Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16939


This item is only available as the following downloads:


Full Text

r
ANNO Liy NUMERO 192
~\
i
PARA A CAPITAL E LirCAfii OADE NAO SE PACA POBTE
Por tres mezes achantados^............;Jb US0
Por seis Por um amjej/idem ." ......T | .
Cada numero avulso, do mesmo da. .... BL'
23JKX)
5100
TEiCA-FEIRA 27 BE AGOSTO BE 1889
PARA DEXTRO E PORA 1>A PROVINCIA
Por seis mezes adiantadoa..........\ ....
Por nove ditos idem................
Por um anno idem.............,.-..
Cada numero avulso, de das anteriores ,..........

1305CC
20^000
26^000
5100
r

Fix/ueiri
70S



Robamos aos Srs. assis;-
liantes deste Diario que se
acham em atrazo o obsiwjuio
de mandarem abonar os seus
dbitos at o fim do qprrente
rnez, afim de nao soffrerem
i aterro p^ao fa" remessa o
mesmo no principio de Se-
tembro.
Os Srs. Arnede Prin-
ee & 0., de Pars, sao
os xiossos agentes ex-
clusivos de annuncios
spublicapoes naFran-
a e Inglaterra.
0 preeo de urna accSo deste Banco des-
ceu a W liras, r, como as do Banco
Tibtflnc a 140 lira*.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
><< de Agosto de 1889.
.-.'
TELEGRAMMAS
::;?::: ?asiicslas so iasi:
RIO DE JANEIRO, 26 de Agosto, s 3
horas e 50 minutos da tarde.
Foi reconduzido no cargo de juiz muni-
ipal e de orphos do termo de Vijosa, na
provincia do Cear, o bacbarel Ernesto
Marques da Silva.
Foram nomeados:
Inspector da Alandega do Para, o Dr.
Democrito Cavalcantc d'Albuquerque;
Inspector da Thesouraria de Fazenda da
esma provincia, Jos da Costa Nunes;
procurador fiscal da Thesouraria da dita
provincia, o Dr. Candido Jos Lisboa;
Administrador das capatazias da Alan-
dega da mesma provincia, Azevedo Mar-
ques.
__ Foi agraciado com o titulo de conse-
lho o Dr. Souza Ferreira, redactor chefe
do Jornal do Commercio da CSrte.
Foi tambem condecorado com a
rS-Cruz honoraria da Ordem da Rosa, o
x-ministro dos Estados-Unidos no Brazil
Thomaz J. Jawis.
Foram mis concedidos 6 baronatos, 18
mmendas e 22 oficialados de ordens ho-
norficas a diferentes pessOas.
Brevemente ser assignado nesta
#i'>rte o tratado de arbitramento na ques-
eo do territorio das Missoes. E' arbitro
presidente dos Estados-Unidos da Ame-
lica do Norte.
Foram aposentados os actuaes ins"
pectores da Alfandega e da Thesonraria de
Fazenda do Para.
\
mW 2* A&E2TCZA 2A7AS .
BERLIM, 25 de Agosto.
S. M. o Imperador Guilhernie acaba de
OUrtir para Munster.
VLENNA, 25 de Agosto.
S. M. o Shah da Persia chegou aqui
kojej
LONDRES, 26 de Agosto.
Os operarios das Docks de Londres po-
saram-se em grve.
A grve apresenta na hora actual um ca-
rcter absolutamente geral.
PARS, 26 de Agosto.
O Gran-Duque George da Russia (se-
guido filho do Czar) acaba de ebegar a
sta capital.
LONDRES, 26 de Agosto.
Acaba de ter lugar em Hyde Parck, um
jmnde meeting, cuja assistencia foi de ses-
Mnta mil grevistas,
ROMA, 26 de Agosto.
Urna crise financeira manifestou-ae em
Italia.
O Banco do Descont de Turim suspen-
du leus pagamentos.
____PARTE OFFICIAL
Cereo da Provi^eh
DESPACHOS DA PBE.SIDESCIA DO DA 23
DE AGOSTO DE 1889
Capitao Antonio Fernandos da Motta.
A nomeacilo de Joao Nunes de Oliveira
para capitao da 5.a companhia do 23." ba-
talhao da guarda nacional fundamentoufse
em liaver o supplicante transferido seu do-
micilio para a comarca da Escada, segun-
do informa o Sr. commandanle superior,
coronel Antonio da Silva Florencio, certi-
dao passada, pelo tabelliSo do registro
eleitoral e escrivao do jury, do termo de
Caruar, pelo que ndefiro a reclamaijito
do supplicante.
Anna Cezar de Almeida Pereira.In-
forme o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Augusto Jos Mauricio Wanderley.En-
tregue-se mediante recibo.
Antonio de Alleluia Patricio.Informe
o Sr. Lspector geral da Instruccao Pu-
blica.
Antonio da Silva Costa Gomes.Prove
ser maior de 21 annos de idade.
Bacharel Alfredo Seraphico, de Assis
Carvalho.Como requer.
Antonio Soriano do Reg Barros.In-
forme o Sr. inspector do Thesouro Pro
vincial.
Antao Borges Alves Filho.Sim, de
pois de especialisar a nanea.
Tenente Belarmino Manoel de Oliveira.
Informe o Sr. commandanta superior da
guarda nacional da comarca do Ilecife.
Domingos Jos de Oliveira.Deferido
com officio de hoje ao commandante das
armas.
Elizia Amelia Carneiro da Cunha.In-
forme o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Emilio de Souza Costa.Com procura-
do ordene-se o pagamento.
lgreja Evanglica Pernambucana. En-
caminhe-se, mediante recibo.
Francisca Jos Martins. Prove 3er
maior de 21 annos de idade,
Bacharel Francisco da Costa Maia.In-
forme o Sr. inspector da Thesouraria de
Fazenda.
Francisca Euphrasia da Conceigao Ne-
ves.Informe o Sr. inspector geral da
Instruccao Publica.
Jesuina da Costa Accioly.Informe o
Sr. coronel commandante das armas.
Joao Ignacio Ribeiro Roma.Deferido
com officio de hoje Thesouraria de Fa-
zenda.
Jos Baptista Gomes.Deferido eom
officio de hoje ao coronel commandante
das armas.
Jos Machado de Oliveira.Como re-
quer.
Bacharel Joao Zeferino Pereira de Ly-
ra. -Informe o Sr. inspector da Thesou-
ria de Fazenda.
Jolo Francisco de Almeida Pedroza.
Sim, pagando as comedorias.
Jo3o Landelino Dornellas Cmara.In-
deterido.
Conego JoSo Jos da Costa Ribeiro.
Encaminhe-se, devendo o supplicante pa-
gar o porte na reparticao dos Correios.
Jacquos Bonnefond.O engenho central
a que o supplicante se refere foi posto
hoje em concurrencia.
Alteres Luiz Bezerra dos Santos.In-
forme o Sr. inspector da Thesouraria de
Fazenda.
Bacharel Luiz Zacharias de Lima.In
forme o Sr. inspector da Thesouraria de
Fazenda.
Laura Augusta Pessoa de Mello.Sim,
mediante recibo.
Manoel Antonio dos Santos Dias.Apr-
sente sua proposta opportu amen te, na
conformidade do edital de hoje.
Maria da Gloria Forjaz Vctor.Entre-
gue-se, mediante recibo. ,
Maria Julia da Ressurreico Cruz.
Requeira ao Sr. Dr. director da lnstruc-
c2o Publica.
Alferes Severiano Jos da Silva.In
forme o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Vicente Jos Joaquim de Sant'Anna.
Deferido com officio de hoje ao comman-
dante das armas.
Pharmaceutico Vicente Guedes de Arau-
jo Pereira.Sim, pagando as comedorias.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 2o de Agosto de 1889.
O porteiro,
Francelino Chacn.
Emygdio Manoel dos Sanios, Jos Mincrvind de
Barros Lobo, Carlos de Albuquerque Maranliao,
Joaquim Gezario dos Santos, Anacido Jos da
Cruz. Angelo Florencio dos Santos, Sevcrina Ma-
ria da Conceico e Joanna Eugenia da Conceb-ao,
por disturbios.
A' ordem do do 1" districtQ de S. Jos. Fran-
cisco Th.eotoiiio da Silva,Maria Manoella da Coa-
cciono, Ursulina Murit da Conceicce Ignacia
Maria do Conceico, por disturbios.
A' ordem do do 1 districto da Boa-Vista, <"y-
priano Antonio da Costa Dantas, como desordei-
ienomar: que a gerencia do ministerio da fa-
zenda. ruinosa por nao ter sabido conjurar a
crise monetaria ; e por ultimo, que o Sr. Sagas-
ta, por falta de tacto, nao poder congregar os
liberaos desunidos. ^_
Quem de San Sebastian que o Sr. Sagaia
nao lisa importancia a dita interview, e que jul-
g que o Sr. Moret esta hoje, como hontera, uo
seu lado, sem deixar de o julgar ministerial,
quando nao quiz aceitar o lugar de alcaide de
Madrid,
Contra o que o Sr. Moret disse ao>rciactoc4
ro e Vagabundo Antonio Marques da Fonseca, Imparml, sobre a falta de tacto do Sr. Sagasta
Jeronymo Joaquim dos Santos e Manoel Carlos
(feSanrAiga^
Repartidlo la Polica
2* Sec9o.N. 1049.Secretaria de Po-
lica de Pernambuco,26 de Agosto de 1889.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram recolhidos Casa de DctejnSo,
os s<;guintes individuos:
No dia 24 : ......-.
A'ordem do subdelegado do Recife, Mana Joa-
quina, alienada, minlia dieposigo, at que
possa ser trauferida para o As-ylo da Taman-
D6int
A' ordem do de Santo Antonio, Antonio. Jpvino
Henriqdp Jos Ribeiro, Antonio Lourenco Nunes
e Quitea Maria da Conceigao, por disturbios
por-ilisturWos
.\o dia
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Theo
doro, por ofensas moral publica ; Constanca
Maria da Conceicao, Ananias Izidro Pereira e Jo-
Wenceslao das Mercfls, por disturbios.
A'ordem do de Santo Antonio, Candido Jos
de Sant'Anna, por disturbios; Josino Jos Joa-
quim de Queiroz, Augusto Jos de Sant'Anna e
Manoel Joaquim de Sant'Anna, por disturbios,
No dia 22 do corrente tambem foram reco
Ihidos cadeia do termo deGaranhuns, segundo
partiipacao do delegado respectivo, os indivi-
duos de Domes Joaquim Josp dos Santos c Fran-
cisco Ramos de Souza, o pnmeiro por se adiar
pronunciado no art. 2U1 do cdigo criminal e o
se<:und(>|por ter infringido o art. 96 do decreto u.
i.930 de 26 de Abril de 1857.
Commun.icou-me o delegado do termo do
Bonito, que no dia 18 do corrente de use um
conflicto no engenho Ariscante entre os indivi-
duos de nomes Bellarmino Fonseca de Araujo,
Aureliano da Costa Ramos, conhecido por Ma-
noel Qturino, Antonio Luiz, conhecido por An-
tonio Grande e Constantino Vieira dos Santos,
do qual resultou a morts do ultimo.
Foram presos em flagrante dous dos delin-
quentes. Bellarmino Fonseca e Aurcliano da
Costa, conseguindo evadirse Antonio Luiz.
A tal respeilo procedeu-se nos termos da le.
Assumiram os exercicios : de subdelegado do
districto da Magdalena na qualidade de 1." sup-
nlente, o cidado Amaro Tavares Coutinho; e de
delegado do termo da Escada o respectivo 1.
supplente tenente Pedro Baptista Carneiro.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Conselheiro Manoel Alves de Araujo,
muito digno presidente da provincia.O
chefe de polica Geroncio Dias de Arruda
Falcao.
Recebcdoria Provincial
DE8PACHOS DO DIA 24 DE AGOSTO DE 1889
Jos Joaquim Pereira, Augusto Coelho Leite,
Isabel Maria do Carmo c Ferreira Irmaos & C
Informe a Ia secgfio.
Jos Bi & C. e E. Gadutt A' l1 seccao para
os devidos fins.
- 26 -
Manoel Jos de Andrade, Joanna Maria do
Carmo e Francisca Maria da Conceicao.-Infor-
me a 1* seccao.
Instraeclo Publica
DESPACHOS DO DIA 24 DE AGOSTO DE 1889
Maria do Rosario Pinheiro.A' 3.* sc-
cSo do conselho litterario, relator o Dr.
Regueira Costa.
Marianna Cavalcante de Albuquerque
Costa. Encaminhe-se.
Josepha Prepedigna Rabello Padilha.
Encaminhe-se.
Francisca Ludovina Ribeiro Bacellar.
Encaminhe-se.
A mesma.Cumpra se e registre-se.
Guilhermina Francisca de Araujo Lins.
Encaminhe-se.
Anna Laurinda VarejSo Barbosa.En
caminhe se.
Silvestre Antonio de Souza.Encami-
nhe-se.
O mesmo.Abono as faltas de 2 a 9
de 26 de Julho findo.
Jos Francisco Florencio de Souza.
Justifico.
Noticias da Europa
O paquete ioglez Sorata, vindo antehontem da
Europa, trouxe datas que de Lisboa alcancam a
14 do corrente, adiantando nove dias s trazidas
pelo La Plata.
Eis algumas das noticias trazidas pelo referi-
do paquete, as quaes amanb completaremos.
Henpanha
Em 14 do corrente escreveu sobre este paiz o
nosso correspondente de Lisboa :
As noticias da leunifto celebrada em Biarritz
pelos Srs. Martos, Romero Robledo e Capola, per-
deram a sua importancia no momento em que se
soube que o general Capola anda em negocia-
res com o Sr. Sagasta para volver s lileiras da
maioria.
Diz-se que e Sr. Cnovas nao prolongar a
sua excurso da quadra calmosa, por motivos de
carcter puramente particular e allieios polti-
ca. Anda que muitos ram que este boato se
refere ao facto de estar a esposa daquelle ho-
raem de estado no seu estado interessante, outros
julgam que o prximo regresso del le obedece a
razOes de ordem poltica.
Inaugurou-se com um brilhante discurso do
Sr. Letamendi o Circulo Cataln, estabelecido
nesta capital.
Espera-se de um momento para outro a dis-
soluco do ajuntamento de Madrid, julgando-se
que alguns dos seus ineinbros sero entregues
aos tribunaes, por causa do caso das balas de
petrleo, pelo do pagamento das chamadas sizas
e pelas quantias indevidamente pagas por varias
expropriaces.
A difficuldaile est em que o goterno nao en-
contra personagem importante que aceite o lu-
gar de alcaide de Madrid, com a presidencia do
novo ajuntamento que vai ser nomeado pois que
j o recusaram os Srs. Muret e Pmgeever, fusio-
nistas, e os conservadores lizeram com que se
mallograsse a candidatura do seu correligiona-
rio, o Sr. D. Fernim Lassola.
A ranilla regente chegou a San Sebastian.
Pouco depois de chegar a.-signou os decretos
ordenando as economas nos ministerios do fo-
mento e da guerra, que sao grandes, sobretudo
neste ultimo, com a suppresso dos directores
geraes de varias armas, e que foram bem rece-
bidos, tanto pelo paiz, como pelo exercito.
Tambera a-signou o decreto que concedeu a
exoneraco de alcaide de Madrid ao Sr. Abascal,
e o da suspenso do Io secretario da legaco em
Washington.
Julga-se que permanecer cm San Sebastian
at o fim de Setembro.
De urna interview havia entre o Sr. Moret e
um redactor do Imparcial, resulta que para aquel;
le senhor, o Mrquez de La Vega de Arm ~
creou um conflicto com a questo do Conde



1 MTHW
aara'-tc;i.:..'.c- que se separara lo i ir
Trbtv.^r, cisla que o'general Capola'cnegou a
San Sebast^n para ter com o Sr. Sagasta urna
conferencia\iportante, que este havia aprazado
com elle ant do Sr. Capola sabir para as aguas
de Mondariz.
E' possivel'que nessa conferencia se falle de
crise e da posibilidad-! de que o general Capo-
la, a quem j se facilibu o caminho das refor-
mas militares, volle a oteupar o ministerio libe-
ral, apartando-se d03"troi conjurados.
D Ramn Nocedal ahio con os seus ami-
gos frente do seu antig amo e senhor, D. Car-
los de Bourbon; formou uitro partido tradicio-
nahsla... seu, com suasjuntas era toda a Hes-
panba, proclamando a sobjrania social de Jess
Christo, com repblica ou nonarchia, comquanto
prelira esta ultima. Em sjmma, urna nova di-
viso no partido carlista, a jual acabar por da>-
cabo delle, provavelmente.
Ningucm falla j do bando do cabecilha
carlista Ron; levantado em ileal de Chrisoert,
tanto em razo de pequeo minero de individuos
que o compunharaapenas ?inco Icomo por-
que delles foram apandados idus, 8 os tres res-
tantes, com Bou, perseguidos >or forca do exer-
cilo e da guarda civil, andam a monte, procuran-
do escapar se, e prximos a akancar a fronteira.
Ayora anda o governo pnoecupado com o
facto de tero Sr. Zorrilla desaparecido ae l'a-
riz; e. se efeco homens lhe tirram tanto o so-
cego, fcil imaginar as precaices que toma
ao saber que o eterno conspirador, Sr. Buiz Zor-
rilla, o autor das sorprezas das pragas de Urgel,
Badajoz, e Catagena abandonou a sua residencia
da capital da Franca.
Pode ser que elle naja sabido de Pariz por
motivo de qialquer negocio particular, como de
outras \ezestem feito.
A candatura do Sr. Mendes Vigo para re-
presentante di Ucspanba junto do Vaticano, per-
deu terreno en presenca de certas noticias de Ro-
ma, segundo ai quae o papa e a curia nao veriam
com gosto ao u Jado um representante, que o
foi da Ifespanhk, junto do Quirinal.
Pede ser queassim seja; mas nao falta qu -m
pense que aqille lugar est reservado parau)
Sr. Alonso Mar.inez, a quem substituir na pre-
sidencia do cingresso de deputados o Sr. Un-
iera Ros ; ou |ara'o actual ministro da justica,
o Sr. Canolejas cuja ida para Roma seria muio
agradavel ao ir Martos, c tal vez o levasslta
alfrouxar a omosico ao Sr. Sagaslal^o go-
verno.
Foram suprimidos os vice-coasulaiHIShes-
panhoe3 ao Rio oe Janeiro e aa Blgica.
O cruzador (sabel i correu, segundo coru-
municicOes esiciae.-, as possesses hspanholas.
o goipho re Gui, tendo resolvido salisfac-
l-toriameate os assumptos aanJeatcj eom os ind-
genas, e resw^eleccndo o tranco uo rio Mu o
seus aumentes.
Franca
"^"desastre i famosa tentativa do plebiscito,
em que se enpenharam em Franca 03 parti-
darios do geneal Brulanger, os orleanistas e os
bonapartistas, sao pode deixar de produzir urna
extraordinaria influencia sobre o resultado das
eleices de depatados.
(s partidos monarchicos, vendo desfeita a
lenda^e destruido o prestigio do bravo general,
parecoJerema'o abandonado completamente.
O resuUdo total das eleicOes para a reno-
vago t|b cinsethos geraes, comrauuicado pelo
ministro.4o interior ao conseio de ministros,
d eleilos 94! republicanos e 489 coaservadores,
tendo eete pnnado 29 caohOes, que eiegiam
d'antes candilatps.republicanos.
O gene-ai Boulanger dirigi urna exteasa
proclaifaco ao povo, a quetn chama o seu nico
juiz, examim ai accBsacijes contu elle comidas
nos documeitos alto tribunal de justifia recentemente publicados
c em Hngugem uiuito vehemente allirma que
tolasjessas xcusac6es s5o fhfames calumnias.
O boulngismo. que to mal tratado licou
pelo resoltado das eleices dos conselhos geraes,
parece que soffreu agora novo golpe resultante
da demjsso entre os pareceres dos seus princi-
paes homens.
No dia 4 de Agosto effectuou-se era Londres
urna conferencia do general Boulanger com os
seus amigos polticos mus particulares para se
resolver se elle devia apresentar-se perante o
alto tribunal a justica, ou se devia continuar a
declarar que nao reconhece a validade de urna
jurisdieco poltica, e que contina a appellar das
decisOes do senado para o sullragio universal.
0* Srs. Laguerre e Meyer pronunciaram-se
pelo regresso do general a Franjja.
Suslentaram que o boulangismo est n'um es-
tado critico, como nunca esteve, e que s poder
s!r tirado d'essa crise por um acto retumbante.
Aquefles dous horaens polticos pretend am que
se determinasse a orienlaco que de agora em
diante leve guiar o partido boulaogista. Re
ceiain que o general se incline para a esquerda,
o que comprometteria a direceo poltica do
Hanlois, e alienara nteiraraente o concurso dos
partidos da direita. Por isso, desejavam que o
general se consiituisse pnsioneiro, porque retido
elle na priso, monopolisariara a direceo do
partido, tjw tratariara de orientar como Ibes
parecesse. Foram apoiados n'esta opinio pelo
Sr. Diroulde.
D' parecer contrario foram os Srs. Hochefort,
Turnuetij|Wou e Laisaut, que entendem ser
tima mff* Privar se Sr- Boulanger da sua
liberdaJ*'; ma vez no carceres c no segredo.
o chefe-i\tt> partido nacional nao poderia dirigir
ao paiz. e os seus adversarios ficariam
; meihores cbndicoes para o combater.
M'uial foi re-olvido que o general continuasse
a residir em Inglaterra, at que a sua perma
nencia em Londres se toraasse perigosa. No dia
em qae poss.i reeeiar-se que o governo francez
peca sua extradieco, o Sj. Boulanger embar
carftpra Nova York.
ii, Srs. Laguerre Meyer ficaram rau lo contra-
riados coin esta concluso.
Os jornacs francezes ltimos doscrevem as
lu a jirimeiras sessoes do do senado constituido
em alto tribunal de justica. para julgar o ge-
neral boulanger e .seus cumpfices. Essas ses-
ses sao as e 8 e 9 de Agosto.
Foram \iml>us preenchidos pelo dicurso aecu-
satorip do procurador geral da repblica, o Sr.
Quesniy de Beaurepaire, discursos que alguns
jornaes Mtblicam em suppleraento.
' Annunciaia s que a direita do senado se pro-
nuncian logo desde o comeco pela incompe
il, e, que regeitada a mocao
' oprescntaiia. abandonaraa
parte no julgamento.
, porm, assira, e dizia-se que
que a aecusacao formulada pelo
al terminasse para levantar entao
ncompetencia.
I.i implss leitura do discurso do
. eoncluir-se se ha seguro tun
-enado condemne com jus
Seria jpreciso examinar os documentos que
lhe servem de oase, para se poder tirar a con-
clusao lgica.
O que. Djprera, se v desde logo que o srene
ral e os outros dous accasados, os Srs. Dillon e
RochKfort nao faziam diitincco das pessoas que
escolhiam para agentes das suas manobras, e
que todas Ibes serviam.
O general, quer como director de infantera,
qoer como commandante da diviso militar da
Tunefia, quer como ministro da guerra, raanti-
nha a feotes secretos, espides e cooperadores uas
Bas manobra- polticas, todos individuos*; in
n otaJaesnm^l a d u r i
'Son esstr^aspe
geral produzio profunda impresso em todo o
senado. Os partidos da direita pareciam >nver-
gonhados de se haverem alliado com um domem
que traziam consigo um pessoal daquella espe-
cie.
l'ma nota interessante a que deve attender-se
que nesta occasio do julgamento, que parece-
ra to azada para as mamfestacoes bonlaogis-
tas manifestages que os agentes do general
promovan! sempre que se tratava do assumpto
a elle conce/nente, nao appareceram como de
costume. E'ell'eito, provavelmente, jado desas-
tre, que o boulangismo soilrtu as eleices dos
conselhos geraes.
No dia 14, reunido o alto tribunal em c-
mara de conselho, o Sr. Buffet, da direita. apon-
lou contradiccOes de datas no libello. Km se
guida discutio se a questo de competencia,
qoestio que foi Imantada pela direita, apresen-
tando urna mogo que tem por lim declarar in-
competente o alto tribunal, por isso que os nietos
incriminados nao con.-tituiam attenlado contra a
seguranza do estado.
Posta de parte a mocoo alto tribuual deca-
rou-se competente por 212 votos contra 51. l)e-
pois foi a audiencia a I liada para o dia seguiute.
A direita decidi nao tomar parle nos debates.
OSr. Carnot recebeu a 11 de Agosto oses-
tudantes estrangeiros que lhe foram exprimir os
seus sentimentds de respeito e symptbia.
O Sr. Carnot agradeceu-lhes vivamente, e cou-
vidou os a ajudar a Franca a fazer prevalecer
as respectivas patrias a sua poltica de fran-
queza e concordia. Cu'iiprimentou-os em nomo
da Franca, e pedio-lhes para transmitliiem aos
seus condiscpulos as expressoes de cordeal
sympalhiaque acabavara de ouvir.
As palavras de Carnot foram acclamadas pelos
estudantes, os quaes em seguida offerecerara
flores a S. Carnot que liles agradeceu alfe-
ctuosamente.
Morreu Flix Piat. O funeral do celebre
revolucionario realisou-se sera nenhura incidente.
O Sr. Julio Ferry pronunciou ha dias um
discurso eleitoral no canto de Saint-Di. reeom-
raendando concentraco republicana.
A' sabida, um grande numero de individuos
armados de pios e de pe Iras quizeram aggredir
aquelle hornera de estalo, e outros deputados.
Trezentos republicanos escoltaram a p a carrua-
ein do Sr. Ferry, cantando a Marselheza, e grt8
lan^o :Viva a repblica Viva Ferry !
Em presenta desta attitudo, os aosordeiros
desistirara da aggresso, e conservaram-se na
povoaco, onde bouve tumultos, que occagiona-
ram alguns ferimentos, e tornaram necessaria a
iu-ervenco.da forga armada.
^a die .'i de Ai;nt> f,,i.Uw4o o congTW*ff
geographico, sob a-prcjidcac:a dr br. FOTaHlo
eje Lesseps.
O lugar de primero presdante tla'secyo de
geographia histrica, nos congressos, foi dado ao
Sr. Luciano Cordeiro, e na seccao de geographia
ao Sr. Mendes Guerreiro. que, como raembros da
sociedade de geographia de Lisboa, representara
Portugal.
Tambem foi inaugurado no me^no da o novo
edificio de Lorbruues. assislindoo Sr. Carnot e
as delegages dos estudantes estrangeiros, sendo
muito acclamados. O presidente do congresso
municipal e os ministros da instrucg.o publica
deram as boas vindas aos estudantes estran-
geiros.
Blgica
No da 31 de Julho licou constituida em Bru-
xellas a companhia do caminho de ferro do Con-
go. Tem esta companhia o capital de 4.300
conlos,.dos quaea 1.800 foram tomados pelo go-
verno belga, 450 pela companhia de commercio
e industria do Congo, sendo 2.250 conlos olTe-
recidos a subscrpeo publica na Blgica, na Al
lemanha e na Inglaterra. Sobre o xito desta
subscrpeo poueas fondas pode liaver. saben-
do-se que promovida na Alleraanha por ban-
queiros. taes como : Bleichrccder e os Disevente
Gesellschafl: na Inglaterra por Barchay, Bevan,
Tritton, Bausou Rouverie C. na Blgica pelo
banco nacional.
Esta subscrpeo realisou-se nos dias 8 e 9 de
Agosto.
O lim do caminho de ferro de Matad? ao Stan-
ley Pool, ligar as grandes vias navegaveis do
interior da Alrica com o curso do Zarre na parte
tambem navegavel. Oellc diz um acreditado
jornal estrangeiro:
O camiQho de ferro liga ao Atlntico ; e por-
tanto, Europa, urna rede inteira de vas nave-
gaveis, mediado 11,500 kilmetros, e regando
um paiz frtil e habitado por povos essencial
As eleices snpplementares para a cmara dt
coomercio de Milio confirmaran] a significacat
do primeiro fccrutioio, que foi a de um protes-
to contra"a poltica externa e linanceira do go-
verno econtra a interrupeo das relacfjes coa-
merciaes com a -Franca.
Noticias de Massuah referem que os italia-
nos occaparam sera resistencia \Asmarah no dia
II de Agosto.
O Sr. Crspi tinba enviado instrucQes parti-
culares ao emUaixador italiano em Constanti-
nopla cora respeito possivel oceupaco dt
A8inarali. Aquelle estadista agjiarda o" "
fMff;;^!^^*"^ manda* fazer um
__tf_ffl-rso do procurador s^,nhj d fori.,, t^ias Sbre aqU(,,|e ponl-
A noticia, porm, de ter sido oceupada sem re-
sistencia Asmarab, prejudica esta ultima quanta
aos planos do Sr. crisp.
Na madrugada de 8, fallecen era aples
o celebre estadista Benedetto Cairoli. No dia 12
o corpo do fallecido chegou a Grappollo, sendo
encerrado no jazigo da familia, em presenca
dos ministros e de amitos deputados.
Cairoli foi um dos inais nobres vultos da po-
ltica contempornea, e a cuja memoria todos
devera prestar cullo, pois que to raro encon-
trar homens da sua estatura poltica e moral.
Benedetto Cairoli nasceu em Pava a 28 de Ja-
neiro de 1826. Era filho deum cirurgio militar,
que toinou paite ha guerra de 1848 contra a
Austria e merreu pouco depois da batalha da
Novara.
Alguns lutando pela independencia da patria.
Benedetto Cairoli que linda 22 annos era 1848
e que tinlia ido matrkular-se, na l'niversidade de
Zuricb, onde fez o seu curso de direito, ass"-
ciou-seaos primeros levanlamentos e lutas con-
tra o dominio austraco. Rctorcou as armas por
occasio da expedigo franceza de 1859 e conti-
nuou a lula depois da paz de Villa franca. Fot
um dos mil qaeentraran] na Sicilia para a res-
gatar do governo dos Bourbons.
Assignalou-se com um de seus irmos, Hen-
rique Cairoli. no combate de Calatafini, e foi fe-
rino no assalto de Palermo. Quando foi convo-
cado o primeiro parlamento italiano, Cairoli, elei-
to deputado por Brivio, assistio sesso estan-
do ferido.
Diz-se que volou ergueudo ao ar urna das
maletas.
S licou curado dous annos depois, quando
solfreu urna operocSo, que llie fez o Dr. Ber-
ta.
Desde entao continuou sempre na vida polti-
ca, sendo um parlamentar ament e brilhante
na deleza dos principios de liberdade e indepen-
dencia. Sempre ao lado casa de Saboya, que
a;-nava e servia com inabalavel lealdade, era ao
mesmo tempo amigo ao povo, e por isso foi po-
pular como poucos. Pelo seu valor, pelo seu
grande talento, pelo prestigio que as suas altas
qu ilidades Ide crearam, elevou se aos altos car-
gos do seu paiz.
Presidente da Cmara dos Deputados era 1878,
foi, dias depois. quando cahio o ministerio De-
prets, convidado pelo rei Humberto a formar
novo gabinete, que, por sua vez, passados mezes
em 15 de Dezembro, linda de ser substituido
por aquelle a que succedera, nesse periodo de
crises polticas to conbecidas geralmente. '
.Quando em 17 de Nqyrubro' desse mea
ainro-ili.- iota l>c-va!-S!Br **-
aples, deu-se o attentado de Passavante coi
tra o monareba.
A maneira como procedeu nesta occasio, evi-
tando que punlial do sicario tocasse no rei
cando elle Cairoli, gravemente ferido, susciiott
em toda a Italia, como em todo o mundo, urna
calorosa sympathia pelo grande estadista.
Os tacos que ligaram o rei Humberto a Cairoli
estreitarem-se aindamis depois daquelra abne-
gaco corajosa.
Foi nessa occasio que o rei de Portugal, D.
Luiz I, enviou a Cairoli a gr-cruz da Torre
Espada, e que o presidente da repblica fran-
ceza lhe offereceu a gr-cruz da Legio d
Honra.
O attentado contra o rei Humberto causou em
toda a Italia a mais viva impresso, e, natural-
mente os conservadores comeearam a rasinuaf
ou a proclamar, mais ou menos claramente, a ne-
cessidade de medidas repressivas. Esta opi-
nio, que nao tardou a ser monifestada na ira-
prensa, leve echo no parlamento. Cairoli, inter-
pellado na Cmara dos DeputadotObre se accei-
taria ou nao medidas de repressa violenta, er-
gueu-se e n'um memoravel discurso sustentou a
que man'eria as liberdades publicas.
0 punbal que procurou ferir o rei, nao con-
seguir ferir a liberdade de que o rei o sen-
tinella mais tiel e mal? leal
Em Julho de 1870 Cairoli era novamentc
mado a formar gabinete sem ter em nada modi-
licado o seu programma de governo.
Tal foi a estadista, que hojerepousa para sem-
pre na raorte que cnlucta a Italia. Tal foi o pa-
triota convicto cuja vida resuma os mais bellos
exemplos de valor, de lealdade e de indepen-
dencia.
Sania isi-
Vai ser apresentada ap papa urna peticSo, as-
signada por 850 prelados de differentes naces,

mente pacficos e instinctivamente affeicoados a em que se lhe pede que seja dado o titulo de ve-
..^;~- actavel a Christovo Colombo.
negociar.
O caminho de ferro deve permittir penetrar
no interior at 2,200 kilmetros da costa occi-
dental e fatalmente todo o commercio da frica
central se deslocar da costa oriental para o
Congo, porque os caraindos ordinarios das cara-
vanas raudarao. Estas caravanas Jjro procurar
os ros do interior sulca ios por steamers, e tra-
ro os seus producios a Stanley-Pool e Matadi.
Os negociantes indgenas estabelecidos na costa
oriental, coinmerciantes ou empresarios de tran-
sportes, nao se exiganam ^ j preparam esta evo
lufcao cominercial. A viageru recente de Lewa-
Hajie Blgica e-a Inglaterra 0 sotfRte noalf
de vista muito eoraciensca "^
Devemos notar que a companhia belga do com-
mercio e industria do Congo, no curto periodo
de 1/2 annoa, j ioBstituio : esta conjpanhia dos
ve a concesso e fez os estudos do caminho de
ferro; outra de armatens geraes era Borna e Ma-
tadi, devendo os de Borna estar concluidos em
2 ou 3 mezes.
Suiwsa
O conseibo federal suisso recebeu, nos pri-
raeiros-dias de. Agosto, outra nota do governo
allerao. arece que esta formulada tra termos
asss moderados e conciliadores.
O principe de Uismarck exprime n'ell.i a espe
ranga que tem de que se poder chegar a um ac-
cordo no que diz respeita a um novo tratado de
residencia ; mas insiste sobre a necessidade de
que o governo suisso exerca urna vigilancia po-
licial rauito rigorosa sbreos estrangeiros, eob
serva que os aliemes que conspiran na Suis-,
sa contra a sua patria, na i -o refugiados poli-
ticos, mas individuos que voluntariamente se
expatriaran].
Moma a 45,20>),0'J0 fr incos a totalidale das
subscripces para o e.upresiimo da conl'odera-
go suissa. U'aque4 quautia 13.080:000 fran-
cos sao proveuieutes d. estrangeiro.
' Italia
Foi publicado a 8 de Agosto pela folda offi-
cial italiana um decreto que declara encerrada a
sesso legislativa de I88S-18'9.
O jornal de Roma ExercUo annuncou que. a
datar do dia 10, seriara licenciados 7,000 do
meds do exercito permanente, e disto infere que
nao est ameacada a paz.
Refere um jornal italiano que chegarara a
bora termo as negociaces entre a Russia e
Vaticano. Em resultado disso, o papa preconi-
sar era breve, sete bispos do imperio.
Sua santidade deixou outra vez de habitar
o casino de Pi IX nos jardins do Vaticano, por
se liaver reconhecido que a humidade daquella
habitaco Ide era bastante nociva.
Un dos correspondentes mais bem infor-
mados-, que a imprensa europea tem em Roma,
enviou ltimamente para o Jornal (los Debates
urna interessante currespondeneoVa perca da sa-
tntWlo papa da cidade eterna.
Montierrii*o correspondente em questo, diz
o seguinle na-sua fbrt :
Os romanos com'ecam j a deixar de fallar na
partida de Leo XIU, e vao-s costumando a
camindos de ferros, ouira de estudos, que oble-- cretftar que o papa nao sahir, e que tuda
quanto se tem dito-nao passou de urna simples
intimidaco ao governo i||iano.
E' jjossivel que esta crnca geral seja um tan-
to ou quanto illusoria ; acreditase com facilida-
de aquillo que se deseja, e os romanos desejam
ardeuteraente que o papa nunca chegue a satiir.
Existera por isso varias razes parte o senti-
mciito religioso, de veras firme aindi em umita
gente. A transferencia da Santa S importara
um grande golpe dado nos interesas da cidade,
j muito desfalcada pelas crises das construc-
ces.
Gracas ao jubileu papal, conjuraram se o
adiaram-se nao poueas rumas de fortunas; o
ouro trazido Dlos estrangeiros produziu grande
melboria nos cambios e impedio tal vez a volta
do cambio forcado. Muitos estrangeiros que
aiuda vm a Roma, e que sao o principal ele-
mento da prosperidade de3ta trra fazera-n o
por causa dolpapa. Ninguera ignora isto. c por-
tanto a saida do pontfice considerar-se-bia urna
catastrophe. .
Apezar" da cdnvicjao geral era contrario,
insiste-se em acreditar que a saida mais possi-
vel e est mais prxima do que se prsame;
ha para isso duas razes de ordens diversas.
A primeira, o estado de irritacio nervosa
era que se acha LeO XJ desde o jubileu, que
Ide fez sentir uih vago deseio de mudar de si-
to. Como se sabe, o pontfice mandou fazer
reparaes n'um pavilbo situado ao fundo do


Diario de PernambucoTer^a-feira 27 de Agosto de 1nS9

Vaticano, e conhecido por Paeilhao O papa costuma 14 ir passar alguns das, Ulu-
diodo-se com uui simulacro de cxcutso, mas
apenas all se insufla, aborrcese e volta logo
i *ua residencia efectiva. .
. Sito-se lamben que Leo XIII se irrita
agora miis do que nuaca por qualquer cousa.
Suda se nao restabeleceu da viva embanque
experiraentou por occasio da apotheose- a Gior-
dano Bruao. .
Actualmente est soffreaio um graul des
ro pelas medidas de poli:ia adoptadas i
Chrispi. MinioU'COtiUr os agentes e cara-i
compem a guarda em toni) do
a orga-
que ta-
e ludo
fciniros que
Yaticano.
Sato em todos os seus promenores
onisaeo dessa guarda, os nomes dos
sem parte della, qiiaado os realera, etc
jato o excita.
Diz o papa que Ha realmente pristaaeiro,
aisto que o vigiam, como poderla fazer-se ao
ais pelgoso facciosan
Km al estado d espirito, ha toda a possibi-
ade de uin*- resolucao violenta, tanlo mais
B'Leo XIII. como quasi todos os homens do
ten carcter, rauito reflexivo, propenso a du-
ndas e vacillages, mas s be tambem adoptar
jesoluges enrgicas e rpidas.
A prestaco de soccarros da antiga hospe-
dara de emigrantes coniiaa a ser urna burla.
* Ou porque seja impossivel ao pafBoal encar-
regado desse servigo executal o bem prompta-
mente, por ser enorme a multido de necessita-
dos e mil prvido de (mpregados o trabalho de
distribuido, ou porque nao naja perfeila boa
vontade e zelosa cari lade da parte dos distri-
buidores, certa 6 que os infelizes que se soccor-
rem a esse parco e problemtico meio de sub-
sistencia soffrem horrores, scm conseguirem um
oatoj neceado para-eaaterl
Ora sao -recaaados os atlestados, ora nao
acaara quem leiiha autoridade para visal-os,
urna vez chegam edo de mais, outra s muito
tarde conseguecn chegar ; si adeecem e man-
dam receber poralguem exigem-lhes que com-
parejam em pessoa; si Cbmparecem, esperara
de balde horas e horas, ao sol, com fome, e,
quando Deus sertido sujeitos a injurias, mos
iraia*e empamaas dos chamados guardas ou
miums.
E assim, por toda a parte vo as infezes
victimas da secca sentido cada vez mais premeu-
te o peso esmagador da sua desgraca
Rio Graade do \oric
Datas at 13 de Agosto :
As folhas dessa provincia nada adiantam em
O Sr. Crisp nao se occulta e faz ostenjagq
da sua raaneira de tra'ar o papa. O Sr. Crisp
eocetou urna carnoaoha contra o papado ; sub-
jtituiu pela guerra aberta o systema concilla
dor e eclctico seguido durante dez annos pelo
Sr. Depretis.
. Estou convencida de que, se se adoptarem
algumas medidas desagradaveis ao pontihce, es-
Je declarar iosupportavel a sua situago na
Balia. I_a ...
E se deste projecto anda se nao levanta-
ren! os attrictos, acho muito provavel que, da-
do o carcter apaixonado do Sr. Cnspi, e atten-
dettdo ao seu modo de pensar, se nao passc
wilo tempo sera haver urna grande desavenga.
Isto alguraa cousa mais do que simples
soojectura; sao probabilidades.
Tenin motivos para crr que Leao Xlll esta
certo de encontrar asyio na Hespanha.
. A diplomacia italiana bastante diligencea
impedir isto. Em tal intuito trabalha instante-
mente em Madrid, influindo o mais que pode no
aoverno e na imprensa, e occupa-se tambem ac
Harnete do assampto em Vienna e em Ber-
fim.
N'uma palavra, nao se poupam esforcos pa-
7i evitar que o papa encontr o nico asylo que
lie convm.
- Apezar de todas estas diligencias, parece-
re qae a Hespanha nlo se recusara a receber
Leao XIII desde que elle manifestasse formal-
acote o dcsejo de refugiar-se naquclle paiz, por
ao poder suppoitar a poltica do governo ta-
BDO.
Os jornaes religiosos confirmara em absolu-
to o que acabo de dizer. Creio que a corte do
Quirinal e o governo nao mostrara at que ex-
Irerao os aterra a partida do papa. Os artigos
officiosos publicados pelos jornaes affectos ao
Sr. Crisp, comtudo deixam transparecer clara-
aoeite esse receio.
Leao XIII, vendo quanto os que o guerreiam
kmem a sua saida de Roma, pode muito bera
tembrar-se de se servir dessa arma.
As autoridades da fronteira exercem conti-
tinua vigilancia. Julgara ver inimigos em toda
a parte e detiveram um official francez que ]
deve ter sido posto em liberdade
. Aislo ha arada que juntar razes polticas, noticias as que temos publicado por telegranima
INTERIOR
olidas do norte do Imperio
O paquete nacional Espirito-Santo, chegado do
aorte aote-hontem, trouxe as seguintes noti-
cias :
AmaionaN
Dutas at II de Agosto :
Sao destituidas de uteresse as noticias de3sa
provincia, cujas folhas discutem de preferencia
ssumptos polticos.
L-se no Commercio do Amazonas de 3 :
Chegou hontem a esta capital o pratico do
7apor Solantes da Companhia de Manos, com o
5m de commuoicar agencia dessa Companhia
que o vapor Solimoes encalhou na praia do Qua-
. perto de Itataba, no rio Purs.
O Solimoes s poder desencalhar em No-
bro prximo.
Para
feiiP ttMP"? imeresse as noticias
Jesa provincia. Os jornaes tratara quasi ex
dusivamente de eleicOes e seus precedentes e
onsequitarios.
evia inaugurar-se 15 a estatua do fina
do Dr. Gama Malcher.
IIuralili u
Datas at 17 de Agosto.
Xada encontramos as folhas dessa provincia
qqe mereca inencao.
Cear
Datas at 21 de Agosto.
O presidente da provincia fra em eicursao
at a villa da Iraperatriz, afini de examinar as
ras all em construcco.
Continua va em seus trabalhos a Assem-
la Provincial.
Sob o titulo A fume escreveu o Libertador
de 13.
Nao para o Sr. Avila que escrevemos; na-
da mais se pode esperar de S. Exc, cujos actos
basiam para provar que o actual presidente des-
robece as mais rudimenlares normas de go-
verno ; nao sabe e nao tem capacidade para
aprenuer ascieucia de administrar; systema-
acmente infenso moralidade administrativa e
profundamente avesso seriedade.
Escrevemos, porm, para a DCOTdBU e para
paiz, informando-os francamente, dia por dia.
do estado misrrimo a que nos est reduzinaq o
caprichoso desgoverno do Sr. senador Henriq
'Avila, que reduzio o Cear a esta tristissima
fynthesefome e desmorahsaco.
Alera do espectculo trislisslmo que apr-
senla esta capital, as noticias do interior sao
desoladoras.
De Baturit, d'onde nao havia reclamacOes,
desdt; que foram organisados os diversos servi-
jos de soccorros, eis o que diz o nosso corres-
pondente, em telegramma de hoje:
Baturit, 13 de Agosto. Cidade coberta de
Jamintos: servicos suspensos; em pregados sem
rdenado ha quasi dous mezes.
Revy distribuindo cartes. Povo desaoj-
ando pelos boatos de suspenso definitiva de
amigos.
A noticia da distribuico de esmolas tem
kilo affluir gente de varios pontos.
As aguas do Aracauaba reduzidas a quanti-
dade insignificante e podres. Estado sanitario
ameacado.
O Sr. Revy guarda reserva acerca do seu
JDturo procediuienio.
Os DOliticos s cuidam da eleico de 31.
E' horrivel a sitoacao da provincia
Eis ao que tem chegado o governo salvador
do Sr. Avila, que achoo tudo anarchisado e fez
parada de abnegago, corageni e caducidade
para salvar a provincia, que ha 20 annos nao ti-
aba presidente, no lilaucioso dizer de S. Exc.
a fome, a miseria, o esbanjaraento dos di-
atoeiros pblicos., a fraude e a corrupeo elei-
Ktral.
Idade de ouro t i
J A 14 accrescentou a mesma folha:
Hontem pela maoh cerca de mil trabalha-
dores das ebras de soccorro do municipio de
Mecejana, nltimamente suspeusos pelo Sr. sena-
dor Avila, dirgiram-se ao palacn da presiden-
cia, reclaman lo o pagamento de seus salarios
que nao recebiam ha quatro seiuanas.
Sera ordem, sem folhas de pagamento, sem
ZBias ou cousa equivalente, foi a multido mal-
mpilba enviada por S. Exc. Thesourana de
ffazenda, que nao tinha como attender as suas
alas reclamacOes. ___
Deseoganados e cada vez mais oppnmidos
pela fome, os pobres operarios de Mecejana che-
garam ao desespero de ameacar de assalto os
depsitos e os comboios de vveres que encon-
Irassem as estradas r^
A polica tomou suas precauces e os mise-
xos lamimos tiveram de resignarse anda urna
fez esperando que a suprema vontade do gover-
o se digne de pagar-lhes o miseravel salario
ane lhes foi garantido em paga do seu tra-
fealbo.
Esto suspensos os trabamos e pagamentos
mu S. Goncalo.
Mais de 700 operarios soffrem as consequen-
deste acto de paternal bondade do Sr. sena-
Avila.
Parahyba
Datas at 21 de Agosto :
Sao de mero interesse local as noticias dessa
provincia.
Noticias do sul de Imperio
Pelo vapor nacional Strgipe tivemos as se-
guintes :
Alaft-oaa
Datas at 21 de Agosto :
Acoava-se melhor de seus incommodos o Sr.
senador Jacintho de Mendonca.
Lemos ao Orbe de <1 acerca de S. A. o Sr.
Conde d'Su :
Annunciada a vinda de Sua Alteza pelo te-
legrapho, aguardavam todos saa chegada, que
eleotuou-se hontem a bordo do vapor Una, Tun-
deado em nosso ancoradonro s 9 horas mais
ou menos da manh. Meia hora depois desem-
barcava Sua Alteza no meio das mais festivas e
cordiaes acclamaces da immensa multido que
o esperava, e feitas as devidas continencias pelo
26 batalho de infartara postado em frente
ponte de desembarque, seguio Sua Alteza era
bond expresso at Estaco Central de Alagoas
Railway, acompanhado das primeiras autorida-
des da provincia e de pessoas gradas da capital.
Ahi foi Sua Alteza recebido por urna commis
sao de cavalheiros e damas da nossa melhor so-
ciedade e pelo oessoal technico da estrada e to-
mando um expresso gentilmente offerecido pelo
digno superintendente de Alagoas Railway. diri-
gio-se Saa Alteza com sua llustre comitiva
floresccnte e futurosa villa da Imperatriz, tocan-
do no trajecto as differentes estages da fer-
ro va.
Naquella villa teve Sua Alteza recepeo con-
digna sua elevada posico social, nada pou-
paudo o digno vigario da respecliva freguezia,
Rvm Antonio Pureza de Vasconcellos para pro-
porcionar ao llustre visitante e sua comitiva
todos os comraodos desejaveis, e para dar todo
o realce e brilhantismo festa; recebendo a to-
dos no palacete de sua residencia, onde nada
faltava de confortativo para seus dignos hos-
pedes.
De volta da villa, e no kilmetro 35, no
ponto denominado Lourenco de Albuquerque,
realisou-se a ceremonia da nanguraco dos tra-
balhos da construeco do ramal villa da As
sembla, ceremonia a que presidio S. A. a con-
vite do meamo superintendente, que assim pro-
curou solamnisar mais o faustoso acontecimen-
to, dando arrhas de sua fidalguia e cavalheiris
mo, e dos melhores sentimenlos com relaco
ao engrandeciraento e prosperidade desta pro-
vincia.
A's61i2horas da tarde para va o expresso
na Estaco Central, onde enorme multido aguar-
dava a chegada de S. A., que, saltando, dirigi-
se ao palacio da presidencia, previamente pre-
parado para a principesca recepeo.
Ahi demorou se S. A. at s 11 horas da
ooite, quando, tomando com sua comitiva bonds
expresaos para a ponte de embarque, atim de
tomar o vapor, embarcou com destino a cidade
do Penedo, donde seguir at cachoeira de
Paulo Alfonso.
E' provavel que de sua visita a esta pro-
vincia, leve S. A. as mais gratas recordaces,
por isso que a briosa e hospitaleira populaco
ilaeta OoretO do iOil*'1 oi aolioit om provar
s senlruentos de adhesao e syrapathia ao
sorte da virtuossima herdeir.i da
cora braVileira.
Fazems os mais ardentes e sinceros votos
para que o augusto viajante seja o melhor suc-
cedido na sna excursa, e della colha a naco os
mais esplendidos resaltados, e vantagens reaes
para ses prograMOS e estabilidade de suas ins-
tituiges. 1 /
A villtL^r-{raperatriz, elevada a cidade,
fra installada nssa categora porS. A. o Sr.
Conde d'Eu. ^^->
Lemos no Diario das Alagoas :
Do Porto Calvo recebemos o seguinte tele-
gramma do qual se id quanto o partido domi-
nante abusa da forca para triumphar no pleito
eleitoral. i.llamamos para este telegramma a
attencao do Exm. Sr. presidente da provincia e
das autoridades a quem comdetir providenciar.
Eis o telegramma :
Porto Calvo. 14 de Agosto.
Eleitores conservadores Jacuype aterrados
ameacas, priso delegado polica. Occultam-se,
promotor denunciando crimes phantasticos im-
rapedir com pronuncia voltarem. Populaco Ja
cuype alarmada ameacas delegado Leirioho.
Providencias.
Lemos no Orbe de 22 :
Domingo, por cerca de 5 1(2 hora3 da ma-
nila manifestou-se um violento incendio no Tra-
piche Novo, de propriedade do Sr. commenda-
dor Manoel de Vascencellos, era Jaragu.
> Suppe-se que o fogo comegara anda cedo,
assumindo proporces no correr da noite. e
chegando aquella hora a sua maior intcnsidade,
e tal que dentro de pouco tempo foram consu-
midas mais de 400 saccas de algodo, icando
a patte central do edificio completamente arrui-
nada. Partindo do centro, o incendio teria al-
cancado todo o predio a nao serem as provi-
dencias tomadas a tempo para Irosal o, o que
censeiruio-se depois de muito trabalho.
Grande multido acudi ao lugar do sinis-
tro, assim como compareceram autoridades po-
liciaes e outras, que todas foram solicitas em
promover as medidas indispensaveis exlinc-
o do incendio.
Nada podemos adiantar anda sobre o que
por ventura pudesse ter occasonado o sinistro
que segundo nos informara limitou-se a urnas
400 saccas, all existentes em deposito, desde
muito e perteocentes ao negociante de Penedo
Jos Joaquim Rodrigues Guimares.
A's ti horas da tarde estava completamente
extincto o foco.
tORRES0.\DE\CIAS
de Penumbneo
T
Do Diario
PORTUGAL Lisboa, 14 de agosto
Realisar-se-ha definitivamente no dia 13 de
Outubro a eleico geral de deputados. Os traba
lhos eleitoraes vo tomando grande actividade.
Aventou-se a idea das candidaturas agricolas.
Este pensamento tem achado echo em diversas
regies e cr-se que dar de si alguns deputa-
dos.
Como 'bes disse, cr?io, na minha ultima carta,
foi demittido do lugar de provedor da Real Casa
Pa de Lisboa, o digno par do reino CarlosEuga^^rada
nio de Almeida, hltio do grande reformador da-
quelle importante instituto, Jos Maria Eugenio
ie Almeida.
O provedor exonerado foi para Cauterets, 003
Pyreneus, faier uso de aguas thermaes e o decreto
da demisso appareceu no Difiri do Governo, no
dia seguinte, ao da sua-partida I
Este precediraento, que 03 orgos ministeriaes
teera pretendido justificar, foi muito estranhado,
bem como, o facto de se o mencionar ao de-
creto da exoneraco que esta fra dada a pedido
do Sr. Carlos Eugenio de Almeida, que ha mais
de dous annos a solicitara.
Por essa occasio tambem o digno provedor pe-
dir que se procedes se a urna syndicancia quelle
estabelecimeoto. O *eltorio da syndicancia foi
publicado na folba official ha poucos das, e di-
tera as folhas mia.steriaes que a demisso foi
dada quelle cavale.xo, em resultado da sua in-
competencia para aquelle cargo, comprovada
pela referida syndicancia.
0 llustre ex-provedor escreveu de Cauterets
para os jornaes de Lisboa urna declarugo em
que protesta contra o procedimento do governo
e promette defender-se quando regressar a Lis
boa.
Foi ha poucos dias nomead provedor da Casa
Pia e j presten juramento o digno par do reino
Francisco Siraes Margiochi, oqual casado com
urna lilha de Jos Maria Eugenio de Almeida,
sendo, portanto,.*i!ado do ex-provedor. O Sr.
dfargioent perteuatiiio partido rogaorador. OSr.
Carlos Eugaoio.de Almeida. que estava filiado
Lno partido progresaista, alliinaraeiite votava n
camar, ,dos pares, com os adversarios polticos
do goverw.
Um dos primeiros emprejiendiaientos do novo
Sravedor ser, o acabaraeoio do wnumental adi-
cio dos Jeronymos e reconstruojjjto daxterre san-
tr.il que lia mais de.onze annos daaabou, por Imt-:
sido t*fetttoea a sua- cnstrueBo.
Os jornaes de Lisboa n'estes ltimos dias teea-
se oceupado muito da salde d'el-rei. Aiaamas
folhas governamenlaes encarraaararn-aa n n*- tomn
pooder a um artigo d'O Secuio (jornal republi-
cano) que dava preciosa existencia do soberaoo
apenas a durago d'algus mezes Masaresposla
das folhas ministeriaes, negando as assersoes d'O
Secuto, to exaggerada, que os proprios faetos
basiam para o coraprovar.
Attribuem a uina sciatica a difliculdade que o
Sr. D. Luiz tem em andar ou conservar-se de p,
mas asseguram que falso estar apatuico, mdif-
ferente a tudo, querendo apenas que o deixein
licar sentado horas esquecidas no seu gabinete.
A verdade que S. M. tem presidido, no pa(o de
Cintra, ao oonselho d'Eslado e ao cooselho de
moistros, fazendo aassignatura nos dias consa-
grados a este servico constitucional.
E' verdal'1, por outra parte, que a audiencia
solemne em que havia de ser recebido o aovo
ministro dos Estados-Unidos em Lisboa. emjado
adiada e ainda se nao realisou, quand) certo
que o diplomata norte-americano esh aqu lu
mais de dous mezes, e a pratica da cr serem
realisadas estas audiencias solemnes dentro dos
primeiros oito dias depois da chegadi dos novos
plenipotenciarios estrangeires.
O novo ministro dos Estads-Uoid*s foi j apre-
sentado a el-rei na recepeo do paco de Cintra a
31 de Julho, onde assistio isoire que all houve
para festejar o anniversariv natalicio do Sr. in-
fante D. Affonso; mas a tal audiencia que ainda
se nao concedeu, pelo mo estado de sade de
S. M.
S. A. o principe real lartir a 12 do corrente
para Pariz po stpteing ctr; demorar-se-ha n'a-
quella cidade oito ou diz dias, e seguir depois
para a Italia afim de asistir ao baptisado do fl-
Iho do duque d'Aosta.
No seu regresso demrar-se-ha tambem alguns
dias em Pariz. E' acompanhado pelo Sr. conde
de S. Mamede, e guardar na aua viagem o mais
rigoroso iocogoito.
Ora, se realmente, vida d'el-rei estivesse em
perigo imminente. claro que o herdeiro pre
sumptivo da coroa nao ira agora viajar.
O Sr. infante D Algusto vai passando melhor.
Ante-hontem assist toirada do Carmona na
praca de Cintra. A sua apparencia era auito sa-
tisfatoria.
Projectara-se urai batalha de flores en Cintra,
como a do anno pasado, ou muito melhr ainda ;
mas a morte de uaa sobrinha do Sr. Baro da
Regaleira veio adiar indefinidamente o projectado
certamen. Do vas e aprazivel terraco da sua
quinta, nos Pise?, que as pessoas de sua rela-
co, que toda a alta roda, costuma assiitir a esta
graciosa diverso. E' evidente que a(hando-se
de lado a famili Regaleira, e nao ha/endo em
Cintra outro sitio apropriado para se Jesfructar
essa lacla gentil, a Casta nao podia realisar-se
este anno.
J, quando este adiamento conou, muila
gente queria attribuil-o doenca do lei. A razo
a que fica mencionada.
Falleceu ha dias o Sr. Leandro Jos da
Costa, chefe aposentado da segunda lirecgo ge-
ral dos propios nacionaes e amigo diputado.
O fallecido era natural da ilha di S. Thom;
deixou um livro de viagens muito bera escripto
e era geralmente eslimado por suas cxcellentes
qualidades.
Tambem ae finou o commissario n 3* diviso
policial D. Antonio d Noronha, opparentado
com muitas familias da primeira tobreza. Era
excellente o desempenho das futeces do seu
cargo, onde ha dez annos, depois le tr exerci-
do outros lugares de administradlo plblica na
capital e as provincias.
Entrn tambem no rol dos finadoj o general
reformado Antonio Pedro de AzevedJ, que des-
empenhou varias commissOes de graije respon-
sabilidade. Era pai do conhecido esiriplor dra-
mtico o Sr. Maximiliano d'Azevedo.
Falleceu repentinamente a semana passada o
general de diviso Jos Maria Lobod'Avila, ir-
mo do Sr. conde de Valbsa, nosso ministro
em Paris e tio do Sr. Carlos Lobo d'Atila pro-
pietario e director poltico do Tempo. 0 falle-
cido general fra ha pouco sannos goveroador ge-
ral de Macau e Timor, onde fez um bon lugar,
deixando naquellas nossas possessOes {rata re-
cordago do seu zelo e honestidade.
No da 4 do corrente abrise em Paris no
palacio da sociedade de geograpnia de franca o
congresso internacional de sciencias gegraphi-
cas, sob a presidencia do Sr. de Lessips, que
fez um discurso apropriado.
De Portugal assistiram os Srs. Luciaio Cor-
deiro, Mendes Guerreiro*, Silva Amado, ?alermo
de Faria, Ferreira Idc Almeida, Sarria Prado e
Vasconcellos Abreu. Alm dos raembroi adhe-
rentes e da Franca havia numerosos ddegados
da Inglaterra e suas colonias, Austria. Blgica,
Bolivia, Brasil, Dinamarca, Egvpto, Heipanha,
Estados-Unidos, Hollaoda, Hungra, Italia, Ja-
po, Mxico, repblicas sul-americanas.Suecia,
Rus3ia, Romana e Suissa. '
Como nos mais coogressos, a Allemarha nao
corapareceu ; mas houve urna excepeo, que foi
a Sociedade de Geographia do ortemberg, re-
presentada pelo professor da universkfade de
Gottingen, o Sr. Wagoer. O congresso foi divi-
dido em sete secces, e as primeiras secges
d'ellas os porluguezes tiveram duas presiden-
cias :a de geoxraphia histrica, etc., o Sr. Lu-
ciano Cordeiro, e a de geographia physica, o Sr.
Mendes Guerreiro, engenheirOj^-Assaoiindo a
presidencia o Sr. Luciano Cordeiro agradeceu
pelo seu paiz a honrosa distinjeco, e apresen-
tou urna memoria importante -uo professor por-
tugez Marrecas Ferreira, que ear tambem apre-
sentada na secgo de geographia mathematica
pelo Sr. Ferreira de.i Almeida.
O principe Rollando Bonaparte offereceu um
baile ao congresso, para o qual foram convida
dos os delegados da Sociedade de Geographia
de Lisboa, que tambem o foram para a grande
ceremonia da inauguraco do novo edificio da
Sorbona. O miaistro das obras publicas emada-
rae Yves Guyot offereceram outro baile a 9, c a
municipalrdadejde Paris receberam solemnemen-
te no dia 8 os membros dos congressos scientili-
cos, e os estudandes francezes e estrangeiros.
A 10 terminou o congresso geographco. To-
dos os delegados portuguezes tomaram parte
nos trbateos das dffereiftes secces. Foram
feitas commnnicages sobre os caminhos de fer-
ro portuguezes em frica. Em norae da Socie-
dade de Geographia de Lisboa, foi apresentado
um protesto contra os erros de limites em om
novo mappa do Transwal. A seceo geosraphi-
ca da Associago Franceza para o desenvolv-
raento das sciencias, reunida era congresso, con-
fino duas presidencias de grupos especiaes ao
Sr. Luciano Coreiro. em attengfto aos servicos
prestados s sciencias geagraphicas coloniaes.
No dia 3 foi encerrado em Paris o congres-
so colonial em urna brilhante festa e um banque-
te aos congressistas. Na sessao da seceo colo-
nial fraocsza, ao serem discutidos os methodos
de governos as colonias e orgaoisago compa-
rada das diversas colonisaces estrangeiras, o
Sr. Luciano Cordeiro expoz a superioridade mo-
ral e civlisadora do systema colonial portuguez,
que creou o Brasi:, e abri a frica ciTilisaco.
Heferio-se aos progressos realisados no con-
gresso portuguez, onde, accrescentou o ora-
dor, nos licmos, como licaremos no Nyassa.
O Sr. Cordeiro terminou annunciando a prxi-
ma celebracao em Lisboa do centenario da par-
tida de Vasco Gama, sendo muito applaudide
pelos congrassi8tas e espectadores.
O Sr. Luciano Cordeiro regressou hoaism .i
Foi agraciada com o titulo de viseondessa
Lisboa.
de Faria Pinho a Sr. D. Joanna Benedicta de Fa-
ria Pinho de Vasconcellos, filha do fallecido-ba-
rto de Salgueiro; e com o titulo de baro de Ar-
ganil foi agraciado o Sr. Albino Pae3, de Coim-
bra.
Chegou j Hila de S. Miguel o monumen-
to que all se vai erigir a Roberto Iven3, na Ala-
meda da Liberdade, complemento da festiva
eorameinoraco da travessia africana realisada
por aqueHe glorioso explorador e iuastre rnicha-
elense, em companhia de Britlo Caaeilo.
Consta de um busto gtmde, talliado em mar-
more Bo, na elevago de alguns metros de pe-
destal. '
J se reuni, sob a presidmeia do ministro
da marinha. a commLsso encarrillada de elabo-
rar um progrmala* para a org/ttmQho de na-
vios dB.erra.
O dtslincto esnriptor Rarnaf Ortigo cap-
luir, na sua volta de Pariz, um livre que me
dizera ja ter meio elaborado, de impnjsto de
viagens e narrativas.
Este livro, que conclue por um estudo critico
as ras por onde seguio o cortejo, havia pa-
lanques armados.
Ao meio dia foi a ceremonia do descobrimente
da lpid collocada na casa onde nasceu Jos Es-
lvo.
Fai o presidente da Cmara Municipal quem
puxou o cordo.
Enorme ovagao e enlhusiasmo popular.
O cortejo que se diriga ao local para a cele-
brago d'aquelle acto, compunha-se da Camaaa
iMunicipal, grande commissao, jornalistas, re-
presentantes e muilos convidados. A grande com-
missao levava tres cora : iyu para o jazigo de
Jos Estevo, outra iwra O de Mendes Leite, e
outra para o dos iiiarlyres Sa liberdade. Da casa
em que nasceu o grande tribuno dirgio-se para
o Cemiterio, a depr as coras. Junto do Jazigo
da exposico de 1889: editado pela casa Aleixo de Jos Estevo discursuu brilanteraente, sendo
Aranha, do Porto.
Portugal foi representoufl.palo Sr. Dr.Ifcn-
nque Midosino congresso pwal que no dia 7 do collocada a de Maudus Leite, fez a apologa do
oarrente se reuni era Bruxellas.
Esqueceume, na minha de 6 do corrente
se*, mencionar-lhes a louvavel daliberago que
i a cmara municipal de Lisboa, subsi-
laodo operarios de diversas industrias para
irem estar um raez era Pariz, alira de estudarem
na Exposico os aperfeigoamentos de seus res-
pectivos ofcios.
As associages operaras que devero pro-
por listas trplices, afim de que a cmara muni-
cipal escolha os individuos que ho de ir gozar
desse beneficio.
E' urna idea que tem sido muito bem rece-
bida.
Foi agraciado com o titulo de visconde da
Victoria o Sr. baro do mesmo titulo, abastado
e considerado capitalista brazileiro, que ha an-
nos lixou a sua residencia em Pariz.
A Sociedade de Legislago amparada, de
Pariz, embora nao tivesse realizado um con-
gresso, resol veu comtudo convocar duas sesses
extraordinarias nos dias 29 e, 30 de Julho lti-
mos para celebrar o 20. anniversario da sua
existencia.
A estas sesses, a que presidio o Sr. Balnoir,
professor da faculdade de direito de Pariz, esti-
veram presentes os Srs. Drs. Hearique Midosi e
Tavares de Medeiros, como representantes de
Portugal.
Se foram grandes as deraonstraces de res-
peito de que nos, oas pessoas dos nossos dele-
gados, fomos alvo, tambem certo que estes se
desempenharam honrosamente na sua misso.
No dia 31 realizou-se ura grande banquete no
Hotel Continental a que concorreram 196 con-
vivas, na maior parte os socios 'aquella socie-
dade, tanto nacionaes como estrangeiros.
Diz-se que o duque de Almodovas, vice-
presidente do congresso de deputados, ser no-
meado representante da Hespanha na corte de
Lisboa, se o Sr. Mendes Vigo fr para Roma.
Consta que a Companhia do Caminho de
ferro de Laceria a Arabaca vai mandar estudar
o proloogamento da linha at Cassange. grande
emporio coinmercial do serto. E' justo e digno
de applauso.
E' preciso nao deixar qije urna parle do com-
mercio sertanejo deixe as suas lindas tradicio-
nal para ir procurar maiores lucros e facilida-
des de trafico as estages do Estado Livre do
Congresso.
A linha de Ambaca precisa de um terminus,
que seja um grande centro commercial.
Por ora Cassange o ponto que melhor cor-
responde a este objectivo.
Recebeu a raerc do titulo de conde de Pe-
reira cidado francez Eugenio Pereire, presiden-
te da Companhia Geral Transatlntica.
Prestou ante-hontem juramento as mos
do ministro da marinha e ultramar o Sr. conse-
Iheiro Augusto Cesar Cardoso de Carvalho, go-
vernador da provincia ultramarina de Cabo-
Verde.
O Sr. Cardoso de Carvalho foi ltimamente
governador geral da India.
Reservei como bouquet para a concluso
desta j bem longa carta, a referencia aos feste-
jos de Aveiro por occasio de ser inaugurada
n'aquella cidade a estatua do grande tribuno
Jos Estevo Colho de Magalhes, que all as-
cera.
Eis o programma das festas do dia 11 do cor-
rente :
Alvorada por dilTerentes bandas de msica.
Cortejos cvicos.
A's 11 horas.Prximo da estaco do cami-
nho de ferro organisar-se-ha o cortejo cvico
que, desfilando pela ra do Visconde de S. Ja-
nuario, percorre as ras do.Gravito, Vera Cruz.
Jos Estevo, Avenida Bento de Moura, Praga do
' ormnercio travess da Praca, ras da Alfena,
Rainha, Fontes Pereira de Mello, Ponte da Pra-
ga, Francisco Mattoso, Jos Luciano ae Castro,
Arrochella, Arribas, S, Jardim, Anselmo Bra-
aracam. dirigindo-se ao Largo Municipal, proce-
dendo-se em seguida, com todas as ceremonias
usadas em idnticas solemnidades, ao descerrar
da estatua.
Terminada a ceremonia do cortejo, dispersar
pela ra de Anselmo Braamcamp.
Ordem e formago do cortejo
a) Piquete de cavallara.
b) Charanga de cavallana.
I
1. Cmara municipal de Aveiro e delegages
das municipalidades do paiz.-2 Empreados en( do parlamento portuguez.
das secretarias e municipalidades ao districto.- ^
Philarmonica Amizade.
Carro dos bombeiros voluntarios de Aveiro
3 Companhia do3 bombeiros voluntarios de
Aveiro.4 Asscciago dos Salvadores e Club
Fluvial.
II
5 Associago Commercial e commerciantes de
Aveiro.6 Empregados do commercio.Philar-
monica. i
Carro triumphal do cbmmercio
7 Grupo de marnotos. 8 Operarios da fabrica
de louga do Cojo.9 Operados da fabrica de
louga da Fonte Nova. Phibirmonica da fabrica
da Vista Alegre.10 Operarios da fabrica da Vis-
ta Alegre. 11 Operarios da fabrica de vidros da
Fonte Nova.12 Operaras da tanoaria do Cojo
13 Operarios da tanoaria da Estaco.14 Artfi-
ces e operarios d'Aveiro.Philarmonica.
Carro triumphal das artes e ofcios
lo Artistas e operarios de Ilhavo.16 Asso-
ciago Aveirense de Soccorros Mutuos das Clas-
ses Laboriosas.-17 Direcgo do Gremio Avei
rense.18 Direcgo do Theatro Aveirense.19
Direcgo do Asylo de S. Joo, de Lisboa.20
Gremio Lusitano de Lisboa.21 Outras asso-
ciages de fra d'Aveiro que se Bzerem repre-
sentar.
Banda marcial de infantera n. 4
Carro de flores
22 Representago aos poderes constitucionaes
da nago.23 Governador civil do districto e se-
cretario geral.24 Junta geral do districto.25
Magistrados dos tribunaes superiores.26 Magis-
trados dos tribunaes judicial e administrativo.
27.Agentes consulares estrangeiros.28 Com-
mandante e officialidade de cavallaria n. 10, e
guarda fiscal.29 Olliciaes reformados e licen-
ceados da armada e do exercito.30 Veteranos
da liberdade.31 Autoridades e funccionalis-
mo das diversas repartiges e servigos pbli-
cos-
Carro de flores
IV
52.Grupo de trabalhadores agricolas de di-
Tersos conselhos do districto.Philarmonica.
Carro triumphal de marrana e pesca
V
34.Asylo escola districtal.35 Collegio Avei-
rense.36 Collegio Probidade.37 Academia
Aveirense.38 Reitor e professores do lyceu de
Aveiro. ,
VI
39.Quadros typographicos dos jornaes de
Aveiro.40 Redacgo dos jornaes da cidade e
representago da imprensa do paiz.41 Repre-
sentago da familia de Jos Estevo.42 Com-
missao do monumento.Philarmonica.
Carro de flores
Piquete de cavallaria.
A' noite.Brilhante illuminago da parte nor-
te da cidade, compreheodendo o caes. Bailes
populares no largo do Roci.
Era enorme a concurrencia de povo na cidade
muito crescido o numero de forasteiros.
A's 10 horas da manh do dia H comegou a
distribuigo do bdo qo atrio do Lycu4 que es-
lava adornado com^ grande esmero e muito
gosto. /
-Foram 400 os pobres contemplados.
Assistiram muitas senhoras, as autoridades da
trra, os jornalistas e representantes de associa-
Xjoes.
Tocaram a banda da guarda municipal do Por-
to e a philarmonica Aveirense.
^Hui todas as ras da cidade estavam eufei-
com bandeiras e gallardetes.
carcter e dos servigos d'este o Sr. Marques da
Costa, seu alil hado. Foi muito applaudido.
Do Cedmerio a Caara, aooQipanhada de mul-
tas pessoas, foi cumprimentat a viuva de Jos
Estevo. Esta assistira ao dwcobrmento da la-
pide, tendo nos bragos o san netinho. Estava
acompanhada de grande numero de senhoras.
A larde houve toirada no campo de S. Joo.
A' noite, saru Iliterario no Theatro Avei-
rense.
Todos os logares estavam tomados com ante-
cedencia
0 theatro est va elegantemente adornado com
festes de verdura e flores.
No palco ergua se o vulto de Jos Estevo.
Discursaram Antonio Candido, Jos Das Fer-
reira, Manoel de Arriaga, Fernando Caldeira e
Luiz de Magalhes.
A orchestra era composta de amadores.
Aria de Aveiro estava toda cheia de embarca-
ges embaueiradas; o effeito era surprehen
dente.
O Sr.-Dr. Barbosa Magalhes offereceu no dia
12 um jautai, a que assistio o Sr. cooseiheiro
Veiga Beiro, ministro da jusliga.
Em todas as noitcs havia illuminago no largo
municipal.
Nos camarotes, frisas e galeras do theatro
grande numero de senhoras em toilets de gala.
A sesso foi aberta pelo Sr. .Carlos de Feria,
que apesentou os oradores.
Eis dous telegrammas d'Aveiro do dia 12.
Aveiro, 3 horas e 10 minutos da tarde :
Por volta de 1 hora principiou a destilar o
conejo. Erara perto das duas e meia quando
elle comegou a cliegar em frente da estatua do
tribuno.
03 carros allegnos sao os seguintes :
0 primeiro, dos bombeiros voluniorios, tendo
em frente uina escadacom urna placa de porce-
lana tendo ao centro o retrato de Jos Estevo.
cercado de,rosas brancas e vermelhas. Aos
cantos vem-se bandeiras nacionoes, enroladas,
Dos lados diversos emblemas e datas relativas a
faetos jgjaveis da associago. As rodas do car-
ro sao ornadas de bouquets de verdura.
Segu W o carro do Comuitreio. Um galeo
cora inaslros, ancoretas e remos dourados ; uina
estatua do Mercurio tambem dourada, com nm I dade da Victoria, em 21 do
p sobre um globo, tendo a voliajcornucopias de blicado o seguale :
oaro, jorrando llores.
Carro das Bellas Artes. Deusa Minerva, tendo
ao lado as figuras da msica, da pintura, da es-
culptura e da architectura. Tolas astas figuras
sao douradas. Na frente dos pedestaes destas fi-
guras vem-se os atributos da scieucia e as tubas
da fama.
Vem apoz este carro os da Pesca e ] da fabrica
de vidros de Aveiro. O primero formado, de
rede e mais petrechos martimos, tudo ntrela-
gado com bandeiras portuguezas. O outro repre-
senta ura forno para o fabrico da massa. No ex-
tremo do carro ha urna bandeira, com a palavra
Progresso.
0 prestito fechado por dous carros com ra-
mos de flores. Tomam parte no cortejo a banda
de infamara 4, a charanga de cavallaria 10 e
cinco phylarmonicas.
Aveiro, 12, s 3 horas e 35 minutos da tarde.
- O coronel Jeronyrao Moraes Sarment, anti-
go corapanheiro de Jos Estevo na imigrago,
descubri a estatua do tribuno, coadjuvado pelos
veteranos Arsenio Fernandes Lima.
Subiram ao ar numerosissiraas gyrandolas de
foguetes e as msicas tocaram o liymno de Jos
Estevo.
Tomou a palavra, orando com muita elevago
a Sr. ministro da justiga, que foi muito applau-
dido.
A multido que enchia a praga, ergueu caloro-
ros vivas.
A mugonaria portugueza (Gremio Lusitano) que
fez representar as solemnidades de Aveiro, pro-
jeciou um cortejo cvico era homenagem a^ Jos
Estevo, que ha de realisar-se amaoh 15 em
Lisboa.
Eis o programma, que foi publicado nos jor-
naes
abre eleicoO Exm. Sr. conselheiro
M. Alves de Araujo. presidente da provincia,
acaba de dirigir a seguinte portara a todos os
cefes de repartiges:
A quaesquer funecionarios que se achem a
servigo nesta capital e tenhara de exercer o di-
reito de voto em outra parcebia da provincia,
declaro a V----que poden seguir para o dis-
tricto a que pertencem, voltando logo que te-
nham exercido o seu direito.
Salva-i iiia.o le ppelaRealizou-se
como ante hontem dis3emos a primeira expe-
riencia do escaler construido de papelo pela
br. professor Tliomaz C. da Silveira Lins, sendo
langado ao mar na rampa do caes 22 le No-
vembro.
Por maior que fosse o cuidado empregado
oeipSr. Rrofessor na conduego do nequena
navio, nao foi posevel evitar urnas avrias das
qtuas rusuliou a ruptura de uina das cmaras
de ar, nao permitlindo ser satisfactoria coma
pretenda o seu autor.
AlHuio ao local grande quantidade de pessL.
que apesar do incidente dado, ficaram satisfeiP
com o resultado.
Pretende entretanto o Sr. professor Thomaz
realizar segunda experiencia depois de repara-
dos s estragos que soffreu a embarcago.
Est, pois, entre nos verificado a possibilida-
de das construeges em papelao, gracaa acti-
vidade do Sr. professor Thomaz da Silveira
Lins.
Mobrado Tolda* Barreno Tendo O
Sr. acadmico Aggeu Antunes de Farias Torres,
autor do lindo dobrado Tobas Brrelo offereci-
do graciosamente 50 exemplares desta msica
para serem vendidos em favor do patrimonio da
familia do pranteado mestre, e j tendo a com-
missao composta das Exmas. Sras DD. Mara
Fragoso Ddlraira Cosa e Mana Coelbo conse-
guido passar mais de melade, resoheu expor
venda o reatante em casa do Sr. Antonio Jos de
Azevedo, ra do Baro da Victoria.
Gayaaaa-Do Divrio de toyanna de 23 do
corrente passamos estas locaes :
Hontem, tarde, o individuo Jos de tal,
vulgoJos Baloqneferio cora urna faca a Ma-
ximiano de tal, conhecido por Macaco.
Ioformaram-nos que houve luta entre esses
dous individuos, e que esta teve lugar na casa
da camelia Raymuoda, moradora ra atraz
do Amparo.
A causa seria ciurae ?
Conforme a opiuio do nosso llustre colle-
ga de redacgo, que servio de perito, os feriraen-
tos sao leves.
O delinquente foi preso. >
Conslou-nos hontem que o famigerado Ana-
nas, subdelegado de Goyannintia, depois de ter
posio ao tronco um individuo, cujo norae igno-
ramos, por ser vagabundo, remetteu-o preso para
a cadeia desla cidade.
E' um segundo medonlio esse subdelegado
An aojas!
Era que cdigo enconlrou essa autoridade
urna disposico repriraindo a vagabundagem
entre nos ?
Que autoridades policiaes!
Ciclado da VictoriaNo Lidador da ci-
corrente, vem pu-
A commissao do Gremio Lusitano que fr
Aveiro assistir inauguraco da estatua erigida
n'aquella cidade ao^-srande orador portuguez,
dingir-se-ha depois do seu regresso aista cida-
de, ao largo das cortes, paradepor urna cora de
bronze na eslatua que alli s encontra elevada
para perpetuar a memoria desse distincto orna-
Os socios do Gremio Luritano incorporar-se-
ho com aquella commissao para tomar parte no
cortejo.
Na frente dos socios do Gremio Luztano for-
marao as associages que quizerem tomar parte
n'esse cortejo, a imprensa e todos os amigos e
admiradores do grande tribuno.
A disposigo do cortejo ser a seguinte :
1.* Bombeiros voluntarios da Ajuda.
2. Associages dispostas pela ordem alpha-
betica.
3. Amigse admiradores de Jos Estevo.
4SJmprensa.
5. Azylo de S. Joo.
6. Gremio Lusitano.
Entre o 4o e 5' ir a cora sobre urna car-
reta.
A formatura do cortejo comegara s 3 horas
da tarde fazendo-se a indicagao, por meio de
nmeros, do lugar em |que deve oceupar cada
associago. .
Na parte oeste da estaeao do caminho de
ferra estar o individuo encarregado de indicar
ao delegado de cada associago, ou grupo, o
lugar que lhe pertence no cortejo.
. A's 4 horas da tarde, urna 'gyrandola de
foguetes annunciar a marcha do cortejo, que
segnir da estago do Caminho de Ferro do nor-
te e Leste ao Terreiro do Pago, Ra do Arsenal.
Ra do Corpo Santo, Travessa do Corpo Santo,
Arco Grande, Ra de S. Paulo, Rua;da Boa-Vista,
Largo do Conde Baro, Calcada do Mrquez de
Abrantes, Largo da Esperanga, Ra da Esperan-
ga, Ra de S. Bento, Calgada da Eitrella e Largo
das Cortes. ^-C
As associages formarlo em torno da esta-
tua medida que forem chegado, at se aproxi-
mar a commissao do Gremio Lusitano, que de-
por a cora do monumento. N'e3ta occasio
urna gvrandola de foguetes annunciar o termi-
nar da ceremonia eas asociagoes deslilaro em
frente da estatua, dirigindo-se para a Praga de
S. Bento k .
A impreosa toda tem prestado eloquentes ho-
menagens memoria do grade tribuno, relem-
brando o seu valor como soldado intrpido da
liberdade, os seus brilhantes feitos d'armas no
cerco do Porto, as suas glorias parlamentares
como sandilho da independencia e bros nacio-
naes, a sua abnegago e firmeza de principios.
Folgo devras com estas demonslrages to
significativas da vitalida oortugueza. J
Honrando os illustres extinctos, a actualidade
honrase tambem e d ao mesmo tempo grande
e salutar exeinplo gerago que hade succe-
der-nos!
REVISTA DIARIA
Arto* otnciaeaPor actos da presidencia
da provincia, de 24 do corronte:
Foi nomcada Bemvjnda de Souza Castro Fe-
tosa, titulada pela Ecola Normal, profeasora pu-
blica effectiva da cadeira de ensino mixto de
Cachorro.
Foi exonerado [Jos Machado de Oliveira, con-
forme requereu, do cargo de 3o escripturario in-
terino da Recebedoria Provincial.
Por officio da mesma data ao Thesouro Pro-
vincial mandou-se pagar a Jos Teixeira Osorio
a quantia de 131*000, proveniente do fornecl-
mento de movis que fez escola publica do e-
xo masculino da cidade de Limoeiro.
Informara nos que existe urna ordem, para
os olliciaes da juslica e escrives nao fallarem
a detento algum, dos que ltimamente tem sido
recolhidos priso
Isto, consta-nos que urna prevengo. alim
de nao serem requeridas ordens de habeas-
corpus '.
Realmente se isto exacto, nao pode haver
maior perseguigo s victimas que sao recolhi-
das cadeia innocentemente.
Cllimamentc o movimento da cadeia tem
sido extraordinario. Quasi todos os dias che-
gam escoltas conduzindo suppostos criminosos.
Porra, o que certo que os verdadeiros
c nao veem.
Cons'ounos por pessoa fidedigna, que no
engenho Quands, semana passada. um indi-
viduo fez em outro diversos ferinienlos com urna
faca.
Nao consta que a polica tivesse tomado co-
nhecimento do facto.
Varaos indagar os nomes do criminoso e da
victima, alim de apresental-os ao publico. *
Na mesma folha, o seu redactor narra um
desacoto que, a 17, lhe lizera o subdelegado do
1 districto da cidade, o Sr. Luiz Jos da Silva
Cavalcante, mandando crrelo por. pragas do
destacamento, e depois prendendo-o e metten-
do-o na cadeia, sem nenhum motivo, sem razo.
Este abuso e violencia nao precisam co-
mentos.
FaileeimentoEm consequencia de urna
desastrosa queda que dera, falleceu, no sabbado,
noite, a respeitavel Sra. D. Francisca de Paula
Vasconcellos e Carvalho.
Contava a veneranda anci 74 annos de idade,
os quaes todos passou na pratica das mais re-
comraendaveis virtudes, sendo dolada de um co-
rarn em extremo bemiazejo e loda a prova
caridoso.
Casada ha 49 annos, era me de numerosa
prole e deixou ainda sobrevivendo-a cinco filhos,
doze netos e trez bisnetos, contando-se entre
aquelles o Dr. Anesio Augusto de Carvalho ser-
rano.
O seu enterramento effcctuou-se s i hopas da
tarde de antehontem, sahindo o corpo da casa
n. 36, ra da Alegra, onde deu-se o faileei-
mento. e sendo acompanhado dos amigos do Dr.
Anesio Serrano e de seu velho pe, o Sr.
Ignacio Ferreira Serrano, a quem, como a toda
familia, apresentamos nossas condolencias.
OuroVictima de urna febre infecciosa de
que ha dias fra atacado, suecumbio antehontem,
noite, no convento do Carino, o 4"tannista de
direito Bernardino Joas de Mello e\ Albuquer-
que, natural da Parahyba, com 19vannos de
idade.
O enterramento teve lugar hontem. tarde,
sendo acompanhado o seu corpo ao cemiterio por
muitos dos seus collegas, prenles e amigos.
Era um mogo inteligente, estudioso e sincero,
sendo por essas boas qualidades estimado de to-
dos que o communicavam.
Revista de Portugal Dessa interes-
sante publicago, recentemente incetada no Por-
to e da qual j demos sciencia nps nossos leito-
res, recebemos agora o n. 2, correspondente ao
raez cadente de Agosto. Eis o seu summario :
Os filhos de D. Joo I. Oliveira Martins: Pasto-
ral, Bento Moreno; Toiradas era Portugal (con-
cluso), Conde de Sabugosa; Recordages, Sil-
va Gayo ; A Epopa da Humanidade, Theophilo
Braga ; Excurso Grande muralha d Chi-
na, Bernardo de PindeHa ; A Dansa Macabra,
Jos de Souza Monteiro ; Chronica poltica (in-
ternacional), P. de Oliveira; Chronica poltica, \
J. A Gongalves ; Boletim bibliographico.
Obreiro Est em dstribuigo o n. 12 desse .
peridico bobdomadario.
Agradecemos a visita.
Almanak dan ennarasi-Foi-nos olle-
recido um exemplar do almanak das senhoras
portuguezas e brazileiras, para o anno de 1890,
pela Livraria Quintas, cuja fineza agradecemos:
Conflicto e morteNo dia 18 do cor-
rete no engenho Ariscante, do termo do Bo-
nito, travando-se de razes Constantino Vieira
dos Santos, Bellarmino Fonseca de Araujo, Aure-
liano da Costa Ramos, vulgo Manoel Quirino, e
Antonio Luiz, conhecido por Antonio Grande,
resultou d'essa situago a morte d>3 Constantino
Vieira dos Santos. ^
Poderam ser presos em flagran le os delin-
quentes Bellarmino e Aureliano, logrando eva-
dir-se o oatro de nome Antonio Luiz.
Exerelcto de autoridades policiaca*
Na qualidade de supplentes entraram em exer-
cicio de subdelegado do districto da Magdalena
o Sr. Amaro Tavares Coutinho; e de delegado
do termo da Eseada o Sr. Pedro Baptista Car-
neiro.
Prtoo Deraa entrada na cadeia de Gara- ^
nhuns Joaquim Jas dos Santos, pronunciado no
art. 201 do cdigo criminal, e Francisco Ramos
de Souza por infraego do disposto do art. 9o
do decreto n. 1930 de 26 de Abril de 1857.
Soldado deaordelro Urna praga do 2*
batalho de linha, no sabbado noite, deixando
a guarda da Casa de Detengo, onde estava de
servigo, procurou espancar a urna Sra. D. gnea,
moradora por aquellas paragens. Nao podendo,
porm, levar a effeito o seu proposito, vingqn-se
em um Sr. Vieira, empregado na estrada acier-
ro de Caruar, e a quem deixou bem offendido.
Ainda executou em seu passeic outras gentile-
zas, que se recommendam a um agradecimento.
Mas ha tanta iugralido no mundo que o Marfo
ba de ficar esquecido, sendo de erer que conti-
nu na pratica de sua generosidade, visto o co-
rago bondoso de que dotado.
\
I

Mi
Vi
v .-

HM
I
i
J





-

Diario de PernambucoTer^a-feira 27 de Agosto de 1889
W




\
Nao esqueca o Sr. commaodante das armas o
merecimento daquelle valentc soldado.
Verlmentoa -No domingo noite encon-
trndose na ra das Trincheiras Luiz Antonio de
Mqueira com Januario Gomes dos Santos e dous
outros individuos que vinham com este, deu em
iim delles um cncontrao. '
Repellido. ferio o mesmo Siqueira quelle Ja-
nuario em um brago com um chuco que trazia,
pondo-se em ragida peseguido palo clamor pu-
blico, e sendoatinal preso em flagrante na ra
Rstreita do Rosario.
O ferimento foi tido por leve.
AgKresM&o e rcrlnscnie-Na noite de
sabbado ultimo, entre 10 e 11 horas, o tenente
da guarda nacional Jos Augusto Vieira foi aggre-
dido, na ra da Detengo, por duas pracas do 2
batalhao de infantera, que o ferirara e conlun-
diram seriamente.
A polica brilhou pela ausencia.
O ferido foi levado para a casa de sua residen-
cia, ra d* S. Joo, por diversos amigos que o
encontraram quasi exnime.
S hontem eompareccu all a autoridade poli-
cial para tomar conhecimento de fado.
Recreativa Hagdalenente No s.ib-
bado ultimo elegeu esta sociedade a directora
que tem de funccionar no segundo semestre so-
cial e que Ucou assira constituida :
Presidente-Fernando Barroca.
Vice-ditoArthur Sodr.
* secretario- Tito da Silva. *
2o ditoEduardo Barroca.
ThesoureiroFrancisco Azevedo.
ProcuradorOtlion Reg.
ftamlJ. L. Ferreira.
Commisso de syndirancia Panlo de
da, Getulio Limae M. M. de Amorira
ffervlco militar -Esto designados boje
para superior do dia o Sr. capito silva e para
ronda menor um subalterno de cavallaria.
A guaroigo da cidade dada boje pelo 2o
batalhao de infamara.
Eistem na enfermara militar 23 pracas em
tratamento.
Vai ser hoje inspeccionado de saude, o Sn
eapitao Manoel Anselmo Pereira Guimaraes.
Vo ser excluidos do servigo do exercito
por subslituigo os msicos do IV batalhao de
mfantaria Dominfios Jos de Oliveira. Jos Bap-
rista Gomes, e soldado Vicente Jos* Joaquim de
Sant'Anna, conforme permittio a presidencia da
provincia.
Foram despachados os requerimentis : 2"
cadete Joaquim Olegario da Silva.-Concedo na
forma da lei; 2 cadete reformado do exercito.
Pode attestar.
Foi devohida ao 14 batalhao de infantaria
a certido de assentamento do ex-soldado Anto-
nio Jos dos Santos.
Directora da* obra de connerra-
cao do* Parto* de fernambucoReci-
fe. 2o de Agosto de 1889.
Almei-
Junior
Boletiin meteorolgico
S ~> -3
Horas o c .2 t r-- Barmetro a 0 Tenso do vapor a -a a s
6 m. 20--8 761-69 15,27 84
9 25-6 762*78 1811 73
12 !8-0 762-29 19.08 67
37t. 28'-4 761-24 18.93 66
6 26 --8 761-93 18:;; 71
Temperatura mxima28,75.
Dita mnima -28",50.
Evaporago em 24 horasao sol: 6*.2 ; som
bra: 2-9.
Chuva Nulla.
Dlrecco do vento : SE do meia noite aos 45
minutos": S at 9 horas e 50 minutos da manh ;
SE at meia noite.
Velocidade media do vento : 1",33 por se-
gundo.
Nebr.losidade media: 0,38.
Boletim do porto
fia Dia Horas 1009 da manh 4-15 da tarde 9 -57 421 da manh Altura
B. M. P. M. B M-P. M- 25 de Agosto m 26 de Agosto 0-.40 2-.38 -.57 2-.50
LriGc-.-EGctuar-se ho os segrales :
Hcje :
Pelo agente Stopple, s II horas, ruado
Imperador n. 39, de um sobrado.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Bom
Jess n. 45, de um piano, movis e vidros.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra de
i. Jorge n 25, de movis, loucas e vidros.
Pelo asente Modesto Baptista, s 11 horas,
ra Estreta do Rosario n. 8, de brilhantes ouro
e qrata.
Amanh :
Pelo asiente Slepple, s 11 lloras, ra do Im-
perador h. 29, de duas casas.
Pelo agente Brito, s 10 12 horas, ra do
Cotovello n. 34, de movis, lougas, etc.
- Pelo agente Gusmo, s 11 horas, no arma-
zcra. do Sr. Annes, de gneros de estiva.
au**a* f anebrei-Sero celebradas :
Hoje :
As 8 horas.na igreja do Paraso, pela alma
do Dr. Manoel Ferreira da Silva.
Amanh :
As; 1 2 lioras, na matriz do Corpo Santo, pela
alma de D. Candida de Lima Monteiro da Fran-
ca: s 8 horas, no convenio de S. Francisco,
pela alma deD.Ignez Guilnermiua Ferreira Bas-
tos : s 7 1 2 na Ordem Terceira de S. Francisco,
pela alma de Victorino Pialo Neves.
Pa**an;clro*Chegados do narteno vapor
nacional Espirito Santo :
Antonio de Azevedo Soares, Silvino Pinto,
Francelino Espirito Santo, Joo Francisco Pare-
des, Jos L. Nascimento, Albertina M. Lins. Dr.
Antonio Rodrigues Bayma de Souza, Elias de
Souza Martins, Coeiho Jnior, Joo Thom da
Silva. Antonio Gomes Vera3, Julio Fuerstenberg,
Joo Sombra, Joo Augusto Oliveira Lima, Fran-
cisco A. Lima F. JaDuario de Oliveira, Frederick
Thomson, J. Shadin, F. Gumeitz, Miguel Barbosa
Leal, S. Gonzaga, A. Pires de Albuquerque Gal-
vo, Adolpho Eugenio Soares Filho, Candido
Soares Pinho, Amenco Carlos deGouveia, Cttris-
pim do Amara!, Dr. J. Dias Maynarde, Jos Bar
bosa da Silva Neves, Victoriano B. da Silva e
Olvmpiode Albuquerque.
Chegados do sul no vapor nacional Jac-
hype:
-yF. H. Harding, Jos Vieira de Figueiredo, Ma-
noel Vieira Xavier e J. Libanio da Silva.
Chegados da Europa no vapor inglez So-
ruta .
Urick Mullcr, Samuel Joh-ston, Th- S. de Al
mcida Sargedas e Joo Augusto da Fonseca.
Sahidos para o sul no mesmo vapor :
Ignacio Salazar, J. A Lawer, Henry Le Cesne,
Dr. Newton Burlamaqui, J. E. Lima, Osmond P.
Cox, Julio Augusto, J. Anderson, Vicente Treze
e Francisco Marnio.
Sahidos para o sul no vapor nacional Espi-
rito Santo: .
Francisco Pereira da Silva, Pedro H. Garca,
Miquelina dos Passos, Luiz da Fonseca, Ray-
mnndo Ignacio. E. Mara Stella, Placido de La-
cerda'e sua senhora, Anna, Firmo Martins Areias,
Miguel Oliveira, Jos Correia Lobo, Manoel
Amaro, Saturnino F. de Mendonga, Dr. Jos An-
tonio Ribeiro de Araujo e 1 lilha, Francisco J. S.
de Souza, Antonio dos Sanios Pimentel, Augus-
to G. P- de Mendonga e 1 criado.
operarte cirurslcau-Foram pratica -
das no hospital Pedro II, no dia 23 do corrente,
as prista:
Pelo Dr. Estevo :
Extracgo de um kisto sero-purulcnto na re-
gio subhyaiciana.
i Pelo Dr. Pontual:
Inciso e resecgo da vaginal direita como
tratamento da vaginalite sero-sanguinea.
PuncgSo e injecgao iodada como tratamento de
iydrocele simples.
Cana de oetencaoMovimento dos pre-
sos da Casa de Detengo do dia 25 de Agosto de
1889.
Existiam ii9 ; entraram 8; sahiram 4; exis-
tem 453.
A saber :
Nacionaes 403; mulherea 22; estrangeiros 29.
Total 453.
Arragoados 412.
Bons 385.
Detentes 21.
Loucos 7.-Total 407.
Movimento da enfermara
Tiveram baixa :
Antonio Jos de Aratijo.
Antemoges Correia M'aia.
Fulismina Mara da Conceigo.
Guilhermina Mara da Conceigo.
Januario Jos da Silvi.
Manoel Leite de Oliveira.
liviano Marques da Costa.
Manoel Pedro dos Santos. *
Tiveram alta :
Antonio Leandro Ramos.
Antonio Pedro fiustoio.
Joaquim da Costa Pinto.
Miguel de Torres.Gallindo.
Possidonio Joaquim d'Aasunipgao.
Foram hontem visitados os presos deste esta
belecimento por 347 pessoas, sendo 175 bomens
e 142 mulheres.
Hospital Pedro II O movimento deste
t'stafcelecimento de caridade, no dia. 23 de Agosto
foi o seguinte:
Entraram 14
Sahiram 3
Fdleceram 3
Existem 022
Foram visitadas as respectivas enfermarlas
Helos Drs. :
Moscoso s 8 1)4, Cysntiro s 9, Barro3 Sobrio
lio s8 lii, Berardo s 11, Malaquias s 11 1|2,
Pontual s 10, Estevo Cavalcante s 9 1)4,
Sim5e8 Barbosa s 11 horas.
O cirurgio dentista Numa Pompilio nao com-
pareceu.
O pharmaceutico entrn s 8 1[2 da manh e
sabio s 4 da tarde.
O ajudante do phurmaceutico entrn s 7 1)2
da manh e sahio s 4 horas da tarde.
Lotera do Grao ParaEis os premios
da 6.- serie da 30.' lotera do Gro-Par, ex-
trahida em 26 de Agosto de 1889 :
4225 60:000*000
3935 0:000*000
6520 3:000*000
1731 1:200*000
3503 1:200*000
APPROXIMAQOES
4224 600*000
4226 600*000
3934 300*000
3936 300*000
6519 180*000
6521 180*000
Esto premiados com 600*000 os seguintes
nmeros :
288 328 593 5212
Esto premiados com 300*000 os seguintes
nmeros :
2768 2967 3463 5547 7256
Esto premiados com 120*000 os seguintes
nmeros :
4221 4222 4223 4224 4226 422V
4228 4229 4230
Esto premiados com 60*000 os seguintes
nmeros :
3931 3932 3933 3934 3936 3937
3938 3939 3940
Esto premiados com 30*000 os seguintes
nmeros :
6511 6512 6513 6514 6515 5516
6517 6518 6519
Todos os nmeros terminados em 25 eslo pre-
miados com 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos o numero* terminados em 35 esto pre-
miados com 60*0V0, excepto o da sorte imme-
diata
Todos os nmeros terminados era 20 esto pre-
miados com 30*000.
Todos os nmeros terminados em 5 esto
premiados com 30*000, excepto.os terminados
em 25.
Todos os nmeros terminados em 6 estao
premiados com 30*000, excepto os terminados
em 35.
A seguinte lotera corre no dia 4 de Setembro
com o plano de 250:01)05000.
Premio grande Coube ao bilhete n.
4,225, a sorte grande da lotera da provincia do
Para, extrahida hontem 26 do corrente, o qual
foi vendido nesta provincia.
Lotera do rain-Par-A 1" parte da
31" lotera, dessa provincia, cujo premio grande
250:000*000, era extrahida no da 4 do Setem-
bro.
Urande lotera do llaranliuo A 5*
serie da Ia lotera, dessa provincia, cujo premio
grande 300:000*000 ser extrahida no dia 30
de Agosto.
Cemiterio Publico -Obituario do dia 24
do corrente.
Francisca Vieira de Barros, Pernambuco, 19
annos. soeira, Recite; tubrculos pulmonares.
Mara da Conceigo, Pernambuco, 50 annos,
fiara, Boa-Vista : tabt-r dor.-als.
Anna Mara da Conceigo, Pernambuco, 35 an-
nos, solteira. Boa-Vista; diarrha.
Manoel, Pernambuco, 72 annos, Graga ; mo-
lestia chronica.
m feto, Pernambuco, Boa Vista.
Luiza .Mara, Pernambuco, 18 horas: inviabili-
dade.
- 25
Francisca de Paula Carvalho, Parahyba, 74 an-
nos, casada, Ba-Vista; grangrena senil.
Senhorinha de Albuquerque. Pernambuco, 24
annos. solteira, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
Maria, Pernambuco, S. Jos ; asphixia ao nas-
cer-
Alfredo Nonato Pavo, Pernambuco, 38 annos.
casado, Recife ; tubrculos pulmonares.
Liberata Mara da Conceigo, Pernambuco, 28
annos, viuva, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Florind Maria da Conceigo, Pernambuco, 25
annos, casada, Boa-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Maria Francisca, Pernambuco, 30 annos, sol-
teira. Boa-Vista; diarrha.
Manoel, Pernambuco, 12 annos, Graga; soffri-
menlo ehronico.
Elias Jos Rodrigues Pinto, Pernambuco, 45
annos, casado, Graga, agua no corago.
Antonio Martius, Pernambuco, 64 annos, viuvo,
Boa Vista; diarrha.
Um feto, Pernambuco, Boa-Vista.
Um feto, Pernambuco, S. Jos.
Um feto, Pernambuco, Santo Antonio.
UM POUCO DE TDO
Entre os livros recentissimos que teem encon-
trado mais favor do publico em Inglaterra mere-
ce ser notado o da Sra. Sidgwick sobre Carolina
Schlegel e os seus amigos (Caroline Schlegel and
her friends).
#*
O Dr. Tassnan fez ver, ha algum tempo,
quaes as propriedades antispticas do fumo do
tabaco. Hoje, em Vienna, o Dr. Hayck revelou
como os casos de diphteria sao mai3 frequentes
as mulheres do que nos homen. em geral fu-
mistas, de modo que para as" mulheres os casos
de diphteria sao tres vezes mais numerosos do
que para os r.omen3.
Segando o Dr. Neuderoefer a acgo antispti-
ca do tabaco depende da pyridina, substancia
que realmente possue urna acgo microbicida;
e de facto nos laboratorios de bacterologia
prohibido fuar, precisamente porque o fumo
impede a evolugio da cultura.
V
Parece que no Cantao de Zurik o numero dos
doudo3 consideravel.
Efectivamente de urna estatisca compilada
pelo professor Forel deduz-se que ees sao 3178
cm urna populago de 339 mil habitan es, o que
d um uciido para cada 100 habitantes.
Esta frequencia verdadeiramente extraordina-
ria de alienagao mental attribuida por Forel
ao excessivo uso de bebidas alcoolica3 que se
faz na Suissa tedesca.
*
O Instituto meteorolgico de Berliru encarre-
gou todas as estages meteorolgicas de presta;
rem especial attengo cor dos raios solares. As
cores mais frequentes, at hojfe encontradas, sao
o branco, o azul e o violeta ; depois o amarello
e o vennelhD, menos frequente o vermelho pur
purino.
Destas obfcrvages rcsultou tambem que os
raios de cor branca e azul sao os mais fortes.
Estes nao ferem todava to frequenteuiente as
arvores. os edificios, etc.; emquanto que os
raios de cor amarella ou vermelha. que sao os
menos frequentes e os meaos fortes, ferem con-
stantemente arvores, casas e editicios.
*
Urna curiosa consequencia da abertura do
isthmo de Suez consiste no appareclmento de
numeroso: chamalotes no Adritico.
Antes da abertura do isthmo succedia, em pre-
fixa poca, qne um destes cetceos, segurado
algum navio, costeando a frica e passando pelo
estreito de Gibraltar, entrava no Athlantico:
mas hoje em Futme e em Pola a pesca dos chama-
lotes se faz sempre mais frequente, e constilue
um certo perigo para a seguranga das estages
balneares.
*.
Um medico americano Souchon da Nova Or-
leaus, d noticia de um methodo pelo qual se
pode explorar o cerebro, praticando sobre o cr-
neo pequenissimos furos, e faiendo passar"por
elles especiaos medicamentos.
Elle accrescenta que tal operaco d origem
urna ligeira horaorrbagia, mas qne nao obstante
pode tornarse utilissimo nos casos de kystos ou
tumores cerebraes.

.\
03 viajantes hngaros de passagem em Pars,
se dirigiram a H de Julho pelas 2 horas ao Pan-
theon para depositar urna cora sobre o tmulo
de Vctor Hugo.
Muito numerosos para desceren) ao carneiro
onde repousam as cinzas do poeta, tiveram de
reunirse na grande nave do monumento e dei-
xar sua cora, inteiramente composta de viole-
tas e rosas e ornada de urna lita com as cores
hngaras, sobre a ultima liaba do altar-mr.
0 primeiro discurso foi pronunciado pelo Dr.
hngaro Varady. que fez, em excellente francez,
o elogio de Vctor Hugo, que elle chamou : o
Eoeta de todos os povos amigos da paz e da li-
erdade.
A este discurso, M. Ratisboune respondeu em
poucas palavras em nome da Associago Inter-
nacional.
Depois delle, o ador Naday, do theatro nacio-
nal de Buda-Pesth, recitou urna ode composta
par a occasio, pelo poeta hngaro M. Bartok.
Erafim o Bario Orban, que trajava o costume
nacional hngaro, fez ver que elle tinha sido
durante dous annos o companheiro de desterro
do autor dos Miseraveis em Jersey.
Dous discursos de M. Lackrcv, em nome da
familia Hugo e de M. Clovis Hugues era nome da
Cmara dos Deputados, terminaram a ceremonia
sabida da qual os viajantes hngaros se diri-
giram praga do Carrousel defronte do monu-
mento de Gambetta.
Ainda all foram pronunciados" alguns dis-
cursos.
M. Rakosy, deputado, fallou primeiro e fez um
parallelo entre Gambetta e Kossuth. Seguio-se
depois M. Abranzi lendo urna poesa em honra
de Gambetta da qual traduzimos o trecho prin-
cipal :
Elle nao era de um s partido, pertncia so-
mente patria. E a prova que elle nao acha-
va repouso seno onde nao eslava a morle, mas
a vida eterna da gloria. Elle nao pertncia a
um partido, mas patria. Nao a urna s pa-
tria, mas ao mundo inteiro, como quem sabe
sempre elevar monumealos aos verdadeiros
grandes horaens.
Nos nos recordamos est profundamente
gravado na nossa lembranga que desde que o
jugo do inimigo cahio sobre as espaduas glorio-
sas da Franga e emquanto que derramamos
amargas lagrimas, como se se tivesse ferido a
nossa mi diante de nos, nos nos lembramos
3ue foi elle o immortal que sahio da obscuridade
a noite, do Ocano em sangue, cingido de urna
aureola de luz como pharol.
Depois M. Abranzi, M. Burdeau, deputado de
Lyon, pronunciou um discurso cuja peiorago
foi saudada por applausos enthusiaslas e calo-
rosos Eljenl os vivas hngaros.
***
Sbese que as vezes se recorre ao expedien-
te de dar s amas certos medicamentos atini de
que, passando pelo leile, possam agir sobre as
criangas. Mas do mesmo modo pode fcilmen-
te succeder que o leite se enriquega de princi-
pios perigosos para o menino ; e de facto cita-
se o caso de urna ama, que, sendo medicada
com um calmante, no qual entrava o arsnico
por causa de urna dr de dente que eslava sof-
frendo, vio a propria criancinha morrer em bre-
ve tempo com todos os symplomas de um enve-
nenamento pelo arsnico."
SPORT
lppodromo do Campo Grande
Com a concurrencia do costume, realisou-se
ante-hontem a 2* corrida.
O movimento geral das paules attingo a.....
24:600*000.
Eis o resultado das corridas :
*
Io pareo Ensaio (1* turma)800 metros
Animaes da provincia que nao haviam ganho os
dous primeiros premios no .Hippodromo. Pre-
mios : 200 5, 40*|e 20*.
Depois de algumas sahidas falsas, foi dado
o signal definitivo, sendo a punta oceupada por
Trigueiro, que se conservou at a distancia de
600 metros, quando batido por Syrius, monta-
do por Cauavarro, que chega folgado ao vencedor
em 59".
A pos acorrida veriicon-se que Syrius era
Piramon, animal j conhecido dos turfistas e que
entretanto passou a todos desapercebido por
ter-se conservado escondido durante o tempo
da venda das ponles, s se aposentando aos
olhos dos profanos na occasio de irem os ani-
maes para a raia.
Dizem que a cousa foi preparada pelo jockey
Chrispim com o tira de dar um banho em um
dos propretarios de animaes, que realmente ti-
cou banliado e com elle o publico.
Transclave chegou em 2 lugar a Potos ara 3
Nao corrern Phebo, Zig, R, Sans-souci e
Cerbero, sendo que os dous ltimos chegaram a
apresentar-se na rota, retirndose depois do
pareo por lerem, antes do signal de partida, per-
corrido a distancia de 800 metros.
Voule do Syrius, ou Pirantn em 1 49200
em 2, 62*400.
Ponte de Transclave em 2.* 14*400.
Mofimento geral, 3:875*000.

2o pare Agricultura 1,400 metros-Ani-
maes nacionaes at meio sanguePremios :
3005, 70* e 30*.
Recife puxou a corrida, conservndose na
vanguarda at a entrada da recta de chegada,
onde Ruy-Blas passa para a frente, ganhando a
corrida em 105.
Recife foi 2" e Cometa 3."
i-oule de Ruy-Blas em Io, 18*600; em 2o,
105400.
Poule de Recife em 2o, 85600.
Movimento geral, 2:600*000.
3. pareo Hippodrotno do Campo Grande
i. 700 metrosAnimaes de qualquer paizPre-
mios : 500*, 100* e 50*.
Ao signal de partida Gallia tomou a ponta. ce
dendo-a logo a Apollo, montado por Antonio
Fretas, que chegou folgado ao vencedor em
118".
Vesper foi 2." e Africana 3..
Josephus, que s por engao foi inscripto, fez
forfait.
Poule de Apollo era 1.. 6*9"0; era 2., 5*200.
Poule de Vesper era 2., 5*300.
Movimento geral, 6:080*000.

4 pareoEnsaio (2. turma)800 metro3
Animaes da provincia que nao haviam ganho os
dous primeiros premios no HippodromoPre-
mios : 200*, 405 e 20*.
0 signal de partida foi dado em pessimjfccon-
diges para todos osanimees, menos para Breas.
que sendo favorecido com a ponta, pode sasten-
lal-a at ao vencedor, ganhando a corrida em
60".
Marat e Cauby chegaram, quanto a nos, empa-
tados em 2. lugar ; mas os dignos juizea de che-
Sada, que lm ogeriza ao empate, classificaram
[arat, talvea por ser mais velho, em 1 lugar e
Cauby em 3o
Ethante e o inglez King nao se aprleataram.
Poule de Breas, montado por Luiz de Franga,
em 1., 16*600 ; em 2., 10*600.
Poule de Marat em 2., 26*000.
Movimento geral, 4:665*000.
i*
5. pareoCompensacao1.400 metrosAni-.
maes de qualquer paiz que nao hariam ganho
nos tres ltimos mezes no HippoJromoPre-
mios : 350*. 80* e 39*.
Tendo Gallia e Castiglioni feito forfait, de va a
corrida ser disputada por Cyoira contra Ernani.
Africana e Ruy-Blas, pertencentes 6 mesma Cou-
delaria.
Abrio-se a venda das poutes, os del minutos fo-
ram proclamados, mas falta de frtgua ficou o
pareo sem effeilo.
*
6.* pareo Commercio 1.000 metros Ani-
maes da provinciaPremios : 200*, 80* e 20*.
' Templar, dirigido por Martins Ferreira, sahio
na vanguarda e na vanguarda chegou ao poste do
vencedor cm 741/2", sem dar tempo a que Aru-
mary o alcancasae.
Arumary foi 2.
Cabrion, Guarany e Sorpreza foram ptimos
ordenangas dos dous valentes competidores e
chegaram distanciados.
Poule de Templar em Io, 17*400; em 2o,
5-3000.
Poule de Arumary em 2o, 5*000.
Movimento gerai, 3:180*000.

? r*" Dr- Ptrtira Sondes -850 metras
Animaes da provincia que nio haviam ganho
em maior distancia nos prados do Recife Pre-
mios : 200*, 40* e 20*.
Favorecido pela sabida pulou Bismarck na
ponta. conservando se nessa posigSo at depois
do distanciado, quando Bonaparte, montado por
Martins Perreira, adianta-se e ganha a corrida
em 65".
Bismarck foi 2 e Esquimo 3o.
Poule de Bonaparte em 1, 254*300; em 2o,
27*600.
Poule de Bismarck em 2o, 11*300.
Movimento gerai, 4:230*000.
Derfoy Club de Pernambnco
Encerrou-se hontem a inscripgo para a 19a
corrida, a realizar-seno dia Io de Setembro, dan-
do o segrate resultado:
i" pareo Animago-850 metros Animaes
da provincia que nao tenham ganho no Derby
em maior distancia. Premios : 200* ao primei-
ro, 40* ao segundo e 20* ao terceiro.
Pombo-preto, Breas, Sans-souci, Hercules,
Mosquetinho, Rio da Prata II, Corsario, Bonjour
e Esquimo.
2o pareoPrado da Estancia1,000 metros
Animaes nacionaes ale meio sangue. Premios:
300* ao primeiro, 60* ao segundo e 30* ao ter-
ceiro.
Ruy-Blas, Chiron ex-Corcovado, Maestro, Man
darim, aymorO, Saturno, Galilo, Minerva. Dou-
ro e Risette. *>^
3o pareoAnimago (2* turma) t-850 metros
Animaes da provincia que aindal nao tenham
ganho no Derby em maior distancia. Premios:
200* ao primeiro, 40* ao segundo e 205 ao ter-
ceiro.
Sneca, Potosi, Piramon, Lord-Byron ex-Lo,
Boa-Vista, Dublin, Elo, Almirante e Bonaparte.
4" pareoInternacional-1,609 metrosAni-
maes at puro sangue. Premios: 5005 ao pri
nieiro. 100* ao segundo e 50* ao terceiro.
Apollo, Fagoti, Derhy, Vesper, Ernani e
Diana.
5o pareoProvincia de Pernambuco1,300
metrosAnimaes da provincia que nao lenham
ganho em maior distancia. Premios : 250* ao
primeiro, 50* ao segundo e 25* ao terceiro.
Florte, Village, Cndor, Good-morning e La-
mego.
6* pareoCompensago1,400 metrosAni-
maes de qualquer paiz que nao tenham ganho
no Derby em maior dislantia nestes ltimos tres
mezes. Premios: 400* ac primeiro, 80* ao se-
gundo e 40* ao terceiro.
Ruy-Blas, Ernani, Josephus, Estaphanie, Afri-
cana c Brazil.
7o pareo-Ewulago900 metrosEguas da
provincia. Premios: 150* primeira, 30*
segunda e 15* terceira.
Curuja, Marina, Stella, Ida e Fantina.
CHRONICA JUDICIARIA
.nula Commercialda cidade do
i Recife
ACTA DA SESSO DE 22 DE AGOSTO
DE 1889
PRESIDENCIA DO ILLM. SR. COMMENDADOR ANTONIO
GOMES DE .MIRANDA LEAL
Servindo de secretario, o Sr. deputado supplente
Paula Lopes
A's 10 lioras da manh declarou-se aberta a
sesso, estando presentes os Srs. deputados Olin-
to Bastos, Beltrao Jnior, Herminio de Figueire-
do e o supplente Paula Lopes.
Lida, foi approvada a acta da precedente sesso
e fez se a leitura do seguinte :
EXPEDIENTE
OlDcios :
Do "secretario da presidencia da provincia,
de 16 Ho corrente, transmitiindo, para-erem
traduzrdos, diversos documentos vindosdojui
zo da provedoria do termo de Bom Conselho.
Offide-se ao Sr. interpreta Jos Faustino
Porto.
Da Jonta Commercial de Porto Alegre, acom-
panhado da relagao dos commerclantes alli
matriculados do 1." de Janeiro a 31 de Julho ul-
timo.
De 17 do corrente, da junta dos corretore
dest praga, remettendo o boletim das cota-
goes officiaes de 12 a 17 do corrente.Seja ar
cbivade.
Dmms Offiefats de ns. 219 a 222.Para o ar-
dta.
Copiador de Paiva, Valente & C diario e co-
piador de Antonio FalcSo de Mello Cavalcante,
copiador de Arthur Casco & C.
DESPACHOS
Petiges :
De Manoel do Nascimento Cesar Burlamaqui,
apresentando o conhecimento do imposto de seu
eflicio de agente de teiles desta praga.Regis-
tre-se.
De Pedro Jos Pinto e Augusto Pinto de Le-
mos, idem, de corretore3 geraes desta praga
Seja registrada.' .
De Fonseca Irmos & C, solicitando baixa do
registro da uomeago do ex-caixeiro Anatolio
do Reg Monteiro.Dse a baixa pedida.
De Joo Walfredo de Medeiros, registro para
a nomeagfio de seu caixeiro Manoel Gomes da
FonsecaRegistre-se.
Da companhia The North Brazilian Sugar ra-
ctories, Limited, submettendo a registro o con-
tracto particular qae celebrara com Jos Fran
cisco de Barros Reg para fornecimento de cao-
na ao engenho central S. Lourenco. Regis
tre-se no lvro avulso.
De Lourengo Fernandos Braga, pedindo trans-
ferencia a Joanna de Souza Miranda da marca
de cigarros Prado Pernambucano.Satisfaga o
despacho de 3 de Maio do anno prximo lindo.
Nada mais havendo a despachar, o Illm. Sr.
commendador presidente encerrou a sesso s
11 1/2 horas da manha.
1NDICACES DTEIS
Mdicos
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 as
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.'
andar. Telephone n. 389
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dt. Barretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1 .* andar da casa
ra do Barao da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Jbr. Ribiro de Britto d consultas de
meio dia e 3 horas da tarde, no poden-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, 1. an-
do ser procurado para abamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n., 303.
O Dr. Matheus Vaz, medico, tem o seu
escriptorio a ra do Barao da Victoria
n. 51, 1. andar, onde d consultas d
meio-dia s 2 horas da tarde. Reside
ra de Gervasio Pires n. 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhos.
Telephone n. 427.
Dr. Alvares OuimarSes, ehegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do cora
ci, pulmSes, figado, estomago e intesti-
nos e tambem, s affeccSes das criangas.
Reside praga do Conde d'Eu, n. 28, e
tem consultorio na ra do Bom-Jesus
(antiga da Cruz), n. ^45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
O Dr. Simplicio Mamgnier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades : molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27, 1." andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa-
nella) das 6 s 9 horas da manh e
tarde. Teleshone n. 392
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio na ra .Nova n. 32, do meio dia s 2
horas e desta hora em diante ra Barao
de S. Borja, n. 22. Especialidades
molestias de crianca senhoras e parto.
Telephone n. 326, da casa de residencia.
Occullsta
Dr. Ferreira. com pratica nos prnai-
paes hospitaes e clinica de Pars e Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio o resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20=
Advogados
Silveira, advogado. Escriptorio ra
do Imperador n. 69.
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1." andar.
J. A. de Magalhaes Bastos. Duque de
Caxias n. 66, 1. andar..
O Dr- H. Milet contina com seu es-
criptorio de advocada, a raa do Impera-
dor n. 46, onde tambem poder ser pro-
curado sobre negocios coneernetes 1.a
promotoria publica d'esta capital.
O conselheiro Portilla contina a advo-
gar. Escriptorio ra do Imperador
n. 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr'ora ra da
Matriz da Boa-Vista). Telephone n. 362.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e oficina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as_ qualidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem dom-
petenciaPernambuco.
COMMNICADOS
3. dlstrlcto
Desde os fios do mez prximo lindo de Julho
que fui informado de que os amigos da situagSo
liberal, instigados pelo candidato oflicial e pa-
trocinados pelas autoridades policiaes de Pao
d'Alho, tencionam perturbar all a eleigo. que
deve ter lugar no dia 31 do corrente mez.
Sen dar grande valor isso, que ento rae
parecen exagerado, fui todava procurar o Exra.
Sr. conselheiro Alvss de Araujo, presidente da
provincia, e ilie expuz a informago que me ha-
viam dado, solicitando de S. Exc. que tomasse
as providencias que Ibe parecessem mais acer-
tadas para acautellar a ordem publica, que, se
fosse tentada a perturbagao da eleigo em qual-
quer dos districtos de Pao d'Alho, seria fatal-
mente alterada.
S. Exc. tranquillisou-me, mostrando os me-
lhores desejos de allenderme.
Quinze dias depois, chegando ao rucu conhe-
cimento novas raformages que corroboravam
as primeiras, voltei ao palacio da presidencia, e,
perante os meus amigos conselheiro Gongalves
Ferreira, Dr. Miguel Pernambuco e Baro de Gra-
nito, que commigo haviam ido alli em commisso
por parte da opposigo, liz novas reclamages
ao Exm. Sr. conselheiro Alves de Araujo acerca
da possibilidade e probabilidade do facto allu-
dido, e de novo reclamei providencias, asseve-
rando a S. Exc. que os meus amigos de Pao
d'Alho estavam apercebidos para resislirem s
violencias que contra elles fossera tentadas.
S. Exc. ainda me promelteu providenciar.
Entreunto, nao me constando quaes fossem
essas providencias, nem que fossem ellas dadas ;
e por outro lado chegando minha sciencia rei-
teradas aflirmages de que se machina as tre-
vas a perturbagao da eleigo de Pao d'Alho,
onde o partido conservador tem grande maioiia
no eleitorado, julgo do meu dever trazer estes
fados imprensa, nao s para conhecimento do
publico, mas tambem para publicamente e enr-
gicamente protestar, como protesto, contra a
inactividade do Exm. Sr. conselheiro presidente
da provincia em relagao s reclamages que lhe
tz.
E julgo ainda um dever, q ;e me nao quero
furtar, accrescentar aqui o que j havia dito ao
Exm. Sr. conselheiro Alves de Araujo, isto ,
que os meus amigos de Pao d'Alho esto aper-
cebidos para lutarera em todos os terrenos con-
tra a violago dos seus direitos.
Em concluso, tomo o publico desta provin-
cia por testemunha de que fago respnsavel pelo
que acontecer em Pao d'Alho o Exm. Sr. con-
selheiro Manoel Alves de Araujo, presidente de
Pernambuco.
Recife, 26 de Agosto de 1889.
Felippe db Figleira Faria.
-myszs&Sf
Lfgelros reparos
n
Cumpre-nos hoje tomar em considerago o 2o
artigo com que o autor das Qoutidianas aecudio em
defesa do governo, a quem livemos occasio de
extranhar a tremenda reaegao posta em pratica
para garanlir-lhe a almejada victoria no pleito
eleitoral, que se vai ferir.
Cite o articulista quanlo escriptor allemo lhe
vier meale ; ponha novamente em circulago
todas as ideas extravagantes que at hoje tenham
apparecido e n livros ou jornaes; lance mo de
toaos os recursos que lhe suggerir sua frtil ima-
ginago, e nem assim conseguir, obscurecendo
a verdade dos fact03. attenuar siquer o proced-
meato, do governo que tem desencadeade a mais
tremenda perseguigo aos adversarios. Mas va-
mos por diante na resposta que devemos ao
uctor das Quolidianas. .___
Como os empregados de fazeudajos da ima-
gistratura, nao escaparam ao furor patrio do
gabinete 7 de Junho os mdicos, que faziam parle
dasrepartiges d hygiene.eos eagenOeiros, que
se acbavam oceupados em trabalhos de estradas
de ferro do estado, Os Srs. ministro do iaper
e da agricultura nao quizeram ficar cm plano in-
ferior aos collegas da fazenda e daqnstiea.
Mas, j tivemos occasio de perguntar e o fa-
zemos de novo o que tem esses funecionarioa
com o movimento poltico que se operou no paiaf
O que pode justificar a tremenda derrabada qne
os attingo ? Nao nos pode dker o articulista
das Quotidtanas e isso por urna razo muito sthv
ples, porque salta aos olhos, ainda dos mais m-
nocentes que s flns eleitoraes poderiam determi-
nar to estranbavel procediraento.
Era preciso, embora com detrimento do eef-
vigo, satisfazer os amigos e facilitar aos candi-
datos collocaco para quera Ihes quizesse dar
o voto a troc de seu emprego. como se est fa-
zendo aqui em grande escala no prolongameoto
e na estrada de ferro de Caruar ; e como se-
ceder sem duvida em outras provincias.
Alm da violencia a corrupgo I...
Passemos agora a administragao da provincia.
urna vez que devenios acompanhar o nosso co-
tendor par i passu.
Ni'ira elle que hajam sido exonerados todos oc
promotores e exclama, como quem tivesse feito
um grande achado : Verificamos da respectrea
folha de pagamento na Thesouraria de Fazenda
que nao foram demittidos, entre-outros (porque
nao disse quaes sao esses oulros ?) os da Bda-
Vista, Bonito, Buique, Floresta, Salgueiro e Villa
Bella !
A folha est errada. Si o contemporane,
como parece, tem entrada n aquella repartigaoe
l pode dar ordens, mande qualquer escreveate
corr gil-a.
Os promotores de Floresta, Salgueiro e Villa-
Bella foram exonerados, sendo que o segundo c-
dado Romo Filgueira Pereira de Sampaio tese
al ordem das autoridades policiaes, para se re-
tirar da Villa, sob pena de morte, como demia-
ciou. pela imprensa, o Sr. Dr. Morara Alves, pe-
dindo providencias ao Sr. presidente da provin-
cia, providencias que alias nao foram dadas.
O de Vil la-Bella foi substituido peto badin-
Severiano do Reg i llaves Peixolo, que l exer-
cera o cargo de juiz municipal e proceder seaa-
pre do modo mais irregular. Urna nomeag
perfeitamente eleitoral.
Para Floresta foi nomeado Firmino Gomes de
Menezes, que segundo as informag^es que te-
mos, um cabo de guerra da forga de Lourengo lp-
ransra, de Bom Conselho.
V-se, po3. que, ao contrario do que se alfir-
ma ex adverso apenas tres promotores foram coa-
servados n'esta situago, que dura pouco mac
de dous mezes, e isto sem a menor duvida por
motivos eleitoraes.
Em relagao aos oolleclorcs e scrives de col-
lectorias (*) devemos dizer que em nosgo artigo
anterior ao nos referimos aos geraes, cuja des-
tituigo depende, nao do presidente da provi-
cia, mas do inspector da Thesouraria. Fallan**
dos provinciaes, que forum victimas do Sr. dr.
Caiar e do Sr. Amynthas, que hoje, como o Se.
Magarinos, entende que nao ha amigo nosso qae
possa ser conservado. Os lugares devemjeer
para os correligionarios do governo, dizeuf-oe
agora, e s agora !...
Si, aflirmando,que, quanto aos empregados de
qae ora nos oceupamos, fez-se a mais complete
razzia, avangamos urna falsidade, que nos diga
o contemporneo quaes os colleclres e escri-
ves respectivos que nao foram exonerados.
Passemos a apreciar as increparles que taz a
nosso contendor situacao conservadora inaa-
gurada era 1883, e vejamos se tem elle razo cae
continuar a allirmar que houve ento maior
reaegao do que actualmente, no dominio do Sr.
de Ouro Preto.
Quaes os factos allegados ex-adverso e que
deem visos de veracidade semilhante allega-
go ? O ter-se feito, em horas, no Piauhy 15fe
demisses f E" um facto isolado, si for verda-
deiro : mas no Para nao se lizeram em poucoe
dias, nesta situago, mais de 900 demisses:,
como denunciaram os jornaes de l, citando,
um por um, os nomes das victimas ?
o MarannSo nao foram exonerados, logo as
dia segninte ao qne assumio a administrago e
vice-presidente liberal, quasi todos os emprega-
dos pblicos, sendo at, oque constitue um enor-
missimo escndalo, cassados conselhos de guer-
ra a que estavam respondendo alguns ofliciaes,
como denunciou o correspondente d'essa pro-
vincia para o Diario de Pernambuco f
No Rio Grande do Norte o vice presidente nao
demetuo em urna s portara todos os promoto-
res pblicos, menos o da capital, e nao exonero
por igual a quasi todos, sino a todos os empre-
gados pblicos ?
Na Parahyba, em Alagoas, em Sergipe, na Ba-
ha, em toda a parte, em summa, nao esttodor.
os dias a imprensa, j nc a partidaria, mas
imparcial, toda arjuella que nao se deixa aras-
salar pelo poder, a denunciar a tremenda e ia-
qualihcavel reaegao que tem feito os delegados
do gabinete de que membro proemineote
pa>. da fraude ?
Aqu, em Pernambuco. nao demonstramos }L
saciedade que o Sr de Caiar nao deixou pe-
ira sobre pedra. sendo que, no corpo de polico,
nao consentio que licasscm nem mesmo os o-
ciaes que tinhara vindo da anterior situacao li-
beral, alguns delles contando muitos annos de
bons servigos ?. ..
Mas. diz o contemporneo, aqm na provinm.
r diamos apontar (refere-se ao terbavido 164 dfi-
.issOes no Piauby em o horas) caso quasi UKm-
.ico em 1865 '....
Si o escriptor das Quotidtanas conhecesse yar.
pouco menos as cousas da Allemanha e um rJav-
co mais as da sua trra, certo que nao escreve-
ria to revollante inverdade !
Oh esqueciamo nos que S. S. pertence ce-
lebre escola que sustenta ser a mentira urna a-
cesstdade social '.----
Durante quasi quatro annos, que o partido con-
servador esteve no poder, nao fez nesta provin-
cia, nem talvez metade das exonerages que
Sr. de Caiar levou a elTeito nos poneos, mac
perniciosos dias de sua administrago.
Quer Lycurgo, pergunta o articulista do Jor-
nal, que demonstremos aritmticamente as nos-
sas assergOes Nao temos outro desejo ; mau.
do que isto, langamos-lhe o mais solemne rept>
para que o faga ; e, com a devida venia, dar
ine-hemos, desde j um conselho. Procure tos-
t segura para informar-se, o Sr. Amynthas po
exemplo, alim de nao claudicar, do modo escaz-
daloso por que tem feito at hoje. O Sr. Ac:
Ihas est bem a par do que se passou na ultur
situago conservadora, e sabe at que pontt>' fe-
elle reactora....
Sem que nos tenhamos dado ao trabalho de
verificar quaes os promotores demettidos petas
presidentes que teve a provincia no dominio
conservador que findou a 6 de Junho prxima
passado. podemos desde j aflirmar que o alle-
mo do Jornal se enganou, assegurando que s
o Dr. Joo Agostinho fra conservado. Aqnt
bem perto, em Olinda, oceupou a promotoria e
Dr. Manoel Mana, que era no dominio liberal
promotor de Jaboato, e s a deixou por ter
sido nomeado juiz de direito.
O contemporneo nao tem escrpulos em afir-
mar tudo quanto lhe vem a mente, embora seja
inmediatamente desmascarado. O seu fim
atordoar o publico. Nao um defensor conven-
cido do governo ; mas um defensor de empres-
tada.
Que lhe faca bom proveito !
Lycurgo.
Recife, 26 de Agosto de 1889.
() O escrivo da collectoria de Goyanna, de-
mettido pelo Sr. Baro de Caiar, contava 30 an-
nos de borjs Servigos 1
Em Mipas foi exonerado o agente de corre
de Mananna, qne exercia o cargo havia 30 an-
nos !
Que. gente, snelo Deus 1
PUBLICVCOES 4 PEDIDO
Pelos districtos
Cora a epigraphe que subordina este artigo,
exhibio-se no Jornal do Recife, de hontem, o j&
celebre publicista que escreve as Quotidtaw*,
censurando ao meu illustre amigo e Sr. conse-
lheiro Rosa e Silva e a mim, porque nao temos
cessado de denunciar ao publico as artimanhac
e as violencias que o governo vai pondo em pra-
tica, para garantir a victoria dos seus candidatos
nos 10 e 13 districtos.
Em que pese ao escriptor do orgo liberal, e
por mais acerados que sejam os remoques qne
me dirija, hei de continuar a cumprir o meu de-
ver. NSo ser com o meu silencio que oSr.




4
Diario de Pernambuco-Ter^a-feira 27 de Agosto de 1889

Alves de Araujo ha de. faier figura Cora d
trra, como nao a far tambera, eslou ctrto,
cota o do conselbeiro Rosa e Silva o dos outros
candidatos meus amigos, victimas todos do ne-
nhum escrpulo do presidente cora que dos mi-
moseou o gabinete 7 de Juntio.
A historia do pleito eieitoral, que so val ferir a
31 de Agosto, ha de ser feita em occasiaooppor-
tuna e entao ver o publico o papel salieite
mas' pouco decente que nelle desempenhou o
ex-rainistro da agricultura do ministerio Marti-
ho Campos, aclual administrador d'esta pro-
vincia, conselheiro Manoel A Ivs de Araujo.
Como mi qiialquer cabo de cleic4o sem con;
sciencia da grave responsabilidade que pesa so-
bre os seus hombros, o Sr. Alves de Araujo ou
nao atiende s reclamacoes, que se Ihe fazera,
ou as attende tarde e a ms horas como succe-
dea com a que Ihe apresenlei, desde o dia 12 do
corrente, contra o acto do Sr. de Caiar, que de-
mittira um supplente de juiz municipal; a qual
ante hontem foi tomada e:n consideracao por
S- Exc, quando a noticia j nao pode ebegar
localidade a que interessa antes da eleic&o.
Reclamci tambera por mais de urna vez coutra
a permanencia de auctoridades pnliciaes crimi-
osas e violentas, laes como os delegados de
Tacarat e Salgueiro, e o Sr. Alves de Araujo,
embora tenba dicto a amigos meus que me allen-
d/a, nada raandou publicar, de modo que. si
effectivamente cssas autoridades foram dislitui-
as, eslaro, mesmo assim, investidas dos cargos
at que o pleito eieitoral se realize !
E porque eu digo ludo isto, e porque trago
para a imprensa o grito desesperado das victi-
mas, o defensor do presidente da provincia diz
fue Ihe tenho alirado tremendos improperios!
Onde esto el les?
Hei de defender os meus direilos e os direitos
dos meus amigos com a mxima eoergia, sem
duvida, mas tambem com a maior prudencia ;
hei de verberar com todas as forjas os desmn
dos da infeliz administrarn do Sr. Alves de
Araujo, mas na linguagem seria e moderada de
que tenho usado at hoje.
Nao quero justificar, como se afirma, a miaba
de/rota; o que quero que seja garantido aos
meus amigos o direito de voto ; que comarcas
importantes como Tacaral, Floresta e Salgueiro
lo continuem "entregues a verdadeiros reos de
polica.
Pouco se me d que o meu contendor saia
victorioso, comanlo que esse seja o resultado das
rias. O que me aborrece, me indigna, o nio
consentirem, como consta que se vae fazer, que
os conservadores volem; affmtentai-os das
villas por rock) de ameacas, que elles nao teem o
dijeito de suppor que se deixem de realizar.
venca o candidato libera!; mas venca hones-
tamente. Si sou, como se aprega um candi-
dato derrotado, para que esse luxo de vio-
lencias ?
E ser por estar o conselheiro Rosa c Silva
as mesmas coudicOes, por fer lambem um can-
didato perdido, que o presidente da provincia
tem mandado para o 10 districto toda a forca
lie la se acha, e cuja permanencia nada ba que
possa justificar ?
Devo, porra, deixando de parte estas obser
vacoes, que me levariam inuito longe, tomar em
aroRteraio o que a meu respeito diz o articu-
lista a quem respondo.
Em primeiro lugar nao me considero nunca
ue considerei, seohor de barajo e cutello na
ircumscripcSo eieitoral por onde sou candidato,
como nos bons tempos do 10 de Marco, em que Ca-
wtlcanti, o celebre faccinoroso e Ilustre amigo do
Sr. Joo Alfredo, alli remaca sem le nem escr-
pulos, mesmo porque no terapo do 10 de Marco
1a o tenenle-coronel Cavalcinti fra victima do
(acamarte dos amigos do Sr. de Caiar, um dos
fuaes foi por S. Exc. uomeado oficial c dele
gado de polica, para o mesmo lugar onde com-
mettera o horrivel assassinato, e anda hoje,
conservado pelo Sr. Alves de Araujo! I
O tenente-coronel Cavalcanti, a victima, ain la
depois de morto injuriado pelo orgao liberal;
es assassinos, covardes e vis, esses sao galar-
doados I i
Que tempos e que costumes !
Nunca Uve pretences de nenhuma ordem no
13* districto, como era nenhum outro. Si hoje sou
candidato devo-o benevolencia do meu honrado
befe o Sr. conselheiro Joao Alfredo e dos meus
dignos amigos membros do directorio do partido
conservador. A nenhnm d'elles solicitei a honra
de fazer parte da chapa que foi organisada ;
as si para alli tivesse alguma vez dirigido as
ninhas vistas, seria para fazer amigos, para ad-
vogar os inleresses das localidades que rom-
oem o districto; nunca para ser senhor. Esta
pretenco possivel que a tenlia o Sr. de Caiar.
que est acostumado a lidar com escravos..
Nao censurei o 1 vicepresidente da provin-
cia por nao se ha ver adstricto ao parecer do juiz
Municipal, Dr. Correia de Araujo, em rclaco
aumeaco de um tabellio para Floresta, nao
aisurei-o por ter commeltido o escndalo de
aqrnear para lal cargo a llermelindo de Almeida
Alcoforado, que nao se ioscrevera no prazo le-
gal. Essa nomearo constitue, port rato, nina
nfracco de lei, o que sempre um abuso,
mesmo sendo praticada por um baro assigna-
lado ou nao.
/. oreira Alies.
Recife. 6 de Agosto de 1889.
1
P. S.Ao terminar estas linhas ebegou-tf "s
maos urna carta de Tacaral em que se me Wiz
que o celebre delegado Francisco Baptisla, que
o Sr. Alves de Araujo disse a diversos amigos
meus haver demittido. mas que ainda conser-
vado, pois sua exoneracao nao foi anda publi-
cada, est fazendo o dibo a qw'o contra os
meus amigos, e at contra as auctoridades judi-
ciarias, urna das quaes liberal; mas provavel-
COBMERCIO
Tlevista do Mercado
RECrFZ. 26 DE AGOSTO DE 1889.
O movimento foi ainda pequeo, sendo efec-
tuados alguns negocios no mercado de cam-
bios.
Cambio
Os bancos mantiveram no balco a laxa de 27
1/8, saccando, porm, a 27 1, i para quantias
maiores, principalmente por conta do Para.
Houve algum negocio em papel particular a
27 3/8.
Lettras mui escassas.
No Rio, 27 1,8 bancario nominal, nao havendo
lomadores abaixo de 27 3,1'.
TABELLAS AFFIXADA8
A aoordo com essas miserias de
urna polUtcagen sem nome !.
Imagine o publico o que se nao far no da da
eleic&o, para gs.raniir o voto livret
J. Moreiru Alves.
Candidaturas e candidatos
ni
A 4" circumsorico eieitoral de Pernambuco
offerece actualmente um revoltante espectculo
em que representa o odioso e indigno papel de
verdugo, de algoz o Sr. Joaquim Tavares -oho
mem incapaz tk perder eleicao.
l'ara conseguir os seus fins nenhum raeio Ihe
fallece, todos os recursos sao legtimos e decen-
tes, desde a coinpressao at a anarchia !
Ainda nestes ltimos dia3 a altiva cidade de
Goyanna que bu de infligir ao enfatuado candi-
dato a mais solemne derrota, assistio emocio-
nada a scenas degraJantes e extraordinariamen-
te escandalosas.
Um consclencioso e bem elaborado protesto
assignado pelos mais sisudos e respectaveis ca-
racteres tlaquella cidade relata minuciosa e ver-
daderamente os attentados soffridos por aquel-
los que tinham a suprema audacia de nao pac-
luar com as saturnaes da situago actual.
publico, que calmamente leo o Diario do
dia 23 do corrente, lia de inquestionavelmente
ter julgado de quanto apaz o Sr. Joaquim Ta-
vares, cuja audacia chegou ao ponto de mandar
o carcereiro esconder-se para nao dar solucao a
urna ordem de kabeas-corput.
Em vista disso, portanto, o brioso eleitorado
do 4" districto nao poder absolutamente sufra-
gar a antipalhica e deshonrosa candidatura do
Sr. Joaquim Tavares que mostra o mais solem-
ne despreso pelas berdadea individuaos.
jNoubc que um syinbolo de pureza na aclnali-
dade e deesperangas para o futuro,o Sr. Dr.
Maciel Pinheiro nao pode merecer os votosdaquel-
les que acham inoportuno um estado de cousas
que' o ultimo elo de urna serie de instituices
polticas, sociaes e econmicas.
Resta, portanto, o lercuiro candidato, aquellc
cujos dotes symbolisam o esforco constante pela
prosperidade do paiz, pelo respeito aos princi-
pios de ordem necessarios existencia de qual-
quer rgimen poltico.
O Sr. Dr. Juvencio de Aguiar, apreseotado
pelo directorio conservador, mais urna vez ser
eleito representante do 4o districto.
Pernambucano cheio de aspirarles generosas,
geralmeute bemquisto, esse nosso distincto ami-
go receber do eleitorado do 4" departamento
eieitoral de Pernambuco a incumbencia de ir
pugnar por seus ialeresses na Assembla Ge-
ral.
Themis.
Ao Dr. Joaquim Tavares
Hontem, pelas 8 horas da noite, quando esta
cidade era tlieatro do mais nefando, cobarde e
infame attentado contra a liberdade e seguranca
do cidado na pessoa do lente Chrispiniano
Angelim, impulsionado pelos sentimentos no-
bres peculiares ao meu intemerato carcter, aba
le me, esquecendo a minha propria seguranca
e imminente perigo que corra a miulia propria
existencia entre urna horda de cannibaes que,
sdenlos de sangue que sorvessem e de carne
humana que dilacerassem na torpe sanha que os
dominava, abalci-me dizia eu. a profligar com
toda eoergia de que sou capaz to monstruoso
atientado, quando fui accommetlido pelo vosso
cao negro que, cossuido de rbica furia, raor-
deu-rae e babou-me tanto quanto bastasse sa-
tisfar') do vosso mesquinho, mais que isto, ri-
dicuo odio partidario.
Recordme ter lido era um escriptor francez,
cujo nome escpame neste momento, que Ro-
bespierre morrendo guilhetina honrara a esta,
elevando-a altura de outros muitos e impor-
tantes personagem, inclusive Luiz XVI, que mais
tarde alli foram levar as cabecas.
Pois bem, faremos applicacao do que ah dei-
xamos dito ao torpe attentado de que fui victi-
ma, e assim lerei o prazer, de assegurar-vos,
que talvez j nao venha muito longe o da, em
que podere, esmagndo sob os laces das rai-
nhas botas o vosso balofo Cerbero, ao mesmo
tempo vibrar sobre vos a el;; va de rainha vindic-
ta que em nada, garanto-vos, ser inferior
alTronta que por vossa ordem recebi.
Sei que a anodynia, que sobre vossa pessoa
lancou a apoplcxia, revestio-vos de urna coura
ca bastante invulneracel para que fagaes caso de
taes ninharias; poreai, bom nao esquecer vos
que tendes tilhos, e que quaiquer delles pode
muito bem (sem ser l grande novidade) passar
urna longa e conunoda noite ao lado do bom hps-
pedeiro Joo Vital.
Que nao vos incommode a idea de que poder
olvidar quanto aqui deixa dito o mais fervoroso
devoto de Mnemosine, que preza em assiguar-se
Ludovuo Nunes da Cunha Machado.
Goyanna, 17 de Agosto de 1889.
Pralicagem
Sob o titulo de exatnes para o servido
da praticagem do porto, trouxe o Jornal
do Recife de domingo ultimo um escripto,
em que sou envolvido.
E' subscripto por um Boreste, isto ,
um anonymo, e por isso sem a responsabi-
lidade Jejum nome cuja respeitabilidade
garanta os pontos da arguicSo, que se faz.
Isto fotca-mo a urna rosposta formal, que
que b darei quando tiver a descoberto
esse personagem que de viseira baixa ahi
se apreseta, e procura ferir-me sem ra-
zSo e por ventura dominado de quaiquer
dispeito.
o entretanto, nao me dispensarei de
dizer alguma cousa sempre sobre o que
articulou o referido anonymo; epOr hora
so em respeito ao publico.
Em Maio do corrente auno foram a exa-
rae para o servico da praticagem deste
porto os 6 candidatos a que alludo-se n'a-
quella publicacSo; e do resultado de suas
provaa, nSo foram considerados habilita-
dos a serem encartados nos lugares de
praticantes, de que existilo effectivamen
te 8 vagas.
Assim julgou a commisso no pleno di-
reito que Ihe competa, e a justia do seu
julgamento [assentou as provas exhibidas
pelos candidatos. Mas, .no dia 31 do mes-
mo mez, o novo capitUo do porto conside-
rando que esse julgamento nao fora regu
lar, mandou que os referidos candidatos
requeressem pelos canacs competentes a
sua admissSo a novo ex.unesob a clausula
deinstruirem ai respoctivas peti^Ses com
documentos comprobatorios de acharein-se
elles as condie3es prescriptas do art. 7 do
decreto de 28 de Fevereiro de 185 i, que
assim resa: para praticante necessario,
alm da qualidade de cidado brazileiro,
ter boa conducta, ser maior de 18 annos,
haver, antes dd comejar a sua aprendiza-
gem, navegado pelo menos 3 annos e e3tar
habilitado na forma deste regalamento,
para dirigir navios que calem at 10 ps,
e nao tenham mais de dous mastros.
De accordo com a determinasSo do Sr.
capitao do porto, foram os meamos candi-
datos admittidos a novo exame, e delles
considerados tres habilitados a obterem a
respectiva carta nma vez apresentados
attestados de pessoas competentes nesto
sentido, para que assim sa observasse a
disposi$3o reguamentar supracitada; vis-
to que nenhum dos referidos candidatos
havia enchido todas as suas clausulas ta-
xativas.
E como arguir-se a coram3sao por ter
procedido nos termos do regulamento?
Na publicacSo de que pressame oceu-
po, ha urna serie de perguntas que pes-
soalmcnte me sao dirigidas; e sobre ellas
dir'ei simplesmeite, que si Boreste pro-
fessional, no deveria, com referencia aos
pontos da argoicitD no exame, fazel-as ; e
antes responder, si ellas sao extranhas s
materias do mesmo exame; por que s
assim teria precedencia o que deixou dito.
Quanto perda do lugar Alfredo, si
Ihe interessa saber as causas que a ella
deram lugar, poder recorrer ao archivo da
repartao competente e haver por certi-
dao o resultado do conselho, a que fui
submettido; e assim, licar satisfeita a
sua coriosidade, sendo que com relacdo
sabida da canhoncira de guerra, de que
trata, si imformar-so nielhor, verificar
que outro foi o pratico que a conduzio;
assim como ainda, no que respeita en-
trada do vapor Moleque I, tomando o tra-
balho de proceder pesquiza mais cuida-
dosa, chegar a couhecer cora precisao,
que a sua dirego fo; diversa da que indi-
ca por excesso de boa contade em aecusar.
Com o que tenho exposio ao publico
sobre a oceurrencia, tenbo satisfeitoo meu
rim de inteirar ao mesmo publico das oc
currencias-
Recife, 2(3 de Agosto de 1889:
Domingos Mafra.
Bol
y.
K
S
c
t I
o 2 ~3 O* O t 3 5" -i
U. ^ c n
i 6 a? O ' CD

"3
%
9
e

co
L
t3
I 0--
u

3 s
8
o
-5 CO
00____30
m
a>
K |{
S CU 30
S :
'$ %

s5
I >.
S C 8 g -y i
ce 30 Se___oc oo I
sa
-vTAgOsS OFFICIAE8 DA JOSTA DOS COB-
OETOBES
Recife, K ae Agosto de 1889
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 27 1,4 d. por
1 *000. do banco.
Dito sobre dito vista 27 d. por 1300o, do
banco.
O presidente,
Candido ;. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubcux
Algodo
Mantem-sc a colarlo de 7*050, o de 1* sorte
do serlo.
A exportaco, feita pela alfandega neste mez
at o da 23, attingio a 943.2o2 kilos, sendo----
7C7.406 para o exterior e 241.846 para o interior.
As entradas verificadas at hoje sobem a 5.712
quer gota de sangue derramado no pleito
eieitoral do 2. distrito o Sr. Dr. Amaro
Carneiro Bezerra CValcante, a o presi-
dente do provincia Dr. Fausto Carlos Bar-
reto.
Alerta, cidados !.

Rio Grande do Norte
SO praeas
Cbegaram ao Natal 80 prajas do 2." ba-
talhao de infantaria, e consta-nos que veein
com destino ao Serid para garantir a li-
berdade do voto na eleiciio du 31 Agosto.
Depois da reaccSo o dispotismo.
A vida dos nossos conterrneos corre
perigo.
Parece que vamos ter a luta armada,
porm, os seridoenses nao recuam, e ac
ceitam-na em quaiquer terreno.
Mas, para prevenir futuras conseqnen-
cias, desde j responsabilisamqajior qual-
460 Saccas
2.10 .
1.588 .
54
148 >
1.357
5.712 Saccas
/
saccas, sendo por:
Sarcacas.....
Vapores .....
? nimacs.....
/ia-ferrea de Caruar.
.'ia-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
Somma.
Assacar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, te-
undoa Associaco Comraercial Agrcola, foram
os seguintes:
Branco..... 3<600 a 4i000
Somenos..... 2/700 a 3*000
Mascavado purgado 2*200 a 2*600
bruto. (firme) 1*600 a 2*000
Rtame..... 1*200 a 1*400
A exportaco feita pela alfandega neste mez at
o dia 23, suDio a 1.243.640 kilos, sendo 93.520
para o exterior e 1.150.120 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 4.694 saceos, sendo por:
Barcacasi, .... 1.816 Saceos
Vapores..... ...
Aiumaes.... 184
Via-ferrea de Caruar. 64
Via-ferrea de S. Francisco. 2.480
Via-ferrea do Limoeiro 150 '
Somma.
4.694 Saceos
Aguardante
Cota-se a 105W00, por pipa de 480 litros.
Alcool
Cota-se a W0*O00por pipa de 480 litros.
Mcl
Cota-se a 70*000 por pipa de'480 litros.
Couros
Couros salgados, 365 res, e os verdes a 210
ris.
Pauta da alfandega
SEU ANA OW 26 A 31 DE AOOSTO OB 1859
Vide o Diario de 25 de Agosto
Xa vi os descarga
Barca uomeguense Gllead, ferragens.
Barca nacional Cecilia, varios gneros.
Barca norueguense Solid, carvo.
Escuna hollaudeza Jan Smit, farinha de man-
dioca.
Lugar americano llaman Me. Loen, farinha de
trigo.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar nacional Loyo. xarque.
Lugar americano Belle Hooper, farinha de trigo.
Patacho allemo Marie ton Oldendorp, xarque.
Patacho nacional Regaleira, xarque.
Patacho allemo Fraierick, xarque.
Patacho dinamarquez Jugor, xarque.
Patacho dinamarquez Gefion, xarque.
Vapor inglez Historian, varios gneros.
Importaco
Vapor austraco Pandora entrado de Fiume em
24 do corrente e consignado a II. Forster & C.
manifestou :
Cerveja 30 caixas a Cramer Frey ft C.
Farinha de triso 3000 barricas aos consignata-
rios 1600 a Lopes Irmos, 800 a Machado Lopes
A C. 400 ordem.
Manteiga 7 caixas a Francisc Lauria & C.
Oleo 6 volumes aos mesmotf
Sardinhas 2 caixas aos raesmos.
Tecidos 1 caixa a Francisco de Azevedo A C.
Vennouth 30 caixas a t. Launa & C. Vinho
10 caixas aos mesmos.
Vapor nacional Espirito Santo, entrado dos
Ejrtos do norte, em 25 e consigndo a Pereira
arneiro a C, manifestou :
Arroz 50 saceos a Joao Ramos.
Drogas 1 caixa a Faria Sobrinbo & C.
Folhas medicinaes 2 fardos aos mesmos.
Jaborandy I fardo ordem.
Pipas vazias 200 aos consignatarios.
Sola 12 amarrados a Maia at Rezende. o
Tapioca 15 saceos fu Bailar Oliveira & C., 40
paneiros a Antonio Rodrigues da Costa.
Vinho de caj 50 caixas a Gomes de Matu>3
Irmaos.
Vapor nacional iacuhype, entrado dos portos
do sul, em 26 do andante e consignado a Com-
paahia Penambucana ; manifestou:
Algodo 655 saccas ordem.
Couros salgados seceos 273 a Ramos Gepport
& C, 179 a Rossbach Brothers.
Rio Grande do Norte
Partido liberal
KESPOSTA A' CIBOULAR DO DR. AMARO
REZEBRA
O Dr. Amaro Bezerra expoz n'uraa cir-
cular que corro impressa os motivos que o
fzeram hostilizar a canditura do Dr. Mi-
guel] Castro.
Sao elles urna traicao praticada por
mim para com o partido liberal represen-
tado em S. Exc.; o facto de ser o Dr.
Miguel Castro cearense, e querer enfeudar
o Rio Grande do N>rte ao '.'ear: e a cir-
cunstancia de fazer parte da companha de
curne verdes do Recife.
S. Exc. adubou estes dizeres retumban-
tes com urna serie de insultos dirigidos
mim o ao Dr. Miguel Castro, insultos que
disprezo por ser indigno de cavalleiros que
se prezam combater no terreno do jloestos
grosseiros e das retaliares baixas
Poda em poucas palavra3 refutar as
propusieses do Dr. Amaro dizendo :E'
falso o que diz S. Exc. e appello para
os actos de minha vida poltica que todos
teem sido pblicos, praticados a luz do
dia, sem a menor reserva.
Quero, porm, analysar o nosso procc-
dimento e ver quem o traidor.
Collocado na direcyao do partido desde
18S3, por diversas vozes qtiiz retirar-me,
ao que se oppoz o Dr. Amaro por jul-
gar-me o seu principal sustentculo.
Em 1884, quando, pela primeira vez,
alguns liberaes apresentaraiu o nome do
Dr. Miguel Castro, o Dr. Amaro eonser-
vou se neutro entre essa candidatura e a
do Dr. Moreira Brando, e em carta es
cripta da corte a 22 de Julho, disse-mo:
c A oampanha sua e portanto a delibe-
rado com a respectiva responsabilidad^
pois que ninguem melhor que V. pode
avaliar as conveniencias do partido no pre-
sente e no futuro. Quero que tenba a
iniciativa, reservando-me para opportuna
mente auxiliar seu plano e esforcos.
Ora, em 1884, quando apenas fazia um
anno que eu, estava frente dos negocios
da provincias e o Dr. Amaro ainda tinha
parte activa na poltica provinciana, ja a
iniciativa da aprescutacS') do candidato
pelo 2. districto era minha, de modo que,
n'aquella epocha, se eu tivesse achado
conveniente, tinha apresentado o Dr. Mi-
guel Castro e merecido os applausos c au-
xilios do Dr Amaro Bezerra. Em 1889,
tendo en tomado a direccao suprema dos
negocios polticos da provincia por de!c-
gacao especial dos amigos de ambos os
districtos desde que o Dr. Amaro aban
donou-a para cuida- simplesmente de seus
negocios particulares, nao me era permet-
tido ter, nao a iniciativa, mas a faculdadc
de apresentar a candidatura do Dr Mi-
guel Castro, reclamada por todas as in-
fluencias liberaes do Districto.
E' singular e por demais pretencioso !
O Dr. Amaro conhece-me ha 20 annos
e sabe que nunca pratiquei urna desleal-
dade.
A nica de que pode oecusar-me nito
ter en acceitado em 1887, em nome do
partido liberal a candidatura do Sr. Eva-
risto Gaivao, rico commerciante residente
na corte, estranho aos negocios do provm
cia e que o Dr. Amaro queria a forca que
fosse incluido na chama prcterindo amigos
dedicados e com direitos legtimos, exigin-
do ltimamente que substituisse por elle o
o capitao Antonio Joaquim de Oliveira
Costa como se v do telegramma de ) de
Dezembro de 1887.
Desde entao incorri no desagrado do
Sr. Dr. Amaro a ponto de interromper
commigo as suas relacoes.
Continuei no meu posto porque nSo es-
tava alli a servico de S. Exc, e sira do
partido.
A minha dedica^So chegou a ponto de
nunca hostilisar a sua candidatura no l*
districto, o que poderia ter feito, e a mi-
nha lealdade foi tal que, subindo nos ao
Ferragens I2rolumes ordem.
Pipas vazias 32 ordem.
Pelles de cabra 2-* atados a Abe Stein & C,
125 a Rossback Brothers A C, 8 ordem.
Sola 274/2 a Rossbak Brothers 4 C.
Barca norueguense Spes entrada de Antuerpia
era 23 do corrente e consignada ordem: ma-
uifestou: ,
Materiaes para estrada de ferro 6,832 volumes
c pegas ao Prolongamento da estrada de Ferro
do Recife a Ipojuca.
Kiportaeo
p.KCiFH, 24 db agosto de 1889
Para o exterior
.No vapor inglez Rubens, carregou :
Para Liverpool, C. P. de Lemos 800 saceos
com 40,000 kilos de caragos de algodo e 10,000
kilos de do brasil.
Para o tnterur
No vapor inglez Sorata, carregararr. :
Para Rio de Janeiro, Costa A Fernandes 10,000
cocos, fructa.
No vapor nacional Espirito Santo, carre-
i'aram :
Para Rio de Janeiro, P. Carneiro A C. 625 sac-
eos com 37,500 kilos de assucar branco-; Bra
Jos Fernandes 1 caixa com 40 kilos de pennas.
No liiate nacional Aurora, carregaram :
Para Caraossim, Fernandes A Irmo 8 barri-
cas com 020 kilos de assucar mascavado.
Para Mossor, P. Pinto A C. 10 barris com 960
litros de mel.
Dlnheiro
EECEBIDO
Pelo vapor nacional .Espirito-Santo, do nor-
te, pan:
Maia 4 Rezende
Araorim Irmaos A C.
English Bank pf Rio de Janeiro
Duartc S C.
London A Brasilian Bank
Joaquim da Silva Carneiro
Pereira Carneiro C.
Josepb Krause
46.000*000
14.000*000
5.000*000
3.000*000
1.591*600
1.100*896
985*530
500*000
Itendimeatos publico
HZ DB AGOSTO
Alfanaega
Renda eral:
Do da la 24 561:439*868
(den 26 29:196*882
Renda jrovinciaJi : /vM..a
Oo da 1 a 24 64:092*342
dem de 26 2:436*894
590.636*750
66529*236
Somma total 657:165*986
poder, oguardei a chegada de S. Exc. para
decidirmos de accordo certos negocios ten-
dentes marcha geral do partido.
Nunca tive a iniciativa sobre a candi-
datura do Dr. Miguel Castro, apezar de
rae ser ella muito sympathica, como tam-
bem o era ao Dr. Amaro era 1884 e 1885.
As influtlhcias liberaes do 2." districto
que reclamavam-na constantemente, como
poderei provar com documentos escripias.
Indo ao Recife, l entendi-me com o
Dr. Miguel Castro, e disse-lhe que nS o
apresentava por tliin porque queria que o
2." districto tivesse a mais ampia liberda-
de a escolha do seu candidato ; porm que
a maioria do districto se pronunciando a
seu favor contasse com todo o meu apoio.
Foram es3es os acontec me ntos.
O Sr. Dr. Amaro, chegando provin-
cia, dcsconhecendo completamente a mar
cha que nella tinham tomado os negocios
polticos, sem consultar os amigos, regei-
tou in limine a candidatura do Dr. Miguel
Castro, antes mesmo de ser ella apresen-
tada, e tratou por todo o modo de hostili-
zar-me.
Apezar de alguns amigos me haverem
abandonado, fascinados pela linguagem so-
nante do Dr. Amaro, entend que devir
acceitara causado Dr. Castro, como accei-
tei-a, fazendo della questSo de vida e mar-
te para mim e para a dignldade do 2."
districto que se tentou amesquinhar.
O Sr. Dr. Amaro, hoje atira-se contra
o Dr. Miguel Castro, em nome de um
falso provincialismo.
Se para representar urna provincia fos-
se necessario uella ter nascido, o Sr. Dr.
Amaro, nao podia ser representante do
Rio Grande do Norte por ser pernambuca-
no, e ter sempre em mioha provincia urna
poltica pernambucana.
O Dr. Miguel Castro nasceu no Cear,
accidentalmente, creou-se no interior de
nossa provincia onde tem toda sua fa-
milia.
Aqui comecou a sua vida publica, ten
do-se retirado pana outra por ter seguido
a magistratura, que depois abandoaou.
Mas sempre esteve presente a todas as
crises e necessidades porque tem panado
a provincia, auxiliando, sem alarde e sem
reclame, os seus mclhoramentos, e ponde-
se dispos cao dos Rio- Grandenses do
Norte para quaiquer servico que podesse
prestar-lhcs.
Disso \o testeraunho os que o tra pro-
curado no Recife, c nee tra encontrado
a melhor boa vontade.
E' em nome desses princip'103 e do de-
sejo de por sua actividado a servico do
Rio Grande do Norte, principalmente da
zona sertaneja, que o Dr. Miguel Castro,
aspira represntalo no Palar ment.
O Sr. Dr. Amaro, coinbattendo-o nO
terreno do provincialismo, nao compe-
tente por nao ser Norte-Rio-Grandense.
E idealisando cm sua mente desvairada
urna poltica Cearense nesta Provincia,
commette urna baixeva attribuindo ao Dr.
Miguel Castro mtenQoes que elle nunca
teve, e urna indignidade contra os Cca-
renses que o tem auxiliado desde o Dr.
Euclides que dedicou-se de corpo e alma
sua causa, sacrificando os seus haveres
e saude c cujos manes se levantarlo in-
dignados contra as iinputa3es maliciosas
feitas aos seus comprovincianos, at ocom-
mendador Uinbelino de Melfo, o seu mais
dedicado amigo na provincia.
O Sr. Dr. Amaro lembrou-se agora de
levantar a questo de lmites com o Cea-
r. Desde muitos annos que fallase nesta
questSo e nunca o Dr, Amaro lembrou-se
que o Rio Grande do Norte limita-se com
o Cear. No anno passado foi ella discu-
tida na Cmara dos Deptitados e na ira-
prensa, e o Sr. Dr. Amaro nSo se dignou
dar urna palavra era favor dos nossos in-
teresses.
Agora que S. Exc. se ve contrariado
em seus planos de prepotencia e explora-
dlo suscita esta questSo, levando-a para
um terreno odioso.
A questSo de limites com o Cear ha
de ser decidida, nao pelo Dr. Amaro ou
Dr. Castro, mas pela Cmara que em sua
sabedoria dar razao a quera a tiver, sen-
do o Dr. Miguel Castro um extrenuo de-
fensor dos nossos direitos, como est dis-
posto e compromettido a fazel-o.
O Sr. Dr. Amaro procurou fazer effeiU
dizendo que con3tava-lho que o Dr. Mi-
guel Castro era socio em grande escala
da companhia de carnes verdes do Recife.
O Dr. Miguel Castro nunca fez parte
dessa companhia, porque como creador
abastado nesta provincia seria trabalhar
contra si propno Antes tem empregad*
toda a sua influencia para arredar o odio-
so monopolio.
Julgo refutada cm seus pontos princi-
paes a circular do Dr. Amaro Bezerra, e
appello para a decisaodo 2." districto para
ver quem nessa questo representa o ver-
dadeiro partido liberal.
E' tempo de mostrar que a independen-
cia, obrio e a dignidaie sb o apanagi
de todos os sertanejos.
Se o 2.- districto quer libertar-se, se
pretende ter urna representayao legitima,
ti!ha dos seus interesses, correr em fi-
leiras cerradas votar no Dr. Miguel Joa-
quim de A. Castro.
Jos Bernardo de Medc ros.
Principe, 7 de Agosto de 1889.
moooo xvo^.K,x AO AMIGO I
i Joaquim Antonio Damazio |
FELICITA
f- Pelo seu Miz anniversario natalicio *
27-8-1889.
F. .1. S. Beiris.
ocoo#c-.x :cx ^ .:<-}x>?c ;*>*-^ ;ccc<-^^
2* districto
Sao convidados todos os Srs. eleitores liberaes
da freguezia da Boa-Vista, para urna reuniao
que ter lugar quarta-feira, 28 do corrente, s t".
hora? da tardo, no predio n. 10 a ra do Hos-
picio, atini de iraiar-se de negocios concernen-
tes ao pleito do dia 31.
O candidato Dr. Jos Marianno assistiru a
mesma reunio.
Recife, 26 de Agosto de '889.
-;- -i, Conferencias Repub]icanas
Tendo de seguir amanh para a Escada
afino de realisar as conferencias annuncia-
das, s na volta poderei responder ao avi-
so estemporaneo do Dr. Martins Jnior,
no Norte de Domingo.
Recife, 27 de Agosto de 1889.
Ricardo Gnimares.Brazileiro por oa-
turalisacab.
Aviso
O abaixo assignado avisa a quem inleres&ir
possa que o sobrado de nm andar e solio n. 17.
da ra de S Jorge, freguezia de S. Fre Pedio
Goncaives, que tem de ser amanha vendido em
hasta publica, por ordem do Exin. Sr. Dr. juu
de orphos d'esta comarca, e pertencente ao es-
polio de Jos Braz da -lva Oliveira, Ihe foi hv-
pothecado por este e sua mulher D. Felicia Je-
suina Rodrigues da Silva porescriplura publica,
lavrada em notas do tabellio interino Fedro Alf-
xandnno Rodrigues Lins, a 27 de Setembro de
1887 e devidameule inscripta no registro gera!
de hypothecas d'esta comarca.
Sorprehendido pelo edital publicado no Diario
de fernmbucu de 25 do corrente, que d noticia
da referida venda, faz o abaixo assignado a pre-
sente deciarago para que o futuro comprador
ou arrematante do supra indicado predio nao se
possa queixar mais larde de quaiquer proced
ment judicial que venha a soffrer por forca da
dita hvpotheca.
Recife, 26 de Agosto de 1889.
Antonio dos Santos 1j>pes.
5@^5>-
Segunda seccio da Alfandega, 25 de Agosto
de 1889.
thesoureiroFlerencio Domingues.
cnefe da seccao -Cicero B. de Mello.
8
llecebedoria eral
Do dia 1 a 24 38:773*519
dem de 26 5:357*970
44.131*489
Recebcdcrla provincial
Do dia 1 a 24 20:721*537
dem de 20 2:342*122
23:063*959
Recife ttrasaage
Do da la 24 25:811*027
dem de 26 3:107*990
28.919*017
Mercado Municipal ae S. Jone
O movimento deste mercado n'os das 24 e 25
de Agosto foi o seguinte :
Entraram :
89 bois pesando 12,773 kilos.
631 kilos de peixe a 20 ris 12*620
30 cargas com farinha a 200 ris 6*000
4 ditas de milbo a 200 ris 800
22 ditas de fructas diversas a 300ris 6*600
20 taboleiros a 200 ris 4*000
39 suinos a 200 ris 7*800
65 matutos com legumes a 200 ris 13*000
Foram oceupados :
52 columnas a 600 ris 31*200
2 escriptorio a 300 ris 600
52 compartimentos de farinha a 500
ris 26*000
45 ditos de comidas a 500 ris 22*500
168 ditos de legumes e fazendas a
400 ris 67*200
32 ditos de suinos a 700 ris 22*400
16 ditos de fressuras a 600 ris 9*600
91 taraos a 2* 182*000
Rendimento do da la 23 do cor-
rente
412*320
4:911*300
Fot arrecadado liquido at hoje 4:323*620
Precos do dia:
Carne verde de 240 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 1* ris idem.
Suinos de 560 a 640 ris idem.
Varinha de 560 a 720 ris a cuia.
Mimo de 320 a 360 ris idem.
Feiiao de 1*000 a 1*280 idem.
Maadonro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 90 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Quarto districto eieitoral
de Pernambuco
Illm. Sr.Pretendo a honra de ser depulaoo
geral por esta provincia de meu nascimenio,
pelo que rogo a V. S. o muito particular favor
de dar-me o seu voto e dos seus numerosos
amiaos por esse quarto districto em a eleiQo
de 31 do corrente mez ; antecipando Ihe os meus
sinceros agradecimentos.
Se eu merecer o obsequio que venho de soli-
citar, ser minha misso no parlamento brazi-
leiro sustentar o luminoso programma do pa-
tritico e venerando gabinete 7 de Junho.
Sou com a maior consideracao estimaJ'e
V. S. venerador e criado obrigadissimo.
Jos Mara Ramos Gorjao.
Recife, 17 de Agosto de 1889.
Vapores a entrar
MEZ DE AGOSTO
Sul........... Sergipe........... 27
Sul........... Para............. 27
Europa....... Don.............. 30
Vapore a sahir
HEZ DE AGOSTO
Santos e csc.o ViedeBahia..... 27 as 3 h.
Norte.......Para............. 28 as 5 b.
Bahaeesc. Jacuhype.......... 29 as 5 h.
Sul..........Don.............30 as 3 b.
.YI o vintenio do porto
Navios sahidos no dia 25
Liverpool e escala19 dias, vapor inglez Soraia,
de 2581 toneladas, coaititandante A. J. Coo-
per, equipagem 94, carga varios gneros ; a
SW'ilson Sons 4 C.
Manos e escala12 dias, vapor acional Espi-
rito Santo, de 1999 toneladas, comraandante
Carlos Antonio Gomes, equipagem 60, carga
varios gneros ; a Pereira Carneiro A C.
Baha e escala7 dias. vapor nacional Jacuhyjt,
de 382 toneladas, commandante Joaquim da
Silva Pereira, equipagem 30, carga varios ge-
neras ; a Companhia Pernambucana.
Sahido no mesmo dia
Valparaizo e escalaVapor inglez Sorata, cora-
mandtnte A. J. Cooper, carga varios g-
neros.
Navios entrados no dia 26
Havre e escala19 dias, vapor francez Vdle de
Bahia, de 1008 toneladas, commandante Roux,
equipagem 35, carga varios gneros; a Au-
gusto Labille.
Parahyba-5 dias, hiate nacional Apody, de 5#
toneladas, mestre Francisco A. de Souzaj
equipagem 5, em lastro ; a Antonio da Silva
Campos.
Rio Grande do Norte5 dias, hiate nacional Ge-
riquity, de 50 toneladas, mestre Joaquim ti-
da Silveira, equipagem 5, carga varios gne-
ros ; a Haooel Joaquim Pessoa.
Navios sonidos no mesmo dia
Rio de Janeiro e escalaVopor nacional >.<-
rito-Santo, commandanlc Carlos Antonio Go-
mes, carga varios generas.
AracatyPatacho inglez Hannah, capitao Wil-
liams, carga farinha de mandioca.
CannetableLugar americano Hannah M. Loor.,
capitao L. H. Bird, em lastro.
Buenos-AyresVapor inglez Cndor, comman-
dante Tnomaz A. Prenett, em lastro.
i.
i




Diario de PernambucoTerca-feira 27 de Agosto de 1889
1
%
i
k
Ao elcliorado do 9 distrfieto
E' clicgada a oecasio lo solicitar do indepcu-
denle cleiorado do 2o dislricio u renovago do
honroso mandato de seu representante, eujo di-
ploma me foi arrancado pela cegueira partidaria
de mos dadas cora o odio escravista na legisla-
tura que acaba de Ondar com a dissoiucao da
Cmara dos Deputados.
Tendo continuado a considerar-me o legitimo
representante do districto, nao posso, por isso
mesrao, aspirar simplesraenie a honra de ser o
deputudo novamenie eleilo ; desojo que o pleito
de 31 de Agosto hol tambera una igu i Reacio j. Tnn-P Fiffel neln lado direito
especial: seja o profsto conlra a espoliacao do '2* \0T1? LlrT' Pel l!T ,a'reit0
meu direilo ae depulado duas vezes eleito: seia fronte da P*"te cental do alac10
- .. ..______ft. .1.. ____. J.-l___. i T ___T :1______ -V-*X .w.w'^ An *nAn.
a restauragao do mea diploma violentamente
rasgado ; seja a conliriuacjfo de que nao tenho
desmerecido no concert e na conlianga do3 roeus
coneidados,
Eu aguarda va
com anie.!,
de
Doieoi-
Ji' por-
que para
i,o julga-
pezar de
siagoes a
poder provocar una manifV-
nc do brioso e'itorado >io 2' ci
tanto, cheio de satisfago e d \i
elle apptl.o, sem a menor ment que tenlia de ser pon
todas as machinagoes, perfidias e
que recorram os raeus raiicoro-i; inimgos.
A raanifcsUgo franca e sem reservas de mi-
nhas id-.ias sustentadas nos nuvtings, as confe-
rencias publicas, na imprensa, na tribuna par-
mentar, bastante para allirmar os roa.promis
sos. por miin contratados para com o puvo, em
cu]o nome aspirarei sempre a honra de poder
fallar : e por oulro lado, accenta. de modo bem
claro e positivo, o dever que me cabe de accei-
tar as soluces, ahila as inais arrojadas, de libe-
ralismo moderno, concilladas com os altos inte-
resses da patria que. todos devenios fazer forte e
granito, prospera e feliz, urna s e indivisivel
pela integridade do seu soto c pelo lacocommnm
Nao me escusarei, entretanto, de mencionar
que. entre todas as reformas que o partido libe-
ral chamado a realizar, devemos, antes de
tudo, trabalhar para que o povo te'nha interven-
gao mais directa e eflecliva na governaco pu-
blica pela ampliarao do direito do vol do qual,
em sua maioria. tera estado privado. Devemos
igualmente trabalhar para que as provincias e os
municipios tenham a mais plena autonoma, en-
trem no inteiro governo de si mesmas, para, inde-
pendentcmenle de tutellaadministrativa estranha,
gerirem seus negocios, applicarem suas rendas,
promover n os seus melhoramentos. concillndo-
se ao mesrao tempo os interesses peculiares cada
urna das provincias, de modo a fazer desappare-
cerem rivalidades, ou antes, hostilidades que co-
mecarn a manifestar se e que fatalmente preju-
dicaro a homogeoeidade nacional.
Reconhego nao ser possivel exigir de un ga-
binete a execuco, de urna vez. do programma
inteiro de seu partido; e por sso me contentarei
que o gabinete 7 de Junho emprehenda a reali-
zado d'aquellas duas reformas capilaes, a par
de outras medidas de ordem differentee de nio
.menor importancia, como seja promover melhora-
mentos pblicos, auxiliar e favorecer as artes e
industrias nascentes e a lavoura que to patrio
Mea quanto desinteressadamente tera auxiliado
a transformago do trabalho nacional, e por meio
de medidas econmicas e linanceiras impedir as
caprichosas oscillaces do cambio, desenvolver
o crdito, fazer a converso do nosso meio cir-
culante depreciado, e assiin concorrer para que
eja melhor aproveitada e desenvolvida a riqueza
publica e diminuidos os encargos da divida Ba-
cional.
Diz me a consciencia que, mesmo proscripto
do pirlamento pela mais violenta das reaece?,
nao me deixei tomar de desanimo era me con
servei em inactividad^; ao contrario, conti-
nuei a servir, com ardor, dedicago e firmeza,
causa do povo e da democracia. Posso fese-
gurar ao cleiorado do 2o districto que, eleito
aovaraente seu representante, saberei honrar o
mandato que me for condado, nao trahindo os
compromissos do meu passado nem iliudindo
as esperaneas do futuro; hei de sempre procu-
rar corresponder confianza dos eleitores de-
Tendendo os grandes interesses da altiva pro-
vincia de que me orgulho de ser lilho e balen-
do-rae pelos direitos do povo.
Nutro a esperanca de que nao appellarei in-
tilmente para o eleitorado do 2o distncto e que
d'elle hei de receber um diploma revestido da
forca e do prestigio necessarios para no parla-
mento ncionaal collocar me altura da grande
'iiisso de que tenha de ser investido.
rada um dos Srs. eleitores dn 2o districto com-
prehender a impossibilidade material em que
me acho de procralos pessoalmenle para pe-
dir-lhes que rae honrem com os seus votos e
com a sua franca adheso.
SSo bem conbecidas as mmhas ideas e a mi-
nha atlitudc diante dos negocios pblicos : e
quando os Srs. eleitores desejem interrogar rae
tero a facilidade de o fazer as reunioes prelimi-
nares ao pleito, que sero promovidas em pontos
deteraiinados de cada parochia, por ser esse o
meio mais fac 1 de por-me em contacto com os
Srs. eleilores.
Espero, portanto, que isso nao ser motivo
para que deixem de suffragar a miaba candida-
tura e fazel-a sabir triumphante das urnas.
Recie, 20 de Agosto de 1889.
. Jos Marianno.
IV. 39.
Oleo paro medicinal de Filiado de
BaiUfo de I.anian A H<-mn
A tsica urna molestia insidiosa. Urna vez
que tenha principiado a destruigo dos pulmes
i enfermidade segu a sua marcha rpidamente
e isio sem que a suspeite.
Todos os mdicos confessam que para esta
molestia tudo intil, excepto o Oleo de Figado
de Bacalhao.
A difliculdade, porra, est em se obter o ar-
tigo puro.
A adulterago quasi que universal; porm
s que se deixam engaar, devem por a culpa
em si mesmos, pois bem sabido neste mercado
que o Oleo Puro Medicinal de Figado de Baca-
Fho, de Lanman & Kcrap, tanto o hranco como
o preto, extrahido do ligado de peixe fresco, e
6 em todos os sentidos o typo mais fino deste
admirare! pulmonico o qual em nenhum outro
paiz se pode conseguir-
N'ennam risco se corre quando a saudc se
ucha em perigo, provisto que se tenha m5o
um remedio conhecido da maior importancia.
Este o grande antidoto para todas as molestias
4os pulmes e da garganta, para as aflceges do
ligado e das escrfulas.
Assim oaflirmam centenares de mdicos e in-
umeraveis doentes.
O Oleo Puro Medicinal de Figado de Bacalhao,
e Lanman & Kemp nao contera nenhuma sub-
stancia estranha. e sim 6 absolutamente puro e
conserva-se fresco em todos os climas ; circura-
slancias estas que se devem ter sempre presente.
A'ha-se venda em todas as principaes b-
ricas e lojas de drogas.
A olugao de Antipyrina de Trouette
produz maravilhosos effeitos para o trata-
miento das enxaquecas, nevralgias, e dores
geraes (15
Lixlr rabera de negro do Dr. Santa
ana. anal y nado em Vrr e ap-
piWvndu pela InMpcctoria Aieral
tle J*jioii<'.
Premiado na Exposigo)
Continuamps a prevenir o publico que o ver-
dadeiro elixn\cabeca de negro 6 o da formula
do Dr. Santa traa, que como garanta tem em
seu favor os attfctados passados pelos mais dis-
tinctos medico?, Tksta e demais provincias do
imperio, por pharnWeuticos, desembargadores,
advoeados, engenheVos, commerriantes, empre-
ados pblicos, lenVg^ da Faculdade, artistas,
Fi'tne, portanto, o publico sTv^odo que o eli
xir fabricado na ra da Cadeiaruharmacia de
Mermes Souza Percira, Successores, Cfima imita-
o do nosso.
eposito do verdadeiro, ra do Boof Jess n. i.
C3B
Frederico Chaves Jitnior |
Homoepatta
[39 RA BARO DA VICTORIA 39 M
Prlmeiro andar
Exposigo l'siivcrs^l de 1S8
Segundo a carta que nosecrevem nos-
sos correspondentes, os Sr. Amde
Prince & C, o Pavhao dolQuatemala
onde elles acabam de organisar urna sala
de leitura de todos os principaes jomaos
das Americas do Centro, do Sul, das An-
tilhas e do Eitremo-Oriente urna cons-
truegb de madeira muito bonita. i-
Este pavhao acha-se situado direita
e de-
das Ar-
fes Liberaes. Est perto de todas as sec-
c3es das Republicas Americanas e do Im-
perio do Brasil cujos riquissimos palacios
hao de constituir, por sem duvidn, urna
das inaiores attrac55es da Exposico.
Aos nossos patricios rca-ommendamos
encarecidamente que visitem no Pavilho
de Guatemala a installacao dos nossos
correspondentes, Srs. Amde Prince &
C, devida ao obsequio do illustro com-
missario geral do Guatemala.
/35TN ^cSc^S .-^Z^b^ -
ADV0GAD0
i
Va
O bacbarqf Salustii.no Jos de
Oliveira pode ser procurado para \
os misteres de sua profissto. 4 ^\
ra L: tnstia do Rosario u. 10, 1.
andar.
f
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 as 10 da manha.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226

Leonor Porto
Ra Larga do Rosario nu-
mero 26
SEGUNDO ANDAR
Contina a executar os mais difficeis
figurinos recebidos de Londres, Pariz,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicao de costuras, em
em brevidade, modicidade em precos e
fino gesto.
Advogado
Miguel Jos de Almeid i Pernambuco tem o sen
escriptorio de advocada ra do Imperador n.
81, onde ser encontrado todos os dias uteis, das
borts da 9 manh s 4 da tarde.
O
SILYEIRA
ADVOGADO
t 111 t DO IMPEBADOR-69
EXPOSITION UNIVERSAL DE 1889
Segn nos escriben nuestros correspon-
sales, los Srs Amde Prluce y C.
el Pabelln de Guatemala, en donde han
organizado un gabinete de lectura de los
principales pridices de las Americas del
Centro, del Sud, de las Antillas y del Ex-
tremo-Oriente es una construccin de ma-
deraje las mas lindas.
Est situado dicho pabelln a mano
derecha de la Torre de Eiffel, del lado
derecho y en frente de la parte central
del Palacio de los Artes liberales. Se en-
cuentra a proximidad de todas las seccio-
nes de las Republicas de las Amencias y
del imperio del Brazil, quienes han cons-
truido palacios que rivalizan de riqueza, y
que serap una de las mayores atracciones
de la Exposicin.
Encomendamos particularmente a nues-
tros compatriotas que visiten, en el Pa-
belln de Guatemala, la instalacin que han
hecho nuestros corresponsales, Srs. Am-
de Prince y C gracias a la amabili-
dad del seor comisario general de Gua-
temala.
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballhazar da Silveira
Especial ixladefebres, molestiae
das enancas, dos orgSos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser
rgidos pharraacia do Dr. Sabino,
r di- l
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Estrei lamento daurethra
AO ILLM. SR. DE. CABLOS BETTENCOIJBT
Eu, abaixo assignado, declaro que, estando
soffrendo de um estreitamento dajurelhra, acora-
panhado de blennorrha, recorr ao Illm. Sr. Dr.
Bettencourt, por quera fui operado pela electro-
lyse sem dor, (cando radicalmente curado em
curto espaco de tempo
Ao muito digno Sr. Dr. Betlencourt os meus
mais sinceros agradecimenlos.
Joo Rodrigues de Bruto.
A.dvogado
O bacharel Arthur da Silva Reg tem o seu
escriptorio de advocada ra do Imperador n.
34, oude pode ser procurado para os misteres
de sua prolisso.
Dr. Mello Gomes
Medico operador parteiro
46Ra d Barilo da Victoria46
(DEFBONTE DA riIABMACIA PINHO)
Onde tem consultorio e resi-
dencia i podendo ser encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades : partos, febres, moles-
tias de senhoras e dos pulmes, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope-
raffies de estreltamentos e mais sofri-
mentos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephone n. 394
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de ngelilo Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Gejal de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo 6 de grande efffcaca as ino-
legtias syphililicas eimpureza dosanaue ; assim
como em todas as molestias das sentaras.
Tera curado radicalmente umitas pessoas ac
comme'tid;is da lerrivel molestia beriten.
MODO DE USAR
Os adultos tomarao quutro colhera das de
sopa pela manha e quatro noite. As crianr a?
de i a .'j anuo Uiinarao una colher peh manti.'i
e outra noite, eosdeoa 11 annos> tomarao
duas collieres pela manha e duas noije. De-
verao lomar banhos fri ou momo pela Inanha (
a noite. iiesguardo regular.
Eneontra-se venda na drogara Francisco Manoc! da Silva A G.. ru do Maiucz de
-Olinda n. 2:!.
0 autor deste preparado poae ser procurado
na ra do aro da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda c qualquer cxplicaro
que for precisa.
Cuidado com a* rnliflcaro*M
Beriberi
N 80
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrajo
Recife, 29 deNovcmbro de 1882.E' com a maior
satisfagao que communieo a V. S. que soffrendo
por muito lempo de urnas empingens e sera ti-
rar resultada dos remedios que foram rcoeita-
dos, recorr ao seu Elixir Depurativo, preparado
por S. S. e h'quei perfeitamente curado, assim
como tive occasiao de apreciar urna cura brilhan-
te em pessoa de minba familia, que soffrendo de
grande fraqueza e dormencia as pernas, bra-
cos, mos, falla de appetite c anciedade repe-
tir o de beriberi) com o uso de trez garrafas de
to precioso Elixir est perfeitamente boa.
Autorisando a V. S. a fazer o uso que Ihc ap-
prover do cima mencionado, assigno-me
De V. S. amigo, criado e obrigado.Elysio A.
da Silveira.
N. 81 ^
Atiesto que soffrendo de beriberT fui aconse-
jado pelos lllms. Srs. Drs. Jos Flix, Mua e
Matheus Vaz, a fazer urna viagem embarcado, e
nao rae sendo possivel fazel a de prompto por
falta de recursos, liz uso do Elixir preparad
pelo Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade, a es-
pera que houvesse vapor para Fernando de No-
ronha, porm com a primeira garrafa que to-
mei fui sentindo melhoras e com o uso de seis
garrafas hquei bom, c ha seis mezes nada mais
tenho soRrido, portanto a este Elixir devo o
meu restabelecimentd e para constar passo o
presente o qual o Sr. Angelino poder publicar,
querendo.
Recife, 24 de Julho de 1884 Ureuliano Clmio
de Torres Galndo.
N. 82
Recife, 30 de Dezembro de 1882. Illm. Sr. An-
gelino Jss dos Santos Andrade.Proveniente de
molestias syphiliticas fui atacado fortemente de
rheumat3mo e urna erupgo na pelle ; procurei
e iisci todos os remedios para debellar o mal e
sempre sem resultado erara os raeus esforcos,
quando a conseibo de amigos usei do sen prepa-
rado e no fim de tres garrafas, vi satisfeilo o
meu maior desejo, fiquei bom.
Aceite portanto Vmc. as cxpresses sinceras
de agradecimeuto de quera com toda estima.
De Vmc. alt. veuerador c criado.Carlos topes
Gutmares.
Estavam selladas ereconhecidas as firmas pelo
tabelliao.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
eculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
mei dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barab da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Cuidai avossasaude!
Infelizmente bem commum urna mo-
lesta terrivel, conhecida pelos nomes de
Tsica, ConsumpcSo, doenca do peito,
ete.
Nao pretendemos affirmar que o Peito-
ral de Cambar, cure aquella molestia,
porque at hoje tem sido impossivel cu-
ral-a quando chegada ao ultimo periodo ;
porem, podemos assegurar, que todos os
doentes que usarem do Peitoral de Cam-
bar, no primeiro e segundo periodos,
logo acharo, com toda a certeza, grande
allivio e depois a sua cura completa, por
meio de um tratamente prolongado e per-
sistente.
O Peitoral de Cambar nao limita a sua
acc3o benfica s doencas do peito cura
tambera muitos defluxos, bronchites e tos-
ses que, as mais das vezes, quando des-
presadas, sao a causa das affeeyoes pul-
monares.
Este remedio acha-se venda em casa
dos agentes Francisco Manoel da Silva
& C, ra Mrquez de Olinda n. 23,
que o vendem a 2#500 o frasco.
)
/(
|| Bacharel Antonio Witru-
vio Pinto Bandeira
< Pode ser procurado a ra do Imperador
) I n. 71, 1" anda--
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tern aberto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.

Advocada crime
RIBEIRO DA SILVA, defende perante o
jury de Palmares, Agua-Preta, Samelleira.j
Es
scada, Jaboato, Nazareth, Victoria, Tim-
bauba e as comarcas visinhas as vias
frreas.
Pode ser procurado ra Io de Marco j
n. 7 A.Livraria Parisiense. ><
j -^_^ -r~^~~^ ;"T"r""^tfB
Remedio soberano
O Peitoral de Cambar, de S. Soarcs,
cura de urna forma admiravel qualquer
rouquidao e perda de voz.
Os agentes
Francisco Manoelda Silva & C.
Ra de Mrquez de Olinda n. 23
EDITAES
-
2.a Seccao.Secretaria da Presidencia de Per.
nambuco, em 24 de Agosto de 1889.De ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia faco publi-
co, paraos'devidos effeitos, o edilal abaixo trans-
cripto, pondo em concurso o provimento dos of-
licios de partidor e contador e de partidor e dis-
tribuidor do termo de Agua Preta.
O secretario,
Francisco Leopoldo Marinho de Sonsa.
0 l)r. Francisco da Costa Main, juiz municipal e
de orphaos dos lermos reunidos de Calmares e
Agua-Preta, por Sua Magestade Imperial, a
nuein Deus guarde, etc.
K.ko talier aos que o presente edilal virera e
d'elle noticia liverem. e a quera-interessar possa,
que de conforinidade com o art 1. do decreto
n. 3,322 de 14 de Julho de I8S7, (lea marcado o
pra^o de 30 dias, a contar de hoje para o con
curso do proviinenlo dos olicios de coutador e
partidor, e de pulidor c distribuidor do tt'rmo
de Agua-Preta, creados peda lei provincial i. 1,405
de 12 de Maio de 1.879 e vagos o primeiro por
ter fallecido o serventuano Joaquim Marques da
Porciuncula e o segundo pela desisiencia que fez
o respectivo serventuano Manoi'l Firmino de Al
huquerque. Assun, pois. ncjinmeodo que.n
pr.lender que apresenle-se no praco cima ndi-
cado i: que mstrua bw\ pelicS com exame de
sullicieiicia e mais documentos exigidos pelo de-
creto n. 9,120 de 28 de Abril de 1883 e mais le-
gislacao em vigor.
E para que chegue ao conlieciracnK de lodos
mandei passar o presente qoe ser aligado na
porta da Cmara Municipal desta villa e delle se
extrabini copia para ser remetdo ao Exm. Sr.
presidente da provincia para o lim indicado no
art. 157 do decreto citado, com certido do dia
em que foi allixado pelo porteiro dos audito-
rios.
"Dado e passado nesla villa de Agua-Preta. 12
de Agosto de 1889. E eu, Pedro Severo da Costa
Leite, escrivo de orphaos o escrc.i. Francisco
di" Costa Maia.
E inais sfl nao conlmlia em dito edital, aqu
fielmente copiado. Eu Pedro Severo da Costa
Leite, escrivo de orphSos o escrevi.
Certifico que aifixei na porta da Cmara Muni-
cipal, $ edital chamando o concurrente aos offl-
cios de contador.e partidor e o de partidor c dis-
tribuidor d'este termo. Dou f. Villa de Agua-
Preta, l de Agosto de lfc89.O porteiro dos au-
ditorios Joaquim Jcrpnymo de i-arvalho.Con-
forme.0 escrivo, Pedro Secero da Custa Ijtitr.
Edificio da Faculdade de
Direito
De accorio com a commisso nomcada pelo
Exm. Sr. ctnselheiro presidente da provincia
acha-se aberta, com o prazo de i dias a contar
desta data, coacurrencia pablica para o recebi-
raento de propostas das pessoas que pretende-
rem forneeer para as obras do novo edilicio da
Faculdade de Direito os materiaes abaixo desig-
nados.
As propostas sero feitas era cartas fechadas e
entregues no du 2- de Setembro vindouro, s 11
horas da manh, na repartico de Obras Milita-
res, em palacio, obrigande-se cada proponente
a forneeer todos os materiaes conjunctamente ou
cada clsse que preferir.
O contracto vigorar at 31 de Dezembro des-
te anno.
O transporte dos materiaes ser por conta dos
fornecedores, (cando obrigados a deposital-os
no largo do Hospicio e lugar indicado pelo en-
genheiro encarregado da construego.
O fornecimenio coraecar a ser feito dentro
de 8 dias a contar da aceitaco das propostas,
sob pena de 20 por cenlo de mulla, deduzidos
da Sanca de 500U00 previamente depositada na
Thesouraria, como garanta.
Areia d'agna doce, metro cubico.
Pedra granito de lastro, arrumada, metro cu-
bico.
Pedra granito em blocs (grandes pedacos) metro
cubico.
Cimento Portland em barrica de 146 kilogram-
raas, urna.
Cal preta, hectolitro.
'fijlos de alvenaria grossa d'agua doce de
0-31X0,15X0,-0o, milheiro.
Telhas convexas de 0,-57X0,10 de corda, mi-
lheiro.
Travo de madeira de lei (poferro, sucupira pre-
ta, sapucaia, itnberiba preta, pao d'arco, ba-
cury) de 0,-22 a 0,"25 de face at u curapri-
raento de 4" e de 0,-25 a 0,-30 sendo maior
de 4-, o metro linear.
Encharael de madeira de lei, de 4- a 6- por
0,-17X0 17, metro linear.
Dito de 4- a 6- per 0,14XO,14, metro linear.
Mo travessa de 4- a 6-, metro linear.
Caibro de madeira de 6- a 9-X0.08 a 0,-11 de
dimetro, metro linear.
Dito de mangue de 4' a 6-XO a 8 a 0,-11, me-
tro linear.
Ripas de 2,-5X0,05 de largura, duzia.
Taboas de refago, duzia.
Corda para andamie, peca
Ferro forjado para arganeis, ponteiras, parafu
sos e porcas, kilogratnma.
Pregos grandes, idem.
Pregos caibraes francezes, idem.
Ditos ripacs, idera, idem.
Recife, 28 de Agosto de 1889.
t. ThQitmaturgo de Atecedo.
a.* ee$o. Secretarla da Presiden-
cia de Pernambuco. i o de AgoMo
de 1889.
O Exm. Sr. conselheiro presidente da provin-
cia, de ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro Vis-
conde de Ouro Preto, Ministro e Secretario de
Sslado dos Negocios da Fazenda, faz saber ao
commercio de Pernambuco e mais interessados
que nesta secretaria recebem-se at 31 do cor
rente reclamagoes sobre a tarifa das Alfandegas
e regulamentos de 22 de Fevereiro de 1888, re-
lativos aos impostos de industrias e profisses,
fim de serem consideradas na reviso a que
ra proceder o Ministerio da Fazenda.
O secretario,
Francisco Leopoldo Marinho de Souza.
O Dr. Joaquim Correia de Oliveira An-
drade, juiz de direito de orphSos e au-
sentes em Pernambuco, por S. M. O Impera-
dor o Senhor D. Pedro II, a quem Deus
guarde, etc.
Fago saber aos que o prsenle edital virem
ou delle noticia tiverem que, depois da audien-
cia do dia 27 do correte iro praca os bens
que segueni-se, os quaes foram dado-a D. Fe-
licia Jesuina Rodrigues, inventarame dos bens
deixa'los por Jos Braz da Silva Oliveira, para
pagamento de credores, a saber :
Urna mobilia de Jacaranda, dous espelhos
ovaes, quatro quadros, um lustre com tres bi-
cos, ires marquezes de pao carga, urna com-
moda, urna raea commoda, urna mesa elas
tica, seis cadeiras de amarelio. duas ditas de
braco, urna espreguicadeira, dous aparadores
dous sofs sera palha, um dito com palha, urna
marqueza de Jacaranda sem palha, dous conso-
los de armario, duas quartinheiras, urna mesa,
duas bancas, duas mesas redondas, um guarda-
louca, um relo^io, dous encerados,' trinta e oito
remos duas lauchas Nova Mariana e Aurora,
urna aeo da estrada de fe ro do Recife a Li-
moeiro, oo-salor de 2:000, urna parte no sobra-
do n. 17 rbadeS. Jorge urna eatraia um
dote, urna parte na casa n. 53, ra do Baro
bo Triumpho, urna parte na casan. 60, ra
do Pharol.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o prsenle que ser affixadono
lugar do cosame e publicado pela imprensa.
Eu, Manoel do Nascimento Pontes, escrivo o
subscrevi.
Recife, 24 de Agosto de 1889.
Joaquim Correa de Oliveira Andrade.
5.* seccao.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 29 de Abril de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. Dr. vice-presidente
da provincia e nos termos do 2o do art.
Io da lei n. 1,901 de 4 de Junho de 1887,
3ue, tendo-se concluido por meio de laudo
e arbitro desempatador, a questao de ava-
iacao do material da empreza de illumi-
nacjlo gaz desta cidade, fica aberta
a concurrencia, com o prazo de seis me-
zes, contados da data do presente edital,
para contracto da dita illuminajao, me-1
diante as seguintes clausulas da citada le:
| 3. Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da quantia de 25:000-3
em dinheiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitacio do contracto,
no caso de ser preferida a sua preposta.
4. O deposito, a que se refere o jpa-
ragrapho antecedente, nao ser retjrado
pelo contractante senao lindo o contracto e
servir de caucao para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipuladas no mesmo.
J f). O contracto s poder ser feito
com quem meihores vantagens oferecer
na concurrencia.
| 6." A nao ser no caso do paragrapho
antecedente, a actual vinpresa nSo ter
preferencia a qualquer outro proponente-
| 7. O novo contractante sera obriga-
do inde.mnisacao, a que a provincia
sujeita por forga da clausula dcima ter-
caira do contracto em vigor, devendo dita
indemnisagao ter lugar de accordo com
essa mesma clausula, e ficando o mtenla
e obras da empreza hypothecados pro-
vincia at que esteja realisada a indemni-
sacSo ou pelo manos depositada a respecti-
va importancia.
| 8. O prazo do contracto nao poder
exceder a 30 annos.
9." O preyo da illumnaao, quer publi-
ea, quer particular, nao poder exceder de
260 ris o metro cubico de gaz, fazendo-
e urna reduejo de mais de 30 [0, para
os estabelecimentos de caridade e benefi-
cencia, e repartieses publicas.
10." O systema mtrico, si for mais
conveniente, ser adoptado para a medi-
cao do gaz.
11." A luz ser clara, brilhante e isenta
de substancias estranbas, que possam pre-
judicar a illuminacao e a hygiene publica.
| 12. A intensidade media da luz ser
equivalente a dedez velas de espermacete,
das que queimam sete grammas por hora,
correspondentes a 120 graos inglezes.
13. As horas de illuminacSo publica
serao fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cada anno, nao pedendo
ser em numero menor de seis, nem maior
de dez, de vendo neste caso haver urna
reduccao no preo do gaz correspondente
ao acrescimo de horas.
| 14." O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e illimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as quest5es que
se suscitarem, quer cun o governo,
quer com os particulares, .ficando sujeitos
todos os seus actos s leis e regulamen-
tos e .jurisdicfao dos tribunaes judicia-
rios ou administrativos do paiz.
| 15. O contractante ser obrigado a
collocar e construir sua custa um ou
mais gazometros, se houver necessidade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os melho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna vez adopta-
dos na corte do imperio -ou em alguma ca-
pital da Europa.
| 16." O pagamento da illuminacSo pu-
blica e particular ser feito em moeda do
paiz, sem attencao oscillaclo do cambio.
| 17. O cotttractante poder organisar
companhia, a qual ficar subrogada em to-
dos os direitos e bbrigagoes do contracta.
18. Para as dfespezas com a fiscali-
saco do servigo de illuminacao |o contrac-
tante concorrer annualmente com a quan-
tia de 3:0000000, que serb recomidos ao
Thesouro Provincial.
19. O presidente da provincia esta-
belecer as multas e mais condicoes, no
intuito de garantir a boa execuco do con-
tracto, quer com relacao a illumincao pu-
blica, quer com a particular.
Faz-se publico, finalmente, que o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7* cima citado, a
quantia de 994:9170528, de accordo con:
a avaliacSo feita pelo arbitro desempata-
dor em 18 de Margo ultimo, visto deduzir-
se da de 998:7770528, total da avaliaco,
a importancia de 3:8600000 paga em-
presa em 1860, proveniente de 202 canos
de ferro, 5 columnas e 5 bracos com lam-
pe5es, collocados fra do permetro do
contracto.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
Empreza do Gaz
AVISO
A empreza de illuminacao a gaz desta
cidade por seu gerente,^tendo visto no
Diario de Pernambuco de hoje a publica-
cao do edital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminacab mediante as clau-
sulas no mesmo enunciadas e servindo de
base para a indemnisaeao da empreza
actual a quantia de 998:7770528, por
quanto foram avahadas pelo arbitro desem
patador as obras da mesma empreza,
quantia essa que dever ser paga pelo
novo contractante, vem pelo presente
aviso, e para evitar duvidas futuras, de-
clarar que dita avaliaco nao pode servir
de base para tal indemnisaeao, por ter
sido llegal e irregularinente feita, bem
como que contra ella j protesou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos feitos da
fazenda. tendo sido intimado do mesmo
protesto o Dr. procurador dos feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da ropvincia.
E como quer que deva em tempo op-
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, deliberou fazer a
presente publicacSo para scieneia dos in-
teressados.
Reeife, 1 de Maio de 1889.
Gersfhte.
George Windsor,
Secretaria de Polica de Pernambuco, em M
de Agosto de 1889. I'or esta repartico se I
publico, de ordem do Illm. Sr. Dr. ebefe de[po-
licia, que se aclia depositada na mesma uima
corrente de ouro para relogio, que fra apre-
hendida na freguezia da Boa-Vista pelo subde-
legado do 1 districto ; pelo que convida-se a
quera se julgar com direilo mesma a vir r-
clair.al-a dentro do prazo de 30 das, munido de
documento probatorio de legitimo dominio.
0 secretario,
____________A. J. da Cosa Ribeiro Junjfr.
5.* Secgo.Secretaria'd-Presidencia de Per-
nambuco, em 23 de Agosto de 1889.
Por esta Secretaria se faz publico para conhe-
cimento de quem nteressar possa que a reque-
rimento de Manoel Anlonii dos Santos Dias fka
aberta a concurrencia com o prazo de 90 dias
contados d'esta data para o recebimento de pro-
postas, era caria fechada, referentes fundas&o
de um engenho central de tvpo maior, de. que
trata o art. 18 da lei n. i 860 de 11 de 4gosto u
1885, mediante as condi Oes do art. 16 da mec-
ma lei e da de n. 1,972 (ir- 22 de Marco ultimo.
O secretario, Francisco Leopoldo Marinho e
Souza.
BECUMC0ES
8
Companhia de Edificado
A commisso liquidadora da Companhia de
Edificaco, convida os Srs. accionistas da allu-
dida companhia a reunirem se era assembla ge-
ral, no da 2 de Setembro vindouro, ao meio da,
no 1." andar do predio n. 77 ao Largo de Pe-
dro U. para o tim de lomarem conhecimento das
contas e do bataneo encerrado em 20 de Julho do
corrente anno, e ou virem a leitura do parecer da
commisso fiscal.
N'e.-ta mesma assembla geral se tratar aeeica
do disposto pelo art. 94 do decreto n. 8821 de 3#
de Dezembro de 1882.
Escriptorio da Companhia de Edificaco em -
quidaco, 17 deBgosto de 1889.
Jos Gomes Ferreira Maia.
Joaquim de Oliveira Borges.
Bernardino da Costa Campos Jnior.
Terceira praca
Pela inspectora desta Alfandega se faz pu-
blico que as 11 horas do dia 27 de corrente mez,
sero arrematadas em praga porta desta repar-
tico, as mercadorias abaixo declaradas :
Arraazera n. 1
Marca S&A e contramarca HP&C, 1 caixaB.
8,449, vinda de Hamburgo no vapor allemao
CearA, entrado em 20 de Setembro de 1888, con-
signada ordem, conlendo Ires pecas de merino
de l, pesando liquido 2 kilogrammas, e cinco
pecas de tecido de seda cum toda trama de li,
pesando liquido 32 kilogrammas.
Armasen) n. 3
Marca triangulo e no centro FMSC, 21 ciixa*
es. 4 a 24, contendo elixir medicinal, pesaodo
liquido legal 171 kilogrammas.
dem 2 ditas ns. 25 e 26, contendo pomada
medicinal, pesando liquido legal 10 kilograDJ-
raas.
dem 4 aas ns. 27 a 30, contendo livrosirc-
pressos, pesando liquido 360 kilogrammas. To-
tal 27 caixas, vindas de New-York no vapor
americano AUianca. entrado em 27 de Abr!
idem, consignadas a Francisco Manoel da Silva
& Companhia.
Marca AMV&C, '-i atados de caixas ns. 1 a ",
vindos de New-York idem idem dem era 24 de
Agosto idera, consignados a Antonio M. Veras i
C, contendo perfumaras, pesando 72 kilograrc-
mas. i
Armazem n. 4 j
Marca MSC e contramarca R, caixa n. 2,648,
vinda do Havre no vapor francez Vle de Bue-
nos-Ayres. entrado em 5 de Setembro idem. con-
signada a Medeiros & C.,^ contendo enveloppes
para cartas sem impressio, pesando 211 kilo-
grammas.
Armazem n. 5
Sem marca, 7,550 botijas de barro ordinario,
pesando liquido 8,078 kilogrammas, viudas de
Hamburgo na barca dinamarquesa Anna Caspar.
entrada em 21 idem idem, consignadas ordem.
.rmazem n. 7
Marca EF. 1 caixa n. 29, vinda do Havre no
vapor francez Vle de Macei, entrada em 18 de
Outubro idem, ordem, contendo dez e meia
duzias de oculos de ferro, fixos, 1 kilogramm?.
de plisss de algodo e 4 kilogrammas, peso nos
envoltorios de bijoulerias.
Marca triangulo e no centro GJ, 3 caixas n?.
573 a 575, vindas de Liverpool no vapor ingles
Author, entrado em 4 idem idem, nao consta a
consignaco, contendo parafusos de ferro de
mais de 10 millimetros, pesando liquido 456
kilogrammas.
Marca IISPC, 10 barricas ns 1 a 10, vindas
de New-York no vapor americano Finance, en-
trado em 28 de Fevereiro idem, consignadas a
Hermes de Souza Pereira & C, contendo tinta
preparada a oleo pera pintura de casas, pesando
as latas 1,760 kilogrammas.
Marca diamante. 16 no centro, D S em cima e
G P abaixo, 8 barricas ns. 8,15, vindas de Lon-
dres na barca allem Magaretha, entradas ere
23 de Outubro idem, consignadas ordem, con-
tendo er, pesando liquido legal 1,284 kilo-
grammas.
3.a secgo da Alfandega de Pernambuco, 24
de Agosto i\e 1889.0 chefe
Domingos Joaquim da Fonseca.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
t
t. eccfto. Secretaria da presiden-
cia de Pernambuco, tt de Agosto
de 188
De ordem do Exm. Sr. presidente da provin-
cia, fago publico, para os devidos effeitos, que
ao provimento vitalicio dos officios de tabelliao
de notas e ofcial do registro geral de hypothe-
cas, da comarca desta capital, concorreram no
Eraso legal os Srs. hachareis Joaquim Theodoro
ysneiro de Albuquerqu< e Jos Maria de Arau
jo. major Joao Silveira Carneiro da Cuoha, e ca-
pites Joo Theodomiro da Costa Monteiro, De-
cio Augusto Rodrigues da Silva e Jos da Costa
Reg Lima.
O secretario,
Francisco Leopoldo Marinho de Souza.
Dr. Manoel Ferreira da Silva
No dia 27 do corrente, pelas 8 horas da nw
nh, na igreja de N. S. do Paraso, mandar a
junta administrativa celebrar urna missa de r-
quiem, cantada pelas educandas da casa dos ex-
postos, pela alma do ex-mordomo Dr. Manoel
Ferreira da Silva.
Convida para assistir a esse acto de caridade
a Exma. viuva e mais prenles e amigos do
fallecido.
Secretaria da Sania Casa. de Misericordia do
Recife, 22 de Agosto de 18S9
0 escrivo,
Pedro Rodriguets de Souza.
Companhia Alagoana
de Fiao e Tecidos
Convidamos ao<> senhores subscriptores desla
companhia, para de accordo com os arts. 9 e 10
dos estatutos, at o dia 10 de -etembro prximo
futuro, realisarem sua stima entrada na razo
de 10 0/0 do valor de suas acgOes. no Banco In-
ternacional do Brasil. Macei, 10 de Agosto de
1889.Os directores, a
Jos Teixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio Pedroso Brrelo.
Obras publicas
Cadeia da cidade da Victoria
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director
geral, em virtude da autorisagSo de S. Exc. o
Sr. conselheiro p-esidente da provincia, de. .
do corrente, fago publico que no dia 14 de Se-
tembro prximo vindouro, nesta directora rece-
be-se propostas em cartas fechadas competen-
temente selladas, para execugao dos reparos de
que necessita o edilicio da cadeia da cidade da
Victoria, oreados em 954*800.
0 orgamento e mais condiges do contracto
acham-se nesta secretaria, onde podera ser exa-
minados pelos prelendentes.
Para concorrer praga cima dever o licitan-
te depositar no Thesouro Provincial a quantia de
474740. equivalente a 5 0/0 do valor do orga-
mento.
Secretaria da directora geral aas Obras Publi-
cas Provinciaes deiPernambuco, em3deAeosto
de 1889.
O engenheiro secretario
Luiz Antonio C. de Albuquerque

!
..
V


F-




Diario de Pemambuco-Terea-feira 27 de Agosto de 1889
Km virtude do que dispe o artigo 66 do reg- |
lanJnto que baixou com o decreto o. 9-834 de 3
de Fevereiro de 1686, a Inspectoria Geral de Hj-
mece faz publico pelo prazo de 8 dias, que o
Wflado Octaviano Luiz Augusto de Lagos, toe
icio a seguinfe petico com documentos que
Jsfazem as exigencias do art. 63 do citado re-
araento. _
Diz Octaviano Luiz Augusto de Lagos, resi-
na cidade do Rio Formoso, provincia de
inbuco, que tendo mais de 10 annos de pra-
ie pharmacia, como provam os documentos
es. 1 e i, e havendo necessidade de urna
Sacia nesta cidade, como pro va com o altes-
Jo da cmara municipal, vem o supplicante
aerer a V. Ex. a graca de conceder-lhe li-
Va para abrir e dirigir urna pharmacia nesta
*ma cidade do Rio Formoso, em vista do
rt. 65 do reglamento que baixou com o decre-
to n. 9.554, de 3 de Fevereiro de 1886.=Nestes
termos. -Pede a V. Exc. deferimeutoE. R. M.
Cjdade do Rio Formoso. 13 de Maio de 1889
Ofiliviano Luiz Augusto de Lagos. Sobre urna
c^ampilba de quatrocentos ris.
E declara que se nesse prasonenhum pharraa-
ceutico formado Ihe communicar, o > Inspecto-
ria de Hygiene da provincia de Pernambuco, a
repolucao de estabelecer pharmacia na tciada
locadade, conceder ao pratico licenca reque-
rua.
Inspectora Geral de Hygiene, de Agosto de
8&.-I>r. Pedro Alfonso de Carvalho, secreta-
Prolongamento da Estrada
de ferro do Recife aoS.
Francisco.
De ordem do Illm. Sr. Dr. primeiro engenhei-
ro, servindo de director, faco publico, para co-
nhecimento de quem interessar possa, que em
tlamento ao edital j publicado no Diario
ernambuco e no Jornal do Recife de 9 dejJu-
do correte anno, e outros nmeros dos
mos jornaes, e a partir de 28 do correnle.
qarta fera da semana vindoura, tica restabe-
lecido o trafego comprehendido entre as esta-
rces de Palmares Garanhus do Prolongamento
da Estrada de Ferro do Recife a S Francisco
partindo os trens diariamente, e de accordo com
o respectivo jorario ja publicado pela iraprensa.
Secretaria do Prolongamento da Estrada de
Ferro do Recife ao S. Francisco, e estrada de Fer-
ro do Recife Caruar, 23 de Agosto de 1889.
O secretario,
A. G. de Gusmo Lobo.
AdmlnUlraro do* Correto* de Per.
Bambuco em I* de Agonfo de iss;
ARREMATADO DOS TRANSPORTES DE
MALAS
O administrador/ m observancia ao or-
denado em circularpadirectoria geral dos
torreios n. 86 de 8 de Maio do corrente
anno, faz publico que fica marcado o pra-
so de 30 das, a contar desta data, para
recebimento de proposta dos particulares,
que durante o exercicio de 1890, quei-
ram fazer por contracto o servic.o de con-
dcelo de malas para o interior da pro-
^neia, partindo desta reparticao para :
Nossa Senhora do O' de Groyanna, pas-
saudo por Iguarass e Goyanna de 3 em
3 dias.
S. Rento,-* passando por Cbl Grande,
Gravat, Bezerros, Caruar, S. Caetano
dias. \
S. Jos da Cora-Grande, paseando po?
Ipojuca, Serinhaem, Rio-Frmoso, Taman-
dar, Una e Barreiros de 4 em 4 dias.
Jatob de Tacarat, passando por S.
Bento, Alagoinha, Pedra, Buique, Gamel-
ieira e Tacarat de 4 em 4 dias.
Alaga de/Baixo, passando por Pes-
queira e Cimbres de 4 em 4 dias.
Altinho, passando por Bonito, Bebedon-
ro de 4 em 4 dias.
Leopoldina, passando por S. Jos do
Egypto, Ingazeira, Afogados de Ingazei-
ra, Flores, Triumpho, Villa Bella e S. Jos
do Bello Monte de 5 cm 5 dias.
S. Vicente, passando por Vicencia
C'uangy de 4 em 4 dias.
Jabot do Brejo, passando por Pedra
Tapada, Bom Jardim, Vertentes, Taqua-
retinga, Santa Cruz e Brejo de 4 em 4
dias.
Petrolina, passando por Santo Antonio
do Para, Floresta, Cabrob e Boa Vista
de 4 em 4 dias.
SertSozinho passando por Palmares,
Villa d'Agua Preta e Campos Frios de 4
em 4 dias.
Jurema, passando por Belm de Maria,
Lagoa dos Gatos e Panellas de 4 em 4
das.
Itamb, passando por Iguarass Goyana
na de 4 em 4 dias.
Aguas Bellas, passando por Palmeira,
Corren tes e Bom Conselho de 4 em 4 dias.
Ouricury, passando por Olho d'Agua
dos Bredos, Villa Bella, Salgueiro, Gra-
nito e Ex de 5 em 5 dias.
Gloria do Goyt, partindo de Pao d'A-
'__lho de 4 em 4 dias.
Riacho-Doce, partindo de Caruar de
4 em 4 dias.
As propostas devem ser apresentadas
at s 2 horas da tarde do ultimo da,
em carta fechada por duplicatas, com dis-
criminaeao dos precos de servico de cada
ILnlia, sendo urna via sellada e ambas as-
8>jnadas pelos proponentes e seus fiado-
res.
Nao serao tomadas em consideracSo as
propostas em que for tixado o preco de
mais de urna linha englobadamente.
Terao preferencia as propostas mais
vantajosa3 em precos e augmento de via-
gem.
O administrador,
Affonso do Reg Barros.
saco Htismcioir
DO
apital.....20,000:0005000
dem realisado 15,000:000^000
A caixa filial deste Banco funeciona
ru do Commercio n. 42, sacca, vista ou
a prazo, contra os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
LondresBanca Internecional do Brazil.
ParsBanque de Paris et des Pays Bas.
LondresLondon & County Banking Com-
pany Limited.
AttemanhaDeutsche Bank.
BlgicaBanque d'Anvers.
ItaliaBanca Genrale e suas agencias.
HespanhaBanco Hypothecario de Espa-
a e suas agencias.
PortugalBanco de Portugal e suas agen-,
can.
Rio da PrataTho London & River Pa
te Bank Limited.
Nova YorkG. Amaink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razio de 2 / ao
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, ft iiam M Webster.
Obras Publicas
Ponte da Magdalena
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro
director geral de conformidade com a au-
torisacSo de S. Exc. e Sr. conselheiro
presidente da provincia, de 23 do corren-
te, fa90 publico que no dia 14 de Setem
bro prximo' vindouro, n'esta directoria
recebe-se propostas, em cartas fechadas
competentemente selladas, para execucla
dos reparos de que necessita a ponte sob
o rio Capibaribe, na passagem da magda-
lena, oreados em 9:5870200 ris.
O orcamento e mais condic5es do con-
tracto acham-se n'esta secretaria onde po
dem ser examinados pelos pretendentes.
Para concorrer praca cima dever2o
os licitantes depositar no thesouro provin-
cial a quantia de 4790360 ris equivalen-
te a 5 /0 do valor do orcamento.
Secretaria da directoria geral das Obras
Publicas, em 24 de Agosto de 1889.
O engenheiro secretario,
Luiz Antonio Cavalcantt de Albuquerque.
TOMPANHIA
. Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
flls. E' esperado dos portos do sol at o
^^M^, da 27 de Agosto e seguindo depois
bda demora mdispensavel para os
^^^^^^ portos do norte at Manos.
As encommendas s serto recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sanela.
Para carga, encommendas, passagens e vale
re8trata-SeCm AGENTES .
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Comraerco=6*
1 andar
North British Mercantile
Insurance & C.
Estabelecida em 1809
Capital subscripto
Fundo accumulados
para

sinistros
2.500:000
!.842:5U
4.342:544
Agente em Pernambuco
N. J. LIDSTONE
O Ra do CommercioO
MARTIMOS
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Nerfche
Commandante Camoin
E' esperado dos portos do
sul no dia 4 de Setembro
seguindo depois dademo
ra de coslume para Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Usboa
Lembra-se aos Srs. passageires de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo
Faz-se abatime'nto de 15 0(0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pe.ssoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteiras.
Por excepcSo, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem deste
abatimente.
Os vales postaes s se dao at o dia 3 de Se-
tembro pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trafa-secom o GENTE.
O paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E' esperado da Europa no
dia 4 de Setembro e se-
guir depois da demora
aecessaria para
Bahia, Rio de Janeiro, Buenos-Ayres e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que po'dem tomar em quatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
rias que s se attenderi a reclamaces por fal-
tas, nos volumes, que forem reconhecidas na
occasio da descarga, assim como devero den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, farerem qualquer reclamacao con-
cementes a volumes que porventura tenham se-
guido para os portos do sul, afim de poder-se
dar a tempo as providencias necessarias.
E*le paquete lliiimiimdo
elctrica.
las
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frte: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
9 Ra do Commercio 9
Companhia Bahiana de Na-
vegacao a Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O vapor Sergipe
Cemmandante Rebello
Seguir para os
porto3 acuna no
dia 29 do corren-
te s 4 horas da
tarde.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osoriode Cerqueira
17Ra do Vigario 17
(OHIViXIlll PKH\iHBICiVl
DE
Vivesaeo eostelra por vapor
P0R10S DO SUL
flacei, Penedo, racaju' e Bahia
O vapor Jacuhype
Commandante Pereira
Segu no dia do 29 Agosto s
5 horas da tarde. Recebe car-
a at o dia 28.
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCPJPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Vapores nacionaes
EMPREZA NORTEE SUL
Rio de Janeiro. Rio brande do
Sul. Pelotas e Porio-Alegre
O vapor Artndo
E' esperado dos portos do sul
at o dia 28 do corrente, seguir
Sara os portos cima indicados,
epei8 de pequea demora.
Recebe-etea, pissagens e encommendas a
tratar com os
CONSIGNATARIOS
Pereira Carneiro &C.
6RA DO COMMERCIO6
1- andar
Acarahu e Camossim
Segu nestes dias o hiate Deus te Salve para
os portos cima, recebe carga; a tratar na ra
da Madre de Deus n. 8, ou a bordo com o mes
tre no caes do Loyo.
columna, 1 aarqueza, 1 commoda, 1 espelho
oval e 1 quadjudo, 1 relogio de parede, i mala,
1 sof de ama'ello, cadeiras de junco, e amarel
lo avulsas, loiga para airando e jantar, copos,
clices, garrafas, facas, collieres, bandejas, tape-
tes, bacias, jjrros. candieiros para kerosene, al-
gomas joiaSf 1 mesa e trem de cosinha, 1 jarra e
outros objedos.
Qnarla-feira 18 do corrente
A's 10 12 horas
Ra do Cotovdo n. 34
Leilo
Royal Mail Steam Packet
Companhy
O vapor Don
Espera-se da Europa at o dia30dei
Agesto, seguindo depois da demo- )
ra do costume para s
Bahin. Rio de Janeiro Montevi-
deo e Iluenos-Aj res /
Para passagens, fretese encommendas trata-
se com os AGENTES. /
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
E' esperado do sul no dia 1 de* Se-
tembro, seguindo depois da demora
necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Soifthampton e
Antuerpia
ReduccSo di passagens
Ida lia t tolla
A' Lisboa 1 ciasse 20 t 30
A' Southampton 1" ciasse. 28 42
Camarotes reservados fcara os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendis, trata-se
com os
AGENTES
Amorini Irmos & C.
N. 3Ra do Bom Jes.MN. 3
De umacasa terrea n. 19 (antiga ra dos
Acoujuinhos) hoje Antonio Henriques
ttiiarf a-feir. 98 do corrente
AO MEIO DIA
IV* armazem ra do Imperador
ii. 3
0 agfflte Stepple, por mandado e assistencia
do Exm Sr. Dr. juiz da provedoria de capellas
e residios, a requeriraento do padre Albino de
Carvallo Lessa, testamenteiro de D. Antonia Ja-
cintha de Jess Carvalho, levar a leilo a casa
terrea icima, desde j os Srs. pretendentes po-
dem examinar a dita casa.
A /ISO
Ama
LEILOES
Leilo
Terca-feir, 1 da corrente
A's 11 horas
Na ra Estreita do Rosario n. 8
0 agente Modesto Baptista por alvar do Exm.
Sr. Dr. juiz da provedoria de capellas e re3iduos,
a requeriraento do inventarame dos bens do fi-
nado Francisco Antonio de Magalhes Bastos,
far leilo de diversas obras de brilbantes, ouro
e prata.
EM SEGUIDA
O mesmo agente vender 1 mobilia, 1 piano, 1
banheiro dechovisco, fiteiros. 1 balanca decimal,
e diversos outros artigos, movis, louga e vi-
dos.
Leilo
De fazendas
Constando
Da ciixa n. 29 com 21 pegas de brim de linho
liso trigueiro de 12 a 15 (ios, caixa n. 26 com
96 tqpetes avelludados, caixa n. 28 com 20 pe-
cas le brlm trigueiro liso de linho at 12 nos,
caisi n. 27 com pecas de brim trigueiro de li-
rholiso de 9 a 12 lios, caixa n. 1,172 com 1 par
de chinellos de l, 7 pares de sandalias de cou-
ro, 4 pares de botinas de l canno alto, 48 pa-
res de sapatos de couro, caixa n. 1,168 cora 135
ilogrammas de cortinados de fil de algodo, 6
kilos de coberta de fil e algodo, caixa n. 1,167
com 134 kilos de cortinados de fil e algodo e
5 1/2 kilos de coberta* de fil, caixa 1,160 com
243 duzias de collarinhos de algodo para ho-
rneen, caixa n. 150 com 198 duzias de pares de
meias curtas de algodo. caixa n. 619 com 20
pecas de brim branco de linho entrancado, 112
duaias de lencos de bretanba de liDho at 15
(ios e 64 duzias de lencos de linbo at 18 (ios.
Inhila-feira. 99 do corrente
A's 11 horas
0 agente Gusmo, autorisado por mandado e
assistencia do Exm. Sr. Dr. juiz dedireito do
commercio e a requerimento doDr. curador fis-
cal da massa fallida de D. P. Wild & C, far
leilo das fazendas cima mencionadas as quaes
sero vendidas em lotes a vontade dos compra-
dores.
No armazem da ra Mrquez de Olinda
n. 5.
AVISOS DIVERSOS
Aiuga-se urna casa no Monteiro, muit
fresca por ter janellas para o rio ; a tratar no
caes da Companhia Pernambucana n. 6, escrip-
ftrie de Bastos & C.
A padaria ; apor, do Poajbal, avisa aos seus
freguezes, qr. a tarrada de mho e arroz em
pacotes de meio kilo encontra-se venda as
seguintes merciarias:
Bernardino Duarte & C, ra da Florentina
n. 2.
Zefcrino Valente & C, caes 22 de Novembro
n. 4.
Para papts, cangicas e catf^t t* fariab*
tetn tido grande aeeitacSo pubti, *4nssb*ix di-
ploma de 1 ciasse na exposicaa preparatoria
para Pariz, em 1889, pela sua superior qnalida-
de de railho escolhido.
AOS Srs. rEOPSIETARIOS OATAUOS
UNGENTO STEVENS,,
O nico siilrttltiiiB-V) a cautcrlco Mi t1108
pelofuL'o. U,t; iu-ira1lliRO pt*rd e nuco
remedio veri.uirameite efBcaz jara irr todas
e ^uaesquer Ailtcp? dai utau d* an>, ananlnii u
larusQ'.a e DiiiMatoes de tea a natsr, de
ptlmo e continuo xito em wtams aa cor-
ridas, hars >, e nos prlnclpaes estabetecl-
mentoi de cavall-> em Inglaterra e Europa.
Nunca dola nodos alyuma. ET mjster experl
menta lo para flear convencido do seu valor
Vende-ae em oatxas o5i a* compcwtres tntUcapSe
pura o tu tmprrgn. rrnportugHti
Usicureuu prepando por H. R. STEVENS. ni< 6, Park Le. Loudrca {IngUlerraJ
Htlwiee w PenamOucs : TUiit- i. ti SaViatT9
Para engenhos
Lopes & Araujo, vendem
a presos sem competencia,
garantindo a boa qualidade,
os artigos abaixo mencio-
nados.
Cal de Lisboa.
Dita de Jagiribe.
Oleo de^ocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Potassia da Russia em caixas
de 10 e 25 kilos.
Cimento Porttand.
Graxa em bexigas.
Ra do Livramento h. 58
Telephone 316
Na ra da Palma n 4<. precisa-se de orna
para cosinhar e eomprar.
Ama
Precisa-se de urna .ama para cosrnhaT, pora
casa de familia; a tratar na ra do Hospicio an-
ie ro 41.
Ama
Precisa-se de urna, para o servico doroetntia-
na ra larga do Rosario n. 38, 2- andar.
Ama
Precisase de urna ama para servifo domes-
tico ; a tratar na ra Baro da Victoria a. 54r
armazem de movis.
Ama
No entroocamenlo n. 215,
ama para servie-o domestico.
precisa-se 6e na
Ama
Prcciea-se d urna ama para comprar e co-
nhar : a tratar na rna Duque de Caxiaa n, 51,
segundo andar.
x4ma
Precisa se de urna ama para comprar t cosi-
nhar ; a tratar na ra Duque de Caxias a. *75
loja. ___________________^^_________
Ama deleite
Precisase de urna' ama de leite ; na jua Im-
perial n. 4, junto ao sobrado do Bode._______^_
Aluga-se
o f" andar do sobrado n. 24 ra da mpCTatrns,
com commodos para familia, grande quintal e
preco mdico ; a tratar na ra do Paelre Sobrega
numero 36.
Leilo
de um piano, 1 mobilia de Jacaranda, espelhos,
candieiros, quadros, jarros, camas, mesas, ci-
dehas avulsas e copo3 ; bancadas, instrumentos
novas, papel para embrulbo e outros artigos.
Tcrea-foir. 7 do torrente
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazem ra do Bom Jess .
45
Leilao
De 1 mobilia de Jacaranda cora 12 cadeiras de
guarnicao, 4 ditas de braco, 1 sof, 2 consolos
com pedra, 1 espelho dourado oval, 1 tapete para
sf, 4 cantoneiras entaihadas, 1 alcatifa, 1 com-
moda 1 lanterna com molla, 1 guarnicSo para la-
vatorio, 1 mesa elstica com 6 taboas. i guarda
louca, 1 apparelho de porcelana para jaatarl ap-
parelho dourado de porcellana para alraoco, 4
garrafas para vinlio, chicaras para cafa 1 licorei-
ro de metal, copos, clices, comeres e outros ob-
jectos.
Terca-eira, 29 do o orre o o
A's 11 horas
Na casa sita a ra de S. Jorge n. 123
POR INTERVENGA DO AGENTE
Cusmao
Agente Stepple
Leilo
de um importante sobrado de tres andares
e sotSo, sito ra de S. Jorge sob
n. 72, freguezia de S. Frei Pedro Gon-
calves.
Terca-felr, tt do corrente
A's 11 horas
\o armazem ra do imperador
ii. 39
O agente Stepple, por .mandado e assisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos
e ausentes, levar a leilo o importante sobrado
cima, pertencente ao espolio do finado Manoel
Monteiro da Cunha.
Os Srs. pretendentes desde j podero ir exa-
minar o referido sobrado.
Leilo
De urna casa terrea com soto ra de Santo
Elias n. 8, no Espinheiro, freguezia da Graca,
estafo do Espinheiro na estrada de Joo de
Barros, ou Afilelos, sendo esta mais perto,
em solo proprio.
Quarta-fefra, *8 do corrente
A's 11 horas em ponto
Ra do Imperador n. 39
O agente Stepple, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito privativo de or
phos e ausentes, a requerimento da inventa-
riante dos beus deixados pelo seu finado mari-
do Joo Jos da Silva, levar a leilo a casa ci-
ma com os seguintes commodos: 3 janellas de
frente, 2 portas e 2 janellas n'um dos oitoes, 2
salas, 3 quartos e dispensa interna, saleta, cosi-
nha e banheiro externos, deposito para agua,
cacimba, 3 quartos no quintal, latrina, porto de
ferro ao lado, Jaladas de ferro, canteiros e algu-
mas arvores fructferas, quintal todo murado,
no soto 2 janellas de parapeilo n'um dos oitoes,
1 sala e 3 quartos, em sjo proprio, em bom es-
tado de conservaco.
Desde j os Srs. pretendentes podero exami-
nar.
Leilao
De 4 barris com azeite doce, 2 caixas com
meias latas de azeite doce, 20 caixas com ce-
bollas, 2 11 barris com, toucinho.
Quarta-fera, '* do corrente
A's 11 horas
0 agente Gusmo, far leilo das mercado-
rias cima, na porta do armazem do Sr. Aynes,
defronte da Alfandega.
Agente Brito
Leilo
Em continuado
De 40 lindos pes de crotons 1 mobilia de
araarello, 1 cama francesa, 2 marquexoes, 1 la-
vatorio, 1 mesa elstica, 2 aparadores, 2 conso-
los e 2 cadeiras de balanco de junco, 1 santua-
rio de Jacaranda, 1 quartinheira e 1 cal
Alnga-se a casa da ra dasi Flores n. 18,
com 3 quartos ; a tratar na ru Nova n.
loja.
Aluga-se a casa n. 11 ra do Calabougo :
tratar na ra das Trincheiras n 17, loja.
Precisa se de um menino com pratica de
taverna, na ra Joaquim Nabuco.,n. 36, Ca-
punga.
Precisa-se de urna
ra da Soledade n. 82.
copeira ; a tratar na
Precisa-se de urna
na ra dos Pires n. 30.
ama para engommar
Caixeiro
Precisase de um caixeiro com pratica de ta-
verna ; na ra de Paysand n. 33-C.
Compra-se
urna casa terrea em perfeito estado, com 4 quar-
tos ou 3 com solio, no bairro da Boa-Vista e em
boa ra, podendo a pessoa que pretender ven-
del-a. deixar os esclarecimentos exigidos ra
das Larangeiras, freguezia de Santo Antonio,
officina de ourives n. 5.
Taverna
QVende-se oa admitte-se um socio, n'um dos
melhore3 Iocaes do Recife. Informae.-Oes na ra
Baro da Victoria n. 38.
Cofres de ferro
Carlos Sinden tem para vender cofres de su-
perior qualidade. mais barato do que em eutra
qualcraer parte. Ra Baro da Victoria n. 48.
Terreno
Vende-se um terreno na ra do Conselheiro
Barros Barreto (Porto da MaVira), tendo 50 pal-
mos de frente e 250 de fundo ; a tratar na tra-
vessa do Peixoto n. 10.
Criado fiel
Na ra do Caldeireiro n. 7-A, precisase de
um menino de 8 9 annos, que tenha boa con-
ducta, para fazer oorapras e algum pequeo
servico da casa, paga-se bem.
1
Sen
A o commercio
Consta que o tal Nono, negociante em Primo-
ver, cuta eslago a de Frexeiras, tem aconse-
lhado all aos seus companheiros a exigirem no
Recife abatimento, fem elle j fez ltimamen-
te, illudiudo a boa f de seus credores. Portan-
te de ve o commercio da capital prevenir-se em
face de um procedimento to irregular daquelle
senhor.
Escada, -34 de Agosto de.1889.
O As de Copas.
Na Varzea
Vende-se urna taverna confronte a estago, a
qual est bem afreguezada, aluguel barato, ga-
rante-se a chave, e o motivo da venda se dir a
quem comprar.
CAL
DE
A
com abate de 10
4^000 a barrica
0\ em porc3es maiores de
10 barricas.
A RA DO BOM JESS N. 23
PASTA
A PastaMaok enjl
certoes elecantisai-
nos de 8 tahoinhas) j
l un doto mar-1
vinoso preparado!
Sroporcionando um
anho delicioso e
hyfrienlro, orna
exceUente agua de
tostador.
Ista Pasta Hack
goza de fama uni-
versal, tfonnosa e
scaiisa a cotia, e,
como refrescante,
sopera todo quanto
| se coaliece al* hoje.
Ver.de se em todas
aa pharmacias, dro-
garas e perfumaras.)
nico fabricaiite-Ir.\entor: H. MACK, ttasD.
Aluja-se
a casa ra da Amizade ("apunga) n. W; a
tratar na ra Direita n. i&, sobrado.
Aluga-se
Por barato proco o Io e 2 andares o Caes de
Apollo n. 73, com icuilo bons commodos;
tratar na botica ra Larga do RosDrk) n. 34.
Aluga-se
Por preco baixo o Io e 3 endares do sobrado
ra do Rrum n. 84. com bastantes com-
modos ; a tratar ra Larga do Rosario n. 34,
botica.
rv.p-itr4js em Pernambuco : Mais SODrhtiP^
Por barato
prego
Vende-se duas vaccas especiaos, urna carroca
e boi ; na ra larga do Rosario n. 14, i andar,
se dir quera vende.__________________'
Camellas do Monte de Soeeom
Cotnpra-se cautellas do Monte de Soccorro d.
qualquer joia, brilhantes e relogius; paga-s
bem na Praca da Independencia n. 22, loja d>
relojoeiro. ______
Licor depurativo vegeial i omiti
do medico HfUtaftn
Este notabilissimo depurante xjmb vem
precedido do to grande fama inWaVeJ na
cura de todas as doencaa "jrphiliacas, es-
crofulosas, rheumaticas e de pcHe, cerno
tumores, ulceras, dores rheuaations, os-
teocopas e nevralgicas, bleargiaS agu-
das e chronicas, cancros syplriknon, ia-
flamaeSes vceraes, d'olho, pCnlae,g*r-
gantas, intestinos, etc., % Sk MHJtrU as
molsstias de pelle, siinpleajjPBfrJbariaari
assim como na alopecia ae bello, e as doen turagao mercurial.
DSo-se gratis folhetos onde se encon-
tram numerosas experiencias feitas com
este especifico nos hospitaes pblicos e
muitos attestados de mdicos e documen-
tos particulares.
Faz-se descont em casa de
FARLA. SOBRINHO C.
Roa Mrquez de Olinda n. 41
gnez
Ferreira
feullnerniina
Baioa
Manoel doXascimento silva Bastos, stus tilhos
e oras agradecem do intimo d'alma a todos os
amigos e parentes que se dignaram acompanhar
os restos mortaes, para o cemiterio, de sua mu
prezada esposa, mi e sogra; e de novo os con-
vidam para assistirera as missas que mandam
rezar no convento de S. Francisco pelas 8 horas
do dia' 28 do corrente.
(
Candida de Lima Honleiro
da Franca
Primeiro anniversario
Joao Bento Monteiro da Franca, sua mulher e
Olho mandam rezar urna missa por alma de sua
cunhada Candida de Lima Menteiro da Franca,
na matriz c!oCorpo Santo, pelas 7 1,2 horas da
manli no dia 28 do corrente. Para este acto de
caridade e religio sao convidados os parentes e
amigos. Nos confesaraos agradecidos a todos
que comparecerem. ,
Alugam-se
As casas da ra do Lima ns. !8 c 30, es
S. Amaro; a tratar na lilhographia ra Matroces
de Olinda n. 8.______________________
Aluguel barato
Becco da Bomba n. 8 loja.
Ba da Boda ns. 58 e 60.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, arssasera.
Ba da Palma n. 11
A tratar ra do Commercio n. 5, i andar,
esenptorio de Silva Guimares_A C^__________
A's maes de familias
QUERIS VOSSOS FILHOS SEMPRE 8ASMW?
Administrae-lhes o xarope on a
Pilnlas YermipurgatiYt
DO DR. CALASAHS
ptimas preparae;oes de mastmai
e rhuibarbo, para a expulsao completa, aen
dores nem incommodo, dos verme
intestinos ou lombrigas
(DAS CREAI5AS E DOS ADCLTOS)
SEIS AKNOS DE SUCCESSO,
c Estas excellentes preparaeoes b3o ne-
cessitam de purgativos como auxiliare
visto serem purgativas por si me3na.
As pessoas que tem vermes sent c-
licas, tem constantemente diarrlia, nwii-
pos5ao, sensa nos intestinos, endurecimento do ventre,
s vezes, vmitos. Rangem os dentes, quan-
do dormem, algumas e pessoas expesrs
vermes com as fezes ou com as materia
dos vmitos. As criancas apreseniam as
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o noiae
DR. CALASANS e sao cor de rosa.
1 caixa de pilulas l$2O0
1 vidro de varope 1^20C
AS PRINCLPAES DROGARAS B
___________PHARMACIAS___________
Cosinheira
Precisa-se de urna, que cosinhe bem e sTm~
em casa do patro ; a tratar na ra do Caiwgt
n. 14, 1 andar, de meio dia at_2 horas.
Casa na Capunga
Aluga-se a casa terrea n. 24 a ra a Veirtara
na Capunga, prego mdico, e est hmpa ; 'raja-
se no sitio ao p da ponte grande, tora o Sr.
Henrique Lasserre. _________
Para a festa
Aluga-se urna excellente casa na Boa VisgoE,
ra d'Aurora, com muit bon3 commodos; a
tratar ra Larga do Bosario n. 34, botica-
E' o melhor
Est reconhecido que o melhor e inas
seguro especifico at hoje eonhecido pary
combater as molestias dos orgao3 respii-
torios o Peitorjal de Cambar, de S.
Soares, de que sao agentes e depositario
geraes os Srs. Francisco Manoel da Sflr
d C, ra Mrquez de Olinda n. 23.
Aos plantadores
D. Jeronyma Cousseiro compra batatas de
araruta e matarana ; para explicaces, dirijaa-
se ra da Aurora n. 8 e Imperai/ia n. 2. os
larga do Bosario n. 14. e em sua residencias roa
do Lima, travessade Joo Veiga n. 19, em San-
0 Amaro das Salinas.
t
Boleira
Precisa-se de urna mulher qu" entenda bas-
tante de bolos ; a tratar na ra da Soledde nu-
mero 56.
Cosnheiro
Offerece-se um cosinheiro para forno e fogo,
por preso commodo ; a tratar na ra da Santa
Cruz n. 34.
D. Maria Benedicta Brrelo l.lnw
U capito Joo Paes Brrelo e seus tilhos
mandam rezar na capella de Belem, no dia 30
do corrente, pelas 7 1/2 da manh^ urna misja
por alma de sua idolatrada e*pota e mi. O. Ma-
ria B. Brrelo Lins. trigesim dia efe seu fajleci-
mento : e para assistir a este acto oonvidam os
saus parentes e amigos.___________________
t
Jos Soares Xeves agradece a seus parentes e
amigos que acompanharam os restos morlaes de
seu caixeiro Victorino Pinto Neves sua ultima
morada, e de novo os convida para asistirem
as mistas que manda celebrar na ordem 3.a de
S. Francisco, s 7 1/2 horas da manb de quar-
ta-feira 28 do corrente.
Tratamento Reconstituinte
PELO
EUXIR DCHAMP
COM EXTRACTO
cfo Figndo de
(uina ,? Ca
Ckda frasco d'eato;
ELIXIR contem o
principios dapurativos
tnicas efe um litro de oleo <
de fijado de bacalhu e.>
um litro do vinho de Quina, <
mlh
sobrs o o* ato
fgafdo de bacalliauav!
t^om da at;ce)erar
inccoae do avio#M_
lugar de as pertu hm,
e d despertar o apytitav
----*
Este, Medicamento, de ;ab6r e gSsta1
Tmnito lagradaveis, obteve o melhoi soc-
\cerno i Frarrca pora combater :
i ^NEMIA, CHLORSE,
i AFFCQES dos BRONCHIOS
e PULMES,
e a FLAQUEZA das CRIANCAS
Depsito geral ern PARS r
DOHUmp, 15, ra da Poito*
Em Pernambuco .-
A.too _flr & ^ilv^ 9 oy.
ffffi+*4**4*****<&e*

1


Uiario de Pemambuco---Terca-feira 27 de Agosto de 1889
F PKOSPH ATINA FALIERES
4<

i
l

0 mellior Alimento
Para as CF.IANCAS
pahis, e. A-v^artj TioTOMA. e. i>
Depotilu en toiaj is priKi a fOumaciu,
>v PCADEIM(M MIRANDA
S9--RA DUQUE DE CAXIAS-39 !
Este antigo estabelecimento, hoje completamente reformado com machinas
aperfeicoadas e movidas a vapor, acha-se em oondicSea de executar qualquer
lho em
Cartas, memorandnns, recibos, eireularas, memoriaes, despachos, cartSes de
ncxcoes, mappas, procos (jorrantes, accoes, bilhetes de loteras e rotuW de todas
casualidades em preto, ouro ou cSres. ..'.
kochuras, cartonados, encadernacoes, livuos em branco para o commercio e
ceaarticoes, tendo para este fim ama excellente Machina de pautar.
Variado sortimento em cartoes para visitas, participac3es||e convites de casa-
Mama, bailes, menus, felicitaces, etc., etc.
Livros de recibos de aiognel de casa, papel de impressao, tintas, vernizes e
onk artigos para typograpfcla e lithograpbJa.
Manoel J. de Miranda
Telephone 194
DO
ARANHAO
Apprpyado pelo Exm. Sr. presidente da provincia
(Aviso aos ffleguezes
Os PHODtrCTOS d.a
PERFOMABIA OA L.
207, ra de St-Honor, PARS
Taesraao : OMZA-OIL, ESS.0R.ZAi CRIZA-LACT, CRfAE-ORIZA
ORIZA-VELCUT, GR.ZA-TOS.iSA, ORIZALINE, SABO-ORSZA
DEVEM 0 SEU GRANDE XITO EM COMO 0 FAVOR 00 PUBLICO :
-1- Ao cuidado perfeito cona que esto sendo fabricados;
2* A'su a qualidade malteravel e suavidad do seu perfumo.
MS, COMO SE FAZ COUTSUFAgOtS OESTES PRODUCTOS ORIZA
com intuito de y/vsr ass.m a cusa da fama de que gozam,
pomos de sobreaviso os freguezes no fim que se nao
deixem engaar.
ts VERDADEROS PRODUCTOS se nnMm em lodjs as Usas cazas de Perfumarla i Drogara.
MANDA-SK DE PARS O CATALO0O ILLUSTRADO FRANCO DB PORTE
GASA DE HUM
(JUNTO AO LOUVRE^
Ckdseaiira de listras a 10000 o covado.
43aces arrendadas a 400 rs. o dito.
TmatSt branco lavrado a 360 rs. o dito.
Toc pardo a 360 e 400 rs. o dito.
Cortee de vestidos em cartoes.
Ctehus de fustao a 4)5000 urna.
Toafkas para banbo a 10500 urna.
Cachecuras lisas a 10000 o covado.
Popelinas brancas a 300 e 10000 o dito.
CarJKvniraa de quadro a 280 rs. |o dito.
FoatSo para roupa, de 10000 a 700 rs. o
lito.
Cnlrhafl de cores a 10800 urna.
Jfcrir.0 preto e 800, 10000 10200, 10500
10800
C>Utas percales a 200 rs. o covado.
Veibutma preta a 700 rs. o dito.
Crep preto (inglez) a 20000 o dito.
MbbMM de quadro a 300 rs. o dito.
Merinos de or duas larguras a '440 rs.
Beadaa hespanholas a 20000 o dito.
Setim do Japao a 240 rs. o dito
Caaibr&ia Victoria a 20800 a peca.
Cretooes claros e escuros a 240 rs. o
covado.
Caanbraa bordada a 40000 a peca.j]
Craamtcao de crochet a 70000 urna.
Leqcuis transparentes a 20500 um.
Fenos de retroz a 10000 um.
Cnwim do rianella a 20500, 40000 e
JOOOom*.
Bieos de coree a 20000 e 20500 a peca.
fcajfc felpudas a 40000 a duzia.|
O ra siria para noiva a 70000 urna.
fhsisiltji' para homem a 60OOG-
Meta* iaglezas para homens a 50000 a du-
Sargelias de cores a 200 rs. o covado.^gg
Palitoi de alpaca preta a 40500 um.
Caaenma diagonal a 20000 o covado.
Metas fio da Escocia a 10500 o par.|
Lesees brancos a 10200 e 10800 a duzia.
Cherioth preto a 30000 e 40000 o covado.
Grande sortimento de fichs, casemiras,Jbrim, (algodao,
sontas, jneiaa, perfumaras, e bordados.
20Ra- Primeiro'(de Marco20
Premios da lotera in itelra

le c . 50:0000
2 . 5:0000 10:0000
6 . 2:5000 15:0000
10 C . 1:5000 15:0000
2 approximacSes de 2:5000 5:0000
2 1:5000 3:0000
2 7500 1:5000
9 Dez. do 1." prom. 7500 6:7500
9 c 2.# 5000 4:5000
9 c i 3.c t 2500 2:2500
99 2 fin. 1. c 2500 24:7500
99 < 2.' 2500 24:7500
900 tena. 1. c 1250 112:5000
900 e 2.a 1250 112:5000
2052 premios no valor de
700:0000
Premios da serle
1 premio He.....12:0000
1 t ...... 2:0000
1 t..... 5000
4000
60001
6000
2000
1200
600
2700
1800
900
9900
9900
4:5000
4:5000
6 .
10 ... .
2 approximacoes de
2 < <
2 <
9 dez. do 1. prem.
9 2. .
9 t 3. .
99 2 fin. 1.
99 2. .
900 term. c 1.
900 < 2.
2000
1000
600
1000
J6O0
300
300
200
100
100
100
50
50
28:0000
2052 premios no valor de.
Todos os premios sao pagos integralmente
Esta lotera composta de 10.000 bilhetes 1000000, dividida em 25 series,
cnstando o inteiro da serie 40000, subdividido este em quintos da serie (125o* do
bilhete inteiro da lotera) de 800 rs. cada um.
O agente desta lotera chama a attencSo do publico para este importante
plano mais vantajoso pela sua boa organisaclo.
Com 40000 (5 quintos de que se compSe a serie) recebe-se 12:0000000 e com
800 rs. (1 quinto) 2:4000000.
O menor premio d um resultado de 25 '/ pois cuitando o quinto 800 rs.,
recebe 10000 as terminales dos 1." e 2.a premios.
Slo premiadas as dezenas dos 1.. 2. e 3. premios.
As duas letras finaes dos 1. e 2., terminac8es dos 1." e 2.. e as approxi-
xoes dos l.o, 2. e 3.: tendo alm disso premios de 2:0000(00, 5000000, 2000000,
1000000 e 600000.
EXTRACTO NTRANSFERVEL
I
Pora a cura etjlta* i prampia iai
Molestias provenientes de im-
pureza do Sangrue.
E' urna loncura andar a fazer expe-
riencias com misturas inferiores com-
postas de drogas ordinarias ou de plantas
indgenas cuja eficacia nio confirmada
pela sciencia, emquanto que a molestia
cada vez val ganhando terreno.
Ijancem mi, sem demora, de um re-
medio garantido cuja eficacia seja facto
assignalado e inquestionavel!
O Extkacto Composto Concentrado
de Salsapamulha de Ayer conhecido
e recommeadado pelos mdicos mais in-
teUigentes dos paizea adiantados, ja
durante 40 annos,
Centenas de militares de doentes
tem colindo beneficios do seu emprego e
sao outras tantas testemunhas da sua
eficacia positiva e incomparaveL
preparado pelo
DR. J. C. AYER & CA.,
Iiowell, Mass., Est.-Unidos.
DSPQSIXO f-Kft'i
DE
Murray l Lanman.
0 MAIS EXQUESIT0
DOS
Perfumes do Toicador.
Perfuma o Corpo e
Vivifica a Mente
NO BANHO.
Superior a Agua de Ct/k~
nia pala delicadeza de ^a>
roma e a durabtdae vde
seu perfane
NO LEMQO.
Apolices perdidal
Perderam-se dez apolices da divida provincial
de Pernambuco, pertencentes a Manoel Peieira
de Araujo Vianna, de ns. 873 a 882, serie B, do
valor de 1:0004 cada urna ; pede se nejsoa
que as tiver achado o obsequio de ir ou mandar
entregal-as a Henrique Bernardes de Oliveira,
procurador bastante do mesmo Vianna, no Re-
cife, ra do Vigario n. 1, escriptorio, que grati-
ficar
Aos agricultores
Pessoa habilitada offerece-se para contrahir
emprestimos com o Banco do Brasil, em favor
dos S. S. agricultores desti. provincia, de Ala-
goas, Parahyba e Rio Grande doiSorte, encarre- .
gando-se de adiantar as quantias necessarias o mais enfraqnecido, dando-lhe vigor, poisnufte
para pagamento de avahacoes e preparo de do- -
cumsntos, mediante mdica retribuicao. Os
pretendentes podem dirigir-se nesta cidade ra
do Atalho n. 9, e por caita G. C.
Altoncao
O grande e importante estabelecimeojo de
Popas Mendes 4 C, sito ra estreita do Basa-
rio n. 9, contiguo a igreja, acaba de rec ebe-
uma grande remessa do acreditado e especial
Vinho Maduro
0 nico que, sem a mnima confeccao, im-
portado neste mercado, e s se vende no referi-
do estabelecimento. Este precioso nctar ge
torna cada vez mais procurado aqu. Qufijem
saber porque ? Vejam : o vinho Maduro, sendo
como feito nicamente da uva madura, tem
as seguintes vantagens que as outras qualidades
de vinho nao tem ; facilita sem a menor petar-
baco a3 digestOes do estomago, ainda njesmo

Cachemira de quadro a 320 rs. o dito.
Popelina de seda de 10500 a 10000 o dito.
Baleias a 240 rs. a duzia.
Lencoes de bramante a 20000 um.
Cobertas de ganga a 30000 nina.
Tapetes grandes a 130000 um.
Brm pardo a 280 e 32C rs. o covado.
Espartilhos a 50000 um.
Madapolao americano a 60000 a peca.
Coletes de fianella a 20500 um.
Palitots de seda palha a 80000 um.
Lencos de linho a 50000 e 90000 a duzia.
Palitots de brim pardo^a 40500.
Bolsas para viagens. J
Casemira para costumes, {%rte.
Luvas de seda a 20000 e 20500.
Guardanapos de linho a 20200 a duzia.
Guardapo para senhora a 100000.
Arcos cobertos a 120 rs. o metro.
Panno da Costa a 10000 e 10200 o co-
vado.
Bramante de algod2o a 10000 o metro.
AlgodSo branco a 40000 e 40500 a peca.
Cortes de fustao para collete a 20500 um.
Cortinado bordado a 70000 o par.
Zephyrde quadro a 200 e 240 rs. o covado.
Atoalhado bordado a 10200 o metro.
Pea de esgaiao de algodao a 30500.
Regatas a 10000 e 10500 e 20000 Juma.
Palha de seda a 10000 o covado. 0
Camisas allemaes a 360600 a duzia.
Bramante de linho a 10800 o metro, 4
larguras.
Cortes de seda para collete a 50000 um.
Chambres para homem a 60000 um.
Setins de cores a 800 rs. o covado.
Algodao trancado, 2 larguras, a 10100.
Cortes de casemiras, a 50500, 70000, e
90000.
Brim branco, todos os nmeros.
Cretones francezes a 400 rs. o covado.
Ceroulas de bramante a 150000 a duzia.
Fianella de cor a 300 rs. o covado.
camisas, collarinhos,
A 500 l|2 gfa.
A 800r- i gfa.
A melhor tinta de escrever a
TINTA VICTORIA
Vende-se nos depsitos:
LTVRABIA CONTEMPORANIA
DE
mm ii. costa & c.
Ra 1. de Marco u. i
LOJA DE FERRAGEM

A 500r8 li2gfa.
DE
ALBI14) SILVA fr C.
Ba a Cadefl 42
1800" 1
gfa.


tn3ra
dminutrafio ; PKIZ, 8, Boulettrd Hontmartr*.
GRANDE-GRILLE.-AITeefSM Ivmphaticas, Doea-
das insdicestiYas.Obstru croes In Upado cdohafo,
' Obstrnec't tist-eraes, ConCfecoes calculosas da bile.
HOPITAL. AUoccBes das vas dicMUTat, Incommo-
dos do estomago. Digeslao ditlic, luaiipeUacia,
Gastralgias, 1k [h>|i-; i.
CELESTINS. AITecr5os dos rins. da bexi^a, Areias,
ConcrecocsJas onnaas.Cola, Diabeti-s, Albuminuria.
HAUTERTVE Affeccddos rins. da bexiga. Areias,
Cooci*coes dasoariiis,Gola DiabeUs, Aliiummuria.
EXUA-SE 0 HOME da POSTE Da eAPSIi
Em Ptrntmbuco, u Aguas das Font de Vichy,
cima nomeadas, achfto-y e.n casas de
BDLZERAS0ECRUN,3S.raadaCraz;-Aug.LABlXLE.
16^000
Alnga-se a casa n. 4, traVessa do Preitas,
antiga do Trindadc, em S. Jos, com 2 salas, i
a olhos vistos as pessoas debilitadas, e d frcas
as que as tiver arruinadas pelo uso de bebidas
viciadas.
Becebemos tambera
Requeijao
j em latas, de procedencia de engenhos, cujos
proprietarios capricham eni bem trabalhar aeste
artigo, aim de terem a primazia sobre tantos
outros similares, cuja composicSo duvidosa.
Em outros artigos como sementes de Itortafca
e flores, linguas seceos do Rio Grande, objectos de
vime e tamancos do Porto para homens e senio-
ras, para isto to pouco temos competidor,
nossa casa especialista, e as pessoas que disto
se queiram certificar podem comparecer, cora
o que muito nos honraro. Aps urna nflni-
dade de artigos de primeira ordem, que achar-
se em exposico, acresce a amenidade do trato
com que timbramos tratar todos os que nos
honram com a sua presenca, junto a modicidade
de precos sem rival.
Ba -sirena te Ronariu n. 9, jante
a Igreja
Pocas Mendes & C.
1 gipio
Constantino de S Barreto
Convida-se a este senhor a comparecer roa
do Bom Jess n. 23, para prestar contas das
em
/
quartos, cosinha, quintal, cacimba e 1 sotao, cobrancas que fez no termo de Agua Preta,
nave esta '
trata-se na ra da Guia n. 62.
caiada, pintada e limpa ; a chave esta junto, Marco prximo passado.
AMARAL & C.
FIMI [ERAL
iLUNFimSQIItC.
44-BU4 BARIO DO TKllMPuO-44
Machinas a vapor.
Moendas.
Rodas d'agua.
Taixas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem cravacao
IJ lili
DESGOBERTA E PREPARADO
DE
J. ALVARES DE SOUZA SOARES
Xovo e poderos* medicamento contra as molestias do appare-
rollio respiratorio:
Tosse, coryza, laryngite, aphonia, coqueluche,
grippe, bronchite, asthma, pneumonia, homoptysia, phthi-
sica pulmonar, etc., etc.
Approvado pela Exma. Junta Central de Hygiene Publica, autorisado por de-
creto imperial de 30 de Junho de 1884, rodeado de valiosos attestados mdicos e
muitos outros de pessoas curadas, elogiado unnimemente pela imprensa e premiado
com duas medalhas de ouro de primeira classe pela Academia Nacional de Paris e
jury da Exposico Brasileira-Allema de 1881-
Com fabrica especial no estabelecimento Agrico-Industrial do PARQUE
PELrOTENSE, expressamente creado para esse effeito em Pelotas.
FaliricanV por moz 20.000 frascos
Vende-se em casa dos agentes Francisco Manoel da Silva & C
Mrquez de Olinda n. 23, e em diversas pharmacias e drogaras.
ra ddr-3
IMO
Myrtol do Dr Linarix
laureada pela Facaldada de Medicin* $6 Pars.

O Myrtol Linarix apresenta-se sobre a forma de Glbulos empregados com
o maior snecesso contra as
AFFECQOES CHROICAS DO PEITO
Defluxos, Bronchites, Catarro, Asma, com oppressSo e Palpitacoes.
Os GLBULOS de MYRTOL LINARIX tamo-se na dose de 6 por dia :
2 pela manila, 2 ao meio dia, 2 noute.
Todas as pessoas que tomo os VERDADEIRCS GLBULOS DO
Pr LINARIX sao unnimes em reconhecer que respirao mais fcilmente.
-----r--------------
Exija-st os Verdadeiros Glbulos Linarix de Clin & C, de PABIZ
qu se encontrlo as drogara* e nos pharmacias.
Si nao lia Repugnancia
PARA TOMA* O
TO de POTASSIO
COM AS
FasUlhas L..POBSSON com Chocolata
Estct Pastilhas, de sabor agraunvel, esto rigorosametit*.
Cada Pas'Ha conten. 28 ceniigraniiaas de Sal (Oca eoM)
DEPOSITO UHRAL : f- POOOB, PHAKMACF JT-CO
S, Avenue de Conrbevoie, B, em ASNIMEtt, srto d Paria.
"Vonde-ae m. todsia tu jprinaijUMs ganmwl.___________
T-irTO^-ol l'BTM llllllllll' !>!
MOLESTIAS do CORACAQ
ieCrHkiT=ai-Cirtuai UB10I.UmiiiiaaMM4t^r&cMat
[CTFUMIAlBfc^iA^PAJLflTACeawlTBBWlff^
DcDOttaiio
thrtM
[.Vi.
FNDfjAO DE SINOS BBRONZB
LUIZ H CRUZ MESQUITA
66- -ra do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguinte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systema com esquenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
Carapucas de cobre.
Taixas, taixos e caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torne! ras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
Repartidelras, passaderas e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado.
Cobre em lencol e arruelas.
Sola inglesa e do Rio.
Cadlnhos patente e'de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objeetes
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e obras do encommenda, garazr
tndo presteza, perfeicSo e pre90s mdicos, para o que tem pessoal habitado.
viriDE a praso ou dinheiro com descont.
'

A

m


Diario g?e Prnambuco- -Ter^a-feira 27 de
Agosto
de 1889
Vende se no caes do Hamos n. 4, urna es-
cellenle machios vapor de 30 cavallos, urnas
bombas hvdraulicas de grande forra, um ierra -
dor, um.r tosoura para corlar apde3, arco;,
etc. trilhof e carros DecauviUe, apropnados
para transporte de canna, bomba d'agua mao
e vapor. __________*
Altanovidade PECIHEH4S!
Rua Duque de Caxlas48 5Ra Duque de Caxias59
Vnde-se
urna casa em Ti^ipi, de lijlo, e em terreno
[iroprio, rom commodos para urna grande Cami-
la, distante 300 1 400 metros da estatjao, ten
quintal fallas sitio), plantado de diversas fru>;-
leiras, inclusiva coqueiros : quem pretender,
deve enleiiderjse com o professor da Boa-Yii-
gem.
*

?
-~'l
/
Aloja das ListrasAzaes
\Est vendedo fazendas muito baratas
Com descont
a quem comprar de 20t5000 para cima.
E VENDE PELOS SEGUINTES PRESOS :
Jladapolo lavado com um metro
de largura a 60800 a peca,
llorna das Lustras Azuea com
20 varas, a 60000, a peca.
Chitas percales finas, cores seguras a
180 e 200 rs.
Cassas de urna s cor a 100 e 120 rs.
com palminhas.
Lanzlnhas de quadros a 160, 200 c
240 rs.
Cortes de linlios com 16 1/2 co-
vados, tecido phaniasia, a 40000
Bordados finos com 3 metros a
500 re.
Bicos braceos a 6(.0 rs., a peca
com 9 metros.
MargeHni diagonal, todas as cores,
a 180 e 200 rs.
Crinolina de cores para vestidos a
360 rs. o metro.
Lavas de seda, lisas e bordadas a
10500.
Leques transparentes lindas cores, a
25000.
Cirlnaldas com veos para noiva a
70000.
Setlm de Maco branco, e de todas
as creb a 750 e 800 rs.
Cortinados bordados para cama ou
janella a 6)5000.
FichllS phantasia a 800 rs.
Lencos de seda a 500 rs.
E multas fazendas que se vende por
qualquer preco.
Troca-se a fazenda vendida se nao fr
de muito agrado pava quem fr comprada.
RUA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Surprtza agradavd
M RETRATO.
Que se offerece a um amigo no da do
sen annivereario
De mm\ at 100S0II0
Obtem-se um lindo retrato pela quantia
cima, com linda moldura fina dourada
em alto relevo, e com cordoes de la c
aeda ; trabalho feito nos Estados-Unidos
da America
POR FEED. PLATT
Qualquer familia que desejar um per-
feito retrato, bastante mandar um pe-
m .__--*? "m cartiio.de visita, nSo im-
/rta rae seja^antigo, basta-*zr a cGr
C olhos e do cabeUo, para chegar um re-
0 perfeito, e muito finao para um pre-
sente, ou sala de visita.
Os retratos de Fred. Platt
lsto eA|tutos ao publico na
^AGENCIA GERAL
Luja das Listras Azaes
BITA DUQCE BE CAXIAS N. 61
Para as Exmas. familias verein o quanto
aflo lindos, e muito fcil fazer encommenda.
aUALQUKR ENCitfiKSM
Por maior que seja seapjromptafm.me
m09 de 90 dias, e restitue-se a importan-
cia recebida, se nao chegar um retrato He
muito agrado.'
Para encommendas da/fidade e de ou-
tras provincias devem dirigir seus pedidos
ao agente -geral n'es'ta cyrfede.
JOS AUGUSTO DAS
PKKViHBUfO "
L- -- J-_____UtuX.
48
Por menos ?>0 01 do que em outra
qualquer parte
Merinos setins, lisos e de quadros com 2
metros de largura a 20000 o covado.
Renda hepanbola muito larga a 20000 o
covado.
Espartilhos, verdadeiros couraeas, a 4)5000
5*000 e 60000 um.
Lindos cortes de fustao para collete a
500 rs-, um.
Cobertores de la a 20000, um.
Palitots de seda amarella e ebumbo a 80
100000 um.
Redes francesas a 40000, 50000 e 60000
urna.
Organdis (fazenda de pbantasia) a 400 rs.
o covado.
Enchovaes para baptisados a 80 e 100000
Toalhas felpudas a 30000 a dnzia
Meias cruas para homem a 30000 a dita.
Nansuks finas de 120 e 240 rs. o co-
vado.
Merinos lisos e de quadros 200, 240 e
280/TB*. o covado.
Cortes de linn e cretones com
todos os
preparas, a 50009 a 120000.
Atalhado muito largo 10200, e 10500 o
metro.
Pannos de crochet para cadeiras a 500,
600, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet, bordadas para noivos
a 50000, 60000,' 70000 80000 e 90000
lima.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Bramante liso e trancado de 4 larguras a
10000 o-nu tro.
Bramante transado de 2 larguras' a 400 rs.
o metro.
Toalhas de core para mesa elstica a
50000 urna.
Saias ricamente bordadas, a 30000 urna.
Luvas de seda, lisas e arrendada a 10000,
10500 e 20000 o par.
Cretones claros e esenros e 200 e 240 rs.
o covado.
Zefiros de quadres a 120, 160, e 200 rs.
o covadi
Camisa fina de meias a 10000 um.
Lequcs de penna, ultima moda, a 40000
e 50000 um.
Capellas com veos para noivas a 80000
urna.
Fustao de cores para palitot e calca a
500 rs. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda para
collete a 20000 um.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
40000 a peca.
Bicos de cores e brancos a 10000 e 20000
a pesa.
Collarinhos e punhos, borracha, a 10800.
Cobertas de ganga forradas com 2 pannos
a 20800 urna.
Lencos brancos a 10500 e 20000 a duzia.
Fichas de retroz, lisos e com palmas a
10000 um.
MadapolSo americano com 1 metro de lar-
gura a 60000 a duzia.
AlgodSosinho com 20 jardas a 40 e 50000
a peca.
Assim como em sua ofEcina de alfaiate
aprompta-se com perfeicao e elegancia
por precos commodos, de brim ou case-
mira, costumes para meninos e homens.
A RevoliiCoO
48 lina iisxjiie deCaxias4 8
HKmU^Ujfcd^&LVAMOKE1RA
Farelo superior
9-fiAA me-
cada sacca de genero superior e de peso de 42
kilogramma3, vendr-se no trapiche da Compa-
nbia, largo do Corpo Sanio n. 19.
a 10200, 30500
20500
Casainetas de cores para roupsa de
nos a 200 rs. o covado.
Meias casemiras pretas e de cotes dem
a 400 e 500 rs. o dito.
Hollanda parda para vestidos a 280 rs. o
dito.
Setinetas modernas idem a 200 e 280 rs.
o dito.
Linhos de quadrinhos a 100^ 160 e
200 rs. o dito.
Percales finas a 200 e 240 rs. o dte.
Atalhado bordado, quasi 2 metros de lar-
gura, a 10000 e 10200 o mei
Bramantes, 4 larguras, superior a 800 rs.
e 10000 o dito,
dem de puro linho a 10600 o dito.
Riquissimas guarnieres de crochets a 60 e
8000.
Toalhas para mSos
40000 a duzia.
Meias inglezas para homens
30000 a dita.
Camisas superiores idem a 240 e 300000
a dita.
Seroulas bordadas a 120000 e 180000
dita,
Cambraia Victoria c transparente a 20800
e 30000, com 10 jardas,
dem bordadas chics a 40000.
Superiores algodoes da corte a 30000
30500.
MadapolSo americano a 60000, com 24
jardas.
Flanella de cores para camisas a. 280 rs.
jj^Bkcovado.
dem americana, azul,, para ptitots
10200 o dito.
Casemiras de todas as qualidade a 10400
10800 e 20OOQ o dito.
Para as Kvmas. noiras
Lindissimas grinaldas e reo para 80000 e
140000.
Ricas colchas de crochet e fustao a 80000
e 60000.
Bonitos cortinados bordados a 50500,
70000 e 80000.
Linons branco bordados a 460 rs. o covado.
Setim branco, superior, a 800 e 10000 o
dito.
Popelinas de Beda a 8)0 10000 o dito.
Setins Maco, todas a* cSres, a 800 rs. o
dito.
Lencos de seda e de linho para 20800,
em lindas caixinhai.
Lences de bramante a 10800.
Cobertas de ganga, erradas, com pannos,
a 20500 e 20800 urna.
Colchas de cores a 0OOO e -30000.
Tapetes para portas a 30500 e 50000-
Pannos > ara mesas de cores modernas a,
10000 10200 e 10600.
PARA BAPTISADOS
Ricas toalhas di labyrintho de 300 a
350.
Fustccs bordados irancos a 400 e oOO rs.
o covado.
Casemiras preUs e de cores de todos os
precos, cheviots, merinos, damascos para
pianne, cobertores, redes a 40000 urna, e
ama infinidade de artigos que serSo lem-
brados na presenca dos dignos leitores.
LOJADE
PERBIRA & MAGALHAKS
Vende-se, a
tade do engentSJ
Bonit<> : a tratar na ra
mero 232. !
Boh^ negocio
menda-se m iivpotheca-se a me-
ti* Fortaleza, sito no termo do
Coronel Snassuna nu-
lUlRZQ
A RUA BARAO DO TlfcUMPHC
N. 100 A-.404 y '
Tera para vender tn-sulpii-
iu de cal, que.noso faz alle-
jar muito mais o assucar, (Jo-
mo evita o grande gasto le
cal no fabrico do mesmo.

FOLPSTII'
V
1?
_--*

-\s
LOCftA-M m. GflSSOLII
Casa 3 venda
yende-se urna casa terrea, sita rua do Taro-
bi n. ;<, bairro da-Uoa-Vista, por commodo pre-
co, pdelo os prelendentes desde ja exami-
nal-a : tratase. na.rua,de jfcnia.Tbereza n. 20.
ruadle jteoa,1
a ate'n
Mmtaitenfo
Na roa da ItoBerairjz n. 80. vende-se sapatos, ri' "7!,
de felpos parafrio aT60O rs. o par, e de crian- *om*'f*
cas a 500 re. ^| *-" Pr
'i| 1 .. 11... nf
Ahi espera va horas esquecidas, pelo pas-
seio qu Magdalena dava, toda as ma-
nhas, ora s, ora acompanhada por seu
marida.
-(uando ella pausara, resfalando aoa ra-
mos, luancando^gom^s Adres, flexuosa sob
os Uagor pannos de sua toilette matinal,
Thoma a segua, deslumhrado, com o
olhar.
Tomava toda a cautela para nao fazer
um movimento e mostrar-se, teniendo que
a visito se desfizesse.
Que expressc de extase e de felicida-
de transfigurara a sua phraionomia, q'uan-
ejo, de jonge, ette a%ria sahir da casa, des-
P K hU'K IRA P ATf T K *r a ^a d" J"d"' atraye^ando pe-
queo rtkve*de, que eeparava o gradil
das^inwras arvore* d^bpaque l^Os^lhos
cnenam-s^e, lagrimas feiizts, a respira-
ccetnava-se .euspirofsa o o coracao
com violencia, que chegava a cansar
Para os lestivaes
A' rua da soledade n. 56, preparam-s,
com limpesa, megtria e commodidade en
precos: bolo, pSo-de-lt, cangica, arroz ce
leite, pirmides de doces d'ovo, vatapi,
bandeijas para casamentos e baptisados, et.
Recebem-se as enoommundas quer para a
cidade, quer pan fora d'ella.
OLERY Vwid-M era I
SCIS-
Lhoi
ir
^Voltoa-se e aviatou-o.
E depois continuou seu
mando.
Thomaz cada tinha visto. {
Quinze dias ficou ella sem
ficou doente.
Depois tornou arel-a e recuperen a cal-
ma.
A calma Ella s viva pelo ardores
de sua imaginacSo.
Este amcStfb lan;ava en| e:
que se segunde jepente um
JPP
mmenso.
A paixao dminihia-o, mas
sem illusUo.
(Continuacp do n. 191_
Poz sua espingarda ao hombro
Ah sim, murmurou elle vd
e, eu caQava. Um cabrito de mais ou* de
teos em suas mattas, que Ihe importa,
9r. Gonssolin ?
E voltando os olhos para Magdalena,
am os labios seceos e trmulos, repetio
auchinalmente :
Deus do co! como bella !
Magdalena enrubeceu.
Esta homenagem brutal agradava-lhe.
Thomaz fugira sem voltar o rosto.
Um lenheiro que o encontrou, quando
aliia do parque, admirado do seu andar
Iremulo, gritou-lhe :
Thomaz Lhoir, o que bebeste, qae
ambaleias as tuas pernas ?
Com effeito elle estava ebrio.
III
Desde esse dia, todo o tempo, de que
pdia ispr, passava Lhoir nos arredores
da casa de campo de Gonssolin. aos do-
ingos, dias em que elle nio trabalhava,
ia vagar no parque, deitaudo-se na relva
eatre as moutas.
r
murmurava, como
E, maokinalmente,
so a emocM de sua alma e o sentimento
ique expenaentava o atemorisassem.
Meu Deus! estarei louco ?
Outras vezes, se Magdalena desappare-
cia, puha-e a chorar dupois, passando
atrav# da trama dos ramos, elle ia beijar
1* pegada deixada, pela.botina da moca, na
herva anda rociada pelo orvalho da ma-
nhl. E depois fugia como um insensato.
No domingo seguate achava-se de novo
neseu posto, com os olhos vermelhos de
febre, o rosto em chammas, o olhar fixo
as janellas da casa c!e Gonssolin.
Um dia, tSo perto delle passou Mag-
dalena, que o seu vestido rocou na mao,
que elle estendera atravez das olhas da
mouta.
Lhoir teve urna vertigem.
Outra vez, um ramo prendeu-se no cor-
pinho da moca e desfolhou as rosas que
ella colhera.
As folhas esvoacaram e espalharam-se
na herva.
illa passou.
Thomaz Lhoir precipitou-se atraz, ajoe-
lhou no caminho htimido, apanhou as fo-
lhas e beijou-as com transporte.
Magdalena ouvira o ruido de seus pas-
to T 4
; oceultar sin
para
de se-
ca
0 que poda elle esperar ? Ao contra-
rio, nao devia elle oceultar pB senta
no mais-profundo
evitar as chacotas e
melhante amor ?
Nao para os seu beicoJteriam
dito os camponezes de Bouchoua E te-
ram tido razao enormemente.
Em casa, a mSi doente, prestando toda
a attencao ao que dizia respeito a seu fi-
lho, admirava-se deasas mudancaa de ca-
rcter, dessas ruidosas alegras, dessas
tristezas sbita.
Quando vinham as mulheres daaldeia,
ellaqueixava se, dizendo, na sua pittores-
ca algaravia :
NSo aei o que tem m%u fio, our'ora
di botava se por ahi fra, cantando^ com
sua dtrau no hombro. Hoje es est
triste como um bouau de aidaA'. '
Elle tem vontade de casar-se, res-
pondiam as comadres.
Mas a seu filho, nada
zer.
Comtudo, tomou coragem urna
em que elle voltou acabrunhado.
Thomaz nSo quiz ceiar.
Porque andas pauarinhando .ao re-
dor da sopa ? Tu tens qpalquer deg Das outras vezes, quando -entrevas,
balho te havia tornado as bochechas ver-
melhas como fogo do inferno. Agora es-
ts branco como um lencol. O qu te
falta?
Nada, murmurou
raudo.
Passadas muitiu3Mpa,na8 nea
E' barato
Venham ao 55 ver como se vende fa-
zendas com.50 V0 mais barato que em ou-
tra qua^^^karte.
Corteso cretono, corabinaeSo, ultima no-
vidade, a 50000.
Cachemiras, combinasao com listas de seda
a 10400 ocovado.
Vestuarios de jersey, ultimo gosto, a 100
e120000
Amor da China, cousa chic, a 200 rs. o
covado.
Linons bordados com quadros, novidade,
a 800 rs. o covado,
Setins, qualquer cor, a 800A.
Sargelins de todas as cores, a 200 rs. o
covado.
Merinos de cores a 500, 600 e 800 re. o
covado.
Crinolines a 400 rs. o metro.
Vestuarios para baptisados, muito bonitos.
Guardanapos a 10600.
Cortinados para cama a 50500.
Sedinhas lavradas, o que ba de mais gosto.
Cambraia com salpicos a 4|000 %peca.
Cortes de casemira para vestido a 250000
Renda da China a 200 e 240 rs.
Tecidos arrendados, a 400 e 500 rs.
Zefiros, grande variedade, a 160, 200
240 rs. o covado.
Bicos de cores a 30000 a peca.
MadapolSo muito largo a 60000.
Luvs de seda a 20000, 205000 e 30000.
Mantil as pretas a 40500.
Cambraia Victoria a 20800.
LAtoalhado bordado, lindos gostos, a 10000
o metro.
Grande srtimentos em toalhas de rosto.
Esprtilbtuj com couraca a 40000, 50000
60000.
Nunzucks a 240 rs. o covado.
Pannos de crochel.
Cretones para coberta, muito bonitos
500 rs. o covado.
Cambraia suissa, fina e muito bonita
70000.
Babados e ntremelos grande sortimento e
. barato.
Fichs-de" linho a 10000.
Ditos de seda a 40000.
Ditos de la a 10000,20000, 30000, 40000,
50000 e 6fiO00.
Grande quantidade em tapetes pequeos e
grandes.
Cretones muito lindos a 400 rs. o covado.
Chitas brancas, escuras e claias a 240,
280 e 320 re. o covado.
Grande sortimento em colchas brancas c
de cores.
Objectos para homem :
Cortes de casemiras, finas, a 40000, 60000
e 80000.
Ditas de casineta a 10500 e 20000.
Collarinhos de linho e algodo a 40000 e
60000 a duzia.
Meias para homem de todas as cores e
brancas.
Casemiras de cor a 20000, 30000 e 50000
o covado.
Ditas diagonal, lindos desenhos a 20, 30 e
e 40000.
Brim de linho de cor a 500 e 600 rs. o
cavado.
Casainetas, grande sortimento, a 400
500 re. drcovado.
Bnns Angola, muito chiques e baratos.
Molesquin bons e bonitos.
Caminas de_madapol5o a 20OOOJ !
Ditas inglezas a 40500.
Ceroulas francezas a 10600. *'
Flanella azul a 10200 o covado.
Grande sortimento em lenjos de algodao
e linho.
Camisas de cretone, cousa boa [e barata.
Alera de outros muitos objectos.
D-se amostras sem penhor a qualquer
pessoa.
S5 Rua Duque de Cavias 55
Fernandes Azevedo &C.
Taverna
Vndese tuna pequea taverna eai S. Jos, a
qual retalba 1:000* mensanente ; para infor-
macoes, trata-se no pateo do Terco n. 21, ta-
verna.
Taverna
Vende-se a taverna sita estrada de Luiz do
Reg n. 47-D, propria para principiante por ter
poucos fundos ; a tratar no Caminho Novo nu-
mero 87.
ousava ella di-
Urde,
sir, suspi-
sorta, Thomaz Lhoir teve a certeza de que
Magdalena adivinhava sua presenca no
bosque, para onde de ordinario diriga
ella os seus passeios.
Quando chegava ao lugar em que se
oceultava o lenheiro, parava muito tempo,
sob o mais ftil pretexto ou se assentava
ou fazia qualquer trabalho de senhora :
ora punha-se a lor um romance, ora a co-
lher flores.
Elle, que a va vir de longe, poda
vontade observar esta physionomia movel
cheia de energa e de paixao.
Simulando grande indifferenca, ao ap-
proximar-se do cerrado de moutas, ella es-
tava, entretanto, sempre muito paluda;
agitava-a um temor, tomava posse della
at o momento em que o silencio absoluto
da floresta, a immobilidade em que ficava
Lhoir a tranquilissem.
Nessa occasiao os olhos animavam-se-lhe
e sob a branca epiderme corra brusca-
mente um colorido avermelhado.
Elle teve coragem de escrever-lhe.
Foi urna carta desordenada, que rece-
beu toda a chamma dessa estranba paixao,
urna carta ousada e tmida, em que elle
dizia:
< Senhora, peco-lhe, nao tenha medo de
mim. Sou fraco como urna crianca. A se-
nhora conhece-me. Sou aquello que seu
marido chamou vagabundo ha dias, na sua
presenca. Porque tenho a ousadia de es-
crever-lhe ? Por que amo-a com um amor
sem nome. NSo a envergonha, por ven-
tura, o culto de um homem como eu ? Sa-
be bem a senhora porque a amo, nao ?
A senhora bella e vejo-a muitas vezes.
NSo ba outro motivo... NSo pens em
mais nada.'... Nada mais desejo... Que-
ra ser smente um criado de seu marido
para vel-a a mido... Todas as vezes que
na alea do bosque o seu vestido roca em
urna violeta, em urna folha, colho-as e
guardo-as ; as contemplo e Ihes fallo como
se alguma cousa de vosso pensamento ellas
tivessem... Lera a senhora esta carta at
ao fim ?. .
No domingo, quando Magdalena chegou,
Thomaz Lhoir poz o papel no meio do ca-
minho, adiante das primeiras moutas do
bosque.
A LOJA MAIS BARATARA
ir
PARIZ NAMEBIC
AZEVEDO, IRMaO & O.
16Rua do B. da Victoria16
200 Telephone200
Tendo recebido directamente da Euroj.
grande sortimento de fazendas e modas
que ha de mais novo e presos sem c;
petencia.
A saber ;
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidad'es.
Etamines, preos, de la e IS seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 1021K.
C'rinoline preta e branca t 400.
"Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 10500, com 1
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 105*
Chachemiras com 2 larguras a 800 n
Ditas de l e seda 2 larguras a 1000'
MadapolSo transado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichs de IS e seda 10000.
Brins de linho coi es fixes a 600."
Espartilhos couraca a 40000 e 50OO<
Colchas de fustao a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado 1
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 1050
Renda de IS, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sai
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama 1
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Soda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guarnsocs, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol
Setineta para coberta a 600 re.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
Libras sterlinas
Vende-se libras sterlinas
mercio, arraazem n. 5.
na rna do Com-
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
Os proprietarios do Armazem Central, rua
do Cahug n. 11, avisam aos seus distinclos fre-
guezes eao respeitavel publico que receberam
nova-renfsSa dcste especial vinho, o qual se
recommenda por ser puro da uva, e s se reta
Iba em seu armazem.
Joaquim ChristovSo & C.
Telephone 447
WflIUY
uval Blend marca YUDO
Este exeellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melkores arma-
zens de molhados.
Pede Roya I Blend marca Vlado,
cujo nome e emblema sao registrados pare
todo Brazil.
BROWNS & C, agente.
Exeellente acquisicao
Vende-se urna boa casa na Boa-Viagem, terre-
no proprio e bem col locada ; a tratar na rua da
Concordia n. 34, % andar. v
e lentamente ca-
Esperou.
Magdalena estar s
minhava distrahida.
Abaixou-se, apanhou a carta, abrio-a,
sorrio s primeiras palavras, depois oc-
cultou-a no seio, continuando o passeio.
Alguna passos adiante, desappareceu
atrs das moutas.
Quanto a Thomaz Lhoir, desmaiara.
IY
0 lenheiro estere quinze dias sem tor-
nar a ver Magdalena.
Acreditou que a sua carta assustra
moca e veo-lhe a lemhrenca do suicidio.
^da de sua mSi doente, que elle dei-
xaria em medonha miseria, reteve-o.
EtSo quiz, por qualquer preco, tornar
a ver Mme. Gonssolin, atirou-se caca
roubada com [audacia louca, matando le-
bres e cabritos, devastando o parque do
nftdeireiro.
Nem urna s vez encontrou os guardas.
Magdalena pareca ter abandonado para
sempre os passeios habitaaes.
Urna tarde, foi com animo decidido ba-
ter porta de Gonssolin. Este que sahia,
na occasiao, teve um gesto de admiracSo e
de colera, achande-se frente a frente com
Thomaz.
O que queres ?
Sr. Gonssolin, disse o lenheiro, de-
balde trabalho como quatro e me entrego
ao contrabando, nSo ganho sufficiente para
sustentar minha m!, cada vez mais doen-
te. O senhor rico, venho pedir-lhe os
meios de tirarme das difficuldades.
Ah .' ah desatou a rir o madeirei-
ro. O que pedes ? Queres que te faca
renda proporcionaes ao que te produz al
caca das minhas mattas ?
NSo. Quera smente ser emprega-
do aqui, nSo importa o servico. Seria
talvez til aos seus negocios, na sua ser-
rara O senhor aceita meus servjos ?
E enxugou o suor que Ihe inundara a
testa.
Gonssolin elhava-o desconfiado.
Mas, rapaz, tu nSk> pensas. No dia
seguate ao em que te introduzisse aqui,
quem me garante que nao abalara para
A FLORIDA
san
Gal5es, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodSo com
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodSo.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 30000 e 40000
a duzia.
Bordados de camb aia tapada a 400 500'
600 e800rs.a pera,
dem com 3 e%l2 metros, de dualaua
argura a 10200. M 4
Lencos de linho em cakinhas a 30000 a
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Lindos leques transparentes de eaze
30000 um. 6
Grande sortimento de porta-retractos de
pellucia.
Finas pulseiras americanas "a 40, 60 e
80000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, da
20500 a 30000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a
120000, 170000 e 190000 o par, algn
de cores.
Ditos para janellas a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
10000.
Ditos para sof a 20000.
Plastons e regatas de gosto.
Espclhs com tres palmos de comprimento
a 40000. ,
Capellas com veo para noiva a 60000 e
80000.
Lindos enxovaes baptisados a 80 100 e
120000.
Toucas de setim para baptisado a 30, 40 e
50000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 20000 a peca-
Ditos do seda brancos e Se cores.
Lindos ramos de flores a-40000 um.
Collarinhos c punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricante.
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car-
ritel.
Pastas a 10000 e 20000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 20000.
Arquetes para chapeos e chapelinas a
10500. \
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 20000 o
par.
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuaro e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto- moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos.
Ditos ditos para enfeitar cabeea e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000
60000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 a
10500 um.
Estojo com faca, garfo e colher, propria
para creanca*
Bengallas com flauta a 10500.
Meias de IS para homens e senhoras.
Iiiwh" dourada para fnvnr crochet.
Lindas fitas para facha a 20, 30 e 4000%
o metro.
Lindos lequcs de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim e
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 20000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas "carteiras para algibeira de 10, 2i,
3 e 30500 urna.
Rua Duque de Caxias n. 103
Leite puro
Na estrada de Joao Fernandes Vieira, sitio le-
go depois das casas novas da direita, vende-sa
todos os das leite puro de vaccas tonrinas e da
trra, garantc-se a qualidade do leite.________
Pao centeio
Mello & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-ieiras, tem este sa*
Poroso pao; rua larga do Rosario n. 40.
a Suissa, pelos atalhos que tu conheces,
levando em teu sacco minha baixella e as
joias de minha mulher ?...
Thomaz Lhoir sentio um tremor geral:
os punhos fechados levantaram-se e ella
deu um passo para o marido de Magdale-
na com tal expressSo de furor nos olhos,
que este teve medo. Mas Thomaz deto-
ve-se.
Nesse momento entreva Magdalena.
Elal ouvira as gargalhadas do marido.
O que fez elle ? perguntou, reco-
nhecendo Thomaz.
Gonssolin explicon-lhe o estranho pedi-
do do lenheiro.
Thomaz baixou os olhos, intimidado,
nSo ousando fazer um movimento.
Quando o negociante acabou a explica-
9S0 :
Pois bem, disse ella, porque nS
aceita ?
Mas urna loucura.
Pouco perigosa, em todo o caso.
NSo tenho necessidade de pessoa al"
guma.
Entretanto, o senhor disse hontena
que quera um contra-mestre.
Prefiro levantarme duas horas mais
cedo, a saber que os meus negocios esta
entre as mSos desse tratante.
Elle nSo umjdesconhecido.
Bella garanta Um ladrSo de caca,
um contrabandista Bonita recommenda-.
cSo Criticariam disto em toda esta ter-
O senhor bastante independenta
para nao dar a mnima importancia aos
que o calumniam e bastante bom para
que ajude ao Sr. Lhoir... quando ello
faz o pedido em nome de sua mSi.
Ella tinha posto urna ponta de irona
nestas ultimas palavras.
Houve um momento de silencio.
Gonssolin, perplexo, hesitava. Tinha
contra Thomaz um odio de longa data,
como nSo era de natural terno, pouco lh
importava que o lenheiro tivesse ou nS
trabalho.
( Continuar-se-ha)
---------------------|------------------------------
. do Diario rua Duque de Caxias d. 42


-"
I




I
J vi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E75ZF5S4N_10QBQ7 INGEST_TIME 2014-05-21T23:58:14Z PACKAGE AA00011611_16939
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES