Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16952


This item is only available as the following downloads:


Full Text
w
V
ANNO t. MJMERt 7 *T8f *h ih U
i
%
>


P4M4 A CAPITALS LUGARES OWK llff SKPACA POBTE
Por ires raezes adiaaudos............... 89000
tftor sejs ditos iten>..................1*0000
Tor urn anno idem. ......,......24$QQ
Cada numero avulso................. $320
Ffn *? *J
gOBTA REIftt II K MARCO DE M74
FAB A DHNVMfi FOB.IM PBO VINCI*
Por tres meaea-adiantados............. 6*750
Por seis ditoe-idena............... llMoO
Por nove ditaesdeaa................- 9O0MO
Por um anno idem................. 27J000
?
DIARIO DE PERM
'
PROPRIEDADE DE HANOEL FIGUEIROA DE FARIA ft FILHOS.
9l Sra. Gertrdo Antonio A-Wead Fiihos,no Pari; Goncaltea d Pinto, no Marannaof Joaquim Jose" de Oliveira d Filho, no Ceara"; ^J01"0 de Leruug firaga, no Aracatj ; Joao Maria Julio Chare*, no Assur Antonio Marques da Silva, no Hatal; Jose1 Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxcncio Monteiro da Franca, na Parahjba ; Antonio Jose1 Gomes, na Vila da Peaha; Be.'armino dos Santos Bulcao, em Santo Autio ; Domingos Jom da Costa Braga, emHaxaretb;
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goy&ima; Joao Antonio Macnaeo, no Pilar das Altf d ; Aires d C, na Baixia; e Leite, Cerquinho d C no Bio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Governs da provincia.
UTKDIKNTK DO BIA 2 DE OBEEMUUO 1>E 1873.
I.' StCCit.
fWlBrf
Ao Exra. brigadeiro eemmandanle das annas.
Strva-ae V.TSxc. de mandar pdr em liberdade o
recruta lldefonso de Almeida e Albuquerque, que
provoa isencio legal.
Ao mesa). Sirva-se V. Ew. de uundar
por em liberdade o recruta Miguel Loil da Silva,
qae provoa iseaca i legal.
Ao mesmo. Sirva-se V. E:-.: du mandar
por em liberdade o recruta Jose Muniz de Olivei-
ra, visi i ser elle ineapaz do servico, segundo o
termo de inspeccio annexe ao sea offlcio ae 21 do
corrente, sob n. 1,219.
Ao mesmo. Transraitto a V. Exc, em sa-
lisfacio ao seu officio de 20 de novembro proximo
passado, a fe de oflcio do tenente Jose Plac do
Lucas Bion, passala pelo 5 batalhiio de infan-
taria.
3' seccao
Oflneios:
Ao inspector da thesouraria do fazenda.
Maade V. S. pagar a Auguslo Caors & C. a quan-
tia de 180i, importaucia de medieamentos envia-
dos para o Rio Forraoso e Limoeiro, coastaaies da
conta junta, como solicita o Dr. inspector da saade
l*ublica em officio de 27 do corrente.
Ao mesmo. Ten lo nesta data aboaado ao
iuiz de direito interino da comarca de Palmares,
'Manoei Auues Jacome Hires, osdiasl,2,3eldo
corrente met, visto ter elle delxado de exercer as
rospactivas funccoas nesses dias por motive de
molestia, assim o commanico a essa tliesouraria
para os devilos flat.
Ao mesmo. Dando provimento ao recarso
interposto por Francisco de Paula Machado no ro-
querimeato que Ihe devolvo, e a que se refers sua
ioformacao ae 26 do corrente, son n. 290 serie F,
autoriso V. S. a mandar releval-o da multa em
que incorreu por nao haver communieado no
praso legal o fallecimento de ana oscrava Vir-
tuosa.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
devidos fins, que a 10 do corrente assumio Samuel
Panlaleao Henrique o exercicio interino do cargo
de promoter publics da comarca de Itambe.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
devidos fins, que a 20 do correnta reassumio o
bacharel Ernesto Vieira de Mello o exercicio do
cargo de promotor publico da comarca de Palma-
res, qae deixou'a 18, por incommodo de saude.
Ao mesmo. Attendendo ao que ex?oz essa
tliesouraria em ofllcio de 26 do corrente, sob n.
295 serie F, relaiivo ao reqaerimeoio do bacharel
Joao Diniz Ribeiro da Cunha, che;'.- de seccao da
secre;aria desta presidencia, autorisj V. S. a pa-
gar ao mesmo bacharel, sob minba responsabilida-
dc, a quiota parte do ordeoado de secreurio da
uiesma, por ter exereido este lagar desde 21 de
abril a 2 de maio do corrente anno,
dencia.
Ao inspector da thesourari:-. provincial.
Autoriso Vmc. a mandar entrogar ao prefeito da
Penha a quantia de 300A, pela caixa Asylo de
mendicidade ; devendo a dita quanlia ser levada
a conla do debilo da caixa do patriawnio do or-
phaos.
Ao mesmo Reraetto copia de dous docu-
mentor que me enlorecou o Exm. presidente das
Alagoas, dos quaes se evidencia o procediraento
que teve Alpiniano Machado da Cuutaa Parauhos,
ngente de rendas desta naquelia provincia, afim
de que Vmc. tomando Da sua davida I'onsiderajao
resolva como for conveniente.
4.' seccao.
Acto :
0 presidente da provineia..
com o disposto no art. 2i da ioi
inaio de 1804, resolve remover a seu pedido o pro
iestor publico da cadeira de instrae^ki primaria
para a do povoado da Boa Viagom, vaga pela re-
mocao que obteve por portaria de ii do corrente
ii professor desta cadeira para a da freguezia da
Gnea da Capunga.
Odlcios:
= Ao Exm. presidente da provincia das Ala-
goas. Em vis;a do que pede do incluso reque-
rimento o cabo deesquadra do 2- batalhao de in-
fantaria, Manoei da Silva Paes Barreto, rogo a V.
Exc. se sirva de transmitlir-me um documento do
qoal conste que a rejerida praQa marchou em ou-
tabro de 1867 para a campanba do Paraguay, na
qualidade de voluntary da patna, em urn contin-
geate dessa provincia commandado pelo msjor
Ilvpolito Antonio Ribeiro.
Ao director geral da instruc^io publica.
)umpre que Vmc. remetta ate o dia i de Janeiro
proximo relatori), cujas bases Ihe enviei em of-
licia dc 11 de setembro ultimo, atim de satisfazer-
66 o que exige o Exm. minislro do imperio em
aviso de 30 de agosto passado.
Ao commissario vaceinador provincial.
Remetta Vmc, m brevidade, a secretaria da pre-
sidencia alguus tubos com lympha vacoinica para
serera fornecidos ao delegado do termo do Limoei-
ro, eonforme solicilou o Dr. chefe de policia em
nfflcio de 26 do corrente, sob n. 2,085.
Ao presidente e mais membros directores da
bociedade Propagadora da Instruc;ao publica.
Para satisfazer ao que cxige o Exm. minutro do
ijiperio em aviso de 30 agoslo ultimo, qaeiram
V. Ss. informar no qae disser respeito a essa so-
ciedade sobre os quesitos impressos quo a este
acompanham.
Releva dizer que semelhantes iDtbriBaeoea tendo
instraccio do paiz, devem ser circumstanciadas,
de modo a tornarem bem conhecidos os bons ser-
vico* que vai prestaud) essa sooiedade, cumprin-
do que sejam minislradas ate o dia 15 de Janeiro
proximo futuro.
A' commissio encarreada de ediflcar uma
< de escola publica no Rio Formoso. Quti-
jam Vv. Ss. informar ate o dia 2 de Janeiro pro-
ximo, em que esUdo se acha a casa de escola pu-
l)lica, que se offereceram para ediiicar nessa ci-
lade, ifim de gatisfaier-se nesU parto o que exi-
ge o Exm. miaistro do imperio ea) aviso de 30 de
agosto ultimo.
3*. stcfSi.
Acto .
0 presidjnte da provincia, osaudo da attn-
buicao qae Ihe confere o artiga 19 do coatracto
celebrado em 12 de abril de le~2 com o major
BaUarmiuo do Rego Barros e outros para o trans-
exercicio do cargo de promotor publiso interino
comarca de Itambe.
4? UCQ&O.
Offieios :
Ao director geral da instruccao publica.
Commanico a V. S., de ordem do Exm Sr. presi-
dente da provincia, que por acto desta data resol-
veu remover, a seu podido, o profeuor publico da
cadeira de instruccao primaria da cidade de Na-
tareth, Claudino Gomes Barreto, para a do povoa-
do da Boa-Viagem, vaga pela reraocao que obteve
por portaria de 22 do corrente o professor desta
cadeira para a da freguezia da Graca da Capunga.
Ao Dr. inspector da saude publica.De or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, co.u
miuico a V. S. que da-se ordem a thesouraria de
fazenda no senti Jo de pagar a Auguslo Caors A
C- a importancia de medicamentos remettidos_para
Limoeiro a Bio Formoso ; como solid la V. S. em
officio de 27 do corrente.
Ao prefeito do hospicio de N'ossa Senhora
da Penha -De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, communico a V. Rvma. que a thesou-
raria provincial esta autorisada a entregar a V.
Rvma. a quanlia de 3O0A-
5." secgao.
Officio :
Ao major Bellarmioo do Rego Barros. S.
Exc. o Sr. presidente da provincia mania comma-
nicar a V. S., para os fins conveuientes, que aesta
data noraeou fiscal da compaithia lacomotora, da
?ual sao cessionarios V. S. e ouiros, o engenheiro
hryssolilo Ferreira de Castro Chaves, percoben-
do a gratificacao mensal de 150S. na forma do
respectivo coatracto. Comraunicou-se ao no-
meado.
uj confcrmi'lade
c. 596, de 13 de
OBSPACUOS DA PBESIDENCIA, DO DIA 9 DE M^RCO
DE 1874.
Francisco Augusto Pereira da Costa.Deferido,
com officio desta data, a thesouraria de fazenda.
Franeisca Ladovina Ribeiro Bacellar. Sim, na
forma da lei.
Gertrudes Magna da Silva Salles. -Iaforiie o
Sr. Dr. director geral interino da instruccao pu-
blica, .
Jo3o Antonio da Silva Pereira. Deferido, com
ofllcio desta data, a thesouraria de fazenda.
Bacharel Jose Baptista Gitirani. -Remetta-se
a junta da Santa Casa para que informe.
Manoei Vicente da Cunba Junior. Sim, pres-
tando fianca no praso {improrogavel de 60 dias.
Manoei Fernandes da Costa & C Em face dos
fundamantos produxidos pela thesouraria provin-
cial, nego provimento ao recurso interposto pelos
supplicantes.
Alferes Marcelano Rodrigues Pereira.Ao Sr.
commandante do corpo de policia para attender
ao supplicanle.
< umtuundo das ariaaas.
jUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE WSRNAMBUCO, EM 10 DE MAR<;.0 DE
1874.
OiiteiH do dia n. 80s}.
0 brigadeiro commandante das armas, fazpu-
blicar abaixo, para conhecimento da guarni;ao e
devido effcito, o aviso circular do mmisterio da
guerra de 26 do fevereiro ultimo, que Ihe foi por
copia remettido pela presidencia com officio data-
do do hontem.
Aviso.
Circular. Ministerio dos negocios da guerra.
Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 1874. -Illm. e
Exm. Sr.Chegando ao conhecimento deste mi-
nisterio que era algumas provincias se tem abu-
sado da disposicao contida no aviso circular de
11 de dezembro de 1865, abonando por tempo in-
determinado aos medicos civis contratados, quan-
do doentes, soldo e etapa, sera ao raenos procedor
inspecc-ao de saude e a consequente llceuca da
autoridade respectiva, e cjuvindo que fiquc bem fir-
mado o principio de que laes medicos se devem per-
ceber veocimentos pro labore, declaro a V. Exc,
para seu conhecimento e devidos fin>, que a dis-
posicao do citado aviso circular e somente appli-
cavel aos medicos civis doen'.es, ate 30 dias, no
caso de excederem este prazo, serSo rescindidos
seus contratos.
Deus guarde a V. Exc-Joao Jose do Oliveira
Junqueira.Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco.
Cumpra-se Palacio da presidencia de Pernara
buco. 9 de marco do 1374.Lucena.
(Assignado.) Afanoef da Cunlia Wanderley
Lins.
Conforme. 0 alferes Jose Ehziario dos Santos,
ajudante de ordens interino, encarregado do do-
talhe.___________________________
DlARlUDEPERSJAJxtBlJUO
RECIFE, 11 DE MARCO DE 187 .
Viticia* da Europa.
Hontem, as 6 horas da tarde, fundeoa no lama-
rao, dando a mala ao correio as 7, o vapor inglez
Aconcagua, trazendo datas de Lisboa ate 25 de fe-
vereiro, dous dias mais modernas que as trazidas
pelo francez Mendoza. Eis o que coihemos de
jornaes e iartas:
FRANgA.
A imprensa franceza occupou-se da carta do
Sr. Rouher, antigo ministro do imperio. tomando o
septenado sob a sua proteccao. 0 governo nao e
poupado nests discussao, e nao tem de que se
queixar, pois estao colhendo o fructo das suas ten-
tativas junto do imperialismo ; a imprensa gover-
namenlal esforca-se, pois, por torturar o pensaraen-
to do antigo vice imperaior e em attenuar a im-
portancia da manifest ica Como ello repellio em tempo a prorogacio dos
poderes do marechal Mac-Mahon, a imprensa se
mi-offlcial oppoe Ihe a prolissao de fe de Mr. Seus,
que nas ultimas eleico.es em Pas de Calais, linha
feito acto de adhesio ao governo de 24 de maio.
Tudo isto nao tem grande valor. Fica, porera,
registado que um regimen condemnado em plena
asserablea nacional, pela quasi totalidade dos seus
membros possa hoje vir dizer em face de um po-
der esUbelecido, e sem que este com isto so airova
a formalisar-se, que passado um aeterminado pra-
zo, e preciso que este ceda o seu lugar ao herdei
ro dos Bonapartes.
Os jornajs moderados como a Prance exprimem
a esperanca de que a carta do Sr. Rouher ha de
abrir os olhos aos deputalos da direita e lhas fara
comprohender que em falta de republic, forte e
prudentemente organisada, as massas do suffragio
universal voltario para o imperio.
0 Tempt entreve tambem os mesmos parigos,
iwrte degeneros, bagaaens e mercadorias, resolve! como umaconsequencia logica da impaciencia do
uoinear o.;ng--nheir:hrvs>cii>t)l ^r.!iradoCastra|provisorio. do desgosto do pirlamentansmo, tal
Chaves flscaf daresp;ctiva rotapanhia, prcebn-
do a gralificaclo mensal de 15(iOOO.
>:XPEDJBNTE DO UKMCCARH
a* ifcfd*
Oficios'. n
Ao bacharel Ernesto Vieira de Mello.0
MSB Sr. presidente da pnMoeia manda aceasar
oiteabimento das offieios de V. S.,de 18 e 20do
corrente, em qae participa ter na ultima data
reasaumido o eiercicio do cargo de promotor pu-
Wico da comarea de Palmare^ qae por iacomrao
dos de saude deixara a 18. _-'''*"'
Ao St. Samuel TertnHano He/ 0
Exm. Sr. presidente da provincia f *r
o reefcimento do ofllcio de /. 6.,. n"
(i, em one participa ter nessa daw C
c.mw o deve pra'.iiar uma usambtAa. que a si mes-
ma sobrevive, e era oon^eqdencia da guerra feita
ao suffragio uuiversal, e da rotauracaode todos os
antigo* ageotes mais valiosos do imperio.
0 Temps dlt, porem, qae a republlca tem so-
bre o cesarismo mais vantageos que a posse de
facto. Tem raizes no espinto, nos habitos e
a especlalmefltc na vontade firme, refleetida e pa-
ciente da nacao.
Discute-se multo em todos os eirculos pouti-
tieos a decisao da commissao dos trinta em favor
do escrotinio eleitoral por eirculos de am so de-
putado. EsU resulu-ao e mil acolbida pela
raaioria.
Dizem que este systema tem o inconveniente
49 nao permittir como no eacmttnio de lista as
combinacdes dos partidos monarchicos sobre mui-
tos nomes.
Por outro lado uma fraccao notivel da esquerda
repelle o systema em non. aos principios ; por-
que, effectivamonte, no cst. o actual da Franca e
sob o panto de vista das ,n iximas eleicies geraes,
anico qae aetaalmente oc upa os antores da lei e
a maioru, os seus cam! dates teriam mais vanta-
gens do que inconvooifitei.
A magistratur iranceza eome>;a a emanci-
par-se das influencias funestas da politica : -o
tribunal supremo reconneceu ultimamente aos jor-
naes republicanos perseguidos, o direito qne eifes
tinham de se tazerem distribuir aos seas assignan-
tes por via de empregados proprios, direito que os
agentes do governo Ihes negavam, sob pretexto de
que esse direito Ihes ha via sido negado pela pro-
bibicao da venda e eircalacao pelas ruas pu-
blicas.
Era seguida Ronve nova decisao bastanle signi-
ficativa ; o tribunal supremo annullou, por Isso
Sue ia vi.ilar os direitos de defeza, uma sentenca
ada a 10 de dezembro, peto tribunal de 2.* ins-
tancia de Paris contra o gerente e impressor do
jornal o Suffragio Universal.
DJGLATERRA.
Erara esperados no 1> de raarco, em loglaterra,
os novos conjuges, duqae e aaqaeza de EJim
burgo.
Dirigir-se-hao irnmedialamente.a Wiudson, on in
estaraa rainha, e onle se demorarao alguns dias
Preparam-se sumptuosamente as salas qae Ibes
sao destinadas no palacio real.
Esperam-se festejos brilhantes.
Os telegiammas ainda nao ompletam a forma-
clo do novo gabinete Disraeli.
Ha interrupcao no cabo que nne Lisboa com
Falmoath, e os telegrammas sao alii recebidos com
grande detnora por via de Vigo ; por outro lado
os jornaes e carlas da Europa aleaacam unica-
mente a 16 de fevereiro, e por isso nao podemos
adiantar ao quee*creveaus, segundo as noticiis
recebidas pelo Mendoza.
As noticias relativas aos resultados eleitoraes,
causa da queda do gabiaete liberal, sao agora des-
tituidas de interesse. Eatretanto publicaremos
uma breve apreeiacao das forcas dos partidos na
nova camara dos commnns.
De 604 eleicSes que no dia 13 eram conhecidas
em Londres, 278 peftenciam & epiniao liberal, e
326 a conservadora. A loglaterra deu aos eon-
servadores uma maioria de perto de cem deputa-
dos; a Escossia noraeou 39 llberaes e 14 eonser-
vadores ; a Wanda 48 liberaes e 24 conserva-
dores.
Desies 392 tinham assento na camara anterior,
a 187 membros sao novos nas listas parlamen-
tares.
ITALIA.
0 discurso do ministro dos negocios estrangei-
ros da Italia o Sr. Viseonti Venosta, a proposito
do incidente La Marmora no parlamenlo oe Roma,
fez no muudo politico dc Berlim a melhor sen-
sacao. <
As declaracijes. do Sr. Viseonti Venosta foram
especialmente agradavels ao chaaeelter allemiio ;
e tanto assim que esio logo sc apresson em Ihe
dirigir por intermedio do enviado de Italia, a
expressao de ura reconhecimonto pessoal.
0 principe de Bismark accresccntou, segundo
diz a Press de Vienna, que o incidente que o pro-
prio Sr. Viseonti Venosta qualificara de lastiraavel,
ionge de altentar contra as boas TelacSes que
actualmente unem a Allemanha a Italia, coniribuio
pelo contrario a apertar e a consolidar estas rela-
coes araigaveis.
0 parlamento italiano dopois de bastantes
dias de discussao encerrou os debates na_ gene-
ralidade do projecto dc lei sobre a circulacao dos
valores fiduciaries e entrou na discussao dos
arligos do projecto ministerial.
ALLEMANHA.
Notou se em Berlim que os bispos francezes
foram este anno muito resarvados na3 suas pas-
toraes da quaresma.
Attribae-se esta reserva a eonselhos que o car-
deal Aotonelli Ihes teria dado afim de os empe-
nhar em uma grande moderacao relatlva as suas
apreciagoes sobre a Allemanha.
0 Norddeutsch ainda nao acabou com as suas
rectiflcacoes e revelacoes relativas ao incidente
La Marmora. 0 general La Marmora tinha feito
uma arma da famosa nota que o ministro prus-
siano o Sr. Usedom havia enviado a 17 de juoho
de 1866 ao gabinete italiano para pesar sobre as
suas resolucoes relativaraentc ao seu procediraeu
to na guerra contra a Austria.
0 Sr. Usedom acaba de declarar em uma carta
de 11 de fevereiro que a nota remettida por elle
a > general La Marmora, e obra sua pessoal, e
que Ihj nao tinha sido enviada de Berlim nera
approvada pelo seu governo. 0 Sr. Usedom so no
ultimo momento soabe da resolucao do general
ministro de deter o exercito italiano no quadrila
tero, e de o nao fazer marchar sobre Vienna,
para alii se junlar com o exercito prussiano ; teve,
pois, de obrar do raotu proprio, no ultimo mo-
mento, conformando-se porem, na redaccao da
nota, com os interesses do seu governo, e inten-
coea que Ihe suppunham.
A polemica reiativa as pretendidas tentalivas
3ue o embaixador da Allemanha, teria feito junto
o gabinete austro-hungaro, relativamente a
attitude da imprensa clerical a respeito da Alle-
manha, e tambem interminavel.
0 jornal da Vienna o Tages Press que annun-
ciou o facto, mantem o apezar dos desmenlidos
formaes dos jornaes de Berlim.
0 Lloyd de Pesth trata de cooto a versao do
Tages Press ; mas ajunta qne o desmentido rl
o gabinete de Berlim julgou dever dar a esta il>-
ticia, tem uma grande significaQao ; e prova suffi-
cieniemente qae em Berlim se sabe perfeitamente
associar o a diversidade de certas posicoes em
que o emprego dos mesmos meios pode algumas
vezes produzir os effeitos mais oppostos.
Espera-se ainda nas regioes parlamentares
de Berlim, que a lei sobre o casamento civil, po-
dera ser volada pela camara dos deputados, antes
do proximo adiaraento desta assembles.
EsU lei, ja adoptada pela camara, esta em dis-
cussao na camara alia. Dnas on tres sessoes da
camara dos deputados, bastartam para eatabeleeer
o accordo com o projecto votado, as emendas que
a camara alta ahi Ihe introduzisse, se esta empre-
gasse um pouco mais de selo e de actividade em
tenninar a sua tarefa..
0 reichstag, aUemao, occupoa-se da indeov
nisacao pecuniaria dos membros do parlamenlos,
como propSe o Sr. Sehultz e Dalitxsch.
Sabe-se quo o principe de Bismarck, se tem
sempre oppoato a esta indemnisacao, ainda qoe,
meio convenoido da necessidade da medida, elle
tinha ja coneodido aos deputados o livre iransilo, I
sobre todis os eaminhos de ferro allemaes.
Depois de uma disenssao basUnto animaila, em |
qni so ropnvluziram todos os arguroeutoi ja oo i
nhecidos, pro e contra a romuneraoaa proposta
pelo Sr. Schultz, foi esta adoptada em votaoao no-
minal por 219 votos eontra 79.
Espera-se qae a perse veranda da assembles,
em favor de nma disposiefo tio justa, venceri fi-
nal raente as rosistencias do chaneeller.
A popolacio da dacado de Lanerabourg.
tendo pertencido sucossivamente a corda da Di
namarca, 4 ConfederacSo Germanics, a cori* da
Prussia, e finalraonte ao imperio da Allemanha,
pede para vcr a sua posicao regularisada e fazer
parte d-finitiva nio do dominio da eorda, mas do
re^oo da Prussia.
1 E', segando, crernos, o aulfQ pi qne desoja e
a sua aonexacao.
A Weta deste ducado, linUa-o ia reclamado na
sua ultima sessio.
A Gazeta da Cruz, aunuueia que a sorte do
ducjdo, sera este anno decidida dehnitivaraeute.
i AVSTRO-HUNGR1A
0 jfceradur Francisco Jose, chegou a> dia 13
a S. fcer.sburgo. 0 ciar o toJa a famiiia impe-
rial oesperavam na estag io. 0 acoihimeatu fnun
ao solierau i austriaco, fui bastante cordial, tanto
da parte da coroa, como da pjpulacao.
Annuuciaseque a sua demira era S. Peters-
bar|o, sera at6 22 de fevereiro.
-* A opiniao publica na Austria applaudio a
iniehtiva que baorou o iraperador antes da sua
partida para a Russia, de rceommendar ao sea
ministerio que omasse as medidas necessarias
pura attenuar a rise economica c financeira, que
continu i a devast.r o paiz.
C'irno existe na Austria responsabilidade minis -
terial Jnlgi-se que o soberaao nao dea este passo
sem ter tornado pieviamente o conselho desto ;
mas suppo-se que; manifestacao da vontade im-
perial teve por Ii inpellir o ministro da fazenda
o Sr. Pretis, a quern o'reichsrath acaba de con-
coder ura credito ce 80 milhSjs da R>rins, a
apressar-se menos de vagar.
Na Hungria o partido nacional, u grande
partiJo da maioria, qte e conbecido pelo norae do
seu illustre creador Fiaaciscu Deakj esta em pla-
na dissolncio.
Grar is a energia e 4 alta autoridado do sea
chefe, desde o pacto autro-hungaro, tinha aabido
manter o seu paiz em ana via regular; mas ho-
je, qae oSr. Deak se vgforcado pela idadc, e fal-
ta de sai'ide, a retirar-sela politica ; esta maioria
seute-sc impotente fern nalisar as grandes refor-
mas aue elle tinha planevdo, e nem tem forcas
para lutar centra a sua disorganisacao. A maio-
ria piocura ainda agarrar-se a esporanga de um
ministerio de c jalisao, fornado pelas notabilida-
des dos prin.;Ipaos partidos que s5o reprcsantados
na Dieta magyar.
Julga-se porem quo esta combmaca) e aoica-
oiente possivei, no caso en que ella se faea sob
os aaspicios do Sr. Szlavy, thefe do gabinete ac-
tual ; mas nao sc julga que elle consiga conciliar
as teadencias e as opinioes dametnlmeote oppos-
tas da esquerda, sem os Srs.Tisza o Ghicay ; dos
uiiservadores que si'guem
nyey ; dos uiilitarios como
rove, e dos anligos niinistros que a maioria der
rubou.
Dizem alguns jornaes e co/rcspondencias, que o
iinieo maio talvez de sabir desta diEfieuldadc, se
ria procader-so a unu rebrma eleitoral, e a cons-
tituicao de umi nova Diita, sobre outras bases.
HESIA.NHA
Em 23 escreve nossu correspondento de Lisboa
o scguiiiti! sobre a He-panha :
A es<|naJra romreu oovamente o fopo contra
PortOgalete. Suppo^-se que M.riones comecaria
hontem, ->, as hcsAlidadcs.
Sabia-se do funeral Lopez Dorniuguez, que
niarcliai'a com a sua eolqmna para Segorbe, e
que^eri p.nsapnrte ao brigadeiro Dua'^-i io
dirigiaaMidnd. Fallava-se-em que os carlisUs
desentiarcaram 10,0)0 espingardas e uma pega na
praiado S. Carlos de La Rapila e de que a face
Vail.)- sc apoderara de 232 caixas com tab3cos da
fabrfta do Valencia.
rjoja forca dc 1600 carlislas eulrara era
Taraieon, quando parte dos voiuutarios estava
em uua festa de carnaval, porem os voluntanos
corrc:am as armas e conseguiram desalojar os fa-
ciows, sem que estes podesseru cobrar a contn-
buica> que impunham aqueile povo. 0 cabecilha
M'iclnlesa frente de mil hoinens entrara em villa
Rubies e outras povoacoes imraediatas, lovando
vivens e dinheiro.
a Constava igualmente. pdsto falUssem muitas
partiiipacoes ofiiciaes, que continu ivam a embar-
car tfopas para Lavedo e Castro. Urdiaies e parte
da esiua irilha .sahia de Sautauder para Portuga-
lete.
Os carlistas nao descancam. O seu ruaior em-
penhi e por obstaculos no Nervioo e lam;am novas
cadebs entrc fortugalete o as Arenas.
Sa opiniao do Impartial, todavia, estcs obs-
taeubs de pouco servirJo, porque os vapores
terao bastante for^a para os destruir.
Annuncia a Gazeta de 24 quo o bando ae
MaroD foi batido na vespara no Aragao.
POBTGGAL
Nsso correspondente de LisbOa escreve a 25 de
fevereiro: -
Uma casa respeitavel de Lisboa reccbeu hm-
tem \ noile o seguinte telegramma :
ondres 23 as 6 horas da tarde. Consolida
ibauleira do Sr. So-
ls Srs. Sonyey e Gj-
respeito delle a minima dwida, por nao ser possi-
vei admittir que uma pessOa como 6 Sr. Dt Fer-
nando .vivvsrv puLlicamenle cam a Sra. eoodessa
d'Edla sem estar casado. Accrescontoa que se
o contra to nupcial do Sr. D. Fernando com a Sta.
D. Maria Ii Ihe garante a dotac&o de cem conlos de
reis, em qualquer hypothese, a narao portuguets
deve mauler a f6 nos seas contraios ; mas qae.
SAo sendo assim, e^impossiv-ei jostiiicar tio alt
drs|iendio, quando o povo esta ooerado de Impos-
tos, e muitos funccioaarios sao miseravelmente
retribu'dos.
< 0 reqaarimento do Sr. Meades, assignado por
mais tres deputados, pedindo copia dos .doeumen-
tos que serviram para u conirato nupcial do Sr.
D. Fernando com a rainha Sra. D. Maria II, teve o
destino conveniente.
Parte em marco proximo para a provincia de
Mozambique o governador geral daquella provin-
cia o Sr. Jos6 Guedes de Carvalho e Menezes.
ii Tive noticias particulares e cartas de Maca >
ate 5 de Janeiro. Reinava soeego. A ordem que
alii havia ehegado do ministro da marinha e ul
tramar para acabar com o commercio de emigra-
cao cbinoza pelo porto de Macao foi diversamente
apreciada; uns Qcaram alerrados, prophetisando
nma erise temerosa para aqaella nossa eolunia;
ouiros, em norae dos bons principios. saudaram a
medida omo inieiadora d'uma nova era para Ma-
ca). E' bam certo que cada um falla aa festa
conforme Iho vai nella !
....
c Eis as noticias mais imoortantes que tenho
com respeito a India Portagueza :
Iostallou se no dia 21 do novembro do anno
proximo fi.ido, a commissao nomeada para oxa-
minar as propjstas da fazenda de Goa, toudo co-
mecado ja a estuda-las. A parte mais importante
destas propostas, refare-se ao augmento de ven-
ciiaeutos dos funccioaarios pabbcos. Algumas
familias de Bardez teem-se visto obrigadas a ho-
tnisiarem-se por causa das bexigas que n'alguns
pootos continuam com iutensidade, a despeito de
todas as diligencias que para acabar o raal tem
empregado o administrador do :onelho-
a Grande prosperidade promettem vir a ter den-
im em pouco aa nossas posscssoes em Lourence
Marques provineia do Mozambique.
Consta que nas vizinlun.as qaqaelle porto se
deacobriram imDortantissimos jazigos de carvio
de pudra, sendo facilimo o transporle part o an-
coradouro. Estas minas vao ser em breve explo-
radas, preoedendo os necessarios reconbocimen-
tos. Alguns subditos ingletes, procedentes do
Porto Natal, compraram muitas propnedades ur-
banas e rusticas, de sorte que o valor da pro-
priedade, especialmente a urbana, tem subido alii
espautosamente. Casas qne d'antes valiam 400^
foram agora vendidas por 3:000ji e mais.
< Esta linalmeatQ resolvido pela camara d a de-
putados que esta 6 a ultima sossao da legisla-
ture.
Os vapores Hibernia e Edimburg sao qae
tiansportam 1.300 milbas raariiiraas do cabo para
a ilba da Madeira. 0 vapor CMtem foi o que
p*wir\ tia I MJipA*, i- ..iimiji *ahn m |A
intorrompiJo na cost* de Portugal.
c Morreu a mai do estimado poela
Deus.
Joao de
a uonares zo as o uoias ua !. ._.
dos hespanhoes oxterno319 a 19 1/4 ; mteraos 10 j
a U 1/2; portuguezes 46 1/4 a 46 1/2. .
A melhoria da cotagao dos fundoa hespanhoes
e efeilo da perspectiva do pagamento de um cou-
pon externo vencido. ......
E' amanha depositado no cemiteno occidental
o cidaver do conselheiro Jose de Vasconcellos e
Souza, quo foi nosso ministro na corle do Kio ue
ar'llontorn venderam-se na Bolsa tilulos de divi-
da portugueza interna com o juro do seraestre
corrente a 46,93 e 47, e com esta ja pago a
45,45 e 45,47. Ficaram aquelles a 47. Da divida
externa fizerara-se algumas vendas a 4b,Ji e
46,35. Ficaram a 46,40. Era fundos hespanh6es
houve transaccoes a 15 e a prazo a lo,l0._ fica-
ram a 15,05. Venderam-3e igualmente ac?oes do
Banco de Portugal a 533*100, e papel moeda a
Installon-se a commissao encarregada ofa-
cialmente de estudar a questio do assucar.
Resolveu convidar toda3 as pessoas que quei-
ram presur quaesquer esclarecimentos acerca da
questad, a comparecerem perante a comrajssSo
nos dias das tres seguintes sessoes.
c Foram escolhidos os relatores na camara dos
deputados para as differentes propostas de lei
aprasentadas pelo miaistro da guerra.
a Em Macau ja forara presos os tnpo^antes do
faiai em que foram assassinados o capitao Cae-
tano da Silva edous marinheiros, o quo e devido
a actividade da policia de Macau.
Honiara reuairamse os reproseutaatss de va-
estabeiacimeatos bancarios para traUr do
systema a adopUr para a circulacio fiiaciaria de
a Alguas dos banco* do Porto nao enriaram os
seus representantes por nao terem ainda podido
convocar as respeetivas eooarausOos fiscaes, e
porque ha idea de fazer alR uma rouniao para
discntir a questSo de que se trat i. Resolveu de-
pots a liar a discussao ate vir re*|ysta oennitiva
do Porto. ..._
c Vai ser nomeada uma commissati presiaioa
pelo eonde de Casal Ribeiro para estudar defini-
tivamente esU questio, e apreieotar parecer qua
irva de base ao? debates.
Na sessio de S3 da camara leetiva, antes da
reformista Francisco
\oicia do sal doiniperia.
Tambem hontem, as 6 horas da Urde, chegou
o vapor portuguez Julio Diniz, trazendo datas :
do Rio da Praia 23 e de Mioas-Gerjes 27 do
passado, de S. Paulo !. e do Rio de Janeiro 4 do
corrente.
Eis o que coihemos dos jornaes :
REI'L'BI.ICAS DO PAClFlCO.
0 moviraento revolucionario da Bolivia foi
prorapiatnente dominado, o um telegramma de
Valparaizo diz que o coronel Saut.i Cruz, cabeca
da re'olta, achava-se preso.
PARAGUAY.
0 telegrapho Maritirao da ultima data publica
um telegramma de Buenos-Ayres noliciando que
terminara a revolucao paraguaya, lendo-se ehe-
gado a um accordo em virtude do qual organi-
sou se o ministerio paraguayo com Gil, Serrano,
Barreire e Soteras.
RIO DA PRATA. .
Na Republica Argentina fora noraaado minis-
tro da fazenda o Sr. Cortinez em substituicao do
Dr. Dorniuguez, enviado, como sabom os leitores,
em missao especial ao Peru.
Referindo-se as relac5os da Republica Argenti-
na com o Brasil, publica a Prensa, de Buenos-
Ayres, as seguintes linhas que com satisfajao
reproduzimos:
Parece que se vai desannuviaado o honsonte
politico. Assegura-so nas regioes efficiaes que tarn
ndo grande resultado as conferencias diariamente
ceiebradas entre o Dr. Tejedor e o Sr. BarSo de
Araguaya, ministro do Brasil. Parece tambem,
pela marcba dos acontecimentos, quo nao have-
ra necessidade do nm enviado especial junto ao
gabinete de S. Christovao.
Fallecera, victima do cholera, o consul hollan-
dez, o Sr. Liesta.
As folhas argentinas publicam duas notas din-
gidas ao goveruo chileno pelo Sr. Felix Frias, mi
aislro argentino no Chile, sobre a questao da Pa
tagonia. A primeira refere-se ao facto de ter par-
tido para o lugar chamado Rio de Gallegos, na
costa oriental da Patagonia, a balandra jlnmfa
conduzindo soldados, madeiras e varios objectos
destinados a uma povoacjio que alii quenam fun-
dar os chilenos.
Protesta o Sr. Frias contra este acto, que 1m-
porta uma violacao de territorio, a vista dos tilu-
los que estabelecem o direito da. Republica Ar-
gentina sobre o territorio situado do lado oriental

nos
A seguuda njta trata do projecto, qae j
bo C
abo das
liiaugurarase no dia 31 o servico telegrapbieo
entre Montevideo e Paysandu.
A junta de saude propuzera ao governo qne se
abrissem os portos da republica as proeedeocias
argentinas ; mas ale a ultima bora neohuma pro-
videncia se tomara sobre e-te assumpto.
Cartas particulares de Assumpcao, recebidas em
Buenos Ayres, diziam que. nao obstaute ter sido
demittido o ministro Ferreira, proseguia a rw- .
lucao.
As forcas rebeldes estavam divididas em trot
eolumnas : a primeira sob o commando de Bar-
roiro achava-se em Villeta ; o corpo principal do
exerrito as ordens de Caballero. em Luque, e a
reserva dirigida pelo ex-president Rivarola eel
Pirajii.
Diziam tamSera que houve em Campo Grande
um encontro no qua! as forcas do governo perde -
ram 83 hoinens. Foi queimada uma poote da
estrada de ferro perto de Luque, ficaado assim
interrompidoo tr Fra ja conhecido o resoludo final das elei$6os
geraes; seguado a Sacioh- eram as seguintes as
forcas dos dous partidos : mitristas 15.418, alsi-
nistas 12,5*4.
O genaral Vedia devia seguir para a Villa Os-
cidaatal no dia 2o.
FOra eapturado o iadustrioso qae, com um che-
que falsiticado tentara fovactar no Banco da Pro-
vineia a somma de 30,000 pesos fortes ; chama-se
Oranger e estava a frente de uma agencia mari-
tims.
Chsgars a Montevideo ao dia 24 do passado a
corveta br.i>iluira Magi.
SIS AS GKBA*,.-.
0 Sr. barao do Grao-Mogol pazera a disposicao
da camara municipal da cidade deste oome a
quantia de 1:0004 para ser distribuida pelas pes-
soas indigentes que, em consequencia da ma qua-
dra que tem assolado os distrietos diamantinos, se
acliava n reduzidas a maior miseria
A falta de chnvas tinha sido muito nociva ao
municipio da Diamantina, onde os ^eaeros de pri-
meira necessidade vendiam-se nor precis eleva-
disiimos.
Le sc no Jequitinhonha :
< Na noite de 9 para 10-do corrente foi aggre-
dida a casa do capilao Jusliniaoo Fernandas de
Azevedo, por um individuo que, achando semeate
uma mulher de mais de TO anno.-, irmi do mesmo
capitao, esfaqueou a com a maior barbaridado,
furou Ihe a ponta de faca aaos os joelhos e co-
tovellos, lancou-a por terra, pisou-a e saqueoa to-
da a casa. >
Fallecea no dia 26, o chefe da seccan da the-
souraria da fazenda provincial, Francisco de As-is
Ferreira.
Noticia o Mineira, de Pouso Alegrc :
Ha tres mezes a esta parte os viveres tem en-
carecido extraordinariamente no roercado desta
cidade. Alguns generos, os de maior coasumo.
veadem-se pelo triplo, ou mais do qae se vendia
ha seis mezes. No ultimo domingo, aleru de haver
falta de carne de aorco, a pooca que se expoz a
venda, estava na maior parte em bem adiantado
S. PAL'LO.
Na assemblea provincial, a commissao d coas-
tituicao e justica achara plausiveis as razoes alle-
gadas pela presidencia da provincia para nogar
sancijio as leis eoncedendo : a Faro 4 C. priv le-
gio por 30 annos para a construccao de uma es-
trada de ferro do Ubatuba a Taubate : ao bacha
rel Antonio Pereira Pinto privilegio por 90 annos
para a construccao de uma estrada de ferro de
Xiririca a cidade de Castro, no Parana; igual
privilegio ao commeudador Joaquim Fernandes
Cantinho para eonstruir uma estrada de ferro das
Sete Barras a Itapetininga.
Pelo relaDrio da directoria da Comiunhia Pau-
lista, aproseutado na ultima sessao, ve-se que em
outuhro ou novembro proximos futuros, os treos
poderao percorrer mais 38 kilometros alem d**
Campinas, transporUndo os productos da nova sa-
fra, e que os estudos de&nitivos dos 91 kiloxetros
dc Campinas ao Rio Claro ficarao completauiente
conclnidos no corrente mez.
Nessa tnes.na occasiio len-se uma proposta do
accionista, o Dr. Antonio Francisco de Paula Sou-
za, pedindo que se mande ja tazer estudos para
um ramal de bitola estreita que, partindo do lu-
gar denomiuado Cordeiro, na linha do prolonga-
mento, va terminar na capella das Araras ; e uma
indicacao do Dr. Lino de Vasconcellos, autorisan-
do a directoria a mandar proceder aos estudo*
mdicados, e mais aos de uma estrada da raesraa
bitola, de Araras em diante, a procurar o ponto
mais conveniente do rio Mogy-Gusarii.
Chegara a Sautos o Sr. Rodolpho van Branse.
engenheiro ultiraameate ehegado da Europa e en-
carregado, segundo se dizia, de levantar a planta
de Santo3 e de todo o sul do imperio. Esta noU-
cia 6 dads pelo Maria de Santos de 27.
Inaugurara-se em Campinas o belio edificio que
a sociedadv alle ma denominada Germama manda-
ra ediflcar para servir de escola.
Diz o Lorenncnse :
a Ja de ha muito tempo que o povo snpporta,
com resignacao evangelica a falta de generos
alimenticios, e o fabnloso preco por que se coaa -
pra o poaco que vem ao mercado, e que pot
felecidade escapa a voraz visU dos especulaaores-
Da-se por 15 ktlo3 de toucinho a bagatela de 16>,
o milbo compra-se por 1*600 10 litres, o faijio
por. 2J, o arroz por 11400, e assim tcaes o
mais geoero* de primeira necessidade.
c Felizoaeate esttmos no tempo da eolhcita; a
descalpa de que faltara os generos aecesjanoa
pora a vida ja se nio pode dar, e, haveaao-
cautella, os pobres consumidores uao serao
victimas dos abnsos que se reprodaxem, uma
vez que se saiba prevsnir o mal.
Notieia e- Correio de Taubate :
Soraos. informados que em ura dos dias e
que & Bxe. Rvra. chrismou em a CMiade da S.
Jose do Parahyba, foi Ul a agglomaxacao do povo
dos Andes e por consequeucia sobre a Patagonia.
a aoannA* n >i inia do nroiecto. aae ia noti-
das
.sdetrnaVe^
ciamos, de constrair se um pnarol
Virgens, situado no Atlantico.
Nao era lisongeiro o estado da seguraaca indi-
vidual em Buenos-Ayres ;.as ulUmas eleicOes dei- rj^e^a^m no msmo dia, dentro do teraplo, urn
individuo falleeeu, vicUma de um ataque apo-
xaram fuados resentimealos, que
festando por ataques aos individuos influentas na
politica, ou seqaer suapeitoa de pertencerem a
este ou aqueile partido. 0 Sr. Emilio Guaenez.
socio da tlrma Wehely Gimenez 4 C-, fora ulti-
mamente aggredido- e ferido cem um tiro de revol-
ver disparado por-urn ampregadc.de um club al-
sinista. Em aressnea deste novo crime, au
uma folha diaria, tratou-se hontem nos circutos
politicos c eoaxraereiaes de oflerecer-se ao go er-
no dc Buenos-Ayres os meios necessarios para a
organisaefto de umcorpo civil de !_ 1J8
pletico.
RIO DE ZANKiBO.
Per despachos de 28- d fevereiro foraa
aojneidos :
Ordem da Rosa. Official : Aotouio Beseiva
'.arneiro da Cunha Junior, aelos relevaates aer-
vicos preslade? a horaaaidade por occasiJo da
inva-ao do chc4ora,;a>orbus na comarca do Baaa-
neiras, na provincia da Parahyba, e, am roUcio
a guerra contra, o ex-presidente dr. repubUca
temos aao for suffleienle para acabar com os en-1 do Paraguay.
Cavalbeiros : 0 capitae cemmaalanta da c
panhia de pohcia da provincia da Parana, Maaoet
minososv -
0 banco da provincia escapara de ser victima
do um audaz lalsifltador. Apresentara-se no ban-
co ura moeo italiano porlador de ura cheque -'e
30,000 pesos fortas, oom a firma dos Srs. Deraar-
ehi falstflcada. Era, portm, tao bem feita a imt-
ucao. que os directores do banco aceitaramoehc-
exigio' que elle provaso a identidade de pessa,
loage, embora a maioria procure abafa-la.
a Quoslao aue se nio liver effeitos declsivos na
actual sessio legislativa, os pode vir a ter na se
guinte. Mostrou aqueile deputado duvidas se o
Sr D. Fernaado, pai d'el-rei, eontiaua a ter di-
reito ao subsidio de I00;0tt0* (f jrtee) annuaes,
visto nio ser ja viuvo da virtuoaa rainha a
D. Maria II, mas esposo da Sra. condessa
(Mm. Bliaa Heosler).
a Mostrou o Sr. Francisco Mendes qae,
Srs.
d'Edla
embora
Chegara a Buenss-Ayres o corooel Viejo Roeno
com o batalhao do artilharia que se acha'A 00 Pa-
rani, e fftra expedidaordem para qae aorecolhas-
sem tambem a Buenos-Ayres as for^aa que esta
vam na e -sta do Uruguay.
No dia 22 houve cinoo cosos de. rholera em Bue-
nos-Ayres, e ate as 5 \\i horas da terde de 23,
_ apenasdo.neramconhan.to Dizia se qae a epi-
o segoad.. casamento do Sr. D. Fernando nao es- Jdemia se propagava pe!o| Vj3\m3 de Chivilcpy e
teja reconheeido offlciatmeate, nao pode haver aMagdalena,
Kuphrasio/d> Assumpcao polos rolevantes servi.-oa
prestadoa ao eatado em relacio a guerra coatra
Paraguay. 0 2* sargeatn 4a cowpaohia de pen-
cia da provineia do Rio tirande de Nolle. *
da Sltrva Baada pekw nelevaates servipos iiiana
ao. estado. M rr-
Iheiro : 0 bacharel Candido Per-ra '"
p offlcial da secretaria *^Jfi.*2 at
guerra polos relevaates serrtoes presUOos, aa ea-
^arotario dt pnvincia de Sergipe o baeharai
j0ft> Klyslo do Carvalho CiMo. ....
Director da e-**> de mediaua da Bahia a
lepte da me ma faeuldade Dr. Aetonio /aooarw
BForam ns'.uralisados os subditos portoM***"
Fernando Martins e Manoei Joaquim da S.iva.


(
n


-e-


*TP* M OJHUL M H MW ifo&ttf* Pdrnftmbued Quarta,fell*. 11 de Ma^o de 1874.

fbhve evadira-ao.
.Atl dcjindro ultimo,
denies de appro\Atii,dfl asserabWa gefar. tw^ Y^BfivO.&vyr6? ffiif^^al^wlWri!
Da 48* menM3fiiao *to fM !*
tente, o tenentfl ilWj refwniado do wcvoito
Antonio de fom|*Jt*>, o qual.^ra ponsequen-
ia de ferimentoajfciWdos em combate, Bcou im-
possibilitado de procwrar meios de subsislenda.
DeSOOrs. diaries ao anspecada reformadoAlha
nagildo Joaqnim Cidade,
.do Carran, uuinicjpio .de Cactagallo, Re*<"ndo V.as-,
ques, natural de Portugal, na idadc de 134 annos.
iverpm*, snhc hoje de nossa porto para o
if||li**V-T>'iipor brai!ejro
falleceu fl* fcegueiia d*B Ptatta io'I
rfnado
sylo de
vy.O
a no
ossi
HI.
% penaio de 'iOO
p<}rdeereto ae3 de
telo de n. 1,703 de
Rado
dos lerimentos recebid
possibiiitudo -de pro
<* ,.
fie 400 T9. diarios,
batalhlo de iofanteri
dos da patria, Pruden
em consequencia de i
50 da campanna do Pa
de prover aos nHfcj
teircduzida a 4JJ8
rs., tambem diaries, cone
outubro de 1868 e aprirovada
21 de setembro de 1869, ao cjfbo de csquadra do
27.* corpo de votttntarios da patria, Vicente Fer-
reira Eagaos, vislo ter-se verjficado ser elte soldadc
e nao cabo; dep:n.lcado tambem este a:to de ap-
provacao da assemblea-gcral.
Por MtiAes de $ do-corrente foram nomea-
0 pratioanielia reWbeiloria da BanTa: C16-
doaldo August.) ~Vidr, para igiwl W"o *
alfandega da roesmaViroviucia, e o da alundega,
Pedro Tavares Vergne de Abreti, para a supradi-
ta recebsdorla. _^_
Par daU&xCa 28 de fevcraro:
Foi, a pedido.tirepensado 0 juiz de dfreito Inso-
eeaolofiaWirMi 00**, <* rgo de chefe de po-
lieu da provincia do Para,
Foi destgriada a eomarca de Sa*wem, de t.',
entraneia, na ftwsrna proviuda, parailtlla tor exw ;
eide o referlda-juizde direito lnw6enco Pmh?wo,
Correa. m^L
Foi nomea*o 0 jniz de direito "Samnel Kosppe
de Sonia Vchoa, para o cargo -de cbefe (k 9*i-|
ia da provincia do Para.
Forain nomeados juires de d?reito :
Olfiicharvl Francwco Gouges da Jnsta, da co
tnaro* de O bachawl Jose Jorge deGarvalhal, daorafca
do Crate, *a wesma proviBCla.
iBji.-a-peilill), romoTido jait manietpai do *er
mo de Campos, na provincia do Rio de lanoero,
batfbhrt'. Francisco de PaU Araujo Silva.para
a var*munieipal e de orphios do termo de -Pelo
tas,'na provinci 1 do S. Pedro de Bio-Grande do
Sfeli
Foi exoneralo 0 bacharel Jo>4 'fiufrtwo Fer-
reira-de Brite do oarge de secFeasrio "de policra
da pFovrncia de MioatJCeraies.
Puram nomeados:
' Juiz municipal e de" orphaos do termo 'de Uro-
guayatiada orovinoia ie S. Pedro do >Grande
do Sul, 0 bachirel A.ntero Feraoiidel'Cassalho de
WitflHb. ...
Sewotarkt defeH'Wi da provinca de Mmas^Ce-
"racs, o bacliarel Oactano Aufnato da Garoa Cer-
queira.
Foi reformade no p )Sle de ocronel, 0 tenente
-coronel Manoel Jna^aim :omman lante do 6.' batalhae de iafeoteria da guar-
da naeional da prsviiveia de Pemambuco.
Pee-se morod da sfveaia vMaHeiados oflleio-*
de ubdliao e esoriv&o do cioil e mais annexos do
lerino do Lrmoeko. na prwirtcia i'a Geara, a Se*
raphim Tolentkw *rf*e Chavee, nomeado pro-
vis.iriament* pote res^rjt>vo frcsidente.
Foram perdoados:
O reo Glvmpio Anwwo 4e lAthayde, do restoda
pena de es nmnt de fi u |Wlo ^ni de dlrfiiio da ccmarca de SoHihoos,
na provincia do AattsaaM, por crime de hunii-
-J.li...
0 re.) LanrMiao da Rocha Freire, do resto m
j> -it 1 de vlnte aaes to gales, iooposU em virt.ide
d 1 iteeisSo do jajry iumo de Baturit6, na pr*-
> moia do Ceara, per erime'le tentalrva
:idw.
Por decreto de 38 ds kvereiro, foram Uats-
feridM de nns para outros corpos os seguia*es
-iaes :
Para 0 1 rep^nto de artaberia a cavaHe, 0
majrtr do i" batalha.) deiiheria a pe, Franotsoo
Vdlela de Castro Tavares.
Para 0 4* regoicnto de cavallaria ligeira 0 Ma-
jor do corpo da wi^ma arma, da provincia de
Govar. Manoel Alves Friao de Lima
Para 0 i" biWHili de jefanteria, 0 coronel com-
nandmie do 18* da mesaia anna, Joao de Setua
Fagoades.
Para 0 18- batalhio de infanteria, 0 teneaae co-
ronal commandiBte do 2* da mesma arma, Ale-
"Deijfou dumarosdsdeScenaehtesenlre ds qtfael
algumas fllhas do. sens tataranetos. Conseiron ate
ulUawa monionljs ^ ViJ* u U3G de siliM*0111-
ades ta^aes. ...
A^Hidsga renden ft I a S da ooiWBte...
381:68H2 M ,
Efciil nottaiM conmernaBB fla ifltima data :
0 faercado dTaajbiot cofllhlBou atnastrar-
poucdACtivo, as mufto fifbw a 26 d. paper
baucarfoVIp Ifi, *{** d., cmtienlw sobre Lon-
As mgalicea ajeraes-'ie'B 0(8' Bveram pequene
moviraiiwa 1:04&*. pTeco a que 0 mercado fr
dres.
iinvimtafo a
hTflrnne.
dnid'-
Beny.sko
foi ben^.id
Sanlp Ant
veera na
do* acto
Merrt
em data de
W> 1 imak,
awrj-p01"10
ntet.
'A
de urn pequeno
lil a 240* oada
w Apenas nos constm^a unda
Mq de acc5es do banco lo Was
uma, a dinheiro. -
As vendas de cafe .e do assucar effectaadas
hoje foram peqaenas.
o Fretaram-se : urn navio para Nova York, ca-
fe, a 231 e nra (sem classificacta) para t,isboa aj
e Velloso Vianna, Jo?6
ivelra, Manoel Alves L^
to, Manoel Joao tie VMfPWta, Joio
undo, Mauoel FranclHJi TfcM Silv.,
lenriaaei Marques, ^r,*"ff*> !k>s6
, maro Eleutcrio. i}_.5,
terio publico.-Obitirarfo^to dla 6
Pcrna
nco. Alb
[hospital Pe
Gra^aj
naaa, sol-
bre ama-
aamos
-NajoJiB deJjL|e
no povoadoTao Ferro. doTehno de PaneTTaT".._
GerrnjKKUiQS Santos desfcehou um tiro em Miauel
dot' Sfctfee Bsbda, (W qua! veto este a fallecer no
dial*, seidfc a*ssaeeinopreso em flaprnte.
Jkrrematacoes provinctaes. Pc
rarife a" junta da thesouraria provincial vao a
No dia 26 do cfflrrttdBtrt offii oataCttlra
oVdem7"ditjt"iT i7 s. 6 d. ambos'tomT S^O de ea-1 uma horaha jfarai_.,_Povfd*dQS Montes, no Ingar
pa.
FBKNAIFflBCO
ASSEMBIiA PBvVINGIAL
*rraa Na sessiw de de eorrentd, publi-
cada hofttem, rot paWwado irfcerreettnoento am
aparte do Sr. Toieatino de CarvatHio :
Em logar de : a iprovineias'xw-aeiimltam
d'aqoelle modo -teia-se : t E ha provin-
csas que se limitam as*lm.>
REVISTA DIARIA.
'~ftTITriTWlif*~>lTr*IIU3ailV?l III roram coaee-
didas as honras do posto de alferes do exercito bo
alferes de eoomta&e i.-udgero Elias Guiraar^es, e
ao sargento do estincto 35* corpo de voluotarios
da patria, Antoaie Pinto Ribeiro Cardozo, em at
lencao aos bons servifos que prestaram na cam-
paaha do Paraguay.
Por decreto de ^ual data :
Passou a aggregado a anna a que pertesce 0
alferes do 13* u'atalhao de infanteria, aggregado ao
2* da meema arma, Lciz Ferreira dos Santos.
Concedeu se reforma com 0 rtspactivo soldo iBteiro. de conformidade com a 2' parte do | 1 do
art 9 da lei n. i de 18 de agosto de 1832, ao
alferes aggregado a arma de infanteria Joao Sca-
res Baplista Macbado, visto achar-se impossibili-
tado para 0 servig-) io exercito, em consequencia
de ferimento* recebilis em combate.
Foram nomeadud para a ascola militar :
Reietidor do e*r*o superior, 0 1 tenente do 1
batalliao de artilberia a pe, Antiocho dos Santas
Faute, per decrete dc igual data.
Por porlarias tambem da mesma data :
Lente interino da i' cadairado l* anno, 0 re-,
petidor do curso sapsrior capitio do cstadj-inaior
de 1'classe, bachareJ Benjamin Constant Roielho
de Magalbaes.
Lente interino aai.' cadeira do 3.' anno, 0 re-tj
petidor do dito curso capitio do corpd de enge-:
nheiroa bacharel Mancel Peixoto Cursino do Ama-:
rante.
Lente interino da 1.' cadeira do 4. anno 0 pro-
cessor de desenho major do corpo de engenbeiros
i)r. Jose Francisco de Castro Leal.
, Lsnte interino da 1.' cadeira do 5.* aaoo 0 re-
pctidor do relerido curso capitio de estado-maior
de If classe bacharel Luiz Manoel das Chagas
Darin.
Lente interino da 2.* cadeira do dito anno 0 ca-
pitio de estado-maior de 1.* classe bacharel Al-
fredo de Escragnolle Tannay.
Professor interino de desenhr, 0 adjunto da
mesma aula major do cerpo de engenheiros ba-
tharl Francisco Xavter Lopes de Araujo.
Foram nomeados para s. intendencia da guorra:
Ajndacte interino da mesma intendencia 0 ma-
jor do corpo de estado-maior da 1." classe Joa-
cfuiiu da-Cilva Maia, par portaria de 24 de feve-
j-oiro.
Amanueoue da seeretaria da dita intendencia,
ioio BapJitta Soares de tfeirelles, por portaria de
23 do dito rnez.
Por portaria de 27 :
Poi prorogada por urn maz a lieenea concedida
em 13 tie Janeiro do corrente anno ao eserevente
da seeretaria do arsenal de .guerra da curte Joao
FeUciano Godinho Junior para tratar de sua
saiide.
Foi exonerada a major faanorario do esercito;
Joao ftetsi, do Ingar de director da oolocia mili
tar de Gaseros, na provincia do Rio Grande do
Sul.
Por deercto in 27 de fevereire foi nomeado
2. cirurgiao do corpo de saiide da armada, 0 Dr.
Joao Alves Borges.
Por deereto de M do mesma *ez foi conee-
dida aobngadeiro Kicards Jose Gomes Jardim de-
missao de mambro adjunto do conselho naval,
por outro deereto de igual data foi nomeado para
f ubatitui-lo 0 tenente coranel Francisco Jose Car-
doso Junior.
Por portaria de 18 de fevereiro foram no-
meados para a commissao da estrada de ferro do
Madeira e vamor^, 0 engenheiro Antonio Dias dot
Saut.se o agrimensor Alexandre Ivancog".
-1 or tiluloe-de 28 de favereiro foram nomea-
dos :
Tcreeiros escripturarioe da altaadega do Uara-
nhao, 0 praticaote da mesma reparticao Jose JIau-
ricio da Silva, e 0 da re.^pectyva ttaesenraria de
faaeu'la Rodolpbo Monlroza Kosklin da Silva Mar-
tins.
Prat'cantcs da referida alfandega, Aurelfaoo
AuteaioMartins Franco.e da thesouraria J'tiu Fer-
reira de S'uza Junior.
Cemns no Jura.I do Commvcio :
Le se no Tciburio do Povo, de Macahe ;
Gvusta n .s que 0 Sr; Jpsc Maria Treneii, que
daqui spgnira na semana passada, eom destino a
CantagalK em cou.panUia de um camarada, 0 Sr.
Lprleg.noie dx 8*scrvo seu.-, f6ra barbara-
ment': wsasainado poresteg, proximD ao lugar da
Ventania, recebendo 0 Sr. Leodegaria, duranle a
mta se irawm, uraa facada n'um braci.
ousta in .us que esses iralvados escravoi, de
f o=i de commotterem tao horroroso crime, arroui-
AeMe prditcll. -Hontem fuhc
cionou com 26 senhores deputados, sob a presl-
doneia de Sr. Dr. Agatar.
Approvada a acta dn sessSo antecedent?, 0 sr.
primeiro secretario leu 0 seguiote expediente:
Um efflcw do secretario de^ovefno da prbvin
da, raneoiao per cepia o aviso circular do mi-
uisierio de limpet ie de 17 de Janeiro de 1873 e 0
parecer do director dos cursos da sociedsfle Auxi-
liadora da laduslria Naeional, soDre a pTopste
que apreserrten tetto Coelho Gomes a respeitoda
cunstrnc^ao de predios nag provineias, onde se re-
oolham as menmas desvattHas. A's eommi5es
reumdas de instruccdo publ'ca oor;amento
Outre do raedmo, remettendo os regofafrrealos
expedides pela presSdencla da provincia em virta-
de da lei .-!8de rWO, art. 3i da de 13 de junbo
de l7l: f| 48 e44 do art. 15 da let n. .1,118, e
da de n. 1,121 e as instruccoes de 13 de setembro
de anao passadoArcbive-se.
Otrtre do (nesmo, remetten lo os balancetes das
camaras mnnicip.res de-lWwra^ii, BomConsemo,
Flore9ta, Petrolioi, BwreitTs, Villa-Rella, Carua-
ni, liafnbe, Palmares, Triutnpho, lpojnca, Victoria,
Unique e Srfgueifo.A' ednpnisnd de orcamenio
iinirwo*7>l.
Cma peticao de Arrlonm IgnScio de Torre? Ban
deira, itereeiro escripWrario da thesouraria pro-
viucial, ipedmdo seis raezes de Hcenca com todos
sens Jwacimentce.A' commissio de petic5es.
fjm parecer da commissS> dc legiMacSo sobre a
pelie.o de cowe^o lino do Monte Carmello Luna,
declinando para a comraissao de ordenados, 0 qnal
4foi apprevado.
Sons projectos, nm creando n lugar de eontinwo
nadirecieria geral deinstruC^So pnbHca, e deter
iiiando que na la>la ou impedimento dos profes
de bosei- <*pres tiuWtoos de tastrocead primaria sejam as ca
deiras Tegidas rielos professores particnlares, e on-
^ro rejnlan'lo 0 >ubsidio e aitidadecasto dos mem-
bros da assemble legislativa provincial para a pro-
xiins futura legislatura.
Uma iadteacao aedgaada por cineo senhores de-
putados, akerando os arts. 2, IV, 20, 21, 53 e 56
do reghnent^ interne da assemblea.
Passande a ordem do dia, entron em primeira
discussdo 0 prejeclo 37 de 1870, approvando a
tax'lla orga'nisada pel a companhia de vapores de
reboque, a qual fienu adiada a requerimeato do
Sr. Gonpalves Ferreira, depoi3 de sobre a materia
fallarem os Srs. Tddutino de Orvalho, Ralis e
SHva, Manoel PorteHa e Goncalves Ferreira.
Entrou igaalmente em primeira discussao 0 de
0 C9 d ^'.' "" .">""* *;------* -.^~,:.
de sante An tao os terrenos do engenhe Campo-
Alegre, 0 qual foi approvado sera debate, e retira-
do da ordem do dia por estar prejudicado, em vir-
tu.le deter sido ollerecido corao emenda a outro
projecto rejeilado, 0 de n. 80 de 1871, e bem as-
*im os de ns 3i de 1873 qua crea uma cadeira
de instrucgao primaria no Rio Doee, e 15 de 1872,
que crea duas escolas noctnrnas.
Foram rejeiiados successivamente os seguintes
projectos: em primeira discussJo 0 de n. 19 de
1873, alterando a lei n. 1,035 de 18 dejabril de
1872, tendo orado 0 Sr. Joio Barbalho ; era segon
da 0 de n 46 de 1867, que crea no termo do Bo-
nit i nma fregnezia com a denominaQio de Capoei
ras, oracdo sobre elle 0 Sr. Olympio Marques e
declarando os Sre. Mello Rego e Perefti que vota-
ram pole requeriraeuto do Sr. Olympio Marques,
em que pedia fosse ouvldo 0 governador do bis-
pado.
Finalmcnte foi snbmettido h> terceira diseussio 0
de n. 39 de 1872, que autorisa a construccao de
uma estrada de ferro desta cidade a Salgadinho,
nos limites desta provincia com a da Parahyba, e
apoiado um requerimento do Sr. Goes Cavalcante,
pedindo para que 0 projecto e as emendas a elle
oftVrecidas vAo a commissao de obras publicas pa
ra dar sou parecer.
E n5o haveodo mais numero de senhores de-
putados para -votar 0 Sr. presidente designoa a
ordem do dia e levanton a sessio : continnaeao da
antecedente, e mais primeira discussao dos projec-
tos n3. 96 de 1866, 89 de 1870, 53 de 1872 ;
-eegunda do de n. 17 de 1872 ; terceiradj de n. 39
de 1873 e nnica do de n. 80 ie 1870.
Kxonerncao-Foi demittido, a bem do ser-
vico publico, 0 bacharel Jose Augusto Ferreira da
Costa do cargo de delegado de policia do termo da
capital, por portaria da presideneia de hontem, e
noaieado para substitui-fo 0 bacharel Democrito
Cavalcante de Albuqnerque.
Ti^ario Bar re to. Damos era seguida 0
acto da presidencia da provincia pelo qual foi con-
traUda a impressao e publicacao das obras do ii-
nado vigario Barrele :
Soccao 5.*Pdaeio da presidencia de Pernam-
bnco,.Recife, 27 de feve>eiro de 1874.
c 0,presidente da provincia, usando da autorisa-
caoqna Ihe confere 0 artige 12 da lei n. 1,115 de
17 de.junho de 1873,.resulve contratar com Car-
los Eduardo Mulbert a impressao e publicacao da
colleccao dos esjriptos do finado vigario Francisco
Ferreira Barreto, mediante as clausulas seguintes,
as quaee serio traiwfiitiiiias a thesouraria provin-
cial, sliin de serem reduaidas a term.), com as for-
mal idades Iegae&_
< 1.* A impressao e publicacao ceostara de esc rip
1os em prosa e verso, que sera > fornecidos ao con-
Katante por uma relacio especiticada dos mesmos,
e pelos qnaes subsistka a responsabilidado do
contralante ate a solucao do seu contra to.
* 2.* A imaressao seri em bom papel 0 cam oiti
dec formande a publicacao doue volumes, cons-
tame um das.oeeas em prosa, e euiro das compo
sicCe? em verso, com 0 retrato do referido vigario
Barreto, que >tica a cargo do contraUnte for-
neijer.
3J A concloao defmilivada publicacao nao ex-
cedera oatura do presents ccntrale por. cada raez de
exeesao Jicara sniuito.o.contrataijte a uma multa
de 50#04il, descontavel da prestayio fiuaj,
4.' 0 teci direito a subveo^au de 2:OjO*J00, pagavel em
dua prestagiies, senJo a primeira ao assignar 0
cuRtrato, mediante previa fian.a, e a segundaa ul-
tima ao tenninar a publicacao, 0 depuis de satis-
feitas Uidas as ciausulas do presente couirat >.
< 5.' Igualntenteperteneora ao contratante a pro-
prjedade da primeira elifio, da qual Ihe 0 fort-
cessao, com a clausula de cntregar a presidencia
trrfzeutus xeraplaros da publicacao, devidamenet
brocbadoa litnrique Pereira de Lvcena.
Ciimarra tin Ksea prfcsidauvia da pruviricia, Je fl do corrente : foi
Axpncradp 0 baaharel EstevaJ Cavalcante de Albu-
qui;rqiie Licerda, do a ijuoto do promotor publico
da. co.maroa da lica Ja, no termo de^se nonie, por
ter sido noraeadu. proiiiator effe.ctivo da comarca
Jtr T.iearatu ; e foi nuneado para 0 substituir 0
bacharel Cicero Anatolio Vieipa do iJrasil.
Moufla America.-Eete vapor, da compa-
nHia araericana, chegu ante bontoni (it) 40escu-
recer 10 porto do Belenl, no Para, em viagem de
New York por S. Thomaz, para 0 nosso port., para
nnle ahi'> hontem a tardo.
Arbitrator.-Este vapor, da companhia de!
Levada-.orcadacm 1:903^000 ; a obra da coberta
do gjmnae^-provinciaiicrtJjada em. 578*600; a
obra da bomba a. 2 no sriimo lanco da estrada
d aj*k pra,ja em UOlSiOdQU cos Aepara* da
cupuia da casa de detencao, orcados em 1:478|;
os utajectos dados em consumo pelo c.>rpo U policia; e a illuminacao publica da cidade d:
Goyanna, a razao de 280 reis por cada lam
pelo.
' No dia 23 de abril : a obra da ponte Pii
Sfliisue, sobre 0 rio Seririhiem, orf'ada om..
9:o703t)00.
Comarca do Cafno: Com 0 praz.
|.sessenta dias, a cointar de 3 do corrente, acl
a cobcurso 0 provlmento vlttficio do officii
hdepositaim geral dji termo d6 Cabo, creado pela
1ei provineial n. 529 de 16 de judho de 1862.
Cocnpanliia pcrnamliucana. E
hoje, ao melo dia, qtie tfeve realisar-se a sessao
da assemblea geral dos accfonistas desla compi
nhla, para ouvir a leitufa do rclaurio annuo e
prdiredet a eleifao da nova direcforib.
Vapores a salilr. A li fo corrente 0
Cururfpe para Aracajli a escatas, 3 0 PJrapama
para Graflja e escalis ; e a 15, 0 tarahyba para
'Rio Formoso e Tamandare.
Proclssao. A irtn'anflaib do Sr. Bom
Jesns dos Martyrios, da freguezia de S. Jose, ex-
poe na sexta-fcira ( 13 ), em solenne procissao, a
tmagem do seu padroelro.
Telegramina fla crte. Hontem as
2 horas da tarde dizem dahi ;
0 vapor Cotopaxt., da Irahado PaciGco, saliio
para ahi a 7; 0 vapor frallce Erymunlhe, da
linha de B irdeos, devrj sah?ral3. '
Pasrtaniento. Falleceu ante-hontem e fo
Irontem A tarde sepultado no lemiterio publieo, 0
fir. Antonio Carlos Pereira Leon, antrgo e habftfssimo solbitador de causaa no
foro do Recife.
Morrru.-O individuO, de nome Felix,Jose,
que ante-hontcm foi ptsailo por um dos trehs da
via ferrea de Olmda, no lugir Salgadinho, condu-
tido ao Recife, e depois de ^toriado, foi levado ao
hospital Pedro ft, onJe poico depois falleceu era
conseqneacia das ferlmentv r*eceb1dos.
Verifieou-se que esse jmividuo achava-se em-
briagado, e que s6 a esse ratado foi derido 0 acci-
donte.
Cabo submarinoNo dia 5 de fevereiro
(aehavam-se prbmptos pan partir de Ingtaterra os
vaporei Ambassdigr e G do pelo Sr. Siemens e destinado a por-nos em
commnrricar^ao telegraphca immediata com 0 Rio
da Prata!
No fl;a 6 porem, 0 tmbassador, que tinha a
bbrdo 400 mnhas de ca>o, partio a amarra que 0
prondia ao caes de Woiiwicn, na occasiio em que
cahira Um espesso nevn>iro, e arrastado pela cor-
rente foi de encontro avarios barcos carregados
de carvSo, e que mais or* menos soffrerara aVarias.
Por fira algnns rebocador mandados em busca
do Anbaisador, encontraraa no e conssguiram le-
va-lo de novo para 0 ancorafouro.
Coiisclho supremo militar. Achan-
do-se no dia 3 do corrente pasentes os conselhei-
ros de guerra, duaoc de Caxiat, Bittencourt, ba-
rSo de ltapiine, visconde de S;nta Theresa, ba-
rSes da Gavea c de Angra, e 0 ctnselheiro Beau-
repaire Kuban, foi aborts a sessSo, e 0 Sr. mare-
chal de canpe Jose de Victoria Soares de Anoroa,
prestoH juramento e tomou posse do lngar de con-1
...lu^iro a gaerra.
O secretario de guorra lea o expediente, 0 fenm
discutidas e approvadas as consultas que traUra
da condecorac.lo do habit 1 de A viz, aos majorss
Ernesto Augusto da Cunha alattos e Antonio Jo;e
Maria Pego Junior ; capitaes Francisco Antonio
de Macedo, Felinto Elysio da Costa e Carlos Ah-
noel de lima ; as que versam sobre honras raii-
tares, aos tenente reformado Joaqnim Jose Ram b,
Dr. Jose Lino Pereira Junior, pharmaceutico J quim Rodrigues Cotia, e exsargento de volunh-
rios Antonio Pinto Ribeiro ; e a do 2* sargento 1i-
cente Rabe'lo Leite, pedindo que se Ihe cente tea-
po de service militar.
Rio Grande do Niorte. Em 17 de fevj-
reiro proximo flndo escrevem-nos do Ceara-Mirin,:
t Proseguem activamente os trabalhos da aber-
tura do rie Ceara Mirim, c creio que, dentro de <0
ou 40 dias, talvez esteja concluiaa esta ebra, g-
gantesca para as forcas da provinoia, tvti peque-
nina diante da vontade energica e rernlnta 9 do *
forco infatigavel do digno actual pmiadnto, Dr.
Baudeira Filho, que por tao assigwdado servim
immortalisara 0 seu nome e a sua administrac,a.
Para que V. avalie da importancia desse ser-
vico basta que Ihe diga que 0 melboramento do ro
Ceara Mirim, facilitando a vasaO das aguas, ha ds
ter por effeito evitar os jrrandes ma es causados
pelas inundacoes desse rio, inundagoes que sio un
inferno para os agncnltores de todo e seu vallt,
alias 0 loais rico e 0 mais fertil da provincia.
Reaiisando esse sonho dos aghcultores do Cea-
ra-Mirira 0 Dr. Bandeira Filho ergue ura throna
de gratidio para si ni coragio dos habitadores
desta zona, e certamente conqaistari 0 applause
de todos os homens de bem e verdadeiramente
amigos do seu paiz. >
Loteria do ;Rlo de Janeiro A lute-
ria 197 de Wictheroy, cprre sexta-feira 13 do cor-
rente.
Loterda.A que se acha a venda e a 91.', a
beneficio da igreja matriz da Varzea, que corre no
dia 13.
Lellao.iHeje (Jl) effectda 0 agente Pinto 0
leilao dos moveis e mais objectos existentes no ar-
maeem da rua do Bom Jesus n. 20, conforme es-
ta annunciado.
Em continuaao vendera 0 mesmo agente
um carro de 4 rodas, em optimo estado.
Amanha, 12, effectuara 0 mesmo agente 0
leilao de generos de estiva, no armazem da Com-
panhia Pernambncana, Porte do Mattas n. 16.
Sexta-feira, 13, vendera 0 mesmo agente 1
caixa com camisas, avariada a b >rdo do vapor
francet Henry IV, dita com brim pardo, avariada
a bordo do vapor inglei Neva, assira como 6 pe-
cas de grosdenaple preto (limpo), em aeu esccip-
torio, a rua do Bom Jesus n. 43.
Casa de detencao.Movimente da casa
de detencao do dia 9 de oiarco de 1874 :
Bxistiam presos 3J9, entrarara 9, sakiram 8
existem 3JW.
A saber :
Hacioaaes 244, mnlheres JO, estrangeiros 28,
eicraTos 87, cscrava ATotal 320.
Alimentadaa a custa dos cofres publicos 2S3.
Movimento da enfermaria do dia 9 de marco
Tiveram baica
Joa. Felidano Ferreira, odentalgia.
Jose Eazebio, eontusoes.
Tiveram alta
Franeiseo do aosario Branco.
Balbino Pereira da "Silva.
Pasaaareiras.-rSabidos. para os portos do
nerte no vapor naeional Bahia :
Dr. L de Albuquerquo Nsscimeuto 1 criado.
Felinto Goioaa da S*ra e I criado, Q. Victor de
Moraes e sua fcinilia, Dr. Pedro de Albuqu rque
AUtran c 1 criado, major Augusto Daprat e sua
famitia, Lniz Antonio F. Bo las, Francisco Antonio
CavalcauU Meliu, H. Moreira do Carvalho, P. da
St va C mara, Manoel da Costa M. Junior, Ramiro
Ant hi o di C'<3ia, Antonio Luiz de Faria, Antonio
Dias .ic mi,veira, Miguel Flurencio, soldado CiciliJ
ara, branco, C*_
ngestao cerebral.
ercira de Suza, branco, Per-
, solteiro, Po)?o ; hepatite,
inho Borges, pardo, Fernambu-
do, Grace: tubercdlos pnloio-
Hermelinda de Ilollanda Neves, branca, 28 an-
Bos,#>lteira, Stnld AnioSo; depbantiases.
Viator Pereira da Roooa, 20 annos, aolteiro, S.
Jose ; tuberculos pnlmonares.
JubaHaTTa da Conceicio, preta, Pernamtracn,
tOjBncjpcasadjrS. Jo.-d; peritonite puerperal.
r Me^afier (mmutmbBKirt branco, Pernam-
buco,. 37 annos, easado, Boa-Vista ; tuberculos
pulmooares.
r. dBseTnbargjnor scCToH
Do'Hedfe.--Apf>ellame 0* gercnte'da Companhia
do s;a, aimellado a companhia dc tiilbos urbanos.
. Ao.Sr. deseabatgadjr rforriogiics Silva :
Appellacao commercial.
' dppella'nte Manoel da Sitva 'Santos, appelladbs
berdeiros de Manoel Luiz Goncalves.
^w S'. desembaMrior Sonza Leao : ~^^
Jfce Maceio.-jSeine Caodido Francisco 3ia-.
re. appelladoiH FrOBO C. Peres da Cunha.
Encerrou-se a sessio as 2 holes.
nN^#-*lteMiUa1|ti^JaWjil^Evamto per
]q,eio do tvm.jgjgtflS.1 descent', enuon depw
com ella e."ffans5cgd corfl.0 ateilant*, em vir-
thde da qml Nicon^ttRflr*iM erta.
Reeifo, 10 le nKi^fo^edW*.""
iw* 1k Stqut-uv Fermi.
l'lltllDO CO\SEBVADOn
KECIbE, 11 T3E MARCO DE 1874.
A provincia vai iespendar algtins contos
de
com
t iiHOMCA JUDiriARIl
fTRIBUVAfi -Jt.4 BlltiACAO
SESSAO DE 10 DE MARCO DE 1874.
PRESIDENXIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO CAE-
TAItO SATHlAGO.
Secretario .Dr. Voailio Coelho.
As 10 horas da manbi, pres'entes os Srs. des-
embargadores Silva Guimaraes, Louren$o Santia-
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerqtie, Accioli,,
Souza Leao e Freitas Henriques, procurador da
coroa, fal.tando com causa 0 Sr^ deaembargador
Domingues Silva, abrio-se a sessio.
JULGAMBNTOS.
Habeas corpus.
Paciente Caelano Frafjci co d6 Oliveira.Ne-
garam soltura. .
Recurso commercial.
Recorrente 0 iuizo especial do Recite, recorrido
Jose Francisco Bittencourt. Juiies os Srs. desem-
bargadores Silva GuimarSes, Almeida Albuquer-
que, Asciali. -Dcram provtiuento e absolveram 0
recorrido
Recnrso crime. ,
Do Recife.Recorrente 0 juizo, recorrido Au-
reliano Augnsto de Souza. Juizes os Srs. desem-
bargadores Lourenoo Santiago, Souza Lead, .Al-
meida Allbbuquerque e Accioli.-r-Improcede'nie.
Aggravos de petieio,
Aggravante Joao Luiz Goncalves Ferreira. Jui-
zes os Srs. deseinbargadores Silva Guimaraes,
Souza Leao e Rets, e 'Silva.-Deti-se provimento.
Aggravante Behto Augusto da Silva. Juizes os
Srs. desembargadores Loureru^e. Santiago, Souza
Leao e Freitas Henriques.Negou-se provimento
Aggravante Jpaquim Sflverio de Souza. Juizes
os Srs. desenibargadores Reis e Silva, Souza
Leao e Lourenco Santiago. Deu-se provimento.
Aggravante^oa^ Goncalves da Cruz. Juizes os
Srs/deseinbargadbes Souza Leao, Accioli e Silva
GuimaraesnT-*e8Puse provimento.
rt^ravante Silvano Thomaz de Souza Maga-
lhaes. Juizes qs Srs. deserabargadores Freitas
Henriques, Accioli e Reis e Silva.Negou-se pro-
vimento.
PASSAGENS
Do Sr. desembargador Loureneo Santiago ao
Sr. desembargador Reis .e^Silva :
Appel'acao civet.
De Alagoas.ArJpelta'nle Carlos Augusto Za
nolte, appellado Dr. RoLerto Cafteiros do Mello.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Accioli:
Appellacoes crimes.
Do Cabo.
rela com a renfjjiao dos sens representantes,
qne proveito porem para ella ?
Longe,-bem longe vao ce tempo*, em que a
assemblea provincial, composta das snramidades
da provincia, adberia-se com patriotismo ao seu
Sirrao natal para eurar dos interesses pe:uliares
elle.
Longe, bem lonae vao esses tempos de adbesao e
patriotismo pelos interesses da provincia !
Eis uina cenUssao, a qual, se nao e bem inge-
nua, e, erWhtrnte'niaito expressiva da responsa-
bilidade, que eemnosco desejam hoje partilhar os
liberaes procincianos.
Nao e a primeira vez que assistlmos a esses
actos de Gontriccao da parte dos nossos adversa-
rios a declararem se solidarios com os conservado-
res ou pelo bem que nao literam ou pelos males,
que nao quizmm evitar em todas essas 6pocas ja
idas longe e bem longe do sen eminoso pre-
domlnio.
Mais de um eetrto de vezes torn elles repetido :
qtie sao contra a monarchia pessoal, isto e,
contra 0 sophisma de nil TEnco he sEcuto, que
ha feito da rtpresenta^ao naciottal urna bvrla e
dos costumes polMicoa um arremedo do baixo im-
perio.
Temos ho rhaior empenho 0 ir registrando essas
proposirSes dos liberaes da Procinda, as quaes
envolvem a mais cruel invectiva contra as transac-
tas admlntstraeBes quer de conservalores, quer de
liberaes.
Scguramfente esses tempos longe e bem longe
de patriotismo dos deputados provineiaes, remon-
tam-se,tao peflsar dos proci'ncianos, aum ferro de
seenh ponco mais ou menos.
Potnossa parte Jajtehios dedarado rnnito ter-
ra inatiremente, qne nao compartdhamos a respon-
sabilidade dos proventos de sua abnstardada po-
litica de todos os tempos.
So bem que nao necessitassemos dessas publicas
denunciacoes, que muito podem concorrer para
dispertar 0 espirito dos liberaes desta terra, toda-
via a confissao provi 0 dericto e 6 ao mesmo
tempo mn remedlo herolco para a remissio do
mesmo.
Com effeito, desfle que os redactore.' provincia
not confessam que a monarthia pessoal ha feito
da representacao naeional uma burta e isso ha nm
terco de seculo, nio e para admirar, que lamen-
tem al.zuns contos de r6is, que a provincia vai
hoje despender, sem proverto algum, com a reu-
niao dos sous representantes.
Isso e ser coherente, i-so e ser sinccro.
0 qne por im nao parece muito razoavel e qne
esses liberaes, so quaudo se acham f6ra do peder,
assignalem e estigmatisem esses males publicos,
esses cancros, qne ha taSfo tempo corroem aS en-
rranhas da sociedade e qtie effes, sabios medicos
hnmanitarios, nio tenham qnerido extirpa-los pelt)
snpremo interesSe da salvijao da patria I
Quanlose afeham erobriagados na Jrafc^o dos
saboto30s fractos do poder, ji se nao lembram
Fez-se uma grande e Importante
des4*o*t>rta ma eminentos qaaiidades medi-
cinaes da Anacahuitt, arvulV esta OM cresce na>
immedlajoes de Tampico, BO MeflM. 0 Peitoral
Anacahuita de Kemp, coftpoeto t fraparado com
0 balsamico succo de dito arvora, Mm encbido o
mundo df espanto e admin0o. Os propriot me-
dicos eorife.sia:ii que nonet se Ihe* bavia entra-
do na Idea, de qae se podeate extrahir d- nenhuui
preneto da terra on espedlco ton maravilhoj
e compieto ['ara a cura daa enliraiioades da gar-
ganta a dos utgaoa da respiracao. 4 tosse de um
caracter 0 mais confirmado e violento, desappare-
ce sob a sua magica influencia, dentro em pooco*
dias, e as vezes mesmo dentro de algumas boras,
depois de se haver tornado uma garrafa de me-
mo. A rouquidao por mais cavernosa e profunda
que seja, promptamente se desvanece e a voz den
tro em pouco rccobra e adquire toda a sua costu-
mada clareza c sonoridade. As bronchites se alb-
\1an1 mediante 0 seu uso. Cura os pulmoes feri-
dos c inflammados. Os qne padecem de asthma
prinr-ipiam por respirar com desafgo c regulari-
dade logo d -pois de se baver tornado as primeira-
doses. 0 catarrbo dedarado incnravel desappa
rece ordicariamente ao cabo de uma stmai...
EmCm a sua exccllencia e grande efflcacia ni"
teve, nao tern e nem tera igual por mt in de toda*
as mais medictcai tendootes para 0 mesmo linv
COLLEGIO
DA
?oao ?A\ Barreto de La- ~ 3R? ^A^IL^0!
1'ereir.i d* Silva^foto PraBe*eo dail*a, Henrique
Avu!in-> R Guimaraes, f -a'-jento Minoel dn Lut.
p,------II l, !... L i......... ._.."
1
l^aeravp a eulreflK,
Vjnu is df "w
Ami's
Pitrrt, If;pdlatoGdvardr .Jean ^cRegoveu, Autpnip do Joaquim Bern'arJino Ferreira e nolroi.
J'.')uiin de Bjgueirdo, Friiidacd Holmas, e 1 'Aft Sr. d'eWuBar^ador Lo'iirphco Santiago
la (fcMiro no vapor Jujit
Luca \ itoni M G iriV.Sio Mart^pho,. Placjd*\'
' Pi ih !' i -'I w ,tm .! r/aTueote,'
ijli g : >', .j .pa im v 1 i-,r [ogldZ JqqA
cerda, appellado Manoel Ignacis de Albuquerque
Maranhio e outro.
Do Buique. Appellaa'.e 0 juizo, appellado Joa-
quim Gomel aa Silva.
Ao Sr. desembargad >r Silva Guimaraes:
Appellacdes crimes.
Da Independeneia. Appellante 0 juizo, appella-
do Jovino Coelho da Cunha.
Da Imperatriz.Appellant 2 0 juizo, appellado
Joao Marinho da Silva e outro.
Do Limoiro Appellante Jose Yieira da Silva,
appellado Ignacio Gomes Barbosa.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Appellacao civel.
De Ipojuca.Appellante Joaquim da Silva Cosla,
appellado Luiz Gomes de Moura.
fhi Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Domingues Sitva :
Appellacao commercial.
Appellante Pereira da Cunha & irmao, appel-
lada a administrate da massa de Leopoldo & MarJ
tins.
Appellacao crime.
De Nazareth. Appellante 0 juizo, appellado
Francisco Cavatcanti de Vasconcellos.
Diligencia crime.
Ao Sr. desembargador promotor da juslica :
Da villa da Palma. Appellante Antonio Tho-
maz Pereira, appellada a justica.
Do Pilar.Appellante Antonio Joao Carlos, ap-
pellada a justica.
Da Victoria.Appellante Joaqum Antonio da
Silva, appellada a justica.
Diligencia civel.
Ao Dr. curador geral:
Do Recife. Appellante a preta Domi ngas Maria
da Conceicio, appellada D. Maria da Cunha Soares
Brandao.
De Porto Calvo.Appellante Jose de Oliveira
Lima, appdlados Joao Ferreira de Carvalho e
outro s.
Do Crate.Appellante a escrava Maria e seus
filhos, appellado Joao Quixada Filgneiras e ou-
tro?.
Ao Exra. Sr. desembargador procurador da co-
roa :
De Alagoas.Appellante Hanoal Joaquim da
Silva Leao, appellado bacharel Jose Angelo Marcio
da Silva e a fazeuda naeional.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos ;
Appellacao crime.
De Mossoro. Appellante Claudino Alves de
Aqumo, appellada a justica.
Appdlaeoes civeis.
Do Recife.Appellante Mauoel Zeferiue de Sa-
les como tutor dos lilhos de Luiz de Franca Sou-
to, appellados Barluoloraeu A C ; appellantes Hyp-
pel ito Robert c outros, appellada D. Henriqueta
Elisa Banks de Miranda e seu marido.
Appellacao commercial.
Do Recife.Appellante Mauoel Zeferino de Sa-
les, como tutor dos filhos de Luiz de Franca Sou-
to, appellados Bartholoraeu & C.
uisTitinuigoKs.
Aggravos de petigao.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Aggravante Jose llilario Paea Barreto.
A 1 desembargador Domingues Silva :
Ab^>fi p-ute tenente-corond Manoel Joaqnim do
Rego Albuquerque.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes :
De Bom Conselho.Recorrente 0 juizo, recor-
rido Joaquim Jose de Araujo.
Do Cabo.Recorrente 0 juizo, recorrido Canoto
Ramos.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
De Bom Consdho. Recorrente 0 juizo, recorri-
do Antonio Bezerra da Silva Araripe.
Ao Sr. desembargador Reis 0 Silva :
De Palmeira dos fndio. Recorrente 0 juizo,
recorrido Joaquim dot Rds,
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque:
Da Palmeira dos Indios. Recwrrente 0 juizo,
reoorrido Francisco Leite de Menezes.
Ao Sr. desembargador Accioti;.
De Palmeira dos Indios. flecbrrente 0 juizo
recorrido Manoel Francisco Alves..
iAo Sr. desembargador Domingues Silva :
Da Imperatriz. -Recorrente 0 juizo, recorrido
anoef Candido Cqelbo da silva.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
D'Area.Recorrente 0 juizo, recorrido Manoel
Ignacio de Goes.
Appellacoes civeis.
Ao Sr. desembargador Freitas Henriques:
j, De Patos>=AppeTlantes Antonio Pereira Mon-
jm-o e outros, appellados Manoel Lucio ftalyro de
SijHza e ouuos. ^ .
p Ao Sr. aej'eiiib4rgadc^r,Silva Giiimar'ifes.:
Do Recife. Appellante f^irjos Locjerp, appella-
*
cugu
IT R-ifliij
flM
Angustj d.' MT.eida 0 sua mulher,
AppelJacaii eoinmerckil.
lAppell.iiite'..More ra ^ Pimp, apyellado 0 cura-
\t jiscai de Fraocisc, 1 Jo e da Costa Guiraaries.
Ao Sr. deseiiibargfiior IMs e Silva :
Do Recife -Ap/iRlantn" CorHlnlano de Aquino
yavr-i jppdlad" L'i'z C. Ciraeiro de Lyra.
Ao Sr. aeseWbirgMor' vimeida Alboquerqiie :
De Garanhuns.- Appellante Jo3o Paula da Mol-
Com effeito, a assenibtea provincial e a reunlao
dos desiguados do pfesidehlb e s6 faz 0 qfle este
qder, pots qtte ao creatnras da adminlstra;ao, de
enjo pensamen'to nio podem divergir.
Uma vez apeados do poder, re'eobram os inno-
centes 0 felizes provincianos es sentidus quasi on-
torpecido9, e eritad pergnntafn muito ingenua-
mente:
1 Que proveito colhe a provincia da despeza
para uma tal reuniao?
Que impdrta a frxacSo das despezas, a decre
tacio dos impostos, que, sendo pagos pelo povo,
so pelos mandatarios do povo devem ser estabele-
eidos ?
Que importa, se 0 povo nao t^m mandata-
rios I B
Se esses provincianos fossem capazes de uma
sobre coragem, nao se recujariara, eertaraente,
responderemnbs francamente as cathegoricas per-
guntas, que agora lhes dirigimos, a saber :
Desde quando entendeis vos que data a de-
cadencia Ja representa^ao naeional ? Quaes sao
os responsaveis por essa decadencia ? Qual 0 re-
medio heroico a applicar ?
Eis ahi 0 gue deseja?amos ver bem venlilado e
esclarecido; porem estamos bem longe de airedi-
tar que vos digneis responder-nos.
Entretanto cumpre confessar que muito ?e pode
eolligir das proposigdes, quo tendes emittido:
A monarchia pessoal, ba um terco de seculo,
ha feito da represntacao naeional nma burta
Longe bem longe vao esses tempos de adhesao
e patriotismo pelos interasses da provincia.
tO passado nos faz suppor qae es mais uma farca, com que s deprime a nossa dig-
ni lade. >
Para 0 bom entendedor meia palavra basu e
vos tendes dito, no qne fica acima escriplo, mais
que bastante para bem poder descortinar-se todo
0 vosso pensamento.
A monarchia pessoal tern sido para vos outros,
em todas as epocas de opposicao um recorso bem
ponco gtneroso, de que haveis lancado mao para
desacreditardes 0 systema de governo, que nos
rege.
. Bem comprehendemos os vossos intuitos. Ho-
mens de diversas phases, estais promptos a defen-
der e a bajular a monarchia, quando vos acbais
no gozo do poder, do qual entao usais e abusais;
uma vez pordm apeados do raesmo poder, que
comproraetteis e desacreditais, nao tendes a me-
nor duvida de altribuir ao systema os vidos e a
cerrupfiao, que 6 obra vossa, exclusivamente
vossa.
Nem podeis mais disfarcar 0 vosso desaponta-
mento, seniio 0 vosso odio e despreso pelas ius-
tttulcdes juradas.
Agui transcrevemas para conhecimento e me-
moria de todos, essas voBsas proprias palavras,
que fielmente traduzem todos os vossos sentimen-
tos e com elles a fe que vos ln3plra a sacrosanta
causa da patria:
Entregueraos, entregnemos 0 governo inteiro
a esses regulos, que ja de facto em suas mao 0
tem : acabemos com essas farcas ridicnlas, que so
concorrem para afeia'r ainda mais 0 qnadro da
nossa decadencia : acabemos anles com mdo isto
de representacao naeional, assemblers provineiaes
e todas essas instituijoes garantidoras das liber-
dades publicas : ostente a autoridade 0 seu gover-
no sem limites; antes isto, porque, ao menos, rei-
nari a verdade descarnada. >
Eis aqui 0 fructo amadurecido da falta de f6 e
conscienda dos que militam no grande combate da
vida publica I
Sem crencas e sem principios a realisar, desa-
lentam logo aos primeiros passos na larga e im
mensa estrada do progresSo.
Poregrinos sem religiao e sem norte, ei Jos sor-
prendidos pelo mao espirito e condemnados a uao
verem jamSis a luz Iimpida e brilhante da ver-
dade I
Nao tendo jama is travado a gloriosa Into, dos
rincipios generosos e hiiraanitarios, preferem a
estruicao, 0 ahiqdilaraento e 0 cahos ao aotre
martyrio para a regeneracio social, como se fo-
ram anjos roaos, eternaraente decahidos e cc-n-
demuaios peto iiiplacavel crgullio e deplo.-avtl sq-
berba e ob. 0 bem, a verdade e a luz.
Ao publico
Joao de Sequeira Ferrio, respondent a p'^Jj>i
cacao feU pelo Sr. Wenee^lao Apolinw PfO'
Sarraenie, no Jorital do Recife de 9 do corrente,,
Jaoiara quo ha dons annos pouci mais u menos, .
.doscontoti aw Sr. Evaristo Teixdra Pinto Geaiea
uma fettra de 6863910, aceita pelo Sr. Tijomaz in
Aquino Lins Wanderley e sacada pelo mesmo Sr.
Dtsc intoiia a possoa logitima, que figurava
M--t.ua dos Coclh^s--2{)
A abaixo assignada, licenciada pelo Exm h
presidente da provincia, e pelo Iflm. Pr. Dr. dtrec-
tor get al da instrue^ao pubiica, tem eftahelecMi
na rua dos CodhOs, n. 20, a poucos passot d
igreja de S. Goncalo, um collegio para menina*
sob a invocapao da Saxtissima TrnmaM.
Auxiliada por suas irmias D. D. Landelina Jer-
sey e Ollndlna Jersey, ambas as qnat-s, em com-
mum com a abaixo assignada, receberam igual
edocacJo, durante quasi sete annos, em um do'
melrrorcs collegios francetes da ddade do Pofto.
esta por certo nabilitada para transmitlir a snas
alumnas todos 0? conhedmentos adquiridoa ne*
longo espaco de tempo.
Chamanuo a attencao dos illustrados pais de farci
lia, nacionaej e estrangdros, para os esutut"-
abaixo, a annunciante cspera raereccr dacMHa
preferencia, pois 0 seu estabdecimento se disdn
gue, nao so porque nada pagam em separado prtr.
estudo das artcs de rerrdo, corao tambem pelo da
liuguas estrangdras que, em geral, sornentK se
ensina a traduzir, ao passoque no Collegio da Sai
tissima Tiundabs se aprendera a fallar e eserever
correctamente : 0 que se torna 3cm duvida 4-
uraa vatftagein c ulilidade iaeontestoveis.
Invocando.chcia de cenfianti*, a proteecio d*
seus compatriotas, e de tcdos os estrangdros -
tr.ados, a annunciante e suas irmaas, no cumpn-
mento dos seus deveres, esperam e promettem
vidar todos os esforcos, afim de provar que, entre
nos, existem pernarabocanas sufflcient*,m'wte ha
bilitadas para instruir e preparar nossas iunocen-
araaveis patrida?, nao sd a desempenharem
oo future 0 nobre e respeltavd mintsterio A>
mats de 'famitia, como a se tortarem ami, on em
qoalquer paiz, onde se acharem, o brilhante -1
namento da mais culta e dhtinda sociedade.
As aulas abrera se a 26 de Janeiro.
Philomena Minerrina de A. 0' Connetl Jerw
ESTATTTOS
00
Collegio da Sastissima Trinda.de, sob a
direcr,5o de Philomena Minervina d'AI-
buquerque 0' Connell Jersey, coadjuvad*
por suas irmias D. Landelina d'Albaqaei
que 0' Connell Jersey e D.Oliadina a'* I
buqucrque 0" Connell Jersey.
Art. 1.* 0 Collegio dirigido por Philomeoa Mi
nervina d'Albuqaerqne O' Connell Jersey dcnorei
na-seCollscio oa Santtssima TmsnAns.
Art. 2.* As alumnas reoebem nelle instraeaa---
primaria, secundaha, religiosa, de civilidade, t d
recreio e prtndas.
Art. 3.' A instruceao primaria e-leitura, *
cripta, contabelidade (as qnatro operacOes) nrjedt-
rgrammatica portngneza, costora chi e M
chet.
Art. 4.* A instruceao secundaria comprehend*
lingua naeional, francez, ingiez, italiano, hlsto
ria, geographia e arithmetica.
Art. 5.* A instruceao religiosa e dada pelo ea-
thedsmo ; as alumnas aprendem dontrina cbrH-
ta, e todos os deveres religiosos a cnmprir part cow
Deus, seus pais e pareates, e era geral com a o-
ciedade.
Art 6.* A instruceao de civilidade abrange lo
dos os actos da vida de uraa seohora, em reiaca*
com as peesoas de sua famitia e com a aoek-
dade.
Art. 7.* A lastruccio de recreio eonsta de
desenho, musica, piano c danca.
Art. 8. A instruceao de preadas renne todo*
os trabalhos de agulha, e toda a eipecie dc K.r-
dados, qne deve saber uma senhora da melnor <>
ciedado.
n
Art 9. 0 Collegio admitle alnmnas iatema*.
mdo pensionistas e externis.
Art. 10. A lingua que se fatla no interior d<
Collegio e a franceza; e durante as aulas de iDf*e>
e italiano so se fall am estas lingnas.
Art. 11. As alumnas qne estudara francez, ra
glez e italiano aprendem a fallar, eserever e tra -
duzir estes idioraas grammaticalraente.
Art. 12. A mensalidade para as iaurnas e aV
404000, para as mdo pensionistas 20*000, e para
as external 5*000, pagos adiantados por nines-
tres que, uma vez cotnecados, consideram-ae thi-
cidos.
Art. IS. A instraccio das alumnas extereas.
remnnerada segundo 0 artigo antecedente, a
dos arts. 3 e 5; as internas e meio-peosMniita
teem direito a dos arts. 3, 4, S, 6, 7 e 8 ; poiea#o,
todaria, qualquer alumna externa freqaentar a
aulas snperiores mediante a indemnisacao, ct-
as convencionar.
Art. 14. As despezas com livres, panel, etc sa-
da competenda dos pais ou correspondentes o.-
alumnas, e bem assira a materia prima Jeborda-
dos, e estes executados sao propriedade dis ro-
mas.
Art. 15. As aulas no Collegio da Santombm
Tri.vdade trabalham duas vezea ao dia-de manhi
das 9 as 12, e de tarde das 2 1|2 as 5 tfS.
Art. 15. 0 enxoval das internas & ao gosto *V
seus pais ; assim como a roupa lavada, engomma
da e pertences por dies serao forneddos.
Art. 17. As pequenas indisposicfes e molestu.*
das internas sao tratadas no Collegio ; na gra*t*,
porem, a directora fax avisar aos pais ou corre*
pondentes para providendarera s 'bre 0 trataaen-
to, qae pode ser em suas casas, ou no Coil agio
Art. 18. Os feriados sao os das anlas publica*
salvo as quintas fdras que, no Collegio, beam dt-
tinadas a instrnccio de recreio.
Art. 19. Todas as materias lecdcaadas no Cd
legio da Sastissim v Tbindabc sao professadas pela
directora e suas irmias, ou outras senhons eaaa a
aptidao precisa, e que a directora jnlgar neeflMa-
rias.
Recife, 30 do dezembro da 1873.
P*.//oro epApprovoDirectoria geral da instruceao public*
Pernambuco. 8 de Janeiro de IS74.
Joao Barbalhc UcMa CatalcanU.
COMMFJCie
corpo I. giliiiii), portador 0 proprietary da lel'tra ot
teferiifo Sr. Evaristo, vi3to ealar a mescia kun
md i,ada pelo Sr. Wencealao com i>nd.icn er<
branco que liana 0 effeito da transf reuci'a da
propriedade da lettra ao dito Sr. Evaristo.
Como douo, pois, da lettra, 0 abaixo assigcado,
JUNTA DOS CORRfiTORES
Prnca do Recife, tO de marr*
de i4.
AS 3 HiUIAS DA T.\RD.
cot oaaa c?ki i-ia. .
Algodie do serci* I1 sorte 7*800 por 13 ki
sabbada
Pcned'1 sem inspercao 7*WO poi 15
kilos, sabtado.
|>lto-de d'to si-r 1- ccia 7ilfl0 e 7420JJ |-1
is. Tem.
Assu ?>>'n 750 .i ISkiVia h idea.
ssu ? por 15 .site*.
A

j
?ibtosobre !. indres a 90 ujv. 1(4
r
^


"v
/

'
^bB^m^th^tm^'m^iM'fPW^Wi^i
d,
Dito sobre
ban
Cambio
ban
Cambio
mio, do banco.
0pfcio*^ojr# oTBo de Janeiro j
0)0 de deseqpto, hontera.
Cambio sobro atwia a 8 dff. ao
-de let*! 12 OiOaoaimo.
t5. de Vasconcellos
immmm
A. P. de Lenos
Secretario.
Pesconto
b
ALFATOEGA
ism do dia io.....
298:426*983
45:497*467
34,3:9*4*450
Owearpegam hoje 11 de marco de 1874.
Barca noruega Copella (atracada) mercado-
rias para alfandega.
Escuna \ag\eak-Jacobine(atracada) mercadorias
para allandega-
Brigue fcMeez.Ufftr* de a$mmctu mercado-
rias para alfandega.
Escuna ingleza Florence mercadorias par? al-
fandega.
Barca franceza Minerva- tijolos e lelhas para
o trapiche Conceicio, para despachar.
Patacho portuguez-Graciojapedras de canla-
ria para o trapiche Conceicao, para des-
pacnar.
Brigae inglez Mary m baoalhio ja despaebado
para a companbia pernambncana.
Barca inglezaPan^erobacalnao ja despaebado
para o trapiche CooceijSo.
Barca inglezaHermione bacalhao jadespachado
para o trapiche ConeeicSo.
Barca araericanaMary Quem-fariaha jades-
pachada para o caes d) Apollo.
Barca inglezaCarrisbrookcarvao ja despacha-
do para o caes do Apollo.
Barca portugueza Josephina 11 generos na-
cionaes para o trapiche da compaahia
pernambucana.
Barca ingleza Rossini carvao ja despaebado
para o caes do Apollo.
Iiiiportactto.
Barca hespanhola D. Juana, entrada de Glas-
gow em 9 do corrente e consiguada a Brown
Thomson & C, manifest.u :
Carvao de pedra 423 tonelada9 e 15 quintaes a
urdem.
.KSPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 9 DB
MARQO BE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor portognez Julio Diniz, para o
Porto, carregou : E R. Rabello & & C. 100 pipas
com 48,000 lilros de agnardente; J. G. da Costa
1 barrica com 35 kilos de farinha de mandioca e
3 ditas com 90 ditos de assucar branco; J. J. Aze-
vedo 2 ditas com 70 ditos de dito e 1 caixa com
SO ditos de doce ; Keller 4 C. 2 ditas com 50 ditos
de dito ; Teixeira <& Primo 2 ditas com 167 ditos
de rapaduras; M. G. Martins 1 sacca com 30 ditos
de algodao.
No patacho americano Adelaide, paraLisboa,
carregou: S. Guimaraes & C. 50 pipas com 24,000
litros de aguardente.
Na polaca portngueza Graciosa, para Lisboa,
carregou : A. Loyo 1,086 couros salgados com
13,032 kilos.
Na barca franceza J. Baptiste, para o Havre,
carregou : H. & Labille 462 courts salgados com
#9,702 kilo?.
Na barca franceza Ville de Bahia, para Pa-
rk*, carregou : Dr. Manoel de B. Barreto 2 caixas
v.n 30 kiios de doce.
No navio francez S. Lowjt, para Liverpool,
carregou: Keller & C. 237 saccas com 16,963
Kilos de algodao.
Na barca ingleza Lavine, para Liverpool,
carregou: Keller & C. 153 saccas com 11,415 1(2
k.los de algodito:
Na barca ingleza Petcheke, para Liverpool,
carregou : Keller & C 100 saccas com 7,484 kilos
de algodao.
No brigue hespanhol Nicaciu, para o Rio da
I'rata, carregou : P. Carneiro & C- 100 barricas
om 11,490 kilos de assucar mascavado e 625
ditas com 71,223 ditos de dito branco.
No brigue inglei Wolfrtlle, para o Rio da
Prata, carregou : A. Loyo 644 barricas com
32,105 kilos de assucar branco e 50 pipas cjra
24,000 litros de aguardente.
No navio hespanhol Prim, para o Rio da Pra-
ta, carregou : A. Oirdeiro 10 pipas com 4,800 li-
tros de aguardente e4C0 barricas com 41.851 kilos
de assucar branco.
Para os portos do interior.
Para o Rio de Janeiro, no navio nacional
[,,ihe, carregou : J.Licij & Filho 370 saccos com
30,009 kilos de assucar branco.
Para o Para, no vapor nacicnal Bahia, car-
regou : E. A. Burle & C. 10 barrica- com 658
kilos de assucar branco : para o Maranhao, F. P.
Machado Bastos 30 ditas com 1,796 ditos de dito e
24 ditas com 1,553 ditos de dito : J. Ramos & Ma-
ohado 10 ditas com 1,203 ditos de dito.
Para o Para, no brigue portuguez Relampa-
o, carregou : M. J. da Costa 30 pipas com 14,400
litros de aguardente.
Para Macao, na bareaea Uaidi; carregou :
I. C. Figueira 20barris com 960 litros de mel.
Para o Natal, no hiate nacional Joao Valle,
carregou : Praga & Rocha 2 barricas com 165
kilos de assucar branco.
Para o Rio Granie do Sul, na barca portu-
eaeza Arminda, carregou : F. P. Pires Ramos
660 barricas com 49,500 kilos de assucar branco
i* 60 ditas com 4,500 ditos de dito mascavado.
Para o Para, na barca portugueza Linda,
trregou : A. Cordeiro iO pipas coin 19,200 litros
de aguardente.
Para Alagoas, na barcaca Mirabella, carre-
goa : J. A Costa Siqueira 2 barricas com 12i
kilos de assucar refinado
Para o Rio de Janeiro, no vapor nacional
Cruzeiro do Sul, carregou: Amorim & Cardoso
700 saccos com 42,000 kilos de assucar branco ;
Feijo de Mello 3 caixas com 120 ditos de dito;
Antonio Felippe 2,000 cocos (fractal : para a
Bahia, Amorim Irmaos & C i50 saccos com
11,250 kilos de assucar branco.
Para a Villa da Penha, no hiate brasileiro
Kor do Rio Granie, carregou : B. F. Guimaraes
2 barricas com 70 kilos de assucar refinado.
CAPATAZIA
!-'odimento d'< dia 2
-en do dia 10
DA ALFANDEGA
a9
6:712*457
9i8*690
7:661*147
No dia 2 a 9
VOLUMES SAHIDOS
No dia 10
.-'-! meira porta .
i-igunda porta .
r ireeira porta .
'Uuarta porta .
Tr ioiche Conceic.ao
SERVICO MARITIMO
4!>arengas descarregadas no trapiebe
'.Ifandega do dia 2 a 9
No dia 10
N --1 os atracados no trap, da aifsndaga
Alrarengas........
><> trapiche Concei$ao.....
16,883
384
376
280
3,049
20,972
41
I
45
RSCEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GB
RAES DE PERNAMBUCl.
' ludiineato do dia 2 a 9 21:421*808 j
ism do dia 10. 1:378*004
---------------------------------------
22.999*812
CONSULADO PROVINCIAL
K^adimeato do dia 2 a 9 -
Idem do dia 10. '.
3:709*178
50:499#017l
iugosloF. doSiveira iC.
A aaeo{Bmsrci j d'Oliveira dC.,4 rua do Commercio ns
ugSo de ordefis'
e do todos o-
quer commef
dinheiros a pre-
saca & vista e a
s se-
ll or
HANSEATIC BANI,
UjfcTEft, e*|arias cai^de 1.' classe.
JTafclii SobrcTIs banqueiros fou^d
& C MAB.CUARD AKDHJJ & C. 8*A- B(.iCeD|,
VIGNAL & C.
Haiuburgo. Sobre os Srs. JoAo
SCHU BACK & FILM S.
Lisbon. Sobre os Srs. fo.nsecas,
SANTOS & VIANNA, 6 SEBASTIIO JOSE DE
ABREU.
Prto. Sobre o bahco u^a,qdo pouto
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre a banco co^MEROtAL
bo para, e os Srs. francusco caudencio da
COSTA & FILHOS.
Maraaligo. Sob too Sr. jose fer-
BWAA,frA JfWIOR.
CcHupta. Sobre os Srs. i. a. de Vas-
concellos & SONS.
Btahiia. am Sobre os Srs. mamnhos & c
Rio tie Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MERCAN'TIL, BANCO NACIONAL B
BANQUB BRASII.1ENNB FRAMCAIS*.
*r
UIITHOS
CONTRA E0 FOGO.
A companhta Indemnisadora, estabelecidt
aesta pra^a, toraa seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fog<
em edifici.is, mercadorias e mobilias: bi
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
COMPAHHIA~ALLIANgA
seguros maritimos e terrea-
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:000000.
Toraa seguro de mercadorias e dinbeiro
co maritimo era navio de vela e vapore
para dentro e f6ra do imperio, assim come
contra fogo sobre predios, generos e fa
rondas.
Agente : Joaquim Jose Gongalves Beltrao,
rua do Commercio n. 5, 1* andar.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toraa riscos maritimos em mercadorias.
(retes, dinbeiro a risco efinalmente de aual-
juer natureza, em vapores, navios vS efa oc
barcac,as, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO 8. 34.
Seguro coBtra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON & GLOr
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
NORTHERN.
.... 20,000:000500t
Capital
ando
de reserva.
Mills
8,000:000500(
Ag&ntes,
Latham & C.
mm
RUA DA CRUZ N. 38.
i>
Navio enlrado no dia 9.
Glasgow-38 dias, barca hespanliola D.Joanna,
de 296 toneladas. capiUo Juan Francisco Brasei,
equipagem 12, carga carvao; a Brown Thom-
son & C.
Navios enlrados no dia 10.
Rio dc Janeiro6 dias, vapor portuguej Julio Di-
niz, de 680 toneladas, commandante Joaqnim
Jose" RoJrigues Contente, equipagem 50, carga
varios generos; a E. II. Rabello & L.
Liverpool por Lisboa20 dias, sendo do ultimo
porto 12, vapor inglez Aconcagua, do 2,108 to-
neladas, commandente J. Weavei, equipagem
120, carga varios generos; a Wilson Rowe &
Navios sahiios no tnesmo dia.
ParahybaPaticho inglez Blaekwaod, capitao R.
Palfrey, com lastrode areia.
Canal Patacho inglez Solar io, capitao M. M.
Leood, carga assucar.
Rio Grande do Sul Patacho brasileira David,
capitao A. Costa, carga assucar e oulros gene-
ros.
tOITAEt.
0 Dr. Sebasliao do Rego Barros dc Lacerda, juiz
de direito especial do commercio desta cidade
do Recife e sea termo, capital da provincia de
Peruambuco, por Sua Magestade o (mpeiador,
que Deus guarde, eto etc.
Fifo saber aos que o presente edital virera e
delle noticia tiverem, que por parte de Pa-
rente Viaana ^ C, me foi dirigida a peti^ao do
theor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Dizera Paren-
te Vianna & C, que sendo credores de Raymundo
Olympio Goncalvcs de Freitas da quantia de.....
1:447*080, proveniente de tres letraa mercan'tis,
vencidas, uma a 30 de maio de 1869, da 1:060j62O, com o prazo de dez mezes, cutra ven-
cida a ?0 de jnnho do mesmo anno, da qiantia
de 327*660 com o prazo de oito mezes, e outn ven-
cida a 30 de setembro do mesmo anno, da qtantia
de S8*800 com o prazo dc dez mezes, as quaes od
vref!
ram
Eu, SMPBwao
jaramentado, o escrevi.
is d'
as.
da Ormha, escreveate
eAdo, se fll
m
OBh!
envao, nwpscrevK RoJolpho Joao parata, de A1-
ineW, Wflcbco Joa^jpto f'#ra e Sllva e Jdio
Barbosa Cordeiro.
RtenrJo os gfjppUcantQS prodozldo suas tesle:
monhas, seHadose preparados osautos, sublram a
mraha conclusio, e nelles proferi a sentenja se-
gniiita,:
Sentenca.-Hei por jnstificada a arjjencia do sup-
plicado ; e para que lha aeia inluBaio o proteito
de de folbas, passe o eabm Wmf com 30 dias
de prazo, que terao afflxados e publicados, eomc* e
de costume. >
Custaa ejc-cauM. Recife, 4 de marco de 187*.
Sebasfiao do Rego Barros de Lacerda. .
Por forca desta minha sentenca o escrivao lei
passar o presente edital, pelo qaal chamo, cito e
heipor intimado a Raymundo Olympio Goncalvea
de Freitas para qne compare^a neste Juizo dentra
do prazo de 30 dias, aJim de allegar a que for de
iMrapL
E bara qae chegue ao conhecimeriio, de toda*.
mandei passer o presente, que sera piiblieado pela
imprewa e afBxaoe nos lngares do eosttrme.
Recife, 7 de mareo de IBf 1.
Hu,'Manoel Maria Rodrigues do Nusclmento, ear
crivio, o subscrevi.
Recife, 7 de mavoo a* 1W*.
SibtHtiao deittgo Bmrofde lAuerda.
Ao sello aattTs. '.*J: Jte.causa.-Barros de
Lacerda.
0 Illm. 8b. raapeetot da beonaria provin-
cial maoda faier publiee, que em cumprimento la
ordem do En< provincia, de 18
de fevereiro ultisao, se ha de arramatar perante a
junta dessa theseuraria, uo dia 26 do corrente, a
quem por aunos flaer, a obra da becara de uma
boraba para o povoado dos Monte*, bo lugar d^
levada, orgada em l:90a>000 e debaixo das co
dicoes abaixo eopiaflas. *
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cSo, comparecam na sala das sessoes.da mesma
junta, competentemente habilitadas no dia acinia
indicado ao meio dia.
E papa coaster, se mandou publicar o presenter
pelo Diario de Petnatnbuca.
Secretaria da thesauraria provincial de Per-
nambaeo, 9 de marco de 1874.
Clausulas especiaes para a arrematapao da obra
da bomba oa arcada de alveearia no povoado
dos Montes.
1.'A obra da bomba ou area de alvenaria do
povoado dos Montes, sera feita de conformidade
com o respectivo orcaraento, ua importancia de
1:903*000.
I.'0 arrematante comecara a obra no prazo
de um mez e concluira no de tres mezes, contados
da data do dito contrato.
3> 0 pagamento sera effecuiado em daas
presta^oes iguaes na proporcio do servic/) exe-
cutado.
4.*Tado niais qu nao (stiver especificado nas
presentes clausulas, sera regulado de conformidade
com o disposto no regulamento de 31 de julho de
1874.
P'icror Fourme, engenheiro chefe.
Conforme.Miguel Atfonso Ferreira.__________
4 ,m,^ .1- tmitVlt ,C
almos de coml
quantfc de
Um terr
memo e llHIUlitJjf'MM'iirin lugar el na
mesma freguezia, teade nelle d'cas casas de taipa,
ambas era mao eat ado. tendo el la." 44 palmos de
MnKiaMnto o tf'da largura, um li aa ten
duas salas e um auarto, e porta e janei/a na fren-
''', a onlra easa em caixao, com uma porta e ja-
nella na frente, avaliado tudo era 1:000*.
Uma casa terrea na cidade de Ollnda, sita o-
lugar do Paco Casleihato, bof> raW7 de Janeiro,
freguezia de S. Fret Pedro Martyr, a. 11, earn 29
1|2 palmos de largura e 58 lit de comprlmento,
com uma porta e janella na frame, porta e fanel-
ia uo oitio, 2 salas, ten 'o a de detraz aesoalhada,
sob a qaal existe nma loja, 4 quartos, eozfnha
mterna, quintal murado, com 160 palmos de ex-
tensio, cauimba, um lerreno ao iado do norte com
portao, avaiitda por t:S>Xit, cajos beos slo per-
tencentea aoinveotario do Dr. Antonio da Assump-
cao Cabral. e vao a praca a requerimento do Dr.
Jose Antonio de Figueiredo, lesiameuleiro e inven-
tariaqta dos dito bens.
Sera afflxado e puWicado na forma do estylo.
Recif,., 7 de inanwde 1874.
. Eu, Domingos Nones Ferreira, escrivio subs-
crevi.
fraaeieco do Rego Bapiista.
^^^smmmmmmBssmasaemmaammtm
PECLARACOK
Consnlado provincial.
Por eau administrac4o se fax sciente aos deve-
dores da companhia Recife Drainage, a portaria
abaixo iranscripta, do illm. Sr. inspector da tlie-
souraria proviaeral, prevenindo-se nao so que o
prazo fatal prtneipia a ser cootado do dia 11 do
andante mez, como rambem, que somente agora
se abrio a cabranca dos encaoamentos e differenja
dos preoos do apparemos.
0 inspector da thesouraria provincial remetten-
do ao Sr. administrator do consnlado provincial
as folbas juntas de contas de apparelhos, encaoa-
mentos e annuidades, pelo servico da Recife Drai-
nage Company, pertenceniei a primeira remessa
ja existente nessa repartigao, e ora devidamente
liquidados na forma do aecordo de 15 de dezem-
bro proximo passado, recommenda a S. S. a ex-
pedicao de suas ordens, para que se abra inconti-
tineate o prazo da respecliva cabranca por 30
dias uteis improrogaveis.
Na pnblicacao que liouver de fazer nesse sen-
tido, mandara S. S. declarar que todos os que ja
effectuaraiQ pagamentos na raxao de 50* par
apparelho, com obrigacao de satisfazerem a diffe-
rent de 20* direclamente a companbia, e que o
nao flzeram, devem agora realisa-la nessa repar-
ti.'in, imi|uelle prazo.' uma vez que pelo roferido
aecordo passou a ser feita tambem essa cobranca
pela fazenda.
Thesouraria previncial de Pernarabuco, 10 de
marco do 187'i. Antonio Wilruvio Pinto Bandeira
e Accioli de Vasconcellos.
Mesa do consulado provincial, 10 de marco de
1874.
No impedimento do administrador,
Eduardo Augusto d'Oliveira.
Pela thesouraria provincial se faz pnbiico,
qae foram transferidas para o dia 26 do corrente
as seguintes arrematacoes :
Obra da coberta do gyranasio provincial, orcada
em 578*600.
Dita dos reparos da bon.ba n. 2 no selimo Ian-
(o da estrada do sal, orcada em 1:012*000.
Reparos da capella da cada de detencao orca-
dos em 1:478*000.
Objectos do corpo de policia.
Illuminacao da cidade de Goyana orcada em
230 rs. diarios por cada lampeao.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 9 de marco de 1874-
0 orBcial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
A camara municipal do Recife convida a
todos 03 seus muaicipes a apre^entarem para ser
expostes no corrente anno, objectos da produce iu
agricolas para aexposi^ao que prelende reilisar a
sociedade Doze de Setembro, segundo a partici-
pacao da Exm. presidente da provincia, de 16 do
corrente, com referenda a ordem do governo im-
perial.
A mesma camara espera no palriotismo, dedi-
cacao e zelo de todos o bom exito de tal convite.
Paco da camara munic'pal do Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874
Theodoro Machado F Pereira da Silva
Pro-presidente.
Augusto G. de Figueiredo
Official maior servindo de secretario.
0 Dr. director geral intcrino manda fazer
publico pra conhecimento do professor de ins-
truccao primaria da cadeira de malhadinbs, padre
Jose Procopio Pereira, visto ser ignorado o seu
doinicilio, que por portaria desta data resulveu
multa-lo era 50*000, por se achar dito professor
fora do exercicio de suas funccoes ha muitos me-
zes, sem licenca ou molivo justiGcado, devendo
recolher essa quantia aos eofres da thesouraria
provincial dentro do prazo de 20 dias, findo o qual
passara a ser cobrada executivameute como divi-
da da fazenda.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 7 de marco de 1874.
0 secretario,
Joaquim Pereira da Silva Gaimaraes.
De ordem do film. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia, se faz publico,
para conhecimento de quem interessar, que no
dia 18 do corrente mez, pelas 2 boras da tarde,
perante a junta de fazenda, ira a praca para ser
arrematada, por quem raa'u vantagens offereeer a
fmpreitada dos reparos necassarios a casa em que
uncjiona a recebedoria.
Os proponentes deverao, em carta fcchada,
apresentar suas'propostas, devidamente selladas,
assignadas per elles e aeus Gadores; podendo
desde ja examinar a r.-spectiva planta e orcaraen-
to que Ihes serio frauqueados nesla secretaria.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco, 2 de
marco de 1874.
0 2. escripturario, servindo de secretaiio,
Carlos J. de Souza Correia.
0 Illm. Sr. inspector da taesourana provin-
cial manda fazer publico que cm cumprimento da
jrdem do Exm. Sr. presidente da provincia de 7
de Janeiro corrente, perante a junta desta thesou-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pro-
ximo vindouro, a obra da ponte denominada Pao
Sanguc sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:570*,
pagosem apolices da divida provincial a juro de
7 por cento ao par.
As pesSrjiil.'l'ie se propozerem a esta arremata-
'Ai comparecanj na sa'a u:l3 sessoes da mesma
Abesouraria no'dia indicado aeiiia, pelo meio dia,
compelentemefte habilitadas.
E para con*'ar se mandou pnblicar o presente
delo Diario dp Pernambuco.
Secretaria/?3 thesouraria provincial, 20 de ja
neiro de 18.
Clausulas
denonx
supplicantes juntam, pretendem, visto estar a
findar o tempo fatal da prescripcao, interpor o
competente protesto, afim de ser ella ioterrom-
pida e acautelado o direito futuro dos supplican-
tes j e por isso requercm a V. S. se digne de
mandar tomar por termo o sea protesto e in-
timado ao snpplicado para sua sciencia ; e
porqaanto esteja elle ausente em lugar ignorado
nesta cidade, requerem a V. S. os supplicantes se
digne adraitti-los a jastificar a ausencia na forma
da lei, e julgado por sentenca se passe carta
edital com o prazo do estylo, para por ella ser
o supplicndo intimado do referido protesto. Pedem
a V.*. deferimento. -E recebera merc4.
Recite, 43 de fevereiro de 1874.O procurador,
Rodolpdo Joao Barata de Almeida.
Bstava sellada com o sello de estampilha na
iraportaacia de 200 rs. legalmeate inutilisada, na
forest da lei.
Despacho. -Distribuida, como requerem.
(Recife, 24 de fevereiro de 1874.Barros de La-
cerda.
Em virtude derte men daspacbo fora a petigao
Jdisttlbuida ao escrivao Manoel Maria Rodrigues
46:780*8S9- 4a Nascimeato, o qaal fez lavrar o termo de pro-
tests de, theor seguinte :
Jtfjno de protesto. Aos 21 de fevereiro de
1874, mi cidade do Recite, era aeu cartoi io appa-
r os supplicantes Parente Vianna & C, por
-.slante procurador o aofiieoador Rodolpho
ata de Almeida edisseram perante mim a
a testemuntias infra assignadas. que reduziame
ptesto o contedde de sua petigao, retro, a qaal
raciam como parte do presente quo fica sen-
a"o,e de cjmi assimo dfsseram e protestaram, la-
"n*
Victoriano Jose M. Palhares,
Official maior ioterine.
eciaes para a arrematacao da ponte
a Pao Sangue sobre o rio Seri-
nhaera.
I." A/ponte denominada Pao Sangue sera exe-
cutada/de conformidade com o orcaraento e plan-
a app/rovados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vinvia.no valor de 9:570*.
2.* 0 arrematante dara principio a obra no pra-
io de um mez e a concluira no de 12 mezes.
3.* O pagamento sara effectuado era 3 presta-
;.oes iguaes a proporjao da tabella executada.
4.* Para tuds o maisqae nao se acbar especifi-
cado sera regulado pelo qae dispde o regulamento
de 31 de julho de 1866. 0 engenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Victoriano Jose M. Palhares.
0 Vr. Francisco do Rego Raptista, juiz substitute
do de direito da proredoria de capellas e resi
doos, nesta cidade do Recife, capital de Per-
nambuco, etc.
Fago saber que no dia de do corrente
anno, finda a aadiencia deste, juizo vao a praca
os bens seguintes:
Duas tOFcas paries do sobradinho de dons an
daras, sRo na frepiezia deS. Frei Pedro Goocat-
ves, rua do Camoello n. 2, tendo de comprimento
38 palmos e 19 de largura, eada andar ccm uma
sala, 1 quarto, cozlnba internfa e andar terreo, ser-
vindo de deposito de ferragens, rehdo o fuado do
sobrado enta pado ; achando-se o mesmo predio
em mao estado. avaliado em 5:000*.
Uma easa terrea de pedra e cal, no lugar do
Barro, freguezia dos Afogados, com tres &nelias
na frente, portas.de madttra ao lado, tendo daas
salas, dous yiaMos, eoziriha, quarto junto e des-
pensa, com largura de IS palmos e 58 de com-
primento, site am lerreno foreiro, medindo 69C
palmos de coiaprimento e 59 de largura o din ter
reno, e avaliada a mesma casa am aa totaiWa-
de em 3:000*, de cajo valor sera deduzida a
fleeift^rtoa'srjbnrblos.fjue n3o esi*'* 5*fi^
rlL u cnHfra*), embora se conserve muraui' / *"*
" por cada casa de sobrado na cidade do Recife, q?8
conservar varanda ou sacada de madeira ; 10*
por cada casa de sobrado, cujo exterior se conser-
var estragado, e 3/000 por cada casa terrea em
igsaee etrcamstancias ; IO* nor cada casa de so-
brado nas ruas que ja foram calcadas, que nao
tiverem os passeios a alia correspondentes, feitos
no mesmo niveiamento e alinbamento dos que ja
tiverem sido execuUdos de conformidade com as
posturars municlpaes, e 5* por cada casa terrea
nas mesmas condicoes ; 11* por eada casa de so-
brado, eifjos quintaes dcitera para outras rnas e
nao estejam mnrados ate o respaldo do pavimento
terreo em forma exterior de eaidcio, e 5*000 por
cada casa terrea era identical cinncistancias ;
60 rs. por patino da terreno nos povoados da Mag-
daleaa. Cannnga, Chacon, Casa-Porte, Poco da Pa-
nella, Caldeirerro, Monteiro e Apipucos, qoe noa
o; 40 rs. por palrao de
i*ao da cidade do Recite a
maradt, exceptuarrdo-
ceroas nativas em boin
20* por caia baixa rJe
do Kecife ; 109 par cada
macbina a vapor, rnontada na cidade do Recife
para quahiuer mister ; e Goalmsnte o iraposto de
4J por cada casa de negwio nas cidadea, villas,
sobarblos e povoacSes, devendo, porem, bs contri-
bnintes, qnando tiverem de pagar este imposto, a
apresentar na contadoria o conhecimento do im-
posto geral sobre rndustria e proQssao, afih] de
provar ter assim satisfeite o referido imposto
geral.
Declaracao n. 2.
A mesma contadoria da camara municipal desta
cidade scientifka a todos os doaos de divcrsos es-
tabeleoiineatos de porta aberja, a vtram pagar es
imposios atrasados me se achain a dever, dos
exercicios passados, bem como os demais impos-
ios aciraa especiflcados.
Contadoria da camara municipal do Recife, 27
de fevereiro de 1874.
0 contaior
Hypolilo C. de Vasconcellos A. Maranhao
Santa Casa da Misericordla do
Hecife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, preuisando fazer os concertos
de que necessita o predio que possue o path mo-
aio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, mediante certa renda e al-
guns annos de prazo para desfructar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas em cartas fecbadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respectivo orcaraento
aesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
douro,
Secretaria da Santa Casa da Misericordla do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
S.UTA CASA DA M1SER1COKD1A DO
RECIFE.
Venila de predios
A Illma. junta admioistrativa cesta Santa Casa,
devidamente autorisada pela presidencia, na sala
de sua3 sessoes, pelas 3 horas da tarde do dia 26
do corrente, vende ou perrauta por apolices da
divida publica os seguintes predios, pertencentes
ao legado de Joaquin da Silva Lopes, de que e
administradora : Forte do Ma'tos, metade do so-
brado de 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
Abreu, 3* parte do sobrado n. 1, por 2:666*666
rua da Guia, sobrado de dous aadares n. 69, por
6:000* ; rua de 5. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*. sobrado de um andar n. 30, por 2:000*,
dito meia-agua por 500* ; rua dos Guararapes,
casa terrea n. 66', por 1:'.00* ; rua dos Acougui
ohos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam-
pins, dita n. 3, por 400* ; rua da Soledade, dita
n. 72, por 700* ; becco do Teixeira, cita n. 5,
por 250* : largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:000*000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza
Hospital militar
Precisa-se contratar durante o trimestre dc abril
a jauho do corrente anno o concerto o lavagem
das roupas dos doentes deste hospital.
As pessoas que quizerem sc incumbir desse ser-
vice apresentem suas propostas no dia 13 do cor-
nnte, na secretaria do mesmo hospital, pelas 10
horas do dia.
Recife, 10 de marco de 1874.
0 escrivao
Avelino Pere.ra da Cunha.
Commando das armas
0 Sr. 1 cadete 1 sargento reformado do corpo
n. 11 de voluntaries da patria jese Ignacio Perei-
ra da Rocha Sobrinho, venha ou mande pessoa
autorisada a secretaria militar receber o requeri-
mento que dirigio ao governo imperial supplican-
do uma graga, afim de completar o sello adhesivo
do mesmo requerimento, que por isso nao teve o
devido andamento.
Secretaria militar do Pernambuco, 10 de marco
de 1874.
0 tenento-coronel secretario
Francisco Camello Pessoa de Lacerda.
S\NTA CASA DA MISER1CORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrate da santa casa da
Misericordla do Recife, manda fazer publico qut
aa sala de suas sessSes, no dia 12 do marco pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offereeer, pelo tempo de ir
a ires annos, as rendas dos predios em seguid
'ieclarados.
F.5TABLLECIKENT0 DE CARIDADE.
Travessa de S. Jose".
Idem n. 11.......I 201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 3i fochada ....... 264*000
PATRIMOXIO DOS ORPHAOS.
Pateo do Paraizo.
2." dito dito .... 300*000
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......'421*000
Rua da Cruz
Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Rao do Pilar.
Casa torree n. 100......241*000
Idem n. 102 fechada......241*000
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17......364*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
u-rematacao as anas fiangas, on comparecerem
icompashados dos respectivos fiadores, devendo
pagar aiem da renda, o preaio da quantia en
que for seguro o predio que contiver estabcleci
raento commercial, assim como o servicp da lira
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da raiserieordia do Re
life, 3 de matfoo de94.
0 crivio
______ : ftiro Bodrifuet de Souza,
Decla'fatflp n. 1.
Pela contadoria da camara municipal desta ci-
dade, sao chamados a yirem pagar a bocca do
cdfrc, do 1 de marco virujuuro, tedas aqnellas pes-
soas que seacharn sujeites ao pagamento das im-
pcisidssM-eadoaip^Uiei'proviocJaJ n. 1126 da 18 de}
junho de l873,"relattvainente ao exercicio corren
e de 1873 a 1874, cuios sa os seguintes : fords
e laudemios de tanrenus municipaes ; 2*500 sobre
estabelecimentos que vender eaptritos; -Jrjf for
cada licenca que uraVem as bocetefras para vfen-
derem dentro do munieipio, e de 30* pelos mas-1
cates ; 6* por cada carWea x>n vehisulo empre-J
gado nos servicos da cidaae, vfflas e povoacoes ;
100 rs. por palmo de terreno dentro da cidade do
estiver murado on
terreno em toda a ex
Apipaeosf qhefeoi
se os terrnnvsi|nd I
estado de conse
capim dentro da eta]
Armazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o fego
A companhia pernambucana, disponao de ex-
cellenles e vastos armazens em sen predio ao for
te do Hattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de geaeros, garantlndo a maior con-
servacao das mercadorias depositadas, servico
prompto, precos modicos, etc.
Tambera recolhera, mediante preyio aecordo, ex-
clusivamente os generos de uma so pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodes,
sao inteiramtnte novos e asphaltados, isentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas gue quizerem ntilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptono da com-
panhia pernambucana, que acbarao eom quem
traUr.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
A directoria desta companhia, pelo pre-
sente declara aos senhores conoessiouarios
de pennas d'agua que se acliam era atrazo,
no pagamento das mesmas ate 31 de de-
zetnbro do anno findo, hajam de, ate o ulti-
mo do corrente mez liquidarem seus debi-
tos, sob pena delhes serem cortadasas pen-
nas d'agua, conforme preceitua as conduces
4.* 9 10." dos respectivos conlratos.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
5 de marco de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrihues Valenga.
Hospital militar.
Precisa-se contratar para as dietas dos doentes
e racoes dos empregados deste hospital, o forne-
Cimento dos generos abaixo declarados, durante o
trimestre de abril a junho do cerrente anno, a sa-
ber:
Aletria, (kilogrammo.
Araruta, idem.
Arrez pllado, idem.
Assucar reQnado/'idem.
Batata ingleza, iiem.
Bolacba, idem.
Dita ingleza, idem.
Banana, uma,
Biscoitos, kilogrammo.
Carne verde, idem.
Dita de porco, idem.
Dita secca, idem.
Cba hysson, idem.
Cafe era earoco, idem.
Dito moido, idem,
Doce de goiaba, idem.
Farinha de mandioca, litre.
Feijao mulatmho on preto. litre,
Gallinha, uma.
Lenha,acha.
Laranja, uma.
Mauteiga ingleza, kilogrammo.
Marmelada, idem.
MacarrSo, idem.
Paes do 114,762 grammos. um.
Uitos de 125 grammos, um.
Sal, litro
Tapioca, kilo.
Toncinho de Lisboa, idem.
Vmho do Porto, litro..
Vinagre de Lisboa, idem
Ovos. um.
Todos estes generos devem ser de iJ qualidade.
A carne verde n5o deve conler no peso quese pe-
dir mais do 5 em ossos.
As pessoas que quizerem forencer este3 gene-
ros, apresentem no dia 13 do corrente, pelas 10
horas da manlia, na secretaria do inesmo hospital,
suas propostas em cart s fechadas.
Hospitjl militar, 9 de marco de 1874.
0 escrivao,
Aveliao Pereira da Cniiha.
Precisa-se contratar para os doente3 deste
hospital durante o trimestre de abril a junho do
cc rrente anno '.
Sanguesugas de H*mburgo, uma.
As pessoas que quizerem fazer este fornecimen-
to apresentem suas propostas em cartas fechadas,
no dia 13 do corrente, na secietaria do inesmo hos
pital, pelas 10 horas do dia.
Hospital militar, 9 de marco de 1874.
0 escrivao,
Avelino Pereira da Cunha.
- Precisa-se contratar para o expediente deste
hospital durante o trimestre de abril a junho do
corrente aano :
Peuas calligrapbicas, caixa.
Tinta violeti e pnrpurina, boiac.
Obreias, pis.
Lapes, um.
Canivete, um.
Papel almaco Fiume pautado, resma. .
Papel hollanda e Jesii e Carre, folha.
Envelopes, cento.
As pessoas que quiierem fornecer estes objectos
apresentem no dia 13 do corrente, pelas 10 horas
da manha, na secretaria do mesmo hospital suas
propostas em carta fechada e as amostras.
Hospital militar, 9 de marc.0 de 1874.
0 escrivao,
Avelino Pereira da Cunha.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Olinda.
Beberibe.
Havendo completa ausan
cia de passageiros nos trens
exlraordinarios das 10 1|2
horas da noite, que havia
aos safcbados e domingos pa-
ra Olinda, e nos das 9 ,1|S
da noite para Beberibe ; de-
linerou a directoria qae fossom ^upprimidos ditos
trens desde o o dia 7 do correate mez.
0 gerente,
Laurentino Jos& de Miranda.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
"%'av egaeffo costeira a vapor.
De conformidade com o art. 24 dos estatutos
tiosti companbia sio coavocados r* Srs. accioais-
I do corrente ao meio d, em ** M rerw
S'i Mattoa, aSm de ter l#ar tpfmeuufr, do
reiatorio annuo, proceder-ie a flifaiada direc-
toria e da comaissao de eXaaw de oatc
Santo Aritonio
Quarta-feira 11 de mar^o.
Uaica representacio do deaejado drama > -'<

Uaica represenlacio
aetos, com musica:
A Graca de Dens.
0? bilhetes estlo a venda desde ja.
Prtncipiara as tlrlnoras.
Will
iMFM-_p FOMITE
Qtiarta-feira 11 de mar<;o.
Benebcio do actor
Depois que a orchestra liver execalado arJa d-
suas mel bores ouvertoras, subiri a seeoa o dis-
parate comico em I aeto, representado pelas mr
ninas Riosas :
Que par.
Seguindo-se pelas mesmas o intcressante d>Mh>
Amelia do friliro.
Contimla o espectaenlo com a graciosa e anito
applandida sceeoa comica, representada pela ow-
nina Julia Riosa :
0 SR. OQMINGQS FORA 00 SERIfl
Terminari o espectaculo com a representarau
do vaudeville em 1 aeto :
Soiree do earnaval.
A's 8 l|2 bonr.
0 benehciado espera a proleccao do illostrado
publico cuja philantropid tao conhecida.
AVISOS MAB'THWOS,
Para.
Prelende segnir para o indicado porto, cum pou-
ca demora, a barca portugueza Social, por ler
porcao da carga engajada; c para o quo Ihc farra,
trata-se com os consignatarios Joaqnim Jose G^n-
calves Beltrao A Filho, a rua do Commercio o. 3.
COMPANHIA Itll *.N|I I IRA
DE
NAVEGACAOA VAPOR
Portos do .sul.
0 vapor
I.J.
Commandante interino Ouadrm
Junior.
K esperado dos portos do norte ate o dia 1 'i J
corrente e seguira para os do sul depois da de-
mora do costume.
Para carga, encomraendas, val^res, passageir.w
i mais informaroes, dirijam-se ui escriptorio d.
agencia
7RUA DO ViGARIO-7
Pereira Vianna it C
Apentes
COMPANHIA
HESSACEHES MARITIME:*

l.inha :noiss:i!
1
ill,
Espera-se dos poitos do sul at'1 do dia Uitu :
rente em diant*, seguindo depois da demon .'
costume para Bordeaux, tocando em Dakar
ree) e Lisboa.
Para condicoes, fretes e pa OS AGEXTKS
Ilarisuicnily & I.nbillr.
9 Rua do Comtnorcio 9
?
A
k
sM
Recebe alguma carga a f: a bar-
portugueza Josephine II. a sahir Lrevemente
ta-se com E. R. Rabcllu & C, a rua Jo Corar.
cio u. 48._________________________________
Porto por Lisboa
A galera portugueza Firmtsm, iue se M
todo o momento do Rio de Janeiro, seguir.i \
cos dias depois de sua chegada para os [
acima, para onde recebe ainda algnraa_ carga
frete barato : trata-se com Silva Guimaraes l'..
praja do Corpo Santo n. 0.___________________
r
.
PACIFIC STEAM NAVIGAT1QN COM
PUNY
ROYAL UAIL STEAMER
COTOPAXI
OU
LUSITANIA
espera-se dos portos do sul ate' o dia 13 io
rente, e depots da demora do costume, ;
para Liverpool, tocando em S. Vicente t'.
para onde recebera passageiros, encommendas
carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe C
44rua DO COMMERiIIO14
Companhia AlliaiKja Mari-
tima Portuense.
A galera portugueza Sauiade, seguira em ;
cos dias pan o Porto, oom escala por Litbm
Ja tem contratada grande parte da carp :
para o resto, trata-se com os consignatarios
agentes da companhia,
Jost da Silva Leva FUa*.
em seu escriptono a rua da Companhia Pemaa-
bueana.
4_


I


jftafo
CJompanhia Attiancja ^Hariti-
ma Portuense.
Eapnn de mwcaf &o pti
Portugal e Brasil.
A bare* portugueza Joen Adelaide, rccebe car-
fa a frete par* os portos de Lisboa e Porto, de-
vencki seguir com a maxima brevidade ao sen
destino : Irata-se com os respective consignata-
jiog Jose da Sir? a Loyo .A Fflho.___________
Para o Araeaty em diieitura sane o novo e
superior palbabote nacioaal I^aeilia-da Cruz, ca-
piuo e praiieo Manoel Caetaoo da Coita, torn parte
de sea carregamento ngajato.; e para o resto que
alta, trata-se com o consignatario 'Antonio Alberto
de Souia Aguiar, a rua do Amorimnr0._______
Rio de Janeiro
Para o referido porto pretende segnir com pou-
ca demon o patacho bra&ileiro Arabe, por ter a
tnaior parte de sea carregameoto engajado ; e
para o resto que lhe falta e escravos a frete, tra
ta-se com os consignatarios JoaquKn Jose Goncal
ves Beltrao k Filho, a ma do Commercio n. 5.
COMPANHIA PERMMBLCANA
DE
\avosaoao costeira a vapor.
MACEld, ESCALAS, PEHEDO E ARACAJU'.
0 vapor Cururtpe,
commandants Santos,
seguira para os por-
tos acini a no dia 14
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Beeebe carga ate o dia 12 do corrente, eneom-
mendas ate o dia 13, pas 3 a gens e dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sabida : es-
criptorio no Forte do Matlos n. It.
COMPANHU PERNAMBLCANA
DE
IVavegacao costeira a vafrr.
RIO KORMOSO E TAMANDAUfi.
0 vapor Parahyba, com-
mandante Pedro, segui-
ra para o porto acima
no dia 15 de marco as
9 horas da noite.
Recebe carga, encora-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12._________________________________
COMPANHU PERNAMBUCANA
BE
"Vavegacilo costeira a vapor.
PARAHYBA,NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA
TT,CRARA, MANDAIIU, ACARACO' E GRANJA.
0 vapor Pirapama
commandants Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia 14
do corrente, as 5
horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 12 do corrente, encom-
mendas ate o dia 13, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte PARA
J
LfflAO
DA
fabrica de cigarros da ma das Trincheiras n. 13
aocorrer do marteRo
QUINTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
0 agente Martins fata leilao, d'aimacio, forao
cigarros, cartSes de papel para cigarros, e nm
grande sortimento de artigos proprios para fabri-
ca de cigarros, que serao vendidos em lotes.a
votrtade dos compradores. Garante-se a casa ao,
comprador dI'arroacJo.
Principiara as 11 horas do dia
Grande i eira
DE
uma mobilia de jacaranda,
mesa elastica, camas fran-
cezas, commodas, relogios
de algibeira, parede e de
cima de mesa, pianos, se-
cretarias, guarda-comidas
e jardineiras, objectos de
ouroe prats, e muitos ar-
tigos douso domestico
QLINTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
As 11 horas do dia acima.
FEIRA SEiMANAL
10Rua do lmperador-IG
. pelo agente Martins.
LEILAO
f Cn nttfla de hi* braaca, *** de balao-
oa, escamdeiras, tapetes, l'inacbwa decostnra.
Om-guarda-vestidos, t cama. fcsnceza, comme-
das, Javatorio, 1 santuario, quadros com finas gra-
vurae, 1 rnarqneza.
tlma mesa de jantar, 2 aparadores,., f. *' .,
cadtiras.quartmheiras, loofa, para cba e jantar,, faoomotoras
eopos, callow, garrafas e muUes outroa objectos.
de casa de Xamilia
HOJE
Tto armaiem da rua dtTBem Jesus, n. 20.
0 agente Pinto levara a tejfio, por conta de ana.
famflia que mudou dc resTdenein, os tnoveis e.
raais objectcs acima mencioBados, exisk-ntes noj armazem da rua do Born Jesus n. 20, em freettj.
ao ehafariz. J
PriHeipiaraa819 1^2 horas/
Terceiro e ultimo
do syaie-
carros .de
DE
ecarroa
ma Thomson, on
borracba
Medial* dakril.
Em virtu.le de nao te poder dispor debees es-
Hredas de rodagera nesta provtacia, oe possuidores
estao resolridos a
wnde-te todo em leilio ou caparadametHe, confor-
fmese convencionar.
0 emprego destas machinae-em granie -anmero
de paises da Etirnpa, Asia, America de Norte.
onde ellas tern sah>tituido es antigos systemas dc
d transput tar cargas pesada, di^pensam o$ seus
possuidores de encan cereni .a ana-grande utilida-
de, como meio de iran-ixirtr -economico do para os engeiihos, e tuda surte de propriolade
agn-ola ou industrial, que disponha de planicies,
enja sitaarSo dos respectivos depositoa ou arma-
tens fiquem distantes do lugar de prodaci-ao ou de
fabri co.
Estas machinas podem Icabalhar como machi-
nas fixas, para o que tern onmpalmtee volantes, e
servir para serrarias, enfardamento de algodao e
fazer mover toda a sorte de apparelhos. etc., etc.
0 materia I consta do seguinte:
2 lecomotoraa de forca nominal de 9 cavallos
cada nma, com caldeiras verticaes -e fornalbas
quadradas e oval, podendo queimar earvao ou le-
nha, com furnigadores e cinzeiros, dispostos de
sorte qtie se previne qoalquer accidente de incen-
dio. Estas machinas possuato todas as pecas in-
dispensaveis de sobresalentes, e sio eompletas a
todas os respeitos, estao novas e em perfeito esta-
do de conserva^ao, visto como, apenas trabaloa-
ram o tempo necessario para se demoastrar pra-
ticamente as suas vantagens.
6 carros solidamente con*truidos, suspensos era
excellentes molas, sendo dons com portas late-
raes, dous com ditas na parte posterior e dons ra-
sos, proprios p;ra transporte de caldeiras, "moen-
das. etc.
0 leilao sera efFectuado pelo agente Pinto, a rna
d'Aurera n. 91, estafao das ditas machinas, e pe
las il horas horas do dia 15 de abril.
Da-se todos os esclarecimenlos a rua do Bom
Jesus n. 8. primeiro andar.
Segue com brevidade para o referido porto a
escnna Georgiana, teado ja parte de seu carrega
mento engajado : para o resto, trata-se com Tasso
Irmaos & C, a rua do Atnorim n. 37.__________
Para Lisboa
O patacho portuguez Gracwsa, vai sahir com
brevidade por ter a maior parte da carga prorap-
la, e para o resto trata-se com os consignatarios
Silva GuimarSes & C, praca do Corpo Santo nu
mero 6.
DE
100 eaixas com massas italianas.
35' dias com vermouth.
17 ditas com f5gos em latas.
10 ditas com cognac.
6 barris com vinho Xrrez.
Quinta-feira 12 do corrente
A"m 11 horas.
Noarmazem n. 16 da companhia Pemambucana.
O agente Pinto fara leilao por conta e risco de
3uem pertencer, em lotes a vontade dos compra-
ores, dos generos acima mencionados, ultima-
raente descarregados e existentes no armazem n.
16, da companaia pernambneana, onde se effec-
tuara o leilao as 11 horas do dia acima dito
(MIMURS REIMS,
Companhia Franeeza de Navega
cao a vapor
Linha mensal entre o
Havre, I.ishon, Pernambneo, Rio de
Janeiro, (S;intos, somente na vol
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
Icoiu baldeneao para o Rosario)
STEAMER
VllXE, BE, B\Ul\
Coniniandantc. P. Robert.
Espera-se dos portos do sul ate 12 do corrente,
seguindo depois da indisponsavel demora do costu-
me para o Havre com escala por Lisboa.
Para encommendas e passageiros, Irata-se
com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA & C.
42Rua do CommercioEntrada pela ru?
do Torres.
leilao
DE

-,-
Leilao
Vinhos e feijao.
Hoje
A's 10 lj2 horas emponto
No armn/om do Sr. Annes, defronte da al-
faodega.
O agente Dias, compet ntemente antorisado,
vendera em leilao, no dia e bora acima designado.
15 pipas com vinho marca O. B., c^rca de 30
duzias do garrafas de vinho Soulerno e 100 sac-
cos com feijao mulatinho.
LEILAO
DE
urn carro francez (victoria) meio usado, com 4 ro-
das, coberto, para quatro pessoas dentro e duas
na bolea, e com arreios para dous cavallos, tu-
do em bom estado.
lou;as flnas, vidros, crystaes e outros muitos
anigos.
Ouinla-frira 12 do corrente
A's 1! horas en mariha
No sabrado n. HO, primeiro andar, a rua do Bom
Jesus, cuti'ora Gruzes.
A saber:
I rico piano, 1 rica mobilia de jacaranda, do ultimo
gosto, composta de 1 sofa, 2 cadeiras de bracos, 2
ditas de balan^o, 1 jardincira com tampo de pe-
dra, 2 consoles com tampos de pedra, 2 cadeiras
de guamirao, 2 tapetes, 1 par de serpentinas, 3
pares de jarrps lindos e de gosto, I candieito a
gaz, banca de jacaranda, guarda lou^a de ama
rello, 1 aparador de amarello com tampo de pe-
dra, 1 guarda vestidos, 1 sofa de amarello, 1 ca-
deira de balance, 1 rica mesa elastica com 6 ta-
hoas, 1 toalheiro de amarello, 1 quartinheira, 1
cabide, 12 cadeiras de faia, 1 taillet com tampo
de pedra, mesas, jarras para agua, 1 pote gran-
de, 1 lavatorio, jarros, quartinhas, bilhas, bacia*
de Ffandres para agua, regador, trem de cozinha,
balanca, apparelbo para jantar, dito para almoco,
toillet, cadeiras avulsas, cama franceza, marque-
zas, marqu?zi5es para sc.lteiros, 1 oiccionario
francez, l volume goral de cbimica e outros ar-
tigos domesticos, que se acharao patentcs no dia
do leilao.
O agente Pinho Borges, autorisado pelo Sr.
Americo Xnnes Correia, que se retira para Eu-
ropa, levara a leilio os moveis e mais artigos
acima declarados, os quaes siio de gosto e se
acham em bom estado-
Serao transportados para o referido sobrado a
pedido do mesmo Sr. por ser o lugar que foi an
anunnciado urn pouco rclirado.
Attengao.
Precisa-se com urgencia de uma ama de
leile, que seja szdia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianc,a de dias, dando-se prcferencia & mu-
lher do matto : que/n, pois, estiver nestas
circumstancias appare?a no 3." andar desta
typographia para tratar.
A 9:
Botinas para homem
Aeabam de obegar *randes facturas ben aor-
fjdas de botinas da bezerro, de cordavio, de pellh
ca, de duraque cam biqueira, de bezerro cam bo-
toes, o com ithozes a 9*000 (a escoHv r) por ter
vinlo grando quantidade por conta e ordem dos
fabricantes : ao armazem do vapor francez, a rna
do Baiao da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Calcado
IraaceL
Soc*. Cor.*. Liv.#. Pop.-., do vale da rua
de Marcilio Dias n. 112.
Obrigado por forca maior, convidase a todos
os Jir.\ que se acham no goso de seus direitos
Ma$.'., a uma reuniao de assemblea geral que
tera lugar domingo 15 do corrente as 10 horas
da manha, e assim constituida poder deliberar e
resolver definitivamente da coveniencia ou nao
da existencia da sociedade, certos de que, as lu-
zes e cfJRciaes que a tern mantido proenram este
meio como salvaguarda de um desapparecimento
temarao uma qualquer resolucao com o numero
de lir.-. que comparecer.
Secretaria da Loj.#. Cor.-. Liv.v Pop.-., S de
rnarco de 1874
0 lir.-. secret.-.
A. J. Bandeira.
0 abaixo assignado, tendo de fazer uma
viagem a Europa, julga nada dever a pessoa al-
guma, quer de conta, ou titulos, e se alguma
pessoa se julgar seu credor, tenham a bondade
de apresentor seus titulos", o que prove seu ere-
dito, ;i rua da Alegria u. 3, em Olinda, rua do
Bom Fim n. 21, no prazo de 8 dias, que sendo
verdadeiros serao promptamente pagos, a contar
da presenle data.
Recife, 6 de marco de 1874
Joao Luiz Ferreira Ribeiro.
A mesa regedora da iroundade do Sentwr
Bom Jesus dos Martyrios da igreja nova da fregne-
zia de S. Jose, tendo de aprescntar em solemne
procissao a imagem de seu padroeiro, como e de
costume, dtsde o anno de 1792, em vista da con-
lirma^ao de seu compromisso, na quarta sexla-
feira da presente quaresma, afim de prencher um
dos dias da penitencia do Senhor, por isto a mesa
regedora annuueia ao respeitavel publico as ruas
que ella tern de passar : rua dos Martyrios, Au-
gusta, Imperial, largo da* Cinco Pontas, largo do
Terco, rua Direita, largo do Livramento, rua do
Queimado, largo do Collegio, rua da Gadeia, de S.
Francisco, das Cruzes, praca da Independencia,
rna do Gabuga, Nova, Camboa do Carmo, largo do
Carmo, rua de Hortas a recolher.
Consistorio da irmandade do Senhor Bom Jesus
dos Martyrios da igreja nova, 10 de marco de 1874.
Policarpo Ramos de Jesus
Escrivao.
Declaiacjio
a
DE
For intervenr;ao do agente Pinto
Em frento ao armazem do sobrado n. ifO da rua
do Bom Jesusn. 20, por occasiao do leilao po
moveis.
SEXTA-FEIRA 13 DO CORRENTK
ds 10 l|2 horas emponto
0 agente Pinto fara leilao por anfrisacao do
gerente do eonsnlado de Franca, em presenca de
seu chaneeller e por conta e risco de quern" per-
tencer, de uma caixa marca trianglo 0 J A G.
contramarca S 4 P n. 2, contendo 30 dozias de
camlsas de cretone, avariadas a bordo da vapor
francez Hemy IV, na sna ultima viagem a csle
porto ; as 10 1|2 horas do dia acima dito, em
seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 43.
0 abaixo assignado, nao podendo dear no esta
belecimento sito a rua do Imperador n. 16, que
outr'ora teve de sociedade com seu irmao Manuel
do Nascimento Silva, sob a firma de Silva & Ir
mao, visto se achar bastante doente etcr de entrar
em rigoroso tratamento, pelo presente declara que
amigavelmente retirouse do referido estabeleci-
mento, ficando como unico dono e responsavel
pelo passivo e activo do dito estabelecimento Ma
noel do Nascimento ; e o abaixo assignado desli-
gado de qualquer onus ; nao tendo vigor algum a
declarac&o feita no Diario de 2 do. corrente
Recife, 9 de marco de 1874.
____________Olympio da Silva._______
Aloga*ae um moleque de 16 annos e de boa
conducla : a tratar na rna do Duque de Caxias
n. 14.
w*te
mmmmmmm
0 bacharel Francisco Auguslo da m
Costa continua no exercicio da profls- ^
sio de advogado, a rua do Imperador ^a
n. 34, primeiro andar. S
W*

DE
massas para ?6pa
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
A's tO t| horas.
No armazem do Sr. Anues, era frente da alfan-
dega.
Por intervencto do agente Dias e em continua-
cao do leilao de vinhos e feijao vender-se-ha 210
eaixas com m s do superior qualida-
de para sdpa.
LEFLAO
DE
moveis, lou(ja, cristaes,
1 carro de 4 rodas, coberto, com arreios (em Op-
timo estado), l carmca d 2 roda9 e 1 boi
A SABER:
Um piano forte e qnasi novo, I mobilia de ja-
caranda com tarr.pos de pedra, jarros e vasos pa-
ra florM, quadros, espHhos dmirados, 2 cerpen-
tinas, 2 eandfeiros a gaz. i rek.gio, tapetes, 1
Jraosparenles, laujas e cortin*di>s,
DE
6 pe^as de grosdenaple preto, resto de uma fac-
tura
Sexta>reira 13 do corrente.
Por intervengao do agente Pinto.
NA RUA DO BOM JESUS II. 43
? Por occasiao do leilao de uma caixa com eami-
sas, avariada a bordo da vapor francez Henry IV.
Leilao
DE
uma caixa com brim pardo avariado
SEXTA-FEIRA 13 DO CORRENTE
A's 10 1|2 horas em ponto.
0 agente Pinto fara leilao, pr autorisaclo do
gerente do eonsnlado de Franca, em presenca de
seu ehanceller, e por conta e risco de quern per-
tencer, de uraa caixa marca A C & C, n. 1,12 V
com o conteddo acima mencionado, avariado a
bordo do vapor inglez Neva, na sua ultima via-
Sen) a *ste porto, as 10 IrS horas do dia aeima
ito. em seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n.
43.
LEILAO
No dia 80 do corrente vao a leilao todos os
objectos dados em pentior que estlvereai venci-
dos, j-alvo aqnelli i qut- ite aqaella data pagarem
os premios mieidj.
Travp di ri., 'i* Crwesu. 2,
tmi.
A pessoa, om enja mao se achar uma lettra
passada por D. Maria de Mendonca ao Sr. Jose
Lourenco em fayor do Sr. Gandido Vieira, mora-
dor no Paco de Gamaragibe, podo vir recehe-la a
rua do Hospicio n. 81, que sera satisfeita.
Keller & C, consigna-
tarios do brigue escuna Ja-
cobina, vindo de Hamburgo
em 9 do corrente, avisam as
pesso^s que receberam as
eaixas cfo marca A B n. 1t5
VDO&Cn. ltlTeK&i'.
sem numero, contendo todas
phosphoros, hajam de apre-
sentar-se para despacha-las,
visto que desembarcam hoje.
Luso-Brasileira
De ordem da presidencia convido aos senhores
socios para assistirem a. sessio magna, inaugural
da imagem do nosso padroeiro o venerando pa
triarcha S. Jos6, e do retrato do iUnstre fundador
desu associa^ao o Dr. Agostinho Maximo Noguei-
ra Penido, no salao de honra, pelas 7 boras da
larde do dia 19 do corrente ; e amplio o mesmo
convite aos senhores candidates que tem depres-
tar juramento e inscrever-se no grande catalogo.
Secretaria do conselho fiscal da scciedade b-
neflcente Lnso-Brasileira em Pernambuco, 10 de
man;o de 1874.
0 1 secretario
Joao Martins de Andrade.
Maooel Alves Pereira avisa ao r.^ip'tavel
publico que segue para Europa afim ds tratar de
sna sande ; e desde ja despede->p de .i'-u nmigos,
que por sen? incommp*0? n*o op : ', vUiiar,
fara homem.
BOTINAS de bezerro, cordavao, peHka, lostre .
de duraque com biqueira, dis melhorei
fabricantes.
SAPATOES de beierro, de cordavio e de case-
SAPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, ntios e jarauas.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca
francezes e portuguezes.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phanUsia com salto, brancos.
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para menlnas.
BOTINAS pretas, brancas e de ores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
j Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversa*
qualidades.
SAPATOS de tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Fiotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homen, e meias perneiras
para meninos.
No armazem do vapor francez, a rua do Baric
g" Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de brapo, de guernicoes,
9ofas, jardineiras, niezas, conversadeiras e costn-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
!evo3, e os mais proprios moveis para salelas e ga
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Barac
da Victoria n. 7, outr ora Nova.
PIANOS.
Aeabam de chegar muito bons pianos fortes t
de elegantes modems, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victona, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extractos/banhas, oleos,'opiata e pds den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arrez, sabonetes,
cosmeticos, muitos arjigos delicados em perfuma-
ria para presentes om frascos de extractos, cai-
zinhas sortidas e arrafas de aitierentes tama-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
dray.
No armazem do vapor francez, a rna do Barac
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos e
phantazias.
iispelbos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin, de fio de Escocin e de camurca
Caixinhas de costura orcada com musica.
Albnns e qnadftnlns pavi retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaque muito bonitas para relo-
gios.
Rriueoe .niiracau e botSes de punhos de pla-
que.
Bolsinhas e colres de seda, de velludo e de con-
rinho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mes?
e toilette.
Pincinez de cores, de prata dourado, de ago
de tartaruga.
Oculos de aco fino e de todas as guarnicSes.
Bengalas de luxo, canna, com castSes de mar
ta
Bengallas diversas em grande sortimento pars
omens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidado
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espnma para charutos e cigarros
Pentes de tartaruga para desembaragar e par
barba.
Dito3 de marfim muito finos, para limpar ca-
beca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinfceiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homem
e meninos.
Gampainhas de mola para chsmar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
oiaes e francezes.
Malas, bolcas e saccos de viagem de mar e ca
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas morde-
rera, bom para os dentes.
Uercos de vimes para embalar criancas.
Geninhas de vimes para bratjo de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
criancas.
Venezianas transparentes para portas e janella;
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhida?
vislas.
Lanternas niagicas com. ricas vistas de cores era
vidros.
Vidros avulsos para ^osmorama.
. Globos do papel de cres para illumina^oes de
festas.
Baloes aereostaticos de papel de seuA-vrfai fatil
de subir. \
Machinas de varios systemas para) cafe.
Espanadores de palha e de pennai.
Tesourinhas e canivetes finos. \
Tapetes com vidrilhos para mangas\e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo booito e bom.
Tiras de molduras douradas e ptetas para
quadros. \
Quadros ja promptos com pavsagens V phanta-
na. \ r
Estampas avulsas de santos, paysagens> phan-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos era fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com lindas pecas.
Realejos barmonicos ou accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de menctonar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros.pes e palmos para
medir terrenos.
Brinquedos para meninos
A maior variedade que so pode desejar de to-
dos os brinquedos fabricados om differentes partes
da Europa, para entretenimento das criancas, tndo
a preens mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Victo-
ria, outr'ora rua Nova n. 7.
Cestinhas para costura
Grande sortimento de bonitos modelos cbegados
ao armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora ma Nova, n. 7.
41 Rua do Imperador 41
0 novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o fim d.>
conservar os creditos de unico ncste genero, tern reformado e melhorado completament.
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provinrias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeigao em todas as prep> raeftes, aceio e modicidadc nos preooa,
compativel com este genero ile drogas.
F.spera a todo momento uma grando rcmessa de phannacia homeopathica de i.
Epss AC. de Londres, composta de medicatmentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock do
Rnos, de Buvonia, de Arnica e depOs especiacs para dentes.
Tem & disposit}ao dos amantes da horaeopathia a oxcellente, obra do Dr. Mure -
dico do povo, ja" em 3.* edigSo.
Tem carteiras de globulos e tinturas de 12 mediramentos atn 120, a escolha do com-
prador.
Plumeria, para mordedura de cobras.
Seracena i
Vaccina (
Chocolate homeopathico.
Cafe homeopathico.
\
Elor d'araruta.
P6s para dentes, inglezes.
China cruzeiro, para intermittentes.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras.
Tarantula, para paralysia.
Tintora mai d'arnica, para contusdes, Cor-,-Matta'mnUaou Jab<>". P*ra tosses,
tes, etc.
'Jeric6, para rheumatismo.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
Dito de Rhus )
>para rhematismo.
Dito de Bryonia)
Espirito
ra.
de Hahereman ou de campho-
C.actuc grande fldrus. para /met///.., iuh
| molesiias do coracdo.
Acha-se constantemente a testa do estabelecimente e
parades o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mcllo.
inspeccionando todas n pr<
CONSULTORIO HOMEOPATHICO
DO
Dr. Santos Mello
Gonsultas pela manha, e a noite ate 9 horas
Gratis aos pobres.
CASA DA FORTIA.
AOS 4:000)^000.
BILHETES GARANTID0S.
4' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua dc
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido
la la parte das loterias a oeneflcio da raatriz
da Varzea (91"), que se extrahira na sexta-feira,
13 do corrente.
PREfiOS
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
EM PORgAO DE 1005000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manod Martins Fiuza.
3
a
B
-<
p
CO
CO
o
p
M> I
5*
-^ S3 p1 p *4 p-j- CD p 0 0 11 p 0 0 CO
a P3 0
m. Qj zz. 00 Cu H
3 O CO rS S?> br ^ S O o "t -kJ: p p < p O omicos. e cortar 0 < p a
2 P & ^ O
3 -s o c
O 55 co s ^ s p B: e p * 3 p CD CO <
Aula particular
0 abaixo assignado, professor particular de il--
< truo;ao elementar, nao tendo podido por motivos
j de molestia, abrir sua aula no dia 12 de Janeiro,
: com) tinha annunciado, e como ja se ache resta-
! belecido, avisa ao respeitavel pnblico e com espe-
; cialidade aos senhores pais de familia, que no dia
9 do corrente estara aberta sua aula na rna da
{ Penba n. 25, I* andar, aonde continua no exer-
cicio de seu magisterio. 0 mesmo professor pro-
raettq, mnito se esinerar pelo adiantamentu de
seu3 alumnos.
t___________Secundino Jose de Faria S>m3e?.
1 "ASAD0 0UR0
Aos 4:000$000
Bilhetes garantidos
; hrm do Barao da Victoria (outr'ora Vo^vj
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender m seus
muito -felizes bilhetes a sorte de 700* em na
meio bilhete de n. 2033, e um meio de n. 641
com a sorte de 100*000, alem de outras sorte*
menores de 10*000 e 20*000 da loteria qne *#
acabou de extrahir (90'); convida aos possuidorrs
a virem receber, que promptamente sera-, pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarik- i
tirar qualquer ; remio, como prova pelos roesni *
annuncios.
Acham-se a venda os muito felizes Mhstet |a-
'antidos da I* parte da
igreja matriz da Varzea,
13 do corrente rcez.
1 iienehcio
: se extrahir* 0 1
I5
S-
o
'
Inteiro
VrlO
1009000
Inteiro
Meio
Recife, fi de marr^o de
Joao
Precos
4*000
2*000
para cim<*.
3*500
1*750
1871.
M:-':':
o**
Joaqmm da Costa LeiU.
\> 0 bacharel PeJro Gaudiano d.- Ralis
i S Silva tem estabelecido sua banca de !- ^.
S vooacia no escriptorio dos Srs. Drs To- -
J lentino de Carvalho e Oliveira, a ru i -
: ig| de Margo, outr'ora do Crespo, Ml
m n. 18, 1.* andar, onde 0 poderio ft -
irar os que 0 qnizerem bonrar m
-ua confianca; uu em sua residecria :
: na rua Velha, casa n. 30.
: O.,:


Consuilorio medico
RUA MATHIAS DE ALBUQUERQUE N.
(antiga rua das Plores).
Tingi se, lava-se e limpa-se com a maior per-
feifao fazandas em-pecas ou om obras de qual-
quer qualidade que sejam, taes como, la, algodao,
stlda, touquim, penDas, chapeos do feltro c dc
manilha, ou pallinha de todas as cores, etc.
Os Srs. negociantes, logistas e particuiares jrf
experimentcm que todos acharao proveito e van-1 V
tagen?
Aviso : Depois do ultimo deste mez corrente, I
fleam cofisiderados como abandonados todos os j
objectos efltregues a esta casa no anno de 1873,1
e serao tendidos pelo preco do seu trabalho.
!
qualqu .
!ia ouda noite para objecto d; -ua pro-
tlssao.
lltas das 6 horas da manbr. ;;r
raa. e do meio dia as duas dt !."r''
'Ira; is aos pobres.
ESPECIAUDADES.
Xotestiai de senhoras, da pc
crianca.
Roubo
RogA-se aos S:'3. relojoeiros e mais pessoas
a glez, coberto, n. 30025, com uma pequena amas-
sadura na lampa, que apprehendam, visto ter
sido roubado em 0 dia 7 do corrente, c dirijam-se
a rua do Vigario Thenorio, n. II, qne se dara
uma vantajosa gratitica;ao.
$
AVISO
Os abaixo assigoados declaram pelo presen-
te qu ainigavdlmeute dissolveram a sociedade que
tinbam no armazem d rua do Imperador n. 16,
que gyrou sob a firma de Silva 4 Irmao, ficudo
0 socio Olympio unico dono do referido estabele-
cimento e resuonsavtJ pelo activo e passivo.
Recife, 18 de tevereiro ds 1874.
lympio da Silva.
Ma noel do Nascimento Silva.
Aluga-se 0 quarto and^r do predio n 0, di.
raa do Bom Jasus, antipmeuta rua da Cruz : a
tratar na mema rna n. 65.
Os abaixo assignados. administradores da ox-
tincta compaubia de Pernambuco e Parahyba,
por nomeacao da junta de liquidacAo dos fnndos,
em sessao na cidade de Lisboa aos 21 de feverei-
ro do corrente anno, participam aos devedores
dessa companhia qne so elles se acham autorisa-
d03 a tratar em nome d'ella, receber amigavel ou
jndicialmente quaesqner quantias, passar recibos
ou quitacfes, sendo nulla e de nenhnm effeito
qualquer transaccao que nao for celebrada pelos
mesraos abaixo assignados.
Recife, 9 de marco de 1874.
Ulysset Vianna.
_______Antonio Francisco de Souza Gaspar.
Joao Luis Ferreira Hrbeiro, tendo de fazer
uma viagem a Europa, deixa por sens procura-
do res os Srs. : como primeiro Miguel Jose Bar-
bosa GnimarSes, segundo Francisco Antonio Mar-
tins, terceiro Jos6 Hemeteno de Castro Amaral,
e quarto Manoel ttris Ribeiro, e para 0 civei. no
caso de serem precise*, como advogados os Sra.
Drs. Manoel Joaquim da Silvia e Lniz Emygdio
Rodrignes Vianna, procura lore* f s ^rs. ceronel
Barata e Sena Dias.
Recife, 6 de marco de 174.
m Advogado.
35 0 bacharel Joao Gitirana. advega em
MK falmares, e pode ser procurado na villa
do mcjmo nome, outr'ora Una, ,'llc da
ij Matriz, escriptorio da ccollertoria.
8 Consnltorio medieo-ejrardcd
DE B
A. B. da Silva Maia.
Rna do Viseonde de Albuquerque n.
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
0. il.
Chamados : a quaiqner bora.
Consultas: Aos potres gratis, da 2 a*
y 1 boras da tarde.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que tenha oastaote
pratica de fazendas e mindezas, e qne queira ir
para Pao d'Albo: a tratar na rua do Livramentn
numero 6.
Oriado
No collegio de Santa Genoveva precisa-e de nm
criado para copeiro,-prefere-se eecravo.
Precisase de on p-rfeito cozinheiro e da ama
ama para copeira, >> servic^i e de casa estraiMira:
na rua da Crna n 6iv
f
*


j
1




**!*"**
*
I
\



*
i
1
i:
4
Diario do terfembuou E Quarfca feira 11 tie Mawjo de 1874.
FUNDIQAO DO "BOWMAN
RHADO BRUM N. 52,
(Passando o chafaria) '^
PEDE.M \05 *er>norea de engenho e ootroa agricnhorea, e ePjprejMitofst <\e n.
uiuismo o favor de ama viiiu a sec Mtsbcleciment", par*' -f'Ji o no*< wrinntutc
joapleto qne ahi tern; sendo tado aaperior em qaalidade u fovtidlo; o que com a ins
eofSe pemoal pode-se veriflcar. I
ESPECIAL ATTEWJAO AO KUMERO E LUGAR Dl SUA FUNWgAO
vapores e roaas d'agtia minhM v****** par. as dive
urcrmstanciaa doa teohores proprielario* e para dessarocar algodlo.
Moendas de canna *' 0,ua,ah^ &**> h*
ttodas dentadas m********
Taixas de ferro ftmdido, batido e de cobre.
Alambiques e fandos de alambiques.
Maohinismos
Bombas



40 Rua do Imperador 49
^jMi-
CVS*"*' l
Ha I'cslc eMabelecimeiiton l'ihor spl
L. '. ___-. "I '-!
cwrtio Silo : Ucrt, I'lcycl, l'lap, etc.
Oiler*
do [t*,no 'Ins mais ufam*ls asiinres.
-st tambwii iwiia para mandioca e algodao,]
a para aerrar madeira.
Podendoltodo a
' ser aovidoa a mio
'per ago a, vapor,
de patente, garantidaa........ |oa snimaes.
Todas as machinas 8 w" ** C06l0ml *"*"-
Fas qualquer concerto de mMaSm' pfe<* BWi Wrt"id0
^ormas de ferro tem molnor6e mai*bjraU8 eristen*e* no mer
~&rtr*nm-v\anf\aa Incambe-ae de mandar vir qnalqner machinlamo i von
QUUUUllUOUUiW* Ude doe clientea, lembrando-lhea a vaatagem de faierem ]
*om compraa^or intermedio de peaaoe entendida, e qae em qaalqaer neceaaidade pode
rhei prestar anxilio.
Arados americanos e in,lr^,Qenl0, '*tkoltu
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
A rua do Barfto do Triumph;, (rua doBrnm) ns. 100a .04
CARDOSO IEMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferregens e machinas para erj
tgenbos, as mais modernas e melhor obra qae tern vindo ao mercado.
VapOreS de forbade 4, 6,8.
.AJaldeiraS de sobresalente para
Moendas inteiras
Taixas jfundidas
e 10 cavallos.
vapores.
emeias moendas, obra comoaunca aqui veio.
e batidas, dos melhores fabricantes.
KOdaS d agua com eubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Relogios e apitos para vapores.
BombaS de ferro, derepucho.
AradOS de diversas qualidades.
Formas para assucar pad* mm**.
OoncertoS concert,m Mm promptidao qualquer obra ou machine, para o qae tfiesn
ua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOnLQieildaS man<^am v'r Pr encommenda da Europa, qualquer machinismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
-a com nm dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
nortss, mandados expresMiriente construir para esto cBma, u qual os aifiadoiBs cos
bons pianos s4 encontrarCo nesta casa. f-^y-'
Recebem-so pianos usados oxa troca. f- Ji fTl' |
Concertam-se e efinam-se piW>s
Tambcm avisa-se aos Srs.
conceiladoreB de pianos
qtre ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concerter pierios, como
sao: cepos, fclha para os mesmos, craveftos, parafusos, castor, camursa, tordas,
marfim, etc., etc.
49 RITA DO IMP ERA II OR 49
.<

AVISO.
AUencflo.
Tvpo do engenho Firmeza> Ba freguezia da
Escadi, no dia 11 de fevereiro* o escravo Albino,
cnonlo, com os eeguintea sicaaes: cor preta, idade
Nao^apreslandoopequenoespaco do armaiera d20 anaos, allo, corpo regular, bomla figara,
n. A, a rna da Madre de Deos, para nm abasle- oftos um powco esbranquicados, tem de nm lado
cido deposiio das diversas maroas de furao, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diaBte aberto ofltro estabelecimento sob a raesma
deeominagao de
Arnazem do furao |
A' raa do Amorim n. 41
com todas as proporcSes desejadas, e onfle pode-
rio os senhores fregnezes dirigir-se, oertos de
que, como ate" aqui, ac'-.arao sempre a per da mo-
dicidade dos precos, o maior sinceridade possivel.
Enire cs differentes Tnarcas de fnmo da Babia e
Rio de 'Janeiro, que tcm sido annnnclada?, acaba
dechegar uma encommenda especial, quemuito
devc con vir aos seahsres freguezes. Consciente o
aha xo assignado de quo Deste genero de negocio
nao esla sem coumetidorcs, farA mnito por evitar
qne tembem ot tenna com relacSo ao peqneno ta-
cro <;ue procurara obter da da mercadoria.
Jos^ Doreingnes do Carmo e Silva.
costos em carocinho a semelhanQa de uma
jaboticaba : pede-se as autoridades policiaes e ca-
pitals devampo a apprenensao do dito escravo,
podende entrega-lo no diio engenbo, ou na rua
do Toites n. ll, escfiptorio ; cerios de que se
dara boa recompensa.
FliGIO.
Tugio no dia 1." de mar^o, fla casa de seu se-
nhor, a mulata de nome Lydia, com os signaes
seguintes : baixa, gorda, cabeHos crespos, peitos
grandes e cara larga : quem a apprefender tra-1
jB-a a rua Kava.
Chapas e argelas anieri-
canas
O fabricatrte destas, tem a honra de participar
ao respeitavel pnblico que, tendo de retirar-se
para a corle brevemente, s6 pode receber encora-
mendas ate" o -dia 7 de marco ; portaoto roga aos
senhores que quizerem munir-se de ditos objpetos,
mandarem as snas encommendas com anteceden-
cia ao hotel Estaminet, a rua do Imperador n. 32,
das 9 boras o meio dia.
AflENCAO
Constando aos abaixo assignado acbar-se nes-
ta praci o Sr. Manoel Fernannes de Carvalbo, ren-
deiro dos engenhos Barra e Preguica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negoeio
tendente aes referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tas?o Irmaos 4 C.
Pede-se ao 9r. Joaquim PiTes Ferreira, o fa-
vor de appareeertoa rua Primeiro de Marco n. 7
A, i" andar, a nogocio de sea particular inte-
esse.
Precisa-se alngar um escravo para o servifo
em casa de fauslia: na n Primeiro de Marco
n. 23.
Jos41 Joaquim doCunha & C, para
evitar duvidas futuras, vem declarar que a
herane.a que tem de taver Joaqeim Elvirio
Alves da Silva, estd^ujeita a oxecugSo, que
lhe movem os mesnaos Gun be & C, no Rio
Forraoso, e por isso com elle ninguem deve
contratar acerca da mesma heranga.
Linds chapeos para
senhora, x^egados pelo ulti-
mo vapors 4 rua Primeiro de
Marco n. 19, loja de Jose
Ferreira da Silva, successor
de Santos Neves. ________
Na rua larga do Rosarion. i\, loja de cal-
cado, precisa-se de uma ama qae saiba comprar e
cozinhar.
m
Na ma do Barao da VictoM
allar ao Sr. vigario Andre Curci<
eira, t negocio de seu interesse.
ao da Vi
n. 36 precisa-i*
o de Araujo Pe

<
DUARTE & IRMAO
CABELLEJFIEiROS
Premiados na exposiqao de 1872
RUA
DA
iMPERATRIZ
R. 82
i." ANDAR.
>:^
MIA/
O^'a-mm IH9L(T\ \

K5LDyfcJ
ri:a
DA
IMPERATRIZ
n.; sal
i. ASDAft.
Manoel sapateiro esta fu-
gido.
Desappareceu do eBgenho Darangunza, ne
dia 27 de levereiro proximo passadn, o escravo
pjeto, de nome Manoel, official de sapafeiro, ja
idoso, de naeao Angola, alto, de corpo regular,
tm falta de alguns dente3 na frente, e bastante
ladino, rendido de uma verilha, tem uma das
maos ou ambas afoveiradas, e costuma a dizer
qae e forro por algumas vezes que tem andado
fugido. Levon comsigo uma trouxa de fazendas
e mais objectoe que comprou na povoacao de Ipo-
juca, e julga-se ter elle fugido por ter achado a
quaotia de cem mil r6i?, que seu senhor havia
perdido, provaBdo-o com a evasao sem outro mo-
tive, e por ter traeado na mesma povoacao uma
nota de vinte, apresentando nessa occasfto maior
quaniia em diversas sedulas : roga-se pois, as au-
toridades e capitaes de campo que o encontrarem
a apprehentao do dito escravo, assim como, do di-
nheiro que elle aitida liver em seu poder e leva-
lo ao dito engenho a seu proprietario, a quem
pertonce dito escravo, ou nessa praca ao Sr. An-
tonio Ciimaco Moreira Temporal, e seu conductor
sera aeeompensado.
Na travessa da rua
dasCruzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
f** E. A. DELUUCHE.
49Rua do Marques de Oliiuln &
Acaba de receber um grande sortimento re
logios americanos para parede e mesa, (' xrda
de 24 horas e de corda de 8 dias, comde ..tador
dos meftores gostos e qcilidade.
Relogios de ouro patente inglezverdr .viros, des
coberto com ponteiro grande no moi dos mais
modeVnos e do mewor fabricanle dr L< ndres.
Grande sortimento de relogios ue prata, prata
dourada, cobertos e descoberu.-. Ditos de prata
folwda (plaque), orisontal e patente. de todo
pveco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oilos de todas as qualidades.
Verdadeiros Vidros de christal da Rccha, para
vista cansada.
Vende-se *rado
por preco
ontra qualquer parte.
se
mais baratc nue em
Aprec4C4ii
g
m Advogados 0
W Os Drs. padre Antonio da Cunha Fi- 0
)SC gueiredo e Joao Augusto do Rego Barros, mt
2 mudaram o seu escriptorio para a rua !. ^
9. de mar^o, outr'ora do Crespo, n. 2, !. j&
igi andar, junto ao area de Santo Antonio A
2^ entrada pelo lado do caes. S
Aeabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o uas melhores con-
diccGes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e a"s Exmos. Sras. n'a-
quillo que Mr tendpnte & arte de cabelleireiro.
Fazem-sc cabelleiras tanto pa.ra homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques aiodernissimos, trances, cachepeign.tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se proviso do que ha dc melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommend8s e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfeic,3o no trabalho, agrado, sinceridade e preQO razoavel.
Pentcam ssnhoras, tanto no estabelecimento como for* ; vende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertenccntes i arte dc cabolleirciro.
JlllJil
Precisa.se alugar uoi moleque de 12 a 13 an-
nos de idade. que seja fiel : quem o tiver, dirija-
se a rua estreita do Rosario, sobrado n. 35. Na
mesma casa fornece-se comidas para fora.
Frecisa-se
de nm criado para todo o service
hotel Bordeau.
LOJA
Aluga-sc a loja do Eobrado n. 9 da rua da Au-
rora : a tratar na rua do Hospicio n. 2G, taverns,
ou na rua da fmperatriz n. 10, taverna.
Fiisiiio.
Um rnoco competentemente habilitado propoe-
se a ensinar em algum engenho primeiras lettras,
lingua nacional, francez, musica e piano : a tra-
tar na rua do Queimado n. 70, 3. andar, das 8
a 1 hora do tarde.
Precisa-se de uma ama para casa de duas
pessoas, para cozinhar e engommar : na rua Di-
re>ta n. 28, primeiro andar.
Precisa-se de um caixeiro de i2 a 14 annos?
que tenha pratica de padaria ou mesmo sem e,la:
na rua Direita n. 26.
CHAPEOS DA ULTIMA MODA
Chegaram lindos e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora : &
loja das columnas, de Anionio Correia da Vasconcellos, a" rua Primeiro de Mar-
co n. 13.
J,
Sementes de hortalices
vindas pelo ultimo vapor, a rua da Cadeia do
Recife n. 53 ; tambem na mesma loja recebem en-
commendas para o sitio do Abrigo em Olinda, de
arvores fructiferas e outras proprias para au'orno
de ruas e jardins, sortimento de palmeiras impe-
riaes e de outras qualidades; assim como pes de
flores para jardins e vasos, tudb por modico pre-
co e garante-se estai'em bem enraizadas todas as
plantas como e de costume.
Tendo de effectuar se a compra do sobrado
* iMt,,. n- 2I' da riia dos Quatro Cantos, h.je do commer-
a cio, na cidade de Olinda: quem se julgar com
qualquer direito sobre o mesmo queira declarar
por este Diario, no prazo de 3 dias, sob pena de
n3o chamarse depois a ignorancia.
O abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do com-
mercio, que julga nada dever nesta praga ou
fora della, e quem se julgar credor apresente
seus documentos no prazo de tres dias, quo sera
pago, e depois desta data retira-se para Europa,
e deixa por seus procuradores aos Srs. Jose Jacin-
tho de Medeiro.-; e Francisco do Couto Guimaries.
Felisberto de Med"iros Barbosa.
eomo se vesde barato
So o n. 20
HUA DO CRESPO
MM DAS I P0RTA8
DE
Guilherme & Ci
CASSA-LA
.Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
droes, e que se vende pelo diminuto prrco de 2U0
rs. o covado 11 1
METIM
Metim trancado, padroes bonitos, a 320 rs o
covado III
ORGANDY DE COKES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado III
LAS E?COCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covadu!!!
CRETONE
Cretone claros e escnros, bonitos padroes a fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado Ml
LAS MODERXAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos do 400 rs. o covado
e pechincha I I I
Cortes de casemira di cores, a 5H0G.
Colchas estampadas e com barra
4$000.
Cobertas de chila adamascada
Leuroes de bramante a SjOOO.
Ditss de algodao a 1 j400.
Toalhas alcochoadas, duzia, a 3 S800
Lencos de cassa com barra a U000 a doiia
Ditos de cassa abanbados a 2*0On a duzia.
Ditos de esguiao abanhados, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3^300.
Cambria transparente Gna a 3000 a pest,
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a UoV'O a vara
Dito de iinho puro com 9 e 10 paints de lar-
gura a 2/500 e 2/800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 3/000 a peca.
Dito doraestico a 3/000 a peca.
Brim com listras, irlaadez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. 0 covado 11
Madapoloes Irancezes de tolas as qualtdadi
a/ a o/oOO a peca.
Chapeos do sol de soda com 12 astcas, pelo di-
minuto preo de 8/300.
Camisaa inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44/000 a duzia ; e pechincha.
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto nre-o
de 800 rs. 0 covado; e pechincha, e dao-se an
tras.
S6 0 n. 20 da rua do Crespo
Loja das tres portas
DE
Guilhermc & 0.
'f.NTO A LOJA DA ESQUINA
rovas nw:^i% musiwfs.
A. J. dMzcvcilo- ISunKovar '
Arj'iam de publicar so, e achaf t
venda as seguintts musicas :
PIANO 0'.
Danse fspaniiola, por Ascher 2:
Arabf.i.i.x, mazurka, p *r G. Wcr-
tbeimer 1-
Valsado Facsto, por Croyzes 1?
Sonho de uma viRGt.M, p*.r llber-
tazzi
Amu la I'kie, cavalina
AoClaih de la Lc.ne, pur bu>smcyer
KSTREU.A DO IIORTE J |>0,ka briJballte 1*000
Sauda^Ao ao Hah;a j
Cricket, por Seixas, offerecida aos
ciirickets club periiainbuoano e
babiano l>Oe
PIANO E CANTO.
Desf.spkro, muito liti'lo r< .nance
por 1. Smobz BKHiJ
Non m'amava, romance por l.uercia lrooe
Tambem reeebev da Europa grande sor-
menide musioa para pior."\ piano e
antoudos, mcthodos, etc. ttc. ________
10
noo
iri.oo
ir50<
;H\MA!NI
CUMMAIH
Os Srs lovmo Fernandes i* Crw e loa
mente de L-n-io-DtiarV, :*<> Anm*fai
a m part'
Coronal Snas-M.'.u n.
iDtereasei
J82,

^
n\"*M
selecta e e umbigo
(ftwerlada
Sapotizciros
e sap. leiroa d- n ;, !!:;. ,. ., ei| ,
o- laiuanbos e prefM m g,]P ,ian.
fru.-ta e de ornsfto :
Auacati.
Acacia.
Anticum a pi'-.
Canella.
Casnarina.
Carolina do pnnrip-
Condeca.
Coracao da India.
Pifrofira.
Flamboyant.
Fracla-pin.
Inge do Para.
Jam ho.
Jasmim Urania.
Laranja da China.
Dila do ceo.
K ootras planlas :
ura u. 20.
Laranji cravo.
D.ta de loct do Para
i' .i :.: i: i
Fi:.< laog ;
Lima >'.: p rsia
Dila da .
j::' frai ,.
Dil di nj i
Oilicoi
Pa d n i
Parreiri..
! iaheira-
1
Roteins.
I' '.
i ...
na faj ., i( K
a 3/5W
a 3/500.
Alnga >e uma c i-a ...
deirein n. -21 : a tratar n
23 loja do S I.
! I
i teounM ado !! !
Acriuj mole -ira
1 :ii!3n tin U
Roga-se ao Him. Sr.
mvaona eidad
.1*01 ue vir a rna LXi .
eluir aqoeUe negocio meBcaa
reahw, Hefcnrlr*
finsdedezeinbro le 1871 .,
passoa afevereirtteabril del
J por e-te. motivo e Je
um, puns. s. s^ deve lembi
"maisde oito ain..s, e nan."
;, nestit eid
Ernj?reza (;
\ d prezado eai ten
ESCKWO FSJG1DI),
'ecu
Constructor e afinador de pianos
33Rua do Imperador-
Offerecese um rapaz para caixeiro de algu-
ma prensa on outro qualquer e.-tabeleciinento
commercial, ou mesmo para criado, dando fiador
asna cond;'"-'. : quem precisar annuncic por
este Diario on liirija-se a esta typ t'rapbia, das 10
horas da manhao cm diante.
Precisa-se de um homem e?cravo ou forro
Pp/a andar com taboleiro de fazendas, paga-se
zo/000, dando-secama e mesa : a tratar na rua
do Cabuga, loja de ourives n. 7 A.
Paris, 36, Rua Vivienne, D
rn:MHM HEDECIM SP^CIilL
B*S BUPP.BMIIXD'g DBS SEXOABS, AS 4rBC{OBl
dTTAIBAS. K ALTBRAfOFS DO SANOOB.
130,000 curas da impin<
I gent,puilu las, herpes,
I sarna, eomixoet, acri-
I mpnia, e allercoes, vi-
\ciosas do sangve, vi-
rus, e aileun-oes do sangue. (Xarope vegetal
sem mercurio). DeparaiiTaa icieinei
RHHta imhebaes tomao-se dons por
semana, segnindoo tractamentoDepurativo: t
empregado nns mesmas molestias.
I Este Xarope Citracto do
|fcrrodeCHABLE, cura
immediatamente qoal-
quer purgacao, rela-
xafoo, e aebilidade,
De^apparect
rente, do engenho Serigi,
publico qoe reeeBen
onto de lustres !
lelaa e ulubos, cojas am,-ir.
a rua d.i Impera.Ntr n. 31,
-' as fregnezes p
preco
ALUGA-S-
'asa nn Capnngs, rn
oxjra e quai i
vigario Tenoiiu n. !!.
GaranhuiKS.
ao amanhecer do dia I d> e r
, comarca de Govanna, b
escravo de nome Jose Borges, niestre de "assucar,
t*ndo os signaes seguintes : cabra, idade 90 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais vfeivel
uma gomma na junta do pe e^qllerdo : roga se a
todas as autoridades e capiiacs de campo qoeiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en
Na rua do Bario da .; ria a.
alur aos .--rs. Pedro do Reg
ose Paes da Silva, a Beg
Roubo.
Na, "Ojto dc i para 5 !
peo de feltro, l par de i 2| mi
go do Corpo Santo n. 10, quo ser.io generosamen-
te recompensados.
DEPURATIF
dn SANG
PLUS DE
COPAHU
33
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & Herz, e antigo director das offlci-
na casa Alpbonse Blonde).
Tem a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que Jem aberto sua easa de
concertos e afinacoes de pianos, qualquer que seja o estado do instrument. ,
A mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos i^elhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz e Alphonse Blondel) todos os pianos sahidos da casa
Dbibaut sao garantidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se 'allar aoe seguintes senhores :
Domingos Martins 4e Barros Monteiro.
Emigdio Marques de fiaqtiago (Dr.)
Joao Vaz de Oliveira.
Jose Francisco Lipes Lima fVazaretfa).
Manoel Pereira Braadao.
Manoel dos p,mM Miranda.
Ineotonio de B*rro ^ Silva.
Fran;isco Pmin F'ensna (|)' )
Francisco de Paula Bor^.
Francisco Ant mio Pooiua
A' Torre
Affonso de Albuquerque Hello
incumbe-se de promover cobrancas amigavel
ou judicialmcnte, assim cdmo de outros negecios
concernentes a sua profissao, nos lugares proxi-
mos a linha ferrea, e nos outros termos pioximos
a esta cidade; para enjo anxilio tern o annun-
ciante solicitadores habilitados e probos, respon
sabihsaodo-se no enlanto pela boa gestlo e conta
do que lhe for confiado.
Mediante modico honorario acode aos chmado
para diligencias ou consnltas fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacoes ante
lo trinnnal da relacBo. Fode ser procurado de
meio dia as 3 horas da ttrde em seu escriptorio
rua do Duqoe de Caxias n. 37.
e igualinenic os jluxos e
. mulheres. Esta iuieccao benig
com o Xarope de Citracto de ferro.
ores brancas das
enigna empregasse
Aluga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de habita^ao e banho no rio
& frenta desta: qoem a pretender, pdde
procurer 4 rua de Gervasio Pires n. 24.
Offerece-se
nm mojo brasileiro, com bastante pratica de ta-
verna. para <\iix*iro, dando fiador a sua conincta :
qn"m preeNar, poda d'rigir-ae a rna larga do Ro-
lario n. II (anuga dos Quarteis) fabrica de ci-
farros.
}#:
eMorroldaajPomadaqueascuraemadias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: uas affecgoes eutaneat e comiroei.
PILULAS VECETAES DEPURATIVAS
do r caahie, cada frasco mi accompahaie
de nm folbeto.
AVISO AOS 8R8. MEDICOS.
I Cam catarrhot, wstei
coqueluches, trritafto
I nervoiai tai dot bron-
I chioi i wdai at doenfai
I do peitt- buti ao docota
mi eolhe rehdea dctte xirope 0' Forget.
fit. HABU an Paris, rua viWeaae, .
Aos senhores de engenho e
outros proprietaries
que pretenderem contratar ediScaeSea de predicts
asa s do campo, on chalets, demarcacdes de tar-
as, nivellamentos, assentamentu d^ machinas a
vapor, plantas ou outros quaesqnor trxbalhos nes-
te genero, queiram dirigtr-se pessoalmente ou nor
escnpto a A. Coutinho, a rua do Crespo n. 18, !.
andar, escriptorio.
Sirop du
DfFORGET
Deposito botica Franceza
22 Rna da Cruz 22
I Trastes.

Compra se e vende-se trastes novoa.
e usados no armazem da rua do Im-
perador p. 48.
'*?
###
Recreio dramatico.
De ordem do Sr. presidante da .a* enblea geral
s5o convidsdos l>d- os Srf. cm- para >h rei'ni-
rem em as-'embl&i geral no dr-mingu 13 do cor-
rente, as 10 horas da uianbaj pn b'g r lo csto
me, afim de ter lug.r a elel.ao i i -etoria e da
commisslo de runtM, ogund^ H>i di po-u. no g
ldo art. 4,, 2- do ait .1 <--s -ctivos e-u-
tatos.
Encruxrlfcada, 9 de r... .. 1-7,
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
D. 20, accam sobre 0 Banco Commercial
de Vianna e snas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, d vista e a prazo
por todos os paquetfjs.
Offerece-se uma senhora para coser por
machina, em qaalquer casa de familia : quem
pretender Jirija-se a rna do Imperador n ii 3
andar. ra '
0 abaixo assignado faz publL-o nne nesta
data vendeu ao Sr. Joao Francisco Henriques a
taverna quo tmba, sita a rua do'Coo.de da Boa-
Msta n. 107, Jivre e despmbaracada de tcdo e
qualquer ones. Recife, 9 de marco de 1871.
__________Francisco Joajnim Gomes da Silva.
(Jasxeiro
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica de
na rua do Range! n 37.
raolhados
Fm
!glO
o escravo Juvenal.
Foi trajando calca de brim de riscado, camisa de
chita de riscado e chaneo de nalh. de lUlia e de
corparda. idade deill ann.,-, tem raits de nm
dente na (rente, e e ba-tante pamlei'n : rouase a
apprehensao d) mnsmo, e cundu i |.. a rua da
rfcA "a Boi'Vi*u n w- para ^
0 ladrio a| rovi il do a
spas da casa dormiam no
frente na ale iva e 1 !i p ; |
Irou 1 ao so uas caaastrai
como fora; de snspenden com 3*100 de .
casa. Grattflca-se hem a ,
ui-r nut etas eertas.
Recife, .*i de marco de 1^7i.
^^^^^ Lauri.mij :ila.
Atteii^ao
0 abaixo assignado faz sciente ao rcspeitavri
corpo do commercio e ao pnblico em gtral .' -
praea, que tem justo e contratado a compra da
taverna n. 4.a rua da Fandicio, em Saato -'ina
ro, e por isso pmvme a qucn'. tiver Je reriamar
contra esta transaccao, que n fa. a no prazo de 3
dia, sob pena dc sua ann'j. oeia tacita.
Manoel da SI.a Rei
C0ZI[\HEIR\
I'maescrava boa coiinbeira e iavad^ira oreeiM
S r*?,aaie Mm n"! C* Para f*ur o
gode sua alforr.a, sn,e.Undo H a 5a\r loraeav
82 S?YZv$w: a !Jaur na ra'da mmSSTe
uteis manW fc lodos M **
T
-
sinfh-ii .
No caes di> Ap.ll'o n. v ; ; .-se bem a
piefe're-s.; 1 ma.
um bora eoxinbe
irn
a 2 do corrente mer, do engenho S-pucaia, de Be-
beribe, 0 escravo Geraldn, cdr bem preu, alt> aci-
raa do coramum, reforcada do corpo, olhos peqne-
nos e repalados, tem nm tropeco no princi| da
palavra,. qoe parace gago sem o ser, natural d
C an, idade, ponco mai< oumenos, 14 ann.-s, It-
vou ve-iido calca e c.inii-a de algodlv branc.'. e
tanibem um palet. t pn to ; consta que -\h e>tava
em caa do Sr. Frcd^rico Chave, morad' r mui
proximo daqudl.- engenho, dizendo a qotm 0 ee-
contrava qne o eaaw Sr. Cnares 0 tinna om-
prado, e com eia uoticia reeonea-se a pobcia
qoe presroa tre naaMoe, e na oeca>iao em qoe se
aproxlmavaro da casa daquella aenhor, en.-.-ntra-
ram dito negro em pt- na in a jwrta, e q0P ,irrsen
tindo que tain em sua capt.ira, pode vdir de
novo, e depois desse rt..-. (6 ^.. corr.nt.} r.iu.'a n\.-
se tev mais n.ticia : p-i. -c aoturidad a ca-
pelentes e capitaes de campo a sua captura.
-------



w
6
1 ?3#tfcy>feflL'rtMilta* i&tfttk km, ..H -UtM^ Barbeiro
Pfjcisa seffc uafboui eiflieial de barbeiro, da se
*efto no trabirtho Janlafflente a mesa : no
saiao dt Tg'11>^aft *<% 6ft>i^n. 3, 4' andar.
IT27I.
Vende-se ou iroca-se uma grande casa de ta-
boa, oa raa Imperial, com qnwtal cereado, com
grande aterro, porlio de am tado e no quintal
qua bjla para a linha fcrrea, com madeiras no-
vas, preferindo-se a troca por ama nesla cidade,
o preco 6 muito conraodo ; quern pretender di
rija-se a mesma casa, que acnara com quem tra-
tar.
Furtarani um cavallo de c6r rudado, m e
greirao, clinas para a direita, pescocp pedrez a
com dous terras em seguida urn do ouiro, e no
quarto esqnerdo tem I, signal que trouxe de Fa-
jen, eojo cavallo foi furtado no dia 16 do corren-
te mez, em um rancho daeatrada nova do Caxan-
ga: a pessoa qne do mesmo der noticia a Ber-
nardo Jose da Rocba, morador em Pajeu, ou na
rua Primeiro de Marco n. 18, loja, sera generosa-
mente gratifieada.
Recife, 17 de fevereiro de 1874.
(M M FORTBNA
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:<
O abaixo assignado tem sempre exposto a ven
da bilheles da loteria do Rio, cuja extraccao an
aunciara pelos jornaes.
Precos.
Inteiro 24*000
Meio 12*000
Quarto 6*000
____ ______ Manoel Martins Fiuia.
Ainda continua fugido o preto Ignacio, d-
altura regular, seceo do corpc, ca.beca e pea pe-
quenos, falta de dentes na frenle, devo ter ts nos
das dedos das raaos calejados, do serviro de padae
ria, regula 40 annos de idade, fugio em 4 de Ja-
neiro proximo passado, consta qneanda no Barro,
on entao seguio para o tertao : pede-se as auto-
ridades ou pessoas que o descobram, a sua cap-
tura, e leva-lo a rua do Lima n. 72, padaria, em
Santo Amaru das Salinas, que se gratificara com
50*000.
100$000 de gratificacao
Engonho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezemtro, do engenho San-
tos Monde?, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracnnhaem. a escrava Maria, crioula, 50 annos
de idr. !e, pouco mais ou menos, baixa, grossa, cjr
preta. ofto alquenrado, pes seccos e espanados,
dedr-s enrtos. rabcllos braneos, canellas finas, tem
don* Mgnaet eabWlndos no queixo, e e bera ladi-
Fia. A pessoa que entregar esta escrava ou ao sen
Jon, que e o si-nhor do engenho acima, Laurea-
tiGo Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, 1 andar, sera
ec impensada com a quantia de 1001.
AUencuo.
Fugio da engenho Kronen, na freguezia da
Escada, no dia II de fevereiro, o escravo Al-
bino, crioulo, com os seguintes signies; c6r
preta idade de 20 anno?, alto, corpo regular, bo-
nita Ogata, olhos um pouco esbranquicados, tem
de um lado das costas um carocinno a seme-
Ihau.a de uma jabaticaba. Pede-se as autorida-
des noliciaes e capitaes de campo a apprehensao
do dito escravo, podendo entrega-lo no dito en-
genho on na rua do Torres n. 12, escriptorio,
Rogn-seao um Sr. Alexandre de Souza Bar-
ros, morador em Gravata de Jaburii, queira fazer
o favor de apparecer na rua do Livramento n. 12,
a tr.iiar de nopocios de sen inleresse.
i i hi imi'
Affonso Henrique da Silva
Bastos.
g; Manoel da Silva Bastos, Joaquina
'.- C. da Silva Bastos, Manoel da Silva
Pjt'- 1^ Bastos Junior, Praxedes Ferreira
' Cavalcanle, Maria A. Bastos Caval-
canle e Pedro G. da Silva Bastos
agradecem a todas as pessoas que
anmpanharam o cadaver de sen
filho, irmao e cnnhado ao cemiterio publico ; e de
wo rnpam- bes ocaridoso obsequio de assistirem
>3 m:.:;:i> que se hao de resar na capella do mes-
ma cerniterlo, e igreja da Santa Cru'., quinta-feira
13, as tj 1 jti boras da inanhii.
osp r., -: ^jMjswmKMBamsm
O bacharel Candido Alves Machado convida a
Irdos i a sens p.irontes e amigos para no dia 11 do
orreno, as 8 hors da maniia, assistirem a uma
ilssa que tem :1c manJsr dier por alma de sua
sempre chxrada Ha D. Anna Correia do Almeida
Cameiro, no convento de S. Francisco.
at..
- i). Candida There** ViUela Itios c Glhos,
3grade<*etn do fundo de sua alma a iodasas pes-
soa- qtte aCompanharam ao cemiterio dos Afoga-
jos us' isios mortaes de seupresado espuso e pai,
e as convida. aus seas parentes e .imigos. a ouvirem
naquaria foira.fi do corrente. as 7 boras da
manbaa uu;a missa que manda diz'.-r por ma al-
ma na matriz dos Afogados o na igreja deN.S.
da Gra^a na >iptnga, e por ease acto de piedade
*e c'fil'-H am .">i-;iaiuente gratos a todosqueto-
rnarpm i^r'-> sua dor.
Alexandrina Maria da Silva Por-
to e seus filhos, muito agradecem
is pessoas quo se uignaram acorn-
panhar ao cemiterio pntlico, o ca-
daver de sua mui presada lilha e
iuna, Alexandrina Maria de Car-
valliD Motta, e de novo rogam as
mesmas, sous parentes e majs conhee:dos, o ca-
- obsequio ile assisliiem a mirsp. quo per sua
alma se tem de re ar na igreja de 2\. S. do Hosa-
rio da fregnezia da Boa-Visla, as 7 horas da ma-
nia de sexta-feira 13 do ccrrente, pelo que
1 i.i se coufessajn .gradecidos.
Com urgencia
Precisa se de uua boa crzinheira para compror
cozinhar : ua rua Vclhan. 71, 1* anJar
ima grande casa fle familia, na Capunga. rua da
Ventura u. 2 tendo quartos fora, banheiro, co-
'heira, gallinbeiro, etc., etc. : a tratar na mesma
Escrava fiigida
Colinua a estar fogida desdeo dia II de Janeiro
i (m de n me Bernards, idade 30annos, pou-
11 men w. tem os olhos um pouco abo-
i ;,mlar moderado, traja vestido e chale
,jrei is oo-iuina mudar trajos, tem uma cieatriz na
pcrna esquer.la, andja dizendo cue o senhor mor-
reu dt.X"U eila forra, esta la para o Cabo por
!er 'a um Dlhn ile n.>me Felix : e por isso roga-se
ant-, ri laies polli-hes ou aos capitaes Ue campo
a.'prch.-nsao da dita escrava, le^ando a ao Ca-
minhn Novo, a sua senhora, sitio n. 110, ou na
nJa (Ih Ctrimba n. 1, que se recompensara gene
osamente.
U;ii pussoa cmipetentemeute habilitada r>ro-
, Sa sr a fazer e-oripturaQao por partid:is d ibra-
das com tudo cuidado e esmero qne e possivel :
qoem de. eu pn-stimo se quizer utilisar, dirija-se a
rua d> Guia n. 'i2.
Para phtisica pulmonar e
bronchites chronica, ver-
dadeiro po deBoyer
E t rem di.< ta i recommendado no tratamento
da I li !" i pulrmmar^acaba-de reccber a pharma-
i. do Ba'-ao da Victoria n. 51.
- Fngi-j de men sitto, na estrada do Arraial, o
ii (i \j" iiinio, com os sigoaes seguintes :
"i- -o do i-i>r(Ki, muito regrista, vestido de
al' inisa bi larp qu in i preoder podera leva-lo ao - -:'.i i'i i :i e--ao Mangabeira ; ontro sim ro-
const
de I .....
~~. *l
H, ui
-irio
>i iriitede de Belem a apprehensao do
>>, vi-to Hie ter o costume de etar
! na Tamarineira, f6co de vadia.-So
- -si-1-..ve.n do lugar.
___ Attiwa Lopes.
-> se a ra* dVfronte do hospital Pedro
h ins o.im.r.dft5 a lratar na raa j0 Rl).
Hna Vista n 99.
Na rua de Santa Therm n. flO ge dira quern
wende 6 Armada.
cisM
Na ma do Ba/ao d* Victoria n 3, precis-se
fallar ao Sr. tenente Jose Maria Pestana, a.ne-
gacio de sea mteresse.
i
JV-
Precisa-se de
duas aipas para
easa de pouca fa-
milia, sendo ama
para cozinhar e outra para engoramaf, pre-
ferindo-se escravas, paga-ee bem, se sgradar:
a tratar no largo do Paraizo n. 28, 1 e 8
andar.
Ama de leite
Preciia-se de ama ama de leite, sem filho :
roa da Praia n. SS, Z* andar.
na
famil
.ra
lia
49,
Precfsa-se alogar aa ana eswava
comprar e coziohar pan oma pequena
estrangeira : na rua do Marquez le Qinda n
13ja. _______
Precisa-se do ama ama qua saiba cozinliar,
para caaa de Itoaem solteiro : a tratar na rua do
Barao da VJctoria n. 60.______^^______
Precisa se d* oat* > paM eoziohar e que
compre : na traveaaa do Corpo Saato 25.
Na raa larga do Rosario n. 11, loja de eal-
Cado, precisa-se de ama ama qoe aalba cozinhar e
comprar.
Ama de idle.

Precisa-se de uma ama que tenita bom leite,; e
seja sadia : na rua do Rangel n. 7, eJ- aa-
dares. _________
Precisa-se de ama ama parau
servioo interno eatame de ama
casa de pequena faraitia: a 'tratar
na rua de Pedro Affonso a. 47, t>
AMA
Salsa Parrilha
Vende-se muito nova era rolos pequenos, cbe-
gada nltimamente : na rua do Bora Jesus n. 7.
Vaade-se npa escravl parda, de 25annoi
perfeito eognmnl{dPira e-eeaiphtiTa, Ban (dm
desta cidade : na Tua d^ HotTas n. 96.________
II U0f-l -'
rrsas
m
fOMMADE BLANCHE
M atvm wtuua mbti
an> rwlUait avocNwivMMBte m eabatlos
A SUA COR PRI1ITIVA
BlrnibWltMeoTtaU|eMupaiinnduittfoto|cidat.
NEOGENEduD? north
LLOl
*"*Tsda cor PMirnvA*
Bam eiito iahllitel Attit. Imio t\i ta mMo .
Snperlorldide InconteiuVtT) tyn>; lotflMHTt. '
~ me BAte. FAUS
"amaesfefes?
=

andar.
Apia
Precisa-se de uma ama : na rua do
"Gervasio Pires n. 34.
Ama Precisa-se de uma ama para coziahar.
iuua prefepndo-se esccava : oa rua de S.
Antonio Jose Rodrigues de Senza, em sen es-
criptorio a raa do Crespo n. 6, compra, por boos
precos, e-cravos das diversas cores, sexos e
dades.
* Na rua do Corredor do Bispo n. 17, precisa-
se de uma ama forra ou escrava, que saiba co-
zinhar, comprar e engommar, paraa casa de fami-
lia de duas pessoas: paga-se bem gradando.
Aluga-se
nma sala na raa Daque de Caxias n. 61, propria
para advogado oa cartorio : a tratar oa loja.
Precisa se fallar com o Sr. Jose Maria Go-
mes Braga, filho de Joao Antonio Gomes Braga,
natural da cidade de Braga, e de D. Anna Emilia
Correia Braga, da cidade do Porto; isto a negocio
de seu interesse : na rua do Conde da Boa-Vista
n. 26, ou rua da Imperatriz n. 20.
KOUBO
Para tranquilidade das pessoas que teem pe-
nhores em poder do abaixo assignado, declara o
me-mo, que os objectos roubados eram seus e
estavam fora do cofre de sua casa, onde est3o
guardados os objectos dados om penhor, em cuio
cofre os gaiatos nao ousaram toear. Recife, 2 de
raarco de 1874.
Julio Isaac.
Attencao
0 Dr. Amaro Joaqoim Fonseca de Albuquerque
declara a seus devedores que se acham em mora,
que Ihes concede o improrogavel prazo de 30 dias,
contados desla data, para virem saldar os mesmos
debitos, sob pena de, sem excepcao alguma, findo
o inlicado prazo, ser promovidoo recebimento ja-
dicialmente. Recife, 6 de marfo de 1874.
Mobilia de aluguel
Alugam-se mobilias completas, oa qualquer
traste separado, cadeiras em qualquer quantidade
para festas e bailes, per preco commodo : na raa
do Barao da Victoria, armazens de motilias, do
Pinto, ns. 57 e 58.
ALUGA-SE ..
o sitio Chacon, na Ca3a Forte, com diversas casas
para familias, ditas para criados, com cocbeira,
cacimba com boa agua e com bomba, tem diver-
sas plantas de capim, proprias para qualquer esta-
cao do anno, e duas exeelientes plantas de canna,
perto do banho e da eslacao do mesmo norae : a
tratar no mesmo sitio.
"
Aluga-se a casa e sitio da Tacaruna, na estrada
de Luiz do Fego n. 3, com viveiros e frncteiras :
quern quizer, pdde dirigir-se ao mesmo sitio ajus-
tar com o brigadeiro Hygino Jose Coelho.
Aluga-se o 1" andar e sotao do sobrado sito
a rua da Imperatriz n. 53 : a tratar no 2* andar
do mesmo, ou na rua do Barao da Victoria n. 57.

Verdadeiroe
' GRAOS DE SAUDI
)|/0Uf0rFRAIfCK..|
0 melhor e o mais
uUl dot purgantes etu-
h*d*os. -m. I
MS tUMKMIel
**** *emtmrme'* \
_______________ BtH*l
iltm < awiCMtara en i*l* TOKinuu
d A. aoDVItaui, o Utreii*, aqui jant*., I
(eito em 4 oorxs.
Paris, pharmacli Lrrar. IS, ma d'Antin.
Deposits wn fernmifnro^ 4. REGTJftQ.
Ymm mbaijs
!%A
0
i
hi
NA
Rua da Imperatriz n. 60
PARA LIQUIDAR
f cv<- r.f" -
firaflde reuniao!
Para' tedeg
Republicaoos e monarchists.
Democrrtas e emtocratas.
Federados e confederados,
Communalistas e communistas.
Catholicos velhos ou dovos.
*edf devem fr
Reunidos ou oao reunidos
Fazer emquanto antes
Suas encomraendas
Dos saborosos GIbos
Tao preeonisados!
Sabrwados a capridho
Dos pasteleiros
S6 e somente
Na confeitatia do Campos
9&, Imperador 'I I.
Pechinha grande em cam-
braia
Cambraias transparentes, avariadas, a 300 e 800
re is e 1*000 a pega: so o n. 20 da raa do
Crespo, loja das tres portas, de Guilberme & C
junto a loja da esquina. ____________
Engenho a venda.
Vende-se o engenho Paraizo, sito na ilba de
llamaraea, e tevantado ha pooco tempo em terras
da sitio Socoorro. Acba-se o referido engenho
moente e corrente e 6 a vapor, sendo e respeetivo
terreno assas productivo de canna, mandioca, mi-
Iho, feijlo etc. Alem dos terrenos de plantacao,
ba uma boa solta para gado, muiias arvores fr'uc-
tiferas, inclusive coqoeiros e optrmos lugares.para
randes viveiros. A situacao da easa de vivenda
agradavel, e a dhna e passadio da lltn de lla-
maraea sao muito apreciaveis, alem de outras
vaatagens que com a vista melhor conheeera o
comprador, dingindose ao referido engenho, oa
informando-3e na raa do Atalho n. 9, freguezia
da Boa-vista, junto a caixa d'agua.
Aluga-se
uma boa casa com siti?, tendo bastantes arvore-
dos, na Capunga, rua das Pernambucanas n. 58,
achara no mesmo com quem tratar.
Arrenda-se o engenho S. Jose, em Serinhaem,
com bons terrenos para safrejar 2,000 paes, muitos
d agua : a tratar no Recife, com Gabriel Antonio
de Castro Qnintaes, ou no engenho Amaragi (de
bestaa) u\ freguezia da Escada, com o Dr. Jose
Eugenio da Silva Ramos. _______________
Precisa se uma para tratar de uma menina de seis mezes c a
outra para engommar: a tratar no largo do Corpo
Santo n. 6,ou no sitio, no Manguinno n. 104.
ALUG4-SE
o 2' andar do sobrado n. 52 da rua Marquez de
Olinda : a tratar^armazou em do mesmo predio.
VENHAM VER
A Nova Espcranca, a raa Duque de Caxias n. 63,
apressa-se em convidar a seus freguezes, com es-
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
guintes artigos expostos a venda e todos por pregos
oommodos, como sejam :
FINAS BONECAS mansas e choronas.
BONITAS E ENGRACADAS vistas para sterios-
copios.
COMMODAS LATAS para guardar eha.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meninas.
BONITOS VASOS com Boa banba e cheirosos
extractos, trazendo cada frasGo um none, ami ini-
cial ou um distico.
FINAS MEIAS Dfi SEDA, vindo entre ellas cor
de carne.
Para quem gostar.
A' Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber tentos e caixas para o jogo de
Voltarette.
Para (flteffl sdrc das peraas.
A Nova Esperanca, a rua Du>|ue de Caxias n.
63, acaba de receber as procuradas meias de bor-
racha para quem soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Rsperan^a, a rua Duqne de Caxias n.
63, acaba de receber um lindo e completo sorti-
mento de Bores artificiaes das melhores que tem
vindo ao mercado
A ellas antes que se acabem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxia3 n.
63, acaba de receber bonitos costumes para crianca
e esta se vendendo por precos razoaveis.
km SERYOS08
A N iva Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, recebeu um peqneno sorlimento de anneis e
pulseiras electricas, proprias para quem soffre dos
nervos.
Pouco mof'o.

i Ac
Antonio Jos6 Rodrigues
de Souza, em seu escriptorio
a rua do Crespo n. 6, compra
escravos das diversas cores,
sexos e idades.
Compra-se um iastre de crystal para gaz que
tenha de 4 a 6 bra.os ; assim como am outre _
qn--no de dous bicos : na rua da Palm a, vop
n. 7. da
Compra se uma massetra que estpja etn bora
estado : a tratar na rua dos Pescadores ns. 1 e 3.
Brim pardo muito lino a 400 rs. o covado : so
na rua do Queimado n. 43 ; aproveitem que e pe
chincha, na loja de Guerra & Fernandes.
Neste estabelecimento vende-se milho novo em
sacco com 14 euias a 4^800.____________
Vende-se duas escravas com habili dadej
nntra ae alias : na rua de Hortasn. 96.
v. ATTEHeA.
\ endem-se duas casas tefreas silas a rua da
Concordta ns. 151 e 153 : a tratar ua raa do
Apollo n. SI.__________
Da quinta do Menezes
Elcellente vinho verde de uva pnra, em barris
de Deos n 38.
Laazinhas ehiuezas
a 160 rs. o covado
Na rua do Qaeimado n. 43, confrente da
pracinha da Independencia.
Aproveitem que so e barato.
Laiinhas a chinezacora padroes de furta-cdres,
propria para vc^lidos, pelo diraiaulo preco de
160 riko covado, ti oa teja de Gaerra e Fer-
nandes.
Dao-se anwtTas.
venoe se uma taverna na rua das Carro-
cas, esquina da roa de S. Wo, com boa easa de
vivenda e bastantes commodes oa^ femiKa : qoem
pretende-la dtrija se a mesma.
Barato que admira.
Na loja das seis portas, era (rente do Livramen-
to, continua haver uhi Completo sorlimento de
fazendas baratas, como tejad :
Cfcitas matizadas a tiO rs. 0 covado.
Dltas de ol inhos a 240 rs <> covado.
Ditas de coberta medernas, a 280 r. o covado.
Las de cores a 320 rs. o covado.
Tudo mais em p:oporcSo, e so oom a vista o
fregaez podera avaliar
Rua do Barao to Victoria i. 22.
GROSDENAP1ES PHETO A 1*200, 20000 E
2>500.
0 Pavao vende grande sortimento de gros-
jdcnaples preto de pura eeda, a 1JJM0,
19800, 29VC0 e J500 o covado, tendo
tarabem do mais largo e mais encorpedo que
costuma a vir ao mercado, e vaade por pre-
50 em conta.
Vende-se
ama arraacao envidracada, propria para qualquer
negocio, na raa de Marcilio Dias n. II, por barato
preco : a tratar no Camioho Novo n. 62.
Vende-se a taverna da raa de 9. Mlgueln.
68, em Afogd, a otnotivo so dira ao com-
prador : a tratar m mesma.
B
<>i-analiuH
&OO
Cameiro Vianna.
A' fc yande eslrtelaciiaeoto tem che-
gado am bom sortimento de machinas para
eostura, de todos os autores mais acrelita-
dos ultimaraente aa Europe, cujas machinas
sio garantidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qnalqiier pirte aesta cidade, eomo bem as-
sim coucerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despendio algum do comprador.
Neste estabeteetrjaenlo tambem ha pertenees
para as mesmai machinas e se suppre qual-
quer peca que seja necessario. Estas ma-
chinas trabalham com toda a perfeinao de
am e dous poapontos, franze e" borda toda
qualquer eostura por fine que s>-ja, seus
preces sfio da seguinte quiriidade : p ira tra-
balhar a mao de 309000, 409000. i5$000
e 509000, para trabalhar com 0 pe s3o de
609900, 909000, 1009000, H09OOO,
1209000, 1309000, 1809000, 2009000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teraefie de preces, e os compradores poderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar pela variedade de obiectoc que
ha sempre para vender, como sejata: cadei-
ras para viagem, malas para viagera, cadei-
ras para salas, ditas de balance, dkas parra
crianca (ahas), ditas para escolas, costurei-
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
de ferro para horaem e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparel hoe de metal para chd-, fa-
queiroa com cabo de metal e de marfim,
aitos avulsos, colheres de metal fino, condiei-
ros para sala, jarres, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, eateiras
para forrar salas, lavatories completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarera este grande estabelecimento
que se aeha aberto desde as 6 horas da ma-
niia ate as 9 horas da noute i
Rua do Barao da Victoria n.
__________2^__________
Alvigaras.
Venhara todos apressados
E com os bolsos reeheados,
Do Campos ao irmazem ;
Venham, nao falte niogum
Ver 0 grande sortimanto '
(Um verdadeiro portento)
Que para a quaresma- tem :
Comprehendem ? ora bem I
E' com as tripas pulando de contentamento que
me apresento ante a onda ga^tronomica das sa-
bias e illuftres barrigas pernambucanas, felicitan- j
do-as por ja so acharem livre da pena de iaterdic- j
to e poderem sem receio de alguma indigestao ex-1
commungada. comerem os mais finos e saborosos
comestives, coadjuvados por uma cascata de vi-
nhos de todas as qualidades, deixando a quern ]
dezejar 0 direito de grilar: viva 0 triumpho das j
barrigas I..
Ma?, como ia dizendo, nao podia deixar de j
acontecer assim, considerando- so como foi sabia e
bem barrigalmente planejado 0 ataque das bar-
rigas granges, contra a sucia dos bandulbos ca-
ninos, que ostriflcado3 a idea 6cticia do infer-
no bicho inventado pelas grandes barrigas, pa-
ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
vam a mais ab^urda das monstruosidades : a
infallibilidade do principal bojo do amor as avessas
e de tripas dadas e a forea de tripadas queriam
hypocritaraente alimentarem a pclludae famigera-
da ex-questao do dia centopea negra que en-
rolada no capote chamuscado da inquisigao, pre-
tendia assar 0 mundo das barrigas, privando an-
tes a humanidade do ganhar dinheiro z de em
temper ccmo e^to de quaresma :
De fazerem penitencias
Enchendo bem as narrigas,
Poi-> nao e tempo do brigas,
E sim e, do abslinencias.
Mas, como ia conlando, custon, porem aflnal, j
depois da rasorada que lhe passou bo pescoco o>\
poderes poderosos, a cabo;a foi parar no fun- j
do do rio e 0 rabo, como ruim da csfollar, ficou
no secco exposto aos pontapes de qualquer gate
pingado, deixando 6 verdade, magra as coliogas'
barrigas, que despeitadas vao tratar de se nutri-;
rem, vindo ao arraazem do Campos, a rua do Im-;
perador n. 28, onde com certeza encontrarao alem
do que desejarera. 0 seguinte : ovas de diversos
peixes e de bacalbao ; peixes de vinte qualidades
em consents, sardinhas em latas, camarocs sec-
cos, bacalhao, pescadas, sardas, lagostas, salmao,
batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
manteiga ingleza e franceza; doces, fructas e
cincoenta qualidades de vinhos finos do Porto e
outras tantas de outros lugares mais afamados de
Portugal, alem de um completo sortimento de ace-
pipes raros, deliciosos e que
Cahindo em qualquer barriga
Fax a melhor digestao,
E nao faz mal a bexiga,
Como comendo, verio.
Mas, como ia fattando, iamos entrar na vida de
outr'ora, isto 6, naepoca das festas, e portanto
vamos ter festas, festas e mais festas, e corao todos
comem das festas, visto qne uma parte da para as
festas e tres Teeebem para preparar as festas, 6
logico que 0 bregeiro dinheiro que anda tao vas-
queiro, saia dos cofres dos amaoles orthodoxos e
se va familiarisando com as algibeiras vasias dos
necessitadoi, e eUes por sua voz venham ae arma-
zem do Campos a raa do Imperador n. 28, prepa-!
rarem-se para a quaresma, tempo de abslinencias
e ao qnal se come sem liceaca, comprarera 0 que
ha de mais gostose, saboroso, eheiroso c ludo que
caba em ouso.
preta a
covado.
0 Pav3o veade granadina preta e levrada
pelo barato prcgo de 500 rs. o covado.
SHALES PRETO DE GUIPURE A 49000.
0 Pavao vende chales de tres pontas, sen-
:do de guipure verdadeiro, pelo barato pre-
co de*900eada um.
Madapolao enPestado a 3~00O
a pe;a.
0 Pavao vende pecas de madapolao en-
festado, pelo barato preco de 38000 a peca.
I Ditas sem ser enfestado, com 20 jardas, a
59000. Ditas com 94 jardas muito boa
.faienda, a 69000, 69500 e 79000.
ALPACAS PRETAS A 500, 640 E 800 RS.
O Pavao tem um grande .sortimento de
arpacas pretas, que vende a 5)0, 40 e 800
rs. e covado, assim eomo grande aerti-
,mento de cantSes, bombazinas, princezas
pretas, merin6s, e outras muhas fazendas
proprias para luto.
ILAZINBAS DE ORES A 280,310 E 400 RS
0 Pavan vende bonitas lazinhas de cores
para vestido?, a 280, 320 e 400 rs. 0 co-
vad j tendo ate a 19000, sendo das mais lin-
das que tem vindo ao mercado, assim como
granadinas de seda com 03 mais delicados
padroes, a 640 rs. 0 covado.
SedinJias a f;flO
0 Pavao vende sedas com listrinhas de
cores a 19600 o covado. Ditas com pal-
'minhas a 29000. Ditas com toque dd mofo
a 19000 e U4O0.
GAMBRAIA VICTORIA A 49000, 49500,
09000 E 79000.
0 Pavao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria 0 transparente com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos preces
de 49000, 49500, 59000, 69000 e 7*000
a pega. sjftim como, ditas de salpico bran-
co, a 75000, u pechincha.
C\M'SAS FkUNCEZAS A
39000 E 3J500
m*, >oo'
0 Pavao vende um bonito sorlimento de
oamisas frtnceias com peito de dg*dio,
28000 e 29500. Ditas com peito de linho
de 39000 a 69000. Mai bordadas BMite
finas de fi^OCO a 109000: assim como
grande sortimento de ccronlas de hobo e d
elgodao, por preens baratos, e tambem tem
complete sorlimento de punbos e collariiho?
tanto de linho como de algodao, por preces
em conta.
EspartllMoa a 39SOO, 4TOOO e
0 Pavao vende um bonito sorlimento de
esportrlbos modernos a 39501', 40000 c-
09OOO, assim como am bonito sortimento
desaias brancas, bordadas, a 59000 e 69000,
e ditas de liainha de cores 89000 : 6 pe-
chincha.
C0RTL1AD0S BORDADO* PARA CAMA E
.1ASELLAS, D 79 ATE' 25-7000 0 PAR
0 Pavao vende um grande sortimento de
cortinados bordados, proprios pera came e
janeUas.peleberate prerode 79000,89000,
104000 ate 239000, aisim come : eolsa
de d*ma*co de la muito (ina dc 109090 a
li9000 cada mna.
BRAMANTES A 19S00, 29000 2*500
0 Pavao vende bremantes pera len^oes,
tendo 10 palmos de largura, sendo o de
algodao a 19860 e 2*000 a vara, e de linho
a 29#0, 29800 c 29000 a vara: e pechin-
cha.
CA&EMIRAS A 590O0, 09000 F. 79000
O Pavao vende cortes de casemiras para
caixas, sendo padroVs- modernos, polo bara-
to pre.,o de otOOO. 69000 e 79000 o eorle,
assim como : panuos pretos do6 melhores
que tem vindo ao mercado, de 49000, 891
10*000.
ROLPA EEITA.
0 Pavao vende urna grands pon;io de
roupa Jeita, sendo : palitots, frakes de ea-
semira prota e de cores, assim como -. finis-
simos sobrecasacos de panno preto, e cal-
Qas de casemira preta e de brim branco, col-
letes de todas as qualidades, por precos
muito commodos, por querer acab^r cerr
toda a roupa que tem em casa.
Acha-se constantemente aberto 0 estabelecimen 0 do PAVAO, das 6 horas da manhi
as 9 de noite.
0 mais poderoso e 0 mais agradavel de todos os ferruginosos recom-
mendado pelos Professores e Doutores : Piorht, Trousseau, Jobbbt (db
Lambalie), Mal6aigne, Ricord, Nelaton, Chassasnac e muitissimos outros
contra as molestias de contumppao, clorosis, opilacoes, (lores brancas, anemia,
su/focapoes, palpitacoes, rachitis, etc.
EH TODAS AS rHARHACIAS DO MUNDO.
Deposito geral no Pernambuco, A. REGORD.
PARIS, 25, rue de l'Entrepot, 23, PARIS.
COALTAR SAPONINADO
DE LE BEUF
DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS CHAGAS.
Adoptado pelos hotpltaei de Peril e pelo* da Mariaha militar franoexa.
Esse excelleole tonieo possue oma efficacia verdadeiramente maraTilhoga nos ulceras aangre-
nosas e escrofulosas, nos cancros ulcerados, no anthrax, naotorrhea purulenla, na ozena, no
crup, feridas ptlas armas de fogo, tnfermidadet do ulero, etc., etc.
Emprega-se, mezelado com mais ou menos agia, em chumacoe, locoes, injeccoes, gargarismos.
Como dcniifricio orjinario (uma coltierada aas de chi n'um"quarto de copo d'agua,' e muilo espe-
rialmenlo efficaz para pnrifiear o bafo .?ar at jcngivai doentes e toraar 6rmes oa
dentes escarnadoi.
0 sen uso e mnito hygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
Uma ooticia eircumstanciada Tae com cada frasco. Exiga-se a firma do inventor.
Fabrica em Bayonna {Franca), em casa do Sr. LE BEOF, Pharmacentico de 1* etas**.
Depositos: Pans, 25, raa Reaumur; Pernambuco, A. REGORD onde se encontra tambem a
Emulcao de AloatrBo Teeetal de Le BeuT para fazer a agua de Aleatrao, a Mica praparacao coo-
centrada e tilulada contendo em si o aleatrao sem ser alte
rallerado nem medificade.
GIUSDE
m
qne
Dizer aos amantcs
Dos peneros especiaes
@ue >e qnerem ser felizcs
Venham ja.e ouaCo antes
Saber .1 causa mcArir.
Do Camp* tlSo ter rivaes
E poder s6 fornecer
Delicias, gbsto e praze'r.
Vende se um bonito escravo de 18 annos de
idade por l:300j, optimo para copeiro oa boleeiro :
a tratar no pateo da Ribeira, no portao do ma-
meeiro.
Em
Grosdenaple preto
Sando lisos e de cordio, e o mais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminntes
precos de 2*i00, 2*800, 3*200 e 3*300.
Si)' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES PORTAS DE
Guilherme & C.
Junto u loja da esquina
Nao ha mats cabelios
j braneos.
T1NTURARIA JAPONEZA.
S6 e unica approvd gelas academias de
; sciencias, reconhecida superior a toda que
; tem appareoido atd hoje. Beposrto princi-
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1.* andar, e em
todas as boticas e casas dc cabellei-
reiro.
VENDE-SE
uoia easa oa villa da Barreiros, na raa do Com-
lercio, p >r proco modico : a tratsr 130m Tasio
'rmios 4 C
Asunicas verdadeiras
Bichas hambnrgiezas one vem a este mercadc
na rur Marque.-, de i^inda n. HI___________
- wil.-on F.owe A C. venJem no su armaiem
a rua'da Commercio n. 14 :
O veri.'i'rinira panno de algodao aznl aaaenrano.
Exivll. nte flo de\-ela.
Cognac de 1* qualidade
Vinfco de Bordeinx.
Carvio de Pedra de todas as quatidadei.
f aiinha de maudioca nova.
ReeenieraenU: ebegada de Santa Catharina tdot
para vender no trapiche Companhia, e para tratar
no seu escriptorio a rua do Commercio n. R. Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao & Filho. Advertindo
aos compradores que lesejaodo aeabar, vendem
n.ais barato do que em qualquer outra parte, tan-
to em grandes como em pequenas porcoes.
Lindo chfariz.
v.iule-32 nor preco barato um rico chafarii
de rnarmare troprio para jardim, o qua! se aeha
armado na offleina de marmore do Sr. Lioa,
rua do Iraperador para quem o qniter ver:
uratar na rua do Crespo, loja d Passo junto
arco de Santo Antonio._____________________
Attencao.
mde-sc duas ca?a- contignas, e aae i
muhicacao da uma para outra ns. S3 e W, a raa
de 5. Miguel dos Afogados, coot eHto Orurada
portao para a ma do Bom G*4* c trata-se nas
mas casa, das 9 as 10 horas da hi._______
Tanques de ferro.
Vende-se dons, tr'angularcs, proprlos para M-
vios : na rua da Uniao n. 67.


-

I
V
K


\
)
11-
?
1
.fl
fazendasfeias
,v ftm Puiiniiw^de fog*?-a. 7-A-
DE
ordeipa Skmte&tfcG.
E' Ma-wM-'dMr'tests-qua WJe' pode1 com pri-
mazia offereoer aos sous freguezes urn vamdissi-
pequeno reserno. -^'
MMdam Cueatiu is-cam Am preeiidente3,
para,oqofl tem pesaoal necessari, e dao anwslras
mediants peahop. .^
Cortes de seaa de linda* cores,'
Grosdenapies de todas as cflres.
Gorgorao brauco, lizo, de listras, preto, etc.
betrm Macao, preto e deedres.
GrasdMiptes ectto.
> ellmio prcio.
Granacftae de seda, preta ende cores.
Popelmas de lindos padrSes.
-File de eedai branco MMti
Ricae batQujbas de soda.
Casacos de: merind da cwres, la, 8tc.
Manias nrasileitas.
Coftts-'ccni cambrafirDMrfca com IfooVs borda-
do*.
Ricas, capellase uiantas iiara noivai.
RiqwssitPO sortimento de las com listras de
seda.,
CafVroraras de cores.
Ditaftnwriponis, brancas", lias e bordadas.
Naozuques do lindos padrdes.
Baptistas, padrGes deiicadta.
IK''naS de 1aatlr0;:> Prtos- e braneos, listras,
Britoi de-liohd' de ewr, proprWs* para TtStidos,
com barra e lisira*.
Rices cortes da veslida de linho, coal infeites da
mesma cor, ultima rooda.
Ditos de cahlbraia de cores.
FuStSo de lindas cOres.
Saias bordadas papa senhoras.
Camisas bordadas para sennorae, de linho e al-
godao.
Sortime'lito. de hivas da venladeira fabrics de
Jouvin, part Trdmeris e'serrmjrai
Vestaarios para tneditiu*.
Ditos para baptizadoi
Chapeos para dito.
Toalhas e jguardanapos adamaicados de linho de
cor, para mesa.
Cokbas de l.t.
Gortinados bordados.
Grande s-ortiujanto de camisas de linho, lizae e
bordadas, para homens.
Mefas de cores para homens, menfnbs e meui-
nas.
Ditas escocezas.
Complete softimeflte de chapeos desol par* ho-
mens e seaaoras.
Merin6 de cores para vestidos.
Dito preto, trancaiia- e dito de verio.
Atoalrrtdo de Kubo e argo9ao parVtoatnas.
Atoalhado pardo.
Damasco de la.
Brins de liulio, branco de cores e,ureto.<
Setim de lindas cores com listras.,
Chares de meflh6 de cores e prelos.
Ditos de ca>-emira.
Ditos de seda preta e de cores.
Ditos da louquim.
Camisas de cbita para homens.
Ditas de flanella.
Cerealas de linho e algoVJae.
Pantws de crochet paw soft, ca&errtr e corTSo-
Laneos bordados e de ktfcyrintoo.
Colchas de crochet a
Tarlatana de tolas as cores.'
Ricos cortes de vestidos do larlaiana bordados
para cortes-.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas dese'da e la para senhoras.
Rico sortimento de lerjftes de roadreperblas e
OJSO.
Damasco de seda.
Casemira preta e de cores.
Chitas, madipolao, pab'rio fino nfefo e aiul, Col-
larinhos, ponhos de lirrrro e afJgodao, gfav'aias, ln-
vas do fio de RscosM, 'apetes de I-kIos OS laioa-
nhos, bolsas do viagem, pcilos bordados para ho-
raens, lenjjs de linho branco e de cores, toalaas,
gaardananos. etc., eic.
GRANBENOVWADE
A' rua c!n fr-espo ri. 0
Loja das3portfs
, LAZLNHAS
Chegou esta fazcod.., com padr5e3 inteiramente
hovos, a qu'e se vende pelp diminnto preco de J00
rs. o eo^a'db : isto pof (e? and* qnantidade.
SO" NA RUA DO CR?S!"0 If. 80
l.eja 4e>
Guilherose & C.; junto a loja
da esquina
Vonde-se as casas terreaS segomtes :
Rna ft de Mite (eQtr'ora dos Ossos) ris. 2 e 4.
Rua do Fogo n. X.
Rua do Padro Floriano n. 35.
Travessa da Bomba n. S.
Becco do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do caes da Cadela-nova ns. 3 e 5.
A tratar do Largo do Carmo n. !.
E
" Vende se. metins de lindos padroc.j, f.izc-nda
boa, pelp barato preco de 300 rs. o cov'ado : a rua
do Crespo n. 25 A, loja da c^qtilfla. D5o-e am6s-
tras._________________________________
Salsaparrilha de Ayer
PAEA PFKrFICAR O SANGtTE.
ceUentc rtmt'dio 6 devido a milh-
r*t de^ta qua tem openuio, mm*
iis.dMopaw ilo verdade^amente
mararllEosas, Innfciilero* tio os
casos em aua 0 f Itktink, arecD-
do titurado daiodiidio de enfer-
mtdaiMg eicftimlotai, tem sido
dss pel contmin^lo ecrorulos.
We pNtatbem 46re norti^cantsa,
tern sido Bjm radical e Jam ^eiimBntecuradp.fvr eUj, em
todM Of pinto* do Impeno, efli o traWfeo md precisa de ser
ifoTOad^odanMTiitodiedoiifc4ot.iBsatif. _,
O veneno escrofuloso e nm dos mais deStruidores inimlgos
da raca humana. Ora, senhorea-se oecnlta e traicoe
da raca numana. wa, sennorea-se occulta e traicoemmenM
do nosso ot^anismo edeixa-o fraco e iaerme contra maks^ias
fataes. Ora, patentela a mfeccSo de qne corrpmpen a cprpo
e entao, em momeoto opportoad, Uttr mpfdaMente eob a^*>-
ma de suas hedjondai formas. ji na cpti* ja-aoa arnfos
vitaes. Nesto ultimo caso debosi'a, muitas *eze,'tubercnlo3
dos ftdmoes. nc. figado, no corfccao, etc., suando nao se roan-
ifeeta em irupcoes, tumores, etc. .
i A inim^o tarn perigoso e tarn perfido riunes ie dtrVe dir
raarida, e p.->veni: o 6 leiqpre melhor ,do qne eombattal-o.
Ass^m, antes d>. uppartijerern os, pnoprioe tynwthomas actkot.
o OS* da J.tES., PAMIILUA. M AlJBM podera evitar
resaltBdM'faajeMe.,-1.. j j. s
As pe&soas que sjftr-m de ErytlpeUu, fon d fl. An-
tonio, DartroM. Empigem, TthcumatUme, TUhum*,
Ulearma,* Beolibiiidade doUroaa oca wrJdos, oihos, fa.;
e de wis*autM AffetscfiM ..dp tljema -mafwlar: e
nervoso, acharao segaro allivio Os&ndo desta SAXSAfJM-
RJJ.HA DE AYER.
A SyplMiKM M'*Ui r**t>*m*t*p ctradaom o
sen uso, posto qne teja necessano mais duitado espaco de
tempo para snbjngar tarn iipMiii*ntBiBnfermidado.
A Xauwrrhfm, nas e em geral as moiesUas das mulheres sao tambem allivia-
da e'tflteriormente coradas por rmx effiito poriflcador i
X) JthrurnatUmo e Gotta, qnanjlo cataados por accrj-
mol^ooes de maUriaa *ranhaa B "(*, c^dana-ihe iso*
mente, de mesmo modo o Jjr.
Inflammacao do Xiga4o,
de mans residnos d* sangue.
A SlparriU e m> noettatii* r-UmnMloT .
forta e vigor do nyitheina.
Asalm, todoe os qne sofrrarem JsygWr, PMvme, /
wi * remorM Kervoioi on qualqner ontra
prorenieau d* BtMtUtudt, acboSo do Sea poder reoo'
o mais seguro expedlente de prompta enra.
PBBPAKASA FOB
J. C. Ayer & Ca^ LoweU, Mass., E. V.
Chimico, Practlto, Analytic*:
6WridU}^>ti^siibiiio^i fymtV froa^?*^4^c^c--fW4.
mm


--ft v

1
Ateo

z
V
1M0
DE

TMAS
i
P^-Dk*R& da ImpeEa'triaa. 1%
lOintTJiioi ua j ,e >:inb 0 r.n
:rcsijtrf;
mm mmwm vfc imaos
grfctkte sortrWen'r) de t'uzendas pretas para qua-
urn
i'XWO PItETO A 28500.
>ende-ie panuo preto.de diws Urguras,
?t ca,^as e palit6ts, a 285d(, 33, 3500,
tfafllillil
Com as falsifi .--rr-:-.
PARA COSTURA
Pi
Jlenhuma ma-
dinraSingei" 6iegi-
tima se nao levar
esta ittarca-fixa no
braoo da machina.
orque
Para evitar fatef-;
$ ca^Ses notem-se
bem todososdeta-
.
Dies cte'm&rea.
o
C5
5
6
I
A dinheiro e a prazo!
A c6ntento 6&tf fixmas. familias
SSd' niaisjbai'ahfe^
Sa*6 de dbrjg pospont*.
S5b simples.
Sao rapidaf.
f?ao duradouris.
.
MACHIBAS DE SINGER
SSc de dous posponWs.
Abaiaham.
traotem
Pregam tranr^s.
Marcattt ipVegas,
Bordam de Kriha de seda.
Alcolcboarh.
Pregam cordoes.
UN1CA AGENCIA
EM
A
45 RUA DO IMPERAD0R 45
falM- de receber
"
COMO SEJA1W :
0A0SDN.U%p PREXO A 19800, I Lmfi$ BaiKCX)S A 2$0OO.
Teudfl-sfi grpsdeoaple pieto para vestidos | Vende-e leo^oa braooos fu.os, a 39000,
de senb^rasi, a i800, 2JS, 3, 4J6, e 5 29400 e 39 a iuzia, ditos de linho, a 49,
9 G90OO a duzia.
CROCUES PARA CADEIRAS A 19500.
Vende-se pannes de croche para csdein s,
19500 cada uin, colchas de di o para
noiVtfei i.
MADAPOLAO I-RANGEZ A 79000.
Vende-se per^as de :nadapolao francez
limit, tino, a 7-T, 89 e 105?i 00.
Mi PAHDO A 400 RS. O C0VAD0.
\'ende so brim pardo para calgas, a 400
rs. o covado.
B CORTES DE CASEMIRA DE 59000.
Vende sh oortes de casemira do cores para
09!, a 5JT, 5500 e 9000.
GROSDENAPLE PRETO.
Vendb-se ^rosdenaple preto com 4 1 'i
palmos de ferrgura, a 59 o covado.
ESGUIAO PINO A 29000.
V nde se esqoiio fiuo de linho, a 29,
2750Q, 3^ e 4f o metro.
CHUAS PAHACOBERTA A 280 RS.
Venlle-se chitas para coberla, a 280 e 400
r.; o covtttlo.-
RRfM BRANCO A U000.
Vendu-so brim branco de linho, a 19,
#280, irGOO e2?o metro.
BRI1TAMIA DE I.1KHO A 640 RS.
Vf-nde-fri bretanha de linho, a 640 rs. a
vara.
FUNELU DE CORES A 800 RS.
Vende-se flanella de cores, a 800 rs. o
covado.
C0BERTORES DE ALCODAO A 19400.
Vende-so coberiores de pello a 19400.
Cobertas de child a 1&800 e 29. ditas en-
cc.rna .as, forrada's, a 49, no Bazar Nacional,
rua dalmperatriz n. 72.
Cortes de cassa a 39000.
Ve*ride-se cortes de cassa niudas a 39
cada uVn.
GRAVaTA'S PARA SENHORA A 19('0O.
Vemtt'se gravatas para senboras, a 19,
ditas para homens a 500 rs.
ALQODAO ENFEStADO A 19C0O.
Vetifle:se algbdao ehfestado para len^oes,
a 1)5000 vara.
GRANDE SORT!MENTO DE ROUPA FEITA
NACPONAL.
Vehde';s'epaKt"6te-de p^ltoo preto, a 59, 79,
\*ende-sep>ji1tdts de aipaca preta-, a 39,
" e 48000.
4$, a, GjWuQ'o coyoOo.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 69000.
Vende-se.cortes.,^U casemirit preta para
cdlga*, a 59, 69,.79 &890UO o corte.
MERIiNO' PlimO A 29800.
yea ;e-se merind preto fino, a 29800 e
3900D o covado,
BOMtfAZ NA PRETA A 19500:
\ende-se bombai m preta etifestada-, a
19500, 19800 e2|OoO o covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.'
Vnde se alpaca preta Una, a 500^ 640,
800 rs, e 1J0U0 Q covado.
FA2ENDAS DE CORES EGAMBRA1A
BRViNCA A 3S0c0.
Vende-se pe^es de cambraia brf nca trans-
parerrte a 39, 49\ 69 e 6JO0O, ditas de cam-
braia tepftda, Vil-toria, a 39, 35800, 49
e 5i5000.
CORTINADOS PARACAMA A 169000.
Vende-se cortiuados bordados para cama,
a 169, 209, 250 e 305000.
CAMBR IA l)^ CORES A 300 RS.
Vende-se cambraia do cores linas, miudas.
fl 300, 320 o 800 rs. d conoo
CHITAS LARGAS A 21.0 RS.
Vende-se chitas iargas para vestidos," &
240, 820 e 360 rs. o covadtf.
B RAM ANTE A 19600.
Vende-se brarrrante com 10 palmos de
rargo a 19600, 19810 e 295" O o antrtf.
MADAPOLAO A <000.
Vende-se pec/as de m'adapolSo enfestido1
ar 39000. Dito ingfcz- f 4950O, 59 00,'
5$600, 69000, 79000 6^89000 a pessa.
GOR^NakWS1 PAHA JANELLAS A 89000,
Vehde-sb o par de'eortinados' bordados
pafa janeHa,>a 89 9t$k O o par.
AftGODAC A 490b0.
vvnde-wp^fts1 de%lgf3dao, ali, s9'*
69000;
CEROURASA 19060.
Vende-se ceroulaS'rJfl'alglRraD, af 19000/
WfiTinas'dte braroarlie a 1950O'e 29 cadrf
umff. <
CA%fiSS BRANCA*A 2#00O.
Vefide'-Se' dHrqBftrg bratlrJoS' flntar,' *+tf
29^00, 39 e 4900O.
BRINS DE CORESA 460 As.
Vende-se brins.de cores para cal^as, a 400,
e 500 rs. o cetadojj m
..... CHA ES A 800 RS,
Vende se chales de la a 800 rs., chiles de
merino de eoresy a, 2$, Mr *9_A.5BPOO.
COLCHAS DE CORES A 29000.,
Vende-se colchas de cores para cama, a
*9, 39500 e 49000, :.,
CHITAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se ehitas fioas de core*, a 360 e 460 {,
rs. O-covario-.'
i ALPACAS DE CORES A 500 RS.
. Vende-se alpacas fiuas de cores, a 500,
640 e 800 rs. o covado.
TAPETES A 49500
Vende-se calcas pretas do panno, a 49,
6jl, 79 e 89000'.
Vende-se colletes prelos, a 3$, 39500 e
i 40JGO.
, ,Vende-se ceroulas, s 1$, 19500, 29 e
3^000.
Yende-se camisas brancas, a 2^, 29500,
39 e 49000.
Veflde-se cemisas de chitas, a 19400, 2(5
tarriahbos, a 49500,
urn.
S9V 69 e 89000 cada
. e 3^000.
CHITAS PRETAS A 320 RS.
Veade-se chitas pretas fmas, a 320 e 360
td. o covado.
LAZINHA A 200 RS.
Vende-se Uzinhas para rtstidos, a 200,
Veaiese tapeteB paw salas, d diversos 320, 400 e 500 rs. o covado. No Bazar
Nacionat. tuatfa Imperatra n. 72, de Men-
des Gnimaraes & Irmaos.
ao.
RUA DO RANGEL N. 3
ArtoazeiiB de seccos e iriolliados
TEM PARA DISTINCTIVO DO ESTABELEClMENTO UM GALLO BRANCO, PINTADO,
PARA ALGUMA PESSOA QtJE IGNORE A LEITIRA.
Rodrigues d Pires, regressados em Pemambueo, cidade do Recife, successores do
armazem do Gallo, & rua do Algibeves, em Lisboa, o mais afaraado e conhecido armazem
naqnella cidade, capricham sempre em ter generosde primeira qnalidade, dos cruaes dSo
aos seus numerosos freguezes ui conhecimefito mais proloftgado na rela^ao abaixo des-
cripta:
0 que 6 bom e ca'ro
Palavra bemdita que nunea faltou.
Chd perola fi.no, a 58000 a libra.
Dito miudinho supar-Qoo,
a 45000 a li-
fiitq.popular" flno., a 39000 a libra.
Manteiga ingle2a fior. em barril a 15600.
Dita dita Cna, em latas, a 1?500.
Dita, diti, flita e dita, a 19400.
Azefte de peixe baleia, a 8*0 rs a garra-
:a.
Dito de coco, 6ao,,Ja 800 rs. agarrata.
Dito doce e carfapatd.
l Aguardente do caUo da canna, feita' d*e
ehcommerida, a 500 rs. a garfafa.
Dita popular, a 320 e 240 rs. a garra'ia1.
Dita bfanca, a 200 rs. a garrafa.
Camardes seccos, a 500 rs. a libra.
Queijos frescos empellicados, pre^o com-*
modo.
Cascasde edeo para lavar casa, a 160 e1
120 rs.
Farinba fina de Muribeca.
Yassouras de piassava para servico ihtet)-'
no^a 240 rs.
Ditas grandes a 500 rs.
Massas para s6pa de todas as qtfttitla-
des .
Vinho tinto e branco, superiores, erigar^
rafailos e em pipas. E ootros artigbs'cjtre setcf
enfadonho annumerar, em secC6 e incV-
lhados, por ser extenio.
ds verdddeiras
Vitihtj^de Botirgogne
(his marc as
Chjuabertin
Pommard
virits
Voluay
Beanne
Mepthejie ...,..
Dito B&rdeaux em quartollas,
Vrade-se por bamfo pre$6
PARA ClQUlDAglO DE CONTAS
Bua Lar;a do Rosarlo 31.
Rotioa.
js para
A loja do Passo a ma Primelro de Marco n.
7 A, receben pelo ultimo paquete, om rico sorti-
raento de chapeos para senhora, ultima moda e
vende por preco commodo.
Vaccina
Veode-se vaccina muiio nova, fhepada recente-
mDte da Enropa : na pharn.aoia .imerirana, da
Ferreira Mala ft; C, a rna Dnque do Caxias nu-
mo er57.
Versizes esjK'daes para carrrw-
Este verniz, cuj* fialta aqui tank) seotem
oS Srs. fabricaritee e possuidores de carrua-
geosv aeaba de ehegar para sew aoico depo-
sito, das segoioUe qnalifiados.
VERNIZ SUPERFINO P*ARA CAIXAS DE
aRRUAGpS.
E' um verniz muito claro e duravel para
as caixas de carruagens, para todas as de-
rnaos, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
boras, depots das quaes se expSe ao ar por
algum tempo, o qiie fez endure'eer, e* passa-
das 15 a 18 horas p6de passar-se a caixa a
pedra pome e dar'-lhe em segdida outr* de-
mao. DaVj-se com facilidade ires demios
deste verniz sobre as tintas, em Ires dias.
A primeira demao servindo de apparelbo,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um excellent* brilbo.
Vcrulz ii|erIor acccaute para
carruagens.
Este verniz e da mesma cOr que o ahtV
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exilO nas
bras urgentes, e pode misturar-se com o
anterior. A durac,So dp verniz permanente
diminue na prop6rf5o' da' mistOrd.
VERNii scpMor EI^TICCO PARA OS
JOGOS DA$ OKlftJAG'fiNS
Nio e tio claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para aspri-
meiras deinaos sobre cflreS escuras. P6de
passar-se a 'peart poiae^ pjissada's l6 bxirtS,
odendo dar-se cm seguida outra demJo.
preto K^*pa*, superfor.
/ai.tfaoa|Jap6.ejb p
Produz o preto mats escufo e brilhante, e
Mfangeirtt.
Paris n*America, a raft'Dv
que de Caxias n. 59
primeiro andar, acaba de receber nm. ccwplnte
sioriimeeto de calgados esiranieiroa pact,^hpmem e
senhora, vindo enlre elles naf liodo sorUmanlojle
elegantes chiquitos, aapatinbbs Q waJhas"-pira
criancas, qaie UrSi Vehde por preens mdtvels;
Lhw^aal^s escocez^b.
De varios pidrrJes, e inteiram'enttr 'nMSbmas, *
360 rs o covidi : ta rah Primeiro de Wtfft'
loja das columnas.de An-
VERN1Z SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequent mais facilmente e para lhes dar
mais consistencia.
Como n3o e necessario dar lustro a" ultima
demSo de verniz empregado nas caixas dt
carruagens e no dos jogos, convem d& k
n'um local separado aonde nao haja po
Quando a obt& urge,- deve pOr-se A sombrt
a ao at livre depois de secco, isto 6, passa-
das 12 horas, laya-se e enxuga-se bem core
oma esponja humida. Qnantas mais vezej
se fizer isto, mais brilhante ficart o verniz,
e mais depressa ss terminart a carrnagen
(em caso necessario tres dias depois da ulti
ma dem3o). Durante as doas ou tres pri
tneiras semanas deve-se lavar a carruagea
eom agua fresca, depois de ter ser-
flido.
Os frascos devem conservar-se sempn
hermeticamente tapados, o resto do vernii
nfio se deve deixar ficar no frasco, e pod*
usar-se para as primeiras demaos.
NSo deve misturar-se com este verniz ne-
nhum outro ingrediente, nem agua-raz, t
de nenhum modo com o seecante. E' pre
ciso limpar bem os vasos e os pinceis, e c
melhor e servir um piucel para cada ver
iniz.
, D^epesito unico para o Brasil, Bartholo
meu 4 C, Pernambuco, Rua do Rosa
rio n. 34.
ibrifflaiTOHg
piide p'assar-^ a pe3fa( pbroes 10 nbras ae-
" Deve ^^'^uaScWmSos sobre um
.^do^prqto e cobrir-se colh'ott.tras duas de
verniz que se emprega'ni's" Ctittas das. carrua-
BRttBA^TE E
antiga do Cres
todio'Copreia
o n. 13,
V,mco:

Qimeiito
e na rua da Madre de Deos n. 32, pelo
10, jOssivfli, o verdadeiro ciraento Por-
> peloTjilin
Vend
ireai.r [
t!and, vi
pelo ultimo vapor inglez, de carga.
Engenho
Vende-se Q captnli'. S. Pedro, situado na pro
\iccia do I .' as, a.n^rea do Porto Calvo, a
rvni'S do run'. I":.'..-* rtisiante do porto de nar do
Caiiiella, ten. oxce lenies terras, matas, e safreja
regulameale -,(.00 paes.
Es4e vewiizVqQnter^jaa^V* cOnrtiosicao
grande quantidade(ct'^ma s^oStaheji muito
seipelbapte ^o azeitfijderjomihado pie eo unico que da u^StDiuaade aoi'ourove:
Iho eavejnMadjjj.. Emge/al bastt^'ton^de^
m8o* qtie devfe se'r a'pplicacTa inuiTO ligeira-
rriepte^^com.umjiincel depois de teV Bmpo
0 couro com aiua-r'az. EXpostO ao so! sec-;
ca em 1 ou 2 boras, e a* sombrt mas ao ar
secca em 4. Em temfjo hum'ido e inutil tal
trabalho, por que n8o 4 possival tornar Oj
verniz elastico e seecante ao mesmo tempo,
Verniz para apparclha.
Depois de ter applicado' 2 oti 3 demaos1
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-
ve-.ce deixar a obra Intacta por 2 ou 3 dias?
no lim dos quaes se pode pulir \!otL extre
ma facikcidade. E! essencialmente neces-
sario cobrir este vnrniz com duas demaos dp
verniz snperfino para caixas de carrua-
gens.
Bazar Victoria.
co & C, vendem elegantes flgnras
percelana, jarroa e pfcm-eartSe*
Amaral'Nabuco &
de bronze e de percelana, jarroa e perte
de porcelana, espelbos, atoalhado branco e de co-
res, de linho e de algodao, guardanapos de linho,
tracdes a peauanQi, e outros muitos ac|gos ne-
gaasanos e proprtos para decoro de mnacasa: no
am victoria, a rua doJgarSo da Victoria n. t.
Band
leias.
Amii'al WabrJco 4 C-. verom baadoja* de cha-
rao *e IS a 30 porkgaias e de gosto iBaeiramei-
te-nm e 4e metal, tambem boniu pintura e de
diversostamanhos : no Bazar Victoria, %
3.0, C
Tem para ve 11
Cognac de Hem
Vinho Xeres das me.
Bitters de AraMtnra.
Whisky.
Chi preto em U'ttas &e 10 libras.
Todas as prepaflRtt chrmicag do Irr. Ayer
armazem da rna do Commerrin a 38.
Doyle.
superior' e verdadeire
qaMMttlft
Terreno em Beberibe.
Na rua do(mperador n. 67, loja, se diraqnem
vende.por pre^o commodfl, am, ,terreno *m Bebe-
ribe, no lugar Agaazinha, com mil palmos de
frente e 800 de fande ; tambem se retaloa, se o
nemero de pretendedtes for snffleieote "para todo
o terreno.
tntes (|ne se aealwn.
Vende-se la de lindos padrSes a 2D0 rs. o cova
do : na rna do Crespo n. 20 A, loja da esquina ;
dio-se amostras.
A* rua do Caunsax n. 1 A.
Os proprietaries da Pr^dila-U, no lutuito <
conserrar e bom coweito qne Uem mcreeido o
recpeitavel puMico, distiagtrin'Jo o sta etatMteei-
mento dus mais que negociam no mesrro geaan
veem scienlificar aos seus bons ii eguees= que pia-
verriram aos seus correspondent's na* diversaa par-
cas d'Eoropa para lhes enviarem por todos opa\-
quetes os objectos de luxo e b.*. posto, que ae-
jam mais bem aeeilos peias ucie>!. daquelles paiies, visto aproxim-r e o teui]^ it
testa, em que o bello sexo desu lin.ia Veneza
mais ostenia a riqueza de suas t::il .tea ; e co-
mo ja recebcsseai pete paquete franc* i diverso
artigos da ultima moda, veem paleatear algaas
d entre elles que se tomam mais reromnwidaveia,
esperando do respeitavel publico a costnmaAa
eoncurrencia.
Aderecos de tartarnga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de nudnparola e At
velludo, sendo diversos tamanbos e barauM pre-
os.
Aderecos completes de borracha pr prtea para
lcto, tambem se vendem meios aJcr.qoa muito bo-
nitos.^
Bolocs de setim preto e de cores para ornr.to de
vestidos de senhora ; umbem tem para c.llete
palitou
Bolsas para senhoras, existe um bello soniauM-
10 de seda, de palba, de chagrin., etc., etc., por
barato preco.
Bonccas de lodos os tamanhos, tan to <) ioaca
como de c6ra, de borracha e de massa ; <-hama-
mos a aitencio das Exmas. Sras. para este artifo,
pois as vezes lornam-se as criancas um pouco ia-
pertinentes por falia de um obiccio que at ea-
iretenham.
Camisas de linho lisas e com paikM bordados
para bomem, veodem-se por preco con.miido.
Ceroulat de linho e de algodac, tiu divei>us pre-
los.
Caixinhas com mnsira, o que ha de mais iindo,
coin dislicos nas tampas e proprins para y:--fa-
tes.
Coques os mais modernos e de divi-rsos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Recel.erani run ^>riinieatt
da ultima moda, tanlo para MBkon, eumo para
meninas.
I'.api-lias simples.e com veV. para noivas.
CaTcas bordadas para meninas.
Euiremeios estampados e bordados, de lindos
desenbos.
Escovas electricas para denies, tem a prcprie-
dade de evitar a carie dos denies.
Franjas de seda pretas e de cr-s pxi-te ua
grande sortimento de divercas !arr>::ras e b.-.ralo
preco.
Pitas de sarja, de gorgorao, de hUbb e dc cba-
malule, de diversas larguras e IxiDkUa cures.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Flores arlificiaes. A Predilerta pr.ma em o-o-
iervar sempre nm bello e grande sorlirnento del-
tas flo.es, nao so para enfeiie d.,s e^beHo*, como
tambem para ornato de ve.-UJo de bkhvil
GalOes de algodao, de U e de seda, Li.jcj.-., prt-
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e se'.t.oras.
Lacos de. cambraia e de seda do diversas core*
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas boriaiaa para
neiva.
Livros para ouvir missa, r< m capas de madre-
perela, marfim, osso e-vefludb, liiuu que Iji 6*
bom.
Pentes de tartarnga e marfiiii para alisar os <:a-
bellos ; teem tambem para tin>r caspas.
Port bouquet. Um bello sertimei. dp madre-
perola. marlim, osso e dourados \< >r barale |. e<;o.
Perfumarias. Neste artigo esta a :'; .'.'. '> .em
provida, nao so em extracios, con.. .: otecs
banhas dos roelhores odores, dos ma afarr .do
fabricantes, Lonbio, Pi ver, Sociedad Hygv-Div-a,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indrspen^ave's para
a fesla.
Saias bordadas para senhora, por commod*
preco.
Sapatinhos dc la e de setim bordados ,para biji-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecla um boniu. sorti-
memo de diversos tamanhos, tanlo para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptrsadn e qne ha de melter
gosto e os mais moderno s.recebeu a Predilecla
de or ar.io preco, para dear ao .ticance
qnalquor bolsa.
Rua do Cabug-d n. 1
Grande pcchinclia a 200 rs a
covado.
Cassa II, pauroes novos, e de mais go: to ojm
D vindo ao mercado, so na rua do ^ueinuoia
13, loja de Guerra i Farnasues, pelo dira.no -
preco de 200 rs. o covado I
Uieguem freguezes que se acaba ______
Fogao de ferro economico
Vende se nm chegado ha peucos du.-, tendo for-
nalhas para lenha e carvao, forno p.ira aasar,
deposilo para agua quente e lugar para se guar-
dar quente as comidas depois de feitas ; estes fo-
goes iornam-se recommendaveis porque sao de
Ferro batido, e fabricados com perfeicao e cozi-
nham eom mui dimiuuta lenha : na rua de Apollo
n. 20___________________
AGUAS ALCAL1NO-GAZOS* DAS I'l I>RA$
SALGADA
VILLA POLCA DE AGL1AR
Bicarbauatadan-sodicas
Analyses do Dr. Josi Julio llodrign's. la-'*,
da escola polylechnica de Lisbon
Esla excellente agua, uada com vaatof rr; r m
padecimentos das vias digestivas, urin.ni, *>
estomag), etc., etc. : vende se oa pbarma.._ *
drogaria a rua larga do Rosario n. 3.
Vende-se um rico pianne novo, muiUi forM
e de excellentes vozes, a tratar na rua do TUu i
de S. Borja n. 29 ; na mesma casa teen para vru-
der-se uma boa mobilia de jacaranda, o ni p met
uso e em perfeito estado.
Cabriolet
Vende-se dous cabriolets dequatn. rodas, send-i
um pintado e lorrado. de novo, teudo l,..|ea fora,
varoes e lanja ; tambem se vende dous ravaites
e um arreio : para ver tudo na cocheira da rua
da Itoda n. 60, e para tratar na rua do Marqutz
de Olinda n. 6, con Rodrigues Irmios & Gaima-
rles.
Gaz a 5$600
a lata, do melhor que ven a este mercado, da
a rca de Henry Fonter A C., com a qnantidade
completa do liquido: nos armazens do Jose Do-
mingues do Carmo e Sirta, a rua da Madre de
Den* n. 10, e rua do Amorira n. 41,
CHAFELIRIA EG0\0M1A
iSfl fiua Direifa n. 43.
Neste estabetecupanto concertam-se chapeos de
palba, seda e velludo, para senhora- e meninas :
senio tormas das mais modernas ate hoje ehefa-
das. Tambem se concertam chapeos de todas a*
qoahdades, para homens, garamindo-se a p^-rfri-
540 dos concertos.
No mesmo esiabelecimento lem um Iindo sor-
timento de chapeos de palha, dos mais rn< demos,
enfertatfes com mnko gostes e pete? pwcos de li,
18* e 20#.
Cb*peoe de seda e de wiludo, f rm&s modenu*
para 10i e 12*.
Para luto.Chapeos para senboras a IO# e ISf
e para menins a 8*. _________
Vead^m
Wrisoo, iRwe *
Era seu armazem a rua do Trap
gninte:
AlgedSo ami amerieano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qn-
Tudo muito barato.
0.
u-tLYM-
fsmivo tmvh .
Vende-s< um escravo, v u h. ,. 0 anw.
de idade, bom cozinheiro r pra;a da IndependeucU a fti, lo^. ada ahatoa,



I



J-
1_ I1EGIVEL





8
Qj*rio de Pemambueo Quarta toil* 11 de Mar<# de 1$?4
>
*
MTTERATBBA.
T'lewtra de Nant AaUnit.
CM i\ .UK.aJCO as costas pa bretamha.
DOUS TIM1DOS.
A despeito dos erabaragos quo tolbem o
sipaua a sua ultima espeTanca. parigeo iN Maaricio, liberta-lo ; e em sua
0 desenlaee sorprehende raariTillia, e coiapanhi,^I^r't*os subterraneos em
produz agradavel impreesio. buaca dalle MaurteW de Maria e dar-s)
0 hnspede de Cerdic, o capfcio itpriaio, entio, sea nenhuraa inv'fosimilb.anga, o
reconhece em Maria a filba que buscava, encentro com Jorge,
havia doze annos, e cam a seguranc* 4* Eis, parece-nos, uma solagio que em na-
que estavam todos salvos, dissipa-se, Dtrrcdf prejudicaria o drama, e ao contrario,
progresso da rte dramatica eatrc nds, a eU. B mednnha cerracAo que ibe envolvia Ihe imprimiria o cunhc da verdade que Ibe
empreza VlcnteJ^ntm prom*titea.k. nos o espirito ; sorri ao primeiro raie da ol falta.
da felicidade, preco da vida de Cerdic qua, Quaoto a Gariou, que acoimava Cerdic
eiibora a sua misoravel condig8o, f6ra a de traidor dus seus, e que diz, que o mata-
sua profidencin, e que, para expiar o ori ra por sero unico que nio estava com elles
me de haver concorndo para que a fizessem quando foram atacados. devia ser um dos
orpha, dva a .-ustencia para impedir que que tivessem succumbido no combate ; e o
lhe flcasse tambo.n orpbio o coragao. que, elk* diz de Mauricio, que motiva a
Perdoado por seu irmio constitue se iuiz sentenca de sua morta, pronunciada por
de si mes-no, e o facho com que ataca fogo'Kernoc, seria dit) por outro, pois, coinci-
mina existente na galeria subterraaea, !dindo o ataque com a estada de Mauricio
attwura-se ao espectador a Justiga indeQni- alii, era natural que o reputassera autor da
vtl, impellin lo o seu brago.
eursos.


uma agradavel estagao tbeatral no presente
anno.
Os esforgos por elia despendtdos am o
anno anterior assegurara nos iss<, v- pro
nunoianlo-nos asiira, fazemo-lbe a devida
justiga.
Nao ha negar que a- arte estava aaoui-
sante, morreudo ds mios sacrilegas dos
quo so dizem seus apostolos. e antepdem
o calculo e o interest a* sua realeza.
Nao na uegar tambem, que ha dous an-
nos, se o nosso theatro nUo e o que jd foi,
estd comtudo em posigio tat que autorisa o
que nemos dito.
Com um pessoal artistic- nuraeroso, do
qual lestieara-se artistes de real mereciraen-
to taesorao Bahia, Tnomaz, Jul'o, Viceute,
Camara, 1)1). Manoela e Emilia; muito turn
feito a actual empreza em favor da arte, se
odo elevau-lo a as eratnenciss em que deve
pairar, aj menos erguendo-a do abatimcnte
om que estava, fuzendo a assumir uma atti-
tude digua.
Apos aquelles arti tas de primeira plaua,
esU o Sr. Santos que possue todos os re-
quisitos d'um grande arlista, e que o serd,
se souber eucaiuiuhar be n o seu talento,
tirar desto toio o partido possivel, compe
netrando-se de que o artista contrahe com-
sigo mesmo e com o publico um compro-
mise que eavolve a propr.a dignidade.
Mai delle so o esquece I...
Com ties artistas, e, possuiado um iin-
portante repertorio, a empreza Viceute, re-
petimos. promet'.e-nos uma agradvel esta-
gio theatral.
A sua estrea, em a noite de 28 do mez
findo, no-lo aflirma
*
* *
0 drama Um naufragio nas costas dt
Brelanhacompos-so da 4 actos, que se
pas-am sera fatigar o espwtidor, por Ih'o
impedir as scenas cheias de aniraaofio e de
belleza, que o es.-rialturn.
Estd raontado & capricho e rigorosamento
eusaiado.
0 mist en scene 6 maguiQco, os vetua-
rios novos e ao caracter da e"poc
eonv>da ve-lo.
JiSo podeudo ser apontado como urn pri-
mor, sob o ponto de vista litterario, e de
grande effeito scenico ; possue lances drft-
maticos muitissimo bellos,
--!'" scenas em que o
Ha, pwiv...,.
cernle as alturas do bello po Viri^
,ira que Cerdic recorda a kernoc o tr s e
acontocimento do naufraugio da gajera ait,
nerva, havido cm kerougal, doze annoS
antes.
V tempestado queo precedeu, o espec
taculo que offerecia a praia juncada dos
dt-siro^os da galera, que o mar abi arroja-
ra, conjuntamente com a pequena Maria e
sua mai ja cadaver ; tudo isto, pnma pela
uaturalidade e belleza discriptiva.
E' este o ponto em que o autor raais ima-
ginoso se rnostra, e, nao duvidamos ou an-
tes 6 licito affirmar, que mais se nos afli-
"uraria, se tivesse encontrado melhor tra-
ductor, cuja versao, se em geral, nao
p6Je ser classificada de ma", nao estfi lsen-
ta de incorreccdes.
Na descripcao dos costumes mantimos e
da profissao de piratas & que se entregavam
os habitantes de Kerougal, foi bastante feliz
o autor. .
A caocau e bonita e a musica Unda, co-
mo todas as producgoes do habilissimo re-
gente da orchestra.
Um naufragio nas costa da Brelanha e
drama digno do ver-se. especialmente, bem
montado, como estd.
0 entrecho e habilmento urdido.
A attencao do espectador cresce a propor-
gSo que a accao se desenvolve e Maria ins-
piralhe vivo interesse,
Condemnada a immolar as affeicoes de
seu coracio de virgem as exigencias de
Kernoc que Cerdic nao se atrevia a repel-
lir, foge em companhia de Jorge o eleito
de sua alma, embrenha-se pelos subt-rra-
neos e quando, extenuada pelo cansaco e
pda fome sente-se morrer, 6 encontrada
pi>r Kernoc, a cuja influencia se subtrahira,
que a reanima com algumas gotas do vinho
psra faze-la scntir todo o peso de sua hor-
rosa situa^ao, tendo a certeza de estar dis-
Mtj-Io
Este deseulaco e effectivamente muito bel-
lo, de maravilhoso effeito, mas 6 palpavel a
sua inverosimilhanga.
Vejamos : a ac$&o corre naturalmente at^
ascena fin que Kernoc encontraMaria no
subterraneo, mas, o mesmo nao se da*
d'ahi m diante : a apparigSo de C-jrdic 6"
iuverosimil.
Comprehende-se que, em vista do piano
que a si proprio iracou o auior, aquelle
pjrsonage n devia acomprahar Maria ate o
Um do drama, e isto e o que e natural.
Se Cerdic coniribuio para a orphandade
de Maria, ndoptou-a e creou-a, como se
fosse sua filha, a verdade e briluaotisrao da
ac;.io esta" no dover elle, para a satisfa^ao
do co-nprorai-so tornado coin a sua con-
sciencia, terminar por assegurar-lbe a feli-
cidade, livranlo-a do poder da,;Kernoc.
Mas, de que .nodo chegou o autor a este
desenlaee ?
Pela inverosimilhancii.
Cerdie, depois de sahir precipitadamente,
no final do 3 auto, em busca de Maria fu-
gitiva, recebe um tiro que Ibe desfecha Ga-
riou, cae, e rola de rochedo em rochedo,
como Kabiou aflirma a Kernoc, dizende-lue
que o julgava morto.
Que a bila de Gariou alcaugou Cerdic,
nao ha duvida, d :sde que elle caio e caindo
rolou.
Ora, um homem que e feriio por um
tiro e rola pelos escarpamentos dos roche-
dos ate o fundo d'ura precipicio, como Cer-
die diz a seu irmao Pedro na scena de sua
apparicao no subterraneo, fica se n8o mor-
to, gravemente ferido, e neste caso, inca-
paz por long > tempo de qualquer movi-
mento.
Mas adnittjndo que Cerdic, depois de sa-
ciar a s64e que q devorava, podesse, impel-
lido pcia voiitado de completar a obra de
89 affependimento, salvando Maria, pene-
trar i custo e arrastando-se no subterraneo ;
pergjotamos ; como podia apresentar-se tfio
rtgoroso, quem havia recebido am tiro,
perdido sangue e rolado de rochado em
rochedo, ferindo-se e contundindo-se no-
vamonte ?
0 autor procurou veneer as difficulda-
des que se antolbaram, fazendo-o appare-
cer salvo pelos cuidados de Jorge e caio em
outra inverosirailhanja, tao palpavel como
a primeira.
Oude foi Jorge achar recursos, se nao
nio sahio do subterraneo, onda encontrou
Cerdic, se nao os tinha de qualidade algu-
ma, para si e sua amante ante quem se er-
guia o espectro da fome t
Tel-os-hia comsigo o proprio Cerdic 1
Nao, que o vemos sahir correndo, no fim
do 3acto, em diroc e logo receber um tiro, cair e rolar de
rochedo em rochedo ?
0 espectador flea iguorando isso, sem po-
der aceitar, que fosse soccorrido por Jorge,
que, como vimos, nao dispunba de meio
algum.
E' incontestavel quo, o autor sahiose
mal dosta peripecia, olle que se mostra ar-
tista em mais de um ponto.
Vejamos agora como, sem mudanga ra-
dical no modo de desenvolver o enrendo e
apenas com ligeiras altera^oes poderia ter
elle attingido ao mesmo result dor sem in-
fracc^o das regras d'arte.
Em lugar do tiro, teria feito Cerdic cair
era poder dos guardas de Penhauet que ata-
cavam a alieia, conservando-o preso e fa-
zeudo-o escapar afinal, ou pela fuga ou por
intermedio do marinheiro Simao, portador
das ordens do capitao Mauricio, para o
chefe dos mesmos.
Simao, que sabia que Jacques Cerdic era
irmao de seu capitao podia, no fim do se-
gundo dia, depois de ter dado pela desap-
aggresslo.
Desta-madeira, julgamosque, salvosempre
opiniio mais competente, as prescripQdes
da arte seriara nelmente obserradas.
Entretanto, repetimos: 0 drama Um
naufragio nas costas da Bretanka, 6 de
grande effiito, tem mais de uma situa^ao
importante ; a iaverosiinilhanc/i que nota-
mos no desfecho, desfarga-se por entre as
pompas do effeito, a que o autor attendeu
mais do qua a* verdade da accao.
* *
Os typos em geral sdo desenhados com
seguranga e bem sustentados, falseando
apenas o de Cerdic.
Cerdic e" um homem nascido e creado
entre b.indidos, mas, cujo coracjio a pratica-
do crime nao cerrou a virtude ; a luz do3
bons sentimentos, como subitos reiampa-
gos, illuminavam a alma do velbo pirata.
A lugrube scena do naufragio a galera
Hxneroa despertou-lhe a sensibilidade, e
dos despojos do navio, pode que lhe oonce-
dam a pequena Maria arrojada a praia nos
bracks de sua raae.
Uma bda ac^ao, um desses grande* rasgos
de humanidade, que nao estio izentos de
praticar os maiores criminosos, comeca-o-
resgate d'uma existencia consagraia ao crU
me.
0 Sr. Thoraaz, i quem 'coabe interpretar
aquelle personagem, trabalhou a conqustar
bem merecidos applausos.
Folgaraos disto confessar, n6s, que o co-
nhecemos, admiramos e lamentavamos-
sua ausencia do theatro.
Compre-nos, entretanto, fazer uma ob-
serva^Ao : o Sr. Thomaz, no 41 aoto, nao.
si caracterisou tao bem como nos outros.
Cerdic, depois do que pissou do final do
3 acto, ate a sua apparicao no subterraneo,
devia demonstrar no fato signaes visiveis
do que bavia soffrido ; apenas o- Sr. Tba-
maz simulou algum cansago.
0 personagem, como dissemos, falsea no
4* acto, mas, assim e que esta descripto e
a um artista da estatura do Sr. Thomaz
cumpria desfarcar,quanto possivel, a invero-
simelhanca de que se resente.
Isto nao quer dizer, que houvesse des-
raerecido do elevado conceito em que te-
mos o seu merito; e apenas uma observacAo,
com aqual ( ainda quando nao seja bem
fundada) nao se molestara. o distincto
actor.
Nao o confundiremos jaraais com as mil-
lidades que se arrufam, quando se lhes faz
qualquer advertencia.
Felicitaraosa empreza Vicente pola acqui-
sigao de tao valioso auxiliar, e ao Sr. Tnrv
maz expressamos as nossas saudacoes.
0 Sr. Bahia trabalhou no Kernoc, o pi-
rata feroz, era quem se manifestavam s6-
mente os instinctos hyenicos do sclvagem,
como costuma, isto e muito bem.
De todo o seu trabalho n8o nos podemos
eximir de raencionar a posigao que toraou
na ultima scena do 2 acto. Do que e dif-
licil tira o Sr. Bahia o melhor partido.
A arte, sublime sacerdotisa, alcou um
hymno em sua saudagao.
0 Sr. Julio Xavier desempenhou muitisi-
mo bem a parte de Mauricio. A attitude
assumidi em face de Kernoc no 3 acto e
aquelleestouprompto I do 4, bastavam
para que o saudassemos com effusao, se,
em todo o drama, n8o trabalhasse a con-
firmar o conceito, que forraamos de sua
proficiencia artistica.
0 Sr. Santos andou bem na parte de Jor-
ge e o Sr. Camara na de Plick.
Este muito nos agradou pela naturali-
dade.
A Sra. D. Manoela desempenhou com mas-
tria a parte de Maria, que.alemde algumas
scenas no 2 o 4 actos ; n3o lhe offerecia
ensejo de exhibir a opulencia de seus re
A comedia Dous timidott alguma
oousaespirituosa. _1
Os typos do Dr. Julio e o de Thiaga aao
inleressantes : duas creatures timidas i mais
oiopoler; o prime'ro, e uma satyra viv.
aos tolos po99uidores de grdos scientificos,
e o segundo, um pobre diabo que so detxa-
va dominar pela filha e admirava-ae deseu
desembarago, e cuja timidez nao peraittia
dizer nao ou sim. .1 ^r _,
Os Srs. Vicento e Bahia, porflaram em
fazer rir o mais rigido asceta. '
A Sra. D. Emilia priraou pela Daturalida-
de e graga que Ihe sao proverbiaes.
R-'cife, 5 de fevereiro.
Garrich.
YARIEDADE
UM MEDICO AS DIREIIAS. 0 dialo go
deu-se n'utn lindo gabinefe, entre um jo-
ven viuvinba e um joven aduiador.
Mas o que tern, raou araigo ? VejoK)
triste o melaneo)ico.
E' verdade, nao me acbo- bora, soffro
de insommas, estou nervoso como se fossa
uma moo.*.
Conhega a causa, ja lh'o- dlsse : e
tempo ifo casar-ss.
Pois bem, $e& assim, casese asenho-
ra enmmigo.
N m peosar nisso. Fago as vezes de
medico a oug.o a sua consulta, e o senhor
sabe q< 'os-medicos receitam os remedios.
Mas to:iif?-os-? Ntqvaqwm,
geral para a navegafjo, communicou o re-
forido capitao as presentes ooticias, part os
fioa eonvenientes.
E a meu turno eu fago a V aciente del-
las, para oi meamos fl05f afim de quo sir-
va-se publical-as, porque Julgo de grande
interesse que ellas cheguem ao conbecimen-
to dos navegantes, prevenindo a V. que com
esta mesma dataoidenei se consignem na
ordem do dia, recomraendando aos com-
mandantes dos navios da esquadra que fa-
gam as corrapondentes annotagoes nas suas
respectivas cartas de naveeagao.
t Como deixei dito, levo esta occurren-
cia-ao seu conhecimento para que surta os
devidos effoitos, e ao mesmo tempo fago-lbe
presente que a intendencia geral ere que
alem da publicidade que se d&ri a este fac-
to nos diversos periodieos desta cidade, con-
Fviria que elle fosse trausmittido ao St. rai-
nistro de relagoes exterrores, afim de que
por seu orgao, e pela importancia quo llga
aos-interesses getaes- da navegagao, se fizes
sero as respecttras commumcagoes aoago-
vernos das potencies maritimus. Dous goer-
do a V./. Wiffkims Robotkdo.Ao Sr
minioMfro damariaha.
KAPTO DC MOQAS-.Ee-se na Republi-
*a i S-antiago: Seria curioso estobele-
cer nesta capital um eacriptorio de estatisti-
ea que tivesse por ex*lUsivo objecto ftzer
uma relagao exucta das-mogas quo msal-
mente abandaoam o seu lir para segoirem
os seus futu-roi, e muitas vezes os seus
preterit os.
No preseate calmoso -merde Janeiro os
easos de abandono de lar matemo tem atdo
rrmito numevosos, e, segundb a relaga
pouco-exacta da- parte d* palwia, o numa-
ro-sobe & grand somma'de triata. E estes
sio uuicameute os casos-que ehegarana ao
conhecimento-da policia,. porque o nuraero
dos que n3o cbegam, visto conao a hoae*-
tidade ou< um restn de consideragao-ouxle
vergonha os oeeulta, pode estiaaar-se atao
tnplo- ou pelouaenos o-dobro.
Em tal easo, teriames qne o nuraero
da taogas qua oe presente maz expatriaram-
so ou antes ex-casaram-sa, soba i-somma aon.-
sidevavel de aaventa I Bonita-e signifwati-
va somma.
e. E nao saereia qua estes dados s3o exa-
geaados, pois do s6 dia de bcatem abando--
naram suas casas Bada menos de quatro.-i->-
vens: uma oa.rua de S> Francisco, que- es-
capou pelo esgoto-em companhia de seu pri-
me, outra na de Netaniel, e duas no biir-
ro> de alem Vlapolhc;. e este bairro paxece
qua em nada. quer sar menos do que oa ou-
tros, afim de alcascar rapidamente a sua
autiga aspiragao daformar um.deparlamen--
to especial;
A policia desta vez nao andou. muito des-
cuidosa, porque dous dos pares, em. vez da
lua de met, gosara presentemento da lua
de S. Paulo, qua' parece ser a mai6.insup--
portaval das luas. n
PKBJGOS NARITIMOS.Um jprnal de
Valparaiso, publica a seguinte carta, que em
data de 1. de Janeiro Ibe foi dirigida, de
Punta-Arenas, pelo commandants do vapor
Abtdo :
Levo ao seu conhecimento- que o capi-
tio do vapor Magellan, da toha inglez em sua ultima viagem de Valparaiso a Li-
verpool, comnunkou em Ponta-Arenas-as
seguintes noticias sobre os perigos mariti-
mos que encontrou na costa do Pacifieo.
Disse elle que as 3; boras e 45 minutos
do dia 12 do corrente, passando a ilba
Cambridge, observara um rochedo que nao
vem marcadonas cartas geographicas, o qual
demora & distancia da tres milhas do caho
Santa Luzia (situado em 51 30'latitude
Oil], ao sul Si* oeste meridiano,
Outra : as 7 horas do mesmo dia, e
depois de haver passado a ilha de Beagle
,'situada a 51 58' latitude sal], descobrio
outra rocha, demoraudo ao sul desta ilha
21 oeste meridiano, e a sete milhas de dis-
tancia, tambom nao marcada na carta.
Considerando estes dados de interesse
COMOODEMO / TECE. Ra guerra
[da Franga- com a Prussia, em IWO, os ra-
ipazes casados nao erara isentos de-sentarem
praga nos batalhdes movets.
Por isso am aaancebo easado baria seis
raezes mal eontados, alistou-e e marchou
para o exereito dos Vosges;
N;ura recontro com os prussianos foi fei-
so- prisioneiro-, mas, }& naelevava comsigo
a raochilla, que bavia atirado para um-val-
lado-, afim de oorrer melhor, quando pro-
curou fugir.
Outro soldado, do mesa regirnento,
tendo perdido a sua mochilla>, pelo mesmo
motiro de se Kirnar mais lapido, quande
debaodara a foroa de que fazia-parte, depa-
rou cam a daqaelle outro fugitivo, apode-
rou se delta, e nunea chegou a saber-se da
troca, DO'Corpo ondapassou a servir.
Nais-tarde, entrando em fogo, morreuv e
no caoape, em que muitos tiaham pago
com a vida a sua dedicagao & patria foi en-
contrada a tal moebillai com papeis qaa
doram a conhecer pertenoorem-ao soldado
que estava prisioaeiao, mas que sppozer.n
morto.
0 case foi-se enredando, porqae o prisio-
neiro, tendo corametttfo varies-disturbioo,
respoa>leu a conael&o do-guerra- e foi coa-
demntdo d-prisao por alguns annos.
Acabada a guerra, o homem permaneceu
na Prussia, porque estava cumpradi sen*
tenga.
A mulher do referido-movel, aava e bo-
.nita, entendeu por melhor (a faz. bem.)
nao 6sar toda a vida a cborar a- morte do
marido; o que mais faeilmente the fez con-
seguir um rapaaota, tambem da bons bigo-
des.
Coavencida de que o marido estava
morto bem morto, nao duvidoudar & me
dqueUa que lhe dizia morrer de amores
por etla.
Cosao dos voeabulos morte e> morrer es-
tava elia farta, nao .quiz mais amontoar vic-
timas. Verifiicou-se o casamento ; e dessa
uniio vieram ao mundo mais- dous eates.
Estava este casal vivendo naquelle encan-
to d'alma Udo e qgtedo, que a fcrtuna>ndo
deima durarmuito, quando-uma bella^ma-
nna o drfmlo so apresenta no seu fomici-
lio conjugal. A ver a casa-tio accrescen-
tada, falleae-lbe-o animo, e sente-se raais
atrapalhado quo no meio das baias, ou
quando era. perseguido pelos soldados prus-
L'sianos q,uo o aprisionaram. Mal podia rarer
que estava ante os seusolhos: um substi-
tuto e duas lindas crear^as, alem da mu-
lher- I
0. movel tinha obtido commutagao na pe-
na, e por iiso regressara tao codo para
Franga.
O desenlaee deste enredo nao sabemos
como foiv porem, & natural que tudo sei.ar-
raajasse em paz, e que nao fossem sumir-se
oa clausura os personageus deste drama,
como- no Frei Lmz de Souza.
FOLHETIM.
lucsecu imn
MEMORIKS DE S&TAN&Z
roa
l>. Manoel Pernandezy Qonzalex
QIARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
'Continuagao do n. 54.)
IX
. 1M0 MICHELOTTO, APEZAR DOS SEUS CIN-
>ENTA AMNOS-, E DA SUA AtMA DS LOBO,
tDIA ESTRETER-SE COM 0 AMOR.
Bern, mande descer a ponte.
uco depois tahia Michelotlo a cavallo
nava a gilope o carainho da margem
d o.
-I breve encoutrou uma pequena ca-
;, ,i. gothica. de pedra, e seguio pelo atv
lb radicado pelo capitao ; penetrou no
besque, e, to chegar ao regato, vio dous
b -c 'S couvorsando i porta de uma peque-
ua ease rustk-a.
Um daquelle6 homeus trajava como os
Oobras, mas sem luxo.
0 0'itro vestia o trajo dos homens do
eampo e estava oncostado a um arcabuz.
Era o guarda Giacopo Santi.
Oh bem depressa teve resultado a
torpu/.i do capitao Rodolpho, disse Miche-
lotto li vando no cavalleiro um olhar pro-
fan lo e terrivrl. 0 hoo em nio veto aqui
para f-izpr versos & natureza, mas por saber
que ncstas vizinbangas pode encontrar a se-
nhora (if-nebra Malatesta. Porem como o
saberia elle?
0 bomem d quem Michelolto se referia
era Ludovico Arioste.
Mi helotto, ver.do que d3o baviam repa-
rado ne;le, voltou p.ra traz o cavallo e col-
locou-se em sitio onde nao podesse ser visto
por Ariosto e pel) guarda.
Em-seguida apeou-se, prendeu o cavallo
a uuia at vore, voltou ao atalbo, tirou as
JOnlSPRODENCIA
osporas para nao ser sentido, e, quando
descobrio Ariosto e o guarda, encobrio-se
com as arvores e avangou occulto por ellas
ate uma pequena raoita que ficava proxima
da casa, mas nao tanto que Micbelotto po-
desse ouvir o que diziara Arios;o e Gia-
copo.
Vio comtudo perfeitamente que Ariosto
parecia supplicar e Giacopo recusar.
Por ultimo Ariosto deu uma bolsa a Gii-
copo e o guarda, depois de algumas repli-
cas, pareceu ccder.
Depots de fallarem mais alguns minutos,
Ariosto penetrou na babitar.ao e o guarda
tomou pelo atalbo que conduzia para fora
da floresta.
Michelotto seguio-o occulto pelas arvo-
res. e, quando elle sabio do bosque, cha-
mou-o dizendo.
Old, amigo Giacopo.
Aquelle voltou-se sorprendido.
Quem e e que me quer I disse elle
levantando o rcat>uz ao ver a catadura
amegadora de Michelotto, que, fpezar do
seu trajo da cavalbairo, tinha seus ares de
hanitiftn
bandido.
Necessito fallar-lhe em assumpto mui-
to grave, respondeu Michelotto aprox'unan-
do-sa sem mo-trar medo da attitude amea-
gadora Jo guarda.
Quem 6 o senhor? perguntou Gia-
copo.
Chamo-me Rugiero Monforte, repon-
dau Micb-lutto.
E en tao quer quer ?
0 senhor tem uma filha.
Tenho sim, eentio?
Que se chama Tonetta.
Sim.
E que por minha vida 6 uma hnda
rapariga.
Acaba com isso ou nio I
. E' eiactamente o que eu quero.
Pois explique-se e depressa, porque,
trataado-se de minha filha, n8o odmitto de-
moral. /
l N' m ^ 88 quf ro tao pouc-i.
-L 1as dVniuo sp trata ? exclamou o
guajrl cIa wz >i*is mrrancudo.
traflr-se dj qac rdo do sua. filbi por mu-
laer.
0 guarda recuou um passo deveras es-
pantado, e disse :
0 senhor quer zombar de mim ? Pa-
rece um cavalheiro, e comtudo pede-me a
mao de minha filha que 6 uma pobre ai-
des. Verdade 6 que neste tempo em que
vivemos ha muitos bomens que parecem ca-
valheiros. e delles tem unicamente as espo-
ras douradas.
Isso 6" uma questio para depois, e a
pessoa que responder por mim e que serf
madrinha do casamento de sua filha, serd
tal que o senhor nao poderd duvidar.
EutSo quem e essa tal pessoa ?
A gri-duqueza.
A gra-duqueza? exclamou Giapoco
mudando de torn e de expressfio. Pois a
grA-duqueza conhece-o ?
Sou o seu servo de mais confianga.
E' -verdade, sim os creados dos prin-
cipes sao cavalbeiros. A cdrte e um man-
do differente, e eu tambem Id estive no
tempo do grao-duque Hercules I....
Vamos, porem, ao que importa. disse
atalhando Michelotto, concede-me ou nfto
a raSo de sua filha ?
Nio posso responder d essa pergunta
sem consultar A elia primeiro.
Consente; Tonetta ama-me.
Mas d'onde a cenhece o senhor ?
Do castello de Cento.
Pois que. conheceu Tonetta no castel-
lo de Ceato.
Sim, vi-a todos os dias por espago de
cinco mezes.
E vio tambem a daraa mystoriosa
que ninguem conhece e com a qual vive
encerrada a minha Tonetta ?
Vi.
Sabe quem 4 ?
Sei.
E' uma gfanle senhora, n8o e ver-
dade?
Pelo menos e* umadama nobre e rica.
Sabe como se chama ?
Sei.
Chama-se Genebra Malatesta?
Cale comsigo esse nome, porque se
pronunciax outra vez, pode muito hem ser
Belatorio
A RESPEITO DO NEGOCIO DO MARECIiAL BAZAIXE
EX-COMMANDANTE EM CHEFE ftO EXERaTO
DO RUENO.
AUWEXCIA DE 25 D8 NOVEMBRO
(Continuapdo)
0 general Pourcet Disse o general
Bourbeki qoeo8r.de Buoark aao re-
conhecia outro govemo senao o da impa-
ratriz t
R. Declarou qua a Allemanha nio
reconhecia outro g tvemo sanio o da re-
gencia.
Presidente. Mandar chamar o
Frossard.
Testemunlia.A. minha opmiau, na reu-
niao de 10 de outubro, foi qua o exereito
devia sahir de Metz e retirar-*e para um
territorio neutro, onde teria ficado d dispo-
sigao da assernMea nacional cjnvocada para
fazer cessar a guerra. Pensavamo? que se
poderia coneluir uma eouvenjao bonroaa ;
quanto ds eondigoes de paz, nio era a nos
que compelra occupar-rros. Se uma con-
vengao honrosa se nao podia alcancar, so
nos rcstava abrir uma pessagem por meio
das- armas. A testemunfaa repetio os por-
menores das precedentes' ttestemunhas a
respetto da ra ssao confiada ao geoerai
Bbyer.
A testemunba fez a leilura de uma carta
dirigida por elle d imperatriz:V. M. sa-
be qae-o Sr. de Bisnaark nio qUer tratar
senAo com o govemo ii* regencia, e o exer-
eito se retiraria para um territorio neutro,
onde podiam no caso-de necessidftde ga-
rauttf a erdem social, etc. Convido a V M
a- entrar em relagoes com o govemo da
Prussia, e se as con diodes da paz naoforem
campletaroente iuaceitavets, V. M. fard
muito bam em sobscrever a ellas.
O'genjruF Fmssard defendeu a sua opi-
niao e a dos membros do eonselhe de 19
de outubro que partilharam d'ella, ckand
um exemplo historico: O' exereito da
Moguncia em fr"83, qu* tinha comido t>
dos os seus cavaltos, e jd uao tiuha senie
oito dias de viverea, obteve sahir cona ar-
mas contra os cclbgados duraate um anno,
e de reurar para um ponto do territorio
francex, onde podesse tornar-se utd A or-
dem. Este exereito-foi effectivameote con-
duzido para a Vaade, onde prestou grandea
servigoa.-
Presidente.Ra- no vosse depoimauto
apreciagfrs que eu nao quero discutir, to-
da via pcrmitti-me que vos observe qua o-
exereito da M"gunsia nio acoignou uma
convengae senao depois de tor sustentado
Um longo-e glorioso sitio For outro la-
do ( como -tendes aereditado segwido o pro-
posito do -Sr; de BtaaMrk referido pelo go-
vemo Buyer) esse exereito de Mguncia naa-
era o unico exereito de Franc.*.
A propasito das coodigoes de que pode
ter falls lo -o general Buyer, o paesidente
fallou das eondigoes de paz; ao qae respoe-
dau a tastemunha :
Soube, depois da meu regresse do cap-
tiveiro, que a imperatriz nao quiz assigoar
os preli mina res da .paz, por isso- que o Sr.
de Bismarkdbe pedia a sua aasignatura em
branco.
P.Eo general Boyer uao fez conhe-
cer uma situayao tao grave ? Nao faz.
nenhuiaa allusac- as negocta^oas entabo-
das era Ferrieres-com o govemo da de-
feza?
R.Nenhuraa, N6s nao tiuhamos uea-
bum eoaheeimeoto do que sa passava.
Pegp para acerescenta uma palavra de-
cxplicagao. A proposito de uma perganta
do general. Pourcet, fallou. o Sr. Gambetia
de uma carta ascripta por Dim, i verdadt-.
Um jprnal, o do Sr. Gainbetta, ao qual ette
foi oommunicado, citou estractos, entre ou-
tros aquelle em qua eu dizia que Uoharaos
sido enganados pelo relatorio exaaerado
( de boa fe" exagerado j do general Boyer.
Uma ver qua se publicaram extractor, eu
soria muito feliz de ver reproduzir esta:
Os officiaes que mais atacaram os
seus chefos, sao aquelles mesmos, que
perante elies teriaru mais censuses a din
gjr.
A audtoncia foi suspense as U>es horas e
um quarto. Cinco. minutos depois da sus-
pensao oduque de Aumale, eoSr.de
Chabaud-Latour, que esta-varn vestidos A
paisaua, dirigiram-se a assemblea para vo
tarem sob re a coraposicao da commissac
das leis constitointeis. A's.quatro boras me-
nos dez minutos, aquelles sauhores esta ram
de volta e a audienxia lecomegara.
President*. Fazei cuamar o geueral Des
veaux,
A teslei&unliay commandante da guarda
imperial na ausencia do general Bourbeki,
assistio ao conselho de 10 de outubro, e ao
que se Ike seguio. ConQrmou os preceden-
tes depoimeutos.
que o afogue ao passar lhe pela gar-
ganta.
Michelotto pronunciou estas palavras de
um modo tal, com uma inflexao tao amea-
gadora, acoapanhando-as com um gesto tdo
terrivel, que Giacopo recuou, senao aterra-
do, porque nao era facil de aterrar, pelo
menos assorabrado.
Quem e" o seuhor ? perguntou elle.
Rugiero de Monforte, respondeu Mi-
chelotto.
Sim, sim, disse-me jd qoo era criado
de confianga da gra-duqueza e contam-se
cousas terriveis...
Cuidado, Giacopo. Estimo-o porque
6" pai da mulher d quem adoro, e vejo com
sentimento que estd comtnettendo impru-
dencias umas atraz das outras. Recommen-
do-lhe a maior prudencia dcerca da dama
que estd no castello de Cento, e sobretudo
dcerca do que possa dizer relativamente d
essa dama, porque poderia morrer de md
morte, como succederd ao homem que lhe
deu a saber que no castello de ento existe
uma dama. Daqui a duas horas passe por
junto do castello e observe bem as suas tor-
res. Depois, o senhor mesmo verd se lhe
con vem ou nao callar-s .
0 guarda olhou profuadameote para Mi-
chelotto.
Quem foi que lhe deu ha pouco uma
bolsa? perguntou Michelotto.
0 Sr. Ludovico Ariosto, respondou
Giacopo.
Ah I conhece tunbem Ariosto?
Quem 6 que sabendo ler ou teudo
ouvidos nao conhece o grando poeta de
Ferrara ?
Diabo de homem murraurou Miche-
lotto, e" quasi um rei.
E miis que muitos rets, porque esses
podem tit reduzidoi a mendigos pelos po-
vos, corao os fiorentinos fizeram a Pedro de
Medicis : mas para tirar o que Deus deu a
homens como o Ariosto, e neoessario ma-
ta-los e ninguem se atrove a raatar um ho-
mem que todos amam.
Venha comigo e deixe-se do reflexSos
insensatas, disse Michelotto dirigindo-se
jiara umas arvores proximas c meltefldo-se
Continuar-se-fia.
por entre ellas seguido de Giacopo. Bom
sera evitar que nos vejam juntos, porque
advirto-o, de que os arredores do castello
esta) muito vigiados. Muito bom serd que
se ndo saiba jd em Ferrara, que o Sr. Lu-
dovico Ariosto anda por aqui, que fallou
com o senhor e qu* lhe deu dinheiro. Com
certeza que nio raatardo por isto o grande
poeta, mas como o senhor nao e como elle
tdo favorecido pelas rausas, e tao respeitado,
pode muito bem ser que o enforquem.
Pois tao grave 6* o assumpto era que
me fallou o Sr. Ludovico Ariosto ?
Gravissimo, a ponto de que p6de cus-
tar-lhe a vida o ter vindo Ariosto procu-
ra-lo.
Giacopo ficou profundameate pensa-
tivo.
Vi-o desesperado, disse o guarda, e
ver desesperado um homem como elle, que
merece ser completamente ditoso, e muito
para um homem que como eu nio deve ter
coragao.
Um coragao bom e um inimigo muito
poderoso; eu nio sei se o meu coragao &
bom ou mdo, porque ha rauitos annos que o
arranquei. Creio que foi nor causa de
uma formosa rapango de Alcira a quem
raatei; absolveu-me, porem, dessa pecca-
do meu a mo, o arcebispo do Valencia,
Rodrigo Lenzuoli Borgia, um senhor ex-
cellente que deixou grande fama no mun-
do pelas boas obras que fez. 0 caso e
que passei muito bem sem coragao ate" que
conheci sua filha. Quero crer que nio
terei de fazer a Tonetta o que fit a Tere-
seta.
__Pela Santa Madona 1 exclamou Gia-
copo empallidecendo. E diz isso a mim,
quando acaba de pedir-me a sua mdo ?
Nio seja imbecil, replicou Micbelotto,
voce" nio me conhece e portanto nio p6de
adevinhar que eu sou o melhor homem do
mundo. Saiba que tenho morto rauita
gente, mas sem pro com motivo justiti-
cado.
Giacopo olhava de um modo singulaj
para Michelotto, e ia-lhe toman lo me o.
Aquella especie de pavor Uescouhecido,
Crio, posa.do, iosupportavel, tjue, Michelotto
inspirava aos mais bra vos a destemidos.
exercia a sua infiuencia no guarda.
0 amo faz o criado. D. Quixote e San-
cho Panza sao o amo e o creado mais rela-
cionados do mundo.
Michelotto nascera para servir os Borgias,
cumprira-se o seu dastino. e podia dizer-sa
que Cesar Borgia se completira com Micbe-
lotto.
Ouga, Giacopo, disse Michelotto, e
julgue se eu tive razio em abrir as portas
do outro mundo d Tereseta, ser vindo me de
chave um punhal.
Eu era um bom rapaz ; a mais pequeaa
commogio opprimia-me o coragao e fazia-
me chegar as lagrimae aos olhM. I'm dia
vi na Louja de Valencia uma aldei que ia
vender seda; acompanhava-a um velbo.
e elia teria quando muito dezeseis an-
nos.
Eram pai e filha; o pai chamava-se Vi-
centelo. Eu era de casa honrada e rica,
com solar em Gandia, o que nio impedio
que me enamordsse de Tereseta, e quizes-
se casar com elia.
Cbamei de parte o pai, e disse-Iheo
que pensava. 0 pobre homem abrio mui-
to os olnos por ver que um mancebo nobre e
rico queria casar com sua tilho que nao
tinha outra nobroza sanio a sua for.uosara,
e disse-me que na semana sefuinu, quan-
do voUasse a la Louja, me daria a ret-
posla.
Aquella, coma era de eperar, foi af-
firmative por parte do pai e da filha.
Escandalisou-se a minha familia quauuo
the padi liceng* para c ser, de que eu ti-
vesw consagrado o meu amor A uma rus-
tics, e nogaram-me radondamante a licence
pela qual ea suspirava.
Porem como anlio tinha jA um coragao
rouito sensivel, tm cora.,-5o de crianca, e
como c unegasso a patder a car e a em ma
grocer, men pai que me adorava, prafa-
rio ver me desastrad mente easado, a tar-
me estendidn no cmx*> acompanhado poi
quatro vellas.
(Continuar-*e-kal
tV?7P00iAtTi0.-ltUA DUQCB OE UXJaoT"
.
s.
i


-------_

Mjk


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZD0BCDOU_IHSUGZ INGEST_TIME 2014-05-21T22:25:30Z PACKAGE AA00011611_16952
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES