Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16880


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Bm
AII.0 Lili HUMERO 38
PARA A CAPITAL E l.l <-AIU* OVDI^ XAO SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantados
Por seis ditos dem.....
Por um armo dem. ....
Cada numero avuiso, do mesmo ca
6,5000
124000
24000
100
DOMINGO 14 3E FEVEREffiO DE 1886
------------------'-----------------------------------------------------------------____
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por eis meaes adiantados.............. ?fi
Por nove ditoi dem................. 20*000
Por um anno dem................. VIO
Cada numero' avuiso, de das anteriores........... ^*lJU
DIARIO DE PERNAMBCO
Praprifirafce te janoel Jtgurira l> Jara & 4\tos
TELEGRMMAS

1


ssavis: rmcu-is so sumo
MARANHAO, 13 de Fevereiro, s 12
horas e 15 minutos da tarde, [Recebido
ds 3 horas e 15 minutos, pola linha ter-
restre).
A juna aparadora do *. dlstrlcto
denla provincia renolvea que vo a
S.o oNcrulinio o Dr. Lula Antonio Do-
miaciiio da Silva e o conttelneiro An-
tonio d'Almeida Oliveira.
O Dr. Donlngaei da Silva prote -
toa contra ea resolaco, c catan-
do eleitoent I- escrutinio, nao plei-
tear no *.
RIO DE JANEIRO, 13 de Fevereiro, s
2 horas e 43 minutos da tarde. (Recebi-
do s 3 horas e 40 minutos, pela linha
terrestre).
Fallecen o poeta e philantropo Oc-
tavian lludnon.
mnp sa ajskia zlus
(Especial para o Diario)
PARS, 13 de Fevereiro.
governo ruMto aceita a unio da
Boumlia com a Hulearla.
LONDRES, 13 de Fevereiro.
En* Leicemter deram-tte desordena
de certa Importancia. Todava aw
auloriil \I-h conNeguiram compri-
mirn.
agencia Havaa, rilial tm Parainf>m.of
13 de Feverein de 1886.
INSTRCCOJWLAR
Geographia geral
Extrahido
* DA BIBLIOT1IECA DO POVO E DAS ESCOLAS
(Continuaf")
AHICi
ESTADOS AFRICANOS
seneqambiTeui ao uorte o Sauara, a leste o
ocano Atlancico ho sul a Gui, a oeste o Sudan.
A parte que nao e oceupada por colonias europeas
forma diversos reinos, pouco conbecidos, sendo os
principies : e Ciyor, de Yoluf, o paiz de Futa e
o paiz de Karts. Tres grandes povos habitara a
Senegainbia : os peulos ou tulags, os yolofos o os
mandingas.
cari supkbiok oa seitenthionauOs estados
raais importantes sao : Reino dos Achantes,
3.000:000 habitantes ; capital Cumassia, 15:000
habitantes.lteiuo de Dabouiey : capital Abomey,
15:000 habitantes < s indgenas sao crueis e fero-
Zea.Reino da Boato ; capt-.l Benn, 15:000 ha-
bitantes 11-publica lie Liberia, 400:000 habitan-
tes. A povaacao mus hsraortastt Monrovia,
13:000 habitantes.
rana Ao sul do E-ypto, 2.006:000 habitantes
Compreheu-'e um grande uuuv-ro d.: pequeos es-
tados tributan -a quasi todos do Egypto Os mais
notaveid sao o Senna.u-, 12;'HX) habitantes, o
Scbeniiy, 7:000 haoitantes ; o Halfay, 4:000 ha-
bitantes ; o Dongolah.
ocisfe ixfbriob ou MEKiDioLAi.Djs Estados in-
dgenas, os tatil eonheeirlos sao : Loango, capital,
Buali, a pequ-ua distancia do mar ; Congo, capi-
tal, S. Salvador. No interior notara-se os pases
de Cassange e Hoholo.
ovampia. 1;200 kilmetros de costa. E' hab
tada pelos ovampos, de onde Ihe veo o nome;
pouco conhecida.
ZANOBBAENa costa oriental da frica, soore
o ocano Indico. 1.000:000 habitantes. Quazi
toda a costa est sujeita, mediata ou immediata-
mente, ao sulto de Zanzibar. 25:00j habitantes ;
exeelleute porto. Cidades importantes, Melinde,
Quiloa e Monbaca que teem um papel importante
na historia das descobertas dos portuguezes.
hottebtocia- No sul da Ovainpia, pouco conhe-
cida, e habitada porjdifferentes tribus : as mais
nota veis sao os namaquaes, koronas e os bosch-
mans. Minas de ouro e de diamantes.
(Continua)
guerra em aviso de 22 do corrente, que fica sem
cffeito a ordem de 19 de Novembro prximo pas-
sadn, na parte que ai'torisa o contrato de um ca-
pello para aquella substituicao, visto achar-se na
guarnlco desta provincia o capello militar Da-
dre Leonardo Jlo Grega, que desse servico se
pode incumbir; o que communico a V. Exc. para
seu conhecimento e governo.
Ao inspector da Thesouraria di Fazenda.
Communico a V. S., para os fins convenientes, que o
bacharel Paulo Caetano de Albuquerque, nomeado
Io supplcute em 18 do corrente mez, assumio nes-
ga data o exercicio do cargo de 5 juiz substituto
da comarca do Recife.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os fins
convenientes, que o bacharel Caetano Estelita
Cavalcante Pesaos, jaiz municipal do termo de
Flores participou em 27 de Dezembro fiado nao
ter aasumido o exercicio de seu cargo aps ter-
minaco do prazo da licenea com que esteva, vis-
to ter solicitado exoneraca do sobredito cargo.
Ao s'r. conselbeiro J^o Jos Pinto Jnior,
director da Faculdade de Direito do Recife. Con-
cedo a auterisaco solicitada por V. S. em officio
de 25 do corrente, afim de constituir as mesas
examinadoras de ciencias preparatorias, que dc-
vem funecionar no dia 1 de Fevereiro prximo
vindouro, com professores do Gymnasio Pernambu-
cano e deaccordo com o respectivo regedor.
Ao inspector do Thesouro Provincial. Re-
cj.uniendo a Vine, em solucao ao seu officio n. 442
de 20 do corrente mez, que mande fornecer ao Dr.
chefe de polica um livro de trezentas folhas para
a cscripturaco das entradas e sahidas dos indivi
dos recolhidos casi de deteneao.Commuui
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao director do Arsenal de Guerra.Auton-
so Vine, vista da sua inf armaco n. 163 de hon
tem datada, a admittir na comnanhis de aprendi-
zes artfices clesse Arsenal, os menores de que tra-
tam as devolutas peticoes, visto acharem-se elles
as condicoes preeeriptas pelos arta. 165 c 166 do
regulamcnto n. 5,118 de 19 de Outubro de 1872.
Ao cogen:,eiro chefe da repartico das Obras
Publicas.-De accordo com o que Vine, propo.- no
oficio de 22 do corrente, sob n, 13, autoriso-o a
mandar por em praca, nos termos das natruccoes
de 30 de Agosto de 1875, a obra de reconstruccao
da bomba deCatende, na entrada da Victoria, ser-
vindo de bate o orcamento hoje approvado, na
importancia de 1:595^000.Communicon se ao
Thesouro Provincial.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao Caxang. -Attendendo ao que requere-
rsm moradores d- -s povoados da Torre e Magda-
lena, coavem que Vmc. promovs, um accordo entre
o arente dessa estrada de ferro e o da Companhia
Ferro-carril de Pernambueo, no sentido de para-
ren! os respectivos trens na curva existente entie
os dous povoados onde poder ser onstruiia urna
estacao, modificando assim o accordo de 3 de Ou-
tubro de 1883.
Mutatis mutandi ao engenheiro fiscal da Fer
ro-carril de Pernambucs.
Ao Sr. Theotonio Jos de Almeiaa, presi-
dente da n.esa eleitoral do districto de paz do Po-
co, na parochia de S. Jos do Brejo da Madre de
Dcua.DeVolvo a Vmc. a acta da eleicao a que
se procedeu nesse districto no dia 15 do corrente
mez, afim d,- ser conferida e concertaba por tabel-
lio publico, conforme determina o art- 151 do re-
gulamento que baixon com o decreto n. 8,213 de
13 de Agosto de 1881, e declaro-lhe, parasen co-
uh"ciment e fins convenientes, que a Secretaria
desta Presidencia nao chegaram as copias de que
trati em seu officio de 16 deste mez, com destino
ao presidente da Cmara dos Deputados.
Ao Sr. Ivo Rodrigues Lins de Albuquerque,
presidente da mesa eleitoral do districto de paz de
Jareina. Cumpre que Vmc remeta Secreta-
ria desta Presidencia copia da acta da formacao
da mesa para a eleicao que teve lugar nesse dis-
tricto no dia 15 do corrente mez, a qual deixou de
acompanhar no seu officio da mesma data.
Ao Sr. Joo Correia de S Brazil presidente
da mesa eleitoral do districto de Carapots na fre-
freguezia de S. Jos do Brejo da Madre de De is.
Devolvo a Vmc. a copia das assignaturas dos
eleiteres que comparecera) eleicao nesse distric-
to no dia 15 do corren'e mez, afim de. ser conferi-
da e concertada por tabllalo publico, conforme
determina o artigo 151 do regulamento que baixsu
com o decreto n. 8,213, de 13 de Agosto de 1881,
e recommendO'lhe que envi Secretaria desea
Presidencia Urna copia da acta da formacao da
mesa,, a qual deixou de acompanhar ao sen officio
de 26 deste mez.
Ao Sr. Manoei Peres Campello Jacome da
Gama, secretario da mesa eleitoral da parochia de
Nossa Senhorada Conceico de Serinhaem.Cum-
pre que Vmc. remetta a .Secretaria desta Presi-
dencia urna copia devida mente conferida e concer-
tada por tabelliao publico das assignaturas dos
eleitores que comparecern] a eleicao nessa pars-
chia no da 15 do corrente mez, afim de ser anne-
xada ao acu officio da mesma data.
Portara:
Approvo a arrematacao dos impoitos cons-
tantes do termo annexo por copia ao officio que a
Cmara Municipal de Alagoa de Baixa dirigime
em 26 de Oatubro do anno find >, devendo ser ar-
recadados administrativamente os deinais paraos
quaes nao appareeeram licitantes.
Previno Cmara qne o servico da aferico de
pesos e medidas deve ser feita sob saa adminis-
tracao de conformidade com o art. 102 da lei n.
1,221, de 21 de Junho de 1875.
EXPDIErE DO SECRETARIO
Officios :
Ao Dr. chefe de polica De ordem do Eira.
Sr. conselbeiro presidente da provincia transmit-
i a V. S., em solacio de seu officio n. 29, de 11
corrente mez, copia do de n. 444 do inspector
nmi fficul
i
Ci Yerno ja Provincia
EXPEDIENTE DO DIA 2i> Di JANEIRO DE 1886
Actos:
__O presidente da provincia de conformidade
com a proposta do administrador dos correioi em
officio de nonteni, sob n- 69, resolve, nos termos da
lei n. 2,794 de 20 de Outubro de 1877, exonerar,
pedido, Manoei Bezerra de Siqueira Ramos do
cargo de agente do correio da villa de Gravat,
Jos Francisco de Souza Freitas, de igual cargo
na eidade de Itamb; e Olympio Elsea do Nas-
cmento Wanderley do da villa de Trinumpho, e
ornear para sabstitnil-os Manoei Chrispiniano da
Silva, Thomaz Alvef da Nubrega Peregrino e
lzaas Goncalves Lima, na ordem em que se acbam.
CcmmuDicou-se ao administrador dos correios.
Oficios:
Ao coinmandante das armas.O ministro da
guerra, era telegramma de houtem datado, d*>eiara
ter sido tranterido para o 14" batalhao de infante-
ra o tenente Figueiredo Brito, o que communico
a V. Exc. para sea couhecimento e devidos fins.
Ao mesmo.AVjista da infonnacao de V.'
Exc. de 1" deDesMafaco nudo, sob n. 2,051, -elati
'ament sobatituicao, no servico da guarnicao,
da capellao do eatrcitay conego Telesphoro de
Paula Augusto, que est em exercicio no presidio
de Fernando de Noranb.%, declara o ministro da
do
geral do Thesouro Provincial indicando o molo
porque dever ser procesiada a conta para paga-
mento do aluguel da casa que serve de quartel
ao destacamento da Boa-Viagem.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
O Exm. Sr. conselbeiro presidente da provincia
manda devolver a titulo do aforamento feito a Jos Eleuter o do
Azevedo, do terreno de marinha n. 93 B sito en-
tre as ras a Umao e Saudade, freguezia da Boa-
Vista, que vea annexo ao seu officio n. 67, de hou-
tem datado.
Ao mesmo.-O Exm. Sr. conselbeiro presi-
dente da provinci* manda rernetter a V. S. seis
ordens do Thesouro Nacional sob ns. *8 a 22 e
urna do Ministerio da Guerra, datada de 19 do
corrente, assim como urna portara de licenea con-
cedida ao cartorario dtssa Thesouraria.
Ao Dr. Caetano Estellita Cavalcante Pesjoa
S. Exc. o Sr. conselheiro presidente da provin-
cia inteirado djaasumpto do officio de 27 do mez
findo manda declarar a V. S. que fez a tal res-
peito as devidas communicacoes.
EXPEDIENTE DO DIA 30 DE JANEIRO DE 1886
Acto :
O presidente da provincia attendendo ao que
requeren Idalina Alice de Albuquerque, professo
ra da cadeira de ensino primario do sexo femini
no de S. Vicente e r.endo em vista a infonnacao do
inspector geral da instruccao publica, de 6 do cor-
rente, resolve couceer a peticionaria, a contar de
16 do mesmo mez, tres meses de licenea cora or-
denado, para tratar de sua saude onde Ihe convier.
Oficios :
Ao commandante do corpo de polica. De -
claro a V. S para os fins convenientes, que ficain
approvados os eugajaments dos paisanos de que
trata o seu officio n. 65, de 26 do corrente mez.
__ Ao inspector da Thesouraria de Fazenda. -
Declaro a V. 8., para os fins convenientes, que,
segando consta de participacao do brigadeiro com-
mandante das armas, de hontem, sob n. 39, foram,
na mesma data, removidos da cavallarica particu-
lar, ra Djque de Casias, propriedade de Jos
Joaqum Matocos Ferre'ra, para a do respectivo
quartel, os cavallos da companhia de cavallaria,
cessando o contrato feito com o mencionado Mat-
racos Ferreira.
Ao mes no.Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o promotor da comarca de
Taqu. .etiuga, bacharel Vicente de Moraes Mello
Jnior, em, 20 do corrente cnlrou no goso da li-
cenea de um mez, com o respectivo ordenado, que
obtevo desta presidencia, para tratar de sua
saude.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os fins
coavenientes, que em 20 do corrente mez Andr
Cursino de Araujo Pereira aisumio o exercicio do
carga de promotor interino da comarca de Taqua -
retinga, para o qual foi ncmeado pelo respectivo
juiz de direito.
Ao mesmo.Commun'co a V. S. para os fins
convenientes, que o juiz municipal do termo de
Triumpho, bacharel Francisco Jos Muir Sobri-
nho, em 18 do corrente mez, interrompeu, por uni-
tivo ds molestia, o exercicio de seu cargo.
Aojuis dos feitos da fazenda.O ministro
da guerra, im aviso de 21 do corrente, declara ter
resolvido nSo fazer seguir para esta provincia,
como determinara em 28 de dezembro fiudo o sol-
dado do 1 regiment de cavallaria, Manoei Flix
de Almeda conforme reelamou Antonio Goncalves
de Azevedo por ser o seu escravo de nome Flix,
cuja identidade de pessoa dever ser provada pelo
reclamante, que f.tr-se-ha representar na curte,
onde exhibir os documentos que por ventura
possua e que tundainentou a mesma pretencao,
para afina! se decidir, cerno far dj justica. O que
communico a V. S. para seu conheciment) c us
convenientes.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Re-
meti a Vm"\ pora os fins convenientes copia do
officio de 18 dj corrente, em .que o presidente do
Banco Industrial e Mercantil do Rio de Janeiro
trata do recebimento da saque ltimamente re-
mettido p*ra pagamento de juros de apolices da
divida desta provincia e enva urna ru'aclo dos
actuaos possuidores de taes apolices.
_Ao engenheiro chefe da Repartico da Obras
Publicas.Attendendo so que rrquereu o agri-
cultor Manoei Xavier Carneiro de Albuquerque,
autoriso Vmc. nos termos de sua infonnacao, em
officios de 19 de novembro e 15 de dezembro do
anno passado, sob ns. 2 '5 e 223, a contractir
com elle a reconstruccao do empadrameuto da la-
tala da Escada (raminficacao da de Victoria)
e reparos geraes da mesma, mediante o preco de
4500 por metro corrente, at o limite de 9:000*.,
com os quaes, segando opina Vmc, podendo ser
reparados 2,000 metros correntes de empedrara-'n-
to nos lugares em qii", preciso e par indicacao
do engenheiro do districto, for mais necessarie o
melhorsmento.
_ Easa despeza correr por conta do crdito con-
signado ao S 3" do art. Io da lei do orcamento vi-
gente e ser paga quan lo permittrem os recursos
dos cofres proviuciaes.
Finalmente informar Vmc. a respeito da re
raoco da barreira de Jaboatao para esse ponto
em que se pjssa receber o pedago dos que transi-
tara pi?la estrada da Escala.Communicou-se ao
Thesouro Provincial.
p Ao mesmo. Autorizo Vmc. como propoz no
oficio de 23 di corrente, sob n. 16, a mandar por
era praca na forma das instrucco.-s de 30 de agos-
to J j 1875. a obra de reconstruccao da urna bomba
em Queimadas, sarvndo de base a arrematacao o
orcamento hoje approvado, na importancia de
919600. Communicou-se ae Thesouro Provin-
cial.
Ao Sr. Antonio Goncalves Carneiro de An-
drade, presidente da mesa eleitoral da parochia
de S. Vicente. Devolvo a Vmc. a copia da acta
da feruiacao da mesa eleitoral dessa parochia,
que veio annexa ao seu officio de 20 do corrente
mez, afim de sei concertada por tabellij publico,
conforme determina o art. 15! do regulamento que
baixou com o decreto n. 8213 de 13 de agosto de
1881.
Portal i as :
O Sr. agente da Companhia Brasileira man-
de dar transporte corte, por conta do Ministerio
da Guerra, no vapor Mandos espirado do norte,
as prxcaa do 1 batalhao de artilheria, menciona-
da na relaco junta por copia, as quaes d'alli vie-
ram escoltando sentenciados militares com destino
as presidio de Fernando de NoronhaCommuni-
cou-se ao commandante das armas
O Sr. gerente da Companhia Pernarabucana
mande dar passagem proa at o presidio de Fer-
nando de Noro, ha, na primeiro opportunidade, a
Isabel Domingas da Silva mulher do sentenciado
Joaquim Domingos da Silva e a tres filhos me-
nores Antonio, Sidon e Lourenco por conta das
gratuitas a que o governo tem direito, ficando sem
effeito a portara de 7 do corrente.Communicou-
se ao director do prpsidio de Fernando de No-
ronha.
O Sr. eucarregdo do prolongamento da es-
trada de trro do Recife ao S. Francisco na esta-
cao de Una mande conceder passagem de 1* classe
por conta da provine.a at Cauhatinbo do Rvd.
prefeitoda Peona, Fre Caetauo de Messina So-
brinho, providenciando, de igual forma sobre a
volta do mesmo opportunameuce.
0 EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Edital :
De ordem do Exm. Sr. conaelhoiro presiden-
ta da provincia, se faz publico a quem interessar
p issa que o Ministro da Guerra, em aviso de 21
dcTcorrente, declarou ter resolvido nao fazer se-
guir para esta provincia como determina em 28
de Dezembro findo o soldado do 1* regiment de
cavallaria Manoei Flix de Almeida, conforme re-
elamou Antonio Goncalves de Azevedo por ser o
seu escravo de uome Flix, cuja identidade de
pessoa dever ser provada pelo reclamante que
far-*e-ba representar na corte, onde exhibir os
documentos, que porveutura possua e que fnuda-
rem ter a aiesma pretencao, para afinal se deci-
dir como for de justica.
Ao Sr. bibliothecario da Bibliotheca Nac -
nal do rtiode Janeiro. Era additatnento ao meu
officio de 21 da carreute, transmitto a V. S. as
infonnaces juntas em original, prestada pela c-
mara municipal de Boa-Vista sob.e o ssumpto
do questionario que acompanhon a teu officio do
12 de Novembro do auno passado.
Ao Dr. juiz de direito das execucoes crirai
maes do Recife. De ordem do Sr. conselheiro
presidente da provincia, declaro a V. S. que n s
seas oficias ns. 45 e 46, de hoje datados, profe-
rio se o seguinte despacho : Ao Sr. diiector do
presidio de Fernando de Noronha para satisfazer
a requesicao.
KXPEDIUTE DO OA 2 OE FEVEREIRO DE 1886
Actos :
O presideute da provincia, tendo era vista o
aviso expedido pelo Ministro 4a Agricultura,
Coinmercio e Obras Publicas em 31 de Drze-ubro
prximo passado, sob n. 14, resolve abrir, sob sua
responsabilidade, um crdito da importaucia de
18:000i para pagamento do vencimento que cabe
ao engenheiro que actualmente dirige as obras uo
raelhoramento do porto e as da ccnstruccao da
ponte Buarque de Macedo, Vicente Antouio do Es-
pirito-Santo, relativo ao mez de Janeiro ultimo e
duas quinzenas ao pessoal empegado as mencio-
nadas obras.Remetteu-se copia a Thesouraria
de Fazenda.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o lancador da recebedoria, Flavio
Goncalves Lima e tendo em vista o uttestado me
dico exhibido, a infonnacao da Thesouraria de
Fazenda de 10 de Novembro prximo passado sob
n. 632, e o telegramma expedido em 30 de De
embro pelo Ministro da Fasenda, resolve conce-
der ao mencionado lancador dous mezes de liesnea
na forma da lii, para tratar-se da molestia beri-
beri.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o 2* escripturario da Thesouraria de Fa-
zenda Francisco Canuto Emerenciano e tendo em
vista o attestado medico exhibido, a informoslo do
inspector da dita Thesouraria de 11 de Janeiro
findo, sob n. 17 e o telegramma do Ministerio da
Fazenda de 19 desse mesmo mez, resolve conce-
der ao mencionado escripturario trez mezes de li-
cenea com vencimentos na forma da lei, para tra-
tar-se onde Ihe convier da molestia beriberi.
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica constan-
te do officio, desta data, resolve nomear o alteres
Joaquim Srvalo Vieira da Paz para o cargo de
subdelegada do districto de Tabatinga em S. Lou-
renco da .Vatta, ficaudo exonerado o actual Mi-
guel Jaaquim do Reg Barros.
O presidente da provincia, de conformidade
com a prouksta do Dr. chete de p jlicia em officio
n. 91 de 21 do mez findo, resolve exonerar Jos
Lino M.irqics Bicalho do cargo de l" supplente
do delegad^ da termo de Pao d'Alho por nao ter
aceitado a pomeacao c nomear para substituil-o o
actual 2- sipplente Jos Francisco Pinheiro Ra-
mos e par a vaga por este deixada o cidado
Diogo Soarea Carneiro de Albuquerque.
Outro sim, resolve exonerar o capitao Bellar-
mliio do Reg Aecioly do cargo de 3 s-applente
do delegadoe nomear para substituil-o o caaitSo
Jos Vieira de M lio.Conmunicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Officios :
Ao i ispectoi do Arsenal de Marinha.Fi-
cam approvados os coutratos, cojos termos por co-
pia viciara annexos ao officio de V. Exc. de 21 de
Janeiro findo, sob n. 21, celebrados pelo conse-
ibo de compras do Arsenal de Marinha, em ses-
;io de 17 e 19 de Dezembro do anno passado, pa-
ra o fornecimenta de vveres sobresalentes e raate-
riaes aos navios de guerra fundeados no porto
desta eidade e as dependencias desse Arsenal e
bera assim para o fornecimento de fardaraentos
destinado a escola de aprendzes raarinheiros des-
ta provincia, expediente, lavagem e engommado
da roupa da enfermara de marinha, por dois
trim-stres a contar de Janeiro ultim>, oque
declaro a V. Exc. para 6eu conheciraento e
devidos efteitos.Coramunicou-se a Thesouraria
de Fazenda.
Ao mesrao. Remstto a V. Exc. para os
fins convenientes, a inclusa guia de expe-iica de
medicamentos, que teio annexo ao oficio da di-
rectora do hospital militar da corte de 2 > de Ja
neiro findo, sob n 37, mandados fornecer a phar-
mauamiltar desta provincia.
Do couteudo do volume, era que vo acondicio-
nados os ditos medicamentos, providenciar V
Exc. no sentido de ser feita a remesas da quita-
co.
Ao mesmo. Srvu-se V. Exc. de providen-
ciar para que no dia 6 da corrente sejam escolta-
dos trinta e seis sentenciados da Casa de Deten-
cao at o presidio de Fernando de Norsnha. -Cora-
muuicou-ae ao uspector do Arsenal d.i Marinha e
ao Dr. juiz de direito das execucoes crirainaes do
Recife.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Teu-lo era visrjra intormacao de V. S. constante
de officio de 30 de Janeiro prximo passado sob n.
71, autoriso essa inspectora a mandar pagar a
Fielden Brothers a quantia de 179lOO relativa a
despeza cora a illuminacao a gaz da enfermara
militar no trimestre de Outubro a Dezembro do
anno ltimamente findo, conforme a conta junta
em daplicata.
Ao mesmo. De accordo com a informaco
de V. S. datada de 28 do mez prximo passado,
sob n. 63, autoriso o a mandar pagar a quantia
de 19520 proveniente de transportes dados nos
carros da estrada de ferro do Recife ao Sao Fran-
cisco, por conta do Ministerio da Agricultura,
Commerco e Obras Publicas, no mez de Dezem-
bro ultimo, conforme as contas juntas. Commu-
nicou-se ao superintendente da ustrada de ferro
do Recife ao Sao Francisco.
Ao mesmo. Communico a V. S, pira os
fins coavenientes, que o juiz de direito le orphos
e auseDtes da comarca desta capital, bacharel
Alelino Antonio de Luna Freir interrompeu o
oxercicio de sea cargo por motivo de molestia no
dia 19 de Janeiro fiado, reassatnido em 20 do so-
bredito mez.
Ao mesmo. Devolveodo a V. S. as duas
propostas aprsentelas por Manoei Joaquim Al-
ves da Costa e Vf aia, Silva & C. pira o forneci-
mento de diverso- objectos destinados decoracao
da cap lia de Nossa Senhora dos Remedios do
presidio de Fernando de Noronha, recommendo-
Ihe em solucao do seu officio n. 66, de 23 do cor-
rete que faja lavrar termo de contracto com o
segunda aquellos concurrentes, visto ser a sua
proposta mais vantajesa aos interesses da fazenda.
Ao director do Ars nal de Guerra. Provi-
dencie Vmc. para que a msica desse Arsenal v
tocar na festa da abertura do Gymnasio Pernam-
bucano, no dia 3 do corrente as 9 horas da ma-
nh.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Caxang. Declaro a Vmc. em solucao ao que
solicita em officio de 25 de Janeiro prximo fiudo
sob n. 77, que o engeuheiro chefe da Repartico
das Obras Puocas informou-me era 28, que en-
tendeu-se com o gerente da Companhia de Bebe-
ribe e providenciou ie accerdo com o mesmo e-
rente no sentido de acautelar a seguranca dos
trens e passageros, que transitara na estrada do
governo, e bem assim para que as ob as di d 11
companhia nao prejudiquera quer as publicas, quer
as particulares, repondo e reparando a sua custa
tolas as deslocacoes que nellas se nzerem.
Porta ri. s :
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recite ao Sao Francisco sirva-se de man-
dar conceder passagens, que sero opportuna-
mente descontadas das gratuitas a que o governo
teflf direito da estsco de Cinco Puntas a de Una,
de lciasse a um oficial e de 3 20 pracas e trans
purte de bagagem do dito oficial.
O Sr. cncarregado do prolongamento da ea-
trada de ferro do Recife ao Sao m icisco na esta
ci de Una mande conceder passagens at Canho-
tinho, por conta da provincia de 1* c'.asse, a am
oficial e du 3 a 20 pracas e transporte a biga-
gem do dito oficial.
O Sr gerente da Companhia Pernambucana,
faca transpai tar para o presidio de Fernando de
Noronha e por conta da provincia os trinta e seis
sentenciados de qce trata a inclusa relaco, os
quaes para alli seguem a requisicio do Dr. juiz
de direito das execucoes criminaes da comarca
desta capital.
O Sr. gerente da Companhia Pernainbucan,
fsca tra- sportar ao presidio de Fernanda de No-
ronha, por conta do Ministerio da Guerra, no va-
por Giqui os soldados sentenciados Manoei Fru-
ctuoso, Clemente Vieira Dias, Jos Pereira de
Araujo, Joaquim Gomes da Silva, Candido Jos
dos Santos, Joo Baptista Marinho, Manoei Hono-
rio Pereira Torres, Manoei Horteneio da Costa
Fernandea, Francisco de Barros de Almeida B5t,
Albino Mendes de Souza, Joo Jos de Sant'Au-
na Manuel Jos de Lima, Antonio Moura de
Souza, Francisco Barbosa da Silva, Victorino Pro-
copio Jos Fernandes, Jos Pereira da Costa, Jos
Narciso do Nasc ment, Joo Simplicio Vieira,
Euzebio Ribeiro, Mantel Joaquim da Silva, An-
tonio Pereira da Silva, Cyprfano Liberto da Con-
ceico, os quaes vieram da corte com destino
aqnelle presidio, onde vo cumprir as penas que
lhes foram impostas. Communicou se ao com-
andante du armas.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Officios :
Ao 1 secretario da Assembla Provincial.
O Exm. Sr. conselheiro presidente da provin-
cia manda communicar a V. 8. que nesta data
proferia o seguinte despacho no ssu officio n. 1 de
30 do mez findo cora o qual remetteu o ponto dos
em pregados da secretaria desta Assembla rela-
tiva ao mez citado : Remettido ao Sr. inspector
do Thesouro Provincial para os devidos fins.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DU 12 DE
FEVEREIRO DE 1886
Capitao Antonio Gracindo de Gusmao Lobo.
Informe o Sr. inpector da Thesouraria de Fa-
zend i.
Anna Senhorinha Monteiro Pessoa. Remattido
a Junto Medica Provincial a quem a peticionaria
se apresentar para ser inspeccionada.
Christovo Rodrigues Teixeira. Informe o
Sr. juiz commissario de trras de Palmares.
Delrairo Gaudencio Ribeiro ''essa.De-so.
Capitao Finnino Theotonio da Cmara Santia-
go.Informe o Sr. engenheiro chefe da Repartico
das Obras Publicas.
Francisco de Paula Lino de Carvalho.Sira, sem
vencimento.
Manoei Jos da Cmara.Nao tem lugar.
Mara Leopoldina da Cunha Pedroza.Informe
o Sr. director da Colonia Isabel.
Manoei Rufino de Carvalho.Informe o Sr. di-
rector do Presidio de;Fernando de Noronha.
Thomaz d'Aquino Silva Loureiro. Deferido, oom
officio ao director do Arsenal de Guerra.
Thomaz Espiuca.Informe o Sr. administrador
do the-.tro Santa Isabel.
Manoei Cnndido Fernandes Pires.Remettido a
Junta Medica Provincial a quem o supplicaute se
apresentar para ser inspeccionado.
Manoei Figueira do Nascimeato.Concedo dois
mezes.
Secretaria da Oa jara Municipal do Re
cife, 13 de Feveroiro da 1386.
O porteiro,
J. L. Viego.
Repartico da Polica
Seccao2.a N. 110. Secretaria de Po-
lica de Pernambueo, 13 de Fevereiro de
1836.Illm. e Exm. Sr. Participo a V.
Exc. que foram houtem recolhidos a Casa
de Detengao os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do Recife, Henrique
Bezerra, por disturbio.
A' ordem do de Santo Antouio, Severo Jos
Francisco, por embriaguez, Clemente Pereira da
Silva e Jos Jorge Ferreira Guimares, por otlen-
sas a moral publica.
A' ordem do do 1 districto de S. Jos Manoei
Francisco da Paixo, por disturbios.
Pelo subdelegado do 1 districto de Gamelleira
foram remettidas a esta repartico 3 rcvolrers e
facas de ponas, apprehenJidaa alli cm mao de di-
versos individuos.
Deus guarde aV. Exclilao, e Exm.
Sr. conselheiro Jos Fernandes da Costa
Pereira Jnior, rauito digno presidente da
provincia. O chefe de poli-da, Antonio
Domingos Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 13 DE PEVEREIBO
Pedro Jorge da Silva Ramos.Na forma reque-
rida nao pode ser attendido o sapplicante, contar-
me opina a Sr. Dr. procurador fiscal ; no entre-
tauto seja esta remettida ao contencioso para dar
ao supplieante copia autentica do termo de flan-
ea, para promoverla respectiva especialisaco.
Joo Baptista Cavalcante de Albuquerque e
Arthur Nazianzeno Ferreira dos Santos.Regis-
tre-se e facam os devidos assentaraentos.
Bernet t C. e Eleuterio Vieira Correia Luna.
Eutregue-se pela porta.
John H. Boxwell.-Certifique se.
Francisco da Costa Ferraz, Dr. Joaquira Cor-
reia de Araujo, J. J. Alves de Albuquerque, Jos
\ntouio de Magalnes Bastos, Joo Cavalcante
de Albuquerque, Francisco Vieira dos Santos,
J lio da Silva Villa-Nova e Manoei Pinto de Cas-
tro.Informe o Sr. contador.
Januario dos Santos Bjrnardes.Ao Consula-
do para attender.
Antonio Luiz da Silva Braudo, Joo Fernan-
des Ramos de Oliveira, e Victorino Domingues
Alves Maia.Ao contencioso para os devidos fins.
Dr. Lydio Mariano de Albuquerque.Cumpra-
se e tacara-se as notas de portara de licenea.
Dr. Celso Tertuliano Fernandes Quintal e con-
tas do coinuiando do Corpo de Polica.Haja vis-
ta o Sr. Dr. procurador fiscal.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 12 DE FEvEKEIRO
DE 1886
Fernn les 4 Irma o.Sim, de accordo com a
nforraar;ao.
Joaquim Ales da Silva Jnior, Manoei Cortes
da Siva Curado, Orestes Travassos & C, Baro
da Soledade, Jos Maximiauo Pestaa, Jos Joa-
qum Goncalves Bastos, Barbosa & Santos, Pa -
poula c C.Sim.
Josepha Elvira Rodrigues Ribeiro e Jos Cae-
tano Marques de Oliveira. Deferido, em vista
das informado .'s.
Rita Mana dos Praseres, Pedro Joaqum Au-
gusto Ribeiro, Joo Jos Nepomaceno Joanna
Mara da Fonseca, Justino Joaquim Pereira Al-
vea e padre Joo Servulo Teixeira.Deferido, em
visia das infarmaces.
Emilio Martin.Era vista das nformasoes na-
da ha que deferir.
Joanna Joaquina da PaixoDeferido, de ac
curdo com as informacoes.
Sara Mara do Nase ment e sua irma Candida
Maria do Nascimeato.Prove as supplicantes o
que allegara.
Henrique Jos da Silva.Em ^vista das infor
macoes nada ha que deferir. .
Julio & Irino, Antonio Ignacio do Reg Me-
deros, Manoei Lins Paes Barrete, Correia & C,
branles & C, Sebastio de Barros Barreto e
Francisco Ignacio de OliveiraInforme a sec-
Joo Mayer e Jos Candido de Moraes.Diri-
jara se ao Thesouro Provincial.
Bezerra ot C. A' l* seceo para os devidos
fins.
Prente Vianna & C. Informe a 2 seccao.
_ 13 -
Martina Viegas & C, Pereira Carneiro & C,
Moreira 4 Irmo e Luiz Duprat. -Dirija-se ao
Thesouro Provincial.
Maia & Rezende, Joa Antonio de Mattos, Com-
panhia de Seguro Indemnieadora, Sour.a Noeaei-
ra & C, Charles Pluym & C N.emayer & C.,
Pohlman &.C., Joo Vctor Alves Matheus & C.,
Sodr da Motta & Filho, Silva & O, Adelino Li-
ma & C, Joaqum Goncalves Casco 4 U. -Al-
bino Smes da Silva Brito e Francisco Antonio
de Britto A Filho. Sim.
Silva Curado & C-, Commendador L.ms Jos
da Silva Guimares, Adriano da Rocha Pereira,
Vmva Hermino Ferreira da Silva e Antn o Au-
gusto de Lemos 4 C. -Informe a seccao.
Luis Goncalves da Silva A Pinto.A 1 sec-
cao para os devidos fins.
Jos de Macedo.Sellados os documentos ter4
despacho.
Berrrardno de Souza Duarte. A' 1* seceo pa-
ra os devidos fins.
Alexandrino Antonio de Siqueira. -A' l sec-
eo para attender.
Amelia Maria da Costa..Satisfaca a exigencia
da Ia seceo.
Rosa Joaquina da Silva. -Prove a supplieante
o que allega afim de podar ser attendida.
Joaquim Teixeira Bastos. Em vista das infor-
macoes nada ha que deferir.
Santos Rosas & C. Indeferido em vista das
informacoes.
Carneiro Souza & C.Dirijam se os suppli-
cantes ao Therouro Provincial dea relaco a isemp-
co de impostes a qne alludem.
Joaquina Delfina de Mello Deferido, em vis-
ta das Bformacoe9.
Cmara Municipal
DESPACHOS DA SE:-SAO DE 26 DO MEZ
PRXIMO PASSADO
Antonio Borges Lea!, escrivo interino do crime
d'esta eidade.Passe se mandado.
Antonio de Burgos Ponee de Len, escrivo do
crime. dem.
O mesmo. dem.
Dionisio Fernandes Dia? da Silva. dem.
Hermenegildo Severiano Gon;alvee. oficial de
justica.dem.
Henrique Cecilio Barreto d'Almeida.dem.
Bacharel Jer-.-nymo Materno Pereira de Carva-
lho, juiz substituto do 5 districto criminal.
dem.
O mesmo. dem.
Jos Maria Ferreira Franca. dem.
Bacharel Jos Maria de Albuquerque Mello.
dem.
Bacharel Luiz Emy'gdio Rodrigues Vianna.
dem.
D. Leonor Porto. dem.
Manoei Paulo de Albuquerque.E' obrigado a
pagar a multa para poder aterir ; quanto ao im-
posto de porta aberta s quando este for devido.
Numa Pedro de Alcntara, oficial de justica.
Passe-se mandado.
O mesmo. dem.
Oliveira Castro & C, contratantes do abaateci-
mento de carnes verdee.Indeferido em face da
informaco.
Os mesmos.J se provideneiou a rrapeito do
que pedem os supplicantes.
Pedr Tertuliano da Cunha, escrivo do crime
d'esta eidade.Pase ee mandado.
O mesmo.dem.
O mesmo.dem.
DESPACHOS DA SESSAO DE 11 DE FEVEREIKO
Francisco Ferreira Borges.Como requer.
Feliciano Francisco de Hollanda Chacn, guar-
da d'esta municipaldade.dem.
Manoei Pereira Lemos, inventariante dos be.ns
deixados por seus finados pais.Deferido quanto
aos dous ltimos annos, ficando responsavel pelos
demas.
ADDITAMESTO AOS DESPACHOS DO DIA
11 DO CORRENTE
Pelo Rvm. Sr. Padre Mello vereador
commissario de itdijicacdes:
Emilio Pereira d'Abreu pedndo licenea para
mandar reformar a cornija de suas casas sitas
ra de Santa Tberesa ns. 19e21, fazendo as
mesmas parapeito e encanaado as aguas pluvae.s;
bem como fazer um te heiro que sirva de cosinha
e outros reparos concernentes ao melhoramento de
ditas casas.Como parece ao engenheiro.
DESPACHOS DO DIA 12 DE FEVEKEDJO
Pelo Rvd. Sr. padre Mello, vereador
comm'ssario de edifcagdes:
Ant inio Jos de Souza. pedndo licenea para
mandar rebocar de cimento at a altura de dous
metros, o o to da mesma casa. Pagos os direi-
tos, concede-se.
Bartholomeu Lourenco, replicando, pondera que
s pretende mandar fazer cornija e parapeito, en-
caar as aguas, de accordo com as posturas e nao
fazer obra nova, para que esteja obrigado a cum-
prir os artgos citados pelo engenheiro, em vista
do que pede qua seja concedida a licenea solicita-
da cora referencia s casas de ns. 10 o 12 ra
do Tuity, na trraa requerida-Pagos os impostes
concdese de conformidade cora as posturas e pa-
recer do engeuheiro.
Franpisco Cardoso Simas, Replicando, pondera
que fic a estrada dos Aflictos, co afronte ao ter-
reno do Sr. Mendes. o local onde pretende edificar
um chalet, cuja licenea solicita.Na forma do pa-
recer do engenheiro, de 10 do andante.
Francisco Odilon Tavares Lima, pedindo licen-
ea para mandar retelhar a casa n. 6 ao becco da
Bomba, freguezia de Santo Antonio.Sim, dando
previa sciencia ao fi cal.
Goncalo Jos da Gama, em additamento a licen-
ea obtida con referencia sua casa n. 24 i ua
do Fogo, pede para mandar substituir um frechal
e mais madeira que far necessaria em dita casa.
Pagos os impostes e limitndose ao que pede,
concede se.
Jos Paulo Botelho, pedindo cenca para man-
dar tomar goteiras as casas de ns. 29, 31, 33 e 3;>
travessa da Concordia. 23 ra da Viraco, 26
da Palma, 37 travessa dos Quarteis, 17 ra
de Lomas Valentinas, 178, 199 e 288 do Coronel
Suassuna, 39 doCaldereiro, 5 ao largo de S. Pe-
dro, 4 travessa da Praia, 1, 3, 5, 7. 9, 11, 18 a
15 l1 travessa da ra de Sania Rita e 1 ra
Nova de Santa Rita.Sim, dando previa sciencia
ao fiscal.
Commendador Manoei Jos Machado e Munoel
Joaquim Pereira, pedindo em additamento a li-
cenca obtida com referencia ao seu predio n. 15
roa Primeiro de Mareo, para inundaron abrir mais
tres janellas por cima do terceiro andar.Em vis-
ta do art. -3 da le n. 1,129, ndefiro o pedido dos
supplicaates.
Manuel Suares Pinheiro, pedindo licenea para
mandar substituir telhas das cobertas dos predios
de ns. 23 ra da Roda. 3 ao largo do Paraso, 4
travessa da Bomba e 10 travessa do Livra-
mento.Declare qual o mestre da obra.
O mesrao, para o mesmo fim, com referencia ao
predio n. 15 ra do Aincrim. dem.
Secretaria da Cmara Municipal do Re-
cife, 13 de Fevereiro de 1886.
O porteiro,
Leopoldino C. Ferreira da Silva.
DIARIO DE PERHAMBCCO
RECIFE 14 DE FEVEREIRO DE l8.
noticias do Xorte do Imperio
O paquete nacional I'emambuco, eutrado don r
te ante-hontem s 8 horas e 30 minutos da nout-,
foi p rtador das seguintes noticias:
a mamonas
Datas at 31 de Janeiro:
As tolhas liberaes do cerno eleito o Dr. Parana-
gu pelo 2 districto; as folhas conservadoras, io-
rm, dizem que t eleito deputado geral por essa
provincia o Dr. Clarindo Alves.
A assembla provincial do Amazonas pira ii
bienio de 1886 a 1887 composta de 15 deputados
conservadores, 6 liberaes e 1 republicano.
Os contactantes da construeco do teatro de
Manos, Rossini & Irmos, protestaran! perant- "
consulado de saa naco contra o acto do presideu-
te da provincia, que rescindi o contracto para a
mesma construeco.
Por despacho do Dr. juit de direito interino *

m


-
Diario de PernaoibucoDomingo 14 A Peverciro 1886

caoital, ioi )nlgda improcedente a deaaoea man-
lda dar pelo presidente da provincia contra o .
nppente de jui= municipal, major Antonio Jos
Fernandos.
Estava excrcendo o cargo de promotor publica
da capital 8r. Joao Manuel Lemos Bastos.
0 amigos do Dr. Paasog de Mirauda offerecemm-
Ibe um lauto alm..ca ora regosijo de sua eleicilo dt
depatado geral, pelo 1 districto.
Retirou-ee da redaccao da (razeta de Manot o
bacharel Pedro AyreeMHnnke.
Na capital, aa rnv Costa Aatvedo, AnHio dos
Santos Freir da Roen* d.spaapu uitiro dees
pingarda sobre- Franoiaeo Libo, fetmdo-o grave-
<1BeAtTb.e Mauos Traing Company, Limited, iua-
dou urna surcue-lna cidadejle Iquitoa, no Per.
Deixou de faaer parte da indaccae do Cosamer
do do Amazonas o Sr Ant-mo Aro un.
rara
Datas at 5 de fevereiro:
Chegara o cruzador Pnmeiro de Marto.
Sob o titulo Immigracdo, cscreve o Diario do
Grao Para:
. Dois agentes de familias inglesas que preten-
diamestabelecer-ae naBoliviaonde mandaramcom-
prar trras voltaram, por falta de meios de trans-
?irtes a esta capital. Sabendo o conselbeiro
ristao de Alenoar Araripe do facto mandn a
bordo do vapor Sobralense os eugenheiros Piuto
Braga e Weaver a entenderem se com os referidos
agentes.
< Procurara elles collocaco para 15 familias in-
glesas que emigraram com alguna haveres, tanto
assim que querem comprar as trras e s pedem
que lhes pegue o geveruo a d>fferenc,a da passag ern
de r. Os mesmos agentes i-eguem amanba coin os
Drs. Pinto Braga e Weave' a visitarem os terre-
nos destinados a im-nigracio e, no caso de lh-s
coovirem, seguirao amaub a naule no "Sobral-
ense para a Inglaterra, afim de trazer as referi-
das familias e outras que quoiram vir as mesmas
condiccoes
A presidencia vai entender se com as com-
nanhias de vapores pa fornecer-lhes passagem
de proa da Inglaterra pira Belem por conta da
provincia. _
Ao nosso ministro na Inglaterra vo ser expe
dida instruccoes a respeito.
_ Lemos na mesina folka ie 2 do correnta:
. No hiatc .Santo Antonio, chegado, da Barrc-
rinha, provincia do Maranhav viera.n para esta
provincia cerca de 60 eseravos e alguna ingenuna
pertenientes ao coronel Simplicio Jos de Aguiai
Martina, que, segundo nos consta, qoer a
para a fazenda Itacuan, nesta provincia
O Ilustre Sr. Dr. ebefe de polica sabendo da
introduccao da mercadera negra, mandou chamar
o Sr. Joronel Simplicio e procedede accordo cora a
lei que prohibe a entrada de escravos na Auiazo-
' \ referida folha d conta, nos seguin es termos
de urna manifestacao po ular de que toi alvo o Dr.
Samuel W. Mac-Doceel:
O nosso Ilustre amigo, e Dr. Samuel Wallaee
Mac owell, toi sabbado a noite alvod'umad'essas
manifestaco/s populares que se ontem na vida dos
homena polticos. Nao conheeemos no Para movi-
mento em que ta. jubilsearaeute collaborassem to-
das as classes sociaes como o de que vamos fazer a
descrip^io, que dar apenas pailida dea da sua
imponencia. .
. As t e meia horas da tarde tocavam duas
bandas de msica praca de Sant'Anna onde de
via reunir o cortejo cvico, urna M praca de Pala-
cio, onde postavam e bonds gentilmente prestados
pela digna direetoria da companhia Paraense
que deviam conduzir es manifestantes e outra em
frente da ex aa do Ilustre parlamentar.
. A's 7 horas o cortejo : 20 bonds ataviados
com bandeiras multicores e lluminados com ba-
ldes chinezes, iam apianados de cidadaos de todas
as classes siciaes. Foguetes eudiam os are de
eapaco a espaco. Acclamacoes entusisticas pu-
nham urna nota viva as harmonas das orebes
tras militares.
Ao ehegarem casa do Sr. Dr. Mac-Dowell,
onde havia grande massa de povo que nao encon-
trav lugar nos bonde, loram levantados vivas ao
Bario de Cotegipe, ao partido conservador, ao
gabinete de20 de agosto, ao Ilustre deputado do 6
districto do Para.
A espacosa chcara doSr. Dr. Mac Dowe.lera
pequea para abrigar os amig s que all iam pres-
tar a homenagem que impoem os talentos e o ca-
rcter do grande cidad&a.
. Em nomo do povo paraease saidou-o o Sr.
Dr. J. Agostinho doe R'ia, n'um brabante repto
de loqueooia desaeB de que elle prese possuir o
serrado, e que era o verbo apaixonado de ama
grande festa populan. Ao terminar oflvreceu-lhe
um primoroso booquet de flores artificiaea com
a eeguinte in-cripeao bordada a ouro n urna larga
fita : O povo ao grande parlamentar Dr. liac-
Dowell. .... xr
. Orou em seguida o Sr. Dr. Jos Meirade Y as-
eoncellos, cjmmissionado pelo eleitorado do 6 dis-
tricto. Seguio-se-lhe com a palavra o nesso eoega
Dr. Domingos Olympio, como jornal ista e como re-
presentante do 4 districto eleitoral.ofiVreeendo um
oouquet .com esta legenda : Os .UUores doi
districto ao eximio parlamoUar Dr. kamuel WaL
lace S\ac Dotoell, em rignal de gratidao.
m Faou entilo o Dr. Samuel. O genio da tri-
buna fulgurou-lhe no verbo inflamnuio. Todo o
colorido queute da nspiraco msenla, pot-nre,
que pode dar viva a palavra, inimcu o esplendido
discurso do Dr. Mae-Dowell, que arreoatou o au
ditorio, insptrando-lhe a cemmocao que guiava
aquella palavras. Applausos reiterados, accla-
macoe, victoriavam o orador.
Anda taUarsm outras peo.t, t>-iminando s
manifestacio das mais pomposas a que temos as-
3istdo, depois das 10 horas l noite.
Tamben o Dr. Leitao da Cuuha foi alvo de
moa manifest^eao h nrosa pelo eleitorado da ca-
pital. ,
Na ferro-via de Braganca toi inaugurado um
novo trecho at a estaco de Apen, no dia 1' d
cerrento, sendo a festa inaugural inuito con^or-
rida.
__Nsticias ie Santar^m dizem que no dia 15
de Janeiro cabio sobre a cidade urna horrivel tffav
psstade, que cauaou serios estragas, uio s em
trra como no rio. .. mm
Foi victima dessa tempustade o uidadto Jone
da Paixo dos Santos. O fatal incidente assim
noticiado pelo Baixo Amazonas
Segundo a mesma folha era este o resultado
conbeoido do 3 districto:
Dr. Jayme Kosa 128
Conselbeiro Doria 81
E em separado 2
Joaqmm Nogueira 1
Cear
Dut io at 9 de Fevereiro :
As noticiao desta provine)'a sao destituidas de
interes-,
Es ere vernai de Igoat Constiluico, esa 25
de Janeiro :
T*mo< tido uraaiisMrernad* aenerb, cacao nio
ha eaamplo ha muitos aunas, de modoque se
aeham todos animados, cela esperanca de ver este
municipio livre do perigo de ver seus hibitantes
torturados pela miseria.
No meio de todo egse contentamente, distio-
gae se o juiz municipal e de orpbios, capitao A.
Ferreira, sempre meditabundo, cogiiaudo em fazar
mal a humanidade.
Teenj os orphos e viuva gosado de algum
discanco por ciusa das ferias do foro ; mas o
grande ju'u protesta compensar se de tudo taso de
Fevereiro em diante.
Contina a inanter na villa do :-. Matheua
urna criminosi, condemnada a quatorre annos, e
que naa cadeias desta cidade cumpria ana senten-
tenen, guando esae juiz prepotente, em das do mez
pascado, permittw que elle fosse passar a tes-
ta de anno b un all, quando censurado, rascn
de'simplsir. ute que, quem poder, 1 he tome as
contaa. *
De Sobral tambera eacreveram, na mesma
data, ao Cearense :
Temos inuito e muito invern, gracas Deus.
Ha mais de 10 annos que nao se via um in
verno igual.
A p >pulacao esti satisfcitu e ebeia de espe-
ranca, confiando n'um futuro cheio de prosperi-
dade e remunerador do trabalho.
Viogando o que 3e tm p'anfeado haver abuu
dancia de tudo o que da njssa rudimeutar agri-
cultura. *
A' mesma folha eacreveram da Pacatuia :
< Tive urna idea de dar Ihe a seguate noticia,
bem curiosa:
Habihtava-se o orphao Aureliano para casar
com urna pobre moc, e porque o integro juiz de
direito Dr. Joao Paulo exigase as provas da ido-
ueidade rain missa conventual, a na occasiio em que o
vigario \I in ni elevava a sagrada hostia e o ca-
lix, os nubenles romperam u prutuudo silencio,
pronunciando palavras a que deram o uoine de
forma ileste granii S icrament >, como o denomina
o apostlo das gentes. Nem siqner fizeram a far
c.i bem feta, porque o Concilio TriUeutino exige
a present do parodio, mas ste no altar, maito
distanciado e elevado na conteinpla^ao do atigust
misterio do sacrificio da missa, como testemuuli ir
um UtO que pissava-se em sua ausencia?
Pareceu-me miis urna scena. carnavalesca,
como qu dificou o vigario.
Felizmente o nosso vigarij Memoria fulmin >u
to grave aboso : provou do pulpito q e aquillo
poda ser tudo, menos um casaircuto, segn o
exigem uossas leis patrias e cannicas.
Os inconscientes conselbeiros dos taes noivos
incautos convenc ram-ee da aen>ira que fizeraoi.
e no dia seguinte procurarain o vigario, que os
acolheu com a caridade recommendad pelo catho-
licismo, os casou gratuitamente, emprestaudo-lhei
dinheiro para as eustaa dos papis ten lentes a ha -
bilitacao do noivo.
As nossas leis devem ser mais rigorosas a
respeito, ilo contrario, gravissimos inconvenientes
temos a lamentar na adminiatracilo de um Sacra-
meato cujos mixtos effeitos interessam religiao e
ao estado.
Ro Grande de Xortc
Nao tivemos f Jhas desta provincia.
I'arskjba
Datas at 12 de Fevereiro :
screveram de Piaac, eai 31 de Janeiro, ao
Diario da Parahyba :
Chuvia desde o dia 19, com o que esUvam to-
dos animado?.
Hoie, s i e 1(2 horas da tarde, ao sabir daa
ras desta villa, o pa de familia Joaquun Pinto
foi aggrediio por um individuo conbecido por
Q lincas Matuto, de quem recebeu um tiro e se acba
em perigo de vida. O criminoso eoaseguio eva-
dir se apeaar das diligencias que inmediatamente
empregou o delegado, alf.-res Sebistiao Pereira da
Cruz.
1KTER1R
Crreponlcacia do Diario de
Peraambuco
PARAiIYBAr 12 de Fevereiro de 1886
J coohecido-o resultado de pleito-eleitoral em
toda a provincia, e delle stao Informados os leito-
res pelo telegrapho. Cojreram as eleicoes pacifi
carnete, sem pie se tenha noticia da menor alte
acao na ordem publica. Ficaram el i toe qnatro
onservadores e um liberal : os Drs Anysio, Hen-
riques, Soriano e Elias (cons.), e o Dr. Pauta Pri
mo (lib.)
Ainda nao ee realiaaram em dois districto (o
3. e 4.i as eleicoes provinciaes do 2.' escrutinio.
E' certo, porin que em cada nm delles aero eleitos
um lib-ral e um conservador, de sorte qne o re-
sultado fin"! dar igu-ldade de votos para amboa
s partidos na Assembla : 11 liberae* e 15 conser-
vadores.
Acalmados r.g nimos das apprehenses eleito-
aeg, fazem vot n os parahybanos para que os elei-
tos proctrrera corresponder aos seus mandatos, cu-
rando seriamente dos pblicos interesses.
A provincia atravessa presentemente urna
rendas decrescem extraordinariamente, nao s em
couaequencia da escassez da prodcelo, como dos
victos e fraudes da rrrecadaco. D'ahi os dficits,
p os apuros em que a cada momento se acha a ad-
mintstracuo para p igar os vencimentos dos empre-
gidos provinciaes. Durante certos mezes do anno,
de in lio a agosto, o Tbesouro fica sem numerario
para satisfaser os menores encargos
Em setembro ultimo, quando assumio a admi-
ii i atrae lo o actual presidente, havia em cofre 2001,
e ha d'.is mezes nao eram pagos o fuaccionarioa
da capital; aos do interior deviam ae tres, quatro
e mezino a algiins seis m-'zes de vencimentos. Fe-
lizmente este estado eessou com as acertadas pro-
videncias que se tem tomado para o recolhimeuto
Tem dado bom resultado o servico da llu-
'Qna?io publica pelo kerosene.
J esta i asaentados 158 lampeos naa ra* mais
inportantes da capital, faltando anda 42, que
cjmpletiro o numero dos 2 10 Unpedes contrata-
ros. As roas fioam saltatoriamente esclarec-
(.ai. Foi sem duvlda um importante melhoramen-
tj, e de esperar queos parahybanos no volta-
rio mais ao estado anterior, passando pelo vexa-
ii e de ficar em plena esenridao durante as noites
nina capital de provincia, quando pequeas cida-
di't de outras provincias aao Iluminadas a gaz.
Ja se pode andar as roas i nose sem risco de
un desastre, e nem preciso esperar pela la
p ira faaer visitas.
KE.iSTA DIARIA
2
7
3-12
1
3
15
423
ultima chamada
- Tiuhi o nosso nditoBS amigo a aua ramea an-
corada no porto do Sr. teoeute^'^f ^,do ^. das rendas," e a preferencia nos pagamentos. E1
reir Uaeamb.ra, para regressar sna c** neasa ^ Thfmn ^ ^ ^ com o
8ventosa "c*ente!,uncci0nli9m0 da I<*" nada 8e de'"n.d? "
ainda n'i' empregados relativamente ao passado exercicio de
1885 ; pagou-se um anno de juros aos possuidores
800:643*833
252:4384503
noite. e querendo-a, como
embates, prodtisidos p-los
atiron-se s aguas, donde at hoja
surgi.
Kenierara em jancire :
A Alfaadeg
A Recebedoria Provincial
Haranho
Desta provincia apenas reeeb-'Jir'S Pablicador
Maranhense de 2 do correte.
Provavelmente as fJhas ou curam retidas au
correio da capital, ou, como mais de urna vez tem
succedido, foram postas as malas do snl, de onde
aero depois devolvidas.
Em qualquer das bypothoses d.gua de censu-
ra a administracio do correio.
No alluddo numero do Publicador declara
elle que se retira da arena jorualiatica, o que
altamente limentovel.
Eis algnns trechos do seu artigo de despedidas:
Ketira-se boje da arena jornalistica o Pub'.i-
cador Maranhense. Durante o longo espacj de
44 annos precurou conanistar a estima publica,
os favores da opiaiao esclarecida, pelo amor li-
berdade, pelo respeito orden, pelo culto reli-
giao e ao dever. Mas, se mere^eu felizmente a
estima deesa Ilustrada poputeeie, ni penda con-
quistar-lhe os favores ; foi rude e porfiosa a lu-
ta, iaceasante e pinoso c labor ; teve, porm, de
ceder as circumstanciaa, mais fortes que sua von-
tade, e nao sem intima saudade, que se despede
de seos companheirot, e sihe dotkeatro onde m--
reaou outp'ura uo mereadejados apptauaoa.
Como os livros, teem os jornaes sen destino ;
a una bafeja a fertun*, e quasi sem esforco che-
gam posteridade ; outros, porm, esgotara em
pura perda a seiva do talento e a energa da von
tade, e se consegnem prorahir por alguna annos
a luta desalentada e triste, calein-afical ao des-
tino, e poem termo lenta agona, a que davam o
nome de exiatencia.
Conbe ao Publicador este deatiao, e ao reti-
rar-se vencido, seja-lhe permitlidu declarar bem
arto que nao o merecen, e fez o que era po-ivel
para mudal-o >
rtmmtMj
Data* at 28 de Janeiro :
Dixa Epocha qne, no 2o districto eleitoral, otc-
aultado final da ele-icio pera wn deputado geral
foi eite :
Dr. Simplicio C. de Eeaende (C) MsV
. r. JosFanatino (L) 463
de apaces provinciaes, restibelecendo-se o crdito
desaes titules inteiramente depreciados pela falta
de pontualidade no pagamento dog juros ; resga-
taram se duaa series de conheeimontos, corres-
pondentes a vencimentos nao pagoa durante o pe-
riodo da scea.
Exist- pdi cofre actualmente sotnraa superior a
80:0O0x, sendo 23:000 aindapertencente ao exer,
cieio passado para a liquidaco de deapezaa reaul
tantea de coatracos e outras obrigacoea. Co.n o
sygrema de rigorosa ec momia e severa fisca'.isa
?o que se tem adoptado de esperar que se pro-
longue o estado de equilibrio em que se mintm
agora o thesnnro. Certo de ter meios para pagar
os emptegados nos primeiros mozos do anno, po-
de a admimstricilo voitar as anas vistsa psraou-
tras necessidadea da provincia.
Convencido da improficuidade daa medidas
empregadas para cobranca administrativa dos
impostes sobijo gado, a presidencia mandou por
em arrecadacao os mesmos impostes, cm exclu
sao do dizimo, ou imposto sobre os bezerros. Esta
providencia deu bom resultado, e tem sido geral-
mente applaudida. O resultado da arrematacfe<
entrar para o tbesouro a importancia calculada
no orcamento, logo no eomeco do exercicio.
Abriram-se os trabilbos do Lyeeu Parahy-
bano e do Extrnate Normal do sexo feminino.
funcciouando ambos os estabelecimentos de accor-
do cosa es novos regnlameutoa que lhes torem da-
dos. Estas inatituicoea resentiam se da falta de
direceo regular. Funccionavam ambas sem di-
rector, porqoe a fr&ite deltas achava-se o mesmo
director geral que auperintendia toda a iiistruccno
publica da provincia, de sorte que nao lbe poda
reatar tempo par oceupar ae detidamente com o
servico peculiar a cada um daquell-a estabeleci-
mentos. Em ootra occasio daremos urna notiem
auccinta do pensamento que dicten a reforma vi-
gente da instrnecao publica.
Acha--fe em andamento su obras do quar-
tel de linha, do reparo da eadeia da capital, que
ameacava ruina, e a conatrnecio do predio desti
nado & ana escola publica, para a qnal deu im
poetante aaxilio o Sr. Vise >nde de Mccejana.
Assumio ha poneos das o exercicio o novo
chefe de polica, Dr. Joaquina Simes Daltro e
Silva, ex juiz de direito do Aracaty. Exereeu at
entio o cargo, a geral contento, o Dr. Stmnel Ter-
tuliano Heariqne.
I mala a m**wmrw Paaaawi honiem
p ira o sul no paquete naeisnal PcrnxnbiKO o Sn
Dr. Antonio dos Pasaos Miranda, eleito deputado
gerd pelo 1 districto do Amazonas, e Dr. Jos
Mara Ldtao da Cu..he, eleito pelo 5* districto i
Para.
Segando Iitrilo eleltoral-T^i
feira, 16 oo corrate, de ve ter lugar, no 2. dis-
tricto eleitoral, o 2 escrutiuio para eleicSo de um
de lutada geral, correndo o pleito entre oa Srs. Dr.
Jo.i Marianno Caraeiro da Cuaha, e couselh iro
Theodoro Machado Freir r*ereira da Silva.
No da immediato, quarta feira 17, realisar-
!' ia tambera, na mesmo 2 districto, o 2 eaciu-
tin o para eleico de um deputado provincial, cor-
reodo o pleito entre oa Srs. Dra. Zeferino Ferreira
Ve loso e Maximiano L'Oes Machad).
*>aiitu tmaro das Sallnsta H je, na
cacella de Santo Amaro dai Siliuas. celebra-se a
fcs:a d) sen pac'roeiro, constando de missa so-
lemne, s 11 h rae do dia, com aermilo pilo Revd.
coneg Antonio Eiistaquio. e de ladtinha noite,
orando o tt'i\d. padre Leonardo Joao Grego.
O larg) da camelia estar embandeirado c ador
nado com folhageus Alli tocar urna banda de
nusica. em todos os actas.
Dep-is da fe ta ser) largados diversos aers-
tatos, e tarde haver uo largo diversos folgares
taes como dancas, gymnastici, balo a, pos de
8eb), etc., etc.
Apa a ladainha, ser arreiada a baodeira, quei
mando se em seguida um grande fogo de artificio.
featak de H. Francliaco de Caula, em
lai&iij -Na caoella d> pivoalo do Caxanga,
tora lagar baje a feata de S. Pranciaco de Paula,
que constar de misa solemne s 10 horas da ma-
ulla, pregan tu o Revd. paire Antonio d Mello
Albaqucrque, o ladaiuha noite, seguida de ver-
sos .antadoe.
O larg da capella catar adornado, e ser Ilu-
mnalo noite, h ivendo tarde diversjs entre
teniatentas e tocando a batid t marcial do 11" ba-
t Hiao de )nfanteria.
O fogo de artificio ser quoim ido amanhl.
A ferro va do Uaxang, alm doa trens de
MM taballa, expedir um trem csp-eil s 4 horas
85 minutos da tarde, tocando nm estacoes da ra
do So Formosa, e Officiuas, regreasando de Ci
xang s 9 hars e 30 minutos da noit".
Theatro Manto Antonio O Cougresso
Dramtico 15 neiieente d, hoje, no Theatro Santo
Antonio, a sua 11* recita ordinaria, levando
g:-ma o drama Dianna de Rionne e a comedia O
Sebantianista.
Hfs%to diMtrlcto eleitoralDevo ter lu-
gar, hoje, no t" districto eleitoral, o 2o escrutinio
para um deputado provincial.
PaqaeteN inatlesea Amanha sao espera
dos do aul, em viagera para a Europa, os paquetes
agiese* Mrndtgo da Malla Real, e Aconcagua, da
linha do Pacifico.
Exame preparatorio*Eis o resulta-
do das exames f itos hontem na Faculdad de Di
reito :
Gteographia
Pien.imeute
Appro vados
Reprovaics
Rhetorica
Diatincco
Plenamente
Approvadoa
Repro vados
A in-tu ha comecari a 2*
para oa exames de:
Geographia
Affonsu Cronealvus Ferreira Costa.
(luilherme Antonio i)uimaraes.
Clemente Ferreira da Silva.
Joao Ferreira Mouteire.
Jos dos Aojos Cesar rurl-maqui.
Andr Diaa Pinheiro.
Antonio Gancalves Caacao.
Antonio Goncalves Lages de Mello.
Antonio Marques da Casta bur.
Antonio Martiuiaoo Veras.
Arthur Barrete da Rocha Litis.
Antonio Pbautino da Silva Soares.
Suaplentes
Braz Carneiro Leo.
Carlos Nunes Ferreira Coimbra.
Edmundo Pedro Caeao.
Erasmo Vieira de Macedo.
Franscisco Augusto Carneiro Leo
Francisco Gomes Prente Filbo.
Francisco de Paula Gonoalves Caseao.
Francisco de Paula Vieira.
J.uio Athemogenes de Barros Luna.
Joaquim Baptiata da Silva Yaz
Joaqum Goncalves Caseao.
Joaquim Vctor Jurema.
Serio amauha chamados exame de:
/Iri/imet'co
Alvaro Antonio Cavalcaute de Albuquerque,
D. Auna do Reg Medeiros Vaaconcelloa. '
Antonio Elysiario Moreira Das Jnior.
Antonio Cordeiro Fonseca de Medeiros.
Antonio Flavio Pessoa Guerra.
Antonio Francisco Reguuira Pinto de Souza.
Antonu Henrique Carditn.
ntonio Luiz Goncalves de Castro Mascarenhas.
Arthur Eugenio Dautas Barroca.
Arthur Henrique da Silva.
Arthur Lopea de Medeiros.
Augusto Fonseca de Medeiros.
S'-.pplentea
Augusto Octoviano Je Souzo Jnior.
Augusto de S e Albuquerque.
Benedicto Marques da Costa Ribeiro,
Dionisio Goncalves Maia.
Edmundo Lopes de Medeiros.
Edmundo Pedro Caseao.
Elpidio da Cunha Saldanha.
Elpidio Jos liibfciro C.
Ephrem Eadraa Eustaquio Embirass.
Erasmo Vieira de Macedo.
Ezequiai Franco de >.
Fclippe Henrique Cirio.
lo U, ande do !\TorleRecebemos hon-
tem es sega ntes telegrammas :
Natal, 13 de Fevereiro, s 2 hars e 50 mi-
nutos da tarde.
A' redaccao do Diario de Pernambuco :
No dia 11 do corrente foi offerecido ao Dr.
Tarquiiio Braulio de Souza Amarantho nm es -
pleodido baile, que teve lugar no palacete da As-
sembla Provincial, e que foi muito concorrido e
animado, terminando a 5 horas da manhade 12.*
Natal, 13 de Fevereiro, s 3 horas e 50 mi
untos da tarde.
A' re lacea a do Diario de Pernambmso :
Embarcan hontem, no vapor Jaguaribe, com
destino Pernaifbueo, o Dr. Tarquinio Braulio de
Souza Amarantho, sendo acnmpanbado at o vapor
por creseido numero de amigos, que, em escaleres
e levan io ama banda de mnsiea, foram fazer lbe
as ultimas despedidas.
Foi o embarque mais pomposo de quantos te-
mos assistido.
telo aeadenale* De 20 do corrente a
14 do marco viadouro, estar aberta na secretaria
da Faculdade de Direito a inscripeo dos candi-
datos a exames naa materias que constituam os
cinco annos da mesma Faculdade. na forma do
.1 do art 20 do decreto de 19 de Abril de 1879.
Esaes exames comecarao no dia I ae marco
prximo.
Conferencia Amacha, sShoias datar-
de, o Sr. Dr. Seabra fas urna conferencia poltica
no theatro das Variedades, da Nova Hamburgo.
Trrida* de avallo* em Besterlke
Hoje, das 4 horas da tarde at o eacurecer, ha-
veri corridas de cavadlos no povoado de Bebe
ribe.
Fextejoa carnavalescos -A rna do Li-
vamento tambera se vai enfeitar para oa das do
carnaval. A respectiva commissao ficou compos-
ta com oa Srs.:
Joto da Cunha VasconceJios, Alfredo de S,
Bernardinodi Coate Maia, Caetano Presado, An-
tonio da Coata Campos, Alberto Rodrigues Branco
Francisco Al ves Machado, Adotpho Paira Victo-
rino Alves Mouteiro e Laorsncino Pires de Car-
va I ho.
Polica para to.-.ar durante oa tres diaa, e bem as-
aira ao atvorecer de Dom'ngo.
Beanloea oeiaea Hoje ha a se-
guate* :
Da Imperial Sociedade dos Artistas Mecha
nicos e Liberaes, s 10 horas do dia, para appro
vaco das coates do anno fiodo, e apreciacao dos
relatorios do director e bibllothecario do Lyceu
de Artes Oficios.
Do Club Internacional da Rejatas, s 11 horas
do dia, na respectiva sede.
Do Club Carlos Gomes, em asamblea geral, s
11 horas da dia, para eleioao de alguna fauc-
cionarios.
Am..nlia ha as seguints* :
Do Inatituto Archa ilgico, ae meio dia, em e*
8ao especial para eleipao dos novoa funceionari ><.
Dal Corapanhia de Edifjeaa5ia, 1 hora da tar-
de, nal* andar do predio ni 38 di rui. doilmpe-
rador.para aego.o naporteate.
Da Aasociacao dos Ftneeionarios Pi'ovhrelaes
de l'.'rnambueo, assembla geral, a 6 horas da
tarde.
Dlnhelro O paquete Pernamoueo trouxe do
norte para :
Machado Lopes & C. 17:40:)000
Luiz Antonia de Scqueira l:6i34700
Maia & Rerende 1:050*000
Carlos L. Gomes & C. 664S700
Braga & S 645*090
Joseph Krause 500*000
Joao Vctor Alvea Matheua 318*785
Morte dMatilcare Ponclalelll Tra-
duzim'JS do Mercantil?., de Gr-'nova, 18 de Janeiro :
De Milo nos chega dolorosa noticia. O
autor da Ghconda e dos Promesisi Sposi, e de
outrosacclamados trabalhos, raarreu a 16 da cor-
reate, s 11 horas e 3i" da noite, em consequen
cia de violenta bronehite que o atormentou por no-
ve das seguidos.
" A arte mui.-al chira a perda de nmidas suai
mais esplendidas Ilustraba e numensoa canhi-
cedorea do Panchielli de um eatre os mais caris,
leaes e rn>le;tos artistas canteinp iraneos. Era a
grande cidads d-; Mili a dr p"la sua morte af
fligioa populacsto inteira que j desde ha muitos
das se apreaentava em raultido a sua habitacao
para saber noticias. A' aua cabecera velavam i
mulher, es fiihos e os maia fiis amigos, entre 03
qaaes o caain n lad >r Julio Ricardi que assistio
at o ultimo suspiro.
A's 11 hars, quando sa recaubeeeu que ni >
bavia ma8 eaperanca de aalvacaa, o parodia da
freguezia da Paixao, que tamb"m era seu intima
amigo, Ihe ministrou a extrema naccli.
- As m*is altas notabilidades italianas entra as
quaea S. M. o Rei e Jos Verdi, tratavam com
mejOOOta telegramoias de. ser informidaa das
mais pequeas VCriaeoea da doenca e apenas ti-
veram a noticia ila sm ifiorte expressar.im com
sentidas palavras os seua pesa nes a desolada fa-
milia
A mlcari" p,,nehi*?llr leivi um vacua difficil
de ser preenchida. Depois de Verdi, era entre oa
maestros viven'.es o ma.is papnlai e gloriosa re-
prseeotaMe da atesta musical puramente italiana,
e as suas compasiones segua os gbriosai traeos
deixados oor Beini, Rossini e Dmizatti ; por issi
as suas obras provocaram vivas enthuaiasmos nXa
s em Italia mas tunb-m na estrangeiro donde a
sua Gtocanda forma parte de todos os repertorios
theatraes.
O rusnin -nio na Bulgaria O casa
meato ueste paiz, qiie a guerra do Oriente pos em
m 11 \\ o maia curioso e o mais pittoresco. que se
pode imaginar.
O noivo chega ao adro da igreja vestido em tra-
jo de festa e com o bonet que asa adornado de gri-
naldag de flores.
Mais parece um jardim em flor do que hornera
que vai casar-se.
No mio do adro estil i os pata e o sacerdote que
ha de deitar-lhes a benco.
A noiva esti s no outro extrema do e.dro e ves-
tida extravagantemente Ura grande vea de la
pretil a cobre completamente; na caneca tem um
jardim de fl ires.
O rosto est coberto cuidadosamente por outro
veo.
0 noivo approxima-sc desdenhoso e. ella toca.lhe
snecessivam-nte na mao, no braco, na perua. of-
fereee-lhe depais um copa de leite, que elle bebe
de um trago, e termina a ceremonia. O pii e o
padre dito-Ibes a sua benclo, e tambores e gaitas
percorrem as ras da aldeiaem estrepitosa alga-
zara.
No dia do casamento, os pambas, as gallinhas,
oa natos, as cabras, o boi e o cao, tem um banque-
ta extraordinario: algnns gro3 de trigo a mais
qne de castume urna pouca de palha, verdura ou
um pedaco de pao negro.
uta entre uta Icao e uo* elepnan-
teLmos em um jornal doa Estados-Unidos:
Na segunda-feira, 7 de Dezembrc' travou-se
urna terrivel batalha na circo de Lehingh Avenue
(Pbiladelphia/, entre um teroz leao e um corpulen
to elephante.
O leao chamado Principe, tiuha quebrado as
grades da jaula, eo domador, ao fugir do leao que
o ataca7a, foi parar casa onde estava preso o
elepgaate Bolvar, cirpulento animal do assombro-
sas torcas.
Principe ao vl-o abaixou-se e estove a con
teinplal-o um memento com os seas incendiad is
olhos : por fim deu um salto e cahio sobre a cane-
ca do etaphaate ; mas este nao teve ditficuldade
em Uncar n trra o seo inimi? i.
Principe baixou-se e titaa-o outra vez. De
repente lauuou-se ar ar como urna seta; mas, an
tes que deaeease do sea salto, foi alcaacado pela
tromba de Bolvar, que o derrubou sem sentidos.
Antes que voltease a si, o elephante dea-lhe um
segundo (golpe,a, finalmente, pisou-o at o deixar
reduzido a ama raaasa gelatinosa e inerte, que
Bollivar lancou coa despreza para um canto da
casa.
l-ea XIII poetaO papa, que um espi
rito muito caito, e um litterato muito distincto,
escreve versos em laCim, com perfeiclo.
Runi os n'um pequeo velume. em Rama, o
professor Jeremas Brunelli, amigo do autor, no
qual publica uns versos que Ihe sa dedicados, e
que dizem o seguinte :
Bmquanto me mergulho naa ondas do velho
Adritico, e a brisa cariciadora do golpbo asolado
refresca o meu corpo ;
Tu fases votoa p da mina i sa le, e mandas-
me no dia de S. Joaquim umt prava da sua ami-
sade.
Brunelli, que os agrsdectmcntos qua flarea-
cem debaixd da penoa do poeta, paaaam igualar a
docura de teus votos, e serem dignos de ti.
Reenvi te verso por verso, voto por voto, e
que Deua te conserve a sa Je.
Entre o mesmo Br melli o cardeal Pecci se
passou o seguinte facto, por elle contado na bio-
graphia de Leao XIII, qea acompanha o livro :
Era en professor de bellas-lettras no teniina-
rio de Perouse, por um in qual, nao fui a tempo para abrir o meu curso.
Entrei pressa na sala, e quem he de eu ver
na minha cadeira ? S. Revdma o cardeal-biapo
Peeci, que surrateiramente me substitua e analy-
vaza o Prc Milonc s criancaa encantadas. Sup-
pliquei-lho que continuassu a sua eloquente con
ferencia, e entrei no numero dos ouvintes.
1 naa -piolla do PoatiSee Traduzi-
moa do Mercantile de Genova de 19 de Janeiro :
o O Moniteur de Rome publtcou, bontem tar-
de, o tcito latina de urna epstola, com data de 16
de Janeiro, euderecada p do Pon tifie ao clero al-
ie mao.
0 Pontfice lembra as leis contra o clero, pe-
las quaes se perturbaran! aa boas reiacoea entre a
curia de Roma e o reino da Prussia : e os esfor-
coe teitos afina de que ditas leis fossem revogadas.
S-auninJo as mximas contidas na recente
encydica ImmortaU Dei, o Pontfice insiste na ne-
cessidade de estabelecer urna perfeita concordia
entre o poder civil e o etelesiastico oo de deixar
a este a liberdade que ihe indlapensavel para
vi ver e agir e confia qne os governos virio a con-
descender a taes pretentoes, sem q.iebra sua
dignidhde e autondade
Entretanto, recommenda ao clero o zeloso
curaprimeato de todos oa aeus deveres, e especial-
mente a instituicAo de Seminario para a juven-
tude.
Lonvando o governo allemao pelaa auas em-
presas coloniaes, emanan to propagara a civilisa-
co, excita o clero a diftundir catre os povos bar-
baros os preceitos da religiao.
Exhorta, emfim, os eccleaiasticos a concordia
entre ai e cora a S apostlica.
~A ranal I la real heapanhola -Dia o
ligan que, segundo informacoea que tem por fi
decignas, a vida intima da familia real de Haspa-
nha soffreria brevemente grandes modificacoes,
porqoe daqui a dona mezes a rainha regente fica-
ria absolutamente s no palacio real, visto qne as
peaaoas da familia dt aea marido serio afastedas
pela foro* daa circumstanciaa.
\ infante Isabel j tem a ana habitacao part
eaaar-se-ha a princesa Eulalia e, alguna diaa de-
poia da celebraco deste casamento, a rainha Isa-
bel deixar a Hespanha em direceo a Munich,
aonde ir assistir ao parto de sua filha, a infaata
D. Paz.
Ni sua volta de Munich, para o fim do mez de
Marco, a rainha Isabel ir a Paria para se natal-
lar definitivamente no seu palacio da avenida
Klleer.
A rainha Christina oceupar, portante, s com
os filaos o palacio real, nao tend por couselheiros
Molo os seus ministros.
Uta Jala modelo K'irganowki, juiz de
paz na provincia de Perra, Russia, dava, ha das,
audiencia no aeu gabinete, contiguo casa de re-
sidencia, quando de repente, appareceu sua esposa
na sal i puolica para eupplicar ao marido que sus-
pendesae a audiencia, porque tinha chegado a
hora dejantar
O juiz reaponden-lhe que nao era possivel ac-
ceder ae aeu desejo, e araeacou-a com o castigo da
lei se tarnasse a alt-rar a ord m da seaaao.
Ap'zar de tu lo, piucos momentos depais volcou
a espoaa, dizendi em voz alta que a sopa estnava
e que era preciso dar por terminada a audiencia.
Eutoo digno K irganowski dirigio-se ao seu
secretario e dictou-lho urna eentenca, segundo a
qual candemnava a Sra. Kurgon wski a tres ru-
blos de multa, par ter desobedecido s ordena da
autondade judicial.
Acto continuo, tirou da sua balsa tres rub os,
depaaifou-ia na caixa destinada s multas e dea
o proeeteo por terminado.
Baetlioven cosnbeiroA Arte calina
ria o mti-nos o aegamtt casi pasa id > coa o o'. -
br.' innsico allemao :
Nos ltimos aanoa da aua vida, Beethoven
tve a detgraca d i cnsurdes tr, era consequencia
do que passava aoinentos terrive3 de rala hura ir
Tirnou-ae extremamente melanclico, e com-
raettia a cila instante toda a e3peci de extrava-
san tas.
Certo dia deapsdia a cosiuheira, e lecidio fa-
zer elle proprio o jantar.
Momentos depois de ter tomado esta rcsalu-
co os visiuh >i vira n n'o ne mercado com um ces-
to no braco, comprando o nceesaario para a sua
alimentacia.
B :ethoven eaqucceu as suas partituras, prepa
rou diariamente a comida durante algum temo ,
consultando tema/e o Manual do Perfeito cosinheiro.
Qaandojulgou que sabia guizar com pertei-
V'ao, eo.ivi.lcu os aeus amigos para lhes dar a con-
hecer os seua prigresso na nava arte que caltiva-
va.
Os convidados encontraiam Bee'hoven de
avental e bonet brancos, diante dos f-goes de cosi-
nba.
Ao cabo de um quarto de hora serriu-se o
jantar.
A sapa consista n'um caldo cbilro e inspido.
sobra o qual fluctuavam algumas substancias ve-
getaes ou .-lairaa's nnpo33veis de definir.
A carne de vacca estiva dura como sola, os
legumes aao tinham ficado bem casidos e o assa-
do appareceu completamente carbmisada.
Os amigas da maestra nao pu lerara provar
nem um pedaco d.estas iguarias e retiraram-ae
aem pider eouter o riso que se lhes deaeahava nos
labios.
Beet oven compreheiidea tudo e nunca mais
cosinhon.
Deixou resolutamente o fogao e dediconse
novamente a c impar duaa ou tras d'essis admi-
raveis symphonias, que aiada fazem as delicias
do mando musical-
Lell6eEfhctuar-ae-ho :
Amanh :
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, ua ra do Im-
perador n. 24, de movis c mais artigos.
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas, no
trapiche Ciicoicio, de (ritoeros de estiva.
Quarta-feira :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na ra do Ran-
gel n. IH, do ostab-lecimento ah sito.
HUaa* raaebresSerio celebradas:
Amanhl :
A's 7 horas, na matriz de S. Jos, por alma de
D. Aquilina de Jess Paz Mendoaca e Mello ; s
7 1/2 horas na Madre Deus, por alma de Paulo
Jos de Ase vedo; s 7 horas, na m-'riz da Grraca,
por alma de D. Joaquina Rodrigues de Olveira.
Quarta-fcira <
A's 8 hars, na matriz de Santa Antonio, por
alma de D. Mara Augusta Coimbra; a 7 l/
horas, na matriz da Boa-Vista, por alma do te-
nente Galdino Po doa Santos.
PaaftageiroObelados dos portes do norte
no vapor nacional Pernambuco :
Padre Dr. Adalto de Miranda Henriqaes, Jos
Pereira da Luz, Carlos Alfonso, Emilio G. Pires
da Silva, Jjs Lacas de Souza Jnior, Augusto
Olympio de Arauja Lima, Joai Ramos, Manoel
Pereira da Cunha, Jos Neves Baha, Jorge Coo-
per, Francisco V. de A. Lima, Francisco de Mo
raes, sua senhora e um filho, Joaquim Pedro
Barrete, Antonio Jos de Mello, Rapbael
Malbitoa, 1 preso e 2 pracas, Brnardino Cabina.
major A^ostiaho L. Porto.
(joterla da provinciaQuinta feira, 18de
Fevereiro, se extrahir a lotera n. 38, em bene-
ficio da Santa Casa de Misericordia;
No consistorio da gre] i de Motasa Senhora da
Conceicio dos Militares, se acuario expostas as
urnas e as espheras arromadas em ordem nume
rica, apreciacao do publico.
Lotera do Cetra de 800:OOOSOOO-
A' 4* sene d'esta grande lotera, cojo maior pre-
mio de 250:000*000, se extrahir impreterivel-
mente terca-teira, 16 de Fevereiro, ao meio dia.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, roa Primeiro de Mareo n. 23.
Lotera de Macelo de OOiOOO000
A 15* parte da 11* lotera, cajo premio grande
de 200:000*000, pelo novo plano, ser extrahida
impreterivelmeute no dia 16 de Fevereiro, s 11
horas.
Oa biloetes acham-se venda na Casa Feliz
praca da Independencia na 37 e 39.
Lotera RxtrawrdlnarCa do t'pl-
rancaO 4o e ultimo sorteio das 4 e 5 series
leste importante lotera, cajo maior premio de
150:000*000, ser extahida a 9 de Abril.
Lotera de WeiheroyA 1' parte da
lotera 3o3 do premio de 100:000*000, corre quar-
ta-feira, 17 do corrente.
O bilhetes ach m-so venda na Casa da For-
tuaa raa Primeiro de Marco n. 23.
Lotera do RioOs bilhetes da 3parte da
195, do nova plano, do premio de 100:000*000,
acham-se venda oa Casa Feliz, ra Primeiro
de Marco.
Mercado Municipal de ti. Jos. (I
movimento deste Mercado no da 13 do correte,
foi o seguinte :
Entraran! :
30 bois pesando 4.169 kilos
614 kilos de porte a 20 ris 12*080
10 taboleiros a 200 ris 2000
62 cargas de fannha a 200 ris 12*400
10 ditas de fractas diversas a 300
ris 3*000
20 Sainos a 200 ris 4*000
Foram oceupados:
19 columnas a 600 ris 11*400
46 talhoa de carno verde a 1*000 45*00!
20 ditos de ditos a 2* 40*000
43 compartimento de raiinha o ca-
nudas a 500 ris 21 500
65 ditos de legnmes a 400 ris 26J00C
17 compartimentos do suino a 700
ris li*r*0
15 ditos de tressuras a 600 ris 9*0li0
12
Justinlano, Pernambuco, 1 anno, S. Jos ; den-
ticio.
Manoel, Pernambuco, 8 das, S. Jos; ttano.
Tertuliano, Pernambuco, 6 mezes, Boa-Vista ;
espasmo.
Cecilio Mamelio, Pernambuco, 3 mezes, Santo
Antonio; espasmo.
Carolina Mara da Conceicio, Peraambuco, 16
annos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Joao Francisco de Oltveira, Pernambuco, 46
annos, salteiro, Boa Vista ; anazarca.
Escolstica, Prnambuca, 65 annos, Belm,
mandada pela sub lelegacia.
Claudino de Azevedo Mello, Pernambuco, 26
annos, solteiro, Grasa ; beriberi.
Francisca Mara da Conceicio, Pernambuco,
15 annos, solteira, Baa-Vista ; varilas.
Luir Soarea, Peraambuco, 50 annos, solteiro, S.
Jos ; marasmo.
Francisco Cavbante de Albuquerque Lina, 80
annos solteiro, Graca ; menengite.
Francisco Joaquim Pereira Pinto, Pernambu-
co, 58 annos, c >sado, Jaboato ; aneurisma.
Francisco, Pernambuco, 1 anno, Recife ; eclamp-
sia.
Joanna Maria da Conceicio, Pernambuco, 28
anuos, solteira, Santo Antonio ; tubrculos pulmo
nares.
PERNAMBUCO
Peraanbiicana
Costeira por
de
Va
Companhia
por.
Foram transferidas durante o anno de 1885,
2,428 aceoca, o que consta de vinte e um termos la-
vrados no livro respectivo, e se faz pnblico em
cumprimento ao disposto no 1. do art. 16 da lei
n. 3 150 de 4 de Navembro de 1882.
Eseriptorio da Campanhia no Recite 12 de Fe-
ver-ro de 1886.
O gereute,
Clemente Lima.
BALASCO OA COHPANIIIA PBBXAHBDCANA DE X WKGAl-i' .
COSTEIRA POR VAPOR EM 31 DE DKZKMI1KO DK
1886.
Activo
Ascoes disponiveia
Acedes
\ plices provinciaes do Cear
Proprios diversos
Bens movis
Vapores
Lanchas e canoas
Subvencoes
Miuis'erios
Thesouros provinciaes
Oficinas
Deposito de aobresalentes
Deposito de vveres
Curva i bordo
Cantas diversas
New LAB. Bank
Caixa
1.128:200*000
1:000*000
880*000
434:768*240
1:256*400
786:466*700
11:489*000
40:633*336
101:358*681
21:101*200
26:977*830
51:406*746
1:777*260
4:212*000
49:705*946
4:800*000
115*216
Rb. 2,666:178*555
Passivo
Capital 2,000:000*000
Fundo de reserva 63:839*790
Obngacoes garantidas 229:400*000
Dividendos 1:557*000
Letras a pagar 238:338*825
Juros e amortisaco do empreatimo 16:058*000
Credore3 diversos 77:576*118
Lucros e perdas 39:4085822
Rs.
2,666.178*555
de Fevereiro de
A coramisao j contraten a banda do Corpo de colar em Madrid Em 27 de Fevereiro prximo
Deve ter sido arrec iada oeste rita a
quautia de 177*5SO
Precos do dia:
Carne verde a56J e 32) lis o kilo.
Sumos a 500 e 600 ris idem.
Carneiro a 800 el* ris idem.
Parraba de ri40 a 320 ris a auia
Milho de 240 a 400 ris idem.
Feijo de 640 a 1*280 ris idem.
Ceaalterlo pnbliroObtuario do dia 12
do corrent:
Severiao Pereira Goncalves, Pernambuco, 34
annos, casado, S. Jos ; tubrculo pulmonares.
Manoel Ribein Dantas, 24 annoa, casado, San-
to Antonio; tubrculos pulmonares.
Firmino Ferreira Pinto, -'ernambaeo, 26 annos,
solteiro, Boa-Vista; anemia.
Jos Gomes d'Ai-uiar, Pernambuco, 24 annos,
so'teiro, Boa-Vista; anasarca.
Maria, Pernambuco, 70 annos, solteira, Boa-
ata; diarrhea.
lnnocencio Peregrino Xavier Ramos, Pernam-
buco, 40 annos, solteiro, Santo Antonio; abeessa
prennal.
Galdino Pi dos Santos, Pernambuco, 33 annos,
solteiro, Afogados; tubrculos pulmonares.
Maria, Pernambuco, S mezes, Boa-Vista ; convul-
sdes.
Guilherme. Pernambuco, 36 horae, 8nto An-
tonio ; peritonfte.
Eacriptorio da Compaubia, 12
1886.
O gerente,
Clemente Lima.
I'AKECER DA ('OMMISAO DE EXAME DE COSTAS
Srs. Accionistas
A commissao de exame de eontas, fcm cumpri-
mento de aeu mandato, vem apresentar-voa o seu
parecer relativo as contaa do anno de 1885. Do
exame a que procedeu nos livros e documentes que
Ihe foram aposentados certificon-ae da exactido
daa contaa do balanco, e de ter sido feita eom ni-
tidez, regularldade e clareza a cscripturaco da
Coatasabla
O inventario e os balancos estao exactos e de
accordo com as livros.
Dessea documentos, podereia, Srs. accionistas,
ajuizar do eatado fiaanceiro da empreza ; nao ob-
stan fazermo8 algamas couaideracoes para mais
facilitar o vosso estudo.
ConFrontando-se as verbasReceita dos Vapo-
res,dos dous ltimos annos (1884 e 1885) v se
que, u'este ultimo deu-se urna dimiaoicao de re-
ceita de 24:7535187 ; e devido aos esforcos em-
pregadoa pela directora e gerenc a na realisacao
de economas, sera afi'ectar os interesses da em-
preza e conveniencias do sei servico foram ellas
etrectuadas na importante somma de 24:275*546 ;
mui appraiimadamente ignal a aquella aecusada
pela diminnicao da receita, dimiaoicao essa alias
bem justificad p lo decr.seiment das traosac-
coes commerciaes c pela quasi apathia do commer-
cio desta e de outras pracas do norte do Imperio.
Sao, portante, dignos do reconhecimento dos
Srs. accionistas e a commissao tolga em p-ocla-
mar, o zelo e interesse demonstrado pela direceo
que procurou attenuar'oa effeitos da crise finsn-
ceira que atravessamos por meio de bem entendi-
das economas.
Devemos todos esperar que a digna direetoria
prosiga nesse lonvavel intento para habilitar] a
empreza com saldos disponiveia para o resgate,
em maior escalla dos ttulos deObrigacoeg ga-
rantidas -e de outros encargos qae absorvem an-
nualmente um avultado dispendio de juros.
Na forma preceituala pelo art. 39 dos estatutos
debitou se, no referido am.o, a contaLucros e
Perdassob a rubrica Deterirame uto dos va-
poresa respectiva quota de 10 "/0 que se elevon
a somma de 87:384*200, e do mesmo raedn a im-
portanc'a dos reparos dos vapores que atinrio a
37:203*909.
Os vaporea Mandahu e Pirapama, foram com
pletamente reparados o que lhes fez (levar os res-
pectivos valorea.
O coinprouiisso porObriiraces garantida*
reduaio m a 229:400*000, tendo sido resiratado^
durante o anno, ttulos na importancia de 56:600*;
effectuaada outro sim, esta Corapanhia com a sua
costumada pontualidad o pigmento do3 juros de
emprestimo que importan em 19:8*0*000.
O saldo da contaLucros e Perdasbaixoa a
39:408*822 por ter a directora deliberado con
signar a semina de 16:058*000, para fazer face
ao p.gimente dos juros das Obrigacoeg garan-
tidas, do anno corrente.
O referi'Io saldo teria attingido a maior somma.
si a receita 'prodnzida pelas obras e reboques da
galera ingleza Ben Douran tivesse figurado as
cantas do anno prximo passado em que tiveram
comeco oa reparos d* mesma ge lera sobrecarre-
gando os encargos da Companhia com urna boa
parte das despezas efiectuadas e nao fosse reser-
vado, para o comeco do corrente anno, em qae se
tenninaram a obras, a liquidaco dos contractos
que impertaa em t 2,160 ou cerca de 23:800*000
lia nossa moia.
Os resu tadoa liquides dessea contractos sero,
portento, computados noa beneficios da empresa
do anaa de 1886.
Sao estas as consideraciae* qae a commissao
sab.aiette ao esclarecido julgamento doe Srs. accio-
nittas concluindo o seu parecer pela seguate pro-
,i .ota :
Que sejam approvadas as eontas e laMncos da
Companhia, do anno fiad em 31 de Dezembro de
1885, e agradecidos os acrviesa prestados pelos
dgaos membroa da direetoria e gerencia em prc!
dos interesses sociaes.
Recife, 12 de Fevereiro de 1886..
Joao J. R- Mtnits
Gustavo Adelpho tichmidt.
Augusto Labille.
INDICARES DTE1S
etUeaa
CosMBltorto mediro clrsiratco da Ba
redro de Attahyde Lake aeecozai
raa da loria a. SO.
O doutr Moacozo d consultas todos oa
-tras uteis, das 7 s 10 horas da manhS,
Este consultorio oferectt a commodida
ie de poder cada lente ser ouvido era-
minado, sem ser presenciado por outro
' .
f





Diario de PcmambacoDomingo 14 de Fevereiro de 1886
3


De meio da s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torrean apira
c* do Coaraeroio, onde runcciona a ias-
pecgao deaade do porto. Kara qualaaaer
d'estes ious pontos poderlo ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas.
Dr. Miguel Themudo mu ion s a jonsul-
torio medico e residencia para a ra Nova
n. 7, 1. auiar, ond d consultas das 12
horas as 3 da tarde e recebe chamados a
bualquer hora. Especialidadespartos, fe-
brea, syphilia e molestias do pulraao e co-
racao.
Dr. Barrtto Sampaio d consultas de 1
s 4 horas da tarde, ra do Bro da
Victoria n. 45, 2. andar, residencia ra
lo Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
Henrique Milet. Ra do Imperador n.
22, 1. andar. Encarrega-se de questoes
as comarcas prximas as linhas frreas.
Dr. Ferrer, ra do Imperador n. 79,
1." andar.
Dr. Olveira Escorel, 2. promotor pu-
blico, tem seu eseriptoro de advogacia na
ra Primeiro de Margo n. 2.
Jos Bandeira de Mello advogado
ra do Imperador n 37.
Corte Real, ra do Rangel n. 55, Io
andar, escriptorio e residencia.
Joo Francisco leixeira tem o seu es-
criptorio ra dj Imperador n. 42, 1.
ndar pode ser procurado eun sua protis
sao, das 10 l hora da tarde.
, O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. andar.
Jos Bernardo Galvdo Alcoforado J-
nior contina no exercicio de sua profiaso'
de advogado, c pode ser procurado no es-
eriptorio de seu pai, ra 1. de Margo
n. 4, 1. andar, das 10 horas da nianha
g 3 da tard .
Hudinra de eoanaltorio
O Dr. Airiao avisa aos seus sliente*
que mudou os:: consultorio para a ra do
Queimadc n. 46, 1. andar. Consulta.-
todos os dias da 11 s J. horas da tarde.
Urnsarls
Fnria. Sobrinho & C, drogustas poi
attacado R ''! 41.
Francisco Matwd tiilva -K C, depo-
sitarios de todos aBdadea pharra^
0 utioas, tintas, drogas, productos chimics
e medicamentos aaceopaticos, ra do Mar
quez de Olinda o 23.
Kcirail m Vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Mu cedo, caes de
Capibarioe n. 28. Ifeate grande estabele
cimento, o prirueiro da provincia a'esto ge
ero, compra-se e vndese madeiras de
todas as qualidadjs, serrase madeiras de
conta alh-da, assim como seprtparam obras
de carapira por machina e por pregos sera
competencia.
qual na vespera combateram, por uo Ihes-ter ca-
bido eiii partilba as prebendas de algum beneficio.
Atteuta, porm, a deaigualdade coa que fui con-
siderado, trabida pala oeeis > que eoademuou-me
a ansa coaipet neis, para outros evitada; e re-
cejando que a mesina aorte agaarde os que, repel-
lindo es8a parcialidade, peraistam no empenho com
que d'esta vez vieram em meu auxilio, nao concor-
rerei mais aos festina polticos, onde os assentoa
eato reservados somente para aquellos que gosam
daa preferencias dos que distribuem ob convites.
Em nada me tendo valido at hoja a abuegucSo
e desinteresse na minha vida poltica, seno para
proporcionarem me o enseju de muitos momentos
de penosa pro vaco, resolv esquecel a, e entregar-
me (xsluai va mente convivencia intima da fami-
lia e dos amigos, sem outras preoccupacoes alh-ias
a minha profisao, no firme proposito de manter
presentemente a mais decidida neutralidade entre
os partidos do meu paiz, por cuja prosperidade
contino a faser sinceros votus.
Utilisando-me da opportuuidade, em que dinjo-
me aos meus comprjvincianos, confesso me do in-
timo d'alma agradecido aos dignos e conspicuos
elt-itores do 8 districto d'esta provincia, que hon
raram-me mais de urna vez com a sua confianza
asseguranio-lbes p>r to assignalada distinecao o
iui u protando e eterno reconheeiinento.
Recife, 13 de Fevereiro de 1886.
B. DE NiZiBETU.
A Proviocia
Manifest
JOS MAEIAKNO AO ELEITOEADO DO 2.
DISTRICTO
( Conclusao )
VII
Original
Traducan
tador de urna chap i do
partido dominante.
Por isso mesmo avul-
tam os imtivos de meu
reconbecimento e de ad-
inir.igai para com esse
eleitorado, cheio de pa-
triotismo e coragem, o
qual soub; resistir s
tentacoes da corropcao
PDBLICACOES A PED1DC
lo publico
Refiectido sempre em todas as minhas delibera-
cea, deuorei a presenta publicacao, no intento de
prevenir que alguem podesse com justica attri- 0 cmprecimeut7do ci-
buil a piixao, que se obcecar o nas espirito,
quando vemos frustradas as nosaas esperanzas.
Hoj'\ porm, que deve estar dissipada essa im
presaao que aciso em mim dispertou o exilo co-
nhecido de mmli.i eleic i ; e que experimento
mesmo urna certa satisfazlo pelos reiterados pro-
testos da mais decidida itdbesao, ouvidos de amigos
dedicados e co religionarios prestrnosos do distric-
to que aspirei represent r ; pens qus n5o se ple
r.i7 lawlin ate imputar a um sentimento menos
justifieavel o mea ippareciinento na imprvnsa.
Depois de conh ci lo o resultado da eleigao a
que se procedeu uo 8 dis'ricto, para a outorga do
mandato quelles que deviam mais tarde represen-
t'al-o na Ass.mbla Provincial, acolhi a esperanca
de que a mentalidad* do meu p-.rtido, enjoe pode-
res foram delegados commisso executiva que,
em seu nome, delibera, mautivesse a minha can-
didatura no 2o escrutinio.
Essa miuha previao, que nJo pareca arrisca-
da, aaaentava na revelacao do dselo que o eleito-
rado tinha de eleger-me, dtsejn que acabava de
ser manifestado de modo inequvoco pela votacao
qie obtive, superior dos demais concurrentes
que commigo competiram.
Convencido, porm, m%is tarde, contra o qne ra-
zoavelmentc devia esperar, de que outra era a re-
soluvao adoptada, atiento o mod) parque foi orga-
nisada a chapa dos candidatos do 2* escrutinio ;
pretend retirar-me do pleito, fazendo publica a
minha delberaco, que teria sido mantida se nao
tosse o designio de patentear a violencia, que se
ia commetter contra a livre manifestarlo do voto
em u'n districto, qne nunca se decidi pela prefe-
rencia que Ihe era impasta.
Nesse proposito, e nao receiando os azares da
lata, abandone! a idea que primeiramentn assal-
tou-me o espirito, e appellei para a generosidade
e confianca d'quelles que em duaa legislaturas
me haviam constituido iuterprete de seas in'erea-
ses, e de sua vontade na Assembla Provincial ;
certo de que muitos nao se resignariam a sanecio-
nar a preterico iniqua de um amigo dedicado,
de um co-religionano constante que revelou -se
sempre solicito no desempenho do mandato, que
lhe outhorgaram os seus constitaintes, promoven
do tanto quanto lhe foi possivel os melhonimentos
do districto que acabava de representar.
Pelo resultado do pleito reconheei que nao fra
baldado o meu appello. ainda que nao tivesse co-
lhido os louros da victoria.
Suffragado, como fui, na eleicao, em que a sorte
me foi adversa por menos de urna deiena de vo
tos, consegu o meu intuito, que era somente de-
monstrar que nao aossobrana na uta, se tantas
nao tivessein sido as tramas urdidas contra mim,
nem tao crescido o numero dos m .demos Saturnos.
Mantidas pelos proceres do partido, no 2" escru-
tinio, as candidaturas dos -rs. Baro de Itapisu -
ma, Baro de Caiar e Dr. Lourenco de S, com
excluso dos que com elles concorreram no 1 es
crutimo, pareca natural e at poltico que nao se
abriste para mim urna excepeo, d'onde se inferis-
sem primazias offensivas a minha justa sasceptibi-
lidade.
Alm disso ; nao squivou-se censura de ni-
mos desprevinidos a parcialiaaie com que proce-
deram alguna chefee loese, irapediodo, em aeu
prejaizo. a expontantida'le do voto, quando, para
aalvarem ao meaos, a leaUade do vencido no eeio
da comutissa directora do partido, deviam guar-
dar toda a neutralidane no pleito, permittinuV> ao
erertorado a livre escolbi entre os candidatos, que
lbe foram indicados.
E' verdade qoe nada disso me erpreheadeu
pela desconfianza que ac< ommett u-rne, desde que
se me coilocou em posico desvantajosa relativa-
mente de outros candidatos.
Depois desaa deltteracao, comecei logo a sus-
peitar que se tentava justificar o empenho com
que, mais tarde, se havia de promover a eleicio do
outro concurrente sobre o pretexto de que a sua
eseolha nao era menos poltica, visto ser elle tam-
bem uui dos candidatos do partido.
Apezar de ludo isso, porm, nao reeusei ante os
accidentes do camnho que tinha a percorrer, con-
fiando que nessa romana encontrara almas bon-
dosas koepitaleiras, que me animansem, e dee-
tem-me o agasalho de que, por ventura, neces-
litasse.
Nao me falharam as esperanzas, posto nio ttiu-
risss ao termo da viagem, que, qoal oatra Canaam,
fra por mim apenas avistado.
Mas, por nao ter entrado na tena, da Pumittio
em por isso, te bao de arrefecer jamis as mi
abas creabas.
Hiaeero na t afae profeo, nanea hei do veltar
as costas aos thuricremos atures, onde lar rendo
o culto devido, muito surtiMa a mvrrha qne ahi
eu tenha de qoeimar aoasa aarfamar oa tleos sa-
cerdotes que n atrna dsiles tripadiasB.
Veliamente aaaca aaaaiei < seilad'aquellee
que coepem no symbolode sua* convicedet, pelo
Apz a lucta em que
acaboa do empenbar se
e cijo fin, podendo ser
a escamoteaco de um
diploma, seno fotse a
perversa justica, 6 o co-
rceo de u ja, declara aos seus cor-
religionarios que vai em-
penbar-ae ag ra em urna
lata encarnizada; desde
j a Provincia calumnia-
r o geverno dizendo
que se promove ama te-
frene cabala oficial, que
o governo exerce sobre
o brioso eleitorado urna
presaao tyrannica, que
os ebefea das reparticoea
publicas demittiram to
dos os eleitor-s liberaos
que vota rain uo 1 ea-
crutinio do 2o disfruto,
que esto inclundocomo
empregados todos os
eleitores liberaes, que
nao votar com o gover-
no ; preciso dizer mes
mo que eises emprega-
dos sao tantos que para
se peder andar as ditas
reparticocs, & preciso
cmpurral-os para um la-
do e para outro ; pre-
ciso desta forma figurar
urna empretada eleito
ral.
Ninguem desconhece
que as condices d'elle
sao etpecialissimas e por
iso preciso colU car
uas secyoes prineipaes,
como houve em S. Jos
alguna eotTi ligiouarios
dado que uo era por- de libr munidos de ta-
Apz a luta em que
vim de empenhar-me, e
cujo fim poilendo ser a
consagraco da victoria
que ganhei, se a justica
poltica nao fosee de to-
das a mais fallivel,
apenas o comeco de urna
nova luta, ccrumeatc
mais encarnizada a que
me condumnaram odi-
eutos, adversarios, devo
u na confiesa) solemne
de m u profundo reco-
nlieci liento ao eleitora-
do do 2" districto a esee
punhado de briosos ci -
dados, que affrontando
perigoa e ameacas, ina-
cessiveis torpe cabala
e a insolente presso of-
ficial, tiveram a cort-
gein civica de concorrer
ao pleito eleitoral, e de
sufragar o meu humil-
de nome fazendo-o sahir
triumohante contra a
candidatura de um dele-
gado do actual governo
i' p ir essa mes i.a razo,
e por militas ou'ras,
aquella que maior em-
penho despertou aos que
tomaiam a si a empre-
tada eleitoral deata pro
vincia.
Ninguem deaconhece
as condigoes especialis-
s ni ii em que vi collo-
cao:a a minha candida-
tura a ponto de ser con-
siderado urna temeridade
cao para aterrar os vo-
tantes do partido domi-
uante.
Por isso mesmo elle
contessara o seu recon-
hecimeuto e admiraco;
mais preciso anda que
as 8 horas do dia 16 de
Fev 'ireiro haja despopi
vel um trera especial
e aos perigos da ameac i co:n 4 \vagon9, em vez
e que nao se deixou de
mover do cumprimento
do seu dever civico por
todo esse apparato bel-
lico que trouxe esta ca
pit-d sob o terror e a in-
dignazao durante < dia
da eleizo e nos | le b
antecederam.
E' a este mesmo elei-
torado qu ainda urna
vez eonfio a sorte de
minha candidatura, que
fura a'ahi nao conta
outros elementos de for-
oab nem outros pontos
de apoio.
brigado a um segan-
do escrutinio, q a ando
bavia sido eleito no pri-
meiro, e submettmdo-
me a essa deciso, em-
bota por demais arbitra
ria, dou ao eleitorado
do 2* districto a maior
prova de confianca que
depoeito em sua inde-
pendencia e civismo.
Hoje, mais do que
nanea, quando vejo fe-
chadas as poitas do par-
lamento a outros que
com maior proveito para
a patria podiam defen-
der a causa da de? jera -
cia brasileira, vilmente
garroteada pelos amigjs
do Itei, cumpre-me des-
potar um ponto de traba-
ho e de lata entre os
os poucos qae, rompen-
do as mal has da com-
prcaso official, tem de
apparecer na nva c-
mara como repr eentun-
tes dos verdadeiros prin-
cipios liberaes
Neste momento, em
qne o paiz inteiro tem
as vistas fizas no proce-
dimentodo eleitorade do
2. districto, estou certo
de que este nao deizar
de comprehender o gran-
de, e immenso alcance
do voto que vae dar ; e
que rom do qae un
voto poltico, erque tr i
duzir ao mesmo tempo
o desaggravo da le e da
jurtiea, aacrifk.dos a
ana iaioaisnaval exi-
gencia partidaria
Entrego ao eleitorado
de 2. districto a sorte
da minha causa, qu?,
alm de ser a causa de
um grande e generoso
partido, sempre contra-
riado em suas aspira-
coes e idis pela fiscal i
sacio imperial -a que
tem tido fraquesa de
submetter-ee, boje tara-
bem a causa da justiza e
do direito, violentamente 4 assim este fieari prepa-
postergados pela mais
iniqaa das decisoee de
ama junta desabasada-
mente parcial.
Jnlgae o eleitorado
como entender que me-
reco, porque pela minha
paste hei de mostrar o
respeito religioso corr
qne saberei receber o
sea julgaaento. por oaU
severo que possa ser.
dr 2 para conduzir para
o Poco e o Monteiro o
seu eleitorado cheio de
patriotismo e coragem
formando o apparato bel-
lico que trouxe essa ca-
pital s d> t'-rr .rea in-
digaaej < i dm 1 de
DezemDro.
E'a este mesmo eleito-
rado que ainda urna vez
elle confia a aorte da sur.
candidatura, que fora
d'ahi nao conta outros
elementos de forfa, nem
outros pontos de apoio.
Obrigado a um segan-
do escrutinio quando j
esta va esgotado no pri-
meiro, elle poude obter
de alguns commercian-
tes dez contos de ris,
para distribuir propor
cionalmente ao seo elei-
torado como prova da
confianca que deposita
em sua independencia e
civismo.
Hoje, mais do nunca,
quando v fechadas par i
si as porta* do parla-
mento, ha de emprpgar
todos os mei*e para con-
seguir um voto ; ha de
diser que se trata de de
fender a patria, a cansa
da democracia brasileira
vilmente garroteada pel'is
amigos do Rei. Mesmo
quando o voto de nm em
pregado mportasse a
sua demisso elle falla-
ra nos perigoa queamea-
Zavam os verdadeiros
principios liberaes.
Neste momento, em
que elle trata principa!
mente de Iludir oe ho-
mens incautos e de boa
f, dir que preciso
compre/tender o grande,
o immenso alcance do
-veto; que o dever de
votar U'-lle superior ao
dever da abrigar da sai-
seria, a familia do vo
tante, qne antes deve
joffrer a tome do que
ver i Ui {?) sacrificada
a utaa iitoonfeuavel exi-
gencia partidaria.
Entrega ao eleito ado
do 2.* districto a sorte
da sua causa, que a
causa daqvielle que fiz
da p ilitics o seo nnico
meio de vida,pois scon-
ta como fonte de renda
o celebre palacete e o sub-
sidia de deputado, e tai-
vez possa mesmo na ad-
versidade advuar a cau-
sa de alguns amigos, e
rado para raaiores com-
mettknentos futuros.
Julgue o eleitorado
como entender que elle
merece ; porque, confor
rae o julgameato, ella
o recebera com o res-
paito religioso qne no-
son ao vigario de Poco
na f esta da Sfate e ao
mes
OitrnMtor.
Muito apaixonado se revela este orgo
do partido liberal em referencia minha
humilde pessoa, dando em seu numero
33 urna noticia da minha administracSo in-
terina na Ponte Buarque de WLacedo.
Ah menciona elle urna serie intermina-
vel de accusac^S'is com referencia nica-
mente a nm dos pilares que so acha em
construccSo.
N2o preciso ser-se profissional para en-
trever ao primeiro reancear de vista, que
8eroelhante libello njanifestamente apai-
xonado. Observndose, porem, com mais
attencSo/ deprehende se ainda, que taes
accuaayocs deve.n ter partido de algum dos
trabalhadores por mim despedidos daquella
obra por conveniencia do servico.
Sendo s inesmas ajcuaagSes verdadei
ros disparates, nao me julgo na obrigaco
de coutestal as.
Quanto Provincia affirraar a minha
incompetencia em obras hydraulicas, prova
com isso exuberantemente a sua ignoran-
cia acerca da incontestavel aptidao que o
meu grao scientifico me c<>nfere.
Com referencia, porem, aos conhecimen-
tos reaes que devem corresponder de mi
nha part esta aptido em materia de
obras publicasnao tenho a pretencSo de
ser profundo, attenta minba pouca prati-
ca; no entretanto nao reoeio exhibir-me
peraute os protissionaes, como 69tou promp
to a fazel-o, e nem executar trabalhos as
condc3 A Provincia, procurando ferir-me gra
tuitatnente, pois que, era desempenho da
minha coramissSo visei, apenas, curaprir o
meu dever com lelo o i-sforjo, alvcz me
arrasto a um terr-ni que nao costumo tri-
lhar.
Modesta, como a minha posijo so-
cial tem sido conquistada pelos 'reus ni-
cos esforcos; e, por isso, posso manter
com hombridade, como at o presente te-
nho mantido, qualquer degro por mim
galgado na escala social.
Peraute a redacyao deste jornal eu no
discuto absolutamente assumptos de cons-
truyelo.
Perante qualquer profiaaional, porem,
ser-me-ha muito desagra lavel discutir a.er-
ca dos paqueos trabalhos p>r nim .'X".cu-
tados naquella ponte ; porqne n.1o cistumo
elevar-ine depriniin ij a um ten-eiro.
Se, entretanto, for provocado, ver-mc-
hei na contingen.-ia de aceitar o repto.
A redacc&j da Provincia, cxjossivamen-
te apaixonada contra mira, procurou des-
prestigiar-me, nio refl-ictinlo que com o
seu proodimento erguia talvez o golpe
ooatra tercoiro, que ella nem de longo ten-
tara ferir.
Muito embora para destruir as referi-
das accusajSss, tosse necessario, apenas,
pedir as prov.is qui llie servissera de fun-
duraenfo, eu teria, comtudo, de affirraar
com provas
cab
aes,
que,
em
relacao
ao
electro-dynamo eu perguntei, so no ha
viam no ar nazem dapont*. a -cumula lo-
res de sobrosc/jllcute ; o deatiaj qae tive-
ram as pilhas-elctricas que me informaram
existirem ao mesmo ar nzm ; quantos
caminbos foram procisos para conduzir a
destino desjonheuido os p;rtences dos up
parelhos elctricos.
Em relagilo maneira por que tem sido
teita aiinmerso do concreto para a for-
:i ivii) do gran le monolito destinado a ser-
vir de base aos pilares, poderia affirraar,
aera receio de contest 5^0, que houve ex-
1 esso de despeza.
Em relaclo simplesmente aos pranehoes
destinados construcfSo daa ensecadeiras
pedera fazer de igual modo a raesraa af
firraacSo; e, ainda, em relaco construc
gao dos pilares, a acquisijo de appare
lhos accessorios, a railo d'obr.i era geral, e
ate...
Para satisfazer o compromisso qu-s aca-
bo de tomar, se por ventura continuar a
provocajo que me atira a Provincia, eu
exijo urna :oniicao unic.: que me seja
franqueada a consulta dos documentos que
eu requisitar de quem competir.
Torminando pedirei a Provincia que
seja mais escrupulosa em suas noticias.
Vicente A. do Espirito Santo Jnior.
Ante os factos desfaz-se a mea
tira
A estrada longa percorrida pelo Caju-
rubeba, acha-se ladeada de luzeiros em fa-
vor de seu immenso mrito na cora de
molestias para que rscommendado como
milagroso especifico.
Esses luzeiros nao sao sermes de encom
menda nem scientifica dissertaedes, sao as
provas, que os factoa fornecem, firmados
p la asseveracSe expontauea e sincera dos
que tem experimentado os benficos-cffei-
tos da aceito poderosa do Cajurubaba.
Nada mais natural do que a exprsalo
e publica satisfacSo doe que sao arranca-
dos aoa 8offri mentes de molestias reputa-
das incuraveis, dos desengaados da scieu-
cia.
Poia bem, sao as confiss3e3 dos curados,
que constituem as armas com que o Caju-
rubeba tem batido js mus gratuitos e in-
vejosoa inimigos.
Hoje publicamos um valioso documento
em favor do Cajurubeba.
E' valioso pela natureza da cura e pela
posicSo do cavalheiro que o affirma :
lllm. Sr. Antonio Pereira da Cimba,
Pernambuco.Maranho, 15 de dezom-
bro iie 1885.
At irm atado por uns d irtros no p es
querdo, isto ha mais de dous annos, esta
faja sio aaajaaaafM de lebellar lao in-
comoao i i hospede, apezar de ter laucado
mao de quanto mciieam mto tno acenselha-
ram.
L mi io em boa hora os valiosos atteata
dos que V. S. constantemente publica daa
curas obtilas pelo eixir Cajurubeba, que
ae tem enearregado de propagar, deparei
com alguns referentes molestia de que
eu aoffria, radicalmente extincta com o uso
do mesmo elixir.
Recorr desde logo a tao precioso prepa-
rado.
Toraei o primeiro e o segundo vidre sem
que a molestia, ao que me pareca, cedes
se da intensidade.
No erceiro, porm, notei pequeas me-
Ihoraa, que foram em progressiro desen-
v>olvinrento, e hoje posso affoitaraente dizer
que me julgo completamente curado com
seis vidros de Csjuruheh, porque sao de-
corridos quatro meses que nao sinto o
mais lere eneomnrodo proveniente de tal
molestia, sendo que a pelle no lugar affe
ctado acha-ae restituida ao estado natu-
ral.
Para co hecimento da humanidade sof-
fredora, e cumprindo o dever que a gratdao
me imp3e, offerecu esta declaragio, afim
de que indud no boletim que annual-
mente publica.
Sou com estima e distincta considerado.
De V. S. criado muito attenciosc e
obrigado.
Augusto Cesar Aranha Vieira, chefe de
sesaao da secretaria do governo do Mara-
nho.
(A firma eatava recon8eciia.)
O 2.a escrutinio da eleito provin-
cial do circulo ..">. por esta
provincia
Afirmara com a maior probabilidade que
Antonio Luiz do Espirito Santo um dos
quatro candidatos que ontraram para o 2.*
escrutinio do circulo 13., um candidato
imaginario que nun.-a existi.
Se real a existencia deso tacto, o 2."
escrutinio do circulo 13.a radicalmente
tullo em face da lei.
A rasao desta nullidade est em que de
vendo entrar para o 2. escrutinio quatro
dos candidatos mais votados, pela nao exis-
tencia do candidato Autonio Luiz do Es
pirito Santo s entraran tres, o que nao
pode ter lugar haveudo outros candidatos
nneno8 votados ; pelo que verificada a rea-
lida le da nao existencia do tal candidato
imaginario, devem completar o numero -los
quatros, poia nao podem p*rler o direito
que tem ao 2. eacrutini?.
Ao poder coxnpetenta, porfauto, compete
por a liinpo este faeto para no caso de sua
realidade proceder nos torraos legaes.
No dia em que se procedeo a apuracao
/la eleicao do 2. districto dias! um col
lega, que tem m mifestaio grande inters
se n'esse pleito, o raostr.iva-sj divargmt-'
de meu voto que estava pro.upto a susten-
tado pala imprensa, com a minha asigna-
tura, se alguem, a-signiu lo-se taoibsm,
im ugnasse os seus funlaiuentos, oceupan-
do-se aoinente da quast3o no terreno da lei.
Tendo appareeido porem um impugnador
aob a capa do anonymo, nao posso neu
devo aceitar a dis u-i-.a >.
Reoife, 12 de Fevereiro de 1886.
T. O. P. Montenegro.
Cmara Municipal
Copia. Primeiro districto fiscal da fregueaia da
Boa-Vista, era 6 de Fevereiro de 1886.Dlm. Sr.
n. 97. Lendo hojea noticia publicada no Diario
de Pernambuco sob a epigrephe do Aterro do lar-
go do Hospicio na qual o anonymo informante nao
se caca de fazer publico o abandono ero que diz
acharase esta freguesa que pela Illma. Cmara me
foi confiada na 1 posso deixar de ratificar alguns
pontos da mesma noticia, apezar de parecer in
isco desuecessario porque ningui'm melhor do que
V. S. na qnalidade de eomraisaario de polica sabe
se procuro ou nao cumprir conforme possivel
com as minhas mltiplas obrigaedes. E' exacto
que do alagado do Hospicio, que agora se est
aterrando, s exalam era maco s mephiticas que
principtlmsnte em certas horas do dia tornam iu-
supportavel a permanencia em suas adjacenc.as,
mas desde que so coravcou a fazer o servico (alias
sempre reclamado, porque antes do lixo j haviam
as emanacoes provenientes da lama as mares ra-
zias) como sustel o se isto nao melhora en nada
a aorte do noticioso para o Diario e nem tan poaco
a daquelles que assemelham-se lguns moradores
do principio da ra Imperial, que resignaram-se,
soarendo calados o aterro do Viveiro do Muuiz e
agora estilo gosando as vantagens d'este aterro,
que tamb -m foi feto nao s com o lixo mas i ida
com atmaes mortos como disse alguem ? S<5 nm
meio exista de fazer cessar as reclamacoes e este
mandar fazer o aterro com areia ou trra, e
assim mesmo nao ser elle feito do dia para a noi-
te. Quanto ao contagio que, diz, se espalha pelas
ras do Campo Verde ou D. Vital, Principe e At-
tracao ou Bispo Cardoso Ayre3, que servara de
terreiros de criacao a cabras, carneiros, cabrits,
burregos e de infinidade de porcos somente ello
existe aos olhos do informante (talvez algum cria-
dor) porque se algumas vezes sao essas ras in-
vadidas pelos aaimaes que para pastaren sai re-
colhido ao autigo sitio do Pombal (hoje da naci
como dizem os vieinhos Jm desencargo de consci-
encia, para d'elle se utiluar m) nao posso eu a
isto obstar porque desde que nao vagam coostau-
temente as mas nem em terrenos destinados a pe
quena lavoura como sempre acontece nao pod--m
ser apprehendidos. Creio nao ter culpa de nao
conhecer.eile a mais insignificante autoridade mu-
nicipal, mas, nao posso adwittir que levianamente
e para fazer effeito afirme apezar de nao confie
cer me que nunca passei poralli. Creio terem aten-
caosomenteu V. S. eaIllma. Cmara Municipal, a
quem cabe tomar-me contas, respondido eonvenien-
t.-mente a ailudida publicacao deixando de fazel-
o tambem por meio da imprensa por nao querer e
nem poder sustent ir polmicas principalmente com
anonvmos. Deus Guarde a V. S. film. 8r. Dr.
Mauoe.l Francisco de Barros Eego. D. vareador
commissario de policia. (Asaigaado.) O fiscal,-
Francco Antonio R. Catatante. -Confer, B.
Cavatoante.
Rio rande do Xorle
Ao publico
Tendo sido o meu nome contemp'ado sem seien
cia minha, em urna commieso nomeada na capi-
tal desta provincia para dirigir n'csta paroefaia o
pleito eleitoral que teve lugar a 31 de Dezemb.o
ultimo para deputados provineiaes, bem como o
que hoje vai terir-se para deputados geraes, ap-
presso-me em declar.tr pela uaprensa, para es
fins convenientes, que nao acceitei, nem acceito
semelhante incumbencia, que leputo incompati
vel cura o cargo que exerco.
Cidade do Principe, 12 de Janeiro de 1886.
Jos Peregrino d' Araujo.
Advogado
O baebarel Je--onymo Materno Pereira de Car-
valho, tendo deixado o cargo de juiz substituto Jos
feitoe da fasonda, advoga nesta capital e fora
della e tem seu escriptorio ra Duque de Caxias
o. 55, onde ple ser procurado das 10 horas da
manila s 3 da tarde, e fra destas em sua resi-
dencia ra de Domingos Theotorrio n. 39, a
qualquer hora.
rroiMiuma da reata de Fraiie*-
co de Paula, aa Ifrreja do Ca-
sansa
Ae romper da aur ira do dia 14 do corrente, se-
r annnnciad por urna salva, que nesse dia se
effeotuar a solemne festa d: padroeiro; as de*
horas ter conaeco a miesa cantada; sendo pre
gador o Kvm. padre Mello, e chefe da orchestia, o
Sr. Jlo Policarp Soares Rosa; tocando igual-
mente nos intervallos a msica marcial do 14 ba-
talhao de infantera, soltando-se diversos baldes
depoii da festa.
A tarde continu ra a tocar sobre ceretas ao lado
da igreja a mencionada msica marcial, a noute
rindo o acto religioso, cantar 1 os versoe a Exma
Sra. D. Francisca Caroliaa Carneiro Lias, aoom
nanhadoa a piano.
Na segunda feira 15 aera primado nm fogo de
artificio, todo a capricho feito pelo arista Tito,
qne principiar as 9 horas ida noute oont isso ter
minar.
Recife, 9 da frreraico da tg6.
Antonio de Piuha Bargas.
Quando lhe disse adeas
AO AMIQO JOO BAPT1STA WANDERLEY
Quando eu lhe disse adeus saudoso n'esse dia
Mereneoria a fronte urna uavem lhe encobria ;
Supplioe, n'um olhar sereno e cjntristado,
Parecen me pedir ticar junto a eeu lao ;
E urna saudade atroz pungir-lhe o coraco,
Eu bem present ao partir na commocac.
Pitou rae um triste eihar 'ness'hora derradeira,
E em pranto oceulto disse : Qoaado feiticeira,
A aurora amauh reluzir no oo forntoso,
Eu tambem partirei ; do berjo, to mimoso,
Como a iindorinha errante em busca d'outros lares,
Saudades chorarei, alm... n'outros lugares...
Adeus! Falla... quando outra vez juntos sere-
mos?!...
Nao sei, lhe en disse. quando a ver nos torna-
remos !...
iSD
Part... segu chorando a dolorosa trilha,
Saudade infinda s levando por partilba.
E lepois, l na extrema d'essa estrada triste,
Ti ve o desterro que em minh'alma inda persiste ...
Sent a dor cruel, a dr que nao tem nome,
Que os seos dilacera e a mim sem d<5 consom .'...
Mais tarde ainda, porm, voltei melga estancia,
E, sob o mesmo co, das flores na fiagancia,
Buscava em tudo novas e lerabran^as d'ella !. .
Mas nada... nada... nao tive... a formosa es-
trella,
A linda creanca de meus dias alvorada,
Partir, e nao volver a terr nossa amada...
E nao a vi mais... e tal como n'esse ia,
Minh'alma inda a soluta em solido sombra.
RecifeSetembro de 1885.
S. de V. G.
Parabens
ao Sr. Mino -I Qumteiro pula sua nomeaco para
o correio do Para.
Um amigo.
Da
Programma
festa do
milagroso Santo Amaro da
Sallinas
Do ningo ao romper da Aurora urna salva
de 21 >tiros annunciar que chegalo
o dia da festa do milagroso Santo -
s 8 horas s ;r rezad
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaos e rtulos aa
suas preparavoes na junta -ceminerciai do Hioifle,
Janeiro de conf. rurdade com as prescripces das
lea do imperio do Brasil, declarara e participan)
aos interessados, que como nicos propietarios
tem direito exclusivo de usar as marcas indus-
triaos e rtulos relacionados con manufactura,
fabricaoao e venda das s-guimes prepara^- ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tnico Oriental.
IVitoral de Anacahuita.
Pastilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemp.
Emulso de oleo de figado de bacalho com hy-
popbeephites, de Laumam & Kemp.
Salsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e qne, portanto, persegniro a todos oa falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando que sejam castigados com teda
a severidade da lei.
Tambem acautelamos o publico contra todos
quelles que intentara substituir as noesas prepa-
raedeg cima mencionadas com artigos falsificados
que levara rtulos ou marcas industriaes que im-
talo as nosaas.
Lanman & Kemp.
Qae enfermldade esta qne
nos acominette?
('orno o ladio que nos ataca noite,
ella acomtnettc nos s oceultas Os affli-
gidoa d'esta doen9a tm dores de peito, de
lados e algumas vezes, de costas. Nao
querem fallar, e sentera necessidade de dor-
mir. Percebe-se na bocea um sabor dea-
agradavel principalmente pela munha. Os
dentes cobrem-se de urna sepecie de mate-
ria viscosa ; e o appetite desapparece. O
paciente sent como que uin grande peso
no estomago, e, s vezes, urna sensajo
de vazio no mesmo orlo. Na bocea do
estomago ha rauita fraqueza; e a nutri-
cio nao produz eatisfajao algurna. Oa
olhos empanam-se e as maos e os ps es-
frian, e tornara-s viscosos. Algum tem-
po depois principia urna tosse, secca no
comeco, e, era seguida com urna expec-
s;r rezada urna missa para.toraySo ,.SV(,rAid. O doente queixa-se
quelles aevotos e devotas que uaopo-jde um cansa50 interminavel^ e quando
proenra dormir um pou ro, nenhum allivio
sent. Logo depo8, o enfermo tornase
bervoso e irrascivel, e o seu espirito nao
As 11 horas entrar a teata precela
pelo lllm. e Rvm. vigario a missa do roa
estro Francisco Norberto o upando a tri
buna sagrada o IUra. e Rvm. conego An-
tonio Eustaquio. Antea dosennaoser exe-
cutada a piano a ouvertura al Seraerames
do maestro Bosseller a quatro rnos pelos
professore8 Claudio Leal, Claudio L-al Fi-
lho que obsequioaaraente 82 pr-.-st-iram a
pedido do seu corapanheiro enearregado
da orchesta Lydio de Oltveira.
No fim da festa o Sr. professor Lydio
de Oliveira executar na flauta o Port-pour-
ri 1 Vallaque do maestro Mecbel Folr. acora-
panhado pela orch-sta e piano; findo; subi
rao diversos ba!5es feitoa a capricho de um
de voto tocando a msica do 2. balalho.
A tarde haver diversos devertimentos,
de (laucas, gyranaaticas ;havercoHo<-ado era
frente da raesraa egreja um mastro tendo
era cima delle o estandarte brailei-
ro e urna >a para a pesjoa que tiver
habilidade do subir e tirar os objectOB lhe
perten^er jscrili soltados diverso* boloo^
e foguetes, ame^ma msica to-ara era to-
dos divert nontsa ; o largo la egreja se
achara erabanle:rado, enfeitado etc.
As 7 horas entrar o acto ocupando a
tribuna sagrada o lllm. e Rvd. Loonardro
Joo Grrego ; a ladainha ser oxecutada a
piuo e findo o acto ser arreiado o estn
darte do milagroso Smto e condusido por
meninas e senhoras, e entregue nova
juiza doanno viadourojfinalmeuteser quei-
mado um lindissimo fogo de viata, pesaas
raodernaa feitas a capricho pelo distincto e
bem conln jido artista Olimpio de Mello e
Silva. Toca em todoa os actos edivertimen-
tos a nesrea banda de msica raar.ial.
Conferencia eleitoral
Convida-se ao elei-
torado do 2. districto
e a todos a quem in-
teressar possa o pleito
eleitoral de 16 do cor-
reate, assistirem a
conferencia, qae, a res-
peito da eleic-o do
conselheiro Theodoro
Machado F. P. da Sil-
va, preteade realizar o
Dr. Seabra, na prxi-
ma secunda-feira, *5
do corrente, s 5 horas
da tarde, no Theatro
de Variedades na
Nova-Hamburgo.
Partos, nuestias le Mueres e
* eriales
Dr. Silva Brito, medico cliuico do Maranho
tendo praticado ltimamente nos prineipaes hos-
ditaes de Pars e de Vieuna d'Austria, onde dedi-
cou-se especialmente a partos, molestias de mu-
lhcres e de criaucas, offerece seus aervicos ao res-
peitavel publico desta cidade, onie fixoa sua resi-
dencia.
Pede ser procurado do meio dia e 3 horas da
tarde no seu consultorio ra larga do Rosario
n. 26,1 andar, e em oaera qualqutr hora do dia
ou da noite ra da Imperatriz n. 73, sua .resi-
dencia.
LtlORATORIO HOH4KOP 4THICO
DB
FREDEHICO CHAVES JNIOR
HBDICO E PHABM4CBVTIC0 BOIKEOPTHtOO
Ra do Bario da Victoria n. 39, 1. andar
ec
Dr. Cerpira Lei
MKDKO
Tem o sen escriptorio a ra do Marques de
Olinda n. 53 das 12 as 2 horas da tarde, e desta
aera em diante em tua residencia roa da San-
ta Croa n. 10. Especialidades, molestias da se-
duoraa e -riancas.
ne se no tristes presagios. Elle sent
vertigens urna especie de tontura na ca-
v'-r-i (mando se levanta sbitamente. Ha
prieo de ventre; a pelle torna se secca e
quente alternativamente; o sangue achare
espesso e inerte; a efir do branco dos olhos
amarellenta ; e a urina quasi nenhuma
e muito corada, deixando um deposito no
vas*". O afligido muita8 vezes obrigado
a vomitar os alimentos que toma, e estes
vmitos deixam lhe na bocea um gosto
urnas vezes amargo e outras vez'is adoci-
cado. Este at ido de cousas frequente-
mente seguido de p2lpitac,3.js do corajao.
Enfraqace a vista do doente, e elle pare-
ce ver nodoas diaute dos olhos, sentinlo
um grande cancho e debilidade, Estes
symptomas apparecem cada um por sua
vez. Dizetn que o terco da nossa popula-
cho soffre d'aqu^lla enfermilade aob algu-
rna das auas formas. ladubitavelmente, os
raedicos sempre se engaaaram sobre a na-
tureza da cita ia molestia. Alguna trataram-
n'a como affecgao do figado ; e outros como
doenga dos rins ; mas nenhum tratamento
conseguio cural-a, porque o remedio devia
ser susueptivcl do obrar harmonisamente so-
bre cada um d'aquellcs orgaos, e tambem
sobre o estomago. Nos casos de D/spepsia
(sendo este o verdadeiro nome da enfermi-
dade) todoa os vitados orgaos desordenam-
ae ao mesmo tempo, e precisara de urna
medicina que possa obrar sobre todos elles
simultneamente. 0 Xarope Curativo de
Seigel produz um cffeito mgico em esta
classe de padecimentos dando um allivio
quasi immediato. O Medicamento vende-se
por todos os Pharmaceuticos e Boticarios
do mundo inteiro, e pelos Proprietarios, A.
J. White (Limited), 17, Farrjngdon Road,
Londres, E. C, Inglaterra.
Depositarios na Provincia do Rio de Ja-
neiro : no Rio de Janeiro, Domiugues Viei-
ra & C, Joao Luiz Al vez, Geo Sanville
C., G. Francisco Leandro e Fonseca e Al-
ves, e em S. Simo de Manhuass, Hora'io
de Rentus.
Depositarios na Provincia de Pernambu-
co : em Pernambuco, Bettencourt C,
Bartholomeo & C-, G. Braz dos Santos &
C, e Rouqnayrol Irmaos ; em Bello Jar-
diru, Manoel de Siqueira Cavalcante Arco
Verde, e Manoel Cordeiro dos Santos Fi-
Iho; em Independencia, Antonio Gomes
Barbosa Jnior: em Palmares, Antonio
Oardoso d'Aguiar ;
Lomenco da Suva.
e em Taearat, Jos
. C, llcckmann
Usinas de cobre, iatao e bronze e de
ni.
Golitzer Ufer n. 9 Berilio S. O.
Espeealidade:
Construc^ao de machi-
nas e appare I los
para fabricas de assucar, destilla$8e8 e re-
finagoes com todos os aperfegoamentos
modernos.
INSTALLAQAO DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimonto filial nc Ha vana sob a
mesma firma de C. Heckraann.
i' e San Ignacio n. 17.
tnicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO TE JANEIRO
Para informagSes dijijamse ai
Polilmait &C
UO
OCULISTA
Dr. Brrelo Sampaio, medico ocuhs
ex-c! *! de clnica do Dr. de Wecker, d consola
tas de 1 as i horas da tarde, na rna do BarS-
da Victoria n. 45, segundo andar, excepto nos do-
mingos e dias sanctifcados. Residenciara de
Riachuelo n. 17, canto da ra dos Pires.
Medico e parteiro
Dr. topa Lonreiro
D oensultas das 12 a 3 na ra do Ca-
ag n. 14 1.- andar Residencia tempe-
so- Monteiro.
i



Diario de PcrnambucoDomingo 14 de Fevereiro de 1CS6

DO
Dr Tristo Hcnriques
Costa
Ra da olio It
aultas das 11 s 2 horas.
Chamados a qualquer hora.
Telephone numero 54-
Conoltorio medico-eimrglea
O Dr. Estevo Cavalcante de Albaquerque con-
tinua a dar consultab medico cirurgicat, na rus
do Bom Jess n. 20,1" andar, de meio dia as 4
horas da tarde. Paras? demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, Io andar.
Ns. telephonicos : do consultorie 95 e residencia
126.
Especialidades Partos, molestias de crean
cas, d'utero e seus annexos.
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Recife, 5 de Marco de 1885.
EDITAES
Edital n. 75
(4' praca)
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector se faz pu-
blico que, por nao terem sido retiradas em tempo
e ameacarem corrupco, scrau postas em praca, no
trapiche Canceico, s 11 horas do dia 15 do cor-
rente mea, por conta de Domingos da Sila v Tor
res, 441 barricas, entre ellas algumas quebradas
e um caixao, contendo farinha de trigo, dos salva-
dos do vapor americano Finance, mercadoria essa
examinada em 26 do mez prximo paseado e no-
vamente em 8 do crrante pelo Dr. inspector da
saude publica e julgada nao prejudicial saude
publica. *
Em continuadlo si-ro vndidas em secunda
praca 133 barricas eom farinha de trigo por conta
di mesmo senhor, visto j ter sido intimado pelo
edital n. 72 de 9 do correte para retralas no
praso de 24 horas e nao telo feito at o present*.
3.* seccao da Altandega de Pernambuco, 13 da
Fevereiro de 1886.
chete,
Cicero B. de Mello.
Edital n. 76
(2a praca)
De crdem do Illm. Sr. Dr. inspector se faz pu-
blico que as 11 horas do dia 15 do correte mez
sero vendidos em praca no trapiche Conceicao,
2 botes, salvados da barca ame-icana Norvtay.
' seccao da Alfandega de Pernambuco, 13 de
fevereiro de 1886.O chefe,
Cicero B. de Mello.
Antonio Marques Correia, juiz de pas do 1 anno
da parochia de S. Salvador, da S de Olinda,
em virtude da lei, etc, etc.
Faco saber a todos o elt i torea desta parochia,
que de coniormidade com o art. 206 do decreto n.
8,213 de 13 de agosto de 1881, acha se designado
o da 6 de marco proiimo futuro, para a eleico
de um vereador da cmara municipal, cm virtude
da vaga existente por fallecimento do capito Ma-
noel Ignacio da Silva Braga. Convoco, pois, os
referidos eleitores comparecerem no peco da
mesma cmara j 9 horas da manhi do inencio-
nado da, afim de darem os reus votas, observa-
das as disposicoes dos arts. 140 144 e 194 do
citado decreto.
Parochia de S. Salvador da S de Olinda, 6 de
fevereiro de 86.
Eu, Antonio Marques da Silva Maoguinho, es-
crivo de paz, o escrevi.
Antonio Marques Correia.
Faculdadele Direito
De ordem do Exm. Sr. conselheirj director in-
terino e de conformidade com os avisos de 31 de
Janeiro cl6dejulho de 1880, e 12 de setembro
de 188?, faco publico que do dia 20 do correte
14 de marco prximo vindouro estar a berta nesta
secretaria a inscripcao para os que pretenderen)
ser examinados as materias que constituem al-
gara dos cinco annos des "a tacutdade, como dispoe
o art. 20 a 1 do decreto de 19 de abril de 1879,
devendo ditos exames comecar no dia 1* de marco
e terminaren) an'.es da abertura da aulas, sob as
seguintes condicoes :
Ia Apresentaco das certides de exame das
materias exigidas como preparatorios para a ma-
tricula da taculdade, ou das que anteceden) a dos
exames requeridos na ordem de curso.
2a Prora da identidad da pessoa.
3a Pagamente da importancia da matricula na
proporcao dos exames requeridos.
Secretaria da Faculdade la Direito do Recite,
8 de fevereiro de 1886.
O secretario,
Jos H. Bezerra de Menezes.
Edital n. 9
O administrador do Consulado Provincial dan-
do cumprimeato portara n. 467 expedida pelo
Illm. Sr. Dr. inspector do Thesouro em 23 do eor-
rente, faz publico, para conhecimento dos propie-
tarios das casas sitas as localidades constantes
da relac&o mira, que no espaco de 30 das uteis
contados do 1 de Fevereiro prximo vindouro, se-
rio arrecadadas por esta reparticao, independente
de multa, as importancias das animidades e mais
servaos da Recife Drainage Company, correspon-
dente* ao Io semestre do exercicio correte de
18851886.
Consulado Provincial de Pernambuco, 26 de Ja-
neiro de 1886.
Francisco Amyntkas de Carvalho.
Belac&o a que se refere o edital
sapra
Freguetia de S. Fre Pedro Goncalves do Recife
Ras:
Mrquez de Olind. Bom Jess, Alves Cabral,
Conceicao. Bispo Sardinha, Torres, Thom de Son-
sa, D. Mara de Souza, Vlgario Tenorio, Barrcto
le Menezes, Mariz e Barros, Burgos, Amorim,
Moeda, Tuyuty, Companhia Pernambucana, Ma-
dre de De us. Domingos Jos Martins, Mascates,
Restaurabas, D. Mara Cesar, Visconde de I tapa-
rica, Farol, Areal, S. Jorge, Vital de Oliveira,
Gaurarapes e Bario do Triumpho.
Pracas I
Charco, Assembla e Pedro I.
Travessas:
Vigario, Madre de Deus, Campello, Domingo,
Jos Martina, Corpo Santo, Antigo Porto, Bom
Jess, Areal, FundicJo, Occidente, 8-uararapes -
Praca de Pedro I.
Bccos :
Ab.eu, Largo, Pindoba, Xoronha, Tapado 9
Paschoal.
Largos:
Alfandega, Corpo Santo e Assembla.
Caes:
Companhia, Brum e Apollo.
Sanio Antonio
Ras i
Imperador, Primeiro de Marco, Duque de Ca-
las, Cabug, Barao da Victoria, Trncheiras, La
rangeiras, larga do Rosario, estrcita do Rosario,
S. Francisco, JoSo do Reg, Una do Carvalho, Ro-
da, Patos, Calabouco Velho, Santo Amaro, Ma-
thias Cde Albuquerque, Paz, Paulino Camara.Fo-
go, Livramento, Peuha, Viscondo de Inhama,
Pedro Aflfonso, Nova da Praia, Marcilio Das, Vi-
raco, Lomas Valentinas, Coronel Snassuna, Rau-
ta Thereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez do Herval e Cadeiu Nova.
Praca:
Pedro IL
Campo:
Princeza.
Caes:
Vinte e Dous de Novembro.
Travessas:
Queimado, Cruzes, Mrquez do Recife, Bella,
Quaiteis, Calabouco, Expostos, Martina, Flores,
Carmo, Bomba, Livramento, Arsenal, 1* da Praia
2a da mesma, Caldereiro, S. Pedro, Viraco, Lo
bato, Falc&o, Pocinho e Concordia.
Largos :'
Paraso, Carmo, Peuha, S. Pedro e Practa.
Bccos :
Bella. Calabouco, Matriz, l.. 2." e 3.* da Cam
boa, Falco e 1. e 2. da Cadeia Nova.
S. Jote
Ras:
Marcilio Das, Lomas Valentinas, Coronel Suas-
suua, S. Joo, Palma, Mrquez do Herval, 24 d
Maio, Das Cardoso, P&sso da Patria, Padre No'
brega, Victoria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros,
Fre Henriqae, Dique, Assumpcao, Domingos
Theotonio, Padre Floriano, ChristovSo Cclombo,
Jardim, Forte, Antonio Hcnrique, Nogueira, Santa
Cecilia, Santa Rita, Nova de Sana Rita, S. Jos.
Praia de Santa Rita, Pescadores, Ipyranga, Impe-
rial, Praia do Forte e Luiz de Mendonca.
Travessas :
Martyrios, Pocinho, Ramos, Caldereiro, Gaz,
Matriz de S, Jos, Forte, Prata, Serigado, Copia-
res, Nova de Santa Rita, S. Jos, Praia do Forte,
Peixoto e Lima.
Bccos :
Paula, Caldereiro, Gaz, Assumpcao, I.* de San
ta Rita Nova e Matriz de S. Jos.
Largos :
Forte j Mercado.
Pa- Vista
Ras :
Imperatriz. Conceicao, Visconde de Pelotas,
Tambi, Visconde de Albuquerque, Aurora, Cap-
baribe, Ponte Velha, Conde da Ba-Vista, Ria-
chuelo, Uniito, Saudade, Sete de Setembro, Hos-
picio, Carnario, Rosario, Gervasio Pires, Atalho,
Socego, Principe, Santa Cruz, S. Goncalo, Co
lho, Hospital Pedro II, General Sera, Coronel
Lamenha, Alegra, Leao Coroado, Barao de S.
Borja, Soledade, Visconde de Goyanna e Attra-
clo.
Travessas :
Gervasio Pires. Colhos, Atalho, Barreiras, Ve-
ras, Quiabo, Joo Francisco, Mangueira, Cam-
pia e Palacio do Bispo.
Pracas :
Conde d'Eu e Santa Cruz.
Largo:
Campia.
Bcco :
Colho._______________________________________
O Dr. Adehno Antonio de Luna Freir, official da
Imperial Ordem da Rosa, commendador da Real
Ordem Portugueza de Nomo Senhor Jess
Christn, e jais de direito privativo de orphaos e
ausentes da comarca do Recife e seu termo, por
Sua Magestade Imperial e Constitucional o Sr.
D. Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que no dia 15 do correte,
depais da audiencia deste juizo, na respectiva au-
diencia ir a praca para ser arrematado por quem
mais der, um sobrado de 2 andares n. 61, sito
ra do Visee nde de Iteparica, com tres portas de
frente no andar terreo, urna das quaes da entrada
para os andares superiores, tendo a loja duas sa-
las pequeas, dous quartos, cosinha e quintal mu-
rado, o qual foi avallado por 5.000/, ir a praca
uom o a batimento da quinta parte que servir de
base ao preco da arrematabas. E vai a praca em
virtude da carta rogatoria vinda do juizo de di-
reito da comarca de Vianna do Castello, do reino
de Portugal, para o pagamento do imposto da vid o
Fazenda Provincial.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei pasear o presente qu : ser publicado pela
imprensa e affixado no lugar do costume.
Dado e pastado nesta cidade do Recife, aos 11
das do mez de' Fevereiro de 1886.
Eu, Manoel do Nascimento Pontea, escrivo o
subscrevi.
Adelina Antonio de Luna Freir.
Pela presente sao chamados os 3enheres cons-
tautes da relac&o infra, afim de satisfazerem a
importancia dos termos de sal que aasignaram no
lo semestre de 1881 85, viito nao terem apre-
sentado, para a respectiva baixa, os documentos
de descarga que eram obrigadoa.
Francisco Moreira da Cosa 264980
O mesmu, como fiador de Dclmiro Gouveia 144857
O mesmo lv|600
Maia & Rezende 23*625
Os meamos 7*087
Pedro Jote de Siqueira 5*250
O mesmo 5*250
Seixas Irruios 13*440
2a secco do Consulado Provincial, 10 de feve-
reiro de 1886.=0 chefe,
Manoel Pereira da 1 'unli.i
DECLARCOES
4ss>oeia^o Commercial Agrcola
de Pernambuco
Nle tendo comparecido numero sufHci nte dos
Srs. associados para a reunido da assembla ge
ral (extraordinaria), convocada para o dia 8 do
curre nte, de ordem do Sr. presidente desta asso-
ciacao sao novam 'lite convidados para compare-
eererc no dia 18 do corrente s 11 horas da ma-
nila na sede desta a&sociecito para ter lugar a di-
ta reunio, que funecionar ccn o numero de so-
cios presentes, de conformidade com o art. 2i dos
esta tutea.
Secretaria da Asaociaco Commercial Agrco-
la de Pernambuco em 12 de Fevereiro de 1886.
S. de Barros Barrete,
secretario.
? }. 1\. J.
Sarao carnavalesco em 6 de marco de 86
Tendo esta presidencia deliberad realisar na
ncite de 6 de marco prximo futuro um sarao car-
navalesco, venho scientificar aos senhores socios
que principiar as 9 horas.
Os convites encontram-se em poder do Sr. pre-
sidente, e os ingresa .a na do Sr. thesoureiro, sem
os quaes nao permlttida a entrada.
Esta presidencia mui grata ficar a todos aquel-
es senhores socios e convidados que se apresen -
tareco fantasiados, e previne que nSo sao admissi
veis agererados.
Recife. 12 de fevereiro <1 1886
O 1 secretario,
Joao AI farra.
A direccao da companhia de Seguros Inuemni-
sadora, tem a honra de convidar aos senhores ac-
cionistas reunirem se no escriptorio da mesma
companhia, 1 hora do dia 25 do corrente, afim
de Ih -s aercm apreientadas as contas das opera-
ces do anno de 1885, o respectivo parecer da
commissao fiscal, e proceder-s a elei^ao da mes-
ma. Recife, 10 de fevereiro de 85.
Ob dir-fores,
Joaquim Alves da Fonaeca.
Jos 'a Silva Loyo Jnior.
Antonio da Cunba Ferreira Baltar.
COMMERCIO
Bols eommerclal de Pernam
bnco
Reee, 13 de Fevereiro de 1886
As tres horas da tarde
Cotace officiaet
Aeces da companhia do Beberibe do valor de
100* ao preco de 147* cada urna.
Ditas de dita da estrada de ferro do Recie S
Francisco, do valor de t 20 205J cada urna.
Milho a 50 rs. o kilo, hontem
Cambio sobre o Rio de Janeiro, 30 d/v com 3/4
0/0 de descont.
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 17 3/4 d. e 17 11/16
d. porl*0. 0, do nance, hontem.
Dito tobre dito, 60 d/v. 17 11/16 d. por 1*000, do
banco, hontem.
Dito sobre dito, aviste, 17 7/16 d. por 1*000, do
- banco, hontem.
Cambio sobre Paria, avista, 544 rs. o franco, do
banco, hontem.
Na hora da bolsa
Venderam-se :
100 accoes da companhia do Beberibe.
15 aeces da estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco.
P. J. Pinto,
Presidente.
Candido C. L. Alcofwado.
Secretario.
i,w&i.-, 5KT---------
rtENDl.MEiNTOS PBLICOS
* de Fevereiro de 1886
*)3:890,867
urjun-ae*tr 1 12
>cib de 13
rTwnsil r rv1 1 12
dem ai. 13
60:494859
264.3851726
13:633*526
2:614*931
18
niDe
16:348*457
1 12 68:182*620
. 3:350*344
K'.-'.lGRDe
, de 13
1
12
.. 71:582*964
9:152*565
1403)301
i
9:565/866
DESPACHOS DE LMPORTACAO
Vapor nacional Pernambuco, entrado dos
portos do norte em 13 do corrente e con-
signado a Bernardino Puntual, manifes-
tou:
Borracha 2 caixas a Rodrigues de Faria
& C., la Paiva Valente A C.
Bacalbo 50 barricas a Maia & Rezende.
Barris vasios 4*i a Amorim Irmaos & C.
Paono de algodao 8 fardos a Ferreira &
IrmSo.
Pipas vasias 20 a Miguel Jos Alves,
50 a Amorim Irm2o A C
Hvate national Deus ta Salve, entrado
do Aracaty na mesma data c consignado a
Bartbolomeu Lourenco, manifestou:
Algodao 190 saccas a Prente Vianna
& C.
Cera de carnauba 439 sacos aos mes-
mos, 238 a Maia A Resende, 20 a JoSo
V. Alves Matheus d C.
Patacho nacional Positivo, entrado do
Rio Grande do Sul em 12 do corrente e
consignado a Maia & Rezende, manifes-
tou:
Graxa 23 pipas.
Sebo 234 barriera.
Xarque 133,815 kilos ordem.
r
Barc nacional Sympata, nntrada do
Rio de Janeiro em 13 do corrente e con-
signada a Baltar Oliveira & C, manifes-
tou :
Barriloa 50 barricas a Maia & Rezende.
Barris vasids 20 ordem.
Barricas 50 volumes e 500j2 ditas a
Maia Rezende.
UESPACHOS DE EXPOhTACAO
Em 12 de fevereiro de 1886
"ra o exterior
N vapor inglez Celambre, carregou :
Para Liverpool, A. Ubi)le 16 laceat com 1,229
**ao(a Casa de Misericordia dr
Recife
Na secretaria da Santa Cnsa de Misericordia de
Recife arrendam-se por espaco de um a tres an-
nos, as casas abaixo declaradas :
Ra da Moeda n. 45, 240*000
dem -dem n. 49 240*000
Ra do Bom Jeeus n. 13. 1' andar 3 0*000
dem n. 29, loja 216*00
dem idem n. 29, andar 240*< IX,
Ra dos Burgos n. 27 216*000
Ra da Madre de Dens n. 10-A 180*000
Caes da AhTandcca armazem n. 1 1:600*000
Ra do Mrquez de Olinda n. 53, 2o
andar 507*000
Ra da Guia n. 25 200*005
Becco do Abreu n. i, ioja 48|000
Ra do Visconde de Iteparica n. 24,
pavimento terreo, 1* e 2 andar, por 1:600*000
Ra das Calcadas n. 32 200*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 6 de fevereiro de 1886.
O escrivo,
Pedro hodrigues de Souta
Juizo deorphos
De ordem do Exm. Sr. juta, faco publico aos in-
teresados que a audienc a do mesmo juizo, que
devia ter lagar ao dia 16 do corrente, effectuar-
se-ha no dia 15, s 11 horas da manha. Recite,
13 de fevereiro de 86.O rscmvSo de orpaos,
Olavu Antonio Ferreira.
THEATRO
Cign Dramtico BeoeflcentB
14. RECITA ORDINARIA
Domingo, 14 do corrente
Representer-se-ha o lindo drama em 3 actos
Dianna de Rioiine
c a chistosa comedia em 2 actos
0 Sebaslianisla
A directora nao tem poupado esforcos para que
o espectculo satisfaga a espectativa dos seus as
sociados e convidados.
Principiar s 8 horas.
Honda depois do espectculo.
Os Sr. socios que ainda nao receberam suas as-
signaturas queiram procralas em mo do Sr. the-
soureiro, ra Du(|ue de Caxios n. 11.
Instituto Archeologico e Geogr-
fico Pernambncano
Scgunda-feira, 15 do corrente, hora do coatu
ma, reunir-8e-ha fste instituto em eessao espe-
cial para a eleica) dos seus novos funecionarios
no anno social de 1886 87.
Secretariado l.ittituto, 12 de fevereiro de 1886
Baptista Regueira,
1-secretario.
COMPANHIA
c o vnt A FOCO
Nortb Brilish & Hercantile
CAPITAL
.ooo.ooo de libras sterunas
A GEN TES
idinsoii Howie & C.
RA DO COMMERCIO N.
CONTRA FOGO
The Liverpool & Loirdon & Glob
INSURRANCE COMPANY
Companhia
jmperial
KEGI'ROS COKTRA l'MiO
_ EST: 1803
Edificios e menadorim
Taxas baixa
Prompto pagatnenlo de prej.ito
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agen i cu
BROWKS & C.
N. Ra do OnMUrctn N. '
Estrada de Ferro de Ribeiro
Bonito
Sao convidados os Srs. accionistas da projecta-
da estrada de ferro de Ribeiro Bonito a se reu-
nirem no da 17 de Fevereiro corrente ao meio
dia, ra do Bom Jess n. 19, afim de se proco
der a approvaeo de estatutos e do arbitramento
da prestecao dos socios em direitos e bem assim
eleicSo de administradores e fiscaes.
Recit, 12 de Fevereiro de 1886.
kilos de algodao ; Maia Se Rezende 200 saceos
coa 12,000 ditos da carnauba.
No lugar ingles Spark, carregou :
Para o Canal, Engeuao Central 800 saceos com
64,000 kilos de assncar in.iscavr.do
= No brigue portugus Tito, carregou :
Para Lisboa, O. Travasao & C. 30O saceos com
22,500 kilos de assncar branco ; M. Lima & C-
104 couros salgados com 1,248 kilos.
No patacho americano Agnes, carregou :
Para New-York, M. J. da Rocha 84 saceos com
6,300 kilos de assncar mascavaio.
No patacho sueco Prima, carregou :
Para Hull, C. ?. de Lemos 10o fardos com
12,000 kilos de trapos.
rara o Inferior
No patucho allanan Henrick, carregou :
Para f orto-Alegre, Amorim I maos & C. 10
pipas com 4,800 litros de alcool, 1,350 barricas
com 109,265 kilos de assncar branco e 650 ditas
com 52,665 ditos de dito mabeavado.
Na escuna norueguense Marie, carregou :
Para o Rio Grande do Sul, O. Travasao & C.
250 saceos com 18,750 kilos de assucarbranco e
150 ditos com 11,250 ditos de dito mascavado.
No patacho nacional Andaluza, carregou :
Para o Rio Grande do Sul. F. de Macedo 158
saceos cem 13,875 kilos de assucar branco e 15
ditos com 1,125 ditos de dito mascavado ; T. de
Azcvedo Souza 100 taceos com 7,500 kilos de
as m car branco.
uj No vapor nacional Pernambuco, carregou :
Para o Rio de Janeiro, A. B. Correia 30 caixas
cajurubeba ; F. M. da Silva & C. 100 ditas oleo
medicinal ; M. N. A. de Alineida 6,000 cocos
fructa; V. da Silveir 200 taceos com 15,000
kilos de assucar branco c 1,200 ditos com 76,000
ditos de dito mascavado ; J. A. da Coota Medei-
ros 176 saceos com lO.SB-i kilos de assucar branca
e V24 ditos com 13,440 ditos de dito mascavado.
No vapor nacional S. Francisco, carregou:
Para Babia, Pereira & Silva 45 barris com
7,200 litros de mel.
Na barcaca Tres IrmSos, carregou :
1 ara o Cear, Amorim IrmSos C. 200 saceos
com farinha de mandioca.
Na barcaca D. Pautilla, carregou :
Para Parahyba, J. Baptitta 400 saceos com
farinha de mandioca ; A. R. Branco 50 ditos com
farinha de mandioca.
SEfiUROS
VIARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenii Ver-
nambiicana
Ra do Conirni'rcio n. ?>$
\ii
Gompanhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda cm 1855
CAPITAL 1,000:000*
SINISTROS PAGOS
lie 31 de dezembro de I8H4
Marilimos..... U0:000$00
Terrestres, ;!f:000$00i
44Ra do ftwcrclo -
' i.ondou and Brattillan Bank
Limited
Ra do Commercb n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, ^sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N-
Porto, ra dos Inglezea.
1999 toneladas, commandan: Pedro Hypolito
D'-inrte, equipagem 54, carg.. varios gneros ;
a Bcrnandino Pentu iL
Eio de Janeiro '3 dias, barca nacional -Vci
Sympathia, de 361 toneladas, capito (Juilher-
me Luiz de Souza Lobo, equipagem 12, carga
varios gneros ; a Baltar Oliveira &C.
Aracaty-13 dias, hiate nacional Dem te Salve,
de 101 toneladas, capitio Automo J. do Nasci-
mento, equipagem 5, carga algodao e cera a
Bartholomeu Lourenco.
Rosario de Santa F 25 diat, lugar americano
Carrie L. Tylor, de 537 tonela las, capito John
Le Perry, equipagem 10, em lasTo; a Henry
Forster & C. ,. .
Rio de Janeiro 16 da., barca m.-Uza lio^ie
Dart, de 584 toneladas, capitn A. Brue, equi
pagem 10, em lastro : a Boxwell.
Navios sahidos no mesmo dia
Macelo -Barca ingleza Maggie Dart, capito A.
Brue, em lastro.
Rio de Janeiro e escalas Vapor nacional Per-
nambuco, commandante Pedro H. Duarte, em
lastro.
New-York Lugar americano Edvard Stwart,
capito J. S. Harlow, carga assucar.
Porto Alegre Escuna allein \J. O. Haak, capi-
to Regensdorff, caiga assucar.
M noel Joaquim de Oliveira, carga varios gene-
res.
New-York Patacho inglez Loyalist, capito
Silvios T. M. Lellam, carga assucar.
Theatro de Variedades
llllimillALllllCIICIHIICO-DRMlTIlA
DIRIGIDA PELO ARTISTA
xscjxz> xvxxx,OD(NrDe
I Itimo espectculo da empreza
TBrca-fBra, 16 li Fevereiro ib 11
GRANDE NOVIDADE!
PELA ULTIMA VEZ N'ESTA CAPITAL
subir scena a engranada opereta em 2 actos e um quadro, cuja msica, do distincto
maestro Casiraghi obteve o applauso de todos os pblicos italianos
A FEST DA ALDEA '
PERSONAGENS
Senhor Gaulencio Podest Tirolli
R.'possi Cecilia, criada do padr? cura Durand
Bellegrandi Brnard, sineiro Milone
Comoletti Gregorio, criado do Municipio Orlandini
Montnnhez's e msicos.
NMEROS DE MSICAS.1. Siraphoaia. -2.a A Risi (canso).- 3.a
Kyrie I [rjiurtetto). -4. Coro dos ca-nponezes. 5. Quintetto com coro. 6. Pre-
ludio pela orche8ti. 7 Leodt. -8." O b^ijo. !). 0 Mtafdta. -10. Aria-comica.
11. Pr ludio pela orohestra. -12. A alegra. 13 Kyrie' 14. O desejo (cavatina).
15. O sonho (aria-comica).16." Mircha. 17. COro tina!. 18. Xuica campestre.
Acabar o espectculo cen a sempre applaudida conodja, en 1 acto, em que
o actor Milone fa JL GJkSJk. XDOe GJLXWX3PO
AVWO ^W(9K
A empresa resolveu parar momentneamente com os sem trabalhos, para
abrir o theatro depois do carnaval, mandando contractar na corte novos artistas dignos
d'esta illustre capital. A empresa nao poupa esforgos para se tornar digna dos senho-
res Pernambucanos.
D Geremia, padre-cura da
aldeia
Carolina, sua sobrinha
Baptista, cabo dos Bersaglieri
3NT. 3B,
DnpoiN do eopectaiuio liat iri-in para Aplpaco*
e bondt da linli;. Fernandet Tieira e ifosailu*.
Om honda no larsrw do Palacio. O Iun t fia Magdalena m hatera quan
do o etpcclacalo acabar depolM do Itorurio do iiHi.no bond da rompa
bia. que pasta na roa Koia t lie t- mininos.
\i.o se transiere o espectculo ainda mesmo que chova
YRECOS DO COSTME
PRINCIPIARA' S 8 1/2 HORAS.
IKMANDADE
Menbor Bom Jcsns dos Panto* da
mulris. do Corpo Manto
AVISO
Ein nome da actual ir<',-a reg.dora_ roga-se
todas aquellas pe 'soas que eriiervam em seua po-
deres cipas pertenei'utea rt n.^ssa veneravcl irinan-
dade, o obsequio de as maular entregar ao nosso
irmai thesoureiro, rua do Bom Jess n. 59, cer-
tos de que a actual ro.'sa regedora nao s ficar
agradecida, como tambem p .ra evitar duvidas fu-
turas.
Consistorio da irmandade, aos 6 de fevereiro de
1R16.-'< W>"I,
traaeiseo Antonio Concia Cardosn.
Companhia de edificares
-.io eouvj i idos os subseiiptorea dessa compa-
nbia para nina iciniai, que dever eiiecr.ii.nr-ee
uo dia 15 do corrente, a 1 lio. a da tarde, ra do
Imperador n. 3-S, 1 andar, afim de. se tratar dr
negocio nnportjii'e relativo a mesma companhia.
R> cif'e. I! d.' fevr-reiro de 1886.
Club liiH'inuiii.-iii le It-satMn
De ordeai >to 8r. presidenle diste do, convido
a-is Srs. pabiSei das etnbarciic-j de sua proprie-
dude, reinadores e os soens que se quiserem ins- :
crever na arte de remar, a reunirem se na sedo '
respe tita, do ningo 14 d> corrente, s 11 hora: i
do dia, afim do se tratar de a^uiopto que I he diz
rctpeito.
Recife, 11 de Fever-iro de 1886.
I< aiiiiiin Alves da Fonseca.
Io secretario.
rUil
DamprschiflTahrts-Geseiischal
0 vapor Desterro
Espera se de HAMBURGO,
via LISBOA, at o dia 20 do
corrente, seguindo depois da
dtmora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passarrens, e encommendas, tracta-
sc coro ''S
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RUADOVIGARMiN. a
1' andar
ClARliO RS RELMS
Companhia Frauccza de Navega-
r a Vapor
Linha quiuzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
Steamer Villa I Macis
E' esrtera'do da Europa at
o dia 22 de Fevereiro, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ba-
bia. Kio de Janeiro
e Sanio*.
Club Carlos Som$s
Assembla peral
Por d-libcra^ do ecatalho administrativo
oeste club sao convidad. os soci"S quie.i com o
aesao, A reu lirem-se aqngo 14 do corrente, s ;
1 huras da inanli. c.n MKBtbla geral, para se \
elegcrem-fanccionarios para os cargjs da vogal c
director de eoncert is. K-cife, 11 de fevereiro de
1886.
AlCllsiO Mala.
_ Ji' seer:-t;.to.
Estrada de ferro do
Recife Caxang
I'csIji de i-'i'iii<-si-o de Paula em
(iivang, no domlnso II do cor- i ama a courar do da descarga das alyareng
rente.
Alem dod tre ,s da tat>ell-, a pedido de diver-
sas familia?, a companhia expedir um trem ex-
traordinario s 4 horas e 31) niatos da tarde, do
Kecife, tocando Matean as est>.coes da ra do
Sol, ra Formosa e otficiuaR, on.'e se cobraro as
passagens, seguindo dihi expresso para Caxang,
d'onde voltar oara o Kecife s H l'. sendo ex-
piesso at as offloinas.
NB. Os tithetes de assignaturai uao tero va-
lor neste trem extraordinario.
Escriptorio da companhia, 11 do fevereiro de
1S86.O gerente,
\V. W. Oatfer.
Fabrica de liacau e lecidos de
algodao
Sao convidados os senhores acciaaisras reu-
nir-se em as-embla geral ordinaria no dia 24 do
corrente, ao salSo da Associacao Commercial Be-
neficente 1 hora da tarde. Kecife, 9 de feve-
reiro de 1886.
Manoel Jlo de Amorim,
Presidente.
Jos Adolpho de Oliveira Lima,
Secretario.
MOVIMENTO D J PORTO
Navios entrados no dia 13
MaTaos11 dias, vapor nacional Pernambnco, do
VAPORES ESPERADOS
MARTIMOS
Sergipe
Aconcagua
Mondego
Cear
Desterro
Advance
Espirito Santo
Vitte de MaccU
Taqus
Tibor
Senegal
Bahia
La Plata
Finance
Mandos
da Bahia boje
da Europa amauh.i
" do sul .amanh
do sal a 16
de Hamburgo a 20
do sul a 22
do norte a 2.)
da Europa a 22
da Europa a 24
de Trieste a 24
do sal a 25
do sul a 26
do tal a 29
- Marco
de New-Port-Newi a 5
do tal a 8
( Oni'VMIIi: DE MEStt.KBE
RES NAKITinV.%
IJNHA MENSAL
paquete Senegal
Commandante Marean
E' esperado dos portos do
sul at o dir. 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
i do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar. Lisboa e \ Igo
Leinbrase aos Srs. passageiros de todas as
clastes que ha lugares reservados para esta agen-
cia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 % em favor das fa-
milias composta de 4 pcatoas ao menos e que pa-
garem 4 pastagens inteiras.
Por excepcao os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaes s se do at dia 23 pagos
de contado.
Para carga, pastagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se cem o agente
Espera-se dos nortns do
sul at o dia 19
ro, seguindo i''
dispensavel deuii ra para o
Havre.
Recebe encemmendas e passageiros para as
quaes tem exce! lentes accommodacoes.
Para carga, paasagens, encommendas e valorer,
trata-se na agencia
Koga-ec aos Srs. importadores de carga p?los
vapores desta linha,auciram na!-
quer raclamacaa concernente a volumes, quj por
ventura tenham seguido para os portos do suLafim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sa ras.
Expirado o referido praso a companhia nio se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageir; para
os quaes tem excelientes accomodaces.
Augusto F. de Oiiveirait
AGENTES
42 -RA DO COMMEROIO-42
ROVAL MAIL STEAM PACKET
COMPANY
0 paquete Mondego
espdr do
do sul no da 15 da
corrente, seguin lo
lepois da demora
necessaria para
*. vio.'iic. Lisboa, Vigo e Son
(hanipton
?ara passagens, frefes, etc., tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
Adamsoii Howie & C.
8 Ra doCominereto8
Iniled sutes A Brasil MailS.S.C.
O vapor A.dvance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 22 do corrente,
depois da demora necessaria
seguir para
narinho. Para, Barbados. 8.
Thoniaz e Hew-1'orl^
para onde receber carga e passageiros.
0 paquete Finance
Espera-se de New-Port-
News.at o dia 12 de Marco,
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Angoste
RA DO COMMERCIO 9
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster C.
[N. 8. RUADOCOMlaRClO N.8
/ andar
i'
i
CUBAD
-.

-sJ


'P*fi3**** mu*. 11


i. /
Diario de PernambucoDomingo 14 de Fcverciro de 18S6
CMPAXBI-4 PBMAUrCt A
DE
NavegacSo Costelra per Vapor
FORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaj, e fcaliia
0 vapor S. Francisco
Segu no dia 18 de
Fevereiro, aj 5 horas
-da tarde.
Recebe carea at o
_ a 17.
Encotnmendas, passagens e dinheiro a frete at
s 3 horas da fardw do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cata da Companhia Psrrambucann
_____________________n. 12_____________
COMlANIIIA l'KUMNHKtXt
DE
!%avega?o tostel ra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macan, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Catnossirn
O vapor Jag-uaribe
Leilao
De 2 casas terreas em Afogados
(uinta-feira, 18 do corrate
A*s 11 horas
Ra do Imperador n. 22
O prepisto do agente Bnrlainacjae por mandudo
e assistencia do Exm. Br. Dr. juiz de direito d'or-
phos e ausentes- levar a leilao duas casa ter-
reas, sendo urna ra Direita n. 21, com 2 salas
2 quartos, cosinba fra, quintal murado, em solo
foreiro, outra dita ra da Paz n. 16 com 1 porta
e janella, 2 salas, 2 quartos, cosiolia fra, quintal
murado, em solo foreiro.
Para qualquer uformacao o inesmo agente
dar.
Ledo
Segu no dia 20 de
Fevereiro, is 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 19.
Eucoiniii'-n 1.4 3 passagens e dinbeiros a frete at
is 3horas d.i taide do dia da saluda.
ESCRIPTORIO
caes da Companhia Per&asatrn-
ana n. IS
navega
De fazeadas inglezas averiadas
Constando de diferentes voluines ou parte de vo-
lames desca regados de bordj d vvpor Delam-
bre, com avaria d'agua do mar.
tilinta felra. IS do correte
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazcm da ra do Rom Jess n. 43
EM CONTINUAgAO
vender o mesmo agente different-is fazendas da
Fabrica Nacional do Rio Grande do Sal, cons-
t-'iidude camisas, nanos, cassiuetas e cbailes, todas
limpas.
Companhia itahiaua de
cao a Vapor
Mace;, .Villa Nova, Penado, Aracaj,
Estancia e Baha
0 vapor Serg-ipe
CommandaiUe Maltas
E' esperado dos oo-io^ ci-
ma at o dia 14 do corrente,
' e regressar (>ara os mes-
,mos, i'epois da den>ora docos
turne.
Para r sirga, passagens, cncommendas e dinheiro
a fret',- 'racta-se na agencia
7iua do Vigario 7
Domingos 4lvs Malheiis
Pacific Sitan. YnigauonCoi.ipa.ijde
STRAITS OF MAGELLAN UNE
Paquete Aconcagua
Leilao
E' esperado ds. Euro
pa ate o dia 15 do cor-
-rente, e seguir para o
pul depois da demora
Pdo costume.
Pancarta. pasaageai e eucoinraendas e dinhei-
ro a frete tracta-te pon <>s
AGENTES
Wilson Kous & C, Limited
14 RA DO COMMERCIO N. 14
Porto e Lisboa
Segu com brevidade para os portoj a:ima o
brigue por ugaez Tito ; psra o resto da carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios Jos
< De bons movis, louca, cnstacs, quadros e espe-
lbos ovaes dourados.
Sala de visita
Um piano forte de Pleyer, 1 cadeira para o
mesmo, urna mobilia de Jacaranda a Luiz XV com
1 sof, 1 jardineira, 2 cunsolos com pedras, 4 ca-
deiras de bracus, e 12 de guaruicao, 3 espelhos
nvaes dourados, quadros com finas gravuras,
1 linda mesa para jogo, casticaes de christofflo,
1 porta-carto, jarros para flores e porta-jornaes.
Sala de jantar
Urna mesa clstica, 1 guarda louca envidraca-
do, 1 aparador de armari.i com podra, dito tornea-
do, 10 cadeiras de guarnirn, 2 ditas de balance,
; 4 lindos quadros com oleographias, 1 relogio de
parede, apparelhos para cha etc; jantar, copos,
clices, garrafas de fino cristal, compoteras ban-
"jas.
Xo corredor
U'na estante envidracada para livros, urna mesa
jardineira, 1 cadeira de viagem.
(fcuartos
Uma cama francesa, 1 toilet de Jacaranda,
1 lavatorio, 1 mesa de costura, 2 commodas, 1
| guarda vestido, 1 mesa de cama, cabies, 1 cama
de ferro, raez&s e cadeiras.
Objectos avulsos
Um guarda comida de rame, 1 jarra, 1 batanea,
1 escada, regadores, trem de coiinha, flandres, 1
carro de man, trem de jarcim e outros objectos.
Sexla-feira de Fevereiro
O agente Piufo levar leilao os movis e mais
objectos da casa em ine residia o Sr. Conrado
Wachsmanu. Nos Affiictos, em trente a igreja
dos Affiictos.
As 10 1/2 horas partir o trem extraordinario
que dar passagem gratis aos concurrentes ao
leilao.
O leilao principiar as 11 horas.
Por todo preco
A Predilecta
liquida para acabar por todo o preco 1 Entre
amitos objectos, como sejain : binculos, estam-
pas, las para bordsr, perfumaras de todos os fa-
bricantes, talagarcs, ntremelos bordados, na
valhas finissimas, pos de arroz, banhas, sabonetas,
etc., etc., nao deixa de mencionar os seguintes
objectos, o que tudo vende por quasi nada
Livros para misas, com capas de madrepe
rola, um par
Costureiras de madreperola, uma
Voltas de coral, finas, com clchete de pa
quet, uma
Pecas de galaonnho para enfeite de vesti-
do, uma
Recovas para uuhas, urna
Fraseos de verdadeira agua de colonia, um
C lilas de superior papel amizade, uma
Ditas de onvelopes superiores, uma
Bolsas de perc ile, milito finas, uma
Duzia de pacotes de sabio em p, Hudsnn,
runa, rs. 600
Collarinhos modernos para senhoras, um 600
Voltas dn vidnlhos. omito finas, uma 1J000
Leques grandes, de cor. s lindas e moder-
nas, um
Duzias de baleins, podas e fories, uma
Pares de ligas com Frisos de ac, para
enanca, um
Grosas de botos de maJrepeola, finos,
para casacos, uma
Macos de mi^nardisi.8 para crochet, um, rs.
Trens completos (brinquedo para crianexe)
un
Botoes-bola, muito finos, duzia
Meias compridas, de cores, para mininas,
uma 500
Ditas cruas. para homen?, duzia 2J800
Ricas estajos com thesouras, um 24000
Carretela de linha para machina, de todos
es nmeros, um, rs. f 0
f
4 0011
4J000
400
60
200
500
400
300
500
400
360
120
1J500
200
800
120
Especialidade!!!
Licor pnro de maracuj em lindas garrafas
proprias, para toillet Compotas do mangabas e
mangas o que ha de mais per/eito em doce, e
muito proprias'para presentes.
Vndese no Largo de 8. Pedro n. 4.
Para adyogado
Aiuga se a sala do 1- anda rna Duque de
aiias n. 61, a tratar na loja._____
Viagens ao cenlro
De Olinda parte todos os sabbados, s 4 horas
da tarde, para Itamb por Iguarass e Goyanna,
urna diligencia ; passagens a tratar na ra 1 de
Marco n. 1, no Kecife. Viagens avulsas em qual-
quer da, para qualquer parte a tratar no mes
mo lugar.
Camisas de meia de seda
(Crep de Santr)
Vendem Salazar & C, na do Bom Jess nu-
mero 58.
Pilulas purgativas e depurativas
de Campanha
TINTURARA
OTTO SCHIVEIDER
SCCESSOR
25 Ra de Malhias de Albuquerque 2,'i
(ANTI6AR14 DAS FLORES)
Tinge e Hmpa com a maior perfeic2o toda a qualidade de estofo, e fazenda*
em pecas ou em obras, chapeos de feltro ou de pulua, tira o mofo das fnzeudas; todo o
trabalbo feito por meio de machlnismo aperfeicoado, at hoje conhecido.
Tintura prcta as tercas e sextas-feiras.
Tinta de cores e lavagem todos os dias.
Liquidado
rada Isidepi
ndeira cncarnac
CRIADO
Il-Priiraila Independencia IO
Sigiial Bandeira encarnada com Ultras branca
Estas pilulas, cuja preparacao puramente ve-
g tal, tem sido por mais de 20 annos aproveitadas
com os melhores resultados as seguintes moles-
tiaf : affeccoes da pelle e do figado, syphilis,
boubes, escrfulas, chagaa inveteradas, rysipe-
las e gonorrhas
MODO DE USAL AS
Como purgativas : tome- se de 3 t por dia,
bebendo-se aps de cada dse um pouco d'agua
adobada, cha ou caldo.
Como reguladoras : tame-se urna plala ao
jantar
Estas pilulas de invenco dos pbarmacedtieoa
Almeida Andrade & Filhos teem o veridictum dos
senhores mdicos prra sua melhor garanta, tor-
nando-se mais recominendaveis, por serem um se-
guro purgativo e de pouca dieta, pelo que podem
ser usadas em viagem. Acham-se venda na
drogara de Para Sobrinho & C, ra do Mrquez
de Olir.da n 41.
Grande e bom montada officina de alfaiate
DE
Preoisa-se alugar um criado, de 10 12
annos de idnde, o que d fiador sua con-
ducta; no 8. andar, por cima da typogra
pliia do Diario, n. 42, ra Duque de Ca-
sias.
Para
esenp orio
Urna grande carreira de amarcllo, envernisada,
com gavetas, p idendo escrever a vontade tres
pessoas, custou 80000 e dase por 25* para li-
quidar ; na ra de Santa Thereza n. 38. Para ver
ile manli'i at meio da.
Velloelpede por 3000
S para se liquidar, com defeto ; na ra de
Santa Therezi u. 33. Para ver, de manb at
meio dia.
Tricoferc
arniiic-ir ijiip
Cabello
nlntlu Menino i un bbbmsi
r>:-i i-, cnlvnn, bein t-oti'o u.n
cur:i i i.rnhiu-Dto
a TI.HA o a CASPA.
Positivaiaento impede s
anea c o c.-nbranquecir.entc
ao CABELLO c ca todos os ca-
sos o torna invariavelmeat*
Kacio, B'ihanta, Tormoso
Abundante
Emusoluii-nlt! 'nf"nr.innoi
e t<'Mi niiu-r v Ddli qtlf rn-nlium
oatp^oreparj'.(l'J ia:.; o cabello eu
toti. 3iund.
Bilhar parp menino por 30OOO
. Na ra de Santa Thereza n. 38. Para vfr, de
inanh-l at meio dia.
Barraca
Vende-se uma barcaca de 303 seceos
na ra Direita n. 62, loja.
a trata
AVISOS DIVERSOS
Para
Brigne i Francisca
E' esperado uestes dias, engaja c-irga frete
mdico, para sabir com toda a brevidtde : trata
na rua do Mrquez de Olind n. t.
Ro>al Mail Steam Packel
Company
Reducgo de pasuigemti^tt
Bilhetes especiaos of
erecendo facilidades
aos senhores viajantes
para visitar a expsi-
to colonial em Lon-
dres, de 1886.
Ida e volta de Per-
nambuco a Southamp-
on, primeira classe,
com o prazo de 0 me-
zes libras sterlinas 36,
15, 0.
m AJuga-se t -' andar da casa n. 1 do pateo
do Terco, o 3- n ,le n. 3 rua da Penba, o 1-
da de n. 19 mi- >- toa, o 1* da den. 18 rua
Direita, o Io da tu n. 66 mes oa rua, o 1' da
de n 35 trave.-,.-1 de 8. Jos, o 1- da de n. 34
rua cstreita d .tnaario ; as terreas de n9. 41
t rua do Bjpt, t rua Duquo de Caxiaa, 1 do
I pateo do Terco, ti & rua de Lomas Valentinas,
i 21 a rua do Ara^ao, ene isa de n 35 rua da
] Viraco; a tratar na rua do Hospicio n. 3'.
Auga-se casas a 8OO.J, no becco dos Coe
lhos, junto de 8. Gencalo : a tratar na rua da Im-
peratrz n. 5t.
Aula mixta particular de inatruecan pritn.i
a Anelia Ferrer: da Sv^, rua Vi
eiros n. 21.
Bomba de VapI n. 3
Par 105000 (anda nilo servio) e nao 505 se es
tvesse perftita ; na rua di Smta Thereza n. 38.
Para ver, de manha at meio dia.
Balco por *A
S par. liquidar ; na rua de Santa Thereza n.
38. Para ver da manha at ineio dia.
W armo re
4000 cada uma caica
Duas caizas coto lavatorios de marmore, com
deleito, a 44 cada uma caia, s para acabar; na
rua de Janta Thereza n. 38. Para ve de manha
at meio dia.
= Os hachareis Antonio Justino de Souza e
Pedro Atf'eiiso de Mello mudaram o seu escrpto-
rio para a rua Duque de Cazus n. 54, 1 andar
onde continan) a exercer a sua protissao de ad-
vocado.
Aiuga-se a casa terrea da rua do Coronel Suas-
suna ii. 240, com bous eoinmodos para familia e
grande quintal: i tractar na rua 1." de Marco
n. 17, l. andar.
Casas para se alugar
Aluga-so duas casas terreas sitas rua do Vis-
conde de Goy urna ns. 59 A c 59-B, com 4 quar-
tos cada uma : a tratar na rua da Imperatrz n.
61, loja dd faseodas.
Para evitar duvidas
O ab lixo assigpado, negociante, socio da firmt
Medeiros&C, com livrana rua 1 de Marco
1. 7 A, declara \u< nao se refere a elle uma accio
hypotbecaria que fo proposta na audiencia de
hnje, por parte de Fltvio Goncalves Lima. R;ci-
te, 13 de fovereiro de 1886
Francisco dos Santos Neves.
ir
Agua Florida
de Barry.
DXJPLA.,
Preparada segando a forarai
original asada pelo inventor nc
anuo e 1829.
Tem duas vezes mais Fraerancl*
que qualquer outra.
Dura duas vezes mais tempo.
E'muits mais rica de perfume
mais suave.
E'multo mais Pina e Delicada.
Tem dpbrada_forca Refrescativa
Tnica no Banho.
Fortalece ao Dbale ao Caneado.
Cura as Dores de cabeca o os des-
malos. *
E'muitissimo Superior a todas a
outras .Aguas Floridas Actal-
mente a venda.__________________
Desooberta Importantissima.
Puro Oleo de Figado de Bacalhao
COM
IOOURETO DE FERRO,
DE ~~J
Barclay c Companhl! i,'
PEDROZ A & C.
N. 41Rua do Baro da VictoriaN 14
Ne8te bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lido e variado sor-
timento de pannos, caseraira, bros, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravatas,
tudo importado das melhores fabricas de Pars, Londres e Allemanha; o para bem
ervirem aos seus amigos e freguzes, os proprietarios desto grande estabaleciraento
tra na direccSo dos trabalhos da officina habis artistas, e que no curto espaco de
ras, preparam um tero di roaot d qqilitirf azenda.
Rua do Baro da Victoria n. 41
(PRESOS SEM COMPETENCIA)

/
Os proprietarios do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a raa do Cabug n. 4, communic&m ao respeitavel PUBLICO que ruceberam um
grande sortimenlo de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam-
bem relogios do todas as qualidades. Avisam tara bem que continuara receber por
todos os vaports vindos da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que em
outra qualquer parte.
MHJIX WOliT & C.
!. 4
Comprase
RUA DO
curo e prata vi-lha.
CABUGA----N.
LEILOES
= Ao Illin. Sr. Dr. Antonio Filemon Goncal-
ves Torres comprimenta a Livrana Parisiense
Preeisa-se de vendedores de taboleiros de
bolos, pagando-se veniagein, rendo de boas con-
| ductas, e uma mulher de idade para lavar e co
sinharode conducta efiauenda ; na rua da Ma-
I triz da B-a Vista n. 3.
Precisa se de urna ama para comprar e co-
sinliar, rara duas pes'oas ; a tratar na rna do
I luipen.dur n. Gi, 2' andar.
Na rua das plores u. 19, precisa so de uma
; criada que compre e cosinhe.
_ Aluga-se a cas com sota, toda caiada e
; pintada de novo, sita rua da Fundico n. 8, em
. Santo Amaro ; a tratar na rua do Mrquez e
I Olinda ti. 8, lithographa.
Aluga-se o armasein da rua do Mrquez de
' Olinda n. 18 ; & tratar com Parnte Vianna &
Companhia
os mais modernos e de melhor gjsto, acaba de
receber a Exposicao Universal, rua do Barao da
Victoria n. 17, loja de Emilij oberto.
BANHOS DE MAR
Superiores costuincs de excellcnte fa-
zenda e nwito hem preparados para kanlio^dc
mar.
Leilao
Hoje 15
Precisa-se rie uma mulher de meta idade,
paia fazer Companhia a urna familia, e prestar al-
gum pervico mediante paga rasoavel, na Praca
do Cjnd : d'Eu n. 4, 1." atibar.
Prseisa-se de uiua moa que coeinhe bem,
do corrente
Na Alfandega, trpiche Conocido e Guar-
da-mora
"2 bot Norway)
SJ 441 barricas c 1 caizo com farinhn de trg >, e
mais 133 'li'as d.> dito, por ordem do 8r. Dr. ins-
pector d Altanudega, e por couta d Domingos da
Silva Torr -s.
I> armara, genero e utenei
lios da (averna da rua de loo
do Reg n. 4
Quarta f-ira 17 do corrente
Ao meio dia
O agenta Gusmao, competentemente autorisa-
dn, fara leilin da taverna cima mencionada, em
lotee, vontade dos compradores.
Leilao
Da armaco, balco, fitelrcs, vasilbames e mais
pertences da botica da rua do Visconde de Ia-
hnma n. 48.
Urna mobilia de Jacaranda, de medalliio, 1 guar
da louca, 24 cadeiras de junco, 1 toilet, 1 guar-
da roupa e outroe movis i casa de familia.
QuaHa felra. 1? do corrate
A'S 11 HORAS
O agente Pinto levara a lelSo nio so a arma-
ci e m n. 4, como tambein de differentes movis de casa
de familia, cima descriminados.
para casa de familia
triz n. 13, 2- andar.
a tratar na rua da Impera-
- Precisa -u
Imperial n. 1.
de uui ama de leite ; na rua
Tras jassa-se urna ca sioba em um pinto de
grande transito, com a-macao p ara tavcr.ia ou
outro qualquer negocio, por preco diminuto ; trt
ta sena rua Direita n. C.
Precisa-se de urna am i
se na rua d > Rangel n. G7.
Precisa-sil de um i ama que
gomm>: ; na rua da Umu n. 54.
do eoiiiih.i ; traa
cosiuhe e en-
Aluga-se o 2- andar u. 81, e o anoazein n.
39 a rua do Imperad r : a tratar cjm Lu'Z de
Mora.s Gomes Fer.eira.
Precita-ae de uma ama para uoaiuliar e la-
var ; na rua dos Guararapes n. 84.
= Em tempo declaro que nao faco parre da
cemmissao de festejos carnavalescos da praca do
Conde d'Eu.
Joa^aim T. do Lemos Duarte.
Na na Nova n. 6
pieeisa-se de uma ama para comprar
para casa de homem solteiro.
e cosiubar
o j. i m
M
d consultas e attendo a coamados a qualquer
hora lo dia ou da noitc, em tua residencia, na
cidi.de ds Cabo.
Aluga-se uma casa pe
quena
Na rua de S. Praucisoo n. 1, freguuza de Sao
to Antonio.
No becco do Fnndao u. >> treguezit da BiM-Vm-
ta : a tratar am rua da Santa Thereza n. 32, de
manhil at meio di.
:irgur,i8, muito superior,
e 400 n., e trancado a
\ a Loja das E.tras Aznes
Rua do Doque de Gaxias n. 61
Zefiros de quadrinhos e lisos, de todas as cores,
fazenda de novidade com 80 centmetros de largu-
ra e cores seguras, a 240 e 280 rs.
Renda da China", fazenda branca aberta, a 240
rU.
Las chinezas de quadrinhos de seda, 320 rs.
Fusta i branco inglez, padrees novos, a 5 0 rs.
Setiueta do Japilo, campo amarello com matiz e
bolinhas, de lindas cores, a 360 ; muto larga.
Meias de urna s cor e bordadas, a 500 rs.
Espartilhos cnuraca a 4, e muito finos com cor-
dao de seda a 5.
Leques Joanita representando alguna actos
desta linda opera, ala.
Crochets para sof e caileiras, guarnicao com-
pleta, a 7/500.
Cortinados bu-dados para cama e janella, a 6g.
Capellas com voi de blond de seda, a 9, e
com collar, pulseiras e briuzos ile flor de laranja,
a l.'ij.
Camisas finas para ineni:i 'a de todos os tama-
nhc.s. a 2500.
Meias para meninos e inenm is, de todo preci.
Brm pardo liso fino, a 320 rs. o covado, e lona
verdadeiro a 500 is.
Nauzuc de core finas a 240 is.
Dainaacw de la infstalo para reposteiros e eli-
das, a lfi.
Bram-inte de liuho 4
a 2#.
Dito de algodao a 320
500 rs.
Chitas finas e cr8t'iii"8 francezes com lindos
des'-nhos a coras firme*, a 211, 280 e 320 r*.
Tapetes graudei e p.'qjjuosa 1J80J, 2*500, 4
e 71.
Aiiquinhas modernas a 2(.
Toalbaa alcochoad^s a 2#50u e 2J80C a duzia.
V'elmlilh'ia de todos as cores a lfi.
Sombriuhas para campo a 2j.
Cretonej fin-js para coberta, cores segaran, a
32 ) rs.
Ato tillado bordado infestad, a 143)0 o metro.
.Mirius pretis a IS e 1*200.
GrgurAo de suda preto, qualidade Lupenor,
a 2a.
Veos de seda pretos a b$.
Malapolao americano a 65, de Hj.
AU'iioznho superior marca T, a 5800.
E 1011 fas fazendas de NOVIDADE. S com a
Vista se pede acreditar na baratez* dos precos
aiinuncia'Oi. (aersm mandat buscar as amos-
tras
\a aLoja las aLlstras Azucs
Rua 10 Du<]ue de Uaxias n. 6T
Lin^uas seccas do Rio
Grande do Sal
Vend 1 s na rna de Pelro Affonso n. la Praia) a 30 rs. !!___________________^
Xa cidade da Escada
c .mpra-8'j ouro, prata, pataooet nacionavs a aa-
t angeiros, e m >edas de ours ; uu rua do Coa
mtrcio n. 19, estabelecimento d Antonio Fran-
cisco da Araujo Costa.
Cnra rnilicilmente e comsepnrancao! peores caaos
de l'hil:i^H;,. Bar lufa !, Rheuuuitlumo. as docneu
O* Ei^piuha Dorsal, dun Qintdrjs c dos Ossoa, as in-'
.IsaamafOss do Fe:ido. doBn^oe do Vtero, etc., etc.,
Nautas aorur])o cnfrniiTIcciao e fatigado o sea pri-1
jnitivo visor c arredondado h conturno. E" certa-!
. Puro Oleo da
- todureto a;
" r Sew Yorfc. 4
le Vida^
r No. l
Para senhoras.
Fara horneas.
Para crianzas .
NM000
81000
W000
menta mu* erando deseo*
Fluadu de Bacalln
Ferrode Ilurclav
Xaropc
de Br-
DEPURATIVO E PR0ANTE.
liste novo e admiravel purificador do'v
sangue acta cobre os intestinos"
o ligado, os rins o a pelle.*
E'ci.rainfalllvel contra a Dehidade
K'ervoaa, as Dores de Cabe, a Dys-
pepsia as Sezoes, e contra as doen-
caa de origem Miasmtica ou occa-
slonadas por desordena do figado
ou pobrezas Impureza do sangue..
Recebemos ltimamente nm grande sor
timento de diversos tecidos novos para vesti-
dos e in eir mente apropriados para a pre-
sente estafo.
LOXJVRE
FANGISGO GGEL DO AMARAL & fi.
Raa Prielro lie Marco 120
ESQUINA DA RUA DUQUE DE CAXIAS
Y telephonico IS8

Sitio
tiuga se razoavel
Com casa para familia (n* Varas) e tem 4
salas. 4 quartos e cosinha, muitas fructeiras dan-
do tructo, junto excellente banho do Ca jibaribe, e
muito breva porto do trem ; a tratar na rua de
Santa Therexa n. 38, e na V^rzea cjm o Sr. Es-
tevao Jos Si n6es, confront i o dito sitio.
Carnaval
Vestuarios, se vende pir preco
da Florentina, becco do Balilo.
barato ; na rua
f
^GMPHIA AXltof
Tenenie aldino Rio don tantos
Joaquim ("e Gouveia oideiro, tndo de ma
dar celebrar algumas missas por alma de seu pre-
sado amigo tenante Oaldino Pi dos Santos, na
matriz da Hoa Vista, as 7 1/2 horas da manha do
dia 17 do corrente, convida a seus amigos pa-
rantes do fallecido, para assistirem a este acto de
caridace, p.>lo que antecipa os seus agradecimen-
tos todos que compareeerem
POSICMJ UNIVtRsAC
VINH0 de CATILL0N
da GX.YCEIUNA QUINA
O nait podaraa) tnico leconstituinte prassripto
| Doacaao i Je Doraa d'eatomago. Laagor, Anemia
Oiataaua, Conaumpclo, Fabrae.
Conviasoenca, Rsxultados dos partos
0 m'mo rinhoeora farro. VIHHf FERPUGINOSO DE
ICATILLO H regenerador por eieelloncia do tangua p4bre
le deworulo. Ette riaho Cu tutelar o ferro por r
loa Mtowafo e nao ocraaaa prio de catre,
MU O, mi Ui*t-uiwdii hit Ha rVeanaM*)
i rrao"B.dat*hpaO",~ii
ALBEETO HEKSCHEL & G
52-RlA DO BiRiO D4 VICT0RI.4-S2
O abaxo ssignado tem a honra de participar ao respeitaVel publico d'esta
capital e do interior, que reasaumio a gerencia d'este grande o bem conceituado esta-
belaciaiento, on-le j por longos annos fm oceupaelo o mesmo lugar.
As Exmas. familias o pessoas quo dusejarfiu honral-o cora suas cncommenda.
encontrarlo all os mais modernos e aperfeicoados trabalhos concernentes a arto
photographica e modicidade nos precos.
C. Barza,
Gerente.
AOUDOSTRACAO :
IPAMX. %BonlsTara Montaasrtra, PaMZ I
PASTIIJIAS DIOE8TTVA8 t^^aia m
y iohy com os Saet extraltidos lUuPmft. Sao I
de gosto agradavel e a sua acc&o ara)sss>
I tra a Azia e as DgestSet dfllckt.
llaaJK WCaW alMIHOS. Om roto ^rriiimbaiia^vmraapetaoasque ate peOaaBaTaVtchy. j
*** war a imtticSe* exigir em todos es prouctos
.^f^<^- >A- 00rXI. X-t viOHT
"^ifSS'T Tf?^ HAaiaauatDT LAauJua, %rmm vmm
aa Producid
I

TTIB
t


6





Diario ce Per BambucoDomingo 1,4 de Fevereiro de 1886
Alnga-se barato
> 2.' andar a traveasa do Casopallo n. 1
) armasem da roa do Bom Jess a 47.
A casa terrea n. 13 da rua do Nogueira.
A casa terrea n. 23 la travessa de S. Jos.
) 1. andar loja ortrasaa W Cana* n. 10.
i loja da roa do Calaboaco n. 4.
A. casa da ra do Viseonde de Gcyanna u. 79.
k casa da ra da Poile Velha n, 22.
A easa da Baixa Verde n. 1 B Capunga
A tratar no Largo de Carpo Santo n. 19,1* an-
lar.
Aligi-se
segundo andar da rna da Imperaros n. 24 ; a
sratar na agencia pregressiva, praca de D. Pe
iro II n. 73.
Aluga-se
i segundo andar da casa ra Imperial u. 19,
"m muitos commodos e agua ; a tratar na rna
Duque de Caxias n. 92.
Ahira-se
sobrado de um andar e soto com agua e gas,
qaintal grande, sito ra dos Ouararapes n. 90 ;
a casa terrea sita ra de Santa Bita n. 89, com
8 quartos, reedificada de novo, com agua ; a tra-
tar na ra de Domingo Jos Martins n. 50.
Aluga-se
grande sobrado n. 161. da roa Imperial, catado e
pintado ; a tratar na rua do Rangel n. 58.
Alu
a-se
por 304 a casa de roa de S. Gencalo n. 26. com 2
salas, 3 quartos internos e 1 externo, cosinba fra
e bom quiatal ; a trata:: na rua de Hortas n 17.
Ama deleite
Precisa-se de urna ama de leite que tenha bom
leite; na rua das Larangeiras u. 18, 1 andar.
AkM
"arecisa-se de urna para cozinba, pom que
turma em casa ; a tratar rua do Mrquez de
linda n. 6.
Ama
Precisa-se de urna ama para layar e engommar ;
na rua da Uniao n. 47.
Ama
No/Largo :isa-sc de urna ama boa eos nheira, que durma ero
.asa e d pessoa que abone sua conducta.
Borracha para limas
Receberam Rodrigues de Paria & C, e tem
jara Tender em sen armizem rua de Maris e
Barros n. 11, esquina da rua do Amorim.
Cosinheiro
Precisa-se de um c tinheiro ; a tratar na rua
ie Paysand n. 19 (Passagirn da Magdalena), ou
-oa do Commercio u. 44.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosiiheira que engomme
jera e ensaboe, e que nao durma fra, para easa
le pouca familia ; na praca do Conde d'Eu n 30,
'rceiro andar.
Cosinheiro
Na rua do Vicario n. 17, se precisa de um co
iinbeiro.
Mim. Niquelina
ece'DB coastantemeated Europa
i wia wiieit ie chapul-
es Mmm sBuoras, o
Luz brilbante,sem Fumo
oleoIrohatico
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
1CAET11TS BASTOS
Pernambuco
NUMERO TELEPHONICO: N'S
i Leonor Porto
nado Imperador n. 45
Prisseiro andar
Contina a exeoatar os mais ditSceis
figurinos recebidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeieao de costura, em bre-
vidade, modicidade em precos e fino
gosto.
{!

1
"arla Auzuma (onibra
* anniversano
Antonio Jos Coimbra Guimares, Augusta
Candida .Gomes Coimbra, Antonio Nunea Ferreira
Coimbra c seus filos, convidam a seus aren tes e
amigos assistiresn a urna misos que mandam re-
sar na matriz de Santo Antonio qnarta feira 17
do corrate, s 8 horas da manha, por alma de
sua pranteada filba, esposa e mi, commemorando
assim e 1' annive sario do seu fallecimento. Por
esta prova de amizade, antecipam seu eterno re-
conhecimento.
D. Aquilina de Jenuw Paea
Meodonca e Mello
O capito Antonio Francisco de Mello, filhos,
pais, sobrinhos e euteados da finada O. Aquilina
de Jess Paes Mendonca e Mello, agradecem a
todos que se dignara Urar os restos mortaes
ultima morada, assim cumo convidam a todos os
prenles e amigos assislirem a missa do trig-
simo dia, a 15 do corrente, na matriz de S. Jos,
as 7 horas da manha.
f
Rua Primeiro de Marco n. 19
tinto Botina Maravhosa
Por 15.000
Alnga se a loja do sobrado rua de Lomas Va-
lentinas n. 50; a tratar na Livraria Parisiense
a. 7 A rua 1 de Marco.
Apolices geraes
Compram-se duas
de cont de ris; no 1.
andar d'esta typo^ra-
phia se indicar quem
compra.
Joaquina Rodriiie M. de
Olivetra
Tbomaz de Oliveira, anda ferido do mais do-
loroso sen ti ment, convida sius parentes e ami-
gos para assistirem a missa 4ue manda celebrar
na matriz da Greca, segunda-feira 15 do corren-
te, pelas 7 horas da manha. trigsimo dia d> in-
fausto passamento, por alma de sua extremosa e
nunca esquecila esposa, antecipanlo a todos seu
eterno reennhecimeoto.
P
Paulo aiow de Aievedo
Jos de Azevedo Braga e Mara d- Azev. i
Braga convidam aos seus amibos e parentes pra
assistirem as missas que mandam resar no d'a I '
de o rrente, as 7 1/3 horas, ua igreja da Madre <
Deus, pelo repouso eterno de seu presadissimu
pai, Paulo Jos de Azevedo, fallecido em Portu-
gal no da 8 de Janeiro prximo passado, e por
este actede religiao e oatidade se confessam agra-
decidos.
Adwgaos
Manuel Netto e Bevenuto Lob ; rua Duqne de
Caxias n. 75, entrad., pelo pateo do Oollegk.
Prata
Compra se pataces velhos bespanhoes e portu-
u^zes ; na rua Duque du axias n. 92.
Superior viflj.0 F gucira
Vende se em de-.'.a-ns e quintos ; na rua do
Commercio n. 15.
Empregado
Precisa ee de um que saiba tratar de vaccas,
prefere-se portugus ; a contratar na roa do Mar-
Sea de Olinda n 47, 1- andar, das 11 as 2 horas
tarde.
Vinho S. itaphael
O bilbar commercial rua Duque de Caxias n
34, recebeu o importante vinho de S. Raphael,
que vende por minos que em outra qualquer par-
te, em grosso e a retalbo.
Ao publico
Urna senhora habilitada se offerece leccionar
primeiras lettras e trabalbos de aguiha em colle-
gios ou em casas particulares ; quem de seus
prestimos precisar, pode dirigirse rua do Co-
ronel Suassuna n. 72.
Aos (lenles dos olhos
Cura certa em 48 horas das ioflamacoes recen-
tes dos olhos, pelo eolvrk. prepaiado por Jos
Pedro Rodrigues da Sirva.
Emprega-se este poderoso colyri" tempre com
grandes vanfugens, as seguintes na estias :
Ophtalmiad agudas, purulentas e chronicas,
sonjuncti vites, etc.. etc.
Deposito geral na drogara de Faria Sobrinho
t C-, rua d> Mrquez de Uliqna a- 41. Para in-
lormaee dirigir se a livraria Industrial, rua
do Bar. da victoria n- 7, ou residencia do
autor, roa da haadade n. 4.
Oa atajan MMgmriat, trodo adoptado ragii-
tndo a i. aroa industrial como do deseaba tusa
ve corlarmidide cojv as presripv6ee das lea era
si^or dictan ao Uttblico e particularmente aos
tena uOtoeroaog fregueies, que dora en diante
odos os productos que zhirem da. sua botica, le-
varlo a dita arca, cosao garanta da aaa erigara
a iegitia pfocedeocia.
fifi mil 'WM leriBg
As nnicas intalWvKis e que nao repugnis as
cnanfas. Cfaegou unta r'-sorssH, e \ inde-se em
casa de
Furia otib how i& C.
IGARASSU
N. 88:200
O Dr. Francisco Xa-
vier Pijes Barreto,
pela 4.a vez rog-adt a
\\r ou mandar a rua do
Mrquez de Olinda n.
50, dar um primen to
ao numera cima.
Cosinheira
Precisase de urna boa cosinheira, que d co-
nhetimento de sua conducta ; a tratar na r a da
Aurora n 67, andar errvo.
Costones k casemira
* 36*
Na nova loja da roa da Imperatriz n. 32, rece-
ben se um grande sortimento de finisimas case-
miras inglesas oe cores claras e escuras, qne se
venden or preco omito em eonta, assim como das
mesmas se maudau stpiys por medds.
sndo de palatat s WfWO, e de fraque a
3' 4 ; asai sisal s Mfmot- Bwiglla ingleza de
cor azu< escara, a80$ e 35y, s tambem das mes-
saas faaandas ae aMaida faser qnaJquer paca avul-
a, grande pecMih ; na nova loja da Pweira
da Silva.
Agoae
Km ooartoa e iwaaa carrafas ; vendem Fari
ofcrmko C, i rna <*> Mrquez de Olinda n.
[
]
l
A La REINE DES FLETR3
Ramalketes Hoyos
L T. P/VErhm PARS
Mascotte
PERFUME PORTE-BONHr
Extracto e Coryiopsis do Japo
PERFUMES EXQUISITOS .
Bovquet Zamora .".nona du Bengala
Cvdonia de Chine
Stephania d'Australie
Hciotror;e pl noGardenia
fJouqaet de l'AJ Vhlto Ko.-c c Keranbk Poly.lor oriental|
Scuc iae '--s Prs. etc.

CONCENTRADAS (-Xfl QUAUDADE EXTRA
Ospoatos aas principas Perlumsrias, Pharmac:r.s e .: !)aUoreiros aa America.
16,600 RECOMPENSA NACIONAL 16,600
A Quina-Laroche conten todos os
principios da quina, tem um roslo multo
agradavel. ee superior aos olros vinbos
e xar-ipes i quina; contra o descax-
tnenlo lia* /bty.i yin, as c/fr (oes
do aloinago, as /cores laveceradas, etc.
VXU FERRUGINOSO
a feliz combinaco de um sal Uu fero
co.i a quina. E" recominendado contra
a pobreza do sangue a Moro-anemia, as
onsequencias do parto, etc.
Psr:t, 22, ru Di-mot. o as principas: Piarmaclas do Mundo
! EPILEPSIA t
-
HYSTERIA
*5,
a-- **&&
JtWKi '"
Gara qa&\J stun&t
AHfrfa sempr**
sen UM Da
S0L5C TIIEHT
MOLESTIAS Laroyenne
NERVOSAS
VTNS# BM *RO
JS, 7, Bulwsro Dtaic. ?. MUS
PHAR1
IA DD*E1
Bapealtulos ein Pornambuco .
Om iv
GRAGEAS
de Copahlba, Cubaba
RattMhl* a Ferro, Bismutho I
eatrfo, Urebtnthina, lf
FORTI
INJECCAO
Hyglenlca e Preservadori
tem causar
accidente Ugum.
As GR CUEAS FORTN, torio as primeiras que obtivuram a approvaflo da Academia
de medicina (183) e que adoptaram-ae uos Hospitaes. Curam aa molestiaa secretas,
mais rebeldes sem fatigar oa estmagos mais delicados.
A INJECCAO FCHTiN ataqire recommendada como o complemento da medicacSo.
Du -^ua m P.T.jmtNr .- FRAN" M. da SILVA C*. e naa principase Pbarra&i
PH0SPHATINA
Falires
PARA A
AIIMENTAgiO RACIOlAL
t9JkM
Mes, Criangas, Amas,
Conoalescentes.
Este alimento, de un sabor agradavel, precioso
sobretudo :
Para as Mes, durante a gravidez;
Para as Criancas, na occasio de desmamal-as;
Para as Velhos e Convalescentes.
A PHOSPHATINA constitue o verdadeiro alimento
das Crianzas alimentadas no seio ou na mamadeira. Nenhuma
Fcula, Conserva ou Pos ditos de alimentado para a infancia,
pode competir-lhe.
E a administrtuflo fcil do Phosphato de Caidum, que fortifica as
Criancas durante o seu crescimento.
PARIZ, 6, Aveaua Victoria, 6, PAEIZ
DapMiUriin a Ptrnunbuco : FRAM M. da SILVA k C*.
1 HYQIENICOS para \mM ii h,para SkM a hkitt
(Estes (Sabcnetes A" Mollaid perfumados,
oe maimfiaoa do BSiinao s&o excellentcs conit-,. ,.* --ti'ecQoea \
da paiL: e as Picadas
X>X MOSQUITOS.
Oppondo-se a aeco dos Miasmas < Microbios do ;- > ,las aguas
sto necessarios' contra as molestias cuulagiosa> c epidmicas.
lease a brochura EXPLICATIVA {
Exije-se a Marca de Fabrica A- MOLLARr
TEH8E-SE El TODA A PAITE IAS DBOGDEBIAS, PHAEIACIAS E PtRFOIlHlAS
Aa JOUBERTf Saccesor. Pharmacetitico de l'Classe c
^^ 8, Rna dea Lombarda em PARIZ
2' MEDICIHAES. crme d. barges m fricqoes buhos I
i,
GOTTAS REGENERADORAS
do Doutor SAMUEL THOMPSON
' Tratamento efllcaz contra todas as anecQces provenientes do entra-
quecimento Uos orgos e d systcma nervoso, ou das alteraoOes do
sangue Traque* dos Slns, Bsterllldade, Valpltae&ea, knfra-
[ qneclmento (eral, lonaas ConTaleaceneas. Este tratamento de ha multo, laconhecido
e recommendado como o malor refenerador de organismo.
O FSASOO : a FRANCOS (bu fkakoa| yj
Todo frasco tu* nao troweer a Marea de Fabrica registrada e a asgnatura^.^^A- Hulea Fthrtomf
dsvs ser rlgorosamsnte recasada ~2S--^ ASUS, Vnarmaela Oax.Hr, raa Kochecbouart, 3 Zs^ ***>
Deposito em Pernambuco ; FRAN M. da SIL.VA & C*.
raS?^IOCT^S?^'Pg3g
.Capsulas de Grimait & O13
JX
AfrovdM pela JunV central de Hygio^e pusl CaKutfo ii Essficjia de filtico coe s Mum de Ciptbili
hcu-iedio iBlkllivel pan curar a Oonort^MA, MI tsnbuncmt o|
evumat;c, nem provocar repugnatieia, fian* qaa sawt paoaaai
to-laa aa napaias d oopahiba HonidB.
Depotito w PtP. Hrm. OPIMAULT Cto, 8, ru fMfinn* |
Mi jwmljina, ffcaniiit a snrsmsakm U f irtwjii 4
)
25|000
Alaga se ama cpsa terrea travesa do Prin-
cipe ; a cbave se encontrar rua da Atracco
numero 12.
Cozinheiro
Precisa-se de um bom cosinheiro, hornera ou
mulher : a tratar na rua da Aurora n. 77.
Declarado
Ficam transferidas para correr com a ultima
lotera de fevereiro as accoes entre amigos que
corriam eom a primeira lotera do mesmo mez, a
qual comprehende os objectos seguiates : ama
machina de costura, um relogio, um annel e tres
quartos das de cem.
Este collegio acha se abertu rua Velha n. 4C,
e recebe alumnos internos, semi- internos e exter-
nos.O director,
Ovidi oves Manaya.
Viva o carnaval
Comprase vestuarios novos e usados ; na rua
da Imperatriz n. 78.
Borracha especial
para limas ; rccebpn a mercearia de Groncalo Jos
da Gama, raa do Padre Florano n. 41.
jet
^ Ja Wy ff*

Compra-se e paga-
se mais do que em ou-
tra qualquer parte bem
como
de qualquer qualidade.
IMa rua ii. 32, loja de joias.
Julio Fuerstemberg.
RffOHPBMbllI.83"'
Mendonca & C.a
()s proprietarios deste esabolecicnento no in-
tuito de ingariarem o aaior numero possivel de
fregnezes, resolverem molificar aensivelmente os
preces das fazendas.
Objectos para senhoras
Merinos pretos e de cores, setins c setinetas
lisas e lavradas. lacos modernissimos, casacos pre-
tof, cortes de cachemire bordados de sed, saias
bordadas, alpacas e lis de cores, fustoVs brancos
e de cores, esp>.rtilhos. meiaB de cores, cruus e
alv.s, belbutinas, cintos de coro, collarinbos e pu-
nhos, fiebs e out.ua muitos artigos.
Objectos para homens
ROUPA POR MEDIDA
Camisas francezas, ceroulas, camisas de ineia,
collariuhos, punhos, pUstrons, gravatas. manta:,
lencos, moias, casemiras pretas c de cores, brins
especiaes e oittros artigos.
Tapetes, panos c colchas de crochet, cortinados
atoalhados e bramantes etc.
Venezianus
Compra se de duas i quatro veneziauas de ma-
deira, com correntes de metal, das modernas, com
pouco uso ; no p.imeiro andar n. 22, rua larga
do Rosario.
Roda da Fortuna
Foi vendido por esta casa o bilhete n. 21,046
com o premio de 40:000000 da lotera de Ala-
gas, assim como todas approximacoes.
Oiimii tero
)
Oars e prata : compra se ouro, prata e
pedras preciosas, por maior pre9o que 'n outra
lu.i.quer parte : no 1 andar n. 22 rua !arga do
tiosario, antiga dos Quarteis, das 10 horas as 2 da
"arde, das uteie.
Verdadeiro cimento inglez
Marca Pyramide
Vendem Fonseca Irmos Se C, ru da Madre
de Deus n. 12.
O Vl2r co
Cabello
Ayer
(Aycrs Ha ir Vigor)
vmuraoc e cr umes
f
fnrrMKM sai KM
na* O CABELLO,
TOHNANDO-0
MA.CI0. FLEXIVEL E LUSTROSO.
ftttarado p*>OrJ.CAyEHaA.lowtlMai'.:'.~.'
t
./
Atten^o
Aluga-sc a casa do Largo do Conselheiro Joo
Alfredo n. 2 na Magdalena, serve para moradia o
tambem para neg -io por ser bastante atregua-
zada para hotel tratar na rua da Iraperatri
n. 56.
VENDAS
Tainhas
Vendem se em b.-trris e em qnartolae, e mais
baratas do que em ou'ra qualquer parte ; na rua
de Pedro \ff>nso ns. 5 e 11. ___________^^
Correias
de sola iagleai, de i ma e de borrachi, de diver-
sas larguras e grossuras ; vende-s<3 barato na
undicao Viilaca, rua do Brun n. 54.
veKse
Doce de caj secco,
na rua de S. Jos n.
16.
\\

r
Sitios e casas para ah
gar-se
Aluga-se o sitio do Abrigo, nos Arrombadosou
Duartc Coelbo, com gmnde sobrado para morada,
cocheira, casa para criado, 600 pts de coqueiros,
mnitas outras f ucleiras, oito vi ve iros, com pro-
porcoes conservar se vaccas para dar leite, e
muito prximo a urna estaco da via-frrea de
Olinda. Tambem aluga-se um grande sitio na
Torre, om grande casa para murada, quartos
para criados, eicheira para carro, estribara, mni-
tas fraeteiras e baixa para capim
Escola part colar
De inatruccMO primarla para o sexo
mascalino
34 Rua da Matiz da Boa-Vista34
O abaixo assignado participa ao Ilustrado pu-
blico desta capital, que atrio sua escola particular
de iiiatnicco primara para o sexo mascrlino.
rna da Matriz oa Boa-Vista n. 34, onde esmera
damente ee dedica ao ensmo de seus alumnos.
O grao da escola consta : ler,escrever e contar,
desenho linear, histor'a patria e nocoec de tranez.
Garante um r .pido adiuutamento em seus alum-
nos, pelo seu pystema de eiisn), o qual urna pa-
ciencia illimitada, um amjr inviolavel e urna es-
merada dedica cao ao ensino, tazendo com que os
seas deeipulos ubracem e amem de coracao as let-
tras, aos livros, e ao estudo, guiando oo no caroi-
nho da intelligencia, da honra e da dignidade,
afim de que v^nhsm a ser o futuro sustentculo
da patria, da religiao e da lei, e um verdadeiro
cidado brasileiro
Espera, pois, merecer a confian ci e a proteccSo
do distincto povo pernambucaie em particular
tem f robusta em tolos os paii e utores de me-
ninos que queiram aproveitar um rpido adianta-
ment de|seus filhos a tutelados.
Com quanto ousada seja esta tentativa, todava
espera qne es seus incansaveis esforcos, e os seus
purs deejos, sejam coroados com a feliz appro-
vaco de todos os filhos do imperio da Santa Cruz.
Mensalidade2*000 pagos adiantados, no acto
da matricula.
Horario das 9 horas da manha s 2 da farde.
Recebe meninos internos e meio-pensionistas
por menealidades razoaveis e lecciona per casas
particulares a ambos os sexos.
Julio Moars de tzevedo
34-RUA DA MATRIZ DA BOA- VISTA34
Tiras bordadas
loo. to, i o e soo
Para o carnaval
rs
WHISKY
ROYAL BLEND marea ViADO
Este excellente Whisky Escessez preferive
ao cognac ou agurdente de canna, para fortifica-
o corpo.
Vende-se a retalho nos melbores armasens c
olbadoa.
Pede ROYAL BLEND marca VIADOcujono-
me e emblema sao registrados para todo o Brasil
BROWNS &. C, agentes
4 loja das estrellas
Raa Duque de Caxias n. 58
Liquidu ;>s Megnlntea 'faiendan com
5 f fe abate
Gorgoro de seda preto, do preco de 4*000, a
15600 e 2J o metro.
Bramante de linho cem 10 palmos de largura,
de 3*500 2* o metro.
Dito de algodo idem dem, de 1J500, i 1J o
metro.
Atoalhado, duas largaras, lindissimos desenhos,
de 2*400, 1|300 o metro.
Dito trancado, alvo, de duas larguras, de 1:700
1:200 o metro.
Dito dito cr, dem idem, de l:2u0 800 rs. o
metro.
Madapolao Beavista verdadeiro, 6:500 a peca.
Guardanapo grandes para jantar, de 8:000
4:000 aduzia.
Ditos ditos para almoeo, de 4:000 2:500 a
duzia.
Toalbas felpadas, de 5:000 4* a duzia.
Dita& alcochoadas, de 4* 2:500 a duzia.
Meias inglezas para homem, de 7:000 4*.
_ Ditas para senhora, de 10:000 6*.
Lynon de ama so cor para vestido, de 800 rs. 4
400 e 320 rs. o oovado.
Cortes de cambraia bordados, de 12:000 8:500-.
Casacos Jersey bordados a 12*.
, Gorgorinas de seda, de 1:800 i 600 ti. o co-
vado.
Merinos de todas as corea, de 1.400 800 rs. o
covadot
Ditos pretos, de 2:000 1:200 o covado.
Rendas da Indk a 240 rs. > cof do.
Setim cor de rosa e escarate a 830 rs. o covado.
Orleai-s de todas as cores, de 600 rs. a 320 rs.
covado.
Leques Joanita, 1 e 2' acto a 1* um.
Lacos modernos a 1:500 um.
Chapeos de s.-l pua senhora a 1* um.
Lencos de esguio de linho a 1:800 a duzia.
Ditos de cambraia de linho, de 8:000 4* a
duzia.
Meias de fio de Escossia, de 20:000 8:000 a
duzia.
Anquinhas a 2*000.
Planella para costumes a 1*100 o covado.
Cortes de casemira, de 5:000 a 3*.
Panno ii glez paa eestnmes, de 5:000 2*.
Brim pardo lona, de 700 e 500 rs. 320 e i40
rs. o covado.
Dito de cores variadas a 200 rs. o covado.
Aberturas para camisas, de 20:000 a U000 a
duzia.
Meias de o da Escossii para homem, de 7:000
i 4* a duzia.
Cnllarinbos de linho com pequeo toque de mofo
a 2* a duzia.
QPunhos idem idem, a 800 rs. o par.
E muitos outros artigos que se vendem com o
mesmo abatimento. Telephone n. 210.
Fazendas branca
s
i
40
4
S aa nova loja a. 33 ma da Imperatriz, ae
vende um grande sortimento de bonitas tiras bor-
dadas, proprias para enfetea, sania largas e es-
treitas, pelos baratiesimos preooa de 100,120, 160
e 200 rs., ten do dons metros cada paca, 6 grande
pechincha. Assi o como um bom sortatento de
ganga amarella, verdes e encantadas. ose ae
raadess barato : aa Ufa da Pamira da SiYva, i
roa da Imperatris n. 32.
SO' AO NDMEXO
rna da Imperatriz
Loja dos barataros
Alheiro & C, rua da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sartiincnto de todas est abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodaoPecas de algodaozinho com 20
jardas, pe'os baratos presos de 3*800,
4|, 4*500, 4*9(0, 5g, 5*500 e
MadapolaoPecas de madapolao com 24
jardas a 4*500, 5*. 6* at
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas branc Cregnnlla franceza, fazenda rrmito encor-
pada, propria para lene es, toalbas e
eeroalas, vara 400 rs. e
Ceroulas da merma, muito bem fitas,
a 1*200 e
Colietinhos r"a mesma
Bramante francs de algodao, muito en-
oorpads con 10 palmea de largara,
6f500
12*000
800'
1#80
500
1A0O
Dito da liabo ingles, de 4 larraraa,
tro a 2*500 e
1*880
J


Diario de PernambucoDomingo 14 de Fevereiro de IS86
-
Aojaihado adamascado para toalhas de
meta, coa 9 palmos de largara, metro
Crotones e chitas, claras e eseacaa, pa-
dres delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ba de mai delicado no
marcado, rs. 200
Todas estas faatndat baratissimas, na conhecida
loja de Albeiro & C, esquina do becco
dos ferreiroa
Algoda entestado pa-
ra emjocs
A 90o n. e lSooo o metro
Vndese na loja dos barateiros da Boa-Vista
algodSo para lencoes de nm s panno, com 9 pal-
mos de largura a 900 rs., e dito com 10 palmos a
lf 000 o metro, assim coma dito trancado para
das de todas as qoalidndes, que se vendem por
1|800 procos baratissimos, assim como um bom sorti-
meato de roupas para houens, e tam'sem se man-
400 da tazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre aliaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras* e brins, etc.
3
S
a da imperairl*
Loja de Pereira da Suva
Neste estabeecimento vende-se as ronpss abai-
zo mencionadas, que sao baratissimas.
Palitots pretos de gorgoro diagonaes e
acolchoados, sendo fazeodas muito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cordo, muito
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
toalhas de mesa, com 9 palmos dadeira, e forrados
Calcas de gorgoro preto, %colchoado,
sendo fazenda muito encorpada
Dito de casemia de cores, sendo muito
bem feitas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas
7*000
10*000
12*000
o metro. lato na laja de Alheiro t C, esquina
do becco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e 2* o covado
Alht-iro A C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem muito, bous merinos pretos pelo preco cima
dito. E''pechincha : na loja da esquina do bec-
co dos Ferreiroa.
Ivsnarilhos
A 5J000
Na loja da rna da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhora*, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiroa.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 34 o covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um eleganto sortimento de casemiras ingle-
zas, de duas larguras, com o' padrees mais deli-
cados para costumi', vendem pelo barato preco
de 2*800 e 3)J o covado ; assim como se enearre-
de mandar facer costumes de casemira a
-- sendo de paletot sanco, e 35* de traque,
le pech nena .- na loja dos barateiros da Boa
12*000,
5*500 |
6*500,
8*000'
SAO AS SEGUINTES PARA, ACABAR
59-Rna Duque de Caxias-39
Toaile de nice, lindas cores, l, 1*400 o co-1
vado.
Damac de seda bordada a 1* o dito.
Sedas bordadas, finas, a 1*800 e 2* o dito.
Setim Maso de todas as cores, a 1* e 1*490 o
dito.
Dito dito preto, a 1*200, 1*500 e 2* o dito.
Cachemiras para vestidos, a 1* e 1*400 o dito.
Grorgurinas matizadas de todas as cores, a 400
e 500 re. o dito.
Setinetas lavradas e lisas de todas as corea, a
Me 660 rs. o dito.
Faile com lindas cores, a 460 e 640 rs. o dito.
Mirins pretos al*, 1*200, 1*400 e 2* o dito.
La de quadrinhos, cores lindas, a 700 rs. o dito
Dita de todas as cores, a 400 e 560 rs. o dita
Popelinas de seda a 300 e 320 rs. o dito.
Alpacas lisas, finas, a 360 e 460 rs. o dito.
Fustao de cores para menino, a 320 e 300 rs. o
dito.
Casemiras pretas a 2* e 2*200 o dito.
Ditas de cores a 1*500 e 2* o dito.
Dita* ditas finas, inglesas, a 3*500 e 4* o dito.
Cortes de casemiras com tuque de mofo, a 2*800
e 3*400. '
Ditos de dita perfeitos, finas, a 6*500. 7*500 e
10*.
Damasco de l com 8 palmos de largara, a 2*
o covado.
Dito de algodo a 600 rs. o dito.
Dito branco bordado a 1*500 o metro.
Atoalbado de linho fino, a 1* o dito.
Cortes de cazeneta a 1*400, 1*800 e *.
Fechos de pellucia, 6* e 7* um.
Ditos arrendados, a 2*500, 3*500 e 4*500.
Ditos de seda, lindas cores, a 3* e 3*500.
Chales de casemira, a 3*500. 5*500 e 7*.
Ditos de algodao.a 1*, e 1*800.
Colchas de cores a 1*500 e 2*.
Ditas portuguesas (muito grandes) a 12* e 14*,
Ditas de crochet a 10*, 12 e 15*.
Capellas com veo (para noivas) a 10* e 16*.
Enxovaes para batizado, a 10* e 14*.
Camisas para senhora, a 3*500 e 5*.
Saias dem idem, bordadas, a 4* eq k*500. a
Toalhas de laberntho ricas (para baptizado)
60* o 80*.
Cretones ara vestidos, lindos padrdes, a 280,
360 e 440 rs." o covado.
Chitas claras, finas, a 240 e 280 rs. o dito.
* roa Duque de Casia*) n. SI
MroilaGiia&GV
grande
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
poreao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato pr. co de 320
rs. o covado, grande pechincha : na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordadon a lOOr. a peca
A rna da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
borda'o, doua metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao eom 50 pecas, sorci-
das, por 5J, aproveitem a pechincha ; na loia da
esquina do becco dos Ferreiroa
Crande liquidacao
de plame*
17 Ra io Barita da Victoria l m
Exposlfo universal
Camisas naciones
a teoo. 3000 e S*500
32 = Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabeecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber-
turas e punhos de linho como de algodo, pelos
barates precos de 2*500, 3* e 4*. sendo lazenda
muito melhor do que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortada* por
um bem artista, especialmente camiseiro, tambem
se inunda fazer por encommendas, a vmtade dos
freguezes : na nova loja da rna da Imperatriz n.
3 de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
m* Ra da Imperatriz :l*
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabeecimento encontrar o res-
peitavel publico um variado sortimento de fs-zea-
3*000
1*600
1*000
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brisa pardo, a 2*, 2*500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Collctinhos de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos de
linho e de algodo, metas croas e collarinhos, etc.
Isto na loja oa ra da Imperatriz n. 32
R i sea dos largos
a O rs. o covado
Na loja da roa da Impertriz n. 32, vendem se
riscadinhos proprios para roupas de meninos e
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covado,
tendo quasi largura de e-hita francesa, e ass>m
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o cova
do, e ditas escuras a 240 rs., pechincha : na
loja io Pereira da Silva.
Fut6e*. etlneta e lziahaa a SOO
n, o covado
Na loja da rna da Imperatriz n. 32, vende-se
um grande sortimento de fustoes brancos a 500
rs. o covado, lzinhas lavradas de furta-cores,
fi-zenda bonita para vestidos a 500 rs. o covado,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas as
cores, a 500 rs. i covado. pechincha : na loj .
do Pereira da Silva.
Merinos pretos a l00 e 1*600
Vende-se merinos pret>s de duas larguras para
vestidos n roupas para meninos a 1*200 e 1*600
o covado, e suoerior setim preto para enfeites a
1*500. a-sim como chitas pretas, tanto lisas como
de lavoures bramos, de 240 a' 320 rs.; na nova
leja de fereira da Silva ra da Imperatriz nu-
mero 32.
tlKodHozInho francs para lencea
KOOr.. 1* e llOO
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-se
perores algodaozinhos francezes com 8, 9 e 10 j
luios de largura, proprios para lencoes de um '
s panno, pelo barato preco de 900 rs e 1*000 o
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, as
sim como superior bramante de quatro larguras
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na loja
do Pereira da Silva.
Itoiipa para meninos
A I*. 1*500 e A
Na nova loja da ra da Imperatriz fe. 32, se
vende un variado sortimento de vestuarios pro-
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci-
nha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, ditos
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgoro preto,
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; na
oja do Pereira da Silva.
F iisl es de se ti neta a AOO rs, o
covado
Albeiro & C. ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de fustoes braneos pelo
baratinho preco de 400 e 500 rs. o covado, assim
setinetas lisas, tendo de todas as cores a 500 rs. o
covado ; na loja da esquina do becco dos Fer-
TE
DO
CEA
EXTRACTO NO DA lli
FEVEREIRO
NSFERIVEL
O portador que possuir dous vigsimos desta importante
loleria est habiitado a tirar 25:ooo$>ooo.
Os bilhetes acham-se a venda na Casa da Fortuna ra
Primeiro de Margo n. 23.



CORRE A16 DE FEVEREIRO DE 1886, SEM FALT.
L
i Ll ST A G ER AL N B.- O prxynio prescrevera 3 K +~-~r
- * ^s. w i-l-TI Wm B 1 MTi um anno depois da extracto.
DOS J PREMIOS DA i PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LE PROVINCIAL N. 1679, EM BENEFICIO DA MATRIZ DE VTCENCIA, EXTRAHIDA EM 13 DE FEVEREIRO DE 1886
JS. PREMS. NS. PREMS. 10 u 234 4<$ 525 4d 746 44 979 4 1203 49 1425 4* 1663 4 1900 44 2101 46 2360 46 2597 44 2313 44 3096 44 3345 4 3552 4 3781 88 90 91 ss 97 99 44
14 50 96 30 49 ^m 86 4 27 64 3 5 66 98 17 3106 - 46 56
16 60 u 35 __ 50 __ 90 __ 6 30 3*6 81 6 96 7 67 2603 s* 20 9 - 52 57
20 23 - 61 70 mi 36 43 62 63 94 96 7 8 34 38 44 87 88 ^m^ ' 13 15 44 11 16 __ 71 73 4 6 44 29 30 z 10 11 58 60 61 64 -
26 86 45 68 1001 -- 25 _ 41 90 18 19 74 7 35 12 62 lJf 68
30 __ 91 _ 50 70 3*6 2 27 __ 45 93 --- 21 S 24 - 80 - 11 40 l 19 69 44 76
38 95 51 71 4 8 __ 41 mm 55 97 22 46 33 82 25 44 44 25 70 77 3801 *
47 mm^ 96 58 73 10 42 57 98 --- 28 34 83 37 46 4 28 76 80 4 -
49 307 _ 59 74 15 __ 43 62 1704 --- 33 - 50 87 - 43 55 46 30 81 82 9 ^
62 _ 13 63 84 17 47 67 10 --- 34 56 90 - 4o 59 38 82 85 10
65 15 64 _ 87 21 49 72 11. --- 39 57 91 46 64 47 - 84 86 14 '
67 20 65 800 23 56 __ 74 17 --- 42 58 IB 95 49 66 48 - 94 91 15 aasaaB
71 _ 26 _ 80 8 34 59 ... 80 36 45 66 44 98 - 54 - 73 59 - 99 \ 98 26 CO 84
72 ^^ 30 ., i 82 9 42 So 63 __ 82 40 96 55 73 99 57 90 60 lOO 3406 3606 28 42 46 49 50 60 62 64 44
75 ^mm. 31 83 18 _ 55 4 70 95 96 47 46 60 - 78 2406 - 60 94 61 44 12 13 2
78 _ 39 __ 85 ..a 23 _ 72 78 72 __ 1502 46 55 h-: 62 S 87 __ 50 *<> 88 _ 25 1 78 6 57 6 75 46 82 19 71 98 67 - 20 32 164 ~
93 _- 52 u 91 __ 26 4 79 a6 86 10 60 46 80 83 m" 20 72 2904 73 22 34 44
97 111 59 61 93 97 6 30 31 81 91 98 U 94 96 18 20 mmmM 64 69 __ 86 88 z 84 86 36 41 - 74 77 6 10 .84 79 -82 26 28 35 38 14 44
18 - 63 604 U 36 1302 27 78 89 88 90 98 2201 mm 53 - 78 16 96 85 29 49 82
19 23 26 27 31 34 36 64 70 84 * 7 9 14 39 40 46 49 43 45 50 '-_ 1100 6 8 9 10 13 14 12 14 17 28 42 46 84 94 1804 46 92 93 94 %*6 46 06 -58 1 59 79 81 85 22 43 44 46 90 91 92 30 33 34 51 54 58 98 3900
Haa 86 97 98 99 4tS 53 55 61 65 * 18 23 28 32 -- 61 52 61 64 5 8 10 12 95 2007 8 9 9 10 19 28 64 l:ooo 67 46 70 -72 74 92 96 2703 6 - 48 55 58 61 96 -98 3209 13 35 36 40 46 69 80 82 84 - 4 5 11 14 -
39 1006 402 50 $ 69 16 40 68 13 14 31 11 7l' 14 51 85 - 17
40 U 5 65 46 73 22 53 74 15 22 46 39 80 13 80 21 r- 59 86 20
43 _ 6 70 71 mrr 78 24 58 76 18 33 47 95 - 20 84 22 61 - 92 21
44 ^^m 10 79 33 65 77 24 30 49 '6 - 33 - 89* 25 3 4 66 - 96 8 23 ~ 1
47 _ 12 _ i 75 88 34 67 m 81 I 26 - 38 57 l'O.i 36 98 30 44 75 3714 t 26
48 _ 19 77 89 41 _ 69 83 46 7 -r 4a - 59 _^ 7 37 3000 34 - 81 18 - 27 > 1 *
51 4:ooo 25 79 903 43 _^^ 73 J. 86 28 47 82 __ 10 - 38 2 -- 41 83 - 20 32
54 4* 34 - 86 5 51 77 87 30 52 87 __ 15 39 - 5 42- 89 21 - 33
63 41 _ 93 ^m 11 55 84 96 _ 33 96 55 ~ 94 __ 18 43 - 9 47 91 1 22 _ -. 34
76 _ 48 _ 99 19 _ 56 87 __ 1608 _ 39 46 59 96 __ 19 52 17 51 97 24 - 51
86 __ 53 l 701 36 59 *_ 89 15 mmm. 44- 60 2302 - 22 59 21 m 98 25 ~ 54 >7 14
SS 60 4,5 2 40 68 ^_ 90 17 mm 49 1 9 1OO 23 - 6 22 70 99 28 44
92 *. 68 _ 9 -- 44 - 72 6 93 20 _ 62 67 19 46 34 63 27 73 - 3504 36 59
94 _ 64 _ 15 55 76 U 97 2 ( 66 71 22 l 40 - 67 35 86 - 13 38 64 ---
.200 M 66 . 8 wmm 56 77 1401 ___________ 72 73 30 u 50 69 av 36 S 92 20 50 65
1 .._ 68 _1L|> 22 mm 58 M 85 ^mm 2 30 __ 76 mt 82 33 51 96 70 44 37 4 94 33 004 57 66 |
7 71 25 _ 59 90 __ 6 _ 33 aaaaa 77 __ 83 37. 63 46 13 44 3300 34 4,5 5> _ \ 6y 1 8
21 _ 81 ^^ 27 ^^ 60 mt 93 ___ 6 42 . 78 - 8o 54 65 - 80 84 48 . S4 25 35 64 77 4J
25 ^^ 90 _ 35 ^^^ 73 _ 96 _ 9 46 mmm 83 . 94 56 iW 68 86 [*# 60 44 28 39 84 1 70 - 80
-26 , 51 Si 36 mm 75 98 18 51 (SZM 96 96 * 57 44 70 91 44 71 31 48 44 72 _ 90 1 i
30 21 *t 43 * 78 1202 20 5.' i(J 98 --- 97 "* 59 -" 87 _ 96 _ 81 ~ 33 49 74 98 a ,
.




V

8
Diario de PernanibucoDomingo 14 de Fe vertir o de 1886
UTTERATBV
OS FILHOS
DO
BA.3NTX3X3aa
PO&
s. cAPsan
o
TSH33IRA FABTE
Bario de raadalr
( Continuadlo do n. 35 )
xvn
O BAPTO
E o senhor de Guise, que estava ao pi' Com urn railhao de diabos nao fara
de Catharina, e que por consequencia tudo o favor de se calar! exclarnou brutalraen-
Com o senh r de Bernac ? excla-rr
o barao.
_ Sim.
Ah !' entilo, est perdida !
_ Perdida! bradou a pobre mtle levan-
tando se coa a maior energia.
La Chesnaye La Chesnaye i grita-
vara com maior vehemencia ; o seguiu se
grande tumulto na primeira sala.
A nos disseram os gentishomens pon
do-sena defensiva.
Urna onda de lacaios penetrou no pala-
-L Os giriantesl bradavam elles, uns
com medo, outros com certa expresso de
alegra. .
e repente esta onda abnu com violen-
cia para dar passagem a um homem.
Este homem vestido com o habito bran-
co era Van Helmont.
~ Os giriante teem cercado o palacio,
diziam os criados.
__Nadareceiem senbores.nadareteiein.
dwaa Van Helmont com a sua voz incisi-
va. Os guiantes, conduzdos por mim,
cercan o palacie, verdade, mas as suas
intencocs nao sao ameajadoras, sou eu que
o affirmo Obrando assim, serve o re e
a justija, e os gritos dos criados, sm ra-
san assustados, ou talvez cmplices da
traijo, engaaran os sobre as intenc3es
dea que dirijo. Nao roubamos era assassi-
namos, pelo contrario, perseguimos uro
assassino e um ladrito.
~ Quem sois? que procuraes? disse o
seahor d'Aumont, no meio do silencio que
se seguir s palavras do recem chegado.
Chamme VanHelmont, senhor pre-
boste, e aquelle a quem procuro e persigo
chamase La Chesnaye.
La Chesnaye disse o preboste.
_ La Chesnaye repetiram os convida-
dos. ... v
Ricardo que nao espr-rava v?r all Van
Helmont, firou mudo e atterrado.
Siro. La Chesnaye repetio Van Hel-
mont elevando a voz." Elle os seus cumph-
ces aprovtaram a liberdade. do baile de
mascaras para se introduzrem n esta pala-
cio ; elle ou os seus cumplices aqu.
Todos ticaram espantados.
La Chesnaye aqui 1 exclarnou a mu
tidao. .
_ Um homem vai pr-nos no rasto do
^bandido, senhores, continnou Van Helmont;
este hornero aquelle a quem chamara o
conde de Bernac 1
O conde de Bernac! exclarnou a se-
nhora o'Aumont lembraudo-se do aua ti-
Iha.
O conde de Bernac repetio o barao
de Grandoir ; elle est aqui ?
Que appareca disso Van-Helmont
avancando.
O conde de Bernac 1 diste o senhor
de Guise ; mas elle foi arrebatado oossa
vista, no momento ero que se ouviram os
primeiros gritos. ,
Elle, arrebatado exclarnou Vaniiei
mont pulando furioso. Querem dizer que
fugio ; porque o homem a quem chamara o
conde do Bernac, o individuo, que tomara
por um gentilhomero, esse individuo enga-
nou-os, porque um bandido ; finalmente,
porque se chama o capitn La Chesnaye.
La Chesnay.! repetio a inultido es-
pantada o sam poder acreditar.
Sim, La Chesnaye, repetio Van Hel
mont.
Mas, minha filha. Diana, dizia a
senhora d'Aumont, que seu marido em vao
proiurava socrgar.
_ Foi levada com elle, disse o duque.
A baroneza Catharina e a menina d'Au-
monte foram levadas por um homem ves
tido de deus Mercurio e por outro. O que
matou este infeliz
vira, apontou para o corpo ensanguentado
do infeliz polica.
Giraud exclarnou Van Helmont in-
clinando-se para o ferido que logo reco-
nheceu.
Girand I repetio Marcos admirado de
encontrar no meio do baile, aquelle que,
quando chegou ao palacio, vira porta en-
tre es criados.
Mas, disse de Guise, eu vi o conde
Bernac ser levado violentomente d'esta
sala pelo bandido.
E nos taaitera vimos! gritaram vinte
vozes.
Entao, este bomem engaase aotu-
sando o conde.
Finalmente, disse Van Helmont, ha-
de esclarecer-se a verdade. Por onde fu-
giram aquelles que levarara a menina
Diana ?
Por esta sala, responderam rauitas
vozes.
Persigamol-os.
A porta est fechada I gritaram al
gentishomens, que tinham corrido
porta da sala azul.
Vamos arrombal a !
Minha lha 1 a minha filha I dizia a
senhora d'Aumont, cuja dr era espan-
tosa.
Hei de achal-a minha senhora. .
disse Marcos com voz firme.
E correu para a porta que resista aos
esforcos dos que a atacavam.
Oh! exclarnou o preboste, designan-
do um gentilhomem collocado ao p delles.
D. Pedro diz rae que esta sala comrjunica
com os seus quartos particulares, e que os
raiseraveis talvez fugissem pelos jardins.
Nao tenhain esse receio, exclarnou vi-
vamente Van Helmont. O palacio c os
jardins estilo cercados. Um homeai por
quem respondo vigia da parte de foia com
os giriantes. Ningueai escapar e veremos
se encontrando o conde de Bernac, nao en-
contramos o capital L.i Chesnaye.
XIX
A DEFEZA
O primeiro cuidado de Mercurio e de
Caraaleo depois de terem entrado na sala
azul com Humberto, Diana o Chatharina,
tinha sido fechar as massijas portas, que
os dous irmaos tinham examinado com um
cuidado to minucioso e com urna satisfa-
c2o tao evidente alguroas horas antes.
Humberto arrastando um magnifico ar-
mario encostou-o porta, fazendo com elle i
urna especie de barricada.
Bancas, cadeiras e todo3 os outro3 mo-
vis foram auiontoadas pressa, formando
assim uina especie de baluarte.
Como a sala tinha s urna j -mella e era
situada no segundo andar, nao so podia es- da de ferro,
te Mercurio.
Diana recuou petrificada de terror dian-
te desta exprsalo grossera.
Catharina 1 a chave desta porta, dis-
se Mercurio designando a pequea corarau
nicacao secreta por onde tinha saido Rey-
nold.
A chave ? repetiu Catharina.
Sim, dac depre-sa, pelos quinhen-
tos mil diabos do inferno avia-to.
Mas nao a tenho, exclarnou a bar.)
neza.
Nio a tena ? Nao tcns a chave ?
Nao, j t'o disse.
Entilo quera a tem? berrou o bandi-
do acompanhando estas patavras com urna
horrenda' praga.
Reynold tirou m'a.
E levou-a ?
Provavelraente.
Que todos 08 santot sejain malditos.
Meu Deus meu Deus I com quem
estou I balbuciou Diana.
Humberto nlo a ouviu. Elle e Carae-
leSo faziaro diligencia para "arroinbar a
porta secreta.
Minha mi I meu pai! soccorram-me!
bradava Diana.
A pobre menina ainda no comprehendia
todo o horror de aua desgraja, mas aquel-
les que a cercavam oausavam lhe medo.
Cala-te, gritou Mercurio.
Soccorro soccorro continuou a po-
bre Diana.
Nilo te calars?
Poe-se-lhe urna inordajal disse trn-
quillameuto Humberto.
Mercurio tinha agarrado Diana e tapa-
va-Ihe a bocea com a milo.
Catharina offerooeu framente o seu
lenjo.
A bulla e o tumulto couiinuavam da
parte de fra.
Era n'este momento qui Van Helmont
entra va na pr i ra ira sala.
Diana debatia-se com um furor que du-
plica va as suas forjas sob as maos que a
apertavain.
Catharina correu a auxiliar Mercurio, e
este agarrou fortemente a pobre menina,
euiquanto a amante do bandido lhe punha
a mordaca.
Diana faltando-lhe as forjas e a respira-
cao deixou se cair como flor delicada derru
bada pelo tufao.
Mercurio atirou com ella pira cima de
urna cadeir.i.
- Ao uieuos agora dcixa-no3 em paz,
disse elle. E voltando-se para Humbarto :
Entao?
- E' impossivel forjar a fechadura. O
m: roto que a fez nao roubou o dinheiro I
respondeu Humberto.
Entilo arrumbamos a porta.
Tambem nao possivcl. E chapea-
perar surpreza por este lado.
Estes preparativos do defeza foram exe-
cutados com tanta rapidez que ainda rei-
nava na sala o tumulto occasionado pela
noticia da chi-gada de La Chesnaye e j
elles cstavam acabados.
C.i:nalao tinha posto Diana suffocada
pela comraojo e pelo medo em urna ca-
deira collocada no meio da casa.
Catharina, ropassvel corao urna mulher
habituada aos acasos da vida vagabunda e
criminosa,- Cvtharini, que nem sequer se
lembrava do heraem morto a seus pos al-
guns minutos antes, morto por ella e pelos
seus, do hornero," cujo violento amor e des-
grajada vida conhecia, Caihariua aproxi-
mara-se framente de Diana" e depois de
lhe ter tirado a mascara, contemplou-a com
grande attenco.
Nao tao bonita como eu !
Tal foi o resultado da observajao da ba-
roneza, acompanhada por um suspiro de
satisfcelo.
Depois como a curiosidade e o amor
proprio satisfeitos dessero lugar a corto
sentimento de coinpaix&o pegou em frasco
de espiritos e chegou o ao nariz d* pobre
menina.
Os gritos dados na sala de dansa, os
berros dados na ra psnetravam confusos
na sala azul.
Diana tarnou ajsi.
Henrique Henrique exclarnou ella
levantando-se e correndo para Humberto,
Henrique, conduze-rae a minha raSi.
Diana! que lembranja respondeu
Humberto pegando-lhe as mSos, neces-
sario partir.
Minha mili minha mai! disse a po-
bre menina.
Diana cala-te, disse o conde de Ber
nac tomando-a nos bracos.
A pobre menina fugiu delles com vio-
lencia.
Minha mal quero ver minha mili!
dizia ella.
ex
Cora um roilhiio de diabos. Entao
seremos apanhados aqui, como os ratos em
urna ratoeira !
E Rjynold que nlo appareca
clamou Catharina.
Todava, cu ouvi o sgnal!
Os gritos so a m bem distinct03
pondeu a barcueza.
Os giriantes ata' aro o canal.
Mas Reynold. .
Reynold ? repetiu Humberto.
Que
FOLHETIH
A FILIA 00 SINEIRO
POR
:. S 201K0SS7
< Continuayivo do n. 38
A's vezes acbava occasiao do arris-
car a vida, tazendo parar um cavallo
disparado, ou atirando-se agua para sal-
var algum desgranado que se tinha lanja-
do ao rio ; esses incidentes, porro, n5o
bastavam para satistazer a sede de dedica-
jo que o devora va.
Sonhava generosidades impossiveis e o
trabalho incessante que se operava no seu
cerebro conservava esse bretao exaltado
em um estado de superexcitasao rauito pre-
judicial ao aeu repouso. Oastsva o cora-
yo forja de o empenuar em causas no-
tares e o cerebro forja de pensar em pro-
jectos heroicos.
Sonbava tambem em amare ser amado ;
mas nao achava collocajao para os ardores
que o consuman, porque nao era honem
para formar essas relajoes passageiras que
bastam a quasi todos parizienses, e corre-
raro os annos se.o o acalmaren).
O encontr com Rosa Verdire veio mu-
to a proposito, e, procurando tomara vel-a,
elle pjda esperar que i a descubrir algum
meio de auxiliar um homem injustamente
aecu^ado.
Depois que Fabreguette retirou se, elle
dirigio-se ra do Clotre Notre Dara^. A
iropressSo tinha-sc acalmado e o adro co-
mejava a voltar ao seu aspecto a costuma-
do, comquanto ainua houvesse gente reuni-
da no lugar que a desgrajada tinha inun
dado do seu sangue. Dous policiaes tinham
ficado de plantSo para guardar a entrada
da escada das torres e Meriadcc disse de
si para si que elles ter recebido ordem de
nao deixar ninguem entrar nem sabir.
Concluio d'ahi que, se o verdadero cul-
pado ainda estava l ero ciaa, nao poderia
sahir sem dar ai explicajdea que os poli-
ciaes nSo deixariam de pedir-lhe; mas
que, por outro lado, tambero nilo o deixa-
riam passar sem urna licenja que n&o que-
ra ir pedir ao commissario. la desistir do
oeu projecto, mas lenibrou-se de repente,
que havia na nave outra entrada para a
escada. Voltou, entrou na igreja, vio
sua esquerda urna inscripjSo que indicava
o caminho das torres e subi sem perder
tempo.
Os policiaes postados na ra nao o vi-
ra m e com poucas pernadas ch-gou gran
de, que estimou achar fe -hada. Sa esti-
vesse aberta, tslvez ello nilo ousasse entrar
no aposento do guarda, so passo que tocan-
do a campainha ia, certamente, fazer sahir
a menina que nao recusara conversar coro
elle.
Como elle previo, ella acudi campai-
z elle Por que razao nos deixa aqui ?
Silencio disse repentinamente Ca-
tharina. Oujaro.
Os dois homtns calaram se.
Os gritos ua sala tinham cessaio.
Que significaisto ? perguntou Hum-
berto assustado pelo silencio, que reinava
uo palacio.
Com a agilidado do gato, subi pelas
cadeiras o mesas que obstruan) a porta
e espreitou per. cima d'ella.
Onvia-se distinctaroent) urna voz forte
a fallar na sala.
De repente Humberto treme u e este ve
para cair, mortal pallidez lhe .-ubiu ao
rosto.
O que ? perguntaram ao mesroo tem-
po Catharina e Morcurio.
Van Helmont, raurraurou Humberto.
- Van Helmont replicou Mercurio.
Catharina nilo <>s comprehendia porque
ignorava a scena que se tinha passado na
caa da ra das Estufas Velhas.
Van Helmont reconhejo lhe a voz 1
disse Humberto.
Depois fez uro signal com a milo para o
deixarem escutar.
Mercurio, Catharina e Camaleao esp?-
ravain cora profunda anciedade.
Diana desraaiada, nao via atxa ouvia
cousa alguma.
Humberto desceu e saltn para o meio
da casa.
-- Os giriantes sao contra nos! disae
elle com furor. Van Helmont est frente
nhada e deu-se pressa oro abrir, mas elle
ficou impressionado pela alterajao as suas
feijSes. Ella esteva paluda e via-se que
tinha chorado.
Que tem a menina 1 perguntou 'falle
afectuosamente.
Nao nada, murmurou ella ; essa sce-
na impre8sionou-me. Entilo verdade que
essa pobre mulher. ..
Infelizmente, verdade vi agora o
seu corpo esinagado pela queda.
- E foi o homem que a atiro'i ?
Duvido, mas ella est preso e nao
sei se conseguir justificarse. Eu o deso-
jo, por elle e tambem pela senhora, por-
que se elle for culpado, talvez tornen seu
pai responsavel pela desgrja que aconte-
ceu.
- E' o que receio, e se elle perder o
seu emprego, n.1o sei quo ser de nos.
Sempre tvriam um amigo, disse viva-
mente Meriadec, e peco-lhe quo cont com-
migo. Tudo quanto possuo est sua dis-
posijilo e estou disposto a defendel a con
tra todos os oue procurare/n roolestal-a.
Desculpe-me fallar lhe assim, em ter a fe-
licidade \).e ser seu conhecido e nilo me em-
preste outras intencoes seno a de servil-a
em todas as occasioes. Daubrac lhe dir
que sou uiu homem honrado, inoapaz de
abusar da confianja quo depositar era
mira.
A menina errou os sobiecilios ao ouvir
urna declarajao tao inesperada. Ma3 tran-
quillisou se vondo o rosto leal de Meriadec,
e disse-lhe sorrindo :
Muito agradeco e nao hesitarei em
recorrer ao senhor. Mas foi para offereeer-
me o seu apoio que teve o incommodo de
subir at aqui ?
delles. Em lugar de nos soccorrerem per-
seguem-nos.
E Reynold disse Mercurio.
E Reynold? ajuntou Catharina.
O que ser feito delle ?
Matal-o-hiam ?
Morto I Rsynold! disse Humberto
estreraecendo.
Os dous irmaos olharara um para o outro
com exprossao de espanto.
Di repente, os grito3 rebentaram mais
frenticos na sala do ombaixaior, e a por-
ta recebeu violento choque.
Krain Marcos c 03 seus companheiros,
que procura vara for jal-a.
Pelos elifrea do diabo! estaremos
perdidos ? exclarnou Humberto.
Perdidos I repetio Catharina tornan-
do se lvida.
Ora ossa nilo devenios morrer sem
espetar alguns 1 disse Mercurio arranean-
do cora a cortina da janella o duro pao
dourado que a sustinha, e o qual, como
era de cavalho, substitua rauito bem qml-
quer maja.
Humberto bata na testa.
Reynold morto !... impossivel, e
impossivel !... repeta com voz surda.
Caroaleao brandia a alaga coro que ti-
nha ferido Giraud.
Esta janella. estas cortinas... ex-
clarnou de repente Catharina.
Boa idc.i! disse Mercurio, a quem
nunca abandonava o sangue fri, mesrao
as circunstancias mais criticas.
Iroraediatamente, ella, Humberto, Catha-
rina e Caroaleao atiraram-se s cortinas, e
fizerara as em tiras.
O pao forte mais cornprido do
que a largura da janella, dizia Mercurio,
trabalhando com actividade. Pode servir-
nos do ponto de apoio para descernios.
Vamos I pareco-rae que ainda nlo nos api-
nharam.
So a porta resistir murmurou Ca-
tharina, a quero fazia saltar o corajilo cada
pancala que dava na in.i lera.
Maldito Reynold! exclarnou Hum-
berto. Quem pensarla quo era tilo tolo que
se deixasse matar por Van Helmont, pelos
giriantes ou pelos guardas do preboste. E
eu que o julgava espantoso.
Espautosa bulla reinava em todo o pa-
lacio, e a porta gemia a cada pancada,
que recebia.
Entretanto conservava-se firme, susten-
tada e consolidada pelos trastes.
A desordem na sala esf.va no seu auge.
Furioso por vareta quo a porta resista ;
Marcos, de Guiche e Van Helmont ataca-
ram-na com novo furor.
Peguemos em um banco, o fajamos
delle urna especie de ariete, disse d'Her-
baut.
Teas razao! disse de Guiche corren-
do para um banco.
Como todos os movis da poca, o banco
ora de urna solidez a tola a prova e nuito
pesado.
Balanjado ao mesino tempo por dez ou
doze gentis-horoeas, deu na porta, que es-
taba fazendo se ero pedajos.
Au'rno gritaram de todcs os lados.
Aos jar iins I disse de repente o pre-
boste, ferido por uro pansa nento sbito,
que anda nao occorrera a ninguom, o do
tornear o palacio.
D. Pedro, que estava ao p deili aba-
nou a cabeja e segurou-o.
Vamos perder um tempo precioso,
disse elle ; os jardins 80 coramuncam com
o palacio pelos meus quartos particulares,
o a nica coraraunicajao, que daqui ha
para elles a sala azul. Oh 1 Os bandidos
conhecem perfuitamente o palacio para es-
colher passagem. Quanto aos jardins, 03
muros silo muito alto3 para se poderero
transpor sera escadas, o a porta que ha
nelles para o canal de Bievre, a mcia
hora de earoinho daqui. Dais, vejaro a
porta cede.
Coro efteito, saltara uro batente ao cho-
que poderoso do ariete de nova especie.
Mas o armarlo e o movis araontoados
ania offaroeiam respetavel resistencia.
- Est prompto disso Mercurio aca-
bando do dar o ultimo n.
- Agora levemos as raulheres! disse
Humberto, tomando nos brajos o corpo ina-
nimado de Diana.
Perdidos disse Catharina horrori-
sada.
A mim 1 berrou Mercurio deixando a
janella para correr barricada.
XX
O CANAL DE BIEVRE
Camalero segua Mercurio con o pu-
nhal na dentes e os brajos estendidos
para erapurrar os movis e com elles tapar
a brecha.
Humberto deixou Diana para se reunir
a elles.
Todos tres, fazendo um esforjo deses-
perado, tornararo a encostar o armario,
mas esta forja ficticia, que lhes perroittia
repellir por um momento o ataque, nSo 03
podia salvar.
A baroneza, trmula e affiicta, porque
sabia que a prislo equivala para ella
tortura e norte, quiz levantar o
pesado pao, mas nao o podo conseguir.
Perdido perdidos 1 balbuciou ella
deixando cahr a travessa.
Mercurio deu uro grito de colera e de
raiva.
O armario recuava.
Humberto, Camaleao o Mercurio, sen-
tiara enfraqueser os brajos e escorregar
os ps con quo escoravaro os movis.
Mais uro segundo, e os bandidos esta-
vam apanhado3 e Diana.
De repente abro-se a pequea porta se-
creta, e Reynold, plida, desfigurado,
coro o fato feito padajos, coro a cara e as
1UI03 cobertas do sanguo entrou na sala.
Foi recebido com um grito de alegra.
Vamos! berrou Mercurio, empurran-
do Catharina.
Esta entrou para o gabinete, seguida
por Humberto quo levara Diana. Cama-
lero foi atraz delles.
Mercurio, cora urna prasenji de espirito
iaernal, atirou pora o jardim com o pao
c com as tiras, que tinham feito das cor-
tinas, isto para nao dar meio algum fa;il
de o perseguirem.
Reynold fechava a porta no momento,
em que Marco3, Van II droont, de Guiche,
d'Hcrbaut entra varo na sala azul pela bre-
cha que acabava de fazer.
A cha^c a chave desta port! gri-
tou Van Helmont, designando aquella,
por onde se tinham e3^apo os bandidos.
do prebostado. No meio d'elles ertava un
velho nontado n'um bello cavallo preto :
era raestre Eudes.
Vendo correr seus filhos, o seu rosto
denotou grande satifacilo.
- Ah I disse elle, en ben sabia que
eran dignos de nim, e que haviam de ven-
cer todos os obstculos; Reynold, aqui
est a mulher, guarde a bem, est dor-
rainio I
E o velho bandido designava urna for-
ma humana lanjada sobre o arjao da sella.
Era o corpo d'Aldah ; a rapariga, ador-
mecida por effeito de um narctico violen-
to que lhe appliera mestre Eud>.s, estava
esteudila sen moviraento.
Reynold sem dizer palavra saltou sobre
o cavallo hespanhol, que um dos seus ca-
valleiros segurava, e toroouo corpo de
Aldah, que poz diante de si, segurando o
com a milo osquerda emquanto com a di-
reita juntava as redeas.
Humberto imitou-o levando Diana, corao
Reynold levava Aldah. Catharina saltou
listamente sobre o cavsllo, que a esperi-
va. Mercurio a Caroeleito j esta varo mon-
tados.
N'este momento os jardins do erabaixa-
dor encheraro-se de luzes, os fachos e os
archotes brilhavam as trevas como as es-
trallas no ceo e via-se correr gente de to-
des os lados.
Ao p do canal affluiam os giriantes quo
corriam para vingar seus irmaos.
Nos jardins, Van Helroont, Marcos, o
preboste de Paria, da Guiche e 03 se
procuravam por toda a p.rte, dirigindo
para o canal.
Os bandidos j ouviaro um rumor amea-
jador.
Bernardo tem o santo e a sonha dis-
se vivamente Reynold; que sa colloque
na frente e partamos.
Os cavalleiros largaram os cavallos cor-
ando rpidamente para o p do muro do
convento.
Em alguns segundos chegaram porta
de Pars, situada no caes de Tournelles.
O velho e seus tres filhos, assim corno
Catharina, marchavam no centro; Ber-
nardo com o uniforme de sargento do pre.-
bostado, a na frente.
A porta estava fechada segn lo os ra-
- A... chave... nao a tenho... Foi-^,,^^^ gernard0 f]330 osamv> s
me tirada... d.sse o embaixador quo nao tne|la_ EsU cbaQ10U 0 ccaamandante da
so atreva a confessar qu; a tinha entre- uarja_
gado baroneza. ^ ^^ ^ s'eryso do rei d33e Bcrnardo.
Reconhecendo os uniformes do prebos-
tado, o official mandou abrir a porta.
Boa cajada disse elle, julgandoque
qu;
Arrombarao3 a port gritou
Guiche.
E 03 gent3-hom3n3 precipitaran! se
so-
ro a por a. era alguma expedijao de justica.
Os tugitivos tinham-se dirigido aos jar-1 _^br ,/, re3poadeu Bernardo e di-
ana sem tocare nos the3ouros do emba- ^ q cJMq ^r pQQta levadisa
Foi seguido por todos.
A galope l gritou Reynold.
Os cavallos saltavam esporeados pelos
cavalleiros.
Com a fortuna disse o otficial fa-
: zendo fechar a porta da cidade, se conti-
nuara assim, os qu; perseguem es tao ar-
: raojados.
entrou na caserna aonde dorman 03
soldados.
N'e,ste momento os giriantes o os gen-
ts-homens paravam borda do canal, uo
meio dos cadavere3 semoados ao p da
porta do jardim.
Oh I exclarnou Van II. linout, eu tinha
encarregado Heitor do guardar esta porta.
Um dos corpos estendidos mecheu-se e
levantou o corpo.
Fiz o que pude, mestre, disse una
voz, mas matarain-me. ,
O corpo tornou a cahir ; era o de Hjitor,
o sargento do regiment do Baligny
Cavallos Cavallos gritava Marcos,
Que sucedeu? perguntou Mercurio
correndo atraz de Reynold na direejao do
canal do Bivrc
Sabel-o-haa, respondeu Reynold. Oh !
este maldito Van Helmont ha de morrer
s minhas niilos.
Temos cavallos ? perguntou Humber-
to apertando contra o peito a filha do pre
boste do Paris, cujo corpo lgeiro o delica-
do era para el'e leve peso.
- Sim, respondeu Reyaol I, meu pai
espera-nos com Aldah, sob a guarda dos
nossos homens : temos o santo para sahir
p' la porta de Tournelles.
Mas, replicou Morcurio, porque vies-
te tao tarde ?
Vaes sabel-o.
Tinham chegado porta da sabida.
Reynold abri a violentamente.
Ao p della h)via uro verdaieiro mar
de sangue, c mais de cincoenta cadveres
jaziam ali amontoados.
Uro raio da la, allnmiando este espe- : woltando.8e 08 seui a;u"gos.
tornvel o'
Os meus eslao 3 suas ordena, disse
D. Pedro, que nunca deixara os seus con-
vidados. As minhas cavallarijas nao esta >
muito longe e j dei as minhas ordens.
- Para a frente gritou o barao.
Para a frente, repponderan de Qui-
etadlo ainda o torna va mais
lgubre. ,
- Entilo houve combate aqui ? disse
Humberto calcando com os ps os corpos
que ali se oppunham sua marclu.
E^esta a explicajilo da minha de-
mora, disse Rynold. Tive de passar por che, d'Herbant e mais alguns.
cima dos corpo3 destes giriantes para che- Oh minha filha, pobre Diana, disse
gar sala azul... tive de raatir uns e de 0 Sr. d'Aumont, dando um suspiro,
por outros ero fgida. Oh I Van Helmont Marcos ouviu o grito do desgrajado pae.
tinha tomado as suas medidas, mas nao' O senhor salvou-rao a vida, disse
sabia que eu tinha aqui os raelhores dos elle com energia, juro que heide pagsr a
meu? horoens. Julgava quo estavaraos minha divida.
sos. A' direita, Humberto. Os cavallos E tu salvaste-me esta manha, ajun-
0 rosto da pobre menina estava azula- iestao ao p dos muros do convento dos tou de Guiche dirigindo se ao baro, por
do;amordaja suffocava-a. Bernardinos. Passera essas pranchas que Deus juro que nao te dexo.
'- Depressa 1 exclarnou Catharina, alias eu fiz lanjar sobre o canal. De certo fugirara pola porta deTour-
Humberto obodeceu; os outros segui- nelles gritou Van Helmont.
raro-no. Rpidamente chegaram ao sitio Os cavallos do embaixador chegavaro
nao teremos tempo para fugir.
Mercurio estava pondo a travessa naja- .
nella : o segundo batente saltava o a porta designado. Reynold, que foi o ultimo a i conduzidos por lacaios. Marcos, Li Gui-
abrindo se tazia recuar o bah.
Era evidente que nilo teriara tempo de
descer
J os vejo disso M reos, esforjan-
do se para arredar a barriada.
Vamos aos bandidos! brandio a mul-
tidilo I
Confesso que nao, respondeu franca-
mente Meriadec. Eu' desojara aubir s
torres e verificar se l nao ha ninguem. E'
o que deveria ter feito esse cabo antes de
prender o primiro que se aprasentou na
escada. Permiti quo passe ?
Sim, sem duvida, com a condijSo de
nao dizer nada. Haviaro do exprobrar-me
o que j exprobram a meu pai.
Ninguem saber mesmo que lhe fal-
le!. Entre pela porta que coramunL-a com
a nave e sahirei pelo mesmo caminho.
Quando descer lhe do rei conta da minha
expedijao.
Tendo dito isto Meriadec coraejou a su-
bir os degros Je paira.
Cootava nilo fazer urna ascenjao intil,
mas nilo contava cora a sorpreza qus o es-
perava no alto da escada.
Meriadec, grajas s pernas coropridas
coro que a n>tnreza o dotou, nlo levou
muito tempo a subir e o fez tao rpida-
mente que quando chegou galera foi
obrigado a parar para tomar folego. Essa
galera estava deserta e, como o dissera o
cavalheiro preso, o vento soprava com urna
violencia rauito incommoda.
Entretanto, Meriadec aventurou-so a en-
trar nella depois de urna certa pausa. Che-
gando ao meio, encostou se balaustrada,
levantou os olhos para o alto das torres, nao
vio ninguem e voltou-se para olhar para
a praja ainda havia grupos do curiosos.
Esse espectculo era da pouco iteresse
para elle ; as debrujando-se no parapei
to de granito, fez urna descoberta singu-
lar.
Logo abaixo delle, preso a una bica sa-
liente, estava un veo azul que elle reo-
nheceu inmediatamente. Era o que trazia
transpor a ponte improvisada, destruio-a che, Van Helmont, d'Herbaut, o Sr. d'Au-
deitando as pranchas no canal.
Urna massa informe desenhava-ae na
sombra pr yodada pelos altos edificios do
convento.
Quinzc ou vinte homens estavaro a ca-
vallo, todos com o uniforme des policios
a mulher que vio passar pelo brajo do ho-
mem qua a acuusavam de ter matado.
Meriadec inquiri logo de si mesmo co-
mo esse veo podia ter ido para l Tendo
o crirae sido commettido na plataforma da
torre do sul, o veo deveria ter cahido no
mesmo lado que a infeliz victima, atirada
por un scelerado ; e suppondo que se ti-
vesse destacado durante a quada, o vento,
que soprava do norte, nilo o toria levado
para a fach? da que olha para o oeste.
Fo3se como iosse era urna peja impor-
tante e Meriadec quiz obtel a. O cabo da
sua bengala era ero curva e a bica estava
ao seu alcance. Manobrando coro habili-
dade conseguio tirar o vea e poie exami-
nado de perto. Mas, nilo descobrio nello
nenlium signal particular ; todos esses ro-
talhos de gaze silo iguaes. Este era novo
em folha e devia ter sido comprado no mes
mo din, porque um rotulo minsculo ainda
estava preso ao cordozinho que servio
para prendel o ao chapeo, rotulo com a
indicajo do prejo do objeto, em letra de
mo.
Meriadec guardou preciosamente o vo-
zinho no bolso, resolvido a mostral-o ao juiz
da ins.rucjao e animado por esse adiado,
lecomejou a sua viagera de explora jilo.
A escada por onde tinha sabido era a
da torro do norte, mas para continuar, era
preciso atravessar a galera e fazer a as-
cenjao pela torro do sul, aquella ero que
estilo 03 sinos, ndusive o celeb-e sino
grande.
Meriadec ia entrar ueila, quando appa-
receu no primeiro degro um menino cujo
aspecto o espantou.
Esse menino que o ttava podia ter de
oito a nove *nnos. Tinha na cabeja um
mont e dez, monstaram a cavallo.
Pai a a Irentc! gritaram elles.
@ canal era pouco largo ; os cavallso,
incitados pelos cavalleiros traspozeram-uo
de um salto.
FIM DA TEBCEIEA PAETE
chapeo velho e trajava blusa parda, como
um aprendiz de typographia, o seu rost .
porro, nSo era o de um garoto de Pariz.
Tinha a tez alva de filho de boa familia,
olhos azues grandes, muito vivos e muito
abertoa, cabellos louros finos, aparados ero
linha recta na testa e um ar altivo quedes
menta completamente a sua roupa.
I Que fazes tu ahi ? perguntou-lhe Me-
'ridec, muito enredado com esse encon-
tr.
O menino corou e respondeu com pala-
j vras que o bario nao comprehendeu, mas
'que, pelo ton que foram ditas, podiaro bem
conter urna injuria.
Entao, que lingua fallas, meu araigui-
nho ? tornou com brandura Meriadec, cada
vz mais admirado.
A minha, respondeu o pequeo em
francez, mas tambero sei a sua e nao con-
sinto que me tuteic. Eu n3o o conhejo.
Meriadac cahio das nuvens, roas corae-
jou a entrever que esse singular pedacinho
de gente poderia dar lhe informaj3es uteia
c talvez mesroo esclarecer o raysterio que
ello qUeria penetrar, e resolveu empregar a
brandura.
NSo se zangue, mojo, disse-lhe sor-
rindo. Estou procurando urnas peesoas que
subira.ro at aqui e bem posso perguntar-
Ibe se os vio : un homem e urna senhora.
Eu s vi papa e mama, respondeu o
Menino. Vim coro elles, mas estava cau-
sado de mais para subir l em cima.
Entao, elles estad aqui ?
(Continuar-M-Aa.)
Typ. do Diario roa Duque de Carias n. 42.


(
-,

a\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEVZNTXJQ_M4HBJ8 INGEST_TIME 2014-05-28T01:50:39Z PACKAGE AA00011611_16880
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES