Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16929


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i or*
p.ini
PorTrlkmea..
Por seis ditos dem
Por um anuo dem
Cada numero avulso, do mesmo da.
82
Oim&E IAO SE,IACA FORTK
6-W00
12,JO00
230000
dlOO
QARTA-FEIRA 14 DE AGOSTO DE
t
IMRi BE^TRO E FURA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados ....
Por nove ditos dem .
Porum anno dem ...
Cada numero avulso, de dias anteriores
* *-
136Cr.
204000
265000
5100

Tropriedade de Manoel Figuetrca de Paria 3%)cs

TELEGRAHMAS
s7;o pabias sa a:s:o
S'fl?


RIO DE JANEIRO, 13 de Agosto, s 4
horas da tarde.
Foram nomeados inspectores das alfan-
degas;
Do Rio Grande do Noria, Luiz Bri-
gido;
Das Alagas, Belmiro Lyola;
Do Espirito-Sunto, Goncaves Fraga,
sendo exonerado o actual.
Foram tambem nomcadoa :
Thesoureiro da Thesouraria de Fazenda
da provincia do Uear, Antonio Affonso
d'Albuquerque;
1. escripturario da Thesouraria de &
senda do Rio Grande do Norte, Jos Za
diarias de Mello;
1." escripturario da Thesouraria de Fa-
zenda de Pernambuco, Luiz Emygdio Ra-
poso da Cmara;
Juiz substituto da comarca de Timbaba
em Pernambuco, bacharel Antonio Card-
lo Aj-re.
PARAHYBA, 13 de Agosto, s 8 horas
e45 minutos da noite.
S. A. o Sr. Conde d'Eu aqu chegou
hoje pela manha, sendo recebido bordo
do paquete que o trouxe pelo Barao de
Abiahy, superintendente da estrada de fer-
ro e outras pessoas gradas.
O presidente da provincia recebeu S. A.
na estacao da ferro-va na capital, onde o
esperara, bem como os chefess das repar-
tieres publicas.
S. A., acompanhado de todasessas pes.
soas e das commissoes nomeadas, seguio
at Mulung^ybnde lhes foi servido um lauto
almoco.
fie-da ierro-vi esta va m
todas, como jjaTapitdI,"foi
emonstragoes fes-
Todas as
decoradas e <
S. A. receb
cora
-. tivas.
"l)e regresso de sna excursao, S. A. em-
barcou as 1 horas da tarde com destino
Pernambuco.
5337150 s a&sscia satas
VIENNA, 11 de Agosto.
S. M. o Imperador Francisco Jos aca-
ba de partir para a Allemanha.
APLES, 11 de Agosto.
defunto foi transportado
tos, que Iba inspirou o desejo de tnelhorar aquel-
le systema barbare, e couduzio o grande artista
lyouez a descoberta que o immortalisou. Nao
rea taremos as peripecias cu-iosas enternecedo-
ras da carreira reste artista de genio, inas lotos
incensantes, a franqueza ingenua e admiravel
ut mostrou, cas njuslieas que teye ae soffrer
a parle de seus ingratos couridados.
Basta dizer que o norae de Japquard flcou na
tnetuoria do povo como typo do genio industrial;
e esta homenagem bem legitima porque aquel
le grande inventor bauriu o principio da sua des-
col) srta na compaixo que loe OEpiravam o
nlhns rio povo.
Talaremos agora de indicar o principio do
tear a Jacquard c o artificio por meio do qual o
inventor, supprimindo o systema complicado e
grosseiro que era usado antes delta parase tocej
rem os pannos ornamentados, conseguio elimi-
nar, por inutil, a triste e prejudicial protissap de
puxador de lios.
O celebre Vaucanson liavia inventado e pro-
JosW
de Azevedo
posto urna machina que abreviava rauito o traba-
llio lo tecido. Mas as eorporaces operaras da
cidade de Lyo, oor motivo de preeonceitos e
recejos que a ignorancia do vulgo auimava entao
contra o empregodas machinas. haviam-se forte-
mente opposto a sua adopeo, de s'irfe que pon-
co usadas erara. Acrescia qut a dita machina
liaba o inconveniente de nao poder uroduzir se
nao desonhos mu diminutos, llores ou figuras
uniformes e de mediocres dimenses.
Eis aqui qual era a disposico da machina de!
Vaucanson, que os nossos feilores podero ir
examinar a vontade as salas do conservatorio
das artes e omeros, em Pars, onde ella figura
entn? os apparelhos para tecidos.
Vaueunon prendeu cada fio da tea, por meio
de um olhinho de vidro, aum cordao delgado. ^
cada um destes c jrdas foi pwwo a urna agite)
delgada de ferro. Jaxtapz superiormente toda
eslas agulhas, que fororaram urna sorte de paral
lelogrammo, por cima de qual collocu um cy-
lindro ilas mesinrs dunensfies: crivado de furos
regularmente dsposfps. Este cilindro girava,
depois dcada pnssagem da langadcira. Os ori-
ficios aberlos no cylindro correspondan) aos fios
da tea que baan do ser erguidos para formar
o desenho. *
(Contina)
ARTE OFFICIAL
"
par*
8. A. o Duque de Genova e Mr. Crisp,
presidente do gabinete, assistirao as exe-
quias de Mr. de Cairoli.
O corpo ^^ .
VfpARIS, 12 de Agosto.
Mr. Edisor acaba de chegar aqui para
?sitar a Exposicao Universal.
PARS, 12 de Agosto, noite.
O Supremo Tribunal (Ilaute Cour de Jus-
tice) resolveu no oceupar-se do incidente
promovido pela direita do Senado, a pro-
posito do processo Boulanger.
Em consequencia d'esta resolucSo os
memhros monarchistas do Supremo Tribu
nal decidiram nao assistir as audiencias.
BERLIM, 12 de Agosto.
S. M. o Imperador da Austria-Hungra
acaba de chegar aqui.
S. M. acompanhado pelo Conde de
Kalnoki, ministro da casa imperial e dos
negocios estrangeiros.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
13 de Agosto de 1889.
INSTRUCC10 POPULAR
Cioverno da Provincia
/ EXTED1EKTB DO DA 2* DE JliXO DE 1889
Actos:
O vire-presidente da provincia resoive reinte-
gra; o bacharel Jos Maria Cardoso no cargo de
ajudante do procurador dos feitos da fazenda
provincial no municipio de Nazarelh.Coinmu-
nicou se ao Tnesouro Provincial.
O vice presidente da provincia resoive ex-
onerar o bacharel Ai thue da Silva llego do car-
go Ce ajudante do procurador dos feitos da fa-
zenda provincial no mu&icipio de Nazaretb.
O vice-presidente lia provincia resoive no-
mear os promotores pblicos, hachareis Eutro-
pio Goncalvss de Albuquerque Silva, Julio Pires
Feriara, Ricardo Paraba u Faria, Jos da Silva
llamos, Hcrculano de Oveira Torres Gallindo,
Avres de Albuqu.jrquc Bello. Francisco Santiago
Ramos, Marcolino Ferreira Jama, Sergio Diniz
de Moura Mattos. Adolptio Julio da Silva Mello,
Severiano do Reg Chaves Peixoto. Joaqun) da
Costa Ribeiro Filho e cidadao Firmino Gomes de
Menezes, para exercrem os cargos de ajudan-
tes do procurador dos feitos da fazenda provin-
cial nos municipios de Palmares, itami.. Carua-
r, Bezerros, Cinbres., |Barrircs, Rio Formse,
Pao d'Alho, Escada, Cabo, Villa Bella, Gara-
nhuns e Floresta, na ordem de sua collocacjto;
(cando exonerados os que exerciam os referidos
cargos Communicou-se ao inspector do The-
souro Provincial.
0 vice-presidente da provincia resol ve na-
mear o promotor publico, bacharel Eutropio Pe-
reir de Faria, para exercer o cargo de ajudan-
te do procurador dos feitos da fazenda provin-
cial no municipio do Brejo; iicando sem effeito
a portarla de 28 de Maio lindo, pela qual foi norae-
ado o bacharel Jos Carlos MayhnkPires Nabuco,
para exercer o referido cargo. -Cflmmunicou-se
ao inspector do Thesouro Pronncial.
O vice-presidente da provincia resoive re-
integrar o cidado Antonio Joaquim dos Santos
Maugabeira no cargo de promotor nublico da
comarca de Boa-Vista, declarando por isto sera
effeito a portara de i do corrente mez. pea qual
foi nomeado o bacharel Belisario Al ves de Brito
paia o referido cargo. -Comraunieou-sc ao juiz
de direilo da comarca.
O vice presidente da provincia resoive de-
miltir n bacharel Francisco Chateaubriand Ban-
deira de Mello do cargo de promotor publicada
comarca de Goyanna, e nomear para subslil
o bacharel Mo Cahel Penara de Aodrade.
zeram-se as necessaria comraunicaces.
O vicepresidente da provincia resoive
mittir os bacbareis Antonio Augusto Cardoso de
Castro e Joo Vieente Pereira Dutra dos cargos
de promotores pblicos das comarcas de Jaboa-
to e Victoria.Fizeram-se ds communicacOes.
O vice-presidente da provincia resoWe ex-
onerar Joo Izidro Paes de Lyra do cargo de
colleclor provincial do municipio deCaruar.
O vice presidente da provincia resoive re-
integrar Antonio de Lemos Vasconcellos no car-
go de collector provincial do municipio de Ca-
ruaru.--Communicou-sc ao Thcsuro Proviocial.
O vice-presiJentc i!a provincia, atteadffldo
ao que requereu o secretario do presidio de Fer
naido i!e oronha. capuao yauo^ Accioli de
Moura Goniim, resoive canee.!r-ifte tres mezes
de licenca, corr os ve icHiieatos a que tiver di-
reito, a contar do dia M do correute, pura [-atar
de sua sade. j# *lk
O vice-presidente da firfHcem re >lve ex-
oiiTiir Aicioo ll^.ljeHadpAnioriin d
delegado do .ii.-r-> litter.:r.o Sania Maria
da Boa-Vista, e n-nnmif para su*=tiruil-o Amo-
nio Joaquim dos >aato? MtaKyabi'ira. Commui-
co'i-sc a lnstrucco RnUlica.
O vice-presideHe da provincia resoive, de
conformidade com a praJKMta do Dr chefe de
policia era olcio desta data, n. 702, considerar
sem effeito as aomeacOes de aatoridadas poli
ciaes dodistricto de Ti jipo do termo de Jaijoa-
to. de que trata o ofBcio do n.csino Dr. cb'fe
de poliea, n. 2ii4, de 21 do corrente mez. -Com
capito Josu Materno de Azevedo Santos do
posio de eommandante da 2* estacao da guarda
cvica, e nomear ,p*ra substitu!-o o cidadao
Francisco Laurentino Pereira de Carvalho.
O vice-|ii esideate da provincia, de confor-
midade com a bSwsla do Dr. Chefe de Policia
em oflicio n. 707, de hoje datade. resoive exone-
rar Antonia Luiz de Senna Cavalcanti do posto
de Alteres Commandante da 1". estacao da Guar-
da Cvica.
'O'vke-presideute da provincia resoive, de
conformidade com a pmposta do r. cbfu
pblicia, em ollicio u. 707, do bojo datado, rein-
tegrar no post' res eommandante da' 1.'
eslacio da v-uarda civica Joo Po da Silva Va-
!> MCL
O vicepresidente, da provincia resoive, de
onformidade cera a proposta do Dr. ebefe de
policia, eni officio desta data, n. 708, reintegrar
no posto is: alteres eommandante da '.i.' estacfio,
da guarda civica, que se acha vago, o cidadao
Francisco da Costa Ferraz.
- O vice-presidente da provincia resolye de-
mittir os seguintes oraches do corpo de po-
lica : t
Estado maior
Teiiente-ajudanle Theodomiro 'fhomas Caval-
cnte Pessoa.
Teneole, secretario Theolindo Augusta do
Reg. ~
lente quartel-mestre Seteriano Viera da
Paz.
1." companhia
Capilao Satyro Ferreira Leife.
Tenente Maoel Perreira ca Silva.
Alferes Joiio Pinto Cavalcanti.
Alteres Ildefonso Carneiro da Cunta Albu-
qnetque.
2." companhia
Capitao Joo"Fr,incisco Hemeteric Portella.
Tenente Deocleciano Peixoto de Alcncar.
Alteres Porfirio Pope Giro.
Alferea Paulino Antonio de Souza AJe's.
3.' companhia
Capitao Lucio'de Siqueira Campos.
TVnen;e Jos Feiippe Gomes Jnior.
Alferes Ignacio vespasiano Auimsto Ferreira.
Alferes,Joe^ Nicolao Ferreira GoVnes.
4." companhia
Capitao Antonio Josa Pestaa.
Tenente Lourenco (oncalves de Azevedo.
Alferes Francisco Xavier Carneiro Pessoa.
Alferes ffiburtino Jos de Olireira.
5.* companhia
Capitao Joaquim Flix Bezerra Cavalcanti.
Tenante Pedro Alexandrino Correia de Millo.1
Alferes Olegario da Luz Csntarelli.
Alteres Joim liento da Silva Valenca.
6. companhia
Capitao Antonio de narros Correia.
Tenente Manoel Francesco Alvea Teixeira.
Alferes Manoel Francisco Mendes Diniz.
Alferes Severiano de Siqueira Barbosa.
7." companhia
Alferes Antonio Cadena Bandeira de Mello.
Alferes Chnspiniano Pimentel Angelim.
O vi.-e-presidente da provincia resoive no-
mear para o corpo de polica os seguintes ofli
ciaes :
Estado-maior
Tenente-secretario Francelino Manoel de Sao-
la Hosa.
i. companhia
Tenente Manoel Joaquim de Mendonga.'
Alferes Francisco dos Passos Baptista.
2.a cunpanhia
Capito Jos Vicor Je S Brrelo.
Tenente Pedro Baptisfc Carneiro.
3." cotapashia
Capito Jos Joaquim Bezerra de Mello. ^
Alferes emeterio Hernnllo da Costa.
Alferes Goncalo Accioli Lins.
'?. eordpanliia
Capito ntonio Car!o#dos Santos Mergulhao.
Tenente Joaquim Mauricio Wanderley.
Alferes Aureliano Cagsiano Beeerra de Mello.
Alferes Francisco d Oliveira Valenca.
5.' cotnpanliia
Capito Joo Manoel da-Silva Carvalao.
Tenente Jos Ferreira Dutra.
Alferes Elias Baptista da Silva Costa.
Alferes Walfrido Carneiro da Cimba Miranda.
6.a companhia
Capito Ildefonso Viera da Cunha.
Alferes Carlos Lopes Nogueira Rosa-
7.* companhia
Capito Antonio Cesara.la Silva Brazileiro
Filho.
Alferes'GaldinO Jos de-Mello.
Alferes Genuino de Oliveira Cavalcanti.
O vice-presidente da provincia resoive re-
integrar nos respectivos postos 03 seguintes of-
liciaes do arpo de polica :
Estado-raaior
Tenente-ajudante Sigismundo Carlos d'Arcc.
Tenente quartel-mestre Jovniano Jos de Al-
buquerque.
1." companhia
Capito Jos TJeoionio Pereira de Carvalhe.
Alteres Josino Alexandre de Oliveira.
2." companhia
Alferes Jos Rahello Padiiha.
Alferes Manoel Gatuno da Silva
3.' companhia
Tenente Joo Pires Ferreira.
C* compaahia
Tenente Ai.toiio Jas ''o Souza. .
Alfens Joaquitn Eduardo de Godoy Vascoa-
o exercicio do cargo de promotor publico daco
marca do Cabo.
EXPEDIENTE H0 DR. SECBETARIO
Offieio.:
Ao Exin. Sr. conselbeiro director geral da
Secretaria de Estados dos Negocios da Justiga.
De ordem do Exgj. Sr vicepresidente da pro
vincia .transmuto a V. Exc um exemplar do
litirm de Pemantmco de boje no qual est publi-
cado o edital de noli!i"at,o jo juiz de direito da
comarca ;!.; Bom Conselho, n'esta provincia, ba-
cbafal l* iiiciseo de Casu-o Rebelfo de sua remo-
'. :omarca de S. Fidelis no Rio de Ja-
neiro.
AoDr juiz de direilo do 2 dislriclo crimi-
nal da comarca do Recite.De ordem do Exm.
Sn. vice-iresKlente da provincia communico a
V.S.qtlffose offici n. 203 Oe l8do carreatei
exarou-se o seguate despacho:
R> Fernando de oronha para satisfazer a requi-,
siyo.
Ao ngenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.De ordem do 'Exm. S/.
vice-presiilrnte da provincia declaro a V. S. que
vetara hjjefi devido destinos papis relali-
jm ao iegulamentoe tarifas dessa estrada de
JBrro aunexaaao seu ollicio de 2fi do jcorrente
sob u. %
...
DSlPAI'HOS UA PKKIDENC1A DO DIA 10 DE
AtOS^ DE 1889
Antonio Jovino da FonseCa.Informe o Sr.
ilBectdr do Thesouro Provincial.
Bernardino dos Santos Rosas. Indeferido,
visto na er preenchidoacondico do decreto n.
1930 de 1831 quanto idade. .'
Bacharel Benicio Vilson Tavares da Cunha
Pello. Encamiiihe-se, pagando o porte o sup-
cante.
Bernardino ^ntoniodosSaatos.-eferidocom
afficio d'esta data ao eommandante das armas.
Cu-t.lio Marques da Silva Lobo.Informe o
Sr. director da "Bolonia Isabel.
Jos Luiz Ribeiro.-Deferido com oflicio de hoje
ao Th;souro Provincial.
Joo Demetrio de Moura AccioIi.*-Iuforme o
director da Colonia Isabel.
Joo Carlos Cavalcaule de Ai buquerque.En-
minhe-se, pagando o porte o supplicante.
Ludovina Augusta Xavier de Maia Barreno.
ba na secretaria d'esla Presidencia petifo 8
amentos que allude a supplicante.
anoel Antonjo SydneyPasse portadoria na
na requerida.
Marcnl Correia.Informe o Dr. juiz de direito
do 2. dislricto da comarca do Recife.
Bfigario Zeferino Ferreira Velloso.Passe por-
tara ua forma requerida.
Coronel Augusto Octaviano de Souza.Informe
o'Sr. inspector do Thesouro Provincial.
* Rodrigo Carvalho & C Sim, por certido,
'qnereudo. ,
^O mesmo.dem.
I Secretaiia do Presidencia de Pernam-
buco,. 11 de Agosto de 188U.
O porteiro,
.Francelino Chacn.
AS (RAMES
NTJGA8 K MllIKiiSAS
NA8
sodat. industrias e artes
POR
XXIII
O tear Jarquard
( Jacquard era filho de um rastre de officina de
urna fabrica de tecidos de Ma em Lyo. e nal
raai eslava tambem emoregida na ofhcina como
leitora de desenbos. jjti sem duvida a profunda
impresso que ppodaaio na alma do mogo Jar
*uard o pungente espectaeoo dos puxadores de
DIARIO DE PERNAMBUCO
podem fazer pagar bem paga a sua pequea c~
ihetu.
Pode, pois, resumir-3e assj a posicSo actual
do caf:
Io Certeza do.cejbeita excepcionalmente din-
nuta.
2o Pequeos supprimentos visiveis, tanto nos
Estados-Unid js como na Europa.
3 Marcadores de varejo exhaustos de caf em
toda a parte. ,
**
O desenvolvimenlo de instituicoes de crdito
ltimamente pronunciarlo, torna absolutaaiente
indispensavol um blemeiita que presciuJindo da
emprego de numerario veulia auxiliar, e atcer-
lo ponto annular, o augmento de tiabalho ban-
cario. exigido pelo augmento das transacc6es.
Alm de que o meio circuante inais de urna
vez se tem mostrado exiguo e nao proporciona*
cifra de operaces a que de ve acudir como ele-
mento de liquidacj, o tempo exigido paraacon-
lagem do numerario, seu transporte, os innme-
ros lancameutos a que obriga o actual systema
empregado na; cobrancas,representa um dispen-
dio intil, e por consequencia prejudicial, o que
equivale a dizer que reclama substituico.
Inspirando-se n'estas ideas, o Sr. ministro da
fazenda, em boa hora, offereceu o prestigio, uo
seu nomc e o de chefe do governo, convocando
na semana ultima, a urna reunio, os directores
dos diversos estabelecimentos bancarios d'esta
corte, e nropondo-lhes o estabelecimento daJun-
ta de Liquidaces (Clearing-koute.) a exemplo das
que existera "em outros paizes.
Para isso nomeou una commisso composta
dos Srs. senador Soares, visconde deS. Francisco,
commendudores Eloy da Cmara, Mayrinck e
?endes Castro e os gerentes dos bancos allemaa
inglezes para organisar as bases.
Nao nova, entre nos, a idea de um estabele-
cimento d'essa ordem, e mais de urna vez espi-
raos adiantados se tinham pronunciado no sen-
tido de ser adoptada urna tal idea, tendo-se-lhe,
pdrem, opposto as condices especiaes em que
operara os nossos Bancos, o receio que sempre
a limusina,- nws mcmu* acompanham as innovaces, e, alera de tudo, a
todos os respeitoe, estamos di- erso das operagSes bancaras por grande
numero de intermediarios, que talvez sera o pen-
sarem eram outros tantos ering-lovses, embora
elementares.
Heparti^o da Polica
2.a heccao.N. 990Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, lo de Agosto de 1889
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
ue toram hontem recolhidos 4 Casa de
>etenc2o, os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do Recife, Mafia Ru
lina da Conpeico, por offensas moral pu-
A' ordem dd de Santo Antonio, Guilherrae
Franciscode Sant'Anna, Eduarda Silva Santos e
Adolpho Lins de Araujo, por embriaguez e dis-
turbios.
%' ordem do do Io districto de S. Jos, Mana
da Conceieao, Joseph Maria da Conceicao e Joo
Jos da Silva, eonhecido por Joo Baha, por
disturbios.
A' ordem do do Io districto da Boa Vista, Her-
mina Leopoldina Sette, alienada, minha dis-
posicao.
- Em 4 do corrente assutnio o cidadao Ma-
noel Joaquim d'Alm o exercicio do cargo de
delegado do termo de Grvala.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Conselbeiro Manoel Alves de Araujo,
rauito digno presidente da provincia.O
chefe do policia Serondo Dias de Arruda
Foleto.
RECIFE, U DE AGOSTO DE 1889
S. A. o Senhor Conde d'Eu
. Regressando da estonio emprchendida ao
norte do paiz, cujo limite tocou na fronteira de
Tabalinga, no Amazonas, deve hoje aportar s
plagas pernambucanas o Serenissimo esposo de
S. A. a Princeza Imperial do Brazil, o Senhor
Conde d'Eu, inarecbal do exercite, agrado bra-
zileiro na cruenta guerra do Paraguay, onde se
distingui como soldado.
t.v. A. o Senhor Conde d'Eu, conhecendo de
.perto, le tis, por .experiencia propria, as gran-
des dilliculdades, a quasi miseria em que vivem
as provincias do Imperio do lado septentrional,
deve trazero seu espirito sulcientemente escla-
recido para saber referir ao chefe do Estado e
me fazei* sentir a urgente necessidade de maior
equidade, de melhor harmona na distribuicio
dos bens que podem ser partiluados pelo poder
com os diversos raembros da communmjp bra-
zileiro.
Ha longos annos que nosos lilhos do norte
gracaf- urna pequenina poltica, que infeliz-
mente tem sempre visado separar brazileiros de
brazileiros. como que somos os judeus d'este
imperio collosso. Ao passo que tudo fcil e
tudo se faz pelo sul, o norte vegeta ingloria-
mente, despeito de suas legilin.as aspiraces
e de seus inconcussos direitcs igualdade na
partilha dos bens do Estado.
Em instruego, em educaco poltica, as ar-
tes, as sciencias as industrias,' nos melhora
mentos materiaes.
em peiores coad^es do que o sul do paiz. E
no emtanto, somos todos da* mesraa raga, temos
o mesmo carcter, os mesraos castumes, as mas-
mas energas, idnticas aspiraces c denticos
intuitoe.
Em ties condig5es. nSo pode escapar ao espi-
rito coito do Principe viajante que urna causa
superior aos. elementos constitutivos dos povos
tem actuada para a disparidade de resultados,
em 68 annos de vida politiea, entre o sul e o
norte do Imperio do Brazil.
E' cssa causa, que desde niuito nos habitua-
mos a ver as preferencias da poltica pelas pro-
vincias do sul, que suppomos ter 9. A. o Senhor
Conde d'Eu apprehendido e esperamos que Sua
Alteza a levar s regiOes serenas era que agem
a cora e o goverqo. fazendo-os coraprehender
quanto urgente mudar o rumo d'essa poltica,
dirigindo-a para o norte to largamente quanto
dirigida para o sul desde longos annos.
E' esse, pensamos nos, o lado mais pralno da
viagera de S. A. o Senhor Conde d'Eu, que leva
mais para a corte a conviego de que des-
ta banda do paiz ha sinceras affeig5s causa
monarchica, grandes desejos de que persista uni-
do e forte o grande imperio sul americano, e vo-
tos e anhelos auspiciosos pela dynnastia impe-
rial, luo patriticamente encamada na Augusta
Princeza Imperial a Sra$D. Izabel, Cpndessa
d'Eu. "^
Saudando a S. A. o Senhor Conde d'Ea em
sua passagem de regresso por Pernambtco, ere-
mos ser fiis raterpretesdos sentimentos da pro-
vincia, qur em relac*. 4 sua pessoa, qur no
que respeita s justas aspiragoes do noite.
ia
:a rerolvQ, de
I |);'. i hete <].
la. eiear una
iiinu rago Je
miiniciiu-se ao Dr. chele de \
O \\o- pie-iilente
oooforondade ni a prj
policir em o'ti io n
districto ile si bdVIeg*
tno termo de Jabo-n
O vic--pre.-id.Mile l l.dade .;.-m a !-* de polica
^^Kio n. 70.) Jl'fe Hitado, resoive ex-
^^Kos afere.- Ali'-.iilW Pedio Azewd.. e
: : iiandaples
9 S esli-e- civiv*
O mi: e la proviAMi cantor
mida le OH i-i do i'-
era offlcio n. 70. o : .' io. rt?
os dada M
e tai
O'
iln .\ i-c.iiieiilo iB
le alferes commandan
la guacia civieu, na
. iam colocados
O .
cooformidadejfo.u a |roj.o.-ta do 1r. cnef de I bns ennv.Miieiji
policia em ufltiu dsla duti, n. 7fi, exderara Silva Pessoa del
.le
cellos.
O vice-presTdente da provincia, aiteodcndo
ao que requereu o capito da 7.a companhia do
corpo de policia, Francisco freir do Lago ;
Considerando que o peticionario conta mais
de 15 anuos de efectivo exercicio ;
Consnieraudo que o referido official nao pode
por incapacidade physxa, continuar a exercer
as respectivas fum goes, conforme foi verificado
pela junta medica proviicid, que o inspec-
cionou ;
Resoive reformal-o com a penso a que tiver
direito. de aecordo com as disposigOes do art.
33 do regulamento de 8 de N >vembro de 1873 e
leis ns. ai d-,4 de |kio de 1810 e 1,(11 de 17
de J.mho d 187J.
Ollicio* :
A comnufcdaate das armas.Providencie
\'. pa;a que'lije. s 4 1/2 horas da tarde.
sejaMt'feias oqifpMiit.Mio Publico as honras f-
nebres ao alferes da guarda nacional 'Joo Ba
ptista Gomes em Jnior, por occasio de ser,
dado o seu corpo eptutata.
Ao insp-etor da Thesouraria de Fazenda.
Com:- V. S.. |ia-a os tins convenientes,
qu- o l.acln el.Miinei Jlaquim Machado Jnior,
era 15 do ceir#i1jmp as.-uinio o exercicio do
c, rgo de juiz ftarapii e de orphos do termo
de Flores. |Kira qual foi nomeado por decreto
di' 2 ie M ,<> ultimo* ,
- Ao ou :i .. Co'.iuiiuiico a V. S., para os
lins coav ni- des. qiJe o oa. harel Jos Francisco
Rtbeiro Ptwoa, eui 14 do correte miz asea-
nte o exercii o do caivo da juiz de direilo da
re. d- 1 igaz-ira. para o qual foi nomeado
por decreto > 27 de Abril ultimo
A i mesmo. Comino tico a V. S., para os
Bus Hiu'ineiiies, que, o ju' municipal e de or-
phSo d i- erm i n uaiM de Iiuazeira e 8.
Jos do EgvptO. bacharel Pero Jorge de Souza,
i, ii 14 lu oa/r-iile mez. u exercicio
i data o de juiz
de din j o utPriWfl iva comarca.
o s no. to iiraunico a V. S., para os
o bacharel Epitacio da
no dia 26 do correle mez,
Thesouro Provincial
DESPACHOS QO DIa' 9 DE AGOSTO DE 1889
Collectoria de Bom-Conselho.A' seceo do
Contencioso.
ia
Manoel Nunes da Fonseca. A' Rccebedoria.
Joa Antonio Pilro -Certifique ee.
Companhia do Beberibe, Antonio Jovino da
Fonaeca, coronel Angusto Octaviano de Souza e
Sebastian de Menezes Nobrega- A' Contadona.
E
Um jornal da corte diz, que a revis'a de Lon-
dres annuncia que nos annaes do caf ser lem-
brado o anno de 1888-1890, como um anno
quasi sera precedente, e que por muito lempo
ser chamado oanno da grande falta de caf.
Calcula se que a exportago Jde 1888-1890.
pelos porlos do Rio e Santos, nao passar de
4 12 milhOes de saccas.
s stocks em trapiches e nos armazens de reta
Iho tem sido os seguintes :
Em trapi-
ches
de Janeiro de 1887....
de Junbo de 1887.....'.
de Janeiro de 1888...
de Janeiro de 1889...
de Junho de 1889......
Em arma
zensdere
tulho.
5,469,000
5.547.470
3.825V-00
2,723,700
2,zo.Tfi76
-Ses-
Recebedorla Provincial
DESPACHOS DO DIA 11 DB AGOSTO DE 1898
Joofeilveira Boa-Vista, Leonor Romeiro de
Albuquerque Mello, Azevedo Braga C, Manoel
Fernaodes Mascarenhas e llerdeiros de Joaquim
Correia de >monm.Informe a Ia sefcgo.
Bedel & David.-A' Ia secgo para os devidos
n*.
Veaancio dos Sntos RozasDeferido em
vista das informaces.
- 12
Jos da Cruz Santos e Antonio de Souza Ca-
bral.A' i" secgo para altender.
Anua ^og-fica dos Santos Rodrigues e Antonio
Joaqnim Rodrigues de Paula Informe a 1
secgo
Isidoro Ba-'os de Oliveira.Deferido em vista
das inormagoes
lnstrucco Publica
DESPACHOS l>0 DIA 7 DE AGOSTO DE 1389
Jnsiin., Aioa da Silva Santos.Justifico.
Maime l / n t Vasconcel os Cavalcante.
Como reqii.T.
Rila Francisca do^ Anios hacon. Justifico.
9 -
Ernesiino Vielonuo Iteren^er. -Como requer.
Aiiih,. R s. I i It a'.il.Como requer.
Olavo Coi ivm Cr.:spo.-io requer
1*5 *
una Gniilieniiina Ftosa Brechenfeld.-
Jusiico
Autouia Bazilia Baudaux.-Como requef.
Hita Mana Gomes de SouzaEntregue se os
documentos que existrem n'esta repartigao.
- 13 -
Maria i lara de Mello'Figueira.Cumpra-se e
registre-se a apostilla de 13 de Julho bndo.
Pelo Clerwjhouse de Londres passarara na
mez de Junho cheques e lettras no valor de
1.430.190:000-5.
#**
O Economist inglez. a folha mais considerada
no mundo financeiro, dedica no ultimo numer
um extenso artigo ao negocio' de Delagoa-Baj,
em que declara nao estar anda no caso de julgar,
oam conhecimento de causa, de que lado est a
rzo. .
Opina no entaoto, que o governo britnico nao
devia nem podia intervir em questes puramente
particulares, porque se os poderes pblicos in-
glezes se lembrassem de intervir sempre quando
alg un cidado inglez fosse lesado por qualquer
governo.a Inglaterra est.iria em guerra com meio
mundo. Alm da questo de Lourengo Marques,
lem boje a Inglaterra, um sem numero de pen-
dencias entre companhias inglezas eos governos
do Brazil, da Repblica Argentina; do Transvaal
e outros para as quaes o governo britnico teta
olhado com indefferenga.
O Economist acrescenta que a intervengo do
governo inglez em questes d'esta ordem seria
tanto mais inconveniente e perigosa, quanto os
especuladores confiados n'esse'soccorro passa-
riamafer anda mais imprudentes, fazendo coa-
tractos no ar e esquivando se ao cumprimenta
das suas obrigages, e termina o mesmo jornal,
dizendo com muito bom senso que a divisa doa
especnllpies inglezes n'esse caso seria: NSo
tem dar ida porque se o negocio conemai, l est
o no-s o goterno para nos proteger, para nos licrar
de perdas.
2,466,300
2,834.584
2.334,700
1,687,850
2,583,915
Julga ser a reserva universal de caf, em Ju-
mo de 1889, menor 3 1/2 milhes de saccas do
que em Junho de 1887; e opinio sua ter aug
mentado o consumo de 1887 para 1889 em segu-
ramente 1,080,000 de saccas.
O actual consumo dos Estados Unidos e da
Europa requer urna exportago brasileira annual
de 7 milhOes de saccas.
A deficiencia, no anno que comega em 1" de
Julho corrente e vai at igual data de 1890,
sem contestago, de dousa trez milhes de sac-
cas.
E, pois, como que se ha de"preecher uina
tal deficiencia ? So ha urna solugo, e esta que
o consumo deve diminuir.
E qual o meio de fazel-o diminuir ? 0 uni
co meio sao pregos altos, mas muilo altos, por-
que o prego de 20 cents., por libra de cale do Rio
fair, nao impede o consumo, nem mesmo na
Scandinavia, quanto mais nos Estados-Unidos.
Em Janeiro, Fevereiro e Margo de 1S77 o p:e
go do caM bom do Rio su-deniou-se regulando
cerca de 20 cents, por libra, sem fluetuaco al-
yuma. a bem dizer; d'aai at Seteuibrodo reft
i m ni no fluctuou apenas entre 19 1 4- 2i) cen-.
poi libra, ai redando se disso apenas un d'a-.ni
oi:iro p.na iogo voitar,a esse circulo de preeo;
e .--im conluiuoa un. iluninutissima le.lina
ji.> at ezambro desse anno.
I1 .ranlo, pnde-se alfoutaiiieute concluir que
nao san 20 cents, por libia que faze.n linir
o co 'su no. sendo que para lazel-o, torfta-se
preciso que s eleve o prpgo cima de 20 cooU.
L.'-'o .> brasileiros sero senhoris da siuii
-e ,.joereiu ilruiar-se em suas exigencias : lia
J utos a e.--a parte que se Ije.s ,io i.;>ara
oci-asiio a-, propteia
i- especuladores tem de olhar para > IV i e
Santos, em ves de fazerem n'o para o Havre e
Hi nburga.
Em Junho 17, o supprimento visivel paraos
Esialos-Uuidos, era de 640.000 saccas, isto ,
em ierra e era viagem ; eajuntando se -Iho 8 i 000
saccas de oalras procedencias souima 720,000
saccas. Que isso seno o consumo de dous
Oa, os Estados-Unidos j de ha muilo que
seguam a poltica de ter iminuios denos]
De modo que mauteudo-se firmes os bruseircs,
1\DISTB1AS E ARTO
Anda ha poucos annas nao tinha a corte ne-
nhuroa sala preparada para exposigo- de pintu-
ras. Com o lento, mas progressivo, desenvolvi-
mento do gosio pelas artes, que ltimamente se
tem manifestado no nosso publico, essa falta era
geralmente sentida e fazia o desespero dos ar-
tistas, pnticipaes interessados era expor os ?eus
tr;'balhos de modo a pafcrem ser apreciados em
boas condigfies de lcale de luz.
O esforgo do benemrito Sr. de Wilde attende*
de alguma maneira a cssa necessidade, prepa-
rando a sala da sua casa para o tim desejado.
Masa sala do Sr. de Wilde Unlia dous inconve-
nientes : aer mnko ai-aunada e estar na roa Sete
de Sctembro, /ero de mo, porque o publico da
Rio de Janeiro nao se abalanca a sahir da ra
do Ouvidor para ver., quadros.
ltimamente, com a abertura co salo do
Atelier Moderno, situado na ra do Ouvidor 45,
magnficamente preparado, limpo, com urna cla-
raboia aberta no tecto, servida por um apropria-
do apparelho de cortinas destinado graduadla
conveniente da luz. julgavamos todos que o pu-
blico se resolvera a visitar a exposigo, que
gratuita e est aberta todos os dias, e que offe;
rece o encanto de possuir trabalhos de quasi
todos os nossos artistas e de alguns europeus,
trabalhos que sao ou sero constantemente reno-
vados. ,
Na actual exposigo Hguram obpas de esculp-
tura, xilographia, zincographia, photographia,
pintura a oleo, a pastel, a gouache,d aguarella.
A respeito diz o Jornal do Commercw, que
continua a ser muito coheornda a expasigo aa-
nual,.que ltimamente inaugurou o'Ateher Mo-
derno. ,. .
m um genero de exposiges inteiramente
novo para nos, era natural, que se esquivassem
alguns artistas, que, at agora, tinham para cam-
po da exhibigo das suas telas, os estabeleci-
mentos de douradores. onde a luz fornecida ape-
nas pela poita* da ra, era inconveniente e in-
completa para trabalhos artsticos.
Muitos ignoravam as condiges com que erat
admittidas as suas obras exposigo annual do
Alalier Molerno; ofllros" e estes era ma'.or numero,
receiavam o confronto das suas obras, com as de
outros artistas seus collega-, confronto laiHo
mais para recetar, quanto sabido que os artifc
tas entre us isolam-se, separam-se mis dos ou'roi
e satisfazem-se apenas com os elogios de alguns
amigos e frequeatadoros do seu atelier.
E' por isso que. s primeara exposicao do Atalier
Moderno apresenta muilo maior numero de disc-
pulos do que de mestres : entendendo nos, por .
mesires. aqnelles que g .zara a honra de professar
na nossa Academia de Relias Arles.
Destes os .rae comparecerajlam tal certamea.
foram inle'icissimos e eorajMwente vencido*
or exposilores que ai i la liajwse tem na conta
de discpulos. t v \
Ve.rdadeiras obras notflH^i- "^r
ram. e, se excluirmo- pastel, de K.
ernardelli, o Modelo em deuBB*1^'1* .
suas aquarellas. os quadros fl|epuUdo artista
Souia Pinto, alguns quadros de nalureza murta,
de V. Gensollen, poucas obras mais sao traba-
Ibos querepresentem cabalmente o valor de seu
autores.
V se que os artistas nao se preparaiam para
tai exposigo e que ram, menos para se
exhibir do que ; verdadeiramante dign
OnucMB' ''*
IWHWfl
H
'_ T.-" ..


Diario de Pernambuco---Quarta-feira 14 de Agosto de 1
.1' I ._.......I





iti

stotosi
mi) t t;
iio e:iHntes pbotoirapbiw, trate-
gravura, de photol'
^a, de gravura em madeira,
[de todos' os trabalhos artsticos Ime,
! i -ectaraenle, tm relago com a
Neste genero o Atelier Moderno
ruento de primeira ordem.

O presidente do Paraguay apresentou tas ca-
lares dois impor'antcs projecto-; de caminos
ie ferro.
Um de M. Anthory Petaez qne se pfupe
esaslruir uuia via frrea partindo di- Laibai
aas margeus do Paraguay, a pa* ajado por
Assuncion, Trinidad, Limpio. Eraboaca, Ruarte
Ooion Igotimi e Bella Vista, para leratiaar na
firooteira brazileira.
M. Pelaez. proproe-se raais a constru
ponte sobre o Paraguay, ou a abrir ata tunnul
nbmarino aliin de se Casar a jonocjo eaui a H
aba projectada do camtnhe de ferr- Norte
Leste Argentino, que por M. M. Ciarte C, es-
t actualmente em via de construcco.
O segundo projecto apreseuta urn carcter in
Isrnaciooal.
Coraprehende a construcgao de um caininno
de ferro, que partindo de Asuncin e ai.rave;.
ando as cidailcs de Emboscada, Arroyos, S
fetanislau e Igotimi, transpon a fronteiri bra-
seira para terminar em Santo.
Este vasto projecto Je un &yndicto belga
rcouui completar empresa por dois rumaes
gracde importancia, um pelo alU Paran pa-
ra Tacurupu, outru de Asuncin ao eaUtwleci
atento argentino de Formosa.
#*
Assiui como o telephone permttte oovir o que
71 a grandes distancias, parece que taiutieo j
aeinventou um appjrelho que permita ver a
eeBtenas e a railhares de kilmetros.
Edison annunctou esta descoberta, mas deca-
Ton carecer ainda trabalhar dois annos para a
ana realnacao completa.
Um inventor (ranees. Mr. Courtone, deposi-
ten porem j a d.scripcfto do novo apparelho,
ne se chama teteph'to, e promelte faser expe-
neneias puMicaa antes de lindar este anno.
As vibrad-oes luminosas sao transmittidiis por
am to iiCiaves de todos os obstculos, podendo
disiiiig'iir-e a distancias muito eonsideraveis.
**
Adiase definitivamente installada a coropa-
aaia Frigoribea Portugueza na ra da Fabrica
4a Plvora, em Alcntara, fundada com o hin
tMirpl"*" industria dogelo. artigo este qna
ai desconlicido at boje naquelle paz, e s usa-
uto pelas classes mais abastados.
feta coinpanha, fabricando o seu gelo trans-
iste e a um prego modieissimo, offeretendo
te as vantayens de coramodidade ao publico,
uno ititriuico nos domicilios, deposito.-; pa-
ja preservar dos elTeitos perniciosos do c.dor a
cana;, o peix.ee todos os gneros de aliuientaco,
test preencher urna lacuna importante.
' *
Ra escola da agricultura de Saint-Rray, era
raoca. tem-se feto curiosas experiencias que
aporta tornar condecidas dos criadores de vae
tnitiinn Duas vaccas, da mesma idede e
de produego qtiasi igual, forain sujeilas ao mes-
bo rgimen alimenticio, urna Defiendo agu, fria
eaoulra so agua na temperatura de 43, dan
do a segunda mais -urna tarea parte de leiie do
pie a pnmeiru.
Iguaes experiencias tem sido feitas em outros
Stos da Franga, tamb .n com resultado &ati.-.-
orio.
*
Pbi .!e 7jO:120JOI o movimento da pequea
aioura. com destino ao mercado dacorte, no inez
iae Julho lindo, notndole urna dilfereng* para
mais, no correte anno, de 477:837*710. devido
aderrubada de mallas, que concorreucom a
joantia de 372 760 lo.
| As comaisses para tndo isso romeadas estao
na Ir echa, e se tem d para que S. A.
(leve de Pimambace as mais gratas impres-
soes.
Nui do impertoTi vemos hontem folh.is
da corte do da o lo orrente, e nellas apenas
encontramos o siguite :
Foi ap irovado o contrato celebrado com
Demetrio C insni-torh especial colonisagao de
inobueo para foraecimoto de alimentagao
;km umiigra rix fu .ittt uavtn iotaaAazido.s no
cor** des* ana*.
- 'i brigadeino^bonrario do exercito. Barto
d" tta^oi, Fe exonerado do oomnanJo da fix-
teira e da goaraigio de B<-'.
Fai-noneato Francisco Isidoro do Souto
Jnior, pora exercer interinamente o lugar de
nonrriitnr lo material do observatorio astro-
nomic.o
O resultado canhecido da eleicao senato
rial era
REVISTA DIARIA

acto* offlciae*-Por actos da presiden-
cia da provincia de 2 de Julbo :
* Foi nomeado o coronel Luis Cesario de Re-
sonara o cargo de administrador da Recebedo-
na Provincial em subsliluigo do bacliarel Fran-
cisco Ainynllias le Carvalho Moura qu passou
i asaraer o de inspector do Tnesouro provincial
oqual foi exonerado o bacharet Eduardo Au-
joslo de Oliveira.
Deu-se provimeoto ao recurso do lente, co-
mne! Francisco Gongalves Torres afim de qne
fasse levantada a sua Manga e julgada extincla
sna responsabilidade de Ihesoureiro para com a
feaenda provincial pido diniieiro resultaute da
* wnda de Slbeles ja lotera de i.O:00:MO,
eessandu portanto, a suspenso disciplwai- e
administrativa que Ihe fra imposto por acto
de 25 de Jualio de I8b7.
Foram concedidos ao Dr. Jos Joaquim
.feabra. lente calhedratico da Faculdade de Di-
3to 4o dia de licenca, com ordenado para tra-
tar de sua saude onde ihe convier.
dem :i meses a Minnel Eslevo de Ovei
, |" pr.i'.ico da barra e porto desta cidade
I),'t rmioon-s! qu' os eleitorea da paro
eba de Sanio Amaro de Taqua'ret.ga se reo
ssem para actos el ?itoraes na iirej i -le S. Jo-
s de Varteiites, li-sindo sem elTeilo a p >rtana
de 2! de Outubro de 188o em virlude da qnd
aeferida reunan se elTectuava no pago ataa
sai da mesma villa.
Poi nomeado o baihaivl Jos Donato Gomes
tVres para os cargos de promotor publico da
enmarca de Jabut.io 6 ajudaute do procurado,-
dtosfeitos .lafa/.enda provincial no municipio do
sesmo n.me, sen lo exoneradj l-.^te ultimo car-
njnn bacliarel Antoui i .Vusjusio Carnoso de Cas-
tra.
Foram (torneados para o largo lie coller.lor
cacrroo di .- itlectora provincial ne G rnaqa
ecollector de Timbauba o majo- Manoel Gomes
de \lbaqo ,-,ii.-. capito 15 mo Bandeira de Al-
toqoerque e Urbano da Silva Pcreira de And a
de, na ordem 1 sua eollojcacao.
Foi considerado -em eifeito a portara que
nsnaeou Joao Das Souto paran posto de capitao
dad'corupanhia do 26" balalliao de. infantaria
da suarda nacional di i-ouMi-ca de ''.Mella* e
nomeado p-ira o referido pistoManoat Albjio
deiiesquita.
- Foi exonerado, a (> lido, n Dr. Aujosto da
Costa Gome- do cargo de delegada litierario da
areguezia de S. Fri Pdro tiougalves do Re-
atV.
Foram exonerados os delegados dos distric
los litterarios de Magdalena, .Bonito, Capoeira,
lage Grande S. Jos4 do'Egypto, Alagoa de
Ifaixo. Ven-ntes.Jaboalaoe Cabo, e nomeados
Sra substituiros Antonio Gomes Machado da
va,comnieudador Francisco lanicio das cha-
gas, tenente coronel Gildmo Al ves Barbosa, Fe-
jppe Peleo de Souza, Ago-'inhodeSani'Anna e
Suva, Jos ygiuo Barbosa I.':s. >r. Fr.i
da Cunha Betrin e Cbrispiniano R-Jarque i
Tfceedo. na ordem c:n iju-- o col locados.
Foi exonerado, a pedido, O pram >tor pu
Mi da comarca de [gnarasa e nomeado para
snrbslituil o o bacliarel Francisco de Carvalho
OD'/alves da Bocba.
Foi nomeado Pedro (Jrqnisa de Carvalho
CiTal'-ante para o Inaar de* suopletfte do juiz
nanoicipal Foi exonerado, a pedidoX H-'liodoro da Sil
i Cabial o de subdekgado do 1- ttis
hielo do termo B JardirT
Foi iB0i3eradfl pera eJiVitu a aoaaaoi
teomte coronel Jos Manoel Correia de Barros
O cargo de 3' suppleote de delegado do
dnancto :i Luz, visto nao morar no dmelo.
ram concedidos ao l-l do almoxarife do
presidio de Femando de Noronha 3 meses de
Scerrn para tratar de sua saude sendo dous com
atordi-iiad i ;uni proviosoriamente sem venci-
enios.
sf-otmii-Em sua passagem por eta cidade,
aegressando do norte.^. A. o Sr. Conde d'Eu
era mais urna pro va do respeito e dedicagao dos
ajjuambu:aiios Augusta Familia Imperial n;*
tstas qne cstfio preparadas para receber o prin-
op. consorte da berdeira do throno.
Div(!rsa= ras por onde S. A. tem de tranzitar
se acham vistosameat' decoradas com arcos.
sm presidenaal, onde.S. \. vai hospedarse, est
sgaatmente decorado capricho e Ihe offerece.-
todos On possivais confortos.
Bataues patriticos 'Sto organisados para a
rece; A a quem a tropa da guarnicio
fara a's continencias da pragmtica.
iiluir ao acto do deserabar-
jof, e prorar is seus sentiraeoto:>,
aedam ando a Familia
penal.
festa de Nossa Scnhora da Penba, que retrtbui-
la do ceo abundantemente a|pjus devotos todo
1 Conselhiro Eduardo de Asdrade Pinto 6382
2 Dr. Adolpho Beserra Je Menezes 5816
3 Dr. Manoel Rodrigues Peixoto 5253
Conselheiro Alfredo Rodrigues Fer-
nandez Chaves 4776
Conselheiro Carlos Frederico Castriota 4221
Conselheiro Antonio da Rocha Pernau-
ds Leao aiW
Consetbetro Joaquim Saldanho M irinho 1866
Domingos Theoloro deAzevcdo 1661
Conselliei'o Domingos de Andrade Fi-
gaeira i 474
Augusto de Souza Brandao (Baro de
C'Qtaeallo) 1390
Dr. Pedro Das Gordilho Pars Lene 93
Visconde de Jary 70
Lemos ao Jornal do Commerci>, sob o ti-
tulo Colonia Agrcola Industrial:
Com o subdito italiano, commeadador Gio-
vanni Scarzanella, contractou o Ministerio da
Agricultura (sendo hontein assignado o compe-
tente termo) a fundagao de ama colonia agrcola
e industrial no valle dos ros Branco, S. Lou-
rengo e Juqui, da provincia de S. Panlo, uie-
diaute us seguintes condices principaes :
Adquirir o concessionano nos referidos
valles, ao- prego de i03O por hectare. al
180,000 hecUres de terreno* devolulos, dividi-
dos em cinco districtos ou territorios iauaes, nao
podendo entrar na posse dos tres ltimos terri-
torios antes cueem cada mudos dous prior-iros
naja estabelecido pelo menos cen familias de in-
migrantes e preenchido ae diversas clausulas a
que se obrigcu. Dividir pelo m nos raetade de
cada iistricto em Totes de 25 hectrea que vender
a iniini-'ranles a prego nao inaioroe vo por he-
clare, pagavel etn pivslages igu-ies durante qua
tro annoY. Fundar em cada dislricto una sede
cora 200 hectares pelo menos e ati construir
casa para recepgo e provisorio agasalbo dos
imiuig ran tes, igreja, enfermara e casa pa ranas-
colas de ambos os sexos, mediante planos pre-
viamente approvados.
Eslabfdecera at 100.000 immigrantes qu-
introduzir par coiita propria, ou por interme-
dio dos contratantes do servigo da introducgo,
observando as icondicoes estipuladas nos con-
tratos. Ser de 8,000 o numero mximo dos
immigrantes qu annualmente podero ser esta-
belecidos. sendo obrigado o concessionario a
alimental-os durante seis meses, no mnimo, e
a mmelos por um anno no serviro da colonia
ou de nroprielarios, bem como a forneeer-lhes
r provisoria, inslruinentos de trabalho, etc.
rala territorio estabelecer at 20 % de fa-
milias nacionaes, que para este efteito se aore-
sentarem, eflectuando-se a collocago em condi-
ges idnticas s das familias estrangeiras.
"Receber o contratante : 401 por individuo
maior de 12 annos que fr estabelecido; 2:0001
por kilmetro de estrada que construir conforme
o plano adoptado; e 500 por kilmetro de ca-
ininhos viemaes. Ter alm disto privilegio por
69 annos para o trafeso de estradas de ferro e
tramways dentro do permetro da colonia e por
10 annos para a navegago dos sobreditos nos,
ompromi-ttendo-sp o governo favorecer ante
o parlamento a pretengo do concessionario a
'teeogoes de direiios
concessionario poder dar execugo ao
contracto por si ou por raeio de empreza. a qual
serio transferiifos os direitos e obrigagOfs esti
paladas.
Onnttimos clausulas de menor importancia.
As que hcam indicadas bastara a dar idea exac
ta do vasto e importante plano, que mnito para
desejar nao aciie no seu caminho obstculos in-
superaveis, podendo cooverter-se era realidade
dentro do prazo estipulado, qup de 15 annos
para o povoaraento dos cinco territorios. Trata-
se de empreza de intuito mercantil, mas para a
qual. do mesmo modo qne para todas as outras
congneres, a administrago e o publico devera
olhar cora o vivo interesse que e para ligar a
todas as tentativas serias de povoamento e utili-
sago dos lerrilorius nacionaes que em tamanha
c;'ii possuimos desaproveilados i.iado que a
eibpreza lotrre executar o seu plapo. o Estado
ser sobejamebte c< mpensado dos favores e au-.
xilios outorgados ao cunees-ionano, nao pela
contrihuigo de 100,000 bragos na formago da
riqueza, 'mas aiuda pelo inestimavel concurso
que d'atii provir para aogmeiito da populago,
o patrtmouio incomparavel das nagoes,
A tollocaglo dos iramigrantes esti'attrahin-
do a solicitode da administrago e es*e program
ma utilissimo 0- para merecer nos todo o apofo e
applauso, quando, dwde data remota, temos in-
dicado a orgauisagSo de 'oceos coloniaes como
u na das nocesididea mais urgentes da nossa
vida econmica. Caa iMcleo, constituindo-se
colnea de trabalho. ser como primeira phase
de futuros municipios prsperos onde a ierra
mais valer quanto mais largo fr o permetro
roteado.
Emprexadoa no commcrrio-A So-
ciedade dos E upregailos no Coramercio de Per-
uamliuco, n-uoe se boje, s 7 1/2 horas da noite,
em sesso ordinaria, no i" andar do predio n. 31
ra do Imperador.
Aniaiifi.'i. na Ordem Terccira de S, Francisco, In
missa solemne em louvur ne X tssa Senhora da
Aju la, padrueira dos novigos da Ordem, pfegan-
d" a i'.angellio o Rvm. fre Pedro.
llavera depois proiissao dos novigos e novas
entrada-' de irmos.
l;-.-;-i-.i-; JiivrntiDle II je a Socie-
daJe Recreativa Juventude crame ora o 25 an-
iversario de sua installago e o 2 da crea-
gao da respectiva banda de msica, lazcndo urna
festa, como costuina, cheia de encantos e atine-
ti vos.
tiabinete Puricigiicz de Ijeitura
Essa ulilissima e beuemerita associago realisa
araauh a fesia i ommemorativa do 38 anmver-
sario de sua creago, celebrando ao meio ilia,
nos seus bonitos salOes, urna sesso magna,
para a qual tem sido expedidos numerosos con
vites.
Sao ta i valiosos os servigos prestados ao pu-
blico em uerai pelo Gabinete Portuguez de Le-
tura que lado induz u crer que referida seasao
aoacorrera o que de mais selecto coota a soeie-
daile peniambii ana, no intuito de rtalgar a festa
da i Rastre associago.
os salOes mu Gabinete esto vistosamente e-
eoralos para a ciicumstancia, e dar realce u
fe. a o en rega que, por essa occasio, far o
[nstituio rteologico e GteOKiapbico de um
exei;i,dar da ,i lilh i que mandou cunhar para
coinmeiuorar a le de i3 de Uaio de 1388, ouihor
gaado-u Colonia Portogoesu de Pernambuco.
A' noite os sai. dp esialielecimento ser o
franquedos fia publico, entre 6 e 9 1/2 horas, e
al to ario bandas de msica, havendo grande
lluminag.io.
tnntteriari-Fazini amanli 22 lOtMS
que a esqaad -a brasiteir, era opera
^uay na maior guerra havida a Amrica
do Sul. transpoz o passo do Curupaiiy, :arlian
i um lour ampaaba em que uu--
os cotheu pilos seus ftiiosheroito.-.
\oienM mi tPcnltai-Temi os missio-
eapucliiuhos de festejar com a dpvida e
11 pompa e devorlo religiosa s sua au
adroeira, era preparago grande e po-
puiar lestividade de Nossa Scnbora da Peona,
comecam uo da 23 do respec-
nas em seu m:' lomplo.
A e\ orno se pode cora
pn hender, deraauda disp a pequeo.
queexced : s t'org t pecuniarias dau":!
is ; e por SSO It90 Ddcffi deixar de
noel lar f*ra genei dhotic is e
ruambucanos, qne tanto se distin-
or sua lili e devogo para com
a mesma Virgern Saatissima.
E pir is o. breve irTiu. como de costmne, os
mesmos rassionarios bater porta da candado
ata capital pedindo urna esmola pelo
amor de Deus e e n auxilio da celebrago da
A's 10 horas da manha foi aberta a ses-o sob J/elix Gomes dos Santos
a presidencia do Dr. Tliomaz Garcez Paranhos
Montenegro, juiz de direito- do 3* distncto crimi-
nat, oceupando a caleira da aecusagao o Dr. Ma-
noel Caetano de Albuquerque Mello, 2" promotor
publico.
Foram sorteados para rompr o conselho de
aeotenoa es segaints jmzes de facto:
Manoel Caetano Vieira da Paz.
Francisco Lopes Cardim. .
Dr. Jos Rodrigues do Passo Neto.
Dr Joao Vicente da Silva Costa Jnior.
Joo Leopoldino do Reg.
Epaminondas Pinto Bandeira Accioly de Vas-
concellos.
Antonio Francisco de Mello.
Jeo Carlos Mondes.
Svino Clauriano de Albuquerque Sobreira.
Joao Pedro SimOes.
Geresaia de Azevcdo Mello.
Manoel Amando Lobo Gomes.
Deferido ao jury de sentenga o juramento da
lei,'fe/.-se o interrogatorio aos reos, e em se-
euida proeerieu o escivao interino do tribunal,
Jos Joaquim Dias do Reg Jnior, a leitnra do
processo da fcrmagSo da culpa.
Consta dos autos qge os reos, na noite de 21
de Abril do anno pa-sado. consegaindo penetrar,
medianleai-rombamento no estalielecimento com-
mercial de Luiz Laek A Correia. sito a ra
Baro da Victoria n. 45, tiraram do alludido es-
tabelecimento. grande quantidade de roupas
fejtas e fazen(las em pegas e cortes.
O Dr. promotor publico pedio a condenibago
dos reos, no ario mximo do citado art, M0- em
vista das aggravanles do art. lti|j 1 e 17.(noite
e ajuste) que concorreram na ortica do erime.
0"cunar,ira a tribuna da defeza o acadmico
Joo Kantista de Medeiros, advogado do reo
lo- Soarcs ; o Dr. Tliomaz Landim, curador do
reo Francisco da Silva ; o cidado Joaquim Fran-
cisco de Mello Santos defensor do reo Manoel de
Oliveira, e o advogado dos presos pobres Dr
Jeronymo v'aterno Pereira de Carvallio. defensor
do reo Paulino do Carino e curador do reo Gamo
Filho.
Em vista das decis-s do jury, foram os reos
absolvidose condemnada a raunicipalidade nos
castas.
Foi levantada: a sesso s 5 horas da tarde e
addiada para boje s lO.horas.
libliotiea da Recreativa Com-
mcrrial Foram offere.oidos os segu.ntes li-
vros a esta b'ibliotheca. que se inaugurar a 7
de Setembro :
Pelo socio benemrito Ayres de Souza Baptis-
ta : D. Jaime. 1 volme ; O Anjp da Guarda. 3
ditos ; Vida !' Joo de Castro, 1 dito; Luzi
de Cames, 1 dito: O Pao dos Pobres, 3 ditos ;
(i Marques de Ponbal, t dito; Actas do Senado,
2 ditos; diversos romances, 12 ditos.
Pelo socio benemrito Antonio da Silva Cas-
tr): As Tregedias do Recife, 1 olume : P. L.
M., 6 ditos : Manuscripto Materno, 3 ditos ; Via
gensao Centro da Terra, 1 dito ; 03 Typos de
Cara Dura, 1 dita : Humorismo de Paulo Perei-
ra, 1 dito.
Pelo socio Manoel Gomes da Costa : Obras de
Julio Verne, 23 voluraes; Como eu atrasessei a
Alrica, 2 ditos; Trajedias do Recife, 1 dito.; Os
Miseravefs de Vicor Hugo, 4 ditos.
'elo socio Ernesto GuiraarSes : P. L. M., 6 vo
lumes MiradSrnndol; Os ntros de Pars. 5 -li
los; Os mvisiveis de Lisboa. 6 ditos ; Os ciga
nos da Regencia, 5 ditos ; O Altar e- o Theatro.
1 lito ; Ompanheiro da Tuberas. 2 ditos ; O
Feliz leronym 1 dito ; 0 Ventre de Pars 2 di-
U .i co n i tao'os, I dito : Cora, Fili:
Agr, 1 dito ; Victimas Je Um Segredo. 1 dito ;
Poesas, 3 oitos ; Obras de Julio Verne, 4 ditos
Pelo Sr. Maooel do Rogo Barros : Obras de
Julio. Veni'. Ib'.
V.
B.
t,
ttobulo espontaneo de amor e dedicagao lilial,
cenfessando-se os ditos mlsslonartos capuchi
nnos desde j nimiamente penhorados e agr
decidos a essa coadjuvaco.
brelro Foi distribuido o n. 10, cajo ex-
emplar recebemos e agrdecemos.
Tarifa da AlfaodeaaAt o ultimo do
correte mez receb%-se na Secretaria do Presi-
dencia quaesquer rcel que o commer-
ossam oppor
posicOes adiianetras e doMeg. de 22 V pe-
n-iro do atrio pnsodmn pissado. com refereacia
aos impos*o de industrias e prodssoeg, alim de
revisto que o governo imperial vai pro'jeai da
referida legislar
Tiit-wtr* anta ftmttf*No espectculo
que lera hoje lagar, nesie theatro. se realsac-a- -
a chegada de Sua Alteza o Sp. Conde d'Eu. ce ti
o lira de soiemni**- a sua passagem por eoa si-
da le, alm do hymno nacional cantado pelas
acirizes Helena BaWemo e Ahverti e da syra
phonia do Guarany do maestro Carlos Gomes,
tocada era scena aberta por duas bandas de mu g
sica sob a regencia do distincto professor '"an-
dido Filho, sero cantados e tocados alguns tre-
ti M le msica, pdas intelligentes professoras
Mell. U-'dwig Stolzlee Paulina Doederlin, que
com o seu concurso graciosamente te prestam a
abrilhanfar a festa.
Como vero os leitores attrahente o pro-
grannan que vai em outra 9ecgo publicado.
CollesloOnae de Agosto Tendo-se
realisado no din 11 do crreme .a festa Ilitera-
ria commemorativa do 9* anniversario do esta-
beleciraento cima denominado, foram por ssa B.
occasio distribuidos, no curso secundario, pre
niios de classe, a Manoel Vieira Brrelo de
lesear, Arthur Fausto Botelho, Trajano Cha-
cn. Julio Celso de Albuquerque B.-llo, Manoel
ft-sar de Albuquerque, Cornelio Oa Kuhn.
PrataMO Mattos Ominhi MirioGo usa de Bit-
tos e Tranquilino Forgalino de Oliveira ; e de 3-
a Francisco Vitra Boulitreau. Artbur Clierubim
Goncalves da Silva. Jos Anchieta de Qqueite
T'-rres, Samuel Fritz Swenson e Domneos Mar-
tina Pereira Monteiro.
No curso primario receheram premios de 1"
classe, Juventino Lins Themudo. Pedro Luiz Pa
rnnhos Ferreira e Francisco Feliciano da Motta
Albuquerque ; de 2'. Jos Antonio Alves Maciel
e Jos de Gusmo Carvalho Cesar; e de 3',
Clemente Gcngalves da Silva, Walfrido Carneiro
da Cunha. Arthur de Albuquerque Barreto e Fa-
brieiano Freir de Andrade Limn.
Ao encerrarse a sesso, foi distribuido o jor-
nal Onza de Agosto ; e noite teve lugar urna
represeniago dramtica, iniciada pela comedia
Manda quem pode; ; a qual seguiram-se o drama
Dous amigos e a comedia Amnr culinario.
Em conduso foram exhibidas diversas vis-
tas escoIhidSs de urna importante lanteroa m-
gica.
Faeuldade de ISirelto-Pcranlc a congre-
gago d'essa Faculdade, cora assistencia de varias
pessoas gradas e alumnos em crescido numero,
presin juramento eassuraio hontem o exordoki
da directora o Exm. Sr. conselheiro Joao Sil-
veira de Souza, que para esse cargo Mra uliima-
mente nomeado a titulo cffectivo.
Hairir. da traca Durante o impedimen-
to do respectivo .vigrio i? missa parochial da
Graga passar a ser celebrada pelo seu substituto
s 7 horas da raanlut, tendo principio ama-
nh 15.
Tribunal do Jury do stectfeForam
hontem subroettidos a julgamento neste tribunal
os reos Jos Francisco Soares, Francisco Pereira
da Silva, Manoel Joaquim de Oliveira, Paulino
Antonio do Carino e Ignacio Paes de Souza Gama
Filho, pronunciados por despacho do Dr. juiz de
direito do 2 districto, no art. 269 do od.
Crim.
nirectorla dan obran le conoer-ra
lio do Portn de Prrnaiabaro-Heci-
. 12 de Agosto de 1889.
_____ Tiprenroloee"
Moras

Barmetro a
0-
i '.n. M--'v
-tf 24 7
12 8*1
37t. 27-6
6 25-7
Teaso
do vapor
;t2-3t'
763-o
702-47.
71-06J
7I-531
0
15,64:
17.20
1703!
taS.lt
15 73
82
69
59
58
63
lempatatura naximaiS-.o'i.
Dija ainiuu 2I,00.
y. .'anomgao em 24 horasao m : 8-.0 ; a sku
ira: 3".t
Chiiva-Nua.
Dlrecco do vento : S de meia noite s 9 bo
ras e 33 minutos da manila ; SE, SSE, S e SSW
alternados at 9 horas e 13 minutos da tarde ;
S V at meia noite.
Caimana dorante 5 horas pela manh.
Veiadade uaeUia do veoio: 1.39 par te
Nebulosidademedia: 0,27.
____ Buletim do porto
il i
3 a i
H ,12 de
M.|
M.|
M.I13 de.
I)U
liorat
An'03t0
Agosto
1140 da manila
o- 45 da tarde
II -43
5-58 da manh
da
ttcuoen -wiecuar-se-nao os segura es
- Hoje : a
Pelo agente Sil veira, s 11 horas, no largo do
Paraizo n. 26, de urna casa e sitio.
Pelo agente Slepple, ao meio da. na Cmara
Municipal de Olinla, de partes de engenhos u
fazenda de enaguo na Parahyba.
Sexta-feira:
Peto agente Marlitjs, s 11 horas ra Lar-
ga do Rosario n. 18, de urna anuago e mais
objectos ahi existentes.
Pelo asente Modesto Baptista, s 11 horas,
ra Eslreita do Uosario n. 8, de movis e objec-
tos de ouro e brilhantes.
nina funestreaSero celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, na igreja de San'a Bita e na ma-
triz de Afogados, pela alma do Baro de Seri-
nhera, as 8 horas, na matriz de Jaboato, pela
alma de Feliuto Xavier Carneiro da Cunha.
Operar,den cirurgica -Foram platica-
das no hospital Pedro II, no dia 13 do crrente,
as seguintes:
Pido Dr. Malaquias:
Talha perincal pelo processo de Nelaton, in-
dicada por calculo vesical em enanca.
Pelo Dr. Arnobio:
Posthotomia pelo processo de Ricurd, recla-
mada por phimosis.
Cana de BtetencaoMovimento oo>
sos da Casa'de Deteocao do dia 12 de Agosto >
1889
Existiam 466; entrararn 8; sahirara 20; xi>
tem 454.
A saber:
Nacionaes 406; motheres 20 etranretro* 28
Total 454
Arragondos 410
Bons 380
Doentes 23
Loucos 7.Total 410.
Movimento na enferman*
Tiveram baixa :
11
2
6
641
enfermara
s 7 1(4 iio-
Pela respectiva redacgiib : A llecislmha.
Pelo socio correspondente do Para, Eduardo
Ig i.icio ros Santos: 0 Atlntico. Correia da Eu
rapn, Diario de Brtm, Diario do Gram Para. Re
vst'i Postal. RttiMa Paraenu, 0 Liberal do Para.
A irovucta do Par, {'.ommercio do Par. 0
'.. 0 Gacr
t/apairea do nui Da Baha sahiramlion-
tcii a tarde com destino >a do norteaos
piquete- incicia! Alagos e Bflrt-americano
. nce.
Mervico militar Esto desigeados boje
para cop rior do diaoSr. majnr Alves e para
i o' n ir ora subalterno de ca vallara.
A guarRicao da cidade < da la pelos cornos
da gu? idjuvada peio corpode
'. >. e .mpanii militares.
- Xa uiKtar existem 39 pragas em
tratamento.
A pi ; la provincia em officio de 10
ob corrate, autorisou ao commando das ar-
a conceder baixa do servico do exercito me
diante Bubttituigao ao soldado do 14 batalhae
de infantaria Bernardino Antnrlio dos Santos
Vo requerimento do soldado do 2" batalho
de inluiUria Maucio Martina Lopes Lima, deu S.
Exc. o despacho segrate : concedo.
Antonio ernardo de Oliveira.
Teve alia :
Mam el Amnelo Bosrrra.
Hospital Peitni si o movimento des le
'ahelecimentodecaridade. no dit 11 de Agosto
ro o segiinte:
Entraram
Sahiram
Fdleceram
Existen)
Foram visitadas as respecti tras
peloa Drs.:
Cysneiro s 7, Barros Sobrio
ras
Nao compareceram os Drs.:
Ferreira Veloso.
Pontual.
Malaquias.
SimOes Karbosa.
Estev-So Cavarcante.
Moscoso.
Berardo.
Ocirurgio dentista Numa Porapiliona ocom-
pareceu.
O pharinaceutico emrou s8 l|2da manh e
aahios 12 da tarde.
O ajuilante do ptiarmaceuitco entrou s 7 11
|a roanM e sahio s 2 horas da tarde.
S^oteria do vram-Para-A 4a parte d;.
29" olera, dessa provincia, cujo premio grande
120:u00000, er extrahida no dia 17 do cr-
reme.
Grande lotera do Maranno A 5*
serie da 1* lotera, dessa provincia, cujo premio
grande 300:000*000 ser extrahida hoje 14
de Agosto.
Cemiferto PublicoObituario do dia 10
de Agosto:
Antonio Jos da Silva Santos, Pernambuco, 80
annos, viuvo, Santo Antonio ; cachexia senil.
Amelia Alexandrna Cavalcante Lins, Pernam-
buco, 29 anno-, casada. Graga; febre typhica.
Joio. Pernambuco, a mezes : febre typhica.
Jos Francisco Alves, Pernambuco, 35 annos,
solteiro Recife; le-so car haca.
Rita Baria da GonceicSo, frica, 30 annos.
solteira, Santo Antonio ; beriberi.
Francisca Maa da Conceiyao, Peraambuco,
80 annos. solteira, S. Jos : senilidad*.
Um feto. Pernambuco, Boa-Vista; asphixia.
Bita Maria da Con-eigao. Pernambuco, 36 an-
uos, casada. Boa-Vista; bronchite.
Manoel Jos Deodato, Rio Grabde do Norte, 46
annos, solteiro. Graga mieningite
Maria, Rio Grande do Norte. 9 raezes. S. Jos ;
convulses.
UM POUC DE TUDO
Escreve o Jornal do Comntercio, de Lisboa, o
segrate:
Parece certa urna nova recomposigo minis-
terial.
Essa coberta de retalhos, a que se chama go-
vei no, e de que j se nao pode saber a cor, a
forma e o carcter que tera, val levar novos re-
mendos. Imaginera como aquillo vai licor t
Sabio o Sr. Henrique de Macedo ; sahio o Sr.
Conde de. S. Januario ; sabio o Sr. Marianuo de
Carvalho ; sahio o Sr. Emygdio Navarro ;en-
trn o Sr. Ileurique de Macedo ; tornou a sahir
o Sr. Henrique de Macedo;entrou o Sr. gene-
ral Castro ; entrou o Sr. Edu.rdo Coeiho.
L'm delirante cliasse crois l
Para ato bou ve urna serie d manobras cu-
riosas. O Sr. Barros Gomes na'marinha ; o Sr.
Barros Gomes nos estrangeiros; so r. Barros
Gomes ua fazenda; o Sr. Resaano, engenheiro,
na mantilla, ao mesmo terapoqstN -.Eduardo
Coeiho, juiz, na- obras (lUbhoifcwflEoin o Sr.
Borros Gomes, ento, qu o v%rdaaeiro- sba
veras dos ministerios, tem sido urna munnga
de pastas.
Utn changz de dames perpetuo I
Mas, como as pastas, alinal, nao Ihe parara
as mitos muito lempo, mellior ser talvez cha-
mar Ihe urna grande chame, ou, quaudo rauito,
grande chaine double'.
Duas voltiohas cora cada dama, e passa para
a outra;dous das na pasta da marinha, e
passa para a fazenda; outros dous na fazenda, e
gyra para os estrangeiros.
O Justino Soares d esta contradanga tera sido
al agora o Sr. Jos Luciano, que, alinal, pe
rece que, furto de marcar, quer tambero, contra-
dangar.
En modo que te remos grand-rond :
0 Sr. general Castro sahe da guerra. O ge-
neral Jos Luciano entra para a guerra I! O
Sr. Itessano sahe da marinha. O Sr. Ressano
entra para a fazenda. O Sr. Barros Gomes sahe
da fazenda. 0 Sr. Ennes entra para a marinha.
O Sr. Beiro sahe dajustigi. O Sr. Eduardo
Coeiho entra para a justiga.
Todos eatram e sahera todos : 6 nm furor, um
delirio!
N5o flca um nico ministro
bar de ou nao ter entrado ou
E Sao de dizer que o me-
a mesma sititacao ; queo mesmo pensamento
que prese aos destinos do paiz !
co Alves de farvallio Netto e Francisco
rres Deu-se provirnento aos re-
s. unnimemente, para serem excluidos os
SPORT
No dia 30 do mez passado, no Derby Club, da
Corle, encerrararn-su as inscripges para os
grandes premios Extra, rogrtsso e Cosmos, que
devem realizarem-se nos dias 18 de Agosto.cor-
reute, 1 de .setembro e 13 de Outubro ?in-
douros.
As condices da ipscripgo sao as seguintes .-
Grande Extra*-1.600 metros.Animaos es-
trangeiros de 2 annos. Premios: 6:000*1190 ao
1, 1:200000 at 2" e oOOUOO ao 3.
Entrada 300*000.
Grande Progresso-(hzndlcap) 2.400 metros.
Animaes nacionaes de raeio-sangue. Premios :
3:000*000 ao 1, 600UOU ao 2 e 300*000
ao 3o.
Entrada 1205000.
Grande Cosmos -(handicap)2.450
Animaes estrangeiros de 3 annos.
10:000*000 ao 1, 2:0003000 ao 2" e
ao 3.
Entrada 4o05000.
Ficaram assim organisados
metros.
Premios:
1:000*000
O GS.VNOE
Tticresopolis
Rn
The Money
Pliilisiina
Spencer
'lampin
Badn Badn
Destny
itero
Atlante
Marina
Champagne
Diuorali
ero (nao corre)
Erse
Monitor
Reyente
Correcto
rcbestra
Tenorino
Zig.
PREMIOEXTRA
Master lieans.
Zebedeu.
Noble Duke.
Euros.
Norma.
Improver.
feony.
Bread-Winner.
Santelmo.
Adalgise.
Calabreza.
Odeon,
O GRAND PREMIOPBOGKESSC
Pierrot.
Cruzeiro.
Odalisca.
Druid.
Regente II.
Tenor.
bano.
Medon.
Alpha
Cock-Tail
Ee
Czar
Hartley
Corjdun
Marpiise
Snavita
bl vaior
Pharol
Paladino
Toreador
Jack liie Ripper.
O GHANDK PREMIO COSM'S
Sella.
Syrius.
Sauro.
S S.
Gang-Awa.
Anua.
TU -.-alia.
Trota.
Feo tana.
ociiesse.
Niiniu.
AlVica.

#
No dia 10 fe hou-se a ioscr.pco no Jockey-
Club do graode premio*Imprvnsa Fluminense
que se deve realisa'' no da 6 de Outubro._
A distancia de i 70:i rastros e os premios so
fcOttO*, 1:200 e COOOOO.
**
O Sr. Jos Fernandes do Valle incumbi o Sr.
Carlos Coutinho da venda de todos os animaes
que importar.
O Sr. Fernando Schneider venden a urna nova
coudelaria os animaes Bellona, Ce'ina, Mustapba
e Friso.
O Sr. Carlos Palos vendeu ao Sr. Luiz de Aze-
vedo, proprii'tario da fazenda doLaranjal. na
estrada de ferro Leopoldiua, o cavallo Warlike.
por Spring-lield e Grann Tair.
Foi vendido pelo Sr. Carlos Palos, para a Ba
hia o cav-lio Miser por The .Miser e Alhol Lass.
Devera chegar brevemente a corte, afim de
serem vendidos,os garanhes Gold-Mster e Lin-
coln, que actuaimente esto lio Paran.
** .
E' forga reproduzr a uuticia que segu.
Hontein saino mutilada, sendo-lbe suppriraida
na i-omposigo a parte qua a coaplelava.
Btt-a cora o seu complemento :
No domingo ultimo, foi preso pelo povo no
Hippo-lrorao, o cidado Ai-uimry por ebrio e ter
oesse estado provocado disturbios no districto
da Raia. podeudo "o cdadao Templar, a quem
persegua, evitar-liie a sauUa, e recolher-se ao
sitio Vencedor, antes que elle o alcangasse.
Efleito tudo isto de falta de polica.
O Delegado mal all appareceu, e logo retirou-
se por ir fazer o cliiio depois de ter enchido a
barriga na bodega do Pagador, como um bom
burguez ou frad Nao raleo a pena de crear-se aquella delega-
da.
Derby Club de Peraambuco
Completou-se hontem a kiscnpgo para a 18a
corrida, a realizar-se no dia 18 rie Agosto do
corrente anno, dando o seguinte resultado :
I* pareoConsolago8 0 metrosAnimaes
da provincia que nao tenhara anlio nos prados
do Recife. Premios: 200 ao priraeiro, 40 ao
segando O 20* ao terceiro.
Berlira. Pip, Shilling, Sfbgapore, Siroco, Cas-
tanhoia, Muscadin, i'atenno. Voliaire, Soberano,
Tenor ex-Piladirro, Cauby, Pctil-maitre, Bonjour,
Conforme e Sans-souci.
2* pareo Iraprensa1,300 metrosAnimaos
da provincia que nao tenhara ganhe em maior
distancia no Derby Premios: 200 ao primei-
ro, 40* ao segundo e 20* ao terceiro.
Vil'age, Good-morning e Florete.
3o p.ireo -Provincia de Pernambuco 900 rae-
trosAnimaes da provincia, fremios: 200* ao
priraeiro. 40* ao segundo e 20a ao terceiro.
Trausclave, Teraplar, Viliage, Tupy e Talis-
ptier.
4 pareeInternacional1,400 metros -Ani-
maes do qualquer paiz. Premios: 500* ao pri
meiro 1004 ao segundo e 505 ao terceiro.
Vesper. Derby, Diana, Apodo, Fagotin, Erna-
ni e Gallia.
5o pareo Prosperidade900 metros Ani-
maes da provincia que nao tentiam ganho nesta
ou maior distancia nos prados do Recife. Pre-
mios : 200* ao priraeiro, 40 ao segundo e 20*
ao lereeiro.
Bouaparle, Phariseu, Esquirno, Berlim e Sin-
gapore.
6o pareoiCompensago1,400 metrosAni-
maes de qualquer paiz, que uo tenham ganho
em maior distancia no Derby uestes ulliraos 3
mezes. Premios: 400* %o p.-i.ueiro, 80* ao se-
gundo e 40s5 ao terceiro.
Gallia, FalstafT Bisette, EUtepiaui--, Fagotin,
Joscidius, tinviti e Africana.
Tribuoal da Relaeo
SESSO ORDINARIA EM 13 DE AGOSTO
DE 1889
PRESIDENCIA DO EXM. SR. COJ8ELHEIRO
QINTINO I>t MIRANDA
Secretario, Dr. Virgilio :oelho
presentes os Srs. aes-
ero legal, foi aberta a
nprovada a acta da an-
s deram-se
A's horas do coil
embargadores em__
sesso depois. de q|
tecedente.
Distribuid,.:; 9
eguintea
jul Vasextos
Habeas corpus
Pacientes :
Joo Francisco de Souza. Negoa-se a soltu-
ra, unanimeuieute.
Flix Gomes dos Santos.Concedeu-se a or
dem, para mandar ouvir o !): chefe de polica,
contra os votos dos Srs. deserabargadores Al-
i oro, Deiiino Cavalcante, Oliveira Andra-
de e SUva RefPstne-concediam a soltura do pa-
ciente. *
Recursos eleitoraes
De Floresta Recurrente o tenente-coronel
Fausto Seralira de Souza Fesraz, recorridos Joo
Capiatrano'oie S uta, 4sgelo Pereira Barbosa,
recorridos, e decretou se a responsabilidade do
juiz de direito o bacharel Aleibiades Gavalcante
de Albuquerque. como incurso as penas dos
arts. 29 3 da le eleitoral e 129 do cdigo cri-
minal contra os votos dos Srs. desembargado-
res Silva Reg e Tavares de Vasconcellos.
De Floresta Recorrente o tenente-coronel
Fausto Seraflm de Souza Ferraz, recorridos Se-
veriano de Souza Nogueira e Francisco Alves de
Carvalho.Mandou-se a uraa diligencia.
Conflicto de jurisdicco
Entre osjuizes de direito de ornhdos e o dos
feitos da fazenda do Recife. Relator o Sr. des-
embargada Toscano Barreto. Revisores os Srs.
desembargadores Dellino Cavalcante e Pires
Ferreira. Julgou se pela competencia do juis'
Appellages crimes
De Porto CalvoAppellantes Francisco Faus-
tino Vieira de Souza B entro, appellada a jus-
tiga. Relator o Sr. desembargador Dellino Ca-
valcante.Mandou se a novo jury, contra os
votos dos Srs. desembargadores -Uva Reg e
Tavares de Vasconcellos.
De Pao de AssBcar Appellaute Paulino Nery
i.'idro, appellada a justiga. Relator o Sr. des-
embargador Dellino Canteante. Mandou se a
novo jury, contra o voto do Sr. desembargador
Tavares de Vasconcellos.
De BorburemaAppellaute o promotor pu-
blico, appellada Antonia Bertholina da Concei-
go. Relator o Sr. desembargador Toscano
Barreto.Mandou se a novo jurv, unnime-
mente.
De Assembla -Appeantc Sebastiao Pinto de
Souza, appellada a justiga. elator o Sr. des-
embargador Alves Ribeiro. Coninnou-se a sen-
tenga, unnimemente, decretando se a respon-
sabilidade do escrivo Jos Mximo d Barros,
contra os votos dos Srs. desembargadores Mon-
teiro de Andrade e Dellino Cavalcaute.
t>e Bom Jardira ippellante o promotor pu-
blico, appellados Cosme Percha Barbosa e Bo-
zendo Pereira Barbosa. Relator o Sr. desem-
bargador Dellino Cavalcante. -Mandou-se a no-
vo jury, contra o voto do Sr. desembargador
Oliveira Andrade."
Appellacao commercial
Do RecifeAppellanle Joaquim Jos Gomes,
tutor dos lhos de Jos Tavares Pinbeiro, appel-
lada a maesa fallida de Jos Tavares Pinheiro.
Relator o Sr. dese:nbargador Oliveira Andrade.
lievi-ores os Srs. desembargadores Toscano
Brrelo e Dellino Cavalcante. Foram despreza-
dos os embargos, unnimemente.
Appellages civeis
4>e Pao d'Alho -Appellaute Ignacio Leopoldo
de Albuquerque viar.ioliq, appelladoo tenente-
coronel Jos de Oliveira Castro. Relator o Sr.
de-pni!iargiilor Tavares de. Vasconcellos. Re-
visores os Srs. desembargadores Dellino Ca-
valcante. e Pires Ferreira.Foram receidos os
embargos e con firmada a sentenga appellada
contra o voto do Sr. desembargador Pires Fer-
reira.
Do S.ilg.ieiroAppellanle Antonio Soares da
Jfanritailia, appellaio Antonio Joaquim Freir
Leitinho. Relator o Sr. desembargador Tava-
res de Vasconcellos. Revisores os Srs. des-
embargadores Toscano Brrelo e Delfino Ca-
valcanie.Foram ivcebidos os embargos un-
nimemente.
PASSAGEN3
Do Sr. desembargador Dellino Cavalcaate ao
Sr. desembargador Pires Ferreira :
Appellages crinies
De Campia Grande Appellantes Emygdio
Alexandre da Silva e outro, appellada a justiga.
De S. BentoAppellanle Xisto da Cruz Vuel-
ta, appellada a justiga.
Appellago civel
De CamaragibeAppelianie Jos Correia de
Araujo Barros, appellado anoel Ramalho.
O Sr. desembargador Pires Gongalves, como
procurador da cri e promotor da justiga deu
parecer nos seguintes Jeitos :
Appellages cromes
Da EscadaAppellantes o jutzo e o promotor,
ippeuado Jos da Rocha Guedes.
De NazarethAppellaute Antonio Joaquim da
Silva, appeliada a justiga.
Appellago civel
Do Recife Apellan'.e o administrador do raos-
teiro de S. Bento, appellada a fazenda provin-
cial. -
Do Sr.di'i.elBbargador Alve3 Plbeiro ao Sr.
desembargadorTti^ares de Vascorlellos:
" ?o crinie ^
De GaranhunsAppakante o juzo'l appellado
Caetano Ribeiro da Si vaTV *rfw*vv
Do Sr. desembargador Tavslfc.;..,e VasoUaV.
los ao Sr. desembargador Oliveira Andrade :
Appellago crime
De Oliuda -Appellanle (Antonio
Nascimeuto, appellada a justiga.
Do Sr. desembargador Oliveira
Sr. desembagador Silva llego :
Appellago cruae
De GaraiihunsAppellanle Jos Dionizio da
Silva, appellada a justiga.
Do Sr. desembargador Silva Reg ao Sr. des-
embargador Toscano Barreto :
Appellages crimea
Do Recife -Appellaole Antonio Francisco de
Araujo, appellada a jnstia.
De liamaragibe-Aiipellante o juizo, appellado
Joo Miguel Francisco do Nasciraento.
DILIGENOUS
Com vista s partes :
Appellages commerciaes.
De ItambcAppellantes I). Maria
Correia e seu tilho, appellado Malhias
Aren.
Da Independencia Appellantes Jos Lenidas
de Araujo Luna Freir e outros, appellado
Ionio Guedes Bezerra.
Da Escada-Appellantes Brocheton & Bi
appellados Leocadio Alves Pontual e ou'io.
DlSTitiBiyo. s
Aggravos de iustrumuito
Ao Sr. desembargador Toscau o Barreto :
DeNazarethAggravante Dr. Francisco
mea de Arruda Lima, aggravado Joo Dias
Cunha Coutinho.
Ao Sr. desembargador Dellino Cavalcante :
De, PalmaresAggravantes (Uerculanu Ferrei-
ra da Costa e outros, aggravados Tabres de
Mello, Genro 4 C.
Aggravo de petigo
Ao Sr. desembargador Oliveira Andrade :
Do RecifeAggravante Joaquim Jos Gomes,
aggravado o juizo.
Appellages crimes
Ao Sr. desembargador Dettiuo Cavalcante :
De Araruua Appellante a justiga, appellado
Manoel Rodrigues de Oi^eira.
Ao Sr. desembargador Pires Ferrejra :
De ArarunaAppellante 'o juizo," appellados
Vicente Herculano e outros.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade:
De Aguas BellasAppellante o juizo, appel-
lado Joaquim Fidelis de Barros.
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Da ParahybaAppellante o juizo, appellado
Francisco Alves de Araujo.
Ao .-r. desembargador Tavares de Vascon-
cellos :
De Alaga do Monteiro-Appellante Antonio
Francisco Tavaros, appeliada a justiga.
AoSr. desembargador Oliveira Andrade :
Da ImperatnzAppellante o juizo, appellado
Henrique Sergio de Albuguerque.
Ao Sr. desembargador Silva Reg :
De om Consel. o -Appellante o juizo, appel-
lado Lanrentino Pereira de Sobral.
Appellago civel
Ao Sr. desembaraador Dellino Cavalcante :.
De OlindaAppellanle Boa ventura de Paula
Mello, appelladoo juizo.
Encerrou-se a sesso all hora da tarde.
IHDICAQOES UTEIS
Francisco do
Andrade ao
de Mello
Pinto de

*- -


i
Mdicos
sBr. Castro J ~'s medico e .operador.
Pratica a 'a-vagora do tero quando e co-
mo hada. Uonsultas das 11 s
3 da btr iua risidencia ra do
j3om Jesus.^sntga da Cruz) n. 23, 1.
andar. Telephone n. 80
Dr. B'zmtto Sanipaio d consultas de
meio-dia as o horas no 1.a andar da casa
I- ra do Barilp da Victon Resi-
dencia rtm Sete de Setombro d. r>4. en-
trada pela na da Sadjdade n. 5.
.
*
nuil



i
i
4
s
\
Diario de Pernambueo---Quarfca-feira 14 de Agosto de 1889
3
- r. liibeir de Bruto d consultas
meio dia as 3 horas da tarde, no poden'
dar a ra Duque de Oaxias n.^46, 1. a
do ser procurado para chamados na su*
residencia ra do" Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Atoare GuimarSes, chegado da
cSrte, dedica-se medicina era geral, e
com especialidade as molestias do cora-
cao, pulmSes, ligado, estomago e intesti-
nos e tambem s ffeccoes das enancas.
Reside praca do Conde d'E, u. 28, e
tem consultorio na ra do Rom-Jesu.-
(antiga da Cruz), n. \ib, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
'n. 381- '
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o Seu
escriptorio a ra do Bario da Victoria
n. 51, 1-* andar, onde d consultas d
meio-dia s 2 horas da tarde. Reside
ra de Gervasio Pires n. 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhos.
Telephone n. 427.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico crurgica. Especialidades : molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27, 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na (Jasa Forte (Poco da Pa-
nella) das 6 s 9 horas da manh. e
tarde. Teleshona n. 392
. Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da Urde; residencia
no Monteiro.
Dr. Cerqueira Leitu, tem o seu escripto
rio na ra Nova n. 32, do meio dia s 2
horas e desta hora en diante ra Barao
de S. Borja, n. 22. Especialidades
molestias de enanca senhoras e parto.
Telephone n. 326. da casa de residencia.
Oceullsta
Dr. Fnrreira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Pars e Lon-
dres, consultas todos os das das 9
hor&sdao meio-dia. Consultorio o resi-
dan"' raa Larga do Rowjn d ?0.
Advogado*
O hachare? Witruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Impcrador
n. 71, 1.- andar.
Silveira, advogado. Escriptorio ra
do Imperador n. 69.
O Dr- H. Milet contina com seu es-
criptorio de advocada, a ra do Impera-
dor n. 46, onde tambera poder ser pro-
curado sobre negocios concernentes 1.a
promotoria publica d'esta capital.
O consellieiro Portella contina a advo-
gar. Escriptorio ra di Imperador
n 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr'ora ra da
Matriz da Boa-Vista). Telephone n. 362.
Drogara
Faiia Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, rus do Mrquez de Olinda n. 41.
FranciaCQ Hnnoel da Silva & C, deposi-
. torios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Marones de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e oficina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
eimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende maderas de todas
as quaiidades, serra madeiras de conta
alheia, ansia como prepara obras de cara-
pina por machinas o por precos sera dom
petenciaPernambueo.
sor.
su cerebro, de que o eonse- patria aos interesses dos senhores, nao de pede i tos, desde que tomou a si a empreitad d
Alfredo seria o seu succes- ^raitlir que se prestara a avoluraar a crrante faBer torios.a chapa liberal, para hon a
da propaganda que tem seu principal ponto de
COMMUNICADOS
A diffamaeo
A vida publica do honrado chefe do par-
tido conservador de Pernambueo, o Ilus-
trado conselheiro Joao Altredo Correa de
Oliveira, anda agora exposta diffamaeo,
que boamente 6e pode dizer filha da inveja
e do despeito.
Entretanto, nenhum hornera poltico bra-
sileiro tem vida mais pura, mais nobre,
mais gloriosa do que o conselheiro Joao
Alfredo.
Antes mosmo de ser laureado era scien-
cias jurdicas e sociaes, o jovera estudante
de direito, as distincto entre seus col-
legas, gracas ao prestigio de sua familia
e influencia que exerca sua bella intel
ligencia no circulo dos seus conterrneos,
i eleito membro da Assembla Provin-
.1 da Pernambueo, onde s posteriormente
eserapenhou o mandato com amaior hom-
bridade e distineco.
Desde ento, e principalmente depois de
doutorado, quanda j se impunha o seu ta-
lento pelas brilhahtes manifestacSes do
intelecto, j na imprensa, j na tribuna, o
Visconde de Camaragibe, prestigioso chefe
conservador, de saudosa e grata memoria,
tudo envidou para tel-o sempre ao p de si,
cercando-o de consideracao, estima e res-
peto, e procurando auxilia!-o a subir os
degros da escada politica, cujo cimo s os
homens de ment real podem attingir.
O finado e illustre chefe do partido con-
servador de Pernambueo, com o fino cri-
terio que o distingua, com a lucidea do
seu espirito clarividente, tinha comprehen-
dido que o Dr. Joao Alfredo Correa de
Olireira estava fadado para seu succes-
sor e um dos chefes do partido no Impe-
rio ; e consoante essa intuico sempre
*gso,
ouvindo-o de continuo sobre todos
os assumpt03 polticos, instruindo-o nos
segredos do^artido, em urna palavra, pre-
parando-o para a alta raissao que lhe des-
cortinara.
E bera andou nesse mister o finado Vis-
conde de Camaragibe, pois que o Dr.
Joao Alfredo, quer na iraprensa, quer no
parlamento, quer na administraco, deu-
lhe sempre as mais decididas proras de
respeitosa e profunda amizade, de conven-
cida dedieacao, de reconhecida grat'do,
assira demonstrando que com seu tino e
criterio, nunca desmentidos, corresponda
plenamente confianea de seu chefe e
amigo.
Deputado geral e pouco depois ministro
da corda, o conselheiro Joao Alfredo nao
desmentio as suas tradicSesna uiprensa e*
na Assembla Provincial. Foi um bom
deputado e um ministro patriota; e ah:
estao todos os feitos do gabinete de 7 do
Marco para attestarem o seu mrito reaU
a sua grande capacdade politica e admi-
nistrativa, o seu tino partidario, o seu en-
tranhado celo pela causa publica, quaii-
dades que o Visconde de Camaragibe se
comprazia en) reconhecer e o leraram mui
tas reaajs, em coarersas e cartas, a enun-
nun.iar o pensamento, desde muito antes
E assim se cumpro com a acquiescen-
cia e solemne sagraco do partido.
Cora effeito, fallecido o Visconde de Ca-
maragibe, e eleito o conselheiro Joao Al-
fredo em lista trplice, foi pela corda esco-
mido senador do Imperio, e oceupou a.ca-
dena que deixara vaga aquelle Visconde.
Pouco tempo depois, rindo Pernam-
bueo, os seus amigos polticos, isto todo
o partido na provincia, recebeu-o com ine-
quvocas deraonstracSes de apreco; e
n'ura grande banquete que lhe foi offere
cido, perante todas as summidades polti-
cas do credo,'o conselheiro Aguiar, finado
Barao de Catuaraa, de saudosa recora-
co, em nome do partido all reunido e por
delegacSo delle sagrou chefe do mesrao
partido ao conselheiro Joao Alfredo.
Awira, evidente, e s o negarlo ca-
p ritos obcecados, que o conselheiro Joao
Alfredo Correa de Olireira foi muito leg-
timamente eleito chele do partido em Per-
nambueo, o que importava urna solemne
indicacao para um dos chefes do partido
no Imperio.
Essa indicacao te ve naturalmente sua
eajisacao, gracas aos esforcos pessoaes do
conselheiro Joao Alfredo, gracas ao seu
espirito elevado, aos seus indiscutireis m-
ritos intellectuaes e moraes, que o cir-
cumdaram de urna inrejarcl aureola de
forca e prestigio.
Como chefe, o conselheiro Joao Alf*-e
do nunca deixou de proceder como quin
do era simples soldado. A' todos acolheo
sempre com bondade, todos procuron
distinguir, guiando-se apenas pelos talen-
tos e virtudes, imitando em sumraa ao Vis-
conde de Camaragibe, cujas conselhos ti-
nha e tem sempre presentes, cujo criterio
herdou como lhe herdou a oadeira senato-
rial, a direceo da Faculdade de Direito
e o bastaode chefe por aclamagSo expon-
tanea do partido.
J'obre iniciou a sua vida publica, pobre
atravessou a carreira politica at chegar
ao lugar de honra que hoje oceupa, e po-
bre se conserra, talvez mais pobre anda
do que no comeco da vida, nao obstante
ter estado no fastigio do poder, cercado
de todas as grandezas.
O seu carcter, nobre e altivo, e ao
meomo tempo afavel e amistoso, nao se
transviou por causa de sua posicSo. *E'.
hoje o que sempre foi ; nem o seu espiri-
to se obumbrou com os ouropeis do po-
der. Sua alma aberta todas os gran-
des commettimentos que visara o bem da
patria, cujo engrandecimento elle almeja
de coraflo e por cujo futuro trabalha de-
nodadamente, como em 187075, como
em 188889.
Obreiro da libertacab do ventre escravo
com o gabinete de 7 de Marco, que im-
mortalisou Rio Branco, o conselheiro Joao
Alfredo estava talhado para dar o ultimo
golpe no monstro que corroa as entranhas
da patria. E o deu com a lei de 13 de
Maio de 1888, consequencia lgica e fatal
da de 28 de Setembro de 1871.
Era essa urna de suas maiores aspira-
c3ea, neguem-n'o embora os seus des-
affectos. Sabem-n'o, todaria, todos quan-
tos delle se accercavam, sabem no os
seus ntimos, e todo o paiz o presenta,
tanto que de todos os ngulos do Imperio
o apontavam como o Messias promettido
abolicao, antes mesmo de elle se enun-
ciar em 1877 no senado brazileiro res-
peito da questao seril.
Aps o grande acto legislatiro de 1888,
acto que todo o universo applaudio e deu
ao seu promotor a aureola dos immortaes,
o conselheiro Joo Alfredo, comprehen-
dendo que se nao arranca pela raz urna
arvore secular sem produzir terrivel abalo
no slo, ateve-se era reparar o mal cau-
sado, e iniciou medidas atinentes me-
lhorar a posico da lavoura.
E o facto que a nova situacao creada
7 de Junho ultimo tem-lhe seguido as
pegadas, enveredando n'esta parte pelos
raesmos caminhos trilhados pelo gabinete
de 10 de Margo, prova de que taes cami-
nhos erara os melhores para levarem meta
desejada.
A lei de 13 de Maio de 1888 e os seus
naturaes corolarios nao lo rara, pois, as
causas ocasionaes da diffamacSo que anda
exposta a vida publica do conselheiro Joao
Alfredo.
O que entao a motiva ?
A inveja e o despeito, dous sentimentos
que s se aninham e se consorciain em
coracoeB mal formados.
Podem prevalecer taes sentimentos?
Cabem elles em nimos conservadores,
inembroB do partido tantas reae* lerado
victoria pelo conselheiro Jo3o Alfredo ?
O partido que o elegeu para seu chefe
e que conhece a pureza dos seus intuitos,
a grandeza de suas ideas, o seu patrio-
tismo, o seu criterio e o seu tino, nao
pode deixar de prczal-o e respeital-o.
Ra ve m embora os desaffectos e as am-
bicies pessoaes contrariadas, s em tifo m
hora manifestadas. O conselheiro Joao Al
fredo, na altura de seus grandes mereci-
roentos e incontestarel prestigio, nao pode
encontrar competencia seria na direegao
do partido conservador desta provincia,
elle que sea "-chefe querido e um dos
mais salientes e notaveis desse partido no
Imperio.
Alie a jacta est! >
Recife, 13 de Agosto de 1889.
-" Beaconsfiem).
'0S 4 PEDID
Jos .flarianno e olibello dlffa-
malorio do *r Ambrosio Ha-
chado
IV
J que se tein ptocurailo fazer crr que eslou
especulando co;n 6 aboliiiomsmo, porque tenho
tido a liombridade de denunciar os elementos
escraristas que, em odio uboligao. aciam-se ao
servico do actual raovimento republicano, seja-
ine licito insistir um pouco mais sobre este pon
to, cuja eiucidacao lera para o caso a maior im-
portancia.
Todos os que me afg/idem pela minha atlitu-
de que Bies tem de.-iomcertado os planos, nao sao
capazes de contestar que o movuneuto republi-
cano teuha ltimamente rectelo o seu maior,
senao quasi exclusivo uiom* -dos ex-senhores
de escraves revoltado* uRm lei ^a abolicao
e contra todos os que para ella collaboraram,
pudendo ter lhe creado embaracos.
Ora, sr os abolicionistas impelliram a cora a
sahir. das nesitagaj e incertezas em que se
achara, si a impnlram a preferir o futurq da
apoto nos elementos sobreviveales da escravi-
do, nem que, conhocendo perfeitameole o mo-
vel em que se inspirara os ex-senhores desoei-
tados, aceitera o concurso destes; no dia seguin-
te ao da abolico, em hostilidade ao poder que
nao os manteve na immoral explorai'ao do tra-
balho dos infelize3 escravisados.
Eu qulzera que, para honra do norte, onde a
abolicao so Fez mesmo antes de sua decrelacJo
legal; eu quizera que, para honra desta provin-
cia, onde o abolicionismo tem a sua epopa de
herosmo, os distinctos chefes abolicionistas que
hoje se acham frente do movimealo republica-
no, liuvessem repellido cheios de dignidade e
altivez, o suspeito contigente de rancores que
meia duzta de ex-senhores de escravos puzenin
ao servico da democracia, e uos tivessem Teser-
vado a gloria de poder dizer que o movimien-
to republicano no norte representa s e pura-
ment u convicco, a verdadeira comprehensao
democrtica, como represenluu o raovimenlo
abolicionista.
Quanto era isso prcferivel a essa allianca com
os escravistas da vespera,ailiancajeraque nao
pode absolutamente entrar o abolicionismo I
Se os actuaes directores do mvimento repu-
blicano tivessem raelhor orientagao, j teriam
coraprehendido que taes elementos's podem
concorrer para tornar a propaganda republicana
impopular hoje e amarilla, inquinal-a dos vicios
e deleitos da escravido. em cujo leite pustulen-
to est se nufrindo.
Compreheuda-se bem. Nunca pretend que
a propaganda republicana desapparecesse ou
egtacionsse mesrao, dominada pelo sentimento
da gratidio para com a cora por ter esta,|na ul-
tima peaje do abolicionismj, ceJido a vjntade
Daeiooal nao !
Mas, o que nao comprebeodo, o que condemno
que republicanos que feram abolicionistas, que
foiam os distinctos cfiefes abolicionistas, vencedo-
res com os quaes os vencidos nao se envergo-
nham de hombrear, (puderano I) eslejam hoje
alliados aos ex-senhores de escravos e compiles
parlilhera a direcgo do movimenlo republica-
no, embora couhecam que elles s se lizeram
republicanos em despeno a-bolko, e porqae
nao puderara por mus teowo perpetuar o astado
de escratido em qu? durante tres seculos jazeu
a nossa iufeliz patria.
0 que nao comprehendo, o que condemno,
que a gente do mvimento republicano, essa
mesina que tomou parte no mvimento abolicio-
nista, dizendo pretender a regeuerago da pa-
tria, aceelte todos os coatingeiites ainda os mais
desmoralisad08, "e 03 mais desmoralisadores, os
mais retrgrados e-osmais helerogeneos, sem
se preoccuparcomaconfuso de principios e de
movis que hio de agitar c convulsionara futu-
ra repblica.
Felizmente nao me acho solado neste modo
de pensar.
E urna vez que os republicanos aceitara todos
os elementos anda os mais comprometleores,
ou mais antagnicos, e levara o seu pouco es
crupulo a confiar a orte da democracia ao3 que
delta s lera a comprehensao do despeito e do
odio, nao ha razo para se admirarem de que
todos os aboliciocistas sinceros considerera sus-
peito o actual mvimeotoreriublicaUbe de modo
algutn se prestern a ser os vingadores da escra-
viaao, que para engaarse jpresentaenvolta no
manto da deusa da liberdade.
Nustas condigoes, em face da hybrida allian-
ca repuhlico-escravisla; qnando a cora est
provando que nao procura oppr-se s ideas,
ainda as mais adiantadas, que se tenham con
densado nesse senlimenlo invencivel que se
chama a vootade nacional quando o partido li
beral se propOe a realisar as aspiraces da mo-
derna democracia e nao se pode dizer ainda que
se tetilla perdido a esperanca de lvalas a ef
feito; para que empenlwr se o espirito lioeral
um urna canipauha como a que nos offerece o re-
publicanismo alliaddo ao escrayismo. arqnejan
te mas sempre audaz, si com isso s se conse-
guira retardar o mvimento social, comecando
por perder as sympathias populares que anda
estao voltadas para o abolicionismo, e nutili-
sando-se quic para a obra regeneradora e qui-
c revolucionaria do dia de ainauh !
Os republicanos esquecetn-se de considerar
que o Brazil deve inulto a democracia, mas mui-
to pouco ao republicanismo, que at hoje nao
tem tido verdadeira comprehensao democrtica,
nem tem sabido attcahir as sympathias naci-
naes, conservando se sempre alheio s grandes
causas que tem caucionado o coraco da pa
tria, excepeao feila da phase pica da inconfi-
dencia em Minas, e dos movimen'.os de 1817 e
18ii aqui em Pernambueo.
Ainda n- phase a mais importanle de nossa
vida de naci independeole. quaudo tratava se
le remodelar, de reconstituir a patria, o repu
blicanismo deixou de pr-se t frente do mvi-
mento abolicionista, como lhe curapria, para
nao perder o apoio valioso dos senhoae^ de es
cravos que se diziam republicanos Mtiitos re-
publicanos adheriram. certo, ao movimenjo
abolicionista e batalharam com donodo ; mas o
republicanismo, organisaco poltica, tornou-se
mudo como um esphinee, quando nao tomou
mesmo ostensivamente a atlitude defensiva dos
direitos dos seahores.
Actualmente seria incoherencia, seria gravis-
simo erro acompanhar essa agitaro de odios,
essa propagaada cujo horisonte se acha ames-
quinhado de mais.
Nao quero dizer com isto que o espirito
liberal seja antipalhico ao generoso movento
democrtico; quero dizer, sim, quj preciso
nao aeixar erar-se no espiri.o do povo a peri-
gosa convieco de que a democracia est con-
vertida em arma de combate dos despertados
odenlos da eacravido, teodo deiado de ser a
esperanca e a forca que nos tem de guiar nos
dias escuros em que o despotismo dos reis ou
dos dictadores pretender avassalar a nossa pa-
tria I
Nos abolicionistas applaudimos com fervor a
agitacSo.democrtica que tem sacudido o torpor
do corpo nacional; a agitaco democrtica que
fez o abolicionismo; que far amanh as mais
ousadas conquistas liberaes ; que nos impellir
para a repblica quando tivermos concluido o
nosso estadio de progresso social, politico e eco-
nmico, ou diante das resistencias que a raonar
chia procure oppor a sua readsaeo. Mas, o
que nos nao queretaos, uem ooderemos querer,
servir de instrumento aos odios fermentado;
pelos srdidos intereses da escravulo cujos
miasmas pestfero? aindaSofeccionam o ambiente
social I
foucos nos deve importar no momento pre
sent que a nossa attitude de abolicionistas sin-
ceros, possa aproveitar a motiarchia contra a
insensatez do movimeuto republtco-escravista ;
pois o que nos queremos tao somente salvar ir
nossa obra,a abolicao, sobre a qual asenla
hoje a grandeza de nossa patria e que sera o
ponto de partida de todos os commettimentos
'enerosos que tenham de ser tentados para o
im de alargar os seus luminosos horisontes.
Digam, portanto, o que quizerem os republi-
canos conluiados era torpe connubio com os
escravistas; que nos os abolicionistas, muito
ciosos de uosso uome, de nssos servigos de
nossas responsabilidades, jamis nos prestare-
mos a servir e instrumentos a essa politica sem
ideal e sem futuro que pretende fnndar a gran-
deza da patria sobre os alicerces aluidos da es-
cravidio.
I*to *o p especular com o abolicionismo !
simplesmente nao querer cousen-
tir que a naci seja illudida deixando-se arras-
tar para o desconhecldo em cujas profundezas
irla encontrar a dictadura republicana a que o
escravismo prelendeu submetter o Norte Isto
chama-se, simplesmente, nao consentir que o
mvimento republicano especule com o abolicio-
nismo que nada lhe deve !
Recife, 12 4e Agosto de 1889.
Jos Marian n'o.
"^ (Contina).
e gloria do miniaterio Oiro Preto.
Nao declamo. O Sr. Barao de r
demttio o 1. supplente de juiz lu.mici-
pal de Boa-Vista, Teixeira Jacobina, sem
motivo legal. Este reclamou contra o at-
tentado de que fora rictima; eu raesmo
eutreguei a peticSlo ao Sr. conselheiro Al-
ves de Araujo, no da t do corrente, e
at hoje nao se dignou S. Exc. despa-
chal-a...
Rjlaiuei contra a permanencia do dele-
gado de Tacarat, implicado no assassi-
na'to do tenente-coronel Caraleanti e qne
j tra condemnado, era Aguas Bellas, pelo
crime de tentatira de morte, tendo cura
prido a pena, que lhe foi imposta, na Casa
de DetencSto d'esta cidade.
O Sr. Aires de Araujo disse a amigos
hneus que essa auctoridade fora exonerada;
mas at hoje nao ha noticia oficial de que
tenha? S. Exc. praticado esse ac'o de mo
ralidade. Espera prorarelmante que passe
a epocha eleitoral...
O subdelegado de Salgueiro reside fra
da comarca; antes de entrar no exercico
do cargo, commette, ao chegar ao termo,
em que vae exercer jurisdiccSo, toda a
sorte de violencias, imp3e aos meus ami
gos qua se retirem da villa, sob pena de
raeios de resistencia,
afugentam-se; denuncio o facto pela im-
prensa e o presidente da provincia faz ou-
vidos de mercador. I..
Em Floresta, um individuo sem criterio,
acoinpanhado de grando numero de cri-
minosas, pratica quantos desatinos ha,
araeaja cus e trra, garante que os
conservadores nao serao admettidoa a ro-
tar ; o Sr1. Aires de Araujo tem, tambem
pela iraprensa, conhecimento de tudo, e,
era rez de proridenciar, como lhe cum-
pria, para que o tacto nao tome maio
res proporeSes, manda dizeu" pela sua im
prensa que as denuncias sSo anonymas !
S. Exc. est perfeitamente*enganado. Eu
contino a affirraar, tal a confianea que
tenho nos meus informantes, a veracidade
dos factos at hoje allegados, e, anda urna
vez, repito que responsabihso o Sr. presi-
dente da provincia por todas as riolencias
que continuarera a soffrer os meus amigos
do 13. districto.
S. Exc. proceda como entender. Seja
am administrador autnomo, como exige a
importancia do alto cargo, que lhe fiado, ou apenas um presidente de eleicao,
como' o Sr. de Caiar. Sua alma sua pal-
ma.
J. Moreira Alva.
Recife, 13 de Agosto de 1889.
CORO
A aurora mais augusta
Virtuosa soberana
Rende culto e rende altares
A gente.. pernarabncana.
Poi J que elle affrontando
0 di nador seu rival,
Francisco Soluno Lpez
Morto no Cerro Coral.
Hosanas tres vezes hosa';as
Ao defensor altaneiro,
Que fez do peito muralha
D'jfendendo os brasileiros.
E assim seji bera vindo
Ao torro abenroado
Oude repousam as cimas
Do^erc... Nune3 Machado.
Viva Sua Magestade o Imperador.
Viva Sua Alteza Imperial.
Viva o povo pernambucano.
13. districto
Tenho denunciado ao Sr. conselheiro
Alves de Araujo diversos factos occorridos
n'esse districto, sem que haja, at hoje,
obtido a menor providencia.
S. Exc. reconhece a'justica das rechv
mac3es ; promette tomal-as em considera-
cao ; mas vae dando tempo ao tempo.. .
O illuatre conselheiro nao quer preju-
dicar ao -candidatos que derem ser elei-
Perguntas innocentes
Si a Epocha orgao do partido conser-
vador, por que s se oceupa em atacar
este, sem ter urna aecusacio, urna censu-
ra, uraa critica, ao menos, para o partido
liberal ?
Porque nao censura a Epocha, pela pen
na amestrada do I)r. Joiio Barbalho, urna
aposentadoria, realisada, como se ibsse
traneaccao commercial, o descont de uns
tantos por cento, e fra de todos os moldes
administrativos e termos legaes ?
Si a Epocha nao escrupulisa, e antes
acha prazer, em atacar os conserradores,
sendo orgao do partido conservador, por-
que nao censura a conserrayab do promo-
tor do Bonito, quando todos os outrps fo-
ram demittidos ?
Quera tem razao, quem tem melhor opi-
niao, o Dr. Joao Barbalho, o abolicionis-
ta, o redactor da Tribuna, ou o Dr. Joao
Barbalho, redactor da Epocha, hoje par-
tidario da ndemnisacao ?
Si a Epocha est agarrada a junta do
coice, nSo qur que u partido conservador
abandone os velhos moldes, porque cen
sura a falla do throno do ultimo gabine-
te, porque mostrou-se atrazada em ques-
tao de religiao ?
A Epocha pergunta qual onde existe,
quando foi creado, qual o programara
do partido conservador que ella se com-
praz era malsmar; mas o caso de per-
guntar-se-lhe : quem vos fez or^io des-
se partido, elle alguma mui Joanna'i
Si a Epocha est ouvindo por toda a
parte censurar a seu procedimenta, recu-
sas solemnes de adhesao sua politica de
despeito e de abyssinio, porque insiste em
enfeitar-se com um titulo que todos lhe
contestara e lhe d uns ares ridiculos ?
Um curioso.
Ao publico e especialmente aos
moradores da freguezla da
Graea
0 Diario de\Pemambuco de.hontem em sua Ga-
zetilha traz urna noticia cora o tituloAbuso
em que se diz que um individuo exerce o cargo
deescrivdc \nr, sem para isso ter sido no-
nieado.. Pois bem I muito teria que dizerj;
mas a minha uiisso ueste momento nao
descer a responder individuos que, pouco ten
do que fazer, s vivera a fallar do que Ibes nao
compele, e sem que tenham a devida coragera
de assignar o seu nome ; e sim garantir ao pu-
blico e aos moradores d Graca; de que por pro-
posta do juiz de paz em exercicio o cidado
iogo Baplista Fernandts, fui proposto escrivo
de paz desta parochia, em sessao da Cmara
Municipal, do dia 31 de Jumo prximo passado,
prestando logo o devido juramento, em mo do
illustre e honrado presidente della, o coronel
Corbiniano de Aquin Eonseca.
Bem sei que isto parte de individuos que que-
rem a forciori que eu declare que a elles devo
a minha nomeaco mas, como cu propallo aos
quatro ventos, que somente a dew ao illustre e
honrado Sr. Dr. Jos Marianno, a quem serei
eternamente grato, por isto, esta infamia, por
isto, esta vingaoca.
Agora, linasando, peco aos Ilustres redacto-
res do Diario de Pernambueo, que avaliem o
quanto infame, o quanto despre.sivel o ente
que lhes transmittio tal noticia.
Graea, 14 de Agosto de 18*9.
Manoel Nitardo Ferreira Gomes.
.VIUDO
a' sua alteza o sr. conde d"ec
Feito em 14 de Agosto de 1889
Por Jos de Miranda Correia Lima
Gamba
Norte e sul
Neste momento que S. A. o Sr. Conde d'Eu
recebe ovaeOea do povo pernambucano, hade
cora certeza, era seu animo, julgar do povo do
sul e norte.
Aqui tem sido S. A. acatado, respeitado na
sua oodico hierarchca, quando all fra rece-
bido com quazi indifferenQa pelas provincias
por onde viajara.
De proposito .leixaraos de citar um facto de
lesacato praticadu para com S. A- em urna das
estacoes da estrada de ferro do sul, afimde nao
o amoleslarmos..
Segu S- A. cora ideias bem tristes das re
gies do norte, deste povo soffredor e martyr da
ganancia dos homens do sul. que nao s tra
abarcado toda a seiva econmica do norte, como
o seu pessoal iliustrado, deixando o Iconseguin
temeute baldo de todos as cousas.
Alteza! Dizei a vosso Augusto Soberano e
sogro, ,com verdade todas as miserias que vistes
e preseuciastes ; di/eique essa advogacia admi-
nistrativa do sul, que tem supplantado todos os
principios de direito e de justica do povo do
norte, tenia ainda hoje fazef-o responsavel pe-
rante o mundo christo e civilisado, de haver
concorrido para a liberdade do hornera escravo!
Alteza! A ideia de federacfio urna cousa
vencida, S so urna ou outra vz.dissonante appa
rece em sentido opposto, estas sao as dos trai-
dores da patria.
Segu em ondas placides e tomai a v3 a causa
do povo do norte que ara no3so paiz representa
o papel dos lilhos bastardos da monarchia.
Recife, 14 de Agosto de 1889.
0 povo soffiedor.

c districto
Apresenta-se candidato por este districto, o
Dr. Jos Nicolao Tolentino de Carvalho, o ver
dadeiro conservador e qne por seus mereci-
menlos tem conquistado as sympathias de seus
correligionarios.
A sua candidatura no 2" districto tem sido
geralmente aceita e confiamos vela triumphar,
se, como de justica, nelle recahirem os votos
ilos que somente em lera vista elegerem homens
que eslejam no verdadeiro caso de merecer urna
cadeira na assembla geral e nao os quo por con-
veniencia sao apresenlados.
Um eleitor.
fullona
AO TEU ANSirEESAKIO NATALICIO
Mais umafior de innocencia
Tu comas hoje, firianca,
E em tua doce existencia
Deus escreveuesperanca!
Dos anjos jlens a graca, .
Dos cherubins a ternura.
Que a tua vida Deus faca
Um lindo mar de ventura
fleciie, 14 de Agosto de 1889.
BflBML
Rectificacao
Na representaco da Sociedade Auxiliadora da
Agricultura, que publicamos houtein sob a ru-
brica Associacoes, alem de outros, de menor vulto,
que o bom senso dos leitores deve ter corrgido,
deram-se, na 2.* columna, os seguiotes erros
typographicos :
Linha 79, de obra, em lugar da mo de obra;
Linha 83, especialmente, em vez de excepcio-
nalmente;
Linha 106, cuja d.-nsidade, em vez de urna po^
puliiriiii cuja densidade;
Linlia 147, referente, em vez de afferente;
I.odia 157, felicidade, em lugar de facUidade;
Linh 164, reputacao em vez de repartic'ao;
^Lraha 165 e 168, prosperidade, em lugar de
propriedade.
Cara* nmaombroaaM de tlatca
As disserees feitas recentemente no3 hospi-
taes de Pars, provam que os tubrculos dos pul
mes podem ser ccatrisados de um modo per-
manente, curando-se a tsica
Os casos referidos foram de nessoas que an-
nos antes haviam padecido de enferraidades dos
pulmes e que ao depois morreram por outras
causas.
Os boletins olliciaes dizera que foram curados
de ulceraco dos pulmes mediante o uso cons-
tante do Oleo Puro deFigado de Bacalho. Po-
rra toda a difliculdade est em poder-se alean-
car este iaapreciavel especifico.
Torna-se, pois, da maior importancia que o
doenle saiba que o oleo puro medicinal de Fi-
gado de Bacalho, de Lanmau & Kemp, se acha
fsento de impurezas, conforme o indica seu
nome
Compe-se elle do principio salutfero e vital,
que se encontra nos ligados saos do bacalho
que acaba de ser pescado.
Na sua coraposico nao entra a mais leve par-
tcula de materia estranh;:.
E' claro e puro e acha-se isento de qualquer
rango que geralmente caracterisa aquelle que
immerecidamente se appellida Oleo de Figado
de Hacalho.
0 nome da rasa que o prepara uraa garanta
mais que sufliciente da sua excellencia, e tanto
o commercio como o publico podem confiar
nelle com toda segurauca.
Ar ha-se venda em todas as priiicipaes bo-
ticas e lojas de drogas.

SILYEIftA
O
ADVOGADO
Hl"i DO IMPERADOR-
AS
Massa fallida de Joao Morei-
ra & C.
Os abaixo assignados, administradores da mas-
sa fallida de Joo Moreira rC, couvidam aos
credores da mesma para no praso de oito das,
a contar da data deste, a apresentar seus ttulos e
documentos, afim de ter lugar a classificago dos
crditos, pudendo para isso enienderem-se com
seu advogado Dr. J. Bandeira de Mello, ra do
Imperador n. 46.
Recife, 8 de Agosto de 1889. ,
Joao Vctor Alus Matheus & C.
A-dvogado
O hachare I Arthur da Silva Reso tem o seu
escriptorio Je advocada ra do Imperador n.
34, onde pode ser procurado para os misteres
de sua profisso.
Salve guerreiro gigante,
Defensor altivo e forte ;
Esmagastes os paraguayos
Pelejando at a morte.
Advogado
0 Dr. GomeB Prente mudou seu escriptorio
| para ra do Imperador n. 34.
Aoeleitorado do 3. districto
Cora a s'erenidade de espirito que soem te
almas superiores retemperadas na adversidade.
declaro ao corpo eleitoral do 3" districto qo*.
rejeitando a decisao da.commissao executiva da
partido liberal que me excluio da lista dos as-
pirantes a um lugar no seio da represeatagia
nacional, fago appello d'essa deciso para o awi-
mo corpo eleitoral.
Nunca soube subscrever ao capricho e i im-
just4ga.
No ubastardamente geral dos caracteres uc
admira que aquelle* a quem o acaso felia oitat-
guma circumstancia extranha poz testa dos
negocios polticos de urna circumscripcao pro-
vincial qualquer, confundam o joio com o trg
e pesara inconscientemente a ouro elio, eraba-
langa falsificada pela bajulucao e pelo capricho;
o mrito e o demerito, a cousciencia sa e o es-
pirito destituido de bri; o patriota e o coj-
pheu de todos os deibragamentos e de todas ai
fatsilicagOes polticas.
Nao ser assira que se far boa politica ; aac
ser com agremiagOes as alturas %sociaes de ca-
racteres disparatailos em intuitos e sentimentos
e com a lia social guindada e lantejoulada par
ttulos obtidos pela subservieneia, pela perfidia
e pela venalidade que se tirmarao as instituiccs
j tao profundamente abaladas.
.Nao aecuso, nao me julgo de momento com
direito de acensar o governo central; a geaeta-
lidade de seus actos deixa ver o proposito pa-
tritico de servir as aspiraces do paiz, cor-
gindo especialmente os erros e desvos da ante-
rior admioistragao, mas a boa direcgio da nao
do Estado nao depende somente da bussola qse
lhe indica os pontos cardeaes, nem do rumo qme
lhe imprimem peritos palinuros ; necessark)
que tuqa a compauha opere harmnicamente
como pega de um machinismo correcto.
Nao ser com mercenarios e llibusteiros qrte
ella far rota segura de salvaco.
Fui substituido na chapa do partido em miate
natural candidatura pelo 3. districto por uat
individuo que, apresentando acamara quatriea-
nal, em sua maioria liberal, um diploma de de-
putado c sendo esse diploma decusado de milla
por falsificago de acta eleitoral, nao o defeudaai
nem perante a commissao de veriheagao de po-
deres, nem na imprciisa, deixando d'esta arte
que a Cmara era sua justiga se pronuncias*
pela aecusago e que ticasse firmado contra si
tremendo e aviltante estygraa de falsificador.
Si um tal individuo pode ser representante 4a
Nago por ndicago de um partido que deve-ae
ter em conta de moralisado e patritico, nao sei
o que deva caber em partilha as grilhtas 4e
Fernando de Noronha.
Como programma em apoie de minha caal-
datura aprsenlo em primeiro lugar o meu pas-
sado, e no mvimento rpido de transformacia
que a no3sa sociedade vai levando depois 4t
aboligo do elemenlo servil, pronuncime (I*
autonoma administrativa e politica das provin-
cias em grao que uo perturbe a marcha rega-
lar das instituices, nem faga perigar a nata
nacional.
Recife, l<) de Agosto de 1889.
Srfvtno Cavalcanti de Albaqnerqne.
Convento do Carino
Em vista da promessa por mira feita em un
annuncio inserto na pagina 6 do Diario de Per-
nambueo de 9 do corrente, relativamente pu-
blicidade do nome do novo procurador deste
convento era substituigo ao sempre lembrado
commendador Camitlo Pires Falco^ em tempo
communico ao publico e especialmente aos fo-
reiros do patrimonio de Nossa Senhora do Car-
rao, que de hoje em (liante ser procurador do
mesmo patrimonio o nosso digno e charo con-
frade o Sr. professor Joo Landelino Dorneas
Cmara que est revestido dos competentes po-
deres para fazer a respectiva cobranga.
Carmo do Recife. 12 de Agosto de 188&.
Fr. Alberto de Santa Augusta C. de Vasconcellot,
Vigario provincial.
Aviso aos aossos leitores
Os nossos leitores que visitarem Par*
durante a Exposiao de 1889 j sbese
que poderao 1er os ultimes exemplares d*
nosso jornal chegados aquella cidade no ea-
criptoro dos nossos correspondentes, Sta.
Amde Prince & C, 36. ra Lafayette%
onde podem mandar dirigir qualquer coa^
respondencia, pedir quaesquer informa93e*,
dar ordens de compras, etc.
Alera d'isso, leramos ao conhecimente
dos nossos patricios que afora o serrico estar
belecido no escriptorio da ra Jjafarette,
n. 36, os mesmos Srs. Amde Prince i
C, acabara de organisar uraa sala de lot-
tura e de informagSes na Exposicao raea-
ma, no parilhSo da repblica de Guate-
mala cujo commissario geral dignou-se V
por graciosamente urna vasta sala cote
raranda s ordens dos nossos correspon-
dentes.
Aconselhamos mui vivamente aos nac-
aos amigos e leitores que se achremeos
Faris, que rsitem a casa Amde Prince
v\ C. na sua sede social, 36, ra Lafayet-
te, bem como na installacao que possue na
Exposicao no Pavilhao de Guatemala qae
ha de ser, gracas s extensas relagoes.d*
nossos correspondentes, o ponto da re~
uniao dos numerosos estrangelros residea-
es em Paris.
; Una
H
Vi
Leonor Porto
I
n-(
Larga do Rosario
mero '(
SEGUNDO ANDAR
Contina a executar os mais dimeeis j i
figBriDos recebidos de Londres, Pariz,<
) Lisboa e Rio dfe Janeiro. (
i Prima em perfeicao de costuras, e3
em brevidade, niodicidade em pregos e{
I fino gesto.
A dvog'ad
>
Miguel Jos de Almed i Pernambueo tem o sea
escriptorio de advocada ra do Imperador n.
81, onde ser-encontrado todos os diasnteis, das
hons da 9 manh s 4 da tarde.
w Vias urinarias, molestias das se-
I ( nhoras, operacoes elctricas
::.. celos ::::.;::::
II ESPECIALISTA
J ( com pratica de pakis e londbes
/ { Estreitamento da urethra curados ra-
)( dicalmeHlt pela electrolyse, sem dor;
hydrocele sem injeco (cura radical);
feridas e ulceras chronicas, om garan-
ta de cura rpida ; pedras da bexiga,
( fstulas e hemorrhoidas; syphilis, go-
( ) norrhas, pelo methodo das rastillages;
i 1 molestias da garganta e do peito pelas
) athmospheras medicamentosas. on-
) i suitas e operages das 12 s :< horas oa
W tarde.
j ( RA DO MARjQUEZ DE OLINDA N. .14,
ij ^ ANDAR
Renldenria na Torre
Bacliarel Antonio Wilru-
vio Pinto Bandeira
Pode ser procurado ra do lmper
:i, ta*iar
w,-,_




^Ki



*.!.

Diario de PernambucoQuarta-feira 14 de
Aos eleitores do 7.* districlo
Illm. Sr.Tendo mei iirecta-
io do meu partido distinccSo de ser
presentado candidato deputa^So geral
por este datrioto, si por um lado lamento
nSo ser dos mais competentes para aspi-
rar a elevada missao de repreBentar-vos
na Cmara temporaria, por outro lisongeio-
me de ver que me toi designado no eam-
po das pugnas polticas tilo honroso, quan-
to arriscado posto de combate.
Homem de partido, nSo tenho toda-
va me acostumado a subordinar s suas
exigencias, quando desarrasoadas, .os vi-
taes interesses da patria e suas nobres e
legitimas aspiracoes.
Pens mesmo que precisa de ser corre-
gida a orientacSo dos nossos partidos con-
stitucionaes e assim rae exprimindo deixo
patente que a meu ver nao escapa a esta
aecessidade o partido a que perten9o, que
entretanto, devo dizel-o por amor ver-
dade e sem laiyos de parcialidade, delles
o que com mais efficacia e sinceridade tem
servido ao paiz.
Atravessamos urna quadra interamenta
anormal e cm que a alma nacional parece
accusar um grande mal estar e esforcar-se
por encontrar remedio a seus soffruuen-
tos. (
Quem a esta hora auscultar o coraoao
da patria, reconhecer pelo seu bater des-
eompassado que ha nella urna grave per-
turbado do seu systema circulatorio poli-
tico-social, e quem tomar-lhe o pulso sen-
til-o-ha profundamente alterado pela febre
do desconhccido.
A par de algumas lisongeiras manifes-
Uc"es da vida material da nacao, notam-
. se grandes miserias, mesmo sob este ponto
de vista, e sobre-sahem os desanimadores
symptOmas de urna enfermidade moral,
^ue atacou o carcter nacionalcentro
nervoso de todas as energas da nacao.
Entendo que em um tal estado de cou-
sas rigoroso dever do partido conserva-
dor restaurar as suas forcas e trabalhar
anido para reerguer a nacao do seu aba-
tmente e conduzil-a triumphante e sadia
s altas regioes do seu engrandecimento.
Um s caminho se me affigura que pode
eonduzir-nos a esse desidertum o das
reformas tendentes satisfaca de jus-
tas e conhecidas aspiracoes de grande
maioria da nacao e da pratica sincera e
leal das instituieSes, o que quer dizer urna
honrosa capitulado cora a opini&o publica
do paiz, o respeito aos direitos dos cida-
dloseo imperio da moralidade na admi-
sistracSo.
Nao sou fcil em tomar compromissos,
nem gosto de achar-me na contingencia
de faltar a elles, quando tomados.
Sirva to de justificacSo norma de
conducta que neste momento me imponho
de nSo descer especificacao de um pro-
gramma, a cujo servico porei a rainha
fraca palavra e os meus convencidos es
forros, si for eleito vosso representante.
A nacSo est sendo agitada por urna la-
boriosa evolucSo, cujos resultados se ac-
centuam na grande crise dos espiritos era
rela9o descrenca as instituicde que
nos regem e na grande crise da fortuna
publica cm reiacao ;i desorganisacSo do
trabalho, que levou a lavoura e com ella o
commercio e as industrias aos maiores
apuros.
Diante dessa evolucSo, um tanto pre-
cipite e agitada, parece que vai tornarse
necessaria a ievisSo do programma do
partido conservador e esta ideia j espon-
ton no espirito de alguns de eus chefes,
tendendo a gencralisar-se.
Nao serei eu, por tanto, que por um fa-
ntico apego aos velhos molde3 do meu
partido me prive desde j de adherir a
sse novo programma, que ao meu espiri-
to surge na forma de um arco-iris politico, I ^
que os chefes conservadores podem por I ^
aos horisontes desse partido como um
iignal de suaalliam;a.
Si tudo isto falhar que do fundo do
co do futuro da nossa patria est para
surgir algum novo astro, que eu nao sei
di os mais apcrfeic.oados telescopios da
poltica j poderam alcancar. E entao ser
preciso reformar o compendio da nossa
Astronoma poltica e nao ser o humilde
representante do 7. districto, si por ven-
tura me achar eu investido dessa honra,
que ha de emperrado como nm membro
ilo tribunal do Santo Offijio pretender que
a trra est immovel no centro do uni-
verso.
Para concretisar o meu pensament em
ama s phrase, mais expressiva do que
tudo quanto deixo dito e mais eloquente
mesmo do que- um manifest feito com
s oa precenos da m: os direi'
que na essenoia o mea prograrama polti-
co se pode resumir as seguintes pala-
vras : trabalhar pelo bem do mea paiz
e particularmente pelo desta briosa pro
vincia, que me foi. berco e que eet pre-
cisando de toda a boa vontade de seul fi-
lhos para reconquistar a brilhante posiclo
que sempre oceupou no congresso de suas
irals.
Espero que sabereis apreciar a fran-
queza com que acabo do faUar-vos e por
isso cont com o vosso voto e com o vos-
so valioso apoio em prol da minha candi-
datura.
Com estima e reconhecimento assig-
fto-me.
Vosso patricio e criado obrigado.
Jos Vicente Meira de Vasconcelos.
Reeife, 5 de Agosto de 16S9.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meie dia s 3 horas da tarde, no
1 andar da casa n. 51 ra do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Residencia ra Sete de Setcm-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creanca*.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratrizn 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manhS.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TBLEPHONE N. 226
Advocacia crime
RIBEIRO DA SILVA, defende perante o\
i ) jury de Palmares, Agua-Preta. Samclleira,
{i Escada, Jaboato, Nazareth, Victoria, Tim-
"bauba e as comarcas visinhas as viasj
frreas.
Pode ser procurado ra Io de Marco I
n. 7 A. Livraria Parisiense.
Surdos
Uma pesaoa que foi curada da 6urdez e zui-
do de ouvidos, de qae pavela ha 23 aonos,
usando de um remedio njuilo simples, enviara
gratis a sua desoripeo a qnem a desejar. Diri-
ja-se ao Sr. nicnolson, 1260, Santiago del Esie-
o, Buenos-Ayres.
Ago
sto
de 1889
Aviso a nuestros lectores
Los de nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin de 1889. es-
tn ya avisados que podran leer los uiti-
mos ejemplares, recebidos en Pars,- de
nuestro peridico, en la oficina de nues-
tras corresponsales los Srs. Amede Prin-
ce y C, 36, ruc Lafayette, donde pueden
hacerce dirigir toda su correspondencia,
pedir informes, dar ordena de compra,
etc.
Peto, avisamos a nuestros compatriofe
que ademas del servicio instalado eu su
oficina 36, ru Lafayette, los Srs. Am-
de Prince y C. han orgonizado un otro
gabinete de lectura y de informes en la
exposicin misma, en el Pabelln de la
Repblica de Guatemala, en donde el Sr.
comisaiio general a puesto a la disposicin
de dichos Srs. una grande sala cou ter-
rado.
Aconsejoinos vivamente a nuestros ami-
gos lectores que vayan a Paris, de hacer
una visita a la casa Amde Prince y C,
tanto en su residencia, 36, ru Lafayette,
como en su instalacin en el Pabelln de
Guatemala de la Exposicin, que resulta-
r, ser por el hecho de las extensas rela-
ciones de nuestros corresponsales, ^1 cen-
tro de reunin de los numerosos estrange-
ros presentes en Paris.
PHOSPHATINA FALIERES.AliraentomCriancas
*=;
:^cxj5
Advogado
O bacharel Joaquim Manocl Vieira de
Mello, residente na cidade de Bezrros,
encarrega-se de caucas criminaos, civis e
comroerciaes n'aquella comarca o as de passado, atacados de coqueluche seus ne-
coqucluche e o Pcitoral de
Cambar
Dois netinhos da respeitavel matrona, a
Exma. Sra. D. Maria Jos Rodrigues Bar-
cellos, moradora em Pelotas Rio Grande
do Sul, estavam atormentados pela coque-
luche, sem obtterem allivio com o trata-
mento do seu illustrc medico. Um dia a
dedicada av deu-lhes o Pcitoral de Cam-
bar e ficou surprehendia com o esplendi-
do resultado do medicamento.
Chamamos a attenco do leitor para o
seguinte attestado firmado por aquella dis-
tincta senhora:
c Aabaixo assignada attesta, a bem da
huraanidade, que tendo sido, em Dezenbro
ue, tendo-se concluido por meio do laudo
e arbitro desempatador, a questao da ava-
iaco do material da empreza de illumi-
na^ao gaz desta cidade, fica aberta
a concurrencia, com o prazo de seis me-
ces, contados da'data do p: esente edital,
para contracto da dita illuminaco, me-
diante as seguintes clausulas da citada le:
3.> Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da quantia de 25:000(5
-Mii dinheiro ou apohees da divida publi-
ca, para garantir a aceitaeHo do contracto,
no caso de ser preterida a sua proposta.
| 4. O deposito, a que se refere o pa-
ragrapho antecedente, nao ser retirado
pelo contractante senao findo o contracto e
servir de caucSo para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forein estipuladas no mesmo.
| 5." 0 contracto s poder ser feito
com quem meiores vantagens offerecer
na concurrencia.
| 6. A nSo ser no caf do paragrapho
antecedente, .a actual empresa nao ter
preferencia a qualquer, outro proponente
> 7. O novo contractante Bera obriga-
do indemnisacao, a que a provincia
sujeita por forca da clausula decima ter-
cera do contracto em vigor; devendo dita
Emprezi do G
Bonito, Victoria e Caruar.
l

COMMERCIO
Revista do Mercado
RECIF2, !3 DK AGOSTO DE 1889.
O raovimento limitou-se a transaceftes no mer-
rado de cambios.
Bolsa
CWTAgSES officiaes da junta dos cob-
RETORKS
Recif. 13 ae Agosto de 889
Apolices provinciaes, juros de 7 0/0, valor de
1:000 j a 980 cada uma.
;ambio sobre Tara, 60 d/'v. com 11/J 0/0 de des-
cont.
Jambio sobre Londres, 90 d/v. 27 1/16 d. por
1000, do banco, hontem e boje.
Na Bolsa Venderam-se
12 apolices Drovinciaes de 1:000 j.
o presidente,
. bandido G. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Algodo
Cota-se o de l* serte do serto a 7000 por 13
kilos.
Mercado lirme.
A exportac&o, feita peN alCandega neste mez
it o da 10, attingio a 521.385 kilos, sendo. ..
95.89 para o exterior e 225.53c para o interior.
As entradas verificadas at hoje sobem a.671
saccas, sendo por:
Barcacas..... 200 Saccas
Vapores .... 1-000
Animaos. \ ^**
Via-ferrea de Caruar. 54
Via-frrea de S. Francisco. 70
Via-ferrea deLimoeiro 398 t
Somina.
2.671 Saccas
Cambio
Os bancos mantiveram no balco a taxa de 27
_ saccaodo, porm, o Loe ternacional
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballhazar da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das criancas, dos orgos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharniacia do Dr. Sabino,
ra do Barao da Victoria n. 43,
onde se indicar-sua residencia.
~ as

Frederico Chaves Jnior j(
Homoepatha
39 RA BARAO DA VICTORIA 39 M
Primtiro andar I j
0 bacharel Salustiano Jos de
Olireira pode ser procurado para
os misteres de sua profissao.
ra Estreita do Rosario n. 10, 1."
andar.
jt ABV0GAD0
4
Professora
Por casas particulares, na cidade ou nos arra-
baldes, offerece se uma senhora para leccionaro
i-eguinte :
Porluguez, francez, italiano, fjcographia, piano
Irabalbo de ugiilha, bordados e flores.
Garanta.As discipulas effectivas que tem e
diversos attestados de pessoas Ilustradas.
A tratar na relojoaria do Regulador da Mar-
nha, ra Larga do Rosario n. 9.
a 27 1/16 reservadamente, achaado pouco di-
nheiro.
Em pape) particular houve pequeas transac-
res a 27 3,16 para a primeira mala.
No Rio. continuando a taxa de 27 d saccou
o Londoo sobre a caixa matriz a 27 1/8.
Papal particular oscasso a 27 3/16.
TABELLAS AFFIXADA8
3
=z ^ o L i;
l o o - s- p R
a 1 n o p cr
-i os c B
cb o (B -*
OD ou O
i;
P
2.
S.
c
p


oa
5
tinhos, Antonio e Dejanira, e sem terem
podido obter allivio com o tratamento de
seu Ilustre medico, deu-lhes o conhocido
Peitoral de I ambara do. Sr. Jos Alvares
de S. Soares e, coin quatro vidros deste
efficaz remedio, ticaram completamente
restabelecidos do terrivel soffri ment.
Maria Josa Jodigucs BarceUos.
Prcjos : frasco 2r)500; \\2 duzia 13/5;
duzia 24$.
Vende se em casa dos agentes Francis-
co Manoel da Silva & C, ra Mrquez de
Olindan. 23, e em todas as boas pharma-
cas e drogaras desta capital.
------------soece*------------'
O Sr. Dr. Serafim Araujo
Dr. Serafim Jos Rodrigues de Araujo,
orinado em medicina pela Faculdade da
Bahia, cavalleiro da ordem da Rosa, etc.
Attcsto que o Peitoral de i ambara, pre-
parado pelo Sr. Jos Alvares de Souza
Soares, um excellente medicamento, em-
pregado com muito bons resultados, as
molestias broncho-pulmonnres. E por, ser
verdade, passei o presente, que assigno em
f do meu grao.
Dr. Serafim Jos Rodrigues de Araujo.
Pelotas.)
i
0 Dr. Lopes Pessoa participa aos seus amipos
e clientes que mudou a sua residencia pura a
niesma ra do Baro da Victoria n. 60, an-
dar, por cima da venda do Sr. Paulo Jos Alves.
aonde contina a altend^r os chnmados sobre a
sua profissao.
EDITAES
5.a seccao.Secretaria sda Presidencia
de Pernambuco, em 29 de Abril de 1889.
Por esta secretara se faz publico de
ordem do Exm. Sr. Dr. vicepresidente
da provincia e nos termos do 2D do art.
Io da le n. 1,901 de 4 de Junho de 1887,
[iranco .
jmenos.
Mascavado purgado
bruto.
Ketame .
300 a 44o0
3*000 a 3i00
25600 a 800
(irme) 2*000 a 2*l0t
1*700 a 1*900
A exportago feila pela alfandega neste mez
at o dia 10, subi a 4^4.133 i.'Skjjos panto inte-
rior. H
As entradas verilic idas at a data de hoje "so
bem a i .533 saceos, sendo por: I


ex
os

J.
Si
-
w
t
:5 B
8 I
=_ S_
co
je.
g
t4

5 I

i
O
S
S1
s>
Assucar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
.undo a ABsociagao G>mmercial Agrcola, foram.
es seguiateB:
Barcacas
Vapores.....
Ammaes....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
385 Saceos
36
64 *
1.030
48
1.833 Sacco3
%gnardente
Cota-se a 103*000, por pipa de 480 litros.
Aicool
Cota-se a 200*000 por pipa de 480 litros.
Hel
Cota-se a 70*000 por pipa de 480 litros.
Conros
Couros salgados, 360 a 36S ris, nominal, na
base de 12kios.
Pauta da alfandega
skiana m. 12 a 17 du aoosto os 1859
Vide o Diario de 11 de Agosto
Vavlbs descarga
Barca noraeguense Gtlea^ ferragens.
Barca norueguense Speranza, carvo.
Barca nacional Cecilia, varios gneros.
Barca ingleza Camelia, bacalbo.
Barca hespanhola Progresso. carvo.
Barca allem/. F. Pust, carvo.
Lugar americano Hannah Me. Loen, farinha de
trigo.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar inglez Danure, Dacalho.
Lugar nacional Loyo, xarque.
Patacho nacional Rival, xarque.
Patacho allemao Marievon (Hdendorp, xarque.
Patacho nacional Regaletra, xarque.
Patacho ingles Hafren, xarque.
indemnisacS ter lugar de accordo com
essa mesma clausula, c ticando o material
e obras da empreza hypothecados pro-
vincia at que esteja realisada a indenmi-
sacao ou pelo menos depositada a respecti-
va importancia.
| 8. O prazo do contrac o nao poder
exceder a 30 annos.
| 9." Opreco da illuminacSo, quer publi-
ea, qner particular, nao poder exceder de
260 ris o met'-o cubico de gaz, fazendo-
se uma feduccilo de mais de 30 [0, p;;ra
os estabeleciraentos de caridade e benefi-
cencia, a reparticoes publicas.
10." O systema mtrico, si fr mais
conveniente, ser adoptado para a niedi-
cao' do gaz.
11." A luz ser clara, brilhante c isenta
de substancias estranbas, que possam pre-
judiear a illuminacao e a hygiene publica.
| 12. A intensidade media da luz ser
equivalente a dedez velas de espermacete,
das que queimam sote grammaa por hora,
correspondentes a 120 graos inglezes.
13. As horas de illuminacao publica
.sero fixadas pelo presidenta da provincia
no principio de cada anno, nao pudendo
ser em numero menor de seis, nem inaior
de dez, devendo neste caso haver uma
redcelo no preco do gaz correspondente
ao acn-M-in de horas.
| 14. O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as questScs que
se suscitarcm, quer c>m o governo,
quer com os particulares, ticando sujeitos
todos os seus actos s leis e regularaeu-
tos e jur8diccao dos tribunacs judicia-
rios ou administrativos do paiz.
| 15." O contractante
collocar e construir sita custa um ou
mais gazometros, se houver necessdade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os melho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forein descobrindo, uma vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
| 16. O pagamento da illuminacao pu-
blica e particular ser feito cm moeda do
paiz, sem attenc3o oscillacao do cambio.
| 17. O contractante poder organisar
ompanhia, a qual tcar subrogada em to-
dos os direitos e obngacoes do contracta.
18. Para as despezas com a fisca-
sac&o do s,ervigo de illumina<;ilo {o contrac-
tanto concorrer anmialmente com a quan-
tia de 3:0005000, que scro recolhidos ao
Thesouro Provincial.
19." O presidente da provincia esta-
belecer as multas e mais condicoes, no
intuito de garantir a boa execuoao do con-
tracto, quer com relacSo a illuminco pu-
blica, quer com a particular.
Faz-se publico, finalmente, quo o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7o cima citado, a
quantia de 994:917#523, de accordo coir
a avalacao feita pelo arbitro desempata
dor em 18 de Marco ultimo, visto deduzir-
sc da de 998:777(5528, total da avaliacao,
a importancia de 3:860O00 paga em-
presa em 1860, proveniente de 202 canos
de ferro, 5 columnas e bracos com lam-
peos, collocados fta do perimetro do
contracto.
O secretario interino,
Manoel Joaqun Silveira.
ser obrigado
de Cearf carrega-
Patacho allemao Prefkruk, xarque.
Putaclio dinamarquez Jugor, xarque.
Patacho dinauarquez Uefion, xarque.
Vapor austraco Ztchy, varios ^eneros.
Vapor inglez EUcnc, carvo;
Vapor inglez Hixtiirwn, varios ^eneros.
Vaiior inglez Bellem. sanos* frenaros.
|>orlaco
BKCIfs, 12 DE AOOSTO DE 1889
Paro o exterior
No vapor francez Ydle
ram :
Para o Havre, C. P. de Lemos 10,000 kilos de
pao brasil e 400 saceos com 20,000 kilos de
carocos de algodo ; C. Marques 1 barrica com
30 kilos de assucar branco, 1 caixa com 24 gar
ralas com 8 litros de aguardeute e 1 dita com
1'annlia de mandioca.
Para Lisboa, H. Burle 4 C. 10 barricas com
490 kilos de assucar branco.
Para o interior
\"o vapor austraco Ztchy, carregaram :
Para Santos. P. Alves 4 C. #5 saccoa com
10,500 kilos de assucar branco.
Para Rio de Janeiro, A. de Olivcira Maia
12.000 cocos, fructa.
No vapor nacional Maranho, canagaram :
Para Rio de Janeiro, F. M. de Moura 3o pipas
com 16,800 litros de agurdente.
Para Pelotas, C. F. Martins 279 barricas cim
29,397 kilos de assucar branco e 10 ditas com
1,149 ditos de dito mascavado.
Para Bahia, J. A. de S 14 barricas com 554
kilos de assucar refinado.
ilendimentos publico
an DI AGOSTO
Alfanaega
AVISO
A empreza de illuminacao a destagaz
cidade por sea gerente, tendo visto no
Diario de Pernambuco de hoja a publica-
jSo do cdital em que a presidencia da pro
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminacao mediante as clau-
sulas no mesmo enunciadas e servindo de
quanto foram avahadas pelo arbitro desem
patador as obras da mesma empreza,
base para a indemnisacao da empreza
actual a quantia de 998:7775-.*28, tfeir
quantia essa que dever ser paga pelo
novo contractante, veni pelo prosete
aviso, e para evitar duvidas futuras, de-
clarar que dita avaliacao nao pode servir
de base para tal indemnisacao, por ter
sido llegal c irregularm'mte feita, bem
como que contra ella j protes ou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos fetos da
fazenda, tendo sido intimado do mesmo
protesto o Dr procarador dos feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da ropvincia.
E como quer que deva em tempo op
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, deliberou fazer
presente publicacao para scieneia dos in-
teressados.
Reeife, 1 de Mato de 1889.
Gerente.
George Windsor,
O-Doutor Thomaz Qarcez Paranhos Mon-
tenegro, Oommendador da Imperial Or-
dem da Rosa e juiz do direito espe-
cial do commercio d'csta cidade do Re-
eife, capital da provincia do Perna u-
buco, por Sua Magostado Imperial e
Constitucional, oSenhor D. Pedro II, a
quem Deus Guarde, etc, etc.
Faco saber aos que o presente cdital
virom ou d'elle noticia tiverem que pelo
Dr. Jlo Clodoaldo Mbnteiro Lopes, foi
aecusada a penbora feita .i requer ment
de Pereira Carvulh > A C, nos predios nu-
meras dez e doze no becr.o largo dos lie-
medios e numero doze na travessa de S.
Miguel, pertencentes a Jo vino Sergio de
Albuquerquo Mello, na acc.ao execuliva
que moyni os mesmo Pereira Carvalho
C, contra o referid) executado Jovino
Sergio de -Ibuqucrque Mello, como tud>
se v do reqimrimento de audiencia qu2
do theor seguinte :
RequorimentoAos oito de Agosto de
mil oitoecntos e oiteuta e nove em audien-
cia' do Dr. juiz do direito especial do
commercio pelo Dr. Clodoaldo Lopes, toi
aecusada a penhora feita era bens do exeeu-
tado c requerido que ficassem assignados
aos execatados, curador ad-litam o praso
Sara rirem com os seus embargo.-", pena
e lancamento, expediuJo-se editaes r.ti
mando ao mesmoexecitado o praso asaig-
nado com a pena referida. O que foi de-
ferido palo juiz precedido o pregao do
c'stvlo. Do que fiz este. Eu, Ernesto Ma-
chado Freir Pereira da Silva. E mais
so nao continha em dito requerimento de
audiencia aqu fielmente copiado. Em
virtudc do requerimento do audiencia aqui
copiad' o respectivo eserivao fez passar o
pfeente edital pelo qual e seu theor cha-
mo, cito e hei por intimado o supplicado Jo-
vino Sergio de Albuquerque Mello, c sua
mu'lier 1). Lucrecia Campos de Albuque-
que Mello, para o que cima fica exposto.
E para que chegue ao conheciment de
todos mandei passar o presente edital que
ser publicado pela imprensa e anexado
nos logares do costume. Dado e passado
nesta cidade do Reeife, capital da provin-
cia do Pernambuco, em 9 de Agosto de
188!'.Subscrevo e assigno, Ernesfo Ma-
chado Freir P<-reir da Silva.
13-Agosto de i8fc
Thomaz (Jarctz Paranhos Montenegro.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Monte-
negro, commendador da imperial ordem
da Rosa, juiz de direito especial do com-
mercio desta cidadi do Reeife, capital da
provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gestade .o Imperador a quem Deus guarde
etc. etc.
Fago saber aos qucoiireseote edital vircm ou
delle noticia tiverein, que se ha de arrematar em
basta publica deste juizo depois da respectiva
audiencia do dia 22 dofeorrente, cora as forma-
lidades e pregues do estylo, os bens segainles :
Um prld"aineri.'auo Minerva-- em bomee-
lado avahado por 90000. inri dito idein, ideo}.
menor avahado por 7000il0, o.', quacs vo !t
praga.para DagatDento da execucao que por este
juizo nieve Jos Norueira de Souza contra .
Mana Amelia da Ctuiha, viuva de Antonio Perei-
da Cunta.
E ue havendo laucador que cubra a prego da
avaliiigo. a arrematado ser feita nos termos da
le em vif.'or.-
E para que chegue uo conhecimento de todos
o presente ser publicado pela imprensa e outro
de iirual theor aflixado no lugar do co6tume.
Dudo e passado nesta cidade do Reeife de Per-
nambuco. aos dez (lias de .-\goslo do anno de
Nosso Senhar de 1889.
Eu Jos Franklin de Alencar Lima, escrivio, o
subscrevi.
Thomaz Garcez Paranhos Monteneg .or
5a Seccao. Palacio da Presidencia de
Pernambuco, em 16 de Julho de 1889.
Por esta secretaria ee faz publico, de
ordem do Exm. Sr. vice-presidente da
provincia, que, tendo Caetano da Costa
Moreira requerido a concurrencia publi-
ca para o estabelecimenta de tuna fabrica
de cimento preparado com materia do
paiz, nos termos da lei n. 1987, de 6 de
Maio deste anno, infra transcripta, fica
marcado o p aso de trinta das, contadob
de hoje, para o recebimento do propostas.
em carta fechada, referentes a fuadacao
da dita fabrica. (Assignado) o secretario,
Francisco L. Mariuho de Souza.
IS n- 19*7
Ignacio Joaquim de Souza Leao, ba-
charel em ecieucias jurdicas e sociaes, -
dalgo cavaliieiro 'da casa imperial, cava-
llieiro da Ordem da Rosa e vicc-presider-
te da provincia de Pernambuco :
Faco saber a todos os seus habitante*
que a Assembla Legislativa Provincial
decEetou e eu sanecionei a resolugao se-
guinte :
Art. 1." Fica o presidente da provincia
autorisado a conceder, por praso impro-
rogavel de dez annos, privilegio a quem
mais vantagens offerecer para montar, nes-
ta provincia, a primeira fabrica de cimen-
to preparado com materia do paiz.
Art. :." O cemento produzido pela fa-
brica de que se trata nao gosar de isen-
cao di: imposto algum nn:n de quaesquer fa-
vores directos ou indirectos que tenhar':
por fim prohibir a entrada ou venda na
provincia de producto animar, nacicnal ou
estrangeiro. ,
Art. 3."Se no fim de dous annos, a
contar da data da presente le, nSo esti-
ver a mesma fabrica funecionando regu-
larmente, a actual concessao de privilegio,
ser ipso facto considerada caduca.
Art. 4. Fiiam reyogadas as dispos*-
(,.oes em contrario. Mando, prtanto, *.
todas as autoridades a quem o conheci-
mento e execucilo da presente ResolucJ'
pertcncer, que a cumpram e facam cum-
prir tao inteiraraente como n'ella se con-
ten.
O Secretario Interino da Presidencia
desta Provincia a faca imprimir, publi-
car e correr. Palacio da Presidencia d*-
Pernambuco, t de Maio de 1889, <38. da
Independencia e do Imperio. (Assigna-
do).Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Sellada e publicada a presente Resolu-
cao, n'esta Secretaria da Presidencia de
Pernambuco, aos 6 de Maio de 1889.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
do Olvera An-
de orphlos e a-
il Dr. Joaquim Correia
dra i. juiz do direiti
sontas na conuuva do Reeife e seu temo
em Pernambuco, por 8. M. O Impera-
dor o Senhor D. Pedro II, a quem Deus
guarde, Me.
Kai'o saber pelo praseMe edital que tendo se
arre adado por e?ln juizo. a requeruneuto do
cnsul de Portuii i o espolio do finado portu-
guez Kaiil'o Soares, s5o chamados os credore.s
para justitiearem os seus crditos dentro de um
anno, a coatar de 12 de Julho passado.
K para que chegue ao conhecimento dos in-
tres-ados se pa^ou edibtes, sendo publica-
do pela impreiisa e afflxado no logar do cos-
tume.
Dado e passado nusta cidade do Recc. aos
de Agosto de 1889.
Eu, Francisco de Siqueira CavaJcante, eseri-
vao, sobscrevi.
JijiUjuim Correa de Olivcira Andrwli'.
-
Renda fteral
0o dia 1 a 12
dem de 13
312:854*094
24.243*627
Renda provincial i
Do dia 1 a 12 35- 809*253
dem de 13 2:198*067
337:098*321
38:0074320
Somma total 375:105*641
Segunda seccSo da Alfandega, 13 de Agosto
de 1889.
8thesoureiroFlerencio Domingues.
ebefe daseccSo -Cicero B. de Mello.
trecbedoria Ceral
Do dia 1 a-42 t'-.407*618
dem Hff 13 2:220*832
16:628450
RccebedA-ria proTinclal
Do dia 1 a 12 li:843*3
dem de 1J 791*542
----------*- 13:636*565
Reeife Uraioage
Do dia 1 a 12 :740*554
dem de 13 1::WS577
DECLAEACOES
Derbv Club de Pernambuco
Rs;o aos Srs. possuidores de convites annuae-
paro as corridas do Derby em 1889, o obsequia
de virem, a esta secretaria, at sexta feira. lod?'
correte, trocar os seus cartes por outros d
modelo differente, ticando desde j, sem etfeito
os que nao forcm substituidos.
Secretaria do Derby Club de Pernambuco, 11
de Agosto de 1889
O gerente,
Henriquc ScttUI.
Assoclavo dos Umpregados no
Commercio de Pernambuco
De ordem do Sr. presidente convido os Srs.
consocios para assistiren a sesso ordinaria, na
quarta-feira 14 do rorrete, s 7 1/2 horas da
noite, na sede social a ra do Imperador n. 3*.
Io andar.
/sonrio Olympio Chaves dos Santos
1 secretario.,
11:138*131
Mercado municipal de *. Jo
O movimento deste mercado no dia 12 de Agos-
to foi o seguinte:
Entraram :
40 12 bois Pesando 5.522 kilos.
383 kilos de peixe a 20 ria 7*660
115 cargas com frinha a 200' n':is 23*000
6 ditas cora feijSo a 200 ris 1*200
9 ditas de milho a 200 ris 13800
7 ditas de fructas diversa3a 300ri3 2*100
11 taboleiros a 200 ris 24200
12 suinos a 200 ris 2*400
28 matulos com legume3 a 200 ris 5*600
Foram oceupados:
26 columnas a 600 ris 15*600
1 escriptorio a 300 ris 300
26 compartimentos de farinha a 500
ris 13*000
25 ditos de comidas a 500 ris 12*500
80 ditos da leguines e fazendas a
400 ris 32*000
15 ditos de suinos a 700 ris 105 8 ditos de fressuras a 600 ris 4*800
43 talhosa2* 86*000
Rendimento do da la U do cor-
rente
220*660
2:335*220
Foi arrecadado liquid at hoje 2:53o*880
Precos do dia : ,
Carne verde de 0f a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a U ris idem.
Sainos de 560 a 69 ris idem.
Farinha de 500 a 80 ris a cuia.
Milho de 360 a 400 ris idem.
F,eiao de 1*000 a 1*200 idem.
Matadonro publico
Neste estanelecimento foiam abatidas para o
eonsumo de hoje. 89 rezes pertencentes a diver .
ses marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE AGOSTO
Sul........... P. do Grao Para...
Europa....... VUlede Pernambuco.
Hamburgo---- Valparaso........
Norte......... Maranhao.........
Sul........... Galicia............
Sul........... Advanre..........
Norte......... Finance ..........
Europa....... La Plata..........
Sul.......... Alagos...........
Sul........... Neta.............
Norte......... Espirito Santo.....
Sul........... Para.............
Europa....... Don..............
14
14
14
14
14
15
15
fi
18
24
27
29
Vapores a san Ir
MEZ DE AGOSTO
Sul......---- Maranhao......... 14 as 5 b.
Santos e esc Vle de Pernambuco. 14 as 3 b.
.Santos e esc. c Valparaso.......14 as 2b.
Liverpool Galicia.....^___ 14 as 11 h-
Bueuos Ayres. La Plata.......... 16 as :!b.
New-York.... Adcance.......... 16 as 4 h-
Sul.......... Finince........... 16 as 4 b
Femanuo___ S. Francisco....... 17 as 12 b.
Norte........ Alagos........... 18 as 5 h
Southampton. Neva............. 18 as 3 b.
Cear e esc... Ptrapama......... 22 as oh-
Sul.......... Espio Santo.....24 as 5 h.
Norte. ...... Pmra.............28 as 3 h.
Sul....'..... Don.:........... 29 as 3 b.
Uovimeao do porto
Yavios entrados no dia 13
Rio de Janeiro6 dias, vapor inglez Avon, de
706 tonelodas, commndante Thomaz Jenkin,
equipagem 19, carga varios gneros; a Wil-
son Sons & C.
Montevideo20 dias, barca norueguense Sampo',
de 748 toneladas, oapitao S. Soreason, equi-
pagem 14, em lastro; ao cnsul.
Nimios sabidos no mesmo dia
CearHiate nacional Victoria, mestre Manoel
Duarte da Sijva, carga varios gneros.
Rio Grande do Norte Hiate nacional Genquity,
mestre Joaquim H. da Sveira, carga varios
gneros.
t

y



:
9.' ecrito. Krcretart: da Pr<-iU<-n
ca '< l*kiuHmi>m..
lo l**o
'O Exui Ihciro [>re. idente da pnffln-
ca, de ordiMi de S. Exc. o Sr. conselheiro Vis-
conde de Guio l'reto, Mini-vtro e Secretario de
astado dos Negocios commercio de Pe.-nambuco
Diario de Pernambueo---Quarta-feira 14 de Agosto de 1889
a
de
ver.
Sncrorro di Per-
nambuco
^^\bril de 1887, bco publico que prescre-
m 20 do correte" mez. o.-Tsalrlus dos
'mais interesados, 'inores H|ri j(, d s. -ah-w;.
que .retara reeebem-se al 31 do cor ment em^tf^Z le 1884 corresiHH den
rcnll! w a tarifa das Alfandegl 1 tes a* caulfcf?, .A,f1q o 8 il r S
e regularaenios reiro d- **
jvos aos mnostoi de industrias e
m de seren consideradas i:a revisan a que
Tai proceder u Mim torio da Kazenda.
o m (rehiri,
Francisco CfiapoUo Slann.'iu de ''our.n.
LnJ' -re" j S-077..8.I,.3U 8.43o 8.40 8.S2 e 8.(83,
aS??a se1^'^:n>^^or,ceb..rem at este d,a.
If 11 II I i 1 11 n. \\ I
Secretaria da venerave l or-
dera 3.' do Seraphico P. S.
. Franci seo no Recife. i 0 de
Hccife, 6 de\j0sl0 de 1889.
0 trente.
__'elino I). rerrtira Cnllm.
Praz^le* ^Ulias
Agosto de 1889
De OMeni do canssimo iriniio ministro, con-
vido a todos os m-sos carissimos irraSos era
geral, para assisiirein a raima que se celebrar
com a pompa possiM na quinta feira 16 do cor-
rente ni-1 <-:ii louvor N. S. da Ajuda, padroei-
ra dos uoucos, e na qual pregara o serraao o
distincto orador sacro Revm. Fr. Pedro.
Outrosim con\ido a lodos os senhores candi,
datos approvados^iara entrare;;; de innaos eaos
nossos carissimos innaos novicos approvados
paia profes-arei. 'comparecerem uns e outros
no referid) dia, pelas 9 horas da manila alitn
de realisarem suas miradas e prnlis-Oes.
O ex-iinnistro secretario
Josi^ Clenmotiao Bteariqoes da Silva.

\\\iinspectora de^ Alfa-U-ga se faz publi-'
po que, as H boras do.i;: u
brt nn.louro, serao arr^la,.fca ,,,.,., ih ir;l.
piche Barao ao Livraroen, TAsseailila'
iios voluntes I
. a- '
M aliando-
os ou con-
retirorem
Colonia Portug-ueza
Deliberando o Instituto Archeolo;*ico c Geo-
graplneo Peroambocano, offerecer C donia Por-
tuguesa um exetnplar da medalha. que o mestuo
Instituto inandou ctmbar era coramemoraco da
lei que aboli a escravido no Urazil : e*deven-
do effectuar se a entrega da referida medalha,
ao meio da de l." do corrente, nos saloes do Ga-
binete Portuguez e Leitura. convido a todos
Os membros da Cotona a coraparecera no lu'ar
indicado, alim de con suas presera-as tornar
mais siinilicativo tao solemne acto.
Recife, 12 de Agosto diM88 M'i/iiel Jos Alees.
Presidente do Gabinete Porlugoez.
Segunda praca
Pela inspectora desta Alfande^a se faz publi-
co que as II horas do dia 16 do corrate mez,
ierao arrematadas era pra$a a porta desta ijepar-
tico, as inercadonas abuso deela-adas :
Dous fmlos. marca JF ns. i0eH, vindos de
Liverpool no vapor injrlfi Seholar, entrado em 5
do mez de Julho ultimo, coutendo sa eos de ca-
ohamago, usados, pesando 899 kilorammas,
abandonados aos direitos por Julio Fuersletn-
bern.
Cinco caixas, marca FSC n.<. 3 a 7, vindas de
Mew-Yorfc no vapor americano Al lianza, entrado
em 6idem dem, contendo a de n. '.\ urna estante
de madeira ordinaria co'n gavetas de papelao e
as demais livros impressos brochados, pesando
liquido le^ial 546 kilngrammas, abandonadas aos
direitos por Faria Sobrinno 4 C.
Trinia e seis grades Diarca a e contramarca
HSP, ns. 1 a 18 e 21 a 38, viiWas de Liver|iool
no vapor mgle Delumbre entrado em 16 de
Abril do corrente anno, contendo botijas de
barro ordinario, vilradas, pesando liquido real
4,896 kilogrammas, abandonadas aos direitos
por H. J. Permann.
3.a seceo na Alfandojra de Pemambuco, 12 de
Agosto de 1889. O chefe
___ Domingos Joaquim da Fonseca.
Arrema ta^ao
Sabbado 17 do,corrente, linda a audiencia do
Exm. Sr. "r. juiz de direito do civel, ser ven-
dido em praca publica uiTi sitio com fructeiras.
casa de vivenda, chao fireiro. avahado por
1:00 ', por execocSo do cnsul de Portugal na
qualida^e de liquidante do espolio de ManJel de
Larvallio lloara contra a viuva e herdeiros do
major Mjnotd Ferreira Escobar. Escrivo Cu
nha.
ecrt'luri da in^irnmio publica, i *
de AkoIo ucisvi
Prazo de W dias
H. 105 De ordeni do Sr. Dr. inspector geral,
fago saber as professoras removidas, a peiido,
por portara de 8 do corrente, Marcolina Furta-
do da Silva Cabral, da cadeira da extrema da
ra Imperial, para a do sexo feminino de Jato-
ba em Tacarat ; e Carolina Mil tana de Carva-
Iho. da mixta da cidade do Cabo, para aquella,
2ue fica marcado 1.a o praso de 60 dias e 2.'
e 30, a contar da uata da nomeago, para assu-
mirem o exercicio de suas novas cadeins.
O secretario,
PergenUno Saratva de Araujo Galvo
Thesouraria de Fazenda
De ordem do Illm. Sr. inspector, fajo publico
que, ficando adiada para 16 do corrente a sesso
da junta desta thesouraria, nesse dia que se
realisar a arrematagao dos medicamentos e ar-
tigos para Fernanco de Noronha, constantes da
relacao publicada com oedital de 9 destemez.
O recebimento das respectivas propostas ter
tugar at o mesmo da 16, s 11 boras da manh
Recife. 13 de Agosto de '889.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna-
as seguidles menadorias,^
abalxo mencionados, nos t
pilulo 5o da consolidajau
|gu e mesas de reas, se
sigaatarios nao as despart;
no rtfe:ido prazo de 30 dias, KTar iV'dl
deste edital, sob pena de, lindo o nesmo p'racn
serem ven lidaa por sua conta 8e5ue Ibes li-
quv direito de allegar contra os bIWuh desta
venda:
Trapiche Bario doJLrvrajci
Marca F. v <:. Dcz t>M s, viudas do L'riboa
no vapor insta Mmvur, entnidas un : i|
Agosto da 1888 crascitadas jt Fcroande- \ \r-
miio. ciditend,. vinlw tinto coioqium, uiedindo ti-
quido legal 4 606 litros.
Marca F. \ C -z Harria de- quinto, idem,
lUVn, ixMteotfu tinto timo fommum, mediudo
IiquiJo legal 882 litros:
Marca C. A. Duas pipas idem, Mein, consto-
nadas a Gonyalves Rosa Fernandes. contendo
vinho tinto cnuiuiura. uiedindo liquido lejial 922
litros.
Ilem.-Vinte barris do quinto, idem, idem,
contendo vinho linio commum, medinao liquido
leg.il 1,764 litros.
Marca M. 1. lira barril de dcimo, idem, idem
cousicoado a Joaquim Felisberto da Cruz Braga.
contendo vinho commum. raedindo liquido legal
40 litros.
Marca S. L.Cincoenla e sete barris de quin-
to vindos de Lisboa no vapor inglez Sculptor.
entrado em 17 de Setembro de 1888, consigna-
dos a Manocl de Canuto Mediros, contundo vi-
nho tinto commum, medrado liquido legal 3,028
litios.
Marca S. B. A. & C.Trinla barris de quinto
vindos do Porto na barca brazileira Marinho
II, entrada em 7 de Novembro idem, consigna-
dos a Souza Basto. Amorim de C. contendo vi-
nho tinto cummum medrado liquido legal 2.646
litros.
Marca S. F. & C.-I)e2oito pipas vindas de Lis-
boa no vapor france.z Ville de Maranluio, entrado
em 15 de Dezembro idera, consignadas aos mes-
aras, contendo vinho tinto commum, medindo
liquido legal 8,291 litros.
IJtemDez barris de quinto idem idem, aos
mesmos, contendo vinho tinto commum, media-
do liquido legal 90f) litros.
Marca A. R. e estrella era baixo Dezeseis pi-
a-, idem idem, consignadas a Fernandes da
osla & C, contendo vinho tinte commum, me-
dindo liquido legal 7,370 litos.
HeraVinte barris de quinto, idem idem. aos
mesmos, contendo vinho tinto commum, medin-
do liquido legal 1,800 litros.
Marca C. P. & P.Oilo pipas, idem idera, con-
signadas a Souza Basto, Amorim & C., contendo
vinho tinto commum, medindo liquido legal
3,685 litros.
IdemCinco barris de quinto, idera idem, aos
raesraos, contendo vinho tinto commum, medin-
do liquido legal 450 litros.
Marca A F.Dez inteiros c 15 meios barris.
vindos do Havre, indera idem, aos mesmos, con-
tend) raanteiga de vacc?, pesando liquido legal
564 k i lograra mas.
Marca D.. contra-marca diamanle e B. no cen-
troDez inteiros e 20 meios barris. idem idem
no vapor francez VUle. de Pernambue/i, entrado
em 2! de Novembro idem. contendo raanteiga
de varea, pesando liquido legal 644 kilogram-
mas.
Trapiche largo da Assemblca
Marca A.ijuinze barris de quinto, vindos de
Liuboa no vapor ingles Scholar, entrado em 13
de Outubro idem, consignados a Joao Fernandes
de Almci la, contendo vinho tinto commum, me-
dindo liquido legal 1,350 litros.
Marca D. D.Dous barris, idem idem, or-
dem. contend Azeile doce, medindo liquido le-
gal 440 litros.
Sera marca Duas mil olloceo!as e des boti-
jas vastas, vindas de Hamburgo no lugar norue-
guense Sr/m completamente quebradas, consignadas ordem. 2
3.* secco d'Alfandega de Pemambuco, 10 de 3
Agosto de 18R9. 4
0 chele, 5
Itomingoi Joupuim da Fouseec.
SANTA ISABEL
Eiiipreza dos artistas
EDUARDO RODRIGUES E HELENA BAIiSEMAO RODRIGUES
=#=
QUE SE REALIZAR
h
Qninla-feira 1S de A
t.
.tomt-n

PClIUN
intua
lid.
Cor da vesti-
menta
I*roprietarlo
1. pareo 'omolacao Primeira turma-800 sjetros.Animae3 da provincia que ainda nao
tennam ganho em 1889. Premios : OO ao 1., 40 ao 2." e 20* ao 3.
Lucifer------
Caifaz......
King.......
Pharisen ...
Potos......
EOlo ........
Berlim......
Delegado
Pierrot.......
Soberano -
Atheu......
Muscadim
Atchim.....
Vida Alegre.
Marat.......
Rodado.....
Cas>anho....
Cachito
Castanho ...
Baio.......
Cardao .....
Castanho ...
Baio........
Castanho...
Russo......
Rodado .....
Pernamb.
Parco15 de Agoto1260 metros Jlnimaes pelludos
e 35 ao 3"
Grenat e ouro.......
Aaul e grenat.......
Rosa e ouro.......
Azul, ene. e bo. pret.
Grenat eouro.......
Grea, t
Branw
Grenat e ouro
Xadrez
*
Ouro e branco.......
Azul e grenat.......
Encarnado e branco..
l'cba & C.
J. G.
S. B.
T. Pernambucano,
L. P.
Gndelaria Riachuello
Jos Cavalcante.
J. M. M.
Coudelaria Progreso.
C. Jockev Club.
A. F. C.
P. H.
J. L. de Matto?.
Coud. Imperial.
Coudelaria Demcrata.
D,lRi:CCAO DO ACTOR
ESPECTCULO EM GRANDE GALLA
Para festejar o feliz regresan de 8. A. o Sr.
' CONDE D'EU
E COM A PRE3EXCA DE SLA EXC. O SR. PRESIDENTE
Hoje! Hoje! Hoje!
PROGRAMMA DA .FESTA
HYjMNO NACIONAL
Cantado pelas actrizes D. BALSEMO, D. ALIVERTI, e o coro por toda a
companhia.
*\
Em scena aberta duas bandas de musjea sob a regencia do distncto professor
CANDIDO FILHO executarao O iiliRAW
3.
O 1." acto da explendida comedia de SARDOU
ssssl
Os D
imins Cor
Cor de Rosa
Gallileu.....
Attila ex-Or-
phir......
Ayinor
Recife.....
Favorita -. .
Cometa.....
Alazao......
Rusilho
Castanho-----
Zaina .
Alazao.
1". 601 ao 3'
S. Paulo..
R. de Jane.
*
S.Paulo...
do paiz. Premios : 30/ ao
R
:,0
Si
H
H
:'i
Ouro e preto .
-\zule ouro......
Verde e amarello.
Coud. Fraternidade.
Coudelaria Venturosa.
P. V.
S. P.
Maia & C.
Coud. Luzo Brasileira.
3." Parcoanfmat-ao 900 metros.Aiimaes da provincia que nao tennam ganh em
distancia superior a 1,000 metros em 188. Premios : 200 ao i., 40.1 ao o 20- bo 3.
S. R. J.
S. R. C
Woeiedade ftecreativa Commerrinl
Sarao trimestral em 17 de Agosto de 1889
Scientifico aos senhores socios que os ingres-
ara este sarao o recibo do mez de Agosto
Para evitar duvidas previne se que nao se ad-
mitiera aggrefiados
Secretaria da Sociedade Recreativa Cummer-
cial em Pemambuco, 14 de Agosto de 1889.
O I" secretario
A. M. Torres.
Club Internacionaljdo Recite
Sabbado, 17 docoarenle. ter lugar a sesso
-le posse da nova directora, pelo que sao con-
. lados comparecerem na sede do Club, s 7
no: as da noite, do referido dia. os socios elei-
tOB.
Em seguida haver o sarao do costme.
Trem para Apipucos e bonds para Magda-
lena.
Recife, 13 de Agosto de 1889.
.-trlAMr de Souza Carialho.
Secretario.
S. R. C
Vociedade Bccroativa Commercial
.Sesso magna e baile para solemnisar a ras-
ta lar o da sociedade e abertura de sua biblio-
theca. em 7 de Setembro de 1889.
Participo aos senliores socios que quizerem
tomar parte oeste baile, que desde j podem
procurar a lista em mo do Sr. thesoureiro.
Secretaria da Sociedade Recreativa Commer-
ial, 7 de Agosto de 1889.
O 1 secretario
Adolnho Mendes Torres
Companhia Amphi-
. trile
Paga actualmente um dividendo de 6O00 por
:icSo, com referencia ao ultimo semestre lindo
ni 30 de Junho prximo passado, cm seu
scriptorio ra do Commercio n. 48.
Beeir, 6 de Agosto de 1889.
Os directores,
Antonio Harqnes de Amorim.
Manoei Jos; da Silva Guimares.
Joaquim Olinto Bas os.
IndemDsadora
Esta companhia de sepnros est pagando um
lividenlo de 15*000 por acclo. reiativ-o ulti-
iio semestre lindo em 30 de Junho prximo pas-
i sado, era seu e?c iptorio na do GdBimercio
numero 44.
Recife, 4 de Julho de 1889.
Os directores
Joaquim Al\es da Fonseca.
Antonio da Cunta Ferreira Baltar.
Nocledade Bt*cr^atia Juventud*
Soleranisro do 25.* anmversario de sua ins-
tallaco, e 2." do da sua baada musical, em
14 de Agosto.
Conviles em mo do presidente ; a lista os se-
nhores sociosr'ncontrarao em mo do thesourei-
ro ; nao se admitte agregados.
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude,
8 de Agosto de 1889.-0 2- secretario
Antonio F. Lopes.
Gabinete Portug'uez
de Leitura
Fewla anntverwarla
Solemnisando'vsta insttnieo o 38. anniver-
sario da abertura de sua bibliotheca com uina
KiesMo mutua que ter lugar no dia 15 do
corrente ao raeio dia, em uorae da directora,
lenho a honra de convidar para usfcistireto a
esta festa todos os senhores assoeiads.
Igualmente convido as sociedades, cavalhei-
rose familias, a cujas raaos t:fu tivessem che-
nado os convites expedidos cela directora, es-
perando que todos era geral nao deixaro de
abrilhantar com suaf presenezs o referido acto.
No mesmo dia, das 6 horas da tarde s 9 1/2
da noite estaro abertoi ao publico os salos do
Gabinete.
Recife, 10 de Agosto de 1889.
O 2- secretario
_____________JoSo V. C. Alfarra.
Thesouraria de Fazenda
De ordem do lllm. Sr. inspector ponho em
concurrencia a orrematafuo, que Ser realizada
com quem melhores vantaKens olerecer, perante
a junta d'esta Thesouraria. em sesso de 14 do
orrente, dos medicaqjeutos e artigos necessa-
,-ios pharraacia do presidio de Fernando de
Noronha.
Os concurrentes apresentaro as suas propos-
tas tm cartas -selladas e 'echadas at a vespera
do citado dia, as quae farao a declaraco de
que se obrigam s despesas de transporte at
serem recebidos os ditos intflicamento.se artigos
n'aquelle presidio.
120 kilos de assucar de 1." qualidade.
24 garrafas de acido carblico, liquido.
6 kilos.de alfazema.
2 ditos de araroba.
2 ditos de angico,
4 ditos de ail estrellado.
1 dito de chloral hydratado.
10 ditos de chlorureto de cali.
36 frascos de elixir de Cabeca de Negro feito
pelo Dr. Santa Rosa.
4 kilos de eucaljptus, fls.
10 ditos de man?.
10 ditos de oleo de ricDO.
5 ditos de oleo de ameqdoas doces.
48 oculos de vidros cncavos e escuros,
2 kilos de pasta de jjuba.i
24 frascos de pilulas de Bristol.
24 ditos de pilulas de Ayer.
1 kilo de quassia rasourada.
2 ditos de raz de valeriana.
10 ditos de sulfato de soda.
36 suspensorios testiculares de ns. 10 a 12.
24 garrafas de >ioho de Chaseaing.
12 frascos de xarope de Labelonye.
12 ditos de xarope de Easfa-
Thesouraria de,Fazenda dJFPernBibuco, 9 de
Agosto de 1889.
0 secretarte da junta,
Dr. Antonio Jos de Santa Atina.
Porabo Preto
Guarany 2".
Kuaiaca------
Good- m o r
ning. ...
Tupy......
Sneca .....
Cachito
Rodado
Russo......
Rodado .....
Baio.......
Russo pedrez
Pernamb..
08
54
56
58
56
56
Branco ............
Branco e encarnado..
Encarnado e azul___
Azul e branco......
Encarnado e branco.
A.B. .
J. M.
A. P. M.
Rufino Cardoso
F. C Rezende.
M. P.
4. Pareo.-
Minerva
Fagotin-----
Castiglioni.
Diana.....
Eanani .....
Apollo.....
Josephus ...
-Prado Pernambucano-1,609 metros. Animaes de qualquer paiz.
Premios : 5005 ai 1, 1001 ao 2." e 30* ao 3.
Douradilha.
Alazo -----
Zaino......
Alazo......
Zaino......
Alazo......
Castanho-----
S. Paulo-.
Frang ...
IX
a
Inglaterra
B. da Prata
Franca ...
50
59
65
Azul, branco e ene...
Azul c ouro........
Azul e grenat.......
e ouro.........
53 Azul
5
57
9
Grenat.
Coudelaria Cruzeiro.
Coud. Internacional.
F. S. & Bastos.
Coud. Internacional.
Artnur Silva.
Dr. J. de S.
O. Guimares & C
pareoVeloeldade1300 metros Alienaos da provincia que nao tenham ganho em maior
distancia em 1889. Premios: Mi ao 1, 40* ao 2- e 203 ao 3
Good- m o r -
nmg...... 3 Rodado..... Pernamb.. 54 Azul e branco.......R. Cardoso.
Atheu..... 5 Castanho 54 Xadrez...........A. F. C.
florete..... 5 54 Encarnado e branco. F. Freir.
Village..... 8 Mellado..... 54 H. W.
Sneca..... 6 R. pedrez... 54 Encarnado e branco.. M. P.
Iguarass.. 4 Alazo...... 52 M. P. F.
6." PareoImprenta s*ernambucana1,400 metros:Animaes de qualquer paiz que
nao tenham ganho" oestes ltimos tres mezes neste' Prado. Premios : 'i00 ao Io, 60
ao 2" e 405 ao 3.
Falstaff, ex-
Herorea ..
Brasil......
Stephanie ...
Ernani.....
Africana.....
Gallia......
Cynira.....
Fagotia -----
Castanho- -
Alazo.....
Castanho...
Zaino .. ..
Alaz......

Alazo.....
Inglaterra. 50
Franca .. 50
Inglaterra 50
54
R. da Prata 54
Inglaterra 52
50
Franca ... 34
Branco e verde......
Azul eouro.........
Grenat.............:
Rosa c preto.....
Branco c preto.......
Ouro e branco ......
Branco, preto e ene...
Azul e ouro.........
A. F. A.
Coud. Independencia.
Coud. Temeraria.
Artnur Silva.
Coudelaria Riachuello
Coudelaria Emulaco.
A M.
Coud. Internacional.
7.* PareKmulai-ao-4-1.Voo metrosAnimaes da provincia.
2" b 25 ao 3"
Premios: 2.'i0> ao I", 60 ao
Arumary .>
5
Guarany 2.... 4
Caifaz...... 0
Templar 5
Village..... X
Delegado ... o
Beberibc...* 10
Contra Regra 5
Humilde 10
Alazo......
Russo......
Rodado .....
Castanho..
Rodado .....
Mellado.....
Castanho
Russo--------
aio......
Russo pedrez
Pernamb..
0
34
32
34
38
54
54
54
54
54
Violeta e ouro......
Encarnado e preto...
Azul e grenat........
Branco ............
Grenat..............
Encara, preto, e ouro
Rosa e ouro........
F. S. & Bastos.
Coud. Pernambucana
Jos Mello.
J. G.
J. F. F.
I. G. L. P.
J. M. Mariz.
Coudelaria Beberibe.
Coudel. Fraternidade
M. N. F.
(?) Montado por amador.
OBSERVARES
s
Os animaes inscriptos para o primeiro pareo devfem achar-se no ensilhamento
9 Ij2 horas da manh.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-se no ensilhamento
urna hora antes da determinada para o pareo em que tiverem de correr.
Os forfaits sero recebidos at quarta-feira, 14 do corante, s 3 horas da tarde.
O animal inscripto em mais de um pareo, que deixar de correr no primeiro,
nao correr no Begundo.
Qualquer reelamacao sobre corridas dever ser apresentada por escripto
directora.
DeBempenhados pelos artistas D. BALSEMO, D. Aliverti, D. Josephina e
D. Angelina, Srs. C. .Lisboa, E. Rodrigues, J. Rocha, |L. Franca, S. Teixeira e
Bibiano.
4.
MIlc. HEDWIG STELZLE cantar a grande aria do FIDELIO DE BEE-
THOVEN.
.
S. acto da comediaDMINOS COR DE ROSA.
."
O romance da opera MU HJON de A. TJTOMAZ IA GITA IX Gndola
de ROSSINI.
Os acompanhamentos ao piano serao feitos por Me. PAULINA DOEDERLELN
% e ultimo
3. acto da comedia DMINOS COR DE ROSA.
i- ni
A orchestra ser dirigida pelo hbil e distinelo professorA NTONIO MARTINS
Nos intervallos tocarao todas as bandas de msica.
A' chegada de Sua Alteza estar formada a porta do Theatro urna guarda
de honra.
Principiar as 8
, Os bilhetes de camarotes de 3.a ordem, cadeiras de 2.a, plateas paraizo
venda desde j na bilheteria do Theatro de Santo Antonio e no dia do espectculo
no Theatro Santa Isabel.
Haver tens at Apipucos e bonds para todas as Iinhas.
PRCOS DO COSTUME.
Principiar s 8 horas.
-
Banco de Crdito Real
de Pemambuco
Nos termos dos arts. 5o e 6o dos estatutos, sao
convidados os Srs. accionistas realizaren) at
o dia 31 do correle mez, na sede do Banco
roa do Commercio n. 34, a 6 entrada de 10 .0
do valor nominal de suas acedes.
Recife, 1 de Agosto de 1889.
-Os administradores,
Manoei Joao de Amorim.
Antonio Fernandes Ribiro.
Luiz Duprat.
Irmandade
doSS. Sacramento da matriz
do Corpo Santo
Mesa oral
De ordem do Irmo juiz, convido a todos os
nossos irmos para comparecerem em nosso
consistorio no dia 16 do crrante (sexta-feira). a
1 hora da tarde, alim de reunidos, elegermos os
novos tunccionarlos para o anno compromissal
de 1889 a 1890, visto os eleitos ltimamente nao
acceitarem.
H. da Silva Loyo
Escrivo.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
No dia 15 do corrente, pelas 10 boras da ma-
nh, na igreja de N. S. do Paraizo, ser celebra-
da a festa da mesma Senhora, padreeira da ir-
mandade, com missa cantada pelas educandas
da casa dos expostos, e sendo a tribuna sagrada
oceupada pelo prepador da capella imperial Fr.
Augusto da Immaculada Conceicao Alves. Con-
vida a junta a todos os irmos para comparece-
rem a esse acto.
Nao haver exposico do estabelecimenlo ao
publico.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 12 de Agosto de 1889
O escrivo.
Pedro Rodrigues de Souza.
THEATRO
Companhia
Imperial
BE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercaderas
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizot.
CAPITAL
ns. 16,000:000^000
AGENTE
BROWXS V C.
N. 5RA DO COMMERCION. 5
"SMROS
martimos comba fugo
Companhia Phenlx cr-
nambncana *
RA DO COMMERCIO N. 38

HORARIO
Encerramento da venda d poules

i.
2."
3.
4."
5.
6.o
7.
pareo.llh.50
12.40.
1.20.
2.10.
c 2.55.
t 3.40.
4.30.
Corridas
12".
12.50
1.30
8.20
3.5
3.50
4.00
PRECOS
Geraes.......
Entrada e archibancada
Entrada, archibancada e ensilhamento
CartSes de familia at 5 pessoas
Ensilharnento
Differenca para archibancada .
Recife, 12 de Agosto de 1889.
10000
20000
30000
50000
20000
10000
O GERENTE,
Francisco de Souza Res.
Domingo, 18 do corrente
Gramil* festa artstica en bene-
ficio do actor
L Y R A
Depois que a orchestra tiver execulado urna
das suas melhores ouverturas, subir scena
pala primeira vez a importante comedia em 1
acto, original brasilciro *
VHtfDO DE PARS
Ssguindo-se a representaco da espirituosis-
sima comedia em 1 acto, original porlnguez
i m$M
Logo depots ser exhibida a nova e importan-
te comedia em 2 actos, original portuimez
KXKMPLD A GASABOS
Terminar o espectculo com a representaco
da engranada e espirituosa comedia em 1 acto,
ornada de msica, original brasleirc,
imm CHiNG-dUNG
Tomara parte neste espectculo os artistas
A. Peres, Pacheco, Manhonca, Julio e as Sras.
DD. Rosa, Honorina' Amelia |e laria Carolina.
O pequeo numero de bilhetes que existe en-
centra se em mi do beneficiado,' e' no dia do
espectculo no escriptorio do theatro.
Principiar s 8 Jhoras,
CONTRA FOGO
The Liverpool k London k Globe
IXTSURANGE CDMPANT
21AC22M. 1TSSSSAU Si c.
Ra do Commercio n. 3
Companljia te $bt%mo8
mm ::::
NORTHERN
de Londres e Aberdaen
Psito tinanceira (Dezembro de 1885^
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aecumulados 3.134,348
Recelta annnal :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John H. Soxinell.
Companhia de Seguros
AGESTE
Miguel Jos Alves
iV. 9Ba do Bom Jeu-1*. 1
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhia
nesta praca que concede aos Srs. segurados semp-
gao de pagamento de premio em cada stimo
auno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de 15 por cento em favor dos segurados
StGLRO CONTRA FOGO
Rojal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL 9.000:000
AGENTES
R.DEDRUSLNA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal sendo
em Lisboa ra dos Capellistas n. 75. lo
Porto, ra dos Inglezes.
*^a*k








,-
I

I

-j.

i
Ilf DEMMIS AD ORA
Cempanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Katabe-Iectda m 1*55
CAPITAL 1,000:000^000
SINISTROS PAGOS
At 31 de DezembrodclSSl
Mari timos.. 1,110:000#00C
Terrestres. 316:000#0(>0
44Ra do Commercio44
DO
Capital.....?0,000:000|}(>00
dem realisado > 15,000:000)('00
A caixa filial deste Banco funcciona
ra do Commercio n. 42, aacca, vista ou
aprazo, contra os seguintes correaponden-
tes no estrangeiro.
LondresBanco Internacional do Brazil.
ParisBanque de Pars et des Paya Bas.
LondresLondon & County Banking Oom-
pany Limited.
AUemanhaDeutsche Bank.
BlgicaBanque d'Anvers.
ItaliaBanca Genrale e suas agencias.
HespanhaBanco Hypothecario de Espa-
a e suas agencias.
PortugalBanco de Portugal e suas agen-
cias.
Rio da PrataThe London & River Pa-
te Bank Limited.
Nova YoriG. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrala de
movimento coni juros na razo de a/0 ao
armo e por letras a prazo a juros conven -
cionados.
O gerente, miliam M Webster.
United S and Brazil
M. S. S. C.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos u-
sul al o da 15 de Agost
o qual depois da demo-
ra DiCcssana seguin
para u
Para, Ifanbados, Martinique. t.
'i'hoianz c Vcft-Vork
Para passagens carga, encommendas e di-
nheiro a Brete, irat-se : cotn os AE.YfES.
O vapor Finance
E' esperado dos portos do
norte at o dia 15 de Agos-
to o qoal depois da de-
mora necessaria seguir
para u
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e ai-
aheiro a trefe trata-He rom os
AGENTES
Herir v Forster & C.
8Ra do Commecior8
1* enriar
MARTIMOS
Royal Mil Steam Packet
Companhy
O vapor La Plata
Commandante A. H. Dyke
Espera-se da Europa at o dia 16 de
'Agosto, segurado depois da denio-
ra do costume para
aceio, Baha, Rio de Janeiro
Santos. Montevideo e Bucnos-
Ayres.
Para passagens, fretese enconunmdafr'rala-
Be com os AuENTES.
O vapor Neva
Commandante G. M. Hicks
E' esperado dosul no dia 18 de
Agosto, seguindo depois da demora
necessaria para
Lisboa, viso. Sonthanipton e
a Antuerpia
Reduccfo de passagenn
Ida ae tolta
A' Lisboa 1= riasse l 20 30
A'Southampton t'classe 2S 42
Camarotes reservados para o* passageirosde
Peni aiL buco.
Para passasens frei.es, encommendaj, trata-se
com os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Companhia Bahiana de Na-
vegado Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Baha
O VAPOR
Principe do Gao-Para
Commandante Lacerda
Seguir para os
portos cima no
dia 17 do correa-
te as 4 horas da
tarde. i
Para~carga. passagens, encommendas e inhei
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario 17
Pacific Steam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LDE
O paquete Galicia
Espera-se do sul at o dia
14 do corrente e seguir,
depois da demora do cost-
me para Liverpool por
Usboa. Bordeaux e Plymontli
Para carga, passageiros, encommendas e di-
nheiro a fretp : trata-se com os
AGENTES
Wson, Sons C, Limited
14RA DO COMMERCIO14
coamaiAA per^akbicana
1)E
Navegaeio eosteira por Vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor S.Francisco
Commandante Eseves
Segu no dia 17 de Aeosto as 12
Inoras da maah. Recebe carga at o
'dia 16.
Passagens at as 10 horas do di da sabida.
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
12
n.
COMMIAXA E** 4MBICA A
DE
Navegacio coselra por vapor
PORTOS DO NORTE
Parakyba, Natal, Maco, Motsor, Araca-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Commandt te Carvalho
gM Segu no dia 22 de Agosto as 5
.TSJkitfci horas da larde. Recebe carga at o
&dia 21
Encommendas, passagens e dinheiro frete
at as horas da tarde do dia 22.
ESCRIPTORIO
Ao Can da Companhia Perwmbueanu
n.12
Leilo
Sexta-felra, l do corrente
A's 11 horas
Na ra estreita do Rosario n. 8
Por alvar do Exm. Sr. t)r. juz de direito da
provedoria de capellas e residuos, a requeri-
mento de Jos de S e Sonza inventarame dos
bens do tinado Francisco Antonio de Magalhes,
0 agente Modesto Baptisia far leilo do se-
guate movis:
Um sof, 1 mesa redonda, % coosollos, 1 cabi-
de, 2 mesas, 6 cadeiras de guarnigo, tuda de
amarello, 1 commoda de Jacaranda, 2 jarres, 1
binculo de martina.
Ouro e brilbantes : 1 par de oculos, 3 pince-
nez, 1 luneta, 1 relogio, 1 caixa para dito, 1 pul-
seira, 1 dita, 1 dita quebrada, t rosario, 1 cor-
rentio com 2 passadores, 1 trancelim novo, 1
ponteira. 1 Santo Amaro, 1 8. Braz, 1 afnete,
1 par de brincos. 2 ditos pequeos, 1 talher, i
colar, 1 cordo com 6 voltas 1 dedal, 1 crueili-
co, 1 cruz, 1 cadeia com 2 passadores, 1 par de
botes, 1 boto com coral, 3 anneis, 1 par de
brincos cora pedra roxa, 1 cruz com 6 briltnn-
tes, 1 par de rozetas cora 10' brilbantes, 5 cx-
nelinas.
Prata : 1 marac, 15 colheres para cha, 2 cin-
chas, 4 ditas para sopa e 1 salva.
Em seguida :
O mesino agente vender 1 armaco e diwr-
sos outros muitos movis.
Companhia Brasileira de
Nfavegacao V'apor
PORTOS DO SUL
O vapor Maranho
Commandante o eapitSo de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
E' espera dos portos do norte at
o da 14 de Agosto e depois da de-
mora tattspensavel seguir pan o
por .os do sui
As encamnwndaa wrao receidas no trapiche
iarbosa at 1 hora da (afile do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-w cora os AGENTE?.
PORTOS DO NORTE
O vapor Alagoas
Commandante Joao Mara Pessoa
r^ itv E' esperado dos portos do su at o
da 17 de Agosto e seguindo depois
da demora ndispcusave! para o?
portos do norte at Manos.
As encommendas s serio recebidas na agen
cia at 1 horada tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passa-ens e valo-
nes trata-se com o.-
AGENTES
Carneiro & C.
do Commercio=o
i" ".ndar
Agente Pestaa
Leilo
Atteiitjo
Da estaco de Allianca do Brum desencami-
nbou-se do carro da 2. classe da estrada de fer-
ro do Recife a Limoetro, tarde de 11 do cor
ente, urna lata de traauno regular, contendo
m bahuzinho fechauo a cadeiido de letras ; este
uahuzinho tem diversos documentos de interesse
exclusivo do dono da raesma lata, cujo nome
indicam ; cinco attestados d" professoras, duas
bolgas de viagem, pecas de roupa e outros ob-
jectos : a pessoa a quera por equivoco tiver sido
entregue essa lata, querendo restitoil a, sirva-se
dirigir ra das Calcadas, [resruezia de S. Jos
n. X>, ou a estaco do Brum, certa de que, alera
de se Ib* flear era extremo agradeeido, ser, de
pfompto recompensada.
Atten^o
Aluga-se urna importante casa com bastantes
comraodos para urna grande familia, com um
importante viveiro, na travessa de Santa There-
za em Olinda (lugar Pisa): a tratar no armazem
de movis ra do Imperador n. 39, das 10 s 5
horas.
Aviso a tempo
Os consenhores, tilhos do 1. casal de Jos A.
Marques, protestam contra a venda das partes
que teem na propriedade n. 44 da ra das Per
nambucanas.
A o publico
Jos Joaquim dos Santos declara que o cavailo
Boa Vista propriedade sua desde o dia 1- deste
mez. conforme consta no Stud-Book.
Bons resultados
Para provar os bons resultados d''^*1'
toral de Cambar, basta apresenta/08 au"
merosos attestados de curas firn^04 Por
pessoas dignas do toda f. 7
Vinho puro de Sa/^rem
la quinta doBf*"1. .
Os pronrietanos do Armazem/*"1; a frua
do Cabug n. 11, avisara aos s/ dlstl0C,?!'rf;
guezes eSao respei.avel pabqjg la
nova remessa deste especiuiDno' c
recommenda por ser puro dii'*va
Iha em seu armazera. /.
Telephon/ 4
e so se reta-
Libras sterlinas
na ra do Com-
De todos os objectos existentes no 6-
criptorio do tallecido commendador Ib-
mingos Aires Matheus
Sabbado, 17 do corrente
A's H horas era ponto
No Io andar sito ra do Vigario n. 1
O ageute Pestaa far leilo por mandado e
assistencia do Exm. Sr. Dr. jaiz de orphSos, dos
objectos abaixo declarados, a saber: 1 cofre
prova de fogo, grande, 1 duo pequeo, 1 car- Alta nOVldade
teira grande, 1 dita menor, 1 secretaria, 17 ^^ Z- ~ LV
caixinhas demadeira. 4o bandejas de madeira, 4S Ra DnqOV de Caila4
77 pegas de louca para crianza, 15 vasos para' por menos 30 01 do que
flores, i j' ditos maiores, 2 caixas contendo 4o ___i__A_ __<.
espadas, 3 livros em branco, 7 cadeiras, 3 mo- c
Vende-se libras sterlinas
mercio, armazera n.5.
Novos e bonitos
Porte bouqnets em seda, alta fantasa, o tam
hem de papel ; receberain ivdro Anlunes t C,
ra Duque de Caxia n. 63, Nova Espeoanca.
em outra
chos e outros objectos.
*Pereira
fr=Rua
LEILOES
Agente Silveira
Leilo
Da casa terrea com "m sitio roa das
Pernambucanas n. 44, na Capunga, em
solo proprio.
Quartafeira, 14 do corrente
A's 11 horas
Mo armazem do Largo do Pa-
raizo n. 2H
O agente Silveira, por mandado e com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. tai* d direilo da prove-
doria de capellas e residuos, requeriraento de
D- Josephina Sebastiana Cavalcante de Albu-
querque Marque, inveniariante do? bens deixa-
dos por seu tinado mando Jo Antonio Marques,
levar leilo a casa terrea n 44 ra das
Pernambucanas. com um sitio, teodo a casa os
seguintes commodos: 4 ianellas de frente, 1 porta
e 3 janellasno oito, sala de visita e gabinete,
5 quartos. sala de jantar e gabinete, cosinha e 3
quartcs fra. 1 quarto para hanho cquj tanque.
2 cacimbas, medindo de frente 8 metros e 33
centmetros, e de fundo 14 metros, tendo o sitio
porto de madeira, muro na frente com grade
de ferro e smente murado pelo fundo.
Os Srs. pretendentes podera examinar.
Leilo
Leilo
De partes de engenhos
Quarta-feira, 21 do corrente
Ao meio dia
:\a Cnmara Municipal lo Olinda
O agente Stepple, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de orphaos, a requerimento
doDr. Jos V'cente Meira de Vasconr.oflos, inven-
tariante dos bens deixados pelo tinado coronel
Joo de S Cavalcante de Albuquerque, iear a
leilo os bens seguintes:
As trras em que est constituido o engenho
ouza, urna pane do ensrenho Tabatinga,a um
dita edj tinha ltapireraa do meio.___________
Agrente Stepple
Leilo
De partes de engenhos em Goyanna e na
comarca de Pitimb da provincia da Pa-
rahyba e urna fazenda denominada Ca-
tle, no termo de S. Joo de Campia
Grande da mencionada provincia.
Quarta-feira, 11 do cor rente
A' 1 hora da tarde
Na Cmara de Olinda
O agente cima, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito e de orphos, a
regueriraenlu do Dr. Manrel Nascimento Fer
reir Castro, inve itariante dos bens do finado
coronel Joaquim Cavalcante de Albuquerque, le-
vara a leilo os bens sesruicu- :
Duas partes do emu-nho Itapirema do Meio de
Goyanna.
Cia parte do engenho Souza na comarca Pi-
timb da provincia da BaraMn
Urna fazenda de criar era Campia Grande.
Os Srs. pretendentes podero ir examinar os
referidos engenhos.
Leilo
De fazendas
CONSTANDO:
Da caixa n. 609 com 270 dnzias de collarinhos
de algodao, 54 duziai ge puahos de algoJSoe
216 duzias de collarinhos de linbn. caixa n. 1.694
cem 84 pecas de crep de seda. 4" pecas de se-
tim de seda e 13 pegas de casemira de l, caixa
n. 1,691 com 40 peras de cretonn-. caixa n. 1,169
com 58 pegas fie setiin de seda adamascado,
caixa n. 1.163 com 40 duzias de leques linos de
seda com rostas douradaj. e 12 duzias de ligas
de seda com rosetas dpm*ada?.
Aeita-fcir.1. i 3 de Agosto
A's 11 horas
\o arniazem rna do Mrquez
de Olinda n. .
O agente Gasmo. autorisa.io por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de di' > ommercio e a
requerimento do Dr. carador liscal da ma*sa fal-
lida de D. P. Wild A C. far teilfio da fazendas
cima inenrionadr as c,oas serio vendidas
em lotes, a vontade doj Sis c nnpradores,
De urna mobilia de Jacaranda com 12 cadeiras
de guarnico, 2 ditas de bragos. 1 sof e 2 con-
solos cora pedra, 2 cadeiras de balanco, 1 cos-
tureira de Jacaranda, 1 cadeira para costura. 1
toilette de Jacaranda com commoda com tampo
de pedra e com um grande espelbo, 2 (guras
de porcelana, 2 pares de lanternas, 1 cama
franceza de Jacaranda para casal, 1 cabide de
columnas, 1 mesa de. amarello, 2 cabides de
parede, i mesa elstica de 3 taboas, o cadeiras
americanas, 1 quartinheira, 1 lavatorio de ama-
rello, 1 sof de amarello, 1 estrado para piano. 1
bahu de couro, 1 banco para jardira, i grande
de ferro, 1 dito de madeira, loucas, vidros e
trem de cosinha. x
cgunda-feira i O do corrente
A's 11 horas
Na casa sita ra dos Prazeres n. 26
POR IXTEKVENCO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
De instrumentos novos
Taes cono
Pistes, tambores, barytonos, baixos, contra-
baixos, opbicleide, clarinetas, flautas, pelles de
bombos e rufo-.
Terea-felra. O do corrente
A's 11 horas
Em lotes a vontade dos compradores.
Agente Pinto
Ra do Bom Jess n. 45
Agente Stepple
Leilo
De urna casa terrea, sob n. 5, com bastan-
tes-eommodos, ra do Espinheiro e
perto da mesma estaco, onde reside o
Sr. Angelo Tavares.
Terca-feira, do corrente
A' 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 39
O agente Stepple, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos, a re-
querimento da inventarame do espolio do seu
tinado marido Joo Jos da Silva, para occorrer
s despezas do mesino inventario, levar a leilo
a casa cima mencionada.
Os Srs. pretendentes desde j podero ir ete-
minar a referida casa.
AVISOS DIVERSOS
AJnga-se o sobrado n.
com bons eommodos e muito
46 a ra da Roda
fresco, bem como
os dous pavimentos terrena ; quera os pretender
dirija s roa do Cabug n. 16, luja da Venta
rosa____________________________________
Aluga-se o sobrado da ra de S. Jorge n.
120, com agua e gai ; na mesma ra n. 131, ta-
verna.
Aluga-se urna casa no Monteiro, mn.to
fresca por tw janellas para o rio ; a tratar no
caes da Companhia Pernambucana n. 6, escrip-
torie de Bastos & C._____________________
Aluga se o 2 andar e sbto da ra Impe-
rial n. 19, o qual tera grandes commo 'os e apua;
a tratar na ra Duque de Caxias n. 119.
Abusa FPuroterreno na ra deS. Joo, de.
poi? da estago de Caruar, tera ura grande ,te,
Iheiro, esl todo murado e tem boa cachaba
prestando searecolhimentodebois ecarrogas.
Leilo
De urna arrnacSo d lio invidragada,
com balco, 2 grandes liieiros tambera de ama-
rello e diversos obj:ir- |n< >rao vendidos ao
correr do raartello.
ftexta-feira i do corrente
s. 1 1 horas
Na roa larga do Rosario o. 18
Agente Martins
Aluga-se urna boa casa a ra Direila de
Afogados. junto a ponte ; a tratar na raesma
ra, |iadaria Imperial.
Alugam-se as casas n. 4-A e6-R na estrada
real da Torre, as chaves as mesnkas : a tratar
no oito do Corpo Santo n. 26.
Precisase de urna ama para cosinbar : a
tratar na ra da Moeda n. 29, venda,
-- O Dr. Alfredo Gaspar participa aos seas
clientes qHe o Sr. Jos Ignafto Pereira de fo
raes deixou de ser seu cobrador desde o dia 7
do corrente.
Offerece-se oa ra nova de fanta Rita a.
35, urna sen hora par> cosinbar e fazer qualquer
servigo de casa de familia ou*mesmo casa de
rapaz solt' iro.
O abaiio assignado declara ao pu'blicoe
cora especialidade ao commercio, que ejo 29 de
Jultio passado comprou ao .-r. Jacintho Rotelho
de Amorim o seu eslabHecinieDto de molhados,
sito ra Visconde, de A'buiiuerquen. 54, livr
de todo e qualquer onus,
Joaquim Amonio ta Costa Ferreira.
Alugam-se as casas os. ttil di ruado
Calabouco por 20 meosal.
A luja do sobrado B. b ruaslreita do Rosa-
rio por 22500 mensal.
A casa n. oO rui de S. J > por 15*OC0
mensal.
A tratar na ruadas Trincnairis n. 17.
Um mogo ltimamente chegado da Europ:i
Offerece-se para ser feitor ou ajudaute de qual-
quer sitio, embera gaohe pduco, do que tem
bastante pratica a tratar .na ra de- !>
numero 9.
Merino setins, lisos e de quadros com 2
metros de largura a 2*J000 o covado.
Renda heopanhola muito larga a 20000 o
covado.
Sspartilhos, verdadeiros couracas, a 4)5000
50000 e 60000 um.
tindos cortes de fustao para collete a
500 T8-, um.
Cobertores de la a 20000, um.
Palitots de seda amarella e chumbo a 80
100000 um.
Hedes fmncezas a 40000, 50000 e 60000
urna.
Grgandis (fazenda de phantasia) a 400 rs.
o covado.
Bnchovaes para baptisados a 80 e 100000
loalhas felpudas a 30000 a duzia
Meias cruas para homem a 30000 a dita-
Nansuka tinas de 120 e 240 rs. o co-
vado.
Merinos lisos e de quadros 200, 240 e
280 rs. o covado.
0rtes de linn e cretones com todos os
preparos, a 5000 a 120000.
Atoalhado muito largo 10200, e 10500 o
metro.
Paanos de crochet para cadeiras a 500,
600, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet, bordadas para noivos
a 50000, 60000, 70000 80000 e 90000
una.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Bramante liso e trancado de 4 largaras a
10000 o metro.
Brante trancado de 2 larguras a 400 rs.
metro.
To&lhas de cores para mesa elstica a
50000 urna.
Sais ricamente bordadas, a 30000 urna.
Luvas de seda, lisas e arrendadas a 10000,
10500 e 20000 o par.
protones claros e escaros e 200 e 240 rs.
. o covado.
Zehros de quadras a 120, 160, e 200 rs.
, o covado.
gmisas finas de meias a 10000 um.
quee de penna, ultima moda, a 40000
e 50000 um.
Capellas com veos para noivas a 80000
urna.
Fustao de cores para palitot e calja a
500 rs. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda para
collete a 20000 um.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
40000 a peca.
Bicos de cores e brancos a 10000 e 20000
a peca. ,
Collarinhos e punhhs, borracha, a 10800.
Cobertas de ganga forradas com 2 pannos
a 20800 urna.
Lencos brancos a 10500 e 20000 a duzia.
Fichs de retroz, lisos e com palmas a
10000 um.
Madapol2o americano com 1 metro de lar-
gura a 60000 a duzia.
AlgodaoBinhocom 20 jardas a 40 e 50000
a peya.
Assim como em sua officina de alfaiate
aprompta-se com perfeiylo e elegancia
por precos eommodos, de brim ou ease-
mira, costuines para meninos e homens.
A Revolado
418Ra Duque de Caxias4
HENKIQUE DA SILVA MOREIRA
A RA BARAC DO TRIIJMPHO ,
N. 1/0 A 104
Tem para Tender tri-sii^phi-
to de calque nao s faz alve-
jar mui^niais o assucar, co-
mo evita o grande gosto de
cal n6 fabrico do raesmo.
's maes de familias
QGEREIS VOS80S FILH08 SEMPBE 8ADI08 '<
Administrae-lhes o xarope ou a*
Pillas Vermipusgativas
DO DR. CALASANS
ptimas preparac8es de mastruz
o rhuibarbo, para a expulsao completa, sen
dfires nefil-ineommodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(DAS CBEAXgAS E DOS ADULTOS)
SEIS ANNOS DE SUCCESSO
a Estas excellentes preparaes nao ne
cessitam de purgativos como aux liares
visto serem purgativas por si-mesmas.
As pessoas que tm vermes sentem ce
licas, tem constantemente diarrhas, indis
pos9jo, sensaco de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, t
s vezes, vmitos. Rangem os dentes, quan-
do dormem, algumas e pessoas expellen;
vermes com as fezes ou com as materia*
dos vmitos. As criancas apresentam at
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome d'
DR. CALASANS e sao cor de rosa.
I caixa de pilulas 10200
I vidro de varope 10200
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
commercio
Os abaixo assignados, tendo comprado o estit-
belecimento de molhados, sito ra Visconde-
de Goyanna n. l'il, ao Sr. Manoel dos Santos
Seraiva, livre e desembaragado de qualquer
onus, vem por isso declarar ao publico e espe-
cialmente ao commercio, e pedir que quem *e-
julgar credor daquella lirraa se digne apresen-
tar-se devidamente habilitado no prazo de tres
dias. a contar desta data, sem mais nenbmjia
responsahiiidade dos mesmos abaixo assignados
Recife, f2 de Agosto de 1889.
Frenas Serpa & L._______
Aos amadores'd boa pinga
Os proprietarioa do Armazem Central, raa
do Caboga n. 11. acabam de receber nova re-
messa do especial vinho Santarm. da quinta do-
Barral, a elle antes que se acabe !
Para engenhos
Lopes & Araujo, venden*
a precos sem competencia,,
garantindo a boa qualidade,
os artigos abaixo mencio-
nados.
Gal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Cosinheiro
Precisa-se d nm ; a tractar a ra do Com-
mercio_n. 4i. escriptorio.___________________
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de. 16 a 18 annos
com pratica de venda ; a tratar najua de Hartas
n. 1.
Oleo de mocoto.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe ?m latas.
Kerosene inexpiosivel.
Potassia da Russia em caixas.
de 10 e 25 kilos.
Cimento Portt nd.
Graxa em bexi^as.
Ra do Livramenlo n. 38
Telephone 316
paPaB
PARS Bi.raaLacanflani. 0 s&t.MALLET
deseja comprar sellos de
todos os pazes do mun-
do, espocialmetite os raros
e de emlssoes antigs,
Dem como os sellos de
Portugal de 5500 e 15000.
Kogt-se o aror de indicar os
presos c quantidade na occa-
bo de remetter as amostras en
embrn'.ho estampUUado, peM
A o publico
0 abaixo assignado declara que o Sr. Eufra-
sio Wanderley Lins nenhum interesse tem no
estabelKcimento commercial da Praga da Con-
cordia n. 1, o qual gyra sob a firma de Sonza
Travassos & C da qaal nico representante
o mesmo abaixo asignado, de quem f .i o raes-
mo Sr. Eufrasio simple&mente caixeiro at o dia
26 de Julho ultimo.
Recife, 10 de Agosto de 1889.
Marcolino de Souza Travassos.
________,--------------------------------------------------------1_______
-^.^iw
Contraria da veneravel Santa
Rita de Cassia
m nvr r;
MiSi
&?-''?
Posta pcil r? tera rfTn'ridO fina r.mis nierecMa
dojvw > PAST.V da NAF de DELANGS2-
NXEK. ra Vvienn, 53, Pars.
A .- ci^f" untc'it'it e bifen'in -
Ia Na sua jjvtieroMtt rf/icaeiu coutra u- Uhu-
:i\< iConitip-i'^vs), Bronrlaitsm, Irribifta do peito e d
L-arffa.ua; riBcaoto ts, Tntfcnlk por 80 milicos do
Uospttaci de Pars.
- Ha su hhpwioriln :1o iucotitftmtat-t'l
recoultecida pt-lus unuibrti la Ac:wiiiii:*t de Mc-.lidua le
Tar.
8 N rviiAi.-se de cfi'wi f'-an !.. ,i-, -l.vJn deTnr
'que v< ,ic ;m> rpm nao oimtlub>*' w n mtctt efe
opio, MM i-ninjo Morphir.a c Cudciua, remedios est-,
cajiit pcrit* aAu h-ui oo:ih.*ril~.
TI PO *0 i;:i!'-i ,ii!"nf'"- que reconinendao a
I ALO PASTA c <- X.*ROPE do NATacnM-
i*n';'-:i il'- Kddicns, e c-'.t-.^ EimM !i2>' frio enMSdMos
a tcioral nlgiii, iucr ami^d, vtw r rcente
Vendc-sa nas riaciaes Thamariji da tuto iateiro.
Attencto
O grande e importante estabelecimento de
Pocas Mendes & C, sito ra estreita do Rosa-
rio n. 9, cotitiguo a igreja, acaba de rec ebe
urna grande remessa do creditado e especial
Vinho Maduro
0 nico que, sem a mnima confeegio, inj-
portado neste mercado, e s se venile no referi-
do estabelecimento. Este precioso nctar se
torna cada vez mais procurado aqu. Querera
saber porque ? Vejatn : o vinho Maduro sendo
como feito nicamente da uva madura, tem
as seguintes vantagens que as outras qualidades
de vinho nao tem ; facilita sem a menor pertur-
barao as digestdes do estomago, anda mesmo
o mais enfraqnecido, dando-lhe vigor, pois nutre
aolhos vistos as pessoas debilitadas, ed forcas
s trae as tiver arruinadas pelo uso de bebidas
viciadas.
Recebemos tambem
Requeijao
em latas, de procedencia de engenhos, cujos
propriitarios capricham eni hem trabtlhar neste
artigo, aj de turera a primazia sobre tantos
outros similares, cuja composico duvidosa.
Em outros artigos como gementes de hortalica
e flores, linguas seccas do R10 Grande, objectos di
time e tamancas do Porto para homens o senhe-
ras, para isio to pouco temos competidor. A
nossa casa < especialista, e as pessoas u disto
se queiram certificar podem compaiecer, com
o que muito nos honrarao. Aps urna inlini-
dade de artigos de primeira ordem, que achara-
se em exposico, acresce a amenidade do trato
com que timbramos tratar todos os que nos
honram com a sua presera, junto a modicidade
de preces sem rival.
Rna eatretta do ISosario n. O. Junio
a sr-ja
Po^as Mendes & C.
-
Kara de N*>rinliueiu
0 conselho administrativo da confraria da tc-
neravel Santa Rila de Cassia. manfla celebrar
era sua igreja, no da is do correle, pelas a
horas da manh. urra missa pela alma de sen
dedicado irmo bemfeitor, o vuitraudo Baro de
Serinhem, e convida para assistir a esse acto
religioso a Exma. v;u-.a. paicntes e tungos do
pr?nteado e illustie ni r'o e bem.assim todos
os nos sos irmos ronfrades.
Secretaria da veneravel confraria de Santa Ri-
ta de Cassia. em 10 de Agosto df 1889.
O secretado
Jos de A. Costa '"ontes
Dr. Joo Hilvano .tiren fltacici'
1' anniversario
O coronel Thomaz Al ves Maciel. ainda ferido
pela perda de seu amado filho o Dr. Joao Hirca-
no Alves Maciel, manda celebrar missas pelo
eterno repouso de sua alma, no dia 19 do cor-
rete, s 7 e 8 horas da manh. nas matrizes do
SS. Sacramento da freguezia de Santo Antonio
desta cidade, e nas de Agua Preta e Palmares-
E para assistirem a estes actos de religio e ea-
ridade, convida os prenles e amigos spus e do
finado, pelo que desde j Ihes protesta sua eter-
na trratido.
mmmmk mmm
Ecce& to4M aa outrrs 7*rlo Bta
perum* cx'j--.j.
Amainada
AGS ie COLONIA tt TXi
palo
Ha "".rame
i r.;i.tli.|o seb o
lneoiri
-
. c. ATKWSON
3fi. 01<1 Bo-jd StrcDt, I,on -2\
Taverna
Vendp se ou admitiese um socio, n'umdos
raelhores locaesdo Recife ; informacOes na ra
do Baro da Victoria n 38.
Ama
Precisa se de urna ama para cosinbar e com-
prar ; na ra Noto a. 20, ioja.
^p^Attendite et vi-
^dete!
Jote Simii'-I ntellKi avjea ::o resp eitavelpn-
blir.o que aiuda contina a fabricar bouquels e
bandeijas para casamento ou outro qualquer acto,
assim como capellas mortuarias de perpetuas :
a tratar nos seguintes lugares : ra Nova n. 20,
Ioja de miudezis ; ra do Cabjlga n. 3. .segundo
andar e Ioja de seleiro ra da Cadeia n. 43.
Cura-se fcilmente
' As inflammacao do larynge cura-se fa-
^i'"!^ Cm alsUDS frasc"osdo litoral de i {^fi^l^ ^a ^jlg fo StCfffl
Compra-se caoteaa do Monte de Sotewr o>
qualquer ioia, briihaates e relogios; paea-st
Den; na Praca da 1".
relojoeinv
Casaio iVlonteiro
Aluga-se urna boa casa no Monteiro, con
modos para mua familia regular, tendo agua da
companhia do Beberibe, bom banheiro, jardim
e muito fresca ; a trattr na ra de Marco
n. 20-A.

Cambar.
Francisco
Os agentes,
M. da Suva & C.
Padria em Gaxang-
Faz-sft publico que ninguera poder fazer ne-
gocio com a padana das Barreiras, em Caxan-
g, pertencente ao Sr. Sabino Dourado Oaval-
cante, porquanto. tendo este credores na praca
que ainda nSo foram pagos, nao pode dispor ao
estabelecimento sem autorisacao dos raesmos.
Antonnio Jos da Silva Nanlo*
0 profesfor Joo Laudelino Dornellas Cmara
e sua mulber, o bacharel Jos Landdino Dornel-
las Cmara Jnior, sua mulher e fimos (ausen-
tes). Mara dos Afijos Dornellas Cmara e An-
drelina '.andida das Santos agradecen) cordial-
mente a ledas as versees que se dignaram acom-
panbar at o cemiterio publico o cadver de seo
prezado ogro, av e pai., AntoiUD Jos da Silva
Santos ; e de novo rogam ihes o caiidoso obse-
quio de assistirem as missas que por sua alma
mandam celebrar na igreja de I. S. do Carmo,
peias 7 huas .i manh do dia I" setiuio do seu passamemo. pelo qj.ii se confcs-
sam agradecidos.
aMIIIW I !! II
t
ISaro A Baronezade Serinliaciii manda celebrar ama
missa por alma do seu HTDpte choraoo esposo.
:aro de Serinhem, no dia ti do corrente, pe-
las 8 horas da manh, na igreja da i ouceico
dos Militares. :; gesii o dia do son frllecimento,
e para este acto ce n-iiuiau. comida ws paren-
es c iimigcs, eonlessaudo desde ja sua eterna
gratido.
t*l*
^ Baronera de Serlffcaem ::::! celebra-
abjuinas missas por -eu sempre chora-
do esposo, o Baro de Sf-rinliaipi, \m dia 14 do
corrente pelas 8 horas d ia igreja ma-
triz de Afogados, trigsimo da de seu passa-
meoto. Para este acto e nossa religiab con-
vid ao prenles e ami_ ffendo desde
j sua eterna gniidao.
.. ..aaa
Edmundo P, Cascao
Eugenio Goncalvea Cascao cuuvid.i aos sea
parentes e aniisoa e eos do nado, ten pi-.-zad
Obriho* Edmundo '. Cas cao. para assistirem
as missas ao stimo da, que manda rezar aa
matriz da Boa-Vista, sexta-feira 16 do corrente,
s 8 horas da manha.


I.,
.* i
\
;
>
]


.
j
jJiario de PernambucoQuarta-fera 14 de Agosto de. 1888
39-RA DUQUE BBCAXIAS-39
2ste antigo estabelecimento, hoje completamente reformado com machinas
onais aperfeicoadas e movidas a vapor, acha se em c*ndicoes de executar qualquer
rabalho era
TYPOGBiPHIA E LITIIOGRAPHIA
Cartas, memoranduns, recibos, circulares, memonaes, despachos, cartSes de
cafiSes, mappas, preeos correntes, acecen, bilhetes de loteras e rctnl s dn todas
za qualidacies em preto, ouro ou cores.
tteAMAQft
irochuras, eartonados, encadernacoes, livros em branco para o commercio e
marticSes, tendo para este m urna excellecte machina de pautar.
"7ariado sortimento em cartSes para visitas, participare e convites do casa-
Ment, bailes, menus, felicitacSes, etc., etc.
V3SONnD(3e-SK
Livros de recibos de aluguel de casa, papel de impressao, tintas, vernizes e
ais artigos para typographia e Uthogiraphia.
Manoel J. de Miranda
Telephone 194
DO
MARANHAO
Approvado pelo Exm. Sr. presidente da piovincia
r
r-_--.-----
T- "_:
:?ro-
IVEi f-i'- i
HMOMvdiirriirai.
i :ttum 9rr**xd0 torrasinoma
n-f- ff.CA .--.do palas summiri*o> m*dioat com a*ito ha aiaie da
ao a^w^oS
.:-: i, ilti-i *< ; fikrt couieurs), Kevralaiu, AffkcfOes des frilr.
: fvonAVCL ro:i parte da acaufmia te m; oiciha de fajus
., r. saeM t* L V-ttt/tnier -. fM'fUmmW,
..,,,. ...' e** G-T~OlV. 7. ra Cn.i-Hron, PARIZ
'.' o FRAN" M. da SILVA C*._________
Premios da
1 premio de .
1
2
6
10
2
2
2
9
9
9 f
99 2 fin.
99
900 term.
900 c
approximacoes
Dez. do 1.- pr
2.a
3/
1.
2.9
1.
2."
lotera intelra
. 300:000,3
. 50:0005
12:500^
5:00(j 10-0004
2:500* 15:0005
1:500* 15:0005
2:5005 5:0005
1:5005 3:000*
750* 1:500*
750* 6:7505
500* 4:500*
250* 2:250*
2505 24:750*
2505 24:750*
125* 112:500*
125* 112:500*
de
m.
Premios da serle
premio de.....12:000*
.....2:000*
500*
400*
600*
600*
200*
120*
60*
270*
180*
905
990*
990*
4:500*
4:500*
1
1
le .
2 ...,
6 C .
10 c ,
2 approximaco'es de
2 c
2
9 dez. do 1."
9
9
99
99 c
900 term.
900
2fin.
2.
3.
1."
2.'
1.
2.*
prera.
200*
160*
60*
100*
60*
30*
30*
20*
10*
10*
10*
5*
5*
[eyer
^i^ffmTmTn.iuaiiiuiinftiliiiiiuiiUiriimiwiiiitiliniiriiiiuiiiiUilUUiilll'lliimiliiiiw
CHLOROSE
ANEMIA A8 V&RDADEIBA8
PILULAS DE VALLE!
NAO SAO PRATEADAS
mom TALLET uupreoo en preto aoaw oada pQaia.
A maior parta dos medico* concn) o eon a Academia de medecina em qn,
men*rom a preerancia que se Ibes da sobre os outros ferrttK'noa
Exitlem numerar l xmiOfes das
PILl'LtN DP VH.LKT
Exig* em cada extremidad* do frut-
eo tas rfU tmpresso em oca to crks.
1
2052 premios no valor de 700:000* 12052 premios no valor de. 28:000*
Todos os premios sao pagos integralmente
Esta lotera composta de 10.000 bilhetes a 100*000, dividida em .25 series,
custando o inteiro da serie 4*000, subdividido este em quintos da serie (125* do
bilhete inteiro da lotera} de 800 rs. cada un.
0 agente desta lotera chama a attencao do publico para este importante
plano mais vantajoso pela sua boa organisacao.
Com 4*000 (5 quintos de que se cotnpSe a serie) recebe-se 12:000*000 e coro
800 n. (1 quinto) 2:400*000.
O menor premio d um resultado de 25 "/ pois custando o quinto 800 rs.,
recebe 1*000 as terminales dos 1. e 2.* premios.
Sao premiadas as dezenas dos 1.. 2. e 3. premios.
As duas letras finaes dos 1. e 2., terminacSes dos 1. e 2., e as approxi-
x3es dos l.o, 2. e 3.; tendo alm disso premios de 2:000*000, 500*000, 200*000,
100*000 e 60*000.
EXTRAOCO NTRANSFERIVEL
Para a cura tjflcam e prompta dar
Molestias provenientes de im-
C pureza do Sanare.
E' mu loncura andar a fluer expe-
riencias com misturas inferiores com-
postas de drogas ordinarias on de plantas
indgenas cuja efflcacia nio confirmada
pela sciencia, emqnanto que a molestia
cada vez val ganhando terreno.
Lancen, mao, sem demora, de nm re-
medio garantido enja efflcacia seja facto
assignalado c inquestionavel!
O Extracto Composto Coscbxtrado
de Salsapaiuuija de Avek conhecido
e recommendado pelos mdicos mais in-
telligentcs dos paizes adiantados. i
durante 40 annos,
Centenas de militares de doentes
tem colhido beneficios do sen emprego o
sao outras tantas testemunhas da sua
efflcacia positiva c incomparaveL
PREPA HADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Blass., Est.-Unidos.
SXPOSITO GXBAi.

IHFAIIMI
j o eso de
Muita atteugo
Na roa de S. Jos n. 36 tem para vender os
afamados vinhos e licores de todos os fructos do
pau, fabricados pelo finado Joo do Amaral Ra-
poso, como sejam: vinho de caj de |. e 2.*
qualidade, vinho de Abacany, vinho dejanipapo
com posto e simples, hesperedioa brasileira, a-
ranginha cordial, essenoia de limo e cidra e
tres prensas para espremer os fructos, tudo se
vende por baratissimo prego para liquidacao
Assim como se vende um bom terreno na povoa
gao de N, S. da Boa Viagem por qualquer prego
19, n iaeob, Pam.
Venda na maior parte das pharmaclaa
"-.....'""".....:-"!'-........"-'......iif\;;t'{<,-<

I
JUNTO AO LOUVRE
Cachemira de listras a 15000 u covado.
Gazes urreBdadas a 400 rs. o dito.
fafetlw branco lavrado a 360 rs. o dito.
UoMc pardo a 360 e 400 rs. o dito.
Cartea de vestidos em cartoes.
CelcHas de fustSLo a 4*000 urna.
TbaiBiiU para banho a 1*500 urna.
Caehiniras li^a8 a 1*000 o covado.
Popelinas brancas a 300 e 1*000 o dito.
Cachemiras de quadro a 280 rs. o dito,
lo para roupa, de 1*000 a 700 rs. o
pas (ie cores a 1*800 urna.
i preto e 800, 1*000 1*200, 1*500
* NI
Chitas pe cales a 200 rs. o covado.
VelLiU,:; preta a 700 rs. o dito.
Crep preto (inglez) a 2*000 o dito.
Met.s de quadro a 300 rs. o dito.
Merinos de cor duas larguras a 440 rs.
Indas h'tspanholas a 5000 o dito.
Sei do Japo a 240 rs. o dito
Cmbraia Victoria a 25800 a peca.
Crekirjes claros e escuros a 240 rs. o
covado.
Cambraia bordada a 4*000 a peca.
Guarapo de crochet a 7*000 urna.
Loques transparentes a 25500 um.
Trehs de retroz a 1*000 um.
Can-isas de flanella a 2*500, 4*000 e
*J0 urna.
Smk Toalhas felpudas ti 4*0- 0 a dzia.|
Grinalda para noiva a 7*000 urna.
Chutrdap para homcru a 6*000.
Meias inglezaspara horaens a 5*000 a du- Jseto
Cachemira de quadro a 320 rs. o dito.
Popelina de seda de 15500 a 1*000 o dito.
Baleias a 240 rs. a duzia.
Lcnges de bramante a 5000 um.
Cobertas de ganga a 35000 urna.
Tapetes grandes a 135000 um.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o covado.
Espartilhos a 5*000 um.
Madapolao americano a 6*000 a peca.
Coletes de flanella a 2*500 um.
Palitots de seda palha a 8*000 um.
Lencos de linho a 5*000 e 6:S000 a duzia.
Palitots de brim pardo a 4*500.
Bolsas para viagens.
Caseinira para costumes, corte.
Lovas de seda a 2*000 e 2*500.
(} ardaoapos de linho a 25200 a duzia.
Gaardap para senhora a 10*000.
Arcos cobertos a 120 rs. o metro.
Pumio da Costa a 1*000 e 1*200 o co-
vado.
Bramante de aigodao a 1*000 o metro.
Algodao branco a 4*000 e 4*500 a peca.
Cortes de fustao para collete a 25500 um.
Cortinado bordado a 7*000 o par.
Zephyr de quadro a 20-J e 240 rs. o covado.
Atoalhado bordado a 1*200 o metro.
Pega de esguilo de algodao a 3*500.
Regatas a 1*000 e 1*500 e 2*000 juma.
Palha de seda a 1*000 o covado.
Camisas allemaes a 36600 a duzia.
Bramante de linho a 1*800 o metro, 4
larguras.
Cortes de seda para collete a 5*000 um.
Chambres para homem a 6*000 um
A500r".|2gfa.
A 800 ~ I gfa.
A melhor tinta de escrever a
TINTA VICTORIA
Vende-se nos depsitos:
LIVRARIA CONTEMPORNEA
DE
.AMIBO L COSTA S C.
Ra I." de Marco n. i
LOJA DE FERRAGEM
DE
\l,!tl\0 9IL1.1 A C.
( Ra da Cadeia n. 42
A 500r8 lj2gfa.=-A. 800r8 1 gfa.
R REUMATISMO
Impurezas do Saiiguc, Enpges, Ese-
m, ulceras, Stjftffi.
e toda atbc9&o de naturea
eruptiva ou voirren
SALSPRRILfA
DE BRISTOL |
0 Remedio de Familia por excedencia I'
Apolices perdidas
Perderam-8e dez apolices da divida provincial
de Pernambuco, pertencentes a Manoel Pereira
de Araujo Vianna, de ns. 873 a 882, serie B, do
valor de 1:000* cada urna ; pede se pessoa
que as tiver achado o obsequio de ir ou mandar
entrgalas a Henrique Bcrnardes de Oliveira,
procurador bastante do mesmo Vianna," no Re-
cife, ra do Vigario n. 1, escriptorio, que grati-
ficar
Reforma JEleitoral
Acaba a Liyraria Econmica, ra do Impera-
dor n. 73, de publicar a segunda edicg&o da Re-
forma Eleitoral. correcta e augmentada pelo Dr.
Francisco Teixeira de S, com todas as altera-
cOes das leis, decretos, regulameritos, avisos,
etc., publicados at o presente A pessoa que
enviar um vale posttl na importancia de 44000,
remelte-se um exemplar brochado, registrado
pelo correio, ou 5000 encadernado.
Para os festivaes%
A' ra da soledade n. 56, preparam-se,
com limpesa, mestria e commodidade em
reco8: bolo, p2o-de-lt, cangica, arroz de
eite, pirmides de doces d'ovos, vatap,
bandeijas para casamentes e baptisados, etc.
Recebem-se as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
LOJA 10 CABO
A MUS CONDECIDA
Mundo enteiro
m?
PARA CURAB
sia.
8rge Untlo de alpaca preta a 4*500 .um.
Caseinna diagonal a 2000 o covado.
Meias io da Escocia a 1*500 o par.
Lencos brancos a 1*200 e 1*800 a duzia.
Cbevioth preto a 3*000 e 4*000 o covado.
Ai
d* cores a 800 rs. o covado.
cado, 2 larguras, a 1*K0.
emiras, a 5*500, 7*000,
Cortes de
9*000.
Bripa-'asAco, todos os nmeros.
CraVones francezes a 400 rs. o covado.
Ceroulas de bramante a 15*000 a duzia.
Flanella de cor a 300 rs. o covado.
Grande sortimeiito de fichs, casemiras, brim, algodao, camisas, collarinhos,
hos, meias, perfumaras, e bordados.
20Ra Primeiro de Margo20
A litigo estabelecimento de ferrag-ens
DE
EERKEIRA GIMARAE8 & C.
8HRua Duque de Caxias86
Qpxnnbt 0i7rtiment0 recrragen. cutflarias,
e muo0 ontrn arillos a saber:
Cobre em folha.
Perro sortido.
Cimento Portlant
e outros marcas.
Bombas de ferro c bronco
Canos de ferro e chumbo para
encanamentos de alta pressao
Machinas e vapores
para algodao.
Candieiros elctricos
Foges econmicos.
F^ste estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
longa existencia a garanta mais segura (Jara os que pro-
curar em honral-o com a sua confianca.
PRESOS SEM COMPETENCIA .
Descontos do costumev
AMARAL G.

aetn nenkum outro medicamento e sem temer accidentes
PARS 7, Boulevari Denain, 7 PARS
Depsitos em Pernambuco : FRAM M. da SILVA A C". a as principas Pharmaclas.
ISieSi
A.UHFATBRSDN i!.
4MU Um m TRt MPHIM4
Machinas a vapor.
Moendas.
Rodas d'agua. i
Taixg fundidas e batidas.
Talxas batidas sem cravaqao
Arados.
FNDICAO DE SINOS BBRONZB
DE
LUlZDAiZMESQUITA
66rua do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguinte:
Hachlnas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systeraa com esquenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
Carapneas de cobre.
Talxas, taixos e caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torneiras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
Ileparf Idelras, passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado.
Cobre em len5ol e rmelas.
Sola ingleza e do Rio.
Cadinhos patente e'de lpis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objeetos
ENCARRt,GAM-SE de qualquer coucerto e obras de encommenda, garas
indo presteza, perfcijSo e precos mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
V^I^IOE a praso ou dinheiro com descont.
\ n laiisaa gritdpa Ktaraaacias
, Brojarlsis.

Depooi'-c
O VINHO de Extracto de Figado de Bacalhao, preparado pelo Snr. CHEVF.
em Pariz, possue ao mesmo temp--> os actvea do Olee do Figado ds Sa'albao i
prepr ;^oolicos. E'prc ias p^soas cuj^diotaagoai> p r as su-
s^bmo i^tl *0*-~ nt^nr
* i .oo ir. ^s,3 rJr ___* otHC
*M LAaOCSi. r armaoamtloo it**^ PAJU8. ?IBWHB, HICE, u.
0 Quln*4trochB mU i um q*mku*r prtfmrao. ternt 0 ruulUuio dttraMbmqil
"r.iarcH>**i&**Urrjv mais titss ritmpenuu do E:Ue. O mame fi>i '# naw*1
- ^iasse,
; cS dos
UTUJ':' icuiuvud. JU picoiuj-u pui'"' j"--.--i.i- vujCT wniii u1-" "" ;"- *' -*
somo o co 01m de Piffadt de ^acalh.c.0^ a as Escrfulas, Racl. Chlorose,
Bron<^hite e todas as Molestias do Peitc
VINHO de EXTRACTO deFIG A D 0 0E BAGA LHAO CR OSOTAD 0
Va-di-se
"'.Mi.-maciis
iraQc
lo Baoalhft^
ZH, o reiB lio .por
A CREOSOTE de FAIA suspende o tribalho destruidor da Tsica pulmonar
disperta o aDoetite, fez cessar a febrs, supprime'os suores. Os seus effeitos combinad
azem do VINHO de Extracto de Figado de Bacalhao Creosota
silencia centia a TSICA declarada ou immin- .
UR0PEO.CARACQES1
DE MURE
Ht mili Ce cincotntn annni qm j
eu pntico i midiclni. Jaman en-
contr/ nrrtio mii e/lcaz oh* o
Mrtol contri a rrUa^Mt do pello.
D" ausni, ie Itstpellier.
Esto Xarope, de sabor es-1
cellente, de ama poderosa
efflcacia contra as Irritaba*'
.da Garganta e do Pe4to,
FluxCe, Tome *"*?**"
I Cmtarrhn Agudo ou Cnr*
niom.
n- mu Ptat-laiai-lnrtt (f rasa.)
A. OaLacns. Genro e Socceitor
i Dtpoiltos m fodaa u pelnolpmi
Phtrmteitt.
\ttrmmb%co: FBA. K. o& SILVA 11
I
" I

'





metal
lasM
de meni-
"'u esiaociecimenra
lio J'apacaca) deixa
^^Bkn eui debito,
^Knuiuli'- Lope;,
"agao.
r a to'lo
uosilar eni
villa, onde,
Roeicoes.
prat'co
i da Fonsera. '
como
fcs |
Aprovt'ito a i!
tiu liumiae p
dindo-me por eute ramo
Ibes enviar suas orden-
como sempre. tslu
Pesqueira, 5 de Azo
.
________w
Terreno por alugar
' Aluga-se o terreno murarlo com teJheiro e boi
cacimba, proprio para carroceiros, por 0500J
meosaes.
Aluga- a' loja do sobrado n. 8i ra estreiti
do Rosario por 224500 mensa):
a d. il da ra do Calabozo por 2000'
al.
a n. EX) ra de S. Joao, rom 2 quartos,
2sala/, quintal, por 15*000 mensa!; a tratar na
ra das Tfintlieiras n. 17, loja.
ae cores dem
vestidos a 280 ra. o
de urna ama para engomtnar o f,
aero mais serajco de <: m familia
na ra Conde d'Eu n. 32,1- aadar.
A na
Precisa se de urna ama que ?eja boa cosrahei-
ra: na na Vidal de Negreiros n. 130. ^
Ama de cosinha
No sitio* n. o aa estrada ,de Joao FerBandes
Vieira se orerisi de urna cosinheira, prefere-se
a urna niuliier qi e durma em sua casa._____
A luga-se
ora exceileiite predio novo e com agua e a:
. om muitos commodos para familia, na lualoi-
erial n. 207 ; a tratar na ra do Co"mercio
omero 3i.
Na Loja das Listras
^Mrta-feira 14 de
Alugam-se
as casas terreas da ra do Lima ns. 18 e 30, em
S. Amaro; a tratar na Ii:li0;ruphia ruaMarque
ie Girada n. 8.
Alugrue! barato
Roa de S. Amaro n. 14.
Boceo da Bomba n. 8 Soja.
Ra da Roda ns. -"8 e 60.
Ra Visconde de ItaparicJ n. 43, armazem.'
Largo de S. Jos n. 74.
. O 2. andar da ra fio Bom Jess n. 47.
,'Zk tratar a ra do Commercio u. 5, 1* enriat
escnntoi de Silva Guimares C.
Tariio Vida de Agrcola
Acaba de ser trariuzida h'tteralmente esta
obra, e acha 6e a \enda na encadernaco Popu-
lar, do edictor Maaoel Afionso Riguira, largo
do Pa raizo n. 29.
Prego de cada exemplar 2-5000
VENDAS
Vende-se urna boa armacae de amarello.
propria para qualquer negocio, na ra do Ran
gel n. 6 ; a tratar na mesla ra n. 29. Garan-
te-se as chaves. ________
Vndese no caes do Ramos n. 4, urna ex-
cellente machiDa vapor de 30 cavados, urnas
bombas hydraulicas de grande forca, um ferra
dor, urna" tesoura para cortar landres. arcos,
etc., irlitios e carros Uecauville, apropriados
para transporte de canoa, bombas d'agua a mao
e 4 vapor. ___
vende-se a taverna sita a' Praca do Conse-
Ibero Joao Alfredo n. 2, esquina (Magdalena),
om dos melhores pontos para negocio ; a tratar
na mesma.
eias ca
Hollanda par
dito.
Setinetas modernas dem a 200 e 280 ra..
o dito.
Hlfca de quadrinhos a 100, 1G0 e
i dito. i
1-0 rs. o Jit.
Atoalhado bori'aito. n asi 2 metros de lar-
:'X) o metro.
Bramantes, 4 larguras, superior a 800 rs.
0OO3 o dito,
dem de paro iabo a 10600 o dito.
Riqusimas quarnic'es de crochets a 65 e
8*000.
Toalhos para maos a 10200, 30500 e
45000 a duzia.
Meias inglezaa para homens a 2)5500 e
1000 a dita.
Crfmisas superiores idem a 245 305000
a dita.
Seroulas bordadas a 125000 e 185000 a
dita,
i ambraia Victoria e transparente a 25800
e 35000, com 10 jardas,
dem bordadas chics a 45000.
Superiores algoddes da corte a 35000 e
35500.
Msdapolao americano a 65000, coin 24
jardas.
Flanella do cores para camisas a 280 rs.
e covado.
Idcia americana, azul, para palitots a
15200 o dito.
Casemiras de todas as qualidades a 15400
15800 e 2501 "O o dito.
Para as i:\mas. noiras
Lindissiir.as grinaldas e veo para 85000 e
1-15000.
Ricas colchas de crochets e fustSo a 85000
c 65000. *
Bonitos cortinados bordados a 55500,
75500 e 85000.
Linons branco bordados a 4G0 rs. o covado.
Setim branco, superior, a 800 e 15000 o
dito.
Popelinas de seda a 800 15000 o dito.
Setins Maco, todas as cores, a 800 rs. o
dito.
Lencos de seda e de linho para 2-5800,
em lindas caixinhas.
Lences de bramante a 15800.
Cobertas de ganga, forradas, com panno,
a 25500 e 20800 urna.
Colchas de cores a 25000 e 35000.
Tapetes para portas a 35500 e 50000-
Pannos ara mesas, de cores modernas a,
15500 15200 c 15600.
PARA,BAPTISADOS
Fustoes bordados brancos a 400 e 500 rs.
o covado.
Casemiras pretas e de cores de todos os
precos, cheviots, merinos, damascos para
pianno, cobertores, redes a 45000 urna, e
ama infinidade de artigos que serao lem-
brados na presecca dos dignos leitores.
LOJA DE
PBRKIRA & MAGALHAES
850 rs. a libra!
Pura manteiga ingleza
Garantida
Guimares & Valente Cono Santo n. 6. .
Pao centeio
Mrllo & Bisct, avisara ao resjieitavel publico,
que todas as tercas e sextas-teiras, tera este sa-
boroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Bahus
Vende se urna loja de bahus, bem afregueza-
da, garanlindo-se a clian da casa : a tratar na
ra Vidal de Negreiros n.^20.
Arma^o
Vende se a armaeo da loja de fazendas da
ra Duque de Caxias n. 75 ; a tratar na mesma
ou na ra do Livramento n. 22.
Sanuel Smits
Vida e TratoalhoObra escripta sobre
os moldes do Podr da Vontade e do Carcter,
contendo muitos exemplos novos doquanto pode
conseguir a honesta forca de vontade e a prse
veranda. 1 vol. 45000 ; a venda na livraria Con-
tempornea de
Ramiro M. Costa &C.
Bu 1. do Marro n. 2
FOLPSTIM
DECAPITADA
POR
P. BU BOISGOBKY
(Continuaeao do n. 18 0)
X
Isto vai mal, disse Caritides. J nao
temos senao um meio de nos safar: c ir
buscar a tua mercadoria viva, transpor-
tal-a para aqui e por a machina a andar
sem perder um minnuto. Queres que me
encarregue da mudanca?
Chegavas muito tarde, respondeu,
rangendo os dentes, o velho pirata. J
demos na vista... todos os moradores ri-
beirinhos querem chegar para ajudar a sal-
var a chalana... chegam mesmo j.
Urna barca vinda do outro lado do Sena
roltava naquelia occasiao a ponta da ilha
com dous bomens dentro.
Um delles era o pescador, muito fcil
de conhecer de longc pelo chapeo de pa-
lha.
O outro com a cabeja mettida em um
capuz ia ao leme.
Ora aqui es$a o quo eu receiava !
exclamou Caritides ; mas elles vem ter
comnosco om lugar de se oceuparem com
a-chalana... ainda ni o est perdido lu-
do. .. deixemol-os subir a bordo e quando
c eativerem dentro ..
Nao tornam a descer, resmungou
Borodino que tinha adivinhado o projecto
de seu digno asaociado.
Logo que elles eativerem aqui, irei
buscar a Pariziense coin urna da duas ca-
noas e trago-a. para c, Ahi cstSo ellas a
approximarem-ge do yecht, quero primeiro
\rende-se
ama das melhores tavernas ra Mrquez do
Herval, tem pouco capital ; a tratar ia mesma
ra n. 143 padaria Fz se qualquer negocio.
Vende-se jdous pianos na
ra do Bartholomeu n. 675
sobrado.
Muita atten^o
Na ra da Iraperatriz n. 80, vende-se sapatos
de felpos para trio a 600 rs. o par, e de crian-
cas a 500 rs.
Leite puro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio le-
go depois das casas novas da direita, vende-s*
todos os das leite puro de vaccas tournas e ca
trra, garntese a (|ualidade do leite
conversar com os teus remadores. Quan-
do elles te fzerem o seu relatorio, toma-
rei dous dos mais fortes para me condu-
zirem chalana.
Os quatro patifes, criados do supposto
conde e bandidos' capazes de tudo, trepa-
ram rpidamente a escada do yacht e nSo
esperaran! que o amo os interrogasse.
Contarara, fallando todos ao mesmo
tempo, como a chalana tinha encalhado
por culpa do pescador de canico, que Ihes
gritara que passansem para a direita, por-
que nSo havia fundo na margem esquer-
da, ao passo que era precisamente o con
trario. Estavam unnimemente conven-
cidos que aquelle homem tinha premedi-
tado o encallie
Os dous chefes nao o duvidaram, mas
os homens accrescentaram que tinham vis-
to gente reunida na margem esquerda.
Um delles julgava mesmo ter visto bri-
lhar o galao de prata do chapeo de um
gendarme.
Aquillo era ras.is grave do que tudo
mais.
J nao havia outro partido a tomar,
senao correr a todo o vapor, abandonando
a presa e desembarcar mais abaixo, em
qualquer aldeia que tivesse urna estacao
de caminho de ferro, onde podessem en-
contrar um trem que descesse. Entao ca-
da um tratara da sua propria salvacao.
Era a derrota completa, mas era talvez
a salvacao e Caritdes estava prompto para
tentar a aventura.
O velho pirata nao recusava tentar fu-
gir, mas custava-lhe deixar viva a sua ul-
tima victima, que deporia contra elle.
Pensava que talvez Ihe restasse tempo,
nao de a transportar para o yacht, ras de
a matar no tombadilho da chalana, onde
ella estava encern.da.
Mais um assassLiato pouco lhe custav
e aquelle assassinato podia assegurar-lhe
a impunid.
O barco tripolado pelo homem do cha-
peo de palha e dirigido pelo homem de
capuz chegava, mas ainda estava bastante
longe.
SamotraKi ia decidir-se a descer em
A' RA DUC^UB DE C
Vende-se fazendas finas mais
d-se descont a quera comprar de 205000
para cima, troca-se as fazendas Tendidas,
se por qualquer motivo nSo f&> de muito
agrado para quem for comprad*?^ vende
pelos seguintes precos:
Caehemlrr.s libas e com Ifetas de
seda de lindas cores, a 15400.
Merinos de duas larguras, afc 440 e
800 rs., qualidado superior.
Tccldos arrendados c6r de reme com
matiz com duajt'larguras, a 600 ra.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 400 e 500 ra.
Teefdos de linho, lindos padrSes
grados, a 200 e 240 ra.
Xeflros lisos e de quadro, a 80 e
100 rs.
Setins de M.-ico branco, preto e de
todas aa coree a 750 e 800 re.
Metlns de quadrinhos, a 900 rs.
Kedas lavr..das brancas c de cores cla-
ras, a 10400.
CiAzeS de seda com fioa prateadoa a
10UOO.
Cortinados de crochet, cm peca, a
900 re.
CambraJas bordadas brancas e de
cores, a40Ot> a peca.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 16)5000, 18(5000 e 200000.
VOS para chapeo preto, branco e de
qualquer c6r, a 10OO.
Crep inglez para enfeitos de vestide s
a 10200 e 20000.
1ECID0S MAIS BARATOS
PeVcales e chitas claras, finas, a
180; 20p e 240 rs.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 rs.
iorlai de listras azues muito lar-
gos com 20 varas, a 60000, a peca.
ftargclins Unos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Cnardanapos superiores a 10800 c
20000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 15000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
10000, o metro
Toalhas acolchoadaa e felpudas com
listas de cores, a 4(5000 e 60000, a duzia
Bicos brancos francezes, a 600
e 800 rs., a peca.
Bieos finos, brancos, cremes e ma-
tisalos, a 20000, a peca.
Balelas a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 re.
I/Sivns de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 20000.
Lequcs de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 20000.
Leqties de pennas o que ha de me-
lhor, a 50000 e 60000.
Mahoncte grande de perfumo agra-
davel, a 500 rs.
Extractos finos francezes e inglezes
a 1.5000 e 20000.
Bespcradores americanos, a 70.
Hosquiteiros americanos com ar
macao a 100000 e 120000.
spartilhos americanos e inglezes,
a 40000, 50000 o. 60000.
Capas de vidrilho e rendas, a 250000
e305OO0.
Toalhas de labyrintho para bap-
tisado a 306000, 400000 e 500000.
E muitas fazendas qne se d por todo o
preco na. '
Loja das Lislras zoes
Vinho puro de Santa-
rem
Da qniniu de Barral
Chegou a segunda remessa des* especial vi
nho para o armazem central de gneros alimen
.icios ra do Cabuga n. 11. o qual se torna
recommendado por ser puro da uva.
Joaquim Christov5o&'C.
Trlephonr --119
sen
A FLORIDA
6al5ea, palmaa e rosas de vidrilho.
Bicos de seda de algodao coro
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho. '
Renda hcspanhola.
Collarinhoe para homem a 30000 e 40OCt
' a duzia.
Bordados de camb aia tapada a 400 500'
600 e800re.--a peca. '
dem com 3 e li2 metros, de qualoue
arguraa 10200. ,
Lencos de linho em caixinhas a 3)5000
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Lindos leques transparentes de gaze *
35000 um.
Grande sortimento de porta-retractos di
pellucia.
Finas pulsoiras americanas a 40, 60 *
85000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, di
20500 a 30000 o par.
Cortinados todos de crochet par3 cama :
120000, 170000 e 190000 o par, algn.-
de cSres.
Ditos para janellas a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 t
10000.
Ditos para sof a 20000.
Plastons c regatas de gosto.
Espclhos com tres palmos de comprimenf
a 40000.
Capel las com veo para noiva a 60000 i
80000.
Lindos enxovaes'baptisados a 80 100 i
120000.
ToucaB de setim para baptisado a 30, 40 t
50000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha ct
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 20000 a peca
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 40000 um.
Collarinhos e punbos celluloide.
Grande sortimento d fitas modernas.
Baleias a 280 re.' a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricantes
Linha de machina, claque, a 40 re. o car
ritel.
Pastas a 10000 e 20000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 20000.
Arquetes para chapeos e chapelinas i
10500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 20000 t
par.
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuario e consollos.
Lmdds lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segura
chapeo.
Espartihos para creanca a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000 >
60000.
Grande sortimento de sabonetes de 200
10500 um.
Estojo com faca, garfo e colher, propn-
para creanca.
Bengallas com flauta a 10500.
Meias de la para homens e senhoras.
LMm dourmda* para fiwer crochet.
Lindas fitas para facha a 20, 30 e 40ULI
a metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim t
do papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 20000.
Lindos desenhos para talagarga,
Finas carteiras para algibeira de 10, 8>
3 e 30500 urna.
Ra Duque de Gaxias n. 103
E' barato
Farinha a 560 ris acuia
S no largo do Mercado n. 12, Gomes Ferreiri
Royal Blend marea VIADO
Este excellento Whisky Escocez pre-
! ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
I para fortificar o corpo.
Vende-se a rctalno nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Royal Blend marca Viadw
cujo nome e emblema sao registrados par-.
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
urna daa canoas, para ir relizar por suas
proprias mos a sinistra tarefa que ia 1-
vral-o de Agostinha, quando Caritides Iba
agarrou pelo braco e lhe mostrOu, sem d-
zer palavra, um individuo qne acabara de
apparecer no lugar que o pescador tinta
dexado.
Aquello nao chegava all para olhare
ainda menos para deliberar, porque, sen
hesitar um segundo, atirou-se agua tocoj
vestido e poz-se a nadary vigorosameme
para a chalana, que se afundava pouco a
pOUCO. 'i,.
Era o ultimo golpe dado na ultima e;-
peranca dos bandidos.
Agostinha tinha agora um defensor.
O machinist do yacht tinha subido ao
tombadilho para pedir ordena e o supjos-
to Borodino ia ordenar-lhe marcha atan-
te, quando o homem que segurava no le-
me do barco em que remava o pescidor
de canifo, se levantou e tirou o capul da
cabe5a.
Borodino reconheceu-o e disse ao tna-
chinista :
A'nda nao. Desee e fica pronpto
para andar quando eu tocar o apito.
Tinha tomado a sua resolucao. Sitia-
se perdido, mas nao queria morrer m se
vingar.
A neta escapava-lhe, mas o avo n]o lhe
havia de escapar.
O antigo pirata tinhatawjmphecido o ve-
lho contra-raestre, que'Ine tinha era outro
tempo cortado a testa com urna esptldei-
rada.
Cordouan estava agora bastante perto
do yacht e o seu perfil accentuado 3esta
cava-se claramente no co ainda ilumina-
do pelos derradeiros claroes de um bello
occaso.
Mas o miseravel.nSo tinha recoihecido
o homem que se approximava da ihalana
e que naquelia occasiao trepava jor ella
cima, agarrando-se com as mos e com
os ps com a destreza de um macaco.
Este homem era Dangalas, denominado
o Mealheiro, que se tinha posto afcaminho
muito cedo com os seus dous aliados e
que chegava a tempo para salvar Agosti-
nha.
O dia tinha sido trabalhoso e o resul-
tado final era devid em grande parte ao
pai Astieot, que tinha guiado e dirigido a
expedicao com rara sagacidade.
Seguindo o caminho de Sirga, tinha ai-
caneado um pouco abaixo de Pecq a cha-
lana, que partir de noite e fora retardada
pelas reprezas.
Era muito bom, mas n5o era muito suf-
ficiente.
Era preciso ir a bordo e nao tinha um
barco sua disposico.
Ainda menos podiam dispor de urna for
5&- armada qualquer.
Dirigir-se s autoridades do Pecq para
lhes dizer que raptavam urna moca na-
quelle grande barco construido para sup-
portar mercadorias, 6eria perder o tempo
intilmente. Tomavam a cousa como gra-
cejo.
Naquelia occasiSo o velho pescador teve
urna idea.
Sabia que o yacht estava ancorado abai-
xo dos moinhos de Poissy, um pouco mais
abaixo do que urna ilha que divide o Se-
na em dous brajos e recordara-se que co-
nhecia em Poissy mesmo um sargento de
policia, amador de pesca como elre, que
a muitas vezes pescar ao canifo naquellas
paragens.
A case sargento, o pai Astieot podia
confiar o seu euibaraco e pedir forca se
fosse necessario e tinha combinado o seu
plano, contando coin isso.
A'chalana ia muito devagar e alugandp
urna carroga em Pecq, os .tres alnados ti-
mam chegado a Poissy muito antes della.
Astieot tinha tempo para fallar ao sar-
gento e para preparar a emboscada na
ilha.
Tinha-se sentado de canijo na inao no
lugar diante do qual a chalana devia for-
zosamente oncalhar, se os remadores se
deixassem Iludir com os prfidos signaes
do pescador. Cordouan e Dangalas, com
um barco alugado a um barqueiro do lu-
gar, tinham dado volta, ilha e esperavam
o acontecimento.
E' barato
Vonham ao 55 ver como se ver<
zendas com 50 /n mais barato que em ou-
tra qualquer parte.
( ortes de cretone, 'combina^So, ultima no-
vidade, a 50000.
Cachemiras, combinacao com listas de seda
a l400 ocovado.
Vestuarios de jersey, ultimo gosto, a 100
e120000
Amor da China, cousa chic, a 200 rs. o
covado.
Linons bordados com quadros, novidade,
a 800 re. o covado,
Setins, qualquer cor,-a 800 rs.
argelins de todas as cf.res, a 200 ra. o
covado.
Merinos de cores a 500, 600 e 800 re. o
covado.
Crinolne8 a 400 rs. o metro.
Vestuarios para baptisados, muito bonitos.
Guardanapos a lr>00.
Cortinados para cama a 50500.
Sedinhas lavradas, o que ha de mais gosto.
Cambraia com salpicos a 40000 a peca.
Cortes de casemira para vestido a 250000
Senda da China a '00 e 240 re.
Tecidos arrendados, a 400 e 500 re.
Zefiros, grande v riedade, a 160, 200 e
240 rs. o covado.
Bicos de cores a 35000 a peca.
iladapolSo muito largo a 65000.
Luvas de seda a 20000, 255000 e 30000.
VTantil as pretas n 40500.
Cambraia Victoria a 2^800.
Atoalhado bordado, lindos gostos, a 10000
o metro.
Grande sortimentos cm toalhos de rosto.
Espartihos com couraea a 4->000, '5000 e
60000.
Nunzucks a 240 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Crotones para coberta, muito bonitos a
500 rs. o covado.
Cambraia suissa, fina e muito bonita a
70000.
Babados e ntremelos grande sortimento e
barato. '
Fichs de linho a 10000.
Ditos de seda a 40000.
Ditos de IS? 10000,25000, 30000, 40000,
50000 e "65000.
Grande quantidade em tapetes pequeos e
grandes.
Cretones muito lindos a 400 rs. o covado.
Chitas brancas, escuras e claias a 240,
280 e 320 rs. o covado. .
Grande sortimento em colchas brancas e
de cores.
Objecitos para homem :
Cortes de caaemiras, finas, a 40000, 60000
e 80000.
Ditas de casineta a 10500 e 20000.
Collarinhos de linho e algodlo a 40000 e
60000 a duzia.
Meias para homem de todas aa cores e
brancas.
Casemiras de cor a 20000, 35000 e 50000
o covado.
Ditas diagonal, lindos desenhos a 20, 30 e
e 40000.
Brim ,de linho de cor a 500 e 600 rs. o
cavado.
Cassinetas, grande sortimento, a 400 <
500 ra. o covado.
Bnns Angola, muito chiqHes e baratos.
Molesquins bons e bonitos.
Camisas de madapolao a 200001 !
Ditas inglezas a 4^o00.
Ceronlas francezas a 15600.
Flanella azul a 10200 o covado.
Grande sortimento em lencos de algodao
e linho.
Camisas de cretone, cousa boa [e barata.
Alm de outros muitos objectos.
D-se amostras sem penhor a qualquer
pesada.
5 Ra Duque de C asias 55
Fernandes Azevedo & C.
Farello superior
Saceos de 42 kilos
, Vende-se em ptima saccaria, por preco sem
competencia ; no trapiche daCoinpanlia, largo
do Corpo Santo n. 19.
Mobilias austracas
Vendem se mobilias completad e pecas avul-
sas, de differantes modcllos e cores. Igualmen-
te teodem-se camas de ferro para solteiros, ca-
sados e meninos, e bem assim corres de ferro
de diversos fabricantes e tamanhos, por pregos
commodos na ra Mrquez de Olinda n. 54.
Dera-se o naufragio; os rebocadores,
violentamente separados da chalana, ha-
viain-sc dirigido para o yacht.
Portanto, Agostinha j nao corra pe-
rigo immediato, porque a chalana tinha
tocado no fundo do rio e nSo podia afas-
tar-se mais.
Cordouan que julgava ter muito tUTpo^
para soccorrer a neta, pensou primeiro em
atacar o pirata qua lh'a tinha roubado.
Tinha que ajustar urna cont velha com
elle e queria por todo o preo impedil-o de
fugir, prendendo-o com a sua propria mao
no seu yach e diante de toda a sua tri-
polacao de bandidos.
Era um rasgo de audacia perigoso, mas
os moradores ribeirinos avisados esta-
vam j na margem esquerda e tinham
com8go muitos policiaes, entre os quaes o
sargento.
Os tres alliados se tinham dividido os
papis.
Emquanto Cordouan e o velho pescador
remavam para o yacht, Dangalas atraves-
sava a ilha correndo e atirava-se ao rio
para entrar na chalana
No momento em que elle tomava p no
tombadilho, os dous outros defensores de
Agostinha approximavam-se do yach e o
pescador dizia ao velho marioteiro :
Entrenha-os emquanto eu vou bus-
car a polica; o sargento -n-rae sig
nal para ir buscal-o e passal-o cooi um
ou dous dos seus hemens. Os bandidos
'j o viram e isso bosta para os manter em
respeito. Mas nada de asneiras l em ci-
ma! NSo os irrite, podiam-lho fazer algu-
ma patifaria. |
Cordouan j estava na escada c impor-
tando-so pouco com as prudentes tecoNi-
meadacoes do pai Astieot, tinha agarra-
do em um revolver e trepava como se se
tratasse de tomar um corsario de abor-
dagera.
t.'aritides e Samotraki esperavam-o no
tombadilho.
Dmgalas, naquelle instante decisivo, nlo
pensava nem naquelles dous velhacos nem
fechada, e fazia esforgos para levantar o
alcapo de madeira, que ta'pava a entrada '
A LOJA MI8 BARATO
s
PAJRIZ N'AMBRIOA'
AZEVEDO, IRMaO & .
1Ra do B. da Victoria16
200Telcphone200
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas e
que ha de. mais novo e preoos sem com-
petencia.
A saber :
Capus de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamiues, pratos, de 13 e la seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 102CD.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 10500, com 10 -
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Chachemiras com 2 larguras a 800
ra.
Dia3 de i e seda 2 larguras a 10000,
Madapolao trancado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro 75000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichs de la e seda 10000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Espartihos couraca a 40000 e 50000.
Colchas do uti a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado a
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rindas, comprimento de saia a 10500.
Renda da IX, preta, para quaresma.
Pao verde para buhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro do sala
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de- crochet para cama a
100000.
Chitas de corea a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbatina de quadro a 800 e 10900.
Guarnieres, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentea.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de c6co.
Luvas de seda a 2$000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol.
Setineta para coberta a 600 ra.
Cortes de collectc de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
Cal de Lisboa
a71000
Vendem Lopes & Araujo
Ra do Livramento
n. 38.
Cofres de ferro
Carlos Sinden tem para vender cofres de
superior qualidade mais barato da que
em outra qualquer parte,
48Ra Barda da Victoriai
Armaco
Vende se urna bonita armacao de anlarello
envernisada ; a tratar na ra do Hospicm a. 6'
loja.
Casa
Vende-se urna casa terrea com bons cftnmo-
dos, em solo proprio, na ra Vidal de Kef reros
n. 110; a tratar na mesma rus n. 34.
Ladrilhos de mosaico
Vende-se no armazem importador a ra "Mar-
que/ de 0lihia d. i.
nos seus dous alliados. Dangalas tinha
corrido para a escotilha, hermticamente
da escada pela qual se descia para a c-
mara.
Escangalhava as maos e comecava a re-
cetar nao o conseguir por falta de um ma-
chado para quebrar aquella tampa que o
! separava da pobre captiva.
Agostinha estava l e viva ainda, por-
que chamav por soccorro e os seos gritos
chegavm aos ouvidos de Dangalas.
Este rcspondia-lhe sem grandes espe-
ranzas de que ella o ouvisse, mas socegava
pensando que os seus amigos viriam em
seu auxilio e que Agostinha ficaria quite
pelo medo.
No yacht comecava outra scena.
ntreguem-se, cambada de salteado-
res tinha dito o pai Cordouan como en-
trada no assumpto.
Como ninguem parecesse querer se en-
tregar, tratou logo de accrescentar com a
mesma violencia:
EstSo presos, canalhas! A policia
vem ahi... Podem me matar, mas eu te-
nho seis balas para atirar. A minha pello
ha de lhe custar caro e quando me matas-
sem, nao escapa vara... O telegrapho j
trabahou e a policia espera-os no ponte de
Mants.
As caras de todos os bandidos da tripo-
layao nao denotavam tranquillidade, e o
proprio Caritides tinha perdido muito da
sua audacia.
Salta por cima, da borda, disse-lhe
em grego o velho pirata Samotraki.
E sem esperar a resposta do seu coni-
plice, desappareceu pala escada que con-
duza ao fundo to yacht/^
Na mesma occasiao, n chalana, o alca-
pu da escotilha levantava-se, esse alca-
po perto d9 qual Dangalas se encarnicava
intilmente e quaai logo appareca, nSo a
cabeza encantadora de Agostinha, mas a
cabeca negra e eucarapinhada do meleque,
que havia quatro.das servia de criado i
presa.
( Cont in uar-se -ha)

,:


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3X0KRO1T_36UIUD INGEST_TIME 2014-05-28T00:45:44Z PACKAGE AA00011611_16929
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES