Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16927


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I V*3&.'*2* B^B *&W*mn*>

PM

NMEKO 180
.. ____r-I- ''-____
PARA A CAPlTAI. E CUCARES OX1ME MA (SE PAGA PORTE.
a Po> tres mezcs adjantados......."...
........
?or um anuo idem ... ......
Cada numero a valso, do mesmo da. .
6*000
120000
23*000*
0100
MfflNGQ 11 DE AGOSTO DE 1889
PARA DEXTRO E FORA DA PRO 113 CA
Por seis meses adiantados..............
Por nove dito* idem. ......'.........
Por um anno idem................
Cada numero avulso, de das anteriores ..........
1305CO
200000
260000
0100
DE HRNAMBUGO
Trcprkdade de Manoel

Os Brs, Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os ugssos agentes ex-
clusivos de ^minncios
flTHll
faria 3%U?cs

do, tenente coronel Francisco Lbano de S For-
tes ; de S. Roberto.. Quintiliano Alves Fcrreira;
de Dores de Guaxif, o tenentc-coronel Manoel
Joaquim Ribeiro do Valle ; e de Mendes Tota,.o
commendador Joo Antonio Mendes Tota.
- Foram agraciados: com a gr-eruz da or-
dem de Xosso Senbor Jess Cliristo, o conselhei
ro Jos Antonio de Magalfaes Castro, ministro
do Supremo Tribunal 4bnsM^com a com-
nienda da ordegfc_d '^HC0^ ."
do de Jaguaro, na do Rio Orando do J^M
charol Arsenio Rodrigues de Seixas FilbajJ
de Ghique-Chique, na da Baliia, o bacliarn
|carViauna. -
Foram exonerados : Pedro GoncalvesjB
nida, do lugar de oflicial da secretaria de I
cia da provincia de Pernambuco, o Antonio Prt
|d:liano de Vascocellos, do de oilicial S^^M
de secretario da polieiada provincia de Sefj|
aram
eados.:
?ae
TELEGRAMAS
nango r^:.:::7LAS so uuaio
RIO DE JANEIRO, 10 de Agosto, s 3
toras e 4o :niautos da tarde.
? Foram norueados juizes municipaes c de
Afphaos :
Do termo de Loreto, na provincia do
Maranho, bacharei Hygino Gusinao, sendo
exonerado o actual;
t)o termo de Jardim e Acary, na pro-
vincia do Rio Grande do Norte, bacharei
Alvaro Fragoso d'Albuqucrque;
Do termo de Piulo Affonso, na provin-
cia das AlagOas, bacharei Antonio Joa-
quii d'Albuquerque Mello, sendo exone-
rado o actual;
Do termo de Tefe, na provincia do Ama-
zonas, bacharei Alcides Souza.
2SS7I5C SA LimiL 2AVAS
APLES, 8 de Agosto.
Mr. de Cairoli acaba de fallecer aqu.
ROMA, '. de Agosto.
IJirabt'vto pagar sua
^& M Hfe Humberto
bolsa particular as exequias roli.
FORTALEZA,
ras da tarde.
10 de Agosto, s T ho-

S. A. o Conde d'Eu e Barao de Corum-
b seguiraw hoje para o sul no paquete
M.-trimh'io, tendo sido acompanhados at o
lugar do embarque por grande numero de
pessoaas de todas as classes da sociedade
cearense.
Em todos os lugares aonde passou S. A.
fui muito bem recebida e com demonstra-
res de calorosa e cordial sympathia.
O Ilustre viajante, por sua amabilidade
para todos, e seus vastos conhecimentos,
cptivou todos aquellos que tiveram a hon-
ra de apprnximal-o.
^_i ripWCTfflW, m
coselho 7 hfgiene e pharmaceutico em Mon-
te-Cario ; e Alcebiades Diniz Gordeiro.
Foi agraciado com o grao de cavalleiro da
mesma ordem David Antonio [.Correia, um dos
mais antigos empreados da Imprensa Nacional.
Foram nomeados para os cargos de 2o c 3o
vico-presidentes de Sergipe o Dr. Thomaz Ro-
drigues da Cruz e Ernesto Esteres da Silreira;
e exonerados os actuaes hachareis Pelino Fran-
cisco de Carvalho Xobre e Joao Maria Loureiro
Tarares.
Foi declarada ?em elleito a carta imperial
de 26 de Julho ultimo, pela qual fui nouieado
Lindorf Alberto Brandao para o cargo de secre-
tario da provincia de Goyaz.
Foram expedidos os segniotes arisos em
II de Julho lindo
Ao presidente de Pernambuco :
. Remettendo a V. Exc. os inclusos papis,
concernentes a approvacao que dos estatutos da
igreja evanglica pemarabocana pediram os
respectivos 'membros, recommendo-lhe faca
constar aos interessados nec se torna preciso
nao so o reconhecimento de todas as assignatu-
ras do termo de eleico dos incumbidos de pro
mover a indicada approvacao. como tambem o
sello da J' folha'do mesmo termo que contera a
continuaco dessas assignaturas ; ouirosim, que
.a ultima folba dos ditos estatutos, onde termina
a exposico de doutrinas, nao traz as assigna-
turas competentes, s quaes ai se alinde.
Alm de deverein os interessados preencher
as formalidades anontadas. importa [que V. Exc.
Ihes*ica sentir a conveniencia de ser alterado
o art. 19 dos estatutos uo sentido de reverterem
os bens da referida igreja, r.o 90 de dissolu-
co, em favor de q 'alqner nstituicao pia ou es-
tabelecimento de instruepo existente no impe-
rio.
Satisfeitas estas exigencias, sirva-se V. Exc.
providenciar afim de que os papis sejam de-
volvidos secretaria de estado.
Ao i>. abbade de S. fenlo, cm Sao Paulo :
Km requenmenlos datados de 8,17 e 23 do
corrente mes, Paulino lose Moreira da Fonseca,
o bacharei Joo de Ctrtjueira Mendes o Joo Pe-
reira du Silva, mostrando que, era soluco das
petices que enderecarara a V. P. Re vina, para
Ihes'serem aforados terreos que nessa cidade
possuc o mosteiro de S. Bento, aos quaes sepro-
punham fazer ediScacfies, loi '.lies declarado,
quanto ao segundo dos peticionarios, que ticava
f.-ia a concessao, so!< a rlausula de ser appro-
vada pele governo, e. quuuto aos outros, que
deviain apresentar a 1:^'^' a .ira poder so pas
sar o termo it aforamento." solicitaram do go-
verno a indispensavel prraisso para o ropc-
ctivo contracto. .....
Veriflca-se oue r*>qucrimentos dirigidos
a este mioisiprl nao esto no caso de ser toma-
dos em consideracic^ porque a competente au-
toridade da ordem, e' nao aos interessados era
semelhantcs contrato-, 'abe solicitar aquella
liecnca, devendo os pedido? ser documentados,
conforme as presrripcw-s do decreto n. 655, de
28 de Novembro de I8M>, e vir encaminbados
com as neces9arias informacCes, por interme-
dio dos presidentes da- provincias onde se acha-
rem os bens.
Mas. considerado o objecto dos requerimen-
tos, nao occorre exigir que sejam preencuilas
essas formalidades, porquauto nao admissivel
o aforamento dos bens das orden? regulares, em
face da lei n. 1,764, de 38 en Junho de 1870, a
qual, no cap. 3-, art. lt>. determinou a con ver-
sao de taes bens em apolicen iastransteriveis.
A' vista do expos'o, iudeliro na presente
data os alludidos requenmentos, e, attendendo
conveniencia de se proceder a alienadlo dos
terrenos de que se trata, asi-im como a de ou-
tros que igualmente poseas sef vendidos com
vaniagens para a ordem benedictina, recora-
mendo a V. P. Revma. que swva-se providen-
ciar no sentido de abrirse para esse lira a ne-
cessaria concurrencia pelo prazo de 30 das e
de remetterem-se oppoftanamente a este Minis
terio, para quere?olv3; as propostas que forem
a presentadas.
i Guia.
Tntado OWf Josp Maria da Cmara
no lo^'ar de"^|Btario de polica da pro
vinciaae Minas erae, com o ordenado propor-
cional ao lempo de servico, na conformidade do
art. 22 do decreto n. 17itiMflk Abril de 1836,
por assim o haver pedido.J
Foi reintegrado Manoel dfS.Mnlos Pimentel no
lugar de oflicial da secretaria de polica da pro-
vincia de Pernambuco.
Foram nomeados desembargadores : da re'a-
co da corte, o juiz de dircito desembargador
honorario Seranhim Muniz Barrero; dadeS.
Paulo, o juiz de direito Jos Maria do Valle, li-
cando sem elTeito a anterior nomeago para igual
lugar na de Coraba ; da de Bel-m, o "juiz de di
reito Abel Grca: da de Cuyaba, o juiz de di-
reito Joaquim de Mello Rocha"
Foram concedidas as honras de desembarga
dor ao juiz de direito Carlos Honorio Beuedicto
ltoni.
Foi declarado vago o lugar de 2 juiz substi-
to da corte, visto ter o respeclivo juiz aceitado
a nomeacao de addido a mis sao especial nos Es-
tados Unidos da America.
Foi removido o juiz de direito Luiz de Camar-
go Mello da comarca de Botucati, du *5 entran-
cia, na provincia de S. Paulo, para a de Alcoba-
ea, de 2.', na Bahia.
Foram designadas as seguintes comarcas para
nellas terem exercicio : ao juiz de direito conse-
lheiro Manoel da Silva Marra a 1 > vara civel da
comarca de .Xilberohy, de 3.* entraacia, na pro-
vincia do Rio de Janeiro: ao juiz de direito An-
tonio Joaquim de Souza Paraso a 1.' vara deor-
phos da comarca da corle, de 3.a entrancia.
Foram nomeados : Juizes municipac3 e do
orphaos : dos termos de Aracaty e Uniao, na pro-
vincia do Cear. o bacharei Joo Julio de Almei-
da Monte; dos termos do Rio Pardo e Santa Cruz,
no Rio Grande do Sul. o bacharei Alfredo de Al-
raeida Gama Lcbo d'Eca.
Foram reconduzidos: o bacharei Godofredo
Vieira da Gunha, no lugar de juiz municipal do
termo de Campos, na provincia do Rio de Janei-
ro ; o hachare! Jos Lucas Alvares Filho, no de
juiz munieipal e de orphaos do termo de Eucru
zilhada, na do Rio Grande do Sul.
Foi declarado sem elTeiio o decreto de 9 de
Margo ultimo que removeu o juiz municipal e de
orphaos, bacharei Jos Anastacio da Silva Gniraa-
raes, dos termos de Barbalha, e Misso Velha,
para os de Aracaty e l'uiao, todos na provincia
a* Mt visio nao ter acceitado a re inocuo.
nu alfandega do Mara-
lesourana Antonio Izidro
oflicial de descarga ida ai-
Hw| Dantas boteltio e
(PLisboa.
: 1" eseriptqrano da
do Mlaraaliaq, oT* da I
inundo Alexandre d* aRj-
,o Ail'Ofiso AvetiQo
irari;
fazend
EXTERIOR
fl; praticante da thesouraria
uhy EmiKo"Ce.-ar Burlainaqui.
'oi exoneip o bacharei Francisco de Asj
'acheco NePMSP lugar de procurador lis
tiesournria de fazenda deS.iftstp.
Ji exonerado Antonio LourengtjHpnrifio
do Iugar4e flscal do Banco db MaranfiRje no-
ineado para substituil-o Carlos Augusto Franco
de S.
RUnAterio da Mariuha
Por decreto de 3 de Agosto foi promovido a
1" tenfnte da armada, por antigoidade, o 2" te-
nente Leo Amzalak.
O 1" tenente Mario da Silva Nazareth passou
da 1 para a 2* classe cm vista do resultedo da
inspecrao de saude e que foi subraetlido.
Por decreto de 4 de Agosto foi promovido por
antiguidade, a 1'
da Sivo. i .
tenente o 2" Agostinho Jos
ncia
jado ao msmo es-
Thoraaz Luiz
Agencia liaras, filial
10 de Agosto de 1389.
em Pernambuco,
Jliulseri da Jusica
)
I
.i
, PARTE 0FF1C1AL
Ministerio do Imperio
Foi nomeado senador dojimperio pela provin-
a Babia o conselheiro Antonio Carneiro da Ro-
cha.
Fet-se mare do titulo de coselho aos
membros do Supremo Tribunal de Justica Srs.
Antonio Angusto da Silva e Luiz Barbosa Accio-
li de Brito. ,
Foi agraciado aap o titulo de Baio de S.
Sepe o tenente-generai reformado Luiz Jos Pe-
reira de Carvalho.
Foi nomeado director da Faculdade de di-
reito do Recife e cpnseiheiro r. Joo Silveira
de Souza e exonerado desse carg o conselneiro
Joo Alfredo Corrcia de Oveira, visto ter sido
orneado para o de conseldeiro de Estado ordi-
nario.
Foi nomeado o Dr. Albino Goncalves Meira
4e Vasconcellos para o lugar de lente da Ia ca-
deira do o anno da mesm Faculdade.
Foram nomeados : vice presidente da pro
viucia da Bahia os Srs. Drs. Joo do3 Res de
Souza Dantas, Virgilio Alves de Lima Gordilbo,
Manoel Victurio Pereira, conelheiro Cincinato
Pinto da Silva c Visconde de Ferreira Bandeira
para serrirem em 1, 2", 3, 4 e 6o lugares ; e
fxonerados: o bacharei Domingos Rodrigues
tuimaraes, o Dr. Fiel Jos de Carvalho e Olirei-
n, o Baro de S. Thiago c o Conde de Saba,
que oceuparam na respectiva o 2*, 3, 4 c 6* lu-
gares.
Foi nomeado secretario da do Cear o Sr.
bacharei Julio Angosto de Luna Freir, e exone-
rado* actual, Sr. bacharei Ravmundo de Paria
*ito.
Foi agraciado co:*; o grao de cavallu-iro de
S. Bento de Aviz do corpo de enge-
lieiros Fru lisoo Alberto Gmllon.
Foram elevados a visconde com grandeza
s Bares de Ibiluruna e de Saboia: a viscon-
(Hes os Bares de Monte Mario e de lutiaya.
[ Foram agraciados : dm o litlo de Baro
fcc Javary o ronsclheiro Jorge J(.ao Dodsworth;
BtW Lamn, coronel Alcides Rodrigues Pereira ;
Rio Pomba, corooel Antonio Teixeira de Car-
ie Saramenha, commendador Carlos
. Luiz Antonio
Moraes Navarro: de Sania Barbara, Joao
Evangelista di ,os:'de S. Marcelli-
o, Dr. Maree! ortes; de Santiago.
|r. Cari-- do Ribeiro Fun-
Foi nomeado chefe de polica da provincia de
Sergipe o juiz de direito Acerico Pinto Barrete
Foram nomeados juizes subslilutos: da co-
marca de Braganca. na provincia de S. Paulo, o
bacharei Pedro olas- o Xavier de Paula, e da de
Mogv das ruzes, na mesma provinch, o bacha-
rei Augusto Freir da Silva Jnior.
Foi declarado sem sem effeito o decreto de 28
de Junho ultimo, que nomeou o bacharei .'.ntonio
Joaquim de Albuqce^qee Mello para o lugar de
juiz ubsiiluto da comarca de Timbauba. na pro-
vincia da Pernambuco, viste liaver-se verificado
nSo ter o mesmo bacharei os dousannos de pra-
iea do fro, a que se refere o art. !.<, 1." da
lei 2033 de 20 de Setembro de 1871.
Foi concedida a exonerado do lugar de juiz
substituto da comarca de og] as Cruzes, na
de S. Paulo,ao bactoel Jos Koberto Leite Pen-
Foi removido o juir. de direito Horacio Olindo
do Espirito Sanio da comarca de Santa Victoria
do Palmar de 1." entrancia, pera a de Jaguarao,
de 2.', ambas na provincia do Rio Grande do bul.
Foi nomeado juiz de dircilo da comarca do
Triumpho, de 1." entrancia, na provincia rio Kio
Grande do Sul. o bacharei Antonio Augusto de
Carvalho. ...
Foram nomeados juizes rauaictpacs e de or-
phaos : do termo de Atlbaia, na provincia de S-
Paulo, o hachare) Manoel Jacmiho de Araujo
Ferraz ; dos de Ilhos e Olivenca, na da Baha,
0 bachard Izaias de llarralho Santos ; do de
Chique-CInque. na mesma provincia, o tachare
Arthur Gorqpeira da RoCia Lim
Por poriaria de 30 do passado foi declarado
sem 'effeilo o decirlo de 17 de Junho do anno
nassailo que remoreno bacharei Jos M.icia Lar-
cacha Jnior do lugar de juiz municipal e de
orphaos do termo da Peoba lo Rio do Pette, na
provincia tle S. Paulo, para o de juiz subs' MMO
da comarca' de Braganca, n, mesma provincia,
visto nao te: BOJ exercicio no prazo
eForam privados os conto afird. L.
1 o Til 79, s i decreto n 68il de 16 de 1
rei'ro de 1878 o tachare! Damasco Corris Coe-
IhO do lugar de juiz muaicipal e de orphaos do
termo de ruguavana, na provincia do Rio Gran-
de do Sul, e parae qual foi nomeado por de
d 10 de Dezembro ultimo, atienta a inconi-
pitihilidade l-'Xsle
Ribeiro, p I^^H
Foram t
rain :
lacnai
do Gear,
Foram reintegrados, nos termos do art. 3
do decreto n. 10,260 de 13 do corrente mez
O teneale;coroncl Francisco Ferreira
Bacury. no exercicio de cef* do
do aommando superior da guarda
comarcas da capital o Rio Negro, na pro
do Amazona; (cando aggre_
tado maior o tenente coronel
Sympson.
O bacharei Manoel Francisco Machado, no do
posto de tcnente-corftiel commandaate do 1 ba
lalho de iufantaria da guarda nacional das co
marcas da capital e Rio Negro, naquella provin-
cia, licando aggegadoao mesmo batalio o Sr.
tenente coronel Francisco Publio Ribeiro BiKen
court.
0 coronel Ravmundo Odorico de Barros, no do
lugar de commandante superior da guarda na-
cional das comarcas de Vlanna e Baixo Mearim.
na provincia do Maraohao, licando aggregado ao
respectivo estado maior o coronel Francisco Ray-
mundo Gomes.
Angelo Jos Barbosa, no do posto de tenente
coronel commandante do 7J batalho de infama-
ra da guarda nacional da comarca de Parintins,
na do Amazonas, ticando aggregado ao mesmo
batalho Jos Feliciano Michilles.
Aurelio Mar'ins de Menezes, no do posto de
tenente coronel commandante do 4o batalho de
infamara da guarda uacional das comarcas de
Itacoatira e Ro Madeira, na mesmojprovineia, li-
cando aggregado ao dito batalho o tenente co-
ronel Dionysio Jos Serudo Martins.
O Baro de Juru, no de commannante supe-
rior da guarda nacional das comarcas da;capilal
e Rio Negro na mesma provincia, licando aggre
gadoao respetivo estado maior o coronel Deo-
dato Gomes da Fonseca.
O corone! loaqnim Manoel de Carvalho, no lu-
ar delcomraandante superiorfda guarda nacional
a coniarca de Vigia, na do Para.
0 tenentc-coronel Joaquim Jos Paes da Silva
Sarment, no luger de commandante do 1 bata-
lho de artiltieria da guarda nacional da comarca
da capital do Rio Negro, na do Amazona?, Idean-
do aggregado ao mesmo batalho o tenente-co
rone Menandro Leandro Monteiro Tapajoz.
Por decreto? de 30 do mez lido foram no-
meados para a guarda nacional os seguintes
olciaes :
Provincia do' Cear. -romarca de lguatu : ma-
jor ajudante de ordens, secretario geral, Jos da
Silva Pereira Cosa Leal ;1capitoquartel-raestre.
Alfredo Teixeira Alexandnno; tenentc-coronel
commandante du ol" bataJJi&o de iufantaria, Be-
luario Cicero AI"xandrino; tenente coronel com-
mandante do'53 batalho de iofantaria. Ca los
Antonio Pweira da SilvaComarca de Lavas :
tenente coronel commandante do 'ST' batalho de
iofantaria. EafrasM Gonculves da Silva; tenenle-
coronel commandante do 58" batalho de nfan-
taria. Antonio da Cosa Vieira. -Comarca de
Maria Pereira : tenente-coronel commandante do
60" batalho de infantaria, Antonio Jos Oliveira
iirazil.
Hinlsterlo da iicrra
Foram transferidos : na arma de artilharia,
para o 2o batalo o capito do 3" Alcebiades Mar-
tri's Rangel. para a 3" batera: pira o > bata-
lho o capito do 4o Ricardo Fernaodes da Sil-
va, para a 2* batera ; e para o 4o batalho o
cafio ajudante do 3o Joo Candido Jacqucs
pala a 3 batera.
irma de cavallara: para o 4 regiment o
eafiao do !> Jos Caetano de Farias, para o
1" esquadro Antonio Adolplio da Fontourc
Mein* Jarretov para o 3" esquadro.
nna de iufantaria: para o !> batalho o
capilo do 29 Jos fcbino de Brito. para a :!'
coinpanliia; para o 15 balalho tenente-coro
ns|commandaute do 30a Joaquim Jos de Pi-
nfm' para o 29 batalho o tenentc-coronel com-
nianilaiite do 15 Bento Luiz da Gama; capito
do 9 Sergio Tertuliano Castello Branco, para a
4* compannia : e para o 30' o tenente-coronel
commandante do 29 Joo Pedro Xavier da C-
mara.
Foram tranferidos os seguintes ofliciaes do
exercito :
Arma de cavallaraPara o 2* regiment, ca-
pito do corpo de transporte Luiz Lopes da
Rosa, para o 4 esquadro; para o 3" rgimen
to, capito do*2* Jos de Vasconcellos, para o
4' esquadro ; para o 4o regiment, capito do
iclor Neves, para ajudante ; para_o_9" reg
> Sr- esquadroi; para o corpo d
inspbrte, capito do :- regiment. Pacifico
Bbulart Pinto, para o 2 esquadro.
Arma de infamaraPara o 4" batalho, ca])i-
lo do Baphasl Augusto da Cunta Mallos,
mpai'iia ; para o 13 batalho, ca-
.\otieias do Rio da Prata
Xas folhas-da corte, hontem viudas pelo vapor
ancez VUle de Cear, encontramos estes tele-
grammas ^
Bwno.< me*. :0 de Julhi
JggAniiij director da Prensa, parti para
h
e *ma sosfedade para a or
da expdsicw universal que aqui deve realizar-se
em 1890. ^
intendente municipal vai fundar urna asso-
ciaco cooperativa com o fim de fazer baixar o
preco da carne.
30 de Julho.
O Dr. Lobos assuraio a direceo da Prensa.
Montevideo, 30 de Julho.
O Sr. Murray foi nomeado ministro dos Esta-
do? unidos no"Paraguay e no Uruguay.
Chegou a esta capital o Dr. Souza Bandeira,
ex-pre ideute da provincia de Mato Grosso.
Chegou a este porto o encouragado peruano
Lima.
A polica mandou fechar o Club de Tiro.
30 de Julho.
Fallase que baver aqui um meeting para pro
testar contra a projeclada eonspiraco.
BuenosAyres, 31 de Julho.
A imprensa vai offerecer, na sexta-feira. um
banquete ao Dr. Joaquim Xa buco.
O Dr. Berdier foi nomeado inspector sanitario,
permanente, no Rio de "Janeiro.
31 de Julho.
A liquidaco da bolsa fez-se fcilmente apezar
is diflerencas imDortarem em 15 milhOes de
das diflerencas
pesos.
Continua na cmara dos deputado? a disens-
eTa;
blica e difficil situacao do Banco de Hespanha.
que reflecte na depreciacSo de 4 % externo, qut
apezar do subido preco a que esto os francor.
vem a Madrid e a Barcelona solicitar compra-
dores.
" dia, continua o mesrao peridico, de u
grande coriltajto est prximo. Se nao se usar
remedio enrgico e de eflicaz correctivo para-
mal, o roximu vencimento o da auto -
m tro acte de clemeneja, que
muilos desgracados.
ugusta senhora conceden por sua propr
e'generosa iniciatira, o indulto aos coudemiK.
dos morte, por motivo de um horrivel crinie
perpetrado em Nava de Roa.
A pena foi commulada em priso perpetua.
-~ O eminente poeta Zorrilla sahio de Granad*
para Cordova, onde leve brilhante recepcao-
as janellas dos edificios das ras do transite
da estaco para o hotel da Suissa, viam-se cele-
bres e innmeras damas que lancavam flores so-
bre a carruagem que conduzia o Zorrilla.
Ha poucos dias chegaram a Paris os ope-
rarios hespanhes. que. a expensas do ministe-
rio das obras publica?, allj rao estudar a Expe-
sicao Universal.
O delegado geral. o Sr. Lpez, permitiio-lhes
a entrada gratis na ExposirSo.
O cnsul hespanhol em Pars recebeu os ope-
rara? e prestou-lhes o seu concurso, obedecen-
do a instroccoes superiores.
Dizem de Paris que a rainha Izabel de Hes-
panha partir para as aguas de Schlandgenbad
(Nassau) a tratar das dores seiaticas. Demorar-
se ha na Haya, fazendo urna pequega riagem na
antes de se installar en Schlangert-
para a 2a i
pililo do
para a 1* ootnpanhia; capit* jio 28 Antonio
Jos Centeno Janior. para a V comprala; para
o 28 batalho, capito do 13 Democrito Ferrei-
ra da Silva, para a 2 compannia.
4"Manuel Ignacio de Oliveira Leilo,
i do 28
PRS
DESPACHOS DA HtESIEXIA O
DE AGOSTO DE 1881
DIA 8
-SOS!
Capito Antonio de Lemos e Vascon-
cellos. Indeferido.
Anna Joaquina 'fheotonia do Sacra-
mento.Indeferido.
Bacliarel Manoel Raymundo de x\raujo
Pinheiro. Sim, do 1.* de Maio at o dia
anterior ao de sua exoneracao.
Maria Lydia do Sacramento Informe
o Sr. inspector geral d* Instruccao Pu-
blica.
Capito Neceas da Silva Gusmao. Kc-
mettido ao Sr. commandante superior da
guarda nacional da omarca de Caruar
para mandar passar a guia de que trata o
artigo 45 do decreto n. 1 l de 12 de
Marco de 1S)3.
Manoel Gomes Manhonga. Informe o
Sr. administrador do theatro Santa Isa-
bel. '
Bacharei Claudino Rogoberto Ferreira
dos Santos. A Thesouraria de Fazenda.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 10 de Agosto de 1889.'
O porteiro,
Francelino Chacn.
sao dos projectos linanceiros do ministro Vare
o deputado Escalante combate a coustituico de
um fundo de garanta.
Falleceu o Dr. Delcorril.
Montevideo, 31 de Julho.
Continuara as pesquizvis da polica com relaco
projeclada eonspiraco, tendo sido fetas umi-
tas prises.
Falleceu o Sr. Wilson, cnsul inglez nesla ca-
pital
Buenos-Ai/res, 1 de Agosto.
Por noticias recebidas de S. Fernando sbese
que o rio que por all passa sahio do leito, inun-
dando parte da cidade ; os estragos sSo consi-
deraveis.
No Rosario de?carril!ou um trem de passa-
geirot, de que resultaram estragos maleriae? e
contuses de pequea gravidade.
Continuou na cmara dos depulados a discus-
s2o dos projectos do ministro da fazenda, Va-
rte. E" certa a adopcio desses projectos. #
1 de Agoslo.
Deram-se aqui, hoje, oito casos de pneumona
Foi commulada na pena de gales a de morle
que baa sido proferida contra o ex-cura de
Olivarria. Castro Rodrguez.
MontevnUe, 1 de Agosto.
r.ini-ii da.-> nessnas bresas COiflO. COmplcBd da
irtTnspfraPu Wuui^osR^lf 'dispost?5o do res-
pectivo juiz alim de serem process^das.
Foi preso o engenheiro Cabrera, indigitado
chefe da eonspiraco.
Acba se enfermo o ministro brazileiro Ponte
Ribeiro.
Est suspensa a publicaco do peridico O
Brazit.
Tem augmentado a epidemia de diphteria.
Bwtios-Ayres, 2 de Julho.
O governo coniractou com a Coinpanliia Dra
gadora Argentina os cstudos
rio Uruguay.
Est grassando a varila em Mendoza.
Montevideo, 2 de Julho.
Os brazileiros aqui residentes ofl'erecerara um
banquete ao Dr. Joaquim Nabuco.
Foi %llocada a primeira pedra para a edifica-
cao do asylo de orphaos.
Buenos-Ayres, 3 de Agosto.
Dous mil marinheiros da Boca do Riachuelo
lizeram parede.
Foram distribuidas as mcdalhas commemora-
tivas da expedicao ao Chaco.
Era Mendoza tem augmentado a diphteria.
A cmara dos deputados approrou os projec-
tos do ministro da fazenda e a creado de urna
Alfandega era La Plata.
Montevideo, 3 de Agoslo.
0 partido colorado aceita a candidatura do
Sr. Herrera y Obes para presidente da rcpnblica.
Acha se gravemente enfermo o presidente do
senado.
Bi nos Ayres. i de Agosto.
Joaquim Nabuco visitn La Piala.
A canhoneira franceza BloUe parte brevemen-
te para o Rio de Janeiro.
Prepara-se urna manifestaco ao Dr. Pavila.
O ministerio argentino aceita a arbitragem na
questo do territorio das Misses.
Montevideo, 4 de Agosto.
Foi preso em Buenos-Ayres o Sr. lionero,
presidente do Club do Tiro. Falla-se no dester
ro de todos os conspiradores presos
O Sr. fasey foi eleito presidente do Banco
Nacional do Uruguay.
Vai realizar-se um torneio de esgrima entre
atiradores argentinos e orientaes.
ontina gravemente enfermo o presidente
do senado.
Hollanda
bad. Depois da cura ir a Munick, rollando a
Paris em Outubro.
O infante D. Antonio espera-se em Paris o.re-
gresso da infanta D. Eulalia.
O governo do reino visinlio decidi mandar
fazer nova edigo correcta do cdigo civil.
Fallara-se, insistenleraenle, nestes ltimos
dias em crise ministerial: comtudo os amigos'do
Sr. Cnovas del Castilho asseguram que o actual
governo continuar sem modilieagSo at Xovem-
bro prximo, em cuja epocha se abrro as cor-
tes para discutir e rotar a lei do sulTragio uni-
versal.
Os amigos do general Martnez Campos ne-
gara em absoluto que entre este e o Sr. Sagast
exista dissidencia de especie alguma.
Outras pessoas. porm. asseveram que se vs.i
formar um ministerio de' conciliaco, sob a pre->
sidencia do Sr. Sagasla.
Xa madrugada de 25, na villa de Alcal de
Chisbert, provincia de Castelln, um grade nu-
mero de populares aos gritos de -Viva a rep-
blica-dirigio-se rcparticande pesos e medi-
das, apoderando-se dos fufrtos all existentes,
depo:s de cortar os tios telegraphicos.
O bando era capijaneado por um tal Vicente
Rou Martorell, ex-cabecilha carlista, na ullima
guerra civil, na 'qual alcaocou o po3to de co-
roe!.
Ao saber-sc disto cm Madrid, os ministros
reuniram-se eniconselho. Alcal de Chisbert
povoacao de O OO habitantes e onde predomin
o elemento carlista. _
Depois do saque, o giupo fugio em direccao de
Maestrazgo,, perseguido pela guarda civil. O
governador (fe Castelln sabio tambem em per-
seguigo do? revoltados.
Os ultimo? telegrammas recebidos em Ma-
drid nada mais adiantam.
Franca
A academia das sciencias de Paris soube offi-
ciatmente do attentado contra a vida de S. M. o
hidrogriphicos do Inperador do Brazil por urna carta que Ihe diri-
gi o Sr. Baro de TefT, informando-a em que
circumstancias elle fra perpetrado. O bara
ajuntava que a popularidade que de?fructa o Im-
perador e o amor que elle inspira ao seu povo
sao taes, que aquelle acto nao se poda attribuir
senao a um louco
Por proposta do presidente, o Sr. Desdoiseaux,
a academia decidi que fosse enviada ao Impe-
rador urna meosagem de felicitaco.
Ministerio da Fazenda
Foi aposentado a seu pedido, no lugar de r*
iscripiurario do thesooro uacional, o Sr. Dr.
Joao Cru'.ello Cavalcanli.
Foi aposentado, a seu pedido, Antonio Ma
uoel Goncrtres. telegraphisla de 2" classe da re-
parlij los te'graphos.
Foram nomeados para examinar as contas
- r itas com a sema uas provincias
da Paraiiyba, Rio Grande do Norte e Cear as
s.'guiiu-s commisses:
ParabybaO conferente do Para Octarj
Esseliii o i" escripiurario da mesma alfar
ga J) Silvestre Martin.- Ilascareohas.
:io Gradde do Norte o 2* c-criplurario .i
nHuadega do Rio de Janeiro Miguel Fernandes
e o pralicanie da mesma alfandega !! -n-
rique Jos do Rosario.
Cear O conferente da alfandega do Rio de
Janeiro Joo Bautista de Castro e Silva, o
lurano do thesooro Joo Peixoto d
ripturario Joaqun.
Franco.
Foram nuineados confer
O da frcgaozia
por embria-
-=SMES3S-
ReparticSo da Polica
2. ec^fo.N. 983Secretaria de Po-
lica do Pernambuco, 10 de Agosto de 1889
Illm. eExm. Sr. Participo a V. Exc.
ue roram hontem recAhidoa Casa de De-
tencao,. os BeguinteJjMtoduos :
A' ordem d Dsfl Ig^-do do 2." dis-
trito da capital, Tenrentijp Pliilomeno
Accioly, por disturbios.
A' ordem do snbdele
do Reeife, Ducvid Wo
A' ordem do da reguezia de Satb An-
toni), Antonio Francisco de Assis, com-i
vagabundo desordoiro, Augusto Floriano
dos Santos e Luiz Antonio Tavarcs, por
embriaguez e disturbios.
A' oroem-do do 2. districto da freguo-
zia de Nngsa Senhora da Graya, Jos
Frncisco ra Suva, por disturbios e wffen-
saa, moral publica.
\' ordem do da freguezia di Varzea,
Felismino de tal, alienado, at qae tenha
destino.
.rrente mez assumio o exor-
i de delegado do termo do
m o Dr. Justino du ALt-tta Sil-
roarde V. Exc.I!m. e
ioel Alves c
lente da a.O
^^K Geroncio Dita de Ai
Xotleias da Europa
O paquete francez Nerthe, chegado hontem da
Europa, trouxe datas que de Lisboa alcancam
a 28 de Julho ultimo, adiantando seis dias s
tosidas pelo inglez Aralo.
Eis algumas das noticias de que foi che por
tador, e que depois completaremos :
Hcnpanlia
?ohre este piz escreve em 28 de Julho o nosso
correspondente Lisboa:
Parece que as preoecupaces dos poltico?
liberaes em Hespanha sao de realizarem urna re-
coociHacao-dos elementos divergente?, e de re
constiluirem a mu la le do partido, rota durante
a ullima s -laliva.
latga-W (jo- a principal coadlco para isso
a cfcotta iudi-cuiiwi porjodoa, de Sagasta.
Algn? horneas poiiticos desarelos actual
si'uayiio, cont'e-a n que a eonspiraco, qu>; as
ultimis ses.-Oe- |no iuzir. ra as lamentaveis ?ce-
nas p irlamentiivs, a que me lenho referido, po
da dar eiwiaocooi a esperanca de um
accordo eui'e o- liberaes e a formacao de d'um
minislerio'le cjnnliVao com os Srs. Allonso
Quartiaez ivi tai i Q i niez Sampaio.
* Dis-se qae ? Sr. Gamaso anda nao est ao
lado d i g'v i i ,m depressa se collocar,
senaraudo-ae nd to 'o n ca*o ila cou.-piraeo
Caso se for m ministerio de coacili
gao, o general Lpez Domnguez acceitaria a
da guerra.
O <\\t>< se da com c rio, no meio de toda? a?
o fraccionameno, seoae
la ultima c
Coraecaram na bahia de Douarnenez as mano-
bras dadirisao cooracada da Mancha.
X?. semana passada, e durante anoitede!8
para 19, doze to-pedeiros apoiados pelos guar-
da-costas Temprte e Tmmant. fizerara reconnect-
mentos e exercicios em aguas francezas.
A's 3 da tarde do dia 23. a diviso do almi-
rante De boissondy appareceu na bahia.
A' meia noite houve simulacro de combate e
projceces elctricas, que du'rarsm at s 2
da madruzada.
As manobra? comprehenderam simulacros de
bombardamelo dos fortes e das bateras csta-
belecidas no litoral, entre Toulon e Hyre.-, bens
como tentativas de desembarque as praias vizi-
nhas. O ataque ser feito pela esquadra do con-
tra-almirante O' Xeil, reforcada por onze torpe-
deiros da defeza mobil. Os fortes, as bateras
e a costa sero defendidos por tropas mobili-
sadas.
O vicealmirante Duperr, prefeito martimo,
acorapanhado pelo general Constan, dirigir as
operaces da defeza do porto e li toral.
senado francez, constituido em supremo
tribunal de justica, pronunciar no dia 8 do
prximo mez de Agosto a sentenca no processo
instaurado contra Boulanger.
A sentema ser conderanatbria.
Dissc o jornal La Repabhque, que a eommis-
so do senado declarara nullos, no dia 27, os
direitos civsdos reos Foulanger. Dililon Ro-
chefort, e que portanto nao podero estes ser Ie-
galmente eleitos.
Acere cenia que os seu? bens sero conusca-
do?, e pede ao gorerno que faca reunir quanto
aojes o eooselha de gnerra para julgar o general
Boulanger pelas prevaricaces de que aecu-
sado. .
i. ,:no natural, os boulangista? hcaram furio-
sos com o artigo da P.ep;Mique, e declarara em
toda a parte que o procedimenlo do governo
indiano, o que prova o medo qae Ibes inspira o
Iriumpho do general, triumpho inevitavel,u des-
peito de toda a guerra que Ihe possain fazer.
Quanto lucia eleitoral, de que sao preludio
as prximas ekirfcs de conselheiros geraes,
nada se Um passudo de verdadeiramente ex-
traordinario. At agora, Boulanger nao apre-
seutou a sua candidatura para deputado provin-
cial, pur mais oe 30 canlOes. Como ? vanglo-
riou de satur triuaiplianle em 80 canie?, anda
Ihe falta designar o- outros 50. onde euipenna-
r a lucta. Esta demora em fazer a escoma 4
interpr. tada como falta de sejuranca da parte
do ex-general no ?eu t-ii ,,. ,_
Referinio seaiuda ao f,raoso libello do Sr.
de Beaurepaire, a Press '^~
lacq :
Dia? depuis da -u i
f no aiioi-t-rio, o
ral Boulanger,'
'.'indos se-
ngaa
i se



I

I
1
os acaraba rea ram urtairtM ',
6 que j boje nada repr entam quizerain pro-
hibir vos que escolhesseis 03 homens qne ver-
dadeiramente represeOtam as vossas aspi.-acOes
e as vossas id.
Nunca lal cousa, nunca um faci lo raons-
rooso foi concebido em algum dos regimens,
me al boje se teetn succedido.
Mas o>s- arlo arbitrario nao lograra perlur
bar vos; nao a interdieco incidindo sobre
nm homem, (porque a nova medida legislativa
nsa apenas um homem) qne impedir a nacao
'4e tornar publica a sua volitado soberana e de
a impr aos uiiseraveis que preteudem idictar-
tos Ivs.
E' inister todava protestar enrgicamente e
em deloogas contra a odiosa violacao do direi-
U>, qne acaba de ser praii-ada.
Jesse proposito, o Comit republicano naci
nal decida que eu proporia a nimba candidatura
de protesto as eleicoe departaraetitaes, pelos
conselhos geraes, ou de circuniscrioco. em 80
eantoes. Este nufnero de 80 foi irrevogavel-
aente fixad >.
Se, electivamente, necessario fazer ouvir
desde j a voz do paiz, igualmente necessario
nao comprometter a maioria nos conselhos
geraes. c expor nos hiamos a esse perigo multi-
plicando o numero das candidaturas puramente
de protesto
Peco, pois, instantemente aos eleitores bonra-
dos de todas as facgOes, que querem levantar o
paiz pela repblica nacional, e coudemnam a
improb dale poltica que reina, que rae conce
dam os seus suffragios as circuinscnpcSes que
eo designar.
Desde j recuso qualquer candidatura que
nao soja das que eu bouver designado.
Eleitores ,
Este primeiro veredieiuin do povo ser o pre-
ludio do grande triampho, me, facam o que
zerem os nossos governaotes, vera >a prqjtimo.
Dentro em pouco, o bando, que deshonra onosso
paiz. ser implacavelmente varrido, e cstabele-
cida emlim a paz interna, a Franca poder re-
pousar em um governo reparador. ^
Viva a Franga !
Viva a repblica nacional l
General Boulanger.
Londres, 18 de Julho de 1889.
Nao d ixou .de produzir grave impresso em
Franca, entre os republicanos, a noticia de que
general Boulanger iproposto por 8') cantes
, aa eleicao preces a realizar-se para os conse-
nos geraes.
Hesitou 5e a principio sobre se a lei, recente-
mente votada, que prohibe as candidaturas ml-
tiplas, era tarabem applicavel s eleicOes dc-
eirtaraentaes, ou se smente s eleicOcs legis-
tivas. '
De feito, o texto da lei. evidentemente redigi
do pressa, nao assaz claro.
Tomado lettra, parece que deve applicar-se
a todas as eleices ; mas urna nota ofciosa,
me foi publicada, declara qee o governo nao
admitte essa inten.re'acao.
Portanto. serio admissiveis como legaes as 80
candidaturas do general. Mas, era por isso,
elle deixar de ser inelegivel. A lei de 10 de
Agosto de 1871 exclue dos conselhos geraes os
candidatos que :iao teem o seu domicilio no res-
pectivo departamento, ou que n'elle nao estao
Inscriptos as raatrizes das coutribuices dire-
ctas. Logo, o general, que nao est as condi-
jfjes exigidas, nao elegivel pelos 80 departa-
BJentos, o que naturalmente far que os boulan
gistas clamem violentamente, aecusando de vio-
fcco do direito aquella exigencia da lei.
A proposito do manifest do general, que
protesta perante o paiz contra a le prohibitiva
das candidaturas mltiplas, a que chama um al-
tentado contra o suffragio universal o Journal
es Dbats faz um intcressante confronto, que
ao mesmo lempo um excellentc argumento ad
bominem contra o general.
Sem remontar muito na historia, o Sr. Bou
taoger devia lerabrar-se de que algumas lei
teein declarado inelegiveis certos cidadaos fran
ceies era nome da razo de E?tado. Nio so
aquellos cidadaos foram excluidos dos cargos
pblicos e privados dos postos que tinham no
exercito mas tarabem deixou de ser respeitada.
eom res por, o aelles, avontale dos eleitores, islo
, o suffragio universal.
Devia recordarse, por exemplo, que o duque
d'Aumalc foi privado do seu mandato de conse-
lheiro geral de Oise, o que tem muito maior gra
Tidade que a prohibico das candidaturas mlti-
plas a quera s elegivel por ura departa-
viento.
E con-, lue o Journal des Debat:
Se o general Boulanger quer saber sob que
egimen e em que poca aquelle toBte se pas
aou foi no lempo era que elle era ministro d;
guerra e um dos principara e mais ardentes
ejecutores dessas providencias de excepeo.
lV;m talvez muijo boas razes para esquecer a
-na proprta historia ; mas, era tola a gente
lem a memoria to acanhada ou to compl-
ceme.
Foram j deraitlidos 30 guardas fiscaes e
agentes da assistencia publica por serera bou-
iangistas.
O Sr. de Roehfort dirigi aos eleitores de
Belleune urna proclamago era que declara acei-
tar a candidatura por aquelle circulo.
O Sr. Andrieux declara no seu manifest elei-
toral que pagar da sua algibeira os ordenados
dos funcionarios pblicos, que forom deraitli-
dos no circulo Fun algui'T, at seren reintegra
dos nos seus cargos com promoco.
O Sr. Spuller, ministro dos negocios eslan
geiros, recebendo o delegado que foi a Pariz
tratar da questo linanceira do Egyplo, deca
ron que nao por forma alguma. hostil em
principio conveisao; mas jnlga que a Ingla
ierra truz situaejio actual iicubum elemen-
to que permuta Franca modificar a sua atli
lude ueste assumpto.
Os revolucionarios rcu:iiram-se lia das em
Pars, em dons congressos para disculirem as
soas theorias.
Os possibilistas teriam entrado em accordo
com os inarxislas, mas estes recusarain desde
aosamente ucliberar com ellos.
A coramisso execuliva da municipalidade de
Pars tenlou realisar o que os raais concillado-
re/nao tinham conseguido.
Convidou os delega los operarios, membros
dos dous congressos, a u:n b berele offerecido
BO Hotel de Ville.
Os operarios assislirara bebida, mas con-
aervaram os odios eas divergencias, e nao hou-
ve meio de conciliar os possibilistaa e os ma:-
xistas, que s loroaro a estar de accordo no
dia em que una conflagrac.io geral Ibes permit-
ir tentarem por em execucao alguma das suas
exlr. vagant.'s idaa contra .. o burgus.
A opinio publica, porm, nao vio com bons
olbos o acoln nonio feito pela municipalidade
de P*ris aos ro\olucio:iarios, porque esse ac
,-Uiimentj recordava os mais tristes dias das dis-
cordia- ;i iliticas da Franca e dava azo a que se
pwk'ss.- pensar na evenlualidade de novas lue
tas so -iaes. .
Eslava definitivamenH- bxada para o da 8
d.* Agosto a abertura do supremo tribunal do
ras', i cu.
A candidatura do general Boulanger aos
conselhos geraes foi apresentadaera 9 cantOes.
NuiNa
O congresso do Lucerna contra a cscravatura
foi adiado une die
Consta porm que se reunir cm etembro ou
Oulubro prximo.
raa circular do cardeal Lavigcne partici-
pa o adiamenlo da reunio do congresso de Lu-
cerna contra a cscravatura, reunido que eslava
marca la para a primeira semana de Agosto.
Na circular allegado pelo cardeal o motivo
de que soube que muitos homens notavnsJi
Franca nao poderiam assistir ao congresso na
epo^na lixada. por causa da proximidade das
es goraes em que estao empenhado?.
_" Dizem de Berue queogoverno alleinao de-
unciou o convenio que respeita aos estrangei-
TDB residentes na Suissa.
Esta convenco s termina em UiJV-
A Allenianha antjcipou-se para vencer a sua
pendencia com a Suissa. ____
Veremos o que ar adBnropa fr chamado
a intervir nesie pleito.
Italia
Em consoqnenaa de uaw arta publicada no
Secu alioii. contra
o Sr :niooada, o Sr.
raa^ode
-
potado democ
dador da Capi
eaufton haver om
bre entre o Sr. Pruiso Levi e Bizioni, o qual -
cau gravemente ferido na cabeca.
anta S
. O papa aciba de dar urna pnva de syrapa
thia Fninga, insi*indo como bispo de ureno-
ble, a quera fex chamar a R->ma, para que aceito
o importante lugar de patriarcha de Jerusalem,
at boje oceupado por prelados italianos.
O bispo de Gronoble aceitou.
Aiguns jjrnaes de Paris, referindo as nstaa
cias do poaifice, consagram Iba prlavras muito
affertuosas.
Telegrafiara de Berlim A Gazela de Colonux
que as cspberas polticas allems mnguem toma
a serio a noticia de que o pontilioe tenciona
deixar Roma e a Italia.
Un correspondento italiano referi que, por
motivo destes boatos, o Vaticano est .sendo ob
j cto de urna vigilancia especial ; consta que
om Roma se receia que Leo XUI juja dtsfar-
r-.,|.>
As correspondencias de Rom:" continuam, po-
rm, a dar como possivel, em dadas hypotheses
a sabida do papa do Vaticano.
O Fgaro conta que um seu informador, tendo
observado a ara cardeal que a appareute tran
quillidade interna da residencia pontificia pare-
ciadesnientir os projectos de emiarago em
que tanto se fallava, ouvio do purpurado esta
re-posta significativa.
') periodo de agitaeo tor.ninou, porque o
papa tomou uraa reolugio irrevo{avel. Agora,
s resta esperar os acontecimenlos. Explica-se
lo lavia. que essa resolamo irreoogavel nao mo-
tvala, como se quiz suppor a prjemn, pelo
desgosto que causou a Leo XIII aeri(Cao do
Lmoouraento a ftiorJano Bruno e pelo seu reeeio
de novas affroiitas dos ratedggJtolianos. Dos
perigos da guerra que cHe ae temog
: Segundo acarrespoadeate do Man, o nunc
apostlico em.Vienna, moas nhor Galimbcrti,
enviou lia podeo tempo ao vaticano ora oflicin
confldencial asseverando que a guerra eslava a
pique de rebentar, e que seria u'clla envolvida
al'ala.
Como monsenhor Galimberti priva muito om
a chancellara allem L o XIII do.u-lhe crdito,
e trata de tomar as suas providencias para se
naoaehar pessoalmente mera? das vencedores
da futura campanha. Eniretanto, de cre- que
os seus projectos de einirrayao nao se realHem
seooquando forera absolutamente justificados,
porque a ahila do Vaticano era lodo o caso,
uraa aventura.

conveniencia d.
coramisso um
tosa ellos distribuidos pira,
liberarse sobre a forma porqu
partes-do cdigo deve ser ddJ^H
se venceu.
S. M. o IraDerador lev
horas da tarde, licando de i
monto o dia para a tor-oi
- Leraos na mesraa lo
Publicamos boje,
cial, a acta da MTeren
i na das sal is do tlnsaao:
Sr. ministro da fazenda* 4M4M*8deai
seciacSo Gomraercial o dos Bancos de
no intuito de promover- a
ile uraa instiluicao analogtr'stpa^kistem era
aiguns importantes ceiros coBUWei.
conhecidas pela denominaco do
ses.
< As Clearing-lwitses, salas de conjpcfrsaQao
ou centros de liquidacao, sao lugares onde dia
r.ani'iHo se reunem os representantes tado numero de bancos e banqueiros pj&Jrocar
entre si os cheques, letras ou ord
contra elles e tambera os que o sao eofftra ou-
tros bancos e banqueiros eeus freguezes; por
meio d 'sta troca compensara-seos dbitos ece-
ditus geraes.
V-se. pois, que o tira de semillantes insti-
uices poupar terapo, Jrabalho, j principal-
mente, o aomcrario.
Creadas por iniciativa individual e para sa-
twfuaar nei-esaidades que a pratici demoaslrra,
as Uaring houtes lornarara-se em curto araso
poderosos auxiliares da rapidez e deaenrolvi
i das traBflaccOes mercautis.
.. A praga do Rio do Janeiro tem j raoviraen
to baslan'e consideravel paraaqapjflp^ adop
6 cao'deste angenhoso modo fyecebedor da comarca de Giminha. urna vez
rio-se alcangado pata com aTazenda publica n
ifuantia de 90050V appnBmn lmeme. E-i
uautia foi paga pelo pai.%
to Tde
INTERIOR
noticias do suido Imperio
Rio brande do Mu
lameutavel con
de Souza, An-
e Alfonso Fon
Datas al 23 de Julho :
Dea-se na Cachoeira um
flido entre os Srs. Joo Albe-to
ionio Jos Porto da Fontoura
toura
Encontrndose o priraeiro cora o ultimo tro-
caram phrases amargas, por motivos particula-
res. Interveio o Sr. Antonio Jos Porto, e aze-
dando-se mais as expressOes, o Sr. Joo Alberto
lanjou rao de urna faca, que com-igo trazia,
fez profundo feriraento em Antonio Jos, do lado
esquerro do peito.
Em defesa le seu irmo, Affonso tirou da ben
Rata de seu uso ora evoque com que ferio Joo
Alberto na parte direita do peito.
Com o compirecimento e intervenco de va-
rias pessoas, separaram-se os tres, sendo os f-
lidos conduzid)S para suas casas.
Logo depois da lameutavel oceurrencia, com-
pareceram os Srs. tenentes Joto de Mello e Li-
berato Vieira da Caoba, delegado o subdelegado,
fazeo lo-se de prompto o auto de co_po de de-
licio nos offeodidos, cujos ferimentos foram jul-
gados graves.
Na manila de 17 foi assentada, no porto da
Caieira. a primeira estaca para os estudos do
tracadj da estrada de ferro de Taquarv Es-
trella.
Vai ser tambem estudado o porto denominado
do Marcellioo, para ser escollado dentre os
dous o que melhorcs vanageos offerecer.
Falleceram : na capital, D. Sylvana F. dos
Santos Penna : em Bag, Francisco Fernandes de
Mesquila ; era S. Jos do Narte, D. Mathilde dos
Santos lirada, o em Santa Victoria, oDr. Biauoel
Senna da Costa Feilosa.
Santa Catuarina
Data at 31 de Julho :
Falleceram, na capital, Armindo Antunes e
Joo Alvim Richer.
Paran
Dalas at 30 de Julho :
As noticias sao de interesse local.
S. Paulo
Datas H 3 de Agosto :
As folhas nada referem de importancia
Na Corte foram publicados os seguintes tele-
graramas:
S Pauto. 30 A<- Julho.
Hoje de madrugada foi arrombada urna janella
do convento do Carmo. Os ladres rouharam
muita prata, ouro e paramentos avahados era
5:0001000; passaram depois para a igreja da
Ordem Terceira, onde debalde tentarara arrom
bar a casa forte, que guarda mais de 30:000^000
em valores. A raaneira pela qml foi Bracado
o crinie faz crer que os ladres conheciara as
duas igrejas e sabiara onde erara guardadas as
chaves.
Salurara pelo portno da na da Boa Morte,
cuja chave eslava guardaila na igreja. O chefe
de polica fez minucioso exarae ns duas igrejas
e ordenou que se procedesse a corno de delicio-
Dous urbanos, que rondavam as ras do Carmo
e da B.t Morle, foram pr s.
O Raneo da Lavoura reelegeu a sua direc-
tora.
O Diario da Tardf, de Sanios, passa a ser pro-
priedade dos Srs. Pedro Braga & C.
Partiram hoje para es>a cidade 156 inmigran
les italianos que pediram repatriago. Ao era
barque compareceu uina Com nisso presidida
pelo Dr. Climaco Barbosa e muitos italianos com
banda de mu-ica.
Fallecen, era Santos, o negociinte llenrique
Jos Rodrigues.
S. Puni, 31 de Julho :
Relativamente ao desfalque encontrado na col-
lectoria de Pirassununga, diz o Jornal de Cam-
pias, que o cobertor Sebastio A, Antones des-
apparec u ha trez ilias, sendo calculado o al-
canee em cerca de OOOiOOO consta tambem ter-
-e verificado desfalque na provincial.
Falleceu, em Campias, D. Anna da Rocha
Glurlanda.
Era Taubat houve urna reunio conservadora,
na qual foi acolamado "-.liefe o Dr. Paula Toledo
e escolhido candidato Assercbla Geral o Baro
de Santa Branca:
E-io terminadas as magnificas pinturas do
tocto e paredes da igreja da S, feitas pelo
scrnograplio Itossi e pintor paulista Almeida J-
nior.
D!U-se o desabaraento de uraa barreira hon-
tem na avenida Ypirauga, oicasionando a morte
te de um trabalhador e feriraentas graves em
outro.
O Diario ie Xoticias cntrou hoje em seu ter-
coiro anno. Em cusa de um dos propietarios
ura grupo de amigse collegas festejou esta data,
bavendo um profuso copo d'agua em que se tro
caram enlbusiasticos brindes.
A polica prendeu era Santos dous gatunos
autores do roubo da burra commettido ba dous
dias nesta capital ; j haviam feito naquella ci-
liado, ura grande roubo de f.zendas.
Ilonteni fez beneficio o actor Guilherme da
Silveir, com o drama .4 Cabana do Pai Thomaz;
liouve endiente e muitos applausos. Do cama-
rote do Diario Mercantil, fallarara diversos ora-
dores e foi radiada urna poesa.
Rio do Janeiro
Dalaj at 5 de Agosto :
Leaios no Jim mmercio de 30 de
Julho :
Uontem, s i ho-as da tarde, reunio-se no
paco da cidade e sob a presidencia de >. M. o
i nbidade organisar
o projecto d> cdigo civil brazileiro.
i Estivn.ir pro- inistro da
l;ca, ; "'o, 5i*va
B
Ba
^BBBw) 24 d Junno a cantaram mo
incas da Escola Providencia. O Sr.
ijljljljeritrogou a esmola de 1005000
de Beneficencia Brazi
foftes para a Sociedad
mcurrencia era muito numerosa e selecta.
ida a ceremonia religiosa todos osassisten-
tes foram comprimentar o digno ministro do
Brazil nesta corte. Os Srs. Conde de Franco.
Joo Viera da Silva e Paulo Porto Alegre em
BBaajdn Sucio.lado Beneficencia Brazileira, diri-
ftaftaftajlp/'i-a r.isa do Sr. cooseiheiro B*r-
ndBininisiro dos estrangeiros para Ibe
agradecercra a sua comparencia.
I'em causMo estranheza aqoi a demora que
tem navidoem conhecer-se, aocerlo. o mme do
miseravel, que allentou contra a preciosa exis-
tencia do Sr. 1). Pedro II.
Ha daus ou iros .lias, porm, sabe-se por um
neto circuanlo. 0 emp
tarabeln generalisnndo-se como meio
seguro de effectuar iiagaraentos, sera a n
teme 6 Adriano Augusto do Valle, e nbra anda
se nao conhecam em Portugal as circumstauelas
e promenores do attentado. Aguardam-se car-
tas e jornaes
Adriano Auguslo do Valle 6 natural de Cirai-
nha e fllho de Adriano Francisco Augusto do
Valle e de Isabel Martins Ra ; lera 21 anuos e
caixoiro. O pai tem 4o anno e faz aescripta
em diversos estabeleciraentos commerciaes. Am-
bos residem ha anuos no Rio de Janeiro. O au-
tor do attentado viveu cora a mi em Carainh i
Sao estas as inforraaces vindas hontera de
Vianna pelo telegrapho.
lima folha da raanh diz que o pai da Adria-
no conhecido era Caramba pela alcanhame C<-
nilo e sua mi lilha d'ura negociante tambem
conhecido por alcunnaitjor.
Htono jornal accresceuta
Adriano do Vallo foi, durante aiguns annos,
18S8, feitas Corahanhia de Migara'ii \-\ ;
3. A concesso feica por decreto de U de
Fov.'roiro de 1884, est para tolos Os etf-ntos.
declarada caduca pelo j ref.-rilo decreto de 20
de Dezerabro de 1888 :
4." 0 governo portuguez nao toma, era
acceita responsabilidade alguma por actos da
mencionada Companhiz de Manica Ophir, oa pelos
de qualquer toutra que nao tenna obtido conces
sao directas te da governo, ou qu proceda
por virtude de contracto, quilquer que Baja a
leaomioacZo e o titulo d'esie, que o governo
previamente nao tentia autorisado.
Ninguera, entre nos, pie deixar de applau-
dlr esta portara.
Representa a coattnuaco do correctissirao
iiroceJimento do govern na grave questo de
Lourenco Mirques, era que elle tera sabido pro
ceder de un molo tal, que tera para a rae.lhor
telegrammaoflicijl Jo Rio de Janeiro que o sea (parte da impren* estmgeira, e que obrigou.
'SSl
sea
quandude de
lajleda demorada, enfadonha, rezes arriset
da operaco de contar-se grandpH
notas dajflbouro ou de banco.
Abae portanto, a nossa praca as coo-
dicos yeWilisar-se da instiluiclo dos aedjros
de liquidaco.
Proraovendo sua creago, raostra o Sr. mi-
nistro da fazenda intuico clara dos deveret do
seu elevado cargo nao se limitnea)a ser ipe
as ministro do thesouro. mas procurando fo
mentar o desenvolvimento coinraerciale indus
irialdepaiz. manancial das rendas e da pros-
peridade publica.
Sito por tal modo obvias as vantageni da
instiluicao, que estaraos cortos de que. inicia-
tiva aconselhada pilo Sr. ministro da foseada
corresponder breve rcalsaco. J temos pra
ticamente, como ensato, o systeraa da ttoca de
Cbeqoes : falta smente dar-lhe regularidad e
desenvolvimento : disto est incumbida usit
commissao que hontera mesmo licou constitui-
da .
L se a mesma folha de 2 :
Tendo si lo presante ao ministerio da agri-
cultura c parecer da comraisso noraeada pela
presidencia do Maranho paraestudar o meio da
levar a effeito o pstabelecimento de ncleos co-
loniaes naquella provincia, fez o mesmo minis-
terio saber a referida presidencia que o governo
imperial, tomando era considerarn o ra racio-
nado parecer, providenciar opportunam
acerca do objecto, mandan lovsriear a existen!
ca de trras devolutas que se prestera qu.dhi
tira, antes de autorisar a acqoisicito das de doJ;
minio particular.
A provincia do Maranho foi contemplada
pela le do orcamuuio vigente cura o crdito do
300:0005, applicavel aos servijbs da immigraclo
e colonisnc/io nacional. Todas as outras pro-
vincias, sem excepeo ile ilenbama, foram Df i
porcionalmente alien lulas na disiribuiglo da
valiosa verba destinada quelles servigos. A in
tengao nao poderia ter sido miis generosa. Na
discusso da lei. porra licou bera patente qu
as quotas distribuidas a algumas provincias po-
deriam applicar-se viaco interna e a outros
serv:cos. nao sendo para, deluzir do texto legal
que inmigrantes bajara de ser enviados pura
d -.yaz, para Mallo Grosso, para o Piauliy, para
o Rio-Grande do Norte, para aquellas provincias
emlim que, pelas suas coudices econmicas,
nao podem actualmente assegurar I levas de
estrangeiros collocacao prompta e remunera-
dora.
neaue aae. a ova it eotrou em esecac^o,
fizerao* sentir q'uo dilDil seria oraaa^sar o P
vico x immigrago era provincias onde ao mes-
rao servicjfaltasse todo a experiencia. A adrai-
nistragao conhecia bera esta grande difJinildade
r lem-ii'a experimentado praticamenle. Nos se-
ie mezes, que a lei conta de execucao, apenas
em Pernarabuco, de cutre tolas as provine.as
do norte, foi escolhido e adquirido o sitio dcsti
nado ao seu priraeiro ncleo colonial. Em todas
as oulras provincias nada est feito era aquel
le praso nimiamente dilatado para seraelnan
te organisaco.
A este respeilo ponderaremos, como por ve-
cea temos feito, que moior ser caminhar pisto
cora todo o vagar e grande pradencia a aventu-
rar a tentativa a mallogro que acarreto doscre
dito a todo o servigo da iraraigraco no Imperio.
Ncleos, que venhara a ser fundados no norte,
essencial que sejara postos debaixo do regi
men de favores especiaos e por todo o lempo
necessario formaeo definitiva de elemento
que Ih
teda tu!
poder realizarse em outras condicoes .
L* se da na citada folha de 4:
Foi hontera trocada era Montevideo a con-
venc) sanitaria, firmada nesta cidade no m.-z
de Novembro de 1887,,
Assira "lia hoje lei para as Repblicas Ar-
gentina e do Uruguay e para o Brasil e tambera
para o Chile. Per e Paraguay, que a ella ad.'ie,-
riram.
Os out-os paizes sul americanos s espera-
vam a troca das ratilicacOes para prestarera a
sua adheso.
No Congresso de Washington vai tratar-so
da adopc'io de ura# lei sanitaria para tola a
America e sendo a convenco feita nosla cidade,
na opinio dos competentes, a ultima expressio
da sciencia em materia de prophylaxia interna-
cional, nella sem duvida so b-se'ar-a proposta
que tem de ser apresentada.
A convenco que tantos beneficios trar
America foi ti.raada por tres plenipotenciarios -
ura delles o Baro de Cotegipe. que infelizmente
j n > existe, os'outros os,Srs. D. Henrique Mo-
reno e I) Carlos Ramiroz.
Os mdicos que nella pres'.aram serviros
foram : por parte da Repblica Argentina, rs.
Jos M. Artigela e J. Susini: pela do Uruguay.
\reclavaleta e Elias Regules ; pela do Brazil o
conselheiro Dr. Nuno de Audrade e os Drs. Jo
Bjptista de Laceria e Araujo Ges.
Foi ura acto internacional de grande alcance
fuluro. sendo dignos de louvor todos os que para
elle collaboraram.
Era 5 as folhas publicaram este resultado
da eleieo senatoria
ios assegurera vida propria e iadependen-
lut'.'ia official. Emigrago para o norte nao
Conselheiro Eduardo de Andrade Pinto
Dr. Adolpho Bezerra dejienezes
Dr. Manuel Rodrigues! Bto
Conselheiro Alfredo AWpes Fernn
des Chaves
Conselheiro Caris* Frederico Cnslroto
Consellieiro Antonio da Rocha Fernan-
des Leo
Conselheiro Joaqun Saldaaha Marinho
Conselheiro Domingos de Andrade Fi-
gueira.,
DomingoCbeodoro de Azevedo
Augusto de Souza Brando (B. de Can-:
(agallo)
Dr. Pedro D. Gordilbo Paes Leme
Visconde de Jary <
5613
5197
4679
3925
3430
3S03
1469
363
1136
985
93
7.
CORRES PONDENCI k
Do Diario de f'ernambuco
PORTUGAL Lisboa, 28 de jtjlho
se liontcra na igreja da E
a capital, a missa era aco de gr
ter
ixando de ma, S. MjQ lu
i'dor do Bi
i, alera
ar braz
geiros
Pinheiro Cb
que,
ite, teem relacoes de ara'
es com o B:
raissa,quc foi rezada

Depois disto, ha "perto-TBft quinze annos,
que Adriano do Valle deixou o e nprego, e re
solveu embarcar papa o Brazil, doixan lo i inu-
Iher, duas lilha; e om tilno enUvgues aos cuida-
dos de um medico hloealidade, e que era seu
amigo.
Durante muito tem, mandou elle 4 mulber
uraa mesada de 394000, para sustento dola e
educaco dos lilhos.
Logo que o tlho ebegoa idade.de poder
trabalhar, erabarcou tambera com destino ao
Brazil, (endonando ir pira oulraIerrae nao pira
o Rio de Janeiro, onde o pai scacbava.
Este," quan 1 > soube da cbogada alli do lilbo,
foi ter coin*elle, dissuadindo-o de sabir da capi-
tal, o insiando para que licasse a viver na sua
companhia. O rapaz, m lito instalo, acceden.
Foi ento que elle fez ao pai as raais lamenta-
ras revehees sobre o proced no lo irregular
di mi, que raantinba n Lu-s com o me lico.
Ao saber aquillo, Adriano do Valle leve ura
immenso desgo-to, e desde ento suspenden as
mesa las que eaviava a familia. Esta suspensto
principiou ba perto de um aun >, que foi a poca
em que o lilho oliegou ao Rio le Janeiro.
Durante tod > o lempo que Adriano do Vallo
viveu era Caminha, era rauo estimado. Reco-
nliecid corao ura dos-rapases mais intelligenies
da Ierra, era a elle que se dingiam serapre os
capitos dos navios, quaodo precisavam de re-
solver quaesquer con tas. Alera de ser intelli-
fente, tinha oulras qualidades que o tornavara
muo sympathico e bemquisto de todas as pes-
soas qne o conheciara. O vicio do jogo e o amor
pela vida airada, porm, absorviara-lhe todas as
suas economas, e foi anda o jogo quem o levou
a desviar dos cofres pblicos a somraa era que
so alcancou.
Consta-nos que o autor do attentado tera um
irmo, que, durante algum lempo, fra tambera
esc.rivo de diroiio no Cariaxo, \se nos nao en-
gaamos) e contra o qual foi era tempo levanta
do ura processo, sendo deraitlido do lugar mas,
mais trele reintegrado.
O pai estove por essa occasio muito tempo
era Lisboa, solicjtando dos ulluentes do partido
regenerador, que ento eslava no poder, essa re-
integraco, que alinal obtove.
Eslas inforraaces forara colindas pelo Tempo.
Adriano Augusto do Valle nasceu em Carai-
nbn a o deNovcinbro de 1868; cons.'a em Vieu-
na que o seu comportamento naqu.-lla cidade
nao tem sido muito regular (diz outro telegram-
ma qu; hontera publicava o Dia). O pii na-
v.-il de S. 1'o4mu Torre, conselho de Valen
ca. miiio de Antonio Jo* do Valle, 2 oilicial da
Alfamega #de D. Mjria de Canro, j falleci-
dos. A mi 'fliba do finado negociante de Cj-
minha Antonio M.irtins Ra.
No jornal As N cidades, de hootem noite,
vera mais os seguintes pormenores :
0 pai de Adriano do Valle, o ihesoureiro da
Alfandega de Valonea, era um poltico muito in-
pluente na localidaue, ea elle quasi todas as pes
soas de Valenca dvem a sua posico e erapre-
gos, para o que vinha amiudadas vezes Lis
boa.
Ha uns oito annos que falleceu estando j
aposentado.
Adriano Francisco do Valle era muito esti-
mado em Caminha. onde foi devras sentida a
sua partida para 6 Rio de Janeiro.
Nao havia n.raa nica pessoa necessitada
que se chegasse junto d'elle que nao fosse con
templada cora alguna esmola. Gastan muito
e tinha no ro Minho ura escaler perfeitaraente
equipado cora seis homens, a quera deu'farda-
inento, .onde costura iva passear e dar as suas
festas a aiguns amigos mais ntimos.
O mesmo jornal publieiva no seu numero de
de bontem oseguiote tclcgrararaa da ulima hora:
Valenca, 27, s 10 b. e 30 ra. da ra. *' re-
da^co das Novidades Lisboa :
Adriano Francisco Augusto do Valle, actual-
mente residente no Rio de Janeiro, natural de
Valenca do Minho e tem 44 annos de idade. E'
lilho de Antonio Jos do Valle, segundo ofiicial re-
formado da Alfandega, e de Mara de Castro, am-
bos i fallecidos. Casou nesta villa cora D. Isa-
bol mrtins Ra. lilha do fallecido negociante
Antonio Martins R la. Deste raatrimo lio nouve
duas lhas. que aqui residem cora a mi, e um
lilbo, de noiue Adriano Augusto do Valle, resi-
dente actualmente no rio de Janeiro. 0 seu
coflspirtamento (do pai) foi aqui regulare, se-
guado rae informam, suppriraio no Brasil o so-
nrenome de Francisco. Era aqui despachante
de navios e preposto do recebedor da comarca.
Por Ihe ter sido encontrado um alcance que,
na quaiidade de fiador, teve o pai de pagar, re-
tirou para o Rio, onde constituio nova familia.
Era de boa apparencia, trabalhador, intelligente,
de genio alegre, mas ura tanto gastador. Do
comportamento do Slbo, Adriano Augusto do
Valle, nascido n'esta villa em 5 de Novembro de
1868, nada posso dizer, por ter ido para o Rio
de Janeiro em 188:), e ser |iito de menor idade.
Consta que o seu comportamento n'aquelbi
cidade tem sido irregular.
E iccrescenia a redaeco :
tebgranma aeeuta perfeitaraente a
oufuso entre os dous Adrianos, pai e lilho.
Tendo o pai, como alli se diz, suppriraido o ap-
pellido de Francisco, o nome de Adriano Au-
gusto do Valle hoje usado por um e por outro.
No Diario do Governo vinha bontem uraa
portara era que se manda declarar que o gover-
no portuguez nao reconhece a legitimidade da
companhia ingleza intitulada Ophir and Manca
Mining Company. "organisada era Londres para
explorar diversos jazigos no territorio de Mon-
cambique e que a concessSo feita por decreto
"ie 12 de Fevereiro de 1884 foi declarada cadu-
ca pelo decreto de 20 de Dezembro de 1888.
Eis o texto da portara, que naturalmente vai
dar lugar a outra campanha de diatribes pagas
a tanto por Haba as folhas inglezas contra nos,
como resultou da rescisSo do contracto di com-
panhia de ferro de Lourenco Marques fronteira
do Transwal:
Constando extra-blficialniente ao governo
portuguez que urna erapreza, denominada Com-
panJtta de Manica OpUir celebrara ba dias, em
Londres, a sua primeira a-serabla geral, e tra
tara de assuuigtos relativos concesso decre-
tada em 12 de Fevereiro de 1884, j declarada
caduca pelo decreto de 20 de Dezembro de l?^8,
pelo qual foram cedidas compauhia de Mocam-
ie as minas, a que se referia o illudido de
errto de 12 de Fevereiro de 1884 : manda sua
aaeslade el-rei. pela secretaria de estado dos
Lcios da marraba e ultramar, communicar
ta companhia de Mocambique, para os devidos
yerno .de sua magestade nao reco-:
le reconhecer a indicada Gom-
Ophir;
A* a oiie. segundo a^al
lentro do paiz, os proprios adversarios poltico
a applaadirera na ou quanlo m'uos, a encon-
trarem-se no silencio de quem nio pode repro-
var um acto dos seus contrarios.
A concessSo feita em 1884 Companhia de
Ophir ti .lia j caducado.
Apezar disso a assembla d'aqu-dla companhia
r-'unio se ltimamente era Londres pare tratar
d'essa concesso, que realmente havia caducado.
A portara tem per fira dar a raaior pub'ici
dado ao facto de ter caducado p ira todos os
effeitos a referida companhia, e accentuar bera
que a posico do governo contina a ser digna,
defenlendo os nossos direitos e conservar in-
temeratos os nossn brios de nago pequea
mas lloara la e lorie, porque, no concert Jas
nacos, a honradas uraa forc-i.
Re o iverra-jSe as neg entre Portu-
gal e a Snta Si* para te deterrainarcra e fixa-
vameata os lifliilos de aegao o pa-
druado portugus na Afllca
tfo ba recepco solom-ie no p.ic-> da \ i-
dano dia 31 do corren te, an liversario d) jura-
meno da carta coustitucionil.
A familia real continua era Cintra. Ficou ada
da a recepc^j em audiencia solemne do novo
ministro dos Estados Unidos que naquelle paco
se hivia de reamar.
El-rei sao de carruagem a passeio, frequentes
vez t ; mis tera urna fraqueza geral que Ihe nao
perraitte andar a p, seuo encostado a duas
pessoas.
So.u irrao, o Sr. infinta D. Augusto, que pa
ra all f.-a convalloscer, tera sabido ra utas ve-
zes de carril igera cora sua cunbal i a Sra. D
Mara Pia. Dz-sequ?S. .. esperado breve-
mente em Vigo. d'oiiili! parece que se dirigir ao
siiio da Mon.lanz, na Gillia, cuj is aguas tlvr
raaes esto sand cala vez raait cincurridas.
Trabilha se na f-irmaco de urai coraoa-
nhia de cora.ueic.o e navagaco para Macan,
India i! Tiraor.
A companhia tem principalmente era vista es-
tabeleeer relaedes in (rectas entre Portugal o
as niSvis possosses do Oriente, sobre ludo uo
que respeita ae conamercio de cite deTiraor, de
excellente quidad-, actualra-n!o na mo dos
bollaudeaes, que o lotam corao o caf das soas
colonias, muito inferior aonosso, dando a esta
mistura a procedencia deste.
Consta qie o capital 1,000 contos di ri^
fories.
Acompauhii pediu ao governo, uns dizem
que um subsidio, outros garanta de juros.
E' auspiciosa esta e npresa, auspciosa as
bases em que ella tenciona esiabelecer-se.
H i poucos di.is o governo mandou instau-
rar urna syn licaneia ao lyceu central de Li-ba,
co n o tira, dizem algumas folhas miuisterides
de apurar a verdade, que possa porventura ex-
istir era certas aecusaces que tera apparecido em
aiguns peridicos de Lisboa, a proposito do.-,
exames de instrueco secundaria, garantindo
por este modo os examinadores de quaesquer
calumnias coa que tenham sido atirantadas.
Mas jue faz ueste caso o inspector de instru-
eco secundaria, hornera alias Ilustrado e co-
iiiieiiJo cjrao esenptor ameno de muito bom
qui ate ?
Faz um ananncio as folhas da noite, annun-
cio que nao raan-lou para a folha official, i'''-
mando quaesquer pessoas a irem depor a sua ca-
sa na ra do Salitre uu .ero tantos, tal andar,
das tantas s tantas horas da maiih, linforman-
do-o do que souborem de irregular ou criminoso
acerca do procedimento dos professores encar-
regados do servico de exames.
Ao principio julgou-se que tal avisj ou mii-
mmgma, .;ro que se abre uraa devasta inquisito-
rial contra unja corporaco docente das raais
dignas e respeitaveis, ero uma blague.
Logo porra constou que tal aviso nao era
apocripbo, e o priraeiro raoviraeno dos profes-
sores do lyceu e dos professores auxiliares de
outras escolas e instituios 3ecun larios e supe-
riores, que alli esto fazendo o servico de exa-
mes. foi o retirarem se col lectivamente por isso
que os syndicadosno devem exercer junsdicco
sob a presso moral de uma syndicaiicia ou de-
vassa, corao aquella a que est procedendo o
inspector da cncurasciipco.
Considerarain pprin que eslando a lindar o
servico de exames por poucos dias, havena gra-
ve projuuo para o publico se fizessein grve, e
se resulves.-era nesse sentfdo, licando porm de
protestar em devidos tormos e dentro da legali-
ddde contra o acto leviano de quem ordsnou a
syodicaucia e ao mai* leviano procedimento do
inspector, que assim se lembrou de interpretar
aquella ordem.
O reitor do lyceu Dr. Silva Amado deu parte
de oente e retirase para o estrangeiro breve-
mente, licando a exercer as funeces da reitoria
o professor mais amigo da corporaco.
Este caso tera dado muito que fallar em Lis-
boa e, afora aiguns jornaes, o facto muito
censurado, porquanto sabido que as epochas
de exames ha sempre queixosos e despeitados,
cujos despeitos costumara desafogar se era ver-
nnas publica las pelos jornaes, que a isso se
prestara.
E' cora.laes bases de aecusaco que o inspector
hade informar o governo.
Continuara em Aveiro os preparativos para a
inauguraco do monumento a Jos Estevam, o
ilustre orador parlamentar de que aquella cida-
de se orgulha de ter sido berco.
A cmara municipal d Oeiras deliberou
em sesso de 23 de Agosto de 1888, promover
uma subscripcao nacional para levantar em Pago
d' -.reos ura padro memoria do seu conterrneo
heroico, o patro Joaquim Lopes, e para isso
constituio se em commissao.
Este venerando lilho do povo justamente
credor da apotheose que se Ihe prepara em.vida.
As honrosas medaHias que Ihe ornara o peito
sao testeraunho eloquente dos seuas actos huma-
nitarios.
- Tem-se fallado ltimamente era nova re-
composico ministerial.
Parece-mejporera, ;que nao ha fundamento
para estas phantasias.
E' natural que aiguns dos ministros saiam
temporariamente de Lisboa parase reteraperarem
em Viliegiatara. ou em termos adequados aos
seus achaques, deixando, entretanto, as respec-
tivos pastas sob a responsabilidade dos collegas
mais escorreitos, volvendo oepois a reassurail as,
mas, cris, como algumas folhas da opposico
pbantasiarara, nao creio que a haja. |
Os candidatos a deputados vo fervilhando e
mexendo as influencias provincianas que mais
erfi'azmentente possara favorecer Ihes as ambi-
ces. O periodo eleitoral, porem, anda nao
est em ebulicao.
De Lisboa tem fgido muita gente para o
campo... ou pa>-a Pars. Ha viageas redondas
parr to las as bolsas. .
us de cinco libras (ida e volta) em 2 classe
tambera tera ido grande numero de lowutes.
L.
REVISTA DIARIA
Acto* ofllriaen-Por actos da presidencia,
de 1 do Julho :
Foi concedida ao porteiro da Secretaria da
Presidencia, Francelioo Augusto de Hollanda
i'.bacon, a gratificaso da terca parte dos res-
pectivos vencimentos, visto contar mais de 30
annos de exercicio.
Foi exonerado o hachare! Manoel Raymnndo
de Araujo Pinheiro do cargo de amanuense da
Secretaria da Instr-uccao Publica, sendo removi-
do para substituil-o o amanuense da mesma ro
partico. Manoel Arthur Marinho do Passo, que
foi substituido por Manoel Torquato de Araujo
Saldan io lugar.
rj. cidado nomeado
po de polica 'Jos Victorino da Silva B irreto,
e nao como esta escripto na portara de 23 ie
Junho.
Foi reintegrado Jos Severino de #moida Pe-
drosa no posto de tenente do co'rpo de polica,
devendo ter exercicio na 7 companhia.
Foram exonerados os delegados dos distfictos
litteraios de Escada, Garaelleira, (caraarca de
Ese-ida) Caboelo, em Petroiina, Salgueiro e Vil-
la-Bella, e nomeado3 para substitu I-os 03 cida-
daos : comraendador Jos Pereira de Araujo. vi-
gario Antonio Graciano de Araujo Gunrita, Jubi-
liuo Coelho de Macedo, tenente-coronel Joaquim
de Si Araujo e bacharel Severiano do Reg
Chaves Peixoto, na ordem de sua collocacao.
Foram nomeados para o cargo de promotor
publico das comarcas de lioin Conselho, Victo-
n.io Salgueiro o cidado Lourenco do C irvalho
Araujo Yptrangi. bacbarel Antonio da Rocha
Uoitauda Cavalcanle e ct lado Mi no el da Cruz
de \ li idrigaes.
Foi demidulo o ajudante do procurador dos
feitos da fazenda proviiicial no municipio de
Goyanna. e nomeado para substituil-o o bacha-
rel N'ito Caliet Pereira de Andrade.
dem o do municipio de Gravat, sendo no-
meado para substituto o tenente Jos do Carmo
Castro Correia.
Foi exonerado Jos da Silva Miia do cargo de
collector provincial do municipio de G.im_'lleira
e reintegrado no mesura cargo Francisco Anto-
nio de Meira Lima.
Forara nomeados para os cargos de collector
e esciiv-lo da collectoria provincial de S Beato
os cidadaos Fran seo de Hollanda Valenca e
Antonio Candido di Araujo, licando exonerados
os cidadaos que os,exerciara.
llera para iguaes cargos em Vil.'a-Belia Jos
Joaquim do Moura e Joao Nepomuceno de Bar-
ros em substituiso dos cidadaos que os exer-
ciam, os quaes licarara exonerados.
FotWintegrado Manel Gircia de Souza Padi-
Iha no cargo do escriv'io da collectorra provin-
cial de Buiqu.
I lera Joaquim Candido de Mranda em igual
cargo no municipio de Palmares, lieaudo derait-
lido'Joaquim Candido da Veigs Figaoiredo, que
o exercia.
Foi exooerado do mismo cargo no municipio
do Salgueiro, o cidado Pedro Jos da Hora e no-
raeado Galdino do Reg Pessoa de Mello, para
sub.s:ito.il-o.
Foi reiniegrado Jos Erayglio de Oliveira no
cargo de agenlc do correio* de Palmoira de G>-
rannuns e nomeados para igual cargo eT Bom
Coiisellu. Munel Sjnano do lleg), na estaco
de Agua Preta, J is Fisiocisco Crdoso : em Ca-
brobo. Vicente Goncrlves da Silva Loj.: em Ipo-
juca, Frederico Angosto do Siqueira Civalcante
e no Cab). Jos (Casimira dos lle's.
Foi res'au'ado o dis'.ricio do sululelegacia do
Espi-ito Sal). do tormo de Tacarar
Foi nomeado Mircoliuo Cavaluinte do Oiivei-
<"j para o carg i de I" supplente do delegado do
termo do Panell.is.
Por offia i da mosma datj :
a' Tbesouraria do Fazenda man loti-se pagar
i uuiniia de 9:0000)0 a Misael da Silva Gui-
miries. o i -arrogado da dostruieo do casco do
vapor B'ilua.
Fallec mentaDo. Palmares nos eoramu-
ocam que, no -! 8 do rorrenle raoz, alli falle-
cu repentinamente o ex-agente da estucho da
Colonia Isabel, na ferro via do S. Francisco, Pe-
lin'o Xavier Carneiro da Cunha.
O finado tinha 38 annos de idade. e era ho-
rnera morigerado e intelligente.
Attribue se a sua morte' ao desgo=!o que Ihe
oroduzo a deraisso do cargo que dignamente
exercia.
Sua familia, composta da esposa e 4 lhinbos,
iicaui na maior penuria.
Apresentamos-lbe os nossos pozaraes.
.*. A. o Sr. Conde ifEu- O Ex n. Sr.
conselheiro presidente da provincia receben do
Cear, anie-hontera, o seguinte telograraraa :
Cear !).
S a. o Sr. Conde d'Eu partir amnnh ao
meio dia Estar no P.io Grande do Norte no
dia 11 tarde, de onde partir a 12 para aPara-
liyba, embarcando ubi na tarde de 13 no vapor
Maranho da Companhia Nacional.
Ain, em Pernambuco, visitar as estradas de
(erro e a Colonia Isabel. Voltara ao Kecife, e
seguir I igo no vapor da Companhia Pernarabu-
canu.
Aaipbiirite A companhia do seguroa
A'iipliitrtii ata pagando um dividendo de 6S
por iceaF relativo ao seraestro linde em 30 de
Junho, na ra do Commerciu u. 48.
Fernando de Xaronba No dia IfC do
correte, era sessao da junta da Thesouraria de
Paseada, deve ser arrematado, mediante pro-
postas em cartas fachadas, recebidus *at 13, o
fornecimento de medicamentos e diversos ou-
tros artigos ao presidio de Fernando de No-
ronha.
Reviwta do OlervalorloReceoemos
e agradecemos a olTeriu, o n. 7, anno 4.". d'essa
importante publicaco meosal/do Imperial Obser-
vatorio do Rio de Janeiro.
E' o seguinte o summario das noticias cou-
das no mencionando numero :
Climatologa do Brazil.Trignometria esphe-
rica.Resumo das observares meteorolgicas
feitas em S. Joo d'El Rei. Mappa das observa-
Cues de 18S8 na provincia do Rio-Grande do Sul.
Meteorologa da Babia.
Aspecto do co durante o mez de Agosto.Re-
vista climatolgica do mez de Junho de 189.
Diario meteorolgico do mez de Juuho de 1889.
Resumo das observaces meteorolgicas feitas
no Imperial Observatorio no mez de Junho de
1889.Jornal meteorolgico do mez de Junho de
1889 era Santa Cruz. Resumo das observaces
meteorolgicas feitas no mez de Junho de 1889
em Santa Cruz.Resumo e Redaeco das obser-
vares meteorolgicas de Cuyab, feitas no mez
de Marco do 1889. -Observaces simultaneas.
IioucaInformam-nos que ha ra Viscon-
de de A'buquerque uraa infeliz moga privada da
razo, que por esse estado um con'tanle incom-
modo nsinbanca, careceodo, portanto, que a
propiia familia trate de providenciar para cessar
essa situafo.
Imprenta da provinciaRecebemos os
ns. 26 da Lanterna Magua, 2 da Resvista Spor-
tiva e 27 do Echo do Poco.
Agradecemos.
Mocledade Iliteraria Goncalv *) m
Dias -Em sesso extraordinaria reune-se hoja
s 10 horas da manh, na ra Marcilo Dias, essa
associapo para tratar de negocios de ponderaco.
Nani'Anna \ mesa regedora da rman-
dade de Sant'Anna da igreja da Madre de OeosT
para o anno compromissal de 18S9 a 1890 a
seguinte :
ProvedorJoo AI ves Pimenlel.
EscrivaoManoel Moreira C. Jnior.
ThesoureiroManoel Joaquim dos Passos Gui-
marSes.
Procurador geralLuiz Barbosa Ribeiro. v
ProcuradoresBaltazar Reis Filho e Luis Pin-
to Saraiva.
MesanoManoel da Cunha Res, Francisco
Jos dos Passos Guimares, Manoel Moreira da
Souza, Antonio Feiippe Simes Silva, Artbor
Estanislao da Costa, Joo Maria Rodrigues.
Provedora-D. Amelia Candida da Silva.
EscrivaMaria Augusta F. da Luz.
Tiieoiro sania inabeiConsta-nos que
o beneficio do actor Lyra, que devia ter lugar
no da 15' do correte, no theatro Santa Isabel,
acha-se por motivo de torga maior transferido
para domingo, 18 do, andante.
Instituto do Advocados E' araanhi
que, s 6 horas da tarde, e no lugar ^o costa-
me, effectuar-se na a terceira reunio do Insti-
tuto dos Advogados.
CollegiobnBe de Agosto Hoje, is 11
horas do dia, ilever ter lugar a sesso littera-
ri,. commemorativa do 9' anniversano desse esta-
beleciraento de educaco. na qual se fai a dis-
tribuieo ne premios aos alumnos que mais se
disiinguirara durante o ultimo anno lectivo do
mesmo collegio.
Gremio dos Professores Primarlos
Essa associacao acaba d; dirigir o seguate
oflicio ao Sr. Dr. Joo Barbalho Ucha Cavalcan-
te:
Gremio dos Professores Primarios.Reafe8
df Agosto ie 1889. -Illm. Sr.Te ido V. S. ofiti-
do aposentaco no lugar de inspector geral da
Instrueco Publica desta provincia. cargo que-
Ilustradamente exerceu por mais de quinze an-
nos, com geral anplauso de todo o magisterio e
mui proficuo desenvolvimento da nfesica ins-
irucc-c, o Gremio dos Professores Primario*, riel
interprete dos sentimentbs d se
aa eximi



!i

.-* *


Diario de Pemambuco
I i de Axrosto de 1*889
Ag
* ni
O abera por si, s<
i gualajeotK este voto de reconhecimento ; pflo
mnito que V. S. fez em prol da mesma associa-
580, nfio s no carcter de inspector geral como
no de seu :>ooio benemrita
i igne-se, ijortanto, V. S. Je aceitar esta
sincera e cordial inanifestaco de apreso e re-
conhecimento, que Ihe dirigem o magisterio em
gerai e esta associago em particular. Deus
guarde a V. S. Illm. Sr. Dr. Joo Bnrbalho
Ucha Cavalcaote, ex inspector geral da Ins-
trucrao Publica, e soc:o benemrito de Gremio
dos Professores Primarios.Augusto Jos Mauri-
cio Wanderley, presidente ; Jos Luiz de Fran-
ca Torres, i" secretario.
Dr. onza PintoNo vapor francci Ner-
the, hornera entrado da Europa, regressou o Sr.
Dr. Antonio e Souza Pinto & esta provincia.
d'onde bavia partido ha alguai tetnpo para alli
em viagem de recreio.
Compriaientamos a S. S, .
Embarque-No vapor francez VMe de toa-
ra embarca amanh para a Europa o Sr. M. Feo-
drippe de Scuza, vice cnsul francez era Pernam
buco, e director do Compknr Industrie! Franriis
Desejatnos loe prospera viagem.
Gabinete B-orlux/uez de Leltura
Realisou se no doraiugo ultimo a 14' sesso or-
dinaria da dirceloria do Gabinete Portugus de
Leitura.
O expediente constou da leitura de 2 oBlcaos
dos rscriptores portuguezes os Srs. Oliveira
Martins e Julio Lourengo Pinto, que foram ou
vidos cora regosijo, mandendo-se agradecer lhes.
Foram propostos eapprotgidos 3 socios, sen-
do accionista o Sr. Lino Lopes Aliieiro, e s:ib
strip toros i Srs. Antonio F. Bibeirp Jnior e
Candido Her ,ies Ferreira.
Forera ollerecidos : pelo distincto escriptor o
Sr. Oliveira Jlarns o spu lifro Portugal nos
Mares; e pelo Sr. Barbosa Vianna, ultimo se-
cretario da Sociedade Portuguesa Serpa Piulo,
1 vol. ene. da obra Angola e Congo, que aquella
sociedad oUtreceu o author, o Sr. Antonio
Vtlente, do Arabrez (frica). *
Kesolvea-se suspender o expediente 3 ,i 17
do correte inclusive, em virtude dos jrepara-
vos para asolemnisago da festa anniversana,
publicando-se essa resolugo aos jornacs para
conhecinaento de todos os Srs. associados.
Para o Hiode JaneiroSigui para a
corte, em viagem de visita pareles, o Sr.
Antonio da Silva Couto, negociante desta cidade.
Desejamos-lhe feliz viagem e prorapto regres
so ao seio de seus amibos. .
Tribunal do Jury do Recife -Forai
hontein submottidos julgamento os reos -
noel Francisco Rodrigues, Mafioel Francisco Ro-
drigues Jnior, Firmino Francisco Rodrigues.
Tiburcio Francisco Rodrigues e Antonio Dias do
Carmo, pronunciados no art. 193 do cdigo cri
minal, por despacho do Dr. juiz de direito do 3"
districto, e aceusados de haver, na noite de 23
de Junho do auno passado, na poveago da Boa
Viagem, assassinado cora duas lacadas o solda-
do flo corpo de pocia, Manoei Qairino de Bar-
ros.
A's 10 horas da raanh principiou a sesso,
sob a presidencia do Dr. Ttioraaz (iarcez Para-
nhos Montenegro, juiz de direito do referido dis-
tricto oceupando a cadeira da aecusacao o Dr.
Manoei Caetano de Albuquerquo Mello, 2" pro-
motor publico da comarca.
Forain sorteados para cora por o conselho de
sentenga os segaitlts juizes de facto :
Francisco Pl.: i oboielho.
Silvino Claudimo de Albuquerque Sob reir.
Joao Garios Mendes.
Antonio Francisco de Mello.
Autora > l .'i -lio Costa Oliveira.
A.t :i i.; |ui d Lopes de Carvalho Jnior.
Hercular.o da Silveira Bessouc.
Cynllo Augusto da Silva Santiago.
Manoei Amando Lobo Gomes.
Eustor^iio Auslricliano de Brito Macedo.
Dr. Francisco Jicinlho de Sampaio.
Dr. Ezequiel Franco de Sa.
Deferido ao jury de sentenga o juramento le-
gal e interrogados os reos, fez o escrivao do
tribunal. Jos "Joaquim Dias do Reg Jnior, a
leitura do processo da furmago da culpa.
O Dr. promotor publico, allegando terem os
reos praticado o crirae noite e cora superiori
dade em breas e armas ao offendido, de manei-
ra a nao poder este defender-se com probabili
dade do n-pellir a offensa, '-.'dio para riles a pe-
na dogales perpetuas, grao mximo do artigo
193 do cdigo criminal.
Occupou a cadeira da defeza o Dr. Luiz Drura-
nond. que negando a autoria do facto delictuo-
so, pedio absolvigo dos reos.
De accordo com asdecisesdo jury foram con-
demnados os reos Firmino PraocisCo'Rodrigues c
Tiburcio Francisco Rodrigues pena de ga-
jes perpetuas, grao mximo do art. 193 citado,
e absol vides osoutros reos.
Os reos coodemnados prot.staram por novo
julgamento.
Foi levantada a sesso s 3 oras da tarde e
adiada para amanh. s 10 horas.
Boubo importante -Sob este titulo re-
ferio taontem a Gazeta da Tarde :
Tendo vindo hontem de Goyanna o Sr.
Agnello Caetano de Medeiro, honrado negocian-
te daquella praca, foi victima da esprtela de
um larapio que conseguio o seu intento rouban-
do Ihe 1:9.2*500.
Estando o Sr. Medeiro a attender s sup-
plicas de urna pobre mulher no Caes 22 de No-
vembro, a qual pedia-lhe urna esmola para ma
tar-lhe a lome, foi sorpreben lido por um cava-
Jbeiro de industria, que deitou as maos sobre os
olhos do Sr. Medeiro, que, julgando ser algura
antigo conheeido, voltou-se e vio o larapio, que
pedio-lhe descolpas dizendo-lhe pensar ser um
seu amigo.
Proseguindo o Sr. Medeiro o seu caminho
verilicou mais larae estar roubado na dita quan-
tia pelo ladro que fez o seu servico de modo a
mo ser presentido pela victima.
Consta-nos que as autoridades caminham
em actividade para fisgar o hbil moyo larapio
Nerviro militar Esto designados para
superior do dia guarnicao hoje o Sr. major
Alves e amanh o Sr. major Serra e de ronda de
visita, olliciaes dcjcavallaria.
O 2o batalhao dar as guardas da Deten
cao, Alfandega, Thesouro Provincial e Palacio, o
14 as do Brum e Enfermaria e a coropanhia de
operarios a da Thesouraria de Fazenda.
Existem em trataraento na enfermaria mi-
litar 37 pracas.
Seguem hoje para o Hippodrorao 19 pracas
sendo 8 de cavallarta e 11 do 2o batalho dis-
posigao do Lr. delegado de polica do 2o dis-
tricto.
No requerimento da ex-pra^a,do-2" bata-
lho de infantaria Manoei F>hcisco da Cruz,
pedindo para ""ser peto referido batalhSoat-
l8lada sua qaralidade de ex-praca, deu S Exc.
o Sr. coronel cornmandante das armas o seguio-
te despacho : Pode altestar ; e no do soldado do
14 bataihao de infantaria Antonio Florentino
Leite o seguinte : Como requer.
.Beuni#e oeiaeTerSo lugar hoje as
aeguin'es :
Da Sociedade Litteraria Goncalves Dias, s 10
horas do dia, em sesso extraordinaria, para
tratar oe assumplo importante
Do Monte Pi des Typographos de pemambu-
co, hora do costume, para tratar da disselucao
da sociedade.
Da Irraandade do Divino Espirito Santo do
Recife, s 11 1 i horas do da, para cumplimen-
to do dispo to nos arts. 83 e 84 do respectivo
compron;i.--i.
Do Club Internacional do Recife, s 11 horas
do dia, para eleicao da nova directori;1
(atWea-E ctuar-;;?-ho os seguir/
Amanh :
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra da
Aurora n. 81, de movis, piano, espelhos, etc.
Terca feira :
Pelo agente Gusraao, ao meio dia, na Compa-
nhia Pernambucana n. 14, de vinho em barris.
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, ru do
Imperador n. 20, de bous movis.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Bom
Jtesus n 45, de instrumentos de msica, faz<
e couros.
Pelo agente Pestaa, s 11 ores, travessa
do Corno Santo n. 7, de urna casa no Giqtti.
Pelo grite Martins, s II hoas ra Du-
que n. 28, de movis e objectos de um
ado.
Mina ranelire-Serio celebradas:
i). pela alma
do B
-;.(ito aiM*la alma
a, pela alma de Ovidio Saramde
Neiva; s 8 horas, na matriz de Santo An^
Ionio, pela alma de Amazilia Marja de Hollanda
Soare3 ; s 7 1/1 horas, na matriz da Boa-Vista,
pela alma de D. Constanga Perpetua Baptista Bar-
roso.
Terca-feira:
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma
de D. Maria Araujo de Oliveira.
PawwngeiroChegados do sul no vapor
intlez erthe :
Falkemberg Arnold, Dr. Antonio de Souta Pin-
to, sua senhora e 1 filho, Jacob Tuba, Bruno Au
geallier, Adolpbo de Castro Silva. Arthur de M.
Ribeiro, Luigi Bolla, Joseph Ballalin, Antonio
liellon, Abraham Bellim, Mansaar Bellira, Jorge
lielioii, Vioant Bulln, Marcial Mndez, Bibiano
Atarea, Francisco Romano da Silva, Manoei Pin
to Carneiro, Joaquim de Azevedo Ramos, Au
gusto Goncnlvss Fernandes, Flavio J. de L. Fer-
nandes e 2 ilhos, Jos Lopes Alheiro, Manoei da
Costa Campos, Mme. Mana Moco. Jos Botelho de
Azevedo, Rapozo Cabral e 1 lilho, Manoei de Me-
'eiros Garcia, Manoei Pavao, Manrarida Rosa.
Innocencio de Almeida, Josi- Mara, Jos de. Al-
raeida, Clemente Guedes, Marcellino. Goncalves
Mitra e Antonio Fructuoso Fernande.
Sahidos para o sul no raesrao vapor :
E. Rubn e sua senhora, Manoei Antonio dos
Santos Dias Filho, Salvini, Flix Lafargue, An-
tonio da Silva Cauto. Joaqaim Coelho, Henry Bur-
le. Eluardo Jos Rodrigues, sua senhora e i
filha.
Chegados do sul no vapor francez Ville de
Cear:
Dr. Diogo Maranho e Jos dos Anjos.
O rectora das obra* de confien a-
cae don Porto* de Pe-BambucoReci-
e 9 de Agosto de 1889.

-Favorita
Boletirn meteorolgico
_
Soras
6 m.
9
12
37t.
= =-2
34--2S
27*-0.
i8'-l
27" -6
25-2
Barmetro a
0
763"61
764*53
764-46
762-13
762-84
Tenso
Jo vapor
- "3
17,23
17,30'
18,61,
1719
17.60
N
M
ii
81
7i
Temperatura mxima28,50.
Dita minima-23o,00.
Evaporajo em 24 horasao sol: 7'.7 ; som
ora: 3-.1.
Chuva-Nulh.
Direcco do vento : S, SSE e S alteruados
durante todo o dia.
VelQeidade media do vento : 2-,06 por se
?urd<5.
Nebulosidade media: 0,40.
Boletirn do porto
2
||| Da Horas JUtan
5* a
B. M 9 de Agosto 908 da manh 0-23
P. M. 3 -30 da Urde 2-,35
I. M. 9 -35 0-34
,,. 10 de Agosto 346 da manh 2-46
Santa Casa de MiMerirordia Eis o
essoal soccorrido nos diversos estabelecimen-
los cargo da Santa Casa de Misericordia no
mez de Jlho ultimo:
Hospital Pedro 11
Dito dos Lazaros
Dito de Santa gueda
Hospicio de Alienados
Asvlo de Mendicidade
Colegio das Orphs
Casa dos Expostos :
A saber:
Em criaco fura do estabelecimenlo (110
Em educaco no estabelecimenlo (212
028
4i
3
214
225
201
320
1.637
18
17
1
643
enfermarlas
Total
Cana le netencaoMovimento dos pr>
sos da Casa de Detenco do dia 9 de Agosto d-
i889
Existiain 473; cntraram 9; sahirara 16; exis-
tem 466.
A saber:
Nacionaes 421; mulheres 18 : estrangetros 27.
-Total 466.
Arracoados 405.
Bons"379.
Doentes 21.
Loucos 3. Total 405.
Movimento aa enfermarla
Tiverara baixa :
Jos Marques Gomes da Silva.
Jos Antonio da Silva.
Jos Antonio de Oliveira.
Manoei Vicente de Oliveira.
Joaquim Pereira da Silva.
Pedro Jos da Rocha.
Tiveram alta :
Antonio Flix da Silva.
Jos Mansinho do ."iascimento.
Vitalino Jos dos Santos.
Candido Jos de Oliveira. .
Innocencio Pereira da Silva.
HoNpltai Pedro II -O movimento desle
estabelecimento de caridade, no dia 8 de Agosto
foi o seguinte:
Entraram
Sahiram
R i'eceram
Existem
Foram visitadas a3 respectivas
ocios Drs.:
Cysnein s 9, Barros Sobrinho s 7 Ij4, Fer-
reira Velloso s 9 3|4 Berardo s 11, Malaqyias
as 10, Poutual s 9 1|2, Simes arbosa s 10
horas.
Sao compareceram os Drs.:
Estevo Cavalcante.
Moscoso.
O cirurgio dentista Numa Pompilio s 812
horas.
O pharmaceutico entrou s 9 1|2 da manh *
ahios 4 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou s 8
!a manila e sabio s 4 horas da larde.
Lotera do Cram-Para-A 4" parte d;
29' lotera, dessa provincia, cujo premio grande 0
120:000*000, ier extrahida no dia 16 do cr-
reme.
Grande lotera do Maranbo A V'
serie da 1 lotera, dffisa provincia, _piH,o_EP5mio
grande i 300:oO0i000 ser e_xj>2fda no da 13
(trsgcs-v--------^*
Cemlterlo Publico-Obituario do dia 9
de Agosto :
Goncailo do Lago Rabello. Pemambuco, 30 an-
uos, vinvo Ba-Vist&; epitbelioma da lingua.
Aquilino, fernambuco, 3 ahnos, S. Jos; con-
vulscs.
Maria, Pemambuco, 18 mezes, Santo Antonio ;
raenengite.
Isabel, Pemambnco, 2 mezes, Boa Vista; con-
vulses.
Jo'o Alves dos Santos, Pemambuco, 40 annos,
Boa*Vista ; hepate splenite.
Bernarda Mara do Carmo, Pernambuco; 31 an-
nos, casada, Boa Vista ; diarrha.
Manoei Antonio, Pemambuco, 60 annos, casa-
do. Boa Vista; broncho-poeumonia.
liiacia Maria da Conceico, Pemambuco, 42
annos, viuva. Graca : entente.
Antonio Victorino, Pemambuco, 72 annos.
viuvo, Ba-Vista; caxexia senil.
Jos Leal, Portugal, 63 annos, solteiro. Boa-
Vi >u\: anemia.
Paulina Maria da Conceigo, Pemambuco, 21
ranos, viuva, Ba-Vista; bronchite asthmatico.
SPORT
HippodroMo do Campo Cirande
Realisar-se-ha hoje, com urna aptima
inscrip5lo, al.* corrida neste Hippodro-
ino, dada pola nova directora, que assim
estra brilhantemente.
Segundo nos informaram asistir a ella
o Exm. Sr. conselheiro Man- el Alves de
Araujo, diguo pcoaidente da provincia,
com sua Exma. fa:ilia.
Eis os nosso* palpites;
uareo: Viage e Tuvy; para asar
pareo :-
azar Cometa.
3. parco:BonajtartetBa-
ra azar Zambo.
i.' pareo:Apollo e Diana; pa
V< *per..
5. pareo : Piorrot e Tyrumno
azar Singapore.
6. pareo:T.mplat e Arumari/', par
azar Giuirany.
1.' pareo : Stella e Fantina ; para azar
Corrija. I

*
Tem se perguntado pela imprensa qual
a razao denaojhaver sido multado tam-
bera o jockey Felippe, 'quemontou fla cor
rida ultima do Derby Club a egua Diana ?
E' muita curiosidade, sem duvida; e a
inpertinencia se revela na falta de res-
posta.
E mesmo, urna certa demora na sanidad
e um certo aperto de redea ser caso da
punicao que se qur, quando de ante mi
a victoria Vesper eatava conbecida, assim
guisa da dos Cliristaos sobre os Mouros
de Onda?
Detxempassar a Justina... do turf.
Os mortos j foram enterrado, e os
sobreviventes adirao heranca.
lativa ou de separar-
cena o
Hoje no Hippodromo entra em
Vidcano.
Precede-l'-e a nomeada mais auspiciosaji
e por isso no parco o palpite mais pro-
mettedor, sem embargo da observa9ao
constantecavallo nevo, corrida perdidal
Seradfim?
Bem pofle o datado realisar-se mais urna
vez, e o dia que succede, pareeer se com
o dia que succedido.
Nao ser impossive!, que obedecendo
regra de em tasa de ferreiro espeto de,
pao, o nosso Vulcano o ferreiro do turf
se converta em safra.
Em vez de bater, seja ba'ido.
s ua cui ie( u viuaue. *
oatro lado allgase que urna quesio
^Bie intil resistir porque a cora
^^He previa adhesSo, nao se devenlo ser
realista do que o rei. Mas nem v,
Saraiva, segundo referi ao senado, ma-
^Ht-cora o pensamento de realisar a
eraco e sim estarinclinadoao voto se
Pirado do <]ongre3Jo liberal, e nem a resposta
corda-( o senhor sabe melhordo que nin
lem que en nunca fui embaracoa voniade da
xpressainente manifestada ) expri
outra cousa seno louvavel disposico de
Minar-se com a vont.ide da n.'.co, quando
manifestadjl'exprt'ssaniente.
ssim nao fosse, nem por isto se
na menosWtbivel a resistencia para bem ser-
vir nao so a cora como principalmente a pa-
ria, por cuja prosperidade, dependente da
uuio, devemos todos tazer esforcos e sacri-
ncios.
Quando, onde, e porque forma loi expressada
a vontade nacional no sentido dafederaco
ara que se considere- questo \encida?
O que se observa que desde- 1832 nem na
tnprensa e nem no parlamento a idea da -rao
archia federativa-t'oi trazida a discusso e
satisfeilas as aspiraces das provincias
om a adopeo do Acto Addicional, tem procu
ido os adeptos das'franquezas provinclaes pro
ugiar pela descentralisaco administrativa,
;omo muito interessa as provincias.
O qu ainda se observa que os mais es fot
fados propugnadores da CderacomoStra"
ufto tel-a ainda estudado bem quanto ao mono
aratico de coostituil-a. E' assim que vemos o
voto separado do Congresso liberal commetter
autqridadenaeioual-a compefencia de or-
ganisar o poder administrativo e. legislativo as
prjvincias-e, o Ilustre conselhMro Prado em
aeu manifest pretender que scjT dacompe-
tencia pas provincias orgaaisarem-se poltica
adiriiiiistrativaBocnte !
PIBLICAtOES 4 PEDIDO
------------------------------------------------------------------------------------------------- ........--. ,
A o corpo eleitoral do
I. districto
Apresento-me ao digno corpo eleitoral do i.
districto desta provincia, solicitando a distineco
com que por mais de urna vez me tem honrado,
concedendo me urna cadeira na Cmara dos De
putados.
Face-o por forja das ideas que reputo conser-
vadoras, convicto de que ellas se impeni ac-
tualmente de modo imperioso e ho de prevalecer
afiual.
Sao as mesmas que, dada a mudanga da si-
tuacao poltica, tenho manifestado particular
mente ae ver apregoarse cerno vencedora a
bandeira dafederaco, e ao notar o silencio
dos chefes consentidores de diversas provincias,
Constando mesmo que a alguus era ella svmpa-
thica.
Hoje que, felizmente, observo o pronuncia-
memo conservador em algumas provincias, de
accordo com as minbas ideas, julgo-me mais
animado ao expol-as ao corpo eleitoral.
Ante a agitaco que vai pelo paiz em virtude
de manifestarles contrarias s nstituices mo-
narchicas, e das tentativas de reformas compro-
mettedoras da integridade do imperio, meu
dever, solicitando os suffragios do corpo eleito-
ral, delinir bem a minha posiyo.
Convicto de que cora as actuaos instituiges
pode o Brazil continuar na senda do progresso
quetem percorrido, conlio que os partidos con-
iturionaes, inspirando se era verdadeiro pa-
triotismo, nao faltaro misso que Ities pro-
pria, conjurando os periaos que tantas appre-
henses desperlam.
D'eotre as reformas que se projecta sobre-
sabe a da federaco, a que homens de um e
outro credo poltico mostram adherir, e cuja
realizaco tanto mais para receiar quanto em
sua justilicaco nao faltara allegafes em appa-
rencia seductoras.
A' ella opporei a mais formal resistencia ; e
far-lhe-hia a opposico que coubesse em minhas
foryas anda quando alguns ou todos os chefes
conservadores, deixando-se deslumbrar pelos
attractivos da celebridade, ou pela espectativa
de ascenyao ao poder, viessem a adptala.
Nao nova a idea da -federaco. -
Agitada nos tempos calamitosos que succede-
rara revoluco de 7 de Abril de 1831, foi eu-
to acei.a pela Cmara dos Deputados no proje-
cto adoptado para a reforma da Constituifao;
mas a sabedoria do Senado oppoz-lhe resiten-
cia em 1832, e as duas cmaras, reunidas em
assembla geral n'esse anno, rejeitaram-n'a
como incompativel com as nstituices monar-
chicas.
Da discusso ento havida no parlamento vd-
se com que fundamento foram combatidas esta e
outras ideas perigosas, consignadas no proje-
cto reformador enviado pela Cmara ao Senado.
Occupando-se da questo na sesso de 1. de
Maio de 1332, expressou se nos seguintes ter-
mos o consslheiro Martim Francisco Hibeiro
de Andrade :
Insistirei anda sobre a aatiqpuiia que se
encon'.ra na nogo complexa d# monarchia
federal.
Que suppe a palavrafederacoapplica-
da a qualerquer nago ? A de estados iu pendentes unidos por um laco qualquer K
monarchia? Um estado compacto eunido,
regido por um s ebefe.
Como possivel combinar duas ideas ma-
nifestamente contrarias -compacto e separa-
do- f
- Eu pelo menos ignoro.
- Agora pergunto ainda que vem a ser o Sr.
D. P^iD*-effl--3iri^i*5ylema de gove-rao I
" Bffla tantologia, ou petiQao*e principio, ver-
dadeiramente irrisoria
Se cutio, de accordo com estas1,las' a saDe-
doria dos legisladores poude repc,ur -projee
tada monarchia federal, cumpre que nJe igual
resi.-tencia ella encontr, o que de esPerar do
patriotismo dos brazileiros, reconhccemlP1u.an
to semelhante reforma perigosa para 3S m3_
tituiges e sobretudo para a integridade aP lra"
perio. ^v
E foi sera duvida, attendendo a esses perigoV"
que, trazida de novo a Cmara pelo llustre de
putado o Dr. Joaquim .Nabuco em 1883 e em
1888, a idea de constituir o Brazil eramonar-
chia federativa -, licando os generaos proviu
ciaes completamente" independentes do poder
central -. nao foi o respectivo projecto julgado
objecto de deliberacao. Assim resolveu a c-
mara conservadora em 26 de Maio de 1886 sob
o dominio do ministerio 20 de Agosto, e em 17
de Agosto do anno passado sob o do ministerio
10 de Margo.
Nao vejo razo para que a opiniao const
dora, assim expressada em datas to recen
Je modo to significativo que nem ao m
juigou digna de discusso semelhante refo
defxe de subsistir.
a torga da cobermeia. quando outras ra
nao houvessem faz presumir qne nao acei
hoje o que hontem reieitou inhmine.
Prelende-se que a fedarago contera o uk
ment republicano.
Illudem se aquelles que assim pensara,
o Mcente partido republicano, descrendo d
institniges, aspira outro rgimen, nao
certamente de seus intuitos, e estes serao I
mais fcilmente conseguidos quanto mais e
traqueada estiver a acgo das inslitaiges
iiarchicas por forga da -federagao, dan
ento na evolucao de um para outro re
iicar o Brazil na mais seria e grave
entre o principio unitario e o fede
O proprio autpr do projec
is sob
rder a
Como esta, outras quesles praticas de maxi*
raa importancia surg riam reclamando estudo
que ainda nao tiveram, como dos agentes a
qnera o poder central ourifccionalcomraetta as
provincias a execugo de suas ordens e leis, se
especiaes ou provinciaes, os conflictos que po-
dem surgir e o modo da soljel os.
Diz-se qe nao ronvm Cuer questo de pala-
vrageque=sefederagoexprime mais <;o que
separago completa entre os interesses provin-
ciaes e geraes, para dars provincias, exclusiva
mente, a direcco dos seus negocios, substitja
sa a palavrafederucaoporautonomia=.
Mas aautonoma inherentefederago ,
e esta se firmar desde que as pruvincias tive-
rera competencia para=?e organisarcm politica-
mente^
Bem se pode avaliar o estado a que ficar re
duzido o Brazil si as provincias se regerem por
constituiges proprias ou dadas pelo yoder cen-
tral, estando presasj sraeate pelo lago da fede
rago. Bem o descreveu um dos Ilustres mem-
bros do congresso liberal, o conselheiro Silveira
Martins, as seguintes palavras : Provincias fe-
deradas com governo imperial isolado no Bio
de Janeiro seriam a propina impotencia orga
nisada =ou cono era sua circular, diz o Ilus-
trado conselheiro Andrade Figueira : sena=
comprometter a integridade do Imperio, dis-
solvendo cu afrouxando oslagosdeindispensa-
vel centralisago poltica que unem as proviu-
cias ao governo central =.
Quando a tendencia geral das oacoes ifortili-
carera se pelaunio, seria para lamentar que
o Brazil, pela federago das provincias, visseque-
brado este lago qne tem constituido a sua forga
e ha de conduzil-o ao maior engrandecimento.
A-.-ira me expressando, nao posso acceitar a
intimagao de que=ao partido do governo devem
liliar-ao, pela Ciifonnidade de intuitos, todos
quautos adherem poltica da resistencia-=. Nao.
Entre a poltica aven'urosa dafederago -, o
programma de reformas adoptado pelo governo,
ha posigo digna para os conservadores,con
sultar raelhor os interesses das provincias, pro-
raovendo, em vez de reformas na Constituigo as
de carcter administrativo que se harmonisarem
com o peosamento do Acto Addicional, firmando
ampia descentralisago administrativa sem que-
bra da centralisago poltica.
Assim, o partido conservador, resistindo ao es
pirito innovador, poder cumprir a sua misso,
mantendo as jnstituiges em que a ordem e a li-
berdade tem encontrado garanta, e salisfazer os
justos reclamos das provincias, fazendo eessar a
demasiada centralisago administrativa, que ha
muito as opprirae sob o dominio de amb s os
partidos-
N'este terreno ha muito a fazer e nao faltam
estudos e trabalhos a aproveitar quer em bem
da vida das provincias quer da dos munici-
pios.
D'entre o ampio cithalogo de reformas adop-
tadas pelo congresso liberal, o Ilustre Presidente
ilo conselho escolheu poucas cuino mais urgen-
tes eapportunas para programma do gabinete,
salientando se entre estas a da electividade dos
presidentes das provincias c a do alargamenlo
do voto.
Quanto a esta, parece-me que a amplitude Ihe
dada por tal forma que quasi conslitue ovoto
universal -.
Quanto aquella, comprehendo a conveniencia
de regular a nomeago dos presidentes de pro
vincias de modo que haja garanta de acert e
que taes funecionarios tenhara estabilidade.
Mas para conseguir-se este resultado, o meio
por certo nao ser' a electividade desses agentes
do poder publico administrativo, e sim o crile-
rio dos governos na escolha de tae3 funeciona
rios, preferiudo os mais aptos, e ao rasmo tem-
po assegurando lhes a precisa independencia
com relago aos interesses da communho sob
sua jursdicgSo.
A propria cmara de 1S31 nao se leinbrou de
oBSgnar era seu projecto de reforma da con-
stituigo a electividade dos Presidentes das pro-
vincias.
Cora tola a razao o Ilustre conselheiro Pauli-
no de Souza em seu recente manifest se ex-
pressou a respeito nos seguintes termos : po
posso comprehender o rgimen Imperial na sua
acccpco con.-tiracional sem a altribuigo do art.
163 d constituigo.
Basta examinar as bases que o congresso libe
raladoptou, nao s reguladoras das destituiges,
suspenses e attribuiges presidentes electivos
como rectoras dos servigos geraes, para co-
nbecer se os perigos a que ficar expo.ua a ad-
ministrago e os coiiflietosSqu'e ho de surgir.
Diz bem esse illutre conselheiroque em seu
espirito nao se/formula o modo praticode coope-
rago eflicienle do Presidente da provincia elec-
tivo com um poder geral que tem por chefe o
raonarcha hereditario.
Acresce que, como bem pondera o conselbeiro
Andrade Figueira era sua ultima circular,a
a electividade dos Presidentes de provincias
conduz federago e esta a repulica.
Creio ter dito bastante para patenteiar o meu
nsamento e determinar a minha posigo.
o preciso fallar de mim e nem do modo por
jjJJs cumpri o mandato qu>- o llustre corno elei-
.'.il se dignou couliar-meas eleiges de 1881,
1881 e 188C-
jAysjta-uie apenas aguardar [o julgamento do
illusr e corpo e*Storal.
* possivel, e mesmo provavel, que a alguns
eitores conservadores do 1 districto nSo agra-
miulias ideias a respeito da federago das
provincias.
Sentirei que por este desaccaedo venha a per-
der a seus votos betu como s daquelles que,
levados por outros motivos, daaejarem favorecer
Ao do meu Ilustre confendoresforgado
propuimador da federago.-* O futuro se encar-
re^ar de mostrar se erram ou se procedem com
Aos Srs. eleitores devo urna explicago. J os
tendo procurado pessoalawote em pleitos ante-
i-me bastante para desculparem-
. pela estreiteza de tempo, nao me
oceder do mesmo modo, e me per
ntao que me limite a presente expo
!extrema,benevolencia de que os
'las prov
[tetrada,
^^b-me com seus votos aquelles qui
^Hm digno d'elles. A' estos os n;
idecimentos,
fe, 10 de Agosto-de 880.
Manoei do NascinetUo Mdekido Portilla.
Ao eleitorado do 3. districto
Com a serenidade de espirito que soem tr as
almas superiores retemperadas na adversidade,
declaro ao corpo eleitoaal do 3 districto que,
rejeitando a decisao da coramissSo executiva do
partido liberal que me excluio da lista dos as-
pirantes a um lugar no seio da representaco
nacional, fago appello d'egsa" deciso para o mes
mo corpo eleitoral.
Nunca soube sub3crever ao capricho e in-
justiga.
No abastardamento geral dos caracteres nao
admira que aquelles a quera o acaso feliz ou al
guma circumstancia extranha poz testa dos
negocios polticos de urna circumscripgo pro-
vincial qualquer, confundam o joio cora o trigo
e pesem inconscientemente a curo e lio, em ba-
tanea falsificada pela bajulacao e pelo capricho,
o mrito e o demerito, a consciencia s e o es-
pirito destituido de bro ; o patriota e. o cory
pheu de todos os desbragamentos e de' todas as
falsicages polticas.
Nao ser assim que se far boa poltica : nao
ser com agremiages as alturas sociaes de ca-
racteres disparatados era intuitos e sentimentos
e com a lia social guindada c lantejoulada por
ttulos obtidos pela subserviencia, pela perfidia
e pela venalidade que se rmaro as instituiges,
j to profundamente abaladas.
Nao aecuso, nao me julgo de momento com
direito de aecusar o governo central; a genera
lidade de seus actos defxa ver o proposito pa-
tritico de servir as aspirages do paiz, corr-
gindo especialmente os erros e desvios da ante
rior administrago, mas a boa dircego da nao
do Estado nao depende smente da bussola que
Ihe indica os pontos cardeaes, nem do rumo que
Ihe iinprimem peritos palinuros ; necessarto
que toda a campanha opere harmoaicamente
como pega de um machinismo correcto.
Nao ser com mercenarios e ilibusteiros que
elta far rota segura de salvago.
Fui substituido na gliapa d partido em minha
natural candidatura pelo 3.* districto por um
individuo que, apresentando cmara quatrien
nal, em sua maioria liberal, um diploma de de-
putado e Sendo esse diploma aecusado de nuHo
por falsificago de acta eleitoral, nao o defendeu
nem peraute a commisso de verificaga de po-
deres, nem na imprensa, deixando resta arte
qu pela aecusacao e que licasse firmado contra si o
tremendo e aviltante estygraa de falsificador.
Si um tal individuo pode ser representante da
Nago por indicago de um partido que deve-se
ter em conta de moralizado e patritico, nao sei
o que deva caber em parlilba as grilhtas de
Fernando de Noronha.
Como programma em apoiu de minha candi-
datura aprsenlo em primeiro lugar o meu pas-
sado. e uo movimento rpido de transformago
que a nossa sociedade vai levando depois da
aboligodo elemento servil, pronuncio me pela
autonoma administrativa e poltica das provin-
cias era .grao que nao perturbe a marcha regu
lar dasinstituiges, nem faga perigar a unio
nacional.
Recife, 10 de Agosto de 1839.
Sitcmo Cavaktnti de Albuquerque.
Jos Hariiinno e ollbello diffa-
uiti.orlo do Mr. Ambrosio Ha-
chado
IV
De ludo quanto o Sr. Ambrosio Machado es-
creveu contra mim v-se claramente qne s o
inspirou o odio ferrenho do escravocrata que
sobrevive escravidio; e por mais que tivesse
procurado dissimular os seus rancores, estes
porejam de todos os caracteres tragados por sua
mo vingativa.
Julgando se insultado por ter eu dito que as
adheses dos escravocratas no momento pre-
sente tornavam suspeito e impopular, o mov
ment republicano, o desmoralisavam e conta
minavam da pegonha da escravido, o Sr. Am-
brosio, nao se sentindo com coragem para con
testar os raeus servigos a grande causa huma-
nitaria, pretenden amesquinhal-os.
Assim elle diz no seu infame libello que de
putado, eleito por esta provincia, farejei logo
d'onde poda soprar-me o vento da fortuna;
vi que contando os abolicionistas cora o apoio
da cora, a idea libertadora nao poda deixar
de ir avante; que eu poda ser um bom es*
cravocrata, ora inderanista conforme Ihe disse
no sitio dos Qualro Leoes si as cousas rae cor-
ressem de outro modo; que contino a ex-
plorar miseravelmente o cadver do abolicio-
nlsrao, continuo a explorar esta mina que to
abundante rae pareca ser.
Felizmente os raeus servigos causa abolicio-
nista sao de tal natureza, esto de tal modo ra
vados na consciencia do povo; que o Sr. Ara
brosio. cujo cyuismo, alias, corre paralhas com
a-sua fa'.uidad, nao-leve coragem de comes-
talos, julgando que melhor aproveitava aos seus
intentos damnados d-svirtuar-lhes os generosos
impulsos, a desinteresss.la inspirago, erabora
tivesse de envolver no mesmo juizo os dislindos
cliefes abolicionistas que hoje esto j absolvidos
porque acceitam e exaltara o valioso concurso
que lhes pre^tam os agricultores despeitados
pela aboligo e que para honra da lavoura do
norte, bem poucos sao.
Eu niio precisara de repetir o que todos feliz-
mente j sabem, si nao estivesse no proposito de
nao consentir que se projecte a menor sombra
sobre os actos de minha vida, e si nao quizesse
mesmo, urna vez por todas, esmagar o verme
da calumnia que rasteja ao alcance do taco de
minha bota.
O primeiro voto pelo qual aflirme os nieus
sentimentos de abolicionista, foi dalo sendo eu
deputado na legislatura de 1878, na primeira
occasiao em que no seio da cmara foi agitada
aquella questo, da qual o Sr. cons lheiro Sa
ra va chefe do gabinete disse ento, que o go-
verno nao cogitava.
Naquelle tempo esta va em toda a sua pujanga
o direito schorial; a cora tambem nao csi-
tava da aboligo, pots do contrario teria no dia
seguinte aquella solemne declaraco retirado
sua confianga ao ministerio, que nao julgava
ainda azada a occasio de agitar a questo.
No decurso da seguinte legistura condensou si;
em meu espirito, de um modo inquebrantavel,
a coovicgo abolicionista e entao, entre resolu-
tamente no movimento, nao mais de propa-
ganda, mas j de acgo, de modo que, por
occasio da eleigo de 188i, a minha candida-
tura foi collocada no terreno francamente aboli-
cionista, no qual sahio-me ao encontr o Sr.
Ambrosio, que s leve a honra de receber um
voto (!) em favor da causa da escravido de que
se tornara paladino.
Quondo me declarei abolicionista socontava
com a grande alma do povo pernambucano que
n5o podia continuar indilerente a causa dos m-
felizes opprimidos pela mais terrivel das tyran
nias. Nos abolicionistas jamis contamos com
o apoio da cora; ao contrario, por ella nos
sentimos muitas vezes preju licados, como de-
pois nos] sentimos trahidos, em favor da causa
triumphante dos senhores, que at ento tinham
conseguido avassalar completamente toda3 as
nstituices do paiz.
Declarei-me, portante, abolicionista, entrei
activamente na rude e ardente na campanha.
quando nao era smente crime, mas tambera te
raeridade e perigo ser abolicionista : quando a
polica, s ordens dos escravos, invada o nosso
lar,-ameagava a nossa existencia; quando o es
cravismojcslentava no paiz inteiro urna forga que
ebegava a fazer desanimar os mais firmes e con-
vencidosabolicionistas.
Em toda nossa campanha, repito para honra
do povo brazileiro, jamis contamos com os fa
veres da cora, na qual sempre os nossos adver
sarios encontraram elementos de forga para nos
opporem resistencia e da qual sempre descon-
fiamos at o da em que ella econheceu nao
poder mais resistir sob pena Je condemiur a
monarchia, e patritica e corajosamente cedeu
ao movimento nacional.
Como, f>ara tirar o mrito do grande movi-
mento que nos faz. honra, ousa o Sr. Ambrosio
dier que o abolicionismo loi aquecido ao
* favores e protergo d -
oomo Cssesa quen
'mmtcta.
gra da escravido, contestei solemnemente que
Ihe houvesse declarado s aceitar a abocao
com a indemnisagao. Eito'S. S. limitou-se
aquella declarago, que hoje a soa perversida-
de amplia faeertdo cier que eu Ihe dera mesmo
a esperanga de ter podido ser alm de mdenuus-
ta um bom escravocrata si ai cousas de.outr mo-
do me huuresem corrido quando cheguei a corte !
O Sr. Ambrosio exagera o conceito que pre-
sume de si ao pento de pensar que, notende
testeraunhas que houvessem protocolisado a
nossa entrevista, para hoje Ihe opporem 'contes-
tacfio e formal desmentido, pode dur o cunho
de verdade a ludo quanto seja o parto de sut'
imaginaco enferma.
O mellior desmentido que eu poderia offere-
cei" ao Sr. Ambrosio est no meu modo de pro-
ceder sempre conecto, em toda a questo abo-'
licionista; mas, que desar me. teria advindo
mesmo, si a principio aceitando a indemnisagao,
depois eu a houvesse repudiado como iracom-
pativel com o direito natural de liberdade que
eu recouhecia nos escravisados ?
O Sr. Ambrosio nao podia deixar de tirar do
arsenal de seus odios contra a aboligo, todas ae
armas que me podessem ferir e molestar.
Para S. S. eu nao fui smente um abolicionis-
ta de calculo, como si no comego dessa questto
tivesse havido quem pudesse prever a sua mar-
cha rpida e triumphadora; especulei com a abo-
ligo e continuo a especular com ella.
Ora vejamos :
Em que especulei com a aboligo ?
Especulei com a aboligo consagrando me de
corpo e alma a sua causa", expondo-me a todos os
perigos, levando o sobresalto at o seio.. de mi-
nha familia, emprehendendo c:m meia duzia de
ieaes companheiros essa campanha de audacia e
de loucura patritica que ainda hoje a todos, nos
assombra !
Especulei com a aboligo collocando me do
lado de uns iofelizes que so tinham para nos dar,..
suas lagrimas de recouhecimento, os poucos e
que a obliieraeo da consciencia nao tioha ja.
.pagado al o seutimento affectivo do reconhe-
ciment e da gratido I
Esp 'culei com a aboligo apresentando a mi-
nha candidatura em nome da aboligo, trium-
phand duas vezes custa dos maiores sacrifi-
cios meus e de meus amigos, e vendo mais tar-
de esse diploma, duas vezes consagrado pelo
voto popular, rasgado no meio da voser de.
cambaes cora que a escravido lestejou mais
esse triumpho immoral da forga e da prepoten-
cia !
Especulei com a aboligo !
Ah 1 como continuaos a ser infames e mise-
raveis! .. i
Si eu e os meus amigos tivessemos querido
especular com a aboligo, nos teriames collocado
ao servico da escravidio, nos (criamos collocado
ao servico desses senhores de escravos que cne-
gavara a oll'erecer as suas sedutoras freguesas
de assucar aos negociantes que despeoissem os
seus caixeiios abolicionistas I
0 Sr. Ambrosio bem os conhece!...
Si tivessemos querido especular com a abohV-
go, teriamos aceitado as pingues olleras para
restituir as pobres victimas que conseguamos
arrancar ao bacalho e ao tronco.
E porque conliuo a especular com o que o
Sr. Ambrosio, em seu odio escravista. chama o
cadver do abolicionismo, como si o abolicionismo
houvesse norrido. como si elle nao continuasse
a ser a grande alma popular, de p. vigilante, a
grande forga sempre prompta a irapulsionar os.
generosos movimentos nacionaes e a |>ppr J>ar-
reira aos tenebrosos movimentos escravistas con-
tra a democracia?
Contino a especular como o abalicionismo,
porque tenho lido a coragem e o palriolismo ne-
necessarios para prevenir o povo contra a recota
de propagandistas que se levantam com falsas
palavras de liberdade nos labios, eivados de
odio e de despeito contra a monumental obra le-
gislativa que nos deu urna patnalivre, acaban-
do para sempre cora a ignominia da escravi-
do!
Contino a especular cora a escravido porque
nao tenho consentido que os dist netos chefet
abolicioimtas, que assisliram s lucias da aboli-
go nos quarteis de invern ou nos hospitaes de
sangue, invoquem hoje esses ttulos para t<*rna-
rem sympathico ao povo o pacto que firmaram
com aquelles que se lizeram republicanos en
odio aboligo, em odio cora que por mais
tempo nao resisti a vontade nacional; esse
pacto que fizeram com os algozes de hontem,
que hoje elles pretendem apontar'como grandes
e benemritos cidadaduos! <
Agora que o.digam todos quantos estiveatm
empenhados nesta grande cruzada do bem, qaal
de nos tem procurado especular com o abolicio-
nismo : si eu que procuro salvar a causa da de-
mocracia da macula, da baba pestfera da escra-
vido ; si esses que sombra da aboligo e
com os d-slumbramontos de sua gloria preten-
dem fnodar urna repblica dictatorial e autor*
(aria com o concurso, adheses e dinhi.'iro dos
ex-senhores de escravos que por despeilo e odio <
se declararan! republicanos.
R;cife, 10 de Agosto de 1889.
Jos Mabiasxo.
(Contima).
i
l. districto
Continuara em lodos os pontos dessa circum-
scripgo eleitoral. as ameagas aos conservadores.'
0 Sr. Baro de Caiar, amablissimo cavalheiro,
certo, mas poltico intransigente, vingativo, sem
rntranhas, parece que s teye em vista, durante
os infelizes dias de sua admioistrago, conflagar
a provincia e muito principalmente o 13 dis-
tricto onde tem mais directos interesses. 4
Assim que S- Exc, sinto enormemente dizel-
0, nao leve escrpulos de nomear para os cargos
de promotor publico, delegado e subdelegafio de'
policia a criminosos conhecidos, chegandoo sea
desembarago ao ponto de, contra a lei. demittir
o Io supplen'.ede juiz municipal da Boa Vista,
Joaquim Antonio Texei"a Jacobina. (#), e tude
isto para ostentar o seu grande podero na situa-
go que ihe foi dado inaugurar, e que Deus sabe
a queabysmo pode arraslar este paiz 3aaau
O plano de combate no 13" districto ludo o
denuncia, afastar es conservadores das urnas 00
provocar conflictos, que abram margem a perse-
guiges ainda mais infrenes do que as que teem
sido praticadas em outras epoouas.
E.uar por isto o Sr. Alves de Araujo ? Nao o
creio. S. Exc. estou certo de que se nao tor-
nar solidario com os desregramentos de urna
politicaKem verdadeiramente selvtica. Si, po-
rm. o contrario succeder.tanto peior para S. Exc.
Era todo o caso curapro o meu dever, avisan-
do ao administrador da provincia dos f..dos que
forera occorrendo e cheaarem ao meu conheci-
mento. Por esta razo ponho hoje sob os olhos
de S. Exc. a segainte carta, escripia de Flores-
ta, por pessoa fidedigna, e pela qual se v que
at as autoridades judiciarias d'essa localidajie
esto jmeagadas pelos oran do llustre Io vice-
presidente da provincia.
Eis a carta :
Floresta, 17 de Julhode 188!).Illm. e Exrm.
Sr. Ur. Moreira Alces.J deve ter noticia, por
urna carta que Uve a honra de dirigir ao nosso
dislincto amigo Exm. Sr Dr. Miguel Pemam-
buco, de alguns dos factos escandalosos occor-
ridos ltimamente n'esta comarca, devidos i
subida dos liberaes ao poder, e sua leitura deve
ter admirado a V. Exc. e convencido-o de quan-
to sao capazes os nossos adversarios. Pois bem ; d'essa epocba at bou, a desorden
e o desrespeito i lei e sociedade tem-3e repe-
tido le modo assustador. Aindi no dia 13 do
correte Francisco Ferraz, muito conhecido mes-
mo n'essa cidade, acompanhado de crescido nu-
mero de criminosos de morte, lodos armados de
bacmarte, entrou n'esta villa im intuito de des-
feitear, diz-mi, aos Drs juiz s de direito e mu-
nicipal.
Felizmente o-facto nao dos
sabera que os liberaes d'aqui, leudo o Sr.de
Caiar frente, preteudem verse livres dos
do.- .Ilustres aaagUtradfc, que sao em todo ca-
so um tro lesnaanrtos.
Vt que os criminosos anda-

J


i

Diario de Per
Mili'
l de Agosto de 1889
ram a passeiar pelas mas, fiuer:
larra dos diabos e Commettendo abaso
rdem.
Esses factos se hSo de reoetir, si \. Exc. nao
conseguir alguma providencia 4o presidente da
provincia, que, gracas a Deus, j nao deve ser
O referido Bario.
O que os nossos adversarios pretendem, e o
dizem abertamenle, impedir que compareca-
mos as urnas Os factos a que j me refer sao
os preludios das grandes violencias que se bao
de por em pratica no dia da eleico.
Que as autoridades pollciaes nao podem ins
pirar confiauga aos pobres proscriptos, e taes
somos nos na epocha actual, basta saberse que
foram nomeadas pelo Sr. Caiar.
De V. Exc. etc.
Bem vi? o Sr. conselheiro Alves de Araujo que
as suas vistas se devem voltar de preferencia
para o 13 districto, de modo a impedir que se
realisem es funestos intentos do nobre Barao de
Caiara, que quer fazer d'elle um feudo seu. em-
bora a casta do sacriGcioe, tal vez. do sangue de
desenas de bous pernambucanos !
Ampare o illustre conselheiro os meus amigos.
E' seu dever fazel o.
/. Morara Alces.
Recife, 10 de Agosto de 1889.
i I
Rio-Grande do Norte
O manifest do Dr. Amaro Be-
ierra provincia e particular
mente ao 'i. districto cleito-
ral.
ni
Que motivos tem o Sr. Dr. Amaro Bezerra para
pronunciar-se to desabridamente contra a can
Jidatura do Sr. Ur. Miguel Castro ?
Nenbum!.
Arredondando plirases e usando do estylo cam-
panudo que Ibe peculiar* o pro-coosul do Rio
Srande do Norte investe sobre a pes3oa do illus-
tre candidato no intuito malvolo de fazer brcba
na armadura de ac que a cobre...
TemeoSr. Dr. Amaro a competencia do Srr
Miguel Castro. Obrigado a reconhecer-lhe o mi
rito e a confianc t que seu distiacto carcter
inspira a provincia est apoderado de susto, nao
dissimua a contrariedade que o domina nein a
furia de que acba-se possuido.
D'ahi aquella explosao de improperios contra o
aonrado cidado que nao precisa do seu Placet
para obter os sufragios do muito digno e inde-
pendente eleitorado do i." districto da provincia ;
d'ahi as invectivas, a injuria e at a calumnia
contra um homem que tem no circulo de sua vida
publica nao pequena os attestados de honra que
fazem o apanagio dos boas cidados e a gloria
do poltico consciencioso e amigo de sua patria.
Porque ha-de o Sr. Dr. Amaro Bezerra sempre
que governa o partido liberal chamar sobre si to-
das as attences do paiz ?
Quaes sao os seus clculos apresentando-se em
iucta com os seus correligionarios, insultando-os
ameacando-os com viogancas terriveis, como
si os liberaos da provincia, onde, infelizmente,
vssentou sua teuda poltica, fossem uns pobres
de espirito, incapazes*de repellirem o jago que
se Ihes impe ?
Diga, erabora, o Sr. Dr. Amaro em o seu mani-
fest que os*seus desejos mallogram-se por trai-
yes em que o desastre das mais bem inspiradas
ombinaces e tentativas que o verdadeiro patrio
lismo da familia rio gratlense de ver sempre (o
mentar, dece ser imputado i[uelles que Ihe corres-
pondera sempre ingratamente...
Bem inspiradas combinacOes!
Quando o Sr. Dr. Amaro Bezerra promoveu
ombinacOes, na provincia, acerca de candida-
tos *
Nao facto incontestado qse n'este como em
outros assumplos o seu procedimeuto o de des-
pota?
Nao facto conhecido de todo o paiz a exclu-
ido acintosa do Dr. Moreira Brando em urna
das eleices no dominio da passada situaco libe-
ral ?
Nao e facto que todos es'o agora commenlau-
o a imposico do candidato pelo 2." districto
Nao finalmente, facto que o Sr. Dr. Amaro
encontrando resistencias serias s suas imposi-
i'fies resolvessea ser candidato pelo mesiuo dis
tricto e qaando ja o pelo pnmeiro?
Por que falla em combinacOes bem inspira-
das f ..
Quera desconhece na provincia o papel que
relia tem sempre representado o homem que
ihe ha sido mais fatal f
um teto, o n.
bent. i trra a qae o patriota aflirmu ter
ligado o seu destino.
Conjuramos a todos.e temos por certo o silen-
cio !
Aoenvez de beneficiar, porm, poder alguem
apontar-nos o sacrificio, e outra cousa nao por
exemplo, ter o Sr. Dr Amaro Bezerra fgido de
dar bens a inventario pelo fallecimento de sua
primeira mulber, com o (ka nico de uao pagar
provincia, pobre proviacia qu estorce-se, ba
longos annos, nos bracos da miseria, avultada
quautia de sello de herancas e legados.
Ah I sacrica-a em tudo i
as rendas 6, como acabamos de ver ; no ca-
rcter de seus lilhos procurando -abalel-os
pelo servilismo, pela baixeza e pela indigni-
dade t
Avancando, como um insensato, est conven-
cido o Sr. Dr. Amaro de que nao encontrar
nunca urna barreira bastante forte e capaz de
fazel-o parar.
A questao de tirapo e talvez nao esteja
louge.
O que significa a sua apresentaco como can
clidato deputaeo por ambos os dislrictos da
provincia ? *
Simplesmente urna afronta e afronta, que
contrasta com aquella manifestado sobre as
inspiradas combinares a que, emphaticameote,
se refere no sea manifest !
Repelle todos os caadidatos e tem a velda-
de de suppor que toda a provincia sufrague o
em tao estulta preteuso
Nao esto, porm, anu pilladas es bros d
i lo-grandeases do norte .'
Temos a mais firme conliauca de que o teme'
rario usurpador dos seos direitos ba de ser le-
gado de vencida e arrependefge de omanha-ou-
sadia.
L, no 2 districto, encontrar face face, pei-
o peito, o Sr. Dr. Miguel Castro, valente pela
torca de que dispoe e pelo prestigio de seu no-
me c o Sr. tenente coronel Jos Bernardo de
Medeiros, esforcado batalhador de todos os lem-
pos com a enorme phalauge de amigos que nao
rendem!
Nao ha de coiher a intriga fomentada pelo
facto que attribue o Sr. Dr. Amaro ao primeiro
daquellcs dignos cidados de que elle .socio
em grande quota ao contracto de carnes verdes
existente no Recife, para o lim de lornal-o iu-
compativel com os creadores da provincia.
Fiquem, desde j, convencidos da'falsidade
dessa imputaco os eleitores do 2' districto.
Na cidade do Recife nao existe semelbante con-
tracto.
Por ah avaliem do quanto capaz o Sr. Dr.
Amaro Bezerra quando pretende illudir a boa
fe alheia para chegar aos seus lias.
Inventa faclos.'crea circumslancias, ataca re-
pulacOes, prejulica o iutessse geral do partido,
escandalisa a provincia, faz-se maryr, e, liual-
mente atira sobre os outros a responsabilidade
de seu reprehensivel procedimento.
Rio-Grai
Ao eleitorado do d^^^H
da provincia
Sou candidato prxima ele^^H
pelo 2. districto d'esta provine
N'este carcter tenho o dever (i
gir-me aos mcus co-religionarios e amigos,
para dizer-lhes o que pens sobre a evo-
lucilo poltica, que se vai operando no paiz
., i-i ir, wi'i'iuv-moi uiiu n \i->; tari o relama-
V}t^T:l\t:^tlT^^ d0 ^o, o elifraquecimcnto do
se for eleto pelos esforcos do meu partido.
Antes de tudo devo confesar a niinhu
pobreza ntellectual para nmfecer a I
i Wax
COMERCIO
Revista do Mercado
RKCIF2. 10 DE AGOSTO DE 1889.
_ Bouco movimento napr.ua.
No mercado de cambios constou algan3 nego-
cios e no de algodao foram vedidos pequeos
lotes do de Ia sortc
Cambio
A taxaoffcial continuou a ser 27 d. rcalisando-
se negocio em papel bancario repassado a 26
15/16 vista.
Papel particular foi passado em pequena esca-
la a 27 1/8.
No Rio a taxa peral bancaria foi 27 d., sem
acbarem tomadores tendo estes exigido 27 18.
Nao ha papel particular cima de 27 1/8.
TABELLAS AFFIXADA8
4
.-o
3
S
f
i.
-5
10
I I
s ,?
g:
.
I I
OD
t
I
*

8
> Jt
3
. i JL5-UI i
- ?
s
{
Nesta campanha contra oSr. Dr. Miguel Cas-
tro o regalo do Rio Grande do Harta esquece-se
de qae, no sendo filho da provincia, j patro-
cinou a eleicj do Dr. Jos Maria de Albuquer-
que Mello, que tambem della nao era filho, e
logrou clegel-o...
Esquece-se... mas nos conservamos estas e
outras reminiscencias histricas...
Trabalhe o Sr. Dr! Amaro Bezerra ; empre-
gue todos os recursos para fazer e3sa bonita fi
^ura, que oos lempos calamitosos de secca, eos-
mina fazer sem prejuizos. isto em lempos de
eleico e aguarde o seu triumpho.
Por nossa parte iremos proiestanlo e conci-
'ando os nobles rio-graudenses a manterem a
autonoma que Ibes propria, repellindo, cheios
de indignaco, tolas as imposic-'s, que, por
meio de seductoras palavras, est a fazer-lhes
o Sr. Dr. Amarj Bezerra.
Inutem todos o grande exemplo do Sr. tenen-
te coronel Jos Bernardo; libertem-se des3a es-
eravidao poltica, sem nome, fujara dessa ca-
deia escura, cujo carcereiro procura dia a dia
dar a morte em vez de vida
Luz! Rio-grandenses! E' tempo agora !
A repulsa do Sr. Dr. Amaro Bezerra, especial
mente do 2o districto um acto de dignidade que
vos honra e que vos eleva no conceito de que
j gosaes no meio dos vossos compatriotas !
As urnas s urnas!
Cintiruuo
Bolsa
oTAgOES 0FFICIAE8 DA JUNTA DOS COB-
EETOBES
Recife. 10 ae Agosto de 1889
Actes do Bonco de Crdito Real de Pernambu-
co. valor reasado de 100 a 1205 cada urna.
Jambio sobre Londres, 90 d/v. 27 d. por 1*0,
do banco.
Na Bolsa Venderam-se
3J acetes do Banco de Crdito Real.
o presidente,
Candido G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Algodo
Cota-se o de 1* sortc do serto a 7000 por io
kilos.
Mercado firme.
A exportaco, feta pe* alfandega neste mez
at o da 8, attiu'gio a 464.951 kilos, sendo. .
37.895 para o exterior e 207.056 para o interior.
ra a que aspiro; mas ser ^fcpprida esta
falta pelo animo deliberado, pcln vOiitade
irresistivel e sincera de promover o
da provincia, tendo sempre em vista as
suas necessidades bem como os grandes
deveres do mandato que me fr confiado.
E' protunda a divergencia em que
acham os cuetes de cada um dos partid
militantes do Imperio, e por isso mcBtno
gravissiraa a situacao danossas instit
polticas, que periclitam entre os desacer-
tos de um governo desptico, quo corrom-
pe para viver, e o movimento revoluciona-
rio do tempo dos terroristas, o qna! araea-
gando extirpal as para semp.
dar lugar ao predominio dts facjSe
poder demaggico, que foi sempre, i
dos os tempos, o maior inimigo das 1 i bel-
dades polj^icas, a causa motriz de luctas
fractricids, de revolac) intestin
Em taes circumstancias, comprchende-se
que preciso muita abiiegacao e patrio-
f.ismo para conjurar o* males com quer
leciathan da repblica procura csphaeelar
a naso, vfctim* de um engodo, attonila
em busca de um ponto de apoio, para
manter-se una e forte na quadra que atra-
vessa de periga^j incertezas e graves apre-
hcn^Scs.
Queiram ou nao os partidarios da rep-
blica, esta forma de governo- foi e ser
sempre menos favoravel liberdade do
que a monarchia constitucional.
A monarebia, til como a temo cin prin-
cipio na Constituico Poltica do Irarerio,
a mais delicada das formas de governo,
d'ahi a sua excellencia, embora com o
inconveniente da difficuldadc de ser prati-
cada entre.nos, como actualmente se pra-
tica na Inglaterra, praticou-se' na Blgica
no tempo de Lepoldo 1.
Deante do desaecrdo dos nossos Lo-
mens polticos, ou antes da desharmonia
de vistas que os separa e dificulta as mais
legitimas aspiracoes do paiz, cu quero a
manuteneo da monarchia representativa,
succeptivel de ser melhorado por urna po-
ltica nacional e urna adininistracao des-
velada em secundar os progressos da pros-
peridade publica.
Se grandes sao os males que nos tm
advindo da ma direcoSo dos pblicos nego-
cios, urge remedial-os por meio de refor-
mas compativeis com o acjtual systcma de
governo, mas nao acabando com um rgi-
men assente em principios democrticos e
liberaes, como o nosso, e que honra a ura
povo que vive p;la liberdade.
Reformemos aquillo que as necessidades
aconsclham, mas nao titeamos o papel do
demolidores, vidos por um governo, que
trar o desmenibramento da nossa patraj
) seu enfraqueciment e a sur ruina*
O partido conservador tem a sua nussSo
constitucional, que tem por ser adstricta
lettra e ao espirito do nosso Pacto Funda-
mental, deixa de ser su&ceptival de alaj-
gamento dentro da esphera cm que se
movem os grandes interesses nacionaes.
Inimigo da oorrupcao, do favoritismo e
das injusticas, que** .". moradade em to-
dos os actos da administrado, o premio
9 mrito, o respeito ao direito da mino-
ra, como a mais elevada cxpressilo da
forca, grandeza e independencia de um
povo, que desoja fazer das instauleuns
que o regeai o paladio de suas liberda-
des.
O lemma da nassa bancicira deve ser
UniSo ordem e liberdade.
Do conjuncto formado por esta triloga
sublime podem ser tiradas todas as refor-
mas de que sao susceptiveis as nossas
instituicoes, sem nos arriscariuos a urna
governo, que nao corres-
as da maioria da nacao.
leito concorrerei com todas as
a forcas para que diminuam os en-
^Hs das provincias e sejam votados para
iflas todo3 os melhoramento3 opportunos.
Nio esquecerei a questo capital da au-
tonoma de que precisamos, a qul pens
3ne podaremos alcancar sem a federacaV
fts provincias, que importara o retalha-
todas ellas.
Infenso centralisacao administrativa
que nos esmaga des le a fuudacao da n> s-
sa nacionaldade, a essa n^tplexia no cen-
tro e paralysia aas extrenudldef, na phra-
^^Lamenas, ombaiere com todas as
torcas o raonstro, que, absorvendo toda a
actividade nacional, torna maior e mais
^jrave a responsabilidade do governo, ao
Mesino tempo que matatudas as energas
das provincias, pcadas em sua accao, en-
fermas pelos excessos do sua debilidade.
wPugnarei emfim para que, assentado em
bases solidas e dura-veis, teuhamos um go-
verno liberal, attento aos reclamos da Na-
^ppompto a maater o equilibrio entre
os partidos existentes, em bem da garan-
| tia devida s patrias iustituieoes, das quaes
A depender a ordem, a tranquilidad^, a
piMsperidade e o engraudecmento do Es-
tado
eom estas ideas que ti ve a h inri
de ser indicado para candidato por esse
districto polo eminente estadista e distinelo
chele conservador conselheiro Joao Alfre-
do, nos termos da circular absjxo publi-
cada, alm do cajpcurso que obsequiosa-
mente me acabam de pre3ta| para este
tira os digno ex-representantes da Pro-
vincia.
Submetteudo apreciaciio dos me;is cor
religionarios e amigos as minhas ideas,
agu irdo confiado o resultado do pleito, na
esperanc de levar ao parlamento as ne-
cessidades e votos dos que suftVagarem a
(pinna, candidatura, e alii ped.* que me
auxiliem na obra do engrandecimonto da
Provincia com o niesino empenlio com que
pretendo concorrer para a manntencob da
unidade do Imperio, e regonera^ao da Pa-
tria.
Natal, 31 de Jalhode 1889.
Manod Porfiarlo de Olivara Santo?.
(Da Gazeta do NcOal)
vincialisiuo, m intento de enti
polemu-a. O qae pretendo sanente 6 tirar o
carcter de odioso que S. S. pretendeu lancar
sobre a colonia cearense, deixando entrever urna
especie de, aectordo occufto a respeito da candi-
datura do Dr. Miguel Castro.
Nao isto exacto.
A colunia cearense encartada na direceiio po-
ltica do parttdo conservador, nao ncm pode ser
suspeita ao Rio Grande do Norte, porque pode
appellar para o seu pass.ido, como para o sea
'lite e nao (eme appellar tambem para o seu
futuro. No periodo de 28 anuos di; residencia
inint-'rrupla nesta briosa provincia, onde esto
lanyadcS as raizas de mioha vida e onde fundj-
ivi o futuro de tneus lilhos, nao se eocontrs un
su acto que demonstre seno o vivo interesse
pela ,-rosp'ridade e futuro desta ierra, qu-' se
uo me vio nascer, foi o berro de mens illhos,
que so'os penliores .sagrados que olc-reco aj
Itio Grande do Norte.
A modest;i potipo poltica que oceupo no par-
tido conservador da provincia e que devo a con
anca de meas correligionarios e amigos, 6 uuia
prova de que nao sou suspeito, e at on le pode
chegar prerrsao humana, nao temo appellar
para o din de aiiiauhapara demonstrar aos
Rio-grandenses do Norte a minlia gratidSo, pon-
do a seus servicos toda a niinlia actividade e o
que ella possa vir a valer.
E' veso anligo d6 Dr. Amaro, inventar conspi-
mj0M tenebrosas e pcrsegHtcOes que nunca exis-
tirain.
Desta vez, porm, foi menos feliz em seus pa
nos, porque a arma de que se raunio, est velia,
enferrujada e demasiado gasta.
Appello do jniso isolado de S. S. que betn
pode ser averbado de manifestamente suspeito,
pard o da provincia inteira.
Natal, 1." de Agosto de 1889.
" Jos (ercasio de A. Garca.
Ao publico
Espero que o Sr. Jos Marianno, o -
gano-mr do liberalismo em Pernambuco,
concla a ma defesa, isto c, o amontoa-
do de desaforos, e insolencias, que est
vomitando contra mim, para dar-lhe ento
a devida resposta.
Entretanto, protesto desde j contra o
novo aleive, que me levantou o tribuno
presnmpgso e malcreado, dizendo que
fui eu quem o provocou, qaando elle pro-
prio confessa, que foi o primeiro a ata-
car-me no meio da ra.
Insulta, araeaca, e qur que todo;
curvem, e o ouco calados.
Nao ha de ser assim.
Ambrosio M. da Cunha lavoteante.
Gaip, 8 de Agosto de 1889.
ae
Bemtevi.
I -
C'oeiros
Conros salgados, 36 a 3(!o ris, nominal, na
base de lkilos.
As entradas verificadas at boje sobem a 82i
saccas, sendo por:
Barcacas..... 2 Vapores ..... ... C
tnimaes..... 469 c
v"ia-ferrea de CarnarA. <
Via-ferrea de S. Francisco. 30 .
Via-ferrea deLimoeiro 69
Somma. 822 Saccas
Assucar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
rondo a Associaco Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Branco .
Somenos.
Mascavado purgado
broto.
Rtame .
3/800 a 4J400
3W00 a 34400
24600 a 4800
(firme) 24000 a 24400
14700 a 14900
A exportaco feita pela alfandega neste mez
at o da 7, subi a 377.376 12 kilos para o inte-
rior.
As entradas veriQc idas at a data de boje so-
bem 1.086 saceos, sendo por:
Barcacas 1 .
Vapores .....
Ammaes....
Via-ferrea de Carus.ru.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limo;iro .
S"
Somma.
353 Saceos
... c
M
24
649
22
1.086 Saceos
' Af aardeate
. Cota-se a 1054000, por pipa de 480
S
Pauta da alfaadess
SEMANA h 12 A 17 DE AGOSTJ UK 1889
Assucar renado (kilo) ....
ssucar branco (kilo) .
Assucar masca vado (kilo) .
Alcoal (litro).......
Arroz cam casca (kil.o) .
Algodo ftilo)......
Agurdente^ _
dos (kilo)
hados (kilo)
Rio Grande do Norte
A' t-RovrxciA
A publcacao da circular do Dr. Amaro Bezer-
ra, insera no Correio veio dispertara necessidade de vira i-aprensa,
co:.i p nico intuito de nao deixar saocciouar
eom o met silencio algunria aerc6es de
o. O.
Nada tenho que ver coui a lata ntcsWaa, que
lavra no seu de seu propria partido, e ueiu que
ro indagar das causas que a motivaran!, i) i-
xaria mesino que tulo corresse sem protesto
: do ininlia parte, se S. S assusatlo lalve
can.lidiH.uia do Dr. Miguel Casiro pelo i."
rj'Cto e n'io polcado. co:io cosmna. impar
is innig isa sua voniade, nao se uvesse leai-
o de levantar como anu de gu-rra, una
V.) pequeaa e odiosa de provincialismo,
S. 'i coeoos competente para aventar
tolos os pontos de vista e se anda mais.
nofizesse referencia minlia pobre iudivi.lua
li.lale, como chc; da colonia cearense encartada
na iireccao poLtka do partido conservador i pro-
i ni a a, peto Dr. Tarijatnio de Souza.
E' certo que sou cearense, mas tambem cel-
lo que todos us meus esforcos. todo o meu tra
ballu cm poltica, nao tem convergido senSo
para que o Rio Grande do Norte se faca reprc
sentar no narlamento palus biia (illios mais dis-
tingos O uiesmo se uao verifica com S. $..
que tem tidoaseu servico colonias de cearen-
.-- euaol utas na direcru, poltica do partido li-
teral e nomeadamente. u lijado Dr. Euclides d.'
Albuquerquc que sacricou seus haveres e at a
propria sade, para elevar e engrandecer a S. .*.
que nao C filho do Rio Grande do Rort".
Actualmente anda est encrtalo outr cea-
rense -o Sr. comr.ieudador Cmbelioo Guedesa
qoem S. S. dure sua posicao potitica na pro-
vincia.
Km epoma inais favoravel poltica de S. S.,
quando poda be u escolher uui cotopanheiro de
represfntacao tilho desta provincia, s. S. prefe-
ra ir para o parlamen'.oaconi o tinado 1).-. Jos*)
Maria de Albuquerque Mello, que nao era lilao
do Rio Grande do Norte,
Muiics ootros lacios poderia adduzr para
demonstrar al a evidencia que S. S o menos
competente para levantar esta qaeslao de pro-
Borracha (ki
Couros seceos
COUTDS SCCCOS
Couros verdes
Cacao (kilo)
Caf bom (kilo)
Caf restolho (kilo)
achaca (litro) .
Carnauba (kilo) .
Caroros de algodao (kilo) .
1 arvao de pedra de Cardiff don.).
Farinha de mandioca (litro) .
Folhas de jahorandy (kilo/ .
Genebra (litro).....
Graxa........
Mel (litro)......\
Milho (kilo .....'
Pao Brasil (kilo).....
Sola (meio) nominal
Taboados de amarello (duza) .

320
2i6
153
389
80
400
185
800
:,il
410"
199
400
600
400
80
260
20
104000
100
300
200
S 250
110
120
35
1004000
T
Navios descarga
Barca norueguense Gtlead ferragens.
Barca norueguense Speranza, carro.
Barca nacional C'dlia, varios gneros.
Barca ingleza Camelia, bacalho.
Barca hespanhola Progresso. carvo.
Barca allema/. F. Pust, carvao
Logar americano llannah Me. Loen, farinha de
trigo.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar inglez Henure, bacalho.
Lugar nacional Loyo, xarqua
Patacho nacional Rival, xarque.
Patacho allemajfart con CHdendorp, xarque.
Patacho nacional Regalara, xarque.
Patacho inglez Hafren, xarque.
Patacho allemao Frederick, xarque.
Patacho dinamarquez Jugor, xarque.
Patacho dinamarquez (iefion, xarque.
Vapor austrtaco Zichy, varios gneros.
Vapor inglez KUtow, carvao.
Vapor inglez listonan, varios gneros.
Vapor inglez Bcllena, vanos gneros.
Importaco
Vapor francez Ntrtiie, entrado dos
toa da Europa em 10 do crrante e con|
signado a A. Labille, manifeston:
Amostras 3 voumes a diversos,
cool de hortelao pimenta 1 caixa a Ram<
& C. Azeite 1 caixa a J. Laguim.
de S. Jos caixa.
Carne em conservas 1
do a Ramos & (J. Chapos 1 caixao a
Htphael Das & C. Cerveja 10 eaixas a C
Piuyn & C. Cognac 25 caixai* ordem,
5o adiarles Piuvn ft C, 5 a J. L:igum,
cO a Paulino de Oliveira Maia. Qbaan-
pangne 59 caixa3 ordem, 4 a J. La
gira.
Escovijie gravatas 1 caixa a Prente
auna kC,
Ferragens 1 caixa a Conrad Wachs-
mann. Fitas o outros artigos 1 caixa a
A. Domingos Lima.
Irapressos 1 caixa a F. P. Bolitrcau.
Joias 2 eaixas a J. Krause & C.
Mercadorias 1 caixa a A. & Ferrilo, 1
ordem. Massas alimenticias 10 eaixas a
Carvalho ec C. 10 a Guimaracs Kocha
& O., 4 Lopes ^3j^aiii5eV*>a^._
Perfumangg 2 eaixas a AntonioT)o~
mingos Liria & C. 1 a J. Bezerra. Pa-
pel 5 fardjJs a Paulino de Oliveira Maia.
<%ueijo/8 5 caixus a Browns & C, 2 ti-
nas abitamos & C.
?bgue8sugas 2 eaixas a Francisco Ma-
norl da Silva & C.
Vermouth 5 eaixas a Cario Pluym
&V.
Vinho 1 barril a Prente Vanna & C,
8 a Charles Pluyn & C, 1 ao cnsul de
Franca, 4 J. Laguim, 4 a Paulino de Oli-
veira Maia, 24 a Arthur B. Dallas, 20 a
Charles Pluyn & C.
Xarope 13 eaixas aos mesraos.
Hiate nacional Qerequity, entrado do Rio
Grande do Norte em 10 do corrente e con-
signado a Manocl J.oaquim PessOa, nia-
nifestou :
Couros salgados seceos 471 ordem.
Hiate nacional Joi Valle, entrado do
Rio Grande do Norte na mesma data e
consignado a Maasel Joaqnim PSssGa, ma-
nisfestou:
Borracha 8 barricas.
Couros seceos salgados 230. Cera de
canaba 155 saceos.
Sal 10.240 litros ordem.

exportaco
ncm, 9 di agosto di 1889 ,
Para o exterior
No vapor francei Vle de Cear, carrega-
ram :
^^^wre. II. L conros sal-
de A iros lo de
1889
A forg.i publica, que tem por missao a Ifla-
nali-ii ao ila ordem, aqu neu.iuina garanta nos
offereee e ha serv lo apenas para eslabeleeer
uiua completa anarcha.
Sabemos que nada seadianta cm fazer co-
ndecidos os desmandos da polica, porque esta,
contando com a proteeco de quem a dirige,
Hao recua um s pisso ; e, ao contrario, a Oe-
uuncia de anas arbitrariedades, murtas veres
motivo para que ella mais slenle seu podero.
Cure'aiito, para que nao se supponli.i qui* o
destacamento deste poveado deseqipenlia o san'
papel nao qaere*no3 deixar sem um protesto tal
estado de cousas, que nao se devia deixar con-
tinuar.
Todos os das teatemanltamos fados que nao
deviatn passar seta a m lis Bevera puniQao, e que
entretanto, passam ro do (file deaapercc
visto nao averquera osqueira denunciar c pe-
dir providencias, alten leudo iiieflicaca deste
meio.
No dia 21 do mez pro*ttmo lida, estandocooa
a camisa por fora da Calca, na porta ) eleilor
Joan Perreira Callado, u u pobre moco de me-
nor idade. ebega-se a elle um soldado e maula
botar a camisa para dentro da catea : o moco
entra para o estabeleCHncetO e o soldado acoin-
panha oexigin loocoii irinieoto de sua ordem.
O 3r. Oallado un lio ntervem, fazendo ver que
urna tal nsidleo'ia era imprudente; e tanto
oastOO para que o braco entemlesse iriimosi*a!-J
com a n sppap re em seguida puxir o sabr e
airar-se *'o:ii os companheiros, que cliegaram
naqaella occasto, contra o Sr. .Callado com a
ferocidade do gre; e leriam n'o eslrangoiado
se aociiegasse um coabtdo da victima u o
commaiidanle do destacamento, que, a muito
cusi, c. m ti ve ram os soldados.
Ein segaida nrendenwn o r. Callada, c logo
lepis, c:iuieeeiiilo a sem razo dedSu prisao,
a loroaram de nenlmm effuito,
odoiuiogo segninte, pei-guntando um solda-
do a um hornera inoffensivo, que eslava defron
te da casa doSr. Tito, o que i'azia, leve como
resposta que nada eslava fazendo, ao que rotor
guio Ibe o soldado : que q.i en nao tiui o que
fazer devia apaobar e ir pata o tronco.
Se beo o dase meihor o fer.
I) Sr. Tilo (liante de um tal abu.'o nao pode
(car ndifterente a disse ao soldado que elle nj
poda l'/.iT aquillo e que erabainhasse seu sabr
O soldado assim fez, mai langou mi de urna
faca e ia a'irar-se contra ambos, quando chegou
o commandaale do destacamento que vendoquiio
grande era o atrevimiento do soldado, levoao
para o quarlel.
Fj lamtiem preso por movo completamente
ftil, n> domingo passado. um homem morigera-
do traballiador, que ia fazer l'eia e como dis-
sesse que quera fallar com o subdelegado i
quem pretenda fazer ver a ojustira de que era
victima, oliteve como rerampeojsa de seu desejo
urna boa /lose Je sabr dizeiido-se-llie que nao
hara que dar salisacao a pessoa alguma.
Obteve p-in-m a soltura del minutos pouco
mais ou menos depois.
Factos como estes, que DOS parece nao haver
quem tenlia tanlo cinismo que procure contstal-
os, se repeiem lodo's os das, e nao tendo um
meio de por cobro a tantos abusos, limitamo nos
apenas a regstralos e podir a Ucus paciencia
para seffre! os.
Justas.
Comarca de Ciojanaa
Tome ou nao tome a admioistracao da pro-
vincia providencias, iremos trazend ao cnnlie-
cimeuto do publico 03 desvarios e escndalos
que vao sendo comraettidos pelas autoridades
BOliCiaes era toda a provincia, nos diversos dis-
lrictos eleiloraes, quasi todos no sentido de in-.
timidar o eleitorado e ageitar candidaturas in*-
pssiveis de triumphar no terreno da legaidade.
Ao menos o Sr. conselheiro Manoel Alves t
Araujo e o Sr. Dr. chefe de polica nao se chama-
ro a ignorancia com relacao a esses escnda-
los e desvarios, e a is licar a consciencia de
termes em tempo procurado as providencias qno
nao podem, nein devera ser recusadas pela mo-
radade administrativa, embora a desconfianza
que vai nos invadindo o espirito de que clama-
mos no deserto
honrado eliefe de ptlcia, especialmente,
b-ra conli 'rula a comarca de Goynna, onde S.
S. era juiz de direito anda homem, c cujo pes-
soal nao ibe estranbo. S. S. est no caso e,
com una mparciadade que sen dever e de
que nao temos ainda motivos jiara duvidar se-
riamente, informar com a maior competencia ao
Exia. Sr. presidente da provincia, tomar por
si as providencias que a le Ihe facultan! e a que
le ai direito as victimas de seus subalternos mat
escolhidos e peior aeonselliados.
O Sr. Hnoel Barreto, irmao do candidato
liberal do 4o districto, violento e, p;-r isso, ebei
de ociosidades e malquerencas. e que pretende
e prolesta perturbar a eleiy) do coliegio oe
liamb, onde tem os coiSCTvadores iiumensa'"
maioria,*est servindo so do subdelegado de r,-.-
r: Antonio Salles, feitor do seu engenlio Mete-
p s, como de dcil instrumento, para omimetter
toda sorle de violencias contra seus adversarios,
no intuito de afla-aal-os do pleiio eleiloral.
anda ha poucos das esse subdelegado, po-
mera cupriclio, por simples ostentae.o de pre-
poteaeia, prenden dona empregados do tenente
Qumtanilba de Abrcu, iocOBobidoa da cobranca.
de pedagio as barreirasde rua e T.inquinh'o.
Facios idencos esto ali'. se repetindo cora
urna trequencia assusladora, e que pode desafiar
o proposito de repulsa, qu indo escotada a pa-
ciencia.
'E' 3 autoridades superiores da provincia qne
cumpre evitar essa solncao extrema, prevemta-
do as provocares e reprimindo ou (lemittino
eassi asentes que mais comprometiera do que
garaotom a segurante individual e a urdem pu-
blica.
Para Santos. A'. V. de Barros 1.000 sacco cora
60,000 Kilos de assucar maseavado; Amorim Ir-
inaos & C. 430 saceos com U.000 kilos de assucar
maseavado e d ditos com T,iO0 ditos de dito
branco.
Para Rio de Janeiro, Amorim Inflaos & C. 30
pipas com li,40u liiros de agurdente e 10 pipas
com 4,800 ditos de alcool; M. Amorim 5 pipas
com 4,400 litros de agurdente : M. Borges C.
t' pipas com 13,000 litros de agurdente e 13
dita.- cora 6,240 ditos de alcool.
Rcadimcstos pblicos
MtZ DR AGOSTO
Alfanaega
Renda geral:
Do dial a J 2 VI: 153*900 '
dem de 10 30:09U343
Renda provincia! *
Do dial a 9 29 217 581
dem de 10 3.485*091
279:243*213
32:703*672
vSofflisa- teiaU--8M .-94889
Segunda seceo da Alfandega, 10 ie Agosto
de 1889.
n thesoureiroFlerencio Doniingiies.
0 chefe da seccao -Cicero B. de Mello.
Reeebedoria erall
11.028*433
2;63U401 l
Do dia 1 a 9
dem de 10
131659*836
Reeebedoria proviucial
Do dia 1 a 9 10:313*543 \
dem de 10 294*397
----------------- 10:808*140
Recife Dra!naga
Do dia 1 a 9 6:434M89
dem de 10 1:576*546
8:010*735
caixi
Mercad* Hunlclpat de S. Jone
0 movimento deste mercado no dia 9 de Agos-
to foi o seguinte:
Entraran :
35 bois pesando 4,277 kilos.
769 kilos de peixe a 20 ris 15*380
39 cargas com farinha a 200 ris 7*800
4 ditas com feijao a 200 ris 800
6 ditas de milho a 200 ris 1*200
18 ditas de fructas diversas & 300 ris 5*400
17 taboleiros a 200 ris 3*400
10 BOinos a 200 ris 2*000
31 matulos com legnmes a 100 rit 6*200
Foram oceupados :
26 columnas a 600 ris 15*600
1 escriptorio a 300 ris 300
26 compartimentos de farinha a 500
ris 131008.
24 ditos de comidas a 800 ris 12*000
86 ditos de legumes e fazendas a
VI. 3*.1
Oon paro medicinal tic Fiando de
Baculli. de I>:inmaii de liemp
!as molestias que conduzem a tsica nao na
tempo a perder-se cora experimentacGes instis.
Ellas sa rpidas e as mais das veces t'ataes. A
que boje se despreza, pode converter-se
em uma pneumona, brourites ou tisica. .So
pxiste um remedio para os casos agudos da mo-
Ic.-iiii pulmonar, quer ella seja chronica ou re-
cente.
Tal -e assim o proclama toda a faculdade
medicao oleo exlrahi lo de ligado de bacalho.
Porm mister que o doenle esteja perfeitamec-
te seguro e ceno que possue o remedio verda-
dero.
Se o niesmo for o oleo puro medicinal de Fi-
gado de Bacalho, de Lanmaa & Kemp o doene
nesse caso ter a mellior preparacao possivel io
pulmonico o mais seguro e eltieaz que se cc-
nhece.
Lanman & Kemp empregam agentes peritos
que residera as pescaras, os quaes cscolbem
para este lira, os ligados sao do peixe mais fiuo
que se eolhe nos b..iicos da Terra-Nova.
Deiles se extrabe o oleo emquanto esto arada
perfeitamen'e frescos, e depois de concluida a
oneraco. orna-se to transparente como mbar
ou cryslal.
E' o mellior especifico moderno ao seu estao
mais eflicaz. c nao tem igual nos casos de tosse,
resfriamenlos, astbma, anginas, iuflammaces
dos palraes e brouchios, debilidade, emmagre-
cimente e todas as mais enfermidades que le*-
minara cm tisica, ou na affecco tuberculosa COr.-
tirmada no bofe.
A(ha-se venda em todas as prncipaes bo-
ticas e lojas de drogas.
13 ditos de suinos a 700 ris
8 ditos de fressuras a 600 ris
37 lalhos a 2*
Rcadimento do da 1 a 8 do cor-
rente
O^H)
1*808
74G0O
206*78
1:691*980
Foi arrecadado liquido at hoje 1:893*760
Pregos do dia:
Carne verde de 200 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 15 res idem.
Suinos de 560 a 640 ris idem.
Farinha de 300 a 800 ris a cuia.
Milho de 360 a 400 ris idem.
Pegan de 1*000 a liseo idem.
Haiadosiro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 106 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a eutrar
MEZ DE AGOSTO
*-*Sun*"i0SR...... P. do Grao Para... 12
Norte......... Maranliewe...... 12
Europa....... Vle de Pernambuco. 13
Hamburgo----- Valparaso........ 14
Norte......... Maranliao......... 14
Sul........... Galicia............ 14
Sal........... Advance.......... 15
Vapores a sabir
MEZ DE AGOSTO
Rio Formoso Ptrapama......... Has 4n.
Havre e esc.. Ville de Cear..... 11 as 4 b.
Fernando Una.............. 13 as 5 h.
Sul.......... Maranhao......... 14 as 5 h.
Santos e esc Vdle de Pernambuco. 14 as 3 h.
Santos e esc.c Valparaso.......14 as 2 b.
Liverpool Galicia........... 14 as 11 b.
Movimento do Porto
navios entrados no dia 10
Bordeaux e escala14 dias, vapor fran-
cez Nertfie de 2,133 toneladas, com-
mandante Camoin, equipagem 123, car-
ga varios gneros ; a Augusto Labille.
Santos e escal,7 dias, vapor franceis
Ville do Cear, de 1,699 toneladas,
commandante E. Lainey, eqnpagem
40, carga varios gneros; a Augusto
Labille.
Navios sonidos no inesnw dia
MacoBarca allema' J. F. Pust, capito
F. Niejaher, em lastro.
Buenos-Ayres Vapor inglez Francisca,
commandante J. Hailey, carga ma-
deira de Pinho.
Buenos-Ayres e escalaVapor francex
Nerth*\ commandante Camoin, carga
varios gneros.
Jamaica-Barca noruegu
;x
f

i
b
*-\


,. Y
g


i:: '
Goyanii
O u eu nuecero
de 7 de Asoslo, o seguale :
Honltiu, as i horas da larde, pouco ruis ou
menos, 0111 plena ra Direita, foi grosseiratoente
desacatado o Dr. Melliodio Maranho. pelo fcr.
-Josioo Cictro Tavares de Mello, que usou de ex-
jiresses, as tnais oflensivas moral .publica.
Nao se commeula. #
Este Sr. Josino C. Tavares de Mello, sobri-
Btw do candidalo liberal Joaquim Tavares de
Mello Barreno.
Por occasiao de subir M i>oder o partido libe-
rai, tivemo? occasiao de pedir providencias, por
desairaos praticados por parantes do referido
candidato r. pn! vamos fatos como o que acaba
de narrar o Diario de Gotfamaa.
Um dos sobrinlios de Joaquim Tavares u de
qaem multo temo* que espirar, < supliente de de-
legado de polica!
Pobre situacao!
i) unpunial.
Palmares ,
A' S. EXC. O SE. COXSELIIEIRO ALVE.3
DE ARAfJO
Consta que pretende-se r-'intpgrar o 2 tabel-
io l'e.-le logar Augusto Alcoforado, examinado
por una eoaimisso medica e considerado inca-
paz de continuar por sofTivr de aniollecimento
cerebral c paraiysia ncvralgica. o que deterioi-
aou concurso e uomeaco de um substituto.
Esse serventuano cootiflua no niesmo estado e
.aJsoTre de uraa ulcera io nariz, como est na
^^eciencia de lodos.
preenderio os iiomens da poltica local do
ov-riiii que S. Exc. sauccione aquella extrava-
sa ?
Acreditamos que o Exm. Sr. presidente da
" incia, Lometa de govcrno, tera o necessario
criterio pura nao consentir que se umesquiolie o
ixmi sonso, a Ici e* moralidade, nt-ulrausaiido-
6e e=?e cnnho de seriedade que devmi Um*JP
.actos governativos.
E' ptesumivel etn S. Esc. um corto grao de
smparcialidade c modcracao, c esperamos o
m.
AJustira.
IM.l LAGRU.i
E' amanh o 30." di a do fallecimento do irfuitoso
Ovidio Saraiva de Carvalho Ni-iva, que suocum-
bio com 23 martyrisadoras primaveras, victima
Je umabronchite, complicada coa padecimentos
CrooiCOS. que tninaram Itie a existencia desde
Tsua 7 primavera, xotubaado sempre da scien-
ia medica c disvellos de seus incoasolaveis pais
irraos.
Extremosamente aiTectuoso, sabia comprehen-
der urna aroizade Sincera, e todos que com elle
ntretinhnm estrilas reluces scntiam seinscn-
-i\ cimento jungidos a todas estas virtudes na-
turaes.
Se Ovidio deixoa de existir, ficon a leoibracga
de suas virtudes, que acliaro recompensa no
f'eino da Gloria.
tiecie. ti (le Aosto de 1889.
O tonuo, o inelhor e o mais
que devem empregar os convalcscentes,
vellios, mulheres e criancas assim como
todas as pessoas iracas, o Vinho do Dou-
tor Cabanes. (3
.------------ Massa fallida de Joao Morei-
ra Se C.
Os abaixo usigntdot, administradores da mas-
ir. fallida de Jlo Moreira & C, convidam aos
rredores da mesma para no praso de oiio das,
a contar da dala deste, a apresentar seus Mulos e
documentos, akii de ter lugar a classilicacodos
crditos, podendo para i^so enienderem-se com
en advocado l)r. J. Banucira de Mello, ra do
imperador n. '.
Recife, 8 de Agosto de 1889.
Joao Vctor Ales Ibikevs & C.
EDITAES
.O Dr. Joaquim Correia de Oliveira An-
drade, juiz'dc direito de orphaos e au-
sentes "a comarca do Recife e sen temo
em Pernambuco, por 8. M. O Impera-
dor o Senhor D. Pedro II, a quena Detis
guarde, etc.
Faco saber pelo presente edital que ten Jo se
^recadado por este juizo. a requenmento do
cnsul de Portugal o espolio do finado portu-
gus Emilio Soares, sao chamados os credores
..na justificaren! os seus crditos dentro de um
dao, a contar de 12 de Julho passado.
E para que cliegue ao conbeciraento dos in-
"eressados se passou editaes, senda publca-
lo pela imprensa e afflxado no lugar do eos-
tome.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos o
le Agosto de 1889.
Eu, Francisco de Siqueira CavaJcante, escri-
V, subscrevi.
Joaquim Coma de Olireira Andratle.
) )r. Tliornaz Garcez Prannos Monte-
negro, commendador da imperial ordem
da liosa, juk de direito especial do cora-
uiercio desta cidade do Recife, capital da
pmvinria de Pernambuco, porwSua Ma-
ijestadc o Imperador a quem Deus guarde
etc. etc.
Faro saber aos que o presente edita! virera e
lelle noticia tiverem que pelo solicitador Joaquim
los de Abreu, por parte do Banco de Crdito
teal de Pernambuco foi aecusado a penhora ex-
:cutiva feita no engenlio Cello Monte sito ua co-
marca de Nazaretti perlcncente ao casal de Jos
fyiacio Camello, como se ve no requerimento de
Audiencia que do theor e forma seguinte :
Aos 8 de Agosto de 1889 em audiencia do Dr.
'\7. de direito especial do ommercio pelo soli-
citador Joaquim Jos de Abreu foi aecusada a
>eguinte penliora executiva feita no eegenho
Bello Mont" contra os executados ejaccusadr aci-
'acao feita para os termos de penhora e reque
ido que iicasse esperado em vigor at serem ci-
ados os demais herdeiros para o que requer
dual na forma da lei. protestando juntar o acto
. onciliatorio, o que foi deferido pelo juiz precc
Do que fiz esteeu Ernesto Machado Preire Pe-
rara da Silva.
E mais se nao continha em dito requerimenlo
virtude do reqnerimento de audiencia aqu
transcripto o respectivo escrivof czz passar
o presente edital pelo qual o seu theor chamo,
cito e |hei por intimados o; supplicado Jos
smacio Camello e sua mulher Joaquina Maria
le Jess, meieirae os nerdeiros Mana Jos de
Vesus casada com Manoel Coelbo da Silveira,
i'.ousianca Maria da Conccicao fallecida, casada
me foi com Manoel Antonio da Costa, por seus
ilhos Maria Constanca rasada com Jos Tho-
rnaz de Andrade Lima e Manoel de dous annos
om Francisco Coelbo da Silva, Genuino de An-
drade Lima Meirellcs, Domiro Coelho de Andra-
iho da Silveira para que cima fica exposto.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente edital que ser
-f ublicado pela imprensa e aflixado nos lugares
lio costume.
Dado e passado nesta cidade doRecie, capital
/le Pernambuco, aos 9 de Agosto de 1889.
Eo, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva;
rtibscrevo e assigno.
Thomaz Garcez Paramho aontenegro.
DECLARAQOES
5. jH. J.
ie4a4e Berre**! iavcadidr
Pie suspenso o expediente desta aociedode
ajnanh II do corrente. .
Secretaria ide HecreatiTi Juvonjde,
ipes
de 1889
D
Prograxaaxns. da L1-corrida
QUE SE REALIZABA
Domingo, 11
Agosto

ffufzos de chegadaDr. Jos Austrlgesilo Rodrigues Lima, Dr. Benjamn Americo de Freitas Pe?soa e tenen-
te-coronel Thomaz de Carvalho Soares BrandSo. ~
luizes de archlbancadaJoSo de a& Cavalcante de Albvquerque, Dr."Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
Luis de Paula Lopes e capitSo Antonio Joaquim Machado.
Julzes de ralaHermes Dias Fernandes, CamilloLellis da Silva, Henrique da Costa Carvalho eFelippe Lopes
Res.
Juiz de pesagemProfessor Francisco Carlos da Silva Fragoso.
THEATRO
SANTA ISABEL
Empreza dos artistas
EDUARDO RODRIGUES E HELENA BALSEMAO RODRIGUES
DIRCV1<0 DO ACTOR
ESPECTCULO ETGRANDB GALLA
Para festejar o feliz regresso de H. A. o Sr.
CONDE D'EU
E COM A PRESENTA DE SUA EXC. O SE. PRESIDENTE
No da immediato a chegada de Sua Alteza
PROGKAMMAMFESTA
HYMNO NACIONAL
Cantado pelas actriaes D. BALSEMAO, D. ALIVERTIj e o coro por toda a
companhia.
*.
Em scena aberta duas bandas de msica sob a regencia do distincto professor '
CANDIDO FILHO cxecutarSo O GtARAW
3.
0*1." acto da esplendida comedia de-SARDOU *
Os Dminos Cor de Rosa
J? i
Dcstopenhldos pelos artistas D. BALSEMAO, D. Aliverti, D. Josephina e
D. Angelina; Srs. C. Lisboa, E. Rodrigues, J. Rocha, L. Franca, S. Teixcira e
Bibiano.
I

Sillo H. STELZTE cantar a Srande aria do FEDILIO DE BE THOVEN.
>unii*
Idades
Peno
>'aluralida-
de
Peaoa
tDr da vestimenta
ProprietnrioM
1" Pareo11 de Aconto850 metrosAnimaes da provincia qne nao tenbam ganh* em distancia superior a 1000 metros no
Hippodromo em 1889. Premios: 200/000 ao Io, 40*000 ao e 20000 ao 3
1

3
I
5
(i
7
8
9
10
II
12
l:
Pombo-Preto...
Boa-Vista.....
Cndor........
Almirante......
Azamr........
Tupy.........
Sneca .......
Dublin........
General.......
Breas........
Village.......
Corsario......
C;ijurubeha,e.v
Pirraba......
B annos.
3 *
6
6
5
7
6
4
5
3 .
Cachito......
Mellado.......
Baio.........
Alazfio........
Mellado.......
Baio.........
Hnsso-pedrez.
Cardo ......
Rosi'ho......
Alazio.......
Mellado......
Redado .......
Castanho.
Pernambuco
58
53
.').;
50
65
55
58
60
56
30
55
35
35
kilos
Azul bronco e ncarnado.
Encarnado e heneo......
Azul e branco...........
Encarnado e bnneo......
Azul, encarnad) e branco.
Preto, encarna e ouro..
Azul e branco.
2o PareoPrado Peniamburanu-1400 metrosAnimaes de menos de meio-sangie que n5o sejam da provincia. Premios
230*000 ao Io, 00*000 ao 2 e 25*000 ao 3*
Coudelaria Victoria.
J. J. S.
R. Cardoso.
R. Cardoso.
J. L. S. F.
F. C. Rezende.
M.
Manoel J de Miranda.
Ninkilista.
Tallersal Pernambucano.
H. W.
J. F. S.
Coudelaria Depurativa.
Cometa......
Vuleano......
Favorita......
Aymor.......
Rec.fe.......
o annos..
3
6
5
5 <
Alazo.
Zaina------
Castanho
S. Paulo........54 kilos
48 .
Rio de Janeiro- ..52
S. Paulo........34
Rio de Janeiro... 54
Azul e curo.......w.....
Branco e grenit........
Encarnado e banco.......
Verde e amarlo..........
Rosa e ouro..............
Coudelaria Luzo-Brazileira.
Coudelaria Fraternidadc.
Maia & Chrysostomo.
A. M.
S. P.
3 PareoDr. Pereira ftime* (1 turma)830 metros.Animaos da provincia e nao tenham ganho em maier distancia
nos prados do Recife. Premios: 200*000 ao 1, 40*000 ao ? e 20*000 ao 3
1
3
4
3
6
7
B
'.i
10
u
l->
Ba-Vista......
Zambo........
Sans-Souei.....
Caim.........
Potosi .......
Salomao......
Guarany.....
Bonaparte.....
Cvc'.one.......
Pip............
Transclave, ex-
RDcambole..
Ph*ariseu,ex-
Orange..-.. -
o annos.
4
5
S
i
3
I
3
4
i
Mellado.......
Castanho.....
Baio........
Russo-pedrez.
Castanho
Russo-cardo.
Rodado ......
Castanho.
l'crnanibuco ...
33 kilos
53
35
33.
3:1 .
30
33 .
55
33 .
53
Azul, branco encarnado.
Azul e branco..........
Ouro e branco..........
Verde e ouro...........
Grcnateouro............
Verde e branft..
Azul, encara, ebonet preto.
J. J. S.
F R R
A. H. J. de O. H. de Mattos.
A. F. C.
Coudelaria Paysand.
J. Q. S. F.
Coudelaria Demcrata.
R. G. L.
S. B.
Jouo Guimaraes.
J. X. S
Tallersal Pernambucano.
4* PareoHippodromo do Campo Grande1609 metros.Animaes de qualqwr paizPremios : 300*000ai Io, 100*000
ao 2 e 50*000 ao 3
Castiglione.....
Vesper........
Fagotin.......
Apollo........
Galiia........
Diana........
a annos..
4
5
4
5 -
3
Zaino........
Alaz.........
Alazo.......
Alaz.
Franca........
Inglaterra.....
Franca .......
Rio da Prata...
Inglaterra.....
Franca........
.'"kilos.
32 .
57 .
56
53 .
51
Azul e grenat..............
Branco e ouro.............
Azul e ouro..............
Branco e ouro............
Azul eoi
urc.
F. Siqueira & Bastos.
Coudelaria EmulacSo.
Codelaria Internacional.
Dr. Joo de S C. de Alh.
Coudelaria Emulaco.
Coudelaria internacional.
5o PareoIr. Pereira sime* (2* turma)880 metros.Animaes da provincia qat nao tenham ganho em maior distancia
nos prados do Recife. Premios : 200*000 ao Io, 40*000 ao 2*e 20*000 ao 3o
i
',
I
5
6
7
8
9
lo
n
M
Marat.........
Petit-Maitre ...
Singapre-----
Pie-rot.......
Cerbero ......
Lucifer........
Tyranno......
Bonjour......
Tenor, ex Pala-
dino........
Delegado....-
Esquirao
Papacaceiro,ex-
Barra.......
5 annos.
6
5
6
5
5
Rodado.
Russo.........
Baio...........
Alazo........
Rodado........
Alazo........
Zaino.........
Castanho.....
Castanho escur.
Rodado........
Alazo.-
Pernambuco.
35kilo8.. lEncarnido e banco.
53
55
55
55
55
53
63
53
55
55
33
Branco
Grenat couro.....
Azul e g-cna.....
Encarnad) e tranco.
Azul e bnneo......
Encamad.........
f
6 PareoDcrby flu de Pernhmuuco 900 metros Animaes da protncia. Premios;
e 20*000 ao 3
Coudelaria Demcrata-
Lemos Duarte.
Jos Joaquim de Carvalho.
Coudelaria Progresso.
A. Oliveira.
Ucha 4 C.
M. A.
B.
J. Lyra.
J. Maia.
Augusto M.
Francisco Coelho.
200*00 ao 1, 80*000 ao 2
Guarany..
Sorpreza..
Caifaz.. .
Arumary
Templar .
4 annos..
5
5
5
Rodado...
Castanho.
Alazo.
Rodado.
Pernambuco
63 kilos.
50
55
55 .
59
Azul egraal...............
Azul, encanado e branco___
Violeta e ero.............
Coudelaria Demcrata.
Coudelaria Cruzeiro.
J. Bastos.
F. Siqueira & Bastos.
J. F. F.
7o Pareo-Extra760 metrosEguas da provincia.Premios : 150*001 ao 1, 30*000 ao 2o e 15*000ao 3
1 4 annos. .iCard........ Pernambuco 53 kilos. Encarnadoe branco....... M. A.
i Stella......... 4 - Zaina......... ce 57 - R. Cardoso.
:i Marina......... 3 1 Gastan ha...... 50 Azul e bran............ H. A. D.
4 Coruja......... 4 Carda ....... r 53 Azul, encartado e branco... Manoel J de Miranda.
3 Fantina........ 5 - Castanha...... 56 r-...... M. F. A.
(*) Montado po r amador.
OBSERVARES
Pede-se aos Srs. proprietarios o obsequio de terem seus animaes s 9 horas da manhS no ensilhamento,
visto como impreterivelmeifte ser cumplido o horario.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-ie no ensilhamento 1 hora antes da determinada
para o pareo em que tm de correr.
Os jockeys que nao estiverem matriculados na secretaria do Hippodromo nao poderlo correr, cumprindo-Ihes
apresentar as respectivas cademetas na occasiao da pesagem.
Os forfuits serao recebidos na forma do artigo 62 do Codijjo de Corridas.
Geraes............... 1*000
Entrada e archibancada........ 2*000
Entrada e ensilhamento........ 2*000
Entrada, archibancada e ensilhamento
Cartees de familia at 5 pessoas .
Differenga para ensilhamento ... ,
HORARIO
Corrida
1. pareo........ 11 hojas 2.' ........ 11 e 50 minutos
3. ........ 12 e 40 ,
4. 3 ....... 1 30
6. ........ 2 dBO ,
6.* ........ 3 b 10 ,
........ 4
Recife, 8 de Agosto de 1889.
O secretario, Dr. Euget Barro^Falco de Lacerda,
. .-
2. acto da comediaDMINOS COR DE ROSA.
a.
O romance da opera MIGNOX de* A. HOMOZJLAGITAIXGndola
de ROSSINI.
Os acompanhamentos ao piano serijo feitos por Mlle. PAULIXE DOBERLEIN.
9. e ultimo
3." acto da comedia DMINOS COR DE ROSA.
=###=
A orchestra ser dirigida pelo hbil e distincto professorA NTONIO MARTINS
Nos intervallos tocarUo todas as bandas de msica.
A' chegada de Sua Alteza estar formada a porta do Thoatro urna guarda
de honra.
Principiar as 8
Os bilhetes de camarotes de 3.a ordem, cadeiras de 2.a, plateas e paraizo
venda desde j na bilheteria do Theatro de Santo Antonio e no dia do espectculo
no Theatro Santa Isabel.
Haver tens at Apipucos c bonds para todas as linhas.
PRECOS DO COSTUME.
PERNAMBUCO
Para a 18." corrida
A realizar-se em 18 de Agosto de 1889
t. %%!WJftCONSOLAQAO800 metros. Animaes da provincia que nao
tenham ganho nos prados do Recife. Premios : 2O0|>0O0 ao primeiro,
40W0O ao segundo e 200000 ao terceiro.
' *$V?b1iS OMNIUM I.IOO metros. Animaes de menos de meio san-
gue. Premios : 300|J000 ao primeiro, 600000 ao segundo e 30K)00
ao terceiro.
8- $^W&IMPRENSA1.30 metros. Animaes da provincia que nao
tenham ganho em maior distancia no Derby. Premios: 2000000 ao
primeiro, 400000 ao segundo e 200000 ao terceiro.
4o ^^feS INTERNACIONAL 1.400 metros. Animaes de qualquer
paiz. Premios: 5000000 ao primeiro, 1000000 ao segundo e 500000
ao terceiro.
4. $V&1> PROSPERIDADE 900 metros. Animaes da provincia qne
n3o tenham ganho n'esta ou maior distancia nos prados de Recife. Pre-
mios : 200000 ao ^primeiro, 400000 ao segundo e 200000 ao terceiro.
" VMklA COMPENSACO 1.400 metros. Animaes de qualquer paiz,
que nSo tenham ganho em maior distancia no Derby n'estes ltimos 3
mezes. Premios : 4000000 ao primeiro, 800000 ao segundo e 400000
ao terceiro.
*. ^^fc PROVINCIA DE PERNAMBUCO l.SOO metros. Animaes
da provincia. Premios: 2000000 ao primeiro, 400000 ao segundo e
200000 ao ^terceiro.
Obsen^ujoes
S serao acceitas para cada pareo as 16 primeiras propostas.
Oa pareos OMNIUM, INTERNACIONAL e COMPENSAglO s se realiza-
rito si se inscreverem cinco animaes pelo menos
Cada enveloppe dever conter urna s proposta e ser recusada aquella que
nao vier acompanhada da importancia da inscripcao.
A' directora reserva-se o direito de alterar a collocacao dos pareos na orgaui-
sacSo do programma.
A inscripcSo encerrar-se-ha segunda-feira, 12 do crente, s 6 horas|da tarde,
na secretaria do Derby Club, praca de Saldanha Marinho n. 2, 1. andar.
Recife, 8 de Agosto de 1889.
O GERENTE,
Henrique Schutel.
Admlaistraeio dos Crrelos de
Pernambuco, 1 de Agosto de
1881.
RelacSo da correspondencia registrada (sem va-
lor) que existe n'esta repartigao, por nao te-
rem sido encontrados seus destinatarios.
Alexandre Alves de Freitas.
Arthur Barbosa.
Andr Bezerra do Reg Barros.
da Conceico.
Jos Marques da Silva.
Jos de Pinho Pereint
Jos Pereira de Castro.
Jeronymo Theotonio da Suva Louren"o.
Jetinston. Pater 4 C.
Levj.
Luiz Jos Pereira.
de Castro.






It

t
v.

Diario de Peraambuc
igo 11 de Agosto de 1889
THEATRO
SANTO ANTN
PROPRIBDADE E MPREESA DOS ARTISTAS
EDUARDO RODRIGUES E D. IIIIEU BALSE.ll.lO RODRIGUES
IRECCO DO ACTOR
. i n o al
DEBS
A 1.a representado da opereta em 3 actos que tanto tem agradado;, msica
do maestro Alvarenga
O PERIQUITO
Distribuido
O Periquito, menino muito timido.
Liborio, jardineiro do convento .
Lucas, mestro de danca ...
Carlos de Mello, militar ....
Antonio de Vasconcellfe ....
Luiz de Mesquita, idem .
Tiburcic, estalajadeiro ....
Um official ......
Sebastiana regent do convento .
A madre abbadessa .....
Branca .......
Camilla .
Ritinba
Amelia, ctriz ......
Acc&o da pea em Portugual.
Freirs, educandas, soldado viajantes, etc., etc.
GCAOiuA ROUPA TODO NOVO__,
28 nmeros dMinda msica
TTULOS DOS ACTOS
l.o_30 ADEUS AO CONVENTO.
.0 PERIQUITO EM LIBERDADE.
3.-0 DIABO NO CONVENTO.
A empreza chama a attencSo do respeitavel publico para esta
posta em scena a capricho.
i~
D. ALI VERT
Sr. Rocha
C. Lisboa
E. Rodrigues
L. Teixeira
Bibiano
Franja
Reis
D. Josephina
Angelina
A. Franja
Virginia
Franja Brito'
Anglica

peca que iva
Secretaria da veneravel or-
dem 3.a do Seraphico P. S.
Francisco noRecife, 10 de
Agosto de 1889
De ordem do canssimo irmao ministro, con-
vido a todos os nossos carissimos irraos era
geral, para assistirem a missa que se celebrar
com a pompa possivel na quinta feira 45 do cor-
rente nvz em louvor N. S. da Ajuda, padroei-
ra dos novicos, e na qual pregar o sermo o
distincto orador sacro Revm. Fr. Pedro.
Ontrosim, convido a todos os senhores candi-
aatos approvados para entraren de irmos e aos
nossos carissimos irmos novicos approvados
para professarem, a comparecerem uns e outros
no-referido dia, pelas 9 horas da manha. am
e realisarem suas entradas e profissOes.
O ex-mraistro secretario
Jos Clementino Henriques da Silva.
3.a Necro. -Secretarla da PreUen-
rin ilo PcniaMbufo, IO de isuoo
de iss'.i
O Exm. Sr. conselheiro presidente da provin-
cia, de ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro Vis-
conde de Ouro Preto, Ministro e Secretario de
Estado dos Negocios da Fazenda. faz saber ao
commercio de Pernambuco e mais interessados,
que nesta secretaria recebem-se at 31 do cor
rente reclamacOes sobre a tarifa das Alfandegas
e regulamentos de 22 de Fevereiro de 1888, re-
lativos aos imposto* le industrias e profissOes,
afim de seren consideradas na reviso a que
vai proceder o Ministerio da Fazenda.
O secretario,
Francisco Leopoldo Mannho de Souza.
Club Internacional do Re-
cife
Conforme o art. 34 dos nossos estatutos, sao
convidados os socios deste club, atim de compa-
recerem no dia 11 do correte, s 11 horas da
manh, na respectiva sede, para proceder se
nova directora.
Recife, 6 de Agosto de 1889.
Arthur de Souza Cartalho,
2* secretario.
A* GL". no Sup.\ Arch.-. do
Un.'.S.-. B.\ Cavalheiros
da Cruz
De ordem do Resq. Ir. Ven int. no-
vamentc convido todos os O Op. d'esta Aug.-.
e Resp. Off. a se reunirem na sede da mes-
ma na prxima segunda-feira 12 do corrente, s
7 horas da noile, afim de em num. leg. de
O Obr. procederr-se Ses.. de Fin. .
Trac, em meu gab. aos 8 dias do me
Agosto de 1889 V.-.
O secret. .,
Eduardo Goncalves 18 t
Gabinete Portuguez
de Leitura
i'csia annlveraaria
Soleranisando esta instituico o 38." anniver-
sario da abertura de sua bibliotheca com urna
ttemio ma;na, que ter lugar no dia 15 do
corrente ao meio dia, em nome da directora,
tenho a honra de convidar para assistirem a
esta festa todos os senhores associados.
Igualmente convido as sociedades, cavalhei-
ros e familias, a cuj.ts raaos nao tivessem che-
gado os conviles expedidos pela directora, es-
perando que todos era geral nao deixaro de
abrilhantar com suas presencia o referido acto.
No mesme dia, das 6 horas da tarde s 9 1/2
da noite estaro abertos ao pub.ico os sales do
Gabinete.
Recife, 10 de Agosto de 1889.
O 2- secretario
Joo V. C. Alfarra.
MARTIMOS

Irmandade do Divino Espi-
rito-Santo do Recife
Conselho fiscal
De conformidade com o art. 68 do osso com-
promisso convido aos charissimo3 irmos ex-
juizes e bemfeitores a comparecerem em o nos-
so consistorio domingo 11 do corrente pelas H
e 1/2 horas do dia, afim detiar-se comprimento
ao disposto na 1" parte do arf. 83 c 2" do art. 8i
do mesmo compromisso.
Consistorio, 8 de Agosto de 1889.
Luciano Jos Di Guimaraes,
Procurador geral.____
Thesouraria de Fazenda
De ordem do Illm. Sr. inspector ponho em
concurrencia a acremataciio, que ser realizada
com quem raelhores vaotaaens offerecer, perante
a junta d'esta Thesouraria, em sessao de 14 do
corrente. dos medicamentos e artigos necessa-
rios pharmacia do presidio de Fernando Je
Noronha.
Os concurrentes apresentaro as suas propos-
tas e'm cartas selladas e fechadas al a vespera
do citado dia, as quaes faro a derlaraco de
que se obrigam s despezas de transporte at
erein recebidos os dilos medicameutos e artigos
n'aquelle presidio.
120 kilos de assucar de 1. quulidade.
24 garrafas de acido carborko, liquido.
6 kilos de alfazema.
2 ditos de araroba.
2 ditos o>. angico,
4 ditos de-ail estreli ido.
1 dito de chloral byd;atado.
10 ditos de chlorurctr de c; lio-.
36 frascos de elixir di Cabeca de Negro feto
pelo Dr. Santa Rosa.
4 kilos de eucalyptos, fls.
10 ditos de man.
10 ditos de oleo de ricino.
5 di:o? de oleo de amendoas doces.
48 oculos do vidros coacavos e escuro.*.
Rojal Mail Steam Packet
Companhy
O vapor La Plata
Commandante A. II. Dyke
Espera-se da Europa at o dia 16 de
Agosto, seguiudo depois da demo-
ra do costume para
HaceiO, Bahia. Rio de Janeiro
Santos, Montevideo e Bnenos-
Ayres.
Para passagens, fretese encommendas trata-
se com os AGENTES.
O
Neva
vapor
Commandante G. M. Hicks
E' esperado do sul no dia 18 e
Agosto, segnindo depois da demora
necessaria para
Lisboa, vigo. Sonthampton e
Antuerpia
Reducc.3o de passagens
Ida. Ida e volta
A' Lisboa 1 classe i 20 t 30
A' Southampton 1- classe i 28 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-se
rom os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Companhia Bahiana de Na-
vegacao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Babia
O VAPOR
Principe do Gao-Para
Commandante Lacerda
E' esperado dos portos cima
at o dia 16 do corrente, e de-
pois da demora do costume re-
gressar para os raesmos
Pura carga, passagens, encommendas e inhei
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17-r Ra do Yigario 17
24
pasta de jjuba.
lulas oe Bristoi
as de Ajer.
ana asa' rasourada.
United States and Brazil
M. S. S. C.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos i
salatodiu 16 se Agost
o qual depois da demo-
ra necessana segnirr
para o
f'ar, Barbados, tlarilnique. 91.
Thonaz e .\ew-Vork
Para passagens carga, encommendas e di-
nheiro a frete. trata-se : cora os AGENTES.
O vapor Finance
E' esperado dos portos do
norte ate o da 15de Agos-
to o qual dSpois da de-
------ mora necessaria seguir
Gf para a
Babia. Rio de IapI*e Santo*
piti earoa passag^n-- encommenda.-
Companhia Brasi
Navegacao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Maranho
Commandante o eapitao de fragata Pedro
Hyppolyto Durte
E' esperado dos portos do norte ate
odia 14 de Agosto e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sol.
As encommendas sero recebidas no trapiche.
3arbosa at 1 hora da larde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Alagoas
Commandante Joo Maria Pessoa
E' esperado dos portos do sul at o
dia 17 de Agosto e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte ale Manos.
As encommenda3 s sero recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da saluda.
Para carga, encommendas, passagens e valo
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Cammercio=6
1 andar
1-1
UllO'
CHARGEURS REUNS
Companbia Francesa
DE
Xavegaoo a vapor
jinha regnlar entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Bahia, R40 de Janeiro e
Santos. '
O VAPOR
Ville e Pernambuco
Commandante Sebire
E'esperado da Europa at o dia 13
de Agosto, segnindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram apresentar dentr
de 6 dias a contar do da descarga dasalvarengai
qualquer reclamar, So concernen te a volumes qut
por ventura tenham seguido para os portos de
mi afim de se podei dar a tempo as provi:
p encias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao s<
responsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se cora o AGENTE.
Anpste Lable
9-RUA DO COMMERCIO 9
Pacific Sfeam Nvigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete Galicia
Espera-se do sul at o dia
14 do corrente e seguir
depois da demora do costu-
me para Liverpool por^
Msboa, Bordeaui e l'lymoufh
Para carga, passageiros, encommendas e di-
aheiro a frete; trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons & (!.. Limited
14RA DO COMMERCIO14
cohi>.\uia t n;BvmBiu>A
DE
Wavegaeo costeira por
Para Fernando de Noronha
O vapor S.Francisco
Commandante Esteves
Agente Burlamaqui
-Leilo
Terca-feira. 13 do corrente
A's 11 horas
.Vo 2." andar ra da lmperatriz n. 20
De bons movis
0 agente cima por autorisago de Jos Ven-
tur Raposo e outros vender em leilo urna bo-
nit mobilia de phantasla, guarda-roupa, cadei-
ras, quadros, espelhos, jarros, mesa elstica,
guarda comida, apparadores, guarda-louca, eta-
eres e muitos outros artigos, que estaro a vista
dos Srs. licitantes.
Leilo
D instrumentos novos, constando de pis*
t3es, baixos,trombones, saxofenos, ophi-
cleides, clarinetes^ flautas e outros in-
strumentos e pclles para bombos e
mffos.
Terca felra 13 do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazn da ra do Bom Jess n. 45
Agente Pestaa
Leilo
Da casa terrea sita na estrada do Giqui
Jaboatao n. 305
Terca-iVlra 13 do corrente
A's 11 horas on ponto
No *rmazem da travessa do Corpo Santo
n. 27
O agente Pestaa far leilo por mandado e
asistencia do Exm. Sr. Dr juiz subMtuto da
fazenda, da casa cima mencionada, edificada
em slo propino com urna porta e duas janellas
de frente, duas salas, i quartos, cosidha xter
na, quintal, a qual ser venda para pagamento
de impostes fazenda provincial que deve Fran-
cisco Quirino 'lo Sacramento.
Leilo
de -50 barris com vinho tgueira, 3 saceos
com folha nova de madeira
Terca-feira, 13 do corrente
A's 11 horas
N armazem da ra da Madre de
Den* 12
Era lotes, vontade dos Srs. compradores
POR INTERVENGO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
V-
De fazendas e couros contando de
Casemiras prelas e de cores, bezerros e
quetas e Outros couros, e o fardos de papel de
embrulho. _
Terca-feira f 3 do corrente
s 11 horas
Agente Pinto
Ra do B'im Jess n. 45
Por occasio do leilo de movis, vidros,
pelhos, quadros e outros artigos existentes
mesmo armazem.
Agrhte Stepple
Leilo
De partes de engenhos em Goyanna e na
comarca de Pitimb da provincia da Pa-
rahyba e urna fazenda em Campia
Grande da meucionada provincia.
Qliara-feira. 91 do corrente
A' 1 hora da tarde
Na Cmara de O inda .
O agente cima, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito e de orphos, a
requerimeuto do Dr. Mano-l Nascimento Fer-
reira Castro, inventarame dos bens do finado
coronel Joaquim Oavalcante de Albuquerque, le-
var a leilo os bess se^uintes : (
Duas partes do engenbo Ilapirema do Meio de
Goyanna.
Cma parte do engenho Souza na comarca Pi-
timb da provincia da Parahyba
Urna fazenda de criar em Campia Grande.
Os Srs. pretendentes podero ir examinar os
referidos engenhos.
Armc,o
loja de fazendas fe*
a tratar na
Vndese a rmaco da
ra Duque de Caxias n. '' ;
ou na ra do Livramento n.
mean-
Aluga-s
se
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se o sjbrado n. 46 ra da Ro ia
com bons commodos e muito f> seo, i>era couo
os dous pavimentos terreos ; quem os pretender
dirija-s^ ra do Cabug n. 16, loja da Ventu
rosa.
Aluga-se o sobrado da ra de S. Jorge n.
120, com agua e gaz ; na mesma ra n. 131, ta
venia.
Aluga-se urna casa no Monteiro, muito
fresca por ter janellas para (fri ; a tratar no
caes da Companhia Pernambucana u. 6, escrip-
torie de Bastos & C.
o 1- e 3- andares do sobrado n. 33 da roa 4*='
lmperatriz, com grandes commoilos; a tratar
na ra do Imperador n. 53, escriptorio de zn*
gado.
Tcito Vida de Agricoa
Acaba de ser traduzida litteralnente esa-
obra, e acha se venda na encadernago Pdjo-
lar, do e-dictor Manoel Alfonso Rigueira, Jwge
do Paraizo n. 29.
Prego de cada exemplar 23000
Aluga-se
uib excedente predio novo e com aguaega:.
om muitos commodos para familia, na ra lm-
erial o. 207 ; a tratar na ra do Commercic
umero 34.
Aluaram-se
"O
as casas terreas da ra do Lima as. IR e 36t 1
S. Amaro; a tratar na liUiograpbiaruaMar^B*'
de Olinda n. 8.
da ra Impe-
'os e apia^i
Aluga seo 2'andar e solo
rial n. 19, o qual tera grandes co
a tratar na ra Duque i\e. Casias n. II.
Precisare de urna cosinheira; a tratar na
ra Nora n. 39, 2- andar.
Precisa-se de urna boa cozinheira, na ra do
Vigario n. 5, armazem.
Precisase de urna ama para cosinhar;
ra Larga do H sario n. 46.
Precisa se de una ama para cosinhar, para
casa de pouca familia : na ra ua Unio 11. .
Precisa-se de urna metade de casa para
urna familia, em casa de outra familia, compbsla
somente de marido e mulher, e que seja de boa
conducta : quem tiver, dirija se a esta typogra-
phia, que se dir com brevidade quem .
Vndese urna taverna sita estrada de
Olinda, perto do llippodromo do Campo Gran-
de ; para informaces no pateo do Paraizo n.
16, venda de Franco Ferrara & C
Vende-se a taverna sita A Praca do Conse-
lheiro J0S0 Alfredo n. 2, esquina (Magdalena),
um dos melhores pontos para negocio ; a tratar
na mesma.
es-
no
2 Leilo definitivo
em um ou meis lotes
do hotel Clobo
0 Dr. Alfredo Gaspar participa aos sena
clientes que o Sr. Jos Ignacio Pereira de Mo
raes deixou* de ser seu cobrador desde o dia 7
do corrente.
O abaixo assignado declara ao pubiieo e
com especialidade ao commercio, que em 29 de
Julho passado eomprou ao sr. Jacintho Botelho
de Amorim o seu estabelecunento de molhados,
sito ra Visconde de Albaquerque n. 51, Wd
de todo e qualquer onus.
Joaquim Antonio da Costa Ferrcira.
Advocado
Obacharel Arthur da Silva Retro (em o seu
escriptorio le advocacia ra do Imperador n.
34, onde pode ser procurado paraos misteres
de sua profisso.
Segu no dia 1
'horas da manh.
dia 16.
Passagens at s 10 horas do di da sahida.
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12
LEILQES
Constando de cadeiras de junco, mesas de 1
antor, apparadores, bancas de madira. ditas j
de ferro, cabides de parede, relogio,l2 armaces,
carteira, lavatorio dejiarede, copos, clices, ta-
Vapor 5a8 Para champagne, louca de jantar, toalhas.
guardanapos, jarros, elagers, frucleiras de vi-
dro, espelhos ovaes, quadros, mesas de cosinha,
talberes. 1 raarquezo e outros movis,
i Terca-feira, 13 do corrente
I A'S 11 HORAS
Na ra Duque de Caxias n. 28
Garante-se a casa a quem comprar o hotel
em um s lote
Pelo agente Martins
Em seguida depois do leilo do hotel o mes-
mo agente vender no Io andar do mesmo so-
brado os seguintes nyveis:
Urna mobilia de araarello. 2 pares de jarros,
espelho marquezo largo, lavatorio, candieiros
a gaz, quadros mesa de jantar e outros movis.
Ao correr do martello
Advocado
de Agosto s 12
Recebe carga at o
Leilo
De movis, piano, espelho oval, guarda-rnupas
com espelnos, bancos para jardim, louca, vi-
dros e trem de cosinha.
No 2 andar do sobrado ra da
Aurora n: 81
ttegunea-feira, 19 do corrente
A's 11 horas
CONSTANDO :
De urna mobilia de pao carga envernisada de
preto, cora 12 cadeiras de guaraico, 4 de braco,
1 sof e 2 consolos com pedra, 1 piano de Henry
Herse, 1 capa para piano, 1 estrado para piano e
cadeira, 1 espelho oval. 2 cadeiras para piano, 4
lanternas e castices, 6 jarros, 2 escarradeiras, 5
qnadros. 1 tapete para sof, 1 relogio de parede,
1 cama franceza para casal, 1 guarda-vestidos de
amarello, 1 toilet, 1 banco, cabeceira de cama, 1
guarnicao para lavatorio, 1 cabide de columna,
2 guarda roupas com espelhos, 2 marquezes
largos, 2 ditos estreitos, 2 camas de lona, 1 com-
moda inteira, 1 lavatorio de nogueira, 1 dito de
amarello, 1 secretaria, 2 mesas com estantes, 1
mocho para secretaria, 1 espelho, 1 guarda-louca
de amarello 2 aparadores com pedra, 2 ditos
torneados. 1 mesa elstica com 6 tabas. i sof
de vime, 12 cadeiras de gnarnigo de Jacaranda,
6 ditas de junco, 1 mesa com gavetas, 1 espre-
guicadeira, 3 cabides, 4 cadeiras de junco com
balanjo, 1 jardineira de Jacaranda com pedra, 1
balaio para pepeis, 1 sof e 2 consolos pretos, 1
cesta para costuras. 1 machina para costura, 4
bancos para jardim, 1 mesa para cosinha, 1 pra
teleira, 2 tabas para engomado capachos, tape-
tes, loucas para almocojje jantar, copos, clices,
compoteiras, garrafas, galhat'jiros, bandejas, ta-
Leilo
Agente Brito
D I vurcu e cria, novis, etc.
De piano e cadeira, 1 mobilia de junco, 1
dita d; pao carga, i cama franceza e 1 bidet de
jicaraid 1 guarda-vestido, 1 lavatorio de pe-
a, i espelho oval, 2 marquesOes, 1 commoda,
meiacommoda, 1 mesa elstica, 1 guarda-louja,
apandores, 1 marqueza, 1 sof, 2 consolos, 2
caderas de balando, 2 aitas de braco e 8 de
gaanicuo, de araarello. 1 santuario de Jacaran-
da, i quartinheira e 1 cabide de columna, .1
baa, 1 cama de ierro, 1 relogio de parede. 1
maclina de costura. 1 dita para caf, 1 dita para
moe milbo, 1 carteira de fantasa, jarros, qua-
dros candieiros kerosene, louca para almogo e
jauta-, copos, clices, garrafas, compoteiras, ga-
Iheifciros, bandeijas, bacas, facas, colheres,
ma, trem de cosinha e outros objectos,
Terca-feir, 13 de Agosto
A's 10 12 horas
Roa da Concordia n. 51
0 Dr. Gomes Prente mudou seu escriplorio
para ra do Imperador n. 34.
A RA BARO DO TRIMPIIO
N. 100 A 104
Tem para vender tri-su1phi-
to de dl, que nao sofaz alve-
jar muito mais o assucar, co-
mo evita o grande gosto de
cal no fabrico do mesmo.
Agente Silveira
Leilo
Di casa terrea com um sitio ra das
jPernambucanas n. 44, na Capunga, em
"solo proprio.
Iheres, trem de cosinha c muitos outros objectos
do uso domestico.
0 agente Gusmo autorisado pelo Illm. Sr.
Francisco Augusto Pacheco, que retirou se par?
a corte com a sua Exm familia, far leilo do/
objectos cima mencionados, os quaes forao
transportados de Olinda para o sobrado acnja
referido.
Leilao
De um importante piano novo do fabri-
cante Kapps
Segunda-fefra It do corrente
A's 11 horas
No 2." andar do sobrado ra da Aurora
n. 81
Por occasio do leilo de movis do lllra|Br.
Francisco Augusto Pacheco.
POR NTERVENCAO DO AGENTE
Gusmo
. W armazem do Largo do Pa-
raizo n. 26
Oagent? Silveira, por mandado e com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito da prove-
doria de capellas e residuos, requerimento de
D Josephina Sebastiana Gapaleante de Albu-
Suerque Mtrques, inventariante dos ben* deixa-
os porsey tinado marido Jos Antonio Marques,
lerar leifio a casa terrea n 44 ra das
Pernambucaias, com ura sitio, tendo a casa os
Leilo
De 50 barris de 5. com vinho de pasto
perfeito e muito bom
Terca-feira 13 do corrente
dia
14 da Co
nhia Pernambucana
Km lotea vontade do* Sr*. co
pradore*
POR INTBRVI ) AGENTE
Gusmao
Quarta -feira, 14 do corrente
A's 11 horas
Pesqneira e Bom
C'onselho
Miguel L. R. da Fonseca, estabelecido com
pharmacia e drogara na cidade de Pesqueira,
avisa aos seus amigos e freguezes que, tendo
de retirar se e transferir seu estabelecimento
para a villa de Bom Conselho (Papacaca) deixa
como seus procuradores nesta cidade para rece-
ber de seus freguezes que se acham era debito,
aos Srs. Ricardo Caduff e Jos Fernandes Lopes,
os quaes podem passar recibo de quitacAo.
Aprovoito a occasio para agradecer a todos
os Kesqueirenses que se dignaran depositar em
minha humilde pessoa sua contianga, e despe-
dindo-me por eate meio daqaelles amigos. rogo-
Ibes enviar suas ordens para aquella villa, onde,
como sempre. tstarei s suas disposices.
Pesqueira, 5 de Agosto de 1889.
O pharmaceutico prat'co
______Miguel Luiz Rodrigues da Fonseca.
Terreno poralugar
Aluga-se o terreno murado com telheiro e boa
cacimba, proprio para carroceiros, por 20*000
mensaes.
Aluga-se a loja do sobrado n. 8 ra cslrei'a
do Rosario por 225300 mensal.
A casa n. 11 da ra do Calabouco por 20*00;
mensal.
A,casa n. 50 ra de S. Joo, com 2 quartos,
2 salas, quintal, por loO mensal; a tratar na
ra das Trincheiras n. 17, loja.
A o publico
O abaixo assignado, caixeiro e socio interes-
sado da casa ccmmercial de Scuza Travassos &
C, protesta qualquer transncco que queira fa-
ser a mesraa.
Recife, 8 de Agosto de 1889.
Euphrasio Wanderley Lins.
Santa Casa de Misericordias?
do Recife
Bnro de Serinhem
A junta administrativa desla santa casa hr
celebrar na igreja de N. S. do Paraizo, pelas S-
horas da manh do dia 12 do corrente, pet atea.
do seu companheiro de trabadlos, farao de Se-
rinhiem, de saudosa memoria, urna missa 6
rquiem, cantada pelas expostas, e convida z
Exma. viuva, parentcs e amigos do ilustre ta-
lo, para que assistam a esse caridoso acto.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia 4a*
Recife, 6 de Agosto de 18:9
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souztr.
m
Confraria da veneravel Santa-
Rita de Cassia
:.-, '
. \:'r
Bnro de Werinbuem
0 conselho administrativo da confraria da w-
neravel Santa Rita de Cassia, manda celelwar
em sua igreja, no da 14 do corrente, pelas 1
horas da manh. urna missa pela alma de scc
dedicado irmo bemfeitor, o venerando Bario e
Serinhem, e convida para assistir a esse arto
religioso a Exma. viuva, parentes e amigos do
pranteado e Ilustre merlo e bem assini todos
os nossos irmos confrades.
Secretaria da veneravel confraria de Santa Bi-
ta de Cassia, em 10 de Agosto de 1889
0 secretario
Jos de A. Cosa rontes.
Antonio Caaimiro de teuvcia
Fraocelina Filomena da Silva Gouveia e seoe
lilhos, sua irm, Josephina Francisca Ferreir*
da Silva (aumente), genros, ora e netos, aisdz-
sob a pressZo da acerba dor pelo passament e
seu sempre lembrado esposo, cunhado, pai, sa-
gro e av, Antonio Casimiro de Gouveia, agra-
decen) a todas as pes^oas que acompanharasa?
seus restos mortaes ultima morada ; e de aove
convidam aos seus parentes e amigos para as-
sistirem" as missas que pelo repouso eterno te
sua alma mandam celebrar no dia 12 de correa-
te, pelas 7 1/2 horas da manh. na igreja
E-pirito Sanio, stimo di do seu falleeimeste_;-
antecipando desde j os seus sinceros agradiec-
mentos.
f


Ovidio Saraiva de Carvalu
>eiva
Olegario Saraiva de Carvalho Neiva e saa b-
milia mandam celebrar missas por alma de se
chorado filho Ovidio Saraiva de Carvalho PieiTa.
n.i dia 12 do correnle mez, s 8 horas da maatt
na igreja de Santa Rita de Cassia. trisesiajo da
de seu passamento, e convidam aos parentes c
amigos para assistirem a esse acto de caridad*
e religio.
t
D.
No trem
Perdeu-^e hontem no trem de Caxang, tar-
dinha, um maco de papei.i contendo ura balanco
de ura estabelecimento ; pede-se, portanto, a
quem o achou, queira por obsequio leval o
i ra Visconde de Albuquerque n. 54, onde se
gratificara.
^^tes coRmiodus: i janellas de frente,! porte
e3 janellas n oilo, sala de visita e I gabinete,
S quartos. sala Je janlar < gabinete, cosinha e 3
^^Bfora, 1 luarto para banlio com tanque.
^^Hbas, mediiido de frente 8 metros e 35
eentimetroSj e de fundo 11 metros, tendo o riti
porta de madeira, muro na frente rom
de ferro e smen te murado pelo fundo.
Os Srs. preteoderres podein examinar.
'
Leilao
>e partes de engenhos
Quarta-feira, 21 do corrente
Ao meiQ dia
Cmara Municipal de Olinda
gnte Stepple, por mandado e assistencia
Dr. juiz de orpbos, a requerimento
" 7'cente Meira ce Vasconcellos, inven-
o tinado coronel
snte de Albuquerque, tetara a
jiote.
ConNtanea Perpetua Bnptiaf*
' Barroso
Ignacio Barroso de Mello eJovino Barros de
Melo, pungidos de acerba dor pelo fallecimealo--
de.sua presada esposa e mi, D. Cons(ant;a Per-
petua Baptista Barroso, apradecem a tedas as
pessoas c,ne os acompannaram no transe doloro-
so e de novo os convidam para assisiirem as
mismas que pelo repouso de sua alma manda,
rezar na matriz da Boa Vista pelas 7 1,' horas
da manh do dia 12 do corrente, stimo de sct>
passamento. ___
aanim u\ ii i mu w i
t
Amr.zilia
Ueira de IfollandA
Moar*
Manoel Joaquim Ribeiro e sua rauHier mndass
? 8 horas da manh do da 12 do correnle,
matriz de Santo Antonio, rezar algumas missas
por,alma de sua comadre Amazilia Meira. de
Ilollanda Soares, fallecida na capital da Paraky-
ba uo da 6 do actual, e para este acto conn-
dam aos seus prenles e amigos e aos de see-
compadre Adolpho Eugenio loares, pelo qne s
confefsam summanienle agradecidos.
t
A o publico
0 abaixo assignado declara que o Sr. Eufra-
io Wanderley Lins nenhiira interesse tem no
sio
estabelecimento commercial da Praga
cordia n. 1, o qual gyra spb a i
Travassos 4 C da qual c
e mesmo abaixo
da Con-
z
da Mh'
iza Tra va ssos.
D. liarla .ira si jo de Oliveira
Os lilhos, genros, nocas e netos de D. Mar
q de Oliveira, convidara a todos es paren-
tes '- amigos para assistirem as missas que maa--
dain rezar por alma de sua prezada mi, sograe -
av. terca feira 13 do corrente mez, s 8 hora
(i- maulla, na matriz da Boa-Vita ; e desde jk
acradecem a todos que se ignarem comparece
aes.-eartn decaridade religiosa.
K Baroaeza de Serinhfiera> manda relebr--
algumas missas por alma de seu sempre ciora-
. o lar de STihaem, no dia 14>4'
con pelas8horas amanhi, ua igreja anv^
imo dia de
de i:
_^kaa^kHHa^aHk^l
J*H3

/
,


.




==
Uiario de PernambucoDomingo 11 de Agosta de
1889
PHOSPHATINA FALIERES
0 mellior Alimento
Para as CRIANOAS
J.A_lS, O. AVENUB VIOTOBT.A.fl.S'ABia
DtfcsitM m toda* as prKfpass --anucUu
EXCADERIVACAO MIRMIDA
39-RA MJQjfi DE CAXIAS--39
Este antigo estabelecimento, hoje completamente reformado corn machinas
'jus aperfeicoadas e movidas a vpor acha-se em condic3es de executar qualquer
irabalho cm
YPI6R PHIl E LITHOGKAPIIIV
Cartas, rr.einorar.duns, recbate, circulares, memoriaes, despachos, cart5esile
ndicac3es, mappas, precos correntes, acedes, bilhetes 'de loteras e rotul n de todas
jtc dualidades em preto, ouro ou cores.
Sfachuras, acartonados, encadernac$es, livros em branco para o commercio e
repartieres, tend)"para este fim urna excellente machina de pailan*.
- mm ii imiw^ara)
/ariado sortimento em cartSes para visita?, participaces e convites de casa-
mento, bailes, menus, felieitacoes, etc., etc.
^erraoe-s:
Livros de recibos de a'uguel de casa, papel de impressao, tintas., vernizes e
jsjE&k artigos para fypographia e lithograpnia.
Manoel J. de Miranda
Teleplione 194
aofsasa m^iwmm

n
H A O
DO
ARA
Approvado pelo Exm. Sr. presidente da piuvmcia
lotera Intelra
.... 300:0000
.... 50:000,3
Premios da
1 premio de .
le ...
le .
J j
b t t .
10 .
2 approximacoes de
2
2
9 Dez. do 1." prsm.
9
9
99 2 fin.
99
900 term.
900
2.'
3.'-
l.
2."
1."
2.
12:5000
10.O005
15:0005
15:0005
5:0005
3:0005
1:500*
6:7005
4:5005
2:2505
24:7505
24:7505
112:5005
f .
5:0005
2:5005
1:5005
2:5005
1:5005
7505
7505
5005
2505
2505
2505
1255
1255 112:5005
Premios da serle
premio de.....
t .....
c c.....
2 .
6 < .
10 .
2 approximaco'es de
2
2
9 dez. do 1.
9
9
99
99
900 term.
900 t
<
c
2 fin.
c
2.
3
1.
2.
1.
2."
f
prem.
c
2005
1005
605
1005
605
305
305
205
105
105
105
55
55
12:0005
2:0005
5005
4005
6005
6005
2005
1205
605
2705
1805
905
9905
9905
4:5005
4:5005
28:0005
cetn nenhum outro medicamento e m temer accidentes.
PARS 7, Soulevard Denain, 7 PARS
Eopooito em Pernam 'jira : FRAN M. da SILVA C*. e na principaes Pharmacia. Jk
2052 premios no valor de 700:000512052 gremios no valor de.
Todos os premios sao pagos integralmente
Esta lotera composta de 10.000 bilhetes a 1005000, dividida em 25 series,
custando o inteiro da serie 45000, subdividido este em quintos da serie (125o* do
bilhete. inteiro da lotfria) de 800 rs. cada um.
O agente desta loteria chama a attencao do publico para este importante
plano mais vantajoso pela sua boa organisacao.
Com 45000 (o quintos de que se cotnpoe a serie) recebe-se 12:0005000 e com
800 rs. (1 quinto) 2:4005000.
O menor premio d um resultado de 25 /<> pois custando
recebe 15000 as terminacSes dos 1. e 2.* premios.
o quinto 800 rs.,
Sao premiadas as dezenas dos 1.. 2." e 3. premios.
As dnas letras fnaes dos 1. e 2., terminacoes dos 1. e 2., e as approxi-
x5es dos 1., 2. e 3.; tendo alm disso premios de 2:0005000, 5005000, 2005000,
1005000 e 605000.
EXTRACJOAO OTRANSFERIVEL
Cachemira de Iistras a 15000 o covado.
Chuces arrendadas a 400 rs. o dito.
Fnstlo branco lavrado a 360 rs. o dito.
Toile pardo a 360 e 400 rs. o dito.
Cortes de vestidos em cartees.
Calchas de fustSo a 45000 urna.
Toa-I has para banho a 15500 urna.
Cachemiras litas a 15000 o covado.
Popelinas brancas a 300 e 15000 o dito.
Cachemiras de quadro a 280 rs. o dito,
yostao para roupa, de 35000 a 700 rs. o
dito.
Colchas de cores a 1800 urna.
Mrito preto e 800, 15000 15200, 15500
15800
percales a 200 rs. o covado.
ibis tina prta a 700 rs. o dito,
pret.i (inglez) a 25000 o dito.
tas de quadn a 300 rs. o dito.
~ toe de cor duu8 larguras a 440 rs.
las ho>panliolas a "5000 o dito,
do Japlo a 240 rs. o dito
fcaia Victoria a 2800 a peca.
(JUNTO AO LOUVRE)
etu
Cfcewr.
-!<
240
rs. o
claros e escuros
eovao'i).
Ossibri'a bordada a 45000 a peca.
*Sta-n^.::o de crochet a 75000 urna.
I*eqcs transparentes a 25500 um.
Kchs de retroz a 15000 um.
Camisas de flanella a 25500, 45000 e
5G00 urna.'
Bicos de cores a 25000 e 25500 a peca.
Toalbas felpudas a 450; 0 a duzia.;
Grinxlda para noiva a 75000 urna.
Cruardap para bomem a 65000.
Metas inglezas para homens a 55030 a du-
zia.
fiargeiins de cores a 200 rs. o covado.
PaiiSots de alpaca preta a 45500 um.
Caaesnia diagonal a 25000 o covado.
Meiss fio ca Escocia a 15500 o par.
Lencos brancoa a 15200 e 15800 a duzia.
rmeos a
Cbei-t'th preto a 35000 e 45000 o covado.
Grande sortimento de fichs, caseniiras,
ymh"s,_1nci'.s, perfumaras, e bordados.
Wm 20Ra Primeiro de Mareo20
Cachemira de quadro a 320 rs. o dito.
I Popelina de seda de 1*500 a 1?>000 o dito.
Baleias a 240 rs. a duzia.
' Lenceg de bramante a i*5000 um.
Ccbertas de ganga a 35000 urna.
Tapetes grandes a 135000 um.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o covado.
Espartilhos a 55000 um.
Madapol&o americano a 65000 a peca.
Coletes de flanella a 25500 um.
Palitots de seda palha a 85000 um.
Lencos de iinho a 55000 e 6r$000 a duzia.
Palitots de brim pardo^a 45500.
Bolsas para viagens.
Casemira para costumes, corte.
Luvas de seda a 25000 e 25500.
Gruardanapos de linho a 25200 a duzia.
Guardap para senhora a 105000.
Arcos cobertos a 120 rs. o metro.
Panno da Costa a 15000 e 15200 o co-
vado.
Bramante de algodao a 15000 o metro.
Algodao branco a 45000 e 45500 a peca.
Cortes de fusto para collete a 25500 um.
Cortinado bordado a 75000 o par.
Zephyrde quadro a 20c e 240 rs. o covado.
Atoalhado bordado a 15200 o metro.
Peca de csguiSo de algodao a 35500.
Regatas a 15000 e 15500 e 25000 Juma.
Palha de seda a 15000 o covado.
Camisas alemeles a 3660O a duzia.
Bramante de linho a 15800 o metro, 4
larguras.
Cortes de seda para collete a 55000 um.
Chambres para homem a Q5000 um-
Setuis d cores a 800 rs. o covado.
Algodao trancado, 2 larguras, a 1>1< 0.
Cortes de casemiras, a 55500, 7-3000, e
95000.
Brim branco, todos os nmeros.
Cretones' francezes a -M'O rs. o covado.
Ceroulas de brantante a 155000 a duzia.
Flanella de cor a 300 rs. o covado.
brim, a.'godo, camisas, collarinhos,
e
A S00 l|2 gfa.
A 800 gfa.
A melhor tinta de escrever
TINTA VICTORIA
Vende-sse nos depsitos:
LIVRARIA CONTEMPORNEA
DE
ilvm: u. costa c.
Roa r. de Marco n. 2.
a
PE1T0RAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
A enfermidades mals dolorosos da gargait
e dos pulmOe, ordinariamente desenvolvem-se,
tondo porprinciplo bases pequeas, culos resulta-
dos nao sao difflcels de curar s* promptamente se
tratao cora o remedio conveniente. Os Resfri-
ados us Tosses dao reciprocamente o resultado
de Laringitis, Asthma, Bronchltls, Affec-
cao Pulmonar a a Tsica.
Todas as familias ojm teui criancas derem ter o
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
em casa para o usar em caso de 'necessldade.
A perda de um so da, pode em moltos casos
accarretar serlas consequenclas. Tor tanto nao
se deve perder tempo precioso, experimentando
remedios de elBcacIa duvidosa, emquanto que
a enfermidade se apodera do systema c se arraiga
profundamente, entilo que se necessita tomar
nesse Instante, o remedio mais certo e activo em
eu eflVito, c este remedio sem diivida alruma
o Peitobal dk Cebeja do 1>k. avti!.
PBEPARAIK> PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowll, Mass., Est.-Uni.los.
DEPOSITO GEltAL
Cosinheir
Precisa- se de\m ; a tractar ra do Com-
mercio n. 4i, cscriplorio.
Muita atten^o
Na ra de S. Jos n. 36 tem para vender os
afamados vinhos e licores de todos os frnctos do
paiz, fabricados pelo tinado Joo do Amaral Ra-
poso, como sejara : vinho de caj de 1. e i.'
qualidade, vinho de Abacagy, vinho dejanipapo
composto e simples, besnerediua brasileira, Ia-
ranginha cordial, essencia de limo e cidra e
tres prensas para esfiremer os fructos, tudo se
vende por.baratissirno pre^o para liquidago
Assim como se vende um bom terreno na povoa
cao de N, S. da Boa Viagem por qnalquer preco
-DE-
1 Hurray i Lanman.
0 K^IS EXQUESIT0
DOS
Perfumes do Toiioador.
Perfuma o Corpo e
Vivifica a Mente
NO BANHO.
Superior a Agua de Colo-
nia pela delicadeza de seu
aroma e a durabilidace de
seu perfume
NO LEKgO.
A's maes de familias
QUERIS VOSSOS FILHOS SEMPRE SADI08 ?
Adminittrae-lhes o xarope ou as
Punas YermipurgatiYas
DO DR. CALASANS
ptimas preparacSes de mastruz
j e rhuibarbo, para a expulsa completa, seni
dores nem incommodo*, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(DAS CBEANgAS E DOS ADULTOS)
SEIS ANNOS DE SUCCESSO
Estas excellentes preparacoes nao ne-
cessitam de purgativos como auxiliares
visto serem purgativas por si mesmas.
As pessoas que tm vermes sentem coj
licas, tem constantemente diarrhas, indis-
posicSo, sensajSo de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
s vezes, vmitos. Rangem os dentea, quan-
do dormem, algumas e pessoas expellem
vermes com as fezes ou com as material
dos vmitos. As criancas apresentam as
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome do
DR. CALASANS e sao cor de rosa.
i caixa de pilulas 1(J200
I vidro de varope 1)J200
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
Por 25000
Aluga-fSe a loja do sobrado n. 45 da ra Es-
I treita do Rosario mnito propria para qualquer
estabelecimento, por ser grande, e est limpa
trata-se na ra Duque de Caxias n. 89 loja.

LOJA DE FERRAGEM
DE
ALBINO SILVA fe
Ra da Cadeia n. 42
C.
A 500rs li2gfa.=A. 800rs 1 gfa.
i
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 16 a 18 annos
com pratica de venda ; a tratar na ra de Hortas
a.l.

(Aviso aos igregaezes
Os FIROrD-tTCTOS d-a
perfumara ora l. lsgrahd
307, raa cZe St-Honor, FA.HIS
Tapera ORIZA-GIL,ES8.0KZA, OREZA-LACT, CR^E-ORIZA
ORIZA-VtlOUT, bPA-imm, ORiZLIKE, SABO-ORZA
DEVEH 0 SEU GRANDE XITO KM COMO 0 FAVOR DO PUBLICO :
1 Ao cuidado perleito com que estSo sendo fabricados;
2* A' sua qualidede inalteravel e suavidad do seu perfume,
MS, COMO SE FAZ CONTRAFACES [TESTES PROCUCTOS ORIZA
com intuito de viver assim a cusa da fama de que gozun,
pomos de sebreaviso os freguezes no fin que se nao
-t, deixem engaar.
Os RDAOEIROS PRODUCTOS se vendem em todes rs mas cuas de Perfumarla e. Drogara.
MANDA.-SE DE PARS O CATALOGO I.LUSTHsJ>0 PRANCO DE PORTE
Apolices perdidas
Perderam-se der apolices da divida provincial
de Pernambuco, periencentes a Manoel Pereira
de Araujo Vianna, de ns. 873 a 882, serie B, do
valor de 1:0004 cada urna ; pede se pessoa
que as tiver icbado o obsequio de ir on mand ir
enlregal-a* a li'nriquc Bernardes de Oliveira.
procurador bastante do mesmo Vianna. no Re-
cite, ra do -Vlsfario n. 1,- esciiptorio, que grati-
Bfe.fi
Reforma JEfeitora
Acaba a Livraria Econmica, ra do I.-nppra-
dor n. 73, de publicar a segunda edicco da Re
forma Eleitoral. correcta e augmentada pelo Dr.
Francisco Teixeira de S, com todas as altera
ces das leis, decretos, regQlamentos, avisos,
etc., publicados at o presente A pessoa que
enviar um vale post-.l na importancia de V600'',
remelle se um exemplar brochado, registrado
pelo correio, ou oOuO tncadernado.
Para os festivaes
A' ra da soledade n. 56, preparam-se,
com limpesa, mestria e commodidade em
pregos: bolo, pao-dc-lt, cangica, arroz de
leite, pirmides de oces d'ovos, vatap,
bandeijas para casamentos e baptisados, etc.
Recebem-se as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
idminittrafSo : PARIZ, 8, Boule/art) Montmartre.
GRANDE-GBTLI.E.- Air,'ct5p< lvmphatica, Doen-
Sudatn.'is Jifslvas,Obslrucr> jc| .fi^aJo dolalo,
bstrai-^o s vis-cr.-.es. ConcruoTt.; ciI-mIoms da biie.
HOPITAL. AIT.:ribs das vas i.-. (Tas, Inirnmiio-
dos da estomafo, Digeslao drtil, Ina|,pelcacia,
Gastralgias, Dy^pcpsia. .
CELESTINS. AHiH-';5e dos rins. da betia, Areias,
Coacre^M da i.urmas.Co'a, Diabetes, Albi:miDura.
HAUTERIVE. Affcccesdosrim.da beiiga. Amias,
ConcrcciesdasoDrioas.GjtaDaiicie-, Albaminaria.
EHJi-SE 0 m lia FOSIE Ea CAPSULA
Ea Pemmbuec, s Aguas das Fo.ilts de Vichy.
':ma nomi'adas, acho-se eD cssss de '
SLZEB & EOECHUN^S.msds Cruz;-Auj.LABILLE.
JC^^Attendite et vi-
dete! *
Josc Samuel Botelho avisa ao resp oitavelpu-
blico que aintla contina a fabricar bouquets e
bandeijas para casamento ou outro qualiuer acto,
assim como capetlas morruarias e perpetHB :
a tratar nos^ejmintes lugares : ra Aova n. 80,
loja de raiudezas ; ra do Cabug n. 3. segundo
andar e loja de selleiro ra da Cadeia n. 43.
Urgencia
Na ra do Caldereiro n. 7A. precisase de um
menino que seja fiel e par fazer compras; da-se
r oupi e bom ordenado.
A Pasta ilack (em
g certoes elegactiMi-
mis Je 8 (aboinba*)
6 um novo e mara-
vaso preparado
proporcionando oh
banho delicise
bjfienico. c urna
excellente aa^ia de
toncador.
Esta Fasta Mack
gdza de faina tai.
versal, aformosa e
snaTlsa a catis, o,
como refrescante,
supera todo cuanto
ce conhece at boje.
Vende se em toda*
as phannaeas, dro-
garas e perfumaras J
C5eo~fabricar.te-lc-.cntor: H.MACK, Clu sD.
'VKjiurios tn-Pei-namiiucp; Hila SciUCciCV
O Sr. acadmico Alexan-
dre Moura 6 rogado a procurar ra do
Imperador n. 39, urna encommenda chegeda da
Bahia, e nao o fazendo devolver-se-ha paraalli,
dndose a razo porque o mesmo senbor nao
procurou.
i ^LES i mh do CORA
tfingiaiTsicas-CirisQn LEBSS.tesai!iiuiMee4iNrieaifte
iaFEIM!DA.r3EC0B*CiPAl?!TACflr:SiaIYBB8HSIASKaSEi
tUZ SffJN. PUrmrirtWn fYrar nrii VH'iT rrimliiirtr. 11. im I Dfroctar.o re Ptmmmtvcz
t4li B4B40 O TIUWPU0..44
vapor.
IVoetidac.
Rodas d'agua.
J Taixas fundidas e batidas.
)h| Taixas batidas sem cravacao
Arados.
UM
Myrtol do Dr Linarix
Laureado pela Fuculdm* da Medicina da PariM.
O Myrtol Linarix apresenla-sa tobre a forma de Glbulos empregados com
o maior successo contra as
AFFECQE6 CHRONICAS DO PE'.ITO
Defluxos, Bronohites, Catarro, Asma, com oppresso o PalpitacSes.
Os GLBULOS de MYRTOL LINARIX tamao-se na dose de 6 pbr da :
ipela manha, 2 ao meio dia, 2 noute.
Todas as pesios que tamao os VERDADEIRCS GLBULOS DO
Dr LINARIX sao utumimtes em reconheeer que respiro mais fcilmente.
Exija-i os Verdadaire* Glbulos Linarix de Clin A O, de Pajuz
" que se encontrdo nos drogara! o na phmrmmcie:
>? alii*!?tlmr\,WUImniM,m,t ti g ffl i' til g.f
J nao lia Eepugnanci
i'aAi TOMaa o

m

lorosamittiU, doeaasm,
m)
'
<- : fe &rim\
tsdarn na.*.
Otajl- VL da SXZ.YA a FN(!A0 DE SIJOSEBRONZE
DE
LUIZ DA CRUZ MESQUJTA
66ra do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguinte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destallar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systema com esquecta go-rapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
Carapucas de cobre.
Taixas, taisos e caldeiras de cobre.
Boinbas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torne]ras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
RepartJdeiras, passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado
Cobre em lenjol e arruelas.
Sola ingleza e do Rio.
Cadinhos patente e^de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectos
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e obras de encommenda, garan
lindo presteza, perfeicao e precos mdicos, para o que tem pessoa! habilitado.
vwjjj a pras0 ou dinheiro com descont.
Jgs6.000 SotaO1
nraaMit
3EFLUXOS, TOSSE, INSOMNIA,]
CRISES NERVOSAS
TILO
XAROPE DO D" FORSET
^Ern toda u Pharmiciu do (/n/rano
Exija- o andereoo
ao lado.
<00,000 Doeates
corjai it
iONORRHEA, FLORES BRANCAS)
PEROAS SEMINAES,
C HA D LE i Debh-idade, EscotamENTO.at.:
NITRATO if
36
"o* Viv\e^e
9AR/S




i




Diario de PernambucoDoming-o 11 de Agosto de S89

j-
otica franceza
Hrua da Crin (Retire)
se de um oificial de pharmacia.
*ft*ftftftftfcft**ftft
Tratamento Retmnstituinte
ELIXIR DUCHAMPj
COM EXTRACTO
de Figtttlo de Itacalhu
Quina e Caci*
Cede, frasco ELIXIR conten o
principios depurativos
tnicos do um litro de oleo
da figado de bacalhu e
um litro dovinho de Quina.
Tem sobre o oleo de ]
1 figado de baualhu a van-J
' tagem de accelerar as j
' funccoea do estomagoj
' em lugar de ae perturbar, J
[ e da despertar o appetite. k

Este Medicamento, c br e gsto
moho agradaveis, obteve o rnelhor snc-
cesso em Franca para combater :
ANEMIA, CHLORSE,
AFFECQES os BRONCHIOS
e PULMES,
e a FRAQUEZA das CltytfCAS
Depsito gera] em PARS :
D u CEAMP, 15, ra do Poitou
Em Pernamtnco ;
maMra M. Hn SILVA jp C.
Precisa-sc de urna ama para engommar e fa
ta o mais servico de rasa de pequea familia
na ra Conde d'Eu n. 32, andar. _____
Ama
. Precisa-se de una ama
Oiifida n. 5i". i- andar.
na ra Mrquez de
Ama
Preesa-sc de urna ama que cosinlie bem e
durma em casa do patrio a tratar na ra do
Cabug n. 14, primeiro andar, de nieio da at 2
horas. ________
Ama

Precisa se de urna ama que seja boa cosinhei-
ra: na ra Vidal de Negreiros n. 130._____
Ama de cosinlia
Ko sitio d. 5 da estrada de Joio Fernandes
Vieira se predsi de urna eosinheira, prefere-se
a orna mulher qi e durma em sua casa.______
Aluga-se
a casan. 28, sita ra da Ventura, junto a pon-
le da Capuja, com bons commodos para gran-
de familia : trata se no sitio junto a mesma.
A Revoluc,ao de 48
.V raa Duque de Caxias u. 48
Em vista das muitas pechinchas que te-
mos recebido, viemos por meio d'eBte .cha-
ma/- a atteng2o dos nossos freguezes, pro-
vando ao mesmo tempo como vendemos
por menos 30 01 do que em outra qual-
quer casa.
Folardina, tecidos moderno, a 320 rs. o
covadb.
Organdis (fazenda de phantasia) a 400 rs.
o covado.
Nansuks muito finas de 120 e 240 rs. o
covado.
Merinos lisos e de quadro 200, 240 e
280 rs. o ccvjfo.
Cortes de linne cretones, todos os avia-
mentos, a 0*0, 8*000, 9,5000 e 105000
um.
Ricos cortes bordados em cartSo a 145000
Atoalhado para mesa, muito largo 15200,
e 15500 o metro.
Pannos de crochet para cadeira |a 500,
00, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet com palmas para noi-
vas a 55000, 05000, 75000 85000 e
95000 urna.
Cortinados bordados, muito finos a 65000
. o par.
Bramante liso e trancado de 4 larguras a
15000 o metro.
Bramante trancado de 2 larguras a 400 rs.
o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica a
55000 urna.
Saias bordadas, muito finas a 35000 urna.
Luvasde seda, lisas e arrendadas a 15000,
15500 e 25000 o par.
Seda alsacianas, novidade a 240 rs. o
covado.
Cretones claros e escuros "de 500 rs. por
320 rs. o covado.
Zefiros de quadres a 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Pechincha em camisas de meia a 15000'e
15209 urna.
Leque3 de penna, o que he de moderno a
450OO e 55000 urna.
Capellas com veos para noivas a 85000
urna. ,
FustSo de cores para palitot e caiga a
, 500 rs. o covado.
Brins ide linho, cores fixas e garantidas,
a 500 e G00 rs. o covado.
Cortes de velludo "^bordado a seda para
cellete a 25000 o covado.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
"45000 a.pe.
Bicos de' cures e h
MAIS BARAGO
Na Loja das Lislras zoes
A' BA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Vndese fazcudas finas mais barato e
d-se descont a quem comprar de 205000
para cima, troca-se as fiwendas vendidas,
se por qualquer motivo no or de muito
agrado par quem for comprada e vende
pelos seguintes presos:
Cachemiras lisas e com listas de
seda de lindas cores, a 15400.
Merinos de duas largaras, a 440 "o
800 rs., qualidade superior.
'Ftidos arrendados cor de creme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 400 e 500 rs.
Tecidos de linho, lindos padrSes
graddos, a 200 e 240 rs.
tiellros lisos e de quadro, a 80 1
100 rs.
Setlns de Maco branco, preto e de
todas as cres a 750 e 800 rs.
ttetins de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavradas brancas e de cores cla-
ras, a 15400.
Ciazes de seda com fios prateadoB a
15000.
^a"
A FLORIDA
I
Xl
uarue* barato

lina de S. Amaro n. li.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Ruada Boda ns. 38 e 60.
Ra Visconde de Itajarica n. 43, armazem.
Largo de S. Jos n. 71. 1
O 2. andar da ra do Bom Jcds n. 47.
A tratar roa do CoiBinercio.i). 5, i- andar
esCriptorio de Suva 'Guiruajaes \ C.
SKi
gtMau
Pf5* *5aLSRY Vende-se em t.da 1 Mrt
VENDAS
Vende-se urna boa armarao de amarelle.
propria para qualquer negoci, na ra 00 Ran
gel n. 6 ; a tratar na mesiua ra n
te-se as chaves.
21). Garan-
Vende se no caes do Hamos n. 4, urna ex-
celente machina a vapor de :t0 cavallos, urna-
bombas hvdrauli'-as de grande forra, um ferra
dQr, urna" (escura para cortar (landres, arcos,
etc., trilhos c carros Decauville, apropriados
para transporte de canna, Lombas d'agua^mo
e vapor.
ico a 15800 e 25000
115000 por 75000, a
Vende-se jdous pianos na
roa do Burtholorneu n.-67,
sobrado. ^
Muita atten^o

Ka na da Imperatriz n. 8 de felpos para fri a 6'K) rs.
tas a 500 rs.
vende-se sapatos
o par, e de crian
13 a luis
B
a peca.
Cambraia suissa
pcaa.
Collarinhos e pannos borracha a 15800.
Cobertai de ganga para cama de *tsal a
25800 urna.
Lencos de cores, imitarlo de seda a 15800
a duna.
Fichs de retroz, lisos e com palmas a
15000 um.
Madapolao americano com 1 metro de lar-
gura a 65000 a duzia.
Algodaotinno muito largo a 45000, 55000
e 65000a peca.
Redes francezos a 45000, 55000 e 65000
urna.
Palitots de seda palha a 85000 c cor de
chumbo a 10500 um.
Cortes de casera iras ingleza a 105000
um.
Cortes de fustao para collete a 15000 c
15600 um.
Cobertores de la com pequeo defeito a
25000, um.
Renda he=panhola larga a 25000 o covado.
Espartilhoa tinos a 45000 o 55000 um.
Roupa por medida, garante-se a perfei-
cao.
- S na Rtvolucao de 48
UENRIQLTE 1)ILVA MOREIRA
*850 rs. a libra!
PiiVa manfeiga ingleza
Carantda
Guimaraos & ValenJf*Corpo Sanjo n. 0'
Vende se urna loja de babus, bem afregueza-
da, garantindo-se a chavt da casa : a tratar na
ra Vidal de N'egieiros n. 4il.


Leitep
uro
Na estrada de Joo Ferhanops Vieira, sitio lo-
go depois das casas novas da direita, vende-sf
todos os dtas leite puro de vaccas tourinas
torra, garante-se a qualidade do leite.
et*
F0LP5TIM
DECAPITADA
POR
F. D BOISGOBEY
(Continua i; ii o do n,
IX
17 8)
Cavaroc nao tentou travar sobre aquello
ponto urna discUtsio medico-legal.
Estava ardendo para que Grisaille o
deixasse sahir e tinha tensao de avisar
Jonville, que vivia em afflicces, desde
que a pobre Helena se puzera debaixo da
sua proteegao.
Vanda mostrava-se animada e o capitSo,
para lhe demonstrar quo ja nao desconfiava
della, nao se foi embora sem lhe apertara
alo.
N2o se esqueceu tambem de agradecer
ae sargento Marchis, que responder por
elle, e despedio-se de Grisaille, assegu-
rando-lhe que ficaria disposicSo do juiz.
Na na Condorcet, Cavaroc encontrn
de sentinella o Mpora e a ordenanza, que
nao tiveram dqjMervir.
Chegado ca, dormio somno dos jus-
, tos, mas como < njptfiiario smpre que c
diabo faga dflaa^JpW'jnhou com Vanda
No Sena, um pouco abaixo dos tnoi:
nhos de Poissy, junto' de ,uma margen;
verdejante, estava ancorado um .bonito
barco de rec-reio ; um barco a vapor, co-
mo apparecum em Tronville e-em Dieppe
por occasiac bastante grande
para a^uentar o mar e calland para
poder '<-' em rios.
Pao centeio
Mello 4 Bisct, avisam ao respeitavel pubbco,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
boroso pao: ra larga do Rosario n. 40. ____
Vende-se
ama das memores tatemas ra Mrquez do
Herval, tem pouco capital ; a tratar ia mesma
ra n. 143 padaria Fz se qualquer negocio.
Descia bastantes vezes at o Havre para
cruzar no Mancha e acontecer-lhe algu-
mas vezes subir at Pariz, mas pouco se
demorava all.
Entre Triel e Poissy era o seu ancora-
donro preferido.
Os moradores ribeirinhos e os marinhei-
ros daquellas paragens conheciam-no per-
feitamente, mas nunca, tinham visto o pro-
prietario daquelle yacht luxuoso, cuja tri-
polaco ordinaria se compunha de poucos
homensinglezes, norueguenses ou rus-
S03, todos estrangeirosque fallavam ape-
COfInados de crochet, em pega, a
900 rs.
Cambralas bordadas brancas e de
cores, a 45000, a pega.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 165000, 185000 e 205000.
Veos para chapeo preto, branco e de
qualquer cor, a 15500.
Crep inglez para enfeitos de vestidt s
a 15200 e 25000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
' Cassas de cores finas
120 e 240 rs.
Mor di dellstras azues muito lar-
gos com 20 varas, a 65000, a pea.
argelins finos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Guardanapos superiores a 15800 e
25000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 15000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 15000, o metro
Toalhas acoiehoadas e felpudas com
listas de cor*, a 45000 e 65000,"a duzia
ticos braneos francezes, a 60G
e 800 rs., a pega.
Blcos finos, brancos, cremes e ma-
tisados, a 25000, a pega.
Baldas a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 rs.
I-uvas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 25000.
fleques de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 25000.
Leques de pennas o que ha de me-
ihor, a 55OOO e 65000.
Maboncte grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
Extractos finos francezes e ingleze3
a 15000 e 25uOO.
Despertadores americanos, a 75.
Hosquitciros americanos com ar
macjU) a 105000 e 125000.
Espartllhos americanos e inglezes,
a 45000, 55OOO c 65000.
Capas de vidrilho e rendas, a 255000
e 305000.
Toalhas de labvrlntho para bap-
tisado a 305000, 405000 e 505000.
E muitas fazendas qne se d por todo o
prego na.
Loja das Lislras zoes
Vmho puro de Santa-
rem
Da tininta de Itarral
Chegou a segunda rcmessa deste especial vi
oho para o armazem central de g"nero9,aumen-
acios ra do tbug n. 11, o qual se torna
recommendado por ser puro da uva.
Joaquim ChristovSo & C.
TelephoneIJ9
Galoes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda o de algodao com sen
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao,
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Benda hspanhola.
Collarinhos para homem a 35000 e 4500(
a duzia. .
Bordados de cambraia tapada a 400 500'
600 e 800rB.'a pega.
dem com 3 e 1 2 metros, de qual que
argura a 15200.
Lengos de linho em caixinhas a 35000 >
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 45000.
Lindos leques transparentes de gaze
35000 um.
Grande sortimento de porta-retractos dr
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45, 6f> *
85000 o par.
Ditas do phantasia, gosto moderno, d,-
25500 a 35000 o par. '
Cortinados todos de crochet para cama
125000, 175000 e 195000 o par, algunt
de cCres.
Ditos para janellas a 75000.
Panno de crochet para cadeiras a 800 ?
15000.
Ditos para sof a 25000. '
Plastons e regatas de gosto.
EspelhoB com tres palmos de comprimpnU
a 45OOO.
Capellas com veo para noiva a 65000
85000.
Lindos enxovaes baptisados a 85"' 105
125000.
Toucas de setim para' baptisado a 35, 45 *
55000.
Gnnalda3 e ramos de seda, o que ha <
inelhor.
Renda'hspanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a pega
Ditos de seda brancos e de .cores.
Lindos ramos de Afires'a 45000 um.
Collarjnhos e punhos eeRuloftle.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a dazia.
Extractos e leos de diversos fabricantes
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.'
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelina3 *
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 <
par.
Ditas de seda para creanga a 15000.
Dita para moca a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuario e consollos.
Lindos lengos de 3eda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos
Ditos ditos para enfeitar cabega e segura-
chapeo.
Espartilhos para creanga a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000
65000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 s
15500 um.
Estojo com faca, gario e eolher, propri*
para creanga.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de la para homens c senhoras.
Linha dourada para faser crochet.
Lindas fitas para facha a 2$, 35 c 4J0I
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim t
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagaiga,
Finas carteiras para algibeira de 15, 2/
3 e 35500 urna.
Roa Duque de Caxias n. 103
E' barat<
A UJJA AIS BARATBIHA
Ml.de fa-
que em ouu
Venham ao 55 ver como
zendas com 50 /0 mais barato
tra qualquer parte.
Cortes de cretone, combinagSo, ultima no-
a
PARZ FAMBRICA
AZEVEDO, IRMaO & C.
16^Ra do B. da Victoria16
vidade, a 550 200Telephme~200
Cachemiras, combinac3o com listas de seda
a 15400 ocovado.
Vestuarios de jersey-, ultimo gosto, a Ka
e125000
Amor da China, cousa chic, a 200 rs, o
covado.
Linons bordados com quadros, novidade,
a 800 rs. o covado,
Sctins, qualquer cor, a 800 rs.
Sargelins de todas as cores, a 200 rs. o
covado.
Merinos de cores a 500, 600 e 800 rs. o
covado.
Crinolines a 400 rs. o metro.
Vestuarios para baptisados, muito bonitos.
Guardanapos a 15600.
Cortinados para cama a 55500.
Sedinbas lavradas, o que ha de mais gosto.
Cambraia com salpicos a 45000 a pega.
Cortes de casemira para vestido a 255000
Renda da China a 200 e 240 rs.
Tecidos arrendados, a 400 e 500 rs.
Zefiros, grande variedade, a 160, 200 e
240 rs. o covado.
Bicos de cures a 35000 a pega.
Madapolao muito largo a 65000.
Luvas de seda a 25000, 255000 e 35000.
Mantil as pretas a 45500.
Cambraia Victoria a 25800.
Atoalhado bordado, lindos gostos, a 15000
o metro.
Grande sortimentos em toalhas de rosto.
Espartilhos com couraca a 45000, bfrffl) e
6500O.
Nunzucks a 240 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Cretones para coberta, muito bonitos a
500 rs. o covado.
Cambraia suissa, fina e muito boaita a
75000.
Babados e cntremeios grande sortimento c
barato.
Fichs de linho a 15000.
Ditos de seda a 45000.
Ditos de la a 1-5000,25000, 35000, 45000,
" 55000 e 'OOO.
Grande quantidade em tapetes pequeos e
grandes.
Cretones muito lindos a 400 rs. o covado.
Chitas brancas, escuras e. claias a 240,
280 e 320 rs. o covado-
Grande sortimento em colchas brancas c
de cores.
Objectos para homem :
Cortes de casemiras, finas, a 45O00, 65000
e 85000.
Ditas de casineta a 1550(1 e 25000.
Collarinhos de linho e algodao- a 45000 e
65000 a duzia.
Heias para homem de todas as cores e
brancas.
Casemiras de cOr a 25000, 35000 e 55000
o covado.
Ditas diagonal, lindos desenhos a 25, 35 e
c 45000.
Brim kdc linho de cor a 500 e 600 rs. o
cavado.
Cassinetas. grande sortimento, a 400 e
500 rs. o covado.
Bnns Angola, muito chiques e baratos.
Molesquins bons e bonitos.
Camisas de madapolao a 25000! '
Ditas ipglezas a 45500.
Ceroulas francezas a 15600.
Flanella azul a 15200 o covado.
Grande sortimento em lencos de algodao
e linho.
Camisas de cretone, cousa boa [c barata.
Alm de outros muitos objectos.
D-se amostras sem penhor a qualquer
pessoa.
55 Itua Buque de Casias 55
Fernandes Azevedo & C
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas <
quo ha de mais novo e prefos sem coas
potencia.
A saber ;
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etmines, pretos, de la e 12 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 15000 e 1520C.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 15500, com 1C
calatos.
Toalhas para bnho a 15000 e 15500-
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de l e seda 2 larguras a 15000.
Madapolao trangado a 95000 a pega.
Dito globo a 76000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a (3^000.
Fichs de 1S e sed .15000.
Brins de Iiaho coies Sises a 600.
Espartilhos couraca a 45000 e 55000.
Colchas de fustao a 25000 e 35000.
Cape'.Ias-para noiva com veo bordado a
65000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 1550C.
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama *
105000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias coui forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 15000.
Extracto Rita Sangal a 25000.
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
Guarnigocs, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hspanhola a 45060.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de so!.
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
E' barato
desciam trra
comprar provi-
nas o francez e que nao
scnSo raras vezes para
soes.
Na locaiidade estavam habituados a vl-o
apparecer e despparecer com intervallos
irregulares e se lhe nao dava atten-
g2o.
Tinha partido no fim de Fevereiro, ti-
nha voltado cm Margo, no dia de carnaval,
ia pr-se de novo a caminho, porque esta-
va fazeado vapor desde a vespera, espe-
rando sem duvida a chegada do dono.
Com a primavera comegam as excur-
Bes nuticas e provovelmente o dono ia
aproveitar o tempo, que estava soberbo,
para visitar .13 costas de Franga ou de In-
glaterra.
Tal era o prognostico dos pescadores
que vinham langar a rede abaixo de Poissy.
Mas desta vez or.ganaram-se.
O dono j, estava a bordo e tinha tengao
de ir muito mais longe do que ir as ilhas
Britannicas.
Naquella occasio acabava de almogar e
tinha um conviva abancado, como elle,
diante de urna garrafa de rhum, quasi
despejada e que tratavam de despejar in-
teiramente.
O dono era o homem" da ra Berton. O
seu conviva era esse personagem enyg-
matico, que tinta representado no drama
do atelie:' de Paulo Vitrac, um papel
inexplicado ; e :i o tal Caritides, que s
Vanda ccmheci.i bem.... e assim mes-
mo !...
Era quasi da mesma altura e tiqha quasi
mesma conU-iiccao que o suppostofion- a polica atrs de nos.
Farinha a 560 ris a cuia
S no larco do Mercado n. 12, Gomes Fcrreira
& C.
de Borodino. Parecia-se mesmo muito
com elle, mas era muito mais mogo.
Convereavam tranquilamente com os
cotovellos encostados mesa, emum gran-
de camarote que servia de sala no tomba-
dilho e r do yacht.
Conversavam em'grego e jnterrompiam-
se freqnentemente para puxar fumagas
dos longos cachimbos que tinham diantc
de si.
Urna conversa oriental, lenta e inter-
mitiente, qual nao falta va senao os tra-
jes.'
Estam ambos vestidos europea c nin*
gueai os tomara por compatriotas de Epa-
minondas.
E naquella occasiao pouco se oceupa-
vam com os destinos da Grecia moderna.
A tal .chalana custa a chegar, disse
Caritides.
Est aqui antes da noite ; rudo
quanto preciso, respondeu Borodino.
Partimos logo que a tomemos a,> reboque.
Com o risco de encalhar. Dapois
do sol posto a navegagSo do Sena nao
fcil. r
Ah! nos caminhamos devagarinho.
De dia recuperaremos o tempo perdido.
Em quarenta e oito horas estamos no Ha-
vre. Paramos no porto para transbordar.
Urna vez que tenhamos embarcado a nossa
mercadera viva, largamos a chalana e des-
eemos o Mancha a todo o vapor. Daqui a
urna duzia de dias ancoramos no Bophos-
ro em frente io kiosque Rousten-Pacha.
Sim, se nao encontrarmos mo tem-
po no golpho de Gasconha.
bao podia retardar-nos, mas nao nos
impedia de ciiegar- O yacht aguenta ad-
miravelmente o mar.
Ah .' i u sui aelfeitamente que clL-
nao vai ao l'unJu camente a tua mer-
cadura ehegar" en mo estado. Urna
Pariziensc... aqitillo deve por forga cn-
joar. Mas sso J comtigo. Eu nao
fago negocios coin o Rousten. E' o mes-
mo !... A fantasa que elle teve, ia-te cus-
tando caro e a mim tambem. Se nao ti-
vesses roubado aquella moga, nao feriamos
Stoyal Bleod marca YL4D0
Este cxcelfento Whisky Escocez pre-
fcrivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corno.
Vende-se a rctalho nos melkores arma-
zensde molhados. '
Pede Roya! Blend marca Vlado,
cujo nomo e emblema sao registrados pare
todo Brasil.
BROWNS & C, agytes.
Agora nao o tornava a jRer. Dci-
xei-me tentar pela occasiao. Nunca teri.
encontrado outra rnelhor, para executar a
encommenda do maluco do/Rousten.
E' verdade, maluco e archi-maluco,
em quurer metter em seu harem urna cos-
tureira de Pariz... urna costureira de jui-
zo..r E' um cumulo e aconseihote de lhe
vender esta sem gaantia... Mas persis-
to em pensar que fikeste mal de te encar-
regar da commissao. Corre-se muito pc-
rigo.
Rousten paga na proporgao c ha me-
nos perigo do que matar a mulher. O te-
res coriada a cabega tua c que nao te
rende nada.
Entao nao das nenhum valor aopra-
zer dos deuses... a viuganga E depois
ella incommodava-me... Desde que eu sou-
be que ella tinha um amante, nao estava
socegado. Bastava ella contar-lhe o que
sabia da minha historia eda tua. Eva pre-
ciso acabar com ella. fe t
Se te contentasses em suppriinir,
ninguem se inquietava cora--ella; mas
imaginaste aquella enscenagSr da cabeg
cortada... Era mesmo tentar o fliab !
-- E' verdade, eu tinha odio a Vitrac
e depois aquillo era t3o d vertido e tilo
bem combinado! A irmSsinha que eu
mandei virde Vicnea para.que atomassem
pela outra e a idea de a Uzer pasear por
muda !...
Tudo sso era complicado do mais e
fiz mal em me prestar a sso. V6s em que
estado estamos'r' PVK^
Ura adeos hivonos de nos safar.
Eu j estava tarto da Franga. Eu s la-
mento urna cousa : nao levarmos Hele*
na. Vale mais do* que a irm. Eu guar-
dava-a de boa vontaue para mira. Como
diabo a deixaste tu-escapar ?
Foi aquel c de juiz que a
deixou ir embora. u afe tinha tempo
de eorrer atrs della.' 9KeVque me ram
prender e sena preso; se fieasse cm casa.
Alm disso tu pi'>d-;s consoiar-to. IIelena<
nao quera nada comtigo.
Eu que a nao consultava. Em to-
Farello superior
Seeo de 42 kilos
Vcnde-se em ptima saccaria, por preco sem
competencia : no trapiche da Companliia, largo
do Corpo Santo n. 19.
Mobifias austracas
Vendem se mobilias completad e pecas avul-
sas, de dilTerantcs modellos e cores. Igualmen-
te \endem-se camas de ferro para solteiros, ca-
sados e meninos, e bem assim cofres de ferro
de diversos fabricantes e taannos, por precos
commodos na ra Mrquez de Olinda n. 'i.
do o-caso, tudo bem considerado, era rne-
lhor suppriml-a, porque ella fallava.
-iJ Nao duvdo. Felizmente estaremos
lonft. Nao receio a polica. E' tao es-
tupida que nunca desconfiar da pega que
lhe preguci. Nao receio senao o pai da
costureira. Aquillo um velho'damnado
que vai mecher co e trra para tornar a
apanhar a neta... e eu n3o te contei que
elle me reconheceu ?
Entao onde te vio elle ?
Durante a guerra da Crimea, quan-
do cu commandava o meu brigue... e
foi culpa sua se nio ii enforcado em
Thermia .. Elle estava em um navio fran-
cez que nos tomn de abordagem... foi
elle quem rae 'deu* &'dpe de espada de
que tenho aind q ignal... e se eu nao ti-
vesse fgido a nado...
Mas fugistt e elle nao o recomeca.
J est muito velbo & o deve ser mais
hbil do que a polica desta trra.
E' provvel, mas tem comsigo o na-
; morado da neta... um discpulo de Vitrac,
que estava l qundo tu levaste o sacco.
Decididamente estamos infelizes...
Mas esse nao te reconheceu ?
Nao... nao creio... estavamos tao bem
dsfargados, eu em frade e tu em carrega-
dor do mercado!... Entretanto no caf
Americano aquellas dmis convidados de
Vitrac repararan- e:u nos.- E' verdade
que um dclles tinhtf-me visto muitas ve-
zes -passar de c>rtaaKuu> com Irene, antea,
da irmii cl.'egaf a Pariz. E no da se
;iva c.iai Helena, quando osj
encoatrein > i i -: liilonha. ApartfK
o golpe torga de audacia, contando lHe'e^E
Cal de Lisboa
a 71000
Vendem Lopes & Arauj
Ra do Livramento
_______n. 38._______
Cofres de ferro
Carlos Sindcn tem para vender cofres i
superior qualidade mais barato do quj
em outra qualquer parte, /
Victoria1
4KJifa Bario da
Veade se
en ve misada
loja.
Armarao
urna bonita armario de a
; a tralar na ra do llosp
Casa
Vende-se urna casa terrea com bons commo-
dos, em soio proprio, na ra Vidal de >'egreiros
n. 110; a tratar na mesma rus n. 34.
de mosaico
importador ra Mar-
Ladrilhos
Vende-se no armazem
quez de Olinda n. 54.
meu modo
sobria
eu talla'
feitamen
elia os tor
a impedir
allem
juiz fo
y historia da minha pretondBw
o comprehendeu porque
aeez e represeutou per-;
bu papel de muda... mas se
a ver, j nao estarei lpara
^Sjareliar em grego ou ev
Illa coraegou no gabinete O^R
boa pega que eu preparci hontem noite
antes de sahir de Pariz.
A quem ?
A amiga de Vitrac. Tu sabes...
aquella rapariga que eu tinlia tomado pars.
me vingar delle, esperando cousa rnelhor.
Urna grandissima imprudencia, sem
pre t'o disse.
Ora adeus tambem ella n2o me re-
conheceu no baile e n3o conhecia minha
mulher. Pois bem, encontrei meios de
lhe passar o cadver. Recordas te da exe-
cugao no teu jardim, na vespera da che-
gada de Helena ?
Tenho bastantes razoes para me re-
cordar, dsse por eutre dentes Borodino ;
ajudei-te e se tivesse podido prever as
consequencias...
Ajudavas-me do mesmo modo. Ire-
ne incommodava-ioe, mas incommodava-te
tambem e quando te expliquei o meu pla-
no, nao fizeste a menor objeegao. A' tar-
dinha tu conduziste minha mulher ao fim
do terrago, a pretexto de lhe mostrar urnas
flores novas. Eu esperava-a escondido
atrs de urna grande arvore e quando ella
so abaixava para as ver, deeapitei-a de
um s golpe com o velho sabr que trou-
xe na minha ultima viagem ao Tehern.
E posso me gibar que fiz rpidamente a
openoSo.
Nunca fiz rnelhor, quando era mogo.
Nao esqatccste t&mbem que sem per-
der tempo, mettemos a cabega em um
sacco.cheio de fariuha c o corpo n em
nina caixa que eu tinha mandado fazer
^^Hpfemcnte. Levamol-a com o sacco
>up6 grande em que tu peame
uzeste os pavallos e que conduzi a Clig-

I
m

ha: da culpa.
O que?ios devianwB ter feito, era cor-
tar lhe a lingua, resmungou Cirf|side.s, mas
j nVW.trntrHr' r>":-- i contar-te

nttcoart. Tinha alugado all, em urna ra
deserta, un pateo e um telheiro, onde
guardamos es^nessos dous embrulhos. Tu
las a meu, lado' na almofada do coup e
ajudaste-mo, a degcarregal-os. Voltamos
ao telheiro no> dia.' seguinte, pelameia-
tu em frade e
a l posto os
\tinuarse-ha)
eu em
Typ. do Diario r
de caxias. n. 42





Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV223K66B_UH97T1 INGEST_TIME 2014-05-28T01:58:27Z PACKAGE AA00011611_16927
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES