Diario de Pernambuco

.aja^asradicaes^rappderem subsiituir,: wmnto*,cqmwhi*^^^*^^\ Vende-se cbales de me'rin6 estampados, a
-.qptando a opmwo de E4tas Howe, mestre era.mtfss mochamcas, lUxd. c0waoteI??n>e 9* o* 4f 0O0 e 59000
agmentado 0 seu faiirico,.e ioje.naa .attend**; ?#m*>W\<> **> (aca 600, maciunas w *. j* ^q ^ ^wq
com 10 ivado*', -itoOO.
Hilt tt LAliGAS A 240 Rs. GRANiE LIQUIDACAO DE ROIPA 11 Ifi
Vei 51 hitas frajicezas, iargas, de cdres j vCnde-seceroulas de algodao, a 1
f,da m<;hiiiaacomfiauh.Iivretos,CQminstruc4es e.m .pwtugu.fi
4 9Mm
SGAEES ,
do Barao
'AmifflQ
A'
da

Victoria n. 2 3.
PREDILECM
de or ar.to preen, .para flcar ao alcance
qaalqner baba.
Rua do Cabuga n. 1
Engenho a venda.
\ Vendo-se oeagenno Pataizo, Mto na ilha de
[lamaraca, e levaatado ba.poueo lempo em terras
da s.tio Soccorro. Acha-se o referido engenho
rqoente e corrente e 6 a vapor, sendo o respective
terreno asfis productivode.canna, mandioea, im-
Ibo, fdijaoetc AWra dos ierrooos de p^nia.ao,
ha uma boa soUa para gado, rouiias arvores true-
tiferas, inclusive coqueiros e oplimos lugares para
grandes vive ros. A situa^ao da casa de vivenda
e agradavel, e o etena e pasadio da ilbi de Ua-
maraea sao rauito apreci^veis, alem de outras
vantagens que cora a vista melhor conbeeera o
pompiador, dirigindo-se ao referido engenho, on
informando-.-e na rna do Ataiho n. 9. freguezia
da Boa vista, juato a cana d'agaa.
rs..
A' rua do Crespo
Loja dasSportas
LAZLNHAS
Chegou esta fazenda, com padroes icteiramente
novos, e que se vende pelo diminnto pre Lrs. o covado : iMopor fer gind qnantidade.
SO' NA RUA DOGBfiStO N. 20
Loju dt-
Guilherrne &C, junto a loja
da egqwioa_____
I vb-tndoi.
m#

A malor pnrta -daa molaatia*
ekronjaaa, *ifpo dasQuUaa do
qua *?r o .po-ro, bo orlglBain
n'unl eetado doentlo e raorMdo
l^OfMetM alimetUo da vula
uio eatler puro e ou qae se
aohar carregado com a lofeeeSo da ayprajfe (talvez ja d'
annofi paaaados), a moleetla J^a. de appareoer eob uma ou
outra fotma e apresonlando dtterent3 Bj-mto-uas.
>
n. *0
A* rua to Ca iMijja la. t A
Os proprietaries da I'redilecta, no intuito de
conservar o bora conceito ique teem merecido do ,
respeitavel pumico, distinguindo o seu estabeleci-
mento-dos mais qne negociam no mesmo genero,
vcem sdentifieaf aos *eus bons (reguezes que pra-
venirara aos seas enrresiiondentes aas diwsaspar- j
?as d*Europa para Ihes enviarem por todes os.pa-j
quotes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mai3 bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles paizes, visto aproximar se o tempo de
festa, em que o bello fexo desta linda veneza
mais ostenta a riqueza de suas toillettes : e co
mo ja recebessem pelo paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem pater/tear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
e>perando do respeitavel publico a costumada'
i-nncurrein-Ja.
Aderejos de tartarpga os mais linaos que teem
viodo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e de
feiludo, sendo diversos tamanbos e baratos pre-1
os.
Aderecos completos de borracha pr- prios para
lnto,tambcm se vehdem meios adereqos mttito bo-
nitos.
Botoes de setim preto e de cores para ornaio de
vestidos de setbora ; tambcm tem para collete
palitot.
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
to de seda, do palha, de chagrim, etc., etc., por
barato. preijo.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de ce>a, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencSo das Exmas. Sras. para este artigo.
pois as vezes tornam-se as criaacas um poaco im-
pertineates for falla de um obieeto que as en-
tretenham. ...
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulai de linho e de algodao, de divereee pre-
509.
Gaixinhas com musica, o que ha de mais Jindo.
com disticos nas tampas e proprios para presen-
tee.
Coques os mais modernos e de diversos rama
tos.
Chapeos para senhora. Receheram um sortimentt
da ultima moda, tanto para serrhora, como pars
meninas.
3ieUas simples e com veo para noivai.
(as bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados,. de Undo.'
desenhos.
Escovas electricas para dentes, item a proprie
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas da sada I pretas e de cones, existe -nn>
grande sortimento de divercas larguras e baratc,
preco.
Fitas
Grande renniao!
I I'ara 4 a d m
Rppublicanos e monarcshistas.
Democratas e aristocratas.
Federados e confederados,
Communahstas e communistas.
Catholicos velhos ou novos.
Todos ieveai i
.Reunidos ou nao reunidos
Fazer emquanto antes
Suas encommendas
Dos. saborosos. filbos
Tao jweconisados!
it
esinmgoirs.
Paris n'America, a rua Du-
que deTaxiasn. 59
eiro .andar, aeaba da-.r^aeber uui cojr.pleto
,5ortimento de calcados estrangeiro? para hprcom e
teqhora, vindo entre elles um lind^ sortimento ae
?legantes chiquftos, sapatlbbos 9 botinaa para
eriancas, que tudo vende por pretos razoaveis.
Mm im mi
&
az a
4
IiOv..rll,
PKEPABiCO PO:
Dr. J. C. AYER & C*
iadt>e uWlou,,
CMC*W Practical Analytical,
Mass.,
a lata, do melhor que vem a este mercado, da
jt:j -de- Henry Ferster & C, com a quantidade
Cciiipleta do liquido: nos armazens do Joae Do-
ie< do Carmo e Silva, a rua da Madre de
Ii. us n. 10. e rua do Amorim h. 41,
t* Vende-se duas escravas com habilidades
a'.itra sew ellas; na rua de Hortas n. 96.
de sarja, de gorgurlo, de setim e'deeba
malote, de diversas larguras e bonitas cores. .
Facbas da grgurao.muit) lindas.
' Flores artificiae8...A Predilecta priraa em ^on-
sjervar sempre um bello e grande sortimento dps*
tas floes, nao so para eafeite dosic^belldg, come
tambem pata ornato da vestido danoivaa. i rt
GakJes de algodao, de la e de seda, brancps, pre.
tos e de diversas,cores.
Gravatas de seda para homem esenhofas.
Lstos1 de eartbraia e-'de seda de- vewas eoras
para senhora. ~r :
Ljgas de seda. de cores e brancae bordadas para
nowa. ^ ai
Lvvrof para onvir missa, crfn cspas-de rrMdre
nerola, marrrni, os-oe vejlndo; .Wdo qua ha*.'de-
bom'.
Pentes de tartaruga e marfim'pata^^l^r os ca-, netvos.
.bel'os ; teem tambem para tirar caspas.-
Port bququet. Dm bello sortimento de madre-
pemla, mart, easo1 e douraflos por. barato preco.
Perfimwiaa: Neste artigo esta a Predilecta bem
nrcrvida, njo so .em.eitracios.como emipleos <
Dachas dos m'elhores odores, des mais afamados
(abricantes,, Loubin, Piver, Sociedade Hygleiiica.
Condray, Gosnel e Rimel ; fio indispensaveig para
a festa. '
Saias bord.idas para senhora, p.or ceomodi
prscb.
Snpatinhos de Ii e de setim bofdados ,para bap'
tisaflos.
' Tapetes. Becebeu a Predilecta um bonito
mento de diversos tamanhos, lanto para
mo para enlrada de salas.
Vestimentas para1, Baptftado o ^fco ha de aic4bor
gosto e ps mais njoderao.jjece.beu a PredUeeta
Fabricados a capricho
Dos pastrfeiros
S6 e somente
Na confeitaria do Campos
>*. liuneraJor ti.
VENHAM VBR
A Nova Esperanca, a rua Duiuie de Caxias n. 63,
apressa-se em cbnvidar a seus rreguezes. com es-
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
apre
MOS
por precos
guiDteSiJrn'gos expostos ft venda e to<
oammodos, como sejam:
:EINAS,B0NEGAS ma#&as,e.cboronas.
'BQ3ITAS E ENGBAfAHAS *ttistas narasterios-
copios.
GOMMODAS LATAS para guardar cba.
ELEGANTES BOIuSAS. para .senhoras e meninas.
BONITOS VASOS com flna banha e eheirosos
extractos, trazendo cada frasco um nome, uma ini-
c|al on'um distico.
FINAS MEIAS DE SEDA, viodo entro-ellas cor
de *acae.
Para pemgostar.
Ditas tie liiibo, a 19C00 e iiouo.
Camis8S de chitas fines, a 15600.
Ditas de peito de cores, a 25000,
Ditas brancas Guas, a 29000, 390(0 n
49000.
Cal^asde brim pardo e de cores, a 2C000
e 29500.
Ditas de casemira de ceres e preta, a 59,
69, 79t 00 e 89000.
Palit6tsde alpacas de cores, a HM9.
Ditos pretos, a 39000 e 39^00.
E*itos de casemira tie con-, a 9
69000.
Ditos ditos pretos, a 59000, <>?" J
89000.
Colletes de casemira de cores, a 29. Z2
49000.
Camisas de Oanella, de cores, a 290M -
29500.
ALGODAO A i9000.
Vende-se pe<;as de algodao, a i?, 59 e
69000.
CASEMIRA DE COR A Mt.
Vende-se casemira de c.res, a 2*
covado.
MADAP0L.0 A 35000.
Vende-se poeas de raadtfpolaG :.'^-',.
a 39000.
I'ito inglez, a 'i9500,
pe?a.
5, 69 a 7C'!
J:
..OS,
BRLNS EM CORtES A 19500.
Vende-se, cortes de brim de cores e pardo,
a 19300, para liquidar.
.COBEVTAS DECHITA A 19660.
Vend>secoberUs de chita, a I $600 e
29000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
*Vende-5e brim pardo e de cores, para rou-
pa de homens e meninPs, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 29000.
Vende-secolxas de cores para cama, a 29,
6 49000.
TRANSPARETTES PARA CADE1RAS A
19500.
Vende-se transparentes para cadeiras, a |
19500, para liquidar.
BONETS A 500 RS. j do mercado, que se vende sem reserra, da
Vende se bonets de seda para homens, a prego, para liquidar ate o Cm d > cor;- Ota
500 rs. anno, por isso convera aos corcpradurcf sor-
CHAPEOS A 29500. j tirem-se de fazendas baratns, para a prcsen-
Vende-se chape'os de castor para rreninos, te festa que estd na porta, & rua da !mper*tr.t
e homens, a 2j?500 e 39000. i u. 72. Bazar Rational.
BOT1NAS A 45500.
Vende-se botinas para senhora e naei
49500, 59 e 65000.
Ditas deenfiar, a 25000.
Sapatos de tapete, a 19500.
Ditos de tranca.a 1300 e 89000
BRAMANTE A 15G00.
Vendo-se hranaanln com 10 [>e
jlargura, pftra leogAes, a 15600 e 275 '
> metro. E outras muiias faz-nd^s 'tr i a
Atteneao.
LLO BRA^C
i
RUA BO RAKGEL N. 3
Armazens de seccos e molhados
TEM PARA DISTINCTIVO DO ESTABRLECIMENTO UM GALLO BRARO, ll.M :<'.
PARA ALGUMA PESSOA QUE IGNORE A I.E1TURA.
Rodrigues & rires, regressados em Pernambuco, cidade do Recife, succe-
armazem do Gallo, i rua do Algibeves, em Lisboa, omais afam do e conheeido ar
naquella cidade, capricham sempre em ter generosde primeira >,ualidade, dos qo
aos seus numerosos fregaezes um conhecimento mais proloiigado ua rcla^ao ; cripta :
0 que e bom e caro
Paldvra bemdita que nunca faltou.
ibi;>
A' Nop Esperanca a raa Duque de Caxias n.
63,acaba'de'rwefcer tentos-'e eaixaspara o jogede
^Molurette.
ftrraipeai^tfrcdas peras.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber as procuradas meias de hor;
raha para'qBern-eciffr* das pernas. .
FLOMS ARTIFICIALS-
A Nova EperanQa, a rua Dnque da Capias n.
63, acaba de receber um linda e completo 'sorfi-
laento de flores artificiaes das melhoreff qde tem
\5ndo ao taereado
A ellas ante's que se acabem.
11 Costumes para criarjga.
A Nova Esperanca, a rua Dnque>de Gaxlas- B.
m, aeabwda restter.beaitos eoMwnes.para criaoca
e estft se vendendo po'r pretos rasoaveis.
A N iva Esperahts, a Vua Btrqne de f!*xia n.
eJi'receTjeulum'fequeno spraiaeato. fKsetaa a
pubeieaaaljcriea?/prflr^asparalqOm.sof&-e do*.,.
Cha pcrola lino, a S9CO0 a libra. ,
Dito miudinho super-fino, a 49000 a li-
bra.
Dito popular, lino,, a 35000 a libra.
Manteiga ingleza fior. em b'arril a 19600.
Dita dita Una, em latas, a 19500.
Dita, dita, dita e dita, a 19400.
Azeite de peixe bateia, a 640 rs a garra-'
fa.
Dito de edeo, fino, ,a 800 rs. a garrafa. j
Dito doce e carrapato.
Aguardertte Jo :aldo da carina, feita de
encommenda, a 560 rs. a garrafa.
Dita papular, a 320 e JiO rs. a garrafa.
Ditabranca, 6 200 rs. a garrafa.
jao.
Vende-se duas casas corugua.", emie l, m com-
mnnieacao de uma para ouira. n. 33 e ; 3, a r.ua
de S. Migu> I d'.'s Afogado?, com sitfo mnradoe
portao para a rua do Bom Go? to : trala-se nasi"mes-
mas oasa, das-9fts 10 horas da manlaua ^rpro
Camardes seecos, a 500 rs. a
(Jueijos frescos empellicados, pr-.
modo.
Cascasde coco para lavar asa, !
120 rs.
Farinha fina de Munbeca.
Vassouras de piassava para ser\ii;:> nUr-
no, a 2i0 rs.
Ditas grandes ai00 rs
Massas para s6pa detotlasas iju.iii la-
des
Vinho tinto ebranco, Mapaakiurs, tngat-
rafados e em pipas. E outros arttgtM quo serA
enfadonho annumerar, em secco e mo-
lhados, por ser extenso.
#s -verdaMns
Vinhos de Bourgogme
Bazar
mrtm

Ch^mbertin
Pommttrd
ViHtS-
Vninay
Baahne
Monthelie
' Dito Bordeaux em quartollas.
Ye
eofc-se por' krato preco
r^ARA LIiUIDAeAO"DE GOSIAS
NA
Raa
I.,arjr a*o Raiarfo 4.
Rotica,
AVISO
^'endie-se o.^ngeobo Bo^as \Ah\s junto da villa
sorti- iq Gabo, epqrio fa estacapdattha, nrrii leg.-.a,
isoftco-
^"\ Vende-se
pes 3e parreiras, ibac'ate, sapotis, romeira, a-
'gueiras, fructa-pio, rozeir.!s, dhalias e outras do-
| re*(-pan prejo commodo : na Boa-Vista, rua do
Vjsconde de Gojanni n. 101, outr'ura. MjnJego
Amaral Nabuco <$ C, veodem elegantes ligurat
de bronze a de porevkana, jarros e poita c :
! de porcelana, espelbos, atoalbado branco e de ;.-
res, de linho e de algodao, guardanapos de Bast
grauies e pejuenoi, e outros'mnitos arfgos te-
'cessariose proprios para-de.-oro de umacas. nv
Bazar Victoria, a raa do Barao da Victoria
as.
Je
pi :>
I fi \ ^M
Vende-se um rico pianno Bovo; atoito
moente da- e-deexctuente* vozes, a.traiar na rua. d Barao
mes'ma casa teem para ven-
Gabo, ep"erl
a safra e bois, 'on so o er.geriti
ag'oa, (jue poda- safrojer d i JiOp a Ji'KlO paes de d S. Bori* n. i9 j aa nwsma casa teem para ve.n-
issucar : a Iratir niv.mH)o .en^fntwk as a rua der'-se uma boa mohilia de jacaranda, Com pouco
Imperial n. 9J, comTncnB^ Anloni^Jmlra. ,uso e em perfeito estado.
Amaral Nahuco 4 C., vendeia ba...ii jas a U
jrao de 12 a 30 pc-lPgadas e de go. i u.
le iiiao e de m.U!, tambem bonri piutora
diversos tamanhos: no Bazar Viet.....n. 1
Vende-" se um Mtio na esrfada muitos arv.-n'dr.s frnctrfrro-. enni" bait* pat
ca'pHn, a muito grande, em i rr.
sitio divide com o do hHwjto D^f-" **'
ta, oontondo.iBais o dito sitio. nm
ue s6.este b5o se fa/ oje com I"
tindo agua-e rres tanqaes de p< '
por preoo commodo : atratareroi
des Cavalcante, na rua do Viscoi
a. ._________________._
ill
Vende-se o restante dos terrei
de Beberihe, por precos modicv.
orlo, perto da e-tacao : trata-
tario U. Stepple.
\



&_
'
8
Diario de Peraambuco Quinta feira 5 de .Matty) de 1674

VAWEDADE
i
Concert* do Gabinete Portu-
guese de Leitura.
Ao mavioso e sympathico bar) tono portu-
guez Vieira, ao louvavel esforco de alguns
cavalheiros o a* benevelencia de t.es dis-
tinctas diletantis, deve a socio lade pernam-
bucana urn dos mais agra laveis divertimen
tosque aqui temosgosado.
Fallanios do couccrto musical realisado
em a noite de 28 do raez proximo ptssado,
em favor do Gabinete Portuguez de Lei-
tura.
Antes de entrarmos na ligeira apreciacdo
que vamos fazer d'essa bella festa artistica,
seja-nos hcito dirigir algumas palavras de
louvor d digua directoria d'essa utilissima
associacdo.
E' realmente credora de justos encOrnios
essa directoria pela deliberacdo tomada re-
centemente, de franquear os sens magnificos
saldes a artistas tranzeunfcs para n'ellas ex-
hibirem ao publico de Pernambuco, os seus
talentos, recebendo como retribuicao d'ease
favor o seu valioso concurso para a promo-
QSo de ft-stas como a de que ora n s occu
,pamos.
Com essa deliberacdo, o Gabinete Portu-
guez d Leitura, uao s6 ab^ncnta de uma
maneira honrosa os recuraos .de que carece
para o seu engrandecimenlo, fiomo ainda
satigfaz, quer rt-lativameiile ao* artistas,
quer relativamenlo ao publico, uma .neces-
sidade que a uns e outro lesulloado iiK-en-
diodothr-atre Santa Isabel, a qua! nece*5.:-
dade, do forma alguma pd de ser reroediada
pelos dous barracoes de maJeira que- bi se
impo?m co n a pumposa denominacav* de
theatres, sem c .ndi?ao alguma de acutfica
oudearte, ode a voz de urn cantor on a
som de urn mstrumento possain reveilar se-
em todo explendor de sua harmonia. "
Ainigo, como iios presamos de ser, de
tudo quauto teude a avancar na svnda do
progresso, qu-ve tambem a da civilisacao, *
enthusiasm ate ao phanatismo da bed* 6
deleitosissinis arte musical,
ndade de verdadeiro
cutou os acompanhamentos de piano, e o Este supplemento de seTeridade, diz-se,|das suas circumstaacias, do maximo da pe-
amador de canto, Sr. Lopes Cardoso. perfeitamente logico, quando o legislador na. Uin mesmo julgamento os coodemna
Deste ultimo nada diremos porque, sendo inflige a cada delicto uma peoafixa, torna-
o seu mais intimo amiK, nos damos por se inutil sob as legislacdes que, como o co-
2-
e com a si'ice-
reconhecimeutc que
uacnos .snossos pa abens i digna direct** ria
do Gabinete Portuguez de Leitura por fclo
acertada medida.
De todas as artes, a mais antiga, a mais
Delia, a que- mais commove, a que mats
avassalla o espirito bumano, e por sem 4u-
y/rfa a musiea.
0 cbaos era o silencio eavo'io na treva.
A um sjm exhalado dos labios do Crea-
dor surgio o universe. I e esse som foi o
acc6rdo porque se. aftnaram todos os objec-
tos oreados para, entoarem um hymno pe-
rene !
Quando, ao sopro divino, a argila se ani-
rnoa e com elb so ergueu o homem, os. seus
olhos, admiraudo o explendido espec**cuio
do movimento universal, a penas. lhe. fize-
ram comprehender quo tinha uma oxisten-
^a mas os seus wndffc. reoeb&ado os
vari'os sons com que a natureza forma a sua
melancholies harmonic, fizeram-o seuUrque
possuia uma alma I -
E n'essa alma, a. homem. reconheceu a
melhor parte do sauser, porque se commo-
veu e chorou ?
E esse ch6w era tambem um hymno, e
esse hymno *ra uma aspira^ao, e essa aspi-
racao era o amor, eo amor era o comple-
ment da ereasao, porque era a fel.cidade !
Oh 1 a musiea I Primeira produc^ao do
Creador t ,
Oue alma pode haver em corpo humano
quese n8o embriague com o perfume de
sua magica harmonia ?
Dize-o tu, Orpheu, qe com os lamento-
sos sons de tua lyra commoveste as hordas
^Ko'vos, assas^inos de Str,della, cujos
rudes c racoes, abalados pelo pwdoso on-
Sola procurada victima, deblhtaram as
musculosas e sanguinarias destras aoeemr
pumhavam os instruments de uma vinganca
^musiea I Se ha um homem, cujo es-
pirito se nao enternega ao teu suave e be-
nefico infiuio, esse homem n*o tern alma ;
e peior do quo um tigre I
Tomaram p Vieira, artista sempre com justirja applaudi-
do pek, publico, as Exrn". S.-;. D. D. Ama-
l.uiza Isaac, D. Mar.a Braga, o Sr.
araig>
suspeito. digo brasileiro, permittem'ao juiz, no li-
Comecpu a primeira. parte por uma peca mite de um maximo e de am minimo, de-
de piano a quatro maos ( Reveil de Lion ) terminar a pena segundo a gravidade das
exe .-utad.i com gtande maestria pelas duas circumstancias e a medida da gravidade
irmSs Isaac. relative. Ora, geralmente, esta latitude dis
0 Sr. Vieira ccntou em seguida o bello' crlcionaria basta para a justa puni^ajdos
romance de Donisetti E' morta I no qual a crimes, desde os mais leves ate* os mais gra-
sua possante e ayelludada voz t8o sentida- ves ; desde a primeira infraesao ate" & mais
monte se expriraia n'aquella lamentosa ex- ou menos reiterada e acompauhada de ou
chmacio. tras.
Nas de mais pe^as que cactou foi sempre1 Eis ahi como se argumenta e como se
0 ^o"10 ar'lst'l- falla em reitera$ao e em aggravacao I
OSr. F. Fazio tocou duas phantasias de' Mas essa argumentacio se desv neceante
Asi'her, ao piano. Executou-as com gosto, um simples appello ao bom senso publico
e revelou possnir excellente eschola. porque e preciso notar, d sde logo, que o
A Exm*. Sr\ D. Maria Braga cantou as codigo, infligindo a cada delicto uma pena,
arias da Itnda de Chamounix e do Ballo suppoe geralmente um s6 commettido; de
in maschera. A esta ultima, principal- sorteque, se concede ao juiz uma latitude
mente, deu bastante expressio e foi raereci- penal facultativa, e em razSo da gravidade
damente applaudida. mais ou menos se'ria que p6de offerecer esse
A Exm*. Sr. D. Luiza Isaac cantou bem crime ; e a prova esti em que, frequente-
nos doettos do Travador e Africana, no! mente, o culpado de uma s6 infrac^io 6 con-
tercetto do Ernani, e com muitissima gra- demnado no maximo da pena, sem que se
51 a can?ao de Oscar, do Ballo in mar- tenha nunca pensado em sriticar da legali-
chera. Posseu uma bella voz que, com as dado ou da conveniencia desta severidade
lifjoes e frequencia da Pbilarraonica Flumi- juridica.
nimce, e muito de esperar se tornard excel- j Mas uds preferimos ir directamente & ob-
'e,lle- ieccao 0 atacal-a corpo a corpo.
Da Exm*. Sr1. D. Amalia Isaac 0 que' HI
diremos? A penna vacila-nos aute oar-| Cada um de nos sabe da difference que
rojo de emittirjuizo sobre o seu ioeontesta- :ha entre o concurso dos crimes e a reinci
dencia.
A reincidencia, 6 a recahida ( recadere)
no crime depois da primeira condemna^do
incorrida (art. l&^-i': ter o deliquente
rerncidido em delicto da mesma natureza) ;
rsto e', depois que o culpado, decahido pelo
delicto, foi desobrigado pela pena.
Ao contrario, ha concurso oa reiteragdo'
quando, antes ou depots t'a inlagac,3o de
c/ue e elle o ebjecto, 0 dbliquente commet-
tea uma ou- n>ais iufraccdes, accessoriaraen-
te eomprehendidas nessa todagacA>).
A reiterarao if especial, se as diverses io-
fracQoes concurrentes sSo da mesraa qainli-
dade ;- geral ou etbeoluta, se sio de differen-
te natureza.
EinSm a reiterarao e mais oa menos gra-
ve ; testemunha mais- ou menos audaeta.
segunde- os malefioios acenmuiados form
perpetrados antes eu depois da todagac,ao* ;-
porque, se commetter uma infraesao, e jd-
violar lei; coramettep succesaiTamente
muitas, e-sobretudo commette-lao- em des^
prezo da araeaca qqe-assenhoreia aac^do re
pressiva, edesafiar audazment autorida-
de, que vela na manuten^Jo-da orlem ; e
vel merito. A distincta professora (permit-
ta-nos a sua modestia que assim a qualifi-
quemos) que nos explendidos concertos dJa
>!hilarraoni(-a e do Club Mozart, na Cbrte,
tern sabido arrebatar um audictorio abalis-
Jo, cv">nsinta que da modesta esphera em
que nos acliamos collocado Ihe manifested
mos a cxpressao do entbosfasmo com que
a admiraidOS.
O oceano ;iSo repelle 0 rwmilde arroio
qaeJhe leva 0 seu raesquinbo-fributo.
Ho doettos do Guarany e dw Africana,
magnidcas composites musicaes- e de gran-
de dkTicuidade, sobre tudo, a seguoda ; e
bem aesim na cavatina da Maria m Mohan,
nao sabernos qual mais applaudir, se a
maestria- da- execugao se a excellencia da
voz.
0 prazer- ou- a amargura enenntntm; nas
meliQuas Mbra^des da sua prodigiosa* gar-
.ganta o sea-melhor interprete.
0 final da primeira parte do programrna
lii'i-lhe um iriunapho I
A execu^aodl'aquella* variacoes de barpa
nausaram adn>iraiao e fbram 0 enlevo do 6
ecpectadores.
O enthusiaawno eom qoe- foi applaudida-
6011a a sinceiridade d'esta assercSo.
Uma das censa* que muito concorret
ra 0 brilhantiswo de tao bella festa foi
5
numero de Sr". dh<
a presenca de g*ado
melhor sociedade-^
Ocioso serd diser qoe 0 numero de <
lheirns foi no dufJo^.oei ainda mais.
(.'ma bmda de musiea martial collocadal
no atrio do Gabiaeae saowlava a Sr*5. ao eu-
trarem para 0 cecwerto.
Reinou em tcdo a melhor ordem, aca-l
bando a festa ds it horas.
Recife, 3 de roatsco.dB 187i,
Ancora.
URISPBODEHGU.
nesse grdo da pena. Mas, a respeito de
um, a ihrtruccao descobrio. que, anterior-
mente a este roubo, que motiva 0 julga-
mento, tinha elle commettido outros mui-
los rouboc da mesma natureza.
Ndo 6 evidente que esse segundo malfei-
tor e infiuitamente mais culpadj que 0
prinaeiro ? *
Eutretanto, con 0 nosse art G2, 0 juiz
ndo p6 ie, em presenca desses outros mui-
tos crimes da mesma natureza, quo exigent
d^e um raodo tao claraoroso im supplemen-
to. relalivo de castigoi conde nnar a este la
drto habitual senao na mesma pena do
maximo na qual e" 0 seu co-autor conlem-
nado 1
Achar s;-ha isto justo e racional ?
Ha aqui a puniijao pro mensara pec-
cali ?
A condemnacdo do primeiro, apezar da
sua justiija intrinseca, ndo se torna. no pon-
to de Jfi4a da justiga distribultva, uma
verdadoira iniqui Jade, comparada com essa
mesma pena iufligila ao segundo?
iNao se p6deir alem do maximo !
E' precisamente esta incapacidade que
combatemos ; porqie 6" arna zombaria con-
tra a qual protesta a razao publica.
Ainda nao e tudo, e eis uma outri by
potbese :
Suppunbamoe que este segundo ladrao
ndo tenha, como seu co reo, eommettido
senao 0 facto avehguado. Ma uma vez
processado, e querendo aproveitar se da es-
tranha immunidadeda lei, comiuefle reso-
Itttamente uns vinte roubos novos, e nao
progride, porque a final eahe nas maos da
justir^a.
Nao 6 manifesto que a eulpabilidaifo des-
te audaz malfeitor, com a sua reiteracdo
\ohsiinada, 6 iufinitameute mais grave que
pa do co nfo do se primeiTO* roubo?
Kntr..-taato, sempre e em virtu Je do nos-
s aft. U2, ndo e panivel senao no maximo
da pena I
For conseguinte e com toda a certeza, o-
sysraa: do art. 62 e- radicalmetste insuffi-
cientfi, e opp*e-se ao do art. 6B do m-smo
co ii0, quando ndo permitte que- se inllija,
no c o do concurso do duas ou1 mais pe-
nas entbora com axlausolaque sendo pos-
sam impdr umcr depois da outra sendo 0
maximo da pena do crime maior que tive-
ram commettido I
lisle systerna, pop sua mesma insuflsoiencia,
provoca directamente d rekeracdo I ET um
.verdadein) premiode animac&o offirecido
a ousada logica doa malfeitares 1
E,. cons' effeito, eomo'o aflirraava.. com
alfrontar ajnstiga ; por-se em lota aberta sa alta intelligenota, Dupim por occasido
com a soeiedadet
Estas poueas palavras- indioam baslaDte a
importanci* da malaria- da aecomsiacao
das penas, msteria das-mais difficeie-do di-
reito penal e tan to .n*Ls- espinhosa qpanto
que ate hoje, criticand-o rigor ou a indul-
gencia excess' va das ihversas theorias-admit-
tidas pela legisla^ao cooteraporanea,-os cri-
minahstas ainda ndo chegaram a propor
nenhum modo melhor,.nam- mais pratica-
mente realisavel.
Em- Franoa^ por eieapfo, o concurso-das
,infnacQ^es a, .pela lei e pela jurisprudencia
il Fazio, pianista italiano recenchegado, 0
Sr. professor Gustavo Werlheimer, que exe-
Da aceutuutaeOo da* p'iWM.
Arts. 61 e iil do Codigo Criminal exaawe
e discussdo.
(Conclusao )
c Se Ihes irapord no grdo maximo a pe-
na do crime maior que tiirerem comroetr
tido.
Esta disposiqiio, junta 4 do art. 6i, e
uma notavel innovacao ; e a contradi^ao
absoluta do principio que txigo que cada
deliclo seja punido com a pena que lae for
prjpria.
L 0 muito 0 0 pouco ao mesmo tempo.
M uito, no sentido de ter accumub^ao al-
gumas vezes resultados ex.cessivos.
Pouco, quando julga que 0 maximo da
pena de um crime comprehend* a punicao
de outros da mesma natureza.
II
Eis a argumeulacjio qua se co.tuma a op-
p6r d regra da accumula^do, ou pelo menc*
d aggravaelo especial da pena reclamatfe
ntra os convencidos de mais de um de-
licto :
actualmente regido por toes- systemas dif-
fetentes:
t-.* A ndo accumulagdoi- das penas (le
ndo eumitt) : no caso de convio0o de
muitos crimes, serd aepUcada a pena mais
grave (art. 365 do vole ttmstructfcm cri-
minelle.
2. A aecumulagtis-dm-penas { he cu-
mul des peines) :, no- caso do concurso de
muitas contravencfes, o culpado sofferd a
pena inherente a cada contravencd [Cour-
de Cassation, arrSt. d#s chambres reu-
nites du-TJuin 1842.
3." A accumulapao faculiativa : as pe-
nas dos delictos posteriores a indagacao po-
dem ser aocurauiadas ( disposi^do de
uma lei especial proraulgada depois do
aresto acima.)
A. primeira destas regras nao e radical-
meate inefficaz?"
A segunda nao seria susceptivel1 da uma
a%>plicacdo mais extensa e mais fecund* ?
E a terceira, se e razoavsl e necessaria,
porque esti s6. em uma lei especial ?
Continuemos, porem, a combator a ab-
jec^do, com a logica dos factos.
Yao sep julgados dous malfeitores, que
commetteram juntos wck roubo considera-
vel. passivel. em razao de sua gravidade e
LUCSECU BOa&la
UEH0M11S BE SKTIIIrZ
POR
W. Manoel Fernandexy Gonzalez
d diseussao a- respeito ; todo o deliqueute
qae comm jtte o primeiro crime grave-,- tern
interesse em commetter immediatamente,
quando lhe for possivet, outros : porque 0
maximo da intensidade criminal uma vez
attingido, essa seria additional de iafrae-
0es ndo p'jde, por qualquer modo, aog-
mentarem sftu desfavor, a medida d re-
l>ressdo penal. Em oatros tertnos, sob o
beoeftcio do-maxin&i no qua): sabe elle
tenjdineorrido, p6da 4-sua vontade, wn-
punemeate multiplicar ao inlinito a sommi
de-proveitos-que a infraccdo Mat deve tra-
zer-: certat de lucro- captjndo-f:
E vejamns, ainda, a que resultados- ex-
vagantes se pode cbegar quando^. na
seiencia penal, se esquecam en principios
index.veis da veniade scientirlca :
Si 0 criminoso, gelos- seus muitos rou-
bos, reco&eu uma certa soirana de benefi-
cios, cada. uma das partes tesadas poderd
reclamar a- indemnisacao do seu prejuizo.
Assim, a lei civil,, o.art. 68 da lei de 3' de
dezembro de 1841, regula a n-par* ao pe-
cuniaria de cada prejuizo, sem que a. repa-
ra^dodeum delles baste para libertar 0
culpado; a lei cviminal, pAo contrario, li-
mita-se d reparSo penal de uma sit. dessas
infracjoes da mesmi natureza, concedendo
ao malfeitor umJ7/ de i-.iraunidado abso
luta.
Oca, perguniames n6s^ poder-so-ba cha-
mara isto justice racioiude effica*?
V
igrande principio, que de*o dominar
esta materia, e que lode ihfraccao commet-
tida turn, am uma cetta medida, seu cas-
tigo.
Jd 0 dissomos : quando a lei edicta uma
pena, ella a pronuocia contra cada crime
i-s.-l.ido, em concurrencia ou do minuiwoa
do NMMJINO.
Ora, applicar o maviaao, facultativo de
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
VII
EM QOE MICHEL0TT0 ACABA DE INVOLVER NO
MYSTER10 A INTR1GA DE LUCRECIA.
CContinuagdo do n. 51. J
Rao 0 quiz averiguar, e 0 capitao
lard bem imitando 0 meu exemplo. Reti-
re-se e mande que tragam 0 cesto que
mandei vir de Cento ; 6 a nossa ceia.
0 capitdo Rodotpho desceu palhdo, con-
rulso e cheio de medo por si, porque lhe
occorria a idea de que aquelle tern-
vel Michelotto, seria capaz de 0 fazer
sahir da torre, a elle capitdo, pelo mesmo
caminho, ou por outro meio semelhan-
te.
Michelotto abrio a porta, entrou, tornoo
a fecha-U e dirigio se para a segunda
Poreiu esta que era chapeada de ferro
estava fechada. .
_ Ah I corpo de Belzebuth I exclamou
elle provavelraente 0 outre tinha a chave
qua foi parar ao rio em companhia del-
le L' a primeira ez que me succede um
tal eiuecimento; serd necessario arrom-
bar a porta, e expor-me a que veiam a
joven aquelles que a arrombarem. nao, 0
melhor serd ir procurer o cadaver; 'od**
via, procuremos primeiraoiente aqui; pjde
ser que elle ndo levasse a chave cora-
sigo.
Felizmente para Michelotto, encontrou
sobre a mesa, a chave do apusouto dt
Luighi.
Mi helotto pegou na cnave e abrio a por-
ta. Tremia-lne Bg--irm-nte a mao : tinha
lo da formosura dc G. .. ra.
Esta, ao ve-lo, poz-se em pe cheia de es-
panto.
Nao conhecera Michelotto, e sentir*
medo.
Michelotto tirou 0 gorro, que poz sobre
a mesa; tirou igualmente a mascara, e,
desarmando-se completamente, sentou-sa
n'uma cadeira.
A prisdo de Genehra, muito maior do que
a outra, fdra raobiliada com um certo
luxo.
0 leito era de carvalho esculpturado com
armacdo de damasco carmezim.
0 chdo estava coberto com um ta-
pete. .
Guarnecendo as paredes, cadeiras, e no
centre uma graude mesa redonda, com
panno de damasco rdxo. Sobre a mesa um
tinteiro e um candelabro, ambos de prata,
e no candelabro tres velas de cera perfu-
mada.
Alem disso, n'uma outra mesa pequena,
encostada i parede, viam-se alguns li-
vros
Por ultimo, na parede d qual se encos-
tava a cabeceira do leito, havia um bonito
genuflexorio com um Christo de marlim por
cima. ..
Michelotto, que, depois que sabia que
Genebra lhe havia de ser entregue, coo-
cebera alguns projectos a sou respeito,
fdra amavel com ella desde 0 pnnci-
um s6 crime, a uma serie mais ou menos
numerosa desses mesmos crimes, e tornar
inefGcaz e vdo 0 remedio prescripto.
E' preciso pois, quando a justica regule
por seu julgamento a conta corrente do cri-
minoso, que cada uma das infracjoes, pos-
tas em debito, tenha, na colamna do credi-
to, 0 seu pagamento ou 0 seu castigo ; a
menos que a somma total dessas penalida-
des accumuladasn io seja ou inexecutavel ou
deshumans.
Tal era 0 systema que estabeleceu 0 ceK-
bre codigo da Sardenha de 1770 (art. 5, T.
25. Liv. 4.).
Tal e" tambem o principio recentemente ad-
mittido pelo art. 77 do codigo penal hespa-
nhol, assim concebido:
a Al culpable de dos, 6 mas delitos, 6 fal-
tas se le impodrdn todas las penas corres-
pondientes d las diversas- infr:cciones, sin
perjuicio en el primer caso de 0 dispuesto
en el pdrrafo 3' del art. 2".
El scntenciado cumplira todas, sus
condenas simultdneamehte, siendo posible.
Cuaudo no lo fuere, 6 si, de ello hubiere
de resultar ilusoria alguna de las penas,
I s sufrird em 6rden sucesivo, principiando
por las mas graves, 6 sean las mas altas en
la escala general, exeepto las de eatrana-
miento, cjnfinamierrtc', y destierro, las
cuales se ejecutardn despues de haber eum-
plido cualquiera olra pena- de las compren-
ilidas en las escalas "graduates numero I0,-
Taes sao tambem os principios adoptxfos
pelo novo codigo da Belgica, depois das mais-
sabias e mais memora^eis discussoes ( arts,
71 a 75).
A maior parte dos codigos da Allpmanha
concordam em punir 0 concurso dos cri-
mes, com a pena mats grave, augmentada
com 1/4 ou 8/4 da somma das penaeincor-
ridas pelos crimes eoncurmntes (codigo
de Wurtemberg, art. li->; do Baviera, 108
a 110, da Bade, 170, de Saxe, etc).
Em fun o novo codigo-de Portugal con-
sagra indirectamente omesmo systema, qpan-
do, pira tjxr a penalidade, considera a ac-
euraulacao como uma circumstancia aggra-
vante do primeira ordem (art. 58), raulti-
plicando 0 valor afllictivo pelo numero- de
iwfraccdes accamuladas ( art. Ill) donde
resnlta que o-oulpido, sera ioeorrer eot- to-
las as penas dos delicto^ reiterados, 4 ao
menos castigado, segundo o maior ou ma-
nor numero dessas infracjoes concurren-
tes^
Ve-se por tanko, nestas diversas legista-
^oes, que o fundamento da repressdea ca-
da Jtelkto asua'penaioi respeitado, salvo a
possibiliilade ou-cooveniencia-dasua appfiica-
cdo-nais ou meoes rigorosa.
VI
Aate todas as oonsideracoes que precedem^
resdta que 0 systema geral de punir do nas-
so codigo ndo fc+>sewente coneebido ante os
dados da seiencia'petal; veia remediar as
imperfei(des e as-deficienciasdomodo dare-
pressdo daquelta- epocha, coitsagrando os
progressos admitbdospela oo.ss3jurispruirn-
cia^ a pela quasi unanimidada das legisla-
coes modernas.
Maatem osaBatar principio da accumuta-
cao em. to-los-os-casos em quo a sua appti-
cacaoiehumanamente possivel; nao appli-
caoda Integra I smente senao ds infracQoes as
mais leves ; sabstituindo-o* para os crimes
graves* pelo maximo d& pena do mais
grave.
Eqpilibrou-se- assim noslimites de uma
repressao justa e-moderada, mas assegiirou,
sem o querer, aos reiteradores, o beneficio
da inapuni Jade.
Tando s6mente efqueckloos crimes- iguaes,
so, commettidus antes ou depois do proces-
e, bo mais e qpanto & accumulagao, muito
iraportante.
Oprocesso e uma atlvertencia, que col
loca.o culpado nas condi^oos de vir dar con-
ta de sua vida e costumes d sociedade. Des-
de esse momento, a lei o-tem eia.derrota, sob
a ameaca da pena lagislada. Essa ameaga
knplica a intima^ao de nan mais c ntinuar
nos mesmos crimes, e de uao commetter
nenhum outro.
Se, nao obstante, o culpado persiste em
violar a lei, affronta audazraente a justiea i
insurge se contra a sociedade, e, como re-
sultado, incorre necessaria mente na csrteza
do accrescimo especial de pena.
Em resumo, 0 systema do nosso codigo
penal quanta d accumula^do das. penas,
satis,faz a razao, a moral, d seiencia ; con-
cilia, em uma sabia medida, as regras da
justiga distributiva e as da bumanidade,
que se
segundo
R
ma-
pio
Seutou-se oa cadeira com um certo des-
embaraco familiar que aterrou mats Gene-
bra. .
Sente-se e tranquillise so, minha st-
nhora, disse elle ; ndo comprehendo a ra-
zdo porque i-lba para mim com um tal es-
panto. E' verdade aoe tenho cincoent*
annos, e me vou fazendo velho, mas nom
por isso deixo 'e ser an.avel, com '> senho-
ras que sio tdo fonnosas como a me-
nina.
Nao vi nunca um algoz, replicou Ge-
nebra, mas com certeza que deve ter uma
eara como a sua.
?ldo luvido; apezar de ndo ser um
algoj propiiamente dito, tenho feite viajar
muita gerit-j p:ira a elemiilade; a nw-
niua e Dcrjpicaz, c n;u/a.olmeuto ouvio a
queda na agua daquelle
gava destinado para seu
rido.
0' meu Deus 1 exclamou Genebra jun
tando as maos.
Para que 0 queriamos nds, se nos es-
torvava ? Mas, ndo trcma, menina; 6 mui-
to nova, e a morte estd longe ainda ; vive-
rd, e eu procurarei tornar-lhe a vida 0 mais
grata possivel.
Naquelle moraento ouviram-se tres pan-
cadas na primeira porta.
Queira desculpar, disse Michelotto, se
a deixo por um momento encerrada ; de
hoje em diaute, ninguem mais a vera sendo
eu. E' a nossa ceia que chega.
Michelotto sahio e voltou pouco depois
trazendo um grande cesto.
En seguida poz a mesa, e col loco u sobre
ella varias garrafas e as mais delicios igua-
nas.
Genebra permanecia de pe immovel e
muda.
Ndo quer ceiar minha senhora T per-
guntou Michelotto.
Mo.
Receia que a comida esteja envene-
nada?
Se julgasse isso, comeria.
E 6 seu filho ?
Genebra inclinou a cabeca sobre 0 petto e
desatoa a chorar.
Vamos, disse Michelotto, nao de lu-
gar a qua me zangue comigo mesmo... ndo
me enterneca 0 coracio. Sinto que se lae
arrazam os olhos de agua, e jure por Deus
que, se ndo fosse por causa do outro, tint
va-a daqui e fazia-a feliz.
Mas quern i esse outro ? exclamou
Genebra.
' 0 outro, minha senhora, 4 um mor-
to que foi meu, ou antes um morto a quern
! pertenci emquanto foi vivo, e se ndo ttra
'porque esse morto me estd pediodo ving.-u-
com os interesses superiorea da repressao.
Sd lhe fslta graduar a pena, no caso da
concurrencia dos delictos da mesma natu-
reza.
Feita essa reparsclo, ha de o nosso codi-
go criminal, nesta parte, por muitas titulos,
merecer sempre a attencdo dos legislado-
res.
CARLOS PERDIGAO.
Gazeta Juridica).
Relatorio
A RESPEITO DO NKGOCIO DO MARRCHAL BAZAJNK
EX-COMMANDAMTE EM CHEFE DO EXEROTO
DO R11EN0.
AUDIENCIA DE 21 DC NOVEMBAO
(Continuacdo)
Presidente.Qxtmei o Sr. Garrigne.
0 Sr. Garrigue, almocreve em Matz".
Tratou com a autoridade militar para o
transporte dos parlamentarios dos postoa
avancados e para 0 esudo-maior-generai.
Declarou que transportou doze parlamenta-
rios desde 25 de setembro, pouco mais ou
menos, ate ao fim do bloquero.
Fez-se em seguida a leitura de dous de-
poimentos.
Sophia Drun, de Strasliurgo, deelarou
que a 29 de setembro ouvio dizer a um of-
ficial eilemdo alojado em sua case : A
18 de outubro estaremosem Paris com Ba-
zaine Bazaine e um traidor. E como
uds mostravatnos confianca em Bazaine,
elle accTBScentara : Bazaine e Napokat>
mereciara st fu/.ilados.
0 priino de Sophia Brun conflrmOu estiy
depoimenio: c Bazaine, iizia o officiat
allemdo, estd- comnosco
O Sr. Bompard, deputado.Fui mairw
em- Bar-le-Due durante a guarra. No seu
regresso de Mete, o Sr. Regnier veio procu-
rar-ine uma manba, e perguntou-me o
meio de encontrar o conde de Btsmark,
em Versailles. Pftrguntei-lbe a- seu nome,
o que elle se r<-cus>u a dar-me, ta mos rou-
me uia pas-e do 9r. de Bismarikum papel
traeendo a assigneUira do raarecbal Bazai-
ne, e uma photograpbia assignada por Na-
poleaet
Disse-I be eu en tao : So is urcdesconhe-
cido, e-ai>tendes per garantia seoaaa assig-
natUra>doSr. de Bisraark, que um ini-
migor a do marechiil Bazaine, qce e objec-
to de suspeitas, e a do homem qoe larfgou
o meu paz no meio- da guorra,. em que
submefg-?* tal vez sua fortuna a sua
gloria. Sahi daqui,. nao alcancarois nada
de mim;
Mr. Bachaud,Ilia ten do o marecbal
dado a sua assignatura ao Sr. Regnier, e
para admi-ar que aste a ttva>6a podido
mnstrar ao Sr. Bompard?
O aveusado.Eu estio euactivaaaeote
admiradO-doque diz a testemunha.
0 Sr.. Bawpard quer responder, mas o
presidente interrompe-o, dizendo : Nin-
guem tarn o dire do dW discutir ou- de com-
meutar aqui o vosso dapoimeoto.
0 Sr. Julio Favre.X. 48 da setembro
estava era Ftrrieres. No dia segui ite pela
manba,.primeiro qua nada, mostrou-me O
Sr. de Btemark uma. photograpUia. Era
uma vista das margeas do rio, era que se
liam estas palavras : Escolhi este bello
ponto da Hastings par* 0 meu baa LuizV
e esta va. assignada Eugenia. 0 Sr. de Bis
mark disse-me qua aquella pbotographia-.
tinha servido de passe a um indthduo cba-
mado Regnier. Vadas, respondi ea, qua
tinba razao quando vos dizia bontem quo
tinbeis teocdo de restabelecer 0 imperio. i^-
0 Sr.- de Bismarkdefrn leu-se-.e accrescen-
tiuquea minha oertsura era mal fuaaada,
por isso que 0 ageote que se liana servido-da
quell* pbotographia era pessoa sem neuhu-
rrji- especie de valor. Insisti para reconhecer
0 caracter deste agenle, eo.Sr.de Bismack
ropstio ainda qua nao era um homem seria
com 0 qual se podesse tr.-.ur.
No decurso A minha conversagio ooaa o
Sr. de Bismork. tatou-se do estado da
Franca, e chagado a MeU ;0 Se. de Bis-
mark disse-me : Estais bem. certo da
obediencia do inarechal Bazaine? Ndo
hesitei em responder como quaiquer outro
0 teria feitol no meu lugar. Parecia-me
impossivel que um chefe de exercito na
frente do. iuimigo, j)odesse recusar obedien-
cia ao paiz, que organisa a sua defeza. 0
Sr. de Bismark respoadeu-me: V6s,
tendes difFicuIdades ; mas eu tenho razoes
para acreditar que 0 inarechal Baiaine vos.
ndo pertence, (Movimento no audi
torio..)
(Continuar-se-ha.
.
Ndo 0 eotendo.
Tern rjzdo, porque eu sou tenho
sido sempre am mysterio. Ouca, se der
d luz uma Aikt, Uberto-a e lanco-a nos
bra^os'doaV. Ludovico Ariosto, coai sua
fllha; mag der I luz um filho ; p6Jo
ser... sim... pode ser que a entregue tam-
bem jo Sr. Aristo ; porque no fim de con
tts consiste tudo na casualidade. Ha outra
raulher que deve dar d luz uma crianca
primeira do que a menina, e entao vere-
mos... espero que 0 diabo me ajude
Ndo me pergunte cousa alguma por-
que nao lhe responderei. Tenha con-
fianca em mim e ndo receie cousa algu-
ma. A menina e tdo formosa, que por
seu respeito concebi uns mdos pensamen-
tes; mas quando a vi chorar... por sa-
tanaz, conheci que com as suas lagrimas
faria de mim 0 que quizesse, menos per*
doar a vinganca para a qual trabalho ha
muito tempo. Perdoe se fallo assim, sei
que ndo estd babituada a ouvir esta lin-
guagem. mas eu ndo sei fallar de outro
modo. Tranquil ise-se; vamos, ceie, ndo
me cause pena ; estou vendo que acaba-
rei por ama-U como se fosse minha fl-
lha.
Nas palavras de Michelotto havia a elo-
quencia da verdade.
Estava commovido e Ge.ebra teve como
que uns assomos de esperan^a.
Michelotto que, na presenca de uma vic-
tima forte, ndo teria sentido 0 mais leve
impulso de compaixdo ; Michelo'to que ndo
se commovera nunca sendo de raiva e de
colera; qoe so uma vez chorara na sua
vida, no dia em qne recebeu 0 cadaver de
Cesar Borgia, no Campo de Vienna, com-
moveu-se rondo dianto de si aquelle ser
debil, na presenca daquella crianca de de-
zeseis annos que por unica resisteucia oppo-
zara as lagrimas.
E' que ha momen os, situates certas e
determinadas, em que as proprias feras se
commovem, se modiacam edeixam de ser,
para 0 obiecto que as impreasionou 0 que
haviam sido at*5 alii.
Genehra euxugou as lagrimas, olhou sor-
rin h oara Michelotto.e disse:
E 0 cer'.o e quo e tenho muito ap-
petite, porque ndocomi nada desde esta
manhl. Desculpe se a sua presenca me
aasustou; agora 4 d-fferente; parece-me um
bom homem.
Para si, talvez, aate a um w-rto pon-
to, replicou Michelotto, aerei tado quanto
quizer que eu seja, menos deixar que al-
guem a veja. Ndo ouvie dizer que preciso
vingar-me? Espere algum tempo ainda e de-
pois veremos. Ceie, alimente-se e esteja tran-
quilla, porque lhe nao succederd mal algum.
Bern vejo que isto aqui e muito triste.qua e
grande a escuriddo, que estas paredes massi-
Qas e espessas ajdevem suffocar; um pouco
de paciencia, minha filha ; quando for pos-
sivel tira-la-hei daqui. Entretanto sahi-
rd comigo todas as noites para resprar
o ar livre dos carapos. Quer sahir esta
noite ?
Oh I exclamou Genebra sorrindo tris-
temnte, um passeio largo, far-me-hia
bem.
Sim f pois espere, e ceie socegada em
quanto eu volto.
Michelotto pegou na espada, no punhal,
na capa e no gorro, poz a mascara, sahio,
fechou a porta, e p-mco depois Genebra ou-
vio 0 ruido da outra porta que se abria e
tornava a fechar.
0' mau Deus, meu Deus I exclamou
ella. Creio que tenho poder sobre este ho-
mem ; creio que se 0 soub-r levar, al-
cancarei delle tudo quanto quizer. Sim,
ceiemos; 4 necessario tomar forces, vi-
ver, viver para mim e para 0 meu fi-
lho.
E Genebra, fuendo um esforco, corae-
cou a ceiar.
Meia bora depois voltou Michelotto.
Trazia to braco um manto de sadi, pro
prio de mulher, e na undo um chapeo e uma
mascara.
Jd ceiou, minha senhora? perguntou
He.
Sim e agradeco-lhe ; as iguanas eram
excelfontes.
Quer sahir e respirar 0 ar da noi-
te ?
Oh I sim 1 exclamou Genebra com
anciedade. Ha cerca do um mez que estou
aqui seputtada viva.
PoU bem, ponha essa mascara, este
chapooe este manto ; 4 necessario que nao a
conh4$ara.
Genebra ob*deceu.
Michf-'otuvtirou a da pri^So e deseeu CO-^n
ella a osca la,
Ao cbegar ao pateo, Genebra vio alii
alguns so Ida dos que olhuram para ella com
assombro.
Michelotto chamou 0 capitao Rodolpbo
e maudou-lhe que fizeese baixar a pon-
te.
Torna a voltar? perguntou 0 capilio
Rodolpbo a Michelotto.
Cert-mente, respondeu Michelotto.
ndo sei se deotro de uma h ra ou duas, ou
pela raanhd. Esteja, pareui attento, para
que ndo tenharaos de esperar quando vol
tarmos. Ah I e verdade, ponham am leito
melhor e alguns moveis no aposento onde
esteve 0 Sr. Luighi Barthelemi, porque eu
venho viver nocas'allo.
Em seguida afastou-ie, levando n()ebra
pela raargem do rio.
Em vdo Genebra pretendeu saber alguma
cousa de Michelotto.
Este respondia-lhe sempre :
Nlo pergunte cousa algum*, por-
que, por emquanto, nada the posso di-
zer.
Antes de meia noite, voUaram ao eas-
tello.
Quando Genebra entrou de novo na sua
prisdo, disse Michelotto :
0 passeio foi granie, e dare ester fa-
tigada 1 recolha-se durma socegada. St)
necessitar de alguma cousa, cfcaroe, porque
eu fioo proximo de si.
E fachou a porta.
Em seguida despio se. deitau-se dor
mio tio tranqoiUameata como o haaera
mais satisfeito da at mesmo. e mais em har-
monia com a sua consciencia.
Verdade 4 qua Michelotto nao tinha coos-
ciencia, e que par conseguinte ecta nio o
podia iaqtuetar.
Apezar do so ter deitado muito tarde, Mi-
chelotto, que era maito madrugador, acor-
doa, segundo 0 s-u costume, ao amaobe-
ar. Vest<-se, pat a mascara, detceu, e
chamou 0 capitdo Rodolpho.
(Continuar-te-ba)
"TYiTiiODiAaiO. -IF A 0''Q''K '"R (, \X.rVt
HEM

\
<>


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16947


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L NliMERO 52
f
rABA A CAPITAL B LIIQABB* OMDB fVlO SB PAGA
?ortresmew adaaiiadoa................ *>
iortis4itosideB.................. a00
por um anno idem.................. SIJHMpO
*Cada Butaero aruia................. *G80
^S"
'qg^QMBa FEIRA 5 DE MARCO DE 1874
------------------------------------------------------------------------------ --------'
PABA DE.1TBOE FOBA DA PBOVMCIA.
Por tres n teles adiantados..............
tor Mis d itoe idem .................
Por aove d itos idem- ................
Bor am an no idem. ..................
DIAR10 DE PERMMBICO.
PR0PR1EDADE DE HANOEL FIGUEIROA DE FAHIA FILHOS.

*i

Oliveira d Filho, do Ceard; AnMtoio da Lemus Brag*, do Aracaij ; Joao Maria- Julio Charts, 00 Aaad; Antonio Marques da Silra, no Halt!; Jos3 JusUno
ff Srs. Gerardo Antonio Ahead Filhos.no Par*; Gonoaives d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, ua Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na ViU^dt Peaba, elarmiao dos Santos Bulctfo, em Santo Antao ; Bomingos Jose da Costa Braga, em Hanrethj
Autonio Ferreira de A8uiar,em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, noPflardtsAla^M; Aires dt C, oMii; e Leite. Ctrquinbe- d C. no Rio de Janeiro.
3=
?ARTE OFTICIAL
Governo da Provincia.
FALL A eom quo o Exm. Sr. commendador Henrique Pe-
reira de Lucena abrio a sessao da assemblea legislati-
va provincial de Pernambuco no dia 1. de marco
de 1874.
(Conunuayao do n. 50.)
Corao primeira necessidade dos povos, inerecera serapre a administrate da just.ca o maior
^%t SStA 2S!X*+* faci.itando-a, foi promulgada a lei n. 2033, de 20 de
"^.iSife^ VAStSfB -.tam,* para a justica, j para os in-
d:vidoos sujeilo* a sua accao. .,.. a tribaaai da relacao desta provincia a ter
** ^TSmTiSSSm da proviocia consta do quadro junto. qu mostra quaes > eoraarcas e
"^attSKTJ.rfc Provide as comarcas da Victoria e Bo* Jardim, nao o teado
ainda sido as de Jaboatto, Bezerros e Panellas.
foi ereado foro civil nos seguintes termos :
No de Paneila*. a 17 de marco do anno proximo passado.
No de Beaerros, a 13 de agoslo do mesmo anao.
No de Gamelleira, a SO de dezembro do mesmo anno.
No de Jaboatao, a 29 de janeir > ultimo.
De conformidade com o disposto no art. 6 j 4 do dexeto
S71 foram divididos em districtos especiaes os seguintes te*
Triumpho, a 96 de marco do anno findo, sendo a divisao a aeguinte
PbU' VtoSSrt?it n^aio.tsfm8:9i Caruaru. 1- A.tinho, 3, *! *"
JA^AAS&l de Panellas, 2 o da freguez.a de Qu.papa, 3.- o de
Alagoa dos Gatoj e B)jBjft da m ira seuint9. 0 daqueHe
- RnumeeXuTro 2 -Pedro Cfreguetia), V GameUeira (povoafio), e o Jeate -!.? o do sub-
ZtHtoEttk^2- A^arema, 3' oi pjvoados, Slocambo, Aguasinha, Lavagem e Casa Nova-
delegado da '^J^Wo o de *erro*, aim o do 1.- de sobJelegaeia, 2.- o 2.- dtto, 3.-
v >
J
ACTOS.
6 de Mar^o de 1873
482i, de 22 de novembro de
L a villa do Trium-
a freauazia de Gravata.
O de Seriohaem. a 5 de novembro, desta maneira:
1 a villa de Serinhaera, 2." o de Nossa
*fiS i yM& ri?oTpaoo.e IKSSSBG *SBBfn -
DW- S;Sa: ^^I^decretoJ8H d. dj uovemb.de ,87. foi
designate* 9 de jonho ulUrao a villa de FloresU para sede da comarea de T^aratii, e a 10 ae
jUih ^.KLS- Safuol^a. ddoVSSsDUdTdirei,o, sub^titutos e" municipals cnstam
do? seguintes quadros :
>
26 -

2 de Haio
7 de Julho
>
t
28
30


15 de Setembro
29 de Ontubro
a
30 v
TBRM08.
Recife (comarea )

Triumpho
Floresta
Eseada
--ir-
Nazareth
Panellas
Caruaru 3.*
Panellas
Aguas Bellas a
I.' de Pao d'Albo %
3.-
S. Bento >
2.' i^plente
3* #
3
!
I."
i*
3

>

NOMCS.


'Bacharel.Fraaetsco. de Assis
Pereira Rocha.
Stonoel ioaquim Fi an
Cisco de Moura.
Manuel de Souza Mon-
teiro.
Uaudino Gomes da
Caaba.
Eleuterio Lopes da
CosU
Manoel ioaqota de
e Silva.
Manoel da Rocha
Una -
iose Pereira de A-
raujo.
Fabio Velloso da Sil-
va.
lawharei Joao Sevenano Mar-
ques Bacalbao.
Joao Joaquim Ribeiro
Campos.
Manoel Thome Alves-
da Costa.
Jose da Silva Souza
Serodio.
Clarindo Cavalcante
de Albu'|uerqoe.
Bacbarel Antonio Martins da
C. Souto Maior.
Diogo Soirei Carnei
ro de Albuqaerque
Jos6 Pereira Leite. -
0 decreto n. 3,430, de 2 de oulubro ultimo, creou mais um promoter pablico neau eaplal,
com o ordenado da 1.800*. e devendo funccioaar nos %.; 5* e 6.' dirlet09.
De marco do anno passado ale esta data lorara nomeados, exonerados e removidos ot
proaaotores publicoa constantes dos quadros seguinlaa I
QUADRO DOS PROMOTORES NOMEABOS DE 1873 A 1874
,
PORTARIAS
OUADHQ DOS JUIZBS D< DIBMTn, WOMKADOS OUDKSIONADQS_
I
I
UecretOo
10 de mar-o de
17 de maio

IliS de julho
Jl5 de novembro
l!20 de dezembro

7 de Janeiro
1873
Nomes
Bacharel Joao da Costa Ribeiro Machado...
Luiz Gorrea de Queiroz Barros ..
Joaquim Guedes Correa Gondim
> Paulo Martins de Almeida.......
Antonio Lopes da Silva Barros....
Mauoel da Silva Rego...........
Agostmho de Carvalho Dias Lima-
Francisco Bernardo de Carvalho..
Comarcas
Boa-Vista...
Nazareth....
Flores......
Rio Formoso.
Ouricury. ..
Barreiros-----
Bom lardim..
Linioeiro ..
Observaqoet
Nomeacao.
De>igna;ao.
Nomeacao.
Designagao.
Nomeacao.
Designacao.
Nomeacao.
Designagao.
QUA PRO PQSitllZRS DK DIRK1TO REMQVU)0S
Dtcrelos
i4 de iulho de 1873
22 de novembro
Names
Da comarea de
Bacbarel Marcos Correa da Camara
Tamarindo............
> Jole Hircano Alves Maciel..
o Francisco Teixeira de Sa...
Joaquim Pires Goncalves da
Silva...................
. Pedro Camello Pessoa-----..
> Joaquim Cordeiro Coelho Cin-
tra....................
a Manoel Caldas Barre'.o.....
Abel Graca.
Rio Formoso
Bonito......
Limoeiro-----
Pombal......
Paod'Alho...
Para a comarea de
Crato ...
Ouricurv
Goianua.
Victoria.
Nazareth.
Goianna.
Pao d'Aiho
i vara civel.
Garanhuns,
i.hcfe de policia da
P.da Parahiba.
Santa M. Magdalena.
de mar^o..
26 de maio....
30
de setembro
925 de outubro.
29
5 de dezembro
8 de ianr.* 1874
29
10 de fev.
NOMES
Bacharel Gaspar de Vasconcellos Meueies Dromraond.
Braz Florantino Henriques de Souza.
Graciliano Augusto Cavalcante Wanderley.
Joae Leandro Daotaa Scrra.
Jo.-e Maria de Araujo.......
Jose Cavalcante de Albuquerque Ccboa. .
Geroneio Dias de Arrnda Faleao. .
Francisco Gomes Parsale.
Joaquim Manoel Vieira de Mello. .
Argemiro Martioiaoo da Cuaha Galvao. .
Estevao Carneiro Cavalcante Lacerda .
Jose de Barroi Franed; ........
Manoel Tertaliano Trava.so de Arruda. .
COMARCAS
Quaitro da divisdo judiciarta da provincia

COMARCAS
Recite .
Olindfc .
Iguavassu
Goiaaua
Karate .
Nazareth.
Cabo. .
Rio Formozo .
Eseada.. .
Victoria. .
Pal mares .
Barreiros .
Paod'Alho. .
Limoeiro .
Bom Jardim .
Bonito .
Brejo.
Caruara .
Cimbres. .
Garanhuns. .
Buicjue .
Bom Coaselho
Flores .
TERMOS
Villa-Bella.
Tacaratii .
Boa-Vista .
Ouricury. .
Cabrobo
Jaboatao
Panellas
Bezerros
Recife
Olmda .
htuarasfu
, Goianna
. Marabe
Nazareth
Cabo
Ipojuca
Rio Formttzo
Serinhaem
Eseada
( Gamelleira
Santo Antao
I'almares
Barreiros
Pao d'Aiho
Limoeiro
Bom Jardim
Bonito
Brejo
Caruarti
( S. Bento
Cimbres
Garanhuns
Buiqne
( Bom Ccnselho
i Aguas Bellas
( Flores
( Ingazeira
Villa Bella
( Triumpho
( Tacaratii
(Floresta
Boa Vista
( Exu
( Ouricurv
( Cabrobo
( Salgueiro
Jaboatao
Panellas
Bezerros
OBSERVANCES
E' especial
> >
Deixon de ser e-pecl por Dec n. j<4o8|J
de novembro uHtmo.

Nao in.*taliaU--
Eseada
Olmda
Flores
Cabrobo
Bonito
ilambe
Victoria
9* do Recife
Boa-Vista
Ouricury
TacaratU
Villa-Bella
Bom Jardim
QUADRO DOS PROMOTORES EXONERADOS EM 4873
PORTABtAS.
It4 de maio 1873
126
llO
Horns.
Bachar?l Seba?tiao Cordeiro Coelho Cintra. .
Joaquim Moreira de Barros Oliveira Lima
a Joaqnim Cerrea Guedes Gondim. ._._
COMARCAS.
Bonito.
Cabrobo.
Ilambe.
QUADRO DOS PROMOTORES REMOVIDOS DE 1873 A 1874.
PORTAJItaS.
26demar. 1873
l8dejunho
14 de outb -
8 de janr 1874
7 de fever.0
HOMES
Bacharel Manoel Joaquim Ferreira Esteves.
< Pedro Jorge de Souza. .
> Manoel Jose Mendes dos Santos.
Fiel Vieira de Torres Grangeiro. .
t Joaquim Xavier de Luna Miranda
Couto.............
c Augusto Coelho de Moraes.....
c Cassiano Bernardino dos Reis e Silva.
COMARCAS.
de
Santo Antao...
Buique.......
Bora Conselho.
Villa Bella...
para
Tacaratii.....
Limoeiro......
Brejo........
Rio Formoso.
Ouricury.
Buique-
Bom Censelho.
Boa-Vista.
Brejo.
Limoeiro.
QUADRO DOS JUIZES ML'NICtPAES K0MEADOS.
Decretos
7 de julho de 1873
14 >
22 de novembro
t3 de dezembro
Names
Bacharel Manoel Rolim de Alencar..............
a Jose Car- alho Cesar...................
Aureliano Augusto Pereira de Carvalho.
> Francisco Gomes Pinto de Campos......
Termos
Ouricury.
Cabrobo.
Flores.
Pao d'Aiho
Observando^^fsposto no art. 1" | 7 da lei n. 2,033. de 20 de setembro de 1871, nomeei
para diversos termos adjuntos de promotore?, constantes do quadro junto.
QUADRO DOS ADJUNTOS DE PROMOTORES PUBUCOS, HOMEADOS.
PORTARIAS.
N0MES.
Alem das alteracSes mencionadas nos quadros, houve as seguintes :
Forim nomeados Josembargadores da relacao de Porto Alere: o juiz de direito de Naafelti,
Lnix Gorrea de Queiroz Barros, e da de Cuyaba os uixas de dire.to, Manoel Tertaluao Thomaz
iSriques e vlcente Ferreira Gomes. Ma juiz de direito da 1- vara civel de Pao d'Aiho, e aquelle
d* FaeuP'aU27 sa deawnbro proximo passado em Garanhuus o juiz da direito Antonio Ma-
noel de Mede.ros Furtudo, aue por decreto de 29 de novembro fora rerooviio da eomares.
**"lSE3R felmmtea'consu quaes os supotentes de juiaes subsiHutos e municipal, exo-
aerados e nomeados de marco de 1873 ate esta data :
3 de marco......Lourenco Cordeiro Guimaraes..........
4 Cesario de Souza Leao................
1 de maio......Manoel Joaquim Pereira Netto.........
de junho......Joao Izidoro Goncalves da Crux........
tidede julho Lydio Mariano de Albuquerque.......
Pedro Antonio de Azevedo Barros......
[28 Pranciseo de Castro Nunes............
!6 de setembro... Jose Cypriano Bezerra de Mello......
.JO de outubro.... I Joao Barboza de Souza...............
9 de fevereiro de 741 Bacharel Vicente Tavares Rodrigues Lima
COMARCAS.
Cabrobo.
Ouricury.
Garanhuns.
C-.ruaru.
Goianna.
Caruaru'
i
Bonito.
Cabo.
Eseada.
TERMOS.
Cabrobo.
Exu".
Garanhuns
Panellas.
Goianna.
Caruaru'.
S. Bento.
Bezerros.
Ipojuca.
Gamelleira
ram** .__ .
Acha-se a frente da reparticao da policia o bacharel Antonio Fraacisco Correa.da Araujo,
que a intelligencia e zelo que o distingnem junu a precis* pradeocia, eaergia e acuwdada, tor-
nando-se assim merecedor do alto cargo, que pelo goverao imperial the foi confiado aas 17 de
maio do anno findo.
As autoridades que Ihe sao subordMudas, em geral, eumprem o sen dever, e aqowlas quo
bao sabido des^a trilha tem sido por mim demittidas a beia do servifo pablico, on mandate,; pro-
cessar, quando o facto e daquelles ^ue cabem.na alr.adn. da justi^a.
Nao dispondo de meios para desempenhar a ardua tarefajlo prevenir os crimes, e teodo
pouoos para perseguir os crirainosos, causam verdadeira admiracaa os resultados quo sob um a
outro ponto de vista se ha obtido. _
Curaprindo so pelo amor do dever, difflceie eocaraos, nao pereebendo retnmucao alguma,
muitas veaes expoodo a vida para realfear esU ou aqueUa diligencta perigosa, sao por certo dig-
nos de louvor aquelles que acceitam taes commisaoes t Taaabem por isso, sempro qaa uoaa ua-
portanle diligsneia se realisa, sempre que um,sernco reievaote e prestado, me apraaao eaa wva-toa.
ae eonheeimento do goverao imperialj qua, nMaaiftoieaie coa d, nao os deixa.dt retooapeosar^
coacedendo distinccdes honorifi -as, que em taes casossao por demais juslas.
Durante o anno foram creadoe os seguiate* districted poKeiaes :
0 de delegacia de Gamelleira.
0 de subdelegacia do Riacho do Matto.
Dous em Gravata.
Dons em Bezerros.
0 de Lage Grande.
Foram divididos os da villa.de Pao d'Aiho, que flcou teado tres
gar em Agaa-Preta e Buique.
Foi alterada a divisao dos do tertao- da Eseada, e finalmeote
Cartce. .
Todas essas alteraeoes, propostae pelo. Dr. chefe de policia. foram fias por cooveaiencia do
servico publico.
0 seguiote quadro mostra a divisao policial da provincia :
QUADRO DA ACTUAL DIVKAO POfctClaJ. DESTA PROVINCIA, POR COMARCAS. FREGLEZIAS
E DISTRICTOS DE SVBDIiUIGACIA, SEC UNDO OS DADOS F.XtSlEXTES. NA REPARTigiO
DA POLICIA.
> quo igualmente lev.' lu-
supptimidos. os de Copety
Nao tendo o goverao imperial mareado as gratiflcacoes aue tdm de perceber esses func-
cionarios, alguns pediram exoneraeao, o que se ve do quadro Juato.
QUADRO DOS ADJUNTOS DE PROMOTORES. EXONERADOS A PEDIDO.
ACTC3.
TERMOS.
Recife t comarea)
CARGOS.
HOMES.
Suppleole
,\
Bacharel Francisco Augusto da
Costa.
Augusto Carlos V
de Oliveira.
Sergio Diniz de Mou
ra Mattos.
Manoel Salvador
Cms.
Cufi'oei Francisco Autnoio d*
Barros e Silva.
Bacharel Antonio Veoancio Ca-
vakaaati.
Hereulaao C Baadei-
ra da Hallo.
Qaudino Josd de Mel-
Joao Cordeiro dot
Oaaioi
Pedro da Rego Caa-I
res.
Joio da Porciuacnla
Valeaca.
FraacUco Vaa C
ARwwHierqna.
VORTARIAS.
3de abril.......
10 de setembro...
94
11 de dezembro...
S da fevereiro de 74
mi m i
NOMBS.
Bacharel Gaspar de Menezes V. de Drum
moad.............
Joao Izidoro Goocahres Croa ....
Bacbarel Jose de souto Luna.....
Jose Cypriano Bezerra de Metio......
Lydio Mariano de Albuquerque .
COMARCAS.
Olinda.
Caruaru'.
Victoria.
Benito.
Goianna
:
A 10 de outubro ultimo foi iastallado o refistro geral de hypotheeas na comarea de
Bom Bonselho, e deraavse os seguintas proWmentos protlsonos da servenlia de otneios ae
jastic*^ |ldaabrilj AgM6Ao Perrftira da Silva Aatredo. na de l labelliao a escrivao de
xecuedes cUreis e mais annexos do tormo do GaraBdiuas. .:.. _.. -^ i A.
T13 da maio, Jeaqutm Antoajo da Silta Leaaaa. na de *> labelliao e maw aanexos de
1 amtn do mesmo mez, Manoel Eauardo Lenos Waaderley, aa de eseriTlo de capeUas e
rwiduos te G^aana^ ^ ^^ ^^^ ^ |^ ^ fc ^^.^ %^.^ do|e.
ral do dito lermo de Gnyaaaa. Kth.^iia
A 18 da setemofo, Joao Dama^eao A., aa da ofRctsI do registro geral de hyaoineeaaoa
A 3 de outubro, Benjamin hraael Alvares des Santos, na de tabeUiio e escrivao do ci-
A 90 do mesmo met, Luiz Antonio Gsrdeiro, aa de official do registro de hypotheeas
at* hWiIB COQi^iaLV
A n da aoveaabro. Porfirio Aires da Sfiva, na da ubalUao ascrivio de orphdos de
ft^^ fbran peatos am eoncurso, e ainda ale prorldoa, os seguinles ofkioa;
Cat* lisailiw de Gamelleira
r a 9* dbtat de Bezerros.
TahaUiia a eaemlo de orphaos da lagaaaira. .
TabeWao e dito da dito de Triumpho.
# 9* tabIIBes d* Agoas-Bellas.
Mrltador de capeUas e reidoos desta eomarca.
Comarcas. Terms, Freguezias. thstricto de subde'egacia.
Recife, Recifcv S. Frei Pedro Goncalves. S. Frei Pedro Goncalves.
Santo Antonio. Santo Antonio.
S. Jose. S. Jose.
c 2.* distrieto.
Boa-Vista. Boa-Vista.
Santo Amar
Afogados. Afogados.
Magdalena.
Peres.
t Boa Viagera
Capunga. Capunga. Belem.
Poco da Panella. Poco te Panella.
Varzea. Varzea.
S. Lourenco. S. Lourenco.
Jaboatao. Jaboatao. Jaboatao. Jabo'tao.
f Gurjati.
Muribeca. Muribeca.
Olinda. Olinda. S. Pedro Martyr. S. Pedro Mariyr
Curato da Se. Curato da S*.
| Beberibe.
t Maranguape V Maranguape. Paratibe.
Iguarassii. Iguarassd. Iguarassii. Iguarassii
c Itapissuma,
c MaricoU.
Itamaraca. Itamaraca.
Goianna. (goianna. Goianna. Goianna.
Goiaaaiaha
Noasa Senhora do 0'. Nossa Senhora do 0'.
Tejucupapo. Tejucupapo. Poota de Pedra.
[tarn be. (tambe. Ilambe. Itambe.
9 Timbauba.
c Cruangy.
S. Vicente. S. Vicente
Limoeiro. Limoeiro. Limoeiro. Limoeiro.
Malaadiaaa.
Taquaretinga. Taquaretinga
Bom Jardim. Bom Jardim. Bom Jardim. Bom Jardim.
c Qaeuaadas.
Nazareth. Nazareth. Nazareth Nazareth.
t \icencia.
Alagoa Secca.
Tracuahaem. Tracunhaem.
a Alagoa do Cairo
Pao d'Aiho Paod'Alho. Pao d'Aiho. Paod'Alho.
f L* distneto.
3.* dito.
Gloria de Goila. Gloria do Goila,
Nossa Seahora da Luz. Nossa Seahora da Lar
Victoria. Santo AaAe. Santo Antao Santo Aatto.
c Tabocaa.
3.* distrieto.
Eseada. Eseada. Eicada. Eseada.
t 1* distrieto.
* 3 a
*-
Gamelleira. Gamelleira. Gamelleira 2* districts
Cabo. Cabo. Cabo. Cabo-Ararie*.
* Ipojuca. Ipojuca. a Maracabipe
Rio Formosa Rio Formosa. Rio Poruioso Rio Formoso. Efaaopla.
Uaa. a Serinhaem. < Uaa Tauuudart.
Serinhaem Sarrnhiem. 1* distrieto. ** Pahaares. t* distrieto.
Palauras. Pabnares. Palmar ec a
a Cartoipe. pregu'-a.




*m 3<1 WJI Mi tffc&yde Pernambuco
-____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
I
, '.
jiiwr**
nwerix do towIov
Barreiros.
Bonito.
COZ&i Barreiro*
' : Bonito.
Bezerros.
Caruarii.
*m*
ranellas.
Brejo.
Citnbres.
Garanhun?
Unique.
Bora Conselho.
Flores.
S. Bento.
Pant Has.
Brejo.
Cimbtes.
V
Panellas.
i
S. BeneJicto.
a
c
Brejo.
*
Cimbres.
AlagOa de Baixo.
Garnahuns. Garanhuns.
Buiqae. Buique,
Villa-Bella.
Tacaratu".
f*,v Vista.
OBricnry-
Bom Conselho.
Aguas Bella?.
Flores.
Ingszeira.
Villa Bella.
Triumpho,
Taearatn'.
Floresta.
Boa-Vista.
,'uncurv.
i-xu
N. Sra. da Pedra.
Bora Conselho.
Aguas Bellas.
c
Flores.

lngazeira.

Villa-Bella.

Triumpho.
Tacaratu'.
Fluresta.

i
Boa-Vista.



Ouricury.
Cfcbrotd.
>"abrobo.
Salgaeiro.

Exu\
I
Cabrabo.
Snlgurtro.
M. utrs.
U*rrairos.
Abreu.
Campo-Verde.
Bonifo.
Verde.
4as Flores,
eM.
e Grande.
Hienteiras.
CfbPlleira.
Bezerro?.
Camusetm.
Gravata..
Rua Nova.
Cwuarii.
S. Caatano.
Taeaelej-
AHipho
S^Bento.
Ganhotinho.
Caxoeirtnha.
Panellas.
Alagoa te9 Galos.
S. Benedieto.
Quipapa.
Queiraadas. .
Brejo.
Jacarara.
Carrapato9.
iurema.
Ctmbres.
Santa Agueda.
Alagoa de liaixo.
01 hi i iikfHk
Poc.ao.
Garanliuns.
Correnles.
Paimeiras.
Buique.
Gantelleira.
Caraeiro.
. Sra.- da Pedriu-
] Bom Gonselho.
Aguas Bella-.
Assurema.
Flores.
Colonia.
lngazeira.
Varas.
S. Jose.
Afjgados.
S. Pedro.
Villa-Bella.
S. Francisco.
Belmonto.
S. Domingos.
Triumpho.
Tacaratu'.
Fazenda Grande.
Riacho do Navic.
Penha.
pelrolina.
Gaboclo.
Carahibas.
Boa-Vista.
Ouricury.
Wrtigas.
Serra Branca.
Sitios Novus
S. Pedro.
Granito.
Exu'.
I0 districto.
2' districto.
3 districto.
Leopoldina.
Salgueiro.
Conliinuir-se-h Gnimr.ries, Idery; kwi
iP^'M P% SiUWA'0* >'lern Proderico Wri
h^mdyMtn WSumi I'eilra Ales do
lent H l ad1d*icl ^r drt Almci t.i, ide,
It,ajuia Barros, Mem; Julio,
idem ; Almiro LeandnJ
idem ; Silvino Jose de CarvaUn
Raymuudo Jese de Soaza Lobe,
ira
feira 5 de Marqo de 1874.
sos 18* anno de exlsrencj,
rcputacao universal, jrjMi'i niimero
ts e:n quasi todos osnuffirdo umn-
lugares mais distinctos W? os j.r-
ilos que .ictaadueiiio s#ftnaVn .
u i (In corrente anno.jMMpcabam de
are*pectiva ageucia, livrarfadcTSitva Car
dozo & Pessoa, a rua do Barao da Victoria n. 59,
*antera .-..aos Srs. sRhseriptores, oafcu director e
ktarm ; revisias geraes por*Ca*eoa a mar-
lncisco de Araaje if
2; Joaquim Fraueoi
AKredo FcrnaB da
_ eniu Martfas de Oliveira, ijem ;
Antonio Gdotalfes Ue-as, idem Jos| Vwijto de
Almeida Maura, em 12 if. *et Jose Maria Pdslana Juuior,iiem ; Thamae de Ue-
deiros Ponies, em 19 de set&ibro do 1872-; Jo.f*
Carbs da Costa Barrbs, em 18 de outubro de
187S ; Carlos Ajiguslo Faria Veigvera i2,de. de-
zMDbro de 1874 ; Juao de Amfetde Uite, mi 31
de Janeiro de 1873 ; Adolpho 4**#i WoMiRi,
idem; Antonio Augusto da Costa Laeerda Junior,
idem ; Prancico Pinto Torres Neves, fderii ;Tre-
deric, Dias de SajUam ; ArJS9>^j0WIUle.
Senna Urga, ident7 AutunW AWs CSffiara/Tdem;
Jtavniuudode Moll.) Furtado de Manioofa, iiiani;
Carlos Vidsl de Oliveira Freitas, idem; Joaquim
dosSantos Magalbaes Juoior, .4m ; Pedro Gon-
calves Perdigao, em 10 de tfevereiro de 1873;
CmoWo-eiunano da.Cota BnjKl^ni 23 dMu'
de 1873, Francisco Agapito da Vei^a, idem;
fluetda Vallii-Alfign; ; histeria d.vpTOvinoia e bi^ tiunado a (allar ale tos atiditorios da carte, onde
aadodaAvila, *e D. Joao CarraiBolio, por Anto- e sabido nunca eiteve*
'^*'SfBav''1t8; 1,relui|ios ,1" Pprvif, per :D. Ant..- niz o Sr. Rayojundo Leonel, no sewido topico
e-tas intetrainetite es
Mem m^mftt
cir:unspec<;*). qualidados
trannas 4 sui pes*>oa 1
Otftesvaries do bacoarcl R.lim chegaram-a
ponw de, eono advo^aan,- iiuulbr, iiijuriar m
publjca a,uIie.ncia,ao Juiz. mtyuciual !> suppleoto
em exercicio Antonio Leonel de Alencar, irmio
de seu cunhado e seu primn, charaando o ouno,
eeivallo e outros pfMtttos, tmproprios do am ho-
mem que se jaeta de alUuiwnte illustrate e acos:
iMiO i>\ l!!ti^-XylV.. 0) Dl.\ 3 DE Miago
t-r. !S7i
Ant-mia Lni? le oliveira AzeveJ). Iuto:raeo
Sr. Mr. fltefe -le poiicia.
Apolinacio Lui* da 'Jarvaliin.ludcfrido.
utonia Luiina do> Prczeres.-Fica coaceliio;
rrazo de oito dias.
'lailota Augusta de Figurireda Bolfort. -r Jnfor-1 Gomes da A^uiar, idem ; J.wo Carlos Tavares, em
me o^ Sr. Dr. director ^eral ioterino da iB-truecau ^ de dczotnbro de t8t>9 ; JoSo Maimel d^Moraes
pennies e tuludteinasque, m foriua tki-aii/gos
4, a.' t 27, 3. do decreto n. 5,'16t de 12 de
iiocrmbro de 1873, ilevem sattifazer a eottdigSo
de em'tai'iut piira serem considerad.>s tin pro-
tHOefK:
Capitaes da mar o guerra. J8e Aatonio de
Siqiii ira, |iromovido em J2 de abril de_J8ti8 ; Joa:
public*.
TiiMutecoronel Fwieiico Volloso daSilvoira. Mendes Salgado, idem
rorBeca se.
O mesmo. Forue;a-se.
i"ranciica Maria Barbi aa.Informe o Sr. prove
a! >r da Santa Casa de Miseiicotdia.
Bri?ade*ro Ifagino Jose Coeiho. -Forneea'se.
O mosmo.Forne^a-se
O iikosmo.For^e^a-fe.
e VaHe, idem ; Jo$oda Cotta Azi-vcdo, idem ;-lin
Capiiaes-dftfragaia. Join Paulo daCoala ^'et-
ti, em 28 de nov(mbro do -4863; Manoel Benicio
Furtado de Maodqnea, om 2t da Janeiro de 1867 ;
Francisco Jose de OJiveita, idem; i'e ira Tuome de
Cat tro Araoju, idem ; Henrique Auloiii > Ba-^usia,
idem ; .Manoel Carneiroda itoi;.ia,ern 12 de abril
de 1868 ; Cypriano de Azovodo Thompson, e.o. 2
Irmand.ide do Santissino Sasramen'o da matriz da dezeinbro-de 1869 ; Joajuiin Francisco Ciiaves,
da Boa-Vista desta c-dade. Deferido com offlcio em 2 de junUo de 1873 ; lgnaco Accieli de Vas-
desta data a thesoqrana provincial. J concellos, em i de dezeinbro de 1669 ; Basilio An-
Inn.mdade do Senhor Bom Jesas da Via-Sacra nmui de Siqueira Barbedo, idem ; flraneisco Frei-
ua igreja da Santa Cruz.-Deferido com offlcio des i re do Borja Salema Gar.ao, idem ; Francisco Ro-
^ia data a thesouraria provinei 1. I mano Stepple da Silva, idem ; Antonio Carlos Ro-
lrigues da Silva, em 2 de junlio de 1873; Joaquiin
low Fernandas Monteiro. F-irne?a se.
ContMl i)e Maria lidei'onso Jaoome da Veiga
a -sda e Mellc Forneea se.
Monsenlior Joaquim Pinto de Campos. Informs
v>jsr. inspector da thesonfarla provincial. -
Joao Jos.- Mendes. Iuforme o Sr. inspector da
tli- s.mrari.i de fazenda provincial.
Padre Manoel Antonio Martins de Jesas. = Ao
Sr. Dr. eliefe de polkia.
viigu-l Ferre ra de M-ll>.-Passe portaria.
Manoel fsmri" "a Pnritiraeao Sim.
Maaoel da Silva Lopes.-Inform* o Sr. fiscal da
.-.mpanhia.
la policin.
p.dicia de Pernambuco,
I&epartiriEo
2.- geccao__S.-erctana il.
3 demaror de 1874.
N. 308.Dim. e Kxrn. Sr.-Partieipoa V. Exc.
que foram hontein reJoWM-JS :i delencao os se-
guiotes individaos :
A' minha ordem, Antonio, escravo de Lourenco
do Rego c Vital escravo de Paredes Porto, por an
rfarem fugidos, e Id?4, escravo do Dr. Manoel de
Uarros Darretto, a reqoerimento d'este.
A' ordem do sulid--ft-gade do Recife Jacinlha, es-
erava da viuva de Jose Velloso da Silveira.a
requerimento de Joaquim Lniz Vieira, e Eduvin
Davis, a requisi^So do con?nl in^lez.
'\' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Da
masio Jose Pereira, por distnrbios.
.Nesta data communicourno o subdelegado da
Magdalena oue frzera remessa ao Dr juiz de direi-
xl. do 6." districto criminal, do inquerito a qne
piocedera contra J.-RoMarki Ferreira AHonso, de
quem tratei em minrit pane diaria sob n. 291, do
i8 de fevereiro ultimo.
0 delegado de Itambe, por offlcio de 27 de fe-
vereiro ultimo, eommooicou-me quo recolhera-se
i prisio, afim de iralar desua defeza, Cosme Al-
ms de O.iveira, crimkMiso de morte n'aquelle
t=rmo.
Deus guardo a V. Exc.- Illm. e Exm. Sr. com-
jijendador Henrique Pereira de Lucena. digno -pre-
sidente da provincia O ehefe de policia, Anto-
nio Francisco Cirreia de Aroujo.
Dia 4
X. 31o.-Illm. e Ex.n. Sr. Paiticipo a V. Exc.
que foi hontera reeolhid:> a casa de detentao, a
ordem do subdelegado de-Santo Antonio, Maria
T.elvina de Souza, pordisturuios.
Segundo commum-v>u-mo o delegado de Taca-
ratu, por offlcio de \9 de fevereiro ultimo, pelag
10 horas da inanria Mo di.i 3, na Serra lo Pra,i
daquelle termo. Niencoftrado o cadaver de Gal-
-dino Manoel do Nasnni |0e iizera:n a vistoria jno a morte fora o resul
tado de nma congestao ftil linante.
Em o!Bcio de 21 do referido mez de fevereiro,
^ommunicou-me'o delejp^o de Buique que no dia
1, proximo a fazenda 'Carmiiba, daqnelle termo,
Antocio Januand assus-iBOu a Joao Leite de
Aradjo, I grando tya Jir se, e que ace'ea do se-
fflelbante faefe estava procedendo nos ternaos da lei..
0 dclegado-dd Cabo commnnijou-me, pr,r oflicio
de hontem daWdo', ^ue, 'das quatro para cinco.
.3 da tarde do dia anterior em terras do enge-
Dho S. Joao. d'a jiravomente a Joe, eonsegnindo evadir-se, e que
fiobre este facto prdcpdta na forma da lei.
Por offlcio desta -data, communicou me o sub-
delegado do 2. districto de S. Josr>, qde pelas onze
iioras da manba de hobtem, Antonio Bernardino,
iravando se de nfttlei fern Joao Pelro dos Pra
, ferio levemente s te e tendo sido preso em
'agrante pelo inspedHtt*tolugar, logrou evadir-se,
iju-i fez o c:-rpo de detielo e pr.seguia cos teroios
do incjuerito.
Deus guarde
V. Exo.-lllm. e Kxm.Sr.com-
mendador Henrique Wireirf da Lucena, Jignopre
ilenie na provincia.- 0fnefe da policia, Antonio
'sco Corret+d+ttrsvjo.
Guillierme de Mello Carrab, cm 2i do dezembro
de 1873
Capitaes tenentes. Feliio do Sa Brito, em 2
de dezeinbro de 1861 ; Joio PeJro de Carvafho
Raposo, idem ; Pedro Leitao da Cun.'ia, ijem ;
Carlos Augusto Victoria, idem ; Antonio Marianno
de Azevedo, em 2 de tfczembro de 1862 ; Jbronymo
Pereira de Lima Campos, em 28 de novembro de
1863 ;' Joio Carlos de Souza Jacques, idem ; Fran-
cisco Leopoldo Cabral do Canto reive, em 23 de
dezembro de 1F63 ; Antonio Luis'da-Silva Souto,
em 20 de agosto de 1864 ; Salustiano Caetano dos
Santos, idem ; Francisco Goulard Rolim, em 21 de
Janeiro de 1867 ; Antonio Ximenes de Araujo Pi
tada, em 29 de dezembro de 1867 ; Manoel de
Moura Cirne, em 3 de mar(;o do I8C8; Jose Ber-
nardino de Queiroz, idem ; Pedro Hypolito Duar-
te, em 2 de dezembro do 1869 ; Lourenco Eloy
IVssoa do Barros, idem ; Pedro Cordeiro de Arau-
jo Fein, idem ; Antonio Luiz Teixeira, idem ; An-
tonio Ferreira de Oliveira, em 2 de dezembro de
1859 ; Antonio Pompcu de Albuquerque Caval-
eaote, idem ; E luardo Augusto de Oliveira, idem ;
Eiuardo Fabio Pereira Franco, idem; Pedro
Benjamin de Cerqueira Lima, idem ; Jose Pinto
da Luz, idem.
I." tenentes. Jose Maria do Nascimento, em 2
de dezembro de 1857 ; Jose CandiJo Duarte, idem ;
Jaymo Gomes de Argollo Ferrio, em 2 de dezem-
bro de I860; Emilio Augusto de Velio e AWim,
em 2 de dezembro ilo 1861 ; Joao Henriques le
Car vat ho e Mello, em 2 de dezembro de 1862 ;
Antonio Calmon du Pin e Almeida, idem ; Joao
Jose Lisboa, idem ; Jose Luiz Pereira .de Souza.
em 13 de dezembro de 1861 ; Jose Ignacio Borges
Maetaado,cin 21 de Janeiro de 1867; Francisco
Xavier Rodrigues Pinheiro, em 29 de dezembro de
dezembro de 1S67 ; Francisco Augusto de Paiva
Bueno Branddo, em 2 de dezembro de 1869; Her-
man Lniz Gade, em 18 de fevereiro de s870;
Jose Antonio de Oliveira Freitas, em 2.* de Janeiro
de 1^70; Jose Marques Mancebo, em 2 de dezem-
bro de 1869 ; Frcderico Guilherme de Souza Ser-
rano, idem; Manoel Antonio Fiuza, em 3 de Ja-
neiro de 1872 ; Antonio Carlos Freire de Cam-
Iho, idem ; Joao Alves Ferreira Ja Rocha, idem ;
Athanagildo Barata Ribeiro, idem ; Eduardo de
Harms ilon.la, idem ; Jos6 i'orfirio de Souza Loho,
idem ; ItJefonso Felippe de Souza, idem; Francis-
cj Floriano Cantalice, idem ; Jose Leoncio da silva
Rosa, idem; Jose Carlos de Carvalho, idem.; Lujz
Jose dos Santos, idem ; Rodrigo Nuno da G/>sta,
idem; Joio Neporauceno Baptists, i.lem ; Fr.iu
cisee imt da Silva Fontes, idem ; Antonio el!im
da SiKa Guimira?s, idem ; Antonio J;'. Silva Froes
Junior, idem ; Arthur de Azevedo Thompson,
idem ; Antonio Luiz Cavalcantede Oliveira, ide-n ;
Ain.iio .la Rocha Crystalino, idem ; Victor Candi-
doBarreto, idem ; Franchco Belmiro de Mittv-
Tupin,;idem ; Joao Egydio de Castro Jesus, idem ;
Leopotdino Jos6 dos Passos, idem ; Jos6 Pedro A!-
vee de Barros, idem ; Manoel Maria de Carvalbo,
idem ; Affonso Augusto Rodrigues de Vasconcel-
lus; iden; Jose-AJves oaitm da Silva, em Si de
dezembro de 1873; Affon idem ; Alvaro Nuno Vieira Belfort, Idem : Fran-
cisco Pinto das Nev/-idem ; l.uiz Pedro favsp.s
Junior, iJem ; lose Antonio de Miranda Nielsen,
idem ; Candido Tertuliano Ewerton Quadros,
idem ; Joao Carlos da Fonceca I'ereira Pinto,
idem ; Jose Antonio da Silva Guimaraes, idem;
Francico Gaviao Pereira Pinto, idem ; Benlo Ja
nuariMfeyao da Siva, Htm ; Jose Pereira Goima-
rae=, idem : Alexan Jrino Faria de Alencar, idem ;
Miguel Jose da MoMa Lte e Araujo, idem: Joa-
quim Thomaz da Silva Coe!ho, id- \u ; Joveneio
N'-gneira de Faria, idem ; Felippe Feraandes de Castro,
idem; "Paulo Antonio liibeiro do Come, idem ;
Fracciseo Alberto de Castro Menezes, idem ; Fran-
cisco Manoel Ribeirv'Wem ; Apiigio dos Santos
Rocha, idem; Leonardo Ribeiro Alvares, idem
RIO DE JANEIRO
bio Penna ; Iti^irdo WagneaViMlaiMcnio; necro-
Jpgia heSpanfcolt por D. M. Ot y fk;o retrato de
laura, por 9. Reregrino Cadepa ; etc.
As prineifiaes eslairijias sio ; Lea pulero na ca-
pella dos It-is, do convento de Prefadifes, era Bar-
celona ; Ponto.ova ; 0 retrafci do-D.lose do.Car-
vajal y Had, ultimaraente ministro de estaio; Car
ta^ena, fugitives da.praca ,em botes. de esquadras
estr.angeiras ; Croriuis de JUBao ; o teeto da aala
do theaire de Apollo, em- Madrid ^wtatlo do fe-
neral Infante ; ultima phase do processo Bazaine ;
retrato de Ricardo Wagner ; vistas dos movimen-
tpsrde Madrid,.irule 4de niro;
"rtaagencia tomam-se-asslfirattiras para a lllus
tivuao IkspanMoi/t e Auuricmn. e para a Moda
Eleftnte Itlustrada, a razio de 30J> por anno e
l&i por 6 mezes papa cada um,desses jornaes.
Comarca de Cinbrics. Escrevem-nos
etB.23 de fevereiro :
0 rio Ipojuca, nasce ao poente da serra Oro
de Aracio Pinlieiro, idem; tmtr beweHe, -idem ^
Manocfr-Veawio Campus da Pae, idmi, 8n*inn
de Aaeredo Coutinho^ idem; Presciliano Olynipio
Nogneira Neves, idem jTStias Jo^e Alves, dffl*H
de junto de 1873 ; Mancd Jose da Sijveira, em 31
de jia'lio' de 1873; Antonio Vieira do Andrade,
idem; Thomaz Augusto Dowtley,e|la de outu-
bro de11873; A,ntonio-"Ferreira i3areip de Addra-
dre.em 5 de novembro d$ 1873; Jose da t'nnba
Ribeiro Espindela, em 'it de de'inbro de 18/3 ;
Bernardo Goncalves da Costa, idem ; Alfreda Sil-
veria da: Sonza, idem; Jose Rodrigues de Abreu,
Idem ; Francisco Jose' Vieira, idem;1 Manoel R -
drigiues Cajado, idem ;.'Jose Ramos,di Fdneeca,
[derp; Francisco .VntQnio.de Macedo, idem; Al-
fredfc'Jbse de'Abred^'l.t^m ; Arthur Iddio dd Bra-
til Silva, idem ; (JflstavQ, Antonio Gamier, idem;
Can|#ido *of SJmtr.s i-ara,1 idem; Jose Lopes Pereira
lialiiii. idem ; I^aclo Jj-ii Godi.iho, idem ; Justino
fle Sodza Franco, iiem.
Qnarte! general da marinha, em 31 de Janeiro
de 1871.' Jooquin Jfaymnndo de Lamare, aju-
daute general.
*
Leopoldo Baiideira de Gou^a, idem; Carlo.^Jose rnba, conhecida vujgarroente por serta do UrubaJ
ta-comarca de Cimbres, e na -fraIda oriental da
Jam'taea, wmiflcaeiio da^erra dWCariris-,
Vqlhos, e esta daicordilhelra occidental chamada mtri aceruda-
mqnte porEschevege-$erra das vertentes, porque
faa o'divortium aquarium dos afltaenUS dos gran
des rios do Itrasil.
'O -rio rpojuca bio tem rumo certo ern|
sea curso aid a poyoacae de Gravata ; banha, na
roaiarca do Cimbres, aa povoacdes deVao de As-j
sucar, Sanham e Agua-Fria, que ficam a margem
es^uerda, na eomarca de Caruarii a ci lade desie
gome a esquerda, e as ipovoacoes de Tacaitd e S.
Cai'tano da Rapoza a direita. na comarca de !!'-
zerros e villa deste nome e a povoacjio de Grava-
ta, que fleam ainftas a direita do rio. Da povOa-
cao Gravata em diate i segue no rumo do soL e
vat banhar acidade dafisc^da, da comarca deste;
,name, a esquerda, e a. villa de Ipojuca, do term
desse nome, da comrrca do'Cabo, tarnbem a esr
querda ; e, deppis de urn curso provavel de 7})
leguas, entra no oceano ao sul do cabo de Santo.
.Agostinho, formando aibarra do Suape. K-te rio
'6como tbdos os qne fleam dentro da zona conw
pfehendida entre os ries de S. Francisco, quo e o
mare internum do Brasil, e o Parnalryba. Secca
em todo o seu curst) dip-ante o vera >, flcando ape-
nas alguns peqoenos p.j.; is ; a sua agua e ma e
em alguns lucres salgala ; as suas margens s.ip
*despidas de arvorfs, pplo mao systema de nossofl
agricultores e criador.-s. que assentam em d.-rru,-
br as arvorps das niargens do rio. Altribiio I
faita deafvqfes nas.margens, a graqde quanU la le
'de areias que teem entumado todos'ns po^og
do &cu.leito,e tambem fl pressa ou corriracnto ra;-
pjdodas agftas.
a 0 rio Moxoto nasce na serra de.oominada Ja
REyiST^"DIARU.
issrniMea.pruvitieial. n nl-m funo-
cioaou euju 33 Srs. 'd,c>>>f[ados, sou a presiden-
cia.'db Sf.'Dr. Aitzyar,
Approvada a a'cta da .seosiio aatecedente, o Sr.
i" asctetari > Jeu o segainie expediepte :
Rfquefimento de' Beriino Lopes de Araujo,
1* laberliSo. e epcrivio'.d< orphans, capellas e resi- blaci, da comarca de Cimbres, e corre em direc
duo* do ^rino de Oab^d, "pediuda a exjinccao
do tillicio de 2* labenian e anncxai;3o dos aemais
t lliciu* aos .^(j.-Uio s^> piyiaiivus. A' cauuuabio
de iustica civil e criminal.
Da Panla-^Mafra, {wdirido a revr.gacao da lei
p. I,lzldel7de junlio do- anno passado.-A'
foimiiissao de ti'^lslaraiK -;
E ouiro da commissao de fazenda e orcamtn,-
pedindo que com uigencia sa solicite da presi-
dencia da provincia aja/ownajeos ebre-/iu.e
tem sido resolyid/i eiu relac^ao as representagdes de
divarSos criaJores, COtllfi o imposto sobro per-
inntH e compra, do gado cavallar. Ollicie-se.
Ftssandb .i orJeai do dia, entraram cm dis-
eusjao e iVram rijq'tadpa s project-s ns. 10 e 2<>
de o7, 17 de !8flf, 15;de 1873, 70 e 97 de 1967.
Fieou adiada,a rewdrfenento do Sr. Gomes Pa-
renji, a 2 discusSaVxfo, projecto ri. 14 ie'18.6/
ate que seja apreseritiio o de forca policia), de
poi* oe urarein os Srs. Kalis e Gomes, Pareote.
Fjjptrandj em 3* "dncus.-a-j o projecto Bt. 7 do
anno passado, que ant6nisa o pre.-i.l-ute da pro-
g^o a nordeste da po.vo.tcii de Lagoa-de-Baixo, e
em distancia de ires a quatro leguas desta povoan
Icao, tendo^por coaftjaeaUy. o.jioi-.G(an4e,.5ipd e
S. Bento, os quaes veem de igual distancia de les-
te e .de sueele. 0 nliimo eiilra mo rioiM x j.
patico mais .ou inenos de diM qaurta de le^ua
abaixo da .posoapao de Ligaia-de-BaiKo. e os dous
prime iros aettnar
t 0 Moxoto banha a povoacio de Lagoa de-Bai-
xo ao anl, e a povoaeio. do.^Jerilaco, 16 leguas
disiante da"[ueila, aonde, apezar dos bonspocos
d'agua qne duram de um antjj para ontro, hao
teui varzeas, que offereca-n a menrr A-anlag*m a
cultura. Em seu curso banha as povo.icoes ja
ditas, e entra no rio S. Francisco- aciwa da ca-
choeira do Paulo Affonso.
0 riooMoxoio- tem varios conflnentes, que
sao : o ciacho1 do Met, que-nasqe pouooacimada
povoacio zia de Cimbres, entre as fazendas Varaa 6" Mimosa,
e entra no Moxotd abaixo da pevoacao de Gcrita-
e*-; riacho-'Pinta, enjos coiiiluentee saoos riachis
kUeelararam os'peri'.i* qne O'WtDrfaram, ter sido
morte produzida pur congestao fulminante.
WmTfHrlii.-Eini^..do mez ulrrrae, Anteoio
lauuari.^ proximo a fazenda Cartfaiiba, do termo
de liiii'i o asiassinou a Joao Lettada Araujo. O
crimiiioso evadio se
F4'rfinent^raTr.-Das 4 para as fi bo---NOo.
Uas .la tarde de 2 do eorreole, Pedro Ignacio ferio g falso^que
terav*nlwnea-Jid,
Jo termo do Cabo. Evadio-se o deliii juente.
Vapor ParMkd^SKptado teiegratawda
(Para, sabio desse porto para o uosso, pelas esca
td'em 0erita6 ; riaelio da Custodia, qne entra no
Mmet ja*o a rwandaPoc/o-Comprklo. i>
I.ntcrii*. A que se adia a venda d a: 9%.', a
Bartefici.rda^igreja da Conceicio,de Caruaru, que
corre no "IeIldes.-Hoj, 5 do corrente, elTectua o
ageute .-Pinto, em seu escriptorio, > leilao de fazen-
das oVariadas e limpa?, coosistindo estas, em grds
denaplet preto, camisas para homem, ceroulas le
linUo, gravatas, chaptos do Chile, do pello lino,
bonets, chap6o* de feltro, camisas de meia, mei.13
para meninos, e muitos outros ar/.jgos ; e aquellas,
em algodao, chitas e madapolSes : as-10 1/2 horas
em ponto.
.As 11 l/2Jioras efLiQluara 0 mesmo agente
0 do armazein da rua da L-.pa n. 13, e da casa
terroa da ilha do Retiro, e linaltnepte, ao mcio dia
0 de duas casas de canpo, sendo una na Tamari-
neira, e ootra na Cruz das Almas: em seu escrip-
torio a rua do Bom Jesus n. 43.
Casa de datenyao.Movimento da casa
!e delencao do dia 3 de marco de 1874 :
Sxistiara presos 332, eutrou.i, sahio I, sahi
ram 6 existent 327.
a saber :
Xacionaes 216, mulheres 8, estrangeiros 29,
e cravos 42. escravas 2.Total 327.
Alunentados a custa dos cofrea puldieos 261.
Movimento da enfermaria do dia 4 de marco
de 1874.
Tiveram baixa :
Anlonio Alves dos Santos, syphilis.
Maria Antonia do Espirito Santo, eoiica.
Tiveram alta :
Maaoel Francisco Barradas.
Manoel Franoisco dos Santos.
yiuoia a conTratar o esfabeleciiuento de trilljos dfr ^lani.-oba, Sitio eBarra da Serra, eBirano-iloxo-
maqeira e ferro uas ruas desta cidade, bride niio
pisjerem us da Companlbia Pernambuco 9ireet Rai-
jwav, ficou tambem adiA-la, a requcrimento do Sr.
Pinfo Pessoa, por 5 dias,' depois de sobre a maleria
oraryn os Srs. Figuritda, Tiburcio e Pinto Pess6a/
E ten lo se esgotado a libra, o Sr. presidenfe
levantou a sessao, desigoando:para ordnin do dia
de hoie : coutinua^a0 da autecedente ; r* dijaus-
sao dos projeclos ns. \ l, 89. 9'9 e 103 ; V do de
n. "A e > do do a. !", todos do 1872 ; I* discus-
sao do de n. 31; 2' dos de ns. 18 e 33 e 3* do
de n. 13 de-ie?3.
Collectorias. provinciacs. Por p.iia-
rias da presidencia da provincia, de 3 do corrente:
Fui -weada tuna coilectoiia pruyjflCi.il pa cauiar-
ca de Villa Bella, coinprehendendo os municipios
de Villa Bella e do TituiHpho.
Foram uoineadoa ll.-cal e collector da comarca
le Villa Bella : bacharpl Jose de Barros Frano, e
David Nones da Silvj.
.Vtituridatlcs policiacs.Por portarias
da pres:de').:ia da provincia, de 3 do corrente, foi
exonerado o tenente do corpo de policia Antonio
Francisco Cordeiro dt Mello, de delegado du termo
de S. Be/Ho, e foi norpeado 2* supplente do subde-
legado do districto de Piraenteiras, no termo do
Bonito.
Missus.-A 6 de marco celebrar se h'.o mis-
sas pelo 1 anniversario do Laadelino Teixeira
Lima, as 3 e 7 lmraslda maobi em S. Pedro : cun
vida-se aos parentes e amigos.
i\liaiais(rayai> dus correios. Em
datas de 20 e 2i ife fevereiro, furam nomeados
agenles postaes: oa.povoacao do Santo Amaro de
Jaboatao, Theodurairo Cliristovao do Nasciiuenlu
Vaiois; e da esta^ao de Agua-Preti, Frauciseo
Gomes da Miva.
Para a Enropa.Com 6 rccebidos em uos-
so port*, levoa o vapor inglez Cuzco 104 passa-
geiro.
Disiheiro.-0 vapor Mandakit levou hontem
para Fernando Je Noronha 86.000J.
Guvernodo hlspado 1'or acto de 3 do
c. rre.le, mandou-se que 0 Rvd. Getnlio Vespazia
no .tjogusio da Cosja, vigano de Muribaca, 0 0 Rvd
Joiti Evanselista des Saoios Lima, vigario da villa
do Triumpho, ionlinaas^em por mais um anno
nas respectrvas. freguezias.
Per aclo.da me-,);. 1 ,.j 1'ui'am uomeados viga-
rtos encommendados, 0 p^dre Floriano.de Queiroz
Coutinho, para a freguezia de Jesus, Maria, Jose,
de Papacaca ; a padre Joao Augusto do Naseiman-
to Pertira, nara a freguezia de .Nossa Senhora da
Keiiha de ^aai^leira ; e 0 concgo .Marcphno Pa-
tbedp do Ai.iaral para a freguezia de Nossa Senho-
ra da Conceicao dos Monies, todos por am anno.
Psi }fatoria d; t hesouraiio lo fa -
zenda. Ne*tae>i*ci-. pagam-se boje as sa-
guintes fulhas : do culto publico, dos,emprega-
dos da visita de saiile e do instituto vaccinico, dos
ofliciaes refurmados, e d"alfandega.
,I'ii-"> de cap-el las e-realiltios.Esta
no exercicio dessa vara 0 Sr. Dr. Francisco do
Reco Baptista, sntrstituto supplente.
UJic-ittrti d(i:>I'nteit'u. A soxiedade par-
Ucutar Giemio Dtamatico fevara amani.a a scena
de-se theatru 0 drorna e:n tres aclos Rego do ceo e
a cemedia 3oi*s surdos, em.beuieficio da festa de
8. Pa: laleJo. Depois do espectaculo havera um
trem para 0 Recife ;;ela liab*,.principal, e tocando,
em ti dos Oa.'pontos.
E*es-iiae.a4o.-Peia- 11 horas da manha de
3 do (vrre.-.te, Antonio Bernardiap, travando-se de
rajoe*eota J-aio feuro e.>= iirazeres, aa 2" disiric-
11 Je S. Jose, passarani a vias de facto, sahindo 0
s gnftdo levemeftte ferido, e o prlmeiro depois de
preso em fisgrame, pelo Inspector do Ingar, oonse-
goio eva'lir-se.
?4:'leda^e fropa^adoi-a ~-Hoje, as
ti 12 ho'-as da lard-', n\i;nr se-ha 0 conseftlo- pa-
.hffil da l-i'-n-t'ista. na rua 6V> ffuspirio n -19.
Cadaver. Em 3 do mez findo foi encontralo
na Serra in Prra. do lrtx > de Tacarard, o dftGal
jdino Man el do Nascimeoto.
THE NEW LONDON 4 BllAAlLIANBANK LI-
MITED.
Capital do Banco........... &
subscripto..........
pago...............
Fundo de rescrva contra de-
preciaciio do capital...... X
BALAJtgO DA CAIXA FILIAL KM HCRHAllBtiCO EM 2^ Ul
FEVEREinO DE 187 i.
Actiio.
Letras desjcontadas.........
CHkiitos diversos, outros ban-
:os o caixas llliaes.......
Caixa:
Km mueda corronto.........
1.000.000
900.101
430.GOJ
40.C00
1333:03111.640
1:076:3 33 iOSO
3"3:2024380
Rs.
2,931:789^020
Passivo.
Depositos:
Em conta cor-
rente....... 430:710^990
Fixos e por
aviso. 1,007:110^120
^.reditos diversos, outros ban-
eos e caixas flltaes........
Letras a pagar..............
Rs...
1,437:8215110
MWlMPpMO
86:000^003
2,934:7895080
-de sua correspoadencia quo ieu c.unSH$ Itoiim
*m quatidade ie adcogaio l,*nrado, tem arcaio
com nantagem, contra os desmandus por nim pra-
ticados como juiz de diieito interiiw, q* dt com-
bitmcao cam o etcrivao Rufiuo e outrat harpias
da udvocacia, dUptmot dos direitos e prapriedaiu
dos litigantes como dos nossos proprios, com detri-
mento-ttaxau&q publica e manifesto prejuizo dos
paniculate*.
Qivmto a a nraitz de seu ednhado, Sr. Leonel,
nada ligo porque at6 o supponho casto, ;como
pensa muita gente : mas quanto a ter elle arcadd
com cantagem contra meus desmandos, consinta
S. S. que o desminta, nao so porque nunca os
pratiquei, como tambem porque seu cunhado
nunca advogm perante mim, a excepcSo deuma
povca defeza qua. fez no jury e de uma preslacao
de coota3 de tutella, que foram por mim julgadas
como juiz de direito interino, que era GDtao.
Nao e verdade tambem que eu e o Sr. cscri-
vao Rulino sejamos harpias dx adcocacia, poriue
eu como juiz nao advogo e muito menos o Sr.
Rulini como escrivio.
Harpia da adcocacia, Sr. Leonel, e seu cunhado
Rolim qne vive de patrocitiar todas as causas mas
de gue pessoa algnma se qaer encarrejar e que
a nao ser elle nao encontrariam patrociaio.
No tereeiro topico da 'eilada corresporideucia
cea.-uri forlornente o Sr. It ivmundo Leonel o ter
sido ccrcada a casa de seu cunhado e arrombada
uma das suas p >rtas.
Neste ponto n.io o desmiuto, nao, senhor. Mas
pergunto : quern foi o causador de lud < i.-to ?
Seu proprio cunhado que tinha (e creio que ainda
tem ) em seu poder dous autos civeis dos quaes
era advogado n os n.io queria entregar, sendo qne
para a exeeucao da senten^a de um> dalles dii
necessario requerer a pane iBaadad.j-deibusc.-ve
appreheqsao en-arre^ando-so da djligpncia o 9r.
vereador da camara municipal Francisco 'Manoel
Angelim ( Documeulo n. 1) nor terem. jurado
snspeicao os tres supplerftes dojaiz municipal e
nao haver juiz effectivo.
iMente afftda o Sr. Riymuudo Lenel com rela
cao aos papeis. inclusive uma letra Srmada pdo
Sr, Aqgeiin, que diz terem desap^tr.efMO'dk*gct-
vtta da rnesa do escriptorio de seii ftrtftaeto-.
0 Sr. Angelim e tromem pobre, poreitr'honfado
e ineapaz nor cou>eguinte de praticar seme-
Ihaatc idfa.nia.
PoJer-se-ha. porejri, dizer o mesmo do^-'ltey-
raundo Leoael ? Nao sei.
No quarto topi-;o drz o Sr. Leonel qneo bacha-
rel Rolim pnoarnrase para dar-vs p^deres conu
petentes uma denitnaa contra mint pelotiactas de
prevaricacfib por mim pratieados, www ddeumtntm
que existiam em sea podtr e outros que tinht de
requerer ncs <:artorios Aa comarca mas ifue eu
ctmcio disso, ordenei por uma ptmaiia oe-eviri-
vuo Hufino noo cumpriss': despacho algum, nem
faessc isutii com oisla ao Dr: Rolim ou por-ontro
qualqner modo, porque a considerava alierado.
Qua despaclio ordenei ao escrivlo- Ruffno- nao
enmprisse ? Porte mentira 1 Peis seu cunhado,
Sr. Loom I, era juiz ou simples advogado ? Aonde
ja rio S. S. advogado dar despacho ? ; Esta so
sendo de Irei Gerundio.
Seu cunhado, Sr. Leonel, preparaca-se para
dar uma denuncia contra mim e unha documea-
tos, mas porque o nao fez ? Estava privado de
requerer t Polia fazel o alguem por s4 e minis-
irar-llie os mais docutnentos do que precisasse
Pois.tein,do alto da imprensj eu desalio a S.
i, e ao seu cunhalo Rilim para que denunciem
de mini e descnbraiH em meu* actos, como juiz
um so, pelo qaal possa ser responsabilisado.
' Nao me poupe, Sr Raymundo Le mel, nao tenha
do de mim, jtinte se com o louco do seu cunhado
a deem ao tribunal eompetente quantas denuncias
Juizerem c mtra mim, perque tenho consciencia
e que me hei de,d- fender cabalme.le.
i No quinto tjpico nada ha a refutar.
No .aexto diz o Sr. Leqnel que o gooerno por
certo nil) pqqtWi'd com os actus escandalosos pri-
lit-ados par utr\a.a"{ytda as procidencias qne o caso atije.
Tem car-radas de tazao, Sr, Rayroundo Leenel,
eu tijulio. a mesma comuan(a no goverqo, e e por
isso que espero oue S. S aitida que tarde sera
punilo pelo crime qo.e praticwu eseandalosa e pn-
blicamente na casa da camara municipal do ter-
mo do Ouricury no dia 29 de sctembro do anno
passalo e que por mim o outras antoridades foi
coii)i*BU*cado S. Ex.: o Sr. pr-sidente da pro-
vinaia, crime este quo consta dos tres ofllcios
aba-ix.i publicados sob us. 2, 3 e 4.
No setimo topic lin.iita-se o Sr. Lecnci a apon
tir-*s ngentes d> poihv publico que MMMHBMI
dirtctamente p ira os ados, escandulosos pratieados
em casa do Dr. Rolm, e diz que fui eu o mentor
que requisitou a forca para o cerco da casa e sa-
que, tenio antes preparado o terreno com nma
pormria em qne suspendia todos os direitos do Dr.
Roltm ati 'iiesmo de reger sua pessoa e bens. Isto,
e iwisoi io \ portaria que baixei e a que vai
abajxo publicala. (Docnmcnto n. 3.)
Qiide privei, poi--, o bachirel Rolim de reger
sua pessoa e bens .' Alem disto que bens possuia
naqaelle tempo o bacharel Rolim que vivia a os-
ta da Pedro Marinau de Almeida e Silva, crimiao
so de crime de estellionato com quem eonvma, (
.le cuja casa Ida forneciam ate a- propria comida f
Pois um verdadeira meadigo possue bens ?
E' mentira que eu requisitasse a forc,t polieial
para busca e appivhensao de uns autos que exis-
tiam (e creio que ainda existent) em poder do ba-
charel Rolim. (Documualo n. 6.) Qncm a requi
siliu foi o Sr. vereador Francisco Manoel Ange-
lin|(D)cumento n. 7) era exercicio de ijuiz muni-
cipal ad hoc, e lanto e assim que tendo elle requi-
sitajdo augmentode forca (Documentor. 8) ao dej
legado, e?te em oiflcio consollou me sobre sabe-
seidevia ou nao presta-la e eu respondi qne trio;
(Dacumento n. 9) porque a forca priaieiramente
or* sulflcicnte para eucoluar a dfligeneia.
Bun o bacharcl Rolim esta conipletamente alie
nado, prova-se pel > que disscram o major Joa
qoam Leonel do Akucar, seu tio e Antonio Leunel
de Alencar, seu prTmo. (Docnmcnto ti. 16.)
Vou agora mostrar quem e o corxppto e preva-
ricator se sou eu, se o bacharel Rohm, se o Sr.
Raymundo Le..a I.
Quem sera cerrupto, e prevaricador, Sr, Leonel,
serai eu ou S. S. qu.. expellio, como jui: da paz,
da audiencia e sem.que desse motivo algum ao in-
telligenle Sr. capilao Secundino Jose Barbosa, qtw
se achava compeunicmente habili'.ado por uma
proeuracao bastaate, para asVstir no juizo de
paz a uma conciliacio ? Quo outro motivo leva S.
S. para praticar taf arbitrariedade,. e nao a ma
vonjade, o oJio que vota ao Sr. Secundino e os
conseluos do. funoso ilulipi,.jue..iaiWbitu cea.cba-
va na audiencia ? Quem sera corrupto e prevari-
cador, Sr. Ravmundo Leonel, sercieu ou seu cu-
S. E. k 0.
Peruuibuco, 4 de marjoda 1874.
W. H.'Bilton,
Acct.
^1
A
mm.
m I It *
A publico.
Em o Jcmif do Recife-n. 9 corrente anno publiquei um pequeuo artigo em
qne prormttia qua logo que cheaasse a esta capi-
tal delender-me-hia dascalumnias oue contra mini
publicou no biario dt-l'ernambiKo o Sr. tenente
Raymundo Lccnel 'le Alencr r.
-Hoje que me acao nesta cidade^ renho dar cum
primento a minha promessa, analysando tolos-'os
topicoada corxespondeacia do Sr.tenoule Le.nel,
e mostrar a luz da evilencia Jque nao passa de
ealomnia quanto nella se diz, calumnia ao propria
de iim homem que nao tem -pater *em du-
nhado, quo .exercen 1 j illegal e individameate (*)
o .: ,rgo da juiz da dine.'.o ioterino da conjarea tem
em sua casa pnblicaiueiite e com .ostantacao ao
estellionatario Pedro Marinhj de Almeida e Silva,
a rospeito do qual ja manJou d.zer ao honrado
delegaJo.de policia eapitao Antnio Jose da An
drade, (cujo testemunho sol-mnemeute invoco) i
por S. S. meiioo fjae nao cpreadeaiie jporque era
iseu pretegido 1 lera S. S. u desf.i.-araento decon-
t< star-me' *
Sao se lecor.la 3.-> tambem, qua assumindo o
exercicio de delegado 3 muito energico Sr. tenen
'te Benjamin B-.ltiao Jc Alencar, (cujo te.-temnnlio
tambem inv co) Jeu vcToe" prisaoi ao oriminoso
Pejro Marinho, e chegou o alienado.Tloliin seu cu.
.nh|do e soltou-0 inc.ctiueute ?
Bui eonclusixi teato provado que tudo quanto
dizoSr. L'.Mtiei 3m sua corfispii'lenia sao ver-
daleiras calnranias.
Venha, p is, c.:iW?t.:.mie se for tapaz s se tern
ainda.no. cora^ao nm v.L--!umbre _|, er da hi
ur^aftdbwa*- i lp|
V ilu-rei *e f...'
. -*0ME.V|Wi
N. I
Illm. Sr. Francisco Manoel Angelim. Granito,
26 de dezembro do 1873. Peeo la especial (a-
r de responder-ia^ qual a parla que eu toiaei
como juiz de direito. isterino da ooaaarca, na bns
ca que^e den em cau do nacnarcl Manoel Rolim
e Alencar, para appreheasao de nos autos qne ti-
nha B seu poder e os nao queria eatregar e baa
assim de ludo que se paasou nessa occasiao. Pi-r-
iii tta-me fazer da sua resposu o uso que me ap-
prouver. Sou de V. S. criado e obrigado Candido
Alves Ma had).
Illm. Sr. Dr. Candido Alvei Machado. Respon-
denlo a carta do V. S. da 26do corrente, tenho a
dizer-lhe que, quem proceden a bmca em rasa do
bacharel Rolim, fui eu na qualidade de jniz muni-
cipal interino que julguei o feito de embargo* ea-
tro paries: V. S. nao interveio no lal cerco da casa
e nera de V. S. nem de pessoa alguma recebi a
menor instruccao, que para (allar a verdade, nao
tinha necessidade.
E' o que tenno a atlestar, podendo fazer de mi-
nha resposta o uzo que the convier, desejanlo en
que V. S. com a presente possa desmascarar a Ma
c.ilumniador. Sou de V. S. attenlo, respeitador e
criado Francisco Manoel Angelim.
Outicurv, 28 de dezembro de 1873.
N. 2.
N. 38.-Delegaeiad policia do i*rmo do Ouri-
cury, 29 de selembro de 1873. Illm. Sr.- C KB-
municoa V. S. que boje as II horas do dia, che-
gou a cava da minha residenria o escriv.io Rulioo
J ise da Ctroha, e oVu-me parte .p** o teweata 4ia|i-
muftdaXeYtieLda Aloucar foaao cartono pedir !he
em coufianQa, para ver uma portaria passada pr
V. S., prolnbin-io de advogar o bacharel daaotl
R-)lim ne Alencar, e que elle eserfvae a AMO-te
pieslando, o teiienic llayiuundo logo que se aptiie-
rou da portaria, rasgou-a e deitou-a na ma.
Pooco depois, fui tambem iofonnado pelo cr-
motor e mais pessoas, que o juiz municipal sap-
plento em exercicio Antonio Leonel de Alenc-r
(irmio do tenente Raymundo) esiando na sala da
aoibeacias t.un.n 1 o o depoimento d<- t-stemunta
por queixade Juvenal Antonio de Castro e Silva,
Contra Pedro Marinho de Almeida e Silva, por cri-
me de estellionito, alii entron o dmsbm tenente
Raymundo, tomou todos os papeis e rasgou-os, *
como o juiz municipal e sen mano, dcixou de r.
prendsr ccmo devia.
Nao 6 posivel qne crimes desta ordem fiquein
impunes pelo simple* facto deserem pratiMM
por Hm mano do juiz municipal ; e so assim acon-
tecer licaia o foro ioterdioto. O que posso. atttr-
mar a V. S. e que no exercicio de miahas iunc-
co-'- e em atlribuicoes que me competirem oao M
darSi casos desta ordem, e quando se deem ea sa-
berei cumprir com mett dever seia contra qum
for, comtanto qne mmlia antoridade licai a Oesm-
rajisada quando eu deixar de existir.
Nao posso por amor da juetica e moralidadi;. pu-
blica doixar de fazer ohegar ao conhecimer.lo de
V. S. -iao vergoihosa occorrencia, tmfcora que al-
guns funccioiiarios publicos prooarem ucculta-Jas,
porque nV> julgo que nenhurn homem eitaji aci-
raa da lei.
Deus guarde a V. S. IHm. Sr. Dr. Caudido Al-
ves Machado, maito digno jtitz de direito kMeriM
da comarcaAntonio Jose de Andrade, aebrfMu
de policia.
N. 3.
Promoto ia ivublica inierina da conina do
I Oirricurv', em 29 de setembro da l*7:t.JUm. Sr.
Cnmnraoico a V. S. que hoje, 29 deste, peir.s .'
horas do dia, estando eunaeasa da camara muni-
cipal, em audiencia puWica, que estava fazeL M
o jniz municipal Antonio Leonel de Alencar, pir
denuncia dada por Juvenal Antonio de Caslie
Silva, contra Pedro Marintio de Almeida e Silva,
por crime de ctehonalo, quando o juiz estava io-
.uianJo o depounento da pcimeira lesteinunoa. en-
trou na sail o Sr. Raymundo Leonel de Alenci,
e lanc,anJo mSo dos autos que usuvam na mesa.
tirou a denuncia e cim a nuior allroula qjf s
poderia imaginar rasguii a e diriguioo-se para ,
escrivSo, tomou Ihe o summario que se ilava pi -
cedeado e fez o mesmo qua fez com a deouuc.a.
Dirigtndp-se a casa do escrivao Kutiao Ju.-e ila
Cuoqa, passou a mao na portaria por V. S. i
jada, privando o bacharel Manoel Rolim, da ad.o-
gar, e rasgou-a taintiem.
Tudo quanto dige a V. S. foi a e publico atsu
villa, assim como que o juiz municipal nenhuma
providencia a re-p?ilo toinau. -Deus guarde a V.
S.-lllm. Sr. Dr Candido Alves Machado, BBiK
digno juiz de direito da oofliarca do Ouricury.
0 prdmotor publico interino, Gosnol Ribeiro d^
Oliveira Castro.
N. 4.
Villa do Ouricury, 2J de setembro de 1873.
jjllm. Sr. Neste m'omenlo, entrando em meu ear-
torio o tenente Raymundo Leonel de Alencar, fe-
dio-me que por favor Ihe mostrasse uma poruiia
que V. S. me havia passadi', ten lente a alienarao
de sen cunhado o Dr. Manoel Rolim de Altocar.
pois Jesejava sa er em que lennos estava tl!a eoB-
cebida, para poder requerer o que fus^e de di
reito ; a vista puis do exposto e na boa fe, r. n-
senti que eha lesse dita portaria, acunleeemlu qoe
depots de a ter lil>, a inatilisou, rasgando-a .
couduzindo i s pedacos da mesma, dizendo-me que
o pei .loasse, p .is isto fazia por ser u.u papel leilo
por V. S. contra seu dito cunhado ; o que tad>
levo ao coiihccimenlo dc V. S. para os lias c nve-
nieules. -Deus guarde a V. S. Illm Sr. Dr. dido Alves Machado, maito digno juiz.de tkrailn
.ialasinoda oaa.uca.-0 es;rivao, llufino Jose da
Cuuha
N. 3.
Portaria.
Ordeuo ao oseHvaa do termo do Oaricuiy, liu-
(ino Jose da Cupha, que nao escreva mais em fri
tos em que for advogado o bachar.l Manoel H\..ua
de Alencar, vi.lo aciiar-se elle soffrendo de a'i- na-
cao mental.-Cumpra.-Grauito, .30 de selemnro
de '873.-0 jufzde direito interino, Qndidi Alwe
Machado.
Nada mais consta do recibo e portaria a
copia.la. e extrahida dos proprios originaes do*
qdaes passo a pfeseote publica forma, e aos ics-
mos rae reporto em meu poder a cartorio, e vio
com os meus signaes publicos e raso de que .1*0.
Em testemunho de verdale.O labeiiao publico,
Rulino Josd da Cunha.
N. 6.
Rectbo.
Ouricury, 22 de.setembro de 1873.-Ficam eaa
meu poder na qualidade de advogado, os
uVext-cucao em qua aoa>arlcs Cuuu autor 0 ai.'e-
'res PoJro Marinho de Almeila e Silva, e reo Za-
carias Jose de Amorim, os quaes foiam illegal-
mente senlenciados pelo veriador da camara Fran-
cisco Manoel Angelim. que tve a fraqueza de f
juiz em propria caua, sendo que a sculenca a.nia
uao fora publicada. E' para que li |ue salva a
responsabilidade do escrivao que fuiicciouou. ao
feito, passo e*te de meu proprio punho e irroa.
Manoel Rolim.
Illm. Sr.-Tendo nrgente necesMdade m,-
pracas di.-uncUa para eJfecluar uma busca. a
iiaeiimenio da parte, deutro desia villa, para
coadjuvar os ofuV.'acs eqcarregados da diligenjjp>
por isso as icquisilo a V. S., que incomiOOB
rae as mandaria apresentar. Deus guarde a V.
&Illra. Sr. eapitao AOtocio Jose de An.lr.uV,
diguo delegado desta villa, ac-s 22 le tetembr.,
1873.- Francisco Maaoea Angelim, 4" vereadm
-exercicio.-Esta oiuforrae.0 escrivjo, H,:,".r. .
Jose da Cuuha.
Jose Egfdio Garcez Pallia, idem ; Francisco Igna- las, hontem (4) as 6 horas da tarde.
ow Pereira da Cunha, idem ; Alexardf OaMfco [ Vapurrs daFaeifleo. Espera-se :
da Veiga, idem; Manoel Di.s Cardoso, idem ;||do corrente 0 Aconcagua, da Europa ; e aid 13 o
Claudino Jose Raposo, idem ; Bernardino Jose nCotopaxi ou 0 Ltuitania, de Calbao e ascalas.
tins, if III
Moreira, idem ; Alfonso Eslevao Eduardo Marti
eu e outras autoraasdes ia.8nr-
imteHa da^oafMho S, Joitnifta.procaziasseinos desgoataiod(a*'Wrf olim, cu-
nhado do Sr. tenente Leonel, para ndo aoeitmr 0
ingar de jutz munioipai arihwpi'ids d termo do
Ouricury, pain 0 qual fol,noourdr pir decreto
de 7 de julho do mto proximo jW-fflBdft
*. .- A nwioria sou ata daqnaale lermo. utremcceu
de sustaaa saber da noaioacn 0O0 baaflanl Rolim,
porquo se aBa como simptaa.advogjfla ^nha pra-
a Ximttrt fiieadn tanlas loucura*, tan tos des'atiuos, a que nao
ustra^ao Ucspanliala
Sicalu, pcr^ irdem de cntiguidade, dos ofliciaes su- ''idem; Antonio Manoel Crespo, idem, Manoel Gon- 0 a 11a.- Este exceJIente e apreciavel jornal acaba *eria capaz de fazer, reveslido do alta earjj
(*j N, dia 8 ie rLvcuibro do anno passado ap
pareceu em minha casa (no Onricnry) 0 bacha
rel Mano I Rolim Jo Aluacar. acornpanhado pelos
(jranjas outros, e conviJou-mc para, na quali-
.laae de jiyz de diieito interino .la :om;rca, to-
rn vr !h' n jtraol"?nto e rrir lha posse do cargo de
inil ,iu:iii.':pf.rM.j refV-riJ) termo, aeu que tinhaJsjcu
(11 irnia poftaria em que 0 censi.lerava alie-ljliiz
e ja li .via Qlll -lab a .: Exc. 0 Sr. presiden- fn.-posia tenho a djza a
prorlnefaa tal rtfpeito, r.'cusei-me formal- qu.- a.jui -earfiaiW, s is
N. stas clrwtmstan.'ias appareceu 0 ma- f diligencia qua sa^p ;ei
ty.ilm l.wnrt, presidente ilaicaniara munlj atais forcav**WPgt rd
T.'Wfiol, presidente dafcamara muni*
, ii ih, c d.ferio-IJie 0 jurautnto, sem qua
i!io ao depois)-o r-ferido laeharfl, aprf-'
-hi, : ,-pectfvo titulo do noinelcao nem auto-
risW'1 s. Exc. 9-'$r. prasidenm da ptovincw
P 1. v.-ivi,-io oo'-'pfnft;nf dBilef
0 S"rl uiajo; Leoael ii muito (nuoceme 1
It 8..
Illra. Sr.Verilicanjo sa ou tendo suspeiu dc
que 0 mquilino da ca-a a quem foi dek'gada a
grncia para que for.imi requisitadr.s a prajas .,
me mand'U apresentar, quo dito inqurlino,
esta so e tem forca para resistir a diligencia, s
va se Y. S. inandsrasiarinas dos soldalos, rau
#0, e vir pessoalinenu) com 0 resto da forca uonivel que estiver sab sett Commando, afiit
dumprir-sa ordens taajusUs Deus guarde a
S.Illm. Sr. eaortio lAnlonio Jose de And
digno dilrgilo do Ouricury, em '2- de selem
de 1873. Frarft'seo Mau.el AogeNra\Bsta e
forme.- 0 escrivao, Rafino Josd da Cunlia.
N. 9.
Juizo de direito interino da comarca do I
22 da setembro de r87l IHm. Sr. -Teoho pre*
a ollicio de V. S. do h.jeem ijue me consultt sa],
se deve ou'nio epraarntsr o :e?to da forcaV
commanlo ao 1.1 vereador era exercicio
municipal Pra^cujco Mauoel Aagelim, a
. V. S que as 7 pra
Ufflei uies para effesti
ende, sndo desm
ais forca. 1W 'f:UrJ^a V. *-*!.>. aa:
1 .ntoiiio Jo.-e de ndrade, muito digno
t'do do termffb4)o icury. 0 juiida avreii
nno, andiJ.iyAJve Machado. Esta c.
0 escrivao; RrflRo lose*da OR*a.
K. 10.
5. SB. -Pej) a Vv. S?., que me dig..:.
I



^
i

. ^



m&amkkAiio&** mfc wrfw^rtV*4**
3
W(ggabem aoerfalson, mulhe!
iiuira Leone! te 1 As suas
Mtfclpai'. deste da vida.
i'ntBaitforMronlb Leb- de constan
niroflado o baMi'ailel.T*toedi*fad>eaaad*
J5Srft*V, Jbdi'mffuicipal e de'ar-r sste terrao. Permitam-mie Vv. 3s. Tazer de -
,S*H ccspostas o uao qua me cmmer.-Sou de Vv.
Se. attento teinttdor e eriado.-"Candido Alves
Osrieerr, 9de d novmbro de 1&73.Mm. Sr.
f)r. Caudido Alves Machado. Respondendo ao
iireiado favor de V. S., temos a atlestar que o Sr.
major Juaqnim Leonet de Alencar e Arrtooio Leo-
nel de Alencar., o 1/ arwMeat da camara e o is
juiz municipal cm exercicio deste termo, dtsseram
qae ja mais consenliriam que o baeharel Manoel
Rohm tomasse posse do lugar de juiz municipal
deste termo, para o qual acabava de ser recente-
menie nomeado, dizzndo mais que lhe nao davara
. juramealo porqae o referido Roiim era um doudo
a ponto d' atirar pedras, e como tal nao podia ex-
ercer actos de vida publics.
E' o que tetnos.a attestat, erapenhaado noss* pa"
. lavra de honra. Pode V. 5 fazer denossa resposta
- o n*o qae lhe coavier.
Com a mais alia estitna, soraos de V. S. patri-
cios, amigos e erfados
0 eapitao hoaarario, Secundrao Jose Barbosa
0 procurador di camara, Francisco Paula Vlfcina
de Lastro.
0 eieitor, Leoatino Pimentel Angelim.
0 eleit >r, Alexandre Gonealves Torres.
0 feleitor, Jdvenal Antonio de Castro e Silva
O vareador, Benjamjn Beltrao de Alencar.
O vereador, Antonio lose Barbosa Babiana.
(Estavam reconhecidose-selladi-s).
^r^'ova-TorS,
gauds e o
atorment
_. da***abeca. IN'enb
.!. nw4H*>, *
jaaaitaa*?el*si*>a
leram deeappareeer a naoleslia, eomo*tamMmme,
Ihoracam corwideravetmsate o es*a gw*l aa
rninaaaftude. -Cmo eHas se aeoenvmettidas em
vidrinhoj, ellas eeasarvam-ie iawiaveis em todos
os cttmas. Em Jodos os casos provenientes de lm-
pureza dof sangue, Salsaparnlha de Bristol, de-
vera ser tomada conjunetamente com as pilulai
Rm
COMMERCW
RKCEBEDOIUA DE RJL\DA8< INTfRXASGB-
RAES DE PERNAMBW:. M.ifl,
lendiraento'do dia I a 3 7-S5'!e
dam do di. i..... *:8bV>*iM
JUNTA UOS COaRETORtS
Praca da Recife, 4 de marco
AS
Ao publico.
S-s. rrter.-Cotiipnidopjlo proceder
re
dr I1W4.
3 HORAS DA TARDE.
COTaCSeS officiars.
Alfred io do Goyarma sem inspeccao 6*900 por
15 UK.
Gouros salgados seccos 577 rs. o kilo, hontem.
Oanrhio sotare bondres a 90 d|v. 20 1(4 d por
1*080.
Carabio 8obre Lisboa a 90 d[V. 106 OtO de pre-
mio, do banco.
Cambio sobreo-Porto a 90 d(v 104 0|0 de pre
mm, h mum e .hoje;
Cambio sobre R!o de Janeiro a K> djv., 3|4
0|0 le= deac.onlo.
it. de Vasconceilos
Rresideate.
A. P. de bomof
SecrWarto.
9.8)>67
CONSULADO PROVliNOA.- M|
andimentd do dia 1 a 3 I8 7*?*2.?i
ldm do dia 4 2:1.311430
11:723^661
pretieusivel do Sr. Amaro Jose "dos Prazeres, nSa,
live ontro remedio 9ea ehama-lo a juizo para
restituir-me a legitima materna de minha mulner
(fiiha do seu primeiro casal), bem como o domimo
das de duusjcunhadjsfalleujdos, que elle astuwosa-
ment vendera para matter em si o producto des-
sas vendas com adimravel desembara^o.
Aeabo agora de obter sentenca favoravel, pro-
ferida pelo bonradissimo Sr. Dr. juiz de direito *a
2' vara civel, obrigando o Sr. Amaro a restituir-
me o que nao era seu, e cujo valor tinha cuidad>-
samente metlido no fundo das suas areas.
Artista e pobre nao posso deixar de agradecer
aa digno magistrado, que mo fez justica contra as
u estabelecido era grosso com armazem de tabocas
liira fogueies, o qual preferia e prefwe ver sua
liiha em pjbreza a restitnir-lne o que lhe per-
Agora so pe>-o a Deus que elle appelle e qae
depois recorra para o suprem) tribunal de jus-
lioa, pois.e precisoqae *em o saber va abnndo
reistro em todos os tribunaes do paiz do seu
d'ilhumano proceder era relacao ao filhos do seu
primeiro casal, ao qual alias deve ease pouco
ii-*j note possue. .
Felizmeate, nao tenho do que receiar me, hei
d,v veoce-lo, pjr que Deus quer, e o meu direito
nio pode ser cmtistado.
Hji de vence-lo, porquo o albeio cnora a seu
dono, e nao havera juiz ueste paiz, que abate o
senti-nento do d-ivur e da tionra para privar-me do
nue e reconhecidamente men.
Hei d vence-lo, porque ja e tempo do Sr. Amaro
expiar o deslmo cruel que reservou a seus dous
lufelizes filhos, que raorreram por Hin abandonados
e envollos no sudario da caridade puWica para
vender as suas legitimas, quando estas lhj nao
pertenciam. .
Hei de vence-lo, como o HH no processo de
iujurias, que moveu contra mim para arredir-me
da accao, que lhe promovo.
Vamos, emuiaotoeu poder manejar a other e
a trolha, ha de me encontrar sempre a seu lado
ismbraodo lhe os nomes deMaria e Bernardino,
espectros pavurosos que lhe devoram a alma.
Avante.Sr. Amaro, nao esqueca nunca que-o
alueio chora a seu dono.
Rjcife, 2 de marso de 187*
Manotl Marques da Stlca.
Soueto
AO MEli AMIGO JOSE 1SIDOBO B.VSTOS
E-quecp-rae de mim, pensando nella.
(I. Bastes)
Desoontents da vida eu procurava
Aliivio a minha dor e infelicidade,
Quando, eis, que me apparece uma deidade,
No lugar em que trist^ assim me achava.
Fitei bem a visao, e lha adairava
0* dons sem par, a angelica beldade ;
Fitou-me ella tambem, mas sem vsidade,
De ra^do que prendia, quo enleiava I...
Itmdi-mo aos seus presiigios. A natura,
Por certo nao ereou form i tio bella;
Era um anjo a final, nao creatura.
Oh tanlo enaniorou-me ea donze'.la,
Que em amorosa chamraa, vivae pura,
t E-qu6i;ome de mim, pensando nella.
Recife 1874.
Silvcira Carvaltto.
Elei^ao
DOS DEVOTOS QUE BAG DE FESTEJ.VR 0 GLO-
KtOSO S. BENEDICrO NA CAP2LL\ DO CA-
1ANGA NO ANNO DE 1875.
Juiz por eleicai.
o liliu. Sr. Manoel Joaquim Ribeiro.
Jui'.a por eleicai.
*AFANtHOi>rt
wa4iUM)aR> do Ah>Z a* -
idem 4o dn 4 *
111:717*676
4J: 167*729
138 885*405
RBCIFK
.iendiraonto do dia 3 .
DRAINAGE.
17*087
*0IMENT0 BO PORTS
Jafemal*e data pfiqcJpjo .a o^ti-fao
prazo de 15 dlas, e a concluura no do 3 mezes.
,.S,' Oipagamento sera effeclnado em duas pres-
tacoes iguaes; senflo* a prTineira quando o cod-
trataute liver execolado metade da obra e a segun-
da depois de eoaeliida, m eAra recebida deflai-
livamente.
4.' Para ludo mais que nao vai expcciGcado
na^resentes clausulas, se observani o que dis
p6i regulamenki de 31 de julho de 1866.Ke
Sarlicao das ..bras publicas 9 de fevereiro de 1874.
1 engenheiro chefe, Jase riburck) Pereira de Ma-
galbaee.
Conforme.-* A. Ferreira.
Dscarregam bx>j*6ilaiiarco de 1874.
Barca franceza Minerva~ mereadorias paraal-
fandega.
Barca noruega-^- C-ipeUa mercadonas para al-
fandega.
Patacuo inglez Violfrille mercadorias para o
o trapiche Conceigao, para daapachar.
Lugfe inglez Beltreet- -bacalbao ja despachado
para o trapiche Conceicao.
Brigue inglez Mary bacalhio ja despachado
para o trapiche Conceicao.
Brigue grego Apostoh Paulo ferro ja despa-
chado para o caes do Apollo.
Barca inglezaCurrisbrookcarvao para terra.
Barca iugleza -Margarethe Vfilkei- carvao para
terra.
Brigue inglez-Bn'fctereint* de ossosparade-
po3ito no trapiche alfandegado do Barao
do Livramento.
Patacho portuguez Graciosa varios generos
para o trapkhe Gonceifao, para desna-
char.
luiportacSo.
Vapor inglez Cuzco, entrado dos portos do sul
em 3 do corrente e consignado a Wilson Rowe <&
C, manifestos :
Carga de Montevideo.
Fractas 1 caixa a Jose da Silva Loyo, 1 a Silva
& Cascao, 1 a Bernardino Gomes de Carealho, 1 a
J. da S. Guimaraes.
Lugre inglez Beltrees, entrado de Terra-Nova
na mesma data e consignado a Johnston Paler
& C. manifeslou :
Bacalhao 3,999 bariicas aos consignatanos.
Hiate nacional Leonilia da Cruz, entrado do
Assii na mesma data e consignado a F. Antonio
Guimaraes, manifestou:
Palha 800 molhos.
Sal 600 alqueires a ordem.
Barca ingleza Parejoso, entrada de Terra Nova
em 5 do corrente e consigaada a Johnston Pater
& 11, manifestou :
Bacalhao 3,563 barricas aoa c.n?ignatanos.
Barca ingleza Hermisoves, entrada de Terra
Nova na mesma data e consignada a Wilson Rowe
& C, manifestou :
Bacalhao 3.500 barricas.
Farinba de trigo 683 barricas aos consigna-
tarios.
Patacho hespanhol Gmdihipe entrado de Bar-
celona na mesma data e consignado a Balthar,
Oliveira & C, manifestou :
Vinho branco 150 barris de quinto. Vinho tinto
187 pipas, 10 dins meias, 150 barris de quinto e
280 de:imoi aos oiHigaaiarios.
NO DIA 3 OB
Natios entrado* no dia 4.
Terra NttrHaitBS, bMiia infllfeta Parejero, de
345 toneladak, capitao W. Davidson, equipag*n_
14, carga 3,560 barrieis com bacalbao ; a Johns-
ton Phter.4 C.
Terp Kva*-4Mltti ba* Ingteza Hemione, de
33: tMrtlattajr, cartta gera 12, carga 3,50 barricas com bacalhao e
685 ditas com faria+M)dt trigo ; a Wilson, Rowe
& C. ,
Barcelona -24 dias, sumaea hespanhol:. Guadii-
lupe, da 133 to&eladas, capitao Roasts, equipa
gem 1J, carga via bos ; a ordem.
If teas sahidos no mesma dia.
Terra-Nova -Brigue inglez Grecian, capitao Char-
les Leigh, em lastro de areta.
Para-Escnna nacional Georfiana, capitao Anto-
nio Francisco de Carvalho, carga assucar e on-
tros generos.
tOiTAES,
posto geralahraMBKlepoflssao, aflm de
provar ter ftsMr sMeito o referido hnpoito
feral. Tf Jf L1
Declafiifdo n. 2.
A ineataa coBladoria da camara municipal desta
cidade scienlitica a todbs os donos de diversos es-
tabelecimentos de porta aberta, a virem pagar os
imposios atrasade* qua se-acham a dever, dos
exercicios pasaados, bem come os demais impos-
ios acima espacificados. .
Contadoria da camara inDUieipal do Recife, 27
de fevereiro de 1874.
0 conlador
Uypolito C. de Vasconceilos A. Maranhao.
AltVandega de Pternambnca
E0ITAI COM PRAZ1 DE 3 DIAS N. 135
Peia inspectoria da alfandega de Pernambueo
se far poblico, qae achaBdo-e a mercadonas
contidasnog volume* abaixo raencienadoa no caso
de serem arremataUas para consumo noa termos
do 3. do art. 300 do regulamento de 19 de se-
tembro de 1860, M sem donos ou consignatanos
deverao despairba-las no pmo de 3 dias, sob pena
de, findo eite, sefem vendidas por sna conta, sem
que lhcs Gque coBinetindo allegar contra os eBeitos
desta venda :
Trapiche Conceicao.
Marca A L R, sem nmnero. 1 caixa vmda de
S. Miguel pela barca.portagaeza Arabella, descar-
regada em 11 de dezembro de 1873.
Idem J M M, sem numero 1 dita vinda de Lis-
boa pelo vapor portngnez Almeida Garret, descar-
regada em 9 de Janeiro do corrente aono
Alfandega de Pernambueo, 3 de marco de 1874.
0 inspector,
F-ibio A. de C- A Exma. Sra. D. J...inna Pelonia da ConseifSo
Rosa.
Jait por devocio.
0 liliD. Sr. Aurelio dos SauDs Coiinbra.
Juiz i por deroe&o.
A Exma. Sim 0. A1 sua Hiria Ptori o.a.
Escrivao.
0 iluu. Sr. Joao Monies de Oliveira.
E-criva.
A Exma. Sra. D. Isabel Arcbanja C^-a'.eaj'.:.
Joizes protectores.
Oi Hlms. Srs. :
Cassimiro Jjsc da Silva.
Antonio Francisco Gongalves.
J )=e Moreira Sobrinho.
Antonio Luii Rodrigaes Ferreira
Candido lose de Souele.
Maniel Symplicio do Nascimento
Francisco Jose do Nasciraonto.
Eu>taquio Manoel di Carminoalas.
Franceliao Tneodoro dos Prazjres.
Juizas protectoras.
As Kxmas. Sras.:
1) Rita AfJbnso Freire.
1). Guitbermiua Carneiro R. Campello.
I.. Isabel Archanja Ferreira Muniz.
It. Florinda Perpctua do Rego Mrtta.
Tiiesoureiro.
0 Ulm. Sr. Felippo Jacques da Costa
Procuradores.
i; lilms. Srs.:
Fraucisco Priiiu de Coalo.
Victorino Faustmo de Agu'ar.
lianoel d.is Santas Mazomba.
Ailonio Izidoro ds S mza.
Manoel IzMere do Souza.
Pduliao J"s6 Je Sani'Anna.
Joan Severino Ba-tos.
Luiz Jose de Saut'Ama.
Igaacio Martins di Cista.
Francisco Bjrgi- da Satedade.
JoseRoJiigues Ferreira.
Lourenco Anto.iio Moreira.
Pedro Gu..lberto.
Lydio da Silva Moreira.
J >aquim Mame.le do Nascimentf.
Jose Ribeiro da Fonceca Braga
Mordomus e mordomas todos.aquelles devotos
que qulzerem concorrer para a festa.
Protectora effectiva.
A Exma. Sra. D. Severina Francisca da Costa.
0 vigario, Joao Baptista da Stlca.
laaR(|uecn hetnieranea, dares
blltosati e nerv*a* da eabeca.
Todos esles mulps protem dos desarranjos do
estomago e do hgado, e nenhnm remedio at6 hoje
descoberto tio perfettamente limpa, purifica e or-
gatrisa estes nrgaVw com maior presteza e segu-
ranca do que exactamente as pUulas assucaradas
deBrtotol.- A autondade em que fundamos esta
iacontestavel as>er?ao, consifte em um grande
may de-te temnnhita; os quaes qualqaer um ju-
rista do paiz pnmunciaria concludeutCs; por exem-
plo: Edward Warren, de Brooklen, escreve o
seguinte : Depofe de eu haver padecido pelo es-
pago de8 annos de um constants erepetido ataque
de enxajaeoa, deus frasqninho* d' piliMas de
Bristol me piueram bom. Isto aconteceu ha cinco
meze* a esta.pawe, e perimenter am rapetiQao do ma I. s -A Sra Wil-
lE^PACHOS DE EXPORTACAG
MARCO DE i87i.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Arbitrator, para Liverpool,
carregou : M. Lathao & C. 1,171 saccas com
93,998 1|2 kilos de algodao ; J. Pater & G. 009
saccos com 45,675 ditos de assucar mascavado ;
A. M. S. Machado 1,100 ditos com 82,3)0 ditos de
dito.
No navio inglez Solarto, para o Canal, carre-
gou : S. Brothers 4 C. 4,300 saccos com 75,000
kilos de assucar mascavado.
Na barca portugueza Dora, para o Canal,
carregou : T. Christiansen 5,80) saccs oin
433,000 kilo3 de asjuoar mascavado.
No brigue sueco Esmeraldo, para Stockholm,
carregou : Borstelmann & C 4,000 saccos com
300,000 kilos de assucar mascavado.
-- No hiate americano B. J. Eaton, para New-
York, carregou : H. Forster k C. 3,000 saccos com
223,000 kilos de assucar raa No patacho hespanhol Amalia, para o Rio da
Praia, carregou : L J. da Siiva 450 barricas com
50.290 kilos do assucar branco.
No navio hespanhol Prim, para o Rio da Pra
la, carregou : A. Cordciro 30 pipas com 14,400
litros de aguardente
No patacho americano Adelaide, para o Por
to, carregou: A. Loyo 60-3 saccos com 45,000
kilos de a-sucar mascavado. -
Na barca portugueza Sympatkia, para o Por-
to, carregou : M. Gregorio & C. 30.) saccas com
21,530 kilos de al/odao ; A. Cordeiro 420 couros
salgados com 4,190 kilos e 123 dltus espichados
com 1,116 ditos.
Na barca franceza J. Baptiste, para o Havre,
carregou : H. & Labille, 2,000 couros vordes com
42,000 kilo .
Para os portos do inteinr.
Para o Rio Grandodo Sul, no nav.o nacional
Abilio, crregou: F. P. Pires Rames 1,000 saccos
com 75,000 kilos de assucar branco ; J. Bruno 100
barricas com 4:857 l|2 kilos de assucar refmado.
Para o Rio Grande do Sul, no patacho na-
cional Bemjicrt, carregou : J. R. Ferreira 200 bar-
ricas com n,idi kilos de assucar branco ; A. F
Balthar Sobrinho 63 ditas com 4,213 ditos de dito.
Para o Rio da Janeiro, no navio nacional
Arabe, carregou : F. P. Pires Rimos 1 barrica
com 109 kilos de assucar branco
Para o Para, no brigue portuguez Relampa-
29, carregou : J. C do Rego Pontes 20 pipas com
,60) litros de aguardente.
Paia o Aracaty, no hiato nacional Noca Es-
perar.ca, carregou :'S. Junqneira & C 2 barricas
com 138 kilos de assnear branco.
Para Macao, na barcaca Zurzirh, carregou :
A da Silva Campos 2 pipas com 960 litros de
aguardente e 1 garrafao coin 16 ditos de diia.
Para a Villa da Penha, na barcaca Gratidao,
carregon : J. da Costa Pinho 2 marquezas de
amarello. _,
Para Maraaoguape, na barcaca tlor ae Ma-
ria, carregou : J. B. de Carvalho 6 barrica9 com
360 kHos de assucar refinado.
Pwa Mamanguape, na bnreaca Boaviagem.
carregou : Fernandes 4 Irmao I caixa com 44
kilos de doce.
A camara munijioal do Recife ouvuia a
todos o seus municipes a apre-eutarem para ser
expostos no corrente anno, objectos de producQio
agricolai para a expDsiefte que pretende relisar a
sjciedade Djze de Setembro, segnndo a partici-
pagaodj Exm. presideute da provincia, de 16 do
corrente, com referenda a ordem do governo im-
perial.
A mesma camara espera no patnotismo, dedi-
cacao e zelo de todos o born exito de tal convite.
Paco da camara munic pal do Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874
Tnwdoro Machado F Pereira da Silva
Pro-presidente.
Augnsto G. ds Figueiredo
OCBcial maior servindo de secretario.
Pela thesonraria provincial se comraunica a
quem interejsar possa qne ficam transferidas para
o dia 5 de marco vindouro as arremata^fles de 200
metros de empedramento na estrada do Limoeiro,
e dos objectos para o corpo de polkia.
Secretria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 27 de fevereiro de 1874.
0 official maior,
__________Miguel Affonso ferreira._______
O Illm. Sr. inspector da tnesourana provin-'
cial manda fazer publ.co que, em cumprimente da
ordem ao Exm. Sr presidenle da provincia de 28
de Janeiro ultimo, se ha de arrematar a quem
por menos fizer, no dia 6 de marco proximo fu-
turo, perante a junta da fazenda da mesma the-
souraria, a obra dos rcparos da coberta do gym-
narij provincial, oread a cm 578*6)0.
As pessoas qne se propuzerem a esta arremata-
cao comparecerao na s;la das sessoes da referida
junta, pelo meio dia do dia acima in licado, com-
petcntemente habilitadas.
Epara ennstar se maodou publicar o presente
pel'j Diario die Pernambueo.
Sacretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 21 de fevereiro de 1874.
0 official maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacao dos re-
ros da coberta do gymnasio :
1.* Os reparos da cabeita do gymnasio provin-
cial serao executados, de cenformidade com o or-
ramento orgonisado pela repartira das obras pu-
blicas, no valor de 578*600.
2." 0 arrematante dara comeco aos trabalbos
no praso de quinze dias e os coucluira po de dous
mezes.
3." 0 pagameDte sera eTectuado em uma so
preMagao, depois de concluida a ob-a que sera
recebida defhiitivamente.
4." Para tudo o mail que nao vai especificado
nas presentes clau?ula3 se observara o que dispoe
o regulamenlo oe 3i de jultio de i860.- Reparli
cao das obras publicas, 9 de fevereiro de :874.-
0 engenheiro chefe, J>seTiburcio Pereira de Va-
galhaes.
Conforme.-M. A. Ferreira.
0 Illm. Sr. inspector da ibesonraria provin
eial manda fazer pnblico qua em cumprlmeiito da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia de 16
do corrente se ha de arrematar no dia 5 de marco
proximo fnturo, perante a junta da mesma iheeou-
raria, por tempo de am anno, o ensteio d illumi
nacao publica aa cidade deGoyanna, servindo de
base a arreraatagao opre?o de 28) rs. diarios por
cada larapeao, offerecido por Jose Augusto o>
Araujo.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cao, comperecam na sala das sessoes da mesma
junta no dia-acima indieado, pelo mob dia, com-
petentemente habilitudav
E para conHar se maudon pobbcar o presente
pel j Diario de Pernambueo.
Seeretaria da .itaeeouraria proviaeial de Per-
nambueo, 18 de feVereiro de-187i.
^HjWclal-malot,
M. A. Ferreira.
I.M.MJ_ t-" i1 ____I."J!P1*
*ANTA ASA DA MI88Ml(HrHrlA DO
RECIPE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
aisericordia do Recife, manda fazer puBlico qne
"aa saia de suas sessoes, 5 no dia de marco pe-
las 3 horas da tanlo, tern de ser arrematadas a
quem mais vaniagens oflerecer, pelo tempo de a r
i ires armos, as rendas dos firedios em seguia
leclarados.
ESTARLLEC1KENT0 DE CARIDADE.
Travessa de S. Jose.
Idem n. II.......0 201*000
Riia de Santa Rita.
Idem n. 34 fecliada ...... 264*000
PATR1MONIO DOS ORPHAOS.
Paieo do Paraiao.
i.'andar n. 29. 0: 0 209*000
2. drto dito .... 3O9$OO0
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Ruo do Pilar.
Casa terree n. 100......241*000
Idem n. 102 fechada......241*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44 (fechada), ... 40 i^OOO
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17......361*000
Os pretendentcs deverao apresontar no ado da
irrematacao as suas fiancas, on comparecereir.
icompaahados dos respectivos riadores, devendc
oagar alem da renda, o premio da quantia en.
jue for seguro o predio que conttver estabeleci-
memo commercial, assim como o servico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Seeretaria da santa casa da mi^ericordia do Re
jife, 2 de mar^o o de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
GOUMNHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife h, Olinda.
Urherihe.
Havendo eompleta ausen-
eia de passageiros nos trens
rtr7rafrtiws"d 10 1(2
boras da noite, que havia
'nos sakbados e domingos pa-
ra Olinda, e nos das 9 1|2
da noite para Beberibe ; de-
a direct ria que fossem snpprimidos ditos
3e o o dia 7 do correate raw..
O gerente,
Laureiduto Josi de Miranda.
liberou
trens dptde
edraaa'ica'
CMrLeiMir
Man,
Le chiffonier po**.
composta.. oteoattda
elle dedicada ao artirta -
Romanw d* Donizetti,
L'ennuB
( A' PEWDOf
Seen* miklar com lamber, i
ehot, eMcalada por Mr. Ciceri it
PHncipiara s iD
0 beneflciado ira n"nra dos ltit&r*UK! wn i
marotes agradecer aoe tea* eonvidados, e 01
mo fax desde ja a todas as pessoas fne sei
rem honrar este ospectacuki eat sen" beoeoclix^
Tendo de retirar-se no proaimo paqueM ~
a Europa, pede aos ravalheiros que aeettarem i
seus bilhetes, o fay or de 'me satisfazerem
brevidadc aa nepccdias i ymwilas, vHB a pM -
eo tempo qne dv*e ter de dtaaora nesU cidade.
Havera trem ate A: ipuew.
Mudafwja.
0 beoeuciado, para saasbW
resol veu snbstituir a caneoaak La
finfortumo pela scena

mm
Santo Antonio

CUMI'ANttlA PEWtAMBL'CASA
DE
MavefacSa costeiraa vapor.
De eonformidade com o art. 2-4 dos estatutos
desta eompanlia s*o cenvocado3 os Srs. accioniB-
tas a reunicem-se em: assembles geral no dia 11
da correate ao meio dia, em seu edifioio ao Forte
do >fattos, afim de ter ldgar a apresenlajao do
relalorio anuno, proceder-se a eleicao da direc -
toria e da commissao da exame de contas.______
Pela thesooraria de fazenda pagam se as
dividas de exercicios findos as pessoas constantcs
da relacao abaiAO transenpta.
Seeretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambueo, 2 de maroo de 1874.
0 2 escriptui ario, servindo de secretano
Carlos J>ao de >ouza Correia.
Relagao a que sc refere a decl3rac3o supra.
Jose Jeronymode Carvalho, sargento
do 4" balalhao de artilheria a pe 253*100
Joao Francisco dos Santos, ex-praca do
2" balalhao de infanteria 4o'i f390
D. Maria Emilia de Medeiros Souza 83*704
Manoel Cumeiro de Souza Lacerda 49M55
Jose Felippe Nery da Silva 30*838
Francisco Augnsto de Almeida 20*731
Angelo Custodio Rodrigues Franca 17*703
Thomaz Lins Soriano 17*608
Joao Soares daFonseca Velloso 17*919
Francisco Lopes Cardim 12*786
Jose Delfino da Silva Carvalho 12*248
Jose Mendes Pereira de Vasconceilos 11*214
Camillo Lins Chaves 22*840
Jose Joaquim de Souza Limoeiro 37*131
Jose Theodore de Sena 33*040
Manoel Jose Soares de Avelar 25*772
Manoel Antonio Ribeiro 11*747
Joao dos Santos Porto 22*310
Ernesto Augnsto de Athayde 21*999
Jose Joaquim Ferreira de Carvalho 13*4)4
Companhia da illuminacAo publica 2:745*000
3:916*749
Santa Casa da Misericordia do
Recife.
A junta administraliza da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, precisando fazer os concerto;
de que necossita o predio que possue o patri mo-
niu dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea
li*ar ditos concertos, meillante certa renda e al
guns annos de prazo para desfructar; devendo
os que disso ste quizerem encarregar, apresentar
suas proposlas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respectivo orcame ito
nesta seeretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
deuro.
Seeretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivSo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Sabbado 7 demarcjo.
0 drama em 4 actos :
UM NAUFRAGIO
MAS
COSTAS DA RRETANiU
e a opereta em 1 ado :
Sen falo e sem noiva.
A'S 8 i|2 DA NOITE.
DOMlNliO
A' 6 t|S horas da tatrde
0 m espedacib.
THEATRO
DA
ENCRUZILHADA.
SOCIEDADE rARTICL'UR
RECREIO DHVMATICO.
Sabbado 7 do corrente.
Subira a seena o muito applaodido drama em *
actos, do insigne escriptor Mendes Leal :
Abel e Calm.
no
a muito rhi"toa
SANTA CASA DA MISERLCWD1A DO
RrXIFE.
Venda de predios
A Illm^. junta admhistrativa desta Santa Casa,
devidamento autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessdes, pe as 3 horas da tarde do dia 26
do corrente, venie ou permuta por apolices da
divida publica os segnintes predios, pertencentes
ao legado deJoaqninda Silva Lope3, de que e
adininistradora : Forte do Ma'tos, metade do S)
bradode 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
Abreu, 3' Darte do sobrado n. 1, por 2:666*666
rua da juia, sobrado do dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*, sobrado de um andarn. 30, por 2:000*,
dito meia-agua por 500* ; rua dos Guararapes,
casa te:rea n. 65, por l:iQQf ; rua dis Acongni
nhos, cosa terrea n. 26, por 60^3* ; Largo da Cam
piua, diu n. 3, por 400* ; rua da Stdedato, dita-
n. 72. por 700* ; becco do Te.\eira, rita u. 5,
por 23)* ; largo das Cinco Pontas, terreuo, por
1:000*00.1.
Seeretaria da Santa Casa da Misericordia do
Rarife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivio
Pedro Rodrigues de Souza ______
Finalisara o espectaculo c>
comedia :
Resunar soui durniir.
Principiara as 8 boras em ponto.
Havera trem depois do espectaculo.
Aviso.
Os Srs soeios podem "desde hojelmandar bnsrar
os seus bilhetes no theato das 5 as 7 horas da
noute, salvo, porem, a restriccao do art 9* dee es-
tatutos. _____________
CONSELHO DE COM PR AS DO ARSENAL
DE MARIMIA.
0 consclho contrata no dia 10 do corrente mez,
a vista de prepoataa recebidas ate as II horas da
manha, e sob as condigSes do estylo, o forneci-
mento do triraestre proximo vindouro de abril a
junho, para os navi.,s da armada e estabelecimen-
tos de mariuha, de viveres, dietas e outros objec-
tos de consumo, seguintes :
Assucar branco grosso, assucar branco refiua-
do, arrozdo Maranliao, aguardente de 20 graos,
azeite doce de Li-boa, aletria, araruta, bolacha,
bolachinha americana. bacalhao, batatas, bots
vivo3 e pasto para os mesmos, cafe em grao, cafe
I moido. carne secca do Rio Grande do Sul, carne
verde, cha bysson, cevadiuha, carnauba em velas,
conservas prcparadas, cebolas, doce, feijao, fari-
nba de mandioca da terra, gallinhas, lenha, matte,
manteiga ingleza, manteiga franceza, milho pilado,
pao, sal, sabao massa, stearina em veUs, steari-
na em velas de 8 em libra, t mcinho de Lisboa,
tapioca, tijolos de alvenaria grossa, telhas, vinho
de Lisboa c vinagre de Lisboa.
Sala das sessOes do conselho de compras de
marinha de Pernambueo, 3 de maroo de 1874.
0 secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Arrematacao
Segunda-feira, 9 do corrente mez de marco, de-
pois da audiencia do Exm desembargidor juiz de
orphaos, vai a praci de venda coui^o abate da
quinta parte 8^0*, um terreno com 33 palmos de
(rente e 210 de fundo. com alicerccs para duas
casas ouuma so. em altura de rec-.-ber as soleiras,
o qual foi aval ado por 1:100*. no lugar denomi-
nad) Estrada Nova d> Cordeiro, na freguezia d)
Poeo da Panclla, no Sitio que foi do Silva Compa-
nhia, que hoje esta rctilhado, ja com grandes pre-
dios ediBeados, sendo dito terren> um do? m;iho-
res de dito lugar por estar perto da estrada real
da Casa Forte, e deitar os fundos para defronte
do sitio conhecido do Nuoo Maria de Seixasa d do a,^ 0 dia ,.,
i-entanante dos bens do|lra^ oHo!iniBFda dem)ra do c,1?lam,,
Air aazens da compauhia per
Vi
uamoucana.
ruros contra o
rs
CAPATAZlA DA ALFANOKOa
;teadimento 0>
ddi do dia 4
rlia a
2:031*232
t.-377*187
3:408*419
No dia 1 a 3
VOLUMES SAHIDOS
No. "d 4.'
*
.-'nmaira poxte .
Jegaada porra .
rerceira port*
Quarla.pwt* ...
fiaprche eonca^a:
JJD
'33
.if** imfuMS*M
SERVICO ktARtrtiD
tl>*rengns-desearmadano tapic*le
alfandega d)di'T T .
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico quo, em cumprimento
da ordem do Exm 8r. presidente da provincia de
28 de Janeiro ultimo, se ha de arrematar a quem
pur menos fizer no dia 6 de marco proximi fnturo,
perante a junta di fazenda da me~ma thesoura-
ria, a obra dos reparos da uoirba n. 2 no 7 lanco
da estrada da sul orcada em 1:012*000.
As pessoas que se propuzerem a e*ta arrema-
tacao, comparecam na sala das scss5es da referi-
da junta pelo meio dia do dia acima indieado,
compete ;iteientc babilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo Diario de Pernambueo.
Seeretaria da thesouraria provincial de Pernam
buco, 21 de fevereiro de 1874.
0 official maiir,
Miguel A:?onso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacSo da bom-
ba n. 2 no 1' lenco da estrada do sul:
1. A obra da bomba n. 2 no 7. lanco da es-
trada do sul, sera executada de eonformidade com
o orcamento e planta, no valor 'o 1.012*000.
2." 0 arrerratante dara principio a obra no pra-
zo de 15 dias e concluira no de 2 mezes.
3." 0 pagament > sora effectuado em duas presta-
c3es iguae* a proporcao do servico executada.
4.' Para tudo mais, qua nao vai especifiddo nas
presentes clauzulai se observara o que diap5e_o
regulamento de 31 de julho de 1866. Reparticao
das obras publicas, 9 de fevereiro de 1874. 0
engenheiro ehefe, Jose Tiburclo Pereira de Ma-
galbaes.
Confcrme. M. A Ferreira.
0 Illm. Sr. inspector da the cial mania fazer publico que. cm cumprimento
da <->rdem do Exm ST. pre.-idente da provincia
de 28 de Janeiro ultimo, se ha de arrema'.ar.a
quem por menos flzer, no dia 6 ae, marco-prow-
mo fnturo, perante a.junta da fazenda da mes
ma thesouraria, a obra dos repar.is da cupula da
casa de detericao, oread* em i:428*0f)0.
As pessoas que se propuzerem. a- este- arreraa-
tac,ao comparecam na sala das jsessS^-s da nferi-
da junta pelo meio dia do dia aci.ua. indicate
[r....,... t.^t..iif,^.a miwrnMIW^sTWP*
"Fpara constar se roaniou publican o presente
pMo Diario de Pernambueo,
Seeretaria da thesouraria provincial da Pernam-.
bucOj t\ de n?"ereiro de 1874.
ttofflifrl-maior,
Miguel, Affonso Ferreira.
Clausjjls especiaes para a arrematacAa d*sj"e-
poros da capella da casa de detencao.
- 1. Os repatos da capalla da casa de deiencao
13 I serao executados de eonformidade com o orja
A companhii pernambucana, dispondo de ex
eellentes e vastos armazens em seu predio an for
te do Mattos, offerece-os ao coramercio era geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servacao das mereidorias depositadas, servico
prompto, prefos modicos, etc.
Tambim recolhera,mediants previoaccord),ex-
cJusivamenle os generos de uma s6 pessba.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramtnte novos e asphaltados, isentos dt
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dingir-se ao escriptono da com-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar.
none siqm NiviGmioi
PAHY
ROYAL MAIL STEAMER
OOTOl'AXI
Ol!
COM
LUSITANIA
querimento da viuva e low
casal do finado Antonio Francisco
de Sant'Anna.
950
112
1f,6
J2S
948
4,504
Decluracao n. 1.
Pela contadoria da camara municipal desta ci-
dade, sao chauados a virem pagar a bocca do
cofre, do 1 de marco vindouro, todas aiuellas pes-
soas que se acham sujeitas ao pagamento dos im-
postoscreados pela lei provincial n. 1126 d^ 18 de
iunlio'de 1873, relativanvnte ao exercicio corren-
te dc 1873 a 1874, cujos say os seguintes : fores
elauderaios de terrenos municipaes ; 2S3o0 sobre
estabelecimentos que venler espiritos; 3* por
cada licenca que tirarem as boceteiras para ven
derem dectro d-> municipio, e de 30* pjlos mas-
catcs ; 6* por cada carroca ou vehiculo empre-
gado nos servii;o3 da cidade, villas e povoacSes ;
100 rs. por palmo de terreno dentro da cidade do
Recife e seus soburbios, que nao esteja edifhado
ou cultivado, embora se conserve murado ; 20*
por cada casa de sobrado na cidade do Recife, que
con~erv;:r varan la ou sacada de madeira; 10*
por cada casa de sobrado, cujo exterior se conser-
var estragado, e 5*000 por cada casa terrea em
L-uaes circurastancias ; 10* por cada casa de so-
brado nas rua? que ja foram ealcadas, que nao
tiverem os passeios a ella correspondentes, feitos
no mesmo nivelaraento e alinharaeuto dos que ja
tiverem sido executados de eonformidade com as
posturas municipaes, e 5* nor cada casa terrea
nas mesmas condie&Bs ; W* por cada casa de so-
brado, cujos quiutaes dekem para outras ruas e
nao estejam murados atd o respaldo do pavimeoto
tarreo em forma extarior de edilcio, e 5*000 por
cada casa terrea em ideaucas circimstancias ;
60 r-. per palmo de terreno nos. povoados da Mag-
dat-jna, Capunga, Cbacon, Casa Forte, Poc<) di Pa-
nella, Caldeireiro, Monteiro e Apipucos, que nao
estiver murado ou oercado ; 40 rs. por palmo de
terreno em toda a extencao da cidade do Recife a
Apjputds, qne nio estiver murado, exceptnando
se os terrenos que tiverem ^ercas nativas em bewn
astado de conservatao ; Jf por cada baixa de
capim dentro da cidade da *eclte.; IQA por cada
macina a vapor, mantada aa cidade do Recife
Sraquilquer mislart,<|fciiWte ,o imposto de
por cada casa^ aegeeW-aas ddados, villas,
soburbios e ppTOaE3e*JUv*no,,j>oreai.. contn-
bblntes, qqandV flterem de pagjr este imposto, a
apresentar Da contadoria o conneeimcnto do im-
Find* a audiencia do Exm. Sr desembarga-
dor juiz de orphans do dia 9 do corrente, sera
vendido em pra.-a publica o Dequeno sitio e terras
proprias, na Ibura, avaliaio por 400J, pertenceate
aos herdeiros dos Baados Vi;torino Antonio da
Silva c sna mulher Henriqueta Maria da Con-
ceicao_____________________________________
Correio geral
HeUi^do dos objectos registrados existentes
na administra^do dos correios desta pro-
vincia, para as pessoas abaixo decla-
radas :
Autero C'.rneno de Lacerda, Airaire Leandro
da Silva Ribeiro, Aliredo Abdon Je Loyola, Anna
Jaaquina do Sacramento, Albino Goacalves Meira
de Vasconceilos, Antonio de Souza Gouveia Filho,
Benjamin Constaa da Cunlia Salles, Francisco
Gall jti, Honorio Uarros da Silva Gulart, Jose Fer-
reira da Silva, Joaquim das Chaga3 de Jesus, Joao
Pereira dos Santos Farofa (2), Jose de Aguiar B.
de Barros. Lourenco Jose de Figueiredo. Manoel
L. de Miranda Henriques. Manoel Francisco do
Rego Barros, Nicolao V. Chaves de Barcellos, Ur-
do cor-
rente, e depois da dem >ra do costume, seguira
para Liverpool, tocando em S. Vicente e Lisboa.
para onde recebera passageiros, encommendaa
carga a frete.
OS AGEKTES
Wilson Rowe A C.
iiitUA 10 COMMEIKIO14

bano Jose de Souza (2), Vicente Fontonelle Be
zerril.
Administracao do correio de Pernambueo, 1 de
marco de 1874.
Jose Candido de Barros
Encarregado do registro.
THEATRO .
Santo Antonio
Quinta-feira 5 de marco.
Espectaculo extraorttiaarlo em foe-
neficio a para des^edida do
artista franeea
OEOBfiB* CICKB1.
Programme.
1.* part.
Tu vas me payer ca -Nova canconeta, musica
de Offembach, cantada por Mr. Ciceri.
Amor funesto. -Cantada. oelo Sr. Vieira.
2.* parte.
Pela companhia dramatics o !. acto da
i-arific Stea nNaTigatim C rapai)
BOTAL MAIL STEAMER
AC0NC\GU\
wpera-se da Europa ate t> dia 8 de marco, e de-
pots da demora do costume seguira para o sul imperio, Rio da Praia e cosUdo Pacifico, pan am-
le recebera passageiros, eucoinraendas eaa*ir>
a frete.
OS AGEXTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERi.lOli
Companhia Alliauga Marf-
tima Portuense.
A galera portugupza S cos dias para o Porto, com es-ala por Lisboa.
Ja tem contratada grrnde parte da carga ; p
para o resto, trata se C'>m os consignatanos
agentes da companhia,
lost da Silca L*yo A Ftlho.
em sea escriplono a rua da Companhia Peraarn-
bueana.
3.* parte.
La complainte d'infortunio 1
Grande: exceutricidade comiea, cantada pelo
beneuciado, musica do Nargeot.
tw1 perta*
Pete companhia dramatica o f. acloda
Ruiuhd Crinoline
COlli'WiilA IfiAUUitt
DE
LIHITAM
Mnceio. Pencdo, lraeajn
e Kaliia.
E' esperado dos portos do sul atd o dia fi d i
oorrenteo vapor Marque* deCaxiat. o qual I
para os pottos acima no dia seguinte ae da sua
chegada.
| Recebe carga, encommendas, piaiigetre* e -
nheiro a treU.
AGENTE.
Antonio Lutz de Oliveira
57Roado Bom Jesns-57
4-

'



DUrio de PernaiBlraoo $dnt* fra 5 4e Mw^o tfe 18U.



MESSNMRmMO DO PORTO
pa>rt*ine die BavM.
ea* v|Mr cntre Portugal
Braall.
*0 vapor
JIMODINIZ
J J. Koslrigeae*
Cantent
Esperado'dos pottos do sal ate o dia 40, e de-
pois da lndupensaves demora neste porto, segui-
ra pan os-de Lisboa e Porto, tocaado em S. Yi-
MM
Fara passagense fretes de carga, eoooraTwndas
* dinheiro," tratam-se com 09
AGENTES
K. Rahcllo t C.
W=**ua do Commercio=i8
Para.
Pretende sagwr para o indicado porto, com pou-
-a demora, a fcarca portugueza Soeiit, porter
porcio da earga engajad*; e para o que. lbe falla,
trata-se com os eonsignatarios Joaquim Jose Goo-
jafcres Baltraa-a Filho, a rua do Commercio n. 5.
COUIMVIIll
MESSAGEMES MARITIME^
-Llnha ihensal
MENDOZA
fispera-se da-<2uropa ale o dia 10 do corrente.
aeguMdo depois da demora do costume para Due-
inos-Ayres, tocasdo na Bahia, Rio de Janeiro e
Montevideo.
Para passageiros, encommenda*, etc, a trata>
eom
OS AGENTES
Harismendy & I.abille
9 Kua do Commercio 9
3 Para 0 Ri;; KraDde do Sol
O patxi'lKi R enitica
aahir breveiuente, recebe algunn carga a frete
stutlarno cscriotorco de Balthar Oliveira & C.
no
1AKA
Sahe com mnita brevidade 0 liiate Joao Vaile :
para carga, trata-se 11a rua do Vigario n. 33, com
Joao Jose da Cunha Images.
Companhia Allianca Mariti-
ma Portuense.
1 Enapreza de navegracao en I re
Poi-tu^ai e Brasil.
A barca portugueza Jcven Adelaide, recebe car-
ga a frete para os pottos de Lisboa e Porto, de
vendo seguir com a maxima brevidade ao sen
destino : trata-se eom os respective* consignata-
jios Jose da Silva L030 & Filho.
Para u Para
Recebe earga 0 brigae pertuguez Relampago, e
pretende. teguir com toda a brevidade per ter
grande part.: da mesrm eopf.jada : quern no mee-
moquizer czrregar. Irate com seus eonsignatarios
T. de Aquino Funsec:. & G.-Sucee.-sores, "4 rua do
Vigario n. I.->.___________________________
Rio de Janeiro
Para 0 referido porto pretende soguir com pou-
-oa demora 0 pa'^chn brasilriro /transporter a
maior parte de seu carrogamecto engajado ; e
para 0 resto quo '.he. falta e escravos a frete, tra-
la-se com os eontignatarioj Joaquim Jos6 Goncal
^res Beltrao & Filho, a rua d j Coracercio d. o.
LE1L0EJJ
dcas casas de cainpo com grande? sittos em-chSos
:proprios, ambas perto da estacao da Tainan -
*Mra
A sabert
TJma casa neva na rua da Tamarineira, com boas accommodacdes para graode familia, e
sitio com 90 palmos de frente e 500 de'fundo,
pane murado.
Uma dila na Lruz das Almas, em que moron 0
Sr. Joao Mendehour, com asaccommodaoSes.**.
nunciadas nes jornaes ns. 3i a 44,
ho meio dia
Nerta,ceaflao sera -/eadida pan -aetfeebar
cootas, -aaapartWa d de pall a para menfnos, e Amaiouu ^nra senbo-
ras, ae *urJo sera -vetrdMo pelo noaior preco
qne se sw4er !^--
Por interveneao do agente Piniti, rua duflln
Jess n. 43.
Leilao
DE
4 casasi aerrAac -titas a rua da Hora; -travessa de
San*^ Eha*. no betro do Espinrteiro, com S a-
las. a quanas, eoztaha for, qnintal cacknba,
ulti auunente acab.das e de AiUda^conclrnev'ao,
as aiiam se aoham edtlicda!< em seta pmpriu.
Siabbado 7 doeOTrente
No prfri^iro anUr-4o so^rado da iua do Marques
ieOtin.U n..6i.
0 aseote ttas, competentemente autorisado,
vendera em ieilan ,; m^nciunadtis -ensas, em >e-
guidaan leitax tferwuveis..
.frj?
DE
lazendas avariadas
CONSTANDO DE :
anadapolSes, algoddes, chitas e saccos vasios
Hqje
A's 10 li2horas ^mpoBto
"or interveneao de agente Pinto, era seu
cir{ orio a ma do Bom Jesus n. 43.
Em continiuLQaQ
veadera lambem 6 pecas de grosdenaple pneto,
meias para homens e meninos, e outras fazendas
lircpas._____________________________________
Grande feia
DE
L mobilia dejaearaoda, eom
tampos depedra. 4guar-
da-loucas, guarda-comi-
das, carteiras para eserip-
torio,caminhaspara crian-
<^as, 2 pianos de armario,
machinas de costura, relo-
gios de algibeira, de ouro
=e prata, ditos de cima de
mesa e pareder tambore-
tes novos para lojas, quar-
tinheiras, objectos deouro
e prata, latas com presun-
to, commodas, secretarias,
e infinidade de objectos do
usodomestico

Hoje
A's 1 1 horasf.a m.^i h"t
PEIUA SEWANAL
IIJ-Rua do linperador-lli
pelo agente Martins.
-Jt&
moveis, crystaes, loucas, vidroj, oni>o, prata, per
fumarias e miodezae
Em continua^ao ao leilao de quarta-feira 4
do corrente
SABBADO 7 DO CORRENTE
as 11 Jaaraa em pou to.
A'RUA DO WGARIO THESORIO N. 11.
ARMAZEM.
0 preposto de agente Peslana fara leilao por
conta e risco de quern pertencer, dos moveis e
mais objectos abaixo mencionados :
Ricas almofadas de cores, bordadas, para sofas,
i rica toilette de jacaranda, 1 excellente piano de
mesa, i elegante eecretaria de amarello, | excel-
lente cama de amarello, entalhada, t lindo san-
tuario de jacaranda ,(obra |de Remigio), 1 guirda-
vetidos, 1 gnarda lonca, 1 gnatdacomida, bancos
a Bismark para piano, diversas mobilias de jaca-
randa, com pedra, de amarello edejunco, tndo
de rouito bom gosto e novo, que se veDdera ao
correr do martello, por se ter retirado para a En
ropa o Sr. Dr. Alvaro do Meneres Moreira, dono
de parte dos objectos acima mencionados
Sabbado 7 do corrente
A'S 11 HORAS EM P0NT0.
Pelo preposta do agente Ies-
tna.
PENHORES
Ka travessa da rua
-dasCrtizea n. 2, pri-
aneiro andar, di^ge
^nheiro sobre pe-
Eiaores de ouro, pra-
4a e brilhantes, ^eja
iqual for a quantia.
Na mesma caea
eompra-se os mes-
mos metaesepedras.
ax?5i*
T.eia sidii apresenlada ao public*
Durante o espa^o
DE
4 0 A N N 0 S.
DE
RBISTOL
LEILAO
No dia 20 do corrente vao a leilao todos os
objectos dados em penhor que esliverem venci-
dos, salvo aquelles que ate aquella data pagarem
os premios s-encidos.
Travessa da rua das Cruzes n. 2.
LEILAO
LEILAO
DA
iarmacJQ de pinho-. eavidrrada, com liteiros e mos-
tradooes, banquetas para trahalho decharu-
tos,l candieiro a gaz ie 2 bicos, i secretaria,
1 relogio e 7 mochos
Massa fa-Ilida de
JOAQUIM VIE.IRA COfc'.HO DA SILVA
S1
DA
casa terroa da Ilha do Retiro, em Bemfica n 8, a
mafgem do rio Capibaribe, rdiflcada en chaos
proprios, com 3 janellas e nma porta de frente,
com 45 palmos de largura e 300 de fundo,
parte mnrado, com 2 salas, gabinete, 8 qmrtos,
endo um fora, cozinha, estribaria e teiheiro,
capiar na frente e atraz, rendo este coberto
O agente Martins fara leUao, por mandado do
JUm.br. Dr. juiz de direito especial do commer-
cio, darmacao e mais pertencat da loja de efaara-
to da rua do Coronel Suassuna n. I, perteneente
a massa fallida de Joaquim Vieira Coelho da Silva.
Principiani as 11 horas.m
A's It 1| horas.
For ititerverK;a0 do agente Pinto
NA JUiA DO ROM JESUS N. 43
LEILAO
DE
lonea, armacao, l cfre de ferro, caodieiros a gaz,
e mais pertonras existentes no estabelecimento
da rua do Marquez de Olinda n. 25.
|HOJE
&s 11 horas da manha
0 agetue DiaSj.competentemente aulorisado por
despacho do Exm Sr. desembargador juiz de or
phaos, levara a leilao no dia e Flora acima desig-
nados, a looca e mais artigus exiRentes no mesmo
estabelecimento, pertencentes aos bens do falleci
do Manoel Vieira
0 balango exisleem poder do mesmo agente, a
rua do Marqaez de Olinda n. 37, onde pode ser
desde ja exatainado, e garante-se o traspasse da
casa a qualquer Sr pretendente.
I
-eilao
HO.1V.
1* 11 horas em ponto.
DA
armacao, generose mais utensilios pertencentes a
taverna srta a rua Imperial n. 279.
O preposto do agente I'estaaa, fara leilao por
conU e risco de quern pertencer. d'armacao, tene-
ros e maie utensilios pertencentes a taverna sita a
rua Imperial n. 279,'em um on mais lotes, a von-
tade dos compradoree. 0 mesmo agents garante
a posse das eiiaves da mesma taverna, as quaes
efi acham deeembaracadas de qualuuer onu*
QCJINTA-FJ'IRA S DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
na rua Imperial n. 279.
LEILAO
DE
34 barris de eal branca de Lisboa, I cofre de
.ferro, 2 carteiras, \ balan-.-a, braco RomSo, 1 dita
romana, 1 dita grande de pesar couros, i mesa,
caixoes de pinho para assucar, (seadas, tabolei-
C03, repartimento de escxiptorio, carteiras e ou-
tros objectos de escripicrjo e armazem de as-
ancar,
Mia-feira it k ar^#4e I87i
a* iO horas da mpjiha
Por interveneao do sfeate Pinto.
NO AUMAZEM 1)0 SOBKADO DA KUA J)0 APOLLO
N. 8
DE
loeom'itoras e carnw do syste-
nia Thomson, on curros de
borracha
\o-i;l. dcabril.
Em virtude de nao se poder dispdr de boas es-
tradas de rodagem nesta provincia, os possuidores
do material acima mencienado estao resolvidos a
vendc-lo todo emleilio ou separadamente, confor-
mese convencionar.
0 emprcgo destas machinas em grande numoro
de paizes da Europa, Asia, America do Morte,
onde ellas tern suhstituido os antigos systcmas de
transportar cargas pesadas, dispensam os seus
possuidores de encarecerem a sua grande utilida-
de, como meio de transport? economico e commo-
do para os cngenhos, e toda sorle de propriedade
agri ola ou industrial, qne dispoaha de planieies,
cuja situa.ao dos respectivos depositos on anna-
zens fiquem distantes do lugar de producjao ou de
fabrico.
Eslas machinas podem trabalbar como machi-
nas Gxas, para u que tern competentes volantes, e
servir para serrarias, enfardamento de algodao e
fazer mover toda a sorte de apparelhos, etc., etc.
0 roateiia 1 consla do segumte :
2 lecomoloras de forca nominal de 8 cavallos
c.ida uma, com caldeiras vmicaes e fornalhas
qnadradas e oval, podendo queimar carvSo ou le
uha, com fumigadures e cinzeiros, dispostos de
sorte q>ie se previne qualquer accidente de incen-
dio. Estas machinas possuem todas as pecas in-
dispensaveis de sobresalentes, e sao completas a
todas os reepeitos, r-stao novas e em perfeito esta-
do 'de conser aejiu, visto como, apenas trabali a-
ram o tempo necessario para se demonstrar pra-
ticamentp as suas vantagens.
6 carros solidamente construidos, suspensos em
exccllentcs molas, sendo dous com portas late-
raes, dous com dilas na parte posterior e dous ra
sos, proprios ptra transporte de caldeiras, moen
das. etc.
0 leilao sera effectuado pelo agente Pinto, a rua
d'Aurera n. 91, cstacao das ditas machinas, e pe
las DA se todos os esclarecimentos a rua do Bom
Jesus n. 8, primeiro andar.
ftySSOrpyVHSOS '
CwHpanfcia
Santi Thereza.
Sao convidados os senhores accionistas para sa
reunirem em assemblea geral no dia 12 do ccrs
rente, ao meio dia, no 1 andar da rua do Vigario
n. 13, alim deJres ser presente o relatorio e ba-
lance do anno proximo iinde.
De_conforn,idide com o art. 16 dos estatotos a
rc-uniao tera legar dclinitivamente com os senho-
res accionistas que cemparecercm.
Recife, 2 de marco de 1874.
0 gereute
_____________ Justino J. de 6. Campos.
CURA OS CASOS MAIS DESESPERADOh
A SAFSAPARRILHA DE BRISTOL puri
fica a massa do sangue, eipelle para fdr
todas as materias e fezes viciosas e impuras,
regula todas as secrer;6es, d& vitahdade e
energia a todos os organs e da* forga e ri-
gor ao systnma efiin de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. E
pois este um remedio constitutional. Elk
nunca distroe afim de poder curar ; porem
constantemente assiste a naiureza. Portanb
em todas as doencas constitucionaes e em to-
das as molestias locaes dependenle d'um es-
tado vicioso e imperfeito do systema em ge-
ral, achar-se-ha que a Salsaparrilha db
Bristol e um remedio seguro e efficassissi-
roo, possuindo inestimaveis e incontestaveis
vrtudes.
As curas milagrosas de
Kscrofulas.
Ulceras,
Chngas autisras.
KNFERMIDADES SYPHII.I'i/CAS
ERYSIPELAS,
RnELMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESC0RBUT0,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto renome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as paries do universo, sao t8o so-
mente devidas a
UNICA LEGITIMA E ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
NA PHARMACIA CENTRAL
7SBSASSS irCSMIK
GASAS
Alnga-se o> Boa-VisU, ma de Caminho Novo,
junto a estacie. a caaa n. 155, con muitos com
modos para *nm'ia ; a chave esta iunio : .ami
outra na Cipunga, rua das Pernamtmcanan n. Si ;
a casa e nova,-em folha, e tem quintal gr.ade: a
trator no iRecWe, rtfa da Cadeia n. 3.___________
Ha.para alugar-se dua> eera*a*, sendo nma
moca e outra de idade, as quaes coztnham e en-
gommam perfeitamente : a tratar na ma da Ate-
gria n 46. ^^__^_^
100|:000 de gratificacao
Engenho Sant"S Mendes
Pogio no dia 10 de dezrmhro. do engenho San
10s Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracnnhaem, a escrava Maria, cnoula, 50 annos
de idade, fKmco mais ou menos. baixa. grossa, cflr
preta. rwro alqoebrado, \>6i letei* e e-panados,
dedus curios, cabellus braneos, canellas finas, tem
dous signaes cabelludos no qoeixo, e e bem ladi
oa. A pessoa que entregar esta escrava ou ao seu
lono, que e 0 senhor do engenho acima, Lauren
tino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, andar, sera
ecompensada com a quantia de 1001.
mw\ is
Continua estar fugida desde o dia 11 de Janeiro
a escrava de nome Bernarda, idade 30 annos, pou-
co mais ou menos tem os olhos um pouco abotoa-
dos e 0 andar moderado, traja vestido e chale
prt'tos, costuma mudar trajos, tem uma clcatri' na
perna esquerda, anda dizendo que o senhor mor-
reu e deixou ella forra, esta la para 0 Cabo por
ter la um filho de nome Felix : e por isso rofa-se
as autoridades policiaes ou aos capities de cam no
a apprehensao da dita escrava, levando-a ao Ca
minhc-Novo, a suasenhora, sitio n. 110, ou na
rua daCacimba n. 1, que se recompensara gene
rosaniente.
5001000
A pessoa que quiter its a premio a quantia de
500/, pagando-se os juroa da lOOjOao oaas, 4ea-
contando-se logo do capital oa reapeetime Jnroa,
queira annunciar nor este jornal para ser praeo-
rada, nu entio dirija se a rua Sefe de Selenbro
n. 2i. que achari com quern tratar. ______
Sociedade dos Henriques.
Sio convidados os Sr. socios a comparecerem
no dia 8 de marco, na rapella imperial de Nossa
Senhota da Estancia, alim de terem principio os
trabalho* da mesma as 10 horas do dia.
0 1 secretario,
Gregono >aziazneno Baptista I'narte.
rMlengaO.
Fugio do engenho Firmeza, na freguezia da
Escada, no dia II de fevereiro, o escravo Al-
bino, crioulo, com os seguintes sign;rs; cor
preta idade de 20 annos, alto, corpo regular, ho-
nita figura, olhos um pouco esbranqnicados, n-m
de um lado das costas um carocinho a seme-
lhanca de uma jabaticaha. Pede se as autorida-
des policiaes e capitaes de campo a apprehensao
do dito escravo, podendo enlrega-lo no dito en-
genho ou na rua do Torres n. 12, escriptorio,
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica de
molhados: na ma do Rangel n. 37.
Alugase uma grande casa de pedra e ca'>
com rancho e taverna, sltuada entre o Barro e as
Areias, tendo na taverna 2:00 ^ de generos : a
pessoa qne pretender, dirija se a mesma, a enten-
der-se com 0 seu proprietario Felix Lins Caval-
cante.

-. 2P as
CD CO


ft
er
s^ & 5*
CO
tr$
s o
en
I
ft5^
3 &=
p o
9 H ft
0*5 0 p OQ
T3 i. ft P P
=rt.ft.
"-"1 -.-'. * a p
22 -j s --
a? &- p
V3 7s
Q-
fBjp i
O
a
p
o-
ft
ft
o
rt-
P
a
o
ft
ft
o
a
o
3
CO
CO
ft
i
P
ft
<
P
a
P
ft
ft
CD
P
P
co
CO
a
p
m m mm
Ao Sr. Jose" de Bessa e Monezes, pede
Jose" Duarte das Neves, a devida permissao
para dar publicidade a nlguns trechos dc
sua correspondencia ; isto e, aquelles que se
referem unicamfn'.e ao arioso de 11 dc maio
de 1872 ; visto nada ter respondido aos
que lhe foram enderegados|em 18 de marco,
29 de abril, 10 de maio e 6 de junho pro-
ximo passado, e parecer entregar tatnbem ao
silencio a carta que um respeitavel amigo
lhe d-rigio sobre o mesmo sssumpto
nos [ rimeiros dias do presente anno.
Roupa achada.
Aebou-se n> din M de fevereiro deste anno uma
trouxa de roan* j* Uivada, denlro de um sacco de
estops, na rua laipt-riat: qaem tor sea d'rfio, di-
rija se a mesma raa aeima n..31. qofl daodo OS
signaes certns e pagando o presente anntrnf to kW
sera entregue.
^ 0 bachart-r Pedro Gaudiann de Ratis e J
^J Silva t.-rn estal*ltCTd> saa bam-a d ad- S
sjj, vocacia nu escriptorio dos Srs. Irs To-S
"t* lent ni de Carvaiho e Oliw-ira, 5 rna !.
"* de Mar?.., enirora dt Cie>n<.. sobr^dn 2Z.
jtt u. 18, I.* andar, onde o putkrao pro-
curar os que o qnizerem bonrar com
^ sua coofianca; on era sua residencia .
na rua Velha, easa a. 30:.
#;. ri#iimtHtttm-M*ftj
9k Adrogados
Os Drs. padre Antonio da Cnnha Fi- ^
gueiredo e Joao Augusto do Rego Rjitos, ga&
mudarara oseu escriptorio para a rua 1 J
de marco, outrVra do Crespo. n. J, !. 9
andar. junto ao area de Santn Antonio
entrada jielo lado do caes.
:

s
i
&
i
ConsnKorio medico
Dr. llurlMo.
RI"A DA CRUZ N. 26, t AND*It
Kecem-chegado da Eurepa, onde 'i*-
queuton os hospitaes de Paris eL'>n.',
pKle ser procurado a qualquer bora dia iti da nnite para objeclo de -na \ fissao.
Consnltas das 6 horas da manM a- S lia>
na, e d meio dia as duas da tard>
Gratis aos pobres.
ESPECIALIDADES.
Moiestias de enhoras, da pelle e de
rrian^a.
I
1
Roga-se ao um Sr. Alexandre de Souza Bar-
ros, morador em Gravata de Jaburti, queira fazer
o favor de apparecer na rua do Livrarocnlo n. 12,
a tratar de negocios de seu interesse.
30$ mensaes
Uma familia de tres psssoas precisa de nma
criada portugueza assim como de uma escrava
engommadeira, pelo aluguel acima: a tratar na
rua de S. Francisco n. 15.
Antonio Jose Lopes, retira-so para Borupa.
Leiliio
DO
armazem da rua da La pa n. IS, edificado era cliao?
proprios e paredes dobrada*
is 1J Jj? horas em ponto
POR INTERVENING DO AGENTE PINTO
Rua do Bom Jesus n. 43.
DE
moveis e vidros
SEXTA-FEIRA 6 DO CORRENTE
Sendo mobilias completas de amarello, jacaranda
e junco, mesas, nm guarda ve-tiios de amarel-
lo, cadeiras, aparadores, lavatorios, mar<|ue-
zas, camas francezas de jacaranda e de ama-
rello, armarios. berejs, camas 6.- ferro, cafeides.
relogios de parede, mesas redindas avuJsM,
consolos de amarello, madeiras de balanco de
amarello, lon?a e vidros.
Attencao.
Precisa-so o(m wrger.cia de uma ama de
leite, que seja s dia, e que tenha bom e
abundante leite, para totnar conta de uma
criaoc.a de .iias, dando-se preferencia & mu-
Iher do matto : que/n, pois, estiver nestas
circatDstancias appareca no 3." andar desta
typograptiia para tratar.
rf^
leilao
DE
chapeos e fazendas
A SABER;
302 chapeos do Chile (i micos).
10 duzias de bonets de sarja.
SO ditas de chapeos de massa e la.
6 pocas de bata de cores,
it dilas de grosdenaples preto.
Hoje
A's 10 1|2 horas em ponto.
Por intenren$4o do agente Pinto.
Em sea escriptorio, rua do Bom Jesus n. 43.
Poroccasiio e ern contipnacao do leilao de fa-
adas ayariadas.
pelo agente Martins
io armazeiii da rua railttr ii. 4*f,
As 11 horas do dia aeima.
Hi mesma oceasiao, em continuacio, irao a le>-
Jao cerca de IO0 pares de bojinas francezas e 9
pecas dc chita Baptista, molhada d^agna docf.
LEILAO
Attencao
Furtaram sa noite de 27 para ;28 de fevereiro
nitimo, do cercadc do engenho Santos Mendes. os
ires seguintes animaes : um burro todo preto,
grande. com a sarneia ralada da cangalha e um
calo, com dons no hospinha?o e ignorando-se o
ferro do mesmo.; outro de cor melado sujo de
meio, e fsiradeiro, tem signaes de earjgalha, uma
das juntas dianteiras e mais grossa e as vezes
manqueja ; e finalrneote uir.a burra de cur cjsta-
ntia. muito eova, com nm calo de cangalha em
um dos encontros da pa, fueinho e rodas dos olhos
braneos. Os dous tiltimos teem o segumte ferrro
Q. Ouem os apprehender, ou der noticia certa no
mesmo engenho on oa praca do Corpo Santo n
19, no Recife, a Olireira Fdhos & C, recebera a
g.-trtirlcaclo de ISPJ, ou 503 por *ada um.
Recife, 3 de marco de 1874.
DE
mivei*, louca, yidros e uraa partida de chapeos
do Chile, feltro e de palha para meninos, e Ama -
zonas para seDhoras
SABBAIM) 7 DO CORRENTE
No primeiro andar do sobrado da rn do Marquez
de Olinda n. 64.
As 11 horas em ponto
0 agente Dias, eompet ntemente autorlsado,
vendera pianos, mobiiiu de jacaranda, ditas de
amarello, secretanas, guarda-roopa, guarda lou-
cas, commodas, consolos, rosrquoias, esuntes ap-
parelhos para jantar. ditos para alrooco, cadeiras
avulsas, santuarios, lavatorios eon pedra, quadro*
carteiras, marqnesoes, mesas aiasticas, espelhos!
capdieiros a %u,f nwifos oofros gbjectos de gosto
AVISO
Manoel sapateiro esta fu-
gido.
Desappareceu do enger.^o Darangunza, ne
dia -27 in fevereiro proximo ^ssade, o escravo
pieto, de nome Manoel, of!iwi:il de sapafeiro, ja
idoso, de nacSo Angola, alto,.de corpo regular,
tem falta de alguns denies na frente, e bastante
ladino, rendido de uma verilha, tera uma das
maos ou ambas afoveiradas, e costuma a dizer
que 6 forro por algamas vezes que tem andado
fugido. Levou comsigo nma trouxa de fazendas
e mais objectos que comprou na povoacao de Ipo-
juca, e julga-se ter elle fugido por ter achado a
quantia de cera mil reic, que seu senhor bavia
perdido, provaBdoo com a evasao sem outro mo-
two, e por ter tracado na mesma povoacao uma
nota de vinte, apresenlando nessa oceasiao maior
quantia em diversas sedulas : roga-se pois, as au-
toridades e capities de cainpo que o encontrarem
a apptehensao do din escravo, assim como, do di-
nheiro ue elle ainda tiver em seu poder e leva-
lo ao dito engenho a seu proprietario, a quem
pertence dito escravo, ou nessa praca ao Sr. An-
tonio Cliraaco Moreira Temporal, e seu conductor
sera recompensado.
Convida-se
aos senhores escriptores, litteratos, cheft- d, 10-
partigoes e commerciantes a visitaretn a
ENCADERNACAO BRASILEIRA
a rua Duque de Caxias n. SI, onde verao que e
este o estabelecimento que dispSe dos melhorcs
meios e procesws para bem servi-Ioa na arle de
encadernar, e o unico qne
POSSUE A MELHOR
machina para pautar papel, riscar livros, mappas,
manifestos, folhas de empregados, despachos, fac
turas, contas correntes e de venda ; cujo trabalho
sera regulado pela srguinte tabella de preens :
. Papel pequeno em caixinhas.
Para pautar 1 caixa I JO 0.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada uma.
Idem 10 ditas a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 50 ditas a 250 rs.
Ident 100 ditas a SOO rs.
Idem 20 i ditas a I;ifi rs.
Mais de 200 ditas a 100 rs.
Papel em tamanho fiume contas e despachos.
Por pautar I resma 15500.
Idem 10 ;i 1420J cada uma.
Idem 20 a li.
Idem 30 a 800 rs.
Idem 100 a COO rs.
Idem 200 a 400 rs.
Mais do 200 a 320 rs.
Outros trabalhos conforme o a oste.
A differenca era preco do papel liso para u
paulado, no nosso mercado, e muito superior a 320
rs. em resma. sendo per is-o vantoioso aos Srs
IMPORTADORSS DK PAPEL
mandarem vir o papel liso para aqui ser psntado.
podendo assim venderem mais baralo, ganhardo
mais dioheir?. para o que
QARANTB-SE
a bondade e limpcza do trabalho. entrep.mdo se
os volumes de resma com a mesma peifeici" i1
igualda.ie que >e tiver recebido na
EN ADERNAQAO BRASILEIRA
21 Rua Duque de Caxias-21.
Paris, 36, Rua Vivienne, D'
IHSMHH HEDECIX SPfiCIU
Affonso Jose de Oliveira professor juIm-
lado da cadeira de gepgrsphia e totartsi
do ex-L\ceo de>ta cidade. autonsado
pela direc oria geral da in-truccao pu-
blica, t--m aberta uma aula part'cnlar de
latim, na rua do Duque de Cafe* n. 61,
I.* andar. onde estir.i a disp^sirio d'a-
quelies, que de seu prestimo se quize-
rem ntilisar.
m A'tvogado.
jJl 0 barharel Join (litirana. advrgado em
& palmares, e pode ser procurado na villa
do mesmo nome, outr ora Lna, alto da
Eslacao, n. i.
s
/ CdisHlliii'io iiiedico-tiwgic*

DE
A. B. da Silva Maia.
Rua do Visconde de Albuquerqne u.
11, outrora rua da matriz da Boa-Vista
n. II.
Chamados : a qnaiquer hora.
Consnltas: Aos prhres gratis, da? 5 as
4 horas da tarde.
AO W. 9.
No progresso do paleo do Carmo vende se m.n-
leiga ingleza muito boa a I jOGO a libra, assnr.
como continua a ter bom sortimento de molhados
para qualquer cbefe de familia fazer sua despen-
sa : os pretendentes agradar se-hao da comroodi-
dade de preco por ser mencr que em qualquer ou-
tra parte.
lOO^OOO
Oirerece-se a ntaiii;. Kitita, a pessoa qne lear
a rua do Imperador n. 2(i, os objectos abaixo de-
clarados, desapparecidos de nm guarda-roupa da
rasa n 13 da rua de JodjO Fenian.les Vieira. pro-
nieltendo-se guardar seg edo, e naose fazer per-
gunias :
Duas eorreoles de euro para relrgio, eompridas
estaDdo uma dellas qnebiada.
I'ma aadeia de onr para relogio, t.-mbem que-
brada.
I'm bracalete de ouro com broche de esmeralda
com falta de uma fwnmillli
l;m par de brincos de peri la, para tnenina.
Um dito dito de esmeralda. mmo uma mais clara
do que a outra, tain! .in para c.enina.
Um relopio pequeno de ouro, para s. nhora.
mosiradorde vfdro.
Um allinete de pe.ilo de am. thista e perola.
Dnas v.iitas de euro, s. ndo uma eom uma ern?
de coral.
I nia volla de ouro e coral cm cruz semelhint.
I'm a: nel de brilliante.
I'm dito du perula.
I'm dito de esmeralda.
Um dito de ametiii-ta roxa.
I'm dito de esmeralda peralas.
Tres pequenas cruzes de ouro.
Um allinete de ooro com peroJaa.
Uma cassoleta pequena.
Um allinete pequ.ii .
I'm par >ie brincos deouro com pern las, csUnde
Bin dellei quebrado.
I'm par o.- brincus .! airMlitii4a.
Sociedade Propugadora da
Instruccao Publica.
Abrir-seba segnnda-leira 2 de marc a -snla
t'lii.in? do s so mascoJiM da frcguc?ia I
J.ise. Os mieie.-sados devcin dirigir-se an profes-
sor, na casa d'aul i, a rua de 2i de Maio, i otr'o-
ra Praia do ("aldcireiro n 21, ou a rua dc Rar-
Ibok men n. M
Precisa-^e do tuna ama para rasa dc dua
pes-(ias, para cozmhar e engommar : na rut Di-
reita n. 28. primeiro andar
DtS FNfi:nM>*r>'g DKS 3BXC4ES, IS FFBCfOI
r.T(FC r ALTint^OPS DO S1HOOE.
lo,000curas dastmpln-
I qens.pvstulas, hei-pei,
i irna, comixoes, am-
DtP U RAT IF
^
A rcdnccRo do coiuniorcio a re*
(alho.
Tendo de dirigir a assemblea prorineial ama
peligao no senttdo de erear-se urn imposto de"
6:000i000 sob casas coramerciaea, que nSo live-
rem exclusirafnente eaixeiros brasileiros, convi-
da a todo; qoe se jntcressam pela causa, a com-
parecerem no escriptorio da mesma redaecio, rna
do Imperador n. ii, travessa do Marquez do Reci-
fe o. 1, para assignarem, _
Cozinheira.
Jose Miguel dos Santos, Joaqulna
Rosa, Jose Miguel dos Santos ju-
nior, D. Helena Perpetna dos San
tos Maenado. D. Senhorlnha Maria
des Santos, Olhos, netos n nora da
flnada D. Maria de Jesus, fallecida
em Portugal, no principio de feve-
reiro proximo passado, mandam rezar missas pelo
eternj reponso da fallecida, na igreja da Madre
de Deu., na quinta-feira 5 do corrente, pelas 7
horas da mar,b3. Rogam aos seus parentes e ami-
gos que queiram asslstir a este aeto de earidade,
ne Ihes Ijcarjo sommamente gratos.________
Pede-se a attencao do Sr. fiscal da fregue--
zia de S. Jose, para nao eonsentir vender-se em
nma taverna na rna do Barlholomeu, aos domin-
gos ate as 9 horas da noite, garapio e outros ge-
neros diversos, eom adjunto de suspeita, offenden-
do a Tijjnbanca com immoraljdades; esperaraos
que S. S. acabari com esse abuso, visto ser con-
UaMaJi/o.>u do sangue, it-
AI
i
0 arnuwm
n. 42.
uga-se
no caes do Capibarifca
PLUS DE
COPAHU
Precisa se de uma boa cozinteira para p^mprar J tra as poMgras da camara municipal.
Qs espectadores.
e cosinhar n,a rua Velqa n. 71, ( aqd^r
rut, ealte i.\.ocs a, sangue. (Xarope vegetal
sent merciirio). opnratlTai irgol an
! BilMEKAES tomao-se dous por
semana, seguindo n tractamemo Depuralivo l i
rmpregado nas rnesmas molestias.
I Este Xarope Citracto de
ferro deCHABLE, cars
hmra^diataroenie qual-
huer purgacao, rela-
fxacao, e debilidade,
t iKiuliiieijie os jtuxoi e floret braneos das
multures. Esta iuieccio benigna empreguss
om o Xarope de Cxtraeto de ferro.
eaiarraiaaa; Pomada que as cuf ems dias.
POMAOA ANTIHERPETICA
Contra: nas ajfeccoet eutoneat comixoei.
M PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
ao Ckable, cada fraaeo vrai aecumpabade
it um folheto. v
AVISO AOS 8RS. MEDICOS.
I Car* catarrh*,, mm
\coqutlucku, irriuc&u
\nervoi04 Ml dot bron-
chial i udai at deenccu
4 pmtt; baita ao doenU
Pi- CVABU *m Paris, ru TlrleM,, sa
peposito bot-ca Franceza
2% Rna da Cruz 22
Sirop du
DrFORGET
(M M FORTdW.
ACS 4:000.5000.
BILIffiTES GAIUNTIIiOS.
* nta Primeiro de .Kar^o (outrora rua Crespo: n. 23 e casas do costume.
(> abaixo assignado tendo vendido n sens le-
Jzes hilhete*. um meio n. 37 com 4:uOQ0OOO,
um meio n. 5i6 com 700*, dous meios n. :9I eom
2001, dons meios n. 1219 com 100*. e outras sar-
les de iW e 10* da loieria que se acaboa de ez-
trahir (89-), convida aos possuidores a vir?m n~
rehet na confonnidade do costnme sem de*-
i algum.
.ictum-se a venda os felizes bilhetes garaMidoa-
ia 1' parte das lotenas a beneficio da igrtja-
da Conceicao de Caruard (90*), que se extranira
sextafeita, 6 do ^)r^ente.
PRETOS
Bilbete inteiro M000
Metobilbete 3*000
Jf PORfiO DE 1009000 PAJU CIMJ,.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilbete 1*750
JtotMrt Martins Kms
<


'. >. U "P1 !
4
%
I'


O
9M) fcwambuoq ^ QoU* feira 5 4ft M*lv*-1M4.
FTODTCAO DO BOWMAN
BOA DO BRUM H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenho ouiroa agncoltotea, e*inprtg feuusmo o favor wmpleu qo tern; aendo tndo aaperior em qnalidade tortid*o; o qne com a u
?ccio peesoal pode-ie veriflcar. ...___miIr
KSPEC1AL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDING
CnnniMva a _nJna ^trrta dos mais teodernoi aysteuaa e em u
VapOiaa 9 rOUaS U ogua map bos couvenientea para a& divenai
tfreoaauncias dot twhorei proprtetarioa pan deaearefar algodio.
Moendas de canna 22 0,t8**b08' aOneln0re, qoe ,qoi
Eodas dentadas """
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiqnes e ftmdos de alambiqnes
Machinismos
Bombas
LINHAS
DE
HETROZEDI; ALGO-
DAO
para mandioca e algsSao,j
e para eerrar madeira.
Podeodo" todoa
fser movidoa a mio
por agoa, vapor,
on ammaes.
Todas as machina* *******#"**>
Pa* qualquer concerto de -^wo-tpr* mnirwn,ido
FormaS de feiTO y^ore..b.r.u8ite, no mer-
VnAnmman^ofl Incumbe-se de mandar vir qnalqoer machiniaoo i von
OUOOlUUUUltla>B tade doa cKentes, lembrindo-lbes a vantagem de Taiereoi
rau eompras por intermedio de pessoa entendida, e qoe em qoafcroer necesatdade p6de
raea preetar auxilio.
irados americanos e iMlrnnieB'-0' *****
RUA DO BRUM N. 52
PASSANPO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
V roa do Barao do Triumpho (rua do Brom) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para er,
jenhos, es-mais modernas e melhorobra quetem vindo ao mercSdo.
VapOr-eS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
UalQeiraS de sobresalente para vapores.
MoeilCiaS inteiraS e meias moendas, obra como aunca aqoi veio.
laiXaS lUnaidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOuaS <1 aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
K-OdaS QentadaS de todos os tamanhos e qaalidades.
ReloglOS e apitOS para vapores.
DOmbaS de ferro, derepucho.
AradOS de divereas qualidades.
Foniiae para aSSUCar grandes e pequenas.
ConeertOS concertam com promptidao qualquer obra on machina, para o qne teen
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnOOrnmendaR """dam vir por encommenda da Europa, qualquer macbinismo,
^^^^ para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londre
a com urn dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua doBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICiO DE CARDOSO d IRMAO.
ODILON DUARTE & IRMAO
CABELLEIREIROS ^
na exposicao de 18*2
M
HE
TOBAS
An
COi\fcS
AQ7LEAS
Acccsyrii
PAHX
Na rua do Barao da Victor! i n. 36 precisa
lltr ao Sr. vigario Andre Cnreuio de Araujo Pe
eira. negocio de sen intrreyse.____________
^ 0*X *%
PARTE
DA
IHaehina

iiiiti
Com as falsifica^oes que tern appaxecido
tWM
EM PUBliCPlS yilSIUES.
. J. il'AzcveilHuh *? n. It
Aca >am de publicar ?'.,
venda as soguinits paaieaa
PIANO SO .
Danse espanhola, p Arabella, mazurka
theiiqer '
Valsa do F
SOSH^
.i.-haoi-se i
.i^r
\v-
DAS MACHINAS PARA C0STDRA
DE
SINGER
Porque?
Premiados
rua
DA
IMPERATRIZ
N. 82
Af ANDAR.
RUA
CO
Nenhuma ma-
chma Singer elegi-
tima se nao levar
g esta marca fixa no
braco da machina.
rfu:
Para evitar falsi- SS=
ficacoes notem-se
bem todos os deta-
inee d& marca.
!
o
x
o
I
C a. DELOUCHE.
\ 4ft Rua do MarqueE de l>linl-Al
1 Acaba de receber uro grande soriitB nio *e re
j logios americanos para parede e mesA, de corda
de 24 horas e de corda de 6 dios, coia desf ertadoi
dos melhores gostos e qualrdade.
Relogios de onro patente inglezverdadeiros, des
coberlo com ponteiro grande r^o mek>, dos mais
modernos e do melhor Tabricsmte dc u ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
doorada, cobertos e -descohertos. Dilos de prata
foliada (plaque ), wiscnlal e jwtente, de todo
preco.
Gadeias. de plstfi^ e de ouro.
1/unetas e octtfos de tcidas at qualidades.
Verdadefros vidros de cbnctaf da Rccha, para
vfeta cansada.
Vende-se Judo por preco mais baratr. i}\:? em
ouira qualquer parte.
Apiteicm eumo se vende baralo
S6 o n. 20
RITA DO I3EESPO
^#TO,forCroyas 10
.w. ima tmtm, r <' ">** 1W00
Anna la Prie, caratina 1JJOO
AOCUV1RDE LA LWt, pOt M^WSft 1*W>
ESTRELLA DO MORTKK,0,ka ,,lhant 1*000
Sada<;Ao ao Rahia (
CRicKEt, porSeii. chrickets dib poniambucijo c
bahiano
HANOE CANTO
Desesp-ero, muito lindo romar
P'jr I. Smobx
Nvik m'amava, romance* por bufttw* i^
Tambem recebeu % Kuropa grana" -
menide musica par a pu'1-',
antoudos, methcdc^s. He. tc.
''1100Q
%&Qii-J
:iro e a prazo
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
^Sfio matsjbaratas.
SSo de dobs pospontos.
Sao simples.
SSo rapidas.
SSo doradouras.
MACHINAS DE SINGER
Sao de does pospontos.
Abainham.
Franzem
Ppegam trangas.
Marcam preges
Bordam de Jinha de s&la.
Alcolchoam.
Pregam cordSes.
UNIGA AGENCIA
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
DA
IMPERATRIZ
N. 82,
1. ANDAR.
Acabam de reformar o seu cstabelecimento, collocando-o nas melhores con-
dicooes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
quillo que for tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras taoto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercado6 estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e figu-
finos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfeicfio no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
j>Gr$ao e a retaJho e todos os utensilios pertencentes i arte de cabeUeireiro.
CHAPE0S DA ULTIMA MODA
Chegaram lindos e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora : a"
loja das
50 n. 13.
columnas. de Antonio Correia da Vasconcellos, a" rua Primeiro de Mar-
J
33
Constructor e alinaiior de pianos
Rua do lmperador-
33
Ex-aflnador das antigas e afamadae casas Pleyel & Herr, e antigo director dai offlci-
oa casa Alphonse Blondel. ._..-, .
Tern a bonra de declarar ao respeitavel publico desta adade, que tern aberto sna eaa de
concertos e afinacSe* de pianos, qualquer que seja 0 estado do instramento
A mesma casa acaba de receber xaa grande sortimento de pianos dos melhores rabneantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz Alphonse Blondel) todoa os pianos sahidos da casa
Dbibanl ao garantido*.
Compra-se e reeebe-se em troca os pianos usados.
Rua do Imperador 49
Ha neste estabelecimento 0 melhor sortimento de pianos dos mais afamades autores,
como 6ao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este clima, 0 qual os amadores dos
bons pianos s6 enoontrarSo nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
ConcerUm-se e afinam-se pianos.
Tambem avis-se aos Srs.
concertadores de pianos
UII DAS 3 PORTAS
DE
Guilherme & Gk
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
Ilr5es, e que se vende pelo diminuto preco de ifW
rs. 0 covado I I I
METIM
Metim tranr,ado, padroes bonitos, a 320 rs. 0
eovado I I I
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padroes, pelo diminuto pre^o de 320 rs. 0 co-
vado 111
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. 0 covado!!!
CRETONE
Cretone clarose escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. 0 co-
vado til
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 400 rs. 0 covado,
e" pechincha !! I
Cortes de casemira di cores, a 5/C00.
Colchas estarapadas e com barra a 3*500 e
4*000.
Cobertas de chita adamascada a 32500.
Lencoes de bramante a 2*000.
Dites de algodao a 1*400.
Toalbas alcochoadas, dnzia, a 3*800
Lencos de cassa com barra a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiao abanhados, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3*500.
Cambria transparente fina a 3*000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a J*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca.
Dito domestico a 3*000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado ill
Madapoloes Irancezea de todas as oualtdades de
5* a 8*500 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto prejo de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44*000 a dnzia ; e pechincha. so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado ; e" pechincha, e dao-?e amo's-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das ires port as
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQU1SA
ESCRAVO FUGIDO.
Desapparpceu ao amanhecer do dia 4 do cor
e, do
1'iaiKi f
CHIMAIH):
Os Srs .!..vjih> taMh da Cm o Joaqmr;
neate de Learn Duarie, ?an ehamadus a raa
Coronet Suas.-una n. 28*. a n.-j; i do par;
liitcresse.
l/AH^tiKIRiS
selecta e !e umbigo
(EaxtrtadM)
Sapotizeiros
e apaMim de 11 pakDos(en vd-os) e d* i
os iamauho< e preens mai- c mmodus que dan-
tee; a?fim como M segaiote: outnn plant;,
fruota e de ornalo :
Abarati.
Acacia.
Anticum a pe.
Canella.
Casnarina.
Cdrolina do pnncip.>
Conde^a.
Cora;ao da India
Figueira.
Flamliuyant.
Frucia-pao.
Inga do Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
Laranja da China
Dita do ceo.
E outras plantas :
ura n. 20.
Laraaii cravo.
Dita 'i>' doet do Para
Oiia In nca.
Diu langoriat,
Uaa da Persia
lila & n:::l fyn.
l.in.r>( frai
Ota ion, iivi-riaJ-
Oiticoro.
i'a'mcira imperial.
Parrrirw.
Pinhi irj-
Rome^as.
ft .-ei.To.
Rozeda.
ULaia.
na Capnoe., a ru da Wd
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose1 Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
que ha sens pre o mais completo sortimento de matenaes para concertar pianos, como | nos, pouco mais ou menqs, boa figura, urn tanto
s;"in: cepos, folha para as mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa
marfim, etc., etc.
Aluga se uma casa na rua da Praia do Cal-
deireiro n. 21 : a traiar na roa do I.ivramentu n
23 loja do Sol.
iviuiiinA
Esta encouracado I! I
A^ua molt- mm pMra dura
Tanto da a- < Roga-se ao lllm. Sr. Ignacio Vieira de It;!!
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia.
Tavor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a cia-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprornetteu a
reaiisar, pela terceira chaniada deste jorwO, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cuapric.
e por este motive 6 de novo chamado para ditc
am, pois S. S. se deve leml.rar que e3te negocio
de mais de eito annos, e quando o Sr. seu filno te
ichava nesta e idade
Empreza dogaz
A empreza do gaz lem a hnr.ra de ar-nonnar s
pubjico qne recebeu uliimamenle um esplendia
sortimento de lostre de vidro. raodieJra, aran-
delas e globos, cujas amostras esiao no escriptori"
a rua do Imperador n. 31, e serp vendidos a^
sens fregnezes pelo prego mais raz)avel po-nvel.
Aluga-se o qu;irio audar do prdii n. "1 da
rua do Bum Je tratar na mesma rua u. 55.
Preoi em casa d.' ramilia : na rua Primeiro de Mar'
n. 23.
LOJA
Aluga se a loja do sobrado n 9 da rua da Au-
rora : a tratar na raa do II spido n. 25, i^erna.
ou na rua da Im|ieratriz n. 10. taverna.
19 RUAJIOIJHPERiffOR 49
Aluga-se o 2. e 3.
andares do sobrado n. 47 da
cordas; Igrosso e espadaudo, sendo' o signal mais vislvei{Hia da Ininovatn7
uma gommana junta dope esquerdo : roga -se a I Aiiipuiam^ .
todas asautoridades e capitacs de campo queiram 1 (lO IiOSDlOlO 11 ^'^
apprehender dito escravo e leva-In ao referido en I r *'"
CASA
Aluga se o sobrado novo da rua Vidal de Ne-
greiros n. 149, defronte do cbafariz, com eoramo-
Nao se tirestando o pequeno espaco do armazem i ^os Para ,uma radae Emilia, tern cicimba, gran-
n. 10 A, a jna da Madre de Deos, para um abaste-, ,de. 1n.,ntil eom sa,hlda Para a /ua do Nascente, a
cido deposito das diversas marcas de fumo, que o JJ aluKa'se J.ant0.ou separado : a tratar na rua
abaixo assignado almejava ter, acha-e ** om''
diante aberto outro estabelecimento sob
denominacao de
d'ora em'
a mesma
AriMzem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as propor$fes desejadas, e onde pode-
rSo os senhores freguezes dirigir-se, certos de
que, eorao ate aqui, acbarao sempre a par da mo-
dicidade dos precos, a major sinceridade possivel.
Enlre as differentes marcas de fumo da Baliia e
Rio de Janeiro, qne tern sido annunciada?. acaba
de chegar uma encommenda especial, e que muito
deve conviraos senhores freguezes. Consciente o
abaixo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem eompetidores, fara muito por evliar
qne tambem o? tenna com relacao ao pequeno lu
crx> que procurara obter da dita mercadoria.
Jose Domingue* do Carmo e Silva.
Chapas e argolas ameri-
canas
o fabricante destas, tern a honra de participar
ao respeitavel publico que, tendo de retirar-se
para a cdrte brevemente, so" pode receber encom-
mendas ate o dia 7 de marco ; portanto roga aos
senhores que quizerem munir-se de ditos objectos,
mandarem as suas encommendas com anteceden
cia ao hotel Estaminet, a rua do Imperador d. 32,
das 9 boras ao meio dia.
na raa
genho, on nesta pra?a a Oliveira Filhos & C, lar-1
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te recompensados.
ALUGA=SE
o 2 andar do sobrado n. 52 da rua Marquez de
Olinda : a tratar'armazou em do mesmo predio.
J^a rua do Imperador
n.28
preeisa-se fallar aos seguintes genhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Eoigdio Marques da Santiago (Dr.)
Joio Vaz de Oliveira.
Jose" Praocljco Lopea Liqia (Nazareth).
Manoel Pereira Brandao.
Manoet dos Paesos Miranda.
Theotonio de Barros e Silva.
Fran;isco Pinto Peaoa (Dr.)
Francisco de Paula Borges.
Frastiieo Antonio Pootoal Junior.
A' Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de habitagSo e banho no rio
i frenta desta: quern a pretender, pddfl
procurar i rua de Gervasio Pires n. 24.
Offerece se
portogtuza,
de engenho ; a tratar na rua da Madre de Deos,
casa de Frag* Rocha.
Aluga-e uaa casa'can 3 quartos e um pe-
DO sitio, oa rua da Casa Forte; a tratar na rua
Pofite-Ve.'fta I*, 9*-
nma pessoa de nacionalidade
moito habiliiada para administrador
No cae? do Apollo n. 69
Precisa se alugar uma escravinha de 12 a 14
annos para servico de casa, ou mesmo negocia-se;
se for oe condncta, paga-6e bem.
FUGIO.
Fugi.i no dia I.* de marco, da casa de seu *e
nhor, a mulata de nome Lydia, com os signaes
seguintes : baixa, gorda, cabellos crespos, peitos
grandes e cara larga : queui a appre'iender tra-
ga-a a rua di Santa RiU n. 5, entrada pela roa
Nova.
Feitor
Em S. Jose do Manguinho, stlio de Jose" Duarte
ainda se precisa de am qne seU cnidadoso e
en ten da tambem do florc-.
ATTENCAO
Constando aos abaixo assignado achar-ae nes-
ta pract o Sr. Manoel Fernandes de Carvalbo, ren-
deiro dos engenbos Barra e Preguica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztqnio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
tendente as referido? engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tasse Irmaos & C.
ALUGA-SE
uma excellente casa constrnida de novo sita na
entrada dos Afflictoe, tern eommodos para grande
familia, -itio muito bem plantado, jardim e banhei-
ro : a tratar na rua Primeiro de Marco c 2, livra-
ria economica.
Offerece se uma inulber viuva, de boa con-
ducta, para ama de casa de moco aolteiro, para
servico interno, e cozinha com perfetcio : quem
preten ler. dirija se a rna Augusta n. 149.
Cezinheiro
se on vende-se tun bom preto de 40 a 48
e ld?de, e tambem se troca por nma escra-
a raa do BarSo da Victoria
annot
va eog omruft.leira
Aos senhores de engenho e
outros proprietaries
que pretenderem contratar edificacCes de predios,
asa s de campo, ou chalets, demarcaroes de ter-
as, nivellamentos, assentamento de machinas a
vapor, plantas ou outros quaesqutr trabalhos nes-
te genero, queiram dirigir-se pessoalmenle ou por
escripto a A. Coutinho, a rua do Crespo n. 18, !.
andar, escriptorio.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, ns rua do Apollo
S'. 20, accam sobre o banco Commercial
de Vianna e suas agencias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, & vista e a prazo
por todos os paquetes
Allencao.
Henrique Praxedes de Barros offerece-se para
administrador de engenho e segue para qualquer
lugar, dando-se-lhe condnccao para sua familia; o
mesmo, por ter longa pratica de engenho, da
conhecimento de sua conducta com attestados das
principaes pesioas desta cidade : quem precisar
dirija-se i traveasa das Crnzes n. 4, que achara
com quem tratar.________________
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
vende 60 palmos de terreno, em Belem.
I'recisa-se de ura caixriro de i2 a 14 ai
que tenha pratica de padaria ou mesmo sen,
na rua Direita n. 26
ILUGHE~
uma easa na Capunga, rua das Pern^mhurana-.
com coxoira e quartos fora : a tritii ua ri
V i| r.o Tenoriu n. 31.
Livros karalissinios,
Vende-se por todo pre?o alguma* obraa de dt
reito, htteratura, poesia, bistoria e reliiriao, em
francez, raglez e portugu.-z : na rua do Cabuga d.
II, loja de jiias.______
Alugam se as casas ns. 77 e 79 da raa de
S. loao : a trat?r na rua Duque de Caxias n. 44.
Aluga-se ura moleqne flim pin |inteu
servico, de li a 13 annos de idade ; a rua d .
Bar3o da Victoria n. 22.
Attencao
Precisa sc de uma preta, forra ou escrao. para
vender taboleiro na rua; a tratar em Olinda, na
rua do Comraercio, antigamente Quatro Cantos,
casa terrea. junu ao Sr. capitao Lana, e defronte
dooitfo da botiea do Sr. Joao Raposo
30^000 mensaes.
Uma familia de tres pessoas precisa de uma
criada para aimmagocs de casa e engommado.
pela qua! da e alugnel acima : na rua de Santo
Amaro, n. 72, jnnto 4 estacAo.
Alugam-se as casas do becco tatwdo, eom
portao encarnado, no pateo da mnlnc de Santo
Antonio : a tratar na rua do Kangl n. 34, f an-
dar.
AIugam-M 0 f> e 3* an1ai> *i sobrado n.
47 da rna da lmperatrli: na roa do Hospicio nnt
ero33. r "
Eiigomiiiadeira.
Quem tlver um escrava de conducu. qne seta
perteila eogommadeira, quereodo negocia-la pom
dmgir-se a S. J j.-e do Mangninho, sitio n. J an-
tes da igreji qne se dara bora praco, onmesmo
por alngner.___________________________
Garanhuns.
Na rua do Bario da Victoria n. 36, preci.^a-s
aUar ao* Srs. Pedro do R*go Ckaws Peu
os6 Pat* daSiiva, a negock. de parOjBUj .at*-
>e
Precaa-se de uma mullier pciU.
Seira ir p>ra Poriagal em roropaakta 4e
silia : q ie hoizt, dinja se 4 ravDa*
Caxias >, fui .,sa :rtar. _______
ii
tratar?1
nm
'< i oa ana de Jerte
ru <1 > Kigoei n. ea
LUl
i-




^u0g|pPMHIM|

6

B
titetfanfallHtomiri <***> f j Joja da esqaraa da rua
tratar bo cam Imperatriz.
rawiz n. | : a
Barbeiro
Precisa se de um bom official de barbeiro, da se
meiacao no trabaloo e juntamente a mesa no
salao da rua Dtiqge de Caiias n. 3B, andar
NT27L ~~
Vende-se ow troca-se uma grande casa de ta-
boa, na rua Imperial, com quintal cercado, com
grando aterro, pecUo .d*- que bota para a linha ferrea, com madeiras no-
vas, prefermdo-se a troca por nma nesta cidade,
o preco e rauito co-nmodo : qoem pretender di
rija-se a mesma casa, qne acbara com quern tra-
tar.
por
Estrada de ferro do Recife a
Olinda e Beberibe.
Pela secretaria da couipanhia dos trilhos urha-
nos do Recife a Olinda e Beberibe, sao.convida-
dos os senhores accionistas, constantes-da relaeao
aDaixo, para, com a maxima possivel bwldade
comparecerem no escriptorio da mesma compa-
nhia, afim de se Ihes dutribuir suas respective
aceoes ; e nesta occasiao se previne aos mesmos
senhores que possuirem accSes do aotigo padrao
queiram recolhe Ics para serom restituida
outras do actual.
Maneel Martms Fiaza.
Manoel Pibeiro Bastos.
Mano;l Jose Dantas.
Barao de Tacarana.
Jose Marcel ino da Rosa.
Joao de Sa Cavakante de Albuquerque
Manoel Joaquim Baptista.
Dr. Claudino de Ajraujo Guimaraes.
Joaquim Antonio" fereira.
Francisco "Antonio de Assis Goes.
D. Joanna Augusta tie Castro Pagels.
Francisco Goncalves Ne'to.
Jose Fortunato do? Santos Porto.
Dr. Francisco do Rego Baptista.
Luiz Goncalves da SUva.
Jose Maria Palmeira.
Francisco Joao de Barros.
Dr. Luiz Lopes Castello Branco.
Joaquim Francisco Lavra.
Jose Coelho da Silva Araujo.
Joaquim Jo-c Goncalves Beltrao.
Antonio Augusto dos Santos Porto.
Manoel Jose de Souza.
Jose Joaquim da Costa Leite.
Manuel Jose Tinoco de Souza.
Jose Alves da Silva Guimaraes.
Joaquim Jo*e da Costa e Silva.
JiTonymo Gomes da Fonseca.
Joaquim Candido da Cruz Siqueira.
Dr. Fabricio Gomes de Andrade Lima.
Ht-rdeiros de Rodrigo Pinto Moreira..
Dr. Manoel do Na3cimento Machado Portella.
Joaquim Alves da Silva.
Antonio Jose da Costa e Silva.
Antonio Joaquim Vaz de Miranda.
Jose Ant inio de Almeida Cunha.
D. Anna Emigdia da Silveira.
D. France ini Sgydia Silveira.
D. Anna Joaquina Cerreia.
Joao Per ira Moutinbo.
Arthur d- SJ e Albuquerque.
Joao Baptista 'ie Castro Silva Junior.
Duarte Antonio de Miranda.
Dr. Feliciano Francisco kartins.
Antonio Alves de Moraes.
D. Goilbermina de Abreu Port).
Pelro de Alcantara Guimaraes Peixoto.
Escriptorio da companhia, 21 de fevereiro de
18?i.
Joao Joaquim Aives
Secretario.
flhnada.
Na r -do *arao da -Victoria n 36, precin1 se
fallar ao Sr. t- terfente Jo96TMarftTesma, a te-
|M de sen Interesse.
rVecis-a-se de
duas amas para
casa de pouca fa-
milia, sendo uma
para cozinbar e outra para engommar, pre-
ferindo-se escra vas, paga-se bem, se agradar:
a tratar no largo do Paraizo n.. 28, 1 e 8
andar.
Salsa Parri
tJMlto nova
ilrnflhte: na i
Naoka
Queun elegante estojo
Araa de leite
Precise dVtjtoa ama'de leite, sem ilho : na
ma da Praia n. 5yg.* andar..
Pwcisa..s.e. Alugar nma.
escrava
coroprar. e counter: para uma'pequemi faitflia
estrangeira: tti lUado Marqnez le Olinda n 49,
hja.
Ama ft^w ae .intCtea nifi pequpna
^-Xlia familia: na ma Daque de Ctiias nJ5V
loja._______.....______
Ama de leite.
para vi
CONTEN
, t* M cadernos de papel
ra dourada; marcado com 9
prsaor.
S* 100 envelopes bra
> < 100 pennas de aco,
v'l caixa de ohreia-
S* 1 linieiro de vidro
6* 1 areeiro dito dito
7* -A pao de lacre.
8* I canivete de duas OUMi
9- | lapit.
10* eandtas.
Todos tte| objectos r
flWiitittfafii feita para
iJade.
a, .
iflaj metal.
a que seja de boa
He Goyaona n.
Precisa-se de uma sem _
cendueta : 4 roa do Vfifeon
189
Preclsa sa de nma ami qne aafba cozidhar
e engommar com perfeicao : a trafkr:na rua de
Pedro Affonso, outrora da Praia n. 87.
deyima ama,
i M 4
fara
jntfeVin-
era^ab
P*ecisa-e
casa de pouca familia,
do-ie qne compre ; iagfaSahdo,
pagasebem: na rna do vfgaHo' a'33,.no !
andar, esquina _______^
AmaTSr?!??^^^*^-
na Jamil a ; a roa do Principe nitJO."
dlkbarT
Amn Pieeisa-sede ama para co:
iiiiq UaUT n,TU>.do Inperadot n
Precisa-ae do uma ama que saiba Coainhar,
Sara casa de homem solteifo : a tratar na ftua do
ar3o da Victoria n. 60.________
Precisa-se de duas amas*. sendo uma para
engommar eoutra para cozinhar para dais.pes-
soas : na- rua do Bom Jesus n. 9r8egnndo andar
Ama
nhar.
Na praca da Independence ns. IV e
16, precisa-se de uma 'ama pira cozi-
Precisa-se de uma ama, para cozinharim ca-
sa de pequena familia : a tratar na rua 'do Dn-
que de Caxias n. 29.
A MMA Precisa se de uma ama pa-
/^ IWI /m ra o servico externo de casa
i.ATJiX. de pouca familia, preferitodo-
se estrangeira: na rua Duiftede Caxias-n. 63.
Precisa se de uma ama para cozinhar e que
compre : na travessa dj Oirpo Santo n. 23.
Bug do Crcsp&it. #.
Casa a mk
Vende-se por barato prt?o '4jn!S"boa easa com
commodos para familia, sita a rua de Mathcw
" >, e njuito
ia rfe do
Ferreira. em Olinda, corn quint^ e
Graiileipecfiioclia
Em lindas ias
UM LMVERSAL
*w (te Barae (te Wetorfo n. 212.
^srecbliafflii.
A'**te grande estabelecimento tem che-
gado* um bom sortimento de macbinas ptra
KjiwiwAmu nimm
Riiad^
E TTkff
nperatriz n. 60

o mum
A Rota Branca, ja bem conbecida tefflo a mais *0Bt,a.. de todos os autores mais acredite-
aos altimamente na Europa, cujas macbinas
barateira, acaba de receber las para 2W e 320 rs.
o covado, e nm grande sortimentoile lis flnas a 300
reis, fazenda que vale 800 : venhatn5fcfc|flrafc-
ca ver Dara crer, na rua da ImperSlrizt.i5fl.
5io fattntidas por um anno, e tendo nm'Pre99 ae ^ P01, Kr peebmoba, dius com
perfeitO! artiata para ensinar a mesmas, em iwlpicos todo braneo sendo fazenda finisshna
Vende fazendas para liqnidar, por baratissimo preco oomc
abaixo se ve:
Pereira da Silva & Guimaraes teudo em ser um grande depozitj de fczeodai
tem resolyido fazer.uma liquidai;ao das mesmas com grande abatimento nos pacos.
com o unico fim di apurar dinhniro, para o, que coftvidam nao s6 os s^ns nnmerosoi
freguezes, como o respQitavel publico, vir urtir'e de innjtas fazendas, boa e barata*
noseu estabelecimento denominado oPavSo-arua *i**pMli4i n. 60.
CAMBRA1A6 A 49, 4JOOv 5, 69 79.
0 Pario vende um mrrgnifico sortimento
das mais fmas cambraias brancas transpa-
rentes, tendo 10* jardns cadfr peca, pelo ba-
rato pre?o de 49; 49300,39, 69, tendo Um-
bem das mais fmas que eustnmam vir ao
mercado, assi-n como um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de 49
ate 89, sendo fazenda que vtlle inoho mais
dinbeiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59.
0 Pavao recebeu nm elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqni-
nhos nudmho de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e veude pel barato
UZZVBAS EWCEUS
A ?00 rs, o covado
Rua do Queimado n. 43
Defronle da pracinha da In&ependencia.
IE' para acabar
Lazinhas a escocea*, propria para- Wsttfios, pa-
droes k esdoeeza, pelo imSirtrito prege de 200 rs. o-
covado, e para acabar : so na rua do QUfilmado
n. 43. Dao-M- amostras
Fur'ar. m um. cavallo de cflr rudado, m a
greirao, cliaas para a direita, pescoco pedrez a
etf 1i^n f iros em seguida um do outro.. e no
quario csquerdo tern I, signal que trouxe de Pa-
!" ei allo foi furtado no dia 16 do corren-
! \ em um rancho daestrada nova do Caxan-
ga : a pess ia qne do uiesmo der noticia a Ber-
Juse da Rofha, morador em Pajeii, ou na
ra:, i'riiiii ir de Marco u. 18, bja, sera generosa-
riiente grMificada.
Becife, 17 J fevereiro de 1874.
AlngaTse o f andar e sotao do sobrado sito
. \ da IrnjieratFiz u. 53, e a loja : a tratar no
!:.r (!i mpsmo.
'A
Rua
SA DA
1. de Marco n.
Aos 2:000$000.
23
u abai.':i assignado tem sampre cxposto a ven
;. bObi da luteria do liio, cuja extraccao an-
pelos jornaes.
Precos.
Inteiro 2ii000
Meio 12,5000
Quart. 6JOO0
Manoel Uartins Fiuza
asa de campo
Ainea-si i ex.. ..eate ca^a da travessa de Pay-
sandd n. 3, proxima a > hospital portuguez. com
eommodof p,ira grand..1 familia : para tratar, na
:ua du Am >rina n 56, 1" anlar
ATTEHQAO.
Na rna eslreita do Rosario n. 35, sobradu de
u'u andir, avi tumaiii tuo o ns annos a man lar fazer lores para
aqu.lr^^i!:.i, |ue tem pa! na- para sepulcrho, sipos
da Qores para anj diademas para capacetes, ro
sas para eafo.tos ; lado se Caz poj moito baratj
precu : n.i insnaa casa faz so biuquets para noi
vos, para off i las com filas bordadas a ouro e le
treiros a p>st-i de sons donos, e faz se ricas ban-
dejas d.- b i para casaraentos e bailes, tuio com
asseio e barateza.
Anionio Jose Rodrigues de Senza, em sou es-
criptorio a rua do Crctpo n. 6, eompra, por bons
precos, e=cra7os das diversas cores, sexos e
dades.
Na rua do Corredor do Rispo n. 17, precisa-
se de uma ama forra ou escrava, que saiba co
zinhar, comprar e engommar, paraa casa de fami-
lia de duas pessoas: paga-se bem gradando.
No collegio da Conceicao precisa-se de uma
engommadeira peri la
Aluga-se
uma sala na rua Duque de Caxias n, 6!, propria
para advogado on cartorio : a tratar na loja.
D8MMM8.
Compra-se roupas servidas de mascaras e
todos os objectos pertencentes aos mesmo : na
rua da Roda n. 18.
E' na verdade bom ne-
gocio.
Compra se on arrenda-se um bom engenho a
margem da estrada de ferro que nao exeeda da
esta;ao d i Escada, que seja muito bom d'agua,
e terras de muito boa produccjlo, nao se dnvidara
darse tres contos de reis de renda e com vanta-
gem ; e bora preco como venda, quem o tiver e
quizer dispur, pode entender-se com o Sr. Anto-
nio Cliraaco Moreira Temporal, em sen escripto-
rio. a rua do Bom J sus n. 51.
Antonio Jose Rodrigues de Souza em seu
escriptorio, a rua do Cre-po n. 6, compra escra
vos de diversas cores, sexos e idades.
MA-1
Compra-se um lustre de crystal para gaz que
tenha de 4 a 6 bra:o.<; atsim como um outro pe-
quno de dous bicos : na rna da Palm a, venda
n. 7i.
A
iTTENCAO
sc
Ausentou-se da casa de seu senhor, no dia 26
do convn!p, a escrava Loarenca, preta, cabellos ca-
rapinh; d-s, esl tura regular, idade 42 annuc, e
uma qawmadura no pul-o dir.itn, falla descanca-
da, e qnandn anda. baian^a com a cabega : 'f ,i
acomp .uh.'i la com um preto, escravo, morador na
Torre : quern a levar na praca da lndepccdcncia
n-'. 24 e 2>, soij. reeempensado.
CASA 1)0 OUKO
Biihetes garamtidos
hua do Uurao da Victoria (outr'ora .'
n. 63, e casa do costume.
Atfharri -: a venda os muito felues Mnetes ga
"antido da 1' parte da lut-ria a beneflcio Ha
igreja da Couceicao de Caruiru, que se ex'rahira
no dia 6 do eorrente iriez.
Precos
bttetao 4/001!
Vein 2JO00
Oe fl00300 para cirm
Inteiro 3*500
ew 1*750
ctdcilt^, 2 de mar4e 1874.
__________Jod" JoiqH'M da Costa Leite.
Pede-se a-i Sr. Joaquim Pires Ferrcira, o fa-
vor d<- apparettr na rua Primeiro de Marco n 7
A, an lar, a negocio de sen particular iale-
esse.
Antonio Jos6 Rodrigues
de Souza, em seu escriptorio
ama do Crespo n. 6, compra
escra vos das diversas cores,
sexos e idades.
r.&
run
;das.
Pouco m'dfo.
Brim pardo muito fino a 400 rs. o covado : so
na rua do Queimado o. 43 ; aproveitem que e pe-
chincha, na loja de Guerra & Fernanles.
Vende-Ve ^lma escrava patda, de 25 annos,
perfeita engommadeira e eozinheira, para fora
desta cidade : na rua Horlas n. 96.
Vende se a dSnteiro oa i^razo, sendo que ?e
de" boa garantia, ou permutaee por prediee nesta
praca ou em seus arrabaldea, duas partes nq valor
de 14:000*, do -eng^dho 'Novo ele Se'rftjbiiem,
moente e eorrente, o qual moe com o riacho Cu-
cad, e'tajn'alim disto.-dons gaandes acBdis^inui-
tas vanias de massaptt e corgos com -proporcoes
para s|fejttrtle.trfis.aguatro mil paes.de asshcar,
dJ8tanao~da estacao de uameleira duas leeoas, com
o melhor cercado que se pode desejar, tem optima
casa de vivenda (sobrado com-9 janellas de frente)
uma excellente e rica capella com muitas alfaias,
grande casa de purgar, oleria, senz ill i, sitios para
lavradores, etc., etc. ; tudo foi avaliado por
43.000* ; e podese affirmar qne os de mais her-
deiros tambem vondem -Mia*partes : a tratrr na
rua do Caldefrekfo *.8,,com:Miaervino Francisco
Lobo.
Aproveftem o barato
Vende-se uma casa acabada de novo, com bom
terreno e boa eaeimba, na rua da Ilora junto ao
becco do Espinheiro ; assim como o mesmo dono
vende a loja de funileiro da rua da Imperatriz n.
79 : trata-se na mesma loja com quem pretender
fazer negocio.________________
Vende se por preijo que ninguem reensara
a arraafSo e utencilios da taverna do pateo do Ter-
co n. 11, e garaotese as chavesda casa : a tratar
na rua do Caldeireiro n. 68. ________ _
Vende-se o sitio de Meloes de Cima, entre os
engenhos Paolista e Fragoso : quem o pretender,
falle ao Sr. major Manguinho. em Oiip.da, que esta
autorisado a 'ende lo.
Barato que Admka.
Na loja das seis-porias, em frente do LWramen-
to, contiuua haver um completo sortimento de
fazendas baratas, como scjam :
Chitas matizadas a 2'0 rs. o covado.
Ditas de ol Inhos a 240 rs. o covado.
Ditas de cobctta medemas, a 280 n. o covado.
Las de cores a 320 rs. o covado.
Tudo maw em poporgao. e so com a vista o
freguez podera avaliar
quakpuer parte desta cidade, como bem as-
sim coucerta-las pelo tompo tambem d'um
anno sem despendio algum do comprador.
Neste estabelecimento tambem bw perten^as
para mesmas maohinas e se soppre qual-
quer pe^a que seja necessario. Katas ma-
cbinas trabalham com toda a pdringfio de
um e doss pospootos-, franze ebopdatoda
qualquer costura por fina que s*;, seus
precossftoda seguirrtequalidade : j.Va tra*
balhar a mao de 305900, 400000. :-5000
e 50JM)00r para trabalber com o p 800000, 900000, 1000000, 1?O0OOO,
4200000, MO0OOO, J5O0OOO, 20i*JJ800 e
2800000, emquanto aseautores nao ha al-
teVacSo 4e precos, e os cooapradores pederao
!vfeftarate eWabelecimesrto, que muh de-
VeTSd gostar pela variedade de objector que
bat semper pa vender, como sejam : cadei-
tas- para Viagffm, malas para viagem, eadei-
rae para sartas> dites de beiango, ditas para
erianga (altas),. ditas para escolas, costurei-
ras nqnissimflsu para senhora, despensaveis
para criancas,detodasasqaalidades, caraas
de ferro para bomem e cciao^as, capacbos,
espelhos doufados para sala, grandesepe-
quenos, apparelbos de metal para cbi, fa-
queiros com eabo de metal e de marfisn,
ditos-avulsos^ colberes de metal fino, condiei-
ros para Bala, jarros, gaarda-comidas de
vame, tampaapara cobrir pratos, esteiras
para forrat safes, lavatorios- completes, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
qae se achs abertodesde as 6 boras da raa-
nbft ate- as boras da ncute
Riaa do Bitrao da Victoria a.
__________22.
Alvigaras.
Venham todos apressados
E cop os bolsos recheados,
Do Campes ao trmazem ;
Vcnbam, nao fstlte ningum
Ver o gnmde soriimjnto
(Um verdadeiro portento)
Que para a quaresma tem ;
Cuiuprehendem r ora bem !
Pechinha grande em cam-
braia
a 70500 e ditas a 50000.
VESTIDOS A USO DA COHTK 120
0 Pavao vende umbonito sortimento de'
cwtes de vesfcdos a two da corte, trezende
cada corte tedos- os enfeites necessarios como
Mpn : babadinhos, entre-meios-, reodas,
requefifes, e vende pelo barato pree de 1-20
cada um, assim como, duos a 2 de julho
oam todos os enfeites a 1?O0, cortes de cam-
braias brancas abartasj.cem listras e l#rores
a 60, ditos flnissimos a 80", ditos de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 30500, e peobincba-.
CORTES BORDADOS A SO0 E 350.
0 Pavao vende rices cortas de carabraias
brancas delicadamento borrJMes, pelo ba-
rato preco de 200 e 350.
CASSAS FRANCE3AS
a 300 rsyo covado
0 PavSo recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delkados padroese
cores fnas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e Iis-
tado e de quadrinbos a 640 rs-. a vara ft-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores-;
BORNOUS A 120.
0 Pavao vende um bonito sortimento dee
mais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preco de 120 cada um,
francez rauito lino a 30000, apeuas pRcist
1-, *]* metro para um fonceK
CUALES B-VRATOS
a- 20, 205O, m.
0 Pavao vende cbales a emiucio daine-
riijo a 90,, ditos de merino Ihes de todas u
cores a 20500, ditos de merind'estampBlot,
muito fines a 40, 'ditos Onhshnos cwm lis-
tras de seda a 60500, ditos muito fiuoa 4*
crepem 14>V-e 120.
Al^odfle enfesiailo a 10 e l*SO
0 Pavio vende algodao eufestado eoM
palmos de largura, proprio para leojoei
sendo do mais eifcofpado que tem vinde m
mercado, liso a 10 a vara etrancadoa.....
10280.
ATOALBADO A 10600, 20, 50.
0 Pavao vende atos4bado tran^atto e<*
palmos de l&rgura a 10200 e 10600, dru
adamascado a 90, dito de linbo adsmasca-
do a 30e50.
SEDA PARA THSTIDOS
a 10600 e2.
> 0 Pavao vende utn bonito sortimento sedas com lislrinhas proprias para vacti-
dos-de raeninasede seubera a 10600 co-
vado, ditas lavradmbas a 20, os pairOe* sir
rauito bonitos e verJe-se per este preco par*
eeabar.
Botinns a <> 0
0'Pavao tem um completo sortimento d
bc'.inas muito bem enfeitadas para senhors*
e vende' pelo barato preca Je 50, artigo qo
em outra qnalqocr portecusta I0e 70.
LE5COS BRANCOS
a 20000.
0 Fava vende lenros brancos ab:irm
dos, tan to para bomens como para senhor j:
a 20 e 20500 a duzia, ditos de esguiio
cambraia de lmbo tsmbem abarnbados /
30500, 40, 5r, d tos franeews escuros, par
rap^ a 80, a duzia.
CAMISA8 PAM HOMEM.
0 PavSo vende ricas csmisas com peiu
de linbd bordadas, proprias p'^ra noivo
1006 129 cada uma, ditide lmbostn to
rem bori das a 40, 40500 e 50, ditas cod
peito-de etgodao muito finas a 20,20500*
30, ditas decbita fina mi; Kubi a 20,30500
e 30, assim como grande sortimento de ce-
roulas francezas tanto de Hnho como deal
godao de 10600 ate 30,.gr.nde sortiraentr
assim como um elegante sortimento dosmai&de meiss cru^s inglezas de 40 ate 80000 i
bonitos chsles de merin6 e com listras de seda. | duzia
Ceroulas francezas de linbo e algodao, para tados os precos 3 qualidades, assis
como gcande sortimento de meias enm, camisas, colenr.hos, que t>i4o se vende po
precos muito razoaveis.
E com as tripas pulando de contentamento que
me apresento ante a onda gastronomica das sa-
bias e illustres barrigas pemafcibucanas, felicilan-
do-as por ja se acharem livre da pena de iaterdic-
to e poderem sem receio de algurna tndigestao ex-
commungada* eomerera os mais finos e saborosos
comestives, coadjuvados por uma cascata de vi-
fambraias transpatentes, avariaflas,* S03 e 80u 5hC8. d* todas-as qualidades, deixaodo a- quem
dezejar o direito de gritar: viva o triumpho das
reis e UOOO-a p^ga: so o n. 20 da rua do
Crespo, loja das tits portas, de Guilherme 4 C.
junto a loja da e-quina.
Lengos de labyrintho
Vende-se Ienc^s de labyrintho muito Snos: a
rua Duque do Caxia? n. 44.
Vende-se as casas terrnas scpoinle* :
Rua 24 de Maio (outr'ora dos Oss is) ns. 2 e 4.
Rua do Fogo n. 2.
Rua-do Padre Floriano n. 3'i.
Travessa da Romba n. 5
Recco do Padre Lobati n. 8 A.
Becco do caes da G A tratar no Largo do Carmo n. 1.
Vestidos com babadoe cres-
lializa
Neste esiabeleci^nento vende-se
sacco com 14 cuias a 1*300.
milh.i novo em
m
Vende-se a taverna da rua da Peuba n 6, bem
afreguezada p.-.raa terra; o inotivo se dira ao com-
prador a tratar na me-mi.
E' baralo.
mix iro
Precisa se de iitj caixpiro com pratica dt- mo-
lludos, de 12 a '.8 annos de Made, para a cidade
de Escada : a tratar tf> rua da Praia n. 51, ar
muem
- Ainda contimia" fugidi o pr'elo Igr.aci ', d
altura recular, si-ceo do enroo, cabeQa cpdsp
QUanoa. falu di; li.ntes na/rt-nte, deve Ur os nos
dos dedi da< n'.^ ealejalgs do servico do padae
na, regu.a 40 annos de WadP, fugi' em 4 de ja
neir.i p/oxuno pa^ad ., coi.sta qae"an.la n-> Baw%
ooentao fgnio para o Br5o : pedc-sf a= sato-
idade- 9"iMiHoas qmo fl8g,uferam, a sna cap
^/"ft^fcaJsiLima n. padaria, em
501000 q* M patificari com
Vende se melin9 de lindis padrSes, fazenda
boa, pslo barato preco de300 rs. o covado : a roa
do Crespo n. M A, loja da esquina. Dao-se amos-
tras,
pos a
Ricos vestidos brancos com babados a 8$ ; isto
e s6 na rosa branea, a rua da Imperatriz n.56, loja
do Aievedo.
Cal^as brancas, obra de en-
commenda a 5#.
A ro9a branca pede as pessoas que prrcisarem,
que venham ver as calcas para se cerlificarem do
que dizemos : na ma da Imperatriz n. 56f loja
do Azevedo.
PECHfNCHi
Cortes de casineta escura
a 3|:000.
Chegoa para a rosa branca, canneta escura oa-
ra calcas ou paletots, fazenda superior a muitas
casemiras, e poi este preco e de graca ; tambem
5e da a obra prompta : na rua da Imperatriz n.
s6, loja do Azivedo.
GHAPELEIIIA Efi\0MICA
Kn-i Mlmti b. 4%.
Neste estabelecimento eoncertam-se cbapeos de
pallia, seda e velludo, para sen*iura- e meniqas :
sendo forma*' das mais modemas ate hoje chega-
da*"i .Tmoem s* concerta" chapeos de todaj as
qualidades, para bomen, garaniindoSe a perfei-
cao dos onrertos.
No mesmo estebelecimento tem am iindo sor-
timento de cbapeos de-palmj, dos mais modernos,
e^fe'tados com malw gfWo, e polos ttarfi* de 16*,
paS,a|oi'Se*'l2Va 6 ae TC!,u*-f-s modernaaj
Para Iota Chapeos para sijntiojra* a 103 e 13*/
e para meninss a 8*.'
barrigas I
Mas, coma ia dizendo, nao podia deixar de
acuntecer assim, considerando-sc como foi sabia e
bem barrigalmente planejalo o ataque das bar-
rigas g.-andes, contra a sveia dos bandulhos ca-
ninos, que ostrificados a idea ficticia do infer-
no Licho inventado pelas grandes barrigas, pa-
ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
vam a mais abrurda das monstruosidades : a
infallibilidade do principal bnjo do amor as avessas
e de tripas dadas e a forca de tripadas queriam
hypocritamente alimentarem a pelludae famigera-
da -ex que^tao do d a ci-ntopei negra que en-
rolada no capote chamuscado da inquisigao, pre-
tendia assar o mund) das barrigas, privando an-
tes a Iiumnnidade de ganhar diaheiro e de em
tempos ci-mo este de quaresma :
De fazerem peniteneias
Enchendo bem as iiarrigas,
Poi' nao e tempo de-briga*,
E sim e, de atslinor.cias.
Has, como ia contango, custon, porem afinal,
depois da rasorada que Ihe passou no pescoeo os
poderi-s podernsos, a cnbec-a foi parar no fun-
do do rio e o rabo, enmo ruim de esfollar, ficou
no seceo exposte aos pontapes de qualquer gato
pingado, deixando 6 verdade, magra as collegas
barrigas, que de.-peitadas vao tratar de se nutri-
rem, vindo ao armazem do Campo?, a rua do Im-
perador n. 28, onie com certeza encontrarao alem
do que desejarem o seguinte : ovas da diversos
peixes e de bacalhao ; peixes do vinte qualidades
em conservas, ^ardinhas em latas, camarSes sec-
cos, bacalhao, pescada, sardas, lagostas, salmaa,
batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
manteiga ingleza e franceza j duces, fructas e
eincoenta qualidades de vinhos finos do Port > e
outras tantas de outros lugaros mais afamados do
Portugal, alem de um completo sortimento de ace-
pipes raros, doliciosos e que
Cahinlo em qualquer barriga
Faz a melhor dige^tao,
E nno faz mal a bexiga,
Como comendo, verao.
Ma, como ia fallando, iamos enfrar na vida de
outr'ora, isto e, na epoca "das festas, e portanto '
vamoi ter festas, festas e mais festas, e como todos'
comem das festas, visto que uma pane da para as'
festas e tres receb-jm para oreparar as festas, e '
Ingjeo que qqeiro.saia dos cofres dos amaates orthodoxos e
m va familiansando com as algibeu-as vasias dos '
camDraia cie cores, paqroM muuo lindos, pelo neeewitado*, e eite9 por sua vcz venham ae arma-'
Daratissimo preco de 2i0 rs. o covado : na rua zero do t'amcos a rua do Imperador n. 28, preoa-'
LTIlt I*0, (-Q*'g do Cjiespo) n. 13, loja j rarem-se para a quaresma, temao de abst oeccias
das columnas, de Aiitopio (.orreu de Vascoacellos. j e n') qual se come sem lictOQa, somprarem o que
f^tTTiPTltil iha k6 1!ti$ ^^*> s^botoso, chMrcso e tudo que
R
ua
JOSE DE AZEVEDO.
11.
Querendo definilivamente liqnidar este negocio, vende todos os que
asados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenbos de 11
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se urr.a sala
seja com oleado inteiro.
MAGNIF1COS espelbos ovaes para ornamentos de salas.
LNREIS electricos para curar dores de cabega. nevralgtas e nervoso.
V1UITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas corJas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARQA e papel picado para bordar com IS ou sSda.
VERDADE1RA agua de colonia em garrafas empalbadas.
E rauitos outros artigos, e por barato preco.
tem, no vos
a 33
palmo
por grande qu
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borb3, em chicote, picado, desfia lo e crespo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a v,ipor, antiga rua des Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarS.i os seguintes e bem conhecidos
fumos manufaclurados na mesma casa,
Flor do Brasil
Novo Caporal .
Bes Bird'seye, (Olho de Tassaro. )
Vende-se a rotalho, e em grande quantidade se faz grande abatimento.
GRANDE
Palitots!!!
Vende-*e p*'kois de brim branco, de Hnho, fa-
zenda muito supeiior, e bem acabsdos a 2*800
cada am ; ditos de casemira de cfir a 5* ; frack
de panno floo preto por IB* : na esqnina da rua
do Crespo, loja de Ramoj IrraSo.
Pechincha
que
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e o mais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminutos
precos de 21 !00, 2*00, 3i200 e 3*500.
SO' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES PORTAS DE
Guilherme & C.
Junto a loja da esquina
Ndo ha mais cabellos
brancos.
filiiip&ts pm
loja do Passo a rua
A loja do Passo 4' rua Primeiro de Marco t
7 A, recebeu pel Hbo paquetf, nnrrtctr sorti-
mento de chapeos para senhori, ultima mo'da'
ywndo per prego coamrodc '
Vende se na riw da Madre 4e Deos n. 32, pelo
menur preeo possivel, o verdadeiro ciraento Por
Hand, vindo pt-ki uliimo vapor inglez, de carga.
Vendem
Bmt.A.C.
Em seu armarenOsiras^rTrapiche n. li, o se-
guinte:
'"'44aul aiaaeieano
lftaja;
lo d#pdra.e'todas as qnalMadt*.
no muito barato.
I acaba era ouso.
. Dtzer aos araantos
Do& geaeros .especiaes:
Oqe .-a querem ser felizes
Venham ja e quanto antes
Saber a causa motriz
Do Campos "nab tertrivaei
E poder 4 foruecer
Delicias, 93(1 e^sazeR
mm.
Sde unicaapproTadt pela* academias de
sciencias, reconnecida superior a toda que
j tem apparecido at6 hoje. Deposito princi-
j pal i rua da Cadeia do Recite, hoje Mar-
quez de Olinda, n, 51, t andar, e em
todas as boticas e casas ruiro.
*- V^nde se um bonito escravo de 18 inao de
id^lPrU:^l' T^tiZ WzcwiroQMboWui,: uaa casa na villa de Barnrfros,
^atratarnopated rfa Rlbe.ra, no port** do, jaa*' aercio, por preco modicratratar^om lSo
nweiro. f rmios 4 C
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburcuezas qne vem a este mercado
na rur Marqaet de olinda n. 51__________
Lindas las escooezas.
De varios padr&es, e inteiraraerte modernas. a
360 rs 0 covado : na roa Prlroerro de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das colomnas, de An-
tonio Correia de Vawonceflos.
- Wlf-on Howe & C vendem no seu armazem
a rua de Cemmercio n. li :
0 ver jad-'iro panno du algodao azul anvneano.
Excellente fio de vela
Cognac de qualidade
Vinbo de Bordeaux,
Carvao de Pedra dc tedas as qualidades
Fariiiha de mandioca nova^.
RecentMnento chejjada de Sunta Caeharina lea
para vender no- trapwhe Companhia, e para tratar
no seu escriptorio a rua do Commercto n. 5, loa-
quim Jose GonraKes Beltrae & Filho. Advertindo
aos compradore que doeojaadw acabar, veBdcq
mais barato do que em qualquer outra parte, tan-
to em grasdes como eui pequenas porcfies.
Lindo1 cbfariz.
Venlo-39 nor prego barato um rico chaiaric
de marmere sroprio par* jardlm, o qual se
armado na olMu de marmore do Sr. Lm .
rua do Imperatbr fan qnem nfcssr :
tratar na rua do Crespo, iofa i, nsw-|onto
arco de Santo Aotenio.
Leite liquido de-vaeea.

Do dia 4 do eorrente em, dl
leite liquido, na fabrrca d 1
Trincheiras n. 43,, aq Tlfar
mo : os freguetes aproveitea
>
i>



i
1 -' i!.



"*'

r

i
I
1

Afiik) A dfcoiknifcieo Qakiia-'feira c&od4toJjb fe iil 'OTiAGAODE FAZENDAS
HM WB ft
Passando o
Hoga-se _aos senhores (Je engenho que pretendem
emnregar algjHM^ew machinismos novos, d favor de appa-
reaaraia Ebesta, faliriea.oqiie.lhias p6de fornecer os apparelhos
mais aproprladqs cprn o minimo4e< to>P&aa e' wpcte- de
p ssoal nabiHtado para monta4os devid.mente,e mo^tra*
o syst^i^i4ais,cpiao0(lo4AWbalho7 para obter meiho-
rameotonofabfTO^do assaear.
>
ii
Cabriolet
Vaade- se dew. oaori dots de qnatro I rodas, sea do
am pintado e forrad,i Ua iw^,.la^do tw^ia fora,
varoes e lfto,ta ; tempera se vende dons cayaUos
e am arreio : para ver tudo na coaneira da, rua
da Roda q. 60, e para Iratar na rua do Marqnex
de Otiada n..6, j*oai.Hodri|rues Irmaos-Jc Guiraa-
rae*.___________
. Tanques de ferro.
Vende se dons, tr^ygulare?,, proprios para na-
vios-: na rua da tiriiiin n. 67.______''________'
AGIOS'ALCALLNO GAZOSAS DAS PEDttAS
SAIGADAS
VILLA POCCA DE AGUAR ,
Bicarliciuut udns-sod ac-as
Analyses do Dr. Josd Julio Rodrigues, Ipute
^a.fiscola.polytechnica dc ,ts&oa
Esta.eicallente ago,., n-da com vantagem nps
padecrmentos da's" vtas digotivas, nrinarias, do
estomag), iet<;, drogarixarua larn.do Rosariorikflfa.

-*------
Mttute se airna *awerna. naxuaidasj Carro-
ts, es vivend*.e bastaute* cy.wmodps.tw-r- fciruKa qa,em
pretende-la oirija sea ruijs'ma.
Fogao .de -ferro economic
Vende se unveiHigadoha peuos^dia, **>n*J &*'
nalhas para lenha t earvao, forno para as^ar,
depojiutpara agya, quente |gar para.sfl &u,ar-
dar qnente asiCPipidaA d.^ppis de fellas; estes fo-
!'des.*irnam->e rcromrm.'rjdnveis pprqn-e i=ao de
errobatido, e fsfcrleades own -perfeicao e c*i*>
nhanj-flein mai dtmiaata teliha- nacuada Ap&iio
n. 20
ARMaZEW
DE
fazcudas fi
mm
Rua do Baiao da Victoria n. 28
XftimaiapiiwpJes,, as maia batatas eaa rii^ljiQire$4o>amdo!
Na exposifao de i Paris, era 11607, 'fo> < concedido ia
UrflBie pt:ctii.Ktha a W >TS o
WYfrrrO.
Cast*, la, fditoes ovas, e. ie awe .*lo qnp
a,Tindo.ao WFafls tf Sf.CT.f- ^.^'V^ymesma i
42t loja..*;, Guerra & FBraandes, pt'io duninn- [ ni(o.
Drego de JftO rs. o rrtvado f ^,5
LhegDeni fregaeara que se >caba
J.I. 1'Me
Tem para veic :
GoflBae de HenaesFT, 8npri.e^erdadelrc
Vinho Xeres Awma&orei qi^*4*des.
BiUecs de^nges^ira.
Cba areto em' lattas de 10 -lrtiras.
Todas as prepara-;oes .;himica do Dr. Ayer
armazam da ;rq* *Q'CnnuyiP.rcia. ti 38. -_______
For ftietade de seu valor.
Vepd-se rifias scths de. diwr^os padr.oes pelo
t.amis>.imo prc'^de I 300 0 covadn, aprovritero
que 6 bechiacha : a raa Duque do Caxias n. 88,
ii'ja'de Dea>etrio BasJos.
Extracto Lamp*rt ae
ALSAPARR1LHA
Do Dr. Ayer
0 PUMFiCADOft DO SAMUE
T*ra eutat *f" motfif 9"f *" de vieio on rureta do Samfue, da Eierof*la.
MOLEST/AS CVTANEAS, CALL0S, MANCHAS,
IRMJPCQE8, ETC.
Rheumatlsmo e Gotta, DAres e
Affeccoes dos Osbos, Mai doa Ol-
08, Deljllfdada ou fraflueza aeral.
Dyspepsia, Incommodo do SHgadO,
TJmaifalta fferal de saude a ami'
diepoBlc&o facll ao soflrtmento, tem foliar de
-ario4.ouirot incqmntodn, qfewnt p*fueno$, outros ftrio;
eSo en resultados e conaequtnclu que mais t&rde on mail
-edo occorrem.
AS MOLISTIAS de qoe padeea o texo /oninlno, tam-
tam, qnaai empre a&o df vidai a zBaoma cauaa.
0 uaioa ^ratamaoto efflcai a naioa
maoeita caw d readnuirir a aaode e
de restabelecer o corpo, t mediante o
empngo flel e eenatente de um Furi-
ftador AlUrmnle cam* %
8ALSAI*RfHtA AYER.
1 acienda medlca apreaenta eate reme-
ao povo como ? DwDw.e o mala
aeguro que clla onece, ftia o fim
cjsaajado.
Atem da raiz da Saliaparrilha ella t compatia das prin-
ripaet tubstanciai medicinaet quf anptimmcia ana de mot-
trade ttrem at melhoru aut,jpnt*ct a naturetae que a
arte tem detcoberto para eSUrfar do ia*gue e dot numtret,
ct$g$tnciot.e,tar>ipt6ei guea/lp aaap>%<^.J#''*"''f!<,
I^go Afffi. a, S4AaiPA>ui^A ASI* haja penetrado no
ryft^ma, comeca entSo a obra de Teslabeleolmento.
yjo i n'nm momento nem em am di
1-i*amol*tia4eaappareie.
Poaco a ponco, degrao aobre degrao,
0 easgne vas readquirlodo snaj>ureaa, o '
malvae eedondo e a aaode, o'iigor a
robostcz, apparecem! aifMBpaaW
Hedicos i}c aiu rcputacao conoord^m
r.o ralor e utilidade d"?ste ineatimavel remedlo.
Todoi m dlaa" ppkreoem novas prta da aas
-(* Jina^8m,ytooBsK>.
O povo todo, Intelligente e obaeirador v6 n'elle nm malo
fidedigno de livrar-ae dat suat prfndpaea doenoas e 'de-
restaurar f ua saude e por consegulato tprnar mala, ategco
aaaxistarcia e Ba^aatadoara aaaaTtda,
Jp m Bsptt'AdHtra grntd*jntU*t*tar dome**
chrnmloa*, filtumptiiw), v*oUttiat cutaueai, tie,
r,ue sao causadat pela T'lfcccSo enerea, ou anllga em hcr-
dada.
siinas
RuaPrimeixo deMargo n.7A
,DE
Cordeiro Simoee <& 0.
E' eta uma ds casas one hoje node com pri-
.mazia ioftereoeaaos teas iregueiea ura variadissi-
mo sortimento de fazendas finas para grande toi-
lette, e bam assim para uso ordinario da todas as
elaises, e por pre^os vantajosos, da3 quaes raz um
pequeuo resrimo.
Mandam fazendas is rasas dss prt-!eodentes,
para 0 qu tem pessoal necessario, e dao amogtras
mediate penhor.
Cortes de seda de iind.v cores.
4ro.- .GeagorJo. iwancn, lao, de lislras,. preto, ete.
.setitn.Macao, preto e de eures.
Gruidenaples px*to.
Veljado preto.
Gfanadkie de seda, preta ende cdres.
Pnpelinas de lindos padrSes.
r?ilo de seda, branco .e, preto.
' BtP** ba?qii^oaa de ^ftJa.
' (Jas,aro?de mefind de cores,.la, etc.
iiManras brasfleiras.
Coitea.com cambraia branca ; com licdos frorda-
dos.
Bicas capdlas.e mantas para noivas.
Biqjuissifno s,ortimento ,de las com (Utru de
u
Gambraias de cores.
. Ditas.majnpezas, arancas, lizas e bOTdadas.
j,"anzuqpes de-. lindo9 pad/5es.
BaptiHas, padroes &elicados.
. percalraas de quadro?, pretos e brancos, listras,
.elc., etc.
,' Briss deilinbo de cor, proprios aara vettidos,
com Larra .e iiptras. ,
Ricos cortes,de yestido de linho, com infeites da
cor, ultima moda.
decardbraia de cores.
ustao de lindas cores.
gaias bordadas para feohoias.
Camisas borj-'adas p.ara.senboras, de licbceal-
godio. .
Sortimento de luvas da verdadeira tsbr.oa de
JuBvin, para horoent e senliorasl
1 V.eiiuunos ,para meninos. i,
Iiios .para.baptizado.
Chapeos para dito.
Tdalhas e gaardanapo? adamacados de Iteho de
cyr, para mesa. >'\
C lichas do la.
Cortinados bordadus.
' Grande sortimento dti;camias de liiiho, lizas e
bordadas, para homens.
Meias de cores para bomena, meninos e meni-
nas.
Djtas escocezas.
Complgto sortimento de chapaos de sol para bo-
mens e senboras. >:W,
Meriod de cores para vestidos.
Dito preto, trancado e dito de '-erao.
Atoaihade de iioho e,algodi\o para tuaioas.
Atoalbado, pardo.
Damasco de la.
Brins de linho, branco de cores e preto.
Setim de lindas cores com listra=.
Ghales de merino de cores ,e pretos.
Djtos de cajeraira.
Djtos de seda preta e de cores.
Ditos de loaqnim.
r-8misas de chita para homens.
Ditas de -flaaella.
Cerenlas de linho e algodao.
Pannos de crochet para sofa, eadeiran e c>. ijso-
X,ancps bordados e de larnrinrfco.
Colehas de crochet.
Tarlatana de tolas as cores.
Ricos cortes de vestidos de lariatana bordados
para cortes.
Espartilhos li-os, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas facbas de seda e la para senhoras.
Rico sortimento de leques de madreperolas e
osso.
Damasco de seda.
Casemira preta ede cores.
Chitas, madapolio, paanofino preto e azul, coi-
larinlios, punbos de iinho e algodao, gravatas, In-
vjs de fio de Escossia, 'apetes de todos 09 tama-
nhos, bolsas do viagem, peitos bordados para ho-
mens, lenQDs de-Jinho branco.e de core?, toamas,
guardanapos, etc., etc.________________
' Elitis Howe Juuior, a, ip.o^alha.de ^uro e a condecpra-
..Rtta.da Imperatiriz n.'72
BE
L^ttfy^ Nreira Hendes Guhuaraes
Dticjara aos s^usireguezes que tem resolviio fazer uma gran'e liquida^io, a*e o
fim do corrente anno.
A SABER :
CAJHBIUIAS PDLA.NCAS A-^OOOJ I Ditos de palha, a 39, 3JJ000 e 45000.
Vende-se pe?as da cambraia branca, tapa- Ditos de massa, a iC0O.
a'89, 3^500, 49000 e! PERFUMARIAS EM LIQUIDACAO.
! Vende-se sabonetes de diversos tamanbos,
a liO, 200 e 240 e 320 rs., todo bom.
a200,1 Frasco dc banha, a 160, 320 e 100 rs.
Frascos com aguadecolonia, a 2i0 e 320
rs. cada um. E outros rauiu>s extractos que
se rende muito barato para liquidar.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felptidas, a 800 rs. cada
uma. Lencps branbos, a 29000 a dnzia, e
39000 abainhados, fazeuda quo vende-se
por 59000.
POL'PELINA JAPOSFZAA 19800. GRAVATAS PRETAS A 5!0 RS.
1 da e transpa'rente,
'59900.
USINHAS A 200 RS.
\V-ndc,-se' .ljsinhas para vestidos,
320 e 500 rs. 0 covarto.
ALPACAS AG40RS.
SAP d* J^iio 4e Skw.WWw ^m^immk p*J.e 8^0affiQ c6res cora listras a Gi
.feitwa*aado. GRAXADINE A 800 RS.
., on ^ Vende-se ursriajine preta com listras de
A-medtdiMi^^ro^nfc^a, ., ;fc- igwW^WW^nW C(>es> paWb ;vestidos/a 800 rs. o co-
' Estados-lfriidps por ser q inventor .da raacbioa de cos- *di>.
tura" I Vende-se uma lazenda nova com listas, j Vende se gravatas pretas, a 500 rs. M&c-
' A medalna do ouro na exnosicio de Londr-es. acreditam com 0 MS de poupefina japoneza, propria (tas de cores a 200 rs.
.tw.trr. ... ? riara vestttfos de seTihoras, a 19S00 0 co- Chapeos para baptisades de meaioaa^t
^t^aQbinas. 'VaJo. 'torfas estas fazendas sao vendidas no 39000.
^>i%djj? AAA Bazar Naciohal, & rua da Imper uriz n. 72.! BESGALAS E CH1C0TES A 800 RS.
T%|-)U-vrU C0irrf:SnECASSAA295 0, Vnde-se bengalas e chicote?, a 800 rs.
, Cabe-nos o devec-de acnunciiur qua *eompanhia daamachtuas de^Bpwe de Hora-
Ck, estabeleceu nesta cidade i raa do iaarAoida flMit n. 128, ,um deposito e agenota
aral, para em prpambuno 3 maisprownclass^vendoremas afamadas maepmasde cos-
Ven
np
c6rtes dc cassa para vestidos, catla uma, para liquidar.
rn A Howe. 1 fiftas raacn'mas,sioijustamente ppreciadas.pela pe^iQao^desfcUtiabalbo, fias a 2a\, 3(io, 320 e 3G0~ rs. 0 co-0
ntmpnitn umaagulltaimaiscurta coma;mesm q*ialirj^edelinha,^uequ<}iqaer^utr^ va..,
ttla introduccio ilWWM^ aperfeicoados.appareihos, st*mos. actuaiwieote. habilUado** = CASSAS DE CORES A 260RS.
tejrwer <>7*mi-pablieo asmelhores raachinas-doimmido. { Ven !e se cassas fraucezas finas de cores,,
' As rcntagens destas maddnas Sao as segwmtes: 200,: 120 e ?oo rs. 0 covado.
Kfrirrfjra,-q pubhco.sstw qu-.e>>* sao duradouras,. para ;istfl pr.6va inco.Uestavel, a | *-^V hJanraf-corn" barras de cd-
..reajii^ocia de noica teram W<*<*> no mercado machinw 'd Bpwe em segun- ^fjtiL"*" branCaS
Xcwj|i.^tf.n^Im^orfric0oentre.asu^erWp^ esttago: ^Q OCoSo C0Dertas "B"
,.,*uene.outr^. MfelAS PARA HOMENS A 69000 A DUZIA.
(ttoW'**WW .*Wtt.^wmiUe .rJAOCtras. "8B000
Sex,ta.Fzera,ponto miudo e/n casemjra, lattavp&sando ,p fio. .de,nm,Aou;tro Iadp, fiffiffiHS DE-LA A 800 R^
iofo em seg^r. '?** jnyiifis**-** ten^o d. W**tmW **** mu* Srmte**, Vhules de la, a 800 'rs. cada
!"Setima.0 cpoapressA' e laTntado,,com a rowpr,,{a^jjida4fi( (* afulhaao,cpi^arnpsacostura. ...-,, ^a,,nA^J Vende-'se chitas.finas de campo iargo, fa-
0iu^^uita5,c^paphiasde.maQhmasda.wtHra,,item..udo,6^ -te grandest. j'^ fa 40e n OCoVado.
cadenza. Machines outr'
Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL5CXG5K7_TU43JC INGEST_TIME 2014-05-21T22:29:05Z PACKAGE AA00011611_16947
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES