Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16919

Full Text
ANfO LXY NUMERO 172
a-- rWMMMpMgeiJgii^P^MiMM^Bg"
PARA A CAPITAL K LIGARES OSIDB MAO E PAA PORTE
Por tres mezes adiantados............... 60000
Por seis ditos idera...... ........ 120000
Por um anno idem ,. .......... 230000
Cada numero avulso, do mesmo DIARIO
_______ SEXT-FBIRA 2 DE AGOSTO PE 1889
PARA DENTRO E PORA DA PROTHVCIA
P5t seis mese adiantados ...... j........ 13)950'
Por'Shove ditos idem................
Por um anno idem................. 260000
Cada numero avulso, de diaa anteriores .."..... 0100
PERNAMBUCO
Tropriedade de Mancel 3%gitrca de acera # fttycs
T
TELEGRAMAS
acompanhado por diversos vasos da es-
Iquadra allemS.
O estado do cardeal Lavigerie apresen-
l ta ama ligeira melhora.
Agencia Havas, filial cm Pernambuco.,
1 de Agosto de 1889.
RIO DE JANEIRO, 1 de Agosto, s 3
koras e 35 minutos da tarde.
Foi nomeado profcssor da Companhiv
de Aprendizes Marinheiros do Arsenal do
MarinJia de Pernambuco, Jbaquini Sotfo
W
'*
l
SESVIJO SA A&ESCIA WU
WILHEMSHAPEN, 31 de Julho.
S. M. o Imperador Guilherme II acaba
de embarcar para a Inglaterra, aonde vai
visitar S. M. a Rain lia Victoria.
LUCERNA, 31 de Julho.
As HH*L,.r
INTIGAS K MODERNAS
AS
Sriencias. industrias e artes
POR
(ContinuacSo)
XXI
Porot arleslanm
Chaniam-se poros artesianos os buracos de
sonda verticaes praticados no solo, e pelos quaes
as aguas situadas a certa profuodidade, sobem
superficie da trra e jorram s vezes a grande
altura.
|i,0 uso da sonda para se procurarem as aguas i
S. M. o Imperador da Allemanha seguio artesianas remonta a raaior antiguidade. A Sy-1

t
\
B
ra, o Egypto, os oasis'da antiga- sorra lybica,
apresTitam certo numero de pocos feitos por
este processo. Olympiodoro, que vifiaeni Ale-
xandria no serillo VI, diz que nos oasis exiteni
pocos de trezentas, e ate qumlunlas' varas de
fundura e lancam nos a superficie do. solo.
Desde tempo immemonavel praticnm a perfu-
rarao de fontes repuxantes os chiuezes. aquelle
pavo cslranho, que sepultado'o mysterio e si
iencio do seu isolamento, reivindica to grande
parte de lodos os grandes descobrimfntos do es-
pirito humano, Na provincia dUton^'-kiao, sobre
urna exteoso de dez legoas de comprido e qua-
MPL 8ido con
Para furar pogos to fundos, usam os chinezw
de um apparelhp de percusso, que nao conbe-
cenios anda bem. Sabe-se smenle qe a prin-
cipal peca um cylindro acanellado de ierro
coado, do peso de um a tres quintaes e preso
por tima corda a um eixo horisontal apoiado no
solo. A este instrumento chamara carneiro. -Fa-
zem-na dancar no fundo do poco, como mo de
almofariz, fazendo curvar por seu peso e depois
endireitar-se o grande eixo inclinado a que est
suspenso.
Na Europa desde o comeeo dos tempos moder-
nos, vemos que sCusaram "pocos artesianos no
norte da Italia. As armas da cidade de Modena
sSo dous trados de tonta neiro com esta epigra-
phe : Avia pervia. A mais antiga obra em que
se acbanr lguns dados certos sobre o emprego
da sondp para turar pocos, 6 a que publicou em
1691 Bertladini Ramazzini.professor no lyceu de
medicina de Modeua. (Contina)
^i^ i
PARTE 0FF1C1AL
Governo da Provincia
LE N. 1017
Baro de Caiar, bacharel em sciencias jurdicas e sociaes pela
Academia de Olinda e Vice-Presidente da Provincia de Per-
nambuco :
Faro saber a todos os seus habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincial, sob proposta da Cmara Municipal da villa de
Panellas. decretou e au mandei publicar a resolugo seguinte :
Rega lamento do Cemicriu Publico"da Illa de
Pun<-ll* municipio do mismo mimo
CAPITULO I
DO I K M I T E 11 I "
Art. 1. O Cemilerio fundado pela Cmara Municipal em ter-
reno proprio, na monlanlia por traz da matriz d'esta villa, des-
tinado sepultura dos cadveres de pessoas fallecidas nesta mes-
na villa e seus suburbios.
Art. 2 Fica expresamente prohibido o cnlerramonto de ca-
dveres no Cemiterio ora existente ou em outro lugar que nao
seja no Cemiterio Publico, sob pena de 305 de multa a quem der a
iicenca ou a quem por si o fizer.
Art. 3 Pertence s e exclusivamente a fiscalisago e direc-
co do Cemiterio Cmara Muoicipal, bem como a nomearSo cxonerar.o dos seus empregados.
CAt'ITLLO II
DO PESSOAL
Art. 4. O Cemiterio d'esta villa ter na administrador e um
guarda.
Art. o. NSo sendo presentemente conhecida a renaa do Ce-
niterio, o administrador c o guarda percebero, aquello 40 e este
10 % do que arrecadar m.
Art. 6\ Ao administrador compete* .
J I* A rliropco immediata do Cemiterio. conservando em
boa guarda o archivo do mesmo.
2. Prestar no lim de cada trimestre suas contas peante a
amara, apresentando raappas estalisticos das pessoas sepultadas
no Cemiterio, com as declaracoes dos nomes, idade, sexo, profis-
sao, estado, cor, naturalidade, molestia, c o numero da sepul-
tura.
8 3.* Passar as cerlides que Ihe forem ordenadas pela C-
mara Municipal, autoridades policiacs, indiciaras e a requeri-
mento das partes, pagando estas 14 de emolumentos.
| 4.* Laucar no livro do3 inventarios a relaco de todos os
livros, movis e mais objectos pcrlencentes ao ceder a termo de consummo dos que se estragaren!.
5. Preparar as contas das despezas ordinariase extraordi-
narias do mesmo eslabelecimento, para serem pagas pelo procu-
rador da Cmara, procedendo d'esta as ordens necessarias.
$ 6. Communicar Cnm todas as infraegoes d'este regu-
iamento, propondo as medidas que se devam tomar para regula-
ridade do servigo do Cemiterio.
S ". Inspeccionar as tbras que se uouverem de fazer, afim
de que sejam de accordo com os planos approvados pela Cmara,
ficando esponsavel por qualquer usurpacao ao terreno perten-
cente ao Cemiterio. ..
8." Abrir em livro competente os termos de bitos.
g 9." Permanecer no Cemiterio de 9 horas s doze da manh
c das 3 nora3 as 6 da tarde, tempo determinado para o enterra-
mento dos cadveres.
$ 10. Fornecer urna guia aos encarregados dos cnterros e
receber d'elles a importancia estipulada.
| 11.* Franquear a capella e guisamentos indispensaveis a
qualquer sacerdole que qaeira all celebrar.
J 12 Cuidar do asseio e decencia da capella, commumcaado
Cmara suas necessidades para que ella as satisfar.
| 13.' Assislir s exhumacOcs para trasladacao dos restos
mortaes, a requerimen'.o das pessoas interessadas, reeebendo por
cada urna 500 ris e gratuitamente as que forem ordenados pelas
autoridades oti pela Cmara Municipal.
Ji 14." Indicar ao coveiro os lugares em que devem ser se-
pultados os cadveres recebidos.
$ 15. Fazer com que o Cemiterio guarde a maior regimnda-
de e asseio, fazendo com que o coreiro, que ser o meamo barda.
traga sempre lirapo e preparado.
16. Fazer com que sejam respeitadas as sepulturas e re-
gular a plantaco de arvores proprias ou de flores, de maneira a
nao alterar o plano do Cemiterio.
| 17. Fazer assignar mensalmente a folha dos empregados
para serem pagas pelo procurador da Cmara.
Art. 7. No caso de molestia ou outro impedimento, sera o
administrador substituido pelo procurador da Cmara.
DO r.r.'.Rn v
Art. 8. Ao guarda compete : .
g l. Abrir e fechar o estabeleciraento s horas indicada.
n'este regulamento.
f 2." Cumprir as ordens do administrador.
f 3 Servir de coveiro as jnliumagoes e exbumaces do
cadveres.
I 4. Conservar o Cemiterio com todo o asseio possvei.
I 5." Langar no verso das gu:as dos cadveres os numero
das sepulturas em que foram inhumados, entregando ao adminis-
trador no h'ni de cada dia. .
{ 6 Plantar arvores e flores nos lugares indicados pelo ad-
ministrador, para cujo serviro haver tantos serventes quanton
a Cmara delerminar. ., .
| 7.' Nao permitlir a entrada de cadveres no Cemiterio,
sem que Ihe seja apresentada a guia do administrador ou ordeni
)r escripto das autoridades pohciaes c attestado do parqcno di
eguezia.
S 8. Abrir e fechar sepultura nos lugares que Ihe forem, in-
dicados pelo administrador c n'ellas inhumar es cadveres ou re-
eolhel os s catacumbas, depois de abertas por pessoa competente
me as fechou.
S 9. Fazer todo servigo inherente s sepulturas e o mais qu'
Ihe for ordenado peh administrador, de conformidade com estJ
regulamento.
i 10. Teadob soa guarda e respon?abilidadc toda erramenta
t utensilios do cemiterio, velando sob sua couservago e nao os
podento emprestar.
CAPITULO III
DASSBPILTinAS
9. Os lugares onde 3e devem faw>r os enterraraentcs
Art.
ero :
i '
i 2-
i
Sepultura commuus.
Catacumbas
Tmulos perpetuiJade.
Art. 10. As sepulturas communs sero divididas era forma de
ras onde sero plantadas pequeas arvores, de maneira a nao
permitlir se confundara, deveruta as sepulturas ser indicadas por
urna pequea cruz de madefra, onde se cscrever o numero c!e
cada urna.
Art. H. As catacumbas sero edificada nos lado ou encostoe
dp emiterio em dttfcs ordens, urna sobre outra, podendo tambem
haver outras duas ordens em frente a estas em liabas parallelas,
sendo todas numeradas.
Art. 12. Nao ser permittido cnterrar-se as mesmas cata-
cumbas cadveres, sem que tcnbam passado para os adultos 24
mezes e para as criangas'menores de 8 annos, 16 mezes, marcado
o mesmo prazo quando o enterramenlo for em sepultura commum,
e antes d'este prazo smente por ordem das autoridades policiaes e
judiciaes.
Art. 13. As catacumbas podero servir de deposito aos cada-
veres que tenham de ser inhumados cm sepulturas consideradas
perpetuidade c mesmo assim s se far transferencia depois de
completo o tempo de qu trata o artigo 12.
Art. 14. Se passados 3 mezes, depois do tempo estabelecido
no artigo 12, nao forem reclamados os restos mortaes, o adminis-
trador mandar proceder exhumago c levar a lugar destinado
os ossos que sero recolhidos. ,
Art. 15. O terreno para urna sepultura ter de comprimeoto 2
metros e de largura 80 centmetros.
Art. 16. As pessoas que obtiverem sepulturas perpetuidade
podero sobre ellas mandar construir mausoleos, catacumbas e
carneiros para si c suas familias, sujeitando previamente os planos
e desenhos approvagSo da Cmara.
Art. 17. Nao poder ser negociado ou cedido o terreno assim
obtido, mas reverter Cmara no cao de fallecer o concessiooa-
rio se.ni herdeiro legitimo.
Art. 18. Os cadveres dos acatboticos sero iodistinctamente
sepultados no cemiterio, prescindiado se a seu respeito das forma-
lidades do rito catholico.
Art. 19. A iabumago cm catacumbas da Cmara custar 20*
e metade para menores de 8 annos ; a inhumago em sepultura
perpetua 504; em sepultura commum 134 e metade d'esta quan-
tia para menores de 8 anuos: e se for sepultura em carneiro, ca-
tacumba ou mausoleo 34, alera do prego da sepultura perpetua.
Art. 20. As cencessoes para sepultura A perpwuijate heti-
taria nao poJeriio comprehender mais terrino do que o destinado
fiara duas-**pu!turas ; todo ierranconcedido dever t a*sifna-
ado pelos coocessionarios, podendo levantar mausoleos e con-
struir carneiros e catacumbas com a solidez que aprouveraos con-
cessionarios, nao podendo estes ceder ou negociar, sob qualquer
pretexto, o terreno assim obtido para sepulturas.
Art. 21. Logo que o cadver ebegar ao cemiterio e terminada
a ceremonia, a pessoa cncarregada do servigo fnebre entregar o
cadver ao guarda, nao podendo este retirar-se sem que esteja a
inhumago concluida; o transporte do cadver Capella e sepul-
tura ser feito pelos parentes e amigos do fallecido.
Art. 22. Fica lis re aos encarregados dos enterras mandarem
sepultar os cadveres em caixoes de madeira.
Art. 23. Em tempo du epidemia contagiosa a Cmara Munici-
pal designar a parte do terreno em que possam ser sepultados
os cadveres nao o sendo em catacumbas.
Art. 24 Sero sepultados gratis as catacumbas da Cmara,
os religiosos mendicantes, os sacerdotes pobres e o de reconheci-
das virtudes cvico-religiosas.
Art. 25. as sepulturas commuus os indigentes reconliecidos
Eor attestado do delegado, subdelegado de polica c do parocho da
reguezia.
Arl. 26. E permittido a qualquer individuo, irmandade ou
contraria a coostruego de catacumbas, carneiro ou mausoleos
para n'elles serem sepultados os cadveres dos irmos e parentes
que fallecerem.
Art. 27. As concessocs s corporagOes serojeitas por valor
de 10 por cento de 2bate s deraais concedidas.
Art. 28. E' prohibido qualquer trabalho dentro do cemiterio,
que nao seja na con^truego de catacumbas, mausoleos e memo-
rias mandadas erigir para deposito de ossos, e isto ser feito sob
as vistas do administrador.
Art. 29. Xenhuma inscripeo ser feita ou collocada sobre as
catacumbas, mausoleos e rruzes, sem que seja examinada pelo
administrador.
Art. 30. Sempre que houver recurso, a cmara ma-.dar o
parocho da freguezia ou outro sacerdote celebrar na capella do ce-
miterio missalpelas almas dosjque esto all sepultados, percebendo
de offerta 24000 pagos|pela camara.'deveodo servir a mesraa capella
para os oicios divinos, e de deposito dos cadveres antes de
serem sepultados.
Art. 31. Sempre que houver de construir catacumbas, carnei-
ros, mansolos.e sepulturas, haver o maior cuidado, para que nao
se altere a planta de cemiterio e que se observen! as regras
hygienicas.
Art. 32. As despezas das inhumages com peaVeiros e serven-
tes correro por conla do encarregado do funeral.
capilulo rv
DAS MEDIDAS POUCUF.
Art. 33- N'enhnm cadver, ser sepultado antes de 24 horas
depois do fallecimento, salvo se tiver suecumbido a algutaa mo-
lestia epidmica ou contagiosa.
Art. 34. Os assentamentos dos bitos das pessoa* deverao
conler o nomes, naturalidades, idade, sexo, cor, horas do falle-
rimento.e a causa da raorte.
ArL 35- 0 publico ter entrada franca no cemiterio, as no-
ras designadas no 9* do arl. 6* deste regulamento.
Art. 36. E' prohibido fazer do cemiterio lugar de recreio,
fumar e entrar n'elle de chapeo na cabega.
Arl. 37. As pessoas que nao se comportarem com respeito no
cemiterio poderiio ser expulsas pelo administrador.
Art. 38 As exhuruages ordinarias sero feitas de autoriuade
do administrador ou a cuidado dos parentes do fallecido com auto-
risaco do mesmo e nest caso toda e qualquer despeza ficar a
cargo dos interessados.
CAPITULO V
DA CAPELLA
Art. 39. Havera no cemiterio desla viila urna capella, sob a
invocogo de Nossa Scnliora da Conceigo, na qual se poderSo fa-
zer todos es suffragios pelo repoa30 eterno do* que forem all
sepultados.
Art. 40. Todos os anuos no dia 1 deNovembro, a expensas da
Cmara Municipaljse celebraro na capella missas pelas almas dos
que esto all sepultados.
CAPITULO VI
dispocSrs diversas
Art. 41 A Cmara Muuicipal tica pertencenJo a inspeccio e
meihoraraenlo, Picando obrigado a mandar construir todos es an-
nos seis catacumbas, as qua's reunitas coa as existentes comple-
te o numero de cincoenta catacumbas; foroecendo tambera ao cs-
tabelecioieuto todos 03 objeclos neceasarios para o servigo do
mesmo
Art. 42. Organisar annualmente o orgamento da receita e
despeza do cemiterio para ser submeltido aapprovago.da Assem-
bla Provincial.
Art. 43. Para que seja feita a inhumago de qualquer cada-
ver, dever o encarregado ilo funeral paitar ao administrador a
quanlia estipulada neste regula.uento,"recebando dellu una guia
extrahida de ura talo.
Art. 44. No lim de ca'ia trimestre o administrador prestar
contas Cmara Muuicipa da receita e despeza.
Art, 45 A renda arrecadada, inclusive s multas, ter appli-
k} especial manteigo do estabelecimento e seu melhora-
Art. 46. Por occ^sio da chegadado cadver ao cemiterio,
Iministrador dar um dobre gratis no sino d cemiterio ou
Roe, se franjo,-se poremo encarregado do funeral exigir
8 aquello numero, pagar ao administrador por cada dobre
tfwpique 500 ris, no excedendo de quatro dqbrcslou repiques,
W'usive o gratis. .
Arl. 47 A cama'a fornecer ao eslabelecimeoto'livros de ta-
, sendo um para o assentamento dos bitos e outro para o iim
rao
iue trata o S
4-do art. 5 deste regulamento.
os qiaes sera
presidente
i
Jos^n tunera dos, rubricados e encerrados
BfiuvririBdfllMAAJldiPin i s I ra d o r
a, dever reeatitrera[pessoa i
^Ke saiba perfeitamente e?crever.
-Art. 49. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Mando< portante, a todas as autoridadades, a quem o conheci-
mento. e execugo da presente resolugo pertencer, que a cum-
pram- c fegam curajirir to inteiramente como nella se contm.
. 0 secretario da wesideocia desta provincia a faga impri-
t, publicar e correr. w
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 11 de Junho de 1889,
" da Independencia c do Imperio.
L. 8. Uarao de Caiar
Sellada e publicada a presente resolugo nesta secretaria da
Bncia de i'ernarabuccHaos 11 de Junho de 1889
0 secretario,
Francisco L. Marinho de Sonsa.
LE N. 2,018
Baro de Caiar, Bacharel em sciencias jurdicas e sociaes
pa Academia de' Olinda e 1 vice-presidente d provincia de
rnambuco :
Fago saber a todos 03 seus habitantes que a Assembla Le-
slativa Provincial, eob proposta da Cmara Municipal da villa da
J_a, decretou c eu mandei publicar a resolugo seguinte :
< <>ilico de postura*
TITULO I
Art. 1 A Cmara Municipal da villa da Pedra, para o bom
iesempenho de seus deveres, e de conformidade com a lei de i"
" (Outubro de 1828 ter os seguintes empregados :
' i. Um secretario.
2. Ura porteiro.
-3. Ura procurador.
j 4. Dous scaes, sendo ura do 1 districto desta villa e outro
12 districto de Santo Antonio
15. Um aferidor.
j 6." Um cordeador.
*Art. 2. Ao secretario, ao porteiro, procurador e aos Ii3caes,
competem as attribuiges marcadas co titule 5 da citada lei de
* de Oulubro de 1828 desde o art. 79 at 86 1.
' Art. 3." Ao aferidor compete-lhe fazer a aferigo dos pe30S e
medidas do municipio, de accordo com osystema-metrico adopta-
dora provincia c quaesquer disposigdes em vigor.
Art. 4." ao cordeador, que ser o fiscal do 1' districto da
vilfr, incumbe o seguinte :
5 I.* Fazer os necessarios alinharaentos antes que se d co-
me a qualquer edificio que nesta villa e povoagoes de seu muni-
cipb se quizerditicar, em virtudc de licenga da Cmara, perec-
beodo Jo dono da obra 500 ris pelo alinharaento
5 2 Observar e cumprir exactamente os preceitos sy mtri-
cos regulares dos edificios.
3. Informar os requerimentos de licenpas para edilicag5es
e r?coi8trucc0es dos edificios.
5 '), O cordeador rica sujeito multa de 64000 quando for
coivt"icido de omisso no cumpnmcnto de seus deveres e ser
obliga lo a indemnisar parte os prejuizos que Ihe causar com o
ODitleamento irregular que Ihe tenna dado. .
Art. 6." Os fiscacs, alm das attribuiges que ibes confere a
reftrida lei de 1' de Outubro de 1828, devero :
i I.* Visitar o agnugacs pelas 6- horas da manbS e pelas *
tOtkt da Urdo* o matdouro publico, assim como as casas, de
rorreado e qualquer outro esUtelecmento, qw possa lofcressar
"J^de publica, afim "de providenciar contra os ubulak.atu
lidos.
Impor multa aos contraveatores destas posturas, de con-
formidade com o que se acha nellas estabelecido.
| 3. Aprcsentar Cmara Municipal em todas as sesses or-
dinarias ura relatorio circumstanciado em que dar conta da ts-
ealisegao de seu districto e das multas que houver imposto ; po-
dendo prapor Cmara as medidas que achar conveniente.
- S 4. Fazer correigo dentro da villa e no districto de sua ju-
risdicgSo todas as vezes quejulgar conveniente, sendo esta pre-
viamente annunciada por editaes e nunca menos de quatro vezes
por anno, afim de verihearem se sao observadas as postudas mu-
nicipaes.
4." Fazer correigo as estradas de seus districtos no raez
de Julho de cada anno" para verificar se esto devidamente aber-
tas, sendo pela falta de cumprimento de dever, multado na quan-
tia de IOO'jO ; sendo esta multa imposta pela Cmara e arreca-
deda pelo respectivo procurador.
Art. 7." 0 porteiro alm das obrigaroes que Ihe sao impos-
tas pela lei geral, ser mais obrigado ao seguinte :
1." Varrer a sala da Cmara e acceal-a todas as vezes que
nella houver trabalho.
g 2. Collocar-sc, durante as sesses da Cmara, junto porta
dosa'lSo para fallar s partes e receber dellas as petigoes c outras
papis e dar-Ibes o devido destino.
. 3.* Acompanhr o fiscal da villa nas diligencias quando este
julgar necessano, cumprindo o que fur por este ordenado.
Art. 8. O porteiro pela fata compromettida ser advertido,
suspenso, ou demittido a juizo da Cmara.
Art. 9. Os ordeuados dos empregados da Cmara Municipal
sero marcados annualmente no respectivo orgamento.
Att. 10. O procurador da Cmara nao far pagameuto e nem
despeta, que nao esti'ja autorisada pelo orgamento, ou nao for
ordenada pela Cmara, sob pena de Ihe ser levada em conta
TITULO II
DAS POSTURAS MUSICIPABS
Prtmeira teccao
Das construegoes
Art. H. Nas edificagOes e reedificaces de casas sitas nesta
villa e povoagoes de seu termo, se observaro as seguintes con-
diges :
i. As casas terreas nao tero menos de tres metros de al-
tura, da soleira ao frechal, isto cm relagSo s frentes das mesmas.
J 2. Quando a reedilicago for na frente do edificio dever a
mesma frente recuar ou sabir no sentido do alinliamento da ra.
3.* As portas das casas tero dous metros de altura, e as
janellas symetricamenle asseutada3, devendo todas tgr um me-
tro de largura. ...
g 4." Os claros e ombreiras sero loda3 de conformidade com
a largura. .
5. As calgadas tero um metro de largura e sero feitas de
I prdra ou tijollo cora cal.
8 6. As casas que se houver de construir ou reedificar deve-
ro ter a3 frentes levantadas cora tijollo ou pedra e cal, ser arre-
matadas em cornija.
g 7.* Todas as casas de esquina, que segurem para a outra
ra, terao duas frentes uiua para cada ra.
g 8." As ras que se forraarein de hora em diante tero a
largura de 14 metros exclusive as calgadas : a3 travessase beccos
tero 6 metros de largura.
i 9.' Todos os proprietarios de casas sitas nesta villa e po-
voagoes sero obligados a caiar e conservar sempre limpas as
frentes das mesmas u oites que nao esliverem uudos a outras
casas, devendo reparar promptameute qualquer deteriorago ou
ruina nas paredes e calgadas, dentro do praso que pelo respecti-
vo fiscal Ihe for marcado era edital.
10. E' prohibido fazer se quintaes de ramada ou madeua
no fuado das casas cuja frente posterior licar em contacto com a
frente de outras casas nu ras ; taes quintaes devero ser fecha-
dos com muros de podra ou lijlo, ten.io altura de tres metros.
ArL 12. Os contraventores de qualquer dos paragrapho^ do
artigo antecedente suBrero a inult* de 84, alm de ser a obra de-
molida sua casta e correr por sua uoula a despeza a fazer-se.
Segunda seccao
Da lnpea das ras
Art. 13. Os proprietaiios e inquiliuos 'e casas desta villa e
povoagoes de seu termo nao podero laucar nas pragas, ruaste bec-
cos, liso ou outra qualquer cousa que possa iucommodar ou dam-
nificar o publico; deve ido os tiaes designar lugares para de-
psitos de mes materias. Os contraventores soVro a multa de
U e dous das de pnso, sendo tambera a remogo de taes obje-
'ctos fditu sua custa.
Art. 14. Os proprietarios > aquilinos de predios desta villa e
suas povoujOBS sao origadoa a ter lirapo. o terreno da frente de
suas casas at a distancia de oito metros, sob pena de 24000 de
multa.
Art. 13. Os proprietarios a iaquiHnos de predios desta villa e
seus povoados sao obligado* a-varrer as frentes dellas nos dias
destnalos para as leiras de cada semana, sol) pena de 2 JMM de
multa.
Art. 16. Todo aquell.' que deitar anima
desla villa ou povaados, assun como nas eslra*
soffrero a multa de 24. sendo a remogo de taes animacs feita
custa do infractor de3ta disposigo. >
Art. 17. Todo aquello que fizer cscavagc3 nas ras desta
villa ou povoagoes do termo, bem como nas estradas rcaes e tra-
vesas, ser oirigado a obstruil-as apenas for concluida a obra
para que forem feitas; a ^s ira cora o a remover ao mesmo tempo os
materiaes restantes ; devendo prevenil-os de modo que durante a
obra em conslruceo oSo embarac^em o transito pubhcd, sob pena
de aulta de 55. alera, de orrorrer com a3 despezas necessarias
para* a obstrucgOLOUiremogo des materiaes restantes por conta
, do infractor.
ArL, 18. Nao ser.permirttdo a/mar barracas nas feiras deste
municipio abrindo se buracos aonfo, bem assji deixar bancos e
outros quaesquer objeclos nos lagares pumicosiflb pena de 24000
d? multa.'
Art. 19. As ras desta villa e suarpovoagOes sero limpas
em geral e aterrados os lugares de buracos encontrados no solo,
duas vezes em cada anno, sendo urna em Junho e outra em De-
zembro.
Art. 20. Sito obrigados execuco do artigo antecedeute os
procuradores dos patrimonios, em sas trras, os quaes em dias
designados em edltal pelo respectivo fiscal faro executar a lei.. Os
contraventores pagaro a multa em que incerrerem de 44 J)or
cada infraego e o duplo na reincidencia, si se tornarem refra-
ctarios, 30 dias depois do designado para a execugo desta dispo-
sigo.
Tercera scccSo
Dos estabelecimentos commerciaes
Art. 21. Nieguen* poder abrir lojas, tavernas ou outro qual-
quer estabeleeimeoto coramercial nesta villa ou povoag5es do mu-
nicipio, sem previa licenga da Cmara Municipal, pela qual paga-
ro a taxa de 34, sob pena de 54 de multa.
Art. 22. Ninguem poder exercer nesta villa e povoacOes de
seu termo qualquer officio sem previa licenga da Cmara Munici-
pal pela qual pagar 24 annualmente, devendo ser reformada dita
Jicenga em Janeiro de cada anno, sob pena de 58 de multa.
Art. 23. Ninguem poder ter neste municipio commercio am-
bulante sem obter previamente licenga da Cmara Muoicipal, sob
pena de 54 de multa.
Art. 24. Todos os armazens, depsitos, casas de negocio, es-
tabelecimentos de industria de qualquer natureza, xos ou ambu-
lantes, nesta villa e seu termo, que tiverem de pesar ou medir,
sao obrigados a ter collccges de pesos e medidas na forma da lei,
devendo fazel-os aferir dentro do prazo do anno financeiro muni-
cipal de Outubro a Bezembro e mandat-os rever no mez de Abril
de cada anno ; sendo, norm, os pesos dos agougues revistos de
tres em tres mezes. Os infractores pagarao-a multa de 24000 por
cada collecgo de pesos ou medidas oSo aferidos, e a de 14 por
cada collecco dos mesmos nao reoistos.
Art. 2o. Por aferigo de cada metro pagaro os que delle se
servirem 500 ris.
Art. 26. Por aferigo de collecgo de pesos de 20 kilogram-
raas al o miuimo pagar-se-ha 14000, e por collecgo de 10 kilo-
L'ranimas para baixo pagar-se-ha smente 500 ris.
Art. 27. As balangas de qualquer qualidade que sejam paga-
ro de aferigo 320 ris.
Art. 28. As medidas e pesos avulsos oagaro de aferigo 200
por cada unidade, quer aquellas sejam para seceos, quer para l-
quidos.
Art. 29. As collecges ou temos de medidas para seceos ou
para lquidos, contendo nunca menos de quatro vasilhas, pagaro
de aferigo 600 ris. Deste numero para baixo pagaro como me-
dida avulsa e o mesmo se entender a respeito dos pesos quando
existirem nmeros de unidade ou pesos inferiores a quatro.
Art. 30. Todos os pesos ou me lidas pagaro metade da taxa
dareviso
Art. Todo aquelle que recusar apresentar aos afendores os
pesos e medidas e bem assim a ultima certidilo de aferigo pagar
14000 de multa
Art. 32 O padro da Cmara Municipal ser o do systema
mtrico decimal. .*, .'#
Arl, -3X O uso publico dos antLgi)3 pesos e medidas ser pu-
nido nas formas das disposicoes legislativas em vigor, com priso
V*de des dias ou 204 de multa, e nas reincidencias com quinse dias
de priso ou 304 de multa.
Art. 34. O aferidor que aferir pesos e medidas das que Q nao
estiverera conforme o padro da cmara, ou aferir n3o sendo-lhe
apresentados os objectos nos termos da lei, ser suspenso do ex-
ercicio at lo dias.
Art 35. Aquelles individuos cujos pesos e medidas, depois
de aferidos ou revistos, forem encontrados falsificados pagaro a
multa de 20* e o dobro na reincidencia.
Jkrt. 36. Fi.:a prohibido nas aferiges de peso3 e bataneas o
costume de se os acertar por argolas, ganchos ou qualquer taxa
movel, devendo as addig6es necessarias reunidas as pegas, ser
soldadas s mesmas e mencionadas nos bilhetes de aferigo sob
pena de suspenco do aferidor.
Art. 37. Todo aquelle que expozer venda gneros falsifica-
dos ou corrompidos ser multado em 54 e o duplo na reinciden-
cia, sendo tambem obrigado a removel-03 para fra ou enter-
ral-os.
Art. 38. Os mscales e outros quaesquer que fazem commer-
cio ambulante e venderem sem exhibir o conhecimento de bave-
- rem pago os dircitos provinciaes, pagaro a multa de 5.4 e o du-
plo na reincidencia. .
Art 39. Todo o taverneiro que consentir em sua casa de ne-
gocio adjunto de pessoas em bebedeira, alarido e vozeria fra de
horas de modo a inquietar o socego publico, ser multado era 104
e 5 dias de priso. .
Art. 40. E' prohibido vender plvora, fogos de arlehcio, e
outros objectos mlammaveis dentro desta villa ou povoagoes do
termo mas sim em casa fora della, designada para esse lim pela
cmara e precedendo licenga da mesma sob pena de 105 de mul-
ta e o duplo na reincidencia.
Qnarla seccao
li is ferias e dos matadouros pblicos
Art. 41. Haver urna feira nos dias de sabbado de cada se-
mana nes lugares que forem designados por esta cmara.
Aquelles que as estabelecerem sem autorisago legal em la-
gar incompetente, ficam sujeilos a multa de 104 e oito dias de
priso. ,. .. .
Art. 42. Todo aquello que atravessar gneros alimenticios de
primeira necessidde, que vierem para o mercado publico, para os
vender ou revender, ser multado em 4f0 0 e quatro dias de pri-
so, sendo nas immediages do mercado.
Art. 43. E' prohibido comprar e vender na3 feiras por ataca-
do genero de primeira necessidade, antes das duas horas da tar-
de salvo haveodo notavel abundancia no mercado pblico e pre-
cedendo autorisago do respectivo fiscal sob pena de multa de
BJ a cada urna da3 partes. "
Art. 44. Os animae3 que conduzrem para a feira cargas de
mercadorias sero retirados para fra apenas descarregados con-
servando-se era local onde nao erabaracem o transito sob pena de
multa de. 14 por cada animal. .
Art. 45. A malanga do gado para o consumo publico sera
feita era lugar designado pela cmara, e 03 infractores sero mul-
tados era Um.
Art 46 O gado cansado ou corrido s poder ser abatido de-
pois de vinte e quatro horas, sob pena de 54 de multa.
Art. 47. Os encarregados dos agougues neste municipio serao
obrigados a manter perfeito asseio nos pesos, balangas e mais ob-
jectos coocernentes ao servigo do agouguc, sob pena de multa d
44 e o duolo na reincidencia.
Art. t. A cmara fornecer aos marchantes curraes seguros
para o recoihiraento Jas rezes destinadas ao consumo publico,
nercel.endo do vendedor 60 ris de cada urna rez recollnda
Art. 4''. Todo aquelle que matar para o consumo publico gado
de qualquer especie, doente, ser multado em 64 e a carne ser*
retirada do agougue c enterrada ou removida para lugar conve-
niente, custa do dono.
Ait. 50. Nao se poder abater gado e talhar a carne no mes- .
mo dia, salvo havendo urgente necessidade e precedendo liceng*
do fiscal ; sob pena de 5J de multa.
Quinta seccao
Da plantagao e criago
Art. 51. Em todos os terrenos que corapOera C3te mu-ipio|e
permittida a agricultura e a criago do gado ovemurn, vaceum e
i"*l V*l i 1 *t I*
Art. 52. A criago do gado vaceum smente ser permitiida
nos sepuinles lugares : ... tr>!1
1 1. No territorio comprehendido entre o no Mororo Ppjtoa-
nem.
coQu'encii.,
os limites desle termo, 2,500 metr
oa a saber : coraegar no Mororo no local onde elle faz sua
lluecia o ria.ro Perpiri, e seguir era directo de foz at
ns Imites d'este termo 2 500 metros de extensao pela margem di-
rei.a doe\elmoYe pela raargem esquerda seguir do ponto de
partida de "tos linlites para o lugar deuorainado R.aclunl.o
comegando do lugar denominado Ma-
f^eudVdo fallecido Barbosa, segurado deste ponto para o sul
linha recia at alcangar o predito no Ipanema.
| I" No rio I]
caco o i
sendo
a'mesraa" i ''ca'r no ponto de partid
para pirtir de sua foz at encontrar o territorio onde fica pernni-

'
!

S
rt*.*fc.
1
i iiiI.ii.


r*

I
Diario ie *Per<|imbcS
juj___Ljjl_ i iiijrfwi i -JiMT m. a
ira
A
rosto u j
Humero pri-
tiJa a ruesina < orina, na eootataB^B _
meiro dest car l .
*5 3 No riacho d'Olho d'Agua em tofo seu curso oesle mu-
nicin at formar confluencia cora o no Ipanema sendo conced
,1a criagao pela margem direita e pela esquerda at 2,b00 me-
tros d'. distaacia. ..
8 i \'a i-ib -ira do ordeira#aendo aln nermiltida a referida
criara) do um e outro lado deaae riacho al u distancia de J.500
- metros .111 'todo seu curso neste municipio*
Art 3J Da probibico determinada no artigo anteced rale ex-
ceptuani se#a propctaip3, criad>denUJo onmum ,:\ terreno dMiaawlo^m ;u ^tn ,.to.n*i uJIqm
sem a respecliviiraa1i|o, ujradMto avf)ropMiiad-'lii>
Art. 54. QinoiW as- cria?0*s nnmionaatas no w-tigo.aa*e;j*.
deute peuotraronaaaai tofcaoos onde tea veiWa a su* periOmi -
cia, sendo appraajamdias-e apreseaadus iwfi-eat ou presewca-
coii duas tenieinuiih, tiwr respaetivo doo sajatto
multa de 1J por ca# uatSKlete, ajtedo ttear obcigudo.a-sati-
fazer o arao cuaaaio.
Art. 53. As caaa para lomafmfti e glrias .ihbm
e cercad53 devcriolw* soliar c^insisteucia'iiuBti^arias, aslin
como 170 centmetros de superficie o solo, sob pena de nao
i os donos jus a satisfago dos prejuizos causados pelo gado
[ualquer urna das especies contempladas no art iw desla pos-
!ii r.t-
Art. 36. Se nao obstante a conformiJade das cerca* <}om as
coudk^i wiuu pi-usariola*, o gado especicado oo artigo antece-
dente penetrar iras royas ou cercados, devero os passuidore3
destes'participar aos donos do gado para que providencien) a res-
peito, e estes reculando as providencias necessarias para vedar a
invasao do gado, se rilo multados em 103 por cada cabega, eui
todos os casos em que o mesmo gado accommetter taes lavaras
ou cercados.
Art. 37- A disposigo ateste artig nao ser extensiva aoa
terrenos destilados para a creaco do gado cabrum e suido.
Art. 58. A creugo da gado sumo licaaoJneate pcrmittidB
nos meamos lugares destinados para a efeagao do gado caprino, -
observando o seguinte
1 Alera dos lugares cima designados os proprictatios
ou fereiro po dero crear suinos dentro da circumscripgio de suas
trras demarcad-s, com tanto qne- ditos animaes nao ultrapasseh
os limites das mesmas. passando para as Ierras de outros posstn-
dores.
S i." Alera da permisso cima decretada, cam permitti-
dos nos lugares vedados os aniraaes suimos que tiverem ganchos
oucaugas ao pescogo, de modo a Impedir a damnifleago as ia-
vourase as aguadas. ... .,
Este mesmo preventivo meio devera ser empregado naquetles
suiuos que., nos territorios designados paja a sua pastagem dam-
nificare as cacimbas de bebidas ou aguadas c cercados. Os
infractores deste artigo serao multados em 21000 porcada ani-
mal suino, alin de satisfazerem o damno causado, devendo se
observar a respeto) da imposigo da multa o mesmo que fica es-
tatuido uo rt. 33 desta postura. ,.,,,
Art. 39- Todo aquelle que pelo hscal fr chamado para tes-
temuuhar alguma infraego deslas posturas, recusndose a ser-
vir, ser multado em 53000
Art. 60. Xinguem poder maltratar com tiros, instrumentos
con'uiid^nles ou perfurantes ou com caes, os gados de qualquer
espe :e que forem encontrados as lavouras ou tora dellas, sob
pena.de multa de lOOOO.
Art- 61. E- prohibido tercias sollos dentro desta villa ou
povoates do termo, sob peua de 2*000 de multa por cada unv
Art. 6 Todo aquelle que criar ou possuir caes deverobter
licenga da Cmara, pagando por cada um 2*000; excepto os
criadores de adoe, os vaqueiros e os cagadores que podero pos-
suil-oa para o raister de suas oceupages, sob pena de multa de
13000 por falta Art. 63. Fica prohibido tinguijar pocos, tanques, agudes e
lagas, sob pena de lOiOOO de multa pela infracgo.
Art. 6i. E'prohibido queimar rogados sem defendel-os eom
aceiros de quatro metros de largura, tomando toda precaugo
para que o incendio nao se coramunique s piantages, capoci-
ras ou mallas contiguas, sob pena de lOiOOO- de multa ou seis
dias de prisao : de raetade da multa quando da infraego nao re-
soltan damno. ,
Art. 65. Alm do disposto no artigo antecedente lea prohi-
9
matt;:
bido estragar com incendios OTobb
penanle-.lOOO-tle iiiMtt ou s
Sexta lfc__
a s c s l r a d
Art. 66. Os proprietario de terral, os ses \
os remleiros serao oorigados a abrir adestrad i:
sua propriedade ou terreno*- so"b sua jurisdiego no mez de Ju-
nho de cada anno, sob pena Aaniultu de lOiOOO*
Art.*67. Os terrenos que comprehenderem estradas cujos do-
nos s-jam igra-fados, sero rogados pelo procurador da Cam^H
ifcand034oof>s sujailos ao ^gimcm-ae desiMas.
Art -fl*1 As esuaritis pubh8Brdtw(iiuiinicipiieitoittetBe1--
tros de larfura c aa^rticulai*r olissaf} uuawoicnM de
doui raetoos de laMpat
Art.. 60 Niujwm poder obitruii*-esti fluj^ cmbdoos; 4HVS
seaMMaHks canarilas, sem qm primeiro facuit o transito p
bfMevpowflatros aoajare* e estiwtea convenientes, praaBlrado
cena.da-^JiBaralela qaal p-(gari o impetraate ?$++ pea* de*
530W l>lpaictMr gaaraaD*
* TITULO W
. Art. 70. Ninguem po lera estahelecer ojaria de tedias ou li-
jlos nesta vi! la e sem povoados sem previa .'licenga da Cunara,
pela qual pagar-se lia-SOOO annualmente.
Art. 71. Ningaera poder soltar busca"s, fogos de arlicJo,
dar tiros de bacamarte em festejos dentro da villa e povoago
do municipio em liceugada Cumuira, dando poicada urna !&*},
aentoi Je caf?, para as tropas, e nos injuriava com desdoas-e maguav*cora gra-
tuitas off" .
*a\Ml d,. desvio de fuados d I Como Ihes narrava na minha ultima, aquella
2fer,D Para uso p?3soai ; eutre folha faaia amenie honorablt algnns dias. depois,
oantrn-, cita^art) faca de t-----k:'------ '---
ter subscrito acjOs Jo kaldo requentado, Uilvez, mas em todo o ca sob pena de tOOOO de multa ou dez das de prisao.
Art. 72. Fica prohibido abrir caldeiroes, tanques ou reser- *^
vatorios para asuadas em cima de lages ou fazer qualquer sy*-
lema no solo sem que seiam cercados sufTicientemente de modo
a evitar qualquer damnilicagao nos gados. Os infractores paga-
rao a mufla de 104000, alm de satisfazerem o damno causado a *
asdespezas que se tizerem com a obstruegao de taes reservato,
rios de aguadas.
Art. 73, Todo aquelle que estabelecer fazeflas ou eslabele-
cimentoa agrcolas ou de enaguo de gadoa, lavrando ou creando
.proporgOes reconhei idamente eupenores a seus dominios terri-
triaes, usurpando illegalmente os direito de outrem, como so- J
jam a leva de terreno?, as-aguadas existentes, ser mltalo
20S'.'00 e no duplo no caso de eacidenciap -tt^
, Art. 74. A-iB)aara Maalcipaldar a rada urna das mas 'des-
ta villa e das povoagOes do termo nomes quu as disngam entre
si, assira como fari numerar as casas nellasexistentes.
Art. 75. E' prohibido; sem ordem competente, destruir ou
cortar arvores que se prestem construegao do catas e obras de
serraras, sendo a derruba em terrenos alleios, sob pena de mul-
ta de 33000 e dous dias de prisao.
Art. 76. Fica prohibido derrubir ou deMruir arvores cojos
fruclos se prestem a alimentagao, eortaoseiam o qinbuzeiro, o ca-
jueiro, o camboira, a jaboticabeira e outnb qu-esquer da mesma
or<*em, quer sejam silvestres, quer sejam cultivadas, sob pena de
mulla de 41000 por cada infraego.
Art. 77. E' prohibido cortar ou derrabar arvores a margem
das estradas publicas, ou que ticarem contiguas apgos ou agua-
das, dando Ibes sombra, sob pena dG multa de 45000 ou quatro
dias de priso
Art. 78. Ficam absolutamente prohibidos os jogos de para-
da, c bera assim qnaesquer rifas nao autorisadas por lei, sob
pena de 103000 de multa e cinco dias de prisao a cada infractor.
Art. 79. Todo agricultor sera obrigado a apresent ir ao res-
pectivo fiscal, em S-tembro de cada atino, quando por este fr
exhibido em edital publico, o numero de 2) cabecas ou bicos de
aves que darauilicam as lavouras ou as creagOes. domesticas, sob
pena de multa de 200t>.
Art. 80. Ficam revogadas as disposigOcs em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem o conheci- .
mente execugSo da presente resolugo pertencer, que a cumpram
e fagam cumprir taooteiramente como nella se contm
O secretario da presidencia desta provincia a faga imprimir,
publicar e correr.
Palacio da Presidencia de Pernambuco. 11 de Julho de 1889,
68 da independencia e do Imperio.
L.S. BARO DE CHARA.
Sellada e publicada a presente resolugSo nesta secretaria da
Presidencia de Pernambuco aos 11 de Julho de 1889.
O secretario,
Francisco L. Slartnho de Soasa.
nepartlco da Polica
2.1 seeQao.N. 919Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 1 de Agosto de 1889.
__jjlm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontein reeolhidos Gasa de De-
tengao,.o8 seguintes individuos:
A' ordem do Dr. delegado do 1" districto da
capital, Joao Antonio de-Lima, Manoel Theodoro
Ca neiroe Eduardo Hortencioda Rosa, por enme
de furto, e Joo Francisco do Monte, por dis-
A' ordem do subdelegado da freguezia de S.
Jas, Jos-Paulino de Suza e Manoel Quiulino
dos Santas, por disturbios.
A' ordem do do 8 districto, Rufino Theodoro
Carneiro a Silva e Victorino Severo dos Santos,
por disturbios. .... ,
A'ordem do da Varzea, Jos Alexandre
tal, por disturbios c uso de armas defesa.
ram a rainha D. Isabel, ;o infante D Antonio de
Montpensier, a duqueza de Hijar, a marqueza
de Villasegura. e o conde Brunettt.
Ficou constituida a sociedade anti-esclava-
, gista de Cdiz, sob a presidencia do hispo da-
quella diocese, e do Sr. Sorela.
Resolveu-se dirigir telegramma a sua sanlida
de, a rainha regente, ao Sr. Cnovas del Castil-
lo e ao cardeal Livigerre, participando ibes a
conslituigo da sociedade.
O tllustre poeta D. Jos Zorrilla ji est com-
pletamente restabelecido, e tein sido muito ob
sequiado em Granada.
Em sia honra, foi no dia 15 deste mez i uoi-
te; dado um banquete pelo Sr. Herrasti
j O senador D. Melena Alinagae tambera offe
receu ante hontein um sumptuoso banquete ao
Ilustre poeta, e a elle assislirara oa Sra. Rollo,
Reguro, Casa Riano, Sean, San Mirtin Jurado,
vice-presidente do lyeeu je Seco de Lucena.
Em seguida ao banquete, Zorrilla viajtou os
ro dia 19 da. mez passado presteu jura- j3ales do^ lyceu, onde lei'frmosas poesas.
ment e assuraio oexercicio do cargo de dele- A sociedade que o havia recebido com enthu-
siasmo, interrompeu por vezea a leitura com
gado do termo da Boa-Vista, o cidadao Vicente i,
Perreira de Carvallio Ventura,
Na mesma data assumio o exercicio do
cargo de subdelegado do Io districto d'aquelle
termo o cidado Galdino Pereira Jordo.
O cidado Eustaquio Lopes de Barros com-
municou-me ter no dia 20 do mez prximo lindo
prestado o devido juramento e assumido o exer-
cicio do canto de delegado do termo de Flo-
resta.
Communicou-me o cidado Juvenal Gomes
de Souza Rocha ter no dia 22 d'aquelle me
prestado juramento e assumido o exercicio do
cargo de delegado do termo de Tacarat.
Tambem comrauuicou-me o cidado Amaro
tuiz de Kranga ter no dia 18 de Julho ultimo
prestado juramento e assumido o cxcrcieitt do
cargo de subdelegado do Io districto do termo
de Cabrob, na qualidade de 3' suppleate.
Durante o mez de Julho prximo lindo fo-
ram por esta reparticao remeltidos para o hos-
pital Pedro II 32 desvalidos, para o de Santa
gueda 2. para o dos Lazaros 1, para o Asylo
de Mendicidade 15. para o Hospicio de Aliena-
dos 9, e com destino Escola de Apreudres
Marinheiros 7 menores.
Deus- guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Conselheiro Manoel Alves de Araujo,
muito digno presidente da provincia.O
cliefe de polica Geroncio Dios de Arruda
Fcdcao.
EXTERIOR
phreneticos applausos.
No lyceu foram recebtdos doces, chas e gela-
dos.
No dia seguiot: foi o Sr. Zorrilla visitado
pelos representantes dos gremios que coneor
rerara a homenagem nacional. A scena foi com-
movedora.
Ha das o notavel poeta alinogou cora o biapo
de Granada no palacio de Julia.
Franca
O presidente da repblica elicitou pelo tele-
grapho, S. M. o imperador do Brasil por ter es-
capado ao attentado de^ue u sendo victima,
A assoeiago gejal dos esludantcs de Pars
dirigi aos estudantes do mundo inteiro um
convite para viren assistir aos festejos, que se
nao de celebrar em Paris no dia 5 de Agosto,
Sor occasio da ser inaugurado o novo edificio
a Sorbona.
A AssociagSo ja tem recebido numerosas ad-
hesOes.
No ultimo dia da sesso legislativa, a cmara
dos depntados discuti e approvou algumas das
alteragfies que'o senado havia feilo no orcaraen
to de 1888, rejeitando-outras. Em seguida vo
tou urna autonsugo para dispender 58 milhes
de francos na conslrucgo de novos navios de
guerra.J
O senado na sua sesso diurna approvou por
ger, pelo niaior numero possivel de circuios, or-
gauisando assim urna especie de plebiscito, com
a collaborago dos monarcistas e dos boaapar-
listas.
Os republicanos entendern) dever por um
obstculo a essa maoifestago, qat consideran
atentatoria da actual orgauisagao dos poderes
pblicos em Franga.
Para isso langaram mo d'aquella lei, que pnae
com penas severas a tentativa de candidatura
mltiplas.
Por isso os bouJaagistas e os seus adiadas, mal
o projecto foi apreseutado, rompern n'uma (i-
ta feroz, clamando que se va praticar urna viola-
Sao do sullragio universal.
Mullos republicanos, comquanto nao mostraj-
sem contra aJei igual ferocidade, corabateram-O)
porajulgarem inopportuua, visto que denu
ciava um receio para o qualpensavam ao na
motivo.
Efectivamente, considerando-se a saague fri
a situago, nao parece que foss muito prudente
aquella revelago de medo de urna mamfestago
em favor de um candidato adictador, que a Fran-
ga nao deve tomar a serio.
Em circumstancias normaea quando nao esti
vesse no tractado poltico aquelle dictadot em
perspectiva, seria tal vez coaveniente estabelec. r
a prohibigo das tentativas de plebiscitos, que
sao manobras queridas do eezarismo inimigc ju-
rado da liberdade.
Contra o general Boulangera lei um syranto-
ma de medo, que pode dar umita forga 'moral
aos inimigos da repblica.
O Sr. Waddington, embaixador francezem
Inglaterra, pronunciou um discurso sobr* as-1
surapio eieitoral. n'ura banquete dado em Lon-
dres, para a celebrago da testa de 14 de Julho.
O programma d'aquelle hornera d'estado, que
gosa de grande considerago pela sua capaci-
dade e bom senso, muito moderado, como
proprio do seu temperamento poltico.
OiSr. Waddington adverso reviso consti-
tucional ; a constituigo actual parece-lhe que d
Franga e s suas iuatituiges urna solida esta-
bilidade, e que a melbor garanta d'essa esta-
bilidad'.
Oppe-se form 1 nente suppresso do senado
fiancez, que compara ao senado americano. Tan-
to n'um, como n'outro paix, os senadores sao ge-
ralmente homena chegadoa ao flm da sua car-
reira, cujas ambiges ou j foram satisfeitas, ou
Ui votos contra 64 o projecto de ei, que pro-! !txaran? 2 exi311^' !,qJe ^ conaeptninte'aaa
hibe as candidaturas mltiplas, c votoa tamban !ho?en3 rateiramente dedicados repblica,
o projecto relativo i_amnista, ao qual fez algu-
Voliefa* da Europa
O paquete Aralo, chegado bontem da Euro-
pa, Jrouxe datas que de Lisboa alcancam a 22
de /lho lindo, adiautan lo cinco das s tr..zi-
das peIo^4conc<(!jit/i.
Eis algumas das noticias de que foi portador
aquelle vapor, e que completaremos amanh :
Hewpunlia
Sobreest paja escreve nosso correspondente
de Lisboa em 17 de Julho:
Nonlia 11 do corrente suspendern) as cortes
as suas sesses.
A rainha regente enviou um telegramma a S.
M. o imperador do Brasil felicitan Jo-o por ha-
w sabido illeso do attentado.
En Harcelona, mais de 3,000 individuos
atadrum ha dias os empregados do imposte do
consumo, por este* havercm morto um contra-'
baudista. A multidao desenfreada pralicou todo
o genero de violencia. Foram presas 13 pessoas.
Peral, o constructor da famosa submerina,
ea tripolago da barca foram a Cdiz assistir a
nm baaquete dado em sua honra.
O actfljjjbrilhantissimo. Fizeram-se brindes
enliiUsiaBCQ. O publico victoriou Peral.
O submarino deve fu/.er, um dia destes, ex-
periencias da submergo.
O'alcaide de Sevilha enviou um telegram-
mar !l participaudo-lhe que os repre-
sentantes do'juuiicipio o convidavam a vir re
iidiepara aquella cidaJe.
0 cardeal hampoila respondeu agradecendo
em nome do papa, e eroando aos habitantes de
Sevilha a bengo de sua santidade.
O procedimeoto da municipalidade muito
mal commentado.
Falta saber o que responder a rainha regen-
te quando a municipalidade Ihe coramunique a
sua resolugo, convidando-a a que ceda ao pon-
tfice o alczar de Seviloa.
A reinha Victoria enviou ao conselho mu-
nicipal de San Sebaaian, onde ha pouco tempo
esleve v< raneando, um soberbo vaso do velno
Japo, com um pedestal de marmore.
Este presente foi acompanhado de urna carta
afiedtuosissima de lord Ponsomby, em nome da
raiuha. que agradece mais urna vez s autori-
dades biscainhas o caloroso acolhimento que
ihe fizeram em Abril ultima.
Dizem de Pars que o re D. Francisco de
Assis deu era Epinay um almogo a que assisti-
0 orador mostrou se salisfeito cora a aclual
lordemjd'j cousas, e declaradamente conservador
1 dentro da forma republicana.
Procurou sentir as illusOes a todos que podes
j sem esperar sinceramente anda alguma cousa
> til do triumpho da liga mon.rchca boulangis-
! ta. Segundo elles, as verdadciras difliculdades
comegariam no da seguinte ao da victoria dos
colligadoe.
Constituir um governo que figurasse o Sr. Ro-
chefnrt em camaradagem cora o^Sr. Cassagnac,
i;;*s ui iditicagoes. Depois conformou-se com"as
ultimas resolugOes da outra cmara acerca do
orgimento, que assim licou deliuitivamente vo-
tado-.
Ambas as cmaras deviam.ter sessio uoitc.
A dos deputados correu rpida, adoptando se as
al'erag33 que o senado havia feito no projecto
de amnista, e lendo-se depois o decreto de en -
cerrainenlo da sesso legislativa, com a qual
findou a legislatura. Os deputados separaram-
se'giitaudo os da esquerda : Viva a republl- oSr.DuqaedeRocliefLueauld,oBaro de|Mkomj
caf e os da direita Viva a Franga I
No senado, abata a sesso as 10 horas e mela
da Doite ia a discutir se autorisago docredi
to de 58 militos de francos para constru
nuvaes, quando o presidente declarou que, cons-
lando-lbo liaver sido lido na outra casa do par-
lamento o decreto de encerramento e nao poden-
do, segundo a constituigo funecionar urna das
cmaras catando a outra fechada, entenda que
o senado nao poJia legalmeute deliberar:
O Sr. Tirard, presidente do conaelho, ainda
insista, atienta a importancia do assumplo de
que se ia a tratar, pata que o senado funccio-
nasse, parecendo-lhe que era restricta de mais a
lalerpretago que se pretenda dar lei consti-
tucional. Mas o presidente do senado nao ce-
deu, e entSo o ministro da agricultura leu o de-
creto de encerramento. Ficou pois por appro-
var o crdito para as construeges navaes.
Assim lindou urna legislatura, que nao deixa
ratas recordagOes em Franga; porque duraute
ella, a cmara dos depuiados, pela soadivisao e
pelas intrigas que a minavam, nao fez mais do
que fomentar a desunio dos republicanos e ti-
rar a forga aos gabinetes que se succe.leram no
poder. E' innegave! que da legislatura que lin-
dou, sahiran bastante fendas as instituigOes re-
publicanas, e abatido o prestigio de muitos dos
grandes bomens polticos da Franga.
Repararan) os eleitores, na prxima votagao
para a renovago da cmara dos deputados, o
nal faito, enviando cmara urna boa materia
de bomens devotados, que trabalhem sincera-
mente pelg bem do paiz, e ponham termo ins-
tabilidade dos governos e campanba de diffa-
magSo seguida nos ultimo^ terapos f
Oxal que assim aconlega; mas nao ser o
contrario para sorpreliender, poique a poltica
franceza tem caprichos inexplicaveis. que con-
tradiz com as mais bem fundadas prevjsOes.
O motivo da apresentagio da le que poohibe
as candidaturas mltiplas lei que foi approvada
Sulo senado, no ultimo dia da legislatura, como
ca dito, foi a seguinte :
* Os boulangistas lindara an unciado que
apresentariam acanJidatura do geieral Boulan-
etc, nao seria empreza muito fcil.
Todos estes esto hoje de accordo na obra de
den ugfio; mas depois a unio seria impossircl
quando se tratasse de edificar.
Comegarla ento o periodo da verdadeira dis
cordia, qu levara fatalmente a Franga a alguma
aventura perigosa no exterior.
O r Loekroy, meinbro do ministerio Flo-
quet, assumio a direcgo poltica do ]orn8l Le
Clairon, publicando ura artigo programma em
que prova os tres seguintes principios: reviso
da constituigo, reforma dos impostos, le das
associages.
Reunio-se nos ltimos dias em Paris um
congresso internacional contra o uso do tabaco.
Concluio os seus trabamos, votando as seguintes
concluses :
Lei prohibindo aos menores de 16 annos o
uso do tabaco.
Prohibigo ao3 soldados de fumar dentro
das casernas.
Prohibigo de fumar as plataformas dos
tramvays e dos mnibus cujas caixas nao estejam
fechadas por urna porta.
Prohibigo de fumar aos cocheiros dos trena,
quando conduzem passageiros.
O rei Jorge da Grecia, que esperado em Pa-
ris, assistir ao jantar que Ihe offerecer o Sr.
Carnot no dia 2> de Julho.
- Os joruaes do dia 17 publicaran) o libello de
aecusago contra o general Boulanger.
O libello enumera delidamenteos tramas attri-
buidos ao general.desde 1882em Temisa, Paris e
ClermoHte Ferrand, e refere se era particular ao
alteiamento no exercito, e corrupgo dos-func-
cionarios, dos qua^s bastantes adheriram.
O libello comprebende os crimes de attentado,
conspirago e concussSo.
Parece que uii3 telegramraas em cifra, cuja
chaye foi' recenteraente descoberta provam o
attentudo; sYi'a organlsada urna marcha sobre
o Elyjeo, e o geoeral aguardava o resultado
dessa marcha para a qual varios iofliciaes supe-
riores Ihe linham proraetlido cooperago
Os aulo3 de concusso constituem em contrac-
tos feito i para fornecime-itos ao Estado, nomea-
A reunio dos Boulangistas em Marselba re
solveu apresentar em 4 cantees a candidatura do
general Boulaivgor ao conselho geral.
O Evnemnt diz constar Ihe que o presi-
dente da repblica lenriona dirigir um manifest
ao paiz por occasio dascleiges geraej.
0 Sr. Carnet, oppondo a sua alta Icalda-te aos
manejos dos piebisejtarios, chamar o paiz o
seu dever', a uo se delxir jfcevairaf mais uiua
vez, cem annos depois de 1789, pela liT-oiifPaW
j dos apolticos que exploran) o molhor que po-
dem, em favor dos seus interesses particulares,
as consequuflcia* da situago proveniente das
lidade coHectiva dessa uago, que era dirigid*
C0B",**U'\!'1('1'-''Capara o gen-ral Bo- a administrada por esa lu governo. Qa era
Wrs. Dillon e dttocliafert cowpar.?- esse o caso do artigo em quest, e aqu desa-
m-peacnti! o alto tnbnoal djuftiga, ser lavase o /.'A07wbt<-.Mbrd3eW6rtczea- c
bote notla iios i, B|K'ctivb8;daBatcilios, e qienliosas como l di'.Mii a now visisbos elo-
o alt-ti iBaaftl se ffunir provevataaentoaoo da giando PortugaU luz dhisto#ta e di tradi-
,0**W"J?; ,,. !COes, da sua actividadarfiifatigaawl era \>rogn-
O geaaral Boulanger- pabMo*a naeiKt.dir. etc., etc.
manifest aos tenores : deoar* qi"ft lei contra4. Mis como cr*a*acau^osaafiti*a--dj8a*
as candidaawas mltiplas u >i ataqie-ao suWfbotagem dar noaaa > inomiaaa anata*-dtal
rra\lu Ai^fSli na Ia***0 nj^tmpedaHr a .artigo olfensivo. de nago d*jaWc9ulieccr a-4na>vaMe sotwaw^gfo do Impartid i'WMava a wrternid**?, lem-
pa; como priBeiro protesto contra a odiosa vio- brou-se urna lolha regeneradora da Se-pia, o
lacio do direito, a mota nacional decidi apre- Diana JUustrado de encabar a carapuga na ca
sentarse a canJidatlica do geueral Boolanger beca do Sr. Visconde Ouguella, Aludo na es-
para os eonsetnos^erac* em 80 cantaos; pede, I qverda di/nadica, e islo porque, no mencionai'o
pois aos eleitores que o apoiem nos cautOea que artigo : Un consejo de herm.no se allu lia lison-
designar, e conclue assim: Este primiiro gciramente uoSr cuuuceifo Baiiiiiuade Freitua,
veretetamtm poto sera o preladto do~grande chore deste ultimo grupo, j be coBSderave]
triumpho, que, por mais que os govcrnaimmtaes partido politice.
possam fazer, est prximo. Viva aFriB^Sh Ora o Sr. Visconde Ouguella, como declarou
Viva a repblica nacional! |n'uma breve missiva datada de. Cintra, para
O novo manifest do general Boulanger em aquelle jornal, lura seqner tinha li lo aiuda o
resposta ao libello aepusutorio, ser publicado artigo do Impaicial quanto mais escrevcl-o !
provave^uiente oo-dia22. ^ Cabio assim por trra a jwrlida in-inuagao,
quepolia mjlivar granie3 dissabores ao Sr.
Visconde, de Ouguella, se nao se apressasse a
desmentir a naii.iu insidiosa do Uiaiio ///-
tradji.
Como o Sr. Mendes Vigo, autigo ministro ple-
nipotenciaria de Hespaaha na corte de Lisboa,
A agora mesmo transferido para Roma nao (al
tou quera allirmasaa tambem (jou o artigo an-
nimo mi qyJ|l', publica'!" pelo Jmparcial de
Jfadrid na su^tvt"o edito era da,uel!o di-
plmala.
O boato correu nenos do que pode correr
urna boa galga, pois j honteaa alguna ornaos
ministro da guerra.
observares do 188a. Demonstrar como novaa de Lisboa-da opposigo altribtiiara o tal artigo
eleices, fcitaa sob a influencia da propaganda
boalangisla, terian ape;as um resultado: a
desordem, porque originarara urna reaego con
fessada, contra a quaa*a repblica e os republi-
cados teriam o direiio e o desojo de oppr reso-
lutamente o seu empenbo em salvaguardar as
liberdades publicas.
Concebido n'um espirito de resistencia, nti-
damente expressos contra as eraprezas anti pa-
triticas, o manifest seria um i resposta indi-
recta aos promotores destas ultimas, e um acto
particularmento opportuno. EITectvameale os
boulangistas preparara se para fallar ao -faiz.
Assegara-se quu o emigrado d: Loudr ebibo-
rn, no silencio austero do seu reliro: um appclo
aos horneas de bem. Por seu turno, o Conde de*
Pariz, depois de ter recebido e calhechisado em
Vevey oa verdadeiros liis, vai atirac ao vulgo-
uma pura phrase do discurso do Sr. Mackaii
unio das dimita*.
O manifest do presidente da repblica, con-
clue o Evnemnt, gragas grande autoridade
do nome do Sr. Carnot, conseguir talvez f izer
comprehender ao homens de bem o que ha de
singular no entente que existe cutre o Conde de
Pariz t o emigrado de Londres, singularidi-le
que, pelo menos, os republicanos j de ha mui-
to apreciara-.
Foi aberto a 13 o congresso internacional
socialista, que ee campee de 81 delegados de
Pariz, 108 dos provinoaes e 189 do eslrangeiro.
Destes, 82 sio allemes, ha vendo entre elles 11
deputados ao reirttstag. O delegado allemo
Lietreckt, usou primeiro di palavra, e disse que
a Alletnanha opefaria e a Franga operara esta-
vam reunidas oeste congresso, que nao 6 um
congresso de idelogos; e o pacto, accrescentou
o orador, que-aqu contrahirmos, produzrr o
seuelfeito no mundo inteiro:
- Corra era Pariz o boato da demisso do
Do Diario de Peruaubueo
PORTUGALLisboa, 22 de julho.
O telegramma da Agencia llavas que nos
trouxe a noticia de um alten lado contra a vida
de S. M. o 1 operador dG>Brnzil icausou profun-
dissima irapressio liaste paia, felicitndose to-
da a gente pelo mallogro- de to insensato
guauto criminosa U-utaliva. Doloroso foi o
sentimento que a todos na assaltou vendo $ae
de um porlugooz que partir o tiro que poz
em risco a pueciosa existencia de ura soberano
por tantos tilulos respeitavel e querido, nao s
entre os seus subditos, mas tambera aos portu-
guezes, que> jamis se podem eaqueeer dos ex-
tremos de hospitalidade cora que n'esse vasto
imperio sao considerados os seoseompatriotus,
A imprensa de Lisboa e das provincias foi
unnime era protestar contra semelhante atten-
tado e em deplorar em nome da nago como de-
ploro tambem, que u .i portugus ebrio, lonco,
ou criminoso da peior especie, por quanto ain-
da aqu se ignoram nao s o nome do criminoso
mas 03 proraenores do attentado, renegasse a
tal ponto, dos sentimentoa com que, geralmente,
sem distinego de classes ou de crengas polti-
cas, venerada entre na a pessoa do Sr. D.
Pedro II.
El-rei, logo que Ihe constou e que, em resu-
midas palavras anni.nciava aquelle telegramma,
apressou-seem telegraphar para o Rio de Janei-
ro a seu imperial tio, congratulando-se em seu
nome e no de toda a familia real portugueza,
por ter S. M. escapado inclume de to arrisca-
do lance.
O presidente do conselho de ministros tam-
bem dirigi um telegramma a S. M. 1., em nome
da na;o portogueza, no mesmo sentido. O mi-
nistro dos negocios estrangeiros tclegraphou lo-
go, tambem, ao- nosso ministro n'essa corte ex-
primindo iguaea sentimentoa de congratnlago-:
de todos estes tclegrammas vierara j, pelo cabo
submarino as respectivas respostas. A cmara
municipal do Porto, (crrelo que tambem o de
Lisboa i, e aa associages cotnmerciaes das-tinas*
cidades princioaes do reino procedern) do mes-
rao modo. Grande numero do pessoas de todas
as classes tem ido estes dias inscrever se & le-
gago do Brazil em Lisboa. A Sociedade de Be-
neficencia Brazileir.i vai mandar' cantar um Te-
Ueum em aegao de gragas por ter sido poupada
a vida de S. M. I.
A colonia brazileira era Lisboa'vai dar ura
banquete o digno ministro plenipotenciario
d'esse imperio por to fausto motivo e a este
pensamento se associara muita3 Joutras pessoas
nossas conterrneas.
- O ministro dos negocio; estrangeiros. enviou
seguodo telegramma ao nosso ministro no Rio
de Janeiro perguotando Ihe o nome do crimino-
so, as circumstancias e promenore3 da tentativa
de regicidio, pois como ihes vinha dizendo, uem
pela Havas, era pelos despachos recebidos aqu
na tegagSo do Brazil, nem pelos que o nosso
ministro enviou ao ministerio dos estrangeiros
constam mais esclareciraento sobre este nefan-
do caso, pelo menos at a hora em que Ihes es-
crevo.
Escusado ser dizer-ihes que, entre as mani-
festages congratulatorias da imprensa portu-
gueza, a proposito deste aconteciraento que po-
da ter sido to funesto, nao poucos artigos tem
apparecido era que se enumeram nao s os emi-
nentes dotes de intelligencia e corago que
caracterisam a iudividuahdade altamente sym-
pathica do Sr. D. Pedro II, mas os verdadeiros
servigos que S. M. I. tem prestado sua patria
e a bnraanidade, como soberano liberal de ura
povo hvre e brioso durante o seu longo reinado.
Associando-rae na minha obscuridade, a taes
manifestages, nao fago mais do que, n'estas
despretenciosas lindas tragadas ao correr da
penna, transmiltir-lhes succintamente o senti-
raeoto que essa noticia inesperada produzo em
Portugal, onde a veneranda presenca de S. M.
I. por algumas vezes tem sido molivo de jubi-
losas demonstrages espontaneas ; e os lagos de
consanguinidade do mesmo soberano com a dy-
nastia reinante deste paiz, bem como a confra-
terual afinidade dos dous povos, brazileiro e
po-iugu.cz, sao poderosissimas razes, para que
os ecoos do tal altentado mcregam aqu geral
reprovago, sendo como Ibes dsse, unnime o
regozijo por ter elle "sido providencialmente
mallogrado.
Anda est na tella da discussao jornalis-
tica o famoso ou antea famigerado artigo do Im-
parciat de Madrid, que. a proposito da resciso
do contracto da companhia do caminho de ferro
de Lourenco Marques fronteira do Transivaal
ao Sr. Moret y Prendergast, que lera feito por
varias vezes parte do ministerio, era Hespanha.
Oma folha progressisia, sera negar aqueila
paternidade, diz que o anigo evidentemente
de quem nao amigo do Sr. Murianoo de Cana
Iho, ou j no .
Seja como for a iraprensa toda Ihe deu o de-
vido troco e essa cona parece agora estar sal-
dada com as zumbaias do mnemo Impamal, Cor-
reo e varios outros peridicos madrileos, e
com as replicas vivues do nosso jorinlismo aos
conselhos hypocnlas do nosso cariuliso hermano
das margena do Manzanal e-.
Quanto ao celebre artigo Tempo sob a epi-
araphe Alerta I de que Ihes fullei com grande
dosenvolvimeno na nidia de 17 do corrente,
revelando urna supposta caballa ou pacto secre-
to celebrad entren Hespnafo a lntetcrwi,-
alira de nos abserverera os nossos dominios
colonias africano.-, e na Europa a proprii n i-
cionadade, n'um golpe de nao,artigo que lo-
dos lerara, una com pesmo, outros com incre-
dulidade, estes com o sonriso da ronia a pai-
rar-lhes nos labios, aquelles con verdadeiro
terror, tem sido apreciados porquasi toda a Im
prensa.
O Diario Popular do Sr. Moranlo de Carva-
llio aUrbUlo-0 a dispepsia ou cousa que o valba,
e desla os argumentos era qu' o Tempo se re-
feria ao tal pavoroso trama, em estylo zombo-
teiro.
O Tempo. no dia seguinte filiare a sua carga,
sustentando as suas appreh oses. As Novidar
des, folhi do Sr. Emygdio Navarro, transcre-
va:n um artigo de ura "jornal de Londres, ainda
sobre a questo de Lourengo Marques, em que
se preconiaava a velha idea da unio ibrica.
Os periodos mais significativos erara compos-
tos em normando, vindo em reforgo indire-
ctamente aos dizeres do Tempo no eir Alerta !
Se foi boato de ensaio, se fui reclamo graJo
para dar mais notonedade ao jornal, se lia coro
ell'eilo alguns fundamentos, colhidos em Pariz,
na nossa lega cao, para semelhante eslardalhago.
|o que ignoro ainda I
As folhas de caricaturas que se publicam se-
manatmente em Lisbea, Pontos nos t i e Comedia
Portuguesa disfargaram-se prodigiosamente da
caricatura relea com que o Punch de Londres
nos tiuha insultado ha poucos dias.
Os jornaes, reputados serios, e que nem sem-
pre justificara o qualiicalivo leen encarecido
estes rasgos patriticos dos cricaturistas por-
tngnezes, que_ acollarara o repto no mesmo
carapOf e deran s raaos arabas etn qu-An se
compraz em no3 ultrajar, talvez custa dos ca-
pitalistas ingieres que Acarara, ou se conside-
'ram tesados com a resciso do contracto do ca-
minho de ferro de Lourengo Marques.
Nao vi o que pin tou e escreveu a Comedia
Portugueza, mas lenho aqui o que se pintou nos
Pontos nos i i. A diatribe annexa aos desenhos
com que o lilho de Brdalo Pinlieiro responde
s insolencias graphicas do Punch de Londres,
em francez ; est freraente de ironas, explue
sarcasmos pungentes contra John Bull, umar-
tigo de arromna, ura desforgo enrgico, em-
flm, assignado por Fernando Leal. Parece que
grande quantidade de exeroplares deste numero
sero postes venda em Pariz, na Torre Eiflel,
nos boulevards, em todos os centros de grande
publicidade, para que o mundo veja como se
responde c, ao p da lettra, a quem nos ul-
traja I
Convem advertir, que ainda antes d'aquelle
artigo e de muitos outros apparecerera em Por-
tugal; contra a Inglaterra, em resposta aos que
de l vieram mellndrar o nosso orgulho patrio
tico, lord Salisbury, presidente do eonselho de
ministros, disse na'cmara, em resposta a ce.-to
lord que de l nos ameagava. com o bloqueio de
Lisboa, mas que era ao mesmo tempo um dos
directores despeitados da Delaga Company que
licou furiosa com a resciso do contracto da
companhia do carainho de ferro de Lourenco
Marquesque o governo portugus, rescindindo
aquelle coatracto com urna companhia portu-
gueza, para todos os effeitos jurdicos est den-
tro da tegulidde, etc., etc.
Ora o chefe da situago poltica da Inglaterra
representa a nago ingleza e a vivacidade cari-
catural; e concomitantes artigos elucidativo3 dos
desenhos, abrangem a nago ingleza.
Consentir a polica franceza que essas inju-
rias, embora em justa defeza nossa, sej*am pos-
tas venda no recinto da Exposigao, que a
arca fcederis" universal ?
Duvido muito.
Abrio-se o periodo eleitoral. Fervilham
agora as candidaturas de pares do reino (os de
galo branco) e tratase de eleger primera-
mente os delegados, pois estas eleiges de pares
sao indirectas.
At de 28 ou 29 pelo Nerthe das Messageries.
^aairtHM*BiHH^MiaiaMi
hiraoi empreslinns, e por i-so recebem em li-
bras esterlinas menos do que conThv ara. De sor-
te que, ultimadas as liquidages, como o capital
nacional foi positivamente desfalcado, soDrevcm
a reaci.o, que coincide ento com a diminuigo
da colheita dos productos coloniaes ou aliracn-
licios o com a necessidade de pagar a enorme
iniportago, que ltimamente tem engrossado as
rendas publicas arrecaJadas em Santos e em
oulra ctdades.
Na pretfiso de (al reaego lgica e inevilavel,
propr; como o fez urna Ga-zeta antorisada, que
desde j i i declare abolido o curso forgado do
panel-moed, equivaleiia inutilisago do nico
meu> circulante que possoimos; importara
apressar nao s a fagida da moeda metallica,
coran qada do cambio.-qoa nao ee demorara
f-"l^* lu.^i mas que seria coran que o effeito
;,l*JWe mn 'punteo prximo, logo que cessassem
aemaWssa* ou 'xportag > rio e
Ante urna situago tale to agitada por ele-
mentos econmicos complexos e contradictorios
e qae carecera o Brazil de ura bomem de Esta-
do superior, no vigor de intelligencia, calmo,
aciraa da myopia das fueges e dos interesses
vulgares, e que soubesse tirar da abundancia
-rira armas de defeza para os terapos da
escassez.
As questes do trabafco, de circulacao, de
IfeClores econmicos, de-direcgo moral trnam-
se entre nos cada dia mls complicadas; e sen-
te-se-o na proporco da maior necessidade de
tiraoiiuiros d'uma estatura excepcional na direc-
go do paiz.
**# *
ro apresentada ao congresso argentino urna
preposla do S*". Joaquina Haoe para construego
de uraa va-forrea enre BuenosAvres e Monte-
video, de bitola larga, e que partindo da primei-
ra cidade, ligua um poni da costa situado na
parte comprehendida t ntre S. Fernando e Puna
Olivas com a ilha de Martim Garca, e d'ahi se-
guir pela cesta orienial at Montevideo.
?--_.
O 3r. ministro Ja fazenda, por ordem de 12
de Julho "corrente, deterininou que a Thesoura-
ria desta provincia entregue ao Banco da Baha *
a primeira presfaco de 300:000500;) logo que
pelo fiscal do governo fr commuoicado estar o
referido banco habilitado-a executur as opera-
ges com a lavoura.
*
do mez de Maio ultimo da Al-
na primaca de S. Paulo, foi de
0 rendimanto
fande de Santos.
I,290:3o7i00.
Cm igual mez do anno passado foi de
i,06i:Oo8!33.
INDUSTRIAS E ARTES
F\i\f\S E (MUERMO
Quanto mais nos approximamos do aniver-
sario do grande acto de 13 de Maio, escreveu o
Brzil, melhor se conhecem os effeitos da liber-
tago repentina do trabalho e da nova orienta-
gao industrial do paiz. E cmquanto as antigs
culturas se despregam ou transformam-se; em-
quanto os trabalhos emancipados se soltam dos
lagos que Ihes foram quebrados, e hesitara era
empenhar o em prego de suas torgas, a nova
agricultura se organisa, as industrias manufactu-
raras tendem a alargar a esphera de sua acgo,
e novos factores da produego entram em
scena.
Este complexo de factos torna diliillima a
apreciago exacta da situago econmica com-
plexa da nago.
Circumstancias occasionaes tem accummulado
em nossas principaes pragas commerciaes os ca-
pitae3 e os crditos disponiveis sobre a Europa;
a liquidadlo desses valores tem provocado um
desequilibrio do meio circulante; a apreciago
exagerada que d'ahi resulta, pode momentnea-
mente levar ao sacrificio de interesses graves ;
e s a reaego ulterior poder fazer senlir a rea-
lidade desse sacrificio.
Depois de 183, por mais de uraa vez, j esse
jogo sobre os crditos transitorios de nossas pra-
Eas tem suscitado elevagc3 exageradas de cam-
io, principalmente quando se tem de sacar so
bre os emprestimos contrahidos na Europa; e
os sacadores, sendo o Estado o primeiro debes,
hosoffrido grandes perdas sem proveilo algum
para os capitaes nacionaes.
De presente nfio o Estado que precisa nego-
ciar cambiaes, mas nisto substituem-n'o as so-
ciedades e os governos provinciaes, qne contra-
N'i expediente da provincia da Bulla le-se o
seguinte oflicio dirigido a cmara municipal de
Curaam:
He nendo o tcnente-coroiiel Antonio Mar-
tina dji Silva, perraisso para em trras de sua
propriadade, nesse municipio, explorar petr-
leo e s?ua congeneres, liquidse solidos, recom-
meodo acamara municipal de Camama queman-
de allixur adtaes na igreja matriz convidando
os iuteiessados a a presentaren), no praso de 30
diai, suas reclaraagoes .
Tru-ta-se, portanto, da explorago dopetrleo
nacional, do qual revelarse a existencia de urna
mina ao sul da provincia da Bahia : e o que
para a industria o ilescobriraeuto do petrleo no
estado liquido, digara todos aquellos q io empre-
garn machinismos cuitosos e complicados para
extrabil-o da turfa. por exemplo. come est pro-
cedendo a companhia de Marah, dos Sis. J.
Grant 4 C, que tra empenhado lempo, aclivi-
dade e capaldinlieironaappropriagi d'aquel-
la materia prima al o ponto de coi'verlel a nos
pro lucios que j sao objeclo de commercio nes-
ta provincia.
Bico. imracnsaraente rico, esto pmz encerra
ihesouros, que sao escassamente aproveitados
una e entregues outros ao mais vergonhoso
abandono. Assim, temo-n'os contentado com
explorages mesquinhas, era puro delriraonto
das rendas particulares, que por sua vez sao
tambera a riqueza e a prosperidade do imperio.
Era abundancia invejavel possuimos Iodos os
eI'*iucatos naturaes para a vida das industrias,
entre nps ainda na infancia, trabalbando resu-
midamente en circulo estreito e acanliado, dc-
vido falta de coragem da maioria Jos que po-
diam aproveilar-se vantajosamente dos beba,
cora os quaes esta privilegiada ndlureza ameri-
cana nosdoou, assombroso legado por todos os
pontos espalhidos desta trra generosa. -
Dia a da snrgem descobriineatos de minas,
de vejetaes uteis a diversas applicaces, e nos
contentamos apenas em registrar suas qualida-
de, na convieco talvez de que seja islo o mais
cerlo e necessario ; e mal de espago nos apro-
vetaraos de urna materia prima que Venha ali-
mentar, desenvolver a industria nacional.
Tudo temos e tudo importamos. Nao quer a
proposigao que emittimos significar que o Bra-
sil'deva smente bastar ao Brazil, como Colbert
quena que a Franga bastasse smente a Fran-
ga nao; queremos, sim, o movimento geral e
uniforme do mecanismo industrial, dividido por
todos os ramos possiveis de applcago, o que
nao exclue a concurrencia e todos os processos
da troca, offerta e procura.
Assim, com a explorago da nova mina cen-
tenas de pessoas encontraro trabalho ; e, nesta
quadra anormal que a traveseamos, quando o
homem valido pede alimentos, esmolando pelas
estradas, formulando talvez as peripecias do nm
crime, vira ella suspender da queda raorte, ao
vic, mesrao ao crime, innmeras familias na-
cionaes.
Nulrimoya esperanga de que muito em breve
sta fonte de riqueza ser aproveitada larga-
mente, concorrendo para o bem estar de urna
parte das classes trabalhadoras, para augmento
da renda publica e da dos particulares que to-
marem a si a empresa da nova explorago.
O nosso papel de im prensa -encara i nhar. E*
o qne lizemos publicando a presente noticia.
*
* #
A commlsso da exposigao brazileira em Pa-
ris est fazendo grande e patritica propaganda
a favor do caf produzido no vasl*imperio do
sul da America, e vai mesrao estabelecer gabi-
netes de geslago para demonstrar praucamen-
te ao publico cosmopolita, que actualmente se
agglomera oa capital franceza, as boas qualida-
des d'aquelle producto.
A commisso portugueza vai, ao que parece,
seguir este exemplo, mandando ir para all im-
Eortantes amostras dos nossos cafs de Mogam-
ique, S. Thom e Cabo Verde, para serem te-
tados e dados a provar aos visitantes da nossa
secgo.
*

N'uma poca em que as materias de construe-
go tanto preoecupam os architectos e c-yem-
prelteiros, interessante chamar a attep^ao de
todos sobre uraa nova descoberta do pusso M.
Paul de Kristoffowitch O pyrograno.
Este novo producto tem j sido exerimentado
na capital dos Tsars ao s no calcetamente das
ras, mas em construeges de impjrtancia como
a da Capeila Expiatoria, que foi levantada no
lugar onde o imperador Alexaudre II foi victi-
ma do odioso altentado que Ihe custou a vida.
#
Vai brevemente experimentar-so urna nova
appcacao do telegrapho.
Com o auxilio de um apparelho muito com-
plicado, mas cujo manejo offerece poucas difli-
culdades, procurar fazer-sc reproduzir a gran-
de distancia, em desenho, um plano ou urna
carta.
Se este systema der boos resultados, ensaiar-
se-hd slmpiilical-ode maneira que possa adap-
tar-se fcilmente aos telegraphos de campa-
nba.
Esta innovagao prestar ptimos servigos em
tempo de guerra. -
M
REVISTA DIARIA
Paquete do alDessa procedencia che-
gou bontem o paquete Congo que depois da de-
mora do costume seguio para Europa.
Nao trouxe mala da corte e da Bahia apenas
recebemos o Diario e a Gazeta de Noticias que
nenhuma noticia traziam que merega transcrip-
to.
Lo sciitnvo Em vista da proposta apre-
sentada pelo empresario Muzella, para levar
scena a grandiosa*opera de Carios Gomes Lo
Schiavo mediante a quantia de 95:000*000, abrio-
se na corte urna subscripgo publica, cujo resul-

|
<#
s
1
;' I
1 jffl
*

-j.1
l

'
4


fe



i

MBitiftW I




Jt
K


Diario tie--Bernainbueo^-Sa^lppeLra .2 de aosto de Ii889
--.
ofli-
P. Suell?. 1 :dO!)S900; SoaTtagesUde o Impe-
rador, o'iOK); a Imperatriz, aOOOOO; Pr
pe 1). '003000.
O referido empresario dirijpo uma carta a ira
prensa explicando as verbas indisponga veis para
a montagem do Lo Schiavo, rcrbas que o forga-
ram a pedir a qunniia que nao acceden a com
misso dos jorualis'as.
Era resuno esta a proposta Muzelln :
1." Obrisrar-me a ensceoar Lo Schiavo
cora
todo o loso e pompa; e minia cusa;
2." Fazel-a cantar seis veze?;
3." Enscenar o Guarany, cnjos vesluarios nao
possuo;
4o Fazer cantar essa opera dim vezes :
5. Dar daas recitas era veneficio total do
maestro Carlos Gomes
6. Dar-duas recitas extraordinarias com qual-
quer opera;
7. Ter garanta de uma renda bruta de
9:5005000i por rada uro dos 10 espectculos.
Esses 9:>iO3OO repi' .-enlan menos do que .1
lotagSo completa do theatro, que de'
10:700*000.
Havendo portanto uma subscripg3o, que nao
ficar aquera de 20:OQO000, segundo 03 clcu-
los provaveis, claro"
por
jue apenas pego garanta
espectculo, diz aquelle cui-
de 7:500 iOoO
presario
Congrcwo I. Pernaniibncnno Era
sesso de asseinblea geral uncs onou hontera essa
a=socia ao, tornan lo posse o Si*. Estevo de Le
lis Souza Izotes, e sendo reconheciJo socio o
Sr. Luiz Gomes Monleiro de Me'.lo.
SoDre a tbese, para que fra sorteado disser-
tou o Sr. Paulo de Freits Frajoso cora proli
ciencia.
Eirnnio Remstteram-i ios as segutntes
linhas :
Xa terga feira prxima pissada S. Exc. o
Sr. consellieiro presidente da provincia fez urna
excursio aos suburbios dessa dado era com
panhia dos embaxadores brazileiros que vo
em missito especial aos Estados Unidos.
's 9 horas da manh os Srs. conselbeiros
Alvos de Araujo, Lafayette, Dr. Salvador de
Mendonga e suas Exmas. familias, Drs. Jaco-
bina, Coimbra, Paula Lopes, Carlos da Silveira
Martins, Saraiva, Cciliano MameJe. Corbiniano
Fonseca, M do Siqueira, Baro da Casa Forte,
coronel Ulysses de Barros, coronel Miguel Re
naux, Aurelio Coimbra, engenheiro Cahu e le
nente Carneiro da Cunba, tomarara um trera ex-
presao da estrada de ferro de Caxang, no Campo
das Prncezas, cm direegao a Dous Irmos, se-
gurado pelo ramal do Arraial.
Tanto na partida do trera como duran'e o
trajecto, fortes jorros (Tagua sahiram dos en-
carmenlos da Companbia do Beberibe pelos
hydrantes attingindo a agua a grande altura.
Chegados a Dous Irmos os excursionistas
forara ver as obras de novo abastec ment d'agua
esta cidade, encarainhando-se em primeiro
lugar para o reservatorio, fazendo-se a subida
por meio do plano inclinado la existente.
Do alto do monte, no terreiro que cobre o
reservatorio, os excursionistas esliveram idmi-
rando o bello panorama que de l se descortina,
podendo assim bera avaharse da grandeza de
nossa cidade, disposigo das arrabaldes, e bel-
leza dos campos e montes que a circundam !
Cora um olliar, pdese dizer, poderam abranger
o conjuncto do que at ento tinhara visto em
delalhe.
Sesuiram ao depois a examinar as poderosas
bomba! que dia e noite foroecem agua a esta
cidade, apreciaran! o fuuecioniraiento d'ellas ; e
aps seguirara em carros para os mananciaes.
A03 visitantes prendeu muito a attengc o
m lo da ac;ip!:igo das aguas, abundancia e
limpidez d'ellas, constituindo obras originaes no
Brasil.
Voltando os excursionistas para a casa de
residencia do eigenbeiro, em frente a explanada
que emfrenta a casa das machiuas e reserva
torio, depois de um pequeo descanco, foi-lhes
servido um profuso almogo, offerecido pelo Dr.
Mamede, em norae da Companhia do Beberibe,
que procurou obsequial-os no que esteve a seu
alcance.
Durante o almogo foram levantados os se
guintes brindes:
Do Dr. Paula Lopes ao conselheiro Lafayette.
Do conselheiro Lafayette ao Dr. Cciliano
Mamede.
Do Dr. Cciliano Mamede ao capselheiro Al-
ves de Araujo.
Do conselheiro Alves de Araujo directora
da Companhia do Beberibe.
Do Dr. Jacobina as Exmas. esposas dos con-
8elheiros Lafayellc e Alves de Araujo.
A 1 hora da tarde os excurcistas vcltaram
todos para esta cidade, passando pela linha
principal da estrada de ferro de Caxang.
As Mioras da tarde to uaram um trem da
estrada de ferro de Olinda alim de visitarem a
velha cidade, nutr'ora nossa capital.
Infelizmente a chva nao permitlio |ue des-
embarcassem all, nem reaiizassem o intento
que alli os dirigirde atravessar a p a parte
mais importante da cidade, examinando as rui-
nas reliquias da grandeza d'aquella cidade.
Aqui chegarara as 3 horas da tarde satis-
feitos do passeio e de tao fcilmente terem po-
dido ver dossos suburbios.
Dr. Silva .Ja: Jim Na quarta-feira. a
bordo do Olinda. regressou a corte o Sr. Dr.
Silva Jardira, sendo acompanhado ao seu em-
barque por amigos e correligionarios.
Agradecendo-lhe a visita de despedida, dese-
amos-lbe feliz viagera.
Violencia a propriedade Diaria-
mente reproduzero-se factos desla ordem aos
passageiros das linhas frreas sujprbanas, e
platicados com o raaior aplomb possivel da par-
te dos larupios.
Nao ha minios das, na estagiio de Agua Fra
da linha de Beberibe, arrebataram de sobre um
banco a bolsa de um conductor as 8 horas da
noite ; e hontcm em pleno dia (J ir2 da raanha)
penetrando DS> larapio no trem que seguia para
Olinda, emquanto eslaeionava no Espinheiro
arrebatou um erabrulho com ditlerentes roupas
novas e outros objectos mais, e que era tran-
sportado por um menor, que entao achava-sc
debrugado a uma janella do trera com o em-
brulbo sabr c bauco junto a si.
Este estado de coui.s nao carecer de urna
providencia, e esta nao poder se ha dar ?
Sociedade Lillcraria oncalve
Ulan-lloiitera a sociedade deste norae elegeu
pela seguinte forma sua nova directora :
Presidente-Araujo Filho.
! vice-pre^idente I. Wanderley.
2 dito-II l'mentel.
I" secretarioE. Lemos.
2 dito-Souza Santo?.
OradorAlfredo' ampo?.
Vice-orador Abdias Salle-.
The.iourciio-Franco e Silva Jnior.
BibliolhecarioBarbea do? Res.
Cooselbo A rtiao, Alfredo Campos
e Abdias S
Director das aulasAntonio Juvenal.
Eommifi iJicaacias-Ern.iO Le
e v.': tval ote.
Commisso de theses Cu3to aado.
Animas e Fon seca Jnior.
EmEtnrijac N? [ rional .Van-io,
esperado noje do ngrte. egw para o Rio de Ja-
neiro, acompanhado de sua digna consorte, o
Sr. Dr. Jo:"io Jocquim de Freitas Henriques, ex
promotj: I cife, que ;.i;.
residen
tre amigo pr
viagem e que !hc lugao qtte
leva em i
iHori^lidade Xa emiterio publico de
Santo maro forara sepr
Carpos
:m
De I88S 365
1887 298
De 1880 267
De 8S:j :)7
A media diaria dos cntonurr.'T.ios cm Jul'io
fiado foideO.87.
Os das de maior numero de enteramentos
foram: 18 em que bou ve dezeseie: 19 em que
houve lezesi is: e 30 em que houve quioze.
03 Jias de menor numero de enterramenU'S
foram : 3L cm que houve qatro 2, 4,12
em que bouve seis e 8, 9 e 20 era que houve
sete.
Tranartrencta de fewlaFoi transfe-
rida a festividadede Mesa Senhora da Piedade,
erecta na capella dos AiTlic;.
Essa festividade deveria te4.lui.-ar no prxima
domingo, devendo rcalizar-se agora era um dos
do mez de Setembro vindouro.
PaMnnent-RendeH alma ao Creador o
typographo Joaquim Audiffax Alves Lima, que
ins annos era empregado era nossas
aral d'esta provincia, contando apenas 22
annos de idade, gozara entre seus companheiro
de peral sympatli:a.
"alma.
PH.>licare eentlflca Recebemos
da Corte trez'brochuras, uma ?obre o Quartzn to
\rBrazil e as outras sobre a Mineraloga, Geologa
e Industria JftMt'm na Brasil, por S. A. o Sr.
D. Pedro Augusto de Saxe Coburgo Gptha.
So trabalhos scientificos que muito abonam
ao respectivo autor, e deraonslram o grao de sua
cultura inlcUedual, srndo po.r iso credorc
aprego por paite dos entendidos, e mesmo dos
que nao sao pros.-ionaes na materia pela gran-
de copia de conheciuientos que nos mesmas
trabrdhos se encontrara com acoesso a todas as
i'itelhgoncias.
A fineza da remessa das referidas brorhuras
somos gratos, e folgamos do manifestal-o.
ncl.-saoa* llttorariaMForam nomea
dos delegados Iliterarios de Ouricury, Cabrob e
Sern-Brenca os Srs. Elias Gomes Lyra, Solonlo
Stares de Mello o Dr. Joaqtiira Alcebiadss Ta-
vares de Hollanda.
vcrtoniea Era data de 27 do passado,
communicaram nos de Vei lentes, comarca de Ta
quaretinga que, n'eae diavo delegado de polica
praticou mais uma violencia, pondo cerro casa
de residencia do deputado provincial Joo A
Bezerra Cavalcante, com o intuito de espancar e
prender um seu cunhado, de quera e inmigo.
E como quer que a essa violencia se oppozessc
aquelle cidado, o referido delegado fofrpcssoal-
mente insultal o e provocal-o, assim praticando
um acto repulsivo que toda a poplag5o con-
demnou.
Nao eremos que o Sr. Dr. coefe de polica
possa pactuar com iaes e qucjanda3 violencias ;
e por sso, chamando sua atteogSo para o facto,
esperamos que S. i. providenciar a respeito.
Sobrado T-l*l Brrelo-Essa com-
Egao musical cuja publicado annuncira para
oiitem, s realisar s-ba detinUivamente na pr-
xima terga-feira.
eIKaclai de potleia Tendo sido no-
meados delegados de polica dos termos da Ba-
Yinta, Floresta e Tacarat os Srs. Vicente Fer-
reira de Carvalho Ventura, Eustaquio Lopes de
Barros e Juvenal Gomes de Souza Rocha, j as-
sumiram os respectivos excrcicios.
SubdeicgaeiA* Entrou era excrcicio da
subdelegacia do i.* distncto do termo de Boa-
Vista, para que fra nomea-Jo, o Sr. frildinu IV-
reira Jordo.
ImpoMto de elaaae De .accordo com o
respectivo cdital publicado, o prazo coocedido
para o pigaraenlo d'esse imposto, a cuja arreca-
dago a Recebedoria Provincial est procedendo
bocea do cofre, terminar imprcrogavelmente
amanli '1 do corronte. Previnam-se, pois, os
contribuintes,jorque lindo o mesrao prazo, pas-
sar o dito imposto a ser cobrado com accres-
cirao das multas de 19 e 20,'o na forma regla-
mentar.
Tribunal Ao Jury do Recife Func-
ciooou hontem este rribuaaLcom a preseoga de
37 juizes de facto, sob a presidencia do Dr.
Tbomaz Garccz Paranhos Montenegro, juiz de
direito do 3dlstricto, occupanilo a tribuna da
aecusago o adjuncto dos promotores, Artbur
Henrique de Albuquerquc Mello.
A's 10 horas da manh foi aberla a sesso e
submettidos a jnlgamento os reos Henrique Go-
mes dos Santos, preso, e Antonio Manoel Fran-
cisco de Paula, ausente, pronunciados por des-
pacho do juiz de di'eito do 5 districto no art.
i-i" do cod. crira. e acensados de haver, na noi-
te de 17 de Junho de 1887, na freguezia da Var-
zea, furtudo um cavallo, perteucenle a Antonio
Joaquira Machado.
Foram sorteados para compor o conselho de
sentengaos seguiates juizes de facto, aos quaes
foi deferido o juramento legal :
Dr. JoSo Honorio Bezerra de Menczes.
Dr. Antonio M.'.ria de Faria Xeves.
Dr Domingos Jas Marques.
Dr. Jos Rodrigues do Passo Xetto.
JoSo Carneiro da Silva Reg.
Eustorgio Austricliano de Brilo Macedo.
Eparainondas Pinto Bandcra Accioly de Vas-
concellos.
Manoel Caetano Vieira da Paz.
Franciseo Placido Bolelho.
Joio Leopoldino do Reg.
Gedeo Forjaz de Lacerda Jnior.
SilvinoClaudiano de Albuquerquc Sobrara.
Interrogado o ro preso e feila pelo esciivo a
leitura do proces?o, o adjuncto dos promotores
limiando sua aecusaco na prova dos autos, pe-
dio a conderanagao dos aecusados uo grao m-
ximo das penas do art. 257 do cod. crira., visto I
conslar dos autos que o crime foi praticado a'
noite, precedendo ajuste entre os reos.
Occupou a tribuna da defeza o Dr. Jos Isi-
doro Martins Jnior, advogado do ro preso
Henrique Gomes dos Santos. ^
Houve replica e (replica.
Em vista das decises do jury foi conderana-
do o ro ausente Antonio de Paula a 4 annos e
8 mezes de priso e multa de 20 por cento do
valor furtado, grao mximo do art. 257 do cod.
crira., e absolvido o reo preso Henrique Gomes
des Santos.
Terminou o juramento as 2 horas da tarde.
A sesso foi adiada para hoje as 10 horas.
Prolongamantoda entrada de fer-
ro de H. Frucico- Regressou .ante-hon-
tem de sua excurso essa ferro-via o Sr. di-
rector interino e Io engenheiro, Caetano Alberto
de Castro Nascimento, que percorreu toda a li
nha e examinou estacos emais obras darle.
Por portara de bontem, da directora, foi
promovido a ajudante de 2 classe o conductor
de engenheiro Jos Heronides de Hollanda
Costa, aclual chefe interino do trafego do pro-
longamento.
utreetorla da obra de eonaerva-
rjin do Porlosde Pernamtiuco-Reci-
e. 31 Julho de 1889.
Boletim meteorolgico
Saludos jara a Europa no mesmo vapor :
Augu.-to A. Portella Filho e sua senhora, Stori
Josepli, A de VVind, ModestaMeycr e 1 filho, Mar-
Calabrio Francesco, Rafaelo Ferroso,
Suigi Rea.
Chegados da Europa no vapor ingles!
Al rato:
Frederick R. Foy esua serthara, Antoaio Luiz
dos Santos- e sua senhora, Willian lligby. FranN
. (son, George Regg, Migu.d Marcelino *
C isla, Maooel Goncolves Uodrigues, J
reir, Custodia Mana Fernandas, JaoMainel Lo-
pes Braga, Anna Monleiro da Silva Braga, Con*
tanlino Rodrigues Mondes, Manflel Bento I
n 'iides da Rocha, i'assiauo Pereira de Castro
Barbosa, Bunito Oliveira e JoSo No?ueira.
Panados para o sul no mesmo vapar:
Dr. II. Riedel, Izaac M. Rudc. 1. Galay, Jos
Abel Bella e ios Morera Barbosa;
Sahids para o sul no vapot allemo 01 in
da:
Dr. Annibal FalcSo, Dr. Nuncs Pires, Dr. Silva
Jardim e Innocencio Xavier.
.suj-lo de MondicldadeDurante o mez
de Julho flndo o movimento des?" esrabele-
cimento de caridade foi o seguinte :
Hamens Mulbi-res
Maro
Fon-
Esistiam "97 115
Enrraram 11 18
108 183
Sahiram 10 ti
Exislera ;<8 127
Na? eiirermarias:
Exi?tiam 27 22
Entraran) 11 10
38 32
Tiveram alta 5 4
_
33 28
Falleceram 2 i
Existem:
tnriM 31 27
Nos dormitorios 67 100
98
127

lloras 81
pai
H-
6 m. 24-2
9 24"-7
12 3- 9
37t. 26*-6
6 25-6
Barmetro a
0-
764-21
763-74
7M-S0
Tenso
do vapor
18,12
19,81
10,51
18 89
18.73
o
1
a
Total 225
Escola de nstrucgo primaria :
Foi frequentada por 13 alumnos.
'"Caa de oelencoMo\nmento dos pre-
sos da C^sa de Dctencao do da 31.de Julho de
889.
Existiam 438; cntraram 9; sahiram 9; exis-
tem tM.
A sabe":
Xacionaes 39); muicres 19 ; estrangclros 26.
-Total 438.
Arracoados 393.
Bons 380.
m Doentes 13.
Laucos 2.-393.
Movimento cm enfermara
Teve alta :
Mai tiiano Fefreira Malheus.
aonplt.ti Pedro li-0 moyimento deste
- ab lecimento de caridade, no dia 31 de Julho
lo .amos. Jimi
'as tamben dsculpturas de
Nobas, Langlin.Macia eAigles, e bustos em
bronse da casa Vidal, de Barcelona.
Como applicagOai da arte industria figurara
alli moo'is e outras obras 3c miJeira, Ierro c
tal.
E do Sr. G. esta poesa :
Trova
Margarina, s flor mimosa
Que me fascina e sedns.
Cuanta innocencia traauz
Teu sonir, virgera formosa ? !
-
Quera rae dera a cada instante
Coulcmplar-t, ai! quera me dera !
Mcu pezar eu desfizera
Com a luz do teu semblante !
Consente qu'eu possa um dia
Clieio de franca al> gria
Gozar-te um riso d'amor :
Muito embora a mi nha vida
De meiga crenca despida
Tenha a existencia da (lor !
14 .
3
1 *
628
enfermarlas
foi o seguinte
Entraran)
Sahiram
Fallecern)
Existem
Foram visitadas as respectivas
pelos Drs.:
Cysnciro s 9 3|4. Barras Sobrinho as 8 i|4,
Malaquias as 9, Pontual as 10. EstevSo Caval-
cante s 9 1(4, Simes Barbosa s 9 1[4 horas
Nao comparecern) os Drs.:
Hoscoso.
Ferreira Ve/loso.
Berardo.
O cirurgio dentista Xuraa Pompilio s 8 1)2
horas. ^
O pliarmaceutico entrou A?s 8 14 d? manh e
lahios 3 1 [2 da tarde.
O ajudante do pharmacenlico entrou s 7 14
la manh e sahio as 3 1|2 horas da tarde.
Lotera do Oran-ParaA 5" parle da
30* lotera, dessa provincia, cujo premio grande
60:000000, era extrabida hoje 5 de Agosto
(segur.da-feira).
(irande lotera do Maranbo -A 4'
serie da 1 lotera, dessa provincia, cujo premio
grande 300:i'00000 ser extrahida no dia 9
de Agosio. ,
Cemlterio publico-Obtuano do da 31
do Julho. .
Benedicta Brrelo Lins, Peruambuco, 64 an-
nos, casada, Gra?a; bronchite chronica.
Severina, Pc-rambuco, 27 das, Sanio Aato-
uio; ttano infantil.-
Joo Matioel Gomes do sciiB)to, Peraam,-
buco, 46annos, solteiro, Boa-Vista; diarrna.
Manoel, Pernambuco, 3tMos, Recife; convut '
soe?.
Ura feto, Pernambuco, S. Jos.
UM POUCO DE TUDO
79
85
73
71
76
Temperatura mxima2",00.
Dita mnima 23",25.
Evaporaco em 2i horasao sol: o"".8 ; som
ora: 2-.6.
Chova-9-.0.
Direcgo do vento : SE cora interrupcoes de
ESE durante todo o dia.
VetocUade media ao rato: 3,74 por se
4urdo.
Xba!o?;r!a'c media: 0.77.
Boletim do porto
li
3. M>
p m.
3 M
P. M.
Dia
31 de Julho

1 de Agosto
Hora3
.1__________
1 el da I
0
117 da manha
7 -07
Utar
0-3D
t- 31
0-57
liel?enEnec'.u quintes :
I!
r lo agente Modesto Baptista, s 11 hora?,
ra do Imperador n. 19.
[o agente 8H 8 11 horas, ra do
Comraercio, de v;o aas.
Pelo agente Plepple, s lt noras, em Afolados,
tan. 16, da armago, gneros e i
utensis abi existem
Pelo agente Modesto Baptsta, s 11 horas,
ra da Imperatriz n. 76, da armago, perfomaria.
etc., ah existentes.
f iTixa ruieSreB~S-:'r5o celebradas :
Amania :
A' 7 horos, na matriz de Santo Antonio, |
alma de J Corle Real; s 8 horas,
na Orlem Terceira de S. Francisco, pela almaiie
Jos Antonio \ 4 12 horas, na igreia.
da Peuba, pela alma de Dr. Manoel Ferreira da
Silva.
Paageiro* Chcgalo? do sul no vapor
francez Congo :
Joaquira Coelho
Cunta, Eudoxia
seppe.
-. Mara do Carrao Carneiro da
Mara de Jesue, Pegnoto Gui-
Assenharas americanas acabam de constitair
uma sociedade em New-York, com o lim de edu-
car convenientemente a mulher. E' curioso o
cdigo que encerra as snas mximas e que de-
vein servir de fundamento ao cnsino e edu-
cagSo.
Eil-o :
Confiar em si e tornarse mdependente. Cosi-
nhar e fabricar bom pao. Fazer camisas. Nao
usar rangas postigas. Abolir o p d'arroz Usar
sapatos commodos c de sola grossa. Fazer" os
vestidos proprios. Pontear meias e pregar bo-
lOes. Dizer^jmou nao, como Christo nos en-
sina, o dizel-o com o corago as mos. Usar
vestidos de chila e nao se envergonhar d'isso.
Antes correr e saltar do que dar em tisica. Pre
ferir a boa rcpdjsco do noivo ao dinheiro que
elle possa ter Ter a casa bera arranjada e cada
cousa em seu lugar. Subordinar a despeza
receita e economisar algnma cousa. Nao tratar
com intemperantes e dissolutas. Probibir-lhe o
aperto da cintura como na China se lhe prohibe
o opio. Fazer ver que o aastamento da econo
ma conduz pobreza. Mostrar que um rapaz
industriosa e bem comportado vale mais que
uma duzia de peraltas ignorantes. Aprender to-
dos os dias alguma cousa pratica, embora pa-
rega rida, porque sempre tica tempo para o
idealismo. Fazer coraprehender que a pressao
das ligas e a dor dos callos nao podem aformo-
sear as ferinas humanas. Finalmente, regular a
educjgo conforme a posigo dos paes, sera to
davia prejudicar os deveres domsticos.
Um mogo recentemeuie chegado do interior,
costuniiiv scismar no futuro :
Qual ser miuha sorte aqui? perguntava
elle a miudo.
: Ora, adeus disse um dia um amigo. Has
de passar vida amargurada at aos 30 annos.
E depois ? inquiri o mogo"ancosamente
Depois. acostumar-te-has.
**#
Est chamando a altengo era Londres u m mi
nusculo pianista de 10 annos, lo nolavel como
foi Mozart quando tinha a sua idade. Essa
enanca extraordinaria chamase Jjs Hoffraan.
E' polaco, pois narceuna Croacia em 20 'de Ju-
nho de 1877.
Aos 7 anuas era j um pro ligio que assora
brava qnautos o ouviam : com as suas mosi-
nhas, que apenas abrangiam quatro teclas, exe-
Lcutava difficeis composigOes aos graudes raes-
tres.
Em 1884 chegou ao conheciniento de Robins-
tein a fama do preco.of #ianista. Depois de ve
rifioar por si proprio'-qro nao havia exagero no
que se dizia declarou que o infantil virtuose es-
lava (lestinado a um grande futuro.
Seu pai nao quiz ouvir mais nada ; dirigio-se
ao empresario Wolff e o pequeo foi contractado
para dar concertos.
Ao principio s pode ser admirado em algu-
mas cidades da Polonia e em varios estabeleci-
nienios de banhos da Allemanha
Receatemente foi a Londres, onde lodosos m-
sicos e especialmente a? damas mais distinclas
da aristocracia, se disputan) o prazer de o ouvir.
Os presentes que recebe conlam-se por milha-
res e os beijos e caricias por milhes. porque, o
menino, alera de ser notavel como artista, for-
moso como um anjo.
Ha dias quizeram leval-o casa de um millio-
nario aristcrata, mas ao saber que am l omi-
tas damas desejosas de o conhecer, exclamou :
Ko quero, porque j sei o que vai sucCe-
der. Beijam-me, acareciam-me, corlatn rae ina-
deixas de cabello, tiram-me bocados do vestua-
rio, e por ultimo fazem-mc assignar era vintc al-
buns. Antes quero ir brincar.
A pobre crianga, obrigada pelo pai, foi c teve
por infelicidade sua de ver realizado o seu pro-
gramraa.
Jos Hofman falla o |)olaco, o francez e o al-
lemo.
Com estas trez linguas, diz elle, j posso ir
para onde quizer.
Gosta muito de queimados e de doces. Nisto
parece-se cora Mcndelssoho.
Tambera gosta de andar em velocpedo e de
jogar a:ll, no que uo se parece com nenhura
msico.
O lim da sua actual viagem reunir uma som-
ma sufliciente que lhe nermitta abandonar os
concertos pblicos e ;deuicar-se ao estudo. la
partir para a America, para onde foi escritu-
rado por 5,000 libras esterlinas.
Sen pai da-lhe uns 10 cntimos por cada pega
de concert que executa. Com islo formou um
certo peculio que diminue sempre que o peque-
o artista para defronte das confeitarias ou das
vilrines de brinquedos.
SPORT
N i dia 1 de Julho chegou a Londres o skah da
Persia, sendo saudado sua chegada por todos
os navios de guerra ancorados no Tamisa.o pe
las bateras dos portos.
O principe de Calles foi n'uraa galeota reebei
o regio viajante.
N Westminister fez s''-llie uma brillianl^H
ao, tendo-se levantado ares Iriu.upTi
adornados de llores, e o vam enlata
as bandeiras in^ieza c pe:-:
depois do desembarque, o principe de
Galles e o soberano da Persia toraaram h
n'uraa carruag n io-se oo
io de Buckingham, no meio de acciama
ges da multi:
as rnas do transito estavam formadas a?
as nrnas rccebersii.
o recio vijante no patamar da escuda do palacio
No dia6 foi elle ao palacio de. Win Isor, flm
de curanrimentar a rainha Victoria.
Sahio'em trem da aua residencia, palario-d
gtoaoi, dirigiodo-.se para o de Windsor.
pi o iries receberam n'o' no pa
lmar do pago, procednJo-se s aprsente
do e.-tylo.
Foi em seguida servido um lunch, regressan
do o re da ncia.
A' noite foi ao ConventGarden,- onde houve
recita de gala em sua honra. O thcatro ;',
sentava um aspecto brilliairtisaimo.
No di :o a uma fnne
a-l&ty, l'uncgoque lhe foi dedicada
ios principes de Galtoi.
teve animadisaima, vendo se entre
os convidados o
hespanoota em Londres lera sido
Las attenges do pu!>lico da grande cidade,
cute o ramo de bellas a:'
Havia a principi uns poucos de quadr
Murillo e de Velasquez, agora o salo destinado
& pintura antiga est cheio de telas de Zurba-
Rivera, Alonso Cano, Morales e muitos
...
outros sales ha grande quantida
uadernas de Fapiro, irmos Avendano,
Benlluire, Villegas, Egusquiza, Galores, Codina
Queseja esta meia duzia de palavras lomada
como um simples parenthesis aberto ao que te-
mos dito e anda ha para dizer-se.
Era tudo preciso isengo de animo, para que
se seja bom juiz e possara os factos ter devida
apreciago.
Sem duvida o honrado accionista do Derby
assistio s corridas do domingo ultimo ; e assim
deve tel-as visto bem, e por consegrante raelhor
apreciado os seus effeitos, Ilustrado como es-
pirito perscrutador como se revela.
E, em presurapgo doquedeu-se no primeiro
pa-reoe do resultado pratco da carreira, ter re-
conhecido, que se nao pode acceitar o postulado
i'.c nao influir a partida uma vez que seja bom o
ani- mal concurrente.
O absoluto da proposigo cede evidencia, c
esta contradiz a affirmago.
Como prova ahi lemos :
Por um lado, a escapada sanccionada do Ty
ramioque a tantos tyrannisou na bolsa.
Por outro lado, a sitoago em que achava se o
Humilde, a quera por esta qualidade deveria ca-
ber o reino do ganho, e si desle reino n5o esti
vesse a porla trancada por uma dezena de fer-
rolhos de pontes tyrannicas.
Ficaria convencido o honrado aanonfrta do
Derby essa visito manifesta, que nem alluci-
nago dos sentidos, nem historia de almas do
outro mundo ?
A partida por escapada, lograda por Tyranno,
queja oceupava a frente c antes de alinhados
todos os animaes, que apenas chegavam na raa
ao ponto da partida, logo ordenada sem a demo-
ra classica; e a situago cm que cito acbava-
se Humilde, demonstrarara o contrario da pro-
posigo.
Humilde que em turma de 14 animaos sahio
entre os ltimos e tomou o segundo lugar no
resultado definitivo da carreira, conquistado de
Siroco, que por associego tambem teve a sua
e?capada, e de Pao Brazil, leria sido inquestio-
navelmenle o vencedor, si nao houvcsse sido
dada a partida as condigOes ditas, em proveito
de Tyranno, cuja victoria, portanto, s foi devi-
da esta circumstancia.
Bom animal, deixando aps si os outros ca
numero de 12, muitos dos quaes tambem o sao,
Humilde nao pedo todava vencer a vantagem
facilitada a Tyranno.
E porque
O Ilustrado accionista do Derby mclhor o dir,
convencido pela evidencia do facto e nao par
mero assertos no
(cebado o parotliesis.
1ND1CAC0ES DTEIS
neneos
Dr. Jesiis medico o operador.
Pratica a o pundo e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua riaidencia ra do
Bom Jess (antiga da 'ruz) a. 23, 1/
andar. Telephonu n. 38D
Dr. larretto Sampaio d eoosnUas de
nv.io-dia M 3 horas no i.* andar da (jtm
rua do Baro da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sele de Setembro n. 5$} en-
trada pela ruada Saudade n. 25.
l'r. Rbeiro de Bruto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no poden-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, I." an-
do ser procurado para chamados na ; sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
'ephonen. 303.
Dr. Alvares Quima/riles, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do cora-
9&>, pulmSes, ligado, estomago e intesti-
nos e tambem s ffecc^ea das enancas.
Refde praea do Conde d'Eu, n. 28, e
tem con'sdltorio na ra do Bum-Jesus
(antiga da Crne). n. ;45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o seu
eseriptorio a rea do Barao da Victoria
n. 32, 1. andar, onde d consultas d
meio-dia s 2 horas da tarde. Reside
ra de-Gervasio Pires n. 27. Encarrega-
f do tratamento das molestias de olhes.
Telephone n.'427.
UJJr. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades: molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27, 1." andar. Consultas das 11
s 2 horas c na Casa Forte (P050 da Pa-
ne lia) das 6 s 9 huras da manha c
tarde. Teleshone n. 392
Dr. Joaquim Loweiro medico e partei-
ro, consultorio na do Cabug u. 14,
1." andar de 12 s 2 da tardo; residencia
no Monteiro.
Dr. Cerqueira Luite, tem o seu eseripto-
rio aberto, ra Bario da J/ictoria n. 32,
do meio dia s 2 horas da tarde e desta
hora cm diflnte na mesma ra n. 22. E
pecialidadesmolestias de crianga. Tele-
phone n. 326.
Occiillsa
Dr. Ferreira. com pratica nos pvinci-
paes hospitaes e clnica de Paris c Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio onesi-
der.cia ra Larga do Rosario d, 20,
Advogados
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
J. A. de Magalh&es Bastos. Duque de
Casias n. 66, 1. andar..
O Dr- H. Milet contina com seu es-
eriptorio de advocacia, a ra do Impera-
dor n. 46, onde tambem poder ser pro-
curado sobre negocios concernentes 1.a
proraotoria publica d'esta capital.
O conselheiro Portella contina a advo-
gar. Eseriptorio ra do Imperador
n 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr'ora ra da
Matriz da Boa-Vista). Telephone n. 362.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chhni-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de campia
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qnalidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por prejos sem dom-
petenciaPernambuco.
Partido ce nservador
IUm. Sr.Os abaixo assignados, membros do
Directorio do partido conservador lesta] provin-
cia, por indicagao de seu Ilustre chefe, o Exm.
Sr. conselheiro Joo Alfredo Correia de Oliveira.
organisarain e lera a.honra de offerecer con-
siderago doeleitorado _a chapa para Jdeputados
geraes, na eleiyo a que se vai proceder no dia
31 dcAgos- to prximo.
Em tal organisago, o directorio consultou,
com a -mxima ponderago e procurando o
maior accordo possivel, nao s as legitimas
conveniencias partidarias, como as circumslan-
cias difficilimas era que se asba o paiz, e os ele-
mentos pessoaes de cada candidato.
Assim, maniendo os nomes que em anteriores
eleigoes j receberam a sagragao do partido,
com excepgao dos nossos prestrnosos amigos
Visconde do Itio Forraoso e Dr. Alfredo Correia
de Oliveira, que ora se abstera espontneamente
e por motivos imperiosos de ordera particular, e
apresentando novos candidatos, que igualmente
se recomraendam por seu3 servigos e talentos,
acredita o directorio que procura dotar a pro-
vincia com uma representagao digna de suas
honrosas tradicg5es, na altura das circumstan-
cias e dos legtimos interesses do partido.
Embora, era vista de factos occorrdos j nes-
ta provincia, como em todas as outras, nao
possamos confiar na promessa solemne, feila no
parlamento pelo gabinete actual, da mais com-
pleta liberdade para todas as crencas, tem o
partido conservador o dever de mais una vez
disputar as urnas a victoria to brillantemente
obtiua era pleitos anterieres.
Para a realisago desse resultado que, alm de
natural e legitima .aspirago partidaria, se nos
afligura imperioso dever no momento poltico
que atravessara as insttuigoes do paiz, e para
conjurar as difculdades que possara provir de
possiveis, seao provaveis pretenges da situa-
go actual de transpor os limites legaes no pr-
ximo pleito eleitoral, o partido conservador tem
necessidade de raanter se forte pela mais irre-
preheusivel coheso, pela mais severa discipli-
na c pela mais decidida energa.
Nunca tanto se impoz a raisso do pardo
conservador Xuuca a ordem tanto precisou do
amparo e dedicago de seus naturaes defenso-
res !
s vencidos, nossos amigos, que tentaram, no
governo, como louvavel aspirago, urna poltica
de generosidade e tolerancia, esto sendo victi-
03, cora esquecimento das mais attendiveis
consideragOes e dos maiores reclamos da justi-
ga, aos golpes da desenfreada c frentica reac-
go, esse vezo anligo dos nossos adversarios,
que perpeta os odios e a oppresso, porque
desalia reacg6es futuras, e que tanto mais in-
toleravel quanto podia e devia ser comida pelo
nico remedio efQcaza justiga dos governos !
As condlges dilliceis da aclualidade c as di-
versasospiragoes e planos de reforma que se
agitara ca arena poltica, esto reclamando a
maior circumspecgo e a intervengo activa do
partido conservador, para garaotiu dos princi-
pios de ordera
A autonoma provincial e municipal, soba
base da mais hrga descentralisago, sao neces-
sidades que hoje mais que nunca se impoem,
como condig&o de vida e desenvolvimento das
provincias e municipios e manutengo da inte-
gridade do imperio, que nao pdc deixar de ser
aspirago de todo o brazileiro.
Cora relago, especialmente, s ameagas que
contra o partido conservador do
norte do imperio, e, particularmente, contra o
3
desta provincia, mais se accenta o nosso dever
patritico de organisar a resistencia, at porque
polo actual svsteow eleitoral a nenhum governo
possiveM conquista Ilegal as urnas. E des-
te modo, cumprindo o partido conservador o seu
dever, o gabinete actual, quaesquer rpie sejam
os seus planas de intervengo e# corrupgo, nao
ha de poder resistir fulurs.'camara, mxime
enfraquecido, como j se' acha, no meio das di-
vergencias do seu proprio partido.
Em taes coajuncturas, preciso que o pajiido
conservador, unido, disciplinado, preparado
para a lacla e cheio d patriotismo, se congre-
gue, como um s partidario, nos diverses dis-
tnctos eleitoraes, era torno dos respectivos can-
didatos.
Confiamos em vos. Curapri esse dever de
honra para com o partido, esse dever de pa-
triotismo para rom a nago I
Eis a chapa :
Io districtoConselheiro Manoel do Nascimen-
0 Machado Portilla.
2* dito -Dr. Jos Nicolao Tolentino de Carva-
lho.
MilitoDr. Felippc de Figueira Faria.
V ditoDr. Joo Juveucio Ferreira de Aguiar.
5" ditoDr. Gaspar de Drummond.
61 ditoBaro de Suassuna.
7" dito Dr. Jos Vicente Meira de Vasconcel-

los.
8o d;toBarao de Granito.
9o/lito Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforad
Jnior.
10 dito-Conselheiro Francisco de Assis Rosa
e Silva.
11 dito -Baro de Lucena.
12 dito Conselheiro Antonio Gongalves Fer-
reira.
1.3 ditoDr Moreira Alves da Silva.
Recife, 31 de Julho de 1889.
Barao de Lucena.
Visconde do Rio Formoso.
Alfredo Correia d'Oliveira.
Miguel Jos de Almeida Pernambuco-
Fclippe de Figmiroa Faria.
J0S0 Juvencio Ferreira de Aguiar.
Barao de Suassuna.
Barao de Granito.
Jos Bernardo G. Alcoforado Jnior.
Francisco de Assis Rosa e Silva.
Antonio Goncahcs Ferreira.
PlBLlCAgOES A PEDIDO
ios I2xai.s. Srs. ministro da jns
lea c presidente da provincia
Chegando ao mou conhecimento que
alguem pretendeu pedir, em- men nome,
a ininha exoneragao do cargo de juiz mu-
nicipal d'este termo, venho por meio do
presente protestar contra semelhante at-
tentado ao meu direito, declarando falso
qualquer pedido que [apparega n'este sen-
tido.
Cidade da Gloria de Goyt, 27 de Ju-
lho de 1889.
O juiz municipal,
Jos Cometi Leitao Rangel.
Eleleo dos jaizes c julzas. que
tvm de festejar a nossa San-
tlssima Mi! a Excelsa Tfrgent
do Carmelo, neste convento,
no anno fui tiro de 1 SAO
Juizes
Os Exms. Srs.:
Consellieiro irmao confrade Quintino Jos de
Miiranda.
Commendador. iimo confrade Albino Jos da
Silva.
Commendador, irmao confrade Jos Francisco de
S Leitao.
Commendador, irmo confrade Julio da Costa
Cyrne.
Juizas
As Exmas. Sras. :
Irma confrade D. Mara das Dores de Araujo
Rosa e Silva.
Irma confrade D. Mara Francisca Correia de
Araujo.
Irma confrade D. Thcreza de Jess Figueira de
Faria.
Esposa do Illin. irmo confrade Dr. Laurindo de
Moraes Pnhciro.
Juiza perpetua e principal protectora da festa
A Exma. Sra. Viscondessa do Livramento.
Carmo do Recife, 16 de ulbo de 1889O vi-
gario provincial, Fr. Alberto de Santa Augusta
Cabral de Vasconcellos.
Eleieo dos juizes e julzas. que
tm a fazer festa do nosso
Patriareh Santo Elias, no
anno de 1 SO, neste convento
Juizes
Os lllms. Srs. carissim03 irmos confrades:
Wanoel Gongalves Agr.
Antonio Augusto dos Santos Porto,
'amulo Loliz da ilva.
llermcs Dias Fernandes.
Juizas
As Exmas Sras.: *
Esposa do Illm. Sr. Dr. Aialpho Tcito da Costa
Cvrne.
Esposa do Illm. Sr. Manoel Jo3 da Cunha Porto.
Esposa do Illm Sr. Francisco'Jos dos Passos
Guiraares.
Esposa do Illm. Sr. Lino Regalo Braga.
Carmo do Recife, 20 de Julho de 1889.-0 vi-
gario provincial, Fr. Alberto de Santa Augusta
Cabral de Vasconcellos.
5 Ao capilao tsnario Pedro
das Xeves
Pelo seu rnniversario natalicio,
scomprimenta e desoja mil felicidades;
I o amigo
.V. C. P..J.
Ao eleitorado cfb 4. districto
Dispondo de grandes elementos n'esse distric-
to, e nao qurendo prejudicar-ao meu co-religio-
nario Dr. Tarares, desisto da nimha candida-
A mesma declarago sahir na Gazeta de
"jlcciTe' 29 de Julho de 1889-
Jos Mara Ramos Gorjao.
PHOSPHATINA FALIERES. Alimen-
to das G'riancas.
A Cataplama a mais efficaz, propria a
conimoda para empregar a Cataplasma
Hamilton. (1)
(



T



Diario de Pernambuco-Sexta-feir 2 de Agosto de
1889
IV. 9
A melhor e mais perfeita de todas as cooheci-
das at agora a Emulsao de Lanman A Kemp,
c por conseguiote a mais segura e rpida em
seus effeitos em todo o caso de atfccsao da gar-
ganta, tsica e demais iocommodos pulmonares
ou peitoraes.
Sabidas e conhecidas sao em todas aa partes
as virtudes de urna boa Emulsao de Oleo de Fi-
zado de Bacalho, e no presente caso, so temos
i dizer que, tanto a absoluta excellencia dos
elementos empregados, como o esmero e corra-
dlo scientica de sua preparado, fazem da
Emulsao de Oleo de Figado de Bacalho cora os
hypophosphitos de cal, soda e potassa que leva
o nome e Marca Industrial de Lanman & Kemp,
a mais perfeita, efficaz e agradavel das que exis-
tem no mercado.
lomptolr indnstrlcl Francals
O director nao seguindo pelo vapor Congo,
partir no dia 10 pelo Ville de Cear. At esta
data continua a receber.ordens, pedindo descul-
pa aquellos a quem pela afluencia de servico
anda n5o pode attender o que far com certeza
at iquellc dia.
Ao publico
O Dr. Cerqu'ira Leite, ltimamente nomeado
inspector da hygiene publica de Pernambuco,
acha-se nessa repartigab. 38 ra Barao da Vicr
toria das 11 horas do dia s 2 horas da larde
nos dias uteis.
seoe--
Hospital Portnguez
Novena que se tem de realisar em Seterabro
prximo vindouro em louvor do S. JoSo de Deus
sendo as noutes distribuidas da seguinte for-
ma:
Ia Molte
Acadmicos
Encarregados :
Dr. Fernando Barroca.
Dr. Affonso de Albuquerque Maranho.
Dr. Francisco Gamillo de Assis.
Dr. Eduardo Barroca.
Dr. Dionizio Maia.
Dr. Abel Vaz Pinto.
Dr. Arthur da Silva Costa.
Dr. Jacintho Pereira do Reg.
Dr. Manoel Marques Pessoa.
Dr. Laffavete das Cbagas Justiniano.
1.a aolle
Commerciantet
Encarregados :
Commendador Luiz Jos da Silva Guimaraes.
Commendador Luiz Duprat.
Commendador Manoel Marques de Amorim
Manoel Jos Dias.
Manoel Joaquim de Miranda.
Domingos Manoel Martin*.
Dionizio Pereira dos Santos.
Manoel da Silva Lcito.
Manoel de Oliveira Menor.
Jos Ferreira Marques.
Joaquim da Cosa Pereira Torres.
Albino Feraandes de Azevedo.
LinoFernandes de Azevedo.
Bento Serra.
S.'nolip
Caixeiros
Encarregados:
Joaquim do Reg Medeiros de Vasconcellos.
Octavio Bandeira.
Domingos Leite.
Antonio da Silva Castro.
Manoel Vianna.
Julio Goncalves Lima.
Firmioo '.ampollo Duarte.
Jos Alves Salazar.
Manoel Pestaa dos Santos.
Custodio Goncalves da Silva Araujo.
Luiz Pereira da Silva.
Eduardo Pereira de Mello.
-1.a nolfe
Artistas
Encarregados:
Antonio Macario de Assis.
Antonio Pedro Dionizio.
Antonio Francisco Dezoito.
Evaristo Rodrigues Vianna.
Manoel Goncalves Agr Filho.
Trajano Sabino Vieira da Cuolia.
Olympio Francisco de Mello.
Joaquim Ramos.
Mathias Lima.
.".' noilc
Senhoras casadas
Encarregadas :
As Exms. Sras.:
Esposa do Sr. Dr. Carlos Alberto.
Esposa do Sr. commendador Miguel Jos Alves.
Esposa do Sr. commendador Jos Antonio Pinlo.
Esposa do Sr. Dr. Cocino Leite.
Esposa do Sr. tcnente-coronel Corbiniano Fon-
seca.
Esposa do Sr. consclheiro Reis e Silva.
Esposa do Sr. Dr. Antonio Domingos Pinto.
Esposa do Sr. commendador Joaquim Alves Fon-
seca.
Esposa do Sr. Joao de Aquino Fonseca.
Esposa do Sr. Carlos Dubois Dubl.
Esposa do Sr. Joo Farias.
Esposa do Sr. Guimaraes Rocha.
Esposa do Sr. Augusto Maia.
Esposa do Sr. Affonso Maia.
C.' noite
Senhoras solteiras
Encarregadas :
As Exmas. Sras.:
Revista do Mercado
RECIF2. 1 D AGOSTO DE 1889.
Poucmovimerto.
No mercado de cambios Crala eilas algumas
lraujac*;6es.
Algodo
Cota-se o de Ia sorte do serlao a 6*900 por 15
KOS.
A exportarlo feita pela alfandega em Julho An-
do at o dia Oattingio a 1.363.114 kilos, sendo
703.816 para o exterior e 650JW para o inte-
rior.
As entradas verificadas at a data de hoje, em
tumo lindo, sobem a 7.683 saccas, sendo por:
Barcacas..... 1.268 Saccas
Vapores..... 9i8
Animaes..... 2 337
Via-ferrea de Caruar. 270
Via-ferrea de S. Francisco. 370
Via-ferrea de Limoeiro 2 510
Somma.
.Assucar
7.683 Saccas
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
cundo a Associaco Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Branco .
Somenos.
Mascavado purgado ..
bruto.
Hteme .
3*b00 a 44400
3*000 a 3*400
2*600 a 2*800
((irme) 2*000 a 2*400
1*700 a 1*900
A exportacSo feita pela alfandega em Julho fin-
do at o dia 30, subi a 3.898.597 kilos, sendo
836.171 para o exterior c 3 043.416 para o inte-
rior.
As entradas veriic idas al a data de hoje, em
Julho lindo, sobem a 5.847 saceos, sendo por:
Barcacas .... 2 331 Saceos
Vapores..... 56
Aumaes. ... 62
Tia-ferrea de Caruar. 2H6*
Via-ferrea de S. Francisco. 2 771
Wa-ferrea do Limoeiro 338
Somma. 5.847 Saceos
Caubio
A toxa oflicial continuou a ser 2t> 7 8 bancario,
D. Amalia Maranho.
D. Zulmir Dutra.
D. Olivia de Freitas Guimaraes.
I. Geltrades Athayde.
D. Honoria da Cunha.
D. Eaedina Gouveia.
D. F. Pereira do Reg.
D. Mara do Carmo C. de Albuquerque.
D. Jesephina Dubeux.
D. Tliereza Pinheiro.
D. Elvira Dutra.
D. liara Dutra.
D. Mara Luisa.
f .> nolle
. Sotteires
Encarregados :
Julio Seccades.
Antonio Elisiario Soares.
Antonio Barboza.
Othon Rejo.
Antonio Duarte SimOes.
Antonio Fernandes de Azevedo.
Antonio do Carmo Almeida.
Antonio Francisco da Cruz.
Antonio da Silva Maia.
Paulo Aristides de Almeida.
Jos Custodio Loureiro.
Antonio Alves Pacheco.
9.a molte
Senhores casados
Encarregados:
Dr. Manoel da T. Peretti.
Consclheiro Francisco de Assis Rosa e Silva.
Dr. Baptista de Medeiros.
Dr. Fefippe de Figueira Faria.
Dr. Carlos Alberto.
Dr. Alexandre dos Res e Silva.
Tenente-coronel Manoel Martins Fiuza.
Alfredo de Araujo Santos.
Manoel Gomes Maphonca.
Manoel Lopes Vieira.
tanoel Joaquim Ribeiro.
anol Bento Borges Cmara.
Antonio Novaes da Cruz.
Antonio Moreira.
Francisco Cardaeo Lima.
Albino da Silva Azevedo.
Boitr
Cummissao geral
PresidenteHoracio Dutra.
1* secretarioAdolpbo Cock.
2o secretarioManoel Martins de Amorim Santa
Rita Jnior.
TnesoureiroManoel Fernandes de Abreu.
AVISO
Alberto Henschel & C. Successores avisam
aos senbores acadmicos do 5*. anno da Facul-
dade de Direito do Recife que queiram fazer
parte do grupo, que foi marcado o p*azo para
se retrtarem os mesmos para o grande quadro
de que ellos foram incumbidos de hoje at 30 de
Setembro do convnte anno, sem prorogacao al
guma.
Recife, 1 de Agosto de 1889.
Marca registrada
H. 252
Carlos de Arruda & C. domiciliados e cstabe-
lecidos com fabrica de cigarros ra de Marcilio
Das n. 17 apresentam Meritissima Junta Com-
mercial desta cidade a marca supra a qual ser-
vir para envolucros dos volumes de 500 cigar-
ros mais grossos do que os communs produzdos
pela sua fabrica, c pedem para que ella seja re-
gis'rada.
Nestes termos pedem deferimento.
A marca consiste em um quadrilatero formado
por cordes azues sobre fundo branco com listas
vcrmelhas, no centro de um circulo formado por
dous filetes azues, sendo o de fora mais largo, a
figurajDana"iendo na mSodireita uina;cspingarda
assente sobre o solo e a mao esquerda inclinada
para quatro caes qne desse lado se acham, no
segundo pluno a direita da figura urna planta
cora flores e no terceiro montes cobertos de ver-
dura e sem ella e duas arvores frondosas que
ficam a esquerda da figura, sendo todo este de-
senlio de cor azul sobre fundo branco ; no alto
em uina fila azul as pala> ia3Cigarros Sirius
em fundo branco ; de cada lado era meio do cir-
*.ulo central o monograraina C- A. C em le-
fias capilaes azues; em baixo dous circuios
mais pequeos, um de cada lado do circulo cen-
tral formado por dous filetes azues. sendo o de
fora mais largo, o centro do circulo oceupado
ior urna estrella formada por linbas azues sobre
ando branco e atravessada com a palavra Trade
em urna estrella e a palavra Mark em outra, era
letras capitaes azues, o fundo dos dous circuios
formado por listas azues sobre fundo branco ;
alm do quadrilatero existem quatro abas que
servem para ladear o volume, formadas por cor-
dOes azues robre fundo branco com listas ver-
melhas, urna contendo no centro de um arabes-
co as palavrasFabrica Diana em letras ca-
pitaes azues outra no centro de um arabesco o
algarismo 500 e a palavra cigarros em letras
azues: outra as palavras ra de Marcilio.Dias n.
17, antiga Direita, Pernambuco, em letras azues :
outra, a firma Carlos de Arruda & C. em letras
manuscripla3 azues, e a palavra Telephone n
3il em letras capitaes azues com sombra azul.
Recife, 17 de Julho de 1899.
Carlos de Arruda & C.
Eslava com o sello de 400 ris.
Cerlilico que foi presentada na Secretaria da
Junta Commercial do Recifa s 10 horas do dia
17 de Julho de 1889. Escrevi e assigno em f
de verdade.O secretario, Julio Augusto da Cu
nha Guimaraes.
Certifico qne foi registrada sob o n. SIS em
virtude do despacho da Meritissima Junta Com-
mercial em sess&o de ho
Pagou 6*3o>' de sello e addicional do registro
em estampilhas no 2.a exemplar. Escrevi e as-
signo nesta Secretara dt Junta Commercial do
Recife, aos 25 de Julho de 1889.
Em f de verdade.O secretario, Julio Au-
gusto da Silva Gumaracs.
Achava-so ao lado o grande sello da Junta
Commercial em alto relevo.
O Sr. Dr. Luiz de Araujo
c Tenho empegado em minha clnica
o Peitoral de i ambara, do Sr. J. Alvares
de SouzaSoares nos casos de molestias
broncho-pulraonares, colhendo sempre re-
sultados muito satisfatorios.
Posso mesmo, em virtude desees bons
resultados, garantir a eficacia deste me-
dicamento, principalmente quando estas
affecc<5es tiverem tomado o carcter de
chronicidade.
Isto verdade e o juro soba f do meu
grao.
Anta (provincia do Riode Janeiro), 18
de Agosto de 1888.
Dr. Luiz Jote de Araujo Filho
Entre amigas
Como passas, minha amiga V
Vou indo bastante adoentada ; ha al-
guna dias que vejo-me atormentada jpr
urna forte tosee, qtie me desespera.
Ora, isso cousa que nSo te deve
dar cuidado, principalmente se tomares o
Peitoral de Cambar, 4e S. Soares, que
o melhor remedio para as enfermedades do
peito e aquello que mais promptos resul-
tados opera.
O Peitoral de ^Jambar vende-ae em
casa dos agentes Francisco Manoel da
Silva & C, a ra Mrquez de Oliuda
n. 23, e as prineipaes pharmacias e dro-
garas da capital. ^
AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin, saben yaque
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro peridico recibidos sea en casa de los
Srs. Amde Prlnee y sea cn
el gabinete de lectura instalado por dichos
corresponsales, en el Pabelln de la Repbli-
ca de Guatemala, en donde el comisario
general de Guatemala ha puesto graciosa-
mente a la disposicin de dichos Srs.
Amde PrJnce y C, una sala con
terrado.
Para evitar toda confusin, los amigos
nuestros que se hagan dirigir la corres-
pondencia a la casa de los citados Srs.
Amde Prlncc y C debern hacerlo
36 me Lafayette, en donde estar espe-
cialmente organizado ese servijo. (2)
Aviso aos uossos lcitores
Os nossos leitores que visilarem Pars
durante a Expsito j sabem que pode-
ro Ier os ltimos nmeros recem-chega-
dos do nosso jornal que em casa dos Srs.
Amde Piincc & O, 3G, r^a Lafayette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor:
respondentes estabekcida na exposicSo
no Pavilhao da Repblica de Guatemala
cujo commissario gcral dignou-so de por
graciosamente urna sala com vSranda i
disposifSo dos mesmos senhores.
Para so evitar qualqucr eonfusao, os
nossos amigos que quizerein receber a
sua correspondencia em casa dos Srs.
Amd rince & '., devem mandar diri-
gil-a*rua Lafayette, n. 3(3, por ser a
sede do serviyo especialmente organisado
oara isso.
Matriz da Escada
Alm dos diversos melhoramentos por-
que tem passado esta matriz durante o
curto tempo de minha administrado paro
chial, agora mesmo cstou fortemente em-
penhado em forrar toda ella e estucal-a,
tendo j dado coraeco a esse importante e
custoso trabalho, cuja mao de obra est
confida a um dos nossos melhores artistas
pernambucanos.
Po8 bem: resta-me agora appellar para
os meus bons parochianos e pessoas bem
fazejas, como effectiramente o faco pela
imprensa, e espero que nao me deixem
suecumbir na lucta... J o disse urna vez,
e repito : Todas as difficuldades sao ven
civeis em nommettimeutos desta ordem,
desde que haja reciproca conanca entre
o parocho e os seus parochianos. Assim
pois animado, e, contando com a generosa
coadjuvacjlo d povo Escadense, nao ha
duvida que, antes da festa da padroeira,
a Matriz da Escada estar completamente
limpa e estucada. Taes sao os meus.de-
ejos.
Escada, 29 de Julho de 1889. Vigario
Francisco Raymundo da Cunha Pedrosa.
Oculista
Dr. Jrareto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
me dia as 3 horas da tarde, no
f andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e, dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
.
realizando-se depois de meio da, algumas trans-
aeces a 27.
Papel particular foi passado a 27 3/16.
No Rio, taxa bancaria 27 d. c 27 1 '!<"> banca-
rio e 27 116 c 27 i/8 particular, muilo escasso.
TABELLAS AFFIXADAS

1
--
S5 3
3
O.

5
g
o
o"
I
ir
es
90

Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especali-
iade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impo-
ratriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da maulla.
Chamados (por oscripto) qualquerhora.
TELEPHONE N. 226
I
1

00 -J
3
Si
J_S
s
9
I
g
* i-
I n
P
55 3 *'
5
Bolsa
;TAgCBB OmCIAJES D JOKTA DOB COB
. KSTOK1I
Rtcife. 1 dt Agoito de 1889
Cambio sobre Hamburgo, rlsU 439 re. o R. M.
do banco, hontem.
O presidente,
Candido C. (>. Alcoforado.
0 secretario,
Eduardo Dubeux
Agurdente
Cota-se a 10o0(X>, por pipa de 480 litros.
Alt'OOl
Cota-se a 200OO por pipa de 180 litros.
Hel
Cota-se a 70000 por pipa de 480 litros.
Coaros
Couros salgados, 360 a 365 ruis, nominal, na
base de 12kifos.
Paua da aifaadega
IBMANA Mi 29 DE JULHO A 3 B AGOSTO DE 1859
Vide o Diario de 28 de Julho
-.avos efescarga
Barca norueguense Gcpen, xarque.
Barca norueguense Arendal, carvao.
Barca norueguense Speanza, carvo.
Barca nacional Ctcilia, varios gneros.
Barca allem/. F. Pust, carvao
Escuna allem& Fritz, xarque.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar norueguense klbairoz, carvao.
Lugar inglez Indiana, graxa.
Logar norueguense Ottoen, sebo.
Lugar nacional Loyo, xarque.
Patacho nacional Rival, xarque.
Patacho ingle/. Hafren, xarque.
Patacho allemao Marie von Oldeudorp, xarque.
Patacho hollandez iroedertrow, xarque.
Patacho allemao Frederick, xarque.
Patacho porluguez Ventas, varios gneros.
Iiuporaeo
Vapor inglez Bellena, entrado de Buenos-
Ayres e escala, em i do corrente e consignado a
Blackburn Needhan & C, manifestou :
Alfafa 20 fardos a L. Pereira de Camino.
Milho 50 saceos a Costa 4 Fernandes.
Xarque 1.800 fardos a Pereira Carneiro & C,
1.50 a Amorim Irruios & C, 38 a Baltar Oli-
veira & C.
Vapor francez Congo. entrado dos portos do
sul em igual data e consignado a Augusto La-
bille, manifestou:
Xarque 746 fardos a Amorim Irmos & C.
Vapor inglez Atrato, entrado de Soulbamp-
ton e escala em igual da:a e consignado a Amo-
rim Irmos & C, manifestou :
Amostras 18 volumes a diversos. Armaces
para chapeos de sol 5 caixas a Leite Bastos 4 C.
Cha ;< grades ordem. Conservas 12 cai-
xas ordem. Corchetes 1 caixa a Manoel Col-
iseo & C. Calcados 1 caixSo ao London Bank,
1 a Rodrigues Lima C.
MEDICO HOMEPATA
Dr. Balthazar da Si\\eir
Especalidadefebres, molestias A
das enancas, dos orgSos respireto-7
ros e das senhoras. I
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia. / \
Ciriirgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Uniyereidade de Marylaud nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu cnsul
torio, na ra Parando Victoria 18, Io an
dar.
Consultas dab 10 s 4 horas da tarde.
I Frederico Chaves Jnior j
Homoepatha
39-
39/
RA BARAO DA VICTORIA-
Primeiro andar (
{}
i
Leonor Porto
ana Larga do Rosario nu-
mero 3 1 I
SEGUNDO ANDAR
j Contina a executar os muis diliecis
liurinos recebidos de Lond
) Lisboa e Rio de Janeiro.
1 Primu em perfeicao de costuras, em
'. ,<'in l)revidade, inodicidaae era pcecos e
( ) Uno g^sto.
lis diliecis j
res. Parir, Professora
Por casas particulares, na cidade ou nos aira-
baldes, offerece se urna seuliora para lei-cionaro
seguinte :
l'oriuguez, francez, italiano, gedgraphia, piano,
trabalbo de agulha, bordados e flores.
tlarantia.As discipulas effeetivas que tem e
diversos atteslados de pn.-sonsillustradas.
A tratar na relojoariu do Relulador da Mari-
nlia, ra Larga do Rosario n. 9.
Drogas 4 volumes a J. J. Ribeiro Successor.
Esleirs 3 fardos orden.
Ferrag iis 7 volumes a Companhia do Beberi-
be. Frascos vazios 2 barricas a ordem.
Graxa 1 caix&Q ao London Bank.
Joias i caixa a J. Krause 4 t).
Livros I caixlo a J. Pater t C, i a Oliveira
Fonseca, 1 a H. R. Gregory.
Mercadorias diversas 1 caixa aG. de M. Ir-
mos, 3 a A. B. Fogman, 1 a H. H Garrick, 1 a
Brosvns & C, la J. H. Boxwell, 1 a Wells Hood,
la\ P. Willian, 1 a Ramos Geppert & C, la
C. Wrchsmann, 1 a Manoel Colajo & C.
Objectos para escriptorio 1 caixa a II. Fore-
ler fe C.
Papal 16 Tardos a C. Lima & C, 10 a F. P. Bo-
litreaux, 5 caixas ordem.
Presunto 5 eaixcs ordem, 1 a Albino Fer-
nandes & C.
Prrgos 14 caixas ordem.
Piano 2 caixes a London Bank.
Qocijos 2i caixas a J. B. de Carvalho, 13 a J.
Fernandes de Almeida, 11 ordem.
Roupa t caixa a E. S. Comber.
Toucidho 1 caixa ordem-
Tecidos diversos 33 volumes- ordem, 6 a
Joaquim Agostinho, 11 a A. de Brillo & C, 4 a
Rodrigues Lima te C 1 a G. de M. IrraSo, 1 a
F. Launa & C, 18 a Goncalves Cunha A C, 3 a
N. Muia & C, i a Guerra A Fernandes, 5 a L.
Maia C, 3 a A. ViPra A C, 11 a A. Maia A
C, Ja Machado A Peroira, 1 a F. H. Ferreira.
Tinta 1 barrica a Manoel Collaco & C, 2 e 1
caixa a ordem.
Tapetes 2 fardos a Guimaraes Irmaos > C.
Vidros 7 barricas a A. B. Fognan.
fsxportaco
man, 31 de julho di 1889
Para e exterior
No vapor allemao Uruguay, carregou :
Para Lisboa, C. M da Silva 264 couros salga-
dos com 3,168 kilos.
No vapor francez Congo, carregaram:
Para Paris, E. Goetschel 2,600 graos da ouro
velho e 4,000 ditos de prata velha.
Para Allemanha, F. Salgado 13,000 graos de
prata velha e 3.500 ditos de ouro velho.
Para o mtertor
No patacho, portuguez Vertas, carrega-
ram:
Para Rio Grande do Sul, Viuva M. F. Marques
t, Filha 200 barricas com 21,805 silos de assu-
car branco e 50 ditas com 5,fJ76 ditos de dito
mascavado.
rio vapor allemao Ohnda, carregaraeq.:
Para Santos. P. Carneiro A C. 600 saceos com
36,000 kilos de assucar mascavado.
Para Rio de Janeiro, P. Carneiro A C. 300
teas com SL819 kilos de algodao : Costa &
Fernandes 6,000 cocos, fructa ; A. de Oliveira
Advogado
O bacharel Joaquim Manoel Vieira de
Mello, residente na cidade de Bezrros,
encarrega-se de caucas criminaes, civis e
commerciaes n'aquella comarca e as de
Bonito, Victoria e Caruar.
'rf9
ADVOGADO
O bacharel Salustiano Jos de
Oliveira pode ser procurado para p \
os misteres de sua profissao. &t
roa Eslreita do Rosario n. 10, 1."
andar.
J Vas urinarias, molestias das se-
nhoras, operayocs elctricas
{ SU. CABLOS EJIISSHrai
{) ESPECIALISTA
) I com pratica de pabis e Londres
)\ Eslreitaraento da urethra corados ra-
) ( dicalmeate pela elcctrolyse, sem dr;
nydroceles sem injeceo (cura radical);
feridas e ulceras chronicas, com garan-
ta de cura rpida ; pedras da bexiga,
\ ( fstulas e hemorrhoidas; syphil?, go-
( ) norrbas, pelo metliodo das nslillages;
i 1 molestias da garganta e do peito pelas
atbmospheras medicamentosas. Con-
sultas e operagoes das 12 s 3 horas da
tarde. <
RA DO MRQUEZ DE OLINDA N. 34, (
2* ANDAR
Realdencia na Torre
Bacharel Aulonio Wilru-
vio Piulo Bandeira
Pode ser procurado & ra do Imperador
n. 71, Io andar
A drogado
Miguel Jos de Altncid Pernambuco tem o s.?u
escrip'orio de advoeacia ra do Imperador n.
81, onde ser encontrado todos os dias uteis, das
yjlioris da manda s 4 da larde.
3* seceo. Secrelaria da residencia de Per-
nambuco em 10 de Julho-de 1889 :
1 or esl2. secretaria se faz publico para coahe-
cimento de quem iiiieressar, que, a requerimen-
to de Jos Beroardiao de Bourbom Arantes, fi-
ea abi-;rla a concurrencia, com o praso de trila
dias, contados desta data, para o recebiraento
de proposlas referentes fundaco da um enge-
nlio central ele typo maior, de que traa o art.
18 da le u. 1S65 de 11 de Agosto de 18.S5, me-
diante as condiges do art. 16 ia mesma lei e
da de n. 1972 de 22 de Margo ultimo.
(Assignado).O secretario, Francisco L. Ha-
rinho de Souza.
O capito Jos Barboza da .Motta Silvei-
ra, juiz de paz mais votado e presiden-
te da mesa elcitoral do 2." districto da
parochia do Divino Espirito Santo de
Pu d'Aiho, em Pernambuco, etc.
Fago saber todos, que o presente edi
tal virem, que, devendo proceder-se no
dia 31 de Agosto, prximo futuro, a e!ci-
5S0 de deputados Assembla Geral Le
gislativa, de conformidade com a ordom
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
a qual me oi transmittida, e em cumpri-
mento do disposto no art. 124 do rcgula-
mento n. 8213, de 13 de Agosto de 1881,
convoco os cidadaos eleitores, d'este 2."
districto de paz, para comparecerem no
mencionado dia.. s 9 horas da manhii,
na capclla de S. Pedro, povoado do mes-
mo nome e districto referido, afim de da-
rem seus votos, apresentando no acto os
seus titulos, sem o que n3o ser3o aduiitti-
dos votar.
Os votos devem ser escriptos em papel
branco, ou anillado, nao devendo ser trans-
parente, nem ter marca, signal ou nurac-
ragSlo, e deverao rceahir em um s nome.
E para que chegu ao conhecimento de
todos, mandei alfixar o presente cdital e
mais outros de igual theor, nos lugares
mais pblicos deste districto e publicar
pela imprensa.
Dado e passado no 2." districto do paz
da parochia do Divino Espirito Santo de
Pao d'Aiho aos 31 de Julho de 1889.
Maia 10,000 coco3, fructa ; Paiva, Valente A C.
200 suecas com 18,3'^9 kilos de algodo.
Di oh ciro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Sergipe, para :
Peuedo J.OOjOOO
Aracaj 1.138*000
Rcndimeaios publico
HEZ DB JUi-nO
Alfanaega
Renda geral:
Po dial 2i:266*879
Renda provincial :
De dia 1
Somma total
2:480*060
"26:747*339
Segunda seccSo da Alfandega, 1 de Agosto
de 1889.
8 tnesoureiro Flerencio Domingwes.
chefe daseegao -Cicero B. de Mello.
Recebedoria deral
o dia i
666*316
Recebedoria proviacsal
o dial 12.34*793
Reelfe DraJnage
Do dia 1 226*565
Mercado Municipal de S. Io
O movlmento deste mercado no dia 31 de Ju-
lho foi o seguinte:
Entraran? :
41 i/2 bois pesando 5,34o kilos.
532 kilos de peixe a 20 ris 11*040
67 cargas com farinba a 200 ris 13*400
19 ditas de milho a 200 ris 3*800
16 ditas com feijSo a 200 ris 3*200
19 ditas de fructas diversas a 300r 12 taboleiros a 200 ris 2*400
12 suinos a 200 ris 24400
33 matulos com legumes a 200 ris 6*600
Foram oceupado*:
26 12 columnas a 600 ris Io4900
1 escriptorio a 300 ris 300
25 compartimentos de farinba a 500
ris 124500
25 ditos de comidas a 500 ris 12*800
81 ditos de legumes e'fazendas a
400 ris 32*400
15 ditos de sainos a 700 ris 10*500
8 ditos de fressuras a 600 ris 4*800
45 tamos a 2* 90*000
227*440
E ou, Jos Thomaz Nunes do Valle, es-
crivao ad che escrevi.
Jos Barboza da Motta Silveira, juiz c**r
paz, prndente.
O capito Manoel Thomaz de Albuquer-
que MaranhSo, cavalheiro da Imperial
Ordem da Rosa el.* juiz de paz, pre-
sidente da mesa elcitoral do 1.- districte
da parochia do Divino Espirito-Santo de
Pao d'Aiho, em Pernambuco, etc.
Faco saber a todos, que o presente cdi-
tal virem, que, devendo proceder se n*
dia 31 de Agosto, prximo futuro, a elei-
cao de deputbdo a Assembla Geral Le-
gislativa, de conforraidade cora a ordem
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
a qual me foi transmittida, e em cumpli-
mento do disposto no art. 124 do regula-
mento n. 8213 de 13 de Agosto de 1881,
convoco os cidad&os eleitores deste 1.a dits-
tricto de paz para comparecerem no men-
cionado dia, as 9 horas da manha, no con-
sistorio daigreja matriz do Diviuo Espiri-
to-Santo desta cidade, afim de darem sens
votos, apresentando no acto, os seus titulos,
sem o que nao serao admittidos a rotar.
Os votos devem ser escriptos em papel
branco, ou anillado, nao devendo ser trans-
parente, nem ter marca, signal ou nume-
racib- e dever.lo recahir emums nome.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei anisar o presente edita! e
mais outros de igual theor nos lugares
mais pblicos deste districto, c publicar
pela imprensa.
Dado e paesado nesta cidade do Espiri-
to-Santo de Pao d'Aiho, aos 31 de Julho
de 1889.
E eu, Jos Francisco de Barros Men-
donca, escrivao de paz interino, subscrevi.
Manoel Thomaz de Albuquerque Mora-
nhao.
5a Scccao. Palacio da Presidencia e
Pernambuco, em 16 de Julho de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. vicc-presidente da
provincia, que, tendo Caetano da Costa
Moreira requerido a concurrencia publi-
ca para o cstabeleciinento de urna fabrica
de cimento preparado com materia do
paiz, nos termos da lei n. 1987, de 6 de
litio deste anno, infra transcripta, fica
marcado o p aso de trinta dias, contados
de hoje, para o recebimento de propostae,
em carta fechada, referentes a faadagla
da dita fabrica. (Assignado) o secretario,
Francisco L. Marnho de Souza.
Lei n. 1987
Ignacio Joaquim de Souza LeSo, ba-
charel em sciencias jurdicas e sociaes, -
dalgo cavalheiro 'da casa imperial, cava-
lheiro da Ordem da Rosa c vice-presiden-
te da provincia de Pernambuco :
Fago saber a todos os seus habitantes
que a Assembla Legislativa Provincia!
decretou e eu sunecionei a resolugao se-
guinte :
Art. 1.a Fica o presidente da provincia
autorisado a conceder, por praso iinpro-
rogavel de dez annos, privilegio a quem.
mais vantagens offerecer para montar, nes-
ta provincia, a primeira fabrica de cimen-
to preparado com materia do paiz.
Art. '." O cemento produzdo pela fa-
brica de que se trata nilo gosar de isen-
cio de imposto algmn nem de quaesquer fa-
vores dirtetos ou indirectos que tenham
por lira prohibir a entrada ou venda na
provincia de producto similar, nacional ou
estrangeiro. *
Art. 3.Se no fim de dous annos, a
contar da data da presente le, nao esti-
ver a mesma fabrica funecionando regu-
larmente, a actual concessao de privilegio,
ser ipso facto considerada caduca.
Art. 4." Fbam revogadas as dispo3-
',oes em contrario. Mando, portanto, a
todas as autoridades a quem o conheci-
mento e execucSo da presente Resolugo
pertencer, que a cumpram e facam cum-
prir tio inteiraiuente como n'clla se con-
ten.
O Secretario Interino da Presidencia
d'esta Provincia a faca imprimir, publi-
car e correr. Palacio da Presidencia de
Pernambuco, G de Maio de 1889, 68. da
Independencia e do Imperio. (Assigna-
do).Ignacio Joaquim de Souza LeSo.
Sellada e publicada a presente Resolu-
2o, n'esta Secretaria da Presidencia de
Pernambuco, aos 6 de Maio de 1889.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
V
Rcndimento do da 1 a 30 do cr-
reme 6:481*020
Foi arrecadado liquido at hoje 6:7084460
Preoos do dia:
Carne verde de 240 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 15 ris dem.
Suinos de 360 a 6i0 ris idem.
arinha de 600 a 800 ris a cuia.
Milho de 360 a 500 ris idem.
Matada-aro publico
Neste estahelecimenio foram abatidas para o
consumo de hoje 73 reze3 pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE AGOSTO
Sul........... Uruguay......... 2
Norte......... Mandos-----*...... 2
Sul........... Elbe.............. 4
Europa....... Ville de Montevideo. S
>ol.......... Pernambuco....... 7
Europa....... Nerthe............ 9
Sul......... Ville de Cear...... 10
Vapores a sahir
MEZ DE AGOSTO
Sul.......... fondos........... 2 as oh.
Cear e esc... Jaguaribe......... 3 as 5 h
Hamburgo ... Uruguay......... 3 as 10 h.
Southamptom. Elbe.............. 4a Ih.
fantos c esc. Yule de Montevideo 6 as 10 h.
Baha e esc .. Jacuhypc.......... 7 as 3 li.
Norte........ Pernambuco....... 8 as 5 h.
ifovinicuto do porte
Novio entrados no dia 1
Buenos-Ayres e escala10 dias, vapor francez
Congo, de 2444 toneladas, commandante Lec-
cintre, equipagem 124, carga varios gneros ;
a Augusto Labille.
Southainpton e escala-14 dias, vapor inglez
Atrato. de 2863 toneladas, commandante L. R.
Dickinson, equipagem 134, carga varios g-
neros : a Amorim Irmos C.
Maco20 dias. taiate nacional Victoria, de 66
toneladas, mestre Manoel Duarte da Silva,
equipagem 5, em lastro ; a Carlos Antonio de
Araujo.
Navios aojados no mesmo da
Bordeaux e escala-Vapor francei Congo, com-
mandante Lecointre, carga varios gneros.
Ruenos-Ayre8 e escalaVapor ingles Atrato,
commandante L. R. Dickinson, carga vanos
gneros. ,. ,
Santos e escalaVapor allemao Olmda, com-
mandante T. Bekrmann, carga vanos g-
neros.
l


5

4
ti
i


'&-*#&&
i


l
I
Diario de PernambucoSexta-feira 2 de Agosto de 1889
0 cidado Jos Mirques Correia, juiz de paz
da parochia de S. Salvador da Se de (Mo
da, etc.
Fao saber a todos que o presente cdital vi-
rem, que tendo de proceder-se no da 31 de
Banco de Crdito Real
de Pernambuco
Nos termos dos arts. 3o c 6 dos estatutos, sao
oonvidados os Srs. accionistas realizarem at
o dia 31 do corrente mez, na sede do Banco
roa do Commercio n. 34, a 6 entrada da 10 /.
ilo valor nominal de suas accOes.
Recite, 1 de Agosto de 1889.
Os administradores,
Manoel Joo de Amorim.
Antonio Fernandes Rnvo
Luiz Duprat.
Secretarla da limlrocco publica, 1
de Agomto de 1 **
Trazo de 30 dias
ordem do Sr. Dr. inspector geral, foco
ves dos Santos, que por
da provincia de 19 de Jumo
ida
De
seieote as professoras publicas Digna de Santa
Hosa e Maria Paulioa Ali
;,cto da presidencia da i
ultimo, Ibes foi concedida permissio para entre
si permutarem as respecttTas catana, pelo que
ibes tica marcado o praso de 30 das, acontar
aquella data, para tomar poste e assumir o
xercicio de suas oras cadeiras.
O secretario,
Pergentiao S. de Araojo Gamo.
Agosto prximo futuro a eleic&o para depulados
aasembla geral legislativa, de conformidade
com a circular do Exm. Sr. presidente da pro
vincia', aqual me foi transnitida, e em cumpri-
niento do disposto no art. (2i do regulamenlo
B. 8213, de 13 de Agosto de 1881, convoco os
eleitores desta parochia, para couiparccerem no
mencionado dia s 9 boras da manha, no paco
da Cmara Muaiclpal, afim de darein seus votos.
E para que cnegue uo coiibecimento de todos,
uiaiidei allixar o presente edital no lugar do
costume e publicar pela imprensa.
Dado e paseado nesta parochia de S. Salvador
da^ de lindi, aos 31 de Julho de 1889.
Eu, Abilio Rosa das Alerces Jansen, escrivo
ad hoc, cscrevi.
Jos Marques Correia
Juiz de paz, presidente.
DECLARCOES
Secretar! da inslruero publica, 31
de Juicio tic i**
Prazo de *W dias
De ordem do Sr. Dr. inspector geral, faco sa
fcer aos professores removidos por portara da
presidencia da provincia de 27 do corrente, Jos
de Mendonca Maurily, da cadeira de Alaga
Seccapara a de TresLadeiras, em Iguarass, e
Ceciliano Jos Ribeiro de Vasconccllos, desta
Sara aquella, que Ibes tica marcado o praso de
) dias, a contar da data da portara, para assu-
mirem o exercicio de suas novas cadeiras.
O secretario,
Pergentino Saraica de Araujo Gakao
Arsenal de Guerra
O conselho de compras deste Arsenal recebe
propostas no dia 3 de Agosto prximo, at 11
boras da manba, para a compra dos arligos se-
guintes:
Algodozinho com 0m,82 de largura, metros
6,633.
Algodao riscado para calcas, metros 382,80.
Amontolias de folha para 3 litros, 3.
Boles grandes de metal prateado, 378.
Ditos pequeos de dem id;m, 162.
Brim escuro de linho trancado metros 2,692.
Dito branco liso, metros 2 421,70.
Bataazul para caifas, metros 1,963,50.
Bonetscom galo para msicos, 22.
Ditos de servico interno, 176.
Ditos com lista e lyra para msicos, 21.
Balanca para cima de mesa, 1.
Bacia e jarro de ferro estanhado, 2.
Bandejas pequeas para copos. 2.
Barretes de algodo, 236.
Ditos de la, 236.
Chita para caigas, metros 582,80.
Camisas de morm, 30.
Chnelos de couro, pares 236.
oberta ou colchas de chita. 236
Colches de panno riscado, ebeios de capim,
236.
Ditos cheios de la. 100.
Comadres de metal ou zinco, 4.
Cobertores ou manas de la cinzenta, 236.
Oharlaleiras para msicos, pares 27.
Caldeiras de ferro estanhado para 25 pravas, 2.
Caldeira de ferro estanhado para 50 pracas, 1.
Cadeiras de guarnicao, de Jacaranda, 14.
Ditas de bracos, dem, 2.
Colheres grandes ou conchas para tirar caldo. 2.
Canecos ou cocos de ferro e3tanhados, 3.
Dito de metal brando para tirar agua, 1.
Casticaes de lato, 9.
Dobradicas de lato para armario, com parafu-
808, 10.
Enxerges vasios de panno d'algodo, 330.
lispumaeiras de ferro para rancho, 2.
Enxada encabadas, 2.
FacOes para rancho, 2.
["echaduras de latito para gavetas, 10.
Ditas de dito para armarios e gavetas, 14.
Ditas de ferro para gavetas, 16.
Ferrolhos de latao para embutir, 8.
Funis de folba, 2.
Flanella branca de la para caigas c camisas, me-
tros, 1,290,80.
Fita de cadarso d'algcdao, metros 1,132,80.
Facas para cosinha, 2.
i labio de prala de dous frisos, metros 38,83.
Dito de dita de ura friso, metros 4,82.
Grvalas de couro envernisao, 103.
ilollanda de forro, ledros 16.
Lona de iinho para camisa d forca, metros 16.
lavatorios de ferro pintados. 2.
t.ivros impressos de talo para vales diarios
aos fornecedores, com 200 folhas cada tro, 50.
Ditos impressos de talo, para livrangas men
saes, com 200 folhas ca;!a um, 25.
I.ivro impresso com 200 folhas, formato Car,
encadernagao inteira de couro para registro
geral dos ofciaes effectivos e aggregados, 1.
Livros impressos Uo mesmo formato e a raesma
encadernagao, para registro geral das pragas
effectivas, aggregadas c excluidas tempora-
riamente da 1", 2, 3* c 4" companhias, sendo
o da 1" com 230 folhas e os deraais com 200
folhas cada um, 4.
Madapolo francez (metro), 236.
Machados encabados, 6.
Machadinhas encabadas, 2.
Moinho de ferro para caf, 1..
Meias de la (pares), 236.
Medidas de capacidade para liquido at 4 litros
terno), 1.
I's de ferro, 6.
Panno msela para msicos (metros), 88,80.
Panno escarate francez (metros), 2,36.
Pesos de lato detl 1,000 graramaJ (terno). 1.
Peso3 de ferro de 300 grammas a 10 kilos (ter-
no), 1.
Sapatos de couro de bezerro (pares), 103.
i'ravt'ssciros cheios de l, 100.
Travesseiros cheios de capim, 236.
Observaco
Nao sero tomadas em consideraco as pro-
postas que nao forem feita3 de accordo com o
art 64 do regulamenlo de 19 de OutuDro de 1872,
era duplcala, com referencia a um so artigo,
mencionando o nome do proponente, a indica-
<-la da casa commercial, o prego de cada artigo,
> numero e marca das amostras, declaraco ex-
pressa de sujeitar-se a multa de 5/. no caso de
ecusar-se a assignar o contracto, bem como as
Je que tratam os arts. 87 e 88 do citado regula-
mrito. ,
As amostras das lazendas cima acnam-se
testa secretaria para screm examinadas pelos
Os prazos que forem concedidos pelo conseibo
serao improrogaveis.
Secretajia do Arsenal de Guerra de Pernam-
buco, 30 de Julho de 1889.
O secretario,
Jos Francisco Ribeiro Machado.
Recebedoi iaProvincial
O Administrador da Recebedoria Pro-
vincial em comprimento da ordem do Illm.
Sr. Dr Inspector do Thesouro, constante
da portara sob n. 584 de 26 do corrente,
faz publico para conhecimento dos inte-
ressados que, de accordo com a relacSo
abaixo, ser arrecadada n'esta reparticao,
no espago de trinta dias uteis contados do
Io de Agosto prximo, a contribuicao, livre
de multa, devida pelos servicos da Recife,
Vrainage -ompany correspondente ao 1.
semestre do exercicio ora vigor de 1889.-
Recebedoria Provincial de Pernambuco,
27 de Julho de 1889.
O administrador,
Luiz Cezario do Reg.
Relacjlo a que te refere o ed'tal supra
Freguezia do Recife
RlIaS: Mrquez de Olinda, Bom Je-
ss, Alves Cabral, Commercio, Bispo Sa-
dinba, Torres, Thom de Souza, D. Maria
de Souza, Vigario Tlicnorio, Barreto de
Menezes, Mariz e Burros, Burgos, Amorim,
Moeda, Tuyuty, Companbia Pernarabuca-
na, Domingos Jos Martins, Mscales,
Restauragrio, D. Mara Cesnr, Visconde de
Itnparica, Pliarol, Arcial, S. Jorge, Vital
de Oliveiiii, Guaraiapcs c Bara> do Tri-
umpho.
fc'raeas : Atsembla, Cliaco el'cdrol.
Travesa.1: Vigario, Madre do Dcus,
Campello. Domingos Jos Martins, Corpo
Santo, Antigo Porto, Bom Jess, Apollo,
Areia, Para Fundi;ao, Occidente, Guara-
rapes, e Praca de l odio 1.
Largos: Alfanlega, Corpo Santo, e
Assembla.
Beceos: Abrou, Noronha, Largo,
Pindoba, Tapado e Paschoal.
Caes: Companbia, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ras: Imperador, Phmeirode Marco,
Duque de Caxias, Cabug, BarSo da Vic-
toria, TrincUeiras, Larangeiras, Larga do
Rozario, Kstreita do Rozario, Francisco
Jacintho, JoAo do Reg, libado Carvalho,
Conselheiro Perctti, Netto de Mendonca,
Major Agostinho Bezerra, 28 de Setembro,
Santo Amaro, Pedro Ivo, Mathias d'Albtt-
querque, Paz, Paulino Cmara, Fogo, Li-
vramento, Penha, Visconde de Inhama, Pe-
dro Alfonso, Nova da Praia, MaicilioDias,
Henrique Dias, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, Santa Thereza, 24 de
Maio, Felippe Camaro, Mrquez do Her-
val, Cadeia Nova, o Baro de Villa-Bella.
Caes : Vinte Dous de Novembro.
Campo: Das Princezas.
Travessas (ueimado, Cruzcs, M. do
Recife, ra {Bella, Calabouco, Matriz, Flo-
res, Carmo, Bomba, Livramento, Arsenal,
l.*e 2.a travessa da Praia, Carccreiro, S.
Podro, ViraQo, Lobato, Boceo do FalcSo,
Pocinho e Concordia.
Largos: Paraizo, Carmo, Penha, S.
Pedro e Practa.
Praeas : Pedro II e Independencia.
Beceos : da l ni Bella, Calabougo, Ma-
triz, 1.- 2.' c 3.- Beceos da Cambo, Fal-
cSo, 1.- e 2.' Beceos da Cadeia Nova.
Freguezia de S. Jos
Ras : Marcilio Das, Lomas Valenti-
nas, Coronel Suassuna, S. Joao, Felippe
Camarilo, Mrquez doHerval, 24 de Maio,
Dias Cardoso, Passo da Fatria, Padre No-
brega, Victoria, Cadeia Nova, Vidal de
Negreiros, Frei Henrique, Dique, Assump-
cao, l.'omingesTheotonio, Padre Floriano,
Christovo Colombo, Jardim, Forte, An-
tonio Henrique, Nogueira, Santa Rita, Pa-
dre Muniz, Pra$a de Santa Rita, S. Jos
dos Pescadores, Praia do Forte, Ipyr&nga,
Imperial, o Luiz da Mendonca.
Travessas: Martirios, Ramos, Poci-
nho, Caldereiro, Gaz, Forte, Prata, Seri-
gado, Copiares, Iiaa Nova de Santa Rita,
3. Jos, Praia do Norte, Peixoto, Matriz
de S. .los, e Lima.
Beecos : Palma, Caldereiro, Gaz, As-
sumpcSo. 1. Becco da Ra Nova de San-
ta Rita e Matriz de S. Jos.
Largos : Ferte e Mercado.
Freguezia da Boa Vista
Ras: Imperatriz, Concei'sSo, V. de
Pelotas, Aurora. Capibaribe, Ponte Velha,
Conde da Boa Vista, Riachuelo, UniSo,
Saudade, 7 do Setembro, V. de Camara-
gibe, Carnario, Rosario, Gervasio Pires,
Dr. Villas-Boas, Socego, Principe, Santa
Cruz, S. Goncab, Coelhos, Hospital de
Pedro II, Coioncl Lamenha, Alegra, LeSo
Coroado. Barao de S. Borja, Desembar-
gador Nenes Machado, V. de Goyanna e
AttraccSo.
Travessas ; Gervasio Pires, Alalho,
Coelhos, Barreiras. Veras, Quiabo, JoSo
Francisco, Mangueira, Campia, e Palacio
do Bispo.
Largos : Campia e Coelhos.
Beceos : S. Goncalo e Coelhos.
Pracas : Conde d'Eu, e Santa Cruz.
SANTA ISABEL
Empreza dos artistas
gDUAftDO RODRIGUES E HELENA BALSERO RODRIGUES
lO DO
DIRKCV
ACTOR
OOXSOBOA.
=##*
ESPECTCULO.EM GRANDE GALLA
Para festejar o feliz regreaO de Sua Alteza o Sr.
CONDE D'EU
E COM A PRESENTA DE SUA' ^EXC. O SR. PRESIDENTE
\o da da chegada de ftua tHeza
PR06BAMMA BA'TBSTA
HYMNO NACIONAL -
Cantado pelas actrizes D.-BALSEMAO e D. AIVERTI, e toda co^panhia.
.
O 1." acto da comedia em 3 actos de SARDOU
Os Dminos Cor de Rosa
8.
Em scena aberta tocar urna brilhante ouvertura a banda musical do CORPO
DE POLICA dirigida pelo hbil professor Candido Fllho.
4.
2. acto da comediaDMINOS COR DE ROSA.
. *-
3. acto da comedia D JMINOS COR DE ROSA.
=###=
Nos intervallog tocarSo todas as bandas de msica.
A' chegada de Sua Alteza estar formada a porta do Theatro urna guarda
honra.
de
Principiar as 8 e .[2
* -
Os bilhetes de camarotes de 3.a ordem, cadeiras de 2.a, plateas c paraizo
venda desde j na bilheteria do Theatro de Santo Antonio e no dia do espectculo
no Theatro Santa Isabel.
=##*==
Haver tens at Apipucos e bonds para todas as linhas.
PREQOS DO COSTUME.
THEATRO
SANTO ANTONIO
PROPRIEDADE E EMPRESA DOS ARTISTAS
EDUARDO RODRIGUES E D. HELENA BALSE1HA0 RODRIGUES
:#*#=
Capitana do Porto
Aos consignatarios de navios
Le ordem do lllm. Sr. capito lente, capito
do porto desta provincia, faz se publico que, nao
liavendo ordem ncnbuma do Governo Imperial e
nem lei estabelecida que dispense a toda e qual-
quer embarcado cstrangeira, que entrar ou sa-
air dos portos do Imperio, da9 exigencias deter-
minadas nos arts. 18 e 19 do Regulamcnto de 19
de Maio de 18M5, ibaixo transcriptos, os quaes,
nao obstante, nao o observados aqu, ha ni Hi-
tos anuos, previne-se aos senhores consisnata-
rios de taes navios que esta reparticao nao ex-
pedir mais os pauses do estylo sem que previa-
mente sejam cumpndas as indicadas exigencias
da lei.
Art. 18. Logo depois de visitada a embarca-
cio pelas reparticOes fiscae3 e de saude, o capi-
to ou mastre ir capitana do porto dar en-
trada, onde se tomar nota do nome do capito,
da embarcaco, praca (u porto a que pertence,
do dono ou consignatario, numero das pessoas
da tripoIagSo, logar de onde vem, nacSo a qoe
pertence, seu porte e toneladas, quaes os passa-
geiros, qualidade e quantidade de lastro. Si o
capito ou mestre nrio poder vir pessoalmente,
mandar a sobredita d3c!araco por e3cripto,
por elle assignada, ou por algum dos officiaes
da embarcaco.
Art. 19. Todo capito ou mestre de qualquer
navio mercante que pretender sahir, ir na ves-
pera apresentar cus despachos capitana do
porto para serem ahi examinados, e, estando
eorrentes, se lancat em um livro de registro, o
nome do capito r u mestre, dono ou consigna-
tario do navio, a naci, o numero das pessoas
da tripolaclo. tonclagem, e porlo a que se des-
tina; devendo (depois entregar-lbe um docu-
mento, que elle apresentara no registro do
porto.
O enearregado do registro do porto notara no
verso desse docunonto o dia da sahida e os no-
mes dos passageirc*, enviando-o depois capi-
tana. Todo aquelte. que assira nao praticar,
ser obligado pelo registro do porto ao seu
cunsprimeoto e sujeito multa de 4JKI0O: os
registros e notas dosse artigo e do antecedente
sao eitos gratuiticaente.
O secretario,
Mano Chaves,
DIREC9AODO ACTOR
C. LISBOA
.SABBAD03DEAGKSTnDE1880
EM BENEFICIO DA ACTRIZ PORTUGUEZA
As 8 12 horas
A 1 .a representaqao da linda pe^a em 3 actos de
Rangel de Lima e que faz parte do repertorio do actor
Furtado Coelho e da Beneficiada.
D UNCO BRANCO
Accao da peca em Lisboa
Termina o espectculo a espirituosa comedia em
1 acto de Baptista Machado, na qual estra a actriz
J JSBPHDA FBRRAZ
NAO TEM TITULO!
O espectculo ser honrado com a presenca de Ana Exc. o
Sr. Presidente da provincia.
Urna banda de msica tocar nos intervallos, no sal2o do theatro, lindas pe9as
de msica.
A Beneficiada mais urna vez agradece ao PUPLICO PERNAMBUCANO a
coadjuvajSo que lhe tein dispensado para a sua festa artstica.
O espectculo terminar a horas de haverem bonds para todas as linhas.
Os Bilonlras da Corte
Toma parte toda a companbia
A ultima e defliniliva representado da linda peca mgica
Recebedoria de rendas inter-
nas geraes
Imposto8 de industrias eprofissOes e predial
O administrador da Recebedoria declara aos
senhores contribuintes dos impostes de indus-
trias e proflssOes e predial, que Ibes fica marca
do o praso de tnnta dias para apresentarera as
reclaroacOes, que por ventura tenham de fazer
com relaco ao ultimo lancamento ; e bem as-
sim que termina no dia 31 do corrente o paga-
mento, livre de multa, do segundo semestre do
corrente exercicio do imposto de industrias e
prossOes, depois do que ser cobrado com a
multa de 10 OJO.
Recebedoria, 1 de Agosto de 1889.
Alexandre de Souza P. do Carmo.
Segunda praca
Pela inspectora desta Alfandega se faz pu-
blico que as 11 boras do dia S di- corrente mes,
ser arrematada em praca porta desta reparti-
cao, a mercadera abaixo declarada :
Amazem n. 4
Urna caixa marca JJA, n. 34, vinda de Liver-
pool no vapor ingles Seholar, entrado em $ do
mez de Julbo findo, contendo cha da India com
pequea avaria), pesando liquido legal Ja kilo-
abandonada aos direilos por Jos Joa-
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director
'geral, e ciu virtude da autorisaco de S. Exc. o
Sr. Io vicepresidente da provincia de 16 do
corrente, faro publico que no dia 8 de Ag03to
prximo vindouro. ao meio da, nesta directo
na recebe-sc propostas em cartas fechadas,
competentemente selladas, para execuco dos
reparos precisos na ponte da Magdalena, sobre
o rio Capibaribe. na importancia de 9:387100.
Para concorrer a praca acimo devero os lici-
tantes depositar no Thesouro Provincial a quan-
a de 479*360, equivalente a S 0/d do valor do
orcamenlo.
Secretaria da directora geral das Obras Publi-
cas de Pernambuco, em "0 de Julho de 1889.
O engenheiro secretario
Luiz Antonio C. de Albnquerque
Verein Hamburger
Assecuradeure
Burean
. 37,
A'RE ALISAR SE NO
Da 4 de Agosto de 1889
As 11 horas em ponto
Delegado da directoraAntonio Carlos Ferreira da Silva.
Juiz do ensilhamenoProfesor Francisco Carlos da Silva Fragoso.
Juizes de ptwgemDr. Manoel Gonjalves da Silva Pinto e Arthur de Souza
Carvalho.
Juiz de partida Beajamin A. Freitas Pessoa.
Juiz de confrmaccioFrancisco Floro Leal.
Juiz do distanciadoRodrigo Carvalho da Cunha.
Juizes de chegadaJoaquim de Oliveira Borgee, Jos Peres Campello de AI-
meida e A. J. Machado.
Inspector geral de raaMajor Ernesto Vieira de Araujo.
Inspectores de RaiaClito Valeriano Pereira, Fabio da Silva Reg, Dr. Anto-
nio Tolentino Rodrigues Campos, Heitor de Souza, Manoel Fernandes Barros, Tho-
maz de Carvalho Soares BrandSo Filho.
Juizes de archibancadaBarao de Soledade, commendador Antonio Marques do
Amorim, coronel Sebastiito Alves da Silva, Dr. Eduardo de Oliveira", Jos Eleuterio
de Azevedo, Dr. Jo2o Lina
KOI
%
s
Pollos
lid.
Cor da vesti-
menta
Proprletarla*
Io Pareo Consolacao 800 metrosAnimaes da provincia que nao tenham ganho
no
Soeledade de seguradores marti-
mo* de BaaBaifo
SeccSo das avarios
Pohlman ft C. fazem publico que foram pelp
Ytrein Hamburger Asseautadeure comeados para,
em casos de avaria, representar as companhias
de seguros martimos de Hamburgo, e que elles
em todos os casos de avaria, se o seguro for
feito em Hamburgo, devem sem falta ser avisa
grammas, _
qaim Alves A C.
3. seceo da Alfandega de Pernambuco, 1- [dos e consultados pelos recebedores de merca-
de Agosto lie 1880.O chele I dorias avariadas, e pelos capites A respeito de
Domingos Joaquim da Pooseca. arara de
Derby nesta ou maior distancia e nos outros prados do Recife em distancia superior
a 850 metros. Premios : 200* ao I, 40/ ao 2 e 20 ao 3.
llBiscoutinho
2Esquimo...
3 Zambo......
4 Tiran no
5 Circo.......
6Pomboca(*).
7jTrigueiro...
8 Paladino.....
9 Humilde
10
11
l
Sans-Souci,
Bonjour
Schilling...
o
5
4
4
3
5
5
4
10
5
Baio........
Rodado .....
Ca tan lio___
Alazo......
Cardo......
Rodado.....
Zaino claro.
Castanho .. -
Russo pedrez
Baio.....
Zaino...
Castanho
Pern.
oa
55
53
53
50
55
55
53
55
55
55
55
Azul e encarnado
Verde e branco......
Encarnado e ouro....
Verdee amarello....
Encarnado e amarello
V. e ene. e facha ene.
Encarnadoe branco..
i
Branco e ene. listrado.
Ouro e branco.......
Branco e encarnado...
Azul e rosa..........
J. M.B. Cavalcante.
Augusto de Miranda
F. R. Ramos.
Manoel G. Araujo.
Coudelaria Fragoso.
Antonio B. de Araujo.
Josu A. da Nobrega
J. B. V. Costa.
Joo Pi Fonseca.
D. A. L. J. d'0. L. M.
Carlos A. Barbosa.
Coud. Esterlina.
2." Pareo-Prado da Estancia- 1.000
Premios : 300* ao Io,
metros -Animaes nacionaes at meio sangue
60 ao 2_ e 30* ao 3o.
Ruy-Blas.... 7 S. Paulo. 57
Corcovado... 4 Castanho Rio de Jan. 53
5 Zaina...... 54
5 Tordilho___ S. Paulo.. 55
Rosa e preto.......
Encarnado e ouro...
Azule ouro.........
Encarnadoe preto-.
A Silva.
Coudelaria Paysand-
Oliveira (J.
Sydronio I. de Mello.
3. Pareo Proaperldade-900 metrosAnimaes da provincia que nao tenham ganho no
Derby em maior distancia. Premios 200* ao Io, 40* ao 2 e 20* ao 3o.
i'Bolaxinlia..
Vilhge...
Lindnes.....
Cyclone.....
Sneca rt
Corsaro(*) -
Guerreiro...
Elo........
Guarany ....
Almirante
Pao Brazil...
Russo......
Mellado.....
Baio.........
Rodado ......
Russo pedrez
Rodado ...
; Alazo caxito
Castanho
Rodado .....
Castanho
Rosilho-----
Pern
55
5o
5o
53
55
53
So
55
55
55
53
Azul e encamado I Jos M. B. Cavalcante.
................... Jos Joaquim Dias.
....................Coud. Vencedera.
Encarnado c amarello1 Coudelaria Fragoso
Encarnado e branco.. Urbano Pessoa.
....................J. F. Silva.
Grenat..............Coud. Progresso.
....................jCoud. Riachuelo.
Encarnado e branco..CoudelariaDemcrata
Grenat........:.....Coud. Independencia.
Verde e ouro........|C. H. Ribeiro.
4." Pareo-internacional 1.700 metrosAnimaes de qualquer paiz. Premios: 500
ae Io, 100*000 ao 2 e 50*000 ao 3*.
11 Apollo...
2 Vesper ..
3 Diana
4 Fagotin...
5 Ernani ...
6lGallia.....
Alazo -
Zaino.
Alaz.
R. da Prata
Inglaterra.
Franca ...
Inglaterra-
54
52
49
57
57
55
Ouro e branco
Asul eouro....
Rosa e
Ouro e
ireto...
tranco.
Dr. J. de S C. de A.
Coudelaria Emulaco.
Coud. Internacional.
Arthur Silva.
Coud. Emulago.
5." Parco -Conaolaco (2 turma) 800 metros.Animaes da provincia que nao tenham
" cif>
ganho no Derby n'esta
superior a 850 metros.
ou em maior distancia e. nos prados do Recife em distancia
Premios : 200* ao Io, 40* ao 2* e 20* ao 3.
Thisbe......
Pedreira.....
Guarany.....
Bismarck. ..
Berlim.....
Sport.....
Singaporc ..
Phebo......
Breas......
Delegado .
At-chim.....
Pedrez
R. pedrez.
Rodado
Caxito
Castanho ,
Russo
Castanho.
Alazo
Castanho
Pern.
50
55
5o
53
5.3
55
55
"i.'i
50
55
53
Auri-verde...........
Grenat.............
Encarnado e branco.
Branco e azul marinho
Encarnado........
Violeta e ouro.....
Azul e branco-----
Preto ene. e ouro.
Grenat e branco.
Ouro e branco.....
J. M. de Abreu,
Coud. Progresso.
Coud. Demcrata.
F. F. Goncalves.
Jos Cavalcante.
Coud. Republicana.
I. I. de Carvalho.
Coud. Io de Julho.
T. Pernambucano.
J. Malito Mariz.
J. daC. L. dcMattos.
6. PareoCompcnaco1.400 metrosAnimaes de qualquer paiz que nao
ganho em maior distancia no Derbv, nestes ltimos tres mezes.
ao Io, 80*000 ao 2o e 40*000 ao 3S.
Premios :
tenham
400*000
Estephanic..
Falsa ff......
Josephu3. ..
Gallia.......
Ernani.....
Africana.....
Castanha
Alaz.
Zaina.
Inglaterra.
*
Franga ...
Inglaterra.
>
R. da Prata
52
51
57
55
57
S8
Ouro e branco......
Branco e verde.....
Grenat..............
Ouro e branco.......
Rosae preto........
iBranco e preto......
F. C. Rezcnde.
A. F. de Azevedo.
M. Guimares.
Coud, Emulaco.
Arthur Silva.
Coudelaria Riachuelo.
7." Pareo-Mnima
800 metros Pe
30*000 ao
uiras da provincia
! e 15*000 ao 3.
Premios : 150*000 ao !
Bouianger
Borracho .,
Pilberia
Primus. ..<
Capeta. ...
Iracema
Alazo
Pedrez
Castanho.
Pern.
53
53
53
53
45
53
Branco e preto
Azul e grenat..
Encarnado
G. V. de Carvalho.
I. M. de Abreu.
J. de Araujo.
Dr. A. VA. d'Almeida.
T. M. de Abreu.
J. G. da Cunba Lima.
(*) Montado por amador.
03BS3e3B.,yXg)OiKS
Em virtude da applicacSo especial dos bilhetes de ingresso, archibancadas.
ensilhamento e cartSes de familia d'esta corrida, a directora decidi nao dar convites.
Os cartfies annuaes nao dSo ingresso.
Os animaes inscriptos para o Io pareo devem achar-se no ensilhamento s
9 1{2 horas da manhU.
Os animaes inscriptos para os outros pareos, deverSo estar no.ensilhamento
pelo menos urna hora antes da determinada para o pareo em que ti ver m de correr.
Pede-se attencSo dos Srs. proprietarios para os additamentos feitos ao regi-
ment interno do Derby Club de Pernambuco e para os artigos 9, 10, 25 e 95 do
mesmo regiment interno.
O expediente desta corrida encerrar-se-ha sabbado, 3 de Agosto de 188
s 3 horas da tarde.
A venda de poules encerrar-se-ha 20 minutos antes de cada corrida.
HORARIO
l.o
2.
3.
4.
5.
6.
7.
pareo.
pareo
pareo.
pareo.
pareo.
pareo.
pareo.
11
11
12
1
2
3
4
horas
e
e
e
e

e
e
m.
50
40
30
20
10
Recife, 1 de Agosto de 1889.
O GERENTE,
Henrique Schutet.








-Tasar

6
Diario de PernainbucoSexlarfeira 2 de Aaso&to ,de 1889
! *-- -zj
Irmandade do "Divino Espi-f
rito Santo doRecife
Conselho acal
De conformidadc com o art. 68 do nosso con*
promisao, eonvido aos carissimos irmos, ex-
Juizcs e bcmfeitore3, & se reunirem em o nosso
consistorio, domingo "i .jrrente, pelas il
horas do dia, alim de reunidos, darcm cumpri-
mento ao disposto na 1.* parte do art. 83 do
mesmo compromisso.
Consistorio, 1 de Agosto de 1839.
O procurador geral
Luciano Jos Dias Guiruaraes..
Indemnisadora
Esta companhia de seguros est pagando om
dividen lo de taJfXO por acr,ao, relativo ao ulti-
mo semestre lindo em 30 deJnnho prximo pas-
sado, em seu esc iptorio ra do Commercio
numero 44. i
Recito, 24 de Julho de'!889.
Os directores
Joaquim Ahes da Fonseca.
Anto nio da Cunta Ferreira Bailar
Engenho centra] de S. Lou-
renco da Matta
A companhia The North Brasilian Sagar Fac-
tories Limited acceita propostas para forneci-
ment de caunas au engenho central de Tiuma
pela estrada de ferro do Recife ao Limoeiro,
mediante ajuste, e pede ios sniores que quize
rem vender cannas que comniuniquem ao es-
criptorio no largo do Corpo Santo n. 17, prime:-
ro andar, ou ao engenno central, cade Ins se-
rio fornecidas as neressarias elicacoes.
Williara DeiPHay
Representante.
CHARGERS REUNS
' Compaitbia Vraaccza
DE I
navega .Juba regular catre o" Havre,* Lisboa,
Pernambuco, (Jahia, Rio de Janeiro e
Santos.
O VAPOR
Ville de Montevideo
Comjiandante Vid
E'esperado da Europa at odia 5
)to, seguindo depo3 da in-
dispeojavel deniora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga peloB
vapores desU linlia, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga dasalvarengas
qualquer reclamar, 5 o concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul alim de se pod -n dar a tempo as provi-
pei'.ciasnecessaria?
Expirarlo o referdoprazoa companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Para carga, pasnagens, encommendas c di-
aheiro a frete : treta-se com o AGENTB.
O vapor
Ville do Cear
Comniandante Lainey
Ef;pera-se dos portos do sul at
o dia 10 de Agosto, seguindo
djiois da indispensavel demora
pata o Havre tocando em
Lisboa.
COHPMIIA. pkrxaiibi;;.%>a
DE
rVavegaco costelra por Vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor Una
Commandante Seraphim da Silva
Secue no dia 8 de Agosto s 12
'horas da manha. Recebe carga at o
dia T.
Passagens at s 10 horas do di da saluda.
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12________________
Royal Mail Steam Packet
Companhy
O vapor Elbe
Commandante Armstreng
E' esperado do sul no dia 4 de
Agosto, cguindo depois da demora
'necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Beduccao de passagens
Ida lia e volta
A' Lisboa 1 classe t 20 t 30
A' Southampton 1' classe 28 t 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Nerthe
Commandante Camoin
E'esperado da Europa no
dia 10 de Agosto e segui-
; r depois da demora ne-
'cessaria para
Bahia, Rio de Janeiro, Buenos-Ayres e
Montevideo
Leinbra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quutquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
rias que so se attender a reclamaces por fal-
tas, nos volumes, que forem reconhecidas na
occasio da descarga, assim como deverao den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem qualquer reclamado con-
cernentes a volumes que porventura tenham se-
fuido para os portos do sul, afim de poder-se
ar a tempo as providencias necessarias.
Entrar no porto
Conduz meco a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens podaro ser tomadas de ante-
mSo.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para os quaes tem excellentes accommodagoes.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trala-se com o
AGENTE
Aeguste Labiile
9RA DO COMMERCIO-9____
~CO~MPA.\H PEB.MMBICASA
DE
Xavegaeo costelra por vapor
POR'iOS DO SUL
Macelo, Penedo, Aracajn* e Bahia
O vapor Jacuhjpe
Commandante Pereira
Segu no dia do 7 Agosto s
5 horas da tarde. Recebe car-
at o dia 0.
Encommendas, passagens e dioheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
E*(e paquete
Meetrica.
illumlnado A lu
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Augrste Labiile
9 Ra do Commercio .9
COHPHlAYt PEHMMBICAKA
DE
IVavegaco costelra por vapor
PORTOS DO NORTE
Parhyba, Natal, Maco, Mosor, Araca-
ty e Cear
O vapor Jag-uaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 3 de .Agosto s 3
horas da tarde. Recebe carga at o
Encommendas, pa$agen3 e dinheiro frete-
at s 3 horas ('a tarde do dia :
ESCRIPTORIO*
Ao Caes da Companhia Pcrnambucanv
n.
Companhia Bahiana de Na-
vegacao a Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O VAPOR
Principe do Gao-Para
Commandante Lacerda
E' esperado dos portos cima
at o dia 12 do corrente, e de-
pois da demora do costume re-
igressar para os mesmos
Para carga, passagens, encommendas e dinhei
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Viyario 17
LE1L0ES
-Leilo
Sexta-felra. 9 de Agosto
A's 11 horas
No 1." andar da na do Imperador n. 19
De 1 piano, 2 ricas mobilias de medalhtto,
composta cada urna de 1 sof, 2 censlos, 4 ca
deiras de bracos c 12 de guarnicSo, 1 rica mesa
quadrada com pedra, 1 toilet, 1 cama franceza,
l guarda vestido, 1 cominoda, 6 cadelras, assento
de tapete, 2 raarqaezjes. mesa elstica, 1 guar-
da-!ouca, 2 aparadores, cadeiras de junco e de
amarello, 1 candieiro belga, 1 cabide, quadros,
etageres, jarros, candieiros, copos, clices, garra-
fas, louca de jantar e de almoco, machina de cos-
tura, escarradeiras, tapetes, 2'reposteiros, 1 rede,
1 cama para menino. 2 tachos de cobre, 1 bolea
e outros muitos artigos de casa de familia.
O agente Modesto Baptista autorisado pelo Sr.
Jos Mendes do Couto que se retira para a Euro-
pa com sua Exma. familia fara leilo do que
cima sa declara, ao correr do martello.
Companhia Brasileira de
Navegado Vapor *
PORTOS DO SUL
- O vapor ^anos
Commandante o 1 tenente Guillierme
Widdln
aerado do
di i
As ei
3arbosa ate 1 lio ,JiC|ai
Para carga, f .;.3e -.alo-
res tra'a
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco do
AJmeida
ado dos pcrtoi:do sul at o
7 de Agosto e seguindo depcis
ora ind : para c:
os .lo norte at Man
As enconi.-in'ndas so gerfto recebidas na agen- \
ca al 1 hora la tarde do da da sabida.
Para carga, encommendae, pass<^en3 valo
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneirc>'& C.
6=Rna do ^$
1" andar
LEILO
NO
lf L
Com aprsenla do respec-
tivo cnsul e mais interessa-
dos, serao brevemente ven-
didos no edificio da Alfan-
dega, em Natal, os salvados
da barca Mary A.. Green-
wod, naufragada na cos-
ta deesa provincia, constan-
tes de kerosene, ferragens e
oulro? artigos, procedentes
dos Estados-Unidos.
O leilao principiar no dia
25 do corrente e continuar
at que sejam arrematados
todos os salvados.
J. H Tucker,
Capito de Mary A. Greemvooil
Agente Burlamaqui
Agente Britto
Leilo
De 1 piano, 1 mobilia de pao cgrgB quasi no-
narello, 1 clila de inogno, 1 toilet,
na franceza, 2 marquezes, 1 lavatorio, 1
ido, 1 mesa elstica cora cinco taba
qaartinheira, 1 cabide, 1 guarda-louca, 1 cora-
aoda, i cadeiras de balando de junco, cadeiras
res, 1 armario, quadros, jarros.
kerosene, louca para almajo copos,
clices, compoieiras, garrafas, facas, colheres,
bandeijas, bacias, tapetes, escarradeiras, mesa
de'ebzinha, 1 jarra, trens de coztnha e onlro:;
objectos pertencentes ao UbjfeSr. Jo
da Silva que retirou-se parairoro da pro
Nabhado : le %sos As 10 e meia liorat
Ra da Irnperatriz n. 471 andar
Leilo
De tres importantes vaccas tourinas com
erias
Sabbado, 3 do corrente
A'S 11 HORAS
No largo da ra do Commercio, aniiga
Lingueta
POR INTERVENCAO DO AGENTE
Gusmao
Leilo
Da armacao, gneros e mais utencilios da
taverna sita ra Direita de Afogados
n. 16.
Sabbado 3 do corrente
A's 11 horas
Em Afogados
O agente Stepple, por mandado e assistencit
do Exm. Sr. Dr. juis de direito privativo de or
phaos e ausentes e a requerimento de Anna Tran-
Juelina Forges, viuva do finado Joaquim Caetano
orges, ler a leilao a armacao, gneros e
mais utencilios da tavema cima, em um ou
mais lotes a vontade dos Srs. compradores.
Leilo
De fazendas
Constando:
Da caixa n. 69 com 217 killos de brira de li-
nho para vestidos, caixas ns. 146 e 147 con-len-
do sargelim de algodo de cores, caixa n. 3 coro
pecas de panno de la, caixas n. 148 e 149 con-
tendo sargelim de algodo, caixa ti. 4 com 18
pecas de casetnira de la, parte da caixa n. 699
com 20 pecas de setim da China, caixas ns. 1113,
1134 e 1135 contendo cortes de casemira dita
para caigas.
Segiinda-feira 5 de Agosto
A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda n. 5
O agente Gusmao, autorisado por mandado da
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio e a
requerimento de Dr. curador liscal da massa fal-
lida Je D. P. Wild & O. fara leilao com assis
tencia do mesmo juiz das fazendas cima men-
cionadas as quaessero vendidas era lotes a von-
tade dos Srs. compradores. ___
Leilo
Caixeiro e ama
se de um aixeiro com pratica de ta-
verna., e de tima anra ; na ra Visconde de Al-
buquerque, taverna n. 5i.
Mtiita attencao
Na ?ua de S-. Jos 0/ 56 err. pira vender os
afamados viiihfls e licores de todos os fructos do
paiz, fabricad pelo linado JoSo do Amaral Ra-
poso, como sejam : vinho de cai de 1." e 2.*
qualidade, vinho de Abacagy, vinho dejanipapo
composto e simples, hesperediua brasileira, la-
ranginlia cordial, essencia de llraio e cidra e
tres prensas para espremer os froctos, tndo se
vende por baratissimo prego liara liquidaco.
Assim como se vende um bom terreno na fovoa
gao de N, S. da Boa Viagem por qualquer prego
Mudanza
Jos Gomes de Amorim faz publico, e com
especialidade aos seus amigos c freguezes, que
desde e dia 26 do mez prximo passado, mudou
a sua fabrica de leos vegetaes, do predio n 161
da ra da Aurora para o de n. 103 da mesma
roa, aonde o respeituvel publico o encontrar
sempre pomplo a sarufazer todo e qualquer
pedido com toda sua fidelidade e prestesa; po
dendo a qualquer ora serem as encommendas
dirigidas para all; sendo o n. 33 o do appare-
Iho telephonieo de seu eslabelecimento. Recife,
i de Julho de 1889. ___________________
Cosinheiro
Precisa-se de um ; a tractar a ra do Com
mercio n. 44, escriptorio.
Urgencia
Prccisa-se de um criado que tenha boa con
duda ; a tratar no becco do3 Ferreiros n. 6.
Apolice* perdida^
Perderara-se dez apolices da divida provincial
de Pernambuco, pertencentes a Manoel Pereira
de Araujo Vianna, de ns. 873 a 882, serie B, do
valor de 1:0004 cada urna : pede-M pessoa
que as tiver adiado o obsequio de ir ou mandar
entregal-as a Henrique Bernardes de Oliveira,
procurador bastante do mesmo Viann, no Re-
cife, ra do Vigario n. 1, escriptorio, que grati-
ficar
Caixeiro
Precisase de um caixeiro de 16 a 18 annos
com pratica de venda ; a tratar a ra de Hortas
n. 1_____ __________________
Ama i
Predsa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar, na ra Nova n. 20, loja.
Ama
De movis, importante piano, lindo espe
lho oval, lougas, vidros e trem decoainh
TERgA-FEIRA 6 DO CORRENTE
\'s 11 horas
Na casa sita ra da Saudade n. 34
Constando
De 1 mobilia de amarello envernisada depreto,
com 12 cadeiras de guarnigao,-4ditas de brag03.
1 sof e 2 consolos com pedrj, 1 importante pia-
no novo do fabricante Kapps, 1 cadeira para dito,
1 lindo espelhooval, 7 quadros de moldura dou-
rada, 8 etagers, 8 jarros para llores, 1 lastre je-
nolate para gaz carbnico, 5. pannos de crochet;
2 escarradeiras, 1 tapete para sala, tapetes para
piano, portas e janellas, 1 cama franceza para
casal, I guarda-vestido de raz de amarello, 1
toillet com espelho, 1 banca-Cabeceira de cama
1 cama para solteiro, 1 commoda de amarello, 1
cabide de amarello, de columnas, 1 marquezao
para solteiro, 1 cabide de parede, l.cadeira pri'
vada, 1 guarda roupa, 4 quadros, I marquesae
largo, 1 cam i para crianga, 1 cabide de parede,
1 estante com gavetinhas, 1 estante para papis.
i mobilia de Jacaranda, 1 guarda-louga, 1 meia
elstica, com 4 luboas, 2 aparadores com pedra,
Tquartinheira, i relogio de parede, 2jarros para
flores, 4 vasos para ditas, 2 bancas de Jacaranda
para jogo, 6 quadros, 1 lustre de bronze para
gaz carbnico, 5 arandelas para dito, louga para
almogo t iaotar, copos, clices, corapotairas,
garrafas, porta-queijo, bandeijas, talheres,.co-
lheres, 1 commoda com pedra para cozinaa,
trem de cozinha c muitos outros object03.
O agente Gusmao, autorisado por urna familia
que mudou-se para tora, far lcilio dos objectos
cima declarados, no dia e hora cima indicados
2/ leilo
Da caaa terrea roa dos Burgos n. 15,
freguezia do Recife, em solo proprio
Terca-fefra do corrente
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 39
O agente Stepple, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. jaiz de direito de orphos, e a
requerimento do curador da interdicta Francisca
Bernardina da Conceigo Carvalho, levar a leilo
a casa cima ; desde j polem examinar.
Precisa-se de urna ama para cosinhar e mais
servigos de casa, e que nao dursna fra ; na ra
da Unio n. 31-A.
ttengo
OITerecese um senhora de meia idade para
tomar couta de urna casa de hornera solteiro ou
viuvo : a Lritar na ra das Flores n. 5.
Sement de carrapato
Compra*3e em grandes e pequeas quantida-
des ; na fabrica d leos vigetaes ra da Au-
rora n. 16.
Joo Baptisla Lobo Corte Real
O brigadeiro Francisco Joaquim Pereira Lobo,
D. Maria Luiza Lobo Corte Real, capito Antt nio
Gracindo de Gusmao Lobo e D. Senhorinha Vil
lela de Gusmao Lobo, av, irm e los de Joo
Baptista Lobo Corte Real, agradecem do intimo
'alma a seus parentes e amigos que se digna-
ran] acompanhar sua ultima inorada aquello
Inado, e aproveitam o ensejo para pedir lhes o
taridoso obsequio ele assislirera a missa de s-
timo dia que se celebrar s 7 horas da manija
de 3 de Agosto (sabbado), na matiiz de Sanio
Antonio, e pelo que muitissimo gratos Ibes i
carao.
I ;
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se o sobrado n. 46 ra da Roda
com bons commodos e inuito fresco, bem como
os dous pavimentos terreos ; quera os pretender
dirija si ra do Cabug n. io, loja da Ventu
rosa. ______________^___^_^____
Alnga-se o sobrado da ra de S. Jorge n.
120, com agua e gaz ; na mesma ra n. 131, ta-
verna.
Aluga-se urna casa no Monteiro, ramio
fresca por ter janellas para o rio ; a tratar no
caes da Companhia Pernambucana n. 6, escrip-
torie de Bastos & C. ________________
Precisa se de urna cosinheira; a tratar na
ra. Nora 0^39, 2- andar.
Um honiem de idade, com pralica do com-
mercio e habilitado para dirigir qualquer traba-
lho ou estabelecimento. se olferece dando fiador
idneo da sua conducta; a tratar na ra da Pe-
rilla n. 3,loja.
Urna pessoa com grande pratica de molha-
dos, offerece seus servigos ao commercio, po-
dendo quem pretender, procural-a ne3ta typo-
graphia pelas iniciars F A. S.
Alugam-se as casas terreas de ns. 9 tra-
vessa de S. Jos ;. paleo do Trro n. PO ; csio
Umpas : a tratar na rita do Pilar n. 56.
Vende se o grande silo 'Jo Arraial, que
foi do finado Francisco Jos^Viasaa, cora toaos
os comraoaos e proporgOes para a vida, na sta
gao da' us >le Cima; para ver e tratar
no mesmo 8 s 9 horas da manha.
Deca ra^ao
O cap Firmo Pereira do Lago testa
menteiio de Jor.qnim T 1(<0 c
dar cumprimento ros legado*; conforme a rc-
daegao constante da paitilna, convido a oneni
t ver direito a re. pasear o competente
recibo. Rrcife, 1- fose Antonio Vic-lra
Manoel Jos Vieira, Manoel Lopos Viwra, Julio
Mariz Tavares Vieira (presentes), Francisco Jos
Vieira, Leopoldino Lopes Vieira (ausentes), con-
vidan] a todos os parentes e amigos para assis-
tirem as missas que mandam rezar pelo eterno
repouso de seu sempre pranteado pai e sogro,
Jos Antonio Vieira, fallecido no Rio de Janeiro
no dia S de Julho, na ordem lerceira de S. Fran-
circo desta cidde. s 8 horas do da 3 de Agosto
(sabbado), trigsimo do seu passamento, pelo
3ue dosde j se confessam eternamente rgra-
ecidos.
t
Commendador Manoel eamdlo
Mre Faleo
Os religiosos carmelitas desta cidade convi-
dam a todos os parentes e amigos do commen
dador Manoel Camillo Pires Falcao, para assisli-
rera as missas que celebrarao emanlam cele-
brar pelo eterno repouso do seu fempre lembra-
do confrade e verdadeiro protecter da ordem, no
dia 5 de Agosto viudouro. stimo de sen falleri-
menlo, na igreja de N. S. do Carmo desta cida-
de, s 7 horas da manh, pelo que se confessam
desde j eternamente agradecidos.___________
t
Joo BaiiUita I Os empregadus da secretaria do prolongamen-
tode S. i ranciseo e estrada de ferro da Carua-
r. intimamente compungidos pelo fatalis-imo
passamento de sen tnditoso companheiro de es-
criptorio, o amauucnse Joo Baptis'.a Lobo Corle
Real, convid-m a seus "parentes e amigos eos
do finado para assislirera a una missa que, por
sua alma, mandara celebrar na matriz de Santo
Antonio, no sabbado 3 do corrente, s 71/2 ho-
ras da manha. por cujo comparecimento desde
j se confessam agradecidos.

t
"Hotel Globo
8 seu proprielario tendo de vender si:
belecimento sito ra das Cruzes n. 28,
todos os sens credores para se apresontar o
praso de tres dias, e todo e qnalquer que ao
comparecer tirar prejudicado. Recife, 1 de
Agosto de 1839.
Casa defaanhos salga*,
dos
"onser-
9 n. 6."
Cbama-3e a attengao das p
vara no estabelecimento
roupas de b'anbo, para o que
do seu regulamento abarxo transcrinto ;
.Art.
dasou
as Santa Casa da Mi
cife.
CenuneBdadsr Manoel Camillo
Pires Falcfio
Jos Francisco do Re-go farros, sua sulhcr c-
fllhos convidan) seus- prenles e amigos e o
v.irem a missa q; i
so eterno He ?eu linado cunl
mandara rezar na maliiz de S. Jo
da tnanli do dia 8 do corrente, stimo do s;u
FranciKca Teixeira da Silva
itoga se s pessoas que acompanharr.m r.oec-
a CU cida,
o obsequio de
ja do
o da ti, i as da nianlii,
pelo que se licar snramamente agrttdtcidc.
Or. Manoel Ferreira da lita
D. Joanna da i.cinrula Fcrreira, agtau'ece do
u d'aima a lo que se'digna-
ram acompanhar os restos tnortai* de seu sem-
k-mbrado esposo, ao cemitorio du S. Fran-
em Oiia.la e de novo convida aos pan
do inesm stir o officio q
: que tr3o lugar ro convente de
! horas da man!:
I das 4 1 3 lio;
Tratamenlo : radical ih 6 dias
DAS
BLENOIIRHAGIA3 AGUDAS
GBRONIGAS
(VULGO PEGAClO)
DO HOXEia OU DA nUOIKR
E da leucorrha ou flores brancas
Plalas Resino -Balsmicas
E
Injeccao Ant-Blenorrliagca
PREPARADOS POR CALASANS & C.
PRODL'CTOS APPEOVAIK)S PELA
ISSPECTOEIA GERAL DE HYOIENE
Urna serie de brilhantes e innmeras ex-
periencias, coroadas sempre de bom xito
durante dez annos, assignala a estes dous
medicamentos, usados com a dieta o dosa-
gens prescriptas, o piimeiro lugar entre os
medicamentos estudados e preconisados
para curar estas terriveis molestias.
As pilulas sao supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, pois que ellas nao im-
pedem nem difHcultam as funcco'es deste
orgHo.
A injec9ao anti-blenorrhagica nSo ab-
solutamente irritante e por isso nao tem o
inconveniente das actualmente empregadas
e n2o produz estreitamentos.
Kao publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentos que te-
mos recebido para nao offender aos nossos
clientes, muitos dos quaes sao pessoas mui-
to conhecidae e altamente colloeadas.
Empregada como artigo de toilet*parti-
cular e excellentc presei-vativo contra as
molestias secretas.
Modifica e faz desdpparecer o mo cheiro
das regras.
Preparados por Calasans & C, Phar-
m'acia Imperial, Bahia.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
1 gipio
O grande e importante estabelecimento de
Pojas Mendes A C, sito ra estreita do Rosa-
rio n. 9, contiguo a igreja, acaba de rec ebe
urna grande remessa do acreditado e e pecial
Vinho Maduro
O nico que, sem a mnima eoufeec2o, im-
portado nesle mercado, e s se vende no referi-
do estabelecimento. Este precioso nctar se
torna cada vez mais procurado aqu. Querera
saber porque ? Vojam : o vinho Maduro, sendo
como 6, feito nicamente da uva madura, ten
as segrales vr.nlagens que as outras qualidade
de vinho nao tem ; facilita sem a menor pertnr-
bacao as digesies do estomago, ainda mesmo
o mais enfraquecido, dando-lh vigor, pois nutre
aolhos vistos as pessoas debilitadas, ed forcaa
s que as tiver arruinadas pelo uso de bebida
viciadas.
Recebemos tambera
Requeijao'
em lalas, de procedencia de engenhos, cujos
propri^tarios capricham era bem trabimar neste
artigo, alim de terem a primazia sobre tanto
outros similares, cuja composigao duvidoaa.
Em outros artigos como gementes de hortaliza
e flores, linguas seceos do R io Grande, objectos de
rime e amneos do rorto para boraens c seuho-
ras, para isto tao pouco temos competidor. A
nossa casa especialista, e as pessoas que disto
se queiram certificar podem compatecer, com
o que rauito no3 honraro. Aps urna roRnl-
dade de arilgos de primeira ordem, que achara-
se em exposico, acresce a amenidade do trato
com que timbramos tratar todos os que nos
honram com a sut presenga, junto a modicidade
de precos sem rival.
Ra e*tlrei(a---cIo Bomarto n. O, junto
a Igreja
Po Para os feslivaes
A' na da soledade n. 56, preparam-se,
com limpesa, mestria e commodidade em
prefos: bolo, pilo de-lt, cangica, arroz de
leite, pirmides de doces d'ovos, ratap,
bandeijas para casamento3 e baptisados, etc,
Recebem-se as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
oMstnntino de HA Barre!
Convida se a este senhor a comparecer rea
do Bom Jesusn. 23, para prestar contas das co-
brangas que fez no tf rmo de Agua Preta em
Margo prximo passado.
J^gF^Attendite et v-
dete! ,
Jos Samuel Botelho avisa ao respeitavel pu-
blico que ainda contina a fabricar bouquets e
bandeijas para casamento ou outro qualquer acto,
assim como capellas mortuarias de perpetuas :
a tratar no3 seguintes lugares: ra Nova n. 20,
loja de miudezas ; ra d Cabug n. 3, segundo
andar, e loja de selleiro ra da Cadeia n 43.
eng*enhos
a
Para
Lopes & Araujo, vendem
presos sem competencia,
garantindo a boa qualidade,
os artigos abaixo mencio-
nados.
Gal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Polassia da Russia em caixas
de 10 e 25 kilos.
Cimento Portt^nd.
Graxa em bexigas.
Rua do Ligamento n. 58
Telephone 316
VENDAS
Vende-so uraa boa armacao de amarello,
propria para qualquer negocio, na rua do Ran-
gel n. 6 ; a tratar na mesma rua n. 29. Garan-
te-se as chaves.
Vende-se um sitio no Peres, perto da esta-
cao, com boa casa de tijolo. tendo de frente 450
palmos e de fundo 600, cacimba de boa agnae
todo arborisado ; a tratar no caes do Ramos nn-
mero 28.____________ __________
Vende se no caes do Ramos n. 4, urna ex-
cellente macbina vapor de 30 cavallos, urnas
bombas hydraulicas de grande forca, nm ferra-
dor, urna tesoura para cortar flandres, arcos,
etc., trunos e carros Decauville, apropriado
para transporte de canna, bombas d'agua m5e
e vapor.
- -
-
i y* -
O msfhGr tiontltrtcto
3
i mvL
^tconffladopsl Inspectora Geni
de Hyg-in do Imperio do BraxU,
2aaropeZed
{/) CODlHA 9 TOttf,
{th CODEMA T0ltf}
O ScJOpe Zai nprega-se coans
/. .-V'- .; .:'. < -. fes* iei 1--'-: i, I,-J*
K:r:d!a\&ptteht)SBrmkUi/>mtlpif)t%
Gtarrhos t Iifsomir.tu tersisttHtts.
tun, 13. ron Dnnt, ctrntrnum
aiaprcgad com
Cdontali&a
l-'ST OESTl, laiMPM CiSa-3 ti MU
^ FAFJS: Si '3ij, 34, raf Foguea
Aos asthmaticos
Se padecis de asthma, usai o Peitoral
de Cambar, que remedio de effeito
surprehendentes e duradouros.
ios sr*. *RO?RiETamoM do cavjiio
UNGENTO STEVENS
O nico substltuindo a cauterlfai-ao dos cavallos
plofogo. Este maravilloso prepaiado o ueco
emedlo verdadoiramente efflcaz para curar todas
e quaesquer ARrCfii iu nu do cautil, Enle.-tcsadH i>
fjrganu e BIcojom di toa a iati"t?>. 40 annos ds>
ptimo e continuo erlto tm todas as cor-
ridas, > liaras i, nos principas eatabelecl
mentos de cavallos em Znglaterra e Europa,
Sanca aeixa nodoa alguma. E" mster expert-
mcnti lo para flear convencido do seu valor.
Vcndo-ae em caixas com as competentes indicaetc*
para o seu empreo, em^portuguex
yrcuiaa;* prpar.ido por H, R. srEVSKS. m. V, Park Lile, Londres (Inglaterra)
klMtuiae a Peroimbato Fl- H. te SilVikC*

Boa acpms^o
Verrde-se ou arrendarse uraa padaria
pa do C n lugar denominado I
com bons utensilios c bem afreguizada ; a tratar
na raesma padaria.

Bons resultados
Para provar os bons resultados do Pei-
toral de Cambar, basta apresentar os nu-
merosos attestados de curas firmados por
pessoas dignas de toda f.
Licor depurativo vegetal iorfad*
do medico Quinteila
Este notabiliseimo depurante que vem
precedido do tao grande fama infallivel o
cura de todas as doencas syphiliticas, es-
crofulosas, rhclunticas e de pelle, como
tumores, ulceras, dores rheumaticas, oa-
teocopas e nevralgicae, blenorragias agu-
das e ebroniens, cancros sypliiliticos, in-
flamagoes viceracs, d'ollios, ouridos, gar-
gantas, intestinos, etc., o cin todas as
molostir.s deselle, ampies on diathericas,
assim como na alopia ou queda do ca-
belloj e as doencas determinadas por sa-
lo mercurial.
Duo-se gratis folheto onde se eneo-
tram numerosas experiencias feitas com
este especifico nos hospitaes pblicos e
muitos attestados de mdicos c documen-
tos particulares.
Faz-se descont era casa de
FARIA SOBRINHO & (7. .
Roa SSar^nez de Olinda n. 41
Cura-se fcilmente
As inflaminacjo do lr}iige cura-Be f-
cilmente com alguns frascos do Peitoral O
Cambar.
Os agentes,
Francisco M. da Silva & C
Na Magdalena
vende-se os utensilios "do hotel donomffl*-
Recreio da Magdalena; a tratar no mesmo.
wm


fi
I
. ..
i";
(B3
liiaine de l?erdmbueoSexta*fetr?r 2 de Ag-osto de 188S5
0 O Mlflfflt
E'ON. 20
Teeides para wslidos
Cambraia Victoria a 2$800 a peca.
Batiste finas a 240 rs. o covado.
FastSo braaco lavrado a 360 rs. o covado
Setim do Jvpilo- a 240 rs. o corado.
Cachemira de listras a 10200 o dito.
Ua Amazonas a 400 rs. o dito.
Merinos lisos duas larguras a 440 rs.
Gazes arrendada a 500 ra. o covado.
Chitas percales a 200 rs. o dito.
Metin de quadro a 300 rs. o dito.
Cretones claros a 240 rs. o dito.
Beodas hespanholas a 20000 o dito.
SetinvMaoo a 800 rs. o dito.
Popelina branc a 800 e 90C rs. o dit>
Setineta branca lisa e lavrada.
Merinos pretos (baratissimos).
Toile pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Cachemira & lisas a 10200 o covado.
Cortes de vestidos em cartfSes.
Cachemiras de quadro a 280 rs. o covado.
Velbutina preta-a 640 rs. o diio
Crepspreto (inglez) a 20000 o dito.
Artlp
m.
os para iomcas
Cortes de casemiras, a 60, 70, 80 e
Camisas allemSes a 3604500 a duzia.
Paletots de alpaca preta a 40500.
Regatas de c6res a 10 e 10500 e 20000.
Paletots de scda'palha a 70500 unv. ^
Ceroulas de bramante -a 150000 a duzia.
Paletots de alpaca de cores 40500.
Camisas de flanoUa a 40500 urna.
Guardap pr>ra homem a 60000.
Sobretudo de panuo piloto.
Meias inglesas a 50O(JO a duzia.
Moias finas da Escocia a 10500 o par.
Lencos de linho a 50000 e 60000 a duzia.
Caseniira em corte para temos.
Chevioth preto e azul a 40000 o covado.
Casena a diagonal a 20000 o dito.
Brim branco, todos os nmeros.
Brim de linho, d cores, a 10800 a vara.
Dubl-capas de panno.
Casemiras pretas e de corea.
Bolsas para viagens.
Costumes para banhos salgados.
fl
DO
Approvado pelo Exm. Sr. presidente da provincia
r##-
AKTIG08 DIVERSOS
Capellas para noivas a 70000 urna.
Bteias forradas a 440 rs. a duzia.
Lavas de seda a 20000 e 20500.
Bicos preto de seda.
Toalhas para banho a 10500 urna.
Cobertores de 12 a 10800 um.
Bicos de cores a 20000 e 20500 a peca.
Guardauapos de linho a 20200 a duzia.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Arcos cobertos a 140 rs. o metro.
Colchas de cores a 10800 urna.
Goarnicao de crochet a 70000
Panno da Costa a 10000 e 10200 o co-
vado.
Toalhas felpudas a 400.^0 a duzia.
Leques transparente a 20500 um.
Extratos, tnicos, entremeios, bordados e pos de arroz.
Houpas por medidas
20Ra Primeiro de Marco20
1 ASA l>I COXriAHCA
Colchas de fuBtao a 30500 um.
AlgodUo branco a 30200 e 40000 a peca.
Colchas de crochet a 60500 uib.
Coletea-de flanella a 20500 um.
Tapetes grandes a 130000 um.
MadapolSo americano a 60000.'
Fichs de retroz a 10000 um.
Lenoes de bramante a 20000 um.
Cobertas de ganga a 30000 urna.
Lencos brancos a 10200 e 10500 a duzia.
Sargelins de cores a 200 rs. o covado.
Brim pardo a 280 rs. o dito.
Espartiihos curaca a 50000 um.
Fustfio de cor pava^roupa1 de crianoa a
800-o covado*
Seda palha a 10000 o dito.
Premios da lotera lnteira
1 premio de.....300:0000
1 i .
1 ...
2 ...
6 f c .
10 t ...
2 appfjxrmacoes de
2 c c
2
9 Dez.uo I. prem.
9 t c 2.c
9- t t 3/- t
99 2 fin. 1.
99 a 2."
900 tena. 1. c
900 c 2.
50:0000
12:5000
10:0000
15:0000
15:0000
5:0009
3:0000
1:5000
6:7503
4:5000
2:2500
24:75'I0
24:750
1250 112:5000
1250 112:5000
5:0000
2:5000
1:5000
2:5000
1:5003
7500
7500
5000
2500
2500
2500
Premios da serle
1 premio de.....
1 t.....
1 ......
2..
6 .
10 ...
2 jLpproximajoes de
2
2
9 dea. do 1.
9 2.
9 i .3
99 2 fin. i.
99 ( 2." t
900 tepn. ( 1.
900 c 2. <
prem.
<
c
c
2000
1000
600
1000"
600
300
300
200
100
100
100
50
50
12:0000
2:0000
5000
4000
6000
6000
2000
1200
600
2700
1800
900
9900
9900
4:5000
4:5000
|
DO

1ST0XA80
lflABO.
28:0000
AMARAL
C
.A
2052 premios no valor de 700:000012052 Jfemios no valor de. .
Todos os premios sao pagos integralmente ,,
Esta lotera composta de 10.000 bilhetes a 1000000, dividida em 25 series,
custando o inteiro da serie 40000, subdividido este era quintos da serie (125M do
bilhete inteiro da lotera) de 800 rs. cada um.
O agente desta lotera chama a attenco do publico para este importante
plano mais vantajnso pela sua boa organisaeSo.
Com 40000 (5 quintos de que Be comp5e serie) reoebe-se 12:0000000 e com
800 rs. (1 quinto) 2:4000000.
O menor premio d um resultado de 25 Yo P>8 custando o quinto 800 rs.,
recebe 10000 as terminacSes dos 1. e 2.* premios.
Silo premiadas as dezenas do i.9. 2. e 3.e premios.
As duas letras finaes dos 1. e 2., terminacSes dos 1. e 2., e as approxi-
xoes dos l.o, -2. e 3.: tendo aloro disso- premios de 2:0000000, 5000000, 2000000,
1000000 e-600000.
EXTRACCAO IOTRANSFERIVEL
__
i Grageas Deb azi ere
Approvadia rea Inrr>ectori de Hyslene do Brazil
CASCARA SAGRADA |IWRrrOFERRO Vertfadeiro Remedio O mate activo do* Ferroglnomom
Contra a Priiio de Ventre habitaeJ.i Kio produMlado a Prist&o de Ventre.
Para a cura efftcat e prompla dai
Molestias provenientes de im-
G> pureza do Sangue.
E' urna lomcura andar a fazer expe-
riencias com misturas inferiores com-
poetas de drogas ordinarias on de plantas
indgenas cuja efflcacia nao confirmada
pela setnela, emqnanto que a molestia
cada vez val ganbando terreno.
Lancem mo, sem demora, de nm re-,
medio garantido cuja efflcacia seja facto
assignalado e inquestionavel!
O Extracto Composto Concentrado
de Salsafarrilha de Aver 6 eonhecido
e recommendado pelos mdicos mais in-
telligentes dos paizes achantados, j
durante 40 annos,
Cien tenas de militares de doefltes
tem comido beneficios do seu emprego e
eio outras tantas testemunhas da sua
efflcacia positiva c incomparavcl.
PREPABADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Est.-Unjdos.
BKTQSITO fiUUUi.


lusm
ITB YEGETAES
s2o o m'elhr Purgante e o Remedi
Eia;. efi^eaz contra os ditos male
a Sigesto
PURIF1CAM A BILIS
e ffafam radicalmente
___A DISPEPSIA.___J
Alugam-se
asjeasas terreas da ra do Lima ns. 18 e 26, em
S. Amaro; a tratar na lilhographia ra Mrquez
de Olinda a. 8.
DfC'SltO
0 gera: PnABft6iA fc jK&tSE, JI. mm ft mm, PifH
DE
do E^^xxycroi3c3K:
Iodo-Ferruginoso t Quirttt o Casca ts Laranja amarga
Este medir-amento"6 fcil de lomar, n provoca n:useis,
de dierre agradavel. Pela sua coniposffsc, possue toa.-^ as
qualiades que lhe praittem combater :
a ANEMIA, a CHLOROSE, as AFFECCES do PEITO
a ERONCHITE, os CTARR^tOS,"* TYSTCA
a DIATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSAr etc.
Em vistando-iseu emprego fcil, da sua aegao multplice e
segura, da economia para os doentes, os mdicos'reccitam-n o
*e preferencia qualquer outro medicamnioaiiia.I
DEPOSITO OEKAI.
PARIS,2Q9, ra Saint-Denis, .209, PARS
TE.NDEM-SC EM T014S AS T.INCllUE. PHAI1MACI.S DO UKIVgB^O
SCONriAR DAS FALS1FICAC6ES E IWITACOES
1
TINTA INALTERAYEL
Esta tinta recommenda-se pelas qualidades
segantes:
1E' ignal s nielhor tinta Bluc Block inglesa.
2-E' de urna fluidez extraordinaria, e torna-se preta como
carvao.
3E' de dura9o Ilimitada, portanto para os livros do com-
> mercio e para documentos, que carecam de longa dura^ao, nSo
tse pode desejar tinta melhor.
4 N3o estraga as pennas de ac.
Prcfos; garrafa 80^ rs. i |2 garrafa S00 rs.
MVH1RIA (OMTLHI'ORiXEl
SAUZBQ U. COSTA & G.
B UA |l. DE M A R 9 OP ERfNAMBUCO
ALBINO SUVA &C.
4t-Rna Harqaez](4e Olinda48

Wm\
i
44-WI B^RiO B TRI1PHM4
Vf achinas a vapor.
Moendas.
Rodas d'agua.
Taixas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem cravacao
Arados.
u:b*v a n "m ir >. : lv i -a iv
NUBIAI
w
k.u,k. -> n
'AGfAXA LIQUIDA IMPERMEAVEL\
BMPBBOA-BE BEM ESGOVAe
O tnagnieo LUSTRO desta grraxa[
9onserva-so durante urna MaMLaA,
aej quul fr o tempe.
(fAL fifOnAL GLQSS Gtmma lustrosa elstica para as Bottinas das Senboras. I
APPLIOA-BE BSU S800VAJB
PASTA UfJCfUQSA, 6 entregue ao SxoroitO Ingle*.
THI NU.IAN MANUPI COHW, l_, & 9, HQIier Lanl, LONOUI K. C.
Agota. gerw. em PERNAMBUCO :
Oulmaraes Pern
U RJ A N
HMIIIIII
Ji nao ha Repugnancia
P4A TOUAR O

4
'-saa !^3 ^O!0SOIM coa Chocolate
:, de saben agra<..tr*!t, estfto rigormametttt dotanx.
t< 82! (Sai :-!m*<)
DEKJS1TO ULBL : '.. fO.SiON, FVhHUKCsf ST^SO
99, AvmmerWe C'onWMHMMfe, 20, m A.&Xtotk orto i9 em ijlncipiiCfi 17 b.m.vn .uoloja.
A litigo estal>elecimento de. ferragens
DB
FERBER4 GMSAES & 0.
WMM Dnqnc de Caxias86
fSkmtbt partimento efma%ens, xitelar0;
e murtn ntrax artigan a saber:
Cobre em folha.
Ferro sortido.
Ciment Portlant
e outros marcas.
Bombas de ferro e bronze
Ganos de ferro e chumbo para
encanamentos de alta presso
Machinas e vapores
para algodao.
Candieiros elctricos.
Foges econmicos.
Este estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
longa existencia a garanta mais segura dar os que pro-
curar em honral-o com a sua confianza.
PRESOS SEM COMPETENCIA
Descontos do costume
.=*u>-j*3a*r u-wanHnK>
Remecedor de J$, <%[<$.
o Imperador do Brazil e o Re dos Belgas.
AGUA
A. VMRD.IDEIRA.
DE
' o nico Dentifroio approvado
pela ACADEMIA de MEDICINA DB PARS
0 melhor calmante contra as Doret de Dantas
Recommendado Mpeolailhent* com os Pa da BOTOT coa Ooioa,
______ para o. cuidado daBoooa. "*"** *
Bao, i mt-Booor, FmrU.em toiila bou Droprtu. IWart TilimmkhL J
^^~-----------
PE8P*a/.T)0 CO>:
Pbr 5PSEa X>^."S% Fsrfumsxa
I
reiMsBi
Curados pelos CIGARROS ESPIG
OppresmOe* Tose Deflnxos Aevralgiao
LICENCIADO. F.LA IK8PUCTOB1A DB BTGIS^E DO IMPSfUO DO ORAZIL
Venda arn atacado
Aluga-se
na ra Direita n. 45, sobrado, 33 seguintes casas :
aiN. 40 ra de Aguas Verdes.
N. 5 travessa da Pindoba. Ambas caiadas e
pintadas.
Aluga-se
o 1 andar do importante predio ra do Bom
Jess n 26, e o 2- andar travessa da Madre de
Deus n. 7 ; a tratar com Joao Kernaudes de Al-
meidana mesma travessa n.2I.
Alug-a-se
Precisase de urna ama par* engomnar e fa
zer o mais servico de rasa de pequea familia :
na ra Conde d'Eu n. 32, 2- andar.________
Ama
Precisa se de urna ama para engommar : a
tratar no largo das Cinco Pontas n. ii8.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosiobar e que
durma em casa ; na ra dos Guararapes n. 86.
Ama
Precisa-se de urna ama ; na ra da Florentina
nurero 34.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de familia,
pora cosinhar e lavar alguma roupa para duas
pessoas ; na ra Direita n. 60, 1 andar.
Ama de cosinha
Precisase de urna ama que cosinbe bem e
durma em casa do patro ; a tratar na ra do
Cabug n 14, 1 andar, de meio dia at 2 ho-
ras.
Ama de cosinha
No sitio n. 5 da estrada de J0S0 Fernandes
Vieira se precisi de urna cosinheira, prefere-se
a urna mulbcr qi e durma em sua casa. ______
Caulelas do Mote drSccMTfc
Compra-s cautellas do Monte de Socoorro d
qualquer joia, brilhaates e relogios; paga-st
bem na? Prara ta Independencia n. 22,loja'df
relojoeirb.
o 2- andar ra do Imperador n. 39 ; o 2- dito,
e armazem e urna sala no 1 andar ra Mr-
quez de Olinda n. 52, e 3- dito ra de Boa)
Jess n. 42; a tratar com Luiz de Moraes Gomes
Ferreira.
Alugue! barato
Kua de S. Amaro n. 14.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Ra da Roda ns. 58 e 60.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Largo de S. Jos n. 74.
0 2. andar da ra do Bom Jess n. 47.
A tratar ra do Commercio n. 5, I* andar,
esenptorio de Silva Guimares 4 C.
A o commercio
0 abaixo assignado, residente nesta cidade
onde tem casa de negocio, socio e responsavel
pela Arma social, Francisco Barros lrmao & C.,
avisa aos seus amigos com quem tem transac-
{es commerciaes, tanto desta praca como do
centro, que tendo m .rrido um dos seus filho
3ue fazia parle da referida firma social, que.
'ora em diante a casa contina a gyrar sob a
firma Francisco do Reg Barros & C., com a
mesma re?ponsabilidade do abaixo assignado.
Cidade de Pesqueira, 23 de Julho de 1889.
Andr Bezerra do Reg Barros
Casa
Aluga se a casa n. 183 ra Imperial, com
muitos commodos, grande quintal com fructei-
ras, agua encanada e gaz ; trata-se no n. 181,
junto.
C asa para alugur
Aluga-se o 2 andar do predio n. 4 da roa do
Yigario Thenorio ; a tratar no pavimento terreo
do mesmOi
BRONZE
DE
CAUDOZO ft IRMAO
Ra- do Baro do Triumplio ns. 100, 102 e
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem para vender o segninte:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo directo ou para fogo de assea-
tamento.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS da espora e angulares.
CRIVA^OES de 'differentes-tamanhos.
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavalloa.
ARADOS americanos. -
MACHINAS de deaearocaralgotto.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo encanamento >e finalmente
todas as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e mandam buscar por encommeo-
da, mediante ajuste previo ou urna mdica commissSo qualquer machinismo.
CONTEACTAM fornecimento de apparelhos para usina, garantindo aiw
qualidade e bom trabalho dos mesmos, o que podem provar com. o bom resaltado
obtido com as duas USINAS montadas ltimamente a saber?
Santa Filonilla e Joao Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro com descont.
ANEMIA
DIGESTOES
DIPTICEIS
Dyspepsia
Parda
Apptta\^
TNICO DICMESYIVO ooraTOUlNA, OOOA e PEPSINA
[^UX)PTAD0 gti TODOS OS hospitxbs BJodnlhaa de Ouro Diploma* de Honra
I PAAI8 OREL *, ru La Bruyrt. t Mi tOdS M Pairatcilt
ELIXIR GREZ
Vmitos
1 Oiarrha
chronlca
esque
FNBI(!A0 DE 8IN0 8 E BK ONZB
DE
LUIZ Da CRUZ MESQUTA
66--ra do Baro do Triumpho6&
Tein para vender o seguiite:
Hachlnas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e no
Serpentinas de cobre e d
Carapncas de cobre.
Taixas, taixos e caldeira^j-e
Bombas de t0<^8^a^Jualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torne! ras debj^Jn^g e madeira de todos os tamanhos.
Canos de^cgtjf^^e chumbo e de ferro.
*e_P3rtlaelras, passadeiras a escumadeiras de cobre e de ferro estanhado.
Te em lenjol e arruelas.
SOla inglesa e do Rio.
Cadlnhos patente e^de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectes
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e obras de encommenda, garu
tindo presteza, perfeicXo e prego* mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
t.\de a praso on dinheiro com descont.




Diario
Vende-se
orna mobilia de junco coni encost de palha, do
fabricante Tonel, com pooco uso c preco com-
modo ; na ra Vidal de N'egrcos n 57, so-
brado.
Vende-se
urna das mclhores tavernas roa Mrquez do
Herval, tem pouco capital ; a tratar La mesma
ra n. 143, padaria Fz se qualquer negocio.
Telegramma familinr
Venham ver ao 55
RA DUQUE DE CAXIAS.
Tendo resolvido vender os seguintes
objectos por menos 50 0r* de seu valor
real, convidamos nossos fregueses a ver
a realidade!
Cachemiras combinacao com listas de seda
ultimo gosto a 1A200 ocovado.
Cambraia com salpicos a 4)5000 a pega.
Cortinados, novidade a 50500.
Sargelins de qualquer cor 200 rs. o covado.
Linn bordado
t rs. o covado.
rs.
padroes novidade a 800
coisa
Setins de todas as cores a 800 rs.
Mantil as pretas.
Camisas irancezas com coUarinho
chic a 2^000.
Crotones para coberta a 500 rs.
Amor da China grande sortimento em de-
zenhos a 200 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Cortes de vestidos coisa nova a 80000
120000 e16000.
Guardanapos a 10600.
Madapolo com umita largura a 50000
60000 e 70000.
Merinos pretos de todos os presos.
Crinolines a 400 rs. o metro.
Babados e cntremeios.
Vestuarios para baptisados coisa nova a
100000 e120000.
Lavas de seda a 20000.
Eefiros de cores a '160 c 200 rs. grande
sortimento.
Grande sortimento de plastrons e regatas a
10000 urna.
Tecidos arrendados, novidade a 400 e 500
rs. o covado.
Grande sortimento de casemiras para rou-
pas de homem.
Colchas brancas e de cores um sortimento
completo.
Collarinhos e punhos para homem.
Cortes de casera ira de cor a 40000.
Cassinetas com 2 larguras a 10000 o co-
vado.
Cretones para vestido a 240, 280, 320 e
400 rs. o covado.
Meias e lencos de cores para homem e
enheno.
Merinos de cores de 500 a 800 rs. o co-
vado.
Brim de linho de cor, angola e molcsquins
grande variedade.
Tapetes grandes e pequeos, algodao bran-
co, largo e bom a 50000.
Camisas de cretone muito bonitas a 20oOO
e 30000 una.
Cambraias suissas com salpico* de cores a
70000 a peca.
Renda da China a 200 e 240 rs. o covado.
Da-se amostras sem penhor.
55 lina Duque de Caxlas 55
Fe mandes Azevedo &C
Vinho particular
No armazcm da ra do Amorim n. 60, vnde-
se o que pode haver de melhor, pelo medico
reo de 7 o garrafa o de tres caadas (voltan-
o casco).
A Revolu^ao de 48
A' ra Duque de Callas u. 48
Em vista das muitas pechinchas que te-
mos recebido, vieraos por meio d'este cha-
mar a attencao dos nossos fregueses, pro-
vando ao mesmo tempo como vendemos
por menos 30 ,1 do que em outra qual-
quer cas*.
Folardina, tecidos moderno, a 320 rs. o
covado.
Organdis (fazenda de phantasia) a 400
o covado.
Nansuks muito finas de 120 e 240 rs.
covado.
Merinos lisos e de quadros 200, 240
280 rs. o covado.
Cortes de linn e cretones, todos os avia-
mentos, a 60009,80000, 90000 e 100000
um.
Ricos cortes bordados em cartao a 140000
Atoalhado para mesa, muito largo 10200,
e 10500 o metro.
Pannos de crochet para cadeira (a 500,
600, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet com palmas para noi-
vas a 50000, 60000, 70000 80000 e
90000 urna.
Cortinados bordados, muito finos a 60000
o par.
Bramante liso e trancado de 4 largurae a
10000 o metro.
Bramante franjado de 2 larguras a 400 rs.
o metro.
Toalhaa de cores para mesa elstica a
, 50000 urna.
Saias bordadas, muito finas ?a 30000 urna.
Luvasjde seda, lisas e arrendadas a 10000,
10500 e 20000 o par.
Seda abadanas, novidade a 240 rs. o
covado.
Cretones claros e escuros '.de 500 rs. por
320 rs. o covado.
Zefiros de qnadres a 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Pechincha em camisas de meia a 10000^6
10200 urna.
Leques de penna, o que ha de moderno a
40"-00 e 50000 urna.
Capellas com veos para noivas a 80000
urna.
Fustao de cSres para palitot e calja a
500 rs. o covado.
Brins Jde linho, cores fixas e garantidas,
a 500 c 600 rs. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda para
colletc % 20000 o covado.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
40000 a peca.
Bicos de cores e branco a 10800 e 20000
'ernatnbuc o- Sexta feir 2 de Agosto de 1889
afSda
MAIS BARATO
Na Laja das Lislras
a peca.
Cambraia
peca.
suissa do 140000 por 70000 a
1 metro de lar-
Vende-se
a taverna sita a ra da Uniio n. 3, bem afreguc
rada; iraia-su na mesma e garante se a chave.
Explendido sortimento
de chapclinas c chapeos para senhoras.
Coplas para enancas.
Gorros para crianras.
Chapeos de maailha
chapeos para enancas.
RECEBEl"
O Piuaud Parisiense
2a8 Vraq'i da Independencia 2a8
jfcCUBim
0M/S,_
Pt** OLERY Vtndt-se eai teuirU
Attencao
Vende-se a taverna sita rua das Calcadas n.
15, milito areguezada e propria para qualquer
principiante ; a tratar no pateo de S. Pedro nu-
mero 10.
Collarinhos e punhos borracha a 10800.
Cobertas de ganga para cama de casal a
20800 urna.
Lencos de cores, imitacSo de seda a 10800
a duzia.
Fichs de retroz, lisos e com palmas a
10000 um.
Madapolo americano com
gura a 60000 a duzia.
Algodaesinho muito largo a 40000, 55000
e 60000 a peca.
Redes francezos a 40000, 50000 e 60000
urna.
Palitots de seda palha a 80000 c cor de
chumbo a 100000 um.
Cortes de casemiras ingleza a 100000
um.
Cortes de fustao para collete a 10000 e
10600 um.
Cobertores de 1S com pequeo defeito a
20000, um.
Renda hcpanhola larga a 20000 o covado.
Espartilhos finos a 40000 o 50000 um.
lo upa por medida, garante-se a perfei-
cito.
So na Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
Boa compra
Travessa do Pombal n. 11 (taverna) vende-se
a arraacao, trarantindo-se a chave ; a tratar com
o tenente Evaristo de Souza.
A' RA DUQUE DE CAXJAS N.
Vende-se fazendas finas mais barato e
d-se descont a quem comprar de 200000
para cima, troca-se as fazendas vaadidas,
se por qualquer motivo- nSo fr dflHfuito
agrado para quem for comprada e vende
pelos seguintes precos:
Cachemira lisas e com lista* de
seda de lindas cores, a 10400.
Herlns de duaa larguras, a 440 e
800 rs., qualidade superior.
Tecidos arrendados cor de creme com
matiz com duas larguras, a 600 r.
Fazendas de phantasia e lindas-cores
a 400 e 500 rs.
Tecidos de linho, lindos padree
grados, a 200 e 240 rs.
Zefiros lisos e de quadro, a 80 e
100 rs.
Setins de Maco branco, preto e de
todas as efires a 750 e 800 rs.
Setins de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavr-das brancas c de crea chi-
ras, a 10400.
Ciazes de seda com fios prateados a
10000.
Cortinados de crochet, em "peca, a
900 rs.
Cambraias bordadas brancas e de
cores, a 40000, a peca.
Cortes de vestido bordados, brncos,
para noivas, a 160000, 180000 e 200000,
Veos pam chapeo preto, 'branco e de
qualquer c6r, a 10500.
Crep inglez para enfeitos de vestid* s
a 10200 e 20000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 rs.
Horlm de listras azucs muito lar-
gos com 20 varas, a 60000, a peca.
Sargelins finos, a 160, 180 e
200 rs. ~\
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Guardanapos superiores a 1#800 e
20000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 10000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 10000, o metro
Toalhas acolchoadas e felpudas com
listas de cores, a 40000 e 60000, a dusia
ifIros brancos francezes, a 600
e 800 rs., a peca.
ticos Anos, brancos, cremes e ma-
tisados, a 20000, a peca. %
Baldas a 240 rs. a duzia,.cobertas a
400 rs.
I.uvas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de c6res, a 20000.
Leqnes de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 20000.
Leques de pennas o que ha de me-
lhor, a 50000 e 60000.
Sabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
Extractos finos francezes e inglezes
a 10000 e 20000.
Despertadores americanos, a 70.
Hosqultefros americanos com ar
macao a 100000 e 120000.
Espartilhos americanos e ingleses,
a 40000, 50000 c 60000.
Capas de vidrilho e rendas, a 250000
e 300000.
Toalhas de labyrlntho para bap-
tisade a 300000, 400000 e 500000.
E muitas fazendas qne se d por todo o
preco na.
Loja das Lislras zoes
Alcool
Vende-se espirito de 38 graos Cartier; no ar-
rnazem do caes Capibanbe n. 42.
850 rs. a libra!
Pura manteiga ingleza
Garantida
Guimaraes & Valente Corpo Santo n. 6
F0LPT1H
DECAPITADA
POR
P. DU BOISGOBEY
(ContinuacXo do^n. 17 1)
vin
Dangalas era muito prudente para fazer
parar no caminho o Sr. Francastel, que
alo tinha reparado nelle. NSo era nem
lugar nem momento proprio para lhe fal-
lar na carta de Agostinha e alm disso se o
rapaz se lembrasse de interromper a mar-
cha do cortejo, os policiaes com certeza
deitar-lhe-hiam a mao.
Dangalas deixou, pois, passar a justica,
representada por um juiz formador da cul-
Es e por dous agentes superiores da po-
oia : vio-os atravessar o caes e entrar
aa ra Berton, onde nao teve vontade de
s seguir.
Quera deliberar primeiro com o pai
Cordouau, que parqcja nao tcr. compro-
ib que s" passara.
Vendo que nada apparecia, os curi
diipersaram-se, commentando como en-
tendiam a operacao a que acabavam de
assistir.
Pouco depols de todo aquelle ajunta-
ento nao ficaram senSo Cordouan e Dan-
galas.
Eu tinha adivinhado ; levarsm-iu
por all, disse o rapaz, mostrando a praia,
lian al continuara a estacionar a
einb -ora os dous agentes.
. para
centn com magua o v
que
ella escreveu hon-
calou-
vlta
N8o, visto
tem.
Entao onde est ella ?
Procuremos.
Para melhor procurar, Dangalas
se e poz-se a meditar, olhando em
de si.
O Sena corra a seus pes, silencioso e
lento ; o caes despejava se pouco a pouco.
Alguns curiosos teimosos, obstinavam-se
em contemplar os policiaes que guarda-
vam a entrada da ra de Berton.
Mas, dentro em pouco, naquellas para-
gens pacificas tudo ia voltar sua ordem
costumada.
Um bond chegava do lado da porta de
Saint-Cloud, e para desviar os passeian-
tes que atraveBsavam a ra, o coeheiro
fazia tocar o pedalo sonoro, que lancava
sons seceos como toques de trombeta.
Outro ruido menos breve o maia estri-
dente respondeu quelles signaes de aviso.
Um barco a vapor suba o rio, rebocan-
do urna loriga iila de chalanas, pesadamen-
te carrejadas, e para se annunciar de Ion-
ge fazia tocar a sirene, que dava um silvo
continuo, sonoro e lgubre como um quei-
xume.
Aquelle concert a duas partes produ-
zio um effeito inesperado em Mealheiro.
Em lugar de tapar os ouvidos, bateu
na testa exclamando como outr'ora Archi-
medes :
Eureka !
Era grego e o pai Cordouan, que nun-
ca tinha ouvido fallar de Archimedes, jul-
gon que Mealheiro tinha endoudecido.
O que quo voc est dizendo ?
lhe elle c'.e repente.
)^|fi Eureka. porque aekei... Em
grego 1830 qL^'2-r a mesma cousa, res-
pondeu o rapazqjr*4|nba estado no colle-
gio at o terceiro ann?
Achou o que ? *
O que fizerarp de sua neta ?
E foi aquelle apito que lhe disu
Exactamente, eu lhe vou prov.ar,
O senhor recorda-so bem da carta della ?
Recordo-mc, mas oo vejo.
A carta em que ella diz: ouco as
Vinho puro de Santa-
rem
Da qnlnta de narrol
Cbegou a segunda remessa deste especial vi
abo para o arinasem centra' de gneros alimen-
ticios ra do Cabug n. 11. o qual se torna
recommendado por ser puro da nva.
Joaquim ChristovSo & C
lelcphoneS-I
GalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda o de algodo com sen
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodSo.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 30000 e 40OC(
a duzia.
Bordados de camb aia tapada a 400 500'
600 e 800rs.*apeca.
dem com 3 e 1[2 metros, de qual que
argura a 10200.
Lencos de linho em caixinhas a 30000 *
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Lindos leques transparentes de gaze *
30000 um.
Grande sortimento de porta-retractos di
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 40, 0
80000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, t
20500 a 30000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama t
120000, 170000 e 190000 o par, algn
de c6res.
Ditos para janellas a 70000.
Pannos de crochet para caderas a 800 *
10000.
Ditos para sof a 20000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com" tres palmos de comprmeme
a 40000.
Capellas com veo para nova a 60000
80000.
Lindos enxovaes baptisados a 80 100 t
120000.
Toncas de setim para baptisado a 30, 40 t
50000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha d
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 20000 a peca
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 40000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento do fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricantes
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.
Pastas a 10000 e 20000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 20000.
Arquetes para chapeos e chapelinas t
10500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 20000 t
par.
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo-.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000 t
60000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 >
10500 um.
Estojo com faca, gario e colher, propri-
para creanca,
Bengallas com flauta a 10500.
Meias de 1S para homens e senhoras.
Linha dooradas para finar crochet.
Lindas fitas para facha a 20, 30 e 40001
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim t
de papel de todas as c6res.
Suspensorios americanos a 20000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeir de 10, 2
3 e 30500 urna.
.0 59
Liquidando os artigos se-
guintes !
lina Duque de Caxlas
Merinos de todas as cores a 200 rs. o co-
vado.
Lindo sortimento do alpacas modernas a
400 rs. o dito.
Zefiros de quadros a 80, 100 o 160 rs.
o dito,
Cretones francezas com 1 metro de largu-
ra a 280 o dito.
Nansuks, cores firmes a 100 e 160.
FustSes brancos bordados a 360 e 440 o
dito.
Bramantes do algodao a TOO, 800 e 10000
metro,
dem de linho, superior a 10600 o dito.
Atoalhado bordado a 10200 o dito.
Superior madapolo americano com 24
jardas por 60000 a peca.
Algod5es da efirte, o melhor a 30500
40000 e 50000 a dita.
Cambraias bordadas finissimas a 40000 a
dita,
dem Victoria com 10 jardas a 20800. de
EsguiSo de algodao a 40000 a dita.
Ricas guarnieres de crochets a 70000 e
80000.
Cortinados bordados, novos desenhos a
60000 e 80000 o par.
Toalhas superiores, muito graades a 40000
a duzia,.
Meias inglezas a 30000, 40000 e 60000 a
dita.
Seroulas bordadas de bramante a 140000
a dita.
Camisas francezas e inglezas a 360000 a
dita.
Guardanapossuperiores a 20000 e 50000 a
dita.
Cobertas de ganga, 2 pannos a 20800
urna.
Lences de bramante a 10800.
Colxas francezas, de cores a 20000.
Mantilhas e fichs a 10000, 10200 e 10500
Chales de 1S a 20000, cachemira, grandes a
30000.
Redes de cores a 30000 urna.
Cobertores de 12 brancos a 20400 um.
Cassinetas para roupas de meninos a 200
rs. o covado.
Casimiras diagonal, 2 larguras a 10400
e 10800 idem.
Flanella azul ingleza a 10200 e 20000
idem.
Cheviots superiores a 30200 e 30500 o
dito.
Damascos de la para capas de pianos a
20000 o dito.
Pannos i ara mesas, novo gosto a 10100
10300 e 10800.
Espartilhos, luvas, grinaldas para noi-
vas, lencos de linho, baratissimos e muito
artigos que vendemos por presos sem com-
petencia.
Ra Duque de Cariasn. 9.
LOJA DE
PERERA & MA6ALHAKS
E' barato
Farinha a 600 ris a cuia
So no largo do Mercado n. 12, Gomes Ferreira
4C.
quem diria o lugar
>er
vezes urnas cousas parecidas com sons de
trombeta...
Isto o bond, e depois ?
Depois diz ouco tambem algumas
vezes 8lvos prolongados que se appro-
ximam e depois que se afastam. Ora,
faa favor de escutar o rebocador. O apito
despedacava-nos os ouvidos, mas elle ca-
minhou e nos j o ouvimos muito menos.
E vocc conclue dahi que a casa em
que Agostinha est fechada nao longe
do no ? E! possivel.
E' certo. Ha ainda na carta : Os
sons da trombeta nao partem do mesmo
lado que os apitos. Portanto, sua neta
est presa entre o rio, onde passam os re-
bocadores e o caes onde passara os bonds.
E' claro.
Entao 6 como
era que estamos.
Exactamente. O subterrneo desem-
boca all dehaixo dos nossos pes. Se nos
approximarmos da beira, veremos o por-
tao.
Bom, mas a casa onde est ella ?
A casa fugio.
Desta vez Cordouan julgou que o bou
futuro penro zombava delle, e ia zangar-
se quando Mealheiro continuou :
A carta!... Sempre a carta !....
Sua neta escreveu isto nella": t Reparei
que as paredes do quarto estalavam, como
se o vento abalasse a casa _; e accrescen-
tou : Isto recorda-me um pharol em que
aubi em outro tempo e que o vento fazia
balancar.
Record-mo... e entSo ?
Como? O senhor nao adivinha ? O
senhor, um antigo marinheiro.
Nao.
O senhor nunca pz os prem um
dos porrtSes onde se entra nos. barcos-mos-
ca ? Estalam a balanjaa "quando o barco
lhe d encontrBeSj^/
o a nao comprehender.
-^ Irribui l O senhor tem cabeca dura !
N3o comprehende que embarcaram a sua
neta !
Embarcaram ?
Est visto N'um barco amarrado
Roa Duque de Caxias n. 103
Boyal Mead marca YUDO
Este excellente Whisky Escoces pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Royal Blcnd marca Viado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
perto do caes, carregaram-na por urna
prancha, cujo p tocava no portao do sub-
terrneo ... que podia muito bem ser sim-
plesmente um esgoto, communicando com
urna adega cavada no jardim de Borodi-
no. Ainda duvida que se trata de um
barco? Pense nesse quarto que sua neta
lhe descreve na carta... um quarto sem
janella! Onde se v isso, a nao ser n'um
navio ?
E' verdade mnrmurou Pedro Cor-
douan.
E os dous buracos redondos, fecha-
dos por vidros despolidos, muito grossos,
que deixam passar um pouco de ar quan-
do estao abortos... como que os senho-
res chamara aquillo ?
Vigas.
Muito bem. Comprehenda agora que
sua neta se servio dellas paraatirar a carta
para o rio.
Isso dependo da altura do barco. Se
o tombadho dominava o caes, o port-mo-
naie e a carta podiam perfeitamente che-
gar aqui, como chegaram, visto quo um
transente guardou o port-monaie e met-
teu a carta no correio.
Sim, mas o que feito desse barco ?
Se eu o soubesse, j estara atrs
delle. Imagine que a essa hora desee
tranquilamente o Sena, que nSo ha muito
tempo que elle parti. O que quer dizer
que, se tivemos apenas os seun tignaes,
ainda temos probabilidades de o apanhar...
por trra.
Talvez estoja j no Havre.
Nao o creio. Nao se caminha de-
pres8a pelo Sena, por causa das compor-
tas, que preciso passar. E depois, vai-
se ao Havre em quatro horas pelo cami-
nho de ferro. Chegaremos l antes delle
e ahi trataremos de o impedir que se faa
ao largo. Seria entao a verdadeira beca-
siSo de ir buscar as autoridades e recla-
mar a applicacao do direito de visita. Mas,
nao mettamos o carro adiantc dos bois.
Quera informar me primeiro.
__' verdade, na casa, a polica est
l ; eu mostr a carta de Agostinha.
Logo. Deixe-me primeiro conver-
Po centeio
Millo & Biset, avisara ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa>
boroso pao; ra larga do Rosario n. 40.______
Criado ccosinheira
Na ra da Saudade n. 37, r.recisa-6e de um
ciado e de urna cosinheira. ___
...
A LOJA MAIS BARATKRA
PARIZ FAMERCA
AZEVEDO, IRMaO & C.
16Ra do B. da Victoria16
200 Teltphtme200
Tendo reeebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas o
que ha de mais novo e prejos sem com-
petencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de la e la seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 10200.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cQres, a 200 rs.
Bramante de linho a 10500, com 10
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de l e seda 2 larguras a 10000.
Madapolo trancado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
DitOTsamiseiro a 70000.
Dito B6a-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichs de 13 e seda 10000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraca a 40000 e 50000.
Colchas de fustao a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado a
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 10500.
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duxia.
Ditas sera forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guarnijoes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cures para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite'
Grande sortimento de chapeos de sol,
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cSres.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200 _____
Novidades para criancas
Lindos carrinhos americanos de i rodas.
Klegantes bercos de vime.
Velocpedos e brioquedos.
Ra Nova n. 13
I.oJa de muica*
Milita attencao
Alten $o
Vende-se a taverna sita ra do Bom Jess
(antiga da Cruz) n. 53, propria para principian-
te, bem afreguezada ; a tratar na mesma.
**,
A muita acreditada Fa-
brica de Gelo do Caos do Ca-
pibanbe n. 14. est venden-
do dita mercadoria a 100 rs.
o kilo.
Attencao
A padaria a vapor do Pombal previne aos seus
freguezes que vende farinha do milho para teu.-
der o pao, a 200O por 15 kilos. Telephone .nu-
mero $96.
sar um pouco com aquelle homemzinho
que est all pescando ao canico e que
tem cara aqui do lugar. Era capaz de
apostar que elle vem apoquentar os pei-
xinhos todos os dias, no mesmo lugar. Se
esteve um barco encostado ao caes, deve
ter reparado nelle.
Mealheiro designava um individuo sen-
tado um pouco mais abaixo, com as per-
nas pendentes por cima d'agua e o braco
estendido com um canijo; um velho mal
vestido, que nao pareca pertencer aris-
tocracia dos pescadores.
Seguido por Pedro Cordouan, que se
tinha dcixado levar, Mealheiro ia dirigir-
se ao homem, quando foi mesmo o ho-
mem que o intcrpellou nestes termos :
Antao. Deram com as ventas no
sedeiro, os morcegos !... Foi urna rei-
niQao para mim Eu olhava para de lon-
ge e quando os vi sabir com as mos a
abanar, ti ve um alegrlo... E7 porque eu
encafifo coin os amorcegosn ... ainda mais
com os guarda-pe3ca, estes vadios, a quem
pagam para apoquentar o pobre povo e
que nss arrumam urna multa como se en-
gulisse um copo de vinho, se eu fosse tSo
tolo que os pagasse !
E interrompeu-so de repente para olhar
para Mealheiro.
Diga-me c urna cousa : os senhores
nao pertencem a elles ?
A quem ?
Aos tmorcegos, ora essa I
Entilo nos temos cara disso ?
NSo... isso verdade, e depois,
v-08 chegar de longe e comprehendi que
os senhores nao pertenciam aquella cor-
ja. .. em todo caso, eu estou me ninando
para elles... estou era regra e pesco aqui
todos os dias que Deus d, para o restau-
rante da Galeota... sabem, no fim da
ponte, de Grenelle... 6 muito perto da-
qui, e se tem vontade de jantar neste lu-
gar, hao de comer um famoso peixe fri-
to... Tenho aql o cesto quasi cheio.
E' verdade! Por que que nao ha-
vemos de jantar na Galeota ? disse Mea-
lheiro, piscando o olho, para avisar Pedro
Cordouan que nao protestasae.
Na ra da Iraperatriz n. 80,
de felpos para fri a 600 rs.
Cas a 500 rs.
vende-se sapatoe
o par, e de crian-
Taverna
Vende se urna taverna bem sort**1 % afregua
zada, e em moito bom ponto. ua da Concordia
n. I ; a tratar nella cu caps da Compann
Pernambucana n. 8 ______ .
Bahus
vende se urna loja de bahus, bem afregueza-
da, garantindo-se a chave da casa ; a tratar na
ra Vidal de Negreiro3 n. 120. _______^
Movis
Na casa n. 183 ra Imperial, vende-se ba-
rato dous guarda-vestidos e urna cama para ca-
sal, tudo novo em folha, de superior qualidade
e eatylo moderno. ________________ t
Leite puro
Na estrada de Joao Femandes Vieira, sitio lo-
go depois das casas novas da direita, vende-ss
todos os das leite puro de vaccas tourinas e da
trra, garante-se a qualidade do leite.
O rapaz quera tornar-se sympathico a*
pescador, que deva estar, melhor do que
ninguem, no caso de informar.
A quem procuravam todos aquellas
policiaes V perguntou elle com ar indiffe-
rente.
Um mylord, que morava naquella
casa, era que se entra pela ra Berton.
Parece que commetteu algum crime o
que esta noite metteu a chave debaixo da
porta.
Esta noite?
A menos que nao fosse na noite do
hontem. Eu vi-o entrar pela volta das
quatro horas em um fiacre conduzido por
um morcego... havia tambem outros
que lhe vigiavam a barraca. Cri que a
guardaram mal, visto que elle escoouse-
Ihes pelas maos, E o que ha de mais
pandego, que todos os seus lacaios so
rasparam com elle, sem que os viesem.
Eu sei perfeitamente por onde elles pasea-
ran! e os morcegofi tambem o sabm,
porque acabam de descobrir o caminh
que elle tomou..... mas o mylord est
longe.
Para os parizinses de certas carnadas,
todos os estrangeiros ricos sao mylords.
Se eu quizesse, ainda assim elles
lhe deitariam a mao, continuou o inimigo
dos peixinhos. Bastava so dizer-lhes co-
mo viaja. Mas, muito abrigado, nessa
nao caio eu !
Entao como viaja elle f perguntou
rindo Mealheiro. Em balSo ?
Nao, que elle nao tolo. E' um su-
jeito que gosta das suas commodidades e
que tem boa ferramenta, tem cavallos, car-
ruagens... e melhor do que isso, tem um
bote.
O pescador tinha pronunciado como se
escreve boat e Mealheiro, que nao sabia in-
glez perguntou-lhe o que era um bote.
(Continuar-se-h)
%
f



I

l
-1
'
M
-
*

.Typ. do tarto ra l>uque de i asas n.
42