Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16954


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANN L MiMEKO S3>
K
..'. '
-irr-
PARA A CAPITAL B LUC. AUKS Q1DB (* E PAf POBTn?
R>r tres mezes adiaatados..............
Por seis ditosideai. .
Por urn anno idem. ... .
Cdda Dumero ivolso.......

r ' ft'.
1 * > .1 Itcmi
- Jtf^L )9l *S
Jm fl
flB 1 Hb 1

. mo
SEXTA FE1RA IS DE MARCO BE 1874
i "
......
i........
P4MA DE1VTBO E FOBA DA PB9VMCIA.
Por tres UHt tdiaaaawa>. .....'........
Por aeis ditoe idem...............
Pqt note tfyps idem...............
Por* lira a#oo idem. 4...............
PROPRIEDADE DE MANOEL

* Sm. Gererdo Antonio Abes d Filhos, no Para; Gousalvea d Pinto, no MaranMo ; Joaqoun JoM.de Qlii-eira d Filho, too-
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio /ose Go!
Autouio Ferrcira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no
OA DE FARIA ft FILHOS.


"("!".' I.
Antonio de Lenw* Brafa, no Aracatj ; Joio M*na J&Lk) Chafes, no ka&t-t Antonio Marqaes da Siba,aoBatal j Jose JusUao
,m Villa da Penha; Be'arnuno dos Santos Bulcio, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, emHaiareth;
ir da* Alagdai; Alves d C, na Bank; e Leite, Cerqoinho d C no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
I
Governo da Provincial
FALLA com que o Exm. Sr. commendador Henrique Pe-
reira de Lucena abrio a sessao da assemblea legislati-
va provincial de Pernambuco no dia 1. de marco
de 1874.
(Coutinua^io do u. 58.)
QTOVIbtttPenQ PtlUKIltaU
A par do progresso material, marcha a provincia na senda do progresso lajetoaWal, ae*
aada natenteocia do espirito publico em coadjuvar o governo no magoo empenbo de tdmro
Joro "5 quTse revela pel. iustallacao de eseolas e por important donat.vos a MB flm appli-
****' Essa lisongeira anioiacio em tao oobre. intuitos e mais umrelevo Jmum\\\*tM\jmm+
km a elevados que caraeterisama radole nacional, quando se trala de uraa Idea ipaadh", qual d
IVSrihorar pela instruct as condicoes raoraes de um povo, que vive ,># de insntui-
ftas livres a sobre quern peaa a respoosabil.dade mherente ao bom uso da liberdade.
" A leiom! de 17 de jnnbo do anno passado. decrelando o ensino litre a insffaccao
obrigat/ria, despertou na provincia vigorosisrimo impulse aos estimuU-s da mic.at.va particular
m eommettimenios de grande alcance para o ensino. ___..'----
era eommei i -^g^ qm 0 ijVre e a instruccao obrigatoria sao as bases primer-
,ia> de uma boa reforma, tal qual a emprehendeu a referida lei. __
0 So livre seria urn perigo pari o eslado, si a liberdado nio troujeese oomrtgo um dom
providential o do proprio correctiTO
nao interesta o bom
de de junho de 1870, e eMsideraodo : Que,
ra publics da villa de Granilo eui data de 1 de
a directoria da instruccao publiea em edital de
no repectivo exereicio : Que. em dgspaeho de
por mais tres mexes : Que, ada emdespa-
(ra prorogayao de trinta uiae, send* que_nao liroa
Que, nio obsUnte Untoa prasos, na se^uio
TiMtru"ccVo7ortada deixariade ser um direito aoesudi prra wl-o exclusivamenU do^pai
de (aoilias, si aquelle nao interessasse o bom cidalao, quando a este
81h0' Felumente eslea principli.s aao hoje axiomaticos, e passam como dogmas de uma boa or-
""XjSSet'lco por esse ac.o eom qne a aemb.ea pa^ ** j
provincia, nao devo c^lar as laeunas que nelle tenho enxergado, e que podem ser remediadas com
a auxilio dos conselhos da experienc.a. __irt:a na i-:
A mulu qne a lei eommina aos pa, tutores e euradorat, e que alias ja exnua, na lei
n 169 de 14 de maio de 1855, deve ser applicada nnicamente aquelles que residirem MM. eutt-
?as Tillas e povoados. Caminhar aos poucos nesla grande reforma e nutnr esperancas de que ella
seri levada a effeito sem muitos obstaculos ou repugaaneia. f,Maniarm a
Nao providenciou a lei sobre o rocensoameiito dos meeunos em idade de rrequenurem a
eieola, tn-alho este preambular para a devidaaxecucao da lei, eq:e podena Mr deserapenbado
pelo parocho, a autoridade policial e a encanegada da inspeccao do ensino em cada freguexia.
K-ta roedida e indispensavel para que a obrigacao escalar nao seja illud.da.
D'ahi resuluria uma gradacao desde o aviso ao pai para mandar o nine a escoia, a aaver-
lencia da autoridade local, do parocbo na estapao da missa, ate as mulias, e d abi aie a prisao.
Nao convem occullar o eoubecimenlo que temos dos maos nabitos da popaiacao popre ao
interior em negligenciar o dever sagrado da educacao primaria, e contra isto devemos reagir com
prudencia e severidade. Os fruclos amadurecidos de tio patriotica reaccto nao se rarao e-
perar ,na,clMje .^ feJU9 u aevidas excepepes, acoslumoa-se a ver no menino simplesmenie
um auxiliar da vida animal da familia ; cumpro aos direclores legitimos da 90ciedade ensinai a a
prezar mais a vida moral, que so se adquire por meio da instruccao. Os igooraaUt, dn um aa-
criptor nao sentem a necessidade da iuslruccao, e muilas vexes consideram como uma degrac,a
uue o lilho seja mais uislruido que o pai. Nao se pode esperar de sua boa vontade que elles e9-
sGataneamenie renuueiem a seus prejuizos o a seus vicio. A fci reformara eus costumes.
. 0 lyatema da iuspec;ao das aulas por delegados hnerarios e ampliado na lei a .|ue me re-
Sro, com a cieatao de sub-Jelegadoj e de um inapector para cada comarca, com autonsacao ae
uar-se a eete utna gratiiica^ao raxoavel.
Biversos direclorus da instrucgao publiea, inclusive o actual, tem reclamado eomra essa
instiiuicao de delegados liuerwios, verificando na pratica que esses lugares aao quasi sempre ac-
ceitos por mera condescendencu, e dsempenhados com pouca solicitude; e a lei, dando uma remu-
neracao aos inspectores de comarca, ao passo que os delegados servem gratuitamente, ponco ou
nada adiaata, accresctmdo que ettabolece uma injusta desigualdade.
Parece mais plaus'ivei, uma vez que a remuueracao geral seria um pesado gravame as no-*-
as actuaes condi>;6es economicas, que, dennidas as competentes attribuic5e, fossem encarregados
da inspeccaoo parocho, o proraotor ou o juix de paz; tendo o presidente da provincia a facuidaae
de nomeai inspectores ad Ao.;para visitarem as aulas quand^entender necessano, mediante nraa
rasoave^g^_ Jj^g^ iti dafeiloa ^ radacjio, notoriamenle nos arts. 18 e 19, onde dizque reeo-
uuaeido vita.icio o professor, someute pode perder sua cadeira am processo disciplinar, indepen-
deule de accao criminal; haja ou nao processo discipiinar, pode dar-se o caso de perda de cideira,
- o professor for condemoado ao grao maximo das penas do art. 145 do codigo criminal.
No art. 19 V", trataodo da perda de cadeira por condemna^ao nas penas de gales e ae
prisao simples por mau de 6 mezes, nao incluia a de prisio com trabalho. ^ ^,
Nao so por motivo das lacunas que perfnnctoriamente notei na lei, como pnncipalmente
palo estudo pausado que deinanda a sua execucao, nao formulei ainda os regulamenios respecti-
vos que entretanto eslao em bom andamento. Sabeis que msteria de tanta importancia e mel-u-
dre' nao pode ser regulada dentro de poucos mezes, tempo alias insufflciente para se coiner todos
os dado* da experiencia, em meio das variadas occup Permiui, eutretanto, que apresenle ao vosao illustrado criterio a necefsidade deum retoque
nalei em ordein a near ella extreme de certas restricjoes, e expurgada de minudencias pura-
mente regulamenlares, cirourasuncias estas que so servem para difflcultar uma boa execugao..
E' conveniente que a autorisacao para reforma comprehenda unicaraente as bases, as
.inaes se podem reduzir aos pjnios seguinles : ensino livre ; instruccao obrigatoria ; creacao de
antrancias ; jubila.^o ; adimssao da mulner no ensino do sexo masculino ; inspeccao ; professo-
ralo publico nos lugares oude a inspec.ao possa ser exercida sem grande difflculdade ; e naquel-
las onde seja difflcil o ensino por centraclo, remoc5es, demissoes e vitaliciedade.
Directoria da instruccao publiea.A directoria da instruccio publiea loi exereida ate o dia
: de outubro pelo Dr. Joao Jose Pinto Junior, que substituia interinamente o Hr. Joaqnira Pires
Machado Porlella. AposenUdo este em 48 daquelle mez, nomeei am 29 o bacbarel Joao Barbalho
t:choa Cavalcante, que no dia 31 eotrou em exereicio.
Continua essa reparlicao a funceionar em uma parte do andar terreo do pao municipal.
Em 31 de outubro removi para a secretaria do gymnasio provincial o secret rio da instruc-
cao publiea, bacharel Aureliano Augusto Pereira de Carvalho, nomeando em sea lugar o bacharel
Joauuim Pereira da Silva Guiraaracs, ;]U0 tomou posse em 4 de novembro.
0 director, reiteraudo o pensamento de seu antecessor, queixa-se da exiguidade do pes-
soal, o que motiva atrazo e pouca regularidade no ja crescido archivo, lembrando a creacao des
lugares de arcbivista e official-maior.
No principio do anno passado nomeei diversos conselhos de districts ; nio consta, porftm,
Hue se tivessem reunido para o exereicio das respectivas funccdes ; e isto mais um argumento
em favor do que vos digse ha pouco sobra os delegados litterarios.
Etcolas do sexo masculino.-Existera na provincia 186, das quaes achaSKS providas effec-
tivamente 147, interinamente 3S e vagas 7. Durante o anno ultimo nao bouve feoncurso para pre-
encbitoenlo daa cadeiras vagas.
Nas eseolas nocturnas nenbuma alleracao houve, e continuara ellas a prestar a uunaaae
>ara quo foram croadas.
No art. 30 da lei n. 1124 tivestes em vista ensaiar na provincia o system* de eseolas raixtas,
aotoriaando o inspector a mandar admitlir um ou mais alumoos menores de der. annos nas eseolas
do sexo feminino. Sao conhecidos os prodigiosos resultados que este systema tem dado em muitos
paizes da Europa e principalmento nos Esudos Unidos da America; mas e forcoso reconhecer
que a co-educacao dos sexos e Irapraticavel entre nos, porqaanto nio dtspoaios para isto da casas
aoropriadas, oque e sensivel.
Seria preferivel que se admittisse a raulher na regencia de eseolas do sexo masculino, a
Aterapto do que ja se pratica na oftrte e nas provineias de Minas e do Ceara, com grande aprovei-
tamento para o ensino.
Na mulber encontrain as criancas o segreao de beii tingil as e empenhal as a) estudo,
tornando-o agradavel e ameno, pelo dom peculiar que tem de transmittirlhes earn docilidade as
norBes proprias da idade infantif, modifi^andolhes insensivelmente as aspereias daindole.
Estas e ontras consid>rac5e teem faitooroeUmarse a mulner comj a mah eompetente
aara o magisterie primario, o qua ja pass ju do terreao abstracio para o das verdades pratieas.
Coafiudo preparar ooste aeatido a reform por que vai passar a pr.vincia, uomeei para
r^aer Interiuain'juie a *. ciJiira do sexo masculino de Santo Antonio do Recife Maria Candida
da rtgueiredo, que ja se achi en exereicio. Sob as visUs immediatas da administracao, facil-
Meate se pole conhec.r das vautigens resultantes, que aspero sari) satisfactorias.
Eseolas do sexo leminino. Das 148 cadeiras creadas estao providat> effectivamente 145, e
vagas 3. _. ,
^^ Das providas, alguuias estao sendo regidas interinamente, quer por impedimenta das pror
Drietarias, quer por nao terem ainda entrado em exereicio as nomeadas.
Era 2 de outubro houve um examede veriOcacao decapacidade prcDsslonal, ao qualcom-
oweceram 21 candidates, sendo julgadas babiliudas 9.
Durante o anno fludo, e em virtude do concurso de 1872, foram nomeadas professoras para
aiversas cadeiras do centro, das quaes algumas nio tomarara posse.
Na oceaaiao das nomeacoes acceitam em geral quaiquer cadeira do centro; porem aqui se
oonservara a pedir prasos, no intuito de serem providas em cadeiras da capital ou proximas. com
sarie dewimeoto para o ensino. Um dos neeus antecessores, sentindo este inconveniente, deter-
uiinou que, nomeado o professor on professora, a directeria da instruccao publiea marcasse-lne
um praso para aatrar em exereicio, sob peaa de near, iaio facto, de Befihum efletto a
As'sim rcsolvi om relacao as proftwona nemeadas para as villas de Salgufiro. dc IVtro-
liua e deGranit., -J) os fundament.* cmstantes das wfuiutwiportarias-:
Seccao 4.- Paiaaio da presidencw de Pernambuco, 30 de dezen.bro de I87J. -
a 0 oresideoto da nrcvlBcia, cousiderando : Que B.!rnardina de Oliveira Cavalcante Machado fel
nomaada-professora public* da villa de Salgueiro em t de abnl do eorrente anno: Que em
edMal da i de maio foi-lhe marcado pela direetoria da instruccao publiea o praso de tres mezes
a para eolrar no rezpectivo exereicio : Que, nio tendo ella segnido para sua cadeira, prorofoO*
f sa-lbe eate praso por mais tres mezes em despacbo de 9 da agosto : Que, expirada estt proro-
faeio, Bo foi essa professora exereer suas funeeoaa, para o que mareou-se-raa ainda em daa-
naebo de 17 de novembro o praso improrogaveY de quarenU dias : Que, tendo este ultimo
s oraso terminado em 18 do eorrente, nio entrou ella em aiaracio, limitando-se a dar parte de
< loente, sendo qua, auenu a disUncia, nio pode achar se na Til'.a de Salgueiro a 7 de Janeiro
a sidente da provincia, tendo em vista a por:
Urania Nympha da Silva foi nomeada pro!
abril do anno proximo passado, marcaodo-l
8 de maio o praso de ires me^es para entri
t 4 de agosto, obteve ell i prorogagao desse pi
< eno de 26 de novembro, foi-lhe concetiida oi
c a eompetente portari.-. dessa ultima eoaeessio :
t ella para sua cadeira, e pelo contrario aqui m conserva, tendo expirado a oltoma pfongacao
a 26 de dezembro ultimo, o que manifesu ajinteneio de subtrahir se aos deveres do magisteno,
a embora em officio de 4 do eorrente AVse aftrte-da doente a directoria da instruccao publiea :
Resolve declarer de nenhura effeito a porUria de 1 de abril de 1873, na parte em que nomeou
a oiu Urania Nympha da Silva para piofeasora publiea da villa de Granito, e ordena que nesto
sentido se expecam as coaven'enles ordeqs.
t Seccao 4.' Palacio da presidaaela de Pernambuco, 14 de iaaeiro de 1874. O pre-
sidente da provincia, eonsiderando : Qoe Maria AugusU da Silveira foi nomeada professora pu-
t bliea da villa de Petrolina np de abril de WT3, raarcandose-lbe em edital de 8 de maw o
praso de tres mexes para esrtrar na exereicio da respectiva cadeira : Qne, expirado esse praso,
requereu ella e obteve em 8 de agosto oma prorogacio de dous roese*, sendo qua veio a urai a
t portaria em 3 de outubro, cinco dias aotts de flndar-se essa prorogacao: Que, nao tendo ella
seguido para exereer as funccdes do magisterio, aio obstanto tsr-s enaldo o segundo praso
t em 8 de outubro, requeren a 8 do eorrente mais uma prorogacao de tres m^xes, o que patenlea
a intencao de furtar-se ao exereicio da cadnira para que fora nomeada : E tendo em vista a
portaria de 6 de junho de 1870, que jroiridencia aara o caso vertente : Resolve declarer dfc
oenhum effeito o ado do de abril do anaoproximo passado, na parte em que nomeou a refe-
rida Maria AugusU da Silveira para prolawora publiea da villa de Petrolina, e ordena qne
neste sentido se facaro as devidas cormnuaicacoos ...
Nas dous quadros seguinles vereis, aao so o jesumo geral dos alumnos de ambos os sexos.
que se matricularam e frequenttrara as aulaa a estalelecimentos de intruccao publiea e particu-
lar no anno proximo findo, como tambem a reeapltulacao comparativa do nuroero tetal dos alum-
nos de um.e outro seao, que se matricolaram a foram julgados habilitados nas eseolas paDlicas
diurnas da provincia no deceaoio ultimo.
RESCMO GERAL DOR ALUMNOS DE AMBOS OS 8*X0S, QUE SE MATRICULARAM E KREO.UENTARAM
AS AULAS E ESTAMLECIMEKTOS DE IKSTRUCCAO PUBLICA E PARTICULAR NO ANNO
PROXIMO FINDO.
QUADROCOMPABAT1VO DO NUMERO TOTAL DOS ALUMNOS DE UM E OUTRO SBXO, QUE SB
MATRKJULAKAM E FORAM JULGADOS HABILITADOS NAS DIVERSAS E3GOLAS PU-
BLICAS DHJRNAS DO ENSINO PRIMARIO EM PERNAMBUCO, DB 1863 A IS73.

1 I ALUMNOS TOTAL. DIFFERENTAS.
It (\LUH1M.
z < s~ a * Fara tuii Par* menos
! ! CO o 0 (fl eft < a i eft a a < | s < 1
j 3 3 3 a | < a H 3
u _i o - 3 =i j
1 CS < V. 3 = < = m M a < m a I-Si S aa s 5 a
i863 3513 76 863 23 4386 102 86 10
I ;l86i 3738 100 945 32 4686 132 297 30
1865 4146 90 1186 35 5332 125 649 13 7
'86fi .->220 llij1720 27 69101 138 608 13
! II8(>7 6110 147 228V 54 8342 198 1402 60
1 1868 6070 139'2737 51 8801 iyo 459 8
1 1869 6239 165.3084 39 9123 204 522 14
1870 6*00 181|3674 76 1017* 257 851 53
1871 6938 16V.4124 67 11062 231 888 37 m
[i872 1871 7937i 148i4919 77 12856 223 1794 i
9036' 16415360 87 14396 251 1540 28 ----r
Instruccao primaria
[Eseolas publicas
diurnas....
> noturoas..,
particulars diurnas..
a noturnas.
Total
Imtruccao secundaria
MATRICULA
SEXO MASCULI>0
866*
367
849
199
10.081
Escoia normal...........
Gymnasio.................
Sociedades, estabeleeimentos
e aulas publicas.........i
10U1
Recapitulacao
162
146
23
" 511
10595
SEXO FgMMHO
5360
531
5891
43
43
5934
FREQUENCIA
SEXO MASCULINO
6299
244
535
150
7228
SEXO FEMININO
1143
4473
108
134
128
370
7598
4486
Jubilate*. -Foram jubilados, nos termos da lei, em 2 da julho o professor da villa da
Iguarassu, padre Mauoel Igaaoio Bezerra do Amarel, com o ordenado correspondente ao tempo da
servieo, e a gratifieacao que percebia por contar mais da 15 annos de boos servicos; em IS da
Janeiro ultimo a prufestura da villa do Brojo da Madre de Deus, Alexandrina de Lima e Albaqner
que. com ordenado por ioteiro, visto itontar mail de 35 annos de magisterio. e mais a gratifiea-
cao que percebia em virtude do art. 2* da lei n. 984 ; e no dia 23 do mesrao max o professor do
Limoeiro, Joaiuim Theodoro de. Vaacoucellus Aragao, com os vencimeolos a que tiver direita, em
consequencia uo pareccr da junta medica que o ifjstaeaioaask
Processo disciplinar.Responderam a proces*. disciplinar os professores. Siraphcio da Cruz
Ribeiro, da 1" cadeira da Boa-Vista do Recife ; Valeriano Bezerra Cavalcante da Albuquerque, d
de Pesqneira; Manotl Felippe do Monte, da de Camboa de Po d'Alho ; Rieardo Fooseea de V
deiros, da do Jurema; Henrique Clorindo Taylor, da de Vicencia ; Joaquim Gooealvea Ayres de
Araujo, da da Villa-Bella; e Manoal Candido Pereira de Lyra, da de Maraofuape.
Foram condemnados com perda dos respectivos vencimentos, Simplicioda Cruz Ribeiro a
I mez de suspensio, Manoel Felippe do Monte a 3 mezes de suspensao, Henrique Clorindo Taylor
a 2 mezes de suspensio, pendan lo ainda de decisao o processo qua se Ine instaurou por abaadoao
da cadeira, assira como o do professor Rieardo Fouseca de Medeiros.
Sociedade Propagadora da Instruccao Publiea.-k enforces do noso digno e illostrado
comprovinciano, o Dr. Joao Jose Pinto Junior, devemos a orgaaisaeao desta imporUnlisstiaa socie-
dade, cujos fins patrioticos se resumem no seu titulo, a eujos resultados ja exeedem hoja a espeeta-
tiva daquelles que conhecam as difuculdades. que se anlepoem a realisacao de associacdes da tal
aaturaza, maxime quando 6 indispeusavel o emprego de eapitaes.
0 Dr. Pinto Junior constituio-se credor dagratidao da provincia, a e essa nma divida msol-
vavel. que sera sempre attestada pelos optimos benelicios de tao grandioso eommettimento.
Diga-se para gloria do illustrado iniciador o em honra da provincia:
0 Dr. Pinla Junior nio semeou em terreno esteril. Para fazardes um julzo seguro do qua
e a Sociedade Propagadora da Instruccao Publiea, basta contemplardes o mappa annexo do movi-
mento dos esiabelecimenlos de instruccao primaria a secundaria, por ella fundadas e mantida*,
nao esquecendo que essa instituicio conta pouco mais de am anno de existencia.
nUAnRO DOS ESTABELEiMMENTOS DE INSTRUCCAO PRIMARIA E SECUNDARIA, FUN DADOS
QlA E MANT1DOS PELA SOCIEDADE PROPAGADORA DA INSTRUCCAO PUBLICA EM. PER-
NAMBUCOCOM DECLARACAO DO NUMERO DE ALUMNOS DE UM E OURTO SEXO,
N'ELLES MATRICULADOS & QUE OS FREQUENTAM.
ESPECIE DO ESTA
BELKCIMENTO
Alumnos ma-
triculados.
I
a
<
X
I
Curso de babilitacao
para senhoras.
Aula de francez para
osexo masculino
Aula primaria noc-
turna pare adultos
Aula primaria di-
orna............
Aula primaria noc-
turnapara adultos
Aula primaria noc-
turna para adultos
Aula primaria di
urna............
Aula primaria noc-
turna para adultos
Aula primaria di-
urna.........
Aula primaria noc
turns pare adultos
Aula primaria noc-
turna p ra adultos
Somma.
21
25
23
48
31
18
20
2>
lio
180
10
Alumnos que]
freqnentam
!
190
10
20
18
38
16
15
16
19
a
100
10
157
110
mil collocado.
8 em francez, 4 em inglez e 5 em latim.
E' opiniao minha que o edilicio do gymnasio esta a todos os respeitos
obstando assim a uma reforma compieta na parte hygienica, alias muito essencial.
Internato de primeira ordero, e que aspira com fnndadas razftes a regalias iguaes as ae
que goza o collegio Pedro II, devera estar situado era um arrebalde, separado do buhcio da
onde os meninos encontrassem o ar livre e o variado borisontc campestre para as disiracoes
necessanas ao espirito; como tambem tivessem espaco para se entregarem aos exercicios mo!
culares, que sao antes uma condicao indispensavel ao bora desenvorvimento da crianca, do
um simples passa-tempo. Nada disto usufruem as criancas no actaal gymnasio, qne mc para<
mais apropriado a servir de faculdade de direito, si o governo couview em rompral-o para
e^se dm ; sendo faeil obter-sc um sitio cm condicoes adeqnadas.
Sob a zona que habitaraos e um grande erro encerrar as criancas em um ediflcio, para
alii dar-se-Ihes instruccao. conservando-os era quasi compieta inercia, que acaba por eofesal-o*
Quem liver noticia, diz o regedor com a competencia que Ihe e reconheeida, ae a
ostabelecimento de educacao de meninos, no qual deve haver todos os preceitos 1
rolativos a raanteaca da saiide, ao desenvoivimento, a actiridade dos organs, ao tratameuto aa:
indiosyncrasias morbidas e do definbamento preeoce; onde se fazem preeiso todos os leeursos
de syndicancia de raoralidade, confessara que o actual ediflcio 6 o menos aj^mdj^aao^so
por sua situacao na localidade em que esia, ond6 falta completamente a gi up.
ra-
OBSBBVACAO
A Sociedade Propagidora fei installada em 11 da agosto da 1872, e o presente quadro refe-
ra-se ate o ultimo de dexembro de 1873. 0 curso de habilitacao para senhoras, unico nesse ge-
nero no imperio, deu 36 alumnas habilitidas no anno, e 2 no 2* anno, e funcciona na escoia
normal, por concessao do governo provincial
A socieda le nio coota predio algum sou. Algumas destas eseolas funceionam em casas
Kgas pela sociedade, a outras em casas offerecidas pelos socios. Palo socto Dr Jose Tiburcio
raira de Magalhaes foi doado a sociedade um lerreno para edilijar se uma escoia.
Escoia normal.Continua a ser dirigida pelo bacrurel Alvaro Uchoa Cavalcante, a funccio-
noa durante o anno passado sem incidente notavel, haveudo corrido os trabalbos com regula-
ridade. ii' tt-
Designei para servir de secretario da escoia no eorrente anno, conforms determina o res-
pectivo regulamento. o professor normal, bacharel Ayres de Albuquerque Gama.
A matrieula do anno passado constou de 240 alumnos, a saber :
! anao 40
* 17
3" 11
Na escoia pratica 162
Dos 178 alumnos do curso normal, perderam o anno 19, deixaram de fazer exame 8, foram
Siprorados plenaraente 20, simplesmenie 13 e levantaram-se da mesa de eiames 3.
Das 162 meninos da escoia pratica foram aaoravados em exame 6.
Tem este estabeleeimanto habilitado aid o presente 102 alumoos mastres, dos quaes 86 tem
sido aameados professores publicos. .,.,, .Q^
Gvflinasiop.onncfai.-Pbdia aabtej/f #zoBecao dareaodoru deste utiUite o coaafo
Dr. Joaquim Francisco de faria, sendo, noToeada, em 13 da maio por substitui-lb intermamente o
Dr. Augnsto Carnairo Monteiro da Silva Saatos. rVoMdoto. lUustrado e acUvo, o Dr. Carneiro
Monteiro vai prastaade alii reievaotas aarvitea, priadpalmante a em relaeio ao movimaaio
economico- ^^ ,
Em virtude de concurso, n moai por portaria de 14 de maio o bacharel Manot-i Pereira da
loraes Plnhelfo professor da cadeira de Geographia a hisloria moderna, lugw que ja era exor-
cido per alia interinamente desde a morte de respeclivo propnetario, Dr. Antonio Rangel ae TOr-
r*oa D ^tdtfttaaV%
Por aete de de setembro aomaai aacrfiafto inleriao a bacharel Francisco da Cuaba Caa-
lelb Rranco, nn Impedimeoto do secretario effectivo, bacharel Antonio da AMumpeao Cabrat: a
nir fa'leeimente daate, hvendo ilia noneadOssnecessivaraeate o bacharel AureUauo Augnfto ra-
rwra de Carvalho a Jose PeretU ><>-, qoe nao acccitaram a uomeacAo, recanio asta no uaenaret
Celso Tartaliaao Facaaade* Oaintella, qoaootroM am exereicio bo dm I* da uVsemUrojaWaao.
Por portaria de 17 de fevereiro proximo passado axonerei o professor do aifeauo Aato
nio Carlos Ferreira da Silva ; e na mesma data aposontei os professores de UUm e de acfencias
natoraes, Josd Nlcaeio da SUva e FeUppe Meona Callado da Fonseca, attpndendo ao esudo vale-
tudinario dastes dous funeeioiurios,que se achara physlcamente inhabHitados; oque os unpedia
da cumprirem aa respectivas obriga09s com proveito para o ansmo. __
A matrieula mostrou no anno passado 231 alumnos, sendo lo inleroos, 14 moiopea-
" No^neerrameato das aulas eram estas freiueutadas por 1SI alumnos, sendo 143 infernos,
2 meio-pensionistis e 36 exiernos. ;..- .- ....__
Fizpram ffiamea 67 alumnos: 25 daa materias da instruccao primaria; 18 do primeiro
anno de lalim, 4 do primeiro anno d lingua national, 1 da lJ eadeira dj mathemaucaa a 9 da
prinwira anno de francez. Foram apurovados 45, sendo U com disUnecio.
Entraram era exame on faculdade de, (flralto 53, soqIo appcouioa em lingua, nawoaai^
suas
oade
oa ilimiXni
as brancas e eom as
da naucao e diffieil, a da equiUcio mui despendiosa e a da gymnastica perigosa. maxime pa
os principiantes ; onde o clima e dos peiores, sendo o ostabelecimento constantemente *tau*'
pelos ventos da praia, como porque a construccio do ediflcio nio offereee as eammodidades a at
conveniencias que devera ler
cr Um ediflcio desta natureza deve estar collocado onde haja vastidao de eampo para <
creio dos alumnas em turmas, que so nao commnniquem, onde abundem as grandes aryores ; i
os ribeiros ou os pequenos rios, serpenteando proximaroente snavisera pela cooperacaO oe
aguas puras e crystalinas a excitacao do caJor proprio de nossa posicao topographici
se possa ter sobre o leito dos rios de pouca profundidade os apparelbos pare as pn
licdes de gymnastica, e se podesso dar aos alumnos frequentes banbos ; ter com poucp m emma
aniraaes para o exereicio da equitacaO ; e onde por uraa boa administracao, com u
pouco dispendio, se obtivesse a variedade de alimmtos, corabinando-se devidai
azotados com os nao azotados, as carnos carregadas de osmazoma eom
hervas e os fructos sazonados. __a_
Commissoes de donativos para eseolas. Dando cumpriraento aoavrso do B :m. "* *)
nistro do imperio, em julho do anno passado nomeei era lodas as fregueaas fa Iv"'1*
missoes de pessoas qualificadas, afim de agenciarem donativos para a edincacao da eaeans pu-
blicas nas respectivas localidades. .. .
Desvanecp-me em communicar-vos que as commissoes da villa de Senunaetn e aa CToaaw
do Rio Formoso se offereceram para edifloar as eseolas a propria custa. ____
A de Serinhaem, composU dos Srs., Dr. Gaspar de Menezes Vaseooealloe de Dranaw
vigario Genuioo Gomes Pereira, Autouio Peregrine Civalcanti de Albuquerioe, Maaoet rei
Campello Jacome da Gama, Francisco Manoel de Souza Oliveira, Manoel NieolaoRegiieirarii
de Souza e Antonio de Carvalhoe Albuquerque, vai fazer uma casa com prepore^esdeiaa^paa*
rem as eseolas de ambos os sexos, e tendo ja escolbide *seeJ, I rale ds fee *>a,**^*,**...r.M
A do Rio Formoso, composta dos Srs. Thomaz Lias Caldas, Manoal Bernardo das i m,
Manoel Vicente de Hollanda Cavalcanti, Jose Luiz de Caldas Lins, Joed de Castra ftaea Marfi no.
Augusto RuQno de Almeida, Thomaz Lins de Barros Wanderley, Antonio da R icaa WaMSatiay.
Pedro Alexandrino da Costa Lins. Joao Manoel de Barros Aecioly, Sebastiio Autorao Ace
Lins Wanderley e Francisco Luiz Wanderley. esta quasi em complete de^mpeane de aaa aai
roso compromisso. 0 edificio que se acha alii em construccao coatem ^ya.*M. M*.
nma sacada de 3,-74 sobre 3,74, dividida em I6janllasde 1,-32 sobra 2,8*, toaao a p
principal, que e collocada no centro da sacada, 1-.75 sobre 3,50. Os alicerces eoatem l^oworo
1,-00, e as pa;edes 0,46. A obra acha-ae na allure das vergas das janellas, qua ja estia eol
das, e receberi em breve a coberta, que esta prompta. Todo o material aaeeesano para aaajem-
s4o do ediflcio esta comprado e em deposito.
Sio estes servicos reaes, que muito recommendara aquelles aoa os prestam. -^
Aulas de latim. Foram supprimidas aa que existiam creadas aa proviaem, exoepto aa ao
gymnasio provincial, em virtude da lei n. 1115, do 17 de junao do aaaoaaaaaia. ___
Bibliothfca. Tem a provincia apooaa uma bibliotheea pablica, eVifida pete MvU- gaiat
Lino do Monte Carmello, e em condicSas mis, nio so quante a tocatodade, come a raapeaV) aa pe-
quena provisao de llvros, Contem 878 obras am 352 > vatamea.
Foi durante o anno passado frequentada por 968 pessoas, qua consnltaramBV i oaras.
Seria muito conveniente, ja qna nio nodemos erear outre* bibbotheas, *aa
da qne temos, em ordem adespertar na populaeie o gost> pela fraqaeacja^ at
belecimento, Estou muito certo de quo, si adopurde. medidas aette aeaaw
resultario
Este piedoso esUbelectmeato, fundado em 1853 na viuaoa raaaci
Savol capuchinho Frei Caetano de Messina, continaa a funccsoaar sob I
o boapjek) da Paana. ____
Deatiaado a reeaber e eduoar aa meomaa dosvaiidas, a ajaaa
deriam precipiiar aos abysmos da pardieio, tem esse eoUegtu
formando verdadeiras mais de familia, aio sd pelos conbecimeatM
educandas, como pelo ensino moral e ratifioao que se Ibee da._________-.
A edueaclo coaiprebaada a doutriaa oanste, Idr, eserewr, a* raaibat operacdes da an-
tnmetioa, cozar, bar dar e as demaia obrigaodas domestica*. como aejaaa >
mar, etc. etc d'onde se vd que saha d'alli a aducauda peraatameate
de uma familia a governal-a.
0 passoal docaase do coUeoo coasta da om eapatiaa, one d o i
puchioho Frei load de Botogaa, Je de 11 patnaia* nossa*. trajalas da babsta, a
gra da ordem 3- de S. Fraucisco da Absm, iadepeodenlaeaeote da vote aatMMl
com lieanci pre via do dioceaaoo.
Desde a dau da fundacio do coUegio ate o um Jo anno pauaaa, tea
para casar, ou para a compaahia de paranles, mais de 80 mocas, aaai
^uittW : ,._ _^. ,. ,*.*. *. .. ..^- t9
saaaaa pete **-*e
alinlYrb daps
Educandas de idade de 6 a 12 annos. .
De 13 a 16 aaaas......
De 17 a SI anaes......W
Jtm


de Pcrnambuco
f
feira 13 de Mfrr<;o de 1874.
0a%SWfcei Jos*, veado editicio-qu.'ui a deabar tfr ter sido bit<.do .taipa, CflpUlMil
deu laieliegMiaVra a eal.; e, como n*o b> dijOcaldadf) qU re/uta, .aiao.benjfazcja (JesMjiv..^
experin>eajjJi|Mpftas, poae levar sua emprexa a bora camioho de reatisarlo, eonstruindo Unu^
bem uma m aaparada para rasiJeocia'do b*pellao.' m .
E' n^pwillra iriluicfc qua am esulwlecimento de- tal ordem s-em wmelhaates oneiceWJl
ojc disp5e de recursos proprios para swteDtarse.
( umpre
mm eapirili
fit) eoroaj
cto.
ajun a a n. 99 de 18?i Goaf o/rr,
Entra em 2* ili>cn?.jSo o pwfricto n. 90
)H)UOji vH^ajMf an ta freguezia cant a >l
1liora da Coucei<;ao de I
e Silva : Sr pr<
d(f'sarnie prejoeto quo se disrate,
vista como lot apresentade era 1867
uma
*& IHHIH/ I P/Vr.
"go,
tpdavia
tenjjp e
vota-
piuilutli 900
A lei
sao das obn
lecionadas
quint de M topFlo nal
tence, jaxiai
lettras o f ruclo~ do trabalho do distincto anciao que as reiraiu e apreciou, Jai
graphice sobre o s Parecendo-nw ur-geote fazer imprvnir essas obras usi d%i
ultimamente tratei coinoifypographo Muhlert essa impressao pela quanta
TftTBrj' 'ur^lilKMtu itui'uiu, nraiidu elle ewu dlrutiu -if mllc^u, I* pweau,*
exemplares devidamente brochurados. Sobre taes bases, ja ordenei a lliesouraria que lavras-
se o respective conlraoto.
~| aguu oixaaiip devo pedir-yos que, vutando a uecessaria, quota, autqriseis igualmente a
ioHtts BFiio4arj h^ds-dMneto#cripTOr pMaaihbbcWvlW^KiatfWBFA) Snofi
Suas obras tad JrfcoMrfihWa*eAWBlfts forarrt Krmbeto fcofflfcttis 'pVfrJ^iW^onrtrJeri-''
dador Antonio Joaqwnn de Hello, que assiro mostrou se Incaasavel^ serapre. a^ijjfi da^ glo-
rias de sua provincu natal. Convent que f ernambuco nao UqtfratrJKta ae jbtras^rovllirias
aa dinpaado do moaoroe rocarees, nito abstaete -emprohcndem a-impreagao da* ^^aa de-*eue
estimaveis esonplores. Convent qao >na~l?6nie gl6rio>a ~de ribssa' provincia two "Crime menus '
a ioctda estrella de genio, como felizmente *>rilham tantas oulras que flrinam o seu rieo iiade
ma Mo flfaffl. i>
ti^!*J6saf{,tipFunrr3 a* de tanks illutlros tptruawtjucaioi, que em luJos os
tempos tee^readBfqgN;saboavaervir a HaWio ejioa ptaua eH'*JBi|a-#spatta.,
{Continuar se-ha).
descutiro aqui na sync
ser. Por conseguinte es
CCSPACKOS DA
dencia, do b1a 11 dl jiabqo
de'1834
Paiva. lfeie- o Sr. Dr.
Bfllarmino Pi
cbefe de policia.
Eustaqoio Zefe^no da Sflra Braga. Eueami
obese.
Francisco NeveJ das ^aHos,-^forme o Sr. Dr, fcrds, tesolvu 6 goverpo Impeflaljapprovar o acto
chefe de .policia. J .. ile'V.'Exo, ^ue puc esseanotivo Inaullou os tra-
Gasfar Antoaic dos Rejs.J(onlei-3e._ baBio* da jonta, fixaodo a i* diininga de abril
Padre Joaa Bap .-ta-Siiarta. ^Ptigupis. -para a reuno de eutra. 0 que ieclaro a V. Exc
Maaoel Alves !' refa.-f-lS se. *m resposta ao jeu offlcin. 18d ye 4 do corrente
tiarcellino Rod guas Pejehia.-^Ao: Sr, i-pec(or j(NC. Oessjuardea V.^Exc. -JoUo Alfredo Cor-
da thesouraria pr uucial, paraJ^ue a|Uulaa**uj*- rtiu - jli-ante. 0 mesmo miuisterio, -ein igual ilala, iiianJou
Oscar Destiboai ;.Seja relwado da malta em <, seguinte aviso a presidtncia do, Rio Graude do
que incorreu. Korte
TherezaD. Dias "ernaqdas *- Informs o Sr. re-
gedor interino dopymn
Ciiii>ia)ii iqa>s
a|'Ql
do Serrito de Cangu?su, pelo facfo de haverem
tjnaado assento e funccionado coaVio membros da
mesma jvula os "to*, juueos eleitares que compa-
reoeram para aquelle Gin, auandk nos termos do
arLo'do dec n. 1,M2 de ^3-jde4g<.slo de 1850,
m ttiham competeiicia para eteger os ditos iiicin
protinciaL
lo da ariuas.
yUAHTEL GENERA DO fcOMJ|AWDO DAS AI^MAS
DC PERNAMKUfg," EM 11 DE M.VR<;0 1>E
i87i. r
G brigadeiro oommandante das armas, publica
para soioneia '^la gnanntnao e.Beciwsarie auVito, o-
av* do minis!eri.> da gocrra dn 2\ de feverciid
iiltim i, 4|ttfl ttw f.)i por otpta ^nviad pefa pre.-i -
Uenata, awn offlcio datado de U Ho corrente.
Aviso.
Uinisiartodos nRgm.-i.is d guerra. Rio de Ja-
ur-, 4i de f^vorairode-4874. -Jllm. e Exm. Sr.
Em resposta au ofBcio de V. Fxc. de 'i do corrente
so!) u .'IC. acotnpanliado de copia da tabella arbi-
trau Jo a biapajtara as pracas do exercito e *,uarda
uacioii-l Jh^lm^4 ae-ssa provui.;i.i, e a forragian
(ura a i-avajfiada do d*iw-|t^ de ii^truccao, no as-
nif ir>ide>.tw^y*ij(auo do oor-reule anno; a-
(.mi a V. Esc. ipiiTlJfjaodo approvaJa a referida
iiti.-Hi. ilava pagar'se no'prese.'ite semestre a
iuantia de 470 reis pela rarao da etapa diaria ea
KM |*la f Trapem.
inirosim,-dt-darn a V. Exc, que a doutrina do
vih-dd Je Ptembro 184if proliibe qne se
mamle vigorar em um semestre tinell'-s de etapa
eiija avaliacao oxcede em preco ao do anterior,
.apeliiid.i .o gretno didir eill taes casos.
liens guirdo a V. I-ao. ioio Joiii d-) Uhveira
Juii^ueira.Si-, presideale da proviucia de Per-
iia.'iibuco.
Cimipra-se P.Jacio da presideneia de Pernara-
buca, 9 de maroo de 1874.Lucena.
(AssijjuadoJ Mamfl da Cunha Wamkrley
Urns.
Coniorme.-0 alferei Jose EliziQiio dot Santos^
ajuJanle do onUjiis inierino, eucarregado do de-
lallie.
f
ate|tMrii^# .,La .pallet*.
J.* seci;ao__Si'cretana de policia de Pernambuco,
_ liiBLHIMfipJa 874-
N. 354. -Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram liontum recolbidoi a deleatao os iudni-
duos seguintes : ,
A' iiu#lw orders, Aalcnin Francisco- de Assump-
fio, para v,>riiicar-se a soa verdadeira coudicao ;
Mxtrigo, wicravo de Franjso de Paula Correia de
Araujo, a ve^uefimeBUi Ueste, aSaverino Jos6 de
F,am-a, como criminoso m tcraio de Pao d'Albo.
A' ordivn do subdeiegado de Saulo Antonio, Ha-
noel, escravo de Pedro Lourenco Rodrigui-s, por
suspeitas de an Jar fugido.
Em ikita de 6 do corf^ite, doclarou uie o dele-
gado de liambe quo remeiiera ao Dr. ju'iz munici-
pal do lniio p luiiueriio p. licial a aue procedera
sobre o s>ai>inato de Alexandre Pedro.
Pr tdo^rauiuva de bontem, coinmunicou-me 0
snbdelegad^ de Agua Preta qua, na mesraa data,
em terras do engenho Uaiverao, a macbioa do 1*
trem de passageiros de*U eidade a Una matou a
um iitdividuo que atravesaava a aslrada ; que
prendera o uiaclAiuisia, a minna or Jem, fazeodo-o
eeguir Ba me>ma machina ac jinpanhado do duas
pra$Ai.
Xela data rcqui.-ilci do engenheiro fiscal da
Tesnectiva nstrada a apraseatac^o do referido ma-
cliinista ue-ta reparticao e providenciei no sentido
de ser feito o competent* tnquerito, e do sea re-
suludo darei sotneia'a V. Exc.
Por offlcio de noje, coowuuicou.-me o sulidele
gado dos Afqgados
na UnaCafau, _'
de W,<^dm
tratjgeuo,^ u^r^Xac^ uU,,tm c?m que Vsia -
vesttdo.;.fflM qa penlbjt^W pzfiram a vutorta naj """< m
pr-deram precisar a causa da uiurtc em cuusequeu- m"
eia do estado de pafrefaccJo em que se'actiava o 'f B,
me3nocadavri-4)rU4Biudof paMm,^r sido o. ^P^^ Figueiroft.
reNU^!^^^^^^L' do V
distneto deS. Jose, que' remeftefS aoDT. jdiz de
direito ao % districlo criminal o iimiwrlto policiaJ
que fez contra Antonio Bernardino de Senna.
Ueutguardaa V. E>"
mendadar Wmg^Pf
rBlm. e Exm. Sr. Gam oofflcio de V. Exc. de
13 de Janeiro ultimo, reoebi o ranuerimento era
fuel d bacbaral Mileno de Torfep Randeira, re-
present iu c-OHtia a deliberacao -iie tomou a ca-
mara municipal da cidade tla IiinTatrii, de nao
|ftie dar posse do cargo'devereadar, pelo motivo
daaoliar-se pronunciado em proeesso por crime
de rsponsalilidade. Bm respo.^a, declaro a V.
Hxc tjtte.a vista do art. ft date! n. 2,033 de 2u
de Kleoibro de 1871, procedeu regularmente
squelU eamara C>mn, i>or*in, nao tennam sido
recrtiidiis na weretaria de estado do imperhi com-
manie.afSo de V. Exc^'Uem os papeis relativos a
eleiei'j ijue V. "xc diz ter provisonamente annul-
!**, e na iiual obteve vates o drto.b.iebare!, cirm-
pre qaj V. Exc. envie sem demora os ditos papuis
para resolver o governo imperial, sotire o men-
cioiia>ln aeto. Deus guarde a V. Exc Jo&o Al-
fredo Correia de Oliceim.
(xmcluiram o curso de ongenharia civil os
segutntes alumiio? :
Carius Ivluardo Saulnier da Pierre Levee e Ju-
liano Jose de Ainorim GOtnes, natur.ios da pro inn
cia Jo Maranliao; Francisco Antanio Garneiro da
Cunha, da Parahyba ; Alsino Jose Chavantes, dc
Sergipe; Antonio Gomes Sudre, do Espifito San-
to ; Jos Car-alliodo Soiua, Viarcos Thomaz da
CosU e Sa, Tobias llabello Leite Junior, Francisco
Carlos da'osta Real, Francisco Jose de Slulloe
Souza Junior, Augusta Coelim da Silva, Pedro
IW'tun Paes Leme, Joao Crockst de 6a Pereira de
Castro, Oatatta Mr B. Baptist* Pereira, Manocl Ro-
dr4gues"|ttista, Theophilo Benediete de Vaseon-
cellos e I ii<) Ijiiiz Pinto Campista, do Rio de Ja-
neiro ; Fernando Palmeiro Pereira da Cunha e
Altoerto Belment de Aguiar, do R4o Granle do
Sul; Jose Freire de Andrade Parreiros Horta,
Alberto Eugenio de Andrade Parreiros Horta e
Jorge Bauedieto Oiloni, Minas-Geraes: Manoel
PeiX'Ho Cursiao do Ainaranle, de Matto-Grosso.
A aKandega readeu ae 1 a 4 do corrente
Eis as iwticias cuiuuie.'ciaes em 4 do cor-
rente :
t 0 mercado de cambio mostrou-se pooso
active, mas sem a|teracjto jsepsJYgL RJtotuaUBatM |
transaccwes insignilicaiUas aobre Loadi'es a 16 d.
papal baacario, 26 1/8 e 26 3,-10 d. particular.
aprt-seiitar firmeza a t:04^000, preco porque fo-
ram vcndklos pequeaos ioles. De apolices pro-
vinciaes negociaram e partidas regulares a razao
de l:U2d^Q00 e J:02o^000, a diulieiro.
a No mercado de a;.oes uzeram se vendas
nuis qua regul ares das da companhia de seguros
Prevideote a 12*500, a dinheiro e a 13*000, a
prazo cuito, < pequenas das da companhia Com-
marcio e Lavoura a 944000, e da c-ompaulua das
Do'eas D. Pedro II a 9*000, a dintieiro.
< As vendas de cafe, foram uienos que regula-
res e as de assucar pequenas para o consumo.
a Nao nos con.-lou fretamenlo alguq)
nopse um
su
conseguinte estou dispos
mam:
spei
er n
Msp1
eto de 1872,
r con-
mlnistrador, trabalha
e alem disto competem-l
peculiares e s.io cerurh^BB^Si- iirai
as mais ouerosas e TO^Hlr arriscadas;
do que die percebe 6>4WH>'>.
jonqalves FkrukhaqmmjMi alguraa
Ratis-k Silva : NaoJfem* Bem \e o
aobre deputado, bem ve a casa que am empre-
sobrec
o ajud
nao e
n: Mor
: Silva :1
| mil reis, coa
para pafar |
emos queise|da m
entos a A portifcj &^H
reparti> publiaa.
Tado : THRTj-^rtelto e o
engennciros, perten:enteTa
j*awo f;j,a#.j
aJu
S 'as'panes aos
Tco,nhni&ao ohvio~o~g.)VcrhaIir~doti'spal
qire ap)ir ivou A iden. -
O Sa. MANof* dc-Hko-j : *- Mas o -anna passado
mesmq paisoa. um, reijueruneato, maadando .i
novo ouvir-se o dioeeuno.
t) Sr. Ra'tb Slva : Se esse reqaerimento
passou, nao me recordo. 0 que sei e que a ma
ria e de tr Ii a aajiiu ni uin'j a utilid
Demonstrei
Portanto,
ndupend
ernador
aaa se co:
ade, e voi
cti ocgasiao
tada^votaj&aaVO
oM
uoajajin(orraac>es
, e e-tou nersuadldo de aoe a
tra ta de sua conveuieuoia e ulili-
of eile.
Ninguein amis pedindo a pajavra, pro.- de-sa a
otacao e e approvado o projealo.
OSr RaUsetilva ropier dispeusa
_lersticio para entrar o projepto era 3* disi
a seguinte ses'sad.
L^onrpceder.se^ volacio, reconhece-se nao
tefo ejlKHatBJatfaWa, 3^jU(JaStaV OSr.preeidcute desJgaa a ordem do dia e le
pagam casa e cotnem a sua custa.
casa de detencao, aTem de ser um empregadode
mats sublda, tent aiinbulgOS |
mnito excessive e
da casa que vem
compemar ease trabalho,
0 Sa. GoNCALVfefeTFBRBKmA i Sra> eltB dSo e"
aliiue.ntado a custa do eajabeleaimi-nto 1
0 SB. TtAtis h ftLtfX \ Wo-," ibtxhbr ; "apena's'l
tenj.casa ; mas o prealso nouriqua o.estabejeci,-
mento fiao tern conwrodos'sufflfflenres >ara rfue-o
ea<.
Ninguem raaiajadiadMi pajavra^acarra-fc a laauitMtenosa* Jamifeabalha>
diseussao, e rK)^aaVaouHo ^eojeafr; e aegemdav amo^aj ^cvimaltri^fbtfmP
Entra era 3* diseussao o projeoto n 62 de 1870,
iseritiWe dbs impastes provinciaes por dez annos
E li'ia, apuiada e entra omjuuetamente em dU-
en?*2n asegahrreTemf/nda T* w|Wt
Supprima-M.1 o Home de Antonio CarvaIIw dos
| sanies. .uommgos H'tnio.
Eaotrrada m anauaaao, e appro vado pi>ojacto
comot ameaxla, aue deveso&er mm* qarudis-
curlo.
Setue-se a- i" diBCussae do profsMe n. 76, aarto-
risamtoo peaaidaaae daptuviocia a coacMerum
privilfioa:Bapiaats vaaag-s oirereeer para a
consirueeaooa um*e>rada'4e fepro que. nartm-
do dtr (iaawlWra, va terminar no termo de Itar-
reirna. I
Lai-sa, e apoiada e entra co^juaclamente ea
diseussao a seguiateeffieaiia:
Sopprima-se o *rL ,? -AltpHf GtBta. a
Sao tarabein lidos, apoiados e eutram igualmen-
te em di -cussiiu os seguintes I r*|uerimentos, qoe>
sao aai'iiovadrts,- fwawdo, poftaato adiado o pro'
jeele e aemanda.
?WfDi'iro qtle 'deaovo seja'm -firidas as mMr-
mafOaa, viatocmaamad existeW'-ira aeertaa.a-
RatHt* Site*. '' i '
Requeirt) qvte sfm prejuizo das infonna^oes
p^diaas, seja sutimettido a cnmiiderara > da enm-
mlssiio de onras ptibliczs para o mesmo ftm eom
iii" foi remettido o projeclo n. W de 1872. -Dr.
PorteHa >
Entra em 3' uisenssao, e sem debflrle approvano
o remettido a commissio de redaccao o projects
n. It8de W70,'twa^tdendo loterifts-para o con-
vt nto do Carmo' d cidade de Goyanna.
E' dl deviate regertado em 3" diseussao o pro
j"cio 0.18-de **7I, obrigando o alumnosda es-
cola normal a fazerem exereicios calligraphicos.
Fica adiada a 3' diseussao do projecto n. 21 de
18T9, approvando e cohtrato eeieBfado pelo-pre-
siilenfo da niovincia com Justiiui dose de Sonta
Campos, para assentamento de trilhos de ferro en-
tre a estacao da Boa Viagem o o novoado do mes-
rMAMBDOa
ASSEMBLEA PROVINCIAL
SE8SAO ORDINARIA EM 7 DE MARCO.
prwiDExctA do sr. FenBEiRA dk acuiab.
Ao meio dia, feita a chafoada, achatB/se presen
tes os Srs. : Ralis e Silva. Manoel ao Uego-Sou
za Mlic, Alipio "Costa, 'Anfonio Patillno, Xtfiveira
TflagalhSes, A'(vafo Uohoa.'teo
""Tld, 'Lacerda.
arbalrio e Fe-
Parente, Caspar'"de Drommoad, 'Lacerda,
Pessfti, Ernesto Vielra, Jolo Barl

aendadar ge&figu1 .
sidegtp da prftvl^ei^
*'o FwHCitfO C*
aaaj
Abrte se a ^essao.
Sao Ifdae e abprdvadas-aj actas1 de 5 e'6.
W-Sr. f'-secretaflb' le o itfOWte '
' 'fexPEDiE.-ffe.'
Um'OfBcio do secreiario do govoruo da proyin-
mTe Exm-;Sr.'com- ^'a'n*n*nrtI*' d relatorlo ^a^itrjaTa municipal
alucSa, digno pre- <> He(ife,'o balanco do exWcidbde 1872 a 1973,
o aWanceie de 'I87i a tit$ e a tabejla 'dos ijiile
^jicia, ^alo.
ifcaaa
.,... until triai H >li.lifUnuJ. , ^otf4M4^ftrl<*lmprrK.
0 vaper 1rp&$ Wflr de ihhfy.Ki pQrtador de
era partes iguaes
e Julieta, filhpe 1
exerelto' e artmaa
da Foncei
boje^r7flfe
abril de 1867. eaanrova
d3 gelembro' % tHWWb1
t?5tt8n8erjH'3Wia-
rentes rrtpostos. -A'co.tnhjis&ao (Jeoijajnehto mift-
meipfll.
Urno prtlCao de Jnstmo Josrj de $ou,za Campos,
pedindo qud's*fa copSfdiiradQ de nedhura'effeito-o
codtrato que fez coin o' governo pafa b eslabele-
elmshto de carris moyidos a abjinaes, da p.s^A
da JMafVlagem ao povoadd do mesmo name.
' e^5mfellr/ae legisla^b. '
Ohfrlde' d| versos' rrabitiir/tej da fregaezia de
Tanaarttfngi, pedindo qlie seja ejdVada a calhe-
'ii-r*-^ relerirJa-frjoguezia. -A' comajittJo
'v'jUtHHHc HrOfr.' lint COfO ^IttWliiWI) 9> ft t6IIt ', UCSil?
cas-j teni uecessfdade 'de mor'arfora e^h'a de pagar
(Tottaia-a o(.arte*.)
vMu'ltofal e gar* :-^0onW ] disse, o esta-
beteeimeBl* n.lo teni commodos 'necessatias 8ara
accomwioaar a tantos empregaJos; mal pode
aeeoiaaaedap* ftlmllia do idrhWistrador. W-*,
poia,:qO se o .ajodante do admmisrrMn- for ptsa-
do, tiaef famiHa, aao pode flcar *fad4o dePlfo
do estabeleeiMeote.
8f. presideote, e se da a um continao, a utn
portelrn, a erhpregndos de baixa eathegoria o ot-
denado de am cento derftfs e mais, como e Njde
ple aMar bem-pago eom neve<*W< pvft fife' imi
LnkpMaajat) tfetaAegorla superior'^.
SdaliorHs, oajndainre do admhii4trrfd;)r'daeasa
depfltae^a tiveesem conheclmedto 'perfeito das
obrig?6es daviaro de ceneordar qe 'elle so poderia Hear fcehi
rerrHinarado reis. IB"
Ewe eapregado, Sr. prestdente, n'to s6 trtbalha
dUNnte o dia, desde as 6' har-as' da (lianhl as da
lard*, cmio durable a noite deve-estar promplo
para proVid**eif as ocearreBCias-, e Rrta conrAute
para qe o f-nprego sBja'dMeilmehle ex.ertld),'e
para que o seu setvio se tbtHe pesadisslmo. Os
omfrts oferwpiegados -tfle Wm drdenrido regular o
pagam oasa, 6 traftalham das9'horas da marrha
ale'as? ila tarde, e teth a ftolte tida pAra descan-
sar : Undo o trabUBro ad' pa'ra suas easas jairtsr
ke repousir ate o dia seaqjule ; mas o ajjiidautu dp
'adfufnisiradar'da casa Se deterf^ih "i*m miHgacao'
-de estar no astabeleeimento dfesde A* 6 noras da
maaha as 6 da tarde, o cliqa1por.todo,a noite.
Ao seu cuidado esta a ordem iuterna _do estabele-
nia Trrttrm^vlirto fl'pgrideT Psta qnpstso de parecer cfmeTifo ; -eftr-fr resp-rrasa^ "pijTtu(ib""qih'e'aroflre
dajcommissao de legiflaoie,
K tendo dado a hora, 6 Sr. president? designa a
or Jem do du seguinte ejfixanta a sessao. ____
LESSiOOBDIXAftlA BM 9 DE MARCO,
PRRSiDEKCIA III SR. MANOEL fORTELLV.
Ao meio dia, feita a chamada, acham-se pre-
scqtes os Srs. deputado-: Antonio Paulino, Arecn-
cio,' Mario, J. Mello Rego, Firmino de Novaes, Gas-
pafde Drnmmond. Manoel do Rego, Naseimcnto
I'rtrtolla, Perelti, Goes Cavalcante, Cunha Ca^alcan
te, jBouza Leite, Oliveira Andrade, Pinto Pessoa,
Alipio Costa. Ernestj Vieira, Domingos Pinto, Ra-
lisiSilva, Felippede-Rigueirda, Gonr^alves Ferrei-
ra, Joao llirballio. >oares, Gtiedes G-mdim, Jo-c
Tiburcio, Alvaro Uehda, Lacerda, GpMal Pareute
e Tolenlino de Carvallio.
Abre sea sessao.
E' lida e approvada a acta da aotecedente.
0 Sr. 1. secretari > da eonta do seguinte
EXPEDIENTS.
Odlcios:
B-j secret irio do governo da provincia, trans-
mittindo pur copia os documentos concernentes
as occurrencias bavidas em Buique, por occasiao
de se por em execucaa o regulam:nto aobre o art.
15, 15 da lei a. 1,115 da 17 de juiiho do anno
passido.A* commissao de legislafao.
Do mesmo, remelteado o orcameut > da receita e
despaza dacamara municpii ii villa do llrejo,
assfm como o olOcio em que ella expire as necessi-
dades palpuantes do sea muniefpio.-A' cotrrmis
sao de orcamento municipal.
Uma peti.'a i do bacharel J-j.vpiim Jose de Car-
valho Si.Mieira Varejao, professor da desenlm do
gymnasio, pedindo o pagaraento de ordenaiJos qae
deixou de receber.A' commissao d- orcamento
proaiaaisl.-......
vanta a sessao.
ce earn relacao as suas attribaicdes. Bern vem os
nobres deputados que todo este servico de tama-
nha XA-ilMisabilidade e eminente perigo de vida,
deve ser muito bem pago, e nao 6 curtaraente com
nove centos mix reis. Feitas estas consideracoes,
voto pelo projecto.
G Sa. -GaM'ar uk Dhijmm-.no iNao reeebe-emo
lumentos '
0 Sr. Ratis r Silva : Mia, asnuar.
0 Sr. GancalvesFerreira :Tambem as guar-
das sao muito mal pagos. .'
OSn. Ratis e Silva : Era geral todos oa em-
pregados da casa sao matte mal pagos ; emcutra
occasiao cu tratarei disto.
0 >r. J. Mello Bkgo : Mas, se nao se pode aug-
mentar o ordenada. de todos, e inulhor nao aug
m en tar o de nenhum.
0 Sr. Ratis e S^.va : Acho, Sr. presidente,
que nio s6 se deve dar 300*000, com.) mais algu-
ma BOOaa.
0 Sr. Domingos Pinto : ^Nio, contontase com
300i000. (Apoiados.)
0 S:i. Ratis e Silva : Mas, como ja estau
vendo que. o augmento de gratificacao nao e aeei-
to, voto pelo projecto como esta, dando 300*000
dagratilicacao ao ajulante do admioistrado- da
caca de deteoeao.
l\lo havendo mais quern queira a palavra, en-
eerra-se a diseussao e e approvada o projecto.
Entra em I.* discoasao prajecto n 96 de 1870,
determinando que os actuaes escrivies do crime a
do "Jury da ddade daVjctoria exerptm cumulaif fa'-" para eseuer iiiteriuameuu; o car^o de 'ubeffiao.4o
r
e

!'.m-
llto Mended
'*m.
!c* do.' ilitf^
o de n. fiwme 1*
0'*^idd'-e*ie ricrvo
|-ljll A. '. I" 'I O
^MttlVk'tmS'&m de-rev^fefr^ fon^
^Sft^ftl
edea a JoJo
s annos, pai_
de sua fo-roriWdeatad*arfaafd.
-^^hi^lieAfld^fcpailaV Dl'i7!laTlBef*iro
dirigio os seguintes avisos ao presidente da pro
vincm de-g^BBta* ,aKB anilaaia < Mm. % HmmU**ttt#m*a aa hflkio de
/delJali fegejtados ip
m3 fifojeelos :'.o. 72-de
TO trjtra as {r'e^^fezias "de
p3^?JrklLh?f*0 do
H r'sili &
pbhte" sjjzjra o no
lW4clm+M fctt (taeia^Pfep entra
Jeroulhfc*ld, .pov^tar-pfe}dU*^l, yisth ter sido
apr*sentrtrnfe eWevi^ 'nV #Sb'a"iilerio^, o
projecto n. 82 de 1870, J^^fnt ^CToterft
laela?fi^lalra^taV^afJ^I.VuS^',- I ""
135o aml^Wm'> 12 m eorfMli-avaa} n eoaheeimento do governo imperial,4otallaot9 oaKSftalw (frojmm *P't ^MlWDM'ff
pelo- da'' annhflto* a -8NMb " JMa^e^Wfi^lVH
qua u*ialnds* BVMedeair|KH<#e1ika.de rv poMlaa;-o *mbMm(M}
Fraaclseo aVU>i,'*a'Giaa da>tan, pal* irre- I: "4 aolW'**13
gularidade de se nao mencionar na respectiva Segue se a 2' diseartia-"aVi drpli
acta os nomes dos #otdtes .fuo tteiaaaawa-^e- 48m MHmMi* WelMM# VMr
aijuJir a 3" ehamadx, addataVoi atV.'Eta.-Upja^e- eoFatirA)rBi'0-i MmMW/hiM Vr
mellunt pri&ti&t aattatitua-^wio saaaMneial, i*a^da1e^e^utth*^top1rBAid* ('-eoitsf
eonfurrae ia foi decidido pelo aviso n. 492 de 14 de tnlhoi de ferf*^Ja>*)MrJaT},4de
deoovembro de |4V, ean*>pf)r issa apprevado- paaiaige^vwmo^ati^'WMdo'i -p*-;.trrr> a
o mencionado e. leu* sharda a EJtfe.Jo* vflpi9r>u a!lw4MW%*ia* "l M**"* *i1
Alfredo Correia de Oliveira. A dieu* a fie syliada p r t-r -nlo -riW'UWl'K
a Ilia, e Exm, Sr. V visu da irregnlaridade iappaataal nfmn/L>y,', )m t>:
ooeorrida na formacao da junta-de qoaliflcacao da a H#^ili)*dy opfojecw s ja remettido a eom-
i vjUnles da freguezia de Nossa Wnhara do Rosario- missaa-ae olras fiubHcas, por so aohar no raea.

ORDEM DO DIA.
Entra tin I.' discu sao o project > n. 16 de 1868,
aujbrisando a junta da Santa Casa de Misericordia
a under os pradios -que ee aeharem inlubita-
tt He. Ratis e ttUva: -Sr. presidente, ha
veldo-se raandado ouvir, acerca do projeto era
diseussao, a coraraissao de constituigio e podere3,
pattce necessario que venha a apreciagao da casa
o darecer dessa commissao, afim de vermos o que
ella diz a respeito.
6Sr. PRSsiDBNra :Eu nao tinha visto que
acerca do projecto se ha via mandaao ouvir, a com
mipao de constituicao e poderes; mas, como o
nonre deputado lembra em tempo, vou mandar ver
na. 9ecretaria se existe o respectivo parecer (pau-
sat Inforraa-me o Sr. olDual maior que o projec-
to oi com effeito a commissao, mas que esta nao
de parecer algum.
Sr Ratis e Silva : 0 projecto eontem ma-
tei a bem importanle, pelo que penso que nao pd-
'" ter decidido de chofre ; portanto, requeiro qne,
ovo sejaalle remettido a commissao de cons-
cao e poderes, afim de dar o seu parecer.
era a mesa, e lido, apoiada e entra conjuncta-
mqj|te era diseussao o seguinte requeriment i :
Requeiro que o projecto va as commissdas
rei lidas de constituicao e poderes e legislacao
pa I estudalo e darj[iarecer: Figueiroa a
sr. Oumiii^os Pinto vota contra o
ret lerimenlo por Ihe pareceridesnecesBario, En
tei le que o projecto, nao -o ja perdea a sua ra
ai lie ser, Ctomo tambem erorbita das attribai-
{oi -da assembiea pFovmenil.
g^F*Wppe;ltte Ftguclroa si
Ninguem mais pedindo a palavra, encerra se+cotn
a dise*o e aporoYado o re'rtreriraetito, firfm*
do, poMMito, aditfffa o projecto.
Sag**e a V rflseasslo flo projecto n 30 de
1867, marcando os limites dos termos e freguezias
de Agua Preta eBonflo. *
Sr R^tis eAilva : Sr. presidente. b
projecto que se discpte versasobre limited da Tre-
gueJa d'Agda PrtHii Qo terrao flo Botito.- Esre p
rojeitn, MM cdnstedasyaopse, foi apresentadtrem'
1867, e meparoce que as circurastancias que ac-
tuaram entle para e WBdr tfss'a drvisao-fle Irfnite',
nao ten mais lugar hofe, oa par oalrft, nao tern
mesmo mais razao deser. Todavia entendo qnejnis
antes de tomarmos qualquer delihera;io sLbfe o
projecto, antes de votarmos, primeiramente-deve-
aios ver as razoes que derara a Commissao tie es
tatistica e o ffovernador do bispalo.a quemTolelle
aemWfido para flaf o seu parecer. Nao tbtiti
(jue estejaraos aqui'aYSpritvaJ', imataf proje
sem reilexao, sem fundamenfo algum.
Ea"erel6 qlrft todos e*es pWiJeMs- qire V
sobre limites oq djvisoes de termos a fregue
hoje'ls^m ftiliuart-%or^ne dWcerfirie"
ca ae'tem feito.alteVSWeS e jfot 8oi'"
razo&s'flhe prCTafe<^^entaw,"^fl i
ser *im>\:*tor^arWKpMA&q&
a quq dizem sobre apcojeclo a commissao.i
^tisae!^govlTfiad*-^iV.bip>9|T'''
O Sa^Jr>*ttDwrW'( depois de 'rj(i.
EsiaoVpWcaYa'h*, rtfi'^Wretarm,1
ifento se acham as inforraacdes ii; dLdas nelo ni
bre rl*pNte'- *" o^tiMk-7 .hvanBI a uaWfoAia
aDreJkmWo ^'"A^'toB,
-T,o tv^ftrtrfW, |*i 'rjfab'" crea"a freji
ratesi'WW'l posfer'jor art projecto, p^'o "
pfii Wschssao rlSo W/i'^rri
mrnte e per distribuicao os oftleros de oscrivao de
orpbaes a de (abelliao da tolas.
r. oU:t IIn e aMIvo: -A fespeiio deste
projecto, Sr.president, sepedw ipfortMijoes ao
Dr. jniz de direito respectivo, e da synopse consla
quu ilUai p to am m mm wdydwe
jiaii a mm tutu u u
cretaii i do governo, sob n. 41.
Eu reqtieiro pois, que V. Exc. raanJe indag.1
se porventura existem na secretaria, para vermq
o que sobre o projects diz o Sr. Dr. juiz ?ile dire)
to, art in de v tarmos mais conscienciosamente
^egue*se a 2.' disenssao do projecto a. 132 rj
1870, creando o lugar de porteiro dos auJitorio
na cidade da Victoria
> Nr. Hit is e *ilva:-Sr. presidente, va
jo-me emparacado, sem saber com) vote nes|
projecto. -Nae sei se eontem utihdade-puMtea,j
por esta rasao, queneado 'dar ones Voto aaij
onsciencia, pe;o ao meu nobre collega pelo 3' dia
tricto, que tao bam coatvace Santo Antao, nes o
esclareciraentos acerca da utilidade do projecto. ,
OSr. Goes Cavalcante :-Nao ha utilidade al
guma.
0 Sr. Ratis eSilva : -Bern; nao ha utilidade
Estuu sitisfeito.
Encerrada a diseussao e procedendo-se a votai
35S0, e rejaitado o projecto.
Entra em 3* diseussao o projecto n. 48 de 187k
oreand'.i Uma nova freguezia annaxa ao municipi
de Pansllas, sob a iuvaeaeto cao, servindo-lhe de sede o povoado de Lagoa
Gates.
O Sr. Ratis e Silva: -Sr. presidente,
aaao passado, quando se dlsdatia este project.
Ota em diseussao, pela segunda vez, ea e outn
raeus nobres collegas requeremos que acerca del
fosse ouvido 0 Exm. diocesaoo. Nao sei se do dp
easano vieram as -inforraa^Ses, e, portanto, reqn1
m qua se mande ver se ellas exi4tem na sec re:
ria, afim de que a vista deltas, vejamos se devi
mos appro valo, on rejeita-lo.
.RJ1VISTA DIARIA.
AssRinlilea provincial. -Hontem func-
cioaou pain .31 senhoras deputad)s, sob a presi-
deneia do Sr. Dr. Aguiar
i Appia>va4,tajct;> da sessao antecedente, o Sr.
I" secreiario leu o seguinte expediente:-
Dm nUtcio BO gecjatario do -governo da pro via
cia reineltendo copia do coalrato da companhia
ferro earril desta cidade e o termo da modiutaQAo
do mesmo.-A' quem fez a requisicio.
Uma peticao de Paul.a > Iierculaao de Figueire
i<, escrivao da subdelegacia da fregue/.ia dc S. Jo-
se, pedindo pagamento de custai.A' cooimjssao
fe orcamento municipal.
Ojitna, de Augusto-Piter Cezar, ageate fiscal das
r.-uJas Jesta proviucia ua das Alagoas, pedindo
qu seji augipentada a sua pereentagero. A'
commissao de oramauto provincial.
'JhBiBaMOer da rommfcsaa dc l-gislacao sobre a
fetifdo de Paula & Mafra, o qual conclue indefe
indo-a, e ficou adida a diseussao por haver peJi-
do a palavra o Sr. Peretti.
E outro da commissao de justice civil e crimi-
nal, deferindo a peti;ao de Bertino Lo^es le Arau-
jo, com um projecto, q.ie supprime-d OllleiodV 6e-
pun lo tabelliao do lamio tie Cabrobb e anoexa ao
fie iirimeirojaJjeiiiio e escrivao do civel, crime e
ury; o qual raaodou-se W>primir.
0 Sr. Nascimento Portella, pela ordem, justificou
e uuihiju.ii luesa um raqueriioeiUo, pedindo que
ke svlicite Ai presuleiicia da provincia diaersas iu-
fornuooes, oujo requarimenta foi approvado.
Passando a tralar se da ordem do dia, continuou
a primeira diseussao do projecto n &i de i871,
que foi nejeilad-i sem debate.
Entrando cm segunda diseussao o de n. 65' de
1873, .tjaediviJe as detegaoias litlerarus em tan
|os districts: quantas forcm ascideiras.deiusUu.--
cao primaria de um. e outro sexo, dapais de ora-
rem sobre o aft. os Srs. Joiio Barbalhj e Rilis,
foi este rejeiiado, ficaade os demais arligos preju
dicados.
Foram mais iej-*it:idos em primeira discussa) os
projecto* n 3iLda:1869, qae autori^ava desapro
pria ;.i.'. do terreno junto ao riacho Natuba, oran lo
sobre sua materia o Sr. Goes Cavalcante, e 8 Je
1872, que aulorisava o estabelecimento de oflki-
nas na casa de detencao.
Em seguida foram approvadis, em primeira dia
cuss.io, com um requurimento do Sr. Felippe do
Figueiroa, o de a. ii de 18od, que crea nasla ca-
pital utn banco para proteger a lavoura, facullau-
do meios para melborar os instruueatus e pruuac
los agricdlan, depoi* de orarem os Srs. Ratis e Sil-
va, Pimp Junior e I'orteila ; e -e:i? debate o de n.
45 de 1873, qua interpreta o art. 8' das po-turas
do llrejo, approvada-i pela lei u. 1,0'iO de 1872.
Finalmente, entran lo em segunda diseussao o da
n. 611 de 180, que aJlera os estatuUi* da Ordem
Torceira do Carmo desta cidade. o Sr. Maaoel do
Rego apresentou com 3 eiu-m Ja o proj clo n. 89 de
186G, que altera os esta'lutos da Ordem Terceira
de S. Francisco, tambem desta cidade, tioando a
discussio aduda por verifioar se nao haver nuine
ro para votar-se, pelo que o Sr. presidente desi-
gnou para comporeui a commissao de que trata o
re juerimenu do Sr. Figueiroa ao projecto n. 23 de
1836, os Srs. Portella, Tiburcio, Maaoel do Rego,
Joao Barbalho e Figueiroa e levantou a sas*sao.
A or Jem da dia para hoj e :_ alem das materias
ja desigHadae, primeira diseussao dos proiectjs ns.
43 de i860, 69 e ltd de 1868, 67 de 1871 e unica
das ein-md u ao de a. 62 dj 1870
. tjiniarcu du BrejiKVor portariada.pre-
sidencia da proviacia, de 11 do correate, foi no-
iue..do o alferes Jose G imes Soares Ue Almeida
HUiP'Ullia 'rllgUBm,
de. terreaos de oaVcas, jEstou conven-
eido^jftqife'tem ntlhdjtlls".pHbftti' Mas, comp
trata do creapoes de ffegftflzia?, errtqadeuios en'Ob
fb aoxrd pa?sadoJ,Trae efi necfessaj'io ouvir sobrt
esta Mferia r> bl?|To' Sdrtsjp.
r'ajTirara-se esta* tntdrraa^tes;'nSo s^i'se estao
na casa; thas, 'etftebllo qrie''n56"'.rJfverQ03 Vdtar
swn rjue Verifl fuetnos' se'vieram. 'DcuqW de'se-
rem encoptj'adjs e aqai lifas, Gcarei namliiaipa
dar o meu voto.
O Hr. Mello Itej?< fundam
fflesa 0 sagdtnje reaflerime'ntb *
-'JI5Iisio
aJJoiaSb, eitrT^'efn'di^ribS!
c Requeiro o adi imento ao pi
J. ae uiUo Rego.
E' releilido sem debate em 1.
jecto n. 2") de 1871. creando
e aiahaa 5
W lidy e
'd'por 8 dias.
diseussao,
um districto
o pro-
de paz
* sefijqPcT)arilo dlspenso a {riforffl'adlo.'V.
raissSft'de estatis'tica e esfou liapim'alfo'VvWa
1 NihgfiWMrfals'-pedrado apJTavra.'e'DrisWV
o'proii^cio e rejeiiado
I KdM'rrt^ r*icus!*i 6"prrj;e1clr)ti:7 W1*7T>,
eoncedendo ao^udanle do administrador da casa
de d^-rdjio'k Vt'ft'#o'arrtfo;at de 300*000.
O Hv Ratis e Silva; Sr. presidente, en-
Un.io io esla-na= condie/3es (fe pft-
rfeer-^ fto^aHpiir-ivacao".' 0 ajudante do "adatl-
oistrador da casa da detencah 'ef ;ree afn^enlprego
muilo trabamoso-: nSo serve WmenJe na auaen
(uhlico judicial a u-ilas, escrivao de orpbaos e
m.us annexes J i termo do Brejo da Mad re Dens
Maaata Casa t|e Miscriuurdia. Em
sessao de hontem, deliberou a junta administraliva
desta corpuraoao, per uaaaiiaidade de voktf, que
se uio celebre a solanmidade da quinta feira
Santa, -e expaaicao do Sacramento, sa sua igreja,
como e costume, visto nao poder 4 irmandade aa-
sisiir, pur es'.ar deelarada interdicta.
Companhia Peraainbuuaiia. A
rL-uniiv da asserablea geral des acciomslas desta
companhia, foi iransierida para 18 de abril pro-
ximo, a nao 18 do corrente.
Cuaupanbla Kaiita Ttierezpu-- Tave
effect 1 va: nenie lugar a reuuiao dos Srs. acciouistas
desta companhia, em assemblea geral, hontem ao
meio dia, onforme fora couvocada.
Compareceram acciouUtae represeutauJo 102J
ac.dts. .
Oooupou a caleira da presideneia p Illm. Sr.
coinmaodador Jose Jeroaymo Mouteiro e a de se-
cretary Lida e approvada a aela da sessao aotecedente,
hi djspeusada a leitura do reiatbrio e balaago por
haver sido pobhoado no DUirio, eaeharem-se os
Srs. acciouistas iuteirados.
Tendo a dire^tofia neclarado que por irapedi-
mento .de urn dos meuihros da coiuuiissuo fiscal,
nao podiara.ser coolacbtouado o reapeclivo pwaeer,
J:cofdvu-sa que, oa primeira reuuiao da assera-
lea geral, seria elle apreseoiajip.
Depaie de tratar-i acerca ue diversos poutos
que in|eras*am os meihorameatas da' empreaa,
foi levantada a sessao as 2 1/2 horas da tarde
1 -UnwrimacJU..-SeguuJo telegram ma do Para
cJiegou hontem (12; alii pela maaha 0 vapor aiae-
ncano Merrimack, sendj a sua demora occasio-
nada par se par paiiii%fi.parafuso do heliee. Da-
ve douiorarse 8 dias para poder conceftar.
' Kvcrcicio mllltar. Luzidaraeate uni-
I'dnnisado e aruiado, inaaubrou hontem, a tarde
qo eampo do Hospicio, 0 2* batalhao de infanteria
qe linha, sob u maudo de seu commaudanle inte-
rino 9 major Carlo* Jlaguo.
i J^6^a^*)WW*WK- -a freguezia di Boa
Vista. p^3gpi,-np para chamar a aUencao do Sr.
subdel^ado raipejCifvo para aa casas de jogos pro-
liibiuos existenles: ha rua do Bosario, n'uma
casa quo tern eulrada poJa rua do Pires; na rua
da Simula JJsu|e pa,rua atraz da ribeira, em cujos
astabelecimentos mnilos pais de familias a jovens
inexparientes teem sido. danennados.
Do zelo a acfiyidade do Sr. ocronel subdelegado,
que acaba da eutrar em. exerciciu, muilo esperam
aquiilliis qiieuao veeai paradeiroa sous males.
Imj.ueri.to* puliciaes. Tiveram o com
pcteqte ^oajiap^ q que se elTecluou pela dele
SiC'iHa.ojR>,"V ?W""u assassinato dc Alexandre
edr.q a qnuftae leva'u a eJTeito pela siibdele-
tpcia do 2 dlstiiclo, da S.-Jose, contra Autouiu
Beruardiaogdfi Sanpa ^
Cadaver.Em 10 do corrente, foi encontrado
va m aaaipa. Felix Nune* ih-
4aJnafU JjJWk, Sevenno J -<
d^l.nA.Gbaarwl aJoaianim aaiOliatlia, Fenian lo
Jose Pereira BaAuzi, Jo>e Leite d C 'Sla, Armiaio D>-
mmgos Lopes, thiglKrto AntotrhT da S.lva, Jarony-
me Fiaes, UdMaVlaaaal J-Uo, fcearias Ro-ir-
gues da Franca, Iguaeio Pereira Piato e 0 fogni-:*
do vapor .1/ ncilio Dim, Francisco de Paula Cirne
Li
**
aaeri.i Jaaaairo -Resumu
Ja J' Ijteria 4*8.- ) ea Ixnefieio do has-
4os l.aiaro*. extraUda uaaarls no dia 4 do
LaSiiB
T. 1497

I>:000*00
IOOOUAaKJU
4:O00j0ttO
2:900*000
270*.
3478,
4739.
5358,
1921.
It,
372V
4972.
58W.
270.
1J51
331, *4t, K46 c 9M*afca a cada um.
Ns. 221, 564, 587, 4635, 4843, SOM, 5294, 5570,
5643 e 5969 -200J1 a cada um.
Ns. 204, 446, 488, 733, 814, 1450, 2177, 8404.
2554, 3173, 3388, 3431, 34S6, 3654, 4149, 4615.
. 4832, 5052. 5124 a 5243 -100a a -T1-- !
.\s. 65, 147, 201, 328, 333, 535, 536. 640. 672,
780, 895, 978, 997, U45, 1154, 1172, 1 WJ, 1415,
1499, 1564, 1606, 1615, 1654, 1727, 1917,
1994. 2051, 2SI0, 2425. 2*83, 1517,
2913, 3D73, 3315, 3402. 3426, 3439,
3917, 4170, 4219, 4484, 1521, 4576,
5028, 50-it, 50H9, 5163, 5449, 59l,
5894 e 5949-40i a cada um.
\tiva publieaeao.-Dedicado aS M. o
imperader do Itra-il acaba o Sr. eoimntn-ladar Or
Autonio ileariques Leal, natural di Mannhao, d<
publicar um novo livro de sua composicao, q ie
denominou'com o mideslo titulo -l.-^-Hbra^oes
sobre feienetfn e lellras, e 110 qual, reunn* diaar-
sos ascriptos iaelitos, cool o pmposito de auxiliar
um seu eemproviaciaui. a quern eedeu gratuita-
meute a edic^o ura publicada.
Nesse livro trata 'I e d 1 seguiata : Qjetlib roe
dico-forense, ( a loucura instantanea e transiiana .
Hygiene publica 1 exaroe do eemilerio da Santa
Casa de Misericordia ; QuestOes ecm imicas e ad-
HM.iisti ativasOs 11 .ssos iniigenas O canal de
Arapapahy Carnes verdes ; Tentaiiv.is hi*inrica
-Os francezes 110 MaranhioAimlapenJeoaia do
Maranhao e Salvador Correia de Oiiveira ; A guer
ra do Paraguay A litteraiura brasileira cmtem-
porauea ; ijurtst.o philologica ; D. Antmio da (>-
u e suas obr'as; lmpressoes de um tafia litie-
rario.
Came se ve do indice das materias e essa abra
digna de apre/;o, e merecadora da ser lida poi
aquelles que se dedicam aa estado dos a^uapk-*
momaalosos das sciencus a lettraa.
Acha-se a veada nas livrarias desta cidada
lllustra^stu hespanhola aaneraea-
na.-.V agencia respeetiva, livraria n. 89 da rua
do llar.io da N'ieloria, acliam-se os ns. 3a 6 de-u-
apreciavaljornai malnleuo. aos quaes vem dtrer-
sas gravuras sobra os acoHteaimeatas de Cartari
na, (ielmeate reprodiuidos pelo Sr. Pellicer, en>ia
do especial da empreza dease joraal.
Alem des-as gravuras vem ataia aa seguintes
os retratos de D. aanoel PavLi, eanitio geaeraidf
Madrid d 1 marquez da Uvrios, de Ij. Jose de Mao-
so, director geral do ihesouro, de D. Agostiahc
iiurgos. capitao general de Aragao, de D. Antonio
da Segovia, secroaane da aaadeiaia hespaahola, do
marocaal Serrau >. iirasidawte do poaar oaoaH>-.
do cardeal arcebisfM de Valencia, dos arc*bipos
de Santiago cde Tarragona, do pnncipe Alfredo
de higiaterra o da gra laqueza da Russia, do U-
nor ttoberto Stagao e da soprano Maria Sass
diverias passaaens e facias- nalavais; gravufta ta
das exeoaudas cn gosto e nugaaWacia.
A parte lut^r.iria eonata de : -itavHaaa garaas.
ll's Srs. marquez de Valte-AtafraaD. Peregrino
t^tdeva, e Velasco, cartas paiisiensas.porO. Angela de Miran-
da, ap uila iient is ln-t irion. par D. Anteaie Ae
Frneba, a npcra hespanliola, por D. Manuel de Re -
villa, revista europea, pelos Srs. Medina a Navar-
ro, raeordacdes do carnaval, por D. Carlaa Fonlau-
ra e oulros mu'tos.
Gun o titulo de t'ert-ummde La lUttstrmcio*.
annuncia a empreza deste jornal que serao aajadi
cados a primeira de abril proximo, doze premie*
peciinurios. aos autores doa melhores artigos ea
tampas, sobiv assnmptos nacionaes.qualhes foraai
remettidos ate ao dia 15 de marc-) proximo. Dm ja
ry especial de ndira do in jreciineato daa provas
destt! certamen, cajo dm e, segando a eoprata, la
ciliiar a apparicao da eertas iatailigeoeiaa, cujas
prodoeedes tenham fiead-j all- agora deseanhea
das, e anim.ir litteratas a artisias nas aaaa aanati-
ras, estimulando os devidamente.
I.ateria. A qua ae acha a veoda d a 91.* a
beneficio da igreja malriz da Varaaa, ajae aorr-'
-hoje, 18.
Cataa tie atadaeao.MMM MM
de oVtencao do dia (1 da marco de 487% :
Rxisttam ntesos 317, eatraram i, saalrara 8.
existem 346.
A saber :
N'acionaes 240, raulheres 8, astraacairoa ta.
e '.cravos 39, eserava 1Total 818.
Alimeatadoa a custa dos colres pnbticos 9M.
Moviment 1 daenfermaria na dia II de awrpo d*
1*74.
Teve baixa :
Vicente Ferreira de Brito, febre.
Teve alia :
Antonio Alves dos Santos.
PaHsagelros. Chfgados de Araeaji'i e pir
tos iiitermedios no vapor naeionai Cmvripe, :
Braz B. L. Tavares, Julio Samuel, J, da Silva
Rodrignes, Manoel Manina de Carvalho, e Jo
Rodrigaes de Alboqueqne.
Chegados do Rio de Janeiro no vapor fra**c#7
Ville de Boh* :
Maaoel de Mesquita Cardoso, Joao Evaagehau
S. Bulhdea Carneiro. Victorino de Almeida Wane I -
lo, Manoel Diniz Aranjo Dantas, Cicero e on es-
cravo a entregar.
Sabidoa para a Europa no mesmo vapor :
Mina Moises, M. Ruubach, Aagusto C8->tz.
Gustavo HerveKn, Gertrudes Moreira Pinto.
Sahidos para a Europa no vapor poriuau- .
Jttio Dtnit :
Amorico Moraea I'orrea, Lamriano de Medei-
ros. Antonio de Almeida,Antonio Moreira Gatm
ra, Manoel Ignasio Pimentel, Joed da Silva Ara
ojo, Afllonio Jose Lopes, Jose Joaqaim, Antoc 0
Barbasa Adelino de Brito, Aa-tonio E. Bayoo*a
Anna Rosa E. Pereira.
Cemlterio partrflca.Obitnario do dia II
de marco :
Anastaeia Maria da Conceicie, preta, Penwm-
bu.-o, 50 anfl*, solteira, Boa-Vista, hospital Pedr>
II ; anazarea. '";'_
Maria, preta, Pernanrboeo, 88 *mm*, adNMra.
Boa-Visu, hospital Pedro II; entente diraeica.
Begnolois Baocel, branco, Franca, 18 anaea, 60a-
Vista, hospiul Pedro II ; febre amerella.
Vicente &>mes, preto, Pernarabaoo, 60 aawos, ea-
sado, Graea ; mnamnncao.
Andre Avelino da Roeha, pardo, PaiaiiaMWo.
22 annos, soiteina, Sami Antonio; variolas.
IJalina, parda, Peraambaeo, 20 metes, Recife ;
variolas.
Oroncio, preto, Pernambuco, 4 antos, S. Jose :
ascite.
Clementina Beatrix Ramos e Silra, braaca, Per-
nambuco, 35 annos, casad-i, Afafadaa ; colic a in-
testinal.
Ainalia, branca, Pernambuco, 9 annaa, Boa-Vis-
la ; gastro eoterite.
Leilao. -Hoje, 13, effeclua 0 agaoM Pinto u
leilao de dnas oaixas com camisas e arins aardjos.
com a.aria d'agna salgad.i. confatroc esta aanua-
ciado.
m
.;fcra surnteA
tfae iodai esses Bagel"
lias de Garaelleira e Agua-.f
eHe3 fleam ha nmmfc t
"a a um* Jegaju'd'ap r.^ua Prela
'guas.
Dauuijivd a casa a couveniencia (jueriyullai
de anuexar a fregaezia d- Garaelleira, a que lam
bem ellas perteneem-e de que fleam mais proxi |
uLm ^i'^^Wi uu.4fB"cP de^Afogadue, eqj
efetado (So adiautad 1 de flecoiijpusicao, que uio fit*
fJossivel coqjiecer de quem ella era, nem qual 0
genera de' a-drte, que na'via tido.
due fosse de estrangeiro ; e quauto a uiurl^,. e
t lera presump.-o dos-jjputos que 0 examiuarain
1 ae waEA, s,Tdu ella resiUUute de asphyXu por
s lbmei^ijo.
vfl*Bf MJMr"W^)V- Segundo icu,rtuayo*s
ri3ftBW?a i^ci*slaM em,vapor, saljao
BaBTa, as a noras da tirde do dia 11 do cor-
rente, a davara chegar a e=te porto no dia 13 ;I
nao sahira antes do meio dia.
. OJipp uo Para-0 processa instaurado
cPntf* ./i."P-' *' Wfr "W prosegair sendo raUlor
ocoj^lqefte MlUras, a quem lai dtelribiijdo,: oa
^"W^k-3^.* (Kcnyl> "-' fupramp tnojua)
,,ivr <*4aij fur- Ja con ,. Sr. coa*
-" friyaiiij primitivp.
vupremo tuilitar Ac
Jo o.irreate preseatos u,^gyua|-'ijjlj
ffladu|Ui.daCaxias, BiKamaii*Y- #*
isn^tefi, parao de Itapagip^ ,Da,J>--
util^'ta^auu HKKew, lina,' qa,JSane.aT, ,
Sparu.- ,. .wigra,
g\)\ Bijauiei.ao- II :
Lisboa 0 A/..-.
os seguintes > Fafci 1 ^Uxiuu
da Cunha, seldau -s do exercito Jx-e Fnituoso de Ihe
CKRO.NIf* Jl DM IARI*.
Trilutaul da commcrcU.
A-JTA DA SESSAO DE 9 DE JMRGO DE
1874.
ftUHDRJiCU 0 EXM. SB. CO.NEi.haiBO AXSELHi
jrnASCISCa KaBTTt.
A"* 10 JV>ras da (uaoua, preseotas aa"Srs. de
p'uiadus. seareUrio Oliiito Bastos, UiBevMaaaadu
a Aiyoa Guerra. e 0 Sr. supptwiU a* Uaaav-u*.
Expi o^F.-iCOttscihair^ presjd^ala daclarqu^aw^
K^ass&p ..uti muio u
Foi uda e dopois approvada a acu daavw-
t-au *ia 5.
lUBUtCNTK. .,
1 QlaU'ia.da^pnparyadar do c^um^wto-da Micek'i.
lor renQiteofli). lajia^ia. dps ,li,rcos ihbpiaadyi n
j. Miupryatpria 0 nil ilii.tUrfl/Mii da-
ia uiaada durawa a mat 4t4pwwmw\9m r-
frth*Tft
ifiu do pre^dente ea
*W^.*WHPa^h4BdiJ>*8l r*
,ea da seajaop de 2 a 7 do 1
para a arc>v,
maKi
B^l'WiPMnJi'
ixaaeto
aoafareoeia 4TJj-
aujo BrafadtC.
ocua M^llo, para cartjficar-se-
uao caixe-ir, da casa commarcai


-
m^wrmmam aJJifafea ^M^He ftw
3


de Joseph KnngAft JftflMane-se.
De Agoitiaho BjulAvteM fnto e G
nesio de Medeiroe, sbticitnndo o regis
curacao passada por D. Ma* Gecia
como do documdNo: proeuracio e doftnmento ftintos.
De Maria Gecia Real, Agostinho Laiz Alves de
Brito e Gaudiao Ernesto de Medeiros, requerendo
o regfcro distrato da firm* Real Brito & C-
SatislBlo edispaeto no art. 2 n. I do deereto n.
4.50$ volte a petieio.
fe Agwtlnh > Luiz -Alves de Brilo e-Gaudino
Ernesto de Med eirov apresentande. a registro o
contrato social que cWbraram. -utnprWo odls-
posto no art. '2 u. 7 do deereto h. 45W, volte a
peticao.
De Jurtino Jose de Soaia Campos, tratsodo
para registrar-se os estatutos da cempanhia de il-
lumiaacao a gaz da cidade de Goyanna.Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
De Allan Patterson 4 C, trazeudo a registro o
coatrato social junto.-Junta a procaracao deque
tratam os supplicantes e que nao veio aunexa, va
om vista ao Sr. deseaibargador tiscal.
De Manoel Francisco Carneiro o Francisco Xa-
vier da Fonceca, sabmettendo a rtgistre o dlstra-
to*ad*exo.-^ViMa ao Sr. desembargador fiscal.
De Francisco Jose de Oliveira Rodrigues, pe-
diodo er nameado correlor. geral desla pra^a.
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Nada mais haveado a despachar,
conselheiro presldeote encarroa
11 t boras dodia.
Alfonso Arthua?
o Vespucio, o sea
idado, zelo e as
outores se pres-l
ccasionada pelo
--niagan^tdWflnttiStniniiffirforrea de Apipu4
cos no dia 2 de fevereiro proximo passado, de cu-
a oiolestia felizmeote ae acba qaasj reatabele-
cido. ,
Mvre hole do pefigo, gracas .os cuidados de
Uo distinct*) wedteos, pede-lues e abalxo assign a-
do deseulpa, ieasoestas lmhas oflMMSm assuas
modestias, fieaodo certoses-mesmos doutores, que,
ellas eonstituem a expresslo de um corar-io que
*e*eote exlwraamente a|r4decldo.
Recife, 12 de raargo de 1874.
Eustaquto Pereira Reboucas.
S. Exc. o Sr,
a SessSo as
PARTE POLITICA
Joao Jose de Amorim, tendo resolvido a ultima
hora fazer uraa viagem ao sol, pede desculpa de
nao se despedir pessoalmente de todas as suas re-
lates de atnisade.
Ueclara ao niesmo tempo nao dever nada a pes-
soa alguma, seja por contas, tilulos ou papul de
responsabilidade Urmado por sou punho; e sa-al-
guem se iulgar sen credor, pode apresentar-se no
escriptorio dos Srs. Amorim Irmios 4 C. ate" o dia
17 do correnle. r"
Pernambuco, 11 de marco de 187 i.
JoSo Jose de Amorim.
piRTino co.i'mhuv ton
RECIFE, 13 BE MARCO DE 1874.
Mai vai nm paiz, vai pessimamente, qnando
os raaiores absurJos sao recebidos, esperados on
discutidos, com a calnia que revela, ou supina
ignorancia dos principios, ou a maxima corrupjio
dos costumes poliiicos, que ja foi annnnciada
na falla do throno.
como de uma coisa possivel, que tinha toques de
rasoavel ; no entanto que um tal perdio sena
uma espantosa anomalia, que -so podena yir de
um governo sem cruz Bern cuuho, para fallar a
lingoagem popular.
Os escriptores da Provtncia, nao tendo mats
do que occupar-se, comecam a dar largas a sua
imaginacao sempre fertil para os mais extrava-
gantes inventos.
Antes da pronuacia de D. Vrtal eram todo
paixao e colera contra o bispo exagerado e fana-
lico ; depois da-pronancia amainaram um pouco
as impeluosas iras, cmsgando a annunciar para a
cirte graudes perturbacoes na ordem publica,
quando se livesse de realisar a prisao do bispo
e tudo falhou.
Nao sabiam, com elfcito, esses discoios lrt)e-
raes que norte deveriara tomar nessa grande
questao. ... .
Nunca tiveram, como ainda hoje nao tem, idea
alguma assenlada sobre a mesma questao.
Todo o seu cui !ado consiste em espreitar o
procedimento do goverao pjrase coliocarem do
lado opposto, sempre censuraudo e estigraati-
sando, sem emittirem entretanto ate hoje a sua
opiniao. Vivem exactameute pescaudo nas aguas
turvas.
0 publico se recordara de todos os papeis, que
tern representado esses Janos da Provincia, in-
ciusivameDte de advogados do aiesino bispo ;
cliegarani ate a formular os pontes de defeza do
aceusado, a ver se, promovendo e consegumdo
a absolvi^ao do bispo, davam cliegue no govarno,
o que em difinitiva e toda a sua politica.
Assim declararam rauito terminantemente que
D. Vital nao tinha postergado as lets I
Que nao lentou directamente e qpr fectos contra
u mesma la !
Que two obstou o elTeito das determinates
do poder executivo, purque o Sr bispo nao man-
dou arrancar a opa dos hombros da ninguem,
nera tomar conta de bem algum das irmandades,
e que, ate aqui, ninguem subio com recurso ao
governs por raotivo de veixacSo civil, oriunda
da excommunliio I
Que o bispo nao infringio leis e regulamentos,
porquo estes ordemnam o temporal e o bispo or-
demna o espirildai I
Que o bispo nao obrou por motivo frivolo, por-
qae 6 sentinella de Israel I
Oue nao abusuu de contianca, porque o gover-
no 'confiou nelle para bispo e nao para agente po-
licial I
Que o bispo nao obrou com preweditacao,
porque esta na sua seara cspiritual, como o Sr.
Paranbos esta na temporal !
Eis ahi bem patente a opiniao desses homens
Accusadores violentos, implacaveis, ferozes,
que clamavam peb bispo escoltadoe de gnlheta
aos pes e os jesuitas espostejados na praca pu-
blica, mudam repentiuamente de face, coustilu-
indo-se ostensivos defensores da causa impia, que
ha pouco condemnaram !
Incrivel escandalo !
Depois da condemnafao do bispo era preciso
ioventar outro recurso de opposieao e ahi vem,
nao haja duvida, -0 PERDAO DO BISPO.
Autes da condemnacao o dylemma:
a Sa o supremo tribunal absolve, 6 patente o
desprestigio do governo.
Se coudemna teremos um bispo com o em-
prego perdido e grilheta ao p6.
Offerecida a cruel alt^rnativa pelos liberdadei-
ics da "rovincla, extasiavam-se na esperanra
acalentaJora do re?ultado sempre diploravol, a
suber:
< Como se saliira de tudo isto o governo do
>r. D. Pedro II!
i Afogue-se muito embora, que com elle nao
- afogara o paiz.
Quando a foro,a das cousas trouxer a nossa
vez, ludosalvaremoi pels liberdade e para'a liber-
dade.n
Chega porem agora o ensejo para novaespe
culaQio desses alicautineiros e o perdao do
iiispo.
.Ninguem e com elTeito mais iocompetente para
repellir a-hypotbcre de ser perdoado o bispo do
que 03 seus" Dnprios patronos, que declararam
publico e notorio :
Que o bispo nio infringio leis e regulamen-
tos, porque estes orde.naarn o temporal e o bispo
udemna o espiritual.
Entrelaoto sao esses mesraos homens que desle
ja estao alevantando alarido somente pela possi-
bilidide de ser perdoado aquelle mesmo, que
elles sao os primeiros a confessar :
t que nao post-;rgou as leis, nera obstou o
elTeito das determinates do poder executivo, o
antes, como sentinella de Israel, conservou-se
dentro da sua esphera espiritual !
Quousque tandem I
O que e porem muito inieressante e a nova
1 otrina do perdao, invenUda por esses elasticos
ridactores da Provincia de que nao e este uma
tacQldade puramente arbitraria do poder niode-
rador.
Quizeramos saber quaes sao as regras agora
impostas por esses illustrados mestres crimina-
listas, para obstarem, era suas arbitrarias con-
joctoras, que o poder moderador, noder de paz,
dr harmonia e de elerajneia, naoopossa exerci-
tar, senao a juiso exclusivo dos mestres provin-
<, Perguntai ao Sr. conselheiro Zacarias: Se o
|i,der moderador comraetteria um acto de puro
' iitrio, perdoando ao bispo de Olinda, e logo
'jrets um completo desengano.
Certamente o illustrado conselheiro, apesar de
'.--.ho faoalico, pesa mais na balanca das coisas
publicas do paiz, do que o chefe de palha da
Provincia em companhia de todos os redactores.
Esses liberaes provtneianos nao tem, com effeitoj
eo4peVia era que seoccupem, alias deixariam de
dar- vulto a illusoes e meras phantasias de sua
lertil imaginacao, quando elles mesmos sao os
primfiros' a declarar o seguinte :
(i Per qualquer lado considerado, poi3, o perdio
d> bispo de Olinda 6 coisa qae se nao deve es-
perar, consultadas as mais triviaes nocoes do
bom senso.
Deixem-sa pois de sonhos e pavores, que D.
Vital nio rira roiis agitar a tranquillidade so-
ciil, eomo Unto receiam os redactores da Pro
O (l^ado He twtos mt iMosAlliaos
da ierra-^iava. couloiu um
elemeuto medicinal de ines-
timavel valor.
E debaixo da forma do oleo puro aedicinal de
figado de bacalhao, de Lanman & Kemp, possai-
mos este balsamo marilimo em toda a sua excel-
lent-ia nattva, om todas as suas-propriefliides Sa-
rativas, puras e sem alteraio,'tal qual nos /oi
transmittido pelo -Creador. As euras qae esta
preparacao esta fazendo, quer no paiz, qu.er no
estraDgeiro, e noscasos de phtysica, eserofulas,
sJTeccao do flgado, assim como to das as mais mo-
lestias agudas e chronic as a qae os orgios da res-
piracio se ac&am expistos ; sao as suas me-
lhores credenciaes. Tanias fraudes se teem com-
mettido com o oleo de figado de bacalhao; tao ex-
tensa e vergonhosamente tera side dituido, adul-
terado e falsiGcado, qae o publico e a autoridade
medica satidam com jubilosa alegria, uma pre-
paracao hygienica pura, na qua) se pode conliar
com toda seguranca. Os que desejam obter am
artigo de sunerior exceilencia, adiptado a todos
os climas e sem rival para a cura da tosse, res-
friamentos e enfermidsdes conseurfntes, Severn
pedir o oleo puro medicinal de bacalhao de Lan-
man & Kemp, e reparar bem se no letreiro e no
frasco se acba estarapada a llrma desta casa.

JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, US de marco
de'1894.
A3 3'MORAS DA TARDE.
COTAgOES OFFICUKS.
Algodio do sertao 1 sorte 7^800 por 15 kilts.
Algodao-de Penedo sem jnspeccao 7*100 por IS
kilos.
Algodao de 1" sorte 7*700 por 15 kilos, hontem.
Algodao do Afacajiisem ins'pec^ao 7*100 por
13 kilos, hontem.
Algodao -do Rio Grande do Norte 7*600 por 15
kiles,* hontem.
Aigodao-de Maceio I* sorte 8*i00 por 15 kilos
posto a bordo a frete de 7|8 e o 0[Q,
hontem.
Algodao-de Maeeio mediano 7*800 por 15 kilos,
a frete de 7)8 e 5 0|0,
hontem.
Assucar de Maeeio 1*900 por 15 kilos a frete
de 30] e 5 0(0, hontem.
Assucar bruto bom 1*750 por 15 kilos, hontem.
Assucar Canal 1*300 por 15 kilos,,
-ambiosobre Londres a 90 d|v. 26 li8 e 26 Iri,
e do banco 26 d. por 1*000, bontem.
Cambio sobre o Porto e Lisboa a 90 d|v 103
0|0. de premio.
8. de Vasconceilos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretano.
ALFAWTDRGA.
ReJdwuento do di 2 a 11. .
!dam do dij 12
385:521*81 i
23:962^274
409:481*088
j-
vinna, os quaes talvez, em poucos dias, eslejam
a p*ir nwtito francaraente o perdio da D. Vital !
i jo tfe cohereocia bem sahemos nos o que vale
parwlles; tudo depende do mmimo^signal de
m?nia, e qne o bispo exagerado farta'ficof deixe
de 9ar aitaneiro e audacioso sem par. 1
fUBLICACOES A PEDHW
Agradecimettto. -
i afeaixo asiigaado, fal'.aria a um dos mais sa-
gniW MwsWnWB^rsrt Re tir pela imprensa pa-
Dascarregara hojti 13 de marco de 1874.
Escuna mgleza Jacobine(atracada) mercadorias
para altandega.
Escuna inglcza Florence mercadorias para al
fandega.
Patacho hollandet Acadie -mercadorias para al
fandega.
Bam noruega Capella machinismo, salilre
e cimento ja despachado para o c?es do
Apollo.
Rriguu francez Minee de Soumachs u. 2 mer
nas para alfandega, carvao e coke ja des-
pachados para o caes do Apollo.
Sarea americanaMary Queen favinha ja des-
pachada para o caes do Apollo.
Barca inglezaDolphim polvora para o farte do
Buraco.
Barci iu'gleza Rossini carvio ja despacbado
para terra.
Barca ingleza Cnrrisbrookcarvao ja despacha-
do para terra.
Barca dinaraarqueza/'aieur(atracada) garra
foe? vasios para alfandega.
132 kli.
Pa
U, carregW: VG
kilos de assucar refinado.
regou
de'doce.
i. riflfarcac^Pto/- do Nor *."* Qatma* :
Vc | bamca cm 7( N- fbtaao da-Akneida Knto
uo ajjutai irjiiuauO. ~w
car
kilo
Gtrjenteut -a alfawwa
itendlmeato'tl" dia'2 a 11
No dia 2 ail.
VOLUMES SMHDOS
No dia
. -
I
12
Pnmeira porta
ieganda porta
Ptrceira porta
QuarU poru ....
Trapiche Conciici*
8:407*^63
7l*732
9:128*493
i
i
23,611
170
204
302
873
SERVICO MARiTIMO
U>*renga descarrftgaias no Wapicl e
altoBdera 4a:di 2a 11. -
No dia 12
Xavtosairacados ao trap, da Ms>df a
Alvarengas........
So trapiche QonHlo
25 160
W
51
RSGBBEIXJIUA BB REND AS lMTt UNAS GE
RAM E PBRMAMBWC*
iaodiuMDto do dia' 2 a
'dem do dials ..
11.

24:518*084
2:380*192
26:898*276
CONSULADO PROVINClAi
Rendimeato'dn dia 2 a 11.
Idem do dia 12.
RECIFE
Heudimento do dia 11.
Idem dodia 12. .
DRAINAGE.
54:255*846
3:074*434
57:330*280
150*221
224*001
374*222
m
aoVlMENTO DO PORTO
A'ovios entrados no dia 12.
Rio de de Janeiro -5 1 j2 dias, vapor francez Ville
de Bahia, de8.7 toneladas, comma (Id ante Ro-
bert, eguipagem 3S/"carga-varies generos ; a
A. F. de ORveira 4 C.
Hambnrgo90dias, patacho hollandez Acadie. de
124 toneladas, capitao J. V. Oldenburger, equi-
pagera 6, carga varios generos ; a A.F. de Oli-
veira'& C.
Hambnrgo ^84 dias, baTca dinamarqueza Faveur,
de 256 toneladas, capitao S. L. Overby, equipa-
gera 10, carga dlversos generos ; a J. J. Gonr^al-
ves Beltrao 4 Pilho.
Ilha de Maio -45 dias, patacho portugaez Adeli-
na, de 133 toneladas, capitao Francisco Jose
de-Abreu, pquipagem ii, carga sal; ao mesmo
capitao.
Nattos sahilos no mesmo dia.
Porto e esealas.Vapor portuguez Julio Dini:,
commahdante Contenie, carga algodio e outroa
generos.
Havre e esealasVapor francez Ville de Bahia,
commandante Robert, carga a mesma qoe trou-
xe dos portos do sul.
LiverpoolBarea ingleza Lavinia, capitSo M.
Kenzie, carga assucar.
Observagdo.
Fundeou no lamarao uma barca franceza, mas
nao teve commanicacao coma terra.
E01TAES.
r-------,----- '
it OHreira 'VisksrSoas
i*iMii T 't
Vfl_liil
N. (3.
If. 29.'
Dr. BasiMiiMsAuteaCam
TJola deTiu-
'tMatbas
31*920
la Oliveira Villa4oas 36*240
W.J7. 0 mesmo 4M766
N. 19. 0 mesmo 41*760
>'. 21. 0 mesmo 42*000
^f. 83. 0 mesmo 42*720
N. 25; There** Carolina da Fonceca 67*200
N. 27. Clara Carolina da Fonceca 80*640
N. 31. A mesma 51*360
N. 33. Dr. Joaquim de Aquino Fonceca 52*080
N. 35. Thereto tarelina da Fonceca 53*040
N. 37. Heleodbro de-Aqafno Fonceca 54*720
N. 39. Manoel Gomes Viegas Junior 56*880
N. 43. Valerian* Maria da Costa Reis 106*080
H. 45. Jose Carlos da Costa Reis 78*720
N. 47. Dr. Joao Paulino Monteiro de
- Andrade 75*600
N. 49. Dr. Christovao dos Santos Ca-
valcante e outros 78*720
N. 2. Viteoodessa de VaXnra 121^680
N. -4. Manoel Maria Radrigoes do Nas-
cimemo 1089040
N. 18. Jose Carlos da Costa Heis <6i*880
-N. 20. Heleodoro de Aqnioo Fonceca 6SS20
N. 22. Isabel Maria Ribeiro de-Agonr 58*320
N. 21. Joaquina Angelica -Ribeiro de
Agniar -57*840
N. 26. Dr. Ntbor Carneiro-BftzMraCa-
valcante 6H880
N. 98. Jose Carles .da Cosia Rdls 51*4(0
N. 30. Antonio Joaquim Ferreira Porto 54*960
N. 32. Jnsiino Josa de SOuza Campos 56*160
*.'. O mesmo 70*080
liOa da Imperatriz.
N. 88. Viseoodefta de Valmeo 191*520
Rua do Canurao.
N. 15. Herdelros de Joio Pachecode
Qoeir.ga e outros 18*480
N;>f7. Osmesmes 3t*J680
Travessa do Arsenal.
N. 3. Bento Jose da Costa 75*600
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bnco, 12 de irarco d tW4.
O official-maior,
____________Uigur I -Affonso Ferreira.______
De ordem do Illm. Sr. inspector da tbesou-
raria de fazenda desta provincia so faz publico,
para conhecimento de quern interessar, qae no
dia 18 do corrente mez, pelas 2 horas da tarde,
perante a junta de fazenda, ira a praca para ser
arrematada, por qucm mais vantagens olTerecer a
fmpreitada dos reparos neeassarios a casa era que
ancciona a recebedoria.
Os proponentes deverao, em carta fecbada,
apresentar suas propostas,' devidaraente selladas,
assignadas por elles e seus fiadores; podendo
desde ja examinar a respectiva planta e orcameu-
to mie Ihes serto franqueados nesta secretaria.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco, 2 de
marco de 1874.
0 2." eseriptorario, servindo de secretaiio,
Carlos J. de Souza COrreia.
iKSPACHOS de EXPORTACAO no dia HDB
MARQO DE 1874.
?ara os portos do exterior.
$j vapor portuguez Julio Diniz, para Lis -
boa, carregou : J. P. P. da Silva Junior 1 caixa
com 83 kilos de doce e 2 ditas com 64 ditos de
de assucar branco ; M. L. P. Barreto 2 barricas
com 30 abacachis : para o Porto, V. L. da Costa
2 ditas com 30 ditos e 1 caixa com differentes ob-
jeetos; Amorim Irmaos & C. 1 dita com 75 kilos
de doce ; A. da Sil*a Campos 7 saccos com 525
ditos ii a3su:ar branco; B. Alves Baroosa 1 bar-
rica com 76 ditos de dito. 1 dita com 37 ditos de
cafe e 1 caixa com 20 ditos de doce.
Na barca ingleza Lavine, para Liverpool,
carregou : S. Brothers & C. 60 saccas com 4,531
1|2 k.los de a'godao.
Na barca franceza J. Baptiste, para o Havre,
carregou : H. 4 Labille 42 saccas com 3,217 1|2
ki'.os de algodao.
Na barca franceza Minerva, para o Havre,
carregou : E. A. Burle k C. 2,000 couros verdes
com 42,000 kilos.
No brigue hespanhol A Thereza, para Bar
cellona, carregou : P. Carneiro & C. 58 saccas
com 4,264 1|2 kilo3 de algodao.
Na polaca portugueza Graciosa, para Lisbo?,
cr.rregou : S. Guimaraes & C. 200 saccas com
12,007 kilos de algodio e 179 saccos com 8,000
ditos degomma.
Na barca portugueza /. Adelaide, para Litf-
bos. carregou : A. Loyo 3 saccos com 223 kilos
de assacar b'anco e 2 ditos com 150 ditos de dito
mascavado ; e para o Porto 50 saccas com 3,364
ditos de algodao.
Na barca portugueza Dianna, para o Porto,
carregou : A. Loyo 600 saccos com 48,000 kilos
de assacar branco e 336 barricas com 45,910
ditos de dito.
No brlgue inglez Wolfrtlle, para o Rio da
Prata, carregou : A. Loyo 50 pipas com 24,000
lilros de agnardente.
No brigue hespanhol Nicacia, para o Rio da
Prata, carregou : P. Carneiro & C 80 barricas
com 3,778 kilos de assucar branco.
Para os portos do interior.
Para Santos, no hiate portagaez Biligente,
earregea : P. Carneiro & C. 650 barricas com
39,000 kilos de assucar branco e 100 ditas com
6,000 ditos de dito mascavado.
Para o Para, no brigue portuguez Relampa-
go. carregou : M. J. Alves 50 barricas com 3,738
kilos de assacar branco; A. M. Souza Machado
178 ditas com 14,300 ditos de dito ; T. A. Fonseca
4 C. Saccessores 5 pipas cdm 2,400 -htros de
agtiardente.
- PWaoftio de Janeiro, no vapor haelonal
ffaNHid. earregou : J. Bruno WO saccos com
aOjOOO-.kBW de assacar branco : para a Bahia, P.
[Sim^es & C aObarrtcas com* i,062 ditos de dito.
ptPttraVAearaea'; no vawr1 nadfonai Pirapama,
^arrtffou : 'A. Olitefra C. HIHWltSs "Wm 116
tilts de assacar branco e 5;Wifris com WO'lltros'
He 3guardente.
- PaWMfleao, M'feafeaca 'HnW, carregon :
*..lOiia*W4'C. Sfcarrioas cam WO kilos deas-
luear refinado
- ParaaMllada Peoha, fla"*arca?a: Mistica
Gidade, carregou : D. A. MaOaado t barricas com
0 desembargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel, official da imperial ordem da Rosa, cava-
Iheiro da de Christo e juiz de orphios eausentes
da cidade do Recife o seu termo, etc.
Faco saber aos que este edital virem c delle
jivere'in conhecimento, qae a requerlmeuto de
D. Maria Rita de Queroga, inventariante dos bens
que lic'-iram por fallecimento de sna av6 D. Rosa
Maria do Espirito Santo, trago a pregao para ser
vendida em uma so praca a parte do sobrado n.
78 a rua da Imperatriz, da freguezia da Boa-Vifti
pertencente ao espolio do invencariado abalxo
mencionado :
Parte do predio.
Um sobrado de um andar e sotao com trapeira,
a rua da Imperatriz, freguezia da Boa-Vista, n.
78, com varanda de ferro na frente, duas jaBellas
no oitao do nascente, outras tanias no fundo, trinta
e quatro palmos de vao, e oitenta e quatro de
extensao, duas salas, cinco quartos, um dos quaes
e externo e em seguida a cozinha ; uma sala'e
tres quartos no sotao, quintal murado, onde Jia
tres qaartos e portao para a rua do Camarao,
dezoito contos de reis; valor que e causa para
que o da parte que ahi possue o casal inventaria-
do e que 'corresponde a dez contos novecentos
oitenta e um rail cento oitenta e sete reis, seja de
onze contos quinhentos e sessenta e cinco mil du-
zentos e trinta e quatro reis. E para constar,
mandei passar o presente qne sera affixado nos
Ingares do coslame e publicado pela imprensa.
Dado e passado sob meu signal e sello ou valha
sem sello ex-causa, nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 9 de marco de 1874. En, Floriano
Correia de Britto, escrivao, o fiz escrever e subs-
crevo.
Franciosc de Assis Oliveira Maeiel.
0 Illm. Sr. inspector da thetouraria provin-
cial manda fazer publics., qne em cumprimeoto da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, do 18
de fevereiro ultimo, se ha de arrematar perante a
junta dessa thesouraria, no dia 26 do corrente, a
quem por menos fizer, a obra da factura de uma
bomba para o povoado dos Monies, no lugar da
ievada, orcada em 1:903*000 e debaixo das con-
dicues abalxo eopiadas.
As pessoas que se propozcrem a esta arremata-
gan, comparecam na sala das sessoes da mesma
junta, competentemente habilitadas no dia acima
indicado ao meio dia.
E para constar, se mandou publicar o presente
pelo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial de Per
nambuco, 9 de marco de 1874.
Clausulas especiaes para a arrematacSo da obra
da bomba ou arcada de alvenaria no povoado
dos Monies.
I.*A obra da bomba ou arco de alvenaria do
povoado dos Montes, sera feita de conformidade
com o respectivo orcamento, na importancia de
1:903*000.
2*-0 arrematanle comocara a obra no prazo
de um mez e concluira no de tre? mezes, contados
da data do dito contrato.
3." 0 pagamento sera effectuado em duas
prestigdes iguaes na proporgao do servigo exe-
cutado.
uh.'Tudo mais que nao estiver especificado Bas
presentes clausulas, sera regulado de conformidade
com o disposto at regulamento de 31 de julho de
1874.
Victor Fourme, ettgenheiro chefe.
Conforme. Miguel Affonso Ferreira.
Consulado provincial.
Por esta administracSo se faz scienle aos deve-
dores da companhia Recife Drainage, a portaria
abaixo transcripta, do Illm. Sr. inspector da the-
souraria provincial, prevenindo-se nao so que o
prazo fatal principia a ser cootado do dia 11 do
andante mez, como tambem, que somente agora
se abrio a cabran^a dos encanamentos e differenja
dos precos de apparelbos.
0 inspector da thesouraria provincial remelten -
do ao Sr. administrador do eoasulado provincial
as fulbas juntas de coutas de apparelhos, encana-
mentos e annuidades, pelo servicoda'Recife Drai-
nage Company, perteneentes a primeira remessa
ja existente nessa reparlicao, e ora devidamente
liquidados na forma do accordo de 15 do dezem-
bro proximo passado, recoramonda a S. S. a ex-
pedicao de suas ordens, para que se abra iuconti-
tinente o prazo da respectiva cobranga por 30
dias uteis improrogaveis.
Napublicacao que houver de fazer nesse sen-
tido, mandara S. S. declarar que todos os que ja
effectuaram pagamentos na razao de 50* por
apparelho, com obrigacao de satisfazerem a diffe
renca de 20* directamente a companhia, e que o
nao lizeram, devera agora realisa-la nessa repar-
ti<;ao, naquelle prazo. uma vez que pjIo referido
accordo passou a ser fcita tambem essa cobranca
pela fazenda.
Thesouraria previncial de Peraambuco, 10 de
maree de 1874.Antonio Witruvio Pinto Bandeira
e Accioli de VasconceHos.
aiesa do consulado pravincial, 10 de marjo de
1874.
No impedimento do administrador,
Edaardo Angus to d'Oliveira.
de pao e bolacha|Boef(OBn^El4consnmir todos ok
estabelecimentaslilas a Ian calgo, no trimestre de
abril a junho : recebe propostas na sala de sual
sessoes, pelas 3 boras A% tarde ao dia 19 do cor-
rente.
A juuU admmistrativa da Santa Casa de Misc-
rwortia do Recife precis* contratar o fornecimen-
to'de assucar refinado qoe teem de coosumir lodos
os estabelecimentos pios a seu cargo ae trimestre
de abril; a JUnho : radabe propostas aa sala da
suas sfssoes, pelas 3 boras da tarde do dia 19 do
corrente.
A junta administrative da Santa Casa de Mise-
riftirdia do Recife preeisa contratar o forneci-
mento de carno verde que tem de coosumir todos
os estabelecimentos pios a seu cargo no trimestre
de abril a junho: recebe propostas na sala de
suas sessoes, pelas 3 horas da tarde do dia 19 do
corrente
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, II de marco de 1874.
0 eierivao,
_____________ Peiro Rodriguez de Souza.
*-' Fiona a aridleucia do Exm. Sr. desembar-
gador juiz de orphaos, do dia 16 do corrente, sera
vaadido em ras propias, na Ibnra, avaliado por 400*, per-
tencente aos herdeiros dos finados Victorino An-
tonio da Silva e sua mullier Henriqueta Maria da
Conceicao. r.
Mnnta Casa da Misericordia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de quo nccessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrala com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, mediaote certa ronda e al-
guns annos de prazo para desfructar; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respectivo orcame ito
nesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro viu-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE,
j Venda le predios
A lilma. junta admiuistrativa desta Santa Casa.
devidamente autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessoes, peias 3 horas da tarde dodia 26
do correnle, vende ou permuta por apolices da
livid.! publica os seguintes predios, pertencentes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, de que &
administradora : Forte do MaUos, metade do so-
brado de 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
Abreu, 3' parte do sobrado n. 1, por 2:666*666
rua da (Juia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*, sobrado de um andar n. 30, por 2:000*,
dito meia-agua por 500*; rua dos Guararapes,
casa te'rea n. 65, por 1:100* ; rua d33 Ac^ugui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam-
pirn, dita n. 3, por 400* ; rua da Soledade, dita
n. 72. por 700* ; becco do TeixeiM, oita n. 5,
por 250* ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:000*000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 11 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
vincial, mandaconvidar aos Srs. proprietaries abai-
xo mencionados para entregarem na mesma the-
souraria no prazo de 30 dias, a contar desta data,
as Haportan -.as das quotas com qae devera con-
correr para a factura i dos passeios em frente de
seas predios, sitosnas ruas abaixo assignadas; de-
vendo os pagamentos serem feitos de conformidade Faoifthe-de mandtora da terra, litro.
com o disposto no art. 2. do regulamento de 27 de c
junho de 1054.
Names dos proprietaries e das Importance
ruas doisemestte
Rua do Conde da Boa-Vita.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
A junta adminislrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife preeisa contratar o fornecimen-
to dos generos abaixo declarados, que teem de
con-umir os estabelecimentos pios a seu cargo,
exceptuando o hospital Pedro II, no trimestre
de abril a junho viodouro. Recebe propostas na
sala de suas sessoes, pelas 3 boras da tarde do dia
19 do corrente :
Aletria, kilogramme.
Aguardente, litro.
Azeite doee, idem.
Arro; do Maranhao, idem
Bacalhao, kilogrammo.
Bacha de porco, idem.
Batatas, idem.
Cha Hysseo, idem.
Cafe em grao, idem.
Carae secca. idem.
Cebulas, canto.
Hospital militer
Precisa-se contratar durante 0 trimestre de abril
a junho do correnle anno o concerto e lavagem
das- roapas dos doentes desle hospital.
As pessoas que quizerem se incumbir desse scr-
vico apresentem suas propostas no dia 13 do cor-
rente, na secretaria horas do dia.
Recife, 10 de marco de 1874.
0 escrivao
Avelino Pereira da Cnnha.
praca e osttMKife t* ^l**1 ***
de Joaquim Jos6 Gon^alvea Belirtd < Filbo.
Jaeiotho Nunes da CosU, eiaadie^liawUire, d>
46 anaos de idade, coaMnerconf m aanmn,
sob a Sna* de Beltrao & Costa, aHabalerirti MM*
praca.
vSocretaria do tribunal do coaraereio de !-
nambuco, 10 de marco de 1874.
0 offlcial-maar,
Jnlio Gnimariea.
1NSPECCAO DO AliSKSAL DE
MARINHA.
Faz-se publico que nest* data foram .visloriado4
os vapores Cur wipe c Pirapama d* comuilii
pernambneana de navegacio eosleira, e a cooi-
missao julgou-os em estad* de aodaraa Matiaa*-
no servico em que se emfngu*.
Inspecfao do arsenal tie aaarinlKi de PanMi-
buco, 12 de marco de 1971.
Francisco Romano Steppie in SUta
Unptewr.
ArtPiitatjf^n
nil i %/1ifm*mytv
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta admimstrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
aa sala de suas sessoes, no dia 12 de man; > pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mai3 vantagens offerecer, pelo tempo de rr
a tres annos, as rendas dos predios em seguiii
declarados.
F.STABLLECIKENTO DE CARIDADE.
Travessa de S. Jos6.
Idem n. 11.......f 201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 34 feehada a 264*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Pateo do Paraizo.
2." dito dito .... 303*000
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16...... 209*000
Becco das Bojas.
Sobrado n. 18 ....... 421*000
Rua da Cruz
Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Ruo do Pilar.
Casa terree n. 100......241*000
Idem n. 102 feehada......241*000
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17. ...... 361*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
urematacao as suas fiancas, on comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia err
inie for seguro o predio que contiver estabeleci
mento commercial, assim como o servico da lim
peza e preens dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
life, 2 de man,o o de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Armazensda companhia per
nambucana.
Segiiroi centra o Togo
A cempanhia pernambucana, dispondo de ex-
ceilentes e vastos arraazens em seu predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio era geral
para deposilo de generos, garantindo a maior con-
servajao das mercadorias depositadas, servicG
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante preyio accordo, ex-
clusivamcnte os generos de uma so pessoa.
Estes arraazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramtnte novos e aspbaltados, isentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pedei ao dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar._____________________________________
Dcclaragao n. 1.
Pela contadoria da camara municipal desta ci-
dade, sao cbamados a virem pagar a bocca do
cofre, do 1 de marrp vindouro, todas aquellas pes-
soas que se acham sujeitas ao pagamento dos im-
postos creados pela lei provincial n. 1126 de 18 de
junho de 1873, relativaraente ao exercicio corren-
te de 1873 a 1874, cujos sao os seguintes : fores
e laudemios de terrenos municipaes ; 2*500 sobre
estabelecimentos que vender espiritos; 3* por
cada licenoa que tirarem as bocetciras para ven-
derem dentro do municipio, e de 30* pelos mas-
cates ; 6* por cada carroca cu vehiculo empre-
gado nos servij03 da cidade, villas e povoacoes ;
100 r3. por palrao de terreno dentro da cidade do
Recife e seus soburbios, que nao e?teja edifhado
ou cullivado, embora se conserve murado ; 20*
por cada casa do sobrado na cidade do Recife, que
eonservar varanda ou sacada de madeira ; 10*
por cada casa de sobrado, cujo exterior se eonser-
var estragado, e 9R000 por cada casa terrea em
i.zuaes circumstancias ; 10* por cada casa de so-
brado nas ruas que ja foram calcadas, que nao
tiverem os passeios a ella correspondentes, feitos
no mesmo nivelamento e alinhamento dos que ja
tiverem sido executados de conformidade com as
posturas municipaes, e 5* por cada casa terrea
nas mesmas condicoe3 ; 1* por cada casa de so
brado, cujos quintaes deitem para ontras ruas e
nao eslejam murado? ate o respaldo do pavimeoto
terreo em forma exterior de edidcio, e 5*000 por
cada casa terrea em identicas circumstancias ;
60 rs. per palmo d^ terreno nos povoados da Mag-
dalena, Capunga, Chacon, Casa Forte, Pooo da Pa-
nella, Caldeireiro, Monteiro e Apipucos, que noa
estiver murado ou cercado; 40 rs. por palmo de
terreno em toda a extencao da cidade do Recife a
Apipucos, que nao estiver murado, exceptuando-
se os terrenos que tiverem cercas nativas em bom
estado de cornervacao; 20* por caia baixa de
captm dentro da cidade do Hecife ; 10* por cada
raacMna a vapor, inontada na cidade do Recife
para qualquer mister ; e Cnalmente o imposto de
4f5 por cada ca?a de negocio nas cidadas, villas,
soburbios e povoacoes, devendo, porem, os contri-
buintes, quando tiverem de pagar este imposto, a
apresentar na contadoria o conhecimento do im-
posto geral sobre indastria e proflssao, afirn de
provar ter assim satisfeito o referido imposto
geral.
Declaracdo it. 2.
A mesma contadoria da camara municipal desta
cidade scientiBca a todos 03 donos de diversos es-
tabelecimentos de porta aberta, a virem pagar os
impostos atrasado's que se acham a dever, dos
exercicios passados, bem como os demais impos-
tos acima especificado3.
Contadoria da camara municipal do Recife, 27
de fevereiro de 1874.
0 contador
Hypolito C. de Vasconceilos A, Maranhao
Perante o Exm. Sr. desembargador juiz privati-
vo de orphaos, tera lugar segugda feira, 16 do
corrente, ao meio dia, no andar da casa n. 40
na rua da Imperairiz, arrea Oa^ao par >enda *:.
obras de onro, joias, obras de prata, inoveis, lou^-t
vidros, consistindo em uma palsa*a Oeonr'
com l nlhantes, brincoscom brUhaates, pabetra.
eorreniao, cadeia para relogie, Uaacernn cm Oi
versas pen as de ouro e de coral, bracclete eajO-
oete de niosaico, annei- de esaaanlOa e hrilhaatr.
briacos de camaphe"o, botSes-di esmeraIJa par*
abertura, moedas de onro engrasadas para pv
nhos, pince-nez. anneis, rosetas c- in d .nuam..-.
consistindo as obras de prata em salvss, nMlpM.
cafeteira e atsucareiro, bandeija e tesoura par*
espaviiar velas, copos, palmaioria, e>cnvatiuiha.
maraea, colhres para sopa, para cha, e para
tirar arroz, conchas para tirar sopa, e para asw-
car, distieos para garrafas, carapainlias, coosistin-
do os moveis era um ricj snntoario f* respeito do
3ual se fara proposta), i< Itrona de amarello, ca-
eiras de jaearanda e de amarello, lavatono de
amtrello com pedra, marqueza, cama de jacaraa-
da para casal, commoda, vasos de crystal atra
queijo, copos para agoa, ealices para viobo
champagne, garrafas de crystal, nm apparelho o>
vidro verde Jourado para toilet, e outro de lonca.
mangas para lanternas, diversos pares de jarror,
cujos bens sao pertencentes ao espolio do finad
Leopold j Ferreira Martins Ribeiro, e vao a praca
por despacho do mesmo Exm. Sr. desembargador
juiz de orphaos, prevenindo-se qne so a visla do
auto de arremata^o serao entregues us bens ar-
reraatados._________________________________
Juizo de orphaos
No dia 16 do corrente vao a praca, por ordem
do Exm. Sr. desembargador juiz de orphans, dt-
p us da audiencia e na respectiva sala, nio sdo
resto dos move's pertencentes ao espolio do fmado
commendador Manoel Laiz Viries, bem como todo
ouro, prata e objectos de vidro que fazem para-
de mesmo espolio._____________________^__
Luso-Brasileira
De ordem da presidencia convido aos senhores
socios para assistirem a sessio magna, inaugural
da imagem do nosso padroeiro o venerjndo pa-
triarcha S. Jose, c do retrato do illustre fuodador
desta associa^ao o Dr. Ago>tinho Maximo Noguei-
ra Penido, no salao de honra, pe's 7 boras da
tarde do dia 19 do corrente ; e amplio o mesm
convite aos senhores candidates que temdepres-
tar juramenlo e inscrever-se no grande catalogo.
Secretaria do conselho fiscal da scciedade be-
neficente Luso-Brasileira em Pernambuco, 10 de
marco de 1874.
0 I- secretario
Joo M*rtin? de Andrade.
ii 4 LIT. t IPkIHO QO "irQSiHiaO'tJvCinO
N. 6. 0 mesmo
N. 8. Baroneza de Beberibe
N. 10. A mena
N. 12. Edaardo CdMo d Oirreira
N. 14. 0 mesmo
'RfladasStnidaaes.
N. f. ,,E!rWer1Candido de Oli RaailoHoSpWo.
If. 1. PrtHicWcoaosSaMo^Neveseeu-
Matt*
N. 3. Dr Jose Bernardo Galvio Alco-
forado
N. 7. Commendador Vicente de Pan-
98*444- -Mtntaiga'.francec*, kilogrimmo.
98*440
asstfi
lOejSo^;
Feijao muta4uho,idem.
Fanetlo, aaea.
Fume do Rio, kilogranano.
Gaz, Uta.
Mllr^>, aatwa.
Santo Antonio
Sabbado 14 do corrente.
Primeira representacao do drama em 1 prolog
e 5 actos:
F0RA POR FORCl
Tradoeelo do Dr. F. Prazeres.
A'h 8 liorat cm ponto.
THEATRO
.EMPREZft-UMA PEMANTE
Sabbado 14 de corrente
Ultima representacao do muito appiaudido dra-
ma em 6 actos :
SUZANA.
AS 8 l|2 DA NOITP!
DOMINGO
ila tarde
A's & 1|9 liorii.-*
Kepresentar-se-ha o drama em 'J ado? origu.
portuguez :
0 Mascara i\egra
A euipreza nao tera poupado desiezas para q^--
o drama tenha elTeito esplendido.
Principiar:i as 5 1|2 bOTM
imm MARJiiMaj
Companhia Allianca Mariti-
ma Portuense.
Empreza dc navepacao entrc
Portugal e Brasil.
A barca portugueza Joren Adelaide, recebe cir
ga a frete para os portos de Lbbna e Porto,
vendo seguir com a maxima brevidade ao seu
destino : trata-se com os respectivos consign -
iios Jose" da Silva Loyo 4 Filho.
say idem-
idem.
jrtdem-
Sal.-ideiaV
Tapioca, idem.
Tpucinho, idem.
felas de.earnattba, tikigrammo.
'^te^-
tinto de Lisboa, idem.
80*880 Vitho branco, idem.
Velas stearinasf fcttogrammo.
90*720 A junta adminislrativa do Santa Casa de> Stiseri
Eordta do Recife preeisa contratar o forneciraento
W.
Associacdo portuyueza de beneficencia dos
empregados no commercio e industria,
em Pernambuco.
Por ordem do Sr. presidente da assembly geral
convido a todos os seahores associados a reuni-
rern'se em assemblea geral extraordinaria, na se-
cretaria desta assoeiacfo, a rua da Imperador n.
33, I* andar, no pioximo domingo 15 do c.rrento,
pelas 3 Ii2 horas da tarde, para preencher as va-
Sas da directoria, e tratar de outros assumptos
i interesse a associacSo.
Recife. 11 de marro de 1874,
0 secretario
______ Leonardo Anlonio da Silva.
Tribunal do commercio.
lEsta secretaria fas publico que na data infra
foram matriculados os seguintes comraerciantes :
Aatonio Pereira da Caaba, cldadao brasileiro,
do idade de 38 annos, commerciante de importa-
aao e exportacao. por grosso, tneabro da firms
aocial de Cunha & Manta, domiciliada nesta
prata.
Joaquim Jose Goncaives Beltrao Junior, oidadao
brasileiro, de 21 annos de idade, domiciliado tam-
bem desta praca, meraero da drma de Joaquim
aoaetGoncaives Beltt-ao Fdbo, cAabeleclda em
coromercio de consignacao por conta propria.
'Joaquim Jose Goncaives Beltfeo, portuguez, de
48 annos de idade, tambem domiciliado em dita
Pacific Steam toigalnn Compaii
ROYAL MAIL STEAMER
SORATA
sspera-se daBuropaate o dia 24 do correnle.* ds-
peis da demora do costnme, spgnira para Bahia,
Rio de Janeiro, Montevideo, Bneoos-Ayres, Valpi
raiso, Arica, Lllay e Callao, pars onle receber*
passageiros, encommenda* dinhe>ro frete.
Nio sahiri antes das tres-boras do dia da ch-
gada. _
OS A6ENTKS
TVHson Howe AC.
gRUA DO COMMERi:iQ14
Companhia Albania Mari-
. 'tima Portuense.
A galara portugueza Sadade, segoira em pc .-
cosdias"para o Porto, com escala por Lisboa.
Ja tem cootratada grande parte da carga ;
para o' resto,1 trata-se com os consifnatartos a
agentas da companfcia,
lost da Silva z>yo & Filho,
era seu escriptorio k rua da Companhia Pemau-
bueana.





I\

fliarie A



!
i

Rio de Janeiro
Para o Mferido porto preteode seguir cam pou-
ca demora o pattcho brasileiro trabe, por 4er a
aior parte de seu carregaoiento engajado ; e
para o resto qae Ihe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com os eonsignatarios Joaqu4m'Joe>Gencal
Tea Beltrao & Filho, a ru* do Comroepcion. 5.
COMPANHIA PER.NAM4JIG.YNA
DE
tavraacSo cflteira*a*-H|mr.
llACEld, ESCALA$f PESEDO ARACAJC'.
0 fapor i'nmmp*,
commandant Santos,
seguira para os por-
tes acima bo tlia 14
do corrente, as =6 ho
ras da-tarde.
Reeebe carga ate o dia 12 do corrente,. en com-
mendas ate o dia 13, passagens e dinheiro a tret*
ate as 2 boras da tarde do dia da sabida : as-
criptorio no Forta do Mattos n. it._________
COMPANHIA PERNAMBUCAM
DE
rVvega$Oo costeira a vapor.
RIO FORMOSO E TAMANDAfcE.
0 vapor Parahyba, com-
mandante Pedro, segui-
ra para o porto aciraa
no dia i5 de marco as
9 horas da noite.
Reeebe carga, encom-
mendaa, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Porte do Mattos
n. 12._________________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
IVavegacSo costeira a vapor.
PAKAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA
TT, CEARA, MANDAHU, ACARACO' E CRANJA.
0 vapor Pirapama
command ante Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia 14
do corrente, as 5
horas da tarde.
Reeebe carga ate o dia 12 do corrente, encom-
mendas ate o dia 13, passageiros e dinheiro a fre-
te at6 as 2 horas da tarde do dia da sahida :
seriptorio no Forte do Mattos n. 12.
PARA
5
Segue com breviJade para o referido porlo a
escuna Georgiana, tendo ja pane de seu carrega
mento engaj3do : para o resto, trata-se com Tasso
Irmaos & C, a rua do Amorim n. 37.
Para Lisbon
O patacho poriuguez Gracwsa, vai sahir com
brevidade per ter a maior pane da carga promp
la, e para o resto traia-se com os consignatarios
Silva Guimaraes & C, praca do Corpo Santo ou-
mero 6.
< OM1M\III 1 Itll INSJIIRA
DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do siii.
0 vapor
PARANA'
Commandante Interino Quadros
Junior.
E esperado dos portos do norte ate o dia 13 do
cerrente e seguira para os do sul depois da de-
mora do costume.
Para carga, encommendas, valores, passageiros
e mais informaroes, dirijam-se no escriptorio da
agenda
7-RUA DO VIGARIO 7
Pereira Vianna & C.
Agentes.
(.'(MIP.tXIIIA
ESSAGERIES SIARITIMES
I.inlia
h
mensal
n
Espera-se dos poi tos do sul ate do dia 15 do cor-
rente em diante, seguindo depois da demora do
costume para Bordeaux, tocando em Dakar (Go-
ree) e Lisboa.
Para condicoes, fretcs e passagens, traia-sc co
OS AGENTES
Harisnicndy & Labille
9 Rua do Commercio 9
mill JJ
Reeebe alguma carga a frete modico a barca
portugueza Josephina II, a sahir brevemente : tra-
ta-se com E. R. Rabcllo & C, a rua do Commer-
cio n. 48.
Porto por Lisboa
A galera portugueza Firmeza, que se espera a
todo o momento do Rio de'Janeiro, seguira pou-
cos dias depois de sua chegada para os portos
acima, para onde reeebe ainda alguma carga a
frete barato : trata-se com Silva Guimaraes 4 C,
praca do Corpo Santo n. <>.
1

PACIFIC STEAM*
PftMY
ROYAL MAIL STEAMER
COTOPAXI
espera-se dos portos do sul ate o dia 13
rente, e depois da demora do costume,
para Liverpool, tocando em S. Vicente e Lisboa,
pan onde recebera passageiros, encommendas e
icarga a frete.
\ao sahira antes de meio dia.
\ OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
M*RUA DO COMMERCK)It
do cor-
seguira

Coinpanlria auiericana e hrasileira
de paqnetes a vapor.
Ate o dia 16 do corrente e esperado dos portos
do norte o vapor americano South America, com-
dante Tinklepangh, o qnal depois da demora do
costume, seguira para o? portos do sul.
?ara fretes e passagens, trata-se com os agentes
Henry Forster 4 G, rua do Commercio n. 8
Para o Aracaty em direitura sahe o novo.
superior pal ba bole aaeional LroniUa da Cruz, ca*
pilao e pratico Manoel Caetano da Costa, tern parte
deseacarregaroentotngajado; e para o resto que
alta, trata-se com o consign;.tario Antonio Albert0
dejSouza Aguiar, 4 rua do Amorim P 60.
Pari.
Pretend': seguir pea o indicado porto, coa pern-
ca demora, a barca portugueza Social, porter
porcio.da farga engifada ;e.para o que Ibcfalta,
trata-se com os connatario8 ioaquim Jose Gonr
calves BeJtrao & FiUM,*'ruado CornmeretoaJS. .
mandado com os Domes 0 quantias de cada
omdos Srs. devedores, seodo qua a maior parte
deles sao aor titulos ja vencidoi, acna-se am po-
dar do reterida agente, onde pode desda Ja ser
xaminado peios firs pretendentes.___________
=Rio-Grai*cle do Sul.
E* esperado do Rto de Janeiro, em ponces dias,
o brigue nacional AtmHn, o qoal seguira para a
porto aeima ; com pouca demora para o resto da
carga qae lbe falta, tfata tario Antonio Luiz deltfrvaira Azevedo, na raa do
Bom'Jesus n. 57
Para o Para
reeebe-oarga brigue 'poruiguez Relatpeufo,
pretende seguir com tuda a brevidade por ter
grande parte da mesma engajada : quern no snes-
mo quizer carregar, irate | com s us consignata-
rios T, d Aquino Ponceca 4 C, successores, .i
rua do Vjgario n 19.
LEILOES.
LEI LAO
DE
SO arrobas de ealla e calcados para homens e se-'
nhoras
Hoje
No armazem da rua do Iraperador n. 48, era se-
guifflento ao leilao de fazendas, moveis e ebjectos
de ouro.
s>
DE
fazendas, moveis, esleiras e ouro, eonstando de :
Casacos pretos para seuhuras, vestuarios para
eriancas, c'hapelinas para senhora, chapeos de
seda preta para homern, ditos de castor, ditos de
pal ha da Italia para seu horas, enteites de cabeca,
baloes com anquinhas, gollinhas de cambraia, pa-
ra senhora, crochet preto enfeitado, dito branco,
chales com barra, para senhoras, eamisas para
In.mem e onlras muitas fazendas para fechar eon-
tas.
Mobilias de jacaranda, junco eamarello, mar-
quezoes, marauczas, aparadores, cadeiras, mesas,
cabides, grade para escriptorio, 1 guarda-roupa
de amarello, c-teiras largas e estreitas para ferro
de sala, lougas, vidros, relogiosde parede, e di-
versos objeetos de ouro, que serao vendidos
AO CORRER DO MARTEI.LO
HOJE
\o armazeiu da rna do Iiiipe-
rador n. 48
is 11 horas da raanha
pelo agente Martins.
LEILAO
DE
9 barris, contendo cada um barril 150 garrafas de
vinho Bordeaux
as 11 horas
O agente Pinho Borges levara a leilao, o que
acima se declara, por conta e risco de quem per-
tencer, confronte ao armazem do Sr. Annes.
DE
fazendas avariadas
HOJE
fSs 10 1|2 horas om-ponto
0 agente Pinto fara leilao por autorisacao do
gerenle do consnlado de Franca, em presenca de
eu chanceller e por conta c risco de quem per-
fencer, de uma caixa marca trianglo 0 J 4 C.
eontramarca S & F n. 2, contendo 30 duzias de
eamisas de cretone, avariadas a bordo da vapor
francez Henry IV, na sua ultima viage.n a este
porto ; as 10 I|2 horas do dia acima dito, em
seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 43.
Leilao
DE
6 peyas de grosJenaple preto,
tura
resto de uma fac-
Por intervensSo do agente Pinto.
NA RUA DO BOM JESUS N. 43
Por ocsasiao do leilao de uma caixa com cami
sas, avariada a bordo do vapor francez Henry IV.
Leilao
DE
uma caixa com brim pardo avariado
Hoje
A's 10 1{2 horas em ponto.
0 agente Pinto fara leilao, por autorisacao do
gerente do consulado de Franca, em presenca de
seu ehanceller, e por conta e risco de quem per-
tencer, de uma caixa marca A C & C, n. 1,121
com o conteiido acima mencionado, avariado a
bordo do vapor inglez Neva, na sua ultima via-
gem a este porto, as 10 1(2 horas do dia acima
dito, em sou escriptorio, a rm do Bom Jesus n.
rp
DE
lilaw de velliidn
Hoje
A's 11 horas.
Por intervencao do agente Pinto
Rua do Bom-Jesus n. 43.
Por occasiao do leilao de fazendas avariadas.
Agente Dias
LEILAO
DE
moveis, louca, vidros, pianos, ouro, prala, bri
lhantes, chapeos do Chile, feltro c de merino
Sabbado 14 do corrente
No primeiro andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 64.
As 11 horas em ponto
0 agente Dias, compel- ntemente autorisado,
vendera em leilao deste dia, mobilias de jacaran-
da, ditas de amarello, pianos, secretariat, guarda-
roupas, guarda-louca, mesas elasticas, camas para
casal, marquezas, bercos, cadeiras avul>as. san-
tnarios, cadeiras de balanco, ditas de braces, e
muitos outros objeetos de gosto.
Agente Dias.
9
DAS
dividas pertencentes a massa fallida de Antcnio
Joee dos Reis, na importancia de 50:259*880
SEGUNDA-FEIRA 16 DO CORRENTE
as 11 h ras da manhft
No escriptorio da apneia, rua do Marquez de
Olinda n. 37, primeiro andar.
'.Por intervencao dagente Dias, qae por manda-
do do Tiltn. Sr. Dr. juiz especial do commercio
levara a leilao, 'no dia o hora acima menciona-
dos,
LEiTLAO
No dia 90 do oorrente vao a leilao todos os
ofcjectos dados m penhor que estiveren wnci-
dos, salvo aquelles que at6 aquella data pagarera
os premins vencidas.
Traessa da jua das Crtizes n. 5.
LEILAO
OE
locomotoras .arrus do sysie-
nia Thoiiion. ou carr<>s d-e
borracfui
\o .li t deabril.
Em virtude de nao se.poder dispdr de boas es-
tradas de rodagem nesta provincia, os possuidores
do material acima mencicnado estao resolvidos a
vende-Io todo era leilao oa separadamente, confor-
mese conveneionar.
0 emprego destas machinas era grande numero
de paizes da Europa, Asia, Aiqerica do Norte,
onde ellas tern suhstituido os antigos sysiemas de
traosporiar cargas pesadas, dispensam os seus
possuidores de encarecerera a sua grande utilida-
4e, como meio de transport? economico e commo
do para os engenhos, e toda sorte de propriedade
agri ola ou industrial, que disponha de planieies,
cuja situagao dos respectivos depositos ou arma-
zens fiquem distances do lugar de produccao ou de
fabrico.
Estas machinas podem iraballiar como machi-
nas lixas, para o que tem competentes volantes, e
serrir para serrarias, enfardaroeoto de algodao e
fazer mover toda a sorte de apparelhos, etc., etc.
0 materia I consta do seguinte :
2 lacomotoras de forca nominal de 8 cavallos
cada uma, com caldeiras verti-caes e fomalhas
quadradas e oval, podendo queimar earvao ou le-
nha, com fumigadores e cinzeiros, dispostos de
sorte one se previne qoalquer accidente de incen-
dio. Estas machinas possuem todas as pecas in-
dispensaveis de sobresalentes, e sao completas a
todas os respeitos, estao novas e em perfeito esta-
do dc conscr-acao, visto como, apenas trabalba-
ram o tempo necessario para se demonstrar pra-
ticament as suas vantagens.
6 carros solidamente construidos, suspensos era
excellentes molas, sendo dous com portas late-
raes, dous com ditas na parte posterior e dous ra-
sos, proprios p:ra transporte de caldeiras, moen-
das. etc.
0 leilao sera effectuado pelo agente Pinto, a rua
d'Aurora n. 91, estacao das ditas machinas, e pe
'as 11 horas horas do dia lo de abril.
Da-se todos os esclarecimentos a rua do Bom
Jesus n. 8, primeiro andar.
Ml
1!
m
isos
Attencao.
Precisa-se ccm urger.cia de uma ama de
leite, que seja sadia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianga de dias, dando-se preferencia 4 mu-
lher do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias appareca no 3. andar desta
typographia para tratar.
Soc*. Cor.*. Liv.-. Pop.., do vale da rua
de Miirciiio Dias n. 112.
Obrigado por forga maior, convida-se a todos
os lir.'. que se aeham no goso de seus direitos
Mac.4., a uma reuniao de assemblea geral que
tera lugar domingo 15 do corrente as 10 horas
da manna", e assim constituida pocier deliberar <
resolver de6nitivamente da coveniencia ou nao
da existencia da sociedade, certos de que, as lu-
zes e offlciaes que a tem mantido proenram este
meio como salvaguarda de um desapparecimento
temarao nma qualquer resolucao com o numero
de lir.-. que comparecer.
Secretaria da Loj.v Cor.-. I,iv.\ Pop.-., S de
rnarco de 1874
0 lir.-. secret.-.
A. J. Bandeira.
0 abaixo assignado, tendo de fazer uma
viagem a Europa, julga nada dever a pessoa al-
guma, quer de conta, ou titulos, e se alguma
pesSoa se julgar seu credor, tenhani a bondade
de apresentor seus titulos, o que prove seu ere
dito, a rua da Alegria u. 3, em Olinda, rna do
Bom Fim n. 21, no prazo de 8 dias, que sendo
verdadeiros serao promptamente pagos, a contar
da presenle data.
Becife, 6 de marco de 1871
Joao Lui? Ferreira Bibeiro.
A mesa regedora da irmandade do senhor
Bom Jesus dos Martyrios da lgreja nova da fregue-
zia de S. Jose, tendo de apreseutar era solemne
procissao a imagem de seu padroeim, como 6 de
costume, desde o anno de 1792, em vista d* con-
firmacao de seu compromisso, na quarta sexta-
feira da presente quaresma, alim de prencher um
dos dias da penitencia do Senhor, por isto a mesa
regedora annuueia ao respeitavel publico as ruas
que ella tem de passar : rua dos Martyrios, Au-
gusta, Imperial, largo da< Cinco Pontas, largo do
Terco, rua Direita, largo do Livramenio, rua do
Queimado, large do Collegio, rua da Cadeia, de S.
Francisco, das Cruzes, pra^a da Independencia,
rua do Cabuga, Nova, Cambua do Carmo, largo do
Carmo, rua de Hortas a recolher.
Consistorio da irmandade do Senhor Bom Jesus
dos Martyrios da igreja nova, 10 de marco de lh
Policarpo Bamos de Jesus
Escrivao.
m
9
0 bacharel Francisco Augusto da
Costa contintia no exercicio da profis-
sio de advogado, a rua do Iraperador
n. 34, primeiro andar.
m
**&
RUA MATHIAS DE ALBUQUERQUE N. 25
(antiga rua das Flores).
Tragi se, lava-se e limpa-se com a maior per-
fcicSo fa7.andas em pecas ou em obras de qual-
quer qualidade que sejam, taes como, li, algodao,
seda, touquira, pennas, chapeos do feltro e de
manilha, ou pallinha de todas as cores, eto
Os Srs negociantes, logistas e particulares
experiraentem que todos acharao proveito e van-
tagens
Aviso : Depois do ultimo deste mez corrente,
fleam considerados como abandonados todos os
objeetos entregues a esta casa no anno de 1873,
e serao vendidos pelo preco do seu traba I no.
Roubo
Roga-se aos Srs. relojoeiros e mais pessoas
a quem for offerecido um relogio patente in-
glez, coberto, n. 30025, com uma peqnena amas-
sadura na tampa, que apprenendam, visto ter
sido roubado em o dia 7 do corrente, e dirijam-se
a rua do Vfgario Thonorio, n. II, qae se dara
uma vantajosa gratificacao.-
Escravo fngido.
Ansenton-se no dia 20 de fevereiro proximo
passado, da casa de seu senhor, abaixo assignado,
o escravo Estevsio, com os signaes seguintes : cdr
preta, idade de 25 annos, alto, espadaudo e cor-
polento, tendo j pescoco curto e grosso, e a ca-
beca um tanto cbata. Dito eseravo 6 natural da
provincia da Parabyba do Norte, foi veodido em
1868 na villa do Inga, pelo Sr. Pedro Antonio da
Costa ao Sr. alferes Manoel da Assnmpcao e San-
tiago, qae no mesmo anno o trooxe para esta
praca do Recife, vendendo-o entao ao abaixo as-
signado. Presume-se qae dito escravo tenha se-
guido pan soa provincia natal Roga-se, pels, as
autoridades policiaea e ca pi ties de campo a ap-
prehensao de dito 48Wayp, gratiflcando o abaimo
assignado a quem o agarrar e apre?enta4o Ba ru
do Brans n. 96.
Recife, 11 de marco de 1874.
Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes.
CosinhHro.
No cae do Apollo n. 71, paga-se bem a
'um bom oo^inheiro : pr i
i
A 9:000
Botinas para homem
Aeabam de -chegar grandes factoras bem sor-
tidas de botinas da bezerro.de cordavio, de pellh
ca, de duraque com biqueira, de bexerro com bo-
toes, e com dhozes a 9*000 .(aoscolh'r) por ter
vin lo grande quantidade por conta e ordem dos
fabricantes : ab armazem do vapor francez, a rua
do Baiao da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Calcadt)
francez.
Para hoaaaent.
BOTINAS de Aiezerro, eordavao, peHica, lustre t
de-duraque com bitjueira, dos melhortf
. rabukantes.
SAPATOES de bezerro, de oerdavao e de case-
raira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banbos, iitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de trancs
francezes e portuguezes.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de eftres differentes,
hsas, onfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos.
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tram. a.
Para meniuat.
BOTINAS pretas, braneas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diyersas qualidades.
SAPATOS de tranea portuguezes.
Para meninoa.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavSo.
ABOTINADOS e sapatSes de bezerro, de diversa*
qualidades.
SAPATOS de tranea francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homenj, e meias perneira.*
para meninos.
No armazem do vapor francez, a rua do Baric
g- Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernicoes,
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
levos, e os mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Barac
da Victoria n. 7, outr ora Nova.
PIANOS.
Aeabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
eonhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C..- nc
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extractos,rbanhas, oleos, "opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete.
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes!
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presentes om frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e .arrafas de differentes tama-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem eonhecidos fabricantes Piver e Cou-
dray.
No armazem do vapor francez, a rua do Bara<
da Victori?, outr'ora r^ova n. 7.
Quinquilharias.
Artigo* de tliflercntes gostos e
phantazlaai.
ispelbos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin, de fio de Escocia e de camurija
Caixinhas de costura ornada on. musica.
Albuns e quadrinlv* pa:a retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar i ctratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaqnfj muito bonitas para relo
gios.
ftn~tca 'i:-.:ae:.o s botoes de punhos de pla-
que,
Bolsinhas e colres de seda, de velludo e de cou-1
riaho de cores.
Novos objeetos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pincinez de cores, de prata dourado, de ajo
de tartaruga.
Oculos de aco lino e de todas as guarnicSes.
Bengalas de luxo, canna, com castSes de mar
fim
Bengallas diversas em grande sortimento par.
omens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteira3 de espuma para charutos e cigarros
Pentes de tartaruga para desembaracar e par
barba.
Ditos de marfim muito finos, para limpar ca-
beca.
Escovas para roupa, eabellos, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinheiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainhas de mola para eh .mar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
maes e francezes.
Malas, boly-as e saccos de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as eriancas morde-
rera, bom para os dentes.
liercos de vimes para embalar eriancas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
eriancas.
Venezianas transparentcs para portas ejanellas
Reverberos transparentes para candioiros de
gaz.
Estereoscopos e eosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas mmd ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para :osmorama.
Globos de papel de cArcs para illuminacoes de
festas.
Baloes aereostaticos do papel de seda mm faci)
de subir.
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadores de palha e de pennas.
Tosourinhas e canivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bora.
Tiras de molduras douradas e pretas para
quadros.
Quadros ja promptos com paysagens e pbanta-
ua.
Estampas avalsas de santos, paysagens e phan-
tazias.
Objeetos de magicas para divertimentos em fa-
mi I ia.
Bealejos pequenos de veio com lindas pecas.
Realejos barmonicos oa accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de mencionar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros,pes e palmos para
medir terrenos.
Brinquedos para merinos
A maior variedade que se pode desejar de to-
dos os brinqnedos fabricados era differentes partes
da Europa, para entretenimento das eriancas, tudo
a precos mais resumjdoa qua e possivel : no ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Victo-
ria, outr'ora rua Nova n. 7.
Cestiotias para costura
Grande sortimento de bonitos modelos chegados
ao armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora rua Nora, n. 7.
Gratificagao.
Nao tendo ainda apparecido os dous pitinhos
da Australia e de cdr cinzenta, que furtaram na
noite de 7 de fevereiro ultimo, do sitio do abaixo
assignado, no Caldeireiro, de novo se roga soa ap-
Srehansao, gratiflcando se com muita geoerosida-
e a quem os apresentar ao dito abaixo assig-
gna*> no referido scttn, a oa rna do Brnra q. %.
________Francisco Rihpir. Pi'it.> Guimaries.
pmm Pirei i'sh li .r uma prt de meia
dad*- I Pfl H i' Our ". 71,
conserva
o mesm
terior desta
44 Rua do Imperador H
0 novo propriet8rio deste aereditado e bem montado estabelecim^nto, eom o fira 6>'
jrvar os creditos de unico neste genero, trm reformado e melhorado completamente
ismo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provinces do norte e in-
r desta, g?rantindo perfeir;5o em todas as prep'rac,dvs, aceiu e modicidade nos precos,
compativel com este genero i!e drngas.
Espera a todo momento uma grande rernessa de pharmacia homeopathica de ..
Epss dC, de Londres, composti de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
rrhus, de Buvonia, de Arnica e de p6s especia^s para dentes.
Tem d disposiQSo dos amantes da homeopathia a excellente, obra do Dr. Mure ma*>-
dico do povo,j;i em 3.a ed'1980.
Tem carteiras de globulos e linturas de 12 medicamentos ate 120, i eseolha do com-
prador.
Plumeria, para mordedura de cobras- 1
Seracena( Chocolate homeopathico.
< Para bexigas como preservative). Cafe homeopathico.
Vaccina ( 1
China cruzeiro, para intermittent^. JJ1,0' J'araru,;- .
Schynus, para anginas. P6s Para deutes ,n,ezes-
Calendula, para queimaduras. ...
Taranlula, para poralysia. Jenro, para rheumaltsmo.
Tintura mai d'arnica, para contusOes, cur- Matta-matta ou jaboti, para losses,
tes, etc.
Espirito de llahereman ou de canu'.
ra.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
DitodeRhus j
>para rhematismo.
Dito de Bryonia)
C.actuc grande fldrus, para pMSjni n
mohslias do coracdo.
Acha-se constantemente d testa do cstabeleciroento e inspec-ionando todas ss 5
parac-Sas 0 Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Sanfos llello.
CONSULTORIO HOMEOPATHICO
DO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manhit, e a noite ate 9 horas
Gratis aos pokes.

NURTIMENTO
H-EBIGIHA
Preparado por
Lanman & Kemd
para thisiaca
toda a qualidade
de doencas, quer
seja na garganta,
peito ou bofes. i
Expressamente
escolhidodosme-
Ihoresfigadosdos
quaes se extralie
o oleo no banco
da Terra Nova
purificadochimi-
calmente, e suas
valuavoispropri-
edades conserva-
das com todo o
cuidado.emtodo
o frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a umexame mui-
to severo, pelo
chimico de mais
Atria particular
0 abaixo assignado, professor particular de ins-
tmc;ao e'ementar, nao tendo podido pormoiivos
de molestia, abrir sua aula no dia 12 de Janeiro,
com > tinha annuneiado, e como ja se ache re*-u-
belecido, avisa ao respeitavel publico e com espe-
cialidade aos senhores pais de familia, qne no dia
9 do corrente esiara aberta sua aula na rua oa
Penha n. 25, andar, annde contintia no excT-
cicio de seu magistcrin. o tresmo professor [in-
mette muito se esmerar peln adisnUm';r>t df
seus alumnos.
Secnndino Jose de Faria Sfi
CASA DA FWTOA.
AOS 4:000#000.
BILJIETES GARAi\TIDO.<.
i' rua Primeiro de Marco (outr ora rua at-
CrespoJ n. 23 e cosas do costum*.
Acham-se avenda os felizes hilhi-ies garaatim*
la 1" parte das lotortas a beneQcio da main?
da Varaea (91*), que se extrahira na sexta-fHi
13 do corrente.
PRECOS
Bilhete inteiro t'OUO
Meiobilhete 2x000
SM PORQXODE 100^00) PARA C!V
Bilhf-te inteiro 3*500
Meio bilhete U750
M"nnrl Martins F'.uta
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e foi \
pronunciado por j
elle a conter
MAIOR P0RCA0 D'lODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem j hwx do Pardo du Victoria (outr'ora \
xaminado
IODINO E UM PODER SALVADOR.
CASA DO OURO
lH 4:OOOcOOO
Bilhetes garantidos
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender bm
Em todo o oleo de Ggado de bacalhdo, e na- 31uit0 *? bilhetes a sorte de 700*
quelle no qual contem a maior pcrcao desta cm0em S^ff' e nm mc' d
em um
HI
/, alem de outras s<>ne*
invaluavel propriedade, e o unico meio para menores de lOfOOO e *i*ooO da loteria quo *>
curar todas as dc encas de acanou de extrahir (90* >; convida aos p. GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGAD0. ,a ^rem r Phtvsica hronchistcs asthma cathArrhn 9 m,e?.IU0 abaixo. as5'Knad0 convida ao respeit*
rniysica, Droncnistes, astbma, catnarrho, vel pubiico para vir ao seu estahelecimenic com
tosse, restnamentos, etc. prar os muito felizes bilhetes.que nao deixario de
I'ns poucos frascos da carnes ao muito i 'irar qualquer prcoio, como prova pelos m-";:! s
magro que seja, clarea a vista, e dd vigor I annnncios.
a todo o corpo Nenhum outro artigo S ; JSgf 2 ttfcVBtSWSS ^
nnecido na medictna ou sctencta, dd tanto' igreja matriz da Varzea, que se eattnttri i
nutimento aosystema e inr.ommodando quasi, W do corrente mez.
Prcfos
Lataini i*0O0
iU-io 2*000
l>. 1009000 paradmo.
Inteiro 3*S00
Meio 1*750
Becife, <1 de mar^o de 1871.
Mo Jcr.qiuiH da Cos!a /..-.
nada o estomago.
As pessoas cuja organisacao tem sido des- i
truida pelas affeccdes das
ESCROFULAS 0JJ RHEUMATISMO
e todas aquella?-, cuja digestao se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DEFFGADO DE BACAT.HAO i
LANMAN ik KEMP
Convida-se
aos senhcres escriptores, litteratos, ehefes de re-
particoes e commerciantes a visitarem a
ENCADERNAgAO BRASILEIRA
a rua Duque de Caxias n. 21, onde verao que e.
este o estabelecimento qne dispoe dos melbores |
meios e processos para bem servi-los na arte de!
encadernar, e o unico que
POSSUE A MELHOR
machiua para pautar papel, riscar livros, raappas,
manifestos, folbas de empregados, despachos, fac-
turas, contas correntes e de venda ; cujo trabalbo
sera regulado pela seguinte tabella de precos :
Papel pequeno em caixinhas.
Para pautar 1 caixa 1*0C0.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada uma.
Idem 10 ditas a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 50 ditas a 250 rs. .
Idem 100 ditas a 500 rs.
Idem 200 ditas a 150 rs.
Mais de 200 ditas a 100 rs.
Papel em tamanho flume, contas e despacbos.
Por pautar 1 resma 1*500.
Idem 10 a 1*200 cada uma.
Idem 20 a 1*.
Idem 50 a 800 rs.
Idem 100 a 600 rs.
Idem 200 a 400 rs.
Mais de 200 a 320 rs.
Outros trabalbos conforme o ajuste.
A differenca em preco do papel liso para o
pautado, no nosso mercado, e mm to superior a 320
rs. em resma, sendo por isso vantoioso aos Srs
IMPORTADORES DE PAPEL
mandarem vir a papel liso para aqui ser pautado,
podendo assim venderem mais barato, ganbando
mais dinheiro, para o que
GARANTE-SE
a bondade e lknpeza do trabalbo, entregando-se
os volumes de resma com a mesma perfeicao e
ifaaldade que se tiver r>'c>)ido na
ENCADERNACAO BRASILEIRA
21-Rua Duque de Caxias -21.
CoBsaJtorii medico
no
Or. lSurillo.
UL'A ])A CRUZ N. 26, 2. A.NDAR.
Recem-cbegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de ?na pro-
F\ Consultas das 6 horas da manhi as 8 bo-
jK> ras, e do meio dia as duas da tarde.
Jf. Gratis 30s pobres.
X KSreCIALIDADES.
Q Holestiss de senhoras, da pelle s de
Cl crianca.
A-dvogado.
Si 0 bacharel Joio Gitirana. advoga em
m. Palmares, e pode ser procurado oa villa
5 do mesmo norae, outr'ora Una. alto da
W Matriz, escriptorio da ccollectoria. ^
9* O00### *
I
Consoltorio medico-cinirgka
A. B. da Silva Maia.
Raa do Viseonde da Albuquerque n,
11, outr'ora rua da matrix da Boa-Vista
u. II.
Chamados : a quaiqoer hora,
Consultas: Aos polras gratis, das t is
4 boras da tarde.
r


?gift) de Pemambueo Sesta feira 11 de "Mtfjpbd* 1IW.

ii i
FUNDICAO D BOWMAN
RUA DO BRDM H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS mtaore* de engenho e ontroa agrict:ltor?B, eetnpreRfd.jr** de ra
umisino o tavoi de. ama visiuaseu estabctecioieotit, P*t jreiu o tiu*i ronimemi
ompleto qne atf tern; sendo tado irjperior em qaalidtae e tortidao; o qne com a ins
wc$Io pessoal pode-se verifcar. { l
ESPECIAL ATTENC-lOAO NUMEROE LUGAR DE SUA FONDICAO
XTnnriFaa a wvdaa Alarm a to* ma'9 ffi"4prons ayrteraaa em u
f apUiOS O rOUaS U tlgua naar.bos convenientes para as diversa*
?ffcaflwtancias dot aeohorei proprietaries e para descarocar algodio.
Hoendas de canaa fi! 0$ la,nlnh08, u[mituUM qoe aqD'
Sodas dentadas *"'",DimM6*"evapor-
Taizas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fandos de alambiqnes.
Vo fllliniam na Pr nwndioca e algodao,I Podendo" todoa
**VJ**IIII1UD e para aerrar madeira. I ser movidoa a mao
Rnmhaa |Pr 'S01' vaPor
wiuuob de paterte, garantidai........ |ou animaea.
Todas as maehinas e pe*"de "cos,am, *rw'
Pa qualquer concerto de mchifl!wno'a preco mni reroB,id0-
Tormftfl H A fairO t6m aa melu0rei e maia blraUs ententes no mer-
ftnnnmmandQfl Incnmbe-se de mandar vir qnalqner machinismo i von-
dUl/UlIilUUUUa.9* tade do* clientea, lembrando-lhea a vantagem de faierem
*oas comprai por intermedio de peasoa entendida, e qoe em qnalqner aecesaidade pode
Mu prestar aoxilio.
Arados americanos e inatrnffleDtoa '*'iC0,M-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
5
4' rca do Barao do Trinmpho (rna do Brain) ns. 100 a 104
CARDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e maehinas para -en
genhos, asmais modernas e melhorobra quetem vindo ao mercado.
VaporeS de forca de 4, 6,8 e 10 cavallos.
UaideiraS de sobresalente para vapores.
OxOCliaaS mteiraS e meias moendas, obra comosioaca aqni veto.
TaixaS fundidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOdaS Q. aglia COm cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOdaS aentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
DOmbaS de ferro, de repucho.
AradOS de diversas qaalidades.
FormaS para aSSUCar g^des e pequenas.
CoilCGrtOS concer'arn com promptidao qualquer obra ou machina, para o que teez
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCODlTIieildaS man0*am v'r Por encommenda da Europa, qualquer machinismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas maehinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Bram) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
ODILON DUARTE & IRMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
IMPERATR1Z
N. 82
,1." ANDAR.
RUA
DA
IMPERATRIZ
R." 82]
1. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
diccdes possiveis de bem servir ao publico 'desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo que f6r tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, trances, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 0/0 menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e precp razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcao e a retalbo e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
CHAPE0S DA ULTIMA M0DA
Chegaram lindos e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora : &
loja das columnas, de Antonio Correia da Vasconcellos, & rua Primeiro de Mar-
co n. 13.
33
.i, niiii], iif: p
Constructor e aflnador de pianos
Rua do lmperador
dor das anligas e afamadas casas Pleyel & Herz, e antigo 6
33
Ex-afinador das antigaa e afamadag casas Pleyel & Herz, e antigo director das offici-
al casa Alpbonse Blondel.
Tcm a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tern aberto sua easa de
concertos e afinacCes de pianos, qualquer que seja o estado do instrumento.
A mesma casa aeaba de receber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
de Paris, como Krard Pleyel, Henri Herz e Alphonu Blondel) todos os pianos sahidos da east
Dbibaut sao garantidos.
Compra-se e recaCe-*e em troca os pianos usados.
Na rua do lmperador
n.28
precisa.se fallar aos gegointes senhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Emigdio Marques de Santiago (Or.)
Joio Vai de Oliveira.
Ios6 Pranciico Lopes Lima (VazarethL
Manoet Pereira Brandao.
Manoel dos Pa*so Miranda,
Tbeotonk) de Barrnt Silva.
Francisco de Paula Borge*.
Francisco Antmio IVun
4' Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de habitacao e banho no rio
; a frenta desta: quern a pretender, pode
' procurar i rua de Gervasio Pires n. 34.
Offerece-se
Lava-se e engmnma-se Mm tda perfeicao
pre^o pommodo : no becco da Tmbi* n >i
txn iboco brasileiro, com bastante pratica de ta-
verna\ara caixeiro, daodo flador 4 sua coniucta ;
qoem pTMisarNp6de dirigir-se a rua larga do Ro-
a sario 0, ii (antiga &>= Quarteis) fabrica de ci-
garroe.
0/ V/^JTT
49 Rna do lmperador 40
tsar- i
11 Kisle .st.-.holcciment" o ir-?!h.r sorjnnbMti de pianos .l"s m
no <4o : llrrz, Pleyel, PlUp, 'to. UiierocC'S*. taintinu uma jutiil'ih 'lo pianos supc-
i'te "kf*atM ^.iioros,
rioW^i mandados expressameote construir para
bons pianos s& encontrarfto ne?ta casa.
Recebem-se pianos usados cm troca.
Concertam-se e afmam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
este clima, u qual us amadores dos
1 us
conceitadores de pianos
que ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUAllOinPERlDOR 49
\$r>
AVISO.
ua
Altencao.
Fugio do ngenho Firmeza, na freguezia da
Escada, no dia 11 de fevereiro, o escravo- Albino,
crioulo, com os seguintes signaes: cor preta, idade
Nao se prestando o pequeno espaco do armazem de 20 annos, alto, corpo regular, bonita figura,
n. 10 A, a rna da Madrede Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
dianie aberto outro estabelecimento sob a mesma
denominacao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcoes desejadas, e onde pode-
rio os senhores freguezes dirigir-se, certos de
3ue, como ate aqui, acharao sempre a par da mo-
icidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
Entre as differentes marcas de fumo da Bahia e
Rio de Janeiro, que tem sido annnnciadas, acaba
deohegar uma encommenda especial, e quemnito
deve convir aos senhores freguezes. Consciente o
aim xo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem competklores, fara muito por evitar
qne tambem os tenha com relacSo ao pequeno lu-
ero ijue proenrara obter da dita mercadoria.
Jose Dommgues do Carmo e Silva._
FCGI0.
Fugio no dia I.' de marco, da casa de seu se-
nh-r, a mnlata de nome Lydia, com os signaes
seguintes : baixa, gorda, cabellos crespos, peitos
grandes e cara iarga : quern a appre^ender tra-
gaa a rua dt Santa Rita n. 5, erttrada pela rua
Nova.
Chapas e argolas ameri-
canas
O fabricante destas, tem a honra de participar
ao respeitavel publico que, tendo de retirar-se
para a corle brevemente. s6 pode receber encom-
mendas ate o dia 7 de margo ; portanto roga aos
seoh>>res que quizerem munirse de ditos objectos,
mandoM'iii as suas encommendas com anteceden-
cia ao hotel Estaminet, a rua do lmperador n. 32,
das 9 boras ao meio dia.
ATTENGAO
Constando aos abaixo assignado achar-se Des-
ta prac* o Sr. Manoel Fernandes de Carvalbo, ren-
deiro dos engenhos Barra e Pregnica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
tendente aas referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tasso Irmaos k C.
oihos um pouco esbranqui^ados, tem de um lado
das costas um carocinho a semelhanca de uma
jaboticaba : pede-se as autoridades pcliciaes e ca-
pitaes de campo a apprehensao do dito escravo,
podendo entrega-lo no dito engenho, ou na rua
do Torres n. 12, escriptorio ; certos de que se
dara boa recompensa.
Pede-se ao Sr. Joaquim Pires Ferr*ira, o fa-
tor de apparecer na rua Primeiro de Marco n. 7
A, 1 andar, a negocio de sen particular inte-
esse.________________
Precisa-se alugar um escravo para o servico
em casa de familia: na rua Primeiro de Marco
n.23.
Sementes de hortalices
vindas pelo ultimo vapor, a rua da Cadeia do
Recife n. 53 ; tambem na mesma loja recebem en-
commendas para o sitio do Abrigo em Olinda, de
arvores fnrctiferas e outras .proprias para adorno
de ruas e jardins, sortimento de palmeiras impe-
riaes e de ontras qnalidades ; assim como pis de
flores para jardins e vasos, tudo por modico pre-
en e garante-se estaiem bem enraizadas toda as
plantas como e" de costume.
.*.!VO&A50O
AffoDSO de Albuquerque .Velio
incumbe-se de promover ecbrancas amigavel
ou judicialmente, assim como de outros negecios
concernentes a sua profissao, nos lugares proxi-
nios a linba ferrea, e nos outros terraos proximos
a osta cidade; para cujo auxilio tem o annun-
ciante sulicitadores habilitados e probos, respon
sabilisando-se no entanto pela boa gestao e conta
do que Ihe for conliado.
Mediante modico honorario acode aos chmados
para diligencias ou consultas fora da cidade e do
termo -e incumbe-se da defeza de appellacSes ante
o tribunal da reiacao. Fode ser procurado de
meio dia as 3 horas da tarde em seu escriptorio
rna do Da(|ue de Caxias n. 37.
Attencao
Previne-se ao Sr. Maaoel da Silva Reis que o
abaixo assignado e credor da taverna da rua da
Fundicao n. 4, e que protesta contra a compra
annunciada no Diario de hoje, e qne vai tratar
de promover judicialmente seu direito, e quo em
quanto nao for pago, nao considerara legal dita
veada. Recife, 11 de mareo de 1871.
_________ Manoel Rodrigues Pereira.
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, dd-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
* Advogados 0
Cr Os Drs. padre Antonio da Cunha Fi- W
jQL gneiredo e Joao Augusto do Rego Barros, JK
2 mudaram o seu escriptorio para a rua !. ^
15* de mar^o, outr'ora do Crespo, n. 2, 1.* ?
mi andar, junto ao area de Santo Antonio A
^ entrada pelo lado do caes.
*^'# *-*
Tendo de effectuar se a compra do sobrado
n. 21, da rua dos Quatro Cantos, hoje do comraer-
cio, na cidade de Olinda: quern se julgar com
qualquer direito sobre o mesmo queira declarar
por este Diario, no prazo de 3 dias, sob pena de
nao chamar se depois a ignorancia. _________
O abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do com-
mercio, que julga nada dever nesta praca ou
fora della, e quern se julgar eredor apresente
seus documentos no prazo de tres dias, que sera
pago, e depois desta data retira-se para -Europa,
e deixa por seus procuradores aos Srs. Jose Jacin-
tho de Medeiros e Francisco do Couto Guimaraes.
Felisberto de Medeiros Barbosa.
Na rna do Barao da Victorii n. 38 precisa-s-
allar ao Sr. vigario Andre Curen-o do Araujo Pe
elr?, t negocio de seu intoresse.
Na rua larga do Jtosario n. 21, loja de cal-
cado, precisa-se de nma ama que saiba comprar e
cozinhar.
100^000 de gratificacao
Engenho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracunhaem, a escrava Maria, crionla, 50 annos
de idade, poaco mais ou mends, baixa, grossa, cor
prett, rosto alquebrado, pe"s seccos o espanados,
dedos curtos, cabellos braneos, canellas finas, tem
dous signaes cabelludos no queixo, e e bem ladi-
na. A pessoa que entregar esta escrava ou ao seu
iono, que e o senhor do engenho aciraa, Lauren-
tino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, I' andar. sera
ecompensada com a quantia de 1005.
Recreio dramatico.
De ordem do Sr. presidente da assemble* geral
sao convidados todos os Srs. socios para se reun
rem em assemblea geral no domingo 15 do co
rente, as 10 horas da manna, no lugar do costu
me, afim de ter lugar a eleicao da directoria e d_
commissSo de contas, segundo esta disposto no "
1 do art. 4., 2 do art. 5. dos respectivos esta
tutos.
Encruzilhada, 9 do marco de 1874.
O 2 secretario,
Fobio Cama.
Pede-se ao Sr. consul portuguez que haja de
designar o dia em que tenham de ser pagos os
credores do espolio do fallecido portuguez Fran-
cisco da Costa Basto, uma vez que ja decorreram
mais de seis mezes.
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, situado na pro-
viccia de \lagoas, comarca do Porto Calvo, a
menos de uma legoa distante do porto de mar do
Gamella, tem oxcellentes terras, matas, e safreja
regularmeate 2,(00 paes : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.
Altencao.
Fugio do cugenho Firmeza. n.i freguezia da
Escada, no dia 11 de fevereiro, o escravo Al-
bino, crioulo, com os seguintes signaes; cor
preta, idade de 20 annos, alto, corpo regular, bo-
nita figura olhos um pouco esbranquicados, tem
de um lado das costas um carocinho a seme-
lhanca de uma jabaticaba. Pede-se as autorida
des pohciaes e capitaes de campo a apprehensao
do dito escravo, podendo entrega-lo no dito en-
genhoonna rua do Torres n. 12, escriptorio,
Escrava fugida
Cutinda a esiar fugida desdeo dia 11 de Janeiro
a escrava de nome Bernarda, idade 30 annos, pou -
co mais ou menos, tem os olhos um pouco abo-
toados e o andar moderado, traja vestido e chale
pretos, costuma mudar trajos, tem uma cicatriz na
perna esquerda, anda dizendo cue o senhor mor-
reu e deixou ella forra, esta 14 para o Cabo por
ter la um filho de nome Felix : e por isso roga-se
as autoridades policiaes ou aos capitaes de campo
a apprehensao da dita escrava, levando a ao Ca-
minho Novo, a sua senhora, sitio n. 110, ou na
rua da Caciraba n. 1, que se recompensara gene-
rosamente.
fO bacharel Pedro Gaudiano de Ratise *
Silva tem estabelecido sua banca de ad- 9t
vocacia no escriptorio dos Srs. Drs To- fit
lentino de Carvalho e Oliveira, i rua 1.*
*? de Marco, outr'ora do Crespo, sobrado
-** n. 18, !. andar, onde o poderao pro-
curar os que o quizerem bonrar com
^ sua confianca; op em sua residencla :
w n ma Velha, easa n. 30,
DE
Cordeiro Simoes & C.
Acabam do receber pelo vapor Mendozu :
Riquissimos cortes de gorgurlo de seda lisos e
com listras achamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjas, trancas, botde.j, fivellas, etc.
Riquissimos chapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Wi E. A. DELOUCHE.
49-Rna do Marquez de Olinda
Acaba de receber urn grande sortimento ie-
logios americanos para parede e mesa, (' orda
de 24 horas e de corda-de 8 dias, com dc ;. i tador
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de ouro patente inglez verdad iros, dos-
eoberto com ponteiro grande no meiv, dos mais
modernos e do melhor fabricante de l/ndres.
Grande sortimento de relogios da prata, prata
dourada, cobertos e descobertc?. Ditos de prata
foliada (plaque1 ), orifontal e patente, de todo
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e ocnlos de todas as qualidades.
Verdadeiros vidros de chnstal da Rccha, para
vista cansada.
Vende-se tudo por preco mais barato que em
ontra qualquer parte._____________________
Apreciem eomo se \ende barato
S6o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA DAS 8 POM
DE
Ouilherme & C^
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
droes, e que se yende pelo diminuto preco de 200
rs. o covado 11 t
METIM
Metim tran^ado, padr3es bonitos, a 320 rs. o
covado 11 I
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padroes, pelo diminuto prcc,o de 320 rs. o co-
vado 11 f
LAS ESC0CEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado!!!
CRETONE
Cretone clarose escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado 111
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos do 400 rs. o covado,
e" pechincha 11 I
C6rtes de casemira d3 cores, a 5^(00.
Colchas estampadas e com barra a 3X500 e
4S000.
Coberlas de chila adamascada a 34500.
Lencoes de bramante a 24000.
Dits de algodao a 14100.
Toalf-as alcochoadas, duzia, a 55800
Len^os de cassa com barra a 14000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 24000 a duzia.
Ditos de esguiao abanhados, era caixinhas mo-
dernas, duzia, a 34500.
Cambria transparenle fina a 35000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a 14600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palraos de lar-
gura a 2J500 e 24800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 55000 a peca.
Dito domestico a 35000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado III
Madapoldes trancezes de todas as qualidades de
55 a 84580 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 85500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 445000 a duzia ; e pechincha, so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado; e pechincha, e dio-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das tres portas
DE
Guilhermc & C.
JUNTO A LOJA DA ESQLINA
K PUCKS MUSIMES.
A. J. 25000
13500
tSOOO
1,-000
iruoo
Acabam de publicar sc, e achn-*s I
venda as seguintes musicas :
.PIANO SO'.
Danse espanhola, pur Asclier
Arabella, mazirra, por 5. Wer-
thcimer
Vai.sa do Paosto, por Croyzes
So.mio de uma viRGEM, por Alber-
tflzzi
Anna la Prie, cavatina
AoClair de la Ix.nk. por Bussmeyer IvMQ
KSTRELLA DO N0P.TE 1,, .___, ._,inrt
,, il'oikabnlhante 18000
SaudacAo ao Bahia t
Cricket, por Soixas, otTorecida aos
chrickets club pernainbiicano e
bahiano
PIANO E CANTO.
Desespero, muito tindo romance
por I. Smoltz
Non m'amava, romance por Gucrcia
Tambem reccbeu di Kuropa gran
menide musica para piano, piano
antoudos, mcthodo, <-U\ -tr.
'."000
2-3000
1SO00
' sor-
GHANAUO
Os Srs Joviso Fernandes da Cruz e loaqn m C
mente de Lemos Duarte. io rhamados a rn^ d-j
Coronet Suassuna n. 262, a neoci. de paitinlar
intcresse.
mm
selecta e tte unibigo
(Enxeriada?)
Sapotizeiros
e sap';ieiros de 11 pa ir. i (trn vsfcs) e de toie*
es lamanhos e preiv* m?is cc-mniodos que dan-
tee ; assim eoiM ;is atfoista oulras pbuir.s d>
fructa e de ornato :
Abaoati.
Acacia.
Ariticum n pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do principe.
Conde^a.
Corac.io da India.
Figneira.
Fkambeyant.
!'::' l-pio.
lngado Para.
Jambo.
Jasmini larsnja.
Laranja da China-
Dita do ceo.
E outras plantas : Da
ura n. 20.
Al li-D se uma c tsa '.-
deireiro n. . t : a tratar in rn ,!.
23 oja do So
I aranji cravo.
iiita dc doce do Para
Dila hr>nca.
Dita Ungrriata.
Lima di Persia.
1'ita d.'. umbigo.
Uaaio frafat.
Dito dace, 'nxcrtadn
(I'licnro.
i .\.nii i \ iopcriaL
Parreirw.
f.nheii u
l.i awira*.
Li zeiras.
itoaed
roa da Ven
r.ivrameMo n
Esta
OFINA
! !
ESCRAVO FUIJIDO.
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor
rente, do engenho Serigi, comarca de Gnyanna, o
escravo de nome Jose" Korges, mestre de assnear,
tendo os signaes segninies : cabra, idade 30 an-
no?, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do p6 e>querdo : roga-se a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en
genho, ou nesta prac,a a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serio generosamen-
te recompensados.
encoura^aao
Asnn mok> em p' :. Surm
I unto da ate f i:.- .. fua*n.
Roga-se ao illm. Sr. Ignaci IMn de
jfcriwo na cidade de Naza I ;. pi ri
favor do vir a rua r a. J6, a
:luir aqu^lle negocio nne 8. S
reatisar, pela terceira cbamada deste joraa --'m
fins de dezembro de 187!. c : .- j,sra is
passou a revereiro e abril de 1871,e nada can
s por e>te motivo & de n d pa/^
1m, poisS. S. se deve lembrar p- este Mfo
ie mais de oito annos. e qn ind( o Sr. seu till-
ichava nesta cidade.
Empreza dogaz
A empreza do pz tem i bomn immm
pnblica tjue recelen nltiir
sortimento de loatresde vidro, niiiirs,
dolas e globos, cujas ama-tras esta no esc. ip
a rua do lmperador n. 31, c serio veodi I i
seus freguezes pelo pre; i maii racoavd poscivel
ALUGA-SE
uma casa u.i Capunga, rui das Penum
com coxeira e quart' > fora : a tratar ua rua 4>
Vigario Ti-noho n. 31
Garanhuns.
Na
allar
ose" Paes
*sse
rua do Barao da Vtaorla n. 36, pren?i-<*
aos Srs. Pedro do P.ego Cbaves Pi ii
daSilva, a negocio d* particular
FUGIO
o escravo Juvenal
Foi trajando calja de brim de riscado, camisa
de chila de riscado e chapeo de palba de Italia.
E' de cor parda, de 12 annos de idade, tem falta
de um dentes na frente e e bastante paroleiro :
roga se a apprehensao do mesmo, e conduzi-lo a
rua da <"ruz n. 3 ou conde da Boa-Vista n. SI,
para ser gratificado.
J. Qhacop, guarda-li-
vros da casa commercial de
Basos Silva, roga a todas
as pessoas que se julgarem
seu credor o favor de anmm-
ciai* por estejornal.
Amenco Nunes Correa retira-se para a Eu-
ropa, a tratar de sua sadde, e deixa por seus pro-
curadores os Srs.: era primeiro lugar i capitSo
Ignacio Pedro das Neves, e em segnndo Clemente
Jose de Mendonca.
Perdcii-se
Quem achou ana papafe pertencentes ao padre
Vceote de Felippis, tenha a bondado de levalos a
rua do lmperador, loja de chapios, do Mala, que
sera recompenudo.
Quem precisar : uma pesoa para ama de
easa de homens soMt-ir s, duij-i se a travessa da
ru 4* S. J n 18, uu achara com quem tra-
tar.
Aos senhores de engenho e
outros proprietarios
que pretenderera contratar edincacoes dc predios,
asa s de campo, ou chalets, demareacoes de ter-
as, nivellamentos, assentamnto de maehinas a
vapor, plantas ou outros quaosquer trabalhos nes-
te genero, queiram dirigir-se pessoalmente on por
escripto a A. Coutinho, a rua do Crespo n. 18, !.
andar, escriptorio.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rna do Apollo
f. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agencias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a vista e a prazo
portodosos paquctes.
Offerece-se uma senhora para coser por
machina, em qualquer casa de familia : quem
pretender dirija-se a rua do lmperador n. 44, 3.0
andar.___________a______
0 abaixo assignado faz publico que nesta
data vendeu ao Sr. Jo3o Francisco Henriques a
taverna que tinha, sita a rna do Conde da Boa-
Vista n. 107, livre e desembaracada de udo e
qualquer onus. Recife, 9 de marco de 1874.
Francisco Joaqnim Gomes da Silva.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica de
molhados: na rna do Kangel n 37.
KIDEIKSG
nm-aaqae.de Joaquim Jose Goocalves Beltrio so-
bre o lmnco do Minho, a favor de Manoel Lopei Fi-
gueira, da quantia de 55#, m eda forte : pede se,
portanto,a pessoa queachar,lva-.oa rna de Santo
Amaro n. 40, ou rna Velha n x% que sera re
compensada.
Muito barato
A'u&a-se a tejs do sohr^ fa raa Direita n.
1*0, serve para n nem p nmni modico repartimfnu), tem agnn g*U e apparelh-
d I'moeza, o alngn^l e f,i-. -iv! ; trata-se na rua
do lmperador n. 81, ou a rua da Talma o. *5.
Houbo.
Na noite de 4 para 5 to oott r ra
rua dos Pescadores n. \9, toda roupa di ns>
as iniciaes do abaixo awiignado. iaekuive I
peo de feltro, 1 par de boiinas e 2* em dirb. ii -
o ladrao aproveitandu a oeeaatto cm sue a- i
soas da eaaa dormiam u.i quintal ; entr.in p;
frente na akova e aili pescou tudo qnanto na i
trou Bio so nas canastras p-jr estarnn MMfltM
como fora; de suspendea com iiiOO de u:n qaarto da
casa. Gratifica-se bem a pmtat que descenrir r-w
der noticias certas.
Recife, 3 de marco de 1874.
Launauo Jose Pimenta
Uma escrava boa cozinbeira e lavadeira &ren
da quantia de eem mil reis para completar o pn
co de sua alforria, sujeitando se a fazer kraeta
de seus servicos : a traUr na rua da SoledaoV ii
82, de 6 as 9 boras da manhi de todos os Wm
uteis
a 2 do corrente me/, do engenho Sipacaia, de %t
benbe, o escravo Gerald.*, :6r hem preu, alto aci-
raa do commum, reforcad do"corpo, olhi.s ix-oat-
nos e regalados, tem um trope$o no prinrij.io d*
palavra que parece gago sem o ser, natutal do
C-ara, idade, pouco maij ou menos, ii ann s, I-
vou vestido calca e camisa de algodi, btiv.
tambem um paletot preto ; consta qne elk Mafla
em casa do Sr. Frederico Chaves, mira proximo daquelle engenho, dizendo a qnfir o -
contrava que o mesmo Sr. Chaves o tinha cn-
prado, e com esta noticia reeonea-s* a pobdi,
que pres ou tres soldados, t na oecasiao em qa# *
aproximavam da eaaa daqnelle senhor, en-.intra-
ram dito negro em p4na sna porta, e qoe "rrwa-
tindo que iam em sua captnra, pode evadir-% 4e
novo, e depois desse dia (6 do convnte) inda ni.i
se4eve mais nticia : pede se as aoloridad s eon-
petentes e cafitiea de campo a sna cant- a
Com urgencia
Precisa-se de uma boa cozinbeira para impr.ir
e cozinbar: na rua Velha n. 71, I* andar
mmm
Precisa s alugar am mo nos d" idad.', q-.f seja flel : q em o tiv^ dir:j-
se a rua H-tr-iu do Rosari^ -ohrado n. 33. Na
raesra* ra* Kmeee-se eanwla* pra fonu



I
6
tm*ttofr**b N. 271.
Venda-se ovj trooa-sc ma granile casa de ta-
boa, earna Imperial, com qufntah-ceraB.do, com
panda allti^, Tterilo4to ra 4sttroVJo quintal
que bota para a Imha ferrea, com madeiras no-
vaypreferMo-se a troca -per oma nesta aidade,
o preco 4 li iito co-nraodo : qoem pretender di
rija-se a mesma casa, que aehara com quern tra-
tar.
Furtaram urn cavailo de cor rudado, m 9
greirao, clinas para a direita, pescoeo pedrez a
com dous ferros em seguida urn do outro, e no
quarto esquerdo tem I, signal que trouxe de Pa-
jeu, cujo cavailo foi furtado no dia 16 do eorren-
fo mez, em urn rancho da estrada nova do Caxan-
ga : a pessoa que do mesmo der noticia a Ber
nardo Jos<5 da Roctu, morador em Pajeu, on na
rna Primeiro de Marco n. !8, loja, sera generosa-
mente graiificada.
Recife, 17 de fevereiro de 1*74.
Amada.
Na rua do Barao da Victoria n 36, precisa-se
fallar ao Sr. 2." tenenle lose Mark Pestana, a ne-
gacio de sen interesse.
CASA DA FiTllA
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:000$000.
O abaixo assignado tem sempre exposto a ven
da bilhetes da loteria do Rio, cuja exfraccSo an
nunciara pelos jornaes.
Precos. J
Inteiro 24*000
Meio 124000
Quarto 64000
________________Manoel Martins Fiuza.
Ainda continua fugido o preto fgaaeio, d-
altura regular, secco do corpo, cabeca e pes pe-
quenos, falta de dentes na frente, deve ter cs nds
dos dedos da* maos calejados, do service de padae
ria, r-egula 40 annos de idade, fugi> em 4 de Ja-
neiro proximo passado, cor.sta que anda no Barro,
on entao seguio para o serlao : pede-se as auto-
ridades ou pessoas que o deseubram, a sua cap-
ture, e leva-lo a rua do Lima n. 72, padaria, em
Santo Amaro das Salinas, que se eratificara com
504000._____________ ___________
Rogaseao umSr. Alexandre de Souza Bar-
ros, morador em Gravata de Jaburii, queira fazer
o favor de apparecer na rua do Livraraento n. 12,
a tratar de negocios de seu interesse.______
Dr. Antonio Carlos Perei-
ru de Burgos Ponce de
Leon.
0 bacbaret Adolpho Pereira de
Burgos Ponce de Leon, seus irmaos
ntonio Carlos Pereira de Burgos
Ponce de Leon e D Thereza Ade-
..ide Pereira de Burgos, seuscu-
nhados Carlos Pereira de Burgos e
D. Maria Adelaide Tavares de Bur-
go?, sua avo D. Fraucisca da Cunha Bandeira de
Mello e seus ti >s, do intimo d'alma agradecem a
todos aqu. lies que, amigos e cheios de bondade,
se dignarsm acompanhar ate a sepultura os restos
mortaes de son prezadissimo pai, sogro, filho, ir
mao e cnnhado, o Dr. Antonio Carlos Pereira de
Burgos Ponce de Leon, e com i rofunda ddr pelo
sen passamento, os convi Jam para assistir as mis-
mas que no dia 16 do corrente, as 8 horas da ma-
nna, setimo dia de seu fallecimento, serao cele-
bradas no convento de S. Francisco.
Precisa-se'de
duas amas para
casa de pouca fa-
milia, sendo uma
para cozinhar e outra para engoramar, pre-
ferindo-seescravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar do largo do Paraizo n. 28, 1 e 2
andar.____________'
Ama de leite
Precis a se de ama ama de leite, em filho : na
rua- da Praia n. 83, 3. fcndar.
Prectsa-se afftgar uma ama psc-ravi parj
comprar e cozinhar para uma neduena familia
estrangeira : m rna do Marooez le Olinta n 49,
Precisa se de uma ama para cozin
_ e qud
compre : na traveaaa do Corpo Santo n. fa
Na rua larga do Rosario n. 21, loja Ae cal-'
(ado, precisa-se de uma ama que saiba coBhhar e
comprar.
A rna Preeisa se de uma ama para cozinhar1
em esa de bomem sciteiro
pateo da Penba n. 8.
a tratar no
AMA
numero 28.
Precisa-se denma ama que
saiba cozinhar e eomprar pa-
ra pouta gente : .a rna Nova
A1A
Preetea-sede nma afta
eozinhar : no -patw do'
*.n.____
A If k Preeisa se de unja^ama,; aaical
II /l casade rapazaoBeiro, aandqjpai
Ill -'i ra cozinhar e engommar, prefe-:
rindo-se moca : a tratar na rua de Pedro AfTon-
so n. 25, antlga rna da Praia.
uma grande casa de familia, na Capnnga. raa da
Ventura n. 21, teudo quartos fotaj -iaatofro, co-j
cheira, gallmaeiro, etc., etc.; aiiratarnrilwsma
casa.
Joaquim Jose Gomes retira-se para Eutopa
a tratar de sna saiide, e dnrante ,'ua attsehcia
deixa por seus procuradores: em! l. lrigar aeu ao-
cio Bento Jos6 da Silva, gereote de sua; casa, !
Manoel Ferreira Mattonnhos e 3.' es Sta.' Csrva-
Iho & Souza.
Recife, 11 de margo de 1874.
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dlra quem
vende 60 palmos de terreno, em Belem.
ATTENCAO
Autouio JuseiRadiignteft
de Souza; era seu escriptorio
a rua do Crespo n. 6, compra
escravos das diversas cores,
sexos e idades.
VNOAS

Sx\m-Parriiha
Vfende sSrhnfto 'noVa'ptt rolos pequ'ehn?,
gada ultimamente : na rna do Bom Jesus n.
cho.-
7.
iQMMAdt RJ ANGHt
TIU
>mwjm hfflmmi
rtA
LOJA DO PAVAO
NA
Rua
da Imperatriz
PARA LIQUIDAR
n.
60
'i!j
ft rarHA<
run
. M mmmimi* tu *\ ':
GRAINS
de&mti
iu doctear
^4-Cores
ar1
I fero enfi
Parish
g^osdesaddeI
lodauiomuncjL:
6 BiHlbor ttiwi*
Dlil dos purgantes cqI* I
hecidos. Hhuaer*- I
mm IHlaiaeackeir I
eiUtrM 'e*e bmv [
dlcanpBto. Eiigir,
an tinto msauu
;- of lelreiro, aqai Jtnto;
bazar mmm
atoBarlo BE
0 Yiamia.
GROSDENAPLES PRETO A <200, 2^000 E
2500.
0 Pavao vende grande sortimento de gros-
denaples preto de pura seda, a 19806,
15800, 25000 e'2300 o covado, tendo
tambern do mais largo e raais encorpado que
costuma a vir ao rriercado, e vende por pre-
50 em conta.
1 p
alia t-trmj, 13, rua'd'Antin.
* n *
Francisco Antunes Ferreira e sua
familia, convidam a seas parentes e
amigos para no dia 14 do corren-
te, as 7 boras da manha, assistirem
a uma missa que teem de mandar
dizer por alma de sua prezada no-
" ra, na capella de SaLto Amaro das
3 inas.
Francisco Joaquira da Costa
Fialho.
Candida Msria de Amorim Fia-
lho, lilho.-, georo e noras, agra-
decem a fidas as possoas que se
dignaram acompanhar o cadaver
de seu marido, pai e s^gro ao ce-
miterio, e convidam para assistirem
as micsas que mandara rezar no
- html.> 14 do correnlr, pelas 7 1|2 horas da
:*nha, no convento da Gloria, pelo que desde
i se confessam tnuito grato^.
Joaquim Claudio Monteiro, Zeno-
Ma Sophia Monteiro, Ildcfonso
Claudio Monteiro, agradecem a to-
das as pesoas da cidado da Escada,
que acompanharam ate a ma-
triz e d'ahi ao ceiniterio, os restos
mortaes de seu prezado irmao Jos6
Aoffonso Monteiro, e convidam a.os amigos do fal-
lecido o caridoso obzequio do as'sistirem a missa
de setimo dia, a li do corrente as 6 horas da
manha, na igreja do cuuvento da Gloria Nao
pedem dtixar de testemnnhar ao Sr. tenente co-
ronel Antonio Gonc^ilves Ferreira os servijos, os
ebzequio1-, e a grande voutado dc sempre se pres-
tar como urn verdadeiro amigo durat.te a sua en-
I rmidade ahi, ate" o seu ultimo momento.
I>*. ?ie3stiiSo Gnnralvcs da
Silva.
0 Dr. Ludgero Gon'jalves da Sil
va, residente no Rio de Janeiro
e represeniado nesta capital por
seu bastante proenrador e sobri-
nho Joio Jose do Carvalho Moraes,
convida seus parentes o amigos, c
bam assim aos de seu fiaado irmao
Dr. Sebastian Gncaives da Silva, para que se
ilignem assistir no dia 16 do corrente as 8 horas
da rnnnhS. no convento de S. Francisco ao me-
menlo e missas, que se rezara e serao celebradas
per alma do mesmo sou finado irmao ante os
.-ens restos mortaes. vindos aa Europa no vapor
''lenM'Zn; e pelo presente tamhem mnito agra-
dece a t-dns aqnelles qite comparecerem a este
'to de religiao e caridade.
Llnii pssoa competentemenle habiiiiada pro-
poe-se i faier escripturacao por partidf.s dobra-
das cirn todo cuidado e esmero que 6 possivel :
quem de seu preslims se quizer ulilisar, dirija-se a
l ua d Guia n. M.
Uyisv*
Antonio Jose Rodrigues de Senza, em sen es-
criptorio a rua do Crespo n. 6, compra, por bons
precos, escravos das diversas c5res, sexos e
dados.
Aluga*se
uma sala na rua Duqne de Caxias n. 61, propria
para advogado ou cartorio : a tratar na loja.
Precisa se fallar com o Si-. Jose Maria Go-
mes Braga, lilho de Joao Antonio Gomes Braga,
natural da cidade de Braga, e de D. Anna Emilia
Correia Braga, da cidade do Porto ; isto a negbcio
de seu interesse : na rua do Conde da Boa Vista
n. 26, ou rua da Imperatriz n. 20.
Grande reuniao!
li todos
Republicanos e monarcbistas.
DemocrafraS' e" arlslocrWa's'.
Federados e confederados,
Communalistas e communistas.
Catholrcos velbns oui novos.
Todos deve m Ir
Reumdos ou tifio rednldos
Faaer emquanto antes
Suas encommendas
Dos saborofflM (HIajs
Tao preconisados!
Para tranquilidade das pessoas que teem pe-
nhores em poder do abaixo assignado, declara o
me-mo, que os objectos roubados eram seus e
estavam fora do cofre de sua casa, onde esUlo
guard ados os objectos dados em penbor, em cuio
cofre os gaiatos nao ousaram tocar. Recife, 2 de
marco de 1874.
Julio Isaac.
Atten^ao
0 Dr. Amaro Joaquim Fonseca de Albuquerque
declara a seus devedores que se acham em mora,
que Hies concede o improrogavol prazo de 3D (Mas,
contados desta data, para virem saidar os mesmos
debitos, sob pena de, sem excepcao algnroa, findo
o indicado prazo, ser promovidoo-recebimento jn-
dicialmente. Recife, 6 de marco de 1874.
Mob-ilia de aluguel
Aiugam se mobiiias completas, ou qnalquer
traste separado, cadeiras em qualquer quantidade
para festas e bailes. per preco commodo : na rna
do Barao da Victoria, armazens de mot.ilias, do
Pinto, ns. 57 e 58.
ALUGA-SE
o sitio Chacon, na Casa Forte, com diversas casas
para familias, ditas para criados, com cocheira,
cacimba com boa agua e com bomba, tem diver-
sas plantas de capim, proprias para qualquer esta-
cao do anno, e duas excelientes plantas de canna,
perto do banlio e da estacao do mesmo nome : a
tratar no mesmo sitio.
Fabricados a capricho
Bos'pa6teteifos
So e somente
Na eonfeiiaria do Campos
*<8 4, Impornder 91.
VER
Aluga-se o 2 andar e sotao do sobrado sito
a rua da Imperatriz n. 53 : a tratar no 2 andar
do mesmo, ou na rua do Barao da Victoria n. 57.
.4liga-se
Soeiedade Monte-Pio Santo
Amaro.
I' ordero do Sr. presidente Anlonio Jeronvmo
Hiveira, sab convldadns todos os Srs. socios,
ra co i-pareccrem no domingo 15 no correnle,
' !i ras da manhS, afim de reunides em as-
geral, tratar-se da prosperidade da mes-
lade.
uma boa casa com sitio. tendo bastantes arvore-
dos, na Capunga, rua das Pernambucanas n. 58,
achara no mesmo com quem tratar.
Arrenda-se o cngenhoS. Joe, em Serinhaem,
com bons terrenos para safrejar 2,000 paes, rouitos
d'agua : a tratar no Recife, com Gabriel Antonio
de Castro Qnintaes, ou no engenho Amaragi (de
bestas) na freguezia da Escada, com o Dr. Jose
Eugenio da Silva Ramos.
Precisa se de duas amas estrangeiras, sendo
uma para tratar de urr.a rnenina de seis mezes c a
outra para engommar: a tratar no largo do Corpo
Saulo n. 6,ou no sitio, no Manguinho n. 104.
ALLGA=S
o 2' andar do sobrado n. 52 da rua Marquez de
Olinda : a tratar^armazoa em do mesmo predio.
SiJio lit) Arraial.
^Alugase um sitio no Arraial, proximo a esta-
gao da Casa A.-narella turn minnto) com exellen-
tes casa de moradia, tendo os stguintes commo-
dos : 5 quartos, 2 salas, cozinha externa, terra-
- ret na Jj soeiedade Monte-Po Santo Amaro, co, casa de banho e diversas fructeiras. Aluga se
A Nova Esperanca, a rna Doque de Caxias n. 63,
apressa-se em convidar a seus- fregnezes. com es-
pecialidade ao bello s9io a virem apreciar os se-
guintes artigos expostos-a vends e todos por preeos
coramodos, como tejam :
FfNAS BON'ECAS rnansas e choronas.
BONfTAS' E ENGRACADAS vistas para sterios-
copios.
COMM0l>AS LATAS para gdSrdar cha.
ELEGANTES BOLSAS para sehboras e meninas.
BONITOS VASOS com Una baflha e cheirosos
extractos, trazendo cada frasco um no.Tie, uma ini-
ciaF on um distieo.
FfNAS MEIAS Dfi SEDA, vindo entre ellas cor
de came.
Para quem goslar.
A' Nova Esperanija a rUa Duque do Caxias- n.
63, acaba de receber tentos e caixae para o joao de
Voltarette.
Para pen s< IFre das pefvas.
A Nova Esperanja, a roa Dui|ue de Caxias n.
63, acaba de reeeber a* procuradas meias de bor-
racha para quem soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova ESperanca, a ma Duque de Caxias n.
63, acaba de reeeber um lindo e completo sorti-
mento de ffftres arlificiaes das raelhcres que tem
vindo ao mercado
A ellas antes qae se acabem.
Costumes pai'U erku^a.
A Nova Esperanca, a rua Duque de I'axias n.
63, acaba dereceber borntos costnmes para criaaca
e esta se vendeudo por precos razoaveis.
1S KRT0808
A N-rra Espcrnnea, a rua Duque de Caxias n.
63, rscebeu um peqneno sortimento de annois e
pulseiras elcctricas, proprias paf a quem soffre do!
nervos.
A' eWfes^ttido^Jtafceleeimento tem chfr
gado nm bom sortimento de machinas para
<-raiimIina
0 r*. o
pretii a
coviulo.
0 Pavao vende granadina preta e lavrada
pelo barato proco de 500 rs. o covado.
GHALES PRETO DE GUIPURE A 4&0O0.
0 Pav8o vende chales de tres pontas, sen-
Pouco mofo.
. Mizas
Brim pardo muito flno a 400 rs. o covado : so
na rua do Queimado n. 43 : aproveitem que e pe-
chincha, na loja de Guerra 4 Fernandes.
I marco de Wn;
0 I.' secretario,
Francisco Cypriano da Silva Santos.
- Prectsa-se de uma ama para casa de duas
pessoM, para cozinhar e engommar : naruaOi
rate n. iB, primeiro andar.
A mesa n-gedora da irmandaie de N. S. da
Coneeigio dos Militares declara qus a ninguem
encarregou de ver der os solos dos seas sobrados
IS. 49f 51, sitosarna do Barao da Victoria, e
j-1ule.-ta contra se-nelbante venda, por pertence-
rein dit*s solos ao patrimooio da mesma irman-
hde. Recife, 11 de marco de 1874.
0 secretario
LeopolJo Ucb'Ja.
Imww.
I'reci.-a so de 1:000* a juros sob hypotheca em
redlos : quem quizer dar, doixe carta nesta ly
pographia com as iniciaes J. M. A.
tambern uma outra casa no mesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas, cozinha externa, agua de beber
e um bom quintal por c.immodo preco : a tratar
na rua Primeiro de Marco n. 16, 1. andar.
Era consequencia das oh ras que tem de ser
feitas na sala em que funcciona a recebedoria de
rendas intemas geraes, passa a funccionar ella,
do dia 13 do corrente em diante, na sala do pa-
vimento terreo do lado da rna do Imperador 4
ediiicio em que trabaiba a assemblea provincial.
Recebedoria de Pernambuco, 12 de marco de
1874.
0 adminislrador.
Manoel Caraeiro de Sonza Lacerda.
ebinezas
a /60 rs. o covado
Na rua do Queimado n. 43, cenfrente da
praeinba da rndepemiettcta.
Aproveitem que sire barato.
Larinhas a chlneza comi padrqeside furtac5res,
propria para vestidos, pfelb dfmmuto preco de
160 reis o covado, so na loja de Guerra e Fer-
nandes.
'Dao se amostras.
rrrian'dado e Nossa Senbora da Coocei^ao
di s Militares.
Devendatorminar no fnturo mezde abril 0 tem-
per que Warn irrendadis m lojas dos sobra-
dos os. 3, %9 e 51; sitas a roa do DarSo da "Victo-
ria desta -idade, ptrtencentes ,io patrim.inio da
Tmanda-ie de N' S. da: Conceigao dos Militares,
recebe a me^r^dora^lfa'mesma irmandade, no
dia li do current, as 7 boras,da noite, no cansis-
tono a mesma igrrtja, jir.opwtas para o novo ar-
rendamenti, qiie >t-'wera =er d<> tres annos
Recife, 10 de marpo de 187*.
0 secV.ft i
________________LeApolHo Vfhfa
Ala^-e'o qujrto aAtfer do.prtdlo n.'STdi
rua do Bom Jesus, amigamente roa da Cruz f a
tratar na -mestaa rna n. 55.
0 abaixo assignado, reiirandose para Eu-
ropa e nao podendo pessabnente despedir-se de
todos seus amigos pela presteea de sua viigem, o
faz Delo presente, e Ihes offerece seu dimiMitd
prestimo na cidade do Porto, aonde *ai resiair
temporariamente.
Jose da Silva Araujo.
Ac^oes entre amigos. I
Deixa de correr coin ; 2." loteria dp curente
mez a de um anel de brilhaflte ( em Pao d"A1ho)
que correra com a ultima do presente mel de
raarca.
venoe se uma tavnra na nra das Carro-
C?s, esquiaa da rua de S. Joao, cdrn boa casa de
vivenda e bastante* eommodos par-" fkrnlra : quem
pretende-la 4irija se a mesma.
Vende-se
costdtra, do todw^s antores mms acrdita^ j ^ de f&I* wdadeiro, pelo barato pre-
do ultimnentoBa'EBropa, enjns machinas |'de *W0Ocada um
fcfco- ^arantS'das por um-nftno, e tendo um
Jierfeito artiste oara enshinr as mesmas, ein
qualqder'. parie desta cidade^ como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambom d'um
anno seni despftndio algum do cbrhprador.
Meste estabelecirilento tambern ha pertencas
para as mesmas machinas e se suppre qual-
quer pee,a que seja necessario. Kstas ma-
chinas trabalhart com Wda a perfoi$8o de
ura e dous pospbfttos, franie e" borda toda
qualquer costura por fina que scia, seus
pregos s8o da seguintequali-iade : para tra-
balbar a mao de 3O000, 405JOO)-. 45^000
e 502>000, para trabalhar cOm o fte sao de
8Woo, 90^000, ioo?*oeo, 1 j 05000,
1203000, 1309000, 1505000,2005009 e
2505000, emquanto aos autores nao ha nl-
teracSo de" precos, e os corapradores poderao
visitor este estabelecimente, que muito de-
verao gostar pela variedade de objector que
ha semprs para vender, como sejam : cadei-
ras para viegem, malas para viagero, cadei-
ras para-safas> ditas de balanco, dhas para
crian^a (altas) ^ ditas para escolas, costurei-
ras riquissima, para Senhora, despensaveis
para criancas, detodasasqualidades, camas
de ferro para homem e crian^aa, capaehos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos de metal para cha", fa-
3ueiros com cabo de metal e de marfim,
itos avulsos, coUieres de metal lino, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatories completos, ditoa
simples, objeetos para toilette, e outros mm-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nha ate as 9 horas da noute &
Rua do Barao da Victoria n.
__________22^__________
Alvi<;araSo
Veuham todos apressados
E com o boleoe recheados,
Do Campos ao ^rmazein ;
Venham, nao falte ningum
Ver o grande sortimanto
(Um verdadeiro porleato)
Que para a qnaresma tem ;
Comprebendem ? ora bem I
E' com as tripus nulando de contentamento que
me apresento ante a onda gastronoroica das sa-
bias e illustres barrigas pernambucanas, felicitan-
do-as por ja se acharem livre da pena de iaterdic-
to e poderem sem receio de alguma indigestaoex-
commungada, comerem os raais linos e saborosos
comestives, coadjnvados por uma cascata de vi-
nhos de toda* as quaKdades, deixando a quem
dezejar o direito de gritar: viva o triumpho das
barrigas II..
Ma?, como ia dizendo, nao podia deixa r de
aeontecer assim, considerando-se como foi sabia e
bem barrigalraente planejado o ataque das bar-
rigas grandes, eontra a mcio dos baadulhos ca-
ninos, quo ostrificados a idea ficticia do infer-
no bicho inventado pelas grandes barrigas, pa-
ra horrorharem as barrigas sem tripas, sustenta-
yam a mais abturda das monstruosidade3 : a
infallibilidade do principal bojo do amor as avessas
e de tripas dadas e a forga de tripadas queriam
hypocritamentc alimentarem a pelludae famigera-
da -ex-queslao do dia centopi5a negra que en-
rolada no capote chamuscado da inquisicao, pre-
tendia assar o mundo das barrigas, privando an-
tes a bumanidade de ganhar dinheiro e de em
tempos c< mo este de quaresma :
Uadapolito enfestado a 3-000
a pecn.
0 Pavao vende pegas de madapolao en-
festado, pelo barato preco de 39000 a pe$a.
Ditas sem ser enfestado, com 20 jardas, a
55000. Ditas com 24 jardas muito boa
lazenda, a 65000, 65500 e 75000.
ALPACAS PRETAS A 500, 640 E 800 RS.
0 Pavao tem um grande "sortimento de
alpacas pretas, qne vendea 500, 640 e 800
rs. o covado, assim como grande sorti-
mento de cantoes, bombazinas, princezas
pretas, merinos, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
LAZ NHAS DE ORES A280,330 E AOORS
0 Pavao vende bonitas lazinhas de cores
para vestidos, a 280, 320 e W rs. u co-
vado tendo ate a 15000, sendo das mais Hta
das que tem vindo ao mercado, assim como
granadinas de seda com os raais delicados
padroes, a 640 rs. o covado.
Scilinhas a 15000.
0 Pav5o venda sedas com listrinhas de
cores a 15600 o covado. Ditas com pal-
minhas a 25000. Ditas com toque da mofo
a 15O00 e I5i00.
CAMBRAIA VICTORIA A 45000, 45500,
05000 E 75000.
0 Pav3o vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada pec_a, pelos baratos precos
de 45000, 45500, 55000, 65000 e 7*000
a peca, assim como, ditas de salpico bran-
co, a "000, e pechincha.
CAfttSAS FRASCEZAS A >6HO,
35000 E 39500.
0 Pavao vende um bonito sortimento de
camitas franceaas con peko de Rigwdao, a
25000 c 25500. Ditas com peito de linho
de 35000 a 69000. ftrtas bordmks muito
frnas de 650C0 a 105000: assim como
grande sortimento de ceroulas'de lioho e de
algodio, por precos baratos, e tambern tem
completo sorrirnento de punhos e collarinbos
tanto de Hhho como'de algodao, por precos
em conta.
Espartllhoa a 35QO. 45000 e
0 Pavao vende um bonito sortirnento de
espartirhos modernos a 3550t>, 4^000 e
55000, assim como um bonito sortimento
desaias brancas, bo rd ad as, a 90000 e 65000.
e ditas de lasinha de cores a 85000': i pe-
chincha.
OORTISAflOS BORDADO^PARACAMAE
JANELUS, DE T# ATE" 265000 0 PAR
0 Pavao vende um grande sortimento de
cortinados borJados, proprias para cama e
janeHas, polo hereto pre^o de T5000,85000,
10^000 ate 255600, assim como : coins
c*e darmseo de linwito fina de 165000
125006 tada uma.
BRAMANTES A 15806, 25000 E 25500.
0 Pavao vende bratnantes para lenc6es,
tendo 10 palmos de largura, sendo o de
algodao a l#86fre 29000 a vara, e de linho
a SHOO, 25860 e 356O0 a vara: e pechin-
cha.
GA8EMIAAS A 65000, 45000 E 75666.
O Pavao vende cortes de oasemtras para
catcas, sendo padroes modernos, pelo bara-
to pre^o de 65000, 6*000 e 15006 o corte,
assim como : panoos pretea dos I meUiom
que tem vindo ao mercado, de 45000, 85 e
105000.
ROUPA FT.ITA.
0 Pavao vende ama grande porcio d
roupa feita, sendo : palitots, Irakes de ca-
semira preta-e de cores, asshn eotto : finis-
simos sobrecasacos de panno preto, e cal-
r;as de casemira preta e de brim braneo, col-
letes de todas as quali.lados, por prero>
muito eommodos, por querer ceabar corr.
toda a roupa quo tem em casa.
is
Acba-se constantemente aberto o estabeleciraen'o do PAVAO, das 6 horas da manb*
9 de noite.
IABRTCAS DE
DE PEEPS
uvm DES01.
DK
urna arma(So cnvidragada, prppnia egetiD,-Ha rua de Marcdlo Dras n. 11, por barato
preco : a tratar no Caminho .N'ovo n. 62.
' Vende-se a taverda da rua de
68. em Afogados, e o molivo
pTaflW: atratarna mesma.
S. Miguel n.
se dint ao com-
deiquinto e decimos
de iDeos n 38.
vende-se
r
__
na rua da Madre
Tanques de ferro.
Venae-se doro, iriaq^ularea,, proprfos;para na-
viog ?mu rna da Unlao n. 67.
De fazerem penitencias
Enchendo bem as barrigas,
Pois nao e tempo do brigas,
E sim 6, de abstinencias.
Mas, como ia contango, custou, pc-rem aOnal,
depois da rasorada que lhe passou no pescoeo os
poderes pederosos, a cabeca foi parar no fun-
do do rio a o rabo, como ruim de esfollar, ficou
no secco exposto aos pontapes de qualquer gato
pingado, deixando e verdaJe, magra as collegas
barrigas, que despeitadas vao tratar de se nutri-
rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im-
perador n. 58, onle com certeza encontrario alera
do que desejarem. o seguinte : ovas de diversos
peixes e de bacalhao ; peixe3 de vinte mialidades
em conservas, sardinhas em latas, camarSes sec-
cos, bacalhao, pescadas, sardas, lagostas, salmao,
batatas, arroz, feijao, cebotes, azeite, vinagre ;
manleijia ingleza e franceza; doces, fructas e
etneoenta qualidades de vinhos finos do Porto e
oolras tantas de outros lugaros mais afamados -de
Portugal, alera de um completo sortiraento de ace-
pipes raros, deliciosos e que
Cahindo em qualquer barriga
Faz a melhor digestao,
E nao faz mat a boxiga,
Como eomendo, verao.
Mas, como ia faltendo, iaraos erttrar na vida de
outr'ora, isto e, Da fifroca das festas, e portanto
vamos ter festas, festas e mais festas, e como todos
eomem das festas, visto que uma narte da para as
fesias e tres recebem psffa preparar as festas, e
lodico que o bregeiro dinheiro que anda tao vas-
MA-UEL & MAKSTRAU
lliui do Barao da Victoria n. 23
"SOI! IV A !>A t: A M H 0 V 1 0 C A I; M <
Rua Duque de Caxias n. 04.
-rios destes estabelecimentos participam ao rspeitavel publi ,# ^
ti sempre um completo o vuiiado sortimento de chape* s <- ; tamanhos ; tendo rosolviio fazer reducc.'ni was wcyw I >- an -,
i i iir;oes de poderem vcnler mais barato que em out- ,
>Jos oe seus artigos cm direitara, i1 aohaMe um ilos s k .- m .r
iiiincipaes fabricas.
iij:u .1 ultenjao dossnhores hgistas para rfsharem seus *Li!i c i
pregos e boas qualidades dos arligo, nau dettario de compra .
Cobrem-se e concertam-se chapeos de sol de todas as qu li lades, c^-ri
precos modi cos.
)S pr -'
Ire. : ze .
da. .; i;
e ' lf!.-
vif; rect
pen "Mini j.s
vista dos
e a
n-.i-;;
:>tida>
SAB.\0 DO RIO DE JANEIRO a 200 rs. r> kilo, no armazem da ru3 do Amorim n. 41,
rle Jose Domingues do Carmo e Silva.
GAZA SvCOO a lata, no armazem da rua do Amorim ti. II, de lose :>wjiesdo
<.irmo e Silva.
?WHO MUSCATEL de uva brauca, pura, de custo da -235000, DO .: I / xa k ia <\
Amorim n. 41, de Jose Dominates do Carmo e Silva.
(iHANDE
:
que
fDa quinta do Meneres
ExeeMenta vinhn.verflp fl i.v* n, Q .. r ., :qeirp, saia dos cofres dos amantes orthodoxos e
*r.?_'!!nr'Jv,.aB0'wrfle *-uv* P**.. ej ww se ^a familiansando com as algibeiras vasias do
......
5

Compra-se nm lustre de crystal para tenha de 4 a 6 brajos ; assim comaramiOBtro ai
queno de dous bicos : na ran da Palma, vmH
a. 71. .
ATIiO
endese a tav^roa'da rna lib Wlaflo do Bispo
temnoucis fundos e nJrMriai.Darai,anaJqfier
"nre, a casa tem Comc.dos para fcflifia :
ndentes inja-se ritt dp,,iI\oiario da Bca-
'n. 98.
Armacvto
;>Te#de-se nma arma'cSo de araarelic, c-m'boia
Udo : a'trttar na rtia Pnmeird de Marco n. fo.
WJa.
aeeessitadasje e zem do Campos a rna do Imperador n. 28, prepa-
ranem-se para a.quaresma, tempo de abstinencias
e no qual se come sem licenea, comprarsm o que
ha ide mais tpstoso, saboroso, cheiroso e tudo-que
; csba ein ouso.
Dizer aos amantes
Dos generos espectaes
Qde-*e- querem1 **r,JlWizes
Vehaam js-e-quanto antes
Saber a causa mbtr'ir
Dd Campos nlo ter rivae?
E pwder so fOrnecer
DeHas, go^toWe prar.
tVi
iLiiiiiiVnA
Km
(irosdenaple preto
Seado lisos e de cordao, e o raais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminutos
pregos de 2SI00, 23800, 3*200 e 3*300.
SO" NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES PORTAS DE
Guilherme & C.
Junto a loja da esquina
Nao ha mais cabellos
braoeos.
S6 e uuieaapprovada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido W6 hoje. Deposito princi-
pal i rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
nko.
I As Ulricas verdadein-i
iJicnas riaraourgu"ia.- nw %em a este; -rcado
na rur Marou-v d<* i>'fnin n. SI

- Wii-.iu Ruwe & C vaiidfm n > tea u
i rua de f.ommorei i a. li :
0 v>ri3d"tro ppnno'dn algodao r-^' incri
I ExceHenM nu de vela.
\ Cognac de 1* qualidade
I Vinho de Bordeaux.
I Carvao de Pedra de todas as qnalidadea.
I Farinha de mandioca nova.
Recentemeate cbefada de Santa Caftarina tea?
para vender an trapiehe Companhia, e'para trata"
no sen escriptorio a rna do Commcrdo n. S, Joa-
quinWosGotn;lfes'Baltr8oA- Filho. 'Advertnd'-
aos compradrres qoe tfesejando aoalar, vendee
maistarato'dio que enyqaafrnier odlnHiarte, tan-
to em grandes como em pequeoas porcoes.
Linao chfariz.
VEM-SE
uuia casa na villa de Barreiros, na rua do Com-
lerclo, por preco mottteo : a tratar earn Tasso
'rraaes 4 C
Barato que admira.
Ka loja daeis oort*s,-em-frente do L-ivramen-
to, Icontiuda haver om eaapftto sertimento de
fexendas baratas, como sejam :
thita'matij;adas a SWrs. o covado.
Ditas de bTWnhcrs a 540' rs. o covado. /
., -4- Vende-se um' bonito escravo.de 18 annos de wtis*e coberta. mederiMto, a'580 rs. o-covado. ,
idadepor l:300<, optirao para cop'eiro ou b'oieeiro : LSWde cCreSa 320 rs. ocoraflo.
a tmtar no pateo da Ribelra, no portao do ma- Tudo mais em proporcSo, e so com a vista o
meeiro. freguez podera avaliar.
Ifenio-ss aor preco barato am rico chafaria
de iiarawre traprio pura jardlm, o qnal seacha
armido na eficiha de marmote do Sr. LiBu.
rua do Imperador para quem o quizer ver:
tratar na rua do Creapo, loja d > Passo iuni.
arco de Santo Antonio.
Eugenlio 4 venda.
Vende-se o engenho Palauo, sito na Hha 4V
rtsmarsca, tf'revJronrdo ha poneo tempo ein tertv
da sitio Soccorro Acha-se o refttma aagwBBa
motsnte e correme e e a vapor, sendo-e respectivo
terreno assas prodnctivo de canna, mandioea, bm-
lho, feijao etc. Al^m dos- terrenos de plantacio,
ha uma bea soiti par* gado, mnkas fBret frac-
tiferas, inclusive coqurtros e optimoi Ingares pan
grandes viveiros. A sitaacio da casa de vivenda
e agradavel, e o clima e passadio da Uha de Ita-
maraca sao muito apreciavcis, alto de dtaBls
Vantagens qne enm a viita melhor conbeearl c
comprador, dingindo-se ao referido engfoho, en
informando-se aa rna do Atalho n. '9. tregoesu
da Boa visu, -JtltiW i' baita fl'agua.
----------------------:----------------:-------U-=....... -
Pechinha graorie em cam-
braia
. tfts'-rfiiftOa-paca; 6 o n. W fl fna d:
Orespo, fo^a flaS'trW'pWtis, de GuflWHWlkC,
junto a loja da esquina.
J

1


/--*?
-
=
_
tStJi* J4*1t&r

d*
tazeiwks finas
CorcTeiro Simoea<&iC.
E' esla.uinaidas iasasjjae bojei pad* com-pri-
mal" 0Hr8W^Ms;s.,iraji6,uin vaciadieai*
rao sorliiHento de iaaend^s.fjnas-. para,grand* toi-
lette, e bem assim para usO ordifiarld de todas a*
classes, e por-pre^TfcttAjosos, das quaes faz um
pequenorasumo.
Mandara faaendas as casas.- dos preteodeqtes,
Pa%Pqi^ tern, pessoaj nece&ariQ, adJo,aniqstras
Cortesde sedj.de JlBda6re*.
Grosdanaplas de tddas as cores.
Gorgurao branco, lizo, de lisIras, preto; etc
Satim Macao, preto e4ecpras,:
Gresdenaples preto.
"** *Hbw> preto.
uranadine de seda, prela e^de cores.
JJftf-jHioas de Iindos ipadroes.
"' }e seda, branco e preto.
flwas basquinas de seda.
Gasaeosdd mermd de^eores, la, etc.
Mania* brasitoiras.
Cortes uw caabraia-liraoca. com iindos borda-
dos,
Rfc^ts capellas e mantas parar noivas.
Biquissimo -sortmteMO de Us com Hstras de
seda.
Cambraias de cores.
Pjlas maripinas, brancas, liias.,e bordadas.
irantuques de liiidos padroes,
Bfc*ttst9,-pfi Percabra* d quadros, pretos e francos, Ifstras,
etc,, etc.
Brins de linho de cue,, aronryv?-. uara vestidGS-,
com fcarra e listras.
Ricos cortes de vestido de linho. sites da
meetaa cor, ultima mode
Bitos.de cambraia. de cures.
r uslao de lindas yrts,-.
Saias bordadas para senhoras.
Carnteas- bordadas-para senhoras,.de Jinnb e al-
godao.
SoxtinMnto- deluws- da vardadtira:, fatorica de
Jouvin, para hoinuas e senhonu.
VestuariOs para ntenieye.
BrtOypara-baplirado.
Chapeos para dito.
Toalhas e guardanapos adamajcados- daliato ae
cor, para mesa.
Colchas de la.
Cortinados bordados.
Oramte-sorMmen** de eawisas- deilinh*, mas e
bordadas, para houiens.
Meias de core* para. Inxaoas, iBuoioos ei menj.
nas.
Oitas escocezas.
Completo sortimento de chapeos de sol para ho,
meose setmoras:
Merino de corespara vestrdo*.
Dito preto, trancado e dito de verio.
AtoaJuado de linho e al^udjo. par* taalhas.
Aloalh'ado pardo.
Daraasco deli;
Brins de linho, braneo de"J6**s!e pr*to.
Setim de-iiodas -.cures cooiilisttas.
Chales de merino de cores e pretos.
Ditos da caserajra.
rto de seda preta etle cores: -
Ditos de touquim.
CamisaadacBHa.para humeas:
Ditas de flaaella.
Ceroulasde unuo ealgouao.
Pannos de crochet para soft, eatfeirar e eonse*
Lsaces bordados e de labjtirithe.
Colchas de crochet
Tarlalana de tolas as cons.
Ricos cortes de vestidos de. tarlalana, bordados
para cortes.
ESpar tHrtevllsosy bwdades.1
Foulard d seda, riddbs i cores..
Meias daseda .para senhoraa e meaiaas-.
Ricas faxbas-de seda o la pap, senhoras,
Rico sortimento de leqaes: de raadreperolas* e
05SO.
Damasco de seda.
Casemira preU e.docores.
Chitas, madapolao, pahno fino preto'e ul,.col-
larinhos, pnnhos de linho e algodao, gravatas, lu-
vaS'de fie de Escosxia, ?apetes de toilos os lama- .
nhotybotssHdetviagem, pert-i bordados paraho-
rneoe, len^is de livlto braucweda cores, toalhaa,,
guardanaooa, elcn etc _____
f.
____
E I
RBTBGZeftUAfcfl>i r
pAo
DE
TODAS
Am
CORES
Accessor^'
BAftA.
I
I
kt
m
-i
0
rBn*i
PARTE
Gom as falsifioa^oes que, torn iapparecido
MS MACHINAS PARA COSTUR
DE
m
00-

Nfenlxuraa ma-
chinaSinger & legi-
tiraa sje nad levar
estamarca fixa no
bra^p da' machina.
Para.eyitarfalsi-
fica^oea notem-se
bom todos os-deta-
lhe?.' ds marca: .
I
o
.eg.
X'

A ditiheiro e a prazo!
A contento das Exmas.. familias
rs

A! rtm Io ('rcspo n. SO
Loja das 3 portas
LAZIHAi
Cliegou esta fazdn-l.., oom padroea inieiramente
novoB, a.ase 9e vende pelo diminuto preco de JCO
rs. o covaao : islo por ter e:and'- qnaotiaade.
SO' NA RfJA DO GFfg*0W 20
l-ojn do
Guillienne &(3\, junto albja
dw esqnia*
'mi ----II I'lH.' I
V code-seas casas terrea^ segointas.:
Rua 2i de JT4io (eutr'ora dosOssos) n*. 2^6 4.
Rua do Fogo n. 2.
Rut. do Pad** F4orfcno n,3>.
Travessa da Boraba n. S.
Becco do Padre Lobato n.8 A.
Becco do caes da Cadela-nova ns. 3 e 5.
A tratar no Largo do Canno n. i.
W"
Sao maibjbaratas.
Sao do do os pospontos.
Sao simples.
Sao capidas.
Sfio duradouras.
MACHINAS DE SINGER
Sao de dous pospxtntos.
Abainbam.
Franzem
Pregam tran(j86.
Marcam pregas,
Bordam de liuba de seda.
Akolchoam.
Pregam cordoos.
UNICA AOENCIA
EM

mmm gcmar&es & iiaos
Aciba, do receber um. grande sortimeu'.o. d*. faaendas pretas para qua-
C0J40 SBJAM
45 RUA DO IMPEMDOIl 45
OROSDF.NAPLE PRETO 4 lj800.
Veiide-se.grosdepaple p-ety para vestido .
de senborns, a i980U, l#, af.,'4J>, e aj) o
covado.
PATJN'v) rRETPOA,:2^.oO.
Ydnde-se pantio: prcfo 'de'du'as larguras^
para cal^as epalxtdts, a 250i, 39, 39300,
49,.a 699. O1 o'covado.
C011TES DE GASEMIRA' PRETA A 5*009.
Vende-sbfortes do casernifa preta para
calr.as, a.5969;,79 e 89.0i>0 o corte.
MEKkVQ rRETO^A 29800.
Ven':e serocrln^'gretO fino, a fftDO d
"39800 o covado.
BOMBAZ NA PRETA A 19S00.,
Vende-se bonibai na preta enrestada, a
,19500, 1J580O o 290^0 o covado.
ALPACA" PRETA A 500 RSf
Vcude se alpaca, urt.'ta fma, a 500, 640,
600 rs. e 1901/0 o covado,
FAlENDAS UK CORES Z CAMBRAIA
BR^KCA A 3iOrO.
VendjB-.se pe^as de cambraiabrfneatrahs-
parcnte a39, blL$ty e 69090, ditas-de cam-
braia tapada,,,\iv;tori., a-3!j,,' 39SO0, 49
e 55000.
CORTLNADOS PARA CAMA A 1G9O06-
Vende.se cortiuados bordadds pdr'atcarha,
a 1-69, 209. 25 r 3o9<>00.
CA^jBK IA DE' CORES'A 300 RS..
Vende-se cambfaia^de cores fnms, miudas,
a 300, 320 o 360 rs. 0 covano
CHITAS LARGAS A 2t0 fiS,,
Vcnde-su chitas largas para vestidos< a
240, 320 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A 10600;
Vendc-se bramante com 10 p.ilmos de
largo, a.19600, l*8t0 e 295'0 o metro. .
. MADiCOLAfr A 39000,
Vende a 39000. Dito inglez a 49500, 59 0,
5,5500;. 69000, 7^000 0 8900J peesa.
cor*iKados: para jA^ellas a 89000,
Vtnde-se o par de cortinados bordados.
para janells,,a 89 e 1090' 0 o par.
ALGODAO A 49000.
Vcade-se pega's de algodao, a i^/ 59 e
69000.
CBROliRASA <9dfl0.
VendeTso oeroulasde-algodao, a 19003,
ditas linas de bramaiito- a 19500 e 29 cada
uma- ... ...
CAAIISA& RRANCASA 2S90OO-
Voudorsu camjsas. IwancaSr finas, a 29,
20500,. 39- e49O00.
BRl.NS DE CORES A 400R9.
Vende'-se'JBrih-srJe1cbi^s pra^erafi^&, 400,
e 500 lrs. o cov**>.
Cfll' E# A 9WV8;
VihiM) se^halt-sde'lft a Wo rs., cha!esde
meMhrJ'de cores-," a 29J,'3?i; 49'e 59n00.;
coiackw weTc(JRks 2*oo.
Vcltde'Sfccofcha^'de cores para czma", a
29i 39D0Od 49000H
ClttTA-8%e CO^ A 360 RS.
Vende-sachitas finas de cores, p 360 e 400
?; o eoV46*dl
AEPACAS Bft CORES A 500 RS.
Vende-se alpSChsflnas dtf cores, a 500,
640 fe800 rs. 0 coyadb:
TA'PETfiS A 49300
Vettde-se tapeufc pata salas, de dlve'rsos'
EEKC.OS' RRINCOS A 29000.
Ven.de-so ieogos braocos fiuos, a 29000,
295100, e 39 a duzia, ditos de linbo, a 49,
59 a 69000 a duzia.
GRDCtlEB PARA CADE1RAS A 19500.
Verlde-se |iann.os de croc be para cjdeir; s,
a 19500 cada um, colcbas de di 0 para
noiyas*.
MADAPOLAO FRANCEZ A 79000.
Vcnde-sc pe^as de madapolao francez
tnuit>. Ono,. a 79, 89 e 1O9UO0.
BRnH'ARDO' A 400 RS^ 0 COVADO.
Tunde; se brim pardo para calgas, a 400
ts. o covado*
CORTES DE. CASEMIRA DE 69000.
Vende-ss coVtes de casemira do cores para
calaw,! a W,^95p0 e 09O0O.
GROSDEKAI'LE PRETO.
Vende-se grosdenaple preto com 4 1/2
l-almos de largura,a 59 0 covado.
ESC.L1AO FINO A 29000.
Vt ride se csqniao fino de lioho, a 29,
2?.'i00, 3d e.49 0 metro.
CHll AS PA HA COBERTA A 280 RS.
Vende-se cbi'tas para coberta, a 280 e 400
r-. ooovadp., ......, ,
BRIM BRANCO A U000.
Vunde-se brim branco de linho, a 19,
19280, iCGOO e 29 0, metro.
BRhTANlIA DE L1ISUO A 640 RS.
Vcnde-fo bretatiba de linho, a G40 rs. a
ra. .
FLiNE'LLA HE CORES A 800 RS.
A'endorse flanella de cores, a 800 rs. 0
covado.,
COBERTORES. DE ALGODAO A 19400.
Vende-se cobertoresde pello a 19400.
Cobertas de child a 19800 e 29. ditas en-
cerna .as, (orradas, a 49, no Bazar National,
rua dn luippratriz n. 72..
CORTKS DE CASSA A 39000.
Vende-se cortes de cassa miudas a 39
cada ,. 1
GRAVATAS PARA SENUORA A I9I1OO.
Vend*! se grjvatas para senhoras, a 19,
ditas para homens a 500 rs.
ALGODAO ENFESTADO A 19C0O.
Vendp se algodao eufestado para len^6es,
a 1^000 a vara.,
GRANDE SORTIMENTO DE ROUPA FEITA
NAGIONAL.
Vende sepalhdrs depanno preto, a 59, "9,
Ue lO^DOO.
Vende-se palit6ts de alpaca preta, a 39,
39500 e 4?000.
de panno, a 49,
a 3&, 39300 e
Vende-se caleas pretas
6$, 79 e 89000.
Vende-se colletes pretos,
49J0O.
Vende-se ceroolas, a 1#, 19500, 29 e
30000..-.
Vende-se camisas brancas, a 2$, 29500,
89 e 490OO.
Vende-se CGmisas de chit'.s, a 1900, 2^>
e 3-iK)(i.
CHITAS PRETAS A 320 RS.
Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 360
rs. 0 covado.
LAZINHA A 200 RS.
Vende-se lizinhas para v(slides, a 200,
320, 400 e 300 rs. 0 covado. No Bazar
tamanhos, a 49^00:, 59,"'09 e 8900* cada''Naciopal. rua da Imperatriz n. 72, de Men-
um. Ides GuimarScs dlrmaos.
ao.
E' bantu.
r?tlVeBdS*e metins de- Hndosf padree*; far. nda
boat petebaraM preco de;wo rs> o coraio : a roa
do Crespo n. 23 A, loja da etquina. Dao-se anw-
tras._______________________
Salsaparrilha de A'yer
TABA PUKIFICAR O SAXGCifc
Oreboitae de true gottt eMe etc
ctllcotcwiaediofc derido a mllha-
res de cons que tern operado, ma-
itas das qUMS sK>-rerddeimnt
mrTUhaM. InBomWH tie os
casos em que o syslhema, parecen-
do satnrado da -pttdrtdfc emW
nri*rter eaw>llwHj tim sido
promptamente restituido a saiide.
f Afc affiecSes fe deSftfMtt, ateravtf.
das pela coptm>n<;o nrofulo,
aM produzirm dores mortiflcantes,
te**tatm radical t taM grahnnte 'cunldW -pop ellc, em
toiM 0. peaMB do Mm o publip) l.Profta de Mr
infbrmado da* snas virtudii e do mWo 0 veneno escrofuloso c am do? tatiatHeWbuUum immigo*
da raca humana. Ora, secjiota&^e occnltt e traiopeframente
do nosso organismo e deTra>o1fraCo e irierme con&a'molestias
MAw.( Oii pattntela a (rifecc&^afau* eoNOnpcn 0 corpo
c entao, era m omen to opportuno, larra i^jiidamepte sob algu-
raa de sdSs hediondas formas; isV na' citMlJ4 bos orgtoa*
Note ultimo casofrdspeMaymidlMi**zeaiitubjeotM
dos Culmoes. no figado, no coracio, etc., quandonao se maa-
WW em *npc6>5, 'httiofes.-'et*;'
A'inima tain perigoao- e taoi pert*o;nnnt'-dTe RUA DO RANGEL N. 3
Armazens de seccos e molhados
TEM PARA DWTINCTIVODO ESTABELECIMENTO UM GALLO BRANCO, PISTADO^
PARA AL-1UMA PESSOA QUE IGNORE A LEITURA.
Rodriguesi<6 Pites, regressados em Pernambucoi cidade do Recife, successores do
armazem do Gallo, & rua do Algibeves, em I.isboa, omais afamado econhecido armazem
naquella cidade, capricham sempre em ter generosde primeira qualidade, dos quaes dao
aos seus numerosos fregaezes um conhecimento mais prolongado na rela^ao abafxo des-
'eripta :
Oque e" bom e" caro
Palavra bemdita qae nunca faltou.
Cha perola lino, a 59000 a libra.
raarida, e'p.'"'01'^* ~i inpre nijfl,.)krqae combattel-o.
nun, iMWdl pj,arccere**s prop** iym/rffew*** ortfmt,
da S^SAl'-UB/ifljl DE AXMM podem eritar
ados funestos.
AVpCMoasqae softrrn de mr^tptfat/T09 rf S. An-
tonio, liartroi. Enpiotn*, J|>h^iHii> Tnmtire*)
Plcerat, e sensibuidadf dotorosa noe" onvidos, olios, fie.;
Ar bob oseda) VypfHa ou Indigttom, lly&ropeiia,
ratgia e de varias oftras afTe7e^e?oW!strth?nlatnnsciilar e
neprtso, nrHmtinni|irii?lriiiiinirtat>tiliaiifa ir in
JtTZH.i DE A.TEH.
A Syphilis oa Molesliai Ttnerems slo enradas com 0
mi uso, potto qe seja neceaaarwrjaai*: dlUtade espaeo de
tempo para subjugar tarn impertinentes enfermidades.
A Leueorrhta, on Elores Brancas, aa nlceracSes-nteri-
intetm geral a aaolestias da mierei aiftamlxjDi Allivia-
das e riteriormente cura4as por sen eflejto,purificador,
O Xheumatismo e a Gotta, quando cansados pof ac^*-'
mulacoes de Biajej^as extranhaa ao aangne, cedem-Hie facfl-
BtoA*, d mesmc- rnoao o jtMkU Fiffma*, Osmgntto ou
Inflammacao do Figado, Ictericia, quango sao oriuudaa
de mans residue* no sangue.
A SalaapauTilha e ana excellente reataurador da
forca tIkot do lyaUieina. -
Assim, todos os qne soflrerem Zangtior, Phlegma, Dts-
tiaios. Insomnia e que sao incoramoaados com Appre-
htnsoes e Tenuru Xervosos ou qualquer outra affoocSo
provemeate de Debilidade, acharao So seu poder TVKmdol
o mais seguro expediente d prompta curt.
I'RErABAPA POB
J. C. Ayer & Ca^ Xowell, Mass., E. V.
Chimicoa Praeticos a Analytical.
VENDS 6B1 FOR
Dito raiudinho super-fino, a 49000 aii-
ora.
Dito popular, fino*, a 39000 a libra,
Maoteiga ingleza fior. em barril a 1960O.
Dita ditafina, em latas, a 19500.
DiUJ, dita, dita e dita,.a 19400b
Azeite de peiie-baleia, a640 rs a garra-
liMl
Dito.de coco, firio, [a 80O rs. a garrafa.
Di*o.doce e carrapato.
Aguardentedo caldo. da- oanau-, feita.de:
eneomoaeada, a-500 rs,. a garrafa.
Ditepopular a 330 e 240 rs. a garrafa.
Dita branca, a 200 rs. a garrafa.
Camaroes seccos j a 500 rs. a libra.
Oueijos frescos empellicados, preco cobv
modo.
Ca6Caade coco para lavar ease, a 100 e
laftrss
Fariiiba fina de Muribeca.
Vassouras de piassava para service iiitec-
no, a 244) rs.
: Ditas grandes a 500 rs.
Masses para sdpa de todas as qualida,
des
Vinbo tin to e branoo, superiores, engar-
rafados eetn pi pas. E outros artigotque, sera
enfadonho annumerait, em S9c.co e mo-
lhados, por ser extenae.
Os; verdadeiros
^Vinhes^do BbiiEgogne
das vareas
Chaflabertin
Pommard
Virits
Volneyi
Beanne'
Monthelie
Dito BOrdetur-era quartollas.
Ycntepsc w barato prew
PARA LIQU1DACAO DE CONTAS
fei
Bum Lara do KUstarlo 34.
!(
J
Cfe^os para soithwa-.
A loja do Passo a rua ftimeiro de Marco n*
7 A, recebeu pelo oltimo paquele, rrm rico sorti
mento de chapeos para senfaora, ultima mOda
vende por prego commodo.
ATTENMQ.
Paxis n'America^,a, ruaDu-
que de Gaxia n; 5 9
p.rimeiro andar, acaba de receber um comphMO
Sortimento de calcado? pstrangeiro* panuhoroeav e
smhora, vindo en'tr-e elle iun/liado >80f tipsntft 0>
clcgflBtes chiquitos, sapatinbos e botidaa paua
crian5as,.que.tudo vende W pretos razoavei*.
Lindas 13s escocez;a^
De varios padroa*, e inteirajnente moieroas, a
360 rs. o covado. na roa Primeiro de^ Marco
augga do C^spoin'. 18; i0ja das colnmnas, de An-
tmA) Comia ie VaMnetog.
Gimernto
---------
Vnde se na nra At Matre de Deos n: 32;- pel*
meior preeo, posabrtty verdadeiro cimento Por-
tland, vinda pc-lo aliimo vapor inglez, de carga.

or-:
Ciilio
V.'ndcm-se duas caas re ^itas a rua da
Coae. nlia ns. ISi e 1S3 : a tratar na nra do
Apollo n. 51.
XiUVU
'
VeBde-.se uma casa a VMto do Cbo, a rua Da:i
que de Caxias n. 64, cum os segulntes commodos J
4 salas, 5 qnartOs, 1 gabinete, cozinha fora, ejuin
tal bem plantado' detsrvorSs--de rfttetol. A tratsr
com o proprietario oa i^esaaji casa.
Vernlzes cspeciaes f** mm-
geas,
Efite vernir | coja falta> acfu* tanto sentem
os Srei fabricanWs e poesuidores' de carroa-
genSj aCaba-de'ebegar parseuunico depo-
sito, das seguintes qualidades.
VERWZ' SUPKRF1NO PAiRA CAIXAS DE
CARRHsAOfiNS.
E' um vermz- Bftuito clavo e duravel para
as< eaiias de! carraagtasv i perai todas as de-
rnaos, ou para a ultima somente, sobre
outros vemizes. A superftcie secca em 12
boras, depeis das.quaes- so expoe ao ar por
algum tempo, o que fazndwrecr, e passa-
das 15 a 1$ boras pod paasar-se a caixa a
pedra pome- e dar-lbe em. seguida outra de-
mSo. I)ao-se com facilirlade tres deinio's
deste verniz sabre as tintas, em tres dias;
A primeira demao servindo de apoareJbo,
ajnda1 a seccaras-uliimas demaos e preduz
um excellente brilho.
Vttrnfs superior seeeaate para
carruan.
Este vewr&e d8Tne&ma cerqu8 oante
cedente.raae 'endorece e secca- com. mais ran
pidez. Emprega-se I com' bom exito nas
obras urgentes, e pode misturar-se com o
arrtenori A- durac*o donrajwiz permanente
diminue na preporpJO daimistura.
VERNKI9UHEM0R BUSTfGCO PARA. OS
JOG*- DA* OAiR&UAGENS'
Nao etao clavo oprao o verniz para, as
cakas das-earruagena. Emprega-se noa jo-
ges das- carruagens e tarabem para aa pri-
roeiras detaaos sobe cores, esouras. Pode
passaiHse a pedra-pome passadas 10 boras,
podend dap Vernizpreto rio-Jap&o, superior.
i Para trabaihos em preto. de carruagens;
Predux o preto mais esouro e-btiilbante, e
p6de passar-se a pedra pomaaiMb boras 6V
pois. Dor* dar-se duas demaos sobre um
{undo preto e cobrir-se com outras duas de
verniz qnee emprega,pas oaixa*da6 carrua-
gens.
VBRMIZ PARA- CORRO*, BHULHANT E
ELASH!flO.
l Este vernia* contendomaiso* composi^lo
grande quantidad* d'uma.substaniia muito
semaibante -ao azeite- denomiimdo pteds b&ufo
& o unico que cbi fle*ibiliuade aocourove-
flio enveniisado. Era- geral baeta uma .det
mao quadewe saeappiicada' muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter litape
o couro om^n-aas> Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 bares, eft sombua.inas ao ar
secca em 4 Em tempo humido e inutil tal
trabalho,- per que nao e possival tornar o
verniz elastico e seccante ao mesmo tempo,
YerniB para upparcllko.
Depois dei-tan. appboacto ft oo-ademSos
deste'vernia n.'ura interrallo.d&8 boras, de-
ra-s&deisar a-obra iatsota por 2 ou 3 dias,
no fina dos quaes se poxle pulir com extre
ma facmesdade. E' esseocialmonte ueties-
sario cobrir esto neaniz.-eoni dtp? .'> K>
vefna suparfnso paraakias de corrua-
VERNIZ SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequent mais faeilmente e para lhes dar
mais eonsistencia.
Como nao e necessario dar lustro a ultima
demao de verniz empregado nas caixas dt
carruagens e no dos jogos, convem da k
n'um local separado aonde nao haja po
Quando a obra urge,- deve pOr-se i sotnbrr
e ao ar livre depois de secco, isto 6, passa-
das 42 boras, lava-se e enxuga-se bem core
uma esponja humida. Quantas mais vezes
se fixer isto, mais brilhante ficari o verniz.
e mais depressa ss terminara a carruageu
(em caso necessario tres dias depois da ulti
ma demao). Durante as duas ou tres pri
raeiras semanas deve-se lavar a carruagea
com agua f re sea, depois de ter ser
Mb.
Os frascos devem conservarrse sempn
hermetieamente tapados, o resto do vernu
nao se deve deixar ficar no frasco, e pddt
usar-se para as primeiras demaos.
Diao deve misturar-se com este verniz ne
nhum outro ingrediente, nem agua-raz, t
do nenhum modo com o seccante. E' pre
eiso limpar bem os vasos e os pinceis, e c
melhor 6 servir um piucel para cada ver
nix.
Depesito unico para- o Brasil, Bartbolo
meu 4 C, Pernambuco, Rua do Rosa
rio n. 34.
Bazar Victoria.
' Amaral Naboeo A C, vendem eiejtantes figuras
de bronze a de porceiana, jarros e porla-artOes
d& porceiana, espelho?, atoalhado branco e de co-
res, de linho e de algodSo, guardanapos de linbo,
granges e peqoeno!, e outros muftos artigosaa-
eeesarios q proprios para detoro de uma casa: no
Basari Vittoria, a, ran do Barao da Victoria,^ %
as.
i Amarai >"alnKo i 4 Cu vendem bandejas de cha-
rao de 12 a 30 pollegadas e de gosto iateiramen-
bj nova e de ,m*tal., talnbeni bonfla pintnra e o>
nrrersoStamaDrios : no'Bazar Victoria a- %
r>-~tr
Ik C. Bojte.
Tem para te rd' :
- 'Oogaae de Heabeqsn saperior e verdadelrc
Viuao ,Xere daAmaibere* qualidivie*r
t Bjftg^pAaiiosfwa,
' ChS yireto em- lattjn- de 10 libra*:
l Todai aa preMracateichimiicasidoiDn Aver
anoaaem d^rqod^Qo Terren em Beberibe.
Na rna do Imperadpr n. 57, lofa, se djra' quem
Venae porprejo corximodc-, trnt terreio erb Bebe-
rib ne lugar Araaiintia, uooj mil palmos de
frenta e 800 de funds ; tambern se relalaa, se o
aumero de pretendentes fur sufflcieote para todo
o terreno.
Artesqne seaci'm
VenJe-se 12 de Iindos padrSes a ^00 rs. o cova-
do. : na rua do Crespo n. 23 A, loja da esqaina ;
dao se amostras.
PREDILEC1A
A' rua do CabiiKa. n I A.
Os proprielarios da Predilerta, no ialuito it
conservar o bom oonceito que tccin merecido do
respeitavel pubfico, distinguindo o seu eaUbeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo genero
veera scientiflcar aos seus bons fregoeies que pra-
veniram aos sens correspondentes nas diversas j.ar-
;as d'Enropa para lhes enviareni por todos o pa-
qaetes os objecio: de luxo e bum gosto, qae se-
jam mais bem aeettos pelas sociedatJes elegante*
daquelles pai&es, visto aproximar se o tempo *>
festa, em que o hello sexo desta l mais ostcnta a riqueza de suas loillettes : e co-
mo ja recebessem pels paquele francez diverse
artigos da ultima modi, veem patentear algun;
d'eutre elles que se tornam mais recornmendavets.
esperando do respeitavel publico a rniinnsaia
concurrencia.
Aderecos de unarnga os mais Iindos qae teeai
vindo ao mercado.
Albons com ricas capas de madreperola e A*
velludo, sendo diversoe tamauuos e baraios pre-
os
Aderecos completes de borra. Iia pr prios para
It to, tambem se vendem meios aderecos maito bo-
nitos.
Botdes de selku preto e de cures para ornato 4e
veslidos de sechora ; umbem tern para collete
pafitot
Bolsas para senhoras, existe um hello sortimen-
to de seda, de palha, de cbagrim. etc., etc., por
baralo preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de lonca
como de cera, de borracha e de ma-a chama-
mos a attencSo das Exmas. Sras. para este artign,
pois as vezes tornam-se as crianeas um poaco im-
pertinentes por falu de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e coin peftos bordados
para homem, veudem-se por preen commodo.
Ceruulas de linho e de algodic, de di versos pre-
cos.
Caixinhas com mu>ica, o que h.i dc mais lir.-jw,
com disticos nas tanipas e prabrios para presen-
tes.
Coques os mais modernos e dc diver.-os forma-
tos.
Chapeos para senhora. Beceheram um sortime&U)
da ultima moda, tanto para se&bora, como para
menin.is.
Capellas simples e eom veo para noivas.
Caleas bordadas para menina^.
Entrenieios esUimpados e bordados, de liudxe
desenhos.
Escovas electricas para denies, tf ra a propi i-
dade de evitar a carie dos deni -.
Franjas de seda preta* e dc cores, exi.-te tua
grande sortimento de divercas laxguraa e baralo
prer;o.
Fitas de sarja, de gorgurio, de setim e de cta-
nialote, de diversas isrguras e bonilas cores.
Facuas de gorgurao muiti lindas.
Flores aruficiaes. A Predilecta prima era coB-
serVar sempre um bello e grande ortimentn des-
tas flo es, nao so para enfeite dos c^bi-llos, como
tambem para ornato dc vestido de noivas.
Galoes de algodao, de li e de seda, braocos, pr-
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Laeos de cambraia e de seda do diversas coret
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva,
Livfos para ouvir missa, com capas de madre-
Serola, marfim, os-^o e velludo, tudo que ha d
om.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os *-
hel-os ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola. marfim, osso e dourados por barato pre^o.
Perfumarias. Keste anigo esia a Pr- dileeta Ban
provida, nao so em extraclos, com" em oleo> *
banhas dos melhores odores, dos mais afanu
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygie..
Coudray, Gosnel e Itimcl ; sao iodispeusaveis pa-1
a fesla.
Saias bordadas para senhora, por comn,
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para I.; -
tisados.
Tapetes. BeCebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de di versos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
YesUmentas para, baptisado o que ha de me" -r
gosto e os mais modernc s .recebeu a Predilecta
de or ar.to preco, para Hear ao alcance
qualquer bolsa.
Rua do Cabugan. 1
liraiwlc pechiidtt a 200 rs o
Cassa la, padroes novos, e de mais gosto ojm
p vindo ao mercado, so na rua do Qaeuaate
i3, loja de Guerra & Fernacdes, pelo dimina-
oreco de 200 rs. o covado I
theguem freguezea que se acaba _______
Fogao de ferro economioo
Vende se um chegado ha peucos dias. tendo I r-
nalbas para lenha e carrio, forno para asm,
deposito para agua quente e lugar para >e guar-
dar quente as comidas depois de feitas; estes fo-
goes tornam-se rccommendaveis porque sao de
ferro batido, e fabricados cum pcrfcicSo e coai-
nham com mui ditainuta lenha: na rua do Apolki
n. 20___________________________ _____
AGL'AS ALCALINU GAZOSAS DAS V 1>RAS
SAEGADAS
VILLA POCCA DE ACLIAR
Bicafbonatadas-sodicas
Analyses do Dr. Joti Julio ftodrigtm, tttrtt
da escola polytechnica de I.isboa
Esta excellente agu*, usada com vantageni
padeeimentos das vias digestivas, orinn? i1*. 1-
estomagi, etc., etc. : vend* se oa puarnia ia e
drogaria a rua larga do BMario a 3i.
Vende-se um rico planno mvo, muito fur
e de excellentes votes, a tratar na rua do Car'.
de S. Borja n. 29 ; na mesma caa teem para trn-
der-se nma boa mobilia de jacaranda, cm ftora
uso e em perfeito estado.
Cabriolet
Vendese dous cabriotosa de quatro raaas. scad
um pintado a forrado de oovo, teado bolca fota,
var5es e lanca ; tambem se vende dus cavall
e um arreio : para vdr tudo ua cocheira da rua
da Boda n. 60, e para tratar na rua do Marquea
de Olinda a. 6, com Bodrigues litnaos A Gaima-
raes. _________
Gaz a 5^ a lata, do melbor qne vem a este mercado, da
a rca de Henry Forster k C, com a quantidade
corapleta do liquiio: bos armazens de Jose Do-
mingue* do Carmo o Silva, a rua da Madre de
Deus p. 10, e rua do Amorim n. 41,__________
Rtia Direita n. 43.
Neste estabelecknento eoncertam-e chap, os oV
palha, seda e velludo, para seabura* a menmas :
sendo formas das mais moderoas ate hoje chega-
das. Tambem se concerlam chapeos de todas at
qualidades, para homens, garamindo-se a perfei-
cio dqs concertos.
No mesino estabeiacirnento tea did lindo sot-
timento do chapeos de palha, dos mais m< ;nos,
eofeitados com muito gosto, e pelos precos de <6A\,
I8ie20/. '
Chapeos de seda e de vellodo, f rmas modernas
para 10a e 12#.
Para iHto-i-Cflaptoapaia seahoras a 10* e 12*
e para meninas a 8J._____________________t
Vendem
! Wifaoiv Ifewe & C.
Em seu armazem a rua do Trapiehs n. 1%, aaa>
guinte:
Algodao azul amensano.
Fio de vela.
Carvio de pedra de todas as qnalidadV
Tudo muito barato.
Baliza
Neste estabelecimento vende-se milho novo as
sacco com Ik euias a i*o00.
i
J




8
Diario de fefM&bucO Sexta feira 13 de Marco de 1874
*]

JDR1SPRUDEWCIA
DIREITO CRIMINAL.
Tem procedimento pu-
blico on paiticul.ros cri
mes referiitost na 2- parte
do art. 19 da leide SO
de setembro do i71t
Qual ;i aut.iridade cora-
pelenle para julgar esse*
crimes ?
A disposicAo da art. 19 da lei de 20 de
setembro de 1871, suscita diversas ques-
to s, qu.i, ua pratica, ddo lugar a senas
diffi-uldades
A nova rcforma judiciaria, alterando o
codigo criminal, e puuin.in o crime com-
mettido por imprudencia impericia ou
falta do obsorvaucia de algum regulamento,
deixou de classificar devidamente ass* novo
delicti), eomo Ihe cumpria, de conformida-
de com a classiticacao feita pelo nosso co-
digo criminal.
Aoin ao menos o reformador decUrou a
auto.'ida le a quem compete o julgamento
de taes crimes, para obviar atgumas dessas
difll-u Hides.
Nada disto fez, e, ua pratica, vacilia-se
nio *6 sobre a autori iade competenle para
0 julgunento de taes crimes, cuja penahda-
de 6" do5 dias a 6 mezes de prisaocomo
sobre o prosedimento que por elles tem lu-
gar.
Pelo oossj codigo os crimes sdo publicos,
particuUres ou policiaes ; e, de eouformi-
dade com essa divisa >, e cjui a penalidade
para cada urn delies estabelecida, e segun-
do a doutrina dos arts. 37 e 74 do cudigo
do processo, e que se sabe quando tem
competeucia a justice publica para proceder
eontra os criminosos.
0 tbvrmometro, pois, da accdo publica e
a penalidade do crime ou a sua quali-
ddde.
Ora, nao tendo o citado art. 19 declara-
do, se os crimes, nelle espeoificados, eram
publicos, particulares ou policiaes, mas s6-
menlo a peoaliiade delies, da isso lugar a
duvidar-so, so a acgdo contra os referidos
crimes 6 publica ou particular.
Feiizmente para a la parte do citado ar-
tigo, quo faz a preseute questao, tamos o
art. 37 do codigo do process), que da a*
juslica o direito de accusar os crimes de bo-
raicdio, e como nesse artigo se trata de
bomicidio, ainda que inv luutario, parece-
nos que ao promotor compete official oes-
ses c.isos.
Resta, porem, a ifficuldade da 2* parte,
isto e, sobre o crime de ferimentos e otlen-
sas physicas involuntarias.
Quando esses ferimentos tivesseru as clas-
tiAcagdes dos arts. 202, 203 e 204, pare-
ee-nos tambem, em vista do citado art. do
codigo dc processo, que compete a accdo a
jaettca.
Quando, porem, os ferimentos tivecoru. a
ciassificacao do art. 205 ?
Quando foreru if'YeS $
Eis a ".*iiicuIdada que nao ousamos solver
S que traz graves embarugos ua pratica.
Se esse novo delicto fosse classilicado de-
vidamente, o embaraco desappareceria e
nao linhamos necessidade de recorrer a in-
uipretacoes, que serao sempre diversas,
conforme for a inlelligeucia dos quo tiverem
de solver a questao.
Tcmos ouvido, que, no caso dos ferimen-
tos involuntarios sere.n os do art. 205, tam-
bem compete a justice officiar, porque, pe-
los ferimentos graves, sdo competentes os
promntores para a donuncia.
Divergimos co.apletamente; porque a
iustiga officia nos casos de ferimentos do
art. 205 do codigo, em virtude da pena,
que nao admitte fianca, e isto por forQi da
disposic.80 do art. 74 4 do codigo do pro-
cesso ; entretanto que, pelo crime de feri-
mentos involuntarios, e a pena de5 dias
d 6 mezes de prisdo e por esse crime se
livram soltos os reos.
A razao, poi*. nao A a mesraa para ter
lugar a accusacdo publica nos crimes de
ferimentos involuntarios.
Grave tambem nos parece a 2a questao
sobre o processo a se?uir-se nesses casos.
O proeesso sera" ordinario on summario ?
isto e, compete ao jury o julgaraento de
taes crimes ou as outras autoridades.
Pelo art. 12 7* do citado Cod. do
Proc. competia aos juizes do paz o julga-
mentode crimes a que nao estivcsse impos-
ta panamaiorde LMftf, prisao, degredo ou
desterro ate 6 mezes com rnulta ou se^
ella
Pela lei de 3 de dezembro de 1841 pas- ousaria m-sma transmittir as vossas pro-
sou tal aUribui.c3o para as autoridades po- postas pira Versailles. F.quei pois ma-
liciaese para s juiws municipaes. logrado, ecoio nlo tiqha COdsentido em
Pela nora lili raforaw de 20 de se- tssistir a"s ultimas discussde*, o priucipe
tombrod* t**TI p.ssju o proM*w prepa- Prederico Cirlos pedio-me que flzesse man-
ratorio desses crimes para as autonda-les dar un official general que tratasse como
policiaes, suppleutes dos juizas municipaai'teu chefe d'estado raaior.
e snbstitutos do. j-iizes de direito, e o jul- P.As coodicdes eram as que tinbamsi-
gamenty para osjuizos municipaes e juizes do commuuicadas ao general Buyer ?
de direto nas comarcas especiaes. RAs mesmas. Estavamos mal infor-
Se a gra.vidade da pena e o tempo de sua raados a respeito do que se passava em
duraclo, 6 o que deve regular a competen- Franga ; uho tinbauios senio jornaes alle-
cia do jury ou dis outras autoridades para mSes.
o conbecimento dos lelictos, e nio a natu-! P.O exercito devia relirar-se para urn
reza 'elles, 6 claro que os crimes de feri-, territorio oeutro,e ua falta d'elle para Ar-
nentos e offensas physicas, de que trata a gel ?
ia parte do art. 19 da citada lei de 20 de| R.Sim, o principe Frederick Carlos ea
setembro de 1871, s5o crimes de alc^tda e'tava extremamente commovido. Efoi pa-
julgados definitivamonte pelos juizes muni- ra comigo da mais distiocta cortezia
cipaes e de direito nas comarcas especiaes, PrcsiJenLe.Cbamai o Sr. Rouher.
sendo o processo foito de couformidade com ( Testemunha. Vi o Sr. Boyer, e assist! ao
18 do Reg. de 22 de novembro de conselho que houve em casa de S. M a im
*8J*- Iperatriz Podia a imperatriz fazor algu-
Concord.mte flom esta opiniao 6 a dou-(ma cousa pelo exercito de Metz? PoJia
trina do aviso de 2 de setembro de 1849,; ella assig iar um tratado de paz eecnGm po-
quando deelarou que deve attender se 4. dia intervir contra os esforcos feitos pelo go
pena no grao mui no. para se couhecer se verno domomento?
o crime cabo m alr;ada, porque esta e
que serve de regula lor is al^adas.
S. M. nao besitou em empregar os meios
de suavisar a sorte do exercito de Metz;
Em algum juizos se tem segaido doutri- J multiplicara os seus esforgos e nada coose-
na diversa, dando-se fdrma ordinaria ao guio. Quanto a*s conduces da paz, a im
processo pjr taes crimes, de sorte que vem
o jury o tomar conbecimento delies, e isto
pela razJo de que, sendo s6 o artigo que
crata dos crimes involuntarios, n8j deve,
pe a primeira parte, baver o processo peran-
teojury, e, pela segunla, o processo deQ
nitivo, on de algada ; haven lo assim co.n-
petencias diversas sobre o mesmo crime
Tal razao nao nos parece procedente,
visto o que jS expendemos sobre o regula-
dor das al<; idas, tanto mais quando nao ha
so um crime nesse artigo, uma vez que abi
se trata do crime de bomicidio, e de crime
de ferimentos e otl^nsas physicas, crimes es-
tes muito diff^reutes e intoiramente diversos
Por ser a causa do crime (involuntarie-
dade) na> se segue que todos os crimes
commelt dos por essa causa, sejam os mes-
mos, isto 6, da mesma natureza.
Em conclusao, somos de parecer :
! Quo aos promotores publicos s6
compettem denunciar os crimes de ferimen-
tos involuntarios com as qualificacaes dos
arts. 202, 203 e 20i do codigo criminal.
i.# Que compete aos offendidos a quei-
xa quanto aos feri nentos e offensas quali-
ficados nos domais artigos do codigo cri-
minal.
3. Que os referidos crimes sao de alca-
da, tem processo summario, e sao do jul
gamento dos juizes municipaes e dos juizes
de direitV das cmarcas especiaes, visto a
pena que a elles deu a lei.
(Gazeta Juridica I.
Relatorto
k RESPEITO DO NEGOCIO DO MAREGHAL BAZAINE
EX-COMMANDANTE EM CHEFE DO EXERCITO
DO RUEKO.
AUDIENCIA DE 25 DC NOVEMBRO
(Continua$do)
O general Pourcet Tendes conbeci-
mento das instructors dadas pelo marechal
a proposito das noticias trazidas pelo gene-
ral Boyer ?
R.Effeclivamonto, o raarecbal convi-
dou os cbefes de corpos a comraunicar es-
sas conformaQoes aos geaeraes de divisoes e
do brigada.
Presidente. Cbamai o general Changar-
nier ( raovimento de curiosidade.}
O general Dhangarnier, nasceu em An-
tun, em 1793.Na reuniSo de 24 de ou-
tubro, encarregou-me o conselho, por una-
nimidade de votos, de ir pedir ao principe
Frederico Carlos um armisticio, com a fa-
culdado de municiamentos; a sabida do
exercito com armas e bagagens, ou o seu
internamento na parte da Franca, onde se
conservasse a disposigao da assemblria na-
cional. Concordou-se que se nos eucou-
trassemos diaute de um adversario impla-
caval, uao continuaria eu encarregado das
negociacoes Fui recebido pelo principe
Frederico Carlos com honras extraordina-
rias.
Em quanto eu submottia as propostas qu
tinha tido a missao de tr&usinittir, cbegou
um comboia que elle. me raostrou dizendo-
me: ttSaoosviYeresque eumandeivir para o
vosso oxorc.*to faminto. Ouvio os ineus
pedi'Vos e n sileucio, e visivelmente sensi-
'oi'isado pelos meus sent'unentos depatriota
e soldado, e respondeu-me:
FQi-HETIM.
MEMORIAS Of mm
POR
Eu nao
paz,
peratriz nao podia aceital-as, e nao teraho
necess dade de dizer que essa era tambum a
opini.'i i dos seus conselbeiros.
Antes do general Boyer, tinha se apresen-
tado em casa da imperatriz um bomem, o
Sr. Regoier, que podia ter alguma boa voj-
tade, mas que nao tinba nenbum caracier
serio. As condicoes propostas eram- ina-
ceitaveis, porque eram contrarias aos inte-
resses do paiz. Contavamos que, res stin-
do Paris, lutando a Franca, podiamos ob-
ter melbores condigoes. Quinto ao resto,
posso resumir-me a duas palavras : nunca-ti-
vercos outro pensamento, que nao fosse o
pensamento patriotico
O Sr. Rouher podio para accressentar al-
gumas pa la ,ras.
Estava, disse elle, em Chalons por occa*
siao da partida do exercito. Procurei o
marechal Mac-Mahon para1 o decidir a ma*-
char sobre Metz. Nao posso tomar essa
directjiio, me respondeu Mac-M bon ; antes
de seis dias o raarecbal Bkzaine estard redu*-
zido. Jd nao tem vireres, nem nwntimen-
tos. Decidio se que o exercito marchas-
se sobre Parij.
Em Paris, o conselho dos ministros deci-
dio que o marechal fosse para Metz. 04
nossp despacho cruzou-se com o do mare-
chal Mac-Mahon, que nos annunciava a re-
solucao em que estava de marchar om auxi-
lio do Sr. Bazaine. Tinha recebido um des-
pacho d'este ultimo, que Ihe determinava
que tomasse aquella resolucao.
A testimunb* quiz accrescentar alguraas-]
palavras a respeito de Regnier ; mas o coa
selho mostrou que estimava que tal nao ti-
vesse lugar.
AUDIENCIA DE 28 DE NOVEMBRO.
Presidente.Antes de proceder ao ia-
querito das testemuuhas comprehendidas-na
nona e ultima cathegoria-, queria fazec a
titulo de esclarecimento uma pergunta- ao
corodel, Willette, que autorisei a assistir
a defeza; mas aujes do mandar cha-
raar o coronel a" barra, devo pedir o con-
sentimento do ministerio- publico e dado-
deza.
0 general Pourcet, e Mr. Lacbaud, nao
oppdem nenbuma objeccSo, e o coronel
Willette foi cbamado. & barra.
Presidente. Escrivao queira eniragar ao
coronel o processo verbal da conferencia
de 2& de outubro, Este processo, Sr. co-
ronel, e escripto por vds ; quando foi es^
cripto ?
R.A 26 de outubro, duraata a sessao.;
e um processo verbal rodigido mesmo no
acto da conferencia.
P. Poisbeml Dignai-vosverna primeira
pagina a phrase : 0 marechal commandan-
te em chefe pensa, que e necessario separar
o exercito da cidade. Nao vos lembrais
que aquella phrase foi substituida por out f a
em consequencia de uma rasura ?
Effectivamente, mas foi substituida
por nma phrase analoga.
P. Quando se fez aquella mudanca ?
R. No Ran-Saint-Martin, logo depois
da sessao.
P. Passjm a outro ponto. Como ex-
plicais que na expedieao B, esta phrase ;
Deu-lhe ordem para queimar no arsenal
as aguias dos regimentos esteja escripta
com uma letra differente do resto do pro-
cesso verbal ?
R.Ndo 6" outra letra, mas tinta diver*a.
0 coronel Willette -deu a respeito desta
circumstancia uma explicacio de tal ma-
neira subtil, que nio fui possivel compre-
henJe-lo.
Presidente.Tenho ainda uma pergunta
a fazer sobre o mesmo ponto. Como suc-
cede que na expedieao A, a mesma phrase
se nao encontra esactamente nos mesmos
termos que na expedigao B, e que nfio oc-
cupa o mesmo lugar ?
0 coronel Willette no pdJe fornecer ao
conselho nenbuma explicac;$o.
P. Explicai o facto como puderdes, se
ndo dizei que o nao poieis fazer. Como
succedequea phrase a que acabo dealludir
sendo encontra nacspedi^do que fot forneci-
da ao conselho no inquerito, e se acha nos
arcbivos da assemblea nacional ?
R. Se nio est4, nao posso attribui-lo
sendo esquecimenl}. 0 conselho hit de
permi tir-me dizer que se eu tivesse queri-
do coiiroefler uma falfa, o teria fei?o com
menos simprKidade.
P. Ninjfuein suspeita1 de v6s, coronel ;
e uma simpfes- explicate* qtte eu vos que-^
ro pedir. Naw lendes outr* a- dar ?
R. Ndo, seabor presiileute.
Presidente *0 conselho agradece-vos-.
Cbamai- o general' Jarras.
0 general Jarras. 0 g moral Cbangar-
nier nd<>ttnha alcancado nada- do principe
Frederico-Carlos, e o marechal' Bazaine foi
convidndca mandar'um official general pa-
ra so entender com o chefe do estado-maior
io exercito- allemdo a- respeito das condi-
coes da capttula$5o. Poi mandadb o gene-
ral Cissey a> Frescati,- dbnde troaxe um
protocol iode capitulacao.
O exercito e a prar;*- deviam ser entre-
gues-ao iniiui^o, com wmis, material e
bandeiras. .!uigaram-se excossiras estas
condi?f"i e resolveu-se insistir ainda para
obtep do iniraigo. que um simples destaca-
menw. composto de tropas de tolas as ar-
mas, !>e autorisado a sab>r com armas e
bagageiH,- e a retirar-se para um ponto do
territortj concordado antecipadamente-, ou
para Airgol. Os generaes Changarnier e
Cissey declarararr* que nao-bivia razao pa-
ra coneervar a neaor esperaoca a esta- res-
peito.
Ndo se tinba estipulado a sorte dos ofll-
ciaes ; eonsiderouse esta ofttissao onmo-um
esquecirnento. fcV>i entao que o m rechol
Baztioe- me designou para ir ao qusrtel-ge-
neral aCfemao disoutia a reiaceio detinUiva
da convengao da- capitulacao. Protestei
contra ostti escolba, mas respondeu-se-rtte>
iqueesta- rnissao enlrsva nos raeus deveresHle*
chefe deestado-maior general. Tinba
obedecec^
( A.testemunha estava mui to eommovida :
foi obrigtda a iaterromper o depoimento
por algims instar.ts.}
ParO pois, sendo portador de trcs netas
Uma do marechal Le Boaofinstando para
que os officiaes peiessem censervar as saas
espadas; outra.dogeneral Frossard pediado
que um destacamento podesse rettrar-se
com armas e bagagens, com-acondicao de
ndo tomar parte na gnerra actual ; a ter-
ceira tendia a. que ft materiel da esccla de
ap{,iicagao fosse restituido a^F^anrjA.
0 general Stichle manifestou-me em ter-
mos militares. a estima que o principe Fre-
derico Carlos, e elle, pro testa vain pelo exer-
cito fran;ez ; mas a todos os pedidos- que
Lhe tiz, respondeu. com urea recusa, cm
presence das ordens formaes do rei, mesmo
no quo dizia respeito d sorte dos officiaes.
:Kespondi-lhe que o sontimento de- estima
que tinba manifestado pelo exercito francez
era para mim uma garaatia segura.de uma
tentativa feita por elle junto, do principe
Frederico Carlos e do rei. general
Sliehle pareoeu.-me um, pouco abalado, mas-J
observou qua-o. rei es-tava irrit*Jo com a
falta de palavras de differentes. officiaes do
exercito de Sedan, e especiahaente de um
official general Tivemos de aos conteatar
em redigit os artigos da conveucao, sobre
os quaes se ndo tinba elevado contesta^do.
0 coronel Fay eo commawlaute Samuel,
que mo tinham acompanliado reiteraram^
quando chegarani ao artigo 3., as obser-
vagoes jd feitas relativaineute aos officiaes
e ds honras de guerra. 0 general Stichle
consentio afinal em referir o negocio ao rei,
e separamo-uos. no dia 27 as a boras da
manhd. Level o projocto quo tinhamos
preparado ao marechal Bazaine, o qual ap-
pro vou tudo quanta eu tinba feito.
D. 41 uoel Fernando* y Gonzalez
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
IX
KQnMO MICHELOTTO, APEZAR DOS SEUS CI.N-
COV.VTA ANN'OS. F. DA SUA ALMA DE L0B0,
P-10IA ENTRETER-SE COM 0 AMOR.
(Continuasao do n. 56. )
Obrigado, Sr. Rugiero de Monforte.
E jd qnn encetamos estas confidencias, vou
fazer-the mais uma. Proximo do castello,
Bo eentm de um jardim cercado por uma
aebe, vi esta manna" uma linda casa; ora,
como on mo propanha permanecer aqui
para av.'riguar o que podesse acerca de Ge-
nebiM, pareceu-rae inuito a proposito aquel-
la caziuha isolada.
E admittiram-n'o n'ella? perguntou
inrrl'intiriamente Michelotto franzmdo as
sobiancelnas.
Toubo uma tdo grande experiencia
r)e que o meu nome 6 universalmente co
nbecido e respeitado em Italia, que me vali
d'elle para que se me abrissem as portas
d'aquella casa, e n'ella encontrei um novo
jysteno, que me causou uma profunda
irnpressdo.
Cimmetteu uma nova imprudencia,
Sr. LuJoriop Ariosto ; mas feiizmente eu
sou sou amigo. Que lhe disse o horaem
que com sua mulher e um filho hsbitam
n'aquclla casa?
Diga antes com dous Glhos.
Ah 1 exclamou Michelotto, ndo se
pode confiar um segredo a um estupido.
C imo s iube o schor que n'aquella casa ha
duns crinncas ?
A mulher tinha uma nos braces, mas
eu ii i'i cli >rar outra n'um quarto interior.
a E' seu filho a crian^a que estd chorando
alii dentro ? pergunlei eu ao homem. 0
marido e a mulher perturbaram-se e nao
souberam que responder. Suppondo ver
n'aquillo um crime, ameacei-os de procurar
o syndico de Cento, dar-lhe parte d'aquillo
e...
Prov ivolmente o imbecil do Giuseppe
ter-lhe ha dito que e habitante da villa de
Malalbergo, que foram buscar sua mulher
para ama de uma crianca, que sua mulher
foi conduzida ao palacio Malalbergo, onde
pouco depois lhe foi entregue uma crianga
para que a amamentasse.
Sim ; revellou-me tudo isso, menos o
de. Eu ndo me chamo Rugiero de Mon-
forte.
Ah 1 exclamou Ariosto ; visto isso e
tambem um mysterio ?
Vou deixar de o ser pura o seuhor.
0 Sr. Ariosto e celebre pelos seus versos, e
eu pelos meusfeitos e pela minha lealdade
para com o desditoso duque Valentino.
Como I Pois servio o infame Cesar
Borgia T
Cesar Borgia, exclamou Michelotto
fraozindo as sobrancelhas, era um heroe
que conhecia a verdade da vida, e que che-
garia a ser rei da Italia, se a estrella dos Bor-
Ndo ha, po-
nome da pessoa que os tinba levado de gias se ndo tivesse eclipsado.
Malalbergo para a casa onde os encontrei. rera, heroe sem punhal ; os heroes
E que
No mesmo dia chegou uma carta do ge-
neral Stiehle annunciando que o rei tinha
respondido pelo telegrapbo que concedia as
honras da guerra e deixava as espadas a
t idos os officiaes. 0 msrechal declarou-me
eatio, que ndo entendia dever ace.tar o
desfilar das tropas. Observei-lhe que era
uma honra a que o exercito tinba direito.
Ndo sio as honras de guerra que eu re-
cuso, exclamou elle, e o desfilar. Objec-
tei-lhei que as honras de guerra e o desfilar
eram inseparaveis ; mas sustentou a sua
resoiuflrj declarando que tinba visto du-
rante o dia dous coramanlantes de corpos,
que tambem nao admittiam, como elle, o
desfnar. .
O marechal deu me ordem para dizer ao
general Stieble que era uso em Franca, por
occasido da mudanca de um governo, quei-
mar as bandeira;, e que essa medida tinha
sido observada pjlo exercito de Metz em 4
de setembro. 0 marechal, disse elle, sabia
que muitas boodeiras jd tinham sido qusi-
madas, e nao qixeria que o principe Frede-
rico Carlos podes.se suspeitar que havia fal-
tado a sua paiavr.v l)irigi-me junto do
general Stieble, a quern fiz esta commu-
nica0o.
O general mostrou-se muitopouco credu-
lo. Quanto ds honras de guerra qoe en
estava encarregado de recusar, admiroi-se
que tivessemos repellido, o que- pediaaos
na vespers com tanta instancia. Trocamos
os nossos poderes, e passamos & redacr;ao
leliuitiva da- conven^do-.
Na manh seguinte, 28, mas eedo, Jde
conta ao marechal do qae tinha feito. Deu-
ne a sua approvacdo conspleta ; depois dei-
Ihe- as mesmos explicag6e, e recebi delle
igual approva^ao. Disse mesmo que eu ti-
nba obtido tudo quinto se podia esperar nas
cireumstanciflfr em que uos achavamos. Na
vespers, o marechal, por meio de uma cir-
cular, tinha teitodar ordem a--todos os eom-
maedantes de corpos d'exereito para roan-
da rera as bandeiras para o arsenal, afire de
que fossem qzeimadds. 0 coronel Nugues
fez observar ao-aiarechal que ainda ha via
uma circular a eserevor para que a artilheria
estivesse f jrmad* para queimar as bandeiras
a sua chegada ao arsenal. C*' marechal
respondeu que se encarregava desse cui-
dado.
Tendo tido coohecimento dess* circular,
fui procurar o raarecbal, a quera lembrei
que o general Stiehle traba recaoido com
pouca boa fe a minha cominuiiieaga > da
vespora. 0 marechal fez entao rasgar as
.pagin :s do registo da corresponiencia ere
que tinha sido transcripta a circular. Na
mesmo dia, recebemos do estado maior al-
lemdouma carta- na qual se dizia que o
principe Frederico Carlos ndo aereditava
que fosse uso era Franca queimar as ban-
deiras depois de uma revolucdo, e que por
consequencia desejava saber quantas bandei-
ras lhe iam ser eotregues em cumprimente
da cowveiiQao. 0"marechal encarregou-me
de responder qae aquelle uso existia real-
menaa, que nenharaa baodeira tioha sid^
queimada depois da assigaatura da conven-
cdo, e que existia re 41 depositadas no arse-
nal, donde o iaimigo poderia examinar a*
notas. Redigi aquella carta, respeitando os
proprios termos de que se tinha servido o
marechal.
P.Tanho que vos fazer um certo nume-
ro de porguntas de differentes especies. 0
projecto de protocollo trazido pelo general
de Cissey aao.foi conservado ?
R, Foi-mt reclaawdo pelo general
Stiehle.
P.Lenabrais-vos se a clausula relativa
as aguias a bandeiras foi cspecialmente in-
dieada no conselho de 24 c se-se fez a esse
Respeito algjima observa^do?
' R. Foi lida e nao se fez nenhuma ob-
servacao,
P.Fottou-se de queimar as bandei-
ras ?
R,Be maneira nenhurea. Ignoro po-
rem se sa disse alguma cousa depois de se
levantas o conselho. Affirmo somente que
ningucm fez obsorvaQOes quando o artigo
foi lido,
P*.Eutdo as discussoes nao versaram
sobr a espada. dos officiaes, e sobre as
honras de guerra ?
R.Sim, Sr. presidente.
P.A que boras, visles o marechal,
na occasido da volta de Frescati?'
R.Entre as 7 e- as 8 horas. Crcio- que
nos encontramos face a face.
P.As cinco boras, quando parti e not
dia 27 parao quaetel general alleniiioais
suppoz entdo, Sr.
Ariosto 1
Perdi-me em coujecturas.
me
l.udovico
Ha cinco
conquistam uma coroa e uao assassinaram,
sdo heroes sonhados, heroes de poema ;
ndo se chega a um throno, sera ter que re-
mezes que a grd-duqueza me tem tratado mover grandes obstaculos, e para isso e ne-
ouasi que com desprezo ; ha muito tempo cessario empregar muitas vezes o punhal.
aue se ndo ergue do leilo, em consequencia, Pois bem, Sr. Ludovico, eu era o punhal
dizia um medico, de umas doresque a nao de Cesar Borgia, eu sou o celebre, o terrt-
deixam estar da pe. Contei o tempo e vi. vel D. Michelotto.
que essa crianca, occulta n'uma casa isola- Ah|l e esse demonio inferior que
da podia muito bem ser filha da grd-du- servia os tenebrosos mtentos d aquelle outro
qu'eza. Porem como suppor aue Lucrecia (demonio superior que se chamava Cesar
tivesso deixado Ferrara, quando protegida Borgia I .....
ne'o medico da sua camara, poderia dar i Charae-lhes embora demomos, prose-
luz sua Qlha no castello ducal? Ndo era guio Michelotto. mas passo jurar-lhe que
nossivel tambem um parto premature deGe- niosuccumbio nunca as nossw mios anjo
nebra? Mas n'esse caso para que trans- algum. Hole em dia, todos os homens
norta-la do castello de Cento para o palacio \ que valem alguma cousa sio demomos grao-
de MalalberRO ? Tudo isto me inquietava des ou pequenos ; os poetas, como o senhor,
demasiadamente Tranquillisei os dous es-! nio comprehendem isto, vivem sonhando,
posos manifestando-lhes que lhes nio sue- e creando heroes impossiveis na sua imagt-
cederia mal algum, eexigi que me deixassem nacdo.
ver a crianca. Mostraram-m'a, porem em E agora serve a gri-duqueza ?
vio procure! uma semelh.nca entre ella ej A grd-duqueza 6 Borgia,
a gri-duqueza, ou Genebra ou eu. Neces-
siuva sahir d'aquella duvida e vim procu-
rar Giacopo Sauti.
Pois, Sr. Ludovico Ariosto, estamos
inettidos n'um grande atoleiro. Se nao so
tratasse do senhor, o negocio seria facil de
tivestes conbecimento da ordem circu-
lar relativa as bandeiras?
RNdo, so sube del la no dia seguinte
pelo coronel Nugues*
Quando fostes encontrar o marechal,
disseste-lhe que bavia bandeiras queima-
das. Disse-vos elle quaes eram ?
R.-Nio. Nio sube nada que se ligasse
a esse incidente.
P. Estais bem certo de que elle vos
disse : c Queimaram-se bandeiras, e nio
as bandeiras foram queimadas s ?
REstou absolutamente certo.
P.Por cooscqueucia nio fostes encar-
regado de dizer ao general Stiehle que al-
gumas bandeiras, mas que todas as bandei-
ras tinham sido queimadas, como era aso
em Franca, depois da queda do governo
que as tinha dado?
R.0 marechal queria que se ni) po-
desse acreditar, que elle tinha faltado aos
seus compromissos.
P.Mas nio ha via ne.ihum outio r*^" '
promisso tornado ?
R.-K" verdade ; o marechal quiz iallar
dos compromissos que eu ra contrabir,
P.Desse mo lo e eotendido que ainda
ndo bavia nenbum com prom isso tornado.
Entdo de qoe servia fallar das bandeiras ?
A testemunha ndo respondeu.
P.Tivestes conbecimento de uma or-
dem deda ao coronel Girels, ordem pela
qual otornava responsavel pela consorvacio
das baadeirasT
RDisse sobre questao das bandeiras
tudo quanto sabia. Nao tivc coiiuneciman-
to dessa ordem.
P. -Stfbeis como desappareceu a carta do
general Stiehle. qua vo era dirigida, e em
que reclamava as bandeiras?
R.K'-n.e absolutamente impossivel di'
zer o que foi feito del la.
P.Em qae lingua estava ella redigida?
REm Hemio provavelmentc
F.Sabeis que official fii eucarregadj
de a traduzir?
R^-^iosei.
P.Era-vos ella dirigtda ?
R.Sim, Sr. presidente.
p.Por quern vos foi ella trazida? por
um parlamentario ?
R.Provavelroente ; mas ndo rec lera-
bro.
P.Estava escripta em termos altivos?
R.Nao estavas escripta era termos altivos
mas em termos qae se resentiam de uma
cert a autoridade.
P.Tivestes conbecimento das ordens
dadas para a destruicdo das bandeiras pri-
meiramente, e depois para aimpedir?
R.N&o tive nenhum conbecimeotc
della.
p.No dia seguinte havieis recebido unuv
carta do general Stiehle ?
R.Sim : tinha pedido a 2T i ooite ac
general Stiehle, uma audiencia do principe
Frederico Carlos para o marechal Bazaine,
e o direito, para o principe Mural, de sa
idirigir a Cassel. Era a esses pedidos que
respondia a carta de 29.
P.nal era o torn dessa carta ?
K.Mostrava muita satisfacao em conse-
quencia da minha carta da vespera.
P.Essa carta ficou em vosso poder *
R% Ndo, foi-rae pedida em Francfort, a
ndo me foi reslituida.
P.Quando fostes designado para ir di>-
cutir e redigir a couvenydo iizesles alguma*
obscrva(des ?
R.Nao protestei como o teria podido
fazer ;. ndo disse especialmeote que o ragu-
mente me uao designava para aquella mis-
sdo, e que ate entao o general em chefe me
nao tinha concedido tanta con fianca. Coo-
siderei-me a coberto pelo asseutimento de
todo ocotiselho.
P.0 regulamento nao tinba nada. qaa
ver. nessa circumstan-ia, porque nao previc
o caso de uma capitulacao da ordem da
quella de que nos o'cupamos. Dissestes
que estaveis munido de pleuos poderes do
conselho. Isso nao pode significar nada.
por isso que esse conselho ndo tinha *xis-
tencia legaL Nao se tratou de por f6ra dc
service as armas que se iam entegar ao ini
migo, afire dediminuir a importaacia desse
mesmo tropheo. Julgavase pois que o
material seria restituido depois da paz ?
R.Nao se disse uma uuica palavra que
o podesse fazer acreditar.
P.Estd como principio que em uma ca
pitulacio, a sorte dos officiaes nao se deve
separar da dos seldaios. Niuguem fez cb
servjcao a este respeito?
(Continua r-se-haj
E serve-a com o mesm > amor, com a
mesraa dedica$ao com que servio Cesar
Borgia ?
Nio ; sirvo o duque Valentino.
Quer dizer a sua soiabra.
Seja assim ; sirvo a sua sombra
rcsolver ; mis osonhor e o Ariosto, a *ri- me diz continmmente : Vinga-me,
que
It-
a-o, e alem d'isso protege-o a chelottto Oh 1 sire, odeio assa mulher,
sua celebridade ; prefiro ser conapletamente como pode aborrecer um homem como eu,
franco comsigo, mis ha -U prometter mco e comeco a gozar da minha vinganga por-
mais profunlo segredo. Por aquillo qua que o adora, eo senhor nlo pode ama la;
lhe vou dizer pode julgar da minha ledldo.- o senhor odeia-a. cowq eu a odeto, e dese-
Jard viugar se d'ella coma eu desejo,: de
outro modo nao me teria aberlo Ho franca-
mente comsig >.
__Continue, disse Ariosto com aucie-
dade.
Ella matou o velho e ridioulo mar-
quez de Viati, matou-o pela miuha rado,
e, sabe a razao porque ? Porque o mar-
quez fizera o casamento do Sr. Ariosto com
Genebra. Fui d quinta do marquez para
me apoderar da certiddo do seu casameuto,
que elle tinha em seu poder e foi me for-
coso mata-lo. Era um velho de rija tem
pera e comeceu a gritar. Para ndo perder
a vida, preferi destruir. Levei a certiddo
d grd-duqueza, e ella queimou-a. Genebra
fazia parte das suas damas, e ella fe-la des-
apparecer. k velha marqueza de Arescot
sabia do seu casamento com Genebra, e foi
encerrada 'n'uma torre.
A cepia da certiddo do seu casamento
com Genebra estava no seu aposento do cas-
tello ducal, e uma noite a gri-duqueza fe-lo
cahir, a si, em um grande lethargo, tirou-
Ihe as chaves, deu busca aos seus papeis,
enoontrou a copia da certiddo que procura-
va, apoierou-se d'ella, mandou-o a si como
embaixador a Roma, e lan^ou fogo d parte
do palacio onde eram situados a torrre em
que estava encerrada a marqueza de Ares-
cot e o seu aposento. Quando acudiram,
a marqueza de Arescot estava jd asphyxia-
da pelo fumo. Attribuio-se aquillo a uma
desgraja casual 0 seu aposento foi com
pletamente reduzido a cinzas, e causou isso
grande lastima a alg ins, ndo sei porque li-
vros hebraicos e latinos que o senhor alii
tinha. Genebra In levada para o castello
de Cento e encerrrada alii com Luighi Bar-
thelemi.
0' meu Deus I exclamoo Ariosto.
Eu bem sabia quo se bavia de Irritar,
Sr. Lu lovico. disse Michelotto, mas tran-
quiilise se ; isso a que chimam Providencia
pn'egouosou coragdo, e digo o sea cora-
$io, porque veja quo adora Genebra Mala
testa e sente-se devorado pela desespera-
0o ao saber que Luighi Barthelemi esteve
encorrado cons Genebra. Tranqutllise-se,
repito,*porque Luighi apaixonou-se de tal
proiundo e tdo respeitoso, que, apezar de
estar encorrado com ells, estd sua esposa
tdo pura como uma criaaga recem-nascida.
Eesse homem... esse homem ex-
clamou Ariosto.
Peigunto-o ao Raeno, respondeu Mi-
ehelotto Luighi Barthelemi commetteu a
imprudencia de adevinhar quera era a pes-
soa que o havia encerrado com Genebra.
Essas adevinbacdes sdo muito perigosas.
Sobpretexto de lhe fallar, levei o p.-ra o
alto de uma torre, e, quando Luighi me
perguntou o nome do rio, avan^ando o
corpo por entre duas ameias, para olhar
para elle, peguei-lhe pelos pes e precipi-
tei-o. Era necessario que Luighi Barthele-
mi emmudecesse, para que ndo podesse re-
vellar a ninguem o que em tdo md hora
tinha adevinhado. 0 Rheno guardou o
segredo. Cada qual nascecom a sua pre-
destinacdo, e eu nasci predestinado para
servir os Borgias. Tudo isto ha de parecer-
Ihe horroroso, pore"ra esse horror consiste
na falta de habito.
Oh I vejo quee mais terrivel ainda do
que dizem ; e o verdadeiro espirito do es-
pantoso esbirro italiauo.
Com tudo, para si sou in jtfinsivo,
Sr. Ludovico Ariosto, estou pelo seu lado
e h.-i deservi-lo.
Os seus servicos assustam-me.
, M s tal vez o ndo assuste a pergunta
que lhe vou fazer. Quer ver Genebra ?
0' meu Deus 1 exclamou Ariosto, se
a quero ver I e ella a minha vida, a minha
alma, a unica mulher que tenho araado, a
esposa do meu coracdo
Pois bem, agora que jd conversamos
b&stante, montemos a cavallo e sigamos
para o castello de Cento.
Michelotto levantou-se, e, seguido de
Ariosto, chamou Giacopo, >. disse-lhe :
Tire o cavallo do Sr. Ariosto e en
frete o meu.
Quan lo os cavallos Gstiveram promptos,
proseguio Micbelottq dirigiiulo-se a Gia-
copo :
Esquec,a-se de que vio e de que fallou
ao Sr. Ludovico Ariosto.
Isso uio esquocerei eu nunca 1 excla,-
modo por sua esuosa, gom om amor taojraou 'lia^opo com enthusiasmo
Faga o que quizar, com tanto que o
udo diga seja a quem for.
Descance, que eu bem sei ate que
ponto devem ser respeitadas as suas or-
dens.
E entregou o cavallo a Michelotto.
Deatro de uma hora, disse este, vi
procurar ao castello o Sr. Rugiero de Mon-
forte. Quando passar por junto da torre
grande olbe para as barbacis. Ate logo.
L, ehegando esporas ao cavallo. afastou-se
seguido de Ariosto.
Quando sahiram do bosqae. disse Miche-
lotto ao poeta:
Se nao traz mascara comsigo, dar-lhe-
hei a miuha ; e uma prenda da qual me
ndo aparto nunca.
Trouxe, porque vim aqui incognito.
Do modo que ninguem sabe de sua
vinda ao castello de Cento ?
Nio o disse a ninguem.
Fez muito bam ; da outro modo ter-
se-hia compromettido eeu nio poderia ser-
vi-lo. E' essencialmeate importante qua
guardo segredo, porque a gra duqueza nao
lhe perdoaria nunea este passo Apartamos
os cavallos porque estou impa ;iente por
chegar aa castello, pensa ndo na feiicidade
que vou causar i seuhora Genebra Malataa
la, lancando-o nos seus bra^os.
Oh I parece me uresoaho tudo quan-
to succede I exclamou Ariosto.
Agora tenho a certexa da que lbe nao
causo horror.
N'este moraonto e para mim um
anjo.
AW quo chegamos, Sr. Ludovico,
disse Michelotto parando junto da barbed
do fosso.
A ponte levadica baixou e os dous' caval-
leirot entrarara.
k ponte levantou-se immediatamonte.
Agora a meu prisionairo, disse riodo
Michelotto a Ariosto.
Hondo certo, como creio, o qoe me
disse, decl*ro-rae voluntariamantc sen pri-
sianeiro por toda a vida.
jConttmrer-ae-oa)
f\'P.O)l)tAK'0.-RUA UUQUB PEt^XUaT"


~
------
}


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5Z70FSKM_GD4T34 INGEST_TIME 2014-05-22T00:52:32Z PACKAGE AA00011611_16954
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES