Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16948


This item is only available as the following downloads:


Full Text

'I'BWV

-.

!

i i
,
V
ANNO L. NIIMERO 53 .mi *K & 0 1
PAR! A CAPITALS LIGABBS OUDE N&O SE PAfcA PORTE.
Por tres m aduuudos................- SSo00
Por seis ditos idem..................aSnnii
idem..................a4S2
MP^JUMM^Bmi
TLBflT;
qj"W
6EXTA FE1RA 6 DE MARCO DE 1874
PABA DEATBOE FOB A DA PBOVLHC1A.
Por tres mezes adiantados............".'^HJ lSflO
Por.seis ditos idem................ Sq
Por note ditos idem...............r 13
Por urn anno idem...........
Por am anno idem.................. 'T ^y^1* Por ura anno idem................. "^
^da numero avuiso................. 3ao ^*v
DIAMO DE PERMMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEJROA DE FARIA FILHOS.
-
.- --. .0 .lres4 Fllhos u0 m, **- 4 Pta.0, no Mk*>, tap* M da OH,*,.4FUho, no CmH, AuUnno *, Le^ B,W. no A,.M, Jo*, Mi. Juno Cb,,a., no A*d; id. H^e, d. .*>'
A,uonioFar,eir.JeAgu^,amGoJ^;Jo.o Antonio MlUu!o,noPitardMAttioMi A!. 4 C. n. B^i.; W... Crqninho 4 C. no Rio deJ.nro.____________________________
PARTE OFHCIAL
\o raesmo.-Commuuico a V.-S., para os
devidos fins, que a 9 do eorrente as*umio o Dr.
Paul-i Alves do Albuquerque o exercicio do car-
go ila juiz Je direito da comarca do Rjb For-
moso. ,, ,
Ao mesmo. Commouico a V. ., para os
devidos fins, qua a 8 do eorrente assumio o ba-
charel Matioel Lopes da Gunha Maciel, juiz mu-
nicipal da termo da Garanhuns, o exercicio do
cargo de juiz da direito, por moiostia do
effeclivo. ..-.'-
Ao raesmo.Commuoico a V. S. pira os
devidos fins, qua a 27 do mez proximo passado
pelo juiz de direito da comarca de Garanhuns
foi nomeado promotor interino da dita comarca
o cidaiao Joaquim Pinto de Campos.
Ao inspector da thesouraria provincial -
Tendo em vista a informacio do Dr. chefe de
policia em nfflcio do 19 do eorrente, sob n. KJ,
autoriso Vmc. a mandar effectuar o pagameuto
da quantia constants da conta junta, ordenado
em olUcio desta prasidencia, dat .do da 27 de ou-
tubro do eorrente anno, ao qual w refere o un-
do dessa thesouraria, dj 20 de novembro ulti
ui i. sob a. 523.
Ao' mesmo.- Mande Vmc. pagar a praca
de policia Manoel Pereira da Costa a quantia de
I0,*o'6i), constanta do pret junto em duplicata,
imporlancia das diarias por ella abonadas, du
rante 0 tempo qua esteve em Penedo, aos presos
que foram remettidos para esta capital pelo juiz
municipals delegadodo termo de Tacaratu; como
solicita 0 Dr. chefe de policia em ofticio de 19
do eorrente, sob n. 2,061.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar a Firmino
Antonio Rodrigues a imporlancia de 45 J, rela-
tiva ao alugael do trimestre, vencido em 10 de
novembro ultimo, di casa que no 1 distneto dos
Afogados serve de quartel ao respectivo destaea
memo ; n 1 conformidade do que solicita o Dr.
chefe de policia em offlcio de 17 d) corrento, sob
n. 2,032.
Ao m9moTomando em consideracao 0
que requereuo agente fiscal de G.ianna, Antonio
Joaquim Machado, cabe-me declarar a Vmc, em
additamento ao raeu offlcio de hontera, qua a mo-
difieacao feiia ao art 8' do reg. del de abrd
de-te anno someute eoraprehende os vencimentos
aiuda nao pagos e os que de futuro foram de-
vidos.
4.' seecao.
Acto : .
O presideute da provincia, attend endo ao
! q le requereu Ubaldina Afra da Conceicio V
Goverao la proviacia.
XNtOlBXrit DO DU 20 DS DKZKMU.iO DS 1873.
1.' secc-do.
0 president* d a proviucia, ten Jo em vista a
proposta do capitao porto, datada do h intern,
!^obn. 179, resolve n-near Jj-.o llinn |ues de
Sou^a Hangel para o lugar de 2" pliaroleiro do
pharol da barra, v.igo pelo fallecimaato de Ma-
noel AWes Pereira, qua o exercia.
Offlcios : .
Ao Exm. brigaJeiro commandaiite das ar
uiii. Transmitto a V. Exc. os inclusos papeis
raferentes ao capitao honorario do exer :ito Manoal
de Carvalho Paes de Aadrada Gouvim, addido ao
f batalhio de infaotaria, alim de que seja elle in
cluido na folha do mesmo batalhao par.i receber
os veucimento.s que Ihe com,)etirem, nw termos
da informai-ao do ins.iectjr da thesouraria de fa-
wada, junta por copia, datada de hoje, sob n
232 seria F. m .
Ao capita do porto. Tendo por portana
d.ta data nvnealo JjIj Hmrijujis de bouza
-RiUiel oara o lugir de i? p'uroleiro di barra,
vago pelo fallecimMito dj flamel AWes Pereira,
iiue o exercia ; assim o communico a V. S. para
,-au conhecunento.
2." sety'io
AcWs: .
0 presideoto da provincia, attendando a pro-
oosta do teaente-corjuel eomauadaaie do b* ba
talia> de infaniaria, quo veio annexa, ao Offlcie
do commaudante superior respe;tivo. de 17 do
eorrente, sob n. 731, resolve, de conformilade
com o dispute n> art. W da lei n. ol2, de 19 da
setembro de 133), nomear para o dito batalhao os
offlciass seguintes: .
! compauliia Tenente, o alferes Antonio Joa-
quim Lopes do Cam ho.
2' companhia Alferes, o guar la iliguel Nuus
de Fontes. '
\' companhia Cipitao, o taneula Joao Onry-
sostorao de Albuquerque.
5' companhia Cipitao, o tenente Joao R:bei-
to Pessoa da Lacerda.
0 pre.ideiite da provincia. attendando ao
que requereu o alferes do 3- batalhao da infan-
tana da guarda nacionil deste raunicipi), L(i,t
Antonio Goncalves Junior, e a visti do offlcio
do commaudante superior respective, resolve que |eira de ^/)\i)y professora publi-a da cadeira de
seine conceda a guia, de que trala om 40j primeiras lettras do povoado de S. Benedicts, e
do decreto n. 1130, de 12 de mar^o de Viio, para teQ(j0 em v\tt* a informacao
Cabo, onde foi residir.
atteudendo a
i do
0 presidente da provincia
qus, pela lei provincial, n. 1057, de 7 de junho do
aauo proximo passado, foi craado o muuicpio de
Gam9it:ira, n > qual ja se acha funccianajido a
respectiva caraara muBi^ipal, e a vista do qua
iaiormou o juin de direito da comarca da Escaia,
da terera sido auurados alii 138 jurados, resolve,
de conformidade com o disposto no art. 31 da
iai u 261, de 3 de dezembro da 1841. e dscreto n
276. do 24 de mar?) do 1843, crear no dito mu-
u.cipio Kro civil com con elho de jurados, hcaodo
(i mesmo muaicipio aunexo ao da Escada, a cuja
comarca perteuce.
Offlcios : .... m
Ao Dr. chef-: da pilicia. Com o oui:io
iuato por copia, do comnanlante superior do
Cabo, n 123, de 9 do eorrente, resp>mio ao
de V. 5., de 7 do mez proxim > passado, sob n.
1830
Aomesm). Informe V. S. sobre o que
publicou lioje a Provincial com relaca> ao subde
leaado do districto de Bebenbe.
Ao commandants superior da guarda na
cional do Recife. Mande V. S dar a guia do
que trata o art. 43 do decreto n. 1130, de 2 de
inarco de 1833, para o municipu do Labo, ao al-
feres do 5- batalhao de ifflfaoUrU Luiz Antonio
Gmcalves Junior, do que trata o seu offlcio n.
738, de 16 do eorrente.
Ao mesmo. Para que eu possa resolver
aobre a soltura do re;ruta Joao Mauri-io de Sou
za, requisitada por V. S., em seus offlJios de _26
d- novembro ultimo e 13 do eorrente, sob ns. 7to
b 737, por ser tambor do 3 batalhao da guarda
nacional desie municipio, sirva-se \. >S. de de-
eiarar-m3 quando tennina o engajamento do
reierido tambor.
Ao commandantc superior de Garanhuns.
Para satisfazer a requisicio do brigadeiro
.-..mmandante das armas em offlcio de nonlem
datado, sob n. 1203, com referenda a j quo reque-
reu o soldado do 2- batalhao de infantana, Anto-
jiio Ferreira da Silva, renntu-ma V. S. um docu
tuento comprobatorio da allega^ao feita pela re-
ferida praca de haver marchada voluntariamsnte
para a gusrra do Paraguay a 29 ds agosto de
1867, na qualilads de guarda nacional designado
do batalhao n. 29, sob sou commando sups-
Ao Dr. juiz de direito da Escada. Trans-
tuitto a V. S., para os devidos fins, copia da
portaria de hoje, que crea foro civil no municipio
de Gamelleira; providenciando V. S. para que
tiej&m postas a concurso, e interinamente pro-
vida com as servealias dos offlcios dc justica.
Ao Dr. juiz de direito de Tacaratu. Ap-
urovo o contracto, por Vmc. feito a Joao Gobm
de Meuezes do aluguol de uraa casa urltMN
uieasaes para servtr do prisao a quartel do dos
tacamento em Floresla. ',
Ao Dr. juiz de direito da Boa-v ista. km
re^posu ao offlcio do Vmc, de 29 do niez proxi-1
ouu D*ssadu, tenho a dizer quo, de conformidade
com 0 decreto, 3436 de 23 de abril de I860, ja
oovia estar installalo ne^sa comarca 0 rcgislro ge-
ral das hypothecas, sendo quo a sua mstaiUcao
davs assiatir esse juizo, quo devora propor 0
Ubelliao qus sirva da oillcial, 0 quil comprara
o livros prescriptos por lei. .
Ao commandanle do corpo da policia.
Maude Vmc. fornecer ao destacaraento do termo
do Exii 0 cartuchamo da que necessita, paiiudo
+.> commanJaute dalle a prova de tor sido con-
iiuaudo 0 rjuo foi forns-ido. .
Ao rassmo. Expeoa Vmc. as convenientes
ordoos, aftm de que 5 pracas do dssfacamonto de
Boin Jafdjm augmenlem 0 do Limosiro.
3.' seecao.
0 presidente da provincia, attendendo ao
qua requereu 0 escrivao da collectona provin-
cial do municipio do Brsjo, Joaquim Ramos aa
SUva Moreira, resolve conceder-lhe la aos ue
licenja para tratar do suj satlde onde iho con-
vier.
Ao inspector da thesouraria de fazonda
Vaioriso essa' tbasouraria a eutregar ao tliosou-
itro da Sauu Casa da Mencordua quaut|a_do
28
das
3:000*,'por conta do credito de 8:000*. abarto a
verba-soccorrus pi'
indigsotes atacadoa
v^^^^rp^bllcos-, para tratamento dos
..Ltio-ftiitfls aucadoa da yanoja._
mesmo.Mande
- Ao
V. S. pagar sob res
do director geral
da inqruceao publica, ds 18 do eorrente, sob n.
339, resolve conceder-lhe tres mezes de licenca,
com veucimentis na forma da lei, para tratar
de sua saiide.
Offlcios : a!
Ao provedor da Santa Casa de Misencoraja.
Rametto a Vmc as certidoes de baptismo Bos
menores Alfredo e Iluorina, pedidas em seu of-
flcio de hontam, sob n. 63 0, que fica assim res-
pondido.
Portaria:
\' Illma. camara municipal do Kecite.
Conforraando me com a informacao do engenlieiro
chefe das obras publicas, de 18 do eorrente, sob
n 444, relativamente ao offlcio qua me dirigio a
lilma. camara municipal do Rocire em data de
12, sob n. 123, autoriso a mesraa Illma. caraara
a abrir duas ruas na parto do alagado denorai-
nado-Manguinho-, destinada para logradouro
publico ; ficando assim allerado ueste ponlo a
planta da cidade. .
A' caraara municipal da cidade do Rio tor-
moso. -Approvo a arrematacao, a qus procedeu
ultimameate a camara municipal da cidade do
Rw Formoso, de seus impostos, na imporlancia
de 2:173*; ficando assim respondido 0 offlci
que me dirigio a mesma camara em data de
do eorrente.
5.' sec;ao.
Offlcio :
ao engenheiro chefe da reparticao
obras publicas. -D<5 Vmc. as necessanas provi-
dencias para qua opportunameute se dbre aa
companhia do Beberibe as taxas e despezas, a
quo ella ficara sujeita pelo uso da nova ponte> oa
Boa-VUta, logo que for construida, na contor-
raiiado do que expoe 0 engenheiro Francisco
pereira Passos 00 offlcio junto por copia.Mu
tutu m'Maniis ao engenheiro Manoel de Barros
Barreto, fiscal da companhia Perro Carril dc Per-
nambuco.
Portaria : .
Os Srs. ageotes da companhia brasiteira ae
navegacio a vapor mandera dar passagera para
0 Maranhao, por conta do ministerio da gucrra.
no vapor esperado do sul, ao 2' cadets 2" sar
gente do 3 batalhao de infantaria, Ignaeio Hay-
mundo dos Reis, 0 qual vai reunir-se ao mesmo
batalhao, a que pertence.
EXPEDIENTS DO SECRETABIO.
i.* seccuo.
Offlcios: ..
Ao Exm. brigadeiro commandants aas ar-
mas -De ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, communico a V. Exc, para os fins conve-
nientes, qua por despacho de hoje foi concedido ao
recruta Ildefon=o de Almeida e Albuauerque 0
praso de 8 dias para provar lsencao legal.
Ao mesmo. -S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia tnanda declarar a V. Exc. que llcam ex-
pedidas as convenientes orlens, como sohcitou em
sou oflkio de hontem datado, sob n. 120o, para ser
transportado a provincia do maranhao, no vapor
esperado do sul. o 2* cadete 2- sargento Ignaeio
Raymunlo dos Reis.
2* see<;Ao.
Offlcios :
A) Dr. chefe de policia0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. que
providencion no sentide de que trata 0 seu offlcio
n 2002, de 6 do eorrente.
- Ao mesmo. -De ordem do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, eommunico a V. S. que nesu
data expediose ordem a thesouraria provincial,
afun de ser pigo 0 alugasl da casa, que no 1 dis
ir.cto de Afogados serve de quartel ao respectivo
dasuoamonto; segundo aottatobem seu offlcio da-
tado de 17 io eorrente, sob n. 2052.
Ao mesmo. Da .ordem de b. txc. 0 r.
presidente da provincia, communico a V. S que
a thesouraria provincial acha-se autonsada a effec-
tuarTJagmento da quantia do 45*000, re ativa
ao aluguel da casa, que serve de quartel ao desta-
CAmento no districto de Vicencu.
- To mesmo.-0 Exm. Sr. presidente da pro-,
vinciaT manda de:larar a V. S., para os deviios
ftQs quomnesta data m^fSSSSlSlSA
iui? de Jir-'ito da comarca de lacaraiu. uo u.ai|
SlJ*lvW ****, P^a servir de quartel
6 t ^es'o-De ordem de S. *%>*?}
sidentH da provincia, .communw^a^V.^qua a
frafgezia de Bom Jesus de Panellas nomeado
pel* raspactiva coramissao, a quantia de 25* de
gratiibacao, a que tem direito.
-ysbo mesmo. -Haveudo por portaria do rainis-
torkSa guerra, de 19 do eorrente, sido traosferi-
do iff-9.' para 0 16.' batalhao de infantaria o te-
net* Flo.-isballo J036 Ferreira da Fonseca, cor-
rendo por iua conta a dpeza do transporte,
como se fez publico na ordem do dia da reparti-
Sao do ajudanto general, n. 982, sirva se V. S.
a mandar ajustar dmtas a esse official e passar
guialrte soccorrimento, na qua sa devera fazer
carga da imporlancia do sua oassagem e da do sua
senHora para a Rahia, afim do ser-lhe descoutada
contaniontemente.
Ao raesmo -Tenho nesta data, de bcordo
com sua inform*{ao de 20 do eorrente, sob n. 249
seria F, autorisado 0 conselho de compras do arse-
nal do guerra a conlractar com os negoclantes,
MoitTa & C, Montoiro Guerreiro & C. e Beltrao 4
Cosla 0 fornecimento da varies objectos, de con-
formidade com as suas proposias, apresentadas em
gassio do mesmo consalho, do 4 do me* passado,
cuja acta remelto lfie por copia.
Ao mesmo. -Communico a V. S., para os de-
vidos fins, que a 10 do eorrente entrou no gozo da
licenca que Ihe foi concedida o promotor publico
da comarca de Flores, bacharel Graciliano Augus-
to Cesar Wauderley.
Ao mesmo -Ommunice a V. .*. para 0* de-
vidos fins, que a 12 do eorrente assuniio 0 exer
cicio iuterino do cargo do juiz de direito da co-
marca de Flores, n> irapediraento do effectivo, 0
juiz municipal, bacharel Miguel dos anjos Raino.-.
Ao me mo. -Comraunieo a V. s.. para os de-
vidos ft os, quo a 10 do eorrente a>sumio o cida-
dao Ignaeio Ribeiro Leite 0 exercicio interim) do
cargo de promotor publ'co, para o qual foi no-
rasado pelo juiz ds direito do Recife.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
devidos fins, que a 5 do eorrente entrou 0 bacha-
rel Manoel Amies Jacorae Pires, juiz municipal e
de orphaos do termo de Agua Preu e de direi-
to ioterino da comarca de Palmares, no gozo da
licenca que Ihe foi concedida a 4 do eorrente.
Ao mesmo. Rcinetto a V. S., para os fins
convenientes, 0 titulo de nomeacao de Manoel Ig-
naeio da Silva Braga, i-ara 0 lugar de -agente do
corrtio da cidade de Olinda. ,
Ao inspector da thesouraria provincial. -A
vista do ceriiGcado annexe ao incluso requenmen-
to, mande Vmc pagar a Jose Augusto da Araujo,
a quantia de 16:314*106, proveuiente das obras
supplementares, foitas ua reconstrucijao do theatro
da Santa Isabel.
Ao mesmo. Communico a Vmc, para os
fins convenientes, que nesta data autorisei 0 l)r.
juiz de direito de Tacaratu a celebrar o coutracto
pa/a fornecimento de alimenlacao aos presos po
bres das cadeias dsTaciratu' s Floresta ; na con
Sir.-a-se V Exc de mandar formidade da sua informacao datada de 18 de de-
"racruu '-laud.no da Tevedo zembro sob n. 563, do Dr. chefe d, pol.c.a sob ...
hoje foram noraeados para 0 6* batalhao de infan-
taria da guarda nacional deste municipio os ofn-,
ciaes cocsUntes da nota junta, de contormidade
com a proposia, que voio annaxa a seu offlcio n.
731, de'17 do eorrente.
A Dr. Paulo Martins da Almeida.-0 Exm.
Sr.jureaidente da provincia mania accusar 0 race-
bimento do offlcip da V. S., de 9 d\) corrante, em
que participa ter nassa data assuming 0 exercicio
do cargo de juiz da dirailo da eoia.rca do Rio
Formoso, para 0 qual foi reconduzido por decreto
de 18 de julho proximo passado.
Ao juiz de direito da Garanhuus. -0 Exm.
Sr. presilenta da provin-ia' mania accusar 0 re-
cebiraenta do offlcio de V. S., de 27 do raez proxi-
mo passado, em que participa ter nomeado o cida-
dao Joaquim Pinto do Campos promotor publico
interino dessa comarca.
Ao Dr. Antouio Manoel de Msdeiros Furtado.
0 Exm. Sr. presidente da provincia raanda ae-
cu-ar 0 recebimento do offlcio de V. S. de 8 do
correats. em que participa ter nessa data, deixado
por molestia o exercicio do cargo de juia de direi-
to da comarca de Garanhus. Igual ao bacaarol
Maooel Lopes da Cuuha Maciel. quauto a ter assu-
raido 0 exercicio do cargo do juiz de dereito de Ga-
ranhus. n
Ao tenente coronel Jose Cardozo de (Jueiroz
Fonceca. -0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da accusar 0 recebimento do offlcio de V. S., de 17
do eorrente, participando ter assumido 0 exercicio
do cargo de cominandante superior da guarda na-
cioaal dos municipios de Olinda e Iguarassu.
4.' seecao:
Offlcio: _
Ao provedor da SanU Casa de Miserieordia.
-De ordem de S. Exc 0 &r. presidente da pro-
vincia, communico a V. S. que a thewuraria de
lazenda esta autorisada a entregar ao thssoureiro
dessa SanU Casa a quantia de 3:000*000.
EXPSDIENTB DO DIA 22 DS DKZEMBRO UK 1873.
1.' seqao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commaniante das ar-
mas. -Sirva-se V. Exc. de dar suas ordens, aum
de que as 7 horas do dia esleja postada em frente
ao convento de Nossa Senhora do Car.no desu ci-
dade a for?a de liaha precisa.para fazer as honras
funebres por oceasiao das exequias qua se vao ca
lebrar naquella igreja pelo tenente quartel mestre
do batalhao n. 46 da guarda nacional do municipio
de Aguk Preta, Jos6 Felippe de Albuquerjue.
Ao mesmo.-Para cumprimeuto do aviso do
ministerio da guerra, de 12 do eorrente, sirva-se
V. Exc de dar suas ordens para que sejam pros-
tados o necessarios esclarecimentos a respeito da
culpa que motivou a senienea, que cumprio o tc-
neute reformado do exercito, Candido Gor.nano
Padilha, duraote o poriodo decorrido de 8 do Ja-
neiro a 2) de dezembro do I82i.
Ao .uesmo.
j>Ar em liberdade o
denle da provincia, que tiveram o conveniente rj0 brasHewo nao usou de menos dig e eon
dosiino os dociimentos em triplicata, que acompa vencida liagnagem.
Melio, qub soffre de diathese escrupulosa; se-
gundo se ve" do termo de inspeccio annexo ao sou
offlcio d 20 do eorrente, sob a. 1206.
Ao raesmo.Em aviso circular de 13 do eor-
rente o Exm. Sr. minisiro da guerra, refermdo-
se a representiicao feita pelo do impeno, recocn-
menda a del execucao, nas escolas e offlcinas su
bordmadas aquolle ministerio, do" art. 35 do regu-
lamento de 17 de agosto do 1846, era virtude do
qual niogueiu podeser admitlido em qualquer os-
tabeleciinento officinal ou litterario, publico ou
particular, sem que mosire previaraeule que levs
vacciua regular ou bexigas naluraes, ou que foi
vaceinado infructiferamente pelo menos tres yezes,
nem contiuuar nos ditos eslabelecimenlos, si tres
annos depois da primeira vaccmacao nao tiver
feito nova tentativa, seguida de feliz exito. declaro a V. Exc. para seu conhecimento e devida
execucao na parle que Ihe toca. Mutatis mutan-
dis ao director do arsenal de guerra a commau-
dante do presidio de Fernando de Noronha.
Ao capitao do porto. Mande V. 3. por em
liberdade o recruta Antonio Cordeiro de Meilo,
vislo ser elle incapaz para o servico da armada ;
coino declara V. S. em seu offlcio de 19 do cor
reute, sob n. 178.
Ao director do arsenal de guerra. irans-
rnitto a V. S., para os fins convenientes, o incluso
conhecimento de dou caixoes, remettidos pela m-
lendencia da guerra no vapor Cruzeiro do Sul,
contendo dlversos objectos deslinados a companhia
de aprendizes artifices iesse arsenal.
ao engenheiro das obras militares. -Apre
sente Vmc um orcamento das despezas a fazer-
se com os servicos de quo precisa, para sua des-
obstruccao, o cano de esgoto da compauhia de
educandos artifices do arsenal de guerra, que
communica com o dajuelle estabeleoimeuto.
Ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra. -Devolvendo ao con:elho de cuinpras do arse-
nal de guerra as propostas que vieram annexas
ao seu offlcio de 5 do eorrente, apresentadas pelos
negociantes Moura & C, Monteiro Guerreiro & U,
e Beltrao 4 CosU, autoriso o mesmo conselho a
conlractar com elles o fornecimento dos objectos
meucionados nas ditas propostas.
2/ secQao.
Offlcio, : ,
Ao commaudante superior da guarda nacio-
nal de Barreiros e Aaua Preta. lnforme > .5.,
com urgencia, a peticao, que, para vir por seu in-
termeiio, Ihe apresentou o tenente corouol Austrt-
quilino de Castro Sa Barreto, commandaule do
batalhao n. 46 de infantaria da guarda nacional,
do municipio de Agua Preta, pediudo transferencia |
para o 53. ,_
Ao juiz de direito da primeira vara.-Trans-
mitto a V. S. para a devida execucao a copia jun-
ta do decreto, pelo qual S. M. o Imperador houve
por bem perdoar a Jose Ferreira Carneiro Mon-
teiro o resto da pena que lne foi imposu pelo
jury desta capiul.
Ao juiz de direito de Tacaratu.-Em respos
la ao offlcio de Vmc, datado de 13 de novembro
ultimo, acerca do fornecimento de alimeotacao
aos presos pobres da cadeia das villas de Tacara-
tu e Floresta, autoriso-o a celebrar o contracto,
com a ulausula de nao exceder de 240 reis cada
diaria, devendo o fornecimento ser feito em
quantidade sufflciente e por trimestre ; na con-
formidade das informacSes do Dr. chefe de poheu
a thesouraria provincial, e das instrucc3es de 13
da setembro proximo passado.
3.* aecgao.
Actos: ...
0 presidente da provincia, attendendo ao
qua requereu o 3.* escrinturario do consulado
provincial, Joaquim Tranquitino de Lemos Duarte,.
resolve conceder-lfie dous mezes de licea$a, com
vencimentos, para tratar da sua saiide.
Offlcios: .' ,
Ao inspector da thesouraria de fazenua.
Communico a V. S, para os devidos fins, que, se-
gun Io aviso do ministerio da fustica, de 10 do
sorrente, f.i solicitada ao da fazouda a oxpedifao
da ordens convenientes, afim da er habilitada
essa thesourar'ia com a quantia de 3:000* para
occorrer as despezas do desembargador Bernardo
1,997 e das inslrucc5es de 13 de setembro proxi-
mo passado. ,,
- Ao inspector da alfaod.ga. Remetto a V.
S. o incluso aviso, por copia, para qua faca chegar
ao conhcdimenlo de Carlos Eduardo R.elel, chefe
de secciio dessa repartiQio, de quo o seu reqoer. -
monto, encaminludo ao governo geral e:n abril
de.-le anno, fora iudeferido.
4.' secc-'io.
Acto:
0 presidente da provincia resolve remover
Jose Joaquim Borges Uch6a, professor publico da
cadeira do instruccaoprimariada Boa-Viagjnn, pa-
ra a da freguezia de Nossa Senhora da Graca da
Capunga, vaga polo fallecimento de Angelo da
CosU Mello Rosal.
Porlarias : .
A' Illma. camara municipal do neciie.-
Tendo Jose de Souza Dourado arrematado pela
quantia de quinhent. s md e quinhentos reis, sob
a base de quinhentos mil reis, pagos a bocca do
cofre, os materiaes resultantes da demolicao do
trapichePelourinho, fica a Illma. camara mu-
nicipal do Recife autorisada a permitur que o
raesmo arrematante faca a rel'erida demolicao a
sua custa, segundo solicita essa Illma. camara era
seu offlcio do 17 do eorrente sob n. 125. _
A'raesma.-Em additamento ao meu offlcio
de 31 de outubro, e pan satisfazer o que me foi
ex'gido em aviso do ministerio da fazenda, do is
do mesmo niez, renovoa Illma. caraara munici-
pal do Hceife a recomnioudacao constante de meu
ciiado offlcio, afim de que preste com a raaior
brevidade possivel as informa^oes relativas a gran-
de e a peauena lavoura da provincia. X
nharam o seu offlcio da 13 do eorrente.
Ao aiminislrador do correio. Communico
a V. S., de ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, que nesta data remetteu-se para a the-
souraria de fazenda o titulo da nomeacao de Ma-
noel lgoacio da Silva Braga para o lugar do agen-
te do ccrreio da cidade de Olinda.
DESPACHOS DA PBESIDENC1A, DO DIA 4 DE MAftgO
de 1874
Antonio Jose Ribeiro de Morass-lnforme e br.
inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio Victor de Sa Barretlo-Defendo com o
offlcio desta data, dirigido ao Sr. director das
obras publicas.
Barao da Sole Jade lnforme a camara raunici
pal do Recife.
Bernardo Jose de Sant'Anna-S.m.
Estevao Jose Paes BarreUo Use o supplicante
dos recursos que a lei faculla perante a* auton-
dades judiciarias.
Major Joao Jose Gomes -Forneca-se.
Jose Domiugues Codeceira Iudeferido, visto
nao ser credor da provincia, Manoel Peres Cam-
pello de Almeida.
Fr. Ludgero do Santissimo Nome de Maria
Junto o orcamento.
Capitao Luiz Francisco Teixeira -Forneca se.
0 mesmo Forneca-se.
Irmandade de Nossa Senhora da Paz da raatriz
dos Afogados Deferido com offlcio desta data a
thesouraria provincial.
Manoel Peres Carapello de Almeida luforme o
Sr. director das obras publicas, quantao direito
que diz ter o supplicante, ao custo do aterro e
bomba do riacho da Malaria.
Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscozo Ao br.
director das obras publican para attender 0 sup-
plicante.
Pelro Reginallo Teixeira-lnforme o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Fr. Venancio Maria Ferrare -lnforme o Sr. ins-
pector da alfandega.
Reparticao da policia
2.* seecaoSecretana de policia de Pernambuco,
Sdemarco de 1874.
N. 320. -Illm. e Exm. ,Sr.-Partieipo a V. Exc.
que foram hontam recoltiidos a detencao os se-
guiutas inMviduos : .
A' minhi ordem, Francisco das Chagas, vindo
do termo do Cabo, como -enlencialo apoellado.
A' ordom do subdelegado do Kecife, John Mur-
ray, a requisicao do respectivo consul inglez.
Em dau de 2 do eorrente coramunicou me o
delegado do termo de Liraoairo, qoe o subdelega-
do de Taquaretinga Ihe participara que, na noite
de 28 de Janeiro findo, um grnpo de pessoas em
nuraero de 18, andando em paswio com violoes e
outros instrumentos, ao etiegarem defronte da ca-
sa de Joao Leite do Rego Sarapaio, difigiram pala-
ras iojuriosas a esta e deratn vivas a'Teligiao ca
tiiohca, resultando disso disparar Sampaio dous ti
ros, sendo um de clavinote e uutro do pisiola, os
qnaes produziram ferimentos graves em Cassiano
Ferreira de Senna, que o delinquente evadio ae, e
contra o raesmo procedera ao respectivo inquento
que remetleu ao juiz municipal ao termo
0 delegado do lirmo da Boa-Vista, parlicipou
me por offlcio de 10 de fevereiro fiodo, que no dia
7, foram presos os guardas nacionaes que auxilia
ram a fuaa do enminoso Pedro Lopes, os quaes
se acliam pronunciados.
E;n data de hontem communicou-me o subde-
legado do 1.' distrkto|do termo do Cabo, que reco-
Iheu-se a prisao Joaquim Baptista Negrao, afim
de cumprir um mez de prisao a que foi condem-
nado pelo jurv d'aquello lerrao.
Deus guird'e a V. Exc. -Illm. e Exm. Sr. cora-
jiendador Henrique Pereira do Lucena. digno pre-
sideute da provincia 0 chefe de policia, -liuo-
nio Francisco Crreia de Araujo.
Assim Jisae elle no memorandum : Nao -
licilo discutir um direito ou-.utucional, iauereata
a soberania nacional, nao rnvnos antigo Qoe o d->
beneplacilo, e nunca posto em duv.da pelo epi-
copado brasile.ro.
Que in. por tan to, foi o prime.ro a declarar in-
discutiveis estes dous pontot ?
Foi o ar. Iiario do Penedo qiie disse n3o $er It -
cito discutir, ou o Sr. cardeal Ant melli que, re-
pondendo ao memorandum e c >ni*guioieroM-
fallando era ultimo lugar, declaroa stiper/lno fa-
zer observacoet.
Antes que o cardeal dissesse term bem conkect-
dos os princip osprofexsatl s pela Smla St, sobr<'
um particular, como sobre outro, a d'atai concluis -
se pela superfluidade de obaervacOes, o plenipo-
tenciario tinha dito : Tanlo ai como outre
desles direilos, nuuca postos em duviia pelo epi?-
copado brasileiro, sao inherentes a s berania na-
cional, e, como taes, mo e licito discutt lot.
As proprias palavras do cardeal secratario_esta<
provando que 0 pleuipotenciario do bras.I nao a4-
mittio quesldo sobre taes pontos. De outra sorte.
nao seria mesmo explieavel que o cardeal jaigasse
superfluo fazer observagoes.
Ainda vem a ponto observar qoe, se o plenipo
tenciario brasileiro houvesse enterreirado quest*
sobro um tal assumplo, o santo padre nao houve-
ra declarado por bocca do Anton.lli apreciar /w
lamente os sentiment s expressados pelo governo
imperial.
Diz, porem. o Cntknlita que nem outra lot mira da missao Penedo seiulo discutir principi
e chamar o pontifue a> reonhecimenlo do placet
diz omteremse
nficonicamenfe
RIO !>!: JANEIRO
9 de fevereiro de 1874.
uVEST.lO REL1GIOSA
II
Exigencias da discussio nos obrigam a ioterrom-
per a resposta. que julgaraos dever ao Cat'-*
materia de seu precedento artigo,
Catholico
para
teil^as.demai9iaiMW **&!* dSejal'no's'occuparmo"com o que hontem pu
vin !,a a a sociedade oatr.ot.ca Doze [ g^*J0B^X episcopal e, provavelmente ama-
nha, como de costume, sera entregue pelo Jomal
poolabilidade desta presidencia ao juia de direito
600*7que Ihe foi arbitrada pelo goterno impe-
- Ao-mesmo.-Tendo por portaria desU data
nomeado Joao Henriques de Souza Rangil Pira o
lugar de pharoleiro do pharol da barra, vago
pelo fallecimento de Manoel Alves Pereira, que
o exercia ; assim o communico a V. S. para os
litii convenientes.
thesouraria ^f^Jpt^ffSii, a q-aan- Machado da Cosla Doria, remorido para a relacao
praca de p *&*, ***&"% % So de 19 da ForUleza.
tiaique se refere o offlcio de V. S., aauao ^ ,. _Iriniinltto a essa thesouraria
do eorrente, sob iJ. nraaileri,e da nro.lo iacUsos pr-ti em duplicata e Comas do destt-
Pereira, agenU recenseador da
vin:ia e a sociedade patriotica
5.* seecao.
0 Sr geivnte da companhia pernambucana
mande conduzir para o presidio de Fernando de
Noronha, no proximo vapor que para all. seguir, a
baeaoem do capellao do mesmo presidio, conego
Manoel lose Marlins Alves de Cirvall.o, coraposta
dos objectos mencionados na relacao junla ; cor-
rendo essa despeza por conta do ministerio da
Relaciio d que 9 cadeiras, i baocas, 1 marqueza, 3 mesas, 2
bacias, 3 camas de vento, 1 jarro, 1 garaao, 3 cai-
xoes com objectos de cozinha.
Os Srs. agentes da companhia brasiletra ae
navegacio a vapor raandem dar passagera para a
Bahia por conta do ministerio da guerra, no va-
por Cearii, esperado do norte. ao tenente Horis
hello Jo?e Ferreira da Fonseca, que foi transferi-
do do 9 para o 16" batalhao de u.fantaria, e bem
assim a senhora desse oQkial, D. Amelia Navarro
da Fonveca.
EXPEDIENTK DO SHUT.VMO.
|. seccOo.
- Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas -S. Exc. o Sr. presidente da provincia man
da declarar a V. Exc, em resposta ao seu offlcio
de 20 do eorrente sob n. 1,108, que fica n expe-
didas as convenient ordens para serem trans-
nortados a Bahia no vapor Ceard, o tenente Ho-
risbello lose Ferreira da Fonseca e sua senhora.
2.* seecao.
-fflAo3c'ommandante superior dos municipios de
Garanhuns, Buique e Bom Conselho. De ordem
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, commu-
nico a V. S. que deu-se ordem a thesouraria de
fazenda para paga.a Jose Carlos de Sa a impor-
lancia do pret do destacaraento de Aguas-Bellas,
de que trata o offlcio de V. S, datado de 3 do cor-
^Ao bacharel Mmoel Annes JacoraePires. -
0 Exm.Sr. presidente da .provincia manda accu-
sar o recebimento do offlcto da V. S, de o do eor-
rente, em que participa ter entrado.mi gozo da
licenca que Ihe foi concedida a 4 do eorrente.
4.' seecao.
^Ao director geral da instruccao publica-
De ordem diS. Exc o Sr. presidente da provin-
ce communico a V. S. que por acto desta data
MXtoTo* Joaquira Borges Uohoa., profas-
Sr^SiTda cadeira de wK^sP"",and
B^a-Viaeem oara a da freguena de No3W Saaho-
?a da Kfa Capunga, vaga pelo laUec.mento
de Angelo da Costa Mello Rosal.
5.' seecao,
2?A?co^mi3sao Uquidadora das contas da es-
.j. j. #... a* Roeffn an s. Francisco. Corn-
do Comnurcio a mais larga circulacao.
Ainda n;.o eonhecida a encantada carla, que as-
sim charaa o Cathohco a do cardeal Antonelli, era
outro lugar qnaliiicada de mysterwsa, e sobre as
instruccoes do governo brasileiro, o me:norandwn
e a nota do cardeal secretario que o illustradissi-
mo escriptor faz cahir as suas observacoes para
chegar, nao sabemos ainda, a que resultado pra-
Coraeca o Catholieo ;jor descobrir insinceridade,
basofia e ate desplante na afflrmacao fait* a* go-
verno pelo Sr. barao do Penedo de nao ter a tido quesldo e nem poder adnutti-la no tocants uo
placet e ao recarso d coroa.
Nao foi o plenipoten dario diz em ar de triom-
pho o Catholico, mas foi o car leal quern a repellio
in limine, que bem desejava aquelle embnttr a es-
te as preleccoes de direito constitutional do mar-
quez de S. Vicente.
Ainda aue ignoramos o valor desta grave ques-
tao. a saber : se foi o plenipotenciario, se foi o car-
deal quem cortou a que.-tao do placet e do recur-
so a coroa, preciosa descoberta da que
a historia
e de outras regtas que o gi.verno
em nossi constituicdo pulitica,
intei prelada.
Antes de ir adianle, obscrvemos desde logo que
esta iuterpretacao raaconica foi a de lodos os tem-
pos, que em todos elles, sem exceptuar a religio-
sissima administracao do gabinete de 3 de agostn
se exerceu o direito do placet, a'.e sobre simpto
breves de dispensas (se e que o name i eslei e>
inipedimentos raatrimoniaes.
Conlinuemos, porem, deixando de parte estt al-
lusao que tanto cabe ao Sr. Rio Branco qoa 6 <
chefe da ma;onaria crao ao Sr. Souia Franco qoe
nao o e, ou ao Sr. Nabuco de Araujo que faa non-
rosa estentacao das suas devocoes.
Para sustentar que o Sr. Penedo contradiwe as
instruccoes, cita o Catholieo as seguiotes palavra-
do veuermulo Sr. viscondo de Caravellas :
t Procure obter que o papa ieixe de animar o*
bi.-pos na soa desobediencia e, ao contrario, Ikes
uonselhe toda a conformidade com oe precaitos da
conslituicao e das leis e com as regras que tem
sido sempre attend.d'as desde os tempos mais re-
motos nas relajoes da ig: eja com o eslado.
Nao se trata de um* quesldo individual ou
de corporacoes, mas de uma quesldo de pr pios. ...
D'aqui conclue o Cathohco que a missao cooua-
da ao r. barao de IVnedo,em ioJo c**> qm*
J.moilquo quiiKiuer oaer&elo f.nanee.ra ds-
a qua e preciso reccrrt-r quando uma adminis-
tracao doixa o poder, deixaudo insilvavel o tne-
souro foi a de tratar do placet, do reenrso a
coroa, etc, nao a ten lo cumprido o plenipotencia-
rio brasileiro que emquaulo se Ihe d.ssera : *
quesldo e de principios -, respondeu arrogante-
meule : Sao admitti discussdo de principles.
Pouios Unto mais interesse em aparlar de uma
vez uma tal objeccio quanto ja Ihe conhecemo* as
varianlcs da Refonm, da Republics, de Ganganelli
e agora a do Cathlico.
Vamos logo confossaudo que dcbaldt se procu-
raria encontrar no memorandum, uxtualmente
tra^ladado, o questicnado periodo. Quem o pre-
tendesse, mostraria ignorar a nalurcza desse ins-
trumenlo da diplomacia ehamado : insti.1i:coi-.
De sua natureza reservado, este documento nao
obriga o plenipotenciario de tal nianeira que Ihe
tollia a libeidade, assim na ordem em que dev.-
formular as suas pretenc.ies, como no modo por-
que as defende. .
C.ncedamos por b>potbese qua ao >r. barao de
Penedo houvesse sido couliada por aquellas paU-
vra-i: Procure obter que o papa uconselhe os
bispos, etc., a missao de discutir do placet do re-
curso a corOa e de outras regras da maromca m-
terpretacao constitucional.
Deveria o plenipotenciario interroinper a so*
missao desde que reconhecesse a impossibilidade
de nao obter da Sana Se alguroa modificacao nos
seus conhecidos principios ?
Certissimameute nao. Era quanto alii se Ihe
dizia que fncurmm obter, adianle Ihe esua
dictando isto as insuuevoes : 0 que o governo quei
e acautellar a occurrencia de procidtincntos mais
graves. De onde concluiria bem o pknipolenca-
rio que, obtendo ima solticuo que acaute'.lasse pro-
cedtmenlos mais graces, houvera se desempenhadc
do objecto principal de sua miss.
Ora, e evidente que a suspensao das interdic
coes aparta uma causa de perturbacao nas rela-
coes do estado com a igreja e, conseouentementc.
acantella proctdimenlos mac* grares.
E' assim irrecusavel que, a.nda na hyuutuew
que so o amor da boa e leal ar^uinenucao nos
levou a aceitar, a missao especial connaca ao
cu'dados do illuslre plenipotenciario o Sr. bara.
de Penedo houvera obtido um resultado hoMosc
e satisfactorio.
Honroso : porque eenhum principi" iora sa-
crificado; .
Satisfactory: porque se aparura o moii^o
occasional de mais graves procediiuentos, esta ten
do sido a intencao mamfeslamente expnmida y>
govtrno nas suas instruccoes.
. Mas embora o resultado da missao fosse, auua
raesmo nesta hypothese, lap honroso como .s*1^"
factorio, a verdade e que nao so o Sr. barao ov
Penedo o obleve, poreiu o obteve na mais_ eacu
a escrupulosa conformidade das instruccoes qor
recebera. Kl.
Nem o governo p*eiendera mais do que *e 0Dle
ve, nem o plenipotenciario obteve menos do que
da humanidade ficara provavelmente privada, vis-
to que nos nao coasla que se tenhi lavrado pro-
locollo das conferencias; eumpre tirar o caso a
limpo pelos documentos que possuimos
Cm delles e o memorandum cuja existence es-
tamos que o Catholico nao contestara desde que o era licito esperar. ____
cardeaf-accreurio se refere a esse documento. Ora Discutiraos ho>e a hypotbese di
o que nelle se le sobre o placet, e o seguinte :
Sem entrar no exarae desU instituicao con-
domnada pela igreja, e forcpso dizer que no Bra-
sil nunca se mostrou ella hostil a relig.ao e mcur-
sa nos motivos que determinaram a sua conaera-
E' assim que o memorandum, primeira palavra
coufiada ao papel polo nosso plenipotentiary, apar-
tou in limine a questao do placet em *
Penedo reconheceu, elle propno, que tao inutil
fora exeerimentar o efteito das prelecc5es do Sr.
Sao Vicente como o das sorytes do sr Nabuco de
Araujo ou o do gallicanisrao semi-vollaireano do
Sr. Souza Franco.
Mais adiante diz o Sr. Penedo com a resoluta
linguagem de quem nao pode ceder uem tramigir
n'ura ponto determinado:
presciodindo do abuso commettido pelo
em postergar o beneplactto imperia'
nha o facto.
KesU-nos o direito de pedir a'.s aotsos aav
sarios que nio insislam era repetir prepoaye*
coniuUdas, antes que as teuham reconstrmeo pea
discussao.
Antes que dahi se pretenda extrahir algaa tor-
midavel argumento, vem a ponlo obserrar <
quando o Sr. barao de Penedo (alia em sea *****
randum submeWdo a SanUSe dc :*slitu>cao m
demnada pela igreja que no Brasil nunca se mos-
h-ou hostil religifo, e incursa mM aofiWM f
deteiminuram a sua c>dr>w(<*4>- refere-a a -
cooaria e nao ao, -placet. a ^m,
As-im re^beiecido o equiw.ro em l"*,*?^
z0 o. que adduzimos pra demon>trar qoe o
t- ..if.i*. o___Z r.u ., primeiro a apartar era
Exm. Sr. presidente da provincia manda JJ2%IrJ^VKii*"
a V S, para os devidos tins, que por portaria de > Pedro da Roena
trada de ferro do Recife ao S. Francisco
Rvd. bisp
etc.
Conclue se bem destas palavras :
! que foi o plenipotenciario do B' 0 prj.
meiro a pOr ds parts toda discus^ -obfC 0 pla.
eel; 4^ que, embora reconhec ^di>a ^^ uma
instituicao coudemnada pei^ =a .j^ duvi*"
qualificar de abuso o acj^ ^ Jrefai0 a "'
qua, em V.'nguagei^ wrt,a e n- -- onnda, e
meui;j3, sign&tf a m>>' ""*" *,s docu-
^atao dc Penedo foi o
randum}od>^T*>
sobre as
que
sea
IDStltUi".
das neg
njjiaif''
iraaa ae leno uo nsvm ~ y-^- ar nroai. -fc *"".' -" -enepiaciio.
munico a Yf. Ss., do ordem do Exju. Sr. prest- ^ .owute 4o ^^ ^.^ Q plenjp()Wacia.
C5es d pi icti o 1 recurs., a ,. ^,
* Com- ainda h.mte abse^.-altw^ to*"
dum a primeira oalavra a* *
das neuoj.acoes ... c escreven bo
^ iaisao e-pecial, e aki le-
.~ per.odo que eviieMamente tn 4e MM
reza a tolher qualo,u tos : Nao i licito discutir mm direito cmitii
cional, inherente a soberania nacional, nao
antigo que o beneplactto, e nunca posto em
pelo episcopado frasUeiro.
I
^^-^-V-
--


, I I 1 I
*T8l
krio da Peraambuco ggxk feira 6 de Marco de 1874, Eg Ofl'dMJ/ J (i//A

SSSNAMBim.
AS2IILEA PROVINCIAL
SESSAO ORDINARIA EM 4 DE MAJJ^q Dg|37V
TOESIDENCU M#f^,F.--\WllA DK AGWAR.
Ao meio dia, feiu >_ .TfiAmaila, aelwun se. gresen-
tes o# segumte| depataJos : Nf.itlo riegp, Atti-
eo, Albu(r'.or|(M tucerda, Seretti, TMBM-cio de Ma-
g'iuaes, Alipto tiasia, Haas e Silva, Iravasso do]
vArruda, Manoel ao Rego, Joaquim da Guana, Soa-
res, Gaspir da WrumrBond, Gamhoirn, Arconcio,
Firmiuo de Novae, Pinto Pessoa, Ferreira de
?igular, Oliveira. Andrade, Antonio Paulino, Dario.i
Tito de Barros, Odes Oavalcante, Goncalves Perrei-
ra, Portelli, Guedes Gondm, Amaral, Gomes Pa-
rente, Joaquim Arruda, Olympio Marques, Nicolao
Toleatino, Pinto Junior, Joao Barbalho e Felippe
de Figueiroa.
Abre-se a sessao.
"P lida e approvada a acta dn anterior.
0 Sr. 1 secretario da conta do seguiote :
EXPEDIENTS.
Ordem do,dia.
Bntra ens dlseirssao o projecto n. 25 de1857,
marcando os limites do tcrmo de Tauar*lu.
Requerimento de Bertino L pes de Araujo, 1*
tabelliao e escrivao de orphaos, capellas e residaos
do termo de Cabrob6, pcdindo a exlinecao do offi-
cio de 2* tabelliao e annexacao dos demais officios
aos quo Ihe sao privaUvos. -A' commissar de jus
lira civil e criminal.
Ie Paula & Hafra, pedindo a revogacao da lei
1,121 de 17 de juslho do anno passado. A' com
reissio de legislaoio.
E' sem debate approvato o seguinte ipareeer:
A eommissao de fazenda e orcafRento raquer
quo, com urgercia, se solicit* da presidencia iufor
macoes sobre o que tern sido resotvido em rclaca >
as representa^Ses de diversos criaiores eontra o
imposto sobre permuta e compra do gado cavallar;
que renda pdde produzir esso imp as to e quaes as
caasas que teem difficultado a sax cobranca.
Sala das commissoes, 4 de marco de 1874. J.
dc -Velio Rego. Gongaloes tomira.
O Sp, ttatis e Silva : Sr. presidente,
peia syr.opse vejo qae aoeroa deste projecto se
mandou ouvir os juiies de direito de Tacaratu e
Piores.
Entendo que nos nao podemos prescindir de ver
as icfTorrrfaefies que lies deram com relacao ao
projecto que ora se discate. A nao ser assim, es-
tou disposto a votar contra elle ; e como davem
etistir aqui na casa as re'postas, acho prudente
vermos antes de votarmos o que esses juizes dizem
a fespeito.
O Sr. Presidente : Nao Sei ,'se as informacoos
vieram ; vou maudar ver na seeretaria.
O So. Ratis e Sit**. : Sr. presidente, estou
peTfeitamente eonvcaeido de qae este projecto, tra
deve ter mais ratio de ser ; eston d>spo*to mesmo
a dar Ihe a morte; mas. como vt-jo qBB se maadou
ouvir a dons senhnres juizes de d reito e isto em
i837, e de presnmir queestas iuforma'.oes tenharn
chegado a casa.
O Sn. ToLENTiMi D3 C\rvai.h) : -Quando mes-
dm twessem chegado, hoje nao tmham mais razio
de sor.
0 Sr. Ratis e Silva : Se essas in formates
nio chegaram a CWa, eu desde ja retiro o meu
rpquerimento, e estou prompto a dar e meu voto
contra o projector mas, se exislern, peco a V. Exc.
qae as manle bnscar ua seeretaria, bade dwem
cstar todos esses papeis.
0 iss Prksiw-ste .- Acabam de chtgar da se-
-rftaria as ttilorma^tjes.
O ^r H\tis eSilva : Eis aqui chegaram as in-
foraucoes. (le).
0 S. Goks Cavai.':a*T:-: :-Mesmo assim o pro-
jecto nao tern mais r.mo de ser.
0 Sr. RiTis B StfcV* : D.is iirformajoes que
tenho em iniio, prestxlis polos juizes de direito de
.Tacaratii e PlOres v.jo qie o projecto com effeito
nao tern mais razru de ser, pcrqoe ellas dizem res
peito as distancias das logares, no tempo a que se
referent, mas qua n sabe so desta data para ci. so
nao fizeram a4lera^5es e divisfies no tormo de T-
raraiti ? Eu eutondo que as razoes apresentadas
polos senb ires jui'.es de direit), nao podem mais
preTilecer, e que por is 50 0 projecto n3o tem
mais raz5o de oxistencia.
Dito isto, pec-J a V. Exc. que ponlia 0 projecto
a voto*, e ea votarei pela sua reprovaoao.
Entra em i." discussSo e e sem debate rejeitado
0 projecto n. 17 de 186!, elevaudo a poroacio do
Aliintio a cathegoria de villa.
E* igualmente rejeitado sem debate em !. dis-
cussao, o projecto n. 73 de 1896, maadaodo coa-
tar 0 tempo para a respectiva jubtlicSo aos es-
trangoiros qne tendo sido engajados para 0 pro-
fessorado publico, se naturalisarem cidadaos bra-
sileiro-.
Approva-se em l.'discussao 0 projecto n. 33 de
1873, conoedendo 6 hterias de 120.000^000, a
differentes igrejas.
A requerimento do Sr. Ratis e Silva, a assem-
bled dispensa 0 intersticio, aflm de que 0 mesmo
projecto p->ssa mtrar na rrdetn do dia seguinte.
Segue-so a 2.' discussao do projecto n. 35 de
1873, tnar.dauio p-rtoncor a freguezia da So de
Olinda, a pane d^ rngrnlio Fragozo, hoje perten-
rente .i freguezia de Marangnape.
O Sr. Fniis e SHva: Sr. presidente,
para sor cotierente com os metis prindpios, nao
posso dt'ixar do pi-dir qie sejani apresentadas
a casa as iflformacoes prestadas pelo Exm. dio
cesano, vis:o c.mo da synopse uonsta que so
manlou onvir a S. Exc, e que ja se den essas
infonnicSes.
^"0 ora dor 6 -saltsfeito).
Acabo de ler as infurmacSes do Exm. cJio;-.'-
sano e. vejo- qne -sao contrarias ao projecto. Eu,
portant>, nao posso dar-Hie 0 men voto.
O Sr. (* (tines Pa rente : -Sr. prosidento,
eu penso quo a assotnbl^a provincial pode resol-
ver eetae questdes sem ouvir 0 giveroador do
oispado.
Sou o autordo projecto qne se acha em disenssao,
mas devo c nfesssr que quando 0 apresentei estava
mal informado. Disseram-me entao que essa
partc do engenho Pragoso ficava mais proxima
da fregaozia da So do Olinda do quo da de Ma-
ranguape e que havia mais convcaiencia para os
seus moradores em nertencerem aqnelia fre-
f uezia e nao a esta. H -jo, porem. me informam
0 contrario, e cor.sequentemente von contra 0
mesmo projecto.
Este e 0 mobvo p^rque assim procodo e nao
por ser contraria, seguudo i;ousia, a infonnacij
do governador do bispad^, poriuanto, como ja.
tiisse. atendo que a a.-semblea provincial ixi.lo
derndir em casos ideniicos sera ouvi-lo e so 0 faz
por mera cortezia. (Nao a^oiados).
Aao Iwveado icais quern peca a palavra, t 0
projecto tubmettido a votos rejeitado.
Entra em 2* dUcussao 0 projecto n. 14 de
18-jPi, ampiiando a disposifao do art. 83 do regu-
lamento de 2 de dezerabro de 1853.
O Sr. lint is e Silva:Sr. presidente coast*
da syuop6e que 0 projecto de que tratamos foi
aiToeto a commissao de legNlacao. Eu entendo
qae sera convenient lermos 0 parecer dessa win
oiissao, alim de podermos dar tici voto com mais
-fundaraento.
O Sr presidente :infonaa 0 Sr. official
maior que nao houve parecer.
E' lido, apoiado e entra em discussSo 0 seguinte
.requerimento :
Requeiro 0 adiamento da discussao ate qg
seja apresentado 0 projecto de torca pjlicial.
G. Parente.'
O Sr. Ratis e Silva : Sr. presidente, ea
desejo dar 0 meu voto ao roqoerimoato de adia-
mento, mas per0 ao sea nobre autor qne me diga
qual a razao de ser do mesmo requerimenie, por-
que eu oao sei que relaeio ba enlre 0 pr.-jecto
que se discute e 0 da for?a policial.
O fia. G. Parents : Trata-se da aposentadoria
de prajas do corpo policial.
0 Sa Ratis e Silva : l*to nao me satistaz.
O qae tem a aposentadoria das praoas com 0 pro-
jecto da forca policial ?
Nao vejo razao nenhuma para 0 adiamento e
votarei contra elle, a menos que nao sejam apre-
sentadas cutras razoes.que 0 justifiquem. Volo
igualmente contra 0 projecto, porqae consta que
nao ha na seeretaria parecer da commissao de
fegislagao, a qual foi elle affecto, 0 me parece que
fie reseute de falta de utihdade publica.
O Sr. GoinesPareute:Sr.'prestdente,
acudo a reclaraaclo do nobre deputado pelo 1.
districto.
0 projeeto consigna uma idea qne pode ser
aproveitada pela eoramissao de forca policial.
Gonseguintemente po^entlo 0 projecto passar ou
ser rejeitado, fica aeste- caso a commissao na
impcssibilidade de consignar essa mesma idea no
projecto de forca...
0 Sr. Ratis e Silva : Nio, Sr.; pode consie-
nal-a
0 Sr. Gomes Pare.nte : Se cahir, parece-me
qua a commissao flea emkaraeada e talrez na
impossibilidade de adoptal**.
Entendo, portanto, conveniente adoptarraos 0
|A. oasAi pnrenl, W!Mrafa como
BAcormda'a TOcuisao, 0 a
riraeuto do adiamenlo.
- Sao succesilvajoente releitados am iJ di&MMs-io
os projectos n. 10 de 1837, regulando i maneira
do recebimento dos ordenados dos. professores e
sabstitutos do gymoasio, e a. 97 de 18G7 inter-
prctan-lo 0 art. ii, da Ida. 508, ajserca dos ven-
cimentos dos profess irfts puldiooi ; e em 3' dU
cussao 0 de n. ?0 de 1*67 autorisando 0 presl-
deote da provinda a mandar faier as obras ne-
cessarias p?ra augmiento do edifleio do hospicio
dos alienados era Olinda.
Segue se a i" discossao do proj-'cto B. 7 de
1873, autorisaado 0 presldonte da proviaeia a
contratar com'-flBem meltiorea vantagoas offe-
rccer 0 estabelecimento de trilhos de madeira
e ferro nas ruas da cidado do Recife.
O Sr. TilHirclo de lla^alliaes olTeye-
ce 0 segainte additivo que e lido.jipoiado c ebtra
coajunctamente em discussao
epoclns Aj provanpas os retevantissifcios aerviocij
quojaslifieam a caiuidorasaocom quo seumi-
gos hoje 0 acout[ianha~ni eontristaios aO desoan^o.
derniftiro a quo dbegou por sua vat
A' Exma. familia flo nrorto> os nossea -peaanies.
Ouiro. Falleceu tantbera hontem, victiaaa
de variolas, 0 eTBgenhdra Ernesto -de Carvalho
t'aesdo Andrade, lilhofc Sr. Dr. Laiz de Carva-
Iho Paes de Andrade, mgno chrfe de seccao na
fratfdi?
BOO
luaes se possa ordenar 0 proccsso crime de fes- utucio ao preaiaeote e soerptarin d
ponsabilidade._______ corretores acorapanhando 0 boletJm das coucS^
as-MMiito.-Pa!teiBen,4* foi hontem afflc.aea da seman* *ftl3V8dpisa sepullalo 0 tencaje-coroael Fraaeisco Garneiro- me!tea-se para 0 arrive.
Madbado Rios, victtma do padecimentos ehromcos ^e*^* Kiesnia junta, cawmunicaBdo 0 nume
0 em idade ja bastante avancada. I *JB Knsaccoes feitaa por cada corretor ao mez
Mniundo dlsde saamocidade ob# baadcir* e l^erairo ultimo.-Para 0 archivo.
da politica coqservadota, preatou-lhe_,em iliversM1 Olflcio do Sr. deputado Lopes Maehado, eommu-
Pica 0 contratante ebrtgado a constrnir alfandega desta previncia. -9 iinado-era -meco<
uma ponto entra 0 bairro do Hecife e de Santo
Aatemo, sbmente destinada para dar passagem
aos trilhos da nova linha, aflm de nao difDcultar
0 transito da pdnie* de 7 fle^etembro. Tibttrcio
de Magalhaes.
# Sr. Felippe de Fignclroa opnSe-se
a emenda por ser desnecessaria. As actuaes
ponies que ligam os bair:os do Recife ao do Santo
Antonio 0 este ao da Boa-Vista, acham se occu-
padas pelos trllhru da companhia tencimbuco
Slveet Railway, e ahi nio podem ser collocados
outros.
O Sr. Tibnreio de Majjalhaes susten-
ta a sua emenda, mostrando a necessidade de se
construir a ponte entrc 0 batrro do Recife e 0 de
Santo Antonio, aflm dc se evitarem complicacies
futuras, como "acoatecea em rela^ao aos trilhos da
companhia Loeometora. '
.- Se passar a mesma emena, a empreza tera de
construir somente essa ponte, nao havendo neces-
sidade de faze-lo entre 0 bairro de Santo Antonio'
e 0 da Boa Vista, parque a ponte de Santa Isabel
ainda se presta ao assentamento de trilhos, e 0
transito de canras e outros veiiicnlos por essa pon-
te nao d em tie grande escaia como 0 da Sete de
Selembro.
Ponsa, portanto, que a emenda esta no caso de
ser approvada.
Vem a'masa, e lida, approvada e entra igual-
mente em discussao a seguinte :
c Emenda additiva aoart. 1.; depois da pala-
vra ruas accrescenle-se aontes, e 0 mais
como esta no art. S. R. Gonr-alves Ferreira.
Gondtm.
O Sr. Tiburriu de Ma;?alhae oppoe-
se a passagem da emenda. porqae concorrera pa
ra dilllcultar a realisajiio da empreza dos trilhos
urbanos, e que recoohece ser de ntilidade pu-
iblica.
illustrado ; doeu Vd.-Jo inorrer tao :ado.
Vaniversarios.Faj. hoje il annos-o .n
do Wnrtemberij.
Hoje e dia anniversario da revalue^) per-
nanibacana no anne de 1817.
Amanha 6 0 dia anniversario da cbegada da
faraitra real porlugueza ao Rio de Janeiro, no anno
de 180S.
Para a Itahia. Deve sahir hoje a tarde
pa a a Bahia, pelas escalas do costume, .0 vapor
brasileao Caxins.
Santo Amaro das Salinas.-Tom sido
muito ammado e concorrido o sctenario de Nossa
Seuhora das Angustias, que se venera' na capella
de Santo Amaro das Salinas,' 'agradando em geral
a boa ordem e regularjdadp uuc se observa.
No domingo 8 tera lugar a festa, como brilhan
tismo do costume e, execntando-se 0 programma
que vai publicado no lugar compoujnte.'
Vapor Ca-xias. -Hontem, pela manna, che-
foa este vapor da companhia Bahiana, procedente
a Itahia pelas escalas. "Foi elle portador-tie jor
naes de MScei6, com data at6 4 do corrente:
Do Jornal das Alagoas transcrevemos 0 se-
guinte :
' A nrijneira sessao jadiciaria do termo de Ata
laia, foi convocada ^jara 0 dia 16 de fevereiro e
foi aterta no dia 17. Presidente do tribunal0
Dr. juiz municipal e de direito ioterino Joao Fer-
nandes Chaves. Proraotor publico interino-o so-
iicitador Joaquim Faustino de Moraes. Escrivito
Mello Correa.
t Dia 17 Entroa cm julgamento 0 r6o Fer-
nando Correi Paes, conde/nnado a 8 annos de ^a-
lespor crime de roubo, c mandado pela relacao a
novo jury. AdvogaioMatheus de AraujoCaldas
Xexe). Foi absolvido.
Dia 18. Entrou em julgament o reo Ma-
| noel Lucio Correa, acensado por crime de fdrto de
O Sr. Pinto Pessoa entende qne a dis- cavallo ; foi condeninado a 6"annos de prisao cam
sngsflo do projecto dove flc.ir adiada. J rrabamp e miilta de 20 por cento. Advogado
Trata-se de coaceder om privilegio qne se podel^fanoei Auwliano dc Araujo Cabral. Appelloa 0
encintrar 00m 0 da companhia Pernambuco Street
Kaifvray, que Jk tem direitos a Iqnirtdus. A ques-
tao, portanto, deve sor decidida com toda a calma
e depois do necessario estudo.
Na 11/iiniao do orador essa companhia nao tem
cumprido os rigwosos deveres impostos pela seu
contrato : as ruas por onde passam 03 trilhos es-
tao estragadas, oque evidenUtnente e em damno
da popnlai;ao. I'retonde vontilar esto ponto, mas
para faze-lo tem necessidade da copia desse con-
trato.
Vssira, poie, vai requerer qne a discassio seia
adiada e que se peca ao Exm. Sr. presidente da
provincia a copia de quo acaba de foliar.
E' lido, apoiado e entra em discussao 0 requeri-
mento segiikite :
a Requeiro que se peca copia do contrato da
companhia Ferro Carril desta cidado e que se adie
a disco/mo do projecto n. 7 por oito dias. Pin-
to Pesija.
Xinguem mais pedindo a palavra e encerrada a
discussao, approva a assembltia 0 requerimento do
6r. Pinto Pessoa, e;n ambas as paries, e fica p r-
t.iiiij a disenssao adiada.
O Sr. Presidente convida os illustres
membros das coramissoes a que exaaihjom as
questuea dellas peadentes e dees) seus pareceres,
a|im de quo tiaja materia importante com que a
asseaiblea se occupe, e, eslandoa tura adiantada
designa a ordem do dia seguinte e levanta a ses-
sao.
ah'Aiiflo it5o poder cemparecer a sessao de 26,
PWtilpsao esta que chejroa a seeretaria depois
d encerrada dita sessao.Inteirado.
DBSPACHOS
Requerimentos : aaaafcp
De Jose Lopes de Azevedo, pedindo transferen-
ce ab livro diano que servio -a firma Asevedo 4
Maia.Como reguer, nao sabendo 0 tribunal qaal
0 Em qne teve em vista o supplicante com a de-
craracao que junton. -
De Alheiro e Araujo, Umbem solicitaadc trans-
lercneia do lurro diario quo pertencea a firma
Barlamaquo Araujo & G-Sim.
x De Antonio Prancisco Corga, para dar-se Ihe
por certidao 0 cqntrato da firma Lam?os Pamplo-
na & CNa forma requerida.
Do mesmo Corga, tambera certidao do contrato
de Francisco Jose de Campos Pamplona & CDe-
se a certidao requerida.
De Antonio Domingucs do Almeida Pojas, apre-
sentando a registro a noineacao junta de sea cai-
kelro.Deferido.
De Jose Teixeira Lelte Basto, requerendo que se
registre a npmeacao de seu caixeiro despachante
Amaro de Barros Correia Junior i'orao pede
De Joao do .Rego Lima, trazendo a legistro a
inclusa procuracao de Antonio da Conceii;ao Oli-
veira Lima e sua mulher.r-Seja registrada.
De Jose Teixeira Leite Bastos, submettendo a
registro 0 di.-trato annexo da firma Basto Oliveira
& CVista ao Sr. desarabargador fiscal.
InformacSo da seeretaria, oppondo se a qae so-
jm rubricados os livros apresentados por Benve-
nuto Buarque & C. Nao tera lugar, a vista da
informacao.
Idem aa mesma, cobrindo 0 otficio de Joaauim
Juvencio da Silva, aflmiaistrador do trapiche
GnerraAdiado, por achar-se incumpleto otribu
nal para decidir este negoc'io, visto 0 impedimento
allegado pelo Sr. depaiadu Alves Guerra.
Idem da mesma, intormando sobre 0 conteddo
do olllcio de Bellarmiao do Rego Barros, adminis-
trador do trapicne Tasso.0 tribunal, tendo cm
consideracao 0 offlcio da alfandega, de 25, resol-
veu que nenbum projedimento podia ler lugar no
presente'easo.
Idem da mesma, sobre a materia contida no
offlcio dos admioistradores do armazem alfande-
gado^ BarSo do Livramenlo Loyo.0 tribunal re-
solvea do mesaio modo por ser 0 caso identico.
com 0 parecer fiscal.
REVISTA DIARIA.
Assesnhiea pvovineiai.- Hontem func-
cionou com 29 Srs. dputaios, sob a presidencia
do Sr. Dr. Aguiar. \
Depois de approvada dente, o Sr. secretary leu 0 seguinte expe-
diente:
2 offleios do secretario do governo da provincia,
remertondo 40 exemplares impresses do balancete
da receita e despeza provincial e outros tantos da
orcameuto para 0 exercicio de 1874 a 1873.-Ar-
chive so.
(Jraa petieJo do conego Lino do Monte Carmello
Luna, bibliothecario da bibliotheca proviacial, pe-
dindo a intcrpretacio da lei n. 994, artqavM '6.
A' commissao de legislaijao.
Em seguida 0 mesmo Sr. secretario lea nm re-
quorimento da commissao de Icgislacao, solicitando
copia do contrato celehrado com Agra & C, aflm
de poder d&r seu parecer sobro a pclicao de Paula
(i Mafra.Passaado a ordem do di3, eutrou em 1*
discussao e foi rejeitado 0 projecto a. 41 de 1872,
augmentando os ^encimentjs dos professores do
gymnasia.
Ficou adiado em 1* discussao 0 projecto n. 81,
tambcm de 1872, que manda desmembrar da fre
guezia de Garanhuos 0 districto de Palmeira e
croar a freguez'a de Corrantes, orando sobre sua
materia 0 Sr. Mello Rego, autor do adiamento, e
neui assim 0 de n. 99, que autorisa a conslruccao
de dous ramaes a via ferrea de Una ao povnado
dos Monies e a cidado da Escada ; icerca deste
oraram os Srs. Manoel Portella, que requereu para
que sem prejuizo do requerimento dj Sr. Mello
Rego, pedindo para ser ouvida a reparticao das
obras publicas, soja 0 projecto remeltido a com
raissao de obras publicas para estuda lo e dar pa-
recer,eo Sr. Figueiroa que tambem mandou a
mesa urn requerimento, pedindo para quo sobre 0
mesmo projecto seja ouvido 0 Exm. presidente da
proviaeia.
Foi approvado em la discustao 0 projcclo a. 105
de 1872, que altera a divisao civil do muaicipio
de Aguas Bellas e Buique, lallando sobre a sua
materia os Srs. Ratis e Ernesto Vieira.
Rejeitado em 2' discussao 0 projecto n. 06 de
1872, qae alterava os limiics da fregucjia de Nossa
Senhora da Graca, depois de orarem os Srs. Ratis
e Peretti, ticando prajudicada a emenda apcesen-
tada por este Sr.
Entraado em 3' discussao 0 de a. 97 do mesrae
anno, que autorisa a creacio de uma fabrica de
papel, depois de orarem duersos Srs. depuiados,
foi encerrado 0 debate, fioando a discussao adia-
da por tres dias, a requeriineEto do Sr. Mello
Rego.
Fmalmente foi submetiido a I' discussao 0 pro-
jecto a. 31 do anno passado, qae autorisa a cons-
tructao de cadeias, e sobre elio vein a mesa um
requerimento do Sr. Peretti, pedindo que accrca de
sua nuteria seja ouvida a commissao de obras
publicas, 0 qual foi apoiado; e nao havendo
mais aumero de Srs. depuiados para votar, 0 Sr.
presidente levaatou a sessao, designando para
hoje a seguinte ordem do dia : dTscussao dos
projeetos as. 65 de 1864, 6 de 1866, i de 1867,
54 de 1868, 46 de 1871, (8 de 1872; 2 dos de
ns. 19 de i860,34,68 e 72 de 1868, 86 de 186v,
83 e 143 del870, 84 de 1871 e 1.11 de 1872 ; 3-
dos do ns. 90 de 1867, 62, 76 e 118 de 1870, 28
de 1871, 21 de 1872 e 48 de 1873.
Colleetoria provincial. Por portaria
da presidencia da proviaeia, de 3 do corrente, foi
nomeado Affonso Peixoto da Silveira, collector pro-
vincial do muaicipio de Ipijuc:a.
Julzo criminal do 1. districts-.
Pelo Exm. Sr. desembargador Oliveira Mu-id foi
designado 0 dia segunda-foira (9 do corrente) para
omeQar 0 depoimento das te-temunlias no procee-
so mandado iastaurar aos empregados da alfan-
dega : commondador Einilio Xavier S^bieira de
Mello, Fau-tino Jose dos Santos, Francisco de
Paula Goncalves da Silva, Manoel Perpgriuo da
Silva, Joio Antonio da -^ilva Pereira, Maaoel da
Silva Neves e Ludgero Teixeira Lopes.
Juizo criminal do *. district'.*.
Por sentea',-a da Sr Dr. Quiutino Jose de Miranda,
juiz de direito do 2" districto criminal da comar-
ca do Recife, jomo substituto reeiproeo do do I."
districto, foi mandado recolher ao cartorio, afnn
de ser ar:bivado 0 prncesso iastaurado contra 0
coiii'Dondador Emibo Xavier Sobraira de Mello,
Manoel Soare< Portusa, Dr. Lniz do Carvalho Paes
do Andrade, Henrique S-'ares de AudraJo Breda-
rode*, Lydio Mariano d Albtiquer.,nn, Joao Lins
Soriano, Mmoel da Silv.i iVevos. Antonio Maehado
Gomes da Silva, Faustino J.^^ d s Santos, Cicero
reo.
Dia 19. Foi submfittido a julgamento 0 reo
Joao da Malta Castro, accusado por crime de furto
do cavallo; foi condeninado tambem no grao ma-
ximo do art. 257 do codigo criminal. Advogado
Matheus de Araujo Caldas Xexco. Appelloa 0 reo.
Dia 20. -Poi jnlgado Manoel Joao, vnlgo -Ma-
noel Balaoaccusado por crime de Homicidio ;
foi conderana^o a 12 annos de prisao com traba-
Ihos. Advogado Manoel Aureliano de Araujo
Corrda Appeliou 0 reo.
Dia 21.-Entrou em jnlgamerito 0 Teo Pedro
Correa da Costa Gamaratnha, acjusado por crime
de homicidio, e que, appellando da primeira s;n-
ten^a que 0 coodemdou a 6 annos de prisao com
trabalho. foi pela relaQSo mandado a novo jury.
Absofvilo unanimemente. Advogados Mariano
Joaquim da Silva e Matheus de Araujo Caldas
Xex6v). Appeliou 0 Sr. Dr. juiz de direito inte-
riuo.
Ciniipanhia Pernainhucana. No
dia 11 do corrente, ao moio dia, deve realisar-se
a reuniao da assemblea geral dos acciooistas da
companhia Pcraaaibucana, aflm de oum't a leitura
Jo relatorio e contas do anno passado, e proceder
a eleigao das novas directoria e commissao de
contas.
Pngadoria da tliesouraria de fa-
zeiula -5esla esta^ao pagam-se hoje as seguin-
tes FolUas:
Empregados do rocenceamento, arsenal de ma-
rioha, companhia de aprendizes mariaheiros, pra-
c.as de prets reformadas.
Vacclna.-Na pharmacii Americana, a rua
Duque de Caxias n. 57, vaccina se a criancas e a
adultos, gratuitamenle, todes os dias do mcto dia
as 2 horas da tarde.
Attentado. -Em Taquaretinga, districto do
termo de Limoeiro, na noite do 28 de Janeiro ulti-
mo, um grupo dc 18 pessoas em passeiata musi-
cal ao chegarem a frento da caca de residencia
da Joao Leite do Rego Sampaio, dirigiram-lhc pa-
lavras injuriosas, erguendo em seguida w'pos a
religiao oaBiolica romana. 0 Sr. Saapaio rea*Q-
cou immediatamenle a Iao evang lien manifusiaQao
com um tiro de clavinote e outro de pistola, que
produziram ferimentos graves em Cassiano Fer-
reira de Senna, um dos do grupo naturalmente ;
e por via dc duvidas evadio-se.
Prlsucs.-Em 7 do mcz fiudo foram presos
no termo da Boa Vista os guardas nacionaes, que
alii baviam auxiliado a fuga do criminoso Pedro
Lopes.
VoluntariedadeJoaquim Baptista Ne-
grao, recolheu se espontaneamente a cadeia do
Cabo para cumprir a pena de um mez de prisao a
que fora oondemnado pelo jury desse termo.
Lotcria do Rio.A lotcria n. 499 corre
segunda feira, 9 do corrente.
Loteria.A que se acha a venda e a 90.*, v
bencficio da igreja da Conceicao do Caruaru, que
corre hoje.
L-eilao. Hoje, 6 do corrente, eflectua 0 agen
tc Pinto, no armazeai da rua do Apollo n 8, 0 dc
diversos uteasilios para escriptorio, 1 burra (cofre)
e caixoes para armazens do assucar.
Casa de detenripao.Movitnectc da casa
de detencao do dia 4 de inarco de 1874 :
Existiara presos 327, entraram 5, sahiram
9, ex is tem 323.
A saber :
Nacionaes 243, mulheres 8, estracgeiros 29,
e;cravos 42. escrava 1.Total 323.
Alimentados a custa dos cofres publicos 259.
Passazjrelros Vindos dos portos do sul
no vapor nacional Mavquez de Caxias :
Simao de F. Moreira, Jose Penedo, B. Joaquim de
Meieiroj, Antonio Jose Duarte, Ciarismundo B.
dos Santos e sua senhora, D. Antonia de Souza M.
Santos, Aibano P. Pimealel, Antonio P. da Silva
Marques e 1 criado.
Ceniiterio pablico.-Obitaario do dia 3
de ma reo :
Prancisco Jose Alves, branco, Portugal, 27 an-
nos, solieiro, Boa Vista, hospital Pedro II; febre
ami re la.
Manoel Pio, preto, Bahia, 60 annos, casado, Boa
Vista, hospital Pedro II; lesao cardiaca.
Jose Goncalves, branco, Portugal, 54 anno;, sol-
teiro, Boa Vista ; auazarca.
Olympia, parda, Peraambuci, 11 dias, Boa Vis-
ta ; tetano.
Gosme Noves de Albuquerque, pardo, Pornam
buco, 21 annos, soltetro, Boa Vista ; p'ltysica pul-
moaar.
Jose, parda, Peraambuco, 5 mezes, Santo Anto-
nio ; eoavuLoes.
Mareelina, parda, Peraambuco, Boa Vista ; diar-
rhea.
Corinthia, preta, escrava. Peraambuco, 22 an-
nos, solteira, Poco; peritonite.
Manoel, pardo, Peraambuco, 1 anno. Boa Vista;
conrulsoea.
e Manoel Albino de Amorim e Aurelio dos
Santos Coimbra, registro do seu distrato.Regis-
tre se, na forma do aecroto n. 4,394.
De ^dolpho Marques dos Santos e Antonio Ma-
cbado dos Santos, registro do seu distrato.He-
gislre-se, na forma dodecreto n. 4,394.
Nada mais havendo adespacbar, S. Exc. 0 Sr.
conselheiro presidente encerrou a sessao ao
meio dia.
ENGLISH BA3R OF RIO DE JANEIRO
(LIMITED)
Capital do Banco em 30:000
ac^oes de 20 cada uma 1,000:000
Capital realisado...... 500:000
Fuudo do reserva...... 100:740
Se ahi exlstem mais dignos e conspicuos, que
recolherara-se ao silencio, na propria hora, em
que se travara a grande disputa politic*, culpa
nao foi certamenle do honestissimo administrador,
que guardou inviolavelmente todo 0 decoro pro-
Krio do sea nobre caracter e compativel com 0 sea
onestissimo procedimento.
Niio seria difflcil, porveptura, esmerilhar a ra-
zao, porqae os mais dignos e conspicuos cidadaos
da Prvmncia nJo rcsolveram entrar em coa:ur
rencia para as cadeiras da deputacao provincia
Temos, por vezes, declarado que a opiniJo pu-
blica nao conhece estes athletas do liberalismo
de?ta provincia e menos ainda as id6as, por amor
das quaes pretendem elles combater pela salvacio
da patria.
Seodo effectivamente assim, e claro quo dahi
vem esse mdiffcrentismo, e quasi despreso dos elei-
tores, que vemos geralmcnte exprimirse ionlra os
conspicuos da Provincia, os quaes, por sua vez,
inspiram-se tambem na eonsciencia do pouco, para
nao dizer nenhum merecimeato, que lhes e prodi-
galisado da parte dos raesmos eleilores.
Se 0 irapulso de patriolico sentimento dictou 0
artigo da Provincia de 3 do corrente, e licito es-
perar sincera coadjuva;5o dos generosos provin-
cianos para a grande empreza da regeneracao, a
que nos querem congregar.
Ergam-se os novos legisladores; conjuramo-
los a um nobre esforco. Livrem a provincia des-
se legado do males, que traasraittio aos a legUla-
tura anterior.
E' possivel acreditar na sinceridade dessas pa-
lavras?
Hoje ha animacao, os incitamentos para os no-
bres sacrificios, em bonra da patria, acompanha-
dos da generosa promessa t de qae se nos fara
justica amanha, se nao hoje mesrao, 0 mexeri-
co, 0 enredo, 0 incitaraento a desharmonia, pois
que ao Sr. Manoel Portella coube apenas um lugar
ua commissSo de inslruccao publica e 0 Sr. Mtllo
Rego nao esteve por accordos e declarou, desde
I logo, que com seus amigos ja tinham decidido co-
mo havjam de votar nas commissoes.
Ccdo comeca 0 rompimento.
Vereraos como 0 Sr. Portella e seus amigos
aceiiam 0 predominio do Sr. Mello Rego.
Consta nos qne a eleijao do Sr. Portella para
vice presidente foi feita por irnposicSo do Sr. Ca-
maragib1?.
Eis ahi bem patente 0 vosso sincero desejo de
que nos acbemos solidarios pelo iateresse da pro-
vincia 1
Corvos agoreiros qae esvoacals esfomeados,
acuardando 0 exiermiuio daquelles mesraos, que
devem ser as viclima's do banquete, 0 qual a so-
melbanca dos fruclos do mar raorto, vos embria-
ca os senlidos em crueis decepcoes, n6i compre-
IioihIojcos assas 0 vosso puro e santo patriotismo I
Atais ao pelourinho da vossa gazeta am ilins-
tre e aobre ci la lao e tendes a incrivel coragem
de entregar a um malsim, a um forgado a despre
sivel tarefa de iusulta-lo com as mais asquerosas
injurias I
Admira, com elleito, que entre os redactore3 da:
Provincia nao haja um so cavalheiro, baslantemen-
te sobranceiro a mesquinhas viogancas e vilanias,
para salvar a moralidade dc um jornal, que inii-
tulando se orgao de um partido, esta exbibindo 0
tristissimo e deploravel exemplo de aceitar a res
ponsabilidade solidaria de verdadeiras verrinas, es-
criptas pele mao de um sacrilego que asociedade
do Ifflli enarlele%, -cm *n art do tit. \; r.ne
as fstw3s-i*> aawhws He sMie so limiUdaa, c
locae-, isto e, ti pixlcm ser iettidas n-a deparu-
menios cm quo ossas caUdales sso examiaadas e
approvadas.
K' vetdadc qne ha na Allemanha uaivr-nidadaa,
como a de Roslroc e deGiessen.que concedem diplo-
mas sem exigirem a frequence; mas, aleai o>
Bao permittirani alii 0 exercicio, exigem docoawa
toe que provem as babilitacfiea dos pretendeates.
provas que consistent na anresenUc.10 de Ihesas
on diplomas concedidos, e nao veniidot, por alga-
ma faculdade; entretaoto qae os agentes dessa if
Philadelphia, ja supprimida legalmente, nao exi*
giam, c provaveliaeate ainda continuem, n^ E010-
pa, sendo qumheatoe francos on duzer,^ ^ rtis,
por cada diploma eacolha do* pre;0ndentes
Talvez ainda me de ao trabalao de occapar-roe
dos diplomas de engenheljoi: se 0 fizer apreseo-
tarei esclarecimentos qae poderio aprov'eitar.
5 de marco ie 1874.
Dr. Joaquim d'Aquino Foneeca.
BALANCO DA CAIXA FDJAJ. EM PERNAMBPCO,
'EM 28 DE FEVEREIRO DE 1874.
activo.
Letras desconladas..............
Eaiprestimos e coulas caucionadas
Lelras a reoeber...............
Garantias e valores depositados..
Mobilia, etc. do banco...........
Divorsas contas...............
Caixa.........................
637:1411-190
586:430*440
33:975*62')
780:391*090
12:320*:<4(l
486:461*240
449:982*450
PAsaivo.
Contas ples.............. 537:3634700
Depc-sito a prazo fixo.
com aviso e por le-
tras............. 1,429:375*310
Rs. 3,1.06:402*770
' sentidissima niorfc de meu
seniprc Icnibrado amiga
l.riiiulro Ferreira da C'unha
Quando a terra perde um justo
Ganna um aojo o ceo da mais.
(Gonraltfs Dint.)
Deixastes, amigo, a existencia..... A ado da
morte desoarregou impiedosaiueute sobre vo><-a
cabe^a 0 fatal golpe de sua ira. Entre pais, pa
rentes e amigos, exbalasles o ultimo suspiro, dei
xandonos severamente consternados.
Vossos passes neste malfadado torrao semprt
foram diri^idos em prol da humanidade, tecti-l'
assim neste muulo uma grinalda de louros para
serdes coroado na vossa effectiva habitacio. Dens,
em compensacao aos sublime* acto> praticados ;.<
mando de vosso bondoso coracao, vos dari sem
duvida a morada dos justos.
Unna coroa de glorias orne vossa froale ao Em-
pyreo, c um anjo sobre a lousa de v^ssa BHka
guarde vossos restos.
Recife, 5 de raarjo de 1874.
_______________________C. M. Ferreira.
tapilnnia k peHo
A Provincia, era sua Chronica, e sob a epif r.
phe Fernando de Noronha, disse que, dcv '.A-
seguir hoolem para 0 presidio de Fernando 0 va-
por Cururipe, da Companhia Pernambucana, le-
vando sentenciados e 0 destacamenlo qoe ia v r.
der 0 que se acha deservico no mesmo preai
deixando de soguir porque couheceu-se, qur a
hora da partida 0 vapor fazia muita agua, oppon-
do-me eu a sua sahida ; e que S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia cio devia con:>entir que se
fixaasa a partida do vapor sera que so tivesse ," ra-
cedido a visioria, salvo se esta nao passa do
formal idade, etc
Cumpre-me declarar que nao e exacla seme
lhante notida, nein lao ponro que 0 vapor Cur i-
ripe, que nao sj acha neste portu, estivesse em t.;
estado, nem mesmo 0 vapor Mandahv, qne boD
tem seguio para 0 referido presidio, scado de mai
certo que S. Exc. nada lem qae vdr com as v;*-
torias que se procedem no arsenal de marinha,
tem coridemnado pelas suas torpeias e crueis ira-r-** apresentara na capilania do porto, que as v-
piedades.
Segui 0 vosso camiaho. A opiaiao, que nos at-
tonde, fara a cada qusl a devida justica.
Titulos em caucao e deposilo.....
Diversa* contas___............
1,966:744*010
780:391^09;*
259:267*670
Rs. 3,006:402*770
S. E. & 0.
Pernambuco, 5 de marco de 1874.
/". B. Blos'ham, manager.
Clare Scwell, accountant.
PARTE POLITICA
P11ITIDO CO\*EIlVAB5
RECIFE, 6DEMARgODEl874.
A concurrencia para as cadeiras de deputado
provincial ja sc nao estabelece entre os mais dig-
nos e conspicuos cidadaos, salvas honrosas excep-
Qoes ; disputam-na por vaidade moQ03 inexperien-
tes, sem estudo serio dos negocios, sem pradencia
e que se nao penetram de toda a importancia, de
loda magestadc do uma tal pos'icao.
*U8UeAttES A PEOIDO.
-------------------------------n----------------------------------------------
Srs. redactores.Sko me tendo occupado em
meus dous artigos antericres, publicados no Dia-
rio de Pernambuco, de uma questio, quo vai
servindo de argument j aquelles que procurani
desculpar, se nao defender a faculdade de medi-
cina da Bahia, que verillcju um diploma de -
doutor comprado por um artista a ageutes da
pretendida universidale do Philadelphia, e appro
vou 0 candidato, julgo acertado faze-lo agora, para
ycr se consigo que so nao explore esse meio de
i| justificacao, iue servir.i do iiludir a lei, que neste
paiz serapre e posla de lad j.
Pretendem aquelles que procuram desculpar e
defender mesmo 0 acto da faculdade de medicina
da Bahia que, uma vez que 0 candidato apresen-
la um diploma, paga a taxa, esta nas condic,oes de
ser admittido a examo de sufB:iencia, e que se res-
ponde satislactoriamcnte algumas perguntas que
Ihe sao feitas, deve ser approvado, e entrar para a
classe; mas isto e iiludir a lei, 6 sauccionar um
abuso que, seconlinuar, toraara iuuteisa fieqiien-
cia e estudos em qualjuer faculdade.
Se 0 regulamcnto que baixou com 0 decreto n.
828 de 29 de selembro de 1851, permitte aos me-
dicos, cirurgioes e boticarios nacionaes formadps
em escolas eslrangeiras 0 exercicio de suas prolis-
soes no imperio, alem de empregar 0 termo for-
mados, exige nao so que tonham diploma conferido
por universidade ou escola do medicina reconhe-
cida pelos seus respectivos goveraos, e neste caso
uao esta essa preload! !a universidade de Philadel-
phia, qne nao 6 senao uma sociedade de alguns in
dividuos que, vendendo diplomas scientificos, nao
procuram mais do que oble'r diuheiro, e por esta
razao ja lhes f o prolubido pelo governo do estado
da Peosylvania conuauarem nessa traficancia;
mas tambem que deem prova nos exames, a qoe
sao subinettidos, do quo tern a precisa instruccao,
e quera nao esludar regularmcnte raaterias que se
encadeara ou n 0 esta nesta condicao.
Isto mesmo estabelece 0 decreto n. 1,387 de 28
riOca.
Para que nio passe como ecru uma accusaci.
injusta, direi 0 que se deu a respeito do vap< r
Mandahu, qae era odestinado para ir ao presid
de Fernando, e effect vameale seguio sea dest;o>
hontem a tarde.
Verificando a capitania do porto que 0 vapoi
jlandaliu se acnava suflicieotenienie earregado de
generos do governo para 0 presidii, e qae por i*^<
nao podia coaduzir as pracas do destacanwDt<.
seuteaciados e passageiros, probibio a sahioa.
coinmaaicou a S Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia, que sem deinora resolveu que segaia*e o
vapor, desembarcando as mesnias pracas, sen:* n
ciados e passageiro*, que seguiriara e'a oatro va-
por que a companhia se obrigava a prestar.
Nao existe portanto negligeocia nem a fait- g
coasciencia que lastima a Provincia, a qae di:
lem dado mais de uma vez.
Ecla e a verdade. que nao podera ser conk*ta
da, a menos que nao seja por sysleina.
Recife, 5 de marco de 1874.
Joaquim Jose da Silva,
Capitao do porto.
Xiio chores!
Ao lermos 0 trecho acima, da Provincia, fica- de abril de 1854, que iodicou as condigoes dessas
HROMC4 JLDICUBlaV
Tribunal de commercio-
ACTA DA SESSAO DE 2 DE MAAHO DE
1874.
PRISUlENCia BO EXM. SB. C0.NSEU1EIBO ANSELMf
/RAKCISCO 1'BaETTI.
A's 10 horas da manha, ,gresentes os Srs. de-
putados, socretario Olinto Baptos, Lopes Maehado
e Alves Gaerra, nae tendo comparecido 0 Sr. Sa
Leitao, por motivo de incommodo, segundo parti
cipou a um emprcgado da seeretaria, S. Exe. 0.
?r. conselheiro presidente declarou aberta a
sessae.
Foi lida e depois approvada a act? da sys-
sao de 26.
EXPEDIBNTE.
OIBoie do Dr. juiz de direito especial do tom-
mercio, remettendo a relacaa das fallencias de
1873 -0 tribunal mandou remetter a seeretaria
para os fins convenieates.
Offlcio de Francisco Antonio de Albuquerque
Mello. 0 tribunal resolveu que a seeretaria in-
formasse com 0 que Ihe occorrer sobre a materia
do indicado offlcio.
Offici'i do Dr. Inspector da alfandega, em res-1
posla ao deste tribunal de 24 do mez ultimo.-0
mos por um moinento acreditando, redactores referiara se aos passados tempos do
partido progressista, qnan lo vimos afugentada da
representagao proviacial a mocidade a mais illus-
Irada e esperancosa, e bem assim os mais conspi-
cuos cidadaos, para se abrir espacos a mocos com-
pletamentc inexperienles, e dos quaes faltava o se-
rio estudo dos negocios e a prudencia indispensa-
vel para desempenharem tao elevada commissao.
E' vezo e vezo antigo dos liberaes desta terra 0
attribuirem todos os vicios e defeitos, que sao por
assim dizer iademicos de sua politica a politica
expansiva e generosa dos seus adversarios.
Muito tem bajxado 0 nive'l do poder legislali-
vo provincial 1
t Para isto mais que tudo concorre o vicio da
origem:
0 modo de sua eleicSo.
Desejavamos que fossem bem sinceros, e ainda
mail, bem generosos os escriptores da Provincia,
para dizerem-nos: desde que epoca present)-
ram elles 0 abaixamento do nivel do poder legisla-
tive provincial, mas e que uma tal resposta en-
vejveria a coudemaacao inexoraval de toda a sua
antepassada admiaistra^ao, cuja memdria temos
alias ainda bem recente.
E' justo que perguntemos, entretanto, aos nossos
contrarios :c era que epoca ou phase de sua po-
litica tiveram elles nm corpo legislative, que fosse
a expressao signiucativa e exacta dos votos dos
eleilores da provincia ?
So om passados tempos, que vos ou outros uao
designaes, foram as assembleas proviaciaes eloitas
sob a exclusiva indicaciio dos presidentes, coasti-
tuindo-se meras chancellarias destes e abdicaado-
lhes, quasi completamenle, toda inicialiva e peosa-
mento proprios, cumpre assegurar vos que a ac-
tual assemblea dos legisladores da proviaeia saliio
expurgada do vicio originario, que acabais de at-
tribuir Ihe da indicacao exclusiva do actual admi-
nistrador.
Sabem todos, pois qae e pablico e notorio, qae
S. Exc. nio inlerveio, nem directa e nem indirec-
lamente, na eseolha dos actuaes legisladores.
Sc ha ahi, com effeito, na historfa dos plettos
eleitoraes, uma prova beuj viva da completa absti-
neneia do administrador, que se manleve sobran-
ceiro as lutas de candidates a assemblea provin-
cial, e esta effectivaraenie a que podemos exhibir
neste momeoto em honra do honrado pernarabu-
x:ano, Dr. Henrique Pereira de Lucena f .
t m ?6 candidato nao disputou a preferencia ou
o triumpho de sua eleijSo perante 0 illustrado
corpo de votantes desta provincia, que nao fos-e
este triumpho exelusivamente devido ao rnereci-
mento pessoal do candidato para com os eleilores,
oupara com ct amigos detes, igualmente eaipe-
nhados em ver surgif das urnas 0 patriotismo e a
ilfustraeao dos mesmos oandidatos.
S. Exc. nio leve a alfij leve parte nessc impor-
tante resultado da elaicao da provincia.
Se 0 odk) politico nio houvera cegado os nossos
inflexiveis aflversarios; 0 procedimento nobre e
Mevado de S. Exc. lhes tarla sus*i!ado'nm grande
eosejo para tecjr largos encomios a sua generosa
leaMade.
E* preciso, porem, nJo dar tregoas ao afanoso
labor de espicagar a administracao mais proio-to-
provas ; mas isto nao e tudo.
E' sabido que uma universidade da escola de
medicina regular nao concede diplomas seoao de-
pois de frpquencia com aproveitamento aos cursos
das materias leccionadas e exames com appnvacao,
que sao 0 que prova 0 aproveitamento, e para isto
se e obrigado nao so a pagar matriculas, no que
so nio admittera excepcoes, assistir aos cursos dn-
rante um certo numero de annos, satisfazer os di-
reitos pecuniarios dos respectivos exames, e, se
consegue chegarjao doutoramonto.o que nao e mui
to facil, pagar a impressao de these, e 0 diploma,
que esla sujeito a certa; e uao pequenas despezas
ou emolumentos.
Se um individuo, que houvesse omprado um
diploma de doutor, tivesso 0 direito a ser admitti-
do a veriQcacao do litaio.e a exame de sulU ,-iencia,
nao se exigindo delle mais do que responder a al-
gumas penguntas, nioguera so suejitana a pagar
matriculas, frequentar cursos durante annos, c
concorrer para as despezas inhcrcntes aos ados
academioos : baslava quo estudasso superficial-
mente as materias, e quo coaprasse um diploma,
que Hie custaria apenas duzentos mil rdis; entre-
tanto que as despezas academicas se elevam a
muito mais, mesmo conlando-se com a taxa ou
emolumentos Dxados pelo art. 21 do decreto n.
1,387 supracitado.
Assim pois, nao basta ter am diphraa compra-
do, e responder menos mal a algumas perguntas,
para qae 0 candidato seja admittido a verincacao,
e possa ser approvado : e preciso que a universi-
dade ou escola de medicina seja reconhecida pelo
respectivo governo, caso em que nao se acha a
pretendida universidade de i'hiiadelphia, e qae 0
candidato prove ter frequer/.ado com assiduidade
e aproveitamento uma universidade ou escola, e
haver-so sujeitado aos exames necessaries, sendo
nestes approvado. Proceder se de oulra sorte e
abrlr-se uma porta a-abasos, qae terao tristes con
seqaencias, e\ por se em concurrencia candidatos
quo tem titulos academicos obtidos depois de pro-
vas custosas com outros que os tem comprados por
barato preco.
Se isto nao e fundado 0 coneludenle, entao me-
Ihor sera deixar que coatinueni os abusos,quo
continuar.io, ate que 0 poverno imperial int r
venba e imponha medidas' ropressivas. A conti-
uaar isto, nenhum pai qaera>a mai^ fazer partir
para a Europa seus fifhos, allm de obtorera um
diploma scientifico, porque Ihe bastara remetter
diuheiro que sirva para a compra de um dipbma
semclhanto a es-e do artista que foi admittido a
verificacio, e saiiio approvado, e se acha actual
mente na mesma linha qu" todos aquelles que tem
diplomas adquiridos depois ie provas academicas
difflcpig.
Infollzmente nSo foi a primeira vez que a facul-
dade de medicina da Bahia procedeu irregular-
mente, e sinto dtee" lo, pois que nella cunt) amgiis
que estimo : ja era 1148 havia ella admiitido a ve-
rifl'-acio um t lalo de official de saiido conferido
a um i-uodito francez por um dos depa taraentos
de Franja ; entretanto quo a lei do 3 dn ontubro
de 1832, que era a que aewa epoca legolava a
materia, sao fallava, e pir ciasHqU'-ocM nan re-
con ecia Boin'-lhaate enii-lade mediea, e l|ue a lei
franceza de 1^ Veatose do anno Xt (10 do mar\o
A MEU AMIGO OD1LON DA CONHA, PELA SEST1P\
MORTK. DESEU PRESADO 1RM.\0, LEaHDR"
Fr.RREtilA EA CL'NHA.
Quern podera dizer-te a dor qne estalma opprim*
Quando te vejo aereo, em meditar profundo I
Oh abre-me tua alma, oh abre Nao e crime
Soffrerraos n'estc mando I
C. Novaes.
Trinta dias sao deMrridos que a morte roabtu
te nma das mais preciosas prendas qae possaU*
n'este mando.
S5o passados trinu dias e entretanto nao f.-:
possivel esquece lo ; todos lembram se dteiU, todo<
0 lamcntam.
Aos vinte annos, quando 0 riso brincava-lhe
nos libios, quando descortinava um horisonte | N
promettia uma existencia longa, t cruel raorrer.
Mas... 0 que faze: ?
E' a morte uma lei inevitavel, a que se acha
submettida a pohre humanidade.
Que misera sorte I Que terrivel tribato aaat-
pre pago e nunca satisfeito pelo pnmeiro erro da
fragilidade humana!
Dj preferencia vem r ubar as fMaj raras e
preciosas, como a do leu charo irmao !
E quem era Leandro Ferreira da Cunka 9...
era um d'estes para si, concedendo apenas n'este mando a exi-
tencia de uma flor.
Parecia que a alegria era um privilogio d'aqnel-
la alma, que so conhecia o cullivava a amisade '
E' pois,0 pranto, somente 0 pranto teu consul
sim, so 0 chorar do coracio mitigara as pena? d
tua alma.
0 tumulo de Leandro Ferreira da Cunka sera
0 coracao de todos aquelles que cm tao distincu
creatura entretinham relagSos.
Coragem e resignacilo sio os unicos nseio* a
que podes recoi rer.
Recife, 6 de marco de 1874.
Alfredo R. A.
Oleo pure medicinal de figado
dc bacntliiio ale Liutmaa at
kemp.
Uma tosse pertinaz e fatigadora que de vex em
quando arranca sangue com dor e oppressio ao
peito, pulso alterado e febril, extraordinario rnbor
on vermelhidio das faces, snores nocturnes, au-
greza e debilidade crescente, annuaeiam ao doee-
t > phtysico, qne a sna vida se acha am parigo
Os anodyaos, os expertorantes, os tooieos e xaro
pes, c ate mesmo a roudanca dare-. sio aarakaea-
te em vao. Abandone pois" 0 doente todos esse
moios palliativos, e experimente 0 oleo poro me-
dicinal de flgado d? bacalbao dc Lanmaa & Kemp.
E' uma preparacao preciosa da unica eonsa qne a
experiencia tem demonstrado, qae se pode em
todos os casos dapender c conliar d'ella ; e o
seus bons elTeitos nunca fslhain. O oleo de 6g..d<
de bacaltiao limpido e pum > 0 remedio mail pc-
deroso e effleaz para as enfeniiidades dos polmoes.
garganta e Infos, de qnantos se torn descoberlo
ale agon. Depositai, pois, inleira M neHe e ex;-
rimentai-o sem susto. Porem nao vos asquecai-
de pedir a preparacio unica e verdadeira d Lan-
man & Kemp; porque 0 mercade- infeliament'
acna-se inundado de composicees fraudnlentas em
si tao mas como inuteis. Examine se, pals, o ls-
treiro e a capa afim de que se possa ver a roarea
commercial da casa.
COLLEGIO
DA
mnmmimmm
A abaixo assignada, Hcenciada pelo Exm Sr.
presidente da provincia, c pelo Aim. Sr. Dr. direc-
tor geial da instruccao publica, tem esiabelccid"
na rua dos Coelbos, a, 20, a poucos pasaoa da
igreja de S. Goncalo, um coilegio para menial-
sob a invocatao da Santissima Tiiikoaiw.
Auxiiiada por suas irmaas D. D. Landeliaa Jer-
sey e Oliudina Jersey, ambas as qnaes, em com-
4
>

.1


i ^^^


?r

KMKtfad* *> &(& fefeSL 6 d* Jte^ &
"
Ivi
-----;-*-
mam com a abaixo assign:
edueasio, durante ^f^J^JRij
melhores collegios frueraa at
ram igoal
erf um dos
HAT do Porto,
esta poc certe nobtlitaao para iratuffliM--a siu.
aiumaatHodos os coobecinMrtof adqumdes boss*
%ff a atleocao dos illastrados pais de fami-
lu aftoionaes e estrangeiros, para os eslatulos
abaixo, a annunciante espera merecer decidida
orefereneia, pois o sea estabeleciraento se distin-
gue nao s6 porquo nada pagam em separado pelo
estudo das artes de recreio, como tambem pelo das
Iingaas estrangeiras quo, em geral, soraente se
ensin* a traduzir, ao passoque no Collegio da San-
tissijm Trinoabb se aprendera a fallar e eserever
eorreetaniente ; o que se lorna .sem duvida de
uma vantagem e utilidade incontestaveis.
lavocando, cheia de con'ianci, a prote^cao de
seus compatriot as, e de todos os estrangeiros ill us-
trados, a annunciante e suas irmaas, no cumpri-
raento dos seus deveres, esperam e promettem en-
vidar todos os esforcos, aflm de provar que, entre
nos, existem aernambucauas sufflcientemente ha-
bilitadas para instrair e preparar nossas innocen-
e< amaveis patriciaa, ilia so -a desempenharem
no futuro o nobre e respeitavel ministerio de
mais de familia, como a se tornarem aiui, ou em
qualquer paiz, onde se acharem, o brilhante or-
namealo da mais cuita e dislineta sociedade.
As aulas abrem-se a 26 de Janeiro.
Pkilomena Minervina de A. 0" Cornell Jersey.
?runeira porta .
iegunda porta .
Terceira porta .
(juarta porta .
rupiche Conceicao
ESTATUTOS
DO
Collegio da Santissima Trindade, sob a
direccAo de Philomena Minervina d'Al-
buquerque 0' Connell Jersey, coadjuvada
por suas irmSas D. Landelina d'Albuquer-
que 0' Connell Jersey e D. Olindina d'Al-
buquerque 0' Connell Jersey.
Art. !. 0 Collegio dirigido por Philomena Mi-
nervina d'Albuquerque 0 Connell Jersey denomi-
nase-CoLLEGio da Santissjma Trindade. Rendimento do
Art. 2. As alumnas recebera nelle instruccaos d primaria, secundaria, religiosa, de civilidade, e de
recreio e pr--ndas.
Art. 3.' A instruccao primaria 6-Ieitura, es-
ripla, eontabelidado (as quatro oporacoes) nocoes
(grammatica portugueia, costura chi e cro- .So dia 2 a 4
ebet.
Art. 4.' A instruccao secundaria comprehende
lingua nacional, francez, inglez, italiano, hislo-
ria, geographia e arithmetica.
Art. 5.* A instruccao religiosa e dada pelo ca-
tliecisrao ; as alumnas aprendom doutrina cbris-
ta, e todos os deveres religiosos a cumprir para com
Deus, seus pais e parentes, e em geral com a so-
ciedade.
Art. 6. A instruccao de civilidade abrange to-
dos os actos da vida de uma senhora, era relacao
com as pessoas de sua familia e com a socie-
dade.
Art. 7." A instruccSo de recreio consta de
desenho, musica, piano e danca.
Art 8." A instruccao de prendas reune todos
o> trabalhos de agulha, e toda a especie de bor-
dados, que dove saber uma senhora da melhor so-
ciedado.
II
Art. 9. 0 Collegio admitte alumnas internas,
meia pensionistas e externas.
Art. 10. A lingua que se falla no interior do
Collegio e a frauceza; e durante as aulas de inglez
e italiano so se fallam estas lingua-.
Art. 11. As alumnas que estudam francez, in-
glez e italiano aprendem a fallar, eserever e tra-
duzir estes idiomas qrammaticalmente.
Art. 12. A mensahdade para as internas e de
40*000, para as meio pensionistas 20,5000, e para
as externas 55000, pagos adiantados por trimes-
tres que, uma vez comecado's, consideram-se ven-
cidos.
Art. 13. A instruccao das alumnas externas,
r -munerada seguodo o artigo antecedente, -4 a
dos arts. 3 e 5 ; as internas e meio-pensionistas
: -m direit.i a dos arts. 3, i, 5, 6,7 e 8 ; podendo,
todavia, qualquer alumna extoroa frequoutar as
aulas superiores mediaute a indemnisac.ao, que
,>? convencionar.
Art. li. As despozas com livros, papel, etc' sao.
d.i competencia dos pais ou correspondentes das
alumnas, e bem assim a materia prima de borda-
dos, e estes executados sao propriedade das mes-
ma 3.
Art. 15. As aulas no Collegio da Santissim*
Tmndade trabalham duas vezes ao dia-de manha
das 9 as 12, e de tarde das 2 1(2 as 5 1|2.
Art. 15. 0 enxoval das internas 6 ao gosto de
spus pais; assim como a roupa lavada, engomma-
da e pertences por elles serao fornecidos.
Art. 17. As pequenas indisposicoes e raolestias
laa internas sao tratadas no Collegio ; naa graves,
porem, a directora faz avisar aos pais ou corres-
pondentes para providenciarera s >bre o tratamen-
to, que pode ser em suas casas, ou no Collegio.
Art. 18. Os feriados sao os das aulas publicas ;
salvo as quintas feiras que, no Collegio, ficam des-
tinadas a instrucclo de recreio.
Art. 19. Todas as materias leccicnadas no Col-
legio da Santissima Tkindabe sao professadas pela
directora e suas irmSas, ou outras seohoras com a
aptidao precisa, e que a directora jrilgar necessa-
rian
- Kecife, 30 de dezembro di 1873.
Philomena Mineroina de A. ffCornell Jersey.
ipApprovoDirectoria geral da instrucQao publica
l'ernambu:o, 8 de Janeiro de i87i.
Jouo Barbalko Uchoa Cnvalcante.
Nft-barca iale PeUkeke, para UveMttffcf
carre|fiju!: Keller' 8r C. 5R0; saccat com HfflM]
kilos de algodao.
No bngue inglez Jura, para New-York, car-
ou : A. K. Balthar Sobnnno 1,000 saccos com
kilos de assucar mascavado.
56 Ijlgar ingtet CtfrfSaH*, para o Canal,
carregou : Simpson & C 9T0 saccos eosa. 71,73
kilos de assucar mascavado.
No navio francez S. Louis, para o Canal,
carregon : Keller & C 204 saccas com 14,903
kilos de algodao.
No patacho amerlcano Adelaide, para Lisboa,
carregou : A. Loyo 300 saccos com 22,500 kilos
de as&acar branco e 450>ditos com 36,000 ditos
de dito mascavado ; M. da Silva Haia 41 couros
espichados com 287 kilos ; P. Carneiro 4:C. 147
ditos salgados com 1,668 ditos I para o Porto, A.
M. Souza Machado 602 ditos com 7,224 ditos.
No brigue portaguez Ooarense, para Lisboa,
carregou : ft. J. da Cnnha Sobrinho 30 saccas com
2,177 kilos de algodao.
Na galera porlugueza Saudade, para o Porto,
carregou : M. M. Monteiro 135 saccas com 11,200
1|2 kilos da algodao.
No navio bespanhol Prim, para o Rio da Pra
ta, carregou : A. Cordeiro 353 barricas com
41,217 1|2 kilos de assucar branco e 75 ditas com
8,236 ditos de dito mascavado.
Para ot portos do interior.
Para o Rio Grande do Sul. no patacho na-
cional Bemfica, carregou : P. Vianna A C. 109
saccos com 7,500 kilos de assuoar branco ;, J. R.
Ferreira 50 barricas com 4,126 ditos de dito.
Para o Ria Grande da Sul,.no patacho nacio-
nal Prancolin, carregon: Amorim Irmaos & C.
150 barricas com 14,167 kilos de assucar branco.
Para o Rio Grande do Sul, no bngue pwta-
guez Dtasiii carregoa : Ollveira Filhos & U WO
barricas com 26,356 kilos de assucar branco e
150 ditas com 16,989 ditos de de dito mascavado.
Para o Aracaty, no hiate nacional Nora Es-
peranga, carregou :'Costa & C. 23 barricas com
1,834 kilos de assucar
refinado.
CAPATA21A DA ALFANBEGA
dia 2 a 4
VOLUMES SAH1DOS
Mills Latham A-C
RUA DA CRUZ W. 38.
Ot'ioS*)
MOVIMENTO M PORTO
Navio enlrado no dto 5.
Bahia e portos intermedios8 dias, sendo do ul-
timo porto 16 boras, vapor nacional Marquez
de Caxias, de 671 toneladas, commaudanie An-
tonio Vieira dos Santos, equipagem 24, carga
vartos generos; a Antonio L. de 0. Azevedo
& C.
Navios sahidos no mesmo dto.
Lisboa Brigue portuguez Ovarense, capitao Anto-
nio B. Correa, carga assucar e outros generos.
Porto Galera porlugueza Saudade, capilao J.
Cardeal da Fonc^ca, carga assuoar e outros ge-
neros:
Rio Grande do Sul -Patacho brasileiro Francolin,
capitao Monteiro, carga assucar e outros ge-
neros
BarcelonaBrigue hespanhol Soberano, capitao
J. Maristany, carga algodao.
Rio Grande do Sul Patacho brasileiro Abilio,
capitao Francisco 9. da Costa, carga assucar e
outros generos.
ECtTAES.
No dia 5
3:408*419
796*932
4:205*331
4,504
240
126
610
3,142
8,622
SERVICO MARtTIMO
vl>*rengas descarregadas no trapicLe
alfandega do dia 2 a 4
No dia 5
s'aMos atracados no trap, da altaadoga
Alvarengas........
13
20
j; rHa dos GualParapes,
fef i rift dos Acougui-
rb^Olj-LargfltdaCam-
l; rua da Soledade, dita
becco do Teixeir*, dita oj 5,
das Cinco Pontas, terreno, por
terrea m 6"
i, eosa tenp
Aa, dita n. 3, por
72, por 700*
t 25 : 000*000.
Secretaria da Santa Casa da Miserieordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 eserivao
. .______ Pedro Rodrigues de Souza _
20UOO0
261*000
209*000
300*000
ftaCEBEDORIA DB RENDA3 INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCl
dem do dia 5....... 2:328*047
12.333*314
CONSULADO PROVINCfAU
Rendime.'ilo do dia
Idem do dia 5 .
2 a i
21:723*601
2:847*676
24:5713337
s
BOM
JUNTA DOS CORRETORES
I'raca tl Recife, a de tuarco
AS 3 1I0BAS DA TARDE.
cctacoes OKFICIAKS.
Algoao de 1' sorte 7*800 por 15 kilos.
Desconto de letras 12 OiO ao anno.
a. de Vasconceilos
Presidente.
F. J. Silvoira
?e!o secretario.
ALFANDEGA
'.wfldimento do di? 2 a 4 .
Idem do dia S .
158.885*305
39:071*841
197:957*146
Ddsearregam hoje G de marco de 1874.
Barca noruega C /pella (atracada) mercado-
ias para alfandega.
Patacho portuguez Graciosa mereadorias para
o trapiche Conceicao, para despacaar.
Patacho inglez Wolfrille mereadorias para o
trapiche Conceicao, para desoachar.
Bars* inglezallermlme -bacalhao jadespachads
para o trapiche Conceicao.
Barca iDgleza -Paragero -bacalbao ja despachado
para o trapiche Conceicao.
Brigue inglez Mary bacalhao ja despachado
para o trapiche ConceicSo.
L'igre inglez Beltrees -bacalhao ja despachado
para o trapiche Conceicao.
Barca franceza ifiiwrra cimento ja de6pa-
pachado para o caes do Apollo.
Hrigup grego Apostolo Paulo ferro ja de?pi-
chado para o caes do Apollo.
Barca ingleza Curri's&roofrcarvao ja despacha-
do para o caes do Apollo.
Barca ingleza Margarelhe Wilkei carvao ja
despachado para o caes do Apollo.
Barca inglezaWitck of the Teign carvao j a des-
paehado para o caes do Apollo.
Patacho inglez Lady Mary carvao ja despa-
chado para o caes do Apollo.
Vapor nacional Marquez de Caxias generos
aa:ionaes para o trapiche Dantas.
Brigue inglez Brilescher cinza de ossos para
depesito no trapiche alfandegado do Barao
do Livramento.
ImportacSo.
Vapor nacional Marque? de Cfixias, enlrado
dos port03 do sul em 5 do corrente, e conslgw-
do a Antonio Luis de Oliveira Azevedo, manifes-
tod:
Algodio 28 saccas a Luiz Antonio deSiqseira.
Assucar 301 saccos a Pedro Oiorio de Serqjieiraj
Charntos 4 caixas a Cunha & Manta.
Fazendaa 2, caixas a Moobard Mettler it C
Milho 10 saccos 4 ordem
Saccos vasios t^volnmes a Miguel Jose Alves.
DK8PACSOS DE EXPORTACAO NO DIA 4 DE
MARgo DE 1874.
flsr* os portos do exterior.
No vapor inglez ilrftitrator, para Liverpool,
carregeji.; 3: P. Johnston & G. 1,700 saccos com,
120,268 kilos de assucar mascavado.
Aiigusto F. d'Oliveira & C.
A casa commercial e bancaria deAugusto
F. d'Oliveira & C, & rua do Commercio ns
42, encarrega-se de execugao de ordens
para embarque de prodoctos e de todos o-
mais negocios de commissSo, quercommer-
ciaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e torna dinheiros a pro-
mio, compra cambiaes, e saca a vista e a
prazo, & vontade do tomador, sobre as se-
guintes praijas estrangeiras e nacionaes :
Lonlrei. Sobre o union bank of
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de I.' classe.
Parts. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUAUD ANDRE & C. G A. BLkCQUE,
VIGNAL & C.
llauaburgo. Sobre os Srs. joao
SCUU BACK & FILII S.
Lisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, C SEBASTIAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco uniao do pokto
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o banco commercial
do para, e os Srs. francisco gaudencio da
COSTA & FILHOS.
Maranhao. Sobre o Sr. jose fer-
reira DA SILVA JONIOR.
Ceara. Sobre os Srs. j. s. de vas-
CONCELLOS & SONS.
Bahia. Sobre os Srs. marinhos & c.
Rio de Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
BANQUE BRASILIENNEFRANCA1SE.
COMPANHIA ALLIANCA
seguros maritimos e terreb-
tres estabelecida na Bahi&
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0009000.
Torna seguro de raercadorias e dinheiro
(co maritimo em navio de vela e vaporet
para dentro e fora do imperio, assim com<
contra fogo sobre predios, generos e fa
rondas.
Agente : Joaquim Jose GonQalves Beltrao
ua do Commercio n. 5, 1* andar.
A camara municipal do Recife cjnvida a
todos os seus murticipes a apre.-entarem para ser
expostos no corrente anno, objectos de produce v..
agricolaspara-aexposicao queprelende reilisar a
sociedade Doze de Setembro, sagpado a partici-
pai-io do Ex in. pcesidente da provincia, de 16 do
corrente, com referenda a ordem do governo im-
perial.
A mesma camara espera no patriotismo, dedi-
cagao e zelo de todos o bom exito de tai convite.
Pace da camara munic;pal d& Recife, 18 de fe- j
vereiro de 1874
TBeodoro Machado F Pereira da Silva
Pro-presidcnte.
Augnsto G. d-j Figneiredo
________Official maior servindo de secretario.
0 Dr. Sebastiio do Rego Barros de Lacerda, juiz
de direito especial do commercio desta cidade do
Recife e sea termo, capital da provincia de Per-
nambuco, por S. M. I. e contitucioaal o Sr. D.
Pedro II, que Dent guarde, &c
FaQo saber aos que o presente e lilal virem ou
delle noticia tiverem, que pelos administradores
da massa fsHida db Mirltl & Carvalha me foi
apresentada a seguinte clas^ficacjio dos creditosda
dita massa:
Credores que nao apresentarara titulosSilvino
da Silva e Souza 34*690, Francisco J. C. Martins
2163608, Francisco Barros Pereira 19*530, Joao
Carrere 126*000i Pinto da Silva- &Cascao...
11U200, Adriano. Castro & C. 392^990, Costa Ir-
maos & C, por conta de IDro 564*900, por letra
1:304.* *80, Robert Lightbom & C. 225*000, Jose
dos Santos Aguiar 400000, Jose Joaquim Gon -alves
Beltrao 105*600, Phipps Brothers & C. 180*000,
Henrique Le-ger 303*0i0.
Credores chirographariosJoao Rennos 385*800,
Carneiro & Nogueira 178*740, Keller &C...
3:363*440, Eduardo Alexandre Burle & C, por
conta de livro 5:292*645, por letra 422*000 ; Au-
gusto Cesar de Abreu 1:571*910, Linden Wild-
man & C. l:332*290,iBa*tos 4. Silva, por conta de
livro 220*730. por letra 2.919*320, Mendes Aze-
vedo C. 6:703*373, Mills Latham & C.......
7:035*100, Cramer Frey & C. 6:321*310. Mo
nhard Metller & C. 4:043*740; Antonio Valentim
da Sdva Barroca 383*870, Saunders Brothers A
C. 1:540*340, Pereira Viaana & C. 4:021*200,
Francisco Gomes de Oliveira Sobrinho, por conta
de livro 311*700, por letra 340*400, Izidoro Bas-
tos & G 340*800, Duarte Irmao 517*940, Aicofo-
rado Vireira & C 369*300, Cunha & Manta.....
103*000, Pereira de Mello & C. 1:975*990, Mon-
teiro Cregorio & C. 2:042*273, Lemos & Gueri-
neau 3:895*390, Alves & C. 4223 )00, Daniel Pan-
cracio, Wild & C. 2:547*000, Hodrigues IrmSos &
Guimaraes 6:625*240, Rocha < C. 296*010.
E por este edital sao citados os referidos credo-
res para dentro de cinco, dias contados da publica-
cao do mesmo, dizerem sobre a classificacao. E
para que chegue ao conheciment) de todos man-
dei passar o presente que sera pubicado pela im-
prensa e iffixado no lugar do costume.
Recife, 4 demarche 1874. Eu, Manoel Maria
RoJrigues do Nascimento, escrivao, o subscrevi.
Sebasliao do Rego Barros de Licerda.
SANTA CASA DA M1SERICOKDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrate da sanu easa da
Misencordia do Recife, manda faierpubtieo que
aa sala de suas sessdes, 5 no dia de marco pe-
tes 3 horas da tarde, tern ;de ser arrematadas a
quem mais vantages offarecer, pelo tempo de a*
i tres annos, as rendas dos predios em seguio
i eel ar ados.
ESTABLLECIKENTO DE CARIDADE.
Travessa de S. Jose.
Idem n. 11.......j
Rua de Santa Rita.
.Idem n. 31 fechada .
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Pateo do Paraizo.
!. andar n. 29. 0 0 .
l. dito dito ...
Rua da Senzalla velha.
Qasa terrea n. 16.......209*000
Beeco das Bolas.
Sokrado ft 18 421*000
Rua da Cruz
Sokrsdo 14 (feehado).....1:000*090
Ruo do Pllar.
Casa terwe n. 100.....
Idem n. 102 fechada-. ....
Rna Velha.
Casa terea a. 41 (fechadnj. .
Rua. das Larangeiras.
Casa terrea n. 17.......361*000
Os pretendentes deverao apresenlar no ado da
unematacao as suas fiancas, ou comparecerem
icompaahados dos respectivos ttadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
iue for seguro o predio qua contiver estaboleci
mento commercial, assim como o servico da lim-
pesa e precos dos apparelbos.
Secretaria- da santa- casa da misericordia do Re
,ife, 2 de margo o de 1874.
0 escrivao
Pafro Rodrigues de Souza,
241*00*)
241*000
4034000
Armazens da companhiaper
nambucana.
Negiiros contra- o fo*ro
A companhia pernambucana, disponao de ex-
cellentes e vastos armazens em sen predio ao for
te do Mattos, offerecc-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantlndo a maior con-
servacao das mereadorias depositadas, servi^o
prorapto, precoe modicos, etc.
Tambem recolhera, mediaute previo accordo, ex-
clujivamente os generos de uma so pessSa.
Bstes armazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiraraente novos e asphaltados, isentos de
cupim, rates, etc., etc.
As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar-
mxzens, pederao dirigir-se ao escriptono da com-
panhia pernambneana, que acharao com quem
tratar.
JoMPVR|i|)e Nery da SUvjt
Fradeisco Anruslo i?> Almeida
Adgelo Costodlb Ro3rig!Jes Franca
Thomaz Lins Soriano
Joio Scares da Ponseca Velloso
Francisco Lopes Cardim
Jose Dehlno da Silva Carvalho
Jose Mendes Peretra de Vasconceilos
Camillo Lins Chares
Jose Joaquim de Souza Limoeiro
Jose" fheodoro de Sena
Manoel Jose Soares de Arelar
Manoel Antonio Ribeiro
Joao dos Santos Porto
Ernesto Augusto de Athayde
Jose Joaquim Ferreira de Carvalho
Companhia da illnminacio publica
3#SW38
20*731
17*703
17*608
17*949
12*786
12*248
11*244
22*840
37*131
33*040
28*772
11*747
22*3tO
21*999
13*494
2:745*000
3:916*749
De ordem do Illra. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia, se faz publico,
para conhecimenlo de quem interessar, que no
dia 18 do corrente mez, pelas 2 horaj da tarde,
peranle a junta de fazinia, ira a praca para ser
arrematada, por quem mais vantagens offerecer a
fmpreitada dos reparos nec2ssarios a casa em que
uncjiona a recebedorla.
Os proponentes deverao, em carta fechada,
apresentar suas propostas, devidamenle selladas,
as?ignadas per elles e seus fladores; podendo
desde ja examinar a respectiva planta e orcamen-
toque'lhes serao franqueados nesta secretaria.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco, 2 de
marco de 1874.
0 2." escripturario, servindo de secretaiio,
Carlos J. de Souza Correia.
SEGUROS
MARITIMOS
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidt
aesta praca, toma seguros maritimos sobrt
navios e seus carregamentos e contra fogs
am ediiicios, raercadorias e mobilias i n?
rua do Vigario n. 4, paviraento terreo.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos markiraos em mereadorias.
^rete6, dinheiro a risco e finalmente de qual
quer natareza, em vapores, navios vi elaoc
barcacas, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro conlra-fogo
tHE UVERPOOL & LONDON & GLOI
INSURANCE COMPANY
4centes
SAUNDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
0 Him. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que em enmprimento da
jrdera do Exm. Sr. presidente da provincia do 7
de Janeiro corrente, perante a junta desta thesou-
raria se ha de arreraatar no dia 2! de abril pro-
ximo vindouro, a obra da ponte denominada _Pao
Sangue sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:570*.
pagos em apolices da divida provincial a juro de
7 pur cento ao par.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
eao comparecam na sala das sessoes da mesma
thesouraria no dia indicado acima, pelo meio dia,
corapetentemente habilitadas.
E para constar se mandou pnblicar o presente
delo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thescuraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874. .......
Victoriano Jos M. Palhares,
OfQcial maior interine.
Clausulas especiaes para a arrematacao da pqnte
denominada Pao Sangue sobre o rio Seri-
nhaem.
1.*. A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
cutada de conformidado com o orcamento e plan-
ta approvados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, no valor do 9:570*.
2.' 0 arrematante dara priucipio a obra no pra-
zo de um mez e a concluira no de 12 mezes.
3.* 0 pagamento sera effectuado em 3 presta
e5es iguaes a proporcao da tabella execulada.
4.* Paratudu o maisijue nao se achar especin-
cado sera regulado pelo que dispfie o regulamento
de 31 dejulho de 1866.-0 engenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Victoriano Jose M. Palhares.
Sania Casa da Misericordia do
Recife.
A junta administrate da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que necessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, mediaute certa renda e al-
gous annos de prazo para desfructar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas 'em cartas fechadas, devidamen'e
selladas, acompanhadas do respectivo orcamento
nesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrimips de Snim.
Declarafdo n. 1.
Pela contadoria da camara municipal desta ci-
dade, sao chamados a virem pagar a bocca do
cofro, do 1" do marco vindouro, todas aquellas pes-
soas que se acham sujeitas ao pagamento dos im-
postos crealos pela lei provincial n. 1126 de 18 de
junho de 1873, relativamente ao exercicio corren-
e de 1873 a 1874, cujos s&v os seguintes : fores
e laudemios de terreuos municipaes ; 2*500 sobre
estabelecimenlos que vender espiritos; 3* por
^ada licenea quo tirarem as boceteiras para ven-
derem dentro do municijiio, e de 30* pelos mas-
cates ; 6* por cada carroca ou vehiculo empre-
gado nos servijos da cidade, villas e povoacSes ;
100 rs. por palrao de torreno dentro da cidade do
Recife e seus soburbios, que nao esteja edifido
ou cullivado, embora se conserve murado ; 20*
por cada casa de sobrado na cidade do Recife, que
conservar varania ou sacada de madeira ; 10*
por cada casa de sobrado, cujo exterior se conser-
var estragado, e 5*000 por cada casa terrea em
uuaes circumstancias ; 10* por cada casa de so-
brado nas ruas que ja foram calcadas, que nao
tiverem os passeios a ella correspondentes, feitos
no mesmo nivelamenlo e alinhamento dos que ja
tiverem sido executados de conformidade com as
posturas municipaes, e 5* por cada casa terrea
nas mesmas condicSes ; 18* por cada casa de so-
brado, cujos quintaes deitem para outras ruas e
nao cstejam murado3 ate" o respaldo do paviraento
terreo em forma exterior de edidcio, e 5*000 por
cada casa terrea em identicas circumstancias ;
60 r*. pur palrao de terreno nos povoados da Mag-
daleaa, Capunga, Chacon, Casa Forte, Poco da Pa-
nella, Cildeireiro, Monteiro e Apipucos, que nao
estiver nurado ou cereado; 40 rs. por palmo de
terreno3m toda a extencao da cidade do Recife a
Apipucis, que nao estiver murado, exceptuando-
se os terrcnos que tiverem -ercas nativas em bom
eslado le conservacao; 20* par cala baixa de
capim dentro da cidade do Itecife ; 10* por cada
mac'iini a vapor, mnntada na cidade do Recife
para qoalquer mister ; e finalmente o imposto de
45 por ;ada caja de negocio nas cidados, villas,
soburbbs e povoac/3es, devendo, porem, os contri-
buintes quando tiverem de pagar este imposto, a
apresentar na contadoria o conheciment) do im-
posto.geral sobre industria e proflssao, afim de
provar ter assim satisfeito o referido imposto
geral.
Declaracdo n. 2.
A mesma contadoria da camara municipal desta
cidade icientilica a todos os donos de diversos es-
tabelecimentos de porta aberta, a virem pagar os
impo3tos atrasados que se acham a dever, dos
exercicos passados, bem como os demais inipos-
los acina especificados.
Conttdoria da camara municipal do Recife, 27
de fevereiro de 1874.
0 contalor
Hypolilo C. de Vasconceilos A. Maranhao.
COMPANHIA PERNASIBUCANA
DE
cVavegacSo costeirn a vapor.
De conformidade com o art. 2% dos estatutos
iIosta.comnBniia sao convocados os Srs. accionis-
tas a reumrem-se em assemblea geral no dia It
do eorrente ao meio dia, em seuediftcio. ao Forte
do Mattos, aflm do ter lugar a apnesentacao do
relatorto annuo, proceder-se a eleicao da direc-
toriae da comtnissao-db exame de contae._______
Arrematacao
Segunda-feira, 9do corrente mez de marco, de>
pois da audiem.-ia do Exm dosembargador \aiz de
orphaos, vai a praca de venda com o abate da
(iuinia parte 840*, am terreno earn 55 palmos de
frente e 240 de fundo, com alioerces para duas
casas on uma so, om altnra do receber as soleiras,
o qual foi aval nada Estrada Nova do Cordeiro, na freguezia do
Poco da Paoella, no sitio que foi do Silva Compa-
nhia, que hoje esta retalhado, ja com grandes pre-
dios edificados, sendo dito terreno um dos melho-
res de dito lugar por eslar perto da estrada real
da Casa Forte, e deitar os fundos para defronte
do sitio courierido do Nuno Maria de Seixas, a re-
querimento da viuva e inventariante dos bens do
casal do finado Antonio Francisco de Sant'Anna.
Fmda a audiencia do Exm. Sr. desembarga-
dor juiz de orphaos do dia 9 do corrente, sera
vendido em praca publica o Dequeno sitio e terras
proprias, na Ibura, avaliado por 400*, perlcncente
aos herdeiros dos finados Victorino Antonio da
Silva e sua mulher Henriqueta Maria da Con-
ceicao.__________________________________.
Administracao dos correios
de Peraambnco, 6 de mar-
90 de 1874.
Malas pelo vapor Marquez de Caxias da com-
panhia bahiana.
A oorrespondencia que tem de ser expedida
hoje (6) pelo vapor aeima mencionado para os
portos do sul ate a Bahia, sera recebiua pela
maneira seguintc :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
peza e cartas a registrar, ale 2 horas da tarde,
cartas ordinarias ate 3 boras, e estas ate 3 1(2
pagando porte duplo.
0 administrador
Alfonso do Rego Barros.
none STEAM KUDU.
PANY
ROYAL MAIL STEAMER
- COTOPAXl
on
LUSITANIA
espera-se dos portos do sul aie o dia 13 do cor -
rente, e depots da democa- do rminnw, mymra-
para Liverpool, tocando om S. Vicente e Lisboa,
para onde recebera pisj*aeirosr encomuiendas e
carga a frete.
OS AGENTES
Wlben Raw* A C
14m* DO COMMSHCIf>H
Campanhfa AffiaiKja Marl-
tima Portiieose,
A galera portugueza Saudade, segnira era pon-
cos dias para o Porto, earn escala por Li.fioa.
Ja tem contratada gr?nde parte da carga ;
para o resto, trata-se i- .m os consign ifsrios
agentes da companhia,
Jose, da Silva Lyo A Pitho,
em seu escriptono a rua da Companhia Peraam-
bucana.

Santo Antonio
VICEMTE.
Sabbado 7 de margo.
0 drama em 4 actos :
UM NAUFMGIO
MAS
PMESSO MM1M0 DO PORTO
Eiupreza portuenoe de nave^a-
cSo a vapor entre Portugal r
oBrnsil
0 vapor
JULIO DINIZ
Cemmandante-J. J. BwM|t
Content**
Esperado dos portos do sul ate o dia 10, e de
pois da mdispensavel deniora neste porto, segui-
ra para os de Lisboa e Potto, tocando em S. Vi-
cente.
Para passagens e fretes de carga. encommeadas
a dinheiro, tratam-se coin os
AGE.NTES
<:. R. Rabello A C.
48=Rua do Commercio=48

Para.
Prelcnde seguir para o indicado porto, com pou-
ca demora, a barca portugueza Social, por ter
porijao da iarga engajad;i; p para o que Ihe falta.
trata-se com os consiguatarios Joaquim Jose Goa-
ealves Beltrao & Filho, a rua do Commercio. S.
C0ST4S Di BRET4M14
e a opereta era 1 acto :
Sem fato e sem iioiva.
AS 8 l^ I3\ \0ITE.
\'h 6 1|3
0 iiiessii
1NG0
horas da tarde
I especliienlo.
H
C0MPANHI4
DO
BEBERIBE
A directoria desta companhia, pelo pre-
sente declara aos senhores con '.essiouarios
do ponnas d'agua que so acham era atrazo,
no pagamento das mesinas ate 31 de de-
zembro do anno findo, hajam de, ate o ulti-
mo do corrente njez liquidarem seus dehi-
tos, sob pena de lhe serem cortadas as pen-
nas d'agua, conforme preceitiia as condicoes
4.* e 10." dos respectivos contralo;.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
5 de marco de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrihues Vaknca.
coup wan a
MESSAGERIES HAR1TINES
I.inli.i n:i-nsal
MENDOZA
Espera-se da Euroua ate o dia 10 do corrente
seguindo depois da deniora do costume para Bue-
nos Ajum. toeando ni R^tiin, Rio Ao linir.
Montevideo.
Para passageiros, encommendas, etc., a tratar
com
CS AGENTES
Harisincmly .v Labille
9 Hua do Commercio 9_______
^Parao Ria (imnde doSn!
O patarho Beanfica
aahir brevemente, reccbe alguma carga a freto
s ciitarno escrintorio de Balthar Oliveira 4 C.
ENCRUZILHADA.
SOCIEDADE PARTICULAR
RECREIO DRAMATIGO.
Sabbado 7 do corrente.
Subira a scena o muito applaudido-drama era 3
actos, do insigne escriptor Mendes Leal :
Abel e Cairn.
Finalisara o espectaculo com a muito chistosa
comedia :
Uesonar seiii dornir.
Principiara as 8 horas em ponto.
Havera trem depois do.espectaculo.
Aviso.
Oi Srs socios podc-ra desde hoj^mandar buscar
os seus bilhetes no theato das 5 as 7 horas da
noute, salvo, porem, a restriccao do art 9 dos es-
tatutos.
Companhia Allianea Mariti-
ma Portuense.
Km pre/. a il navcgai-iio cnlre
Portugal e ltrasll.
A barca portugueza Joven Adelaide, rect-be car-
ga a frete para os portos de Lutena e Porto, de-
vendo seguir com a maxima brevidade ao seu
destino : trata-se com es respectivos cunsignata-
jios Jose da Silva Loyo St Filho.
Para o Para
Recebe carga o bngue Mflataai Mas
pretende seguir com toda a brevidade pa w
grande parte da mesma engajada : quem n i -
mo quizer carregar, irate coin seas consignatano-*
T. de Aquino Fonseci. & C. Succe-sores, a rui d;-
Vigario n. 19.
SANTA CASA. DA MISERICORDIA UO
RECIFE.
Venda de predios
A Illma. junta admrmstratrva desta Santa Casa,
devidaraente autorisada pela presideocia, na sala
de suas sessdes, pelas 3 horas da tarde do dia 26
do corrente, venie ou permuta por apolices da
divida publica as seguintes predios, pertencentes
ao legado de Joaqnim da Silva Lopes, de que e
administradora. : Forte do MaUoa metade do so-
brado de 3 aodarea n. 17, por 5:500* ; becco do
Abreu, 3' parte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rna da 'iuia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92,. por
1:400*, sobrado de um andar n. 30, por 2:000*,
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Olinda.
Beberibe.
Havendo completa ausen-
cia de passageiros nos trens
exlraordinarios das 10 1(2
horas da noite, que havia
nos sabbados e domingos pa-
ra Olinda, e nos das 9 1|2
da noite para Beberibe ; de-
a directoria que fossem supprimidos ditos
le o o dia 7 do corrente mez.
0 gerente,
Laurentino Josi de Miranda.
Irberou
trens desde
Sabbado.
Beneflcio da Aoeia;fio Bene-
floente de Euipregados no
Comiuercio e Industria Po-r
tugueza.
Representar-se-ha o primoroso
actos:
drama em sen
Pela thesouraria de fazenda pagam se as
dividas de exercicios findos as pessoas constantes
da relacio abaixo transenpta.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per -
nambuco, 2 de marco de 1874.
0 2* escriptuiario, serviado de secretario
Carlos Joao de Souza Correia.
Relacao a que so refore a deolaraplo sapra.
Jose lerony mo de Carvalho, sargento
do 4 batalhao de artilherla a pe 253*100
Joaa Francisco dos Santos, ex-praca do
2 batalhao de infaateria 4M*3S0
D. Maria Emilia de Medeiros Souza 85*704
Manoel Carneiro de Souza Lacerda 49*155
SDZANA.
Principiara as 8 1|2 horas.
Domingo.
V* 1| horas da tarde.
SDZANA.
A's 5 1)2 horas.
A erapreza garante a importancia do drama.
AVISOS MaMTHiOT
CEARA'
Saae*om mnita brevidade o hate JoaoValle :
para carga, trata-se na rua do Vigario n. 33, com
Joao Jose da Cunha Lages.
Rio de Janeiro
Para o referido porto pretende sguir
ca demora o patacho bra?ileiro Arabe. port i
maior parte de sen carregaraento engajaJ"
ara o resto que ihe falta e escravos a frete. M-
ta-se com os consignatarios Joaquim low Goo ;.!
ves Beltrao & Filho, a rua do Commercio n. B.
PARA'
Segue com brevidade para o referido porto *
escuna Georgiana, teadu ja parte de seu Carina
mento engajado : para o resto, traU-se com la:*o
Irmaos & C, a rua do Amorim n. 37.___________
Para Lisboa
0 patacho portuguez Graciosa, vai salm
brevidade por ter a maior parte da carga prump-
ta, e para o resto trata-se com os consignatari.
Silva Guimaries & C, praca do Corpo Santo n-
mero 6.
Pacific Steam San-gali* Companj
ROYAL MAIL STEAMER
AC0NC\GU4
esoera-sedaEuropaat6 o dia 8 do corrente. 4o-
pois da demora do costume, seguira para J^J,
Rio de Janeiro, Rio da Praia e costa do Pacjuco,
para onle recebera passageiros, encomiaeadai
dinheiro a fretes.
Nao sahira antes das ires boras da tarde.
OS AGENTES
Wilson Howe AC.
H___RUA DO COMMERCIOit




J9WM *>

II
-'


i)
-
Diario de Pernambuoo SexU fort 6 de Manjo da ^1874.

LEILOES.
LEILAO
DB
34 barns de cal branca de Lisboa, I cotre de
fern), 1 carteiras, 1 batanc*, braco Romio, i dita
romana, 1 dita grande de pesar eouros, 1 mesa,
eaixSes de pinho para assttcar, escadas, tabolei-
roe, reparlimento de escriptorie, carteiras e ou-
tros objectos de escriptorio e armazem de as-
sacar.
HOJfi
as 10 horas da man ha
Por intervene^) do agente pinto.
0 ARMAZEM 90 SOBRAOO DA RUA DO APOLLO
N,
Leilao
DE
moveis' e vidros
Sendo "tnobilias completas de amarello, jacaranda
e junco, mesas, am guarda vestidos de amarel
lo, cadeiras, aparadores, lavatorios, ntarque-
zas, camas fraocezas de jacaranda e de aroa-
relle, armarios, bercos, camas de ferro, cabides,
relogios de parede, mesa* redondas avulsas,
consolos de amarello, madeiras de balanco de
xnarello, louca e vidros.
pelo agente Martins
\o nrnif/eni da ma do Inipe-
rador n. 48,
As 11 horas do dia aciraa.
Na mesrot occasiao, em continuacao, irao a lei-
lao cerca e lOO pares de botinas fraocezas e 9
pecas de efeita Baptista, molhada d'agua doce.
LEILAO
DE
moveis, lou^a, vidros e uma parlida de chapeos
do Chile, fuliro ede palha para meninos, e Ama
zonas para senhoras
SABBADO 7 DO CORRENTE
No pritneiro andar do sobrailo da rna do Marquez
de (Hindi n. Hi.
As 11 horas em ponto
0 agente Dias, eompet otememe autorisado,
vendera pianos, mobilias de jacaranda, ditas de
amarello, secretarias, guarda roupa, gaarda Ion-
gas, commodas, consolos, marquezas, estantes ap-
parelhcs para janiar, dicos para almoco, cadeiras
avulsas, santuarios, lavatorios com pedra, quadros,
carteiras, marquezoes, mesas elasticas, espelhos,
candieiros a gaz, e muitos outros objectos de gosto
Nesta occasiao sera veadida para se fechar
contas, uma pirtida de chapeos do Chile, ffltro e
de palha para meninos, e Amazouas para senho-
ras, c que tudo sera vendido pelo maior pre?)
qne se poder obter.
Leilao
DE
4 casas terreas sitas na rua da Hora, travessa de
Santo Elias, no becco do Espinheiro, com 2 sa
las, 2 quartos, cozinha fora. quintal e cacimba,
ultimamente acabidas e de solida construcjao,
as qnaes se acham edificadas em solo proprio.
Sabbado 7 do corrente
No primeiro andar do sobrado da rua do Marques
de Olinda n. 64.
0 agente Dias, competentemente autorisado,
vendera em leilao as mencionadas casas, em se-
guida ao leilao de moveis.
=
moveis, crystaes, loueas, vidros, ouro, prata, per-
fumarias e miudezas
Km continnacao ao leilao de quarta-feira i
do corrente
SABBADO 7 DO CORRENTE
M*i HoraM em ponto.
A" RUA DO VKiARlO THENORIO N. 11,
IRMAZEM.
0 preposlo do agonte Pestana fara leilao por
conta e risco de quern pertencer, dos moveis e
mais objectos abaixo mencionados :
Hicas almofadas de cores, bordadas, para sofas,
I riea toilette de jacaranda, 1 excellente piano de
mesa, 1 elegante secretaria de amarello, I excel-
lent^ cama de amarello, entalhada, 1 lindo san-
taario de jacaranda (obrafde Remigio), 1 gusrda-
vestidos, 1 guarda louea, 1 guaida-comida, bancos
a Bismark para piano, diversas mobilias de jaca-
randa, com pedra, de amarello e de junco, tudo
de fiiuito bom gosto e novo, que se vendera ao
correr do rnartello, por se ter retirado para a Eu-
ropa o Sr. Dr. Alvaro de Menezes Moreira, dono
de parte dos objeztos acima mencnnados
Sabbado 7 do corrente
AS 11 HORAS EM PONTO.
Pelo pi*c|oeo do agente Pc*
tana.
cads nnu, com caMWras vertfcaes e fornalhas
qu.idrt*s e oval,- podendo queicoar carvjo on le-
nh:>v u;ii fumigadores e ciczeiros, dispostos de
sor.i; q.e se prcvine qualquer accidente de incen-
die. Estas machioas possuem todas as pecas in-
dispeasaveis de sobresaV-htes, e sao completas a
todas 08 respeitos, estio novas e em perfeiio esta-
do de consrr- arao, visto como,. apenas trabaltia-
ram o tempo neecsario- para sedemonstrar pra
licamentas suas vantagens.-
6 carros solidamenle constroidos, suspensos em
excellentes molas, senda dous coos portas late-
raes, dous com ditas ua parte posterior e dous ra-
sot, proprios para transporte decaldeiras, moen
das. etc.
0 leilao sera effectaado pelo agente Pinto, a rua
d'Aurera a. 91, estacao das dius machioas, e pe
las II horas horas do dia 13 de abnl.
Di-se tidos os esclareciroenlos a rua do Bom
Jesus a. 8. primeiro andar.
avisos d Versos
Programma da festa de N. S.
das Angustias, em Santo
Amaro das Salinas,
Pelas S horas da manna do dia 8 do corrente.
uma salva de 21 tiros annunciara aos Deis que e
chegado o dia -estivo de N. das Angustias.
As 11 horas "do dia entrara festa da excelsa
Senhora, orando no Evangelho o Rvm. padre Leo-
nardo Grego. 0 solo sera cantado pel a Ex ma,
Sra. D. Amelia Poggi, e uma variada phaniasia
sera executada na flauta pelo insigne Candido
Filho.
Terminada a festa subira ao ar um liodo e no-
vi.-simo balao, acompanhado por uma salva de 21
tiros.
A' tarde havera bem ensaiadas cavalhadas, e
bem sorpreheudentes equilibrios gymnastlcos por
um habil artista.
Duas bandas de musica tocarao ms interva.los
dos divertimentos, sendo que uma deltas e r nhecida priraeira da capital de Pernambuco.
A' nohe havera ladainha, depois da qual se-
ra arreada a bandeira e conJuzida a casa da nova
juiza.
0 grande fogo de artificio sera queimado na
noi'.e do dia 9 do corrente.
A comraissSo roga ao Sr. gerente da compa
nhia de bonds para que augmente o numero dos
carros da linha de Santo Amaro, attm de melhor-
mente ser transportada a populagao que a tal fes-
ta concorrer, visto como, de tal medida nao so
resultara maiores vaniagens para a companhia ;
como tambem o bem puhliro sera ati.feiV'.
A Gl/.do Sup.'. Arch/. dlniv.*-
Tendo a Aug.-. Loj.-. Cup.-. Segredo e
A mor da Ordem nova administracao, convido, por ordem do
Resp.'. Ir.*. V'en.-., a todos os Obr.-. para a
ref-rida eleifS que tera" lugar do dia 8 do
corrente (domingo) a"s 10 horas do dia.
Secret.-. d'Aug.-. Loja.-. Cap.-. Segredo
e Amor da Ordem, em 4 de marco de
187 V, E. V.-.
J. Maximiano|Pestana, 17.*.
Secret.-.
Santt Thereza.
Sao convidados os seohores accionistas para sa
reunirem em assemblea geral no dia 12 do ccrs
rente, ao meio dia, no 1 andar da rna do Vigario
n. 13, afim de Ihes serpresente o relatorio e ba-
lanco do anno proximo flnde.
De conforn.idide com o art. 16 dos estatutos a
reuniao tera lugar deiinitivamente com os senho-
res accionistas que cemparecerem.
Recife, 2 de marco de 1874.
0 gerente
Justino J. de S. Campos.
AttenQao.
Precisa-se com urger.cia de uma ama de
leite, que seja s dia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianga de dias, dando-se preferencia ,1 mu-
lher do matto : quern, pois, estiver nestas
circumstancias apparega no 3." andar desta
typographia para tratar.
A 9:000
Botinas para homera
Acaham de chegar grandea facturas bem sor-
lidas de botinas de bezerro, de cordavio, de pelli-
ea, de duraque c^>m nique'.ra, de bewrro com bo-
t vindo grande quantidade por conta e ordem dos
fabricates : ao armazem do vapor franeez, a rua
do Ratao da Victoria (outr'ora Nova) o. 7.
Calcailo
francM.
Koubo.
Agente Dias.
w
DAS
dividas perteceentes a massa fallida de Antraio
Jose dos Reis, na importancia de ?i0:2o!t J880
SECUNDA-FEIRA 9 DO CORRENTE
as 11 horas
de
So escriptorio da agimcia, rua do Marquez
Olinda .n. 37, primeiro andar.
Por inurvencao do agente Dias, que por manda-
ao do Illm. >Sr. Dr. juiz especial do commetcio
levara a leilao, no dia e hora acima designsdos,
as dividas acima mencionadas
0 mandado com os nomes e quantias de cada
um dos_ Srs. devedore-, sendo que a maior parte
Jelles sao por titulos ja vencidos, achase em po-
.der do referido agente, onde pode desde ja ser
f.xaminado pelos Srs pretcadentes.
LEILAO
No dia 20 do corrente vao a leilao todos os
"bjectos dados em peobor que estivere.o venci-
los, salvo aquelles que ate aquella data pagarem
os premios vencidos.
Travessa da rua das Cruzes n. 2.
Na noitc de 4 para 5 do corrente roubaram da
rua dos Pescadores n. 19, toda roupa da uso com
as iniciaes do abaixo assignado, inclusive 1 cha-
peo de feltro, 1 par de-botinas e 2J era dioheiro;
o ladrao aproveitando a occasiao era que as pes-
soas da casa dormiam no quintal ; entrou pela
frente na alcova e alii pescou tudo quanto encon-
trou nao so nas canastras por estarem abertas
como fora; descontiase de um velho que ha tempos
suspendeu com 3*200 de um quarto da mesma
casa. Gratifica-se bem a pessoa que descohrir ou
der noticias certas.
Recife, 3 de marco de 1S74.
Lauriauo Jos6 Pimenla.
Aula particular.
Lydia de Carvalho Lima, tendo obtido licence
para ensinar particularmente primeiras lettras,
lem aberto sua aula de instruccao primaria para
o sexo feminino, desde o dia 2.je marc ., na ulti-
ma casa do lado esquerdo do Porto da Madeira,
na freguezia de Beberibe, pela paga que se con-
vencionar com os pais de familia ; e para aquel-
les que por seu estado de pobreza, nao podere n
pagar, sera gratis.
Alem das materias do ensino primario, t-ido o
trabalho de agulha e de jnachina.
LEILAO
DE
locomoloras e carros do syate-
ma Thomson, ou carros de
borracha
\o din i. deabril.
Em virtude de nao se poder disp&r de boas es-
tradas de rodagera nesu provincia, os possuidores
do material acima mencicnado esllo resolvidos a
vende-lo todo em leilao on sepiradamente, confor-
mese convencionar.
0 emprego destas machinas em granJe numero
de paizes da Europa, Asia, America do Norte,
indeeJIas tern suhstituido os antigos systemas de
iransportar cargas pesadas, dispensam o sens
possuidores de encarecerera a sua grande ntilida-
de, como meio de transport* economico e commo-
do para os engenhes, e toda orte de proprieJade
agnola ou indaslrial, que di-pooha de planicies,
coia situa ao dos respectivos depositos oa arma-
tens fiquem distantes do lugar de produc-ao ou de
fabneo.
Estas machinas podem irahalhar como machi-
nas flxas, para o que tern c-mpefpntes volantes, e
wvir para serrarias, enfarcUinento de algorfSo e
Para Ikhiiciii.
H0TINA9 de bezerro, cordavao, neHica, la- dc duraque cum biquuir^t, dos iiHiltiiiret
fabricantes.
SAPATOES de be*erro, de cordavio e de case-
mira.
SaPATOS de lustre coin salto.
SAPATOES aumancados com sola de pao, pro
prios para feanhos, sitios e jardins.
SAPATOS de Upete, chariot, castor e de trancj
francezes e portuguezes.
Para senhora.
BOTINAS pretas, bradfeas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
'APATINHOS de phantasia com salto, brancos:
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranpa.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavSo.
ABOTINADOS e sapatSes de bezerro, de diversas
qualidades.
SAPATOS de tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
tolas a Napoleio e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homen-, < meias perneira^
para m -ainos.
No arjiazem do vapor francer, a rna do BarSc
? Victoria n. 7.
Mobilia de virnes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernicoes,
sofas, jardineiras, mezas, cpnversadeiras e costn
reiras, tudo isto nmito bom por serem fortes e
levos, e cs mais proprios moveis para saletas ega
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Baric
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes t
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Rldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den
trifice, agua de flor de laranja, agna de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
cosaeticos, muitos art;gos delicados em pcrfuma-
ria para presents om frascos de extractos. cai
xinhas sortidas f .-arrafas de uifferentes tama
ahos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Con
dray.
No armazem do vapor francez, a rua do Barac
4a Victo-ia, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos t-
phantazias.
rispelhos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e pa-a meninas.
Lavas de Jouvin, de fio de Fict^is e de camnrca
Caixmhas de costura orcada on. musica.
AI buns. ^aadnnl is pa i retrato.
Caixinhas com vidr- de aupmontnr tctratos.
Diversas obras de ouro bom de lei g^rantido.
Correntes de plaque muito bonitas para relo
pos
Bn cc.s ,'irtacao 9 botoes de punhos de pla
que. "
Bolsinhas e colres de seda, de velludo e de cou
rinho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima demes;
e toilette.
Pincinez de cores, de prata dourado, de aco
de tartaraga.
Oculos de aco Bno e de todas as gnarnicSei.
Bengalas de luxo, eanna, com castdes de mar
ta
Jengallas diversas era grande sortimento pu-i
"omens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidader
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigario?
Pentes de tartaraga para desembaracar e par
sarba.
Ditos de marfim muito finos, para limpar ca
beca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den
tes.
Carteirinhas de medreperola para diVeiro.
Gravatas brancas e de seda preta para horaem
a meninos.
Campainhas de moh para eh=mar criados.
.logos da gloria, de dama, de bagalellas, de lo
mind e outros muitos differentes joguinhos ale-
aiaes e francezes.
Malas, bolcas e saccos de viagem de mar e ca
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas morte
rem, bom para os denies.
Bercos de virnes para embalar criancas.
Ce;tinhas do vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios it
criancas.
Venezianas transparentes para portas e janellas
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhid**
vistas.
Lantcrnas magieas oom ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de (Ares para illuminacoes it
festas.
PENHORES
Na travessa da rua
das Cruzes n. 2, pri-
iiieiro andar, d4-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Baloes aereostaticos de papel de seda mni facil
ie subir.
Machinas de varios systemas pars cafe.
Espanadores de palba e de pencas.
Tesourinhas e canivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanteraas
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas pan
quadros.
Quadros ja promptos com pavsacens e phanta
ua.
Estampas avulsas de santos, paysagens e nban
'.azias.
Objectos de magieas para divertimentos em fa
milia.
Realejos pequenos de veio com lindas pecas.
Realejos harmonicos ou accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de mencionar-se. No- armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros.pes e palmos para
medir terrenos.
Hrinped=is para meninos
A maior variedade que se pode desejar de to-
dos os brinquedos fahricados em differentes partes
da Europa, para entretenimento das criantas, todo
a precos majs resnmidos que 6 possivel : no -ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Victo-
ria, outr'ora rua Nova n. 7.
Ceslinhas para costura
Grande sortimento de bonitos modelo9 chegados
ao armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora rua Nova, n. 7.
Escrava fugida
No dia 23 de fevereiro fngio a escrava de nome
Vicencia, com os signaes seguintes : baixa do
corpo, ro-to bexiguento, faUam-lbe os dodos em
c um dos lies, e falta de denies : pede-se as anlori-
O ZI^^L8X :l9aPPare,hM. ec" eu- dd- policiaes a >ua appreuensaTe a fa" "Sn-
? l#comotoras de forca noraiiul de 8 cavalloi' coropenadof/
NORTIMENTO
MEDIECINA
Preparado pot
Lanman & Kemd
para thisiaca
toda a qualidadt
de doengas, quer
seja na garganta,
peito ou bofes.
Eipressamente
escolhidodosme-
Ihoresfigadosdos
quaes se extrahe
o oleo no banco
da Terra Nova
puriGcadochimi-
calmente, e suas
valuaveispropri-
edades conserva-
das com todo 6
cuidado.cmtodo
o frasco se garan-
teperfeitaraen-
te puro.
Este oleo tern
sido subrnettido
a umexame mui-
to severo, pelo
chimico de mais
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR PORQAO D'lODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tern
'iaminado
10DINO E UM PODER SALVADOR.
Em todo o oleo de figado de bacalbdo, e na-
quelle no qual contem a maior porcao desta
1:1 valuavt'.l propriedade, e o unico meio pars
airar todas as di encas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Patysica, bronchistes, asthma, catharrho.
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos da" carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e da vigor
a do o corpo. Nenhum outro artigo co-
nbecido na medicine ou sciencia, dd tanto
nttimento aosystema e inmmmodando quasi
oada o estomago.
As pessoas cuja organisacao tern sido des-
truida pelas nffecQdes das
ESCROFULAS OC RHEUMATISMO
e tcdns aquellas, cuja digestfio se acha com-
pleismente desarranjada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO
i _________ LANMAN & KEMP_____________
(MDAFORTil
AOS 4:000*000.
BILHETES GARANTIDOS.
I' rua Primeiro de Margo (outr'ora rua di
Crespo) n. 23 e co.$as do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens f-
ilzes bilhetes, um meio n. 37 com 4:000/000,
um meio n. 546 com 700/, dous meios n. 3591 com
200/, dons meios n. {219 com 100/, eoutrassor-
tes de 40/ e 20/ da loteria que se aoabou de ex-
trahir (89"), convida aos possuidores a virem re-
ceberna con form idade do costume sem deacon-
to algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido?
la 1' parte das loterias a beneBcio da igreja
da Concei^ao de Caruard (90"), qne se extrahira
sexta-t'eita, 6 do corrente.
PREQOS
Rilhete inteiro 4/000
Meio bilheto 2/000
KM PORCAO DE 1003000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3/500
Meiobilhete 1/750
____ _________M'.noel Martins Fiuza
lOO&OOO ~
Ofl'ert'cese a ciuanta acima, a pessoa que levar
a rua do Imperaaor n. 26, os objectos abaixo de-
clarados, desapparecidos de nm guarda-roupa da
casa n. 13 da rua de Joao Feruandes Vieira, pro-
mettendo-se guardar seg edo, e nao se fazer per-
guntas :
Duas correntes de ouro para relogio, compridas,
^ estando uma dellas quebrada.
Uma cadeia de ouro para relogio, tambem que-
brada.
I'm braciilele de ouro com broche de esmeralda
com falta de uma esmeralda.
Um par de brincos de perola, para menina.
Um dito dito de esmeralda, sendo uma mais clara
do que a outra, tambem para menina.
Um relogio pequeno de ouro, para senhora, com
mostrador de vidro.
Um alfinete de peito de amethista e perola.
Duas voltas de ouro, sendo uma com uma cruz
de coral.
Uma volta de ouro e coral com cruz semelhante
Umarnel de brilhante.
Um dito de perola.
Urn dito de esmeralda.
Um dito de amethista roxa.
Um dito de esmeralda e perolas.
Tres pequeoas cruzes de ouro.
Um alfinete de ouro com perolas.
Uma cassoleta nequeoa.
Um alfinete pequen".
Um par de brincos de ouro com perolas, esUnd
um dellej quebrado.
Um par de brincos de amethista.
Vernizes especiaes para canua-
gens.
Este verniz, cuja falta aqui tanto sentem
os Srs. fabricantes e possuidores de carrua-
gena, acaba de chegar para seu unico"depo-
sito, das seguintes qualidades.
VERNIZ SUPERFINO PARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz muito claro e duravel pars
as caixas de carruagens, para todas as de-
mlos, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie sccca em 12
horas, depois das quaes se expoe ao ar por
algum tempo, o que faz endurecer, e passa-
das 15 a 18 horas p6de passar-se a caixa a
pedra pome edar-lhe m seguida outra de-
mSo. Dao-se com fncilidado 'res demaos
deste veruiz sobre as tintas, em tres dias.
A primeira demao serviudo de apparelho,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um excellente brilho.
Verniz superior seceaiite para
carruagens.
Este verniz e da mesma cdr que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e pdde misturar-se com o
anterior. A duracao do verniz permanente
diminue na proporpao da mistura.
VFRNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
NSo e tio claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demaos sobre cores escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas 10 horas,
podendo dar-se em seguida outra demio.
Verniz preto do Jupao superior.
Para trabalhos em preto de carruagens.
Produz o preto mais cscuro e hrilhante, e
p6de passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
fundo preto e cobrir-se com outras duas de
verniz que s>- emprega nas caixas das carrua-
gens.
verniz para couros, (brilhante e
i;lastico.
Este verniz, oontendo na sua composican
grande quantidade d'uma substancia muitn
semelhante ao azeite denominadopreds bnmf,
i o unico que Ak flexibilidade ao couro ve-
lho envernisado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e k sombra mas ao ar
secca em 4. Em fempo humido e inutil tal
trabalho, por que nSo e pnssival tomar o
verniz elastico e seccante ao mesmo tempo,
Verniz para apparelho.
Depois de ter apphcado 2 ou 3 dem5os
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-
ve-se deixar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no tim dos quaes se.p6de pulir com extre
ma facilicidade. E' essencialmente neces-
sario cobrir este verniz com duas demaos do
verniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais facilmente e para Ihes dar
mais consistencia.
Como n5o ^necessario dar lustro k ultimr
demao de verniz empregado nas caixas d
carruagens e no dos jogos, conv^m da h
n'um local separado aonde nao haja p6
Quando a obra urge,- deve pflr-se k sodabn
e ao ar livre depois de secco, isto 6, passa-
das 12 horas, lava-se e enxuga-se bem corr
uma esponja humida. Quantas mais veze?
se fizer isto, mais brilhante ficard o verniz
e mais depressa ss terminari a carruagen
(em caso necessario tres dias depois da ulti
ma demfio). Durante as duas ou tres pri
meiras semanas deve-se lavar a carruagen
com agua fresca, depois de ter ser
dido.
Os frascos devem eonservar-se sempn
hermeticamente tapados, o resto do vernij
nao se deve deixar ficar no fiasco, e p6d
usar-se para as primeiras demaos.
Nao deve misturar-se com este verniz ne
nhum outro ingrediente, nem agua-raz, .
de nenhum tnodo com o seccante. E' pre
ciso limpar bem os vasos e o& pinceis, e <
melbor e" servir um piocel para cada ver
niz.
Depesito unico para o Brasil, Bartholo
men & C, Pernambuco, Rua do Rosa
rio n. 34.
firalilica-se
Perdea-se oa nolle de 4 do corrente, na capella
de Santo Amaro das Salinas, uma volta e eneo-
lett, sendo a volta de um teeido elastico e grossa,
e a cas?oleta de rlligrana com nm rubim no meio :
quem a aehoo e a qaizer eatregar na rua Bella
o. 38, sera recompensado.___________
i: \s.\s
Alnra-se na Boa-Vi'ia, rua de t.aminiio San,
junto a estacao, a casa n. IM, com mniis com-
modos para faun ia ; a chave esti junto : o uma
outra na Oipunga, rua da< IVrnamt>iK*na< n. '>% ;
a casa e oova. em folha. e tern quintal pr.nde : a
traiar no Recile, rua da Cad-ia n. 3.
Ha para Vugar-s dna- escrava-, sendo nma
m< gommam perleitaiueute : a uaur ua rua da AJe-
gria n 46.____________^_________________
100^000 de gratificaqao
Engenho Sant<>s Mendes
Pugio no dia 20 de dezemhro. do engenho San-
los Mendes, comarra de Nazareth, freguezia Me
rracunhaem, a escrava Maria, chonla, 50 annos
de idade, pouco mais oa menos. baixa, grossa, cor
Sreta, rosto alquebrado, pes seccos e espanados,
edos enrtes, cabellos braneos, canelias finas, tem
dons signaes cabeiludos no queixo, e e bem ladi-
na. A pessoa que entregar esta escrava ou ao seu
lono, que e 0 senhnr do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, on no Re-
cife, la'go do Corpo Santo n. 19, andar, *er
ecompensada mm a quantia de 1001._________
Sociedade dos Henriques.
Sio convidados os Srs. soeios a enmparecerem
no dia 8 d marco. na cai-ella imperial de Nnsa
Senho-a da E-iancia, afim de terem principio *
trabalho^ da mesma as 10 horas la -lia.
O I sec 1.-ta rio.
______Gregorio Naziazn'no Baptists fuarte.
Atteaeao.
Fugio do engenho PiliMU, na freguezia oa
Esrada, no dia 11 de fevereiro, o esrravn Al-
bino, cri'-ulo, com os seguinte* >ipr.: r- ,
preta idade de. 20 annos, uo, corpo regalar,
nita figuia, olhos um pouco esbran-piail -
de um lado das c->.tas um carocinho a <-
llianca de uma jabaiicaba. Pede e as aut- rl
des policiaes e eapilin de campn a apprebi
do dito es t.ivo, pod*-ndi> entrega-lo no '!:! en-
genho >ni pj roa do Torres n. H, escri^"
Roga-seao um Sr. Alexandre de S--u;a P.'-
ros, morador em Gravata de J.iboru, qneira f... 1
0 favor de apparecer na rua do Livramento n It,
a tratar de nepocios de seu inlere*se.
Convida-se
aos senh res esci iplores, litti ratos, chefes de re-
particoes e cummercianles a visitarem a
ENGADERNACAO BRASII.EIRA
a rua Duque de Caxias n. 21, onde verao qoe
este 0 esta'oelecimento que dispoe dos melh"
mei- e processos para bem servi los na arte oe
encadernar, e 0 unico que
POSSl'E A MEI.HOR
machina para pautar panel, riscar livros, map[..
manifestos, follias de empregados, despacho, f;c-
turas, conta correntes e de venda ; cojo trabalrr
sera regulado pela seguinte tabella de precos :
Papel pequeno em caixinhas.
Para pantar 1 caixa t **n 0.
Idem 4 ditas a Sflo rs. cada nma
Idem 10 dilas a 400 rs.
Idem 20 ditas a <00 rs.
Idem SO ditas a 250 rs.
Idem 100 ditas a 100 rs.
Idem 200 ditas a 150 rs.
Mais de 200 duas a 100 rs.
Papel em tamanho frame contas e despacnos.
Por pautar I resma USOO.
Idem 10 a 1*200 cada uma.
Idem?0 a U.
Idem SO a 800 rs.
Idem 100 a 600 rs.
Idem 200 a 400 rs.
Mais de 200 a 320 r-\
Outros trabalbos conforme 0 a oste.
A differenca em preco do papel liso para
pautado, no nosso mercado, e muilo snperinr a3JG
rs. em resma, sendo p IMPOItTADORES DE PAPEL
mandarem vir 0 papel liso para aqni ser pintado.
podendo assim venderem mais barato. vanhaodr
mai:- dinheiro, para 0 que
GARANTE-SE
a bondade e limpeza do trabalho, entregando <<
os volumes de resma com a mesma peneici
ignaldade que se tiver recebido na
en :adernac-ao drasileira
21 Rua Duqne de Gaxias -21.
\7~
Para
a uoa couservacao
1
DF.
VOSSO CABELLO
PERFUME
- Pede-se ao Sr, Joaqaim Pires Ferreira, 0 fa-
vor de apparecer na rua Primeiro de Marco n. 7
A, 1" andar, a negocio de sen particular inte-
esse.
Precisa e alugar um moleque de 12 a 13 an-
nos de idade, que seja flel : qnem 0 tiver, dirila-
^e a rna estreita do Rjsario, sobrado n. 35. Na
mesma casa forncee-se comidas para f6ra.
f'reeisa-se
de nm crlado para todo o service : a tratar no
ho'^l B?rd"an.
Atten^ao.
Manoel A. A. Pontes, estabelecido com loja de
alfaiate na travessa do Marquez do Recife n. I
(outr'ora Ouvidor), avisa as pessoas que teem obras
00 sen estabelecimento a irem i-uscar no prazo de
oito diat, a con tar da data deste, sob pena de se-
rem vendidas para pagamento do respectivo feitio.
Recife, 4 de marco de 1874.
Feilor.
0 engenho Donito, da ewnarca de Nazareth, pre-
cisa de nm feitor que seja portuguez e qne tenha
habililacSes para 0 dito emprego ; quem preten-
der,, dirija-se ao escriptorio de Leal A IrmSo, a
rua do .Marquez de Olinda n. 56. ____
Aluga se a casa da rua do's. Joaau. 7Sr; *
|rUr na rna Dnque do Caxij? q. 44,
ESCRIPTORIO
COMMERCI3 L.
m, Rua da Prata, V
IASBO\
Lull Felippe Leite & IrinAo
Execntam por commissao quaesquer ordens das
provincias do reino, illias e provincias ultrama-
rinas, bem como do Brasil e outros paizes estran-
Beiros.
Recebera a consigna^ao generos nacionaes. co-
oniaes, hespanh6es, francezes, inglezes, allemaes
i do Brasil, on mesn'o de outros panes, para se-
rem vendidos no reino ou fora di lie
Exeoutam ordens para compra e venda de fun-
ios publicos, nacionaes e estrangeiros. Tratarn
ia cobranca dos respectivos dividend s.
Promovei.1 no mesmo escriptorio, inventarios,
iquida^des, causas civcis e commercials appel-
ai.'oes e recurs0 de revista.
Tem os melhores advogados na capital.
Para os negocios de natureza especial, como
causas forenses, administracao de bens, etc., que-
rmdo-se, pode proceder accordo previo conforme
* catureza do negocio.
SoUettam-ae dispensas matrimoniaes e quaes-
quer ontros breves apostolicos concedidos em Roi
ma ou pela Nunciatura em Lisboa, annullacao
le ordens, e quaesquer outras dependencia* dos
tribunaes da Santa Se.
Tratam da arrecadacao de heran^as e adminis-
Tacao de bens no continente do reino.
Obtem documentos de qualquer diocese, distric-
10 administrativo, conselho, ou freguezia do reino,
ilbas e provincias uliramarinas.
Fa'em adiantamentos sobre consignajoes de
maesquer generos qoe tenham prompta sahida
bos roercados inglezes ou allemaes. Tamoem com-
pram aquelles que se offerecerem em condi^oes
vantajosas.
Fazem transacSes por consignacio ou compra,
wbre minerios, taes como de cobre, chnmbo,
phosphates, ou ontros quaesquer, se convierem as
jondipoes de qnalidade e precos.
Dao-se boas refereoeias em Lisboa e no Porto.
Esta ca-a tem correspondencias sen as em tedos
h pontqs do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-
oorgo, na Africa portugueza, em Macao (China
reino de Siao, ilhas dos Actjres e Gabo-Verde,
e aceita as propostas que do imperio do Brasil
Ihe forem feitas por correspondencia efTectva 0
eventual.
.Na modieldade de suas commiss5es, na exacti-
lao de suas contas e no credito longamente esta-
belecido faz consistlr toda a garantia de bora aco-
Ihtmento.
Tem correspondeotes em Sevilha e ontras pra-
^s de Hespauha.
N. B. As commissoes sao reguladas pela praxe
rtatpraca
Priv-is-.-se fallur ao Sr. Joaquim Ribelro da
Crnz : na rna do AnjQrim 0. 54.
Y.Wo 6 um prcvontivo segnro 0 carlo eontrn
a calvice.
File dd e restaura forfa e sanidade k j^'Ip ;
oabeca.
Elle de prompto faz cessar a queda prapn-
tura dos cabellcs.
File dd gran !c riquoza dc lustre aos (+-
bnllos.
Elle doma e faz preservar oa cabellos, em
qualquer forma ou posiVao que se oV
jfl, ii'uin cstado forn-oso. liso e macio.
Kile faz rresrer os cabellos bastos t COM -
e "5.
Elle conserva a pclle co casco da cal"-. a
limpo e livre de toda a especie de (MM..
Elle previne os cabellos 'le se tornarem bran-
cos.
Elle conserva a cabeca n'um estado de fret-
cura refrigerante e agrdavel.
Elle nao 6 demasiadamente oleoso, gord,-
rento ou pegadico.
Elle nao deixa 0 menor cheiro desagrada-
vel.
Elle e o melhor artigo para os cabellos das
criancas.
Elle e o melhor e 0 mais aprasivel artigo
para a boa conservacao e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
Elle 6 0 unico artigo proprio para 0 pentpa-
do dos cabellos e barbas dos seuhores.
NENHUM TOUCADOR DE SENHORA SR
PODECO.N'SIDERAR COMO COM-
PLETE) SEM 0
TONIOO' ORIENTAL
0 qual preserva, limpa, fortifica e aformose*
Verdadeiros
** GRAOS DE SADDE
tdodoutorrRiscx..
* 0 melhor 0 L
*? mil dos parganles 1
* heridon. Nbom
>" CiUWiwir
im di a.i|!naiura em linla VUUB"
d A. aonviERB, o Itireiie-ani jam
Jf Ho cm 4 CORES.
Pont, pb.rnwia im, |, na 4'AaUa.
em-4-Cores
D*poito em I'entmn^i
RECORD.
I MB 1
f i
I
I
L
<
-narmmmmM'.


*

t
Diana 3e ParnimbuGo Sexta feira 6 de Margo de 1874.


MachilliSinOS eT^wVa^madeira.
Bombas
FUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRIM N. 52
. (Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhore* de -eogenho e ontros agncoltorea, e em prep a d ore* de m
umismo o favor de ama visila a sea estabeleciajent.N pm verein o bu*o iurtiuieuu
wmpleto qoe ahi torn; tendo todo inperior em qoalidade e lortidao; o qoe com a ins
aocio pass^a! pode-ae vertflcar. .*.. Bmm.^i
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
mm j, ...% dos mais moaernos systems earn u
vapores e ro&as d'&gufi ma^o8 convenientes paradivert,
clrcnmataDcias dot aeoborea proprietaries e para descsrocar algodio.
Moendas de canna 0,UBUDb08' a8-melDore8 qoe ,qo'
Rodas dentadas p*~ *"?*
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques 9 fundos de alambiqnes.
IPodendo'todos
ser movidoa a mio
por agaa, vapor,
oo aoimaes.
Todas as machinas **-+mm^**+".
Pas qualqner concerto dam"h0' w m *.
Formas de ferro ^--"^t^ ***'" no m*
fftiAnmniAnilaa Incambe-ie de mandar vir qoalqoer machinismo a von
anOOinin.OIiaa.S. U(je dos filimiril, lembrando-lhea a vamagem de fa xenon
rau compru por intermedio de peisoa entendida, e qoe em qoalqoer neceaaidade pod*
tea prestar aoxilio.
irados americanos e '*xot ****
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
5
k' rnu do Baro do Triumplio (rna doBrnni) ns. 100 a 101
CARDOSO & IRMA0
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para eii
genhos", asmais modernas e melhorobra quetem vindo ao raercSdo.
VapOre8 de for$a de 4, 6,8 e 10 cavallos.
ualdeiraS de sobresalente para vapores.
MoendaS lntCiraS emeias moendas, obra comonunca aqni veio.
TaixaS flindidaS e batidas, dos melbores fabricantes.
KOQaS d aglia COm cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
Rodas dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
OODlDaS de ferro, de repucho.
AradOS de diversas qualidades.
FormaS para aSSUCar grandes e psquenas.
Concertos concerX&m cm promptidao qualquer obra oq machine, para o qne teea
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS mndm yir Por encommenda da Europa, qualqner machinismo,
wiixin^/ vtaio para o ^ue se cQj.rggponden, com ama respeitavel casa de Londrei
e com nm dos melhores engenbeiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar asse'ntar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IB.MAO.
40 Rua do lmperador 40 i
Ha uoste eslaheleoimr-irtfa > 'j '!!'" **l*n*Mi. r|y ..i*,^ rhw tnsis afr-ntptoi auinres,
comn s8o : Jl riures, roandados expressamei.te construir pra t-sie dni.n, o <4ual us amadores dos
bons pianos sd encontrarSo nesta casa.
Recchem-se pianos usados em troca.
Conccrtam-se e afinnm-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
eonecrtadores de pianos
que ba sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
s8o: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA IIOIJJIPERIIIOR 49
C0ALTAR SAP0NINAD0
DE LE BEUF
DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS CHAGAS.
Adoptado pcloa tacpitaei de Parlx e pelof da Wirinht mllltar frauceza,
Esse exeellente tonloo possue nma efficacia verdadeiramente maravilhosa nos ulceras gangre-
nosas e escrofulosas, not cancros ulctrados, no anthrax, naotorrhea purulenta, na oxena, no
erup, feridas pelas armas de fogo, enfermidadet do utero, etc., etc
Emprepa-se, metelado com mais ou menos acaa, em chumacos, locfles, injeccOcs, gargarismos.
Como dentifricio ordinario (ama colberada das de cbd n'um quarto de copo d'agoa) t muito e:pe-
cialmente eflicaz para purificar o bafo, laaar ana;lvaf docDtei e tomar Grmei o
dentei eiearnadot.
0 seu uso e muito hygienico, sobretudo em tempos d epidemia.
Cma noticia circumstanciada Tae com cada frasco. Exiga-se a firma do inventor.
Fabrica em Bayonna {Franca), em casa do Sr. LE BEUF. Pbarmaceutico de 1* classe.
Depositos: Paris, ib, rua Reaumur; Pernambuco, A. REGORD onde se encontra tambem a
Emulcio de Alcatrlo Teeetalde te Beuf para fazer a aeua de MeatrAo, a unica preparacio con-
centrada e lilulada contendo em si o alcatrao sem ser alterado nem modificado.
Na rna do Barao da Victor!. n. 36 precisa-
altar ao Sr vigario Andre Cure eira, g negocio de seu iptere.-se.____________
*5K
O mais poderoso e o mais agradavel de todos os ferruginosos recom-
mendado pelos Professores e Doutores : Piorry, Trousseao, Jobert (de
Lamballe), Malgaigne, Ricord, Nelaton, Chassagnac e muitissimos outros
contra as molestias de contumpcao, clorosis, opilafdes, flores brancas, anemia,
suffocafoes, palpitacoes, rachitis, etc.
EH TODAS AS FBARMACIAS DO 1IUNDO.
Deposito geral no Pernambuco, A. REGORD.
R.
PARIS, 25, rue de l'Entrep6t,.25, PARIS.
Apreciein
AVISO.
ODILON DUARTE k IMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na exposi^ao de
1872
RUA
DA
1MPERATRIZ
. 82
1." ANDAR.

RUA
PA
IMPERATRTZ
N. 82j
l. ANDAR.
Acabam de reformar o seu cstabelecrmento, collocando-o nas melhores con-
dicooes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e 4s F.xmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, trangas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
O estabiilecimcnto acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encominendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /0 menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertencentcs & artc de cabelleireiro.
i O bacharel Pedro Gaudiano de Ratis e j*w
9 Silva tern estabelecido sua banca de ad- ^.
.^ vocacia no escriptorio dos Srs. Drs To- ^g.
9 lentino de Carvalho e Oliveira, a rua !.
2 de Marco, outr'ora do Crespo, sobrado Jg;
k^, ii. i8, t. andar, onde o poderao pro- (&
W curar os que o quizerem bonrar com ^
ft sua confianca; on em sua residencia : jjj
S "a r"a Velha, casa n. 30. *ss-
*** 0***g
* Advogados.-...... *
^ Os Drs. padre Antonio da Cunha Fi ikj^
gueiredo e Joao Augusto do Rego Barros, m,
com todas as pruporcSes desejadas, e onde pode- S mudaram o seu escriptorio para a rua !. ^
de W-^e marco, outr ora do Crespo, n. 2, I. M
andar, junto ao area de Santo Antonio m
Nio se prestando o pequeno espaen do arraazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabelecimento sob a mesma
denominacao de
irmazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
rao os senhores freguezes dirigir-fe, eerlos
que, co.1:0 at6 aqui, acharao sempre a par da mo-
uicidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
Entre as differentes raarcas de fumo da Bahia e
Rio de Janeiro, que tern sido annunciadas, acaba |
de chegar uma encommenda especial, e que muito j
deve convir aos senhores freguezes. Consciente o I
aba xo assignado de que neste genero de negocio
nio esti sent competidores, fara muito por evitar
qne tambem o; tenha com relacao ao pequeno lu-1
cro que procurara obter da dita mercadoria.
Jose Domingue.' do Carmo c Silva. i
FUGI0.
Kq gin no dia 1." de marco, da casa de seu se
nhor," a mulata de nome l.ydia, com os signaes
seguintes: baixa, gorda, cabellos crespos, peitos
grandes e cara lar^a : quern a appre^ender tra-
ga-a a ru: d< Santa Rita n. 5, entrada pela rua
Nova.
Aluga-se o si>braJo~ novo da rua Vidal de Ne-
greirosn. 149, defronle do chafariz, com commo-
dos para uma grande Emilia, tern cAcimba, gran-
de quintal com sahida para a rua do Nascente, a
loja aluga-se junto ou separado : a tralar na rua
do Barao da Victoria n 3.
CHAPEOS DA ULTIMA MOD A
Chegaram lindos e bem enfeitados cbapeos do mais apurado gosto, para senhora : a"
das columnas, de Antonio Correia d9 Vasconcellos, a*- rua Primeiro de Mar-
loja
13.
J
33
Constructor e afinador de pianos
Rua do lmperador
33
e afamadas casas Pleyel & Hrz, e antigo director das oflQci-
de
Ei-afinador das antigae
na casa AJphonse Blondel.
Tem a houra de declarar ao reepeiuvel publico desta cidade, que tern aberto sna easa
concertos e afiaac5es de pianos, qualqner qoe seja o estado do instrumento.
A meema casa aeaba de receber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
4e Paris, como Erard Pleyel, Henri Berz e Alphonse Blondel) todos os pianos sahidos da casa
Dbifcaut im garantuloB.
Covipra-se e recebe-se em tr\>ca oi pianos usados.
Na rua do lmperador
n.28
preeisa-se fallar as geguint senhores :
Domingos Martins de Barros Uonteiro.
Emigdio Haruaes de Santiago (Or.)
Joio Vaz ae OJiveir*.
Jose Pranciico Lopes Lima (Vazareth).
Manoel Peroka Braidij.
Manoel dos fcgg* M.randa.
Theotonio de r? Maty Silva.
Francisco Pifll mtk (Dr)
Francisco de^^H Br^u
Francisco AnlAfV Htual Junior.
A' Torre
Aloga-se para pssara festa um sitio com
eiceilente casa de hbita A frenta desta: quern a pretender, pode
procurar 4 rua de Gervasio Ptres n. 2i.
portogtieza, mnito habilitada para administrador
de eDgerrno : a tratar na rga da Madre de Deos,
easa de FragaA nocha.
Alnga-fe um moleque optimo para qualquer
serrton, d 14 a 15 ,?onoB de idade : a rua do
Bario da Victoria n. Jl
Chapas e argolas ameri-
canas
O fabricante destas, tem a honra de participar
ao respeitavel publico que, tendo de rctirar-se
para a corte brevemente, so pode receber enconi-
mendas ate o dia 7 de marco ; portanto roga aos
senhores que <' rem munirse de ditos objectos,
tnandarcp- s encommendas com anteceden
cia ao hoit. iet, a rna do lmperador n. 32,
das 9 horas ao tn. dia.______________________
ATTENCAO
Constando aos abaixo assignado achar-se nes-
ta praft o Sr. Manoel Fernandes de Carvalho, ren-
deiro dos engenhos Ilarra e Preguioa, em Ma-
raanguape, provincia da Parahyha, veem rogar ao
mesmo o obzequio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
tendente aes referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tassa Irm'os & C.
Offerece-se uma uulher viuva, de boa con-
ducta, para ama de casa de moyo s^lteiro, para
servico interno, e cozinha com perfeic.2o : quem
preten ler, dirija se a rua Augusta n. l'ifl.
Cozinheiro
Aluga-se ou vende-se um bom preto cie 40 a 45
annos de idsde, e tambem se troca por uma escra-
va engoramadeira : a rua co Barao da Victoria
n. 22.
Manoel sapateiro esta fu-
gido.
Desapparecen do engenho Darangunza, ne
dia 27 de fevereiro proximo passadi*, o escravo
pjeto, de nome Manoel, (fBcial de sapafeiro, ja
idoso, de nac.ao Angola, alto, de eorpo regular,
tem falta de alguns dentes na frente, e bastante
ladino, rendidu de nma verilha, tem uma das
maos on ambas afoveiradas, e costuma a dizer
que 6 forro por algnmas vezes qne tem andado
fugido. Levou omigo ama trouxa de fazendas
e mais objectos qne comprou na povoar^So de Ipo-
juca, e jalga-se ter elle fugido por ter achado a
quaotia de cem mil reic, que sea senbor havia
perdido, provaado e com a evasao gem outro mo-
tivo, e por ter tracado na mesma povoacSo uma
nota de vinte, apresentando nessa occasiao maior
qnantia em diversas sedolas : roga-ae pois, as an-
toridades e capitaes de campo que o encontrarem
a apprehensao do dit> escravo, assim como, do di-
nbeiro qu- e'le ainda liver em sea po Jrr e leva-
lo ao dito engenho a sea propnetarlo, a quem
p*-rlen>:e dito eseravo, on nessa praca ao Sr. An-
tonio Oimaeo Unrein Temporal, e en conductor
sera recompensado,
Aptonw Joee Lopet, rlira-se para Rnrop-
; entrada pelo lado do caes.
% Consultorio medico
7/ Dr. Murillo.
/. RUA DA CRUZ N. 26, 2. ANDAR.
y quentoa os hospitaes de Paris e Londres,
iB pode ser procurado a qualquer hora do
P dia ou da noite para objecto de sua pro-
gffl fissao. rv
Consultas das 6 horas da manhi as 8 ho- m
ras, e do meio dia as duas da tarde. JJ
Gratis aos pobres. a,
S! ESPECIALIDADES. Jf
O Molestias de senhoras, da pelle e de w
Q crian^a. V
fj Affonso Jose de Oliveira professor jubi- n
f> lado da cadeira de gepgraphia e historia K
A do ex-Lyceo desta cidade, autorisado M
'*> pela directoria geral da instrucQio pu- |K
rs. blica, tem abert* uma aula particular de 's.
jf. latim, na rua do Duque de Caxias n. 61, 6f.
w l. andar, onde est.ra a disposi;3o d'a- W
i J quelles, que de seu prestimo se quize- (jJ
IS rem utilisar.
Advogado. w
O bacharel Joao Gitirana, advogado em %k
Pal mares, e pode ser procurado na villa JS*
K do mesmo nome, outr'ora Una, alto da ffl
Estacao, n. i, W
% Consultorio medico-cirorgico
ffl DE
% A. B. da Silva Maia.
d Rua do Visconde de Albuquerque n.
m 11. outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
2 n.'ll. "
J Chamados : a qualquer hora.
A
AtlenQao
Furtarara na noite de 27 para 28 de fevereiro
ultimo, do cercado do engenho Santos Mendes, os
tres seguintes animaes : am burro todo preto,
grande, com a sarneia ralada da cangalba e um
calo, com dous no hospinhacp e ignnrando-se o
ferro do mesmo ; outro de cor melado sujo, de
meio. 6 estradeiro, tem signaes de cangalha, uma
das juntas dianteiras e mais grossa e as vezes
manqueja ; e finalmente uma burra de cdr casta-
nha. muito nova, com nm calo de cangalha em
um dos enenntros da pa, fucinho e rodas dos olhos
brancos. 03 dous ultimos teem o seguinte terrro
Q- Qjem os apprehender, ou der noticia certa no
mesmo engenho ou na praca do Corpo Santo n.
19, no Recife, a Oliveira Filhos. 4 C, re:ebera a
gratiflcacan de I5U|, ou 50< por cada u n.
Recife, 3 de mar go de 1874.
E. A. DELOUCHE.
49Rua do Ularquez de Ollnda49
Acada de receber nm grarid* sortimento de re
logins americanos para parede e mesa, de corda
de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertador
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de ouro patente inglez verdadeiros.dcs-
eoberto com ponteiro grande no meio, dos mai>
modernos e do melhor fabricante de h> ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
dourada, cobertos e defcobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e patente, de todc
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Luhetos e oculos de todas as qnalidades.
Vcrdadeiros vidros de chnstal da Rccha, para
vista can-ada.
Vende-se tudo por preco mais baratc que em
outra qualquer parte._____________________
eomo se vemie barato
So o n. 20
RUA DO CliE^FO
IM DAS 8 POmS
DE
Quilherme & CU
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
droes, e que se vende pelo diminuto preco dc 200
rs. o covado 11 I
MET1M
Metim tran^ado, padroes bonitos, a 320 rs. o
covado I 11
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina. boni-
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado 111
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado! 11
CRETONE
Cretone claros e escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado III
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 400 rs. o covado,
e pechincba 11 1
Cortes de casemira di cores, a 5(00.
Gotcha* estampadas e com barra a 3*500 e
4/000.
Cobertas de chita adamascada a 3/500.
Lencoes de bramante a 22000.
Ditos de algodao a 1J>400.
Leneos de .cassa eotrr-bitrraTl *000 aTfuzia.
Ditos de cassa abanbados a 2/000 a duzia.
Ditos de esguiao abanhados, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3/500.
Cambria transparente fina a 3/000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodio e linho a 1/600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2/500 e 2/800 a van.
Algodao marca T, largo, a 5/000 a peca.
Dito domestico a 3/000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado III
Madapoloes Irancezes de todas as qualidades de
5/ a 8/500 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 8/500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a ii/000 a duzia ; e pechincha, so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado; e pechincha, e dio-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das tres portas
NOVAS PUBLICAQDES MUSICALS.
A. J. d'Azevedo-Rua \ova m. tl.
Acabam de publicar so, e acham-se i
venda as seguintes musk-as :
PIANO SO'.
Da.nse espanhola, por Ascher 2tO0C
Arabella, mazurka, por G. Wer-
theimer 17500
Valsa do Fausto, por Croyzes 1^001
Sonho de cma virgem, por Alber-
tflzzi 1J00O
Anna la Prie, cavatina IfOW
AoClair df. la I.u.nf., por Bussmeyer 18500
ESTRELLA DO NORTE j,, |k fe ^ jpjg,
SAUDAgio ao Bahia(
Cricket, por Seiias, offerecida aos
chrickets club peruambucaiio e
babiano 15>CGG
PIANO K CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por I. Smoltz SRW
Non m'amava, romance por Guercia 1CI". t
Tambem recebeu da Eumpa grande m>
monide musica para piano, piano e
antoudos, metbudos, etc. '-tc.
CHAMAIK1.
Os Srs Juvino Pernandes da Cruz e Juaquir
mente de I.emos Duart*, Flo rttamariot a r,-- *.
l^oronel Suas.-una n. 282, a negoci.i de parti u:.
iateresse.

am
LARWGGIRAS
selecta e c ombigo
(Enx.rt.iJas)
Sapotizeiros
e sapoteiros de It palmos (-m vasoa) e de i J- -
os tamanhos e precos m?i-" t quo daa-
tos; assim comb as sgnintes outras planta? de
frucla c de ornalo :
Consultas: Aos pelves gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
Precisa-fe de uma ama para cara do dua*
pe;soas, para cozinhar e engommar : na rua Di
reiia n. 28, primeiro andar.
0 armazem
n. 42
Aluga-se
no caes do Capibaribe
- Offerece-.H nma ama de leite com fllho
(ratar na rua aV S Miguel n. 22, em Afogados
Abacati.
Acacia.
Ariticnm a pp.
Canella.
Casuarina.
Carolina do pnnripr.
CondeQa.
Coracio da India.
Figueir.i.
Flaml)G\ant.
Fructa-pao.
Ingado Para.
Jambo.
Jasmim larnnja.
Laranja da China
Dita do ceo.
E outras plantas :
ura n. 20.
l.aranja cravo.
Dita de doce do Para
Dita brnra.
Dita langmna.
Lima da P< rsia
Dita di mi.: ; i.
Liraao franrez.
Dili lace, tnxiriado.
Oi!ic..ro
Pa'.mcira imperial.
Parreirt*.
Pinheira
Itoiiiciras.
Rozeira>.
Roceda.
ULaia.
na Capuoga a rua da Vm
Aluga se uma casa na rua da Praia do Cal-
deireiro n^ 21 : a tralar na rua do F.ivramento n
23 loja do Sol________________^^^
Ires
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQU1NA
ESCRAVO FUGIDO.
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose Borges, mestro de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do pe csquerdo : roga se a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te recompensados.
MOFINA
Estd^ encouracado I! !
"T:rTlK'ua^iOflcn:#*lra dura
Tanto da ale nueO-ftiX*-
Roga-se ao Illm. Sr. Ignario Vieiri"(K *' .
eserirao na cidade de Nazareth desta provincu.
favor de vir a rua Daque de taxias n. 36, a cc-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteo a
realisar, pela terceira char; dns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passon a fevereiro e abril de 1872, e nada camprio,
e por este motivo e de novo cbanudo para i:'J>
"lm, pois S. S. se deve lemLrar que este negociA
le mais de oito annos, e quando o Sr. sea Gibe m
ichava nesta cidade.___________________
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem .i honra de annunciar ..
publico que recebeu iiltimamente um esplendio
sortimento de lustres- de ndro, eaaiWna, ar*n-
delas e globos, cojas amo.-tras efliio no escnpt .r. i
a rua do lmperador n. 31, e serao vendidos a'
tcus fregue?es pelo preco mai* raz-iavel possivel.
Aluga-;e o quarto andar do pri-di.i n. 5
rua do Bom leans, aMinaMols rna da Crnz : a
tratar na nic.-nn rna n. ."i.____________________
Preci.-ase alugar um escravo mm .-. .v;-;o
em casa de fan.ilia : na rua Primeiro de Mar;
n. 23.
LOJA
ALUGA=SE
o 2* andar do sobrado n. 52 da rua Marquez dc
Olinda : a tratarjarmazon em do mesmo predio.
Aos senhores de engenho e
outros proprietaries
que pretenderem contratar edidcacoes de predios,
asa s de campo, ou chalets, demarcates de ter-
as, nivellamentos, assentamento de machinas a
vapor, plantas on outros quaesquer trabalhos nes-
te genero, queiram dirifpr-se pessoalmenle ou por
escripto a A. Coutinho, a rua do Crespo n. 18, !.
andar, escriptorio.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
I. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas era todas as ci-
dades e villas de Portugal, & vista e a prazo
por todos os paquetes.
Aliened.
Henrique Praxedes de Barros offerece se para
administrador de engenho e segue para qualquer
lugar, dando se-lhe conduccao para sua familia; o
mesmo, por ter longa pratica de engenho, da
conhecimento de sua condncta com attestados das
principaes pessoas desta cidade : quem precisar
dirija se a travessa das Crazes n. 4, que achari
com quem trattr._________________
Na rua de Santa Thereza n. 60 se~dira quem
vende 60 palmos de terreno, em Belem.
30^000
mensaes.
Uma familia de tres pessoas precisa de uma
criada para arrumaeoes de casa e engommado,
pela qnal da. o alugnel arima ; na rua de Santo
Amaro, p. 72, jnnlo a estacao.
Aluga ?c a loja do sobrado n 9 da rua da
rora : a tratar na rua d.> II spido n. 20, lafi
ou na rua da rmper.'.triz n. 10, taveriia
Aluga-se o 2. e %.
andares do sobrado n. 47 da
rua da Imperatriz : na rua
do Hospicio n. 33.
Pn-cisa-se de um caix.-iro de i2 a \\ ann $
que tenha pratica de padaria ou mesmo sem
na rua DireiU n. 26
ALUGA-SE
aim caa na Capunga, rua das Pernimlrjc.no-
com co\fira e quart-.* fora : a tratar na rna c
Vigario Tenorio n. 31
Livros baralissiiiMs.
Vende se por todo prer;o algumas ras dc (ii
reito, htteratura, p .esia, historia e religiao, er_
francez, inglez e portuguez : na rua do '".abuga 2
tl, loja de jjias.
Attencao
Precisa sc de uma prela, forra ou escra... 1
vender tabolt iro na rua ; a tratar f-m Olinda, na
raa do Commercio, antigamenle Qjatro Cant.-,
casa lerrea, junu ao Sr. capilao Lapa, e defi
do oilao da botica do Sr. Joao Raposo.
Enviiiiiniadeira.
^
Quem liver um escrava de condncta, quo seia
perleiia engommadeira, qaerendo negociala podt
dmgir-se a S. Jose do Manirainhi, sitio n. 2 an-
tes da igre^a que se dara bom preco, ooroesm}
por aluguer.
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, preeiaa-s
allar aos Srs. Pedro do Rego Oaves Peixoto *
ose Paes da Silva, a negocio de particular inu
an
Alugam-se as casas do becco tapado, com
portao encarnado, no pateo da raatrit de Santo
Antonio : a tratar na rua do Rangel n. 34, 2.' an-
dar.
P.-ecisa-se de uma raulher pcrtugueu que
queira ir para Portugal em eorapanhia de ama
familia : a que quizer, dinja se a rua Dau.ua de
Caxias n. 65, para tratar.
Uaixeiro
Precisa-ae de am caixeiro qoe tenha pratica oV
molhados : na rna do Rangel n 37._____________
Arngam-so 0 f e 3* aniarea do sobrado n. I Aluga-se a loja de am sobrado na raa da
" briu
47 da rua da imperatriz : na raa do Hospicio na- i Trinoheirss, aoa.ie tem eartorio 0 ft-eriw- Hrit
uiero 33. a tratar na rua do lmperador a. 67, J- an .",
i
4-



Jl


w- **
6
Oiarie de Btrmquiiie. Sextet fiauja. 6 da
1*74.
Barbeiro
Precisa so de um bom official' de barbeiro, da se
meiacao no trabalho e jpntameate a- mesa :. no
salao da rua Duque da Caxias n. 3fl, I* andar.
N. 271.
Vende-se oa troca-se uma grande caaa de ta-
boa, na rua Imperial, com quintal cereado, com
grande aterro, portio de um lado e no quintal
que bota para a linba ferrea, com madeiras no-
vas, preferindose a troca por uma nesta cidade,
o preco e muito conruodo : quern pretender di
rija-se a mesma casa, que achara com auemtra-
tar.
Estrada de ferro, da Recife 4
Olinda e Beberibe.
Pela secretaria da cotnpanhia dos trUhos urba-
nos do Recife a Olinda e Beberibe, sao convida-
dos os senhores accionistas, constantes da relacao
abaixo, para, com a maxima possivel brevidade,
eomparecerem no esonptorio da mesma compa-
nhia, afim de se lhes distribuir suas respectivas
accSes; e nesta occasiao se previne aos mesmos
3enhores que possuirem accocs do antigo padrao,
queiram recolhelas para serem restituidas por
nutras do actual.
Maneel Mart-ns Fraza.
Manoel I'ibeiro Bastos.
Manoel Jose Dan la?.
Barao de Tacaruna.
Jose Marcelino da Rosa.
Joao de Sa Cavalcante de Albuquerque.
Manoel Joaquim Baptista.
Dr. Claudino de Araujo Guimaraes.
Joaquim Antonio Pereira.
Francisco Antonio de Assis Goes.
D. Joanna Augusta de Castro Pagels.
Francisco Goncalves Ne'tu.
Jos6 Fortunato dos Santos Porto.
Dr. Francisco do Rego Baptista.
Luiz Goncalves da Silva.
Jose Maria Palmeira.
Francisco Joao de Barros.
Dr. Luiz Lopes Caslello Branco.
Joaquim Francisco Lavra.
Jose Coelho da Silva Araujo.
Joaqnim Jo*e Goncalves Beltrao.
Antonio Augusto dos Santos Porto.
Manoel Jose de Souza.
Jose Joaqnim da Costa Leite.
Maneel Jose* Tinoco de Souza.
Jese Alves da Silva Guimaraes.
Joaqnim Jose da Costa e Silva.
Jeronyrao Gomes da Fonseca.
Joaquim Candido da Crnz Siqueira.
Dr. Fabricio Gomes de Andrade Lima.
Hordeiros de Rndrigo Pinto Moreira.
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella.
Joaquim Alves da Silva.
Antonio Jose da Costa e Silva.
Antonio Joaquim Yaz de Miranda.
Jose Antonio de Almeida Cunha.
D. Anna Emigdia da Silveira.
D. Francelina Egydia Silveira.
L>. Anna Joaquina Correia.
Joao Pereira Moutinho.
Arthur d? Sa e Albuquerque.
Joao Baptrsta de Castro Silva Junior.
Duarle Antonio de Miranda.
Dr. Felioano Francisco Martins.
Antonio Alves de Moraes.
D. Guilhermina de Abreu Porto.
Pedro de Alcantara Guimaraes Peixoto.
Escriptorio da companhia, 21 de fevereiro de
1874.
JoSo Joaquim Alves
Secretario.
Armada.
Na rua do Barao da Victotffrn 36, precisa-se
fallar ao Sr. % tenente Jo6 Maria Pestana, a ne-
gacio de seu interesse.
Precisa-se de
duas amas para
casa de pouca fa-
tnilia, sendo uma
para cozinhar e outra para engoramar, pre-
ferindo-seescravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar no largo do Paraizo n. 28, 1 e 2
andar.
Ama de leite
Precisa.se de uma ama do leite, sem filho :
rua da Praia n. 53, 3*andar.
na
Precisa-se alugar uma ama. escrava para
comprar e cozinhar para, uma neqnena familia
estrangeira : na rua do Marquez ie Olinda u 4S,
loia.
. i i i r :
Ama de leite.
Precisa-se de uma sem film*, e que seja de boa
conducta : a rua do Visconde de Goyaoaa n.
129____________________________
Precisase de uma ama, para
casa de pouca familia, preferin-
do-se que com pre ; agradando,
paga-se bem: na rua do Vfgano n. 33, no 2."
andar, esquina______________________________
Precisa-se do uma ama que saiba coiinhar,
para casa de homera solteiro : a tratar na rua do
Barao da Victoria n. 60. __________ _
Precisa-se de duas amas, sendo uma para
engommar e outra para cozinhar para duis pes-
soas : na rua do Bom Jesus n. 9, segundo andar
AMA
Portaram um cavallo de cdr rudado, m a
reirlo, clinas para a direila, pescoco pedrez a
com dous terras era seguida um do outro, e no
juarto esqaerdo tem I, signal que trouxe de l'a-
i :ii, cujo cavallo foi furtado no dia 16 do corren-
. mez, em um rancho da estrada nova do Caxan-
: ,i pessoa que do mesmo .der nolicia a Ber-
tardo Jose da I'.ocha, morador em Pajeii, ou na
rua Priraeiro de Margo n. 18, loja, sera generosa-
lente gratificada.
Recife, 17 fevereiro de 1874.
da In) x
i> aLii. r d.i ii
0 2* indar e sotao do sobrado sito
; atriz u. ii'.i. e a loja : a tratar no
'SDIO.
Hr
GAM DWtinw
toa^l.-^de Marco n. 23
Aos 20:000^000.
precisa se fallar com o Sr. Jose Maria Go-
mes Braga, filho de Joao Antonio Gomes Braga,
natural da cidade de.Braga, e de D. Anna Emilia
"fewlJ^: Braga, "da cidade "a^PSTfcTT IStO.a Besceifl
de seu interesse : na rua do Conde da Boa Vista
n. 26, ou rua da Imperatriz n. 20.
0 abaix i sssignado tern seinpre exposto a ven
la hilheie.- da loteria do Wo, cuja extraccao an
oiara pelos jomaes.
Precos.
Inteiro 21*000
Meio 12*0u0
Quarto 6*000
Manuel Martins Fiuza.
Casa de campo
Ainga-se a ex_. ..eote casa da travessa de Pay-
andti n. >, ;i!".,xiraa a" hospital portuguez, com
SOODMdos para grande familia : para tratar, na
na do Aniurim n a6, 1 andar
1NCAO.
Na rna estreita do Rosario n. 33, sobrado de
am andar, avisa-se a todos os freguezes que cos
lumam ted s os annos a mandar fazer flores para
quaresn a, ;"> tem palraas para sepulcrho, sipos
da flores para'anjos, diademas para capacetes, ro
sas para e :fe u- ; tudo se faz por muito barato
preco: n-i m^sma casa faz-se bouquets p3ra noi
vos, para offertaa com Dtas bordadas a ouro e Ie
treiros a gosto de sous donos, e fai se ricas ban-
dejas de bolos para casamentos e balics, tudo com
asseio e barMeza.
CASA DO OURO
Aos 4:VOO:GOO
Bilhetes .garantidos
huad.' Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
Achaai-ss a venda os muito felkes bilhetes ga
antidc.' da 1' parto da loteria a beneficio da
igreia da Conceicao do Caruarii, que se extrahira
BO dia C do C' rrenle mez.
Reel
Intelro
Heio
fiOf>-?000
Inteiro
iieio
2 de marQO de
Prccas
4*00(1
2*000
para cimti.
3*300
1*730
1874.
Joao Joaquim da Costa Leile.
aixeiro
Precisa-se de um caixeiro com pratica de mo-
ihados, de 12 a 18 anno3 de idade, para a cidade
de Escada : a tratar na rua da Praia n. Si, ar-
roazem.
Ainda continiia fuRido o preto Ignacio, d-
altura regular, secco do corpo, cabeQa ep^spe-
quenoe, falia de dentes na frente, deve ter os nos
dos dedos das inaos calejados, do servico de padae
ria, regala 40 annns de idade, fagi-- "em 4 de Ja-
neiro proximo passado, coasta que anda no Barro,
ou entao seguio para o sertao : pede-3e as aato-
ridade? ou pessoas que o desoubram, a sua cap-
tura, e leva-lo a rua do Lima n. 72, padaria, em
Santo Amaru das Salinas, que se gratificara com
30*000.___________________________________
AiT nso k Alhuquerque Mello
incumbe-se de promover cobran^as amigavel
ou judicialmente, assira conr.o de outros negacios
concernentes a 'ua proflssae, nos lugares proxi-
mes a linha ferrea, e nos ontros termos proximos
a esta cidade; para cujo auxilio tem o annun-
siauie selicitadores habifitados e probos, respon-
sabilisando-so no enianto pela boa gestao e conta
do que Ihe for confiado.
Mediante modico honorario acode aos chtnados
para dili/jencias .u consuitas fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacoes ante
o tribunal da relacaa Fode ser procurado de
meio dia as 3 hora da tarde em seu escriptorio
a rua d Danue d Caxias n. 37.
AfiQQ.es entre amigos
Doixa de correr com a loteria 90.* qne se ex-
trahe hoje a de um relogio, de prata o coxrente de
ouro, que correra com, a ultima do preseute mez
de marco".
A m '\ "Sa [,ra 'a tla 'rKieP':nJencia ns. 14 e
xi-iiiOi jg> precisa-se de uma ama para cozi-
nhar.
Precisa-se de uma ama para cozinhar em ca-
sa de pequena familia: a tratar na rua do Du-
que de Caxias n. 29.
AMA
Precisa se de uma ama pa-
ra o servico externo de casa
de pouca familia, preferindo-
se estrangeira: na rua Duque de Caxias n. 65.
Precisa se de uma ama para cozinhar e que
compre : na travessa do Corpo Santo n. 25.
Precisa se de uma ama que
cozinbe perfeitamente, para casa
de pouca familia, paga-se bem :
a tratar na loja das 6 portas, em frente do Livra-
mento.
AMA
Na rua larga do Rosario n. 2i, loja de cal-
cado, precisa-se de uma ama que saiba cozinhar e
comprar.
Antonio Jose Rodrigues de Senza, em seu es-
criptorio a rua do Crespo n. 6, coinpra, por bons
precos, escravos das diversas cores, sexos e
dades.
:!.' Na rua do Corredor do Bispo n. 17, precisa-
se de nma ama forra ou escrava, que saiba co-
zinhar, comprar e engommar, paraa casa de fami-
lia de duas pessoas : paga-se bem gradando.
No collegio da Conceicao precisa-se de uma
engommadeira perita.
4luga-sc
uma sala na rua Duque dc Caxias n. 61, propria
para advojado ou cartorio : a tratar na loja.
Os abaixo a-signad-s declaram Delo pre
sente, que amigavelmente dissolverem a socieda-
de que tinham no armazem da rua do Imperador
n. 16, que gyrou sob a firma de Silva & Iroiio,
ficando o socio Olympio unico dono do referido
estabelecimento e responsavel pelo activo e pas-
sivo.
Recife, 28 de fevereiro de 1874.
Olympio da Silva.
Manoel do Nascimento Silva.
Salsa Parrilha
Vendese muito nova em r6los pequcnos, che-
ultimamente : na rua do Bom Jesus n. 7.
gada
Grande pechincha
Em lindas las
A Roza Branca, ja bem conhecida como a raais
barateira, acaba de receber las para 240 e 320 rs.
o covado, e um grande sortimento de las Unas a 500
reii, fazenda que vale 800 : venham a Rosa Bran-
ca ver Dara crer, na rua da Imperatriz n. 56.
Vende-se uma escrava parda, de 23 annos,
perfeita engommadeira e cozinheira, para fora
desta cidade : na rua de Hortas n. 96.
ATTENCAO
Vende se a diflbeiro ou a prazo, sendo que se
de" boa garantia, ou permuta-se por predies nesta
Sraga ouem-seuf arrabtldes, duas partes no valor
e 14:000*T d9" engeflhd'- N6vo de Sennhaem,
moente e corrente, o qual moe com o riacho Cu-
can; e t"g|iiMli tas vanejffj de,maaaape e corgps. com prnpormes
para safrfijapift tr amiatra-hi*'plas-'de assaear,
distando A vac#Mle o raelhorrto>trlJe>?eT)(ya^^rrteW'optW)al *
casa de wenda (sobrado com 9 janelkM i*>tfflrt
nma excilente e rica capella com mtrHae aMuh|
raode c||a de purgar, oleria, senzalh,"sitlos pafS
vnador#, atAK ait. ; tadK fbi> anOUdfc pot*
4B;d00#e podese afliriaar qne.-oi-d.mais her-
deitos UMbem vendem. suas paries: a train-,na.
rua do CMdeireira n. 08, com Ibnerrina Erancisao
Lobo. _______________^_^__^_^_
DO OOIOWHMA.!0T
*r awtituir prna>r|lWHJ*tniiO>h.l)p5 :
JU Sttlb COR< RR1-HIT1VA1
EllaiuHMurfaniimBfKMi.i*jnetic*jr,'
me vrrMr nR ^tiiitl
BonJH**ito i-ifail ivel desde o Sonro ate ao preto
cnipiego iitoffciisivo.
ARIA ORIENTAL, 3, pM IkirR&i". PARIS
iito era Pernombucj, kM
SupcrliHdade incontefttATel;
Grande mmi^F
Para *o-ttms
Repufclicanos e morwehistas.
Denocratas e aristocratas.
Federados. e confederados,
Consmunaliitas,- a coowiimista*
Gatbolicos- ycJIjcs ou u vos.
foila* (Icvcui ir
Reuaidos ou nao reunidos
Faxer cmtfUWto antes
Suas*. eneomiaendas
Qcs saboroscs fillios
LIOUIDACAO DE FAZENDAS
NA
Rua da Imperatriz n. 60
MM (HE
TfB
todro Vianu.
Vende fazendas para liquidar, por baratiesimo precacomc
abaixo se ve:
Pereira da Silva & Guimaraes tendo em ser um grande depozito de faxendas
tem resolyido fazer uma liquidarao das mesmas com grande abatimento nos precos.
com o unico fim d?. apurar dinheiro, para o que convidam nfio s6 os seus numeroso*
freguezes, como o respeitavel publico, a vir surtir-se de muiUs fazenda*, boas ebaratat
no seu estabelecimento denominado oPavSoa rua da Imperatriz n. 09.
francez muito fino a 3>0OO, apenas preci-
1, 7*"n*co partr ura len^el.
CAMBRAIAS A 4$, 4500, 3, 69 7*.
O Pavao vende um magnifico sortimento
das mats finas cambraias brancas tratispa-
rentes, tendo 10 jardas cade pe$a, pelo ba-
rato pre bem das mais finas que castumam vir ao
mercado, assim como um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de 49
ate 89, sendo fazenda que valle muito mais
dinbeiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59.
OPavfio receben um elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos miudinbos de cores, tende 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
A.'. esM grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento*dtrxnnthmm'para
cosivra!, dB^tddoffosautores- nraisTicredita-
^Ds^iliiBMknaentona-EuPopa; oujas machhas
sfO> galantida* rot um antin, e tendo -um \VT?$? de *?, por ser pechmeha, ditas com
,peFteito artista para ensihar as mesmas, em Is
if luiil* duitn i ill will i como bem as-
gmpcooewf4wnetetcftptab,em' dfum
anno sem despendio algutn do comprador.
Ptete estabelecimento tarabem ha perten^as
a 79500 e ditas a 59000.
VESTIDOS A USO DA CORTE 129
O Pavio vende um bonito sortimento de
i cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
para-as^esma* maebmwese suppre qual-k,ada c6rte todos os enfeit6s necessaries como
cjipp#e qnse)rreeesswno. Kstas ma-(^ejam k.k-j:u^. ^-,:, -----=
babadinhos, entre^-meios, rendas,
ehitasjnbttt^emtoda a-perfeicao de >eJquefife3, e vende pdo barato pretj'o de 129
amadous pspitos, fraoze ef.ordatoda ^ a8sim & dho. a 2 de jolho
luriquer costur* per fi*,qne s-ja, sens ^m todos osenftites a-109. cortes decam-
^f^tt ?SnL|M.rLnrfta braias brancas abertas, com listras e larores
^m^ \?2ZT'-^ *?Aa ditos finissimoTa 89, ditos de cam-
5090O6'} para tfanalnar com o pe sao de-
80900a, 98d0, IQQM-M,
ras para viagem, malas para vraym
fft*"3f*-5^. preGOnisadoS f ras-para salas,.ditas.de balango, diUs para
^JWi jP crianca (alias), ditas parn escolas-y costurei-
Rsitfica^QS- a capricho
Dos pasteleiros
S6 e somente
Na confeitaria do Campos
Si., I iu |i c r a d o r 3 4.
Pechinha grande em cam-
braia
Cambraias transparentes, avariadas, a 500 e 800
reis e 1*000 a peea : so o n. 20 da rua do
Crespo, loja das tres portas, de Guilherme & C,
junto a-loja da e-quina. ___________________
Vende-se as easas terreas. segointes :
Rua 24 de Maio (outr'ora dos-Ossos) ns. 2 e
Rua o> Fogo n. 2.. '
Rua iaftidre Floriano n. 35.
Travessa da Bomba a 5.
Becco do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do caes da Cadeia-nova ns. 3 e 5.
A tratar no Largo do Carmo n. t._______
oo^pftA:
?TTENCAO
/
Antonio Jose Rodrigues
de Souza, em seu escriptorio
ama do Crespo n. 6, compra
escravos das diversas cores,
sexos e idades.
m

''
-&:
^
S"i r?a

Trastes. I
Compra se e vende-se trastes novos
e usados no armazem da rua do Im-
perador n. 48.
- Compra-se roupas scrvidas de mascaras e
tjdos os objectos pei tenceutcs aos mesmo : na
rna da Roda n. 18.
na verdade bom ne-
gocio.
Compra se ou arrenda-se um bom-engenho a
margem da estrada de ferro que nao exceda da
estaao di Escr.da, que seja muito bom d'agua,
e terras de muito boa produccao, nao se duvidara
dar-se lies contos de r^is de renda o com vanta-
gem ; e bom preco co.no venda, quem o tiver e
quizer dispor, pode entender-se com o Sr. Anto-
nio Climaco Moreira Temporal, em seu escripto-
rio. a rua do Bom J-.-sus n. 51.
-- Antonio Jose Rodrigues de Souza em seu
escriptorio, a rua do Cre-po n. 6, compra escra
vos de diversas cores, sexos o idades.
Vestidos com babadoc* cres-
1209000', 130960V 150900#i 20O909t e
2fiOO00, eoKpiant-ao'atres; itao" h-al-
tera?6o de precos, eos-oompradorespoderao
visitar este-estaiteteciteentOt quemuito de-
yef^ogosiar-pelarvafiedade de- objeotea que
h,asempA3paxayender, oomoajain.- centei-
malas para vha>m..cadei-
ditos de
. braia branca com listras de cores, para aca-
l^0' bar 39500, e pechincha.
pos
a
Ricos vestidos brancos com babados a 8i ; isto
e so na rosa branca, a rua da Imperatriz n. 56, loja
do Azevedo.
Calc,as brancas, obra de en-
commenda a 5^.
A rosa branca pede as pessoas quo precisarem,
que venham ver as caleas para se certiiicarom do
que dizemos : na rua da Imperatriz n. 56, loja
do Azevedo.
PECHlNCHi
Cortes de casineta escura
a 3jj.000.
Chegou para a rosa branca, ca-ineta escura pa-
ra caleas ou paletots, fa casemiras, e poi este preco 6 de graca ; tambem
5e da a obra prompta : na rua da Imperatriz n.
s6, loja do Aztvedo._______ ____________
Pechincha
Cambraia de cores, padro^s muito lindos, pelo
baratissimo preco de 210 rs. o covado : na rua
Primeiro de Marco (antiga do Coespo) n. 13, loja
das colnmnas, de Antonio Correii de Vasconcellos.
CSMPB41
Compra-se um lustre de crystal para gaz que
tenha de 4 a 6 bracos ; assim como um outro p
queno de dous bicos : na rna da Palma, venr>.
n. 71. da
V;NDAS.
Pouco mofo.
Neste estabelecimento eoncertam-se cliapeos de
palha, seda e velludo, para senhoras e meninas :
sendo formas das mais modcrnas ate hoje chega-
das. Tambem se concertam chapeos de todas as
qualidades, para homens, garantindo-se a perfei-
?So dos concertos.
No mesmo estabelecimento tem um Undo sor-
timento de chapeos de palha, dos mais modernos,
enfeitados com muito gosto, e pelos precos de 16*.
18* e 20*.
Chapeos de seda e de ve'.ludo, f rmas modernas
para 10* e 12*.
Para lute. Chapeos para senhoras a 10$ e 12*,
c para meninas a 8*.
AVISO
Vende-se o engenho Rocas-velhas junto da villa
do Cabo, e perto da estacao da Una, urna legna,
com a safra e bois, ou so o engenho, moente de
agaa, que pode safrejar de 1,500 a 2,000 paes de
assucar : a tratar no mesmo engenho, ou a rua
Imperial n. 02, com Thomas Antonio Coimhra.
Palitots!!!
so
Brim pardo muito lino a iOO rs. o covado
na rua do Queimado n. 43 ; aproveitera que 6 pe-
chincha, na loja de Guerra & Fernandes.
fializa.
Neste estabelecimento vende-se milho novo em
sacco com 14 cuias a 4*500.
Vendese a taveraa da rna Velha n. 82, fre-
guezia da Boa-Visia, propria para qnalquer pessoa
principiante por ter poucos. fundo* : a tratar na
mesma.
Vaocina
Vende-so vaccina muito nova, cbegada recente-
mente da Enropa : na pharraaeia americana, de
Ferreira Maia , mero 37.
Antes que se acahem.
~
Vende-se.la de lindos padroes a 200 rs. o cova-
do : qa rua do,Crespo n. 23.A, loja da esquina ;
dJo-se amostras.
Vende-se palitots de brim branco, de liulio, fa-
zenda muito superior, e bem acab.dos a 2*800
cada nm ; ditos de casemira de cSr a 5*; track
de panno flno preto por 15* : na esquina da rua
do Crespo, loja de Ramos & Irmao.
E' barato.
Vende-m metins do lindos padroes, fazenda
iioa, pelo barato preco de 300 rs. o covado : a rua
do Crespo n. 23 A, loja da esquina. Dao-se amos-
tras, ____________________
Vendem
Wilson,. Rowe & C.
Em sea armazem^a raa do Trapiche n. 14, o se'
gninte:
Alg^idao azul americano.
Fio de vela.
Carvao de pedra do todas a* qualidadc.
Tudo muito barato. ________
rasrrtqpisstmas-,.pjaxaaeuhora,. desftensaveia^
para crianQas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homem e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos- de metal para cha\ fa-
queiros com cabo de metal e de marfim,
ditos avulsos, colheres de metal flno, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
aimples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devem agradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
qae se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nba ate as.9 boras da noutei
Rua do Barao da Victoria n^
22.
Alvigaras.
Venham ti E com os bolsos recheados,
Do Campos ao ; rmazem ;
Venham, nao falte niogum
Ver o grande sortiminto
(Um verdadeiro portentu)
Que para a quaresma- tem ;
Comprehendem ? ora bem I
E* com as tripas pplaBdo de contentamento que
me apresento ante a onda gastronomies das sa-
bias e illustres barrigas pernambucanas, felicitah-
do-as por'ja se acharem livre da pcoa de interdic-
to e poderom sem receio de alguma indigestao ex-
commungada, comcrem. os mais linos e saborosos
comestives, coadjuvados por uma ca3cata de vi-
nhes de todas as qualidades, deixando a quem
dezejar o direito de gritar: viva o triumphodas
barrigas I !..
Mas, como ia dizendo, nao podia deixar de
acontecer assim, considerando-se como foi sabia e
bem barrigalmente planejado o ataque da3 bar-
rigas grandes, contra a sucia dos bandulhos ca-
ninos, que ostrifieados a id^a ficticia do infer-
no bicho inventado pelas grandes barrigas, pa-
ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
vam a mais ab.-urda das monstruosidades : a
inf.iliihiii Jade do principal bojo do amor as avessas
e de tripas dadas c a forra de tripadas queriam
hypocritamente alimentarem a pelludae faraigera-
da -ex qucstao do d.a centope"a negra que en-
rolada no capote cliamuscado da iaquisicao, pre-
ten lia assar o mundo das barrigas, privaudo an-
tes a humanidade de ganhar dinheiro e de em
temp s amo cue de quaresma :
De fazerem penitencias
Enchendo bem as barriga0
Pali nao c tempo de brig .,
E sim e, dc abstinencias.
Mas, como ia contanio, custou, porem a final.
depois da rasr.rada qne Ihe passou no pesco^o os
podt-rts poderosos, a cabeca foi parar no fun-
do do rio e o rabo, como ruim da e.-follar, ficou
no sccco exposto aos pontapes de qualqner gato
pingado, deixando e verdade, magra as collejas
barrigas, que despeitadas vao tratar de se nutri-
rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im-
perador n. 28, onJe com certeza encontrarao alem
do que descjarem. o segainte : ovas de diversos
peixes e de bacalhao ; peixes dc vinte qualidades
em conservas, sardinhas em latas, camaroes sec-
cos, bacalhao, pescadas, sardas, lagostas, salmao,
batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
manteiga ingleza e franceza; doces, fructas e
cincocn'n qualidades de vinhos flnos do Porto e
out ras tantas de outros lugares mais afamados de
Portugal, alem de um completo sortimento de ace-
pipes raros, deliciosos e que
CahinJo em qualquer barriga
Faz a melhor digesUo,
E nao faz mal a bexiga,
Como comendo, verao.
Mas, como ia fallando, iamos entrar na vida de
outr'ora, isto e, na epoca das festas, e portanto
vamos ter festas, festas e raais festas, e como todos
comem das festas, visto que uma parte da para as
festas e tres reivbem para preparar as festas, 6
logieo que o bregeiro dinheiro qne anda tao vas-
queiro, saia dos cofres dos amaates orthodoxos e
se va familiansando com as algibeiras vasias dos
necessitados, e estes por sua vez venham ae arma-
zem do Campos a rua do Imperador n. 28, prepa-
raremse para a quaresma, tempo de abstinencias
e ns qual se come gem Iicenga, comprarein o que)
ba do mais gostaso, saboroso, cheiroso e tudo que
I acaba em ouso.
CORTES BORDADOS A 209 E 359-
0 PavSo vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
.frato pre^o de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o covado
0 PavSo recebeu um grande sortimento
do cassas francezas com delicados padrdes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BORNOUS A 129.
0 PavSo vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preco de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales demerin6 e com listras de seda.
CUAI.ES baratos
a 29, 29500, 4-
0 PavSo vende chales a eniitacio de me-
rino a 29, ditos d mermd lisos de todas as
cores a 29500, ditos deroerindeetampadot,
muito flnos a 49; '.ditos finissimns com lis-
tras de soda a 69500, ditos muito fiuos d
crepom a 109"a 129-
AICo.l A. cnfeMlado a 19 e 1CS
0 Pavio vende algodSo eofestado com 1
palmos de largura, proprio para lenc^a
sendo do mais encorpado qne tem vindo ao
mercado, liso a 19 a vara e trancadoa.....
19280.
ATOALHADO A 19600, 29, 59.
0 Pavao vende atoalbado traneade com I
palmos da largura a 19200 e 19600, dito
adamascado a 29, dito de linho adamasca
do a 39 e 53.
SBDAvPARA VE9TIIJ06
a 19600 e 29.
j 0 Pavao vend* um bonito sortimento dt
sedas com lislrinlias proprias para vesti-
dos de meninas ede seubora a 19000 o co-
vado, ditas lavradinhas a 29, os padrdes fie
muito bonitose veode-so por este prego par*
acabar.
Botlnas a 5-jOOO
0 Pavao tem um completo | sortimento d
botinas muito bem enfeitadas para senborai
e vende pelo barato prego de 59, artigo qu<
em outra' qualquer parte custa tj> e 79-
LENCOS BRANCOS
a 29000.
0 Pavao vende lenros brancos abainh*
dos, tanto para homens como para senhoras
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiao
cambraia de- linho tambem abainbados i
39500, 49, 59, d.tos fraaceiesescuros, pan
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas camisas com petu
de linho bordadas, proprias p^ra noivo
105 e 129 cada uma, ditas de linho sen se
rem bordadas a 49, 49500 e 59. ditas cob
peito de algodao muito finas a 29, 29500
39, ditas de chita fina miudiuha a 29,29500
e 39, assim eomo grande sortimento de ce
roulas francezas tanto de linho como de al-
godao de 19600 ate 39, gr nde sortimentt
de meias cru?s inglezas de 49 ate 89000
duzia
Ceroulas francezas de linho e algodfio, para todos os precos e qualidades, assin
eomo grande sortimento de meias cruns, camisas, colennhos, que tudo se vende po'
pregos muito razoaveis.
TOMO JfiSE DE AZEVEDO.
Rua Nova n. i\.
Querendo definitivatnente liquidar este negocio, vende todos os que tern, novos
asados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenuos de 11 a 33 palmo*
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande qu
seja com oleado inteiro.
MAGMFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
A.NNEIS electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARQA e papel picado para bordar com lfi ou seda.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preco.
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo do Borba, cm chicoto, picado, desfiado e crespo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a v^por, antiga rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarao os seguintes e bem conhecidos
fumos manufacturados na mesma casa,
Flor do Brasil
Novo Caporal
Bos Bird'scye, ( Olho de Passaro. )
Vende-se a retalho, e em grande quantidade so faz grande abatimento.
GRANDE
I
que
I
Em
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e o mais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminutos
precos de 2*100, if 800, 3*200 e 3*500.
SO' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES PORTAS DE
Guilherme & C.
Junto a loja da esquina
Nao ha mais cabellos
brancos.
As unicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne vem a este mercado:
ulin
na ru
M.irquez de ulinda n. .'it
El
Veqde-se a,taywpa.,da r^a Ha.Peaba n. 6, bem
afreguerada para a.terra; o^n\9t|yo aa-dira aO'Com-
prador. a tratar na mesma.
Diz.T aos amanlos
Dos generos cspeciaes,
Que se querem ser feliies
\enhain ja.e qnantoantes
Saber a causa motris
Da Gampos nao ter rjyae*
E podor so fornacor
Delicias, gosto o. praxer.
TINTURARIA JAPONEZA.
S6 e unica approvada pelfis academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 81, 1. andar, e em
todas. as boucaa e casas da cabellei-
reirok
-C-*
i Vende se ura bonito escravo de 18 aaaos d
idade por 1:300a, optimo para copeiro on boleeiro : nma casa na
a-tratarnopateo' tfciRHwlra, no portao- do ma-
1 moeiro.
-SE
xercio, por preco
InalostG
villa de Barreiros
modico
, na raa do Cpm-
& tratar com Tssso
WII a rua da Commercio n. Ii :
0 verdadeiro panno de algodao azul aniencano.
Excellente fio de vela.
Cognac de quajidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades
Farinha de mandioca nova.
Recentemente cbegada de Santa Catharina tta
para vender no trapiche Companhia, e para tratar
no seu escriptorio a rna do Commercio n. 5, Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao & Filho. Advcrtindo
aos compradores que deaeiando acabar, vendem
mais barato do que em qnalquer outra parte, Un-
to em grandes como em pequenas porcde*.
Lindo chfariz.
v^nio-se nor preco barato um rico chafarir
de marmere nroprio para jardim, o qual so acha
armado na ofBciea de marnwre do Sr. Lima,
rua do Imperador para- quem o quizer. ver :
tratar na rua do Crespo, loja d > Passo junto
arco de Santo Antonio.____________;___________
Attencao.
Vepde-se duas casas contiguas, e que tem com-
municacSo de uma para outra ns. 33 e 35, a rna
de S. Miguel dos Afogados, com sWo mnrado
portao para a rua do Bora Gosto: trau-se us met*
mas casa, das 9 as 10 horas da nwatt.
r
D
Lenqos de labyrin^o
Vende-se lencos de labvrlntho muito Boos; i
rna Duque de Caxias n. 44.

-----------;


4_
^_
oasn
I ttkfte J-ttDUttfaM L #&fo iem>n4w&to#>> fft4.
m BOWMAN
umas
RUA BO BRDM N. 52
Hoga-se utos senhbres dfc ongentio cfue pretendem
emprQgar^a}gmas4os mtditnisaas novos, o favor de appa-
recer^tetafabri'ea qtte Ihes p6de fortiecet os appafelhos
laws apopriados com o mjtnnno de despeza: dispoe de
p ssoal habilftadb para monta-los devid :mente, e mostrar
* ;6j6temamftiB'Ciomrmododetrabalho, para obter melho-
ramento ino fabrico do assucar.
DE
Cabriolet
ARJIAZEftl
DE
fazendas finas
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
DE
ordeiro Simoes<#C.
E' esta uma das casas que boje pode com pri-
mazia offerecer aos seus freguezes um variadissi-
m,j sortfmento de fazendas ftnas para grande toi-
lette, bem assim para "uso ordinario de-todas as
classes, e por precos vantajosos, das quaes faz um
Yende-se dous cabriolets de quatro rodas, seddo
um pintado e forrad > de novo, tenilo bo'lea for a,
'vafoes e lanca ; tambem se vendo dons cavaHos
e nm arreio : para ver tudo ua eochflirft da rua
da Huda n. 60, e para Iratar na rua do Marque*
de Oliniia n. 6, com Rodriguez Irmaos A Guima-
r2es. ______
Tanques de ferro.
*Venfle se dous, triangulares, proprios para na-
vio> : na raa da Uniao n. 67._______________
AGUAS ALCALl.NO GAZOSAS DAS PSORAS
SAIlGADAS
VILLA POl-aTO AGflAR |p
BiORrfMirataas-sodica9 Handam fazendas as casas dos pretendentes,
Analyses do >/. Jose J rfo esccla polytecknica de Lisbocu mediante penhor. \
Bsta exc*HeBte ago, >afc com vatitagem bos c*rt de seda ,ind*' cores-
padeciinentos 4a vms ^ipwtivas, orinaries, do
estoraajgj, etc, etc.: vende se ca pharinacia e
drogana a rua larga do Hosario n 34.
Veade.se tuna Uverna na rua das -Ca-o-
cas, esquina 3a rua dc S. Juao, com boa casa de
vivenda e bastanfe< commodos nw Tamilia : quern
preteade-U dirija se s mesma.
Fogao de ferro economic
Vende se um chegado ha peocos^lias, tendo for-
calhas para lenha e earvjia, forno para assar,
depoeito para agna quenle e lugar para se guar-
dar quenk' as cumidaB depots de feilas ; este.3 lo-
coes tornam-se rt'couuiieudaveis penpie sao de
Terro baiido, e fabriqados euro perfei^io e coh-
nham com mui diminuta lenha : na rua do Apollo !
B. 28
RETROZEDEALGO
DAO
DE
TODAS
As
CORES
tamswios
amiM-SRANDE LIQUIDACM) DE FAZENDAS

IHachina
Com as falsificacdes que torn apparecido
DAS MAGHIMS PARA CGSTURA
Crawle pccluudm a 2(W
covado.
rs o
Cassa 15, padro>s novos, e de mais gosto que
i vindo ao mercado, so na rua do Queimado
48, loja de Cnerra FenjaoAes, pelo diininu
treco de 200 rs. o covado I
Cbeguetn freguezes que se acaba
cor, proprios para vestidoi
Boyle.
lea para veic :
Cognac de Hennessy, superior e verdadetro
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whiskf.
Gba preto em jattas de 10 libras.
Todas as prepsra^oes chimicas do Dr. Ayer
irmaxem da rua do Cnmraercio n 38.
.For metade de seu valor.
Vende-e ricas'jedas de divorsos padroes pelo
Caratissimo :pr*j.co de-14300 o ewado, aproveitem
que e pechincha : a rua Duque Ae (kkxias n. 88,
loja de DemPtrio Baatos.
Q Extract*) t'ouiposto ae
ALSAPARRRHA
Do Dr. Ayer
O PURIFICADOR DO SANGUE
Para curar eitai molestiai gue provtm de vtelo outm-
pureta do Sartf/ur,'. da E$crof*.ln.
UOLESTIAS CUTANEAS, CALL0S. MAMMAS,
IRRUPC&ES, ETC.
Rheumatism e Qotta, Ddrea
Affeccoe8 dos Osbob, Mai dos Ol-
ios, Debllidade on fraqueza geral,
Dyepepala, Incommoflo do Plfrado,i
Uma falta garal de eaude e uma'
oisp oeleao fa ell ao soffrlmento, >em /Mar dt
vario$ cnttros incommodoi, algumt pequenos, outroi itrioi,
BXootrofrdtwloE o contequenclae que roaU tudo ou xnais
c*do oeconem.
AS MOLESTXIS de Que pideco o texo /aninino, tam-
bem, quasi lempre sio devldas i mesma causa.
O unio tcatamsnto efficax a nnioa
manelra segura de readquiiir a aande e
de reetabeieeer o coipo, e mediante o
emprago fiel e eonetanto de um Puri-
ficador Alterante como a
Grosdenaples de todas as cOres. .
Gurgurao branco, lizo, de listras, preto, etc.
Setim Macao, preto e de cores.
Grosdenaples preto.
Velludo preto.
< iranadine de seda, preta e Pupelinas de lindos padroes.
Filo de seda, branco e preto.
Ricas basqninas de seda.
Casacos de merino de cdres, la, etc.
Manias brasileiras.
Coites com cambraia branca ; com lindos borda-
dos.
Ricas capeflas e mantes para noivas.
liiquissimo sortimento de las com listras de
seda. J
Citmbraias de cores.
Dilas maripozas, brancas, lizas e borda
Nanzuques de lindos padroes.
Baptistas, padrtes deiicados.
PercaUnas de quadro.% pretos e branco?, listfcs.
etc., etc.
Brins de linho de
com barra e listras.
Ricos cortes de vestido de linho, com infeites da
raesma cor, ultima moda.
Uitos de cambraia de cores.
Fustao.de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e al-
! godao.
j Sortimento de luvas da verdadeira fabric de
Jouvin, para homens e senlipraj.
Vestuarios para menmos.
Ditos para baptizado.
Ghapeis para dito.
Toalhas e guardanapos adaraascados de linho de
cor, para mesa.
Colchas de \i.
Cortinados bordados.
Grande sortimeBto de camisas
bordadas, para homens.
Meias de cores para homens, meninos e meni-
nas.
Ditas escocezas.
Completo sortimento de chapeos de sol para ho-
mens e senhoras.
Merino de cores para vestidos. /s*
Dito preto, trancado e dito de verao.
Atoallwdo de linho e algodSo para toalhas.
Atoalhado pardo.
Damasco de la. *
Brins de linho, branco d"e cores e preto.
Setim de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos.
Ditos de easemira.
Ditos de seda pi eta e de cores.
Ditos de touquim.
. Camisas de hita para homen3.
Ditas de flanella.
Ceroulas de linho e algodao.
Pannos de crochet para sola, cadeiras e conso-
Lun^os.bordados e de labyrintho.
Colchas de crochet.
Tarlatana de todas as cores.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana bordados
para cortes.
Espartilhoa lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cures.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas de seda e la para senhoras.
Rico sortimento de leqaes de madreperolas e
osso.
Damasco de seda.
Caeemira preta e de cores.
Chitas, madapolao, panno 6oo preto e azul, col-
larinhos, punbos de linho e algodao, ravatas, lu-
vas de fio de Escossia, lapetes de todes os taraa-
nhos, bolsas de viagem, peitos bordados para ho-
mens, lentjis de linho branco e de cores, taalbas,
guardananos. etc., etc.
O
CO

X
Nenhuma ma-
china Singer e legi-
tima se nao levar
g esta marca fixa no
jg braco da machina.
Para eyitar falsi-
fi canoes notem-ae
bem todososdeta-
Ibes fit majrcA.
o
{Hit
Rua da Imperatriz n. 72
DE
Lourenco ftreira Mendes GuimaratA^
Declara aos sous fregueres que tern resolvi'o fazer
fim do corrente anno.
A SABER :
uma grange liquida^Io, itXi o
CAMBRAIAS BRANCAS A 39000^ i
. Vende-se pecas de cambraia branca, tapa-
da e trausparente, a 39, 3fio00, 49000 e
5$600.
LASINHASA200RS.
Vende-so Iasinbas para vestidos, a200,
820 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A640RS.
Vendo-se alpacasde cdres com listras a 640
e 800 rs. o covado.
GRANADINEA800RS.
Yende-se granadine preta com listras de
cores, para vestidos, a 800 rs.
vadu.
POUPELLNA JAPONt'ZAA 1800.
Yende-se uma fazenda nova com lisias, j
com o nomc de poupelina japoneza, propria
para vestidos de senhoras, a 15JS00 o co-,
vado. Todas estas fazendas sao vendidas no
Bazar Nacional, d rua da Imper iiriz n. 72. i
CORTES DE CASSA A 25 0, ,
'Vende-se Writ's de cassa para vestidos,
CCim 10 ..ovados, a 2JJ500.
Ditos de palba, a 2*. 39000 e 49000.
Ditos de massa, a 49000.
PERFLMARIAS EM LIQLIDACAO.
Vende-se sabonetes de diversos tamanhos.
a 120, 200 e 240 e 320 rs., todo bom.
Frasco dc banha, a 160, 320 e *00 rs.
Frascos com aguadecolonia, a 2'.'i e ISO
rs. cada um. E outros muitos extracto?
se vende muito barato para liquidar.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toaihas felpudas, a 800 rs. cada
uma. Lencos brancos, a 29000 a duzi;.,
0 co- j 39000 abainbados, fazenda que ven
Ipor 59000.
GUAVATAS l'RETAS A 500 RS.
Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Mai;
tasde cores a 200 rs.
Cbapeos para baptisades de nif-niii:>s, a
39000.
BENGALAS F. CHICOTES A 800 RS.
Vende-se bengalas e chicotcs, a 800 rs.
cada uma, para liquidar.
CHITAS LARGAS A 240 Rs.
6
A dinheiro e a prazo!
A contento
das Exmas. familias
\~
Sao maisjbar8tas.
Sao dp dons pospontos.
\ i* o simples.
Sao mpMf.
' SSi du"
L,..
de in.ho. lizas e
Sao de dous pospontos.
Abainbam.
Franzem
Pregam tran^as.
Ma ream pregas
Bordam de Unha do seda.
Alcolcboam.
Tregam cordoes.
UNICA AG-ENCIA
EM
A CASA AMERICANA
& RUA DO 1MPERAD0K ,45
1?
SALSAPARRILHA AYER.
ficlencla medlca apreeenta aflte reme-
gegnro que clla conhece para o Cm
aeaefado.
Alem da raiz da Salsaparrilha clla t eompoita daspri*
cjpoct if attancia* mtdicifiaa am a eiptritncia Um dtmof
trado sercm a* melherts que fornete a natureza e que a
arte Um deteoberto para exlirpar do migue *wftumoK#,
fteoi vieiot e corruptoei gue lio agermen de tanla moUttia.
Lego que a SAtsAPAKRiLKA Ateb haja pepetrado no
ryWema, comefa eotSo a'ebra dc rtabeleclraeoto.
< NIo t n'um memento ncm em um dia
qn a nioleiUa desapparece.
Pouco a ponco, degrao aobre degrao,
o tangne to* readquirindo ua anreca, o
ml vae qedendo e .a saude, o vigor a
roboatez, apparecem!
Medicos de alta reputacSo coneordam
w> valor e ntffldade d'eete toerttoaralTemedlo.
Todes os dias appaiecem dotm projae dasaas vlrtudos.
Todoa og dias aqgmenta o coosumo.
O pOTo todo, Intelligente o.observador vl n'eUe tun meio
fidadigno de llTrar-ae das mas prlnolpaee doeneas e da
Mttaomr ana lande por on*guuita tornar mala alegTe
ma exlstecoia e mais daradoqra a toa vida.
tin EipeciJIco contra grande parle d' euat doencal
chronicas, Ithoumatismo, molestlas eutanems, efc,
i* aflo cautadat pela In/uftw v**rea, on mtUa ou her-

^l/,-' A raalor parte da* moleetia*
chronicas, e mesmo das oubas da
que soffra o poro, ae originem
n'uai ettado doerrtlo e morbido
do sangae.
Logo que cste alimento da vida
n&o csUver puro e oa qae se
achai caegado com a tofi.'c?''0 a syphilis (talvex ja de
annos paseadoe), a molestla Bk de apparecer sob uma ou
atra lonna e apresantando diflerv'"**8 yotwnaa,
Engenlio ^ venda.
Vende-se o engenho Paraizo, sito na ilha de
Iiamaraca, e levantado ha ponco tempo em terras
da s'tio Soccorro. Acha-se o referido engenho
moente e corrente e 6 a vapor, sesdo o respectivo
terreno assis productivo de caona, mandioca, mi-
Iho, faijlo etc. AWm dos terrenos de plantacao,
ha uma boa solta para gado, mnitas arvores frue-
tiferas, inclusive coqueiros e oplimos lugares para
grandes viveiros. A siluacao da caea de vivenda
i agradavel, e o clima e passadio da ilh^ da Ita-'
maraca sao muito apreeiavefs, alem de outras
vantagens que com a vista melhor conhecera o
comprador, dirigindose ao referido engenho, ou
informando-se na rua do Atalho n. fi. freguezia
da Boa vista, junto a caisa d'agua.
200
rs~
GRANDE NOVMDE
A rui do l're*|io n. 20
Loja das 3 portas
LAZINHAS
Chegon esta farenda, com padroes inteiramente
novos, e que se vende pelo diroinuio nrejo de 200
rs. o covado : jslo.por ter grande quantidade.
SO' NA RUA DO CRESF0 N. 20 '
I-oja de
Giuilhernae & C.; junto a loja
da esquina
FABAJM) FOB
Dr. J. C. ATEB & C*-, LoweZU M8-
Estados TJnidoB,
l.dhimHn ~rK(f f Analytic**,
CALCADO
eslrangeiro.
Paris n'America, a ruaDu-
que de Caxias n. 59
primeiro andar, acaba de receber um completo
sortimento de calcados estrangeiros para homcra e
seoiiora, vindo entre elles um lindo sortimento de
elegantes cbiquitos, sapatiobos e botinas para
crian$as, que tudo vende por precos razoaveis.
Gaz a 5 $6 00
a lata, do melhor que vem a este mercado, da
a rca de Henry Korster & C, com a quantidade
cnmpleta do liqui to: nos arm2*ens do Joie Do-
mingues do Carmo e Silva, a rua da Madre de
Dens n, 10,* e ma do Amorim n. 41,
i Port i?ouquet. Xfm belle sortimento de madre-
perola, liiarnm, 8sso e dourados por barato preco.
rcrfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
j pro vida, nto so em extraetos, como em oleos e
banhas dos melhores odores, doe mais afamados
A' raa do Caliuga n. if A. Iabrieap'.es, Lgubin, Piyer, ^Bociedade Hygjetlica,
Os proprietaries da Predilecta, ,o intuilo dt [ Coudray, <3osnel e'luinel ; sao Sadrfspensaveis pare
conservar o bom conceito que teem merecido Ac' a festa."
respeitavel publico, distinguindo o gen estabeleci-' Saias bordadas para senbora, jior commodo
mento dos mais que negociam no meemo genera, -preco.
veem scientificar aos seus bons freguezes que pre- i Sapatintps de la e , veniram aos seus correspondentes-nasdiversaspar-: tisados.
cas d'Europa para lhes enviarem por todes os pa-' Tapetes. Recebeu a Predilecta cm bonito sorti-
quetes os objectos dc luxo e bom gosto, que 6e- mento de uiversos tamanbos, tante para sofa co-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elaganie; :no para epirada de saias.
daqaelles paixes, visto aproximar se o tempo de' Vestimentas'para, baptisado o que ha de melhor
festa, em que o hello sexo desta linda Veneia gosto e osmals modernosjecebeu a Predilecta
mais ostenta a.riqueza dc suas tolllottes ; e co-! de or ar.to preco, para hear ao alcance
mo ja recebessem pelo paquete francez diverso qaalquer tolsa. ''
artjgos da ultima moda, veem patentear algnas' ,:Rt15i i\n Pahno-^ n 1
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,! rr-"W*> S*y jVr'V.U_>*
esperando do reapeitavel publico a costumada'
conourrencia.
Aderecos de tarl&ruga os nuis lindos que :c.i '
vindo ao mercado.
Albuns com -:-"" ~j.-i -. ^-
velludo, seudo
os.
Adere^os eompletos de borracha prcprios para f pecialidade ao bello eexo a virem apreciar os ae
Icto, tambem se vendem meios aderecos muito bo- euintes artigos expostos a venda e todos por precos
nitos. j commodos^como .sejant:
Botoes de setim preto e de cores para ornato d<' .WAS BONECAS majwas e choronas.
Vende-se chiias francezas, largas, de c6res
Bus, a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
.Vauc.
CASSAS DE CORES A 260RS.
Vende-se cassas francezas final de cores,,
a 260, 320 e 400 rs. o covado.
SAIAS A 29000.
Vende-se saias brancas com barras de co-
res, a&SOOO.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chitas para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA HOMENS A GJOOO A DLZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para 16#000.
homens, a 69000 a duzia, a qual val! Ditos ditos pretos,
8J?000. 89000.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la, a 800 rs. cada
um.
CHITAS UNAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de campo largo, fa-
xenda muito boa, a 400 rs. o covado.
CHALES DE MERINO' A 2*000.
Vende-se chales de merind estampados, a
29, 39, 49000 e 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000.
BRINS KM CORTES A 19500
Vepde-se cortes de brim de cdres e pardo,
a 19500, para liquidar.
COBERTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertas de chita, a 19600 e
29000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou
pa de homens e meninos, a 400 rs. o c^a~
GRANDE LIQLIDACAO DE ROLPA FE1T.I
Vende-se ceroulas de algodao, a lO00.
Ditas de iiuho, a 19600 e 22000.
Camisas de chitas finas, a 1*600.
Ditas tie peito de cores, a !MOa
Ditas brancas finas, a 29000, 390CO e
49000.
Cal e 29500.
Ditas de easemira de cores c preta, I 59,
69, 79"00 e 89000.
Palit6tsde alpacas de cores, a 29500
Ditos pretos, a 39000 c 39500.
Ditos dc easemira de cores, a 4C
a 59000, C?'
Colletes de easemira de cores, a 29, 39
49000.
Camisas de Amelia, de cores, a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pecas de algodao, a 49, i-3
69000.
CASEMIRA DE COR A 2-T500.
Vende-se easemira de ceres, a 29"00
covado.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pects de madapolao f-nff-stidr.
a 39000.
Dito inglez, a ',9500, 59, 69 e 7900C c
pe$a.
do, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 29000.
Vende-secolxas de cores para cama, a 29,
e49000.
TRANSPARENTES PARA CADEIRAS A
19500.
Vende-se transparentes para cadeiras, a
19500, para liquidar.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets de seda para homens, a
500 rs.
CHAPEOS A 29500.
BOTINAS A 49500.
Vende-se botinas para svnhora e mv
j. 49500, 59 e 69000.
^ -5fkTae?^a!sa29000.
Sapatos de tapete> Ditos de tranca, a 19800'e 2-90
BRAMANTE A 19600,
Vende-se bramante com 10 paimo
largura, para lenctics, a 19600 c 295 J
metro. E outras muitas fazendas propria
do mercado, que se vende sem resern, dr
preco, para liquidar ate o fim dj corrente
anno, por isso convem aos compradore* sor-
tirem-se de fazendas baratas, para a preser-
Vende-se chapeos de castor para nreninos te festa que esti na porta, & rua da Imperatriz
e homens, a 29500 e 39000. In. 72. Baznr Nacioual.
Attencao.
LLO BRANG
i

ricas capas de niadr
diversos tamanhoe e
en
b;
erola e de
aTatos pre-
A !?ova Esperanca. a rua Dugnede Caxias n: 63,
apressa-se e'ra coBvidar a'sens fregaezeS, com es-
tambem tem para collete
Vi nde se
pu'ra sam ellas
doas escravas com
na rua de Hortas n.
vestidos de senhora
palitot.
Bolsas para senhoras, existe nm bello scrtimen-
to de seda, de palha, do chagrim, etc., ete., -por
barato preco.
Boneeas de todos os tamanhos,.(ante de louca
como de cAra, de borracha e de' massa ; cham'a-
mos a attepcao das Exmas. Sris. para este artigo,
pois as vezes toraam-eeas criancas um pouco im-
pertinentea por falta de um objeeto qpe as en-
tretenbam.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroula* de linho e de algoaac.de diversos pre-
cos.
Caixinhas com musica, o que ha de mais Undo,
com disticos pas tampas e proprios para preset)-
tes.
Coques os mais modernos e de diversos fprma
toa.
Chapeos para senhora. Bflceberam um sortimento
da pltima moda, tanlo para senhora, como para
meninas.
Cappllas simples e com v$o para noivas.
Calgas bordadas para meninas.
Bnlremeios estampados e borqadps, de lindo*
desenhos.
' Escovas electricas para denies, tem a proprie-
dade de evHar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, exiate um
grande sorMniento de diyercaa largpras" e barato
preco.
Frlas de sarja, de gorgurao, de setim e de ch-
malote, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Flores artificiaes. A Predilecta prima e,m con-
servar sempre nm bello e grande sortimento des-
tas floies, nao s6 para enfeite dos cbellos, como
tambem para ornato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de 13 e de seda, brancos, pre
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para- senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, ccm capas de madre-
perola, marflm, 6s bom.
habilidades J Pentes de tartaruga e marflm para alisar c-t ca-
bellos; teem tambem para tirar caspas.
'BONITAS E ENORA^ADAS vistas parasterios^
copios.
OOMMODAS LATAS para guardar dia.
.BLEGANTES, BOLSAS para senhoras, e meninas.
BONITOS VASOS com flna bahha e cheh-osos
extractos, trazendo cada frasco um nome, uma ini-
eial ou nm distfeo. >
FINAS MEIAS D SEDA, vindo entre ellas cor
de oarne.
fm pan goslat.
A' Nova Esperanca a rua Duqne de Caxias n.
63, acaba de receber tentos e caixas paraodogode
Voltarette.
tm mm s< ITre das jjercras.
A Nova Esperanca, a rtia bugue ^de Caxias n.
63, acaba de .receber as procuradas meias de bor-
racha para quern soffre das pernas. ,
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de rtceber um lindo e completo sorti-
meelo de flonw artificiaes das melhores que ten)
tindo ao mercadp
A ellas antes que se acahem.
Costumes para cri*n A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
68, acaba de receber hpuUQs.costuroes p^ara cri^nca
e esta se xepdend'oDor flnpeos razqayeis.
A N)va Esperarlca, a rfla' Duque de Caxias .
63, recebeu um pequeno sortimento de anneis e
pplseiras electricas, propriaspara quem soffre doa
nervos.
RUA DO RAKGEL N. 3
Armazens de seccos e molhaAlos
TEM PARA DISTINCTIVO DO ESTABELECIMENTO DM GALLO BRANCO, IMNTADO
PARA ALGDMA PESSOA QUE IGNORE A LEITURA.
Rodrigues & Pires, regressados em Permmbuco, cidade do Recife, succcssores i
armazem do Gallo, a rua do Algibeves, em Lisboa, omais afaraado e conhecido MMH
naquella cidade, capricham sempre em ter generosde primeira qualidade, dos qu^ d:
aos seus nnmerosos freguezes um conhecimento mais prolcngado oa relacao abaix i de?
cripta :
0 que 6 bom e caro
Palavra bemdita que nunca faltou.
ChA perola fino, a 59000 a libra. CamarOes seccos, a 50O rs. a libra.
Ditomiudinho super-fino, a 49000 a li-] Queijos frescos empellicados, pm
bra. modo.
Dito popular, flno,, a 39000 a libra. Cascasde edeo para lavar asa, a .0
Manteiga ingleza fior. em barril a 19600. 120 rs.
Djta ditaflna, em latas, a 19500. Farinlia lina de Muribeca.
Wta, dita, dita e dita, a 19400. Vassouras de piassava para servico inter-
Azeite de peixe baleia, a 640 rs a garra- no, a 240 rs.
fa- Ditas grandes a 500 rs
Dito de coco, fino, ,'a 800 rs. a garrafa.
Dito doce e carrapato.
Aguardentedo caldo da canna, feita de
encommenda, a 500 rs. a garrafa.
Dita popular, a 320 e 240 rs. a garrafa.
Dita branca, a 200 rs. a garrafa.
Massas para sdpa de todas as qualida
des
Vinho tinto e branco, supcrioro?, > ngar-
rafados e em pipas. E outros artigos quo Mr<:
enfadonho annumerar, em secco e mc-
lhados, por ser extenso.
Os vrda Yinhos^de Bourgogne
tnarcas
i
Chaptos para sonliora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeos para senhora, ultima moda e
vende por preco commodo.
Ghambertin
Pommard
Virits
Volnay .
Beanut
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Vefi4c-se por feaftlo prc^d
PARA LIQL'IDACAO DE CONTAS
NA
Baa Larga do Rosarlo 34.
Rotica.
Bazar Victoria.
Amara! Nabuco oj C, vendem elenantes Sgons
de bronze e de porcelana, iarros e porta cartJt:
de porcelana, espelhos, atoalhado branco e de co"
res, de linho e de algodao, guardananos de Ki
grandes e peauenos, e outros muitos artigos ce-
cessarios e proprios para decoro de uma ra;a :
Bazar Victoria, a rua do Barao da VfctoHa n. S
I
Ciinento
Vende se na rua da Madre de Deos n. 3i,
menor pre^o possivel, o verdadeiro cimento for
(land, vindo pelo ultimo vapor inglez, de carga,
pelo
Por-
Vende-se
pes de parreiras, abacate, sapotis, romeiras, fi-
gueiras, fructa-pio, rozeiras, dhalias e outras flo-
: na Boa-Vista, rua do
101, outr'ora Mondego
res, por preco commodo
Visconde de Goyanna n.
Bandej
as.
Amaral Nabu;o & C., vendem baj:J ;- da eta-
rao de 12 a 30 pollegadas e de p'. """Iran
te ncvo e de metal, tambem bonit ; i I
diversos tamanhos: mo Bazar VTetwia t i
Barato que adrrpra.
Na loja das seis portas, em frei.;. '
to, contimia haver tin complet <
fazendas baratas, como sejam :
Cbitas malizadas a 240 rs. o covert
Ditas de oiMnhos a 240 rs o envsd
Ditas de coberta, medernas, a 28
Las de cores a 320 rs. o covado.
Tudo mais em proporcao, e u
fregoez podera avaliar
rt.
Lindas las esc
e de exeellentes vozes, a traUr na rua do Barao De vanos padroes, e inteirun
de S. Borja n. 29 ; na mesma casa teem para ven- 360 rs o covado : na rua Pi
der-se uma bda mobilia de jacaranda, com pouco annga do Cresp n. 13, loia da
WO e em perfeHo estado. tonio Correia^de Vasooncellos.

;




8
DBlSfaPDEWCIA~
Relatorlo
A RESPEITO DO NEGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
EX-COMMANDANTE EM CHEFE DO EXERCITO
00 RHENO.
AUDIENCIA DE 21 DC N0VEMBR0
(Conlinuacao)
P.~-Dizei o que sabeis sobro as commu-
nicacSes d'o^vornoda defeza em Metz ?
R.Emprogam^ to>Ios os nossos esfor-
50s ; mas dv-sgragadamente naV f: ossivel
communicar.
Testemunha. 0 conselho permitto-mo
accrescentar uma palavra? So mez de
de mai^ > via o Sr. de Bismark qu si
todos os dias. Tinha bem preseate as prt-
lavras do Sr. de Bismark, que me havia
fallado de Regnier como de um emissario
sem importancia, que tinha apparecido co-
mo um importuno.
a Tendes me engsnado disse cu. 0
Sr.de Bismark ndo oppoz nonhuma diffi-
euldade em o reconhecer. Eu aecrasceu-
tei: Era vosso ageoto, serviste-vos des-
se Regnier para apressar a capitulagdo de
MeU. Elle defendeu-se, mas como um
bomem que se nao quer expiicar. A pedi-
do do commissario do governo estabeleceu-
se uraa multa de 103 francos contra Re-
gnier que se nao apresentou, nem fez che-
gar ao conselho uenbuma dtsculpa va-
Diario de Pernlaqabuoo jr Sexta feira 6 d&Jiarcjd de 1874
a
chefe. Deste modo o primeiro pensamento Gambetta respondeu, que tend sabido da
do governo foi dirigir-se a esse exercito paca residencii do general em Bruxellas, o man-
Ibe fazer conhecer os acontecimentos que dou onvidar para ir a Tours. Peosei, dis-
se tinbam consumraado em 4 desetmbro. se elle, que o general, apezar da sua dedi-
Entio j4 nio restavam a Franca senio doui cagio e sentimento de reconheciraento pin
apoios; o apoio do exercito de MeU, e o com certas pessoas, que o general, digo eu,
esforco dos novos exercitos qua o paiz ia continuant a ser um bom francez, um va-
cn-ar. lente sol iado, e sem Ibe fall r sen3o da
0 Sr. de Keratry, e o general Le Fid deleza nacional, convidei-o a ser dos nos-
mandaram pois despacbo3. Pela minha sos*
psrte, nao tinha, na minha qualidade de 0 general nio tinba conAangt; todavia
ministro do interior, senio fazer saber ao no fiiii da nossa conferencia, eslava menos
.narechal Baziine a mudanga que se tinha cdmraovido do qu no priocipio. Recusou
jnerado nogov- mo do paiz, e a te que de- commando do exercito do Loire, segundo
poutavMiiQ? t0',? Ba 5,ia valentia e no sou sua expressio pittoresca. a Tenho um
patrious;no'. Depois le 10 de oUtubM,'!Wocio raelhor, me respondeu elle, conhe-
qnando eu fi* paw a provincia, persist! uos jj> um bom golpe que se deve tentar do la-
meus esforcos par* entrar em relacoes com o do de Cangnan
marecbal gen-.-ral partio para Lille com plenos po-
Chegou nos a nolL-ia do cc-mbates dados'deres. Devo dizer, que o general excitava
e.n torno de Metz, e das perdas que as nos- US" certa desconAanga, contra a qual resol-
sas armas faziam soffrer ao inirofeo Ate reagir. Sena o facto d essa desconAanga
ao ultimo momento rccolhemos esses boa- u a sin falta de confianga que Azeram d el-
tosquenos sustentSvam na luta, e publi- ^ o mais brilbantedi^ioneiro do exercito
camol-os piedosamente. J governo dei^ncez? Apezar de tudo o general cum-
Toursencarregou to !os os prestos que se pTW valentemente 0 seui dever, e p6Je dizer-
dCbavam n 'is proximos de Metz, de man- ise fallando d'elle : Honra a coragem des-
liosa.
0 general Pourcet fez
das s guintes conclusdes :
Attendendo a qUe Jf.
depois a leitura
Jos bebatos resultou
uffie'ente prpsumpgS'), de que o Sr. Re-
gnier, em 18 "0, entreteve relagoes com 0
inimigo, que Ibe forneseu indica^des Sobre
o estado e os recursos do exercito francez,
e quo contribuio para se chegar a" capitu-
ia,iio da pr8ga de Metz ; por estes motivos,
requere:nos qua se sirva o conselho dar-nos
nota da reserva que fazemos de prosegnir;
se bouver lugar para isso, o dito Sr. Re-
gnier na conformidade dos artigos 205* e
296" do co ligo do precesso criminal.
0 conselho mandou lavrav nota destas
conclusOes.
0 Sr. CombUr, deputado, antigo enge-
nheiro em Metz, forneceu indica^des sobre
as obras que era necessario fazer ao resta-
beleci'iiento das pontes de Moselle. Na
sua opiniSo, n3u era possivel restabelecer a
ponte do caminho de ferro em tres dias,
como pretendeu uma testemunha ; podia se
fazer para a gento a p; masuao para trens
de caminho de ferro.
0 general de Fld.O meu primeiro cui-
dado, quando cheguei ao rainisterio da
guerra, foi pdr me em communicagJo com
n exercito de Metz.
0 general Le FIO enumercu os emissa-
rios que mandara ; foram muito numero-
scs. 0 ministerio da guerra por deferen
cia com a elevada situagSo do coramandan-
to do exercito do Rheno, dava is suas or-
dens uma forma conciliadora ; appellava
para- o seu patriotismo.
0 primeiro emissario que partio de Pa-
ris levava, independentemente de muitos
despacbos, uma carta da marechala Bazai-
ae. 0 general Le Fid que naoteve noticia dos
seus emissarios, e quei ignora se chegaram
ao seu destino, perguntou pnmjo, nmj;; o
marec^l oegar ter r^^jo os despachos,
darem emissarios encarregados de iofor-
mar o marechal Bazaine da situa^a.) inter-
na do paiz.
OSr. Tacbard, nosso ministro.na Belgica,
desempentiou se d'esta missao com uma de-
dica^a) sem limites, e teve a fortuna de. en-
contrar hom<.ns seguros que mandar ao
commaodante do exercito do Rheno, com a!
grac,ada.
Mr. Lachaud.O general Baurbaki, por
occasiao da sua chegada a Tours, n3o tallou
da necessi lade de um armisticio ?
Testemunha,Nio. Tiss 5 qae Metz se^nao
podia raanter por muito tempo. 0 general
nao tinba grande eoAan de confianca. Admira-me que Mr. Lacbaiid
missao de Ibe fazer saber que todos os pen-jnao tenha aproveitado a miaha wspoata,
Ju.'ut'hloS da Franc; i 4& tinham voltado para
o Iado da defeza. Porqued queess;s emis-
sanos nao chegaram? Nao me compete a
mim pronunciar-me sobre es.e ponto.
Alguns dias antes do tr3gico acontecimen-
t j que devia reduzir d ruina todas as nossas
dirigi ao general Bourbiki um
nao aceito as suas insinuates
Mr. Lachaud.Eu naofago nenhuma in-
sinuac^o ; quando chegar a occasiao de fa-
zer o meu discurso, a minha palavra ba de
Ser clara, e o Sr. Gambetta 3o poderd accu-
sar-me de fazer insinuicoes.
0 couselho ouvio depois moitas testemu-
nt conhecer a verdade ao marechal Bazai
. ?i^ce
^'recebeu a* carta da marechala.
dias de setembro, cabio
Foi recebido.
Nos priraeiros
um balao f6ra de Motez.
Levava seis mil cartas, e o governo da deteza
ikou muito admirado de que nao houvese
uma unica palavra do marechal, ou do ge-
neral Coflinieres. /
Presidente,-Chamai o depulado Gam-
betta 'movimento prolongado no audito-
OSr Gambetta. 0 que posso dizer ao
conselho relativamente As communicacoes
aue fomos forcados a estabelecer com Metz,
,,6de dividir-se em duas paries : I. o que
se fez em Paris ; 2.a, 0 que se fez na pro-
vincia pela delegacy do governo. Logo nos
primeiros dias encairegamos o perfeito de
uolicis de procurar homens, quer na poli-
cia, quer na popula^o, para serv.r de emis-
sarios, e para nos por em commun.cac.ao
com o exercito da Meu, que considerava-
mos comoo maior dos recursos que ficavam
a* Franca invadida.
S*biamos que era um exercito corajoso,
solido, patriotico, um dos mais poderosos
ue a Franca tern possuido, e tinha roscon-
lianca nos talentos do seu commandante em
ne. Alguns dias depois, oSr. Tissot, por
um despacho de Londros, ao qual o tribu-
nal podera" referir-se, informou-nos sobre o
que se tinha passado em Metz, e sobre as
machinates, em virtude das quaes a Fran-
ca tinha perdidooseu melhor pxercito.
Censuraram-nos a proclamacao pela qual
annuncidmos d Framja a capitulagao de
Metz. Aquella proclamajao/e n8o creio
que mere^a adesapprovagao de nenhum dos
meus collegas, foi um acto de estado, um
acto de governo ; era indispensavel; satisfa-
zia aos nossos sentimeutos d'entao, e sstis-
fazia a minha conviccdo actual.
Protesto contra toda a interpretac8o que
tenda a fazel-a considerar como um atten-
tado ao respeito do exercito pela discipli-
na. Nao confundimos os valen-es, que, a
seu pezar, tinham sido, desviados da sua
missao, que era a defeza da patria com o seu
commandante.
P. Haveis fallado da proclama?3o do go-
verno da defeza. N'algumas informacdes
tendes v6s fundadd a vossa accusaQao ?
R.-Tinhamos" iuforraacoes de Londres
e de Bruxellas. Estavamos informados por
agentes, collocados no Luxemburgo, que
nos esclarecia m^^^Wto'^o^mirwafeR
tos djg^^oaTque entravam e sabia:
Metz.
Otliciaes fugidos de Metz, que vieram ot
ferecer-nos os seus servicos, Uvera-n diante
de si o trecbo da proclamacao, foram con-
vidados a dar a sua opinido, e nao a cnti-
caram. ...
Para me resumir as informacdes contidas
no despacho do Sr. Tissot eram oflficiaes,
nositivas, e nao deixavam a menor duvida
sobre a responsabilidade do commandante
do exercito de Metz, que, em vez de coraba-
ram na. lista dos emissarios. N4o entraram
em Metz, mas alguns eutregiram os seus
despachos, quer em Bruxellas-, quer em
Thionville, e e sabi lo que numewwos ngen
tes tomaram por aquelles pontosr e levarm
d'alli a Metz pacoies do despachost
AUDIE!*CA VK 22 DE NOVEMBRO.
Presidente.Mandat chamar o commao*-
dante Guioth.
OSr. Guioth.A 2i de setembrov fm en-
carregado de conduzir 3K postos avaiiQados
um soldado que tinha fugido de Sedan, o
qual tinha vindo offerecer os seus servicos ao
marechal Bazaine, e qoe havia chegado a
Metz no dia 15.
Segundn elle dizia, estava encarregado de
dous despachos ; um para e govern da. de-
feza naciooal, e autro- para o mareckal Ba-
zaine. Aquelle boroem era portador de urn
passe prussiano, com o auxilio do ^ial ti-
nha podido atrivessar as primeiras- linhas
prussianas, penetraodo nas vinhas, e conse
guindo chegsr ate onde nos estavamos.
O Sr. Moulins.Era soldado da exerci-
5a de poder passar. Pedi-lhe entlo que me
prot-urasse urn emissario em quern houvesse
conQan^a ; poz-me elle em relates com
um guarda Aorestal, que se encarregou de
levar. ao marechal Bazaine o despacho do
general Le Fid.
Depois de ter permanecido por quatro
dias em Longway, dirigi-me a Lemour,
ondetivea fortuna de saber pelosjirnaes
que os acontecimentos consignados no meu
despacho tinham chegado ao couhecimento
do marecbal Bizaine.
0 Sr. Migion, jornaleiro em Verdun.
Fui encarregado de muitas inissd'is, quando
o exercito de Chalons oporava o seu mo-
vimenhs.
A 18 de setembro fui mandado de Ver-
dun a Paris para levar um despacbo. Em
Paris a 22 ou 23, encarregou-me o minis-
tro da guerra do um despacho parao ma
rechal Bazaine ; mis nio consegui atraves- j
sar as linhas prussianas.
Pr sidenle. -Chamai a testemunha Don
zella.
0 uuritimo DouzeUa. nascido em Ajac
cio.A 17 de setombro de 1870, fui cha-
mado a prefoitura de policia, onde se pe-
diara homens que soubess-iin nadar. Par-
ti a 1J com um despacho pira o marecbal
Bazaine. Cheguei a Thionville passando
polo Luxemburgo. 0 coronel Turnier, que
estava "0 cafe francez, no momento em quo
cheguoi, r.:!eve-ma por espae,o de trei dias.
Pedi-lhe para mo procurar um guia que me
conduzisse margem do Moselle, e como
sabia nadar bem, teriapolido, seguiado o
curso das aguas, ir ate Metz.
0 coronel Turnier disse-mo Cjoe seria io
matar-ise, e aconselhou me a procurar eu
mesmo um gi.ia. Jolguei conveuiente re
plicar-llie que se eu me matassc, era ne^o-
cio quo me dizia respeito j ndo quiz con-
sents em me facilitar a minha commissao.
Disae me ap?nas : feobu alii um despa-
cho- ch-gado de Metz pelo batao ; ides le-
va-la- ao goveniov e etv me encarrego de
mandvir o seu despffebo ao marecbal' Bazai-
ne por homens do confiance qn sabem o
allemau. Castou-me a conformar-mo
com isto, mis era n-jcessario obedecerV
Quando quiz voltar para Paris, riuham na
os prussianos inv9tido. Dirigi-me a Tours,
M como nao conhecia o ministro da guerra,
ique era oSr. Gamftotta, fui procurar o mi-
jnMroda marinha. o ahnir.aie Fourrichon,
e entregues-lhe o- despacho do coronel Tur-
nier.
Deram-me tres dias-para descangar, e de-
pois perguntaram-me- se qwria yottar (a
Thionville ; consenti. mas tivR muita diffii-
caidade em ohegar, per isso qae Thiorivil-
le estava iuvestido ; fai obrigado a dfisftr-
Qar-me em negociante d'ossos, 8 assioi pas-
sei- pelo meie-dos postos prusswuos. /
0-corouel Turnier; rocebeu despaaho
que eu levava para el i e erarregju-me
de dizer muitta^otiias sua farailia, Qae-
ridai--ine uiaa carta. ma* recusei receie-
cimentd da via, pelo receio deter.a sua
povoa<;io queimada. Os prussianos ti-
to de Sedan. Refugiei-rae em MeU. Era. por^ ^ dizen-lo : Quero antes entarregar-me
ter, neaociava com o inimigo.
0 aeneral Pourcet. Tratou n um jornal
dealgumas cartas escriptasdo captiveiro por
um general ? .
R Sim, essa carta foi escripta pelo ge-
neral Frossard. 0 jornal de que fallais nao
publicou senio extractos ; nao possui e
carta, mas vi-a.
0 destinatario 6 meu conhecido, e poue-
rei apresentar essa carta ao conselho, se
como testemunho do que digo o deseja.
Foi dirigida pelo general Frossard, por oilt-
ciaes francezes, em resposta a um protesto
tador de um passe prussiano, que t^liaH&l-
can$ado por subterfugio. ^^
Offereci-me paaa sahir f&MTae Mete, a le-
var despachos. 0 maysfchal entregou-rae
tnra^s^hTp^W-o^eneral Trochuv e uma
carta para a marechila. Quasi a ponto de
I entrar em Paris, fui preso pelos prussianos,
e encarcerado ; eotdo destrui o despacho e a
carta. .
Presidente.Fazei chamar o capuao La-
ferl6- ...
0 Sr. Laferti, capitaodo estado maior
Na ultima semana do mez de outubro, rece-
bi uma carta em que se me dizia que a
marechala Bazaine estava em um convento
em Tours. Preveni d'isso immediatamente
o marechal.
Presidents. Chamai a testemuoua Ja-
cob.
0 Sr. Jacob. Sou lorenez, nascido em
Metz. Quando soube que o meu paiz natal
estava invadido pelo exercito allemSo, to-
mei a re olucdo de me aproximar, e fui pro-
curar o geoeral Le Fid, a quem offereci os
meus services, para o caso em que houvesse
necessidade do mandar algum despacho ao
marechal Bazaine. .
0 general fez-me observar que na minha
idade ia emprehender uma viagem penosa ;
tinha 70 annos. Todavia julguei dever

tituloLe Dra-
<;oes
cava em Londres com o
peau. .,
Convidadoa dar esclareeimento a respeito
da sua intrevista com o general Bourbaki,
FOLHETIM.
LUCSEC1A 30SJI*
MQIOIIIIS OE SMMZ
POR
|>. Uuuoel Fernandez y Gonaalez
no, e parti a 15 de setembro.
Chegado a Longway s)ube pelo comman-
dante Massaroli, que nao podia ter esperan-
de noticias verbaes, mas nao quero expor-
me a fazer me- fuzilar pelos prussianos uoi-
camentepara dizer a vossa fiwnilia como
esteis. VoRei a Tours pelo Luxembur-
go, e desempenhei fieknente a missao que
tinha aceitado. Isso nao impedio que eu
continuasse a laments? quo o -joroncl Tur
nier nao tivesse quertdo deixar-me a ir a
MeU, porque teria certameate ch-gado
aUi. -
Depois deste depoimento, que deixou na
mtlhor dispasiQao os- memhros do conse-
lho, o marilimo Donzella foi fehcitaJo
pelo presidente. Retirou-se dandinando so
e torcendo o bigoie, unico meio que tinha
ao seu alcance para dissimular o embara-
qo que Ibe causava a atter^ao sympathica
que todos Ihe dirigiam
0 intenAenh Richard.Trabalbei no
provisionamento do exercito, e conduzi
trens consideraveis entre Montmedy e Cbar-
leville, proximo de Sedan. 0 governo da
defeza nacional mandou me chamar e deu-
mo a missao de armazenar provisoes em
Longway o Tbionvilla. Dirigi-me a Bru-
xellas com o meu secretario e um official
da administracao; com o auxilio do Sr
Taschard e de outras pessoas dedicadas,
pude fazer passar os trens de viveres ate
Longway.
Por Thionville, era mais difficil ; teria
sido lecessario escapar d vigilancia dos es
piOes, e lutar contra a resisteneia do mai-
red'Etinge, na estaQdo mais proxima do
Thionville, quo se oppuuha ao restabele-
nham-o'a ame-^ado de lhe lancar fogo, se
elle deixasse restabelecer a via.
A testemunha enumerou as difficuldades
3ue tiveram de veneer ; Analmente os trens
e mantimentos chegaram ao aeu destino.
Concluida a opera5io> aecrescentou a teste-
munha, mandei para MeU alguns marinhei-
ros que o Sr. d* Keratry tinba posto 4 mi-
nha disposigao. Estes raarinheiros tinham
a missdo de informar o marechal Bazaine
de jue, se o seu exercito sahisse de MeU, en-
conlrana no caminho com que se muni-
ciar.
Presidente.Fazei cbamar o coronel
Massarolli.
0 Sr. Massarolli.Depois da declaragdo
de guerra, cbamaram todas as tropas da
guarnigdo de Longway, e fui eu o unico
que Aqudi sd com os recursos que me offe-
recia a populacdo. Devo dizer qoe encon-
trei, nSo sd na cidade. mas tambem nos
campos, um concurs muito activo.
0 coronel Massarolli emprehendeu 0 seu
proprio elogio com til prolixidade, quo o
presi'ente se vio obrigado lembrar-lhe o
assumpto, isto d, as commUnrcaQdes que el-
le tinha pod do estabeleee-, ou com Mete,
ou com o governo da defeza national.
A testemunha.^Desde 23 de- setembro
ate ao Am de outubro, Az tudo quanto pu-
de para mandar emis;ariosao marechal Ba-
zaine, e para lhe fazer saber qua estavam
viveres preparadosem Longway, e na linha
para o exercito do Rheno, mas nao me
consta quo um unico ehegasse ao seu des
lino.
P. Vistas o St. Jacob a sua passagem
em Longway^ e entregou-vos ello alguma
mensagem ?
R.Creio que sim, mas isso nao teve re-
sultados.
0 Sr. Watry, empregido-das alfande-
gas.Tive a honra de fazer acettar os meus
servicos pelo intendente Richard.
A testemunha fez a uarracdo da remessa
dos viveres que entraram em Thionville, ej
confinr.ou em todos os pontos o depoimen-
to do St. Richard.
Presidente. Maodai chamar a testemu-
nha Quatre-boeuf.
O quartel-mestre Quatre boeuf foi en-
carregado pelo Sr. de Keratry, ao mesmo
tempo que Donzella, de uma ^missao ver-
bal para o marechal Bazaine.
Chegado a Longway* no mezde setembro,
empreguei todos os esforcos para fazer sa-
ber ao general em chefe do exercito do
Rheno, que cm Longway o esperavam con
sideraveis provimentos, mas nada- conse
gt-i.
Depois desta, muitas outras testetnunhas
coropareceram perante. o conselho ;.em ge-
ral babitantes da Lorena, como erara-Ham-
bert, Camuss Mulher, os quaes n3o conse-
guiram penetrar em Metz. Fez-se a leitu-
ra do depoimento de um emissario que
morrera, CaLrmon, o qual tambem nao pd-
de alii entrar.
Emfim o conselho ouvi um emissario
mais feliz do que os outros, Risse um bo-
mem raogo, com ar in'.elligente, que atra-
vessou as linhas, e entrou em MeU no dia
25 ou 26 de setembro
Entreguci ao marechal o despacho que
mo tinha confiado o coronel Turnier. O
marechal deu-me dei fraocos, dizenio-me :
a Seaacousas correrem bem, sereis hem
sem pre de outro' trajo.
A audieocia foi interrompida is daas bo-
ras e meia.
0 trajo da marecbal foi objecto de todas
as conversagdes ; dava se mais credito m
anirmaiivas de Risse, da qua ao trajo do
marecbal.
Presidente. Mandai chamar o coronel
Turnier.
0 coronel Turnier. Ho dia 2i recebi
aviso do consul francez no Luxemburgo de
que ia ser expedido para Thionville um
comboio de viveres consideravel. Mandat
8(?0 homens para proteger os trabalhado-
res do caminho de ferro, e no dia seguinte
recebemos um comboio de mais de tree
milbdes de ragdes. Expedi para o mare-
cbal Bazaine um certo numero de emissa-
rios, que ndo vol'aram, e conclui qae al-
guns tinham chegado a Metz. Tenho uau
ide*a vaga de que o St. Risse, um joveo da
guarda move!, fazia parto desses omissarios^
Se elle o di-se, di-veser verdade.
P.Lombra.-vos de haver recebido uma
mens3gem do general Le Fid, trazida por
um marinheiro ?
R.Sim. mas ease ma'inheiro uao linha
sffuao oma idea vaga da situdgdo de MeU.
Fallava de atravessar o Moselle a nadb-
Naojuiguei dever prestar-me a essa empre-
za, que ea considerava como imprati-
cavel.
P.0 official inferior Calarmon, cujo
depoimento acba de ser lido,- declarou que
o seu despacho, que Ihe havieis recommen-
dado com reserva, tinha marcas nos qua-
trp pontos priucipaes. Julgais qoe as car-
tas de qoe havieis feito entrega aos outros
emissarios, e especialmente d testemunha
Risse, continham as tnesmas indieagdes ?
R.E' provavd.
0 general Powrcet.A testemunha Don-
zelle disse que o havieis encarregado de le-
var a Tours um despacho do marecbal Ba-
zaine chegado pelo balao T Lembrai-?os
desse despacho, e podeis dizer qual era o
seu cooteu'k)'?
R.Lembro me muito bem de ter entre-
gado a Donzella uma earta, m-s-era respos-
ta a umas-proposlas qae me tinham feito,
creio isto- pelo menos^ porque nio recebi
por qualquer outra via neahum despacho
do exercito do Rheno.
A testemunha Donzella foi novamaute
ehamada.
0 general Pourcet.rSusteoUis-que ha-
vieis levado a Tours so al.nirante Fourri-
ehon um despacho da Metz, chegado no
balao ?
R. Nao o posso affirmar, mas declara
que o coronel Turnier me dissu, quando me
entregou o despacho e me encarregou da o
levar aos mambros do govern da defeza
nacional: <* E' um despacho qua acaba
de cabir do balao.
recompensado.. Fiq.uei en Motz, e alis-
tei-me uo. 4* de linha.
O marechal Bazaine.Nao me lombro
de ter visto esse bomem. Como eslava eu
vestido ?
R.Tinheis uma especie de tunica, mas
u3o as dragonas.
O marechal- Bazaine.QuMt vos entre-
gou'os dez francos T
r.Fostes vds, senhor.
Mr. Laehaud. Como atravessou a tes-
temunha os postos avangados francezes 1
r.Fui preso por um sargento, que me
fez conduzir por um soldado.
Nao ha a menor duvida sebre a veracida-
de des a testemunha. Risse era guarda mo-
vel em Thionville, e alistou-se no exercito
de Metz A testemunha marcou a data da
sua sahida de Thionville, e da sua entrada
om MeU.
0 marecbal respondeu que nao podia ter
dado dez francos, porque uunca trazia di-
nheiro comsigo. A testemunha engana-
se, aecrescentou elle, quando disse que eu
tinha uma especie de tunica, quando usava
QliARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
VI t
BM OUE M1CHEL0TT0 ACA.B.V DE INVOLVER NO
MYSTERIO A 1NTR1GA DE LUCRECIA.
CContinuagdo do n. 52. )
Na torre grande, disse Micbelotto,
havia, segando me disseram, um aposeuto
mui rise eluxuosamente mobiliado ; a esse
aposento correspondem dous gabinetes, que
sao duas pequenas torres. Vieram aqui
algumas vezes as grds-duquezas e passaram
algum tempo no caslelh.
W verdade, r*-plicou o capitao _KS-
u-.lpho ; a torre grande di sobre o no, e
das suas janellas goza-se uma vista esplen-
di la ; mas se aqui veio alguma das gras-
duquezas, nao foi nunca por sua vontade,
mas ou porque andavam revoltados os ci-
dadaos de Ferrara, e tiveram medo, ou
porque o grd-duque (eve por convenien-
te encerra-las durante algum tempo. Tan-
tD assim e, que as janellas estio re-
vestidas pela prte eiterior de uma grade
de ferro, e os ga metes, um dos quaes i o
quarto de dormir, e o outro o toucador,
teem i a mesma grade. Alem disso, na ante ca-
mara ha dous quartos para aias, e a es-
tada que e aberta na parede, tem portas de
ferro.
Maguificol disso Miche-lotto, con-
vera-mo a sala e a torro grande. Man Je
immediatamento limp.ir o pd dos moyei^,
porquo quero ter tudo prompto dentro
deduas Doras. Alem disso, necessito ta -
bem U' reni-nt rn ntH umi dmn e que, por uma
boa recompensa, c msinta em viver
como
muito
som-
Dr a mais ninguem do que a sua ama e a
mim.
Tonetta, a Alha do guarda, e uma
excellente rapariga, replicou o capitao Ro-
dolpho, e convir-lhe-ha talvez esse servigo
se a recoapensarem bem ; ha, porem, qua
veneer os escrupulos do pai. E' verdade
que 6" pobre, e uma boa paga bra com que
feche os olhos a toda e qualquer supposi-
gao ; porque, emAm, no castello de Cento
nao ha senio homens.
Arranje esse negocio, custe o qae
custar, e faga todo o possivel para que
essa rapariga esteja aqui dentro de duas ho-
ras. .
Tres boras depois, Michelotto batis
porta do aposento de Genebra, que
ndo era madrugadora, e se deitara
tarde, estava entrogue amda ao
no.
AAnal respondeu.
Vista-se e ponha a mascara, o chapeo
e o manto, disse Michelotto ; vai raudar de
aposento, para estar alojada como uma
rainha.
Meia hora depois, a pobre joven via com
ceno contentamento o esplendor dos apo-
seutos para onde Michelotto a mudara e a
sua esperanga cresceu, como sempre succe-
de aos presos quando se veem mais bem tra-
tados. .
Umaboniu rapariga, morena.de ca-
bell-)S pretos, vestida com o pittoresco
traio das al leas dos campos de Ferrara,
foi apresentada a Genebra por Miche-
lotto. ,. H
Chama-se Tonetu, disse aquelle, e
estd destinada para o seu >ervico.
0' que formosa raeuma exclamou
T netu olh.ndo com assombro para Gene-
bra. ,
Uesde aquelle dia, apezar de estar isolada
de todo o mundo, Genebra foi tralada como
uma rainha.
A' ooite, Michelott. levava-a para os cam*
sava algumas boras da noite sentado de-
fronte de Genebra, ao Iado da chaining go-
thica de marmore do aposento, em que ar-
dia um fogo vivo.
Tonetta, sentada n'um coxim entre os
dous, costurava.
Michelotto que era bomem do mundo, e
de muito boa cenversagio, contava aventu-
ras interessantes a Genebra, ou est
algum canto do Dante.
Genebra nao pedira nunca os cantos
publicados do Orlando, de Ariosto; ver-
dade era que os sabia de cdr, mas nem
os recitava, nem Michelotto ouvira nunca
nos labios da joven o nome de Arios-
to. .
Era uma fria e tempestuosa noite do mez
de novembro.
Contava Michelotto a Genebra a aventu-
ra maravithosa de um cavalleiro andante,
quando por entre os mugidos do vento se
ouvio por tres vezes o som de uma trom-
beta. ,
Sim, 6 isso,. disse Michelotto levan-
0 coronel Turnier,Affirm qoe nao
recebemos- nenbuma carta particular do
commandante do exercito do Rbeoo. A
13, foi trazido um balao d pra$a de Tbion
ville, mas ndo continha senao cartas di
officiaes, cartas sem importancia, segundo
o ponto de vista do general do-exercito.
O general Purcel. Ha uma eitraordi-
naria coiacidencia Como 6 que a teste-
munha soube que se tinha eacontrjdo um
baldo ?
R. Xahez eu lh'o dissesse.
A testemunha Risse foi ehamada. O
coronel Turnier nao a conbece positivatneu-
te. Tern uma vaga lembrauge, mas- acredi
ta qua Ihe devia ter confiado uma missio :
nao poe de modo algum em duvida o que
elle diz.
Pmidenie.Chamai a testeniunha Fla-
hau(.
& Sr. Flahaut.k 4 de setembro, o
Sr. Charet veio a minha casa e perguntou-
me se eu qoeria ir com uma missao. Eu
reipondi-lne que estava d sua disposigao.
No dia seguinte, recebi ds 8 boras, um des-
pacho do marechal Bazaine para o impera-
dor ; mas ndo consegui atravessar as li-
nhas inimigas, e tornei a traier o despacho
No dia to de setembro, Az a mesma tenta-
tiva, mas igualmento sem exito.
tando-se com um movimento nervoso, devo
ter soado a hora, e provavelmente veem
buscar-me.
E com effeito ouvio-se bater n uma das
primeiras portas dos aposentos.
Queira desculpar, mas charaam por
mim, disse Michelotto ; nio posso deixar
de me separar de si. Nao se inquiete de
eu me demorar, talvez ate amanha ae meio
dia. 1
E Michelotto sahio precipitadamente, ie-
chando a porta da camara.
No ultimo aposento encontrou o capitao
Rodolpho que trazia uma carta na mao, e
Ibe disse:
__Um homem. a cavallo e mascarauo,
acaba de trazer esta carta para, o se-
nhor.
Michelotto abrio a carta, e leu o seguin-
te escripto pelo proprio punho de Lucre-
cia:
a MonU cavallo immediatamente e segue

nos, e passeiava com ella at6 que comeca
ram os fries e as chuvusas noites do ou-- o portjdor^ ( ^ ^^ ^ ^
Quando sahiam. 0J .compauluva Tone*,' pit&o Rodolpho. De-me algum que seja
incommiinica- robu.to, porque terei talvez de o fazer
I correr.
on I'Sta
Vf:l.
tioava eucerrada o
- wn que ni.gu-m a v^a, c eom fui-; Quaa-u come|joa
o frio, Michelotto pas-J E sahiado para o pateo encontrou alh um
bomem alto, embucado n'uma capa e mas-
carado. .
Aproxime-se, amigo, disse Micholot-
to ; era capaz de apostar que e... creio que
bem me entende.
Sim, sou eu, respondeu o outro dan-
do a conhecer pela voz que era Francisco
Buotti.
__ Venha depressa esse cavallo, gritou
Michelotto. .
Um momento depois appareceu um sol-
dado trazendo pela redea um magniAco ca-
vallo.
_ Onde estd o seu cavallo ; perguntou
Michelotto a Buotti
Debaixo do arco do postigo, respon-
deu Buotti.
Ndo precisa mudari
Ndo, porque s6 andei tres leguas.
Michelotto montou e avangou para o pos-
tigo, onde Buotti montara no cavallo que
alii deixara.-
Md noite levam, disse o capitao
Rodolpho mandando que baixassem
ponte.
__ Que quer? replicou Michelotto. Te-
mos que accommodar-nos com o que o tem-
po dd. Ouga com a.tengdo o que lhe vou
dizer, capitao Rodolpho. Eu levo as cba-
ves da torre grande ; teoha. muim cuida-
do em nio praticar alguma indiscrigdo,
que poderia coffer-lhe cara. Ponha vigias
nas ameias da torre grande e de ordem
que fagara fogo d qualquer que se apron-
me della, quer da parte dos campos ou do
E diga-me -. so o senhor se demo-
rar muito, e se presumir alguma desgra-
~ Nao lhe importe se raorrerem de fome
com tanto que, quando eu voltar, encontre
os seus cadaveres.
Eseguio pela ponte acompannado de
Buofi.
So esse bomem nao 6 Satanaz, mur-
murou o capitao Rodolpho, e pelo men s
seu naronte muito chegado.
Mil
DE COMO MICHELOTTO VIO COM ALEORIA QUE 0
ACASO COMECAVA A FAVORECE LO.
Onde vamos Sr. Francisco Buotti 1
perguntou MigheloUo,
de
Contiwu*r-se-'ta
Ao palacio da villa de Malalbergo.
Ella estd ahi ?
Estd.
Desde quando ?
Desde esta manha pouco antes
romper o dia.
E onde esteve ate agora T
No palacio ducal.
Comol E nao perceberamt...
Nao, ha quatro mezes que a gra-du-
queza estd enferma e u3o sahe da cama se-
n3D quando, durante a noite, Aca sozinha.
Entao sahe comigo por umacommunicagao
secreta ; passeia pela cidade, volta, e pela
manha recebe deitada as suas damas e os
seus secretaries.
Mas por certo que alguem entrard no
segredo.
Sim, Q doutor Galofre Spini.
Estd-me cd pareceudo, amigo Buolta,
quo o Dr. Spini n3o tem muito tempo de
vida.
Sou da sua opiniao amigo
lotto.
E elle ?
__ 0 Sr. Ludovico Ariosto foi sempre
muito reservado em negocios amorosos ; nio
so apresenta nunca d grd-duqueza, senio
qnando esta o chama para quo lhe leia
versos, o que succede mui poucas ve-
zes.
Visto isso nao suspeita ccusa al-
guma? .
Como snspeitar da virtuosa e nspida
Lucrecia Borgia ? A verdade e que ella sou-
be conquistar por tal modo a estima dos
ferrarenses que duvidariam dos seus pro-
prios olhos, se de repente se Ihes-aclarasse
o myaterio. 0 Dr. Galofre, alem de muito
bem pago, foi fascinado e enfeiticado pela
duqueza.
Ah I ella e uma sereia, amigo Buotti,
e eu quero-lhe tanto como quiz a seu irmio.
Que deidade, amigo Francisco 1 e cada dia
mais joven e mais formosa.
Conti apenas trinta e seis annos.
Quor apostar que d'aqui a vinte par*
cerd tao jover. como hoja 1
__ 3d nai a chegarei a ver, disse Belli,
i suspiraudo ; conto jd sessenta annos e estou
jenfermo.
Pois cuide cm si,
Aconselho-lhe o mesmo, amigo Mi-
chelotto.
Oh 1 parece-me que o vejo um t;nto
receioso T
Ha segredos que matam, replicoa
Buotti, e o da gri-duqueza e um dalles.
Nio importa, a minha vida pertence-
lhe.
A minha tambem ; por isso mesmo.
e como ella o sabe, lemos vida para muito
tempo, a nio ser que o grao-duque suspeite.
porque entio...
0 grao-duque esla tio empeuhado na'
guerra com os Aorentinos e com os veoe-
zianos que nio se lembra se nio de pedir
dinheiro e homens e mais homens ; e como
a gra-duqueza, gragas a Miguel e li-
nas, os dous maiores usurarios deste
mundo, lho envia dinheiro eontinuameo-
te, o gcio-duque nio pensa u'outra cou-
sa.
Mas que nome se di d enfermidade
da duqueza ?
Dores nos ossos que a impedem de
se levanUr da cama.
E quem estd com ella no palacio de
Malalbergo ?
Uma assistente e uma ama que nio
sabem quem ella e, porque nio a viram.
Alem de estar is escuras, a gri-duquew
tem o rosto coberto com uma mascara. Esta
madrugada sahimos por oma das minis .
ella entrou para oma carruagem qna lhe
eu tinha pre par ado, e eu mootei a cavallo
Quando chegamos a Malalbergo ew ji de
noite -, d entrada da povoagio apeioo-te.
penetramos no jardim do palacio e dalli
subimos por uma escada escura, pira o
aposento que estd litteralmonte ds esco-
ras. Eu tinha jd preparadas de antemio
a assistente e a ama, qoe nio sabem onde
estio, porqoe foram introduadas por mim,
com os olhos veodados, e conservei-as en-
corradas emquanto voltevh a Ferwra bojear
a gri-duqueza.
E o que se faz, wdretanto, no pafe'
cio ducal *
fContinuar-te-ha}
\ "TYP.D00JAnI0.-RCA OUQL'E OS CAXU&.
L
- 4


I
r
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGL6KGMY4_A326UQ INGEST_TIME 2014-05-21T22:38:48Z PACKAGE AA00011611_16948
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES