eredor. pre.ente >ea. uccOel VS
ae trr9 dla., a r,.uu.r .la d.u d^^e. Reclfc t*
de marco oe 1874. ^
Joaquim Per ira d> Aievedi. Ramogf4 O
- Qnem pnv-i*;,, ,|e uma math coatumeg para ir..ar ,v rrian, <-. lirija-aa i roa
das Agoas Verde- n !>f.
Na rua do Bario da Victoria n. 36, precisa* I
oS' pZ ^dP? *?lp Peixoto e Qoem precU ,
oee pes daSilva, a negoolg de particular into e qua eatead^n
^8f 'Baraod* Wefci
'M.?-.'-
'ns eecra'os,
;- a rua do
1 mil
^_

1


3arto dfi Pernambuuo Terca feira 17 d* Marco de 1874.

RUA 00 BRDM N. 52
- (Passando o chafariz)
PEDEM AOS aenbcirea d engenho 1 ontroa igrirolio-ts, <**mpreg*\Or.* le a;
iainismo o favor de ami visit* a ^p est*i)e!cian'nio, jra ^r<-,iu u r>-*o 'or'.iuienU.
tompleta qofl lhi tem; sendo tado soperior em qaalidaae a 'ortidio; a qno com i in>
raccio pw!*l pod-$e verifloar. / t
fiSPEOAL ATTENCAo AO NUMERO E LUGAR DE SUA FGNDICAO
f aporOR. "J rUUttS U tt Hit tnajoos cosvenwntea pars at niversa-
ttrcanratanciaa dot aeahorei proprietrio e para descatfl^ar algodao.
Moendas de canna Lwm! "WT1 M:mfltoore, qoe ,qai
Eodas dentadas ^"f^M^^^W-
Taixas ie ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiqnes.
IffftftlllTlismnft para mandioca e algodSo.J Podendo' todos
niAvlllUlQlIll/9 para terrar madeira, fser movidos a m5o
Rnmhaa ., {vT ag vaPr
ifaww de pateute, garantidai........ |oo animaes,
Todas as maehinas ** *" m!STI!^m'
Fas qualquer concerto m,chidiMno' preco m,ri re8Dmid0
ToITHAS (3* felTO teBa ,n*lhoce, e mai8 bsratas exiatentea no mer-
Knonmmanrlafi Incoaibe-ee de maadar vir qrjalqaer machieismo a von-
wiiiuuilliUOUUcta. t,de dos clientes, lembrando-lhes a vantagem defazerem
'4ou comprai por intermedio de peasoa entendida, e qoe em qaalqaer necessidade p6de
aaa prestar aaxilio.
tirades americanos e iwtronsent08 *rico,M-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFAR1Z
FUNDICAO DE FERRO
5
4' rna do Bar^o do Triumpho (ma doBrnm) ns. 100a .04
CARDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra complete* sortimento de ferragens e machinss para er.
genhos, asmais modernas e melhorobra quetem rrado ao raercSdo.
V aporeS d forga de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
VjaiQeiraS de sobresalente para vapores.
MOenQaS lnteiraS e meias moendas, obra como iunca aqni veio.
laiXaS IUnaidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOQaS d agUa COm cubaje de erro, fortes e bem acabadgs.
ttOdaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Relogios e apitos para vapores.
t50mbas de ferro, de repucho.
AradOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes B jwquenas.
Concertos concertam com promptidao qualquer obra ou machine, pars o que toea
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS mandam v'r Por encommendada Europa, qualquer machinLsmo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de londrw
a com nm dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assetrtar
ditas maehinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDIQAO DE CARDOSO & IRMAO.
ODILON DUARTE k IRMAO ~
CJ.BELLEI3EIR0S
RUA
DA
IMPERATR1Z
N. 82
i." ANDAR.
Premiados na exposicjio de 18


Rl"\
PA
IMPERATR1Z
N. 82j
I.0 A5DAR.
Acabam de reformer o seu estabelecimenlo, collocando-o nas melhores con-
dicjoes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e -^s Eimas. Sras. n'a-
quillo que Wr tendente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabeileiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques rrrodernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, jncebe directamente por todos os vapores da Europa, as su8s encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfei^fio- no trabalho, agrado, sinceridade e pretjo razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porgSo e a rilalbo e todos os utensilios pertenccnles 4 arte de cabelleireiro.
CHAPE0S DA ULTIMA M0DA
f.he,.garam lindos e bem enfeitados ehapeos do mais apurado gosto, para senhora : .1
!oja das colomnas, de Antonio Correia da Vasconcellos, i rue Primeiro de Mar-
co n, 13.
J
I
!
33
Constructor e aGnador de pianos
Rua do Imperador
lor daa antigaa e afomadas easas Fleyel & Herz, e aciigo d
33
oa
Ex-arfinador
ean Alpbonse Blonde!.
director da oflBci-
Tem a bonra de declarer ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sna casa de
concertos e afina$5es de pianos, qualquer que seja o estado do instrumento.
A nteama casa acaba de receber um grande sortimento de pianos do? melhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Berz e Alphonse Blondcf) todos os pianos sahidos da casa
Dhibaut sao garaoiidog,
Compra-se e recebe-se em troca os pianos nsados.
Na rua do Imperador
n.28
precisa-s* failar aos segnintes senQores :
Doroingoa- Martins de Barros Honteiro.
Emigdio jkfcrques de Santiago (Or.)
JoJo Vaz M Oiivein.
Jose FranciK Lopes Lima fVazaretb).
Manoel Pewira Brandao.
Manoei eVw Passos Miranda.
Tbeotonk) de Barros e Siiva.
Pranetsco to PaoUBorges.
Francisco Xatoato Pootaa._______
Offarwose .via ama para andar com ertan-
cas : a traiar na ro> do Pajrsaodti n. 9.
4' Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
eicellente casa de habitacAo e banbo no rio
k frenta desta i quem a pretender, p6de
procurar k rua de Gervasio Pires n. Si.
n nru
If.
40 Rua do Imperador i9
_diftw
csgrp rj
\'J
f I f
Na rna do Barao da Vktnrla n. 36 preeias,
Ular ao Sr. vigario ADdr6 Curei-.o de Araujo Pe-
eira, negocio de seu inlcresse.
A 9:000
Botinas para homem
lla resin. est.l>^lfoinioni.i' n'.-lln-r ..iti/nTuto do j.iai|OS il<^5 mnis ^i"Jdns air<.res,
et'tn,. sin- rjyrt, Pleyol, Plop, t-tc. Uikn-'e-se Uu\U in utim ijui-ii '"io de pianos sup-:
riores, mandados expressamente'construir para este clirna, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nefta casa.
Rocebin-so pianos usados em troca.
Cowcirtam-se e afinam-se pianos.
Tsmbcm avisa-se aos Srs.
conceitadores de pianos
qwe ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
slo: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA IIP II1PERAHOR 49
BEDUCQAO DE PBECOS
FABRICAS DE CHAPEOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
Rua do Barao da Victoria n. 23
ESQUINA DA CAM BOA DO CARMO
K ^
Rua Duque de Caxlas n. 64.
Os proprietaries destes estabelecimentos participam ao rspeitavel publieo, e a seus
fregP7.*s, que teem sempre um cornpleto e variado sortimento de chap^os das as qualidades e tamanhos; tenclo resolvido fazer reducgao nos precos dos mesmos,
e ai-ham-se em condi^des de poderem vender mais baTtfto c^ue em outra qaalquer parte,
visto receberem ^todos oe seus artigos em direitura, e achar-se um dos sooios na Europa,
percorrendo as principaes fabricas.
Chamam a atten^ao dos senhores logistas paravisitarem sens estabelecimentos, e a*
vi-ta dos.precis e boas qualidades dos artigo, n2o deiur&o de comprar-
Cobrera-se e concertam-se ehapeos de sol de todas as qUElidades, com promptidao
e a precos medicos.
Pede-sejao Sr. Joaq uira Pires Ferreira, o fa-
Irro de apparecer na rua Primeiro de Marco n. 7
A, i9 a'fldar, a negocio de seu particular inte-
[esse.
Nao se orestando o pequeno'espaco do armazem |
d. 10 A, a rnr. da Madre de Deos, para um abaste-1
cido dcpiisito das diversas marcas de fumo, que o |
abaixo assicnado almejava ter, acha-se d'ora em j
di;mte abei lo outro estabelecin ento sob a mesma
(1m.i miii.VM do
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcoes desejadas, e onde pode-
rao os seBhores freguezes dirigir se, eertos de
3ue, como ate aqui, ac'iarao sempre a par da mo-
icidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
Enlre as differentei marcas de fumo da Bahia e
Rio de Janeiro, qne tem sido annunciada<>, acaba
de ehegar uma enommenda especial, e que muito
deve convir aos senhores freguezes. Consciente o
abaixo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem competidores, fara muito por evilar
qne tambrm o? tenha com rela;So ao peqneno lu-
cro que proenrara obter da dita mercadoria.
Jose Dorr ingues do Carmo e Silva.
.v^-
Aeahffl fc .-l.epi jrrar.d-* fadar <--.v.
tid e tt*'*- :.n;i> d: br,rrr \ d<> rdav-,; t-
Irt. .'. ,|;ir-- ,. re-.. I ijf ... ;i: .,
mm l
liC
li-
lt.; j- < :. .. .!.;>-ni *
' ..hi -;i t..-s t) .in- :. d- .;i 't :*-:tif.z, *aa
lu !'..! a; da ViT ru (AlHiV ra Nov.-.) n. 7.
Calcado
fraiicei.
FLGI0.
Pnglo no dia V" de marco, da casa de seu se
nhor, a mula'.a de nome I.ydia, com os signaes
segumtes : baixa, gorda, cabellos cresp-">s, peitos
grands e nara larga : quem a appre'iender tra-
ga-a a rua-dt Santa Rita a. 3, enlrada pela rua
Nova.
PENHORES
Natravessa da rua
dasCruz^s n. 2, pri-
meiro andar, ^a-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras*
Chapas e argolas ameri-
canas
O fabricate destas, tem a honra de participar
ao respeitavel publico que, tendo de retirar-se
para a corte brevemente, so pode receber encom-
mendas atd-o dia 7 de marco ; portanto roga aos
senhores qne qiazerero munir-se de ditos objectos,
mandarem as suas encommendas com anteceden
eia ?.o hotol Eslaminet, a rua do Imperador n. 32,
das 9 floras ao m2io dia.
Engenho
"Vende-se o engenho S. Pedro, situado- na pro-
vii-cia de Alagoas, comarca do Porto Caivo, a
'joienos de uma Tegoa distante do porto de mar de
jnGaou'lla, tem oxcellentes terras, matas, e safreja
iTegularmente 2,fOO paes : a tratar na rua do Vi-
i^ario n. 31.
E. A. DELOUCHE.
49Rua do Mrqnez de (Hindt 1JI
Acaba de receber um granda sortimento de re
logics americanos para parede e mesa, de corda
de 24 boras e de corda de 8 dias, com despertadoi
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de oaro patente inglez verdadciros, des-
eoberto com {.onteiro grande no meio, dos mail
modernos e do melhor fabricante de Li ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
dourada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e pateDte, de toJo
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lnnetos e oculos de todas as qualidades.
Verdadjiros vidros de christal da Rccha, para
vista cansada.
Vende-se tudo por preco mais baratc que em
outra qualquer parte.________________________
Apreciem como se vende baralo
S6 o n. 20
RUA DO CRESPO
M ms ;) poms
DE
Guilherme & Cl
CASSA-LA
Acaba de ehegar esta fazenda com bonitos r .
fir6es, e que se vende pelo diminuto preco de I 0
rs. o covado I-11
METIM
Melim tratw}ado, padroes bonitos, a 320 rs. o
covado 111
ORGANDY DE ^ORES
Cambraia organdy de cores, fazenda 0na boni
tos padroes, pelo diminuto pre^o de 320 rs. ocv
vadol 11
LA5 ESCOCEZAS
Novo sortimecto desta fazenda, com bonitos
padrSes, que *e vende a 240 rs. o covado!! I
CRETONE.
Cretone claros e escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado 111
LAS MODERNAS
Cornpleto sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos oHminatos precis de 400 rs. o covado,
6 pechincha 111
Cortes de casemira di cores, a S^f 00.
Colchas estampadas e com barra a 3S."M e
4^000.
Cobertas de cm'la adamascada a 3 jSOO.
Lencoes de bramante a 2^000.
Dites de algodno a IjiOO.
Toalhas alcochoadas, duzia, a SJ800
Lencos de cassa com barra a )5Oi0 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2*000 a!uzia.
Ditos de esguiao abanhados, em caixinbas mo-
mi
EHCAO
Comlacdo aos abaixo assigaado achar-se nes-
ta pra;i o fir. Manoei Fernandes de Carvalho, ren-
deiro Aw engenhos Barra e Preguica, em Ma-
manguape, paocincia da Parahyba, veem rogar ao
Memo o (ibetqnio do vir entender-se com os
abaixo assignados imo;ediatamente sobre negocio
tendente aos referidos cngenhos. Rua do Amorim
37, escriptoirio.
____________________Tasso Irmaos & C.______
Sementes de hortalices
vjndas pelo uhimo vapor a rua da Cadeia do
Recife n. 53 ; tambem na raesma loja recebem en-
commendas para o sitio do Abrigo em Oiinda, de
arvores fructiferas e oulras proprias para adorno
de.ruas e jardins, sortimento de palmeiras irrpe-
riaes e de ootras qualidades ; assim como p6s de
flores para jardins e vasos, tudo por modico p:e
co e garante-se estarem bem enraizadas todas as
plantas como e de costnme.
dernas, dnziai a 3*900.
Cambm transparente fina a 3*000
a peca.
Cordeiro Simoes & C.
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Itiquissimos cortes de gergurao de seda lisos e
com lislras achamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjae, trancas, totoes, fivellas, etc.
Riquissimos ehapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
AHiiisd de AHrtjner incumbe-se de promover ctbran^as amigav1
on judicialmeate, assira con/) de outros negecios
conceruentes a sua profissao, nos lu^ares proxi-
mes a liidia fewea, e nos outros termos pioximos
a esta eidade; para cujo auxiiio tem o annun-
ciaute soiiciladores habilitados e probos, rcspon-
sabilisando-se no entanto pela boa gestao e conta
do qne Ihe Cor confiado.
Mediante modico honorario a code aos chmados
para diligeneias ou consul las fora da eidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacSes ante
o tribunal da rclacao. Fode ser procurado de
meio dia 4s 3 horas da tarde era -sn escriptorio
rua do Duque de Caxias n. 37.
FUGIO
o escravo J-uvenal
Foi trajaudo cal^a de brim de riscado, camisa
de cbila d riscado e chapeo de nalha de Jtalia.
E' de cor parda, de 12 annos de idade, tem.falta
de um denies na frente e e bastante paroleiro :
roga se a apprehensao do mesmo, e conduzi-lo a
rua da Cruz n. 3 ou conde da Boa-Vista n. 31,
para ser gratiticado.
Fugio
Escada,
iltejicay.
100J000 de gratificaijao
Engenho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezemtro, do engenho San
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
rracunhaem, a escrava Maria, rrioula, 50 annos
de idade, pouco mais ou menos, baixa, grossa, S>r
Sreu, rosto alquebrado, pes geccos e espanados,
edos enrtos. cabellos braneos, canellas finas, tem
dous signaes cabeJludos no queixo, e 6 bem ladi-
oa. A pessoa que eotregar esta escrava ou ao sen
lono, qne e o senlior do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Cunba Pereira Beitrao, on no He-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, andar, sera
ecompgnsada com a quantia de 1001.
do engenho Fkmeza, na Ireguczia da-]
no dia 11 de fevereiro, o escravo Al-
bino, crioulo, com os seguintes signa.es; cor
preta, idade de 2Q annos, alto, corpo regular, bo-
nita ligura, olhos um pouco esbranquicados, tem
de um lado das eostas um carocinbo a seme-
lhanca de uma jabaticaba. Pede se as autorida-
des policiaes e capitaes de campo a apprehensilo
do dito escravo, podendo enirega-lo no dito cn-
genho ou na tua do Torres n. 12, escriptorio,
Americo Nnnes Conte relira se para a Eu
ropa, a tratar de sua sailde, e iteixa por seus pro
enradores os Srs.: em primeiro lugar o capitao
Ignacio Pedro das Neves, e cm segundo Clemente
Jose' de &iendonca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodio e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho pu(o com 9 e 10 palmus de lar-
gura a 2*500 e.2|800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5^000 a peca.
Dito domestico a 3*000 a pe^a.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado Ml
Madapoloes Irancezes de todas as qualtdades de
o* a 8*500 a peca.
Cnapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas, fa7enda de
linho puro, a 44*000 a duzia ; e pechincha. so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado; e pechincha, e dao-se amoa-
tras.
:S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das tres poriasi
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQUINA
Para liomcm.
BOT1NAS de bezerro, cordavau, i^rtica, lo>ira
de duraque coin biqueira, d"s ineHi<-ret
fabricantes.
SAPATOES de be-erro, de cordavJo e de c.isa-
mira.
SaPATOS de lustre com ratio.
SAPATOES atamancados corn a de pie, pro-
prioJ para banho?, utios e j irdins.
SAPATOS de tapele, chariot, castor e de iraoca
francezes e portnciic.r-.
I'nra senhora.
flOTINAS pretas, bnaaaa < Je cores differruwit.
lisas, enfeitadas e bordadas.
APATINHOS de phantasia com ratio, branch,
pp'tos e, de cCre diili-ren! -. bordades.
SAPATOS de tapete, chariot, caste r e de traa-.a.
Para tneninas.
bOTIN'AS pretas, brancas e de res differefites.
lisas, enfeiladas o iMri..! .
ABOTINADOS de diversas lattUdade
SAPATOS de tran^a [>ortupueze-.
Para iL*ninoM.
BOTINAS de hrie'ro. Vistre o de ( riiavio.
ABOTINAIKIS e waHw Ie bezerr-, de diverts*
quali '..vi.-.'s.
SAPATOS de uanca Braaoaan a pi.rtujroeies.
Botas de montaria.
fMas a Kapniain e a Guilh-ri.-. pernelr^-<
meias perneiras para home*-, iciatpcn
para meninos.
No armasem do rap -r frar.--.--, .. rna g- Victoria n. 7.
Mobilia de vimeft
Cadeiras de balanco, d- '-r... Ic guerr .
sofas, jardineiras. mncas, rradeiras e '
reiras, tudo isio muito bom por i>iii fartaa >
lavas, e u mai- ompri 9 mnvi.- i ie'as e;-
bineles de recn i
No armazem do vajKir fraa <:. a rua do B
da Victoria n. 7, i utrnra v
Acabam de cbefar rnnilo l ru pianos o rte n
de elegantes modelo*, dos rn- eonheeidos f;il ricanti s ; cow Alph'
Bldoncl, Henry Hera e Pleyel I i
vapor francez, a rua do mri M
tr'ora Nova D. 7, a |ir';os mo*t
Perriimaria:
Finos extraclos, banhas, i-1-'
irifice, agu raaji
iivi.-j i. tioriila. liiv-- ide. pus
.- a I boo, moilos .. I
ra pi sentei urn li !-.-.
i anas sortidas arraf. k Ma
ah.os d'.igua de odoj ne, ledo
dade dos bem coobecidi s fal ri o l ;
dray.
No armazem do vapor Jr. lai ~
Ja Victoria, outr ora N' n
Quin<{uiiharia
pKaartaai
'si-oii, dii radrs para ..
Leques pa. a seahorai
Lu'.-is de Joavin.d. Bo
avt
j
l tie c i
at aco
Had a
i -.
nv: !.. :;n.'* | .
ESCMVO FUlilDO,
Desappareceu ao amanhecer do d i i do wr-
rente, do engenho Serigi, comarca de Gnyanna, o
escravo de nome Jose" Borges, mesi.- de amnear
tendo os signaes seguintes : cabra, iJade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa fir-? i, nm tanto
grosso e efipadaudo, sendo o sigri;!l mais visivel
uma gomma na junta do p6 esqner.'i : roga se a
todas as autoridades e capitaes de csmpo queiram
apprchender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, on nesta pra^a a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo SaBto n. 19, que serao generosamen-
te recompensados.
.. mar :
Aluga-se
uma grande casa para famllia, na Capunga, rua
da Ventura n. 22, tendo quartos fora, banbeiro.
eoeueira, gallinheiro, etc., etc.: a tratar na mesma
casa.
Domingos Jose da Silva Nogueira retira se
para Europa, e dorante sua ausencia deixa encar-
regados de sens negoeios, o seu socio Emigdio
Jose Gonealves Serra o Jeaqnim Luis Ferreira
Leal.
Fedido.
ssigoado
tmbuco,
0 abaixo aMigaado, aporanUdo ex informa-
ta conritntt'i, no lugar da conductor aecretario
das obras publieas, onde servio desde 1644 at &
esta data, offlsrace ao publico o seu orestimo no
exercldo de sua pr flssio. Recife, 10 de
1874.
Ie marco de
Denarando o abaixo assignado com nm annnn
cio no Diario de Ptrnambuco, sem assignation,
pedinioa captora de um escravo de nome Geral-
do, e como nesae annnneio se veja atrozmen-
te calumniado por alguem que nSo teve pejo de
mantir de>caradamente, pedeao infame autor da
masma puhlicavio qoe assigne sen nome para en
poder ihe dar uma resposla cabal e satisfactoria
Beberibe, 16 de fevereirode 1874.
_______________Frederico Chaves Junior.
Uma senhora de idade onVrece-se para ama
de c,;*h de rmua fauaiha : quem pretender diri
ja sea rui Direiu n. IIS.
Alnga-se o pi-,i:iltimo .>tio naestrV.ia do Ca-
"oaj.iti! P^rtngue*. nm rara
50^5
Fugio desde o dia 25 de novembro do anno
passado, o escravo Manoel, com os signaes se-
guintes : c6r ful, idade 17 annos, pouco jnais ou
menos, altura regular o e acanhado no failar ;
desconfia-se ter ido para Goyanna, feito criado de
um raoco, cujo nome igoora-se ; portanto, pede
te as autoridades policiaee, on a outra qualquer
roa, a apprehansao do mesmo o leva-lo a villa
Bom Jardim ao Sr. Jose Loorenco Gomes Ca-
bral, on na travessa da raa das Crazes n 16, que
sera reeompensado com a quantia acima.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
rf. 211, accam sobre o Banco Commercial
de Vienna e suas agencias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, d vista e a prazo
por todos os paquetes.
Muito barato
Aluga-se a loja do sobrado da rua Direita n.
120, serve para negocio e moradia, raedi.inte um
modico repartimento. tem agua, gaz, e apparelho
de hmpeza,o aluguel e favoravel : tratase na rua
do Imperador n. 81, ou a rua da Palma a. 25.
Aula particular
0 abaixo assignadOj professor particular de ins-
truccao elemfntar, nao tendo podido pormotivos
de inolestia, abrir sua aula no dia 12 de Janeiro,
como tinha annunciado, e como ja seache resta-
beleeido, avisa ao respeitavel publico e com espe-
cialidade aos senhores pais de familia, que no dia
9 do corrente estara aberta sua aula na rua da
Penha n. 25, andar, aonde continiia no exer
cicio de sen magisterio. 0 mesmo professor pro-
mette muito se esmerar pelo adiantamento de
sens alomnos.
Secundino Jose de Faria Sim&s.
jneiro. pr ximo
p*ra graude fam>'i
J red-is frnrtiffi
paMaoo Rodnirues da Silva, |nii*>mo hospital.
go e ga, b. sia;:: arwK
ra tntnr m faaaji'1-' "
Aluga-se uma casa com 7 quartos, 2 salas,
cozinna grande, com janellas em todos os quartos^
terraco na frente. com tarandas da ferro e por-
tab do mesmo, sita na rna do Aleerim n 30: quem
a pretender va a rna Augusta n. 250, que achara
com qoem traiar.______________
Barbeiro.
Preclsa se de um bom official de barbeiro, da
se msiacio no trabalbo e jnntamente a mesa
ralio da rna do tijiqoe de Caxias n. 3d.
andar.
no
primeiro
Aluga-se o 2* andar do sobrado da rua da
Guia n. 62, limpo c bem trala lo, com bastanles
commodos: na rua da Senzala-nova n. 1.
Preeisa-se de uma senhora que esteja nas con-
dicdes seguintes : I.* que raiba ensinar bem o
portuguez, francez, muslca, piano, costora, nor-
dado, etc ; !.* que queira ir para urn engenho
perto de uma das estac,3es da estrada de ferro de
S Francisco ; 3. e ultimo que seja uma senhora
eapaz em tudo, para aperfeicuar p>rque ja estlo
a m principio, as 5 meninas, paga um conto
de rtis e gratiflcase : aquella qu^ stiver nessas
condicdes, annnncie para ser pruciirada.
Aluga-se
uma casa com sitio na Capunc,.
fructeiras: a tratar na rua d
I n. 58.
i> baslantes
ambacanas
Caixinbas de'eos'tara or
Album Inni .
Caixini a.- cow ,,.; .-.
I ;-^:iS u!.i;i~
Correntea dc pia, .
r, a* ');,. .li" !.
I a
Botombaae coin-- de -
rinho de cores.
Novoa objei-tos de pha
e toilette.
Pincinez de sores, de prata i
Ie tartaruga.
Oculos ae aco 111
Bengalas de luxi. cap-i. :
m
ttpgalias drrersas em grand- -
omens e meninos.
Chicotinhos de bateia e da
diTersaa.
Esporas de tarracba para ill -
Poatearas de espuma para charr.i e e
rentes de tartaruga para d ml -,
:>arba.
Ditos de marfim
beta.
Baeovaa para roupa, cabeHea, unr.. i aara den.
'es.
Cartairmhas de medreperol.1 par- Ira I
Gravatas brancas e de seda preta para hoinei'
e meninos.
Campainhade mola para etoatu rud-s.
Jogos da gloria, de dam i, de bag; u Has, le n -
mind e outros miiitat" different a'le-
ODiea e francezes.
Halas, bol'.as e sveos d-1
rinhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as er
rem, bom para os denies.
Berrjos de vbaas para aaabalar eriaaeaa.
Ceitinhas de vimes para braco de memniS .
Carnnhos de quatio roda>,' para ass : -
;nancas.
Venezianas transparenies para portal e jar.
Reverberos transparentes para candieiroi
gaz.
Eslereoscopos e cosmoramas com
'-'-vis.
Lanternaa lagiaas aai ricas Tteta ;
vidros.
Vidros avulsos para aaaaaraaa.
Glnbos de papel de cores para illurr :. ?
lestas.
B.iloe.s a.?reostalicos do papel ot -
le snbir.
Maehinas de varioa svstemas para eatt
Kspanadores de palha e dc penna-
Tesourinhas e canivetes flnos.
Tapetes com vidrilhos para mang.. laataaaa
Tinteiros de louca branca, modclu hi tnu e I
Tiras de moldnras douradas e pretas pa'a
piadros.
Quadros ja promptos com pavssgen' e phan: -
ua.
Estampas avulsas de santos, pavsscens e p*.
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos cr
inilia.
Realejos pequenos de veio com hadas pecas.
Realejos tiarmonicos ou accordions de todoi -
amanhos, e outros muitos artigos de quinqu.
rias difflceis de mencionar-se. No armazetr.
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr i *
Nova n. 7.
Medidas de 10 a 100 metros,pes e palw* p-'
.li-jdir terrenos.
Brinquedds para iiieiiiims
A maior variedade que so pode desejar de to-
dos os brinqnedos fabricados em diffcrenles paries
da Europa, para entretenimento das criancas, tad.--
a precos mais resnraidos qoe e" possivel : ao ar-
mazem do vapor francez, ma do Barao da Victo-
ria, outr'ora rna Nova n. 7.
Oslinlias para m\m
Grande sortimento de bonitos modelos cbagados
ao armazem do vapor francez, rna do Barao da
Victoria, outr'ora rna Nora, n. 7.
AMvogado.
Obarharel Joao Gitiraaa. advoga am
S Palmares, e pode ser procurado na villa
* do mefuio nomn, outr'ora Una, alto 4ft
9 atatriz, escripiorio da ccoHaetoria.
Preeira an <\.*>
b |Oe M r*P D.
ns trabalbadores ajnr -;,-
ravo, paga-se h >la-
l





6

Jftrte afe f^fataetti ^Sfei^ftir* 19 ^ttu^i to MdNC
(HH ft fIRMA
Rua l..de Marco n. 23
A# 20:<*00$ O abaixo assignado tern sempre expos to a Ten
da bilhetes da loteria do Rio, cnja extraccao an
auaciara pelos jornaes.
Precos.
Inleiro 14*000
Meio 12*000
Quarto 6*000
__________________Manoel Martias fium.
Ainda continUa fugrdo o preto Ignacio d-
altnra regular, seceo do corpo, cabeca e pes' pe-
quenos, falla de dentes na frente, deve ter os nos
dos dedos das maos calejados, do servico de padae
ria, regula 40 annos de idade, fagh em 4 de Ja-
neiro proximo pasfiade.oonata aueanda no Darro,
on entao seguio para o serlao : oede-se as auto-
ndades ou pessoaa que o descubram, a sna capf
wra, e leva-Io a rna do Lima n. 72, padaria, em
JoSooo nwro que se *raUficar eom
Aluga-se o quarto andar do predio n. 83 da
rua do Bom Jesus, antigamente rua da Cruz : a
tratar na mesma rua n. 55.
Bafcedor.
Precisadse de batedores : na refinacao da rna
P. Maria Cesar n. 30, ontr'ora Senzala Nova.
Aflftada.
r.iS lat? ?"*H ^ria n 36, precisa-sa
Mar ao Sr. tenente Jose Maria Pestana/a ne-
gacio de sen tntereese. ^
r.Preci,ia se de nna* **" P" cotmhir e one'
coropre : na travessa do Corpo Santo.n. 11
Precisa-$e de tuna ama qae
saiba cozinhar e comprar pa-
ra pouca gente : a rua Nova
AMA
nuraero 28.
uma ba cata com si
dos, na Capunga, r
aehara no mesmo
Aluga-se
II
Si'
tendo bastantes arvye-
Las i'ttraambucaiiM 4.1(8,
oem tratar.
Convida-se
aos senhores escriptores, litteratos, chefes de re-
particSes e commeroiantes a visitarem a
ENCADERNAgAO *R ASILEfRA
a rua Duque de Caxiaa d. 21, onde verao que e
este o estabeledmento que dispde dos melhores
meios e procesios para bem aervi-los na arte de
encadernar, e o unico que
POSSUEA MELHOR
macbina para pautar papel, riscar livros, mappas,
manifestos, fulhas de empregados, despachos, fat-
turas, contas cerrentes e de venda ; eujo trabalao
sera regulado pela seguinte tabeila de precos :
Papel pequeno em eaixinhas.
Para pautar 1 caixa 1*0- 0.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada uma
Idem 10 ditas a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 50 ditas a 250 rs.
idem 100 ditas a 200 rs.
Idem 20 > ditas a 150 rs.
Mais de 200 ditas a 100 re.
Papel em tamanho fiume. contas e despachos.
Por pautar i resma 1*500.
Idem 10 .i 1*200 cada uma.
idem 20 a 1*..
Idem 50 a 800 rs.
Idem 100 a P> rs.
Idem 200 a 400 .
Mais do 2 0 a 32) rs.
Outros trabalhos conforme o a]uste.
A difference em preco do papel liso para o
paulado, no nosso mercado, 6 muito superior a 320
rs. em resma, sendo per is?o vantoioso aos Srs
IMJ'ORTADORES DE PAPEL
mandarem vir o papel liso para aqui ser pautado,
podendo assim venderem mais barato, ganhando
mais dioheiro, para o que
GaRANTE-SE
a bondade e Hmpeza do trabalho, entregandose
os volumes de resma com a mesma pcrfeicao e
igualdade que se tiver recebido na
EN ADERNAgAO BRASILEIRA
21 -Rua Duque de Caxias21.
CASA DO OURO
Aos 4:00*r4)00
Bilhetes garantidos
Htm do Bar do da Victoria (outr'ora Nova
k. 63, e ca.vu do costume.
- a venda os muito felies bilhetes ga
- ";l da fi' parte da lot<*ria a benefieio da
ri Amparo de Goyanna, que se extrahira
li, iO do eorrente mez.
Prey os
Iuteiro 43000
Meio 2*000
S>: CdS^OOO paraciim..
Iuteiro 3*500
Meio 1*750
. 13 de marco de 1874.
Joan Joaquim da Costa Leite.
Ama de leite.
Precisa-se uma ama qne tenha bom e bastante
leite e que nao tenha filno : a tratar na rua do
Duque de Caxias n. 111.
Precisa-se de duas amas para
uma casa de pouca faroilia^sendo
,""" paw oerisbar e out** para
engaujmar, prefermdo se esca-ava ; ooga-seBem s-
agradar : a trator na travossa do fJgario-ienoe
no n. i, eseriptorio, das 9 as 4 da tarde. "'
AMAS
AmA, ^ Na rua do Hospicio n 16, prfec*isa-e
L de uma ama qne Miba wainhar : paga-
se bem, afradando.
AjBa de Idle.
Precisa-se de uma ama qne teeba bom leite :
na rua Direita n. 8, ou em Poste de W>3a, sitio
numero 9.
ALUGA=SE
o 2* andar do sobrado n. 52 da rna Marquez de
Olinda : a tratar armazon em do mesmo predio.
5S
C9MPRAS.
Antonlt) Jos6 Rodrigues
de Seiza. (WHiSeu esoraptorio
aruadoOrespo n. 6, compra
escravos ^w -Iwreoe cere^
sexoseidiwks, I
A ma Predaa-se de uma ama para eozinhar:
flUja a tratar na rna de S. ki'im.tt, aobra-
do, com portao de ferro.
. y
Para tranqoilidade das pessoaa que teem pe-
nhores em poder do abaixo assiguado, declara o
me-mo, qne os objectos ruubados erara seas e
estavam fora do cefre de sua casa, onde estao
guardados 09 objectos dados em penbor, em eujo
cofre os gaiatos nao ousaram locar. Recife, 2 ae
marco de 1874.
Julio Isaac.
Atfcencjio
0 Dr. Amaro Joaquim Fonseca de Albuquerque
declara a sens devedores que se acham em mora,
que Ihes concede 0 improrogavel prazo de 30 dias,
contados desta data, para vfrrem saldar ps mesmos
debitos, sob peua de, sem exeepcao alguma, -findo
0 in licado prazo, ser promavido 0 recebimeoto ju
dicialmeute. Recife, 6 de mar;o de 1874.
Silio no Arraiul.
Aluga se urn sitio no Arraial, proximo a esta
cao da Casa Amarella (um minium com f xellen
les casa de moradia, tendo as. icguiites eommo-
dos : 5 quartos, 2 salas, coir/14 exterua, terra-
Co, casa de banho e diver?as fructeiras. Aluga se
tambem uma outra casa no mesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas, cozinba exterua, agua dc bebef
e um bom quintal por enmmodo preeo : a tratar
Da rua Primeiro de Marco n, 16, 1." andar.
Attencao.
O engenbeiro Antonio Feliciano Rodrigues Sette^
a pedtdo d"s proprietario9 do silio da eptrada de
Betribe de Baixo, lado do sill, se aehara aos do*
mingos, a principiar de amanha, no mesme sitioj
durante is huras qne decorrerem das 7 dc-^ma-
nha ate" ai meio dia, a dm de se preslar a minis-
trar esclarecimentl)s e trat.r com os pretendentes
a compra dos terreno? a venda no reFerido sitio
Gratificacao.
a rua do Livrameato n, 37, tern para alugar
i!.;. moieque uc 12 annos de ilade.
O capitao Jose igua 'io Perelra da
Roclta, lose Ignacij Pereira da Ro
cha Juni r, Mam el Ferreira da
Cruz, Ignacia Pereira da Rocha, Ca-
rolina I'ereira da Rocha, Joaquina
Pereira da Rocha e Rt t Pereira da
Rocha Cruz ag ao>cem cordialmen-
te a tod:' < as pessoas que sedignaram acoriipariliar
ao eemitorio puhlico 0 cadaver de sua prnzida fi-
Iha, irma e cunhada 1 lara Pereira da Rocha; e
do liov-i iljrr- ruga 0 raridnso obsequio de assist!
rr'.. a inissa. ijue no dia sabbado 21, seiimo dia
de seu f !i-ciwnto, mandam celebrar namatriz
df jyte da Pinalla, pf-las 8 horas da manha.
Escrava fngiila
Cutimia a estar fugida desd:; 0 dia II de Janeiro
a escrava de norne Bernardo, i.la le 3 annos, p<-u
co rr^is ou menos, tern os olhoj um p >uco ab-j-
toados e 0 andar rnoderadj, iraja vestido e chale
pret',s, costuma mudar trajos, tern uma cicatriz na
perna esquerda, auda dizenlo cue 0 senhor mor-
ren e deixi>u ella forra, esta la para 0 Cabo por
t.:t la um SIuo de m>me Felix : e por isso roga-se
a? aut:ridades policiaes ou aos caiiitaes de camuo
a apprehensao da dita escrava, le.ando a ao Ca-
minho Xovo, a sua senbora, sitio n. 110, ou na
rua da Cacimba n. 1, que se recompenara gene-
rosamente.
AQesD^!C I
I
1
CousattftBfl Hiwlico
DO
Dr. Harlllo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2. ANDAR.
iteoem-chegado da Eurepa, onde fre-
queniou os hospitacs de Paris eLondret,
ser procurado a qualquer bora do
dia a da noite para objecto de sua pro-
fissao.
< Ajnsultas das 6 horas da manha a9 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPECIALIDADES.
iioicstias de seohoras, da pelle e de
crianca.
I
i
>
1
Nao tendo ainda apparecido os dous .pitinhos
da Australia c de cor cinzenta, que furtaram na
noite de 7 de fevereiro ultimo, do sitio do abaixo
as^ignado, no Cnldcireire, de novo se roga ua ap<
prehensao, gratincaudo-se coin muita generosida-
de a quern os apresentar ao dito abaixo assig-
gnadi) no rcferido sitio, ou na rua do Brnm n. 96^
_______ Francisco Rinalro Pinto Guimar4es. '
alugar uma preta de metal
lil
Pirecisa se
; na rtM i| n Ouro
n. 71.
Paris; 36, Rua Vivienne, D
IHIMMM MKDECIX SPfiCHL
D1S r.NFPTlMllnlig on sue AH, iS F1CC0M
DE PUR AT IF
dfa-SANG
PC US M
COPAHU
iUTKRACOBS do aAMnu
I i i.OOOouras daimpin-
ien$,pvslyilas, h$rpei,
5amo, comixoet, aeri-
nonia, e alter foes, vi-
I ciosas do sangue, vi-
fi". t auei *.'s u, *angue. Xarop vegetal
sem mcrcurio). De*aratlTai lefeUei
ivnK aiiKEBAES tomao-se dous por
semana. seguindn n Iractamonto Depurativo: i
rmnrcyado nis nifsma< molestias.
I Ks te Xarope Citracto de
I ferro de CH ABLE, curt
.inuiMiatamente qual-
quer pur gar ao, rtla-
I rucco. debilidade,
e iguuiieme o^ 'jiuxos t fiores brancas das
mullieres. Esta iuieccao benigna empregasae
eom 0 Xarope de Citraeto deferrt.
Hi-horrida>>- Pun;;.da que M cura eras dial.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: uas aj/'ecfoft "u'aneat 1 comixoet.
PILULAS VECETAES DEPURATIVAS
do Chabie, cada frasco vrai accumpahadt
de um folbeto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
I Care ctuarrhot, lottet
coqueluckei, hrilafdu
nervotat tot dot bron-
chial lodas at doenfot
I dt pciio; toll ao docaU
ami write ii-licii-a dfsti- xarope D' Koacn.
fir. (HiBLi em Parli, rna Tlvlcane, m*.
Deposit Dot ca Franueza
Sipop du
DrFORGET
ADtouk) Jtfcd tVodrigues
escriptdrio a-Tua de l^aespo n
vos das, (IversAs so^es fexos e
,tC#ii^Q> esc
d.

5NW.
*r
T5?ode*sQ
uma armacao envidra^ada, proprla para qualquer
Rua*) Bai'uo da Virlwia n. 22.
Carnciw Viu aoa.
A' a*e $ran(te,estaJileciraento tem che-
fndo DVMNn wirtimWrt die' machinas para
negocio, na" rua^e JJarpiljo Bias a, "H. PQ> barato!Centura, de todog o$ autores mais acredita-
jdos uhimariienteua Europe, cujas machinas
sao ga rant i das por inn anno, e tendo um
perfeito artiste para ensinar as mesmas, em
\ qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despeodio algutn do comprador.
Neste estabelecimeiito timborn b.-i perten^as
para, as mesmas maehiHas e so soppre qual-
quer pe^a que seja nsoessario. Estae ma-
ciunas trabalbam com todn a perfeiyao de
um e dous pospoirtos, fran/.' e biKda toda
np
FJKBFMB BftiBMAg
XA
LOJA DO PAVAO
NA
Rua da lmperatriz n. 0
GROSDENAP^ES PRETO A i#200, 200 E
2*500.
0 Pavao vende grandesortimento de gros-
PARA LIQUIDAR
CAM!SAS
FItANLEZAS A 2,J0W, apiM1
WOOL 3>500.
0 Pavao vende um bonilo soclimenU) de
IPHOSPHATSdeCAL
^L_AT!N030
DEliEROY
team imaa rimo theraaentlca mull*
4*bw os.iadi'lduos ajfett^dn de
xmutfd
enfermidades not ottos e dt uma const
dibit. Forna-6* inrl*ppasa6! para i crian'fas
M trurr, ifli* e fortiltcn a rrmcema.
E ae um goslo muito agradavel e de uma di-
gestao facil. Preco do frasco : 3 francos.
Pans, pharmacia' LKKOY, IJ, ma d'Aqtin.
fiapesito en frrnamliu o, A. RECORD.
denaples preto de pura seda, a MtiOO,. camisas franoeza6 com perto de algadio, a
19300, 29000 e 29590 o covado, tendo 27000 e 2J500. Ditas com pelto de linho
tambem do mats largo e mais encorpado que de 39000 a 69000. Ditas bordadas muito
costuma a vir ao mercado, e vende por pre- ftnas de 69000 a 109000 : assim como
co em conta. grande sortimento de ceroulas de linho c de
algodSo, por prer;os baratos, e tambem tea
complete sortimento de puuhos e collarinhos
tanto de linho como de algodao, por precpt
em conta.
EspartllliM a 89*00, dB e
Caranadiaaa
500 rs. a
prctn a
covado.
U Pavio vende granadina preta e lavrada
pelo barato pre^o de 500 rs. o covado.
?.HALES PRETO DE GUIPURE A 4*000.
0 Pavao vende ebales de tres pontas, sen-
do de guipure verdadeiro, pelo barato pre-
co de 49000 cade um.
f adapolao enfestado a 39QOO
a peoa.
0 Pavao vendo pe$as de madapolao en-
festado, polo barato preo de 3J000 a pe$a.
Ditas sem ser enfestado, com 20 jardas, a
59000. Ditas com 24 jardas muito boa
fazendo, a 69000, 69500 e 79000.
ALPACAS PRETAS A 500, 6i0 E 800 RS.
0 Pavao tem um grande sortimento de
qualquer eostura por fira que s.-ja, sous alpacas pretas, que vendea 5-)0, 640.e 800
.***
Verdadeiro*
CRAOSDESAUDE
4outf PMHCE.
****
EM-f Cores
SI
0 mellior e o mail
tU.do< pitrgiHtes coa-.'
iecides. HaiBaera-
aieanerial*.Exigir,
OB tin la VXBMELHA
o letreiro, aaiji junto,
t-fFoy, 13, rna ifAntin.
precos sao da segumte qualidade : ;-im tr-
balbar a mao de 39000, 40900&. i590O0
e 509000, para trabalbar com o jw sao de
8O9000, 909000, 1009000, if09000,
1209000,1309000, 1509000, 2099000 9
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
tera^ao de precos, e os eompradores poderao
visitnr este estabelecimento, que muito de-
verto gostar pela Tariedade de objector que
ha aeorpre para vender, eomo sejant: cadei-
ras para viagem, raalas para viageiu, oadei-
ras para salas, ditas de belanco, ditas para
crianca (altas), ditas para escolas, costarei-
ras riquissim-as, para senbora, despensaveis
para crianijas, de todas as qualidades, camas
de ferro paraaomeme criancas, capachos,
espemoa dourados para sate, grandes e pe-
qaenos, appa?elhos de metal para cha, fa-
queiros com cabo de metal' e de marfim,
ditos avulsos, colherys de metal fino, condiei-
ros-para aala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas- para cobrir pratos, esteiras
ipara forrar salas, lavatorios completes, ditos
ende-e o *itioda Maogabeira, o-i flrincipio -!!1 objectee para .toilette, e outros nun-
da estrada do Arraial, com boa casa de pedra e tOBiartifOS que muito deve-magradar a todos
eai, com cwutu>d^ para graude famUia, por ter que vwitarem eate grande estabelecimento
9, quarto? tres salas, e t gabrnetc, e uma outra qQe gg ^^ abert0 desde as 6 horas da
ca*a deatro do mesmo no, com uma boa salt e ^u- .x o i i x
doas quartos, cocneira jomo, uma casa de ba- horas da n<>u-teA
nfeos e p&fo? de boa agna do bober, com suas
competentea bp-abas -r aste sitio se terna recom-
raendavel ,p>r ear |ulo
e esta bem arbori.-aifb de rrncteiras de toda quali-
dade, neste gtnero e> mais bem plastado do Ar-
raial : os pretamjontes.podem ir v6-k> para exa-
rgina-lo e tratir no mesmo com seu proprie
tario a qualquer bora do dia. 3
Paris, pna:
ttepofito m^&rnmbiro, k. BE60RD.
Venda de sitio.
ma-
Attengao
Vende-so dHas easas contiguas c que teei com-
municaeio de ama oara outra, a?. ) e 35 a rua
de S. Miguel dos Afnjrados, com sitio murado e
portao para a rna do 3om Gotto : traia-se nas
mesmastcasas, das 0 as 10 horas da manha.
Paebeco A Ar.ovg4em para vender tapioca
Raa do Barao da Victoria n.
__________22.___________
Alvicaras.
Venham todos apressa Jos
. E com os bolsos recheadoj,
Do Camftos ao i rtnazem ;
Venham, nao falte uingum
Ver o grande sorlinnnt.'
(Um verdadeiro ponleoto)
Que para a quaresma tem ;
Comprebendem ? ora bem I
re. o covade, assim como grande orti-
menlo de eantOes, botnbaiinas, princezas
pretas, merinos, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
LAZ NUAS M ORES A280,3J0 E AOORS
0 Pavao vende bouitis lazinbas de cores
para vestidos, a 280, 320 e 400 rs. o co-
vadj tendo ate a 19000, sendo dasmaU lin-
das que tem vindo ao mercado, assim como
granadinas de seda com os mais delicados
padrees, a 640 rs. o covado.
Sediialkas a 19600.
0 Pav3o vende sedas com listrinhas de
cores a 19600 o covado. Ditas com pal-
minhas a 29^00. Ditas com toque de mofo
a 19000 e 19400.
CAMBRAIA VICTORIA A 49000, 49500,
05000 E 79000.
0 Pavao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precos
de 49000, 49500, 59000, 69000 e 7a000
a peca, assim como, ditas de salpico bran-
co, a 7#000, e pechincha.
0 Pavao vende bid bomto aertiaeato de
espartllhos modernos 39500, 4.5000 e
3#O00, assim carao um bonito sortimento
desaias brancas, bordadaa, a 59000 e 69000.
e ditas de iesiaaa de oOres a 39000 : 6 pe-
chincha.
CORTINA DOS BORDADOS PARA CAMA E
JAN ELLAS, DE 19 ATE' 59000 0 PAR
0 Pavao Wide um grande sortimento de
eortinados bordedos, proprias para cama e
janellas, pelo Oarato preco de 79000,89000,
105000 ate 259O00, aisn eatno : eotxae
de damasco de la aiaito ftna de lOfOOO
1^9000 cada m.
BRAMANTES A 19800, 2900O E 29500.
O Pavfio vende bramantes para lencoes,
tendo 10 palmos de largura, sendo o de
algodao a 19S0O e S9000 a vara, e de linho
a 29*00, 2960 e 89000 a ara: e pechin-
cha.
EiSSMlRAS A 59000, 69000 E 79000.
O Pavao vende c6rtes de casemiras para
calijas, sendo padrdes modernos, pelo bera-
te preco de 59060, 69000 e 79000 o corte,
assim como : panuos pcetos dos nv Ihore*
qae tem vindo ao mercado, de 49000, 89 e
IO9000.
ROUPA FKITA.
0 Pavao vende uma grande porcao de
roupa feita, sendo : palitots, frakes de ca-
se mira preta a de cores, assim como : finis-
simos sobrecasacos de panno prate, e cal-
epB de casernira preta e de brim branco, col-
letes de todas as qualidades, por preoos
muito comraodos, por quertr acab*r com
toda a roupa que tem cm casa.
Acba-seconstantemente aberlo o estabelocimen o do PAVAO, das 6 horas da manhi
as 9 de aoite.
SABAO DO RIO DE JANEIRO a 200 rs. o kilok no armaaem da rua do Amorira n. 41.
de Jose Domingues d Carmo-e Silva.
GAZ ft 5^600 a Uta, uo armazera da rua do Amorim n. 41, dc Jose Domiugucsdo
C.irmo e Silva.
VINilO MUSCATEL de uva branca, pura, do custe de 239000, no arraazem da rua do
Amorim n. 41, de Jose Domingues do Ctrmo e Silva.
22 Rna da Craz 22
Vicento fugio.
Na noite do 13 pan il de maryo uo corraute
ann> fugio o mnlato Vicente. esc*e*0, de 20 annos
de idadn boniu Ggura, b.-rba, oestntur*regular,
levaudo vestida e em um saciM roupa de algodao
branco, e alguma mais fina, prHiccne a um
caixeiro di ca gn.-zia de Saist'Anna do Maitm, dia ser livre, ca
sado, e ter sido erlado em compaaUe damadri-
nha. D. Amia Luiza di Lnr, de .ju-in alias fm
esci avo : roga se, portanto, a a sanbo'ei capitaes
de campo e am -.ridades r-o!iiaes a apprehensao
do dito eseravo, e entrega.ln na cidade do Recife,
rua do Cres;jo n. 10, so r. Joaquim Moreira R is
'U na cidade do Assu, an Sr. forqnato Augusto
do uliveira Brptista, quo serao geuerosamente
gratiOeados.
E' com as tripes pulando de contentamento que
de Araruta de unalidade especial: em seu a'rma Saf'!?e?t0 akn,e -a onJa 8as|r"n zem na rua do Duaue do Caxias n. 26. 15'as e "?* briga pernambucanas fdicitan-
----------- "-------------=?.------------ ; do-as por ja se acharem livre da pena de ioterdic-
Mflfiftira baTRta il0 e Pdereni sem receio da alguma indigestao ex-
w va ** km. commungada, comerem os mais finos e saborosos
vende-ss uma porcao do madeira de aniarulla, comestives, coadjuvados por uma cascata de vi-
costados, c.jstadinhos, a>soaBi<>, de.rrtllegada a de nhos de todas as qualidades, daixando a quem
forro ; assim eonio outra por.io de louro para deaejar o direilo do grilar: viva o triurnpho das
assnalho e forro : a tratar a rua de l'edro Alloaso barrigaB II..
o. 35, outrora rua,.da I'raia._______________ j Mas, coiiio ia dizendo, nao |dia dei'xar de
T,ivr JUlViitlid UlllVblbttl, 1U : UU bem barrigalraenle planejaio o ataque das bar-
TmnQ- XIIipUiAUfJl II. *)t. nmos, que ostrificados a idea ficticia do infer-
Obras de diren-. aaja] m eUudo a Paeuldado do D0 m';h0 iaveoudo pelas grandes barriga, pa-
Recife, qn." so encontratu na l.vraria Uoiyers .1, ra horrori.-arem as barriga-i sem tripas, susteuta-
a saber : vam a mais ab-urda das monstruosidades : a
Aulran, compendio de D'r.iio Publico Universal, infallibilidade do principal bojo do amor as avassas
Prelecrd's de direito Public > sobre o mesmo de ,riPs dadiis e a for^a de tripadas queriara
compendio, polo Exm. conselheiro Silveira de h>P0CritanM;Dte alimentarem a pelluda e famigera-
Souza. da -cxque=t5o do iLa centopea negra que en-
rolada no capote chamuscado da inquistcao, pre-
tendia assar o mundo das barrigas, privando an-
tes a luimanidado de gannar dinheiro e de era
tempos ama e>te de quaresma :
GRANDE
qua
% Goasultorio niidjco-cirordjco
\
DE
A. B. da Silva Maia.
R"a do Viseonde de Albininerque a,
il, outr'ora "ia da uaatriz da Boa-Visto
n. H.
I'.rraio;..;. a quai[]uer bora,
t'onsuius: Aos potf.-is grati?, das 2 is
i horas da tarde.
0
If
I
Eseravo fugida.
Ausent B>se no dia 20 de fevereiro proximo
passado, da tasn de sell sen' or. abaixo assignad..,
o eseravo Estsvan, com os 9isnaes si'gnintes : cdr
preta, idade de 25 annos, ;;Ito, e?j)a*aUdo e eor
potcnto, ti-ndo peacoM carlo o gr.iS!"', e a ca-
be.;a nm tanto cliata. Dito eseravo e natural da
provincia da I'arahyha do Norte, fi.i vendido era
18C8 na viU.i do Inga, pelo Sr. Pedro Antonio da
Qnta ao Sr. alferes Manoel da Af-nmpcaoe San-
tiago, que no mesmo anno o ti.uxe para esta
praca do R-cife, vendendo-o entio ao abaixo av
sianal.i. Pn.'sume-se que.dito everavo lenha se-
gmdo pan sua provincia natal. Rugate, pais, as
autoridades |.oJiciae# e capjtaes de eampo a ao-
prehen**n d- dito eseravo, fira, assiguado a (iiieru o agarrar e apicseaiaJo na rua
do lir ,m n 96
Recife, 11 de marco de 187i.
_____ Fran->.'" R;heiro tfUUo fiaimaracs.
- Precis--e alm,a. uu*. raw <, eon bas-
tantes comm dos ra g-rardo famit-a tt.qqa seja.
ims segiilnie- lug;^,s : SuieJa-ii, Unuflea. Jiaa
f!Uinh... .->ra U ,le Juan ugaiH, ...-rt.) ic.-lc-A |^[f Jf ?|b|umio para

i
ser lO.M-ma Io uu
Caxiaa n. III.
Autrtin. Ompendio de Direito NUural (tra-
duccao do Z -iller)
Mpura Mug-ilhdex.5ynopsi do Tiireiio Natural.
Vilella. C'in'p-ndie de ihreito Ecclesiastico.
Idem. (Joaquim), Iuslituico.;* de Direito Ec-
clesiastico.
Autrtin.Tiatado de Eeonomia Politica
Mrn&et dn CuiiUa. -Codigo enal.
Idem, ide.n. ijuui du Pr. cosso.
Braz Po icr ( Q ) xMi.Jera.-jor.
Ideal. -0~ fre; cd:g-s.
Eleigdo tlirerta. Tor diver**s eacriptures.
Charma. Piiitosophia.
Mud, Blcineato de PiIosipliia.
Pedigogia. -Por Daligault, obra muito ulil aus
Srs. aluom -s da woola normal, a 4|06i para
aoahar.
De fazerem penitencias
Enchendo bew as narriga-,
Poii nao e tempo do brigas,
E sun e, de abstiaencias.
Mas, como ia contanlo, custou, porem aflnal,
j drpois da rasorada que ilui passou no pescoo.o os
' noderes poderosos, a cabeca foi parar no fun-
do do rio e o rabo, como ruim de asfollar, licou
no seco expesto aos pon tapes de qualquer gato
pingado, deixaudo e verdade, magra as coUegai
bardgas, que despeiladas vao tratar de se nulri
Mesla-loja M MeettMMM outras muitas obras de wm, vindo ao armazem do Caaip*", a rua do Im-
direito e iitti ratura,
modo.
que se vendem por preco co
La^iftfeaa jajymezas
a 280 rs. o covado.'-Na rua do Queimado n. 43,
deTwaie oa pffa^-inlia da Independeucia.
Laainbas a iaiwiu-ia Rad'rdes muUn mndernoa 3ulras *M*8B do outros |t|f ares mai^ afamados dc
^rTo^oS r*V r.Ta d"S,erra&Fer: P"r'Uea1' a,Mrord? U'" Cnraplet0 S0'tiu*3D,*, da aCe'
.perador n. 28, on ie com certeza encoctrarao alem
do que desrjarem o seguiole : ovas do diver.-os
peixes e de bacalliao ; peixjes dc vinte qualidades
e:n conscrvas, .-ardinhas em latas, camaroes see-
cos, bacalhao, pesrada", sardas, lagoatas, salmaj,
batatas, arroz, feijao, cebolas, azei'.e, vinagre ;
ipanteijia inglera e franccza; doees, fruclas e
icineocnta quattdades de vinhos. flnos do Portj e
...AMVER
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n. 63,
apressa-se em eonvidar a scat fregnezes. com es-
liecialidade an bello sexo a virem apreciar os se-
guinles artigos expostos a i cada c todos por precos
I eommodos, como sejam :
i KINAS HONECAS mansas c choroaas.
BONITAS E BN6RAQADAS visUs para sterios-
copios.
COM MOD AS LATAS para guardar cha.
I ELEGANTES BOLSAS para seaboras e meakiat.
BONiTOS VASOS corn- fina banha e chpiroo
, extractos, trazendocada frasco nm no.Tie, um ini-
. cial ou um distiro.
I FINAS KEIAS D SEDA, vindo enlre ellas cor
de carne.
Para quern goslar.
A' Nova Esperanc? a rua Duque de Caxias a.
61, acaba de receber tentos o caixa3 r ara o ioffo do
Voltarette.
hraqniMnsfredas pernas.
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordio, e o raais largo
vein ao mercado, c que se vende pelos dimiuutos
prec.s de2i()0, 25^00. 35200 e 3*300.
SU' NA I'.l \ O:) CRE5PO N. iO, LOJA D\S
VMS PORTaS DE
Guilherme AC.
Itini u Jajtt tla esquiaa
M)h mais eabellos
braiioos.
, Muum mm, i
S6 a unica approyada pelas acadeatias de A Nova Esperaaca, a rua Dnqne de Caxiaa _
scierseias, rcconnecida superior a toda qae ^ acaba de recehef as proenradas meias de bor-
tem ^pparecido ate boje.
Deposito princi- raeha para qnem s,lffre d:" I**1-
pal i run da Cadeia d'o Recife, boje Mar- [ FLORES ARTIFICIAES
quez de Olinda, n. 51, J, andar, e em
todas as bctiras c casas de cabelleir
ireifo.
VENDE-SE
uma casa na viBa de Barreiros, na rua do Com-
ierci), por prico ntodico: a tratar com lass-
Ttmaos 4 C.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias a
63, acaba de receber um lindo e aimplt-to sorti-
mento de flores artificiaes das melbores que tea
vindo ao mereado
A ellas antes quo se acahem.
Costumes para crianca.
A Nova Eiperanea, a rua Daqae de Caxiaa a.
63, acaba de receber aonitoscooines para crianca
: e esta se vendmdo urr rvc> razo.ivi is.
ajISOr
eiydo?: .da pijies raros, deRciosiJs e que
Panno d algo-iao da Bahia.
Vonde.de tolas a qualidades Joio-Redrigues-de
Faria : na rua do Amorim n. 33.
Fumnyp
pa Bab a e do Rio wi.i,fia> Hod/igues de Fa-' oujrfafaJ4c #,' oa
na, a rua do amorim n. Sa. vamoi ter fr.-tas, fet
CamiaAs do-oretone
as mais modVnias qae tem.vrndo ap raftrcadV1, sen'
do Ifeas e eom llftras, e que se vend'e a iOAftOO a
dqaia e a 35' 0 fcada nma ; e pechjoeha.
HoHanda
Rahindo em qoalqner barriga
Faz a meflwr dige~rao, *'
E nao la? met a bexiga,
Gome eottioado, verso.
Mas. enmo ia fallandn,
JK^ Grande reinii&o!
Para toilos
Republican* e rnonarchistas.
Democratas e aristocratas.
Federados e confedenados,
Communalistas e commupistas.
Catholicos velbos ou povos.
Todos devem #r
Reunidos ou nao reanidos
Faser emquanto antue
$uas encomcaaDdai
, Cios sahorosos trll6s
I A N>va Esperaaca, a rna Doque de Caxias a.
. 63, recebeu um pequeno sortimento de annoi*
' pulseiras electricas, proprias para qucm soffre dos
nervos.
'?
Farinha de n|ndioca nova.
uMi-ale cbeaJa # Santa Catharina l
ier ao ara^iefaeCarepanhia, e para tra
_ri[jtorio a ra 4o t'on.mercna. 5, J<
5 Goncalvcs Beltrao A Filho. Adv. it.r
ReefntuOk-ale cb*aJa tt Santa Catharina u?m
para vender so arapiefae-CBrepanhia, e pafa tratar
noj^eu es-ri(4orio a ma da t'on.mercna. 5, Joa-
quiin Jose Goncalvcs fteftrto A Filho. Advertindo
aoa coiripradore% reis paa%o do ai-" em quajqutr auira pane, tan-
to em- grandes comn em pequeaas porco>..
Iiijdo.cliiarfe.
indo, iamos ntrar na vida de
eprtca da* ft? . festas e avals festas, c como todos!
comem-daa lartae, vist^qde'ijma parte da para as f
feejas. e ttes reeebfrn par* preparar as festas, e
jpgjco que o bregeiro dioheiro q'ie anda tao vas.-1
qaairo, saia dos' cofres doivajaap,teJ orthodoxos e
Vhio-3 oar prevo fcareto um rico chakriz
m~ *, i de marraere oroprio para iardim. o qual se arha
laO preCOniSadOS I i anail aa othtiB* de ma i wre i *. Ueia.
' rna do Impcradorpara qoMB o miatr *m:
Fabricados a cap-ieho
.. lios pasu,luros
S6- e sonacnte
I Va'familiansandoco(*'^gy)<+as vasias dos JNa COllieitana 00 CamDOii ,
Btos nir ua vez veniiom aa arua- I_ _r
r^cisa-.se
de dous rriadfM
Apj&jjttipe* da ruao.Ipi..^5
para tid.--9ervirY. : a tta:ar atfl
ho'el de Borleaux.
- 0- vhaafxu a'^mjic .oi^u'^wft-,
peiir.vel pubiieo c com e: do.i.o.V.iW dct
coniiiiercio, que dissolvoraii aj^La^d...-ui.- a.a
cieaa.le que tiuuam na ^,^
-*'j'.arni> n. 13, llcand) a Cara
Duque de Brim pardo fc% o quu U do nais fiuo, aim um
, toqne.de avarift 4u so, ^aade.al4|Pffa.ooa
I do, f^zenda prcpria do fcajz por ser linho puro,
apuicada para costume* do lioraw^ e deioeninos:
I da- rua do Cr.po n. 9A, To/a das trps portas, dfc
tteilhariiie & C. jnn^i a f'ja d,a esgnjaa.
neoessiUiios,# eMs por *ua vet veahom as arwa-
zjent ife.rfa^o* a rua Ao Impend*v n.>SW,aiepa.
rareui-*apataa quaresma, tenepo-deabftiaccoias
e.P?JJWr\**-**ma sem liconea, oo;nprai'-ena 0 que j
9 4, Imp;- in tl a -
a .
ratal aa rua do Crespo, tej* d Pma mi>
aiao da Santo Aaiaaio. _______^^^
En^etaho a venda.
Vende-e o engenho Paraiso, sito via Nha *
Ilamarar.i e lovantad i aa pooeo tmpo on Mrras
llli '' '1 ^A^afiA A^ikaVaATaA k
ba fle;tnaw1govsy.&abofps, t**j,rooe iod. im Of rdadeiro panno
a corgu J'l.ttBtu itarr/HHti
toiooacli'o ejjassivo do Jjo e^abrteeimentwat
w six-io Sutra pago e,,s8Ljijt-ii.i luf seu capital e
UTf'S.
Reuife,-# de marco da-MM-.
Man'el G deB'irros.
Jose das Hpra Motta.
lude-se ibna purta o u\i\ i |*u 11a d kmro,
Mi 10 e 6 palmos do abura e o da largo, a mais
|ljaf Jprras acloiutftvpafa, j>af .* a,pf.iaeel>-
or preco mnito em ci.riu : aa rua-datMte
ano a -60, a 4Br.
se ,bpBiljW .WMSnide {iflias
les one W'acabfl
-/ ia? n. 88,loja de Demeirio Balo.
.,ia|iMiflofesL
e-swaeap w
na rua Duqne de
caba#m o\m-
Diwr.avji ajman^sa
Dos generos- uppeca^ea
8ueLsSW(W.*Jr.lQlM >ahaiB la e quanto aptes
'SSM'r'i causai rnntriz
V* Oablpos naff ter>ivaes,
j E poder s6 fornecer
j P^ljoia*. gftih e poazor.
iin

Tc2!^z^r^ \tty&z&svsfcmS*
DPoellente fiodevela.
Cognac de 1' qu*lida4e '
Cari ao.de Pedra de todas as
azul iroene.ano.
terreno a>?|| erotaottfMfe .., rnaoffeaca, t
i Iho, fijan etc. Alem ao Varrenos de plaoUflo,
' ha uma boa solta para gaIq.fnqfr*' arvores frac
vitt\ tns.\
Ltiferas, inclusive coqueiros e gnjimos lugares
j-------
aastff:
a^i
K aituacao % casa
eagradavid, e > ellrna c passs^o da ilh da fca-
Miaraca'sSo muito'sprrwHaveis, alem de ootna
\ vaatageos que com a vista qrrlhor cont*wri o
_ conqirador, dirtghidri e ao ren-rMo enge iho, ou
Vqajfcae ft d* liudospadroos a-IOOrs. e- twva- 'infonnaadti-se na rua di. AtalfiQjL 9. frepteaia
do i;n1aa,dGre*aoB.*aA, toja da esquiaa ; da-Boa vista, junto a e-mi d'agn?.
dao ^%Mnainas. *;TT
T_L"------'-----i------i-HI'Li-^-l----1----------------
!8 4NW-HTVM!ifcH.
Vende se ara toaifp, essrayo de 18 aanos-iel J OUCO HlOlO.
elSadapor *:3flO#, optio para copoiro ou boleciro : > Brim pardo ruilo fino a 400 rs. o.covado : so^t-h, reffb^u pefc u
|a Malar no pateo da Ribetra, no portao -do ma' na'raa doMJueimado n. 43; aproveit^hi que epc- mccto de chapeos p
' meeiro, chiacha, na loja df Guerra & Femandes. | vende por preco commodo.
Chi'P^os para soriMN
\
)
i
\
i^M.



4
/
/
i

'
Dfcw* M Smmb&tii ^ftr^itfira 1 W&L|fcl$> 4* <*i*i
8,


fazendas finas
ordeiro SimoesufeC.

on
ad
00
ff ea urn* d* ra** q*. wj ^ *nMK.
maxrtaliereeer aoa seu* rregueas ina tariatie-
iaoirtie*) de,rMenda.fu9 par* grande toi-
lM Bernassfta para uso afdinaRo de todas as
0,tt2*LeJ^^09'*mttJbSM; *rfutieyraz' um
pwueB*reiino.
Maaam taMndas jj casto nreteadentesk
pf- 3F ^S1 "PWMal neceasario, c dad amosttas
me^ianfe- penHor.
Cortta'As sedade lftMfcts eVes-:
Grosdenaples de todas asjoom.
Gorgarta brMicoy H*a,1d.lieftas>i preta, etc.
Setun Ma^ao,, prew c de cows.
Grosdenaples prtfo.
Velludo preto;.
Granadme <*e setf*,. preta <*d*Jiret,
Popeljnae de lindoS padroes.
Filo de seda, brauca e preto.
Ricas basqufnas de sofa.
Casacot de mermo de cores, la, etc.
MM* Brasileiras.
CorWs com-cambraia branoa, com liados borda-
Rjcas capetfas e raantas para noivas.
Iffquissimo softimenW ftb fife com listras de
soda;
Cambraias de cores.
Dilaa naaripozas, braanas, lixas e bordadas,
Nanzugues de. Kudos padroes.
BsptW-ls, padrOes> deiicsdbs.
Perealjf** d'qidW)s-,;pyeti9" e braocos, listlas,
etc., eto.
Betas de Iinho de cor, prawi >= nara vestidus,
com barra e listras. *
Ricos cortes de vestido dis Iftjbb. 1* eitos da
mesma cer, utfNba mod?
Ditos de eamtoaia de dres.
Fustao de lindas curves.
Saias bordadas para senhoras.
Catrtitts fiortfadas para sennoras, de linhd e al-
ggm,
Sonifltento d.'lM-as da wdatbira fabrica de
JoH.vio, para human* e seatwas,
Vestuarios para menioos.
Duos para baptizado.
Chaneds par* fitor.
loaliBU guarfanapee adamajeados de linbo de
ede, para, raosit
Colcbas de li.
Cbrtlnddo* bordados.
Grande portinwnto' de camisas dfflinfce, Htas
bordadas,, para homes*.
Heias de cures para,lumens, meainos emeni-
as.
aitas escoceza?.
CompJern sjrtimcst'o mens e sesheriis.
Merino de con? para vestidos.
Qiio pret 1, trarv.aslo e dilo de verao.
"iilhado de Iinho e algod?lo para toal
ttialh'ado pa-do.
Darta*tfotde la.
Brins.de linhu, bnanro deioews e preto;
Sotim-d Gbales da merino do cores e pretos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta, e de cores.
Ditos da toonoiM.
Gamitiis de dbiia ara 1 homens.
Ditas de flaneUa.
Ceroalas de Iinho e algodao.
Patraos de crortiet pai'a'-soH-, cadteiras eroiMW
; Leo MMH e de tljNlMii
Colchas de crochet.
TarlaUna d.e toi as as cores.
Ricos cortes de vesUdfos do tarlaWoa bardafloa
paw cortw.
BepartilKOs Nxoe, nr Foulard dc seda, liddxs cOres.
Meias de seda para senhopa^e menmat.
Picas fachas de seda e 15 para senhoras.
Rico sortimento de lenities de madreperolas e
sM
Damasco de scd&
Casemira preia e de Cores.
Chita?, madapofao, panno" fino grfctb e azul, col-
larinhos, paohos de Iinho e algodao, gravatas, ln-
va de Ik) d Beu d* nheej beisas ite viajrea, pefto* bordados para he-
mens, lenjjs de. Iinho branco e de d">res;. toaibiA,
giiardanauos. etc.. etc.___________. .
Da qtimt-a do Menere*
Exccllente vinho-verde de ova pirra, em banrls
de quinto e decimos : vende-se na P(m da-Madre
deDeasn 38.____________________________
Yanqtaes de ferro. *
Veaderse drus, triangojares, proprfos- pwa na-
ns-V ria, riia da Hftfao n. 67.
------------^-^ ^ iiiii-i-------------------------------------------
rs..
LWHftS

RETROZEDEALGO-
9A0
DE
fODAS

Is
CHORES
E
i
mm
BAftTR.
V
WatMB

1
flji^'tita. rmperatriz, o... TZ
1 a DE I
WRB&&fitiaKRAES t IMAOS
\o-:li;i' Jo ivtoben- um gnande sorUmen'o de fazendai prctas para qua

Com as falsificaQoos quo terrr afiparecido
MS MACHIMS PARA COSTDBA
4 1/2
O
OO
s
.a
O
m
raa-
Nenhuma
china Singer elegi-
tima se-nao Ievar
esta marca fixa no
bra(jo da machina.
Fara evitar faJsi- S
ficacdes notem-se
bem todososdeta-
Ibe? cfo marca.
o
o

A dinfaeiro e a prazo!
A contento das Exmas. famdlias
vios
(
II
A
Jk1 run do Ci'cspo n. >
Loja das 3 portas
UZISHAS
Ohegou esU fa/enda, com padroes inteiramente
ovos, ft qne se Vende pelo dirnioulo Dtec/? de 100
rs. o co\ado : islo por ter grande quantidade.
SO' XA RUADOCRESFO -\. 20
Loja de
Guilherme &C. junto a loja
da e&quina
Cafeiolet.
Por lodo pMfB Vende-se umicabr olet de k -
cias inlrirfutenle novas e de V ail 2 assentos : a
tratar na Passagem da Magdaieua, no hotel a
ntrada da estrada dos Remedies.
Vigw do Gabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
beflo, restituicat) de sua cor
e vrtafrrJade primitiva e nat-t
ural.
O Yiaon do Cabeu.0 e nma preparacao ao
mesmo tempo agradave), saudavd p. efficaz para
con6ervaj o cabello. Por. me>o do seu uso o
cabello rujo, grisallio, e enfxaquecidb, dentro de
pouco tempo revolve a cor qne lte natural e
primitiva, e adquire o brilno ea rreecnra do
cabello tr* juveritude; e eabello >a) s Oorna
denso e a oalvieie muitaeiweees^ poao '^oe n6o
en todes oa.cn.soa e neutrahzada.
Nio ba aada <^ue pode reformar o cabello
lepois dos folliculos stareni de^tjiiidos, e ae
glandes algunwi podem, ser aajvadaa e utiliaadaa p-la
applicacao do Yigpr, Libre de essas Bubetancia*
deleterias que tornam muitas prep^racoes de eefce
finero twn nocrvaee deatruodvae' ao cabeBoj o
igor Pomenro lhe e; beaefioitl. Era vet it
sujar o cabello e o faze* pegajoso, o censerva
limpo e forte, embellizandoxvimptdjudft aqueda
e-ev'iteraor-s*. ru^ e, pw, con8e^inie,^re,YJfte
jar; nap contend^ plep nem tint'ura, nSb pcidfe
mancbar meemB o maia aiv lettcq d'e'eambraie.;
pednra no caoeHb/fhe dtt iim lustre lu*nrioo,
e um perfume mnito agradafel.
Para reformar a cor 4a barba, e neeeaaario
maie tempo de que com o cabello, porem se pode
appoeeaar o eifeito, euvolvcndo a barba de noite
cem \im lenco molbado no Vigor.
PBEPAKADO FOB
Pr. J. C. AVEit & CA.. Lowell* Mass*
Katndos TJixidoe,
Chimieoi iyMIwi e Analytical.
V3B2TJDB SS POR
Sao maisjbaraUs.
Sdo de docs pospontos.
Sao simples.
Sao rapidar.
Sio duradoures.
gomo SEJiyi:
01tOSDH.?r.tPtK 1'M-TO A 18800., I V&%$>: BR.4NC0S A 20QO.
VepdQ-jie.jgrpsdepaple p^ty paxa, vesU'do Vende-se len^o.s brar.cos fii.os, a 25>0O0,
(To. senbor.is ifljjGO', 2 'if,"ty, a 5* o 3^.300'e 3J a otAia; ditos de litiho, a 49,
cevado. Stfe G^tfOt) a duzia.
' PATfUO" rWET* i( 2Jf30f. CROCFIKS TA1U CADF1RAS A 15P500.
Veude-ie panno pretft de upas largtiMS, j Vende-se pannps de cro^hepara cadeins,
'para cli;as e palitOts, a 25?oO, 33, 395^0, a 1?500 cada um, colchas de di o para
49, a 093 0 o covadb. 'noivas.
[COHTKS DE CASEMi RA.TKETA A 59000. | MADAP0LA0 FRANCEZ A 79000.
Vende-se cortes de caieajira preta para
j cal^as, a 5, 69, 79 e 8900 o corte.
MKU1AO' PRETO A 29800.
Yen le-se merin^ preto lino, a 2^5800 e
39000 o covado.
BOMBAZNA PRETA A 15^500.
Vende-se horh'b'a; na preta. enfestada, a
19500, 19800c 29010 o covado.
ALPACA PREfcA A 5p0 RS.
Vende se alpaca pr*ta fina, a 500, 640,
800 is. e 1JOOO o covado.
FAZENDAS DE CORE$'E CAMBRA'IA
BRA.NOA A 890\0.
Vende-sjB pecas de C8mbra4a.brfncatraps-
annte a.3949,|ft?"e 0?090, dftes de cam-
raia tapada, Victorra, a 39', 39800, 49
e 55DOO.
CORTWADm PARA CAMA A 1690C0.
Vencle se cortinados berdados para-coma,
a 109. 209. 25S > 309000.
CAMBR -I.l tit COmiS A 300 RS'.
Venile-sc cambfaia de tores lins, miud^s,
a 300, 320 e 3G0 rs. 0 cov^ o
CHtlAS LARCAS A 2u0 RS.
Vende se cbitas lafgas para vestidos, a
240, 320 e 3G0 rs. o covado..
BRA BASTE A 19600.
Veode-se Uramante com 10 palmos de
largo a I9G00, 1558'.,0 e 295' .0- o metro.
HA DA P0 LAO A SJOOO.
Vende-se. pegas de madapolao enfestado
a 3900O. Dito inglcz a 4C50O, 59 0
5,5300, (>90i>0t. 75000 0 89000 a pessa.
cottrrNAi)bs p-aju Aimus a 89000,
Vtnde-se o par de cTtiijados bordados
para jatitllas. a 89 e ln;0 0 o par.
AI.GODAO A 45000.
V.ndese, pog.i5 de algodao, a 4j5, E9 e
C5000-
CEROURAS A 1900,9.
Vende-se ceroulas de-aljodad, a 19CO0,
ditas Gnus de brania;ite a l9500 e 29 cada
uma.
CAAUSAS BQASCVSA 290OOk
- Veudo-sfj- cami* braacas Aims, a 29,
295^0, 39 e 450O0.
Sao de dous pospontos.
Abainbam.
Franzena-
Pregam trangas.
Marcaro pregas
Bordam de liuha de seda.
Alcolchoam.
Pregam oordoes.
UN1CA AGENCIA
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
AR1N8 DE GORLS A 00'RSi
Vendfj^ebrinsde cores para Car*;as, a 400,
e-50O rs. o w>va4h.
CH*'ES"A.80O-S.
Vende se ehalestreH a 8=00'rs., chalesde
aserrriA de cotes, a 29, -39V 4tt e W 00.
mLCHAs de man a 29000.
Vende se colchas de cores para csma, a
29, 39500 e 4S000.
CHfTAS DE'COHIES A 30O R9v
Vende-sechitasfinas de cores, 300 e 400-
. 0 covajdo.
A ALPACAS BE CORES A 500 RS.
wnde-se alpacas ffnas de cores, a 500,
G40 e'890 rs. o covadb.
TAPKTES A 4S00
Venie se tapetes para salas, de diversos
tnnanhos, a 49500,' 89, 09 o 89000 cada
BED.
VrniTe-se pc^as do madapolao francez
mui'l) fino, a 7$-'89 e-i09100.
BRIM PARDO A 400 RS. 0 COVADO.
Venae se brim pardo para calcas, a 400
rs. o covado.
CORTES DE CASEMfrRA DE 59000.
Ve'nae-se cortes de casemira de cores para
oa!. .is, a 5y, o?o00 e G--00O.
Vende-se grosJenap'c preto com
pab.nos de larg'ira, a 53 o covado.
ESGL'IAO PINO A 2900O.
V% nde se isqfiiao fino de Iinho, a 2$,
25500, 3,Je i5o metro.
CHI I AS PAH A COBERTA A 280 RS
Vende-se i hitas para coberta, a 280 e 400
rf. o eovufo.
B!UM BRANCO A lrOOO.
Vendu-se l.rim branoi !^2vrt, tttKKT (? *Q o metro.
BRKTA.VfiA DE LlSffO A G'0 RS.
VMide-.'C bretanlra de Iinho, a G"0 rs* a
FLANELLA DE CORES A 800 RS.
V'-ndc-se ftttntlra de cores, a 800 rs. o
eoVado.
COBERTOP.E3 DE Af.GODAO A 19400.
PREDEECiA
A' riM'do Cft{r^ n. f .
. Qji pruprieiarios da IredilecU, r toiM de
couservar o bom concetto iuih Uxm lutnaio do
respeifovel publico, di.-aioguiiido o seu uliMM-
mento doi mais que negociam do mestto geaero
veem scienlificar aos seus boos fregoczes que fn~
veniram aos tens correspoodeoies nas divcrsaapw-
tas d'Europa para Ihes enviarem por t des opa-
quetes os objectos de Imo e boni gjsto, qua aa>
jam mais bem aoeitos pplas sociedades eleganiea
daquelles paiiee, visto aproximar se o tempo de
festa, em que o hello sexo desU iioda Veaaaa
maia ostenta a riqueza de suas i..iile'.ts ; e ce-
mo ja recebessem rxfle paquele franc, z diveno
artigos da ultima rnoda, veem patentear aigue
d'entra elles que se tornam mais reeommendavtii,
e.-peraodo do respeitavel publico a eoatW
concurrencia.
Aderecos de Urtaruga os mais Um que
vindo ao mereado.
AlbiiDS com ricas capas-de madreperohi e de
velludo, sendo diversos tamanhoe e baratos fer*-
os
Vendfe-se cobertores de pello a 19400.
Cobcrtas de cbita a 1580') c 29. ditas en-
cernai.as, forradas, a 49, no Bazar National,
lua da Impcratriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 39000.
Vende-so cortes de cassa rcindas a 39
cada um.
GRAV As PARA SEMIORA A 15!'00-
Vende se gravatas para senboras, a 19,
ditas para homefts a 5' 0 rs.
AlfeeOAO ENFESTADO A 19C0O.
Vende-se algodao enfestado pjra lencfos,
a 15000 a vara.
GRANDE S0RTIMENT0 DE R0UPA FEITA
NACIONAL.
Vende se paliuits de panno preto, a 59, "9,
W 104000.
Vende-se pafitots de alpaca preta, a 35,
39o00.e 45000.
de panBO, a 49,
a 3^, 35300 e
Vende-se calgas pret35
9lf, 79 e85000.
Vende-se colletes pretos,
49W0.
Vdnde-se ceroulas, a 14, 19500, 29 e
3-aeeo.^
Yende-se camisas brancas, a 25, 29500,
39 e 49000.
Vende-se camisas de chit:s, a 19*00, 2$
e 35000.
CUITAS TRETAS A 320 RS.
Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 3C0
rs. 0 covado.
LAZINHA A 200 RS.
Vende-se iSziobas para v*stidos, a 200,
320, 500 e 500 rs. 0 covado. No Bazar
National. ra da Imperatriz n. 72, de Men-
des Gaimaracs A IrmSos.
Attencao.
GALLO BRANCO
. RUA DO RANGEL N. 3
Armazens de seccos e molhados
TEM PARA DISTINCTIVO DO ESTABELE:iMENTO liM GALLO BRANCO, PINTADO,
PARA ALGUMA PESSOA OLE IGNORE A LEITtJRA.
Rodrigues A Pires, regressados em Peruambuco, cidado do Recife, successors do
armazem do Gallo, a" rua do AJgibeves, em Lisbua, oroais afaraidoeconbecido afmazero
naquella cidade, caprrcham seropre em ter gpneros Je primeira qualidade, dos quaes dto,
aos seus numerosos freguezes um conbeclraento mais prolougado na reiagio abaixo des
cripia :
0 que e bom e caro
Palavra bemdita que nunca faitju.
Cba\ perola fino, a 55000 a libra. t^maroes seccos, a 500 rs. a libra.
Dito miudinbo super-fioo, a 49000 a li-! Oueijos frescos empellicados, prcco.com-
bra. mode.
Dito popular, fino,, a 35000 a libra. Cascas de c6co para lavar 'asa, a 100 a
Manteiga ingleza fior. em barril a I9G00.1120 rs.
Djta ditafina, emlatas, a 19500. Forinba fina de Muribeca.,
Dita, dita, dita e dita, a 19400. Vassouras de piassava para servigq,inter-.
Azeite de.peixe baleia, a 64O rs a garra-.no,,a 240 rs.
Ditas grandes a500.rs.
Massas para iupa da todas as qua|ida--
:a.
Dito de edeo, fipq, [a 800 rs. a garraf*.
Dito doce e carrapato.
Aguardentedo caldo da. canna, feita de
encommpnda, a 500 rs. a garrafa.
Dita popular, a 320 e 2i0 rs. a garrafa.
Dita braaca, a 200 rs. a garrafa.
des
Vinbo '.into e branco, stioeriores, eugar-
rafados eem pipas. E oatros artigos .que serd;
enfadonho ann'umerar, em secco e mo-,
Ibados, por ser extenso.
wmk pechioclta a 200 rs o
covado.
Cassa la, padroes novos, e de mais gesto- qne
vindo ao mercado, so'i na rua de Queimado
43, loja de Guerra i Fcrnaades, pelo diuinn
prego de 200 rs, o covado I
Chegnem freguezes qne se acaba_______
Fogao de ferro economico
Vende se um chegaoe ha piucos dias, tendo for-
nalhae pars lenha e carvao, fqrso para assar,
dpoito para agua. qui-nte e lugar p.ara ^e guar-
dar quente as comjdas depois de feitas; cstes fo
goes tornam'se recommenoavefe pcrquo ?ao de
ferto batido, e fabrieado* ceat perfeicao eco2t-
nbam ecm ir.i;i diminuta lenha : na rua de Apollo
A. ,
Gaz
a
a lata, do melher que vem a este mercado, da
a ra de Henry Porster A f>, com-a quantidade
complata dq liquido: nos- armazess dilJopeM>H
mingaaa do Carmc e Silva,i rua d* iUAft de
Dtus d. 10,.e rua do Amorim, q. 41,,
Maguolia
Na l-ijadftMajjnolia, a.rua Doquo de.Caxia>o.
45, encontrara sempre o respeitavel pablico um
complete sortimeoto de perI'umarias linas, objectos
de-phantasia, lavas de Joovia,- artigos de moda e
miudezas lioaji, assim oorao modicftlale nos pre-
cos,agriadi) e^iocetidade.
Ajwtwb e!etpicos
A Magnolia, a rua Duqqe de Caxias n. 45, aca-
ba de reoebor os vepdadeirosi aoueis e voltas elec-
trica?, proprioi para es nerve*yp.
Meios aderecos
A Magnolia, a rua Duque de CaxibS o. Id, re-
cebeu wn cumpluto sort! men to-de.
Meios aderecos do 'Urtaruga,
Meios aderecos de madteperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda)
c de muitas outras qualidades,
Bjotoes de ago
A Magnolia, jwrna, Buflua.d* Caxias n. 45, tena
para vender os moaernos botoss de aco, preprios
paia vesllofos.
GoUahas e puahos
dasituais rftedMna,qpe ha;n# mefcado ; a-ellaa:
M Magaplw.,a fM.fti^ne.de C/pm. ".
Lencos qbmbm&i-
A Magnelia, a rua Duque de.Caxias n. 45, re-
flJSIw1uma.pe!qBen*qBanlillH,de leocps^de seda
chine^, com lindisaimos desenbo^, fjzepdaintei-
ramente nova.
Leques
Undo* leqpes de madrtjoerola, de taiiaruga, de
marum^dfijosiio, e de, mpitas auths quaudafles:
recebeu a Magndlfa'i 4 rua Duque de Caxias nu-
mero 43.
Atto.cjaJQ.
A low di-MaBftoUa.,*. Wia ,pu,ape. de Caxja? n.
45, acaba de tyeCeber o seantntes artigos:
^Manual flemadre'perola'Wrtaruga e marftm.
Riees albune cowicapa d niadreperola, eba-
madeira, velludo, couro, etc.
daa'CaixAs ,om 4niAyniasperrwnjrja3.
Ljea's de 'seda. brancas e de cpres.
Vbltas de raaafeperela.
Rolselrasi deinadneperola.
Rjm.^j(as jw,.q9.-tuc4,
Vestuarios para haptisado.
Tunas e sapatinbos de^etltt,,
edernos cfepetw'de Sol de-*eda para seabotae.
Lindos port-bouqaet?.
fina Direito m. &.
VENDE-SE
""".....
a taverna sltalio largod^ Rlfceira n. 1*: a traUT
na mesma, o done vende porqne tetn de rotirer-
se, a tratar de sua saiide.
Vendese barris de peixe congro em salmti
ra, sendo barris.do tamaabo dos de mauteiga, 6
peixe de espeeial qualidade e muito novo, por
preco razoavel para acabar : no.armazem de Pa-
checo & Azevedo, rua do Dnqne de Caxias n. 99:
Cimento
Vende-se na rua da Madre de Deos n. 32, pelo
roenor prejo possivel o verdadeiro cimento Por-
inglez, de carga.
Xeste estabeleeimentt ccncerlan>?e chapels d
pallwj Fe4*-e veHutJ, par*sen%rap e^niewnas
sando formes dfls-nJuis-niedprnas a^'hcjaietoga
daa. Trtcbem se. ooncer^i^ c.pape'as .de, todjaSi
quabdadcf, paca homens, garanundo-se a perfei
0o dos concerto*. '"" p
m>m*nDeeftbelgei(eritft im um -liado-son
timento de chapeos de palha, dos mais modemos,
cofeilados com muito gosto, e pelos precoi de 16*i
184 e 90*, rjrogPT**. -7-
^Chapeos de seda 0 de velludo, f rmas moderaa*
para 104 e 125-
Para luto.Chapede parasenhoras a 103 e 124,
0 para meninas a 8$.
------------------------------------------------------------4_-----------fc j
Pechinha grande em cam*
braia A
Cambraias lran?pcrentes, avariada9, a 500 e 600
rtiis 0 1*000 a p* ta: so 0 n. 20 da rua do
Creapo, loja das tres portas, de Guilherme & C,
junto a loja da esquina.
gren,
'.
3
m*

cbi
*^ourai;anje 4ilC.^'^wd(iriandiejW!deto-^; V(jn#- wvo,
rlo dei*.. W: paAtagafc*,,* ^lirV^JHjWW*?-
0 fl-de,^, jam
iVersostamauhos-: no Ba
;
'Bngenhofe -tyo; Maroam-'
Vende s. os..eegBitttea ;
i Burfa,
. Prtlricio
A tratar com se^is, p/oprHteTJl^nesta cjdade,
e para informacOes cm Joaouira'Pinto de ijei-
relies Filho, na mesma cidade dn Mamamgoape
Farelio novo e
Milho pequeno
Da melbor qualidade no armazem de farioba
de trigp de Taaso Irmaos 6*0 Apollo.
Yendem
Wilson, Rowe & 0.
Era seu armazem a rua do Trapiche n. 14, o se-
guinte:
Algodao-anil americano.
Fio de vela.
Carvao da pedra Jj todas as qualidade-.
Tlido muito haratu._______
J. 0. C. Doyle. ~~
Tem paTa ve i c
Cognac de Hennessy, superior e verdadeiro
Vinbo Xeres das meihores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Chi preto em lartas de 10 libras.
Todas as preparacSes chimicas do Dr. Ayer
armasem da rua do Cnmmercio n 3fti
Aderecos completos de borr.' ha | r pri>* para
IdIo, tambem se vendem meios aderecos n,uito lo-
nitns.
Botdes de >eiim preto e de cores para ora^ta de
vestidos de ser.hora ; tanibem tern para c.-:. palitot.
Boleas para senheras, existe um Lello scrtiicen-
to de >e;a, de paiha, de chagrim. ete., civ, por
barato pi ego.
Bnnecas de todos os tamanhor, ta'ilo d.- ioaja
como d^ rera, de borracha e de ih..>.i ; rhaaa-
m a attfncao da> Exmas. Fra*. para cu arfifb,
pois as vezes t>>rnain-^e ae criarca; um pw*-*) ii-
peiiincnles pi.r falla de um objecto que as ea-
tretenhani.
(amisas de Iinho !i?as e mn peii l" -^adjs
para bomem, veudem-sc por prtca roii-.-nodo.
Ceroalat.de linhu e de alfodar de iivprsos pre-
tos.
Cnxhthaa com UMiska, o vie i urn* '.\ak>,
coin dlsticoj uas tampas a pn
MM
Cuques os mais moderaos e i- I'rvcrwe !**
los.
Cliapiiu¶senhira, Rect'lHT.iiii. ::i sortiosealb
da ultima moda, tatrto para aenbora, ceo para
meninas.
Cajtella* simplis e com ved para uuvas.
i.aicas bwrdadas para meniti.
Eniremeios estampados e bordadus, de I^Am
desf-nhos.
knm electricas para deute?, li go a | i^-fr.e-
dade de evitar a carie dos iaMaa.
Frapjas de seda pretas e d-
grande sortimcuto de divercas la ynn* e MTmu
mm.
Pitas de sarja, de gorgurad, de. setim e de ;
malote, de divt-rsas largoras e haaitts cores.
Facbas de gorgurao inuiti li;,.;
Plores artificial's. A Predi^.ti | rima rai .-
servar sempre um bekd e grange sortiinenioaca>
tas flo es, nao so para enhite d e.! llje, c:30
tamliem para oroato de vesUdo d- otraa.
Galoes de alg tos e de divi-rsas cores.
Gravatas de seda para honiem e s^nhora.*.
Lacos de carobraia e de *eda de div. rsas cere*
para senhora.
Ligas de seda de cores e bnaca> bordaiai; -ra
noiva.
Livres fara ouvir missa, com cr.nz- de n.adre-
perola, marlim, 6s-o e velrudo. MMo que ba bom.
Pentes de tartaruga e oaarfim para alisar os ca-
btlos ; teem lambein para Urar casj:. .
Port bouquet. Um belk) surtm .-in de maCra*
perola, marlim,oseo ednoradu- pi r L. rat" ;reco.
Perfuuiarias. Nesle ai ligo et-ta a .. '.Jikcu Voa
[irovida, nSo so em extractos, c >; em c4ai
banbas dos meihores odores, dos ;;.: s a'ar.uji
labricantes, Loubm, Piver, Socieu^ue Hygiet
Coudray, Gi>uel e liimel ; sad indi>p oiaTcd par.
a festa.
Saias bordadas para senbora, por ccmn.:d-
prejo.
Sapalinhos de la e de setim bordados ,para bap-
ti^ados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta u;n bocii^ >oru-
mento de diversos tamanhos, tanto para scfa
mo para entrada de salas.
Vestimentas para.baptisadoo qu.^ ha dt
goste e os mais uiodtrao,recebeu a li i.ir u
de or ar.to pre^o, para Bear z> alcaate
qualquer bolsa.
Rua do Cabuean. 1
0 INEXTW6L'n7iiL
Vende-se as casas terreas segumtea :
ltua.24 do Maio (eutr'ira dosOssos) ns. 2 e 4.
Raa.do Fogo n. 2.
Rua do Padre t-loriano a, Z'l
Travessa da Bomba n. 5.
Becoe do-Padre Lobato to. 8 A.
Beeco do cat's daCadeta-nova ns. Jei
A tratar no Largo do Carmo n. 1.__________
Armagao
Vende-se uma afnlacSo de atr/arello, em bom
eMado : a tratar na raa Pfimerro de Mara) n. 20,
m^________________
Lindas las escocezas.
De varios padroes, 6 inteiramente modernas, t
360 rs o covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Ctespe n. 13, loja das eolumnas, de Ad-
lonw Correlade VaODoellefc
j-----------------------------------------------------------1------------------
etrangiro.
JParis n'America, a, rua Du-
que de Caxias n. 59
primeiro andar, acaba de receber um complete
sorttoento. de calcados eetrangeiws para toomem e
saotorai vindo eatra elles nm Undo aorUiuento.de
elegantes chiquitos, sapatinhos e botinas para
erianffis, qpe Uid" vende por precos razoaveis.
,,'ijtw (^oe,9fl. uma.taverna oa rua das Carro.
gas', esquma da rua le S. Iuao. com boa. casa de
vifenda tfrntstauiH- eomm plend-la diviia se a mowmu
muito.forte
B.d6xceUfflk-viizee. a tratar na rua (U Barao
'.wa.^i36 deo^^Boicja n. ?9 ; ra nwama-easa teem para vep
der-se uma boa monilia de iae.iran.1a. com poueo
J^ULr ^5 WperftiifestaVlb; !! V '
fj- 11 ill >'M;if1 'in :mi------------rm------" 1'^: '--------1---------
Minis, ehinezas
'fp a /6.0 rs. o covado
'" rua do Qa*''.mdo n. 4, ~ e*nfrcate
pnactnl>a l Vpdepen'ien'-ia.
Aproveitrm qup s6 p barato. "
La inh;i< a chincn <--i:n padroes do furta-cAres,
pronria para tn-tido*. pelo dmiaiitn pi^o de
(60 reis ov.l, 6 n;r loja de Guerra e Fer
nanJes
D4o se am.iftr s
As unicas verdadeiras
Bicbas hainhu' um* one vem a estemerca*'
na m^ Marquet deulindan.fft
A'.celebrt agm Florida
DR
til Hit AT Uma pura distillacao das mais iaras fla-
res zer, quasi o oddr odorrfero da9 flores da
tropic da America, e sua fragancia i -jua?
iiiexhausta ainda mesmo por OOfrtMU s
e/aporacao e diffusao, SeSta respeito e
i icomparavei a qualquer outro perfume
qne ha de vende para :
DKSMAIOS, ATA-QCES .fFltVOSOS, 1:0K
BE ("ABtCA, DEBILlDAliE E
BYMTERiQOS.
K um certo e ligeiro albvio. Ctn o I
. )n, ten) conservado sua iitflueiicia ,
eima de vinte e cmco annos sobra to l -
,.erfunies, nas Indias Occidentaes, (
ulexico, America Central, e do Sn'.
aim toda a coufiauca. 0 racomwen kamoi
1,01110 um artigo, pelo seu aron>a muno r-
licado, riqueea de odot'eponujtiteuii.i,
pode ser igualado. Tambem faz n m
da pelle :
ASPERKZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDAS| E BORBl L1JAS.
"Sendo ruJuzida com agua, se torna uma
exceilente mislura para bauh;- a peii*.
dando um aroseado e cor dara a eomplei-
jao nublada, sehd6 applicada depois da
barbear, evita a irritacio qug geralment*
occorre, assim como tambem garganteanuo-
se, o cbeiro do cigarro desappa' jce, e m^
^lora a condi^ae dos dentes e g^ngivas.
Como ba muitas imitacdes, as quaes t.U
pusauem uennumas d'estas propriedadM,
deve-se toroar cuidado e contar somente '
o famoso perfume d cosmetico Ho sul 4iaorica, ch'am
\fil'A FL01H
BE
WRBAY I-A M.% S.
^3 acha a venda em todo od
pwftomari as da moda.
^ "-----------------r, v -i .
Ual^ae branoas dt **>
a mw*
IUl
VwbapA var nnxni n.
W,,.,uudaImperatriin.-5.
Ji para
B mibaii":
*200 i
s6 na Rora Branca.
.. fluJ, par
?inda ijue *
a rua da I
Calcas de casein
E' na loja da Rosa Branca q
de easemtTM preta e de cores, J
moda, a 74 ; e grande pecbincb
peralriz u. 56.
I



"7
I
m*mmmimimmmimmmim^BR*
8
Oiaoo de PerflAiiibjico Ter VARIEDADE
I
Am ultiiuM excurftfcs na Africa
Equalorittl.
0 Monitor Universal public* alga.is ar
tigos ii>tHres timo 'xploradores A Africa C* Iral", nr<
.oa,qaae* ngurou coa gloria iiuuto U .
-Lvioguon, cnjas obras vans r 'r i* an-
te pubheaaas, f irnecendo m^i conhecimentos sobre aq.ielles i meus>.
de nb jf-idi.
Si >ndubitav.dmeme do grande utili la-
de in-tnjctivaest-S piu'.amenta, qie jjl
garaoj. dr-veram merecer a tteucao dos lo;-
tore dr> Diario,
Um dostes artig>s contem uma curio*
descripgio sobre o Nilo e s .bre a exploragio
dan suas nasceutes.
Adesoberts do Levicgstiu, do pek%
de But m, da Grant e de Bak^r team tido
nestes ultimos 15 annos ma e--.ii>> coiuo
nnnca se proiuz;oigual *esle. pri iripio
do se-ulj. As historias de-sas v a gens,
p*los qualros variad>s que oTer-ceru, pel*
multmli Hade dos costumes que revelam,
pel* originaudade dospaiz-s que do^crevem,
o pelo -ucanto das avonturas, que roma'i-
tisaro, teem obtido ui sue ess) im-nensi.
So se liver em Lnha de conta os ohm n-
tosde p>pular po'er-sanoenti em Franca as eip'oragoQi
africanas. o a t-m 'encia qua ariMstn a je
os espiritos para os eslidos giogrtphic-is,
nio Siremos demasiad m-ntu hyb^rho ico,
dizenloqua a -winiao public ac .mpmua
hoie c >m interesse osj npithia os trabalh >s
d s horoeiisa!iim>s. quo procuram peoe
irar nas immense regiSes equatoriae3 amdi
desc rnhfci )as.
0 mysterioem quo e Nilo envjlve as suas
nascentes e particularmonte celebre, K' um
pro lema entregued solucodas 11156 s en
ropeas, desde os orimeiros soculos de sua
ci*disicao, e 0 viijant feliz que o resol-
ver, satisfara a euriosid-.de universal e mui-
tas vezes secular.
Os antigos diziam : procurer as naS-
oentes do-Nilo coma nos hoje dixemos :
procurar agulln em nalbeiro.
Os egypeios tinham-me post nascente
n^ ceo. Entra os gre*os e ro nan nos a Afri-
ca g .zou sempre de uma foma mysteriosa.
0 que saltiam della, como o quo podiam
imaginar, ara bistante pan os c-mfuu
dir.
O Nilo ; o-seu curs) sera affuente, as suas
inund5oes inetplicaveis. tbema fovorito
dos antigos p'Aysicos ; o horror do desen >
que engnlio Si',000 soldailns de Cambyses-
esuspendeu a march* de todos os conqois-
ta 'ores, a phjsirxiomia grandiosa e enigma-
tic do Egypto, unicp port* aberta para o
interior, as historias mrav;lhosas que cir
culavamno imperio desconhe^idode Mdroi,
a rnpublica mais desconhecida ainda, fun-
dada pelos 210,000 gaerreiros transfugs
de Psammetico, e cujos vestigios ainda hjje
dnbalde se procuram ; as producQd.s ei-
lr>rdiuarias. os monsiros dos circos, as es-
sen ias precioss as ^irtudpsmagicas, as p>
pulaQdes negras, f^osas era maleficios, as
h sorias ^'..gs, 0? legendas amplia las, tudo
fmftr^j contribuio para dar4 Asia um* phy-
sirfnomia estranha, auormal, prodjgiosa,
exagerada, quo a'nda hojetiao perdeu corn-
pi etamente.
A imaginary. achava um vasio caminho
nsta terra das sorpr-zas e completava com
phantasias as numerosissimas loucuras que
haviam em cerUs e determinadas his-orias.
Quando PJinio entrou na Africa, n5o se
entregou a divaga56es Povoou-a a seu bel
prazer de boinens sem cabega, e para con-
servar 0 equilibrio de auimaes ora cabe-
5a humana.
Tntos encantos mysteriosos doviam at-
trahir am ambi^oes. Voi assim quo se vi-
rTi os grandes conquistadores da antigui-
dide pensar cm juntarem a sua gloria a
conouista dos paizes tributaries e a Hes:ober-
ta das nascentes do rio fabuloso. Alexanire
0 Cesar tivram esse sonho douradn ; Lam
bvs e Nero procararam roahsa-lo; os 801-
d'ados do primei 0 nao pjssaram 0 granae
des^to de Hnrosko, 0 terror das carav nas
da Nubia. S)rprendidos peli fome, tive-
rm de se devorarem uns aos out os.
Os dous centur'oes do segundo f >ram ate
ao immenjo lago Nou, que s6 tinha de ser
^m--------r---------------------------------------------^------------------i----------
visnado ICseculos mais tarde pelo exercito tornar-se elementos do seguranga.
de Matiomet All 0 viajante nio pdde appellar, nem para
* Africa guardou 0 seu segrede. o interene nacional, nea para a honra
Ptolomea no t rceiro seculo. por indica- nem para a consciencia; tudo isso 6 abi
coes de Ktnyupes e Pigaffetta no eu seculo desconbecido.
XVI. pelo que soube dos portuguezes, pa- Souvoaarora, rei de Soni, e Kanerosi,
rdceu telo descoberto. Hoje esse segre 10, rei do Hungaro, que todavia se tinhara por
em parte revela 0, nSo esd corai)letameBte principea illustres, entregavam-se ds mais
eouhscido depois de 2i segulos de teatati- incriveis baixezas para extorquir a Spek 0
?flS- mais insignificaiito presente. E' com 0 ins-
0 cur o ilo Nilo teal sido explorado ate" 0 tincto bestialmenteegoista que se deve con-
'qia-lor, mis as suas nascentes continuam tar, com um absjlutismo que por toda a
a esc nler-s e o desconhecido consorva parte dispde, como Ibe parece, dos bens e
&>sim no <:e itro can um gran le lugar, que se iraduz na Cada tribu vive em geral isolada e n4o
cost 1 por urn esjiaco branco de 15 grins de tem muitas vezes com os vizinhos outras
compriraeulo por outros tanto de largo. redoes seuSo as que procedem da guerra ;
ria uma guerra aberta pntra a iufatiga- n8o ha, portanto, proteccSo alguma de
vel curi.)sidade d> tionem e a ^ltiva obsti- um para outro estado. En todas as re-
na io da natureza, guerra terrivel, cujas gioes, orientaes o contacto dos negociantes
victim*! nio p6Jem coutar-se, J^sde os so'.- arabes tem exagerado ainda os nidus ins-,
la los de Cambyses atd o nossj pibre Julio tinctos. A' barbaria juntou-se ainda 0
Girard. 0 raartyriologio 6 intermini- odio, que originou 0 comm^rcio de es-
vel. cravos.
Ni> ha logir na Africa que nao conte-,' Sempre em luta coji os vizinhos, com os
nha osdespojivs dealgumdesgra5alo negreiros, com a fome e a miseria, com *
E' CbappertoTf qiemrre de fobre ; 6 rapina dos chefes, estes povos negros pa-
Poucet iue expire de cansar;o ; e Muugo- recem verdadeiranfeote feridos pola maldi-
1'ark que .se afo'a ; e Vogel aegolado por! 5^0, deque fallara as tradic^des biblicas.
um f natioe ; e '.airig pelos ne- As coutinuas emig^aodes que esigem as
gros errantns ; sao T une ; 6 Lesaint; 6 iUaizan; 6 Van ley ; e gos, a anarrehia, as diSicaldades da existen-
Lovingstou, ouji morta acaba de nosser an- ci*. a sujKrrstigao fazetn morrer ij^o 0
nunciadi de um modo lao imprevisto, e gefineli'rfe civilisacfio.
tanlos outras mais obscuro, main>o uoenos. Ellas consurvam-se ainda nas- eulturas
corajosos I rudioaentaes feitas & enxada. A eliarma
gageid, por mais iasignificante desperta a cubisa ; dabi 0 perigo de ser
roub do e massacrado. E* preciso accres-
ceutar ainda 0 terror innato que 0 homem
branco causa ao homem preto, terror tao
vivo e tao instinctivo, que parece commu-
nicar-so ate" aos animaes.
Levingston conta que, quande passava
por cenas aldeias as criancas e as mulberes
escondiam se e os caes, com as orelhas ca-
bidas, com a cauda entre as pernas, ui-
vando de medo, fugi m para traz das moi -
tas, sobre as quaes as proprias ,aves procu-
ravam um refugio
Em presen5a de tantos obstaculos accu-
mulados, que admiriii.'ao que se discute bi 2,000 a onus, nao e.teja
ainda resolvido ?
Tantas victimas teem pago os resuJlados
obtidos, que e de pruver que outras tantas
tenban> de pagar os que ainda faltau a ob-
ter f Por isso sao drguos de admiragao i>s
audaciusos aventureiros, que esta sinistra
previ:* 1 nao detem cm sua marcha auda-
ciosa !
fiAir mereeem so adtrrax;ao, merecem
b' qua a natureza e inaplacivd. No
ceiitro dessa parte do muado- asaguas reu-
nem-se por no sy^tema de vastos mares
iuleriores.
V irmain-31: abi quatro grandes nos, que
dividein a Africa -iju iturial em qnatro gran-
des bacias; dir-su-hia q.ic a natureza qjuer
occultar esaa admir>vel elaborerw a todos
os olhos.
Ella accuronlou barrreira sobre barreiras
t redobrou as pfacau5dMS contra as investi-
ga^oes iudiscreias. Multiplicou os ofctacu-
los-e os perigo*; obslruio os rios. Qae to-
ri inv podiio facilitar c- accesso para o inte-
rior ; cortoa o Nilo com eafaratas, q*ede-
tiverara os viajantes ate ao iirn do ultimo
*culo, e que quizeram enoolk Mahomed-
AJ1, no prin.ipio desfe ; dividro a eraboeca-
dura do Xambeze era f ,00 btragas, sempre
variaveis e sujeitas alluviees perijjosas 4
navega5ao.
EUa secca> o ongry e o Ogow seis raeze*
no anno, eraharac,ando-lhe a navegac,ao eon*
ilbas, com roehedos, com escolbos, eora
bancos de area, nom fun los baisos, com ra-
pidas qaedase uma vegeta5eopoderosa, qu
lbjs obstrue os leitos muitas vezes em gran-
des cspav;os. Burane a esta^io cbuvosar
es valles transfo?mam-s em Sagos ; na es-
tacao da sec;a, as plaotas convrtem-se er
deseTtos.
E depoit; ella, a implagavel natureza, poz
sob todas i-is iornus a macte de seutiuoHa
em todas a' entradas ; as norte o Sahara
com os sous ipiratas e com- a sede ; em In-
dus as eostars as febres aludosas e mortiflB-
ras aos estrang-ures,.de sorte- qua o euro-
peo que h!hita as costas6 rospira a ioi'-
te, porque Bucessanteraeate perniciosos roifts-
KKis enveneuam o ar.
Camdos, o grantte epic* portuguez, cam-
prehendeu bem e desoreveu admira.velmeiUe
essa hoslilidade da natureza, quo ode
certo modo a defeia da su* virgiada-
de.
O g<-ande Adamastor, que elie. asseatou
no grande promoutorio austral; qua nem a
Ptoloineu, nem a Strabo foi notorio, ainda
chora de raiva, por-qae o descobriram !
EUe sentio-se raortalmente ultraiado ao ver
os seus mares devassadfl* pelo homem e
oonspirou todos os ventos todas as teropes--
tsdos contra os portugaeaes. assds ousados
por se terem aventurado. ate lhe auxoutarem
as iras.
E' assim a naiureta aiticana. Para se
defender, ella cbarnou a a todos os recur-
sos da morte, e tera foito pagar bem caro a
violar,8o dos seus segredns.
Se 0 solo n5o e hospitaleiro, a popula55o
que 0 percorre, e monos hospitatein ain-
da. As tribus que erram pelos- territories,
dos quatro graudes rios, podttan ser quasi
todas collocadas no ultimo gfio da escala
humana.
Ellas nao teem nem instituioons politicas,
nem sentimentos religiosos, que possara
Ihes c totabnenOe descuubecid'a ; iguoram
a exisfencia da maior parte dos cereaes e
dos legumes, qoe constituent a alimenta^So
das nacoes mais crrilissdas ; possuenr pou-
cas espeeies de animaes domesticos e eon-
tentam-se com as prodUc56es, mais faceis e
e inv as babita56es quu mais facilmente 9e
p dew-suhstituir.
Ha muitos milhares-dfc aunos- que as ge-
ra^des dos negros, que s> succedem naim>-
mensa planieie compreheud'.da entre o lag
Tcbare 0' iwOrange^ moram em cabanas
do forma conica sem janella, cobertas do
palha e com a-parades- de terra, q{e e o
primeiro abrigo que o homem constrnio no
mundO.
Goose rvami^e estacionarias no laeio da
barbaria mais profunda, no estado social
mais primitivo-^miseraveis, crueis, traroei-
ros, dfcspTeztveis^ refractarios a todb o po-
gresso. Pae Haaaron, no- seu perifio, os
vio correr ds praias. taes se enoontram
hoje.
0 Sp. Samuel' Baker, no roteiro da sua
primeira viagera ao Alto Nilo, falla muitas
vezes no despraser que Ibe causa tajnanha
degradaoao : A-natureza-bumaua, diz elle,
observada no sea estado primiiivo entre os
selvages* deste continente, nao se eleva
acima do nivel do brute e nao pode com-
parar-se & nobreaa do cbim. Estes-negros
nao sabem 0 qua 6 0 reconhecinaearto, a
piedade, o amor, a dedieacao, nio tem
idea alguma de dever neia da religiao ; a
avareza, a ingra'.kido, o agoismo e a cruel-
dado ate as- suas qualidades distinctivas.
Sao todos ladroes, preguiciosos, iovejosos e
que sao mais fraeos. ou a- reduzirem-nos &
escravidao.
Para nao faltarmos a verdade,. devemos
dizer que e-ste triste relrato offerees excep-
^6es.
Nos-lugaros-a que tem chegado a vaca
da Abyssinia, que vivo proxima dos gran-
des lagos, e a rara dos- cafres, qua oiybu-
pa as-margens~ do Zambese, 0 negro tem
uma pbysionomia mais nobre 0 mais hu-
mana.
Spoke coaservou boa- recorda^ao do Ra-
ragone e de Ouganda; Leviagston falloui
de um modo cuinmovente a respeito dos-
Goiolos. Emfim, no interior, eertas tribu
nao estdo ainda pervertidas. OsManyemos
conservam de algum modo os costumes par
tnarchiaes,
Mas \6l> sao exaopgoes. Era these geraL,
quando os exploradores eseapam & ma igni-
dade do clima e aos perigos dos caminhos,
teem ainda a lutar com a barbaria dos- ha-
bitants*.
Se elles avaoc.am bem escoltados, 0 me-
do dospovoa o paiz que atravessaa; dabi
0 perigo de se perderem e de morrerem de
fome.
Se se arriscam isoladamente, despertam
uma descoofiau-ia supersticiosa, a sua ba-
tambeio recoirbecimento. porque a sua
obra. su e provehosa, c tanabem beroica ;
provoitusea civilraogao, prowtosa & buma-
nkTade, peoveitosa ao commorcio, proveito-
sa A' gloria ta sua ii3&ao.
Semuitoff-na-vioscfazam todos os aimos
a costa da Africa; aprisionandc-os negr-i-
ros 'r se u Egjpto, foifldo pulas BBCfies da
Europa tove do renunciar os escravos para*
foruiirt* o seu exercito de Soudan v se re^
ccateiaente enviou uma axpedi(^o aos Gran-
des LejfOs para esmagar o commercio da
escravat-ira na sua origem ; se a logiaterra
exigio d sultao do Zanzibar a supprwssao
nos sout dstados dos mere ados de negros
trazidos do interior (tratado do 3 do junbo
del873';,a quern deve tudo isto a hama-
nidade ?
A Cailland, que frz- a historia da derfts^
tagfto foita pelos Soldados de Mahomet All ;
Hevingston, que iao eloquentemente contou
0 estado era que se aebavam as- margens do
Nyana, depots da caa que se fez ao he-*
mem, cmo s pederia t;r feitoa feras ; a
Sajpan, a POocet, a Backer qee assignala>
ram o ti rrivet traficor que se faaia dosde
HmsMhiu ate Goudokoro, aos viajantes que
balava:n toda a Europa civilisada, contan-
dck os effeit'-funestos do trance, essa lepra1
que leva va oraelhur do seu sangue e da-
su* intelligeacia a uma-raga inteira.
Ese n Ingdaterra faz enda anno' em Zan-
zibar um coramercio da dezesetB milho^ ;
se em Vadai, no centro n>esmo da Africa,
era- um |iaiz que esteve ate entio iecbado
aos europeus, o Dr. Vaebiigal acbou no
anno passado o meroado eheio de- produc-
tos-iag'e/.es ; a quern o deve a lagiaterra?
Aiosseus viajantes quo acharam os ca-
minhos, que dascobriram os rics, e que
deram ao sen cominereio as primewas ba-
ses-das suas cpera50es, forneceoj(iO"OS ele-
mentos do caloialo para a venda e para 0
troeo.
Vese, pots, que ointeresse e a sympa-
tbiado publioo, de que-aeima fallamos, sao
completamen^ merecidos paloS explorado-
res- africauos. Os povos em geral-e osseus
paizes em particular aebani unu gxanlft sa-
tisJaoao nossas-euiprozas, a que taill 1 de-
vem a causa- do progresso da eivitisagio e
da-humani-iade !
deiras, sem tomar as ordens do general So-
leille. Escreva este ultimo, o qual me res-
pondeu :
Approvo completaroente a intencfio
em que estaes da destruir tudo quanto pos-
sa serrir de tropheo ao inimigo, mas
e necessario esperar ate* ao ultimo momen-
to.
Todavia a 27 sabendo* da capitulagdo,
dei ordem para se queimarem os estandar-
tes que me tiiiha.n silo confiados anterior-
inente, ordem que foi ex-cutada no dla 28,
pela manbi.
Passados alguns instantes recebiuma car-
ta do general Soleille, preveuiu lo-me de
que as baudeiras seriam iransportadas para
0 arsenal afim dedeserem inventariadas, e
de saffrerem a svrte quo seria, depois da
paz, /eservadd ao material. Os meus es-
tandart :s pore it, estavam queimados
Um cap tao de estado maior veia podir
me que Ibe entreg*sse as bandeiras, ou as
queimasse ni sua presenca. Wostrou-me
a copia de uma oidem em que se annun-
:i.va que as bmdeiras deviam ser queiina-
diis. Mostrei-me a ordfein do general So-
id'.Be, que dizi-j 0 coutrario. Uouve en re
n6sarabos ume scena de emo5ai que fa-
oibneutese comprebende. Aquylle official
poz-se a cborar. 0 general Soleiller ao
qual escrevi, voio1 elle propfio ao arsenal.
Disse-mo quo as duas ordens so tinbein
succedldo, que tinha quarido salvar a>
ban leiras, dizeudo ao inimigo- que doviam
sr destruidas por occasiao da queda do im-
perio, mas que ao inimigo tinha opposto
aquolla chtusula uma coodigao rigorosa
Esqueci-me de dizer que tinha entregado ao
official do estado maior a bandeira- quo elle
rae roclamava, e me entregou em troca do
rseibo.
Em resuroo'disse o coronet Girels-, todos
os estandarlos de que eu era depositario na
manlia do 28, foram querroados.
PYesidenle.Orosse modo, nem verbal-
mente, nem por escripto, reeebestes nenhu-
ma ordem a 25,2fi e 17", para queimar as
bandeiras?
R.Nao.
. P.E pelo uutefior reeebestes ordem pa-
ra as eonservar T
O'general Lavaaucoupet [ movimento no
auditorio).A 27 de outubro recebi a noi-
ta ordem do general Frossard para activar a
remesa das bandeiras-da minha divisao para
serem mandadas p*ra 0 arsenal, afim de
serem aHi queimades.
Esta ordem pareceu-me verganhosa. Nun -
ca saheroas bandeiras, sem qaie se Ihes-
prestem beiuenageie especiaes, e nao ad-
mittia, que se lani.-assein n'ura- earro. K
'alem d'isso, para qe se haviam de quei-
mar? Quo certeza tinbamos bo*? Queia
provava que seriam yyei madas ?
Record ao termo do ineu commando para
recusar af:nella ordem- Depois do primeiro
movimento de color*, teinbrei-me das gran-
des cousas- que so tiaham feito em frente
d'aquellas- bandeiras. Foi em frente d'es-
sas bandeiras, que a 6 de agosto, tinha....
JOllSPRDDEHSIl
queimai-tf/
Peco licence para dizer uma palavra
nossos camaradas, que, mais fcliiea do qoe
n6s, tiveram 0 sentimento de ver aqoelles
nobres emblemas irem parj Berlin. As
bandeiras que 0 inimigo apreaeuta boje
como tropbeos, foram guardadas n'una dn-
posito ; os prussianos reuniram-n'aJ como
objectos velhos.
Em Metz foi tamada uma bandeira, mas
como os francezes sabem tomal-as, isto e,
debaixo de fogo, de metralha ; foi lomada
com uma coragem beroica, deixando sem-
pre mais inimigos no campo do que dos
sens. (Sente-^e cborar, e applaudir ao
mesmo tempo, a comm ><;io 6 grande. O
proprio presidente partilha della, deixando-
se prodozir livremente.)
0 general de Jeaningros, 56 annos. k
minha brigada compunha-se dos zuavos, e
do 1 regimento 6', granaderros. Meu ge-
neral, foz-nas con*iecer que tiube recebido
ordem de levar. as suas bandeiras para a
artilheria, e disse-uos que na> sabia o que
peaaar a respeito d'aqueHa ordem; que nu-
tria grandes inquietacoes, e que precisava
ass?gurar-se do que deveria fazer. Parti-
mos'le accordo. Encontrei a general Peaa :
tinha-na mAo a aguia da sua bandeira. A's
explica^6es que eu pedi : Recebi, dij-
se-me elle, ba meia bora, pouco mais ou
menos, ordem de entregar a roioha bandei-
ra ; ordera que nio me inquieta a respeito
do que devia fazer das minha; bandeiras.
O meu coFonel tinha primoiramento pensa-
da em ebedecer, depowcercaram-oos, dandc-
lugar a que elle pensas9e.
Ofiiciaes, e soldados todos com as lagri-
mas nos olbos, nao queram deixar as suas
bandeiras; 0 eoronel, qne professeva os
mesmos sentimentos, foi veocido por aquel-
le impulso de ddr. Ah 1 e porque todo 0
exercito era ranito valento; Sr. presidente ;
era 96 necessario fazel-o manobrar ; so pe-
dia para se bater.
O'eorouel fezvaproximar a porta Laadei-
ra em frente dos sens ofiiciaes. A bandei-
ra foi dividida entre todos, olfic aes, oflfi-
eiaes inferiores e soMados do regimento ;
destruio se a baste, e sepai -se a agaia.
Quando 0 general soobe d'esta scena; ap-
provo-a disse elle, e pela sua parte orde-
nou quese procedesse da mestna manerra
para com as outras bandeira:. O que se faz
com grande applause de todos aquolles va-
leutes.
Tinha-vos parecido que o eaidado de
destruir as bandetms pertennia aos que j-
nham a missao.ds as defenJar, que a is-
to se Baa podia faltar ( viva oomaocao em
todos os bancos. Dos jornalistas cahiram
algumas lagrimas no papol em qae escre-
viara. )
O ge-.nral La Posset, 56 annos.
A 27 de outubro-as 9' horas da neite, re-
cebi u-na carta do general commaadaiite do
segundo corpo, que meconvidava reunir
as minbas bandeiras para serem levadas pa-
ra 9 arsenal.
Nio pude prestar-me a esta idea 1 a ban-
2&jG0 prussioHos ataoado 8:000 franceze* deira e" o emblema da patria o a alma dos
F0LHETIM.
iU'CSSCIA BQS&IA
HEMORIAS DE SITU1Z
POR
D tlanoel Fernandoay Gonzalez
QLARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
X
m COMO O CONTE.NTA.MEXTO l)E ARIOSTO SE
HEVEST10 DE UMA COR S0MBRIA.
(Continua5ao do n. 59. )
Nio, e filha de um outro que cerla-
rr ae vale menos do que eu, mas a quem
ni v.iam mais do que a mim.
Jura-me que essa crian5.a nio 6 sua
liliia I ,
Juro-lhe pelo ceo, pelo inferno, e
po a minha alma condemnada.
Que fe quer 0 senhor que eu preste
a se juramento sobre uma alma da qual
o ahn jd tomou posse ?
Que tem Id isso ? Conhece-se bem
j ses escrupulos que nunca estsvo em
R '. nem servio nunca os Borgias.
Necessito saber quem 6 a mii d'essa
C( -.-.
__!a-lh'o dizer ; nao me importa q^ue o
saib visto que nio torna a sahir d aqui
seuat) quando fdr tempo.
__Como 1 Que tenciona fazer de mim ?
Qucr incutir-me temor para que eu consinta
qae minha filha case com o senhor ?
_ Por certo qae nao ; quem tem modo
sou eu, medo da sua lingua, e como nio
estou no caso de Ih'a cortar para que me
nao co.nprometta, eocerro-o, porque assim
encerm-lbe igualmente a lingua Que ne-
cessidade tenho eu de qne consinta no meu
easamento com sua filha ? Voce ndo me
eonhece, porque se me conbecesse nio di
ria isso ; nio ha nada que me detenha e se
um din encontro um mnis forte do queeu,
dou'eabo d'elle para que me nio incom-
mode.
E e por isso quo me eneerra ?
En -'-r-o 0 c.mig'> n cm sua filhT,
eserd tratado como um orinoipe.
RelaAorio
A.RESPEITO DO NLC.OClO DO MAREUBAL BAZA1K&
EX-COMftlA,\OANTE EM CIlEl'E DO EXERCITO
DO R11ENO.
AI5DIE.NC1A D8 29 DK NOVSMBRO
(Conlinuagdo)
Oicoroncl Girels.-A 27. soube quo-a
bandeira estava compromeuidd na capitu-
lafao do exercito Dirigi-me ao arsenal
para alii cumpm um devtr que me la-vra-
va no peito. Tinham-me sido confiados
oito estsndartes, sete pana regimento*. de
cavaliaria, e outro para artilheria. la dar
ordem para os queimar. Esta operagao te-
ve lugar no dia seguiate, depois de eu tor
recebido algumas communics5des. Jul-
guei que estava ligado pela minha palavra
de depositario. 0 general Metmaan tinha-
ne duo, e verdade, qjue;nuo devtaproceder
pela minha propria. iniciativa; quo nao.
era de opiniiio qae eu destruisse as ban-
Mas quem e o senhor ? Declaro que
nao o comprehendo.
Tem succedido o mesmo a toda a
gente ; ninguom me coraprebendeu nunca
senio o granic Cesar Borgia ; euora parte
da sua alma e teria sido a sua consciencia,
ss Cesar Borgia fosse susceptivel de a ter.
Nao ouvio fallar nunca no duque de Va-
lontino ?
Quem nao ouvio fallar d'elle 1
E' verdaue, record me agora que
voce disse-me ter sido, n'outre tempo,
homem de armas do grio-duque Hercules I.
E um dos seus melhores homens de
armas, accrescentou Giacopo com vaidade.
Pois entio, apezar de que me nao vio
nunca n'esse tempo, dtve ter conhecido o
mou nome, porque nao ha em toda a Italia
um unioo soldado que nio tenha ouvido
nomear muitas vezes e com admiracio D.
Michelotto,
Giacopo levantou-se como qae assora-
brado, olbando com medo pora Miche-
lotto.
Pois que I exclamou elle, o senhor e*
o capitio da gente de armas do duque Va-
lentino ?
Eu mesmo, e mais alguma cousa do
que isso : o brago direito do meu senhor e
amo.
E quer cas*r com minha filha ?
Por certo que sim ; e uma boa rapa-
riga, boorada, carinhosa, intelligent, e
que me ama apezar dos meus cincoenta
annos. Eu sou nobre, cavalheiro, e raoreco
com certeza uma dam a, e a sua filha s6 falta
para ser uma grande dama a vestuario e
alguma cousa que aprenderi ao meu lado.
Ella concordou em que se julgue nossa filha
essa filha secrets da gri-duqueza, epor
tanto concorde o senhor tarabem n'isso
Alem d'isso, considere o amigo o que nio
far! a gri duqueza por uma mulher que
alem dt ser a esposa do seu melhor servo,
faz o sacrificio da sua honra pela sua fi-
lha T !
E diz o senhor que minha filha con-_
*rmtrt om tudo isso ?
Sim, meu amigo, por duas ranees :
a primoira porquo me ama, c a segunda
pbraue 6 cri: a, ,c mm do da pobreoai
phi.
, ion a ctt !?-.i Je f[>i: taV.
!c
nha filha o ama ?
Ha cinco mezes que nos \eraos todos
os dias, e se diz isso por causa do meu ros-
to e dos meus cincoenta annos, saiba que,
nao sei porque, sou muito afortunado com
mulberes. Trato-as bem e sou galaute com
ellas sem ser ridiculo nem fraeo; conhe-
co-as bem, e todo o cays ter io consiste em
conbecer as mulheres.
Pois sendo assim, e como tenho a
certeza de que minha .filha o nio obrigard
a fazer o que o senhor fez & sua primeira
mulher, consinto-
Muito bem ; deve, pois, ter entendido
Sr. Giacopo, que nao sabird d'esta torre,
nem fallara* com pessoa alguma de fora, em
3uanto nio sahirmos todos. Nunca a gran-
e torre do castello de Cento se vio tin ha
bitada como vai ver-se agora : e, visto que
concorda em tudo, subamos, tallari com
sua filha em quanto eu vou buscar a sua
neta postica e o padre que ha de casar sua
filha comigo.
Michelotto e Giacopo sahiram d'aquelle
aposento, e, depois de terem atravessado
as cinco portas, Michelotto abrio a da ca-
mera, empurrou para dentro Giacopo, fe-
chou de novo a porta, desceu ao pateo, pe-
dio o seu cavallo e deu as cuaves a Tiepolo,
dizendo i
Abra ; quando eu tiver sahido tome a
fechar e atiro com as cbaves para o outro
lado do fosso ; saibam que ficara fecbados.
Serd obedecido, Sr. Rugiero de Non-
forte, respondeu Tiepolo a quem bastava
levantar os olhos para ver no capitio Ro-
dolpho um exemplo do poder de Miche-
lotto.
Este sabio, e, depois de ter apanhado as
chavesqae Tiepob lhe atirou, partio a ga-
lope para Cento, onde ehegou, entrando
para o convento dos franciscanos.
Um quarto de bora depois sahio. Acom-
panhavam-n'o, montados em mulas, um
frade de aspecto grave, e um lejgo, isto e,
maisum habitante para a torre, coin ^quai
Michelotto nio havia ainda coutado.
Dirigio-se com elles para a casa isolada,
rodeiada de um jardim, situada nas mar-
gons do Ubeuo, onde deixara Giusappo e
Marieta, com a filha d$ Lucrecia e o seu
filho,
Voces nao podcra vivcr aqui, disse^
sem que, duranto muitas horas,. estes ti-
vossera cedido^ apezar do deixarem no^
campo 5;tHH* dos seus. Foi era frente d'os-
sas bandeiras que operdmos a nossa retira-
da, sem que tivessernousado inqutetar-nos,.
o dizia eu a mim mesmo que nao deviames-j
abandonar aqnellas banddiras : tratava-se,
porem, se'ide as reunir no arsenal, como
quem condoz um cav..*Ui> para a valla. Mas-j
como eu nao podia ir a tudos os regiraentos,
resolvi mandar chamar, d minha residencia,
em presensa da guarda, os ofiiciaes do meu
estado maior, apresentanJo-se os soldaiias
com armas o os ofiiciaes com espada.
AqueKiS bandeiras deviam ser conduziias
ds 10 horas da manba. A 28 pela manha,
ds9 1 2; mandei um dos raeus ofiiciaes d or-
denangas ao arsenal, e disse-lhe : vode
o que se passa. Kile voltou : meu ge-
neral, nao queimam as bandeiras.
A's.dez horas os porta-bandeiras cbega-
ram com os seus quatro carros, e a escolta.
que es acompanhava. Entao- disse-lhe :
a Ide para carsenal, pepg^untai se vos
qucrem dar recibo, e queimai-as na vossa
preseii5n.
Se se nio fieer nada d'isto, Uazei de
novo as bandeii'as 0s ofiiciaes voltaram ;
nio se queimam as bandeiras, nem nos de-
ram recibo. 9ois bem : ide para o forte
.de S. Julio. Alii tirareis. as bandeiras do>
estojos, e lhes prestareis. as honras, e depo
:s
nossos r-gbnentos, disse comigs e nao
executaria aquella ordem.
Na mdnba seguicie, ao rorper do dia
mandei cbimar os meus coroneis* eo mu-
niquoi-lhes a or Jem que tinlta recebido na
vespora d noite ; disse-lhes qae reaoissem as
suas bandeiras, lhes prestassem as honras,
e as queimassem.
Esta ordem foi exeeutada, eeu mandei ei-
pedir o processo verbal. Rsspondt entio ao
general Soleille :
a A brigada miita nao onlrega as suas
bandeiras d ninguem ; nao confia" a nin-
guem o euidado de as queimar. Esta ma-
nha proeedeu a sua deslroicio
Na minha brigada, havia o 3* de laucei-
ros. Tinha mandado ontrar o estandarte
d'aquelle regimento no arsenal. Ordenei aa
corooel,Thoreek que se dirigisse ao arsenal,
e se eertificasse se tinha sido queimado-
Recebi copia da acta era que const* que o
estandarte do 3 de ianceiros tinha sido
queimado psa ordem do commandante om
cliefo do exercito.
Presidents pedio ao geueral que deiaassa
ao couselbo copia d'aquelle documento. que
lhe seria entregue mais tarde.
0 general accrescentou uma circomstan-
cia extraordinaria a respeito das bandei-
ras, mas que nic~fc menos grave para o pro-
cesso :
(Continuar-t&-haj
lhes Michelotto; tiram para bra as mulas,
montem n'ellas, tcagam as duas criancas e
sigam-me.
Uma hora dopois, toda aquella gente es-
tava na grande torre do castello.
Michelotto mandou p6r leitos nos aposen-
tos, e n'aquella uoito, j autes de ceiar disse a
todos o seguinte :
Meus amigos, Toaetta e eu tiyemos
um descuiio cujo resultado fui o nascimen-
to d'essa c ria in, a.
E apontou para a filha do Lucrecia.
Isso nio 6 passive! I exclamou inge-
auaraente Marieta ; se essa creaturinba nas-
ceu hontem d noite, como se encontra sua
mai tio forte e como se nada fora com ella ?
Tu es uma estupida o nio entendes
nada d'isto, replicou Michelotto : minha
mulher 3 um prodigio, um verdadoiro mi-
lagre, e voces sabem que se nio deve du-
vidar dos milagres por mais estranhos que
parec/m. Como ia dizendo, eu amo muito
Touetta. e muito mais ainda a minha filha,
e caso para honrar a mulher quo amo e para
?ue a minha filha tenha pais legitimos.
oi para isso que veio aqui, padre guar-
diio, e portanto case-nos.
A mim disseram-me,redarguio o guar-
diio, que era preciso para baptisar uma
crianca que nio podia ser lovada d igreja, e
houve empenho em que fosse eu o padre
escolhido, quando mui bem o podia faze*
qualquer outro religioso.
Pois bem, come5ara por baptizar a
crianca e acabard por nos casar a nds.
Comecarei por voltar para o meu cou-
vento, porque tudo quanto vejo aqui me
parece muito irregular, disse o guardiio.
0 seu convento estsri dous grandes
mezes sem prelado, accrescentou Michelotto
com a sua caracteristica impassibilidade.
Que diz ?
Digo que durante dous mezes nio po-
dcri o revcrenJo fallar com quem quer que
soja de f iru.
Prot;>lo otviaajtau o frade cm uma
jftiplosao decolera.
0;.ea padre, 4issi< Micht-lolto -com o
seu oterao sauguu trio ; so se lhe mett'f cm
cabe5a sequesliar no seu convento uma
Sessoa, para quo nao mais apparent 'm t -
os os dt.as J.i sua vida, c iitirom que o
ajuJem todos os frades da. ?u:< cpmmantda.;
de, nao & verdade Pois bem, eu sou,
como se dissesseraos, o guardiio de uma
communidade de soldados, que farao tudo
quanto ou Hies mandar. \ se nio. lei a.
E entregou ao religioso uma autorisa5io
ampla da gra-duqueza em favor de Miche-
lotto, para este poder fazer o que quizesse.
0 caso e differente, disse o frade ;
submetto-mo como sublito fiel ; mas um
dia protestarci pcr^nte o prelado.
N'esse dia poderd fazer o que quizer :
por emquanto, nio ton remedio senao obo-
decer-me.
N'aquella mesma noite foram casados
Michelotto e Tonetta, e baptisada cbmo fi-
lha sua, e devidaraente legitimada, a filha
de Lucrecia.
Em seguida houve uma ceia esplendida
que fora preparada de antomio.
Ariosto estava de muito bom humor,
porque encontrara Genebra e podia viver
dous mezes com ella ; compoz, pois, um
magnifico epithalamio em louvor dos recem-
casados, o uns formosissimos tercetos cheios
de ternura e de sentimento d recera- nas-
cida.
Ariosto amava aquella crianca, tanto
quanto podia araar Genebra e o fructo que
esta trazia nas suas entranhas.
Michelotto dissera-lhe] que aquella crea-
turinha fdra dada a luz pela gri-duqueza ;
Ariosto sabia, pois, que aquella crian5a era
sua filha.
XI
DE COMO DESAPPARECEU MICHELOTTO DO CAS-
TELLO DE CENTO, E DA ENTREVISTA QUE
TIVERAM LUCRECIA E ARIOSTO.
Michelotto transformou completaroente
Tonetta.
De Ferrara vierara-lhe roupas e joias em
caixotes sellados com as armas do grao-
duque.
Nonbum dos prisionoiros da torre sahira
d'ella, a exceocio de Genebra e de Ariosto,
que sahiam de noite pira que a joven to-
raassc ar em consequemia do sou astidq,
mas sempre guardadas por Michelotto,
Otalaver do capitao Rod dpbo perroa-
pofica dous dias peuduiaJo na torre.
Em quanto d viuva, Micoelfttto soltnu-a,
dando Itie n i.a bolsa, e, e fama q"0 em
breve oociuftryg queue cori5<">'i^e { Fer-
rara.
.-
Nio sabia nada do que se passara no
castello, porque Michelotto a conserwa
encerrada, e quando a soltou nao a daixou.
fallar com nenhum dos soldados.
Estes estavam presos tamtam.
Michelotto trazia sempre suspeiksas no
cinto as chaves da ponte.
Ninguem sahia, uom mesmo para com-
prar as provisoes, que os veuJedores leva-
vam de Cento, as quaes Michelotto em pes-
soa ia buscar d estacade.
Os frades de S. Francisco andavam como
doudos em procura do seu guardiio.
Em Ferrara a gri-duqueza nio sabia co-
mo explicar o desapparecimento do Ariosto ;
e emquanto d familia d'oste estava desespe-
rada, julgando-o defiaitivamante perdido,
victim,! por veotura das suas intrigas aaao-
rosaS, isto e, da vingan5a de um pat, de
um iriujo, de um amante ou de um ma-
rido.
Deoorreram assim dous mezes, no fian
dos quaes Genebra deu d luz um filho.
Oh I exclamou Michelotto. Protege-
me satanaz ; o desditoso Cesar Borgia terd
alcancado uma viuganca como a nio alcan-
50U nunca mortal algum.
Um dia, ao despertarom Genebra
Ariosto e os outros babitantes da torre,
viram que nio estavam n'ella nem Michelot-
to, nem Tonetta, nem as duas criancas,
nem Marieta e 0 marido.
As portas da cacaara estavam abertas.
Tiepolo apresentou-se pouco depois'a
partecipou a todos que restavam na tarre,
istoe, a Arioto, Genebra, Giac po, o guar-
diio e 0 leigo, que podiam ir para onde
melhor lhes conviease.
Sabir I exclamou Ariosto colerko,
Onde entao os ou*os babitantes da tone ?
Sahiram esta madrugada com o capi-
tio Rugiero de Monforte, respondeu Tie-
polo, a este entregou-me 0 governs do cas-
tello, mandando-me dar pat to d gri-duque
za, porem provenindi-me antes, eporor-
lm d'esta, que pozesse. era liberdade os
que estavam presus na torre. Cumnro com
Nsordens qoe rr'ebi, 0 i'i pc^so dizer-lhes
nada nifls,
(toniitiuar-tek
TV.'.*"> U 1 -nU IBS***? \K' %v

i
*
1
_~ ri^-*-.-
IIM
mmmm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6A6JJD1J_VTIS6L INGEST_TIME 2014-05-22T00:15:48Z PACKAGE AA00011611_16957
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES