Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16950


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V
***^ -* % -
*
ANNO L. AiUMEKO SS
PARA A CAPITAL E L11U.4BES OlDE \lO SB PAGA POBTB
?or tres mezes adiantados.............r W00O
for aeis ditos idem.................. 129000
Por um anno idem.................., 24*00
Cada numero avulso.........."....... flj20
IARIO D
SEGIMA EEIRA 9 DE Umo> BE 1874
i______ _______
PARA DE,IRO K FOIIA DA PBOVllClft.
Por tres meres adiantados................ 69750
Por seis ditos idem................ 13#5oO
Por nove ditos idem ................ 209250
Por um anuo idem.................. 27900*
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA FILH0S.
i Sn. Gerardo Antonio Alvesd Fiihos, no Para; Gonyalves d Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Olweira d Filho, no Geax4 ^Antonio de Letnt* Braga, no Aracatj ; Joao *ti* Julio Chares* no Assii; Antonio Marqaea da Silra, ao Satal; Jose Justino
Pereira d'Aimeida, em Mamanguape ; Carlos Auxeucio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Wilada Penha; Mttrmimo dos Santo Bulcao, em Santo Antfo ; Domingos Jose da Costa Braga, em 5ax*reth;
Autouio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar d Alagdaa; Aires d C, na Baiiia; e Leite, Cerqainko d C. no Rio de Janeiro.



I
:*d
PARTE OFTICIAL
Govi'i'iiv da proviucin.
XXPEDIH.NTa BO DIA 27 DR DSZBMBRC DE 1873.
/- secrao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. Sirvase V. Exc. de providen'aar para que,
as 4 horas da tardc do dia I* de Janeiro proximo
vmdouro, se adie po>tala em frenie a igreia de
Nossa Senhora do Terco uma guarda de bonra,
afiiu de soleiunisar o act) da boocao daqiell t t -m-
plo, e bem assim para <|ue uma outra guar.la se
apresente ns dia 6, as mesmas horas, em freute a
igreja mairii Je S. Jose, aim de acompanhar em
proeissao a re-pectiva padroeira, que tern de ser
trasladada- desta para aquella igreja.
Ao mesmo.Cuinmuuicando-me o Exm. pre-
sideute do Araasonas, emoffiiiode 10 do corrente,
haver feito seguir naquella data para a capital do
Para, com destiu u a e>ta provincia, atim de reunir
se ao seu corpo,o alfere- do 2 batalhao de iufan-
taria Ismael Cesar Paes Barreto, visto na> convir
a sua permaneneia na guarnieao daiuelia provin
cia ; assim o deelaro a V. Exc. para seu conhe-
cimento, preveniodo-o, de que, seguado const*
do ciudo ollieio ao referido alferes se maudou
adiantar dous metea de soldo, que deverao ser des-
contados iniegralmenle.
Ao mesmo.Sirvase V. Exc. de niaadar en-
tregar ao sollado do Sr* batalhao de infanlaiia Ju
vancio Raymundu da Silva a inelusa informa^ao
emoriginal,preslada pelapre-idencia da proviocia
do Maranhao, em satisfacao ao que pedio aquella
praca no requeriraento, que junto traosmitto para
ter igual destino.
Ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de expedir
suas ordens para que se recolha a esta capital o
destacamento de linha, que seguio para Buique.
Ao mesmo.Teudo approvado nesta data a
propesta feita pelo tenente -coronet Sebastiao Jose
Basilio Pyrrbo, commaadante nomeado para o pre-
sidio de Fernando, do tenente honorario do exer-
cito Jolo Pereira de Lucena para assumir a direc-
fjto da officina de sapateiros do mesmo presidio ;
assim o communijo a V. Exc. para seu conbeci-
menio.
Ao conselh'o de conpras do arsjnal de guer-
ra. Autoriso o consellio de compras di arsenal
de guerra a promover a satisfacao do inaluso pe-
dido de fardamento, que, nos termos do art. 173
do regulamento de 19 de outubro do anno p.is-a -
do, deve ser forneeido a companhia de apreudues
artiflces desse arsenal.
Ao tenente-coronel Sebastiao lose Basilio
Pyrrho.Fiea approvada a proposta que, em offl-
cio <*e nontem datado, fez V. &. do tenente hono-
rario do exercilo Joao Pereira de Lucena pira as-
sumir a direcrao da ofDcina de sapateiros do pre-
sidio de Fernando de Noronha.
2.' tec^ae.
Aclos :
0 presiJenle da provincia.alt-ndenlo ao que
requereu o bacharel Manoel Jose Mendes Bastos,
promobjr puhlico da comarca de Buique, resolve
conceder-lbe i mezes de licenca, com vencimentos
na forma da lei, para ir a comarca de H.-m Coase
lUo uej:uti'i dn cu iuieresse.
0 presideute da iirovinoia, alleud-ndo ao.a^
requereu o cap-uv ... J^r.....--'. V i 12
da uarda Dacioual do muuicipio de Olmda, Jose
l.ajuim de Lima, e a vi-ta do officij do coinman
dante superior respectivo, de 13 do corrente, resol-
ve aue se Je ao duo capitao a guia. de que trata o
art 45 *> &&* n- ,-,:J0 dl! ,2 de mAT>i" de
1853 para o de Iguara-su, oude actualmente re-
OSlcios: ,. .
__Ao Ur. cnefa de policia. Sirva-se v. b. de
inforraar-me por qaera foi capturado o recruta
Agostinbo Jose de Suuza, e o que consta acerca
de sua conduota.
Ao mes'iio.-ProviJoncie v. S. quanto ao
3ue diz o juiz municipal supplente em exercioo
o termo do Bom Couselho, com rela^aoao delega-
do, ao ulBcio juut que devolvera.
Ao commandauie superior de Olmdi. Ao
capitao Jose Joaquim de Lima, a que se refere V.
S em of&cio de 13 do corrente, man Je dar a gua
de que trata o art. 45 do decreto n. 1,130 de It
de mar.-o de 1853, para o municipio de Iguarassu,
oade reside.
3." secqno
Ofhcios : ... i
Ao inspector da thesouran i de razeuaa.
Iraajmitlo a V. S., para os tins conveuientes, to
ordens, sendo 10 do tribunal do thesouro uacional,
sob us. 259 a 268, e o, em dupli^ata. da reparticao
de aiudaate general, ns. 98i a 988.
Ao mesmo. Tend > nesta data autonsado o
conselho de compras do arsenal de guerra a pro-
mover a satisfacao du pedido, junto por eopia, ds
fardamento, que, n >s termos do art. 173 do regu-
lamento de 19 de oututro do anno passado, dere
ser forneeido a eompaohia de aprendizes artifiies
do mesmo arsenal; assim o communico a V. b.
para 36u conuecimento.
Ao mesmo.-Tend) approvado a pr iposta tei-
ta pelo tenente-coron;l Sebastiao Jose riasilio Pyr-
rho, commandante nomeado para o presidio ae
Fernando de N irrfhha, do tenente honorario ao
esercito Joa' Pereira de Lucena para assumir a
direccao da offleina d) sapateiros daquelle presi-
dio ; assim e communico a V. S. para seu conhe-
CUUdUtO. .
Ao me-ino A-itoriso V. S. a mindar pagar
a Flavi* Goucalve^ Lima a quantia cou=tanic do
nret junto em duplicata, despeudila com a f jr;a
-Xlfloarda ijaeional deslacada em Campinhos, mu-
Sto^Ta^aTauCc"orre^oTidie ao mez de ou-
i do nret junto em duplicate, e;n que importarma os
|veacimenlos do destacameiito da eidade da Victo-
jria, relativos ao mesmo de juliio deste anno ; como
solicita o n^p 'divo commaadante superior em offi-
cio de 20 do corrente.
4." sec^A).
Offlcios : .
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Tendo nesta data deferido, em vista das informa-
co^s que acomnanharam o seu officio de 24 do
corrente, n. 692, o rejuerimeuto de Maria Candida
Barbasa de Alb i \a t \ i Maranhao, em que pede
para que sua li ha Mima Candida, educanda do
collegio das orphas, passe em companhia delta al-
gous lias; assim o commuuico a Vrac. para os
devidos effeitos. devenio a peticionaria fazer voltar
areferida educaada em dias do mez de Janeiro
proximo futuro.
Ao mesmo.Approve a re*olucao da junta
admiuistrativa dessa Santa Casa deferiado o reque
rimenti em que Francisco Autouio da Silva pede a
educanda do collegio das orphas, de nome Felippa,
para ser empregada no seffico de sua familia, me
dianse a mensalidads de tOiOoH); e autoriso-o a
fazei o respectivo c.mtracto. Fica assim res-
poadido o seu officio de t't do corrente, sob n.
6)1.
F.XPKDIENTR DO SBCRSTARI0.
/.' sec;ao.
Officio :
Ao Exm. brigaleiro com.naudante das ar-
mas Tendo S. Exc. o Sr. presiiente da provincia,
por despacho desta data, conceJido ao recruta Mi-
guel Luiz da Silva 8 dias de praso para provar
isencao legal; assim o manda declarar a V. Exc.
para seu connecimento.
2* secqao.
Offlcios:
Ao Dr. ehefe de polieii. -De ordem de S.
Exc. o Sr. presideute da proviocia, communico a
V. S. que officiou-se a tuesouraria proviocial para
pagar ae Dr. Manoel Pessoa de Siqujira Campos
a quantia de que trata o offlcao de V. S., daiado
de 23 do correnie, sob n. 2079.
Ao commandante superior de Santo Aolao e
Escala. De ordem de S. Exc o Sr. presidente da
proviocia, communico a V. S que deu-se ordem
a thesouraria provincial para pagar a Antonio Do
raingues de Almeida Pocis a importancia do pret,
a que se refere o officio de V. S., datado de 20 do
corrente.
Ao commandante superior de Tacaralii e Flo-
resta. Do ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, communico V. S que expediram-se
ordens a thesouraria de fazenda no seotido de ser
paga a Flavio Goocalves Lima importancia do
pret, a que se refere o seu officio de 7 do cor-
rente.
Ao cidadao Jose G mcilves Torres. -0 Exm.
Sr. presidente da provincia maoJa accusar o re-
cebimento dj officio de V. S., de 3 do corrente,
om que participa ter assumiJo o exercicio do car-
go de juiz municipal do termo de Ploresta.
3.' secrfo.
Offljio :
Ao inspector da thesouraria provincial.S.
Exc. o Sr. presideute da provincia manda declarar
a V. S para sea conhecimento e fins conveoien-
te9, que nesta data nomeou o engenheiro Chrysso-
lito Ferreira de Castro Chayes..n*r,_U.Ju2or^^i''
fract'aiites o rriajor Bellarmino do Lego Barros e
outros, percebendo a gratificacao de 150*0C0
meusaes.
4.' seccdo.
Officio : *.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
-Da ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, comaiuoico a V. S. que a thesouraria pro-
viocial esta aulorisada a entregar por adiaotameo-
te ao thes mreiro dessa Santa Casa, pela caixa
Asylo de mtndicidade -a quantia de 800*000, para
ser dada em cau^ao a alfan lega, pela importancia
do pagamenlo de direitos de medicamentos destma-
dos ao mesmo asy'o, ate que o governo imperial
conceda a isencaj rejuerila do pagameato de taes
direitos.
DESI'ACIIOS DA
DO DIA 6 DE M.VBQO
exp5r o seu programma politico logo na aber-
tura da sessao, no discurso do throno.
Um mmisterio conservador nao proraette longe
villa, pois os priacipios liberaes teem avan;ado
lanto nestes ultimos tempos em Inglaterra. e
firmam-se em bases tao inabalaveis, que ra'smo
os vencedores mais fanaticos das ultimas elei
cijes, nao tardarao em recoaaecer a impossibi-
lidade de camiobardin contra a corrente das
ideas liberaes e dos costum** publicos 0 mais
que podem esperar e impsdir momentaneameote
a realisacao das reformas, que os assustam, on
que mais os irritam ; e com > os liberaes esuo
agora divididos sobre o alcance aue se deve
dar a essas refor-nas, am prazo de descanso e'de
recolhimento, e-lhes evid mtemeote necessario
para se ooirem e reconstituirera, formarem um
partido mais forte e com programma definitive.
Era esperado com anciedade um discurso
que o Sr. Disraeli tinlia de pronunciar no dia 10
em Buckinghamshire em um meeting, pois se
esperavam revelac/'ies importaotes sohre a futura
po'iiica dos c mservadores. A espectativa, porem,
ticou frustrada. pois o Sr. Disraeli nao se a-
fastou las generalidades, felicitando-se pela exis-
tencia de operarios conservadores, e exprimindo
a esperanca de que o partido que quer aticar
todas as velhas institui^oes em Ingliterri, se na >
levantara jamais da sua queda.
0 Times voltando ao assumplo da derrota dos
liberaes, demonstra que proves de causas que,
welhorando a situacao geral do paiz, levara -a
perlurbacao a certos interesses de classe.
Entre estes elemenlos de destruicao, classiHca
as tentativas de regulamentacao fellas pelo Sr.
Bruce, ministro do interior para Hinitar o con-
sumo e o comoiercio de bebiJas alcoolicas ;
estas medidas alienaram aos liberaes a coopera-
r io ta i influente em uma luta eleitoral dos
vendedores de cerveja e outros liquidns. A aba-
licao da compras das pateotes do exercito, e o
terror levanlado entre a classe proprielaria em
loglaterra, e entre o clero anglicano, pelas lets
especiaes votadas para a Irlanda, liver ant tam-
bem uma grande parte no resuitado das ultimas
eleieSes.
As duas fraccoos mais iinoorlanies da aristo
cracia, ape/.ar de todas as uegativas do primeiro
minbtro, coosiderarara esus leis. eom> signaes
precarsores de uma reforma da mesma natu-
reza na Gran-Bretanha. E' realmenle interes-
sante assistir a um pheaomono dessa natureea
0 ministerio Gladstone adquirio os direitos ao
reconhecimento publico ; todos affirmam os str
vicos prestados pelas reformas, que foram t -car
os interesses dos vizi olios, mas cada um s-iv-
servou para I he fazer guerra quando essas re-
formas lam affectar os interesses da sua casta.
Dizem do Cabo, em data de 23 de Janeiro,
qae os inglezes baviam du entrar em Commassee
no dia de fevereiro.
E' esperado na primavera, em Londres, o
imperador da Russia.
FRA.NgA.
0 gabinete julgon neces o srplen-ido e realcar-lhe o prestigio, que o pre-
siiente da republica se mostrasse mas as po-
pulacdes. 0 presidente vai, pois, fazer divei>as
exeursSes as provincias, comecaado luif". *"'',^2"
dmtHmaes:- A pri.. "^r^T^-
mandia e a Bretanha. Os prereitoa Tleslas re
gioes ja receberam aviso da pn.xuna visita m
Mac Mahon. .
Foi anauneiada uma interpe'ilacao sohre a
applicacao da lei dos maires; mas o vice presij
dente do conselho recusouse a prestar qualquer
explicaijao, e adiou o intirrogat.rio ate
tioha 9ido convocado para redigir oma mensagem
de reconheciment > e de sympathia aes meetings
ioflezes. Presidio ) Sr. Gneisr. A asseinblea bas-
taqte nnmerosa, era compos ta pela parte mais dis-
tiacta da sociedade de Berlim
_Foi adoptada por acctamaQao a seguintn resolu-
cao : Membros do parlameoto allemio, e das
camaras prussianas repre*entants da adminis-
traelo communal o da burguezia da capita!;
:$rsflt.vite* da- sciencias, das artes u de iod
as classes sociaes, reunidos na casa do municipio
exprimem o meetings de SL James Hall, e de Exeter-Hall pelas
resoheoes que estas assembleas votaram em 27
de Janeiro u'timo. Esta raaoifestacao calorosa das
sympathias da Inglaterra para o imperador da
Aileimnha e para a nac\o allema, pela sua resis-
teucia a politica do inrtid i ultramontano na igreja
cathoica, sao um penhor da noiifl das duas na-
coes |ara susteatar a luta valorosa em favor da li-
berdale politica e religiosa dos povo*.
Esu resoiuci) que tern as assifSSfcrnras do con-
de de Moltke, principesde Hohenloe e Piess, e de
outra* pesaoas influmtes na politica, ou bem co-
nheciias nis lettras. artes, sciencias, commercio e
indusria, foi euviada a" Londres ao embaixador da
Aileimnha, o coile Munster, para ser reraettida
ao sen destiuo.
As assort icoes liberaes de Munich e das
provheias da Baviera dirigiram aos progressisias
de Eerlim uma mensagem em que se declaram
pvoupta-. a comhater o inimigo commum, e ap-
piauiem as resolu .oes votadas pelos meetings au-
te-ulram mtauos de Londres.
-Osgraves inconvenientes qae resultant da
sassi) simultaaea das a-sembieas legislativas do
imptrio allemao e do reino da Prussia lizeram
conprebender ao governo que a importancia dos
proeetoa de lei submett do% ao reichstag, e ao
lamtag ux g^m imperiosamente quo' pouba um
tenio a este estado de causas.
0 landtag vai ser adiado ate 8 de abril proxi-
mo, logo depms da votacii do orjamenlo. Espe-
ra-se que nesta data ja o parlamento do imperio
teracumpndo a sua in is.-an. ,
Os projectos de leis que teem sido apresentados
ao r.arlami'iitu prussiaoo senio discutidos entao em
uma sessao supplementar.
0 tnbuii.l dos nugocios ecclesiasticos de Berlim
devia reuni"-.-" no dia 11, para resolver sobre a
quertao df saber se em consequencia da instruc-
fio do pnceso feito a Mr. Ledochowski, devera
este processi' coutmuar ou ser suspenso.
A impreua allema, diz que em vista dos inque-
ritos e quj'i certo que o tribunal se pronuaciara
pela contimacao do proeesM.
A irisao do arcebispo de Posen nao fez
urgir neiiuma das demoustra^oes violentas que
as foi asnliraiii' iiianas prediziam.
A proiucia mai> fauatisadi pelo clero calholico
lieu a en um sneefO profundo.
Mr. Ledochowski e subuiettido aos regulainentos
da prisas onde Ihe prepararam am alojamento
bastantrcoufortavel ; salvo as eommunicaoiies re-
lativasas suas funeeoes, goza de tolas as facilida-
des nflpativeis coin o rtgulamento ; o seu capel
lao U au'oiisado a ir tods os dias .visil*-lo.
.jdjsuii-a- ---- leis complemeutares apresentadas a camaia aos
depuiados, tern |irecisamente por fim tirar ao ca
pitulo a administratao dos inleresses lemporaes da
se episcopal, para a omfiar interinamonle a um
funccionario publico.
AfsTHO-HL-NliHIA
0 imperador Francisco Joe partio no dia 11 de
acompaa ado pelo
ros
^^,S,,^iahqaaealCancOTina, dieta' P?roc"a- Dorregaray foi fuzilado por Olio, segundo ordens-
Tro de leste ; victoria que do pretendente, e em rirtoie de suspeitas de qae
tentava fazer depor as anna- a uma graode parts
rauito se parece com uma derrota.
fonsidera, pois, a crise uoicamente adiada ; e
procura sahrr desta situacao indecisa levando os
debates para o terreno politico ; se Dear em mino-
ria, ou pede a demissao ou dissolve a camara dos
depntados.
0 St. Sziavy e os seus collegas preferirao sem
duvida retirar-se, o sera preciso formar-vp um ml-
ni-terio de coalisao, mas que oao tera forgas para
fazer sabir a Hungria do caminho auormal em
que se metteu.
E' sempre o pacto dualista de 1867 que separa
a esquerda progressista da maioria deakista, e e
esta divergencia que no e fundo a principal causa
da situari i perturbada e incerta em que hoje se
debate a Hungria.
RUSSIA.
Os jornaes russos pubiicam o orcamento do ira-
oerio qae se salda com um excedente de 3 milhoes
de rublos. Depots de uma serie de exercicios que
so tinham apres<-niado o deficit, a administragao
Quauceira russa> conseguio desde 1871 estabele-
cer o equilibrio da receita e da despeza que e o
fim a que aspiram todos os cslados.
Os jornaes de S. Petersburgo annunciam que o
Khan de Khiva # pagou cem mil roublos por
conta da constriboicio de guerra que Ihe foi im-
Iio-ta ; asseveram que o Khan do Khiva so a
grande casto pode reunir essa quantia.
As tribus nomadns, primeiras autoras da guerra,
recusamse obstmadaincnie a pagar a sua parte
da coatribuicio, e nao podenlo roubar as cara-
va'ias mercantisou commerciaes, preferem roubar
as populates sedeotanas do khanato.
OBIKNTE
0 corpo diplomatico em Constant nopla nio tern
visto com mdifferen^a o apoio qae o representante
de Fran;a prestava aos catholiens do Oriente que
Picaram ficiis a bandeira ultramontana de Mr. Has-
soiin. '
0 jornal Norddentsh Algeminein trata novamen-
desta questa >, e assegura que o direito exclusive
do protectorado da Frauca, sobre os catholicos
romanos da Turqina nao existe, e que as poten
cias siguatarias do tratado de Paris nao fazem
del'e mencao, e accrescenta que o p/oceder i-i
embaixador de Franca nao autoris^a a condair se
que o governo francez partilhe o seu modo de ver,
e approve a sua attitude.
Dizem de Vienna qae o governo oltomano
consentio em regular as divergencias que existem
com a Servia relativamente a eidade de Zvornik
Esta eidade forliflcada, e outra pequena povoa-
cio situada no territorio servio, e occupada actual -
meute p^los turcos seriam restituidas ao princi-
pado, sob condicao de serein collocadas sob o re-
gimen da neutralidade.
E' assim que nao podenam ser occupadas p tropas servias, e as suas f rtiii-nro.-- seriam ar-
razados. O governo servio aeeitou estas condi-
coes.
A Servia depois de ter regulado as suas reli-
goes com Turjuia, preteude dar uma salisiscao
a Hungria, pondo termo as agitacoes da Omlndiha,
socieda le secreta, estabelecida em Bolgradk), e cu
jo lim e revolncionar oi. jiaiiCi aecvoi-da.enmi.rft
de fomentar conjuracoes contra a autoridade do
principe Milan
A folha official de Bolgrado annuncia ao mesmo
tempo a prisao de um capitao de arlilheria, accu-
. i. ... .. -i...f.. j .,.. Mu>inrti militar.
tubro deste anno, como solicita o respectivo com-
niandante superior em officij de 7 do corrente
^_ Ao mesmo. -Commuaico aV. S., para os de-
vidos fins, que a 3 do corrente assumio Jo?e boo-
calves Torres o exercicio do cargo de juiz muni-
cipal do termo dc Floresta, uo impedimento do ef-
fdclivo
Ao mesmo. Communicando-me o Exm. pre-
sidente do AuMsrau, em officio de 10 do corrente,
baver feito seguir naquella data para a capital do
Para, com destiu a esta proviBc.a afirn de rea
nir-se ao s-u corpo, o alferes do ^ batalhao de in-
fantaria Ismael Cesar Paes Barreto, visto nao con-
vir a sua permanencia na guarni5io daquella pro-
vicia ; assim o declaro a V. S. para seu wnheci-
mento, prevenin loo de que, segaado consta do ci-
tado officio, ao mencionado alferes foram concern-
dos por adiantamento dous meze de soldo, que do-
TWio ser descoulados integr,almente.
Ao inspector da ihes^nraria provincial. -
Vm;. eolregar por adiantamento ao Uie-
- pfU caixa
A
ier di t em c.iu,.io >-> .i;- r--
de direitos de medicamentos deatiuadiN ao mesmo
asvto, visto t-ra mesata Saau Ca reqaer.do ao
governo iu.perial a isencao do pagamenw de Ues
lf- Ao mesmo. -Autoriso issa thesourara a pa-
tru ao Dr. Manoel Pessoa dfl Siqaeira Lampo- a
aaantia de 32ii00, constanU da relacao e conta
iaau era duplicata, em que importaram as despe-
ias feitas com o sustenlo dos prosos pobres da ca-
deiado termo do Flores, relativa aos raezes dt-
aaoato e outubro deste anno; como solicita o ur.
chefe de po'.icia em offieio de 23 do corrente, sob
a. 2079.
Ao mesmo.Maode Vmc. pagar a Antonio
DomiBfaes de Almeida Poc,as a quanta constate
PKEMDENC1A,
DE 1874
Augusto Martiniano Soares \ illela. De-se.
Antonio do* Santis Gloiia hiiorme o Sr. Dr.
chefe de policia.
Anaa Monteiro de Lima Rsgo \alen5a.-Sim,
medinte recibo.
Bento Aotunes deOliveira Liberal.-Duija-se a
thesouraria provincial.
Capitao Firmino Taeotonio di Camara Santiago.
-Deferido com oflicio d sta data, dirigido athe-
seuraria de fazenda.
Bacharel Graciliano August) J.sar Wanderley.
Guiiliermiaa Maria da Couceicao Padilha.
IrmanJade do Senhor Bom Jesus do Passos do
convento do Car mo de Olmda. -Inieferido.
Izaac Barbosa Nogueira de Barroi.Seja releva
do da multa, que Ihe fur imposta.
Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Martyrios
da fr-guezia de S. Jo.e de Kiba-mar desta eidade.
Deferido com officio desta data, dirigido ao di-
rector do arsenal de guerra.
Bacharel Joaquim Tneotonio Soares de Aveliar.
Informe 0 Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
Joaquim Borges Carneiro.De-se.
Joao da Cuuha Soares Guimaraes.Eutregue-
se, mediante recibo.
(imeg Luiz Jose de Oliveira Diniz.-Hague se.
Martinho da Silva CosU. Sim, mediante recibo,
nao havenlo inconveo'iente.
Manoel Jose Hufino de Jesus.-Passe.
Manoel Iunocencio do Espinto Santo. -Unceoo
oito dias. ,
Norberto Kuoiz Telxeira Gmmaraes. -Indere-
rido. ,
Pnilomina Cipitulin.i da Sflva Campos. -Defe-
rido com officio desta data, dirigV^ a iustruccao publica. -V ^ i.
Taomaz de Carvalho Soares Bra^dao Sobnnho.
Indeferido.
SEaTE B#* esquerda relativa a' fevereiro para S Pgerstor^
*ASUTSZt d- Franfa continda t"VPSSSSUSS^ desprazer esta
dis^ro?novosnrPolsd- Votou' um augmento viage.n **tt'SttSFmttB>
dos direitos deregistro disactos extrajud.^ia-dente. 0 ;W ,ullllml0' e "iaiiJ
n.w nor 39* vut03 contra 273 : e por uma um artigo qne Ihe valeu M apprehend do.
. .... nous <: *fdi*-f'>a*, relativo a viagein do impera-
dor, em que se poe em evidencia o alcance politico
desta eulrevi>la. Motives poderosos de alia poll;
A assembles rejettou 0 impusto sobre as
do banco
A fermula desta allianga e muito simples ; -
procurou-se reconhecer e cultivar 0 que I
commum <1 identico nos interesses 1
e de identico nos interesses reciprocos.
Esta politica edielada naturalmenle pela necessi
dade da paz. igualmenle aecessaria e indi.-pensa-
vel nos dous imperbs. De uma e de outra parte
a solicitude e is?ual em conseguir estes tins.
0 imperador Francisco Jose dingio uma carta
Qj autographa ao ministro presideute 0 Sr. de Auejs-
pent, exprimindo a sua satisfaeao pelas medidas to-
madai pelo ministerio para combator a classes
staenicao goral dos negocios, e a unseria da5
operar.as, consequencia da criie toance.ra do
* Sabe*seaque no anno passado 0 Eeicl*srath ha
via votado um credito consideravel de^tinado a
attenuar os elleitos da crise e a lovaatar 0 credito
O imperador na sua aarta reconuneoda.especial-
uieute a continuacao de consiruuieoes publicas
em larga escala, para vir em auxiiio da populaqao
operaria sem trabalho.
Em Vienna 0 numero de operarios sem traba-
lho e realmoule assustador, e uma certa a.zitarjao
Mande
annreiro da canta Ctsa de Mtsericordia, pel* caixs
ser dada cm c-u-.io a alaudtga, >c'o pagameot
vapor
Lisbda
HECIFt. 9 DE MARCO DE 1874.
Riotlclas da Em-opit.
Amanhecea hontem em nosso porto o
francez Uendnzt, trazenlo datas dJ
ate 23 de fevereiro. Dos jornaes e cartas rece-
bidas colhemos 0 seguinte :
INClATKRHA.
0 ministerio (JJad-teiK cm vista do resollado
das eUi.o.s, pc-dio a ua dewsao.
Por telegrammai de Londres, de 19 de rove-
reiro consa quo IJtrd Cuirat fdra no neado lord
chancellor; Hvroy, ministro dos negociosestrao-
ceiros ; Richm -nl, raini*tro da guerra ; e N-t -
thamle. m.nistro da fazenda, sob a presidenda de
Disraeli qae e 0 en:arregado da formacao
ministerio. As outras nomeacdes ainda sao
^Havia divergencia de opioidas no seio do antigo
eabinete. sobre a opportuaidade desta_ medida-
Aleun3 dos ministro* eram de opiniao que se
devia adiar esta resolacio at6 se con'liluir 0
novo parlamento, eraquauto 0 Sr. Gladstone jul
cava aue se devia dar imraediataraente a lemis
sao, aSm de qae 0 Sr. Disraeli se yeja obngado a
mfestaoao como uma manifestacao politica. rjio
podemos dar mais pormenores sobre esta cir-
cular que e de 20 de fevereiro, e della so temos
couhecimento pelo3 telegramraas recebidos (
Lsiboa.
suissa.
0 inquerito judicial ordenado pelo governo
helvetico em consequencia da brochttra inlila-
lada Chamamento us potential, deu resuitado.
autor e ja conhecido. E' am inglez que nao reside
na Suissa. Foi redigida sobre as indicacoes ou
por instituicao de um sacerdote francez da diocese
de Verdun. Nem um nem outro sao sujeitos aos
tribunaes tuissos. Quanto ao abbade Collet, an-
tigo secretario de Mr. Merraillod, e que estava
encarregado da distribui;ao do manifesto calho-
lico e que fora preso era Genebra, e francez,
acaba de ser expulso do territorio suisso em pubneo.
virtude do art. 57 da constiluicao federal.
ITALIA.
Na camara italiana a discussao da inlerpella-
cio Nicolera sobre 0 incideute Lamarmora, teve
per fim permittir a fracijao liberal afflrraar a
sua fideadadea allianea com a AUemauha que,. --"--"---,--.- i ntre elles.
ella sempre defendeu, mas ao mesmo tempo mquietadora, come-.* a s
reagir contra uma pressio muito direeta e muito
apaixonada que de Berlim queiram exercer so-
bre a politica interior da Italia. Por outro lado
0 ministerio procurou am pretext) para se des-
ligar completamente da responsabilidade no pro
cedimento de Lamarmora e combator ft rumoi
que comecava a correr d'um resfriamsnta das
relacoes entre as diploraacias da Allemanha e
da Italia. .
A rejeicao da lei sobre a tnstruccao obn-
gatoria, depois de terera sido ad>plados todos
os artigos, causou bastante estranheza mesmo
em Italia. O motivo da regeicao attribue-se a
divergencias sobre as questiJes de applicacao ;
mas a opiniao publica, que sente a necessidade
de deseuvoiver 0 sea capital de intelligencia, de
moralidade, e de sciencia, nil esta disposla a
aceitar esta explicacao. ....
A opiniao publica ferila pela resoluqio mes-
perada da camara, ioterpreia-a camo um acto
reaocionario, e pr^para manifestacdos numerosas
para mostrar 0 desconteutamenlo em que ncou.
Estes sentimeutos mostram nma grande vita
lidade politica e aina justa apreeiacio das suas
mais urgentes necessidades.
ALLEMANHA.
0 parlamento allemao proo deu no dia 9 de fe-
vereiro a const'tnicao da mesa. 0 Sr de For-
ketibeck, antigo president* da eaowa dn^ depu-
iados da Prussia e aLlujImonle niembru da e*uia-
ra dos p> res, foi eleito presidente por 265 volos
subre 294 volantot.
A proclamaolo do escrutinio foi acolhida por
applausos unanimes. 0 Sr. de Forkenbeck d urn
p esidente modelo, habil em dirigir a ducussao, e
igualmeote sympathico a todos os partidos.
0 principe do Hohenloe, velho liberal, e 0 br.
Hanel, progressists, foram nomeados vice-presi-
deotes, 0 primeiro por 217 votos sobre 303, e 0 se-
gundo por 203 sobre 295. 0 <*r. barao i
h-o austnaco nao se-ueaita a prote=ur, pela
voz dos aeus bispos, e pela imprea-a .jue Ihe e
dedicada contra a tenutiva. bastante hesitante do
ministerio, de reprimir as invasoes clencaes.
Contiuua do alto do pulpito a troveiar contra
as leis constitucionaes. Ainda mats apodera-se da
uiiseria dos operarios, para os amotiua* contra o
ricos, e fazer passar esta agitacao como uma de-
raonstracao hostU ao governo. .
0 Tagblatt de Vienna, assiguala cura de uma
parochia de Vienna, que ousoa em uui sermao
desigoar ao3 operarioi desgraQaAa as casa3 em
que poderiam encontrar dinhei*> em profusio.
sado de ser 0 chefe de uma eonspiraeao
Esta attitude do governo servio tornara sem du
vida mais prudentes os Hadores que na Croacia
apoiam as suas inanobras sobre as sympalhia< dos
servios trans-danubiano.
0 governo servio emprega-se com verdadei-
ro ardor em realisar as referulas inscriptas no seu
programma.
0 chelc do gabinete acaba de annunciar na
kupu;hina que conta apresentar-lhe na proxuna
sessao projectos de lei sobre a liberdade da iin-
prensa, sobre a responsabilidade ministerial, sohre
a autouomia communal e sobre a re rgamsacao
da admiuistracao. ..
0 ex ministro da guerra da Servia, tendo sido
intimado a responder por malversa<-5es de que era
accusado, compareceu perante a skuptcmna eap*.
presentou pessosiinente a sua defeza.
A assunblea absolveu-o e encerrou depois sua
sessao.
IIOLLA.MOA.
Despachos offlciaes de Atchia de i de fevereiro,
coufirmam que a resisteocia dos atchins te.n di
minuido depois da tomada do Kraton Alguns
chefes am la a prolongain e coustruem no interior
do paiz fates de pouca imp>>rtancia, mas de um
ac:e>so diScil. .
0 general Von Swieten, que conhwe bem os
costumes das popalagoes que tem a conanater, cjt
locou suas tropas em boase salutares situagoes, es-
perando o effeito que produzira a politwa de paci-
ficacaa que elle inanguroa, proclamanao 0 adut, e
a liberdade de religiao. .
No Atchin e em, outros cstados da Halasia na
duas classes bem distiuetas uma aristocraeia bel
licasa e que considera pirateria cemo uma pro-
lissao legitim*. e as populacoes autocuumas domi
I nadas pela primeira, e de que, por meos suaso
rios e paciacos, e por uma politica habaniehle di
rigida, os hollandeies podem caplar as sympa
taws.
S. DOMINGOS.
Houve uma revolnqao em S. Domingos para
destitnir 0 presidente 0 Sr. Baez. As cousas
correram uaeificamente sem effusio de sangue.
0 presidente assignou com o general Pablo
Vilkinneva nma conveneap de abdicar;So prepara-
da por interveucao dos agentes commercials da
Allemanha, Franca, Dinamarca, HoHauda e Esta-
dos UutJos.
Em virtude desLa convengao o presideate resig-1
nou seus poderea nas 01811)3 da senado no dia 3t
de oeaembro, e deixou volunlariameote 0 ternte-1 projecto qae r
rio da republica n dia t de Janeiro a bordo de t pjAo poss
um navio de gn,ira francez.
Taes sao as iafornvacdes consulares recebidas
das facgoes. Os partidarios de D. Carlos estao
divididos, dando-se toda a probabihdade de um
convenio, e por isso da cone a-a j da guerra
civiL
E' certo que uma commissao composta dt
pessuasde muita confianca de D. Carlos foi a
Paris com 0 fim de oersualir 0 geueral Cabrera,
a por.-se a testa das tropas carlistas.
E'tambem facto dscidido que. na capital da
Franca ha grandes e poderosas inftaencias, aval-
tan lo entre ellas saias de alto toprte, tudo em be
nefioio do pretendente ao throno de S. Fernando.
Coneguirao estas influeocias 0 apn> do gove.-no
de Math Mahon ? Nao se acrediu geralinenle.
0 certo e, porem. a demissao du general Elio
do commando superior das forc-a? de D. Carlos.
estaado aquellu general em Paris, indifferente a
insurrwijao.
c 0 governo continua a lomar eater bastante do
que tem liradii muito bom resnltado ; pots as
uliimas accoes Ihe teem sido todas favoraveis, fa-
gindo por ultimo os carlistas de entrar em luta,
rconcentran Jo-se em Estella.
< Em Granada houve ultimainente uma rcuniao
politica em que se tratou de esforcos para a cm
tbiaeao do todos os partidos liberaes que caotri-
eoiram para a revolugao de setembro Nesta
^aniao foram ruilosas as nunifestacoes de en
thusiasmo, tendo em conta os seus promotores, a
necessidade que ha d se unirem todos os esforcoa
para que em breve se restabeleca a ordem em
toil j 0 paiz.
0 conselho de ministros esta-se presenlenMsi-
>e occupando J j.. projectos do plcbiscilo, para dar
nova forma ao governo, e que trarao, m .parece,
uma crise ministerial. Dsus grupo^ sao os mai*
empenhados m levar j> jr diaute estes projectos
sao : 0 dos rupublicauos. capilaueados por Cas-
tellar, e 0 dos radicaes presididts p r Martos.
Estes ultimas pre.endem a c>>nstitui.ao rf >rmada,
perguntaudo ao paiz se a approva ou nao ; e,
no caso afflnnativj, se noineia para presidents
da republica o duque da Torre. Fica deste modo
sanccionada a forma do governo republicano, M a
maioria dissur sim as pergunlas formaladas devi-
dameiite, e pablicad is aos principaes jornaes.
Castellar e os seus adherem a este sy>tema mas
01 conslilucionaes, nio. ftuareai 0 plebi^cit", mas
com a condicao de decidir claramente, enire a
forma mouarchica ou republicana, ou enUo qae
scja destiuadi a obter o voto a favor do duqn
da Torre, como chefe do estado, sem prejuizo
daquella qoestao. Os republicauos uao querem
por modo algum pur na tela da di-cus.-io a sua
idea, allegando que se o voto fo-se favoravel a
monarchia, nasceriain d'ahi novas liscnsoes na
escolha da dynastia, porque entre tamo? caodi-
dato> ao throno, nenhunn obleria ni.iii.ria. a? na-
tural que o parecer do duque d 1 Tone lenha
mais peso na resolncao que tomarem.
uma folba de Madri 1 destes odtham dtf du
que esta pjsia de parie a idea do pi bittUlo] e que
presentcmente so se trata de invcslir 0 duqae
da T-rre de fnculdades amplas i*a dyxiJira
cial do gov, rno :o marechal Serrann, parec ajM
os progress recentes dos carlistas, e a frjiuen
relativa da tropas enviadas de Madrid, contra
ellas. nio sao e.-tranhos aquella res>luc*o.
i Falla se muito. e nos principaes cir.-ulos po-
liticos, no ter .0 da guerra carlsstt. Agora em
que base ser as-ente o final de uma onse que
tanlos tran-fcN-mos tem caasad. .. .-e-[>*nha,c que
Ihes nao pusto- steer. ,.
. Pessoas bem iuformadas u'.lam d=sta quo-lao
como cousa certa ; altribuiuJo^e Ho importanie
noticta as tristes vicissitudes por qu. atrav.ssam
os partidwii.s do absolutism*;, e a um aconieci-
mento inesperado iwe ha tempo imjuirla as lac-
coes. Conto que em bree vm paM explicar
mi'lhor. ____. ,1, 1-
. U ii;lidentc geral da* Pliilipptna- foi Je la-
rado nx disponibtlidade, e demitido 0 thesonreiro
8edFoi dissolrida a commissao encarrega.la de
rediejs 0 codigt. penal para 0 ukramar, e ncmea
da ootra encarregada de trabalho ideniico para a
Peninmla, com as rsformas nece.-sanas para .'er
appiicada a Cuba e Purto Uh-o.
t Esta annunciado um concurso hlterari 3 ar-
tistieo, offerecendc premios, iue se hao dc J.rtr-
buir no dia 1* de abril pruximo, aos autoras ow
melhores artigos e desonkus que ?e apre- nlsrem
.emassumptos originaes, de caracter nta>i-nm-
nos original inoditjs ; mas he>panhoes.
f A academia hespanhola elegeu par untnimt-
dade, um sscreUrio, 0 aistincto acadennco, e
escriplor dramatico, 0 Sr. D. Manoel lamavo y
a No atbenea discursou, um desies ultimos
dias, 0 Sr. D.- Antonio Ale da GalkJi \ a ropeilo
de Portugal, seu passado e seu presente.
a 0 Sr. Alcala, Galiano foi embaixador de ties-
nan ha na cot te de Lisboa.
. Afiarr/u it. Madrid publicou uluinameate a
circular acerca d restabelecimi-nto da pena de
morta, reconajiendando que as execu<;ocs se 1^
cam.nos sitiosiaau proximos das eadetas. e sen
apparato algum. 0 que e incompauvel com a 1
gestade da justifa, e com 0 recolaimento e 1
ueito que diive inspirar tal espcctaculo.
a 0- reacctonirios Tazem jrandes elogios a esie
e^UVaiasM organisado |em brevr 0 Banco Sac>-
nil 0 aoaweUM do governo do Botsco de Hespa-
nlia vai em pouc is dias ipres -tUar ao min.dtro aa
razenda as bases ccm que .aeU 0 protoj
da.iueJle banco. 0 capital sera de ilO miJioes,
chegaudo a esU sjmm aantecipa.ao que ene
fara ao thesouro.
F..i approvado em ooesetto de m.ai-lros 0
restabelece as ordens railitares.
poss* deixar de conagrar um caittiuho
.le>ta seccao as.noticias mats importantes de Ur-
ma-
res-
uao existem na Austria leia contra em Londres e qua desmentem a* noticias reoe-
Itreraeyer ministro ibidas aQtenocmeaH por telegramma, de Was
os abusos do pulpito, e 0 Sr. ltremeyer
dos culws esqueceu-se de jnntar aos ultimos pro
jectos disposijoes analogas aos Kanzet paruqra-
vhtn wussiano3.
O T'igblatt em um artigo Uo mode ado como
forteraente deduiido, inostra 0 abysmo qne 0 ul-
iramouUuismo cava sob os aueeroes da soeae-
dade moderna se os governos se nio apressam
em por um termo as saas audaoiosas emprexas.
O mesmo jornal diz que nao
ha differenca al-
mdonte
,%Ht ru'uas, ja retiraran mais ste 200 caiavo
do
in-
guma entre am pretoleiro da communa um pe
iroleiro do sotaiua que uapelle as olasscs pobres a
ir roubar os ricos. .. .'._.
A recommendasao do imperador foi logo
posta em es.ecuc4o. ,.
U uovev-no acaba de apresentar ao reichsrath
projoot os /.e loi rwlat;\os ao acabamento e desenvol
vimentoua rede de caminhos de ferro da Bmemia,
e a cenc.essao de 5 novas vias-ferreas, com garan-
lia do estado, nas oatras provincial.
0 partido liberal do reichsralh austnaco pare-
ce. deiidido a nao se contentar com os projectos
Incorapletos de leis confessionaes a a usar de sua
miciativa constitutional para tornar esta legtsia-
cao mais sincerae efflcaz.
A oommissao da camara, occapada no exame
bmgtou.
HESPANH.V
Sobre este paiz escreve nosso correspi
de Lisboa;
Os carlistas vao persislindo na sua idea nxa-
iue me referi.de isoiar completaraeute Madrid das
provisos para n'um tempo determinado, e que
nao e^l^l longe, aUcarem a capital do reiuo. ,
E' assim que elles vao cortando por l ma a
parse os caminnos de ferro e os ftos le.egraphicos. I
Ainda ha dias, 0 coramandanta militar de Badajm
( capital da Eslr madura hespanh.da) ro>zresau-
do a eidade eerlo que a linha ferrea da Ciurf-jd Root
estava bem guardada, por fortes dstacam nlos
de tiopas, certttkou-se em breve tempo do oon-
trario ; pois a important ponte de Almegro loi
cortaua, Gcando 0 scrvico da linha inlerrompido,
e com ella todas as eommunicacdes e noticia*. E
res.
tal a importaucia das interrupi;5e-
linha, que anaa por 60 kiloraetros
. Fuuccionaram ja os conse.Uoi d: 8uerrfr *eB"
do as seuteucM logo execuladas. Os andUeir.*
tratam de-demonstrar a gr >ssa art >h -ria, que ns
muralhas, servio de defeza ans cnifO'<#ss.
Vai ser tran*ierido 0. p.irqne de artilherw.
para 0 ediftcio oude era. a priaao A realtsac**
dosse piano, merece aappr >vac.Vo de todas as pe;
soas seosaUs, pois acabara com esse tew demsur-^
rei^lo. 6 facilitara ao mi\a'<-ipio, 0 aproveitar*
.lo teoal oule existe 0 aaiajiw, par. pra;as e tm:
ficios indispensawis. _. ^
0 govern* offereceu ao vJente D. AiU.a4.> rw
mero Ortiz, a band-ira negra dos snWvaa
prar;a, e que Uemalara n f trie de ^'":;...
pre'-mo loi aciinpanhado de utm flx.^siv*
feitas nesta desmiUur e judicial. 0goven.;r*oi. m
a exteusao s-lh:>, p,W Sfe^f Qm3 dls'3U-

tidodirasuldades em passar, falhand^ em ^^^
nos periodos. Os descarrilhame^.' SUCC6dein.io
dasproposia3do_goyerno, acaba de eacarre^arjsem interrupfio, tendo por /^asa 0 propos to uo
cortada. Os transloruos da commercio sao gran- \dkTt\ototm pa oollocat cada ama
des, pois, nen .uma me.-cadoria pode transilar ,,r| rioaa0, 3o p W J^"."!?- ac-uoar as posteiat-
4 ou 5 dias. e as propr.as mates do corr^ ^j 0j carhsta- j^jn^ *?*..^R
tin deputado clerical por IngolsUdl reunio 85 vn- l2CSiJi^d7^a^^ carlisW3-
?*?.!l^**au^*'^\Eil^^ lf. Por oatro lado a^un^.wdedi9Siajaci,
I 0 ministerio hujigaro parece ppaco saUsfeito' no campo carltsta.. sj cjirnlQtji 0 boaw de qae
parlamento allemao.
IleuuiO'Se co dia 7 era
9 meeting que'
amineats'nonta
Cneha. Alii -' m reu-
.ti e Talcsoal comarca de Cc..-. -
Jfd, o gros* da suas OWraa^e sob^m.a V
. oteireno occupd. d, U
cortado de barrancw e '.r^' J
Uio podorio 4>er->tfgat-lo, ?
accidentado e
43 tropas liberaes,


-*r

de Poniambuco -7 Segunda feira 9 de Marqo do 1874.
r
1

quo Ihes e'tflRBBTVoT empregar artTThem fo-
daaa Bern eavallaria. .
Era compqaiaawi tambem os carlistas nao p>
derlo descer 'das suas vanlajosas posicoes, nem
contbater na pfcrrtdft a petto descoberto.
Moriunes Lozr5no e Maaodja,Jl'on 1 parte a estrada q,ue par
Vianna e Arcos, vai a Estreila, quo e a posicao que
os carlistas mais procuram defender e onde teem
todos os seus reairso*. lapara alii psrtio Dor
regaray com batalhoos alavqpWs, navarros e gui-
pwcoanos, a que se levia^Bpir outrds vindns
JJpmens
as forcas reunidas em EstellB.
Os carlistas do OMlnte Ma atiairjonaa* a eos-
U. Cucala achava>at? uHimamento em Tal de
Uxo, povoacao de 7JN|almas e excelleo*e posiclo,
l>or ser eentro dasestra das quo ligam a eosta otu
o interior.
Sanies feaanvimaaifl,'ale Rfltaenat mas o
general Lopez Dominguez, rcnniinl) as forcas c
FTiiando i fore* Si ejfiJUlo no corrente]c.imja'hhlas" inglezes colossaes, que se p
S~" FTsarilo a fore* Hi .
ain* CCt 90aMaMtBt^taMMHMIaVnM\#iMs, |enti:ir no conenrso.
rpSrmRu""aTs'Ta llomeeHT tahMMiflhffr-J ^di-f^jf de?te prejefifo
":uivaj*iit-id;iS pel* ministro
dor ser dispehsada, sent rrfujuizo do servT? ' 9." Pixando o cont.ugeuier pirn anno de 4873, em 10,800 recrutas.-disiribuidos'P*''
los disirictos adminislrativjis. '
0 relatorio do Sr. Ponies tem sido muito elo
giado pelos homons competeutes, era cousas mm-
tares. .^^"MbV'YbVL ft.
Oprojoilde irtn d* oarta conafltueion.'
apresentado 1*Ao Sr. feu Luciano de Castro
dos chefes do partido historwo (.opposicao
rejeitado pet 36 votos contra I?, na tain;
denutados.
t No di 80 do corrente. pegou Togo o vapor
inglez Belambre, vindo de Liverpool com destigfl a
Hahia,*io de Janeiro e.Sanlos._ 0 (go lavroupor
muito tempo nc-s paioes do carvio, mas nao se com-
munieou a carp, a.qual foi lego desembarca4li
pare, os armazens de pmle franco (Junqueira). O
vapor foi conduzido para a Gova da Piedade e a das
ii i",iy^iii ma? (r-i-i mini."'*! u.i r*-"*ra, i.otm^M'^
\< met Mi niriiv i ninjuntamenie com a frrsrorak!
se8Sto.iegiBkitivai(:)t de marco), nem mais uiu dia.
de prorogai-ao navera. Taes sao as vistas do go
verno nesto memento.
deu-lhe para tal flm Norberti. Confessonl
flkire, losdDiasdo Arruds, J.ao Aguiar lelintes
Tfraocisco i'erreira Lwo &aiillir*ti-flt>p;* a**plM.^o-ft*> ****& -
(In^o *-iu aip.i Qertejtu uislaya ma olio
qne di>punha entre Cheste e China, foi em su* per
segui^ao a msrctias (orcadas, obrigando-o a reti- oKlra banda do Tejo>, onde rtcebeu todos ^c-
corros de pessoal e mtchinas, indo n urn lawhao
rar-se para a serra de Atarracin.
Jsta.siUAda_IiiUua. o a ciiadc heroica esla
prestes a psrder o seu nonie glorioso se uma eir-
cuastancia extraordinaria Ihe nao va'er.
. De Hada tem valido as tcctativas do gov-.rno
de Madrid para soccorrcr a pria e nao adinira
que bre^'eraente ten ha ie lh) annunciar a rendi-
^ao daquella praca.
Os carlistas empregaia em sea bomharica-
tnento, obuzes de i,HM mciros do atcance, e ca-
nhoes de alma lisa con: 2,i'JJ mctTOS. Dizem quo
sieit>i.t esla j-4 aoeordo com m ohefes car-
Lsus, subre as uondi^oes com qne dove sor feita
a cntrega. As trepas sahirao a toque de caixa e
com a Bandeira desfraldada, conscrv-anlo as suas
annas e bagsgens e sera compromise algr.m ulte-
rior.
Bis os nltimos tdegrammas:
Em Sew-Yurkrecebtu-seumdespaClio della-
-vana, annuueiando uma baftijlha de sete horas em
5ararujo, tntre 3.0i)0 lu-sparrtioes cammandados
liar Ciicornes e o'OOfl irxnrgbntes a* ordens de
Sintahicica. Ees foram oatiJos
i A Gazeta flublrca o telegramma de M irmnes,
datado de Castro Urdinles em 19, dizendo que es-
pera continuar nassuas operac5es. I'ublica tam-
Uem o decreto snbmetlendb ao imposto do sello
proporcional as obrigacBes hypoltiecarias Fwlt
r m.
0 ImptiTlal nega que faltam wvcres ao exer-
cito do norte. _
PielUia desalojou o carlistas das forPs poi-
coes de Castt'l!f!otit depo s de quaere boras de
fjgo.
POBTQGAt,.
Em data de 23 escreve nosso correspofcden
te de Lislloa : a ,_ ,
rf Conlraisa inalteravel a tranquilhdade pubnea
em Portugal. E" o sen mais imp"rtante elemento,
de pro::n: viaua 'que disfructann.s, >prus;.eram as emprezas
qne uroccilem de inii-iativa particular, nascmou-
ifajs novas, e o credfto pnbhco vai-se consulidando
a rtraos vjstos.
,( 0.' parlidos politico! fazem sens preparativns
sleBbrares, por que deaidida que seja sera esta
scssi) a ultima da legislatura, di-ntro em p-'ueos
mows i;ra de ser consultado o sull'ragio popular
em 'todu otenitori'* portogitex.
A sKwcaO p..litiw a quo preside o Sr. Tontes
Peretra de Mello parece conliar no apoio parla-
m-uitar, i|Qi alem J.is feus mais intimos amigos,
Iht: preSta o-grupo avtlisto quo e im-jortante, e
c i!ita igualmoote entre seus alliados o grand cons-
tHi*tc, deqoe e alrna'p ministro a'estadb honora-
rto Dia* Ferreira. E* de crcr que na futura ca-
isara pred raiinem os mesmos elementos e n^o ad
wirara qiw a nw-ma slinacio continue a frente
.!>-: negocios pablros, aiadq por bastante tempo,
salvo uma on mitra alteracao no pessoal do rnrais-
Mil eat mais seFvira para a robusteter. E' pos-
siv. 1 |ue u;n dos p'rimeiros one tenha de ser sub-
stitaid-i seja o ministro il>s obrw pabffcasv conse-
Irieiro" Aveiiin diiujm, e nada admfrara quo ao
pjr do reino Mmoel Vaz Pratn seja offrreeida n'es-
>j etentualtdade, a jiirlla pasti.
Seja com) for, o gabmete deixando em bom
ramintio o negocio dos caminh >s de ferro das Duas
Heiras, enja ?roposla de 1-i foi ja apresentala no
slbbalo (21), dotando o paiz de notaveis melhora-
men'os em quasi t>los m ramos da publica admi
Bialracao, haven lo c m-olid.ido a divida fluctuante
e c(jui!it)rado a receita com a despeia nos orea-
iiiciiios geraes d > estado, bareri bem merecido da
patna. A's circumstaucias tera devido rauit", por
qae iC) basta o talento e boa Toqtade de alguns
horaenfi, embjra de superior intelligencia e deci
dido merito, para se operarem estes resultados.
As cjridi'.'Oes espceiaes do -'paiz terao c ncorrido
' Os capitaes es'.rangeiros, tal e a connancr
\t idas do *ul H.-intern is 9/19 hotat da manha fundeen em
nasso prl oyvapor brasileiro Baku, procedentl
do snl do:iinfcrio, trazendo datas : do Hie da Pra-
ia art 21 em S. Paulo 20 de fevereiro, do ltio de
Janeiro l7 Bahla 3, e Aidm do que dames sob a rubrifa Revista Dia-
arros a.
bvnn4u unt.t cir-ular, em quo cmTidam oj cqeres,
defaniitia residents em S;h-.:m!h u reurirem s-
ho Jia d i proxinvt future mus de lilarc >, allm
h\> tratarein dfun laea de u,n Hofti -milegio para-
jBduca-io da criancas de amltos bi.Aos.
r"_ Noticia a Trihuna que a unica escola publi-
ca do Amparo (que ja era pequena para o grande
nuuwiro de alamn-'S qoca freqtwUvam ) aeha-se
ftMhada ha mezes. por tor fallecido o prgfessor.
Vccrescenla a mesma fulha quo cumpre nao so
profel-a (raaato antes, eomo crear outras, tanto
naeidale como for a delta, visto flao haverem ajli
senao duas escolas particulars -
FaWecera quasi repentinaraente, na villa da
Penha Ja ogjuiirim,a Sra,D. Jacintha de Araajo
Cintra.
Tinham ohegado a Itu, no dia 16, para ins
taurar-se aoprocesso,-por ser dedarado incom-
peteete q juizo de Tatuhy, onde estavam sendo
rid, m encontraraaa nos jornaes o que segue :
REPl'flLICAS DO PACIFICO.
, Garlas di Valparaizo, diiigidas a uma folba prueessados, os preaos Joao AfToaso Vieira Braga
idejo, Botieiam que o governo do Chile e Wiiliim de tal, autores do roubo feilo a Agos-
cer-se-lhe, cm razoaveis eondieoes Nao e de crer
rorem que antes do encrrainento das cortes se
proce-la a qoalqner o,iera;io de eredito, por isso
mesino que as Ins que fdTetn votadai era ordem a
rvr paiz dstadi com a rede compteta de caini
nh>< de ferro quo 11)9 falia para seu cabal desen-
voCvimento, e que hio de mais deprcssa detenni-
nar a necessWade ie .-> eontrahlr um emprestimo,
se a offerta dos capit.es f >r feita em terinos taes
que o the-oaro eocontre vantagens indisputavcis
a i n-ij.r- -s a que proeeder.
' Dense v.. cidalc de Tavira (Algarvp) nra gra-
v.' ceiuli to i.T uma foc-.-a do uagadorc* qae re-
cdlJa a Aig-irve e os guardas da alfandega, por
au c.-i'-n c>te< revi-ur as bagagetu das pracas.
Consta qae houve alguns ferimeptos.
< IVIa saga qne deix'Oi u conde de Leis \l, mi
iii-l.i de Portugal em Franca, foi nomead > para
ftte lagar o i"i-i iheiro Ji-e da Silva Hendes Leal,
enjbaixalor Jo Portugal em Ma'drld. Jfesta edrte
nao tera Portugal, per om juanlo, representante,
devend i darar este estado emqnantj nai fOr i.lll-
ciafmente reconneeido a actual foraia de governo.
Foi approvada na caraara dos deputados, a
e nwencao consular intrc I'ojtopal e a Austria. A
MMionesta parte,foi socreta, como e Jeusoqu, do se irata n i parlamento de asiaatptoa interaa-
cionaes.
t Foi apreseotadi no rlia 19, na camara dos de-
putadus pelo Sr. Pottos (ministro da guerra e prc-
wdente do conselho) am erccllnnte relatorio ^ubre
'.jusas militares, acoinpanhadb de quaren'.a e tan-
UM documentos e de vaTfas propestas de lei, que
s.i), em n-sumo :
l.' Pteorganisando o ccrpo de BBadV-maior,
i-ujo quadro e llxadu er.i 3 eoroneis, i tenentes co-
Miieis, 1 majcres e IN ca piracy
2." Kstabelecend) qOfe Os olficiaes de cavalla-
ria e infauleria, aj-idaui- do minlsterio da guerra.
dos marechae^ do exereito, dos generaes eomman
daotes das divisSes e sob-dlvisoes militares e das
*rigadas de iiwtruc^ao cn^nibra, e dos governa
'ires de praca de 1* elasse ieirarao de fazer per-
dos quadroi dos corpos das suas armas, e serao
a bomba a' vapor de arsenal de marinha, reboca-
do por uma Isncha a vapor. Apenas nm operano
da descarga ficou maltratado. 0 fogo apagou-se
completamente no dia seguinte as 4 horas da ma-
drugada. Era a primeira viagem qtw OelainUiv
Tazia a Lisboa e portos do Brasil.
O eabo telegraphico submftrino Verde (Imha transatlantica para o B asil), comeca-
ra a ser collocado esla seoiana. Os aavios-a.v<
per qua transporura o cabo, ja sahiram doL'-n-
dres.
. Ja foi iulgada sufflcienteraen! discutida por
i (lue^-t.ao da legislatura, isto se e esta sessao a ulti:
ma da legislatura actual. A mocSo do Sr. Jose
Luciano de Castro, foi rejeilada por 43 votos con-
tra 23. ,
No sabbado, 21 do ccrreute, foi apresentado
pelo governe as cortes o projecto para a cohstruo-
uao dos caminbus de ferro das Duas Boiras. Eis
a proposta do Sr. Cardoso Avelino, miolsire das
obras publicas: ...
Art. l. E' o governo autorjsado, segundo as
di;poic5'8 desta lei e nos termos dos contratos de
5 e 29 de maio de 18G0, a raandar proeeder a
construccSo dos caminhos de ferro de Beira Alta
e Beira Baixa.
< Art. 2.- A construeeio destes caminhos sera
adjudicada em pra^a publica, pr-ecedendo joncurso
de 90 dias, furmulando o governo o respectivo pro-
gramma nos termos desta lei e dos contratos, man
dados observar pelo art. 1.
t | I." Nenhum licitante sera admittido ao con-
curso sem deposito previo de 3OO.-O0O jt'Ot).
a g 2. A base da licitacao sera unicamenle o
quantum da subvencio kilometrica qne o estado
ha de pagar.
a Art 3.' A erapreza fie* oUrigada a "
1. Cinstruir um camiaho de terro que parta
dos pontos que os projector! dtsiguarara na linha
.te lesto. siga pela Be^ra Raixa o termine na iron
icira de Ilespaolia, ligando-se ao caminJio ie ferro
de ahlpartida.
2.* A construir um caminlie de ferro, que.par-
ta do ponto que os projerios designarem na lmha
do none, siga pe!a Beira Alia e termiue na Tron
teira de Hespanha, hgando se ao caimoho de Ter-
ro de Salamauca.
3. A prolongar, sera subvencao nem auxilia
do governo, a linha de Extreinoz ate ao Crato, no
caminho de ferro de leste, a linha de Quintas ate
a raargem esiuerda do Caudiana.
i'iA fornecer, conservar e renovar toao o
material fix > e circulate que for neeessario para
raanU'T as linhas em perfe'rto estado de explora-
eao.
3 A estabelecer conservar um telegrapho
electrico ao longo das linhas.
t 6." A comecar denlro de tres mezas c mtadus
da duta do* conirato definitivo, os trabalhos de
constrnccao simullanearaente em todas as linhas.
t 7 A concluir a linha da Beira Alta para ser
entregoe ao traasito publico. no maxuno prazo d^
cihoo annos contados da data do contrato defini-
tivo. 0 prazo max'ino para a conclusao, tanto
da linha da Beira Uaixa, como de cada um dos
prolongameutos, sera deternrinado pela sua exlen-
sao coraparada com a do caminho de ferro da
Beira Alta.
8." A explorar as linhas quo for em objecto da
sua concessao, cumpriado as leis c regulamentos
do. policia em vigor, e observando as prescrip^oes
do respectivo contrato.
9." A garantir a pontual e exacta execu.ao
do contrato com um deposito de 400 cootos de-
ret*, o qual sera feito e podera ser levanUido nos
termos, pelo raodo e nos prazos estipulados nos
contratos, a que se refere art, I.:
a eniprtii a15C6Q..jicy'm'..i.\torisadu a cutoruar
u. l i a-jaoiinho, flnJexro. ill: -SuUi.-SoeSte^flJQ
e edificios accessorios, telegrapho e vapoees, para
contra os impostos que e.-ta ultima ropublica de
ere ton para os productos das minas de Caracoles.
Dizem tambem qua etfava no prelo a not* do
governo chifono em resposta a do ministro argenti-
ne Frws'sofcre a questao PaUgonia
- tNa Bolivia foi concedido privihgio por"lO
nos ao suWit > hespanhol Moarcoatri para estabe-
lecer e explonr cabos telegraphicos entre a Boli-
via, a cofU doaitoni e Chile. t
nConlirnia-se a annunciada revelu^ao a\ uoii-
va. Um l*fegramma de Valparaizo, em data do
19 de fevereiro diz o seguinte ;
de MoDtevi-^-, .......-
passo*lo-da-llellTla"*ma long* not* protestando ^jnh,, Jos* da Sllva Costa.tto hotel ltaano, aw ae
-detambro ultimo, conforme noticiamja.^
Li5-se no Diario de S. Paulo de 25 :
j a Deu-se ante-hontem, as II horas da noite, no
T.manduateby, a morte de um moQO de nome
tltenedicto Dionisio de Carvalbo. Esia-lamentavel
occurreneia teve lugar, segundonos informa uma
to-temuaha ocular do facto, da seguinte raa
neira : ,
< Estava o nosso in'ormaute na ponte da Moo-
ca quando a ella cbegaram o infeliz Benedicto e
umamulher eom quem enlrelinha rdHetieSi am-
bos em violenta. altercacao. Chegados ah|,
IHijentou a revolucao na Bolivia e foi procla- (malher aggredio-o e de balJe chamou-a Benedicto
mada a republica federal ;o levantamcnlo connc- a razao, fazondo-lhe ver que haviagente no lugar,
cou nas minas de Caracoles, pondo sea sua frente genie que elle respeilava e diante da qual se pio
o coronel Santa Cruz, qae propoi para presidetfte queria dar em espectaeulo. Surda. a estas sensatas
da republica Jorge Oblitas. 0 presideate lal admoesta}5es, a mege-a cjntinuava a aggredil-o,
tem tldo algumas inelboras. Espera-se a todo o i quanJo de repente e intencionalmeala lanjou-se
nioinento d vapor norle- a0 rio- BeI1ed'^,, prccipitoa-se apoi ella para
Fbigellada pelh revolta no interior, via-se tam- isalval-a e, seaunda se nos informa, nao surgio
hem a Bolivia atnea^ada pelo Chile, que declarai* ;n*i a lona d agua.
A pessoa.que presenciou este drama aoctut-
no, accrescenta quo o nao assuslara. esto episodio.
terminaalemente b5o poder permiltir que a Bolivia
por si, efquecendb os iratadbs em vigor, angdieD-
f-
i i
consid rados cm comm'issio ; augmeiitaodo o qua-
dro dos olliciaes da anna ri cavalhrla com 2 ca-
pitaes, 2 tenectes s 2 alferas na situarao de com-
missoas e Jos offlciaes de araa de infanteria com
4 eapitaes, 1 tenentes e alferes tambem em eom-
missaoj e>'abelecendo um .-uadro especial de aju-
dintes de praca e almoxarifes de engenharia e ar-
tilheria ; regulando a promncao dos sargentos de
artilhena e ajadantes das pragft de gaerra e al-
moxarifes, etc.
3." Restabelecendo o direito ^onsignado ao
an. 73 e nos g do capiiaio 3." do piano de orga-
nisa(;i i do exereito approvado pela cast! de lei de
23 de janho de itai, para o abono i!o eavallq aus
offlciaes ajudantes do batalhao de engenharia, dt*
corpus d-i artilaeria de guarnicio. de caca lores e
de infanteria.
i." Regulando a classili acio do* '-mpregados
di direicao d^. admiantracao mi lilac qae perton-
cerem as r>-particSoa da contadoria, thmnnrnria a
tanxarifado do extinoto arsr-nal do exereito.
").' M;.;ando as bjttJjtftf&ea para o orovimen-
to nos Jugares deas;ii:-an:es da q'uidru da admi-
anlrarao militar; e maadaBio ptreeocber as van
turas destes lugares se se derem na repartieao de
jEMtabilidade.
Da sorte que este provfiofiato tem de ser feito
em confonniiade do art. 43 do deereto copj forca
de lei de 11 de dezembro do '.869, e bem assini
nos indiviluos que liverem satisfeito os preceitos
da lei do recrutame.ito, nao tiverem mais de 3fi
atiiios e acharem se i.abiliadus com o curso de
cotiiinerciii, preferindose pureia aquelies que ha-
jam servido pelo menos durante urn anno, em al-
gam corpo do exereito ou na qualidade de ama
nneuse na secrttaria da guerra.
* 6.J Autjrisando o govern) a rever e modili-
ear o regolamento diseiplinar dicretado em 30 de
aeteiiib .. de iS.j'6, poJendo fazer nolle as altera
toes c-.nv niontes.
7.' 0 -jiuando a acqui-ieilo e fabrico de ma-
terial d.- guerra a somraa provciiente das remis-
es- oh noruias, do producu das fiancas e da"
Bt*i
*
m> .mpra e manufactur, de artigos de arma
i:ent e cqnipamento para o exereito
. do producio das fiancas e _.
Bo.oes nos bens dos refraMarios; eleffallsando
aj i acioqae o govern., fez de o7ft.f98jJ5W
ser explorado por 99 anno
2.* A subvencao pecuniaria que for proposta
no concurso e approvada pelo governo.
3." A exploragao por 99 annos das linhas fer-
reas da Beira Baixa, da Beira Alta e dos prolonjra-
raentos d'Extremoz e de Quintos.
4." A isencao dos direitos das alfandegas para
todos os materiaes e utensilios, niachinas, combus-
tivel e mais objecios que forem importados pela
empreza para a coustrucjao e exploragao das li-
nhas I'eireas. Logo que as liuuas forem abertas
a circulacao, a isencao sera por dous annos e so
para as niachinas e coinbuslivei.
5." A iseucio por vinie annos das c mtribai-
coes geraes e municip.ies, e por todo o tempo da
eoncjssao, a isencao de imposto sobre as linhas
forrr-as. Nesta disposicAo nao se indue o imposto
de Iransito sobre os precos das conduccSes de
passageiruse mercadorias, fixados nas tan fas, o
qual imposto em caso nenhum excedera de 5 por
canto sobre aqjiellea precos.
< 6.* A cedencia gratuita dos terrenos do estado
que forem necessaries para a construeeio das li-
nbas terreas.
1.* Os prazos lixaJos ne.-te artigo serao
coulados, e eomecarao a correr desde a data do
contrato definitivo.
2." 0 governo reservara o direito de remir
a eoacessao no tempo e pelo modo eslipulado nos
contratos indicados no art. 1."
3. A subvencao autorieida no n. 2 deste
artigo, unicamente sera paga jm.'!o governo no fim
de 5" annos tixados no n. 7 do art. 3., se a esse
tempo as linhas estiverem em exploracao ; nao
estaudo e nao havendo nessa alta culpa da em-
preza, o governo pagara liio somentc a .-ubveacao
dos kilometres concluidos e explorados e o restu
quando terminal' a conclusao de toda3 as linhas.
Art. 5.' Depots du feiu a adjudieaeao dos ca-
minhos de ferro de que tratam os artigos preee
dentes e de approvados os respeetrvos tracados, e
o governo autorisado a conlratar a construccao e
exploragao das seguintes linhas de caminho de
fer:o de via estrcita.
a 1. A linha de Algarve, que partita de Case-
vel e teruiinara em Faro.
2.' 0 ramal de Vizeu qne, terminando nesta
cidade, par lira do ponto que Kr desigaado no ca-
minho de ferro da Beira Alta.
3." 0 ramal da Covilha, que, ternnnando nesta
cidade, partira do ponto qae for designado no
caminho de f_-rro da Beira Baixa.
a 1.* A adjudicacao deslas lianas sora feita
em concurso publico, por eada uma separada-
mente, e versara a liutafio sobre a siihvenQio ki-
lometrica, que sera paga em dinljeiro depots d-
lerminada a construccao de cada uma das respec-
(ivat lindas.
2. A adjudica'eao podera ser feita dirocla-
meote a quem se ortarecer a co(rtar qualqtter
destas linhas sem nenhuma subvencao ou eneargo
do estado mais do quo a pwnispao da entrada li-
vre de direit i* de materiaes necessarws para a
construe gao.
- 3- Se a empreza adjudicatoaa dos cami
nhos de ferro, de que trataru os ariigos preceden-
10!*, se olTerecer a conlratar a contiouaeao e ex-
Iploragao de todas ou de qualquer ilas linhas, nos
termos do g aatecedente, tera a preferencia a
quaiquer outro eoncurrente. r
Art 6 0 governo nao adjadicar a construccao das linhas de que irata
esta lei, quando entender que. e, prejudicial aos
intensses do lltfsouro a proposta menus ouerosa
das que forem feilas no concurso.
Art. 7." 0 governo dara coola as cortes do
uso que (her das autorisaco- s eoncedidas nesla
lei.
Art. 8. Fiea revogada a legislaeao era con-
trario.
Esta proposta de lei esta feita com muito laeto
para (uiepossa alcancar os votos de lodos^s lados
da camara, por isso que se apresenta com toda a
i
lasse os imposto*: sobre os produotos das mints de
i^tracoles, accrescent*ndo que o Chile estava frme,
niente resolvjdo a nao tolerar ao tosque iraportasr
sem menoscabo da sua soberania.
BIO D.\ PBATA.
A.amiga questao entre a Republica Argeilina a
o Chile, sobre os respectivos limiles na Patagonia,
parece reviver com energia. ...
6 congresso cbileno votou a somina de !o,00 J
pesos para a construccao do um phar.d nc caho
Virginia, a eufrada da e^treito de Magalhaes,
peio lado do Atblanlico. Querendo o govern) usar
da autnrisacVo que ihe foi diida, o tnmisro dos
negpqioa estr'angeiros da Republica Argenam aca-
ba de dirigir ao Chile uma nota proteslanda con?
tra este projecto, o declarando que o oJveriD ar-
gentiuo esta djjposto a construir phar6es e qvaes-
quer outras obras em beneficio d navegajao do
e.-treito, mss nao pode conservar-se de U'acos
cruz;idos ante uiua aggressao como a que inumt*
o Chile.
Dcn'tro de poucas semanas, diz o Standart do
2L: podem entrar no porto de Monteviddo, p-oce-
d*iite da Inglalerra, os novos encouracados tnile-
uos e qua-i ao mesmo tempo os monitores aigen-
Unp's esperados dos E-.ndt>8-Unidos. Serio eitao
muito n.:.iores os perigosde um rompimento. i
D. Luiz Dominguez,i ministro nomeado pa>a o
Peru, Sispanha se a seguir dentro em poucos lia^
para Li na leAando em sua eompanhia seus dous fi
lhos b L'.ici.',ci)ino searetario e I) Luiz como adliJo
Conliuuava-se a dizer que o Dr. Elizalde iria
ao Bio de Janeiro em missaoesjecial.
Nodia 21 devia inaugiifar-se a linha telejra-
phica entre Muntevieo a Paysandii.
A' ultima hora escreve um corresfondente do,
Montevideo: ... ...
Hrntem, 20, tivemoi noticia tclegrafhica, as 3
horas da tarde,de que o transporte nacicnal Uer
neck que sabira para Assuinpcao, ao araanhecer
do dia 17, se acoava encalhado na nraia Honda,
<-m Irentea Marlim Gercia e com agm aberia 0
Sr. ba.a> da Laguna promptamenle exiedio a ca-
nhoneira Ivahy em sea auxilio, a qnal anio as 4
horas e a twite partio o Ypiranga como chete
do esUdo-niaior, o Sr. capitao de mar guerra
Soidn. para o mesmo lira..
Os Srs. Conceigao & C. offereceram logo ao
alniir.'.ii'i' o vapor Artigos, que seguio as [ horas
da noite com vaJiosos recursso. 0 gerente dt eom-
panhia nacional de navegacjo a vapor pa tam-
fcero a diapQ>icao. do aUniraato o paqpete tux/aba,
que sabira hope com um mergulhador contaudo
p-ar S. Exc, o qual leva os meics prectsos pa la-
par o roinbo. .
. Pela manU cheg.)U o jaonete Omir ditAo
--- -...,n*ooi-w et"8 encainad-a, eo
leflQv o.iuP,trliineBi"^ iia niactuna ***"WuwS
que fretou na jlha _do"Martim Garcia. 0 facto de
lei cimrcmnieade com essa ilha traz serios emt*a-
rac.is para a pwiacao de auxilio, pots toda a cos-
la oriental lica fechada nao it para elle, como
para as embarcagoes que com elle communka-
rein. Nosso ministro residente se esforca emre-
mover este serio embaraco, teudo se dirigido para
este lim pesaoaJoMHtte ao governo. Tapado o rom-
bo o Vt'crneck tem da entrar em um dique, e so
na costa oriental os ha.
0 Cuyabd fiea de fogos accesos, a espe .rad
decisao qne obtiver o Qr Aguiar de Andradeaa
s. PAULO
Do am minuoioso relatorio apresentado ao prc-
sidente da provincia pelo inspector do thesouro
provincial, Dr. Antonio Pinto do Rego Freitas,
consta o seguinte:
A receita da provincia no exercicio findo foi de
1,934:9624091 e a despeza de 2,274:230^220.
Hoove, pois,.um deficit de 319:2685129.
A receita para o exercicio de 1874 a 187a foi
orcala em 1,640:967^000 e a despeza em......
1,673:108^353. Se no future exercicio houvero
augmonto de produccao, que esperam muitos fa-
/.inleiros,.podera a reoeita elevar-se a..........
3,5: 176*844.
A divida.passiva da provincia e actualraente de
6o74:00a*0b0.
A terrivel epidemia da variola, que tanto
'em devastado alguns municipios do interior, des
appareecra completamente de Guaratinguela, po-
rero manifestara-se com int'jnsidade em S. Luiz do
farabytioga, onde ja haviam sido atacadas dez
pessoas livres, das quaes fallceera uma.
0 delegado de policia, cffi:azmente auxiliaao
peio presiJente da camara, por varios cidadaos
nacicn.es e estrangeiros, e pelo Dr. Ben to Gon$al-
vos da Cruz, estabeleoera logo dous lazaretos, e
dera varias providencias para impedir a propaga-
eao do mal; mas, apezar de tudo, receiava-se
a inulher,
par saber qua, tanto Benedicto como
nadavara perfeitamente.
t Nao vendo, porem, appareccr o moco, foi
boscar pouco aeiina da ponte uma cauoa, e quan-
do. voltou, encontrou ja forad'aguaa raulhjr, a
iioal lbs disse que Benedicto morrera, e que sabia,
isso por tel o ellaseguraio par muito tempo, eutre
sous pas, obrigaudo o a permanecer no lugar,
visto que se contiuuasse nio teria ella forjas
para.arfcang.ir a praia.
Sendo Ihe nesta occasiao dito que era ella
para. dar.
cabo de lulio Langlois, auogando que estava d:s-
go'tto-o e hao queria mais trabalhar para elle ;
qm elre Nirberto quit desvlar sfeu amo Uesse in-
tento. lnstendo, porcm, Cervetio tentoa a prin-
cipio, por raeio de uma curandeira a quem foi
apresentado Felippe, enveneaar Langlois ; mas
.Dao produzindo o vcteno efltito, proeuroa por
hneio de Felippe, um homeifpsra o assassinato.
O primeiro com quem fallou foi o conheciJo
or Maceio, e o segundo Candido ; qae foi a S.
ljjmingosco Felippe e Candido no dia do .assas-
sinato, e voltou immedi itamente para a corte a
tsper.ir a noticia na eompanhia, para quo-defies
.nao su desconfias9e : que recebendo de sea amo
6004 no sabbado, deaos a Felippe para entregar
* Candido.
Interrogate Corvette, Merio qne estava em
casa da victima ; attribuio a engano de pessoa o
assassinate ; nio aereditava que seu criado fssse
capaz do crime; nenhuma indisposigao nulre
para com elle que o indaza a crer quo tenha de-
sejos de comprometle-lo.
o Sendo-lhe pedidas expficacois sobre as decla-
racoes do Candido e Felippe, e principalmenle so-
ore as de Norberto, que dizia ter sido per elle
mandado, declarou que tudo isso era fructo de
combinajoes eutre os pretos e inimigos da com-
pa ah i a ; qae depois do assassinato de Langlois o
querem perler completamente. Visivelmente per
turbado mostroa se Cervetto qnando Norberto
acareado com elle sustentou que linha sido por
Cervetto incumhido do assassinato.
c Do interrogatorio de Cervetto colheu o Sr
Dr. ).*delegado uma circurastancia que traz mui-
ia Inz ao processo. Langlois era socio do Cer-
votto era paries iguaes nos direitos de administra
cao da c unpanhia; produziram esses direitos para
cada um dos socios l:o004 mn-aes. Pelo con-
trato quo havia entre elles, raorto Langlois, a-parte
delle reverteria para Cervello.
a Poslo que o crime fosse praticado em S. Do-
mingos, sendo os delinquentes residenles nesta
corte, foram pelo delegado requisitado* ao Dr.
juiz de direito do 5.* disiricto, residenoia do autor
e executor do crime, de raandalos de prisao con-
tra os criminosos, que sc acham todos presos. KJ
Sao podomos termiuar esta noticia sera tribu-
tar os merecidos louvores as autoridades, que tto
zelosas teem se raostrado uas dihgencias para des
coberta deste crime, e especialmente ao Sr. Dr.
1. delegado.
0 rijo tufao que cahio sobre a nossa ei-
dadc anto-hontero (23) por volta das 5
horas da tarde, foi acompanhaJo do forte
iroc e*.t\W* compjenliiar Gommen:io o La-
vouri, or^iin jior OS.Oao saccos, Dcaudoein
ser hoje ..ore i de 220.000 .litos.
Cotamns por 10 kilos.
Lavado.......Nominal.
Superior.
I1
r
l*
2:l
*
89100
7$750
7?50
69910
6&5J0
69250
85300
a 799.0
a 79iOO
a 73100
a 63700
a 69500
causadora da morte do Benedict), respondeu : trovoada e copiosn. chuva quo repetiram-se
que nao lhe importava a prisao, por isso quo na mndrugada de hontem.
se vmgara. E emquaoto procuravam salvar o ^ e|js efWt()S n ci,la ie e port0i se.
^SSaS^ ^us^dlSs^emlgon.a as noticias quo coll.enos a"e agora,
cujas casas tinha ido bater,dizendo que havia as foram os seguintes;
sassiuadu Benedicto. Sobre 0 pharo! da fortaleza de Santa
Accresce a esus circumstanciaa, que oviden (>uz C(jhj0 ^s 5 |/i horas da tarde uma
STo ^S yStBft BlmedS5 para faisca el,ctrica quo rnatou instantaneamen-
fui conce-
Ernesto Coe-
acompanhal-a a ponte.
u Tendo a policia seieucia. do occorrido, man-
dou recolner a prisii a inulher e inquerio ahou-
tem, assim como diversas lostemuuhas. Entre-
tauto, a hora.em que registrants 0 triste aconte-
cimenlo, consta-nos que pela aatoridade foi man-
dada ruir em liberdade a referida proraotora da
morte de que foi victima ease, jiobre moco.
Benodieto era charuteiro, e nao coatava senao
19 annos de idade.
RIO 0 JANEIRO.
Foi nomeado 2." official dasccretaria de es-
tado dos negocios da agriculture, eommercto e
obras publicas 0 bacharel JoaquimJose Fernandes
Maeiel.
Por portaria de o de fevereiro, foi nomeado
guarda-livros da estrada de ferro D. Pedro II, 0
ajudanle Jaointho augasto do Macedo Paes Leme.
Por portaria de 26 de feyereiro,
dida a exonera.-ao que padio Diogo
Ihe, do lugar de estacionario de 3." classe da re
purticao geral dos telegrapho*. _
0 miaisterio do imperio, dirigio em 20 de
fevereiro, 0 seguinte aviso a pro.-iJtncia de Minas
Geraes:
t Ilbn. e Exm. Sr.-Foi atlendida pelo governo
imperial a representaeiio contra a validade da
elei^ao de juizes de paz, effeetuada em 14 ,de de-
zem'bro ultimo, na freguezia de Je-juery, do mu-
nicipio da Poule Nova, que a V. Exc. dingm 0
cidadao Carlos Jose dos .-aotos, e que acoinpa-
nhou com as actas respectivas o officiode V. Exc,
de 2,-) do mez lindo ; ponjoauto, alem de outras
irregularidades occorrid;is no procpsso da mesma
eleicao, verilica-se,.qoe, havendo na dila fregoezja
-o.^ v. Exe. ialitrma, 347 cidadaos qualifica-
oos, e desle* -*- ^.i./'A'muatecido 100, deviam
u-cno consta das actas, e portanto houve 0 exeesso
de.02 tkdulasi que poderia inlluir profundamente
bre 0 resulta lo da eleicao. A' \ista, pois, dos-
f vicio substaucial, cumpre que se proceda a
lova eleigio. 0 qua declare a V. Exc. em res-
losta ao seu referi'Jo offlcio. Deus guarde a V.
'xc.Joao Alfredo Correia de Oliveira.
Falleceu 0 barao do Catumby.
Lcinos no Jornal do Commercio :
a Falleceram inslantaaeajneate no dia 19 de fe
Jvereiio, em Macah^, a< 10 horas da manha, vic-
'imas do desabamanto de uma barreira da estrada
le ferro Macahe e Campos, no lugar denominado
(caras, 0 tontnte Joao Bodrigues Fteire de Car-va-"
ho, inspector do material da mosma e?trada, e
. lohn D;otrieh, apontador das obr.i~ que sc eitao
fazendo no referido lugar.
i Ficou tambem gravemente ferido 0 em perigo
1c vida 0 feitor Ca>tro, que se aehava com aqu;l-
os dous inFelizes na occasiao do desabamento.
Quando se removeu a terra, enconlrou-se,
m p.-daeos, 0 cadaver do conluctor.
ii.i. tenente Joao Freire, foi sepultado no
euiit'.ri.i do Saniissimo Sacramento, na maohi
eg ui ute.
t De alguns dias a esta parte, acha-se preoccu-
)ada a attencao publioa com 0 crime horrivel
.omraeltido em S. Domingos, Nitherohy, de qae
"oi victima Julio Langlois Nosser. Desde cs pri-
aeiros dias tambem levado por esse instincto quo
aras vezes engana, 0 povo procurava por detraz
lo assassino vulgar, 0 verdadeiro autor do crime,
( mandante.
Graoas as diligencias dirigidas com zelo e
ictividade, pelo digno Sr. Dr. I delegado de po
Icia, acba-se rasgado 0 ve .> qae encobria 0 mys-
brioso assassinato
t Conforme noticiamos n Eetrou o crime, havia sahido da casa de Julio
anglois, acomnanhirado a fainilia deste, Joao
to o solda lo Antonio mente na cabeca o do nome Aprigio, m-
bos pracas do 1 batalha9 de artilheria, e
emprogados nas baterias. 0 pharo!, se-
gando nos informam Gcou inulilisado. 0
raio enlrou pela cupula do tdificio, arre-
bontou-a, Rfmw a parede, percorreu par-
to da bateria 0 cntranhou-se no solo do ca-
minh) coberto ; a sentin-lla que estava nos-
te lugar na4a soffreu.
No pavimento situado abaixo do pba-
rol ha 240 bams de polvora psrlencentes a
esquadra norte-americana. Kstando este
pgtcfl muito pp.uximo das cas.is de residen-
oia dos officiates e empregad is da fortarezi,
se 0 raio houvesse alii ponotrado, n3o seriam
duas unicamente as victimas.
Cahio lamb.Mn um raio no llio-Com-
pri lo em um collegio allemao- Nao tomos
pormenores.
. Hontem, pelS 3 horns da madrugada,
desabou 0 predio da rua Formosa n. 18,
ondo havia uma l'erraria pertencente a Ma-
noel Gonr;alveS de Azevedo. N8o morreu
felizmente pessoa alguma, ficando entre-
tanto ferido cravemente 0 portuguez Ber-
nardino Dias Teixeira.de 43 annos de idade,
official de ferreiro. 0 inspector I'.osmclli
coaspftrecfett promptamonte, deu as provi-
dencias connmientes e romolteu a ferido
No porto feram numerosos os acciden-
tes, e alguns mais lamsbtaveis.
c Em frente que um barco pertencente a Joao Kolri-
guos Carvalbo, quo acabava de desearregar
cal em Botafogo e aegjaia para a ilha do
Governador morreu. af 'ga.lo 0 arraes de
nome Antonio Pires; quatro pretos que tri-
polavam 0 barco foram salvos por um esca-
ler do paquete Cuzco.
Foi tambem a pique no aneoradouro-,
perto da Ilha das Cobras, uma faltia de A.
4. V. Dias & Irmao,-que tinbi recebido
boa.
regular. .
orainaria .
boa. .
ordiuaria. .
Vouco so fez em aasucar para consumo.
a Nao nos cohstou fntamento algum.
Sahiram para Pernambuco : a S6,
barca ingleza kkbnr ; e a 28, barca portu-
guefa Victoria, e brigue brasileiro Ame-
lia.
IlAHIA.
Inauguraram-se, no dia 1." do cor-
rente, os trabalhos da assemblea provineitl,
cuja mesa ficou assim orgauisada : presi-
dento, l)r Araujo Goes Junior ; vice-presi-
dentes, D.s. Olympio Vital e Americo (i-
mes ; secretarios, Drs. Jose Olympio 0 Sou-
za Franci.
No dia 3 do corrente entrou no exer-
cicio de cbefe de pjlicia o Dr. Manoel lojC
Espinola.
l.emes no Correio :
No dia l'doorrente, pelas lo boras da
noite, no arraial de Belem, do termo de Ca
choeira, foi assassinado Joiquim Josd Diai,
por I'loreutina Borges de Sant'Amta, qjpe
foi capturado 0 recolhido & cadeia.
a N'um destes ullimos dias, fit nnconln-
da degola la em sua propria casa, uma rmi-
lher, de idade avan^ada, e que moravaua
fiolundeira do capim, da freguezia da
Egreja-nova.
l*ez-?e logo o respectivo corpo de d>-
licto ; e 0 subdelegado supplente era exer-
cicio, capitao Manoel Pinto da Silva, deu
tio acertadas providencias que conseguio a
eapiura da autor de tao barbaro assasi-
nalo.
0 criminoso chama-se Polycarpo .41-
ves dos Anjos, 0 qual tendo sido escravo da
I). Maria Rita Alves Moitinho, foi comprado
pelo govern em 18G6, quaudo, cooMi sol-
dado, niarciiou para a guerra do >l\tn-
0 reo confess ou 0 crime, assim com 1
que o praticara para roubar.
Noticia o Jorna! da Baliia de bou-
lem :
No sabbado 28 do fevereiro, is 2 i '2 da
Urdo, d;u-sc um laraentavel facto em cam
di Augusto Teixeira de Freitas, na rua Amparo, hoio das Princezas, em Saoto
Amaro.
Antonio Jose Alves Macivl, io.!o pedir
UTta esmola, recebeu tie Camenuo ii-ixeir*
de Fredas um tiro de pspinganla deca^a,
apreserrtando-se na mesma occasiao com
outra espiugarda 0 caixeiro da casa LaudV-
miro d>i tal,
1 0 infeliz Maciol falleceu as 8 horas d
noite, d'p is de ter soffrido a ampulaciio
de uma perna, tendo 0 deli gado 2" sup
plente Antonio Esteves Piato da Silva feito
corpo de delicto e auto de perguntas, n#n
so ao offen lido como a uma irma io
chefe da casa, 0 qual se aehava na capi-
tal..
0 otfensor occultou-se, bem como WM
companheiro, mas apresentou-se, a noit".
confessan lo 0 facto, e declarando que linha
sido casual.
A L AGO AS.
Nada occorreu digno de menc.Vj.
m
muito que elle tomasse maiorcs propor?oes, por Cervetto'de Stockmann, soeio de Langlois e ate
causa do u-rror que so ap-xlerara da popularao. entioconsiderain araigo da familia.
eserva na questao das direeirizes.
0 Cfimo em tempo lhes disse, lora em marao d
873 apresentado um ptxj ci. i' iei para us ea
ininlijs de ferro das Dua B iras pelo d|iutado
Ant. ni.' Jose Teixeira. a 6*3 de|.utw|m (leto
das as parcialidad'-s) as-igoiram ete prnjecio.
Ha ja em L'sboa diyersos tepresentantes de
N'uma carta esoripta haquelia cilade encon
tramos as segaintes linhas :
As pessoas menos illustradas. as da roca
principaimente, fogem de suas casas, deixando em
abandono os pi.lues doentes. B' islooque mais nos
tem cusUdo durante a terrivel quadra que es-
tamos atravessando.
Procurar os doentes abandonados, forneeer-
ihes tudo, arranjar quem os conduza para os hos-
pitaes, tranquillisar a popalaQio, tal tem sido a
nossa mi?sSo.
< !' ain la assira que de difficuldades para ven-
eer arepngnancia, sempre erescente, decertos in-
dividuos, que entendem que um bexigoento e
como mu ciio damnado I
a EmTiubate, no dia 10, foram transferidos
para u convento de Santa Clara os variolosos exis-
tentes no hospital de Santa Isabel, onde se acha
vam mal accommodados.
Para auxiliar a. cura dos infelizes en'ermos
tiuham remottido 106* a cada um, os Srs. eom-
tneudador Jose Rodolpho Monteiro, teneoles-coro
oeis Mariano Josede Oliveira e Costa e Jose Felix
Monteiro, e 0 eidadao Jose Gabriel Monteiro.
Por iniciativa do Sr. Antonio de Carvalho
Baplista e de outis cavalheiros tratava so de fun-
dar em Taubate uma socied de de benefteoncia,
na qua! ja se tinham inscriptu 29 s(*ios.
llefere 0 Arectue, sob a epigraphe Accao dc
fidalgo :
Quando a variola apiiareceu-na casa do Sr.
Lapirie, a commtsaao que aqui se creou para pro-
mover os meios de eurar os alacadjs, 'embrou se
de mandar ao Sr. Laporte a quantia de 30* eaain
principio do auxilio, sabeudo, por6m, disto 0 lo-
iniote-coroinl Manoel Gomes da Mories, declari'U
a commissao que dispensava 0 auxilio que se
queria prestar aos variolosos ijue moram na sua
miahan$t, perque elle mto sti os trataria, ftHi
despendei ia 0 que fosse neeessario
De feito, nunca palavra de eavalheno fr.ra
cumpnda com lanta galhaudia ctno d'etta vex.
0 Sr. coronel visilou 0* doentex, auiuii.u-os
com i.alavr* de consolacao, e abriudoa sua bel-a
iniligi.u aspreeisoes-ftnecessidado*.
S's-'ondo diz a manna folba e-tavam alii os
geoeros aiimenticios por preco^ 6xi'es*ivaoJenie
ai'os.
Por volla das 7 horas da noite de 20, entrou
em casa de Langlois am prelo, e proourando pelo
Dr. (segundo era conheoido Cervetto), para entre-
gar uma carta, foi recebt? la Langlois, que nesse
acto foi ferido, fugindo logo 0 sicario. Apenas
diixou elle para auxilio da policia as chinelas, a
tsca. e as barbas posltcas, com que se disfari;ara.
CAatnada a familia de Langlois pela criada da
ctsa, retrocedeu e apos ella veto 0 aaujo Cervetto,
a quem disse a victima :
a Acabo de recebor o golpe a ti destina.io.
Com effeito 0 assa-sino linha procurado pelo dou
lor, e este ha mezes levantara a ballela de que 0
queriam assassiuar, chegando a mandar a policia
aviso em tal sentido. Tudo levava a crer que
Langlois fora viclima de nm engano, e elle mor-
reu oonvencido disso, e cesto ainda da amisade de
Cervetto. Procedendo, porVm), a policia a pesqui-
Izas, shegou ao conh^cimooto do seguinte : Nor-
[berto Peganha da ailva, crioulo, que foi volunta-
|rio e urbauo e e criado de Joao Cervetto Stokmann
ha dous annos, pedio a Felippe, escravo, que pro-
curasso um homem para mater Sampaio, missao
esta de que fora incumbida por seu amo. Ftlippe,
nao tendo coragem, proeurou a ex-praca do bala-
Ihao naval Jose Jaciniho Galvao Karros, vulgo Ma
ceio, e este ineulcou para a execu^ao do crioie 0
sou companheiro de casa Candido Joaquim de
Santa Anna, ex-praca do baialhao naval, 0 qual
eflectivamente dirigio-se a casa de Langlois. Fe-
lippe e Norberto acompaoliaramno a S. Dimin-
gos, primeiro esteve a esproita na esquina da
cawt, para dar aos dous 0 aviso, quo era a ahida
de Cervetio com as duas senhoras, levando atd os
caesv Logo quo isso aconteceu, eotrou Candido e
deu a facada em Langlois.
t CtttasarafH Felippe, Maceio p Candido eites
faetos, aceresveutando este que Norber'o Ibe disse
qua aqoella hoa Cervelto (lngiria fecbar o psrXao,
mas 0 deixaria aberto. Xorbrrlo, apenas deu-
M 0 crime voltoa para a corte, a nsperar no
escriptono da eompanhia Mu'r.ali.iale, de que e
gotente Cervetto, a notieia da morte, para que
d'elle ninguom suspeirasse.
Beferio tambem Candido qua no dia seguinte
rtcebeu par mao de Felippe 300J, que Ihe man-
da fa Norborto. e que des-e diuheirodeu a Felfppe
e a Maceio as paries que lhes toeavam ; que a
Os srs. Luiz Matheus'Maylaski, Fernando da'faca (oi comprada por elle com 5* que tres dias
lo
um canegamento de tel ha franceza de bor-
do do brigue austriaco Gerolamn e vinha
para b*rra.
Um saTOro, que tomara carvAb w.
Ilha das Enxadas c estava atracadd ao va-
por Kepler, submergio-se ; Gcaratn contu-
sos alguns pretos trabalhadoies da referida
ilha.
Uma catraia de Antonio J. de Aranjo,
que recebia pipas de graia de bordo do
Calderon, encheu-se de agua, ficando 0 ge-
nero com algum s avarias.
0 vapor de roboque Com pelt dor, que
estava amarrado a" boin em frente & ilha das
Enxadas, foi encalhar na praia da mesma
ilha, com avarias no halice e no leme
Alguns saveiros de C-omos Poroira A
C.,. que so achavam atracados ao vapor
Galileo para receberem carga, garraram,
sendo alguns apanhados no nioio da babia
e um na ponta do Gragoata.
0 patacho nacional Trovador fez uma
pequena nvaria a re do portal'' le B B d >
patacho Camponez.
0 brigue Siqueira fez ismbem uma
pequena avaria na cscuna Ddttro,
Eo patachoEs/wrJur/e igaelmeule ava-
riou uma polaca estrangeira.
Todos estes navios estiio no fundeadou-
ro da descarga. / .
Consta mais que um barco de D. Eiisa
Maria de Freitas. Guimaraos. raoradora 5m
Paque'.a, foi a pique, .."sapp.irecendo 0
respectivo arraes ; e que dous barcos da
roc,a tambem sesubmergiram, perdendo um
tlellestres tripolant't".
~r- A alfandega da cortejreudeu no mez
de fevereiro 3,423:123-570;* rs.
Eis sa noticias coniBie-eiaes de 28 do
fevereiro :
0 mereado de cambio nao apresentou
altera^ao alguma. Effectuaram-se pequ^nas
transaccoes sobro Londres a 20 d. papel
bancario, 26 1/8 e 26 3/IG d. particular.
Nada se fez em soberanos.
As apolices geraes de 6 /0 conserva-
ram-se firmtjs a i:0+5?, prer^o por que fo-
ram ven lidos lotes ppquenos. Das do cm-
pr.-stiiQo n.icional de 1868 negociouse um
lote a 1:00o3 a dinheiro.
No mereado de acgdes apenas se fizeratp
peqiinn.is teansar^Ses, aos precis seguiutes :
CoinpanhiA de Carruagens Fluminenses, a
tWfi <87J. n dinheiro ; dita das minas
a 40$, tambem a dinheiro.
ie cafe foram hoje peque-
WRVTSTA DIARIA.
Assemblea provincial. Ante-hor.oio
funceionou com 28 Srs depatalos, sob a pre*i-
dencia do Sr. Dr. Aguiar.
Approvadas as actas das sessDe3 de 5"6 do or
rente, 0 Sr. 1 seeretario leu 0 seguinte ejp...
diente :
Um offieio do secretario do governo da prcvo-
cia, remelleado 0 relatorio da camara municia*;
do Kecife. o balang^ do exercicio de I87i a Hfrt
o balancctc de I87t a iS7o c a tabella dos difT*>-
rentes impostos.A' comtnissau de or.araeiito mu
oJcipal.
Uma petica'i de Jusliuo d; Souza Campus, p
diudo que seja considcrado de nrnlium efftito c
contrato que fez com 0 governo para 0 estabeleei-
meuto do carris movid >s a animaes, da eslac'm d.i
Boa-Viagem, ao povoad) do mesmo nomeA
commissao de legislaeao.
Outra de diversos habitantes da freguezia d
T.iquaretiiiga, p. dindo que seja elevada a catfr^
g)tia de villa, a referila freguezia. -A' commissi
de e-lalistiea.
Outra de Martinho da Silva CosU, professor U
povoaeao de Propriedade. pedindo que se lbr
mande pagar a gratiiicaQio de metade de aea
vencimoutos. A" commissao de instruccao pu-
blica.
Passando a ordem do dia, conlinuou a 2.* d.<
eusi^o dj projecto n. 72 de 1868, 0 qaal foi re-
jeiiado, assim cimo os de ns. 86 de 1869, que an-
torisava a construccao de uma ponte sobre 0 ria
Ipojuca; 143 dt; 1870, que elevava os veociraea-
tos do porteiro da reparti.ao das obras publicas
84 Ue 1871, qm interpretava a lei n. 937 de 12 >
julho de 1870 ; 1)0 dc 1867, que creava no povoa-
do de Paliueua cm G.iranhuns, uma nova frejjne-
tia, orando sobre esle 0 Sr. Ratis e Silva; 28 de
1871, qne obrigava os alumnos da escola normal a
fazenem xercicios calligraphicos.
Entrando em 2 discussao 0 projecto n. Ill tie
1872, que autorisa ao presidenle da provincia a
conlratar a consirucao de trilius de ferro, para a
conduccao de generos e passageiros em wagons
movjJos por animaes, por differentes zonas; n&a
a discussao adiada a rejuerimento do Sr. Gongai-
vos Ferreira, afnn de ser 0 project) remetiid" a
comn.issao de obras publicas.
Foi approvado em S. discussao 0 de n. 62 de
1870. que isenta dos iTiposlss provinciaes, por e--
paco de 10 annos, a. Ii te carneffO-prppsTrtfra
proyincia, cjhb a seguinte emenda do Sr. Piato
Junior> supprttna se 0 nome de Antonio Carva-
ttw-do? Santos.
Ficou adiado era i.a discussao, a rejuerimenio
do Sr. Portella, 0 de n 96 do mesmo anno, deter-
le Lac/pa
A' v .
?as.
As lux
iudo cin 1
cues 11 seinina finda, inclu-
30,H0) saccos embarcados
miuando que os escrivies do crime e do jnry da
cidade da Victoria, exeream por distrihutc* 1 ra
olDcios de escrivao de orphaos e tabelltaa de
n das.
Approvado em 3.* discussao 0 de n. 118 do
1870, que concede lotrias para 0 convent
Carmo da cidade dj Goyanna.
E ficou adiado c:n 3/ discussao, por ck-pender
do parecer da commissao de legidacao. sobre a
peli^ao de Ju'tino J.se dc Souza Cim-v>s. 0 pr 1-
jecto n. 21 de 1872.
Tendo dado a bora, 0 Sr. prcsidente levantoo a
sessao, designando para ordem do dia: r,.n:i-
nuacao daanteceleulel l. discussao des i.r jeer*
ns. 16 de 1868, 96 def 1870, 25 e 53 de 1871 e r*
'h lSll'J-'J0* de \ns- 67. l3i ? I*' rie IS*'-
39 e 65 dfi 1879.
Rcpartioao das obras puldlcas-
Por portaria da presldencia da provincia, de 7 do
co-rente, sob proposta do engenheiro chefe. W
designado 0 engeuheir) Francisco Apoligorio Leal
para servir de ajudante do chefe da repartieao fla#
o'ras publicas. '
Fai'tildaiie de direito. Fizerara bjs
dias 6 e 7 ex.mes das'materias do l\ 3* e i* ar
nos os seguintes estudautes :
- I* anno.
August) Jose Teixeira de Freitas. Approvado
pb-uarnenle.
Jose Moreira Alves da Silva. Approvado sim-
ple.-oiente. .
Jnc-6 de Amorim Salgado. -Idem.
Jo*n Gualherto Gomes de S4.-Idem.
Joao <"a' dido de M naironte.
'



.' OJ"
v

Diio^^fefrtaml)u6o *- Segtmda feira 9 de Mar^o *e MM
&

-

Juventino Polycarpo Alves Lima.-Idem.
Arfemiro Alves Aronxa. Approvado simples-
mente.
J Mauricio Torres Temporal.Idem.
!Loun,py Jastmiano Yatares, e Hollanda. -*
inin.
Vicente de Faria Gurjao. Idem.
Perrainio de Araujo Lima.Idem.
4 rsprovados.
3 anno.
Praneiico Borges de Abren Marqaes. Appro
vado plenam ente.
4 anno.
Lourengo de Sa e Albuquerque. Approvado
simplesmente.
Defeza de theses.Deve comecar hoje a
do Sr.bacharel Clrssos Segismundo de Araujo Ba-
tinga.
Nos (lias 11 e 13 devera realisar-se a dos Srs.
baehareis Luiz do Almeila de Araujo Cavalcante
FHho e Aotonio Uerculauo de Souza Baodeira
Filho.
Vapores transatlantieos.Nosso cor-
respondente de Lisboa dtz-nos o seguinte :
E' para 16 do proximo mez de marco que
esta desttnada a partida do vapor Almeida Garret,
da companhiaProgresso Marltimo do Porto.
Destina se a cidade da Praia (Caho Verde), Per-
nambueo (descarregando dentro do porto), Babia e
Rio de Janeiro, com escala por Ljjboa. Comman-
dante o Sr. L. A. Tomazini, que tao habil homera
do mar, como o e piotor, por muitas vezes tern,
sido laureado nos cerumens artisticos das nossas
aeadeniias e nas exposigSes estrangeiras.
< No dia 3 ou 4 de mar;o deve tQear em Lis-
boa o vapor Oberon da companhia de Liverpool de
transportes para Pernambueo.
i 0 paquela Afioncagua, da companhia de nave-
gagao do Pacifico, deye sahir a Jo do correuie, to-
cando em Pernambueo. >
Muspeita infunBatta-----Cireuloa ante-
Uontem o boato de que Jose" Bernardo da Mot la,
pnopr.ieJario do .eslabeleciinenti silo na rua da
Imperatriz, sob a denominagao do Mercurio Com
mercial, havia assassinado sua propria mulher,
en casa do Sr. Joao Joaquim da Costa Leite, onde
se achavain ainbos de eatada provisoria ; tal, po
rim nao aconteeeu
Desde que 'allio Jose Bernardo da Motta, o
qne havia dias liie acontecera, manifestou-se mental
ilicnado e como 6 de suppor, isto mailo commo-
vcu a sua cnulner, a quem elle, alias sioceramen-
te estremecia.
0 succeJido e o seguiute : que achando se Jose
Bernarlo da Motta e sua mulher em casa Jo Sr.
Joao Lcite, ao amanhecer de 7 do corrente foi
aquella senhora enconlrada morta. A prirneira
idea foi de que a matara o marido em acces-o da
loucura de que ja havia dado demonstrates, e
nesta supposicaj recolherara no a enfermaria da
casa de detengao, onde se acha. Da autopsia, po-
rem, a que se procedeu no cadaver da infeliz se-
nhora, vcrifiearam os. medicos operadoros que a
morie fora occasipuaua por urn derraniamento ce-
rebral, produzido por fortes commogoes moraes no
estado critico em quo sc achava de gravidez adian-
tada.
Atliuinistracao parligao arreeadou no mez de fevereiro..
7:2x2;
2i80'i, sendo de
Sellos
Cartas
Premio
Assiguautes
Agenc.as
Muitas
Ext raordin aria
afovimentos de funJos
2:37i*140
2:4184600
28*500
1204000
659*440
25*000
47*425
1:409*500
A
VHIc de Baliia. Por telegramma dacor-
te cons'.a ter d'aiii sahido na sexta-fe'ra (6) para &
uosjo porto, o vap.T francez Ville de Baliia da h-
nha do Havre.
Oinkeiro 0 vapor Dui/ue de Capias levou
de nossa praga para :
Penedo 12:000*000
Maceio 47:000*000
0 vapor Mendoza levou de nossa praea para
a da Babia 2:l79io80.
0 vapor Bihia trouxe para :
New London Bank 14:0003000
Antonio Gomes Nett) 6GOJJ0UO
Jose Rodrigues de Souza OOOaOOi)
Manoel Gurjao Papoula 434*000
Companhia brasiicira Vo a vapur. -Comeca a vigorar no mez de
abril proximo a parte do u >v 0 contrato com 0
governj, que sc estabeleceu tres viagcns niensaes
ao norte do imperio ate 0 Para.
Os vapores sahirao do Itio de Janeiro nos dias
I 10 e 20 de cada mez, tocando 0 primeiro, tan-
II na vinda como na volta no porto da Victoria, da
provincia do Espirito Santo.
Para o sol do imperio.Com 15 ro-
cebidos em nosso porto, Jevou 0 Mendoza 114
pa33ageiros.
Generos de estiva.- 0 Maul : 1 trouxe :
200 barris e 225 meios de manteiga a Harys-
T.cndi & Labille ; 24 cerveja e 30 ditos vinho a
Turpin ; 20 diias cognac a A, F. de Oliveira & C,
20 a Beltrao & Filho; 3) ditas sardinhas a Ma-
noel da S. Fari 1; 12 dilas massas a Paula Ramos;
queijos 5 caixas a Keller, 22 a ordem, 25 a A. M.
Monteiro, 30 a Fernandes da Costa, 50 a Bastos e
Sa, 35 a Cardoso Marlins, 8 a J. J. Alve*. 40 a Le
bre & Reis, 32 a Ka & Filhos, 100 a B.Tomson
& C, 21 a A. F. Corga, 27 a Beltrao & Filho 17
,1 Domiogos Cruz, 5D a Souza Bastos, 17 a Lima
& Silva.
Guvcrnodn bispado. -Pot actos de6do
corrente foram nomr>ados : vigario enoommenda-
do da freguezia de Sant'Anna em Bom Jardim, 0
Sr. padre Getuli0 Vespasiano Augusto da Costa,
licanio oxonerado de igual commissao na fregue-
zia .!e Muribeca ; vigario encomm-nda-lo da fre-
guezia de Munbeca, o padre Manoel Elodio Fer-
reira, por am anno ; e renovaia por mai- um an
no, a pruvisfto de coadjuctor da freguezia de Bom
Jardim, a favor do padre Jo.:6 Francisco de Souza
Barb'jsa.
Pur acto de I, tambern do correale, foi manda-
do contiauar por mais tres anaos ua Cregaetia de
Nossa Senhora da Conceicio do Pao dos Ferros,
-no Rio Graude do Norte, 0 p..dre Antoaio Fernan-
'l a da ilv;i Quciroz.
Inttruceao publica. Pela respectiva re-
p&rtigao faz so publico que foi mnltadd em 50*
por t r abandi.nado 0 exercicio de suas funcQoes
0 professor publico de Mai a lio'ua, padre Jose
Procopio Pereira, cujo domicilio nao e" contio-
cido.
Novo juizado municipal. Pelo decre-
tu n. 5,552 do 20 de fevereiro foi ersaoo 0 lugar
de juiz municipal e de orphaos no teruu do Tain
boril, da pruvincia do Ceara.
f'ian!v.i d's thesoureiros de poli-
eia Em 20 de fevereiro e sob 0 n. 5,556 foi pu-
blicado, pelo ministerio da justif.a, 0 seguinte de-
creto ;
Hei por bem, sobre consults Ja sec.;ao de jus-
ti'.'i do consel 10 de estado, decretar 0 seguinte :
Art. 1 E' redujida a 3:000*000 a Saaea dos
ireirqs das secretarias d; pohcia das provin-
cias do Rio Je Janeiro, Babia e Pernambueo ; a
2:000*000 a do thesoureiro da secretaria de poli
cia da provincia de Minas Geraes ; a t:500*'',00
as dos thesoareiros das secretarias do policia de S.
Paulo, Rio Granle Jo Sul, Maranbao e Para; e a
1:000*000 a dos tliesoureiros das secretarias de
pol'Cia de Seigipe, Alagoas, Parahyba e Ceara.
Art. 2 Nas sei-rotarias de pohcia das outras
pro/incias, em jue nao ha the-oureiro. exercera
as resp-wtivas funcjoes, iudepenlenle d3 fianja, 0
eacripturario quo servir de secretario.
Art. 3." Fica revogado 0 decreto u. 3,175 d
z'. do maio de 864.
Distri>aicao dos processes com
anerciaes. -0 decrete n. 3,5>7, dj ministerio
da 1 ustii;a, de 20 de fevereiro, dispoe :
llei por bem, para execufao do decrelo legis-
lativo n. 2,342 de 6 de agosio do anno passado.
decretar 0 seguiute :
-' a Art. 1." Nos iribunaes de rela;;io, em que hou-
ver urn so escrivao de appellagoes e aggravos com-
nurciaes, escreverao com elle, por distrinuicao noa
processos cornmerciaes, os escrivaes dc appellacoes
civeis e crimes da relacao.
Art. 2* Os actuaes es^rivaes de appellacoes e
agt'ravos cornmerciaes conlinuiin a ser tabelliles
privativos do prolesto das lettras de canbio, da
terra e mais tilulos que 0 exigem
a Art. 3. Q iando Dcarem extinctes em cada re-
Iagio todijs os uffleios de eserivao das causas corn-
merciaes em -egunda ins'.ancia, scrvirao de tabel-
liies do protest) le lettras a outros tilulos os es
crivaes d) juizo comraerciaJ da prirneira instancia.
Art. 4." Em falta destes, ou quaada eativereui
iinpedidos, slo competentes para totaar oprpteeto:
1 Os taoelha^s de notas rl 1 lugar, ou os escri-
v%aa do j ib.. de yaz da fora das ciJades a villas.
2.' Os esonva-S dj civel.
Aft 3.' Kioam reozadas as dispo3ico33 em
latterpretttcao do art. 83 do re;?a
laenti de 8 de Janeiro de 1833.-
0 mioister.o la justica em 21 lo fevereiro nlirigio
n scgrjinto aviso ao president da relacao do Ma-
ranhao :
. Aflctwo 0 rwebimento do offlclo qne V. ..
dirigio ejuo 1* iltf corcejite suet, commonica
qne a relacao da % Ltyjajafl^ode funccionar por*
se acharem awaiiiK cite* leseus membros, e so-:
licitando provpmjUs a IA reapeilp, visto parecer-
Ihe que neste aasaalo 6 slawil chamar juizes
de direito, ja porque 0 art. 6* do regnlaraento de 3
de Janeiro de 1833 exige para 0 coraeco do despa-
cho na rojaeao a presenga de cinco desembargado-
res, alem do presideote, ja porque 0 art. 83 do
mesmo regulamento s6 permitte que se chamem
juizes de direito paca 0 julgamento da algum feite,
a nio para sa completar 0 namerq da desembarga-
dores que formam casa Em resposla d.:claro a
V. 6. que tern applicacao aespecie 0 citado art. 83
do regulamento de 3 de Janeiro de 1833, porquan-
to, se para 0 julgamento de algum feito, na falta
de de?embargadores, a providencia lega 6 chamar
juizes de direito, preferindo os mais vizinhos, com
forca de maior razao se davo usar delta quando
ha impedimento prolon^ado de membros do tribu-
nal, a fica este impnssibilitado de funccionar. Deus
guards a V. S. -Manoel Antonio Duarle de Aze-
vedo.
Adiantamento de urdcuado aos
desembargradores 0 mipistario da justica
dirigio ao da'faienda 0 seguinta aviso, em 19 de fe-
vereiro :
t I Im. e Exm. Sr.- S. X. 0 Imperador, atlen-
dendo as difnculdades de transport*; dos desembar-
gadores noiusados para as relates Ae Goyaz e
Cuyaba, houve por bem determraar fque se lbes
abbne ppr adiantamepto, (i_aanlo 0 requereram,
ate seis mezes it-, sens ordenaJos, que serao des-
contados mensalmente pela 5* parte d is mesmos
orJenados. Oe con form ida Jo com esta rcsolucao,
digue se V. Exc. de maodar habilitar a Ihesopra-
ria defaienda da proviscia do Maranhao com a
quantia de 2:000*000, alim do ser aJiantala ao
idesembargador e presidente d 1 relaoSo de Gojaz,
Adriano MaUoel Soares. Oeus guarde a V. Exc
Manoel Antonio Jhwrte de Azebeto
(iratiflcit;( aos ofHclaes de justi
ca-das relac*es.Por aviso de 20 de feve-
reiro 0 ministerio da justica declarou 0 seguiate
ao da fazenda :
Illm. e Exm. Sr. Atlendendo ao que repre
serttaram Jose Ferreira da Itoeha Sampaio e Pedro
Martins Botelho Duarle, officiaes de justica da re-
lacao 4a cirio,. cmhpre-ine deelarar a V. fixe qne;
a label la annexa ao decreto n. 3.457 de 6 de no
vembro do anno passado, na parte em que fixou
para os officiaes do justica das relates a quautia
de 360* como gratiricaca 1, nao prejudica aos que
ja serviam com 0 ordenado de 300*, que devem
continuar a peroeber, na conformidade do decreto
de 22 de Janeiro de 1833, sendo-lhes mais abonado,
a litulo de gratifieacao, 0 acc.escimo de GO* con-
cedido na mesma tabella, pela qual voncera0 a
gratifieacao de 360* soaieate os oSciaos de justi
a das relacSes qu forem nomeados dnp.iis do
lito decreto n. 5,457 de 6 de novambro de 1873.
Deus guarde a V. Exc. -Manoel Antonio Duarte
de Azevedo.
Processo do bispo de Pernambu-
eo.0 supremo tribunal de justica approvou no
dia 28 de fevereiro a sentenca proferida no pro
cesso do Sr. bispo de Pernambueo e que e conce-
bida nos seguintes teruios :
Feito 0 relatorio deste processo crime na for-
ma da lai e obterva las as suas disposieoes :
c Atlendendo qua as irraandades sao institui-
^oes de natureza mixta para cuja existencia con-
correm 0 poder temporal e espiritual, sendo os
respectivos compromissos organitados pelos fun
dadares, approvados pelos prelados na parte espi
ritual e confirmados pelo governo on pelas assem
bleas provinciaes (lei de 22 tie selemnro de 1828,
art. 2.* 11); e assim sao sujeitas a jurisdicrao
ecclesiastica na parte espiritual e a civil ou tem-
poral em todas as mais disposieoes ;
t Attendendo que os requisites que devem ter
as pessoas para poJerem pertencer a taes associa-
tes nao fazem objecto de n tureza espiritual;
Attendendo que sendo indispensavel alera da
vontacie dos funladores 0 oncurso dos dons po-
deres para a decretacao da lei que tern de regu-
lar laes iostitui^oes e marcar os direitos eobri-
gacSes de seus membros, nao pode ser alt^rada
ou reforraada por um dos dous poderes sem 0
concurso do outro e intervonrio da irmandade
(Res. da consulta da 15 de Janeiro de 18G7 ) ;
< Attendendo que a dechracao de incapacidade
de ceria classe ou individuos em pertencer a taes
associates por motivos nao declarados nos res:
pectivos compromissos, importa reforma ou alie-
racao delles;
"Attendendo que 0 accusado ordenou a mesa
da irmandade do Santissimo Sacramento da igreja
de Santo Antonio quo expehisse do seu gremio um
certo e determinado individuo por pertencer a
sociedade maconica permittida pelas leis do impe-
rio, e bem assim todos os mais irmaos que esti-
vessem no mesmc caso ;
0 attendendo que, recusando-se a irmandade a
cumprir tal ordem por contraria ao comprooiisso,
0 accusado fulmuaou contra a mosma a pena de
intcrdiclo sem proceder a quaesqucr informacoes
e nem ir.e-mo a ouvir os interetsados ;
AltenJeiil0 qua assim proceJendo, 0 accusado
arrogou juris iiccao c poder temporal e mais usou
de notoria violancia 110 ezercichi do poder espiri
tual, posterganJo na imposicio da gravissima pena
de interJicgao u direito natural e os Canonos re
cebidos na igreja brasilieose ciue nao consentem
que alguem seja condemnaJo satn ser ouvido, ob-
serva Jos os termos da defeza ;
t Attend-ndo que, inlerposto 0 recurso a co-
roa, antorisado pel) decreto n. 1,911 de 28 de
marco de 1857, de conformidade com a legisla-
jao anterior, 0 accusado recusou responder a elle,
desconhecendo sua legalilade, e dejidido 0 mes-
mo recarso, sendo lhe transmittida a resoluvao
imperial para cumpri-la, nao so deixou e 0 fazer
como tambern intftou os vigarios a que igualmen-
te deixassem de cumpri la, araedrontando-os com
a pena de suspensao ex informata consctentia de
que fora victima um que se mostrou hesitante;
Attr-ndendo ipie o accusado como empregado
publico (acto addieional a eonstituiclo art. 10 7u)
em sua eltva la posicio devera ser prompto e so-
licito em cumprir e fazer cumprir pelos sens sa-
bordinadns as leis do paiz, mas grave se toriiou a
sua recusa e o'>stinacao a ordem legal, chegando
ate a considerar como heretica a materia do re-
curso a corta e 0 phrel (offlcio de 6 de julho de
1873);
AtlondenJo, finalmente que pelas razoes ex
postas, a presents causa e da alcada do tribunal
c que 0 accusado com 0 sou procedimjnto imps
dio e o'nstou OS effeil 9 da determinaeao do poder
executivo, enntidos naquella resolugao, como se
acha pleuaoienle provado dos autos :
Julgam ter oRviii. D. Frei Vital Maria Gon-
grao meJio do eodigo criminal, e o condemuam a
4 aunos do :irisao com trabalho e nas custas
t Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 1874.
Brito, presidente Leao, relator sem veto. Vei-
ga. Barao dc Montserrat.Simoes da S(7.i.
Villares. Valdetrro. A Ibnquerque. Julguei 0
re 1 luenrso n:i pena do arL 128 do eodigo crimi-
nal pela Jesobe Jiencia on por ter deixado de cum-
prir a decisao do recurso, materia principal do
aviso que determinoa a denuneia.Costa Pinto.
E por outros fundaraentos expostos na disenssao.
-Barao de Pirapama. -Julguei oullo 0 processo,
nao SO pela incompeteucia do tribunal para julgar
causas pur.imente espirituaes, como e expresso na
lei de :8 dc agoslo de 1851, como tambern ior
Laj sc achar prescripta e regulada a forma do
processo para 0 julgamento dos bispos. Mas co-
mo isto se nao venceu, abslvo 0 accu-ada por nao
oaver lei alguma penal applicavel a especie om
Nesse mesmo dia enviou-se ao minisferio da justi
ca copia da sentenca, e foi desta intimadc 0 Sr. bis-
po por inlermedio do Sr. Dr. Pedreira, secretario
do tribunal.
Proeesso Visgaeiro 0 desembargador
Ponies Visgueiro, contrariando 0 libello, que ha
dias publicamos, requereu que fossem inqueridas
algumas testeiounhas de defeza na capital do Ma-
nipatiT e 0 supremo tribunal de justica dehberou,
no dia 8 de fevereiro, que elle as faca vir a c6r-
te, a sua cuata, para serein oavidas no di do jul-
g.nueut', segand 1 ve-se do seguiute despaeho:
. Competindo ao reo apresentar perante o tri-
bunal as test mannas da sua defeza, as quaes exis
tern na cidado do Maranhio, concede-.-e-Ihe 0
prso do 30 dias para as fazer vir, alim da (or In
gar 0 jalga nento. Rio de Janeiro, 28 pe feverei-
ro de 874. -Simoe An Silva.
Ulamlnacao a gaz da cidade fie
Guyanna i'elo djcrelo n. 5,555 do 20 de fe
vereiro, do ministerio da agricnl.ura, foram appn-
vados os estatulos da companhia de illuminaQao a
gaz da cida to de Goyanna, e c >n :e leu >. autori
saeao para funccionar.
Nao foi a^rraciado. -0 reo Alexaii,- da
Paixan BrandSo, condemnado em 1*. de di-zembro
de 1866 a pena de 12 annos de priao com iraba-
IbO, em virtude de decisao do jury da capital la
provincia Jo Maranhio, por crime de hi micidio
comtnealtrho a 7 do mesmo mez.
Armada brasileira. -Por porlarias de
20 de fevereiro, do ministerio da raarinha :
Foi exonenlo j seu p9tlido, 0 sapitao de fragata
Helvecio de Sonza P|ftental dafcommando do en-
conracado Herval.
Foi nomeadJ>^enenta.T||rppe Ferdandcs de
Castro secrelti*)^e ajudtate da r4ens do com-
mando da ItaiitV) atul do 3*itncto.
Foi tranjfctWo o-<*Lleiiente*LrT5erato Lins Ca
valcante de Odvaira dpicofuraaado do vapor Chug
para o do Antonio Jo do.
Dados estati.sticos.Dos uiappas, orga-
nisados pel 1 directoria geral da estatistica, onsta
que a-f rovincia'do Hio-Grande do Norte tern a po-
pulacao de 233,979 habitantes, asshn dsecrimina-
dos: Considerada em relacao as suas eondic5es, sio
livres 210,959, escravos 13,020.
Em reJacjo aos w^cos : sao lifros. 1*2,721 ho-
mens e ft)8,238 mulhera;; esqravos 6j5fl homens
e 6,449 mulheres.
Em relacao aos estados civis, sao livres 80,803
sotteiros, 26,433 casados e 5.086 viuvos; 75,915
solteiras, 26,735 casadas e 5,588 viuvas ; escravos
6,703 solteiros, 307 casados e 61 viuvos ; 6,099 sol-
teiras, 281 casadas e 67 viuvas.
Em relacSo aos sexos e racas, sio livres 52,835
brancos, 42,213 pardos 12,202 pretos, 5,471 cabo-
clqs ; 49.630 brancas, 41^77 pardas, l|,163 pre-
tas a 5,538 eaboclas; escravos 3,183 pardos, 3,388
pretos; 3,171 pardas, 3,278pretas.
Em relacao a religiao, sao livres-112,717 catho
licos, 4 acalhoficos" e 108^38 catho'icas; escravos
6,571 caiholicos e 6,449 catholieas.
m relacao a nacionalidide, sao livres 112,305
brasileiivs e 416 estraugefros, 108,078 brasileira* e
160 estrangeiras. Oos escnavos ^ao nascidos no
Brasil 6,328 do sexo raascuhno e'6;271Mo femini-
110. Nao nasomm no Brasil 243 I escravos e 178
e sera va;.
Km relacao a instruecSo, sahem ler 0 eserovcr
XifiOi homeas e 16,220 mullieres; .4 lumens e 2
mulheres escravas ; sio analphabelos >89tH9 ho-
mens e 92,018 uuiloares-livres ; 6,567 escravos c
6,447 escravas. -A papula can escoiar de 6 a 15
annos sobe a 43,220, sendo 21,305 do sexo mas-
cnttno e-21,015, do femininoassim rjfstribnldas:
frequentam eacoUs 2/j40 meninos e 1,038 meni-
nas, nao freqw.iuam escolas 18,662 meninos e
19,857 meninas.
ExiEtec na proriucia 35,702 oasas, sendo 35,009
hahitadas e693 .deshabitadas. Conta a provincia
33^10 logos.
Vassamen to Lemos no Jernal do Com-
mercio, da curto:
< Fallaceu hanlem 28 da fevereiro, as 5 horaa da
manha, em sua residencia a rua de Jose Bonifacio,
em S. Domingos, 0 almirante Joio Maria Wan
denkolk, barao de Araguary.
0 linado nascCra em Portugal a 30 de agosto
do 1806, e entrara para a armada imperial, cobo
aspirante a guardamarinha, era20 de Hovembro
da 182-2. Passou a gaarda-marinba, am 18 de de-
zemtoro de 1823; a 2 teBente.em 12 de outdbro
de 1825 ; a 1* teneute, em 18 de outabro de!8?9;
a capitao lenente, em 23 de nutubr.o de 1836; a
capitao de fragata, em 2 de dazembro de 1839 ; a
capitao de mar e guerr-a, em 14 de-marco de 1849;
a chefe de divisi), em 2 de dezembro de 1834;
a chefe deesqnadra graduado, em-2de dezembro
de 1802, e a effectivo, em 21 de Janeiro de 1867;
a vice-almirante graduado, em 2 de dezembro de
1869; e em Janeiro deste anno, fora reformado no
posto de almirante.
-ervio como ajudanle de ordens do barao do Rio
da Prata na gaerra entre 0 Brasil e 0 Rio da Pra-
ia ; commandou diversas divisaei ; como corn-
man Jante di corveta nacional Euterpe fez parte da
esquadra que foi ao Reino das Duas Sicilias bus-
car S. M. a Imperatriz em 1843 ; servio os cargos
de intendente, de chefe do quartel general da ma-
rinha e de membro do conselho naval, e era actual-
meule 0 director da escola demarinha e coinman
dante gcral da companhia de aspirantes a guardas-
marinna.
a Era condecorado com as commendas das or
dens de S. Bento de Aviz e de Chrislo, com os ha-
bilos da imperial ordem do Cruzeiro e de Fran
cisco I. de Napoles, e com a med.lha da divisao
cooperadora da Boa Ordem.
Em 10 de maio do anno proximo passado, fora
agraciado com 0 titulo de barao de Araguary.
_0 almirante Wandenkolk era tido na corpo-
racao da armada como militar severo, respeitador
da lei a de uma lionradez a toda a prova. Tinha
graude nuraero de amigos, qne 0 apreoiavam
pelo seu geaio affavel e pelas suas virtudes domes-
ticas
< 0 sau cadaver deu-se a sepultura, as 5 boras
da tarde no cemiterio de Maruhy. Fizeram-lhe as
bonras funebres, a porta de sua residencia, 0 bata-
Ihao de fuzileiros navaes, e no cemiterio, 0 bata-
lbao 14* de infanteria de linba
Conselho supremo militar de jus
tica. -Achando se no dia 25 de fevereiro presen-
tes os conselhciros de guerra, Duque dc Caxias,
Bitteneour.t De Lamare, Nunes de Aguiar, Barao
de Angra e desembargador Lisboa ; 0 1 destes
senhires declarou que nao podia haver sessao, por
nao ter comparecido neuhum dos senhores des-
embargadores d*sigoados para substituir os im
pedidos
Na sessao de 23 de fevereiro acharam-se nre-
sentes os conselheiros de guerra Bittencourt, Ba-
rao de Itapagipe, De Lamare. Baroes da Gavea e da
Angra, conselheiro Beaurepaire Rohan, edesera
bargador Lisboa Camara, e achando se tambern
presente 0 Sr. desembargador Antonio Francisco
de Azevedo, nonioado para servir nos impedimen-
ts de urn dos ministros adjuntos, prestou jura
memo e tomou posso. Foram julgados osproces-
sos dos soldados do exercito : Julio Anacleto do
Espirito Sanlo, Ceciliano Gon^alves Gamboa, Ma-
noel Barbo.'a dos Santos, Manoel Alves Barbosa,
Hygino Pereira dos Santos, Joao Pereira do Nasci
memo, Romao Baptteta do Nascimento, Victor
Jos6 de Souza, Antonio Fernandes de Lima.
Provincia da Para3iyba Duma car-
ta da capitil, em data de 4 do corrente, exirahi-
moso seguinte :
En a noite de 20 da fevereiro aqui chegou do
termo de Cajazairas 0 Dr. Manoel Caldas Barreto,
digno chefe do policia Jesta provincia, onle, por
determinaeao da presidencia, instaurou processo
aos barbaros autores da morie do sargento, com-
manJante Jo destacameuto do Santa Fe, pralicada
deiitro desio povoaJo, as 2 horas da tarde, por
um grupo de faeinoras. Os denuociados, em
numero de 6. todos da funige-rala familia dos
Barn >-a- de Lyra, foram por elle pronunciados
cjmi incursos no art. 102 Jo eodigo criminal, e
todas as prond.meias, para 0 flm de serem elles
capiurad-is, foram dadas.
No dia 19 de fevereiro, urn grupo da 30 oes
soas, tenJo a sua freute os celebres criminosos
Ji-suini) Brilliant" e Joaquim Monteiro, autores de
assassinato do JelegaJo lenente Birr is. crime este
ale hoje impuiie, nao ubitante ter sido praticado
ha 11.11 anno, asoltou a cadeia da cidade do Potn-
bal, e conseuuio lirar 43 criminosos, algun< Jos
quaes ja defimlivamenle condemnados, so ficando
aquelles que nao quizeram sahir.
t A maneira porque se houve 0 dastaeameuto,
quo se co npuuha Je pra;as da guarda nacional,
abandonando seu posto, e deixan lo so 0 delegado
Je policia. cipiiao Peixoto do Vasconcellos, em
conjuo'clura tao grave, faz nascer a convic^ao de
que houve intelligencia entre elle e os assaltantes.
a De accor lo com a pre-ideucia tomiu 0 Dr.
chefe de policia as providencias p>ssiveis afim de
serem de novo recolliidos a prisao assas 43 feras,
e para isso seguio para 0 centro da provincia to
da a companhia de infanteria hgeira, sob 0 com-
mando do capitto Mathias, con toJas as ordens a
meios necessar os a ter resultalo sua commis-
sio.
Essas occurreucias e outras providencias a
tomar, fa en com que 0 nosso Jigao chefe da po-
hcia, Dr. Cat Us Barreto, nao possa seguir ja para
ahi all 11 de tomir assonto ua assemblea provin-
cial."
Pagadoria da tliesourariit de fa-
zenda. Nesta estacao pagam-se hoje as se-
gumtes folha< :
Do arsenal de guerra e dos pensionistas.
Flores transplantadas. Coin esse hem
expressivo titulo ac; ba 0 Dr. fold Ba tista Riguei
ra Costa de enlregar ao prelo uma colleccao de se-
lect s poesias d >s mais nelebrados poetas france-
zes por elle trasladadas a portnguez.
A reputacao ja negura de que dispoe ta repu-
blic! das lettras 0 autor desse livro a apparecer,
mais se consnlidri e di'atira ao reVelar, a *arta,
com a publicacao ita- Floret transplantadas a no-
tavel espeeiali l-i-le de bu .1 verso lismta, a eojo nwtro suboi dina, por via
d regra, a versao.
Igu.ilinente habilitado em ambasas linguas; de
;,., .jjinacio petulauta e esplindiJa, -ofcre =er na-
tur.iluente poeta de in%)iracao elevaJa ; Baptisia
II i -ira, c"ra smo poeta que traduz, fallanJo a
uosa lingua
t'.u' ladoso na nsc, I ha das. poesias Jequese com
poe a collerfi do s .as traducgoes ; seu livro, a
' ;to Ja proi-osital indiderenga com que sao
tratnJos entre n6s litteratas e litteratura, fara car
niri ; sera bem succedido ; porque aquelles, os
lilt- ratos, sao uma sorte de contrahandistas das
joias do geoiOi para os quaes jamais liavcea flscq;
que sirva.
Esperantos com so'regTii4ao -As fores trans-
3tilad<:s.
Loteria do Bio de Janeiro Aesumo
'""a da 13." loleria ($97.') ejh benedcio do
de eaaaacipacaj, extrahida.a'iB de feve-
r s......................
3698......................
II. 718....
2i:OOT*000
10:000*000
4:000*000
2:000*000
Ns 3479 e 4531 1:000* a cada am.
Ns. 2293, 4643, 3063 e 5083-800* a cada am.
Pis. 122, 3140, 2663, 3733, 4692, 4318, 4400,
4744, 4816 e 5738-200* a cada um.
No. 290, 437, 753, 7#1. 1626, iB3, 2131, 2143,
2173, 2483, 2747, 2856, 2874, 2026, 2987, 3924,
4130, 4403, 4873 e 5239-100* a cada um.
Si t, 109, 209, 373, 429, 640, 821, MO, 891,
93o 950, 981, i002, 1069, 1167, 1202, 1407, 1513,
[llb II87- ,8i7. ISttl- I97i, 2154, 2236, 2488,
2o32, 26.12, 2683, 2845, 3134, 3134, 3272, 3307,
3371, 344$ 3684, 3823, 3841, 3912, 4029, 4127,
*jg* ? 4237>4321' i429> ii3- i473. 4767>
47% 4883, 4918, 4939, 4933, 3019, 5207, 5338,
a498 e a786-40* a cada mm.
Vraeianoas. Foram lidos na igreja do Ro
*ano, qua serve da matriz da fregueaia de Jtooto
Aotonio, no domingo 8 de marco, os seguin-
tes :
1.* denunciagio.
fiacharel Candido Alves Macaado, com Guilher-
mina Eduarda Maciel da Silva.
Silvestro Caetano do Monte Rlbeiro, om Raflna
Maria da VisiUgio.
Joao ttod/igues Marins, com Maria Kerreira da
Costa.
'BmiKano Cyriaco da Costa, com Benedicta Ma-
ria do Rego Cavaleaate.
Jje*de Soaza Raposo, eom1 Felicidade Maria da
Cpncoicao,
I .'Aotonio Jose de Carvalho, com Prancisca Rofi-
na do Araujo.
Joao Redrignes de Souza Junior, com Carlota
Augusta de Miranda Lobo.
Bernardo Antonio da Mutta, com Haria Rosa da
Coneeicio Moraes.
Jovino Teixeira de Carvalho, com Joaquina
Joanna da Coneeicio.
2." denuoeiacSo.
Manoel Felismino de Andrade, cDm Dionisia
Amaiia Ferreira-
Manoel Lourengo da Silva, com Jacintha Cain-
pello de Moraes.
Henrique Bernardes de Oliveira Junior, com
Julia da Silva Tigre.
Bernardino de Senna Moniz, coin Amelia
Deolioda Guedes Alcoforado.
Maximiaao Felisberto de Araujo, com Thereza
dos.Santos Torres.
Jose Lino de Cauto, com Olindina Falicissima
Cirne de Souza:
Bacharel Venancio Augusto Magalhaes Neiva,
com Joanna Baptisia de Kigueiredo.
J.* denunoiaoao.
Jose Soares Pinto Corroi, com Margarida Ade-
larie Pinto.
Conrado Vieira da Cunha, com Francelina Ma-
ria Vieira da Conceicao.
Antonio Joaquim des Santos, com Francelina
Cassia de Araujo.
Angelo Roque, com Antonia Praxedes do Carmo.
I-oteria. -A que se acha a venda e a 91.*, a
benellcio da igreja matriz da Varzea, qne corre no
di> 13. i
Leilao. Conforme esta annunciado, deve
ter lugar por intervencao do agente Piuto, no dia
II do corrente o leilao de moveis, lonca e crys-
tacs, no armazem da-rua do Bom Jesus n. 20.
Outro No dia 12 effectna 0 agento 0 mes-
me agente, no armazem da companhia pernambu-
cana, 0 leilao de generos de estiva.
.Vinda outro. No dia 13 effectna o mes-
mo agente, um leilao de fazendas avariadas, em
seu escriplorio, rua do Bom Jesus n. 43.
Casa de deteneao.Movimento da casa
de deteneao do dia 6 de marco de 1874 :
Existiam nresos 319, entraram 2, sahiram
3, existem 318.
A saber :
Nacionaes, 243, mulheres 8, estrangeiros 28,
e.cravos 38, cscrava 1.Total 318.
Alimentado3 a custa dos cofres publicos 251.
taovimenlo da enfermaria do dia 6 de marco
de 1874.
Tiveram haixa :
Antonio Joaquim da S.lva, syphilis.
Esieviio J. dc Santa Anna, fehre.
Antonio Pereira dos Santos, ophitalmia.
Teve alta :
Jose Angelo de Souza.
Passageircis. Chegados dos portos do
sul, no vapor brasileiro II ihia :
Joaquim Soares Guimaraes, Francisco J. Gomes
Brandao, J. H. da Trindade, J. S. Vieira de Mello,
Francisco M. Esteves, J. de S. A. Borgerih, Ma
noel Antonio F. da Costa, Dr. Francisco da Cunha
M. Beltrao e am escravo, Dr. Fernando Lobo, Dr.
Joao Vieira da Silva Mendes, Jose B. Vieira Bar*
cellos, Manoel de Mesquita Cardoso, Francisco M.
da Silva Ferreira, Raymundo llonorio da Silva,
Eduardo C. Azevedo Liuia, Estevao da Cunha, Ma-
ximiano Jose da Silva, Amancio Olympio de Bar-
ro3, Jose F. do A. Z. Netto, um imperial marinhei
ro, tres pracas, Tnoine Allotuo de Moura e um
criado, Juvimano A. P. de Maltos, Antonio Peres
d.i Soaza, Augusto Teixeira de Azevedo, A. Isaac
Emely, FreJerico Francisco Franca, Jose A Botto
Barros 0 um escravo, Joao Nepomuseuo Torres,
Dr. Luiz Baptisia Je Souza, Dr. Napoleio Simoes
Je Oliveira, Julio Pereira de Carvaluo, Joaquim
Ignacio da Costa, Antonio Dias de Azevedo Falcao,
2* tencnle Thomaz Augusto D^noly, AJolpho Fre-
Jerico Tourinho, Joaquim Pereira ilello Moraes,
Jose Dantas Itapicuru', Jeronymo M. S. Arag.lo e
um escravo, Francisco Monsao e um escravo, Joao
Baptist* Touriniio, Felix F. de Carvalho, Alexan-
drino Dias Guimaraes e um escravo, C. Arander
Llndon, Isaias G Je Mello, Nilo Romero e um es-
cravo, Joaquim Ja 0. Braga, Custodio J. Ja Silva,
Eliseu Ja M. Pinto, 2 sargeuto Silverio Jose" da
losta, Francisca I iberala, Lino, Furtunalo e Miguel
(libertos), F. Jose Maria, Joquim Vieira da Silva,
Francisco E. Pereira Je Novaes, Dr. Salvador R.
Silva e um criado, Manoel Francisco Tourinho,
Dr. Alexandre 3. P. do Carmo Junior, Sabino 0.
L. Pinho, Adolpho M. de Barros, Rodrigo C. de
Araujo e nm esvravo, Antonio Quintella Correa,
Aureliano N. Je Vasconcellos, Joaquim A. Villa-
rouca, Cypriano Fraacisuo das Chagas, llonorio L.
dos Santos, Manoel D. da Silva, Clemente Ferreira,
Autonio Joaquim de Faria, Joaquim F. Dias, Ra-
phael A. V'az da Silva, Francisco Furiado, Manoel
Joaquim A. Lins, Joaquim Jose de A. Vasconcel-
los Manuel Jos6 Je Araujo Vasconcellos, Aristides
A. R. Conceicao, Antonio Francisco Maia, Antonio
Ja C. Luna, J. F. Lobo e um criaJo, Joaquim
Marques Ja Rosa, Antonio T. Goes, Benlo Jose Ri-
beiro, Eugenio A. ao Nascimenlo, Jose Maria
Garcia
Em transito :
Clementiuo A. de Barros, Dr. Antonio M. Sodre
Aragao e um criado, Dr. Casemiro Francisco Bor-
ges, L. J. de Avellar, J. da Silva Buloao, Dr. Car-
los A. Quadros, 7 pracas.
Chegadjs da Europa bo vapor francez Men-
doza :
P. Girard, J. Etchegore, ySimon Levy.
Seguiram para os portos do sul no vapor
Mendoza :
Barao da S*nta Cruz. Francisco de Paula Gon-
calves da Silva S ibrmho, Francisco ignaeio Pe-
reira do Carm Francisco Marques d1 Souza,
Jose Bonifacio de Medeir >s, Carlos Bittencourt,
Agostiniio Ferreira Lustoza, Frucluoso de Souza
Dias, Jose Pe eira Arantes, Antonio Alfonso Ri-
gneira, Pereira Maia, Autonio de Arruda Beltrao,
Ignacio de Arruda Baiirio, Pedro de Carvalho,
Cincinato R6I0, Joio da Costa Espianeiro, Dr.
Antonio Jose Rodrigues de Oliva Filho e Augusto
Meily.
deiembarfador Reis SiJva :
Appellafoes civeis.
D'Agua Prela. Appellaote Antonio Baplista
Nogoeira, appellado tenen/e-coronel Manoel Joa-
quim do Rego Albuquerque.
Do Recife.Appelfante Itaooel Cavalcinli de
Moura, appellado Jose de Freitas Barbosa c ou
tros. .
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao
Sr. desembargador Reis a Silva :
Appella.-oes crimes.
De Pao de Assucar.Aopellante 0 juizo, appel-
lado Joao Rodrigues Pereira Filho.
Do Assari -Appellants o promoter, appellado
Jose Francisco da Silva.
Da afaioridade.Appellanta 0 juizo, appellado
Augusto de Araujo Ferreira.
De Aguas Bellas. Appellante 0 juizo, appella-
dos Candido Rodrigues Lins de Albuquerque e
outros.
Appellagao civel.
Da Imperafrrz. Appellant) Manoel Barbosa da-
Miranda, appellado Manoel Pedro de Oliveira.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Armenia Albuquerqne:
Appellatao crime.
Anpeljante 0 jnizo, appellado Pedro Alexandri-
no da Costa e outro-> appellante Jos6 Pereira de
Sonzi, appellada a jnstica.
Appellagao civel.
Appellanie Daniel Antonio dos Reis, appellada
D. Julia Prancisca de Jesus Bastos.
Appellagao- commercial.
Appellante Dr. Jesuino Augusto dos Santos- Mel-
lov appellados os adrcinistradores da massa falli-
da de Fernando Siepple da Silva.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar
gador Domingues Silva :
Appellagao commercial.
Appellante AquiKao Bezerra de Manezes, appel-
lado Jose Cavalcanti de Albwjuerque.
Appellacoes crimes.
De Villa Bella.Appellante o promotor, appel-
lado Izidro, escravo.
De-Malta-Grande. Appellaate Antonio Fran-
cisco dos Santos, appellada a justica.
Do Ceara-merim.Appellante 0 juizo, appellado
Francisco de Souza Le5o.
Do Maceio.Appellante 0 juiro, appellado Luiz
Henrique do Orago Carvalho.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes :
Appellagao commercial.
Appellante Amaiia Leidem, viuva de Henrique
Leidem, appellado Henrique Krans
Do Sr. desembargador Domingues Sil va ao Sr.
desembargador Souza Leao ;
Appellagao crime.
Da Anadia.AppeHante Pedro de Barros Castro
Hello, apeilada a jusiig.i.
Diligencia crime.
Ao Sr. desembargador promotor da justiga :
Da Floresla. Appellante Laurentino Lopes da
Silva, appellada a ju?tiga.
De Pao dos Ferrus.Appellante 0 promotor, ap
pellado Francisco Moreira de Carvalho ; appellan-
te Bernardino Rodrigues. Marques e outro, appel-
lada a justiga.
De Bezerros. -Appellante 0 juizo, appellado Ma-
noel Marcos da Silva ; appellante 0 juizo, appel-
lada Joaquina Constantina do Prado.
Diligencia civel.
Ao Dr. curador geral :
De S. Miguel.Appellante Guilherme Ferreira
Ferro, appellada a baroncza de Giquia.
Do Recife.Appellante Antonio Annes Jacome,
appellados os herdeiros de Enzebio de Paula Pinto.
. A-si.u'iiou se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
Appellagoe3 crimes
I^Appellante e apoellado juntamene 0 juizo e
Francisco Antonio da Silva ; appellanie Bernar'i-
na Jose dos Anjos, appollada a justica ; appellante
Bernardo Simao Alv-s. apuellada a justiga.
Appel'acao civel.
Appellante 0 juizo ex-offlcio, appellada D. Moni-
ca Prancisca do Espirito Sanlo.
DISTRIBL'igORS.
Aggravos Je pelican.
Ao Sr. desembargador Freitas Henriques :
Aggravante Silvauo Thomaz de Souza.
Ao Sr. desembargador Silva Guimarao3 :
Aggravante Joao Luiz Goncalves Ferreira.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago :
Aggravante Bento Augusto da Silva.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Aggravante Joaquim Silverio de Souza & C
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Aggravante Francisco de Soaza Monteiro.
Appellacoes crimes.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes:
De Camplna. Appellante Anna Thereza de
sus, appellado Joao de Barros Souza
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago :
Do Pilar. Appellanie Antonio Joao Carlos,
pellada a justiga.
Ao Sr. desembargador Beis c Silva :
Da Assemble.!.Appellante 0 juizo, appellado
Maximiano Jose.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Bananeiras. -Appellante 0 juizo. appellado
Bernardino Gomes de Amorirn.
Ao 5r. desembargador Accioli :
De Bananeiras.Appellante Jose Bernardo Mo-
reira, appellada a Justiga.
Ao Sr. desembargador Drmingues Silva :
Do Recife.vppi-llante 0 promotor, appallado
Jose Viciorino.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Do Porto Calvo.Appellante Antonio Francisco
dos Santos Garaa, appellada a jnstiga.
Nio sa julgaram mais feitos por nao Inverem
na rasa juizes desempeJiJos.
Encerrou-rc a gessio a inoia era depois do
meio dia.
Je-
ap

*nmmv\ juimciaru,
IdlUIVVI, 0.4 ttBL. 1C40
SKSSAO DE 7 DE MARCO'. DE 1*874.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO CAE -
TANO SANTIAGO.
Se-retario Dr. Vugilio Coelho.
As 10. honls da manha, preseotes os Srs. des-
einhargadores Silva Guimaraes, Lourengo Santia-
go, Beis e Silva, Accioli, Bomingaes Srlva e Frei
tas Henriques, procura lor da eoroa, faliando com
causa os Srs. desembarg*dores Almeida Alba-
querqw fl Soaza le*i, abmo-se a sessao. v
. JULGAMK--TOS.
Agftravoe. de petigao.
Afgravanie Jose Igtiacip do Avila. Juizes os
-ns.desemiiafgadones' Asclali, Lourengo Santiago lencia, ja nao podia sjr preso 0 devedor de ma f6,
Hasnunguapo.
COMO O SR. DR. JUIZ MUNICIPAL MAXOEL JU-
VENAL RODRIGUES DA SILVA ADMINISTRA
JUSTICA.
II
0 despaeho pelo qual 0 Sr. juiz municipal de
Mamanguape recusou-se fazer cumprir a precalo-
ria expedida pelo juizo espeeial do eommercio des-
la cidale, foi concebido nos seguintes termos:
Deixo de man Jar cumprir a pro-ente pronto*
ria, porque ainda quanlo fosse 0 juizo deprecante
comoetente para expedir orJem de deteneao pes-
soal em oulro juizo, mesmo assim, por sentenca
desta data, foi por este juizo declarada a fa'leneia
do Jeprecado ne.'ociante matriculado Pedro Lopes
d' Mendonoa a reque.rimento seu. Pelo que do
volva-se esta ao juizo deprecante, pagas as custas.
Ve-.-e do despaclio quo 0 Sr. juiz municipal
procurou agarrsr se a duas amarras, certameuto
porque sentio que qualquer dellas era assas fragil.
Posto qua S. S. parega por a inargem a questao
de competencii do juizo deprecante, acha-so tida-
via bem claramente manifestado 0 sen juizo sobre
essa incompetencia ; mas se 0 Sr. juiz municipal
nao queria ba-ear 0 seu despaeho em tal funda-
ment >, a que veio p6r em duvida a corapelencia
do juizo depreciinte T
Pois ignora -. S. que a detengao pessoal e" um
acto preparatorio, e por conseguinte da competen-
cia do juiz que tern de ser c da aecSo principal ?
Nao leu S. S. a precatoria e nao vio constar della
que fora ;'requerida e expedida a vista de leltra
venjidas, nas quae.i o devedor renunciava 0 foro
Je seu domivilio e obrigava-se a respon ler no des-
ta ciJade ? Nesta caso, dada a renuncia do foro,
poieria jamais coutestar-se a competencia do juizo
do eommercio desta cidade para que perante elle
corresse a acgao principal ? E se era oompeten-
te em relagao a esta, nao 0 seria tambern em reia-
(io ao acto preparatorio ?
Ab I A precatoria desconcertoa 0 devedor fraa
dulentir e sens protectores ; 0 que se quiz foram
pretextos para nao ser cumprida 1
Nao 6 mais procedente e jundica a segunda ra-
zao allegada para daixar-se de cumprir a precato-
ria. Essa razao 6 0 facto de acaar-so ja declarada
a fallencia quando se ia reaUsar a deteneao.
Sabemos que nesta parte 0 Sr. Dr juiz munici-
pal pode hoje defender-Be com a autori Jade do lion-
raJo Dr. juiz de diroiio daquella comarca, o qual
por ess razao somento danegon provimantu ao
aggravo interposto do despaeho acima transcripto ;
mas b respeito qne nos merece 0 digno juiz Jo di-
reito nio ohega ao ponto de desconhecermos a ver-
dade ante 0 quo prescrave a lei e nos informam
pessoas haliililadas e competantes.
Pesconhecemo' a razao porque, declarada a fal-
Nao sera anbar da nos 0 dfter-saajM 0 aoasv
dsveder Pedro Lopes da HtaaVwca, 0 qiut nm
marco do anno passado veio aqui aolllottar e ottu-
ve um nao peqneno abate e em dta* M jammm
ultimo veio sollicitar segondo, tondo afVawatada
sua declaragao de fallrdo em 12 de fevereiro, iMo
em tempo?
E poiera iavocar em sen favor 0 dtado
823 0 devedor, a respeito de quem antes de
apreseotacao- como fallido se tern em jnizo |
sentenca decretado a ana deteacio ?
Dosde que esta e derretada em juizo, vai jk ala
0 reconheciraento da exi
de fraude, pois somente por esta se jasbica a eV-
tencae.
E, portanto, como deixar de realisar-se a deten-
eao ja decretada, so porque 0 devedor Man mo-
raento dtclarase fallido f
A disposicao do ariigo 3 737 quando diz que a dettnfao petoool retitef-ar
pela prisao criminal no cato 4a [aUtncn, aao*
deixa duvida sobre 0 caso: de tal diaposifa>< mo-
sulta bem claramente que a detea<;io pa4e sr
nrida como preparatorio da taWaacta e <|-ie t
aragao desta nao tica aquellj ara)dica Parcce nos, pois, evidenteque deixaudodel
prir a precatoria do digno Dr. juiz do eommercio
desta cidade infrb)gio->e a lei; mas contra o Sr.
Dr. juiz municipal de Mamanguape sao as nossa*
queixas, nio Ualo de haver iniriognio a lei, 0 ejoer
ja ii inuito, como do modo p> rque o tez, o aae piir
em alto relevo a sua intengao.
Antes de tudo eBotavel a coinciden -is de abrir-
se a fallencia ao devedor noruasmo di> *m qne era
apreseolada ao Sr. Dr. juiz municipal a precatoria
para a sua detengao t
Ate entao 0 devedor b5o tinha resol v*J.> tairr
sua apreseotacao, tanto assim qua ainda ocsta ci-
dade achava-.se 0 sen conhaJo e guarda -'.'sr de-
ligeuciando obter dos credores *gunJo abate.
Em Mamanguape ate a noite do dia ft niogoem
sabia de semelhante resolucio da p^rle do deve-
dor ; e de sea I ado os credores que nesta pra;a
requereram a deteneao. guarJararn 0 devido sigi'.lo
encarregando da apresentacao da precatoria em
Mamanguape 0 disiincto advoga>Jo Dr. Ellas Pre-
derico de Almeida Albuquerque, 0 qual alii one-
gando immediatamente, dirigio-st- a rnunicipil e apresenlou lhe a precatoria ; seadc
ainda notavel que, recusamlo desde logo por lhe
curapra-sc, 0 Sr. juiz municipal failou na incom-
lieteuciado juiz deprecante, mis nada disse sobre
a deelaragao da fallencia, Ja qual sotuenle tratou
no seu despaeho que mais tarde teve de proferir,
reduzindo a escripto, por ser instado a isso, a ra-
zoes de sua recusa,
Diga 0 que quizer 0 Sr. Dr. juiz municipal, er-
lhe-ha difQcil sahir desse dilemma ou a peticao
para a fallencia eslava de ante mao em poder do
juiz para 0 caso de uma solugao desfavoravel dos
negocios pendentes nesta praca, ou o Sr. Pedro
Lopes teve aviso de acbar-se a precatoria nas
maosdojniz............
Aqui, Sr. Dr, nao ha so infracgaode lei; ha es-
trategia, conluio entre 0 protector e 0 prutegido en
prejuizo de terceiro.
E como querera 0 ?r. Dr. juiz municipal de
Mamanguape que seacredite cm sua inrparculi-
dade, se interposto aggravo daqutlla sua decisao,
nao duvidou deelarar |n.r seu despaeho que o nio
admitiia por illegal, quando alias 6 expresso no
artigo 669 J 1- do regulameni 11. 737 que a deci-
sao sobre m a tern de com|>etencia e strmpre caso
de aggi avo f
E, quaado em seu despachj nao houvessc 0 Sr.
Dr. alludido a incompetencia do juizo deprecante,
a recusa pcrernptona em cumprir a precatoria nao
podia trazer a aquelles que a requereram damno
irreparavel 1 E nao e tambern caso de aggaavo
toda a decisao de que pode resultar damno de tal
caracter ?
Nao acreditamos que 0 Sr. Dr. Manoe! J ivenal Ro-
drigues da Silva igiure t es dispo-i,-oc.-.; mas
que S. S. par.-ce ter enlcuJiJo por fjia Ja acgio
da lei e da justiga 0 nosso devedor.
Se de tal nos convencern as circumsiancias qua
ate aqui tamos exarainado, esta convi:;io raelhor
se lirma pelos incidentes que se tern segaido 00
processo da fallencia e dos quaes trataremos em
outro artigo para uao abusar da aitungao dos
letores.
0 Sr. Dr. juiz municipal do Mamanguape, so-
bcrano como sejulga, fara o que lhe aprouver ;
cslamos ja certos de quo 0 processo Ja fallencia
correra de modo a ser innocent*d o UlliJo frau-
dulento; mas de sua parte, S S. deve tambern
contar que 0 acompanharcm^s ate a ulti'aacao
de.-se negocio.
Mauns credores.
>* i\si\(t.tvv\V:ix tie Urittol.
Trinla annos dn triuin iliaoi-s resuliados teem
outorgado a este aaltatptiao vegetal u in repota-
<;ao incommensuravelmeiite superior a tolos qoan-
tos se conhecem para a cura Jas escrofulas e da
toJas as mais classes J1 eof< rmidades ulcerosas e
eruptiveis. Os meJicos os ;mi-a-reJiial s a ex-
perieates, os perioJistas a os esoriaterw de 1
cina, sao taslamanhas vivas Je sua ettlcacia qu
maravilhosa. Tern sdv.ih e co.itinua a salvara*
vidas e os nmnbros de iniliiares Je iC'SO*s.
Ella ate 0 dia Je hoje nunca foi iJ.niuistrata em
vao, nem ale mesmo noses ca- >s reputaJos com 1
desesperados ou inmraveis. K 0 uuico rcineaaa
para M escrofulas, erysipel is, iierpes, rlugaa
nas pernas, abcess s, eaneros, luuior.s, enf.jnai-
dales sypbilitkas e mercuriaes e tola a eaata de
erup;o)s cutaneas.
Aciu-se a venda em todas as par; J 1 uioudo,
em todas as principles lojas Je Ir No trtpiche.
Aos que nao servem para nvdelo por .erem ob-
tido dos credores eerca de 30 1 j de abaiimento e
prazo.
Outros pelo pouco que prezam sen rn Jito m-
noscabanJo iudignain--ut eom o li.u Je fazer me-
Ibor negocio
A toJos estes, e fa mais q lesm liqae 0
meu gaz tem ao qaatro galoes a meio Itrmbro-
Ihes que nao nroc-Jam assim. perque, os eoaa-
pradores pesan lo as latas e incimJo .1 liquido,
convencein-se que- Vines, na < sao sinoeroa, CM
peiores eondicoes se c illocara, e mais credM me
propociouam.
Tolo 0 gaz que tenlio recebil 1 e Je o
ou pesa 16 kilos ca 11 11 a lata, c -m 1 s prwa ve-
riiicar pelas masmas latas, nu inanife.-l-s e di si-
chos feitos e conleriJos por diverso? senlnres con-
ferentes na alfuud 11.
So mc Constou vio a esta B rcado latas com 4
l|2 galoes, ha tempos, para du^- ca-.- commer-
ciaas; porem e-iou c mvenciJ 1 que Qn ram ven-
da da mercadona na mesma eoadtfao que 1 rtt-
beam
Recife, 6 de mar.o Jo I87i.
Aalonio Francisco Cnjat.
JUNTA DOS COKRKTORES
I'raca da Gtccife, 7 de mnrcs
de tH7A.
AS 3 HORAS )A TARDE.
1: IT -gOKS OFFI 1 IKS
Algodao de I" sorte 8*00Cl p >r 15 kit s, h >nlen
Algodaodo Rio Gramle do Norte 1' sort- TiGOft
por IS kilns honiem.
Dito -de dito dila 7i"00 por 15 kilos posto a
do a fn-te Je 3|4 d. c 5 >q0, hentnn.
Algodao da Parali.ba 1" sorte 85020 nor 15
kilos posto a bordo a Orate de t If 1G d.
e 5 0|0, hontem
Dito de dito dila 81100 por 1 kilos poato a
bordo a frete do 5i8 e 5 OjO, h mtem.
ambio sobre Londres a 90 djv. 26 I18 d por
U08O, hontem.
Cambio sobre a ftahia a 8 djv. ao par. Lantern.
ambio sobre 0 R o de Janeiro a 3 dp*. 20 par.
do banco, hoje.
A. Je ''ascoiiccllos
Presidente.
A. P. de Lemos
Seeretant.
todimenu dn
Jam do dia 7
i,P>\T>Fr;A
2.-0. .
e Reis e silva. Negarara provioieota
Aggravante Manoel Bastos, de Abren Lima. Jui
zes os Srs. deserabarga.lorjes Qaoiiagues gjlya,
Freitas Hoariques e Aa-ieli. -Deu.se ^pviruqulo.
Dia de apparecer.
Appellada a irmand'deda Sapta Cruz, appellai-
te Jose Antonio da Co.su. .JttlfoO-se dasarta.
Do Sr. de8erabargadorT5i!va GuimarSes ao Sr. pode ser preso antes da pronuncia,
cuja detengao bavia sido' an erior e compete,u -
menie decretada. No dosgacho do Or. jniz de di-
reifo nao se da outra razao senao que jrela abertu
ra da fallencia Gcou 0 fallido sob a proteccao do
ark 813 do Cod. Com. Mas 0 que diz oste .artigo?
Que 0 devedor qua apreseutar a sua deelaragao
de fallido em fleviio tempo e assistir pessoal mente
a todos os aetos e diligencias subsequontes, nao
2V. 611 Oil
.7 73fi, 1*
1
S71.
nercado-
DiiMrrafi a h j^ 1 as maw
Barca norneg-> C y'la (atrac I |
in para alfaaxVfla.
Escuna iagleza -Fl,ien,.c mere*
fan lega
Vapor francez (esperaJ
rias, bjga^ens 0 amo-tras
dega
Vapor naciiMial-B'a-"i -(espnadi) geoerw na-
oinnafs para 0 trapiche CompaoUia.
Patacbo portuguaz Graciosa mr- id 'nas p.ira
0 lyapiche Gonceifio, para dnpaenr.






k~



Diario de Pernambuoo Segunda feira 9 da Marqo Barea franceza Minerva tijolos e telhas para
0 trapiche Conceic-io, para despachar.
Patacho inglez Vtolfrillt meroadarias iparo o
trapiche Conceicao, paw despachar.
BaroainftoiaW^rmj'one-baoftiuao jadespaelw it
para o trapiche ConeeicaO.
Barea ingleia Paragero-bacalnao ja dospachado
para o trapiche Conceicio.
Lugre inglex Beltrtes bacalnao ja despaohsdo;
para o trapiche Gonceicao. 1
Brigue iuttlez Mary bacaihio ja despaebsjdoj
parao trapiche Conceiijao.
Barea inglezaCunuorookcarvia jadespaoba-
do para o caes do Apollo.
Brigue inglez Britescher ciuza de ussos.-pa**
dapositu no trapiche alfandegado doBawu
Jo Livrameuto.
AJ.TBUCAO NA PACT A MS PRBQOS OOS 6RHIMK*
SCJWTOS A DIREITOS BB EXPORT AC AO, NA SBSiAB^A
OR 9 A it DE MARCO M 4874.
Algodioera raraa ou la 459 rs. e kik).
Assucarmascavado litre, okfle.
Ceures-de boi seccos algados 537 rs. o kilo.
Carvao de pedra estrangeiro, tenellada metmca
80*000.
Caweode algodao ** rs. o kilo.
Crina -animal em britto 300 rs.-o kilo.
Alfandega de Penambuco 7 de roarce de
7.
O 1 coaferenteJ. Ribeiro -da Cnnha.
1* cenferente -P. das Chagas Galvao.
Approvo. -Alfandega 7 de nitrco de 1874.
o inspector da alfandega
Fabio Aterandrino at Carvalho Reit.
Inaportacfto.
Lugre inglez Counts** of Oevon, entrado de Car-
diff em 6 do corrente e consigaado a Augusto F.
de Ohveira & C, manifestou :
Carvao-de pedra 371 toneladas aos consignata
rios.
Barea iportugueza Jsrphina, entrada da :Bahla
na mesma data e consignada a E. It. Rabello &
C, manifestou :
Cbaratos 3 caixas.
Sal 2,000 alqueires a ordem.
JHtSPAC'.IOS DE EXPOUTACAO NO DIA 6 DE
MAHCO DE 1874.
1'ira os portos do exterior.
No vapor inRlez Arbitrator, para Liverpool,
carregon: E. A. Burle & G. 211 saccas com 15,751
kilos de algodao; P. VI Maury 238 ditas com 17,4 "
ditos de dito ; M. Lathan & C. 498 ditas com 36698
ditos de dito ; J, Pater 4 C. 106 ditas com It,'.68
ditos de dito ; H. & Labille 378 ditas com 32,865
ditos de dito.
Na barea ingleza Larine, para Liverpool,
earregou : M. M. Monteiro 272 saccas com 20,?>36
-k los de a'godao ; S. Brothers 4 G. 12 ditas com
2,283 ditos de dito.
No brigue inglez C ronella, para Liverpool,
earregou, : M Laihan & G. 264 saceos com 19,800
kilos de assucar mascavado.
Na grlera portugueza India, para Liverpool,
earregou : A. Loyo 1.000 saceos eom 75,900 kilos
de assucar mascavado.
No navio inglez Solano, para o Canal, earre-
f'tO: S Brothers 4 G. 4,300 saceos com 22,500
ilos de assucar mascavado.
No patacho inglez Blackwootl, para o Canal,
earregou : J. Pater 4 C. 1,200 saceos com 90,000
kilos de assucar mascavado.
Na barea rngleza Pi-tchelee, para Liverpool,
earregou : It. Sehmmellau & G. 67 saccas com
11,799 kilos de algodao.
No brigue hespanhol A. Thereza, para Bar-
eellona, earregou : P. Carneiro & G. 414 saccas
com 31,877 1|2 kilos de algodao.
No hiate americano B. L. Eaton, para New
York, earregou : H. Forster 4 C. 2,000 saceos com
150,000 kilos de assucar mascavado.
No vapor portuguez Julio Diniz, para Lis-
boa, earregou : Oliveira Filhos <& C. 227 saccas
eom 16,917 l|2 kilos de algodao ; A. S. da Rosa e
Silva 2 volumes mel e assucar.
Na barea portugueza Dianna, para Lisboa,
earregou : E. R. Rabello & C. 900 saceos com
67,500 kilos de assucar branco e 1,450 ditos com
108,750 dilos de dito mascavado.
No patacho americano Adelaide, parao Por-
to, earregou : A. M. Souza Machado 700 saceos
com 52,500 kilos de assucar branco e 300 ditos
com 22,500 dims de dito mascavado.
No patacho inglez Little Annie, para o Rio
da Prata, earregou : F. P. Pires Ramos 250 barri-
cas com 31.536 kilos de assucar branco.
No brigue hc?panhol Nieaciu, para o Rio da
Prata, .earregou : P. Carneiro & G. 500 barricas
eom 39,402 l|2 kilos de assucar branco.
No navio he=panhol Prim, parao Rio da Pra
ta, earregou : A. Ordciro 320 barricas com 33,762
kilos de assucar branco.
Para os portos do interior.
Para a Rio Grande do Sul, no brigue portu-
guez David, earregou : Oliveira Filhos & C. 550
volumes com 13,82* 1|2 kilos de assucar branco
e 78 ditos com 8,844 l|2 ditos de duo mascavado.
Para o Rio de Janeiro, no navio nacional
Arabe, carr^-ou : M. L I'aes Barreto 200 saceos
eom 1-5,000 kilos de assucap branco.
Para o Maranhao, no vapor nacional B-ihia,
earregou : A. L. Rodrigues Ferreira 30 saceos
com 2,230 kilos de assucar branco : para o Para,
A. M. Machaio Junior 50 barrica? eom 3,984 kilos
de assuear branco.
Para MossonJ, no hiate nacional Joao Vaile,
earregou : P. Moreira & C. 7 cascos com 120 li-
troa de aguardente.
Para Mamanguape, na barcaca Zurtrh, ear-
regou : M. J. Rodrigues 4 Primo 1 barrica com
60 kilos de assucar branco : para o Bio Graude
do Norte, li. F. Gnimaraes 2 ditas com 130 ditos
de dito.
'francea Mendoza, de 1,594 toneladas, comma*-
danle Grou, equipagem 99, earga *fazendas
outroe geaens; a Harismendy -4 Labille.
IQiwrpfKil 57 dias, brigue franeez Mines de
3omah n. 2", de 241 toneladasreapitao J. B.
Lelauchon, equipagem 10, earja differeaKes
mereadorias ; a ordem.
Navtos nahidos no mesm-dia.
'Buenos-Ayres e portos intcrmedios Vapor fran-
cet Mendoza, rommandante Omn, earga parte
da que trouxe dos porios da finrepa
Rio de Janeiro"Brigne nacionalPisabel, capiiao J.
M. Vianna, earga .assucar e outros generos.
Hampton Roads :Hiate americano H. L. Eaton,
capitto Adamson, earga assucar.
PortoBarea portugueza Nova-Sympntkia, capi
tao Guilherwe Iwiz da Silva-Lobo, earga assu
car e outros generos.
CAPATAZ1A DA ALFANDEiiA
Rendimento a<'
tdeai do dia 7
3:140*9M
823^005
5:963*927
No iii 2 a ii
VOl.GMES SABfMOS
So dia '
Priraaira porta .
Segunda porta .
Tereeira pona .
Quarta porta .
riapktu Gonceicao
SEBVigO MAP.1T1MO
4J>*ren^iV3 4escarregadas no trapicte
alfandega A) dia 2 a % .
No dia 7
Xa\us atracidos no trap, da a^fandsgi
Alvarengas ........
o trapiche CocssiQio ....
11,555
351
173
276
1,347
13 692
31
mm.
frente e 219 de fundo, eom alieerees para'Unas
easas ou ami so, em altura de receber as, soleiras,
o qua! foi lvajjado por 1:1001, no lugsrr aunoml-
naao Estrada Nora do Cordeiro, na fregaethi dod,
Poco da P*aella, no sitio que foi do Silra Cempa-
ui'ia, quebojeesta r-t.Iliad), ja com grandes pre-
dios edthcados, sendo dun lerreno am do; memo
res de dito lugar pore^tir porto da estrada real
da Casa Forte, e deitar os fundos para defronte
do sitio eonhecido do Nnno Maria querimento da vinva n inveutariante dos hugs do
casal ilo linado Antonio Francisco de Sant'Anaa.
A camara municipal do Recife onvida a
todos os seus municjpes a apresentarem para ser
expostes no corrente anno, -objectos de producQao
agricolas para a etposicao que pretende retlisar a
sociedade Doze de Setembro, segundo a partici-
pa^ao do Exm. presidente da ^roviucia, de 16 do
corrente, com referenda a ordem do governo im-
perial.
A mesma camara espeta no palnotismo, dedi-
cacio e zelo de todos o bora-exito de tal convite,
Paco da camara munic pal do Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874
Theodoro Machado ;F Pereira da Silva
Pro-presidente.
Augusto G. de Figueiredo
Official maior servindo de secretario.
0 Dr. director geral-intcrino manda fazer
publico para cosbecimento do professor de ins-
truccao primaria da cadeira de malhadinhi, padre
Jose Procopio Pereira, visto ser ignorado o seu
domicilio, que por.portaria desta data resolveu
multa-lo em 30J000, por se achar dito professor
fdra do exercieio de suas -funccoes ha muitos me-
zes, sem licenca ou inolivo justi6cado, devendo
recolher essa quantia aos cofres da thesouraria
provincial dentro do prazo de 20 dias, Gndo o qua!
passara a ser cobrada exeoiitivamente como divi-
da da fazenda.
SeiT'-taria da in-tniccao publica de Pernambu-
co, 7 de mar>;o de 1874.
O secretario,
Joaquim Pereira da Silva Guimaraes.
^QSEWvMVwraaweasi ait*.ibaj'l jli^ji^.^%.-,
Santa Casa da lliserieoplia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
Je que necessita o predio que possue o patrimo
oio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar dilos concertos, mediante certa renda e al-
guns ann is de prazo para desfructar ; devendo
os que dis'so se quizerem enearregar, apresentar
suas propostas em cartas feehadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respectlvo orcame ito
oesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia dc
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA M1SKK1COKD1A 1)0
RECIPE.
Venda de predios
A Illma. junta admi istrativa Ce-ta Santa Casa.
devidamente autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessdes, peias 3 boras da tarde do dia 26
do corrente, venle ou permuta por apolices da
divida publica os seguintes predios, pertencentes
ao legado deJuaquinda Silva Lopes, de que e
administradora : Forte do Ma'tos, metade do so
brado de 3 andares n. 17, por 5:500$ ; becco do
Abreu, 3' oarte do sobrado n. 1. por 2:666|666
rua da Guia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000 ; rua de >. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400/, sobrado de urn andarn. 30, por 2:000*,
dito meia-agua por 5<>0$ ; rua dos Guararapes,
casa te rea n. 63, por 1: 00$ ; rua dos Acougui
nhos, cosa terrea n. 26, por 600$ ; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 4 n. 72, por 7004 ; beeco do Teixeir.i, ita n. 5,
por 230$ ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:0004000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza
1)0
BKCEBED0R1A DE REND AS INTERN AS GE-
RAES DE PERNAMBUCt
tUDdimento do dia 2 a.6 13 9l;'*94
'4am do dia 7 1:802*296
15.714*790
Rendimento do dia
Idem do dii 7
CONSULATE PiiOV^KC'AL
2 a 6
31:4884913
7:0134162
38.502/075
MOViMENTO 00 PORTO
Navios sahidos no dia 7.
e escalas Vapor nacional Marquez
de
Sanlos,
Bahia
Caxias, coramaodante Antonio V. dos
earga vaiios generos.
Rio Grande do NorteBarea ingleza Witch of the
Teygn, capitao S. Gordman, em lastro.
Rio Grande do Sul Patacho brasileiro Bemftca,
capitao Costa, earga assucar.
Observafdo.
Nio houve entradas.
Suspendeu do lamarao para Santos a samaca
hespanhola Guadelttpe, capitao Rogerlo, earga a
esma que trouxe de Barcelona.
Idem para Macei6, o brigue inglez issyriun,
capitio Emelin, com o mesmo lastro que truuxe
do Rio de Janeiro
Navios ontrados no dia 8.
Fortos do Snl 7 dias vapor nacional Bahia. d-
1,539 tonela la*, comrnandante o capitio ten
Antonio Luu. Teixeira, ei'iipagem 55, c;.rg.
varlos gen-T i Pereira Viamia & v..
Bordeaux e nor:- inti-rmdo8- 17 dias, v nor
SANTA CASA DA MISER1CUHL1A
RFC! IE.
A Illma. junta administrativa da santa i*asa di
>'iserieonlia do Recife, manda fazer publico qut
la sala de suas sessoes, 5 no dia de marpo pe-
ias 3 horas da tarde, tern de sor arrematadas a
juera mais vantagens offerecer, pelo tempo de a r
its annos, as rendas dos predios em seguia
ieclarados.
ESTABLLECIKEXTO DE CARIDADE.
Travessa.de S. Jose.
ldemn.il.......fl 201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 34 fechada ...... 26*4' 00
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Pateo do Paraizo.
I.'andarn. z9 ..00... 2094000
2." dito dito .... 300*006
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. i8.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado 14 (feohado).....1:000*090
Ruo do Pilar.
Casa terree u. 100......241*000
Idem n. 102 fechada......241*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44 (fechada). 'kO^SOOO
Rua daa Larangeiras.
Casa terrea n. 17......361*000
Os pretendentes deverso apresentar no aeto ds
irrematagao as suas fiancas, on comparecerem
icorcpaahados dos respectivos Hadores, devendi
pagar alem da renda, o premio da quantia en
rue for seguro o predio que contiver estaboleci
oento commercial, assim como o servico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
:ife, 2 de marc,o o de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues dr -Se-uza.
Armazensda companhia per
narabucana.
fie*j;tu*os centra o Togo
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastoe armaxens em seu predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de geoeros, garantindo a maior con-
servagao das mereadoriae depositadas, servico
prompto, precos modieoe, etc.
Tambem recolhera, mediante previo accordo, ex-
clusivamente os generos de uma so pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sio iBteirammte novos e asphaltados, isentos de
cupim,, ratos, etc.,.etc.
As pessoas cjue quizerera ntilis.tr-se destes ar-
mazens, pederao dirigirse ao eicriptorie da com-
panhia pernambucana, oue acharao coca quem
trajax.
COMPANHIA
DO
COMPANHIA
DOS
TB1LH0S URfi.VNOS
DO
Recife a C^.inda.
UclHM'ilK*.
Haveodo completa ausen-
eia de passageiros nos trens
exlraordinarios das 10 111
boras da noite, que havia
nos sabbados e don ingos pa-
ra Olinda, e nos das 9 t|2
da noite para Beberibe ; de
liberou a direct ria que fossem snpprimidos ditos
treae detde o o dia 7 do corrente mez.
0 gerente,
Laurentino Jos4 de Miranda.
I'ela secetana da camara municipal desta ci
dade, se faz publico que a mesma camara principia
asua primeira sessao ordinaria desle anno, em
o dia 11 do corrente.
Secretaria da camara municipal do Recife, 6 de
marco de 1874.
0 olUcial maior servindo de secretario,
Augusto Genuino de figueiredo.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\ wv*aricjio custeira a vapor.
De conformidade com o art. 24 dos estatutos
desta eompamia sao eonvocados os Srs. accionis
tas a reunirem-se em assemhlea geral no dia 11
do ritrreiite ao meio dia, em sou edificio ao Forte
do Mattos, afim de ter lugar a apresentacao do
relatorio annno, proceder-se a eleicao da direc-
toria e da commissao de exame de coutas.
F.nda a audieneia do Exm. Sr desembarga
dor juiz de orphaos do dia 9 do corrente, sera
vendido em praca publica o pequeno sitio e terras
proprias, na Ibura, avaliado por 4004, pertenceote
aos herdeiros dos finados Vrctorino Antonio da
Silva e sua mulher Henriqueta Maria da Con
ceicao.
Administragao dos correios
de Pernambnco, 9 de mar-
90 de 1874
Malas pelo vapor Bahia da companhia
brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (9) pelo vapor acima mencionado, para os
portos do norte, sera rcccbida pela maneira se-
guinte :
Macos dejornaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordiaarias ate 3 horas, e estas ate 3 1|2,
pagando porte duplo.
0 admmistrador
An*onso do R>go Barros.
THEATRt
Santo Antonio
Quarta-feira 11 de mar^o.
Unica representacfto do desejado drama em 5
actos, com musica :
A Until de Dens.
Os bilhetes etao a venda desde ja.
Principiara as 8 1|2 horas.
tViSOS: VI
JOLAll
Salie coin mnita brevidade o hiate Joao Valle
para earga, trata-se na rua do Vigario n. 33, com
Joao Jose da Gun ha Lages.
Capitania do porto de
Pernan buco.
Aviso aos navegantes.
Por esta capitania se faz public1, para sciencia
dos navegantes que segundo communicou o lllm.
Sr. capitao do porto da provincia do Geara, o pha
rol de Mucuripe, em consequent* de setter arre
bentado a corda que sustentava os pesos, n5o gyra
regularmente, e por conseguinte a luz de systema
lenticular e^ta um pouco am it- -ida, e assim nao
funcciona como devera o mesmo pharol.
Capitania, 6 de mareo de 1874,
0 secretario,
De^io d'Aquino Fonceca.

... : ;
'SCiFIC STEAM
ROYAL MAIL STEAMER
COTOPAXI
OU
LUSITANIA
espera-se dos portos do sul ate o dia 13
rente, e depois da demora do co.ttnme,
para Liverpool, toeando em S.
para onde recebera passageiros
earga a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO14
do cor-
seguira
Vieente" e Lisboa,
encommendas e
PR0GRESS8 MAR1TIM0 DO PORTO
"Emprezn portuenso de uavega-
dm a vapor eatre Portuaeal e
SraaH.
0 vapor <
JULIO DINIZ
Command a rate .1. .1. Rodrigues
Contcnte
R^perado dos portos do sul aid o dia 10, e de
piiis da indispensavel demora neste porto, segui-
-a para os de Lisboa e l'oi to, locaodo em S. Vi-
';<5ilte.
Para passagens e fretes de earga, encommendas
j dinheiro, tratam-se com os
AGENTES
K. R. Rahello t C.
48= Rua do Commereio=48
Companhia Allianqa Mari-
tima Portuense.
A galera portugueza Sandade, seguira em pou-
cos dias para o Porto, com escala por Lisboa.
Ja tem eontratada gitnde parte da earga; t
para o resto, trata-se com os consignatarios e
agentes da companhia,
Jose da Silva Lr-yo A Fxlhe,
em seu eseriplono a rua da Companhia Pernam-
bucana.
Rio de Janeiro
Para o referido porto pretende seguir com pou-
ca demora o patacho brasileiro Arabe, por ter a
maior parte de seu carregamento engajado ; e
para o resto que lhe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com os consignatarios Joaquim Jose Goncal
ves Beltrao 4 Filho, a rua do Commercio n. 5.
tenser, no seu eseriptwlo a ma do Bom Jesus n.
53, 1.* andar.
LE1LA0
PARA'
Segue com brevidade para o referido porto a
escuna Georgiana, teodo ja parte de seu carrega-
mento engajado ; para o resto, trata-se com Tasso
Irmaos & O, a rua do A norim n. 37.
Para Lisboa
0 patacho portuguez Gractosa, vai sahir com
brevidade per ter a maior parte da earga promp-
ta, e para o resto trata-se com os consignatarios
Silva Guimaraes & C, prata do Corpo Santo nu
mero 6.
Companhia Franceza de Navega
pi) a vapor
Linha mensal entre o
Havre, Lisbon, Pernambnco, Rio d>
Janeiro, (Santos, somente na ml
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(eom baldeacao para oRosarlo)
sti.v>h:k
Couimandante, P. Robert.
Espera-se dos portos do sul ate 12 do corrente,
seguindo depois da indispensavel demora do costu-
me para o Havre com escala por Lisboa.
Para encommendas e passageiros, trata-se
com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLI.VEIRA A C.
43Rua do Commerciotntrada pela ru?
do Torres.
IEM.0E8,
AgenteDias.
DAS
divides pertencentes a massa fallida de Antonio
Jose dos Reis, na importancia de 30:2393880
de
as 11 horas
No eseriptorio da agenda, rua do Marquez
Olinda n. 37, primeiro andar.
Por iuiervencao do agente Dias, que por manda-
do do lllm. Sr. Dr. juiz especial do commercio
levara a leilao, no dia e hora acima designados,
as dividas acima mencionadas
0 mandado com os nomes e quantias de cada
um dos Srs. devedores, sendo que a maior parte
delles sao por titulos ja vencidos, acha-se em po-
der do referido agente, onde pode desde'ja ser
exao-.inado pelos Srs pretendentes.
DE
louca, 1 e fre de fern, candieiros a gaz, e mais
perteiicas existentes no estabelecimento da rua
do Marquez de Olinda n. 25.
Ter^a-feira 10 do corrente
as 11 horas da manlia
0 agente Dias, compeientemente antorisado por
mandado do Exm Sr. de^embargador juiz de or
phaos, levara a leiiao a<> dia e hora acima desig-
nados, a louca e mais artigos exi-tentes no mesmo
estabelecimento, pertencentes aos Tlcns do f.illeci
do Manoel Vieira
0 balaneo existe em poder Jo merino agente. a
rua do Marquez de Olinda n. 37, node poo"e ser
desde ja examinado, e garante se o traspasse la
casa a qualquer Sr ^oeieiiJenU). ____________
LEILAO
DE
moveis, lou^a, cristaes,
1 carro de 4 rodas, coberto, 'com arreios (era op-
timo eMado), 1 carroca de 2 rodas e 1 boi
A SABER:
Um piano forte e quasi novo, 1 mobilia de ja-
caranda com tampos de pedra, jarros e vasos pa-
ra flores, quadras, espelhos dourados, 2 serpen-
tinas, 2 candieiros a gaz, < relogio, tapetes, 2
transparentes, lancas e cortinados.
jT.Unia mobilia de faia branca, cadeiras de balan-
eo, escarradeiras, tapetes, I machina de costura.
Um guarda-vestidos, 1 cama franceza, commo-
das, lavatorio, I santuario, quadras com Tinas gra-
vuras, 1 marqueza.
Uma mesa de jantar, 2 aparadores, I sofa, 12
cadsiras, quartinheiras, louca para c^a e jantar,
copos, calices, garrafas e muitos outros objectos
de casa de familia
Quarta-feira 11 do corrente
No arma?em da rua do Bom Jesu^ n. 20.
0 agente Pinto levara a leilao, por couta de uma
familia que mudou dc residencia, os moveis e
mais object s acima mencionados, exiuntes no
armazem da rua do Bom Jtsus n. 20, em frente
ao chafariz.
Principiara as 10 1[2 horas.
Terceiro e ultimo
Leilao
DE
Vinhos e feijao.
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
A's 10 1^2 horas emponto
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
ia ndpga.
' 0 agente Dias, compet ntemente autorisado,
vendera em leilSo, no dia e hora acima designado,
13 pipas com vinho marca 0. B cerca de 50
duzias de garrafas de vinho Souterno e 100 sac-
cos com feijao mulatinho._____________________
mese convenciouar.
0 emprego destas machinas em graude uaero
de paizes da Europa, Asia, America do Norte,
onde ellas tem suhstitaido os antigos systeoat de
transporur cargas pesada, dapeasaa oe teas
possuidores de encareerem a sua grande utilida*
de. enmo m>io de tran^ivirlr eciviontieo e conri0-
do para os eiigenhos, e loda srl de proprieiada
agri ola ou industrial, one dl>pooha de plaaicies,
cuja situa ao do> kshkUvus deixwitos oc arma-
zens liquem distantes do lugar de prodocato OU de
fabrico.
Estas machinas podem trabalhar cmo machi-
nas fixas. para o que tem c. servir para serranas, enfardamento de algodao
fnz-T mover t,da a sorte de apnanAos. etc., etc
0 maieria I con>la do seguime :
2 lucomotoras de forca ie mmal de 8 cavailos
c>da uma, c>en caldeiras vntcaes e fornalhas
qoa-lr ola- e oval, pudendo (p>-unar carvio ou le-
nha, com fnmigadores e eiazejra*, dispostos de
sorte <| e se previne qnal-jner a.-cidimte de inces-
dio. Estas inacliinas |i)"mk n t-'das as pecas in-
dispensaveis de subresaleates, e sao completa* a
todas os respeitoSj e*iao novas e era perfeilo esta-
do de conser acao, visto como, apenas trabalba-
ram o tempo nee -s>ario para se demonstrar pra-
ticameui as suas vantagens.
li carros solidamente con-truidos, suspensos em
excellentes molas, sendo dus com p..rtas late-
raes, dous com ditas na parte posterior e dons ra-
sos, proprios p; ra transporte de caldeiras, moea-
das. etc.
0 leilao sera effecluado pelo agente Pinto, a roa
d'Aurora n. 91, estarao das ditas machinas, e pe-
ias II horas horas do dia 13 de abril.
Da se td-s o- e?clarecimentos a rua do Bern
Jesus n. 8. primeiro andar.
LEILAO
No dia 20 do corrente vao a leilao todos os
objectos dados em penhor qne estivere.n venci-
dos, salvo aquelle* que ate aquella data pagarem
os premios vencidos.
Travessa da rua das Cruzcs n. 2.
AnSS}SDEES03
Attencao.
Pr-risa-se crm nrger.ria de um mat de
leite, que spja s dia, e que leoha boa e
abundaote leite, para tomar conta ) ami
crian^a de dia-^, dando-se prffereniia a mu-
lher ilo matto : quem, P"is, e-vliver MH
circumstancias appair^a no 'i. indar il"ta
typographia para tratar.
Aiili! particular.
Lydia de Carvalho Lima, tendo obtido licece*
p?ra eosinar partieularmente primeiras leltras.
ten. aberto sua aula de instrurcao primaria para
o sexo feminino, desde n dia 2 de roarc na ulti-
ma casa do lado esquerdo do Porto da Madeira,
na freguezia de Reberibe, pela paga que se con-
vencionar com os pais de t'amilia ; e nara aquel-
les que por sen i-stado de pobreza, na>> P"deren
pagar, sera gratis.
Alem das materias do ensino primario, tedo o
irabalho de sgulha e de machina.____________
LEILAO
DE
um carro franeez (victoria) meio usado, com i ro-
das, coberto, para quatro pessoas dentro e duas
na bolea, e com irreios para dous cavailos, tu
do em bi m estado.
Quarta-feira I f do corrente
Por intervenrao do agente Pinto
Em frente ao armazem do sobrado h. 90 da rua
do Bom Jesusn. 20, por occasiao do leilao de
moveis.
Leilao
DE
100 caixas com massas italianas.
33 dias com vermouth.
17 ditas com tigos em latas.
10 ditas com cognac.
6 barris eom vinho X< rez.
Quinta-feira 12 do corrente
A's 1 f hora.
No armazem n. 16 da companhia Pernambucana.
0 agente Pinto fara leilao por omta e tisco de
quem pertencer, em lotes a vontade dos compra-
dores, dos generos acima mencionados, ultima-
raente descarregados e existentes no armazem n.
16, da companaia pernambucana, onde se effec-
tuara o leilao as 11 horas do dia acima dito.
^
=3 g p5 P- S-
" o S a 1
ZL. Qj p JO
v 3 -x p
-.-1 o a y>
So
leilao
DE
Miudezas e outros artigos.
Pitas, traneas, bicos, cordao para vestidos, bo-
tijes para paletots, di'os para colletes, collarinhos,
brincos, collares de perolas, babadinhos, liulu
(Alexandre), linha para bordar, retroz de cores e
preto, carteiras, lapes, botinas para senhoras, la
para bordar, agua de colonia, banha em frascos,
graxa para sapat<>&, cordovio, capellas para noi
vas, sapatos de casemira, envelopes tarjados e
brancos, espelhos de diversos tamanbos, perfuma
ria-:. ,,iio, guarnicao para camisas, coques", 12
duzias de marroquim e outros muitos artigos.
HOJE
?s 11 h rasda mauha
0 agente Pinho Borges, bastante autorisado pelo
Sr. Pereira Maia & C, levara a leilao as miude-
zas acima declaradas, no seu eseriptorio a
Rua do Bom Jesus n. 53,
Primeiro andar.
Para.
BEBERIBE
Pretende seguir para o indicado porto, com pou-
ca demora, a barea portugueza Social, por ter
porcao da sarga engajada; e para o que lhe falta,
trata-se com os consignatariog Joaquim Jose Gon-
calves Beltrao & Filho, a rua do Commercio n. 5.
A directoria desji companhia, pefo pre-
sents declara aos senhores coneessiot.'arios
de pennas d'agua que so acham em atra30,
no pagamento das mesraas at^ 31 de diV
zembro do anno Ondo, hajam de, at6 o ulti-
mo do corrente mez liquidarem seus debi-
to, si.'b pena de lhe serem cortadas as pen-
nas d'agua, conforms preeeitiia as condigoes
i.* e 10.* dos respectivos contratos.
Eseriptorio da companhia do Beberibe,
5 de rnarr,o de 1874.
0 secretario,
Lu.ii ManoelkodrihueSiVaienca.
Arrematacao
S-'gunda-feira, 9 do eoflreota mez de mareo, do-
:- di audieneia lo'Exm : -Hinbargador foil de
r, naos, vai a pra? I ^la com o abate da
parte 8404, nm emu 53 palmos ed
-Parao Rio l.rande do Sul
O patacho Beauttca
aahir brevemente, recebe alguma earga a frete
s eJitarno eseriptorio de Balthar OHveira & C.
Companhia Allian^a Mariti-
ma Portuense.
Ei.xtpreza de navegacao entre
Portrayal e Brasil.
A barea* portngoeaa Joven Adelaide, recebe ear-
ga a frete ^ara og portoi de Lie boa e Porto, de-
vendo seguir* eom a maxima brevidade ao sea
destino : trata*M com os respectivos consignata*
jios Jose da Sllv* Loyo Filho.
Para o AracaiT em direilora sahe o novo e
superior palbabote risr*jona' LeoniUa da Cruz, ca-
pitao o pratico Manoel Oaeteno da Costa, tem parte
de seu carregamento t ng."iado; e para o resto que
falta, trata-se com o consign*tarto Atonio Alberto
de - LEILlO
DE
Quatro caixas cem chapeos de seda para homem,
10 duzias de ceroulas de algodao, 21 pecas de
casemira de cores, 30 ditas de alpaca, mof.ida,
e 50 duzias de cbales de algodao.
Hoje
A's 10 1^2 horas em ponto.
Ao correr do martello.
0 agente Pmho Borges levara a leilao as fa
zendas acima mencionadas, por conta e risco de
Juem pertencer, no seu eseriptorio a rua do Bom
esns b. S3, 1.* andar.
loucas finas, vidros, crystaes e outros muitos
artigos.
Qiiinla-feira 12 do eorreite
A's I i horas i. a mrnha
No sabrado n. 30, primeiro andar, a rua do Bom
Jesus, outr'ora Grazes.
. I saber:
1 rico piano, 1 riea mobilia dejacaranda, do ultimo
gosto, composta de 1 sofa, 2 cadeiras de braooe, 2
ditaa de balaneo, 1 jardineira com tampo de pe-
dra, 2 consolos com tampos de pedra, 2 cadeiras
de guarnieao, 2 tapetes, 1 par de serpentines, 3
pares de jarrps lindos e de gosto, 1 candieiioa
gaz, banca de jacaranda, guarda louca de ama
rello, 1 aparador de amarello com tampo de pe-
dra, I guarda vestidos, I sofa de amarello, I ca-
deira de balaneo, 1 rica mesa elastica com 6 ta-
boas, 1 toalheiro de amarello, 1 qnartinheira, 1
cabide, 12 cadeiras de faia, 1 laillet com tampo
de pedra, mesas, jarra- para agua, 1 po'e gran-
de, I lavatorio, jarros, quartinhas, bilhas, uaeia*
de Ffaudres para agua, regador, trem de cozinha,
balanga, apparelbo para jautar, dito para almoco,
toillet, cadeiras avulsas, cama franceza. marquo-
zas, marquezoes para solteiros, 1 oiccionario
francez, t volume geral de ehimiea e outros ar
tigos domesticos, que se acharao patetites no dia
do leilao.
0 agente Pinho Borges, autorisado pelo Sr.
Araerico Nunes Correia,* que se retira para Eu-
ropa, levara a leilao os moveis e mais ai tigos
acima declarados, os quaes sao de gosto e se
acham em bom estado-
Serao transportados para o referido sobrado a
pedido do mesmo Sr. por ser o lugar que foi an-
anunnciado um pouco retirado.
la. ,
Cb*0 .
a m P-
2 a S
o os co
a m
- r=r -s 3 o
*?^a -1 3 P
WPJM
Q-, P
f
P a
3
5 S
S 3
a. o
S P
3

p ^
o 3
p %
03 p
O p
, p
ft" 'A
< P 3 o p
CO *

-
rf>^
Escrava futntla
o
No dia 23 de fevereiro fngio a escrava Vicencia, com os signaes seguinte? : haisa do
corpo, ro-to bexiguento, faltamlhe os dedos em
umdos pes, e falta de denies : pede se as autori-
dades policiaes a sua apprehensao, e a facam cm-
oozir an pateo do Garmo n. i, que serao hem ro>
rompensados.
Leilao
DE
9 barris, contendo cada um 180 garrafas de vi-
nho Bordeaux.
Hoje
Ao meio dia
0 agente Pinho Borges levara a leilao o qu"
aima se declara, por conU e risco de quem per
DE
lazentlas avariadas
SEXTA-FE1RA 13 DO CORRENTE
as 10 Ii2 horas era ponto
0 agente Pinto fara leilao por autorisacao do
gerente do consulado de Franca, em presenca de
seu chancellor e por conta e risco de quem per-
tencer, de uma caixa marca trianglo 0 J 4 C.
contramarca S 4 F n. 3, contendo 30 duzias de
camisas de cretone, avariadas a bordo da vapor
francez Henry IV, na sua ultima viage.n a este
porto ; as 10 1|2 horas do dia acima dito, em
seu eseriptorio, a rua do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
locomotoras e carros do syste-
ma Thomson, ou carros borracha
\. dia 15 de abril.
Em virtude de nao se poder dispor de boas es-
tra.las de rdagem nesta provincia, os possuidores
ik> material acima meneienado estio resolvi lot a
v, inie |u todo em leilio ou separadam^nie, cuofir-1
Ao Sr. Jose- de Besca o Venezes, p-!e
Jose Duarte das Neves, a devida permis*ao
para dar publicidadc a alguns trechos >'l
sua correspondencia ; i.'to e, aqnelles que se
referem unicnm'n'.e 80 aviso de II de Bakl
de 1872 ; visto nada tor resp^n lido aos
que lhe foram endcrccadosem 18 de rnarrn,
20 de al-ril, 10 de maio e G de junho pro-
xim > passado, e parccer entrcgar tambem aj
siloncio a carla que um repeitavel amigo-
lhe d'rigio s li-e o mesmo assumpto
nos r rirr.eiros dias lo presente anno.
OiFerece-se
ama de leite, que o tem bom c aban a r na nu das Cruzes n. 7, 1 andar.
CASA D\ FORTli
AOS 4:000^000.
BILHETES GARANTIDOS.
1' rua Primeiro de Marco [outr'ora rua da
Crespo) n. 23 e casa* do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
(a 1* parte das loterias a beneflcio da matnz
da Varzea (91*), que se extrahira na e*la-fciTa,
13 do corrente.
PRECOS
Bilhete inteiro i^OOO
Meiobilhete 2*000
KM PORQaO DE 1009000 PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3*800
Meio bilhete l #750
Manoel Martins Pint*
COZWIRA
Uma escrava boa rczinbeira e la?adeira precua
da quantia de cem mil reis para completar o pre-
SJ de sua alf-.rria, snjeiundo se a fazer locafio
a seus servicos : a tratar na ra da Soledade n.
82, de 6 as 9 boras da manha de todos os dias
uteis
Francisco Jose da >ilva Braga, tem iusto
sontratado a eompra da taver a -ita a rua do Lima
n. 32 pertencente ao Sr. Antonio lves da Costa
Junior, livre e desembaracada de qualquer oi
Se alguem se julcar com direi-o a mesma qn<-
dingir se a roa do P -y-anilu n 33 C, no pran |
3 dias coutadus da data de-|e.
Kecife, 6 d- roarco de 187 i.
IUMII |


Diifto de Pernambuco *- Segunda feita 9 de Marco de 1874.

_=_=
~_
FUNDiCAO DO BOWMAN
RUA'DO BRIM N. $2
(Passando o ehafariz)
PROEM \OS seoborea de engenho e. ontrns agrieoi ores, i*_f*Hfrd.*re |4'6 n'
uumstao o tavor de ams visiu a'aea eaiabeleciruonv-., pr" 'ereta o l .- Krtin*uOi
ompleto qoa ahitem; seado todo aoperior em qoalidade e toriidao; o qne com a ms
wcclo pewoal pode-M veriflcar. r __ -.-, i,-,
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LOGAB DE SUA FUNDICAO
j j j- dos maia modsruos aystemaa em u
YEpOreS 8 rOtiaS _'&g3& maobos couvenientea para as diversai
tircwnatancias doa senhorea proprietaries a para descaro$ar algodao.
Jbendas de eaxtna 0$ umMh0S* a8'melhore' qae ^
Rodas dentadas p,ra aaimae'ag"e vapor
Taixas de ferro fandido, batido e de cobre.
AUmbiques e fundos de alambiques.
Ufa oh l n l cm na Part "M0*0" e l*>**o.I Podendo' todos
JftaL-lllIllSlllUO 0 para terrar madeira, laer movidoa a mSo
'Romhaa {** ?8B, vapor*
rjuuiuaa d patente, ganntidai......- |oa ammaes.
Todas as machinas w m "^m. ?*__.
a_ qnalquer concerto dabifliMio' apre5 "*
Fonnas de ferro j-o--nH)r6..i.b.r.u..ihtito.
0ftimmfln^no Incombe-ae de mandar vir qnalqaer mathinismo i von
R.nC0IHIHoIl'ui3. tade dol dieQtes, lembrantto-lbea a vamagem de faxereoi
ma compraa por ictermedio de peasoa entendida, e qae em qnalqaer necesaidade p6de
h prestar aaxilio. ,
Aradas amerieanca i,,*,r,,D",, 'gnco1"-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANPO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
5
A' m do Barao to Triumphs, {rna do Bram) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra complete sortimento de farragens e machinas para ^t
fenhos, as mais modernas e merhor obra que tern vindo ao mercado.
VapOreS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
OalaeiraS de sobresalente para vapores.
M-OendaS lnteiraS e meias moendas, obra como aanca aqai *eio.
TaixaS flindidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KodaS d aglia COm cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOdaS dGIltadaS de todos os tamanbos e qualidades.
Relogi0S e apitOS para vapores.
OOIHOaS de ferro, de repucho.
AXaQOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes e pquen_.
CODCertOS concertam com promptidio qualquer obra oumachina, para o que teea
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
FiTlPOTTlTTlPTldflq mandam vir por encommenda da Europa, qualquer machinismo,
uuwmuicuuao ^^ q ^ ge ^responde,,, com ama respeitavel casa de Londre*
a com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar aasentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
40 Rna do Impcradnr 40
Ma ma do Barao da Victori i n. M precisa-s
allar ao Sr. vigario Andre Curou-o de Aranjo Pa
pir, v negi)'-io de sen intergsse.________
U
;.f. ia-lo.s aiitiircs.
us auiadores t'.os
Ha nestH est-'b^riwuto o n*lho- v, tum.no r..iwi tfh Hmi Plt-vel, Plop, rto. 0f.>T.-se ta^nm urn* (juali-lnde |.iatt'
riiirea, mawlados expressamente oonstruir para e&to clima, o qual
bons pianos s6 enconfrarao ne*ta cnsa.
Rerebem-sc pianos usados em irea.
Concertam-se e afinam-se pintios.
Tarr.rwm avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre n mais complcto sortimento de materials para concertar pianoa, como
sfio: cepos, folha para os raesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa. cordas,
marftm, etc., etc. ___ ^^
49 RUIHOIMPKIUKOR 49
AVISO.
Escravo fugido.
N sexia feira, *7 de fevereiro, sahio da casa de
sua senhora o escravo Vicente, preto, alto, bei?os
grossos, levando calca e camisa de algodao de
Nao se prestando o peqaeno espafo do armaiOi; riscadinho azul, teaio esta as mangas curtas; e"
n. 10 A, a ma da Madre de Deos, para nm abaste-! coziaheiro, o que facilraente ?e conhece pelas mio.;
cido deposito das diversas marcas de fumo. que o I ij f01 visto na Var/ea e consU qae esta para o
abaixo assignado almejava ter, achase dora em na4o das barreiras 4o Caxanga : recorameada se
dianle aterio outro estafeelecimento sob a mesma' ao Sr. sobdelegado da Varzea a captura de dito
deaonrinagao de laseravo, enffegando o no Recife ao capiiao iose
\rmazem do toio -"-*
A' rua do Amorim n. 41
Aula particular
O abaiico assignado, professor particular de ins-
tnicjao etenuntar, nao tendo podido por molivos
com todas as proporgoes desejadas, e onde pode- ^e raolestia, abrir sua an!a n" dia 12 de Janeiro,
rto os senko.ea freguezes diigir-s-e, cerlos de j com, tiaha annunciadfl, com3 ja seache resta-
que, eonw ate aqui, acharao sampre a par fla mo-1 beiecido, avisa ao respeitarel publico e com eepe-
-dicidade dos prec.os, a maior sinceridade. BpMveL I cialiflsde aos senhores^ais de (amiHa, que no dia
Entre as differentei marcas do fumo da 8abia e
Rio de laneiro, one tern side annunciadaa, acaba
de rliegar unia ^uivunmeuda especial, e quemuito
de.ve convir aos senhores fregnezes. CoBsciente o
aba xo assi^uado de que neste genero de negocio
nao esta sem cnmpetidores, fara muito pivr evilar
qnc tambcm m relacao ao pequeno lu-
cri' que proenrara obter'Ba dita mereadoria.
Jose" Di'mingnes do Carmo e Silva.
2500
150W
FGI0.
ODILON DUARTE &
CABELLEIREIROS .
Premiados na exposigao de 1872
RUA
DA
1MPERATRIZ
N. 82
l. AND4R.
RUA
D\
IMPERATR17.
H. 82j
l. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabeleciraento, collocando-o nas melhores con
dic<;6es possiveis dc bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo que for tendente a" arte de cabelleireiro.
F.zem-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, tran^ae, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu
mulares, ilores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melbor nos mercados eslran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /o menos que outro qualquer, garantindo
perfeicaono trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcao & a retalho e todos os utensilios pertenccntes a arte de cabelleireiro-
CHAPEOS DA ULTIMA MODA
Chegaram lindos e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora : &
loja das columnas, de Antonio Correia do Vasconcelloa, A rua Primeiro de Mar-
50 n. 13.
J
I
33
Constructor e afinador de pianos
Rua do lmperador-
33
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & Her/, e antigo director daa offici-
na casa Alphonse Blondel.
Tern a bonra de declarar ao respeitavel publico desta eidade, que tern aberto sna eata de
concertos e afinacoes de pianos, qualquer que seja 0 estado do instrumento.
A mesma casa acaba de reeeber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz Alphonse Blondel) todos os piaoos sahidos da casa
Dhibaut sao garaotidos.
Compra-se e recebe-se em troca os piano* usadoi.
Narua dolmperador
n.28
precisa-se fallar aos seguintes senhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Emigdio Marques de Santiago (Dr.)
loio Vaz Tie fjiveira.
Jose" Pranciico Lopes Lima" (Nazareth).
Manol Pereira Brandao.
Manoel dos Passoe Miranda.
Theotonk) de Barros e Silva.
Fran'-isco Pinto Pessoa (Dr.)
Francisco de Panlt Borges.
Franeisco Antonio Pontual Junior,
A' Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de babitacao e banho no rio
a frenta desta: quern a pretender, pode
procurar i rua de Gervasio Pires n. 24.
- Uuii pessoa oompetentemente habiiitada pro-
poe-se a fazer e-icripturacio por partidas dobra-
das cum tudo ciidado e esmero que e possivel :
que de seu prestimo se quizer ntilisar, dirija-se 4
rua d Guia n M.___________________________
PreetM-se fdlar ao Sr. Joaquim Hibeiro da
Cru : na rua do Amorim n. 51.
Fngin-no dia l.*de narQO, da -casa de sj se-
nhor, a mulata de notne Lydia, com os sigoaes
se?nimes : baixa, gorda, cabellos crespos, peitos
grandes f earn larga'-: quern a appre' endertra-
pa-.-i a 9 do corrente estara aberta sua aula na rua da
Penha n. 23, 1* andar, aonde continiia no xer
cicki de seu magisterio. O inesmo professor pro-
mote muito se estnerar pelo adiantamento de
wus alumnos.
Secundino Jose"de Faria simo3.
Apreeiem
Obapas e ^rgolas ameri-
<;anas
O iabrirante deslas, tem a boara de. partiainar
an resp:iiavel jioblico que, iendo de retirar-se
p*T'. a co! tc br-vmente. s<5 p6de reeeber ensom-
n*"iKlas ^te 0 Hsa 7 de mar-.-o ; p' rtanto-ruga aos
senh i^s que ijiiizerem munir se de ditos objeeb'S,
manoirem as suas enrommendas com anteceden
cia ae hotel Enet, a rua do Imperador a. 32,
das 9 horas ao meio dia.
ATTENCAO
Constando aos abaixo assignado achar-se nes-
ta prafi 0 Sr. Manoel Fernaodes de Carvalho, ren-
deiro dos engeDhos Barra e Preguica, em Ma-
macguape, proviacia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo 0 obztqtrio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
tendente aos referidos engeDhos. Rua do Amorim
37, e-cri, tori.i.
____________________Tasse Irmaos & C.______
Aluga-se.a loja de um sobrado na rua das
Trineheiras, aonde tem cartorin 0 escrieao Brito :
a tratar na rua do Imperador n. 67, 2 andar.
Fugio do engenho Firmeza, na freguezia da
Escada, no dia II de fevereiro, 0 escrivo Albmo,
crioulo, com os seguintes signaes: c6r preta, idade
de 20 annr^s, alto, corpo regular, bomta figura,
olhos um ponco esbranqui^ados, tem de um lado
das costas um car^inho a ?enielhan(ja de uma
jaboticaba : pede-se as autoridades policiaes e ca-
pitaes de caropo a appretiensao do dito escravo,
podeodo entrega-lo no dito engenho, ou na rua
do Torres n. a, escriptorio ; certos de que se
dara boa Tecompensa.
Offerece se uma ama de leite com fllho : a
tratar na rua de S Miguel n. 22, .-m Afr-gados.
Precisa-se de um amassador : nos Afogados
n. 27.______________________________________
Pedc-se ao Sr. Joaquim Pires Ferreira, 0 fa-
ver de apparecer na rua Primeiro de Mar A, 1 andar, a negocio de sen particular inte-
esse.
Manoel sapateiro esta fu-
gido.
Besappareceu do engenho Darangunza, ne
dia 27 de feverorre proximo passade, 0 escravo
pjeto, de nome Manoel, official de sapafeiro, ja
idoso, de nac.Jo Angola, alto, de corpo regular,
t_i falta de alpuns denies na frente, 6 bastante
ladino, rf ndido de nma veril'ia, tem uma das
maos ou ambas afoveiradas, e costuma a dizer
qae e forro por algamas vezes que tem andado
fugido. Levou comsigo uma trouxa de fazendas
e tmais objectos que comprou na povoagao de Ipo-
jnca, e jtilga-se ter elle fugido por ter acbado a
quantia de cem mil rei, que seu senhor havia
perdido, provaado-o com a evasao sem outro mo-
tivo, e por ter traeado na mesma povoacao uma
nota de-viate, apresentando nessa occasiao maior
quantia em diversas sedulas : roga-se pois, as au-
toridades e capitaas de campo qae 0 encontrarem
a apprehen.'vao do dit j escravo, assim como, do di-
nheire qut-.cile ainda tiver em seu poder e leva-
lo ao dito cagenho a seu proprietario, a quern
pertence dito .escravo, oa nessa praca ao Sr. An-
tonio Cimaco Moreira Temporal, e seu conductor
sera recempoasado.
kmm
Precisa se alugar um moleque de 12 a 13 an-
nos de idade, que seja del : quera 0 tiver, dirija-
se a rua estr^ita do Rosario, sobrado n. 35. Na
mesma casa fornece-se comidas para f6ra.
de um criado para
hotel Bordeau.
Frecisa-se
todo 0 service
a tratar no
Attencao
Furtaram na noite de 27 para 28 de fevereiro
ultimo, do cercado do engenho Santos Mende3, os
tree seguintes animaes : um burro todo preto,
grande, com a sarneia ralada da cangalha e um
calo, com dous no hospinhago e ignorando-se 0
ferro do mesmo ; outro de cor melado eujo, de
meio, & pslradeiro, tem signaes de cangalha, uma
das juntas dianteiras e mais grossa e as vezes
manqueja ; e finalmente uma hurra de cor casta-
nha, muito nova, com um calo de cangalha em
um dos eHContros da pa, fucinho e rodas dos olhos
brancos. Os dous ultimos teem 0 seguinte ferrro
Q. Quern os apprebender, ou der notieia certa no
mesmo engenho Ou na pra<;a do Corpo Santo n.
19, no Recife, a Oliveira F'lhos & C, re-ebera a
graiiQca^ao de 1300, ou 50| por cada um.
Recife, 3 de margo de 1874.
Precisa-se de uma ama para casa de duas
pessoas, para cozinhar e engemmar : na rua Di
reila n. 28, primeiro andar.
A lug
a-se
O armazem no caes do Capibaribe
n. 42.
precisa-se de um caixeiro de i2 a J4 annos|
que tenha pratica de padaria ou mesmo sem ella:
na rua Direita n. 26.
Sementes de hortalices
vindas pelo ultimo vapor, a rua da Cadeia do
Recife n. 53 ; tambem na mesma loja recebem en-
commendas para 0 sitio do Abrigo em Olinda, de
arvores fructiferas e outras proprias para adorno
de ruas e jardins, sortimento de palmeiras impe-
riaes e de outras qualidades; asslm como pes de
(lores para jardins e vases, tudo por modico pre-
co e garante-.e <* plantas como e df mstame.
Fugio
o u8crav Juvenal.
Foi trajandi _ca '1' r-<\ de n-cado, camisa de
chita de rhcadn e cha e,. nalba de Italia; e de
rdr parda. i.l*de rte>|l-.n^, tem falta de nm
dente na fr ite, e bo t" .r -r-o : roga-e a
apprehn>A' d. m*s!i n-i 1 lo a rua da
Cruz n 3, TOi^ulf >* < 1 5t, para ser
grapflead.
Feilor,
O engenho Bonito, da comarca de Nazareth, pre
cisa de um feitor qae seja portuguez e que tenha
habilitacSes para 0 dito emprego : quern preten-
der, dirija-se ao escriptorio de Leal & Irmao, a
rua do Marques de Olinda n. 56._____________
Precisa-se alugar um escravo para 0 servico
em casa de fan, ilia: na rua Primeiro de Marco
n.23.______________________________________
Jose" Joaquim da Cunha & C, para
evitar duvidas futuras, vem declarar que a
beranca que tem de haver Joaquim Elvirio
Alves da bilva, estd sujeita a execu(;ao, que
Ibe mo vem os mesmos Cunba & C, no Rio
Formoso, e por isso com elle ninguem deve
C"ntratar acerca da mesma heranca._______
Lindos chapeos para
senhora, chegados pelo ulti-
mo vapor: a rua Primeiro de
Marco n. 19, loja de Jose
Ferreira da Silva, successor
de Santos Neves.
Precisa-se de am criado de 14 a 16 annos>
preferindo-se portuguez : a tratar na rua Duque
de Caxias n. 41, segundo andar.
CASA DO OURO
Aos _:000000
Bilhetes garantidos
txua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
O abaixo assienado acaba de vender nos sens
nuito felizes bilhetes a sorte de 700/ em um
meio bilhete de n. 2033, e um meio de n. 641
com a sorte de 100000, alem de outras soites
menores de 4O/OO0 e 20/000 da loteria que se
acabou de extrahir (90"); conrida aos gossuidores
a virem reeeber, que promptamente seran pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes.que cao deixarao de
tirar qualquer (remio.como prova pelos me^mes
innuncios.
Acham-se a venda os muito fellies bilhetes ga-
-antidos da 1" parte da loteria a beneflcio da
igreja matriz da Varzea, que se extra_ra no dia
13 do corrente mez.
Proyos
Inteiro 4/000
Meio 2/000
De lOOQOOO para cEnaa.
Inteiro 3/500
Meio 1/730
Recife, 6 de margo de 1874.
Joao Joaquim da Costa Leite.
E. A. DELOUCHE.
49- Rua do Marciurz de Olinda4B
Acaba de reeeber nm grande sortirm nto de re
logios anrericanos para parede e mesa, de corda
de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertadot
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de ouro patente ingU ?. verdadtiro3, des-
cobertu com ponteiro grande no meio, dos mais
modernos e do melbor fabricante do Li ndres.
Grande sortimento de relogios de. prats, prata
dourada, cobertos e deobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e patente, de toitc
preco.
Cadeias de plaque ede ouro.
Lunetos e oculos de todas a? qualidades.
Verdadeiros vidros de chnstal da Kucha, para
vista can'ada.
Vende-se todo por preco mais baratc que cm
ouira qualquer yarte.____________
nm se wiule baraia
So o n. _0
RUA DO CBE3P0
loja ms % mm
DE
Guilherme & Ck
CASSA-LA
Acaba de cbegar esta fazenda com bonitos pa
drSes, e que se venle pelo dirrJnuto preco dt 2uO
rs. o covado 1 I I
METIM
Metim irangado, padroes bonitos, a 320 rs. o
covado 111
ORGANDY HE r.ORE5
Cambraia organdy de cores, fazenda fina. boni-
tos padroes, pelo diminuto prego de 320 rs. o co-
vado Ml
Li3 ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
iiadrSe", que se vende a i'0 rs. o covado I! I
CRETONE
Cretone clarose escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado III
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos pregos de 400 rs. o covado,
6 pechincha 11 I
Cortes de casemira di cores, a 3/( 00.
Colchas estampadas e com barra a 3/500 e
4/000.
Cobertas de chita adamascada a 3/300.
Lencoes de bramante a 22000.
Dites de algodao a 1/400.
Toalr.as alcochoadas, duzia, a of 800
Lencos de cassa com barra a 1/000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2/000 a iluzia.
Ditos de esguiao abanhados, in caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3/300.
Cambria transparcnte Una a 3/000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e lioho a 1/600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2/500 e 2/800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 54000 a pega.
Dito domestico a 3/000 a pega.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado III
Madapoloes Irancezes de todas as qualidades de
3/ a 8/500 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto prego de 8/500.
Camisas inslezas, todas forradas, fazenda de
linho uuro, a 44/000 a duzia ; e pechincha, so sc
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado ; e pechincha, e dio-se amos
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
_oja das (res portas
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQU1NA
ESCRAVO FUGIDO.
huvas mmm musicaes.
t. J. d'Axovcdn lr "%**%* *
Acabam de publicar so, e acbam-se a
venda as seguintus ir.usicas :
PIANO SO'.
DaNSE ESPANIioLA, put AscliCT
Arabella, mazurka, por Q. W r-
theimcr
Valsaoo Facsto, por Ccoyact
Soniio de OH* viRiitM, por Albcr-
tazzi 500
Anna la Pub, cavatina
AoClair DC la I.cne, por Bussmcyer 19WH)
F.STRELLA DO NORTE ( ,>( .^ ;.rnbante 1^000
SACDAgAO AO Bahia(
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chr'ukfts club p..rnambucno e
bahiano
PIANO K CANTO.
1>esespero, muito litilo romance
por I. Smoltt
Non m'amava, romanco por r.uertia
Tambem re ebeu Sa Eoropa grarrfc sor-
menide musi 'n p.ira piarM, piano e
antoudns, methodos, etc. -tc.____________
Oil \MAI H)
0< Prs Jovin,. Fernandas da Cruz c Jo;
mente !e Lrmos Duarte, sao chainado* a rna do
Con nel Sua-una n. 282, a i*grto de pntw Jar
icteresse. ____________________
12000
290M
1C000
:2&
^ SA*U\(iE
umbigo
selecta e e
(EnxeiUs)
Siipotizeiros
e sap' ieiros de II p hscs (ffl ^a-osl e de
es lamanhos e pnfoa mais eonmodoa que dan-
tes ; a>;im como as s-guiutos outras plan',
fructa e de ornito :
Abaeati.
Acacia.
Arilii'um a pe.
Canella.
Casuarina.
Cdrolina do prir.cipe.
Condega.
Cora,ao da ludia.
Figueira.
Flamboyant
Fructa pa-1.
[rgado Para.
Jaaibo.
Jasmin Ian nja.
Caianja da Cliina
Uita do c6o.
E oulras plantas :
ura n. 20.
L.iranji cravo.
Dita de tloce Jo Para.
Dita br; nca.
Dita tanferi.
Lima da Persia.
1 ita J. i'.nil'ig">.
Umca Iran* i
Dito dc.e. inuriala
(Mm i
Palmeira in p< :''-
I'ain ir>.
I'inhiir -
Romeuras.
Rotmraa.
Hi zeda.
Ibaia.
na apug-. a rua da Wn
Na rua larga do Rosario n. 21, loja de cal-
cado, precisa-se de uma ama que saiba comprar e
cozinhar.
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual fora quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
__ _H _K_tt _K_f_'
Ml Advogados 9
ftk Os Drs. .oadre Aatonio da Cunha Fi ~'
gueiredo e Joli" Augu>tn do Rego Rarrus,
^. raudaram o seu jjcripbirio para a rua I.'
Wt de marco, outr'- ra d.> Crespo. n. 2, I.' *
M andar, junto a. a .] Santo Antonio ty
5 entrada pelo la it > > aes. ^
Desappanceu ao amanhecer do dia 4 do cor
saw
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de norae Jose" Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, ponco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do pc esquerdo : roga-se a
todas as autoridades e capitles de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en
genho, ou nesta praga a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serio generosamen-
te recompensados.
Aluga se uma ca-a na na da Praia do Cal-
deiriiro n. 21 : a tia'ar na rua do L,vrameuto n
23 lija do Sol.
MOFINA
Esta Agua _mle cm prdra d-'^o
Tstnto la al<- fur ..
- g ao lllm. Sr. (go_n Vieira de I
scrivao na eidade de Nazan !: desta i ;*::ia.
;a.-uv de vir a rua l.uijue de Caxias n.
luir aqnelln negocio que S. S. se eon i.
realisar, pela terceira ebamada d -( _, em
finsde dezembro de 1871, e depoia para j_
passou a fevereiro e abril de 187J,e nada i an ,
4 por esle motivo & de novo chamado pai
9m, pojs S. S. sc deve len.brar que este n< Roeic
'.e mais de oito annos,e quando o Sr sen iilbo c
u-hava ne.-la eidade.
Empreza do
gaz
A empreza do gaz inn a h--nra > .t'ii;m
pntlico one recebeu uliimaioeiite cm fi* m
soitirr.euto dc lustres de vidro. eaadimn s, M_-
delas e globo, eujas amo.-tra.s estao no escrip
a rua do Iinpeiailor n. 31, c serio ven I
sens fregue.es pelo preco mais razoavel pamivtt
Alnga-se o quarto andar do predio n. "
rua do Bora Jesus, antip,?rnente rua da Cruz : a
tratar ca mesma roa n. 53.
ALUGA-SE
o 2* andar do sobrado n. 52 da rua Marquez de
Olinda : a tratarjarmazoa era do mesmo predio.
Aos senhores de engenho e
outros proprietarios
que pretenderem contratar ediflcagoes de predios,
asa s de campo, ou chalets, demarcates de (er-
as, nivellamenlos, assentamento de machinas a
vapor, plantas ou outros quaesquer trabalhos nes-
te genero, queiram dirig-ir-se pessoalmente ou por
escripto a A. Coutinho, a rua do Crespo n.
andar, escriptorio.
18, l.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
0'. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agencias em todas as ci
dades e villas de Portugal, a vista e a prazo
por todos os paquetes.
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
vende 60 palmos de terreno, em Bel6m.
Alngam-se as oasas do becco tapado, com
portao encarnado, no pateo da matrit de Santo
Antonio : a tratar na rna do Bangel n. 34, 2. an-
dar.
Offerece-se uma senhora para coser por
machina, em qualquer casa de familia : quem
pretender dirija-se a rua do Imperador n. 44, 3.
andar.
Attencjao.
0 abaixo assignado. procurador em lugar de
Francisco J'S* da Owta nibeiro, compron por s-ua
orderodons meios biliiHt*s da loteria n. 197 a be-
neflcio das ca-as tie candadu do Kio dn Janeiro,
! d->a seguintes nmneros : 2936 e 3056. e d-nd. elle
i inborn socieladenesles bilitet< aos Sr. J d Leo
nirdo e Francis-o da Owta Amaral, Mat ires
re-idenies na ilha de S. MigtH, freuezia do Pico
da Pidra. Recife, 8 de margo de 1874.
_____Joao do Amaral Raposn._____
Manuel Alve Pereira bvim bo respe'tavel
publi-. i|ii^ egue para Fnrpa aiim de tratar de
sua -and'- ; desde ja de*(*ii> e de si-o* atnij.'JS,
i)u por -us Kicoinipodoi nao u$ pode visitar.
LOJA
Aluga-se a loja d hrado n 9 da rua da Au
rora : a tratar na rua do II. spcio n. 26, tavcr./i.
ou na rua da 'mperatriz n. 10, ta>erna
Aluga-se o 2. e 5."
andarcs do sobiado n. 47 da
rua da Imperatriz : na run
do Hospicio n. 33.
~ALUBA-'S-
uma casa ua Capunga, rua das P"rn;mbnc3na~
c m coxeira e quartos fora : a tratar na ru.
Vigario Tenorio n. 31.
Garanhuns.
Va rua do Barao da Victoria n. 36, jrecjsa-e
allar aos Srs. Pedro do Reg Peixotoa
oso Paes da Silva, a negocio de {.articular in!#-
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que unha pratica de
molhados : na rua do Range! n 37.
(l-.impani.ia
Santi Thereza.
Sao convidados os enhor-s accionistas para s
reunirem em assemblea geral no dia 12 do o,r*
rente, ao meio dia, no and?r darn* do Vigario
n. 13, afim de Res serpresente o relatori) e ba-
lanco do anno proximo Undo.
De confonridide com o art. 16 dM estatotos a
reuniao tera Ingar definitivamente com os senho-
res accii nistas que empsrecerem.
Recife, i de margo de 1874.
0 gerfnte
Jnstino J. de S. Campos.
Houbo.
Na noite de 4 para 5 do corrnie roniuram da
rna dos Pescadores n. 19, toda ronpa da no com
as iniciaes do abaixo assignado, incloi-iva I du-
ped de feltro, I oar de botinas e ti em dinheiro;
o I -drao aproveitando a oecasiio era oe as pts-
soas da casa ilormiam no qoiaul; entrou pela
frente na alrova i n pescoa tudo qnanto encon-
tron nao s6 na> cana-tra por estarem aberta*
coiiki fora; de-coiilia >e d- nm vclho qae ha Mmw
su-pen20O de um quarto da mesma
casa. GraMVa -' bem a pe^Mta que d*coarir 0*
der notxifis fHta*.
Recife, 5 tic n -i." d 1-71.
I iiiritn. jos> Pinvnta.
- u Sr i se Joaquim Ja >dva Araojo, raora-
dor em ltel> r:...- te,n uma aria na pra^a dt> In-
deiieniteoca n 8 e *0
Ali.eko.-.K .( Uf *. '.i,iaV< >.
47 da r>i d. inqwrair.z : Hu ij. .o b
n.ero :i:i.


-D






6


-

ii^Fi^^Wia^>^n^-T7-; SflHjwk t^.jfojMlWfrQtffa
Barbeiro
Precis* se da am bam official de barbeiro, da le
aeiacao do trabaho e jnnwmcnte i-^sa : ijo
salao (h ma Daipe de Caxias n. 8, I'aodar.
N. 271.
Vende-se oa troca-se uaia grande caaa de ta-
boa, na ma Imperial, com quintal cercado, com
grande aterro, portio de' um lado e no quintal
qne bota para a linha forrea, com madeira? no-
vas, preferindose a troca por uma nesta cidade,
opreco6rooito conmodo : qaem pretender di
rija-se a mesma casa, que aebara com auem tra
ur. H
Furtaram
Apaiada.
Na raa do Barao da Victoria n 36, precisa-sa
fallar ao Sr. J.-ienenteJoae' Maria Pestana, a ne-
gacio tie sen interesse.
Precisa-se de
duas amas para
casa de pouca fa-
mili.i, sendo uma
para cozinhar e outra para engommar, pre-
ferindo-seescravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar no largo do Paraizo n. 28, 1 e 2
andar.
um cavallo de cdr rudado, m 9
greirao, ciinas para a direita, pescoco pedrez a
com dous ferros em seguida um do octro, e no
quarto esquerdo tem I, signal que trouxe de l'a-
jeu, cujo cavallo foi fnrtado no dia 16 do corren-
le mez, em um rancho da eslrada nova do Caxan-
ga : a nessoa que do mesmo der noticia a Ber
nardo Jose da Rocha, morador em Paieii, ou na
rua Primeiro de Marco n. 18, loja, sera generosa-
mentegratifieada.
Recife, 17 de fevereiro de 1874.
CASA M Fill
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:000$000.
O abaixo assignado tem sempre exposto a vcn
da bilhetes da loteria do Rio, cnja extraccao an
aunciara pelos jornaes.
Preeos.
Inteiro 24J.000
Meio 12*000
Quarto 6*000
Manoel Martins Fiuza.
Casa de campo
Aluga-se a ex. tote casa da travessa de Pay-
sandii n. 3, proxiraa ao hospital portuguez. com
oommodos para grande familia : para tratar, na
ua do Amorira n 56, 1 andar
Ainda continua fujrido o preto fgnacio, d-
altura regular, secco do corpo, cabeca e p6s pe-
quonos, falta de denies na frente, deve ter os nos
dos dedos das maos calejados, do servico de padae
ria, regula 40 aunos de idade, Xugio em 4 de Ja-
neiro- proximo passado, consta que anda no Barro,
ou entao seguio para o sertao : pede-se as auto-
ridades ou pessoas que o deseubram, a sua cap-
lur.i, o leva-lo a rua do Lima n. 72, padaria, em
Santo Amaro das Salinas, que se gratificara com
50*000.
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite, sem filho :
rua da Praia n. 83, 3. andar.
na
Precisa-se alegar: unia ama esera*i para
comprar e ooanhar para uma pequena familia
estrangeira : na raa do Marquez le Olinda n 49,
hja.
Precisa-se do uma ama que gafba Cdiinhar,
para casa de bomem solteiro : a tratar narua do
Darao da Victoria n. 60._______
Precisa se de uma ama para coiinhaj e qua
compre : na travessa do Corpo Santo p. )5.
Precisa-se de uma ama qua
coiinhe perfeitamente, para casa
de pouca familia, eajp-se bera :
a tratar na loja das 6 portas, em frente do Livra.
mento.
AMA
Na rua larga do Rosario n. 21, loja de calt
Sado, precisa-se de uma ama que saiba cozinhar
comprar.
Ama,, Preciaa-se deumaanja fara-caiade
a farailia de (Juas pessoas.. para o aervico
interno na rua Direita n. 28, 2i ^mjar
Salsa forffma
Vende se muito nova em rdlos pequenos, che-
gada nltim.imente : na ma do Bom Jesus n. 7.
Grande pechiucha
Em lindas las
A Roza Branca, ja bem conhecida como a mais
barateira, acaba de receber las para 240 e 320 rs.
o covado, e nm grande sortimento de lit flnas a 500
r6is, fazenda que vale 800 : venbara a Rona Bran-
ca ver Dara crer, na rua "da Impcratriz n. 36.
Vende-sq uma escrava parda, de 25 annos'
perfeita engcmmadeira e cozinheira, para fora
desta cidade : na rua de Hortas n. 96.
i*S^'
"Wi *
PAVAO
. aiw)DTJt>]*tttiAjt wrr
Vara rartltulr progreMivamante aoteabellof
_ A SUA COR PRIMITIVA
yiitatcog-jtga^upomgtdMpaiaoliHfaHy
NEOGENLuD? NORTH
lorn eii!o*Mlll?el\reM*6 I
Sapcrlorlcla MMDAli|A eirlMTAL. I," rut ,Btr(*r. 9U\*
I, jp*i
mm
; u I. r, ay.
P->arn
wte!
\m de Idle.
Precisa-se de uma ama que teaha bom lejte, e
na rua do Rangel n. 7, e r an-
Gratiiica-se
Perdeu se na nolle de 4 do corrente, na capella
de Santo Amaro das Salinas, uma volta e casso-
leta, .-ondo a volta de um tecido elastico e grossa,
e a cassoleta de filigrana com um rubim no meio :
quem a aehou e a quizer entregar na rua Bella
n. 38, sera recompensado.
seja sadia
dares.
Antonio Jose" Rodrigues de Senza, em sen ea-
cnptono a rua do Crespo n. 6, compra, por bons
preeos, ejeravos das diversas cdres, sejos e
dades.
UepwJjJicanos c.iflqnarcfeistas.
Democratas e aristacratas.
Feder,ados e confedprados,
CoramuHalist^ e eommunistas.,
Calholicos voihns ou novos.
Reupidos ou duo teuiiiJos
Fazer qnnjuaiito antes
iSuas encommendas
Dos saborosos fllhos
Tao preeonieados!
';' Na rua do Corredor do Bispo n. 17, precisa-
se de uma ama forra ou escrava, que saiba cor
zinhar, comprar e engommar, paraa casa de fami-
lia de duas pessoas : paga-se l?em gradando.
Aluga-se
Aluea-se na Boa-Vista, rua de Caminho Novo,
junto a estacao, a casa n. 135, com muitos com-
modos para familia ; a chave esta junto : o uma
outra na Cipunga, rua das Pernambucanas n. 51;
casa e uova, em folba, e tem quin'al grande : a
tratar no Recife, raa da Cadeia n. 3.
1OMOOO de gratificacao
Kngonho Santos Mendes
Fc i no dia 20 de dozeml.-ro, do engenho San
m Mendes, comarea de Nazareth, freguezia dp
Traciinha-.io a escrava Maria, crioula, 50 annos
Je idade, poaco mais ou menos, baixa, grossa, cor
3lWa, rr-!o alquebrado, pes seccos c e^panados,
leflns enrtns. cabefloa braneos. canellas finas, tem
Inns -- cabelludos no queixo, e e" bem ladi-
A i que entregar esia escrava ou ao seu
: > senhor do engenho acima, Lauren-
o I. .ia Cunha Pf-reira Belirao, ou no Re-
ilo "lorpo Santo n. 19. 1 andar, sera
s I ~m qnxntia dp 100 j.
!0
0
ncao.
_ Fug! i (i.i engenho Firmeza, na freguezia da
Escada, no dia 11 de fevereiro, o escravo Al-
'. crii.ulo, cum o< seguintes sign; es; cor
a idado de 20 anno-, alto, corpo regular, bo-
tig: m. Ilios um |>oucj esbranquieados, tem
to Bin I das costas um carocinhii a seme-
1 oa jabaiicaba. Pedeseas autorida-
.....i<:iaes e eapiiaes de campo a apprehensao
do : .. rs-Tayo, podendo cutrega-lo no dito cn-
&j>.....ii na rua do Torres n. 12, escriptorio,
Rug '.-s'j ao nm Sr. Alexandre de Souza Bsr-
0. i '.lor em Gravata de Jaburii, queira fazer
f or .! auparecer na ru1* do Livramento n. 12,
. !, t '>oejos de seu inlcreise.
lvici.i Maria do Carmo
-fx Hermenegildo Edu.udo do Rego
onteiro, do inlimo d'alma agraJe
5*i -it-'. -s c" As P^90^ 'iizir 0; resins mortaes de sua pre-
/.: dissima e earinh.-a mai Helena
fej' _l*j* .,"? Maiia do Carmo, para o deposito na
"" igreja convento do Carmo e dahi
para o Cfi vno publico ; de novo pede a sous
amgo* ii i-,irid -so obsequio de assistirem as mis
sa>. que | .'I repouso eterng da finada manda
mmi- m. ii 9 do correate, pelas 7 boras da ma-
nha, n igr ja do Carmo.
A dwpe.to d'imraensa dor que me opprime.
Bio po> < d.'ixnr de testci.mnhar .i meu cteino
nne-iiii-oto soi Sr. Drs. Antonio Bruno da
wWa Man, iC-tevau Cavalcante do Albuquerqne e
PraxiHles (; .rnes de Sonza Pitang.i, pela boa von
tadfcinii .,ue >o preslaram duraote a enfermidaae
de i-.'inha umca as-as chorada in5i, asslm como ao
^r maj .- Sevi r[ano Bafidcira do Mello, o qual
ci in > b n o verda'deiro amigo este re sempre e ate
.. ntliojo mstaate ao lado da euferma.
.'nh d vo taiiiij.-m esquecer a gnerosidade e
daMuteic -- com que o muito distincto pri^r do
convent. <|<. ca mo, sc prest m a sufTragar a alma
deminha Ida mai, recusando receber, pel'i depj-
.;itn do cadaver e solemnidade funebre, qualquer
I'fctriliui. a i
D. Bin.ana Hua ae M t.,j- Carvallu e o tt-heii
te An^-1 11 Publio le tforaes Carvalho, mai e
filho d ,'.::, ,!, l.ourenQj lose de Moraes Carvalho,
maodaiii resar missas pelo eterno repouso do fal-
leciJo, l'anniver-ario do seu passamento, no dia
JO do cineuie, ua igreja do Carmo,das 5 boras as
7 da oj:.ii'.a ; ronvidando. porem, aos parentes e
a:nigo be queiiam as-istir a esteacto de carida-
deque ;- iicarao summameute uratos.
Gi
uma sala na rua Duque de Caxias n. 61, propria
para advogado ou cartorio : a tratar na loja.
Precisa-se fallar com o sr. Jose Maria Go
mes Braga, filho de Joao Antonio Gomes Braga,
natural da cidade de Braga, e de D. Anna Emilia
Correia Braga, da cidade do,Porto ; isto a negocio
de seu interesse : na rua do Conde da Boa Vista
n. 26, ou rua da Imperatriz n. 20.
Para tranqnilidade das pessoas que teem pe-
nhores em poder do abaixo assignado, declara o
mesmo, que os objectos roubados eram seus e
esta vain fora do col're de sua casa, ende estSo
guard ados os objectos dados em penhor, em cujo
cofre os gaiat'.s nao ousaram tocar, Kecife, 2 de
raarco de 1874.
Julio Isaac.
coptnrafde-i0dos.o8iajutores raais acrejti
dos ulUpamentena.Eurjopa, cujas machinas
l*0;^?11^ por nrn^ono, e tendo um
pwfeito -flrtista para enstnax as raesmas, em
'qnalqqer parte desta cidade, como bem as-
Fabrjcados a capricbo
Dos pasteieiros
S6 e somente
Na confeitaria do Campos
4, Iiupcrailiir 9 m.
Pechinha grande em cam-
braia
Cambraias transpMentes, avariadas, a 500 e 800
reis e U000 a pega : so o n. 20 da raa do
Creapo, loja das Ires portas, de Gnilherme- 4 C,
junto a loja da e-quina.
Vestidos com babadoa cres-
Attengao
0 Dr. Amaro Joaquim Fonseca do Albuquerque
declara a seus deved.Tes que se acham em mora,
que lb"S concede o improrogavel prazo de 30 dias,
contados desta data, para virem saldar os mesraos
debitos, sob pena de, sem excepcao algoma, Undo
o inlicado prazo, ser promovido o recebimento ju-
dicialmente. Recife, 6 de marco de 1874.
Mobilia de aluguel
Alugam se mobilias completas, ou qualquer
trasie separado, cadeiras em qualquer quantidade
para festas e bailes, por preco commodo : na rua
do Barao da Victoria, armazens de motilias. do
Pinto, ns. 57 e 58.________________
ALUGA-SE
n sitio Chacon, na Casa Forte, com diversas casas
para familias, ditas para criados, com cochcira,
cacimba com boa agua e com b imba, tarn diver-
sas plantas do capim, proprias para qualquer esta-
cao do anno, e duas excelienles plantas de canna,
perto d > banho e da estacao do mesmo nome : a
tratar no mesmo sitio.
Escrava fugida
Fugio no dia Ii de Janeiro proximo passado a
escrava Bernarda, de 30 annos de idade, pouco
mais ou menos, com os signaes segnintes : olhos
granies e muito a flor das orbitas, uma cicatnz
em uma das pernas, provenienle de uma jomma.
altura regular e andar com muito vagar, trajava
quando fugio, vestilo eehale preto ; inculea-se de
ter sido libertada pela morte de seu senhor ; cons-
ta que se acha no Cabo, em consequencia de ahi
ter um filho de nome Felix : roga-se a policia a
sua captura, e quem a apprehender e leva-la a
sua senhora, a raa do Conde da Boa Vista n. HO,
ou no Recife, rua da Cacimba n. I, seni recom-
pensado.
pos a
Ricos vestidos brancos com babados a 8 j i i^o
6 so na rosa branca, a rua da Imperatriz o.56, loja
do Aaevedo.
Calcas brancas, obra de en-
eommenda a 5#.
A rosa branca pade as pesaoas que precisarem,
que venham ver as caleas pnra se certificarem do
Iue dizemos : na rua da Imperatriz n. 56, loja
P Azeyedo.
ri
HA
Rua da Imperatriz n. 60
PARA
BAZAR JI1RSAL
Bua da BarHo da Victoria n. 22.
GROSDENAPLES PRETO A I#200, 2#000 E
2$500.
0 Pavao vende grande sortkuento de groa-
^pQj"- ': denaples preto de pura seMa, a 1,5200,
' 1JJ800, 2^000 e 25500 o covado, tendo
tambem do mats lar-go e mais eneorpado que
^costuma a vir ao-mercado, e vende por pce-
50 em conta.
LIQUIDAR
CAMfSAS
he
(rn nailJ 11 a
500
r0. o
to
Carneiro Wanna.
ada astafcelecimento tem che-
nrcia a
covado 1
0 PavSo vende granadina preta e lavrada
pelo barato pre^o de 500 rs. 0 covado.
GHALES PRETO DE GUrPURE A 4000.
0 Pavao vende chales de tres pontas, sen-
gado urf'Sbm sortimento de machinas para do de BuiPure verdadeiro, pelo barato pre
,ajutores raais acradita-, 5 d? i*000 cada um-
SladnpolAo
0 Pavao vende
enfestado a S^OOO
a peca.
peeas de madapoluu en-
festado, pelo barato prer;o de 38000 a per;a.
sim concerta-las pelo tompo tambem -d'ura n:.."
^r Ditas sem ser enfestado, com 20 jardas, a
'jor'a toda
ja, seus
anrip.^em ^pend^iq algum do comprador.
Nesta eatabeleoiaufinto tarattem ha p*>rtencas
para as mesmas machinas e se suppre qual-
quer pe$a que seja necessario. Estas ma-
chinas trabalham com toda a pei-fojfiao de
um e dous pospontos, franze e"
qualquer costura por firy. que i
preeos sio da seguintaquaWade : ,..:ra tra-
balhar a mfio de 308*000, 4000( .58000
e 509000, para trabalhar ccm 0 i><} sao de
80JS0Q0, .909000, iOOJSOOO, li05*000,
1209000, 1309000, 1509000, 2009000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teracSo de-preeos, eoscompradorespodcrao
visitar esie estabelecimento, que muito de-
verao gostar pela variedade de objecto;: que
ha sempn para yender, como sejant: cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para salas, ditas de balanco, ditas para
crianca (altas), ditas para escoias, costurei-
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
Cortes de cafsineta escura
a 3^000.
Chegou para a rosa branca, ca-ineta escura ia-
ra calcas ou paletots, fazenda superior a muitas
casemiras, e poi este preco 6 de graca ; tambem
5e da a obra prompta : na rua da Imperatriz n.
96, loja do Azt-vedn.
Aluga-se a casa e sitio da Ticaruna, na estrada
de Luiz do Pego n. 3, com viveiros e frueteiras :
quem quizer, p6de dirigir-se ao mesmo sitio ajus-
tar com 0 brigad.iro Hygino Jose Coelho.
Aluga-se 0 2 andar e sotlo do sobrado sito
a rua da Imperatriz n. 53 : a tratar no 2 andar
do mesmo, ou na rua do Barao da Victoria n. 57.
sIA
Engenho a venda.
Vende-se 0 engenho Paraizo, sito na ilba de
Ilamaraca, e levantado ha pouco tempo em terras
da sitio Soccorro Acha-.se 0 referido engenho
moente e corrente e 6 a vapor, sendo 0 respectivo
terreno assas produativo de ca.nna, mandioca, nai-
lho, faijao etc. Ale'm dos tcirenos de plantacao,
ha uma boa solta para gado, muiias arvores fruc-
tiferas, inclusive coqueiros e optimos lugares para
grandes viveirus. A sltuaeao da casa de vivenda
e agradavel, e clima e passadjo da ijb de Ua
.maraca sao muiio apreciaveis, alem de oulras
vantagens qua cum a vista melhor conhecera 0
comprador, dingindose,ao referido engenho, ou
informando-ie na rua do Atalho n. 9. freguezia
da Boa-vista, Junto a caixa d'agua.
Terreno em Beberibe.
Na rua do Imperador n. 57, loja, se dira quem
vende por preco commudo.um lerreno em Bebe-
ribe, no lugar Aguazinba, com mil palmos de
frente e 80o de lundf ; tambem *e retalna, se 0
numero de pieieudentes fur sufflciente para todo
0 terreno.
.cores a 19600 0 covado. Ditas com pal-
para cnancas, detodasasquahdades, camas millhas a 29009. Ditas com toque d* mofo
de ferro para homem ecnangas, capachos,' a 19000 e 19400
espelhos dourados para sala, grandes e pe- j
quenos, apparelfaosde metal para cha\ fa- CAMBRALA VICTORIA A 490.00, 49500,
quetros com cabo de metal e do marfim,
ditos avulsosrcoJheres.de metal flno.condiei-
ros para sala, jarros, guarda-coinidas de
transparente
ararne, tampas para cobrir pratos, esteiras!8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precis
para forrar salas, lavatorios completos, ditos de 49000, 49500, 59000, 69000 e 7c000
Vende se uma prcta, cnoula, da 15 anuos,
que cozinha, eng.nnma e lava, bem sadia e sem
vicio?; 'uma parda vinda do norte, com todas
a3 habilidades, e um negro de 30 annos, de boa
conducta : na rua de Hortas n. 110.
Vende-se la de lindos padroes a 200 rs. 0 cova-
do : na rua do Crespo n. 25 A, loja da esquina ;
dao-se aim stras.
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto desde as 6 boras da rna-
nha ate as 9 horas da noute &
Rua do Barao da Victoria n.
22.
Aivicaras.
Venham todos apres?ados
E com os bolsos recheados,
Do Campos ao rmazem ;
Venham, nao falte ningum
Ver 0 grande soitim?nto
(Um verdadeiro por lento)
Que para a quaresma tem ;
Comprehendem ? ora bem !
E' com as trip&s pulando de contentamento que
me apresento ante a onda gaslrmomica das sa-
bias e illustres barrigas pernambucanas, felicitau
do-as por ja se acharem livre da pena de iaterdic-
to e poderem sem receio de alguma indigestao ex-
commutigada, c.unerem os mais linos e saborosos
eomestives, coadjuvadns por uma cascata de vi
nbos de tndas a qualidades, deixando a quern
dezejar 0 direito de gritar: viva o'triumpho das
barrigas II..
Mas, como ia dizendo, niio podia deixar de
acontecer assim, considerando-se como foi sabia e
bem barrigalmeute planeja lo 0 ataque das bar-
rigas grandes, contra a sucia dos bandulhos ca-
n.nus, quo ostrificados a idea fictieia do infer-
no bicho inventado pelas grandes barrigas, pa-
ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
vam a mais ab.-urda das monstruosidades : a
infallibilidadc do principal bojo do amor as avessas
e de tripas dadas e a for^a do tripadas qucriam
hypocritamente alimeutarem a pelludae famigera-
da ex-questio do d.a centopfi-! negra que en-
rulaila no capote chamu-cado da ioquisiaao, pre-
tendia assar o mundo das barrigas, privando an-
tes a liumanidade de ganh&r din'ieirj c de em
tempos ci mo e-^tc de quaresma :
PHAHCEZAS A 2,5000, 195W
39000 EJJ500.
0 l'avio vende uw bonito sortimento de
camisas franeezas com peito de algdlof a
29000 e 29500. Ditas com peito de liobo
de 39000 a 60000. Ditas bordadas muito
flnas de 0901-0 a 109000: assim cmo
grande sortimento de eeroulas de liabo e de
algodao, por preeos baratos, e tambem lean
completo sortimento de punhos e collariaiMM
tanto de linho como de algodao, por pregsji
em conta.
Espartilbos a .1;.>00. 4^000 e
0 Pavao vende um bonito sortiraeDto de
espartilbos modernos a 3J)50", 4^000 e
59000, assim cerao um bonito sorbaoento
desaias brancas, bordadas, a 59000 e 69000,
e ditas de NUinha de cores a 39000 : e pe-
chincha.
CORTINADOS BORDADOS PARA CAMA E
JANELLAS, DE 79 ATE'259000 0 PAR
0 Pavao vende um grand* sortimento de
cortinados bordados, proprios para cama e
janellas, pelo barato pre'.o de 79000,89000,
10^(000 ate 259000, assim como : colxas
de damasco de la muitn Una de 109000 a
l:'900O cada uioa.
BRAMAN7ES A 19800, 29000 E 29500.
0 PavSo vende bramantes para leic,6es,
tendo 10 palmos de largura, sendo 0 de
algodao a 19800 e 29000 a vara, e de linho
a 29i00, 29800 c 33O00 a vara: e pechin-
cha.
CASEMIRAS A 59000, 69000 E 79000.
0 Pavao vende c6rtes de casemiras para
calcas, sendo padroes modernos, pelo bara-
to preco d 59000, 69000 e 79000 0 eorte,
assim como : pannos pretos dos melhores
que tem vindo ao mercado, de 49000, 89 e
109000.
ROUPA FEITA.
0 Pavfio vende uma grand." poreio de
roupa feita, sendo : paiitots, frakes de ea-
semira preta e de cores, assim como : finis-
simos sobrecasacos de panno prto, e cal-
ces de casemira preta e de brim branco, cel-
letes de todas as qualidades, por prec,os
muito commodos, por qnerer acabar com
toda a roupa que tem em casa.
Acba-se constantemente aberto 0 estabelecimen o do PAVAO, das 6 hora* da manna
As 9 de noite.
5JS00O. Ditas com 24 jardss muito boa
fazenda, a 690O0, 69500 e 79000.
ALPACAS PRjtTAS A 500, 6M> E 800 RS.
0-Pavao tem um grande sortimento de
alpacas pretas, que vende a 500, 640 e 800
rs. 0 co*ado, assim como grande sorti-
mento de eantdes, bombazinas, .prjncezas
pretas, merinos, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
LAZNUAS DE ORES A 280,320 E 400 BS
0 Pavao vende bonitas laziuhas de eores
para vestidos, a 280, 320 e 400 rs. o co-
vadj tendo .ate a 19000, sendo das mais lin-
das que tem vindo ao mercado, assim como
granadinas do seda com os mais delicados
padroes, a 640 rs. 0 covado.
Sedinkas a I9OOO.
0 Pavao vende sedas com listrinhas de
09000 E 79000.
0 Pavao vende um grande sortimento de
imbraia Victoria e transna rente com
a peca, assim como, ditas de salpico bran-
co, a 7.-5000, e pechincha.
ANTO
ftu
10 JOSE DE AZEVEDO.
a Nova n. \ I.
>m urgencia
Precisi se de uma boa cozinheira para comprar
b cozinlrr : na rua Velba-n. 71,. l andar
OrTerece-se
um moeu brasileiro, com basiante pratica de ta-
verns, pai a caixeiro, dando fiador a soa conlucla :
p:i ei.-ar, pole dirigir-se a roa larga do Ro-
li (antiga dos Quarteis) fabria de ci-
riu^m
sario n
os.
fjlTClt-SJE.
uraa grande casa de familia, na Capunga. rua da
\enturau >., tendo qqarios fora, banheiro.ro-
clieira.gallmheiro, etc., etc. : a tratar na mesma
casa.
Escrava fngida
Culinda a etar fugida desde 0 dia Ii de Janeiro
a escrava de nome Berbarda,' ida-le 30 annos. poa-
co mais on menos; tem os olhos um pjuco abo-
toados e 0 aLdar moderado, traja vestido e chaie
prfctus* cociuma mudar trafos. tc!ii uma cicatriz na
perua esquerda, anda dizendo cue 0 senhor nior-
reu e dtvxou ella forri, esta la para 0 Cabo por
ter la um Glijo de nome Felix : e por isso ioga-se
as aaturidadea policiaes btt aos capilacs ae canioo
:vai>KPfelJ,"lia" ?a djw escrava, levando a ,ao Ca-
'n'nb. *?.,_a stta sentJora, sitio n. HO, ou na
iba n. i, qae st recompenaara gwie
Antonio Jose Rodrigues
de Souza, em seu escriptorio
a rua do Crespo n. 6, compra
escravos das diversas cores,
sexos e idades.
E' ua venlade bom ne^
gocio. |
Compra se ou arrenda-se um bora engenho
margem da estrada de ferro que nao exceda da
estacao di Escada, que s?ja mnito bom d'agua
e terras de muito boa produccao, nao se duvidara'
dar-se tres contos de reis.de reada e com vanta-
gem ; e bom preco cemo venda, inem otiver c
quizer dispor, tiode enteq/ier-se com o 3r. AoW-
mo Climaeo Aloreira Temporal, em seu escripto-
rio. a rua do Bom Jesus n. 5!.
resamente.
BQSQto
meusaes.
Uma-iain-rM^e^pM^as pr,cisa da, uma
in ana para airumacoes de casa e c.
Pfla -iiial da aiugu'ol acima : na rua
a* b. 7a,janto a-estacao.
,a rhOn!.pr^'S0 CQ? lus,M de ^y*1*1 Para gaz qne
tenha de 4 ,a 6 bratos
qui-no Ue dous bicos ;
n. It.
nrta
a:.siin como urn uutro pe>
na rija da Pai.na, ve

Vaccina
Ven.de-sf vacrina.mujio.Dova,' cb6da-reoeMe-
A Nova Csperaoca, a rua Daquede Caxias n. 63,
apressa-se em convidar a seus fregm zes. com es-
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
guintes artigos expostoa a venda e todos por pregos
commodos, como fejam :
FINAS BONECAS inansaa e choronas.
BONIT.AS E E.NGRACAOAS vistas para sterios-
copios.
COMMODaS LATAS para guardar cha.
ELEGANTES BOLSaS parasenhoras e meninas.
BONITOS '. ASOS com fma banha e cheirosos
extractos, tiazendo cada frasco um none, uma ini-
cial ou am dis'ico.
FINAS SJEIAS Di? SEDA, vindo entre ellas cor
de carne.
Para quem gostar.
A' Nova Esperanc? a rua Duquo de Caxias n.
6 s, acaba de receber tontus e caixas para o iogo de
Volurette.
Paraque^sflse A Nova Esperanca, a rua Du^ue de Caxias n.
63, acaba de receber as procuradas meias de bor
racha para quem soffre das pernas.
FLORES ARTIF[CIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber um lindo e completo sorti-
mento de Bores artificiaes das melhores que tem
vindo ao mercado
A ellas antes que so acabem.
Costumes para crianca..
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias a.
('.;!, acaba de receber bonijtos costumes para criaaca
e osti se vendendo por preeos razoaveis.
1S HEEYOSOS
A N iva Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, recebeu um pequeno s*3riniBoto de. anoeis e "
pulseiras electricas, psop'riaspira qaem soffre dos Da "e nw,', B0-8"**:', saboroso, cheiroso* tudo que
narvae. -
De fazerem penitencias .
Enchendo bem as oarrigas,
Poi< nao 6 tempo de brigas
E sun e, dc absiioeocjaa.
Mas, como ia contr.nlo, custou, pcrem afinal,
depois da rasorada que Ihe passou no pescoco 03
(loden-s poderosos, a cabeja foi parar no fun-
do do rio e o rabo, como ruim d? e.-follar, licou
no spcc i exposto aos poutapes de qualquer gato
pingado. deixando 6 verdade, magra as coll.'gas
barrigas, qne dcjpeitadas vao tratar da se nutri-
rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do 'm-
perador n. 28, ante com eerteza eocontrarao lem
do que desejarem o scguinle : ovas de diversos
peives e de baealhao ; peixes de vinte qualidades
em conservas, .-ardinhas em latas, camardes sec-
cos, baealhao, pest-ada-, sardas,iigostas, salraaj,
batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
mantei^a inirleza e fraoceza; d-ces, fructas e
cincnenta qualidades de vinhos Hn"S do Porto e
outras tantas de outros lugares mais afsmados de
Portugal, alem de um completo softimfato de ace-
pipes raros, delioiosos e quo
"ahinio em qualquer barriga
Faz a melhor digestlo,
E nio faz mai a boxiga,
Como comendo, verio.
Mas, como ia fallando, iaraos entrar na vida de
outr'ora. isto 6, na e"poca das festas, e portanto
vamos ter festas, festas e mais festas, e como todos
eqmem das festas, visto que uma parte da,para as
festas e tres recebrtn para preparar as festas, 6"
Ingico nue o bregeiro dinheirj qae anda tie vas-
queiro, saia dos cofres dos amaotes orlhodoxos e
se va familiansando com as algibeiras vasias dos
necessitados, e e*tes for sua vei veribam ae arma-
aemdo fampos a rua do tmperador n. 28, prepa-
iarem-e para a quaresma, tempo de abstinencias
n> 'pial se come eem licenca, comprarem o que
^uerendo definitivamente liquidar este
lsados, pelo preco do custo de factura.
negocio, vende todos
os que tem, novos
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos dc 11 a
de largura e 100 de comprido, podenio forrar-se uma sala por
seja com oleado inteiro.
VIAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
1RNEIS electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nervoso.
VIL'ITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
SRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGAR^A e papel picado para bordar com la ou se^ia.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
I: muitos outros artigos, e por barato preco.
33 palmoi
.TinJe qut
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borba, em cbicote, picado, desfiadu o crespo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarao os seguintes e bom conhecidot
fumos manufacturados na mesma casa,
Flor do Brasil
Novo Caporal
Bes Bird'seye, ( Olho de Passaro. )
Vende-se a retalho, e em grande quantidade se faz grande abatimeuto.
GRANDE
que
Pouco mofo.
Brim pardo mulln fino a 400 rs. o covado : so
oa roa do Q.,eimadn n. 43; appoveitem que e" pe-
Cnincha, ,na l"ja de Guerra j,. Fernapdes.
Baliza.
nieiita^aEnropa na plwrnaeia aericana, dB,jaacPCom 14 cuias a i^SOO
de Same Fereeira Main. & C, a rna Daque'.de Caxiaana-
mo e'rsy.
Neste estabelecimento vende-se mjlho novo em
cba em ouso.
Dizer aos amantes
Dos genero-* i'.f)ciaos
Que ^e qiierern sPr-feJiz^s
Venham ja e quanjo antes
Saber itppns^ fjjfh
Do Caiii|'o> nio (i-r rivaes
E poder -6,f n-necer
Deheiafi, gnst-, e prazer.
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e o mais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminutos
preeos de 23500, 2**00. 34200 a 35500.
SO- NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES POBTAS DE
Guilherme & C.
Junto a loja Ha esquina
Naoiia mais cabellos
brancos.
TiNTURARIA JAPONEZA. .
|S6 e unrca apprtjvada pelas tcademias de
aciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido ate" hbje. Deposito princi-
pal 4 rna da Cadeia do Recife, hoje Mar-
que de Olinda, n. 51, 1. .andar,' e em
cabellei-
As unicas verdadeiras
Richas hatnburguezas qne vem a este mercado:
uarur Marquez de iNiada n. SI
--------------------------------------------------
Wilson Rowe 4 C. vendem no seu airnazen
' a rua de fJommereio n. 14 :
; 0 verdadeiro panoo de algodao azil amenrano.
ExceVente flo da vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra ie todas as qualidades
Farinha de mandioca nova.
Racentamante chegada de Sauu Caiharina tea
para vender no trapiche Companhia, e para tratar
no seu escriptorio a rua do i 'omiaercio n. 6, Joa-
quim Jose Guncalves Belirao 4 Filho. Adveitmda
aos coupradores qua cesejando acabar, veoden
raais barato do que em qualquer ouira parie, Un-
to em grandes comoemjiequenas porcoaa.
todas
reiro.
as bolicas e casas de
outra
Vende-se duas escravas
tACia iUta A mi jla Tl,.
com babtb'dadM
las :.arua de HorUs n. 06.
- Vende se nm bon.no escravo de 18 annos de U.. 1 \J ill U1_J
ida^n por 1:30(1* optioi.) para cijpeiro ou boleeiro: ,uoia,oasa ua vitta da Harreiros, na rua de Ceai-
a tratar no pateo da Hiheira. no portao do soa-i ^arcio, por preco mo4ko: a tratar cosa Xasio
meeiro. irmaos 4 C
Lindo chfariz.
Ven*o-39 nor prego barato nm rico chatarix
de marraore oroprio para jardim, o qual se acha
armado na o(Bciaa de niarmore do Sr. Lien,
raa do Inpperador para auarn o qniter Mr:
tratar na rua do Crespo, loja d i Passo junto
arco de Santo Antonio. _________________
Atten^ao.
Vende-se duas casas c ntiguas, a qne ten com-
municacao de nm,i para ontra ns. 33 e 38, a raa
de S. Migu I d's Afogados, com sitio nrera*) e
portao para a rua do Bom 6oi4o : trMa-sems me*.
mas casa. das 9 as to hcra< da raanhl.
Tanques ^e ferro.
Vende-se dous, triangulares, proarios para na-
vios : na roa da Uniao n. 67.
1



J fr
>

m,
I
feisdo ;Joi Pftrikmbueo-----Skgwalfr teiray ^tftHjfatrtjo- de1 Ibf 4.
7

flE
fazenda s fi rias
" Run PrimeiM derffen)"- tk-u? Vkt
Cordeiro StBioesdHA *
tf esta'urm das casas^que' Bojb pode torn pri-
mazia offerecer aos seus freguezes mo sortiwanlo de /aiesdas fuua. para graode tei-
lettev e bem assim uaca uso oxdinynu de todas v
classes, por precos vantajosos, dn< i|aes faz urn
pMHeAormmMy.
Mandam faaandas its casaa tot pratcnacBiM,
para o que tem pessoalneceasano, e dio aaualras
mediame peahen-.
Cortes aft seda de lindas c6res.
Qrwtienaplesd todas as cOree.
Gergunio feraueor hzo da. betray una* etc.
Setim Macao, prelo e de cores.
Grodenapies preto.
Velrufln preto.
Granadine de seda, preta ende cores.
Poaelinas de lindos padroes.
Fil6 de seda, hranco e pseto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, 15, etc.
Santas brssileiras.
Coites com cambraia branca com lindos borda-
das.
Ricas capellas e mantasnara noivas.
RiqutssHPo sortimento do las com ristras de
seda.
ambraias de cores.'
Pitas maripoias, braoeas, litag e bordadas.
Nanzuqn.es de lindos padroes.
BaptisUs, padroes deiicados.
PeWalinas de quadras, pretos e brancos, listras,
etc, etc.
Brins de linho de c6r, proprios para .vesiidce,
com barra e listras.
RIcos cortes de vestido de linho, com infeites da
mesma cor, ultima moda.
Dttoa.de-cambraia de cores.
Fuslao de lindas cores.
Saias norda las para senhoraf.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e al-
godao.
Sortrmento de tarns da verdadeira fabrisa de
Jouvia, para hnniens e senhoras.
Vestuarios para meniaua.
Ditos para baptizado.
Cbapeos para dfto.
Toalhus d goardanapos cOr. para mesa.
Colchas de la.
Corlinad.'s bordados.
Graflde sortlmen'to de camisas de lmbo, lizas e
bordadas, para homens.
lteias de cdres para homeiis, meninos e meai-
Ditas escocezas.
Complete gortiuieato d* chapeos de sol.para ho-
mens e senhoras.
Herinodecons para vestidos.
Drto preto, tnmvado e dito tie verao.
Atoamado do liaho e al^odso para toallias-.
AJoalhado nardo.
Darnasco de la.
Brins de linho, hranco de core's e prelo.
Setim da lindas cores com listras.
Chales de merino da cores noretos.
Sites.de ca-emira.
jtos de seda. preta.ede cores.
Ditos da'touqufm.
Camisas de clnu para homens.
Ditas de flanella.
Ceroulas de-liubo e algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e conso-
Lencos bordados e de labyriufbo.
ColcbMide crochet.
Tartatana de to Jus as ror^s.
Hicoe cortes de vestidos do lariatana bordados
para cortes.
Eapartilhos lisos,. bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meis de seda pan seultoras e meninae.
Ricas fadias deseda e la para senhoras.
Rico sortimento de leques. de madreperolas e .
osso. I
Dairjasco de seda.
Casemira preta e de cures. i
Cbitas, madauolan. panno lino preto e azul, col-a
larinhoa, ponhiis de linho e algodao, gravatas, lu-
vas de Co de &cos.-ia, 'apetea de todas os lama-
Bh.03, bolsas de viagejn, peit.s bordado* para lio-
mens, lencjs dc'linhu branco e de cores, toaluas,
guardaHaoos, etc., etc. ___________
200
rs
-
a
Lfrjt* 4fr 4*8 porias
LAZWttAS
Chegoa es-ta fazeud.., coir. uadrSes inli-irainente
dotos, nia *> vi :u\r po!n diwii-M-'.i jneyo de 200
rs. o eoyadu ; ism por ti*X: > iiiantidade.
SO' >A l'.l'A DO CRiSiO N. 20
M.'tja I
Guilhermc &C, junto aloja
da esquina
~^~Voude-8e as casaa terreas segyuntM :
Rua2'i de Maio (buii'ora dosOss.s) ns. 2 e 4.
Raa do Fogo n. 2.
Rua do radu' Kluriano n. 3'>.
Travessa da Itomha n. 5.
Becco do Padre Loliato n 8 A.
Becco do caes da Cadeia-nova ns. 3 e o.
A tratar bo lyarco do Carmo n. '..
baralo.
Vende & meluH de lindos psdrcV-. i ./> r.da
boa. sen barat-. ureeo de^KKI rs eovado v rua
do Crespo n. 2i A, j..j;i da esiiuiua. DiVi-ie aRtofr-
tra.

-
to
I- Ol J
RCTOOZBDBALW
DAO
OK
TODAS
As
CORES
r-vknv
ua da Imperatriz n. 72
in:
boitr^o Pi'ira Meintos Guiwaraes
PA RTF
A
i
iim Wo iMrpaiteanBO<
Declara aos seus freguezes qu Win resehi fazen uma gran.'e liquitU?So, ate o
Gorti as falsificacoes que torn apparecido
DAS MACHJNAS PARA COSTDBA
CA-\iU4JiAI48 mWiXaS A 3^000^
Vo0dn-! p<'casJdeca.mbt3ia branca, tapa-
dae transparcDte, a 39, 3^500, 4900p.e
USWJU6A2P0US
a20*
i Ditos de p&lha, a 3, 3M)0a e 4^000.
Ditos de mass*, a-49000.
PEBFlLMAftlAS EM LIQUIDACAO.
Vende-se sabonetes de diversos taraanbos,
a HI), 200- e 240 e 320 rs., todo bom.
Tnaao de banha, a 160, 320 e iOO rs.
Frescos com agua de colonia, a 240 e 320
':
::-. cada um. E outros muitos extractos que
se veadtt inuito barato para hquidar.
Vende-se lasiiibas para vestiios,
320*6,500 rs. ALPACAS AG40,R9.
Vendo-se alpacascU; cdres com listras a 640
eOOrs. o eovado, TOALUAS A 800 US.
GRAJHADiNE A 80* US. Veode-se toalhas felpudas, a 800 rs. cada
Vende-se grunatline preta com listras de. ma. Lencos brancos, a 29000 a duzia, e
cores, para vcsMdps, a 800^ ra. oco- :SO00 abainhados, fazenda que vende-se
vado. rT* i-^.i^OOO.
POUPEU>jA.JAPO;SKZAA 1*800, GUAVATAS I'UKTAS A 500 US.
Vende-se uma 'fazenda nova com listas, J Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Mau-
cotn o nome de poupeliua japoneza, propria us ,lu cor.'s a 200 rs.
O
CO
ma-
Nenhuma
china Singer 4 legi-
se nao levar
Porquer
?
a tima
99
esta marca fixa no
braco da machina.

Salsaparriliia de Ayer
PARA PURIFIOAR O .- \SGXTB.
0 renome de qne g^a est ex-
ccllente remedto 6 devido a miliia-
rs dc cun' que tem operad, mo-
itaf das quaes s&o verdadoiramenta
maravilhofas. Innnmcros sSo os
ea;os em que o systhema, parecen-
do saturado du podridao de midades esorofulosas, tem sldo
promptamente restituido a saiide.
As afleccOes e desordons, acerava-
*u peta eoaUminacBo eecroralosa,
at6 produiirem dares mertificantes,
!em eido tarn radical c tarn geralmente curadas por elle, em
lodos os pentw'flo Imperlo, quo o publico mat precis* d er
informado dt= suas virtude* e do rtvodo de nsal-o.
0 yeneno eecrofuloso e nm d< mats destruldores inimigo*
da r do nosso organismo e deixa-o fraoo e inerme contra molestiai
fataes. Ora, patentcia a infeccio de que oorrompen o corpo
e entao, em momenlo opportuno, lavra rapidamente sob algu-
ma de was bedjondas formal-, ia na cotis ja bos orgams
Titaes. Neste nTtimo caso depointa, muitas vezes, tuberculos
aos pulmotw. no figado, no coraeito, etc., quejido nao ee maa-
iftsta em ";. tumoree, etc.
A inim., f. pi riposo e tam perfido nnnoa se deve dar
tuarida, e p. v .1 & sempre melhor do qne combattel-o.
Assim,an!e= 1. r-cerem os proprios lumathomnt acft'wj,'
ofaa da.4/.s iKHBtA IMP AKH podera eTitar
resultados fur., -las. j
As pessoas que sotl.-m de Erytipelni, Togo de 8. An-
lonit, Iiart-nm, i:m/.ig*t:i, BAewnalUmt, JVmorM,
Ulctrrv, e ser>sibili d6r nos ossos; "Dyspepsia on Indigesloes; Bytroptila,
HTpiCMtioM do Cornctio do Figiulo, IZpylcptia, yev-
ralgta e'do yarias outras affeccoes do systlieraa muscular e
nervoso, acharao segnro aUWo usando derta SALBATAR-
JtlhtfA I ItK AIMS.
A iryphilis ou JUoleitiai Tmureat eao 'enradas com o
etrnNVpoMO qne Qyt neeeesarlo mats dllHado- espaco de
tempo para snbjjjgar tfmdippertinentes aBfermldades.
A J.euorrhfa, <>a nor Branoai, as nlceracSes nteri-
nas e em geral an motettia^ das mnlheroe *o tambcm alliria-
das e tttteriormente curadas por seu eneMo pcrlucador e
vigprativo.
O Jthpumntiamo c a Gotta, quaudo causadoe por accn-
muluooes dc matcrifis extrauhu ho sanjue, cedem-lhe facil-
mentp, dc mesmo modo o Jfat ate Ftgado, Cortgeiino aa
Zn/tantmaeao do Figad^letmritia, quaodorteioriundas
4e inaus rasiduoe do sangue.
A Balsaparrilka c un exceUente reetaurador dm
forca e vigor do erWhema.
Assim, todos os que Eoffrerem Z^mguor, Phlegma, De~
tnaios, Ineomnia c quo ?8o Incommodados com Appro-
henooeo e Temorrs T.'ervoio* 00 qualquer outra afioccao
provenleate de Dehilidadt, acharao do seu poder renovador
o mats seguro expedients de prompt* cura.
J-REPARADA FOR
J. C. Ajer & Ca., 3LoweU, Mass^ E. U.
CMmiatu Praeticos e. Analytics.
YXfrx>m sa for
Para evitar falsi- S
fi canoes notem-se
bem todos os deta-
lhes di- raarca,
I
o
OS
cs.
K
t>
prazoi
das Exmas. familias
A dinheiro e a
A contento
MACHINAS DE SINGER
Sao marsjbaratw.
SSo de does pospomos.
Sao simples.
Sfio r8pidas.
SSo duradduras.
MACHINAS DE SINGER
Sao de dous pospontos.
Abaiobam.
Franzera.
Pregam trancas.
Ma ream pregas
Bordam de linba de seda.
Alcoleboam.
Pregam cordoos.
UNIGA AGENCIA
EM
para vestidos de seo^oras* a 10800 o eo-
vado.' Todas estai fazendaasao vcadidas no
Bazar Nacionali < rua da. Iasper ariz n. 72.
CORTES DE CASSA A 295 0,
Vende-se cortes de cassa para vestidos,
com a8*o*Mlos,a "iC-500.
CHITAS LARGAS A 240 Rs.
Vend^rse r;b*tasfraucezjits, )argft$,,de.cores
fias, a 2i0, 300, 320 e 360 rs. o co-0
vado.
CASSAS DE CORES A 2G0US.
Vende-sexassas francezas fnias do cores,,.
Cbapeos para baptisados
BENGALAS E CHIC0TES A 800
Veode-.se lwngalas e chicotes, a
fade iWHfli [liiiit iiquidar.
de meninns, t
RS.
800 rs.
GHAN E LiOLLDACAO DE ROUPA FE1TA
vei:i. -c.;uti!as*de algodao, a 19000.
Ditas -tic iiuiio.a 19000 0 25000.
Camisas.dfi chiLis finas, a 19000.
D.ta de petto de cores, a 2-3000,
Ditas brancas Unas, a 29000, 39000 e
a 2/iO, 320 eAOQ rs. o eovado. }490Qfl,,
SAIAS A 290Q0.. Ctdcasde brim pardo e de cores, a 2^000
Vende-se saias brancas com bavras decO- i e 29W0-
res, a25000- Ditas de casemira de cores e preta, a 59,
CHITAS PAttA,C0BERTA A 280 RS,. i 6, 73 Ott 89000.
Vend^se ciiiilas-. para cobert.is, a 280 ej Palitotsdc alpacas do cores, a 29500.
360 rs, o eovado. Dito? ;pret*)S, a 39000 e 39500.
MELVS PARA U0MENS A 69000 A DUZIA. j s. de cast-mira de cores, a 49 t
Vende-se tneias. cruus verdndeiras, paia 6^000.
bomeos, a 69000.. a, dueia, a qual vai. Ditos ditos pretos, a 59000, 69500
A CASA AMERICANA
RUA DO IMI'ERADOU 45
Attencao.
GALLO BRANCi
RUA DO RANG EL ft 3 !
Armazens de seccos e molhados
TEM PARA DrSTfNCTIVODOESTABELECiMENTO EM CALLO BRANCO, PINTADO,
PAUA ALGUMA PESS0A QUE IGNORE A EEITURA.
Uodrigues & Pires, regressados em Perntmbuce, cidade do Recife, successores dq
armazem do Gallo, a" rua do Algibeves, em Ltsboa, omais afamjdoeconheeido armazem
naquella cidade, capricham sempre em ter generosde primeira qualidade, dos quaes dao
aos seus numerosos freguezes urn conbeciroeuto mais prolongado na relaQao anaixo des-
cripta :
0 que 6 bom e caro
Palavra bemdiia que nur.c.i faltou.
89000.
CHAbES DE,U A 800 RS.
Vende-se chales de la, a 800
um. p
CHITA9 -FINAS A 400 US.,
Vende-rse cbitas Gnas Q largo.Ja-
zendnmuiu. tway* 4ti* ra ocovado-.
CHAJ.ES DE MERINO' Ai|0Q0i.
Ve**di8rpe cbales de'.oiferiioo estampados, a
29, 39,49000 eSaOgjfc;
Diltes de lisOits. a 58O00 690OO.
BRINS EM-COIVTESiA 19&0O
Vde-e: cortjosde brito du ednes-epardo,
a 19 jOO ., pat a liq u idtu-.
COBEVrAS liECHlTA k 19600-
VanJiTiWnrWilltUn de obita* a 19600;e
29000.
BRIM PABDQ E BEC0RESA 400.US.
Veodie-se Urim pepdo ede. c.-iru?., para rou-
pa de homens e meninos, a 400 ra. o eova-
do, parft liquHar.
COLaVAS. DE CORKS; A; 29O0O.
Vende-secolxas de cores patia ama,,a 29,
e*9()00,
TRANSPAUENTES PARA CADEIRAS A
19500.
Vende-se transpareutes para
I93OO, para Iiquidar.
BONETS A 500 RS.
89000.
Colleles d'; casemira de cores, a 29, 39 *
rs. cada 1 49flOO.
Camisas de flanella, de cores, a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-rse pegas de algodao, a 49, 59
69000w
CASEMIRA DE COR A 29500.
Vende-se casemira de c; res, a 29500 c
eovado.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pegas de madapolao enfestado
a 39000.
Dito inglez, a 49500, 59, 69 e 79000 a
peca.
BOTINAS A 49500.
. Vende-se botinas para senbora e meninos,
a 49500, 59 e O9000.
Ditas de enfiar, a 29000.
Sapatos de tapete, a 19500.
Ditos d tTan<;a, a 19800 e 29000.
BKAMANfE A 19600,
Vende-se braraante com 10 palmo
cadeiras, a largura para l-.-ncoes, a 19600 e 2950
j metro. E outras muitas faz*mdas propria
do mercado, que e vende sem reserva, de
IffiDItEGi'A
A' run du Cabu^ii n. A.
Os proprietaries da lTedi!..cL>, nu inluilo U
conservar ( bom coaceiW que term merecMtofc
respeiuvel publico, dUliuguiudo o scu 1~.slaiMM
raento doa mais que ne^ci*i:i no niwmo poawo,
veera sdentificar aos seus buns it oguoies qne p
veniram aos seus corresjiondent;- na< diversas par-
pis d'Europa para Ibes enviareiii por tod< < <>pa-
qnetes os objectos de lnxo e ban gosto. qt;e e*
jam mais bem aceiios pelas goeiedades elcgaalH
daquelles paiaes, vislo aproxinr.r se < letnpt) d
fesla, em que 0 bello sexo desla Iil Ja Venaqa
msis ostcnta a riqueza de matt tcill. tie; ; e co-
mo ja reoebossem pels paqueto tnaa ui crso
artigos da uliitna moda, veeui rialent? r aigmt
J'entre elles.que se lornam mais recommeudavea.
e^perando do respeitavel publi>o a cos'.ouaiia
concurrencia.
Adercos de tartaroga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
^ Albuns com ricas capas de maorei>erola e 4a
velludo, sendo diversos tanian!iu.> e bara'os p
os
Adereeos completos d borracha pi pri para
It to, laiiilitm se vendeui meios adanfui niwiM bo-
Ditot.
Botoes de setim preto e de cores [ir or^^oae
vestidos de senbora ; tambi-m t'.m |,ara colM
(lalitot.
Bolsa* para senhoras, exili.- um beLu sorUflatav-
lo de seJa, de palha, de cbagritu. etc., et:., pat
barato preco-
Bonecas de todos os tamanbos, tanM ('-IflGfi
eomo de cera, de borracha e de Bassa^-ftiaHaV
ttios a alteocia das Exmas. ?.ra^. para Ufa,
pots as vezes turuam-re as cri&u. as am p> ;. o im-
pertimirtes por felta -de um obiccto trelenham.
Camisas de liu'10 iisas e com peitoa L.tdaaaa
para hoinem, vendem-se por p:
Ceroulat de linho e de algodr, uu ...>. s pr-
cos.
t^iixinhas com musica, 0 que ba di* r.i.nis ii4a
com disticos n*s umpas e prupri 1 par^ prcs-
tes.
Coques os mais modertiOh e >'. diversos f..itt-
tos.
Chapeosparasenhora.Receb.;.'. sarti
da ultima moda, taoto para s. .;.i>.r...
raeninas.
Capellas simples e cum v6o para B
Caicas bordadas para menin
Eutremeios estampados e bordad rt i
desenhos.
Esaaraa electricas para dent .-, I m a ; {r.-a-
ijf.de de evitar a carie dos dt-i
Franjas de seda pretas e il> cflres, '-. nm
grande sortimento dc divercas tofwaa e Laral'j
l>reco.
Filas de sarja, de gorgurio, d s ...: e d^ ca-
malote, -de diversas larguras e bmlta? cor. .
Facbas de goigurao muiti lirm:is
Flores arlilioiaes. A Predilrrta pi ima eta coe--
servar sempre nm belo e paade aertin :>:a de>-
tas flo es, nao so para enfeiti dot c.L ii '-, cj~.
lambem para ornato de vwtido de 1.
GalOes de algodao, de 14 e dc teda, br.'n'.\.-.f.'*
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para horn n oaa.
Lacos de cambiaia e de sed de diversas earfc.
para senhora.
Ligas de seda de cores e branc; bord; Jas park
noiva.
Livros para ouvir missa, rr. capas de tnadra-
perola, marCtn, C$-o e velludr, lode qua ba da
bom.
Pentes de tartaruga e marfi: \)?.ru r.':rr os ca-
belos ; teem tambem para tir.r ca ;.as.
Port booquet. Um bello sortimeuto de uiadra-
perola, marlim, osso e dour^J 1 prav*^
Perfuraarir.s. Neste artigo e f .-. a bee
provida, nao so em extracio>. re: <>iaoc t
banhas dos mclhores adores, d< ; ti~
fabriciutes, Loubin, Pivcr, Si-:i J- V:ytjmca,
Coudray, Gosuel e Bimel ; sac i^di:r:: ltcTb pr
a [esta.
Saias bordadas para seuh : por v aimed
preco.
Sapatiuhos de la e de setim bariadoi ,para I
tisados.
Tapetes. Recebeu a Preduccta oja b milo SOCll-
mento de diversos tamanbos, lanlo j-ara sofa co-
mo para entrada de saias.
VestimenUs panvlMflbado 0 qu Iri -:.3 milb.u
gosto e os mais moderm. .-.reivb.u -^ ". : IQeCti
de or ar to prejo, par dear.:
qualquer bolsa.
Rua do Cabuira ?
VeftfJe so bonojs de setJa.para liomcqs., a 'prego, par* Iiquidar ate" 0 fim d 1 corrente
500 rs. ^anno, por isso convem aos compradores sor-
CHAPt.OS A 29500. tirem-rse defazendasbaratas, para a presen-
Vende-se cbapeos de castor para rreninos' te fesla queestd naporta, & rua da lmperatrii
e homens, a .29500 e 39QOO. n. 72. Bazar Nacioual.
libra.
a 49000 a li-
Chi pcrola fino, a 69000 a
Dito miudinho super-fiuo,
bra.
Dito popular, lino,, a 39000 a libra.
Menteiga ingleza fior. em barril a 1960O.
Dita ditafina, em latas, a 19500. -
Dita, dita, dita e dita, a 19400.
Azeite de peixe baleia, a 640
fe.
Dito de coco, fino, [a 800 rs. a garrafa.
Dito doce e carrapate.
Aguard6nte do ealdo da canna, feita de
encommenda, a 800 rs a garrafa.
Dita popular, a 320 e 240 rs. a garrafa.
Dita branca, a 200 rs. a garrafa.
Os verdadeiros
Vinhos.de Bourgogne
das roarcss
Cbambertin
Pommard
Virits
Volnay
Beanne
Monlheiie
Dito Bordeaux em quartollas.
Y PAUA LIQUIDAgAO DE CONTAS
HA
Bum Lar^a do RMario 341.
Rotica.
Camaroes seocos, a 500 rs. a libra.
Oueijos frescos empellicados, prego coup-
modo.
Caseasdecoco para lavar -asa, a 160 e
120 rs.
Farinba fina de Muribeca.
Vassouras de piassava para servigo inter-
rs a garra-no, a 240 rs.
Ditas grandes a 500 rs
; Masses para s6pa de todas as qualida-
ides
Vinho tinto e branco, superiores, engar-
rafados e em pipas. Eoutros artigosi}ue sera1
enfadonbo annumerar, em secco e mo-
lbados, por ser extenso.
[?1
elrDgeipo.
Paris u'America, 4 ruaDu-
que de Gaxias d. 5Q
priTieiro andar, acaba de receber nm completo
sortimento de calcados estrangeiros para-homem a
senhora, vindo enlre elles ua fiodo soTrlmento de
elegantes chiquitos, sapaHobos e botinas paea
criancas, qne tudo vende por precos razoaveis.
[nil
1
a

Por metade de seu valoi;
Vende-se ricas sedas de diversos padroes pelo
baratisfimo pre$o de 1/500 o eovado, aproveitem
que e pecbincha : a rua Dnque de Caxias n. 88.
Cambraia de eOres, padrSes murto lindos, pelo
baratissimo preco' de *H0 Vs. o eovado : na rua
drimeiro de Marqo-(antiga do Coeapo) n. 13, loja
das columnas, de AntonioCorreia de Vasconsellco.
Lindas las escocezas.
loja de Demetrio Bastos.
X
De varios padrSes, e inteiramente modernas,
' 360 rs. o eovado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. 13. loia ^^ nolomnas. da Ad-
tonio Correia do Vasconceflosr

B.HH.H^.IH
LICOR DOS M0NGES BENED1CT11N0S DA ABBAD1A DE FECAMP
Este celebre licdr tao
appreciado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje em todas as
1)6as mezas, tanto no
Restaurante como no
janlar domestico; nos
grander hote'is cpmp nos
6ajpes.dps pi^acipes, porT
isso e elle tamben o ob-
jecto de numerosas imi-
tacries, cuja tnaior parte
de falsa proveuencia.
Como termo final de
garantir aos consomma-
dores cuidadozos um
producto puro, exquisito
e essencialmente hygi6-
uico, contra estas lalsi-
lica96es detcstayeis de
,,man gosto e nocivo, k
saude, damos retro o
modeloda garaffa e mais
acima o dos sellos e le-
treiros que envolvem o
verdadeiro licdr benedic-
tino.
Q1SERTACA0 IMPORTANTE.
Recommendamos pprticulqri/tente #o,pu(tl,>co etn geral', o exi-
gir o lefreiro.acima, qui i jtmpre posiom futulo tins gar a (fas
desde o 1' de Outubro de 1872 que letn a assignatura de
A. LEGRAND aine. director geral.
N. B. Em tempos de epidemia o BEKEDICTINO 6 um preservativo
oerto; nm grand* numero d oelebridades medicas tem dado o
oartificado bem formal.
llepo^ito pjerali A. LEGRAND (tint, em Ftramp (Franea).
Depositt* geral aci.PfimoTn^wo, A. REG0RD
---------
J

(;i!i:p&.s para sonhora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n. vldentO
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico aorti- j Vende se na rua da Madre de Deos n 31 i
mento de chapeos para senhora, ultima moda e,menurpreeo possivel, o verdadeiro cim-ntX S
vende por preco cornmodo.
.land, vindo pelo ultimo ywW^if^jC
tear Mmi
Amaral Xihtico & C, vecdem eleaaotos nguras
de.broBec e,de porctiUaa, ia,rros # portacartfies
de, porcelana, espeljjos, atoajpado brimco e de co-
res, de linhu e tie algodao. guardaji'apos de linho,
grSndes e peijueno?, e oulrw* nitrftos arligos ne'
cessarios e proprios para decoro de uma cafa: no
Ba?ar Victoria,.a wa do B^tao^da Yjcjoria n. 1 ,
Bandejas.
Amaral Nahuto 4 C, wndwn bf\ndejas de r,ha-
rao de 12 a 30 pull'gailas e d. gosto inteirameni
te ncvo e de metal, lambem bonita pintnra e de
diversos tamai.I:, s": "" BWr Victoria n .
Vemie-se o tngeiho H'.c>s velhas junto da villa
do Cbo, e perlo da e"."fn* u^ Wnn, uma legna,
eom a 84frti e bois, on >6 o .entenho, moente de
agua, que pode safrejai oV I.M> a i.OOO pa"s de
assucar : a trat.r no mesmo engenho, ou a rua
Imperial n. 92, com Thomas Antonio CoIuira.
I h C. Dyle.
Hennessy, superior e verdadeir.
ffif-
Xem para ve 11
Cognac de
Viryio'Xeres das mplborrs qualidados.
Bitters de Angostura.
^hisk-y.
Cba prelo em lattas de 10 librae.
Todas as ia^r^M^ pbimicas do_Dr. Aw
armaiem da rna do nommercio n 'Sa.
Barato que admira.
Na loja das seis porias, em frente do Livraraea-
to, eoiuimia baver um complete sortiment de
fazandas baratas, como sejam :
Chitas matizadas a 2\0 rs. o eovado.
Ditas de ol mhos a 240 rs o eovado.
Ditas de cberta, mrdernas, a 280 r-. o eovado.
Las de c6rns -A 320 rs o eovado.
Tudo mai- em pioporcao, e so com a vistf o
ij/eguez podira.avallar '.,
Venae se uma tavrna na rna das Carro
cas, esquina da rua de S. Joio. com boa casa de
vivenda e baataale? eomnWidM vw bmfflia quern
ipretende-la dirija se '>'* a
'r>'
1
IS B
.raudc pectiinelia a M
eovado.
tJassa ii, padroes novos, e J ... sto qot
t vindo ao mercado, so na rua du ijuc'noo..
43, loja de Guerra & Parnaiiues, pelo dimin*
preQo dc 200 n. o eovado I
'-hegnem freguctes qne se a-'ai..^ __^_-_
Fogao de ferro economico
Vende se um cliegadoha pane du?, 'and) t>r-
nalhas para lenha e carvao, torno pjra aasar,
deposito para agua quonte c lugar para sa guar-
dar quente as comidas depois de feita*; esles fo-
gilw t- rnamse recommendaveis porgu" slo de
fen i) Lalido, e fabrirados cum perfeic/i a eoti-
nham com mui diminuta loaha : na rua >H Apollo
n_20________________________
AGCAS ALCALIJiO GAZOSAS D.\> i tDRA
SALGADAS
VILLA POUCA DE KCUl
Bicnrbonutadasf-sndicrts
Anulyses do Dr. Jose Julio Roth igu< f, lent*
da escola polytechnica de Lisle*
Esta escellente agn, u?ada com v?tri. nes
padecimentos das vias digestive, nri :ias, d
estomag), etc., eu\ : vende se a pkarttNMH t
drogana a rua larga do Hosario n 34.
Vende-se um rico pianno novo. o.: i fo..
p de exccllentes voies, a tratar na ri. d i Hul
de S. Borja n. 29 ; na mesma casa uv-m para R .
der-e uma boa mobilia de jacamn 1;. jN
iiso e em perfeito estado.
Cabriolet
i
i Km
irtDoi
Vende so. dous cabriolets lefuatrv i
um pintado e t'orrado de novo, kowi
var5es e lanca ; lambem sc vende doc?
e um arrcio : para v4r tudo na cocheira da ru
da Roda n. 60, e para tratar na rua d" rqnn
de Olinda n. 6, com Rodrigues \mii- .V .oiau
raes._______________________________
Gaz a 5U()00
a lata, do melhor que vem a e "'.do, da
a rca de Benr> Fqrster A C, cotv s-.ntMarta
completa do liquiio: nos arm: Dw-
mingues do Carmo e Silva, a i \m it
Pens n. 10, e rua do Amorim n. 41.
(MELIBU W$m
Rna Direito n. 4S.
Neste e,:tabelecimcnlo concert. -- < ,: >g ia
palha, seda e velludo, para sen r t n mrts ;
sendo formas das mais modorr:,< at' 'i :-efa-
das. Tmbem sc concert*^ cli.i,! ,l->:; ts
qualidados, para homens, garar.tir..: rel
q5o dos concert, is.
No mesmo estabelecimento lei
timento de chapeos de palha, d<
enfeitados com muilo gosto, e tid
t8*e20j. K
Chapeos de ,seda e de treSudn, f <.
para. 10^ e 12^.
Para into. -Chapr'os para aarH
e para meninas a 8^S.
sor-
l;i dPr

d r..
10*
ar
Veadeo
Wilson, Row
Em seu armazem'a rua do
guinte :
Algodio ami amencano.
Fio de-*ela.
Carvao de pedra de twas
Tudo muito barato.
Carro ame
Vende-se um carro americ
to*, a vonude, em perfeito
fabrica de carros a rua da Fl
tratar na rua Nova n. 19,1-*





-


8

#v,
Dmio <*e Pernambueo Segunda feira 9 de Mar#> de 1874
magestad*.fnmmgon* que aquellas noticias mud de oriaem orua-
embaixada de fttu?*'9m s,aD*. K
Londres, urn despacbo para o rei, no Ow'1 Na vossas conferencias com o Sr de
nnma para o exereito de Metz um arralMi- v^simark, nio se fez nenSuma allusio a* via-
a. respeito do negocio do marecbal BAZAiNB f X 1"'"^ dias com o municiaraento. gem oV general Bourbaki ?
Ex-commandante em cuefe do txtH, Ya ,t0 r*"lcao definitiva que se doci-' R.fraJou-se d'uxfft oSr. deBismark
Rnlatorlo
que ti-
de Se-
JDO RHENO.
AUDIENCIA DE 23 DC 50VEMBK0
( Conlutuafdo )
;Conr:orJou-fe que sura inoodiidu um of
ficia. *a quartel general tio rei da Prussia
para < oter uma convmcio bonrosa
Aceue. esu mi.s*,,, Miise ,,' ,
Bojvr. Cbegue, a VorsMllea. obtive una
audienc.a do con Ie de Bj ark a quem ex-
puz o Am do iKinha visit,,. a qu| er ubter
uma convcuoau militar que permittee ao
exercito franeez ret.rar se c> as bonus de
guerra, isto e, couservan lo as suas ar-
mas.
O conde de Bismark respondeu me i.n-
med.atamente qae era necessario nao pen-
sar nisso ; quo o exercito de Metz na> al-
cancana condigo*. diff..-ron!es das
nhain silo imp .sta, ao exercito
dan.
taS-S* de Bisnark fallou depois da pos-
Sibilttjade de tr*tar com a imperatriz.
ResponbV-'he que era-facilmente exequivel
"pOf-isso que o exercito de Motz nao tioba
recnnhethlcMj goreTPQ da defeza nacional,
que se nao tinki-meSino '-'do co ibecer delle.
SPtaoo Sr.de Bi
estado da Franca, apresentando-me um
quadro, que < nece-sario que eu exponba
ao conselho,; Paris esti eiitregue aos revo-
Iucionerius; as ridades do uorte pedem
guaruigpes allemis- pttra se porem ao abrig-*
uas extofsdes dos lai*dosde franco-atirado-
res. lN'o-Ooite o clero provocou um levan-
tamento a- favor de legitimidade.
No AJi>io-bid era desconhecido o goveruo
da defeza ; a baudeira vermelba fluetuava
em Marseille em Lyao ; o exercito do Loi-
re acaba de ser disperso.
tm uma pMavra, ji nao restava oada.
Agradeci ao conde |aquellas informagoes, e
pedi-lhe que so dignasse apressar a solu-
gao do problem* que uos restava a resol-
ver, por que eu desejava voltar b eve para
Metz.
0 conselbo reuuio-se nesse mesiao dia
sob a presideocia do rei, e a no te o Sr. de
bismark fez-me observar, que, apezar da
opposigio do Sr. Moltke, se havia decidido
que so nao devia fazer questio de Metz, e da
rendicao do exercito, mos somenle de um
tratado de paz a fazer entre o rei da Prus-
sia e a imperatriz, apoiandorsa no exercito
de Metz.
Em quauto permaneci em Versait es, onde
cstive guardado muito cautelosmente, nao
pude absolutamente communicar com pes-
soa alguma.
A tesiemunha fez depois a uarraQao do
seu rcgresso a Meiz, e enlabolou a da sua
segunda missao a Hastings junto da impe-
ratriz.
Parti nessa mesma tarde; cbeguei ao
Ban-Saint Martin a 18 W marecbal reu
nio immcdiatamente todos os marecbaes e
os command antes do corpos de exercito, os
chefes de servico, o goveruadar de Metz, e
0 general Cbaugamier. Dei couta da ;ni-
nha missao. Decidio-se que fossem consul-
tados os generses commaudautes das di-
\isoes.
Na segunda reuniao, decidio-se, por 7.
votos contra 2, que nfio bavia uiotivo para
coutiuuar as ne6ocia$6es. Fallou-se de
uma ultia tentative a" viva for<;a ; s opt-
nioes dividiam-se quando o general Cbau-
gamier se levantou, e em algumas palavras
muito energicas declarou quo no es-
tado actual do p.iz, era necessario nao peu-
sar sen&o na sua salvajao, e que nSo resta
va oulro meio senao juntar-se ao governo
da imperatriz. Esta inlervenijao foideci-
siva. Couoordou-se em mandar um offi-
cial a Inglaterra, e pedio-se para esse fim
autorisaQao ao quartel-general allemao.
Esfa autorisagao coegou no mesmo dia, e
eu parti na mauba seguinte 19. Dirigi-me
em primeiro lugar ao castello de Corny,
junto do principo Frederico Carlos, o qual
decidio que eu fosse conduzido ate a fron-
teira por um dos seus ajudantas de campo
AL'D.NCIA -IEROgDE 25 DE NOVEMB
0 "general fez a narra^ao da sua visgem.
Era "porlador d duas cartas para a impe-
ratriz, uma do marecbal e outra do gone-
ral Frossard. E prosseguio : Fui recebi-
do a22 pela imperatriz, a quern expuz a si-
do exercito de Metz, o estado da
das |M'lo Sr. de
J ex-rcito
que se
i* t"n,.r, nao quiz a imperatriz proci- dia$e--me que 0 general devia esperar nio
mm iii-nhitma deadeiogo, porque que- enirar de njro em Metz.
rw co..snrtT etas pessoas dedicadas. De-' P.DissesteS *o conselho ou ao mare-
r aqm q.iaes as condicoss apresenta- cbai, que o general Bourbaki se tinha
Bismark. posto & disposicio do governo da de-
devia f,ier uma\especie de feza?
pronuneiamento a favor da dynastia, e a R.-J ,lgo qa sim ; devo tel-o feitt; aio
imperatriz rfvia consentir na assignjtura omitti nada do que me tinha dito o Sr. de
d- preliminary da paz. Quauto a eases i Bismark.
prelim ma res, n*.> os conbecia eu. Soube P.Uavieis dito qua o exercito devia
depon quese ratara da entrega da prac abaodonar Metz, deixando a cidale aos seUi
*> eoodifto entre mm e o Sr. de Bismark. qaiz outra* condicoea senao as de Se-
segu-iote, ?3, volteia Cbisleburst dauT
No dia
J a,da ,mP,,r8,r'Z- | H.Era essa uma queslao militar, e foi o
a 2i, contmuarrdo o sea silencio, a im- Sr. de Bismark que poz a qoestao no campo
peratriz dingio-se dSrectamente ao rei da pofhtco
Prussia pergLntaudolbe quaes eram as con-1 P.fc rosso depoimento perante a
a aa c commtssao do ioqoerito parlameritar, Ha-
A 25, o Sr. de Bism*rk rcspondea que a viea attribaido ao Sr. deBismark: E' ne-
imper triz dnvia fionliecer as condicfr.-s esti cessario que a imperatriz aceite e assfane as
puia-ias. eque tmham sidetransmittidasao corKficdes por mai, exorbitantes cje pos
imperador, o qud certameote Jb'as nSodei-
xar.i iguorflr.
Quinto ao pedrdo de armisticio era jrejei>
^dosem discussao No mesmo dia 25,
^rji^eiweieujfti^o- -oegou tambem a resposU do rei da Prus-
si?, a qual dizia qie em conseqaencia da
nao execucJio das c^ndi^des apresentadas, [ama testeinunua
era necessario nSo pensar DQais no tratado [tativas feita* pelo'Sr.
projectado. com o- Sr. de Bismark ;
A 26, sua m-agestadenwrndou-me cbamar.
por
9am ser.
H0- St.
arFra'n^a que
e* a Fnmca qne
zas. *
P-- Como informagSo
que
qae pos
de Bismark disas : Foi
AOS declarou a guerra, e
pagar as despe-
ouvimys
dere
e mostrou-me uma carfa- qne acabawi de
recebar de Tours, carta em cjue se lne pe-
dia, que nfio embaraf.asse os csforgoe da
defeza. a imperatriz respondea no mes-
mo dia, que renunciava at seus projte-
tos no interesse da Franc*, mas ao mesmo
temp) insistio na necessidade de um ac-
misticio. Voltei para Londres; onde, do
dias depois r--ctbi a noticia- da capitals*
QftO*.
A testemunha, obedecendo- r preoccupa-
goes, qnee" iaulil con ignar, julgou dever
declarar que a imperatriz, eonsentmdo em
entrar nas negociaeoes com Prussia, igno-
rava absolutamente as condi0es impostas
por esta, e que nunea teriaconsentido em se
prestar a cessSo de uma porcao qoalqaer de
lerritorio.
0 general Boyer cbegou e ponto nai,
difficil do se& depoimento, istoe; a explica-
0o da maneira porque procedw* depjis da
capitulacao de Metz.
Nao vdltet a Franga, disse elle ; nfiojul-
guei dever ir apresentar-me a servico do
governo da defeza nacioual, que sabia estar
animado de sentimentos hosti* a meu res-
peito. 0 Sr. Tacbard, ministro de Franga
em Bruxellas, que eu consullei, nao julgou
dever dar-me conse-lho.
E' facil de comprebender que esta expli-
cafao no foi dada sem um certo embaraco.
Conhcceu-se que ella nao satbfayia nem o
proprio Sr. Boyer.
P.Havieis dito que no eonselho de 10
de outubro, se tinham lido as respostas de
todos os chefes de corpos. Nio ligoram to-
das no processo verbal?
B. Lerabro-me quesofoz a leiturade to-
dos os relatorios.
P.Excepto os do marecbal Lo Bceuf- e
do general Desvaux. Bavieis indicado as
questoes tra'adas ; mas, no processo ver-
bal, a opiniao e d'este reodo resumida :
quo nio haveri provisoes em Metz e
| > [......
OSr. Bompard.A 12 de outubro, j para o interrogar.
quando chegou um trera composto de um
s6 wagon, do qualdesciaaraumgeneralfran-
cez e dous officiaes allemios, dirigi-me
para o general paralaeofferecer os meus ser-
vices, e pedir-lhe noticias dos officiaes su-
periores, meus camaradas, que estavam no
exercito de Metz. Vigiado pelos officiaes,
soobtive estis palavras: Vou ao quar-
tel gen ral; estou com pressa. Dei or-
lem na gare para me prevenirem do re-
gresso do general, esperando qu-j poderia
ter informagOs exactas e importairtes.
Vieram effec.ivamente prevenir-mo da sua
volta.
Quandj cbeguei, achei-o a'coaversar com
o Sr. Henzelot, juiz em Bar-le-Duc Ti-
nha si Jo muito reservado ; nio'tinha diri-
gido propostas. Quando o Sr. Heuzelot
desceu do wagon, outrei ea sem difficulda-
de. 0 general Boyer disse me que Metz se-
ria obrigada a rander-se ate ao dia 22 ;
que era impos'ivel resistir, por isso que o
exercito tinha comiJo os seus cavallos da
artilheria ; que era nocessari i que e fizesse
a paz a todu custo ; qne vioba do quartel-
general para ter conJigdea mais brandas
que as qua se Ibe tinbam feito ; mas que
baiani sido mllog.-adas suas diltgen-
cias.... que a resistencia era de futuro im-
possivef ; que o rx '.rcito de Loire nao e*is-
tia ; quj a anarcbia reinava em toda- a
Franca ; qua as cia^des de Normandia re4
clamaviiitt guarnigOes allem3s, Lembro'-
me muito bom que o general me nio inter-
rugou a respeito do que eu sabi* s jbre o
estado Ja- Franca. Mas o qua e certo, e
quo as infijrnragues que eu teria podido for-
necer nao eran> da mesma naturtzn que o
quadro que eUeme d-screvia. Enao nos
riiO'peniaii.os senao na resistencia ; acredi-
tavamos ainda na- neeessidade da lula, e
na possibilidode de veneer.
?".0' Sr. Buyer nio \'os- disse mais
nada T
R.,-Disse-me que o fim d* sua' viagem
era solicitar sondigdes mais brandas do pue
as que se tinham-apresentado.
President?.Chamai o Sr. Rameau.
O Sr. Iiameaur, maire em Versailles,
live duas conferencias com o Sr dfe Bis-
mark ; aprimeiia, no dia 7 de-outubro ; e
a segu..da,. a 21. de outubro. Ifto fallarei
senao da segunda em que se tratou de Metz'.\
iOSr. de Bis :liculdade em acreditar que a dynastia im-
ten ainda
Him exercito ; o general- Boyer veio tratar
comnoeco orn nouie de Napoleio; vamosj
poder dispor de 200,000 homens que estao
'em Meta^ Farcmos dous exercitos-de.....
100,000 homens, os quaes porio Franga
em termes
PresideiUe. -Ghamai oSr. Tacbard.
A testemunha, ministro de Fraoga en
tiBruxellas durante a guerra, expoz< em pri-
Aquelle bomem nio e*,f ^^ arti como o podenam suppor, um agente com- 0 artTJ 5io era ceT
prado pelo inimigo. Dei a minha opinilo do pJt0 de yisU da
ao Koverno da defeza nacional. Fal ei d'el- .^V.l ... ..
hontent
nos fai^.a dp ten>-
Tbiers pom "tratar
fallou-vos d'essas
testa ti vast
kV. Ndo tive occasiao de falfar do Sr.
Thiers senao-quando se tratlm da mmha via-
gem a Kuropa.
P.Qu em devia ser detegado da-impe-
ratri* para-tratar da p*s-?
R.Ignore; somente-tive ocurdado* de
excluir o msraehal.
Pfrttodente: O que ha de particolac na
vossa m;ss3o, & que vos levaveis de raeiao-
ria o testo da coovengior e por escripto- os
commenfarios a essa- eouvengio. E'" de
ordinario o co itrario que- se faz. Exp-
nheis a posigio que o eiereito dovia- oc-
eupar, sera saber as eond(Oes que de<-
?ia cumprir par chegar a oecopar essa po-
sigio
0' general P&ucert.Era- Bar-Ie -D%c
kavieis dito- ao Sc Bompard : Volto-de
Versdlles, omd) fei para obter melhows-Jperial t-;m dedicagdes no" paiz
condigoes le que as que nos- tinbam sido-
apresentadas.
A testemuciha declarou que nao compro- |
hende a pergmnta. O'presidente lembrou-
lbo que elte escreveu sob-a-direccio do ma
rechal a cartti de 17 de setembfo, dirigida
ao principe- frederieo Carlos, e accressen-
tot* E' dras eondigOes entao impostas
q ie devieis "ter fatldde.
6 general Boyer declarou, quo se nio lem- |:meiro lugar como tinha encontrado nume
bra- dos !em?ios ,d'essa carta. rrosos collaboradores, o que lhe permittio
& generat Paucert.Porque nio haweisj-expedir graode nuraero de despachos, de-
tu
Franga, e a missao que eu ia desempenhar
que nsnegociagoes nao excoderama quarata
e oito horas. No caso das condigoes nio
serein compativeis com a honra, abrir-
se-bia uma passagem, com as armas na
inio.
R.A nota que me foi entregue era
um resumo d'essa declragao. 0 txe.rcito
devia retirar-se para um territory meutro,
afim de se por a* dispostgao da ass>emblea
nacional.
0 Sr. de Bismark fez-toe notar a este re">-
peito, que nio iinha bavido eleigdes, e
que as nao haveria, porque o governo da
defeza se oppunba. Nio se sabia em Metz,
que as eleigdes seltnham J.eito.
P.0 Sr. de Bismark. entregou-vos al-
guns jornaes francozes. Esses jornaes nio
vos poderaio confiravjr os factos enunciados
pelo Sr de Bismark. f
R.CertameaVj, bavia exageragio nas
noticias commramcadas pelo Sr. de Bis-
mark, e, Iraa-'juiiuindo-os. ao conselho que
houve em ^etz, tive o. cuidado de diz
LUCSSCIi 33B5I4
OORMDESIITMI
feito conhe<;er ao governo da defeza qual era
a situagio de MetzT
R.Nio tinha nada que fazer com aquel-
la geute (murmurios no auditorio.)
Pi Tinheis am registo de correspondon-
eia coafidencial, que destruistas no mooien-
to- da capitulagao ?
R.Tinha-um registo quo confiei a. um
amigo, pedindo-lhe que o queimasso no ca-
so de eu nao -voltar.
P.Poderia suppor-so que esse registo
continha as cartas- excepcionaes de quo se
tem tratado aqui Nao- se encontrou nen-
hum vestig:o de correspondencia a respeito
do quartel general allemao.
R.Nio creio queesse registo ccmtivesse-
cartas para o principe Frederico Carlos.
Aquelle registo so continha a minha corres-
pondencia pessoal. Nio possuia senao papeis
sem importancia.
P/- Porque e que os haveis feito queimar
se eram pouco importantea?
0 Sr. Lacbaud fez depjis uma porganta,
pergunta indirecta, o^ue, s6 tinha por
fim exaltar o eleva to patriotisms da impe
ratriz ; que nio queria a capitulacio de
Metz a seuio com as homes de guer-
ra.
Ao que o presideote fez notar que essas
honras, quando senao estipnla outra cousa,
tambem sio uma condigio.
Mr. Lachaud.0 exercito sahe eom ar-
mas e bagagens.
Presideute.Sim, mas a questioe saber
ate que ponto se lbes guardam. Fazei oha-
mar o deputado Bompard.
POR
. ManoelFernandez y Gouzalez
QUARTA *taeft
LUDOVIfTo ARIOSTO
VIII
DE COMO MICH.elotTO VIO COM ALEGR1A QUE 0
ACAS0 C0MEQAVA A FAVORECE-LO.
(Continuagio do n. 54.)
As criangas nio se parecem com pes-
,-oa alguma quando sao recem-nascidas;
iaas sejor formosa parecer-se-ha com a Sra. |
duqueza, que 6" s6 donde lhe p6de vir a
formosura.
Wquella allusio a falta absoluta da bet-
Sza de Ariosto, fez franzir as sabrancelhas
a I.ucrecia, que replicou :
jj Ila creaturasis quaes basta a fjrmo-
sura da alma.
E comegou a descobrir a espadua da
crianc'nba.
Depois disse a Michelolto :
Visto que e tio fina a ponta do teu
punhal, faz uma cruz duplicada na espadua
se mnba filba.
Ah I murmurou Buotti comprehen-
der.do afinal a razio porque se fallava em
punlnl quando elle chegara.
Michelolto des mbainhou o punhal, que
era eurto e agudissimo na ponta, arma ter-
rivrl, iisa e scintillante como um espe-
Ih(-.
V.m *eguida marcou com elle uma cruz
< a no espadua da crianciuha, que
a ?nquer soltou um vagid<*.
obre hlha! murmurou Lucrecia
cu sombria, esse signal e uma prova
mor de tua mii.
ao cubra ainda a espadua de sua
que nao esti concluida a operagio,
. helotlo.
' Tomar inder-ivel ossa cruz.
omquot
Na camara aa uma chamine" e essi
chamine tem ferrugem, disse Michelotto.
E a ferrugem nio poderi ser fu-
nesta?
Nao, minha sanbora, a ferrugem ser-
viri para center o sangue, e quando a
feridi cicalrizar, a cruz ficari marcada
com quatro liuhas negras quo nio po-
derio desapparecer senio cortando a pel-
le.
E, dirigindo-sa i chamine, tirou uma
pouca de ferrugem que collocou sobre a fe-
rida, fazendo vedar logo o sangue.
Em seguida puxou do leugo e fez del-
le uma compressa que poz sobre a fe-
rida.
Agora p6de eobrir quando quizer a
espadua de sua filba. Dentro de seis diai
a ferida estara perfeitameota curada. Eu
que sou muito bom cirurgiio, tratarei del-
la com todo o cuidado. A menina agora
esti chorando, mas nio se afflija que <>m
breve pa>sari a.ddr.
Lucrecia cobrio a espadua de sua tilha,
poz-se a contemp.<<-la de novo, e pousou-
lbe na bocca oulro beijo.
Leva-a d ama, Francisco, e volta,
disse ella entregando lhe a crianga.
Buotti pegou na crianga e afastou-se,
desapparecendo pea porta da camara.
0 olhar de Lucrecia dilatado e intenso
pois de ter colbido boas*informagdes
Nesta enumeragao, o-Sr. Tacbard nio es-
queceu n nguem, e com u.na fraaqueza que
seriapara desejar er eucontrado em todas
as testemunbas, nio dnixnu de fazer justiga
i marecbala CarKobert, cuja solicitude e de-
dicagio pelosferidos franceze i era inexcedi-
vet.
A testemunha entregou ao escrivio um
pacote do despachos, e o presideute decla-
rou. que sriam juntos ao processo, se hou-
vesse motivo para isso. Indieou a data da
passagem em Bruxellas do Sr. Regnier, e
do general Bourbaki.
Mandei, disse o Sr. Tacbard, um despa-
cbo ao general Bourbaki, para lhe fazer sa-
ber que seria bem recebido na embaixada.
0 general dirigij-se alii, aq^uelle meu ap-
pello, Estava muito commovido, e levava
as mios a cabega, dizendo: Mas que
heideeu pois fazer, sequizerem desbonrar-
rae t Couvidei-o a dirigir-se junto de
Gambetta. Nao se trata de fazer politica
disse eu ao general; quaesquer que sejam
as vossas preferencias, ide ter com Gambet-
ta ; como ve Jes, Uarabetta e o beroe de bo-
je, e o bomem que se bate pela Franga.
A mulher do geueral e a marecbala Can-
robert secuudaiam os meus esforgos.
Madame Bourbaki, langando seao pesco-
go de seu marido, exclamou : Quando
nos chamamos Bourbaki, collocamo-nos i
frente de SOU ou 600 boaiens, e fazemo-
nos matar. 0 general, cedeu.
Quando o chamado Regnier passou por
Bruxellas, fi-lo condozir ao meu gabinete,
governo da deleza nacional. Fallei d'el
ie em termos que nio sio talvez academi-
cos, mas que photograph a vam a peesoa :
Regnier, dizia eu, fez-me o effeito de um
estouvado, que tenta dar uma nota em um
charivari, em que todos os musicos cantam
em falso,
Trato agora do general Boyer. Quando
p-issou por Bruxellas, fi-lo conduzir ao meu
gabinete. Tio prolixo tinha sido Regnier,
quanto lacouico foi o general. 0 general
declarou-me-que o exercito de Mot', estaria
com o paiz quando conhecesse a verdade ;
accrescentou que o marcchal nio era capaz
de repr?aentar outro papel que nio fosse o de
soldado.
0 general Boyer disse bontem que iria a
Tours, se nio receiasse alguma cousa des-
agradavel para elle. Sobre o fim da sua
missio, o general foi muito disereto, e na*
disse nada que me podesse pdr ao correnle.
No decurso do mez de outubro, om official
de marinha, sobrinbo do grand? Arago,
veio procurar-me dizendo que tinha acorn-
pantwda a Bruxellas o marecbal Bazakie.
IKrigi-me i oasa da mareebala, que esta-
va de cama. Ella disse-me : A raaior
desgraga de meu marido acaba de desvier-
se. Queria ella faifer do general Boyer.
Vede, accrescentou eHa, n'ura campo uV
batalha meu marido e um leio, oinguem-
o detem f mas' nos negosios esli domiuado
pelo general Boyer. Esto homem e" a des-
graga- de meu- marido.
Soube alguns-dtas depois que o general
Boyer, q-ue tinha entrado era um salao, se
ha*ia retirado sem que ninguem o cumpri
me;itasse. Por occasiio do desfilar dos offi
ciaes em Metz, a opiniao que ouvi geral-
mente manifestada, e que tinha bavido
traigio Chego agora i passagem que os
officiaes de Metz- fizeram par Bruxellas. E'
necessario confessa-lo que a raaioria Jes-
ses officiaes appellavam para a traigio.
Entre elles estava' o Sr. Arnous-Rivie-
re, que formava um1 eontraste no meio
dos outros com o sau trajo de Fra-Diavolo,
e os seusares suspeitos. Aquelle nio me
inspirava grande confianga. Recebi ordem
de Tours- para fazer procurar era Metz as
frasqueira* do Sr. Arnous-Riviere;
No seu livro, assegura & Sr. Bazaine que
fez qpanto Ibe era pessivet para communi-
car com o governo da defeza, e que eu de-
via ter recebido um despaeho delle a 15 de
setembro O emissario do mareeli.il, a
mulber Auttrmy, pesso affirmar, que nio
Ootregou esse despaoho senao a 8- de no-
jvembro.
0 general Powcet.Vistes a ordwn de
que era pertador o gg-aeraI Bourbaki ?
R.Sim, e fiz notar ao general que
aquella ordem era datada de 15 > em vez
de 25, e o general poa as suas maos na
cabega como desesperado.
A testemunha encbou o seu depoimento
de explieigdes incidentes, que, mais de
Mma vez provocaram o riso do publico.
A testemunha protestow.
Nio comprehendo, ezclamou elle, que
um auditorio francez possa rir- de cousas
tio serias, como as qae eu tenho a honra
de repetir aqui.
i 0 presidente ameejgou o publico com fa-
zer evasuar a sala.
0 conselho ainda ouvio depois disto duas
testemunbas.
O 5n. Laferriere, ollicial refer ma Jo.
Ferido e transport -do em iun ambulaccia
iui.niga, ouvi a officiaes prussianos, no dia
16 ou. 18 de outubro, dizer: Quanto a
Metz, 6 nossa; temos a nosso favor Ba-
zaine.
G> Sr. Grandjean, medico.Fui forgado
a alujai- cm minha casa um commandante
de eugenheiros prussiano. Todas as vezes
que devia haver uma sortida, aquelle com-
mandante li/i.i iuud.tr antecipada>neiite as
suas horas de coraida. Elle sabia com an -
tecipagio a hora da sort id a.
0 command,nte inanifestava uma opiniao
pouco favoravel ao marechal. Defeudi o
marechal, e o commandante, rindo se, di-
zia : V6s nao conheceis o vosso ho-
mem.
.UUll-NUA HE 26 DE KOVEMIiRO.
President.~-Maudai cbamar o coronel
Humbert.
Testemunha.A o de outubro, mandei
para o Correio da to Moselle um artigo des-
linado a sustentar a coragem da populagio
messina.
eeosora.
certamonte utao, debaixo
necessidade dean sop*
pressao; era um trabalho serio sobre w
forgas comparadas dos exercitos allaoUM e
francezes.
Presidents. Chamai o coronel Hotf.
Testemunha.Tinha a missio de fazer
fabricar polvora. Esta fabricagio flooo em-
baragada no dia em que as portas da cida-
de sefecharam.
A 25 de setembro feram-me transmittt-
das ordens para suspender a fabricagio dos
cartuxos. quando eu tinba reuchnido o
matenaes necessarios para a confecgio do
tres milboes de cartuchos.
Fez se depois a leitura do depohnente do
general Solleile, o qual declarou no sura-
mario que dimanava delle a ordem para
fazer cessar a fabricagio dos cartuchos.
A razio qae elle invoca para justificar
aquella or Jem, foi o trabalho feito uagare
de quatro mrlhoes de cartuchos, o que eie-
vnva a otto mjlbo s as muiiicOs do exer-
cito.
President*.Chamai a testemunha Peaov
cellier*
A testemunha, chefe do katalhao de eu-
genheiros, teve occasiio de ver o general
Frossard durante o mez do setembro.
0 general, disse s testemunha, tinha uma
carta A Alsacia esti perdida para nos e
jmostrou-me a fronteira que deve ser regu-
lada n'um tratado que se estava nego-
eiando.
P.Qual e a data precisa dessa convea-
gio?
R. K dos ultimos 'iis de seteibro, ou
do 1* de outubro. Havia entre os dous
quertes-generaes relagoes- mais freqnentes
do que eram exigidas pelo servico.
Presidente.Fazei chamar o marecbal
Canrobert.
'marechal Canroberi.Na reuaiio de
10 de outubro, todos os chefes de corpos
estivoram de accordo para declarar qae o
exercito ji nio estava em estado de se rain-
ier em campanha, mas todos declararam
o mesmo tempo, que se a convengio con-
sentida pelo inimigo, perque se nio tratava
ainda da capitulacio, nao fosse da natureza
salvaguardar a honra do exercito, era
necessario vender caro a vHa. e posse asse-
gurar que a teriamos vendido bem can.
0 conselho sabe a que poutu estavamos re-
duzidos, quanto aos raetos ; o exercito qua
nao tinba peril ide nada da sua coragem,
nem da sua dedicagio, estava physicamen-
to exbausto. Foi por isso que consentimo*
em assign a r o processo verbal reJigido em
10 de outubro; foi o uniro que assigna-
iii 'S. 0 general em chefe mandou o gene-
ral Boyer; que instrucgdes Ibe deu? Eu
nao sei nada.
A 18, voltou o Sr. Boyer ; referio-noa
noticias horriveis ; a nossa pobre patria es-
tava bem enferma, dizia elle ; agonisava.
Consultamo-nos, e fomos deopiniio qae era
necessario ir junto do unico medico, que rea-
tiva, e que. segundo o que tinha dito o Sr.
de Bismark era a imperatriz. Todavia era
necessario conhecer se era bonesto condu
ao matadouto, sera interesse para o paiz
Ob I essa mulber I... exclamou Lu-
crecia com uma sombria expressio na
voz, deve em breve dar a luz um filbo ;
quando essa crianga nascer, toraa conta,
nao percas o frasco que te uei, Miche-
lotto.
E para que^esperar 1
Nio, nao quero matar um filho
seu.
Mas ma-.a-lhe a alma.
Mentira a alma de Ariosto sou eu.
Genebra fascinou-o, porem a fascinagio
passou, nem sequer se reeorda della.
Entio porque nio deixa que essa in-
feliz morra lentamente de amor.
0 soffrimento oausado pelo amor e"
uma felicidade, Michelotto.
Ahl sim, e verdade, nio devemos
permittir que os nossos inimigos sejam feli-
zes. Descance, minha senhora, nio per-
derei o frasco.
Naquelle momento entrou Buotti.
Leva Michelotto onde esti a ama com
a minha tilha, disse Lucrecia, e dize a
essa mulher que Michelotto e* o pai da
crianga e que so elle pode dispor de sua fi
lha.
Serio enrapridas as suas ordens, res-
pondeu Buotti.
Adeus, governador do meu castello
ducal de Ferrara, disse Lucrecia estendendo
a mio a Michelotto que apertou com ar-
feUa, pois? perguntou Lucrwua. eaceirada no wtsivUo do Cento.
seguio Francisco Buotti, e permaneceu du-jdor. Espero que dentro em tres mezes
rante alguns segun ios terrivelmente fiio no nos tomaremos a ver, e que esteja con-
fundo escuro da porta pela qual aquelle cluido tudo quanto te tenho enflirre-
desapparecera. gado. ". j
Duas lagrimas ardentes deslisaram pelas j Assim o espero, miaha senhora ; in-
faces de Lucrecia. quieta-ma, porem, que volte ja para Ferrara
Milagre, disse Michelotto, e a primei- como supponho.
ra vez que vejo chorar um Borgia. Qae mais tem estar deitada neste lei-
As mils parecem-se todas Michelotto, to, ou dentro d'uma liteira 7 Vai socega-
replicou Lucrecia ; e se nio esperasse tornar, do, Michelotto, nio me succedera* cousa al-
a v6r em breve a minha filba, morreria des-1 guma. Dentro de vinte dias a |gri-du-
esperada. queza estari cura la das suas dores nos os-
Ab I sim e verdade; vou enac-me para sos o toruari amo.taf-se aos seus 1)0115
legitiraar a minln jovcq senhora : porece-^orezios.
meque ja tenlio iniiliior, umaformosis^ma' Micholotto tistreitou de novo a mio de
r*pariga, fiifia de um guarda rural que fi- Lucrecia, beijou-a, e sahio com Buotti. que
con sernu-lo a senhora Genebr. tfaUtQsla, o levsu para a camara immediate.
Abi uma feiiuvsa e robusu rapariga dd
Malalbergo, amamentava a crianga que dei-
xara de chorar. .
Marietta, disse-Jbe Buott, este gen-
tilbomem e o pai dessa creatara, e com elle
te enteuderis d'aqui e.n diante.
Ah 1 o seuhor 6 o pai d'este anjiuho -
perguntou Marietta sorriudo para Michelot?
to. Ainda bem.
Fica com Deus, Marietta, e recom
menda-me ao bom Gi iseppe teu marido,
disse Buotti.
Adeus, meu senhor, e seja feliz, re-
darguio Marietta.
Buotti sahio.
Ora dize ca, rapariga, perguntou Mi-
chelotto, tu es, casada !
Ora essa I se o nio fosse como havia
de poder criar este aujinho ? respondeu
candidameate Marietta. -
E venham ci dizer-me que o mundo
esti perdilo, murmurou Michelotto.
Porque diz isso, meu senhor T
Porqua es uma boa mulher. Ora se
nao me engano, a tua casa fica proxima
d'aqui.
Sim, meu senhor, nunca sahi de Ma-
lalbergo, nem mesmo para ir a Farrira que
flea a dous passos de distancia.
Pois chegou a hora de sahir d'aqui
para longe.
E o meu filho 1
Vai comtigo.
E meu marido T
Que venba ta.obem.
Nao sei se elle quereri.
Ora essa 1 Quereri elle perder a oc-
casiio de auferir um bom lucro ? Vamos,
Marietta, cmbrulna bem a minha filba pira
que lhe nio faga mal o relento da noite, e
vamos buscar teu marido.
linco minutos depois sahiam pela porta
principal Ho pdacio cujos creados conhe-
cia u U>dos Muhclotlo.
Neiihum d'elles, porem, vira entrar nem
sahir Lucrtcia.
IV
DECOMO MICHELOT fO, Al'EZAU UOS BEUS CU-
COENTA AX.NOS. E DA SUA ALMA E LOBO,
PODIA ENTRETER-SE COM 0 AMOR.
Antes de amanhecer, Micbelojio, levan-
do comsigo a filha, do Luctecia, Mri?U4 e
o filho dentro de uma liteira sobre cuja pri-
meira mula cavalcava Giuseppe, marido de
Marietta, a quem haviara agradado as pro-
postas de Michelotto, chegavam a uma ca-
zinha isolada, rodeada por um jardim nas
margens do P6, proximo dos muros da ci-
dade dj Rheiio.
Michelotto apeiou se, abrio com ama cha-
ve que tirou da escarcella, a porta da cerca,
entrou com o cavallo, eatraz delle Giuseppe
conduzindo a liteira.
Michelotto fechou a porta.
0 jardim era formoso ; as arvores fruc-
tiferas embalsav..m o ar com os seus aromas,
e o murmurio de uma fonte quebrava uni-
camente o silencio que alii reinava.
No centro do jardim, a lua, rompendo por
entre as nuvens, illuminava uma cazinha
branca.arraucando vivos reflexjs dos vidros
da> janellas.
Michelotto encaminhou-se para a casa, e,
abrindo a porta com outra chave que tirou
igualmeute da escarcella, disse :
Sabe da liteira, Marietta ; ji chega-
mos e vais fica: aqui. Esta casa estava
prompta para te receber, e nella encontraris
tuJo quanto f6r necessario. Tu, Giuseppe,
e.cjuie dentro de casa a liteira ; nio, o
mulhor seri que a fagas em pedagos e a
queimes. Emquanto is mulas mette as na
cavallariga. Aqui nio viri pessoa alguma,
mas se por acso alguem, sem que voces o
possam evitar, peuetrar nesta casa, occulta
a minha filha n'um tscondenjo que ha n'um
armario pintado de preto, 0 segredo desse
esconderijo descoore-se carregando n'um
prego que fica i esquerda, e o armario se
abriri, deixando a descoberto um vio
onde cabe bem o bergo da miaha fi-
lha.
E se a menina chorar? disseingenua-
raeute Marietta. Nio a ouvirio e'n&o da-
rio com o esconderijo ?
Se chorar... nao tinha peiiwdo nisso ;
seji como for. o os^oiicial e que ninguem
voja oili crianga.
Kinguem a vtri.
- A voces uao faltara cousa alguma, e
a noito eu voltarei. V^jti cbrir-me a ports,
(jiilieppp.
Michelolto sahio com o seu cavallo, ragn-
zir
o exercito, qe era a honra da-Fran-
ga, e se era habil forneeer assim aos prus-
sianos, que nos nio tinham nunca venctdo
de uma maneira notavel, a oceasiao de
uma victoria facil. Nunca nos t nbam to-
rnado, nem uma baudeira; seria necessa-
rio, para augmentar o seu orgulho, colloca-
los em condigdes de se apoderarera.dasoosas
aguiase das nossas annas n'um semelhanle
triumpho ? 0 exercito comprehandou que
nio tinha a fazer senio o que lhe dictavam
os seus chefes, e fez o seu dever.
Presidente. Sr. marechal, teudas aca-
bado o vosso dapoimento, e o conselho
agradeoe-vos. A 10 de outubro achaya-se
pois o exercito na situagio que acabais de
descrever em tecmos tio elegantes ?
& marechal Conrobtrt. E com toda a
verdade.
Presidente. Concordou-se pois que se
entabolaria conferrncias com a idea de uma
convengio militar? Sr. marechal fizeram-
vos saber as uistrucgoes que deraa ao ge -
neral Boyer?
It. IV. mo io nenbum ; mas estou eon-
vencido que se Ibe prescreveu que esti-
pulassoprimeiro que tudo a honra do exer-
cito.
(ContiHuar-se-ha)
tou e encaminhou-se para o proximo caste'-
lo de Cento.
Em seguida bateu ao postigo ehrir-lhe em pessoa o capi,i0 Rodol-
phi.
Oh I pouco tardoi'. Sr. Michelotto I
exclamou aquelle.
Um pouco rcais do que o senhor em
ser curioso.
Queir* perdoar se o offendi.
Que tem o senhor com que eu me de-
raore muito ou pjuco I
Torno a pedir-lhe perdio.
Esti perdoado. H>uve alguma nori-
dade?
Nenhuma.
A senhora chamou ?
Nio senhor, nem mesmo quando u-
vesse chamado a teriamos ouvido.
Acaba de incurrer n'uma nova im-
pertioeocia, capitio Rodolpho, corrigindo
a miuha pergunta com uma observa-
gio.
Decididameote o Sr. Michelotto tem
de muito mio humor.
Pois se sabe isso, deixe-me em
paz.
K-r.quMUo falta vam haviam atravassado o
pateo ou praga de armas.
Michelotto deitara alii o sau cavallo e
comegou a subir as escadas ingremes e es-
treitas, precedido pelo capitio Rodolpho que
levava na mio uma lanterna.
Miche'oV.o penetrou no seu aposento,
isto 6, no quarto que servia de prisio a
l.uighi Barthelami, ao qual se podia chamar
a ant---camara da ou'.ra prisio occupada por
Genebra Malatesta.
Sabe que tenho feme, capitio Rodol-
pho ? disse Michelotto tiraodo a capa qua
atirou p,\ra sobre a cama.
-- Pois no cjstnllo de Cento ha muito
quo comer e bom, gragas a Deus.
Vistj isso, rao ie-mo alguma cousa,
9 depois doru irot umas tres boras. Faga
C0T1 quo me ac->rdom passado esso tempo,
uas ulioi-4 i|Ui tenha como seinpre, am
bom eliflMdto.
u capitio Rodolpho foi murmur&udu com-
sigo mesmo: $onl\ntuur-se~tM)
"rv7.t>J0iA,Kto.-R'v."\ vgt*ai QF. CAXlAV
V
i





.-:
MM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E81FCXV2C_XMYDWK INGEST_TIME 2014-05-21T22:39:26Z PACKAGE AA00011611_16950
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES