Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16881


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO Lili IUIEBO 31
PARA A CAPITAL E LUCSAJAS ONDE NAO SE PACA PORTE
rv
y
)
Por tres mezas adiantado
Por seis ditos idem......
Por um auno idea......
Cada numero avulso, do mesmo dia.
6*000
12*000
24*000
0100
TEBUA-FEIB 16 I FHVHBBDIO DE 1886
PARA DENTRO E FORA DA PROTDFCIA
Por seis meses adianUdos.
Por nove ditos idem......
Por um anuo dem......
Cada numero avulso, de das anteriores.
13*500
20*000
27*000
*1U0
DIARIO DE PERNAMBUCO
ProprieiraiK te JHaiwel Jtfluetra >e Jhria & -fiUjo*
TELEGRAMHAS
:sa:::: panculas so diasio
RIO DE JANEIRO, 15 de Fevereiro,
1 horas da tarde. (Recebido s 2 boras
e 5 minutos, pela linLa terrestre).
Pelo diatricto de S. Paulo fot
eletlo depntado seral. en escru-
tinio, o conselneiro Harlim Kruncio-
ro Bibeiro de Andrada i. .
Foram nomeado:
Dcnembargador para a Helar da
BaUia, o bacharel Antonio Lui/. f
fono de Carvaltao. Juiz de direito
da I." ara civel da meiima provin-
cia :
Juiz municipal e de orpliaos das
ternaaM reunido* de laicos e Picos.
na provincia do Piauny. o bacharel
done Gomen de ,'. Barreto. tirando
sen elTello sua anterior nomearao
para o termo de S. Rarmundo >i>
nato, na mesma provincia i
3. escrpturario da Alfandeisa de
Pernambuco. Joaquim don Rei Lis-
boa.
:-:.:: : :s::: bavas
(Especial para o Diario)
.MONTEVIDEO, 14 de Fevereiro, de
manha.
Tbomaz bomenworo abandonou a
Repblica.
O coronel Pampillon. favorincl
revoluco, ri rincado dos quadro*
do exercito.
Km lineaos ..?. res bouve ama
tentativa de assassinalo contra o
general l. Arredondo.
O a.sas-ino diiparon um tiro de
pistola contra a victima, que toda-
va nao rol attingida pelo projectil.
O criminoso l'oi preso.
PARS, 15 de Fevereiro, de manha.
Xa Inglaterra circulan* boatos a
proposito de certo projectoa de
cialisias. e com eupeclalld&de o de
quererem -lies atacar o Arsenal de
%%'OOlvlcn.
Parti para o Annam o Sr. Paulo
Her, nomeado all residente seral
da Repblica Francesa.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
15 de Fevereiro de 1886.
INSTRUCCiO POPULAR
l vi i-Rix ciPABs : do Grande Urso, do Eacravo,
e Winipeg (Nova Bretaaha); Superior, Michigan
Hurn, Eri o Ontario (Estados Unidos) ; Nica-'
ragua (America Central) ; Maracaybo (Venezuela)
Titicaca (Per) ; dos Patos (Brasil)
(Contina)
JARTE UMCIAL
f
Gcographia geral
Extr/ihido
DA MBUOTHEC* DO POVO E DAS ESCOLAS
(Contmuacao)
AMERICA
< afuaria Alpm da parte oceupada pelos ingle-
zea a Cafraria povoada anda p r diversas tri-
bus, sendo a principal a dos zul?, ao norte. A'
Catraria pertence tainbfin a repblica de Orange,
de origem hollandeza cuja populacao de 65:000
habitantes e tem por capitil Bloemfontein, 10:000
habitantes.
42.500:000 kilmetros quadrados 85.000:000 ha-
bitantes-2 habitantes por kilmetro quadrado.
A America, descoberta em 1492 por Christov&o
Colombo, e formada por dons. continentes quasi
iguaes, reunidos pelo isthmo de Panam ; compre-
hende as regioes seguintes : Groenlandia, America
septentrional ingleza, Estados-Unidos, Mxico,
America central, Nova Granada Eqnador, Vene-
zuela, Guyanas, Brasil, Uruguay, Confederaco
Argentina, Paraguay, Per, Solivia, Chili, Anti
lhafa Patagonia. A America estende-se de um a
ootro polo e tem por limites : a leste o oeeano
Atlntico, a oeste o ocano Pacifico.
mases principis :ftaiu, a oeste da Groenlan-
dia ; Hudson, na Nova Bretanha ; mar das Anti -
lhas, a leste da America Centra 1; mar de Behring
a oeste do territorio de Alaska.
golfos pRiHciPAEs : de Bootbin, de 8. Lourenco,
de Califormi-i, d" Mxico, de Honduras, de Pana-
m, de Maracaybo, de Daen, etc.
bahas : James, Pundy, Bheesapeake, Todos os
Santos, ete.
STBjerros psiscifaes : de Hudson, de Davis, de
Smith, de Belle-Ile, da Florida, de Magalhaes, de
Behrino, de Mac-Clure.
ilhas raisciPAES : Archipelago Parry, Terra
Nova, Cabo Bretio, S. Joo, S. Pedro e Miqueton,
Bermadas, Lucayas, Grandes e Pequeas Antilhas,
Malvinas, Terra de Fogo, etc.
resnisotA pgrsciFAis: Mel ville, Labrador, Nova
Escocia, Florida, California, Yucatn, Maracaybo,
Brunswick, Alaska.
cabos FBmciPAB8 : Farewell, Chudleigh, Cod,
Catoche, 8. Roque, Fro, Horn, Corrientes, S. Lu-
cas, Occidental.
moktashas PRisciPAEs Ao longo da costa occi-
dental : montes Alaska, raontanhaa Kochosas, mon-
tes da Cascata, cordilheira do Mxico, cordilheira
de Guatemala e cordilheira dos Andes ; montes
Alleghdy a leste dos Estados Unidos ; serras do
Espinhaeo e Santa Martha, no Brasil.
rcLoois : Popocatepelt, Cotopaxi, Arequipa,
Aconcagua, t
Governo a Provincia
EXPEDIENTE NO DIA 3 DE FiVEr.EIBO DE 1886
Offici^s :
Ao presidente da provincia do Maranhao.
Tenho a honra de remetter a V. Exc. o exemplar
impresso do regulaineuto do Theatro Santa Isabel,
que exige em seu officio de 28 de Janeiro ultimo.
Sirvo-me desta opportunidade para reiterar a
V. Exc. a seguranza de minha perttita estima e
subida consideracao.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
do Recife.Communico a V. Exc. em resposta ao
seu officio de 13 de Jineiro ultima, n. 453, que,
por telegramma de 2 do corrate declarou-me o
Exm. Sr. ministro da fazenda ter sido expedida or-
dem a 27 de Novembro ultimo sobre a iaencio de
direitos para o riscado de algodo destinado ves-
tidos das educanaas do Collegio das Orphs jeargo
dessa Santa Casa.
Ao inspector do Arsenal de Marinha.De-
claro a V. Exc, para os devidos fins, que fica
approvado o contracto, cujo termo, por copia, veio
annexo ao seu officio n. 39, de 30 de Janeiro rindo,
celebrado pelo conseibo de compras de Marinha, em
sessao de 28 do mesmo mez, para o fornecimento
de carne verdes e boi vivo com o competente pasto
a esse Arsenal e navios de guerra tundeados no
porto dista cidade, por tempo de 6 metes con-
tar de boje.Communicou-se a Thesouraria de
Fazenda.
Ao commandante do corpo de polica
Mande V. S. apresentar amanha, 1 hora da tar-
de, urna escolta de duas pravas e um cabo afim de
conduzir at o termo de Correntes o criminoso de
nome Jos Paulino da Silva.Communicou-se ao
Dr chcf; de polica.
Ao mesmo.Ao Dr. chefe de polica mande
V. S. apresentar a 11 horas da manha do dia 6
4o corren te duas pracas afim de conduzirem at a
provincia da Parahyba o criminoso de nome Emi-
lio Joaq%iin da Silva ou Jos Soares da Silva.
Ao mesmo. Ao Dr. juiz de direito especial
do commercio mande V. S. apresentar duas pracas
afim de escoltar at a comarca do Limoeiro o reo
Jos Caetanoque temalli de responder aos termos
de um processo de fallencia.Communicou-se ai
Dr. juiz de direito especial do commercio e ao Dr.
chele de polica.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
De accordo com a informacao de V. S. de 28 de
Janeiro ultimo, sob n. 61, autoriso-o a mandar pa-
gar as inclusas coutas, na importancia de 15900
provenientes de passagens dadas na estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco no mes de Novem-
bro prximo passado conforme solicitou o respec-
tivo superintendente no officio de que tra;a a re-
ferida informacao.Communicou-so ao superin-
tendente da estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco.
Ao mesmo.Communico a V. S. pira os fins
convenientes que por telegramma de 2 do corrente
declarou-me o Exm. Sr. ministro da fazenda ter
sido expedida ordem 27 de Novembro ultimo so-
bre isen^io de direito pra o riscado de algodao
destinado a vostidos das educandus do Collegio
das Orphas a cargo da Santa Casa de Misericordia
do Recife.
Ao inspector do Thesouro Pnvincal.Em
resposta ao seu officio de 29 de Janeiro ultimo, n.
457, declaro a Vmc. que os responsaveis para com
a fazenda por flaneas em immoveis, deverao pro-
mover o processo de especLlisacao e mostrar-se
habilitados, nos termos da lei n. 1,237 de 24 de
Setemtro de 1864, a que se refere a decisij da
Presidencia de 23 do mez fiado, dentro dos prazos
seguintes: os que funecionam na capital, em 30
dias; os que funecionam em Ol ida, Jaboato,
Jiseada Paimaree, Bezerros, Ipojuca e Gamelleira,
em 35 dias; os que funecionam em outras locali-
dades, em 30 dias com mais um prazo razoavel
que Vmc. fixar, para que tenham conbecimentj
desta resolucaj.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.Em cumprimento do avi-
so do Ministerio da Agricultura, Commercio e
Obras Publicas, de 22 de Janeiro ultimo, sob n.
3, rcmetto a Vmc, para seu conhecimento e direc-
cio copia do que o dito ministerio dirigi na mes-
ma data ao plenipotenciario do Brasil em Lon-
dres, declarando que no primeiro pagamento que
se fizer companhia dessa estrada de ferro, em
virtude da garanta de juros, a que se obrigou o
governo, deve ser descontada a quantia de 3000,
indevidameate incluida as contas do custeio da
mesma estrada, correspondentes ao semestre lindo
em 30 de Junho do anuo passado, por ter a com-
panhia elevado a 8,000 a quota na conta em sus-
penso, que em relacao ao dito semestre fui fixada
pela commisso liquidadora de conformidade com
0 que est estabelecido nos termos propostos pela
propria companhia.
1 Ao juiz de direito interino, presidente da
junta revisora de alistamento militar da comarca
de Caruar. Jevolvo a Vmc. o incluso alistamen-
to que veio annexo ao seu officio de 25 de Janeiro
findo, afim de que essa junta faca mencionar na
casa das observares da 3* relacio da parochia de
Nossa Senhora das Dores de Caruar as iseneoei
que teem os individuos ineluidos nessa relacau, ci
tando os artigos do regulamento, de conformidad^
com o modelo E dos formularios annexos ao re
gulamento n. 5,881 de 27 de Fevereiro de 1875.
Ao mesmo.Transmiti a Vmc, conforme
solicta em seu officio de 15 de Janeiro findo. o li-
vro que a este acompanha, para o servico de es-
cnpturacao da junta revisora de alistamento mi-
litar dessa comarca.
Portarlas :
Declaro Cmara Municipal de Granito, em
resposta ao seu officio de 5 de Dezembro ultimo,
que, em vista do art. 230 do regulamento expedi-
do com o decreto n. 8,213 de 13 de Agosto de
1881, o cidadaa Goncalo Jos Peixoto e Silva ten-
do perdido o cargo de juiz de paz por ter aceitado
o lugar de agente do correio, dever ser snbstitui.
do pelo respectivo immediato em votos, que a c-
mara j o amen tara.
Nao ha, porm, quanto ao cidado Francisco
Carlos d Silva Peixoto, incompatibilidale entre
os cargos de juiz de pas e subdelegado \ vista do
aviso de 3 dezembro de 1885 publicado no Diario
Official a. 336 desse mez e anuo.
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao 8. Francisco sirva-se de mandar conse-
der passagens, que serao opportunamente descon-
tadas das gratuitas a que o governo tem direito
da estaco de Cinco Pontas a de Una em carro
de 3* classe a duas pracis, um cabo e a um cri-
minoso de nome Jos Paulino da Silva.
0 Sr. encarregado do prolongamento da es-
trada de ferro do Recife ao 8. Francisco mande
conceder passagens da estacao de Una at Ca-
nhotinbo, por conta da provincia, a duas pracas,
um cabo e ao criminoso Jos Paulino da Silva.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transportar at a provincia da Parahyba, no
da 6 do corrente a bordo do vapor lpojuca, por
conta dj Ministerio da Justica duas pracas do
corpo de polica e o criminoso de nome Emilio
Joaquim da Silva ou Jos Soares da Silva assim
como duas malas pertencente ao referido crimi-
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande der passagem proa at o presidie de
Fernando de Noronha a Joanna Mara da Con-
ceicilo, mulher do sentenciado Antonio Paulino da
Silveira e a umfilho menor por conta das gra-
tuitas a que o governo tem direito Communi-
cou-se ao director do presidio de Fernando de No-
ronha.
EXPEDIENXE DO SECBETARIu
Officios :
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda
De ordem d S. Exc. o Sr. conselheiro presidente
da provincia transmiti a V. 8. para os devidos
fins as duas inclusas ordens do Thesouro Nacional
o do Ministerio da Guerra datadas de 23 de Ja-
neiro ultimo sendo a 1" n. 23.
Ao inspector do Thesouro Provincial.-O
Exm. Sr. conselheiro presidente da provincia
manda communicar a V. 8. que ue?ta data pro-
firi o seguiote despacho na peticio de Telemaco
& C. sobre a qual informou esse Th souro em offi-
cio de 18 de Janeiro prximo passado sob n. 436.
Indeferida, por anda mesmo que alo fjsse appli-
cavel ao caso o que determina a 2* parte do art.
49 das Instruccoes de 29 de julho de 1883, preva-
lecer a responsabilidad! dos supplicantes por
successao em negocio de igual natureza, nos
lerinos da l1 part: do refvrilo artigo das Ins-
truccoes.
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
De ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro presidente
da provincia communico a V. S. que concedeu-se
permisso ao escrivo do almoxarifado do presidio
Joaquim Pinto de Alnvida Jnior afim de con-
duzir os gneros mencionados na inclusa relajao.
Communicou-se ao director do presidio de Fer-
nando de Noronha.
EXPEDIENTE DO DIA 4 DE FEVF.KEIRO DE 1886
Actos :
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o subdito portuguez Bernardino Goncal
ves Salgado, resolve, de accordo com o disposto no
decreta n. 1,950, de 12 de Julho de 1871, e usan-
do da autorisacao conferida pelo art. 14 Ji lei n.
3,110 de 30 de outubro de 1882, naturalisar o re-
ferido subdito po'rtuguez Bernardino Gaur;alves
Salgado, afim de que possa gosar de tolos os di-
reitos, hjuras c prerogativas, que pela Constitu-
ca> competem aos enfadaos brazileiros naturali-
sados. /
O presidente da provincia, attendendoao que
requereu Mra Antonia da Costa professora de
eneino primario e u Tacarat, tendo em vista a
informacao n. 11 do inspector geral la Iustruccao
Publica e o parecer da junta medica provincial,
resolve conceder a peticionaria a contar de 15 de
Janeiro iludo, dous inezes de licenei com ordena-
do para tratar de sua saude onde lhe convier.
Officios :
Ao inspector do Arsenal de Marinha.A'
vista do que representou-me o inspector da Saude
do Porto em 4 de Dezembro ultimo, autoriso V.
Exc. a effectuar a compra dos objectos na impor-
tancia de 170575 constante i da relacao anner i
ao seu officio n. 584 de 15 do referido mez com
destino a baleeira construida aesse Arsenal para
o s:rvico da mesma inspectora, devendo a des-
peza correr por canta da verbainsp-'cca de
Basde do porto, o que nesta data fiz constar a The-
souraria de Fazenda. Communicou-se ao ins-
pector da saude do porto e a Thesouraria de Fa-
zenda.
Ao commandante das armas. Deferndo o
reqierimento do anspecada do 2- batalh&u de in
fanr.aria Franklin Eustaquio Gomes, aut >riso V.
Exc. vista da sua infjrmaca > n. 46 de hoje da
tadii, a couceder-lhe baixa do servico do exercito,
mediante substituto, urna ve i que este tenha os
requesitos exiitidos por lei.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S paraos fins convenienies, que o
cidad) ltimamente nomeado, por portara do
Ministerio da Guerra, de 26 de Dszeinbro do au-
no passado, para o lugar de professor de geome-
tra e aesenho linear da coa panhia de aprendizes
artfices do Arsenal de Guerra, chama-se Antonio
Lins da Costa Wanderley e nao Antonio Luiz da
Costa Wanderley, como se acha escripto na refe-
rida portaraCommunicou-se ao director do Ar-
senal de Guerra.
Ao director do Arsenal de Guerra.Defe-
rndo o requermento do soldado di. companhia de
aprendizes militares desse Arsenal Lauriano Cor-
dero Alves Nunes, autoriso a Vmc. a vista da
sua informacao n. 165 de 30 de Janeiro findo, a
conceder-lhe permisso para aguardar a deciso
do governo sobre sua baixa no seio de sua fa-
milia.
Ao engenheiro chefe da repartico das Obras
Publicas. Approvo o orcamento que acompanhou
o officio de Vmc. de hontem datado, sob n. 22,
na importancia de 2:0194600, para execuco de
reparos urgeutes na ponte sobre o rio Uua, em
Palmares, e autoriso-o a mandar pl- os em praca
nos termos das instruccoes de 30 de agosto de
1875. Communicou so ao Thesouro Provin-
cial-
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
Dec aro a Vmc. que a viagem do vapor 8. Fran
cuco, ao presidio de Fernando de Noronha deve
ter lugar a 6 do corrente ao meio-dia.Fizeram-
se as devidas communicacoes.
Portaras :
Ao gerente da Companhia Pernambucana,
faca transportar ao presidio de Fernando de No-
ronha par conta do Ministerio da Guerra, no va-
por .S. Francisco, as praca* do 2- batalhao de in-
fantina, que para all destacara, em seguida
mencionadas : furriel Joo Baptista Goncalves
Feriira. cabo Ursuoino Cunegundes de Araujo,
2- cadete Geraldo Lins Caldas, 2- cadete An'ouio
Victal Pereira de Mendouca, soldado Monoel Jos
do Nascimen'o, soldado Frtuicisco Jos Barbosa,
Hermenegildo Goncalves Pereira, Jos Luiz de
Sant Auna, Francisco Ferreira de Oliveira, Joa-
quim Ferreira da Silva, Porfirio Jos de Sant'An
na, Eduardo de Mello Gauior, Manoel Dandinho
da Silva, Benedicto dos Santos, Balb no Luiz Ta-
vares, Jos Francisco da Luz, Joo Jos Innoceu-
ci Poggi, anspecada Laurentino Rodrigues Del-
gado, 2- cadete 2- sargento Joo Lins Caldas e
sua mulher Dr. Zulmra Lins Caldas, soldado Jo-
s Joaquim de Sant'Auna e sua mulher Antonia
Mara da Conceico e urna filha de 8 annos de
nome Mara, soldado Sebasto Francisco de Pau
la, sua mulher Francisca Mara da Conceico e
urna irm de nome Luiza com 11 annos de idade,
soldado Jos Felippe da Silva, sua mulhei Luiza
Mara da Conceico e um filho de nome Mauoel
com 10 annos de idade, soldado Delmir Corris
de Mello, sua mulher Mara das Dores e um filho
de nome Pniiomeno com um anno de idade. Com
municou-se ao commandante das armas.
O Sr. geren da Companhia Pernambucana
faca transportar ao Presidio "de Fernando de No-
ronha, por conta do Ministerio da Guerra, no va-
por S. Francisco as prasas do 14. batalhao de in-
tantaria em seguida mencionadas, as quaes vo
tazer parte do destacamento all existente, 2.a ca-
dete Luiz Antonio das Chagas Crasefro, 2.a cadete
Julio Clementno Camargo, 2 cadete Virginio
Brederodes Pessa de Mello, soldado Vctor Blan-
din Gomes da Silva, soldado Joo Ignacio da Sil-
va, Manoel Antonio Barbosa da Silva, Manoel Fer-
reira de Carvalho, Joaquim de Souza Monteiro,
Amaro _Alves Xavier, Jos Cesar da Silva, Ma-
noel Francisco do Nascimento Serra, 'sua mulher
Jotephi Maris da Conceico e 3 filos de notnes
Etelvna com 5 annos, Amelia com 4 e Julio
com 7.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transportar ao resdio de Fernando de No-
ronha, por conta do Ministerio da Guerra, no va-
por S. francisco a Mara Luisa e o menor Grego-
rio, de 3 annos de idade, mulher e filho do senten-
ciado militar Candido Jos dos Santos de que trata
portara desta Presidencia de 1 do corrente.
O Sr. gerente da Companhia Pernamburana
mande dar passagem at o Presidio de Fernando
de Noronha, por centa do Ministerio da Guerra, no
vapor 8. Francisco, ao2. cadete reformado, almD-
xarife da Fortaleza dos Remedios, Manoel Lun
CarloB Tavares esua mulher Elisa Francisca Gon-
calves do Espinto Santo e dous filhos Joo Lniz
de Pereira Tavares de 15 annos, e Jos Luiz Ta-
vares com 3.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transportar a provincia do Cear, por conta
do Ministerio da Guerra, no vapor lpojuca, oito
linios, pesando 516 kilograminas, coatendo man-
tas ae la com destino ao 11. oatalho de infanta-
ra estacionado n'aquella provincia.Communi-
cou-se ao director do Arsenal de Guerra.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem a'r at o ultimo porto da
piovincia do Cear no vapor que seguir pura o
norte a 20 do corrente, Jos Florencio Pontcs,
por conta das gratuitas a que o governo tem di-
reito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem r at o Presidio de Fer-
nando de Noronha, no v .por que ptra ahi seguir a
6 do corren**?, ao almoxarife Antonio Francisco
Pereini Gitirana e sua mulher, ao escrivo Joa-
quim Pinto du Almeida Jnior, e ao pharmaceu-
tico Manoel Joaquim das Trevas Mannho, por
conta das gratuitas a que o governo tem direito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem r at a Parahyb, na pri-
meira opportunidade a Joo Francisco da Silva,
pjr conta das gratuitas a que o governo tem di -
reito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem r, at a Parahyba, no va-
por que segu par", o norte a 6 do corrente a Joo
Captista dos Santos Vital, por conta das gratuitas
a que o governo tem direito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faga transportar para o Presidio do Fernando de
Noronha por conta de Antonio Pinto Lapa & Ir-
mo os gneros constantes da inclusa relacao.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Officios:
Ao director do Presidio de Fernando de No-
ronha. -De ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro pre-
sidente da provincia, recommendo a V. S. em so-
luco ao seu officio n. 11, de 24 de Dezembro findo,
que envi para esta Secretaria a caderneta do fal-
lecido sentenciad j Ricardo da Costa Seraphim
A'Companhia Pernambn ana. De ordem de
S. Exc. o Sr. conselheiro presidente da provincia,
commmuuico a V. S. que concedeu-se permisso ao
almoxarife do Presidio de Fernando de Noronha
alteres Antonio Francisco Pereira Gitirana para o
mesmo Presidio os generos mencionados na in-
clusa relacao.Communicou-se ao director do Pre-
sidio de Fernaudo de Noronha.
Ao Sr. director da Bibliotheca Provincial.
De ordem do Exm. Sr. conselheiro presidente da
provinica, remetto a V. S. um exemplar da Esta
tistica do Rio de Janeiro remottido pela Secreta-
ria de Estado dos Negocios do Imperio. ,
Ao engenheiro chefe da Repartico da< Obras
Publicas.De ordem do Exm. Sr. conselheiio pre-
sidente da provincia ficou inteirado pelo officio de
hontem, sob n. 19, de haver V. S. mandado lavrar
termo di recebimento definitivo da obra de repa-
ros da ponte da ra da Aurora, por achar-se em
perfeito estado de conservacao, psssando se a fa-
ver do arrematante certificado de pagamento dos
10*,', Je reap'jasabilidade a qu! tero direito.
i Ao mesmo.M'Uatis mittaadis q'ianto ao offi-
cio da mesma data, n. 20, sobre a obra de reparos
da cadeia de Olinda.
A' Companhia Ilahiana. De ordem do Exm.
Sr. conselheiro presidente da provincia manda ac-
cusar o recebimento do effico de hontem em que
V. S. declara que o vapor Marinho Visconde, che-
gado a 2 do corrente da Baha e escsla regressar
para os mesmos portos s 2 horas da tarde de 7.
A agencia de paqifetes.De ordem do Exm.
Sr. conselheiro presidente da provincia, manda
aecusar o officio da h mtem em que V. Exc. de-
clara que o vapor Manon, entrado dos portos do
norte s 6 horas da manha seguir para os do
8ul hoje s 4 horas da tarde.
DESPACHOS DO DIA 13 DE FEVEREIRO
DE 1886
Antonio Henrique Das.Informe com urgencia
e circumstaiicialamente o Sr. juiz de direito da
comarca da Eacada.
Abaixo assignado de indios do aldeiamecto de
N. S. da Escada.dem.
Antonio Rodrigues de S uza & C.Informe o
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
Francisco Santiago Ramas.Justifico s faltas.
Depois de notado na seceo do archivo da Secre-
tara da Presidencia, envie-se este requermento
ao Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda para
os fins convenientes.
Jos Faustino Porto.Informe o Sr. inspector
geral da Instrucco Publica.
Manoel Candido Fernandos.Remedido a junta
medica provincial a quena o supplicante se apre-
sentar para ser inspecionado.
Manoel Ffgueira do Nascmeoto.Concedo 2
mezes.
Pedro Manoel de Carvalho.Informe o Sr. ins-
pector do Thesouro Provincial.
Raymundo Pereira de Siqueira.Como requer.
Rodrigo Carvalho Se CInforme o Sr. director
do Arsenal de Guerra.
W. W. Ostler.Certifique-se.
Secretaria da presidencia de Pernambu-
co, em 15 do Fevereiro da 1886.
O porteiro,
J. L. Viegas.
Repartico da Polica
Seccao 2.a N. 115.Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 15 de Fevereiro de
1886.-Ulm. e Exm: Sr. Participo^ a V.
Czc. que das communicacSes da Casa de
Detene,ao consta terem sido recolbidos ante-
hontcm naquelle estabelecimento os seguin-
tes individuos: .
A' miaba ordem, Delphino Pereira da Silva,
vindo da provincia da Parahyba coma criminoso
pronunciado na comarca de Ingazeira.
A' ordem do Dr. delegado do 1 districto da
capital, Jos Francisco dos Santos, por Disturhios
e uso de armas defezas,
A' ordem do subdelegado do 1 districto de S.
Jos, Manoel Joaquim Pereira, pjr crime do feri
monto ; Jos Garca da Silva e Joo Alves dos
Santos, por disturbios.
Hontem nao se efFectuou priso alguma nesta
capital.
Vieram hontem do presidio de Fernando e fo-
ram rerolhidos no referido estabelecimento, os cri-
minosos Victorino Chrysostomo de Lima e Joo
Vieira.
Pelo Dr. delegado do 2o distrieto da capital,
foi remettido ao Dr. juiz da direito do 4 districto
criminal o ioquerito policial o que proredeu con-
tra Jos Rufino do Barros, Francisco Ferreira de
Farias e Zumba de tal, o primeiro como autor e
os demais como cumplices de roubo de cavallo.
Tambem pelo subdelegado do 2 districto de
Serinhem foi remettido ao juiz competente o in-
querito a que oroeedeu contra Arminio Jos, co-
ntiendo poi Nogueira, preso em flagrante como
autor do furto da dous cavaUos pertencentes ao
proprietario do eugenho S. Jos.
O subdelegado do districto de Api pucos
appreheudeu e remetteu a esta repartico 22 facas
de ponta, 2 fnradores e 1 compasso.
Deus guarde a V. Exc. Illin. e Exm.
Sr. conselheiro Jos Fernandes da Costa
Pereira Jnior, muito digno presidente da
provincia. O chefe de poliua, Antonio
Domingos Pinto.
Thesoui'o Provincial
DESPACHOS DO DIA 15 DE FEVEREIRO
Arthur Hermes de Moraes e Silva e Vi-
canto Ferreira da P.iixao. Regstrese
e fayam-Be os devidaa notas.
Jos Pereira Bastos. -H j:i vista o Sr.
Dr. procurador fiscal.
Francisco Manoel da Silva & C, e
Ficllen Brothers. Entregue-se pela porta.
Emilio Soares, Justiniano Caruiro de
Ar.iujo, Joaquim Lourenjo de Barros e
Jos Lima de, Albuquerque Maranhao.
Informe o Sr. contador
Joao Fernandes Ramos de Oliveira.
Entregue-se pela porta.
Maria Carlota da Con:ciao, Manoel Ig-
nacio de Arruda e officio do Dr. procura-
dor dos feitos. -Informe o Sr. Dr. admi-
nistrador do Consulado.
Bernardino da Silva Ramos. -Informe o
Sr. colleator de Palmares.
Gerente da Companhia de Boberibe e
Jo3 do Livramento. Entregue-se as apo
tices depositadas.
Joao Vctor Alve3 Matheus & C -Satis
fugara a exigencia do Sr. Dr. procurador
fiscal.
Pedro Manoel do Carvalho, officio do
Dr. chefe de Polica, JoSo do Araujo e
Joao Alves Beaerra.Informo o Sr. con-
tador .
Consulado Provlaeial
DESPACHOS DO DIA 15 DE FEVEREIRO
Cunha Irraao. Informe a Ia secjito.
Paiva Valente &C, Augusto de Mello
Carneiro R'go, Manoel Cruz & C, Joao
Goncalves de Souza Beirao, cS C, Fran-
cisco Ribiiro Pinto Guimaraes e Jos de
Macedo. Informe a 1* seccao.
Julio & Irmao. -Sim, de accordo com a
informacao.
Parentj Vianua & CSim, de accordo
com a inforraacSo.
Jesuino Barroso de Mello. Dlrija-se ao
Thesouro Provincial.
Cmara municipal
despachos dia 13 de fbvereiro de
de 1886
Pelo Sr. vereador comtnissario de poli
cia.
Antonio Lopes Braga Jnior, pedindo
licenca para armar urna barraca no largo
da igreja de Santo Amaro, para e xpor a
venda comidas e refrescos. Como requer,
pagando a contribuido.
Deoio Augusto Rodrigues da Silva, pa-
dindo que sejam feitas as devidas averba-
c5es no sentido de ter acabado com a
loja de ferragans sita a ra D. quo de Ca-
xias n. 56. Co o requer.
Eduardo Carioso & C replicando junta
urna certidao do Consulado provando ser
de 700(5000 o valor locativo annual do seu
estabelecimento sito a ra do bario do Tri-
urapho ns.-64 e 66 e sobre este valor pe-
dem que seja fcita a collectada cmara.
Seja colleotalo de ascorlo com a decima.
Francisco Rodrigues dos Santos Jnior,
pedindo cenca para abrir um estabeleci-
mento de taverna urna casa sita a nova
estrada da freguezia de S. Lourenco da
Matta. Como requer.
Francisco Alves de Mello Fico, pedindo
que sejam feitas as devidas averbacoes no
sentido de tar vendido a Anacleto Ferreira
de Souza o seu carro ds quatro redas sob
o n. 2J3. Declare o supplicante si ou
nao carroca o vehculo n. 203.
Jos Emygdio Ferreira Lima, replican-
do, declara quo dexa de satisfazer a exi-
gencia do anterior despacho, porque a
companhia de gaz, quem tem do proseder
a canalisacao para o seu estabelecimento,
sito*a ra do Visconde de Albuquerque n.
104, cuja licenja solicita. Deferido.
Joaquim Luiz Teixeira, & C pedindo
que sejam feitos os devidos lanc.amentos
no sentido de terem comprado a Flix Pe-
reira e Souza, nico liquadatario da firma
Custodio de Mendonca & C. a loja de ta
zendas, sita a ra Duque deCaxias n. 61,
bem co no Iicenga, para abrirem inscripcao
na frente de dito estabelecimento. Como
requer em.
Joao Francisco de Oliveira e Silva, pe-
dindo licenca para armar urna barraca no
largo da igreja de Santo Amaro das Sali
as, para expor a venda algumas iguarias.
Como requer, pagando a contrib'cao.
Luiz Eduardo de Hollanda, pediudo li-
cenca para canalssr agua p ra a casa n.
182 a ra coronel Suaasuna, pro".edendo
se a necessaria cscavaco. Como requer.
Manoel Tavares de Mello, pedindo que
sejam feitos os devidos lancamentos no
sentido de ter acabado com a averna sita
a ra Imperial n. 254. dem.
Martina Capitao & C. pedindo licensa
para que seja collocada urna vitrina em
urna das portas do seu estabelecimento
sito a ra estreita do Rosario n. 1.dem
Marcelino Pereira da Silva, para armar
urna barraca volante no largo da igreja de
Santo Amaro das Salinas afim de vender
diversas iguarias.Como requer, pagando
a contribuicao .
Secretaria da Cmara Municipal do Re
cife, 15 de Fevereiro de l86.
O porteiro,
J. L. Viegas.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Retrospecio poltico do anno
de 1895
LCont inuacSo)
ALLEMAN'HA
O Sr. de Bismarck um ingrato, diz o escriptor
cilado. Se a Allemanha e a Prussia niio tivesseui
cmaras a felicidade do chanceller-no seria com-
pleta. Nao para elle ama ventura de mais ba-
ver em Bern um recinto onde possi diaer, de
modo a ser ouvido, rudo quanlo lhe vai na mente,
dando expamSo sua eloquencia romntica, ru-
de e pioivsni. iiivectivadora ou epignmmatiea,
segando os lusos, e fpue passa dos t.-ansport
oraiorins aos raciocinios subtis e s ben voleadas
tao naneas opanto prfidas de umleopardoa
brincar ferozmente com macacos ? Se essa maio-
riu importuna u magua aigumas vezes com a sua
opposiefio, nao tem elle tantas outras a satisfaco
de veneer-llie e domar-UM as resistencias pela
Miperioridade do seu gomo -. prestigio da sua
autornlade? Ella tortura-lli! a paciencia, maso
proprio chanceller conl'essa qne a sua vida tem
sido nina longa lialallia e que a contradieco o
sen elemento. Nestas coqdgGes, o que sena
delle se um dia nao encontrare com qiibm es-
grimir ?
Oque ala fica dito lano mais razoavel, quafl"
to o principe de Bismarck, apezar de toda a m
vontade qne parece votar-tte nina grande parte
do parlamento, vai realisando maravilhosainente
linios os seos designios polticose soxiaes. Ai-
da em 1885, aps ama sesso tempestaosssiaia,
obteve elle do Reichstag medidas de elevado al-
eanee para o progressivo deseiivolvimenl*do seu
gystema econmico e financeiro, bem como para
satisfazer a paixo colonisadora de que lia annos
se'acha vivamente dominado.
Alm da approvaco do projecto de orcamento,:
conseguio o poderoso chanceller a reforma da
jarifa adoaneira do imperio, no sentido de prdte-
ger a agricultura nacional; alcancoaainda a.
verbas que pedir para subvenciona* a navega-
co a vapor transocenica, bem nomo-fe* votar
certas medidas tendentes a desenvolver a legis-
laco de soccorros aos operarios, isto a alar-
gar i espliera do socialismo official ou do estado,
meto porque preleinle o Sr. de Bismarck arruinar
Utos prejmlicar a popularidade do so-
eiali A resposla afirmativa ou negativa a essa per-1
guilla importara urna previsto arriscada. No
-. eiiviail!o. que as recentes fesillieltigea-
cias manifestadas no seio do partido socialista
allemao, nao o deixam sappr, por emquanto,
bastante forte e disciplinado para fazer vingar di-
rectamente as snas concepces.
O jornal denoiniuadoSozialdcmokrat, de Mu-
nieli. orgo oficial daquelle partido, censuroa
em termos speros a conducta dos denotados so-
cialistas do Reichstag, attribuindo-Hies attiiude
demasiado passiva e expectante no seio do par-
lamento. Os censurados responderam conecti-
vamente ao dito jornal, lembrando-lhe o respcito
devido disciplina partidaria, ao mesmo tempo
qae defendiam os seus direitos de exclnsivos di-
rectores da poltica que os baria levado aos con-
selhos da nago.
O Sozialdmokrat replicou, expondo atheoria
do socialismo radical, emque se consigna qae a
revolaro seja promovida por todos os meios
possiveis, sendo a tatica parlamentar apenas nm
delles.
Os Srs. Bcbel. I.iebkuecht e Hasenclever, que
cora os seas ezenove collegas formam a mino-
ra numricamente respeitavel que defend o so-
cialismo no Rekhslmj. esperam, pela nica ob-
servancia dos meios legaes. mclhorar a sorte dos
proletarios e resolver as questes sociaesmais
urgentes. Esse modo de proceder nao agrada,
todava, aos exaliados da seita, que nada esperam
de largamente beneliciador das discusses parla-
mentares desauxiliadas d'outras medidas menos
brandas.
Parece-Ibes que as suas almejadas reformas
nfio podem vir de projectos de lei que, to depres-
sa sao apresentados, a maioria burgueza do par-
lamento invariavelmente repelle. Um pouco de
dynamite se Ihes aligara remedio infinitivamente
mais segoro para os males de que se queixam.
B" verdade que a folha a que nos referimos niio
aconselha positivamente aos 22 socialistas do R> -
hstag o emprego da tcrrivel mzinha, mas da a
entender qae lhe nao seria desagradavel vel-os
recorrer a meios extremos dorante os ocios dos
trabalhos legislativos.
Os depntados socialistas Dio aceitam o pro-
gramma. porqac nao qnerem confandir-se com
os anarchistas da rna, desde que teem mais con-
fianza no seu esforz circurascripto ao terreno
da legalidade.
A depotaco socialista procurou por termo s
polmicas, poblicando era Agosto o rclatorio de
seas trabalhos durante a sessao parlamentar qae
baria lindado. Nesse escripto exiga anda ama
vez a referida depataco que, no interesse da
cansa commum, lhe continaasse a ser mantida a
facaldade absolota de dirigir o partido.
Tal exigencia tanto mais jastificada qaanto o
socialismo carece de rigorosa discinlinana Alle-
manha, onde a legislacao excepcional a que est
sajeito, nao lhe consente manifestacOcs mais im-
portantes que as da tribuna parlamentar, sendo
por igual evidente que as palavras nessa tribuna
pronunciadas pelos depatados socialistas s po-
dem ter valor como tradueco fiel do pensamen-
to da grey.
Nao o partido socialista democrtico o que o
principe de Bismarck mais aborrece. Quanto

\

-



:
------------


Diario de Pernambuco-Tepfa-feira 16 de Fevereiro 1886

ao do centro ou atholico, em ?trtude da roa
aduiiravel organisafiao, da sua indefectivel obe-
diencia a um chefe permanente, aprsente o quer
me seta de instnico monarchica e conserva-
um que deve attrahir as sympathias do dis-
erecionano cnanceller, o qual, segundo refere
Btn escriptor, ja ctwou um dia a dizer amavel-
nente ao Sr. Windthorstpequea excelencia,
eomo lhe chamaqne gotttta de out1-o de
tuipos em tempps, tantentaatto uammente que
snostrasse um gosto to pronunciado pela byper-
pde. Comquanto o Sr. Windtborst naoseja
eacador, disse urna vez o principe, parece que o
pelas exageradles N'oatre occasiao decla-
iou o Sr. de Bismarck, referindo-se aiada aoe de-
potados ratholraas, que era diffic ciegar a ac-
eordo com homens que se nao satisfazem com
meias concessoes, que desejam que o adversario
se lhes entregue de oorpo e alma; notando mais
que seria extremamente perigoso ser presa de
um partido que vai alm dos montes pedir as
mspacOes e a senhu.
Se o Sr. de Bismarck sent pelosultramon-
tanos urna desconhanca quenoexclue certn cs-
tiuia. vote aos progressistas a mais invencivel e
iespresadora averso. Os correligionarios do
Sr. Eugenio Bichter,e este, principalmente. Dio
passam para elle de uns facciosos e rebeldes a
man trata por cima.do hombro e a quem se di-
ige sempre no tom nais amargo e 3oberbo. ]
. E' escusado dizer que o Sr. Riehter lhe paga
amesma moedaou em moedapeior, se pos.-i
fd, pois que nao rcgateia ironas e sarcasmos ao
altivo cnanceller.
Essa troca de doestos deu-se aluda o auno
passado. por occasiao de ser apreseutedo ao
Mtkhstag um projeco governativo autorisando
a creayfio da verba de 12,000 marcos para orde-
nado de um commis:>ario de eraigraco.
OSr. de Bismarck sustentou o projecto. ex-
pando doutriDM BIBitO curiosas no assuinpto.
IWende elle que a emiirarfio. cujo progrcssivi.
taenvolvimento prcoccupa seriamente os espiri-
te na Allemanha. longe de ser um sifinal de in-
Idkidade econmica, um indicio e urna oon-
aaquencia directa do bem-estar crescente do im-
perio. Acha, comtudo, que nao ser desacerta-
alo-embaracar esse movimenlo. que rouba torcas
vas nago, procurando proporcionar na pa-
tea as vanla-nis que os que emigram vo pro-
Bar no estrangeiro. Para akunnir HM re
asilado o principe nao via nada melhor que o
am sysema protector da agricultura, que consi-
tra o ramo mais importante da actividade na-
aanal. Que se cominlia vstringir a emigra-
do, disse elle, era igualmente neeessario dar
>faa as garantas aos agricultores alleinfies.
aautfcndo um pre^o remunerador para os bbjbj
productos por meio de tarifas aprupriadas. Ites-
aoodendo ao chefe dos progresststas, que lhe
aansrou a cont radican patente entre as suas
teoras tinanceiras de boje e as qae ha anuos
jmfessava. disse o principe : Pey ao Sr.
Bicaiei que me nao trate pelo Sr. Chanceer,
an voz alta, para augmentar oetleito de sua rlie-
taea. Tambem desejo que me pao esteja con-
stantemente a lembrar a miuha poltica econmi-
ca anterior a 1876. utr'ora nao tinlia c\pe-
MBCia bastante em taes materias, e toda a
nba actividade era poma para empregar no
alabtleciraento da paz e na proinoco da uni-
4ade allein. Mas ha fPJnM anuos que ule edu-
co HSaa sentido ; e se o Sr. Ric.litcr fosse to
SHBceptivel de educaco como eu, e occu|tasse o
ato lugar, chegaria lambem i eonviccfio di' qae
scliruito.s sobre os cercaes devem ser elevados,
a sua cultura possa continuar BCSt
xou coneeber a dictadura do general Mouteuffell
foram burladas. Esse militar diplmate, que
falleceu em Junho, quasi no mesmo tempo que o
principe Frederico Carlos, sobrinho do impera-
dor Guilherme, teve tempo para conhecer, sem
duvida com grande desgosto, que os seus esfor-
503 eram nullos para fazer esquecer nos povos
que governou as saudades da antiga patria. Ve-
remos se ostros sao mais felizes, embora as re-
firmas qae o prinaipe de Bismarck tente faaer
juanto ao governo das provincias annexadas.
Se. como dizem os francez( s, nao rom vinagre
que se apmnham wsras, nao ser com as medidas
violentes que lomou ltimamente em relaco ao
potacos, que. o governo prussiano conseguir* grr-
manisar as populaces slavas dos valles do Oder,
Wartha e baixa Vstula. No flm do seculo XVII.
lembra um escriptor, dizia-se : Fraternidade
ou morte o fim do seculo presente diz-
se na instruidissima Allemanha : Germanisa-
go ou banimento em massa I
Com effeito oitenta mil polacos da Galicia e da
Polonia russa foram em 1885 expulsos do reino
da Prussia, segundo uns, para nao fazerem con-
currencia acs operarios allemes; sesudo ou
tros, para que nao continuassem a polacanisar
as ragas germnicas segundo outros ainda, por
ambos os motivos.
O que dir o principe de Bismarck se diversos
paizes do globo, com receio da germanisagao, ou
por coherencia nos principios proteccionistas,
quizercm aceitar o estranho exemplo do iinpla-
cavel cnanceller ? Os historiadores germnicos
sao unnimes em condemnar a revogafo do
edito de Nantes como um acto de barbaria. Pois
bem : exactamente dous seculos denois desse
aconteciineuto. i intolerancia religiosa de Luiz
XVI succede-se a intolerancia poltica do Sr.
Bismarck, e militares de homens pacifleos e tra-
bajadores sao expedidos dos dominios prus-
sianos, sem a mnima aitenco pelas miserias e
desgraeas resultantes (le semclliante crueldade I
E no entanto na Allemanha toda a gente sabe
ler e a sciencia nao tem limites !
(Continua)
panqu
E foram effectivamenh' elevados esses direitos,
cono j vimos, gratas maioria proteccionista
Jo trichstag. Os cotiservadun'S eo centro vo-
brau accordes. mpuoimla por um momento a
JTitortamp/, pan B -e leiiiln-aivn B> prazer
mpt a classe ai-ricola e sobretudo os grandes
profinetarios territoriaes iam experimentar com
a victoria das opinies liscaes 0 geamk chan-
aeer.
/^TlSNolIkas europeas, que eetao sempre dispos-
tas a vertios actos do princi|ie de l.-inarck mui-
tomais do^ que ellos naturalmente significan!.
ponto de a vezes se tornarem autoras dos pen-
amenios mais importantes do ahalisado estadis-
ta, a< folbos earopeas, dUemoa, deacobnraa
Mceute medida proteccionista do governo alle-
o um alto designio poltico. Disseram algu-
0 d'cllas que, por meio dos novos direitos so-
Irtasproliicl.isai-'ricolas. esperava o chancel-
fcr rliegar brevemente a conseguir una uniao
adicMieira com a Austro-Hungria e a Hollanda,
ito tentava estabelecer um novo Zdlvtrn,
a4a coaeaqueacia anal seria a entrada do se-
pmdo deeses paizes ea parte allema do primea
so para a actual communidade germnica.
Es, no entanto, oque de mais positivo resu!-
3on immediatamene de t ido esse negocio. Para
eoroara sua grande reforma Bacal, declarou o
orire-ipe de Bismarck 00 parlamento que a Ha
janba, a infancias desse principe, prescindir
4a mmunidade que lhe eoafena o tratado de
jommercio com a Allemanha le nao pagar di-
mi superiores razao de um marco pelo cen-
tno que exportasse para o imperio allemo.
A renuncia desse privilegio nao aaportvm um
(BCrificio em relaffio Hespanha. que pouco
acateio exporta para aquelle paiz. Tinha, po-
enj, importancia capital para a Austro-Hungra-
qoedevia gozar das vantagens conferidas na
eo mais favorecida e que exportava annualmen-
!, so da parte transleithanica da monarchia.
nada menos de oitenta mil quintaes metrin-
esse grao |iara a Allemanha. A inesperada de-
daracao do principe de Bismarck causou. pois.
ririssima -ensacao em Vienua e Pesth : e isto,
ao so entre a classe agrcola, que era a mais
Vectamente interessada. mas aitida no mundo
aotico O que pnncipalmente irntou os aus-
feo-faungaros foi o facto de haver o clianceller
jwmanico, o seu mais intimo adiado, concluido
aemeihante convenio com os hespanhes (o inci
rate das Carolinas aimla nafta longe), sem
avisar de suas imencOes o governo de Krai:
Jos, alias inuitissno intert-ssado no caso.
Antes talvez de alargar os limites do imperio
qne sanio de sua iniciativa, tinha o principe de
fismarek necessidade de abafar compleUmente
a dissidencia de certas populaces incorporadas
i tarca ao mesmo imperio, mas que, como a do
gjcstrig septentrional nao queriam deixar-se as-
sBHar pelos conquistadores.
A inte ira germanisago da Alsacia-Loreaa nao
problema menos dillicil para o chanceJier alie-
BBfto. As esperancas que nesse sentido lhe dei-
KtviSTA DIARIA
Eleico protlnclalTunos inaia os =e-
guintes resultados da eleigao provincial em 2.
escrutinio :
G DISTBICTO
Victoria
Dr. Ratis e Silva 115
Dr. Souto Lima 70
Eicada
(1* e 21 aeccoes)
Dr. Ratis e Silva 93
Dr. Souto Lima 20
Na 2' socco da Escada nao houve eleicao por
falta de juiz de paz.
Beterro
Dr. Rntis e Silva 54
Dr. Souto Lima 37
Oravat
Dr. Ratis e Silva 37
Dr. Scuto Lima 15
299
142
83
12
Resumo de tod* a vofacio do digtricto, faltando
apenas a 4a seceso da Escada, que absolutamente
nao pode influir:
Dr. Redro Guadiano de Ratis e Silva (C)
Dr. Luiz Souto Lima (L)
Est elcito o Dr. Ratis e Silva.
12 DISTBICTO
Taquaretinga
Advogado Jo6 Alves
Capitao Maciel Pinheiro
(onx'iini Lttterarl da lastrnccao
Publica-Kunccionou bontein eite conseibo em
seaao ordinaria.
Depois de urna explicarlo do Sr. Dr. Franco
de S, expondo os iundamentos da am sea parecer
anterior, foram lidos os seguintes pareceres :
Da 1* seccao sobre o ornan do delegado litte-
rario do 2o districto do Lioioeiro, em qao propoe a
transferencia da cadeira do Cedro para a ruada
Luna, coueluindo por ella prncedendo-se quanto
nmocao do professor nns termos dos arta. 141
a 144 do rcgulauiito de ti de Fevereiro Foi re-
ge i tado.
Da infama sscco, relator o sr. professor Fra -
goso, enteodeno que est no caso de ser appro-
vado: o primeiro iivro de leitara e caita de A, B,
C, pelo Sr. Amaro Pessoa.Approvado.
Da mesma seccao, relator o Dr. Ayn s Qama
sobre o officio do delegado litterario de Jacarar
aoe propoe a transferencia da cadeira situada no
Jacpaiao povoado de Jatob, ooncluindoque
deve car suspenso o ensino na referida cadeira
< qne so exijam as informacoes legues sobre a ne-
cessidade da cadeira em Jatob.Foi approvado,
sendo regeitada urna emenda do profeasor Miran-
da nos seguimos termos: Supprima-se a parte do
parecer que inaada supunder o ensino na cadeira
de que se trata.
Da mesma seccao relator o Sr. profeesor Fra-
goso concluindo pela *ppr>vac> da grammatiea
das escotas por Miguel Alves FYitoa.Approvadi.
Da mesma seccao, relator o mesmo, concluindo
pela approvacao do manuscripto, intituladoLie
pi a a infanciapor Manoel Paulino d'Assamp
cao.Approvado.
Da mesma necea i, relator o Dr. Ayres Gama,
concluindo lambem pela approvoco do compendio
le grammatiea portugueza por (hereza Josepbina
>la Cunha Sal 8.Approvado.
Da '6' seccao,' relator o Dr. Jos Diniz, sobre a
lieta de antiguidade para preenchnnento da ca-
de Dous da me-m i aeceo sobre a gratificaco de
15 annos, requerida pelad profesaoras Anua Lu-
nnda Varejao e (inilhermiua Francisca de Arau-
ja Lino, c ncliiiudo pela concesso.Approvado.
Ferimealos-Lemos no Lidador da cidade
da Victoria, de 13 do c irreute :
Joao Rufino de Abreu, morador ua comarca
de Naz.reth, segunda-feir destu semana arran-
e!i .ii .-- noengenho Sant'Auna desta comarca, em
casa de J^aquim Mai ment introduzo-se no quarto onde dorma Joa-
uiin Maior c sua mulher, e procurou furcar a essa
para saciar os seus desej >s libidinosos.
" Despertando o dono da casa aos gritos da vic-
i i ni i e procurando ampara!-a foi accominettido
pelo .'iudacioso Abreu, que estava como an posses-
so d' faca em punln e agrralo aiada infeliz
senhora.
Joaquim Maior nSo tendo coragem pira vin-
gar a affroiita, cobardemente fugio e pouco depois
voltou acompsnhado de alguns visiuhos e ctiec-
tuou a priaao do malvado.
A infeliz mulher de Joaquim Maior, ficando
o com o seu aggrcssor teve a coragem inaudita
de ua o acceder aos seas desejss, embora na lula
da honra contra a infamia sabase gravemente fe-
rida com urna tacada.
O miseravcl acba-so preso na cadeia desta
cidade, e as lutoridades tratam do processo. a
Hela de Outubro Pubhccu-se o n. 2, ao
4 anuo, do Seis de Outubro, orgo da Associacao
dos Funccinnarms Provinciaes de Pernambdco.
(ioverno do BnpailoDiz a Aurora de
14 do crvente i que. de 4 11, f rain passadas :
Proviso de vigxrio d: freguezia de S. Flix de
Buique, nesta provincia, por tempo de mais um
auno, e favor do Revd. Joao Ignacio de Albuquer-
que
dem, idem, da tregaesia de Quipap nesta | ro-
vincia, por tempo de mais um anno a favor do
Revd. Manoel Ferreira da Rocha.
dem, de uso de ordens, preg idsr e con teasor
por tempo do nm anno a favor do Revd. Jos Pru-
dente Telies da Costa residente na freguezia de
Porto Calvo, Alagas.
Ide.n, de uso de ordens e confessor por tempo
de um anno a favor do Revd. Jo de Lima e .ril-
va, residente na freguezia d Giiranhus nesta pro-
vincia
dem, de aso de ordens por tempo de am anno a
favor do Revd. Fr. David da Natividade residente
no c.nveiito de Nossa Senhora das Neves, em
Olinds.
dem de transferencia de diversos terrenos da
freguezia de Nos Senhora dos Remedios de
.Souza, para a freoMsia de Noasa Senbora sario de 8. Joao do Rio do Peixe, na Paiahyba.
Portara encarregando ao Revd. Fr. Joo da
Virgem Mara Ahnosaa Costa da regencia da
paroehia do Senhor Bom Jess do Paseo de Ca-
maragibe, em Alagas, em quanto nao lhe for
mandado o contrario.
Sobre o entrado O 8r. Dr. ehefe de po-
lica expedio hontem s autoridada polieiaeg a se-
guate circular :
i. seccSo.Secretaria de polica de Pcrnam
buco, 15 de fevereiro de 1886 Chamo a attenco
de Vme. para o edital que nesta data faco publi-
car relativamente ao brinquedo de entrudo com
agua ou qualquer outra substancia.
Compreheade Vmc. o ioteresae qne deve ter
a aulsrdite en acabar com dvfrtimento to per-
nicioso e (feralmente reprarado, sendo qse vai
nsso salo s6 o iateresse publico, como exeeucao
do praeto ieg) que prohibe tal divertimeoto.
amajaam ignora qae deiter agua ou qualquer
outru sanatHiicia siibre.es transe jotes nm acto
mrohmmmor M, e attai mr Vm&j proener se
veraataaae coaara n aar- tnm n ins iiKisiisiriii
aainmeaeVIhe teiuaas que a*> consinta
que se vendam limas de cheiro, e sejam tomadas e
inutilisadaa todas s qne forem encontradas con
forme faculta o art. 71 das posturas municipaes
approvadas p;la le n. 1,129 de 26 de junho de 1873
impondo aos contraventores a multa comminada
no mesmo artigo.
Espero- de seu elo e actividade que observa-
r restrictamente o que lhe fica recommendadn.
Deus guarde a Vmc. Sr. subdelegado
de...
Manta CanaNao podendo a Junta Admi-
nistrativa funecionar hoje nem amsnha, ser a
gesao desta semana na quinta-feira 18 do cor-
rente.
DepaUado geralAo bordo do vapor Gi-
quia, entrado ante hontem do norte, veio o Sr.
Dr. Tarquinio Braulio de Souza Amarantho, de
put ido eeral eleito pelo Io districto do Rio Gran-
de do Norte.
Comprinientamos o Ilustre amigo.
Thenen Recebemos e agradecemos um
exemplar impresao das Theses que apresento i e
defendeu peante a academia de medicina da
Babia o Sr Aithur Esperidio de Carvalho Cha-
ves, para obter o grao de Dr. em sriencias medi-
cas, titulo que merecidamente lhe foi conferido.
Sande do porto -Por telegramma parti-
cular, que nos foi mostrado, sabe-se ter sido no-
meado ajudante do inspector da sade do porto
desta cidade o Sr. Dr. Jos Julio Fernandes Bar-
io .
PaiMamentoA' 12 do correte falleeeu
em Goyanna para onde tinha ido em procura de
allivi seus softrimentoe, D. Arcelina da Rc-
cha Lima Lobo, espesa do Sr. Antonio Augusto
de Souza Lobo.
Era rma senhora virtuosa |e mai disvelada.
Nos808 pezames sua familia.
Ittnlifiro O paquete Pernambuco levou
para :
AlagOas 42:4314700
O vapor Sergipe trouxe do sul para:
Ainoriin Irmaos 01 C. 2:1864000
O vapor Jaguaribc trouxe do norte para:
Diversos 41:048*210
Anaiversarlo Amanha faaem 268 annos
que morreu na provincia do Maranhao Jeronymo
de Albuquerque.
Annociaro Conamercial .ticrirola
Uepoia de amanh, 18 do corrente, pelas 11 horas
do dia, devem reunir-se eo* assembla geni os
membro8 da Associacao Commercial Agrcola,
funecionando com o numero que comparecer.
Ferro-va de Ribeiro Bonito< 1.-
acconistas desta ferru-via devem reunir se ama-
nha, ao meio dia, no predio n. 19 da ra do Bom
Jess aflu de tratarem da approvacao dos esta-
tutos da respectiva empreza e elegerem os admi-
nistradores e 6sc:.e8.
Tliealro dan Variedatlen A empreza
Boldrini e Mlone d hoje no Theatro das Varie-
dades, da Nova Hamburgo, o seu ultimo espec-
tculo na quadra actu.d, cantando a opereta A
Fetta da Aldeia, e representando a comedia A casa
de Campo,
tribunal do Jury do ReciteHon-
tem devia ser installada a 1.a sessao deste tribu-
nal no corrente anno. Nao poude, porm, ter lu-
gar esta installacao por s terem comparecido 13
juizes de facte.
Foram multados em 20*000 os que taltaram,
e sorteados mais os seguintes :
Paroehia de S. rei Pedro Goncalves
Francisco Jos J. Galvo.
Manoel da Silva Faria.
Adolpho de Brito Ta vares Cardoso.
Antonio Rufino de Andrade Lima.
Emygdio Francisco de Souza Magalhies.
Paroehia de Santo Antonio
Dr. Manoel Gomes de Argollo t'orrao.
Caetano Gomes oWS.
Joaquim Jos de Aguiar.
Aontonio Samica de Lyra Mello.
Paroehia da Boa- Vista
Eduardo da Cuua Oliveira.
Joao Carneiro Lina Suriano Jnior.
Joaquim Francisco Collares.
Jo Quintino de Souxa Travassos.
'os Alves da Silva.
Cnas do Reg Barros Falco.
Francisco Jos da Silva Guimariles.
Caetano da Silva Aaevedo.
joe Carlos Cavaleante de Albuquerque.
Dr. Tristo Henrique da Costa.
Maximino Ribeiro de Araojo.
Joo Paulo da Silva Porto.
Claudino Isidro dos Santos.
Dr. Alfieda.de Barros Oliveira Lima.
Joao Soares da Rocha.
Paroehia da Graca
Dr. Ayres de Albuquerque Gama-
Francisco de Paula Ucboa Cavaleante.
Francisco Jos de Barros Jnior.
Victoriano Arduas do R-go Faria.
Paroehia de Afogados
Jos Francisco de S Leitio.
Hermino Elseo S. Caneca.
Paroehia do Poco
Francisco Gibson.
Germano do Rogo Inojosa.
Alipio Jos Flix dos Santos.
1
'6
5
i16
para exame
Aritbmetica
Diatinccao
Plenamente
Approvados
Repmvados
No dia 19 sero chamados para exame de
philosophia os Srs.:
Manoel Joaquim Baptista.
Pedro Estellita Carneiro Lies.
Aprigio de Miranda Castro.
Edmundo Pedro Cselo.
Joaquim Baptista da Silva Vaz.
Manoel Arthur de Albuquerque Lima.
Zacaras de Araujo e Vaseoncellos.
Daciano Carneiro Lins.
Jetonyaio Emiliano de Miranda Castro Jnior.
Pedro do Reg Barros Cavalaante.
MaBipano Moraes da Silva
PedW'Femandes da Sirva Manta.
Kodafrbo Gomes da Caoba Leal.
Vieeote da silva Porto.
Amaro de Mesquita Wanderley.
E' o ultimo dia em que tem lugar prova escrip-
ta de philcsopbia.
Club Joridtee Toblan Barrete No
dia 7 do corrente diversos mocos acadmicosreu
niram sena ra do Bjm Jesua n. 43, 2o andar,
e fundarsm um club intitulado -Tobas Brrelo.
Proeedendo-8e na mesma occasiao eleicao da di-
rectora interina, foi eate o resultado :
PresidenteCicero Cesar.
Vice-presidenteAlbuquerque Netto.
1 secretario Santos Moreira.
OradorMonteiro Lopes.
Vice ditoHenrques Lima.
Thesoureiro- Henrques Auxencio.
ProcuradorSacramento Ramos.
BibliothecarioSalvador Rosas.
Em seguida foi nomeada urna commisso pa
ra organisar os estatutos.
A Moda lltuntrada Para a respectiva
agencia, ra do Bario da Victoria n. 9, chegou
o n. 170, de 15 do corrent, da Moda llluatrada.
Traz folha de moldes e figurino colorido.
Proclamas de canamentoNa matriz
de Atogados foram lidos no dia 14 do corrente os
seguintes :
Quintino com Clotildes Victorina de Souza.
Luiz da Costa Lima com Guilhermina Maria da
Luz.
J laqnim Antonio de Souza com Franceiina Ma-
ra da Conceoao.
Na matriz da Ba-Vsta no mesmo dia, foram
lidos os seguintes:
Thomaz Jos de Amorm com Marcelina Mara
da Coneeco.
Manoel Virissimo de Mello com Carelina de Pa-
lias.
Na matriz de Santo Antonio, no mesmo dia,
foi ido :
Manoel Nicomedes da Costa Cabral com Can-
dida Leopldina Cabral.
Honpital Porioiuez -O movimento das
enfermaras deste hospitai durante a semana finda
foi
Lotera do Ceara de SOOiOOOOOO
A' 4 sene d'esta grande lotera, cujo maior pre-
mie de 250:000*000, se extrahr mprcterivel-
mente huje terca-feira, 16 de Fevereiro, as 2 ho-
ras da tarde.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera de Macelo de ZOOiOOOoOO
A 15* parte da 11a lotera, cujo premio grande
de 200:000*000, pelo novo plano, ser extra hida
impreterivelmente no dia 16 de Fevereiro, s 11
huras.
Os bilhetes acham-se a venda na Feliz Casa
praca da Independencia ns 37 e 39.
Lotera Extraordinaria do Ypl-
ranita-O 4o e ultimo sorteio das 4 e 5 series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000*000, ser eztabida a 9 de Abril.
Lotera do lo Os bilhetes da 3' parte da
195, do novo plano, do premio de 100:000*000,
acb iin-se venda na Casa Feliz, ra Primeiro
de Marco.
Lotera do Rio.A Ia parte da 363, do
plano novo, do premio de 100:000*000, ser ex-
trabida impreterivelmente quarta eira 17 do cor-
rente
Os bilhetes acbam-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Mercado Municipal de g. Jone.O
-noviinento desto Mercado no dia 15 do corrente,
foi o seguinte :
Entraram :
65 bois pesando 9.481 kilos.
470 kilos de peixe a 20 ris 9*400
26 taboleiros a 200 ris 5*200
60 cargas de farnha a 200 ris 12*400
14 ditas de fructas diversas a 300
res 5*200
25 Su nos a 200 ris 5*000
Foram oceupadoa :
38 columnas a 600 ris 22*800
90 talhos de carne verde a 1*000 90*01X1
40 ditos de ditos a 2* 80*000
79 compartimentos de taiinha e co-
midas a 500 ris 39*500
127 ditos de leguraes a 400 ris 50*800
32 compartimentos de suino a 700
ris 22*4
29 ditos de fressuras a 600 ris 17*400
Elysa de posee do estabeiecimento a do activo e
obrigada pelo pasbivo da eztmcta sociedade e com
a faculdade de continuar a osar da predita firma.
Archive se, na forma da l:i.
Nada mais havendo a despachar, o IUm Sr.
commendador presidente encerrou a sesso s 11
e meia horas da rnanh.
o seguinte : 14
21 1
19
21
Asumio o exercicio de mordomo na semana
que hontem teve comeco o-Exm. Sr. Visconde da
Silva Loyo.
Presente* de am re O r'ei Osear da
Suecia recebeu dos seus tilhos alguna presentes de
um genero todo especial. Os tres filaos mais jo-
vena do re offereceram-lhe um livro escrpto em
commum e t'azendo o titulo : Vara Mimen (as
nossas lembrancas). Nesta obra os tres principes
contam as impressoes por ellos recebidas as suas
longiquas viagens. O principe Eugenio falla do
bom acolhimeoto recebido pelos Druvoa ; o prin-
cipe Osear refere a sua visita s ilhas Filippioas ;
e o prncipe Carlos descreve a sua viagem Je-
ru8lem e s Indias. Tuto est ornado de nume-
rosas illurtracoes, das quaes umitas fetaa pelo
principe Eugenio.
O livro dedicado ao re e rainha. e s tem
impressos um pequeo numero de cdpias, por uso
nao ser posto venda.
A llalla a Bonton Traduzimos de um
jornal de Boston :
O estuJo do idioma italiano em Boston vai r-
pidamente se tornando urna mana de moda, e as
recentes representacoes do Sr. Salvmi, tm aug-
mentado o zelo dos enthusiastas.
O impulso original, foi dado, sem duvida, pelo
Sr. Luigi Monti, dorante a sua longa estada nesta
cidade. Depois que elle se trausferio para New-
York, o seu posto foi tomado pelo professor L.
Ventura, cujas escolas esto sendo frequentadas
pela melhor sociedade, e os alumnos reunem se em
algumis das salaa mais aristocrticas da Back
Bay.
I
Sergipe e Alagoan-0 vapor bahiana Ser-
gip', entrado hontem do sul, trouxe folhas de Ser-
gipe at 4 e de Alagoas at 14 do correte.
^ Sergipe -O presidente da provincia de Sergipe
fura em excursao at a villa de Riachuelo.
Na praia Chica Chaves, da capital, suicidou-
se ingenndo verde Pars, um individuo de nome
Jos M&thias dos Santos, deixando na orphanda
de aete filhinhos.
- Lemos no Diario de Araeaju' de 26 de Ja-
neiro :
O patacho nacional Elisa, pertenceote ao Sr.
Jo&o Rodrigues da Cruz, negociante da praca de
Maroim, ao aahir hentem s 7 eras da tnunhi a
barra desta cidace, em sua viagem para a Babia,
para onde levava cerca de 4,000 saceos com assu-
c ir e 20 pipas com agurdente, bateu sobre o ban-
co e forcoso foi arribar a trra.
O navio ia a reboque do vapor .Sanio Antonio,
que o condnxio de novo a este porto, encalhando
-na enseada da Fundicao, onde depois da visita le
gal, procedida com a preseuca do Dr. juiz do com-
uiercio, se prncipiou a fazer a descarga.
A's 8 horas da noite, pouco mais ou menes,
partindo-ae as arvores onde estavam seguras as
espas, foi patacbj a pique, pela torca de corren
teza d'agua, salvndose a custo a trpolacao e nao
morreado felizmente niujuem.
Da carga salvou-se apenas cerca de 800 sac-
eos com asquear e as pipas com agurdente.
Era seu capito o Sr. Joo Augusto Casta-
nheira e advogado na ratificaco do protesto do
Dr. Feliciano Prazeres.
O navio estava seguro em urna companhia da
cidade do Porto. *
AlagoasEm 30 de Janeiro a junta apuradora
conferio diploma ao Dr. Ribeiro de Meoezes, pro-
testando contra o Dr. Jos Angelo.
Deve realisar-se 19 do corrente, no 1
districto, o 2." escrutinio eutre os Srs. Drs. Ber-
nardo A. de Mendonca Sobrinho e Thomaz do
B nnfim Eapindois.
AccidenteAute-hontem, tarde, no largo
de Santo Amaro das Salinas, o artista acrbata
Joo i'ossidoneo dos Prazeres, na occasiao em qne
fazia os seue trabalho*, cahio de urna barra fiza,
deslocando ambas as pernas cima dos joelhos.
Foi levado em bracos para a cnsa de sua resi-
dencia, indo bontein para o hospital Pedro II.
. dlMlrlcto E' hoje que se realisa, no 2
districto eleit. ral deeta provincia, o 2. escrut-
W para nm deputado geral, entre os Srs. Coase
IheirLi Theodoro Machado Freir Pereira da Silva
e Dr. Jos Mariano Carneiro da uuha.
E*a-nen preparatorioEis o reaulta-
do d reito :
Philosophia
Plenamente 3
Approvado* 7
Ijevanton-se'da banca 1
Faltou a chamada 412
prximo
e o
As frotan aaercantlM eu 1**5 Eis
aqui segundo o Bureau Vertas, a estatistica da
niariuha mercantil do mundo no anno
findo :
O numero dos navios de vela de 43,692
dos vapor de 8,394 ; total 52,086 navios.
A bandeira ingleza tem o primeiro posto : ella
desfralda-se sobre 4,852 navios vapor e 1,493 de
vela.
Segu em reiscao de tonelagem a Franca com
505 vapores e 2,173 de navios de vela, a Germa-
nia com 509 vapores e 2,424 de navios de vela.
Por ordem de importancia, a manaba vapor
da Italia est no stimo lugar en're as potencias
martimas, depois de si s tem a Russia, a Norue-
ga e a Turqua ; na marmita vela tem entretan-
to o quinto posto deixando atraz de si a Franca, a
Hespanha, a Hollanda, a Suecia e a Russia.
LellbeEftcctuar-se-ho :
Amanha :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na ra do Ran-
gel n. 48, do estabeiecimento ah sito.
Helo agente GusmSo, ao meio dia, na ra de
Joo do Reg n. 4, do estabeiecimento ahi sito.
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas, na
ra do Bom Jess u. 19, de movis, loucas, vi-
dros, etc., etc.
Quinta-feira :
Pelo agente nrlamaqui, s 11 horas, na ra do
Impeador a. 22, de predios.
fe o agente Pinto, 1 hora da tarde, na ra da
Bom Jexis n. 43, de fazendas; s 11 horas, na
ra Paulino Cmarah. 21, de movis, loucas, vi-
dros, etc.
MIun fnebresSero celebradas :
Amanh :
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, por
alma de D. Mara Augusta Coimora; s 7 1/2
horas, na matriz da Boa-Vista, por alma do l-
ente Galdino Po dos Santos.
Quinta-feira :
A's 7 1/2 horas, na matriz do Santa Antonio, na
Penha, na capella do cemiterio de ,-anto Amaro,
e na capella do angenho Ainaragy, pi r alma de
D Joanna Barbosa de Araujo ; as 7 1/ horas, na
Santa Cruz, por alma de Gald'no Pi dos San-
tos ; s 9 horas, na capella da Conceico de Joo
de Barros, por alma de Francisco Cavaleante de
Albuquerque Lins.
Sexta-feira :
Deve ter sido arrecaiada oeste dia a
quantia de 35370C
Precos do dia:
Carne verde a 600 e 320 ris o kilo.
Suinos a 500 p 600 ris dem.
Carneiro a 800 el* ris dem.
Farnha de 640 a 320 ris a cuia
Milho de 240 a 400 ris dem.
Feijo de 640 a 1*280 ris dem.
Matadouro Publico. Foram abatidas
no Matadouro da Cabanga 82 rezes para o consu-
mo do dia 14 do corrente mez
No mesmo estabeiecimento foram abatidas
para o consumo do dia 16 do corrente 75 rezes.
Cemiterio publicoObtuario do dia 13
do corrent:
Jos, branco, Pernambuco, 3 mezes, Santo An-
tonio ; diarrha.
Lucino Andrade de Souza, branco, Portugal, 25
annos, solteiro, Boa-Vista ; febre typhica.
Ignez de Albuquerque Lima Maranhao, branca,
Pernambuco, 44 annos, casada, Boa-Vista ; ne-
pbrite.
Porfira, parda, Pernambuco, 1 anno, Santo An-
tonio ; espasmo.
Luir Jos Francisco dos Santos, preto. Pernam
buco, 52 annos, viuvo, Boa-Viita ; ulceras.
Jos Apolonio do Nascimento, pardo, Pernem
buco. 50 annos, casado. Boa-Vista ; aneurisma da
utrta.
Anna, branca, Pernambuco, 7 mezes, Boa-
Vista ; convulsoes.
Urna creanca que nasceu morta, pard, S. Jos.
Jos, pardo, Pernambuco. 8 dias, Santo Anto-
nio ; convulsoes.
Julio, branco, Pernambuco, 4 mezes, S. Joe;
atrepaia.
Mara, parda, Pernambuco, 5 das. Graca; t-
tano.
14
Lucrecia Candida de Souza Urel, branca, Baha,
61 annos, solteira, Santo Antonio ; ulcera can-
cerosa.
Tranquilino, pardo, Pernambuco, 3 meze, Boa-
Vista ; convulsoes.
Josepha Maria, preta, frica, 55 annos, soltei-
ra, S. Jos; brinebites.
Maria Severina da Conceico, parda, Pernam-
buco, 22 annos, solteir, S. Jos ; tuberoulos pul-
monares .
IHDICACOES OTIS
CHRONIGA JUDICIARIA
A'a 8 horas, no Corpo Santo, por alma de Saty-
ro Poathumo Ta vares Cordeiro.
Operarte* ctrurglcaaForam pratica-
das no hospital Pedro II no dia 15 do corrente
as seguintes :
Pelo Dr. Berardo :
.Tres tarsonbHphias com exciso ovalar da pel-
le, reclamada por trichiasis.
Pelo Dr. Malaquias :
Abertura de abeesso da regio latero-posterior
do peseoco por fertmento d'anna de fogo na re-
gio anterior, extraeco de um caroco de chumbo.
Caafde BelenraoMovimento dos pie-
tos no dia 14 de Fevereiro :
Exiatiam presos 302, entraram 32. sahiram...
exiBt m 334.
A saber:
Nacionaes 304, mulheres 6, estrangeiros 6, es-
era vos sentenciados e proceasados 10, ditos de cor-
reero 8.Total 334.
Arraooados 315, sendo: bons 310, doentes 5.
Total 315.
Nao bouve alteraco na enfermara.
Lotera da provincia Quinta teir, 18de
Fevereiro, se extranir a lotera n. 38, em bene-
ficio da Santa Casa de Misericordia;
No consistorio da igreja de Nossa Senbora da
Conceico dos Militares, se acharo expostas as
urnas e as espherhs arromadas em ordem nume
rica, apreciaco do publico.
I.olera te miettaereyA 1* parte da
lotera 3b3 do premio de 100:000*000, corre ama-
nh quarta-feira, 17 do corrente.
fnnta CJomumercial da eitiade d
Iteclfe
ACTA DA SESSO DE 11 DE FEVEREIRO
DE 1886
PRESIDENCIA DO ILLM. 8B. COMJIEXDADOB AXTOHIO
GOMES DE MIRANDA LEAL
Secretario, Dr. Julio Guimardes
A's 10 horas da manh declarou-ae aberta a
sesso, estando presentes oa Srs. deputados Olin-
to Bastos, commendador Lopes Machado. Bel
trio Jnior e supplente Hermino de Figneiredo.
Lida, foi approvada a acta da sesso anterior.
Fez-se a leitura do seguinte
EXPEDIENTE
Officos :
De 25 de Janeiro, da Junta dos Corretores de
Macci, que tem de fjoccionar no corrente anno,
communicando que nessa data tomara posse. -
Para o archivo.
De 6 do corrente, da Junta dos Corretores desta
praca, r'-mettendo o boletim das cotnces officiaes
de 1 a 6 do corrente mez.Para o archivo.
Diarios officiaes de ns. 28 a 30. Sejam archi-
vados.
Foram distribuidos rubrica os seguintes li-
vroa :
Diario 0 copiador de Theodoro Cbristansen,
diario de Orestes Travassos C, copiador de
Ferreira Guimares & C, dito da Baltar Oliveira
i C.
DESPACHOS
Peticoes:
De Jos Soares do Amaritl Jnior, de 30 annos
Medico*
Consultorio medico clrurglco do Dr.
Pedro de Attabyde Lobo Momcoio A
ra da Gloria n. 3.
O doutor Moxcozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manhS,
Este consultorio offerece a eommodida
le de poder cada lente ser ouvido e exa-
minado, sem ser presenciado por outro
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no trrelo pra-
ca do Cominercio, onde funcciona a ms-
peceo de sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poderlo ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas.
Dr. Miguel Themudo mu lou s> u consul-
torio medico e residencia para a ra Nova
o. 7, 1." auiar, onde d consultas das 12
horas s 3 da tarde e recebe chamados a
bualquer hora. Especialidades partos, fe-
bres, 8yphilis e molestias do pulmao e co-
raao.
Dr. Brrelo Sampaio d coosultas de 1
s 4 horas da tarde, ra do Brao da
Victoria n. 45, 2 andar, residencia ra
Jo Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
Henrique Milet. Ra do Imperador n.
22, 1. andar. Encarrega-se de quest3es
as comarcas prximas as linhas frreas.
Di-. Ferrer, ra do Imperador n. 79,
1." andar.
Dr. Oliveira Escorel, 2. promotor pu-
blico, tem seu eseriptorio de advogacia na
ra Primeiro de Marco n. 2.
Jos Bandeira de Mello advogado
ra do Imperador n 37.
Corte Real, ra do Rangel n. 55, Io
andar, eBcriptorio e residencia.
Joao Francisco Jeixeira tem o sen ea-
criptorio ra do Imperador n. 42, 1.*
ndar pode ser procurad > em sua profis
sao, das 10 l hora da .urde.
O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. aD !ar.
Jos Bernardo Cfalvao Alcoforado J-
nior contina no exercicio ti isua profissao
de advogado, e pode ser procurado no es-
eriptorio de seu pai, ra 1. de Marco
n. 4, 1. andar, das 10 horas da manh
s 3 da tarde.
Hadanra de consultorio
O Dr. A Iriao avisa aos seus dientes
que'mudou o se.i consultorio para a ra do
Queimado n. 46, 1.a andar. Consultas
lodos os dias das 11 s 2 horas da tarde.
ttroararla
Faria, Sobrinho & C, drogustas poi
attacado Ra Mrquez de Olind n. 41.
Francisco Manoel da Silva <& C, depo
oitarios de todas as especialidades pharma
ceutieas, tintas, drogas, productos chimice
e medicamentos homaeopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de campia
de Francisco dos Santos Macedo, caes de
Capibarioe n. 28. N'este grande estabele
cimento, o primeiro da provincia n'este ge
ero, comprase e vende-so madeiras de
todas as quadades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como sepreparam obras
de carapira por machina o por presos sem
competencia.
PUBLICARES A PED1DC
Aos distribuidores de diplomas
polticos e aos pretensos advi
nhadores de chapas
Declaro, para couhecimento dos interessados c
dos que, conscientes do uenhutn merecimento pro-
pro, impudentemente se arvuram em distribuido-
res de diplomas polticos, e advinhsdores de chapas
eleitoraes, no intuito alias, visivel, de forjarem in-
trigas e indisposicocs, pelo receio, sem duvida, de
de que se lhes estorve opasso no atin com que, quei
caes esfaimados, disputara aiguin osto, que neohum
absolutamente henhutn lac j me liga ao partido
liberal, assim como tambem nenhum U190 liga-me
ao partido conservador,
Q laudo, ha cerca de 10 annos, em outubro de
1876, abandone), deeg-ostoso, a reiaeco do Liberal
orgo do partido do mesmo nome na provincia de
Matto-Grosso, na qu*l preatei, na quadra da ad-
versida Je do mesmo pnrtido, com applauso de gre-
gos e trvanos, os mais relevantes servidos s idias
democrticas, delicanda-me com ardor patritica
e inexcediv-1 sua propaganda, como csto para
o comprovarem todos os que me couheceranj n'a-
quelli* pjsic'j e as colleccoes do referido jornal,
abandono a que fui toreado a recorrer por ter logo
eem tempa reconhecido que a ingratidt o pre-
mio que o partido liberal, em todas as poeta e em
todos oa lugares, costuma reservar aos sena raidhc-
res e mais desinteressados servidores, ingratido,
que, em n-laco a mim, com o dicoirer do tema,
se toruou mais accentuada; quando d izei, d.zia eu
a ludicaia redacao, ficau bem definida, em termos
de dade, domiciliado e eatabefecido nesU praa !c,aros e Prec'os, qual seria d'alli por diaute a mi-
enm armazem de seceos e tnolhados ra do Vis- | nn.a "'"tud"1 "> ^e dos dous partidos monar-
conde de Iuha-na, sob a firma Ainaral 4 Irmo,
solicitando carta de commercantc matriculado.
Sio attestantes do crdito commercial do impe-
trante Joo Jos R. Alendes, Joo Mauricio Gon-
calves Rosa e Jo> Fernandes de Almeida. Adia-
da as sessdes de 28 do mez passado e 4 do cor-
rente.--Deferida.
De Marcelino Jos Maria de Almeida, brasilei-
ro, de 40 annos de idade. domiciliado e estabele
do cidade da Victoria com casa de commercio
de gneros de estiva e ferragens, para qu se lhe
mande p issar carta de commerciaate matriculado.
Sao attestantes do crdito "ommercial do suppli-
cantc Joe Jos Ferreira, Antonio Soares Feroau-
des de Oliveira e Prente Vianoa Al C. Adiada
as sessdes de 28 do mee prozimo passado e 4 do
corrente. =Como requer.
De Marcos Gomes Pedrosa, por seu advogado,
solicitando que nao se archive o contrato de so-
ciedade de Pedrosa & C, porquo o supphcante
como socio e estando gravemente doente. firmou-o
aem ler. Adiada, a requ 'rmento do Sr. deputado
Oliu'.o Bastos.
De Pedrozi & C, para que se archive o esn-
trato de sociedade era nome collectivo que sob
dita firma celebraram Ludovico Gomes da silva e
Marcos Gomes Pedroza, com o capital de 21:0004
para o commercio de fizendas e roupa feita nesta
praca a ra do Baro da Victoria n 4. Os sup
pilcantes spreseataram um nico ezemplar do
contrato. Adiada, a requeriraentu do Sr. deputa-
do Olinto Bastos.
De Manoel Antonio dos Santos c Jos Carlos de
Oliveira Reg, para qne se archive o contrato de
sociedade em nome collectivo qua celebraram sub
a firma Manoel do. Santos & Oliveira, cam o ca-
pital de 13:0004 para o commercio de fazendas
por grosso e a retalho nesta praca ra Duque
de Caxias n. 53 Seja archivado.
Da companhia de seguros Phenix Pernnibu-
cana, para que sejam archivados o inventario dos
oens activos e passivos e retaca 1 nominal dos ac-
cionistasArchive-se. Nao tuinaram parte |oe
Srs. deputados Olinto e commendador Machado.
Da companhia de seguros Amphitrite, solici-
tando o archivan cato de iguaes documentos.
Sejam archivados.
Do D. Elysa Barbosa da Silva Ne'to e Joo
Ferreira dos Santos, para que st-ja archivado o
Os bilhetes achum-se venda na Casa da For- I distrato da sociedade que gyrou nesta praca sob a
tana ra Primeiro de Marco n. 23. I^rma Barbosa Santos, ficando dita ex-socia D.
chicos deate paiz.
Nao estando, por conseguinte, atre.'ado a ne-
nhum deile-. nenham motivo ha qti'- me impeca de
votar ueste ou naquelle cidado que m il-s confian-
?a rae inspire e no qual mais aptido e idoneidade
cu reconheca para clesempenhar o elevado cargo de
representante da naca o.
E f^i por pensar assim, que na qaalidade de
obscuro eleitor do 2 districto esta provincia, por
occasiao da eleicao a qne se prtced -u no dia 15 de
Janeiro ultimo, dei o meu voto ao mnito respetavel
e distncto Sr. conselbeiro Theodoro Machado
Freir Pereira da Silva, em quem, com o maior
praz.-r votarei novamente hoje, n > 2 escrutinio
que na rbita da lei, ce tem de realizar, e cmqnem
coniinuarei a retar) aqui ou em qualquer parte
aonde o destinme conduza, todas as vezes que
S. Exc. upresentar-se candidato a urna cadeira do
parlamento, sentindo nao pjder dispor dos votos
de todo o eleitorado do 2o districto para dar-lh'os.
tal o eminente aprecojque justamente lhe consagro
e de que S. Exc, por muiros ttulos, merecedor.
O meu voto nao pode ser mais desinteressado e
expontaneo. dos que bonram ao conse h iro Tbeo-
dora, e, por trplice motivo, torna-se insuspeito:
Io, porque nao devo favores a S. Exc, nem a ne-
uhum prente eeu, e nem S. Exc, nem nenham de
de seus parentes, me conbece; 2 porque nao sen-
do comprovinciano de S. Exc mas s'm fluminense,
de que me orgutho, nao pode o attribuil-o a espiri-
to de bairrisinj; 3o, o que de todos o mais valio-
so, p rque nao bou correligionariod S. Exc.
' um acto de justica e nao um favor, em qual-
quer tmnpa a em qualqu- r circumstancia da vida,
reuder-se a devida nomeuagein quelles que, como
o DOnselheira Theodoro, pelanobreza ineontestavel
e in.-ontcdtada de eeu carcter, tala somma de ser-
vivos que ha prestado ao paiz t por sua bombrida-
de pelitic, sii'iem elevar-se cima do commum dos
honens.
Ser vergonhoso para a provincia de Pernam-
buco, e muito depor contra o espirito dejastca
do s-u lilhos, so o eleitorato d-i 2 districto nao
sutr'ragar unnimemente a candidatura de S. Exc
O nome Jo conselbeiro Theodoro, tradicional-
mente couhecido e respeitado em todo o paiz (mais
ta'vez do qnu em sua propria provincia, triste
dizel-o,) um nome que se impe por si mesmo:
nao precisa ser imposto.
Recife, 16 de ieverero de 18-iJ.
Joaquim Antonio Moreira Jnior
1
*
~.
UEGlmCIJ
!!*










Diaria

i
0 desmtelo municipal
Tendo sido publicado u >vameute o til officio
do fiscal da Boa- Vista, somos obrigado. a repe-
tir o que temos dito e affir jiar mil vezea se as
8m fr neeessario que o desmazelo tal que
mais augmeuta lixo e as iinmundices da ra do
Bispo Cardoso Ayres; actualmente o lagar esco-
lhido para o esterquiinio o cruzamen o da mes
ina roa com a do Riachuello, ah se v aoimaes
mortoe, colchoes e bahs podres na esquina ao
lado esquerdo.
E' assim que ousa o 8r. fiscal pretender contra-
dixer a quein pode mostrar precisamente e com
verdade a sua falta, existe, sim, o grande numero
de porcos, carneiros e outros aaimaes que an-
dam o vivem na ra do Buso Cardoso Ayres :
venha > esta roa e nos iho mostraremos tudo isso,
poi8 s n*rt existe 0 dever de cujo cumprimento o
Sr. fiscal esqueceu-ae depois de aceitar este lu-
gar que occupa.
H R.
ERRATA
Cmara Municipal
Corrigenda na acta da ('amara Municipal pu-
blicada no Diario de hoj i (13 de Fevereiro) :
Pagina primara, na primeira linha da columna
quinta em lugar de : boj** que no da 18 de De-
zembro leia-se : boje que na do da 18 de Dezeu.-
bro etc.
EDITAES
A Cmara Municipal desta cidade, t. ndo de
contratar a impresso de seus trabalhos e dos que
p r forca da lei brigada a mandar tasar, con-
vida aos proprietanos dosjornaes mais lidns nesta
cidade, que quizcrem contratar, a apreaentarem
suas propoataa en cartas fechadas, ao dia 24 do
corrate, pelas 11 horas da manh, indicando as
mearoaa o menor preoo.
Na secretaria da mesma Cmara encontraro os
proponen tes o ejclarejimentoa precisos.
Paco da cmara municipal do Recite, 14 de fe-
vereiro de 1886.
Dr. Autonio de Siqueira Carneiro da Canha,
Presidente.
Francisco de Assis Pereira Rocha,
Secretario.
Advogado
O bacharel Jeronymo Materno Pereira de Car-
valho, tendo deixado o cargo de juiz substituto dos
feitos da fazonda, advoga nesta capital e fora
della e tem seu escriptorio ra Duque de Caxias
n. 55, onde p le ser procurado das 10 horas da
manlia s 3 da tarde, e fra destas em sua resi-
dencia ra de Domingos Theotonio n. 39, a
qualquer hora.
C, Heckmann
Vainas de cobre, iatio e bronze e de
m.
Qolitzer Ufer n. 9 Berlirn S. O.
Espeealidade:
Constru^io de machi-
mas e apparelhos
para fabricas de assucar, destillacSes e re-
tinares com todos os aperscoamentos
modernos.
INSTALLAgAO DE:
Engentaos de assucar completos
EstabeleciiEonto filial na Havana sob a
mesma firma de C. Ho-kuann.
O e San Ignacio n. 17.
nicos representantes
Haupt Gebru'der
EI PE JANEIRO
Para informales duij.unse ai
Polilman &C
A Cmara Muuici >al da cidade do Recife
faz constar a quem ote.essar possa, que em ses
sao de 24 do corrate, ser levado em hasta por
arrenlamento auuual o sitio denominado Peixi-
nho, no municipio de Olinda, servindo de base a
quantia de 489*00), e mediante flanea idnea, e
de conformidade com a lei.
Paco da Cmara Municipal do Recife, 15 de
fevereiro de 1886.
Dr. Autonio de Siqueira C. da Canha,
Presidente.
Francisco de Assis P. Rocha,
Secretario.
Pela presente sao chamados os jeuheres cons-
tantes da relacao infra, aflu de satisfazerem a
importancia dos termos de sal que assignaram no
1 semestre de 1881 85, visto nao terem apre-
sentado, para a respectiva baixa, os documentos
de descarga que eram obrigados.
Francisco Moreira da Cosa 26*880
0 ineaoi -, como fiador de Delmiro Grouveia 14*857
O mesmo li f660
Maia & Rezende 234625
Os meamos 74087
Pedro Jos de Siqueira 5*25(1
O mesmo 5*250
Seixas Irmos 134440
2 seceo do Consulado Provincial, 10 de feve
reiro de 1886.=0 chele,
Manoel Pereira da Cunha
O Dr. T.iomaz Gares; Prannos Moat
negro, coro nendador da Imperial Ordem
da Rosa, juiz de direito especial do Corn-
mercio da comarca do Kecife, por S.
M. Imperial, etc.:
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem que se ac aberta a fallen -
oa do negociante Manoel Carpinteiro 4 Souza
pela sentenca do theor seguinte :
Sentenca.Em face das petices de folhas duas
e folhas seis, documentos de tres e balanco de fo-
lhas sete a folhas nove declaro aberta a falleucia
do negociante Manoel Carpinteiro & Sousa, esta-
blecido ra do Visconde de Goyanna, a datar
de 10 de Janeiro ultimo.
Nomeio curador fiscal o Dr. Antonio de Souza
Pinto. Proceda-se a arrecadacao da massa e dos
livros, fica se publica a fallencia per editaes e
convoque-ae os credores para se reunirem no dia
dezoito do correte, depois da audiencia para ele-
gerem o depositario effectivo.
No acto da arrecadacao, designare! quem pro-
visoriamente receba a massa.
Recite, 10 de Fevereiro de 1886.Thomaz Gar-
cez P ranhos Montenegro.
Nada mais se contiuha em dita miaba sentenca
pelo theor da qaal coavoco os credares da referi-
da massa para comparecerem na sala das audien-
cias, s doze horas do dia dezoito do correte mez,
afim de elegerem depositario effectivo.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos dez
de Fevereiro de I889.
Subscrevo e assigno. O eacrivo interino. Ma-
noel Lopes de Carvalho Chaves.
Recife, 10 de Fevereiro de 1886.
Thomaz Garcez Pnranbos Montenegro.
dia 3 de abril prximo futuro, as 11 horas do dia,
na sala las audiencias, para ter lugar a reuniao
dos credares da massa fallida de Antonio Fran-
cisco Corga afim de tratar-se do contrasto de
unio e nomeacSo de administradores na forma da
lei, visto ter sido o mesmo fallido condemnado no
grao medio do art. 263 do cod. cnm. e ter de pro-
segur-se na parte commercial da fallencia, cir-
ios os credores de que a ser admittido por pro-
curador aquelle que apreseutar procuraco espe-
cial para o acto, a qual nao poder ser confiada a
devedor do fallido e que ser havide o credor que
nao comparecer como adherente as reaolucoes que
tomar a maioria dos que comparecerem.
E para que ebegue ao conhecimento de todos
mandei passar este que ser afiliado no lugar
do costume e publicado pela imprensa de que se
juntar certido aossutos-
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
nombuco, aos 3 tas do mez de Dezembro do anuo
de Nosso Senhor de 1885.
Eu, Jos Franklin de Alencar Lima, o suba-
crevi.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
Edital n.
77
Edital n. 9
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, ae faz pu-
blico que por nao terem sioo retiradas no prazo de
24 horas, com foi intimado por edital n. 72 do
corrente exercie'o, aero vendidas en praca no
trapiche Conceico, s 11 horas do dia 18 do cor
rente mez, por conta de Domingos da Silva Tor-
res, 133 barricas com farinha de trigo, dos salva-
dos do vapor americano Finance.
3 Beccao da Alfandega de Pernambuco, 15 de
fevereiro de 1886.-0 chele,
Cicero B. de Mello.
Recife Dranage
Edital n. 78
(3* praca)
De crdem do Illm. Sr. Dr. inspector se faz pu-
blico que as 11 horas do dia 18 do corrente mez
aero vendidos em praca no trapiche Conceico,
2 botes, salvados da barca ame-icana Norway.
'C seceo da Alfandega de Pernambuco, 15 de I j mella
M lo Comieroio n. 10
OCULISTA
Dr. Brrelo Mampato, medico ocuha
ex-ebefe de clnica do Dr. de Wecker, d consula
tas de 1 s 4 horas da tarde, na ra do Bar-
da Victoria n. 45, secando andar, excepto nos do-
mingos e diaa sanctificados. Residenciara d>
Riachuelo n. 17, canto da ra dos Pires.
Medico e parteiro
Dr. Josnii Lino
D consultas das 12 s 3 na ra do Ca-
bug n. 14 1." andar. Residencia tempo-
raria no Monteiro.
Partos, inste y nitores e
i-
Dr. Silva Brito, medico dioico do Maraoho
tendo praticado ltimamente nns principaes hos-
ditaes de Paria e de Yie.ma d'Austria, onde dedi-
cou-se especialmente a partos, molestias de mu-
lheres e de criaacas, offerece seus servicos ao res-
peitavel publico desta cidade, onle fixou aua resi-
dencia.
Pode ser procurado do meio dia s 3 hora da
tarde no seu consultorio ra larga do Rosario
n. 26, Io andar, e em outra qualquer hora do dia
ou da noite ra da Imperatriz n. 73, aua resi-
dencia.
I,a\BRATORIO HOrHKOP .4.THII O
DE
FREDERICO CHAVES JNIOR
MXDICO K PHARMACETICO HOMOiOPATBICO
Rna do Bario da Victoria n. 39, 1. andi.r
Dr. Cerpira Lei
Hr-.DK O
Tem o seu escriptorio a ra do Marque c de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em aua reaidencia roa da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias dii se-
nioras e enancas.
DO
Dr Tristo Henriques
Costa
Boa da l'niao n. 15
saltas das 11 s 2 horas.
Chamados a qualquer hora.
TeleprifDe numero 54.
Conullorio medico-eirurglca
O Dr. Estovan Cavalcante de Albuquerque con-
tinua a dar consultas medico cirurgiexa, na ru
do- Bom Jess n. 20,1" andar, de meio dia is 4
horas da tarde. Parase dentis eonaulta e visi-
tas em aua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
Ns. telephonicos : do consaltone 95 e residencia
126.
EspeeialidadsB Partos, molestias de
cas, d'utero e seus annexos.
fevereiro de 1886.O i-befe,
Cicero B. de Mello.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Montene
gro, commondador da imperial ordem da
Rosa e juiz de direito especial do com
mercio desta cidade do Recife e seu ter
mo, capital da provincia de Pernambu-
co, por S. M. imperial e constitucional o
Sr. D. Pe 1ro II, a quem Deus guarde,
etc.
Faco sabfr aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que por parte de Manoel
Ferreira Bartholo me toi dirigida a petico do
theor seguinte: "
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio do Recife. Diz
Manoel Ferreira Bartholo, negociante matricula-
do desta prai,-a, succesdor de Manoel Alves Ferrei-
ra & C, que ficando o finado Jos Francisco Ao.
cioli Lins a dever a este a quantia de 17:0004000
principal de tres letras j vencidas, alm dos ju-
ros, para garanta dos quaes passra a escriptura
de hvpotheca junta, sob n. 12, e como at hoje os
herdeiros nao teuham pago, uesmo depois de esgo-
tados ou nieto conciliatorios, quer o supplicante
coucilial os a juizo, afim de failarem aos termos de
urna accao ordinaria: per Uso requer a V. S. que
te digne mandar citar p-'.ra o alludido fim, e na
forma da lei aos referidos herdeiros, que sao: D.
Iguacia Francisca Accioli Lins, como meeira e tn
toura ae seu filbo Ildefonso, de 7 annoa de idade;
Dr. Franciaco Santiago A. Lina, Jos Franeiaco
A. Lina, estea residentes no termo de Serinhaem;
o major Antonio Peregrino Cavalcante d'Alou-
querque, em Palmares- capito Pedro Emiliano
da Silveira Lesea, como tutor da orjhii Mana, de
9 annos de idade, e como meeiro da berdeira j
fallecida, D. Maria da Conceico Accioli Leasa,
sendo que actualmente eate est sclts e reside no
engenho Algrete, em Agua Preta; Francisco Lins
i'aes Bar reto Jnior, casado com I). Ignacia
brancisca Barretto Lins, em Ip juca, e Dr. Anto-
nio Clrmentino A. Lias, em lugar incerto e nao
sabido, documento n. 10, expediodo-se precatoria
para oude torem encontrados, e cartas de editos
quaoto ao ultimo, em face do documento junto, de-
vendo ter lugar a prepositura di aeco na audien-
cia cm que fr aecusada a ultima citaco, de con-
formidade com o art. 71 do regulamento n. 737 de
25 de Novembro de 1850; declarando-se naa mea-
mas precatorias o dia, hora e lugar das audien-
cias desae juizo.
Outrosim requer o supplicante a nomeaco de
um curador in Uiem que represente os orphos Ma-
ria e Ildefonso. Nestes termos pede a V. S. defe-
rimento. E. R. M.
Sellada lega mente com urna estampilha de 200
rs. inutilisada na forma seguinte: Recife, 27 de
Novembro de 1885. O advogado, Francisco Indu-
ro Rodrigue da Costa.
Em cuja petico profer o despacho do theor se-
guinte:
Distribuida como pede. Nomeio curador Iide
o Dr. H Milet Recife, 17 de Novembro de 1885.
Montenegro.
E srudo dita petico distribuida ao escrivo Er-
nesto Machado Freir Pereira da Silva, este, por
forca do meu despacito, tiz passar o presen
te edital, o qual e sen theor chamo, cito e hei
por citado ao herdeiro ausente Dr. Antonio Cle-
mentino A. Lins, para que dentro do prazo de 30
dias compareca ante rete juizo para o fim allega-
do na petico transcripta.
E para que chegue ao conhecimento de todoa
mandei pasear o presente edital, que ser affixado
nos lugares do costume e publicado pela im-
prensa.
Dado e paaaado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aua 3 de Dezembro de 1885.Subscrevo
e assigno.Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva.
Thomaz Garce* Paranhos Montenegro.
Juizo dos Feitos da Fazenda
Escrivo Torres Bandeira
No dia 26 do corrente, depois da audiencia, irao
praca, por venda os predios abaixo declarados,
por execucao da Fazenda Provincial.
Recife
Casa terrea ra de S. Jorg n. 38, com porta e
janslla de frente, 2 salas, 2 quartos, cosinha in-
terna, quintal e cacimba avaliada em 5004000.
pertcncente a irmaudade de Santa Luzia do Corpo
Santo.
S. Jos
Casa terrea ra Imperial n. 255, com 3 portas
le frente, 3 metros e 5 ce itimetros de vo, 9 me-
tros e 75 centmetros de fundo, 1 quarto, cosinha
interna, quintal murado, por 3204000, perteucente
a viuva de Matbias da Costa Oliveira.
Poco
Cana terrea em Saut'Anna n. 15, com porta o
de frente, 4 metros e 60 centmetros de
Jlarg
12 metros e 60 centmetros de fundo, 2
quartos, sala de janta<-, cosinha interna, quintai
em aberto, avaliada em 1004000, pertcnc^ate a
Jua Mendea da Silva.
Gqui
Casa terrea estrada do Giqui a Jaboatao
341 E, com 3 inetros e 30 centmetros de vo, 7
metros e 20 centmetros de fundo, 2 portas de
freute, 2 salas, cosinha interna, quintai em aberto,
de taipa em solo foreiro avaliada em 804000.
Casa n. mesmo lugar n. 341 F, com porta e ja-
nella de frente, 1 janella no oite, 2 salas, 1 quarto,
cosinha fora e quintal em aberto, avaliada em
1204000, ambas pertencentes a Jos Joaquim de
Castro e Silva.
Aluguel
Recife
Aluguel menaal do predio ra de Domingoa
Jos Martina n. 36, sendo o andar terreo 1240 0,
o 10 .ndar 204000 e o 2 1540 0, pertenceate aos
herdeiros de Juanna Mara da Triudade.
Ba-ViaU
Casa terrea ina de Luiz do Reg n. 25, com 2
jauellas de fr nte. 3 ditas e 2 portaa no oito, 3
balas, 4 quartos, cosinha e 2 quartoe externos, gaz
e(agua encanados, tanque e banheiro, soto- in-
terno, com 3 jmilas em cada oito, quintal grande
com porto de ferro ao lado todo murado, e com
arvores de fructo, por 304000 mensaes, perten-
cento Jos Vidal de Negreiros.
Casa no becco de S. Gonealo n. 6, com porta e
janella de frente, 1 sala, 1 quarto e cosinha in-
terna, por 64000 mensaes, perteucente a Manoela
da Invenco de Santa Cruz.
Armacoes
Armaco e baleo da phrmacia ra do Baro
da Victoria n. 51, sendo dita armaco de ama-
relio, envernizada, envidracada e com gradeamento
de ferro na frente, avaliados em 5004000, perten-
centes a Ilermes de Souza Pereira.
Armaco de amarello, envidrad-aria e baleo da
mesma madeira, existentes no estabelecmento
una larga do Rosario n. 14, avahados em 2004000,
pertencentes a Luiz Jos de Freitas.
Armaco e baleo de louro pintados, 1 balauca
pequea, de concha, 1 terno de pesos de kilos, 3
temos de medidas, tudo avaliudo em 804000, exis
tente ra larga do Rosario n. 31, perteucente a
Manoel da Paixio Ramos.
crean
m^zz:
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Barreiras
Medico
O Dr. Costa Barros, medico operador e partei-
n, Mintnsucinto estabelecido esn Barraros, oRs-
rees-M sarn^os de sua profissdo nao s<5 aos habi-
tante desto nntriaio, n aos de Rio Formato,
MtAleinK Aja Preu, Falawrat-e Maragogy..
O Dr Thomaz Garcez Paranhos Montene-
gro commendador da Impertal Ordem da
Rosa, jiz le direito especial do uommer
ci d'esta cidade do Ri-ife e seu termo
capital da provincia de Pernambuco, por
Sua Magestade Imperador a quem Deus
guarda, etc
Faco saber aos que o presente edital vir delle noticia tiverem que perane este juizo de di
reito especial do commercio correm uns autos
rte execucao de sentenca entre partes exequentes
Antonio da Silva Fana execatado Joo Vieira
Fraga, e tundo se feito penbora na quantia de...
250400 existente era deposito publico toi acen-
sada em audiencia do dta i de Fevereiro de 1886,
pelo solicitador Frederk Chaves como se v do
requn imeuto em audiencia do theor seguinte 1
Requer meato.Aos 4 da 1-everairo de 1886,
em audiencia do Dr. juiz de direito especial do
commercio pelo solicitador Frederieo Chaves foi
aecusada a penhora feita em 2504000 contra Joo
Vieira Fraga com protesto ci rectificar a mesn.a
penhora no juizo deprecado assignados os 6 das
da le e des aos credores nerrtoe sob pena de
lanoomento. O que toi deferido pelo juiz proce-
dido o prego do estylo. Do que fiz este. Ea
S*lutio Lamenha Lins de Souza> escrivo in
terina.
E mais se nao centinha em dito e mencionado
requenmeuto de aurlienca, aqu multo bem e fiel-
mente opiado dos proprios autos.
En virtud* deste requenmeoto o respectivo es
crivo fez paaear o presente edital pelo qual e sen
theor chamo a t des os credor s do executado
pa.a que o mparecam dentro de dec das conta-
dos aa publicaco do pseaeate, allegando e pro-
vando tudo quanto for a bem de seu direito e
juetica sob pena de rsvelia.
E para que chegue so conhecimento de todos,
mandei passar o presente edital que ser publica-
do pela imprensa e affiza/to nos. lugares do cos-
tme.
Dado e passsdo nesta cidade do Recife, capital
a provincia de Psxnamtase, 10 de Fevereiro de
1886. Subscrevo e assigno.
En Salustio Lamenha Lina de Souza escrivoJ
iaterino.
EUmtm flsw Dartmbt Mnwfssisysn. '
O Dr. Thomaz Qarcez Paranhos Montene-
gro, commendador da Imperial Ordem da
Rosa ejuiz de direito da vara especial
do commercio, desta cidade do Recife, ca-
pital da provincia de Pernambuco, por
Sua Magestade o Imperador a quem Dem
guarde, etc., etc.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que se acha designado o dia
6 de Marco prximo futuro, ao meio dia, na sala
das audiencias, para ter lugar a reunio dos cre-
dores da massa fallida de Francisco Teixeira Bar-
bosa, atim de tratar-,se da verificaco dos crditos e
deliberar-se aobre a propoata de concordata (se fr
apreaentada), a formar-ae o contrato de uoio, no-
m-ando-se administradores na forin da lei; fi-
cando certos os credores que s ser admittido
por procurador, aquelle que exhibir proeuraco es-
pecial para o acto, nao podendo ser esta conferida
a devedor do fallido; e anda de que, prevalecer
a resoluco da maioria, que dever representar
dous tercos do valor dos crditos sujeitos aos effei
tos da concordata para assim ser valida.
E para que chegue ao conhecimento de to-
dos, mandei passar o presente edital que ser
publicado pela imprensa e affixado nos lugares
do costume, de que se juntar certido aoa au
toa.
Dado e paaaado neata cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, aos 5 das do mez
de Novembro de 1885.
Vicente Machado Freir Pereira da Silva. Re-
cife, 8 de Outubro de 1885.
Eu, Jos Franklin de Alencar Lima, escrivo, o
subscrevo.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Thomaz Qarcez Paranhos Montene
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
oio desta cidade do Recife $ seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a quem Dem guar-
de, etc.
Pac/> saber aos que o presente edita! Tir<*m ou
d'elle noticia tiverem que se acha designado o dia
dezesete de Abril do anno futuro, ao meio dia, na
sala d*s audiencias, para ter lugar a reunio dos
credores da massa fallida de Rabetlo a Sobrirho
afim de tratar-se da verificaco do crditos, de
librrar-se sobre a proposta de concordata (se fr
apreseutadu) ou formar-so contracto de uaia, n
meando-se administradores na forma da lei; fi-
nando certos os credores de que s ser admittido
como procurador, aquelle que exhibir proeuraco
especial pira o acto, nao podendo ser esta confe-
rida a devedor d fallido ; e anda de que," preva-
lecer a resoluco da maioria, que dever repre-
sentar dnus tercos do valor dos crditos, sujeitos
aos efieitos da concordata, para assim ser va-
lida.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente editil que ser publica-
do pela 1 ui prensa e affixado no lugar do costume,
de que so juntar certido aos autos.
Da o e passado nesta cidade do Reuife de Per
numbu-o, aos 18 dias do mez de Dezembro de
1'85. Eu Jos Franklin de Alencar Lima o
subscrevi
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O administrador do Conaulado Provincial dan-
do cumprimento portara n. 467 expi dida pelo
Illm. Sr. Dr. inspector do Thesouro em 23 do cor-
rente, taz publico, para conhecimento dos proprie-
tarioa das casas sitas as localidades constantes
da relacao infra, que no espaco de 30 dias uteis
ootados do Io de Fevereiro prximo vindouro, ae-
ro arrecadadas por esta repartico, ndependente
de multa, as importancias das annuidadea e mais
aervy08 da Recife Dranage Company, correspon-
dentes ao Ia semestre do exercicio corrente de
18851886.
Gonsulado Provincial de Pernambuco, 26 de Ja-
neiro de 1886.
Francisco Amj/nthas de Carvalho.
Helar Ao a que ae refere o edital
siupra
Freguezia de S. Frei Pedro Goncalves do Recife
Rnas :
Mrquez de Olnd, Bom Jess, Alves Cabral,
Conceico Biapo Sardnha, Torrea, Thosa de Sou-
za, D. Mara de Souza, Vigario Tenorio, Barrote
le Menezes, Mariz e Barros, Burgoa, Amorim,
Moeda, Tuyuty, Companhia Pernambucana, Ma-
dre de Deua, Domingos Jos Martins, Mascates,
Restauraco, D. Maria Cesar, Visconde de I capa-
rica, Farol, Areal, S. Jorge, Vital de Oliveira,
Gr.urarapes e Baro do Triumpho.
Prncas :
Charco, Assembla e Pedro I.
Travessas :
Vigario, Madre de Deus, Campello, Domingo,
Jos Martins, Corpo Santo, Autigo Porto, Bom
Jess, Areal, Fundico, Occidente, Gruararapes -
Prsca de Pedro I.
Beccos:
Ab eu, Largo, Pndoba, Noronha, Tapado 9
"asc-hoal.
Largos:
Alfandega, Corpo Santo e Assembla,
Caes :
Companhia, Brum e Apollo.
Santo Antonio
Ras :
Imperador, Primeiro de Marco, Duque de Ca-
xias, Cabug, Baro da Victoria, Trncheiras, La-
rangeras, larga do Rosario, estreita do Rosario,
.S. Fiancisco, Joao do Reg, Iiha do Carvalho, Ro-
da, Patos, Calaboueo Velho, Santo Amaro, Ma-
chias de Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fo-
go, Livramento, Penha, Viscondo de Iuhama,
Pedro Alfonso, Nova da Praia, Marcilio as, Vi-
rae,V>, Lomas Valentinas, Coronel Suaaauna, San-
ta Thereza, Vinte o Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez io Herval e Cadeii. Nova.
Praca:
Pedro II.
Campo:
Princeza.
Caes:
Vinte e Dous de Novembro.
Traveseas:
Queimado, Cruzes, Mrquez do Recife, Bella,
Quaiteis, Calaboueo, Expostos, Martins, Mores,
Carino, Bomba, Livramento, Arsenal, Ia da Praia
2 da mesma, Caldereiro, S. Pedro, Viraco, Lo
bato, Falco, Pocinho e Concordia.
Largos:
Paraso, Carmo, Penha, S. Pedro e Practa.
li eos :
Bella. C alabouco, Matriz, 1.. 2. e 3." da Cam
boa, Falco e 1. e 2. da Cadeia Nova.
S. Jos
Ras :
Marcilio Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suas-
suna, S. Joo, Palma, Marques do Herval, 24 d
Maio, Das Cardoso, P&sso da Patria, Padre No-
brega, Victoria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros,
Fre Henrique, Dique, Assumpco, Domingos
Theotonio, Padre Floriano, Christovo Cclombo,
Jardim, Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa
Cecilia, Santa Rita, Nova de Sana Rita, S. Jos,
Praia de Santa Rita, Pescadores, Ipyranga, Impe-
rial, Praia do Forte e Luiz de Mendonca.
Travessas :
Martyrios, Pcinho, Ramos, Caldereiro, Gaz,
Matriz de S, Jos, forte, Prata, Serigado, Copia-
i-es, Nova de Santa Rita, S. Jos, Praia do Forte,
Peixoto e Lima.
Beatos:
Paula, Caldereiro, Gaz, Assumpco, 1.* de San
ta Rita Nova e Matriz de S. Jos.
Largos:
Forte J Mercado.
Boa- Vista
Ras :
Imperatriz. Conceico, Visconde de Pelotas,
Tambi, Visconde de Albuquerque, Aurora, Capi-
baribe, Ponte Velha, Conde da Boa-Vista, Ria-
chuelo, Unio, Saudade, Sete de Setembro, Hos-
picio, Camaro, Rosario, Gervasio Pires, Atalho,
Secego, Principe, Santa Cruz, S. Gonealo, Co
lho, Hospital Pedro II, General Sera, Coronel
Lamenha, Alegra, Leo Coroado, Baro de S.
Borja, Soledade, Visconde de Goyanna e Attra-
co.
Travessas :
Gervasio Pires. Colhos, Atalho, Barreiras, Ve-
ras, Quiabo, Joo Francisco, Mangueira, Cam-
pia e Palacio do Bispo.
Pracas :
Conde d'Eu e Santa Cruz.
Largo :
Campia.
Bcco :
Colho.
O Dr. Jos Manoel de Freitas, desembargador ho-
norario, ofBcial da Imp-ral Ordem da R>sa,
juiz de direico privativo dos Feitos da Fazenda
desta provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
geotade Imperial e Constituicional, que Deus
f larde, eco.
ac saber aos que o presente edital de citaco
virem, ou d'elle noticia tiverem, que requer
meneo do Dr. procurador fiscal e dos Feitos da Fa-
zenda Nacional, se procedeu a sequestro na quan
tir. de 10:0004000, depositada na Th*sourara de
Fazenda d'esta provincia pelo ex thesoureiro do
Prolngame neo da Estrada de Ferro do Recife
S. Francisco e Recife Caruar, Braz Barretto
Carn-ire Leo, e bem a-sim no sitio de sua pro-
priedade, denominado Imoeribeira, para pagamento
do alean e verificado e pelo qual sst elle obri-
gado para com a Fazenda Nacional; e como tenha
o mesmo ex thesoureiro se ausentado para lugar
incerto e nao sabido, e tenha sido requerido por
parte da Fazenda que fosse elle intimado por edi-
tal, depois de effectuado o sequestro ; por isso o
hei por citado para dentro d > prazo legal, allegar
a defesa que tiver e que o releve aa condemnaco
pedida.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente, que ser affixado no la-
gar do costume e publicado pels imprenta.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 15
dias do mez de Fevereiro de 1886.
Eu, Jos Francisco do Reg Barros, escrivo,
subscrevi.
Jos Manoel de Freitas.
DECLARARES
Imperial sociedade
DOS
Artistas Mechanicos e
Liberaos
Em vista de nao se ter rennido numero legal
no domingo 14 do crrante, para assembla geral,
como escava annunciado, para a approvaco das
contas do anno findo, e a apreciaco dos relat-
nos do director c bibliothecario, c mo precepta
os nossos estatutos, veuho pela segunda vez con
vidar a todos os irmaos comparecerem em nossa
sede na quinta-teira 18 do corrente pelas 5 horas
da tarde, afim de ter lugar a dita assembla; de-
vendo esta funecionar com o numero que compa-
recer.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos e Liberaes de Pernambuco, em 16 de
fevereiro de 1886.O 2o secretario,
Jos Castor de A. Souza.
Club Concordia
Ki-iina<> familiar
Terao srnente ingresao os socios activos e oa
aenhorea proposcos para serem socios passivos com
as suas familias. *
A directorio.
Santo Amaro das Salinas
A mesa regedora deata irmandade faz scieute
ana devotos e devotas do milagroso santo, que a
sua igreja estar aberta todos oadias at 9 horas
da noite, at domingo 21 do corrente, que ter lu-
gar na mesma igreja a festa de N. S. das Angus-
tias, Lendo a misan aolemne s 10 botas d 1 manh
e ladain a noite, sendo a orchestra regida pelo
senhor professor Lydio de Oliveira.
Consistorio, 15 de fevereiro de 86.
O eterivo,
______________________________M. D. Silva.
IRMIXOADE
DE
X. S. da Conceico dos
Militares
Eleicao
Pela quarta vez sao convidados os membros
desta irmandade, para comparecerem no seu con-
aiatorio na tarde de 18 do corrente, s 5 horaa,
afim de proceder se a elcico da administraco do
corrente auno.
Consistorio da irmandade da Conceico dos Mi-
litares, 16 de fevereiro de 86.=0 secretario,
Ernesto de Souza Leal.
A' companhia de segares ameri-
cana
0 abaixo assignado previ ae que nao pague a
carga segurada em 75:0004000 do brigue Guido,
perteucente a Paulo Filho & C, do Penedo, j de
uunciad por um paaaageiro do vapor Gironde,
por quanto tem documentos de alta importancia
pira aquella companhia.
Penedo, 15 de fevereiro de 1886.
Antonio Casemiro R. Gomes.
Secco I' *>rretarln de Polica de
I*<-mam bur, em 15 de Fevereiro
de !*.
De ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de polica abai-
xo transcrevo para conhecimento de todos os arta.
70 e 71 daa posturas municipaea, approvadaa pela
lei provincial n. 1129 de 26 de Jnnbo de 1873.
Art 70. Fica prohibido neste municipio o bria-
quedo de encrudo com agua ou outra qualquer su-
bstancia de qualquer maneira que ae empregue os
infractores pagarao a multa de (15400'!) e aoffre-
ro 8 dias de priso.
Art. 71. Fica prohibida a venda de limas de
cheiro : os infractores alem de as parderem, paga-
rao (4J000) de multa.
Secretaria de Polica de Pernambuco, em 15 de
Fevereiro de 1886.
O secretario,
Joaquim Francisco de Amida.
O Dr. Thoraas Grarcez Paranhos Monte-
negro, cormneodador da Imperial Ordem
da Rosa, juiz de direito da vara espe-
cial do commercio desta cidade do Ke-
cife, capital da. provincia de Pernam-
buco, por Sao, Aftigestada Imperial e
Constitu -ional o Sr. 5. Pedro II a quem
Dens guarde, etc.
Faco sabor aos que o presente edital viren ou, o subscrovi.
dille noticia tiverem, que so acta deoigpadao
O Dr. Hermogenea Scrates Ta\ares de Vasean
cellos, juta de direito do civil da comarca de
Olinda, por Sua Magestade o Imperador a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital de 20 pre-
gues e 3 pracas virem, que no dia 24 de Marco,
prximo futuro, 1 hora da tarde, depois da au-
diencia, ir a praca por venda, a quem mais der e
melh >r lanco offerecer, urna parte do sitio no lu-
gar Salgadinho, no valor de 8354954, com diver-
sos arvoredos de tracto entre estes alguna ps de
coqueiros, com casa de vivenda, tendo esta duas
janellas de frente, duas salas e um gabinete, qua-
tro quartos, cosinha externa ; medindo, dita casa,
30 palmos de largura e 58 do fundo, aoto, cer-
ra?", cocheira, e maia duas caainhas de taipa
junto ao porto, tudo em mi estado; avahado
todo o sitio por 2:0004000.
E vai a praca a requerimenco de Antonio Joa-
quim Casc-o, na execucao que por esto juizo move
contra D. Alexandrina, Maria do Sacramento Pe-
reira.
E pasa que chegue ao conhecimento de tjdoa
msndri passar editaes que serio affixadoa nos lu-
gares du costume e publicados pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade de Olinda, aos 6
de Fevoreiro de 1886.
1 Eu bacharel Francisco Lins Caldas, escrivo
Hermogenes Scrates Tmaares dcVasconcees.
EMPREZA DO G4Z
Pede-se aos Senbo
res consumraidores que
queiraui fazer qualquer
cormmicaco ou reela-
ma$i'), seja esta feita no
escriptorio desta em ^re-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
4ntonio da Silva Oli
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
las Carvalho.
Todos os recibos dessa
empreza devero ser pas-
sados em tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assignado sem o que
nao terao valor algum.
Geofge Windsor,
Dita n. 42
Dita n. 39
Dita n. 61
Dita n. 77
Dita n. 79
Praca de Pedro II n. 1
Primero de Marco n. 25
Duque de Caxias n. 10
Dita n. 22
Dita n. 56
Dita n. 88
Dita n. 90
Dita n. 59
Cabug n. 14
Dita n. 16
Dita n. 9
Baro da Victoria n. 40
Dita n. 23
Dita n. 49
Trncheiras n. 38
L irangeiras n. 11
Dita n. 21
TraveBSa das Cruzes n. 4
Largo do Paraso" u. 6
Dito u. 18
Dito u. 29
Dito u. 33
Dito n. 49
Larga do Rosario n. 18
Dita n. 25
Estreita do Rosario n. 31
Dita n. 47
11 ha de Carvalho n. 3
Dita n. 15
Dita n. 27
Roda n. 4
Dita u. 30
Dita 11. 40
Traveaaa dos Qaarteis n. 4
Santo Amaro n. 14
Travesea Ja Matriz n. 20
Paz n 24
Paulino Cmara n. 28
Dita n. 15
Dita n. 31
Pogo n. 8
Dita n. 20
Travessa do Livramento n. 9
Dita n. 22
Penha u. 11
Dita n. 21
-Visconde de Iuhama n 33
Dita n. 42
Dita u. 33
Dita n. 43
Dita u. 71
Pedro Alfonso n. 9
Dita n. 31
Dita n. 49
Travessa do Arsenal n. 9
Marcilio Das n. 8
Dita n. 36
Dita n. 29
Dita n. 89
Largo de S. Pedro n. 1
Dito n. 3
Viraco n. 25
Coronel Suassuna n. 30
Dita u. 54
D:ta n. 70
>anta Thereza n. 20
24 de Maic n. 28
Palma n. 16
Dita n. 28
Dita u. &3
Mrquez do Herval n. 46
Dita u. 73
Cadeia Nova n. 13
S.Jos
Marcilio Dias n. 94
Dte n. %
Lomaa Valentinas 3. 72
Coronel Suassuna n. 100
Dita n. 142
Dita n. 146
Dita n. 163
Dita n. 172
Dita n. 204
Dita n. 278
Di'a n. 41
Dita n. 63
Dita n. 59
Dita n. 187
Dita n. 193
Dita n. 221
Marques do Herval n. 134
Dita n. 221
Travcasa do Pocinho n. 27
Dita n. 67
Diaa Cardoso n. 10
Dita o. 63
Padre Nobrega n. 6
Dita n. 31
Vidal de Negreiros n. 18
Dita n. 36
Dita n. 77
Dita n. 123
Dita u. 1*1
Dita n. 149
Frei Henrique n. 13
Padre Floriano n. 41
Jardim n. 13
Forte n. 13
Nogueira n. 2
Dita n. 10
Santa Cecilia n. 7
auca Rita n. %
Dita n. 71
Nova de Santa Rita n. 25
*. Joe n. 20
Dita n 62
Travessa de S. Jos n. 12
Dita n. 19
Largo do Forte n. 4
Traveseo do Peixoto n. 26
Imperial 11. 45
Fortaleza das Cinc
Mercado Publico
rJ?ontas
Boa Vista
Imperatriz n. 12
Dita n. 20
Dita n. 49
Dita n. 35
Conceico n. 25
Visconde de Pelotas n. 24
Ditan. 11
Dita n. 21
Visconde de Albuquerque n. 28
Dita n. 69
Aurora n. 19
Dita n. 37
Capibaribe n. 36 C
Ponte Velha a, 18
Dita n. 17
Kiachueilo n. 26
Unio n. 3
Sete do Setembro n. 4
Hoopioio n. 10
Dita n. 7
Dita o. 69
Gervasio Pies n. 54
Relacao dos concertoa teitoa nos apparclhot a
mez de Janeiro do corrente anuo, de conforaat-
dade com o art. 10 do contrato e 2* do art. la
do regulamento de 12 de Janeiro de 1872.
Freguezia do Recife
Largo d'Alfandega n. 1
Mrquez de Olinda n. 38
Dita n. 55
Bom Jess n. 24
Dita n. 28
Dita n. 52
Dita n. 13
Largo do Corpa Santo n. 17
Tuom de Souza o. 6
D. M^ria de Souza n. 1
Vigario Tenorio n. 18
Dita n. 22
Maris e Barres n. 9
Moeda n. 27
Madre de Deus n. 36
Domingoa Joa Martina n. 22
Dita n. 42
Dita n. 134
Travessa para o Corno-Santo n. 1
Traveaaa do antigo Porto n. 8
Restauraco n. 31
Maria Cesar n. 28
Dita n. 9
Pharol n. 14
Dita o. 36
S. Jorge n. 14
Dita n. 72
Dita n. 7S
Dita n. 97
Becco do Paschoal n. 2
Guararapes n. 30
Travessa do Occidente n. 5
Travessa da Praca de Pedro I n. 19
Santo Antonio
Imperador n. 16
3flB
Hsm
6*600
44 48
btm
124140
2*640
2*64
6*620
2610
2*240
2 640
2*640
3*960
2*640
5M80
2*640
6*640
14 *740
2*640
3*960
2*640
2*640
2*640
164060
2*640
33*000
2*610
2*'40
2*640
2*640
2*640
2*640
2*640
2*610
2*640
2*640
54339
5*720
4*360
2*640
2*640
2464t
24640
2*640'
2*640
2*610
2*640
2*640
2640
3*010
74790
64640
2*640
24640
3*040
134840
16*860
2*640
4i260
21*'.)00
10*840
2*640
2*640
26*620
2048
2*640
2*640
2*640
8*160
l/^SO
2*640
2*640
um
14*740
2*640
3*080
2*640
2*040
4*60
2*640
2*640
13*420
8*860
4*506 .
2*640
2*640
2*640
2*640
2aW*J
2*6(0
14*740
2*6*
3*960
1*020
2*120
14*830
2*648
2*640
2*6
3*<0
340*
2*640
2*640
5*2
2*640
2*640
2*640
2*640
2*640
2*640
2*640
2*649 2*649
3*969
2*640
2*649
C.404O
3*61.
2*649
41*300
2*640
2*560
2*648
2*640
5*560
2*640
2*640
2*640
2*640
2*040
2*640
6*920
2*640
4*620
2*640
2*640
2*640
9*680
2*640
2*640
4*490
2*649
2*640
2*610
5*320
5*930
5*500
1*520
2*640
12*320
5*460
2*640
5*780
2*640
7*940
14*740
17*220
1*640
43*310
2*640
2*640
19*360
15*250
31*400
17*300
2*640
2*610
14*74
14*710
3*020
19*360
2*043
2*040
2*640
2*648
2*640
od


Diario de Pernambuco-"Terfa-leira 16 de Fevereiro de 1S86


..







Socego d. 8
Santa Croa n. 58
S. Goncalo -n. 1*
Coelhos n. 20
Coronel Lamenaa n. lo
Travesea do Veras n. 9
Bario de S. Borja n. 46
Dita n. 48
Dita n. 53
Visconde de Goyanna n. 40
Dita n. 3
Recite, 12 de Fevereiro de 1886.
O gerente,
J. Dowsley Jnior.
14*740
34*080
5*620
2*640
3*960
2*640
2*640
2*640
5*680
20*680
14*700
Associa^o Commercial Agrcola
de rcrnaoibuco
Ne tendo comparecido numero suficiente dos
Srs. associados pan. a reuniao da assembla ge-
ral (extraordinaria), convocada para o dia 8 do
corre nte, de ordem do Sr. presidente desta asso
eiacao sao novamsnte convidados para compare
cerem no dia 18 do corrente as 11 horas da ma-
cha na sede desta < ssociacao para ter lugar a di-
ta reunio, que funocionari cem o numero de so-
cios presentes, de conformidade com o art. 27 don
es tat tes.
Secretaria da AssociacSo Commercial Agrco-
la de Pernambuco em 12 de Fevereiro de 1886.
8. de Barros Barreto,
secretario.
S. R. J.
Sarao carnavalesco em 6 de marco de 86
Tendo esta presidencia deliberado realisar na
ncite -de 6 de marco prximo futuro um sarao car-
navalesco, venho scientificar aos senhores socios
que principiar as 9 horas.
Os convites encontram-se em poder do Sr. pre-
sidente, e os ingresaos na do Sr. thesoureiro, sem
os quaes nao permittida a entrada.
Esta presidencia mui grata ficar a todos aquel-
es senhores socios e convidados que se apresen -
taren fantasiados, e previne que nlo sao admissi-
veis aggregados.
Becife. 12 de fevereiro de 1886
O 1 secretario,
Joao AI farra.
IndcDinisaiiora
A direecao da companbia de Seguros Indemni-
aadora, tem a honra de convidar aos senhores ac-
cionistas reunirem se no escriptorio da mesma
companbia, 1 hora do dia 25 do corrente, afim
de lh -s serem apresentadas as contas das opera-
coes do anno de 1885, o respectivo parecer da
eommiseao fiscal, e proceder-s* a eleico da mes-
ma. Keoife, 10 de fevereiro de 85.
Os dir-fores,
Joaquim Alvcs da Fonseca.
Jos a Silva Loyo Jnior.
Antonio da Cunha Ferreira Baltar
Nauta Casa de Misericordia de
Reeife
Na secretaria da Santa Casa de Misericordia de
Reeife arrendam-se por espaco de um tres an-
nos, as casas abaixo declaradas :
Ra da Moeda n. 45, 240*00C
dem -dem n. 49 240*00(1
Ra do Bom Jess n. 13, 1 andar 3- 0*000
dem n. 29, leja 216J00J
dem idem n. 29, 1 andar 240*< 0(
Roa dos Burgos n. 27 216*000
Ra da Madre de Deus n. 10-A 180*000
Caes da Alfandera armaren) n. 1 1:600*900
Ra do Mrquez de Olinda n. 53, 2
andar 507*000
Ra da Guia n. 25 200*005
Beceo do Abren n. 3, ioja 48|000
/Roa do Visconde de Itaparica n. 24,
pavimento terreo, 1* e 2 audar, por 1:600*000
Rna das Calcadas n. 32 200*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 6 de fevereiro de 1886.
O escrivlo,
Pedro Rodrigue de Sonta
Estrada de Ferro de Kibeiro
Bonito
Sao coaritiedos os Srs. accionistas da projeefa-
da estrada de ferro de Ribeiro Bonito a se reu-
nirem no da 17 de Fevereiro corrente ao meio
da, ra do Bom Jess n. 19, afim de se proco
der a approvaco de estatutos e do arbitramento
da prestacao dos bocios em direitos e bem assim
a eleico de administradores e fiscaes.
Recite, 12 de Fevereiro de 1886.
CMMERCIO
Bol? commercial de Reman
baco
Reeife, 15 de Fevereiro de 1886
As tres horas da Urde
Cotacoet offiaiaes
Acedes da companhia do Beberibe do valor de
100* ao preco de 147* cada urna.
Cambio sobre Lisboa, vist 2*0 0/0 de premio
do banco.
Na hora da bolsa
Venderam-se :
% acedes da companbia do Beberibe.
Offereceram-se Vender Comprar
15 acy'es da companhia do |
BeKib | 150* 145*
P. i. Pinto,
Presidente.
Candido C. L. AI cobrado.
Secretario.
HENDIMExNTOS PBLICOS
Mea de Fevereiro de 1886
iijucM'De 1 13
Idea de 15
RbcbbbdoeiDa 1 13
dem de 15
Cjbsolaiw aoTiaoiai. De 1 4 13
Mem de 15
R*cm o*Ai*xmDa 1 A 13
dem de 15
304:3674008
44:379J358
348:746366
16:284*457
1:646/358
17:924*815
72:075*661
7:045*717
79:121*378
9:6264569
2:981*4.%
12:608*025
~"DESPACHOS DE IMPORTADO
Vapor nacional Sergipe entrado da Ba-
bia e escalas no dia 15 do corrente, e con-
signado a Domingos Alvos Matbeus : ma-
nifestou.
Barris v asios 145 a Per eir Pinto & C.
Cootos salgados seceos 450 a Pereira
Carneiro d C. 71 a Jos da Silva Loyo d
Pilho.
Pipas vasias 67 a Pereira Pinto d C.
Sola 528 meios a ordem, 748 a Diogo
A. dos Res, 130 a Domingos A. Matheus.
40 amarrados a Ferreira Rodrigues & C.
. < Tamancos 5 fardos a diversos.
Vapor nacional Jaguaribe entrado dos
portos do norte, no dia 14 do corrente, e
consignado a Companqia Pernambucana de
navegacSo costeira por vapor : manifeatoa.
AlgodSo 106 saccas a Machado d Pe-
reira, 58 a Antonio de Oliveira Maia & C.
Couros salgados seceos 113 a Hachado
& Pereira, 96 a Jale V. Aires Matheus
d C. 20 a H. Stolaenback d C.
Theatro de Variedades
NA
SSF A-H k M B H i& O
COiri\HIA-LYMCO-COIIC-DR.4I.4TIM
DIRIGIDA PELO ARTISTA
xscjxz xvxxx^ox lltimo espectculo da empreza
Woira, 16 do Frairo Se 1886
GRANDE NOVIDADE!
PELA. ULTIMA VEZ N'ESTA CAPITAL
subir sceoa a engracada opereta em 2 actos e um quadro, cuja msica, do distincto
maestro Casiraghi obteve o applauso de todos os pblicos italianos
A EESXA DA ALBEIA
PERSONAGENS
Senhor Gaudencio Podest
Cecilia, criada do padre cura
Bernard, sineiro
Gregorio, criado do Municipio
Tirelli
Durand
Milone
Orlandini
D Geremia, padre-cura da
aldeia Repossi
Carolina, sua sobrinha Bellegrandi
Baptista, cabo dos Bersaglieri Comoletti
Montanbezes e msicos.
NMEROS DE MSICAS.1. Simphonia. 2. A Rosa (canelo).- 3.
Kyrie! (quartetto). 4." Coro dos caroponezos. 5. Quintetto com coro.6. Pre-
ludio pela orchesta. 7. Lenda.8. O beijo.9. O estafeta. 10. Aria-comica.
11. Preludio pela orchestra. 12. A alegra.13 Kyriel14. O desejo (cavatina).
15. O sonho (aria-comica).16. Marcha. 17. Coro final. 18. Danca campestre.
Acabar o espectculo com a sempre applaudida comedia, em 1 acto, em que
o actor Milone faz urna creacSo especial dos difieren tes typos que desempenha.
A. GASA DOC GAXWX3PO
[AVISO '"SW
A empresa resolveu parar momentneamente com os seus trabamos, para
abrir o theatro depois do carnaval, mandando contractar na corte novos artistas dignos
d'esta Ilustre capital. A empresa nSo poupa esforcos para se tornar digna dos senho-
res Pernambucanos.
*YVT T~> Depola do espectculo haveni trem par Aptpncoa
JlV JO* e bonda da llntia* remanden Vlelra e Jktogmdon.
Os boncl* no I arco do Palacio. O born da Magdalena 6 hatera ojaan-
do o espectculo acabar leplo do borarlo do iiiii.no bond da rompa
na. que pauta na ra Nova as 11 e 49 mnalos.
Nao se transiere o espectculo anda mesoio que chova
PROCOS DO COSTUITO
PRINCIPIARA' S 8 1/2 HORAS.
Fabrica de .afilo e tecidos de
algodo
Sao convidados os senhores accionistas reu-
nir-se em assembla geral ordinaria no dia 24 do
corrente, ao sal&o da Associacao Commercial Be-
neficente i 1 hora da tarde. Reeife, 9 de feve-
reiro de 1886.
Manoel Jlo de Amorim,
Presidente.
Jos Adolpho de Oliveira Lima,
Secretario.
COMPANHIA DE SEGUROS
COJTRA FOl.O
Nortb British k Nercantile
CAPITAL
l:OOO.ooo de libras slcrllnas
A GEN TES
Admson liow ic & C.
RA DO COMMERCIO N.
SEGUROS
CONTRA FOG
The Liverpool & London & Glob
INSl'RRW'CE ))\W
t a
Cera de carnauba 136 saceos a ordem.
Courinhos 5 fardos a H. Stolzenback & C.
(jrarrafas vasias 12 barricas a ordem.
Mercad' ras 2 volumes a Silva Alves C.
MUho 35 saceos a ordem.
Ovas de peize 1 caiza a ordem 1 a J.
F. de Araujo Vianna.
Pennas d emma 1 caiza a F. F. Saboia.
Sola 780 meios a ordem.
Sebo 1 barrica a A. Fernandes & C.
Portos do sul vapor nacional Mandahu',
entrado no dia 14 de corrente, e consigna-
do a Companhia Pernambucana de Nave-
gacao Costeira por vapor manifestou:
Couros salgados seceos 137 a ordem.
Escuna allem Ihomaz, entrada de Bue-
nos Ayres, no dia 14 do corrente, e con-
signada a Pereira Carneiro & C. manifes-
tou:
Xarque 103 500 kilos a ordem.
Escuna allemS Eliza, entrada de Porto
Alegre, no dia 14 do corrente e consigna-
da a Jlo V. Al ves Matheus & C. ma-
nifestou :
Farinha de mandioca 2:395 saccas aos
consignatarios.
Patacho nacional Cometa entrado de Por-
to Alegre, no dia 15 do corrente, e con-
signado a Pereira Carneiro & C. mani-
festou :
Banha 300 latas a ordem.
Farinha de mandioca 4:000 saceos aos
consignatarios.
ALTERACAO DA PAUTA
Para a semana de 15 19 de Fevereiro de
1886
Agurdente cachaca, 114 rs. o litro.
Alcocl, 206 rs. o litro.
Altvdji) em rama, 463 rs. o kilo.
Assucar branco, 231 rs. o kilo.
Asnear mascavado, 133 rs. o kilo.
Mel, 83 rs. o litro.
Alfanarga de Pernambuco, 15 de fevereiro de
18S6.
_ Os conferentes,
2. J. de Miranda.
A. de A. Marques.
DESPACHOS DE EXPORTAgAO
Em 13 de fevereiro de 1886
ara exterior
N vapor inglez Delambre, carregon :
Para Liverpool, V. Neesen 125 fardas com
24,375 kilos de algodo e 293 couros salgados com
3,516 kilos.
No vapor ingle* Mortdego, carregou :
Para Londres, R. Drusina 25 aascos com 1,870
kilos de sement de oiticica e 2 caixas zarape me-
dicinal.
Paia Southampton, J. Fuerstenberg 6 kilos de
onro velho.
Para Lisbca, O. Travasso & C. 424 saccas com
31,420 kilos de algodo.
No patacho americano Agnet, carregon :
Para New-York, H. Fonrter A C. 2,070 saceos
meo. 155,250 kilos de assncar mascavalo.
= No brigoe portaraei Tito, carregon :
PoMPANHIA
Jmperial
SEGUROS contra FOCO
EST: 1803
Edificios e mercadoria*
Taxas baixai
Prompto pagamento de prejuizou
CAPITAL
fis. 16,000:000*006
Agenta
BROWNS & C.
5 N. Ra co Commercio N. 5
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambucana
Ra do Commercio n.
38
r" i.ondon and Braslllan Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
zas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N
Porto, ra dos Inglezea.
Para o porto, 8. Basto Amorim & C. 150 sac-
cas com 13,787 kilos de algodo.
No lugar nacional Juvenal, carregou:
Para Santos, P. Carneiro 4 C. 3,000 saceos com
180,000 kilos de assucar branco e 2,000 ditos com
120,000 ditos de dito mascavado.
No patacho inglez W. II. B carregon :
Para o Rio Grande do Sul, 8. O. Brito 250 vo-
lumes com 22,200 kilos de assucar branco.
^ No vapor nacional Pernambuco, carregon :
Para o Rio de Janeiro, F. A. de Azevedo 200
saceos com 14,250 kilos de assucar branco ; Bar -
tholomeu & C. 11 volumes preparados de jora-
beba.
Para Bahia, J. M. Das 30 barricas com 3,36 >
kilos de assucar branc*.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 14
Macei, 3 dias lugar i iglez Scintinel de 496 t>
toneladas, espitao A. Gray, equipagem 10, em
lastro; a H. Lundgren & C.
Buenos Ayres, 45 dias, escuna allem Thomaz de
74 toneladas, capito I. Groth, eanipagem 4,
carga xarque ; a Pereira Carneiro 4 C.
Cear e escalas, 10 dias, vapor nacional Jagua-
ribe de 420 toaeladas, commandante Domingos
H. Mafra, eqnipsgem 30, carga varios gneros
a Companhia Pernacibncana.
Estancia, 3 dias, vapornacional MandoJm de 222
toneladas, commandante Antonio M. Ferreira
Baptista, equipagem 18, carga varios gneros ;
a Companhia Pernambucana.
Fernando de Noronha, 34 horas, vapor nacional
8. Francitco de 382 toneladas, commandinte
Joaquim d Silva Pereira, equipagem 24, em
lastro : a Companbia Pernambucana.
Porto Alegre, 40 dias escuna alloma lite de 80
toneladas, capito H. Falca, equipagrm 5, car-
ga farinha de mandioca ; a Jo3o Vctor Alves
Matheus & C.
Porto Alegre, 38 dias, patacho nacional Cometa
de 150 toneladas, capito Joao Pires Vieira,
equipagem 9, carga varios gneros; a Pereira
Carneiro & C.
Sabido no mesmo dia
Macei, vapor ingles Actor, commandante J. O.
Jones, carga varios gneros.
Navio entrado na dia 15
Babia e escalas, 10 dias, vapor nacional Sergipe
de 411 toneladas, commandante Pedro Vigmas,
equipagev 27, carga varios generas ; a Domin-
gos Alves Matheus.
NSo houve sahidas
VAPORES ESPERADOS
Aconcagua da Europa boje
Mondego do snl hoM
Cear do ul boje
Vitlc de Victoria do sol a 19
Deiterro de Hamburgo a 90
ViUe de Macd da Europa a 21
Advanee do sul a 7?
Espirito Santo do nsrte a 22
Tagus da Europa a 24
Tibor de Trieste a 9i
Senegal do sul a 25
Baha do sul a 26
La Plata do sal Marco a 7
Financ* de New-Port-Newi 5
Manos do sal a 8
Gompanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelelda em 1855
CAPITAL 1,000:0001
SDISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 18 84
Martimos..... .,410:000(000
Terrestres,. 316:000$000
44Rna do C'ommerelo
MARTIMOS
COHPAMHIE DE rllOSVK.S;
RES HARITIHE8
LINIA MENSAL
paquete Senegal
Commandante Moreau
E' esperado dos portos do
sul at o din 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
idocostume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar, Lisboa e vlg
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta agen-
cia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 0 em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos c que pa-
garem 4 passagens inteiras.
Por excepco os criados de familias que toma-
ren) bilbetes de proa, gosam tambem d'eate abati-
mento.
Os va'es postaes so se dio at dia 23 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas ednheirc
afrete: tracta-se com o agente
4ognste Labille
9 RA DO COMMERCIO 9
Companhia Bahlana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Babia
0 vapor Sergipe
Commandante Mattos
Segu impreterivel-
mente para os portos
cima no dia 18 do cor
rente, s -A horas da
tarde. Recebe carga
'at ao meio dia do dia
do dia 18.
Para carga, pas3agens, encommendas e dinheiro
a fret'j tracta-se na agencia
7iua do Vigario 7
Domingos Alves Malheas
COMPAVHIA PUAMIICI I*A
DE
VavegacSo Costeira por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaj, e Bahia
0 vapor S. Francisco
Segu no dia 18 de
Fevereiro, s 5 horas
da tarde.
Recebe carga at o
Id a 17.
Encommendas, passagens e dinheiro a frete at
as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pernambucana
_________________n. 12________________
COHPAIVHIA PKHNAMBI C >A
DE
ftavegaco Costeira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macan, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
O vapor Jag-uaribe
Segu no dia 20 de
Fevereiro, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 19.
Encommendas passagens e dinbeiros afrete at
4s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
caes da Companhia Peruano
caoa a. 19
u
DampfschiflTaluIs-Gesell schafl
0 vapor Desterro
Espera se de HAMBURGO,
via LISBOA, ate o dia 20 do
corrente, seguinilo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Sanios
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
se com os
CONSIGNATARIOS
Borstelinann & C.
RUADO VIOaRoN. 3
1' and/tr
United States & Brasil lail S. S. C.
O vapor Advance
E' esperado dos portos do
snl at o dia 22 do corrente,
depois da demora necessaria
seguir para
Para
Brlgue D. Francisca
E' esperado nestes dias, engaja carga frete
mdico, para sabir com toda a brevidale : trata
na rna do Mrquez de Olinda n. 6.
Rora ail Sleam Packei
Compaiiv
Reducgo de passagens
Bilhetes especiaes of
ferecendo facilidades
aos senhores viajantes
para visitar a expsi-
ta o colonial ero Lon-
dres, de 1886.
Ida e volta de Per-
nambuco a Soutliamp-
on, primeira classe,
coro o prazo de 0 te-
ses libras stcrlinas 36,
15, 0, _________
Porto e Lisboa
Segu com brevidade a barca
portugueza Xovo Silencio para os
portos aciaga, para o resto da
carga qna falta a tractar com
Baltar, Oliveira & C, ra do Vi-
gario n. 1, 1 andar.
B reara
Vende-se ou permuta-se a baresca Boa Sorte,
de porte rte 2G'J saceos, bem apparelhada, nave-
gaml por outra de 300 a 350 saceos de lotacao ;
quem pretender dinja-se ao Sr. Jos Mantins de
Miranda na villa de Barreiros, ou ra de Pe-
dro Aft\raso n. 34 nesta praf, que acharilo com
quem tranctar.
de amarell, 1 lavatorio de ferro, jarro e bacia, 1
lote de louca para cha e jantar, 1 dito de garfoa e
colheres,
Um lote de txens de cosinhas, 1 bacia para ba-
nhos, e 1 jarro.
QuinUfeira, 18 de Fevereiro
A'S 10 HORAS
Agente Pinto
Ba de Paulino Cmara (antiga Comba do
Carmoj n. 22,1 andar
O leilao principiar s 10 horas em ponto poi ter
o mesmo agente um outro leilJo de fazeudas ava-
riadas o qual principiar 1 hora da tarde.
Leilao
De fazendas inglezas avariadas
Constando de differentes volumes ou parte de vo-
lumes descarregados de bordo do vupor Delam-
bre, com avaria d'agua do mar.
tilinta-feira. 18 do corrente
A' 1 hora
Agente Pinto
No armazem da ra do Bom Jess n. 43
EM CONTINJAgAO
vender o mesmo agente differentes fazendas da
Fabrica Nacional do Rio Grande do Sul, cons-
tando de camisas, panos, cassinetas e chailes, todas
hmpas.
Leilao
LEILOES
naranho.
Para. Barbados, i
Thomaz e Wew-York
para onde receber carga e passageiros.
0 paquete Finance
Espera-se de New-Port
News.at o dia 12 de Marco,
o qual seguir depois da de
mora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
N. 8. RUADOCOMJUJiRClO N.8
! and*r
Leilao
Da armacao, gneros e utenc
los da Caverna da ra de f oo
do Reg n. 4
Quarta f-ira 17 do corrente
-lo meio dia
O agente Gusmo, competentemente autorisa-
do, far leilao da taverna cima mencionada, em
lotes, vontade dos compradores.
Leilao
MARGEIRS REUNS
Companhia Franceza de Mavega
ci a Vapor
Linh quinzenal entre o Havre, Lis-
Doa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Steair Tille
E' esperado da Europa at
o dia 22 de Fevereiro, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ba
hia. nio de *anelro
e Sanio.
Steamsr VilTe b Victoria
Espera-se des Dortos do
snl at o dia 19 .
ro, seguindo de
dispensavel demora para o
Havre
Recebe encemmendas e passageiros para as
quaes tem excellentea accommodacoes.
Para carga, passagens, encoromenda e valores,
trata-se na agencia
Roga-se aos Srs. importadores de carga p 'lo
vapores desta linha,qneiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga da alvarengu. -yini-
quer reclamace concernente a volumes, qu ventura tenham seguido para os portos do sul,afin>
de te poderem dar a tempo aa providencias neces-
ariaa. .,
Espirado o referido prase a companhia alo se
responsabilisa por extravio.
Recebe carga, encommendas e passageiros para
os quaes tem excellentea accomodaoSes.
Angosto F. de Oliveira C
AGESTES
42-RUA DO COMMEROIO-42
Da armacao, balcao, fiteires, vasilhames e mais
pertences d a botica da ra do Visconde de lu-
hsma n. 48.
Urna mobilia de Jacaranda, de medalho, 1 guar
da lonca, 24 cadeiras de junco, 1 toilet, 1 guar-
da-roupa e outros movis de casa de familia.
A'S 11 HORAS
O agente Pinto levar a leilao nao s a arma-
cao e m>s ptrtences da botica da ra do Rangel
n. i, como tambem de differentes movis de casa
de familia, cima desenminados
Leilao
EM CONTINUAgAO
Qnarta feira, f 9 do corrente
Em sua agencia ra do Bom Jess n. 19
De movis, loucas, vidros, quadros, cofres, fo
gao americano, espelbos, botes, chapeos para se-
nhora, estojo para barba, bote de 2 remos, vinho
de caj e outros objectoe.
Ao correr do masrtello
De bons movis, louca, cristacs, quadros e espe-
lbos ovaes dourados.
Hala de visita
Um piano forte de PU ver, 1 cadeira para o
mesmo, urna mobilia de Jacaranda a Luiz XV com
1 sof, 1 jardineira, 2 consolos com pedras, 4 ca-
deiras de bracos, e 12 de guarnico, 3 espelhos
ovaes dourados, G quadros com finas gravuras,
1 linda mesa para jogo, casticaes de christoffle,
1 porta-carto, jarros para flores e porta-jrnaes.
Sala de jantar
Urna mesa elstica, 1 guarda louca en vi draga-
do, 1 aparador de armario com pedra, dito tornea-
do, 10 cadeiras de guaruico, 2 ditas de balanco,
4 lindos quadros com oleographias, 1 relogio de
parede, apparelhos para cha etc; jantar, copos,
clices, garrafas de fino cristal, compoteiras ban-
deas.
\o corredor
Uiia estante envidracada para livros, urna mesa
jardineira, 1 cadeira de viagem.
(liarlos
Urna cama franceza, 1 toilet de Jacaranda,
1 lavatorio, 1 mesa de costura, 2 commodas, 1
guarda vestido, 1 mesa de cama, cabides, 1 cama
de ferro, mezas e cadeiras.
Objectos avulsos
Um guarda comida de rame, 1 jarra, 1 batanea,
1 escada, regadores, trem de coeinha, flandres, 1
carro de mo, trem de jardim e outros objectos.
Sexta-feira 19 de Fevereiro
O agente Piuto levar leilao os movis e mais
objectos da casa em que resida o Sr. Conrado
Wachsmann. Nos Affiictos, em trente a igreja
dos Affiictos.
As 10 1/2 horas partir o trem extraordinario
que dar passagem gratis aos concurrentes ao
leilao.
O leilao principiar ns 11 horas.
AVISOS DIVERSOS
A'uga-se o 2- andar da casa n. 1 do pateo
de Terco, o 3 da de n. 3 ra da Penba, o 1
da de n. 19 meema ra, o 1' da de n. 18 ra
Direita, o 1 da de n. G6 mesma ra, o 1* da
de n 3 travessa de S. Jos, o 1- da de n, 34
ra cstreita do RiRario ; as terreas de ns. 41
4 ra do Rangel, 26 ra Duque de Caxias, 1 do
pateo do Terco, 27 na de Lomas Valentinas,
24 ra do Aragao, e a casa de n. 35 ra da
Viracao; a tratar na ra do Hospicio n. 3'.
Aluga-se casas a 800P, no beceo dos Coe-
lhos, junto de S. Goncalo: a tratar na ra da Im-
peratriz n. 56.
Aula mixta particular de in^truccao prima
ria, Deodata Amelia Perreir: da Siiv<>, ra Vi
dal de Negreiros n. 21. ,
= Os hachareis Antonio Justino de Sonsa e
Pedro Affonso de Mello mudaram o seu escripto-
rio para a ra Duque de Caxias n. 54, Io andar
onde continuam a exercer a sua profissao de ad-
vocados.
Aluga-se a casa terrea da ra do Coronel Soas-
suna n. 240, com bons commodos para familia e
grande quintal: tractar na ra 1.a de Margo
n. 17, l.o andar.
= Ao Illin. Sr. Dr. Antonio Filemon Goneal-
ves Torres comprimenta a Livrana Parisiense
Precisa-se de vendedores de taboleiros de
bolos, pagando-se vendagem, sendo de boas con-
ductas, e urna mulher de idade para lavar e co-
s ahar e de conducta afiancada ; na rna da Ma-
triz da B.a Vista n. 3.
Precisa-se de urna ama para comprar e co
sinbar, para duas pesroas ; a tratar na ra do
Imperador n. 61, 2- andar.
Na ra das Plores u. 19, precisa-s de urna
criada que compre e eosiahe.
Aluga-se a casa com sota, toda caiada e
pintada de novo, sita ra da Fundicao n. 8, em
Santo Amaro ; a tratar na ra do Mrquez de
Olinda n. 8, lithographia.
Aluga-se o armazem da ra do Mrquez de
Olinda n. 18 ; a tratar com Prente Vianna &
Companhia.
Preeica-se de urna ama que cosinhe bem,
para casa de familia ; a tratar na ra da Impera-
triz n. 13, 2- andar.
Traspassa-se urna ca sin ha em um ponto de
grande transito, com armacao p ara taverna ou
utro qualquer negocio, por preco diminuto : tr -
ta-se na tan Direita n.69.
Precies-se de urna ama
se na ra d Rangel n. 67.
de cosinha; trata-
1 Leilao
Porto e Lisboa
Segu com brevidade para os portos cima o
briirue por ugue Tito ; para o resto da carga e
paawgeiros, trata-se coas os consignatarios Joa
da Silva Loto & Filbc,
De 2 casas terreas em Afolados
Quinta-feira, 18 do corrente
A'a 11 horas
Ra do Imperador n. 22
O preposto do agente Burlamaque por mandado
e assistencia do Exm. Sr. Dr. juis de direito d'or-
phos e ausentes levar a leilao duas casas ter-
reas, sendo orna i rna Direita n. 21, com 2 salas
2 quartos, cosinha fra, quintal murado, em solo
foreiro, outra dita rna da Pas n. 16 com 1 porta
e janella, 2 salas, 2 quartos, cosinha fra, quintal
murado, em solo foreiro.
Para qualquer informacao o mesmo agente
dar.
Leilao
Precisa-se de urna ama que cosinhe e en-
gorante ; na ra da Uaiao n. 54.
Aluga-se o 2' andar n. 31, e o armazem n.
39 ra do Imperador : a tratar com Lniz de
Montes Gomes Feneira.
Preciea-se de urna ama para cosinbar e la-
var ; na rna dos Gnararapes n. 84.______________
O abaixo asignado tas sciente ao respeita-
vel corpo commercial da praca de Pernambuco e
quem interessar possa. que n'esta data retrou-ee
da sociedade sob a firma Flavio Augusto & C,
estabelecida na villa de Barreiros, ficando todo ac-
tivo e passivo da casa cargo'dos outros socios,
sem suaresponsabilidade. ^*rj(|
Barreiros, 13 de Fevereiro de 1886.
Flavio Augusto Theodoro Silva.
Exposi$o Central
Damio Lima & C. intitularam o estabeleci-
mento em liquidacao da ra larga do Rosario n.
38, por EXPOSigO CENTRAL para assim se
tornar bem conhecido de todos, pelo que chama a
atteocao especial das Exmas. familias para os
precos seguintes : taatt *j2I
Metros de plics a *t9 -J '
Bonecas inquebraveis ,..&*
Metros dearquinhos 120 e",,,^3^
Pecas de bordados finos a dU e fl
Garrafas com agua florida a 700 e 1
BMOO
1*500
160
400
1*000
^3 Ki#<02
De movis, loaca, vidros e espelbos
A saber :
Urna mobilia de amarello, 2 espelhos, 2 quadros,
2 pares de jarros, i tapete para sof, 1 candieiro
para kerosene, 2 escarradeirae.
Urna eama franceza de amarello cora nm colxo
e cpula, 1 cabide de columna, urna cama de lona.
Um lavatorio de amarello, urna dita com ga-
veta.
Urna meza para jantar, 2 apparadores, 1 quar-
tinheira com qnartinbas, 6 cadeiras de faia, 1 sof
Frascos de oleo onsa por
Fita para toalha, n. e '-""^
Carreteis de 200 jardas a
Inviftiveis grandes a I9B
Ditos menores a
Brinquedos para meninos a 200, 300Je
Caixinhas para presente a 2*500 e
Meios fio de sedapara senhhora a l*,e
L5 para bordar 9 2*800 e
Fita chinesa o maco
Dito de algodsdito
Massinhos de grampos a r.__ _
Macaquinhos acrobticos a l*W lb
Botles, fitas, leques, perfumaras, bengalas, te-
souras e outros muitos artigos que s com a vista
na Expoeicao Central ra larga do Rosario n. 8.
*000
80
383
300
500
3*000
14200
3.00)
360
20
20
>\


Diario de Pernambuco---Terpa-feira 16 de Fevereiro de 1886
*
*?
>" >
ED. G. MONTESI k C.
Artistas pintares
EM M-YOBK--AMEHICA
Por urna Maoloaraplil em cartao de visita
tiram um relrao de qualquer tamauho qae ie
dirija, desde 20*000 at 120*000 com linda mol-
dura e cordes de seda, trabalho noro nesta ci-
dade.
Quem desoj-r ver, dirjate aVIararia
Francesa, aonda s acham alguna retratos em
ezposicSo.
Para encommendaa dirija-se ao agente nesta ci-
dade, a roa Duque de Caxias n 61.
Aevogado
O bacharel Pedro Gaudiano de Ratis e 8ilv*
mudou sua residencia da estrada de Joo de Bar-
ros para a ra vilha de Santa Rita n. 89.
^JB
-
Coronel .Hanoel Joaquiai do
Reg Albaquerqne
Os majoma Jos Thomaz C. Pessoa e Delphim
L. C. Pessoa mandam resar urna misaa na matriz
de Nossa Senhora dt P.ia di! Afogados, no da
sexta-ieira, 19 do eorrente, s 7 horas da macha,
por alma de seu presado e nunca esquecido amigo,
o coronel Manoci Joaquim do -Reg Albuquerque,
primeiro anniverasrio de seu fallecimento, e con-
vidam a seus amigos c parentes e os do mesmo fi-
nado para assistirem a este acto de religio, e
desde )a agradecem de coraco quelles que se
dignarem Hssistir.
CALLOS
O MELHOR E MAIS INF ALLIVEL EX
TRACTOR DOS CALLOS E A
MAYNARDINA
porque os extrahe completamente, sena causar h
mnima dor. E' fcil de applicar, nao impede de
se andar calcado e tem o seu effcito comprovado
por attestados insuspeitos e em numerosas appli-
cacoes que nunca falharam. S verdadeiro o que
se prepara e vende na Drogara e Imperial Phar-
macia Dini.
ic filia & &mm
57lua do General 0zorioS7
Deposito em Pernambuco pharmacia de Hermes
de Sousa Pereira & C, Successores
fin lo Marpz de Ollnda 121
Eu abaixo astignado, estabelecido ra do Hos-
picio n. 158, attesto que, soffrendo ha muito tempo
de callos em ambos os ps, o que me impossibilita-
va por vezea de cuidar nos meus affazeres com-
merciaes. gracas ao preparado des Srs. DINIZ &
LORENZO proprietarios da IMPERIAL PHAR-
MACIA DINIZ, denominadoMAYNARDINA
censegui verme ailiviado deste mal que atroz-
mente me incommodava com a applicacao do refe-
rido preparado.
Rio, 7 de Janeiro de 1885.Thomaz Jo-
s Fernandes de Macedo. i
Satyro Pos t humo Taiare
i "cidro
Dclphna Manuho 'lavares Cordeiro convida
aos seus parentes e pessoas de sua amizade para
assistirem a urna miss, que por alma de seu pre-
sado filho Satyro P. Tavares Cordeiro, manda re-
sar na matriz do Corpo Santo, pelas 8 horas da
manha do dia 19 do eorrente, 1* anniversirio do
seu fallecimento ; e desde ja peuhora sua sin-
cera gratidao todo que *lli eompareoerem.
Fados e nao palavras
Aos que se desejam tratar sem comprometter a
saude com preparados mineralgicos.
Nesta typograpbia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathicaa para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmatico,
ainda mesmo bronchitico: eiysipela, enxaquecas;
intermitentes (sem o emprego do fatal quinino);
toase convulsa, falta de menstruacao ; cmaras de
sangue : estericos ou metnte ; dores de dentes ou
nevralgias, metrorragia ; vermfugos, denticSo e
convulsoes das criancas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratam se escrofulosos em qualquer
grao e gommatosos.
D. aioanna Barbara de irauj i
l'snnirsrssiiu
O commendador Jos Pereira de Araujo, seus
filos e georo, ejuvidam a seus parentes e ami-
gos para assistirrm as missas que mandam resar
na matriz de tcito Antonio, na capella do cemi-
terio de Santo Amaro, na igreja de N. 8. d;i Pe-
ana desta cidade e na capella do engenho jinu-
ragv, da Jreguezia da Espada, s 7 \ i horis da
manha do dia 18 do corrate mez, por alma de ana
sempre lembrada esposa, mai e sogra, D. Joanna
Barbosa de Araujo, 1 anniversario do seu falle-
cimento. Por essa prova de amizade, antecipam
os seus aeradecimeotos.
Agurdente de Canna Mussnrepe
Venho pelo presente farticipar aos Srs. consu-
midores de agurdente de canna e branca, do en-
genho Musnurepe, que sendo ella muito acreditada
e assas conhecida, succedendo certos veadedores
andarem ofterecendo de outrus engenbos, com o ti-
tulo cima falsificando assim o crdito das aguar-
dentes fabricadas em dito engenho; declaro que
os nicos agentes do meu engenho na cidade do
Recife, sao os Sr. Antonio Luis & C estable-
cidos a ra do Marques do Herval n. 36 ; a quem
podero fazer as anas encommendas.
Continuo no mesmo capricho de perfeico a
bem de servir os meus fregueses em geral.
Mussnrepe, 17 de Fevereiro de 1886.
Antonio Luiz Santos.
REL0J0ARIA
ALLEM
, Praca do Conse-
lbeiro Salda-
n h o Marinho
n. 4.
Antiga da Ma-
triz de Santo
Antonio nume
ro 4.
Caldino Po do* Santos
Clotildina Monteiro Pi dos Santos, sena filhos.
mal, innaos, tios e cunh i'alma s pessoas que te dipaaram acompanhar
sepultura os restos mortaes de seu caro esposo, pai,
genro, cunbado, sobrioho e irmao, Galdino Pi
dps Santos ; e de novo os convidan) para as mis-
sas que mandam celebrar na igreja da Santa Cruz,
s 7 1/2 horas da manha do dia 18 do eorrente
mez.
Franrisro C nvalrante de Albu-
querque l.in*
Josepba Dias de Oliveira Lina, Thereza Ang-
lica de Vasconcellos Coimbra, Mari a Augusta de
Vascencellns Lopes, Josepha Dias de Oliveira
Castro, Hilarino Jos Rodrigues da Silva Lopes e
Alfredo Monteiro de Castro, viuva, filha, netas e
genros, agradecem cordialmente i todas as pes -
soas que se dignaram acompanhar os restos mor-
taes de Francisco Cavalcante de Albuqaerque
Lina 4 sua eterna morada ; e de nov i convidam
para assistirem a missa do stimo dia, que tera
lugar na qninta-feira 18 do eorrente, s 9 horas
da manha, na capella de N. S. da Conct-icao de
JoSo de Barros, pelo que desde j se confesasm
eternamente agradecidos.
Henalos w tiM!
Sem dieta escm modifi-
cacoes de costiiiues
"i -fll ^
k ibis Jo 5" P
.- Cb
Inri '- iam flK M
- a BnAaa^ewan m
5
o Ir JSC11 o Mftt PWO m o
* 1 rBsfd^nHHtnHHl es O
i ^H 1 o
Especficos preparados ^han-
maceutico Eugenio li.iflp<
de Hollanda
Approvados pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Parix,
Elixir de imbiribina
Eestabelece os dyspepticos, facilita as diges-
ties e promove as ejeeces diffieies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anmico, debella a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os hydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recommtndado na bronchite. na hemop-
tyse e as toases agudas ou chroncaa.
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga-
nismo, na fysica.
Pillas ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres intermitientes, re-
mittentes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e tambem fer-
ruginoso, preparados em vinho de caj
Efficases as inflammaces do figado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de cap i lar i a e quina
Applicado aas eoovaleseeocas das parturientes
oretMO aaterebrl. e^
Deposito : Francisco Manoel da Silva & C.
Tendo cu aberto urna officina de relo-
joaria com o titulo cima, recommendo-
me ao respeilavel publico para fazer
qualquer trabalho, al o mais dillicil na
minha arte, como j prove como em-
pregado da relojana regulador da
marinhaonde trabalhei os ltimos
dous annos, promello precos mdicos e
promptido.
Carlos Fuerst.
R. DE IIRISIW k C.
BHa uq Bom-Jesas n. 18
(ANTIGA DA CRUZ)
Oasa de commissoes
Grande e variado sortimento de amos-
ras e catlogos de prodceles da Allema-
tha, Franca, Inglatera, Austria, Hespanha,
talia e Estado-Unidos.
N. B.Informales sobre machinismos
gricohu, ditas para engenhos centraes-
x>mbas, etc. para incendios outras ma,
.binas e utensilios
CALLOS
i O MELHOR E MAIS INFALLIVEL E
TRACTOR DOS CALLOS E* A
Maynardina
porque oa extrahe completamen te,sem causar a
minina dor.
E' fac de applicar, nao impede de se andar
ca'.cado e tem o seu effeito comprovado por attes-
tados insuspeitos e em numerosas applicacoes que
nunca falharam. Nao confundam, nem re en-
ganem com outro preparado. S verdadeiro o
que se prepara e vende na Drogara e Imperial
Pharmacia Dinis.
DE DINIZ & LORENZO
w-l'raca do General Ozorio--57
Deposito em Pernambuco, pharmacia de
Hermes de Souza Pereira & C,
Ra lio Martnez Je OlinrJa i. 21
O abaixo aasignado, Dr. em medicina pela Fa-
"uldade do Rio de Janeiro, cavalheiro da ordem
de ( hriato por Portugal, medico adjunto do Hos-
pital da Veneravel Ordem Tereeira do Carmo, da
caixa de D. Pedro V, agraciado com a medalha
humanitaria por esta pia instituicio, etc., etc.
Attesta que o remedio denominado M A YNAlt
DINA, preparado pelos Srs. Diniz & Lorenzo
na imperial drogara e pharmacia Diniz, infal-
livel para a extraccao dos callos. Outroaim
attesto que tendo em si empregado, colheu os me-
lhores resultados a .ponto de p*der calcar as bo-
tinas as mais justas
O que attesta verdade e jara sob a f de seu
| grao.
Rio, 10 de Dczembro de 1585.' Dr. Francisco
de Paula Costa Jnior.
PIULAS x,
FerrucrixioBas ^y
m JURUBEBA\
BARTHOLOMEO ft C
Phtrm. Ptrnimbuco. iP
Curio a SsctiUl nares braaeaa, ?
Falta &u Mmlnii*),
ku neMttaad w frtrw aa aanraei
Sad0ir a a Ij uatiaraiA
OS ESFEC/F/COS VETERINARIOS
H0ME0PATHIC0S^S=
^=DE HUMPHREY.
' Para a cura de todas as doen?as de
Cavallos, Gado, Carneiros, Caes, Por
es, Aves.
Tem sido usado com feliz resultado por
Fazendelros, Criadores de gado, Car-
ros-ferris, etc., etc.
Cerflcado e osado pelo Gorerno dos
Estadas Unidas.
& Envia-se Folhetos e CartAVs gratis.
Dirija-se a
HUMPHREY'S MEDICINE C0.
___109^Fulton St. yew-York.
Especifico Homeopathlco da
HumphreyNo.28.
Usado tu 30 annos, O nico remedio cfficaz para
Debilidade Nervosa, Fraqueza Vital
C tjrostraco, por excessivo trabalho ou outras causas.
$1 por garrafa, ou cinco garrafas c i garraao de pos,
$5.00, ouro americano.
, 1 A'venda por Todos os Droguistas. Tambera
envia-se pelo correo pelo preco do costume.
Dirija-se a "Hnmihrey, Ilomeopathlo
Medicine Co." 109 Folin St. New-York.
o,LL B|M5r 8,LK-
(Retro de Seda para Cascar.)
Julgando ser de grande utildade dos negociantes da
America do Sul, terem fios de seda e retroz prepara-
dos em material mais leve do que sejam carreteis de
pi, estamos promptos a fomecer para exportaco
nos de seda, retroz de seda e seda de bordar, da
todas as dualidades, preparadas em lancedetras de
papel ou de pennas como cima representado.
Temos todos os tamanhos de fio preto e mais de
quinheios cores. ,
Dinja.se "Bn&oxd 4 Ajniitrong Co."
6ar Market Street, 460 Broadwav.
PhadelDhia, U. S. A.' New-York, U. S. A..
Tricofere
de Barry9
rrniiip-He que
b*z crviK'er o
CABELLO
Inda HMBM 1 un raoccm
malft ralvnfl, brai como qae
cun radlcrtlnieuto
a TIKHA o a CASPA.
Positivamente impede a
Sueda e o eribranqueciment
o CABELLO o em todos os ca-
sos o torna invariavelmente
Macio. B-ilhante, Formoso
Abundante
Em uso hamoisdeoitentaannos
O tem malor vectda qne iicnhum
ontrv o reparado para o cabello en
to, mundo.
Agua Florida
de Barry.
DUPLA.
Preparada segundo a formla
original usada pelo inventor no
uno de 1829.
Tem dual vezes mais Fragrancia
que qualquer outra.
Oura duas vezes mais tempo.
E'muito mais rica de perfume a
mais suave.
E'muito mais Fina e Delicada.
Tem dobrada forca Refrescativa a
Tnica no Banno.
Fortalece ao Doble ao Caneado.
Cura as Dores de cabeca e os des-'
malos. *
E'muitissimo Superior a todas as
outras Aguas Floridas Actual-,
mente venda. -^
Desooberta Importantissima.;
Puro Oleo de Figado de Bacalhao;
COM '.
IODURETO DE FERRO/
DI -----------'
Barclay 4; Companhliu'
Cnrm radicnlmente e comiwgnrancaofl pcoret
tfe Plitliifica. Escrfulas, Rheumatir da Rpoluha Dorsnl, do Qiiadriri c dosOssofi, as m-
.Vinwnji rt'* do Ffi^ido. do jinro e do tero, etc., esc.,
e restitue ao cor]>o enfraunecido e fatigado o fcu pri-
nitivo vfp^r e arredondado ios contorno*. E* certv
monte in erando descof^rA r- Puro Oleo 4
Eodureto M
Fizado de Katoa!Iw^> cou-
Ferrode Harcluy m r,.
New York.
Xarope de Vida1
de Rett.li.er No. II

DEPURATIVO E PURGANTE..
Este novo e admiraveLpurificadordo\
sangue acta sobre "a intestinos
o ligado, os rins*e a pelle.t
E*ci.-.rainfallivel contra a Debilidade
Nervosa, as Dores de Cabe3a< a Dys^j
pepsia as Sezoes, e contra as doen-
cas de origem Miasmtica ou occa-.
sionadas por desordens do figado
ou pobreza e Impureza do sangue.)
LINIMENTO SNEAU
ara ea C4VAIIOB
SPrlHSO
Ido FOSO
a aa
QDELA
lo PELLO4
URcl
SISTIISL
o FOOOI

Utuuius
A cura fat-te com a mCo em 8 minutos, '
* aor e tem cortar, ntm raspar o pello.
\ Ph.rm'* ONEAU, J75. Ra St-Hmoii.PMS |
" TOOA PHtlWAOlti
Alaga-ge a casa terrea n. B, na roa do Riachuelo,
antiga do De.tino, na Boa-VisU, com 2 sallas, 2
auartos, coeinha, quintal, 1 forno, caiada e pinta-
a e lavada; a chave acha-se no n. P, para ver
trata-ae na ra da Guia n. 62, Recife.
vonarzco
ESPLENDIDO S0RT1MEM0
DE
RENDAS OU BICOS
ben
0 que ha de mais gosto neste genero, reee-
EXP0SFA0 UNIVERSAL
DE
i
I
P.'-eoaragao de Productos Vegetaes
SXTINio' DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
JVIARTINS& BASTOS
______Pernambuco
Por todo pre^o
A Predilecta
liquida para acabar por todo o preco I Entre
muitoa objectoa, como aejam : binoculoa, eetam-
Eaa, lSa para bordar, perfumaras de todos oa fa-
ricantea, talagarcaa, entremeioa bordadea, na-
va Ihas finiaaimaa, padearroi, banhaa, aabonetea,
etc., etc., nao deiza de mencionar oa seguintes
objectoa, o que todo vende por qua8 nada :
Livroa para miasa, com capas de madrepe-
rola, um par 4000
Costureiraa de madreperola, ama 4JO00
Voltaa de coral, finas, com clchete de pa
quet, urna 400
Pecaa de galo*inho para enfeite de veati-
do, urna 60
Escovas para unhaa, nma 200
Fraaco8 de verdadeira agua de colonia, um 500
Caixaa de superior papel amisade, urna 400
Ditas de envelopea superiores, urna 300
Bolaas de percile, muito finaa, urna 1*500
Duzia de pacotea de aabo em p, Hudaan,
nma, rs. 600
Collarinboa modernoa para aenhoraa, um 600
Voltaa de vidrilhoa, muito finas, urna 1*000
Lequea grande8, de core8 lindas e meder-
naa, um 400
Duzias de baleiaa, polidaa e fortes, urna 360
Parea de ligas com feizoa de ac, para
crianca, um 120
Grosas de botoea de madreperola, finos,
para caaacoa, nma 11500
Macos de mignardiaaa psra crochet, nm, ra. 200
Trena completos (brinqnedo para criancas)
m 800
Botoea-bola, muito finos, duzia 120
Meias compridas, de corea, para meninas,
urna 500
Ditas cruaa. para homena, duzia 2*800
Ricos eatojoa com tbeaouras, um 2*000
Carretela de linha para machina, de todos
os nmeros, um, ra. 0
Liquida 1 1Praeada Independencia
Signa!, Bandetra encarnada com Ultras bratic 9
n
o
a
w
mi
Aa nicas infalliveis e que nao repugnam aa
crianzas. Cbegou nova remeaaa, e vende-ae em
casa de
Faria oSb honri C.
PILLAS
JURUBEBA
BARTHOLOMEO*C"
Phtrm. Ptrnsmbuco
\ Curo aa aeaaea. e todaa as Vafei
lntermlttenta*.
15 ANNOS DE SUCCUSO!
^xiflir a. aaaiSTiatiara,
rf?4i*4C-*r~*~fis
MM'IHIIIMMUaMIM
A PEPT0NA
Sabaftrnuao'vINHOdePEPI.'Ola
prasarado per Den-ecn da Para, ua
naaicaaMeto qae mu no eonlriasa fara fci-
tar aafoneosss 1o estomago, a refalaran a
difaatao, uotcf netoJ averacara liiull
eoenta.
Sannumere a ipepewjai teiu pelea
mab afanuos m xeos ie Parii s entres
Maos dctncnatrtras a ttazis dVIRHO
DE PEPTONA DBFRESara; na im-
pasaunliaaae m qae st*T tedss aa aoaa cartas, lim,Uno-,io a apra-
- SarDefreses
o a t*.ms> lis,
siedkel.
DU o t* JeUet ao Slr Den asee:
Sanlif, a 'JO le Ma-co da 1888.
( Vet e gosto ds Iba surjfsetsr a aa-
tatncae qae Uto com w Fvptoaa, petas
bws reauludos qae com alia alcance! ase
SMS grayes m q-j a teohe en pragas.
a Seuore quando Uve da bata r nm asas-
msgfl caaadn, doente ou com vi*a gei ,
tes. a sos preparacae allwiaa e
acata, .-^atanraanla Ihe as fonecoas digesti-
inosa aa aaaa canaa, nmitaoMKa
abitar aaiii earU diri-:a .o Sai
por a ai faolutio, cujo nomo e 1
kem conhoeMos pelo mundo sie.
EMILIO ROBERTO
17Ra do Barrio da Victoria17
cnMW m nr jk
JOSEPH KRAUSE a *
Aeabam de augmentar o sen j bem conhecido
imprtante estabeleciment* roa Io
de marf o n. % com mais
nm salo no 4 andar Inxnosamente pepar-
rade e prvido de nma exposi-
{itde Iras deprala kPorto eiedrtflate
dos mais afamados fabrieanes do
mundo inteiro.
Convida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e fregnezes a visitaren,
o sen estabelecimento, aflu de
apreciarem a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza. o adornaram, em honra
desta provincia.
CH-SE ABERTO DAS 1 8 DA NOITE
c o m m a ir ib
FMICAO GERAL
ALLAN PATERSON ft C
N. 44--Ru i do Bnun-N. 44
JUNTO A EF f A(3A0 DOS B0NDS
Tem para vender, por pre^ mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivafoea de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portas de fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de for9a de 3, 4, 5, 6 e 8 cavaos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de paadora
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e assentamento de machinismo e execucam qualqn
aa-alho com perfeigao e presteza

1

aa, a moitaa nnlhare* idosas, oaorasj
Mnieaa menino rachitlcos doren a
mm va a Poptona. Por iaaw i a
eooaidero coa a nm Tardadeiro daaar.a ra ^
commendal-s. os mees dnantss a'in
numero de ca;;
a XeohopraticaoB eaan medies rrateo da-
rais es anos de 181 a 1880, ajanis san
en e a tteessidade je digerir os alimentos,
U-.mediatamenta ocnsnmidoa era manos iaa-
Mriosa do que boje; anteo tf conttitaicass
eran mais rigorosas, nngniasaa. eaargteas 4
e detada; d'um roboato apoetoa. raron
bar nma grande aanndaeds de aneces taa-
tricoa 'tst yaioc*n a prompta tranaonna-
C&c c Hoie.porm.iiqpaoaeatomagoailiaia
(eos eareeem de energa, 4 uun ees asee
Unear mi de todas ar aubstanHaa jas fa-
ciliUm a digestio, como,
sea Pa3cre>iiaa.
X O precelto de hjgisaa mais imprtante, X
porm mais despresade asta : GtMsw
mwfo pera rsoarar etutl. *7 este e ee-
gredo ds sande, e durante mnita temor et
mean dstedts tireran eat aasruapto for
principn. objoeto; al inicio iie medico na Repaiticio de Banal [
eanaa (Tsata cidade, em eras os aacrarnlosss
a lymphatteoa abundam lora de nadies na
pemttum faser muitaa felitea lasHeapias
de aena azceliaatss srodnctos. a
Aclia-ie o deposito ds tio aune nadl-
eamento anaPharmaciaa a Drogan te dfean
cidade. E'jtaano eular en rocouhecol e
e ale icaitar as imiticoaa. iigin ,.radairaVINHO
;PELLETIERINA
Laoreado peto Instituto da Framos.
Feraecaser u earlaaa rancau a aw Hauitaas Hrti
Oreiadiomaia.>ertoaamaia fcil aa tonar
"V OOWT0.
VERME SOLITARIA
g*J*<***t "! afn-inimaii iniiaa
tUlZ. N- TANRET, M.I lUU-MMEIrUT
aseanita a rtnsmum: TUM a. a UTl
e>
ce

^ O
q
Is
S ce
2
O
'i
O
=
w ce
na -

W=4 i.
o es
*d be
e
ce ^
i
ce
06HW WAROUESDEHQLLWIDA.
#--

cVRheumatismo Cancro6,Bobae bnpi^ens1
'todasas molentias qUe tenho eua ortgem
na oipureza do sangue devida a syphilis
, waenai
reaawaca />v,ou, tom ~~frr------------_ ,'- ;'-s

c~3r#^-
faBOMTOR!o'$EK!TRAl OcIfROOCTOS^COICIHA
*0A FLORA BRASILfRA
rWa do Visconde de Rio*B ranoo
, v---------RIO DE JAXKIRO
(/c c^
oq n,
? *
O
S5-
2 >>
a 2^
P

6
?1333
ADamOSTRACiO :
PARIX. %,BoaUTard Montnartre, PAMX
PAETTLMA8 DIGESTIVAS ftDrtOadniC
yohy com os Saes extrahidos dea Fomtst.mm
de gosto agradavel e a sua accio anUeew |
i tra a Atia e as DtoestSes Hficsst.
.!lm' 0m rolo para um banno, para as pessoas que nao pedan a* aTtohy.
*srs evitmr a tmtstpSet exigir em toaos os productos a
BffA,naav njk. oomp. rn viohy
aa Piwta* (,uhi.aa^udt RARisnEHBT a uuuua,anauanaan
* >*-"R A KOECHLIN, 35. ru i Cni.
r BiiiD



6


Diario de PcroaniDiiio^Tcrfa-feira 16 de Fevereiro de 1886
%
Alnga-se barato
) 8. andar travesa do Campalo n. 1
) armasen) da ra d3 Bom Jeaua a 47.
A easa terrea n. 13 da roa do Nogueira.
A casa terrea n. 23 m travessa de 8. Jos.
) 1.* andar e da travesa do Carme n. 10.
i loja da rus do Calabooco n- 4.
A casa da ra ao Viiiconde de G-ovanna u. 79
i. easa da roa da Ponte Velha n, 22.
A casa da Baixa Verde n. 1 B Capnnga
A tratar no Largo do Corpo Santo n. 19, Ia an-
Aluga-se
asbrado de om andar e sotai, com agua e gas,
fftal grande, sito ra dos Guararapes n. 90 ;
a easa tema sita i ra de Santa Rita n. 89, com
S quartos, reedificada de novo, com agua ; a tra-
tar na ra de Domingos Jos Martins n. 50.
Aluga-se
gcande sobrado n. 161 da ra Imperial, caiado e
do ; a tratar na roa do Rangel n. 58.
AJuj
5*
se
par 30* a casa da rna dti S. Gencalo n. 26, com 2
safas, 3 quartos internos c 1 externo, cosinba fra
a bom quintal ; a tratar na ra de Hurtas n 17.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite que tenba boa
laste ; na ra das Larangeiras n. 18, 1 andar.
1
Parec sa-se de urna para cozinba, pom que
iarma em casa; a tratar ra do Marques de
Oliada n. 6
Ama
Precisa-se de urna ama para lavar e engommar ;
a roa da Unio n. 47.
Borracha
limas
para
Beceberam Rodrigue* d- Faria & C, e teem
jara vender em sen armazem ra de Maris e
Barro? n. 11, esquina dn ru i do Amorim.
Cosinheiro
Luz brilhante, sem Fumo
OLEOlOMATICO
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
MARTINS .BASTOS
JPernambuco
NUMERO TELPHONICO : N* 3*
31
I
i
I
I
j
Leonor Porto
Roa do Imperador n 45
Primeiro andar
Contina a executar os inais difflceis
fignrinos recebidos de Londres, Paris,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicSo de costura, em bre- )
vidade, modicidade em precos e fino j
gosto. }

:m
Precisa-se de om c iulieiro ; a tratar na ra
la Paysand n. 19 (Pasnagem da Magdalena), ou
raa do Commercio n. 44.
Cosinilieira
Precisa-se de urna corioheim que engomme
sen e ensaboo, e que nao durma fra, para easa
Ae pouca familia ; na praea do Conde d'Eu n. 30,
'rceiro andar.
Cosinheiro
Ss ra do Vicario n. 17, se precisa de um co
abeiro.
Mine. Niquelina
Hara agosta (olmbra
1 anniversano
Antonio Jos Coimbra Guimsraes, Augusta
Canaida Gomes Oaimbra, Antonio Nuaes Ferreira
Coimbra c seos filhos. convidam a seus aren tes e
amigos assiatirem a urna missa que mandam re-
sar na matriz de Santo Antonio quarta feira 17
do crrante, s 8 horas da manha, por alma de
sua pranteada filba, esposa e mai, commemorando
ksim e 1 annive sario do seu fallecimento. Por
esta prova de amizade, antecipam seu eterno re-
c.inh' cimento.
Venezianas
suteda Enrope
i faria Ji sortimanto de cJiapeili-
iancliawparaaliflrasjpe
i fie lais moflen, acarrea-sfi
le cocerta-Ios, pele
issiraiofam-s?
Mna Primeiro de Marco n. 19
Junto Botina Maravillaos*
PoH5.000
Aluga- se a loja do sobrado ra de Lomas Va-
lentinas n. 50; a tratar na Livraria Parisiense
a. 7 A- rus 1 de Marco.
Compra se de duas quatro venezianas de ma-
deira, com correntes de metal, das modernas, com
pouco uso ; no primeiro andar n. 22, ra larga
do Rosario.
Apolices geraes
Compram-se duas
de cont de ris; no 1.
andar d'esta typogra-
phia se indicar quem
compra.
ttea^o
Aluga-se a casa do Largo do Conselbeiro Joo
Alfredo n. 2 na Magdalena, "serve pata moradia c
Umbem para nt go io por ser bastante afregue-
zada para hotel tratar na ra da Imperatm
m.K.____________________________ "
Ao publico
Urna seniora habilitada s ofierece leccin r
praeiras leitras e trabalhos de agulha em eolle-
gios ou em casas particulares ; quem de seos
prestsos precisar, pode dirigir-se ra do Co-
ranel auassuaa n. 72.
4os doentes dos olhiis
Cara certa em 48 oras das Bflainaces recen-
tes dos olhos, pelo eolyrio preparado por Jos
Pedro Rodrigues da Silva.
Emprepa-se este poderoso colyrio sempre eom
grandes vantageos. as seguate* molestias :
Ophtalmias agudas, purulenta* c chronicat,
eonjunctivites, etc., etc.
Deposito geral na drogara de Faria Sobrinbo
4e C-, rna di- Marqui-z de Olita n. 41. Para in-
formacoe., dirigirse a livraria Industml, rna
do Barao da Vict ria n. 7, ou residencia do
autor, a ra da Saudade n. 4.
Costumes de casemira
a ao# e as*
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 82, rece-
ben-se um graude sortimeato de finissimas case-
miras inglczas ae cores claras e escuras, que se
venden or preco muito em conta, assim como das
mesuas se mandam fazer costums por medida,
S'ndo de paletot sacco a 3'4000, e de fraque a
3 a ; assim como de superior Amella ingiera de
cor azu' escura, a 304 e 354, e tamb m das mes-
mas fazendas se manda faser qualquer peca avul-
sa, grande pechincha ; na ora loja de Pereira
da Silva.
Este emedio precioso tem gozado da acceita-
cao publica durante ciocoenta e setc annos, com-
ecndo-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidade e venda nunca forSo t5o exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
ofterece a melhor prora da sua eficacia maravil-
hosa.
Nio hesitamos a dizer jue nio tem deixado
em caso algjun e extirpar os vermes, quer em
crcancas quer ~~1SJT**. que se acharao atBic-
tos Oestes mimigos A* i*4n, humana.
Nio deixaaKM de rscen^t. constantemente
attestacoes de mcheos en *or da sua eficacia
admlravel. A causa do sueoesso obtido por este
remedio, tem appajpcido varias falsificaoes. de
son que deve o comprador ter muito cu-dado.
examinando o nomeinteiro, *juc devia ser
(AMIMKrSDB FERK0
PeTATBIS
DE
FerkeareB
Os abaixo assignadoi, tendo adoptado e regis-
trado a irhrea industria) cmodo destnho icima
re corformidade com as prescripcoes da leis em
gor declaram ao publico e particularmente aos
t*s numerosos fregueses, qae dora em diante
odoa os productos qce nhirem de sua botica le-
varao a diu marca como garanta de sua origem
alegituna procedencia. ^
AguadeVidaeo
Bm qaartos e meias amf,. ; rSdem Fari
oonnfao C, a ra do Mrquez de Olinda n
1, depositario*.
w---------------------------------------------------^_^___
Cosinheira
_1^|*5Mef aMeiae#qhJ*.4w conducta ; a tratar na ra da
Aurora 6g, sadar terreo.
DE B B. I X EL L A H
(ioastrui-tores do melhor material par
eaminhos de ferro imioatriaes. Fornecedo
res dos Arsenaea e eaminhos de ferro do
estado belga, do Governo colonial das In
das Neerlandesas, etc., etc., etc., etc.
vas frreas prtatela -desmon
taveis fixas, trilhos de /erro e de ac, por
pre$os inferiores a de. qualquer outro sis-
tema, sendo mai dura veis e m lis prati
:os.
Heqnenaa locoMotlYas wago
oetes eepeciaes prra fabricas, exploracoes
agrcolas, aterros, minas e engenhos de
assucar.
Estabelecidas no centro de um paiz que
produz ferro e ace as mais econmicas
IcondisoVs, as nffcrfcw de Verharren & de
Jager, alm da sna sitaacSo em urna loca
idade onde a ma sam da vantage de ter urna organisaclo
seria e especial para a co*struco de ea-
minhos de ferro, ao alcance de todos. Os
seus presos desafian a qualquer concur-
rencia.
Para informacSes cirenmstanciadas diri
jam-se a
Tkoo. *m%t
2 LARGO DO CORPO flAKTO 2.
Remettem se catlogos Ilustrados quem
pedir.
81LLIZA ETERNA PELLM obtUa pilt tu it
PERFUMARIA-ORIZA
de L. LEGRANP, Fornecsdar da Curte da Russia.
CRMEORlZAa
?^?seurdeplusieurs"
&*Ut S'HONORE-fi
M CftUI. l/EICM
s B-Lia A
I iuiiriu iu ruscM
mmm mm i>i*fUi Idtdil
I tmmt uabta o Mta ?> tkM,|
tu uriu i iif niu.
ORIZA-LACT
LCg*0 EMULSIV*
Branquek(rafrgaa palle I
Fud4apparc*ruMrdas. i
0RI2A-VE.0UT
StOto plt rwlu do
VO.HtVilL.
0 mals pan a psIU.
ess-Triza
Perfumes d 'Ui0$O*
I ramtln**z*ao Boro norte.
Adopudoi pala mp4a.
tm wm as TiiUr* |irnrreaslrM ^
jamoa Cabellos brar._ .
JEJOESSIIIHSON
Um nico Vldr?
Suupu*4w
fciiilliliMMti mot
' CkbeUo- a t Barba '
I Ba oOr MSstal
I tnqutrnfi,uv
STOtnts t failRI *R*
' re#
' OOM UTI L1QD1SO
&&i.|.rad*>LAVAarSBftCAaWL."
MAI anlei ntm dootl
ftic5o >!!(
a*uludo Immedlato
aiotMochAB|li*,aai4oaaarto I
iaudi.
* *t tm Clt dt toot
ubtllertim.
ORIZA-VELUTE
PdtFLRcfARROZ
tdherente i ptH:
FTsami. o tmkmMn
spsstf*.
ORIZA-OIft., Olso para os Osilselloav
IAR DAS I\A.X*SIT'ia.A> xrui*&&o&jLa.
307, ra Saint-Honor*. Parir.
Gotta, Rheumatismo, Dores
SoLugo do Doutor Clin
Lauretdo d Facilidad de Medicina de Parii. Premio Montyon.
----------
A Verdadeira Solugo CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As Affeccoes Rheumatismaes agudas e chronicas, o Rheumatismo gottoso.
as Dores articulares e musculares, e todas as vezes que necessario calmar os
soffrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solugo CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
H*3 Um explicacio detalhada acompanha cada frasco.
Exigir a Verdadeira Solugo de CLIN & Cie, de PARS, que se erwontra em
^^________________________casa_dos Droguistas e Pharmaceulicos.________________.
'*'/>VpV>#JftVi <+++i*4*****y*^W*+t*l*i0*l&00l+i
ELXIR &VINH0
TROUETTE-PERH^S
de js~*4.XA (Pepsina vegetal)
fSS a mis poderosos digestivos ccnhccidoo at agora, para ccrauaias &
PFECQCFSDO ESTOKAGO: GASTRITES, GASTRALeifc?.
8IAR5AS, VOMifOS, PESO MO cSTOMAGO, Dlfcf.S. ETC., E1S.
'^t Gt '.2>a 1/VaO DBPOtS DA COMIDA. BASTA PARA GURAS 03 CUSOS ICAI3 BiTlTTnaa
A venda as ^rincipac Fbarinaciss o Dragaras.
Tnda ra gro&o si Pau-u, rTOCETTE-PEBRET, ni, 3a.*t-A*tou, 6
Dt a eajjCr Sella fio Sctctso rnmrum acbre os Frascos para evitar as r
M m Pornamhuco : i'RAN" S. da SILVA A Cr*.
Cuidado rom as Fjtsiflcacsi
i'i".< -'
jAGUA de MELISSA
dos Ca
BO
Unioo Sucoessor
PARS, 14, Ra de l'Abbaye, 14,
[Contra a Apopleiia. i Ofaolara, o Enjoo do mar, o- Flatos, is Clicas, Indl-
*! Fabre amarella, Me. ter o arospecto no qul tai enrolrido cada vidro.
Deve-so exigir o lut:c>lro brinco e preto. fm to loa OS vidros,
seja qual fOr o tainanbo, como ta^ilicm a assignatwa:
Depsitos em todas a* PfaarmaciaB das Americas.
VEROADEiRAS PiLULAS do DR 6LAUD
preponaos ferruginosa* podem aprttmutar-m i confia zea dos Xotf.i
4 PWnfcrr ap,oiadoa em oocameatoe tao aotiieatico* cono 01 tetn-Mim :
Bo upreada t*Hn o melhor xito, ha mate de m annos. csla maor narte -j*m tmOkam.
"f i*!" *-ne"i>Jf>y ?n. *PMji), e facilitar a forocc*, as ri*riaT '
-n. ir??.'JH??ftfercao desUs Pilu.ia nc aovo ctdex franetr o* dispense de 1'1r ibjIii
f ao UmaMemoa ti nica ciuoao. a do norratv* ^^ ""
o Se saaoi qie eurso a awvk1i.ii.aiz eue,rec*noaonata MHlmtmad* lliat
IswBteitSTel -obre aa oatraa f*rrarooa, e m eocaMaro como
Mrtirtiiaa,at(na. > 0. ooumlm
h*" at *) dt Itdmt da om nomewie)* gravado sobre cada Plala coaso i irargem
OUaPRt DK800NFIAR DA. 'tlTapEa
ItJttB,ZUrtitaas. t.'^Pe.atabaco: nif 9. da V C'.eainia
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pilulas purffleio o Sanue, oorrigem todas as desordems de Estomago e
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das coostitacoes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades
pecnoares ao sexo femimao em todas as edades. Para os meninos assim como tambem para as
pessoas de idade avancada a sua efneacia e incontesUvel.
Esas medicinas slo preparadas smente no Estabelecimento do Professor Holloway.
78, WEW 0XP0ED STfiKBT (antas 683, Oxford Strset), LOjTDEES,
E vendeme em todas as phaamacias do universo.
sw O compradores slo convidados respehosamente a examinar os rtulos de cada calxa e Pote se sao teca a
^^^^^^^ cumecao. 513, Oxford Soreet, sAo falsificasoes.
OPPRESSO 11^ypi^ll NEURALGIAS
. ^t,ll?rse a f"ma5a que penetra uu peno acalma o symptoma nervoso, facilita
aexpecioraca e ravorisa as funeces dos orgas respiratorios.
**** e < eaa eau ele J BKMC, sss, rita -(are, esa Paria
------B***tanoteM P^rmmm^tu tli^HC^ M. alai M'LVA+*
PILULAS DI6ESTITAS DE PANCREATINA
de DEFRESNE
Veade.
Siperwr Tiaho F gneira
en decaos e qaiatos ; na na do
m. IR
Sitios e casas para alo-
Pharmoceutico de i Ciaste, Fornecedor dos Hospitaes de Par
A Pancreatina empregada" nos hospitaes de Paris, o mais poderoso i
digestivo, que se conheca, visto como tem a propriedade de digerir el
tornar assimilaveis no smen.e a carne e os coepos gordurosos, masl
tambem o pao, o amido e as fculas. I
Qualquer que seja a causa da ntoeranciA dos alimento*., alteracio oul
ausencia de sueco aastrico, inflammacao, ou ulceracOes do estomaKo' oul
ido in-.est.no, 3 a 5 pUnlas le Pancreatina de Deiresne depois da co-i
mida, sempre alcancam os melhores resultados e sao por isso p^scriDlas!
|pelos mdicos contra as S3guintesaffecg5es: F I
Gastralgias
TTlceracdes cancerosas.
Enfermidades do fgaCo.
Emmagrocimento.
Falta de appetite.
Ms digestes.
Vmitos.
Flatulencia estomacal
Anemia.
Diarrhea.
Dysenteria.
..uuiainaa osiomaca Gastrites. Emmagrecimento. ""
somnolenciadepoisdecomer.evmitos,1 jaie.compaaha o a gravide*
j lEATINA 0E7RESNE omfrasquinlioscom a dose de 3 a 4 colhe-
radazmhas depois da comida.
BLE DEFRLJSNE, autor da Pcptona, PARS, r em todas u Fk
Alnga-ae o sitic^fc orl^k naBjArrambadosou
Dnarts Coelho, con grsjBs^ fobr^pp para morada,
eocbtira, casa parayCriadt 00 jK de coqoeilM,
maitas outras fucteiras. oitf Tiraircs, com pro-
porfdea cooaarvai^ise vseea* para dar leite, e
Olma, Tambea. afa^a-je om grande sitio na
Torra, com grande, casa pa,a manda, qaartos
^a^Tf"' ^ei pa eamv t*ria*m, mai-
tas frueteiru e baixa ara sapiau
JECTION CADET
Cura certa om 3 das sem outro medicamento
Cozinheiro
Precisa-se de um bom cosinheiro, homem ou
mulber ; a tratar na ra da Aurorn n. 77.

Este collegio acba se aberto ra Velha n. 40,
e recebe alumnos internos, sami-internos e exter-
nes.O director,
Ovidi oves Msnaya.
Viva o carnaval
Compra-se vestuarios novos e usados ; na ra
da Imperatriz n. 78.
Borracha especial
para limas ; receben a mercearia de Gonealo Jos
da Gama, a ra do Padre Floriaoo n. 41.
Tnico
Oriental.
Compra-se e paga-
se mais do que em ou
traqualquer parte bem
como
de qualquer qualidade.
Na ra lo Imperador
n. 32, loja de joias.
Julio Fuerstemberg.
Quem4em ?
Dure e prala : compra so ouro, prata e
pedras preciosas, por maior preco que em outra
qualquer parte : no 1 andar n. 22 ra larga do
Rosario, autiga dos Quarteis, das 10 horas s 2 da
carde, das uteis.
verdadelro cimento inglez
Marca Pyramide
Vendem Fonseca Irmos c (.'., rus da Madre
de Deus n. 12.
Advocados
Manoel Netto e Bevenuto Lob i ; ra Duqne de
Jaxias n. 75, entrada pelo pateo do Oollegic.
Escola par cular
De iiisiriicrao primaria para o nexo
lUIIM'lllillll
34- Ra da Mat-iz du Boa VMa34
0 abaixo asaignado participa ao Ilustrado pu-
blico desta capital, que a^rio sua escola particular
de instruccao prim; ria para o sexo masculino,
rna da Matriz aa Boa-Vista n. 34, onde esmera
damente se dedica ao ensioo de seus alumnos.
O grao da escola consta : ler,escrever e contar,
destnbo linear, histora patria e nocoec de trancez.
Garante um rpido adiantameuto em seus alum-
nos, pelo seu systema de ensinj, o qual urna pa-
ciencia Ilimitada, um amor inviolavei e urna es-
merada dedicacao ao ensiao, fazendo com que os
seus decipulos abracem c amem de coracao as let-
tras, aos iivros. e ao estudo, guiando oo no cami-
uho da intelligencia, da honra e da dignidade,
afim de que vnhsm a ser o futuro sustentculo
da patria, da r^ligio e da lei, e um verdadeiro
cidado brasileiro
Espera, pois, merecer a confian ca e a proteccao
do distincto povo pernambucano, e em particular
'cm f robusta em toios os pais e utores de me-
ninos que qneiram aproveHar um rpido adianta-
meuto de seus filhos tutelados.
Com quanto ousada seja esta tentativa, todava
espera qae es sens incansaveis esforcos, e os seus
purs deiejoa, sejam coroados com a feliz appro-
vaco de todos os filhos do imperio da Santa Cruz.
Mensalidade2000 pagos adiantados, no acto
da matricula.
Horario das 9 horas da manha as 2 da tarde.
Recebe meninos internos e meio-pensiouistas
por menealidades razoaveis e lecciona per casas
particulares a ambos os sexos.
fallo Moars de Azevedo
34-RA DA MATRIZ DA BOA VISTA34
*r /
#
/
jj5*
.v
,9
0
YZ^
* o ^;
pe
itoralDCer(
de Ayer
(Ays"s Cherry Pectoral)
eJa
tau\ cia k Cowro(ta.
roSSt.ASTHMA BrO\CHITE.
CoQUElUCHi. 0uT0SS CONVULSIVA
Tsica ePulmonar.
P.mui pelo D..JtAYtmOAloe. Muitulh
i
V1S 4:0004000
2111111 U3A&IIS3S
la Primeiro de Marco a. iZ
0 abaixo assignado tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 151 com a sorte de 4:OOO3?O0O,
alm de outras sortea de 32)$, 160 e 8$, da
lotera (37.*), que se acabou de eztrabir,
cmvida aos possuidores a virem receber
na coformidade do costune sem descont
a (gura.
Acham-se venda os afortunados bi-
lhetes garantidos da 248.a parte das loteras
beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Recife (38.a), que se extrahir quinta-
feira, 18 do corrente.
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
tm qnantidade maJor de fOoA
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875 .
Manoel Martins Finza.
ir
-os 4:000^000 .
E
1:1
Este importante estabelecimento de re'ojoaiia,
fundado em 1860, est funecionando agera ra
larga do Rosario n. 9.
O sen proprietano, cncarr'gado do regulamen-
to dos r elogies do arsenal de marinha, da compa
nhia dos tr beribe, da de Recife Caxang, da estrada de
ferro de Carua da companhia ferro-carril de
Pernambnco, da associaco commercial beneficen-
te b da estrada de ferro do Limoeiro, cercado de
intelligentes e habis auxiliares, conoerta e fa-
brica qualquer peca para relogios de algibeira,
de parede, de torres de igreja, chronometros ma-
rtimos (dando a marcha), caixas de msica, ap-
parelhos elctricos telephonicoe.
Contina a exercer a sua profissao com zelo e
interesse de que sempre deu provas ao respei-
tavel publico e a^s sens collegas, e vende forne-
eimento de qualquer qualidade.
Em frente de seu estabelecimento se acha col
locado um relogio, enjos mostradores tambem po-
dero ser vistos pelos passageiros da ferro-carril,
tendosempreaHORA MEDIA DESTA CIDADE,
determinadas pelas suas ooservacoea astronomi-
ab. Ra larga do Rosario n. 9.
Antonio Jos da Costa Araujo.
ce
ROQIAYROL FUERES
PASTILHAS
De AN6ELIM&MENTRUZ
ce
=
a
a
t>&
ae
t
as
53
r*a
Ci
9S
16-Ena do Cabuga 16 *
Acham-.se venda os venturosos bilhe-
tes gar; ntidos da lotera n. 38" em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife
que se extrahr na quinta feira 18 do
corrente.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Sendo qnantidade superior
a l0:OOO
Inteiro 31500
Meio 10750
Quarto 0785
______________Joaquim Pires da Silva.
*.U.LII
Aos4:000S00O
atii.ui, 11:* iRuiioov
i^ra^a da independen-
cia ns. 37e 39
Acham-se a venda os feiizes bilhetei
garantidos da 38, parteda lotera a benefici i
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir no da 18 de Fevereiro.
Preeos
Bilhete inteiro 40000
Meio 20000
Quwto 10000
m porcSo de 1OO0OOO para
cinta
Bilhete inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 875
_____Antonio Augusto dos Sant- P.rrtn.
IMudou d'i residencia
O Dr Maduro, medico parteiro, mudon sua re-
sidencia para a na da Imperatriz n. 88, esquina
da do Hospicio, 2 andar, onde ser encontrado a
qualquer hoia da noite.
Ao commercio
Nanea & C, fazem sciente ao respeitavel publica
e com especialidade ao corpo commercial que dei-
xou de ser empregadode sua casa o Sr. Manoel de
Oliveira Lima desde o dia 18 de Janeiro prximo
passado, desde esta data nio se respensabilisam
por qualquer debito que o mesmo sennor fizer em
sea nome.
Recife, 13 de Fevereiro de 1886.
Amu 6c C.


i
eo
3
I
49
Qt&fm* mth efflctt. *
Siv#mmtwi dtmtUfrlt r
lioje aara *>/* at lombrlf
Ao commercio
Os abaixo assignados pelo presente declaram ao
corpo commercial d'esta piaca, que n'esta data
compraram ao Sr. Jos Ramos Santos o estabele-
cimento de molhados sito roa da Imperatriz n.
63, livre e desembaracado de todo e qualquer onot
que possa apparecer. Se porm, algnem se julgar
com direito a oppor qualquer embaraco, queira fa-
sel-o no prazo de 3 das contar d'esta data.
Recife, 15 de Fevereiro de 1886.
_________________________Pereira & Rodrigues
AMAS
pPreeisa-se de ama para lavar e ostra part-
gommar ; na roa do Sebo n. 38.
LMtiD


-*~^**.>-


Diario de PernambucoTcrfa-eira 16 de Fevereiro de 1886
Para advogado
roa Duque de
Muga se a sala do 1- andar 4
Casias n. 61, a tratar na loja.___
*\
4
Viageos ao centro
De Olinda parte todos os sabbados, s 4 horas
da tarde, par Itamb por Iguarass e Goyanna,
ama diligencia: passageni a tratar na roa 1 de
Marco n. 1, no Becife. Viagens avulsas em qoal-
quer dia, e para qualquer parte a tratar no mes
mo lugar. ___^_____^^__^^^_^__^
Camisas de meia de seda
'trefe de Manir)
Vendem Sahuar & C, roa do Bom Jess nu-
mero 58.
Pilulas purgativas e depurativas
de Campanha
"* Estas pilulas, cuja preparacSo puramente ve-
getal, tem sido por mais de 20 annos aproveitadas
com os melhorrs resultados as seguintes moles-
tias : affeccdes da pelle e do figado, sypbilis,
bouboes, escrfulas, chagas inveterada, rysipe-
las e gonorrhas
MODO DE USAIi-AS
Como purgHtivas : tome- se de 3 6 por dia,
bebendo-se aps de cada dse um pouco d'agua
adocada, cb ou caldo.
Como reguladoras : tome-ae urna pilula ao
jantar.
Estas pilulas de invencao dos pbarmaceuticos
Almeida Andrade & Filhos teem o veridictum dos
sensores mdicos prra sua melhor garanta, tor-
nando-se mais recommendaveis, por serem um se-
guro purgativo e de pouca dieta, pelo que podem
ser usadas em viagem. Acham-se venda na
drogara de Faria Sobrinho 4 C, ra do Marques
de Dunda n. 41.
Fazendas finas e modas
* t. na do Cabart-t B
J Bastos tfc e.
(TELEPHONE 869)
Avisam as Eimag. familias que receberam de
Paria:
Lindissimos cortes para vestidos com tecidosda
mais palpitante novidade como sejam: Etamine
com bordado a retroa, seda croa bordada a capri-
cbf Cacbemire com enfeites b< rdados a fil.
Moda 1886
Valentionne en ecorce d'arbre.
Primorosa escolha em vestidos 13 ligeira, tecido ainda nao conbecido aqu.
Cores e desenos novissimas nos seguintes fa-
xendas de seda, l e algodao. Etamine, Surab. Se-
tim, Failles, Linn. Toile d'alsace, Cachemires.
Explendido sortimento
Em leques, luvas, espartilhos, lacos, lavahres,
meias, lences e muitos outros artigos que se ven-
dem por precos sem competencia.
Sitio
Aln3-se razoavel
Com casa para familia (na Vanea) e tem 4
salas. 4 quartos e coeinha, muitas fracteiras dan-
do truoto, junto excellente banho do Capibaribe, e
muito breve prto do trem ; a tratar na ra de
Santa Thereza n. 38, e na Vanea com o Sr. Es-
tevao Jos Si.nbes, confronto o dito sitio.
Carnaval
,
Vestuarios, se vende por preco
da Florentina, becco do Balito.
barato : na ra
0 a. V. ile
,"

d consultas e attende a cnamados a qualquer
hora io dia ou da noite, em sua residencia, na
cidade do Cabo.
Aluga-Se urna casa pe -
quena
Na ra de S. Francisco n. 1, freguexia de San-
to Antonio.
No becco do Fundo n. .freguexia da Boa-Vis-
ta : a tratar na ra de Santa Thereza n. 32, de
manta a at meio dia.
Para evitar duvidas (j
O abaixo assignado, negociante, socio da firma
Medeiros A C. com livrana ra 1 de Marco
a. 7-A, declara que nao se refere a elle urna aceito
hypothecaria que foi pro josta na audienc a de
hoje, por parte de FUvio (ioncalves Lima. Reci-
te, 13 de fevereiro de 1886.
Francisco dos Santos Neves.
Liqudalo
em continuaeSo na ras larga do
Rosario n. :* *
Damio Lima & C, n2o p- dendo acabar o aeu
grande sortimento de miudezas, em cansequeneia
da cryse perqu passamos, continam por saais al-
gum tempo a liquidar suas mercadonas, pelo qne
de novo convidam ao publico e especialmente
Exmas. familias, a quem pdBem toda proteceo.
dmirem !
Punhos e colarinhos bordados para se-
ntaras 24200
Ditos lisos t 1*800
Ditos de cares 1*500
Luvas de seda de cores 2*500
Agua florida. 700 rr. e 1*800
Bordados de 300 rs. 2*000
Bonitob lacos a 2*200
Leques de 400 rs., 600 e 1*000
Metas para homem 3*000
Ditas idem 3*000
Ditas de cores 4*000
Um par de fronhas de labyrintbo 1 *5< 0
Urna toalba de labyrintbo 25J e 30*000
Envcsiveis, rs. 320
Fitas, bicos. lenco*, gravatas e outros muitos
artigos qne esto <-xposicao.
Ra larca do Rosario n. SS
Damio Lima & C-
lainhas
Vendem se em barris e em quartolas, e mais
baratas do que em ou'ra qualquer parte ; na ra
de Pedro Alfonso ns. 5 e 11.
BiulBdi q sortimento de reoiissl
CRIADO
Precisa-se alagar um criado, de 10 12
annos de idade, e qne d fiador sua con-
ducta ; no 3. sudar, por cima da typogra
pbia do Diario, n. 42, ra Duque de Ca-
xias. _________^_____________
Casas para se alugar
Aluga-se duas casas terreas sitas roa do Vis-
eonde de Goytnna ns. 59 A e 59-B, ebtn 4 quar-
r-4bs cada urna : a tratar na ra da Imperatriz n.
64, loja de fasendas._______________________
Na cidade da Escada
compra-se ouro, prata, patacoes nacionaes e es-
trangeiros, e m edas de onr ; na ra do Com
mercio n. 19, estabelecimento de Antonio Fran-
cisco de Araujo Costa.__________________^^^
os mais modernos e de melhor gosto, acaba de
receb'-r a Exposicao Universal, ra do Baro da
Victoria n. 17, loja de Emilio Koberto.
HBaDUQEDGAIlnSN.83
Mendomja & C.a
Os proprietarios deste estabelecimento no in-
tuito de aDgHriarem o maior numero possivel de
fregnexes, resolvere m modificar sensivelmente os
precos das fazendas.
Objeetos para seahoras
Merinos pretos e de cores, setins e setinetas
lisas e lavradas. lacos modernissimos, casacos pre-
to-, cortes de cacbemire bordados de seda, saias
bordadas, alpacas e las de cores, fustes brancos
e de cores, espartilhos, meias de cores, cruas e
al vis, belbutinas, cintos de coro, collarinbos e pu-
nhos, fiebs e outros muitos artigos.
Objeetos para horneo-
ROL'PA POR MEDIDA
Camisas francezas, ceroulas, camisas de meia,
collarinhos, punhos, pUstrons, gravatas, manta:,
lencos, meias, casemiras pretas c de cores, brins
especiaes e outros artigos
Tapetes, panos c colchas de crochet, cortinados
atoalhados e bramantes etc.

Tenente Cialdino Pi doa Santn
Joaquim de Gouveia Coideiro, tando de man-
dar celebrar algumas missas por alma de sen pre-
sado amigo tenente Galdino Pi dos Santos, na
igreja da S. Cnw, as 7 1/2 horas da manh do
dia 17 do correte, convida a scus amigos pa-
reutes do fallecido, para assistirem a este acto de
caridace, pelo que antecipa os seus agradecimen-
tos todos que coaiparecrem. ______
^TilliT^nSIpliacl
D bilhar commercial ra Duque de Caxias n
34, receben o importante vinho de S. Raphael.
que vende por menos que em outra qualquer par-
te, em grosso e a retalho. ___
IGARASS
N. 88:200
O Dr. Francisco Xa-
vier Paes Barreto,
pela 4.a vez rogad i a
vir ou mandar a ra do
Mrquez de Olinda n.
50, dar cumprimento
ao numero cima.
VENDAS
4
.
Crande liquidaco
file pliNMi-N
17 Ra lo B,iraa da Victoria 17
Ciposico universal_____
Lilianas seccas do Rio
Urandc do Sol
Vende-s- na ra de Pedro Affonso n. <> fantiga
da Praia) a 320 rs. !!!
Tiras bordadas
A too, l*o, lo e too rs
Para o carnaval
86 na nova lija n. 32 i ra da Imp' ratriz, se
vende um gnta dada*, proprias pata eufeitea, sen ia largas e et-
treitas, peloj baratissimos precos de 100,120, 160
e 200 rs tend.i dous metros cada peca, grandt
pechincha. Assi u como um bom sortimento de
ganga amarilla, v.ries e encarnadas, qne se
vendem barato : *i loj de Pereira da Silva, i
*rua da Imperatriz n. 32.
Para escrip'orio
Urna grande carteira de amarello, envernisada,
com gavetas, podendo escrever a vontade tres
pessoas, custou 80^000 e d-se por 25* para li-
quidar ; na ra de Santa Thereza n. 38. Para ver
de manhS at meio da.
Yelloclpede por Saooo
S para se liquidar, com defeito ; na ra de
Santa Thereza n. 38. Para ver, de manha at
meio dia.
Bilhar par? menino por 34000
Na ra de Santa Thereza n. 38. Para ver, de
manha at meio dia.
Bomba de Por lOfOOO (ainda nao servio) e nao 50 se es-
ti vase perftita ; na ra de Santa 'Thereza n. 38.
Para ver, de manba at ireio dia.
BalcSo por *4
S para liquidar ; na ra de Santa Thereza n.
38. Para ver, de manh at >oeio dia.
Marmore
4 000 cada urna caira
Duas caixas com lavatorios de marnore, com
defeito, a 4 cada urna caixa, s para acabar ; na
ra de anta Thereza n. 38. Para ver, de manha
at meio dia.
\o\nm>ES
\a Lo|a das listra s Azue n
Roa do Doqne de Caxias n. 61
Zefiros de qnadrinhos e lisos, de todas as cores,
fazenda de novidade com 80 centmetros de largu
ra e cores seguras, a 240 e 280 rs.
Renda da China, fazenda branca a berta, a 240
ris.
Las cbinezas de quadrinhos de seda, 320 rs.
Fusto branco inglez, padrees novos, a 5<0 rs.
Setineta do Japao, campo amarello com matiz e
bolinhas, de lindas cores, a 360; muto larga.
Meias de urna s cor e bordadas, a 500 rs.
Espartilhos eouraca a 4/, e muito finos com cor-
dao de seda a 5.
Leques Joanita representando alguns actos
desta linda opera, a 1J.
Crochets para sof e cadeiras, guarnicao com-
pleta, a 7*500.
Cortinados bordados para cama e janella, a 69.
Capellas com veos de blond de seda, a 94. e
com collar, polseiras e brincos de flor de laranja,
a 15*.
Camisas finas para meninos de todos os taa-
nnos, a 2*500.
Meias para meninos e meninas, de todo prec>.
Brim pardo liso fino, a 320 rs. o covado, e lona
verdadeiro a 500 s.
Naozuc de cores finas a 240 rs.
Damasco de l infestado para reposteiros e col-
chas, al*.
Bramante de linho 4 larguras, muito superior,,
a 2*.
Dito de algodo a 320 e 400 rs., e trancado a
600 rs.
Chitas finas e cretones francezes com lindes
desenhos e cores firmes, a 240, 280 e 320 rs.
Tapetes grandes e pequeos a 1|800, 2*500, 4*
e7.
Anquinhaa modernas a 2$.
Toalhas alcochoadki a 250U e 2f 80C a duzia
Velndilhos de todss as cores a 1J.
Sombrinhaa para campo a 2g.
Cretones finos para coberta, cores seguras, a
320 rs.
Atoalbado bordado infestado, a lj|300o metro.
Mirks pretos a rj e 1*200.
G'rguro de seda preto, qualidade superior,
a 2*.
Veos de seda pretos a 5J
Madapolo americano a 6f, de 8j.
AlgodaV'Zinho superior marca T, a 5*800.
E mu tas fazendaa de NOVIDADE. S com a
vista se pede acreditar na barateza dos precos
annunciados. Queiram maridar buscar as amos-
tras
IVa Loja las Ustras Aznes
Ra do Duque de Uaxiaa a. l
Bon.s dias
Mendonca Primo & C.
Vende "i por preeos sen
competencia
Las escocesas, padres modernos a 400 res o
covado.
Ditas mescladas e lavradas a 500 res o dito.
Velbutinas de todas as cores, lisas e lavradas a
1*200 o dit).
hustes brancos com lindos desenhos a 400 e
500 reis o d>to.
Lencoes de bramante a 1*800.
Callarinhos modernos para homena a 500 reis.
Setir.s de tedas as cores, por precos baratissi-
mos
Merinos pretos e de cores para \ istido.
Mantilhaa pretas.
Fiebs do diversas qualidadea.
Cortes de cassemira para ssnhora, bordados de
seda, atoalhador, espartilhos, tapetes avelludados,
panos de crochet, punhos para homem e senhora,
meias de todas as qnalidades para homem e se-
nhora e antros muitos artigos de moda.
Boa Bupue de Casias n. 19
4 loja das estrellas
Ra Duque de Caxias n. 58
Liquida aa negulntea faienda* com
SO jo tf e abate
Gorgorito de seda preto, do preco de 4*000, a
1*600 e 2J o metro.
Bramante de linho com 10 palmos de largura,
de 3*500 2* o metro.
Dito de algodao idem idem, de 1J500, 11 o
metro.
Atoalhado, duas larguras, lindissimos desenhos,
de 2*400, 1|300 o metro.
Dito trancado, alvo, de duas larguras, de 1:700
1:200 o metro.
Dito dito cr, idem idem, de l:2u0 800 ra. o
metro.
Madapolo Beavista verdadeiro, 6:500 a peca.
Guardanapoa grandes para jantar, de 8:000
4:000 a duzia.
Ditos ditos para almoco, de 4:000 2:500 a
duzia.
Toalhas felpudas, de 5:000 4* a duzia.
Ditas alcochoadas, de 4* 2:560 a duzia.
Meias inglezas para homem, de 7:000 4*.
Ditas para senhora, de 10:000 6*.
Lynon de urna s cor para vestido, de 800 rs.
400 e 320 rs. o covado.
Cortes de cambraia bordados, de 12:090 8:! 00.
Casacos Jeney bordados a 12*.
Gorgorinas de seda, de 1:800 A 600 rs. o co-
vado.
Merinos de todas as cores, de 1:400 800 ra. o
covado.
Ditos pretos, de 2:000 1:200 o covado.
Rendas da India a 240 rs. o covado.
Setim cor de rosa e escarate a 800 rs. o covado.
rleai-8 de todas as cores, de 600 ra. a 320 rs.
covado.
Leques Joanita, 1 e 2- acto a 1* um.
Lacos modernos a 1:500 um.
Chapeos de sol psia senbora a 1* um.
Lencos de eaguio de linho a 1:800 a duzia.
Ditos de ambraia de linho, de 8:000 4* a
duzia.
Meias de fio de Escoasia, de 20:000 8:000 a
duzia.
Anquinhas a 2*000.
Flanella para coatumes a 1*100 o covado.
Cortes de casemira, de 5:000 3*.
Panno l glez para ceatumes, de 5:000 2*.
Brim pardo lona, de 700 e 500 rs. 320 e 240
ra. o covado.
Dito de cores variadas a 200 ra. o covado.
Aberturas para camisas, de 20:000 a 6/000 a
duzia.
Meias de fio da Escossi-t para homem, de 7:000
4* a duzia.
Collarinhos de linho com pequeo toque de mofo
a 2* a duzia.
Punhos idem idem, a 800 rs. o par.
E muitos outros artigos que se vendem com o
mesmo abatimento. Telephone n. 210.
Fazendas brancas
80' AO NMEiO
to na da Imperatriz = I
Loja dos barataros
Alheiro & C, a ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estss fazendas
abaizo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodoPecas de algodozinho com 20
jardas, pelos baratos precos de 3*800,
41, 4*500, 4*%0, 5, 5*500 e 6J500
MadapoloPecas de madapolo com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at 12*000
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de 800
Ditas branc >s e cruas, de 1* at l*80fl
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoea, toalhas e
croolas, vara 400 rs. e 500
Ceronlaa da mesma, muito betn fetae,
a 1*200 e 1*500
Colletiuhos ('a mesma 800
Bramante trances de algodo, muito en-
corpada com 10 palmas de largura,
metro 1*280
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e 28l
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 pannos de largura, metro 1J800
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
dres delicados, d 240 rs. at 400
Baptista, o que ha de mai delicao no
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratsimas, na conhecida
loja de Alheiro & C, esquina do becco
dos Ferreiros
Algodo entestado pa-
ra en?oes
A Oo r*. e ISOOO o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
algodo para lencoes de um s panno, com 9 pal-
mos de largura a 900 rs., e dito com 10 palmos a
11000 o metro, aaaim eom dito trancado para
toalhas de mesa, com 9 palmos de largura a 1*200
o metro. lato na leja de Alheiro 6c C, esquina
do becco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400, 1*6(0, 1*800 e 2* o covadb
Alheiro dem muito bons merinos pretos pelo preco cima
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co dos Ferreiros.
Espartilhos
A 5$00<>
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senbora, pelo preco
de 5*000, assin como um sortimento de roupaa
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3: o covado
Alheiro 4 C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um eleganto sortimento de casemiras ingle-
zas, de duas larguras, com o- padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 2*800 e 3J o covado ; assim coaao ae encarre-
gam de mandar faaer coatumes de casemira a
30", sendo de paletot sacco, e 35* de traque,
grande pech ncba na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
rxrcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato pr^co de 321)
rs. o covado-, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado* a lOO ra. a peea
A raa du Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bovda io, dous metros cada ptea, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto eom 50 pecas, sorti-
d.s, por 5f, aproveitem a pechincha ; na loia da
esquina do becco dos Ferreiros.
i ii*les de setineta a 500 rs, o
covado
Alheiro & (". i ra da Imperatriz n. 40, ven-
d m um bonito eortin ento de fustes crneos pelo
biiratinho preco de 400 e 500 rs. o covado, assim
wtinetas lisas, trndo de todas as cores a 500 rs. o
ovado ; na loja da esquina do becco dos Fer
reros.
VEME-SE
Doce de eaj secco,
^na ra de S. Jos n.
16.
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Escessez preterive
ao cognac ou agurdente de canna, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho nos melheres armazena d
nolhadoa. *
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cujo no-
me e emblema sao registrados para todo o Brazi.
BROWNS fe C, agentes
Camisas nacionaes
A AtiOO. 3*000 e 8*500
32 = Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se ueste novo estabelecimento um gran-
de sortimfnto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e punhos de linho como de algodo. pelos
baratea precos de 2*500, 3* e 4*, sendo fazenda
muito melhor do qu^ aa que veem do eatrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortada por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a vjntade dos
freguezea : na nova loja da ra da Imperatriz n.
3 -', de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
a Raa da Imperatriz = 3*
DE
FERREIRA DA SILVA
Neate novo eatabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidadea, que se vendem por
precos baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de roupaa para homena, e tambem se man-
da fazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre alfaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brins, etc
3? -Kua da Imperairli-S
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as reupes abai-
zo mencionadas, que sao baratissimas.
Palitots pretos de gorgoro diagonaes e
acolchoados, sendo fazendas muito en-
corpadas, e forrados 7*000
Ditos de casemira preta, de cordo, muito
betn feitog e forrados 10*000
Ditos de dita, fazenda muito melhor 12*000
Ditos de flanella azul, sendo ingleza ver-
dadera, e forrados 12*000
Calcas de gorgoro preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encorpada 5*500
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem feitas 6*500
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas 8*000
Ditas de brim de Angola, de muleakim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e 3*000
Ceroulas de greguellas para homena,
sendo muito era feitas a 1*200 e 1*600
ColletinhoB de greguella muito bem feitos 1*000
Assim como um bom sortimento de lencos de
linho e de algodo, meias cruas c collarinbes, etc.
Isto na loja oa ra da Imperatriz n. 32
Riscados largos
a tOO rw. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem se
riscadinhos proprios Dar roupas de meninos e
vestidos, pelo barato prt'50 de 200 rs. o covado,
tendo quasi largura de chita franceza, e ass>m
como chitas brancas miudinhas, a 200 ra. o cova
do, e ditas escuras a 240 rs., pechincha : na
loja 30 Pereira da Silva.
Faatoea. netineta* e lazInbaH a SOO
ra, o covado
Na loja a ra da Imperatriz n. 32, vende-se
um grande sortimento de fustes brancos a 500
rs. o covado, lzinbas lavradas de furta-cores,
fazenda bonita para vestidos a 500 ra. o covado,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas as
corea, a 500 ra. > covado. pechincha : na loj-
do Pereira da Silva.
Merino preto* a 1 **0 e I *00
Vende-se merinos pretos de duas 1-rguraa para
vestidos fi roapas para meninos a 1*200 e 1*600
o covado, e superior setim preto para enfeites a
1*500. asim como chitas pretas, tanto lisas eamo
de lavoures brancos, de 240 a' 320 ra. ; na nova
leja de Pereira da Silva ra da Imperatriz nu-
niero 32.
AlgodoBinho rranre para lence*
a OOOra.. I* e iSOO
Na loja da ra da Imporatriz n. 32, vende-ae
periorea algodozinhoa francezes com 8, 9 e 10
lmoa de largura, proprioa para lences de um
s panno, pelo barato prejo de 900 rs e 1*000 o
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1 *280, as
sim como superior bramante de quatro larguras
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na loja
de Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
A *. tSSOO e 6*
Na nova loja da ra da Imperatriz b. 32. se
vende um variado sortimento de vestjarios pro-
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci-
uha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, ditos
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgoro prato,
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; na
oja do Pereira di Silva.
TINTURARA
OTTO SCHNEIDER
SUCCESSOR
25 Ra de, Malinas de Albuquerque 25
(4NTIGA RIJA DAS FLORES)
Tinge e liropa com a maior perfeigSo toda a qualidade de estofo, e fazenda*
em pecas ou em obras, chapeos de feltro ou de palha, tira o mofo das fasendas; tode o
trabalho r'eito por meio de macbinismo aperfeicoado, at hoje conbecido.
Tintura preta as tercas e sextas-feiras.
Tinta de cores e lavagem todos os dias.
Grande e bem montada odicina de alfaiate


DE
PEDROZA&C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN 41
Neste bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lido e variado sor
timento de pannos, casemiras, brinc, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravatas,
tudo importado das melhores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; e para bem
ervirem aos seus amigas e freguszes, os proprietarios deste grande estabelecimento
trn na direccSo dos trabalhos da oficina habis artistas, e que no curto espago de 24
horas, preparara um terde roupa de qualuerfazenda.
Ra do Baro da Victoria n. 41
(PREQOS SEM COMPETENCIA)
Os proprietarios do muito

conhecido
estabelecimento denominado
MUSEUDE J0I\S
sito a ra do Cabug n. 4, communicsm ao respeita^el PUBLICO que receberam uas
grande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam-
bem relogios de todas as qualidades. Avisam tambem que continuara a receber por
todos os vapores vindos da Europa, objeetos novos e vendem por muito menos que es
outra qualquer parte.
MICUL WOLPP & C.
N. 4RA DO
Compra-s ouro e prata velha.
CABUGA
---N. 4

^^mm aii^


ALBERTO HENSCHEL & C.
S2--RUA DO B4RA0 DA VICT0RIA-52
O aba'xo assignado tem a honra de participar ao respeitavel publico d'esU
capital e do interior, que reassuraio a gerencia d'este grande e bem conceituado esta-
belecimento, onde j por longos annos tem oceupado o mesmo lugar.
As Exmas. familias e pessoas que desejareni hnralo com suas encommendat
encontrarlo all os mais modernos e aperfeigoados trabalhos concernentes a art>
photographica e modicidade nos precos.
C. Barza,
-Gerente.
. -
SAO AS SEGUINTES PARA, ACABAR
l-RiiaDoqne deCaxias-59
Toaile de nice, lindas cores, 18, 1*400 o co-
vado.
Damac de seda bordada a 1* o dito.
Sedas bordadas, finas, a l*8u0 e 2t o dito.
Setim Mano de todas as cores, a 1* e 1*400 o
dito.
Dito dito preto, a 1*200, 1*500 e 2* o dito.
Cachemiras para vestidos, a 1* e 1*400 o d:to
Gorgurina8 matizadas de todas as cores, a 4U0
e 500 rs. o dito.
Setinetas lavradas e lisas de todas ai cores, a
MO e 560 rs. o dito.
Faile com lindas cores, a 460 e 640 rs. o dito.
Mirine pretos a 1*, 1*200, 1*400 e 2* o dito.
L de quadrinhos, core lindas a 700 rs. o dito.
Dita de todas as cores, a 400 e 560 rs. o dito.
Popelinas de seda a 300 e 320 rs. o dito.
Alp*c s lisas, finas, a 360 e 460 rs. o dito.
Fusto de cores para menino, a 320 e 3C0 rs. o
dito.
Casemiras pretas a 2* e 2*200 o dito.
Ditas de cores a 1*500 e 2* o dito.
Dit .8 ditas finas,inglesHS, a 3*500 e 4* o dito-
Cortes de casemiras com toque de mofo, a 2*800
e 3*400.
Ditos do dita perfeitos, finas, a 6*500, 7*500 e
10*.
Damasco de l com 8 palmos .de largara, a 2*
o covado.
Dito de algodo a 600 rs. o dito.
Dito branco bordado a 1*500 o metro.
Atoalhado de Hubo fino, h 1* o dito.
Cortes de cazeneta a 1*400, 1*800 e *.
Fechs de pellucia, 6* e 7* um.
Ditos arrendados, a 2*500, 3*500 e 4*500.
Ditos de sdn, lindas cores, a 3* e 3*500.
Chales de casemira, a 3*500 5*500 e 7*.
Ditos de algodo, a 1*, e 1*800.
Colchas de cores a l*50u e 2*
Ditas portuguesas (muito grandes) a 12* e 14*
Ditas de crochet a 10*, 12 e 15*.
Capellas com veo (para noivas) a 10* e 16*\
Enzuvaes para batizado, a 10* e 14*.
Camisas i>ara senhora, a 3*500 e 5*.
Saias idem idem, bardadas, a 4* eo, r*O0. a
Toalhxs de laberintho ricas (para baptizado)
60* e 80*
Cr> t nes para vestidos, lindos padroes, a 280,
860 e 440 rt'. o covado.
Chitas claras, fina, a 240 e 280 rs. o dita.
A' mi-i Duque de Cxlaw *
Ganaini da Cuma & GL
BA\H0S DE MAR
Superiores eostiiines de excellente fa-
zenda e muito bem preparados para banhosde
mar.
Para senhoras. 10.1000
Para homens. 81000
Para crianzas. 5$000
Recebemos ltimamente nm grande sor
timento de diversos tecidos novos para vest-
dos e inteiraraente apropriados para a pre-
sente cstayAo.
LOI7VHE
FANCISGO GGEL DO AMARAL & fi.
Ella Primeiro U Marco 120
ESQUINA DA RA DUQUE DE CAXIAS
\ telephonico 1S8

i*:h:oto
facjuj.
uiiahnier nM* '1'' tatclllgend regalar pode apprenrier todo qne ne acha nesta obra.
,#1.00 cada cv'-niplar, eocttleniwlo-em panno, ewrepue franco.

/ue
Aos qne v/m-
Itios jiara'Ajnadares de flo^
Kni pirajnenlo dn -olio de correio, prefennikMie os daa mqsorea denominacci.
' um apparellio completo doremos gratis nm cxt*mplar dodilomanu.il.
'"uvlarl-ie Catuloiro en Pnrtni-ni-7, a. qnrm qne o pedir.
* E. & H. T. AJI-molTT ft 00. 601 BEOAJJWAT. NOVA-TOBIC
'xla mpecK-d matertu-Hotofrlphlcot' Estabclwadus lia mai-.'.: .0

"


8
Diario de PcrnambucoTcr^a-feira 16 de Fcvcreiro de 1886
*





UTTERATDM
OS FILHOS
DO
DB.A.INTUIDO O
PO*
a. capsud \
QHARTA PARTS
A gratas d 'treta*
( Continuado do n. 36 )
I
FECAMP EM 1605
Conta-se que o aangue coagulado sobre
as feridas de Jess Christo, sendo recolhi-
ao por Nicoderaus, que o legou a seu so-
brinho Isaac para subtrahir o precioso
thesouro profanaglo dos pagaos, met-
teu-o no tronco de urna figuira e confiou-o
ao mar.
O madeiro, calafetado hermticamente e
contendo a Santa Reliquia, toraou se o j >-
guete das ondas, diz a lenda maravilho-
sa acreditada com ingenua f pelos chro-
nistas.
Arraetado pela corronte, que leva o Me
diterraneo para o Oeeano, o tronco da fi
guaira seguu iittoral d'Atrica, atraves-
sou a passagem das columnas de Hercules,
e sempre levado pelas vagas, foi encalhar
as proximidades d.i um valle selvagem
ds Normandia, ondo muitos milagrea as
signalaram logo a presenga da Santa Reh
quia, o que deu ao vala o nome do campo
da Figueira (Fici campus), e por corrup-
to, Fcamp.
Acbada a Reliquia, provados os mila-
gros, um convento, como era de justiga,
fti tundado i inmediatamente para perpo-
tuar a memoria do acontecimento.
E? a este mosteiro instituido para con-
j o.n nno fijado e cuja base o mar bata na mare cnea.
aerracuo do preciso ^e que a cdade J aprovetaado 03 curto8 Mtan.
deve orovavelraente a sus ongem. r ___
famosa abbadia, foi estaba- tes, em que as ondas deixam o rochedo
or S Wannige, auxiliado em secco. U,Q aventureiro, por nome liois-
,or S Oucn e por S. Wandrillo; toi occu-; *>*, Po ao servigo dos principes de
pado por algumas freirs sob a direccao de ^ena apreseuta-se cora urna pequea es-
Santa Childem arca, e o numero d'ellas de-, colU ao pe do rochedo
** ; Compunham a escolta nicamente qua-
pressa subi a trez^ntas ho escolbidos entre os
Estas santas gens de^am dar un,des ^^ mais dedicado8 e ma3
tes raros e heroicos exemplos de aoenega-
cao e de castidade, comparado com o qual vaientes. __
^o a ub t r -* y>0 soldados da guarnicao, que tinham
o suieidio de Lucrecia na, c mais do que,^ ^^ & ^ ^ .^ ^^
UmprSaaT5ef"abbadia, Fcamp rpida-juma .^eada de corda que fica suspensa
desenvolveu e adquiri, tal im-; P" do horroroso abys.no.
des, que noffreram as cidades e as institu-
(oes religiosas da idade a media.
Em 1001, as feiras oram substituidas
por frades benedictinos, que desde entao
ficaram occupando abbadia.
Foi de Fcamp que partiram successiva
mente para Inglaterra, Alfredo, que l foi
acbar a morte, Eduardo o confessor, que
l recuperou a ooroa, e finalmente, Gui-
lherme o conquistador, o qual levado F-
camp, proclamado duque depois da morte
de seu pai, assignou na cidade, em 1052, o
seu tractado de paz com o rei de Frangaj
e fez armar no porto urna parte da esquadra
que o devia levar s costas inglezas.
Desde 1204 at 1450, Fcamp foi cer-
cada tres vezes pelos inglezas ; tres vezez
fez Fcamp heroica defesa; foi tomada
duas vezes, e duas vezes se insurreccionou
para reconquistar a liberdade.
Finalmente, em 1450, a cidade foi con-
quistada definitivamente pelo rei de Fran-
ja ; todava ainda assim no acabaram para
ella os terrores da guerra.
Arruinada pelas cxcuraoes e rapias dos
conquistadores, conservou-se tranquilla pelo
espago de um seculo. Em 1476 foi visita-
da por Luiz XI j Henrique II outhorgou-
lhe urna ordenanca sobre a pesca, e de
onde data a prosperidade do seu parto;
mas as guerra de relgio depressa leva-
rara pobre cidade a desordem e devas-
tagao.
Os calvinistas apoderarom-se d'ellaa em
1560 e saquearain as grojas. S a abba-
dia, defendida pelos frades, quo escapou
ao seu furor. Dous annos depois o duque
d'Aumale expulsava os vencedores o fazia
abrir as portas das cidade a Carlos IX e a
Catharina de Mediis. Os proprios frades
percorriam as ras, incitando com um zelo
fantico, carnagem e saque.
Em 1589, Villaes, que governava a ci-
dade em nome da Santa Liga, fez cons-
truir o forte da Nossa Senhora de Bourg
Baudoin, quo domina Fcamp. Vencedor
primeiramente das tropas do r u de Navar-
ra mas batido depois por Biren, Villars
deixou a cidade as mSos de Bearnez,
quando a bandeira da Liga alli toraou a
ser icada por um acto de inaudita iotrepi
dez.
O forte de Nossa Senhora eleva se sobre
urna rocha da altura de quatrocentos ps
Em quantj
lecida em 65
a residencia dos
mente so
portancia que se toraou
governadores do paiz de Gaux; por lsso
quando os piratas do norte invadiram a
Neustria, em 841, ella toi atacada.
A abbadia que se tomn o ponto de
mira do ataque, os bandidos permittiam
entregar-se n'esta rica habitagilo das san-
tas virgens a todos os ex ^essos, a que os
impelliara as suas paixoas brutaes.
Armando-se de valor, quizeram por en-
tre si e os piratas a repugnante barreira
da fealdade. Urna noite desfiguraram-se
todas, cortando e nariz os beicos.
No dia seguinte, os piratas forgaram a
abbadia, e o acto inaudito do valor das po-
bres feiras nao as poude livrar de urna
morta horrorosa. Foram mortas todas mas
nao serviram de joguete aos infames ven-
cadores .
Um tal rasgo de herosmo deu fama
abbaida j celebre, e quando Guilberrae
Longa Espada, filho de Rolln, tirou F-
camp das suas ruinas, e fez reconstruir o
convento, muitas freirs afnuiram a elle.
Durante os seguintes ssculo3, a cidade e
a abbadia passaram por todas as vicissitu-
Us soldados comecain a subir os frageis
degraus; Bois-Rose vae atraz de todos pa-
ra Ihes cortar a retirada. Entretanto, o
sargento que vae na frente, dominado pela
vertigm, hesita e para.
Bois Rose sobe por cima dos trinta e
nove homens que o precedam e separam
do sargento, chegou-se a este o com o pu-
nhal as guelas, obri^ -o a continuar a pe-
rigosa ascencao.
A guarnieio surprebendida, quasi ven-
cida sem combater, e Bois-Rose torna se
senhor de Fcamp.
Pouco depois submette-sa a Henrique
IV. Mas tomado inimigo da Liga teve de
sustentar um cerco de deseaseis mezes
contra Villars o qual por fin toma posse
da cidade.
Finalmente, em 1594, Fcamp, depois
de tantos abalo i successivos, entrou com-
pletamente na obediencia ral.
Desdo cate momento at ao mez de de-
zembro de 1605, poca em que continua-
mos a nossa narragSo, Feamp, socegada
e tranquilla, esperava ver luzir brevemente
urna poca de repouso e prosperidade; mas
FOLHETII
1-PILHA DO 8IHBIB0
POR
:. su imm:
se a cidade deixou de ser victima das guer -
ras, das conquistas, das revolugoes inter-
nas, ainda tinha que soffre? como todas as
cidades desta poca, as ladroeiras commet-
tidas nos territorios, que as cercavam, e
passavam-se poucas semanas sem que as
eicadas patibulares da pra$a do mercado,,
nao representassem um activo papel no cas-
tigo de um bandido de que a justica anual
se tinba apoderado.
No proprio dia em que conduzimos o lei-
tor a Fcamp, isto a 22 de dezembro
de 1605, urna destas execueoes attrabiu ao
interior da cidade os habitantes do i cam-
pos visinhos.
Eram onze horas da manh, a athmos-
phera estava pura, o ar muito vivo, a tr-
ra calcada pelo gelo ressoava debaixo dos ps
pellas e das pitas dos cavallos.
Desde pela manha, a ra principal, o pa-
teo, todas as vias, que iam dar praga
do Mercado estavam cheias de curiosos,
que corriam a ver o sanguinolento espec-
tculo.
De todas as partes affliiam campan zos
e camponezas formados, levando uns e ou-
tros urna enfiada de creancas dos dous se-
xos e de todas as idades.
A praga do Mercado, situada no centro
da cidade tinha forma quadrangular, e a
cada esquina ia desembocar urna ra.
Casas altas, como as que ain la se en
contram ni Normandia, em Rouen, em
Dieppa e mesmo em Fcamp, elevavam so-
bre os quatro lados da praca as suas fa-
chadas cheias de numerosas jaullas em
forma de ogivas.
Urna destas casas, mais aceiada do que
as outras (ao manos exteriormente), tinha
por cima da porta de entrada urna espe-
cie de taboleta, na qual estava pintado,
senao com arte, pelo menos com profusSo,
o fac-simile de um abundante jantar.
Eram pegas de caga, frangaos, coelhos,
entremeados com pratos de legumes, pei-
xes e fructas, tudo misturado em copos, bi-
Ihas, botijas e outros accessorios.
Por cima da pintura, liase em letras
verdes :
Qui bien boirt e bien manger veu.lt
Passer sans entrer ne le peult.
Esta casa, ou para melhor dizer esta
pousada, tinha um telhado ponteagudo, so-
bre o qual girava um catavento que fazia
a felicidide e era a gloria dos habitantes
do quarteirao. Por privilegio particular,
em urna poca em que o catavento era o
indicio de urna habitago senhorial, e quo
todo o proprietario quo no fosse nobre
nao tinha direito de com elle ormr a sua
casa, a pousada de Fcamp gosava dessa
vantagem exclusiva de ouvir girar a folha
entre o varao de ferro.
Diziara no paiz que era depois da visita
de Laiz XI cidade qu o proprietario
desta casa, por ter hospedado o rei e feito
algn servigo importante ao mesmo, fora
agraciado com tao insigne favor para um
simples burguez.
Desde entilo o estabeleoimento, conheci-
do pelo nome da pousada do Catavento,
fra posto moda e nenhum peraonagem
atravessava Fcamp sem de3cangr sob a-
aquelle-tecto hospitaleiro.
E frente da pousada elevava-se, no cen-
tro da praga um i machina extraordinaria-
mente complicada, e que tinha juntamente
o pelourinho de Grve e a lanterna da
praga do mercado do Paris.
Era urna especie de torre octgona, com
urna casa ao rez do chao e uui s andar.
Um degro rijo de pedra bruta, a que cha-
mavam escuda, conduzia a esse andar.
No centro da torre estava urna roda ou
circulo de ferro com buracos, o posta sobre
um p de madeira que punha em movi-
mento um cabrc3t mte oceulto no interior
do pequeo edificio. Este movimento dava
roda urna rotagao sempre apoiada no
horisontal.
O primeiro andar era urna plataforma,
e sobre essa plataforma elevase urna for-
c.
Esta machina era o pelourinho de F-
camp.
Na m&nh desse dia 22 de dezembro de
1605, a praga do Mercado e arredores do
pelourinho estavam cobertos com a muiti-
d2o que, j o disaemos mais cima, affluia
pelas mas. A's onze horas da manha, ne-
nhum dos assistentes se podia curvar para
apanhar um alnete que Ihe cahisse.
Quatro homes a cavallo estavam collo-
cados nos quatro ngulos do instrumento
de supplicio, fazendo executar da tempos a
tempos algumas voltas aos cavallos' para
impedir os curiosos de os apertarem.
A multido esperava, crescia do minuto
para minuto, parecendo abafar.
Bom numero de assistentes guarneca as
janellas das casas, os degros das portas,
os alpendres e os telhados. Estavam tres
quartos de cada constru .-gSo cobertos de
cabegas humanas.
Um surdo murmurio so coufundia com
o mido das vagas que se faziam de encon-
tr aos penhascos, pelo impulso da brisa.
A multidSo e o ocano uniam suas vozes
tjrriveis.
A hora approximava-se, nada chegava,
a impaciencia comegava.
Se enforcas8eai aquelles, para nos
irmos divertindo? disse urna voz sonora
indicando os quatro homens a cavallo quo
oceupavam os quatro ngulos do instru-
mento de supplicio.
So os rolassem? accrescentou urna
outra voz.
Os soldados do prebostado de Rouen ou-
viam, mas nao se dignavam responder.
Comtudo os seus olhares inquietos diri-
gia n-se para urna das rua3 que desembo-
cava na praga, aquella que, sem duvida,
devia trilhar o cortejo.
Quasi esquina dest. ra estava um
grupo composto de quatro pirsonagens cu-
jas vestimenta!, horrivelmonte d'ispadaga-
das, indicavara em seus proprietarioa mise-
ria profunda ou falta absoluta para a mais
estricta decencia. Talvez estas duas causas
reunidas, produzissem um s efteito.
Tres destes quatro personageos perten-
eiarn ao sexo masculino, o quarta era urna
mulher, se podemos d ir essa nome so ser
deshonesto, esfarrapado, repugnante, que
conversava com seus companhiros.
- B ni! Jjhan, dizia um dos tres ho-
mens, eil-o finalmente preso.
Nao me falles nisso! respondeu enco-
lhendo os hombros o homem interpellado.
Nunca acroditei qua o prebostado alcan-
gasse o seu fim. Um bom companheiro de
menos Oh I tinha
Oh I sim !
raudo !
grandes qualidades !
. disse a mulher suspi
( Continuaro do u. 36 )
Sim, por quti eu estou os esperando.
Mam disse-me que ficasse me divertindo,
olbando para o sino grande, mas estou sa-
tisfeito ; eu vi um maior na minha trra, na
Russia.
E' Rusao ?
Sou, isso o espanta, porque me v
vestido como os garotos de Pariz. Fui eu
quem quiz este disfarco para divertir-me.
Eu pensei que era a poca do seu carnaval.
Papai o disse. Elle enganou-se, eu nao me
divirto nada. Mas noite hei de vestir ou-
tra vez a minha roupa nova.
Meriadec ficou estupefacto. Comprehen-
deu que o* gais desse pobre pequeo o ti-
j>ara alli, afim do o abando-
i tinha atirado a mulher do alto
Esse miseravel nao era com
homem que o commissario de
polica tinha remettido para o deposito, por-
que o par que Meriadec e Daubraa tinham
visto passar, n3o iam acompanbados de
nenhuma crianga. Mas, que fazer ? Era
impossivel dizer ao filho que a sua m i ti-
nha sido assassinada, e por quem O ex-
cellente barao reselveu nao chegar l se-
nao na ultima extremidade, mas nao renun-
ciou deseobrir o assassino, que sem duvida
nao teve tempo de chegar ra.
Nao podem tardar a descer, disse elle
na sua voz branda. Quer que vamos en-
contral-os ?
O menino medio Meriadec e
lhe:
Quem o senhor? Eu nao acompa-
nho a qualquer pessoa.
Eu sou o bario de Meriadec.
Entao o senhor fi dalgo. Estou
prompto para subir com o senhor.
Obrigado pela confianga que tem em
nham le
nar,e que
da p'atafi
cerfr. z t o
perguntou-
mm, respondeu o bom Bretio, quo estava
espantado de ouvir urna crianga de nove
annos fallar assim.
Fl-o passar para a trente, e teve algu-
ma difficuldada em acompanhal-o, to lesto
era esse joven russo. Nao acharam nin-
guem na plataforma. Meriadec esperava
isso, porque nao suppunha que o a-sassino
tivesse ficado l ; mas o menino empalli-
deceu o os seus olhos encheram-se de la-
grimas.
- MamS! onda est mama ? uiurniu-
rou elle.
Meriadec absteve-sc de dizer-lhe a ver-
dade.
Sem duvida ella o est procurando,
respondeu elle. Aposto que vos nao ficou
no lugar em que ella o deixou.
E" verdade, eu andei em redor do
quarto grande onde estao os sinos. At
perdi-me e custou-me muito a achar a por-
ta por onde tinha entrado.
Pois bem 1 a sua mamS nao o vendo,
pensou que voc tinha descido e fez outro
tanto Havemos de encontral-a porta da
igreja.
Entao leve-mc depressa para onde
pensa que ella est, disse o menino, que
j tinha recobrado animo.
Era o que Meriadec quera.
Desceu rpidamente a escada com o me-
nino que j nao desconfiava dalle e fallou
com Rosa exphcando-lhe em poucas pala-
vras a situago, que ella comprehendeu per-
feitamente.
Cin :o minutos depois chegou nave e
sahio logo da igreja. O menino vio que a
mXi n3o estava l e recomegou a chorar.
Nao se atflija, meu joven amigo, dis-
se affectuosamente Meradea. Vou lvalo
para a casa de sua mai. Oade mora ella?
Em um hotel. hegamos a Pariz
noite passada.
Como se chama esse hotel ?
Nao reparei. En estava dormindo
quando chegamos e s acordei ao meio dia.
Sahimos logo.
Mas ha de reconhecel-o se en o le-
var l.
Creio que sim.
__ Pois bem havemos de procural os
juntos. Voa nao tem mais medo de mim,
nao assim 1
Eu nao tenho medo de nnguem.
Entao nao tem medo de ir descansar
em minha casa, at que eu possa pr-me
em campo para deseobrir esse hotel.
Eaton prompto, mas estou to ca asa-
do que nao posso mais andar, e estou com
fome.
Vamos tomar um carro, e em casa
tenho com que satisfazer o seu appetite,
disse Meriadec. Sanao consegurmos des
cobrir o hotel, empregaremos outro meio.
Como se chama, meu querido menino ?
Sacha.
Esse o seu nome de familia ?
NSo tenho outro. Isso quer dizer
Alexandre.
E qual o nome de sua mili ?
Xenia. Ella condessa.
Xena, esse o seu nome de baptis-
mo ; mas seu pai ?
Meu pai chama se Paulo Constanti
nowitch.
Outro nome de baptsico, pensou Me-
riadec.
Evidentemente, este coitadinho nada
mais sabe e intil insistir.
Chamou um carro que passava, entrou
neile com Sacha, e disse ao coebeiro que
os levasse a ra Cassette. A prinepio lem
brou-se de levar o menino para a casa do
commissario de polica, mas, qua fariam
dessa infeliz abandonado ? Tinha, pois, re-
sollido proceder ao inquerto ello s, des-
eobrir o assassino, vingar a morta e resti-
tuir ao orpho urna fortuna de que, pro
vavelmente, um pai desnaturado quera
despojal-o.
O menino dormia no seu hombro. Dor-
ma to bem que, quando chegou ra
Cassette, Meriadec foi obrigado a carre-
^al-o nos bragos at o seu quarto, para on-
de o le vou sem que se acordasso.
A final! murmurou
da, vou, pois, ter na
elle, subindo a esc a
vida alguma cousa
que me nteressa.
Iher que me ame.
S me falta urna mu-
H
Um juiz de instruegao sempre um
graode personagem, porque quem des-
empenha o primeiro papel as causas cri-
mes. Tem as mitos a sorte dos aecusa-
dos e goza de independencia absoluta. Mas,
quando esse juiz um homem considera-
vel pela sua posiglo individual, adquire
ainda mais importancia o os seus superio-
res hierarchicos reconheeem plenamente a
sua autoridade.
Era esse o caso do Sr. Hugo de Malver-
ne, filho de urna familia antiga de letrados,
poBsmdor de urna fortuna do o tenta mil
trancos de renda, casado com urna senhora
encantadora, cu jo sali ara dos mais bem
frequentadoa em Pariz.
Jacqualina, minha querida, meu
amor, minha raiaha nao suspires assim !
vaes tornar-me cimento exclamou o pri
meiro dos dous interlocutores.
Dcixa me tranquilla com os teus
galanteios, Mathias respondeu Jacqualina.
Demais, nao me impelirs di lastimar um
am'go que tantas vezes nos tem dado par-
te dos roubos 1 Nao verdade, Jacqu *s 1
Tens razao, minha filha! disse o que
nao tinha ainda fallado e qua nao era ou-
iro seuo o nosso antigo conhecimento da
casa de Joas e (do pateo dos Milagrea
Tens razo. Era um grande homem Que
desgraga o elle deixar-se agarrar...
E enforcarl juntou urna voz.
O grupo formado por quatro giriantes
entreabrio-se e um homem, sustendo-so em
duas moletas, appareceu no centro./
Tillcbot o Corcunda I disse Mathias
admirado. Ola 1 tolo o pateo dos Milagrea
est em Fcamp ?
Nesta occasiao ura cavalleiro passou jun
to dos bohemios.
Tallebot avangou :
__Caridade, meu fidalgo ululou com
a sua voz choramingas. Deus vos abengGe
e augmente voseos bens I
O cavalleiro deitou dnheiro no chapeo
do mendigo.
Sem duvida alguma que estou em
Fcamp, pois me est vendo 1 replicou
Tallebot o Corcunda voltando para junto
dos seus amigos e continuando a conversa
que interrompeu para pedir esmola.
Deixaste o posto ? disse Jacques.
Que queras que eu fizesae, depois
delle estar preso? Demais recebi ordena
do grande coesre para me achar aqu a
esta hora e nesta praga.
E eu tambem, disse Jacques.
E eu tambem, ajuntou Jehan.
E n3 igualmente, disse Mathias e
Jacquelina
Olha l 1.. disse Tallebot. Vai
haver entao alguma cousa ?
E' provavel; m a, sabes quem diri-
ge o golpe ? perguntou Jacquelina.
Nao I respondeu Tallebot; mas creo
que Camaleo.
Ou Bernardo ? accreaaentou Joao da
Forca.'.
Ou Ricardo disse Mathias.
E' possivel, responleu Tallebot, pois
os tres tecm o mesmo empenho em perse-
guil-o.
Se o tivesse encontrado, Tallebot,
que iarias ? perguntou Jehan.
Oh 1 f de quem sou !. .. nao
se... Isso dependa do que elle me pro-
mettesse.
E a recompensa do outro ?
Oh tel-a hia recebido tambem.
Como fazia8 Tsso ?
Oh! disse o mendigo, nao tenho
duas inaos ? Lambra-te deste axioma,
meu filho; p/ecso que a mao esquerda
nao saiba o qua reaebeu a direita De
maneira que fica sempre livra de esperar
sua vontade.
Muito razoavel 1 exclamou urna voz
rude.
Tallebot voltou-se.
Pedro o Assassino e Sulpicio das Per-
nas Tortas estavam por detra delle.
H
A CONTAGEM
Na occasiao em que os dons novos gi-
riantes acabavam de reunir-se aos que oc-
eupavam j o ngulo formado pela ra
que conduzia abbadia aonde estavam si-
tuadas a cadeia e a praga do mercado e
tambem aonde esperava a multidao; a im-
paciencia dos curiosos desabafava redo-
brando do algazarra.
Os do piteo dos Milagres pareceram
na> se. preoecupar um uniao instante dos
furores da populaga, e longe de se compa-
decersm desses clamores, aproveavam-se
delles para fallarem socegadamenta dos
seus negocios particulares, porque at en-
tao nem urna uaica palavra tinham trocado,
oa haviam langado qualquer olhar indaga-
dor em redor delle.
E3-te, Pedro o Assassino ?... ex-
clamou Jehan da Forca.
E tu igualmente, meu querido'colle-
ga accrescentou Tallebot dirigindo-ae
a Sulpicio, qua diligenciava como o seu
camarada chegar s_pei:feigao do systema
de andar em muletas.
Recebemos ordm do coesre 1 disse
Sulpicio das Pernas' Tortas.
Decididamente, vai haver alguma
coisa qua nao espera vamos 1... murmu-
rou Mathias.
- E esperando elle vai se:* enforcado I
disse Pedro o Assassino.
- Se houvesso algum meio para sal-
val-o rasmuugou Tallebot.
Mathias meneou a cabega.
Impossivel! disse elle. Est guar-
dado por mais de duzentos e cincoenta po-
licas do prebostado de Rouen e de Paris,
a que se reuniram trezentos empregados
do prebostado da provincia. Que queros
fazer ? a sua quadrilha est dispersa, mo-
tado vendeu sa ao preboste e agora esta-
mos aqu s sete de todo o pateo dos Mi-
lagres !
Pobre do La Chasnaye murmuro u
Jacquelina.
Quem pensou nunca que elle se dei-
xasse prender. .. disse Tellebot levantan-
do os olhos ao co.
Oh bateu-se bem observou Sulpi-
cio.
Esta vas presente na occasiao? per-
guntou Jacquelina.
Estava, respondeu o griante.
Viste prender La Chesnaye 1
-Vi.
Todos os ouvntes se approximaram por
um s movimento.
Entao sabes quem o entregeu ? disse
Mathias.
Se.
Quem foi?
CamaleSo e Bernardo,
Mseraveis disse Jacquelina.
Aonde estavas, Sulpicio ? perguntou
Tallebot com muito interesse.
Estava no posto que me tinha assi-
gnalado aquello a quem obedecemos ha no-
ve mezes, isto no fundo do valle de
Etretat, aonde vai dar a estrada de F-
camp descendo os penhascos.
Entao, viste ?
Tudo!
Oh I dsso Jacquelina. Conta-nos
isso, meu Sulpicio. Todos esses bolonios
que estao cacarejando abafarSo os sona
das tuas palavras, e, collocando-te no meio
de nos, nnguem poder ouvir te. Falla!
nos te escutamos.
Bom! princpiou Sulpicio, estava
aonde lhe disse, ha cinco das. Era melo-
da, e desdo pela manha que nao va nn-
guem, quando apercebi minha esquerda,
vindo do fundo do valle, urna forga de po
licias Avangaram e logo reconheci sua
frente o preboste de Rouen, aconipanhado
do velho barbado que nos prometteu tao
tSo boa recompensa, de um joven e do
sargento Giraud, aquella que encontramos
semi-morto na sala do baile do embaixa-
dor de Hespanha.
Bem collocado na melhor sociedade, esse
magistrado modelo tinha todas as qualida-
des necessarias para desempenhar as deli-
cadas funegoes que lhe eram confiadas:
imparcialidade absoluta, sangua fri a toda
a prova e 3agacidade notavel.
Por isso o indicavam de preferencia para
instruir os negocios diifi^eis e delicados,
como esse das torre3 de Notre Dame. Fi
cou impressionado com essa causa e no dia
seguinte ao do crrac, ao meio dia, j es-
tava no sou gabinete, no Palacio da Justi-
ga, prompto para interrogar o hornera preso
e ouvir as testemunhas citadas.
Emquanto esperava que comparecessera,
conversava com o commissario de polica
que tinha ido dar-lhe conta dos factos, no
parecendo elle muito satisfeito com as in-
foimagSes obtidas.
Parece-me disse elle framente, que
o senhor nao deveria ter procedido assim.
E' possivel que tenha prendido o culpado,
mas, tambem pode ser que tenha commet-
tido um erro prendendo essa homem. Na-
da prova que fosse elle, nada prova que
bouvesse um crime ; e talvez estejamos em
presenga de um suicidio. Devia ter co-
megado por examinar as torres de Notre-
Oame ; ^assim teria obtido a certeza de
que ninguom^estava oceulto l, porque ou-
tros alera do aecusado podem ter subido.
Fez-se o exame, Sr. juiz de"nstruc-
co, respondeu o commissario; eu o dirig
om pessoa, depois de prender o homem qne
recusava dizer o nomo.
Foi tarde. O outro teve tempo de fu-
gir.
- Perdaof eu deixei policiaes na base da
ea:ada, e posso affirmar que ninguem sahio
antes da minha chega^. A filha do guar-
da aasim depor. Examinei minuciosa-
mente toda a parte superior da igreja, as
torres, as galeras, os tectos, e nada en-
contrei.
E na plataforma de onde a mulher
cahio, n3 hava indicios de urna luta ?
Nenhuma. ""Demais a cousa deve ter
sido pratioada por sorpreza. Segundo o
t stemunho desse pintor, que vio de long
a saena, a mulher que estava apoiada na
balaustrada foi agarrada pelas pernas, er-
guida e langada para fra, antes que se
podesse defender. A nica cousa suspeta
que encontr foi urna porta aberta. Urna
pequea porta situada em urna galera ea-
treita que contorna o tecto da nave. Pare-
ce que essa porta sampre est fechada, mas
nao se explica como um homem sabido daa
Foi urna grande falta
delle observou Tallebot.
me arreDendo.
nao dar cabo
Falta de que
E nos tambera !
cinco.
disseram os outros
Aps elles, continuou Sulpicio, vi-
nba Bernardo. Chegaram junto a mim,
quando repentinamente vi Camale2o cami-
nhar da direita.
o Passou na minha frente com a rapidez
do raio gritando-me jue vigiasse, e avan-
gou para os policas.
f Vio fallar ao preboste e aos outros,
e no mesmo instante a forga dos policas
mestrou-me as costas e arredou-se.
*
i Depressa desapparecram por delrz
de um pequea bosque que ha no centro
do valle.
Desconfie de tudo aquillo, espere e
espiei.
Em vista das ordens daquelle que
nos assalariou, deveria fazer um signal
convencionado se presentisse o menor in-
dicio do capitao ou seus seqnazes.
O da passou-se e nada de novo
Chegou a noite. Espere sempre. Fi-
nalmente. .. ouvi um ligeiro rumor e pare-
ceu-me distinguir alguma cousa na escuri-
dao.. Hesitei.
Seria La Chesnaye ?. deveria en-
tregal-o ? A recompensa era magnifica.. .
alegrava-me o olho, mas tnhamos para-
mado tao bons ganhos e poderiamos aiada
partilhar. .
(Continua.)
'
.:

f
torres podesse chegar l. Teria de atra-
vOBsar abysinos
Bom I mas suppondo que elle pas-
sasse por esse caminho, para onde o teria
co iduzido ?
Para urna escada interior que passa
por baixo do vgamento da cathedral e des-
ce para a ra, atraz.do coro.
Portante, alguem pode ter fgido por
ah.
E' muito improvavel.
~ Basta que seja possivel, para que eu
duvide da culpabilidade do preso. Emsum-
ma, at agora ha apenas indicios contra
elle.
Ha indicios muito graves, Sr. juiz de
instruegao. Quando nao fosse senao a re-
cusa de declarar o nome.
De o declarar ao senhor. Talvez m'o
diga a mim.
Elle pode ter motivos para no querer
fallar senao em presenga do juiz da ins-
truegao.
Elle deu a entender que estava com
a amazia, que mulher casada. Corapre-
hende-se que elle recusasse nomeal-a, mas
podia, sera compromettel-a, dizer o seu pro-
prio nome.
Quem sabe? elle talvez esteja de tal
modo ligado com o marido, que dando o
seu nome, cha nasse sobre ella suspeitas.
Com certeza, elle nao to simples que
possa erar, que a justiga nao consiga des-
eobrir quem ella e ha de dizer-me por-
que espera que, se a sua innocencia for re-
conhecida, eu guardarei segredo sobre esta
aventura. Segundo a deseripcao que o se-
nhor fez da sua pessoa, deve ser um ho-
mem da alta sociedade.
Eu o creio. Mas elle toraou urna
precaugSo singular antes da sahir de casa
bontem. Quando entrou no deposito foi
revistado, como do regulamento e nao sa
lhe encontrou nem carteira, nem cartoes
de visitas, nem papel nenhum, apenas uns
rinte luizes no bolso do seu collete ; pare-
ce que previa que ia ser preso nesse dia
o poz-se em estado de conservar o incg-
nito.
Com effaito, singular, mas nSo
concludente. A mulher, tambem nada ti -
nha comsigo?
Joias de valor consideravel, mas ne-
nhum dinheiro nem papel. Ella est bem ves
tida, a sua roupa branca muito fina e na
caixa do seu relogio, ha urna inicial racimada
por urna cora de condessa. As mSos sao
alvas e os ps muito pequeo. O rosto nao
conhocivel.
-M
l
^ i
NSo importa. Mande expl-a na Mor-
gue.
Ella est l desde cedo hoje. Dizem
que j ha l inuita gente, mas duvido que
a possam recanhecer. Ella est muito des-
figurada. Creio que nao necessario pro-
ceder autopsia.
E' completamente intil. Neste caso
nao se trata de determinar a causa da
morte.
Que idade parece ter essa mulher ?
Trinta annos, talvez um pouco mais.
to hornera preso?
Trinta e quatro ou trinta e cinco an-
nos.
Ha probabilidade de nSo ser o marido ?
E' o amante, tudo o indica.
Mas ha um marido e esse marido ha
de notar o desapparecmento da mulher.
Nao impossivel que elle v Morgue,
porque deve 1er os jomaos e ver a narra-
gao do facto.
Sim, se estiver em Pariz. Mas nao
me admirar que a mulher seja estrangeira.
O seu vestido rico, mas ea nao tem o
chic parisiense e a inicial gravada no relo-
gio um X.
Com efleito, em francez s vejo Xa-
vier que comega por X, e Xavier nome
de homem. Colheu informagoes sobre aa
testemunhas qua mandei citar ?
Sim, Sr. juiz de instruegao. Um
interno no Hotel Dieu ; um mogo muito
laborioso, muito instruido, muito estimado
pelos seus chefes e muito apreciado pelos
seus collegas ; o outro urna especie de
original, um Bretao nobre, que mora em
Pariz ha alguna annos. Passa urna vida
m lito regular e goza de urna excelleute re-
putagao no sea barro.
Esses nao viram senao o par atra-
vessando o adro. Mas o teraeiro. O qne
diz ter visto commetter o crime ?
E' um pintor sem trabalho, um pobre
diabo que mora em urna mansarda, no
quinto andar de urna casa velha da ra da
Huchette. Mas, n5o parece condoxir-ae
mal, e eu verfiquei que nao ha nada con-
tra elle na polica.
Nao bastante para quo eu crea no
seu depoimento e em resumo toda a aecu-
sago biseia-se no seu testemunho ; porque
se elle nao tivesse contado urna histeria
que talvez seja filha da sua imaginacXo,
todos teriam acreditado no suicidio.
(Continuar-se-ha.)
Typ. do Diario roa Duque de Carias a. 42.
k
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQAJCS39M_RUJRDN INGEST_TIME 2014-05-27T23:04:23Z PACKAGE AA00011611_16881
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES