Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16951


This item is only available as the following downloads:


Full Text
S1
AKKO L. MIMEBO U
PAB4 A CAPITAL E LLUAUlvS 0\DE XJLO S PAGA PORTS.
Por tres raezes adiautados................ 69000
for seis ditos ideas......"............139000
Por um anno idem.................. 249000
ada nomero avulso................. 9320
TERCA FEIM fO DE MARCO DE 1874
PAR A DEHRttE FttRA DA PROVINC1A.
Por tres mezes adiantados..............* *
Por seis ditos idem '.............?
Por nove ditos jdem- ..............
Por um anno idem................. 8T9OW
BUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL
EIROA DE FARIA 6 FILHOS.
1 Srs. Gerardo Antonio Alves & FUnos.no Para; Goucaives & Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Oliveira & Filho, uo Ceard; jAntonio de Leiuvt Brags, no Aracaty ; Joio Mafia iuiio Chaves, no Assd; Antonio Marques da Sura, no flaUl | Jose Justino
Pereira d'Almeida, em Mamauguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Villa da Penhaj Beiarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antao ; Domingos Jose da Costa Braga, emflaxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoas; Aires AC, na Bahia ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.

G over no da Provincia.
FALL A com que o Exm. Sr. commendador Henrique Pe-
reira de Lucena abrio a sessao da assemblea legislati-
va provincial de Pernambuco no dia 1. de marco
de 1874.
(Cuntinuagao do n. 54.)
Crap-me as rafarmacoes do Dr. ehefe de policia quanto ao estado das cadeiras nos diver-
so* termos da provincia.
Recikk.\ casa de deteatfao, principal prisao da provincia, com bastante seguranga e boa*
accomnv>dagoes, ^6Je ainda ser augmented i, o qua alias ja por vezes a jxperieocia tea niostrado
0 sou servico intern* e feit> com regularidade, de conformidide com r regularaento em
" Correudo a alimenUgao dos presos pobres por coota dos cofres orovinciaes, e o forneci-
meato feito por meio de e-ratracto, que se renova.
Nos disirietos de Jabaatao e S. Lourengo (2.* e 3.") ha casas particulares que servera de
ori3ao provisona. e de quart.-! aos respoetivos desucamentos.
Olind-i. -Eslando em ruinas o edificio da cadeia desse raunicipio, por cousenso do diocesano
sao o* pre Aljubo, aue, ion 11 proprielvJe da mitra, 3e acha bastante deteriorado
e sem as necessarias seguran;a e accaminodaeSaS.
Igtmmsiu.X prisao uessa villa esta situada em um proprio provincial, o qual se bem quo
qjvo uesessiti da concertos a reparos qie iwitem doterioragoes maiores.
' Tern algumas a :c omin id.icoes pode couter viute presos, e no edillcio tern tambem o seu
quartel o desucauiento.
IAmteiro. -Situada em um proprio provincial, nece-sita de reparos, para que se tome com-
moda e salubre.
Pdo d~.ilho.-0 andar terrej do edificio da eamara municipal serve de prisao nesse termo.
NecessiU de reparos que eviUrao despezas maiores.
Santo Antao A prisao e n'um predio de propriedade publica, dividida em duas partes :
serve uraa para as haraens e outra para as mulheres, que sa i recolhidn ; admittin lo a juella ate
30 presos e esla 20. No andar sup rior tunccionam o juiz e os tribunaes de 1." instancia, e um
oequeno quarto serve de cirpo da guarda.
Escida. Uma casa particular, pejueua, insalubre, sem grandes accommodates, se bem
que com alguraa seguranca, s-rve dp pnsao nesse termo.
Cabo.E' proprio provincial, e tern seguranga e boas accommodates e se acha bem con-
servado. .
Ipojuca. -H" uma casa particular, de taipa, pe Serinhaem.E' noanlar terreo da casa da camara ; admitu em separado ate quarenta
presos de ambos os sexos. E' arejada, salubre, limpa e segura. A prisao das mulheres precisa
de tadrilho e tarimba.
Rio Formoso.E.' u'uina casa particular, sem seguranca, insalubre e sem arcommo-
A]ua Preta.Esse termo tern duas casas destinidas a prisao : uma na antiga villa de Agua
treta com accommodacojs, mas necessitan lo de reparos ; outra na de Palmares, sem segu-ran^a
e sem accommodagoes.
Bonito. Tanto a da villa de lionito como a de Pimenteiras sao de propriedade publica,
iuas acham se arruinadas.
Caruaru. Apezar de rfparada ha pouco, nao tern accoinnudacoes nem seguranci, sendo
proprio provincial
S. Bent". Sem seguranga e accommodates ; e predio de propriedade particular.
Brejo. -Siiuada u'uiu proprio provincial, tern acconiodacSes, mas esta arruinada. No mes-
:i!j ediiicio funccionam a camara municipal e o jury.
timbres. Proprio provincial, necessita de reparos, pois esta arruinado ; nao tendo segu-
ranca nem accommodates.
Garanauns.A da villa desse nome e a melhur do sertao. E' salubre, segura e gran-
de, e tem cinco salas distiuctas.
Em Correutes e Palmeiro ha casas particulares que servem para prisao alii, mas sem a se-
guranga e condigSes exigiveis.
Buique.-E' n'um predio particulai, arruinalo e sem seguranga alguma.
Ayaas Bellas Pouca seguranga, nennuma accommodagao, eis de que se resente a cadeia
desse termo, situada eui um predio particular.
Bom Conselho. -Em iguaes eondigSes da de Aguas Bellas.
Flores.Siiuada n'um proprio provincial, e com boas accommodacoes, esta arruinada e nao
uR'erece seguranga.
Acha-se era conttrucg o adiantada uma nova cadeia em sunicientos accommodaroes.
Vdla Bella.E:n ruma e sem accommodacoes. E' propriedade particular.
Ingazeira.Em casa particular, e em condigoes identicas a de Flores.
Salgueiro.Proprio provincial e com accommodafdes. mas arruinado.
Exit'.Esta a prisao situada em prelm de propriedade particular, com boas accommoda-
edes, seguranga e salubridade.
lacaratu'.E' de pnpriedade provincial e tem accommodagdes, mas nao muita segu-
ranga.
Boa-Vista. layM ubie e pouco segura, e peqnena de modo a so podcr adiuitlir dez presos.
E' proprio provincial.
Ouricury Salubre e com accommodacoes, nao offerece grande seguranca. E' proprio
provincial.
Cabrobo.Pertenco o edificio a provincia ; tem accommodagoes, mas precisa concertos.
Correudo por conta dos cofres proviuciaes a alimenthgao dos presos pobres, devo dizer-vos
que fora desta capital e na mor pane dos termos, dilBcilmente e encontra quom se queira en-
canegar de alimentalos ; resultando disto passarcm os detentos alii muitas privagoes e pe-
nurias.
A 13 de seiembro ultimo dci inslrucgoes para regularisar o fornecimento da aliinentacao
i presos pobres.
iii'JS31J)H) IDS Jiiil'lAi'lJJD J)2 l'IUHDriuJA.
Sendo chamado a corte o tenente-coronel Antonio de Campo3 Mello, nomeei interinamente
para substituilo no commando desse presidio o comae! honorario do exeicito, Alexandre de Bar-
ros e Albuque que, que entrou em exercicio em 6 de seiembro ultimo.
Posteriormente foi nomeado para esse commando, pelo ministerio da guerra, o tenente-co-
ronel do corpo de engenheiros Sebastiao Jose Basilio Pyrrho, que se acha em exercicio desde
o dia 13 de Janeiro proximo passado.
Me e grato dizer-vos que a ordem e tranquillidade publicas do presidio se mantiveram inal-
tcraveis durante o anno tindo, apezar de existir alii o crescido numero de 1,414 sentenciados, pela
niaior parte homens obcecados pelos crimes e para os quaes sera bem dilHcil a regeneragao.
Este estado satisfactorio nao deve, porera, excluir a inleclinavel nece3sidade da medida por
vezes reclamada ao governo imperial, que oor aviso do ministerio da guerra, de 13 de agoslo ul-
timo, ja prometteu satisfazel-ade ir estacionar nas aguas daquelta ilha um va-o de guerra, alim
de auxiliar a forga de terra no Ciso de qualquer emergencia.
Guardado, como e, lao excessivo numero de criminosos por um destacamento de 120 pro-
gas, por deraais iosulHciente para a guarnigio do presiUo, e de imprescindivel conveniancia que
o seu commandante disponha de recursos para, com tempo, prevemr ou reprimir qualquer tenta-
tive de evasao ou revolta por parte dos senteaciados, quando procurem por esse meio escapar
* accao penal.
Destes senteaciados 231 sao militares e 1,183 civis, senlo destes ultimos 1,156 do iszo ma-
culiao e 29 do/emioiao. Pertencdm as seguintes provincias :
Para................ 22
Maranhao........... 59
Geari.............. 63
Piauhy.............. 17
Rio Grande do Nurte 21
Parahyba........... 78
Pernambuco......... 557
Alagoas............. 20
Sergipe............. 4
. .. Bahia............... 36
Espirito Santo....... 4
c t R'o de Janeiro....... 33
S.Paulo............ 88
Min*s Geraes....... &0
Rio Grande do Sul... 71
Habitam aquelle presidio 1,940 pessoas, sendo 1,665 do sexo masculino e 275 do (emi-
aino, compreheddendo-se nesse numero a guu-nigao, empregados, vivandeiros, senteaciados e as
irailias de maitos desses.
Ha alii olBcinas de unoeiros, ferreiros, carapinas e sapateiros, sendo por esta ultima, cojo
pessoal foi de 31 operarios, manufacturados no anno passado 4,068 pares de sapatos.
Tem o presidio duas aulas de instruccao primaria, sendo uma para o sexo feminino, re-
gida por D. Maria Candida Theodora Alves, e outra para o sexo masculino sob a direcgao do
capellao conego Manoel Jose Martins Alves de Carvalho.
Ambos esses professores exercem com esmero a sua nobre e difflcil missao.
Foram frequentadas no anno passado, aquella per 29 alumnas e esta por 43 alomnos, apre-
MQtando Unto estefcfMSjMMMs* algum aproveitamento.
0 sen ft^^M HPP'',nrio nn mf'*mr' P^nf-ao, e o la ?ua laronra assaz li-i n
g*y. prodnSiiWiSwBR^>r!ieila, rouun.sla di- 6,500 alqueifw Je.millM, I hi; I,. r-1jio e 70
arronaideti.
JJM1|A3 IDA PiiU"HaWii-
Subk) a 4,013:366*225 a receiu do exercicio fmanceiro do 1872 a 1873, comprenendida
a extraordinaria de 1,556:3134850, e a ordinaria de 2.457:052*375.
Deduxindo se desta nlUma 191*163, saldo do exercicio anterior, 7:257*690, de restituigoei,
26o:0OM000 tornados a caixa de eraprestimoe e 69:97:1*443, producto de impostos com appk-
?acSo espeeial, foi a renda liqulda e propria do exercicio 2,114:360*077.
"177 a de 1,835:779*000, em qoe fora orcadaphenomeno
Adespezafoi de 4,013:366*225, sendo a exfraordinaria de 1,557:039*447, e a ordinaria
d e2,456:326*778.
Esla ultima comprehende 61:568*415, products do imposto addicional de 3'/. com
applicagao ao asylo de mendicidade, e 8:iO5jO00 do imposto de 5*j00 por estabelecimento com-
mercial para a companhia de bombeiros. :
Comparada com a de 2,449:i)3Si592, em que foi orcada e com a decretada de..
2,427:*672*52i apresenta uma differem.a para mais de 29 254*231 nesta, de 7:288*18* na-
quelia, restando pagar 265:000*000 a caixa de emprestimos, e 1:400*611 a credores que deixa-
ram de exigir pagamento dentro do exercicio.
Sendo a despeza exclusivamente effectuada no exercicio de 2,386:3334333, addici nada a
imporiancia do resto a pagar, ea ordinaria do anno pnpriamente dita de 2,625:733*944, havendo
um excemo de de 225:861*420. acima da llxada psla lei.
Os creditos suppleraentares necessarios a algumas verbas de natureza eventual raontaram
era 170:488*641, dos quaes foi someute despendida a quantla de 138:280*2*9.
Oestes dados comparativos enlre a receita e despeza result i qne o said > veriftcado no en-
cerramento do exercicio e de 626:819*229, sendo 725*597 de receita ordinaria ; dita extraordi-
naria pelo credito 457:459*293. e pelo eraprestimo 142.638*351, e did addicional ao imposto da
decima pela lei n. 769, *5:995*988.
D1VIDA ACTIVA.
No exercicio proxiraamente findo mnntou a cobranca efTctuada em 132:630*073. # 0 res-
tante desta verba com a addicgao de 193:574*215, liquidada no mesm > exercicio sobe a-----.
514:778*279
Nesta importancia se comprehende toda a divida par cobrar desde 1836. gran le parte da
qual e incobravel era vista da insaWabilidade, mudanca, e ate falta de vestigios dos devedores.
DIVIDA PASSIVA.
Alem de 8:590*917 liquidados ate o ultimo de dezwnbro findo, deve-se mais 4,679:612*494,
sendo 1,817:912*494 do juro de 2 /. garantida a estrada de ferro do Recife a S. Francisco e
liqnidado ate o ultimo de junho de 1872 ; 265:000*000 tornados a caixa de emprestimos ;.....
1,640:000*000 provenient's do emprestimo de 1,800:000*000; 956:700*000 re pre.-en tad os em
apolices, sendo 7%:700*000 a juro de 8 /. a conta do rredito de 1,200:000*000, e 160:000*000
a juro de 7 / por.forga do 4 do artigo 1 da lei n. 58
Tem sido pagos com pontualidade os juros dessas duas emissds*; e da ultima houve um
r*sgate na importancia de 10:000*0.0, medida que nao se estendeu a outra por insufflcien ria de
renda e por nao haver praso para isso fixado. Pelo que nenhum inconveniente ha em continna-
rem as respectivas apolices a circular sen amortisagao, mesrao parcial do capital, que repre-
sentam, e que se acha ainda muito aquem do credito autorisado.
Tambem foram pagos 171:411*488, correspondentes a quatro prestag5es de juros e
l(>:i:00.)*000 correspondenies a dnas prestagoes de amortisagao do empre9timo do banco do Brasil,
cuja importancia de 1,8)0:000*000 ja foi recebida em sua totalidade.
DEPOSITOS.
0 saldo das receitas das caixas dos differente< denositas, ao encerrar se o anno tiuanceiro.
a que alludo, foi de 556:398*493. pertenceudo 537:534*527 a caixa de deposito propriamente
diu ; 25:420*950 a do asylo de mendicidade e 3:443*007 a do fardamento do corpo de pohcia.
Os valores existentes naqnella primeira consistera em 306:901*000 em apoli;es da divida geral e
provincial, e accoes de companhiat e estabideciraentos bancarios qne cancionam arrematacoes,
contractos, empregos e flancas nara com a fazenda, 187:128*698 em letlras provenient^s de arre-
matagoes de rendas e 43:450*829 em nunierario.
RECEITA E DESPEZA DO SE1IESTRE DO ANNO DE 1873 A 1874.
A receiu foi de 1,810:467*867. Desta importancia consume receita ordinaria a quantia
de 1,073:824*115 ; mas exelnindo-se desu a de 411:298*34* d opera.oesde credito resul-
tantes da insufDciencia de renda, reduz-se a pr> priamente ordinaria a 662:7-0*767.
Do exoosto se reconhece que a receita extraordinaria importou_em 7.ib:6*3*oa-,
procedentes dos saldos passados do exercicio anterior, da imposieao da lei n. 769, do credito^de
1,200:000*000. e do emprestimo de 1,800:000*000 tornados ao banc > do Brasil, das indemuisagoes
pela caixa da Recife Drainage por emprestimo a ella feito, e do saldo recolhido pelo fiador a>
ex-thesoureiro da reparticao das obras publicas; Ravomndo da Silva Maia.
Deduzida da receiu ordinaria a quantia de 725*397, saldo do anno precedence de~.
9:653*165 de restituifoes, vem a ser a renda li mi la e propria do semestre debo2:l47#uiio ,
o que mostra um decrescimento de 72:208*201 em comparacao ao que se arrocoJau em igual
semestre do ultimo exercicio fmanceiro. .
Semelhante decrescimento, porem, parece ser moraenlaneo e somente devido ao retaraa-
mento da extracgao das safras do assucar na espera'ica sem dnvi la de melhor preco.
A despeza snMn a 1.132:854*461, sendo de 899:107*624 a ordinaria consignada em veruas
do orgaroento e de 233:746*837 a ext raordinaria. .
Nesta classe incluen-se 80:000*000 por emprestimo. pass.ados da caixa de igual ucnonii-
nagao para a receiU geral ; 40:480*000 pagos a coupanhia Recife Drainage ; 5l:9i9*2l* aes-
pendidos com obras publicas.por conta do emprestimo de 1,800:000*000 e do credito di.......
1,200.000*000 e 61:347*625 de desppzas nao decretadas. oo.n-i.fini
A ordinaria realisada de acordo com o orcamenln vigente Oca redusida a 88o.0t)l*oui, ^e
de sua cifra dedu-irom se as quan'ias de 14:698*398, producto da imposieao addicional ae
3 0/0 com applicagao ao asylo de mendicidade, e de 1:3475623 despendida com os oroenaoos
dos professors das extincUs cadeiras de latim, para o que nao havia credits
Foi, porunto, o saldo verificade de 677:013*506 : sendo 173:363*866 da receiU ordinaria
e 504:244*640 da extraordinaria.
ORCAMENTO DA RECEITV E DESPEZA PARA 0 ANNO DE 1874 A 187o.
Orga a thesruraria em 2,629:356*085 a despeza e em 2.120:280*017 a receita, navenao
um deficit de 509:076*068, que, apesar de inferior ao d i anno preterito, lem todavia do elevar-se
com o credito necessario a solugao da divida de exercicias fiudos e ao pagamento integral ua
Recife Drainage; o qual uao podendo ser regolarmente feito pela arrecadacio do imposto para
esse fim creado, compromette seriamente a renda da provincia ; pois que nao bastou darse-Ihe um
pessoal graluito para a arrecadacio de suas renilas, foi ainda mister que se Ihe fizesse boa a im-
portancia integral de suas conUs em sua apresentagao.
Para occorrer a semelhante deficiencia, ao menos em parte, lembra o inspector as seguin-
tes medidas :
R> subelecimento da taxa de 5 0/0 snbre a exportagao do algodao.
Elevacao da Uxa de exportagao do assucar a 8 rs.
Rcstabelecimento da taxa de 5 0/0 sobre os preinios de lolerias maiores de iOO*ouu.
Dito da Uxa sobre bilheles de loieria ae ontras provincias vendidos nesta.
Imposigao de 10/0 de expediente sobre todos os generos importados de tutra provincia, que
tiverem de ser exportados.
Substituioao do imiwsto sobre escravo ganhador pela taxa de 5400J, por qualquer
escravo existence nesU cidade, maior de 12 annos.
Reduccaoda imposigao dupla sobre o vinagre a ultima taxa de 14 rs.
Eliminacao dos impostos: sobre casas de cainbio ; sobre notes eoutras embarcacoes
empregadasmo aervigo do porto e navegagao dos rios ; sobre inculcador, caixeiro ou corrector
de escravos, e sobre importagao de vinagre. .
'Ampliacao do imposto de 5*000 por averbacao a toda e qualquer transmissao de proprie-
dade urbana ou pane delta, no caso de ser conservada essa verba de receita.
ModiOcagao do 19 do art. 15 da lei n 1115, de modo a eviur a sophismagao a que da
lugar a segunda parte do inesmo paragrapho como esta.
Suppressao das verbas votadas para pagamento :
De coadjuctores, o que importaria a eftonemia de 34:500*000.
Obras de matrizes, sendo estas subvencion^das pelo producto de lotenas somente, e uona-
tivos que forem oi.tidos.
Pequeno seminario de Olinda.
Mensalidades aos alumnos pobres admittidos ao gymnasio.
Despesa com os filhos de voluntarios da patria fallecidos ou inutilisados, passando a correr
por conta do auxilio prestado a santa casa de misericordia.
Finalmente, pondera que a despesa com a forga policiai nao deve correr pelos cones da
provincia, e pede uma providencia para que toda a arrecadagao seja directamente feiu pela repar-
ticao incurabida desse servigo, pondo-se term > a pratica de ser a thesouraria tambem estagao
arrecadadora, em detriraento de slias funcgoes fbcaes e com perda de tempo que pode ser mais
ulilmente aproveiudo. ... ".. .
Do exposto que 6 o transurapto do relatorio apresenta lo pelo digno e itlus.rado inspecior,
so evidencia que nao 6 lisongeiro o esUdo dos coft-es provmciaes, e que com quanto nao devamos
considerar-nos fallidos. porque os nossos recursos sao vastos ecada dia teodera a desenvolver-se
mais, ttdavia, faz-se necessario a bem do nosso credito e do nosso futuro, que adopteis meaiaas
prompUs e efflcazes que tragam em resultado, quando nao o augmento da receiia, pelo menos o seu
equilibrio com a despeza. tartar por todas as verbas superfluas e por lodas aquellas, que, em-
bora reclamadas pelo servigo publico, possam ser addiadas sem grandes inconvenientes, e
por outro lado abrir novas fontes de rend.i, sem prejuizo das existentes, Ul deve ser, seguuoo
me parece, o vosso proceder. ._.__
A decrntagio de novos encargos sem a eertexa de lucros correspondents e immeaiatos so
servira de aggravar ainda mais a nossa siiuacao linasceira e de cemproraetter o nosso progres-
sive desenvolvimento moral e material.
E' este, repito, um dos assumptos .que mais v.>s deve preoccupar, e preaaer a voa
stipncio
Durante todo o enrso Ho minh aHmini*trar5n tnhn nroeoralo. nos limitee de u ihas
forgas, melhorar
de 320:000*000,
Sadas no tempo ...
e eollectorias e agt-ncias ftscaes em varios raunicipios, ja, finalmente expedindo regulamenios,
que trouxeram logo em resultad* a cobranca de alguns impostos ate entao considerados mco-
braveis, e diminuigao em cerca de 30:000*000 annuaes no locante a verba conservagao de
A autorisacao qne me concedestes ua lei n. 1115 para contrahir urn emprestimo da
quantia de 4,000:000*000, para o fim de resgatar o realisado com o Banco do Brasil. e as apolices
emiitidas nao pode ainda ser utilisada, em consequencia de nao se me ter offerecido oppor-
tunidade. Tentei effectaa-lo com o Banco do Brasil a oatras casas bancanas e capitalistas do
Rio de Janeiro ; mas as oondigdes apresentadas eram tao onerosas que nao pude aceiu-las, e
achei mais prudente aguardar melhor ensejo. *
( Contmuar-se na.)
E'xcedeu 278:58'*077"a de 1,835:779*000, em qoe fora orpada-pnenomeno devido aos di-
reitos de exporucio do assucar, enia prodnccio tem augmentado nestes ultimos annos.
A receiU exUaordinaria proceden do aaldo do exercicio an>nor venleado no credito de
1,200:000*000, decreudo pelo arUgo 48 da lei n. 963, e represenudo em> apolices; de igual saldo
e receita no anno Bnancelro que termlnou, concernentes ao emprestimo ae l,6w:uuojuw torna-
do ao banco do Brasil; e da receiu addicional ao imposto da decima nrbana, segundo o artigo
3- da lei n. 709.
ASSEMBLE:! PROVINCIAL
?ESSAO ORDINARIA EM 5 DE MARCO.
PRESIDENCY DO SB. DR. FtRREJHA DE AO.LIAH.
Ao meio dia, feiu a chamada, achamse presen-
tes os Srs. deputados : Goes Cavalcante, Arcon-
cio, Alvaro Uchoa, Dario, Antonio Paulino, Pe-
retti, Amaral, Maaoel do Rego, Kalis e Silva, Gon-
Salves Ferreira, Tibnrcio de Magalhaes, Guedes
ondim, Domingos Pinto, Oliveira Andrade, Tito
de Barros, Ferreira de Aguiar, Firmino de Novaes,
Gomes Parente, Ernesto Vieira, Felippe de Figuei-
roa, Camboim, Nascimento Portella, Travasso de
Arruda, Niculao Tulentino, Pinto Pessoa e Cunha
Cavalcante.
Abre-se a sessao.
E' lida e approvada a acu da anterior.
0 Sr. 1." secrelano da conta do seguinte
KXPEDIBNTK I
Dous oiBcios do secretario do guverno da pro-
vincia, um remeiteudo quarenta exemplares do
balancete da receiU e despeza da provincia, e ou-
tro acompanhando outros Untos exemplares do
urgamento da receita e despeza para o exercicio
de 1874 a 1875. -A distribuir.
Uma peticao do nnego Lino do Monte Carraello
Luua, bibliothecario da bibliotheca provincial, pe-
dindo a interpreUcao da lei n. 994, art. 4.* % 16.
A' commissao de legislacao.
E' sem debate approvado o seguinte parecer :
t A commissao de legislagao, para dar seu pa-
recer na pcti'.'ao que Ihe foi presente, de Paula &
Mafra, requer que |or iutermedio do presidente
da provincia pega-!>e a Santa Casa copia do con-
trato que foi celebrado com Agra & C., sobre o
servigo mortuario e enterramentos.Uchoa Ctval-
cante. Dario Cavalcante. >
ORDEM DO DIA.
Entra em 1.' discussao, e, sem debate e regei-
Udo o projecto n. 41 de 1872, augmentando os
venc.mentos dos professores du gymnasio.
Segue-se a I.' disenssao do projecto n. 89 do
mesma anno, desmembrando da freguezia de Ga-
ranhuns o districto de Palmeiras,_ formando uma
nova freguezia com a denominacao de Correutes.
O Sr. Mello Rego jnslilica e manda a mesa
o seguinte requerimeuto, que e approvado sem
debate:
Requeiro o adiamento da discussio por oito
DBSPACHOS. DA PBF.StDKNUA, DO DIA 7 DB MABQO
DE 1874
Bellarraina Francisca Lobo.Deferido coin of-
ticio desta date ao provedor da SanU Casa de
Misericordia.
Carlos Lniz de Magalhaes.loforme o Sr. com-
mandante das arenas.
Ezequiel Bernardo de Oliveira, Como requer,
mediante recibo, nao havendo inconvoniento.
Felix Ramos Leutier.Sim.
Francisca Seraphico de Assis Carvalho.Defe-
rido com offlcio desta ruccio publ/ca.
Genninp Vieira Damiao lutorme o Sr. gene-
ral commandante das arma*.
Idalina Glaudina Leite Torres.Deferido com
offlcio desta data, ao provedor da Sania Casa de
Miseri:<)rdia.
Julijo Jose de Oliveira,De-se.
Joao Panto M&chado.Informe o Sr. Dr. chefe
de policia.
Joao Pacheco da-.Mdeiros. -Iiforme o Sr. ins-
pector da thesoararia do fazenda.
dias. S R. J. de Hello Rego.
Fica, p 'Unto, adiada a discussio do projecto.
Entra igiuhaeuii: em 1.' discussao o projecto
n. 99 de 1872, auiorisando o governo a contratar
com Andre de Abreu Porto dous pequenos ramaes
dc via lerrea que, partindo da estrada de Una,
passe um pelo povoado dos Mo ites, e outro da es
tagao da Escada, passe pela villa do mesmo nome,
ambos em disUncia de 3 milhas.
E' lido e entra era discussao este requerimenlo :
Requeiro que sobre a raaleria do projecto
seja, pelos canaes competeutes, ouvida a reparti-
cao de obras publicas. Hello Rego. >
0 Sr. Vtsriiiu-nto Portella : Sr.
presidente, este projecto contein em si uma idea
que a assemblea provincial de Pernambui'.o cA>.
dar todo o desenvolvimento, e nao deixa-la res-
tricU, como esU.
Se tosse possivel fazer com que de cada uma
das esUgoes da estrada de ferro do Recife a S.
Francisco partisscm ramaes para ponlos, que a
experiencia indicasse como os mais convenientes.
os mais necessitados, seria com effeito um grande
servigo que a assemblea provincial prestaria a
provincia, facilitando a coustrucglo dessas vias de
comraunicagao. Portanto, conviria muito que fosse
feito um piano geral de estudos.
Eu estava disposto, pela leitura que havia feito
dosle projecto, a apresentar um requerimenlo no
seniido de que fosse elle submettiJo a considera-
gao da nobre commissao de obras publicas, para
que, com as informagoes que julgasse necesjanas
i. reparticao de obras publicas, apresenlas>e esla
mesma idea, mas em toda a sua generahdade e
plenitude.
Noto apenas um inconveniente.
Ha muito que se falla em que 03 poderes ge-
raes preteudem desapropriar ou resgaUr a estrada
de feiro de S. Francisco. Se o governo geral tem
eile pensamento, desde que for permiltido a cons-
irucgao de ramaes, se difncultara qualquer solu-
gio que o governo tenha de lomar ; a desapro-
priagio sera muito mais onerosa.
Ha, portanto, dous pontos muito importanles a
considerar : a inconveniencia quanto ao fuluro
resgale e ao mesmo tempo a uiilidade que esses
ram es puJem actualmenle prestar.
Sem combater, por consequencia, o requeri-
menlo apresenUdo pelo nobre depuUdo, eu pedi-
ria que, presladas as informagoes pela reparticao
das obras publicas, fosse este projecto remetliJo a
respectiva commissao, para que, dando Ihe todo o
desenvolvimento, nos apresentasse as suas ideas a
respeito. Sao estes os dous pontos/que devera ser
considerados. A commissao faro o seu estudo, e
entao uos apre.-entara um projecto em condig5es
de esUbelece' uraa viagao mais util e proveitosa
para a provincia.
Neste sentido, vou apresentar um requenmento
que nao prejuiica o nobre deputado pelo i." dis
tricto. ,
Le se e entra tambem em discussao o seguinte
requerimento :
Requeiro que, sera prejuizo das informagoes
requeridas, seja o projecto submeUido a aprecia-
gao da comimssao de obras publicas, alim de que,
desenvolveudo a idea nelle contida, formula ou
tro que o substitua, tendo era vista o* interesses
a qneelle atlende.-iV. Portella.
U Sr. Felippe de llgueiroa entende
que e desuecessario ouvir a commissao e a repar-
litao de obras publicas, que ja disseram sobre o
assumpto vertente Volara, porem, para que seja
ouvida a administrafao, por feso que, segundo
consta, esta, em virtude de lew existentes e que toe
dao muita amplitude du acgao, fez um coatralo
ou cousa que o valha para a factura de um pe
queno ramal da esUcao de Una para a povoado
desse nome.
Sr. Nasdiuenlu Portell* :-Eu nio
tinha notado que a commissao de obras publicas
ja havia sido ouvida sobre o projecto que discu
tiraos; mas, apezar disto, nao deixo de prestir o
meu vote para que de novo seja ella ouvida.
E' verdade que a adminislracao provincial acha-
se habiliuda para fazer esses contrato*. Eu,
quando eslive na administragao, contratei com
Justino de Sonza Ramos a factura de um pe-
Jui-r.o ramal da esUgao da Boa- Viagem ate o povoa
o deste nome. Me foram enlio apresenUdas ou
tras propostas, que eu teria tornado em coaside-
ragai e teria me-ino feito os respect'vos conlratos,
sa por ventura nio houvesse o rootivo a, que ha
pouco me referi, iste e, a inconveniencia que d'abi
podia resultar para qualquer resolugAo (lie o go-
verno imperial tivesae de tomar em relacio a es-
trada ie ferro de S. Francisco.
Todos esses raaaes Importam augmento de va-
lor para a estrada de ferro, e por consequencia,
feitos elles, a desapropriacao se ternariamuito mais
onerosa, caso o XQVcimo quUW leva-la a effeito.
Recuei eutlo, infe esta idea.
Ms"L nio obstante, como j4 sao paasados anooa
* a fallada desapropriajao da estrada de ferro nao
1 tem tida reallsagao, nio set mesmo se tera e nem
se coavira, peoso que a assemblea provincial aeva,
apezar dessa autorisacao ampla quo tem a adqu I mais natural.
Inistragao, examlair e estudar esU quesOq, reet-V
te la a commissao do obras publicas, consul ur s
respectiva reparticao, consul tar mesmo a adminis
tragao, emfim obter todos os esdarecimentos oV
forma a babiliUr a mesma commissao a formntar
um tribalho, que salisfaea a necessidade, qu
todos reconhecemos, do desenvolvimento da viagi*
pnbliea.
Convern, portanto, qne estndemos de qoe pas-
tes e para que pontos se deve desenvolver ass*
viacio. Ora, este trabatho nos nao podemos fazer
a )ui em sessao; e preciso que a cemmissao o pre
pare no gabinete com muita attengio, com conne-
cimento dos conlratos feitos pela administracio, c
que nao sera difflcil conseguir.
0 Sa. Felippe FiocEndA : -Eu enteodo qua e
ot'jecio para ser esludado pela reparticao de obrat
publicas.
0 Sb. Nascimskto Portella : -Tambem pela
nossa commissao.
0 Sb. Felipck db Figleiroa :-Em poucosdiasd*
sessao nao se pode estudar am sysUma de viacio
ferrea para a provincia.
0 Sr. Nascimento PoftTRtLA : Achamse a dii-
pesicao da commissio todos os etetnentos e infor
magoes ; a commissao estude e venha apresenUr
nos o resuludo de seus trabalbos. Eu bem sei
que sera uma tarefa espinhosa, mas sei tambem
que daro muita honra a commissao e nao menos a
esU assemblea o ccenpar-se com um assumpto de
tanu imporuncia. Coaseguintemeate os sacril-
cios que fagara os dignos membros da commissao
de obras publicas, hao de ser compensados peio*
Inuros que a provincia Ihes iribnUra, e nao po*e
deixar de convir a esU assemblea que na sna legis-
lagao apparega, nio urea lei parcial, mas uma lei
geral, qne satisfaga tao argenle necessidade.
K" por isto que ainda insisto no men requen
memo. Se ha quem qneira fazer esses ramaes da
estrada de ferro, se Bio podemos descoobecw a
necessidade que a provincia tem de desenvolver a
viagao publica, aprovettemos esla idea, qne ja t
aqui ioiciada, mas demos-1 he maior deseawm
mento. Para isto precisamos dos estudos da com-
missao, dos eschreciiaentes da reparticao deobra*
publicas, emfim de todos aquelles que nos possam
ser mimsirados : cada um de nos trara aqoelles
que por ventura tiver. e eutao faremos um traba-
Iho qne satisfaga ao desejo geral. Eis aqui a* ra-
xoes par que enteodo qae o meu reqaerinMOio esu
uo caso de ser approvado.
Sao estas as consideragdes que eu queria fazer
E' mais li lo, apoiado e entra em discussao este
requerimenlo:
Requeiro que sobre o project) seja oavtdo a
presidente da provincia.Felippe de Figueiroa.
Ninguem mais pedindo a palavra, discussio e approvado o requerimento do Sr.
Mello Rego cam os outros dons, qne foram consi-
derados additivos.
Fica, portanto, adiada a disenssao do projaciu.
Segue-se a I" discussao do projecto n. 105 de
1872, mandando pertencer ao districto de Assure-
ma, do mnnicipio de Aguas-Bellas, o quarteirao de-
norai ado Santa Clara, do 1* districto de Buique.
O Sr Kalis e Silva : -Sr. presidente, aa
1* discussao dos projectos devese traur de mos-
trar a conveniencia ou uiilidade deiles. Ora, ea
nao posso votar a favor do que se discnte, sem
que me mostrem a sna uiilidade, a sna convenien
da publica.
0 projecto diz respeito a uma divisao de territo-
rio, mandando pertencer ao districto de A*surema.
do mnnicipio de Agnas Bellas, o quarteirao deoa-
minada Santa Qara, do I* districto de Boiqae. Ea
na i conhego esU localidade, e, portanto provoco a
qualjuer dos nobres autores do projecto, qne sr
acham na casa, a que me de exclarecimentos, a
que exponham as razdesde conveniencia desu me-
dida, a fim de que eu possa dar Ihe o meu vote
Do contrario, votar i contra.
O Sr. Vieira de Mello faz algamas obser-
vacoes em favor do projecto.
Ninguem mais pedindo a palavra, e encerrada
a discussao, e, posto a votes, e o proie--to appro
vado.
Entra era 2' discussao o projecto n. 56 de 1872.
alterando os limites da freguezia de Nossa Senhora
da Graca da Capunga.
OSr Ratis e Silva: -Sr. presidente, o
projecto trala de alterar as divisaes de uma fre-
guezia.
Sobre elle ja foi ouvido o governador do bispada.
e consta da synopse que as informacoes existem
na casa. Seria conveniente que ellas nos fosserc
apresenUdas.
0 Sr. presidente : -Ja as mandei buscar na -
creuria,
0 Sr. R.^tis f. Silva : Enlio peco a V. hxc
que demore um pouco a voucao.
O Sr. President*: Sim, senh-r tpausa). Infor-
nia o Sr. offlcial maior que essas informagoes nao
existem na secreUria, porque, orovavelmentt
como sempre saccede, foram retaettidas ao Sr. de-
[tutado qne as requereu e que nao as devora.
0 Sa. Manoill no Reoo: A secrettru dem sa-
ber a quem furam remetlidas.
0 Sr. Oliveira Andrade: -Naturalmeote foram-
enviadas ao aotor da requerimeoto.
0 Sr. Rvns r. Silva.Quando pedi asinforma-
g5es, a~>x) foi para que ellas me servissem dc nor-
ma na votagao do projecto, visto como sou ea am
dos signatarios delle ; foi para qne os nobres de-
putados que deltas precisassem, mais habiliUdtw
podessem dar o seu vote.
0 Sr. Manoel do Rmo:Mas coasta qne a av
fcrmacie da bispo toi favoravel. "
0 Sr. Ratis e Su.va: -E exact). Foi para ate
somente, que eu pedi que viesseai as informaydrs
a esl* sala, mas, ama vet que ellas nao existem
na easa, cerumente porque devem ester am aoder
do depnUdo qua as requereu, eu e*t>u aisaeasada
deltas, porque nao sib necessarias para poder dac
o meu vato, porque, como ji disse a principio,
sou am dos sigoatarios do projecto. Os nobras
deputados vouraa como eotenderem.
Na I.' discussao ea live o cuidado
a uiilidade publica, que me levou a
eonsideiagio da casa projecto que
cute ; pelo que nada mais tenno
tar;
K. lida, apoiada e entra conjuosument* em
cussao a seguinte emenda :
A freguezia de Nossa Senhora da Graca
prehendera ambos os lados por onde limiur-e.
Perefti.
O Sr. ^retti:Sr. presidrnte, peU l-itura
que fiz do projecto n. 56 de i87i vajo que o
autor ptetende tirar da fregueua da Boa Ylaja,
grauJe parte da Soledade o annexa la. a freguema,
de Nossa Senhora da Uraca da Capuaga.
Eu omsidero o projecto neste poato
niaote, pois a Soledade alem de e>tar
di-unte da matrix da freguezia dm Nossa
da Graca do qua da matrix da Boa Vista,
aecresce que uitunauieate se tera faciliudo
o transito d'aonelle lugar para or pontos
Sacs desU uluraa fregueua pelo '
e Uilbus nrbanos.
Par oaira parte am seu artigo coosagra a
projecto uma idea qne repute aproveiuve
latoenrieia meu unuetrwuda,qu^mad^aoda-a
em quanto elle aretaade daimembsr a Sosaaaca
da fregn "tia m Boa Visla. todavia, mau oaanaaaa
com elle se accorda qqaado qoer, qne MM caa
servada a Iroguexu d> Nossa senhora da r-
divisao actual, esta abranja ambos -
ruaa e estra^as por onde fssiir. ^^
Ua Sa, Dbputado: -Assim a divisao Bean I
de mo.-trar
offerecar a
ora ae dw-
a accrescaa-
I3 JlUWlMUa
0 Sb, Pketti: -Sem duvida.mai: uawraL
. t.>


*vji
-%.. -X. .otMo de Penminbuoo Ter^a feira 10 de Mai^o de 1874.
O 5b. toLEirrmo dr Carvalho: -
qae se liraiura d iquulle modo *. drift /,**,# *><* UtdMslanK' s#Jft Pan* ate a ^T^ciaa I bra na\ot reduce esso pf*o a. 2 op 3 $ dias 5 nvu
qae temos ajMBffn de represeatar, assim se divide
com a ParaKo*.
Ea nao faw:efli these e pot" isto'0 apattedo nj-
bre depnUdaanWpfocede, pornaanto poden haver
vantagens m qae nma ou mais provineias se li-
mitom deste modo, e essa* vantagens nao se da-
raVem relacao a freguezia de Nossa Seahora da
firaca que sobre ser pequfca*, motto lacraria o
inoradores do hdo iMMit aa ruas p estradas oade
passa a divisao em perteuenr ella.
0 Sa. ToLENTisa d*Caiwaimo: E' rrrelhor dei-
xarmos as cousastovno estao.
0 Sr. Pkrktu:Sab modoa de pcnsit; a c-isa
em sua sabedoriadeeidira.
Ninguem mats pedindo a palavra, da-s* a dis-
cussao por eaeerrada.'o, piocedendo-se a vetacao,
6 rejeilado Iprojecto, Gcando a oraoada prcja-
dicada.
Segue-se a 3.* discussao do projecto n. 97 de
1872, auterisando o presidents da proviacia a con-
tratar atonstruccao e exploracao deama fabrica
da faser papoi Bosta- prevmeia.
0 Sr. 1." secretario le as emendas que forsra
approvadas na 2 discussao.
E' mais lida, apoiada e nira conjanctamente em
discnssia a seguinte emenda ;
Seja supprimi Jo o artigo 2*. Tibitrtfio de
Magalhaes. o
O Sr. Felippe de F4.u.eira enton-
de que, supprimido "o artigo f, qae atrtorisa a
conccsiau do privilegio por 40 annos, pFazo que
pnr aura Hats emendas approvadas esra^reduzido a
20, a idea do projecto torna-se irroalisavel. Vuta,
pjrtanto, contra a emenda.
O Sr. Titmreio de Masallries:Vou
fuodatnentar a emenda A su^pressao do artigo 2 faz desapparectr a
idea, do privilegio, 6 verdade, mas ainda 'fi'ca no
projecto a isjneao de direi'tos durautc o prazo de
20annos,a que ja earn meio de concorrer para
facpitaro eslabele;imenU) dessa industria._
0 Sa. Fklipt-e*>e -ftauKiauA:iA isea<;a> de de-
cima pouco vale,'6 uina cousa qus se. concede a
qual pier assueUcao, como, por exeraplo, a Asso-
ciacao Commercial, os hospitaes, etc.
O'Sn. JfAvflBr.T3 Rego: -E uresmo com o privi-
lecio de 2D anos duvide que se est.i!n;la?a a fa
bnca.
0 3a. Fexippe be FKHJEinoA: 0 nobre deputado
dere saber qne uma fabrica ds panel eusta mui'.o
fiirtheiro.
0 Sa. Tiooaci9 of. MAC-vuti-Es:Eniao a assem-
blea coaceja outroi favores, mas nao o privile-
gro.
OSb.F-bmite de Fwuewoa:0 praw ju sta
reducido a 20 asoos.
0 Sa. Twurcw ue Maoa-haes.Nao digo qnc
se rcduaa o praju : estabelegara-se outras ccodi-
\u5es fi.veravei.s, mas nao se oonceda uin prlyHcgio
i^uaLjuer que die seja, porqtie assiiu ficara pri-
vade fualqJaoT outro cidadio de especular -com a
saesma rndustria.
0 SB.PoMtN'cos Pixtc: No Rio de Janeiro nao
s? polc-susteutar uma fabrica jn^smo com o pri-
U.Sr.:Felippf.'Ds Fjcheirua: -Diz ui'Kto bem ;
ijSo je pude iustentar.
a S6r. Pinto r<.ssoa. Pxrece-me, Sr.
presid -.hte, aceitavd a ciiienda que aprosentou o
uieu iikisirailoamigo, o Sr. Dr. Tiburcis.
Stfcre um negoci'j de tio grave iiiipHtancia nao;
i.-oicr.;uus wis estabelecer facilmente u privile-
giu qae vein fcr srias consequeacias, e:u minha
..jiicJi'*-
1 a:i. Felutb d". FiGUEiau.\:0*3^ ptuban
0 Sb. Panto PfS*jA: Se nao sc tem conse,guido
..>. hoje, a) l!io de JA"Wiro, capital que dispo" le
.:u:iieiisos recursus, jl.ular uma fabrica, com as
ijcucoes.que ee niihres depuladjs dizem faculla-
ras a essas emptezas ; se a u tew siio uossivei
? qae outras c*u-a$ ucoaonicas acjoa-n de muito
ujai< consideracio ; c ost is causas uaturaluwnte
jiersistirao aqni enlre m'n; e o uieie mais facil de
resokc-las nao-sera por certo urn prjvjlegjo.
U Su. P.ms kSii.va : -E' precisi eaps.ij".
0 Sa. Pisto Pessoa : C-;iii. precise conhe-
tcjas.
(Trocamse apartes.)
0 Sa. Goncalves FerheIra : -Os supplicantea
I < ioui o nrivilegiu.
a. Pi-T
0 ^R. I'lSro Pkssoa : Sr. pre idsnte, ]x Siss
"qual a ratio' qufi me' levou a pc'lir b adtament
'do tfrojetto. ......
- Kb ns conhece de-nenhum modo qaaea sia *
termos em qae e>ta o projecto conreccionado ;
n5o sai se ha algUm pretendente aemprcza.
0 Sb. N'icotXt) ToLENTrno :- Ha o reqBrente.
0 Sb. Piirto Pkssoa : -... e por tsso pe.li oito
dias de adiamento. Se, eniretanto, feto pode pre-
judicar a imtituicaj desta graada etnpreza, qae
dete alias trazer vantagens reacsaara a provin-
cia, para a aossa socie.iadc, ea, de bom grado,
convenho que o adiamento seja TOesrao por 2 oa 3
dias.
tie-se, e depois de apoiado ntra cdnjanctamen-
te em discassio a seguinte nenda :
t Seja o adiarrrento por tres dias./. de Melh
tRego. b
Ninguem mais pediade a palavra, encerra-se a
discussao, e proceddndo-se a votagao.e approvado;
o adiamento por tres lias.
Fica, portarrto, **iada a dwca*sSo.
Entra finalmente em i." discussao o projecto n.
31 de 1873, aulorisando o presidente da provincia
a maadar constniir ediGcios para cadeia na ci-
dadc do Rio Formoso, Tilla fle Barwiros, Escada
e villa de Nossa S nhora do 0' de Ipojuca.
Le se, t apoisdo e eniraem discussao o seguw
te requerimeulo:
Rejueir) qnt pelos canaes compptentes.selft
ouvi-.la a commissao de obras publicas acerca do
proJBeio.-ftrrtH
Reconhecendo se nao haver casa, o Sr. prcsi
dente dpdlara a discussao adiada, designa a or
dem do dia segumte e levanta a sessao.
.i

O Sb. Pintc "Pessoa :0 projecto esla em 3."
tlisrcu-sao. Eu nao tenlio gran 1mpenho na.disr
i-ussio ik qualquer projecto qcc se possa oJTere-
er a consideracao da casa; nao toubo grande em-
peHhoaasua adjp.ao ou aao adopjlo ; leva-nie
fionjente.o iiiUresse de justilkar a cjuvenien:ia ou
iC'uHWjinVucia do oiosmo projecto.
O Sa. Femwe de Fiuueiboa : -E' o mesmo in
terese* qae tern toda a assemblea.
(iSfi. Pi.vto Pessoa: Bern sei; nao contesto
que o nobre deputado leniia inter uuircwdo p des projectos que sao offereci'los a apre-
cia$ao dacasa; e acrediio no siacero e nobre pa-
triotistno Joiiilustre dt^pulado. O proje-'to esji em
3* discussao.; eu nao o acoinpacJiei em suas dilTe
rentes, phase*; nao conheco....
Uh Sr Ukhjtado : Log),a:to dias do alia-
memo.
O Sr. Pi.-no Pksso\ ; -Pouso cue" nao e grande
Kacriticio para us uobres dcatados quo dispSem
de iil:i.-[rav.i) o gra-ide iniolUgeacii, conceder a
am ci'llrgaq le quer esUilar ttiB projecto impor
tante alg.ins'dias deadiauv;nto paca que elle poasa
pensar e renecUr in iduramer.te sobre o mesmo
pr-'jectu, que se aena em 3* discussao (apoiados;.
O Sh. FittH'i'E df. Fi iUi:moA : Se liyesse ccr-
ti de qae V. Exc. uao so ineoamudava com um
af arte, eu Ih'o daria.
O Sa. Purio Pessoa : PoJe e nobrii deputado
d.ir quantos aparuy Hie aprouver : na> *fe in-
coininoilam; iiodcra antes >or ii:. gula pn.ra me
;iiciniiu:ui' n.i tUscossa i. O nobre deputado, pro-
vecto conUeceJur de lodjs a* cslylos da casa e do
todos os costiHROs panai :en!ares, sera nataral-
xnente um opiimo guia qae eu dttfejo acoilar.
^Soinenle penso que, spado ea:uito principian-
e, muito njvinlio aindafaesta casa (hjlaridades)..
0 6a. Felipfe ok Fcieiboa :Isso e modes!ia !
O Br. Pinto Pwbsoa :.... o nobre deputado
sao pri'tendera desnorlear-me...
O Sa. Feui'pj-.*e FioI.eiboa :Nio, por crto.
O Sa. Pinto Pessga : .... e poftanto, concedo
o seu aparle que deve ser muito luminoso.
O Su. Fki.ippe .df. Das perguntar a V. Esc. se, tendo o projecto sido
i on:em dado para ordem do dia, nio o leu antes
d? comocar o debate.
O Sr. Pinto Pksoa : A resposia pode ter para
o nobre deputado qualquer signiii'.x.fw que por
srituca sao ju.-1:lique o adiamento que pe(o '
AinJa mesnio quanJo tenlia viste o projecto,
d-ho qae-e tao interessante, tern tanta importaacii
m si niesaio, que nao posso d3r-!he immediata
mente o meu voto sem estudo c sem discassao
O Sr. Feuppe j)e Figueuoa : Note qae eu em
prmcipio, em these, aceito qualqaer adiamento
que se pe^a para-estudar a materia.
O Sb Picto Pbmoa : 0 banrado duputado es-
leja mui:o certo de que eu oslarei sempre dispos-
k> a acoiBpaaha lo ea todos aquelles &vittes que
loreni de inter&se e vantagem para a aoesa so-
ciedade.
Entendo que a creaeio de uma mdustria i. -sem
pre uin grande meio para abrir novos trabalkos a
actividade industrial dos nossos coocidadaoe.; e
seria effecUvamente para desejar qu<^ uma inlus-
,lria desta ordem flarescflsse graademente na pro
vinc-t de Pernaipbueo coma em out-ras do Rraeil.
Mas, ea realincote uao poJeria coneeder urn pri-
vilegio por vinte annos sobre uma iadastria tao
importante, privilegio que vem grairar .r.i-rcsse-'
muito saj;rados, quaes os da palavra scripta ou
repilo, sen ter um estudo antecipado aese ret-
peito. Entretanto, se o nobre deputado entend:
que o projeeio tem sido granderaen'.e diseolidp e
elucidado nas precedentes sessdes, .nao tenbo du
v da em votar por elle
O Sn FELrppt na Figueiroa : A prova de aae
tem sido discutil), e que foi eraendado em 2." dis-
cussao.
O Sr Pinto Pmsoa :Entendo que a materia
em si e muit; util, muito coaveniente ; mas, eomo
o nobre deputado, o Sr. Dr engenheiro t/'ie in-
pugaou o projecto, acbo rnconveniente o privile
gio, e as ratdts que militam para que elle negue
o seu voto, quanto ao privilegio, sao as mesmas
qne actaam em meu espirito. Se, entretanto, a
casa quizer coneeder-me a adiamento do projecto
por oito dias, (loarei satisfeito
Tratase le uma industria aae so nio pode es
tabelecer ta) rapida e tso instaiitaoeaiiTente. Uma
femora de oiti dias nao p6de prejndiear a um.i
iBStituiQii tii iinport*ri.
E' o qae tenho a drzer.
, -E' lido, apoia lo e entra em discassio o seguin-
te reqnenmento:
aRepieiro que sja adiada Mf 8-dias a dis-
eUsikn do pro .-cm. -Dr Pinto Pc$09.
O Sr. Fi-Mppe de Figuelrea tem por
*vi con-eter sempre o adiamento, desd'e qua
e pedido para estudarse a materia; mas, e'nlende
REVISTA DIARLA..
AsscMntil-r-a praviaeial.-rfoBtem func-
cioBoa corn 28 Srs. depataJos, sob a.presiden-
cia do Sr. ,Dr. Manoel Portella.
?,-pprovada a acta da sessao antecedwite, o Sr.
f* secretario leu o segaiote espedlerrtfe :
Uin oulcio do secreurio flo governo da provin-
da camara municq)al doRrejo, e o Offloio da mes-
ma em que expSe as necessidades do ?eu muniei
pio A' commisfiio de orcamento municipl.
Ouiro de mesmo, transmittinde por-eopia-os do-
cumentos reiativos a< occurrencias havtdas wn
Buique por occaiao dc se nur em exeencao e re-
gulamento, sobre, o art. log 15 da lei n. 1,415 de
17 do jrmho de 1873.- a' commissij de legislacao.
Uma peticao do bacliarel Joaquim Jose dc Car-
vaiho Siqneira Varejao, professor de desenho do
gyirmasio, pedindo o pagamen o de ordenados atra-
zidos qne deixou de Mceber.-'A' commissao de
orcamento provincial.
Passando atir4emdo dip, entrou em discus-
sao o projecto d. 16-de ImiR, que autorisa a jubU
da Santa Casa de Misericordla a vender predios, e
Qcon o mesmo adiado, a requerrmento do Sr. Ki
guciroa, depiijs des"ie orar e'o Sr. Pinto Jnnror.
Foi appiovado em 2" discussao o de n. -67 de
1870, que cende uma gralifirarao *o .Tjudanlo
do adininistrad'V da casa de deh.>h(;ao, oraildo so-
hre sua materia o Sr. Halls e Sllva.
Snliinettldo :a 4* discassao o projecto n. 96 de
1870, qne determina que o escri-ao do crime da
cidade da Victoria seja exercido par distritmieSo
cumulallvamente com o escrivao do jurj, e sendo
exigidas pelo Sr. Ralis e Silva as informacoes do
juiz de direito da Victoria, o Sr. presid nte retirou
o projecto da discussao, ate que sejam pela seere-
taria ministrafias as refridas raformajSe*.
Ficou adiado em 3' discussao o de n. 48 de 1873,
qne c/ea wma nova freguezia, sob a nvocacao de
Augusta Omccir^ao e anncxa ao munieipio de Pa-
nel as, a reiraerjwnto do Sr. Mello Rego, orwKlo
sobre o projecto este senhor e o_Sr. Rstis e Silva
Foi approvsdo em 2* discussfw o de n. 39 do
anno passado, que nltera os limites da freguezia de
Gaineileha, cum lerrenos que desmembra da de S.
Jo.-e de Agua Preta, depots de orar o Sr. Ralis e
Silva.
R foram rejeitados : em 2* discassao o projecto
n. 30 de-r867, que regnlava os- limttes entreos ter-
mos e frcpuezias de Agna Preta e Bonitu ; n. 132
de 1870, que creava o lugar de porfre dos aadi-
lorios da cidade da Victoria, tendo s*bre eite o.a-
do o Sr. Ratis e Sflva ; e cm 1' discassao o de n.
2S de 1871, que creava um distneto de paz na
povoac'io deJurena, emQuipapa.
Nao haveodo maii numero de senhores -le,.ata-
dos para votar, o Sr. presidente levanta a sessao,
desigoando para ordem do dia de hnje : continua-
$ao da antecedente, 1* discussao dos projectos ns.
23 de 1636; 31 de 186H, de 1872 e 45 d-< 1873 ;
* d>* de ns. 69 de 186". e li de 1871.
If iwpicio de aHenados.S. Exc. o Sr.
commeudador presidente da provincia aoaba An
readier do Sr. Thoraaz Perreira da Cuoha 1:000^
para a.- obras deste novo estabeleciinento, e mais
os seguintes donativos:
*iamh6, 2 de marco de 1874. lilm. e Exm.
Sr. commendador Henrique Pereira de Lucena.
Antes de tado pr6so o bem estar de V. Exc. e de
sua Exma.-famiiia, a quern respeitosarnente cum-
pwiuonto. Incluso remetto a V. Exc uma nota
de 265, que offerta o.prestimoso cidadao o Sr. Bal-
doino Amanlo Frcire para auxilio do asylo de
alienaJos. Tenho a honra de assignarme -De V.
Exc. collega e amigo respeitador obrigado, Jodo
Fraitcisco da Sitva Braga. >
tiabinete da presidencia de Peroambucoi era
de marfo de 1874. -illm. Sr. Dr. Joao Francisco
Ja Silva Braga. Fico de posse da nota de Vib qne
por iutermedio de V. -S. otlereceu para a obra do
asylo de alienados o Sr. BaMoino Amando Frelre,
a quem V. S. tera a bondade Je apresenlar a ex-
pressao de meu recoobecimento. Sou com estiina
e consiJerario -De V. collega e amigo atteucio
so criado. -Henrique F-ereiia de Lu-xna.
(iabineie da presidencia de Pernambuco, em
J de marco de iB7i -film. Sr. Dr. Pergentino Sa-
raiva de Araujo Galvao.Aecaso receb.da a quan
tia de !2J pw V. S. agenciada entre os seus co-
marates, cujik respectivos nomes constam da lista
queaompanbou a referida quantia, deslinada a
oiira du asylo de alienados. Agradecendo-lbe tao
valiosa coadjuvacao em pro de um emprehendi-
nientj essencialmente humanitrio, cumpre me as-
segurar-lhe os meas protestos de sstima e consi-
deracaoDe V. S. collriea e amigo attencloso cria-
do.- Henrique Pereiru de Lucena.
Dr. Joao Marques Bacalteo 204000
Domingos Ramos de Andrade Lima 10SOOO
i'ergeatino Saraiva ds Araujo Gal van 10*000
Dr Joaquim Francisco de Mello Cavaleante lOiOOO
Dr. Etysio da Cnnha Monies Pinheiro 6*000
Capitao Aureliano SaTBhante da Roeha
Wandcriey 8^0 l
Dr Lihjerato Vilhr Barreto Coitinho 5*000
Jos6 Pelirio Pereira de LJra Junior 3400.)
hrnacio Bezerra Drummond 5^000
Um anonymo 5*000
Francisco' Camillo de Farias 5* 00
Antonio Tarcarcs rle Araujo Junior oiO.O
Gervasio Patricio Rodrigues da Silva 5*000
Francisco Goaws dc Abreu 5*000
Capitio Joao Francisco Cavaleanie de Vas-
concellos 4<000
Manoel Barroso de Moraes 4*008
Antonio Tavares de Araujo Soofaf 3*100
Negociante Jjse Lins Carflerro de Albu-
querque 3*000
Idem Joaquim Nupes Machado Cortioho 2* Or. Joao Baptista do Amaral e M!V, 2*000
Um anonymo 2iOX)
Jj=6 Tneopliilo Slonl-iro de Fariis 2*098
Kspirt to do secHlo IX. Acaba de ser
pnblicado uo Ri) dei.meiro em um pimphleto 0
discurso proierido.pelo Sr. Dr. Luiz Jffves Ltite
de Oliveira Beflo, na '".nfereocia publica da esco
la da freguezia ua Gloria, na cdrte. E1 umtraba
Iho apreciavel por versar especialmeato sobre 0
assumpto do titalo de9ta no!i?ia.
Gazeta Juridiea. Aeabam de che^ar os
ns. 59 e 00 deste apreciavel jornaf, que sa publica
na rorte do impeno :
0 n. 50 traz :
DireHo Criminal.
Juris&cran Civil. -Da Intflartaniia da vistoria.
Da perda do dinheiro e:n transport".Eatrega
do legado por testamrtnteiro.-PrevenrS' d^ juris-
drcpao. Inntario do ir.tes'.aiio. -P:'pposia.Ng
vis rela^Ses.Discurso.
0 u. 60 coBiem .
Gazeta Jui-idica.'Da segaraD^a para as agri-
eultores.
JvriieeSo Civil.fnd.Mnnisaciu do damnoa pjo*
prfeaado. -Esbuluo < turoacao de posse Efnbar-
bargos a coujmina^io.
lurisdiccao Commercial.Hi. peH'Ora dos bens
indivisos. Da appeHapa da seuten^a d* prefe-
ren.'ia.
Jtirisdcclio Crlmtnal -Procedimento offleial.
Por,iialidade ideandade do jury
N-vai ftetardn (ontinuacio).
htrupj-udenci'i Piiugurra.
A.iaiters.tri.i. -CompleUamauha cinco.n-
ta a' dous annos do idade S. A. a Sra. condessa
aria, oarda, Pernambuco, 7 horas, Boa-VIa ;
K "....'--. .
a.eacrara, parda.-PeraaBjtaco, 28 an-
iiagam'so bojp ar aaguiu n PerCalana Maria da G .nceicAp. prcla, Pefnani-
annos, solteira, fioa-Vfsta : cerebriH;.
-Tfrina Maria aa Conceiclo, pre**, Pernambuco,
35 annos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro II ;
hepatite chronica.
Paulina Maria da ConeeieSo, parda, Pernambu-
co, 30 annoi, vluva, S. J6 ; eancro no peito.
Maria, parda, Pernambuco, 5 mezes, S. Jm6 ;
convulsoes.
Evaristo, branco, Pernambuco, 3 mezes, Recife;
variolas.
Manoel, branco, Pernambuco, 1 dia, Recife ;
espasmo.
AntoDia, liberta, parda, Rio Grande do Ncrte,
7 annos, Bo~Vista ; febre amarella.
Isabel, branca, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vis-
ta ; variolas.
.Manoel, preto,Pernambuco, I mez, Boa-Vista ;
irrnantrfta^Jio.
Ailonso Henrique da Silva Bastos, branco,
Pernam'iuco, 24 annos, Afogados; phtysica pul-
monar.
Alexandrina Maria de Carvalho Motta, man-
dada pela. pnlicia, falkoeu de apoplexia cere-
bral.
Maria, 8 dias, mandada pela poiicia ; falleceu
de convulsSes.
-8-
Jos6 Clemente da Sllva Pinheiro, pardo Para-
hyba, 21 annos, cassdo, militar, BoaVjgu ; diar-
rhea.
Joaqnina, parda, Pernamhuco, 6 raezo, Recife ;
denlicao.
Luiz, branco, Pernambuco, 18 mezas, Recife ;
tcxigas.
Feticidade, escrava, Pernambuco, 25 annos,
solteira, Recite ; variolas.
Lourenc i, escrava, parda, Pernambuco, 50 an-
nos, solteira, li ia-Vista ; canero no utero.
Joaquim, branco, Pernambuco, 6 mezes, Recife ;
bexigas.
Francisco Joaquim da Costa Fialho, branco:
Portugal, 70 annos, casadoJJoa-Vista ;encephalite.
Luiz, ignora-se a cor, Pernambuco, 18 mezes,
Boa-Vista ; diarrhea.
Balbma Maria da Concejcao, parda, Rio Grande
do SuLSO annos, vuiva. S. Pelro Martyr; phty-
sica.
d'AqiHG Por essc raotivo haver* salva a ITnnft
daurde CDMsm
l**p**** da theaaurarta Oe fa- 5er^
icaida, Nes| e^lacSo
flosdlfJl riiilHiir c todos ns demais fnncd|flBrws
iqa'raceWln^or meio de recibos avulsos, e am~.
bem os que deixarara de receber nos dias que Hies
foram niarcadis.
Wcslera and Brasttian Telegraph
<- as respectivas companhias, a agenda ne-ta provin-
cia encarrefta-ae le traosmittir telegramroas para
as Autilhas, Estados-Unidos, Europa e Oriento, por
vias do Para e S. Thomaz, sendo 0 servico entre
estes dous pertos feito pelos vapores americanos,
que sabem do porto de Belem no dia 6 do cada
mez.
CadaverAo amanbecer de 7 do corrente,
foi eRcontrado em casa de sea senhor Antonio Al-
lemao Cysneiro, morador em Belem, 0 do escravo
Antonio, africano e maior de 60 anno*. Da visto-
ria aqde seprocedeu, resultoa Veriflcar-se ter w-,
se pftto sirecumBido a asphyxia po'r cst^aVgafa-,
i4o.
Attentado. Jose Mariano da Trindade fe-
rio grav^mente a spa propria raulher, no distric-
to de Panellas, a 28 do mez Undo proximamente.
O criminoso foi preso em flagrante.
Inquerito pollcial. Poi remettido a au-
toridado go -petente 0 qne levou-se a effeito con-
tra Vespariano Jos6 de Mello, criminoso de toma
da-de proses, pela detegaciadeS. Benlo.
Aceao luuvavel. 0 Sr. Manoel Firmino
da Cunha, residente na comarta de Bom Jardim,
por ooa;iao do annisersario natalicio de sua.
esposa, em 28 de fevereiro proximo Undo, alfor-
riou espontanea e graluitamoute a uma mulata,
sua, 6scrava de 10 annos de idade, pouco mais ou
menos.
Nao ha elogio sufficiente a lacs ados.
Fatrilidades. As 10 horas da noite de do-
miqgo (8), 0 bond n. 5 da linha de Fernandes
Vieira, ao pas.-ar pela rua dos Pires, fracturou a
pjrna esquerda do morador ao n. 6'J dessa meima rua e caixciro dos
Srs. Amaral k Nabuco, a rua do Barao da Vic-
toria.
Tendo conhecimento do facto 0 Sr. Morae.^, sub-,
delegado em axercicU) da respectiva freguezia,
comparooeu aolpgar e a hi recebeu do padoceste
a declaracao do quo somente a precipiUfjao e fa-
cilidaleae sua parte, tiriha a dever 0 que Ihe
succedera.
0 boJeeir.o, ao saber do que occorrera, nao
parou mais em ponto aigum e evadio se ; quar/do
a poiicia, pela confissao do Sr. Miranda, ja 0 nao
podia perseguir
Sendo 0 Dr. Villas-Boas, de opiniio que se am-
putasse a perna do ferido, foi isto aceito e lerado
a effeito, com os Srs. Drs. Estevao CcW?h3snte,
Briitj e Pita,oga, dando-se a operacao acima.do
juelho.
Ate 0 preseote 0 ep.eraJo vai bem.
Via ferrea de Qlinda. Hontem, a
Uif.it, p.U%ni desta via,ferrea, qflepartio de Olinda
para 0 Recife, as 4 >/* horas, nas proximidades do,
Sal^adirino, lerio .um homem de nome Felix
Jose, vulgarmeulc conTieeido por bacatnarte, e que
achava-se junto aos tril ms, em estado de embria-
guez.
0 ferimento foi grave, e ale hontera a noite 0
inJividuo corria peri?o
Vapor ao rto ilontem, ap escn-ecer,
apparrcia ao uorte um vapor grande, que se sup-
poe ser 0 Acomagu:, da linha do Pacillco. At6
8 horas da noite nao se achava fundcado no la-
macki.
Go ?aana. Km 1 .lo corrente, escrove none
correspondents Beta cidade :
Vamos, gracas a Deas, anenos ma I de salubri-
dade e de tranquiUidade.
Houcas e bom pcacas sao as vezes que isto sc
pole dizer, porque ordinariamente saccede qae
quando se go:a de uma cousa nao se pode dizex u
mesmo a rcspeito de outra.
Eui Ilia, praza f>eais que esta ordem de causas
assim contmuee que sempre eu Ihe ptssa dar des-
tas no'.icias.
t AindanSo Ibe posso dizer consa 3lguroa de
intercsse real.com rela^io ao processo do antor ou
autores dos ferjmentos do negociante Gaspar.
Na sextafeira it noite, por volta de 9 l|l ho
ras, e na rua da Conceigao desta cidade, Manoel
Autuuio Arves, conhecidb por papa missn, assassi-
nou com uma punhalada a Jjs6 Pedro Cardoso,
conheeido por Jose daFauttina.
Creio que 0 ass^ssinado nao sera desconheci
do por ahi, porque, segundo informam me ja re-
sidio elle algum tempo na estrada nova do (Jaxan-
ga-
Era lido e temido como valentio, e por isso
me>mo foi assassinado por um indiriduo de quem
todos zombavam.
t 0 criminoso evadio-se sem que ate boje t;nha
sido pre*o.
> 0 detegado de poiicia procedeu ao inquerito
da lei, qive ja remetteu ao juizo municipal.
t Segundo me const* teva sua raiao 0 dilin-
quente, pois que referera todos que elle fora ag-
gredido por Jos6 Pedro e que eommettera 0 crime
em defeza propria-
t Aguardemos a decisao do jury, quando, em
um dia, tenlia de ser julgaJo 0 criminoso, para
vermos se e justificado 0 crime.
t Hoje teve lugar em frente da igre|a de Nossa
Senhora do Carmo, um esplendido Teilao de pren-
das offerecidas para as obras da ordem terceira.
t Muitissimos objectos de valor vimos arrema-
tar-se, e por isso e de suppor que 0 resultado do
leilao seja proveitoso. Amanh.i continuara elle
das 4 horas da tarde em diante.
0 nosso delegado, capitao Siqueira Gavalian-
te, tem sotTrido alaques asthmati.'os, aos quaes tem
resistido no descjo de bem servir a causa pu-
blica.
Ao que parece nao 0 leremos por muito tem-
po entre nos, 0 que e realmcnte para lastiraar,
uma vez que todos 0 apreciam pelo seu compor-
tamento e ainda mais pelo Jesvelado inleresse que,
como autoridade zelosa, que e, toma pelos nego-
cios publicos
a Adeas: ate outra vez.
l.nteria. -A que se acha a veoda 6 a '.!.*, a
beneflcio da igreja matriz da Varzea, que ccrre no
dia 13.
Casa de deteacao.Movimentc da casa
de detencao do dia 8 de marco de 1874 :
Existiam presos 317, entrarara 2. existera
319.
A saber :
N'acionaes 242, mulheres 8, esxranpt^rcs 29,
eseravos 39, escrava 1.Total 319.
Allraentados a cus!a dos cofres publiccs 254.
Santa Casa de Miserieordia. Pes-
soal existente nos estabeleiimento? a cargo da
Santa Casa em fevereiro Undo.
Hospital Pedr 1 II 341
Filhos d" enfermos 11
Collegio dos orphaos ^9
Collegio das orpbas 159
Asylo 102
Hospicio de alienados 85
Hospital dos lazaros 42
Casa dos expostos 93
Expostos em eriacao 7-3
995
KU0MCA JUmTIAKU.
Tribunal do .
ACTA DA SESSAO DE 5 DE MARCO DE
W74.
PRBSIECIA 00 EXM. SR. C0N6BLHEIB0 ANSHI.MO
KRANCISCO PBRETTI.
A's 10 horas da manna, presentes os Srs. de-
pptados. secretario OH trio Bastos. Copes Machado
e Alves Guerr.., e o Sr. supplenle Si Leilao, S.
fixe. 0 6r. consellieiro presidente declarou aberta
a sessao.
Foi lida e depois approvada a acta da sos-
slo de2.
CTPEDrENTE.
OlDcto do presidents da reiacao de Porto Ale-
gre, c mmunicando baver sido esse tribunal alii
iBaugtirade bo dia 3 de fevereiro proximo passa-
do. Inteirado 0 tribunal, resolveu que se accu-
sasse o reoebimento.
Offlcio do secretario do tribunal do comrqercio
da capital doimpero, acsnsando 0 recebimento
do offlcio deste tribunal, de 9 de fevereiro. -Man-
dou-se arcbivar.
Foram a rutoriqa ,ds seguintes livros :
Diarin e cnpiador de Jose Tqixeira Coimbra,
diario de Oliveira Filhos & C, dito de Antonio Al-
berto de Souza Aguiar e copjadot de Atbeifo &
Araujo.
DESPACHOS
Requerimentos :
De Antonio Machado do) Santos, pedindo trans-
ference dos livros da lirma Marques Santos & C,
para a de Machado De Satyrp SeraQm da Silva, submettendo a re-
fislro a aomeacao de seus caixeiros Manoel dos
antoa P., lose Ferreira Gomes e Augusta Serafim
da Silva._ -Na Jorma pedida.
De Joao Ferreira. Mendes Guiniaf ie*, para re-
gistrar-se a sua noraeacao de caixairo despachan-
te da companhia Recife Drainage. Couio pede.
De Francisco Codlho Braudao e Jose de Souza
Braga, re firma CoeRw Braadio 4c C. -Vista aa St. desem-
bargador fiscal
luf i-macao da secretaria, declarando qua na
reiacao ministrada pela allandega uao se encon-
tra 0 uome do armazem de Jo\6 l.niz Guaiaco,
pelo que uao era este obrigado a apresenjar 0 map-
pa semestral.Resolveu 0 tribunal, a vista da in-
forrnacio, que nenhum procedimento linha lugar
contra 0 sobredito Guaia-,o.
Idem tla mesma, cobriudo 0 offlcio da Joaquim
Juvencio da Silva, administradsr do trapichc
Guerra.Attenta a in/ormaeao, resulveu 0 tribu-
nal nao ser admissivel procedimento algum contra
0 administrador do reforido trapiche. -Nao votou
0 Sr. deputado Alves Guerra.
idoui da mesma, para ordeaar-se a emenda do
contrato de Manoel Joaquim Lobato e Paulo Jos6
Gomes. Procede a inlormacao.
Idem da mesma, dizendo nao estar mais alfan-
degado 0 armaaem da administra^ao de Francisco
Antonio de Albuquerque Mello.0 tribunal resol-
veu como nos dous casos acima designados.
COM 0 PABECEB FISCAL.
Petitoes:
De Jose Teixeira Leite Basto. registro do distra-
to da firroa Bastq, Oliveira 4; C.Registrc se, nos
termos do decreto n. 4,394.
De Vjotoriuu de Almeida Rabello e Manoel Bap-
tista de FiRueiredo, registro do contrato da firma
Rabello & Figueiredo. -Na forma ptdida.
De Vietorino de Almeida Rabello. Manoel Bap-
tista de Figuejredo e Joao Francisco Lopes, regis-
tro do contrato da lirma Rabello Figueiredo & C.
Proceda se ao registro requerido.
De Victorino de Almeida Rauello, Jose de Al-
meida Rabello e Bernardiuo de Souza Duarte, re-
gistro do contrato da firma Rabello Irmao & C. -
Sim.
Nada mais havendo a despachar, S. Exc. 0 Sr.
consellieiro presidente encerrou a sessao ao
meio dia.
Saldo que
-rof.
ao niezde mai
*.+*&+,
21:632*309
EsrYiptorio da cdmpjfnhid de'trillfos urbailos, '9
de marco de 1074........
0 thesourciro,
Luiz hsi Pinto da Costa.
a
o
a.
a
>
s
03
b
v 3
_ V
Sao

CO
%
% 8 C". CO >
:* > 33
* ~1 CD
Jf 1 >
00
o
CO
ex
C3
PJ
in
|-B * *
1 9 CO
*
*--
e It.
es Ct
i 5
p
M- KM
-- 00
li ^1
to 00
00 ^4
t
^i
CO 0 8
O

00
3
:s
O
P
O
O-
Cb
GO
fi-
CD
CD
<
CD
1
CD
ti
B
o
fi-
CD
M
CD
CD
fi
P
%
O
fi-
P
CD
P^
o
P
fi-
P
CD
O
CO
-a
CD
O
3
^
p
P
fi-
P
O
fi
PL,
P
CD 3
wf
CD S
o-
CD
p
k
p-
<
P
I<
P
P
fi-
CD
crq
p.
CD
fi
CD

3
CD
CS5
o
CO
O
50
c
p
o
CO
PARTE POLITIGA
Estrada deferro do Recife a
Olinda e Beberibe.
MOVIMENTO DA OAIXA EM RESUMO DA COMPA-
NHIA DOS TRILUOS URBA2HOS DO RECIFE A
OLINDA E BEBEtltOE, RELATIVAMENTE AO
MEZ DE FEVEREIRO DE 1874.
Entrada.
Reeeita :
Bilhetes
Assignaturas
Carga e lastro
Expressos
Moltas
Deposlto dos
13:0413990
2:780*000
426*746
50/1000
empregados
Hospital Pedro II. 0 movimento desti
estabeleciinento, de 2 ao dia 8 de marco foi 0 se
guinte : existiam 340, entraram 49, sahiram 29,
falleceram 7, existem 353; sendo : 238 hemens e
115 mulheres.
4dvertencia.
Foram visitadas as enferminas nestes di;.s: as
8 1,4, 7 1|2, 7, 8 lt2,8 1[2, 8, pelo Dr. Beltrao ;
a? 12, 12, 12 1|2, U 1/2. 1, peto Dr. Sarmento:
as 0 1/2, 9, II,-9, 9 1/2, 8 1|2, pelo Dr. Mala-
rias ; as 8 1/2, 8 1/2, 8, 8, 8 l/J, 8 1/2, 9, pelo
Dr. Vianna.
Fallecidos.
Cosme Nery de Albuquerque ; tcberoulos pnl-
monares.
Manoel Pio; losio cardiaca.
Francirco Josd Alves ; febre amarella.
Rjflno Jos6 Alves ; lesao organica do coracSo.
Manoel Caraeiro da Crmhi ; variolas eonfluentes.
Toomd Jos6 llodrigaes; variolas hemorrhagicas.
Cirina Maria da Coac^iQa]: hepatite chronica.
Passage!roN. Sabidc* para 0 sul no va-
por Marquez de Caxiae :
Juiiao Thenorio 0 1 criado, Antonio Jose Duar
te, JScnto Joaquim de Medeiros, Podro Snares de
Amorim, Joao Francisco da Costa, Jose Augus
to Piato, Manoel Menino de Carvalho.
iJCenaiterio publleo Obitaariq do dia 6
3a margo:
Or. Ernesto do Carvalho Paes de Andrade,
hranco, Pernambuco, 33 annos, solteiro, Boa-Vis-
ta ; variola* eonfluentes.
Helena Maria do Carmp, parda, Pernambuco,
7* annos, Viuva, 8. Josd ; febre ademica.
Maria, parda, Pernambnco, 8 mezes, S. Jos*;
convulsSes.
Laurisno Antonio Francisco-da Silva, branco, rPagamonto de depositos
^ernamuueo, 22 annos, solteiro, railiur, Boa-Vis-(
ta; abcesso.
Saldo da mez de Janeiro ultimo
Sahida.
Ordenados e ferias :
Movimento 2:138/1159
Estacdes 1:370*819
Carga e lastro 473*345
Conservacao dalmha
pcrmancnte 556*875
Conservasao do trem
radanle 828*500
Administracio:
lirectoria :
Gerente 200*000
Engenheiro fiscal 600*000
Fdro:
Advogado 50*000
Proeurador 8*334
Escriptono :
Pessoal 322*500
Pago a Auguto Pre-
derico $6. Oliveira
A C i:000-*000
Pago p^r eortta dos
mezes antenores 397*200
Dlversas deipezas : -
Matriaes, azeile, e
oleo, objectos para
0 pscrioWHoe outras
despezaa 2:879*W0
16:298*730
17*329
245*000
16:561*059
3 071*310
21:63**369
800*000
58|33i
6:548*532
7:*76*66fJ
535*000
14:360*092
I'lKTIiifrO CO!ERV4OB
KEIFE 9 UE MARCO DE 1874.
t Dm partido, dizfa um nota'vel cstadista, 6 uma
corporarao de homens unidos para servirem por
seus esforcos corabinados ao interesse nacional,
segundo um principio, acerca do qual esWo todos
de aecordo.
E' d^ bem que registretnos as palavras acima,
que os relactores d* Prootnciu tao ade juadamen-
te entendem apropriadas ao s.-u partido.
Rftpetidas vezes teraos declarado (jue a fraccao
soidisnnt liberal, querepresenla a gazeta do Sr. de
Villa Bella, nao pode jamais pretender os f6ros de
um partido politico, regular e decentemente orga-
nL-ado.
Nao tendo prjucipios r. realisar, pnr amor dos
quaes precise combater na arena da itnpren-a pe-
friodloa, materialisa-se todo 0 seu esforco, reJuzin-
do se ao pugiiato das descomposturas, dos doelos
e da difaraa^ao as pessoas do? seus adversarios.
0 que se torna muito interessante e certamente
a evasiva, a que recorrem esses provincianos, at-
tnbuindo a desharmoma, a falta de cohesao c soli*
dariedaic, qu roina constantemente em suas filei-
ras, a influencia do governo absolato, 0 qual, em
sua opiniii, pretenlesnbsliiuir tudos os priucipios
por sua vontade unica.
Ora, semelhanle coarctaii nao poie ser mais
desparatada e contralictoria
Toda vez que se aeham fo'a do poder, que com-
promeitem e desmoralisam com os seus excesses,
ei los a levantarem voz em grita contra 0 poder ab
soluto, "que para logo reconhecem e e.-tigmat'uam
com a mais desenfreada linguagem
E' dest'arte qae esse< liberaes provincianos res
ponsabilisara o mesmo governo absoluto de con-
fundir, enfraquecer e tuystiScar 0 seu partido
Nada, com effeito, e mais mjusto e mais incon-
gruente I
Tom elfeitn, 0 partido liberal nao se da ao tra-
balho de conibinar esfor$os. nem de estabelecer e
(irmar principios, acerca dos quaes estejani todos
os seus correligionarios majs ou menos aceordes; e
depois vem impntar ao governo pessonl uma respon-
sabilidade, que so a elle compete.
Poise 0 governo pes.ioil qne vos aconselha e
obriga as lutas intestinas, uns contra os outros,
entre os vossos proprios correligionarios ?
E' exactamente no sei do vbsso partido, que
deveis ir buscar a eaosa portnrbad'.Ta da vossa
abastardada politica e os elementos conjursdos
contra a propria exfsteaeia,
Com elte.to, de um lado cstio os mo(os fog.ises
em guerra aberta com os vossos velhos fanaticos;
de outro lado estes velhos fanaticos cim os chefes
de palha, os quaes, por sua vez, atiram desapieda-
damente contra os outros correligionarios.
Conseguintemente sois vo< mesmos que decla-
rais guerra ao vosso partido e procurais annui-
la-lo, confundi lo, enfraqueee lo e mystifiea-lo,
para nos virdes depois dizer que e 0 poder pessoil
que attenla dirccta e formalmenie contra a liber-
dade e as prerogativas da nagao, abrindo caminho
para 0 absolutismo de facto I
Concordamos em que os partidjs possam prestar
grande auxilio cm favor dos direitos e linerdades
do cidadao; mas c esseneial que esses parlidos re-
presentem ideas proprias e definid.is e sejam par
tidos de opioiao e de principios, animados pelo es-
pirito vivilicador da liber lade e nao pela ambica"
do pod -r como lim purameute especulativo om fa-
vor de alguns predilectos da fortuna.
Dizeis quo 0 governo abolulo move guerra de
exterminio, mais ou menos ousada, mais ou menos
hypocnta aos parlidos.
Seja ou nao isto uma verdade, devfcis estar con-
vencidoi de que a causa visivel da decadencia do
vosso partido liberal e exactamente a que assigna-
la Erskine-Mny : o anstneia da alma da liber
dade.
Como, pois, pretendeis-lir nar 0 laco forte de
solidarledade entre os membres de um corpo poli-
tico, extremados decisivamc-nte e sempre energicos
em sna aecao, ssnao tendes em vista am interesse
verdadeiramenie nacional, um prin*ipio Bobre e
generoso, a resjteito de CBjB realisacSo eslejam
todos dc aecordo ?
Esses chavoes de proraovW 0 bem publico sem
attencao aos partidos, de aproveitar as aptiddes
onde quer que se achem sao, por via de regra, a
mascara, sob que se desfarja uma politica pessoal,
habil e malreira 111
Mas, 0 que tendes feito. voa entros liberaes,
para substituir essa politico pessoil, habil e ma-
lreira por uma politica nacional. sabia e franca f
Denominais 0 partido, a qae pertence 0 grande
cidadao, visconde do Rio Branco, de partido de
Jorge HI, o qual, assim como moveu guerra
a torys e wigs, elevand 1 um tereeiro partido que
se denominoudos amig)? do rei assim tambera
preteode aquelleelevar 0 partiuo aulieo.que tendes
denominado partido do- poder pessoal.
F.s*e partido do Sr. Rio Branco, (dizeis vos) pre-
tends ser mais liberal do que os liberaes. e entao
faz-se preciso, em nome da liberdade e las pre-
rogativas da uacao combater energieamenle seme-
Ihante situa(ao.
Com qne armas quereis combater entao uma
politica larga e patriotica e mais liberal no fundo
do que conservadora em 0 nome ?
0 verdadeiro partido liberal dopaiz nao eaquel
le, a que pertenceis, mas certamente 0 que esta,
por assim dizer encarn3do em 0 memoravel mi-
nsterio 7 do mar^o.
Com effeito, os parlidos na sao aquillo a no pn
uns querem que seja, mas, aquillo qne realnen-r
ge 6. Debfel'M, pois, conlinoareis a ex la mar
t ergam-se bem alto os prqtestos do paw e po
nossa honra lutemos sem eessar. n
E* a voz clamante do deserte. 0 povo perdeu a
e que por algum tempo Ihe Inspirastes sob a il-
fusoria espectativa da terra da promissao.
Nao e licito zombar impunemente da publica
opiniio!
0 paiz tem visto que os mais acerbos persegui-
dores da liberdade, sao exacLnrtente aquetles que,
apregoando se na opposicao os defewsores de sens
direitos, no poder, sai os seus mais (bnastoB en-r-
gumeHos.
Por mais (pie1 facam os pretensos Itberae*. jd
n.ia p"d'-rao gslvanisar esse cadaver, a qae deno-
miiiavaiiipartido iibaral, ou partid progres-
.-i-t.i.
iM-ixem se ^s provincianos de aadar apadri-
n.bandx&e com o que dis-e Erskine "ay, sobre
a influencia da realeza de Inglalerra, nos parlidos
aoIifc'QO'i Bois qae 0 partido liberal, qne rppresen-
Safrfa tIBs p- vincior^s desta terra, esta a
nms dlHaneia l-ttranrdirrari.i das inbres aspiia-
coes quo bonram os caracMres literaes d'aqoelle
paiz.
Dcixenn-n is dj.i v.i-ivas, de tnredos e cavilla-
C5es. Qtfem'ffir sinceramenie Inrigo da protBe-
ridade do paiz, escusa de andar esmerilhando
novas tinta- para as nuanfas polilicas, sem esta-
bilidade e consistencia a visla pcrspuaz de ames-
trados espectadores
Que se ngrapem coofiadamealo em torno do
immorredouro gabinete actual, todos os homens
de fe e de coragem e nio noa resiara a meaor
duvida de que, guia Jos per tao es'>rcad<>s lidado-
tes, levaremos a nossa patria a am grao de adian-
tamento c de pratica liberdade, a que tem in
contestavel direito.
Essa phase de visivel decadencia, porque esta
passaodo 0 partido liberal da nossa terra, forneee-
nos irresistivel argumento de que a aociedade
acmal esta a reconstituir-se com elementos aovos
de vida e de progresse, quaes nao havia eneootrado
da pane de um liberalismolab seducter na phrase,
quanto improficuo na realidade.
Novos e mais vast is hurisontes percorre 0 espi-
rito investigador com incan-avel solicitude, em
quanto que enfesados e pdcos liberdadeiros ahi li-
cam quaes estatuas amortecidas, por diante das
quaes tem de passar a nova geracao.que ahi vem
in-pirada ic nobres estimulos e de heroico pa-
triolismo.

H
CACOES A PEOiOP.
Senhores reduclores.So Diariode 13 de feve
reiro publiquei a segninte exposicao:
Escandalo!
O inaiMin deixou de ser cidadao
In :isil'ir ?
Srs. redactores. Os desacalos e troaeiias. qae
tenho soffrido em Vertenl>' de Taquaretioga, ond*-
resido acerca de d que e^toa anieajado, e que faz ;m perigar minha
existencia, obrigam-me a vir as columnas desie
Diario denunciar ao publico os escanlalos alii
praticados e reclamar do Exm. Sr. presideBte da
provincia e Dr. chefe de poiicia, as providencias
necessarias, que possam garantir minha seguran-
^a e propriedade.
Um rancoroso inimigo meu 0 professor pubii:
Manoel Joaquim Xavier Rib-r>, o maligno pro-
posito de exercer vinganca contra mim, e sabende
que eu sou 0 unico mof qua existe naque'u-
lugar, entendeu que devia especular com 0 fana-
tismo religioso da popula^o ignoranle para exa
cerba-la contra mini, como inimigo da religuc
catholi-a ; e entio a toda a hora, a todo iasUnit
tenho sido accorrmietlido de sarcasmos e Joesu^s
ipie a paciencia nao pode tolerar.
C mneci 0 grande mal que isso me caa>ara, mor-
mento dedicando-m* an commercio, prolissao qa
exige 0 contacto com os matutos, em quem wtf,
grande forca 0 fanatismo. Mas eu e-tava a tad-
resignado, esperando a accao do tempo.
Entretanto 0 mru inimigo, corttrariado por ver
minha indrnVrsora, tratoa de remch:scer e sa*
persegnicao ; c entao na noKe de 28 de Janeiro,
pelas 2 horas da malruRada, teodn reDido um
grupo demais de 15 pessoa?, enire as quaes
achava o proprio escrivao do ragar, incitow a-
a qne me fo3sem aggredir em minha propria casa
Effcctivamente aquelle grupo armaiode facas.
pistolas e cacetes. percorrenls a rua com gr..r,.it
voieria, e gritando repetidas vezes -mmra m ma
enna ia -parou a minha ports, a qual accomsart
teram com os mesmos gritos e com untas pedi-
da* qae arrehntaram 0 t Nao pnd^ contTT me ante taes actos de caubaiis-
mo Vtndo amencada minha existencia, porque 1
fnria de taes assa-sinos era capaz de tudo, rwaasti-
me de alguma coragem. e, para afinieiaalos, fiz dis-
parar, sem animo de offender, duas armas de fogi
fazendo crr-r que tinha em minha ca-a mais ps-
soas dispostas a re>isi;r. Om a deP.nacao iaspi-
rada, ficaram espavt.ridos e logo retiraram-se,
que deu lugar a que eu pouco depois aahwse >
fesse entender-me com 0 subdelegado, em cuja
casa amanheci.
0 subdelegado reconhecendo a terrivelflcoojun1-
tura, em qae eu me achava a parecendo repr-tw
a selvageria, de que eu era vietiroa, declarou-me
entretanto qnc nao tinha a f Tea necessaria psra
dar-me as garantias precisas.
Em minha ausencia, 0 cclebre professor, indigo--
do por ter sido mallograda a primeira lentaiiv^
epensanlo que en ainda me achava em casa, re-
solveu accommetter-me de novo, e entao como
o mais corajoso, quiz mesmo dirigir em pessoa 0
movimento e nao por traz das cortinas, coino da
primeira vez. Pondo-se a frente do mesmo grupo
e capiuneando-o, fez logo disparar um bacamar-
te como para animar seus assecUs e depois dirigio-
se a minha casa, que cercaram gritando, como
possessoes-saia 0 macon, que esta eseondido 0
que tudo me foi revelado p.r pessoas que ficra;ii
em casa,
Verilicando aflnal 0 tal professor qne effaetiva-
mente eu nfc> me achava cm casa, reconhoceu
frustrada sua s^gunda tentativa, e retirou-se com
sua cente, aguardando ontra oicasiao.
Em face de uma attitude tao pronuncuda -
provocadora da parte do dito professor, e das p*s
seas, de qne se ce.ca, eu receei a repeticao das
mesmas scenas escandalosas, e temendo que e
sola li. minha pacien?ia, on usasse de represalu
e cahisse em excesses de deplora-eis consequen-
cias, julguei mais prudente recolher-me a esta
cidade e reclamar as necessanas providencias, sem
as quaes.
nao poderei voltar ao lugar de minha
resi'dencfa, ondo. estao como que a rerelia os meu
uegocios com sum-no detrimento men.
Venho pois recorrer ao Exm. Sr. presidente da
provincia e ao.Sr. Dr. chefe de poiicia, caja atten
I'io invoco.
Por ser macon, no que me honro, nio flquwex-
cluido-da communhao brasileira, nem julgo seqne-
trados os metis direitos de cidadio para nao en-
contrar proteccao no governo de meu paii.
Becife, 14 de fevereiro de 1874.
Joao lAite do Rego Samp-tyo.
Os mens inimicros em Vertente de TaqnaretiB^a
nao satisfeitos deterem tentado contra ramha exis-
tencia, e nao podendo responder aqa-lla expatifio,
aeabam de tramar com uma inqu.liliravel protar-
via nova perseguicio contra mim, para o que sc
aproveitaram de minha vinda para estt eidad-
onde ainda me acho, iguardando 0 despacho d*
uma petirao que dirigi ao Exm. Sr. presidente, na
nual reclamei provideocia.
A Remsta Diana do dia 6, refenndo-se a nm
offlr.io do delegado de Limoeiro.publicado em outre
lugar deste mesmo Diario, attiibne-me 0 crme de
offensas graves em um dos mdividuos que aseai-
taram minha casa, dizendo qne eese crime provie-
ra de am dos tiros disparados de dentro de miana
casa.
E' uma nova infamia nrdida contra mim por
meus miseraveis inimigos.
Desejando elles que en nao regresse para la, roa-
quinaram um ferimento, que quando nio seja ima-
ginario ou feito de proposiio, seria o effeito de nm
tiro disparado dentre 0 grupo que foi atacar me
em minha casa, capitaneado pelo celebre profes-
sor Manoel J>aqu-im Xavier Bibein*.
Todos sabem de que e capaz esse insigae pro-
fessor.
E' para admirar qne tendo se dado facto em
28 de Janeiro, so em 2 do corrente marco fosse elle
commanicado ao chef- de poiicia! Provavelmente a
eommuni'-aeSo foi feita pelo novo subdelegado, que
senio parenle das pe-soas que accommetteram
minha casa, lornase snspelto, senao foi conni-
reats.
Qae indigP.idade Alem de me teram iosuludi-
e provo!a4o com perigo d<* mmha virta, qoereT.
ainda envolver-me em um processo crime I Bases
cobard^s etramp->lmlrcr? b< me intimidam. He:
de defender-me de viseira erguida. Fiquem elle-
eerti>s que so nito volUrei a TaquaretiBga se p"r
ventura o Exm. ?r presidente da proviMia, mek
de poiicia nio me cerccem das faraniias aaees-
sarias.
NS) meevadi, como procuram agora inculcir
Quem se evade por eausa de am crime, nio *em
assi losa como esta.
0 ferimento preparado ad hoc e qaalifieado tra-
ve por perh> adrede n lmeados, nao pasou a>
uma simples eseoriacao, como liei de provar, sen
do qne. podendo um etame de samdadt por tadt
ls<. a lim;>o. lado m emprepou pan qiae aeul<
verirkwssa tal exasae.
O supposto offendi to oceataaa-se daBoaafSWton.
os su> asfeclas.
A esns mens ieimigos, antes oarrosapidos, cra-
pghwos 0 oseori* da socieoade tani da .-MsnprB tor -
nsr-ma soh3B
Reptis miseraveis soaxuaeaaa 0 iMpBua Quae;-
quer qua sejam as prs8faiaoea que ooalsa aairn
urdirem, hao de enwiBtraf mn dasposs* a eatpir-
Ih-' na nrmunda e negra cara.
Belevo dizer que 0 inslruraenio de qae meu*
J.


-IT"



-
A.

i^^^fteiiaisAuW 2***sa feira Wi Mar^o^B li
3
'nimigos se servirai
6 am tal Cassiano
r, eomo offendido,
_ -nna( homem in-
feireaifatai^htoHino e qe nao lem rooio agnm
*, deMtto+e-W*.
Joao Uite do Rego Sampayi.
t. Aglia de Florida le Murray
fc Laniuan.
TuHbs o perfames os mais delicados sao obti-
dos das flores das regioes do iroplca ; e de todas
in duvida e a mais duradroa, para e deli-
Xr excellence. Ella embalsama a respira
urn agaadavel e fragrant* sabor ao aali-
alr, tofts as van qo so usa petes mnhh eo-
mo euxagoamento da bocca, misturada n'uma pou-
ca d'agua, assim como neutralisa d'ama maneira
aopetecivel o inao gc-sto do cbaxuto dapois de se
haver fumado. Oi sanbores, nao obstanm a^pre
sente predomioante paixio de barbas compridas,
os quaes amda eooservara uma certa preference
no uso da navalha de barba ; acharao com agra-
vel sorpreza, que esta deliciosa agua de clieiro,
vez levemeate applicada ao rosto depois d-
feita os isenta da usual penalidade sena
logo depois dessa operacao removendo to-
sensaeao da ardennia da pelle barbeada.
No toapkhe.
Aos que njio sarvam para ud*lo por-teram ob-
udo dos credoros cerxa ae Md\o de abatimanio
prazo. ...
Ouuos pelo nauco que arezam sau credito me-
ooscabando-indignamanteycom o 8m de fawnm-
llwr negocio.
A tolls estes, e ws mm one tesm mtonue o
man gaz tem so qiialro galore e-ueio lembro
Hits quB nao procedam assim, porque, as gam-
pradores posando a*4atas ejaedindo o rfrrawo,
convenaem-seaae Vines, nao sao sinceron. e en
peiores condicoes se collocam, e mais ereduo m#
propoctonam.
Toddo gaz qua teoho Teoebwo e de 5 games
on pesa 16 kilos cada nma lara, como se pode ve-
riucar pelas mesraas latas, ou-maitfestos e-wspa-
chos felnos e conferidos perdwersos senhoraxonr
ferentes na alfandega.
So me constou vio a este msreado latas eera 4
i|2 galoes, ha tempos, para duas easas cammer-
ciaas ; porem eston conveacido qae nieram ten-
da da mercadoria na mesma condie^o que a race-
beram.
Recife, 6 de marco da -4671.
Antonio Francisco Corga.
INSPECCaO DO AttSENAL DE
.a(^.poUico qu naste ^dato a J^xm^ie
gibe da ciznnanhia vigilante de raaooaa, e juj-
gou-os em estado de poSerem contmuar ao- servico
nSS&aS?3SSl da taarfeb^-de Paroa*-
bnco, fKlffiZfai%2?* "" S"Va
JUNTA DOS il^TOMS
Praea do Kecife, de marco
U> 1894.
AS S BORAS DA TARDE.
COTACOES OKKlCIAKi.
Apolic->s da Bivida pnblica lie ff 0[0 e 2 QlO de
oremio.
Cambiosobre Londres a 90 d|v.J6 d. por 1*060,
do banco, sabbado e hoje.
Cambio sobre 0 Torto a 90 djv 196 OfO de pre-
mio, do banco.
Cambiosobre Paris a vista 370 rs. 0 IraPCo, do
banco.
It. de VaseoneeUos
Presidenle
A. P. neLemos
flnurio.
xt
. erraira Haia SfC.
rrf ens 10 fcarrica* e 60 amareados a Paren-
te Vianaa & C, &5 faixes a Silva A Alves, 5 bar-
ricaa. e t caixa a VoaScbsten 4.C Fomreiros
miO a M. Haniday & C, 99 a Parents Yianna
Lampeao e vidro 3 caixas a B. D. Campoa km-
ca 79 ijgos A'Paran(e Vianoa .4 C, il a Thaqdo-
ro Qiristian-,eu.
Hercaduria3 dtversas ll.naeotes a M.JIalliday
ii C 2 tardos a Cardoso & Irmao,
Obras de ferro i,0Sl volumes aos consigaa-
tarioa.
Pas 132 feixes a M. Halliday & C.
Zineo 1 barrica a Silva A Alves.
Brigue allemjo Jacobine, enttado de Hamburgo
na aje^nia data e consignado a Keller & C, ma-
ntfestou:
Assacar raadj- 2 caiiava*. Barwao .dftlWIo.
.\gua Florida l caixas, a D. P. Wild C. Araos-
tras 1 caixa a Brown Thoasson A C
fiafbaata -a4ardog a Faria & Irmao, 1 eaixa a
J. de Araujo & C. Balanca f em 1 caixa a Sa
l.eiiao Birimbaos 1 aifrte a Vaz Junior ft C.
Breu 52 loneladas a Rate Schmeltau A C
AJ.FANWiOA
1 i tin 'hj i a 7 .. 1
turn do di: 9
-2TB;75Wrt6
17:670*237
298:426*983
COLLEGIO
DA
M4MTIN0S
v
CONTRA *b FOGO.
A corxipaoUi IndMMuaadora, estabelecidt
nesta prajfl, toma scgaroe otaritjinos sobre
oatiog e,seus carregarnentos e contra iag<
eta edificios, morr;ndorias e mobilias: n
rua do Vigario n. 4, pavimeoto *efreo.
vmm TRI1ADE
20-Uua dos Coellios--20
A abaixo assignada, Hcenciada pelo Exm Sr.
ereMdente da provrncia, e pelo Illm. Sr. Dr. direc-
turfaial da insi#uec>o puWicaj tarn esiabeleado
aa roa 'dos Coalfcos, n. fO, a pouaos passos da
igreia de S. Gencalo, urn collegio para raeninas,
sob a invocacao da Satksima TniNDADE.
Anxiiiada por suas irmaaa D. D. Landeliaa 4er-
sev e Olindina Jersey, ambas as quaes, em com-
mum com a abaixo .assignada, receberam igual
rtdacaoao, durante quasi sate annos, em um dos
melliores collegios francezes da cidade do Porto,
esta por certo habilitada para transmillir a suas
alumnas todos os conheciraentos adquiridos nesse
longo espaco de tempo.
Chamaado a atteujjao dos illustrados pais de rami-
ha, nacionaes e esrrangeiros, para os estatutos
abaixo, a annunciante epera mereeer decidida
preferencia, pois 0 sea estabelecimento se distin-
gue, pao so porque nada pagam em aeparado pelo
estudo das aries de reerio, como taiabeoi pelo das
linguas estrangeiras que, em geral, somente se
insina a traduzir, ao passoque no Collegio da San-
tissjma Trindabb se aprendera a fallar e escrever
correctamenle ; 0 que se torna scm duvida de
uma vantagem e utilidade incontestaveis.
lnvocanao, cheia de confianc*, a prote^cao de
seus compatriotas, e de todos os estrangeiros illus-
trados, a annunciante e suas irmaas, uo cumpri-
mento dos seus deveres, esperam e promettem en-
vidar todos os esforcos, afim de provar que, entre
nos, existem pernambneauas snfflcientemenle ha
bilitadas para instruir e preparar nossas innocen-
1 amaveis patricias, nao so a desempenharem
no futuro 0 nobre e respeitavel ministerio de
mils de familia, como a se tornarem ajui, ou em
jualquer naix, ondo seaebarara, 0 bnlhante or-
naraento aa mais culta a distincla sociedade.
A? aulas abremse a 26 de Janeiro.
Philomena Minervina de A. 0' Connell Jersey.
Descarragaia tuft .10 daaIC0-d 11874.
eei Barca noruega *Cmll (a*raBada).moroaa>.
rias paraaJ/aad^ga.
Brigue (nacfst-MiueeJi* Sownacks(atracado)
meccidorias para alfandega.
E3cuna Iqgtew -Jacobinemercadoiias para aJ-
landega.
Escuna ingleza Florence mercadorias par? aJ
randega.
Lugre ingtea-^ Bettms -i-bBcalliao ja daspachado
para 0 trapicha Conceicao.
Barca iirgleaaHermione bacaraao Ja despachado
para 0 trapiche Conccicao.
Barca-inglezaParageroJjacalbao ja despachado
para 0 traprche Conceic-ao.
Brigue inclez Mary -m bacalbao ja daspachado
para 0 itr&ptehe Concelcao.
Barca franceza Minerva tijolos e telnas para
otrapicbe Conceiclo, para despachar.
Barca inglezaCarrhbrodk -canrao Ja despacba-
do para 0 caes do Apollo.
Brigue mglez Britescher cioza de ossos para
deposito no trapiche alfandegado do Barao
do Livramento.
ESTATL'TOS
DO
'.i>llegio da Santissima Trisdade, sob a
iirecgao do Philomena Minervina d'Al-
buquerque 0' ConnellJersey, coadjuvada
por suas irmaas L). Landeliua d'Albaquer-
que 0' Council Jersey e D. Olindina d'Al-
hnquorquo 0' Connell Jersey.
Art. 1. 0 Collegio dirigido por Philomena Mi-
nervina d'Albuquerque 0' Connell Jersey denomi-
nate-Collegio da Santissima Tbfnoade.
Art. 2. As alumnas recr-bom nelle instruccaos
prknaria, secundaria, r^ligiosa, de civilidade, e de
recreio e pr-ndas.
Art. 3.* A instruc^ao priiaana e-leitura, es-
ripta, contabelidade (as quatro operacoes) noc5es
tgrammatica portugueza, costura cha e cro-
Art. 4." A inslruccao secundaria comprehende
-lingua nacional, franeez, inglez, ilaliano, hlsto-
ria, geographia e arithmetica.
Art. 5> A instru'^ao religiisa e dadi pelo ca-
ihecismo ; as alumnas aprendem doutrina chris-
tS, e todos os deveros religiosos a cumprir para com
Deis, seus pais e parentes, e em geral com a so-
'i-'dade.
Art. 6." A instrnccao de civilidade abrango to-
dos os actos da vida de uma senhor.., era relacao
com as pessoas de sua familia e com a soc:e-
iade.
Art. 7." A instruccao de recreio consta de
I -mho, mnsica, piano e danca.
Art. 8. A instracgao de prendas reune todos
a trabalhos de agullia, e toda a especie de bor-
I idoa, que deve saber uma seuhora da melhor so-
eiedaoo.
II
Art. 9." 0 Collegio admi!t> alumnas inlernas,
.neio pen3ionistas e externas.
Art. 10. A lingua que 3e falla no interior do
Collegio e a franceza ; e durante as aulas de inglez
italiano so se fallam estas linguas.
Art. 11. As alumnas que estudam franeez, in-
1I01 e italiano aprendem a fallar, escrever e tra-
duzir estes idiomas grammaticalraente.
Art. 12. A raensalidade para as internas e de
IDJOOO, para as meio pensionistas 20$000, e para
as externas 5*000, pagos adiautados por trimes-
trea que, uma vez comecados, considaram-se ven-
idos.
Art. 13. A instruccSo das alumnas externas,
r.'munerada segunib 0 artigo antocedente, e a
doa arts. 3 e 5 ; as internas e meio-pensionistas
lean direito a dos arts. 3, 4, 3, 6,7 e 8 ; podendo,
todavia, quaiquer alumna externa frequoutar as
aulas superiores mediante a inderanisacao, que
jj convencionar.
Art. 11. As despezas com livrns, papel, etc' sao.
d 1 competencia dos pats ou correspondentes das
alumnas, e bem assiua a malena prima de borda-
dos, e estes execatados sao proariedade das mes-
Art. 15. As aulas no Collegio da Santjbsisia
Trindade trabalham duas vezes ao dia-de manna
i\i 9 as 12, e de terde das 2 II? as 5 1l2.
Art. tS. 0 enxoval das iaternas s ao gosto de
seus pais; assim como a roupa lavada, engomma-
da e pertences por eltes seraa fornccLdos.
Art. !7. As peqaenas iadisposicDes e molaalias
da internas sao tratadas no Collegio ; na* graves,
porem, a directora fa* avisar aos pais on eorras-
iKtndentes para providenciarem s tre 0 tratamen-
to, qne pode sr em saas casas, on no Collegio.
Art 18 Os feriados sao .os das aulas publicas ;
salvo 'as quintas feiras qae, no Collegio, fleam des-
iinadas a instraccio de recreio.
Art 19 Todas as materias leccicnadas no Col.
tegio daSAKTisswA TairoABB3ao profeasadas pela-
direetowesuas irmae, en ontraa swboTas tm #
aptidat>cia, oae direelora Jalgar nwewa-; j
rias.
RecMa, 30 de 4axambro 4a !. .
Mulemma Hmrroina 4* A. OQonntU Jen
j p A.ppr*w-4Hrotoia gara* da iBatraEOw^r
luiportncao.
Vapar franeea Mendoza, eatrado dos portos
da Europa em 8 do corrente e .cunsigoado a Ha-
rismeadi 4 Labille, manifeetou :
Aieile 1 caixa a Caudido C. Gaades Alcofo-
rado. Azeitonas 1 aaixa a E. Turpin. Amostras
0 volumes a Coamer rey C, 1 a JieHer A C,
1 a Silva:Barreca A Fiaiai. Agaardanla 20 cai
xas a Beltrao > Filbn. .20 a Aaguslo F. de_01i-
veira & C. Drta lieorcs 1 caixa a J U, Graf.
AbsintHo 2 caixas a Cnaix. Agua de flores de la-
raageiras J caixas a A. Caars. Agua mineral
2 caixas a Antonio Luia dos Santos. Cadaver 1
caixa a J. J. de C. Moraes.
Calcado \ caixas a Joaquim A. de Aranjo A
C, 1 a Parente Viaona A C, 1 a Vaz & Leal.
Camisas i oania a.Cramer Frey A C, 1 a D. Ma-
nuel Martins, 4 a R. de Barros de Sooza Leao.
Cartas de jogar 1 caixa a C. de Farias Tavares.
Cerveja 25 caixas a E. Tarpin.
Chapeos 7 caixas a J. Christiani fi{ C, la Pinhdro
& Bariholo, 1 a Sllva Barroca & Fillios, 1 a Vic-
torino Maia & C. Dito de sol e tecidos 1 caixa a
L Goncalves da Silva & Pinto. Chiches para
annuncios 1 caixa a A. Kegord. Conservas ali-
menticias 5 caixas a H. Nueschi, I a E Turpin.
Estatuetas 1 caixa ao Rvm. fxei V. M. de Fer-
rara.
Ferragens 1 caixa a CosU Irmaos 4 C. Fructas
seccas 1 caixa a H. Nuesch.
Gravatas 0 chapeo3 1 caixa a J. Christiani A C.
Impressos 2 volumes a J. Traval y Roset.
Jornaes e livros 1 caixa a De Lailhacar A C.
L-icores 13 caixas a Beltrao & Pilho, 8 aChaix,
1 a C. C. Guedes Alcoforado, 1 a J. U. Graf.
Livros 4 caixas a Walfredo & Seuza, 1 a ordem.
Ditos e amostras 2 caixas a commi;sao superior
da exposicjio provincial. Ditos cartoes e instru-
menlos de mathematica, 9 volumes aV. Founie.
Lu-.etana 1 caixa a Delacoar. Luvas 1 caixa a
A. C de Vasconcellos, 1 a Carvalho Reis, 1 a
Penna Junior & C.
Madeira par;i guitarras 1 caixa a E. A. Burle
& C. Manteiga 200 barris e 223 meios ditos aos
consignatarios. Massas italianas 12 -caixas a J.
F de Paula Ramos. Medicamentos e drogas 5
caixas a Monhard Metller A C, 1 a A. Caors, 1 a
A. Regard. Mercadorias diversas s caixas a Vaz
A. Dreyfus A C, 2 a A. Gibson,
Junior & C. 2 a
2 a Vaz & Leal, 1 a Mmc. Pauline Siqueira, 1 a
irma Daudlgn6, 1 a A. F. dos S Porto, 1 a Souza
e Sa id, 1 a J. P. Moutinho, 1 a J. Christiani
A C, 1 a F. Gomes de Oliveira Sobrinho, 1 a D.
M. Martins, 1 a J. Mainlle, 1 a Klein Freres, 1 a
C. Faria Tavares, 1 a Monhard Mettler & C.
Objectos para fumaotos 2 caixas a J. B. dos
Reis, laH. Nueschi. Ditos para selleiro 1 caixa
a-tt. J. Robeil
Papel 1 caixa a J. Christiani & C. Dito pin-
tado 1 caixa a Walfredo A Seuza. Dito para ci-
garros 5 caixas a Lebre A Reis. Pentes 2 cai-
xas a Bastos, Oliveira A C
Queijos 100 caixas a Brown Thomson A C, 60
a A. Ferreira de Carvalho, 50 a Souza Basto
A C., 50 a F. Goncalves Bast is & Sa, 40 a Le-
bre & Reis, 35 a Cardoso Martins it C, 3i a J.
M. da Roza AC, 27 a Boltrio & Filho, 23 a A. Marcelino
Monteiro, 22 a ordem, 21 a A. F. Corga, 17 ?.
D. Joaquira Ferreira Cruz, 17 a Lima A Silva.
8 a Joaquim Jose Alves AC, 5 a Keller & C,
2 a E. Turpin.
Relojoaria 1 caixa a A. Hyvernat A C. Roupa
1 caixa a A. Je Hollanda Cavalcante
Sanguesuga^a caixas a ordem. Sardinhas 30
caixas a M. da S. Faria A C.
TecidoS 5 caixas -a Cramer Frey & C, 3 a Mo-
nhard Mettler AC, la Mendes Azevedo & C ,
la E. A. Bur.e A C, 1 a Silva Barroca & Filhos,
1 a 0. P. Wild & C, 1 a T. A. Fonceca A Succes-
sors, 1 a A. Gibson, I a Monteiro Gregorio &
C. Tinlas 1 caixa a Monhard M-ttler A 0.
Vermouth 1 bapril a Chaix. Vinho 30 caixas
e 8 barris a E.*7firpin, 8 barris a Cramer Fry
A Q^l a A. L. do- Santos, I a C. C. Guedes Al-
coforado.
iKSPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA t>B
No vapor inglez Arbitrator, para Liverpool,
carreg#n: ft Bajer *'C WiiawwMft"8
kilos de algodao; OoncaWM dnmao 4 C 270diUs
wan 21,466 dUoa-de dim.
Ifa barca 'hqdeza Lavine, para Uverpool,
carwgou: KalUr C. 281 saccas 00m J,a87
fc.Jos ae ajgodio. ,. Ml
Nomavto traacez S. Louis, para Liverpool.
carregoa: Keller & C. ^78 saccas com 49.818
tUos dealgdfljo. j
NavgrTwa.portugueza Indta, PWa Liverpool,
carregon : A. Lofo 134 saccas com 13,343 Kilos',
de algolSoTB fjDflft saccos cam^SiJJOO^S*36 **
sucar mascafado.
No brigue inglez CjronUla, para Liverpool,
oarra : M. Laihan & C. 89 saecos com 4,o
kilos de ssucar niaseavado.
Nefcrlgae hespaahol A. Thtresa, pwaBar-
cellona, carregou : P. CarneiroA C 428 saccas
com 31,639 4[2 kilos d algovlio
Na barca franceza J. Baptiste, para 0 Havre,
carregou : H. A LabHle TfU saccas com 9a,901
kilos de algodao e IjOOO-cenrof espichados com
21,000 ditos.
No patacho americano ^'deloiife, para Lisboa,
carregou : M. M. Monteiro 20 i saccas com I6,0o9
kilo da algodio.
No brigue franeez Avenir, para 0 Canal, car-
regou : R-Schmmatlau C. |4M aaccos com
il35,000 k'ilos de assucar mascavado.
Para os portos do intarmr.
Para 0 Rio vja nacional
Arabe, carcegoa : -F. de Souza"Relem 100 saccos
com 75,000 kilos de assuear branco; A. Cordeiro
500 ditos com 37,500 ditos de dito ; J. R. Ferreira
200 ditos com (5J306 ditos de dito.
' iara o'Rio Grande do Sul, no brigue portu-
guez Davit, carregou : Oliveira Filhos & C. 222
volumes com 17,423 kilos de assucar branco ;
A F. Baittiar Sobrlnh. 160 birricas com 11,33
ditos de dito. ,.
Para 0 Para, no vapor nacional Balna, car-
regou : J. M. Palmeira 23 barrica* com 1,858
kilosde assucar branco : para 0 Maranhao, '-Ra-
mos & Machado 10 ditas com 1,199 ditos de dito :
l.T. Carvalho & C 20 saccos com 1,503 oltos de
dito ; P. Vianoa & C 130 volumes com 11,440
ditos de dito.
Para 0 Natal, no hiate nacional Joao Yaite,
carregou : Fernandes & Irmao 20 casco3 com
1,500 kilos de assucar branco.
-' Para Macao, na barcaca Haiti, carregou :
J. C. Figueira 6 pipas com 2,880 litros de aguar-
dente
Para Macao, na barcaoa Zurich, carregou :
A. S. Campos 2 pipas com 960 litros do aguar-
dente : para Touros, Pogas & C. 2 barrieas com
i20 kilos de assucar refinado.
Para 0 Saul, na barcaQa Gratidao, carre-
gou : B. J. Coelho 2 barricaa com 120 kilos de
assucar branco.
Para Maceio, na barcaca IjeopMina, carre-
gou : J-A. C Siqneira 2 barncas com 169 lr2
kilos de assucar refinado.
Cimento 100 barncas a Antonio Ferreira de
Carvalho, chapeos 1 caixa a Vaz Junior A C, com-
servas 33 volumes a ordem. Cevada grelada tb
barrieas a Theodoro Christiansen. Cerveja 3oO
caixas aos consignatarios, 20 a D. P. Wild A C.
Drogas 20 barrieas a Bourgard & C, '* a P.
Maurer & C, I a M. Barroca de Mello.
Espoletas 1 caixa a Dnmingos F. Bastos.
Fio de la 1 caixa a D. M. Martins, ferragen3 1
caixa a S. P. Johnston A C.
Genebra 4,900 caixas, 300 garrafoes e 100 bar
ricas aos consignatarios.
Hesperedina 100 caixas a Joao Ramos & Ma-
chado. .
Impressos 1 caixa a Joaquim Jose de Azeveao.
Louca e vidros 1 caixa a Moreira Monteiro A
C, 1 a Ferreira Monteiro A C. Lamparinas 1 cai-
xa a Sa Leitao & Coimbra.
Miudezas 2 caixas a D. F. Bastos. Meias 3 cai-
xas a Souza Castro AC.
Objectos para chapeos de sol 10 caixas a Joao
Ramos A Machado.
Papel de embrulho 400 fardos aos consignata-
rios, 80 a Antonio Marcelino Monteiro, 4 a M. B.
do Mello, 3 a Bastos, Oliveira & C Dito de pa-
lha 50 fardos aos mesmes. Perfurnaria 10 caixas
a Parente Vianna & C Pedras de fo?o 10 barn-
cas com 50,000 a Joaquim A. de Araujo A L.
Phosphoros 42 caixas a erdim, 10 a J. M. da-Rcsa
At Filho. 7 a Faria & Irmao, 5 a Bourgard & C
Pregos 20 barrieas a M. Halliday & C.
Telhas de vidro 30 caixas a J. A. Pereira & L.
Velas stearinas 250 caixas a Brown Thomson A
C, 201 a J. J. R. Mendes. Vidros 6 caixas- a B.
D. Campos AC, la Joaquim A. Pereira A C,
vinho 428 caixas aos consignatarios.
nicipal e de orphaos da villa e tarmo daconoaf- pjnj, diu n. 3, por 4001" ; rua
Angus, F. H'H.ra AC.
A case commercial e bancaria de Augusto
F. d'Oliveira & C, a rua do Commerojo ne
48, -wicarrfga-se de e*eco^ de ortiens
para embarque de prodoctos e de todos 0-
roaisnagocios do coromi^fie. <|w ooroowr'
oiaes, quor baneaeios.
Deeonta lettras, e torrra dinheiros .a p*e-
rfliof ^Qnjpta Mttibm*, e saw a vjstA e a
praao, a voiUade do .tomadur, eobve-as sc-
gutDte* praoas estrangeiras -e raciomas 1
Londres. Sobre 0 union bank of
LONDON, 0 LONBON >AD FJANSEATIC BANK,
UMItbd, b var.ias casas de \.' classe.
Paris. Sobre 03 djanqueiros fould
^C, MACUA*a ANDRK & O, A. MAGUJ,
VIGNAL & C.
Bambni'gio. -Sobre 09 -Srs. joao
SCI1L' BACK A FIUH S.
Lisboa. 'Sobre es *frs. fonsecas,
SANTOS & 'WAJINA, e tEBAlJUO JOSE DE
ABREO.
Poria. -r-S^bre ^bajwo mio no horto
0 Sr. J.QAQUIJUPUITQ Da rONSECA.
Pavu. -*-Sobre 0 banco commercial
BO PARA, 6 OS Srs, IRANCWCO 6AUDENCI0 DA
COSTA & FILHOS.
MwanrliiS*. -Sobre 0 Sr. joss fer-
KRA DA SILVA JtJHIOR.
Ceura. SoUre OS Srs. i. s. ue VAS-
C0NCLtOS aMNb
nhiH. Sobre-os Srs. HARlNHOS d c.
Rio ilNDOSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
BANOUB BRA91L1ENNE BRANCA1SE.
ca do Cabo, por S. M. I. e coaslitucienal. a quem.
Dens guarde, &c.
Faco saber que se acha a concarso pela tercei-
ra rez, com praio de sesaenU dias, contados da
data deste, 0 ofHcio de depositario geral deste
termo, creado por lei provincial n. 529 de 16 de
junho de 1862, e os concarrentes deverao apre-
sealer>se babililados na eonfonnidade do deereto
n. 817 de 30 de agosto de 1851 a de 5 de Janeiro
de 1871.
E para qae chegue ao conhecimento de todos,
raando que este seja afflxado nos lugares mais pa-
blicos desla villa, rernetten-lo-se copia para a se-
creiaria do governo desUprovincia.
Dado e pasaado ae-ta villa e termo da comarca
do Cabo da provincia de Pernambnco, aos 3 de
marco do anno do nascimento do Nosso Sanbor
Jesus Christo de 1871. Eu, Manoe) Jose de SanU
Anna e Araujo, escri\Bo, .0 escrevi,Candido Va-
leriano da Silva Freiw Gonforrae com 0 original
e confendo..Dia a hora supra. 0 ascrivao,
Manoel Jose de Sant'Anna Araujo.
0 seoretari j,
Joao Dmis Mbeiro da Cunha.
do Tmxcin, km.'J,
tVNfcVp*
COfflPAHfllA UlUUJi
soguros marltiiao8 c terreb-
tres estaibelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 18 7 0
CAPITAL 4,0O0:O00OO0.
Toma seguro de raerc&dorias e dinheiro
*o marituao em navro de -vela e vapore*
para dentro e-i6ra do inqperio, asBtm corex
iwntra fogo sobre predios, generos e fa
ondas.
Agento : Joaquim SoU Sonqalves Beltrio
vn do Commercio n. 5, fandar.
GOMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias,
totes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
joer natureza, em vapores, navios va ela oii
iwircacas, a premios muito modicos.
RUA 1)0 COMMERCIO H. 3i.
Seguro cantra-fogo
I'HE LIVERPOOL & LOHDON & ftLOl
INSURANCE COMPANY
Aajentes
SAUNDERS BROTHERS* C.
11Corpo Santo11
De ordem do Illm, Sr. inspector da ihesoii-
raria de fazenda desta provincia, se faz publico,
para conhecimeaio de qaera iataressar, que no
dia 18 do corrente hz. pelas i boras da urde,
peraate a jimu delawBda, Ira a praca para sar,
arrematada, por quern mais vaalageas ofleraaer a
fmpreitada dos reparos nec**arios acasa em que
ancsiona a reeebadoria.
Os propoueuUis deverao, an car la fechada,
apresentar suas pro pus las, devidamante selladas,
assigoadas.por elks e saus oadares; podeaJo
diiiUe.ja examinar a respecliva planta e orcamep-
tuque Uies 3*rao fraaqaeados nesta secretaru.
geccetaria da tueaoararia de Pernambuco, z da
marco de 1874.
4) %.' eseripturario, ser^iado de seoretaito,
Cartos J- de Souza Correia.________
' ~ "0 lilm. Sr. iosiiestor da thesonrana provia-
cial maada fazer publico qae em enmpriraento da
irdem do Kxin. Sr. prasidenie da provmuia do 7
je Janeiro commie, peraate a junta desla thesou-
raria se ha de arremaiar no dia 33 de abril pro-
ximo vinoouro, a ohra da.ponte denominada I'a i
Sangue sobre o rio Serinhaera. orcada em 9:570i,
pagos em apolices da divida .provincial a juro de
7 nor cento ao par.
As pessoas gne se propozerero a esta arremata-
cio comparecam na sala das sessoes da mesma
thesouraria no dia indicado acini.i, pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou pnbllcar o presente
delo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874. ,.
Victoriano Jose M. Palhares,
imcial maior interina.
Clausulas eipeciaes para a arrematacio da ponte
denominada Pao Sangue sobre o rio Seri-
nbaem.
1.* A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
cutada de conforraidade com o orcamento e plan-
ta approvades pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, no valor de 9:570|.
2.* 0 arrematante dara prmcipio a obra no pra-
zo de unmet e a coneluira no de 12 mezes.
3." 0 pagamento sera effectuado em 3 presta
cdes iguaes a propoiscao aa tabella axecatada.
4.* Para tuda a mais que nao se achar especifi
cado sera regulado pelo que dispoe oregulamento
de 31 deiulho de 1866.-0 engenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Victoriano Jose M. Palhares.
MUM
d. 7J, por 7W7I; becco
por J50< ; largo das Cinco
1:0001000.
Secretaria da SanU Caa da
Hacife, 14 de fevereiro de 1874.
Oeaerivio
_____________Pedro amirifttidrtoMz*
SANTA CASA DA JI19ER!C0RDU. 1
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da aatt SM
ilisericordia do Recife, maada fesa* fnMM* #*
ii sala de snas sessoes, no dia 12 de aarpaf
las 3 horas da tarde, tem .de sa* I
mem mais vantagata otferecer, pt tempo '
i ins annos, as readaa dos pre***
Jeclarados.
ESTABU.KC1KENTO DE CAMQkVBK-
Traversa Ae S. 3mi.
fdem n. 11.......
Rua de Santa Usa.
Idem n 3V fechada ...... Xto4KtD
PATOIMOMIO BOS -OKHAAO&.
Pa to do Faataa.
2. dito dilo ...
Hna da SanzaJla velhs
Casa btrrea a. id......
Jieoco das Boas.
Sobrado n. 18......
RnadaCrot
Sobrado 14 Iferhado).....1:0000010
Rao do Piiar. ...
Casa terree n. WO ^*:
Idem n. 101 feebada. WJOW
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17......i*UKX)B
Oi preteadentes deverao apresentar no acto d
vrematacao as saas nancas, on e.*n>are*:erei
woaipaahados dos reapectivus liadorc devoado
pagar alem da renda, o premio da jjuantia aa
rue for seguro o areoio que coniivcr estabetaci-
mento commercial, assim como o service da -
peza e preeos dos apyareibos.
Secretaria dasaata casa da raisericordia do Ea-
tfe, 2 de marco o de 1874.
0 esenvio
P Armazens da eorapanbia per
nambucana.
tieguvs coutra fa
A compaahia pernambuiana, dM|aano 4a ex-
cel ten tes e vastos armazens em sea predio aa lar
te do Mattos, oflerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garanuado a maior coa-
servacao das mercadoriis depositadas, eervica-
prompto, precoa modicos, etc.
Tambera recolhera,mediante preyio aceordo, ex-
clusivamente os generos de uma so pssoa.
Estes armaiens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramtnte novos e asphaltados, taentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas one quizerem utilisar-ee destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao esuriptono da com-
panhia pernambucana. que acharao com qoem
tratar. ____________
COMP&NHIA
DO
BEBERIBE
.aijiial.
fundo
NORTHERN.
.... 20,000:000iJ00l
de reserva.
Mills
8,000:0009001
Agntes,
Latham & C
RUA DA CRUZ H. 38.
XSIIMENTO m W

Vapor nacianal Bahia, enirado dos portos
do sol na mesma data e consigoado a Pereira
Viaona & C manifestou :
Carga do Rio de Janeiro.
Cafe 100 saccos a Joaquim Jose Ramos, 80 a
Joaquim Jose Leitao A C, 6) a Fernandes da]Costa
& C, 60 a Domingos Joaquim Ferreira Craz,
5 caixas a Joaquim D. Simoes, 50 a Manoel D. de
Figueiredo, 50 a J Rodrigues de Farias, 50
Joio S. C. da Cunha, 36 a Joaquim Jose de
Azevedo, 25 a Maga haes & Irmao. Chapeos 1
caixa a Antonio S. Ferreira Junior.
Famo 263 latas a Beltrao A Filho, 118 rolos, 32
pacatos, 29 saccos e 16 surr5es a Jose M. Pal-
meira, 30 rolos a Joaquim Jose de Azevedo, 20 a
Magalhae3 & Irmao, 20 pacotes e 4 caixas a Joao
Ramos A Machado, 14 eacapados a Bourgard &
a, 12 a Antonio Maia de Brito, 5 caixas a Joa-
quim B. dos Reis.
Papel pintado 3 caixas a Silva Cardoso A
Pessoa.
Sofa 1 em I carxa a Jose L. da Costa Roeaa.
Tinta 2 barris, a Jose Ferieira da Silva.
Carga da Bahia.
Cuaiutos 4 caixas a Cunha & Mania. Chapeos
Oe sol 4 caixas a Oliveira & Irmao, 1 a Manoel <
Maestrali, 1 a vmva Falque.
Fazendas 3 caixas a Monhard Metder 4C, 2 a
Simpson AC
Fatfntu de mandioca 5J) saccos a Fraga A
Rocna.
anno te algodlp 3 fardos a Antonio M, Ma-
chado. i
Tanque do fato-i, a,-Anloaio Wopes Cardoso.
Potaca hespanhola Jaanita, entrada de Monte-
video na mesma data e consignada> Pereira Car-
neiro & C, manifestou :
Xarqae 4,500 quintaes, a ordem.
Brigue inglez Rossini, entrado de Liverp'inl em
9 do corrente e consignado a Simpson & u, ma-
nifestou: ,
Cannos de ferro 79, carvio de pedra 434 tcne-
ladas aos consignatarios.
Barca americana Vorf Queen, entrada na mes-
ma data e conswjnada a Matheus Austin & t.-,
manifestou :
Farinha de trigo 2,000 barncas, aos consigna-
tarios.
Navios cnlrados no dia 8.
Mcutevideo 44 dias, polaca hespanhola Joamta,
le 165 toneladas, capiiao Pages, equipagem 10,
iarga 186,300 kilos de carne ; a ordem.
Haaburgo-68 dias, brigue escuna alleina Jacobi-
te, ae 150 toneladas, capitao Hemraen, equipa-
;em 9, carga varios generos; a Keller A G.
Navto sahtdo no mesmo dia.
PaahybaBarca ingleza Serafina, capiiao Wal-
er, carga assucar e algodao.
Navio enirado no dia 9.
Lierpool43 dias, brigue inglez R ssine, de 380
oneladas, capitao Clake, equipagem 10, carga
arvao ; a Simpson & C.
Batimore 27 dias, barca americana Mary
jueen, de 186 toneladas, capiiao C.wnell. equi-
pagem 9, carga farinha de trigs ; a Matheus
Austin & C.
Navtos sahiios no mesmo dia.
Pa-tos do norte -Vapor nacional Bahia, comman-
jante o capitao tenente Teixelra, carga vano3
generos
Lrerpool -Po[aca grega Apostolo, capitao Orland,
carga algodao.
Observacao.
uspendeu do lamarao para a Bahia a escuna
leza Scotia, capitae Sauaders, carga a mesma
trouxe de Terra Nova
0 JJr. Francisco do Rego Raptisia, juiz sabstituto
do de direito da provedoria de capellas e resi
duos, nesta cidade do Recife, capital do Per-
nambuco, etc.
Faco saber que no dia de do corrente
anno, fincia a audiencia deste, juizo vao a pra^a
os bens seguinte^ :
Duas terras paries do sobradinho de dous an-
dares, sito na freguezia de S. Frei Pedro Goncal-
ves, rua do Gampello n. 2, teodo de corapnmento
38 palmos e 19 de largura, cada andar ctm uma
sala, 1 quarto, cozinha interna e andar terreo, ser-
vindo de deposito de ferragens, sendo o fundo do
sobrado entaipado ; achando-se o mesmo predio
em mao estado, avaliado em 5:000a.
Uma casa terrea de pedra e cal, no Ingar do
Barro, freguezia dos Afogados, com tres janelias
na frente, portas de madeira ao lado, tendo duas
salas, dous quartos, cozinha, quarto junto e des-
pensa, com largura de 26 palmos e ^ de com-
primeato, sito em terreao foreiro, medinio 690
palmos de comprimento e 59 de largura o dito ler
reno, e avaliada a mesma casa em sua totalida-
de em 3:000, de cujo valor sera dcduzida a
quanli de 559*093.
Um terreno torciro, com 690 palmos de compn
memo e 193 de largura, no mesmo logar e na
mesma freguezia, tendo nelle duas casas de taipa,
ambas em mao estado, tendo ella3 44 palmos de
comprimenlo e 24 de largura, uma das casas tem
duas salas e um quarto, e porta e janella na fren-
te, a outra casa em caixao, com uma porta e ja-
nella na frente, avaliado tudo em 1:000*.
Uma casa terrea na cidade de Olinda, sita no
lugar do Pago Castelhano, hojs rua 27 de Janeiro,
freguezia de S. Frei Pedro Martyr, n. 11, com 29
i|2 palmos de lirgura e 58 1]2 do comprimsnto,
com uma porta e janella na frenie, porta e janel-
la no oitao, 2 salas, sen o a de detraz assoalbada,
sob a quai exi:te uma loja, 4 quartos, cozinha
interna, quintal mnrado, com 160 palmos de ex-
teosio. cacimba, um terreno ao lado do norta com
portaoj avaliada por 2.5)05, cujos bens sio per-
tencentes aoinveniario do Dr. Antonio da Assump
ao Cabral. e vao a praca a requerimento do Dr.
ose Antonio de Figueiredo, testameuteiro e inven-
tariante dos ditos bens.
Sera alBxado e publieado na forma do estylo.
Recife, 7 de marco de 1874.
Eu, Doraingos Nunes Ferreira, escriviio subs-
crevi.
Trancisco do Rego Baptista.
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Hecdimeato d"
dea do dia 9
dia 2 a 7
5:965*927
746*530
EGITAES.
t
VOLUMES
So dia 2 a 7 .
^lraeira porta
iagonda porta
Terceira porta
juarta porta .
"raplcha Conceicio
SfiRVJIJO MAR1T1MO
vi\*rengas descarregadas po trapiete
alfandega do (Wa 2 a 7
No dia 6
i'is atraeados no trap, da aitandega
Alvarengas ; i......
So trapiche Conce'i^ao -
j A camara municipal do Recife cmvida a
telos os seus municipe3 a apre=entarem para ser
epostos no corrente anno, objectos de produccao
ajricolas para a exposioao que prelende reilisar a
s.ciedade Doze de Setembro, segundo a partici-
picao do Exm. presidente da provincia, de 16 do
earrente, com referenda a ordem do governo im-
perial.
A mesma camara espera no patnotismo, aedi-
cacao e zelo de todos o bom exito de tal convite.
Paco da camara municipal da Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874
Theodoro Machado F Pereira da Silva
Pro-presidente.
Augusto G. de Figueiredo
Official maior servindo de secretarto.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer-
da, juiz de direito especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife e seu termo
capital da proviucia de Pernambuco,
por S. M. I. o Sr. D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber aos qae o presente edital virera e
delle noticia tiverem, que dentro do prazo de 30
dias contados da publicacao deste, recebera esse
juizo prop^stas por cartas fechadas para arrema-
tacio por vonda da parto do escravo Jesuino, de
cor parda, avaliada dita pane por 200*, sendo a
arrematacao pela quantia de 150*, preco da adju-
dicacao ; o qual escravo e pertencente a massa
fallida de Manoel de Souza Carneiro Pimpao e se
acha em poder de Manoel Joaquim Alein.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente que sera publieado pela
imprensa e afflxado nos lugares do costume.
Cidade do Recife, 18 de fevereiro de 1874.
Eu, Maneel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
criviio o 8ubscrevi.
Recife, 21 de fevereiro de 1874.
Sebastiao d> Rego Barros de Lacerdi.

t
PprMMMeD.'S de Janeiro da iMk.
Joao artatao 1** 'Brigue franeez Mines de Saumach, entrado de
itverpaol na mexaa datae consignado a Tasara
aves C, manifestou :
Bawaa de fwro i7 a Cardvso A Irmao, 540 a
K*asarolas 120 a Moreira Halliday 4 C P-
LrJ^fMmTjt.-c. Cenela "80 barns a J. J.A1
afteltraoAFilho, ISO aD.Joaauim
Wftih-ftira Crilz, SO a Antonio-Jerreira de Carvalho,
WaRodngne; k Irmao, US a "Antonio Marcelino
R-;CKBgDOaiA DB itfVDAS INTLftNAS GB
RA6 DO PSlsNAMBUCi.
' "Pdimeato do dia 2a 7
4oro do dia 9 .
-
5
jQONSUU'iifJ'pROTlrrciA l
feadimento do dia a a 1 38:o*Wi<
Idem do dU 9 ... 8 J87j
0 Dr. director geraj intcrino maada fazer
\publico para conhecimento do professor de ins-
jtruccao primaria da eadeira de malttadinha, padre
31 Jpsei^rocopio Pereira, visto ser tgnorado o sea
'dornleiho, que "per portaria desta date resolveu
multa-lo era .10*060, por se achar dito professor
f6ra d*> exereieio de sufls fuBccoes ha rauitos me-
zes, sem lieeoca on aetivo fustifieado, devendo
recomer essa quantia aos cofres da thesouraria
provincial dentro do prazo de lOaias, fmdo o qusl
--------i-passara a se cobrada exectiamen|p como divi-
da da fazenda. *-v /> 1 wa \ I
Becretaria da insr*#e i*Rca *e Pernamba-
oo, 7 de marco de 1874.
Ojsecretario,
Joaquim Pereira dailsGainraeg.
"i^Secgao z'*.Secretarir da presflhncia em Per-
^litiaM ukmboei), 5 do marco de 7i.
or esta secretaria se fas. publico o editel abai
ranscripto dojuiz muuioipaldotenjno wCapo,
do emconcarso a servenrla vltaliciA do otneio
le "depositanai geral do dito termo, creada^wr lei
provincial n. 529 d" 16 de junho de 18J51
ptAtendentes deverao habrtoar-senatOirtna
46:789aa4 4a lei, no prazo mawado no mesma 'editel.
EOWM.** w
0 Dr. Candido ValerUmo da Silva Freira, juiz mu
IK 74r
51707*01
A directoria desta compauliia, pelo pre-
sente declara aos senhores concessionaries
de pennes d agua que se acliam em atrazo,
no psgamento das mesmas ale 81 de de-
zembro do anno findo, bajam de, ate o ulti-
mo do correoto mez liquidarem seus dtbi-
tOJ, sob pana do lbe serem curtadas as pen-
oas d'agua, conforme preceitiia as condicoes
A.* e 10.* dos respectivos contratos.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
5 de marco de L874.
0 socretario,
Luiz Manoel Rodrihues Vaienca.
Declaracao n. 1.
Pela conladoria da camara municipal deste ci-
dade, sao chamados a virein pagar a bocca da
cofre.do de marco vindouro, todas aquellaspea-
soas que se acbam sujeilas ao pagamento dos im-
postos creados pela lei provincial n. 1126 de 18 de
junho de 873, relativam^nie ao excrcicio corren-
te de 1873 a 1874, cujos sau os seguintes : fores
elaudemios de terrene municipaes ; 2*500 sobre
estabeleciraentos quo vender espirilos; 3* por
cada licen;a que lirarem as boceteiras para ven-
fierem dentro do municipio, e de 30* pelos mas-
cates ; 6* por cada carroca ou vehicul i empre-
gado oos-servicos da cidade, villas e povoacoes ;
100 rs. por palmo de terreno deniro da cidade do
Recife e seus soburbi is, que nao esteja edifiiado
ou cultivado, embora se conserve murado ; 20*
por cada casa oe sobrado na cidade do Recife. qn
conservar varan la ou sacada de madeira ; 10*
por cada easa de sobrado, cujo exterior se conser-
var estragado, e 5*'i00 por cada casa terrea ea
Ignaes circumstancias ; 10* por cada casa de so-
brado nas ruas que ja foram calcadas, que nao
tiverem os passeios a ella coriespondeiil.-s, feika
no mesmo nivelamento e alinhamento dos que ja
tiverem sido executados de conformidade com as
posturas raunieipaes, e 5* por cada casa terrea
nas mesmas conai^oes ; 1*J por cada casa d.> -
brado, cujos quiniaes deitera para ontras ruas e
nao estejam murado* ate o respaldo do paviawH
terreo em forma exterior de eliicio, c 5*000por
cada casa terrea em ideniica- aireiautaardas :
60 rs. par palmo di icrreno dos p ivoados da aaC-
dalena, Capunga, Chacon Casa Forfe, Poqo da Pa-
nella, Caldeireiro, Monteiro c Apipucus, que noa
estiver murado ou cer.-ado; 40 rs. por palmo de
terreno em t>da a extem;a I da cidade do Recife a
Apipueos, que nao esiiver mnrado, exceptuando-
se os terrenos que tiverem vrcas nativas em bora
estado de conservacao; 20* por eaia baixa de
capim dentro da cidade do cite ; 10* por cada
maciiina a vapor, ni^ntada na cidade do Recife
para quslquer mister ; e fiialmente o impostn de
45 por cada caja de acgocio nas cidadjs, villas,
sobarbios e povo^.^Ses, devendo, porem, os cmtri-
buinles, quando tiverem de pagar esfe impoi.\ a
apreseutar na contadoria o conh-cimeoto do im-
posto geral sobre indusiria e proQssao, afim o>
provar ler assim satisfeito o refcrido imposln
geral.
Declaracau n. 8.
A mesma conlad.iria da camara municipal dVsu
cidade scientilica a todos os donos de divcrsos es-
tabeleciraentos de porta aberla, a virem *>***
irapo3ios atrasados que se acham a dever, dos
exercicios passados, bem como os demais in.pos-
tos acima especificados. _
Contadoria da camara municipal do Recil.-. 1.
de fevereiro de 1874.
0 conteior
Hypolito C. de Vaseoncelk)3 A. Maranhao
Santa Casa da Miserioordia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
rieordia do Recife, precisando fazer os concertos
de qne nocessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orphaos, a rna da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, conlrata com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, mediante certa renda e al
guns aaaos de prazo para desfructer ; devendo
as que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respeclivo orcame.ito
aesta secretaria at^ o dia 19 de fovereiro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de janairade 1874.
0 escrivao,
Padra Boatfejaes de Souza.
SANTA CASA DA MISERIC0RD1A DO
RECIFE.
Venda de predlos
A Hlma. junta administrativa, desta Santa Casa,
detidamente antorisada pea presideacia, na sala
de suas sessSes, pelas 3 boras da tarde do dia 26
do corrente, venae on permnta por apolices da
divida pabttsa os-*eguiates predios, pertencenles
ao legado de JoaquI n 4a Sllva Lopes, de que e
admiaaradora : Forte do Ma'tos, metade do so
bradadfl-3 andares n. 47, par 5:500* ; becco do
Abieu, 3' Dane *i sobrado n. 1, por 2:W*666
raa da iiuia, sobrado da dous andares n. 69, por
6:00a* ; ran- de 8. Jorge, easa terrea n. 92, por
1:400*, sobrado de um andar-n. 30, por 2?TOM,
dito meia-agaa par0f|: rna dos Gnararapes,
casa terrea n. 65, por V.WW ; rua dos Aconfn'-
nhos, cosa terrea n. % por 600*; Largo da Cam-
CONSELHO Ir: COMPRAS DO ARSENAL
DE MARI.NHA.
0 conselho conlrata no dia 10 do corrente mez.
a vista de propostas recebidas ate aa 11 horas da
manna, e sob as condicoes do estylo, o forneci -
mento do triraestre proximo vindouro de abril a
junho, para os navios da armada e cstabelecimen
tos de marinha, de viveres, diete* e outros objee
tos de consume, seguintes :
Assucar braaco grosso, assucar branco reiina-.
do, arroz do Maranhao, aga.irdeute de 20 graos-.
azeile doce de Lb boa, aletria, ararate, bulacha
bolachiuha americana. bacalhjo, batatas, bot-
vivos epasto para os mesmos, cafe am trio, cafe
moido. carne secca do Rio Grande do bul, cara*
verde. cha bysson, cevadinha, caraaala em votes.
conservas prenaradas, cebolas, dooe, (eijao, lari-
nl.a de mandioca da terra, gailiohas, ienha, maU>,
manteiga ingleza, manleiga francota, railho pilado,
pao, sal, sablo massa, steariaa em vela, steafl-
na era velas de 8 em libra, tucinuo de LisfeM.
tapioca, tijolos de alvenaria grossa, telhas, vaaa
de Lisboa e vinagro de Lisboa.
Sala das sesades do conselho de compras *
marinha de Pernambuco, 3 de mar;o de 1874.
0 secrt-tano
Alexandw Rndriirues dos Anjos
doeaU-4
Hospital raUitar.
Precisa se coniratar paraas dwtes dos
e raofles dos emoregados ^."?l'J
cimento dos generos ^"^^JSTl?
trimestre de abril a jnnbo do oerreote aaao. a sa-
ber :
Aletria, itologrammo.
Ararute, idem.
Arroz pllado, idam.
Assucar refiuada.^idem.
Batata ingleza, Mem.
Bolacha, Idem.
Dila ingleza, idem. .
Banana, uma, -
i.








*
D^rio de Pernambuoo Terqa feu* 10 ** JIar^ri%tl|?f.
Brseoilea, kilogramme
(kit verde. idem.
OiU da porco, idem.
Bita f MM, idem.
Cha hyison, idem.
Cafe em caroco, idem.
Dito moido, idem, *'
Doee de goiaba, idem.
Farinha de maodioca, litro.
rerjao raulatinbo on prelo, litre,
Gallinha, nma.
Lenha, acha.
Laranja, uma.
Manteiga ingleza. kilogramsio.
Marmelada, idem.
Macarrao, idem.
Pies de 114.768 gramroos. urn.
BilM de 185 grammos, urn.
Sal, litro
Tapioca, kilo.
Toacinno de Li-boa, idem.
Vtoho do Porto, litro.
Vinagre de Li>boa, idem.
Ovos. um.
Todos estes geaeros devem ser de I
A carne verde aio deve coaler no peso quese pe-
dir mais do 5* em oisos.
As pessoas qua quizerem forencer estes gene-
ma, apwsentem no dia 13 do corrente, pelas 10
boras da manha, na secretaria do mesmo hospital,
suasswposUs em earfs fecfcadas.
Hospital milltar, 9 de mareo de 1874.
O eserivao,
Avelino Pereira da Cnuha.

Precisa-se contratar para os doentes deste
hospital duraate o -trimestre de abril a junho do
cor-rente anno'.
Sanguesugas de Hamburgo, uma.
As pessoas ejue quizerern. fazer este forneeimen-
to apresentem uas propostas em c'artas fechadas,
no dia 13 do corrente, na sect etaria do mesmo hos-
pital, pelas 10 fcoras do dia.
Hospital iiiiirtar, 9 de mareo de 1874.
0 escrivao,
______________Avelino Pereira da Cuaha.
- Precisa-se eontratar.para o expedi eote deste
hospital duraate o trimeslre de abril a junho do
eerrente a wo :
Penas calligraphicas, eaixa.
Tinta 'loieta e purpurina, bciiao.
Obrefas, pis.
Lapes, um.
Canivete, um.
Papel almaeo Finite paslado, resma
Panel hoManda e Jesii e Carre, folha.
Envelopes, cento.
As pessoas que quizerem furnerer cstes objeetos
apresentem-ao dia 13 do corrente, pelas 10 horas
da manhS, na secretaria do mesmo hospital sum
propnst.as em earta feehada e asamostras.
Hospitalmriitar. 9 de mareo de '874.'
0 escrivao,
Avtlino Pereira da Canha.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS UUB
DO
Reeife a Olinda.
Beberibe.
Havendo completa ausen-
cia dc pr.ssageiros nos trens
exlraordinarios das 10 Ii2
horss da noite, que havia
nos sabbados e dotungos pa-
ra Olinda, e nos das 9 1)2
da noite para Beberibe ; de-
liberou a direetria que fossera supprimidos ditos
trens desde o o dia 7 do correate mez.
0 gerente,
Lanrentino J ose de Miranda.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Havegiteiio eosteira a vapor.
De conformidade com o art. 24 dos estatutos
dosta compannia sao convocados os Srs. accionis-
tasa reunirem-sc em assemhlea geral no dia 11
do corrente ao meio dia, em seuedilicio ao Forte
du Mattos, alim de ter lugar a apresentacao do
relstorio annno, proeederse a eleicao da direc-
toria e da commissao de exame de contas.
Santo Antonio
El
Quarta-feira 11 de mareo.
Uniea reprcsentaijao do desejado drama em
actos, com musica :
1 Graca de Dens.
Os btlhetos estio a venda desde ja.
Prineipiara as 8 1(2 horas.
Til
RUfflBI
mil STEAM NAVIGATION
PANY
ROYAL. MAIL STEAMER
GOTOPAXl"
Ol)
LUSITAM
espera-se dos pottos do gal ate o dia 13 do cor-
rente, e depois da demon do costume, seguira
para Liverpool, tocando em S. Vicente e Lisfeoa,
para onde receberi passagerros, encommendaa e
cargaafMle.
OS AGENTES
Wilson lowe A C.
URUA DO -GOMMERCIO----14
Companhia AUianca Mariii-
ma Portuense.
Ea*prexa de naTfgacao entrc
PortuRal e Brasil.
A barca portugueza Joven Adelaide, reeebe-ear-
ga a frete para os portos de Lisboa e Porto, de-
vende seguir com a maxima brevidade ao seu
destine : trata-se com os respectivos constgoata-
lios Jose da Silva Loyo k Filho._____________
Para o Aracaty em direitura sahe o novo e
superior palhabote naoional Leonilia da Ctmz, ca-
pital e pratico Manoel Caetano da Costa, tern parte
de sen carregamento t nfajado; e para o resto qne
falta, trata-se com o consign;.tario Antonio Alberto
de jonra Agniar, a rna do Amorimn. 60._______
Companhia Allianca Mari-
tima Portuense.
A gak ra portugueza Saudade, seguira em pon-
cos dias para o Porto, com escala por Lisboa.
Ja tern contralada gr.n'le parte ua carga ; e
para o resto, trata-se com os consignatarios e
agentes da cninpanhia-
Jose da Silva V yo & Filhe,
em sen escripiono a rua da Companhia Pernam-
bucana.
Rio de Janeiro
Para o referido porto pretende seguir cmn pou-
ca demora o patacho brasileiro Arabe, por ter a
inaior parte de seu carregamento engajado ; e
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com os cinsignatarios Joaquim Jose Goncal
ves Reltrao i Filho, a rua do Cummercio n. 8.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\avegaeSo casteira a vapor.
MACET6, BSOAX*9, PENEDO E ARACAJU*.
0 vapor Curunpe,
commandante Santos,
seguira para os por
tos acinia no dia 14
do corrente, as 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga ate o dia 12 do corrente, encom
Benda? ate o dia 13, pas*agens e dinheiro a fret*
ite as 2 horas da tarde do dia da sahida : e.
:ript&rio no Forte dc Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBlCAIvT"
DE
V'avegaciio costeira a vnpwr
RIO FORMOSO E TAMANDARE.
0 vapor P rahyba, com-
mandante Pedro, segui-
ra para o porto acima
no dia 15 in margo as
9 horas da noite.
Recede carga, encom-
mendas, passageiros e di-
aheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
a. 12._________________________________
COMPANHIA PEKNAMBICANA
BE
\v*gji*'l5 costeira a vapor.
ARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA
TY, C.ARA, MANDAHIT, ACARACU* E GRANJA.
0 vapor Pirnpama,
commandante Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia 14
do corrente, as 5
horas da tarde.
Recebe carga ate o dia I i do corrente. encom
uendas ate o dia 13, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 horas ,1a tarde do dia da sahida :
8scriptorio no Porte ao Mattos n. 12.
brtlnames,, praki Mi.lczas, pecfu-
wm niachitia p*e* picar fmno
moveis, onro,
marias 4*M
pertencestes ao Illm. Sr. Francesco Fe'nandes Li-
ma que se retira para a Eurooa, e euins objee-
tos se-aokam uu arnnziin da rua da Vigario
Theoeria n. H, onde *e effectuara o Mao
As 11 horas em ponto
0 preposto do agente Potana, antarisado pelo
Sr. tPanciseo Fernade Lima, tan leiiao dos
ubiecaos abaixo declaTado*.
ua meio adereco de mirhamtes 1 aroches de
ooro para retratos. 1 caixi de. onro cravejada de
per*.las com esmaMe, 1 rica, <"icrianinha de prata
de lei, I bacia e jjwro laubem de prata, 2 sal as
idm, 1 dnzia de eolheres para -sopa, idem, I c>-
Hrer para lirai anroz, 4 c n ha para sopa, 1 dita
ipara molho, 1 paliteim, 1 pa para tirar peixe, 2
conchas para assuca*, 1 coiner on esnumadeira
para cha, 1 copo grande para agua, 1 duzla de
ci Iheres para ro, diversas cassoletas de ouro e onix e bem assim
brincos do mesmo, 1 rica mobilia de iacaranda,
usada, 1 mesa ela-tiea, 1 santnario de jacaranda,
1 secretaria,^ dniias deeadeiras usadas e 1 cama
de amarello, e mnitos ontros objeetos pertencen-
tes ao mesmo Sr., qoe por ser enfadonho deixa-se
de niencionar
HOJE
K' RUA DO VKiARIO THENORIO N. 11,
aRMAZEM.
Pela preposto do agente Pcs-
________________tana._______________
LEI LAO
DE
moveis, louca, cristaes,
1 carro de 4 rodas, coherto, c> m arreios (em op-
tiino e:tad<'), 1 carruca de 2 rodas e 1 boi
ASABEK:
Um piano forte e quasi novo, 1 mobilia de ja-
caranda com tampos de pedra, jarros e vasos pa-
ra flores, qnadros, espelhos dourados, 2 serpen-
tinas, 2 candieiros a gaz, 1 relogio, tapetes, 2
transparentes, lancas e cortinados.
? Uma mebilia de faia branca, cadeiras de balan-
co, escarradeiras, tapetes, l macbina de costura.
Um guarda veslidos, 1 cama franceza, c<>mmo-
das, lavatorio, 1 santuario, quadros com Dnas gra-
vuras, 1 marqneza.
I'ma mesa de jantar, I aparadores, 1 sofa, 12
cadiiras, quartinheiras, louca para ci a e*jantar,
copos, calices, garrafase muitos outros objeetos
de casa de familia
Quarta-feira 11 do corrente
No :.rma em da rsa do Bom Jesus n. 20.
0 agente Pinto levzra a leilao, por conta de nma
familia que mudou de residencia, os moveis e
mais object's acima mencionados, existentes no
armazem da rua do Bom Jesus n. 20, em frente
ao chafariz.
Prineipiara as 10 1|2 horas.
Terceiro e ultimo
Leilao
DE
Vinhos e feijaO.
QL'ARTA-FEiRA II DO CORRENTE
A's 10 1 [2 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
iondega.
O agente Dias, compet ntemente autprisado,
vendera em leilao, no dia e hora acima designadi,
15 pipas com vinho marca O. R, cerca de SO
duzias de garrafas de vinho Souterno e 100 sac-
cos com feijao nuilatinh >.
A'
Segue com brevidade para o referido porlo a
escuna Georgiana, lendo ja parte de seu carrega-
mento engajado : para o resto, trata-se com Tasso
Irmaos & C, a rua do A.uorim n. 37.
LEILAO
DE
um carro francez (victoria) meio usado, com 4 ro-
das, coberto, para quatro pessoas dentro e duv
na bclea, e com ineios para dous cavallos, tu
do em be m estado.
Qiiarta-frirn 11 do corrente
Por interveneao do agente Pinto
Em frente ao arinszem do sobrado n. 90 da rua
do Bom JestBH. 20, por ccrasiao do leilao pa
moveis.
o piancvl rica mobilia de jacaranda, do til time
' cxf&fii ie so'*. cadeiras de braco*, 2
i de balaUb, 1 *
Irteopian
Josto. *___
Itas de oalaHQb, 1 jardineira com tampo de pe-
dra, 2 consolos com ttmpos de pedra, 2 cadeiras
de guarni^io, 2 tapetes, 1 par de serpenflnas, 3
pares de jarrps lindos e de gosto, 1 candleiioa
gar, banca ie jacsranda, gnarda lon^a d ama
rello, I aparadur de aman-llo com tampo de pe-
dra, I guarda vestidos, 1 sofa de amarerlo, t ra-
deira de balanco, I rica mesa ela boas. 1 toaiheiro de amarerlo, 1 quartinheira, 1
caaide, 12 cadeiras de faia, 1 tattlet com tampo
de pedra, mesas, jarras para agua, 1 pote gran-
d^ 1 favatorio, jarro, quartinhas, bilhas, bacia*
de Ffandres para agua, regador, trem de cozinha,
balan<;a, apparelho para jantar, dito para almoco,
toillet, cadeiras avulsas, cAma franceza,'marque
zas, inarquez5-s para sulteirns. 1 oiccfonario
francez. i volume geral de ehiinrca e outros ar
tigos domeslicos, que se agharao patentes no dia
do leilao.
0 agete Pinho Bnrges, autorisado p^lo Sr.
merico Nuues Cmreia, que ?e retira para Eu-
nuia, te\-ara a lc:l;o os movi.i e mais artigos
acima declarados, os quaes sao de gosto e se
acham em bom e-tado-
Serio transportados para o referido sobrado a
pedido do mesmo Sr. por ser o lugar qne foi an-
anunneiado um pouco rttirado.
Leilao
DE
fazeodas avariadas
SEXTA-FEIRA 13 DO CORRENTE
4s 10 1|2 horas em ponto
0 agente Pinto fara leilao por autorisacao do
gerente do consulado de Franpa, em presenca de
seu chanceller e por conta e risco de quem per-
tencer, de uma caixa marca trianglo 0 J & C.
contramarea S & F n. 2, contendo 30 duzias de
camisas de cretone, avariadas a bordo da vapor
francez Henry IV, na sna ultima viageoi a este
porto ; as 10 1|2 horas do dia acima dito, em
seu escriptorio, a rna do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
No dia 20 do corrente vao a leilao todos os
objeetos dados era penhor que esliveren venci-
dos, salvo aquelles que ate aquella data pagarem
os premios vencidos.
Travessa da rua das Crates n. 2.
LEILAO
Leililo
I
JEMQ1UjU PENANTE
Quarta-feira 11 de mareo.
BenefMo do actor
Para Lisboa
0 patacho portuguez Graciosa, vai sahir com
brevidade por ter a maior parte da carga promp-
ta,e para o resto trata-se com os consignatarlos
Silvi Guimaraes & '".. praca do Corpo Santo nu
mero'6.
Depois que a orchestra tiver execatado uma do
^uas melhores ouvcrturas, subira :i scena o dis-
parate comico em I a<"to, representado pela me-
ninas Bkwas :
Que pai;.
Seguir.'. pelas mesmas o Lnteressante doetf)
Paaella do feilico.
Continiia o eepectacalo com a graciosa e muito
applaudida se'eena J'omica, represenJada pela me-
nina Julia Riosa :
0 SB, 00UING0S FORA DO
TerminarJ o especiaculo com a representacao
do vaudeville em 1 acto :
Soiree do carnav&L
A's 8 Ii2 horas.
0 beneiiciado espera a -proteccao do illjisirado
publico euj.i philantropia e&o conhecida.
PMmull ill ll.li,.nUM|M,^t<
avisos- mmiMd&
Capitania do porto de
Pernan buco.
A\iio aos navexantco.
Pot esta capitania se taz publico, para sciencia
dos navegantes qne segundo communicoe o Illm.
Sr. capitao do porto daprovincia do Ceara, o pba-
rol de Mucuripe, em contequencia de sejter arre-
bentado a corda que sustentava os pesos" nSo gyra
regnlarmente, e por consegninte a luz de systema
lenticular esla um pouco amortecida, e assim n5o
fnncciona como devera o mesmo pharol.
Capiunia, 6 de mareo de 1874.
0 secrctario,
Deem d"Aquino Foaeeca.
. --
mm
Oiiiipanhia
DE
massas para sopa
OIAIITA-FEIRA 11 DO CORRENTE
A's lO 113 horas.
No armazem do Sr. Annes, em frente da alian
dega.
Por in:erven';5o do agente Dias e em continue
eao do leilao de vinhos e.leilao vender-se-ha 20
caixas com massas italianas de superior qualid;-
de para sopa.
Grande ieira
DE
locomotoras e carros do syste-
ma Thomson, ou carros de
borracba
Mo dia 15 de abril.
Em virtude de nao se poder dispdr de boas es-
tradas. de rodagem nesta provincia, os possnidores
do material acima mencicnado estao resolvidos a
vende-lo todo.em leilao ou separadamente, confor-
mese convencionar.
0 emprego deUas machinas em granie numero
de paizes da Europa, Asia, America do Norte,
onde ellas tem snhstituido os antigos systemas de
transportar cargas pesadas, dispensam os seus
possuidore9 de encarecerem a sua grande utilida-
de, como meio de transports economico e commo-
do para os engenhos, e toda sorte de proprielade
agri ola ou industrial, que disponha de planieies,
cujasitua.ao dos respectivos depositos ou arma-
zens fiquem distantes do lugar de producjao ou de
fabrico.
Estas machinas podem trabalhar como machi-
nas fixas, para o que tem competentes volantes, e
servir para serrarias, enfardamento de algodao e
fazer mover toda a sorte de apparelhos, etc., etc.
0 materia 1 consta do seguinte :
2 lecomotoras de forca nominal de 8 cavallos
cada nma, com caldeiras verticaes e fornalhas
quadradas e oval, podendo queimar carvao ou le-
nha, com fumigaderes e cinzeiros, dispostos de
sorte qe se previne qnalqner accidente de incen-
dio. Estas machinas possuem todas as pecas in-
dispensaveis de Subrcsalentes, e sio compietas a
todas os respeitos, estao novas e em perfeilo esta-
do de conser agao, visto como, apenas traballia-
ram o tempo necessario para se deraonstrar pra-
licamente as suas vantagens.
,6 carros solidamente construidos, suspensos era
exccllentes molas, sendo dous com portas late-
raes, dous com ditas na parte p"sterior e dous ra-
so8, proprios psra transporte de caldeiras, moen
das. etc.
0 leilao sera effectuado pelo agente Pinto, a rua
d'Aurera n. 91, estacao das ditas machinas, e pe
las It horas horas do dia 15 de abril.
Da-se todos os esclarecimentos a rua do Bom
Jesus n. 8. priraeiro andar.
A&000
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes factnras bem sor
tidas de betinas A*, bezerro, de cordavio, de pelb-
ca, de dnraqne com hiqneira, de bezerro com bn-
tSes, n com ilhozes a.9*000 (a escolh r) por
vindo grande quantid^de por conta e ordem
fabricaotes : ao armazem do vapor francei, a
do Baiao da Victoria (oatr'ora Nova) n. 7.
ter
dos
rna
Calcado

0VF8S0S
DE
uma mobilia de jacaranda
mesa elastica. eamas fran-
cezas, commodas, relogio^
de algibeira, parede e de
Attencao.
Prpcisa-se ccm urgencia de uma ama de
leite, que seja S3dia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de ama
crianr^a de dias, dando-se prcferencia & mu-
Iher do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias apparega no 3." audar desta
typographia para Iratar.
Soc. ~
la rua
num de
flo a vapor
Linha menscd entre
Navega
0
Havre, Lisbon, Pernambnco, Rio de
Janeiro, (Santos, soniente na vol
ta > Monlevid*o, BuenosAyres,
(cona baldeneao para oRosariol
STEAHER
WLU WE B VHI\
Conatuanilante. I. Robert.
Espera-se dos portos do sul jte 12 do corrente,
seguindo depois da indispensavei dmora do costu-
me para o Havre com escala por Lisboa.
Para enc9.rume.ndas e passageiros, trata-se
eom
OS ONSJCMATARIOS
ACGUSTO F. D'OtlVElRA 4C-
i2-~Rua doCoTimercioEutrada pela ruf
do Torres.
Cor.v Liv.\ Pop.-., do vale
de Marcilio Dias n. 112.
Obrigado por forca maior, convidase a todos
os lir.'. que se acham no goso de seus direitos
Mac.'., & uma reuniao de assemblea geral que
tera lugar domingo 15 do corrente as 10 horas
da manhi, e assim constituida poder d-liberar e
resolver delinitivamente da coveniencia ou nao
da existencia da sociedade, certos de que, as lu-
zes e ofliciaes que a tem mautido procuram este
meio como salvaguarda de um desappareeimonto
temar$o uma qualquer resolueao com o numero
Cima de mesa. pianOS, Se- de.lir- 14e eompareeer.
' '. Secretaria da Loj.\ Cor.-. Liv.-. Pop.
cretanas, :uarda-comidag raarf *?I87i
,. '.a T 0 Itr, secret.-.
e jardineiras, objeetos de______________a. j. Bandeira.
riiir a nvnt otnnJ+Ao .- "" "baixo ass-ignado, tendo de tazer tuna
OlirO e piai e mUltOS ; r- viagem a Europa, julga nada dever a pessoa al-
jguraa, quer de conta, ou titnlos, e se alguma
pessoa se julgar seu credor, tenham a honiade
Je apresntor sens titulos, o que prove seu ere
dito, a rua da Alegria u. 3, em Olinda. rua do
Bom Fim n. 21, no prazo de 8 dia?, |ue sendo
verdadeiros serSo promptainonte pago-=. a contar
da presenle data.
Itecife, 6 de man;o de 1874
Joao Luiz Ferreira Ribeiro.

Para home in.
BOTINAS de bezerro, cordavao, |>erlica, lustre r
de duraqnc com biqueira, dos melhore
fabricantes.
SAPATOES de bererro, de cordavao e de case
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de nao, pro
prios para banhos, sitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranc*
francezes e portngnezes.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes.
lisas, enfeitadas e bordadas.
'APaTINHOS de phantasia com salto, brancos
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para meninag.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes.
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qnalidades.
SAPATOS de tranca portngnezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diverse
qnalidades.
SAPATOS de tranca francezes e Portugueses.
Botas de montaria.
Lotas a Napolelo e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homen e meias perneira.*
para meninos.
No armazem do vapor france?, a rua do Bara<
g- Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernii.5<->
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costn
reiras, tudo isto muito bom por serera fortes e
levos. e oa mais proprios moveis para saletas ega
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Barai
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes i
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, on
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den
trifice, agua de flor de laranja, agaa de toilete.
divina, florida, lavande, pos de arrez, sabonetes!
cosaieticos, muitos artigos delicados em perfuma
ria para presentss om frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e -arrafas de differentes tama
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou
dray.
No armazem do vapor francez, a rna do Bara<
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos r
phantnzias.
Espelhos donrados para sala? e gabinetes.
Leques para senhoras e pa-a meninas.
Luvas de Jouvin, de flo de Esccd? e de camurc*
Caixinhas de costura orcada em musica.
Albuns e pudnnJ >s pa i retratcs.
Caixinhas com viur dt aogmmtar i ctratos.
Diversas ohras de ouro bom.de lei gorantido.
Correntes de plaque muito bonitas para relo
gios.
f'n cos .r*c**zq., ? botoes de punhos de pla
que.
Bolsinhas b cotres de seda, do velludo e de cou
rinho de cores.
Novos objeetos de pbantazia para cima de mes>
s toilette.
Pincinez de cores, de prata dourado, de a^o
de tartarnga.
Oculos de aco flno e de todas as guarnicSes.
Bengalas de luxo, canna, com castles de mar
grande sortiment> par-
e de mnitas qualidade.'
-') de
tigos douso domestico
QllNTA-KtlKA 12 DO CORRENTE
As 11 horas do dia acima.
PEIKA sEtVliNlL
10-Ra do isiiperador-.O
pelo agente Martins.
LEILOEf
LEIUO
DE
Para.
Pretende seguir para o indicado porto, com pou-
ca demora, a barca portugueza Social, por ter
per$io da earga engajad-; e para o qne lhe falta,
trata-se com os consignatarios Joaquim Jose Gon-
calves Beltrao & Filho, a ma do Commercing.
a Para o Rio i\rmk do Sul
O patacho BeniOca
aahJr brevemente, revbo aiirmni carga a frete
awitarno eicriprorio de B..'iii. otiveira 4C ^[casa a qualquer Sr pretepdapte.
loa^, 1 ,v.fre de ferro, candieiros a gaz, e mais
pertencas existentes no estabelecimeato da rna
do Marquez de Olinda n. 25. .
Hoje
as 11 horas da manha
0 agente Dias, compeienteraente autoriado por
mandado do Exra. Sr. desembargador jniz de or-
phaos, levara' a leilao no dia e hora acima ittig-
nados, a louca e mail artigos exi-ientes no mesmo
estabeleeiroento,.pertenceat9s aos bens do falleci-
doMauoel Vieira
0 balanco existe em poder do mesmo agente, a
rua do Marquez de Olinda n. 37, onde pode ser
desde Ja examinado, e garante-se o traspasse da
DE
100 caixas com massas italianas.
35 dias com vermouth.
17 ditas com tigos em latas.
10 ditas com cognac.
6 barris com vinho Xerez.
Quinta-feira 12 do corrente
A's ft horas.
No armazem n. 16 da companhia Pernambucana.
0 agente Pinto fara leilao por conta e risco de
Inem pertencer, em lotes a vontade dos compra-
ores, dos generos acima mencionados, ulbma-
raente descarregados e existentes no armazem n.
16, da companaia pernambucana, onde se effec-
tuara o leilao as II boras do dia acima dito.
leilao
DE
A mesa regedora da irmndade do Senhor
am Jesus dos Martyrios da igreja nova da fregue-
de S. Jose", tendo ile apre*entar em solemne
prpissao a iroagem de seu padroeir4>, como e de
eo4ume, desde o anno de 1792, em vista dt con-
firaacao de seu comproraisso, na qnarta sexta-
feiit da presente qnaresma, aflm de preueber urn
ias da pemtencia do Senhor, por isto a mesa
ra annuueia ao respeitavel poblico as ruas
Ha tem de passar : rua dos Martyrios, Au-
Imperial, largo da; Cinco Pontas, largo do
rua Direita, largo do Livramento, rua dc
Qujiaado, largo do Collegio, rna da Cadeia, de S.
Fraciseo, das Cruzes, praca da Independencia,
fni ilo Cabuga. Nova, Camboa do Carmo, largo do
Ca io, rua de Hortas a recolher.
msistorio da irmandade do Senhor Bom Jesus
do Hartyriosda igreja nova, 10 de mareo de 1874.
, Policarpo Ramos de Jesus
Escrivao.
itengal/as diversas era
omens e meninos.
Chicotinhos de baleia
iiversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charntos e cfgarros
Pentes de tartaruga para desembara^ar e par
barba.
Ditos de marfim muito finos, para limpar ^-n
beca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den
tes.
Carteiriuhas de medreperola para dinreiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homen-
e meninos.
Campainhas de mola para ch^mar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
raaes e francezes.
Mala3, boljas e sa'-cos de viagem de mar e ca
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as eriancas morde
rem, bom para os dentes.
Bercos de vimes para embalar erianeaa.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
eriancas.
Veneaianas transparentes para portas ejanellas
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e eosmoramas com eseothidv
vistas.
Lanternas magicas ^om ricks vi.-tas de cores em
Vidros.
Vidros avulsos para ^osmorama.
Globos de papel de rflres para illuminacoes de
festas.
Baloes aereostatiros de papel de seda mm facil
ie subir.
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadores de palha e de pennas.
Tesourinhas e canivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lantemas
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para
qnadros.
Quadros ja promptos com paysagens e phanta-
lia,
Estampas avulsas de santos, paysagens e phan
tanas.
Objeetos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com Hildas pecas.
Realejos barmonicos ou accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos dc quinquilha-
rias diffleeis de mencionar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros,pe* e palmos para
medir terrenos.
Caixeirt
Precisa-se de um caixeiro que teoha
pratica de fazendas e miudezas, e que qocara hr
para Pao d'Alho : a trattr aa rua do Lii
nnmero 6.
Criado'
No collegio de Santa Gennveva precisa-se de am
criado para copeiro. piefere-se escravo. ^_____
Arren com bons terrenos para safrejar S,(MM) pies, maims
d'agua : a tratar no Recife, com Gabriel Antooio-
de Castro Qmntaes, ou no engenho Amaraf i (de
bestaa) m fregneiia da Eseada, eom o Dr. Jot*
Kugenio ila Silva Ramon.
Prectsa se de dnas ama* estrangeiras, sendo
nma para tratar de nma menma de seis mezes e a
outra para engommar: a tratar nn largo do Corpo
Santo n. 6, ou no sitio.no Maniininho n. 104.
Escrava fugida
No dia 23 de fevereiro fugio a escrava de at me
Vicencia, com os signaes segnintes : baixa df>
corpo, n*to bexigoento, faltam-lhe os dedos eni
um dos pes, e falta de dentes : pede-se as autri-
dades policiaes a sna apprehensao, e a fa<'?.m c.n-
auzir ao pateo do Carmo n. 4. que serio bem re-
compensados.
CASA DA mWT
AOS 4:000^000.
BILH.ETES GARWTIDOS.
-ia Primeiro de, .tfarpo outr'ora rua 4*
Crespo) n. 23 e cosas do costume.
Aeiam-se a venoa os felizes bilbetes garanlidoa
la 1* parte das lotenas a benedcio d* matriz
da Varzea (9"), que se extr^hira na sexta feita.
13 do corrente.
PBECOS
Bilhete int. ir." 4*000
Metobilhele if
tU PORVAODE 100>OOOi'ARA C!Mk.
Bilhete inteiru : Meio bilhete 1*750
Mi.noel Martins Fiuza
m\mm\
Uma escrava boa cozinheira e lavadeira ; r
da quantia de cm mil reis para completar o pre-
co de sua alfurria, sujeitando se a fazer locftflao
de ens =ervic,os : a tratar na rua da Medade a.
H de 6 as 9 horas da manha de todos i dias
ll!e:s
Francisco lore da ril-a Brag,-., '.em inatb *
eontratado a eontpra da tav r i. t. i rua Av Lima
n. 32, perteneente a Si 'tit n;o -Ives da C i
Junior, livre e den mtoracadi de qualquer onus.
Se alguem se julgar com direito a mesma
dirgir se a rua do PajMaid n 33 <'.. no prai Ie
3 dias eontados da fata dote.
Recife, ti J mareo de 1874.
a i do coi rente mor, do engenho Bapaeaia, ia
beribe, o escravo Geraldo, cor best preta, air. asl-
ma do commum, refor^ado do corpo, olhos peque-
nos e regalados, tem nin trope^u n > i riaeipio da
palavra, que parece gago seni o aer, iatural do
Cjara,idade, pouco mai< ou meuos, U assaa, le-
vou vestido calca e cami~a i!e algoda. hraoe >, e
taiiihem um paletot pn to ; easali qne elie r-lava
em casa do Sr. Prederieo Chaves, n nadoi mui
proximo daqnelle engenho. dizendo a quem o en-
oontrava que o moemo Sr. rhawi a tinh.i
prado. e eon esta nolicia reeoffMU-M a ptiScaa,
que pres'ou tres soldados, e na oeea>iao em qu-1 n
aproxiicavam da casa daqnelle wobor, en nil -
ram dito negro em pe ua sua port*, a que presen-
tindo que iam em sna captura. node evasa*-l
novo. e depois dtsse dia (G do corrrnb> ainda lis
seteve mais n< ticia : peJe se as aatoridad -
petentes e capiiiies de campo a sua captura.
Tiiilurarja

RUA MATHIAS DE ALBOQCBRtJIE S
(antiga rua das Flores).
Tmgi se, lava-se e limpa-se com a sjai
ii'i. lo faZdBdas em peeas ou em obras de ,
quer qoalidade que jam, taes coioo, li. alg
m- la. tcuquiin, pennas, chapeos dc f> Im
maiiilha. on p illinha de todas as cores, etc.
Os Srs Degueiantee, logistas e utiea
experimentem que lodoa acharao preteMg a vaa-
tagens
Aviso : Dtpois do ultimo oeaM MB e n
fleam eomideradM como abandonados lod
objeetos entregues a esta casa no anso de 19' I,
e serao vendidospelo preco do s.u irabalh
Roubo
loucas flnas, vidros, erystaes e outroa mnitos
artigof.
Quinto-feira \l do c< rrente
A's I I horas vn mi h t
No 6aL^*o a. 50, primeiro andar, a rua ,Jo Bom
Jesus, ontr ora Cruze< 1 .
A saber|
P" Declara^ao
Qabaixo assignado, nao podendo dear no esta-
belcimento sito a rua do Imperador ns 16, que
ou ora teve de sociedade com seu irmao Manoe!
do (aseimento Silva, sob a flrma de Silva ft Ir
mi visto se achar bastanta doente e ter de entrar
em-igoroso tratamento, pelo presente declara qne
amlavelmente retirou-se do referido a.'tabeleci-
meno, ficando como nnico dono e renponsavel
peMpaisivo e active do dito estabeiecimento Ma
ooello Nascimento ; n n abaixo assignado desli-
gaaode qualquer onus : nao tendo vigor algum a
declracao feiu no Diarit de J do corrente.
Reife, 9 de margo de 1874
____________Olympio da Silva._______
Aluga-se um raoleqne de 16 annos e de t>aa
' "Ueta a tratar na rna do Duque? de Caxias
Brinqnedas para meninos
A maior variedade que se pode desejar de to-
dos os brinquedps fabricados em differentes partes
da Enropa, para entretenimento das eriancas, tudo
a precos mais resumidos qne e poasivel : no ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Victo-
ria, outr'ora ma Nova n. 7.
Cestinhas para costura
Grande sortlmento de bonitos modelos ehegados
ao armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora rna Nova, n. 7.
Roga-se aos S-s. relojoeiros e i. ais pv-
a quem for offerecido um relogio patente ia-
glez, coberto, n. 3Wri5, eom uma peifuena amas-
sadura na Umpa, qne apprehendam, visto ter
sido roubado em o dia 7 do corrente, e Jirijam -
a rua do Vigario Thenorio, n. II, qne d3r
nma vantajosa gratiiicacio.
AVISO


Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, situado na pro-
vincia de Alagoas, comarca do Porto Calvo, a
menos de uma legoa diatante do porto de nar do
Gamella, tem oxeellentes terras, matas, e safreia
regnlaroeate 8,(00 pSes. _________*
A In '-'a- >e o quarto andar do predio n. 53 da
rua R m Jesus, antigamente rna da Crnz : a
traf.' a nretma rua n. 55. I
Os abaixo assignados. administradores da ex-
tincta companhia de Pernambnco e Parahyba,
por nomeacio da junta de liquidacio dos fuados,
em sessao na cidade de Lisboa aos SI de fevere -
ro do corrente anno, participant aos devedorw
dessa companhia que sO'elles se acham autoris*-
dos a tratar em nome d'ella, receber amigavel on
jndicialmente qnaesqner quantlas, passar reeiboa
ou quitacoes, sendo nulla e de nenhum effelte
qnalqner transaccao qne nao for celebrada pelos
mesmos abaixo assignados.
Recife, 9 de raarpo de 1874.
Olyssei Vianna.
_______Antonio Francisco de Souxa Gaspar.
Joao Lniz Ferreira Hibeiro. tendo de fazer
nma viagem a Enropa, deixa por was proesra
dores o* Srs. : coma primeiro Miguel Jose Bar-
bosa Gniraaraes, segundo Francisco Ant. nio Mar-
tins, terceiro Jose Heaaetrrio de Caatro Amarai
e quarto Maoo'el Lniz Ribeiro, e para o eiveL bo
caso de serem precisoa, como advogados oa Srs.
Dra. Manoel Joaquim da SHveira e Lniz Eaycdio
Rodrigues Yianna, pr,*ura lores tm r*. farose!
BaraU e Sena Dias.
Recife, 6 de mareo de 1874.

\


a



Sfltlo *e ^tot&mbuoo fii f<$a feira W^sfcM^frW* l#U.
WIHMlTlfO DO'WWMAN
RUA DO 8MB 9. 52

\}T 1 ^Wlo*J\Iafarfe> **'
PEOEM \OS ienborei de engc-nho e raftrofl j>grirr.l %ftmumo o f*vor de um* visiu a sea eMbda<\nitriU). Iitrt'vrai o y j Mcttkurrfj
ompleto qae ahi tem; seado todo soperior em qoaiidade a fortidio; o quo com a ids
*ccio pewoa! pode-M verifitar. _,. ._.-,.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDK.AO
TTa%#ma<. a ,4b i..f.nn do* mais modernos aystemas *.em u
YapOre3 6 rOdaS d'agaa mahboa convenieutes para a* diversah
orcnmaianciae doa senborea proprietario* a para dfcacarooar algodao.
Moendas de canna J 0,tam,Dh08' u'mlh0T" qoe 5?
Rodas dentadas pi.""***
Taixas ie ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiqnes e fondos de alambiques.
MonltiTiiamna P*r mtndioca o aigodao.l Podeodo' todoa
TllttCIllIllSIllOo pira terrar madeira. Tsor movidos a mao
Unmhoa fa" ?gn, vapor' ii.
nUUlUaa d.e patente, garantidas........ loo animaes.
fodae as maohinas pe?"de ,oa M C08t0'n, prec'"r'
fas qualquer concerto de cbifliMno',T,W0 mniTOTn*"0-
Formas de ferro ?" awUM'rw e m,i' Untu Mi8teDU" M mer'
IhiAAmwiAtiiloa Incnmbe-ae de mandar vir qoalqner machinismo i von
^IlCOinilloIiaiiS. tj^e dot clientea, lembrando-lbea a vantagem defsxerem
40M eompru por intermedio de peaeoa entendida, e qne em qnalqner necesaidade pdde
aai.oresUr aomlio.
Arados americanos e ^*amt0, ,ricolM
RUA M BRUM N. 52
VASSAIMiO O CHAFAMZ
FUNDICAO DE FERRO
*' m do lario do Trinmpbe (rna do Bruin) ns. 100 a Hi
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Tnglaterra complete sortimentp de ferragens e machinas para *i>
genhos, asmais modernas e melhorobra quetem vindo ao mercSdo.
VapOreS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
UaluGiraS de sobresalente para vapores.
JlOendaS lnteir&S e meias moendas, obra como aunca aqui veio.
TaixaS fimdidaS e batidas, dos melhores fabricates.
cCOClaS u aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOClaS QGDtaClaS de todos os tamanhos e qualidades.
RelogiOB e apitOS para vapores.
OOmbaS de ferro, de repucho.
AratlOS de diversas qualidades.
FormaS para aSSUCar grandes e pequenas.
OonoertOS concertam com promptidio qualquer obra ou machina, para o qoe tetge
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
RnPOTT1 mPTida <5 mandam vir por encommenda da Europa, qoa'.quer machinismo,
uuwiumouuao ^ q ^ se ^^pondem com uma respeitavel casa de Londre*
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Bram) ns. 100 a 104:
FUNDICAO DE CARDOSO 4 IRMAO.
40 Rua Jo Imperador 49
co,ll0 l : Um, VLvcl, Hap, etc. Oikr,^-s. l^K*,^. qul,,;,-, ^r^"
rioS, ..iaujiados expmsamonte constru.r para esie china, o qual os amadores dos
bons pianos sd encontrarSo nesta oasa.
Reoobem-se pianos usados em r".ca.
("oncertam-se e afinam-se pianos.
Tambom avisa-se aos Srs.
2a
N ma do Barao da V,cluri> n. 36 precis**
Sllar ao Sr vigrio Ar^re Cur.i.o de Araujo Pe
aira, g pegK.)o de aoUjp|Cr9?se
<^H &% *%
eoncertadores de pianos Sffigrk
que ha sempre o mais complete sortimento de materiaes para cobcertar pianoi, eomo
sao: cepos. folha para os mesmoa, cravelhos, parafusos, castor, camursa. cordas,
marfim, etc., etc. ., ___ __
49 RUA 1M IJIHEAB *9
MM
\
I /EscraVo Tugido.
H sexta-feira, i7 de fevereiro, sahio da caa de
sua senhora o escravo Vicente, preto, alto, boiijos
grossos, levanJo cataa e camisa de aljrodSo de
riscadinho anil, tendo esta as raangas enrta? '
Nao se pirestando o peqaeno espaeo do armazera
n 10 A, a rna da Madre de Deos, para nm atoaste-' coiinbewo, o qne facilmente se connece peias maos;
" la foi visto na Vanes, e eonsta qne e?t* para o
lado das barreiras do Caxanga : recommenda ? e
ao Sr. snbdelegado da Varies a captura de dito
escravo, entregando o no Recife ao capitao jos*
Lanrentino de Azevedo. _______
cido deposito das diversas marcas de (umo, que o
abaixo assgnado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberlo outro eetabeleejmento sob a me-raa
deDomiaa^ao de
\ mm in do fun.0
A' rua do Amorim n. 41
com tudas as pn^)orQ5es desejadas, e onde poJe-
rio os senho-es fregneies dirigir se, certos de
fque, como ate ^ui, ac^arao sempre a par da mo-
dicidade dos preijos, a maior sinceridade aossivel.
Entre as differeotes marcas de furao da Bahia a
Rio de Janeiro, que tem sido annunciadap, acaha
de rli^gar uma eiicommento especial, e^ue muito
dtve conviraos senhores treguezes. Gonsciente o
aia xo assignado de qae oeste geDero de negocie-
uao esta sem competidores, farcLrauKo por evitar
qne tambem os tenha cnmTelatao ao pequeno lu-
frn que procurara obwr da dita mercadoria.
Jose Domhigne* do Oarmo e Silva.
AUen^ao.
Fusio do eogeuho Firmeza, na freguezia da
E=cada, no dia tt deTevereiro, o escravo Albino,
crionlo, comos segomtes signaes c3r preta, idade
de 20 annos, alt-s corpo reeular, bonita Bgori)
olhos um pouco esbranqar^ados, tem de um lado
das costas umcarocinho a semelhanca de uma
jaboticaba : pefle-se as autorida4es pcliciaes e ca-
pities de caropo a apprehensao do dito escravo,
podendo entrega-lo no dito engenho, on na rna
do Torres n. fi, escriptorio s certos de que se
dara boa recOmpensa.________________________
Offerecese uma am* de leite com filho : a
tratama rua de S Miguel n. 28, em Afogados.
FUG10.
E. A. DELUUCHE.
49Rua do Marquez de Ollnda-49
Acaba de receber um grande sortirru nto de re
logios americanos para parede e mesa, de corda
de 24 hrras e de corda de 8 dias, com despertadoj
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de ouro patente inglez verdadeiros, des-
ecbertu com ponteiro grande no meio, dos mais
modernos e do melhor fabricante deJJ ndres.
Grande sorlimento de relogios de prata, prata
dourada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque" ), oriental e patente, de todc
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oculos de todas as qualidades.
Verdadeiros vidros de chnstal da Rcclia, para
vista cansada.
Vendese tudo por prejo mais barato que em
ontra qnalqner parte.
V'is&n no dia I de marco, da casa de seu se
nlir, a mulatade nowe Lydia, com os signaes| a, i*'andar, a
si-gntstes : baixa, gorda, cabello9 crespos, peitos esse.
gr*He e caraiarga: quem s anpre'eader tra-
ga J a rua dt Sa*ta Rita n. 5, -entrada pela rua
'Ni>v.
Precisa-se d,e um amassador : nos Afogados
n. 27. _________________.
! Pedc-se ao Sr. Joaquim Pires Ferreira, i fa-
, iot de apparecer na n Primeiro de Marco n. 7
negocio de sen particular inte-
HOYHS PUBLlCAQQtS MUSICAES.
A. J. r%xevdo BiiaVait it.
Arav am de publirar se, e acham-se a
venda as segiiintfcS mnsicas :
PIANO SO".
Dansf. EspVNnoi.A, pnrAscber 2C000
Arabkit.a, ma7,urka, por G. W-r-
theimer 450O
Valsa no Favsto, pnr Crnyzpa -CO0O
Somio r>E uma viRr.F.ji, pf>r Alber-
tarzl i --ooo
Anna la Trie, ravatina !00 AoClair db la I.cse, por Bussmeyer 155t')
KSTRF.LLA DO ROUTE I p|)ika ,.rilhl,nte 1900
SAUDAgAO AO Babia(
CRICKET, por S<;ixas, offerecida aos
chriikets club peniainbucano e
hahiano 1*o0':>
I'lANorr.AMO.
Df.sespero, muito lindo romance
ror I. Snoltt 2500O
Non m'amava, romancp Ml 'uo.rcia 1JMK)0
Tambem r- obiu menide mosi^a para jiian^. j.iano e
antou'los, methodos, etc. te._________
urn
ede barata
Os Srs JoviM F'-rnan s rla Cm lotqi
m-nie Ie l.'mo^ Duarte. ^f rh.:r i h i r:
(>jn.nel Fuassuna n. 2fii, a afwtn a> p.-:-: lar
citT'-sse. _________
n. W
n
hapase argolas araeri-
canas
l Precisa-se atugar um escravo para o servico
'. em casa de familia: na rua Primeire de Marco
in. 23.
ODILON DUARTE k
CflBELliiaEIROS .
Premiados na exposiqao de 1872
...
RUA
da
1MPF.RATR1Z
N. 82
i.' ANDAR.
Ill A
n.\
1MPERATR1Z
l. ANDAR.
Manoei sapateiro esta fu-
gido.
Desappareeeu do engenho Darangunza, no
dia 27 de fevereiro proximo passade, o escravo
pi'.-to, de nome Manoei, official de sapafeiro, ja
idoso, de nac.So Angola, alto, de corpo regular,
tim falta de algnns dentes na frente, e bastante
ladino, rendido de uma verilha, tem uma das
maos nu ambas afoveiradas, e costuma a dizer
que e forro por algumas vezes que tem andado
lugido. Levou comsigo uma trouxa de fazendas
e mais objeetos qne comprou na povoa^ao de Fpo-
jnca. e julga-se ier elle fugido por ter achado a
quantia de cem mil reis, que seu senbor havia
perdido, provando-o com a evasio sem outro mo-
tivo, e por ter tracado na mesma povoacao uma
nota de vinte, apresentando nessa occasirto maior
quantia em diversas sedulas : roga-se pois, as au-
toridades c capitals de campo que o encontrarem
a approhen-ao do dito escravo, assim como, do di-
nheiro qu elle ainda tiver em sen poder e leva-
lo ao dito engenho A seu proprietario, a quem
pertenne-i'to escravo, ou nessa prnca ao Sr. An-
tonio Cliataeo Moreira Temporal, e sen conductor
sera recoarensado.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
iic^o os possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
luillo /jue fdr tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques xoodernissimos, trao^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados-pstran-
"liiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as sues encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfeiijao no trabalho, agrado, sinceridade e preo razoavel.
Pen team senhoras, tanto no estabelecimento eomo fora ; vende-se cabellos em
porcio e a retalho e todos os uteasilios pertencentes a arte de cabelleireiro.
CHAPEOS DA ULTIMA MODA
Chegaram lindos e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora : &
loja das columnas, de Antonio Correia da Vasconcellos, a" rua Primeiro de Mar-
co n. 13.
J
I
33
Constructor e aflnador de pianos
Rua do Imperador
-33
Ex-aflnador das antigas e afamadas cam Pleyel & Herz, e antigo direcirT das offlci-
\ na casa Alpbonse Blonde).
'* Tem a honra de declarar ao respeitavel pnblico desta cidade, que tem aberto sua easa de
concertos e afinacdes de pianos, qualquer que seja o estado do instrumento
A mesma casa acaba de receber nm grande sortimento de pianos dos melhores fabricante*
de Paris, COCK) Erard Pleyel, Henri Herz e Alphihue Blondel) todos os pianos sahidos da casa
Obibaut gao gaTantidos.
Compra-* e recebe-se em troca os pianos usados.
Narua do Imperador
n.28
preeisa-se fallar aos segnintes senhoras :
Domingos Martina is Barroe Moolelro.
Emigdio Marques de Sattfiago (Dr.)
Joao Vaz de Oliveira.
Jose Prancitco Lopes Lima (Nazareth).
Manoei Pereira Brandio.
Manoei dos Passos Miranda.
Theotonk) de Barros e Silva.
Franitoeo Pmto Hessoa (Dr)
Francisco de Panta Borges.
Franeisaa Ant mio Pootaa
4" Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
eicellente casa de habitagao e banhono rio
. i frenta desta: quem a pretender, pode
i orocurar i rua de Gervasio Pi res n. 24.

Oflferece-se
moco or*"e'r<) com bastanfe pratica de ta-
j verna. plra cuxml aodo. ^dor asua conjucu :
qnera preeisar, pdde fli^^flteS l*Z
wno b. tMaottga dos W.^ fabrioa de c'-
garros.
Joso Joaquim daCunha ^ C, para
^evitar duvidas futuras, vnn declarar que a
heraiK.a que'tem de haver Juaquim Elvirio
(D fabricante destas, tem a honra de participar ^jves fa *i[s* *<&& suietta a ttxecuQfio, que
J^^^el^e^te^p^^^cSe;^^ I ^e movem os mesmos Cunba & C, no Ho
m*ndas te dia 1 de mr;o ; portanto roga aos Formoso, e por isso com elle nniguem deve
f*^ >res qu quwerem monir-se de ditosobjeetos,! contratar acerca da mesma neran-a.
matJarerri s?5cas encommftndas com ante^eden
;'ia ao hotel E-^taminct, a rua do Imperador n. 32,
das 9 horas aomeio dia.
ATTENCAO
Constando aos abaixo assignado achar-se nes-
ta pract o Sr. Manoei Fernandes de Carvalho, ren-
deiro dos engenhos Rarra e Pregnica, em Ma-
manguape, nrovincia da Parahyba, veem rogar ao
raesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
tendente a< referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tasse Irmaos 4 C.
Alnga-se a loja de nm sobrado na rua das
Trincbeiras, aoade tem cartorin o escrirao Brito :
a tratar na rua do lmperad M
m
Precisa-se alugar nm ruoleque de 12 a 13 an-
nos de idade, -iue seja tiel : quem o liver, dirija
se a rua estreita- do Risario, sobrado n. 35. Na
nwsraa casa fornece-se comidas para fora.
de um criado
hotel Bordeau.
];recLsa-se
para todo o servico : a tratar no
\ttengao
j.
Furtaram na noite de 27 para 28 de fevereir >
ultimo, do cercadc do engenho .-'antos Mendes. os
tres seguintes animaes : nm bRrro todo preto,
grande, com a sarneia ralada da cangalha e um
calo, com dous no hospinhaeo e ignorando-se o
ferro do mesmo ; outro de cor melado sujo, de
meio, e estradeiro, tem signaes de cangalha, uma
das juntas diauteiras e mais grossa e as vezes
manqueja ; e finalmente uma burra de cor casta-
nha, muito nova, com um calo de csngalha em
um dos eneontros da pa, fueirtho e rodas dos olhos
brancos. Os dous ultimos teem o segmnte ferrro
Q. Quem os apprenender, ou der noticla certa no
mesmo engenho on na praca do Corpo Santo n.
19, no Recife, a Oliveira Fdhos & C, re-ebera a
grat^cacao de 1304, ou 501 per -ada im.
Itecife, 3 de mar?o de 1874.
Precisase de uma ama para "asa de, duas
pessoas, para cozinhar e engommar : na ruaDi-
reita n. 28, primeiro andar.
O armazem
n. 42.
Aluga-se
no cars do Capiharibe
precisa-se de um caixeiro de :2 a 14 annos]
qne teoha pratica de padaria ou mesmo sem ella:
na rua Direita n. 26.
Sementes de hortalices
vindas pelo ultima vapor, a rna da Cadeia do
Recife n. 53 ; tambem na mesma loja recebem en-
commandas para o sitio do Abrigo em Olinda, de
arvores fructiferas e outras proprias para adorno
de ruas a jardias, sortimenU) de palraeiras impe-
riaes e de ontras qualidades; assim como pes de
flores para jardins e vases, lodo por modico pre
co e garante-ie estaiem bem enraizadas todas as
plant as como e de costume.
Fugio
o escravo Juvenal.
Foi trajando calca de brim de riscado, camisa de
chita de riscado e chap^o de palha de Italia; e de
-cdr parda, idade de 12 annos, tem falta de um
dente na frente, e e ba-tante paroleiro : roga-se a
apprehensao do mesmo, e cfldu i lo a rua da
Cnu n. 3, ouConde da Roa-vWn- P' pwa aer
gratiflcado. r J
Lindos -chapeos para
senhora, chegados pelo ulti-
mo vapor: a rua Primeiro de
Margo n. 19, loja de Jose
Ferreira da Silva, successor
de Santos Neves.______'
Na rua krga do Rosario n. 21, loja de cal-
cado, precisa-se de uma ama que saiba comprar e
cozinhar.
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
A Advogados
'tk Os Drs. padre Antonio da Cunha Fi- *w
'QL gueiredo e Joao Augusto do Rego Rarros, *j,
S mudaram oseu escriptorio para a rua l.
fR de marco, outrYra do Crespo, n. 2, 1.* i
g andar, junto ao area
de Santo Antonio
entrada" pelo lado do caes.
^00 &m$m:M-& s
m.i
*
LOJA
Aluga-se a loja do sobrado n 9 Ja rua da Au-
rora : a tratar na rua do Hospicio n. 26, taverna.
ou na rua da Imperatriz n. 10, taverna._________
Ensino.
Um moco competentemente habilitado propoe-
se a ensinar em algum engenho primeiras lettras,
lingua nacional, francez, musica e piano : a tra-
tar na rua do Queimado n. 70, 3. anJar, das 8
a 1 hora do tarde.
Tendo de effectuar se a compra do sobrado
n. 21, da rua dos Quatro Cantos, hoje do commer-
cio, na cidade de Olinda: quem se julgar com
qualquer direilo sobre o mesmo queira declarar
por esle Diario, no prazo de 3 dias, seb pena de
nao cliamar-se depois a ignorancia.____________
O abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do com-
mereio, que julga nada dever nesta praca ou
fora della, e quem se julgar eredor apresente
seus documentor no prazo de tres dias, que sera
pago, e depois desta data relira se para Enropa,
e deixa por seus procuradores aos Srs. Jose Jacin-
th" de.Medeiros e Francisco do Couto Guimaraes.
- Felisberto de Medeiros Barbosa.
Recreio dramatico.
De ordem do Sr. presjdente da assembled gera)
sao convidados todos os Srs. socios para se reuni-
rem em as.-erablea geral no domingo 15 do cor-
rente, as 10 boras da manha, no lugar do costu-
me, alim de ter lugar a eteieSo da directoria e da
cpmmissao de contas, segundo esta disposto no
1 do art. 4., 2* do art. 5. dos respectivos esta-
tutos.
Encruiilhada, 9 de marco de 1874.
O f secretario,
Foftj'o Cama.
Offerece se um rapaz para yaixeirode alga-
ma prensa ou outro qualquer estabelecimento
commercial, on mesmo para criado, dando liador
a-ua condncla : qnem precisar annuncie por
este flwn'oou dirija se a esu typographia, das 10
horas da manhao em diante.__________________
- O b.charel Pedro de Albmueriue Au'.ran,
i-elirando- se desta provincla para a do Qeara, on-
de vaiexercer o cargo dejulz 4e direilo de Qui
xeramobim, d-ixa encarregado das causls. que
advogwva. aoDr. Manoei Joaquim Silveira, a quem
sen- coostituintes se deverao dirigir no que res-
peita as mesmas causas.______________________
I'recisa de um homem ecravo oa form
p.-ra andar em taboleiro da fazendas, paga se
fc*0 do Cabugi, |oja de ouxjyes n. 7 A.
Apmiem eomo se
RUA DO GBESP0
\M\ DAS 3
DE
Gu'lherme & 04
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com booitos na-
droes, e que se vem!e pelo diminnto pre.;o dc 2u(>
rs. o covado 1! !
METIM
Metim trancado, padr5es bonitns, a 320 rs
covado 1 11
ORGANDY DE "ORES
Cambraia organdy de cores, fazenda Una honi-
tos padroes, plo diminnto preco de 320 rs. o co-
vado 11 f
LAS E'COCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padrSes, que se vrndo .i ;lo rs. o covado Ml
CRBTO.NE
Cretone claros e asenros, bonitos padr^es, e fa-
zenda tlna, pelo diminnto precjo de 400 rs. o co-
vado Ml
L.VS MODERNAS
Completo sortimento de la de lodas as qualida-
des, pelos dirainutos preccs de V0 rs. o covado,
6 pechincha 1 I 1
Cortes de casemira dJ cores, a o/'00.
Colchas estampadas e com barra a >$500 e
4*000.
Cobertas de chila adamaseada a 3*500.
Lencoes de bramante a 2*000.
Dites de algodao a 1*400.
Toalr-as aleo.-hoadas, duzia, a 5*800
Len^os de cassa com barra a 1*000 a dnzia
Ditos de cassa ahanfados a 2*0i a uzia.
Ditos de esguiao abanhades, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3*500.
Cambria transparente fina a 3*000 a pe?a.
Chales de todas as qualilades e preco?.
Bramante de algodao e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho pnro com 9 e 10 palmos Je lar-
gura a 2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a o.'.OOOa pe;a.
Dito domestico a 3*000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami
sas, a 440 rs. o covado III
Madapoldes Irancezes de todas as qualidades de
5* a 8*500 a peca.
Crapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto prego de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho euro, a 44*000 a duzia ; e pechincha, so se
vendo.
Pcpr-linas de linho e seda pelo diminnto preco
de 800 rs. o covado; 6 pechincha, e dio-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Cresp
Loin das ires noi-tns
DE
Guilhermc & 0.
UNTO A LO.IA DA F.SQII.NA____
ESCRAVO FIHilDO-
Desapparrcen ao amanhecer do dia 4 do cor
rente, do engenho Serigi, comarca de Gojanna, o
escravo de nome Josd Borges, mestre de assnesr,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga se a
todas as autoridades e capities tie campo queiram
apprenender Jito escravo o leva-to ao refnri'Io en
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19. qae serao generosamen
te recompensados.
ALUGA=SE
o 2* andar do sobrado n. 32 da rua Marqtiez de
Olinda : a tratar[armazon em do mesmo predio.
Aos senhores de engenho e
outros proprietaries
que pretenderem contratar cdi6cac<5es de predios,
asa s de campo, on chalets, demarcacoes de ter-
as, nivellamentos, assentaraento de machinas a
vapor, planta9 ou outros quaesquer trabalhos nes-
te genero, queiram dirigir-se pessoalmente ou per
escripto a A. Coutinho, a rua do Crespo n. 18, |.
andar, escriptorio.
SAQUES
Carvalho d Nogui ira, na rua do Apollo
ip. 20, accara sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a vista e a prazo
por todos os paquetes.
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
vende 60 palmos de terreno, em Belem.
Alugam-se as rasas do becro tapado, com
portao encarnado, no pateo da matns de Santo
Antonio : a tratar na rua do Range! n. 34, 2 an-
dar.
Offerece-se uma senhora para coser por
machina, em qaalquer casa de familia : quem
preten ier dirija-se a rna do Imperador n. 44, 3.*
andar. K
Attenqao.
0 abaixo assignado, procurador em 1 lugar de
Francisco Jcse da Casta Ribeiro, comprou Dor sua
ordem dous meios bilnetes da loieria o. 197 a be-
aeficio das casas de cndadit do Rio do Janeiro,
dos segnintes nnmeros : 2936 e 3036. e d-ndu elle
Ribeiro socieladenestes bilnetes aos Srs Jse Leo
nirdo e Francisco da Costa Aroaral. todes U-es
residentes na ilba de S. Mig i-l, freguezia do Pico
da Pedra. Recife, K de marco de 1874.
Jivio do Amaral Rapnsn.
Manoei Alves P>reira avisa ao re|ie;Uvel
publico qoe segue para fnropa ahrn iJh (Tatar de
sna saude ; e des-ie ja <|espede--e d.- . au>s.
fl*e por aMs incoamgdos nao i pod v

LW.WSIBW
e umVigo
e do
mai* anwnod<4 qoe
gnbn^ i r'ra- panta
selecta e
(Fnxcrladas)
Sapotizeiros
e japptrtro* de n pslm s (. m vaoa|
os lamanhos e prccos
tec ; a'^im corno as i
fructa e de r-rnato :
Ahacati.
Acacia.
Anlienm a pe.
Canella.
Casuarina.
Corolina do pnr.cipe.
Coudeea.
("ora-ao da India
Figmira.
Flaiub y.int.
Frncta-pSo.
Ii ga do Para.
Jainbo,
J; stiiirn Ir.r' nja.
Laraaja da China
Rjta do ria.
K ontras plantas
nra n. 20.
na
l.aranja rravo.
Dita 4e tfoee do r-r t
Dria ars nci.
Dita t?r. rina.
I.i.na d-i Ppr-ia.
I it a An miil-iso.
Limia fraa
Dilo I i c. nm ri i
Oitia ie.
- rial
Parn in
ras.
1 F( in*.
R. zc.la.
I'l.ia.
' apings a ma da
Alnga se uma easa na r a da Praia do
deireirti a. 21 : a tratar na rna do Livramen
23 loja do S I
",v"iNA
Esta < ouracado I! S
A#pM '- -> :>: "ra !-:ra
Tanto ; aU <.< a fura.
Rnga-soab f!'m. Sr. Ignacio Viotn de M :
crivio na cidadi le Ni arrth :. -u pi vineia,
'aver de vir a rua fmque !- Caxiaa n. :*6, a cin-
hjdr aquefle nagocio qoe S. S. se comprometleo a
' ar, v< la : i n -la ieate ] mal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para jati.:
pasflov i fe-ereir e ahri! de l?72,e tada cumprio,
a por este mottio & de noro ehamado para dito
'"'.; is S. S. !ere lembrar qae esta n- gocio
k mais de atto annos, e qnaade o Sr. s*c tlbo it
tcbava r.'"-!a eidade
Empreza dogaz
A eirprezado gaz mv ; h an U anr.i:nci,.i .
pul lico i;ue recebeu i.liitnamente i ni e .p!i -nl ..
soiiiirent) de Inslres Je vidro, raadistri s. ;.iau-
delas e glubos, enjas am^ iras eslio no aaerip
a rua do Imperadof n. 31, e serlo vendid
tens freguezes pelo preco m.-.is raaiavel possivd.
Aluga-se o 2." e 3.
andares do sobiado n. 17 fa
rua da Imperatriz : na ran
do Hospicio n. S3.
uma .-asa na Capnnga, rua das P
com coxcira e piartos fora : a tratir oa ru-> C
Vigario Tenorio i>. 31.

Garanh
jrarannuns.
Na rua do Bario Ii vTel >r:^ c )<\ prnniaaa n
a liar aos ^n. Pedro do Rego i laves Peixi
oae Pae.s da Silva, a negocio ie partioBlar ;nte-
^se
(Jjiixfiro
Precisa se do um caixeiro quo
molbados
t. nha piaiua
na rua do l'.ang-,i a 37.
Sant Thereza.
Sao convidados os senhors aniooiiiaj pan i
reuuirem em aasemMea geral no .i;a II do cor-
rente, ao meio dia, no l- and..r daiua do Vigar^
n. |3, afim do lies serpresmte o relatorio e ba
lan-.'o do anno proximo flndo.
De confornidide com o art. 16 dos eslatutus a
reuniao tera logar delinitivamt-nte com us enli -
res accionistas que csmparecerem.
Recife, 2 de marco de 1874.
O gcrentc
______________Jnstino J. de S. Caropo
Houho.
Na noite de 4 para 3 do cor rente ronbaram ii
rua dos Pescadores n. 19, toda roupa dj nso cum
as iniciaes do abaixo assignado, inclusive 1 coa-
peo de feltro. I par de botinas e 2* em dinbeir .
o Iadrao aproveitando a occasiao em que a< pes-
soas da casa dormiam no quintal; eotrou pela
frente Da alcova e aili pescon tudo qnantn eneon-
trou nao s6 nas canastras por esurem abtrUs
como f6ra; desconda se de um velbo qne ha tempos
su casa. Graiiflca-se bem i pessoa que d*scoorir on
der nnticias certas.
Recife, 3 de marco de 1871.
Lanriano Jose Pi menu
Attencao
0 abaixo assignado faz sciente ao Ks^tavct
corpo do commerci o ao pnblico era geral de.su
pi aca, que tem justo e contraudo a rom^ra da
taverna n. 4, a rna da Fuodiclo, em Sanio \aaa
ro. e por isso previue a quem tiver de rerlanar
contra i-u transacfio, que a faca no praaa d 3
dias, sob pena de sna annueacia taeiu.
_____ Manoei d Sdva R*
Offerece-se
ama de leite, que o tem b m e abn
^ r na rua das Ctuzps n. 7, i* andar.
(


6

jtttftiitoftalfulMM **i Tar^fefca fcO ;.fa Barbeiro
Precise
raeiaeio ho
salao da raa
do barbeiro, da se
y Veudo-se oa Uoca-se oaa grande eata de ta-
boa, na roa Imperial, com quintal cercado, com
grande aterro, portao de am lado e no quintal
que bota para a linha ferrea, com madeiras no-
vas, preferindo-se a troca por ana nesta cidade,
o prego e roaito conmodo : qoem pretender di
rya-e a mesma casa, qae acbara com quern tra-
tar.____________________
Furtaram um cavallo de cdr rudado, m 8
greirao, clmas para a direita, pescoco pedrez a
com dous ferrcs era seguida um do outro, no
quarto esquerdo tern I, signal que trouxe de Pa
jeti, cnjo cavallo foi furtado ao dia 16 do corren-
te mez, em um rancho da estrada nova do Caxan-
ga : a pessoa que do mesmo der noticia a Ber-
nardo Jose da Rocha, morador em Paieii, ou na
rua Pnmeiro de Margo n. 18, loja, sera generosa-
mente gratificada.
Recife, 17 de fevereiro de 1874.
Aoaada.
, ,?* ruado ?*# da Victoria n 36, precisa s*
fallar ao Sr, 1 teneute Jose Maria Pestana, a ne;
ItetoOBSeo'intetiesse.
Precis l-sO tie
duas amas para
casa de pouca fa-
railia, sendo uma
para cozinhar e outra para engommar, pre-
ferindo-se escravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar no largo
andar.
do Paraizo n. 28, f e J
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite, aem QHto :
roajaa Pnfn n. W, 3.* andar.
na

mi DA FORTH!
Rua 1. de Marco n. 23
4os 20:000$000.
0 abaixo assignado tem sempre exposlo a vefl
da bilhetes da lotaria do Bio, cuja extraccSo an
ounciara peios jornaee.
Precos.
Inteiro 244000
Meio 124000
Quarto 64000
________________Manoel Martina Fiuza.
Ainda continua fugido o preto Ignacio, d-
altura regular, secco do corpo, eabeca e pes pe-
quenos, falta de denies na (rente, deve tar o aos
d >s dedos das maos calejados, do service de padae
na, regula 40 anoos de-idade, fugn em 4 de Ja-
neiro proximo pasjado.eoasta qneanda no Barro,
ou entae seguio para o sertao : pade-se as auto-
ridades on pessoaa que o deseubram, a sua cap-
tura, e leva-lo a ma do Lima n. 72, padaria, em
Santo Amaro das Salinas, que se gratificara com
50*000.
CASAS
Aluja-se na Boa-Vista, rua de Caminho Novo,
junto a estai.ao, a casa n. 155, com muilos com-
moJos para familia ; a chave esta junto : o uma
oulra na Ctpunga, rua das Pernambucanas n. 5i ;
a casa 6 nova, em folba, e tem quintal grnde : a
tratar no Recife, roa da Cadeia n. 3.
100$000 de gratificacao
F.ngeuho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San
tos Menles, comarca de Nazareth, freguezia de
Trscuchaein, a escrava Maria, crioula, 60 annos
de idade, pouco niais ou menos, baixa, grossa, cor
preta, ro dedos-curios, cabellos braneos, canellas finas, tem
dou3 signaes cabeiludos no queixo, e e bem ladi-
na. A pessoa que entregar esta escrava ou ao sen
dono, que e o senhor do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, 1 andar, sera
eeompt-nsada com a quantia de 1001.
Precfia-se aingar uma M escraty* par
comprar a eoilnkar para gate aquena Tamili
estrabgeira : at rua do Marqaez to Olioda u 49,
bja._____________________
Prectoa-ie do aa* ama que talba co>jnhar,
para casa de uomea so!tero : a tniar qntu do
Barao da TiCtori* n 60.
Precisa se de ana ama para eoiinhar e que
compre : aa travwa do Corpo Santo n. 15. >
ama ama que
para casa
*a*ia, M(a-se bem :
a tratar na loja das 6 portas, em tMe do Livra,
mento._______
Na raa larga do Rosario n. 2l, loja de caf-
cado, precisa-ae de:uma ama que saibt cozinhar e
comprar.
Salsa Parrilha
Vende se muito nova em rolos pequenos, che
gada ultlmamente : na rua do Bom Jesus n. 7.
Granje f eehboha
Em Hildas las
A Roza Branca, ja bem conhecida como a mais
barateira, acaba de receber ISs para 240 e 320 rs.
o covado, e nm grande sortimento de lit finas a 500
reii, fazenda que vale 800 : venham a Rjsa Bran-
ca ver Dara crer, na raa da Impcralriz n. 56.
--
Vende-se ama
perfeita engommadeira
desta cidade : na rua de Hortas
escrava parda, de 25 annos'
ecozinheira, para for a
n.96.
All" i Precisa-se de tuna
An k hte.
.*-
Precisa-se de uma ama que tea^a ton leite, e
seja sadia : na raa do Range! a. 7, Ksl*ii'
dares.
AMA
andar.
Precisa-se de nlna ama para o
^ervi^o interno e 4erao de-uma
casa de pqqueia familia : a tratar
a roa- da Pedro Affonao n. 47, 2
Ama Precisa-se de uma
-r*-ui<*> Gervasio Pires n. 34.
araa
ru*
To
NEOGENEouD" NDRT
i .'

LOJA DO PAVAO
M
Rua da imperatriz n. 0
PARA LfQUIDAR
Precisa-se de ama ama para cozinhar.
preferindo-se escrava : na raa de S.
ioao n. 67.
Allcncfi'i.
Fugio d.) enge,nho Finneza, na freguezia da
Escada, do dia 11 de fevereiro, o escravo Al-
bino, crioulo, com os seguintes sign:es; cor
t^reta idade de 20 anno?, alto, corpo regular, bo-
riita figuia, nlhos um pouco esbrauqui^ados, tem
de urn lado das costas um carocinho a seme-
laanra de nroa jabaticaba. Pedeseas autorida-
dea pntieiaes e capitaes de campo a apprehensSo
io dito es-ravo, podeode entrega-lo no dito en-
genao i n a rua do Torres n. 12, escriptorio,
R 'ga-seao um Sr. Alexandre de Suuza Bar-
..s, iii'.-i-.i! ir em Gravata de Jaburu. queira fazer
favor : ajipareeer na rua do Livramento n. 12,
a tratar de f.-'tiofios de sen int>-resse.
Helena Maria do Carmo
Hermenegildo Edua.'do do Bego
Vonteim, do intimo d'alma agrade
ce as pe.-soas que se dignaram con-
riuzir os restos mortaes de sua pre-
z.;dissima e carinho?a mai Helena
Maria do Carmo, para o deposito na
igreja convento do Carmo e dahi
para o eeraiterto publico ; de novo pede a seus
amigos o carid :so obsequio de assistirem as mis-
sas, qu" |>elo reponso eterno da (inada manda
resar no dia 9 do correatc, pelas 7 boras da ma-
'.'i, na igreja do Carmo.
A despeilo da immensa dor quo me opprime,
io no: o diixar de testemunhar o men eterno
ineci u oto ao? Sis. Drs. Antonio Bruno da
SUva Mai.', Estevao Cavalcanto de Alh'.'querque e
Praxedes Gomes de Souza Pitang.i, pela boa von
I ,! -e prestaram durante a eufermidaae
i'.i minlia utuca as-as chorada mai, a>sim cotno ao
Sr maji r Severiaae Bandtira de Mello, o qual
mo b !! o veidadeiro amigo este re scrnpre e ate
u ultimo in-uiato ao lado da eoferma.
Sai djvo t'.mbem esquecer a generosidade e
-i!i'.. .i- com que o muito dislincto prior do
t'ODYeBlo ,!j Ca mo, se prestou a suffragar a alma
demin'u boa mai, recusanlo receber, pel' depo-
sito d.. cadaver e solemnidade fuuebre, qualquer
retribui a i.
Ama
Antonio Jose Rodrigues de Senza, era sen es-
criptorio a rua do Crespo n. 6, cornpra, por bons
precos, escravos das divereas edres, sexos e
dades._____________
Na rua do Corredor do Rispo n. *7, precisa-
se de uma ama forra ou escrava, qne saiba eo-
zinhar, comprar e engommar, paraa casa de fami-
lia de duas pessoas : paga-se bem gradando.
IUpaJaiioB e monardbiietns.
JQemoeratas e arjetocrtftas.
Federados e confodurados,
Conjaittia)liit9 >f comraunistas.
Catholfcos velhos ou novos.
-W* 9 <*m -elciv.cm ir
Reudidos oa nao reanidos
Baser eflM|uato arrtcs
Sues I eBooroinendws
os saborosos filhds
-Tao precoHisados.!
Fabrlcados a capricho
i^os pasieterros
So o soiaante
Na confeitark do CaHtj^os
-A M-m-p-~r* fjT-r-r----------------r----------------------- bainar a roao de 305JOdO,
ireciiinaa grande em earn- e soarooo, para tobaihar
Alugarse
ama sala na rua Duque de Caxias n. 61, propria
para advogado on cartorio : a tratar na loja.
Precisa se fallar com o Sr. Jose Maria Go-
mes Braga, filho de Joao Antonio Gomes Braga,
natural da cidade de Braga, e de D. Anna Emilia
Correia Braga, da cidade Bo Porto; isto a negocio
de seu interesse : na rua do Goode da Boa Vista
n. 26, ou rua da Imperatriz n. 30.
braia
Oambraias transparentes, avariadas, a 00 e 800
reis e 1*000 a peca: so e n. 20 da roa do
Crespo, loja das tees portas, de Guilherme & C.,
junto a k>ja da esqauia._________ ?________
Vestidos combabadoa exes-
ifto
BAZAI IMML
loalobrao la Ttetofa r. 82, !-*
GKOSDENAPLES PRETO A 1#200, 20000 E
2#500.
0 Pavao vende grand&saMimaatole gpos-
denaples preto de pur* sfida, a 1)5800,
I5S00, 20000 e 29500 o covado, tewdo
tambem do mate largqe mais encorpado qae
costume a vir ao eaercado, evende par prev
50 em conta.

l*.
DJi
preta
eevado.
0 PavSo vende granadina preta e lavrada
pelo baratu proro de 500 rs. 0 covado.
GHALES PRETO DE GUIPURE A 4#000.
0 Patio vou'ie chalas de tres poataa, sea-
do de guipure verdadeiro, pelo barato pre-
co de 49000 cada um.
Unlipoliio enfestad* a S^OOO
a pc*a.
0 Pavao vende peras de madapolao en-
festado, pelo barato prec<) de 3V000 a pe^a.
' Carneiro Viani.
A* apppde oaateaiawBto |em che-
gado am bom sortimento de machinaspara
costara, de tedos.rw autores iap) acreijita-
dos ultimamente.aa:Eaipa, cuj&s maohiuas
S60 garantidas por um aeno, tandouai
ferfeito artista paFaeiwinarasmesmas, n
iia ron^Ass pelo tompo tambem d'um nT.T^^l" ZZH IT
annoaamdespendioalgum do comprador, i ?iono a ?S ^ ^ 20 J"^ a
^anaaafaMmasmaehina, e se wippre qual- faZenda' a 6*000' Wd0 e l9009'
mter peja que seja necessarjo. fUta ma- ALPjKCAS PRETAS A 500, 640 E 80 H8.
C^IiMa^!baU,am^mi2la **r*"*^^ O'favaetem um grande t sortimento de
uma daw .pesponte*, frame e borda toda alpacas pretas, que veodea 500, 640 e 800
qualquer costurapor toque s-ja, seas^. o,;cowd8, assi eoo grande som,-
precos sao da sfguime^ua^erpMra ta- TOento da centoes, hombazinls, prmceafls
balhar a maode 309000, 4O90D0. >5JW pretas, merinos, e outras muitas "azendas
com 0 pti sao de proprias para luto.
8O90UO, 909000, 40090#, lH09000,iF V ^
1909000, 1909000, 1590000, 9009000 8 LAZ1NHAS DE ORESA980,320 E 400R8
9509000, emquanto aos autores nao ha al-
CAMISAS
FRANCEZAS
3*IQ0t
A2A0O0, 99500'
0 I'ivao vawk tua boaito aattiateato 4e
camisas francetas com peho de algadio, a
2*009 e 29M0. DiUt com jU> d linfco
de 39008 a 09000. Ditas bordadas muito
finaa de 9$0 4 109000: aswia c
grande sorlifljento de ceroalas de lioho e da
algodSo, por precos baratos, a Untaan ten
corapleto sartimento de punhos e coOarinbos
lanto.de liftbo eotno de algadio, por precis
em conta.
H
Para tranquilidade das pessoas que teem pe-
nhores em poder do abaixo assipnado, deelara 0
me?mo, que os objectos roubados eram seus e
estavatn fora do cofre de sua casa, onde estao
guardidos o objectos aados em penbor, em cuja
cofro os gaialus nao ousaram
marco de 1874.
tocar. Recife, 2 de
t
Jolio I.-aac.
Atten^ao
0 Dr. Amaro Joaqoim Fonseca de Albuquerque
deelara a seus devedores que se acham em mora,
que Ihes concede 0 improrogavel prazo de 30 dias,
contados desta data, para virem saldar os mesmos
debitos, sob pena de, sem excepcao alguma, Undo
0 in licado prazo, ser promovido 0 reeebimento ju-
dicialmente. Recife, 6 de marco de )874.
Mobilia de alugupl
Alugam se mobilias completas, on qualquer
traste separado, cadeiras em qualquer quanlidade
para festas e bailes. per preco commodo : na rua
do Bario da Victoria, armazens de mo! ilias, do
I'into, ns. 37 e S.________________________
ALUGA-SE
0 sitio Chacon, na Casa Forte, com diversas casas
para familias, dita= para criados, com cocheira,
cacimba coin boa agua e com b imba, tem diver-
sas plantas de capim, proprias para qualquer esta-
cao do anno, e duas excclicutes plantas de canna,
perto do banho e da estacao do mesmo nome : a
tratar no mesmo sitio.
Aftbnso Henrique da Siiva
Bastos.
Manoel da Siha Bastos, Joaquina
C. da Silva tastos, Manoel da Silva
Bastos Junior, Praxedes Ferreira
.:?/ife Cavalcaule, Maria A. Bastos Caval-
g*!ML rante e Pedro G. da Silva Bast s
jjiKjj agradecem a todas as pessoaa que
__ acumpantiaram 0 cadaver de seu
lilho, irniao e cunhado ao ccmileno publico ; e de
noTO rogara-ihes ocaridoso obsequio de astistirem
as missas que se hao de resar na capella do n.es-
mo ceniiterio, e igreja da Santa Cru?, quinta feira
13, as 6 l|2 boras da manha._______
UDai'iiaiul Lanuiao Ai.es Macnado conviila a
todos ( ;^us parentes e amigns para no dia 11 do
correr ., as 8 h r-s da man.a, assistirem a uma
missa qus tem de mandar di/er por alma de sua
sempro chcrada tia D. Anna Correia da Almeida
Carneiro, no convento de S. Francisco.
- p. Candida Theresa Vlllela liios e Hlhos,
agra*':-i m do fundo de sua alma a todas as pes-1
soas qu.' acompanharam ao cemiterio dos Afoga-
dus os restos mortaes de seu presado esposo e pai,
.as convi la, a"s seus parentes eamigos, a ou virem
na qnarta feira, H do corrente, as 7 boras da
uianhJ;; uma missa que manda dizcr por >ua al-
ma na matriz dos Afogado* e na igreja de N. S.
da Grarja na ^apunga, e por esse acto de piedade
-: e ijf.s-ain eiernainenta gratos a todos que to-
inarem parte em sua dor.
Aluga-sea casa e sitio da Tacaruna, na estrada
de Luiz do Fego n. 3, com viveiros e fructeiras :
quem quizer, pode dirigir-se ao mesmo sitio ajus-
tar com 0 brigadeiro Hygino Jose Coelho.
.Vluga-se 0 2 andar e sotao do sobrado sito
a rua da Imperatriz n. 53 : a tratar no 2 andar
do mesmo, ou na rua do Barao da Victoria n. 57.
mm&t
Antonio Jose Rodrigues
de Souza, em seu escriptorio
a rua do Crespo n. 6, compra
escravos das diversas cores,
sexos eidades.
pos a
Riees vestidos braneos com babados a 8J
e so aa rosa branca, a-rua da-lmperatriz n.I
do Azevedo.
Calcas bracasr obra de en-
commenda a 5jg.
A rosa branca pede as pessoas qae precisarem,
que vepbam ver as cflljfas para se eenitiairem do
Sue dizemo? : na.rua da Imperatriz n. 56, tojai
PECBiNCflA !
Cortes de easineta ^scura|
a 3*000.
Chegou para a rosa branca, ca^ineta escara pa-
ra calcas ou paletots, fazenda superior a muitas
caserniras, e pot este preco e de graca ; tambem
be da a obra prompta : na rua da Imperatriz n.
s6, loja do Azt-vedo. ________^_^^_^_^
Engenho 4 yenda.
Vende-se o engenho "Pafaizo, sito na ilha de
Itamarac^ e levantado ha pouco tempo em terras
da sitio Soccorro Aeha-se q, referido engenho
moente e.corrente e e a *a.por, sendo o respective
terreno assas produetivo de canna, mandloca, mi-
Ibo, fiijao etc. Aleiu dos terreuos de plantacao,
ha uma boa solta para gado, muitas arvores fruc-
tifaras, inclusive coqueiros e qptimos higases para
grandes" viveiros. A simagao da casa de vivenda
e agradavel, e cluna e passadio da iili .de Ita
maraca sao moito -apreciaveis, alein de outras
vanugens que com a vista njolhor cqnhecara o
comprador, dingindo-se ao rcferido engenho, ou
informandu-se na. rua do Alallio n. 0, freguezia
da Boa vista, johto a caixa d'agua.
Terreno em Beberrbe.
Na rua dp loipeidv a. 87, loja, se,dM quem
vende por prec.o commodo, um terreno em Bebe-
ribe, no lugar Agaazinha, com mil palmos de
freate e 80!) de fund? ; tambem se retaltia, se o
numero de preleudcntes for sufflciente para todo
o terreno.
teracSo de pwcos, e os compradores poderao
vrsitar este estaheleoimento, one muito de-
verio gostar pela .raxjecUde de' objectos que
ha sempra para vender, como -sejam : cadei-
ras para viagera-, malas para viagem, cadei-
ra9,j>ara salas,, ditasdebalan^o, ditas para
crianca (altas), ditas para escol as, costurei-
ras riquisshnas, para senhora, despensaveis
para criangas, de todas as quaitdades, camas | nvi'nhas a
o"B ferro para homem e cctanas, oapacoos,! a i^ooo e 15400.
espemos dourados^para sala, grandes e pe- J
quenos, g>parelaog de metal para chd, fa-1CAMRRAIA VICTORIA
0 PavSo vende bonitaa >aarniiap de cares
para vestidos, a 880, |20 e 000 rs. o.e-
vadj tendo ate a ttPOOO, sende das mais Im-
das que tem vindo ao mercado, assim como
granadinas de seda com os mais delicados
padroes, a 640 rs. o covado.
Sediahas a t-rOOO.
0 Pavao vende sedas Gom listrinhas de
cores a 1$C00 o covado, Ditas com pal-
cam toqua de mofo
Vende se uma prpta, cnoula, de 15 annos,
que cozinha, engorama e lava, bem sadia e sem
vicios; *uma parda vinda do norte, com todas
as habilidades, e um negro de 30 annos, de boa
conduota : na rua de Hortas n. 110.
Allies <|ite se imhm.
Vende-se la de liados padroes a 200 rs. o cova-
do : na rua do Crespo n. 25 A, loja da esquina ;
dao-se amostras.
VENHAM VER
Compra-se tira lustre de crystal para gaz qa
teuha de 4 a 6 bra<;os ; assim como um outro pe-
qu^node don9 bicos : na rua da Palm a, vo
n. 71. __________ nda
-- Compra se nma masseira que esteja em bom
estado : a tratar na rua dos Pescadores ns. t e 3.
HS
Com
urgencia
! recwase de uma boa coziuheira para couiprar
cozinhar : na ma Volha n. 71, andar.
uma grande casa de familia, na Capunga, rua da
"vnlura n..21, tendo quartos fora, banheiro, co-
cheira, gallinbeiro, etc., etc.
casa.
a tratar na mesma
Cuiinc
j esci a";
Sscrava Aigida
i estar fugida desde o dia H de Janeiro
ile nomeBernarda, idade 3 > annos, pou-
mais oa menoSj tem os ulhos um p meo abo-
loa'aaS e andar moderado, traja vestido e chale
pretos, costuma^rnudar twjtis. tern uma cieatriz na
perna c-rjoeril^afta dizndo cue o s^nknr mor-
rtu e deixt-u ella forra, esta la para o Cabo por
ter la am lil&o de noia* Belix : e por issu roga-se
*." autoritialei j)qlieiaes ou aos capitaes ae eampof
;i appreheflsij d,a diu eserava, le.aodo a no Ca*
uiiono. J,ovp, j &ua senhora, eitio n. 110, cm na
rua da Gautama n. i, ls se raeompenMra gene
Uma PwoacwwpHwtatt^e b!imiate pro-
boe se a faaarescriptoncao nnr mrt^^ ,ihra.
in&>
Vaccina
Vende se vaccina muito nova, chegada recente-
mente da Eoropa : na pharmacia amerieana, de
Ferreira Maia & C a rua Duque de Caxias nu-
mo er57.
Vendem-se
Concordia ns.
Apollo n. 51.
ATTENCAO.
duas ca-as tcTreaa sua* a fua da
161 e 153 : a tratar na rua do
H'JT*JZ?! *,P<88o por partida* dobra-
da com todo cuidado e esraero qUe apossivel
quem ae seu preslimo se quizer utrtt
rua da Guia n. 42.
ihsar, dirija-se a
Lfcuha a illocia a 1B0 rs. o
Na rua do QaeimadO n. 43. wtifceBta da
praomha da Independence MHU*M,l **
Aproveitem que s6 6 barato,
Laiinha* a chioeja com *adr3es de fupU-eore^
propna para vestidos, p*Todimiaut Treeo da
reo covado, s6 na loja o> Gam* Fu-
mo
naoles.
Dao so amostras.
Escraw c^hWwt,
" .it
Vendese am eyravo, alav, ooa U mmjmpfmm* caiaa a 4tfB0
de idade, bom cozinheiro aeopeiro -
praca da Indepeodeflca a. 34, toft
* tra
i tratar i
Aa^^
r u
A Nova lisperaaca, a rua Duque de Caxias n. 63,
apressa-se em convidar a seus freguezes. com es-
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
guintes artigos expostos a venda e loaos por precos
commodos, como tejam :
FINAS BONECAS m^nsas e choronas.
BOMITAS E ENGHAgADAS vistas para sterios-
copios.
COMMODAS LATAS para guard.tr cha-
ELEGANTES BOLS.VS para senhoras e meninas,
B0N1T0S VASOS com Boa banha e cheirosos
extracfos, tiazendo cada frasco um none, umi ini-
tial ou um distico.
PTNAS IfcEI.VS U SEDA, viado entre ellas cor
de caroe.
Para quem gostar.
A' Nova Esptrancs a rua Duque de Caxias n.
63, acaba dc receber trtos e caixae para o iogo df
Vtitareue.
Para mm ffre A Neva Bsperanca, a rua Duque de Caxias n
63, aeaba de receber as proeuradas meias de bor-
racha para quem soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIABS
A JJora Eflperaoga, a rua Duque de Caxias n.
63, aaaba de receber ant liodo e compkto sorti-
mantp de Bores art*fieiae& das m^lfaarea qoe tem
vindo ao mercado
A ellas ante* que Be aaabem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber bouitos costumes para crianca
e osta se vendendo por precos razoaveis.
AOS MEOSOS
A Nva Isperapca, a rua Dugae de Caxias n.
63, reeebeu an^'fequeno sortimento de anneis e
puliemw electricas, proprias para qaem soffre dos
nerrei.
r-*----------:______
queiros^om cafco de. metal a de marfim,
ditos avoieoe.aoHierestle meta^fino, condiei-
roa pam sala, jarros, guarda-cornidas de
awnne, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
simples,objectos para toilette, e outro6 mut-
.toa artigos que muito devem agradar a todos
que visitarem este-grande est&beleciroento
que se acha aberto desde as 6 boras da raa-
na8 ate* as 9 horas da noute a
Rua do Barao da Victoria ru
__________22.
Aivicaras.
Venham todos apres?ados
E com os bolsos recheados,
Do Campos ao i rmazem ;
Venham, niio falte ningum
Ver o grande sortimjato
(Um verdadeiro portento)
Que para a quaresma tem ;
Comprchendem ? ora bem !
W com as tripas pulando de contentamento que
tne apresento ante a onda gastronomica das sa-
bias e illustres barrigas pernambucanas, felicitan-
do-as por ja se aeharem livre da pena de iuterdic-
to e poderem sem receio de alguma indige3tao ex-
commungada, coraerem os mais finos e saborosos
comestives, coadjuvados por uma cascata de vi
nhos de todas as qualidades, deixando a quem
dezejar o direito de gritar: viva o triumpho das
barrigas II..
Map, como ia dizendo, nao podia deixar de
acontpcer assim, considerando-se como foi sabia e
bem barrigalraente planejado o ataque das bar-
rigas grandes, contra a sucia dos bandulhos ca-
ninos, que ostriilcados a idea Hcticia do infer-
uo bicho invenlado pelas graudes barrigas, pa-
ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
yam a mais ab:urda das monstruosidades : a
infallibilidadc do principal bojo do amor as avessas
e de tripas dadas e a forca de tripadas queriara
bypocritamente alimenurem a pelludae famigera-
da -exquestao do dia ceotopga negra que en-
rolada no capote chamuscado da iaqSlsiele, pre-
tendia assar o mundo das barrigas, privando an-
tes a humaoidade de ganhar dinheiro e da em
temp s ci mo este de quaresma :
A 40000, 4500,
05000 E 79000.
0 PavSo vende um grande sortimento de
carnbraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precos
de 43H>00, 4$500, 5^000, 6&000 e 7c000
a petja, assim como, ditas de salpico bran-
co, a 7;000, e pechincha.

0 Pvao voode um bonito sortimeoto de
eapartiUQs modernos a 39500, 4|000 e
59ttOO, assim como urn bonito sortimento
desaias braneas, bordadas, a 5JJ000 a 09000,
e ditas de rfeuiha dc cores a 89000 : 6 pe-
cbineba.
coirn>adus uoiu>aih>s para cvma k
JANELUS, I>E 7HATEM9000 OPAR
ft Pavao vaude um granda sortimento de
cortioados borfiados, prof rio aara caaa e
Ijane&is, palo barato pre^ode flrUOO, 89000,
LQ^OQO ale 25JS0OQ, assim como : aolias
de (Umasc de ia muito So* 4e lQfOOOa
li'?00 cada uma.
BRAMANTES A 19800, 39000 E 29500.
0 Pavao vende bramantes para lenc,6es,
tendo 10 palotos de largura, seodo o de
algodao a 19800 e 29000 a vara, e de linbo
a 2TKM), 29B00e 39100 a vara: e pechin-
cfaa.
CASEMIAAS A &9000, 09000 E 79000
0 .Pavao venda e6rtes de caeeaairas para
calcas, sendo padrdes modernos, pelo bara-
to pre^o de 59000, OO0 e 79000 o oorte,
assim como : .pajuios pretos dos melbores
que tem vindo ae mercado, de 49000, 8ft e
109000.
tiftVA ?EITA.
Pavao vende uma grand- porcSo de
roupa feita, sendo: paiitots, irekes da ca-
semira preta e de cores, assim como : finis-
simos- sobrdcasacos de panoo preto, a aai-
cas de casemira preta e de brim branco, col-
letes de todas as qualidades, por precos
muito commodos, por qnerer aoabar com
toda a roupa que tam em casa.
Acha-se constanteraente aberto o estabeleciraeu. o do PAVAO, das 6 boras da raanba
is ftde'noite.
os que tem, dovos
Poucq i^6^.
o fulto Boo a,40p rs. o oovado : so
^eirpado o. 43 ; aproveltem que e pe-
iQja ae.fiaa.rra A Fernapdei.

i
Mm
. NsJ#ietawleekiieBto
se miiho ao*o em
De fazerem penitencias
Enchendo bem as oarrigas,
Poij nao e tempo de brigas
E sim e, de abstinencias.
Mas, como ia cantanlo, custon, porem afinal,
depois da rasorada que Ibe passou no pescoco os
Soderes poderosos, a eabeca foi parar no fun-
o do rio e o rabo, como ruim 4s esfollar, ficou
no secco expesto aos pontapes de qualquer gato
Eingado, deixando e verdade, magra as coUogas
irrigas, que despeitadas vao tratar de se nulri-
rent, viBdo ao armazem do Campos, a rua do Im-
perador n. 28, oniie com corteza encontrarao lem
do que desejarem o seguinte : ovas de divorsos
peixes e de bacalhao ; peixes de vinte qualidades
em conservas, sardinhas em latas, camardes sec-
cos, bacalhao, pescadas, sardas, lagostas, salmao,
batatas, arroz, feijao, cebolas, ateite, vinagre ;
Htanteiga ingleza e franceza; d ces, fructas e
cincotnta qualidaOes de vinhos finos do Porto e
outras tantas de outros lugares mais afamsdos de
Portugal, alem de um completo sorBrapato de ace
pjpes raros, daliciosos e que
Cahindo em qualquer Aarriga
Faz a raellior digestjo,
E nao faz mai a bexiga,
Como comendo, verao.
Mas, como ia fallando, iamos entrar na vida de
oatr'ora, isto 6, na epoca das festas, e portento
vanios ter festas, festas e mais festas, e como todos
comem das festas. visto que ina parte da para as
festas e tres reeeDern para preparar as festas, e
jMBCO que o bregeiro flinheiro qae and* tSo vas-
queiro, saia dos eofre* dos araaoles erthodoxos e
se va faniliarisando com as algiberras vasias dos
necessitados, e estea por ua vez venham ae arma-
zem do Campos a rua do Impemdor n. 88, prepa-
rarem-se para a quaresma, temp ae anstineccias
e no qual se come sem licenea, rottiBrwenj qne
ha de mais gostne, safcoroso, cheirow e fade que
d>a era ouso.
Dizer aos amaalea t x r
Dos generos fsr^f .tes
Que se querem ser (PTlzes
Venham la e qaante antes
Saber causa mritte
Dp Campos napaer rj,vae
fSjao&p *S fcrnecer
Delias, asto e prazer.
ANTOHIO JOSS DS AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIANOS.
Querendo definitivamente liquidar este negocio, vende todos
osados, pelopre^o do custo de factura.
Tdmbem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos liudos desenhos de 11 a S3 paints
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-sc uma sala por Rrande qc
seja com oleado inteiro.
HAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
4NNEIS electricos para curar dores de eabeca. nevraJgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para border com li ou silda.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preo.
MS)a BUM
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borba, em chicote, picado, desfiado e crespo,
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. foraantes encontrarao os seguintes e lem conhecidoi
fomos manufacturados na mesma casa,
Fler do Brasil
Novo Capers!
Bes Bird'seye, ( Olho de Passaro. )
Vende-se a retalbo, e em grande quantidade se taz grande abatimento.
GRANDE
nniATni
Em
u
qae
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e mais larga
vent ao mercado, e qne se vende pelos diminutos
precos de 2*100, 2JH00, 3200 e 3*500.
RT NA RUA DO CRESPO &. 20, LOJA DAS
TRES WaTxS DE
Guilherme & C.
Junto a loja da esqalnn
iVaoha mais cabellos
braneos.
i


##
TJNTURAR1A JAPONEZA.
S6 e anica apnrotada palas aeademias de
seiancias, reconbecida superior a toda que
tem appereoido ate hoje. Deposito prntei-
pal A rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
ques de Ollnda, n. 51, 1.* andar, e m
todas as botioas e casas de cabeHev
"^_____________-
end-se
tea ellas
T*afl3 escratas com aao^Iaadia
na^ruale Hortas n.*M. ^
"all
1 Vend* l Bat txurito escravo de il Rnuo4e ,
^#*kaM*,totinMjmraoerjew ^* ***-** nn im-
H* a Pate R "' n POrta *' I !{S, K Pr65. mtS^tSnlm
Asunicas verdadeiras
Bichas harabuxgueias qne vem a este mercado
na rar Margnet detjitnian. M
Wll-en Bowe & L. aindem no sea armazen
a rua ae Coniaierdo a. II :
0 vertadeiro paano da algedfo ami aaencaoo.
Esellente fie de vela.
Cqffnac de I- qualidade
Vintio d Bordeaoi.
Carvio de Peltate 'tolas as qaalidades
Fafinba de manclitca nova.
tXeaenteneate ohegala de Saata CaThartna (
para vender no trapiche Companhia, e para tratar
ae seu eeoriiHorio a rua do Commercie a. 5, Joa-
quim Jose Goncalves Beltrio 4 Filko. Advertindo
aos contpcadores qae denejando acakar, aendem
mais i>acto do que em qualquer ooMa parte, Un-
to em grandes oame em peqaeaaa pnrpSai.
Lindo chfaiiz.
Veuie-ss por precp barato nm rico chafarii
de marmare oroprio para jardim, o qual se acha
araiado na ofacioa de marroore do Sr. Lima,
rna do Iraperador para, qaeni o quoer ver:
tratar na rua do Crespo, loja d> Passo iunto
arco de Santo Antonio.
---------------------------------------------a
Atten^ao.
Vendese dnas casas eontiguaa, rannicacao de ama *am oatf* na.
de S. Miguel dos Afogados, tm
jartao para a raa do Bom Qmton
i mis casa, das 9 as id hojaa da
----------^---------------Tm-' '"
Tanques Ofiiwf>.
Vende-se dous, triangulates, prepfM pan Bft*
vios : na roa da Bniao o, 67,









\
V
I
.
\
)

iMto^'-ftttuakMM) ~- ^m& teira W^^dTi*k
!H^ WtW ^"rfcBp !"** w*-*r^
%u Rriowro ^**W '*- TaV
Corcfeiro Simde$&6.-
"i

r.
I :|
DE
8't "at
iq
' ftCTKOJ E DB ALGO
v
V v*itt easaSqtre hafc pttrft torn {*i- '
maxra <*ereaar< ** mm *e*zM bm v*r*Mi^
!
'
twrtfraento-de. faeeadas gate., pwa gnaj*) -tci
lelle, e beta assim para uso ardiairk> Je todas at
cfiUSe-, ffpof JfreJoS' val)ta5oSb% rjas quacs Taz um
petiMbd Vmittm.-
Mandam famdaa at casaa ebs prefcudWHes,
pa o q* tea* pessoal DeCessar*\ e dao-amoBtm
mfeffiadte mbUqa
COrt^TOSWa^ae lihaa' ctfta.
Gorgueae Branca, fa*, de Ifeata*, pre**, c.
SetlnHMacio, prat* e de cures.
Grosdenaples prelo.
vmw,
uranaflme de seda, pfeta eWe care*.
Popelinas de lindos padroos.
Filo de sada< brnoo e preto.
Rica* basquiuas de seJa.
Gasa&s de merin6 de cores, 15, etc.
iTantfs brasilefras.
CeRes torn oftrfWaft WaJrea C0*n liMos bdrda'
doe.
Ricas capellas e maataspar* noivas.
Riquissimo sartfmento de las com listras de
seds.
CambrsUMde cares.
HpMMUMpMMy bfadra*, lirn? e bordadas.
Nftoanq&e* de fcudbs aadrocs,
Baptiotas, padroes deiioadds.
PerCalinfe de quadros, pretos e brbncoa, listras,
elA, etc.
Brins Oe linho de 6r, proprtos ara vestldo!,
eom barra e listras.
Bjcos eortos de vesolo da tiata, torn infeiies fla
mesraa cor, ultima moda.
DiWS He cairibfaia do tores
l^lfe *e-I indas *)**. ,
%MS borto'tas $ara teaHoras-.
Camisas bor Jadas para senhoras, de linho e al-
godao.
Sortimeuta deluvas da verdadefra 'fabric* de
.'ottWn, patA Iwnjcns e semYnas.
Yastnarios fwtfa meniaus.
DHos,paribapfie.Td.
CWosjpa/a dito.
TBalhas e .guardanapos adamascados de linho de
c^5r, pa&a mesa.
Colchas de IS.
Cortiaadss boraadws.
Grande sortimento de camisas de linho, lizaa e
bordadas, para hoaieos.
Welis ife cores para hdmeds, meDifios e menl-
DJh
Dilas escocea?.
Completo sortimento de chapeos de-sol ptta-b-
mens e senhoras.
Merinb de cori-s para vestido*.
Dtto preto, tfanfado e dfto de verao.
Atosrthado e linho e a^odao pa#a tosHlas.
Atoatbario pardo.
Daraasco de la.
Brins de Hoho, branco de cores e,prelo.
Setlar de liuda-' cores com listras.
-ChWes de merino de cAre* o .pYetoa.
Ditos de c*emirn.
Ditos de seda preta e de cores.
Dtlos de touqniin.
Camisas de chita para homens.
Wfcs-fle-ffanclla.
Coruutas de linho e atgodSo.
Pannos de crochet para aafay oadeiras e cobbo-
beaow bordados e de lahyrimho.
Colchas de crochet.
Tarlatana de todas as r/ires.
HHW ores *e vestidos to tartaTaaa bordadbs
para curies.
Eft*artilhos llsos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seffa para senhoras e men in:.?.
RiCas factwis deseda e la para *eihoras-.
Rioo aorttmenio de leqoe de madreperolae e
09BO.
Damasco de' seda.
Casemira preta e de cores.
Chrias, madapotao, patmo ftoo pr'e aznl, edl-
!aTiHi09vlpWJh'> de- Urtbo e afged6i flTavaUs, to-
vai da So de K-e. ->ia, tanete de tM* os t;aa-
nhos, bolsas de viagein, peiloa bordados para hc-
mens, lenc^ de linho tirancoe do core*, toalbas,
piardaitaDOs. etc.. etc.________________________
GlUNOE'NOVnXOE
A' in" do Crc^M W
Lojti fets 3 partas
Guegou esu f.ii'',ii., coin oadrOei intciratneme
BO"fi>?, e ;"' -- vrfdne pe'lo rffrfrHT*) wevg de 300
rs. o JftWdo': !>i:vr ftr ? *u irairtidnde.
SO' Na lU'A DO CH'i>t'l> N. 20
I.ojrt i"
ChiHherme A Cv jwito alaj>
da esquioa_______
Vehde-se as r.isas uwa* -"esfftinies :
Rua 2i de Maio (eutr'jra dosOssaP) us. 2 e 4.
Rua doFfo. 2.
Rua do Padr*1 Floriano n, 3-:>.
Tnwes* d*Bomba 3.
Becco do Padre |A>hati n. 8 A.
Becco do riles da G*dPra--nntii tr>. -i t 9.
A traKar m f-flrgo do Garnn n. 1.____________
Vende so metios de iferfos pad*6>*. liii.cndn
""BWnftt rf*"!" de^ftO rs. o wvailu a rua
do Crespo n. 2'J A, loja da esiiiiiua. tJaftj-si amo>-
iras,
OR
m&
Am
r.ottES
'.*-S
mm
TmssttRs

Piua
mm
i
,ua da Inkperatr.i7j d. 72
DK
ha
Naebimt
Com as falsifica^Ses que tcm apparecido
DAS MACHIMS PARA COSTUBA
DE
CO
c3
M
i-H
66
o
ma-
Nenbuma
chinaSinger e legi-
tima se Bao levaiv
Porque?
Bwtar;i aos sous freiae qm tern resfAufo- fv^r- uma grange liquida^lo, ate
fim do corrciite' ailM.
A. SABER :
CAUK1.UAS. .BftUSkV& A 3$W0J
Veo(i4e pei,;as dB'oaeibraia branca, Upa-
da trawsp;taile a 3|, 3CJHK), 4JMX00 e
LASIKHASA200.-RS,
Vende-se lasinttas para Wtidm, aiMM>,
320 00 ns. o:COV*;to.
ALPftCV* A640RS.
Veiulu-se oifacasd cAras cofnijstras a 64-0 so vend
e 800 rs. o covado.
Ditos de paB^a, a 29, 39000 e 4JJ00O.
Ditos de massa, a 49000.
PERFL'MARIAS EM UQUIDAQAO.
Vende-se sabonetes de diversos tamanhos,
a 1^0, 300 e 240 e 320 rs., todo born.
Ftrsco de baoba, a 160, 320 e 400 rs.
Hr^seos com sgua de colouia, a 240 e 390
rs. cada urn. E outros muftosextractos que
e.muito baratopara liquidar.
TOAJ.HAS A 800 RS.
g esfca marca fixa no
^ bra Para evitar falsi-
fjcacoes notem-se
!biem todos os deta-
Ihe? d> marca.
6AAJ4AUM A 800 RS. Vende-se toallias felpudas, a 800 rs. cada
TcoAefse graanadine preta ooin listras de uma. Lengths brancos, a 29000 a duzia, e
c6rasv para vesudos, 800, rs. o co- .IS000 abaiiibados, fazenda que vende-se
vado. por'59000.
POi'PtLLNA 1ftH0feiA;A 1980ft. GRAVATAS L'RETAS A 500 RS.
Veitle-se uraa iazenda ova; com listas, Vends-se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
cwn o Bomoda.poupelin* j#pou(a, prqpria Usdecorcs a 200 rs.
para ^esudos de senbafas,, a 19400-o,cp- Gba^ieos p*ra baplisados de meninos, a
vjKto. Todas estotfazendaa sao vendidns no 3D000.
Bazar Nacional, d rua da Imper -m n. 1% Bd-NUAUS E CPJCOTES A 800 RS.
COJlTJESiDE-CASSAiAs295.0, ltawie-se l*-ngalas e chicotes, a 800 rs.
Venders* certesdc oassa, para, vestidos, aallm urna. para liquidar.
com tOiewaidosL a- -295B0i. '
(BETAS. LARGAS- A 840- Rs> JUAN'S WQWftA^AO QE ROCTA FEITA
Vendo-ss chitaa-iBanoez*fi,.lihi(fli de cotes Vcrtde-st.'ceroulciS le algodao, a 19000.
&as, | iHjfHHy IMiltftini na. .eo-Oi! Uitas, PREDILECiA
A dinheiro e a prazo!
A cofitettto das Exmas. familias
MACH1NAS DE SINGER
Sao maisjbaratas.
S8o de do09 pospontos.
89o simples.
Sto rapida*.
Sao dnradotrras.
MACHINAS DE SINGER
Sao de dous pospontos.
Abainbara.
Franzem
Pregatn trani;as.
Marcam pregas,
liordam de linha de seda.
Altolcboam.
Pregam conlocs.
UNIOA AGENUA
EM
CASSAS DEC0RES-A860*S.
Vetule^se cossas rnanceaas iiajaj de cores,, j
a 21,o, 32% e 400 rs. o covado.
SA4A6 A 29000-
Vende-se saias braucas com ktruas ros, a*W0O.
CtHTAS PARA COAElim A i89 RS.
VeB'te'ge ctwlas pa. cobeitas, aifidOe
360 T8. q cosaiio^
MGIAS PAtAAttOQIEKfii A90DO A DiilA.
)atiisas dq fbjtas finas, a 19600.
ikites de peito in cores, 29000,
Oitos brancas finas, a 29000, 39000 t
Calc/iade briin pardo e de cores, a 20O00
e 29500.
lutes de casemira le cores e preta, a 59,
69, 19 00 e 89000.
Palbotade alpatf.s de cores, a 29500.
fiitos pretos, a 37*000 c 89500.
Sito* de oasviaiiv. Je cores, a 49 e
Vende-se ONias>nas wrdadolras, MH 69000.
hemem, 0900> duzia, a qua] vai
85 000.
CttAljrS DC LA A 800 RS.
Verure-se cbal*s dc li, a 800 re. eada
IHW.
tUlAS *INA A-400 W>
Vefide-s; cbitas-finw de owpo.brOv fa
wnda inuito *>o, '4lC0'rs.iOraldo.
CHALKS Dfc NLlttW A2 iOOO.
Vende-w eb*!edf Brin6'oMarhpados, a
n, m, wood o<
Ditos *5 Hstroa'-00-'6fO*b
BIU>"S FN-WmTr&vA 500.
Ve*f*^so-*rtBS d .biwn fci=oAe*fflppdo,
a 19B09, part -hqwUr.
oobfatas mommMfc wnt
Vcn8e-seeolert^ totlto*, 19*00 e
2V00.
BRIM PARDO E DE CORES A '.00 RS,
TiRrtaifle brfm pardia-e d*cfWBv P> ^u-
pa de homens omwiinos, 4'fs. o oova*
tfo, pfr Hauiiler;
CdLSAS W: 00Mfft-A-*M09.
VeHde^secihrM de co*e.,i>flv, ***, a'29i
49000.
tBASSPARF.VTFi* PA*A CA WXMlSto
Vende-^e trausparattes fnart cdwM6, a
if50f, **raliquid*f.
WWWrt A zoo M.
A CASA AMERICANA
45 RUA DO 1MPERAD0R

GALLO
BRA^CO
Wtes drtds pretos, a 59000, 69600
89090.
CoUvtes de casemira de cores, a 29, 39 *
49000.
CaorisaS'de OaiV'ila, de cores, a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pecas de algodao, a 49, 59 e
69000.
CASEMIRA DE COR A 29500.
Vende-se casemira de cores, a 29500 o
covado.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pegas de rr.adapolao enfestado.
a 39000.
DitOiinglez, a 49500, 5?, 69 e 79000 a
RfSft-
BOTI.NAS A 49500.
Vende-se bormas para senhera e meninos.
a 49500, 59 e 69O00.
Dhas' <*e enfiar, a 29000.
SapKtos *e tapete, a 19500.
Ditos1 de tranga, a 19800 e 29000.
BRA'MANTE A 19600,
Vende-se bramante com 10 pal mo
latgurfl, para lenefes, 8 19600 e 2950
metro. E eutras muitas fazendas propria
do aaercailo, que se vende sem reserva, de
tfertde Se '8bfeB 500 rs. auBOj^por isso convem aos compradores sor-
C.HAPEOS A 2l!T>00. tirem-se dc fazoiiilas I.-aratas, para a presen-
Vnrle-*^ebape>B de oMSWr paw ireninos' tefesto q^eesta" na porta, & rua ila Imperatrii
homens, -99W0 WO*. n Wi. Btzar Nadooal.
W. .....' ----------"' ------------p*
A1 rua do Cabujra n. 1 A.
Oa.proprietariof da ITedUocU, ao iatuilo 4t
couservar o lioni cooceito quo tec>D merecido m
respeitavel publico, diliu(P".iiido o scm. eataijatoci-
mctto dos mais que negociaru no mesmo geano,
veem scientificar aos seus bons (reguezes que pr-
veniram aos seas correpoiident?- nas diversas (ar-
eas d'Europa para Ibes enviarem por l>it.s os i-
quetes os objectoi de luxo c bom goto, qua am-
jam mais hem aceitos pelas aociedades Iegan'*.
daquelles paizes, visto aproximar se o tempo ds
fesia, em que o bello sexo destt linda V eneza
mais ostenia a riqueza de suas toiilettes ; a co-
mo ja recebessem pelo paquete frauciz diverao
artigos da ultima moda, veem patentear algmu
i>"?Dtre elles que se tornam mais recommendsveis.
esperando do respeitavel poblico a costuinid*
concurrencia.
Ader^cos de lartaruga os mais licdt s que tend
vindo ao mercado.
Albuns com ricas eapas de madrcp. r la e da
velludo, sendo diversos tamanhos e bar.iios pre-
os
Aderecos compietos de borracha pr prios pan
luto, tambem se vendem meios adarafoa muiio to-
nilos.
Dotoes de selim preto e de &Jr.-s para omato dt
vestidos de setnora ; tambem lein para roUaH
palitot.
Bolsas para senhoras, existe um bel'o strtiuiet-
to de seda, de palba, de chagrim. etc, etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, Unto de oca
como de cfira, de borracha e de nassa ; cUaaia-
mos a attenc*o das Exmas. Sras. para est>' .rtigo,
pois as vezes tornam-se as crian^as um [K>nc.. im-
perliuentes por falta de um obioclo que M eo-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peit ? boriados
para homem, vi-ndem-se por prto cnmmi
Ceroutai de linho e de algodao, da uiverx.- rr<--
cos.
Caixinhas com musica, o que ha de mais liado.
com disticos nas Umpas e proprius para pr.'jrs
tea.
Coques os mais modernos e dc diverts f. .xa
lea.
Chapeos para senhora. neceberain uiu rta
da ultima moda, tanto para seuhora, eono para
meninns.
rapillin simples e com veorpara toivas.
Calf as bordadas para menim. -.
Eutreineios esumpados e bordaU.j;, ds RsAtl
desenhos.
Escoras eleetricas para dentes, lea a | r;
dade de evitar a cane, dos dent.
Franjas de seda pretas e de c*">res, exi^ie am
grande sortimento de divercas larguras el.
preco.
PKas dc sarja, de gorgurio, de setim e de c* a-
malotc, de diversas larguras e bonilas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Flores artificiaes. A PredilecU prinia em con-
servar sempre um bello e Rrandc sortimfnto des-
tas no es, nao so para enfeitc dos c^blk>, i a.
lambem para ornato de veslido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, braucus, pre-
tos o de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e MltMM.
Lacos de eambraia e de seda dc diversas cores
para senhora.
Ligas de cda de cores e brancas bord;.a. par.
noiva.
Livros para ouvir missa, com cap?* ^e nucr^-
ola, marfim, 6s-o e velludo, tndo :ji,e ha, d?
Pentes de urtaruga e marfim para atotf os ca
bellos ; teem tambem para tlrar caspa-.
Port bouqaet. Um beHo sortimento d.i madre-
perola, marflm, osso e doorados p.r hanali pre^^.
Perfumarias. Ne^te artigo est.i a "r. a bem
provida, nao so em extiactos, coun eai banhas dos melhores odores, dos m3i. afaado<
fabricantes, Loubin, Piver, BoeWaala ilygiei...'
Coxtdray, Gomel e RimeJ ; sao indifpen-aveia p-u
a festa.
Saias bordadas para senhora, por bMBMk
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordadas .para I
tisados.
Tapetes. Iteceben a Predilecla um bnr.iko
mento de diversos umanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de Saias.
Vestimentas para.baptisado o qae ha da melt., t
gbsto e os mais roodernof.recebeu a Predile.
de w ar to prejo, para tkar a.i alcan.-
qualquer bolsa.
Rua do Cabugan. 1

Salsaparrilha de Ayer
PARA PURIFICAR O SAN6CE.
Ommedi qaa gos iM sx-
celtente remedio i devido a milha-
retAt dnrtis qe tfem opmoio, flw-
itas dwquaee tfco vardademmente
maravilhosas. Innumeros sao d9
castiretn tm& n ry-s11i*ma,parccen-
do sahiraao da iodrtdfio ae cafer-
midades escrofuloeas, tern sidb
j5*nttptenwrit tegfitoido & laiida.
^*a ijieo4*i e deaardeai, acowra-
das pela contaminaclo escrofulosa,
< tem sido lam radical e tam geraimeata ^caradaa por eBe, ttx
todos oe pento do Imperio, que o publico raal precisa de Mr
nformado dariwias--vHnu9e B do-fo* de waVo.
0 veneno escrofuloo e um do3 mais deatruldore* ioimigOS
da raca humana. Ora, eenborSa-se ocoulta e traicociramente
do nosso organismo e deixa-ofcu e kKttM ooatira molestia*
falaei. Ora, putcr.teia a mfeccio de que conwrapeu o. corpo
e entSo, m' rndniento opportuno, laVA ^apWaHierite sob alga-
BM de anas aedicudas fonaas, ja na Cutis j* nae orgjmns
Titaes. Keste ultimo caso.deposita, Bos'pdmoV'.ro figado, no cbtal^io, nb.,-qdsndo nltb se Tnto-
ifasta m .... oe*. tumares, eM;
Ainiro.^-) ta-t: ;.crigoso e tam perfido nunca so- deve dar
pwnda, e' p.- v r.tf't senVpre melhor do qtre' cortfrattelo.
Afsim, anfci- << r.yi.paoeiem'aa proprios m%.thomift gctk*t,
o uaa da HAJ.S.-, '* U.TUABA J>V AXEM podera evitar
pesaltatioe fur^aioe.
. As peaa&as que soflr-m de Erytiptlat, Fogo it 0. AA-
ionio, Dartroi, I.'mpigem, MhtumatUmo, Tumorm,
TTltmrm*, le raaJtilMaaa idolorosa do* OM nos omo; DytpqawtM. 0 ludiytUo,,; Uydroptrta,
MouMd* So Coraeao jfo rigado, Epylqotia, Sev-
ralgia e de variae outras arTtaffe do ayatnema.' muaeular a
aervoso, achatio seguro allivio usanda detta $J IA4PAM-
A Syphilis on MlnUam Venereal 1*0 onradaa com o
een uso, poeto que ceja neoaesario mais dilitado espaco de
tempo para, subjugar tam rraperttoentea-eirleitHtdadeBl
A Jjtmtbrrkim, ou rttrm grawwaa, as nloara6ae uteri-
oj* e em eeral as piIecHas jlas mullierw sio tambem allivja-
*{ferioca*ate ccradaa pi
MJA DO RAKGEL N. 3
Armasens de seccos e molhados
TEM PABA DISTINCTIVO DO ESTABEI.ECIMENTO UM GALLO BRAXCO, PINTADO,
PARA ALGUMA PESSOA QL'E IGNORE A LE1TURA.
Hodrigues dc Pires, regressados m Permmboco, cidaiie do Rocile, succetsores do
Lafmaze*! do Gaik), i rua do Algibeves, em LisliOa, otftais afamado e conbecido aroMiBCi
naqcefla eidade, capricham sonapre em ter gonerosde primeira qualidade, dos quaes <*flo
laos seus nameresos fregaezes um tonbecitneDto mfiis prokngado na relacao abarao des-
cripVa :
0 que e bom A nto
Palavra bemdha qe ntmca faltou.
Chd perola fino, a 5J000 a libra. Gamardes seccos, a 500 rs. a bbra.
Dito miudinho super-ffno, a 49000 aM-j Queijos frescos empellicados, pre^ocor*-
bra. jmodo.
Dito popular, flno,, a 39000 a libra. Cascasde c6co para lavar -asa, a 160 e
Manteiga ingleza fior. em barril a 19600. 120 rs.
DIta ditafma, em latas, a 19500. Farinha fina de Muribeca.
Dita, dita, dita e dita, a 19i00. Vassouras -de piassava para servico inter-
Azeite de peixe baleia, a 640 rs a garra-; no, a 2*0 rs.
to. Ditas grandes a 500 rs.
Dito de coco, fino.Ja BOO rs. agarrafa. Massas para sfipa de todas as qualida-
Dito doce e carrapato.
Aguardente do caldo da canna, feita de
encommenda, a 500 rs a garrafa.
Dita popular, a 320 e 210 rs. a garrjfa.
Dita branca, a 200 rs. a garrafa.
BENEDICTINE
MONGES BENEDICTINOS
FECAMP
da. a
por aaa dfUto' purifieader
IT..
tttummatimio 8 Ootta, qOan) esrusadsspof ace
mulacoas de material; extranhas a saa^tavc
r*ol-
mente, de meatrio modo o Ma.1 df EigaAo, Cngestao ou
Zn/tammarnn do liaado, JittHHa, qwurftrfcao briundha
eje awes M*i 'A Salmarril* nmoMnsBW aaataorad** as.
rorc* e ia:r <* ejeUieina.
Auto, take oa qrai offi-erem Languor, Pabjmo, D#.
auto, Jtuomnia 9 que sio incommodadoe com As
>awiewa Temnres VervMot oa qualquer outra r"
Proraijleate ie DeHUUMt, aeharao do seu poder rei
o maia t^u^ expedh*^ de prompta enra.
dos
Vinbo tinto e branco, superiores, engar-
rafad^s e em pipas. E outros artigos que seri
enfadonho annumerar, em secco e mo-
lhados, por ser extenso.
Os verdadeiros
Vinhos_de Bourgogne
~ das Bifitas
Cbambiirtiu
Pommard
Viribs
Voloaj
Moirthelie
Dito Rordesux em qaartoUas.
en#e-se par bawt^ prt$o
PABA LIQCIDACAO DE C0TAS
NA
Rua Larga do Boaarlo 31.
Rotioa.

.
eslrang^iro.
fttris n'Ainetlca, k raaD-
que de CaxJas n, 59
prrmfiro roflar, seaba reber ut cMttpleto
snnimealo de cai^adoe egtrangeiioe aara bosaeni e
?enhota, vindo eptre elles *uo lindo sortiwento de
appreeiado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje- eto todas as
boas taezaa, tanto no
Rtstanrante como no
jSWter Arsieo; nOfr
gratrdefehotete cotnottoS^
saKes dos pri'nclpes, .pot
Uso 6 elle tattkben o ob-
1 ject de HuAeosft8imi-
tacrWs, enja maior parte
de falsa provenencia.
Como termo final de
garantir aos consomma-
dores cnidadozos tim
prodtictoporo, exquisite
essenciabrrente hygie-
nico, contra estas lalsi-
flcaffies detcstereiS1 de
man gosto e flocivo, A
saude, damos retro 0
modelo da garaffa e mais
acima o dos sellos e le-
treiros que envolvem o
verdadtiro Ucor benedic-
tino.
I
OBSERUfAO IIPORTARTE.
ItecothntAMttmoi'pdrlicuttii'tnerttfi do pillfHto em fferat, o exi-
ir 0 Utreiro acima, qui e sempre posto no (undo das garaffaS
detxtr 0 I" 4tf Outabrode *6%7& qua Um a assignatura de
A. LEGRAND aine, director seral.
. B. Em tempo* de epidemia o BENESICTINO t nm preservativo
certo; nm grande nomira da oelebridadea medicas tern dado o
oertiflcaateban ffonoal.
oatM raj A. LECrRAND .unr, m Ffvamp (Fraaifa).

Oevcsito feral wn femarnkmo, A. RESORB.
Granite [ifchiitCua n 200 0 I
covado.
i^sa la, padroes novos, e de mai* goato qa
a vindo ao mercado, -o na rua do Que-m i-
*3, loja de Goerra & Fernandcs, pe!o diminti
preco de 200 rs. o covado !
i-ncgnem fregnezes qne se acala______
Fogao de feiro economico
Vende e um chegado ha peocos dias, taado lor-
nalhas para lenha e carvao, torno p^ra assar
Idepofito para agua quenle e lugar para se (ftur-
dar quente as comidas depois de feitas ; estos fo-
C tornam-se ferommendaveis porqn> ;ao d
lerro batMo, e fabrieado? eom perfercao e con-
nhfrm earn mui diariouu tenba : na rua do Apollo
n. 20 ___________________________ ____
AtiUAS A1.CAL1NO CAZOSAS DAS i DHAS
SALGADAS
VILIA MM DE AtttlAR
Bicarboiiatadai>soflicHfl
Analyses do Dr. Jose Julio Jlnfrwanes, :
da escola polyttchniea de Lisl>< a
Ksia .xcellente ago., a-ada com vantacfoi : -
padecimentos das vias digestivas, urin.rias, d-"
estomagj, etc, etc. : vende se La pharmacu
drogarria a rna larga do Rosario n. -li._________
Vende-se urn rico pianno novo. innito f
e de excellentes votes, a tratar na ina de S. Borjl n. 29 ; na me*ma rasa u*m para te: -
der-se nma b6a"moMHa jararanda. p m pj
uso e em perfeito eslado.
Cabriolet
Vende-se doirs catrletett deqpai.
um piatado e i'orrad de rwvo, lemi" I.
vardts e lanca ; (ambem se vende dous
e um arreie : para veY todo na cochi'i:
da Id da n. 60, e para tratar na rua
de Olinda n. 6, com Rodrigues Irma m
lies.
. Sf UH-.
a ( ra
avaiii-
da rua
arquei
s GaJma-

-----*
17-
. i
__________________________________________________ __________i
'ecnwiecha
Sortr;^
If


-elegantes chiqnftos, sapatinhos e bofiba? para
pri;tnfa*i, rjne tndo venne pffr prejo? raibattei*. AAe'bjfinz
'}------!------:---------\------------------------.-------------_ -deporcel
| ^f% a a .a res,8e;Bblio e walfoalttf,. gunrdafr le nhi'
l-'^-k r*V\ m a-a. athM^ *~i i! #on*as leineaaoqav' a mittt rpajiioa <(fr4rgoa ne
Bazar Vicjeri^ a r.ft flS*Br5?A* Victoria n?l.
I 0. C. Dujle.
4
Por metade de seu v-alor.
vrepde-se rieaa aedas de diversos padrdes peio
baratisj'.Upo preco de i*600 o twado, aproveitem
que 6 pech'.^ha : a rni Duque de Caxias n. 68,
loja de Demetil'0 Bastoa.
J. C. Ayer & Cav^oweU, Mass, R 9.
C/timion *raclleee Analytic**.
VBaTDBJ SJSJ FOR
Chapters $m *fh
loja do Passo '

a rua Primei.o de Ma'/co a
;ftrU-

Cambraia de cores, pjantfes taaito iiadoi, pel*
fcaraliRsano nr^fo .de 2^0 rs. o covado :_na na
drimeirn de Margo (anti'ga do Coeapo) n.,13. oja
^as colufaria?, de Antonio Correia de Vasconsel co.
laindaslas escocezas.
De varios padroes, e inteiramente modernas, a
360 rs o covado : na rua Primeiro de Marco-
antiga do Cre?po n. 13, loja das columnas, de Ad >
tonro'Correia de Va-Cfinceflos.
Cimento
Vende te na rna da Madre de Deos n. 39,
pelo
, xfc t ninncn naanete, um rico s.ni- veiio* e ua run u* mauio usueosn. js, pen
A, reeeten-pelo aWimo PP^ .^ ^ e a,enor preeo possivel, o verdadeiro cioaenlo Por
memo de eb^im ^JjjT* ^^ ; Hand, vindo pelo ultimo vapor inglez, de carga.
trisf a "rua dL>
ian
n
rl
Amaral Nabu--o & C.-vendeni bandtjas dc cMa- ^
r5o de 12 a 30 poffegadas c de itotto'iBteiramdti' fai
te novo e de m'tal, tambem nooiU' plotara e de
atperttB Mmaahcecao Baaar Victoria n-*.
--------1
.

Vemle-se o engeDho 8^(}a-velb*s-. junto da villa
do Gabo, e perl" da esiacayda llbaj uma leg .a,
cdm i afra e bois,'on ?6f d enfrenno, moentc le
agua, que iiorie safrefar de 'I.UOO a -,000 p.i.'s de
a.-suear : a u-at r ao mtEm* engenho. ou a rua
Imperial n. 92, com Tbomax Antonio (Toimtra,
Jem para ve 11 :
Cognac de mtstm"; sfipeHftf e verdadeiro
Vinho Xeres das mefboros qualidadca.
Bltacrs da Aagoitar.i.
Whisky.
Cba preto em latta.' de 10 libras.
'TOdas tt prOTatfa%? cbitnicaa A) tr. Ayer
arWatSM Hi* ComroerCia *ti 38.
Barato qtle adrajra.
Na lajft da* pis-aftrias m frentedo Livrameo-
Uavtr um cmpleto sortimento de
'azeddas" DSTatas, como se"J-im':
Chjtas matizadaa a 2.0 is. o covado.
Ditbs de el inhos a 240 rs o covada
Dilas deci'berta rm doioaa, a 280 r-. o covado.
Las de cons a 320 rs, o covado.
Tudo mai- i m p up ircao, e 6 cpra a vista o
freguezpodrra avaiiar ____
yenno -^h ihi tav^rna m rna das Can-"
*. esquina 'la rua le S Juan cow b vivenda aba^lanUx nimido- dv f?miKa ". qut"
jpretende-U dirii^ il::.'it
Gaz a 5S600
a lata, do melbor que vem a e?tp m'-rpaaV*, da
a rti de Henry refSter C., com a qnnniMadf
compltta do liquids: nos artnazei.- d. J. Do-
mingues do Carmo e Silva, a ma da kW*l de
Deus n. 10, e rua do Amorim nil.
Rna Ittreila u. 41
N%ste estabel^cimento crncertam-fo cliapeoi d<
palha. seda e velludo, para senKras e mer.in. .
sendo formas das mais modernas all hoj< c'.iega-
daa. Tambem se coacertam chapeos de' tn**as n
qualidade?, para homens, gartntindo se a pcr.'ei-
5S0 dos cC'ncefto9.
No mesrrio wtafcelecimnrto tem am
tiroento.de chapeos de palha, dos mais :
enfeitados com muito gosto, e pelos prt;os V
I8J e ?0*.
Chapeos de Seda e de veiludo, f nra-< mc-d'-
para 10* e 12. v-
Para lulo.Cha*os para?enhor-- a to* I 12*"
* fata nrenioae a 8*. ____
Yendem
Wiisoo, Row A
Era seu armareirf a rua do 1
guinte :
Algodao azul amencano.
Fio de vela.
CarvaVi de pedra de todas a.
Tudo muito barato.
Carro ame;
Vende-se nm carro Martin
tns. a vontade, em perfrim i
fabrica de carros a rua da Pl. i
ttraar na rna iNova n. 9,1.*
I_JML



8
$rio de Pernambuoo -^ Terga teira 10 de MargO de 1874
YARIEDADE

versal. Acaba de fazer-se ami nova
descoherta em materia de. tecidos : o
.pair le pemias, fabricado com a penu
.gem aves de capoeira e de todas as ou-
trai ; .:0 a 750 grammas de penugeui
d*r ri metro quadra la de pauno inais love
C m..- queote quo a la. Este pannu tece-se
o-m, serve para o que se quizer e 6
lmpet.-.eavel. As experiencias que se fize-
ram deram o raellior resultado
Decidio-se quo a inauguracAo da ej-
tatua Joanna d'Arc, na praca das Pyre
rm s, em Paris, ten ha lugar no dia 25 de
fevereiro se.n nenhuma cere.nonia official
Proceder-se-ha simplesmento a* tiragem do
veo que ate agora tern cobrido a estate, na
presenca dos ddegados qua forein desigua
dos pelo prefeito do S na.
Teem tstado doentes os cardeaes do
sacro collegio Casaldi e Tarquini.
Ha dias descubrio-s'e em Barcelona,
3e um modo singular, o roubo que se ien-
tava fazer na aliandega d'aque la cidade.
Abatera o pavimento de uma rua e desco-
brio-se rntao a abobada de umagaleria que
os ladroes estavam pratu-ando.
Existem actualmeute nas prisoes de
Cartagena 60l> presos, accusados de tcrem
tornado parte na insurreicao cantonal.
0 cardeal Autouelh desmentio olli-
eialmenta a o&ebre bula sobre a eleicii dos
poptiQces.
A printeza Luiza. filha priraogeniti
dos reis da Belgica, osta promettida a um
principe da familii imperial de Austria.
0 barao Meyer de Rotschiid, ultima-
meute fallecido em Londres, nao e o chefe
da casa iugleza do mesmo tilu'o e deputado
por aquclla capital.
Os tribunaes de Paris p incipiaram ja"
a occupar-se do celebre processo, intenta-
do por uma familia bollandeza dos Nown-
dortT, contra o conde de Chtmbord ou Hen-
rique V, pretendendo a referida fjmilia ser
ella a descendente directa doduqueda Nor-
mati li.i. ou Luiz XVII, o filho de Luiz XVi
e Maria Antonieta, assegorando que a sua
confissio de morte, redigida na prisao do
Templo, e falsa e que sen pai foi o verda-
deiro delphim de Franca, tendo-se casado
na Holland! durante a guerrada revolugao.
Em Breda e Spandau exercou o officio de
re'.ojoeiro e teve varios ft'ihos, dos quaes os
principals reclamantes sao os que se apre-
sentam com o titulo do principe Alberto e
princeza Amelia. 0 celebre Julio Favre e
quern os defende, nao tendo querido seru
duvida deixar perder esta occasifo de causar
uma nova ferida no coragio da monarcbia
francoza.
lim telegramma de Southampton, de
9 de fevereiro, diz, com referenda a noti-
cias de Gibraltar, que o sultio de Marrocos
raandou presenles ao bey de Tanger. Todos
os g overnadores das provincias foram cha-
mados A cdrte, onde deve celebrar se uma
grand-) reuuiio de todos os principaes chefes
do imperio. A esquadra allemi em Tanger
saudou a bandeira mourisca. Por este rco-
tivo foi a primeira vez que se icou n'aquella
cidade a bandeira allemi.
Falleceu na Allemanha, sua patria, o
celebre David Frederico Strauss, autor da
Yida de Jesus, e o verdadeira iuspirador
de Renan e da sua escola.
Da repartic,ao de contribuigoes inter-
nas em Washington desappareceram 75:000
pesos, que o chefe deixira no seu gabiuete.
Em Nova-York foram presos dous individuos
aos quaes se encontrou o valor de 10:000
pesos, dos que foram subtrahidos.
0 Vaterland, de Vienna, publica uma
noticia que em attencio ao caracter e im-
portancia do referido periodico merece cer
ta considered- Segundo menciona essa
folha, foram-lhe dirigidas cartas de Munich
annunciando lho que havia grande agitaga)
n'esta capital em consequencia de ter dito
um diario que o Imperador Maximiliano vi-
via ainda : que os prussianos o raptaram
em 1864 e o fizeram passar por morto, col-
locando no caixio uma imagem de cera,
identica a" sua. Accrescent8 que os estu-
dantes, desejosos de conhecer a verdade
d'este facto, promoveram desordens e que-
riam apoderar-se da igreja dos Teatinos,
onde repousam o restos da familia real,
vendo-se o governo obrigado a mandar
guardar o templo por forga armada, afim de
irapedir uma escandalosa profanagao.
-
Dos 29 bnirros era quo eu dividida af Lflu II i. Em 18*9 esses convento* coo-
populacao de rS|ila, ja" se HitoZm ra taram 25 noonges e 716 religiosas ; em
cmhecimento* em 17. Pel infofdMC^018.*871 1,233 monges e 5,631 religiosai. O
olliciaes resulta que n'esses 17 bairros ba' r^foridb periodico accrescenU que nos ou-
22 casas destrui las pelo incendio, 305 total- (f paixes alienas a propor^io deve ser a
mente arruioadas pela metralha, e 1,496 mesm. A raaior parte dos conventos das
com notavejs estrag.s. Oi edidcios que .raulheres teem por fira a ducacio de me-
ficaram incdunaea aao passant de 40. ninas. Os conventos de .mulheres teem
Confirin*ram-se as esperangas de que nao so pensionistas, mas ate" em quasi toda e
o czar Alexandre solemnisaria o casaraento parte as manicipalidades confiarn-lhes as
de sua filha com uma aranistia na Russia. tescoUs pri aarias.
Um decreto imperial coocede-a.a todos os O Gaulet diz que, logo que es-
russiaoos e polacos que tenham comraettido teja twonstruida a columna da praga Ven-
d ;lictos politicos ate 1871, pois o decreto dome, tornari a collocar-se nella a mesma
quer de-nouritrar por este modi; que desde ostatua de Napoleao I, que foi inaogurada
quella d.ita nSo "tern havido a mais leve pelo governo de Luiz Felippe.
agiiacSo no imp.irio moscovita. Moticias de Morella (Hespanha), re-
Fni restabelecida e n Frau^a a com- ferera que ao aooitecer do dia 9 de foverei-
mtssin de censura para as produc?6es dra-, ro se declarara um incendio no theatro da
malices. quella cidade, o qual em pooeas horas ficou
Em Paris circula com insistencia 0 destruidu pelas chammas, tendo tauibem
boato deque o principe imperial entrara" entjosffrido inuito 0 edificio da rauaicipalidaJe,
Franca logo que cbegue A sua maioridade, jacotiguo atfueite.
que se venlica no dia 16 de raargo proxi-. A sociedade de Londres que e occu-
mo, nao havendo impedimento algura que(pa> em aspha*tor as taar offereceu urn pre-
se opponha a semeibante resolugao. mi>/de 7O0-3WO a quern apresentar o me-
Entre os membros do governo inglez lhor appar^lho de as iimper.
naufragos.
=
que foram reeieitos deputados figuram o
Sr. Bright, chancutler do- dueado de Leu-
castre e o membro de opinioes mais avail-
gadas no centro do- ministerio ; mister
Lowe, ministro do interior, e sir Horacio
James, attorney geral. A reelei^ao? de
Gladstone foi disputadiss maein GreeB-wicb.
O ministro Fortescue foi derrotado- pelo
Ecu consequencia de-grandes ventaoias
que hoove dos EeCado-UaMo, ficaram des-
truidas proximo d'a Bul'alo, todas as ponies,
resultanJo disso perdas considnraveis.
OvgAnisou-se em Paris o>nn commis-
sar para promover uma subscrip^So a favor
dos hespaAboes feridore doentes-, tan to car
listas com* republican*)*. 1& pmieipiou a
candilato conservador, vendo-se abando-jfunccionar, tendo oblido era pouoos dias
nailo pelo partido liberal mais ardente e 30,600 francos.
que quer a libtirdade da igreja em IngJa-
terra. Entre os novos eleitos ligura o conde
Grey, que tinha ficado de ftira no ultimo'
parlamento, mas que em compensacao en
trara" agora no poder se se formar um go-
verno de conciliaQao, ainda que a elle pre-
sida lord Derby ou lord Granville.
A rainba de Inglaterra mandou com-
prar a Paris, para fazer presente a" esposa
de seu filho, a duqueza de Elimburgo, um
collar de perolas que custou 117 contos de
reis, moeJa portugueza.
No grande baile dado ultknamente
na prefeitura d Paris, houvo as seguiotes
despezas com o servico. A conta do salohi
cheiro foi de 324oXK)0 e a do confeiteir*
de 694J5630 o cha importuu em 3ftj000 ;
azeite 27<>000 ; vinagre ll;>lfi0 ; iaranjas
1079200 ; trutas 360^k)09 ; carne 2*00
kilos a 240 reis cada um ; filetes fnos de
carne *3?>200 ; aves 381^780 ; espeeiarias
324)5000 ; pasteis 278&000 ; liquidos, isto
e, vinbo, aguardente e rbum, ttOi3S630 ;
servico de criados 459j?360, tulo moeda
portugueza.
Falleceu ba pouco era Paris um- via-
iante que teve a sua celebridade, pore"m
que morreu completamente esquecido. Cha-
raava-se Carlos Ducret e explorou a Africa
a sua custa. Antes de Livingston entrou
na Sabitoane e percorreu mais tarde o paiz
de Cosembe. Teve nas diversas viagens
terriveis aventuras, das quaes a seguinte
narrada pela Presse, em 18 de fevereiro de
2861 : Uma noite, perseguido pelos ne-
gros, procurou refugio entre os juocos de
um lago cheio de crocodilos, e alii esteve
immovel, durante quatro horas, immerso
ate a" cinturaeolhando os terriveis aaimaes.
Logo que amanbeceu sahio da agua e de-
pois de uma longa e penosa viagera chegou
a costa da Scrra Leoa oude o Sr. Guilher-
mard de Aragon, consul geral de Hespa-
nha, lhe deu os vcstuarios precisoseo
mandou para a Europa. E muito de crer
que conservasse ate & morte a lembran^a
d'este episodio das terras africanas.
Os diarios allemSes anti-catholicos
erapreheuderam uma cruzada contra a mu-
lher cafholica, que consideram corao in*-
trumento dos inimigos da Allemanha. Es-
sa opposite, que laz grande honra aos ca-
tholicos e era especial & mulher, cathalica e
da a conhecer no seu despeito os gran-
des progressos que tem feito o catholicis-
mo na Allemanha.
A Gaz'tade Spenee, que e um dos pe-
riodicos que raais se distingue nes>a. cruza-
da contra a mulher catholica, diz que na
Baviera, desde a exaltaQSo de Maximiliano
SegundO refere a liberti, pornoticias
que recebeu de Roma, aeba-se prestos-a su-
bir ao tribunal' pontificio o processo kisteu-
padopara a beli6f.ar;io de-Luiz XVI.
Diz uina-foiha de Madrid que a idea
de se eonstruir naquella cidade uma grande
necropole, oncerrando-se todos os cemite-
rios que alii existem.
A Sablim* Poru prohibio a importa-
rao de gado de trnbalho n* provincia d
SaloDtea, em consequencia dt nao ter ter-
iRiutdo alJi a epizootia.
Em Moscow celebraram-se sumptuosas-
festas por motivo-de terem ali ebegado os cza-
resda Rossia era eorapanhia ds jovens despo
sados, duques da Edimburgo e-dos principes
herdoiros de Inghtarra, Alleraaoba e Dina-
oiaroa. A> recepfio desta espkradida cdrtej
tare lugar a* meia noite, achaudo se illurai-
nada t.>da a antiga capital da Mescovia e
formaalo urn contraste indescriptivri os mi-
1 hares de luzes com a neve, que gr 15as ao
frio-de IV abaixo de zero, cobria corao um
man to, os-campos,. asruas e as casas. Os
EflSOMOS DE UMA ELEIfAO.N'u*
condado du Escocia vivem dous lavradores,
ambos dispando de boas propriedades } um
e ecooomico e gosta de accumular capital; 0
ouiro gasta quanto lbe produzem as suas
rendas.
Algumas vezes X (o ecooomico) aconse-
lhava a F. (o gastador) ser convenientecui-
dar do arranjar do.e para ostres filbosdes-
te; e para corrobarar 0 seu di.o aecrsoeentava
que suas tres lilhas tinbam j.l garantidos os
sens doles; podendo constituir familia an
tes de esperarem pelo que delle viriam a
herdar.
Respondia F. dquelles salutares conse-
Ihos, dizendo, que os seus rapazos se qui-
zessem cazar que 0 fizessera com mulheres
ricas.
Ha pouco cbegou, como se sabe, a epoca
de se proceder as e lei roes para a camara
dos communs,. e X apreseotou-se Candi-
da to.
Soli.hi os seus ageute pelasalleias, e da
sua fana ctixa forte- voavam as bbfas ester-
linas a dezeuas e is-eentenas.
Para o dij? da eletgjio estavam compr-
dos alguns toneis de cwrveja, presuntos de
York, etc
Mesmo na vespera da eleigSo, cbega-se a
X um dos principaes ageoles eleitoraes, se-
nao 0 c&efe delles, e ctiapa-Hie com esta i
queiraa-roupa.
Senbor candidato, para* que possais
veneer a eieigSo, faitam-vos seis votos, e
nos nSo -abemos jd onde ir arranja-los.
Sabendo qual era a somma que ja tinba
saholo d0 sea cofre, % estremeeeu ao ou-
vir aquella sinistra declaragao Oscillar
entre a perda da candidature com alguns
contos de reis 4 mistura ea incerteza da
victoria, ere um tormento para que o seu
ammo ia sentindo faltar lbe rs forgas. Era
iorcoso-tomar unaa resoluc,o heroica.
LemSrou se de-que seu risiuho F. dis-
punba do 9 votos- certos; e; sem denar de
antever os perigos de lhe ir pedir protecc&o
i sua c-ndidatura, v6a & cast* delle,
Anwgo, lhe dfc-'X, venbo pedir-lbe 0
sea voto ea saa protecgao. ^i quanto p6-
do obseqaiar-me neste mo neoto.
Sun, sim, estoo prorapto a servi*lo ;
rnas...eu tambem ten ho a tozer lhe urn
pedido.
Pois- diga qual-e. Se eu-poder..-.
Oa \ sim, p6do.
, P.iis-desembucbe.
P<.go-lbe as maoe de seas- tres Libas
-para os mos tres filiiws.
Sfja as-im.
pbaroes chinezes, os can lelabros do gaz, os-1 Diga-me, Sr. \, cora quanto dota as
I, o numero de conventos tem augmentado
de 7 a 595, dos quaes 500 admittem pen-
sionistas do sexo feminino. Ao passo que
no tempo de Lu!z I so se fundav^m 7 con
ventos por anno, no reinado de Maximilia-
no II estabeleceram so 17 por anno e no de
fogos-de Ben gala, produziam no raeio deste
espeetaeulo um effeito magico.. A recepgao
foi naturalmente mais entbustastica do que
em S. Petersburg!), onde 0 povo esta ii
acostumado a ver a familia imperial. Os
czares e a comitiva. dirigiram-se em primei-
ro lugar a uma eapeRaJda Virgam onde fi-.
ieram orai;ao, coma costumam todas as ve-
zes que vao a Moscow, e no dia seguinte vi-
sitaram diverso* edilicios, e assistiram &
uma grande re vista e a outros festejos pu-
blicos.
Segundo o or^amento. francez para
1875, os diversos mioistros plenipotencia-
rios de Franca perveberao annualmente os
seguintes vencimeotos : 0 d S. Petersbur-
go 90:0000000( o de Londres 72:000^000 ;
o de Vienna 70:000^000 ; 0 de Berlim
60:0009000 ; o de Madrid 45:0009000 ; o
de Constantinopla 40:0009000 ; o de Konia
(junto da SanU Se j 40:0009000 ;; dito
(junto de Victor Manoet) 40:0009000;
Berne e Bruxellas 22:0009000 cade um.
Houve um augmento para os de Stockobno,
Buenos Ayres e Teheran, e uma dimmui-
cao para os de Tanger e Pekin.
Segundo 0 inventarioa que se procedeu
nojardim.de aclimataQao de Paris> existem
670 mamiforos ; 602- reptis e peixes; 192
palmipedes ; 415 gallos e gallinbas; 875
pombos e 2,768 aves diversas, Mpresentan-
do tudo um valor venal de 201,892 fran-
cos, e 25 centimes.
A colonia iugleza de S. Petersburgo
offoreceu de presente ao duque e & duqueza
Tendo lhe passado 0 atordoamento, er-
gueu-se e disse : .....
- Oh I nio, nio posso sobreviver i
iainha darrota I Vou dar cabo disto I
E sem deiongas corn para 0 parape.to da
pdnte, e atira-se ao rio.
Os dous tutadores que tinbam levado de
vencido 0 valentao, vendo aquillo, e, sendo
bons nadadbres, despiram-se e lamjaram-se
a* agua, conseguiado, nao sem bastante ris-
en de suas prOprias vidas, salvar 0 seu ad-
versario.
Foi este um ado humanitario daquelles
que mais honram qualquer pessoa que 0
pratique. Salvar a vida a"juelle que pre-
teudtf Jestruir a nossa, e isto com interval-
lo da rainutos, e quando estavam no ardor
da ex-olfecio, 4 uma acgSo que s6 praticara
cora^oes nobilissiraos.
NOVO GA1AL.O canal tantas vezes
projectado atravez do isthrao de Corintho,
diz o Eco de Ambos Mundos, obteve por
Gin um concessionary na pessoa de um ban-
queiro italiauo, estabdecido em Atbenas,
o Sr. Tubini. As primeirai clausulas da con-
cessao determinam ao canal a profondidade
minima de 8 1{2 metros, e a largurade 12
metres no fundo. No meio do canal ha de
cunstruir-se uma doka de trirrta mil metros
quadrados, e de profuudidade sutlicienie
para receber A voutade navios do alio bor-
do. A obra toda ba de coucluir-se no tor-
me de seis annos. O;periodo da eoncessSo e
de 991 annos, e devera verificar-se urn depo
si to de 60,000 pesos, tao depressa a camera-
grega- ratiiique as estupulagoes do con-
trato.
Galcula-se em dez mil contos o custo de
toda a empreza. *
JUBiSPRUDEflCIl
FQLHETIM.
l::secu 2mu
mm oe mm
POR
It. Manoel FernandezyGausalez
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
(Continuacao do n. 54. )
IX
1>E COMO MICHELOTTO, APEZA.R DOS SEUS Cf.N-
COENTA ANNOS, E DA SUA ALMA DE LOBO,
PODIA ENTRETER-SE COM 0 AMOR.
Ora que culpa lenho eu do que pode
ter succedido ao Sr. Michelotto andando
por esse mundo de Deus? Onde iria elle?
Ou certo que nSo foi ver nenhuma raparija,
porque esta" morto de somno e cahinlo
.om fome. Tenho, pore"m, de me conten-
iar com a curiosidade, porque a elle nao
so pode perguntar cousa alguma.
Pouco depois, o capitao Rodolpho man-
d )u uma boa ceia a Michelotto, que comeu
vorazmente, deitou-se e adormeceu profun-
d -;uente.
Tres horas depois acordaram-n'o.
Michelotto que senio havia despido, nao
te\e mais do que aGvelar o cinturSo e ali-
- os cabellos com os dedos ; poz o gorro
e tiron da gaveta dn mesa Cinco chaves
respoudentes &s cinco portas que tinham
de passar para chegarem ao aposento habi-
i do por Genebra.
Finalmene chegou alii.
Tonetta, fresca, rosada, robusta, incitan-
te, occupava-seem Yarrer o quarto quando
Michelotto entrou.
Muito bem, minha pequena, disse
aquelift, is cuidadosa c accif-da.
Pois que, liei de deixar que isto esteja
sujo ? l
Tens razao. A scnhora dorme ?
Sim seuhora ; a pobre menica n8o
.a olhos ate amanhecer; passa a noite
>>i do, suspirsndo e dando voltes na
i -a7
raesmn succede a mim
lambem ? Pois cu jidgava qm- o
de Edimburgo um magaifico life boat, o
qual reune todos os aperfeitoamentos nova-
mente descobertos, e applicados aos barcos
de salva-vidas, Esta eoibarcacao foi cons-
truida em Inglaterra e os duques offereces
ram-a a sociedade russa da salvag&o- do-
jsuas raeninas ?
Sabe-o tao bem.como eui Nao te'o
disse eu ja* uma vez t Cada uma das pe-
quenas tem move contos de r4is de reada
annual, como dote.
Excellente, meu amig >. estou conien-
tissimo.
Diga-me agora,. Sr. F.^osseus rpa-
zes juanlc racebem do Sr para os seus
dotes?
. Os roeus rapazes. redargue F., rece-
be cada um, ires votos que kao de ser re-
ligiosaraente empregados Smanha na lista
do meu exlremoso amigo.
Genheeeu X a r&Je em qpe se deixara
cabir, mas nao havia meio de se esgaiaw do
a nzol.
Poucos dias desois, as tres raeninas cora
dote casavam com os tres rapazes que o
nao tiobam.
A'sbodas F. abcirou-se de X, e disse-
lhe :
Amigo e era j parente, nao lhe havia
eu referido que nao tratajra dejuntar dote
para os rapazes, por coutiar que viriam a
casar ricos? Esti compida a miuba pro-
pbecia.
Sorrio-se \. com a eipressao de quern.
diz.:bem te conhegoy meu espoctalhao.
INIMIGOS HLMANITAKIOS.Ha pou-
cos dias, junto A ponte de Gxeuelle, uma
Idas muitas que atravessara o Sena, travara-
se uma luta do pugilato, entre tres opera-
rios. Batiam-se dous contra um; tendo,
porera, sido este que desaliara os dous con-
traries, fiado em dispflr de forgas hercu-
leas.
Mas, o improvisado deus da mythologia,
foi por fim derrubado, e teve de se confes
sar vencido.
Kelutorfw
* RESPEITO DO NKGOC10 DO HAKECHAL BAZA1NE
EX-COMMANOAtlTE EM CHEFE DO EXEKOITO
DO RUENO.
AUDIR.tCIA DE 25 OK ROVEMBRO
(ContinuaQoo)
P.No seur^resso referio-vos o general
Boyer as palavras do Sr. de Bismark :
Que se nao devia contar senao com as
ondifoes de Sedan 1
R\.Creioque sira.ee para escapar a
essadolorosa extreraidade qpe resolvemos
mandol-a a imp;ratriz.
P.Nao vos disse que o Sr de Bismark.
exigia a i-ssignatura da imperatriz n'esses
prelimioares dapaz? 0 Sr. de Bismark
accrescentava: Por mais severas que
severas que sejam aquetlas condigoes,
e uecessario que a imperatriz as assig-
ne.
It.Nao, naoouvi nada.
0 general Boyer disse que vos deve ter
feito saber que o general Bourbaki, nio ten-
do podido reunir-se ao exercito de Metz, of
ferecera os seusservicos ao .governo da de-
feza nacional?
R.:Nao creio que tenba falbdo.
P.Disse-vos que as noticias que releria
eram de origem prussiana?
R.Nao disse, e ninguem H*o pergun-
gou,
Ogeneral Pourcet.r Kezalgumas pergun.
tas & testemunha, e esta nao wi mais do que
cooBrmar oque ji tinha dito.
O marechal Bazai.ie.Nuuca occultei
cousa alguma aos meus logires tenentes.
Pul-os ao corrente da mis>do conliada ao
general Boyer. Se lues nao fallei do Sr.
Kegnier, foi porque eu nao tinha aprovoita-
d esse Regnier, como disse por occasiao
do meu interrogatorio, senao para saber o
qpe pensava o Sr. de Bismark.
Era uma situacao irregular, da qual eu s6
assumia a responsabilidade.
Presidente.Cbamai o marechal Le
Buauf.
0 marechal Le Bumf.A 7 de outubro,
recebi a carta confidencial do marecbal, e a
nota do general Soleille. Reuni imme liata
mento os meus officiaes generacs, e depois
de ter ouvido as suas opinioes,. fiz redigir
uma declara^ao, tendeiite a que o exercito
recorresse as armas, se lbe nao fossem offe-
recidas condicdes honrosas.
Na reuoiao de 10, perguutou-se so nao
era uecesserio combater antes de comecar
as negocia^oes; tui desta opiniao, mas ven-
ceu a opiniao contraria, que era a da maio-
ria. O general Boyer partio ; ali assig-
senhor dermia perfeitamente. Mas, nunca
o vi olbar para mim desse modo.
Ai. Tonetta, replicou Michelotto sol-
tando um treraendo suspiro, olbo para ti
deste modo, por isso mosmo que nao posso
dormir.
Mo o entendo... balbueiou a rapa-
riga baixsndo os olhos e corando.
Nao me enteudes, e deixas de olbar
para mim, e sobe-te a cor ao rosto ? No
fim de contas tens razao, porque eu conto
jd cincoentS annos e estou feito um de-
monio.
Nao 6 porque o senhor tenha cin-
coenla aunos... disse Tonetta tornando a
erguer os olhos e fixandoos em Michelotto,
e" porque o senhor offende-me.
Offend o-te !
Gertamente. Pois nSo e
um fidalgo ? E que sou eu 1
E nao te zangarias, senao por isso ?
E porque mais?
Por te parecer velho e feio.
Olhe, se um horaera como o senber
nao fosse, como o senhor e um ricocavalhei-
ro, mas sim u.n guarda ou pescsdor, nao
me offenderia que me dissesje isso.
Ah entio queres dizer...
Eu nSo disse nada, senio que nio
passo escutar palavras amorosas que nio
sejam de um homem que possa ser meu
marido.
E porque nio posso ser teu marido ?
0 senhor, meu marido I exclamou
Tonetta, empiUidecendo.
Eu sempre fui muito feliz com mu-
lheres, disse Miehelotto como que fallando
comsigo mesmo, porem julgiva que havia
o senhor passado \A o tempo da minha fortuna. Pa-
A pobre. rece-me, pois, que te agrado, e visto quete
filba de um guarda. (agrado, caso comtigo.
Sera" bom que nos entendamos, repli- Casar comigo I Loucura 1 0 senhor,
cou Michelotto, larga a vassoura, senta-te um cavalheiro que usa esporas de ouro e
e escuta. capa de velludo.
E sentou-se n'uma cadeira, designaado A Sou um homem.
Tonetta uma outra na qual a pobre rapa-! Sim, mas um homem que necessita
riga se deixou cahir como que aturdida. [para esposa uma grande dama.
Michelotto muito pr'atico em galanteios Olha, Tonetta, neste tempo em que
esteve alguns segundos contemplando-a de vivemos, as grandes e as pequenas senho
um modo tal, que augmentou a perturba- ras estio dadas ao diabo, e eu nio quero
ra ode Tonetta. casar com uma mulher que me obrigue a
__ Ora vamos a saber, disse elle afinal, deixar viuvo a mim mesmo. Nada, nada
que tal te pareco eu ? de grandes damas. Nio es tu tio formosa
__ 0 que me parece... 6 min ? balbu- e robusta como Niobe, e pura como Diana ?
ciou Tonetta. JEm pondo um toucado de brocado, um
__ Vanarei a pergunta. Tens algum collar de perolas, um manto bordado a
amante ? 'ouro e um frinoso brial, quera seri capaz
__ Amante, eu I exclamou ella com' de reconhecer em ti a filha de um guarda?
i I i...j:>. _. _:_w> fiiu. dL. _..:.. :n>nii:
energia.
' Acredita-me, minha filha, 6s muito intelli-
Bem, acredito porque tens cara de gente, e educada por mim^te transformaris
boa rapari'ga ; mas senio tens um amante' com focilidade n'uma grange dama.
por certo que terfc um noivo. Ora vamos, Sr. Rugiero, nio me diga
Tambem nio. essas cousas. 'if.
Nioteamou nuncanenhum bomem?i Porque?
Tem-m'o dito muitos, mas eu rio-rae Porque se algum dia me convener
delles. 'de que me falla com o coragSo e-Iho dissnr
E se ura homem como eu te dissesse que qaero ser sua esposa, julgari que c
que te .imava, rias-te tambem delle 'pela ambic,io da querer ser uma senhora.
NSo, zangar-m>-li a. Pois olha, queres saber ? apostaria
Porquo-? quo me amas ji um poucochinho.
Porque um homCra como o stvhor Mo seja preaumpgoso ; nio o amo
ua> podia sanso lei a iddi de zora liar .le'nem o aborre^o ; parece-me que se fosse
mm, 'b3m para mil, talyw tiwse a amal-o;

Pois bem. basta, serei bom para ti,
disse Michelotto. Ilojo mesmo irei ter com
teu pai e pedir-lbe-bei a tua mio, de modo
que se elle ra'a eonceder, casaremos aqui
na capella do palacio, amanhi
Mas que sonhou o Sr. Rugiero, para
me vir dizer todas essas cousas ?
Aproxiraa-te de mim, porque quero
dizer-te em segredo o que sonhei.
Tonetta aproximou-se.
A pobre rapariga estava deveras assom-
brada.
0 meu sonho foi o seguinte, prose-
guio Michelotto. Era uma grande senhora,
uma dessas sen boras a" qual se pdde unir
tao someute um homem ou muito paciente,
ou muito soberbo, ou muito cego. 0 ma-
rido dessa dama partio para a guerra, e
ella enamorou-se de um outro homem.
Essa senhora era uma infame, ata-
lbou Tonetta.
Deixa-me continuar. Infame ou nao,
essa senhora teve do amante uma filha.
E o marido nio a matou I
0 marido nio o soube nunc<.\
0' meu Deus I exclamou Tone'ta em-
pal.idecendo. 0 que fez da filba essa mu-
lher ? /
Ouve. A tal senhora tinha um anti-
go s.-rvo dedicado e leal; confiou-lbe o
seu segredo e com elle a sua filha. Uma
noite, aquelle bora servo sahio do castello
onde se achava, cbegou a um povoado, pe-
uetrou n'uma casa e em seguida n'um
quarto, e a sua ama entrerando-lhe a
crianQa, disse choraudo: a. Nio posso tel-a
ao meu lado e os fiibos carecem do amor
maternal; eu sou sua mii, mas nio o posso
dizer ao mundo inteiro. Di-lhe tu uma
mii.
Ah I sim, uma mii de caridade, disse
Tonetta commovida.
Isso mesmo, replicou Michelotto;
uma mulher boa e caridosa que t.vesse
eompiilxim .la pobre orpbi ; uma mulher
pura e nobre, que a araasse como se ella
t'^sse sua propria filha.
E quo foz o servo dessa tal senhora ?
levou a ctianca com a ama para um
lugar seguro; voltou ao castello donde
tinha sahido e ao enlrar n'um aposento
encontrou uma joven boa o formosa, ainJa
que de ber^o humilde, e disse-lhe : AraOj-
te, queres ser minha esposa ? Queres que
sejamos ambos os pais dessa pobre filba
da loucira, do crime, da desgraca ?
E qua respondeu a joven de nasci-
raeuto humilde? perguutuu Tonetta olhan-
do com profunda tristeza para Michelotto ?
Nao sei, porque quando chegava a
este ponto do souho, acordei. Que te
parece a ti que devia responder a tal
joven ?
Devia exigir o seguinte juraraento
Jure por Deus e pela sua alma que nio
e" pai dessa orpha, que nio ama sua mii
nem ela o ama, e que nio faz mais do
que servir a sua senhora e salvar-lhe a
filha.
E se o servo tivesse juralo ?
Devia exigir lhe outrj juramento.
Qual ?
0 juramento de que a amava e de
que sem esse motive nao se uniria nunca
a ella.
Po|s bem, Tonetta, juro-t'o pela mi-
nha alma.
Pois que ? e o senhor o servo e eu a
tal pobre rapariga ?
Sim, Tonetta, sim.
E affirma que nio teve amores com
a mii dessa criaof a ?
Affirmo, juro.
Quern e essa grande senhora ?
Quando tiverraos casado,. qflando eu
possuir o teu amor, o saberis; antes nio.
Acredita que se consinto em casar
coms:go, consentiria do mesmo modo, em-
bora soubesse qpe o senhor era p rare ?
Acredito.
Pois bem, o que me resta a dizer-
lhe, dir-lh'o-hei quando for sua mulher.
Entretanto, silencio, que o nio saiba
a senhora Genebra.
Callar-me-hei.
Entio, adeus; vou fallar a teu pai.
Michelotto levantou-se e sahio fecaanda
a porta.
Quando chegou ao pateo e pediCi-o seu
cavallo, mar-Mou ch;mar o capi'^b Rodol-
pho e perguutou lhe :
Wmjo se c'oama o p,i de Tonetta ?
Giacopo Sauti, respondeu Rodolpho.
ioi acaso desagr.iJou a filha A seuhora ?
Quando se curard dessa iiftpertineute
4curiosid{j(Je, pipitao Roddlpho? Mas uo
nou-se um acto regular, e ao coosagrei os
dias 13 e 14, a- preparar o meu eorpo de
exercito para um ataque.
i 16, disse-me o marecbal que a* o ge-
neral Boyer nio alcancajae condir^ea hJa-
rosas, tentariamos fortuna. 0 general
Bo ver voltou a 18; deu-nos aa noticias que
o conselho conbece, dizendo que eram de-
origem allemi.
Accrescentou que o Sr. de Bismark estava
prompto a tratar sob a bass de qua o exerci-
to sahina com armas e bagagem, e a rea-
peito da neutralisa^ao, com a coodioio de
que o exercito se havia de pronuueier pelo
governo da regencia. Nao tinba eu confi-
enca no bom exito d'aquellas negociaodes,
e declarei que me parecia ter cbegado o rao-
raeuto de recorrer as armas. Respun eram-
rae : Seria uma loucura I Mas uma
gloriosa loucura, exclaaMf eu. Foi o
unico da minha opiniao, e decklio-se que S
general Boyer partisee para Inglaterra. Par-
tio na man ha de 10.
A i* de outubro, reunio nos o marecbal
de novo, e coramunieou-nos u a telegram-
ma da imperatriz, e uma carta do Sr. da
Bismark. Resultava d'estes documentos que
as ni:goei,)'j5;s na > tinbam produzido resul-
ttdo, e que a questio j4 nao podia ser tra-
tada senao renlitarmente. Aqui apresen-
tou-se a miseao do g-meral de Gissay.
Presidente.Ireraos oceupar-uos, as as-
sim o-quizerdes, da missio do general Chan
gamier ; a do Sr. de Cissey faz p rte de
outra or lem de factos, coraprehendidos na
palavra capitula^ao. Vou fazer-vos algumas
pergun tas :
P.Na confereneia de 10 de outubro, \x-
rara-se todos os relatorios do* comman-
dantes d: corpos, menos o rosso e o do ge-
neral Ladmirault; sabieis e motiro por-
que?
R.Nao o perguatei.
P.Quindo vos referi as comiiodes im
postas pelo Sr. de Bismark, disse-vos o ge-
neral Bo\ er que erant tres : 1* um pronun-
ciamento do exercito ; 2* uma praelaraacio
da imperatriz; 31 a assignatura dos preli-
rainaresd* pas?
R.Nio me disse nada de positivo a esse
respeito.
P.Entio i.i) tendes ouvi lo a seguiuta
phrase : a I'o; mais ezorbitames que sejam
a3 condiroes.e aecessario- qoe a imperatriz
as assigne ?
R. Nia Sr. presidente.
0 marecbal Lebcauf respondeu no mesmo
sentido que n general Canrobert as outras
perguntas relativamente h missio do general
Boyer.
0 general Poveerl.Itxiicou elle que a
escripturai.ao da piaca de Metz dv a
ser comprebendtda nos prelirainares da
paz ?
R.Nio o creio.
P. Nj. vossa opiniao, se o exercito qui-
zesse deixar Mete, na prafa seria coosarva-
da uma guarnicao franceaa?
R.Eu creio que era essa a opioiao da
toda a gente.
Presidente.Mandai chamar o general
Ladmirault.
Testemunlta.A. 10 de outubr leunio
nos o marechal para ouvir as nossas opi-
nioes. Trato'u-se de uma sahida a viva
forca. Esta opiuiao uao prevaleuwi porem,
c o general Boyer fui maodado para tratai
de uma conven^ao honrosa.
O gove nador de Paris tracou o quadro
physico e moral do exercito de Metz, qua-
si da mesma maneira que o marechal Gao-
robert, e repetio os preceduntes depoi-
raoutos sobre o regresso do gtMieral Bo>er a
tlete, e sobre a partida. d'este para Iogla-
tean.
P.0 vosso relatorio de 9 de outubro
concluia coat uma sahida a viva fon,a
Esse relatorio nao foi lido ua reuniao de
19 r
R. -Nao foi lido-
P.ilavieis commuuicado as tropas a*
informaqdes refuridas pelo general Boyei t
R.Nio havia nenhuma ordem a ease
respeito. Reuuimos os nossos officiaes, e
demos hie parte das informa\;oes ruferidas
pelo general Buyer.
P.Nao disse o general Boyer, ua reu-
niao de 18 de outubro, que o general Bour-
baki se t uha posto a disposic,ao do govern*
da del'/..-! nacional?
R. Nao se chegou a pronuueiar o nome
do general Rourbaki.
CoiUmuar-se-lia.
fim de contas sempre lbe qu- r. dizer que
Tonetta agrada-me muito a mim e que fico
com ella.
Saiba, porem, que Giacopo SanU tem
muito mio genio, e que em se tratando da
filba perde as estribeiras.
0 que nio impedio que a deixasso
vir para o castello, e tenha estado seis nie-
zas sem a ver.
0 senhor pagoulhe muito bem, o
horaera e pobre, tem confianc/ em mim e
em minha mulher, e sabe que a filha esti
aqui servindo uma grande dama que vive
occulta p.r altas razdes.
Com que eutao o guarda Giacopo
Santi sabe isso ? disse Michelotto franaiudo
as sobrancelhas.
Se o nio soubesse como teria con-
sentido que a filba tivesse vindo vivor para
o castello, resigoando-se a nio vel-a por
um tempo indefinido ?
Eu nao sabia que era tio valente,
capitio Rodolpho I
Porque diz isso ?
Digo, porque sabendo que a gri-du-
queza me fazia a mim governador neste
castello emquanto aqui estivesse, e tendo-
Ibe eu ordenado que guardasse um profun-
do silencio icerca da presenca dessa senhora
aqui, o senhor atreveu se a revelal-a.
Giacopo Santi uio falla com pessoa
alguma.
Que sabe o senhor 4 esse respeito?
Como se atreveu a desobedecer 4 uma or-
dem expressa miuha?
0 capitio Rodolpho coraecou a trsmsr
e respondeu :
Obnsi de boa fe\
?ob e um imbecil, e peca a Deus qua
a sua imprudencia nio prodoxa resultido
algum, porque alias mato-o como quern
mata um cio.
Eu ignorava...
Onde posso eucoutrar iiacopo Santi?
Va seguindo pela margem do rio e a
dous tiros ^e mosquete envontrari uma ps-
qubiia t-upi4ia. Nessa cpdia tem princ -
pio om 5talh3 que 4 pequena distancia po-
netra no bosquc. Siga por ell) e pouco
depois tntonirara um rr-^ato o junto dells
uma pjqueua cisa wsd liabita Giacopo
Santi. ^Con TYP.DODIARJQ.-B'U VVQVZ DE CAXUS.

'
t
I

..
1
*\.
}

.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EO8Z2VV0T_MCEW08 INGEST_TIME 2014-05-21T22:32:08Z PACKAGE AA00011611_16951
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES