Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16953


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. MIMERO 58
PA4 A CAPITAL LUGAAES OVDE NlQ SE PAA POH1K
for tres mesas adiaatados................ 69000
iPor seis dilos idem.............. .' \ 12*000
tfor urn anno idem..................2i#000
/Cada wiiimw tvutso.........'....... *3iu
OCLVTA FEIBft 12 DE MARCO BE 1874

PAMAMS^ri
Der tres meztes adiaatados.
Bor seis dilos idem
for nove ditos idem
for urn auno idem.
DA
ill* ta ]!/

69750
imoo
ifumo
179000
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILHOS.
ft Srs. tierardo Aaloaio Aivesdt FUhos, no Para; Gcn^alves & Pinto, no Marauhao; Joaquim Jose de Oliveira & Filho, no Ceara;
Bereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auiunciu Montuiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose Gomes, ua
Antonio Ferreira de Aguiar, em Gojanna; Joao Antonio Macnaeo, no Wlar
utoaio de Leuiua Braga, no Aracatjr ; Joio Mwia Juito Lhaves, no Asset; Antonio Marques da Sika, no JSatai; Jose Justine
V la da Penha; Be'armino dos Santos Bulcao, em Santo An tao ; Domingos Jose" da Costa Braga, em3itreta;
Aires dC, na Bahia; e Leite, Cerqmnfao A C. no Rio de Janeiro.
FARTE OITICIAL
das A goes
Governo da Provincia.
FALL A com que o Exm. Sr. commendador Henrique Fe-
reira de Lucena abrio a sessao da assembl6a legislati-
va provincial de Pernambuco no dia 1. de marco
de 1874.
(Coutinua^ao do n. 56.)
Por apesentadorias do inspector, commendador Jose Pedro da Silva, do coutador Antonio
Cardoso de Queiro* Focceca,e do chefe da !.* secgio desta repartigio, Francisco deBarros Falcao
Cavalcante de Albuquerque, nomeei para o primeiro destes lugares o chefe da I." secgio doconsula-
do. bacharel An'.ouio Witruvio Pinto Bandeira e Accioli de Vasconcellos, para o segundo o chefe da
5.*'*ecciu da mesma thesouraria, bacharel Antonio Maria de Farias Neves, e para o terceiro o
jcripturario da 4.*, bacharel Sidronio L>dio de Oliveira Magalhaea. Para preeocher a vaga que
doixou este ultimo nomeei 8 2.* official da secretiria desta presidencia Leviuo Augusto de Hoi
lands Chacon ; para a que deixou o peoultitno nomesi o 1.* official da mesma secretaria Hanoel
Jose de Campos Barbosa, para a do primeiro escripturario Jose Peretti Seve, a quern removi para
o Inter de secretario do gymnasio, nomeei o 2.* escripturario, bacharel Antonio Jose de Almeida
Pernambuco, para o lugar deste nomeei o 3. eacripturario Jos^ Luiz Salgado Accioli e para o
deste ultimo Antonio Francisco das Neves.
0 ediOcio em que funcciona esta reparticao reseutesede falta de eapacidade para o bom
desempenho e melhor inspecgao dos trabalhos que por e'la correm. O expedients da secretaria
e pagadoria esta em dia. Oulro tanto, porem, nao acontece com o da contadoria, pelo atraso que
vem de annos anteriores. Por esta razio eslao ainda dependentes do competente exame as con-
tas da agencia de liquidos espirituosos dos exercicios de 1866 -1867 a 18711872; as da agen-
da de fumo e tabaco dos exercicios de 1868-1869 a 18721873 ; as das collectorias de Pao
d'Alho, Limoeiro e Rio Formoso dos exercicios de 1869 -1870 a 1872-1873 ; as das collectorias
da Victoria e Barreiros dos exercicios de 1870 1871 a 1872 -1873 ; as da collectoria da Escada
dos exercicios de 1871-1872 e 18721873; as da collectoria do Cabo do exercicio proximamente
Undo de 1872 -1873, as do corpo de polieia dosraeros de marco a novembro ultimo ; cinco da
procoradoria fiscal e ami do gymnasio. alem de termos de approvaeao que se acham por
lancar.
Estio igualmenle: por passar a limpo a esciipiuracio dos livros mestre e diario dos exer-
cicios de 18671868 a 187118-72; por fazer a reorganisacio dos assentamentos, civil, ecclesias-
tico, litterario e policial; e dependentes de registro 10,830 informacdes; assim como por iiif-rmar
algumas pretengdes ou requerimentos. 0 alcance do fallecido agente de bebidas espirituosas Jose
Egydio Ferreira, que, pela desordera em que este tinha sens papeis, difflcilmente se verificara ser
Id G:225jl86, eleva-se ja a quantia de 24:36U075, muito superior a responsabilidade da fianca,
sets que se lhe possa fixar o limite em vista das reclamagoes provocadas pelo? responsaveis. e
das que por venlura ainda possam apparecer. 0 alcance verificado de 9:169*009, do ex-the-
soureiro da reparticao das obras publicas Raymundo da Silva Maia, ja se acha reeolMdo.
As vagas abertas, de chefe da 1.* seccao e dous conferentes, preenchi coin as nomeacoes
do bacharel Eduardo Augusto de Oliveira para a primeira, e Eduardo Fre lei ico Banks e Fe-
linto do Rego Barros Pessoa para as segundas. A renda que por esta reparticao se arrecadou
elevou-se a 1,712:357*942, superior 129:2o7f'49 a do anuo anterior. Pareeendo ter para isso
concorrido o assucar, euja prodaccao floresce, ao passo que delinha a do algodao, nola se todavia
ser a differenca devida as imposicoes internas, por ser minima a que para mais se encontra nas
de exportacao.
A de bebidas espirituosas arrecadou 61:191*087, e a de furao 35:567*352, mostrando esu
quantia a dtuerenca de 2.440*164, e aquella a de 6:386*070, para mais do que o resultado do
anno anterior compar; do com a do anno financciro a que alludo.
Foi alterado o regulamcnlo desta reparticao pelo decreto n. 5,233, de > de abril do _anno
~psado, que extinguio a ciasse dt.s chefes de seccao e outros lugares, e regulou a execucao do
artigo 2." da lei n. 2,105, de 8 de fevereiro do raesmo anno, que autorisou o governo augmentar
com 5 % 9 vencimentoj dos empregados do thesouro e thesourarias.
A renda que se arre;adou no exercicio de 1872-1873 foi de 15,084:663*572, 7 % ou ...
;84:723*923 superior a do exercicio anterior, que foi de 14,099:939*549. Esse augmento,
porem, loi devido aos dircitos de importaeao, cuja arrecadarjao foi em 1,568:633*251, superior a
do exercicio anterior, por s-;r nolavel a differenca para menus em lodas as outras verbas de
receita, com excepcao da de applicavao especial, que apresentou tambem urn pequeno excesso,
devido a terem feito parte deila direitosnovaraente creados pela lei que regulou o estado servil.
A renda de exportayao foi de 2,288:5035236, menor 2G8:246*913 que a do exercicio ante-
rior, que foi de 2,536:780*149; o que prova o esmorecira^nto e decadencia dessa fonte de
riqueza do nosso paiz.
Esta era dia a escriptoraelo desta reparticao. A renda que por ell se arrecadou nos
;iqco priraeiros inezesd> exereieiade 1873 a 1871 foi de 337:239*308, mferior 63:245*264, a de
lyual tempo do exercicio anterior, que foi de 40<): 484*772. Encerrou se deflnitivamente em 30 de
setembro, como determina o art. 18 do regulamento n. 4835, do l.de deiembro de 1871, amatri-
cula dos escravos, cujos donos residem nas (reguezias deste municipio, elevando-se o numero dos
matri;ulados a 16,026, seudu 7,861 do sexo masculino e 8,165 do feminioo.
ajTAOfD i>,oi,jajji
No meu relatorio se anno passado annunciei-vos o acto quo o prelado diocesano julgou
..veaiente decretar, no sentido de expellir das cojifrarias os irmaos Gliados a maQonaria ; e a
posicao expectativa do governo, na esperanca de que maduras reflexdes levassem o prelado a res-
ubelecer as cousas em ser. legitimo lugar, sera perda de direitos adquiridos e respeitados por seus
iiiustres antecessores, evilando *e dest'arte que os sentimentos de um povo emineniemente catno-
lico fossem, como tem sido, tristemenle perturbados.
Bern longe estavamos de supp6r que essa questao assuraisse um caracter encandescente, cau-
iQdo abalo geral nas consciencias, e trazendo profundamenle eslremecidas as relates entre o es-
ado e a igreja, quica era nura desvanlagem para as crencas.
0 governo, mantendaso na altura de sua delicada posicao ante essa momentosa emergen-
...i, depois de ter esgotado os cjaselhos da prudencia, que infelizmente nao foram ouvidos e antes
manifestamente repud ados, nao tinha outro caminho a seguir senao o dos recarsos energicos,
obedecendo assim a mais imperiosa dis letsa do dever.
Ordenado o processo do prelado diocesano, em razao de sua formal desobediencia as
,-y.i e altitude hostil aos poderes do estado, foi elle pronunciado pelo sapremo tribunal de
jusliQa.
Em virtude da p.onuncia, o Exm. presidente da^uello colendissimo tribuual expedio
irdem ao juiz da 1.* vara criminal para a prisao do bispo, a qual foi effectuada no dia 2 de Ja-
neiro ultimo, sera o menor incidente, mediante as attencoes devidas as altas funecoes ecclesias-
ticas do pronuncia o.
S. Exc. Hviua. foi aboletado no salao nobre do arsenal de marinha, tendo a sua disposicao
os melbores compartimentos que occupava alii a familia do inspector, e no dia 5 do mesmo mez
^eguio para a edrte a bordo do vapor de guerra Recife, que foi expressaxente leval-o, sendo acom-
panhado pelo brigadeiro Hygino Jose Codlho.
Si uao e licito desconheeer as graves proporcdes, a que Iem cbegado a questao religiosa,
por sua propria natureza a mais importante que se ha agitado no paiz, tambem nao ha razao
oara deseiperar-se ; pelo contrario, muito conno em uma solncao compativel com o respeito s
icatamento devidos as nos-as leis, Scando restabelecidas mutuamente as boas relacoes, tao neces-
Inspirado patriotismo tein dirigido o governo imperial neste sentido : talvez muito breve
stejam as cousas em seus eixos ; o que todo o eoracao bem formado sinnerameote almeja.
Em falta de dados sobre os negucios ecclesiasticos, principalmenle quanto ao estado das ma-
'.nzes, nada posso adiantar ao que a respeite deltas disse no anno passado.
A estada dos missionarios capuchinhos ealre nos e uma eadeia ounca interrompida de gran-
tts melhorameutos, quer moraes, quer matcriaes.
lnspirados no verdadeiro pensamento e sabios dictames do evangelhe, sao de uma activi-
dade inexcedivel, que e certili -,ada de longos annos pelos beoeficios que tem feito no centra da
provincia, ondc courlaulemeule abrem missoes, de que resultam, alem do bem espiritual, provei-
wsas vantagens de oulra ordem.
Duranie o curso do anno passado missionaram nos seguintes lugares, onde deixaram os
meraoramentos que ides ver:
Na povoacao de Nazareth do Cabo fizeram um remiteno de 200 palmos em quadra, com
wire de pedra e cal, e concertaraai as paredes da igreja do lugar, ladrilhando-a tads e con-
itruiada 3 atlares de pedra de cantaria.
Na povoacao de Gapoeiras, estando a igreja a cahir, lizerara-na toda de novo, com admira-
vio geral da populacao, que nao contava possmr tao codo um templo como o actual, com 100
palmos de eomprimentosot-ra 40 de largura.
Na (reguezia do Ailinrw, estando a respectiva matriz coberta de palhas, por *e acharem
^wdret e quebradas as teaonras, literam toda a coberta da novo com opt. mo madeiramento.
Em S. Caetano da Raposa liraram avultadas esmolaa para o augmento da matrix, que era
xtraordioariamente pequena, e deixaram-nas em maos do respectiva vigario, que ae encarregon
d-i fazer a "lira.
hau tiaiMnhuui ru'v-limar.irn <* n.n auditorio de 10 a 13 rail pessuai-, e reconitruiram a
matriz, uma das mais sya;osas Na villa de Palmai e-, onde nao bavia uma igreja que podesse deceutemente serv r da ma-
trix, poseram maos a obi a, e em poucos mews flcou prompta uma igreja com 108 palmos de com-
primenlo e 40 de largrua, tendo sido anxidados pelo governo apaaas com 3 coatos de reis; e w-
tretaate a obra e avaliada en mais de 30 contos.
Na povoacao da Viowseia augmenlaram a capclla por ser demasiadamente pequena, abrin-
dx> eorredores e levanlando uma lorre.
A nova matriz da Bscada vai em grande adianumento, devido aos esforcos de am raissio-
rio eapncbinho, que alii trabalha ha mail de 4 metes.
A magnifies obra da Penha nao os desviou dos cnilados que sernpre Ihes mereceram os
Mmos sertoes: sao digoos da rstpsito e estima,e profuudo reeonnecimento de um povo catholico,
wroadeiros cultores da vinha do Senhor.
QHliUJA*' IDA Dd>30a\ SIBiniDM IDii IP2&SU1*
Este edificio, amprehendido pelos padres capnehirtnos, vlra a ser; eonsiderado. na primeira
ordem dos de seu geuero, pela niagnificencia de area sctura e por suas urandes dimensoes.
Visita-lo mesmo no estado em que se acha s ur ae sorprvndido de admirayio.
Certamente parserria ineompreheosivel que ponres padres, tendo como unico recarso a
for^a de vontade, emprehendessem a edificacao de- ana templo sumptuoso, que sera incontestavel-
uiente o primeiro do imperio.
Sob a direccao do motavel engenheiro archilertf, e nao menos ruspeilavel ariciao, Frei Fran-
cesco de Vicenza, vai essa obn monumental bem adiSirtada, e para ella iavoco a vossa illustrada
atlencao, no seutido de auxilial-a no que vos for possWl.
A nova igreja da Penha sera em todo tempo am grandioso padrao de gloria para os seus
humildes consiruciores e um symboio vivo de sua^dedieacao aos encargos de seu santo miiis-
terio.
( Conlinuar-se tux. \
OESPACHOS DA
pbbsidencia, uo dia 10 OEMiRoo 0 Sr. Pe8ktti : Nio e preciso que a com-
de 1874. .miasio o diga; a deflcieacia dos cofres provin-
Americo de Sa e Albuquerque. -Scja ralevado rtoeiaes e um facto cuja existencia niiguem igno-
d a multa que lhe foi imposta. ra. 0 projecto vai a coramissao de obras publi-
Antonia Lucinda dos Prazeres.Seja posto em SM par* lira difTerente e e para quo ella estulan-
liberdade. -doe infortne depois quaes os lugares que mais
Major Carlos Magno da Silva. Foroeea-se. aeeessitara de cade as e que devam teraprefern-
Carlota Augusta de Figueiredo Bel fort.'Ao eia ha Ciipstruccao dollas. (Vpoiados.)
Sr. director geral dainstruccao publica parade- 0 Ss. Hakoel do Rego : A mais propria pa-
ferir. nos termos de sua iuformaeio de 7 do cor
rente, sob n. 87.
Felix Antonio de Alcantara. Iodeferido.
Joao BrasiKano dos Santos.Infornie o Sr. Dr.
chefe de polieia.
Jose Mendes Carneiro de Souza Bandeira.
Releve-se da multa que lhe foi imposta.
Jose Doraingnes Codeceira. -Sim, [mediants re-
cibo, nao havendo ioconveniente.
Joaquim Tavares Cordeiro da Silva. Informe
o Sr. brigadeiro coramandante das arraas.
Manuel Jose de Campos Barbosa. Informo o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Manoel Tbomaz dos Santos. Informe o Sr.
co mm and ante do presidio de Fernando de No-
ronha
Sebastiana Maria de Jesus. Informe a junta.
da Santa Casa.
Virgilio Jose da Motla.Seja relovado da multa
em que incarreu.
DIARIO l)EPERNlMKl]iX)
RECIFE, 12 DE MARCO DE 1874.
Motieias do sul doimperio.
Hontem, cnegou ao nosso porto o vapor Coni-
ripe. trazendo datas: do Aracajii 6, e de Miceio
11 do corrente. Eis o que colhemos dos jornaes
reccbidos:
sbrgipe .
No dia 2 do corrente, foi installada a sessao
da assemblea provincial, cuja mesa ficou assim
composta: presilente, Dr. Manoel Laiz de Aze-
vedo Araujo ; vice-presidente. Dr. Geminiano Rra-
sil de Oliveira Goes: secretaries, Drs. Joao Bap-
tista da Costa Carvalho e Bemvindo Pinto Lobiio.
Para exerceiem interinaraente os seguintes
cargos, duranie o tempo era que os effectivos es-
tiverem com assento na assemblea provincial, fo-
ram norneados : promoter da capital, Dr. Goncalo
Vieira de Mello; e director geral da ioslrnccao
publica, professor Antonio Dimz Baneto.
Falleceu em Itabaianna, o capitao Antonio
Jose Teixeira.
ALAGOAS
Nada occorreu digno de raeucao.
ASSEMBLEA PROVINCIAL
SESSAO ORDINARIA EM 6 DE MARCO.
1'HESIDENCIA DO SR. KERRRIRA DE AGUIAR.
Ao mejo dia, feita a chamada, acham-se presen-
tes os seguintes Srs. deputados : Portella, Arcon-
cio, Manoel do Rego, Firmino de Novaes, Soares,
Caaba Cavalcante, Oliveira Andrade, Antonio Hau
lino, Dario, Pinto Junior, Ratis e Silva, Alipio
Costa, Alvaro Uchoa, Tito de Barros, Felippe de
Fijueiroa, Goes Cavalcante, Tiburcio de Maga-
Ihaes, Ferreira de Aguiar, Pinto Pessoa, Peretti,
Guedes Gondim. Tolentino de Carvalho, Joao Bar-
balbo, Travasso de Arruda, Mello Rego, Gomes IV
rente, Vieira de Mello, Gon^alves Ferreira e Gas-
par de Drummond.
Abre-se a sessao.
ra fazer Isto e a reparticao das obras publicas.
(Ha outros aparres ).
0 Su. PEKETri: Peco ao Sr. deputado pelo
4* eirculo que lenha a bondade de fallar mais al-
to de modo que eu possa ouvir c-s seus apartes e
responder-lhes.
"Niuguem contestara que as cadeias a que se re-
fere o projec(o nao poderao ser actualmente todas
construidas, alguraas porem d'entre ellas sao mais
necessarias do que as outras e assim procuremo-
aos informar quaes sao essas. ( Apoiados).
0 Sr. Ratis e Silva : V Exc. esta me dis-
pensando de provar a utilidade do projecto.
0 Sr. Peretti : 0 nobre deputado que me
hoora com o seu apart*, certamente nao o daria
se tivesse prestado attencao ao que tenho dito.
Nio ponho em duvida a utilidade do projecto
ib totnm ; do contrario, reservando-me para a
votacao limitar-me-hia a negar-lhe o meu voto.
0 projecto autorisa a construcgao de quatro
esd*ias ; todas n.io podera ser feitas agora ; veja-^
djoj quae< as qnc de preferen:ia deverao ser
construidas, e com este lira requeri que sobre o
Srojecto fosse ouvida a comraissao das obras pu
licas.
0 Sn. Gome. Parente : 0 requeriraento tem
todo fundaraento.
0 Sa. Pure Pessoa E' verdade.
O Sr. Hiklis e Silva : Sr. presidents,
tod os nos sabemos que poucas sao as localidades
da provincia que nao precisara de cadeias. Em
!;eral todos os termos do coatro da provincia teem
alta dellas; as pris&es que por ahi existem nio
sio cadeias, sao apenas calabou^os imraundos,
iusalubres e sao prisoes incon-titueionaes.
A coustiluiciio manda que tenhamos cadeias
lira pa- e arejadas, entretanlo em todos asses lu-
gares nao se nola senio o que acabo de dizer
i:alaboucos immundos.
U Sn. Deputado: Ha muito exageragao
nislo.
0 Su. Ratis e Silva : Nio ha exagoracio
nenhuina. 0 nobre deputado pode apenas apon-
lar 3 on 4 termos, nio mais, que tenbam ca
delas boas.
Um Sn. Dei-utado : Lo^o nao si-i todas
inrniuidas. ,
OSr. Ratis f. Silv\: Eu nao disse que
silo todas immunda, mas que out goral as cadeias
eslSo nestas condicocs.
Q Sr. Pinto Junior : Pode dizer quasi todas.
0 Sr. Ratis i; Silva : E' verdade Se, pois,
quasi todas es-as localidades precisam de cadeias,
o quo adianta a informacao da reparticao de
obras publicas Nao vem adiantar cousa algu-
ma. Mas como n6* nio podemos decretar desde
ja quota para que se facam cadeias em todas
essas localidades, vamos fazondo aos poucos.
Agora despendaraos coin estas 4, ou com mais
j outras qne forem necessarias; para o anno vindou-
' ra com outras tantas, e assim pfldemos ter bcas
'. cadeias em toda a provincia. Eu estou prompto
a votar p<*r qualquer emenda ao projecto, no sen-
lido de dotar com cadeias aquellas localidades
que dellas tenliam urvencia.
Nao acho, pois, razao para ser ouvida a repar-
ticao das obras publica? sobre e.-te projecto: nada
adiantara o seu parecer.
0 Sn. Peretti : 0 nobre deputado esta jus-
tifienndo o meu requerirrento.
0 Sn. Ratis b Silvv : Nao estou justifl-
cando. 0 nobre deputado pedc que se ouca a
reparticao de obras publicas, e para quo 1 Mostrei
Deixa de ser jida a acta da sessao anterior, por que u5J, 6 neCessario ; e assim nao eslou justifi-
cando.
0 Sr.
nao se achar sobre a mesa.
0 Sr. secretario da conta do seguinte
BXPBHSMTE.
Offlcio do secretario do governo, remetlendo 40
txemplares, impressos, das leis provinciaes do an-
no passado. A archivar.
Peticao da mesa regedora da irraande de Nossa
Senhora do Rosario do bairro de Santo Antonio,
pedindo preferencia para extraccao de loterias.
A' commi9sio de orgameato provincial.
idem, de Guilbermina Basilissa de Oliveira e
Silva, professora jubilada, pedindo paganiento dos
ordenados que se lhe devem ate a data da sua ju-
bilacao. A' commissie de ordenados.
ORDEM DO DIA.
Continuaa 1.* discussao do projecto n. 31 de
1872. autorisando o presidente da provincia a man-
dar consiruir edificios para eadeia na cidade do
Rio Formoso, villa de Barreiros, Escada e villa de
Nossa Senhora do 0' de Ipojuca.
O Sr. Ratis e Silva : Sr. presidente, nio
posso deixar de oppor-me ao requerimento qne
foi hontem apresentado e se acha sobre a mesa,
pedindo que seja o projecto remettido a comraissao
de obras publicas.
Nio sei raesmo para que fim precisa ir o projec-
to que se discute a dita comraissao.
Se e para dizer a utilidade que content o pro-
jecto, esta utilidade e tao ioluitiva, que uenhuma
comraissao deixara de confessal-a ; se 6 para con-
sultar as forces dos cofres provinciaes, tambem
creio qne isto tem razao da ser, porquanto a cvtn-
inissio de obras publicas nio e para tal compe-
tente.
A nao ser para estes dous fins, nao sei o qne
justifique a remessa deste projecto a commissio de
obras publicas.
Se fosse para se ouvir a reparticao das obras
publicas, ainda asim este requerimento nio pode-
ria ser approvado; mas bavia um quer que seja
de retacio com o assumpto do projecto.
Como ja disse, nao sei com que fim possa o pre*
*ente projecto ir a comraissao de obras publicat>.
Eu desejo ouvir o nobre deputado, autor do re
Pee-.tti : Para declarar quaes sao
as cadeias mais urgentes.
0 Sn Ratis e Silva : Eu ainda digo, Sr.
presidente, que nao e essa reparticao a mais
habilitada para saber disto, mas sim a assemblea
que se corapoc de deputados que moram em dif-
ferentes lugares da provincia. E' ella quem pode
informar, qnem pode saber qual a localidade que
mais precisa de cadeias ( apoiados ). Portanto,
como disse, estou prompto a aceitar qulquer
emenia ae projecto; -e me mostrarera que ha
outras localidades alem destas que estao declara
das no projecto, que mais precisem de cadeias.
A nao ser assim, voto contra o requerimento.
Sr. Pcmttl: Sr. presidente, sinto di-
vergir da opiniao do nobre deputado pelo 3* eir-
culo, e qne as razoes por mini offerecidas nio o
tenham deliberado a apoiar o requerimento que
apreseniei. So a consideracao que tenho ao no-
bre deputado, faz com que eu ainda diga algumas
palavras acerca da utilidade do me3mo reque-
rimento ; do contrario, certamente nio o faria,
porque se nio explica o que e nuuralmente
claro.
Nio contesto que alguraas cadeias do centra,
mesmo de villas e cidades proximas a capital
estejtm em rrao estado.
0 projecto que ora se discute autorisa a cons-
trucgao de qnatro cadeias todas em lugares
proximo?. D'entre ellas algumas como a da
Escada, estio deterioradas. Por outra parts esta
eidade flea a margem da estrada de ferro, donde
portanto e muito facil a remessa dos presos para
a eadeia da capital ( apoiados).
Isto 6 que carece ser esludado; a illustrada
eommissao devera nio so attender a sitoacio das
differentes localidades a que se refere oprojecto
como tambem ao estado das cadeias respectivas.
0 Sa. Ratis e Silva : Apresenta nobre
deputado uma emenda.
b Sr. Piretti : Nio, Sr., v* o projecto a
eommissao, e esta que diga, depois de ouvir a<
informacoes que poder obter, auaes as cadeias
.--------,- --v. r.------, quaes as -_
quenmento; peco que elle expenJa as razSes que -ae ^ preferencia deverao ser construidas.
teve para aprewntal-o ; e se ellas me coovence-1' j^ havendo mais quem queira a palavra.da se
rem, nao term duvida em otar pelo requenmenlo,!, di,ca8sio por encerrada e procedendo se a vota-
ao contrario vote contra elle, porque *e nao im-j^ A approvado o requerimento do Sr. Peretti,
porta uma morte an projecto, importa, ao manos, Efo que fie, a ajgeus^) adiada.
umadiainento jnutil. I gmra em 2 discussao o projecto n. 33 de 1873
O Sr. iVrciti: s>r. presidente, o estado i c^ueeaendo 6 loteriss do 120 rontos, a differentes
deiciente e pouco lisonieiro dos cofres provinciaes: ieroiaa
naopermille que se faca tao avultada despeza i Va> i mesa, sio lidas. apoiadas e entram con-
eom a construccao do tantas cadeias. (janctameate em discussao, as seguintes emendas :
So existem dous meios de salvar as financas da
provincia lancar novas coatribuicoes ou econo-
misar muito as reodss sxistentes .
Eu nio aconselho e antes julgo prejudicial e
emprego do primeiro nio, nraa ves que as ma-
terias tribalaveis a se acham gravadas de innu-
meros e 'n-ri-issimos Impostos; iesta pois eeo-
n""'is-'r.
0 r. Rati k Silva : A coiamissao nao e
coroiiotente para d zer se os cofres podein ou nao
comportar essa despoza.
Outra em heneficio da matriz de Flores.-An-
tonio Pauhno.t
c Uma loteria pars a igreja de Santo Amiro das
Salinas.-Bario.
Apresento como emendas ao projecto. os de
ns. S3 de 1870, IS de 1873 e 72 da 1873.Dr.
sjaawTdo Rtgo.
c Outra para a reconstruccio da matrix de Bom
lardirn.T. Amda.a
s^Fioam concedidas dues loterias de 120:000*
cada uma, em ebueficio das obras do patacete do
Lyceu de Artes e Offlcios. -T. de Stagamaes.B
< E uma a favor de cada matriz que nio tenha
obtido aiuda igual concessio. Vieira de Mello.
< Outra para as obras da igreja do S. Sebastiio
do Bonito. G6et Cavalcante.a
O Sr. Ratis e Silva.Sr. presidente, a
concessio de luterias para as obras das matrices
da provincia, tem sido um rocurso, de que se tem
lancado mio para que estas obras se fagara quan-
do os patrimonios das raesmas marrizes, nio sio
sultfcieoies para leva las a effeilo. \6. pois, a' casa
que s6 se deve fazer taes concessoes as matrixes
que estiverem nessas condicdes.
Eu, Sr. presidente, tenho sido sompre facil e
prompto em votar a favor le loterias para matri-
ces, raas nio posso votar em favor da emenda que
concede uma loteria a cada matriz da provincia.
Entend'i que 6 cousa que uw nio devemos fazer,
porque assim nos nao so vamos votar para aquel-
las que precisara, como para as que nao teem ne
cessidado, para aquellas que nio estio era obras.
E, para que Srs., havemos de concedor loterias
para quem nao precisa, para quem nio dos pede,
para aquellas cujas ueces^idades esta casa nio re
conhece ?
0 Sr. Felippe de Figukiroa. -Creio que e pro-
ciso o prazo de 10 annos. para correrem as lote-
rias que ja estao concedidas.
0 Sr. Ratis e Silva :-Entendo que a emenda
do nobre deputado, nae pode ser aceita. Attenda-
mos ao fim para que se concedem loterias : o fim
e para que se fagain as obra< daquellas matrizes
que estao impossibilitadas de por si, se reedificarera.
Mas, conceder uma loteria para cada matriz da
provincia, para aquellas que nao tem necessidade,
entendo que e ua procedimento que esta casa
nao deve ter, 6 um procedimento sera criterio.
Um Sr. Deputado : -E' dar esmolas aos r cos.
0 Sr. Ratis e Silva :E' justaraentedar esmo-
las aos ricos, a quem nio precisa. Portanto, eu
voto contra a emenda do nobre deputado.
0 Sn. Felippe de Figueiroa : K eu voto contra
tudo, projecto e emenda.
O Sr Cunlia Cavalcante faz algumas
observagoes.
OSr. Goes Cavalcante roquer e a casa
approva a retirada da emenda que apresentou.
Encerrada a discussao e procedendo se a vota-
cao, foi rejeitado o projecto, fieando portanto pre
judicadas todas as emendas.
E' sem debate rdjeitado em I" discussi) o pro-
jecto n. 63 de 1864, estabelecendo os limites da
freguezia de Gravata.
Seguese a 1* discussao do projecto n 6 de 1866,
transferindo a se le da freguezia de Taquaretinga
para a povoagio de Verlenles.
O Sr. Gaspar Drummond nio devol-
veu o seu discurso.
O Sr. Presidente : A informacao do pre-
lado diocesano esta sobre a mesa, mas ainda quan-
do nio estivesse, eu nao teria escrupulo algura
em dar o projecto para ordem do dia, porque cum-
prio a assemblea resolver como entendesse em
sua sabedoria. Entendo que a assemblea na deci-
sio de qualquer assumpto nio deve estar presa
nem adstrieu a uma informagao, qne peca e que
lhe seja dada com a demora de o, 10, 2d ou mais
annos.
Esta 6 a minba opiniao.
0 Sr. t secretario faz a leitura da sobredita
informagao.
Ninguem mais peJindo a palavra, encerra-se a
discussio.. e, procedendo se a votagao, e o projac
to rejeitado.
O r. Gomes Parente declara que vo-
tou a favor.
Segue-se a I1 discussao do projecto n. 54 de
1868, suppriraindo um dos lugares de escrivao do
terroo de Ipojuca.
O Sr. Gnspar de Drummond nao
devolveu o seu discurso.
O Sr. Alipio Costa nio devolveu o seu
discurso.
O Sr. Gomes Parente : -Sr. presidente,
pedi a palavra somente para apresentar a con-
sideracao da casa um requerimento, concebido nos
seguintes termos : (Le).
0 Sa. Felippe. de Figueiroa :Essa eommissao
ia foi ouvida em 1868 e ja deu parecer.
0 Sb. Gomes Parente : Peco licence para offe-
recer de novo o requerimento : a casa decidira
como entender A coramissio de justiga civil e
criminal foi ouvida em 1868, mas as condi-
goes teem raudado. Portanto, me parace que,
visto dar-se divergencia entre dous collegas, co-
nhecedores daquella localidade, nao sera inconve-
niente ouvir a mesma commissio.
E lido, a ->oiado e entra em discussao o seguinte
requerimento: .
Requeiro quts seja ouvida a eommissao de
justiga civil e criminal G. Parente.o
O Sr. Ratis e Silva : Sr. presidente,
os nossos actos devem ser sempre reflectidos, e
nio devemos tomar deliberagao alguraa nesta
casa com agodaraento ; elles devem ser pautados
pela prudencia.
0 projecto que se discute esta em 1* discus-
sao. Sua conveniencia ou nao conveniencia
ainda nao foi raostrada nesta casa.
O Sr. Vieira de Mello:Oh* Ja foi, meu
collega.
0 Sr. Ratis b Silva -.Apenas um nobre colle
ga disse que nao aehava nenbuma conveniencia.
Acredito muito na hobrada palavra do ccllega ;
mas 6 necessario que a conveniencia seja discu-
tida, que ougamos a opiniao de mais alguns
collegas, que consulteraos a opiniao da casa, e,
como esta o projecto em 1* discussio, nao ha
prejuizo em lhe darmos a nossa approvagao Na
! discussio podereraos emenda lo ou rejeita-lo.
Se, no tempo que medeia entre a 1* e a 2' discus-
sio, apparecerem razSes comprobativas da con-
veniencia do projecto, continuarei a prestar-lhe o
meu veto ; se pelo contrario for, eu o negarei.
Se estivesse o projecto ja em 3" discussao, entao
sim, haveria ditferenca, haviria razao para este
agodamento ; mas eslaraos em 1*, e nao ha incon-
veniencia alguma em ser approvado agora, e as-
sim tereraos tempo de estuda-lo, e d< poder s*
ber o que convem fazer de melhor.
Voto, portanto, a favor do projecto.
O Sr. Gaspar de Druninond nio
devolveu o seu discurso.
Vem a mesa, 4 lido, apoiado e entra tarabem
em discussao a seguinte emenda :
Que sejam ouvidos o juiz de direito o juiz
municipal do termo de Ipojuca, sem prejuizo da
discussio. G. it Drummond.*
E' mais apoiada esta subemenda :
Se passar o requerimento do Sr. Drummond,
seja eom adiamento do projecto. S6tt Caval
canh.*
Ninguem mais pedindo a palavra, e encerrada
a discussao.
ProcedenJo-sc a votacao, e rejeitado o reque-
rimento do Sr. Gomes Parsnte, e approvada a
emends do Sr. G. de Drummond, sendo depois
tambem rejeitados a subemenda do Sr. Goes Ca-
valoanle e o projecto.
Sao igualmente rejeitados sem debate:
Em 1* discussao o projecto n. 46 de 1871, an
lorisando o presidents da prorinola a auxdiar
com a quantia Uo 60:0004 a coasirucgio de uma
linha teiagraphioa desu cidade a capital do im-
perio.
Em 3* o de n. 13 de 1873, marcau lo novos lirai-
tes da freguezia de S. Pedro Halt) le o1
Olinda.
Em 2* o de n. 19 de 1860, elevando a catbe-
goria d cidade a villa da Escada, com a mesma
denominagao ; e o de a 34 de 1868, creando e.
Tacaite uma freguezia, sob a invocagio deS-
Pedro.
Segue-se a 2* discussio do projecto n. 68 da
1868, supprimindo a cadeira de instruecao pri-
raarla para o sexo fun oino era Buiqne, e crean
do uma para o masculino na freguezia da
Pedra.
E' lida, apoiada e entra coajunctamente em
discussao a seguinte emenda :
< Offerer.) como emenda os project > as. 80 da
1871. 15 de 1872, 34 o 43 de 1873. Dr. JffaaaH
do Rego.*
O Sr. Tolendiao de Carvalho funda-
raeota o seguinte requerimento, que e apoiado
entra em discussao :
t Requeiro que o projeMo em discusio v a
eommissao de instruecao publica para dar sobre
elle o seu parecer. Tolentino de Carvalho >
Nao havendo mais quem peca a palavra, pro-
cede se a votacao e c approvado o requerimento
Entra finalmento cm 1' discussao o project-
n. 72 de 1868, marc indo os limite* entre as fre-
5uezias de S. Caetano da Raposa e Noisa Seaoora
o 0' do Allinho.
Verificando se nao haver rasa, o Sr. presidente
designa a ordem do dia seguinte e levanta a
essao.
REVISTA DIAR1A.
Assemblea provineial. Hontem fuac-
cionou com 28 senhores deputados, sob a presi
dencia do Sr. Dr. Aguiar
Approvada a acta da sessao antecedents, o Sr
I* secretario leu o seguinte expediente:
Um offlcio do secretario do govern) da provin-
cia, remetlendo por copia o contrato dos carrot
funebres, celebrado pela Santa Ca-a de Miserieor-
dia com Agra i*. CA quem fez s requisicao.
Outro do mesmo, remetlendo o balancete da re-
ceita e despeza da camara municipal da villa de S.
Bento, o orcamento para o exercicio de 1874 a
187'i; 8 arligos d posturas addicionaes e o offlcio
da mesma camara, expondo as necessidades do
municipio. A' commi>sio de orcamento mum-
cipal.
Outro do mesmo, remetlendo 4J relatorie, im-
pressos, do inspector da thesouraria provincial
Distrihua se.
Uma petigio de Jose Peroira da Costa Miranda,
escrivao do crime e jury do termo do Exii, pedin-
do e pagaraento do custas de processos decahidos.
A' comraissao de camaras mumcipaes.
Outra de Joao Baptista da Rocha Lins, pedindo
para ser gratuitarnente admittido no gymassio
um seu filho, de nome Joao. A' eommissao dc pe-
tigSes.
Outra da mesa regeddra da irmandado d Sssss
Senhora do Rosario da Boa-Vista, pedindo prete-
rencia para a extraccio de loterias. -A' comraissao
de orgamento provincial.
Outra de Costa Maia & C. esubeleeidos eom
fabrica de chape os a rua 1* de Marge, pedind-
para ser isento de pa gar impostos provinciaes e
municipaes, bem como a isencao do ssrvico mili-
tar para os individuos que trabalham na referida
fabrica.A' eommissao de coramercio e obras pu-
blicas.
Foi tambem lido, julgado objecto de deliberagao
e mandado iraprimir um projecto assignido pel >
Sr. Tolentino de Carvalho, rcmovendo as cadeira-
de instrucgao pnraana da freguezia de Fazenda
Grande para o povoado de Nossa Senhora da Pe-
nha da mesma freguezia e a da Cachoeira do Ro-
berto para a povoagio do Caboclo, de Petrolina ; e
approvado um parecer da eommissao ds ordena-
dos, solicitando informatics a directoria de in*
trucgao publica acerca da peUgio de D. Guilber-
mina Basilissa de Oliveira e Silva.
0 Sr. Ratis e Silva, pela ordem obtem a palavra
e manda a mesa um requerimenlo, solicitando co
pia das bases offerecidas pelo gercote da com pa
nhia Recife Drainage e capitao Bullock para o sc-
cordo que devia seKcelebrado eolrc o governo d
Sroviocia e a referidacompanhia, o qual foi, a pe-
ido de seu autor, retirado e substituido por ou-
tro, pedindo copia do accordo ou outro acto qual-
quer, que tenha havido entre o presidente da
provincia e a corapanhia Drainage ; depois de ha-
verem orado os Srs. Mello Rego, Ratis e Silva, Por-
tella, Pinto Pessoa e Tiburcio, o Sr. Mello Rfgo
raandou a mesa uma emenda, a qual foi approvada
com o requerimento.
0 Sr. presidente lembrou as commissoes um
exame em suas pastas c que de*ra adiaatamento
aos trabalhos nellas exWtentes.
Passando a tratar-se da ordem do dia, foi sub
meltido a 2" discussie o projecto n. 34 de 1873,
qu6 crea uma eseola de instruecao primaria no
Riacho-Doce, e declarando o Sr. Manoel do Rego
que esse projecto esta dependent* de outro que
esta affect) a commissio de instrocgio publica, foi
o raesmo retirado da discussao.
E entrando em I" discussio o de n. 53 de 1871.
que determina sejam oxercidos por.distribuieao os
offlcios de escrivaes do termo do Bonito, depois d
orar o Sr. Ratis e Silva, verificando-se nao haver
ou nero para wrtar, o Sr. presidente dipsra hoj*
a seguinte ordem do dia e levanta a sessao : con-
tinuario da antecedent, l* discussao do* projecto*
ns. 89 de 1866, 79 de 1871, 75 de 1872; tr do
de a. 32 de 1871; e 3 do de a. 67 de 1870.
Hospiclo de allenados.Daroos em
seguida mais donativos para as obras desle nov
estabeleeimento :
* Santa Casa de Misericordia do Recife, 9 ae
margo de 1874. -lllm. e Exm. Sr. Detejando a.
junta adrainistraUva aaxiliar a V. Exc. ao loava-
vel eropenho que Iem mostrado de l?var s santo
nesta provincia a edificacao de um nospicio para
os infelizes alienados, promovcu entre os irosso*
da Santa Casa uma subscripcio que ate hoje tern
produzido a quantia de 2; 1701, a qual nesta data
pde a disposicao de V. Exc. para ua tal ana.
Deu* guarde a V. Exc IMm. s Exm "
inendador Henrique Persira de Luceaa.
te da provincia.0 provedor ialeriao,
via de Faria Neve*.
4." secgio. Palacio da presideaeia as Per-
nambuco, II de marco de tWi. -Commoaica-B
Vmc. em ofti/io de 9 do correate, sob a 71a, aas
a junU administrativa dessa Sanu Case,
do auxiiiar-me no emoenho d levai
ediftcaeAn do asylo de alieaadoa,
para ea-e fim uma sabscrincao seers a
voa irmaos. a qual tem produndo a
2: t70, que e.-ta a auaaa dispostaas
a 0 acto merUorio da junta adrmntaarativa a
t>. v ntade com qne fot corraspoaiiae pake (-
no* irmaos da Santa Casa, snsrerest toavore*
agradecimeows, que me ccrapriin
aqui, recommendando a Vnse. qos
esses nobre* cavalhetros a axprswie e
de meu sincere e profuade rutuBhutianalo.
Resta-mn dizer lhe qoe pads
quautia referida so poiaars da secretaria
urosidencia Antonio Fraacaco das Navas,
la o competente recibo. Dens guarde a Vme.
(As3ignado).-/iTtrisas Pereira de a*r*-^r.
provador interino da Ssata Cam a* a>'*iesraa.
Culler' via rnviaeal. -
da pre.-i
tehare
Sr. com-
abrir
le do eorraale, a*aai aoawsdaa :
s ria de Limoeiro, e Augn4o Codlae
da d . lKteraro*s.-Por porUris da
pi-'-sidau'la o. ,>i' iviacia, do 10 do c meate : lot
wwasrado o uauuarei Fraucisce Corroia 4e Qaa7
3-le=J :
r mr\
.....-


i il hulk, m st ami
piyaa.de Pomambuco Quiiita feira 12 de Mar^o de 1874. ^ OHJtfi/. J 0/./:#
tea Barros de aeWgaao
nomeado part o snbstituir
de lloltitvi* C^ufcaifte. ... ...
rmttwBorGKEFvc poKarias da prcsido.RU
da provincia, dgW^tf corrtrtfl, Torim nowendos
pan teger imeMMMfte u aadeitas -do wstruc-
Cio primaria .fetMTSfemtaiao, -era .Gray: la. do
Jaburo., GuilbermiMMaria da Conceicao Padilha ;
do raesm j sexo, em PaneHas^Pbilometm Capitalina
4a Silva Campos ; do agflBfcWxo, tMnttl d>
Carvalhos, Adrian* FeUM MaflL K4
DislarMo e t<
irons da compaahia
que tinha de fazer *
da tarde de ante-tio'
neotos e algamas co
festando notavet coo
foi aquelta viagem suagfimt
O lacto passoMfcito^KuioH
Subia o trenjav horHla. fnelia, para o sea
destino, levando em um dasearros da 2- -dasse
tres soldados do corpo de policia e o inspector de
quattelrao -de nome Francisco de Paula do \Hosa-
rio, conhecido por Ckico bigode, qaando, ao esta-
IB par* 6i pwwsore| y^wiwiffiP!!
-*5m am, d-,>s
rro de Ofiada,
horas e aU
dous .feri
ue, so
s: pas?
do :
.mll'UojrflTecMia n agente Ma: tin?
laTqrajwda, fabrii-a do cigirros <
Qfflt rfrtHJftijfrtlf C'R.constand > do grande
n alumno.
cid*)c......' '
wocreaatle UKerart*-anrr -aa
tuaa. Hcje, it de cosreate, ha vena sessao.ex*i mkmPm RM^ ef&airos,
^trao/dinariailesm seciedade* .as $ hotas da tar.de, fA^aaf-.taatft faeriea de
na ma Direitan. 100. M
Lisbon e Porto.-Chegaram
Portos de _
aMMja Usbda 16 Alipeik, do Par* e a 17
tisrdBde IferDamauee; afl~PSrto-a tl tor-
""sahflirtos i He's: de Lisboa-t 17 feiyme (v )
para o Para o ear-a, a 2* Cearense ft) para o
ri'ara, Maranhao eCeara, e Li Ma para Pernam-
b-ici, aH hUio idea ; do Porto-a 21 L\
para Pernambuco.
Estx*#in"a caiga os navios: em Lisbfla-Jvo a
Bella Ftiueirewe para Peraambtwo, Angelicapare
o Maranhao, Amatona e Ligeira para o Para ; i
Porto-Camponeza e Douro para o Para.
Porto 4e Liverpool. Ficavam ao sabw
desse porto para o de Pernambuco : a SO de le-
rereiro, navio Aureola'; a 28, navio ZataVt, eva-
Oberon.
ciontt-jna, estacio da rua do Priucipe, foi a esses por 06...
indKes um conductor, e exipi^lhes o paga- tidadte da Escada.-Desta localidade no*
IgfPJS flhtrit da VaTzea, quo corre
meuto fia passagem, ou o p isse qne legitimasse a
sua estada al.i
Os soidadoi deolararaa oa\*o que eram er-
lenancas do Dr. dclegado 1* titstficto da
capita), iam a serviro public*, oao !ttnbam pesse,
nem eslavam disp.istos a pagar as suas passa-
^gens. Em vista disto rctore.aio-!hes oconruclor
|ue elles nio podiam coawnuar a viagstn e que
fleiam de*C6r 4>i- ln>m, wr i*o (|iw o regula-
mealp e, contrat da companhia com o ^overuo
faiia 'dep'endehse de paste o triosito de prajas
em senricS
Aute essa declaracaOj qua foi eorrobirada pelo
here do trem e apeiada petos passagoiros do
carro em que iam os soldades, exaei'efaram se
estns, e, sacmdo-doS refTes, accommefieram o dit-V
cheTe e seu ajtidairte, e Qenam axo a eonfusaa
de que acima failaos, e, em tncio -da qualj va-
rios passageiros soffi-erain espa[deirailas e cace-
tadas, coimreliendendo-sE uo riumcro das offee
didos o Sr. major LaUreiitino Jos d Miraniia,,^
gerente da estrada de ferfo, o qeal ia tambem
no trem. ,.
Diante de U'ihanua deserdei, o Sr. gew-stc
ordendti que o trem recuasse ale a esta^ii* da
rua da Auroraz o quo foito, apeiarara se tedus
os bassage.iro.% e> -conduzindo os feridos, Coram
a iecfetaria de polichqueixar"t ao Sr. Dr. cbete,
que, em continence,fieu ag orovidoucias preeisas
para serein presife os cr,lpunosos e pensados os
teriflck proccdendo-se contra aqu^Iles na forma
d l?U ,
Quer o ck.fe do trem, qar o ?cu ajtMiante,
fora'm basta'Wte maHr'atado's, achando-seo segun-
do com um grande talho no craneo, e o iabio e
mafldibnla infeiiores un'eodido's.
Dadn a ordons de p!"isSo centra os delin-
queutes, frtfani presos os tres soldatos as 9
horas da noite< do- aate-h*otem. -sndo igual-
mrnte preso, as 10 horas, o inspector Ckico bi-
gode, na occasiio *em qae aoompahava o Dr.
que o dito inspector estava armado nao so com
um reffe. mas-tambem com uina faca de ponta.
Etes fa'etoe, queahi fleam narrados, tiveram
preceiencias, que cumpfe tornar patented
Eilas :
Ila alguns dias um conductor da via ferrea do
Oiirida oBi'igau um indivi Jiki embriagado, que ia
em urn dos truas, aapear so, por se ter recusado
a iiagar a respeetiva passagem. E se iodividuo
f.'i quttlr-se ao pt. dele/ado, que, sem mais
.'xaiii", raaadou p>r dous soldados prouder aodito
cond KtiMjiie, aclimdo exorbitante a ordem.de
i-!;iriu qu aiosn entregava, maxima sendo preci-
so- as sens servic is a lioba ferrea c nio estando
|i!''sento a Sr. gerente.
Ks-c.-i fecca Jesgo.-tou ao Dr. d.-legad), que,
s-gu iti nos infonuou o referido Sr. gerente, de-
clarn'j the file iuIj mais se importaria cam quaei-
qjrr iir.cwenr.rtx que se dessem nos li'eus da cit
feiira de (Hindu.
N i iU'a ant'jrinr an do disturbio, isto e, a 9 do
caneiit)'.. dias da*urJenanfas do mesmo Dr. dele
gado, triif-i em u-ft trem dd5sa via ferrea, recu-a
ramsc pag.w as pissigens e nao apresontaram
p ttse ; pe\ que ocondactor ebservou-laes que
teriamife apearv clianlrtdos rSflte, dos quads tidivia nao tiveram
tempi dsssrvirem se porque foram tamanos pe
los conduct >res com auxiiio dos passageiros do
trem, todos osquaes ubngaram os soldados a so
apearcm.
Trazidcs aqcelles reffes para o escriptorio da
companhia, a rQa da Aurora, alii os foi reclamar
o Dr. delegado, diz-snio ne^sa oeeasiao, seguulo
nos iuformara. que os soldados despojados de suas
armas eram vulentes e que sen duvida procura-
riaat toiu w inform do insullo.
Nmgu:iH den valor aisto; mas o que e" facto
e que no dia 10 deram-se as seems que acima
narramos, e o que mais e, foram elias subscquen-
tes a uma conversa, pouco traijquillisadora, troca-
da entre o referido Dr. delegado e as pracas mo-
toras do disturbio, ja eotio acompanhaaas pelo su-
pramencionado inspector Chico bigode.
Sabelor de todus esles factos, anteiiontera, de-
pois do disturbio, o Sr. Dr. chefe de polieia propoz
ao Exra Sr. commondador presidente da provin-
cia a dem'ssaodaquelle delegado, e essa demissao
foi logo lavrada, a bera da serviijo pubiico, ccmo
pediain as circumstancias.
Vapor ao kuI. -Ifjotem ao e.^eureer'appare-
eeu ao sal um vapor grande, que se suppOe ser o
francex Ville de-Bakii. Ate 8 horas da noitenao
tinha fundealJ no lamarao.
llorte casual. H)ntem o trem da via
ferrea do Recite a S. Francisco que subio das
Cinco Pontas para Una as 8 horas e 20 minutOs
da manha, pert > do engeaho Plana, fracturou uma
perna dc um U imcm, de cjr branca, de 30 a 33
annos de idade, quo achava se sobre a linha
n'uma curva quo alii ha, e que so foi visto na dis-
xanciade 4 a a braca?, o qual, em v^z de altender
aoaigaal dado pelo machinlsta, mais se adianteu
para o meio da linba, de forma que foi impossivel
evitar o clio.jue e comojeonseauencia a sua raorte.
cadaver.-Em terras do engenho Sant'An-
na, do districto da 'Victoria, foi entrado um, cm 9
do correntc.quereconheccu-se ser o do preto An-
tonio, escravo de D. Maria Francisea do Nascimea-
1o. Da vistoria a que se procedeu, veriflcou-se
terelle succumbido a uma apoplexia fulminante,
S.dtstrietodaeapitaI.-Em 10 do cor-
rente assumio o eTtercicio da vara desse Jutzo, o
re-peetivo subslitulo Dr. Alexandre de Sonza Pe-
reira do Carrao.
Para o sal do imuerio.-Cjm 13 recc-
bidos em nosso porto levou o vapor Aancagua
965 passageiros.
Freguezia da Boa vista. Acha-se no
.-xereicio de sobdelegado de?sa freguezia o Sr.
Winhetro -G vapor Julio Dintz trouxe para
oSr. Joao Pedro de Mello 2:7.07#00.
0 vapor Curuript tfouxe para :
Joaquim Jose Goncaives BeltrSo 4 Fflho 365*000
Joao Quirire de Aguilar & C 1303000
0 vapor Aconcagua levou de. nossa praca
para a da Babia 3005.
Companhia PernauiDueana Dei-
xou hontem de resUsar-se a assemblea geral dos
.accionistas desta companhia, sendo transrerida
para o dia IS.
Julio Dintz Eta vapor, da cempanliia do
Porto; vai para a Europa iioje ao meio dia.
?'otopaxi.-Seguado telegramma da Bahia.
este vapor, da companhia do Paciiico, >ahio d'ahi
para o nosso- porto hentem (It) as a horas da
tarde.
Telegrammas eoaanaeretaes 0 da
rasa commercial do Sr* P. Tittle, de Londres, em
il le fevareiro, as 10 boras-e 10 minutos da ma-
i.b'.diz:
Algodio regular do PerMtnhuco em ser 8
1/2, da Paraayb* 8, de Maceio 8 3/8 calmo.
a amiuu Bjascarada de Peroainbueo, qnalida
de regutaf,e4.iwrpael,'aV>//r#uxo. j>
Da Kuropa.-De regreaso da Eitfupacbegou
ant>liane a* porto defta cilado, au ujrdo do
paqustb Aenoataa, o Sr.- Dr.' Rafiae Augusta de
Almeida; ad}Oticto qae foi da eemmissao brasiiei-
ra na oxpoaieoo de Vienna d' Austria, onde pres-
t iu-rjlevaatM B-rvifos ao s-u pai/..
Tlrrrlaall iPir telegramma do Para,
hontem as 4 horasdatard^irabB se que ainda nao
era ahi chegadoo va/mr Mprrmack, pelo qne se
julga-^a ter-me-ocaortWo aJfjtua accidente.
SA*edarle Las* Brasalefra.-Na dia
19 d^ correata,5a> 7 boras da onfW, realisa esta to-
ciedade uma sess36 rasgoa'' pawt-a"tiisialla?io da
ima^m" do proci/e/J#l*ft*nAa'S. Jose, e do
retratedo fundatloT d fcWMMiaueliarel Agosli-
nh aHixiaiO Nog*i-eira"l'8nidci!
JS va publlcaeao. 0 Sr. major Salvador
Henri |ue Je Albaqnerqiia ealfc do publicai a
priiu-ir.i ediQao dos RudMMtit ?o>tH-iHezi, obraa matspMVrltMdLpara oensino
escrevem o segumte :
Ja tera sabido a maneira, porque so deram na
noite d2 do oorrenle, tees mortes. Este lamen-
tavel acontecimento teve por origem a embriaguez
4e uma das viqtimas e a inn-rudracia de algumas
pessoas, que acudiram ao contlicio ; havendo suc-
cun*:ido as tres rktimas em consequeneia dos fe-
rimeatos reciprocos, qae receberam, portal occur-
rcflcia nadatem quo Tazer a paUicia, alem do m
qocrito a que so prooedeu para a todo --tempo'COBS-
tar como se deu e facto e as circumstancias, que
o precederam. ,
Tevo lugar o eegundo leflao, aonunciada cm
favor das obras da matriz. Alcai das jo; que li
caram do primeire, novas offertas se reeeberim e
o seu producto pouco falt*i para um coitto de
reisl
0 comraercie desta cidade, qae tanto se tcm
distinguida em promover os meios para tab im-
portant obra, projecta fieer no dia 18 um outro
leilao. As comaissSes eatre si nomeadas estao
em actividade e segunda a iuflueneia que, ja, se
nota, e de crer que o producto do.te venha a n-
valisar com os dous, que tiveram lugar.
t E-ta prorapta a coberta da matriz e Vai ag ra
receber a teliia, que j5 esta na obra ; as torres
estao quasi eonciuidas; as sete portas estao asseu-
tadas e ja com uma mio de liata;; asescadas do
coro esUu promptas e c uma ohra de gosto ; o ta-
boado para o assoalho esta prompto; as caixilhos
d^> portas e claraboias sti9 se fazendo de em-
preitada.
N'este eslado seacha agigautesca obra da ma
triz desta cidade. Quern ooter-vou o desauimo
com que se deu principi), toma agora seu resul-
tado por um sonlto ; entreUuta tao grande prodi-
gio so devemos a Xossa Seuhara da Escada, e aos
esforcos do mui virtuosi* prefeito da Penha, o Rva.
frei Venancio, e a seu di^ao successor, o infatiga
vel frei Ciielano, coadjuvad.is com a inaior Uedi-
cacao pi lo povo desta cidade e dos proprietaries
da freguezia.
Kesta agora limparse as paroles mternas e
exleruas; nao e trabalho de grande monta, apezar
de ft-Ur esgotada a freguezia e de se ..charera
enfraiueeidus a agricullura e o commerci > com a
medonha crise com que aotualmentc lutam. Ha
desejo par parte de todos em concluir-se a obra
Mdito- qne ja contribuiram, estao promptas a co
lisareai se ; o Rvd. vigaria esia disposto a concor-
rer ale com tres contos de reis, se vir que a obra
chega a seu fim. Para esad resultado nao duvi-
daaios eoaUr com um auxilio dos cofres pablicos,
nutxime agora que se actaa reuni Ja a assemblea,
uao sera muito so concorrer ao menos com dous
eoatps de reis, depais de haver os habitantes desta
freguezia coacorrido, alem de seas ser\1?os, cam
cerca de viate contos de reis!
Oan estas cifr'as e mais um sacrincio por par-
te dos fieis, do qual nio duvidamos, a matriz es-
tara defimtivameuto acabada por todo o mez de
htalo, e esta cidade Beard ufana com um mages-
tqso templo, que por si so dara testemunho o
mais eloquonte, do valor das Rvds c.ipuchinhos e
do espirita religioso dos habitantes da Es:ada.
< N5o e, portanto, a fait a de meios que deixa-
mos de ler desta vez a obra da matriz concluida;
o que bastante nos de recimenta, que manifesta o Rvd. missionario frei
Caetano, e os desejos qne este tern de retiraT-se
depois de coberta e ladrilhada a igreja, e mais do
quo ludo por sabermos que o muito digno e vir-
tuoso prefeito nao esta disposto a conservar por
mais tempo aqui o seu successor, pela nree quo tern de qnem o coadjuve nos trabalhos a sea
cargo, no hospicio da Penha.
Falla-se aqui em uma reuniao popular para
se elcger uma' comm'ssio para ir ao Rvd. frei
Veuancio, pedir-lhe a euniinuacao da Rvd. missio
nario frei Caetano, para se concluir a obra, que a
elle coube a gloria de haver inieiado. Se a com-
missao for attendida, vai taraVin incumbida de ir
a S. Exc. o Sr. presidente da provincia boHciMt
um auxilio dos cofres da provincia, e, qaando nio
se ache este autorisado para concedei-o, recla-
mal-o com a necessaria urgencia da assemblea
Esta, portanlo, a canclusao da referida obra,
dependeote do bom exito da commissao, qae so
projecta eleger ; (jueira Nossa Senhora da Escada,
inspiral-a com sua graca e nos coadjuve com seu
valor que a sua igreja, no pe em quo se acha,
nio iicara entregue as ruinas do tempo e qae, se
por ventura paralisar, sera talrez parannnca ter
fim.
Sehoje para sua conclusao se tern de dispen-
der cito contos, em quanto esta orcado o que
falta, mais adiante nem com o duplo so consegui
ra ; o inverno que vai eulrar ha de arrujnar mais
ou menos as paredes, os andaimes ficarao podres
e os materiaes accamulados se estragarie ex-
pjstos ao tempo, como se acham, isto se acaso f6r
a obra aio la dirigida pela missionario, por.jue do
conirario so o carreto das materiae--, que faltam,
importarao, em metade daquella qaantia.
Xiii concluirei esta, sem dar lhe noticia da
festa, que aqui livemas no dia 8 do corrente, uma
das mais impaneiites que podia haver. Sendo esse
dia destinado para a callocacao da croz do frou-
tespicio da matriz, dc wspera se levantna na vasta
rua da Estagio, um altar corn toda a elegancia, e
nelle teve lugar as i I/J da manha, uma raissa
cantada, celebrada pelo Rvd. missionario e, termi-
nala esta, teve lugar com as solemnidade? deyiias
a bengao da raeucionada cruz, que dessa cidade
viera ia prcparada e d'ourada com o ensto de
260i0( 0, e, terminada a ceremonia, foi eonduzida
em hombros sobre um andor e assim exposta a
veneracSo dos fieis, percorrendo a dtta rna, que
se achava toda embandei'rada c arbbrisada, a>
som da musica e di versus canticos, e d'ahi segaio
acom^anhada por mais de quatra toil pessoas,
para a matriz, onde apns sua chegada, foi erguida
por um apparelho e collocada no pedestal, que se
achava preparado entre arcos de folhas e flares,
inaxtca e fogos dd ar, a custa do3 operartos.
Ainda desta vez nao lhe reraetto a rilacao dos
eontrihuintes, por falta da rela;io parent da com-
missao a cafgo do dis'.incfo capita Bezerra Ca-
valcante, porem farei esforcos para remetter-lh'a
nestes dias para no caso de ser passive!, ser pa-
blieada, como ja lha pedi.
,% isuas Bellas. ;-jM)inunic im-nos 0 seguin-
te de.a locaiidade, em dous do corrente :
a Ainda mesmo com o risco de offender a mo-
destia, que se occolta, uao deixarei da levar a
luz da publicidade, um acto do graade aleancs
para esta malfadada terra do sertio, para ondy
raro convergem as vistas gavernativas, pois ao me-
n>s com ella coaseguirei, quanda nSo uma recom-
pensa alHciat para quem o praticou, um e*limulo
para os demais, no cumprimento de s
t Aos exforcus fiem ombinados do dolsgalo de
pplicia deste ternw, o tenenta corpael Con.-taati
no Rodrignes Lins de Albuquerque, deve o
papel u uutrus
cigarros.
Caaa de deteucao.Movimonto da casa
de deteaeio do dia 10 de marco de 1871 :
fcistianrnres*f; entcaram 8, saWram 11,
exhrvm Mi. .
. A saber ;
Nacionaas 3, malheopB' II, eswmgei.'o* 28,;
crvos 3a, cSCWt'a 1.Total 31?:
Alimentados a-ensta dos cofres obli.,os 330.
. Pas-sageiras.-Sahidos paim.os portos do
Ml no vanof inglez Aconcagua :
Joao Jose- de- Amorim, Fraaciseo Domingit9S
Hibeiro Vianna, Manoel Anlonio da Pcnceca, Joao
"Sobrinko de Luna Pinto, W. H. Chapman, Anto-
nio de Siqueira da Cunha, V. Moraes de Albu-
querque Haraahao, Pedro \:lho A. Maraahao,
J-ise Joaqaim Seabra Junior. Sebastiao da Costa
Dia, A: C: Cooj*n.
Chcgados do Rio Graade do Norte ne hiate
'JoRo Valle :
'Deodato Jo;6 da Silva Francisro Co*n-.o Ma-
chado.
Cetuiterlo paabHeo.-Obituario do dia 10
de marca :
Felix, pardo, bo aaaos,. Boa-Vista, hospital Pe
dro II; ignara-sea molestia.
I'ernardina Jo*d dos-Sau'.os, pardn. 'Bahia, 1
'%**H^CW^
altdeertao desta- proviuna meUde Ja trauquillida-
de que iia mail) hai'ja perdiJo, pois no dia 1* do
corr'nte, prendeu a Manaei Lopes celebr>dsdecri-
ruin.ua, a sea cunhadj Caipira e a alguas outros
fai;anlmdo* d* igual jaez, quo traziam este terraa
e os circumyiWabos traasidos de raedo e caoitan
teraente alarmados.
0 que recotinaeada man ao tenentccoroD^
Constantino, e ter elfectuado dilligeocia laoimpnr-
taqte sem uin-Mldado de pelieia, a tao sotneate
auxiliwlo pelos. iaaum^ros amigos de que dupoe
nesta Jocalida Je.
Ct)usta-ao3quafaramajesmaoccaiJiS>rapr*
neodida uina nota falsa de que oe mesmos criuai-
oofis quo taBibeoi'ss enteadiaia io- o celoUw*
ilnnoel Cfiteo, faziani usa. Iff do esperar; patttaa
to, que o gowemo'da prowiiieiSi auroseilaado.'a;
apti'tao desta aatoridada, dfcti em I'ommissoes ideaticaa, de qua tem taatataaaea-
sidade o alto sTtao.
Quanto a nos apertando amao da tanoat*-er
nel Cousuntino, faaomas votos para one nao
afrouxe no zelo contra os matf. i'v.v-, ilizetido lhe,
annos, solteiro, Boa-V4sta, hospital Pi>dro 11
Pedro, parde, FcrBambuco.G raezes, Boa-Vista;
espasmo.
Antonio Cados Pereir'a de Burgcs Ponce Je
Leon, branca, Peraaaibuco, 52 aqnos, casado',
Pocj; amollecimento cerebral.
C\mH\ MUNICIPAL.
SESSAO EXT8.\ORDL\ARIA EM S3 DE PS-
VEXBIRC DE 1874.
PBflHMBDCia OJ SU. HBGOE *LtUQUBRQCE.
Ao meio di i, presenles os Srs. vereadares Ga-
meiro, Loyo Junior, Neves^Ttteodoro Silva, Mello,
Sauza Leao a Cuuha Guimaraaes, abri>-se a ses-
sao, e foi lida e approvada a acta da antecedeate.
Le-se a segointe
KXPKOIKivTE.
Um olfiria do Exnr. prtinifMitfe da provincia,
cnmm'nAkando i. camari "muitidpal para os uqs
eonvenientes, que li-a firado provisoriamente co-
mo ponto de limite enire o dominio maritime e o
fluvial dos tarrenns de marirtha que ficam a mar-
gem do rio Capiharibe a-[of do riacho Parbame-.
ran.-Inteiradae qua se communique ao enge
ah-tiro.
Outro do gereate do baneo do Brasil, commu
nicando haver recehido a qnantia de dous contos.
de refs, rtmeftida ik* esta camara pai"a pagaraen-.
to de juros de seis iaejes venciJos em o 1* du cor-
rente. Iateirada.
Outro do juiz substitute de orphaos, commtmi-
cando a esta eaman, qua por mativo de moleslia
deixou em 16 do corrente o exercic.o do cargo.
laieirada.
Outro do mesmo de 2V do corrente, communi-
cando haver reassumida o exereicio do mesmo
cargo -Inteirada.
Outro do engeatierro Dr. Gervasio Rodrigues
CaiDpella, reeriadasea respost3 antenormente
dada a camara.por intermedia de sea secretario,
ua qnal diz, que uao pole fazer parte da commis-
sao que tern de dar parecer sobre as obras do mer-
cada pubtico. Inteira-la.
Outr>> du admiuistradar do.cemiterio pubiico,
pariicipando que a corrfraria de Santa Bitade Cas-
sia ja concluio os cinco pares de catacumbas que
estava edilicando no mesmo cemiterio. Ao pro
ciirador.
Ouiro da engenheiro cordeador, informaado a
piUi.-ao tie Antonio Climaco Mareira Temporal. -
A* commissao de cdiiicacao.
Outro da mesmo, rcmettendo o orcamentj dos
reparos que necessita a porrtezinha do Lucas, ua
important** de trezentos e sessenta mil reKIn-
j tairada a mandou a cainara pdr em praea.
Oatro da pracurad ir, partlcipando actiaretb se
eneaixotadas os objectas e padrSes metricos ioa-
tilisadas, violas da Rio de Janeiro, conforme a no-
ta que juntou.-Inteirada e que se r-metta a pre-
sidencia.
Outro da ntesmo, remettenda a contadas des
pezas feita= "ii o pracessa de qnalificacao das
fregaezias du Poca da Panella, Afogados e 8. Lou
renjo da Matt a, na impjrtaneia de quatorze mil
reis. Ao contador.
Outro do mesmo, dando os motivos parque nao
far:un cobrados os trintae novo terraos de infrac-
cao qae existem em-sen poder.Aoarchlvo.
Outro do procurador, participando que Bernar-
dino Jose Leilao, pede a qaantia de' novecenlos mil
rei< pela pequena casa a. 22, sita a rua de Anto-
nio Henrique?, a qnal tern de ser_ desapropriada
por utilidade publica. -A* commisjao de eJiilcacao
para entander-se com o proprietario a respeito do
(rii.-o de dita casa.
Outro do mesmo, pcJindo que se lhe teve em
eonta a qaantia de trinta e qaatro mil e cem reis,
que dispendeu com a desapropriacao da casi n.
19 da rua do Amorim. Ao contador.
Outro do mesmo, trazendo ao conhe;imento da
eamara, que o arrematante do novo mercado pu-
biico o construio um telheiro para os marchantes
e fressureiros e nao para as vendedores de peixe.
A' commissao de policia para entender-se com
o arrematante.
Outro do fiscal da freguezia de S. Frei Pedro
Goncaives, remettenda uma relacao das pessoas
multadas no art. 70 lit. 6* das posturas de 26 de
jauho do 1873. -Ao procurador.
Outro do mesmo, fazendo igual i emes-a das
multas impostas por aquella flscalisac,ao desde 18
a 23 do corrente.Ao procurador.
Outro da mesmj, participando que o espaco
co.nprehendido entre as raas do Baraa do Triuin-
pno e Guararapes e a.fartaleza do Brum, acba-se
completamente aterrado, e pede providencias para
que seja desiguado novo lugar para depo^ito do
Hko.Ao engenheiro para indicar novo lugar ou
os-meios de accorrer a sua urgencia.
' Outro do fiscal de Santo Antonio, informando a
peticaa de Antonio Josd Leite Braga.Deferio-se.
Outro do fiscal da freguezia de S. Jose, remet
tando a collecta dos predios urbanos.Ao con<
tador.
Outro do fiscal da Boa-Vista, participando haver
mnludo a FraaciSco Jose de Brlto e Cosme Bar-
cellas, por haverem infriugido o art. 81 das pos-
turas de 26 de junho de 1873, a Bernardino Ro-
drigues Braga na reincideneia do art 50 das mes-
mas posturas.Ao procurador
Outro do mesmo, trazendo ao conhecimento da
eamara que tendo-se partido duas iraves que se
achavam arruin; dag no la'stro da ppnte do Mada-.
ro, pede providencias, Ao mesmo para mandar'
fazer a substituic.io das traves arruinadas.
Uma peiieao de Bernardino da Silva Lopes, pa:-
dindb providencias garantidbras do sua proprie"-
dade quandj houver de se fazer a dcmolicao do so-
brado n. 19 da raa do Amorim. -Ao advogadb
Outro de Ignacio Xavier de Paula Rocha. Ao
procurador pars contratar com o supplicante,
mediante lian;a ldonea.
Outra do Jeronymo Jose Kodrigues Chaves, pe-
diudj licenea para assenfar um balcao no espaco
qua resta no barracao provisorio da freguezia de
S. Jose.-Ao fiscal-para informar.
Foi apresentado urn parecer da commissao de
policia, nos seguintes termos :
A cotnmissio de policia, a quem foi presmte
o requerimenlo ,do Sr. vereadar Dr. Moscoso, no
sentido de que a mesma commissao procedesse o
examo alim de recohheier sc o requerimenlo en-
contrado sem estampilha, foi casual ou provenieQ-
te de algum abuso, tendo procedido aos davidos
exames, reconheceu alnal, que tatvezse tenha da-
do desses abusos, sendo, porem, dilncil conhecer-
e qdem o praticou.
A commissao, portanto, 6 de parecer 'que .
esta eamara no aato de assignaros despachaa, ioa-, cjuaaotiaudo
lilise o mais que poder as esta.npillias, e bem assiin,
que seja cuiiqirido o art. 76 das postu.-as de 26
de'junno de 1873 e outros anterlores.
it Paoo da eamara municipal di Recife, 2S- de
feverciro de 1874. -Theodoro Machado Freire Pa-
reira da Silva-Jose da Silva Loyo Juuior. -
Approvado.
Foi aproeoata lo o eeguinte rotiueriinehto:
Itequeiro ijue o procurator desta lllraa. ca
man desenmine na relacio da<
jas, iiuanlas foram as cobra'
a.'B.ectfe, 2i Je fevereiro uj
das Neves. ApprivaJo.
iiue se entregue as requeri
diaute rebi, e acuois do.ii\;
A re i leriio 'uta verbal d I s
ooiiwjisjao d,ftuieia antansa i.
giiir.d.^ .|iira:in,da li
r _
ssXo catnpasia pelas Srs.
jarvegada dc resp^ri^OQIP 'ifl.no
, com data do 3" e j^ico,. proxi-
i apresentid.> segujffllaftrecef:
irVxm Sr.-Foi p^esente kjjWS^amara
a naposTa que em data de 30 do mftfcfssado V.
Exe/so dignou dar ao ofncio de 28 do mesmo mez,
em que esta eamara em cumprimento de sea
de iten a illastrada CuusidcracSo de V. Exe. algdras
r#fl*xoes sobreo coatrato para a fuddacao e ser-
vicj do matadoaro.
AgradeceadVo louvor que V. Exc. ttouve
por bem tribOtar-lhe pelo zelo. com que busca
manter as suas jrerogativas, a eamara seate qua
V. Exc. quattacMse do imperlineote e extempo-j
ranea a re.clamacao que a V. Exc. dirigio.
E parecen'io lhe nio hater siJo eomprehendiJo
o fim a quo ao propoz, nao pode daixar de torna-lo
ainda mais patente do que se manifesta do efflcio
em que foi xdqsIo, alim deque V Exc. nao a sup
ponha, comO insinua em sua resposta, -desidiaca
nffeTercicWdesnas attrlbnicSes e ntenos zeloira,
doa iuteresses de seus municipes.
E' eerlo que a lei organica das camaras mu-
nicipes aieni daattnbuiqao que Pies confere sobre
os logradouros e matadouros, lhes incumbe pro-
vereia sobre a illuaiinacao publica, caJeas, calra-
das, pontes, chafarizes, cemiterio, etc., etc., como
V. Ec. poodera.
Has, nem porjue as camaras transactas, ins
piradas na principal de seus deveres, qual o de
vajaceitare applaudir os grandes melhoramcntos
publicos, venham eHes d'onde vierem, nada te-
nnaui reelamalocomo V. Exc. assevera sempre
i|ue oatro poder que nab o dellas lem provido a
todos os benellcios que V. Exc. lembra, ficaria esta
cainara privada do direila, senao obrigacao de fa-
zer valer as 3uas attribui^Sija e preragativas, sem-
pre que as julgasse offendidas,senao para oatro fim
$) menos para qua o seu silencio nao possa ser in-
larpretado como recoahecimento de haverem cadu-
cado attribuicoes e prerogativas firmadas em lei
t Mas, nao trata a eamara de recusar ou repel-
lir o beneficio que o poder provincial promovo
para este municipio.
c Foi por isto que a eamara nada reclamou.como
\ Exc. lembra.quando discutida na assemblea pro-
vinci.J a lei que autorisou o coatrato.do matadou-
re, certa como devia eslar, que ai celebracao
desse contrato seriam attendidas as attrilmicqei,
qae com relacao ao servico respectivo lhe sao
canferidos pela lei de sua organisaeao.
> t E parece que nao se enganou entao, poi,
camo V Exc. lembra, ao qaerer usar daquella
aatorisaclo. dignon*s V. Exc. de encarregar a
eamara de escolhero local mais conveniente para
edificacao do matadou o, ineumbeacia que a ea-
mara desempenhou, indicando o lugar denominada
Perese depais de aberta a concurren:ia nao
duvidbu sabmetier ao juizo da eamara as propos-
tas aprcsentada*. sobre as quaes a eamara emittio
parecer, como V. Exc. tambetn lembra
< Ate ahi, pois, nenhuma paiavra tevo e nem
tinha qne direr a eamara, sabre seus direitos e
preragativas : longe de enxergar invasio de anas
attribafr;5es legies, via no pracedimenlb havido
para com ella, o reconhechueuto destas attribui
c5*.
Era-lhe, portanto licito esperar qne, na cele-
brac.1o da contrat), no qnal nao collaaorou senJo.
pela farma acima exposta, fossem mantidos e res-
peitadas as suas attribuicoes, como tern sida em
alguns dos services, que V; Exc. leaibra terem
sido fcitos a custa dos cofres provinciaes, como o
eemiterio desra cidade, a respeito do qual sd esta
exeluida a accao da eamara, quanto a nomeacao
e demissao do respectivo administrador, exclusao
centra que tern sempre rcclamado.
c Assim, porem, nao suceedeu, coma se revela
do contrato publicado, porquanto nos termos delle
esta a eamara ioteiramente exeluida nio so da
inspeccao das obraa, como do servic) do logradou-
ro e do matadoaro, ficando aqqelU .someate a
cargo da repartiCao das obras publicas, e este a
do fiscal como medico de nomeacao da presidencia
da provincia, o que e laata mais notavel quanto
dnrante o tempo do contrato ficaa eamara priva-
da de uma fonte nio pequona.de sua receita.
t E' contra essa exclusao absoluta de sua a^cao
e intervencao na fundacao e servico de tao impor-
ts ale estabelecimento, que a eamara julgou neees-
sario submetter a illustrada attencao de,V. Exc.
a* refiexoes contidas no offljio a que V. Exc. res-
ponleu. .
E assim, ja ve V. Exc, que nao faltou a ea-
mara razdes plausivois para a reclamacao fetta.
t Diz V. Ex*, que, se o matadoaro nao traz be-
neficios a pppolacao, a eamara nada reclaoiou a
semelbante respeito.
Esta eamara nao sabe quando se manifestou
tie modo a autorisar semelhaate hypothese, e foi
ga de poder exclui-la, lembran la a V. Exc. qqe
em sua resposta V. Exc. tecanhece e declara, que
a -eamara nada articula contra a essencia do
contrato.-E sea eamara nada articula contra a
essencia do contrato, seria imperlinente apreciar
ella a hypothese gratuita de desconhecer os bene-
ficios que o mitadaura traz a popiliQio. Accres-
centa V. Exc. qu, 'se o contrato tem inconvenian-
tes, cumpria a eamara mostrar esses inconve-
aientes, quando por mais de uma vez se lhe of-
fereceu'occasia'. Ha n'esta* palavras, postb ijue
nSo esteja nas intencSes de V. Exc, uma censura
a camira que convent desappareca, uma vez res-
tabelecida a verdade dos factos. Pelo que fiea ex-
pendido, e pelo que havia sido referido no olflcio
a que V. Exc. respondcu, a leclamacio da eama-
ra e relativa a ex;lusJo absalata de sua accao e
intervened, e sobre este ponto nunea se offereceu
a eamara occasiio de dizer cousa alguma, pais,
oaviJa sobre as propostas, que de tat nao falla-
ram, deixou de se-lo sobre as condicoes ou c!au-
snlas accordadas com o prop mento da proposta
aeeita, (audiencia qae em algaas cas*,s se tem da-
do, e era de esperar que tivesse lugar) sendo en
tio occasiao em que a eamara com opportunidale
cumpriria o dever de erairtlr juizo sobre as ditas
condicdes e clausulas, e de indicar as demais qae
julgasse preeisas para a regalaridade do servico e
manuten;ao de suas prerogativas, caso nio esti
vessem, coma nio estao, compreheudiJas enl
aquellas.
c E se V. Exc. nao se dignou ouvi- la em tal
bccasiao-Jnao ha razao plausivel para aquelles ter
mos do offtcio de V. E\c. Nab procurou a cama
rapretaxtopara a reclamacao que muito res-
pritosameute dirigio a V. Exc, foi sim impellida
Ma conviccao de nib haverem sido respeitadas
as suas attribuicoes no contrato celebrado ; e
ainda agora eomo enta, e sempre muita respeito
samemte, nao pole deixar de insistir pela manu-
tencao de soas atlribuicdes.
Embora digs V. Ec no final deseu ofQcio
criteria pi'ovefi oil orJem a q.te aio liquaa oa
inn a priva la da a.ceia, e iq:erven;io qua a lei ou-
t'argo'u-lhe, soara talve'z o m.Js' impartaatc servi-
5.1 a sou CargJ -a' alimeatacao' publica'-pdis nio
aode,- sem fallar ao que deva a st prap^io1, coo-
formar-se por muito como da que pareca, com a
j2sicao de aceitar a .applaudir 0 beneficio, vejjh_a
donde vier, aenio quando 0 too da porque
nio importa quebra e esquechneai > de sua
trifcuicoes, pois a inaauteiicaa d'estas & 0 pri
pal de seus dewes.
Paco da caaura maniripal, 28 de fevareirode
I87i.Jose da..Siva Layo JuniorJasa Pedro
da* Neves, com restricgio.
A respeito do requerlmehto,de Jose Aiigustode
Araujo, arrematante das obras do meroa>do de S.
Jose, no qual o mesmo Jose Augusts pede seja re-
lerado da multa, e qne sa lhe eonceda novo pra-
zo, seodo defarido, mandou a eamara que se com-
municasse ao procurador para nio coutinuar com
a accao, qae deve estar em jdizo.
Foram despachadas as peticSe^ seguintes: de
Amaro Jose dos Prazeres, Antoaio Jose Leite-Bas-
tos, a companhia dos trillns urbanos de Olinda,
Antonio Raposo de A. Junior, Antonio Bernardo
Quinteiro, America Alves da Mendonca, Ant >nio
Pires, Escolastiea Maria Ba'bosa, Franciseo Dia9
Marques, Francisco Gomes da Silva Saraiva, Fran-
cisco Philotneao da Co9ta, Francisco Joaquim Ga-
mes da .-ilva, Joao Baptista Aneqne, Joaquim Bar-
aosa de Oliveira, Jbse da Silva Moraes, Joaquim
Gongalves Cascao, Josii Augusta de Araujo, Maria
Isabel Nancs de Oliveira, Manoel da Silva Santos
e Oliveira FilluM & C.
E tendo dad > 3 haras da tarde, 0 Sr. presiJenle
levantou a sessao,
Eu, Francisco Augusto da Costa, secreiari), a
escrevi.
Manoel Joaquim d) Regt Albuquerque, pre-
sident.!. Jose Hana Freire Ganteiro. Jose
Pedrodis Neefs-.Tkeodcho maoUm Fteire Perei-
ra dl Siloa.Joua da Cunlta So ires Guimanies.
Jose Cesario de Mello. Josi dd Silc 1 Loyo Ju-
nior.
111 l via
tropsti eaila amiiWaaOaia'n pissada. p>r
oinhueerjia pra:icr*latMr| J.tn:ias q.w
resultaria d--- tuU|flapa|a^eampaafcia. em tii
da collier' se 0 r.-sallaJj ^^BB^Ii
0 nnmero de pemla* cWewMas W anno pasado
foi de 90, que wan as 78 collocadas em 1872, ?-
ya se a.ifi8 penaat. _
!'ara-sati>f>
1 ir varao, ii/.
m 1 edifieio da
qual foi abor. 1
uliiiao.
Preferl ess>
lo miaha opii:
da 12
istralr a
impaahia janto
pubbco no di
trato com
os no mes
Milagres, a
dezembn
da i-i aas aalasp'rimari^iiia so pela aaa.5 qae, quando par veutura c ueca->etis
-prwsw e ooQcisao, eoma pela cJaresa deque eliet s-rviooe^nao a* esquaeerao- sL* c.uoiiladaosj
uvestio todasas regras e defmioO-js que ahi ex- Loierla.A que se acUa a Yenda ca9i.
a
Accoes disponiveis
Construccoes (gaz e
Mercadonas em ser
Devedores gerats_
Deposito de canao
Moveis
Caixa
Capital
Lettras a pagar
Emprestimo e jur <
Credores geraes
Dividendo
Fundo de reserva
Lucros e perdas
qne cnSo se ve no contrato disposipio que inhiba
a eamara de flsealisar aquetla estabeleei mento, e
nem de tal cabia tralar-te ahi, visto como da al-
gum modo ja as ppsturas munieipaes previnem
essa usealisacio, a ella a antes objecto proprio de
um regulamento do que de am lermo de contra-
lto a eamara, sem duvidarde qae no regulamen-:
to sejam attendidas. algamas das lacunas do con-
Ulatj, observa que a sua fiscalisacao teria tido cn-
venieote inclusio no art. 6.0 do contrato, para
a,0e depois 0 cantratante nao reeuse respeita-lo,
(]uando lembrada na regnlaaiento, allegando ter
sido a entidadeCaotaaar-sb- manciouada :no con-
trato, no caso de lerminaoao deste, como sa vo
do 16 do art 1 % Btf do art. 2 e art. 7, e es
auocida a ponto ae att a area de pequena lugra-
dburo, quecoraporte regularraente onuinero de
razes ufflcientes para oeonsnmo da umasemana>
ser detawninada pela epartia das obras publi-
cs, sen lo alias o mesma coutrato a outros res-
peito*, tao minuci iso que nao esqe;eu do exigir
no escriptorio da empresa um quarto para nelle
asistir 0 empregado da thesourara provinciali
euearregado da oobranea dos impost is.
t Sa 0 contrato expressamenta nao declara li-
car exeluida a Jscalisacao da eamara- e a sujeicao
[do coutratanter as posturas-. oVeita, e certo qae
laatiauda a liaaaiisacao a am fiscal dd nonea-
a) Ja presidencia a lam excluido implicitamente.
bera como sujeiiaudu 0 coatratante somoute (art
6') as multas eapressauwuW oslipuladas no con-
trato, e as qne pela presidencia foreru deteraiina
das na regulamento, que .-lieuvor -de expe lir, a
fiscalisa;ao prevaaida pelas posturas munieipaes
como qua-esta Ja algum modo exclui la, at ten la a
ItaTta de applicacio de sua penalidade, nao com-
._ prehendida a'aquaile artjgo, alem de qu.>. qaan-
multas arrecada- 4a isto aia.Fata, restacaaquastao, n*oros.jlvi
jadijialtnentc.. **. e muito saeia, caisaiier a-qual das camaras te-
-171. Jusb. Pedro ria 0 contratanta de sajlitar-se, se a da Olinda,
ita resolveu em cujo HiujBi;aa vai'aar-) faniado a matadoaro
nartes, me- com s seus-UN^d-ara^, oua a dart" muni-u
inta.' [i'10, que flea pnvado de.tadtoaeaate raaultante d
^yoluai^r foia sr.aicJ qafc t^asa a ar; Mtfupele rtontratanUs e a
u- alguas quem finiu a.cpntratj,, am de perieneer 0 mHt>-
, d4"> com sens lograduro.
11 i.-aABt M* -lasistiado<-puis,;nasreflaK5i f-iU< n mauoW' da>" -bras da mr&. 1 5. lo v, p Mty <&$* d passado, danda-lae mesmo mais deseu-
... a.-. -I.. multa u j .. dttWrnaai-i para ^mmtbpa a peas-m^nt. qne
luu utu an a -A mi rale a dainma com relaeaa jw obwi'lo sujea ,, e.-la ea
vaJo a*iiwut.1; ma.! .acHiaRlo ao mais mara congratula-sacam V. Exe P"la interesse quo
fosse a pel^io ao engenaei* votaudj contra e- bnsca mostrar pelos habitantes jleste muaicipio,
'i Jose \tti
Companhia Santa Thercza.
*it**aio (l'assemblca geral.
KEI.ATORIO APRESENTADO PELO GERENTE JUS-
Tl.NO JOSE DE SOUZA C.VMPOS.
Senhores. E' pela segunda vez que salisfaco 0
Aispasto no ar-tign 27 das estuutos, exponlo-vos 0
estada e mareha da servico das emprezas do en-
canaukeato d'agua potavel e illuminacao a gaz da duvida consiJeravel
cidade de Olinda, a cargo da G unpanhia Santa
Thereza,.sob minha gerencia.
Durante 0 anna findo nenhum aconlecimentu al-
terou o an la.ne at 1 regular dos nassos trahallws,
tendo sido a popuiaciio supri la sufflcienteineaie,
tamo de excellaita agua, coma da luz, sem faltas
sensiveis.
Empreguai os esfarcos possivois para bem satis-
fazer aos habitantes de Olinda, altendendo os a fa-
cililando a introdue^'io de tao importantes melho-
ramentos nos predios da sua residoucia clfocliva
ou temporaria.
Passo a tratar sobre divcrsos poatoa que v.js de-
vem iuteressar;
Balanco.
Junto 0 balance fechado em 31 de dezembro ul-
tima, acompanhada da demanstra^ao da eonta de
lucros e perdas, apresentanda o saldo de......
14:912*213. Dessa quantia tem qua ser deduzida
a imporlaaeia dei:031#28&, destinada pela art. 31
dos estaluios para fundo da reserva, a qual seia
accumulada a raspecliva canta.
0 lucro-liquido fiea redutido a 13:9l0#93."> : ex-
cluido, porem, 0 saldo de 1872 equivale a 6 / 0
rendimento anuuo sobre 0 capital realisado da com-
panh-a. Cabe a vos resolver acerca da applicacao
das lucros existanles.
Nao sendo facil a emi*sao das nossas accoes, tal-
vezi fosse mais conveniente a distribuicao Jrllas
an- accionistas em lugar do dividendo em diulieira.
0 resultado com quanto nao seja exiremame.ate
salisfactorio, nio e lodavia desanimador, conside-
ranJa-se no lento desenvjlvimenta qua vai tendo
a empreza estalielecida apenas ha 17 meies.
Na respectivo titulo do balance tigura na verba
da credores geraes 0 saldo devido a Jose Henriques
da Silva pela compra de 231 toaeladas de car\-ao,
a fazio de 26^000 por tonelada, realisada por
intervencio da corretor geral Piata.
Succede, porem, que 0 ex-director Sr. F. F. Bar-
ges apresenta-se exigtndo da companhia aqaelle
pag imento, a razao de 32/JOOO; nao podendo ser
aitendido, visto como foi aquella e nio e-te 0 pre-
j coutratado, segundo consta do bilhelo firraado
peJo preposto daquelle corretor geral, exisleate-ein
nbbso poder.
Conliauanios alutar seriamente som a falta do ca-
pital precise para a amortisacio do debilo da c >m
panhia, 0 qual em vez de diminuir vai crescendo
sensivelmente pelo pagaraento da pesados premias,
sendo essa verba elevada no anno que Gndou a
8:2721410.
Para esse ponto chamo a vossa acurada atten(ao
Na execucio das obras indispensaveis que foram
realisadas durante 0 anna e canstam da coberta
dos tanquei d'agua, construccao da casa de ba-
nhas, canalisacao pubiica em algumas ruas. e par-
ticular de 71 casas onde foram assentadas para ser
cobrado aluguel, feebamento dos diversos paces a
bicas ; no pagamento total de alguns debitos ptor-
ciaes de outros, foi empregado 0 rendimento havi-
do, contrabindo-se mesmo alguns outros debitos.
E foi isso inJispensavel, continuaudo a se lo, es-
pecialmeate para 0 desenvolvimento das canalisa-
c5es parliculares, uma vez que rosulta dessa des-
peza novas fontes de receita, e convera explorar
afim de cheg*r-se ao melhor resultado, tanto mais
quanto 0 custeio nenhum augmento vein a soffrer
pe a concessio de novas peanas d'ajua, tendo so
matte a empreza a aufenr reoila. por loaf e qual-
quer desenvolvimento que s ja dado as rcspeativas
canalisacpes.
Cansiderando ao mesmo tempo na urgeate ne-
cessidada da amorttsar-se 0 debito da companhia e
am virtude da deliberacio da directoria, promovo
meios de-serem faitas as novas canaiisaooea inde-
pendent de emprego da arrecadacao, qae ira en-
do applicada exclusivamente a aquella amortisacao
salanos dos empregados e despesas urgentes.
Empoeslimo.
Por eonta do que foi autorisado aa ultima ses-
sao da assemblea geral levantou-se apenas, nesta
praea mesma, a quaatia de 28:000*000 a premio
de 9 por cento ao anno e por 2 annos de pram
venciveis em 16 de outubro de 1875.
0 premia respectivo iinporlou erao,70V,#320, qua
reunida a aqnaile liquida prafaz 0 total de........
31:707*320, valor do emprestimo, e a qua esta a
companhia obngada aos Srs. directores baraa da
Sole Jade e Francisco Goafatves Netto, qne assum-.-
ram iudividualmenta a respoasabihdade nio so
Jesse debito, cono tao bem as 24:000* ainda Jevi
dos e que figuram no titulo de lettras a pagar.
0 producto d'aquette emprasrtniu foi applwado
ao pagameato da uma attra da 8:700*0OO;ao I. in
don idJraziliaa Bank, e 0 restaote 1:800 foi re
mettiJo a J. S. de Vaseoncellas A C, de Liverpool,
em eonta do nosso debito.
Empreza d'agua.
Funcionaram regular me 111 os ciaoo chafarize.
collocados no Varad-juoa, Amparo, Carrao, Ribei
ra,. Duarte Coelho e a torneira qua provisoriamenie
uiandei collocar para satisfazer os moradores na.
rua dos Milagres.
Acham se canalisadas as ruas do Bora Fira; La-
deira dos Quatra Cantos, Bom Successo, Floresta,
Milagres ate as ultimas casas juato ao istlimo. Baa
llora, lendj-seigualmente feita nova caaalisac-ao
pafa 0 oliafariz do Carnio par ser insufflcienta o
Jiara ,-tro do cauo alii assentado.
Os moradores da Se desejam que va aui alii a
caaalisacio d'agua, e a Santa Casa do Misericordia
a reclama ignairaentB para 0 abastecimento do h u-
pital dos abeaados:
DepenJendo isso da emprego de capital para exe-
cueio das respectivas obras eousaates de- anr&
Hwchinas a vapor, ewaiwlisanaa, daixa .do latt-lii^
a elTeito, aguardan lo melhor opportunidade.
Mandei todavia levantar a plaata aa nivelaraca
10 da Ribeira a'a, afita de sarem facihaents fT
joetadBS-as obras,- quand > ramlvidas.
Tenboa coramunioar-vos que algaas proprieta-
rios de terrenos por onde passa a canalisacao ge
ral d'agua. m porto da Madeira om Beberibe, ob-
tendo permissao da eamara municipal de Olinda
para faaere* uraa^nudaacano Idito do ria, corae
$aia;n a-axecutar as rwapecttvas ohras de sortt ai
*e( ii)savel prejuliaar a nossa canalisaaaa e 0 Mps
prnnaato pubiico.
- -Dei daaa sciawia a- Exm. Sr.- president* da
provincia e ao Jirect-ir das obras publica-1, que fa
ran salioitu*i de aefcordff cilns a refcrida caataa
mt{n';c;pa', em altender a nassa reclamacao, deteri *
mihando aaalmente que |i 1 Ha 11 ntior'atra
baltio i-noetat >, uma vi-z porem que nao fosse*aak
judieada a companhia e 0 pubiico, correnfo pois
sab iraraediata remonsabiU-iaJe de litoa proprla
larios qualquer aconteoimaWB' 1*' de *-
tas IraUillio- 'de intaresse t-xslusi.amenta parU-|
alidade pelo lado eaeo >mico, sen
, qae seraeluanie estobelecimentn,
lo/o qne as"circumsunciaa la coropauhia 0 per-
mittir-an, seja traosfetido para 0 larfo do Carrao
proxfmo ao lagar dos banbos'salgados a esucio da
estrada de ferro.
Empreza do gaz.
Funccionaram durante 0 anno proxim> passado
os 190 comba ;t ,r^s publicos. 0 eaasumo parti-
ealar e ainla mail'* limtada pate pequaaa daaaa-
volvimenta das respectivas canalisa;oes, natural
raente por so.ein estas um pouco dispendiosas.
Para melhor r-gularidade da fabricagio e servi
co do gaz, mandou a comaanhia vir de Lirecpaat
uma pessaa pratica.
Suceedeu, porem, que o engenheiro engijad < -
qae aqui chegau em dezembro proximo passado
nia podasse praeneber satisfactoriamente 0 mm
encarreo, e a compinhia teve de despeader cer:.i
de 120 pela sui acqui-icVi, vattatHo el= p^r*
Inglaterra em principias da e irrente anno.
Durante 0 anno passato canalised se 0 gaz em
66 casas, elevanda-e assim a 120. inclaindo as 54
que fizeram leqaisicao dc sem-.-lhanle melhori!-
mento em 1872.
Cmati*ac5es -por aluguel..
Despeiidau para gaz a agua, e que sao proprnd.il di coa(.a-
nhia, em 71 casas. .
0 preco estabelacida para 0 aluguel foi a raxlo
de 2 % sabre 0 capital empregado em cada ca>
cujo consumo f r anaual. Para a melta, p-art-ra.
que 0 desejar someate pelo tempo da fesu oa me
zes avulsos, eslabeleci 0 accrescimo da TA /?
0 aluguel vencida no mez de dezembro ultira >
elevm-se a 132*710, o que nao deixa d* ser van
tajoso, visto como a par delle, arrecadaraos a cc 11-
sumo do gaz e agua.
Se a corapaunia eslivesse habiliUdaeara 0 capi
tal preciso para exacular a caaalisaca) gerai C"
predios da cidade da Oliada, a receiti seria sem
Por ora a coiapaniiia Iimitou se a man lir citu
lisar aaquellas casas para as quaes recebeu peJi
dos, seodo todos salisfeitos.
Ti ansferencia de accoes.
Apenas native uma transference dc "9 arc, <-
desta coaipaulua durante 0 anno findo.
Hegulamento.
Pela Exra. Sr. presidente da provincia fai a:>p'
vado, cam madilicacaa*, em data de 11 de agost 1
ultimo 0 legulamento p >r mira confeccioiadJ para
as emprezas do ga/. e agna, achando .-e em exera
^aa desde aquella mesma data.
\Deposito.
Era data de 2<> de julbo do anno proximo passa
do recallii a tl^ .-ouraria provincial 2f ac<;0es dc- -
U compinhia, sob n*. 4,001 a4,20>, no valor Dial
de 10:000*000 i-a.-a garantia da contrato do encv
naraento d'agua celebrado em 20 de outubro de
1889, na forma da 16- condicao Jo mesmo con
trato.
Reclamacao.
Foi finalmente Jecidido que volta-sem para lit
glaterra os 1:700 canos de ferro que os Srs. G. S.
de Vasconcellos & C. nos havia remeltido dc KIT'
baii Jo, em vez de fuudidos.
A companhia no intuito de evitar uma quests
judicial sempre dispendiosa e incammoda, obrfgou
se ao pagameato do frete e mais despezas de em
barque e descarga em Liverpool e jnrns dc 8 poi
cento sobre 0 capital empregado em MM as com
pras ate final embalso.
Na barca braslleira Ripida foram os canos era
oarcados com aqneHe d?stino eai 10 de favrair
ultimo.
Aguardamas 1 c mta respectiva para 0 ajt>*
accordado.
Sao essas as -.nfurmacoes qne tenho a oar-vo
achando me toda via prompto a mini-trar vjs QM*"-
quer ontras que exigirdes.
Peruambueo, 13 de fevereirode 1874.
0 gereate.
Jus->no Josi dj Sonsa Campu.
Resume em 3t > ilesembro de f73
Activo.
agua
Pas'iTO.
I42:5.T0*H'
220f)}47V.'-
II.U72**I
9:802|f
9:733*440
2<0
1:403*W
m-.rrrtm
3l-0:000*Oi'
?4:8j8*7h
31:707*32.'
21:679*6*'
1:656*250
943*835
11.942**!'.
393:277*2?"
S.. E. 0.
Pernarabuco, ::i 1: Janeiro de 1874.
Di-monstracuo di eonta de lucros e psraas
companhii Simla Tkereza em 31 de dezem
J.;?ho-o de 1873.
Receita.
Rendimento do gaz
c d'agua
a de alugueis
a da csa de binhos
i de appareihos
Commissao
la
Balanco de 1872
Custeio do gaz
Cnsteio d'agua.
Sallarios
Daspezas geraes
Saido
S. E. 0.
Pernambuoa, 31 Ja
20:048*260
9:H*440
381*71*.
28*9M
4:sf*M0
101*810
4:629*3G
D-;speza.
39::t30*ovn
13:0H*2Ni
4:303*it-<-
3:39S*Wu
1:690*29)'
I4:9*t*2i:
39:330*0
ineiro de 1874.
PARTE PQUTICA
PIRTIIMI f:OHSKV.%OB
RECIFE, 12 DE MARCO 1>K 1874.
u Coma typo do governo representativo, a la-
^rat7tra'fferece nesses momentos nm espeetacolo
niarayiHiose, qnal 0 de wr se nm grande povi,
na maior agiucao pela causa publica, sempre re-
vareiite ante 0 MtatTM da ordem com a bberda-
de. Adoram a imafem da patria, qae e 0 idolo de
todos, Teaorama ranha coroada, qne e 0 svnsboW
da autoridade, e submettem-iie aos dacrctos da
opiniao, qae a rainha que governa.
Nao e a primeira vez que os redactores araa'a-
rianos. mir*do-se no espamo das iasSitttiadas bri-
'.jnicsa, impaessionnrn-se agradavelmaate, caaia
tido tnundo aviitsado aa eontaaplar a libardada
pratica, rear e paira, de qae gow aqnelle pov-.
e cujo vardadBlro gnverno consisle na apimaa, oa
do paiz pelo pail*. .
Ojuam qaiaar dar* aoiraUIha da aoajar omr
daw-, aatVormeia era seu a.40 como que da aatao
paraoatanTasoripta o ew ralactwes a respeit,
da nossa politica, muiio te^a qnaadadraro d-saor-
tearaento desses publici?tas, desde quR consiaerar
que taatas sia as cabec** qnaatas as contradicta-
rtas aanleocas escriptaa. cada dia, aaa aagiaa* aa>
jua inter 1 Oomeflw'to, onir'ora escreaiam ess-s esforcaia-
Irdadeftw:
A.ccraqnisla da libanaM iraao* e ensta saaa-
Jseias. >
Nesse objecaa, da ua aoUral escriptor, (ada
aia enrimo de?animr,*#oiqaerar e leader.
* BbtrbtaniWert'fated* qae se obseria a* Mm
na pelrtlca do-paa, nia alum i'rfe)VxTBea*a.fi'in-
*os,.*aa%
Ihorada t-*a tpiti> ,-r.icn iicMisas, s; tea*an-rar

.
Fui.l- araalar para a sam^BaV
cular.
Se ba
rtica? politicas mui'


itoti&ww*aa&vK*> ^
1
. Joao Jose de Amorim, tendo resolvidp a ultima
bora fazer uma viagem ao sal, pede desculpa de
nao sa-desnedir pessoalmenle de todas as saas re-
lacoeade amisade. .
Declara ao mwno tempo nao dever naaa apei-
soa algnma, seia por contaa, titulos o*. papel de
responsabilidade flrraado por seu punho; e se al-
gueni so julgar sea credor, podeapresentar-se no
esiriptorio dot Srs. Amorim Irmaos 4 C. ate o dia
17"do cerrente.
Pernambueo, 11 de marco-de.1874.
Joao Jose de Amorim.
Car row fiinebres.
Nos annaes da assembles provincial de anno de
1873, a pagioa 119, seasao de 6 de junho, era que
se votou em 3.' discussao o projecto o. 60, que re-
gular servico roortuario, vd-se :
VOTAQAO NOMINAL.
Vetaram a favor do projecto.
Peraarabuco.
FigueirOa.
Oliveira Andrade.
Gomes Pa rente.
Joao Vieira.
6'GsncalVes' Fenre'ira.
7 Goes Cavalcante.
8 Uchoa Cavaicante.
9 Ratis e Silva.
10 Lamenha.
1* Tito.
12 Lacerda.
13 Mello Rego.
ii Antonio Corsua.
15 Joaquim Correa.
Contra.
1 Tolentino.
2 Pinto Junior.
3 Guedes Goudjm.
4 Gameiro.
5 Ernesto Vieira.
G Camboim.
7 Cunha e Figueirdde.
8 Novaes.
;purgarg ralmr, |da ha paaawtawptesdf SDfta <**)
nos deixemos possuir de desaaimo. 0 future irir? Cm, ctos l
sempre da liberdadas > 1"
' Sao passados apeaasponaot dia%e eis quao des-
alento e o desaninj* inrdea esses ineonstaa|e
redactores, que ja stao a acaoselliar aos sans cow
religionarios a retirada da scena politiea e quo
fujam de toda iuterferencia na vida publica.
Eis as suas palavras :
Eatnguemos, oftreguemos o govemo iuteiro
a esses ragulos, que. ja do facto em suas maos o
tern; aaabemos com essas farcas ridiculas, que so
concorrem para afeiar ainda inais o quadro da
nossa decadeneia; acabamos antes com tudo Isfo
de representacao nacional, assemblers provinciaes
e todas cssas instituieoes garantidoras das liberda-
dei publicas ; ostente a autoridade sem limites;
anles isto, porrae, ao menos, reinara a verdade
descarnada. >
firs ahi como sao baodoleiros os liberaes da
Prot>incia, que, nao tendo principtos, nem opinions
serias e defraidas, tornam-se, por isso mesmo, sem
ffj o ioconsistentes, como contradictorios em seus
escrjptos politicos.
Agora estao de hove a morrer de a mores pelas
instituicoes inglezas, que para elles sao o typo do
goverBO-repwsentatiVQ e realisaa) bem ao vivo o
consorcio da ordein com a liberdade !
Cidadaos virtuosos, felizes e patnotas, os inglezes
adoram a imagem dos, veneram a rainha coroada, que e o symbolo
da autoridadae suLmetieni-se aj*s deeretes- da opi-
niao, que 6 a rainba que" governs.
t A rainha Victoria assiste ao combate (politico)
fazendo da sua cor&a o symbolo da nautralidada.:
referendar simplesmonte o voto nacional e a gran-
de raissao dessa magestade ; e o seu sustentaculo
e s sua gloria. >
Mas, dar-se-ha caso que os publicistas da Pro-
tincia desejem applicar ao nosso paiz as institui-
c5es britanicas e a sua deraoeraeia, que dizom ser
a mais liberal do mundo ?
Quererao elles, com effeito, transplanter para o
nosso bello solo amerlcano a arvore gigantesca
de tao vigorosos froctos ?
Se os publicistas da Provincia nao levam em
raente reorganisar a nossa vida politiea a imagem
da censtituicao britaniea, a qual reaksou para elles
essa especie de milagre da democracia a mais li-
beral do mundo, do que vale entao esse platonismo,
essa admiracio, essa inreja das praticas polilicas
da lnglaterra?
De que nos serve a nos outros estarmos a que-
brar a cabeca com o que s' passa em Londres, des-
de qoe somos condemuados a pura miragem econ-
templaeao do desenvolvimento o manifestacao da li-
berdade pratiea, real e pactflca, de que alii se go-
za, naquelle verdadeiro govemo da opiniao ou do
paiz pelo paiz ?
Bello meio que 6, com effeito, esse-de alliviar as
proprias maguas, exaltando extasiado a alheia
prosperidade I
Felizes provincianos, a quern t'con por sorte, a
sombra de grossa faia, celebrar, como-ao Mantua-
uo, a paz e a liberdade, as quaes, posto que tar-
dias, chegaram sempre para os nobres fllbos de
Alnion, os quaes outr'ora conheceram (como nos
conhecemos hoje) todas as formas da tyrannia e
todos os desregramentos do poder pessoal I
A dirlerenga, porem, a pequena differenca esta,
em que Mantuano cantava a propria felicidade e
os generosos e resignados provincianos contentam-
se em cantar a gloria e felicidade britanicas t I
Se queremos por diante dos olhos o quadro flel
dos nossos infortunios desenhado pela ma j de
amestrados provincianos, basla expur o que se se-
gue :
c Em uma politiea corrompida onde se corn-
pram os partidarios, foi preciso tornar mais cubi-
raveis os cargos publicos, para acenar com elles
as anibicoes impacienles; e em o numero destes
estao as cadeiras d? --^sentacao nacional, por
que ahi se sentam, 4.o os deleaados do povo, po-
ri;m sim os designados do governo.
Convidamos os medicastros da Provincia para
se applicarem com patriotico empenho a cura des-
sa grave enfermidade, que esta annunciando a pa-
tria uma suprema desgraca.
Appliquera os mestres da Provincia, os remedios
heroicos, que ensina M. Fischel, em sua obraA
constituicao de Inglaterra; consultem M. Cheva-
valier e descubrirao o talisman, com auxilio do
qual realisou-se esse jog) adimravel das institui-
Cobs inglezas. Leiam o grande raestre B. Constant
e venham depois dizer-nos se o pariato inglez 6
eompativel com a liberdade civil e politiea da mo-
derna sociedade.
Querem os publicistas da Provincia, que nos
apropriemos a copia fiel do original inglez ?
B. Constant diz:
Em uma monarehia hereditana e indispensa-
vel uma classe hereditaria, que o povo nao tern o
direito de eleger, nem o iuiperante o poder de
dissolves
0 proprio Montesquieu exige uma classe here-
ditaria, mesmo em uma monarehia electiva.
A democracia, a liberdade, a soberania, sao
ellas compativeis com e pariato?
Os meslre3 provinciinos atiram as bombas:
mas correm amedrontados para nao ouvir-lhes o
estampido.
Sempre qae o, onvidanws, muito cathegorica-
iiiente, para a discussao, t'ogem a correr e la se
vao refugiar na Chronica de sua Provincia.
O publico que aprecie.
cOfM maior risco.
^pfSHgeiros,
Jomquim Juvfiwa da Silva.

Estoinago lebilitado, MMMM
depais 1 comidn. etc.
A indigeslio toma innumeraveis formas. At ve-
zes o estomago torna-se Uo sensitivo, que rejeita
ate mesmo as comidas as mais simples e outras
vezes a digestao 6 tao penivel, que o doente. teme
satisfazer o appetite. E' justaraente em casos se
melhantes, que as qnalidades tonicas das pilulas
asiucaradas ae Bristol, mais claramente se mani-
festara. A Sra. Margaret Mcelroy de Troy, Nova
York, assevera, que durante 5 annos, ella nao po-
dia dirigir eomida alguma solida nao comendo
mais nada do que geleas, arroz, mingaos, etc.e
isto mesmo causava-llie tanto vexame que ella se
vio obrigada a reduzir a quantidade a urn par de
oncas tres vezes ao dia. Ella acliava-su n'am es-
tado terrivel de- magreza, e para servirrao-nos de
suas proprias. expressoes, ja bem pouco se lhe
davao viver. Dapoia de ter experimentado
mais de vinte modes de tratamento, ella finalmen-
te principiou a tomar as pilulas assucaradas de
Bristol, e os seus resultados sio por ella mesma
narrados da maneira seguinte : e com o maior
regosijo d gratidao qua lhes participo qne me
acho boa. Como perfeitaraente bem, dunno des-
canr^ada, tornei a engordar e nao sinu as menores
dores. Tudo isto devo as pilulas assucaradas de
Bristol, e por Isso com o maior gosto do mundo as
recommendo a Odos quo padecen d'um estomago
fraco e debilitado. E:las sao da maior efftcacia.
Em todas as molestias aggravalas ou provenientes
de impureza do sangue, a salsaparrilha de Bris-
tol, deve deser tomada conjunclamente com as
pilulas.
4C. Figueira 3 oaixas com- 76 kilos de doce, e
pjara Mossort 1 dita com 55 dilos de dlto, e 5 bar-
rlcas com 517 ditos de ass ucar branco.
Para o Natal, no biate naoioaal Joao Valle,
ZIZT^******* "*|w kil0i de
Para Maceio, na barcaga Larangeira, carre-
goa : J. A. da Costa Siqueira 3 barricas com 481
t|2 kilos de aasucar refinado.
Para Ala^oa', na barcaca B. da Apreaenta-
cSo, carxegou : Almeida com 66'kilos de assucar branco.
CAPATAZU DA.ALFANDEGA
ttendimento do dia 1 a 10,
daaa. do dia 11
7:661*147
7i6i6i6
8.407*763
VOLUMES SAHIDOS
No dia J a 10. .
No dia
?rimeira porta ...
Jegoada por'.a ....
teQ^ira pdtta. .
H
au^JBta potta
Rrafucba, Cpwatfiao,

20,972
86
109
492
1,958
23,611
i SERVICO MARITIMO
a>arengas descarreaad** no trapicte
alfandega do dia 2 a 10.
i .Nodia 11
wt atracados no trap; d aifad8
.Mvareng as .....
*Mri(Meh- CbneaisaLb-.,
45
2
49
R8GBB8D0R1A DR RpNDAS INTERN AS GE->
RAES DE PERNAMBUCt
.ttndimentododia 2 a. 10. t*:999*8
.'denLdp da..14 1:548*373
MM****
CON3ULADO PROVINeiftU'.
Reodtraento da dia 2 a 10 50:500|D47'
tdeWd^dfott. 3:755*799
54:255*846
Navios enlrados no dia 11.
Mossoro pelo Rio Grande-do Norte 6 dias, hiate
f.rasileiro JaSo Voile, de 108 tomiladas, capitao-
Antonio Barbosa da Andrade, epipagem 7, car-
ga diversos genarcs ; a J. J. da Cunha Lages.
Liverpool38 dra3, barca ingleza Dotpkin, de 343
tonelada3. capitto T. F. OldBek equipagem 14,
carga polvora e outros generos ; a Teixeira
Chaves & C.
Aracajd e portos intermedios5 dias, vapar na-
cional Cururipe, de 222 toneladas, capitio San-
tos, equipagem i~'t carga varios generos ; a
companhia pernambucana.
Para-41 dias, patacho portuguez Michaelense, de
152 toneladas, capitao Miguel do 0', equipagem
8, em lastro ; a Antonio Ferreira de Almeida.
Navios said Jos no mesmo dia.
Calhao e portos intermedios Vapor ingiez Acon-
cagua, commaudante i. Weaver, carga a mesaia
que trouxe da Europa.
S. ThomazPatacho americano Senorela, capitao
N. P. Tuulberg, em lastro de areia.
LiverpoolBarca ingleza Petclielee, capitao James
Breene, carga assnear e algodao.
EfJlTAES.
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, 11 de inarco
de 1S94I.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICIAES.
Algodao mediano 7* 100 por 15 kiles, livre de
despeza, hontem.
Algodao-de Maceid sorte 8*400 por 15 kilos
posto a bordo a frete de 7(8 e 5 0[Q,
hontem.
Algodaj de Maceio mediano 7*800 por 15 kilos
po3to a bordo a frete de 7(8 e 5 0|0,
hontem.
Algodao de Maceio 2* sorte 7*000 por 15 kilos
posto ga bordo', a frete de 7j8 e 5 0(0.
hontem.
^ambiosobre Londres a 90 d|v. 26 1|8 e 26 1(4,
c do banco 2G d. por 1*080, hontem.
Cambio sobre Hamburgo a 90 djv. 460 rs. por
R. M., hontem.
Cambio sobre o R o de Janeiro a 8 div. 1(2
O|0 de desconto, hontem.
. de Yasconcellos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
Recife, 11 de marco.
GRAVE ATTESTADO !
0 facto que presenciamos na tarde d';
hontem na estai;ao Jo Principe, dos tri-
lhos urbanos d'Olinda, nao so e digno de
ser reparado pela autoridade policial Jo for-
ma a acautellar d'aqui em diante que iguaes
suenas de canibalismo so reproduzam dentro
ilos wagons, no centro de cer.tenarios de
individuos de ambos os sexos, e de eriaiiQas,
indefezas, como da mais severa punigaode
(5o grave delicto.
Subia o trem das 3 1/2 boras da tarde
u-ara Olinda, atopetado de passageiros, entro
os quaes muitas pessoas distinctas, e senho-
ras, quando parando na cstar;ao do Pr nci-
pe, tres soldados do corpo do policia arma-
dos de sabres, e auxiliados por mais dous
tratantes rdos de policia, que dizemser um
ielles o celebref.bico bigode, aecom-
raetteram de sabre em punhos aos enipre-
..'ados do trem com tal furor que um delles
iicou gravemente ferido no rosto, outro na
nuca (pescoQO,) e um terceiro levemente na
mao, tendo escapido de ser assassinado o
Sr. major I.aurentino, por sua ligeireza em
desviar-se dos golpes que sobre elle vibra-
vamos assassinos; os quaes percorrendo os
wagSes levaram do rdjo a todos quantos en-
contraram ate que saltando para a estrada
atirarara-se a todos quantos tentaram agar-
ra-los, nao podendo fazer maior numero
de victimas porque o digno Sr. major Lau-
tentino, director do trem, iramedialamen-
ie ordenou que o trem regressasse, atim de
pedir providencias ao Sr. Dr. cbefe de poli-
cia, a cuja presonra levamos as vietimas
ensanguentadas acercadas de todos os pas-
sageiros como testemunbas oculares de tao
hormel attentado.
Note-se que no numero dos passageiros so
ichava o Illm. Sr. Dr. Quiutino Jesd de Mi-
randa, juiz criminal da 2.a vara ; em face
do qual foi commettido este grave delicto.
e accoramettido o Sr. major Laurentino, seu
irmao, quando foi era soccorro dis victi-
mas.
Escrevemos estas linbas sob a pressao
mais dolorosa de nossa alma, e nao sibemos
? que mais admirar, se o arrojo dos assas-
-'.-105 em accommelter esses individuos de
envolta com uma multidao de pessoas, ou a
coragem do Sr. Laurentino, desarmado, em
s.;ccorrer seus empregados, repellindo osag-
;,rressores I
Rogamos ao Sr. Dr. cbefe de policia, que
faga acompanhsr d'aqui em diante os pas-
sageiros, dentro dos wagoes, por abjuns po-
iciaes (nao dos da lain daquelles) mas dos
de sua maior confiau^a, qae garaota urn-,
so a vida- eseguram;a dos passagoiros, OOCBft
tarabem a dos empregados do trert, nrtK
ALFANDRGA
Read.mnto do dis 2 a 10. .
'cUm do du 11 .
343:924*450
41:597*364
385:521*814
Desearregam hole 12 de mar?) de 1874.
Eseana ingleza -JacobineCatracada) mercadorias
para altandega.
Escuna ingleza Florence mercadorias para al-
fandega.
Brigue fransezMinee de Soumachs mercado-
rias para aifandega.
Barca americanaMary Queen -faviaha ja des-
pachada para o caes d) Apollo.
Barca iagleza Rossini carvao ja de3pachado
para o caes do Apollo.
Barca ingleza Carrisbrook carvao ja despacha-
do par o caes do Apollo.
Bar;a ingleza Hermionc farinha ja despachada
para o caes do Apollo.
IiuportacSo.
Patacho portuguez Michaelense, entrado do Para
em 11 do corrente e consignado a Antonio Fer-
reira de Almeida, manifestou :
liarricas vasias 900.
Plpas vasias 130 a Antonio Joao Furtado.
Vapor nacional Cururipe, entrado do Aracajii
na mesma data e consignado a companhia per-
nambucana de navegagao costeira por vapor, ma-
nifestou :
Algodao 86 saccas a Francisco Goncalve3 Tor-
res, 64 a Albino Amorim & C Arroz de casca
SO saccos a Joao Ramos & Machado.
Couros seccos 101 a Francisco Goncalves Tor-
res. Ditos salgados 48 ao mesmo.
Genebra 50 caixa3 a Joaquim Jose de Aze-
vedo.
Milho 22i saccos a Joao Ramos & Machado.
Oleo de ricino 80 latas a Francisco Goncalves
Torres.
Sabao 100 caixas a Nazareth & Reis.
2SPACH0S DE EXPORTACAO NO DIA 10 DB
MARQO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Arbitrator, para Liverpool,
carregou : G. Neesen 4 C 203 saccas com 39,500
kilos de algodao.
Na grlera portugneza India, para Liverpool,
carregou : A. Loyo 276 saecas com 20,523 kilos
de algolao.
No brigue inglez Coronella, para Liverpool,
carregoa : M. Lalhan & C 300 saccos com 22,500
kil03 de assucar rnascavado.
No vapor portuguez Julio Dmiz, para Lis -
baa, carregou : P. Vianna & C. 1 barril com 96
lilrosde agnardente; Oliveira Filhos 4 C. 120 sae-
cas com 89,032 kilos de algodao : para o Porto,
H. J. da C Sobrinho 197 ditas com 13,910 ditos de
dito ; P. R. Pinto Guimarae3 1,000 saccos coin
75,000 kilos de assucar maseavado ; P. Vianna &
C- 1 caixa com 50 ditos da doce.
No brigue inglez Wolfrtlle, para o Rio da
carregou A. Loyo 600 barricas com
_ kilos de assnear branco.
No brigue pespanhol Nicacia, para o Rio da
Prata, carregou : P. C&rneiro & C. 300 barricas
com 3o.?A8 kilos de assucar ranco.
No. patacho Inglez Little Annie, para o Rio
da Praia, carregou : M: Paes Barreto 300 barricas
com 17,936 kilos de assnear branco,
Para ot portos do interior.
Para o Para, no brigue portuguez Relampa-
55, c&rregou : A. M. Souza Machado 222 barricas
corn 46,787 kilos de assucar branco.
Para Macao, n barcaca naiii, carregou :
0 desembargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel, official da imperial ordem da Rosa, cava
Iheiro da de Chrislo e juiz de orphaos o ausentes
da cidade do Recife c seu termo, etc.
Far;o saber aos que este edital vireni e delle
tiverem conhecimento, que a requerimeuto de
D. Maria Rita de Queroga, inventariame dos bens
que fitararn por fallecimento de sua avo D. Rosa
Maria do Espirito Santo, trago a pregao para ser
vendida em uma so praca a parte do sobrado n.
78 a rua da Imperatriz.da freguezia da Boa-Vista,
pertencente ao espolio do inventariado abaixo
mencionado :
Parte do predio.
Um sobrado de um andar e sotao com trapeira,
a rua da Impcratriz, freguezia da Boa-Vista, n.
78, com varanda de ferro na frente, duas janellas
no oitao do nascente, outras tantas no fundo, trinta
e quatro palmos de vao, e oitenta e quatro de
extensao, duas salas, cinco quartos, um dos quaes
e externo e em seguida a cozinha : uma sala e
tres qoarlo3 no sotao, quintal murado, onde ha
tres quartos e portao para a rua do Camarao,
dezoito contos de reis ; valor que 6 causa para
que o da parte que am' possue o casal inventaria-
do e que 'corresponde a dez conto3 novecentos
oitenta e um mil cento oitenta e sete reis, seja de
ouze contos quinhentos e sessenta e cinco mil du-
zentos e trinta e quatro r6is. E para constar,
mandei passar o presenle que sera afflxado nos
Ingares do costume c publicado pela imprensa.
Dado o passado sob meu signal o sello ou valha
sem sello excausa, nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 9 de mar^o de 1874. En, Floriano
Correia de Britto, escrivao, o (iz escrever e subs-
crevo.
Franciosc de Assis Oliveira Model.
ara conheciaientoide qierd Ifllpresfcr, que no
ia 18 do console inez, pelai *>|iorai da tarde,
rante a jnn% oafcieeiias, ir;w apraja para ser
rrematada, pdr quenT mais. VanTSfcdns offerecer a
npreitada dos reparos necsssarios a casa em qne
Btttona a recebedoria.
Os proponentes deverao, em carta fechada,
apresenur suas propostas, devrdameote' selladas,
assigijadas por elles e seas fladoree; podendo
desde ja examinar a respectiva planta e orcamen-
to que Ihes serao franqueados nesta secretaria.
Secretaria da thesouraria de Pernambnco, 2 de
marco de 1874.
0 2.* escriptorario, servindo de secretaiio,
Carlos J. de Souza Correia.
0 Dr. Francisco do Rego Raptisla, juiz substitute
do de direito da provedoria de capellas e resi
duos, nesta cidade do Recife, capital do 1'er-
nambuco, etc.
Faco saber que no dia de do corrente
anno, limia a andiencia deste, juizo vao a praca
os bens seguinte^ :
Duas lercas paries do sobradinha de dous ao-
dans,, sim na freguezia de S..Frei(PedBo. Gontad-
ves, rua do Campello n. 2, tendo de comprimento
38 palmos e ly de- largura, cada-andar otin uma
sala, 1 quarto, cozinha inttrna e andar terreo, ser-
vindo de deposito deferrageos,. sendo o fundo do
sobrado entaipade ; achando-se o mesmo predio
em mao estado, avaliado em- 5:000*^
Uma casa terrea de pedrae cat, no lugaT' do
Barro, freguezia dos Afogadbt, com tres lanehas
na frente, pontas de madeira ao lado, tendo duas
salas, dous, qartQ,coziaha,,qurta: junto e des-
pensa, com largura de 26 palmos e 58 de com-
J,primento, site- en terreno foreiro, medindo 690
palmos de comprimento e 59 de largura o dito ter-
Mno( e avaliada-a;mesma-casa em sua totatida-
de era 3:000*. deieujai^alor- set* deduzida a
fhanti* de 559*P93
. Um terreno toreiroi com 690 palmos de compri-
uiento e 1931 dfeilisgara, no mesmo lugar e na
mesma freguezia, tendo nelle duas casas detatpa,
atibas em mao estado, tendo ellas 44 palmos de
comprimento e 2t.de largura, uma das casa* tern
deas salas e um quarto, e porta.e janella na fren-
te1, a outra casa em- caixa<, conwima porta e ja-
nella na frente, avaliado tudq em 1:000*.
J Uma casa terrea na. cidade de Olinda, sita no
lugar do Paco Castelhano, hoje- rua 27 de Janeiro,
freguezia de S. Frei Pedro Martyr, n. 11, coin 29
1|2 palmos de largura e 58 1|2 de comprimento,
com uma porta e janella na frente, porta e janel-
la no oitao, 2 salas, sen o a de detraz assoalbada,
sob a qual existe uma Icja, 4 quartos, eozinba
intern i, quintal murado, com 160 palmos de ex-
tensao, eaeimba, um terreno ao lado do norte com
portao, avaliada por 2:500*,. cujoa bens sao per-
tenceutes aoinventario de Dr.-Antonio da Assump-
iao Cabral. e vao a praca a reqnerimento do Dr.
ose Antonio de Figueiredo, testameuteiro e inven-
tariante dos ditos bens.
Sera afflxado e publicado na forma do estylo.
Recif,-, 7 de inarco de 1874.
Eu, Domingos Nunes Ferreira, escrivao subs-
crevi.
Tranciseo do Rego Baptista.
Edital n. 135
Pela iaspectoria da alfandegx> de Pernambnco
se Isu publico, que as 11 horas da manha do dia
14 do orrente se ha de arrematar, livre de direi-
tos e sujeito ao irmw=to da capatazia, a porta des-
ta reparticao, um fardo contendo saicos de eslopa
avariados, de marca diamante D N L n. 31, vindo
de Londres no patacho allemao Jhoanes Carll,
descarregado em 2 de Janeiro deste anno, e aban-
donado ao3 mesmos dircitos por J. 0. C. Doylo,
avaliado por 244*665.
Aifandega de Pernambueo 11 de marco de
1874.
0 inspector,
Fabio A. deC. Reis.
Consulado provincial.
Por esta administracio se faz sciente aos deve-
dores da companhia Recife Drainage, a portaria
abaixo transcripta, do Illm. Sr. inspector da the-
souraria provincial, prevenindo-se nao so que o
prazo fatal principal a ser contado do dia 11 do
andante mez, como lainbem, que somente agora
se abrio a cabrangados encanamentos e differenca
dos precos de apparelhos,
0 inspector da thesouraria provincial remetten-
do. ao Sr. administrator do consulado provincial
as folhas juntas de coulas dc apparelhos, encana-
mentbs e annnidades, pelo servico da Recife Drai-
nage Company, pertencentes a primeira remessa
ja existente nessa reparliclo, e ora devidamente
liquidados na forma do accordo de 15 de dezem-
bro proximo passado, recommenda a S. S. a ex-
pedirao de suas ordens, para que se abra inconti-
linente o prazo da respectiva cobranca por 30
dias uteis improrogaveis.
Na publicacao que houver de fazer nesse sen-
tido, mandara S. S. declarar que todos os que ja
effectuarara pagamentos na razao de 50* por
apparelho, com obrigac.ao de satisfazerem a diffe-
renca de 20* directamenle a companhia, e que o
nao lizeram, devem agora reailsa-la nessa repar-
ticiio, naqnelle prazo. uma vez que pelo referido
accordo passou a ser feita tambetn essa cobranca
pela fazenda.
Thesouraria previncial de Pernambueo, 10 de
marco de 1874.Antonio Wilruvio Pinto Bandeira
e Accioli de Vasconcellos.
Mesa do consulado pravincial, 10 de mr.rco de
1874.
No impedimenta do administrator,
Eduardo Augusto d'Oliveira.
fumo do IHevkJIOgVafenwi,-
Miwa, saeca.
Manteiga franceza, kilogrimmo. /
Poiassp, idem.
Rape, idem.
Sabao, idem.
Sal, idem..
Tapjoca, ^dem.
Toncinho, idem.
Velas de carnailba, kilogramnto.
Vinagre, litro.
Vinho tinto de Lisboa, idem
Viobo branco, idem.
Velas stearinas, kilogrammo.
A junta administrate do Santa Casa de Uisen -
cordia do Recife precisa contratar o fomecimento
de pao e bolacha que teem de consumir todos os
estabelecimentos pios a seu cargo, no trimestre de
abril a junho : recebe propostas na sala de suas
sessdes, pelas 3 boras da tarde no dia 19 do cor-
rente.
A junta administrate da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife precisa contratar o forneeimen-
tu de assucar refinado que teem de consumir todos
os estabelecimentos pios a seu cargo no trimestre
de abril a junho : recebe propostas na sala de
suas sessdes, pelas 3 horas da tarde do dia 19 do
corrente.
A junta administrate da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recifa precisa contratar o foraeci-
raento de carne vcrde qne tern de consumir todos
os estabelecimentos pios a seu cargo no trimestre
de abril a junho-: recebe propostas na sala de
snas sessSes, pelas 3 horas da tarde do dia 19 do
corrente.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Reclfei 11 to-marco de 1874.
0 escrivao,
_________Pedro iWWews de Souza
Joaquim Albino de Gusmao, capitao presidente do
conselhe de qualiticaclo da parochia da N. S.
da Graca da Capunga, etc.
Faco saber a todos os interessados, que na se-
ganda-feira, 16 do corrente mez, reunir-se ha no
consistorio da igreja matriz da mesma parochia o
referido conselho para se receber todo e qual-
quer reqnerimento de reclamacaor aflm de fazer-
se as devidas alteracSes nas respectivas listas.
Recife, 12 de marco de 1874.
Joaquim Albino de Gusmao,
Capitao presidente.
Finda a audieneia do Exm. Sr. desembar-
gador juiz de orphaos, do dia 16 do corrente, sera
vendido em praca publica, o pequeno sitio e ter-
ras propias, na Ibura, avaliado por 400*, per-
tencente aos herdeiros dos finados Victorino An-
tonio da Silva e sua mulher Henriqueta Maria da
Conceicao. ______________________
0 Illm. Sr. inspector da thetuuraria provin-
cial manda fa?er publics, que em cumprirnento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, do 18
de fevereiro ultimo, se ha de arrematar perante a
junta dessa thesouraria, no dia 26 do corrente, a
quern por raenos fizer, a obra da factura de uma
boraba para o povoado dos Montes. r.o lugar da
levada, oreada em 1:903*000 c debaixo das con-
dicoes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremala-
Qao, comparccam na sala das sessoes da mesma
junta, competentemente habilitadas no dia acima
indicado ao meio dia.
E para constar, se mandou publicar 0 presenle
pelo Diario de Pernambueo.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambueo, 9 de maico do 1874.
Clausulas especiaes para a arrematacac da nbra
da bomba ou arcada de alvenaria no povoado
dos Montes.
!.,A obra da bomba ou arco de a'aenaria do
povoado dos Monte3, sera feita de conformidade
com o rcspectivo orcamento, na iraportancia de
l:903$O0O.
2."0 arrematante comecara a obra no prazo
de um mez e concluira no de tres mezes, contados
da data do dito contrato.
3.a 0 pagamento sera effectuadc cm duas
prestacoes iguaes na proporca: do servico exc-
cutado.
5J4."Tudo mais que nao estiver especificado nas
presentes clausulas, sera regulado de conformidade
com o disposto ni regulamento de 31 de julho de
1874.
Victor Pourme, engenheiro chefe.
Conforme.Miguel Alfonso Ferreira.
A camara municipal do Recife c:nvida a
todos os seus municipei a apresentarem para ser
expostes no corrente anno, objectos de producgao
agricolas para a exposicao qne pretende reilisar a
sociedade Doze de Seterabro, segundo a partici-
pa^ao do Exm. presidente da provincia, de 16 do
corrente, com referenda a ordem do governo im-
perial.
A mesma camara espera no palriotismo, dedi-
cacso e zelo de todos o bom exito de tal convite.
Paco da camara municipal do Recife, 18 da fe-
vereiro de 1874
Theodora Machado F Pereira da Silva
Pro-presidente.
Augusto G. de Figueiredo
Official maior servindo de secretario.
0 Dr. director geral intcrino manda fazer
publico para conhecimento do professor de ins-
truccao primaria da cadeira de malhadioha, padre
Jose Procopfb Fkawira, viato- ser> ignorado o seu
domicilio, que por portaria desta data, resolveu
multa-lo.em 50*000, por ae aetaar dito prof fdra do exercicio de suas funcpo'es ha raaitos ma-
zes, sem licpnoa on motivo justfflcado, devendo
reeolher essa quantia aos cofres da thesouraria
provincial dentro do prazo de 20 dias, fiodo o qnal
8ass ara a ser cobrada executiramente como divi-
a da fazenda.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
eo, 7 de mareo de 1874.
0 secretario,
Joaquim Pereira da Silva Guiroaries.
------1 i I, -
Santa Casa Recite.
A junta admlnistratiza da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
dc qaenecessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Born Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar dilos concertos, medianle certa reada e al-
guns annos de prazo para desfructar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas em cartas fechadas, dovidamente
selladas, acompanhadas do respectivo orcamento
nesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
do uro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia d;
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
SASTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
Venila de predios>
A Illm<. junta administrate desta Santa Casa,
devidamente autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessdes, pelas 3 boras da tarde do dia 26
do corrente, vende ou permnta por apolices da
divida publica os seguintes predios, pertencentes
ao legado de Joaquian da Silva Lopes, de que e
administradora : Forte do Ma'tos, raetade do so-
brado de 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco dc
Abreu, 3' oarte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rua da Guia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; raa de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*, sobrado de um andar n. 30, por 2.000*,
dito meia-agua por 500*; rua dos Guararapes,
casa terrea n. 65, por 1:1005 ; rua do3 Acougui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, plr400* ; rua da Soledade, dita
n. 72, por 700* ; becco do Teixeira, dita n. 5,
por 250* ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:000*000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia dc
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou- "j-~
raria de fazenda desta provincia, se faz publico; I Farello, sacca.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
A junta administrate da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fomecimen-
to dot generos abaixo declarados, que teem de
'consumir os estabelecimentos pios. a seu cargo,
exceptuando o hospital Pedro II, no trimestre
de abril a junho vindouro. llecebe propostas na
sala de suas sessoes, pelas 3 horas da tarde do dia
19 do corrente :
Aletria, kilogrammo.
Aguardente, litro.
Azeite doce, idem.
Arroz do Maranhao, idem
Bacalhao, kilogrammo.
Banha do porco, idem.
Batatas, idem.
Cha Hysson, idem.
Caft era grao, idem.
Carne secca, idem.
Cebolas. cento.
Farinha de inandjoca da terra, litro.
Feijao mulalinho, idem.
Hospital militar
Precisa-se contratar durante o trimestre de abril
a junho do corrente anno o concerto c lavagem
das roupas dos doentes deste hospital.
As pessoas que quizerem se incumbir desse ser-
vico apresentem suas propostas no dia 13 do cor-
rente, na secretaria do mesmo hospital, pelas 10
boras do dia.
Recife, 10 de marco de 1874.
0 escrivao
Avelino Pereira da Cunha.
Commando das armas
0 Sr. 1 cadete 1 sargento reformado do corpo
n. II de voluntarios da patria Jtse Ignacio Perei-
ra da Rocha Sobrinho, venha ou mande pessoa
autorisada a secretaria militar receber o reqneri
mento que dirigio ao governo imperial supplican-
do uma graca, aflm de completar o sello adoesivo
do mesmo requerimento, que por isso nao teve o
devido andamento.
Secretaria militar de Pernambueo, 10 de marco
de 1874.
0 tenente-coronel secretario
Francisco Camello Pessoa de Lacerda.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrate da santa casa di
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
aa sala de suas sessoes, no dia 12 de marco pe-
las 3 horas da tarde, tern .de ser arrematadas a
quem mai3 vantagens offerecer, pelo tempo de f
i tres annos, as rendas dos predios em seguii
declarados.
E5TABLLECIKENTO DE CARIDADE.
Travessa de S. Jose.
Idem n. 11.......B 201*000
Rua de Santa Rita.
Idem h. 31 fechada ...... 264*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Pateo do Paraizo.
2." dito dito........300*000
Rna da Sehzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Ruo do Pilar.
Casa teirce n. 100......241*000
Idem n. 102 fechada......241*000
Rua 1 .> Larangeiras.
Casa terrea n. 17......361*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
irrematacao as suas flancas, ou comparccerem
icompanhados dos respeclivos fiadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia ere
me for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, a*sim como o servico da lim-
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
;ife, 2 de marc,o o de 1874.
O escrivao
Pedro Rodrigues de Souza,
Armazens da companhia per
nambucana.
Scguros contra o fogo .
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes c vastos armazens em seu predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito do generos, garantindo a maior con-
servagao das mercidorias depositadas, serrico
prompto, precos modicos, etc.
Tarabem recolhera, mediante previo accordo, ex-
clusivamente os generos de uma so pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramente novos e asphaltados, isentos de
cupim, ratos, etc., etc. *
As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar._______________________________^
Dcclaracao n. 1.
Pela contadoria da camara municipal desta ci-
dade, sao chamados a virem pagar a bocca do
cofre, do 1 de margo vindouro, todas aquellas pes-
soas que se acham sujeitas ao pagamento dos im-
postos creados pela lei provincial n. 1126 de 18 de
junho de 1873, relativamente ao exercicio corren-
te de 1873 a 1874, cujos sao os seguintes : foros
e laudemios de terrenos municipaes ; 2*500 sobre
estabelecimentos que vender espirilos; 3* por
cada licenca quo tirarem as boceteiras para ven-
dercm dentro do municipio, e de 30* pelos raas-
cates ; 6* por cada carroga ou vehiculo empre-
gado nos servifos da cidade, villas e povoacoes :
100 rs. por palmo de terreno dentro da cidade do
Recife e seu3 soburbios, que nao esleja edifi^do
ou culiivado, erabora se conserve murado ; 20*
por cada casa de sobrado na cidade do Recife, que
conservar varan la ou sacada de madeira ; 10*
por cada casa de sobrado, cujo exterior se conser-
var estragado, e 5*000 por cada casa terrea em
iguaes circumstancias ; 10* por cada casa de so-
brado nas ruas que ja foram cal^adas, que nao
tiverem os passeios a ella correspondentes, feitos
no mesmo nivelamento e alinhamento dos que ja
tiverem sido executados de conformidade com as
posturas municipaes, e 5* por cada casa terrea
nas mesmas conaicoes ; in* por eada casa de so-
brado, cujos quinlaes deitem para ontras ruas e
nao estejam raurados ate o respaldo do pavimento
terreo em forma exterior de edidcio, e 5*000 por
cada casa terrea em identicas circumstancias ;
60 rs. per palmo de terreno nos povoados da Mag-
dalena. Capuaga, Chacon, Casa-Forte, Poco da Pa-
nella, Caldeireiro, Monteiro e Apipucos, qua noa
estiver murado ou cercado i 40 rs. por palmo de
terreno em toda a extencao da cidade do Recife a
Apipucos, que nao estiver murado, exceptuando-
se os terrenos que tiverem cercas nativas em bom
estlAo de conlervacao; 20* por cala baixa de
captra dentro da cidade do hecife ; 10* por cada
macbina a vapor, raontad* na cidade do Recife
para qpjdqner mister ; e Goalmente o imposto de
4 por cada casa de negocio nas cidadsa, villas,
soborbios e ppvoacSes, devendo, porem, oa contri-
butes, quando tiverem de pagar este iosposto, a
apresentar na contadoria o conhecimento do im-
posto geral sobre industria e proftssao, aim de
provar ter assira satisfeHo o referido imposto
geral.
Declarafao n. 2.
A mesma contadoria da camara aittdkKpal desta
cidade scienlifica a todos os donos da.difW*o* $
tabelecimenlos de porU aberta, a vino PH* os
impostos atrasados qne se acham a de*** do*
exercicios passados, bem como os demaii ioafos-
tos acima especificados.
Contadoria da camara municipal do RecMtv*7
do fevereiro de 1874.
0 contador
______Hypolito C. de Vaaconcellos A. Maranhao
Hospital militar.
Preeisa-se contratar para as dietas dos doeatr"
e raeoes dos emoregados deste hospital, o lone
cimento dos generos abaixo declarados, dmMv
trimestre de abril a junho do torrent* Wo, a sa-
ber :
Aletria, (.kilogrararao-.
Araruta, idem.
Arroz pilado, idem.
Assnear refinado,'idem.
Batata ingleza, idem.
Bolacha, idem.
Dita ingleza, idem.
Banana, nma,
liiscoilos, kirograflinm.
Carne verde. idem.
DUa de porco, idem.
Dita secca,.idem.
Clia hysson, idem.
Cafe em caroco, idem.
Dho moido, idem,
Doce de goiaba, idem.
Paruiha de mandioca, litro.
Feijao mulatinho on preto, litre,
Gallinha, uma.
Leaha, acha.
Laranja, uma.
Manteiga ingleza, kilogrammo.
Marmelada, idem.
Hacarrao, idem.
Paes de 114,762 grammos, um.
Dhos de- 125 grammos, um.
Sal, litro
Tapioca, kilo.
Toiicinrn) de Li-boa, idem.
Vmho do Porto, litro.
Vinagre de Lisboa, idem.
Ovos. nm.
Todos estes generos devem ser de 1' quaMato
A carne verde nao deve confer no peso qmse pe-
dir mais do 5 em ossos.
As pessoas que quizerem forencer estes feme-
ros, apresentem no dia 13 do corrente, pelas 10
horas da manha, na secretaria do mesmo hospital
suas propostas em cart s fechadas.
Hospital militar, 9 de marco de 1874.
0 escrivao,
Avelino Pereira da Cnuha.______
Precisa-se contratar para os doentes dest*
hospital dnrante o trimestre de abril a junho d
cc rrente anno '.
Sanguesugas de Hamburgo, uma.
As pessoas que quizerem fazer este fornecimen-
to apresentem snas propostas em cartas fechadas.
no dia 13 do corrente, na secretaria do mesmo hos-
pital, pelas 10 horas do dia.
Hospital militar, 9 de marco de 1874.
0 escrivao,
Avelino Pereira da Cunha
Precisa-se contratar para o expedicnte desfe*
hospital durante o trimestre de abril a junho dt>
corrente ao.no :
Penas calligrap'nicas, caixa.
Tinta noleta e purpurina, boiaV.
Obreias, pSs.
I.apcs, um.
Canivete, um.
Papel almaco Fiume pautado, resma.
Papel hollanda e Jesii e Cam'1, folha.
Envelopes, cento.
As pessoas que quizerem fornecer estes objectos
apresentem no dia 13 do corrente, pelas 10 nor*-'
da manha, na secretaria do mesmo hospital suas
propostas em carta fechada e as amostras.
Hospital militar,Ode marco de 1874.
0 escrivao,
Avelino Pereira da Cunha.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Olinda.
e Bekrihc.
Havendo completa ausen-
tia de passageiros nos tren
extraordinarios das 10 l|i
horas da noite, que havi,
nos sabbados c don ingos pa-
ra Olinda, e nos das 9 1|2
, da mite para Beberibe ; de-
liberou a direct >ria que fossem snppriinid dite"
trens desde o o dia 7 do eonMfla mez.
0 gerentc,
Laurentino Jos6 de Miranda.


Santo Antonio
lWWEi
Sabbado 14 do corrente,
Primeira representafao do drama em 1 pr
e 5 actos :
MCA
I
Traduc^ao do Dr. F. Prazeres.
A* 8 horas eat ionlo.
tieTtri
HH iliTIC
iMPREZJ UM MR
Sabbado 14 de corrente
Ultima representacao do ranilo applaudidi- In
ma em 6 actos :
SDZANA.
AS 8 Ij2 DA NOITE.
DOMINGO
A 5 1|< Iiora.<< da tarde.
Bepresentar-se-ba o drama em 5 actos origin I
portuguez :
0 Mascara Negra
A empreza nao tem poupado despezas para qr. I
o drama tenha effeito esplendido.
Principiara as 5 1|2 horas.

4V1SPS fttABITIMOS
Companhia Allian9a Mariti-
ma Portuense.
Empresa awnc*o oatrc-
Portugal rasll.
A barca portagueaa Jotm Adelaide, recebe car -
ga a frete para os portos de Lisboa e Porto, te-
vendo seguir com a maxima brcvidade ao tei
de3tino : trata-se com os respeclivos ci^isignst*-
qjos Jos6 da Silva Loyo k Filho._____________
Para o Aracaty em direitura sabe o naW
superior palhabote nacional Leonilia da Lrutj oa
pitao e pratico Manool Caetano da Costa, tan par*
de sen oarregamento tngajado; e para o restsh
alia, trata-se com o consignatario Antonio Air
de Souza Aguiar, a rua do Amorim n. 60.

4-:
1



DUrio de Peroambuco Quinta feira 12 de Marco de 1874.
Bio de Janeiro
Pan o referido porto pretende segnir com pou-
ca demora o patacho brasileiro A rabe, por lor a
maior parte de sea carregamento engajado ; e
pan o-resto que Ihe falta e escravos a frete, tra-
la-se com os eonsignalarios Joaqulm Jose Goncal
ves Bcltrao A Filho, a raa do Commercio n. 5.
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DB
\ave(u^ao cowl eira a vapor.
IUCEI6, F.SCAliS, PENEDO E AttACAJU'.
0 vapor Cwrurtpe,
commandante Santos,
seguira para os por
los acima no dia 14
do corrente, as 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga ale o dia 12 do corrente, encom-
mendas ate o dia 13, passagens e dinheiro a fret*
ate as 2 boras da tarde do dia da sabida : es-
criptorio no Forte do Mattos n. 11
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
NavegacSo eosteira a vapor.
RIO FORMOSO E TAMANDARE.
0 vapor Parahyba, com-
roandante Pedro, segui-
ra para o porto acima
no dia 15 de marco as
9 horas da noite.
Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattot
n. 12._________________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
lavc;acao eosteira a vapor.
PARABYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA
TY, CF.AfU, MANDAnU, ACARACU' E GRANJA.
0 vapor Pirapama
commandante Si Ira,
seguira para os por-
tos acima no dia 14
do corrente, as 3
horas da tarde.
Recebe carga ate odia 12 do eorrente, encom-
mendas ate o dia 13, passageiros e dinheiro a fre-
te at6 as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
Porto por Lisboa
A galera portegueza Firmeza, qne se espera a
todo o momento do Rio de Janeiro, seguira pon-
eos dias depots de sua ehegada para os por-tos
acima, para onde recebe ainda alguma carga a
frete barato: trata-se com Silva Guimaraes k C,
praca do Corpo Santo n. 6.
Companliia Allianca Mari-
tima Portuense.
A galera portugueia Saudade, seguira em pou-
cos dias para Porto, com escala por Lisboa.
Ja tera cotrtratada grende parte da carga ; *
para o t*&a, trata-se com os, eonsignalarios <
agenles da companhia,
Jose da Silva I/yo fc Ftlho.
em seu escriptorio a'rua da Companhia Pernatfl-
bucana.
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PANY
ROYAL MAIL STEAMER
COTOPAXI
espera-se dos portos do sul ate" o dia 13 do cor-
rente, e depots da demora do costume, seguira
para Liverpool, tocando em S. Vicente e Lisboa,
para onde recebera passageiros, encommendas e
carga a frete.
Nao sahira antes de meio dia.
OS AGENTES
Wilson Rowe A. C.
14RUA DO COMMERCIOH
LEILAO
DE
50 arrobas de colla e calcados para homens e se-
nhoras
Sexta4eira 13 do eorrente
No armazem da rna do Iroperador n. 48, em se-
Suimento ao leilao de fazendas, moveis e ebjectos
e euro.
?
fazendas, moveis, cleiras e ouro, tonstando de :
Lasaeos pretos para senhoras, vesturing para
criancas, caapelinas para denhora, ehapios de
seda.pretn para homen, ditjs de castor, m'tos de
palna da Italia para senhora*. enfeifes de cabeca,
balees com anquinha*, gollinhas de camtiraia, pa-
ra senhora, crochet preto enfeitado, dito branco,
chales com barra, para senhora;, camisas para
homem e ontras muitas fazendas para fechar con-
tas.
Mobilias de jacaranda, junco e amarello, mar-
quezSea, marquezas, aparadores, cadeiras, mesas,
cabides, grade para escriptorio, 1 guarda-ronpa
de amarello, esteiras largas e estreitas para ferro
de sala, loncas, vidrog, relogios de parede, e di
versos objectos de ouro, que serao vendidos
AO CORRER DO MARTELLO
Sexta-feiM 13 de ar armazem da raa do Impc-
rador n. 48
as 11 horas da manna*
pelo agente Martins.
AVISOS DVERSOS
Attencao.
Precisa-se ccm urgencia de uma ama de
leite, que seja ssdia, o que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianga de dias, dando-so preferencia & mu-
Iher do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias appareca no 3.* audar desta
typographia para tratar.
No
Para.
PARA'
j.
Segue com brevidade para o referido porto a
escuna Geonjiana, lendo ja parle de sou carrega
men to engajado: para o resto, trata-se com Tasso
Jrmaos & C, a rua do Amorim n. 37._________
Para Lisboa
O patacho portuguez Gracwsa, vai sahir com
brevidade por ler a maior parte da carga promp-
ta, e para o reslo traia-se com os consignatarlos
Silva Guimaraes & (;., praca do Corpo Santo nu
mero 6.
Pretende segnir para o indicado porto, com pou-
ca demora, a barca porlugueza Social, por ter
porcio.da sarga engajada ; c para o que lhe falta,
irata-sc com os consigrjatarios Joaquim Jose Gon-
tnlves Bellrao & Filho, a rua do Commercio n. 5.
LBUE*.
Companhia Franceza de Navega
Cilo a vapor
Linhamenscd entre o
Havre, Lisboa, Pernambnco, Rio tie
Janeiro, (Santos, soniente na vo\
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com baldeacao para o Rosario)
STEAMER
W\AM B, BVHliV
Commandante, P. Robert.
Espera-sc dos portos do sul ate 12 do corrente,
seguindo depois da indispen=avel demora do costu-
me para o Havre com escala por Lisboa.
Para encommendas e passageiros, irata-se
com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. DOLIVEIRA & C.
42Rua do CommercioEntrada pela ru?
(1 ; Torres.
LEILAO
DA
fabrica de cigarros da rua das Trincheiras n. 43
ao corner do marteUo
HOJE
O agente Marlins fara leilao, d'ai maeSo, fumo
cigarros, cartoes de papel para cigarros, e um
grande sortimento de artigos proprios para fabri-
ca de cigarros, que serao vendidos em lotes a
vontade dos compradores. Garante-se a casa ao
comprador d'armacSo.
Principiara as 11 horas do dia
LEILAO
DE
9 barris, contendo cada um barril 150 garrafas de
vinho Bordeaux
SEXTA-FEIRA 13 DO CORRENTE
as 11 horas
O agente Pinho Borges Ievara a leilao, o que
acima se declara, por conta e rfsco de quem per-
tencer, confronte ao armazem do Sr. Annes.
Grande i eira
DE
Pacific Steam Navigation C mum
ROYAL MAIL STEAMER
SORATA
espera-se da Europa at6 o dia 21 do correnle.e de
pou ^da demora do costume, seguira para Bahia,
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Ayres, Valpa-
raiso, Arica, Lilay e Callao, pars onde recebera
passageiros, encommendas e dinheiro a frete.
Nao sabira antes das tres horas do dia da che-
gada.
OS AGENTES
Wilson Rowe C.
iiliUA DO COMMERCfO14
uma mobilia de jacarand4,
mesa elastica, camas fran-
cezas, commodas, relogios
de algibeira, parede e de
cima de mesa, pianos, se-
cretarias, guarda-comidas
e jardineiras, objectos de
ouro e prate, emuitos ar-
tigos douso domestico
Hoje
As 11 horas do'dia acima.
NA
PEIRA SEMANAL
10Rna pelo agente Martins.
Leilao
DE
fazendas avariadas
SEXTA-FF.IRA 13 DO CORRENTE
ds 10 l|2 horas em ponto
0 agente Pinio fara leilao por autorisacao do
gerenle do consulado de Franca, em presenca de
seu chanceller e por conta e risco de quem per-
tencer, de uma caixa marca irianglo 0 J A C.
contramarea S & F n. 2, contendo 30 duzias de
camisas de cretone, avariadas a bordo da vapor
francez Henry IV, na saa ultima viagem a este
porto j as 10 1|2 horas do dia acima dito, em
seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 43.
Soc.-. Cor.-. Liv.\ Pop.-., do vale da rua
de Marcilio Dias n. 112.
Obrigado por forca maior, cunvidase a todos
os lir.-. que se acham no goso de seus direitos
Mac-*., a nma reuniao de assemhlea geral que
le.ra lugar domingo IS do correiile as 10 horas
da mauhj, e assim conslilaida pooer drliherar e
rcsolver lielinitivameute da coveniencia ou nao
da existencia da sociedade, certos de que, as lu-
xes e officiaes que a tern mantido procuram este
meb como salvaguarda de um desapparecimento
temarao uma qualquer resolucao com o numero
de lir.-. que comparecer.
Secretaria da Loj/. (jor.-. Liv.\ Pop.-., 5 de
marco de 1874
O lir.-. secret.-.
___________________A. J. Bandeira._______
O abaixo assignado, lendo de fazer uma
viagem a Europa, julga nada dever a pessoa al-
guma, quer de conta, ou titulos, e se alguma
pessoa se julgar seu credor, tenham a bondade
de apresentor seus titulos, o que prove seu ere
dito, a rua da Alegria u. 3, em Olinda, rna do
Bom Fim n. 21, no prazo de 8 dias, que sendo
verdadeiros serao promptamente pagos, a contar
da presenle data.
Recife, 6 de marco de 1874 .
Joao Luiz Ferreira Bibeiro.
iHIPffll hi
E
41 Rua do Imperador 41
O novo proprietario deste acreditado e bem niontado estabelecim^nlo, com o dm or.
oonservar os creditos de unico neste gener'o. ti-m reformado e melhorado completamentf
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do. norte e in-
terior desta, g'.rantindo perfeigAo em todasas prop>rag6es, aceio e modicidade nos pretos,
compaiivel com este genero le drogas.
Espera a todo moment > uma grande remessa de pharmacia homeopatliica de i.
Epss & C, de Londres, composti de medicamenios, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Kbus, de Buvonia, de Arnica e de p6s especiaes para denies.
Tem a disposicao dos amantes da homeopathia c\rellente, obra do Dr. Mure mm>-
dlco do povo, ja em 3.a edicao.
Tem carteiras de globulos e tinturas de 12 medicamentos ate 120, I escolha do com-
prador.
Plumeria, para mordeciura de cobras- i
Seracenaf Chocolate bomeopathico.
I Para bexigas como prcservalivo. Cafe homeopathico.
Vaccina f i
Leilao
DE
6 pecas de grusdenaple preto, resto de uma fac-
lura
Slexta-feira 13 do corrente.
Por intervencao do agente Pinto.
NA RUA DO BOM JESUS N. 43
Por occasiao do leilao de uma caixa com cami-
sas, avariada a bordo do vapor francez Henry IV,
Leilao
DE
uma caixa com brim pardo avariado
SEXTA-FEIRA 13 DO CORRENTE
A mesa regedora da irmsndade do Senhor
Bom Jesus dos Martyrios da lgreja nova da frcgue-
zia de S. Jose, tendo de apresentar em solemne
procissao a iraagem de seu padroeiro, como 6 de
costume, dtsde o anno de 1792, em vista da con-
firmacao de seu compromisso, na quarta sexla-
feira da presente quaresma, afim de prencher um
dos dias da pemtencia do Senhor, por isto a mesa
regedora annuncia ao respeilavel publico as ruas
que ella lem de passar : rua dos Martyrios, Au-
gusta, Imperial, largo da* Cinco Pontas", largo do
Terro, rua Direita, largo do Livramenlo, rua do
Queimado, largo do Coilegio, rua da Cadeia, de S.
Francisco, das Cruzes, praja da Independencia,
rua do Cabuga, Nova, Camboa do Carmo, largo do
Carmo, rua de Hortas a recolher.
Consistorio da irmandade do Senhor Bom Jesus
dos Marlyriosda igreja nova, 10 de marco de 1874
Policarpo Ramos de Jesus t
_____________________Escrivao._________
Declaracao
O abaixo assignado, nao podendo ficar no esta-
belecimento sito a rua do Imperadcr n. 16, que
outr'ora teve de sociedade com seu irmio Manoel
do Nascimento Silva, sob a firma de Silva & Ir
mao, visto se achar bastante doente e ter de entrar
em rigoroso tratamento, pelo presente declara que
amigavelmente retirou-sc do referido estabeleci-
mento, ficando como unico dono e responsavel
pelo passivo e aclivo do dito estabelecimento Ma
noel do Nascimento ; e o abaixo assignado desli-
gado de qualquer onus ; nao lendo vigor algum a
declaracao feita no Diario de 2 do corrente
Recife, 9 do margo de 1874.
_________________Olympio da Silva._______
Aluga-se um mnleque de 16 annos e de boa
conducla : a Iralar na rua do Duque de Caxias
O bacharel Francisco 'Auguslo da ,-/Ql-,
Costa conlinua no exercicio da profis- v@)
grt s'do de advogado, a rua do Imperador ijjjTv
^9^ n. 34, primeiro andar. ^gl
## # @ m ## B @@
A pessoa, em cuja mao se achar uma lellra
passada por D. Maria de Mendonca ao Sr. Jose
Lourenco em favor do Sr. Candido Vieira, mora-
dor no Paco de Camaragibe, pode vir recebela a
rua do Hospicio n. 81, que sera satisfeita."
China cruzeiro, para inlermittenles.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras.
Taranlula, para paralysia.
Tintura mai d'arnica, para canlusdes, cor-
tes, etc.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
DitodeRhus i
>para rhematismo.
Dito de Brvonia
Elor d'araruta.
Pos para dentes, inglezes.
Jericd, para rheumatismo.
Matta-matta ou jaboti, para losses.
Espirito
ra.
de liahercman ou de cam/
. Cactuc grande florus, para pneumoi
1 moleslias do coracuo.
ospicio n.
A's-10 1{2 horas em ponto. Keller & C.
DE
100 caixas com massas italianas.
33 dias com vermouth.
17 dilas com Pgos em latas.
10 dilas com cognac.
6 barris com vinho X'-rez.
COM IMlXIIIA (tit ASIII lit i
DE
NAVECACAOAVAPOR
B'oi'tos do muI.
O vapor
PARANA
Coinnmndantc mtcrino Quadros
Junior.
E' esperado dos portos do norte ate o dia 13 do
corrente e seguira para os do sul depois da de-
mora do costume.
Para carga, encommendas, valores, passageiros
e mais informacSes, dirijam-se no escriptorio da
agencia
7-ROA DO ViGARIO-7
Pereira A'ianna & C.
Agentes
X'h 11 horas.
No armazem n. 16 da companhia Pernambucana.
O agente Pinto fara leilao por conta e risco de
quem pertencer, em lotes a vontade dos compra-
dores, dos generos acima mencionados, ullima-
ropnte desearregados c oxistentes no armazem n.
16, da companaia pernambucana, onde se effec-
tnara o leilao as 11 boras do dia acima dilo
.ei
Jlao
DE
um apparelho para cha, de eleclro-plale, 1 rico
estojo, 1 porta-licor, ;i malas para viagem. tudoj
em perfeilo estado
QlIN'TA-l F.IRA 12 DO CORRENTE
as 11 h ras da maiihS
Nosobrado n. 3(), primeiro aodar, a rua do Com
Jesus, em contiuuafao ao de moveis.
O agente Pin':o Borges Ievara a leilao, os objec-
tos acima declarados, por coma c ordem de quem
periencer.
leilao
DE
O agente Pinto fara leilSo, por autorisacSo dp
gerente do consulado de Franca, em presenca ae
seu chanceller, e por conta e risco de quem per.
tencer, de uma caixa marca A C & C, n. 1,124
com o conteiido acima mencionado, avariado a
bordo do vapor inglez Neva, na sua ultima via-
gem a este porto, As 10 1|2 horas do dia a:ima
dito, em seu c?cri;if -rio, a ru do Bom Jesus n.
Agente Dias
DE
moveis, louca, viJros, pianos, ouro, prala, bri
lhanles, chapeos do Chile, feltro e de merino
Sabbado 14 do corrente
No primeiro andar do sobrado da rna do Marqitez
de Olinda n. 64.
As 11 horas em ponto
O agente Dias, compet ntemente autorisado,
venderaem leilao desle dia, mobilias de jacaran-
da, dilas de amarello, pianos, secretarias, guarda-
roupas, guarda-louca, mesas elasiicas, camas para
casal, marqufzis, bereos, cadeiras avul-as, san-
inarios, cadeiras de balanco, dilas de brncos, e
muitos outros objectos de gosto.
LEILAO
No dia 20 do corrente vao a leilao todos os
objectos dados cm penhor que estivere.n venci-
dos, salvo aquelles que ale aqnella data pagarem
os prennos vencid )>.
Trave consigna-
tarios do brigue escuna Ja-
cobina, vindo de Hamburgo
em 9 do corrente, avisam as
pessoas que receberam as
caixas di marca A B n. 1{5
VDO&C. n. l(7.eKA0.
sem numero, contendo todas
phosphoros, hajam de apre-
sentar-se para despacha-las,
visto que desembarcam hoje.
Luso-Brasileira
De ordem da presidencia convido aos senhores
socios para assistirem a sessao magna, inaugural
da imagem do nosso padroeiro o venerando pa-
triarcha S. Jos, e do relrato do illustre fundador
desta aesociacjio o Dr. Agostinho Maximo Noguei-
ra Penido, no salao de honra, pelas 7 horas da
tarde do dia 19 do corrente ; e amplio o mesmo
convite aos senhorcs candidatos que temdepres-
tar juramento e inscrever-se no grande catalogo.
Secretaria do conselho fiscal da sccicdade be-
neficente Luso-Brasileira em Pernambuco, 10 de
marco de 1874.
O 1 secretario
Jjao Martins de Andradc.
Acha-se constantemente a testa do estabelecimente e inspecnonando todas
paracdes o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Hello.
C0NSCLT0RI0 HOMEOPATHICO
DO
Dr. Santos Mello
Consultas peia manha, e a noite ate 9 horas
Gratis aos pobres.
as pre-
CASA DA FORTUM.
AOS 4:000jJ000.
BILHETES GAMNTID0S.
4' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua dc
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Achara-se a venda os felizes bilhetes garantidtu
la I' parte das loterias a benefieio da roatriz
da Varzea (91'), que se extrahira na sexla-feira,
13 do corrente.
PREgOS
Bilhete inteiro 4^000
Meio bil bete 2*000
KM PORgiODE 1009000"PARA cima.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
Aluga^e o quarto andar do predio n. 63 da
rua do Bom Jesus, antigamento rua da Cruz : a
tratar na rnesma rua n. 55.
Gratificacao.
(OIIPVVIIII
MESSAGERIES MARITIMES
l.inlm niensal
ERYMANTHE
Espera-se dos poi tos do sul ate do dia 15 do cor-
rente em diante, seguindo depois da demora do
costume para Bordeaux, tocando em Dakar (Go-
ree) e Lisboa
Para condicoes, fretes e passagens, trata-se co">
OS AGENTES
Harismendy A. I.a billc
9 Rua do Commercio 9
PAKAIJSBOA
Recebe alguma carga a frete modico a barca
portugueza Josephinn II a sahir brevemente : tra-
ta-se com E. R Rab'II" & C, a rua do Commer-
cio n. S8.
lon;as finas, vidro=, crystaes e outros inaitos
ariigos.
HOJE
A's 11 horas da manha
No sabrado n. 30, primeiro andar, a rua do Bom
Jesus, outr'ora Cruzes.
A saber:
1 rico piano, 1 rica mobilia de jacaranda, do ultimo
gosto, composta de 1 sofa, 2 cadeiras de bragos, 2
ditas de balanco, 1 jardineira com tampo de pc-
dra, 2 consolos com tampos de pedra, 2 cadeiras
de guaroicao, 2 tapetes, 1 par de serpentinas, '3
pares de jarrps lindos e de gosto, 1 candieiioa
gaz, banca de jacaranda, guarda louca de ama
rello, 1 aparador de amarello com tampo de pe-
dra, l guarda vestidos, 1 sofa de amarello, 1 ca-
deira de balanco, 1 rica mesa elastica com 6 ta-
boas, l toalheiro de amarello, 1 quartinheira, 1
cabide, 12 cadeiras de faia, 1 taillet com tampo
de pedra, mesas, jarras para agoa, 1 note gran-
de, 1 lavatorio, jarros, quartinhas, bilhas, bacia
de Ffandres para agaa, regador, trem de cozinha,
balanca, apparelho para jantar, dito para almoco,
toillet, cadeiras avulsas, cama franceza, marque-
zas, marquezoes para solteiros, 1 diccionajio
francez, i volume geral de ehimica e outro9 ar-
tigos domesticos, que se acharao patentes no dia
do leilao.
O agente Pinho Borges, autorisado pelo Sr.
Amenco Nunes Correla, que se retira para Eu-
ropa, Ievara a leilao os moveis e mais artigos
acima declarados, os quaes sao de gosto e se
acham em bom estado-
Serao iransportados para e referido sobrado a
petiido do mesmo Sr. por ser o Ingar que foi an-
anunnciado um pouco retirado.
DE
locomotoras carros >!o syste-
ma Thomson, ou carros Ue
borracha
\!iS5 deabrll.
Em virtude de nao se poder dispOr de boas es-
tradas de rodagem nesta provincia, os possuidores
do material acima mencionado estao resolvidos a
vende-lo todo em leilao ou separadaraente, confor-
m^se convencionar.
O emprego destas machinas em granle numero
de paizes da Europa, Asia, America do Norte,
onde cllas tem suhstiiuido os antigos systemas de
transportar cargas pesadas, dispens,am os seus
possuidores de eucarecerem a sua grande utilida-
de, como meio de transport* economico e commo
do para os engenhos, e toda sorte de propriedade
agri ola ou industrial, que disponha de planicies,
cuja situacao dos respectivo3 depositos ou arma-
zens fiquem dislantes do lugar de produeyao ou de
fabrico.
Estas machinas podem trabalhar como machi-
nas Dxas, para o que tem competentes volantes, e
servir para serrarias, enfardamento de algodao e
fazer mover toda a sorte de apparelhos, etc., etc.
O materia 1 consta do seguinte :
2 lecomotoras de forca nominal de 8 cavallos
cada uma, com caldeiras verticaes e fornalhas
quadradas e oval, podendo qneimar carvao ou Ie
nha, com fnmigadores e cinzeiros, disposios de
sorte que se previne qnalqner accidente de incen-
dio. Estas machinas possuem todas as pecas in-
dispensaveis de sobresalentes, e sao completas a
todas os respeitos, estao novas e em perfeilo esta-
do de conservacao, visto como, apenas trabalba-
ram o tempo necessario para se demonstrar pra-
ticament as suas vanlageos.
6 carros solidamente constrnidos, suspensos em
excellentes molas, sendo dons com portas lale-
raes, dous com ditas na parte posterior e dons ra-
sos, proprios para transporte de caldeiras, moen
das. etc.
O leilao sera effectuado peb agente Pinto, a rna
d'Aurora n. 91, estacao das ditas machinas, e pe
las II horas horas do dia IS de abriL
DA-se todos os esclarecimentos a raa do Bom
Jesus n. 8, primeiro andar.
Nao tendo ainda apparecido os dous patinhos
da Australia e de cor cinzenta, quo farlaram na
noite de 7 de fevereiro ultimo, do sitio do abaixo
assignado, no Caldeireiro, de novo se roga sua ap-
prehensao, gratiflcando-se com. muita gencrosida-
de a quem os aprescntar ao dito sbaixo assig-
gnado no referido sitio, ou Da rua do Brum n. 96.
Francisco Ribeiro Pioto Guimaraes.
Acgoes entre amigos,
Deixa de correr com s 2.' loteria do ccrrente
mez a de um anel de brilhante ( em Pao d'Alho)
que correra com a ultima do presente mez de
marca.
Escravo fugido.
Ausenton-so no dia 20 de fevereiro proximo
passado, da casa de seu senhor, abaixo assignado,
o escravo Estevao, com os signaes seguintes : cor
preta, idade de 25 annos, alto, espadaiido e cor-
nolento, tendo j pescoco curto e grosso, e a ca-
be;a um tanto chata. Dito escravo e natural da
provincia da Parahyba do Norte, foi vendido em
1868 na villa do Inga, pelo Sr. Pedro Antonio da
Costa ao Sr. alferes Manoel da Assumpcao e San-
tiago, que no mesmo anno o trouxe para esta
praca do Recife, vendendo-o entao ao abaixo as-
signado. Presume-se que dito escravo tenha se-
guido pari sua provincia natal. Roga-se, pois, as
autoridades policiaes e capitaes de campo a ap-
prehensao de dito escravo, gralificando o abaixo
assignado a quem o agarrar e apresenta-lo na raa
do Drum n 96.
Recife, 11 de marco de 1874.
Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes.
?O-
Tioluraria
Aula particular
0 sbaixo assignado, professor particular do in--
i trucfio e'emantar, nao tendo podido por motivo*
de molestia, abrir sua aula no dia 12 de Janeiro,
com) tinha annunciadn, e como ja so sche resta-
belecido, avisa ao respeilavel publico e com espe-
cialidade .ios senhores pais de fr.milia, que no dia
9 do corrente esiara aber^ aula na rna da
Penha n. 23, i andar, aonde contintla no our-
cicio de seu magisterio. 0 mesmo professjr pro>
mette mnito se esmorar plo adianian
seus alomno".
___________Secnndino Jose de Faria >;m"-
! CASA DO OUKO
4os 4:0000000
Bilhetes garantidos
I tiuado Rarao da Victoria (outr'ora Maw
n. 63, e rasa do costume.
0 'abaixo assignado acaba de vender nos sea*
I muito felizes bilhetes a sorte de 700* em am
meio bilhete de n. 2033, e um meio de n. 641
com a sorte de l^OfOOO, a!em de outra sorte*
menores de 10^0iX e 20*000 da loteria que *
acabou de extrahir (90"); convida aos niirimjiim
a virem receber, que promptamente seia> pat
' 0 mesmo abaixo assignado convida ao res;
i vel publico para \ir ao seu estabelecimento corr.
; prar os muito felizes bilhetes.que nao deixarao de
tirar qualquer remio, como prova pelos mej
, annuncios.
Acham-se a vnda os mnito feliies bilhft'< bj -
i rantidos da parte da !>'.m a benefhi'
| igreja matrii ; :-xtrahira o
j 13 do corrente :^cz.
Precoa
Inteiro '*ooo
2*000
S>e fiO-UcOOO para cima.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, f, fle marco de 187i.
Joao Joaquim da Costa Isif.
W -?
0 bacharel Pedro Gaudiano de Ratis e 9
Silva tem eslahelecido sua banca do ad- '^
m vocacia no escriptorio dos ?rs. Drs To- -
w Jentino de Carvaiho e Oliveira, 5 rra I
" de Marco, outr'ora do Crespo, sobmdo '__
-- u. 18, i. andar, onde o poderao pro- .
: eurar os que o quizerem honrar com
.'"., sua confianca; on em sua rosidcncla
na run Velha, casa n. 30.
ft* 0
BsiHwio medico

RUA
i
I
MATIUAS QE. ALBUQUERQUE V. 29
(antiga rua das Floras).
Tingi se, lava-se e Iimpa-se coin a maior pcr-
feitilo fazandas em pecas on em obras de ,qnal-
qner qnalidade qne.sejam, taes como, la, algodao,
soJa, touquim, pennas, chapeos dc' f-ltn/ c de
manilha, ou pallinha de todas as cores, etc. j :-ff
Os Srs negociantes, logistas e particnlares 5(
experimenlem que todos acharao proveito e van- Q
tagens |Q
Aviso : Depois do ultimo doste mez corrente,
fleam cUtosiderados como abandonados todos os
objectos enlregues a esta casa no anno de 1873,
e ser3o vendidos pelo preco do seu trabalho.
DO
F>r. Ifurillo.
ROA DA CMJZ .N. 26, 2. ANDAR.
itccem-chegado da Eurepa, tiBdfl fre-
qnenton os hospitaes de Paris e Londres.
pod* ^er proeondo a qualqtirr fcora do
dia ou Ja noite para r.hjecto de sue BW-
lissiio.
Cons Itas 11 8 horai damanhS is
raa, e do meio dia a- dnas da mil
Gratis :, brcs.
ESPBC1ALIDADES.
Roubo

r

Escrava fugida
Cntinua a estar fugida desde o dia II de Janeiro
a escrava de nome Bernarda, idade 30annos, pou-
co mais ou menos, tem os olhos um pouco abo-
toados e o andar moderado, traja vestido e chale
pretos, costuina mudar trajos, tem uma cicalriz na
perna esquerda, anda dizendo gue o senhor mor-
reu e deixou ella forra, esta la para o Cabo por
^er la um fllho de nome Felix : e por isso roga-se
as autoridades policiaes ou aos capitaes de campo
a apprebensao da dita escrava. le.andoa ao Ca-
minbo Novo, a sua seuhora, it o n. HO, ou na
rua da Cacimha n. L qne > np^rvara gene-
rosamente.

Roga-se aos Srs. relojoeiros e mais pessoas
a quem for offerecido um relogio patentc in-
glez, coberlo, n. 30025, com uma pequena amas-
sadura na lampa, quo apprehendam, visto ter
sido mubado em o dia 7 do corrente, e dirijam-se
a rua do Vigario Thcnorio, n. II, que se dara
uma vantajosa gratificacao.
AVISO
Os abaixo assignados. administradores da ex-
tincta companhia de Pernambuco e Parahyba,
por nomeacao da junta de liquidacao dos fundos,
em sessao na cidade de Lisbda aos 21 de feverei-
ro do corrente anno, participant aos devedores
dessa companhia que so elles se acham autorisa-
dos a tratar em nome d'ella, receber amigavel on
jadicialmente qnaesqner quantias, passar recibos
ou quitacoes, sendo nulla e de nenhum effeito
qualquer transaccao qoo nao for celebrada pelos
mesmos abaixo assignados.
Recife, 9 de marco de 1874.
Ulyssei Vianna.
Antonio Francisco de Souza Gaspar.
.
erianca.
is, da poll

Joao Lniz Ferreira Kibeiro, tendo de fazer
nma viagem a Europa, deixa por seus procura-
dores os Srs. : como primeiro Miguel Jos6 Bar-
bosa Guimaraes, segundo Francisco Antonio Mar-
tins, terceiro Jo3e Hemeteno de Castro Amaral,
e quarto Manoel Luiz Ribeiro, e para o civel. no
caso de serem precisos, como advogados os Srs.
Drs. Manoel Joaquim da Silveira e Luiz Emygdio
Rodrigues Vianna-; pracura lores os Srs. ceronel
Barata e Sena Dias.
Recife, 6 de marco de 1874.
M Advogado. 0
j|| 0 bacharel JoJo Gitirana, advoga em 0
&K rnlmares, e pode ser procurado na villa A
JJ do mesmo nome, outr'ora Una, alto da '
Matrii, -s-riptorio da ccollertoha. W
A ConsBKorio medjeo-cirnrgico %
I A. B. da Silva Maia.
W\ Raa do Visconde de Albuquerque
Jt] H, outr'ora rna da matriz da Boa-Vi,
n. H.
Chamados : a quaiqner bora.
Consultas: Aos pebr^s gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que lenha bastante
pratica de fazendas e miudezas, e qne qneira >r
para Pao d'Alho: a tratar na rua do Livramenlo
numero 6.__________________________
Criado
No coilegio de Santa Genoveva precisa-se de um
criado para copeiro, prefere-se escravo.
Cozinheiro e ama
Precisa se de nu perfeilo cozinheiro e de nma
ama para copeira, o servicn e de casa estranisir-
na rna da Cruz n. 62.
>.
\
f*~


?3t*aio de Iferntmbuco QuMa feira HMtolfer$o tett74.
i
V
s
.


FUNFK318 flffflttlfMAN
RUA DO BRIH N. 52
fl(Pailando o^ Ihafatix) *
PEDEM AOS senhore* fie engenho e ouUoa agricnl.orea. a empreparl-rea Uunismo o favor de q^i visits sea fjtabalecimenlu, pr\ \vrtiu u iiu* turuaifulc
umpleto qw ihi tern; seado tado aaperior em qaalidade e lortidio; o que com a in--
hccIo pwsoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
XPf%m*Ae o wndoa Alarrna ^os m8's ^odernos aystemaa e em ta
YUpuros O ruuoS U ag uil maoho3 convenientea para as diveraat
tatRnstancias dot aenhorea proprietaries e para descarocar algodao.
Hoendas de canna J^; 0I tam,Dh08' a8;melBom qae ,qni
Sodas dentadas p,ra JDimae8'lg"evapor-
Taixas de ferro ftmdido, batido e de cobre.
Alambiques e fnndos de alambiqnes,
Hachinismos para mandioca e aIgodJO>
Bombas
Todas as maohinas
Fas qnalquer concerto de m,chiai8mo'' pfe50
Formas de ferro
Sncommendas.
a para rerrar madeira,
de patente, garantidas
Podendo1] todoa
ser movidos a mao
por agna, vapor,
. on animaes.
e pecai de qae se costoma precisar.
moi resomido.
tem as melhorei e mais baratas exiatentea no mer-
cado.
Incnmbe-se de maodar vir qnalqaer macbiDismo i von-
tade dos clientes, lembrando-lbes a vantagem de fazerem
mqu compras por intermedio de peasoa entendida, e qne em qnalqaer necestidade pode
-bei p res tar aoxilio.
Arados americanos e in,lr^^,ent0 ,ricolM-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
s
V rna do Barfto do Triumpho (rna doBrnm) ns. 100 a 104
CARDOSO RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para d
fenhos, as mais modemas e melhorobra quetem vindo ao mercado.
VapOreS de forca de 4, 6, 8e 10 cavallos.
VjaiQeiraS de sobresalente para vapores.
M.06nQaS intiraS emeias moendas, obra comoaunca aqni veio.
laiXaS lUndldaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOdaS d aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOClaS uentadaS de todos os tamanhos e qnalidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
DOHlDaS de ferro, de repucho.
-AJaUOS de diversas qualidades.
FormaS para aSSUCar grandes e peqnenas.
OOEC6rtOS concertam com promptidao qualquer obra oa machine, para o qae teen:
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
SnCOIHIHGndaS man^am v'r Pr encommenda da Europa, qualqner machinismo,
para o qae se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
n com am dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
tlitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
F U N D I C A O BE CARDOSO & IRMAO.
ODILON DUARTE k IRMAD
CMLLEIREIBOS ^
Premiados na exposicao de 1872
RUA
av
IMPER4TRIZ
N. 82
l." ANDAR.
RUA
DA
IMPERATRIZ
h; 8-2^
1." ANDAR.
Acabam de reformer o seu estabelecimcnto, collocando-o nas melhores con-
lic^oes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo q>ie fdr tendente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens corno para senhoras, tupete, chignon,
coques mo'dernissicnos, trances, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, (lores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimcnto acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recobe directameote por todos os vapores da Kuropa, assuas encommend8s e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 */0 menos que outro qualquer, garantindo
perfeicaono trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam eenhoras, tanto no estabelecimento como fora : vonde-se cabellos em
porcao e a retalho e todos os utensilios pertencentes i arte de cabelleireiro.
CHAPE0S DA DLTIMA M0DA
Chegaram lin.Ios e bem enfeitados chapdos do mais apurado gosto, para senhora : d
!oja das columnar de Antonio Correia do Vasconcellos, d rua Primeiro de Mar-
c/i n. 13.
J
33
Constructor e afinaiior lie pianos
33Rua do Imperador-
Ex-afinador das antigas e afamadas ca9as Pleyel & Herz, e antigo director das ofQci-
na casa Alphonsc Blondel. .....
Tem a honra de declarar ao respeitavel pnblico desta ciaade, qne tern aberto sna easa de
concertos e afinacSes de pfanoa, quaJqaer qae seja o estado do inetrumento.
A metma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
de Paris, como Erari Pleyel, Henri Rerz e Alphonse Blondel) tooos os pianos sshidos da casa
Dbibaot sao garantidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos nsados.
Na rua do Imperador
n.28
precisa>se fallar aos segointes senhores :
Domingos Martins de Barroa Moateiro.
Emigdio Marques de Santiago (Dr.)
Joao Vaz de Oliveira.
Jose" Pranel*co Lopes Uma Nazareth).
Manoel Pereira Brandao.
Manoei dos Pjos Miranda.
Tbeotonk) de Barro* Silva.
Fran;isco Pinto "e*oa (Dr.)
Francisco de Paula Bofges.
Francisco Ant mio Poitaa
i
4' Torre
40 Rua (I
'ttrfai in a rr*""tixT"->rii*^t^ viutM^?' i
lln i,rM- ..-tnhelwimento o r,,.>lh..r s.rt|n'nli <||fJH1f;1(i|;(H).i>l>.;.i crirno Sfln : llrrz, Plpvel, Plp, -t". iJii-'''"
liore?, iiumdados expressamente'constrhir
bons pianos $6 encontrarfio neat* casa.
Recobem-sc pianos usados em trpca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
conceitador
qae ha
para
marfim, etc., etc.
Ji* jma ja ffiiS ?^/ 3:
n.lu ilc wAnns

Amiliaf 803 AOfc L
.t- (|*ll '!< '"
Ha ma do-Barao da Tfctort i n. 36 precisa-s.
allar ao Sr. vigario Andrf em^o de Attujrrpe-
eira, vnegocy) de sea inti"
< Cv^^MrS"
ol>rV"'': &
or*Sf.L
sempre o mais completo sortimento^de material para concertax pianos,
: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafttscte, "castor, eamorsa, i
n, etc., etc. 1 Z" Tl'AfiD ?/ tfi/H0 \V
40 BPADOPlPBiBAWOB 41
Attend
AVISO.
M'Mllf
t Fagio do engenho Flrmeza, na fregMzia da
Escada, no dia 11 defevereiro, o escra'vo Albino,
crioalo, com os seguintes signaes: cor preta, id,Tie
Nao se prestando o peqneno espaco do armazem de 20 annos, alto, corpo regolar, bomta lignra,
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para am abaste- ollios am poaeo esbranquicados, tem de'um lado
cido deposito das diversas marcas de fumo, qne o das costas urn carocinho a semelban^a de uma
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em jaboticaba : pede-se as autoridades pi iiciaes e ca-
diante aberto ontro estabelecimento sob a me.-rn pitae* de campo a apprehensao do dito escravo,
podendo entrega-lo no dito- engenho, on na rna
do Torres n. if, escriptorio ; cerlos de qne se
denominacao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcdes desejadas, e onde pode-
rao os senhores fregnezes dirigir se, certos de
3ne, como ate aqni, acharao sempre a par da mo-
icidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
Entre as differente3 marcas de fumo da Bahia e
Bio de rhegar uma encommenda especial, e que nuiiio
devc. convir aos senhores fregnezes. Consciente o
ala xo a>signado de que neste genero de negocio
n.io esta sem competidores, fara mnito por evitar
o/io tambem 01 tenha com relacao ao peqneno lu-
cro que procurara obter da dita mercadoria.
lose Domingues do Carmo e Silva.
FliGIO.
Fugio no dia I." de marco, da casa de seu se-
nlior, a mulata de nomc Lydia, com os signaes
sefruintes : baixa, gorda, cabellos crespos, peitos
grandes e cara larga : quern a appre.'enaer tra-
p.T i a rua de Santa Bita n. 5, entrada pela rua
Nova.
dara boa recompensa.
Pede-se ao Sr. Joaquim Pire? Ferreira, o fa-
vor de apparecer na rua Primeiro de Marco n. 7
A, l.andar, a negbtio de sen particular inte-
esse.
Chapas e argolas ameri-
canas
G fabricante destas, tem a honra de participar
ao respeitavel publico que, tendo de retirar-se
para-a curie bnvemente. s6 pode receher encom-
momlas ate o Uia 7 de marco ; portanto roga aos
seuhures que quizerem munir-se de ditos objectos,
macdarem as suas encoinnieudas com anleceden -
cia ao hotel Eslaminet, a rua do Imperador n. 32,
das 9 horas ao meio dia.
Precisa-se alugar um eseravo para o servico
em casa de.familia: na rua Primeiro de Marco
n.23.______________
Js6 Joaquim da Cunha & C, para
evitar duvidas futuras, vtm declarar que a
heranc;a que tem de haver Joaquim Elvirio
Alves da Silva, estd sujeita a execacSo, que
lhe movem os mesmos Cunha & C, no Rio
Formoso, e por isso com elle ninguem deve
contratar acerca da mesma herancia. .
Lindos chapeos para
senhora, chegados pelo ulti-
mo vapor: a rua Primeiro de
Marcjo n. 19, loja de Jos6
Ferreira da Silva, successor
de Santos Neves.
?- ... ^''/j*
Na rua larga do Bosario n. 21, loja dc cal-
cado, precisa-se de uma ama que saiba comprar e
cozinhar.
:mm
Constando aos abaixo assignado achar-se oes-
ta prag* o Sr. Manoel Fernandes de Carvalho, ren-
deiro dos engenhos Barra e Preguica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
tendente aos referidos engenhos. Bua do Amorim
37, escriptorio.
Tasso Irmaos & C.
Manoel sapateiro esta fu-
gido. '
Desappareceu do engenho Daranguuza, no
dia 27 de fevereiro proximo passado, o escravo
pjeto, de nome Manoel, official de sapafeiro, ja
idoso, de nagao Angola, alto, de corpo regular,
tem falta de alguns dentes na frente, 6 bastante
ladinc, rundido de uma verilha, tem uma das
maos ou ainbas afoveiradas, e costuma a dizer
que e forro per algumas vezes que tem andado
lugido. Levou comsigo uma trouxa de fazendas
c mais object09 que comprou na povoacao de Ipo-
juca, ejulga-se ter elle fugido por ter achado a
quantia de cem mil r^i?, que seu scnhir havia
perdido, provandoo com a evasao sem outro mo-
tive, e por ter Iracado na mesma povoacao uma
nota dc vinte, apresentando nessa occasiao maior
qpantia em diversas sedulas : roga-se pois, as au-
toridades e capitiip? de campo que o encontrarem
a appiehen.-ao do dit > escravo, assim como, do di-
nhoiio que elle ainda tiver em sen poder'e leva-
lo ao dito engenho a seu proprietario, a quem
pertec.:e dito escravo, ou nessa praca ao Sr. An-
tonio Climaco Moreh'a Temporal, e seu conductor
sera rycom; ensndo.
__^_____________________________J
mm
Procisa-se alugar um moleque de 12 a 13 an-
nos de idade, que seja Del : quem c tiver, dirija-
se a rua estreita do Bosario, sobrado n. 33. Na
mesma casa fomece-sc comidas para fora.
- l-recisa-se de um caixeiro de i2 a 14 anuosi^ ^^'^,"1^7
que tenha pratica de padaria cu rnesmo sem e!la? ff^DhrS no dLo
na rua Direita n. 26. p, esJe x"""> no Prazo.
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, eja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
# Advogados 8
' Os Drs. padre Antonio da Cunha Fi- $
,VX gueiredo e Joao Augusto do Bego Barros, ml
5 mudaram o seu escriptorio para a rua !. 2^
? de marco, outr'ora do Crespo, n. 2, !. jp
rM andar, junto ao area de Santo Antonio A
5 entrada pelo lado do caes.

E. A. DELOUCHE.
49Rua do llarquez de Olinda- "J
Acaba de receber um grande sortimento :c-
logios americanos para parede e mesa, d' orda
de 24 horas e de corda de 8 dias, com de ;., tador
dos melhores gbstos e qualidade.
Belogios de ouro patente inglezverdi. iros, des
coberto com ponteiro grande no mei', dos mai* 1
raodernos e do melhor fabrirapto de Lrndres.
Grande sortimento de relogios dj prala, prata
doorada, coberlos e descotc-rtc.-. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e patente, de todo
preco,
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oculos de todas as qnalidades.
Verdadeiroe vidros de chnstal da Bccha, para
vista cansada.
Vende-se tudo por preco mais baralc que cm
ontra qnalqaer parte.
Apreeiem-earno sc vcasle liartlo
.So o n. 20
RUA DO GBE8PO
LOJA DAS 3 PORTAS
DE'
QuHherme & Ck
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos \ a-
drocs, e que se vende pelo diminuto preco de 0
rs. o covado I I 1
METIM
Metim tranrado, padroes bonitos. a 320 rs. c
covado I I I
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado I I I
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que- se vendo a 240 rs. o covado I!!
GRETONB
Cretone claros e escuros, bonitos padroes, e IV.
tmMs mimm mm.
1 .1 .llteveilo niia\iar .
Aca >am f^e publicar se, e acfaa>> i
venda as soguintfes musicas i
. UASO^O'.
Daxse F.spx^Boi.A, poriAsch^r % )
Arabella; ma/l'Sk.?, por G. Wrir-
theimer 1 0
Valsa no Fwsto, pnr Cr-v7.fs 1 JO
So.nho :n: lma virgem, por Alber-
tazzi 1, 00
Anna la Prie, cavatina i*o.)0
AoCi.air de la I.lne, por Bussmeyer 1r50(>
FSTRELLA DO NORTE | ..... .-,... ,_,,,,
Saudacao ao Bahia (' ,ka br,,hante i9UW
Cricket, por Seixas, oilerecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiano 19000
PIANO F.CA3T0.
Desespf.ro, muito liiido romance
por 1. Smobz 2*000
iNoN h'amava, romance por C.aercia IfOOo
Tambem recebeu da F.nropa grande sor-
menide musica para piano, piano >
anloudos.'methodos, ete. tc.
^'
IN)
Os Srs Jovino Frrnandes da Tni? p loaqtfn
mente de J.i-inos Dnartp, sAo eharrado? a ro. in
Coronel Suassuna n. 2ft?, a np? -i *" parrirelar
interesse.
umsm
select a c <:e unibigo
(Eoxeria I
Sapotizcir-
e sapoleiros de 41 palm<- (ni .
es ;;.i,iaiihos e irecos n>'i- am 0?
tea; a.si.n mm aa aaguiatet >"*<* <***
(rii.ta e de ornalo : jU* &iul
I.ar- .
j jf.)\ cravo.
i .;' itta In nca.
Abapati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Caneila.
Casu.irina.
Carolina do prir,cipe.
Coudeea.
Coraeao da India.
Flgneira.
I mb ,yant.
Frtfrta-pS"
LngadoPgrt.
lamho _
; J"r'" -mi laranja.
' .r:.Dja da China.
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o to-1 *'g do ete.
LOJA
Alugase a loja do sobrado n. 9 da rna da Au-
rora : a iratar na rua do Hospicio n. 26, taverna.
ou na rua da Imperatriz n. 10, taverna.
Ensino.
Dm moco eompetentemente habilitado propoe-
se a -ensinar em algum engenho primeiras lettras,
lingua nacional, francez, musica e piano : a tra-
tar na rua do Quaimado n. 70, 3.* andar, das 8
a 1 hora do tarde.
Sementes de hortalices
vindas pelo ultimo vapor, a rua da Cadeia do
Recife n. 53 ; tambem na mesma loja recebem en-
commeudas para o sitio do Abrigo em Olinda, de
arvores fructiferas e oulras proprias para a Jorno
de ruas e jardins, sortimento de palmeiras impe-
riaes e de ontras qualidades; assim como pos de
flores para jardins e vasos, tudo por modico pre-
co e garante-ee estaiem bem enraizadas toda9 as
plantas como e de costume.
-- Precisa-se de um homern escra*a qji forro
para andar com taboleiro de fazendan, paga se
2-j^OOO, dando se cama e mesa : a Iratar na rua
do Cabuga, loja de ourives n. 7 A.
Alfonso incumbe-se do promover ccbi..:;cas amigavel
ou judicialmente, assim como de oatros negecios
concernentes a sua prolissao, nos lugares proxi-
racs a linha ferrea, e nos outros termos proximos
a e9ta cidade; para cujo auxilio tem o annun-
ciante solicitadores habilitados e probos, respoti
sabilisando-se no entanto pela boa gestiio e conta
do que lhe for conflado.
Mediante modico honorario acode aos chraados
para diligencias ou consultas fora da cidade e do
termo e incnmbe-se da defeza de appellacSes ante
o tribunal da relacao. P6de ser procu'rado de
meio dia as 3 horas da tarde em seu escriptorio
r ua do Dnqce de Caxias n. 37.
Tendo de effectuar se a compra do sobrado
n. 21, da rua dcs-Quatro Cantos, luje do commer-
cio, na cidade de Olinda: quem se julgar com
mesmo quoin declarar
de 3 dias, sob pena do
hao cbamar se depots a ignorancia.
0 abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do com-
mercio, que julga nada dever nesta praga ou
fora della, e quem se julgar credor apresente
seus documentos no prazo de tres dias, qne sera
pago, e depois desta data retira-se para Europa,
e deixa por seu* procuradores aos Srs. Jose" Jacm-
tho de Medeiros e Francisco do Couto Guimaraes.
Feiisberto de Medeiros Barbosa.
Recreio dramatico.
Do ordem do Sr. presidente da assembled geral
sao convidados todos os Srs. sofclos para se reuni
rem em assemblea jieral no d^imingo 13 do cor
rente, as 10 horas da mauha, no lugar do costu.
me, afim de lejr lugar a eleicao da directoria e d
commissao do comas, segundo esta dispusto no
1 do art. i..1! 2* do art. H. dos respectivos esta-
tutos. V. \
Encruzilhad^ 0 de marcdide 1874.
0 % secretario,
Fabio Cama.
vado I!
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 4C0 rs. o covado,
6 pechincha I I
Cortes de easemira di cores, a 500.
Colchas <:s'ampadas e com barra a 3o00 e
4000.
Cobertas de chila adamaseada a 3J5300.
Leucoes de bramante a 2 000.
Dites de algodao a 1400.
Toali;as elcochoadas, duzia, a 5800
Leacos *lc cassa com barra a I 000 a duzla.
Ditos de cassa abanhados a 2S0iXi a duns.
Ditos de esguiao abanhados, em eaixinhas mo-
dernas, duzia, a 3o00.
Cambria Iransparente fina a 3000 a peca.
Chales de todas as qnalidades e precos.
Bramante de algodao e linho a lG00 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmus de iar-
gura a 2300 e 2800 a vara.
Algodao marca T, largo, a o000 a peca.
Dito domestico a 3000 a peca.
Brim com lislras, irhndez, proprio para cami-
sas, a 4iO rs. o covado !!l
Madapoloes Irancezes de todas as qnalidades de
5 a 85500 a peca.
Ctiapeos de sol de seda com 12 aateas, pelo di-
minuto pre^o de 8j'0O.
Camisas "inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 4i000 a duzia ; e pechincha, so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto pre-.o
de 800 rs. o covado; e pechincha, e dao-se aim's-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das tres portas
DE
Guilhermo &' C.
JUNTO A LOJA DA ESQUINA
ESCR1V0 FUSIDO.
Desappareeeu ao amanbeeer do dia i do cor
rente, do engenho Serigi, comarea de Goyanna, o
escravo de nome Jcs6 Borges, mestrc de assucar.
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, nm tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mats visiwl
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprchender dito escravo e leva-!o ao referido en
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 10, quo serio generosamen-
te recompensados.
Diia. ungerina.
Lima da P-r-ia.
fii'a (!
LlmaO frai
Dii li -. enterurio
(Ntieoi
I'a'm" n
:ri--.
Pinhi .
iiras.
n s.
i
I
E oulras plantas : na Capnn .
ur.i. p. *Q._________________
Aloga se ama casa na rua da
deireiro n. 21 : a Iratar n. :..
23 loja do S 1.
raa da vpd
Praia do i
7 OF
Esta c:ieora Agnft mole mm pedr.t lnra
Tanto ate ej:
ga-se ao lilrn. Sr. Ij
ao na cidade de X;
favor de vir a rua Uuque g. ;;d, a i
cluir aquolie negoci.; qne S. S. e in ,i a
reahsaT, pe.'a lereeira ch;
fins de dezembro de 1871, e di
roeabril : aim i
e por este motivo d de novc el para
. us 8. S. se deve, le; '- i
ie mais de oito annos,e unando o 5r. ~eu filh'
tcbava nesta eidade.
Empreza dogaz
A empreza do jaz tem a h m I nawur s
co que recebeu iiltimaroenti um c
i in nt i de lustres dc vidr .
I 'as e globos, cojas amostras <-:;. no e
d. ua do Imperador n. 31, e > i.'t vendid s
teus fregtip,-es pel, preco mai> r
LUGA-SE
asa m (.apunga, rua das i
. coxeira e quartos fcra : a tratar ta iua do
rio Tenorio n. 31.
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. M, pMli
aos rs. I edro d.> Rogi
ose f'aes daSilva, a ne?:i d- : ..nicul.-r
Houho.
Ati
engao
Aluga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de habitacdo e banho no rio
a frenta desta: quem a pretender, p6de
procurar i rua de Gervasio Pires n. 2i.
Ol?erece-se
nm moco brasileiro, com bastante pratica de ta-
verna, para caixeiro, dandO flador a sua conlucta:
qura precisar, node diriglr-se i rua larga do Ro-
Isrt.'lo q. 14 (antiga dos Quartels) fabrica de ci-
' girror.
Prcvine-se ao Sr. Manoel da Silva Reia qne o
abaixo assignado e credor da taverna da rua da
Fundicao a. 4, e que protesta contra a compra
annunciada ns Diario de hoje, e que vai tratar
de promovt-r judicialmente seu direito, e que em
qna to nio for pam, nao considerara legal dita
veuda. Recife, it de marco de 1974.
_______________Manuel Rodrigues Pereira.
Lava-se e engo uma se com toda perfeicao a
preco commodu : no >wcen da Tambia n 39.
Quem precisar de nma pessoa para ama de
casa de homen* wiltpir s, ditija se a travessa da
rna de S. J'we n J8, |u achara com quem Ira-
tar^_____________________________________
cvj.a se de u>i.a l>... mi-
e cozinhar ; di rim Virtu a 7 j
aprar
Assncta^do portuyueza de bene/icencia dos
empregados no commereio e indttstria,
em Pernatnbuco.
Por ordem do Sr. presidenle da assemble* geral
convido a todos os senhores associados a reuni-
rem-^e em assembles geral extraordinaria, na se-
cretaria desta associacao, i rua da Imperador n.
3ii,.1 andar, no pioximo domingo 15 do ccrrente.
pelas 3 i|2 horas da tarde, para preencber as va-
as da directoria, e iratar de outros assumptos
e interesse a associac3o.
Recife. 11 de marco de 1874,
O secretario
Leonardo Autonio da Silva.
Aos senhores de engenho e
outros proprietaries
que pretenderem contralar edificacoes de predios,
asas de campo, ou chalets, demarcates de tar-
as, mvellameutos, assentamento do machinas a
vapor, plantas ou outros qttaesqner trabalhos nes-
te genero, queiram dirigir-se pessoalmente on por
escripto a A. Coutinlio, a rua do Crespo n. 18, |.
andar, escriptorio.
SAQUES
Carvalho tr. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
ilsrdes e villas de Portugal, & vista e a prazo
por todos os paquetes.
Offerece-se uma senhora para coser por
macbina, era qaalquer casa de familia : quem
pretender dirija-se a rua do Imperador n. 44, 3.
andar. f3
. Pede-e ao Sr. consul porlugunz que haja de
designar o dia em que tenham de ser pugos os
credores do espoiio do faliecido poiioguez Fran-
cisco da Costa Baste, now vez que ja decorreram
mais de seis mezes.
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, sitimli na pro-
viccta de Vlagoas, comarea do Poto Calvo, a
menos de uma lagoa dlstante do porto de mar do
(atella, tem oxcetlentes terras, matas. e salreja
regularraeate 2.C00 pies : a tratar na rua d Vi
garion. 3i.___________^^
OtTerece se am rapaz para eaix^ini |p alpn-
ma preota ou outr.' qoalguer e ta'
commercial, u niesmu
4 sua conducta : qii
este Diario ou dirija >
boras da manhao em
r eriadu, dAi-di riallor
rpeisar uniitnjcie por
i typi graphia, das 10
0 abaixo assignado faz publico quo nesta
data vendeu ao Sr. Jolo Francisco Henriques a
taverna quo tinha, sita a rua do Conde da Boa-
Vista n. 107, livre e desembaracada de tcdo e
qualquer onu?. Recife, 9 de marco de 4874.
__________Francisco Joaquim Gomes da Silva.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica de
molhados : na rua do Rangel n 37.
Fugio
o escravo Juvenal.
Poi trajando calca de brim de riseado, camisa de
chita de riscado e eh.-ji eo de palha de Italia; e de
cdr parda, 1dae de H anno, tem falta de nm
deute na frente, e 6 ha tame pariileirn ; roga-se a
apprehensao do mesim>, e cinlu i lo a rua da
Cruz n. 3, ou Conde da Boa- irfcna u 51, para ser
gratiHcado.
Co \mm>.
No caea du Apillo n. "I, p'.ga-se bem a
uui bom cozinheiro : prefere-so china.
Xa noite de i para Sdo cos.-..; r ,:
rna dos Pescadores n. 19,
as i iiciaes do abaixo a-- MtosiW I
I o d> feltro, I par de I
'i idrao aproveitando a occasiao ei
soasda casa dormiam no quintal; eau
frente na alcova e alii peteou tado quanto rn
iron nao .-6 nas canastra< nm
como fora: de?confia-se dp um vclho qne ha tei
si -| udeu c-ci 3j200 dc u:
casa. Gratiflca-se bem a
der noticias eertaa.
Recife, -'i de marco de IS7i.
Lanriaoo Jm6 Pimraia
Attencao
0 abaixo assignado Taz sciente ao respeit
corpo do commercb o ao publico em geral deti
prara, que lem justo e contratado a compra
taverna n. 4, a rua da Fundicao, em Santo Ama
ro, e por isso prevme a quem tiver de red..
contra esta transaccao, quo o faca no pra*o de 3
dias sob pena de sua annneneia tadta.
Manoel da S.lva Reis.
COZINHEIBi
1 ma cscrava boa cozinbeira e lavadeira orecita
da quanlia de cem mil reis para coiupletar o pre-
co de sua alforria, sujeitando se a fazor lo. acl-
de sens servicos : a tratar na rua da f "
82, de 6 as 9" horas da manha de
uteis
Soledj.de D
todos os
i
ii
I
3
FUGIO
a i do corrente mo/, do engenho S.pueia, de tv
beribe, o escravo Geraldo, edr bem prata, alt > aa-
ma do cornmnm, reforcado do corpo, olho* i*na-
nos e regalados, tem um trope^o no prinrn.io da
palavra, que parece gago sem o w. naf.udd'j
C'ara, idade, pi.nco maij oumenoa, ?4 step If
vou veslido ealca e camisa de algndi i
tambem um paletot pre to ; eoasta <;
em easa do 8r. Frederico Caaves,
proximo daquHle engenho, dlieado a m>
contrava qae o n.csmo Sr. Charts o tin .
prado, e com esta noticia reeoneu se a
que pres ua ire* -ildadcs, e aa occasiao > n
aproximanm tin rasa daqnelle senhor, -.
ram dito mgro c ua porta, e q>
tindo qne iam e lora, pode f-
nnrn, c ile!--is .1 ; do eorrt nl>)
seteve mais u- lieu p?da <>e as autor.ii
petentei ear-Ha p, a MlA r ,.
uva
mm
en-
lda.


-r
6
>fgli^o$t*r*l^tK^^ M# Mto>AAalmiHu+ *riKU.
cats de U
do, com
adeiras D6
cidade,
[der di
_ aptm tra-
J^__
Purtaram nm ciYdJ^-Mft^pahAatodo, ma
freirao, clings par* a dawStt, jiweoeo aadrez a
*>m ^S* ^gda om_aatro, eno
te xoez, era urn raaeho-da esW-ada wvado Caxan-
ga-*a}aaS*oMqei_o esmo der noticia a Ber-
nardo-fcsfcfc Itoeh_f mwrOTof em Paled, ou. na
rua'PMMHft) WHfrco n. 18. loja, sera generate-
mente mtiftcada.
* Recife, 17 de feweiro de **74.
Armada.
ta- Na ma do ftttSo dagBctorla n 36, precUaj-se
m faJlar ao Sr. _TfceaTeT.$ Maria Besuaw, a >io-
$^h**w*m" ... .
frecisa-ae d
duas amas pa _
casa de pouca fa-
railia, sendo uma
[-para cozinhar e outra para engommar, pre-
feri ndo-seescraras, paga-se bem, so agradar:
a traUr do largo do Paraizo n. 28, 1 a 2
andar.
CAM M FORTH
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 2O:OO0P00.
O abaixo assignado tem sempre exposto a ven
da bilheles da loteria do Rio, cnja eatraccio an
aunciara pelos jornaes.
Precos.
Iuleiro 241000
Meio 12*000
Uoarto 64000
___^__________ Manoel Martins Fiuza.
Ainda continua faeido o preto Igaacio, d-
altnra regular, seceo do cor|>o, caueca e pea pe-
quenos, falta de denies na frente, dere ter cs n6s
dos dedo9 das maos calejados, do servico de padae
ria, regula 40 annos de idade, fugj em 4 de Ja-
neiro proximo passado, eoosta queanda no Barro,
oa entao seguio para o sertao : pede-se as ante-
ridades on pessoas quo o descaoram, a sua eap-
tura, e leva-b a rna do Lima n. 72, padaria, em
Santo Amaro das Salinas, que se gratificara com
90J000.
100#000 de gratificacao
Engenbo Saotos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San
ws Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracuuhaem, a escrava Maria, erioula, SO annos
de idade, pouco mais oa menos, baixa, grossa, cor
preta, resto alquebrado, pfe seccos e espanados,
dedos cartos, cabellos braneos, canellas finas, tem
dous signaes cabelludos no qaeixo, e e bem ladi-
oa. A pessoa que entregar esta escrava ou ao sen
lorn, que e o senhor do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Canha Pereira Belirao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, 1 andar, sera
ecompensada com a qnantia de 1001.
Alten<*ao.
Fugio do engenho Firmcza, na freguezia da
Eseada, no dia 11 de fevereiro, o escravo Al-
bino, crioulo, com os seguintes sigmes; cor
preta idade de 20 annos, alto, corpo regular, bo-
nita figora, olhos um pouco esbranquicados, tem
ide um lado das costas um carocinho a seme-
lhanea de uma jabaticaba. Pedeseas autorida-
des polieiaes e capitaos de campo a apprehensao
do dito escravo, podendo entrega-lo no dito en-
genho on na rna do Torres n. 12, escriptorio,
Roga-seao um Sr. Alexandre de Souza Bar-
res, morador em Gravata de Jaburii, queira fazer
( favor de apparecer na rua a tratar de negocios de seu interesse.
Affonso Henrique da Silva
Bastos.
Manoel da Silva Bastos, Joaquina
C. da Silva i.astos, Manoel da Silva
Bastos Junior, Praxedes Ferreira
Cavalcante, Maria A. Bastos Caval-
cante e Podro G. da Silva Bastos
agradceem a todas as pessoas que
acompanharam o cadaver do seu
irmao e cunhado ao cemiteno publico ; e de
rogain-;hes ocaridoso obsequio de assistirem
I issas que se hao de resar Da capella do rces-
tr1 nuiiterio, e igreja da Santa Cruz, quinta feira
'.'''. k- C ras da manna.
0. Candida Thereia Villela Hios e Olhos,
graded m do fundo de sua alma a todas as pes
-oas quo acompanharam ao ceiniterio dos Afoga-
8 i restos mortaes de seupresado esposo e pai,
is convida.aos seus parentes eamigos, aouvirem
quart a feira, II do corrente, as 7 horas d
sanhia uma missa que manda dizer por sna al
a i"i matriz dos Afogados e na igreja de N. S.
la Graca na 3aponga, e por esse acto de piedade
se eonfossam eternamente gratos a todos que to-
larein parte em sna dor.


Ama de leite

Precis a-se de ama ama da leite, sem filho
rua da Praia n. 53, 3. andar.
Da
Prectea-se alugar uma arta escrava para
comprar e cozinhar para uma ptquena familia
eslrangeira : na rua do Marquez le Olnda n 19,
'Jfc__________,_____________i____*____t
Precisa se de ana ama para cozinhar e qa
compre : na traraaaa do Corpo JMto n>-^5. .
Na rnalarga do Roftario n. tt, hija de cal-
oado, precisa-se de uma ama qne saiba otttinhar e
comprar.
AMA
andar.
Precisa-se de uma ama para o
servico interno e extetno de uma
casa de pequena famllta : a tratar
na rua de Pedro A'Anrao n. 47, 1
Ama
Ama
Joao n. 87
Precisa-se dft uma ama : na rua db
Gamsio Pires n.'.34. ,'
Precisa-se de uma ama para eozmhaj.
preferindo se escrava: 'na ma de S.
A mn Precisa-se de uma ama para cozinhar
J\.liia yjj caga je i,0mem soltfliro : a tratar nb
pateo da Penha n. 8. _____________
4MA
numero 28.
Precisa-fie de ama ama qoe
saiba coiinbar e comprar pa-
ra pouea geote : a roa Nova
AMA
Precisa se de nma ama para
cozinhar : no pateo dorTerc*
n. 23.
uma grande casa de familia, na Capunga, rua da
Ventura n. 21, lendo qnartos fora, banheiro, co-
cfaeira, gallinbeiro, etc., etc. : a tratar na mesma
casa.
Joaquim Jose Gomes reiirase para Enropa
a tratar de sua sadde, e durante sna ausencia
deixa por sens proenradores: em l. IngJT sen sc-
cio Bento Jose da Silva, gerente de sua casa, V
Manoel Ferreira Matlozmhos e 3. os Srs. Carva-
lbo & Souza.
Recife, 11 de marco de 1874._______________
Na rua de Santa Thereza n. 60 so dira quem
vende 60 palmos de terreno, em Uolem.
Anlonio Jose Rodrigues de Senza, em seu es-
criptorio a rua do Crespo n. 6, compra, por bons
precos, escra7os das diversas cores, sexos t
dades.
Aluga-sc
nma sala na rua Duque de Caxias n. 61, propria
para advogado ou cartorio : a tratar na loja.
frecisa-.se fallar com o Sr. Jose Maria Go-
mes Braga, filho de .loan Antonio Gomes Braga,
natural da cidade de Braga, e de D. Anna Emilia
Correia Braga, da cidade do Porto ; isto a negocio
de seu iuieresse : na rua do Conde da Boa Vista
n. 26, ou rua da imperatriz u. 20.
BIHJBO
Para tranquilidade das pessoas que team pe-
nhores em poder do abaixo assignado, deelara o
me; mo, que os objectos rouhados eram sens e
estavam fora do cotre de sua casa, onde estSo
guardados os objectos dados em penhor, em cuio
cofre os gaiatos nao ousaram tocar. Recife, 2 de
marjo de 1874.
Julio Laac.
Salsa Parrilha
Vende se rnuilo nova em rolos pegoenoa, che
namente : na rua do Bom Jesus 0. ?.
y'WADE BLANCH
M BWTM WILLIAM 01T
9n tm\Hmkr fi>cnmiw*m*t mo*abUo*
A SUA COR HUMITIVA
Sla inbttitne com TinUfMj pommadu nno iMMdOT.
NiOGENUD? NORTH
OUfAR REiriruimairoueoiDi*!!
A SOA COR PRIimV
OtOABIkLOt
on uito iabUiTel ~AuA o Uuo U aopcMo
8operloridde inceatat*T*l; KsprtfO
" ifbaia mimtal, s, rua B<
BHMll Pvnamtouo, a. ai
rirBAiA ohizktal, i, rua Barrtr*. PAHS
fffZBNME SIMMS
HA

R
ua
eratriz n. 60
PARA LIQUIDAR
BAZAR
fnfctoSo da Ifretoria b. 22.
BE
Carneiro Yianna.
r n ( wile 9 .
Kepublicanos e monarchistas.
Democratas e aristocratas.
Fe4ra4o6 e ceiifederailos,
t'-orrrmunalistas e cdrWrWHistM.
Catholicos velhos ou novos.
To*** fivetak tr
Reunions nu iiiifi rennrdos
Farer emtjuaBto antes
"Sata encommerKfas
i.V)S saborosos MMt
TSo preconisados I
perfeito artista para ensinar as mesraas, em
qualquer parto desta cidade, como bem as-
sim coDerta-las pelo tempo tambem dJ'um
Fsbricados a oapricho
JJos pasteJerros
'S6 e soraewte
Na coufeitaria do Campos
9 4, I in |> i' i* n d or 9 -A .
Pechinha graade em -ettm-
braia
fambraias transparent^, avariadasra 50.i e 800
reis e 1*000 a peea: so o I. 10' da rna do
Crespo, loja das tree portas.de Guilherme A C,
junto a loja da esquraa.
GROSDENAP.ES PKKTO A mW, 2if000 E
2JS500.
0 Pavuo ven'Ie grande sortimento dc gros-
lonaplos pr>tb do pura s8da, a 19200,
l^EOO, 2001-0 e 2jr5-)0 o covado, tendo
tambem do mats largo e mais encorpado que
costuma a vif ao mefcado/e vende por pre-
co em conta.
lirunuiliua pri'tii a 500 rs. o
cnvailo,
OPav3o vende granadina preta e lavrada
pelo barato preijo de 500 rs. o covado.
MAMS PUETO DE GUIPURE A-UWOO.
0 i'avao vende cbales de tres pontas, sen-
do de gurpure verdadeiro, pelo barato pre-
50 dc *0OCO cada um.
A' estfr grtndB nfctjfeelecimedto tem che-
gado um bom sortimento de machines para
costnra, de todos os au tores mais acred ita-
dos oltrmamentena Europa, cujas machines
siojgafantidas por urn anno, e tendo um MadapoM* enfestado a I OOO
a pea.
0 Paviio vende pegas de madapolao en-
festado, pelo barato prejo de 3C000 a pega.
ALPACAS PR ETAS A 500, 6V0 E 800 RS.
0 I'avao tem um grand .sortimento de
alpacas pretas, qae vcBdea 500, GW) e 800
rs. 0 covjkIo. asaim como grande sorti-
Mno sera despendio 8/gntn do comprador. | Djt8s sem ser enfestado, com 20 jardss, a
Heste estabeleciaiento tambem ha perten^as 5^)00. Ditas com 2t iardas muito boa
para as meamas macfamw e se suppro qwA-' faz0nda, a 63K>00, 69500 e 79000.
q/uor peca oue seja necessarro. Estas ma-
chinasi trabham com toda a perfei^ao de
um e dous pospontos, fran^e e bnrda teda
qualquer cosSora por fina qae s^ja, seus
precos sSo da seguintequalidmie : j>:ira tra-
balhar a mao d>e 30*000, (QVM0, i-59000 meiito de cantoes, bombazinas, pnncezas
e 5016000, para trabalhar corr? o ;- 803000, 909000, 1009000, 1109000,' prcprias-para luto.
$209000, 1309000, 1509000,.3009000 e| .
2&09000, emquanto aos autores nao.ha al- LAXWBAS DE ORES A2S0r320 E 400 RS
te?ac5o de precos-, eoscomprado?spoderao O Paviio vende bonitas lazmaas de cores
visitar este estabeleeimeato, que .waito de- para vestidos, a 280, 320 e 400 rs. 0 co-
ver*) gostar pela wiedade de objeetoc que vadj tendo ate a 19000, sendo dasrnais lin-
ha sempre para vender, como seja in-: cadei-jdas qn^ Sam vindo ao mercado, assim como
GAM'SAS FRANC8ZAS A 2|H, WOO'
390OO E 3f500.
0 Pavao vende um bonito aorlimeato de
camisas fruni'as com pe'ito de algwllo, a
29000 e 29500. Ditas cam peilo de liabo
de 39000 a 69000. Ditns bortkdaa aaitr-
Tinas de 09010 a 109000: aasim ooanc
grande sortimento de cerouba d fihho e de
algodao, por precos baralos, e tambem lem
completo sortimento de paahos- e eollarinkos
tanto de linbo como dc algodao, por precos
em con La.
Kspar(illio a S^ftOO, 4-rO 0 Pavao vende om bonito sortimento de
espartilbos modernos a 3950i>, 40000 e
59000, assim como om bonito sort.mento
desaias brancas, bordadas, a 59000 eWOOO.
e ditas de faainna de cores a 39990 : 6 ^e-
chincha.
GORTHADOS BO*DAW)S PARACAMAE
JANEttAS, DE-79 AtE1 59O00 0 PAR
0 Pavao vende um grande aartimento de
cortinados bor lados, proprtos para cama e
janeltas, pelo barato proco de 79000,89000,
100000 ale 259000, asjin como : colxa>
'eil.imasci.xle la tsuilo !ina de f99000
1-29000 eada uma.
ras para viagem, mains para viager.-v, cadei- j granadinas de seda com os mais delicados
Dr. Antonio Carlos Perei-
ra de Burgos Ponce de
Leon.
0 bacharel Aonlpho I'crcira de
Burgos Ponce de Leon, seus irmaos
ntocio Carlos Pt'reira de Burgos
Ponce de Leon e D Thereza Ade-
laide Pereira de Burgu.-, seus cu-
nhados Carlos Pereira do Burgos e
D. Maria Adelaide Tavares de liur-
-. sna av6 D. Fraucisca da Cnnha Bandeira de
Velio i' en ti,?, do intimo d'alma agradecem a
11.' a.pi-ll s que, amigo? e ."boio" de bondade,
se dinaram aci>mpanhar ate a sepultnra os restos
mortaca de sou prezadissimo pai, sogro, filho, ir
1:..a-j e cauliado, 0 Dr. Antonio Carlos Pereira de
Burgos P.mce de Leon, c com \ rofunda dor pelo
--u p-.s-..iiu'ut'i, os conviiara para nssiitir a-: mis-
masqne no dii 16 do corrente, as 8 horaa da ma-
:.!ia, selimo dia de seu fallecimcnto, serao cele-
I r;;d. no coaveuto dc S. Francisco.
Francisco Antunes Ferreira e sua
familia, convidam a seus pm'tnles e
amigos para no dia 14 do co: ren-
te, it 7 horas da manha, assistirem
a uma missa que teem de uiandar
doer por alma de sua prezada no-
ra, na capella de Santo Amaro das
Salinas,
.caesiv;.**.-!.:
?osta

FV^ncisco Joaquim da
Fialho.
Candida Miria de Amorim Fia-
lho, iiihos, genro e noras, agra-
di'cem a todas as pessoas que se
dignaram acorn panhar 0 cadaver
de seu marido, pai e sogro ao ce-
initerio, e convidam para assistirem
as missa> que mandam rezar no
ido II do corrente, petals 7 1|2 horas da
- inhS, on convento da Gloria, pelo que desde
)\ se efinfwsam muito gralos.
p9e se a f>zer escripturacao por partidas dobra-
uas c m ti'du cuidado e esmero que e possivel :
:ueo do ?eii prestimo se quiier utilisar, dirija-se a
raa d^ Guia n. 42.
Fugio de nieu sitlo, na cslrada do Arraial, u
eseravo Le.'binio, com es signaes seguintes :
It", seeco do corpo, maito regrista, vesiido de
klCH e eamisa branea, e chapeo do Chile de abas
I irgas : qu.-m o prender podera leva-lo ao dito
-li \ jiuit) u>tacao Mangabeira ; onlro sim ro-
ml iridades de Belem a apprehensao do
dito escravo, vUto elle ter 0 costume de estar
ronstantemente na Taraarineira, Bco de vadia^o
a 11 te: I'scravos do lugar.
Altina Lopes.
Alu?a se a casa iefronte do. hospital Pedro
:n bons eommodw : a Vatar na raa do Ro-
! 1 Bim Vista n. 30.
Attencao
0 Dr. Amaro Joaquim Fonseca de Albuquerque
deelara a seus devedores que se acham em mora,
que Hies concede 0 improrogavel prazo de 30 dias,
contados desta data, para virem saldar os mesmos
debitos, sob pena de, sem excepcao alguma, findo
0 in-iicado prazo, ser promovido'o recehimento ju-
dicialmento. Recife, li do marco de 1874._______
Mobilia de aluguel
Alugam so mobilias completas, ou qualquer
trasle separado, cadeiraa em qualquer quantidade
para feslas e bailes, per preco commodo : na rua
do BarSo da Victoria, armazons de raotilias, do
Pinto, ns. 57 e 38. _________
ALUGA-SE
0 sitio Chacon, na Casa Forte, com diversas casas
para familias, ditas para criados, com cocheira,
cacimba com boa agua e com bomba, tern diver-
sas plantas de capim, propria3 para qualquer esta-
cao do anno, e duas excelientes plantas de canna,
perto do banho e da estaeao do mesmo nome : a
tratar no mesmo sitio.
Aluga-se 0 andar e sotao do sobrado sito
a rua da Imperatriz n. .'i3 : a tratar no 2* andar
do mesmo, ou na rua do Barao da Victoria n. 57.
Aluga-se
uma boa casa com sitio. tendo bistantes arvcre-
dos, na Capunga, rua das Pernainbucanas n. 08,
achara no mesmo com quem tratir.
Arrenda-se 0 engenhoS. lose, em Serinhaem,
com bons terrenos para safrejar 2,000 pSes, mnitos
d'agna : a tratar no Recife, com Gabriel Antonio
de Castro Qnintaes, on no engenho Amaragi (de
bestas) n\ freguezia da E=cadi, com 0 Dr. Jose
Eugenio da Silva Ramos.__________________^^
Precisa se de duas a mas c>trangeiras, sendo
uma para tratar de ui_a menina desei3 mezes c a
outra para rngommar: a tratar no largo do Corpo
Santo n. 6,uu no sitio, no Uangainho n. 104.
Engeolio d venda.
Vende-se 0 engenho Pataizo, sito, na ilha de
Uamaraca, e Ievantado ha^ionco tempo em terras
da sitio Soocorro Aeha-se o referido engenho
moente e corrente e 6 a vapor, sendo a respeetivo
terreno assay prrfmictivo de canna, mandioea, mi-
Iho, feijuo etc. Alem das -tewenos de plantacao,
ha uma boa sc4ta para gado, mnitas arvores fruc-
tiferas, inclusive coqueiros e eptimos iugares para
Cdes viveiros. A sifnacSo da casa de vivenda
_ 'adavel, e c cliroa- e passadio da ilhi de Ita-
raaraea sao muito apreciaveis, al^m de outras
vantagens que com a vista melhor conhecera 0
comprador, dingindo-se ao referido engenho, on
informando-se na rua do Atalho i_4 9, freguezia
da Boa vista, jnnto a caita d'agna.____________
VENHAM VER
A Nova Esperanca, a'raa Duque de Caxias n. 63,
apressa-se em convidar a seus freguezes. corn' es-
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
guintes artigos expostos a venda 0 todos por precos
commodos, como i>jam :
FINAS BONECAS mansas e choronas.
BONTTAS E ENGRACADAS vistas para sterios-
copios.
COMMODaS LATAS para guardar cha.
ELEGANTI'.S BOI.SAS para senhoras e meninas.
BGNITOS YASOS com fina banha e cheirosos
extractos, trazendo cada frasco um noiie, umaini-
cial ou um distico.
FINAS _EIAS Dfi- SEDA, \indo entre ellas cor
de carne.
Para quera gostar.
A' Nova Esperanca a rna Duque de Caxias n.
63, acaba do recabi r kmto* e caixas para 0 jogo de
Voltarette.
Para i\m\\ s Arc das nernas.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber as procuradas meias dc bor-
racha para quem soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAE3
A Nova Espcr.int;a, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber um lindo e cooapjeta sorti-
mento de ILres artificiaes das meihores que tem
vindo ao mercado
A ellas antes que ?e acabem.
Costumes para crianc.a.
A Nova Esperanca, a rua Duque de faxias n.
63, acaba de receber bomtos costumes para crian^a
e esta se vendeado nor precos razoaveis.
A N.va Esperanca, a rua Duque de Caxias n
63, rjcebeu um peqneno sortimento de anneis e
pulseiras electricas, propria? para quem soffre do-
nervos.
ras para salas, ditae de balau^o, ditaa para
criacga (altas), ditas para escolas, casturei-
ras riquissimas, para-senbora, despensaveis
para crianijas, de todas as qualidades, eamas
de ferro para homem e criancas, copachos,
espelbos dourados para sala, grandes e pe- a l#00o
quenos, apparelhos do metal para cb_-, fa-1
queiros com cabo de-metal e de manlim, CAMBRAFA* VICTORIA
padroes, a 640 rs. 0 err/ado.
ftNMfinlias a 1?00.
0 Pavao vendo sedas com listrinhas de
cores a 13600 o covado. Ditas com pal-
minhas a-f_s>00<>. Dit:is com toque de mofo
IJ'iOC".
ditos avulsos, colheres de metal flno, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
AL11GKSE
0 2a andar do sobrado n. o_ da rua Marquez de
Olinda : a tratar^armazou em do mesmo predio.
Pouco mofo.
Brim pardo muito flno a 400 rs. 0 covado : so
na rua do Qucitnado n. 43; aproveitem quo e pe-
chincha, na loja do Guerra & Fernandes.
Socielide Monte-Pio Santo
Amaro.
Dc rd'-m iln Sr. prasid^nte Antonio leronvmo
I '"0
ts 11 l. r,
>-*!)'
ma 1
&
1. tfi
IV
pessojr-
it:t
owidaaos todos os 8rs. soeios,
n no domingo 15 do jeorrente,
:nnhi,- afim de rennidoi-em as-
tar-se da prosperidade da mes
"dada-Montft-Pio Santo Amaro,
0 1.* secrelarw^
. Cypriano da Silva Santos.
* dn hma ama para casa de duas
har e engommar : narnaDi-
ro andar.
mH>|i P
Antonio Jose Rodrigues
de Souza, em seu escriptorio
arua do Crespo n. 6, compra
escravos das diversas cores,
sexos e idades.
cam-si
Corapra-se um lustre, de crystal para gaz que
tenha de 4 a 6 bra^os ;.aishn como am outro pe-
queno de dous bicos 1 na rna da Palma, ve,
n. 71. "da
Compra se nma madeira queiesteja em bom
estado : a tratar na rna dosPescadofetMls; 1 e 3:
Vr;NBM-
\
Nendem-se duas casas terreas siiasiiruada
Concordiaas. 1SI e 153 : a rratar na rua do
Apollo n. Si.
j
Baliza
novo em
Neste estaliel'cimento vender
sacco com 14 cmas a hf,*"*
Liiii/iiiliiK
a i60 is. o co^
Na rua do Queimado n. 43,
pracinha da Independencia.
Aproveitem que so e barato.
Lazinhas a chineza com padroe3 de furta-cores,
propria para ve;tidos, pelo dimiauto prego de
160 reis o covado, so na loja de Guerra e Fer-
nandes.
DSose amostras.
venoe se uma taverua na rua das Carro-
cas, esquina da rua de S. Joao, com boa casa de
vivenda e bastantes commodos $&> familia ; quem
pretende-la dirija se a mesma.
Barato que admira.
Na lo^a das seis poms, em frente do Livramen-
to, contiuiia haver um completo sortimento de
fazendas baratas, como sejam :
ChlUs matizadas a 240 rs. o covado.
Ditas de ol inhos a 240 rs. o covado.
Ditas de coberta. medernas, a 280 t/. o covado.
Las de cores a 320 if. o covado.
Tudo mais era Mbno(|o, $>9i aom- a vista o
freinez podera avjliir.'' /^^ _*______
fe
arame, tampas para ccbrir pratos, estcirasicambraia Victoria c transparente com
para foirar salas, lavatorios completos, ditos 8 1/2 varas-cada pera, pelos baratos pregos
simples,objectos para toilette, e outros mui--de 4^0-JO, _$5O0. 55000, 65)000 e 7"000
tos artigc* que muito devemagradar a tcdos.a po?a. assim como, ditas de salpico br3ii-
que visitarem este grande estabelecinlenlo co, a 75o00, 6 pechineba.
que se acha aberto desde as 6 horas da ina-
nha ate as 9 boras da noute a
Rua do Barao da Victoria a.
__________22^__________
Alvigaras.
Venham todos apressados
E com os bolsos recheados,
Do Campos ao i rmazem ;
Venham, nao falte ningum
Vcr o grande sortimaUo
(Um verdadeiro |iortaato)
Que para a quaresma tem ;
Coraprehendem ? ora bem I
E' com as tripas pulando de contentamento que
me apresento aute a onda gattrvnomica das sa-
bias e illustres barrigas pernambueanas, felicitan-.
do-as por ja se acharem livre da pena de iaterdic^K
to e poderera sem receio de alguma indigestio ex- i
commungada, comerem os mais linos e saborosos-
comestives, coadjuvades por uma cascata de vi-
nhos do todas as qualidades, deixando a qoexa
dezejar o direito de gritar: viva o iriuinpho das
barrigas I !..
Mas, como ia dizendo, n_o podia deixar de
aconti'cer assim, cunsiderando- se como foi sabia e
bem barrigalmente planejado o ataque das bar-
rigas grandes, contra a sucia dos bandulhos ca-
ninos, que o?triflcados a idea ficticia do iufer-
no bicho inventado pelas graudes barrigas, pa-
ra horrorisarem as barrigas sem tripas, suslouia-
vam a mais ab>urda das monstruosidades : a
infallibilidade do principal bojo do amor as avessas ]
e de tripas dadas e a forga de tripadaa qoeriaui-J
hypocritameute alimentareai a pelludao fainigera-
da ex-questao do dia- centop,"a negra que eu-
rolada no capote cbamnscado da inqntsicao, pre-
tendia assar o mundo das barrigas, privando an-
tes a humanidade do ganhar dinheiro e de e.:;
tempos ctmo este de quaresma :
De fazerem pcnitencias_
EnchenuO bem _s narrigas,
Poii nao e tempo de brigas,
E s;m e, de abstiaencias.
Mas, como ia contanio, custon, porem afmal,
depois da rascrada que !he passou no pesco^o os
podens poderosos, a cabeca fui parar no fun-
do do rio e o rubo, como mini de esfollar, icon
no secco exposto aos pontapes de qualquer galo
pingado, deixando e verdade, magra as eollegas
barrigas, que despeitadas vao tratar de se nutri-
rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do lm-
perador n. 28, on ie com certeza eoeontrar_0 liem
do que desejarem. o seguinte : ovas de divor-os
peixes e de baca'.hao ; peixes de vinte qualidades
em conservas, sardinhas em latas, camaroes sec-
cos, bacalhao, pescadas, sardas, lagostas, salmaj,
batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
manteiga ingleza e franceza; doces, (ractas e
cincoenta qualidades de vinhos finos do Porto e
outras tantas de outros Iugares mais afamados de
Portugal, alem de nm completo sortiiaento do ace-
pipes raros, deliciosos e quo
BRAMANTES A 1IW00, 25*00 E 2^500
0 Pavao vende bramantes para leicoes,
tendo 10 palmos de largura, sendo o de
algodao a f^SQO e 2{000 a vara, e de linho
a 2-f vOO, _9t00 e 3CWO0 a vara: e pechin-
cha.
OSEM1KAS A 5W00, GJOOO E 79C00
0- l'avao vendo cdrtes de casemiras para
c;i]i;as, sendo padroes modernos, pelo bara-
to preto de I>#00, 62000 e 7f000 o c6rtc,
assim como : paimos protos qne tem vindo ao mercado, de 49000, 8ft
105000.
ROb'PA FF.ITA.
0 Pavao vende uma grand* porcao it
roupa feita-, sendo : palitots, frakes dc ca-
semira preta: e dc cores, assim como : finis-
simos sobrecasacos de panno preto, e ea!-
Qas de casemira preta e de brim branco, col-
letes de todas as qualidades, por prec,ci
j muito commodos, por qianai aeabsr com
, toda a ronpa quo tem em casa.
Acha-se coostantemeota aberto o estabele-'imen o do PAV\0, das 6 horas da manbI
9 de nbite.
A 490OO, 4$500,
0J1000 E 73000.
0 Pavao vende um grande sortimento
ae
^^-
0 tttals poderoso e o mais agradavel de todos os ferruginosos recom-
mendado pelos Professores e Doutores : Piorrt, Trocsseau, Jobert (db
Lambaub), Malgaighe, Ricord, Nblaton, Chassagnac e muitissimos outros
contra as molestias de consumpf&o, clorosis, opilafoes, /lores brancas, anemia,
su/focafdes, palpitagoes, rachitis, etc.
EH TODAS AS PHARMACIAS DO HUNDO.'
Deposito geral no Pemambuco, A. REGORD.
PARIS, 25, rue de 1'Entrepdt, 25, PARIS.
1 |
CahiuJo em qualquer barriga
Paz a melhor digestao,
E nao faz mal a bexiga,
Como comendo, Verio.
Mas, como ia fallando, iaraos entrar na vida de
outr'ora, isto e, na 6poca das festas, e portanto
vamos ter festas, festas e mais festas, e como todos
comem das festas, visto que uma parie da para as
festas e tres recebum para preparar as festas, e
logico que o bregeiro-dinheiro que anda tao vas-
qneiro, saia d*as cefres dos amaniea 'orthodoxos e
se va familiarisando com as algibeiras vasias dos
necessitadoi,eteites por sua vez'venham ae arma-
lam-do Campos rua do Imperador n. 28, prepa-
rarfem-sa para a quaresma, tempo de abstinencias
e no quai se come sem lice_$a, comprarem o que
ha de aiai* gostoso, saboroso, cheiroso e tudo que
caba em ouso.
Dizer aos amantes
Dos generos especiaes
Oae.'e querem-per teUzes
Venham Ja e quanto antes
Saber a causa motriz
Do Csmpos n5o ter rivaes
R poder sd forneeer
Delicias, gosto e prazer.
Vende se um bontto escravo-ae 18 annos de
Bxcellente vinho verde de uva pora, em Harris idade por t<300_, optimo para eopeiro ou boleelro :
de qutnto e"deoimos : tetide-se aa rua da Ifattre a trttar no pateo da Bibeira, no "portao do ma-
_*Deos n. 38, moeiro.
COALTAR SAPONINADO
DE LE BEUF
DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS CHAGAS.
Adoptdo pelos hoipitaei de Parix e pelos da Marlnha m'litar fraocexa.
Esse eicellocio tonico possue uma efficacia verdadeirameile maravilhosa os uleerat $anfrt-
m
Como dentirriclo ordinario (uma colberada das'de cba n'ura"quarto de'eopo d'agii) *"!-
cialmenle etBcaz para purificar o bafo, tanar at cenghras doentea e tornar Gram oa
deDtes etcarnadof.
0 seu uso e muito hygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
Uma noticia circumstanciada vae com cada frasco. Exiga-se a firma do inventor.
Fabrica em Bayonna (Franca), em casa do Sr. LE BEDF, Pharmaceutics de 1' classe.
Deposilos: Arris, 25, rua Reaumur; Pemambuco, A. REGORD onde se encoolra UBkNn a
EmulcSo de Alcatrao vegetal de X.e Beuf para fazer a agua de Alcalrao, a anica preparafio con-
centraaae tilulada contendoeasio alcatrao sem seralterado nem modificad*.
GRANDE
IP'

ncano.
quo
Veade-se
uma armaeao onvi_ra negocio, na rua de Harcilio Dias n. It, nor barato
p.teto : a tratar no Caminho Novo n. 6l
Vende-se a tavrjrna fla rua de S. Mipteinl
68, em Afogados, e o motivo se dira pcador : a tratar na mesma.'
i|". n ......4
Da quinta do Meneaas
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cerdiio, e o mais largo
vein ao mercado, e qne se vende pelos diminu'tos
precos de MIOO, 2_,-00, 33.00 e 3_b'00.
J* .NA RUA DO UIESI'O N. _0> LOiA DAS
THES I'Oltr.vS DE
Guilherme & C.
Junto m lojit dia esqiiiii*s
Nao ha iiiais cabellos
i.
JIFOmZL
B6 e arm-" appn*l soieri'.ias, reoonheoida superior a toda xjoe
tem apj.it'."-ido me ui..je. Deposito princi-
pal 4 rus u f'.a.lfifi do Kecife, hoje Mar-
quez de tHin-ta, q! 51. 1 aridar, e em
todkts *s Mticas asas de cabellei-
mro.
uma casa ir6io. (i 'rmi'is 4 n!., i -.rn, na rua .rt)9o ?) tratar eat do Cora-n Taai
xVsunicas verdadeiras
Biehrs hamburgsezas one vem a e_lemerci-c
;na ro: Marquez de irlin^a n. 51
Wil-< n Kuwe _i t_ vendem no s<
i a rua de r.'mmercio n. ti :
U verdadeiro panno do alg< iao azal i
Exeellente Ho de>ela.
COi;uae de 1" ijuaiidade
Vinho de rii*deau_.
Carvao de Pedra de todas as qnalidade*.
Faoiuha de maudtoca nora.
- Recentemenle chegada de Srtua Catharina tto
para vender no trapiche Companbla, e para tratar
no sen escriptorio a rua do Coinmercio n. 5, Joa-
quim Jose Goncalves Beltrio & Firho. Advertindi'
a os fompradores quo cesejando acabar, vendem
niais barato do qne em qualquer ontra parte. tan-
to enr grandes como em pequenas pvrcjfes.
Lindo chfariz.
vni*o-.< nor preco barato nm rrco ehafari:
de marraore oroprio para jardmi, o qua! se acha
arniadii na oBcina do maamore do sr. Li_u,
rua do Imperador para quem o qniaer-var:
traiar oa rua do Cr_.sk>^. tpja d P<-- areo de Santo Antonio. '______
Attencao.
Vende se duas casa-. contigaas, e qua tern ecm-
munieae9o de uma para outra. ns. 33 e.35 nu
de S. Miguel des Afogado.s, com.sitio._a_r_o> a
pnrtao para a rua do Bom Gostn : tr_t_-s__sme-
mas casa, das 9 as 10 horas da nunni.
Tanques Vende-se dons, triangulares, proprioii para na-
vios : na ma da Uniao a. 97.
1

'


m*ri* *fl*aii&ictf* ittffe feir^^fPWMiii^ SFWH.
"ft
1
1
s
1
/
I

1 Sfcufc i h.
r.naftA ^
Bua Primeiro tie
E' esia unwNks *ie**fwn- 'tfejes'pode cob grV
raazia offeMOM ao3>Seai InwoeBesumivariaiittt-
mo sortimento d&zendas. fina& pra grinds- toi-
lette^ e bem assini para uso ordiDario do lods as
classes, por-prfi^vaiitajysos, *s qtfaes faz um
peqMno-roraiM.
Mandanr. foetid aas easas do* pretenaVntea,
para.o.flue,ieiapessoal meoe*sarie,*&dio amostras.
medfahteeenher.
Cort*v^*fta Grwaenaples d todes 8b- cotbj.
Gorgunao braoeo, lizo.de listras, preto, etc.
SsliBLUacao, preto-e d corea.
Gfosflebaples preto.
Veljado preto.
Granedla* da sad*, preta e*d- cores.
Popdhns de lindos. pad roes.
Kilo 4a aeda, bram.-o preto.
Ricas bastyjirias de seda.
CisSfcos da rte*rln6 8e cores, la, etc.
Manias hrasileiras.
CsUw.ecin camaraia breaea com-lindos borda-
dos..,
Ricas cipeflas e mantas para noivas.
Riquissimo sortimento de las com listras
seda. '
Garabraias de cores.
Ditas maripozas, brMMav Hzae e bordadas.
Nanzuques de liadus padrues.
rWMfnas, psdrBr-s dcTicaflo's.
PWrcslilrM de'qhadfoy,- preto* e francos; listras,
etc., etc.
Brins de linho de cor, proprios para vesiidos,
com barra e Ifslras.
Ricos cortes de vestido de linho, com iafeites da.
Qiesan e Ditos de cambraia de cores.
Fustio deilindaci' cores.
Salas bordadas para seuhoras.
Csrthfsas borJaoas para senhoras, de linho e al-
godao.
Sortimento de lavas da verdatleira fabrica'"de
Jouvin, para home:!* seohukaa.
VesUiarios para menials.
Ditos para totiptiz.toU.-
Chapes* fmfa Mo,
Toalhas e guard.mapos adamascados de linho de-
cor, para mesa.
Coichas de li.
CdYtmadoa botaaffus.
GrUndB-sertimerto' de eanfWas' de litlho, lizase
bordadas, para homens.
Meias de cure* para heinous, meninos e meni-
nas..
Ditts escocezaJ.
Cdtfiplrto sortimento de chapeos de sol para ho-
rn ens** senhor.is.
Merino de eM para vestido*1.-
Dito. preto, iran<;.ad e dito de >'erao.
Atoalli'ado de linho e algodao para-toalhas.
Atoalhado patdo.
Damasco de 15.
Brins de linho, branco de cures e preto.
Setira de liudas ceres com listras;
Chales de merino do cores opretos.
Ditos do casemira.
Dijs-de-se*t prcra c de eOrSfc
Ditos. ikjJonquim.
''amisas.de.chita p;tra heiaeosi
Ditas de flknella;
Cetealaa de lirilio e algodao.
Pannos dd erocneipara-sofa, cadelrar e conso-
Lmcos boraatfur-e de'faiiyrinihdv
Coichas de, crochet.
Tarlalana de tolas as cores.
Rieos cortos ie vesiidos do tarlalana bordados
para-corWs:
Espartilhos-lisos, bordaSOT.-1
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de s^eda para senhoras e menmas.
Ricas fachas (Jestda'e la para senhoras.
Rico sortiraento de leqo.es de madrepercdas e
03S0.
Damasco de seda.
Casemira prola e de cores.
Chitas, madapolao, panno lino preto e azul, col-
larinho9, puohos de linho e alghdSo, gravaus, la-
vas de fio de Bsoosski,- 'apetuS de todos tw laraa-
nhos, bolsaa de viajjeirv poiuis borJadoi para ho-
mens, lengjs de lisiho branco e de cures, toalhas,
guardauaoos, etc., eic.
" 2GU-.F&.
GRANDE NOVIi)ADE
A' rim do Cresjio It. %0
Loja das ^portas
LA7.1NHAS
ChegoaesU faiend.., com oadroes inleiramente
novos, e que se vende pelo diminuto pre^o de iOO
-s. o covado : islo por ler andn i|nanridade.
so- nx rua d@ awsto N; 20
Guillierme &C, junto a loja
da eequina_______
Vende-se as casns teriras seiruintes :
Rnaiii de Maia (oulr'ora dos Ossus) ns. 2 e 4.
Rua doFogo.n. 2.
Rua do Padre FMriaho n, 3*i.
Travessa da Bomba n. o.
Becco do Padre Lohat* n. 8-A.
Becco d* caes da Gadeia-nova ns. 3 e 5.
A tiratar no Largo do Carnm n. !.

RWIIOtifDgALGO
lHffijdS>Iififci Gil
.Veb*"J i
if* r
rfe fazeridas pfetas para qu;
f.tf

COM* SEJAM :
GUOStrtj*\PLi: PtlttO A 1^004- I '. l li*t^i BftiKCOS A 2*000.
Yuiidt>$e.gro$deoap)e.prelii pai* vestifloft.f Veude*s&l05QgtbrancosGD'os, a 2*000,
da seuhoras, a iti4Wv 8ft, 3*, 49v .o 2*M0-f3a a Uho, ditos de linho, a 49,
covadp. .89e-ii*ilopailti.-
1 L\'.N0 ^BF^ft l(SWaao. CROCUES TARA CADEIRAS A 19500.
Veade-fce puuoo pqeto de duas larguras, Vwidtf-so-panoo&de croche para cadeirts,
paracl<;asc palit6ts, ai95l>:,..?9,,-39Witv a 19600 cada um, coichas de di o para
Sao msisjlwiriitas.
Sfio de docs pospontos.
Sao sinapk6.
Sao rapidaf.
Sao duradouras.
MACHINAS DE SINGER
S5o de dous- pospontos.
Abahiharh.
Frarizem
Pregam tran^asj
Marcam pregas.
Bordam de liriha de sfida.
Alcolchoam.
Pregam cordoes.
UNICA AGENCIA
EM
A CASA AMERICANA
m RUA DO IMPERADOR 45
49, a '* J 10 o covatl o.
CORXHS DE CASEJU1U PRETA A 59006.
Vende-se ciortes de casemira preta para
caifjas, a-5^69, P MERINO'''PRETO A 2?*0V.
Veil -e-se merin6 pret fino, a 29S90 e
390UUo covado.
feOMUAZ NA PRETA A 1950%.
Vende-se bomb** na preta tufestoda, a
19600| 1*800 290i>0 o covado.
ALPACA PRETA A 500-Rfc
Vende se alpaca preta fina, a 300, 040,
80fr rs. e i^OOftO'tovado.- .
FA^E.NDAS DE CORES E.CAMBRA1A
BRVSCA A-390.0. .j
Vende^e-pcfus dfc carabfia hrmea trhns-
narente a39V49*59 e-69000, ditas de cam-
braia iapadas Vittoria, a 39, :)9800i 49
o 55000.
CtmTliNAOOS PA HA CAM A A 169900.
\'ende securtduados burdaik-s para cama,
a 169; 20; 250 309000.
CJUIBtt IA UE CORE* A 300 RS.
Vends-se cam bra ra-de cores lilies, nriirdas,
a 30t, 3-20 e 360 ns. o cotma
CHITAS- LARGAS A 20 Mt
Vende-se cbitaa-tergas para vestifas,-*
24U, 320 0 360 -rs.'-o coH(ii
BR-AMAME A 19600: -
Ychd*-se brAatit cam 10' palmos de
largo a I960V 198t e^295' 0 0 metro.
MADAPOLAOA 8*000.
Vende-se pe<:rfs de maxhipolao ehfes'ia3b
a 3*060. Bito ingle* a 4*600, 89 80,
S,55tru>, *00; 7*Oee'8*0Oila pessa.
CGRn&fcUOSPMU' JAMEL1.AS A 89000, ea
Vendo-se o'^ar do durtinados bordados.
dart-- jatieilas,- a 9'e 1 e*6< 0 0 jwit.
ALGOBAO A 49000.
Vt nde-se pejas dealg'idao, a 40, 5* e
(ijooo. ;
CEB.OCRAS A 1*000.
Vendqtse cerooilas de JtfA#'fc a 1*000,,
ditas fiu= (k(br-a>!aflte a 1*300 e 2* cada
uma. ... iKti..........-
CAMiSAS BUA^CAS A 2^000.,
Vende-se camiss brancus fntas, a 29,
2*500,3*e4*00%
BttUfi Ot CO.Kr>A .400 RS-
Vetide-sa bBias.le.-cu*sf*a.-fll';*s, 400,.
>e 500) rsi *Mvak>. "t
. uCMlb ES A.W*6
Ven Je se c+iales de la a &00 %. <**W1
dH^danM{. >a,-.d9. 49- e 5-'00..
4hACaiS BEC A 49QCQ.
Vtiwir se^Ebefr (kwres pai-o cama, a
29, 335O0 e.iaOOO.
CHITAS BE CORESiiA.360 ftS.
Vende-se chitas finasdeeores, a 360 e 400
rs. 0 eaoMaO.
A.WACAS, DE CORES A. 500 RS.
Veode-se,lp*ffi"as de cores, a 509,
644 e 800 rs. 0 cuiwulo.
O^ETES A 4J00.
bnba t*petes. pw*. salas, do diverges,
4 1/2
a 2-r,
ntvft,:
MADAPOLAO FRANCEZ A 79000.
Vende se per^as de inadapolao francez
m-uit lino, a 7*> 89 e 10*000.
BhlM'PAKBO A 400-RS. 0 COV.VBO.
Vende se brim pardo para calcas, a 400
rs. 0 covado.
CORTES ftlvlGASEMUU DE 5*000.
Vcrfdese crrrtes de easemira do cores para
calcas, a 59, 5*500 e 6*000.
GROSDENAPLE PRETO.
Vende-se grosder/ap!e preto com
p;tlmos de largirfa, a 89 o covado.
ESGUlAO FINO A 29000.
r Vtndese esqni&q fino de linho,
-2?5tf0, 3jl c 1* o metro.
(Ill) AS PAH A COBERTA A 280 R8.
Teilde-sorhitas para coberta, a280.e 400
r.-; o'cova'dr)'.
BRI.tr BRANCO A U000.
Vi-n'le-fo brim l>ranro de linho, a 1*.
1?:>80. <'l-0t)'<; -2*'o metro.
BRETANIIA DE EfSSO A 640 RS.
fHtillHa breWnha de linho, a 640 rs. a
vara.
FI..\!^F.n.A BE CORES \ 800 RS.
T^hue-se llaritila dc cores, a 800 rs. 0
to Wo.
COttfillTOttES DE Al.CODAO A 1*400.
Vende-so cobertores de pello a 1*400.
Cdbetias de cfaita a 1580U e 2*. ditas en-
ej-.rna ia^, TorYa'dks, a 4*, no Bazar National,
rua da't'mppratriz n. 72.
COB'll-S BE CASSA A 3*000.
Vettde-se cortes de cassa n.iudas a 3*
a rr tiuito
Uu.rW.0 to* -coMNM ^'W|b*Wo *
Irespeitavcl pubiico, dislinguintr > >cuXmIm!
memo doa roais one oecociaui no ft*mx+ geaoro
v'eeffi scienuflcar are seas Imjus freguexes que pra-
veniramaojseos ebrfesjJoWentes n diversas pair-
fcas d'Earepa par*e9 o*iarn pxir todos osa-
quetes oa objectos dfi -Ium e boot gaslo, qoe ae-
|am mais bem aceites pela* suciadades eleganU*
daqnelles paiies, vislo aproxiinsr se 0 tempo 4a
festa, em q*e 0 hello sexo desta find* Veneta
mais ostcnta a riqueza de seas lolHeUea ; eto-
mo ja recebessem pelt paquete (raaoec diverao
artigos da ultima mod^a, veem pateolear alftpa
d'entre elles qne se tornam mais recouuneDdavwa,
esperande do respeitttel pubiico a cosrumada
concurreocia.
Aderucos de tartarnga oa maia kudos que teeaa
vindo ao mere ado.
Albuns com ricas capas de roadrererula e da
velludo, sendo diversos tamauiios e Laratos pra-
r.HAV'-n.S PARA SEISRORA A 1*'i00.
Vende se grnvatas para senhoras, a 1*,
ditas bart homens a 500 rs.
ALGODAO ENFESTADO A l*(0O.
Ven'de se dlgodao enfestado para lcm;6es,
a i5000 a vara.
GUAN-BE SORTIMENTO BE ROCPA FEtTA
NACIONAL.
Vende se palitdts de panno pfeto, a 59, 7*,
8^e 10$000.
Vende-se pslitots de alpaca preta, a 39,
3*500 d 4*000.
- Vnde-se ericas pretas de panno, a 4*,
6-fc. 89 e 8*000.
1 Vende-se coBetes prelos, a 3,->, 3*500 e
49^fO.
Vendia^se ceroulas, a i-S, 1*500, 2* e
fc*60.
Yembi-se.o&nwsas bjtancas, a 2(J, 2*500,
89* 490 00.
Venda-se .ccmisasde chitas, a 19'*00, 2^
e 3,j0ow.
CHITAS PRCTAS A 20 RS.
Vende-se cb'das pretas ftnas, a 320 e 3G0
rs. 0 covado.
LA^INBA A 200 RS.
Vende-se lazinhas para v< stidos, a 200,
320, 400 e 500 rs. 0 covado. No Bazar
08
Aderecos completes de borracua i Icto, lambem se vendem meios aderecos muilu bo-
nitos.
llotSps de sefim preto e de- cores para on'Id c
vestidos de t>eLliora ; lambem tvm para cilele
paliiul.
Bolsas para senhoras, exist* um bello sorumea-
to de seda, de palba, de chagrim. etc^ fcc% por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanlo de louca
como de cera, de borracha e de massa ; cbam*-
mos a altenfao das Exn.as. Sra*. para te artift,
pois as vexes tornam-se as criaocas um poucu im-
perlinentes por falta de um obieclo que as ea-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitoa bordados
para homem, vendem *e por preoo commodo.
Ceruuhii de linbu e de algodic, de divenoa pre-
cos.
Caixinhas com musica, 0 qne ha de mais lindo,
ccm distieos nas tampas e proprios para prescn-
tes.
Coques os mais moderoos e de diversos forita
tos.
Cliapcos para senhora. Receb<.T. mi um sortimtL'-j
da ultima moda, tanto para seauora, como para
inoninas.
CapeUas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Eniremeios esUiupadoa e bordados, de lindo*
desenhos.
Escovas eleclricas para dentes, tern a propr.e-
dade de eviiar a cixie dos denies.
Franjas de seda pretas e dc cures exi.-:^ ua
grande sortimento de divercas larguras e baritc
preco.
Fitas de sarja, de gorgarao, de st'lim e de cta-
iDaloie, dc diversas larguras e bun^las cores.
Facttas de gorgurao muit> lindus.
Floras aruficiaea. A Predilecta prima em con-
servar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flo e, nao so para enfeite an c^brlloa, couio
tambem para oraato do vestido de noiva*.
Galoes de algodao, tie la e de aeda, brancos, pro-
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem a senhoras.
La^os de cambraia e de seda dc divirsas cores
para seniiora.
Ligas de seda de cores e braucas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, ccm capas se maJre-
perola, marfim, 6s-o e velludo, tudo que ha da
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tir.ir caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de mrnlre-
perola, marmn, Perfumarias. Neste artigo e^ti a Prtsdilectt It at
provida, nao so em extractos. com cm oleos t
banhas dos melhores odores, dos m;:Is afara
bbricaotes, Luubia, Piver, Sofiwlade HygieT.
Condray, Gosnel e iUmet; sao MkpakMHI aara
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commjd'.
preco.
Sapalinhos de li e ae selim bordados ,para aay-
lisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta am boaito sorti-
mento de diversos tamanhos, taulo para toft co-
mo para entrada de salas.
Vesumentas para,baptiHiidoo que haaemelbcr
gosto e os mais modernc f recebeu a PredibKla
do or ax.to prejo, para tlc.ir ao aica&cv
qualquer bolsa.
Rua do Cabiiga n. 1
tamaubo*, a U&aQO, 6***9 e, 89000 cada. Nacional. rua da Imperatriz n. 72, de Men-
,Ufa# ides Guimaracs & Irmaos.
Attencao.
GALLO

Voruiies ^jk.'1'iaes para carrua-
E banlft.
ff Vende se melins dft lindns padrCe?; fazmda
boa, pelo bafato preco deSOO-rs. o covndo : a rua
do Crespo n, 23 A, loja da >.\- puna. Dao-se brsos-
iras._____________________________ ______ _____
Salsaparrilha de Ayer
PABA PtTKIFICAR O 8ANCWS.
0 teootne de qne go Mte x-
ceUente remtdio 6 devtdo a radha-
res de enrat que tcm oprado, rau-
itaa.dasquaes sSo verdadeiranietita
mHavUbtxoi. Innnmros eao ot
casoi em que o syithema, pareccn-
do sstuftdo dyodrtd) enfef.
ratdadct escnfulsMS, tarn sido
promptamente restitiiido & taide.
As affeccSes e desordene, apgraTa-
dac pcla cenrtMiinaoBO escrofulosa,
at^ prodazirem dores mbrtificantes,
tem sido tam radicaltate geiahtWutt enradas por elle, em
todo os pentos do Imperio, que o pubiico mal precisa de ser
infonnado das sua* sirtudai dp modQ.4 umJ.-o.
Ofeueno escrofulosb e nth 36* Hufts 89troidore8 Inimigos
da raea humaoa. Om, lenioita m. oceulto e traicoeirameiiu
do dowo organismo e aeivrfi fraco e menae contra rnolestias .
fataes. 6ra, patenteta a rttfeccBo'de tfit corrompen o corpo
? eotao.etomoTMnU-ewataivvUwRn'r^aieiitesohalgu-
ma de suas hedipndw forpvi J4,Ba.f,ftU? > a?u
vita. Neste nWmo earn -deposfta, mfcVea, tirbefcM*
nos pnm5e^i^e^o,iio.itW9art>ti,d>israaD-
ifesta em jmi'cSes, tumores, pti.
A intake Md nettgos* Uot -pertdo iranea so de*0 dar
'' i,:e p.-ivu.il o 6 aeaapffr lborj,do qua o*ttci-o.
RUA DO RANGEL K 3
Annazens de seexjos e molhadoe
TEM PARA MSTINCT1VOBOESTABET.ECIMENT011MGALLOBBANCO, P1NTABO,
PARA ALCTMA PESSOA QIE IGNORE A LEITBRA.
Rodrigues & Pires, regressados em Pernpmbuco, cidade do Recife, succefsores do
armazem do Gallo, a ra do Algibeves, em Lisboa, omais afanjadoeconhecklo araiazero
haquella cidade, capricbem sempre era ter generosde primeira qtialidade, dos quaes dao
aos seus nuraerosos freguezes urn. conhecimerito roais prolongade na rela;ao abarso des-
cripta :
0 que 6 bom e" caro
Palavra bemdita que nunca falbou.
Chi pcrola fino, a 58000 a libra.
Bito miudinho supor-fino, a 4*090 a li-
bra.
Bito popular, Boo,, a 3*000 a libra.
Manteiga ingleza fior. em barrit a 19000.
Dita ditaQna, em latas, a 19500;
Bita, dita, dita e dita, a 19400.
Azeite de peixe baleia, a 6*0 rs a gar-ra-
!fa.
Dito do cooo, lino, [a 800 rs. a garrafa.
Dito doce e carrapato.
Aguardente do caldo da cannav leita de
tencommenda, a 500 rs. a garrafa.
I>ita popular, a 330 e 249c rs. a garrafa.
Dita Lranea, a 200 rs. a garrafa.
Camardes seccos, a 500 rs. a libra,
O^MWJoe frescos empeUicados, progo com-
modo.
Caseasdecoco para lavar casa, a 160.e-,
120 rs.
Fariuha lina de Muribeca.
Vassouras de piassava para sorvico inter
no, a 240 rs.
Ditas grandes a 500 rs. ,
Massas. para sdpa detodas as. qoalida-
des
Vinbo Unto e branpo, superipcap, engar-
rafados e.eia pipas. E outros ortigos que sera
'enfadonho annumerar em seccb e.JHOf,
lbados, por ser ejLtensp.
.nssiin, antes C^ apparecerem'oe proprios ivmplkomas action,
o as*-da BAM.8ji f>.4RTKKA H* AVMB poder* Vit
resultados bwetto*. j
As peasoas que somVm de Bryiipelat, Togo de S. An-
, a 6eas(buujade dolorosa nos.ouvidoa, olhos, &c-;
los; XM/iptptUt on Ifidigftoet; ttyiropet*,
_, sm, cwib fe an jwm*: Bpvue"*. *"-
JtlLHA DE AYES.
tempo para subjugar tam impertineafra wSfrmWadWm
A Leucorrh/a, ou Flora Branau, as ulcerft^yS uteri-
nas era genfl as m6lastia-da*ulh8M*itftaa*>emal!ma-
da>. tflterkrnwplt- cijnadaa,, pot ho., eflaito, pufificador
Tigorapvo.
i>ith4inlUM*m*t a 6>er*qn*o4.caaia4ai par ace-.
mulBMaa de B>ateriaa.cxtMBhM a*. M"gi ceaem-me lac J-,
merite, de mesmo mOdo o 3tM da rigidll, Congtttaoja
InJUuimiacmo 4* fY#a4oy IcttrUia, qnindwsi* onuq*a ,
de mans retiduoa no sangu^
A &Ampmxrlih* Bcllanta turdoT *
forca e vigor do ajstnomlu
A#sUa> todoa os qc sot&uem Lanmuor, Pftfegma, Df
tnaUu, Iniomnia e que sao ir.connnodadoa com Appre-
henna Temoret Hervoiot on qnalquer outra aflaaafcl I
provenieate da THbilidade, acharfto do sen poder renovador
o amif eguro expediente de promote corn.
PBirASAsa pob
J. C. Ayer & Ca* Lowell, HaaSn B. V.
Chimiron PracHcos e Analytical.
VB3NT>: SB FOB
Os verdadeiros
Vinhos de Bourgogae
das Diarcas
Charabertrn
Pommard
V*rits
Volnav
Beahne
miihiiil
IVrto BotdetHrtera. quHrtolleW.
YtnteM por tarto preco
PARA UQUIDACAO BE COTAS
NA
Lmrghx da Bonario 34.
Botica.
Cliap^os- pjBrTja' mhw-
C(
Paris rfAmerlca, a rua.Pu-
quede CaxiaS'B. 59
primeiro andar, acaba de receber utli completo
sortimento de calcados pstrangewos para homem e
abora, vicdo enlre elles um bad* SQrliraanto-de
Jegaptes chiquiips, sapatinb^. e, ^tinaa. d^iaJ
:nancas, que tudo vende por preco* razojveis.
"14n(fe8,Ias escoceza^.
OQ.vagias. Wk,5e,, e.intejiampul^ rMdaroas.^
B60 rs o covado : n^ rua Primeiro de Jra/po.
kntiga do Crespo n. 13, loja das columnas, de An"-
konio Correia.de Vasconcellos.
' i iini;i'
Oimento^
Vende se na rua da Madre de Deos n. 34, pelo
. i; ***i2'Ll.' rj^M,;.A'ia Ut-An'n rTienor preco possivel, o verdadeiro cimento Por-
1 I Ku n^0nf,ir;o\Srdme J88U ^ ^ "*> -^> "** W* ^L
manto de chapea* para feahora, ultima moda
vende por preijo commodo.
Vaccina
Veade-se vaccina mnim n.'va, chegada recente-
TT
Cab
Vende-se uma casa na villa do Cabo, a rtia,Du:
qne ile CaTtasa. 6i(- com os seguintes commodes
mente da Enropa : na pharmacia americana, de ; M"artos, Jgabihete, cozinhafora, equin-
Ferrtira Maia & C, a rua Divjae de Caxiaa nn-1ial nem plauudo dearvores.de fructo : a tratar
mo er57. com o proprietario n* mesro* casa.
Este verniz, ou|& faita aQ" tanto sentem
os. firs, fabricatttea e poBsyidores 4e carrua-
gous, acaba decbegar para s sito, das seguintes qualidades.
VEKK1Z SUPEfiijn<0 BABLA. U1XAS BE
CAfcUlUAOhNS.
E' um verniz muito claro;fi duraiel para
as caisas de carruagens, para todas as de-
maos, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
boras, depois das quaes se expoe, ao ar por
algum tempo, o qe faz cDOurecer, passa-
jdas.15 a->*8 boras pode passaf-ae a caixa a
pedra pome e dar-lhe emaeguida outra de-
mao. l>ao-se com facilidade tees demaos
deste verniz sobre as tintas, em tres dias.
A primeira denaao sepriitda de appareUio,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um exeellento britho.
\rri/ u|>erl(M- seccante parft
Cttmie Este veroiz e-da met/na odrqae oaote-
pedente, mas endurece e secca- coin mais ran
pidea. Eiwprega-se com bem exito nas
pbras urgentes, e p6de mistarar-se com o
anterior. A daracfio do veniiipermanente
dnninue na proporpao da mistusa.
VERNIZ SUPERIOBtELASTiQliO PABA OS
J0008 DAS GARRUAGBNS-
Nao e tao claro-oomo o vecnizpauas
caixas das carruagens. Emprega-se gos das carruagens.e tambem. para aspri-
roewas demaos sobre c0res escunas. Bode
passar-se a pedra pome passadas 10 boraa^
podendo dar-se em seguida eutna demio.
Verniz preto da Japda, atpefier.
Para trabalhosem-pceto de. carruagens.
fErodtwo preto aaaia esewo ebuaaaatey
pode paaas*-ee a pedra pomes 40 horas.de-.
pois. Deve dar-se dues demaos sobce um
tfundo preto e cobrir-se com oulras. d*as-de
veraia que se eiaprega nas caixas das carrua-
VERN1Z PARA OOUROS, .BiULHAivTE E
ELASTICa*
Este verniz, contendo na sua oompoaioio
grande qaaatidade d'uma substancin moito
amolh|JK) azeite danominadopifda bauf,
e o uoico que d4 flexibilidade ao cuuro va-.
pio enveMBdov Em gwal baste ama de-
mao quadave-seri appbeada muito ligeira-
mente,. com um ^ia*'dapai6' de ter bropo,
o coutoomguaHra. ETtpostoao-aotsac-
ca em 1 ou 2 horas, e & sombra mas ao as
seoaa am 4. Em tempo humido e iuutil ta 1
trabalho, por que nao 6 possival tomato
verniz dastieo e secente.ao.nesou)ilen%po,
Verulz parta* rtppurelfcaa.
Depois de ter apphcaao* 2> ou-S-demaos
deste vriiiz n'um intprvallo de 8 horas, de-
ye-se deixa* aobra intaetapor 2 ou 3 dias,
no Mm ties aoaestte aada pulir cora estr*
ma facihcidade. E' essencialmente neces-:
sarirtcahrn- este verwz com .duas demaos to
vernJ geperfino- para eai*a3 de carrua-
gens,
VERNIZ SECGANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelbo, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais facilmente e para Ihes dar
mais consistencia.
Como.nao e necossario dar lustro a* ultima
demao de verniz empregado nas caixaa dt
carruagens e no dos jogos, convem da k
n'um local separado aonde nao haja p6
Quando a obra urge,, deve p6r-se & sombn
e ao ar Uvre depois de secco, isto e, passa-
das 12 horas, lava-se e enxuga-se bem corr.
uma esponja humida. Quantas mais vezes
se fizer isto, mais brilhante ficarA' o vernix
b mais depressa ss terminal a carruagen
(em caso necessario tres dias depois da uhi
ma demao). Burante as duas ou tres pri
meiras semanas deve-se lavar a carruageH
com agua fresca, depois de tier ser
dido.
Os frascos devem conservar-se semprt
hermeticamente tapados, o resto do vernij
nao se deve deixar near no fiasco, e pod<
usar-se para as primeiras demaos.
N5o deve misturar-se com este vernix ne-
nbum outro ingrediente, nem agua-raz, i
de nenhum modo com o seecaste. E' pre-
ciso liropar bera os vasos e os pinceis, e c
melhor 6 servir um piucel para cada ter
niz.
Depesito unieo para o Brasil, Barthoto-
naeu & C, Pernambuco, Rua do Rosa
rin.34._____________________'
Bazar Vicloria.
Amaral Nabuco & C, vendem elenaMes figuras
de bronze e de percelana, jarroa e portaxartoes
de,porcelana, espelhos, atoalhado branco e de.co-
res, de linho e de algodSo, guardauapos de linho,
graqdes e pequenoi, e ontros mnitos artigos ne-
cBs#arlos a proprios para def6ro de ama casa: no
Bazar Victoria, a ma do_Barao_da Victorian. 8.
as.
Amaral .Nabuco 4 C,-vendem bandejas de cha-
rao de 14 a 30 polle^adaa e de gosto iBtfiramen-
te novo e de metal, tambem bonita. pintnra e de
diversostamanhos: no Bazar Victoria D *.
* 0. C. Doyk
fem par* Tfid :
Cognac de Hennessy, superior e verdadetr*
Viofao Xerea.das melhores quakdadej..
Bitters de Angostura.
Whisky. .
Cha preto em ljalis de 10 Hbras.
Todas as preuattfoea ehimitas-do Dr. Ayar"
armaxamAama dr. raqmereio a 3; -
Terreno em Beberibe.
N>. rua do.Itnperador n. 57, loja, so dira quern
vende por prco comrowlo, um icrreno era Bebe-
ribe, Mo Ifigar Agoazinha, tnm rrtiP palmbs de
frente e 800 da Tuade ; tambem se retalba, ae o
rwnjero de preteudmtes fur sufficiente pra tjodp
o terreno_________________________^__
Ant's m sp acaucm.
.ii.Je-sH IS de Modus pad roes a 200 rs. o cova
do : ua rua dp Crespo n. Jo A, loja da esquioa ;
dao se amostraa.
Craiule pccluBok a 200 rs a
covado.
Catsa li, padrSes novos, e de mais aasto qaa
ii vindo au mercado, sp aaana do Queinadt
13, loja de Guerra Sreco de 200 rs. o covado 1
tieguem freguezes qoe se acaba
Fogao de ferro economioo
Veade se um chegado ba poucos dint, leado for-
nalhas para leuha e cartao, forao para aasar,
depoeilo para agua quente e Ingar para se gnar-
dar quente as comidas depois de feitas; .'stes fo-
eocs tomam-se recommendaveis porqnc sao ae
ferro balido, e fabricados cms perfei^ao e oozi-
nliam com mui dimiuuta lenha: na rua do Apoli.
n_20_______________________________
AGUAS ALCAL1NO GAZOSAS BAS PrBRAS
SALtiABAS
VILLA 1'OfCA DE AGCIAR
Bicarbonatadas-aodicas
Analyses do Dr. Jose Julio liodrigiien, knti
da escola pohjleoknka de Lisbon
Esta excellente agua, u-ada com vantac n
padecimentos das vias digestivas, orimei". do
eatomagi, etc., etc : veade-se oa pharaia. iu -
drogaria a rua larga do Roaario a. 34.________
Vende-se um rico piaaoo novo, muito I
e de excellentes vozes, a tratar na rua d > Barii
de S. Borja n. 29 ; na mesma casa teem para v, ,.-
der-se uma bda mobilia de jacaranda, cm p
uso e em perfeko estado.
Cabriolet
Vende-se dous cabriolets de quat-o rod
um pintado e forrado de novo, tendo l>ol *r. fur..
var5es e laaea ; tambeaj se veade dVas ravalk e um arreio : para ver toao na cocheira da r_a
da Roda n. 60, e para tratar na rua do Marquti
de Olinda n. 6, comBodrigues IrmSns & Guim.-
MM
Gaz a 5>W
a lata, do melhor que vc-m a este mercado, da
a rea de Henry Forster & C, com a qnantidaie
coroplela do liqaido: nos aramieas do Joce Do-
mingaea do Caroo e Silva, a rua da Uadra da
Deus n. 10, e rua do Amorim n. 41,
CILlPELEluA WSmik
$M Rua Dircila u. tf.
Neste- estabeleaimento ceaaertam-se chapeoa aa
alba, seda e velludo, para senUrns c memnas :
endo formas das mais modernas ale hoje rhega-
as. Tambem se concerlam cbapeos de todas as
uaudades, para homens, gaeaatiado-se a perfai.
ao dos concertas.
No. mesmo estabelecimento tem um lindo sor-
timento de cnipeos de pafha, dos mais m< dernoe,
enfeitados com muito gosto, e pelos precos de I6#t
184 e 40*.
Chapeos de seda e de velludo, f rmas modernas
para 10* e 12*.
j Para luto.Chapeoa para^enhoras a 10a e 12*
t para meninas a 8*.
Vei
Wftsdn, Uowe A a
Em sen armazem a rua do Trlpiclie n ';, o se-
guinte :
Algodio aiut amerieaae.
Fio de vela.
Caryao de pedra de todas as qualidadei.
Tudo muito barato.
. Escravo coifnh*i
Vende-se um escravq, mnlalo,
de idade, bom cazinheiro e copeiro : atratar :u
pra$a da Independea*a a St, loja ade ekaaeoa
LUbSD


VARIED
0 PRBTEXDEKtjn -*me-
cou no dia 29 io jan 160* au
bre causa, v qu.i ji tiuba oceupado 6 dug
ate" 6 de fevereiru.
Urn dos inoidentes aotavois da discussao
foi a accusagau de p jrjur.o feita 4 teaterau-
uha mais importante da defeza, que disse
obaratr-s Joao Luie, ser dioaraarquoz e
haversido despenseiro de urn navio deub
aunado Ospny, ter salvado Rogoro Ticb-
boroe do naufragio do, Bella, e havel-o
acompanbad.. com outro naufn** a Mel-
bourne na Australia. ProTOu-se que esU tes-
temunba era urn maritime sueca cha.uado
Joao Lundgreu, que estvaa cumpriudu, por
um furto, a pena de prisao oa cadeia de
Uuu.u, para onde tinba ontradu en 7 de
agostode 1868, sahindo em 25 do mar-
co de 1873 com licenca, sendo-lhe perdoa-
do 0 tempo da pena que lhe faltava.
Deseobrio-se tambem que a mesma tes-
tenauaua tinba tornado e praticado diversas
bulras, rcudando fiequeutes vezes de 110-
- e por ultimo que ham eommettido 0
-. "''nia.
crime de i>i6..
0 a cusado fui pr*J
bunal de Bew-s reel.
So dia 8 de Janeiro comecou 0 julga-
mento. Os amigos do reo constituirain-
Ibe por defeusor Mr. Lewis.
Clarke, inspector da policia disse : que 0
reo lliu havia deel rado na prisao que todo
o seu depoimeuto no processo Ticbborne
era uooa pura invengio ; que nunca esteve
na Australia ; e que a histoiia que havia
referido, lhe foi suggerida pelos amigos do
preten lente ; que estes tinham convenciona-
do dividir entre si as propriedades de Ticb-
borne ; que Mr. Onslaw era 0 mais exigen-
te, por isso devia ter 0 maior quinhio ;
que o reolicavaao servicod'este, o capilao
Brown era uomeado inspector da doca de
Southampton, a Janes de Holloway estabole-
ciara-Ihe uma taverna, Mr. Whalley e Bai-
gent recehiam parte das propriedades ; que
elle s6 por si nio teria inventado cousa al-
guma, mas os amigos d> pretendente ensi-
naram-lbe 0 que havia de dizer ; uus dias
uus, e outros dias outros, estavam sempre
com elle ; que elle podia ter. deposlo muito
mais cedo, mas os seus instructors nio 0
julgavara ainda bem preparado; que elle
naose importava nada com a prova que po-
dia fazer, 0 ^eu fins era ganhar o dinheiro
que lhe tinham promettido.
So dia 17 foram iaquiridos diverse
agentes da policia e guardas de Chataiu, que
reconheceram 0 reo co-.no Joio Lundgren,
que estava cumpriudo sentence u'aquella
prisao.
Harriet Arrend disse ; que 0 reo casou
com ella em Pimlico em 14 de abril de
1867, dizeudo so capilao de naviose cha-
in a r-se John Smith, e obtendo d'ella 100
*- abaudonou-a.
Mr. Lewis, advogado do reo, declarou
que 0 seu constituiute era filho de um pro-
pridtario de navios, bem educado, e que
i'aUava muitas lingu^s ;queo r^osustentava
tudo quanto tinha deposto no tribunal
Queen's Bench, como acontecido a bordo
do Osprey ; que a declaracio feita ao ins-
pector Clarke lhe foi extorquida com a pro-
messa de 0 livrarcra da pena de perjurio ;
que bavia de produzir 11 testernunhas de
defeza.
M -. Onslaw, membra do parlamento, e
protector do pretendente Tichborne, publi-
cou uma cata em sua defeza, dizendo : que
Joao Luie se apresentou ao pretendente
declarando ter sido elle quem 0 salvou do
naufragio, e que 0 pretendente lhe dissu
que nao se lembrava de tal; quo Joao Luie
comprometteu-se a ir a America buscar os
tripolantes do Osprey para serem testernu-
nhas, mas nio os trouxe ; que por isso se
Joao Luie e um falsario, 0 pretendente e
seus amigos foram por elle enganados.
Mr. Whalley, tambem do parlamento e
protector do pretendente, publicou uma
carta no Peterborough Times e no Daily
News, em que dizia : que julgava verda-
deiro 0 depoimento de Joio Luie, apezar
da accusagio de perjurio contra elle dada,
e da declaragio do inspector Clarke.
0$ juizes
haver n'-su
2i>0 iiir.i
ft* di
m^nto.
wuinta teira
TASTES FINANCES.
coounaou 0 julga- oumeroso exorcitd, W qae os sotdados ga-
- 760 reis diarioS, ^Mm de que as mu-
pondo comtijoao Law fn as suas deda- dioaissimas.
2l"rt;"*? d? P*4tnfcr.- e eRes < gastos da guerra. estando orcadCS em
temS? lTri04efla Australia tes- ciaco milhdes diarios, perfart^o cabode
Tem tu-lo a'*)mmar nm excedente de des-
pezi sobre a receita, nl? ioferior a 3.000
milhoes de realea.
Que b.lla perspectira para os portadores
de titulos de dinda puMica hespanhola '
FaHaniodas ya-l CONDEMNAgAO DO DUELLISTA SdUT-
LW^1 *&*?* cus-pZ0s--J*Jou^ no tribunal d assise* de
^dizumjoroal madntSeine-et-Marn) 0 processo intedbdo coatra
gio de um o principe Soutz-i, por causa do doeMo em
que succumbio
0 juiz defeno em parte, mandando c
so hzesse stoMDle uma audiencia por sema-
na para dar tempo a ;omparecera testemu-
nha de novo produzid \
MALVA.EZ.-Em Malaga um homem,
sendo perseguido por am do. atirou-lhe
com uma pedra para sa ltvrar d'elle.
0 c8o afastnu-se, ganindo.
ESTATISTICA LUGUBRE.-No anno de
1873 foram executa 'as'em Franca, 14 sen-
tences de pena capital.
Entre os crimes que deram cans* aquelFe
mvlo S n S,,c"*',daa,ei,t9 2 Ca?lDb. extremo ri8r d4 raeoeionam-se dousr
FOLHETIM.
L7CSECIA SOS&U
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
D. Manoel Feraandezy 6loazalez
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
IX
DE COMO MICHELOTTO, APEZAR DOS SEUS CIN-
C.OESTA ANNOS. E DA SUA ALMA DE LOBO,
PODIA ENTRETER-SE COM O AMOR.
(Contindacio do n. 55.)
ij-.iram-me com Tercseta, e fizeram-me
ho-n-n, porque Tereseta foi causa de que
eu rr incasse um coracao que mc n&o ser-
yi.i pra nada.
A"s seis mezes de casado descobrt que
Ter.-sHia tinha um amante antigo, um pobre,
ui- al teao da sua mesma laia. Tereseta
nS.i nmctteu adutterio porque estava bem
gji -rda la, mas para um marido basta 0
ad'iileno da alma.
S rprendi-a juando estava no terrasso,
olhtn !<> para a exlreraidada da rua no 1111-
mento em que 0 outro lhe fazia signaes de
iiitflligoncia.
- Vj(,-,ne, empallideceu e tremeu com a
presortca de um homem a quem n3o co-
nbecia, e que tinha t fortuna de nSo pos
suir onrac&o.
I .1 momento depots, Tereseta ji nao tre-
xoia. mas em troca estava mais pallida.
Co outro ? perguntou Giacopo com
ir.fiexao particular.
Fsse foi encontrado no dia seguinte
f6ra dos mums, estendiio no cbio sem
Tda.
hzeste; bem, disse Giacopo.
Corn tuMo, proeeguio Michelotto, 0
peccalu dematar eranm peccado grave, e
lui cj!)f-?>sa-lo a um tal D. Rodrigo, que,
apezar de me reprehonder severameote, me
absfilveu Ora, como a penitencia que me
imp >z era rigorosa, conservou me ao seu
servig> pan verse eu a eumpria. Desde
entao servi os Borgias de corpo e alma, c
qu a t dos, menos um, con
Unuf > sorriado-o com todaaai-
11 uj.Io 0 amor que consagrei sempre
a s>'tis pais e a seus irmaos. Voltemos,
poic Uj ao uosso assumpto. Se Tonelta fi-
gims termos inconvenientes.
Voltou-see duu de frente com outro ho-
mem que lhe riuparou um tiro, atravessan-
do-ibe o projectit oventre de um lado ao
outro !
CONCERTOS POPULARES.Estes con-
certos, fundados e dirigidos, ba cerca de 13
annos, pelo compositor e chefe da orches-
tra Pasdeloup, acaharam por introduzir,
tanto no povo, como na classe media de
Paris, o gosto pela musica seria, pela mu-
sics classica. Os concertos populares, fei-
tos aos domingos & tarde, durante o inverno,
sao tao conooi ridus que, a*s vezes, tres dias,
antes ja nao e possivei encontrar um bilhe-
te. Ouando se annuncia algumas das Del-
ias symphonias de Besthoveu, como a j/t-
phonia pastoral, a em d6 rnenor ou outra
qualquer, a enchenle e tal, que muita gen-
te ouve de p6, nas escadas e corredores que
van dar ao enorme amphitieatro, chamado
C/arque d'hiver, qne contem cerca de....
3,500 lugwcs. Comecando os concertos is
duas horas, ]6 se acha desde meia hora de-
pois do raeio-dia, & porta do concerto,
uma comprida heira de gente, que chega
cedo para achar lugar, porque os bilbetes
m ms baralos nao tern assentos especiaes.
0 Sr. Lamoureux, que por vezes tern re-
gido a orchestra nos ceiebres concertos do
Conservatorio de Paris, resolveu aproveitar
estas boas disposicoes do povo, em favor da
musica sacra. Com recursos proprios ( cer-
ca de 25.000 francos ), reunio uma orches-
tra de 300 executantes, instrumentistas e
autores, 0 deu em Paris, no Cirque de
I'lmptrQiriee. nos Campos Elyseos, 0 cele-
ure oratorio de HaendelcompOstoem 1741,
e intitulado Messiat. A execucao foi tal
que muitos dilettanti, francezes e estrangei-
ros, declararam nao terem ouvido melhor,
nem mesmo na classica Allemanha.
0 celebre oratorio ainda nao era conhe-
cido em Paris, no seu todo, e s6 devia ser
execulado tres vezes ; mas 0 resultado ar-
tistico e pecuniario foi tao grande, que ja*
foi ouvido cinco vezes e continuara* a se-lo
durante algum tempo, todas as tercas-feiras
d noite. 0 Sr. Lamoureux ja\ foi recom-
pensado pelo governo com 0 titalo e a con-
decorarao do official da Uuiversidade de Pa-
ris. Entre as pecas appplaudidas com mais
enthusiasmo, notarei os coros : Ah en-
tre nos na&ceu 0 Menino, a Alleluia ; e
as duas arias : Abandonai vossos coracoes
d alegria ( soprano quasi contralto ', 0
Ha pezar semelhante ao seu.
Como se vu a* forca de perseveranQa e de
na se faz com horror notar, a ponto de se
perder a compaixao por scelerados de tal
calibre.
Um dos crimmosos, sabeodo que o ser
filho de vinva, isentava de assentar praca.
matju 0 pai, atacando-o- polas eostas,
jquando andava tgualando os ramos- ds
umas arvores. O pobre velbo nao expirou
logo, e pdde ainda declarar quem fora
seu assassino.
0 outro, homers com preeedentes. pessi-
raos, arrenegadop.irque 0 irraao, coin ju.stis-
simo motivo, nioqueria sustent.T ura man-
driSo, tirou vinganca decepando a gebeca
a* sobrinha, filha do mesroo irmao, creaa-
ca de qn.itro annos, no momento om que
estava na cama I
O malvado declarou, qu sua prkneira
tencao f6ra matar traijoeiramente o irmao;
mas depois lembrara-se que matanda-lhe a
filhinha, lhe fazia maior ma I qne tirando a
vid a elle, por saber quanto a crianca era
estremecida por seus pais I
Fallando-se de execucao de pena ultima
era Franca, lembra 0 oarrasoo Roch e seus
ajudantes, figures "etricas, repellentes, crea-
turas huraanas de quem todos se afastam,
com pavor e despreso levado ao mais alto
grio, homens que se separarn da sooiedsde
como reprobos que se tornam.
Chega a parecer incrivel que haja quem
se preste a exercer um mister para classi-
6car 0 qual nao temos termos bastante ex-
pressivos para expressar quanto e hedion-
do. Roch e seus cinco ajudantes sao obri-
gados a residir em Paris: e dalli quo se di-
rigem aos pontos em que as execacoes se
realisam,
_ 0 chefe dos executores ganha um conto e
oitenta mil reis; os dons ajudantes de 1*
classe, cada um tem setecentos e vinte mil
re"is ; e os tres de 2* classe, qainhentos e
quarenta mil reis, tambem cada um, moe-
da portugueza.
Para a manuteacio dos apparelhos de de-
capitarao recebe mais 0 chefe, um conto e
oitocentos mil reis, com obrigacao de ter
sempre tudo proinpto a servir de um mo-
mento para 0 outro.
Quan Jo estas sinistras figuras sahem de
Paris, teem o abono de mil quatroceutos e
quarenta reis por dia, pago a cada um.
As hospedarias s6 a muito custo recebem
taes hospedes, sendo quasi sempre preciso
a intervencao das autoridades administrati-
vas. Exigem entao um preoo excessivo,
0 principe Sbikfcy arabis
subditos rouman)s.
0 Mincipe Soutzo quiz attribuir 0 desa-
fio, em que oils foi prowcador, a ciumes
da malhercam quem nao vivia, 0 contra a
qual havia propost0 accSo de divorcio. Vi-
via ella, ao tempo em que #se dera 0 con-
flicto, era casa das irraas, uma das quaes
so dizia estava para casar com 0 falle-
ci io.
Soutzo preparara um go'.pe de m&o para
arrancar seu filho, crianca de dous annos
e meio, do podor da mai; sendo, porfm,
apanhada oa fronteira, quando fugia n'uma
excellente carruagem tirada por quatro ca-
valios.
As promptaa dil gencias policiaes dadas
para inutilar o rap^o da crianca, attribuin.
as Soutzo i Shika ; e por isso encontrando-
se eout es e homem que aborrecia,- lhe a-
sentou duas bofetades, em plena rua pu
biica
Este facto, ou outro ainda mais ofTensivo,
passa smn maior novidade entre homens de
babitos mais aecommodaticros, por em. Shi-
ka tinha sido.criadoeedueado em Franca,
pai/. oride estas cousas se eocaram pelo
peior laoW do prisraa, onde sw considera a
offensa da paucada como a maiima de to-
das as affrontas que- se possam imaginar, e
por isso aquellc qu 6 victi.na de uma ag-
gress3o manual, com pa*o ou cbkote, deba-
se colloi-ado ua indeclinavel obrigacio de
buscar Ortsaggravo no campo, por meio do
duello.
Portanto o principe Shika nio se- demo
rou em m zo. Shika tinha seguodoo codigo, todas
as vantageo a sen favor.
Escolbea a pisiola, i vinte passos, sendo
oprimeiro tirouisparadosimukaueamtnte, a
o seguudo a vontade de cada u:n dos com-
ba tent os.
Aos (iri.neiros tiros, Shika foi ferido ao
abdomen, e morreu em breve.
0- tribunal condemnou o principe Soutzo
a 4 annos de prisao ; as- testemuohas deste
a 3 anuos, e as do linado duellista, a 2 ;
afora as custas do processo.
trabalho os francezes, que nio apreciavam
seaao as operetas de Offembacb e a Fille de
Madame Angot, de Lecocq, etc., vSo apu-
ranJo 0 seu gosto musical, apezar de nao
lereiu, como e sabido, 0 ouvido tao delica-
do como 0 nosso. No dia em que nos de-
cidirmos a seguir deveras a correnle artis-
tica, cessaremos de ser conhecidos naEuro-
pa s6 pela riqueza de uossos productos na-
turaes, ve-lo-hemos tambem pelas obras ar-
tisticas, e isso com esforcos relativamente
muito menores.
zesse 0 mesmo, e eu Ih'o provasse ao se
nhor, que me diria entao ?
Dir lhe-hia que a nao matass?.
0 que ?
Sim, dir-lhe-hia isso, porque seria eu
quem a matasse.
Vejo, pois, que nos eutendemos.
Perfeitaraente.
E', porem, uecessario que noseaten-
damos acerca de outras cousus.
Queira dizer.
Que foi que prometteu ao Sr. l.udo-
vico Ariosto ?
Averiguar como se chima a senhora
que esU no castello de Cento.
Ah I com que entao prometteu isso ?
A verdade e que se 0 capitao Rodolpho lhe
nao tivesse dito que no castello de Cento
havia uma senhora, nao teria voce promet-
tido cousa alguma. Torno a repetir, passe
dentro de duas ou tres horas pelas proxi-
midades do castello de Cento, olhe para as
suas barbacas, e 0 que vir n'ellas sirva-lhe
de aviso.
A que respeito ?
A respeito de ser faliador. D6 gracas
a Dens por eu amar sua filha, porque a nSo
ser isso, 0 saber que no castello de Cento
existe uma dama iucognita, podia custar-lhe
a vida.
Mas quem e 0 senhor para assim
ameagar-me T
Sou satanaz. Disse ja a alguera que
no castello de Cento existia uma dama T
Disse 0 ao Sr. Ludovico Ariosto.
E a ninguem mais ?
A ninguem mais.
E quando foi que 0 disse ao Sr. Ludo-
vico Ariosto ?
Meia bora antes de 0 encontrar ao
senbor.
Segundo parece, 0 Sr. Ludovico Arios-
to flcou na sua casa de guarda.
Sim, senbor, ficou esperando.
Pois bem, jure-me pela sua almae
rla vida de sua filha que a ninguem mais,
nxcepcio de Ariosto, disse que no castello
de Cento existe uma desconhecida.
Juro pela minha alma e pela saude
da minha filha. 0 capitao Rodolpho disse-
in'odebtixo de segredo, porquo en n&o
teria deixado que a Tonetta fosse pnra 0
castedo de Cento, se nao tivosse sabido que
ia pa/a a cornpanhia- de uma graude dama.
Visto isso, 0 capitao Rodolpho tem
todo o direito de sc queixar de vocc.
Eu nao sei tv.-gar cousa algum* ao Si-.
porquanto em sendo sabido que os carras-
cos vao ser alojados, todos os demais hospe-
des se ausentam, e nenhum forasteiro U
poe 0 pe, emquanto sabem que semelhante
gente se nao retirou.
Os donos das hospedarias se querem tor-
nar a ter hospedes, sao obrigados a publi-
camente, partirem, despedacarem, queima-
rem, pratos, cepos, roupa, tudo emnm que
haja servido aos carrascos.
De ha dous annos para ca" nao se arma
plata-furma ; a guilhotina e collocada sobre
um estrado baixo.
Ludovico Ariosto.
Porque T
Porque a um homem como o Ariosto,
que e 0 orgulho da nossa patria, nao se po-
de negar cousa alguma.
Malditos sejam os poetas que enlou-
quecem toda a gente I E, diga-me, come
era que pretendia averiguar 0 nome d'essa
dama ?
mm Dirigindo-me ao capitao Rodolpho,
pedindo-lhe para ver a minha filha, e cora-
prando-o mesmoi forca de dinheiro porque
e muito interesseiro ; por um escudo e ca-
paz de vender a alma ao diabo
Mais uma razao, disse Michelotto.
Para que ?
Para nada ; passe como lhe disse,
dentro de duas ou tres horas junto do cas-
tello de Cento, e olhe para as suas barba-
cas. Mas, continuemos. Como lhe diria
sua filha 0 nome d'essa dama se ella mesma
0 ignora t
Pois que, minha filha nao 0 sabe T
Estou certo que nao. Essa dama,
quese encontra deshonrada, nao dird a
pessoa alguma 0 seu nome.
E co aw a trata minha filha ?
Por senhora, e e bastante. Hoje, po-
re'm, deixara de lhe dar ease tratamento,
por isso que vai ser minha esposa, e por
cooseguiute tao senhora como ella.
Hoje 1
Certamente. Voltemos, porem, a sua
casa.
0 Sr. Ludovico Ariosto recommendou-
me que nao dusesse a pessoa alguma -que
elle esta alii.
Com mil diabos l exelamou Michelot-
t), voce e capaz de me fazer esquecer de
que e 0 pai da minha noiva. Vamos, cami-
nbo adianto e nao me replique mais.
Giacopo, que se sentia ja dominado por
Michelotto, nao se atreveu a replicar ; poz-
se a camioho e metteu-sa pelo atalho da flo-
resti.
A meio do camioho disse-lhe Miche-
lotto t
Entre essas arvores ehcontrara um
civallo preso a uma d'ellas ; sohe-o e le-
ve-o para a sua casa.
Giacopo metteu-se por entre as arvores
e Michelotto seguto 0 seu caminho.
Pouco dopois entrava na casa do guar-
da.
N'um apn-.eoto mesquinho e rustico es-
tava assentado sobre um banco tosco,
Ariosto com os ootoveilos apoiados a.3 joe-|
J0R1SPRPDEWCIA
Allneiieuu do desenihar^ador JL
B. <-oiical*-* I anipos. presi.
dentr da relapfto de Porta-Ale-
re. na ucto de insiallar a
naeansa relacdo em 3 de feve-
reire do eorreate anno de
1894.
Senhores.Realisada se ach, nes a
imnortante parte do imperio a promessa do
artigo 15S da constituigao politics Para
julgar as causas em segunda e ultima ins-
tancia havera* nas provincial do imperio as
relagoos que forem necessarias para commo-
didade dos p tvos. n
Congratulemo-nos com os seus habitaDtes
por este memoravel acontecimento, que col-
loca a justica de segunda instancia mais
proxima dos seus administrados.
Cumpre-nos agora a n6s outros que com-
pomos 0 tribunal, e aquelles qne perante o
mesmo comparecem, requerern, solicitam,
advogam, servem. ou respondemque nos
compenetrcmos das obrigaooes, deveres,
direitos que temos de exercer pautando o
nosso compjrlaraento pela nor ma precei-
tuada pelas leis, e regulamentos expelidos
pelos poderes constituidos; e regularmo-
nos pelos dictames da consciencia, da razdo,
e da equidade impressos na nature/a do
homem pelo creador de todas as cousas;
preceitos e dictames cuja pratica a socieda-
de exige a cada passo, a cada momento.
Pecamos a Deus que nos conceda a graca
de termos sempre presentes a memoria os
juramentos que temos prestado desde que
fomos laureados com o grao academi-
co ate ao que neste momento acaba
mos de proferir neste recinto: que
as paredes deste edificio sd repercutam
as vozes de ducisoes de justica indefec-
tivel, e de equidade, quando tenhamos de
applicar a lei aos factos occorrentes : que
ihos e a cabeca entre as niaos.
Oh I muito p'ensativo o encontro hoje,
meu visinho, disse Michelotto.
Ariosto ergueu a cabeca e deixou ver
uma expressao de sorpreza e de contrarie-
dade ao ver diante de si Michelotto.
Poraqui, Sr. Rugiero de Monforte 1
replicou elle dominaudo-se 0 pondo so cor-
tezmente de pe\
Que quer, Sr. Ludovico Ariosto ? ve-
nho encoutra-lo no meu terreno.
No seu terreno ?
Creio que deve ter uotado a minha
ausencia da minha casa da rua de Mira-
sol.
Sim, porque estava habituado as suas
visitas ; suppuz, porem, que tivesse sido
forcado a alguma viagem repentina, e que
nao tivesse tempo para se despeJir de
mim.
E, com effeito, Sr. Ludovico ; uma
ordem & qual tive de obedecer immediata-
mente, fez-me trasladar para Cento, de cujo
castello havia sido nomeado governador
ainda que secretamente.
An I 0 senhor e governador secreto
do castello de Conto 1 perguntou Ariosto
com grande intercsse.
Sim, senhor.
Porem ninguem 0 podia nomear para
esse cargo senao a gra-duqueza, que na au-
sencia dog-ao-duque governa Ferrara.
E, com effeito, a gra-duqueza esco-
lheu-me para esse cargo elevado.
Ella couhece-o ?
Muito.
E tem coofian^a em si ?
Muitissima, por causa d'ella ost-ju em
Ferrara, porque se nao fOra isso, sabe Deus
onde estaria
Nunca me disse semelhante cousa.
Nao houve opportunidade para isso.
Ha, porem, muitas outras cousas, que0se-
nhor mo nao disse tambem.
Que cousas ?
Que estava casado occultamente.
Casado eu I
Sim, cjm Gmcbra Malatesta.
Ah pois sabo...
Sim, a duqueza sabia-o, e eu sube 0
pela duqueza ; porque Lucrecis Borgia nao
temsogredos p ra mim.
Tao granJa e" a coufiinga que deposita
em si ?
Ao ponto dedispor da minha alma.
Continuemos, porem, fallando das taes
cousas que 0 senbor me nao disse, Um
a Brevencao, um dos raaiores ioimigos, quo
antolbar-se podem i imaginagio do juiz
para obscurecer-lhe a razao e rrnpedir-lbe4>
descobrimento da verdade, a despeito mesmo
de M|r ,|hwllajl^, jfr acert ,r> ni0 possl
penetreros umbraes deste edificio, e se arre-
de para longe dos nossos pensmentos, dei-
xando-nos a posse plena do espirito de justica
definida pelo imperador Justiano Constant
etperpelaw.valuntas suum cuique tribuen-
dis } prevengao detestavel contra a qual
Cezar premUoia os senadores rommos que
tinham de julgar os cumplices da conjura-
cao de Catiljna.Omnes homines, Patres
conscriplir'qui de rebus dubiis consultant,
ab omni odio, amicitia, atquc misericordia
vacuos e$i0 decet ; a que os actos deste
tribunal pelo seu acertoeconsuiote rectidao,
gerem no espirito da populacao em ^eral, e
do litigante em particular,a convicr,aode que
0 forte ou poderoso podera, se quizer, arrazar
montanhas, ou entulhar valles ; mas nao
conseguira^suffocar a justica que ao fraco
assista ; e que para obte-la nao e necessario
p squisar patronos- que vSo bater & porta do
juiz e supplicar-lb-a-corao um favor nao s6
a brevilade da deciaao do plcito, mas tam-
bem a justica que ella tem e allega. E' ne-
cessario arraigar no espirito' da popal'a^ao
esta idea por forma tal o/ie ella n5o jalgue
mesmo do seu dever de civilidade o ir a
casa do juiz agradecer-Ihe a' decisao de jus
'ti^a qoe receb^u Virtudte I o que es t*?
A toga respeitada, obastdo militar nao dao
bonra sem ti; dao vituperio-1' (Dr. Jose"
Bonifacio de Andrada e Silva -Ode a vir-
tade.) -
TranquiH* a nossa patria ; no- gozo da
pa*inlemar esforcjando-se por mauter a
externa, emquanto a honra do pair offen-
dida nao o obriga a desembainhar a espa-
da 5promovendo os-governantes egover-
nados, com ardor, a-eJucacio popular ao
primeiro aceno do imperador, offerecendo
O povo a infanda e C* governo ao povo no-
bres edificios de educa^ao litteraria e indus-
trial :crescente o movimento e artividade
das fibricas, do-oommereio, e da agri.ul-
tura, por meio daqyal os nossos eocter-
raneos se aprovettam da ex-uberante uber-
dade com q-'ie anatureza- dotou o nosso
rico e fjrm >so- solo:divulgando-se as
sckocias- por mais largo circulo de alumnos:
a viagao- terrestro e maritima multipHean-
do-se, e apresentando os resultados utiMrssi-
mos de certeza mathemaiiea que lhes daoos
engenhos a vjpor :a communicacao do
pensamento pela palavra transraittida por
sobre a suporfvcie da terra, e por debaixo
das on las do oceano por raeo djs fios e
cabos ekotricos, com a rapidez do reiam-
pago (quasi maravilha- do nosso seeulo)
borda o aosso littoral, ramifica-se para o
interior do imperio proximo a communi-
car-se, instantaneamente,. com todos os ha-
bit rates- do globo ate os antipodas : estes,
e outros muitos, sao faetos de progresso
evident*, muitos dos. quaes nao gozavamos
na epoca da proclaiiiaguo da nossa indepen-
cia (para nao fallar de tempos antierio-
res.)
No ratio, pois. deste progresso que se
apressa, e nos cerca, nas seria toleravei,
seria anachronico, que a camo da adminis-
trajao da justica e os. seus processos perma-
necessem estacionarios, rotraeiros, obsoletos
Cumpre, portanto, estudar mais, experi-
mental praticar, executar, melhorar. Os
corpos legislativos provinciaes teem decre-
tado novas comarcas e censequentemente
varas de juizes, sempre que 0 entendetn ne-
cessario ia localidades : 0 numero destas
creajoes tem augmoatado. 0 poder legis-
lativo geral, nao ha muito, tentou raelii >rar
0 processo, abreviar as decisdes, assegurar a
libordade individual contra os erros, pre-
potencias, arbitrios que a constrangiam :
protnulgou uma lei de reformas j.udiciarias ;
e agora deu 0 importante passo da creagao
dos novos tribunaes de relacie, dissemi-
nando os pelos principaes pontos uecessita-
dos do imperio, no feliz reiuado do nosso
augusio imperador o Sr. D. Pedro II, quo
se desvela pela felicidade da sua e nossa
patria. E eis aqui coustitui Jo o tribunal
da relacao da parte do sul do imperio, na
capital da muito importante provincia de S.
Pedro do Rio Grande do Sul; capital favo-
neada pelo bello e saudavel clima da zona
temperada; aaabada pelas agsa erystali-
nas de nobres rios ; embellezaJa pela uatu-
reza de uma paysagem riaonha e formosie-
sima ; oruada. do edificiai publioos da pala-
ci.l arclheatiri ; rjovoaii da brioaos ha-
bitantes ; com justa ratio denominada Ci-
dode de Port AUgre.
Bamdigamos a Providencia, e ao poder
legislativo qne 0 creou, ao exaeotivo qua 0
effectuou. Cungratulemo-nos com o povo
boneficiado pelo* delegados da nacio.
Tenbo fe e comigo a tem os meus illus-
taes collogas, a quem tenho a bonra de
presidir, de quo, mediante 0 auiilio da
m vina Providencia, bave.aof de cumpnr
missau que nos foi confiada ; e que na exe-
cucao fiel das leis, regulamentos do tribunal
e do proc sso acompauharensos o progresso,
que tao perfunctoriameale apontei, de
que, feliz neote, se acba abfmada a nacio
inteira.
Termioo esHa breve allouvcio repetindo
as palavras do coraeco: Estt installado o
tribunal da relacao- do district* das provin-
cias de S, Pedre du Rio Grande do Sal e
Santi Catberina.
Agradecoaos Srs. aspecUdores-, queso-
lemnisarara este acto coin as suas presen-
ces-.
Eati encerrada asessao.
dia desapparecerara de repeote Genebra Ma-
latesta e Luigbi Barthelemi. 0 senbor
ignorou tudo isso ate" que uma noite houve
um homem que na camara do Vaticano,
em Roma, lhe entregou uma carta fechada.
E esse homem era o senhor ?
Era eu.
E, diga-me, exelamou Ariosto com
calor. Genebra atraicoou me ?
Nao, escroveu contra sua vontade a
carta que 0 senhor leu, porque era mai e
teve medo pelo seu filho.
Mai I Mas esse filho... de quem e
esse filho ?
De quem ha de ser senao seu, Sr.
Ludovico Ariosto ?
Mas Genebra nao casou com Luighi
Barthelami ?
Nio, nao houve nida de commum
entre ambos.
Porem... quem urdio esse traraa in-
fame?
Lucrecia Borgia, por ciumes.
Crames I
Sim, porque 0 adora, porque e* 0 se-
nhor 0 unico homem a quem tem amado...
mas. silencio, sinto passos de cavallo ; e
o guarda que se aproxima. Siga-me, pene-
traremos na floresta, e poderemos fallar a"
vontade.
Ariosto e Michelotto sahiram, e este ul-
timo disse a Giacopo :
Tire 0 freio ao meu cavallo, para que
possa pastar a herva, e voce nio se tire d'a-
qui ate qua eu volte.
E afastou-se com Ariosto penetrando no
bosque.
Ariosto tomou a palavra e disse :
0 senhor acaba de diasr que Lucrecia
esta namorada de mim, e que sou 0 unico
homem a quem tem amado. Como soube
isso, se eu o nio disse a ninguem ?
E' muito justa a fama de que goza,
de ser muito reservado acerca dos favores
que obtem das damas ; mas succode que
aquillo que 0 senhor calla, diz^m-n'oellas,
e a sua vaidade imprudente, tera-lhe occa*
sionado mais de um couflicto
Feliz nente, agridnqieza so c-mfiou de
mim q.10 o ama, e eu sou cdUd 1 como um
tuinub. Foi essa a raz8o porque ella rne
eocar.*egou do negocio de Genebra.
N'esse c'aso, atraicoou 0 senhor a mi-
nha amiza le, disse Ariosto com energia.
Qujira aceitar as minhas lescnlpas,
mas pertengoera c rpo e alma & gra-duque-
za. Com tudo,neste uionienloestoj atr*a,i-
A- RESPEITO' DO W1GOC10 DO M*KECHAL BaSaSOt
EX-CMMAKDAITE EM CHBTE DO tXMClTO
DO R-atNO.
AaDIBNCIA SC 25 DIC \OVEMBftO
[Continuofdo)
PIQue sttuacAe- se creou- i praca de
Metz ? K ^^
R.Ate 22, o pensamento de todos era
qae a sort* do exercko devia ser distiucta-
da da .cidade.
P^Fez a> general B selco esta phrase do Sr. de Bfemark :
POrmais severas qiwsejim a* condi^des-
da paz; e necessario que a im^ratriz as as-
sigue? )'
Rh -Nie.
P-Fallou o general Beyer d* general
Bourbaki, quese tinha puto a JSsposicao
do governo da defeza T
R..-Ao conserbo, nio;- mas no dia se-
guiute perguntei'ea por uoaeiasdo general
Bourbaki. Tinha obtido uma aurorisacao
para voltar a Metz, a qtial'aio servio. 1ns-
tava para obtcr segunda. Parti de Versail-
les, e voltei aqui, a Metz, antes que efte a ti-
vesse p idido alcaaeer.
Presidente.Chamai o general Coulaie-
res.
A testemunba repetio 0 que se tinha passa -
do no conselho di 10 de outubro.
P.Havieis esjnpto, por oocasiio d'esaa
reuniao, que nao-tinheis viveres seoio ate
18, 0 para mais dous dias, pop isso qae com
ditficuldade chegariam a 20. Como e qne
succedeu que elles alcangaraasate* 29 ?
R.Foi porque as nossas pequisicwes Q-
zeranvcom quese encontrsse alguns man-
timentos nos armazens.
P. Fez-vos coabecer 0 geaeral Beyer as
inteuQpes do Sr. de Bismark, rm que toca i
praga de Metz ?
R.Nio. Mas-ate 28, a pra$a eoexerci-
to estavam, explicitameute separados um do
outro.
Todas as perguntas de datolhe que ti-
nbatn sido formuladas as preeedentes teste-
rnunhas, foram tambem dirigidas a esta, a.
qual, uiostrando.se admirada, com difficul-
daJe so-rucorda e coufirma as precedente.-
respostas.
O general Pbucert. N'uma converse que
tivestes a 20 de ouiubro, com- 0 doutor Le-
fort, havieis dito que a capitulacio teria
lagar em 29i?
It.Posso ter fallado da penuria de vive-
res, e calculado a data pro ravel da ceplta-
acao.
Presidente.Mandai cbamar 0 general
Jarras.
A tesle-munlLU, assistio as reunioes- que
houve em outubro, mas nao teve n'eUas vo-
to deliberativo.
A's iuterpellagoes que se- lhe dirigiram,
0 general Jarras conlirmoa as infurmacoes
colhidiis. de testemunba que acabava de ser
ouvida.
Qntinuor~se-ha.
goaivlo-3, porque lh* revello cousas que
nio devia rcvellar. Veja se o estimo ou
nio.
Agradeco-lhe, Sr. Rugiero, ao mes-
mo tempo que deplore que fosse o senhor
quem servisse de instrumanto para ella
levar a cabo a sua intriga contra raua &
contra a infeliz Genebra. Acabo, porem.
deser amigo e diga-me : Geuebra vive ain-
da ? E' ella a dama que esta eueorrada
no castello de Cento f
E' ella.
0' meu Deus I exelamou Ariosto, nio
sabe 0 bem que me fez. Eu havia renega-
do de Geuebra, porque a julgara iufame ;
ha dous dias, porem, vacillei: encontret
um mysterio em uma sepultura da igreja de
S. Francisco.
Ah 1 sim, na igreja de S. Franc'Ko,
ao pe* do presbyteno, do lado da epistola,
ha umtumulo de raarmore preto no qoal
se 16 :
Aqui lepousa 0 cavmiheiro
Luighi Barthelemi
Exactamente; aquelle nome obrigou-
ne a pedir algumas nobcias ao superior do
convento, e soube que ha cinco mexes se
encontrou entre o lodo, na uniao do Rheno
com 0 P6, 0 cadaver de Luighi Barthelemi
com o craneo despedacado, e fdra enterrao*
na igreja de S Francisco, ignorando-se o
qua dera causa a sua morte Parecea-me
ver em tudo is to um crime que tinha rela-
gao com Genebra e esta manhi tomei o ca-
minho do Rheno. Perguntaodo aqui e alii,
logrei saber que ha cinco mezes tinham
pas-ado por Cento duas liteiras eacoltadas
por homens de armas, parando no cas-
tello.
Ha sempre um curioso impertinante
que ve essas cousas.
Perguntaodo mais, informaram-me
de que uma filha do guarda Giacopo Semi
abandon.wa a cabana de seu pai put ir ha-
bitar no castello de Cento, e accrescenta-
ram que desde entio se via lui de noite
atravez das gelosias da tone grande e do
casWRo. Como era natural, propuz-me
averiguar se Genebra habitava o castello de
Ce^to, e para isso vim ter com 0 guarda
Giacopo.
Eeu qie tenho bom faro, sahi-lhe ao
euc nlro, mis aniroalo do um verdadeiro
affecto,
ont uiuor-Xtf-Aq)
f VP.OODIAKIO.-RUrt'prjQW DE C.AXLS


\
J
Iti 1 '^^^mmmmmm^mmmmmmmmmmmmm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELKNUPXZH_UCKDI6 INGEST_TIME 2014-05-21T22:35:03Z PACKAGE AA00011611_16953
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES