Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16870


This item is only available as the following downloads:


Full Text

A CAPITAL E I,l/CAIMfi ONDE NA SE PAGA PORTE
mezo* adiantados
,;i3 ditos dem.
J0T
ma anno dem.
mero avulso, do mesmo da.
60000
120000
240000
0100
FM 2 DE FEVERERU DE
PARA DENTRO E FOUA DA ['HOVIACLA
Por seis mezes adiantados......... ....
Por nove ditos dem................
Por um anno dem............_
Cada numero avulso, de das aateriores..........
130500
200000
270000
01JO
"\
Itoprfrafc* ht M&noel Jigatvcia i> Jara 4 Silbos
V
TELEGRMMS
8372(3 U 1&H& SAYAS
(Especial para o Diario)
BERLN, 30 de Janeiro, tarde.
Cmara do Dcpntado pmisin-
ua adoptou a proitoNta de le que
tende a gcrmanlmir as provincia*
orienlae da Prn
LONDRES, 1." ie Fevereiro.
O Sr. Glailsi >n deelaron er tavo-
ravi-l autonoma da Irlanda, no
tocante a adniiuiHtracao dON nego-
cios locaeN.
ROMA, 1. de Fevereiro.
O geral do jesuta* entrou cm con-
valeacenca.
Agencia .Havas, filial em Pernambuco,
1. de Fdvereiro de 1886.
JNSTRCCiO POPULAR
Gcograpliia geni
Extrahido
DA B1BLI0THECA DO POYO E DAS ESCOLA
(Coninuaeao)
ASIA
TURQUA ASITICA
1:250:000 kilmetros quadridos. 16,000:000
habitantes13 habitantes por kilmetro quadrado.
__Limites : ao norte o estreito dos Dardanelos, o
mar de Mrmara, o Bosphoro e o m ir Negro ; a
leste a Transcaucasia e a Persia ; ao sul a Ara-
bia ; a oeste o Mediterrneo e o Archipelago.
BEGIOES E CIDATES PBIHClPAF.S :
anatolia : Smyrna, 12.1:003 habitantes ; prin-
cipal emaorio maritim do Levante ; bom porto ;
bairro de enropeus. Brusa, 60:000 habitantes ;
commercio de tapetes e tedas ; praca forte. Sen-
tari, 50:030 habitantes ; parto sobre o mar Negro;
commercio do transitJ. Tribirmd*, 41:000 habi-
tantes fabricas de armas e de algodao.
uou; Erzerum, 80:000 habitantes; cidale
fjrte ; fa' rica afaarHfi de armas brancas.
pAMisnaa ( aatiga Meiopolama ) : Mosml,
6)i0OJ habitantes ; tecidos de algodio, que do seu
nome se chamam mustelinai, Orfu, 48:000 habi-
tante* ; minas de urna cidadela, palacio de Nemrod,
convento hospitaleiro. Diarbelir, 40:000 habitan-
tes.
ibak-arabi : Bagdad, 100:000 habitantes ; aa-
tiga c&pital do imperio dos Kilifas ; armas bran-
cas. Bassor, 60:000 habittutes ; eiaJe commer
ciaute, mas insalubre ; fabrica de essencia de
rotas.
svau : Damasco, 2<". 0:000 habitantes ; armas
brancas ; sedts ; grande commcrc:o ; caravanas
pira Meca. 1 fe/, 80:000 habitaste! tem por porto
Alexindrslta. Beirath, 60:000 habtanos ; prin-
cipal pjrto do commercio da costa da Syria. Je-
rusalem, 20:000 habitantes ; cidade santa dos otaria-
tos, musulmanas ejudau3. Antokitk 5:000 habi-
tantes ; edifcala sobre as ruiuas da antiga Au-
tiochia.
kubdistax (antiga Assyria) lOrulc.
un o i auciiii'blagj :=Scio 62:009 habitantes,
Hamos, 50:000 habitante! Rhod's, 38:000 habitan-
tes Coi, U:0;0 habitantes Tenedos, 7:000 habitan-
tes, Palhmot, 4:000 habitante), Scarpinto, 3:000
habitantes, itteliu (antigt L sbos)Chio insur-
gio-ss e-n lt>_'2 contra os turcos. Em 1878 a In
gla'.erra o;cup.m a Iba da Chypre 180:003 habi-
tantes ; notavel pelos vinhos do mismo nome. Em
frente de Tenedoi existi Trola, cidade cujo prolon-
gado cerco foi cantado por Homero.
PERSIA OU IRAS
1.000:000 kilmetros quadrados.-6.000:030 hi-
bitantes.61 habitantes por kilmetro quadrido
Limites : ao norte o Arases, a leste o Afghans-
tau e o Belutcliistan, ao sul o golfo Prsico, a
oeste o imperio ottoraano. A Persia actual (u
antes o imperio de Irn), reconstituido no com :eo
do secuto XIX por Teth Ali-Schah, nao d idea
sequer da grandeza do imperio de Cyro. O clima
qoente. O solo piuco frtil nio abunda em ce-
ivaes, mas produz inultos fructos, tabaco e vinhos
afamidos. Boas racas cavallares. Riquezas mi-
neraes pouco conheeida?. Animaes ferozes. A in-
dustria produz armas brancas, tecidos de seda e
de la, tapetes e perfumes. O goveruo desptico;
o chefe do estado chama-se schah. Diride-se cm
19 provincias.
Capital, Tehern, 140:000 habitantes; palacio
do schab, onda ha manificos jardins ; calor ezces-
sivo.
CIDADE3 Pbikcipaes : -Taurii 160:000 habitan-
tes ; commercio importante ; estarlo das carava
as. Isparan, 100:000 habitantes ; antiga capi-
t .1 ; celebre pelo palacio do schah. Schiraz, 30. habitantes, fabrico de essencias de rosas ; patria
dos poetas Hafiz e Saad, Hamadan, 30:000 habi-
tantes : tmulo do medico Avicenna e dos poetas
Abul-Haste Attar.
(Contina)

_ ?ARTE FFICAAL
Ministerio da fiittica
Por portara de 23 do passal >, foi declarado
sem efieito o decreto de 13 de Agosto ultimo, que
nomeou o bacharel Ricardo Irinej de Seuza para
o cargo de joiz municipal e de orphos do termo
de Palmeiras, na provincia do Paran, visto nSo
ter entrado em exercicio no praso legal.
ministerio da Guerra
Foi declarada sem effeito, a portara que man-
dou o capellSo teuente do exercito padre Manoel
Antonio Ferreira, servir em um dos corpas da
guamico da corte, visto nao poder elle czercer as
funeces proprias do cargo, pois, tem apenas pro-
yiso para dizer missa e ainda assim pelo limita-
do praso de seis mezes.
Concelen-se troca de corpos entre si aos te-
nentes Valeriano Jos Lopes do 2 regiment de
cavallaria e Joao de Deus' Martina b" da mes-
ma arma
Foi transferido do 3 para o 1 batalhao de
rthana o tsente Jos Leoncio da Silva,
Ministerio da Marlnha
Decreto de 23 ao passado concedendo a Germi-
no da Ponte Ribeiro, conforme requeren, demissao
do posto do 2 tcnente da armada.
Foruin nomeados instructores da turma de
guardas marinha de 1885 os Srs. : 1* tcnente
Benjamn Ribeiro de Mello, de direito martimo e
internacional ; 1" teuente Lindolpbo Malveiro da
Motta, historia naval ; 2" tenente Carlos Ambro-
sio do Reg Barroca, de hyirograpbia.
-----------------"-SOB^----------------
Ministerio da Agricultura
Ao Ministerio dos Negocios Estrangeiros expe-
dio o da Agricultura, a 9 do passado, o seguate
aviso :
Illm. Exm. Sr.Ha algumas semanas, o minis-
tro dos Estados-Uuidos apresentou me o Dr. L.
C. Duncan, commissario da ExposicSo das Tres-
Airericas, recentemente aberta em Nova-Orleans,
manifestndome por essa occasao vivo desejo de
que o Brasil se fizesse representar n'aquella ex-
posicao como tanto convm aos recprocos nteres-
ses commerciaes do imperio e da repblica. Nao
dispondo de meios o governo imperial ptra por si
ou mediante auxilio pecuuiario a qualquer asso
ci.icao, satisfazer de prompto tal desejo, assim o
declarei ao mesmo ministro, a quem assegurei que
o governo prestara de bom grado toda a aihesao
c a^oio moral ao Centro da Ltvoura e do Commer
ci ou a outra sociedade que se propuzesse real-
sar aquella til representaco.
Declaracao idntica fiz a-i Ceoto da Lavoura e
do Commercio polo aviso de 7 de Novembro do
auno prximo passado, junto por copia, e aps cir-
cunstancias que nao vem a ponto recordar, fui in-
formado de que a associaco impossibilitada pela
estreiteza do tempo de preparar exposicito condig-
na das fjrcas productoras do Brasil, faria omtu-
do exhibir n'aquelle certamen exclusivamente
americano, o imior numero de productos que as
circumstaucias permittissem colligir. evitando por
este modo que a abstencao do imperio pudesse ser
interpretada coma testemunho de indifTerenct ou
de esquvanos, quando someute seria explicavcl
pelas circumstancias cima notadas.
O ministro dos Estados-Unidos dirigio-me, en-
tretanto, a nota inclusa, que tenho a honra de
transmittir em original a V. Exc, rogaudo-lhe se
digne de declarar aquella agente diplomtico que
o Ministerio a meu cargo, maatenlo a deliberacao
ji annunaiada, to someute pela falta, que muito
limenta, de meios decretados pelo poder compe-
tente, liga todava o mtior empenho ao bom xito
da referida Exposicao das Tras Amercas, adian-
do-se prompto a concaier ao Centro da Ltvoura e
do Commercio todas as faeilidade3 qua couberem
as attribuyas do governo.
Rogo, outrosim, a V. Ex. se digne do fazer sa
bar ao referido miniotro tjus nesta data me dirij >
ao Centro da Lavoura e do Commercio, indican-
do-lhe a necessidade de abreviar a remessa de
productos, quando tenha definitivamente delibera-
dotomar parte na referida Expsito das Tres
Amercas e reiterando-1 he a manifestacao dos bons
desejos do governo imperial.
Serme bu muitc agradavel que V. Exc. teste-
munbasse ao ministro dos Edtados-Uuidos a boa
impresso que causaram ao giverno imperial os
votos manifestados pela alludidi nota, quanto
expansilo das relaces commerciaes das duas na-
oei, bera como a solicitude com que o governo
iinpi'.ia! corresponda a taes seutimentos.
Aproveito a occasiito para reiterar a V. Exc. as
segurancas do meu elevad) apreco e mu distincta
c j.i- ljr.icao.A. da Silva Prado.
-.-
Governo Ja Provincia
EXPEDIENTE DO DA 25 DE JANEIRO DE 1886
Actos :
presidente da pr >vinca attendendo ao que
requercu Pedro Ramos Leuter, conductor da Re-
partido das Obras Publicas, tendo em vista o
attestado medico que exhibi e a inf rmacao prs-
tala pelo engenheiro chite di mesma repartica>,
em offieio da 11 do corrente, sob n. 14, resol ve
concader-lhe dous mezes de licenca, com ordena-
do, para tratar de sua aaule.
O presidenta da provincia attendendo ao que
lequereram as professoras Joaquina Matalda Al-
ves de Carvalho e Idalina dos Santos Leal, esta
da cada ra de ensino primario de Palmeira de Ga-
ranhuus e aquella da de Barra de f-erinhaein, e
teudo em vista a informtcao u 29, de 21 do cor-
rente mez, do inspector geral da instruccao pu-
blica, resolve, usaudo da autorisacao conferida
pulo art. 149 do regulamento de 6 de Fevereiro de
1S5, permittr que as peticionarias permutem as
caJjiras em que actualmente leccionam.Commu-
nicou-sc ao inspector da instruccao publica
Offieios :
Ao inspector da Thasouraria de Fazenla.
Mande V. S. justar contas ao alfares Manel Bel
miro da Silva que foi transferido do 2' batullia >
de ufantaria pira a companhia da mesma arma
da provincia das Alagoas para onde segu no
vapor Jacuhipe.
Ao mesmo.Declaro a V. S. para os fins
convenientes, que autorise o director do Arsenal
de Guerra a mandar satisfazer o incluso pedido,
por copia, de artigos de fardamento que, para seu
uso, faz o alteres da companhia de cavallaria,
Manoel Feliciano Ltdislo dos Santos. Commu-
nicou-se ao commandante das armas
Ao mesmo.Communico a V. S., para os
fins convenientes, que Antonio Manoel de Amonm.
em 29 do mez fiudo, assumio o exercicio do cargo
de promotor publico da comarca de'Petrolina.
Devolvendo a V. S. as duas propostas apre-
sentaias por Bartholomeu & C. e Francisco Ma-
nee! da Silva para o fornecimento de drogas, me-
dicamentos e ditferentes objectos necessarios para
a pharinacU do presidio de Fernando de Noronha,
recommefido Ihe, em solucao ao seu officio n. 45,
de 22 do corrente mez, que faca lavrar termo de
contrato com o primero d'aquelles concurrentes,
visto ser a sua proposta mais vantajosa aos inte-
resses da Fazenda.
Ao inspector do Thesouro Provincial.
Mande Vrac. entregar a Justina Mara do Livra-
mento, pr^prietaria da capclla de Belm, da qual
tratou esse Thesouro, em officio de 18 de Dezem-
bro prximo passado, sob n. 392, a quantia de
51^452, renanecente da de 600/ do beneficia da
lotera extrabida em favor da mencionada capella,
urna vaz prestadas, pela referida preprietaria, as
coutas da obra, que est em execue&o, de pintura
edo ornamento da capella-mr, segundo nformou-
me a Reoarticio da Obras Publicas.
Ao director do Arsenal de Guerra.Mande
Vmc. satisfazer o incluso pedido de artigos de far-
damento que, para seu U3, faz o alfares da com-
panhia de cavallaria, Manoel Feliciato Ladislao
dos Santos.
Ao inspector geral da instruccSo publica.
Para resolver sobre o assumpto do requerimento
do alumno-meslre da Escola Normal, Arthur Oc-
taviano da Silva Ramos, sobre o qual versa a sua
informacao n. 17, de 18 do corrente mes, cumpre
que Vmc. me declare se a cadeira de ensine pri-
mario do Baixa Grande tem frequencia regular,
ou deve ser supprimida.
Ao meamo.No incluso officio o delegado
ltterario do Rio Formoso, declarando no haver
frequencia regular as oaderas de ensino prima-
ro daquelU cidade, prope a suppresso de duas
das do sexo masculino c a eonversao como mixta
da do femimno.
Convm que Vmc, tomando conhecimento da
materia do dito officio, me enuncie o aeu juizo a
respeito da falta de frequencia das referidas cadei-
ras e especialmente a respeito do lugar para onde
deva ser traneferida a do sexo feminino.
Ao engenheiro fiscal da estrada de Ierro do
Recifo ao Caxang.A esta presidencia tem sid
dirigidas reclamacoes a respeito da irrcgularidale
do trafego na estrada de ferro de Caxang., espe
cialmente sobre a falta de asseio dos carros e in-
suffieienc.a destes, mixiina .nos sabbados e dias
feriados, para o numero ordinario de passagairos.
Chamando a sua attencito para esta assumpto,
tenbo por muito recommendado que, por meio de
assidiia inspecco, verifique a procedencia da taes
reclamacoes, providenciando, nos termos do con-
trato com a empresa, acerca das faltas que se de
rem, por maneira que sej* ella exactamente cum
prdo em tolas as suas parte?.
Outrosim,|dcvo declarar Iba queem virtudeda
clausula 8a do cootracto celebrado a 3 de outubro
de 1883, com referencia ao art 5o da le n. 1726,
do mesmo anuo, a mencionada empresa obr ga la
a ter cstaces dealvenajia, segundo os planos ap
provados pela Cmara Municipal de aocordo con
Vme. o que niio se refere exclusivamente a novas
Hnli is seno a todos os que ella cuiteiar, pois que
o dito contracto constituir reviso e innovacao de
quanto tora pnraittivamtnta pactuado com a mes
ma emprezt, recebando eita, em troca das novas
obrigaves que aceitou, a ampliacao do respectivo
previlegio.
Aojmz municipal do termo de Triumpho.
Inteirado de que Vine, expjz no officio de 23 de
dezembro ultimo, daclaro-llia que aguardo a copia
da classificaclo requisitada a respectiva junta,
para resolver a respeito.
Portaras :
A' Cmara Municipal da Gloria de Goit.
Declaro amara Municipal da Gloria do Goit
qua fieam approvadas as arrematado:s dos impos-
tes constantes do termo annexo ao seu offiao, a
qie respond, de 1 de descubro findo.
A Cmara Vlunicipsl de Buique. Approv
a arremataclo do3 impostas constantes do termo
anue.v.', por copia ao officio que a Cmara Muni-
cipal de Buique dirigio-me em 2 de novembro do
anno finio.
O Sr. gerente da Companhia 1 ernambucana
faca transportar provincia das Alagoas, por con-
ta da Ministerio da Gi'erra, no vapor Jacahype o
alferes vf anoal Balmiro da Silva, qxe foi transfe-
rido do 2o batalhao de infantina para a compa-
nhia da mes ua arma daqqella provincia e ocm
issim a sua mulher D. gueda Ursulina da Silva
e suus filhos D. Patroci la Mara da Silva, com 16
annos de idade, Manoel com 11, Cezario com 3,
Joao cim 20 m.'zcs c um cralo de nome Jos Ha-
noel da Olveira.Cooimunicou-sc ao comman-
dante das armas.
O Sr. g-rento da Companhia Pernambucana
mande dar passagem a proa na priraaira opportu-
uidadc at o presidio de Fernando de Noronha por
conta das gratuitas a que o governo tem direito
a Honoria Mara da Cooceicao mulher do senten-
ciado Manoel Pereira de Gouvea, que se naba no
mesmo presidio e a filha menor de nome Dalpbius.
O Sr. g. rente da Companhia Pernambucana
mande dar pissagem prot na primeira opportu-
ntdade, at o presidio de Fernando da Nironha, a
Mara da Conceicao do Nascimento, mulher do
sentenciado Joao Mendes de Barros, por conta das
gratuitas a que o goveruo tem direito.Cemmu-
nicou-so ao director do presidio de Fernando de
Noronha.
EXPEDIENTE DO SECBETABI'l
Officios :
Ao Tuesouro Provincial.O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda communicar a V. S
que nesta data profer o se^uinte despacho na pc-
ticilo de BcnarJ k C, sobre a qual infjrmou essa
inspectora era officio de 2-3 de dezembro prximo
passado sob n. 402.
O imposto a que se referem os supplieantes ha
de encobrado emjquanto vigorar a le queo crcou.
Indeferido, psrtauto, o requerimento
Ao promotor publico de Petrolina.S. Exc.
o Sr. conselbeiro presidente da provincia inteirado
do assumpto do officio de 29 do mez fiado, recom-
menda a V. S. qne transmita a certidio de seu
exercicio.
l Ao promotor publico de Limoeiro.S. Exc. o
Sr. conselbeiro presidente da provincia declaro a
V. S. que teve o conveniente destino a certidao
de exercicio que acompanhou o seu officio de 20
do corrente mez.
Ao Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
na.De ordem do Exm. Sr. conselbeiro presidente
da provincia aecuso e recebimento do officio de
21 do comit, no qual V. S. communica que o
vapor Jacahype dessa companhia seguir para os
partos dj sul at a Baha, no da 28, s 5 horas
da tarde.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 30 DE
JANEIRO DE 1886
Aquelino Cezar de Mello Barreto.Sim,
mediante recibo.
Abaixo a3sigaado de moradores de Pa-
jea de Flores. Nao cabo aos suppli jantes
a interposigao do recuros de graja, e sim
ao proprio interessado nos termos e com as
formalida les prescriptas pela lei.
'Manoel Bento Borges da Fonseca.
Transmita se.
Isabel Domingas da Silva.Sim, pagan-
do a Bupplicante as comedorias.
Jos d'Assumpcao Oliveira. -Informe o
o Sr. engenheiro riscal da Companhia Re-
oife Drainage.
JoSo Jos Ferreira. Est provida a ca-
deira.
Manoel Xavier Carneiro de Albuquer-
que. O supplicante foi attendido nesta
data.
O mesmo. Deferido nos termos do of-
ficio do engenheiro chefe da ReparticSo
das Obras Publicas.
Secretaria da presidencia, de Pemambu-
co, em 30 de Janeiro da 1886.
O porteiro,
J. L. Vgaa.
Hcpartico da PoUela
Sacjao 2. N. 94.Secretaria de Po-
lica de Pemambuco, 8 de Fevereiro d
1836.Illm. e Exm. Sr.-Participo a V.
Exc. que nos dous ltimos dias foram re-
colbidos na Casa de Detencao os seguintes
individuos :
A' miaba ordem, Vicenta, escravo de
Jos Lucio, e Honoria, escrava de Fran-
cisca Pacheco, por disturbios.
A' ordem do subdelegado do Recife,
Francisco de Souza Martins, Maria Anto-
nia da Annunciacao, Rufina Maria da
Conceicao, Maria Belmira de Araujo e Jos
Francisco de Aloieida, Adolpho Akles,
Nilsem Ulsum e Bub, por disturbios.
A' ordem do |de Santo Antonio, Augus-
to Florencio dos Santos, Jorge Avelino
da Silva, Innocencio Jos Francisco, Ma-
noel Ferreira da Cunha, Emygdio Manoel
Jos dos Santos, Miguel de Lima} Manoel
Joaquim de Souaa e Joanna Eugenia da
Conceicao, por disturbios.
A' ordem do do 1, dittricto de S. Jos,
i Euzebio Manoel da Assump^ao o Louren-
50 Jos dos Santos, por disturbios.
Cominjuicouinj o delegado do termo
da Hscada, qm ua ni.'.nh.l do ?9 do raoz
ftod) fura alli preso em fl igraute, por ha-
ver forillo gravomente, com urna tcala,
a Jos Villela, o individuo de nome Jos
Joilo J'.aptista.
A tal respto procedeu so nos ter n 03 do
inquerito policial.
Coumunieou-me igualmente e dele-
gado do termo do Brejo, que no dia 23 do
mez fiado fra alli cipturido un individuo
conhaoido por Jos Caj, o qml ejt pro
nuuiado em crino do morte na conarc
da Victoria.
No dia 29 do mez ultimo assumio o
cidadao Francisco de Hollanda Cavalcante
ie Albuquerque o exercicio da dclegca
io termo de Jaboatito na qualidade de 1.
lupplente.
Ante-hontem, s 9 horas da noite
foi assassinado na cidade da Victoria o in-
dividuo de nome Mmoel Jos dos R.is.
Foi autor desso crime um outro individuo
de nome Caetano Alves, que conseguio
avadir-se.
Contra o delinquento procedeu-se nos
termos da lei.
Deus guarde a V. Exc. Il'm. e Exm.
Sr. conselheiro Jos Fernandes da Costa
Poreira Jnior, muito digno presidente da
provincia. O chefe de pcli :ia, Intento
Domingos Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DA 1 DE FEVEREIRO DE 1886
Antonio Alves Vllela e outro. -Ao Sr. thesou-
fero para cumprir o despacho da junta.
Izabel Rayinunda dos Santos Pinheiro. Ao Sr.
Dr. administrador do Consulado para attender.
Dr. Felippe do Figueiroa Faria.P'issu porta-
ra de entrega.
Prets e folbas do corpo da polica e da guarda
cvica. -Examinem-se.
Fielden Brothers e Francisco Manoel di Silva
& C.Ao Sr. Dr. administrador do Consulado pa-
ra cumprir o despacho da junta.
Companhia do Beberibe, Amelia de Santa Itwa
Cuuha, Joaquim Jos de Avola, Luiz Felippe d. s
Sanios Porto, Felismina Viera do Lima, Joao
Fernaudcs de Oliveira, Delphino Lopes da Cruz e
cffiaiodoDr. procurador dos feitos.Informa o
contador.
Duirte Cruz & C., e Clemente Goncalves Ne-
to Entregne-se pela porta.
Fielden Brothers. Junte-se copia das infor-
tnacoes.
Joao Vicente de Torres Bandeira e outro, Mar-
colmo Ansberto Lopes, padre Joao Vaz Guiterres,
Goncilves Dias & C, e Eleuterio Vieira. Cmara
Lima.Ao Contencioso para cumprir o despacho
da junta.
Joahjton Pater &CInforme o Sr. Dr. ad-
ministrador do Consulado.
Prets e folhaa do corpo de polica e da guarda
cvica. Pague-se.
Anna Lucia Josephina de Oliveira Mattos, Joiio
Climaco de Andrade e Joio Carlos Vital.Ao Sr.
contador para cumprir o despacho da junta.
Cmara municipal
DESPACHOS DO DIA 30 DE JANEIRO
Pelo Sr. vereador commissario de poli-
ca :
Adolpho Alve3 GuimarSes, pediudo liosa-
5a para canalisar agua para a casa n. 11
da ra das Pernambucanas freguezia da
Grasa. Como requer.
Jos Guedes 4 C. pedindo licenca para
abrir um deposito de seceos na estrad 1 nova
da povoacao do Caxang, freguezia da
Varsea. dem.
Ponciano Pereira Leite, para mandar
canalisar agua para a casa n. 28 a ra de
rei Caneca e para a de n. 4 a fravessa
do Livramento, procedendo as nocessarias
es^avacoes. dem. *
Pelo Sr. Cus8/ do Reg, commissario de
edificares
Amorim Irmaos & C. pedindo licenca
para mandar tomar pequeos rebocos as
pontes das casas de ns. 11 e 13 a ra dos
Coelhos fr ;guezia da Boa-Vista. Dando
sciencia ao fiscal, deliro.
Aatonio Jos de Souza, por seu procu.
rador Joaquim E. M. de Souza para man-
dar tomar goteira3 em sua caaa n. 41 a
ra Velha de Santa Rita. Como pede,
dando sciencia ao fiscal.
Bernardo Jos da Rocha, para mandar
tomar pequeos rebocos parciaes e correr
os telbados de suas casas de n. 4 e 8 a
ra do Dique, freguezia do S. frei Redro
Gonjalves d R;cife. Seja presente ao
fiscal.
Francisco de Mello Cavalcante de Al-
buquerque, para mandar correr o telhado
e, tomar goteiras substituindo telhas, da
casa n. 32 A a ra do Pharol, freguezia
do Recifo e 13 a travessa dos Quartcis,
freguezia de S. Antonio. Deliro, com-
municando ao fiscal.
Francisco Jacintho de Sampaio, para
mandar levantar de contormidade com as
posturas, o muro de seu predio n. 104 a
ra de Coronel Suassuna, o qual deita
para a de Dias Cardoso freguezia de S.
Jos. Pagando o que est devendo e
mais impostes, concedo liaenca.
Francisco Gaspar de Pinho, para man-
dar correr o telhado do predio, n. 129 a
ra de Marcilio Dias do qual consenhor,
afirn de tomar goteiras. Scientificando
ao fiscal como pede.
Francisco Joaquim de Oliveira Cunha,
para mandar tomar goteiras em sua casa
n. 18 a ra do Amorim. Hem.
Fonseca Filhos & C, para o mesmo fim,
com referencia a cas de n. 57 a ra
do Visconde de Inhama.dem.
Joaquina de Farias Teixeira, para man-
dar correr o telhado de sua casa n. 51 a
ra do Mrquez de Herval. dem.
Manoel Antonio de Jess, para o mes-
mo fim, com referencia ao predio n. 48 a
ra Larga do Rosario, de sua propriedade.
dem.
Manoel Soares de Figueiredo, para man-
dar tomar goteiras as casas de ns 43 e
45 a ra 21 do Maio, 14, 2io c 23 a de
Dias Carioso, 168, 133, 135, 137, 185,
187 e 189 a do Coronel Suassuna, 24 a
ie Frei Henrique, n. 56 a do S. Jos e
33 a do Nogueira, todas na freguezia de
S. Jos. dem.
O mesmo, para o mesmo fin, com refe-
rencia as casa* de ns. 33 ao largo do Pa
raizo, 9, 13 e 4) a Iilia do Carvalho, 3 a
travessa da ra Bella, 10 a travessa do
Lobato, 6 a do Carmo, 14 a ra do Fogo
e 5 o 7 a ra estreita do Rosario, tolas
na freguezia do Santo Antoni). llera.
Paulo Jos de Oliveira, para mundar
corras os telliadjs de suas casas do ns. 8
ao largo da SoleJade, freguezia da Boa
Vista e 52, a ra di Assumpcilo, fregue-
zia de S. Jos, afim de tomar goteiras,
bam como tomar pequeos rebocos na;
mesraa3. dem.
Vicente Jos Riymundo, para mandar
correr os telhados de suas casas do ns. 20,
26 e 36 a ra de Frei Henr zia do 3. Jos, bsm camo rebocar a frc.-ito
da ultima.Iloin.
Secretaria da Cmara Municipal do Re
cife, 1 de Fevereiro de 1886.
O porteiro,
Leopoldina C. Ferreira da Silva.
DIARIO DE PEMAMBUCO
KE-3IFE, 2 DE FEVEREILtO DK 1886
Solida* do Pacifico, filio da Pra
ta e snl do Imperio
O paquete iuglez Valparaso entrado hontem do
sul, alen das noticias cinstantsj da rubrici
Parte Offioial, troaxe as seguintes:
PaciHco
Datas telegraphieas ut 17 de Janeiro :
Iteunia-se n'aquelle da em Valpara':o, a c-in
vengao liberal radical nacional para pro .-lmar o
candidato do partido presidencia da repblica.
Coutavase qua a cscolha reaabiria e;n Jos -M
noel Balmace la.
Circula va en Lima una aeti, acsignali por
muitos picrolistas, em qua se pedia q ie o g 111 ral
L Pucna a33umlssc o poder executivo, qua s.'ria o
nico consttuaionalmcnta valido; que o consclho
da ministros deixasse o poder, de que estava in-
vestido inconsttucionalmeute por nomeaco de 6
pes3oas a quera nemo piiz nein as leis concediara
'al faculdade; qne sa dsse conhecimeato daquella
acta a dceres.
Alcxaulrino del Solar, cammanlante geral do
exercito c-lcerista renunciou a sua candidatura
viae-presidencia da repblica; sen lo proclmalo,
em seu lugar, o coronal Morales B.-r.uulei e Ai -
relio Denegr, para 2 viee-president\
O conselho da ministros prohibi qua occaaas-
sem postos no estado-maior aos chefes e olH a's
que pertenceram ao exercito de Iglesias.
Rio da Pmt;i
Dtis de I lenos-Ayres at 21 e da Mmtevido
at 'O de Janeiro :
Na Repblica Argentino, os directorios qne sjs-
tentam as tres candidaturas (residenciaos colliga-
das dirigiram munifestos anlogos a tolos 03 3 :U3
a.irrcligionanos da repblica, explicando a eotliga-
cao e solicitando o seu concurso.
O ministro da guerra da Repblica Argentina
expedio ao chefe de estado moor general do exer-
cito a seguiute ordem:
o Seudo voz publica que o Er. general de divi-
so D. Miguel Arredondo toma parte activa as
agitacOes polticas da Repblica Oriental do Uru-
guay, o que poderia compromotter pMo carcter de
que se ach investido, a neutraUdado nas questoes
internas das repblicas visichas, que a norma
da poltica argentina, chamo V. S. sua repart-
cao o menciouado Sr. general e prevna-o de que o
governo reputa urna falta ao dever militara inge-
rencia de meinbros do exercito argentino na3 ques-
tes polticas de nossos visinhos e espera que o Sr
general nao Ihe dar occasio para proceder con-
tra elle.
0 diario de Montevideo La Nacin, addicto ao
governo, oceupando-se com oj boatos da revolucao
disse que o governo est tranquillo porque tem o
mclhor exercito da America do Sul, podando por
em 8 das 20,000 homens em armas e em 15 dias
3,000.
Annunciava-se a partida para o interior do mi-
nistro da guerra com o fim de percorrer os postos
militares dos departamentos.
Noticias telegraphieas do interior annunciavam
completa tranquillidade.
Os partidarios da candidatura Gomensoro n2o
arreteciam nos seus trabalho3 e ain eff.'Ctuar urna
grande reuna?.
As noticias do Uruguay cavceem de inte-
resse.
H. Paulo
Datas at 2G de Janeiro :
Refere o Correio Pauliitano, de 24 :
Devido a accidente, attribuido a fogo de urna
ponta de cigarro, deu-se, hontem, cerca das 11 da
manha, no largo dos Guayanazcs, em casa do py-
rotochnico italiano Faraon, urna grande explosao
de que resnltou o desabamento de todo o predio.
Houvc, felizmente, apenas o forimento leve de
um trabalbador que se aehava as otncinas.
O corpo do bombaros compareeeu prompta-
mente para prestar os necessarios soccorros, tendo
tambem comparecido o Dr. delegado de polica e
commandante da guarda-urbana. >
Diz o Diario Popular qne em Santos tem se
dado alguns casos de insolac-ao.
Le-se no Diario de Santos, de 24 do cor-
rente :
1 No da 22 tarde quando o vapor inglez Pla-
to fazia a manobra para sahir do porto deu contra
o Bormida da companhia Navigazione Genrale
Italiana que* se aehava atracado ponte da Royal
Mail recebendo nm carregamento de caf. Este
vapor foi apanhado ds lado a meio do costado na
altura da carvoera, um metro cima da liona da
agua e o choque foi to forte que produsio nm
rombo de 5 metros de extensao.
< Fandeads como estava e com os fogos apaga-
dos era inteiramente impossivel ao commandante
do Bormida evitar o desastro.
Consta-nos que o commandante do Plato at-
tendeu justa reclamaco que Ihe foi feita e que
vai ser p ga a importancia dos prejuiaos resultan
tes da abalroacJo.
O Bormida que j ha va recebido mais de
9,000 saccas de caf ter de ser descarregado e
rccolher-se a um dique na corte para receber con-
certos.
Rio de Janeiro
Datas at 27 de Janeiro :
Em sessao de 22, o Tribunal do Thesouro defe-
rio os seguintes recursos : _
De Augusto Figueiredo & C, liquidantes da ex-
tincta firma Antonio Loureiro & C, afim de serem
dispensados do pagamento dos direitos de coasu-
mo, que esto sendo cobrados judicialmente pela
Thesourara de Pernambuco, de mercadorias re-
exportadas para as provincias das Alagoas e da
Parahyba, e de que nSo apresentaram em tempo
os respectivos certificados ; nSo sendo, porm, at-
tendidos quanto aos gneros constantes das certi-
does ns. 3 e 5, or nao combnarem com os termos
de responsabilidade.
Ds Paira & C, contra o acto da inspectora da
A!fan'lea d) Para que mandou clarificar com
briii'piedo para crianca a mercadura snbmettdi
a dad,iacho como obras de podra de granito ou ra-
taria, afim da igualmente proceder se ai despacho
ad valorem.
Defera por equidade o recurso de John H. Box-
wa & C, contra a decisao da Toesouraria il -;
Alagoas, confirmando a da respectiva Altan lega.
quanto malla da direitos em dobro que impoz '>
eapit.io do vapor nglez Author, pela falta de 3 >
b-.rris com vinho manifestados, mas que prr varara
nao leram sido erabir 11I03 n'aquelle vapor, e sim
110 vapor portuguez S'. Thom;
E da Vicente Cordeiro Mendes para ser relev 1
do da multa qaa Ihe tora imposta p -la Rcc i i
ra do Rio da Janeiro, por nSo ter coramunieuli
cm temp o bito da urna sua escrava.
Indeferio o recurso de Otto Tell, repre entanl.-
na provincia de Pernambuco daThs Western i
Brasiliaa Talegraph Company, limited, contra d.-
cis&o d 1 Tbesouraria da mesma provincia, quo re-
solvea nao tomar conhecimento do recurso inter-
p sto do despacho d j administrador da reeebclo-
ria, exigndo que provasse naoperceber vencimen-
to algum para poder ser dispensado do impos o de
aiustriaa e profissoes visto uo ter havido decida -
difiuitiva da que pudesse recorrer
S. Exe. o Sr. ministro da fazenda resolveu ap-
provar as remissOes parciaes do imposto do indus-
trias e profissocs, concedida) pelas Thesourarlas
de Pernambuco e de Minas Geraes a varios col-
1.atados com casas de negocio, por provasam es-
cassez de crdito.
A'legaco imperial ?m Loadrej declarou o mi-
nisterio da agricultura, por aviso da 22 do carra-
te, que a vista do estipulado com a companhia ce;-
sionaria da estrada de tarro do Recite ao S. Fran-
cisco e consta lo aviso de 2> de juilio da 1881, di-
riga pre3iieucia da proviuca de Pernambuco,
u) pode a directora augm"ntar a quota quipelu.
commissSo liquididora for lavad 1 se mest ral mente
i conta do eiutcio pelas despezas autorsadaa para
aquisicae e material rodante e construccSo de
obras na est..ca> das Ciuco Poutas, da cidade de
Recif-.
Deu-se conliecime-ito desta decisito ao ministe-
rio da tazanda c p Le nos no Jornal do Coumercio de 2j:
E' notorio o zelo com que o Sr. ministro do
imperio se tem dedicado a considerar os interessej
da saude pablica.
O admiuistrodor tem proed do como era para
esperar do senador qua, anno p>r anno, mostrou por
aquellas nteresse3 esclarecida solicitude, eaprova
disto ofterece nos cada dia o expediente daquella.
reparticao.
Ao tnesmo tempo, porm, que tam procurad."
occorrer a Cada quistao particular om soluc'
adequada, reeonheceu o Sr. ministro do imperio a
nccssidade de assentar sobre novas bases o scr-
vieo sanitario molante organisacao methodica e
systematica que torne verdaderamente eflanz a
aeeio do3 encarregados do mesmo servco, fixan-
i -l^e com clareza as attribuicoes, discriminon-
a=, rcgulai do a sua competencia, e estabeleeendL
regras pira a guarda e observancia do regim "ni
sanitario, considerado pelos seas varios aspectos.
Para este etleto aeba-30 organisado difintivj
projecto, que nao tardar a ser promulgado.
Segundo o mecanismo adoptado, haver na
vvtal do i'npe.'ionm :onselho superior de saude
publica, incumbido de consultar acerca das quea-
toes de hygiei:e, sendo dividido o servico sanitario
entra duas inspectoras geraes, ambas com ode ao
Rio de Janeiro, urna enearregad da hygiene de
trra e outn. da saude dos port03.
A inspectora geral de hygiene exercer a sea
a itaridade por si e por meio de delegados nesta ca-
pital, e as provincias por meio de inspectoras es-
peciaes eaens delegados. No municipio neutro ter
I legados pirochiaei, alm de auxiliares para os
trabalhos demograohicos, para analises chimica?,
pira exarae das pharmaeias e amas de leiteepara
desinfec9oes. as provincias haver delegados das
inspectoras especiaes as principies cidades e
e villas.
* A inspectora geral da saude dos portss ser
auxiliada por inspeetorias especiaes nos portos pro-
rin aiaes.
o Alsn de estabeleeer o modo de compos!i;ao do
conseibo superior e das in3peeiorias, definindo Ibes
as atiribuicoes e os deveres, bem coro* d> s delega-
dos, estabelece o regulamento numerosas dsposi-
cas relativas do medicina, pharmacia, obstretici.i
e arte dentaria, s drogaras e lojas de instrumen-
tos de cirurgia, a polica sanitaria de trra e mar.
a as quarentenas, aos lazaretos, hospitaasmartimos
laboratorios, etc. Apolicia sanitaria abrange a visi-
11 ilas habitaces particulares, quando as casas
se acharem por alugar, com o fim de vericar as
suas condiceo-s hygiencas; a lotacao dos cortiles
e estalagcns; exames as easasde saude e de com-
mercio de gneros alimenticios estabulas, cavalla-
ricas, itc.; dispos^aes especiaes para as casas de
malcrnidade; servico de desnfeccao, etc.
* Ha no regulamento disposicoes tambem espe-
ciaes acerca das fabricas de licores, vinhos artit-
ciaes, aguas minaraes, gorduras, conservas alimen-
tares e outres gneros da mesma natureza, vedan-
do-se s taoricas de bebidas o nso de rtulos fal-
sos e sendo considerados como taes os que indican-
do o pioducto pela denominadlo usual de qualquer
dos vinhos nituraes, mo contivarem a declaracao
da artificial.
Trabalho assim complexo, c entendendo eom
interesse de tamanha importancia, nao para ser
apreciado de afogadilho. Em todo caso, a resoluco
do Sr. ministro do imperio denota empenho muito
louvavel. A saude publica o interesse nacional
de maior monta.
Eis as noticias commerciaes da ultima data :
Rio, 26 de Janeiro de 1886. O mercado de
cambio abri hoje cora a taxa de 17 13/16 d. sobre
Londres, no Banco Commercial, e com a tixa de
17 3,4 d. no Banco do Commercio no London Bank
e Euglish Bank, e foram estas as taxas officiaes do
da.
As tabellas no Commercial e no do Commercio,
e as taxas no London Bank e E glish Bank, silo
as seguintes :
Londres 17 3/4 e 17 13t16 d, a 90 d/v.
Pariz 536 e 534 rs. por fr a 90 d/v.
Hamburgo 661 rs por m., a 90 d/v.
Italia 541, e 540 rs por lira, a 3 d/v.
Portugal 301 e 300 /o a 3 d/v.
Nova-York 2850 por dol., a vista.
O movimento do dia foi pequeo sobre Londres
a 17 13/16 d.. bancario, esobre banqueiros e caxa
matriz, e a 17 7(8 e 17 15|16 d., papel particular;
e sobre Franca a 529 rs., dito.
Repassou-se papel bancario sobre Londres a
17 7(8 d.
Na Bolsa o movimento foi regular.
Venderam se hontem 6,213 saccas com caf.
Babia
Datas at 30 de Janeiro :
Confirmara-se as noticias que por tolegram-
mas havemos recebido e publicado relativamente
a cleico de deputados geraes.
1 No dia 27 1 hora da tarde na occasio em
que o Sr. Paranhos, caixeiro despachante da co-
nhecida casa commercial desta praca, Gama & C,
processava nm despacho no 5* armazem da al-
fandega, com o conferente daquella reparticao,
Sr. Vellasco, honre entre ambos ligeira discusso
sobre uns baldes que dzia este serem dourados, e
aquello pintados, resultando dar o Sr. Vellasco
tres pancadas com nm martello na cabeca do Sr
Paranhos, o qual ficou bastante ferido.
Por ordem do Sr. conselheiro presidente da pro-
vincia, o Sr. Dr. delegado procedeu a corpo de de-
licio na propria alfandega.
O Sr. inspector desta repartilo suspenden, por
portara, por 15 dias, tanto o Sr. Vellasco como 9
Sr, Paranhos.
".
)
/

s
IU6VEL
I


Diario de PernambucoTerca-feira 2 de FcverciTo 1886

-
i
Diz o Diario de Noticias de 29 que Chique-
Chique est era armas, segundo cartas ehegadas
d'alli e officios do Sr. Dr. jais de direito pa o
governo da provincia.
Diz ama das cartas qae desde o da 7 at o
da 10 trocavam se tiios constantemente, ha vendo
diversas mortei e muitos ferimentos.
Calculera o leitores o qae alo haveria na
vespera enodia das eleic5es, epocha a que nao
alcancou a carta.
A luta entre os don partidos e... a torca
publica.
_ Procedendo-s no da 28 na cantara munici-
pal nomeaco para o lugar de fiscal geral, obti-
verao votos dos Srs. vereadores o 8r. Emilio Je
ronymo Ferreira, ti; Pedro Dorea, 8 e Dr. Osera
, O Sr. Dr. presidente da cmara deiempatou
com o voto de Minerva em favor do Sr. Emilio Je
ronvmo Ferreira.
Consta, porm, qae seria apresentada cmara
municipal um protesto contra essa nomeaco.
Firma-se o protesto em que nao poda ser Ho-
rneado Sr. Emilia Ferreira, qar ser tabelliao de
notas da villa Alcobaca.
Alago**)
Datas at 29 de Janeiro.
Nada occorre de importante.
INTERIOR
Melhoramentos da capital
(Do Vinte de Agosto do Ouro Preto)
Como haviamos annunciado, reuniram-se no do-
mingo (10) ad-:meo dia, em urna das salas de pa-
lacio, a convite de S. Exc. o Sr. Dr. Manoel Por-
tella, quasi todos os vereadores da Cmara Muni
eipal, os directores da faaenda, de obras publicas,
da hygieue publica, secretario do governo e re-
presentantes da imprensa, afim de deliberar so-
bro o melhor plano de serem levadas aeffato umi-
tas medidas tendentes ae desonvolvimouto e afor-
moseamentoda capital.
Usando da palavra, coinecou S. Exc. agradecen -
do e bom acolhicnento que teve o seu convite da
parte de todos csea cavalleiros, que, sem diptinc-
(io de poltica, vieram ao seu auxi o, fazendo-lhe
crer aiuda mais no louvavel intuito da popuiacao
de querer ver realizados todos esses melhoramen-
tos imprescindiveis para a cornmodidade e bem
as bases sobre as qoaes possa se assentar a eem-
modidade do publico.
Terminando esta ligeira noticia do que se pas-
sou na reuniio, cabe-nos agradecer a S. Exc. a
honra qae nos conterio, honra tauto mainr, quanto
vemos em S. Exc. um administrador providente,
cheio do boas e patriticos desejos. ol locan do-
nos ao seu lado, offerecemos i 8. Exc, todos os
nossos servicos, e confiamos prestal os, tanto
quanto couberem em nosaas forjas, garantido-lhe
ao iesmo lempo que nao nos esquivaremos qual
3uer occasiio em qae S. Exc. entender que nos
eve chamar para cooperar eomsigo na grande
obra, cajo plano muito toscamente delineamos.
Para qae desde ja fique iniciado algara dos me-
1 horamentoe propostos na reuniao, S. Exc. o Sr. Dr
Portella nomeou, para eis minar e estudar o local
onde foi accordado ficar estabelecido o cemiterio
publico, prestar relatorio minucioso afim de qae
possam ser providas quaesquer medidas, urna com-
misso composta dos Srs. vereador cenego Luis
Thiresio da Costa Braga, Drs. Bernardo Monteiro,
Luiz Francisco da Veiga, Sisinio Pontrs, inspector
da sade publica e Pedro Jos da Silva, medico
da cmara municipal. Esta commisso assim or-
ganisada encontrar mui subsidio nos estudos
anteriormente feitos pela outra de que tratamos.
Confiamos que esses Ilustres cidadZos empre-
garo esforcos e intelligencia de modo que seja
coroado de bom exi.o o projecto apresentada
Tambem ficou accordado qae o commercio pelos
seas dignos representantes presentes, Srs. Pedro
Coelho de Magalhaes Gomes, Claudiono Quites e
Antonio Ferreira Velloso, promover ama subs-
cripcio pora auxiliar a creaco de hospitaes de
loncos e morpheticos.
A imprensa nao ficou queda: lembron-se de
abrir nos escriptorios dos seus jornaes subscrip
coes para o mesmo fim, as quaes eato desde hoje
abestas no escriptorio de nossa folha, cumprindo-
nes para ellas chamar a attencao dos nossos lei-
tores, assignantes e do publico em geral.
Findo o motivo da reuniao, foi servido um pro-
tozo e delicado lunch, onde transluaia a lhaneaa e
cavalleirismo de S. Exc.
Diversos brindes foram trocados.
Coube ao nosso Ilustrado collega do Liberal
Mineiro, Dr. Bernardo Monteiro, elevar a primeira
eauJa;o S. Exc, na qual, agradecendo o ge-
neroso convite que Uvera, e, definindo a sua posi-
co poltica perante a administraco, prometteu
I empregar os esforcos que estiverem em suas for-
* *...*,--------*n.. Ji n n A G Pan van aaiiaorto'n ra t/iHoo
A polica local tom procede nos termos da lei.
Pertinente grave -Em 29 do passado mes
de Janeiro, Jos Joo Baptiska ferio gravemente
e9r' m i cas para coadjuvar S.'Exc na realisaco de todas
Historiando os diversas planos que se tem con- ag medidas propostas, porque ollas interessam prin-
cebido acerca do assumpto ou objecto da reuniao, (plmente causa publica.
S. Exc. tratou largamente de cada um d'elles, das. Agradecen S. Exc. esaa prova de amabilidade e
a vantagens, dos meios de suaexequibilidade, 8poio do noS80 coiiega; e considerando que a
opinio publica nao podia melhor representar-;
n essa reuniao, do qae pela imprensa, brindava
merecendo especialmente sua attencao os aumen-
tes ao abistecimento d'agua, melhoramento jdo
servico dos esgotos, fundaco de um cemiterio e.
de um jardim ou passeio publico.
Demorando-se no desenvolv ment desses pon-
tos, S. Exc. demonstrou haver estudado esses ser-
vicos, e as suas ideas e opinioes mereceram sem-
pre o applauso geral.
As questoes que S. Exc. agitou e trouxe ao co-
nheeimento da. reuniao sao muito importantes, exi-
gen) da parte de todos grande aomma de esforcos,
tenacidade e at dedicacao.
Desta verdaae muito conscio est S Exc, e,
por isso mesmo, reunindo esses cavalleiros, pro-
curou saber de cada um d'elles as suas ideas sobre
o assumpto, afim de que, discutida o estudado, me-
lhor possa elle apresentar no futurodocumentos
de sua boa vontade e trabalho.
Manifestada, como est, a iniciativa da adini-
nistraco, em promover o bem estar da capital,
aos seus habitantes cumpre tomar grande parte
nessa obra relevante que attestar slidamente
inuito esforco e patriotismo.
A fundaca., de um cemiterio publico, pensamos
ser medida urgente e de imprescindivel necessi-
dade. O servico mortuario, como tem sido feito
at agora, nao ucs parece conveniente em ama ci-
dade que teude a augmentar e progredir.
Outr'ora, qnando a popuiacao era pequea e a
cidade nao dispuuha dos meios necessarios para
reforma I o, comprebende se que este fosse o me-
lhor alvitre ; boj a idea do cemiterio impoe-se, e
estamos certos de que ella nao soffrer nem opposi-
cae dos habitantes, nem da parte das corporales
que estao incumbidas de fazer esse servico.
J em 1876 foi nomeada urna commisso com-
pasta dos illuetres Drs. Gesteira, Carlos Thomaz e
Pinho, afim de estudar e examinar, segundo os
preceitos hygienicos, o melhor sitio para fundaco
de um cemiterio ; e esta comrcissao, tendo exami-
nado alguna, coactuio por aceitar o que fica no
bairro das Cabecas, no terreno hoje pertencente
chcara de D. Felicidade.
Parece a S. Exc. razoavel essa opinio, e para
este ponto converger suas vistas.
O abastecimento d'agua de palpavel necessi-
dade, porm os estudos feitos do um ornamento
de mata de mil contos, quantia superior artual
mente s forc&s da provincia.
Por isso, S. Exc procura encontrar meios de
melhorar esse servico, no proveitameoto de ma-
nauciaes dispersos, muitos d'elles pertencentes a
particulares, que os cedero, mediante mdica in-
demniaaco e previo accordo. Os encanamentos
actuaes podem ser tambem aproveitados desde
qae se Ihes faca repares naquellas partes onde
esto falhados ou detereorados.
Desse modo er S. Exc. que, com quantia pe-
quena, far-se-ha muito, e servir para satisfazer
- grande parte da iiecesaidade existente.
Outrosim, a idea da fundaco de um jardim
que sirva de logradouro publico, se apresenta aos
olbos de S. Exc. como urna condco de aformosea-
mento da cidade,
Em verdade, nao temos ainda um sitio que cffe-
reca patas eondicoes, porquanto o nico jardim
que possuimos, o da praei da Independencia,
pequeo e estiem local que de nenbum modo sa-
tisfaz as exigencias e uecessidade da popuiacao.
Pretende ?. Exc. ser para isto muito apropriado
o morro da forca a. De accordo com S. Exc,
acreditamos que pode elle ser aprove.tado nao so
pe;as suas coudieO.'S tcpjgraphicas, como porque
ponto ventilado, muito hygienico, e que se pre-
star no futuro a servir de ligacao da grande par-
te do terreno que iemara atraz ia cadeia.
Muito detidamente expendeu S. Exc. sua opi-
nio a respeito do servico dos esgotos, tal como
est sendo feito, e pc!a exposicao que apresentou
consideracao da assembla, ficou provado sa-
cie Jade nao poder convir mais elle, por isso que
prcjuJica muito ao saneamento da ridade, nao s
pela connexo que ha entre a canalisacao d'aguu
potavel com a das materias fecaes, como tambem,
porque estas sao hincadas no ribeirao do Caimo,
cajas aguas aproveitara aos habitantes ribeirinhes
desde esta cidade at Marianua.
Ora, nestas eondicoes, pensa S. Exc, e com
muita razio, qae esta canahsacao deve ser sepa-
rada ; e, servindo-se do actual encanamento, se
Jhe 6 melhor direccao, de modo que sejam despe-
jadas essas materias fecaes em qualquer outro
ponto, embora tenha-se de empregar ob processos
recommendados pela cbimica.
Abundando nessas ideas, obte?e da parte de
todos, os mais expressivos applausos, e ao Dr. di-
rector de obras, foi incumbido de examinar esse
seivc/o, estudal-o cuidadosamente, e apresentar
umre.'atorio minucioso, comprehendendo a planta
da canalisacao geral.
Continuando no dessnvolvimento do programma
que tem em vista realisar, falln S. Exc. da con
veniencia da fundando de bospitaei para loncos e
morpheticos.
Sao estas ideas de tao elevado alcance que dis-
pensara quaejquor recommendacoes.
A sua execucao importa o preenchimento de
grande lacuna, que ee tem feito sentir, porque, In-
felizmente, nao possuimos commodos apropriados
para u'elles serem recolhidos esses infelises.
Nenhum projecto existe acerca de tao palpitante
uecessidade, e com este pensamento, tem em vista
S. Exc. seno sanar, ao menos attenuar essa falta,
cujas consequencias sao prejudiciaes humani-
dade s>Srelora.
Tambem nSo passoa desapercebido S. Exc. o
desenvolvimento que no futuro ter a capital, com
O accrescimo da populacho, qie j est augmen-
tando sensivelmente pela approximaco da estrada
de ferro; e, relatando a sua opinio sobre e local
ausceptlvel de ser povoado, lembroa a probabili-
dade de ser escolhido o terreno do marro do Cru-
zeiro, nao s porque onerece mais vasto campo
para a edificacao, como pelas suas eondicoes de
salubndade. Syndicando das vantagens d'esse
lugar, denotou S. Exc. ter em vista abrir va de
cmoiunicaco da cidade para aquelle ponto, por
meio de urna estrada regular, que, partiudo do
sitio designado para a estaco da estrada de ferro,
v servir aos habitantes qae se collocarem as
encostas e no alte d morro.
Essa ideia, se bem nos pareja poder ser apro-
veitada pela nove, popuiacao, contudo est depen-
dente de outras circunstancias que sd o futuro se
encarregar de apresentar.
Entretanto nao podemos deixar de louvar a soli-
tiud de S. Exc em querer desde j esUbelecer
-se

esta, na pessoa dos seas representantes, confiando
no muito que prestaro em bem dos melora-
meatos da capital.
Oatrosim, comprehendendo S. Excqae a c-
mara municipal a mais directa representante do
municipio, e que estes melberamentos aproveitam
inteiramente aos municipes, briidoa easa cor-
poracio, to dignamente representada pelos Srs.
presidente e mais vereadores.
Esses brindes foram totalmente correspond ios,
sendo ainda de netar os elevados por S. Fxc aos
chefes das repartices e orBciaes de gabinete, ao
Sr. conego Thiresiocomo representante da reli-
fiao e do clero, e S. Exc. o Sr. Dr. Teixeira de
ouza no duplo carcter de vicepresidente e
vereador.
Em nome de seus collegas, chefes de reparti-
coes, corresponden saudaco de S. Exc o Dr.
secretario da provincia
O brinde de honra prosperidade da provincia
de Minas -foi levantado por S. Exc, que com elle
findou o lunch.
Dissolveu-se assim esta reuniao, em a qual
tranapareceu o intento elevado de S. Eac. em pro-
mover os inters-es da provincia, e, crete, como
estamos, de que muito servirlo pira a realidade
d'esses desejosa robusta intelligencia, illustra-
co, criterio e esforcos de S. Exc.auguramos
urna nova poca de melhoria e bem estar da pro-
vincia.
KtVlSTA DIARIA
Segundo* eneratlnlos proi Inclaesi
Realisou-se a 31 de Janeiro findo o 2o escruti-
ni para deputados provinciaes no 8o districto.
Conhecemos estes resultados :
Rio Formoso
Dr. Luiz de Andrada 43
Baro de Nazareth 20
Dr. Joo de Oliveira 17
Agua Prela
Dr. Augusto Coelho de jioraes 102
Baro de Nazareth 47
Dr. Joao de Oliveira 46
Dr. Luiz de Andrada 9
una
Dr. Luiz de Andrada 23
Baro de Nazareth 21
Dr. Joo de Oliveira 17
Barreirot
Dr. Augusto C. de Moraos 52
Baro de Nazareth 42
Dr. Joo de Oliveira 29
Dr. Luiz de Andrada 1
Palmare*
Dr. Luis de Andrada 120
Dr. Joo ae Oliveira 84
Dr. Augusto C. de Moraes 45
Baro de Nazareth 11
Gamelleira
Baro de Nazareth 51 e 4 em separados
Dr. Augusto C. de Moraes 51 e 3
Dr. Joo de Oliveira 13 e 3 .
Dr. Luiz de Andrada 10 e 1
Resut io de toda a votacao do districto :
Dr. Augusto Coelho de Mo-
250 e 1 em separado
206 e 3
206 e 1 >
192 el .
os tres primeiros, que
raes (C)
Dr. Joo de Oliveira (L)
Dr. Luiz do Andrada (C)
Baro de Nazereth (L)
Esto portanto eleitos
sao os mais votados.
Hontem teve lagar no 3o districto o 2 es-
crutinio, do qual temos estes resultados:
Olinda
Dr. Joo de 8 Cavalcante d'Albuquerque 56
Baro de Itapissuma 55
Bebenbe
Dr. Joo de S 36
Baro de Itapissuma 35
Iguarassu1
Baro de Itapissuma 75
Dr. Joo de s 47
loa
Dr. Joo de S 10
Baro de Itapissuma 6
Resumo da votaco conhecida :
Baro de Itapissuma (L) 171
Dr. Joo de S Cavalcante d'Albuquerque.
(C) 149
Qualquer que seja a votaco dos collegios que
faltam, ambos us candidatos cima esto eleitos :
? diftiricioReuni se hontem a junta apu-
radora do 7 discricto eleitoral para fazer a apu-
raco do escrutinio de 15 de Janeiro para um de-
putado geral, e expeli diploma ao desembarga-
dor Henrique Pereira de Lucena.
Autorldade policialPor portara da
Presidencia da provincia, do 1 do correte mez,
foi exonerado Miguel Joaquim do Reg Barros do
cargo de subdelegado do districto de Taquarelin-
ga em S. Loorenco da Matta, e nomeado para
aubstituil o o alferes do corpo de polica Joaquim
Servulo Vieira da Paz.
o vwuatiu, /uto v>**v UoK.*a lona (jrareiiirrne
com urna faeada a Jos Villela, no t;rtno da Es-
es da.
O delinqueate foi preso em flagrante.
Crlnslaoso-No termo do Brejo foi captu-
rado, a 23 do pastada, um individuo conhecido
por Jos Caj, o qual se acha pronunciado em cri-
me de morte na comarca d a Victoria.
Apparelbo pkoto elctrico Aeaba
de publicar na corte o Sr. Carlos Witruvio Aceio-
li Lobato, intelligeute 2 teneote da armada, ama
memoria sobre o appirelho phot) elctrico para a
exploraeo de torpedeiras, qae inventoa afim de
obviar os inconvenientes encontrados at hoje nos
diversos syatemas empregados com tal proposito.
Partindo do principio de que o emprego da lu
elctrica na exploraeo das torpedeiras tem sem-
pre dado resultados seno negativos, ao menos
deficientes, em razo da grande quantidade da
luz proyectada e da los diffusa, effeito que nao
foi obviado nem pelo espelho aplane tico de Man-
gio, ebegou a consequencia de que a lia elctrica,
no modo ora empregado, longe de ser meio de de
feza. um meio de comprometter a quem della se
utilisa ; e do estado sobre experiencias fetas em
diversos lugares da Europa e sobre os resaltados
negativos obtidos em ataques simulados de torpe
deiras, tendo se verificado que o exetsso de lia i
urna causa que influe poderosamente sobre o xito
da exploraeo, pensou o Sr. teneute Accioli Lo-
bato em corrigir esses defaitos dos apparalhos
existentes, e depois de muitas pesquizas e estado
da questo, proauzio o apparelbo de qae damos
esta noticia.
A' memoria acompauha o desenho do apparelhe
para elucidaco do texto, e como a materia im-
portante e grande alcance pratico, devem os pro-
fissionaes e entendidos a ella estadal-a seriamen-
te e de accordo com as observaces a respeito
consignadas na memoria.
Acredita o Sr. teen te Accioli Lobato ter con-
seguido com o seo apparelbo resultados superiores
dos que produsem os apparelhos ora empregados ;
e assim, a ser possivel a adopeo do mesmo, ter
prestado o Sr. teneote um relevantsimo servico
marinba, Ilustrando ao mesmo passo o nome
braailero com o seu trabalho de utilidade geral.
O Dr. Norinno de SoasaRecebemos da
Psrahyba o seguinte telegramma :
< Parabyba, 31 de Janeiro, s 7 horas 10 m. da
rraih.
Chegou aqu hontem o Dr. Jos Soriano d; Sou-
za, depotado gfral eleito pelo 3-districto desta pro-
vincia. Segu noprimeiro vapor para Pernambuco.
Don de Feverelro -Fazem hoje 37 aa-
nos, que oa rebeldes da revolaco praeira entra-
ran na cidade do Recife, sendo batidos pelas tro-
pas legaes.
A Moda mostradaJ chegou e oi des
tribuido o n. 169 do excellente jornal das familias,
sob o titulo cima, numero do corrente mez de
Fevereiro.
Tras alm de um aupplento de quatro laudas
com figurinos para luto, muitas outras no texto,
urna estampa de bordado e moldes e um i gur no
co llorido.
Assigna se este peridico em a Livraria Flu-
minense, ra do Baro da Victoria.
CnromosNa supracitada livraria ha por-
co de lindos e variados chromos, dignos de fi-
gurar nos albuns das pessoas de aparado gosto.
Agradecemos-Ibe e mimo de um qae nos envia-
ram os proprietarios da referida livraria.
Santa CasaSendo boje dia santificado,
a junta administrativa desta corporaco funecio-
nar amanh, 3 do corrente.
Xisto BtalaDaEscadaremottem-nosose.
guinte:
Na noite de 31 do mez findo, teve este fes-
tejado artista urna grande ovacao, na Eacada, por
occasio de seu beneficio. Msicas, flores, rogae
tes, presentes e urna endiente real, tudo teve
em homenagem ao seu devido merecimento.
Fiudo o espectculo, a banda da Philarmo-
nica Seis de Abril, depois de offerecerlhe um copo
de cerveja e a sena companheiros de trabalho, Ie-
vou-o casa de sua residencia, aonde ainda foi
alvo de novas aclamacoss. *
^Transferencia de resta A festa de
Nossa Senhora dos Aflictos que deveria ter lugar
hoje na sua igreja, na estrada do mesmo nome,
ficou transferida para domingo 28 do corrente.
Hospital Portnguei-0 movimento das
enfermaras deste hospital dorante a semana finda
foi o seguinte :
Existiam em tratamento...... 10
Entrarara................... 2
m-ens no'aveis em tedas as provincias do saber
hnmino, Ihi tem garantido ate hoje e lho garan-
tir no futuro uraa extensa fila de estadistas, de
publicistas, de historiadores, de jurisconsultos, de
homens de aciancia e de litteratos, cuja reUco
tas honra vitalMaa^e intellectaal dessa repblica
to adiant&it e to culta.
i Embjra activasaente envolvido nos negocios
polticos da sua patria, o Sr. Vicu i Mackena
conservou"sempre as sus aclinacoes litterarias, e
aiuda no meio das mais rudes bstalhas nao des-
denhsva os seus predilectos labores, nem se es-
quecia das lendas nacionaes, ou das investigaces
histricas, qae eram ama das particularidades
mala arT-coadas ao sen espirito.
Consignando as paginas do nosso jornal o
triste ovento que acaba de roubar America um
dos seos homens mais distinctos e acreditando
que a sua merte ter sido lamentada sincera-
mente pelos seus concidadaos, d'aqui enviamos
repblica do Chile os nossos sinceros pezames.
Cansar -Escrevem-nos em 28 dsJaneira
findo :
Hoatem
Saho curad........
Ficam em tratamento.
I?
1
11
12
no exercicio de mordomo na semana
teve comeco o Sr. Manoel Cardoso
Continua
que hontem
Jnior.
Vapor A d /aneeSegundo nos communi-
caram os Sr. Henry Forster 4 C, agentes da com-
panhia United States & Btasil S. S., o vapor
Advance esperado dos portos do norte amanh
s 4 horas da tarde.
Asylo de Mendlcldade O movimento
d'este estabelecimento de caridade no mez de
Janeiro foi o seguinte :
Existiam Entraram Homens 58 14 Muiheres 106 18
ahiram 72 6 124 4
Existem as enfermaras: Existiam Entraram 66 18 .8 120 32 11
Tiveram alta 26 5 43 7
Falleceram 21 a 36 3
Existem: as enfermaras Nos dormitorios 19 47 33 87
66
120
Xao denembarcou metralhadora-
A' 8. Exc. o Sr. presidente da provincia foi diri-
gido o seguinte oficio :
" a. N. Commando da divselo cruzadores em
Pernambuco. -C. Guanabara, em 31 de Janeiro de
1895. -N. 41.
A' S. Exc. o Sr. presidente da provintia de
Pernambuco.Em resposta a carta official que V.
Exc. me acaba de dirigir, pedindo-m que informe
se dos crazadores Guanabara e Primetro de Mar-
go desembarcan, para o Arsenal de Marinba ou
para outro ponto desta cidade, alguma metralba-
dora tenho a certificar a V. Exo. qae nao se fez
de bordo destes navios desembarque algum de ar-
mamento, mesmo porque se assim fosse teria cem -
municado a V. Exc, como me campria.
Deas guarde a V. Exc. Luiz Mara Piquet, com-
maudante da diviso de cruzaderes. a
Assassinato A's 9 horas da noite de 30
de Janeiro prximo fiado, e na estacao da Victo-
ria, da ferro-va de Caruar, foi assassinado com
trex facadas, sobre a propria locomotiva Qiqui,
do nual era foguista, o individuo de nome Manoel
Jos dos Reis, sendo o assassino outro individuo
de nome Caetano de tal, que, como aquelle, era
empregado do empreiteiro da linha.
O assassino evadio-se depois do crime, deixan- I
do cravada na ultima das feridas a faca homi-
cida, 1
Total 186.
Escolas de instrueco primaria no Asylo :
Foram frequeatadas por 17 alumnos, inclusive
3 na dos cegos.
Proclamas de casamento-Na matriz
de Afogados a 31 de Jaieiro findo, foram lidos oo
soguintes :
Joo Rosalno dos Santos com Maria Justina do
Nascimento.
Honorio Jos de Souza com Maria Emilia da
Conceifo.
Vicente Ferreira de Paula com Maria Leopoldi
na da Conc?ico
Joaquim Pereira dos Santosoom Guilhermina da
Costa Monteiro.
Francisco Jos de Souza com Josepha Maria de
Jess.
Foram mais lidos na matriz de Santo Anto-
nio os seguintes :
Luis Carlos de Almeida com Cactana Monteiro
da Costa Reis.
Capitulino Rodrigues dos Passos com Mat a Ho-
salina dos Passos Guimares.
Virgilio Alves da Silva Rebello com Liberatna
Mariana da Silva Fragoso.
Na matriz'da Boa-Vista foram lidos no mes-
mo dia:
Severino Antonio Gomes da Motta com Marian-
na Pereira da Silva.
Jos Fornandes da Silva com Catharina Perei-
ra da Silva.
Virgilio Alves da Silva Rabello com Liberalina
Marianna da Silva Fragoso.
Luiz Carlos de Almeida com Caetana Monteiro
da Costa Reis.
Bento Francisco da Cunha Jnior com Maria
Lucia Ferreira.
Vicua MacKena Leaos no Paia da
corte de 86 de Janeiro :
A repblica do Chile acaba de perder um dos
seas filhos mais Ilustres : o cidado eminente cujo
nome encima este artigo.
Mais do que pela sua populardade, influencia,
posico e ttulos, o Sr. Vicua Mackena tornou-se
notavel por ser um dos mais laboriosos e fecundos
espiritos da nossa joven Ameriea.
o Como iornalista, como poltico, como orador, o
Ilustre chileno que acaba de fallecer em Valpa-
raso, segando noticia o telegramma que hoje pu-
blicamos, deixa de si ama reeordaco honrosa e
seos trabalbos, como o seu nome, ho de ser en-
corporados ao patrimonio intellectaal desse pe-
a esta cidade chegou o Exm. Sr. Dr.-
Rosa e Silva, qae, a convite dos amigos desta ci-
dade, veio recebar o diploma de deputado As
sembla Geral ; S. Exc. chegou s 9 horas da ma-
nhS aeompanhado de perto de 3)0 eavalheiros,
qae o foram encontrar a duas leguas de distaacia.
Muitos amigos de S. Exe. da comarca do Brejo e
) Limieiro que a convite da commisso en arro-
gada da manifestsco aceederam e ineorporaram-
se ao eleitorado desta comarca e tolo o 10* distric-
to se fea representar na brilhante manifestarlo
feta ao Ilustre deputado.
A roa principal desta cidade estava decorada
com arcos e banleirai. Ao entrar na ci dade es-
perava-o a banda de msica regida pela protes-
sor Jos dos Santos, e urna immensa quantidade
de girndolas subi ao ar e S. Exc apeou-se em
casa do Sr. Manoel Rodrigues Porto.
A's 11 horas a junta apura-lora renno-se no
pa^o da Cmara Municipal, camparecendo seis
juizas de pas, e presidio a sesio o Dr. Malaquias
do Lago Ferreira Costa, que se acha interinamen-
te na vara d i dircito. Todos os amigos qae foram
encootrar o Ilustre deputado foram presentes ao
acto da apuradlo, ao concluir do qual foi entregue
o diploma a urna commisso de seis meninas, qae
precedida da banda de msica e dos amigos de
. Exc. foram levar Ih'o casa cm que estn hos
pedado. Ah chegando S. Exc agradecen a mi
nifestaco, em eloqaente discurso, concluindo por
ergaer diversos viras que foram calorosamente
correspondidos.
A's 12 1/2 horas S. Exc. dirigise A c isa
onde estava preparado um delicado e profuso
almoco, em o qual reinou a mais perteita cordiali-
dade e satisfaco.
S. Exc. o Sr. Dr. Rosa e Silva, desde a sua
ebegada at a hora em que escreveaios tem sido
constantemente visitado por seus amigos desta ci-
dade e de'ouios pontos do districto.
O Ilustre deputado pretende retirar se no dia
30 para a capital.
At esta data nao appnreceram chuvas;
bonten s 6 horas da tarde bou ve urna neblina
que durou at quasi as 8 horas. No dia 22 cha-
vea em algans pontos da comarca de Bezerros e
Brejo.
O estado sanitario da comarca lisongeiro, e
bem assim o de seguranca e tranquilidade.
No dii 13 procedeu-se a revso de juizes de
facto deste termo. *
Cultura do trigoLemos no Jornal do
Commercio da corte:
Em discurso pronunciado pelo Sr. Villa Nova,
na Assembla Provincial do Rio Grande do Sul,
deparam-se dados e nformacoes interessantes a
respeito da cultura do trigo na mesma provincia.
Semelhante cultura j foi all praticada em larga
escala, tendo a provinci a exportado:
Em 1816 226.981 alqueires
En 1817 109,446
Em 1818 55,237
Em 1819 122,218
Era 1820 99,640
Em 1821 118,762
F.m 1822 37,362
Desde entao, medida que se desenvalvia a
criaco do gado, foi baixaudo at desapparecer
quasi completamente a cultura daquelle cereal,
sem que esta traosforinafo econmica tenha ex-
plicaco razoavel na comparacao do prego venal
dos productos. Entretanto as trras do Rio-Gran-
de do Sul, nao smente as de matto virgem, mas
tambem as occapadas pela industria pastoril, sao
particularmente aptas para o planto do trigo. A
analyse de taes trras por pessoas competentes
tem patenteado aquella prosperidade. Sr. Her-
mn von Iherind, em .artigo publicado na revista
allem Export, cscreveu a tal respeito as seguin-
tes liabas que a alta competencia do autor torna
mui dignas de consideraco:
Os campos smente servem actualmente para
criac3_o_ do gado. Entretanto forma outr'ora mui
to utilisados na cultura do trigo e sel o-ho de
novo, pelo meno? em parte, quando esta cultura
tiver o desenvolvimento que para esperar. No
principio do seculo a provincia do Rio-Grande do
Sul fornecia muito trigo, chegando a exportal o
at para o Estado Oriental, ao passo que hoje o
recebe nao d'alli como da Repblica Argentina e
dos Estados-Unidos, embora a praga dos galanho
tos, esse inimigo terrivel da agricultura argenti-
na, nao ti igclle a provincia, a qual ainda por es-
te aspecto mui favorecida.
A importaco da fariuha de trigo enorme no
Brasil. S no Rio de Janeiro foram, em 1879, im-
portadas 406,606 barricas, o que, segundo o cal-
culo do Jornal do Agricultor, representa pouco
mais ou menos dous tercos da importaco total
desse genero em todo o imperio. Cumpre notar
que urna barrica contem pouco mais ou menos 88
kilog, ou 160 libras, cujo valor miio de 20
cerca de 36 marcos).
O Brasil paga aos Estados-Unidos da America
e aos Estidos do Prata 20,350:000*. ou approxi-
madamente de 36,000:000 de marcos pela fariuha
do trigo que consom, quantia que poderia ficar
no paiz.
Nao me sera possivel indicar o algarismo a
que sob a importaco do trigo na provincia do Rio
Grande do Sul, mas assaz cousi le-avel. S de
Ricbmond, nos Estados-Unidos, partiram para es-
ta provincia, nos mezes de Novembro e Dezembro
do anno de 1880, nove navios com 17,480 barri-
cas de farinha de triga A quantidade importa-
da dos Estados do Prata enorme. A produeco
do trigo no paiz tem, portanto, vasto e rico cam-
po para conquistar.
Sufficientemente povoada e enrgicamente ap-
plicada cultura do trigo, a provincia do Rio
Grande do Sul poderia por si s fornecer a fari-
nha necessaria a todo o Brasil. Alguma cousa
tem sido teita neste sentido, de algum tempo a es-
ta parte, principalmente as colonias italianas (as
antigs colonias do Estado, Conde d'Eu, D. Isa-
bel e Caxias), as quaes em anno recente produ-
ziram 12,000 saceos do trigo ou 8,700 hectoli-
tros.
ltimamente os Srs. Freitas Valle e Jacques
grandes proprietarios era Algrete, rcsolveraui
dar forte impulso cultura do trigo, concedendo
lote* de trra a colonas, o uso de instrumentos ru-
raes e de animaes, e at alimentaco durante o
primeiro anno. A tro-a disto, porm, exigem os
colonos metade da colheita.
< Reina agora felizmente no Rio-Grande do
Sul a disposicao para a cultura do trigo. Por
natural imitaco do que se tem dado nos estabe.
leeimentos colomaes, varios creadores t.n j fun.
dado grandes plantacoes que provavelmente ser0
prenuncio da restauraco da importante cultura. ,
Rectiricaco talstorlca Ainda andam
inglezaes e franceses s voltas com a sua Joanna
d'Arco.
Eis aqni o que diz acerca da morte da heroina
o Daily Telegraph :
Pouco tempo depois da morte de Joanna, ou
ra pretendida morte, em Rouen, correu a noticia
de que a intrpida donzella tiuha sido substituida
por outra no supp icio. A questo sobre esta
substituidlo se fez com o consentimento da passoa
inmolada em lugar de Joanna d'Arco ou por von-
tade das autoridades inglezas, pesarosas de terem
condemnada morte a ana valerosa inimiga nao
foi resolvida todava.
Pode ser que nao se tivesse prestado grande
crdito a esta legenda, a nao ter sido pelo desco-
brmento feito ha cerca de duzentos annos pelo
padre Viguier, o qual encontrou um curiosissimo
documento em os archivos de Metz.
< O documento, em questo, falla da chegaia
cidade de Metz em 1436 de urna donzella chamada
Joanna, a qual foi reconhecida pelos dous irmos
de Joanna d'Arco, como sua propria irm. Em
virtude d'este reconhecimento, se casou como se
casam as deraais muiheres com o cavalleiro des
Hemofses.
Com este dado, o padre Viguier recorreo a
Lorena, e na casa senhoreal dos Hermoises, e en-
cerrado nu'um cofre antigo encontrn um contra-
Hermoises'e Joanna d'Arco, chamada a Donzella
d'Orleans.
< Teria graca qae no fim de tanta discusso
sobre a heroina francesa, resultasse a Donzella d'
Orleans, convertid) em rali de familia.
Alvelds -Diz o Dr. Midy -Nouoeaux Reme-
des, i E'site o sueco d'uraa euphorbiacea que
se emprega desde loogo tempo oo tratamento do
cancro, principalmente no Brasil Aquelle que
teve o autor um liquido branco amarellado, de
consistencia muito xaroposa, insoluvel n'agut e
no alcool, soluvel ento no ether e no chlorophor-
mio e mistaravel perfei tatente com os leos fixos.
Assim como alterabilsimo, se o conservamos
com o acido salicilitico.
E' empregado, perm, concentrado qnasi at a
solidificaco e em uoiio com a vaselina, pelo que
a sua applicaco torna se deste modo muito fcil,
e se pode melhor circumscrever a sua aeco.
Estende-se esta mistura com um pincell.'nho,
deixa-so a parte doente exposta ao ar, ao menos
por urna hora, cobrindo-a com algodo.
Repete-se esta operaco de dous em dous ou
de tres em trez dias ou tambem todas as vinte e
quatro horas, se o doente nao sjflre muito, lavan-
do cada vez a fenda com urna soluco de acido
phenico e enxugando a depois muito bem.
O Sr. N. Pompilio, cirurgio do hospital Pedro
II em Pernambuco, cita muitos casos de cancros e
cancroides epitheliomas, e de tumores eretbis. com-
pletamente carados ou pelo menos sem recahidas
conhecidas, e, entre outros o Dr. Joaquim Gue
nes.
Sem nada accrescentarmos a esta noticia, dei-
ximil-a pasear tal qual noj vcio ci ter.
Despachos telegrapbicosVienna, 22
de Dezembao.O ministro do interior ordenou a
desinfeccao dos wagous e a visita sanitaria dos
viajantes vindos da Italia.
Cr-se que o cholera investio com urna certa in-
tensidaHe a Veneza, ainda que n'esta cidade se
pretenda dizer que nenhum caso appareceu e que a
recnaa da raunicipalidade de receber para guar-
nidlo um regiment de infantera viudo de Paler-
mo foi motivo da dar cabimento ao rumor d'uma
epedetnia cholerica.
tallaPara responder as noticias que cir-
cularan! sobre a saude publica em Veneza, o ty-
dico d'esta cidade dirigi a communicaco se-
guinte s folhas :
Depois de 29 de Outubro, isto dorante um
periodo de dous mezes, nao appareceram mais que
seis casos choleriformes em Veneza ; o que faz
crer que esta doenca nao tomoa na nossa cidade
carcter epidemicol
O caf e o alcool nos meninos.
Nao obstante j termos suflicientemente tratado
do caf e do alcool, das snas propriedades e dos
effeitos no organismo, todava ainda voltamos ao
assampto, visto como elle hoje referente aos me-
ninos.
O caf indubitavelmente urna bebida prejudi-
cial para os meninos menores du dez annos, nao
smente estorva ao seu desenvolvimento corpo-
ral, seno que provoca nellea desarranjos ner-
vosos.
Por isso os paes nao devem esquecer a ameaca
de Balsae, refutada por Brillat-Savarin :
Os paes qne nao prohibem o caf a seas fi-
lhos criara urna descendencia rachitica que enve-
lhecer aos vinte annos.
Se os mdicos se informassem cuidadosamente
das causas occasiona.es das affecfes do systema
nervoso, taes como os terrores nocturnos, e os ata-
jues convulsivos, os phenomenos histricos, etc.,
veriam que na maior parte das vezes, o caf o
causador de todos estes desarranjos.
O meniuo um ser que mais necessita de seda-
tivos do que de excitantes.
Os Hahnemanianos obtm mais resultados pra-
tieos com a prohibidlo absoluta do caf, que dos
muitos remedios da sua pharmacopa.
O caf deve prchibir-se aos meninos qae soffrem
palpitacoes do coraco e aos que tra perturbaces
as funecos digestivas.
As bebidas alcoolicas produzem effeitos mais
prejudiciaes que os do caf nos meninos.
Oa effeitos destruidores do alcool se fazem sen-
tir muitas vezes nos meninos desde o momento da
concepcao. Estas desgraciadas criaturas vem ao
mundo soflreudo as cousequencias de umi triste
heranca-
0 Dr. Demmc do hospital de Berm, tem ob-
ervado quo desde 1878 a 1884 quasi as tres
quartas ptrtes dos meninos levados sua clnica
erara filhos de paes oa de mies dados bebidas
alcoolicas.
Quando as bebidas espirituosas f irmam parte
d'alimentafio diana dos meninos ainda que sejam
era pequea quantidade, exp5>m-os a eontrahir in-
curaveis aflec$es do ligado ou a convertel-os em
epilpticos.
Os bilhutes acham-se venda na Casa da Por-
taos, ra Primeiro de Mareo n. 23.
botera Extraordinaria ao Tpl-
ransrsO 4 e ultimo sorteio das i>e> seiiea
desta importante lotera, cujo maior premio da
150:000*000, ser extahida a 9 de Abril.
Bilhetcs venda na Casa da Fortuna i roa 1
de Marco n. 23.
Lotera da corte-Eis os ns. mais pre-
miados no sorteio de 23 de Janeiro da 1 parte da
26 lotera (195 A) em pro do Instituto dos Meni-
nos cegos e sardos-mudos :
freuios db 100.000*000 a 1:000*000 '
100:000*000
20:000*000
5:000*000
2:000*000
2:o00*00O
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*090
1:000*000
10107
8864
1311
1708
11761
1447
3895
6104
6540
7482
9334
10106
10108
8863
8866
1310
1312
1707
1709
11750
11752
ATPBOXIMACUES
9
894
999
1090
578
2104
4037
5819
7659
8823
1879
2758
3646
1463
2171
2697
4294
811
2112
4230
6481
8169
88o7
1:000*000
1:000*000
6:000*000
6:00(1*000
4:000*000
4:000*000
3:00'*000
3:000*000
3:000* 00
3:000*000
PBEMIOS de 500*000
5594 8394 9958 13007
7627 8797 12741 13440
7776 9121 12741 13491
PREMIOS DE 200*000
4765 8701 11296 12231 13832
4998 8803 11363 12683
5334 10886 11616 13120
8066 10950 11932 13477
PUEMIOS DE 100*000
1108 1559 1579, 1669
2898 292r--_3JS 3697
4874 4960 5286 5577
6760 6834 6848 7563
8437 8591 8720 8821
9479 9532 10124 10149
10945 11060 11507 11845
12155 12455 12718 13647
10215 10838
11934 11950
13658 13740
Mercado Municipal de S. Jos.O
movimento deste Mercado no dia 1 do corrente,
foi o seguinte:
Entraram :
29 bois pesando 3.740 kilos.
228 kilos de pcixe a 20 ris 4*560
12 taboleiros a 200 ris 2*400
39 cargas de farinha a 200 ris 7*800
4 ditas de fructas diversas a 300
ris 1*200
6 Suinos a 200 ris l*20O
Foram oceupados:
19 columnas a 600 ris 11*400
44 talhos de carne verde a 1*000 44*000
20 ditos de ditos a 2* 40*000
44 compartimentos de taiinha e co-
midas a 500 ris 22*000
65 ditos do leguraes a 400 ris 26*000
16 compartimentos de suino a 700
ris 11*200
14 ditos de fressuras a 600 ris 8*400
Deve ter sido arrecaiada neste dia a
quantia de 179*960
Precos do dia:
Carne verde a 320 e 480 ris o kilo.
Suinos a 600 e 800 ris idem.
Carneiro a 600 el* ris idem.
Farinha de 320 a 600 ris a cuia
Milho de 280 a 360 ris idem.
Feijo de 800 a 1*280 ris idem.
Uatadoaro Publico. Foram abatidas
no Matadouro da Cabanga 78 rezes para o coma-
dla 30
Na Alcmanha ha o funesto costume de combater febre.
Cemiterio PublicoObituario do
de Janeiro :
Raphael, ^ Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista ;
gastro enterite.
Mara, Pernambuco, horas, Santo Antonio; con-
gesto cerebral.
Maria, Pernambuco, 7 horas, Boa-Vista; fra-
queza congeoita.
Domingos das Neves Teixeira Bastos, Pernam-
buco, 72 annos, casado, Boa-Vista ; hemorrhagia.
Luiz de Franca, Pernambuco, 17 mezes, Boa-
Vista : mereogite.
Constanca, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vista ;
os symptomas da anemia com bebidas alcoolicas.
E' um tratamento destruidor.
Nao obstante todo o daino que o alcool faz aos
meninos, quando gozam de boa sade, pode con-
verter-se em bem quando, se lh'as fazem beber
em enfermidades que trazem eomsigo urna alta
temperatura e grande prostraco de forcas. En-
to o alcool tomado debaixo da forma do vinho
puro, desperes a energa nervosa, e augmenta a
forja do coraco.
I Amanh
Maria Clementina de Soasa Rosa, Pernambuco,
27 annos, casada, S. Jos ; tube.culos pulmonares.
31 -
Joaquim Augusto Ferreira Jacobina, Pernam-
bu o, 62 annos, viuvo, Ora? i ; gangrena do dorso.
Josepha Petrolina de Brito, Pernambuco, 38
aanos, casada, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Cosma Maria da Conceico, Pernambuco, 15 an-
nos, solteira, Boa-Vista ; cyrrhose do ligado.
Estella, Pernambuco, 13 mezes, Recite ; bron-
chite.
Alexandrina Maria da Soledade Ibiapina, Pa-
Pelo agente Gusmio, s 11 horas, na ra do Li- rahyba, 19 annos, solteira, S. Jos ; tubrculos
vramento n. 21, da arraaco e varios utensilios do
estabelecimento ahi sito.
Pelo agente Brito, s 11 horas, na ra do Im-
perador n. 24, de predios e terrenos.
Quinta-feira :
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, na ra do Vi-
gario Tenorio n. 12, de predios.
Pelo agente Silveira, s 10 1/2 horas, na ra do
Bom Jess, de movis, fazendas, miudezas e g-
neros.
Sexta-feira :
Pelo agente Martint, s 11 horas, no Mj nte de
Soccorro, de j lias, etc., etc.
pulmonares.
Rosa Maria da Conceijo, Pernambuo, 56 an-
nos, viuva, Boa-Vista ; caclexia cancerosa.
Amaro, Pernambuco, mezes, Boa-Vista; con-
gesto pulmonar.
Amelia, Pernambuco, 13 das, Santo Antonio ;
entente.
queno mas opulento Estado, cuja sementr de ho- cto da matrimonio entre o cavalleiro Sobarlo do*
insas fnebresSerio celebradas :
Amanh :
As 8 horas, na ordem terecira de S Francisco,
por alma de Antonio Albino Goucalves Rosa ; s
8 horas, na nutriz de Santo Antonio, por alma do
desembargador Joaquim Nunca Machado.
Quinta-feira :
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, por alma
de Adolfo Domingues da Silva.
Sexta-feira :
A's 8 horas na matriz da Boa-Vista, por alma
Je D. Candida Maria Gomes de Carvalto ; s 7
1/2 horas, na ordem 3* do Carmo, por alma do
Domingos das Neves Texeira Bastos ; s 6 horas,
na matriz de Santo Antonio, por alma de Jos do
Nascimento Albuquerque ; as 7 1/2 horas, na
Santa Cruz, por alma de Adolpho Domingues da
Silva.
Passageiros -Chegados dos portos do sul
no vapor nacional X. Francisco :
Dr. Antonio de Siqueira e 1 criado, Dr. Marco-
lino Dornellas Cmara, Carlos Vaz, Francisco
Gregorio de Moraes, Hemeterio Vital de Negrei-
ros, Jos Donato Pinheiro, Flora Leite, Evange
lino Jos de Faro, Jos M. Rallcmberg, Dr. Anto-
nio v cente do Nascimento Feitosa, Manoel Joa-
quim Fernandes e Augusto Martins.
Chegado dos portos do sul no vapor inglez
Valparaso :
N'anoel Valerio de Medeiros.
Cana de Delenro-Movimento dos pre-
sos no dia 31 de Janeiro :
Existiam presos 332, entraram 16, sahiram 17.
existem 330.
A saber:
Nacionaes 298, muiheres 4, estrangeiros 5, es-
cravos sentenciados e processados 13, ditos de cor-
reccao 10.Total 330.
Arracoados 311, sendo : bons 299, doentes 12
Total 311.
Nao hoove alteraco na enfermara.
Molerla da provinciaQuinta-feira 4,
de fevereiro, se extrabir a lotera n. 34, em bene-
ficio da matriz de Rio Formoso.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceifo dos Militares, se acharo expostas as
urnas e as espheras arrumadas em ordem nume
rica, apreciago do publico.
Lotera de Macelo de COOsOOOjiOOO
A 13" parte da 11 lotera, cujo premio grande
de 200:000*000, pelo novo plano, ser extrahida
tmpreterivelmente amanh, 3 de Fevereiro, s 11
horas.
Os bilhetes acham-se a renda na Casa Felis
praca da Independencia ns 37 e 39.
Lotera do Rio.A 2' parte da 195, do
plano novo, do premio de 100:000*000, ser ex-
trahida impreterivelmente amanh, 3 de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, roa Primeiro de Marco n. 23.
Lotera do Cear de SOOiOOOOOO
A' 2 serie d'esta grande lotera, cujo maior pre-
mio de 250:000*000, se extrahir mprctenvel-
metrte amanh, 3 de Fevawiro, ao meio dia,
CHRONICA JDD1CIAR1A
Tribunal da ftelacao
SESSAO ORDINARIA EM 1 DE FEVE-
REIRO DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. SB. CONSELHEIBO
QINTDO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
As hoi as do costume, presentes os Srs. desem-
bargador s em numero legal, foi aberta a sesso,
depois de lida e approvada a acta da antecedente.
Passados os feitos deram-se os seguintes
JDLGAMENTOS
Habeas corpus
Pacientes:
Joo Gomes da Silva. Negou-se a soltura,
unnimemente.
Francisca de Salles das Vrgens.Mandou-se
ouvir os juizes de direto do 2} districto e de Ga-
ranhuns e Bom Conselho.
Jos Francisco Gomes e Jos Mendes da Silva.
Mandou se ouvir ojuiz de direto do 2'dis-
tricto.
Jos Barbosa Lima.Negou-se a soltura, un-
nimemente.
Manoel do3 Santos Rimo3.Prejudicado.
Recurso crime
Do RecifeRecorrente o juizo do 2" districto,
recorrido Francisco Bossi de Frederico. Relator
o Sr. desembargador Toscano Barreto. Adjuntos
os Srs. dosembargadores Alves Ribeiro e conse-
l.'ira Freitas Henriques. Negou-se provimento,
unnimemente.
Aggravp de petico__________
Do cvel do Recfe=Aggravante Adresino Luz
Magalhaes, aggravado o juizo. Relator o Sr.
desembargador Buarque Lima. Adjuntos os Srs.
desembargadores Monteiro de Andrade e Pires
Goncal7es.Negou-se provimento, unnimemente.
Prorogaco de inventario
Inventariante Joo Marynch dos Santos.Con-
cedeu-se o prazo pedido.
Anua Thereza de Jess.-*Concedeo-se o prazo
pedido, unnimemente.
Appellacoes crimes
De Palmaresppellante o jniso. appellado
Jos Fortuuato de Oliveira. Relator o br. des-
embargador Buarque Lima. Mandou-se a nova
jury, unnimemente.
Do Recifeppellante Manoel Correia de Mel-
lo, appe'.lada a justca. Relator o Sr. desembar-
gador Buarque Lima.Confirmou-se a sentenca,
u animemente.
Do BecifBppellante Pedro Celestino da Cu-
nha, appellada a justica. Relator o Sr. des m-
bargador Monteiro de Andrade.onfirmju se a
sentenca, unanimemento.
PASSAGENS
Do Sr. conselheiro Araujo Jorge ao Sr. conse-
lhero Qaeiroz Barros :
Appellaco commercsal
Do Recifeppellante o curador fiscal de Mou-
ra & C, appellado Victorino Domingues Alves
Maia.
O Sr. conselheiro Araujo Jorge com procura -

\
k-
i
IV
X I
t\
'


'W
\
Diario de Pernambcn~Tcrfa--feira 2 de Pevereiro de 1886
JW*-}--
/
dor da cor.- e promotor da justica dea parecer
noB seguate! fetoa :
Appellaeees civeis
Do Recife Appellante padre Manuel Jos Lo-
pes de Mimnda, appeilado o consol de Portugal.
De Ci-.m|>ina GrandaAppellente Quirino Jota
Guimares, appellalo Manuel, por sea candor.
Appel taces crimes
Da Parahyba -Appellante Jos Theotonio Al-
ves da Silva, appellada a jastica.
De GoyaanAppellante Joaqun de Albu
querque Mello, appellada a justica.
Do LimoeiroAppellante o promotor, appella-
do Metchisedeck Gom-a Pereira de Vascoaceilos.
De Sr. conselheiro Q leiroi Barros ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellacao crime
Do RecifeAppellante Jos Vicente Ferreira,
appellada a jastica.
Embargos infringentes
Do Recii'eEmbargante Antonio Moreira Res,
embargado Manocl de Mosquita Cardow.
Do Sr. dcsembargador Tescano Barreto ao Sr.
desembargador Oliveira Maciel :
Appellacoes crimes
Do PanellasAppellantes Venssimo Benicio de
Sobral e outro, appellada a justica.
Do PilarAppellante o juiao, appellade Fran-
cisco Marinho de Souza.
De CimbresAppellante Jos Vieira de Paiva,
appellada a justica.
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desemb.iig> dar Monteiro de Andrade :
Appellacao crime
De ItabaianaAppellante Pedro Alves da Sil-
va, appellada a iustica.
"Appellacao civel
De MaceiAppellante Francisco Yaz Perei-
ra, appcllados os libertos Cicero, Davina e Ja-
cintho.
Do Sr. dcsembargador Monteiro de Andrade ao
Sr. desembargador Pires Goncalves :
Appellacoes crimes
Da ParahybaAppellante Joo Francisco de
Oliveira, appellada a justica.
De Bom JardimAppellante o juiz de direito,
appellado Gabriel Thom Ribeiro.
Da Sr. desembargador Pires Goncalves ao Sr.
desembargador Alves Ribeiro :
Appallacdes crimes
De NazarethAppellante Manoel Marquea Be-
serra de Mendon9a, appellada a justica.
De TraipAppellante bacharel Jos Ignacio
Gomes Ferreira, appellada a justica.
Do Sr. deaembirgador Alves Ribeiro ao Sr.
conselheiro Freitas Henriques :
Appellacoes crimes
De Campia GrandeAppellante Emygdio Ale-
zandre Ferreira, appellada a justiga.
Do RecifeAppellante Jos de Souza Carnei-
ro, appellada Luiza Mara da Conceico.
De AlagasAppellant e Manoel Pereira da
Silva, appellada a justica.
DILIGENCIAS
Cora vista ao Sr. conselheiro promotor da jas-
tica :
Appellacao crime
De Pao d'A'hoAppellante o promotor, appel-
ados Lupicino Francisco Cavalcante e outro.
Com vista s partes :
Appellacao coomercial
Do RecifeAppellantes Liurentmo Pires de
Carvalho c outros, appellada a massa fallida de
Jos Jo iquira Pereira de Mendonca.
Encerrou-se a sessao a 1 hora e 15 minutos da
tarde.
Junta C'ommerclal da cidade do
Reeife
ACTA DA SESSO DE 28 DE JANEIRO
DE 188G
DENCI1 DO ILLM. SB. COMMISDADOB AUTOITIO
GOMES DE MlKlKDi LEAL
Secretario, Dr. Julio Guimares
A's 10 1/2 horas da manha declarou-se aberta a
seaso, estando presentes os Srs. deputados Oliu-
to Bastos, commendador Lopes Machado, Beltro
Jnior e suppleute Hermino de Figueiredo.
Lida, foi approvada a acta da sessao anterior.
Fez-se a leitura do seguinte
EXPEDIENTA
Aviso circular de 11 do corrente, expedido pelo
Minate!io da Agricultura, para quo se enve urna
relacao do numero de marcas de fbricas e de
csmmercio que houverem sido registradas desde a
execuco da le n. 2,682 de 23 de Outabro de
1875.a' secretaria, para os devidos fias.
Orne i os :
c De 23 do corrente, da Junta des Corretones
desta praca, remetiendo o boletn das cotacoes
officiaes de 18 a 23.Seja archivado-
Doas, de 18, ambas da Junta Cammcrcial de S.
Salvador, no primeiro aecusando o recebmento do
officio de 7 e o segundo remetiendo a relacao dos
coinmerciaates matriculados no semestre findo em
Dezeinbro.Responda se c archive-se.
De 2 do corrente, da Juuta Commercial de S.
Luiz, remetiendo a mesma relacao.Responia se
e archive-se.
j" De 13 do corrente, da Junta Coraraercial da ca-
pital da imperio, remetiendo a relacao
merciautes all matriculados no
Responda se e archive-se.
Diarios ofiieiaes de ns. 11 a 20. Sejam ar-
chivados.
i > ios rubrica os segumtes li
e a importaco e ex ortaoao das taes mercadona)
raesroaj razio social e duraejio (t 1. de Outabro
da 1888' e sob as mesmas coadices estibelecidas
no contrato primitivo firmado em 6 de Novembro
de 1883 com o acereteimo de capital e fundo em
commandita de 23:5004, sendo a s9de da sociedu-
dc o primeiro andar do predio n 25 ra do Ba-
rio da Victoria.Registre-as com o aegreio re-
comuendado ao art. 31 i do cdigo coinmercial.
Da Manoel Jlo Lobato, para que se d baixa
ao sea ex-oaixero Joaquim Luiz Rabillo.D-se
a baixa pedida.
De Francisco Joaquim Alves, Joo Pereira de
Mendonc* e Jlo Gome de Siqueira, para que
seja archivado o contrato de aooiedade em nome
collectvo que celebraram sob a firra de Mendon
fa Primo C. cam o capital de 2l:59 5-47 pra
o commcrcio de fasendas nesta praca ra Duque
deCaxias n. 62.Arch;ve-se.
De Jos Pereira de Mendonca, por seu bastante
procurador e a supra dita firma Mendonca Primo
& C, para que se archive o contrato de sociedade
em commandita, que celebraram sob a firma i*
Mendonca & C. com o capital de 11:516i 991,
sendo o fondo em commandita de 10:3151^31
para o commercio de compra e venda de facendas
esta praca ra Duque de Caxias n. 53. Pedem
outrosim qie se lhe restitua a procuracao que
apresenta. Archive -se o contrato e entregue-se
a procuracao mediante recibo.
De M-nocl Antonio Flores, por seu bastante
procurador, e Bento Luis de Aguiar, para que
restituindo-se lhe a prucuraeo annexa, se archi-
ve o contrato de sociedade em nome collectvo
que celebraram sob a firma de Flores & Aguiar,
esm o capital de 11:443*950 para o commercls de
fasendas nesta praca, roa. Duque de Casias n.
81.Arohivo-sa o contrato e restitua-se a procu-
racao annexe.
De Marcelino Jos Mana de Almeida, brasi-
lero, de 40 annos de idade, natural desta provin-
cia estabelecido e domiciliado na cidade da Vic-
toria, com negocio de gneros de estiva e ferra-
ens, pedindo carta de matricula. Sao attestantes
oo Jos Ferreira, Antonio Soares Fernandas de
Oliveira e Prente Vianna & C.
Nada raais havendo a despachar, o Illm. Sr.
commendador presidente encerr* a sessao s 11
e 1/2 horas da manha.
INDIGACOES JTEIS
dos com-
mez anterior
Foram
veos :
Cinco c
Francia
dos SaL,

de Amorim Irmaes & C, 1 de
.i & Irmao, e diario de Manoel
,era, de H. Burle Se C, de In-
nocencio Feliciano de Nazareth.
O Sr. commendador presidente deu scicnca
Junta e esta fieou inteirada, de haver si''o assig-
nada a 21 do corrente a carta de matricula de
Manoel Laiz Kibeiro, subdito portuguez, domicilia-
do e estabelecido nesta praca.
DESPACHOS
Peticoes:
De Jos Soares do Amiral Jnior, de 30 anno,
de idade, sulteiro, natural da lha de S. Miguel,
do reino de Portugal, domiciliado e estabelecido
nesta praca com armazem de seceos e molhados
por grosso e a retalbo eob a firma Amaral & Ir-
mo, solicitando carta de matricula de negociante.
Sao attestanies do ere lito commercial do impe-
trante Joao J. Rodrigues Mendes, Joaquim Mau-
ricio J- Rosa e Jto Furuandes de Almeida.
Adiado, a requerimento do deputado Figueiredo.
De Julio Luiz de Oliveira Azevedo, coininandi-
ario, e Antenio Fernandos de Azevedo, solidario,
para que se archive o contrato de sociedade em
Commandita que celebraram sob a firma de Fer-
nandos Je Azevedo t C. com o capital de 14:0008,
sendo o fundo em commandita de 8:000 p
commercio de tazendas por grosso e aretalho
nesta pr.ica, ra Duque de Caxias n. 55.Ar-
chive-se, na forma da le.
De Ferreira Silva & V., para que se archive o
contrat > de sociedade de capiti.1 e in Justria que
sob dita firma celebraram Antonio da Silva Cam-
pos c Manoel Penetra Gomes da Silva com o esn
pital de l.-SUOj pira o eommercio de compra e
venda de faendas, e fabrico de camisas no esta-
belecim ;ato denominado Camisaria Pernambucana
sita ra do l:np;ra lor n. 04.Seja archivado.
De Jos Franco Ferreira e Adriano Pereira da
Luzt para que seja archivado o contrato de socie-
di em nome collectvo que celebraram sob a firma
de 'raneo & Adriano, com o capital de 4:000J
Era o commercio de molhados nesta praca ao
go do Mercad de S. Jos n. 8.Archive-se.
De Francisc* X ivier Ferreira e Jos da Silva
Castro, para que se archive o distrato de socieda-
de da firma Francisco Xavier Ferreira & C, fi-
cando o ex socio Ferreira de posse do estabeeci-
mento sito raa Primeiro de Marco n. 4 e do ac-
tivo e obrigado pelo passivo da extincta socieda-
de.Seja archivado.
Da direetoria da companliia de seguros Indem-
nizadora, para quo so mande archivar o balanco e
relacao dos accionistas de dita companhia.Ar-
chive-se
De Jos Soare3 Lapa, para que se d baixa no
registro da nomeacao de seu ex-caixeiro Antonio
Paes Barbosa e se registre a que passara a Ani-
ceto Jos dos Santos.Como requer.
De Angelo ttaphael Se. Innao, idem quanto ao
ex-caixeiro Francisco Soter de Figueiredo Castro
e registro da de Cypriano Fernandes Gomes.
Como pedem.
De 4vila Se. Irmao, para que seja archivado o
contrato de sociedade em nome collectvo que sob
dita firma celebraram Jos Ignacio Avila, e Anto-
nio Victorino Avila, com o capital de 53:345^946
para o eommercio de compra e venda de madeiras
e tudo mais tendente a serrara a vapor sita roa
Nora de Santa Rita u.i. 49 e 51.Archive-se.
De J. C Levy fc C. e ama firma commereia]
desta praca, para que se registre com o ssgresU
recomraendaio na le a alteraco de contrato em
comsaudita que ditas firmas celebraram con
tu esa im (compra e venda de drogas em grosso
ledico
Consultorio tuedlco clrurs do Dr.
Pedro de Atiahvde Lobo iloscomo A
roa da doria si. 39.
O doutor Moscozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manha,
Este consuitorio offereoe a commodida
de de poder cada rAoente ser ouvido e exa-
minado, sem ser presenciado por outro
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torreao pra-
ca do Commercio, onde funcciona a ns-
peccSo de sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poderlo ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas.
O Dr. Aciliades Vlloto continua a ter
consultorio, na sua antiga sidencia,
ra do Bario da Victoria 45 1* andar.
D consultas das 7 s 9 horas da manha
e acode aos chamades a quilquer hora
Pratica ope^Ses.
Dr. Miguel Tkemudo mudou seu consul-
torio e residencia para a ra da Imperatriz
n. 14, 1. andar, ondo d consultas das 12
horas s 3 da tarde e receje chamados a
bualquer hora. Especialidades partos, fie-
bres, syphis e molestias do pulmao e co-
rceo.
Dr. Barreta Sampaio d consultas da 1
s 4 horas da tarde, ra do Barito da
Victoria n. 45, 2. andar, residencia ra
io Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
Henrique Milet. Ra do Imperador n.
22, 1. andar. Encarrega-se de questSes
as comarcas prximas as linhas frreas.
Dr. Ferrer, ra do Imperador n. 79,
1. andar.
Dr. Oliveira Escorel, 2. promotor pu-
blico, tem seu es'riptorio de advogacia na
ra Primeiro de Margo n. 2.
Jos Bandeira de Mello advogado -
ra do Imperador n 37.
Corte Real, ra do Rangel n. 55, Io
andar, escriptorio c residencia.
Mudanra de consultorio
O Dr. Airio avisa aos sous clientes
que mudou o sel consultorio para a ra do
Queimado n. 46, 1. andar. Consultas
todos 03 dias da3 11 s 2 horas da tarde.
Drogara
Faria, Sobrinho & C, drogustas poi
attacado. Ra Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, depo
sitarios de todas as especialidades pharma
OJutic/is, tintas, drogas, productos chimice
e medicamentos hommopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Botica francesa edrnxariade Bou
liiayroi Frre*. Snceessore*
A. de Cao '
Neste estabolecimento fundado desde
1821 encontra-se os productos chlmicos
drogas, tintas, leos, pinceis, vernizes das
mclhorcs marcas ; todas as especialidades
pharmaceuticas dos legtimos autores, un>
variado sortimento de fundas e aguas mi
neraes, os granulos dosimetricos de Burg
grave e productos especiaos da Flrfra Bra-
sileira. 22 ra da Cruz, Recife.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e oficina de carapina
do Francisco dos Santos Macedo, caes de
Capibaribe n. 28. N'este grande estbale-
cimento, o primeiro da provincia n'esto ge-
nero, comprase c vende-sa madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, as3ra como se preparam obras
do carapira por machina e por preces sem
competencia.
quanto maia para ser qualificado como um dote
Quanio sabido que os vencimentoe dos enge-
nheiros d'est.i cathegorla montan n'aquella estra-
da a 500*000.
Ora se para a paga regular 4o tr*b*Hjo .do re-
ferido eugeuheiro ainda fattam 100*000, onde est
o dote ? Parece nao ter hayido seriodaoe no em-
prego d'esta palavra.
Outro tanto faz a mesma chronica ao artigo -
L'sta Civil em que, para elevar os vencimontos
do Exm conselnoiro Joio Alfredo, figura nao s a
accuiuulacao do honorario de senador com o de
presidente de provincia, e director de Faculd'ade;
cumo anda duplica a ajuda de custo I
E assim pretende escrever a historia, pira em-
bar os incautos 1
Felizmente nem mesmo os liberaes mais crdu-
los acreditam n'ulla. E' l So calva que se lhe
ve-ra os milos !
Quanto aos conservadores : este3 sabem quo as
accumulacdes nSo estao mais em aso, depjis da
ascongio do partido.
Nao coacluiremos este artigo sem revelar, que
durante os 4 m ;ses que o Dr. Pires Ferreira es-
tove em disponibilidade, fra elle convidado para
urna empresa de S. Paulo, com o ordenado de
500*000 mensaes, que recusou, por ter promessa
de prxima reintegradlo naPedro II
O actual director dos Telegraphos d'esta lnha,
nao pois um simples telegrapista como quer a
chronica : assim como o Dr. Asrao Res nao era,
e menos o Exm. barao de Capauema.
CKacun a place.
O amigo-
Fernando de \oronha
Presentemente passa o presidio de Fernando de
Noronha por urna phaze bem doloroaa.
O novo regulameuco prohibe aii o commercio, e
s concede que o sentenciado bem comportado
possa mandar ir do Recife gneros para sua ali-
mentacio sendo o pedido vivado pelo director.
O actual director d'aquelle presidio querendo
executar a literal disposi(So do regalamento por-
que diz elle dura 'ex, $d lex tem collcado por
assim dizer, aquella populaca em urna posicSo
bem affliticva.
O governo mentalmente para ali remette xarque,
farinha, assucar, caf e fumo suficientes para a
alimuntaclo de 1,51)0 sentenciados ora ali existen-
tes. Para as pracas do destacamento hoje
nada se pede embora ja outr'era se pedase tam-
bem taes gneros.
Perguntamos: esses gneros bastaro, e serSo
os propros para urna populacho de 3,000 almas ?
Os seutenciados, suas familias, os soldados, e
suas iamilias serao forcados se alimentaram-se
de xarque e farinha ?
A base da almentacao o xarque. Pergunta
mos: esse xarque que vai limitadamente para
1,500 pessoas poder chegar para 3,000?
De certo que nao.
Dizem, que l ha o peixe, e que poder servir
de alimentacao.
De accordo, mas perguntamos : onde o aseite
o sal, o vinagre, etc ?
Diz que ali se acabou com o commercio, introdu-
zio-se o meio, ou o co-tume de deixar-se os sen-
tenciadas pedirero geueros para sua alimentacao,
ou autes d sua familia, e una cediam outros, o
que lhes sobrava, e outros, nao podendo por si s.<
peiirem gneros, porque nao achariam quem qui
zesse rsmetter mensalmeote d'aqui para ali 1 kilo
de manteiga, 5 killos de assucar, 5 killos de fa-
rinha de trigo, 2 garrafas de vinagre etc, reu-
niam-se e englobadimente faxiam um pedido de
gneros no nome de um s, e estes gneros depois
de l estarem eram entre si divididos bem como
partilhadas as despezas com portaras para em-
barque, carregos, frotes, caixoes, e barricas para
condcelo, etc.
Mas hoje nem esto fraco recurso tcem elles, por-
que se diz que se deve cortar com o commercio !
Mas pergantamoi : onde rao os soldados pro-
ver ein-se de alimentacao, quando elles (nao sabe-
mos parque conchavo) recebem metade da etapa
em gneros, e outra em dinheiro ? Para o que
esta metade de etapa em dinheiro ? Para compra
rem peixe, gallinha, porco etc. De accordo, mas,
onde vio elles encontrar os temperos, si para ali
nao sao remettidos ?
De que se alimentaro as familias dos sentencia-
dos desde que se os priva de praverem-se de ali-
mentos ?
Cortar, cercear este meio, de alguma maneira
tolerado pelo regulamento, por assim dizer ati-
ral-os fome, e todos os horrores a que elle nos
impelle.
Hoje, podemos affirmal -o sem medo de errar,
que em Fernando est se sofTreudo a falta de as-
sucar, caf, etc e d'outros objectos necessarios _
vid, porque no ultiim vapor que para ali seguio
nSo torain remettidos gneros para as familias dos
sentenciados, que os pediram, e s sim para sup-
primelo do almoxarifado.
Por hoje diremos ao governo : nem tantj ao mar,
e nem tanto Ierra.
Recife, 31 de Janeiro de 1336
R.
nato, na comarca de Timbaba, onde nao
morador, como- inculca, andou itaagido
dous annos- e- presentando-se para ser
julgalo foi abeolvido, pelos esforcos e em-
penhos de seu defensor, o Dr. Joaquim
Tavares, que at teve tracas para arredar
do tribuu A do jury o magistrado, que de-
via presidil-o.
Depois disto o innocente Coitinho rou-
bou a Pedro Paulo, na Guarita, e a SiinSo
de Paquevira.
Roubou ainda do cercado do engenho
io coronel M iranhSo >0 bois, e praticou
urna morte em Timbaba pelo qu j foi pro-
nunciado.
Diversas vezes roubou, mSo armada,
na estrada publica, e nZo duvidou elle, o
tenante, o negociante de gado, sendo casado
deshonrar urna pobre moca, cujos pais o
hospedaram, vivendo com ella publicamen-
te amasiado I
Coitinho de Lyra foi preso, perseguido
pelo clamor publico, quando sahia de Cam-
pia Grande, depois de ter passado qua-
tro cdulas, que foram i inmediatamente re-
conhecidas falsas e como o Dr. Irineu, di-
go, o Dr. juiz de direito deu-lhe habeos
corpus ?
Cumpro notar que, desde muito, Coiti-
nho introduz cdulas falsas o a fabrica da
Guarita funeciona regularmente, porque
Lyra disse que recebeu as cdalas de
Btmba, alias seu socio, foi lhe coucedida
urna ordem de habeas-corpus, que ama
vergonha para o magistrado subscriptor
della I
Se ainda ha justica nesta paiz, esta or-
dem deve ser rcvogala bem da mpra-
dade publica, e para licito de quem indevi-
Jmente concedeu a.
O procedimento do digno delegado foi
corre.'to e juruiio, e merece applausos de
todos que trabalham pela sanificac.a'o da
sociedade.
O venerando tribunal da Relacao se
tem psnas a applicar smente ao juiz
de direito da Campia Grande.
Recife, 31 de Janeiro de 1886.
O 8entinella.
O advogado Joo Francisco Teixeira tem o seu
escriptorio ra do Imperador n. 42 1. andar, e
ahi poder ser procurado para o exercicio de sua
profissSn, das 10 horas d* manha s 2 da tarde.
EDITES
Edital n. 9
Nunes Machado
No dia 3 de fevereiro, (por ser o dia 2
santificado) ser celebrada urna missa com
memento na forma do costume, em suffra-
gio s almas dos finados patriotas Dezem-
bargador Joaquim Nunes Machado e seus
companheiros mortos no dia 2 de fevereiro
de 1849; pede-se o comparecimento de to-
dos os liberaes e amigos d'aquella finado
Dezembargador; a qual ter lugar na ma-
triz de Santo Antonio s 8 horas da ma-
nha.
Da c isa de Belmiro da Silva Nones desappa-
receu o seu flho Jlo Jos da Silva Nunes
deixando aqucllc extremimente afflict, e sem Ba-
berque direccio ou caminho tomou essedesventu
rado moco.
A's autoridades policiaes, bem como a quaes-
ruer outras pessoas que tenbam delle noticis,", ro-
ga-se o especnl obsequio de communical-as nm
empregado d'este Diario, que se lhes apresentar
para recebel-as e transmita as ao atributado e
afUicto pai.
O dote
A chronica da Proetcia contestando nossa
resposta, sustenta que a nom aco do Dr. Pires
Ferreira para director dos telegraphos da estrada
Pedro II fra um dote pelo seu casamento; e cob-
clue disendo que fra peior a emenda do que o so-
neto.
Logo o soneto que o curonista compoz est er-
rado, e nao soubemos corrigil-o !
Permita porm que declinemos de sua autori-
dade para r do profeasionaes : como seja a cor-
poracao dos eogeaheiro do paiz. Assim oomo, que
nio acceitemos sua corrigendaprovarem vez
demostrarqne empregaramos.
Nenhum engenheiro dir por certo, que o orde-
nado de 400#r)00 que o Exm, ministro estipulou
para um sageuheiro da cathegomajudante-
embora de 2.*, seja elevado e digno de reparo,
Cratido ao merio
Ainda pela segunda vez auxiliado pela mo
da provideacia acaba o Sr. Dr. Raymundo Ban
deira, distincto e Ilustrad) facultativo desta ci-
dade, (no Recife) de restituir o socego ao meu es
pigJD, e a paz ao lar de minha familia.
Ten.lo minha extremecida esposa dado a luz com
um doloroso parto, e nao sendo possivel este se ulti-
mar, convidei ao Sr. Dr. Bandeira Ilustre e po-
deroso medico e este nao se fez esperar, e com
aquella sabedoria, modestia e cavalleirismo de que
d ialo, procedeu a urna perigosissima operacao
no trajelo da qual pareceu-me ver as fataes e ter-
riveis garras da morte transporem os umbraes do
1 to de minha pobre esposa, porm todava eu
estava resignado, coufiava nos poderes do Altis-
simo o na sublime distinecao do operador, pois j
nao era a primeira vea que me dava prova do sua
alta sabed.iria. Em menos de una hora vi minha
esposa salva e o grande medico me apresentava
os trophos de sua victoria.
Faltara pois ao mais sagrado dos deveres se do
alto da imprensa esta filha sublime do progresso
nao viesse dar um publico testemnnho do immortal
servico que devo ao ilustre Dr. euibra muito que
diga os uiesmos amigos que felizes sero os enfer-
mos que tiverem a seu lado um apostlo da scien-
cia medica o Sr. Dr. Bandeira. bim porque em-
bora to jovem o illuatre Dr. j conhece perf-ira-
mente todos os symptomas da difficultoea scencia
que abracou e a par de tanta ntelligeucia, se
vem juntar o maior ze'.o, solicitude e modestia, pos-
sue emfim todas as condices preciosas que se
pode imaginar.
Peco porm ao mesmo tempo ao Illm. Sr. Dr.
Bandeira queira desculpar ao obscura inontanhei
se com estas toscas e mesquinhas expressoes, fi-
lhas de um coracio cheo do maior reconhecmento
e gratido posso offender a os rasgos sublimes de
generosidades qu i esmaltara bemfazejo coraco,
certo de que o nome di! V. S ser para mim ter
mente mmortal, e farei votos ao todo poderoso
para que lhe d longa vida cercada de todas ven-
turas a medida de seus desejos.
Campo Grande, 31 de Janeiro de 1886.
Paulo Cava'cante de Albuqnerque.
---------------"-SOOOO---------------
Campia Grande
A innocencia do Sr. Antonio
Francisco toitinho de Lyra
No Diario de 29 exbibio-se este persona-
gem, malsinanlo ao digno delegado de
L'a-npina Grande, porgue esta autoridade
nao recebeu o santo e a senha do Dr. Iri
ncu, para soltal-o, apezar de prezo in
flagrante, quando introduzia cdulas fal-
sas de 2:>0U0, do fabrica publicamente es-
tabelecida na Guarita e pertencente ao
innocente Coitinho e a seu ex-amigo Bar-
tholomeu, conhecido por Bimba.
O Sr. Coitinho tem razao 1 Infelizmen
te chegou a poca em que a autoridade
nao pode curaprir seu de ver, pois eucon-
tra um superior partidario, de um passado
oxcessivamente limpo, dirigido po" um
advogado desabusado, que ordena a soltu-
ra de um reo de polica, um criminoso pre-
so in flagrante e cuja habitacEo seria des-
de muito na ilha de Fernando, se nSo fos
se a maldicla poltica I
fJjPara o publico aquilitar quem Coiti-
nho de larra, vamos biograpbal o em. um
trecho de sua innocente vida.
Tendo praticad um, horroroso aeaassL-
L-se no principal orgao technico da Franca,
que trata de questoes vincolas, a Bevue des \ins
et Liqueurs, um artigo cheio de interesse sobre a
recente descoberta tnita por um proprietario de
Blaye perto de Cognac (Franca). Delle extrahi-
mos trechos que nao deixaro de intereasar tara
bem nossos leitores.
O Sr. Ardura ( o nome do inventor) muito co-
nhecido senao do geral dos consumidores pelo me-
nos dos bons entendedores em Franca, pela supe-
rioridade de seus preparados, vinhos e sohretudo
cognac, consegnio por, o caso de dizer, o melhor
de todos os licores, o-velho Cognac, ao alcance
de todos os estmagos e a juntar a seu principio
alcoolico o incomp iravel aroma todas as proprie-
dades do tnico por excellencia, queremos dizer
da quina. Sim, aCognackinaque j to pro-
curada, que vai fazer rpidamente a volta do
mundo e tornar se o licor dos licores, como seu
nome o indica, nao smente de consuremo agra-
davel e quotidiano, como benfico, e to aigestivo
como aperitivo.
Misturada com agua tornase urna bebida das
mais hygienicas para todas as pessoas expostas
fadigas, grande calor, climas hmidos e miatmas
paludosos. r*de, em razo de suas propriedades
cnicas e anti-febris, prostar os mais relevantes
servidos aos exercitos coloniaes, visto que todos
os mdicos reconhecem que a assoriacao do alcoul
aos principios da quina e particularmente do qui-
nino, que nella se acham contidos, favorece sua
eficacia. Isto explica as numerosas roceitas de
pococs com quina e cognac, ponche, etc., cojos ef-
feitos tnicos e febrfugos sao mauifestos e satis-
factorios.
O Sr. Ardura, poderla com razo arrogar-sc a
velha devisa Ulle dulc pirque achou a soluco
de um problema at cuio insoluvel. Os licores os
mais agradaveis nao s-ro por ventura mais ou
menos nocivos a sade ? E de todas as bebidas
hygienicas conhecidas, baver urna sequer que se
tome verdaeiramnte com prazer ? Por isso urnas
sao o privilegio das pessoas de boa sade e as ou-
tras s acham consumidores tntre os doentes ou
convalescentes.
Pois bem, a Cognackina reulisa esse desidera
tum, destina-se todos, porque possue o aroma
do mais delicioso licoi e com certeza nao ha ou-
tro que mais agrade ao paladar dedeado das se-
nioras, alu disto faculta um dos ineios mais po-
derosos de melhorar e conservar a sade.
E portante um acto de philantropia o chamar a
attencao de todos, mxime das pessoas que haoi-
tam as colonias e paizes quentes, para a preciosa
descoberta do -Sr. Ardura.
-----------------faOOOg----------------
Programnia
Da festa do milagroso Manto
Amaro das Malinas no di 14
de fevereiro de 1S6.
No dia quinta-teira 4 do corrente, pelas 7 ho-
ras da noite ser lavantado o estandarte do mila-
groso Santo carregado por grande numero de me-
ninas e acompanhado por senhoras e devotos e ao
som da banda de msica do 2o batalho, sahindo
da igreja em volta a mesma e ser collocado no
mastaro soltando-so nesta occasio um lindo ba-
ldo e diversas gyrandolas de f iguetes ao ar.
No dia sex a-teira 5 em diante ter lugar todos
os dias s 7 horas da noite as novenas, a orches-
tra e piano com versos exeeutados pelos primeiros
cantores dirigido pelo" nosso irmo o professor
Lydio de Oliveira, tocando antes e depois harmo-
niosas peeis a mesma banda marcial, soltando-se
lindos I) .loes e gyrandolas de foguetes.
Domingo 14,-pelas 5 horas da manha ser por
urna salva real de 21 tiros annunciando o dia da
festa do grande e milagroso Santo Amaro.
A's 11 horas da manha, depois de executadas
as cavatinas do cstylo, pela mencionada banda
marcial entrar a festa, officianJo o Iilm. e Rvdin.
vigano; executada a symphonia subir a tribuna
sagrada, pregando ao evangelhoo Ilustra !o e bem
conhecido o Illm. e Rvdm. conego Antonio Esta-
quio, que poa sua devoco e bondoso coraco se
dignou prestar-so para esse fim ; a orchestra est
a cargo do irmo e o distincto professor Lydio de
Olive/ra, ter executada pelos primeiios artistas e
cantores, diversos solos.
Fin da a feata subir um importonto baldo feito
a capricho cum salva real e gyrandolas de fogo
do ar tocar a musical diversas pe;as.
A's 4 horas da farde tobar no largo da igreja
a m'sma banda de msica havendo diversos
divertimentos, estando o largo embandeirado e
orna lo.
A's 7 horas da noite depois de executadas as
cavatinas pela mencionada banda marcial, subir
a tribuna sagrada o intelligente pr gador o Rvdm.
capito Leonardo Joo Grego; tenninando a fas-
ti vade ser arreado o e.-tandarte do milagroso
Santo com a pompa divida e entregue a nova
juiza.
Terminar toda a festividade com um fogo ar-
tificial de novas pecas feito a capricho pelo admi-
ravel artista Olyrapio de Mello Silva ; o' templo
estar artsticamente adornado, o pateo acli
embandeirado e enfeitado, tocando em t>dos os
actos a msica do 2 batalho.
A mesa regedora pede a todos os seus rmaos -e
devotos os seus eom oarecimentos para maior bri-
Ihantismo da festa.
Consistorio, Io de fevereiro de 1886.
O escrivo,
M. D. Silva.
Ao publico
O abaxo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaes e rtulos das
suas preparacoes na junta commerciai do Rio de
Janeiro de conf. rm:.dade com as prescripcoes das
leis do imperio do Brasil, declaram e participara
aos interessados, que como nicos propietarios,
tem direito exclusivo de usar as marcas indus-
triaes e rtulos relacionados com manufactura,
fabricaco e venda das ssguimea preparado js ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tnico Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
Pastilhas Vermifugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemp
Emulado de oleo de figado de bacalho com hy-
popaosphites, de Lanraam & Kemp.
Salsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portanto, perseguirlo a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando que sejam castigados com teda
a severidade da lei.
Tambera acautelamos o publico contra todos
aquelles que intentam substituir as nossas prepa-
racoes cima mencionadas com artigos falsificados
que levam rtulos ou marcas industriaes que imi-
tara as nossas.
Lanman & Kemp.
Barroiros
O Dr. Costa Barros, medico operador e partei-
ro, recentemente estabelecido em Barreiros, offe-
rece os servicos de sua profisso nao s aos habi-
tantes deste municipio, como aos de Rio Formoso,
Gamellcira, Agua Preta, Palmares c Maragogy.
Dr.
Casa dcSaudcdo
S outo-Maior
Acha-se aberta a casa do saude do Dr.
Souto-Maior, situada ra dePaysand n.
5 (Passagem da Magdalena) com acommo-
dacSes para doentes de todas as elasses da
sociedade.
Os Srs. facultativos da provincia encon-
trarlo niessa modesta casa de saude as
condij5es favoraveis para o tratamento de
qualquer molestia cirurgica ou medica c
para ahi poderito enviar os seus doentes,
medical os, conlerenciarcom os mdicos ds
sua escolha etc. conformo se acha dispos-
to no regulamento da mesma casa.
Apparelho telephonico 398.
Conultorio mcdico-eirurglco
O Dr. Estevn Cavalcante de Albuquerque con-
tinua a dar consulta medico-cirurgicas, na ra
do Bom Jess n. 20, Io andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Paras? demais consulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
Ns. telephonicos : do consaltorie 95 e residencia
126.
Especialidades .Partos, molestias de crean
cas, d'utero e seus annexos.
Medico e parteiro
Dr. Jiini Lonrero
D consultas das 12 s 3 na ra do Ca-
bug n. 14 1.- andar. Residencia tempo-
raria no Monteiro.
O administrador do Consolado Provincial dan-
do cumprimento portara n. 467 expi dida pelo
Illm. Sr. Dr. inspector do Thesouro em 23 do cor-
rente. faz publico, para conhecimento dos proprie-
tarios das casas sitas as localidades constantes
da relacao infra, que no espaco de 30 dias uteis
contados do 1 de Fevereiro prximo vindouro, se-
ro arrecadadas por esta repartico, independente
de multa, as importancias das annuidades e mais
servaos da Recife Drainage Company, correspon-
dentes ao 1" semestre do exercicio corrente de
18851886.
Gonaulado Provincial de Pernambuco, 26 de Ja-
neiro de 1886.
Francisco Amynihai de Carval/io.
Rciario a que se refere o edital
upra
Freguezia de S. Frei Pedro Goncalves do Recife
Ras:
Mrquez de Olind. Boro Jess, Alves Cabra!,
Conceico. Bispo Sardinha, Torres, Thom de Sou-
za, D. liara de Souza, Vigario Tenorio, Barreto
le Menezes, Manz e Barros, Burgos, Amorim,
Moeda, Tuyuty, Companhia Pernambucana, Ma-
dre de Deus, Domingos Jos Martina, Mascates,
Restauraco, D. Mara Cesar, Visconde de I capa-
rica, Farol, Areal, S. Jorge, Vital de Oliveira,
Qaurarapes e Barao do Triumpho.
Pracas :
Charco, Assembla e Pedro I.
Travessas:
Vigario, Madro de Deus, Campello, Domingo
Jos Martina, Corpo Santo, Antigo Porto, Bom
Jess, Areal, Fundilo, Occidente, Quararapes
Praca de Pedro I.
Beccos:
Ab eu, Largo, Pndoba, Noronha, Tapado e
Paschoal.
Largos :
Alfandega, Corpo Santo e Assembla.
Caes:
Companhia, Brum e Apollo.
Santo Antonio
Ras :
Imperador, Primeiro de Marco, Duque de Ca-
xias, Cabug, Barao da Victoria, Trnclieiras, La-
rangeiras, larga do Rosario, estreita do Rosario,
S. Francisco, Joao do Reg, Ilha do Carvalho, Ro-
da, Patos, Calabouco Velho, Santo Amaro, Ma-
thias Cde Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fo-
go, Livramento, Penha, Viscondo de Inhama.
Pedro AfTonso, Nova da Praia, Marcilio Das, Vi-
racao, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
ta Thereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez do Herval e Cadeia Nova.
Praca:
Pedro IX
Campo:
Princeza.
Caes:
Vinte e Dous de Novembro.
Travessas:
Queimado, Cruzes, Mrquez do Recife, Bella,
Quintis, Calabouco, Expostos, Martins. Flores,
Carmo, Bomba, Livramento, Arsenal, 1" da Ptaia,
2 da mesma, Caldereiro, S. Pedro, Vraco, Lo-
bato, Falco, Pocinho e Concordia.
Largos :
Paraizo, Carmo, Penha, S. Pedro e Praccts.
Becos :
Bella. Calabouo, Matriz, 1.. 2 e 3. da Cam
boa, Falco e 1. e 2." da Cadeia Nova.
S. Jos
Consulta iiosalco
DO
Dr Vristao Henriques
Costa
Bwt.fa llaMU *
coasultM das 11 s 3 kbiws.
Chamados a Malquer her*.
Telephone nurneno 154.
OCULISTA
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu!i3t
ex-chefe de clnica do Dr. de Wecker, d consuh
tas de 1 s 4 horas da tarde, na ra do Bar-
da Victoria n. 45, segundo anclar, excepto nos do-
mingos e dias sanctificados. Residenciara de
Riachuelo n. 17, canto da ra dos Pires.
Dr. Gemir Lis
niiDito
Tem o seu escriptorio a ra do Mrquez de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e enancas.
C, il ckmann
Usinas de cobre, lato e bronze e de
im.
Golitzer Ufor n. 9. Berlim S. O.
Espeealidade:
Construcf ao de machi-
nas c apparelhos
para fabricas do assucar, destlacoes e rc-
finacSes com todos os aperfejoamentos
modernos.
INSTALLAQAO DE:
Engentaos de assucar completos
Estabelecimonto filial na Havana sob a
mesma firma de C. Ileck-nann.
Calle San Ignacio n. 17.
nicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para informasSes dijam sea
PolhmaP&.C
LIO
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Recife, 5 de Marco de 1885.
Ras :
Marcilio Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suas-
suna, S. Joo, Palma, Mrquez do Herv.-il, 21 de
Maio, Dias Cardoso, Passo da Patria, Padre No-
brega, Victoria, Cadeia Nova, Vidal de Negreros,
Frei Henrique, Dique, Assumpco, Domingos
Theotonio, Padre Floriano, Christovo & lorcbo,
Jardim, Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa
Cecilia, Santa Rita, Nova de Santa Rita, S. Jos,
Praia de Santa Rita, Pescadores, Ipyranga, Impe-
rial, Praia do Forte e Luiz de Mendonca.
Travessas :
Martyrios, Pcinho, Ramos, Caldereiro, Gaz,
Matriz de S, Jos, Forte, Prata, Serigado, Copia-
res, Nova de Santa Rita, S. Jos, Praia do P rte,
Peixoto c Lima.
Becos :
Paula, Caldereiro, Gaz, Assumpco, 1.' de S .n-
ta Rita Nova e Matriz de S. Jos,
Largos :
Forte .' Mercado.
Eoa-Vista
Unas :
Imperatriz. Conceico, Visconde de Pelotas,
Tambi, Visconde de Albuquerque, Aurora, Cupi-
baribe, P cbuelo, Unio, Saudade, Sete de Setembro, II is-
picio, Camarita, Rosario, Gervasio Pires, Atnlho,
Socego, Pjrncipe, Santa Cruz, S. Goncai?, Co-
Iho, Hospital Pedro II, General Sera, C ir
Lamenha, Alegra, Leao Coroado, Barao e S.
Borja, Soledade, Visconde de Goyanna e Attra-
co.
Travessas :
Gervasio Pires, Colhos, Atalho, Barreiras, Ve-
ras, Quiabo, Joao Francisco, Mangueira, Cam-
pia e Palacio do Bispo.
Pracas :
Conde d'Eu e Santa Cruz.
Largo :
Campia.
Bcco :
Cocino.__________________________________
O coronel Joao Baptiata Pereira Loba, l"
juiz de paz presidente da mesa eleitoral
da Ia secjilo da parochia do P050 da Pa-
nella, em virtude da le, etc.
Paco saber, que o Illm. Sr. juiz de direit pre-
sidente da junta apuradora da cleico do 2 dia-
tricto desta provincia por officio de 27 do corrente
mez me coramunicou que em vista da deliberadlo
da maioria da mearan junta ri"soIvU convocar para
ter lugar no da 16 do mez de Fevereiro prximo,
o 2o escrutinio da cleico para deputado a Assem-
bla Geral Legislativa do imperio, podendo apenas
serem votados o Dr. Jos Maranno Carnciro da
Cunha, e o conselheiro Theodoro Machado Freir
Pereira da Silva, pelo que, nos termos do art. 1S1
do iPgulamento approvado pelo decreto n. 8..
de 13 de Agosto de 1881. Convoco aos Srs. edi-
tores desta parochia para que no marcado da
de Fevereiro prximo, as 9 horas da manh.
reunam, os da 1 seccao no consistorio da ig.
matriz de Nossa Senhora da Saude, e os da i'
seccao na igreja do Mon'eiro edificios j destina-
dos para os trabalhos eletoraes, afim de dareo
seus voto?, deve ido cada cleitor, votar em nm
dos ditos cidados, cima indicados e apiescntar
no acto da votaco o seu titula sem o qual
admettido v tar. Convoco ao mesmo tempo, nos
termos dos arts. 180 e 181 do dito regulamento os
meinbros das mosmas mesas da Ia eleicTo para que
se reunam no lugar, dia e hora cima marcados,
afim de proceder-se a dita eleico em 2" escrutinio.
E para constar mand'i. pausar o pres 'ute edital,
affixl-o nos lugares mis pblicos da freguezia e
publcalo pela inprcnsa.
Parochia do Poco da Panella, 29 de Janeiro di
1886. ;
Eu, Manoel Fraucisco Coelho, esenvao de psz
o escrevi.
Joao Baplista Pereira Lobo.
1 seccao.Secretaria da Presidencia de Per-
nambuco, em 30 de Janeiro de 1886.
De ordf-n do Exm. Sr. conselheiro presidente
da provincia se Lz publico a quem interesar pos-
sa que o Ministerio da Guerra, em avio de^l do
corrate, declarou ter rosolvido nao fazer seguir
pan esfa provincia, como determinara em 28 de
Dezembro findo, o soldado do 1 regimeuto de ca
vllaria, Manoel Flix de Almeida, conforme ro-
clamou Antonio Goncalves de Atevedo, por ser o
seu esciavo do nome Flix, cuja identdade de
pe3soa dever ser provadapelo reclamante, que
rarse-ha representar na corte, onde exhibir os
documentos que por ventura possua e que funda-
ment' m a mesma pretenco, para afinal se decidir-
cora ir de justica.
O secretario,
Pedro Francisco Correia de Oliveira.
O coronel Joao Baptfsta Pereira Dibo, V
juiz de paz, presidente da mesa eleitoral
da 1" ecgao da parochia do Po nella, em virtude da lei, etc.
Faco saber, que o Illm. Sr. juiz de direit, pre-
sidente da junta apuradora da eleico do 2 distri-
cto desta provincia po & da'do do j?8 *
corrente mez me communicou ter marcado o da 17
VFevereiro prximo vindouro para ae pnoearr ao
? escrutinio da eleiclo dos membros da Assem-

+--


*


Diario de PernambucoTcrfa-fcira 2 de Fevmiro de 1
u
9

*^~!5
95



her-se
,to de 1881,
e dcsl i para que
ne O li ras
iiin d'
I convo
I no m
rio da
eod
larcm seus vol '" "'
um t dos ditos ci
-ir no acto d i \ ''' iCin
uo ser aduictt lo a vol
Convoco a o n.esmo tempo nos termos roa art.
180c 181 dod:o r.gularaento oa men.bros das
mesoias mesas di 1" elei I"* s reunam
n* Jugar, da o l.ora, cima marcados afim de pro
cele ea dita el<-ic4 mo.
E para constar inandui passar o presante cdital,
affixal-snos lugares mflis pblicos da freguezia e
public.il o pela iinprensa.
I'arocbia do Foco da Panella 30 de Janeiro de
1866.
Eu, Manocl Francisco Coelho, C3crivo de paz o
eseicvi.
Joao Baplisla Pereira L-obo.
DECLARACOES
Escola Normal
Matriculas
Tot ordem de Dr. director, e em observancia
da disposico do art. 74 do regiment interno de
l7desetembro de 1880, frase publico^ a quem
interessar possa, que as matriculas cstarao aber-
rai deade o dia 16 do corrente at 3 de fovcreiro
prximo. .
O reauerimenlos para matricula no 1* anno ao
curso devero ser instruidos com oa documentos
seguintes :
1* Certido de Hade maior de 18 annos par i oa
alumno do sexo rnasculiao e de 1G para os do fe-
ninino.
2 Certificado ou titulo de approvaea era exa-
lte naa escolas publica de instruccito primaria.
3 Folha corrida ou certido de nao ha ver sof-
frido condemnacio por algum dos cr.mes que po
4 Attestado di moralidade paseado pelo par-o
cho eu autoridsdc, quer policial quer litterana da
Ircruexia em que residir o peticionario.
Os matriculandos que nao poderem exhibir ti-
tulo legal de exaine em escola publica de enaino
primario, devero inscrever se para os exames de
dnietao, de que tiatam os arta. 75 77 do cita-
do regiment, e que comecaro no dia 25 do cor-
Para as matriculas do 2o e 3 anno basta que
as peticoes sejam documentadas com a certido
de approvacao no exaioc do anno precedente,
guardada a restricto do art. 21 do j mencionado
regiment interno.
Secretaria da Escola Normal de Pernambuco
11 de Janeiro de 86.O secretario,
A. A. Gama.
Estrada fle farro oRecife a Caxang
AVI' AO PUBLICO
FESTA DO P O O
No dia da fest 2 de Fevereiro prximo o trens
da manba serc os meemos da tabella ordinaria
j>ara os das carnificados c a tarde serio expedidos
i ti seguinte tatella:
Idn
Do Recife rola linha principal at Monteiro
1.0, 1.30, 2.0, 2.30, 3.U, 3.30, 4.0, 4.30, 5.0.
0.30 e 11.0.
1) > Bccife pela linha do Arraial at Monteiro -
0.0, 6.30, 7.0, 8.0, 8.30, 9.0, 9.30, 10.0 10.30.
Do Recife a Caxang12.45, 2.0, 3.30, 5.0,
0.30, 8.0,9.30, 11.0.
JX> Keiife pela buba do Arraial ate Dous Ir-
n.cs-1.0.
Dj Caldereirc at Dous lrmos-2.25, 3.25,
4.25, 6.25, 8.25, 10.25.
Volia
Do Monteiro ao Recife pela linha do Arraial
2.10, 2.40, 3.10, 3.40, 4.10, 4.40, 5.10, 5.40.
IXt Monteiro ao Kicife pela linba principal
I. 7.0, 7.30, b.O, 8.30, 9.0, 9.30,10.0,10.30,
11.0 11.30.
Du Caxang ai Recife1.55, 3.25, 4.55, 6.25
7.55, 9 25, 10.5;).
De Dous lrmos ao Caldereiro2.5, 3.5, 4.5,
6.'\ 8.5, 10.5.
O .- rs. passageiros do ramal de Caxang, quer
na ila quer na volta baldeiam para outro trem no
Entr.mcuu.ento, menos os do trem de12.45do
Jieciie.
:*. b.S pode se vender dentro dos trena bi-
lhctis para cada seccao, por isto os Srs. passa-
ge:ro; que quizerem se aproveitar dos bilhetes es-
._ a de ida e volta, por precos mais moderados
devcui procralos as cstaces.
riptorio d Companhia, 30 de Janeiro de
lfc*-3.
W. W. Ostler, Gerente.
COMMERCIO
Bolsa commerclal de Pernam
buco
Recife, 1 de fevereiro do 1886
As tres horas da tarde
CotacSes officiaes
Aceces da companhia do Beberibe do valor de
100 ao preco de 145 cada urna.
X do valor de 100/ 95$ urna.
Na hera da bolsa
Venderam-se :
75 accoes da companhia do Beberibe.
48 letras hypo:hecar i as.
P. J. Pinto,
Presidente.
Candido C. L. Alcofjrado,
Secretario.
REVISITA COMMERCIAL
Da semana de & a 3o de
Jan elro de f 98
Cambio sobre o Par, 60 d/v 1/4, 30 d/v 5/8 e
90 d/v 1 3,4 por cento de descont.
Dito sobre o Rio Grande do Sal, a 90 d/v com
1 3/4 por cento de descont.
Dito sobre Londres, 90 d/vj 17 15,16, 60 d/v
17 7/8 e vista 17 11/16 d. por 1/000 do banco.
Dito sobre Paria, 90 d/v 527, 3 d/v 530 o
vista, 537 ris o tranco do banco.
Dito sobre Porugal e Lisboa, pagavel em Lon-
dres, 90 d'v 18 1/16 d. por 1*000 banco.
Cambio sobre o Porto, 60 d/v 190 por cento de
premio.
A plices da divida publica, de 6 por cento, do
valor de 1:000/000, ao preco de 1:085/000 cada
nma.
Na Bolea.- Venderam-se 4 Apolicea.
Cieaeros aclonae
Agurdente Ultima venda de 65/000 a 70/000
a pipa de 480 litros.
AlcoolVenda 120/ a 130f 000 ama pipa de 480
litros. '
Assucar. Entraram 34,844 saceos vendas aos
precos eeguintes :
O branco de 3. sorte, superior, de 3/900 a
4/000 os 15 kilos
O dito de 3. sorte, boa, de 3/800 a 3/900 os
15 kilos.
O dito de 8.* sorte, regalar, de 3/700 a 8/800
tm 15 kilos.
O dito de 1* sorte, de 3;00 a 3/309 os 15
J
Theatro de Variedades
lOMNHIMYRICOCOHICO-DIUMMCA
DIRIGIDA PELO ARTISTA
xscrxz xvxxx^aasrK
Qainta-rBira, 4 flo Feyereiro fle 1886
PELA. PRIMEIRA VEZ N'ESTA EPOCHA
Subir scena a OPERA CMICA em 3 actos, msica do
maestro OFFCMBAC :
A BELLA HELENA
PER30NAGENS
Helena, rainlia de Spnrta
Par de filho do rei Priano
O resto, filho do rei Agamenn
Guciides, danta de companhia
do Helena
Lena
Partenope
Agamenn Rei dos Reis
Spricger
Bellegrandi
Durand
Menelo, rei de Sparta
Calcante, grande augure de
Jovo
Achille, rei de Tiotida
Milone
Repossi
( omoletti
Orlandini
Fritz.
Tirelli
Mulim
Fioravanzo Ajace, 1. rei de Salamine
Olympia Ajace, 2. rei dos Lorenos
Da Silva Filomeno, criado de Calcante
Dominici Euclitide, ferreiro
Guardas, escravos, povo, pageos.
A acelo passa-sc em Sparta no 1. e 2. acto e no 3. em Nauplia durante a
cstn^ao de banhos.
A m est iiMa e eisaiaia a aBcbB.0 nsnuiio -
Dlotamente novo e 10 rigor la apoca.
*YVT *Y~7 Depolis do espectaealo lsaver& trem para Apipticoa
A.M JZJ. e Honda das. llnna* Fernandes Vieira e rogados.
Os bonds no largo do Palacio. O nonti da Magdalena sj baverft qimn
do o espectculo acabar depois do borario do iiiii.no bond da compa
bia. que passa na ra Nova m 11 e mnalos.
\io se transiere o espectculo anda mesuio que chova
PRECOS DO COSTLftIE
PRINCIPIARA' S 8 1/2 HORAS.
A' solanlo Commercial Agrcola
de Pernambuco
Tendo diversos Srs. associados requerido a di-
rectora dcsta Asscciafao ama reuniao da assem-
bla geral (extraordinaria), antorisado pelo art.
18 diB estatutos, de ordem do Sr. presidente con-
voco para o dia 8 de Fevereiro prximo as 11 ho-
ras do dia, os Srs. associados para se rcunirem
em assemtla geral afim de resolveren) sobre o
objecto do requerimento que motiva a mesma reu-
niao. Secretaria da Asscciflco Commercial Agr-
cola de Pernambuco, aos 30 de Janeiro de 18S6.
I. de Barros Barreto,
Secretario.
Arsenal de guerra
De ordem do Illnt. Sr. major director, distri-
bue-se costuras dos das 1, 3 e 4 do mez prximo
vindouro as costureiras de ns. 101 150.
Previne se que soffrer a multa de 5 0/0 toda e
qnslquer costureira que exceder do prazo do 15
das com suris costuras, salvo se apreaentar docu-
mentos que justifique essa falta.
Previne se mais que e se entregar costuras
s itroprias costureiras, ou salvo porm, autori-
sanJo por escripto pessoa de sua confianca.
Seccilo de costuras do arsenal de guerra de Per-
nambuo, SO de ianeiro de 1886.
Flix Antonio de Alcntara,
Alferes adjunto,
Santa Casa de Misericordia de
Recife
Na secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife arreudara-se por e&paeo de um i tres an-
nos, as casas abaixo declaradas :
Ra da Moeda n. 45, 240000
dem -dem n. 49 240O0O
Ra do Bom Jceus n. 13, 1- andar 3; 05000
I em dem n 14, pavimento terreo e 1*
andar 600/000
dem idem n. 29, 1- andar 240* 00
Ra dos Burgos n. 27 216/000
Ra do Vigario n. 22, 2- andar 240*000
dem dem n. 22, 3" andar 240/000
Ra da Madre de Deus n. 10-A 200/000
Caes da Alfandeca armazem n. 1 1:600/000
Becco do Abreu n. 2 ioja 48000
Ra do Visconde de Itaparica n. 24,
pavimento terreo, 1 e 2 audar, por 1:600/000
Ra do Coronel Suassuna n. 94, loja 150/000
Ra da Detenco n. 3 (dentro do quadro)
mei'agua o 1 /00> I
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 15 de Janeiro de 1886.
O escrivSo,
Pedro Bodriouei de Souza
SOCIEDADE
Auxiliadora da agricul-
tura de Pernambuco
ASSEMBLEA GERAL
De ordem do Illra. Sr. vice-gerente, Dr. Paulo
de Amorim Salgado, ficam convdalos todcs os
scnhore3 socios effectivos, para no oia quarta-
feira 10 do corrente, reunidos em assembla geral,
as 12 horas do da, na sede social 4 ra estreita
do Rosario n 29, procoJcrem a eleicio dos raem-
bros do conselho administrativo e mais fuuc cona-
rios electivos da sociedade.
f; So caso de nao comparecrcm at 1 hora da tar-
c socios effectivos em uumero suficiente para
donstituir-se a assembla geral, funecicnar o
ecjnselho administrativo tom ou membros presen-
tes, na forma prevista pelo art. 30 dos estatutos,
para coutinuar com a diicusso e votarlo das
propostas apresentadis em 27 de outubro e 4 de
novembro prximo passado pelo Sr. secretario ge-
ial acerca da colonissco e pelo Sr. gerente a pro-
posito da promulgnco da lei de 28 de setembro
de 1885. Recife, 1- de fevereiro de 86.
Henrique Augusto Milet,
Secretario gcra[.
Thcsouro Provincial
De ordem do Illin. Sr. Dr. inspector destn re-
partido, ta{0 comtr.r quem coavier que no dia
5 do corrente paga te a classe de professoras de
29 cntrancia.
Pagadoria do Thcsouro Provincial de Pernam-
buco, 1 de fevereiro de 86.
O aj'jdante do escrivSo,
Birria A. Rodrigues.
MARTIMOS
< OMIM\UIA I*I;K\AJH! 1 *\\
DE
!avegaeo roste!ra por vapor
Fernando de \uroiilia
0 vapor S. Francisco
Segu no dia 6 do
corrente, polas 11 hs
ras da manha.
Recebe carga ateo
[dia 5, e passagens at
'as 11 horas do dia da
sabida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Periambw/ina n. 12
O dito sumen js, de 2.1600 os 15 kilos.
O dito mascavado, purgad), bom, de 2/300
os 15 kilos.
O dito dito, regular, de 2/200 es 15 kilos.
O dito americano, de 2/100 os 15 kilos.
O dito bruto, regular, de 2/000 os 15 kilos.
O dito do Canal, de 1/700 os 15 kilos.
Algodo. Entraram 3,474 saccas, vendas de
8/000 os 15 kilos firme.
Arroz em casca.Retalho de 3/400 a 3/600 o
sacco.
Cat. Entrada 886 saceos, o retalho de
5/000 a 7/500 os 15 kilos.
Cebollas do Rio Grande do Sul, Nao ba no
mercado.
Cera de carnauba. Cotamos de 6/ a 8/000
os 15 kilos.
Couros salgados, seceos.Vendas de 710 a 715
ris o kilo.
Ditos seceos, refrescados. Ultima venda a
420 ris o kilo.
Fariuha de mandioca. Retalho de 3/800 a
4/200 o sacco, conforme a qualidade e proceden-
cia.
Fume. Retalho de 15/000 a 30/000 os 15
kilos, conforme a qualidade.
Gomna de mandioca. Retalho a 3/ e 3/200
es 15 kilos.
Graxa do Rio Grande do Sul. Cotamos de
7/400 os 15 kilos.
Gorduras do Rio da Prata. Ultimas vendas
a 7/400 os 15 kilos.
Mel. Vendas de 55/000 urna pipa de 480
litros.
Milho. Retalho de 60 ris o kilo, conforme o
estado.
Pelles curtidas. Cotamos de 80/ a 120/0(0 o
cento.
Sal do Ass e Mossor. Cotamos a 600 ris
os 100 litros.
Sebo coado. Cotamos de 7/400 os 15 kilos.
Dito em pe es. Ultima venda a 5/000.
TapiocaRetalho a 3/000 a 3/200 os 15 kilos.
Vels" stearinas do Rio de Janeiro. Nio ha no
mercado.
Ditas ditas da provincia. Retalho a 370 ris
o masso de 6 vellas.
Vinagre do Rio. Cotamos de 70/000 a 80/
a pipa de 480 litros.
Xarque do Rio Grande do Sul. Deposito
26,000 arrobas, retalho de 1/500 a 4/100 os 15
kilos.
eneros eslrangclros
Alfazema Retalho a 8/ e 9/ os 15 kilos com
10 por cento de descont.
Arroz da India Retalho de 2/800 a 2/850 os
15 kilos, idem idem.
Alpiste.Retalho a 5/50C a 5/600 por 15 kilos
idem idem.
Aieite de oliveira em barris. Retalho. nSo
ha.
Dito em latas Retalho de 17/003 a late,
idem idem.
,n?^lb J7/000 a 17/500 a barrica.
Banha de porco- Retalho de 410 a 420 ris a
libra, com 10 por cento de descanto.
Batatas portuguezas Nao ha no mercado.
Ditas inglezas ou francezas. dem idem.
BreuCotamos de 12/000 a 16/000 a barrica,
Carro de pedra Cotamos de 15/ a 20/000 a
tonelada.
Canella.Retalho de 1/600 o kilo, com l p;r
cento da descont.
Cebollas portuguezas. Retalho de 10/000
a 11/ a caixa, idem idem.
Cervejas Retalho do 9/500 a 12/000 a duzia
de garrafas ou botijas, couiorme o fabricante e a
procedencia.
Cimento Cotamos a 7/200 e 8/500 a barriea
conforme o peso e fabricante.
Cominhos Retalno a 15/ e 18/ os 15 kilos, com
10 por cento de descont.
Cravo da India Retalho a 2/000 o kilo, idem
idem.
Farinha de trigo Deposito 20,000 barricas,
retalha-se aos presos seguintes :
A americana, de 20/500 a 21/000 a barrica.
A de Triestre e Hungra, de 25/000 a 28/000
a barriea.
FeijSo. O da provincia cotamos de 12/000
o sacco.
GarrafSes vazios Retalho de 700 ris a
1/800 por cada um, com 10 por cento de descont,
conforme o tamanho.
Doces em calda Retalho de 640 a 760 ris
a lata.
Farcllo do Rio da Prata Retalho de 3/000 a
3/200 o sacco.
Dito de Lisboa- Retalho a 4/000 e 4/100 por
sacco.
Genebra.- Retalho de 3/200 a 3/500 por
duzia de frascos ou botijas, conforme as marcas e
qualidades.
Herva doce Retalho a 15/000 os 15 kilos,
core 10 por cento de descont.
Kerosene Retalho de 3/600 a lata de cinco
galoes (liquido).
Louc.a ingleza ordinaria. Retalho de 90/000
a 120/000 a giga, conforme o sortimento.
Madeira de pinho Sem chegada.
Massa de tomates Retalho a 520 e 560 rs. a
libra com 10 por cento de descont.
Mantega em barril Retalho a 870 ris urna
libra, idem idem.
Dita em late. Retalho de 1/200 a 1/400 a
libra, idem idem.
Massas italianas- Retalho de 6/500 a 7/500
a caixa, idem idm.
Oleo de linhactt Retalho a 2/200 o galio.
Passas cemmuns Nao ha no mercado.
Ditas finas Retalho de 13/500 a 14/ a caixa.
Papel de embrulho Retalho de 700 ris a
1/600 a resma, conforme o tamanho, idem idem.
Pntente da India Retalho de 1/500 o kilo,
dem idem.
Plvora ingleza Retalho de 23/000 o barril.
Queijos- Retalho de 3/400 a 3/600 um, e 10
por cento de descont
Sal de Lisboa, Nao tm havido entrada.
COIPAVUIE DES MESSACSE
111123 M.1IIITIUK*
LINHA MENSAL
aquete Orenoque
miuaudaute Horiemard
Espera-se da Eu
ropa no dia 5 de
Fevereiro, seguin-
do depois da de-
mora do eos turne
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, ttlo de Janeiro e lloule-
levido
Lnnbra-se eos senhores passageiros de todas
as classes quo ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se aos senhores recebedores de merca-
dorias que s seattender as rcclamacoes por fal-
tas nos rolumes que fon m reconhecidas na occa-
siSo da descaiga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se com o agente
\tiguste Labillc
9 RA DO COMMERCIO 9
Companhia Bratlleira de Xavc-
g&cao a Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Manos
Commandante / tenente Guilherme Wad-
dington
E' esperado dos
portos do norte
at o dia 2 de Fe-
- ^ vereiro, e depoie
v. "*li\> pensavel, seguir
para os portos do
sul.
Recebe tam-
bero carga para Santos, Pelotas e Rio Grande d(
Sul, frete mdico.
PORTOS DO NORTE
0 vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Gomes
E' esperado dos portos do sul
at o dia 6 de Fevereiro, e
seguir depois da demora in
dispensavel, para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommenoa valores
tracta-se na agencia
46Ra do Commercio46
N. 46 RA DO COMMERCIO N4
United SUtes & Brasil MailS.S.C.
O vapor Advance
Espera-se deXe.w
Port News, at o
da 3 de feverei-
ro, as 4 horas o
qual seguir de-
pois da demora
necesaara para
Baha e nlo de Janeiro
Pira carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Hcnry Forsler 4 C.
N. 8. RA DO CUMintRGlO -- N. 8
/. andar
CHARGEliRS KLLMS
Companhia Francesa de Xavega
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
stemer Ville deCear
E' esperado da Euro-
pa at o dia 9 de Fe -
vereiro, ECguindo de-
pois da indispensavel
demora para a Ba
bia. Hio teiro o *' nloM.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p loi
vapores desta linha,quc-am apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alrareng
quer reclamado concernente a voluntes, qaj por
ventura tenham seguido para os portos do sul,afim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nSo se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageiros, par*
os quaes tem excellentes accoraodasoes.
Stnnini Yill i untes
EspeM-se dos
il at o di
reir, segondo
. depoie ''a indisper!-
paiao H.i
Os vapores dista companhia cntiam no porte
ancorando ein frente ao caes da praca do Commer-
cio o sendo milito incommodo o embarque dos pas-
sageiros no fundeadouro las paquetes transatln-
ticos, no Lamarao e demais devendo todos aportar
ao Havre, que o porto mais visinho de Pars, e
fra de duvida que ha grande vantagem para quem
quizer ir Europa em aproveitar-sc dos ditos va-
pores tanto mais quauto, a!m de screm os precos
das passagens mais mdicos, as despezas do embar-
que aqu e as de transporto do Havre a Pars, sao
muito menores do que as que demandam us viagens
nos paquetes das outras liubas.
Conduzem medico a bordo, silo de marcha rapid-
e offerecem excellentes commodos e ptimo passaa
dio.
As passagens poderao ser tomadas le auinuiao.
Recebe encommendas e passageiros para as
quaes tem excellentes accommoda^oes.
Augusto F. de Ovcira C.
A4MJJVTIM
42 RA DO COMMERCIO42
COH\*.\5Ui MBSkmBl'Cl A
Savegac'So Coste!ra por Vapor
PORTO DO SUL
Macei, Pcnodo, Ara*}-', Estaen ]
0 vapor Mandahu
e no dit 4 de
a 5 horas
. >.;. I 0
Encommendas, p&ss.ngeus e diheiro a frete at
s 3 horas da tarde Jo di i ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pw-rambucana
n. 12
Barcaca
Vende-so urna barcaca ; a tratar na ra Duque
de Caxias u. 63.
Porto c Lisboa
Segu cem brevidade para os portos cima o
brigue por uguez Tilo ; psra o resto da carga e-
passageiros, trata-se com os consignatarios Josa
da Silva Li yo & Filho.
toHi-iMiit im;u\amiu cana
DE
VivegaeSo Costelra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty e Cear
0 vapor Ipojuca
Segu no dia 6 de
Fevereiro, s 5 horas
da tarde. Recebe
I carga at o dia 5.
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da taide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
cae* da Companhia emamhn-
cana n. ta___________
Companhia Olahiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Noya, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
Marinho Visconde
Commandante J. J. Coelho
E' esperado dos Dortop ci-
ma at o dia 2 de Feverziro,
e regressar para os mee-
mos, depois da demora do eos-
turne.
Para i arga, passagens, encommendas e dinheiro
a fretu iacta-so na agencia
7iua do Vigario 7
Domingos 41ves Matheus
LEILQE
Leilo
De urna exeellente armaeao de amsrello, envidra-
c'ida, balco, duas machinas para cortar sola,
duas empanadas, canteiroa, registro, encaua-
mento e candieiros de gaz.
Ouarta feira 3 de Fevereiro
A's lt horas
O sgente Gusmao, competentemente auterisado
tara leilo da armaco e mais objectos existentes
na loja n. 21 da ra do Livramcnto.
Leilo
De predios e terrenos
O agente Brito competentemente autorisado le-
var a leilo os seguintes :
Urna casa terrea com soto e sitio arborsaio
na estrada de Jeo de Barros defronfe da estaca
do Principe, 1 terreno ao lado cem 90 palmos de
frente c alicerces para 3 casas, 1 terreno no fundo
cun 4 mei'aguas que rendem 36 com sahida para
o Becco de Pombal, 2 casas terreas ra do Ria-
chuelo ns. 50 e 52 que rendem 34$, tudo solo
propri.
Quarta-feira 3 de fevereiro
A's II horas
Na ra do Imperador n. 24 ______
Sardinhas- Retalho de 380 a 400 ris por lata
de qu&rto.
Toucinhode Lisboa. Retalho de 12500 os
15 kilos, com 10 por cento de descont.
Dito americano. Retalbo de i2000 os 15
kilos.
Velas ster.rinas Retalho de 550 a 950 ris o
masso de 6 velas, idem idem.
Vinagre da Lisboa Cotamcs de 140/ a 160/
a pipa de 480 litros.
Vinho de Lisboa. Vendas de 250/ a 290/
a pipa, dem idem.
Dito francez Nao ha no mercado
Xarque do Rio da Prata Deposito 50,000 ar-
robas, retalho de 4/400 a 6/000 os 15 kilos.
HENDIMENTOS PBLICOS
Mea de fevereiro de 18S6
bninu-Di 1 26:004,355
R3BBBi>oaiADa 1 449/146
Cjssdlado ovuciit-De 1
icira DKAiRionDe 1
2:853/760
388/547
Boyal Mail Slcam Packel
Company
Reducgo de passagens
Bilhetes cspcciacs of-
ferecendo facilidades
aos senhores viajantes
para visitar a exposi-
yo colonial em Lon-
dres, de 1886.
ida c volta de Per-
nambuco a Southamp-
ton, primeira classe,
com o prazo de 6 me-
zcs libras sterlinas 36,
15, 0,____________
Cear
l e'.'o
i:ii contlnnaco
De grande quantidade de miudezas, chapos de
paiba para senhsra, 24 jarros finos para fltresr
extractos, diversas barricas com pregos a variados,
1 machina para rolhar garrafas, 1 dita para apre-
gner, lindos quadr03, raobilias, movis avulsos,
pianos, chapeos de sol para homens e senhoras, e
ntuitos outros artigos que se tornam enfadonho
mencional-os, existentes
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 18
tilinta feira, A do corrente
A's 11 horas
POR INTERVtNgO DO AGENTE
Gusmao
Leilo
Agente Silvcira
De movis, fazenflas. lista e
Segu com brevidade para o porto cima o
hiate Deas te Guarde, recebe carga a fretes m-
dicos ; a tratar na ra da Madre de Deus n. 8,
u no caes do Loyo, a bordo.
DESPACHOS DE IMPORTACO
Vapor nacional S. Francisco, entrado da
Bahia por escalas no dia 31 de Janeiro, e
consignado a Companhia Pernambucana de
navegac.Ho costeira por vapor, manifes-
toa:
Algodao 400 saccas.
Barris vazios 30.
Barrica 550.
La barriguda 10 saceos.
Matte 2 caixas.
Pipas vazias 50.
Pelles 20 amarrados.
Panno d'aljodao 96 fardos ordem.
Hiate nacional S. Lourenco entrado de
Macan, no dia Io de fevereiro, e consigna-
do a Bartholomeu Lourenco, manifes-
tou:
Sal 690 alqueires ao consignatario.
Patacho portuguez Fanny, entrado da
Figueira no dia Io de fevereiro, e consig-
nado a Amorim IrmSos & C-, manifes-
tou :
FeijSo 26 sacooB aF. Pereira Alberto.
Peize 1 caixa ordem.
Vinagre 105 a F. Pereira Alberto.
Vinho 27 pipas e 15j5 ordem, 38 e
0j5 a Oresteu Travassos & C.} 51 e 20(5
a Silva Guimaraes & C, 56 e 35p a Pai-
va Valente Pinto Guimares, 30 e 20|5 a Souza Bas-
to Amorim & C.
DESPACHOS D EXP0RTACA0
Em SO de Janeiro de 18S6
Har o exterior
No patacho ing'lcz LoyaaliH, carregou :
Para_ New-York, H. Forster ft C. I,80 saceos
com 135,000 kilos de assucar mascavado; M. J.
da Rocha 200 ditos com 15,000 ditos de dito.
No patacho in,'ez FrancU John, carregou :
Para New York, Engenho Central 1,20o saceos
com 96,0v0 kilos de assucar mascavado.
No lugar norueguense Thora, carregou :
Para Hull, C. P. de Lentos 80 saceos com 4,000
kilos de carolos de algodo.
Na barca portugueza Pereira Borgts, carre-
gou :
Para L:sboa, S. Gu/maraes & C 69 couros sal-
gados com 828 kiljs.
Para o interior
Na pjlaca hespanhola Juanita, carregou :
Psra Uruguaysna, J. S. Loyo & Filho 395 bar-
ricas com 38,979 kilos de assucar branco.
= No patacho nacional Maia 2*, carregou :
Para Maco, A. Bahia 150 saceos com farinha
de mandioca.
No hiate nacional Apody, carregou :
Para Mossor, R. Lima & C. 200 sacas com
farinha de mandioca.
Na barcaca Cacique, carregou :
Para o Natal, Amorim lrmos & C. 50 saceos
cem farinha de mandioca.
No hiate nacional Devs te Guarde, carregou :
Pata o Cear, B. Oliveira & C. 10 duzias de
vassouras de carnauba.
Na barcaca D. Isabel, carregon :
Para P. de Alagoas, J. H. Boxwell 25 pipis e
10 barris com 12,960 litros de mel.
Na barcaca Nova Esperanca, carregou :
Para S. Miguel, Fernandes & Irmao 2 barricas
com 200 kilos de assucar retinad).
Na barca,a Florida, carregou :
Para Parahyba, B. Oliveira & C. 5 duiias de
vassouras de carnauba ; A. Figueiredo & C. 100
vassouras de piassava.
Navios entrados no dia 31
Bahia e escala8 1[2 dias, vaopr nacio-
nal S. Francisco, de 382 toneladas,
commandante Joaquina da Silva Pereira,
equipagem 30, carga varios gneros ; a
Companhia Pernambucana.
Glascow e escala43 dias, vapor nacional
Itamaraty, de 253 toneladas, comman-
dante William Browns, equipagem 23,
em lastro; a Saunderes Brotheres & C.
Maco9 dias, hyate nacional S. Lou-
rentp, de 90 toneladas, capitn Vicente
QUINTA-FF.mA, 4 DO CORRERTE
A's O |3 horas
Xo armazem sito ra do Bom Jess
n. 16
O agente Silveira, por mandado e com assisten-
cia do Esra. Sr. Dr. juii de direito d-< orphos e
ausentes e a requerimento da inventariante de
Joaquim Martins Gomes, levar a leilo o se-
gp'nte :
Urna marqueza, 1 mesa, 3 mochos, 3 camas de
vento, 1 Harnea com assucar m'.scavado, l sacco
om gomma, 1 barrici com cimento, barricas va-
sias, fczendas, miudezas, loucas, generes, folhas
de flandres, e mais objectos patentes no acto do
leilo.
F. da Costa, equipagpm 6, carga sal; a
B irtholomeu Lourenco.
Figueira31 dias, patacho portuguez
Fanny, de 158 toneladas, capitao Flix
Alves Pinto, equipagem 8, carga vinhos;
a Amorim Irmaos & C.
Navios sahidos no mesma dia
LiverpoolVapor inglez Orator, comman-
dante Platti, carga algodao.
Monte vido Polaca hespanhola Joanita,
capitao Francisco Pags, carga assucar.
Navios entrados no dia 1
Valparaso por escala 23 dias, vapor in-
glez Valparaso, de 2,282 toneladas,
commpndar-te Edward Friend, equipa-
gem 90, carga varios gneros; a Wilson
Sons & C.
Buenos Ayres 30 dias, partacho inglez
Artos, de 313 toneladas, capitao A Ro-
bertson, equipagem 9, em lastro ; or-
dem.
Rio Formoso e Tamandar -19 dias, va-
por nacional Mondahu, de 222 tonela-
das, commandante Souza Lobo, equipa-
gem 18, om lastro ; a Companhia Per-
nambucana.
Navi $ sahidos no mismo da
MacoPatacho nacional Maia II, capi-
tao Antonio Bento Galho, carga fari-
nha de mandioca.
Aracaty Hyate nacional D. Jidia, capi-
tao Manoel F. de Araujo, carga farinha
de Mandioca.
Liverpool e escalaVapar inglez Valpa-
raso, commandante Edward Fnend, carga
varios gneros.
VAPORES ESPERADOS
Maranhense
Manoi
Marinho Visconde
Advance
Delamber
Orenoque
Vle de Santos
Para
Vle de Cear
Tomar
Actor
Pernambuco
Mondego
Cear
Desterro
Espirito Santo
Tagus
Stnegal
de New-York
do norte
da Bahia
de New-Port-News
de Liverpool
da Europa
do sul
do sul
da Europa
da Europa
de Liverpool
do norte
do sol
do sul
de Hamburgo
do norte
da Europa
do sul
hoje
hoje
hoje
amanh
5
5
6
6
9
10
a 12
a 13
a 14
a 16
a 20
a 22
a 24
a 25
I
rj
j
4
I
m


Diario de PernambncoTerfafcfr
Fevereiro de 1^88
5
-
LEILAO
de movis, quadros e vidros
Constan do
de 1 piano forte, 1 mobdia de jaearanda com 1
gofa, 2 contlos com p-dra, 2 cadeiras de ba-
co e 12 de goarncSo, 2 de bala;, jarros para
floree, qiiadns dourado, mesas, cadeirns, mar-
qu.'7:n e oatros movis de cusa de familia.
<|uin( i-felra, 4 do correle
A'S 11 HORAS
Agente Pinto
No 1* aud.ir do sobrado da ra do Bom
_ Jess n. 43
Agente Pestaa
'ios
Opioio emprego de capital
QUINTA FEIRA, 4 DE FEVEREIRO
A's 11 1| horas
No armazem da ra do Vigario Thenorio n. 12
O agente Pestaa, legalmeute autorisado pelo
proprietario ios predios abaixo mencionados, ven-
der ere leilao publico no dia e hora cima men-
cionado, as casas abaixo declaradas, livres e des-
embaracadas de todo e qnalqunr onus, ai quaes se
tornam recoinmendavcis nao s pelo seu bom esta-
do de conservavao, como pelos bons rendmentos
que podem usofruir os pretendentes a mesmas.
As referidas cacas serao vendidas sera reserva de
precos, com) aconteceu com o leilao passado.
Casa terrea ra de Lomas Valentinas n. 7,
rndenlo 240 annuaes ; idem 4 ra do Mrquez
do Herval n. 139, r nd ndo 300| : idem ra do
Nogueira n. 2, rendendo 12CJ ; idem ra do Co-
ronel buassura n. 143, rendendo 1684 ; idem a
ra de Dias Cardoso n. 1, rendendo 24J ; idem
ra do Nogueira n. 9, rendando 2705 | idem
ra do Coronel Sua9suna n. 141, rendendo 300$
idem travesea do Caldeireiro n. 6, rendendo... .
2405 i idem i ra do Gervasio Pires n. !2, ren- I
dendo 222/ ; idem ra da Ponte^Velh* n. 22,
rendendo 2645 : idem ra de Santa Thereza
n. 27, rendendo 222$ ; idem mr~da Palma n.
9 ; duas meias aguas rendendo 144$ ;~ idem dom
n. 11, rendendo 261$ ; idem idem no becco do
Tambi n. 20, rendendo 240$.
Leilao
De uro sobrado de 1 andar e tres casas
terreas
Sabbado, O do correte
No armazem da ra do Imperador n. 22
A'S 11 HORAS
O preposto Stepple legalmente autorisado levar
a leilao o seguinte :
Um sobrado de 1 andar ra Nova de Santa
Rita n. 56.
Urna casa terrea, idem n. 58.
Urna dita, idem n. 60.
Urna dita, ra dos Patos n. 3.
Todas em bom estado de conservado e em ter
r >no proprio menos a de n. 60, cujas caaas siio de-
fronte da fabrica de sabio, i endeudo a 1.a 341500,
a 2. 22J000, a 3. 15J000, a 4 125000. Os pre-
tendentes desde j podem examinar os predios, e
qualquer informacao o mesmo agente dar.
Leilao
Bom
solo
Je-
pro-
Da casa terrea ra do Senbor
su3 das Creoulas n. 30, em
prio.
Sabbado. 0 do corrate
A'S 11 HORAS
Na ra do Imperador n. 22
O preposto Stepple legalmente autorisado le-
var a leilao a casa terrea n. 30 ra do Senhor
Bom Jcsns das Creoulas, em solo proprio. Os
pretendentes desde j podero examinar a dita
casa, e para qualquer informaeo o mesmo agen-
te dar.
De ama casa terrea n. 65 ra do Am-
paro cm Olinda
Sabbado 8 do correte
As 11 horas
No armazem da ra do Imperador n. 22
O preposto Stepple levar a leilao per mandado
e assistencia do Illra. e Eim. Sr. Dr. juiz especial
do commercio, do Dr. curador fiscal da massa fal-
lida de Autonio Fr. ncisco Corga.
Os Srs. pretendentes desdo j poderao ir exa-
minar a referida casa.
Leilao
Em Goyanna
y9 easa ra do Paire Rei-
naldo o. 11
Segv.nda-feira 8 do torrente
Dos predios pertencente3 a massa fallida de
Antonio Francisco Corga
Ao meio dia
O preposto Stepple levar a leilao por mandado
do Sr. Dr. juiz de direito especial do commercio
com assistedcia do Dr. curador fiscal da mesma
massa as scguintes casas :
Urna casa terrea n. 11 ra do Padre Reinaldo
tendo a mesma urna arraacuo e man utencilios
para taverna.
Urna dita ra do Rio, sem numero.
Urna dita ra do Imperador n. 31.
Em Mamanguape
Uma dita ra de S. Pedro n. 1.
Urna dita ra da Ponte n. 16.
Urna dita ra d Pedra.
Urna dita ra do Rosario n. 3, com utenc'lios
na mesma casa.
Urna dita dita.
Urna dita dita n. 5.
Urna dita dita n. 7.
Urna dita dita n. 9._
Um engenbo denominado Barra Leite Meirini.
Urna propriodade denominada Preguica.
O Srs. pretendentes desde j podem examinar
as ditas casas e para qualquer informacSo o mes
mo dar em Goyanna.
--------------------------------------- \
Monte de Soccorro de
Pernambnco
Leilao de joias
O conselho fiscal atiende ndo nao s ao pedido
para ser transferido, de 5 do corrente para 5 de
Fevereiro vinrt uro, o annunciado leilao como por
haver giandr namero de cautelas em ser, e nao
convir aos inte.-esses do estabelecimento e dos
mutuarios submetf el-as venda, faz agora publico
que no referido dia 5 de Fevereiro se effectur
impreterivelmente o loillo s 11 da manba.
EstarSo exposicao tres dias diantes.
9.768 2 pulseiras, 1 tranceln e 1 par de rosetas
de curo.
10.030 1 annel de ouro com brilbantes.
10.032 2 bules, 1 assacareiro, 1 mantegueira, 1
leiteirs, 1 salva, 1 eoador, 2 colbere e 1
jarro e baca de prata.
10.037 1 salva e 2 colberes para tirar sopa e ar-
roz, prata de lei.
10.038 2 botoes de ouro com 2 brilbantes.
10.041 1 annel de ouro com 1 brilhante.
10.048 1 cot e 1 cruz,ouro de 16 quilates.
10.052 1 pulsrira, 1 medalhao e 1 par de brincos,
ouro do lei, 2 salvas, prata de lei.
10.053 1 annel de ouro com 1 brilhante. ,
10.055 15 coiheres para cha, 12 ditas para sopa
18_ pai-a. creme. 3 ditas grandes, prata
baix*.
10.056 1 moa de ouro () cumia.
peqn
. turo de li
i9 1 salva. pa e-|
assucar, e 1? dita para cha, de prtta.
10 060 1 re gio de ouro.
10.069 1 ,t de rosetas 1 broche, 2
prata hixa,
0.070 1 salva c i, pr.-.ta de
10.087 19 colberes do prata.
10.088 1 nlngio, ouro de lei.
10.091 1 corrente com tincie, para relogio, OXtto
de lei.
10.092 2 armis de ouro com brilbantes.
10.096 1 tranceln, ouro de lei.
10.101 1 pulseira, 1 medalha, 1 volta de trance-
ln, e um relogio pequeo, ouro de le.
10 112 1 tranceln, ouro de lei.
10.119 1 pnlseira, 1 broche e um par de rosetas,
ouro de le.
10.128 1 par de boies e 3 anneis, ouro de lei.
10.136 1 par de rosetas de ouro com 2 brilhantes.
10.137 1 annel de ouro com 1 brilhante.
10.141 1 corrente com meda'ha para relogio, ouro
d 1-i.
10.149 1 rcloiio. curo de le.
10.143 1 volt* de tranceln, 3 paies de rosetas,
2 modinbna de ouro e 1 teteia, curo l e lei
10.146 1 erua ds ouro com brilbantes.
10.11 1 eorrti.te i*ra rxlogio, 1 ojLe, l vo'4t
de tranceln, 1 cruz, 1 annel, 1 par de
rosetas. 1 dedal e 1 relogio, ouro de lei.
10e148 1 relogio, ouro de lei..
10.152 1 correte e medalha para relogio, ouro de
lei.
10.159 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.182 2 botoes de ouro com brilbantes.
10.198 1 relogio, ouro de lei.
10.200 1 relogio, ouro de lei.
10.202 1 par de rosetas de ouro com brilhantes.
10.207 1 pulceira e 1 trancelm, ouro de le.
10.218 1 trancelm, 1 medalha e 1 torrente para
10.467 1 pulceira, dous tranceln, urna volta de
dito, um cordo, urna medalha, urna moe-
dinha, um par de brincos e um dedal, on-
ro de lei.
10.470 2 cruzes cravejadas de brilbantes, 3 pares
de rosetas om ditos e seis aunis com di-
tos.
10.473 1 pulceira, ouro de lei.
10 475 2 pares de rosetas de onro co
tes, dous anneis com ditos, duas pulceiras
c urna corrente para relogio, ouro de lei.
10.476 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.481 1 bracelete de ouro com coraes e requifi
fes, nm cordo, quatro pecas para cintei-
ro, um dedal, um par de rosetas e duas
pojas de brinco, ouro baixo.
10.483 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.502 2 anneis ouro de lei, um>i: 1 -i i
ouro bixo. doze cala -ras pan ch i, pr i
baila.
10.503 1 par de brincos e um cerdo, oure de lei.
10.504 1 corrente para relogio, yuro de lei.
10.505 1 volta de trancelm, um broxe, nm par de
rosetas, dous botoes, ouro de lei, um par
de bttoes para punhos raro baixo.
10.519 2 correnta e duas medhlhjs para gio
e um relogio, ouro de lei.
10.520 1 relogio pequeo, onro de lei.
10.521 1 corrente para relogio, ouro de lei.
10.528 1 par de brincos de ouro e urna medalha
ouro de lei.
10.529 1 corrente e nm relogio, ouro de lei.
10.531 1 corrente e medalha para relogio e um
relogio, onro de lei.
10.539 1 trancelm, urna medalha e 4 anneis, ou-
ro de le. '
10.510 1 par de brincos, ouro de lei.
10.541 pares de rosetas de ouro com brilhantes.
0.512 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.543 1 corrente para relogio, um broxe com
pequen, s brilhantes.
10.562 1 annel de ouro com brilhante.
10.568 1 chapa de condecoracio, ouro baixo.
10.570 2 salvas de prata de lei.
10.572 1 pulseira, urna corrente, urna moeda, um
tranceln, dous broxes, um dito para man-
ta, do as pares de brincos, dous pares de
botoes, um annel e um relogio, ouro de lei.
10.574 1 trancelm de ouro do lei.
10.577 1 relogio, ouro de lei.
10.578 2 anneis e dous botoes de ouro com bri-
lhantes, um fio de perolas, quatro broxes,
tree pares da. brincos, um dito de rose
tas, dous anneis, duas pecas para cintei-
ro, onro de lei, nm par de botoes e urna
medalha, ouro baixo, urna salva c um pa-
litero, prata baxa.
10.579 18 coiheres para sopa, 26 ditas para cha
c urna conega de prata.
10.582 1 annel da onro com brilhante, urna volta
de ouro com urna medalha, ouro de. lei.
10.5.a4 2 casticaes e 1 palitciro. prata de la.
10.591 1 pulseira, 1 par de rosetas, 1 peixe de
ouro.
10.604 1 salva, prata t lei, 1 castical, prata
baixa.
10.611 1 corrente para relogio, e 1 relogio, ouro
de lei.
10.C14 1 relogio de ouro, de lei.
10.617 1 corrente e medalha, para relogio, ouro
de lei.
10.620 1 cruz de ouro com brilhantes.
10.023 2 pulseiras, ouro de lei.
10.024 3 broches, 2 pares de rosetas e 1 annel,
ouro baixo.
10. 27 1 trancelm, 2 medalhas, 1 par de brincos
e 1 broche, ouro d*. lei.
10.630 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de le!.
10.638 1 gargantilha, 1 pulseira, um trancelm, 1
medalha, 1 broche, ouro de lei.
10 643 1 p*r de brincos de onro com brilhantes e
1 brocho, ouro de le.
10.C18 1 par de rosetas de ouro com rubins e
brilhantes, 1 ditoer.ua brilhantec, 4 ann i*
coas ditoe e b/;lb*iie pequeos, sob
papel.
10.663 16 coiheres para sopa c 11 ditas para cha,
prata baixa. ?
10.667 1 par de brincos, 3 ditos de rosetas, 1
broche e 1 annel, ouro de lei.
10.668 1 trancelm, 1 medalha, 1 broche e 1 par
de rosetas, ouro de lei.
10,688 1 relogio, uuro de lei.
10.702 2 casticaes e 1 assucareiro, prata de lei.
10.703 3 anneis de ouro com brilhantes e rubins,
1 volta de trancelm, 1 cruz, 2 botoes, 1
figa com coral, ourv de lei.
10.711 1 relogio, ouro d- lei.
10.715. I correntio com sinete e chave, para re-
logio, onro de lei.
10.730 1 corrente para relogio, ouro de lei.
10.733 1 par de brincos. 1 fita de ouro e 1 par de
rosetas, ouro de lei, 1 broche e 1 annel
era vejado de diamantes.
10.740 1 cruz de ouro com brilhantes, e 1 salva,
prata de lei.
10.744 1 par de brincos de ouro, e 1 cruz crave-
jada de brilhantes, e 1 par de botoes, ouro
de lei.
10.745 1 volta de trancelm, 1 ponteiro, 1 par de
brincos, 2 ditos de rosetas, 2 e meio pares
de botoes, 3 figas, 2 anneis, 1 emblema de
S. JoSo e 1 castor, ouro de lei.
10.752 1 relogio de onro, para senhora.
10.753 1 assucareiro e 1 mantegueira, prata de
lei.
110.757 1 corrente dupla com medalha, ouro e pla-
tina.
1 aniit
de ouro com 1
2 parce
ra. 1 brocho o
com da-
10.314
le.
!0 315 1 broche, 1 par de brincse 1
de l'i, 1 volta de coi
ponte to, ouro baix
10 323 1 eori'.'ntc e medalha para re
log a, ouro de lei,
B 1 i un' 1 le ouro coin pequen
IC.J2 1 pulceira, 1 trancelm, 1 pi
1 anac de oixto 0 1 annel
mante.
10.353 1 cordo (collar) ouro baixo.
10.308 1 broche, ouro de le.
lO-SS-i 1 relogio, ouro do lei.
ln.368 1 pulceira, 1 pjr de rozetas, 1 volta de
trancelm, ouro de lei, 1 par de botoes,
ouro baixo.
10.374 1 trapcelim, 1 mooda de ouro com laco e
1 relogio, ouro de lei. >j
10 380 1 annl de ouro com 1 brilhante. ^
10.382 1 corr nte e medalha para n-Jorio 2 r
anneis, ouro de le.
10 390 1 par de brincos, 1 medalha, 1 corda o,
medalha incompleta e 1 laco, uro de lei.
10.394 2 anneis de ouro com brilhantes.
10.401 1 trancelm e 1 moeda do ouro com laco.
onro de lei.
10 402 1 relogjo, ouro de lei.
10.434 1 par de rosetas de ouro com diamantes,
e urna crus perolas.
10 438 1 volta de ouro e um annel, ouro de ei.
IU.445 1 par de rosetas de ouro com dous bri-
lhantes.
10.45S 1 relogio de ouro de lei.
10.460 1 emblema do Espirito Santo, um cora-
cao em ouro ,um dedal e cinco botSes, ou-
ro de lei.
10.461 1 pulceira, um par de brincos, um dito uc
rosetas e tres anneis, ouro de lei.
10.466 1 corrente e medalha para re!o o, ouro
de lei.
10.784 2 salvas, prata de lei, 25 coiheres, 12 gar
fus, 12 cabos pura facas e 1 paliteiro,
prata baixa.
10.786 1 s Iva e 2 coiheres, prata de lei.
10.789 1 cruz de ouro com brilhante, 3 pares de
rosetas com ditos, urna volta de ouro, 6
correntes para /elogios, 1 medalha, 1
correntio fino, 4 trancelins, 4 voltas "le
dito, 1 cruz, 1 broche, 1 par de brincos e
4 relogos de ou:o, ouro de lei.
10.790 1 pulseira, quebrada, ouro de lei.
10.791 1 trancem e 2 pares de brincos, ouro de
lei.
10-. 799 3 cruzes de ouro com brilhante?, 2 anneis,
1 par de argolloes, 1 par de rosetas, 1
peca grande, 2 pulseiras, tudo cravijaio
de diamantes cravados em prata ; 1 volta
de ouro, 1 cruz, 1 fivella,4 pecas de ouro
para cintero, ouro de lei, fios de perolas.
10.800 1 corrente para relogio, 1 volta de trance-
lm, l cruz, 1 breche, 1 par de biincos,
ouro de le. --
10.802 1 corrente e relogio, rnro de lei.
Recife 4 de Janeiro do 1886.
Pelo gerente,
Felino D. Ferreira Coelho.
geraes
Con.j)
mm-se duas
andar d*esta typ'ogr
phia so indicar que,o
compra-.
IliMANDADE
DAS
Almas da matriz da Boa-Vista
A mesa rerredora elcata irmandaie tendo resol vi-
do inandir resar urna inissa c^m assistencia da
mesma irmandade, por alma de seu irmo ex-pro-
curador dolpbo D .mingues da Silva, no dia 4 do
fevereiro prximo tuturo, trigsimo do seu falle
cimento^ convida a todos os scus iranios, paren
tes c amigos do finado pa-a assistirem a csse acto
de caridade, que ter lugar na mesma matriz pe-
las 8 horas do referido dia. Consistorio, 30 de
janeno de 1886.
Servindo de cscrvo,
M. A. Cantoso.
Fzeniks
SO' Ai
-4 rna d.i laij.- *z
belfo t (J. i
'e H 11:
menc'ons la
Vc/n ile a1:
jirdas. pe m bar
i., 415 0, 1-5)0, 5
polioPeca '
jardas a 445'J.), :>S O
Camisas de in^ia com
preco de
Ditas branets e cruas, de 14 i
Creguella franceza, fasenda cuito ene -
pala, piopjia pitra lene, (*, tjail
c-roula8, Vara 4'IU
Ceroulas da misma, muita b-in f
a H2O0 c
Colletinhos r'a mesma
Bramante fraocez il" ni lito ei-
orpido coin 10 pilinis i)c largura,
metro
Dito de linho inglez, de 4 largaras, me-
tro a 2*50)e
Atoi.ha lo alamasea do para to (Illas t
mesa, com 9 palmos de largura metro
Cretones e chitas, claras e escuna, p t-
droes delicados, d 240 rs. at
lo
c.
dos
i 'cida
CaixCTo ara hatcl
n i ra
I
as Srs. pro-essors
pir z-
eouselho
1 i '. uf-ncis i
i 'I .i ih Cruz, e
, ni. rino. h i ge ven i c 11 pape-
I i de -> i.' lio, na
>" t > Imperador ii. 42 ; J -*', no pateo do
Hi' I ? ii. 4 : e na Boa Vi-ta, n ru i (la Impera
t triz n. 71. Cuati 80) rs.es
800
Ugod&o infestado pa-
ra cncocs
A OOo r. e llooo o metro
14JHO Vende-o na lija do* baratearos na iJoa-Vista
algodo pira I-incoes d um e panno, com 9 pal-
' SO0 inos de largura a 900 rs., e dito com 10 palmos a
1:00 ) o r/ietr i, assim mi dito trancado para
1J800 toalhai de m' sa, com 9 palmos c largura a !
o metro. lato na lija de Alheiro c C, esquina
40J do becco dos Fcrreiros.

iv,( r>
Anlonlo Albino Cion^alves
ltosa
JosMiircellino da Rosa, (ausente) pai do falle
cido Antonio Albino Goncalvea Rosa, manda re-
zar urna missa por sua alma, na igreja da Ordem
3" de t>. Francisco,no da 3 de Fevereiro, ds 8 horas
da inanha, 1 anniversario de seu passamento; por
este fim convida, para assistirem, os seuas paren-
tes e amigos, pelo que se confessa summamente
agradecido.
t$
^umm ai^
AVISOS DIVERSOS
Urna pessoa habilitada ofierece-se para caixero
de algum engcuh > perto da cidade, e tambem pro-
poe-fe a ensinar primeiras Ict'ras a meninos,
quem precisar pode dexar carta fechada nesta
typ"grtipbia com as iniciaes, T. V. P.
= Arrenda s 'res baixas de capim e urna ola
ra, sitas em Api pucos ; a tratar na ra da Con-
cordia n. 161.
Candida Maria Come* de Car-
vnlbo
Bernardino Oomes de Cirvalho, Delfino Correia
Braga, M iris Leobina Braga Loyo, Manoel da
Silva Leal Loyo, eoposo, filhos e genro de Candi-
da Mara Gomes de Caivalho, mandan) resar mis-
sas por alma desta, no dia 6 do corrente, Io an-
niversono do seu passamento, na igreja matriz da
Boa Vista, s 8 horas da inanha ; e para oiivil-as
cenvidam as pessoas de sua amizade e parentes,
p lo que lhs sero summamente rconhecidos.
Na ra "Strelta do Rosario n. 10, ti m para
vender mobilia de Jacaranda e de po-caaga, por
prejos con modos, assim como diversas pecas
a valsas.
10.758 1 relogio, ouro de lei.
10.773 1 pulseira e 1 par de argolloes, e 1 relo-
gio, ouro de le.
10.775 2 pares de brincos, onro de lei.
10". 777 2 pulseiras, 1 broche, 1 par de brincos
cravejados de brilhantes, mais 1 annel
com rubim e brilhantes.
10.781 1 broche, 1 par de rosetas e 1 cruz, ouro
de lei.
relogio, ouro de lei e 1 pulceira, ouro
baixo.
10.224 1 corrente e medalha para relogio, ouro e
?latina e 1 relogi, ouro de lei.
relogio, ouro de lei.
= Vendc-se urna casa de tijolo e cal e um ali-
crri c para duas cas s, abaixo da segunda ladei-
ra de Apipucos ; a tratar na ra da Concordia
n. 161.
I'recisa-se de urna ama para cosnhar, para
casa de pouca jamilia ; na ra do Baro da Vic-
toria n. 57.
Aluga-se urna casa com sota, na Cruz das
Almas, frente di sitio do fallecido Tasso, par.-
familia pequea : a tratar na ra Primei.
Vlarco n. 2 I ja dejlas.
Prccsa-se de duas mulhere.s de idade, que
tenham bom comportamento, paa fazerem com-
panhia a duas fenh.iras casad* s, dando so tudo
que pre.eisarem ; a tratar na ra dos Quartcis nu-
mero 6.
Alnpa-se urna eserata ptima para todo o
servieo domstoa de cusa de familia ; a tratar ra
ra do Kiavhuello, ca?a n. 31.
A'uga-se o 2- andar da casa n. 1 do pateo
de Terco, o 3- da de n. 3 roa da Penha, o 1"
da de n. 19 mesma ra, o 1- da de n. 18 ra
Direita, o 1 da de n. 66 mesma na, o l" da
de n 35 travessa di S. Jos, o 1- da de n. 34
ra C8tr.ita do Rosario ; as terreas de ns. 41
a ra do Rangel, 26 ra Duque de Caxias, 1 do
pateo do Terco, 27 ra de Lomas Valentinas,
21 i ra do Aragio, e a casa do n 35 ra da
Viradlo ; a tratar na ra do Hospicio n. 3.
Aluga-ec a casa com sota, toda catada e
pintada de novo, sita ra i^ Pundicao n. 8, em
Santo Amaro ; a tratar na ra do Mrquez ee
Olinda n. 8, lithographia.
Aluga-se o armazem da ra do Mrquez de
Olinda n. 18 ; a tratar com Parrte Vianna t
Comoanhia
Aluga-se canas a 84000, no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncalo : a tratar na ra da Im-
peratriz n.
= Os hachareis Antonio Justino de Soma e
Pedro Alfonso de Mello mudaram o seu escripto-
rio para a ra Duque de Caxias n. 54, 1 andar
onde continan) a exercer a sua profieso de ad-
vogados.
Precisa-se de um eaixeiro de 12 14 aunos,
com pratica de taverna ; na roa do Visconde de
Goyanna n. 72.
Alugt-se a luja do sobrado n. 187 ra do
Coronel Suassuna, com 5 quartos. 2 salas, cosinba
lora e quintal, por preco razoavel ; a tratar na
ra larga do Rosario n. 44.
Precsa-se de urna ama ; na praja do O; n-
de d'Eu n. 15, 2- andar, para cosinba.
Eu, abaixo assgnado declaro que vendi a minba
taverna sita ra Imperial n. 151, ao Sr. Joao
Rento Rodrigues, lvre e desembarcada at 31 de
Janeiro.
Joaquim Francitco Querido.
Eu, abaixo assgnado, declaro que comprei
ao Sr. Joaquim Francisco Querido a sua taverna
sita ra Imperial n. 151, livre e desembarcada
at a prsete data; pelo que se alguem se julgar
com direito mesma, aprsente seus documentos
no termino de tres das a contar dssta data.
Recife, 1 de Fevereiro de 1886.
Joao Bailo Rodrigws.
Idolpti-o Dnniintnoo da Silva
Tendo a incsM regedora desta irmandad-i resol
vido mandar celebrar urna missa pr alma de seu
euro irmo ex secretario Alolpho Domingues da
Silva, no dia 5 d i corrente, ds 7 1/2 hor;'s da ma-
nbi. trigsimo dia de seu passamento ; e rara
as8istir este acto de relgio e carilla ie, sao con-
vidados os nossos irm:'>s e bem assim os parentes
o migos do finado, pelo que a iresma se confessa
eternamente grata todos aquelles qu ; compare-
cerem. Consistorio da mesma na cidade do Reci-
fe, em 2 de fevereiro de 86.O secretario,
S __________Mannpl Jos e Sant'Anna Aranjo.
10.225
10.232 lbotiodeouro
com brilhantes c 1 caixa
para rap, ouro de lei.
10.234 1 par de rosetas de ouro com brilbantes.
10.235 1 pulceira, 1 broche, 1 par de rozetas de
ouro contendo brilhantes, 1 pulceira, e
broche e 1 par de roze;as, ouro de lei.
10.245 1 pulceira, 1 broche, 1 volta de ouro com
laco, 1 medalha, 1 par de brincos, uroo
de lei.
10.259 1 pulceira, ouro de lei.
10.260 1 escrivannia, prata de lei.
10.280 1 corrente e 2 medalhas para relogio e 1
annel com|pequeno brilhante.
Farinha de trigo nova e de
superior qualidade
Retalha-se em lotes
vontade do compra-
dores o carregamen*o
de farinha de trigro em
saceos chegado do Rio
da Prata pelo paque-
te inglez Libbie H.
a tratar no armazem,
ra do Commercio
n. 4,

Domingo* dais IV'eves Teixeira
llamn
Constanza Janur.ria Monteiro Bastos, Domingos
das Neves T.-dxera Bastos, Thomas Teixeira Bas-
tos, Joo Jos d Miranda e Mara Rosa Bastos
de Miranda agradece n cordialmente todos os
parentes c pmigos que te dignaram acompanhar
ao cemteno publico os restos mortaea de seu pre-
sado esposo, pai, irmo e cunhado ; e de novo es
convidam para assistirem as m>esas de stimo dia,
que mandam celebrar na igreja da ordem terceira
do Carmo, s 7 1/2 horas da oanh.i do dia 5 do
corrente ; e por mais e .e acto de religio se con-
fes?am desdo j eternamente gratos.
VENERAVEL IRMAXDADE
DA
Gloriosa Senhora Sant'Anna, da igreja da
S.>nta Cruz
ALBEST0 HENSCHEL & 0.
S2-RU4 DO BARiO D\ VICT0RI\-52
O aba;xo assgnado tem a honra de part ;ipar ao respeitavel publico d'esta
capital e do interior, que reassurnio a gerencia d'csto grande c bem conecituado esta-
beljcTi ento, onde j por longos annos ten oceupado o mesmo lugar.
As Exmas. familias e pessoas quo desejarera hnralo cora snas encomraendaS;
encontrarlo all os mai^ modernos o aperfei;oados trabulhos concernentes a art
photographica e modicidado nos precos.
C. Barza,
Gerente.
^F

f
loo do \ii.iiiinl< Alhnqucr
IM
Sua esposa D. Antonia Mara dos Santos e Al-
buquerque, seus filhoi e fi.has convidam eeus pa-
rentes c amigos para assistirem a missa que cele-
bra-ee no dia 5, na matriz de Santo Antonio, s
6 liaras da manh. pelo que ser gratos.
familia : na ra Nova o. 15.
ou escrava, precisa se de
urna Dar casa de pequea
lilcHiilii! Henriaue Ce Efillaili
Precisa-se fallar : nft ra do Coronel Suassuna
n. 204, 1 andar, ou quem delle poder noticiar.
Viva a pandega
Fiea transferida para a primeira loteria do raez
de Marco as acoes que deviam correr com a pri-
meira do mez de Fevereiro, visto serem diminutas
as acoes passadas.
Olinda, 31 de Janeiro de 1886.
Ama
Precisa-te de cma ama que saiba cosinher ; na
ra de Pedro Aftonso n. 9.
Advogados
Manoel Netto e Bevenuto Lob > ; ra Duqne de
Caxias n. 75, entrada pelo pateo do Collegio.
Piano
proprio para principiante : vende-se um muito
barato ; na ra Duque de Caxias n. 56, terceirt
ind r
JOSEPH KMUSE a
Acabam de augmentar o sea j bem conhecido
importante estabelecimento rna Io
de marfo n. 6 com mais
om salo no i andar iuxuosamente pepar-
rado e prvido de orna expesi-
(tete Iras depfate h% t #I^lrff^
dos mais afamados fabrieaai!^ do
mundo inieiro.
Convida, pois, as Exmas. familias, seos nume-
rosos amigos e fregnezes a visitaren,
o sen csabelecimenlo. afim de
apreciarem a grandeza e bom goso com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaran., em honra .
desta provincia.
M-E BERTO DAS 1 A'S 8 DA NOITB
COM rn^mv

M
fe
"
31
Grande e bem montada oflieina de afaiale
DE
PEDROZA&C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN 41
Neslc bem conbecido estabelecimento, se encontrar um lindo c vanado sor-
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, punhos, collarinhos, moias, grvalas,
tudo importado das melhores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; o para bem
servirem aos seus amigos e freguezes, os propietarios dcsto grande estal)2leciraento
tm na dircco dos trabalhos da officina habis artistas, o que no curto espaco de 24
horas, preparara um temo de roupa de qualquer fazenda.
Ra do Baro da Victoria n. 41
(PRESOS SEM COMPETENCIA)
Este collegio acha se aberto ra Velha n. 40,
e recebe alumnos internos, semi-iaternos e exter-
nes.O director,
_____________ Ovidio Alves Manaya.
Ama
Precisase de urna ama para lavar e engommar ;
na ra da Uniao n. 47.
Ao commercio
J. C. Levy & C. e Ernesto & Leopoldo declaran
ao commercio em geral que continuam na soeieda-
de que tnham na Pharmacia Franceza sita roa
do Barao da Victoria n. 25, sendo os primeiros so-
cios solidarios e os segundos commanditarios, de
conformidade com o contrato registrado na mesma
junta commercial.
Recite, 30 de Janeiro de 1886.
J. C. Levy & C.
Erneilo 4 Leopoldo.
Oj propietarios do muito

i
conlieii lo
estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicim ao respeita-el PUBLICO que receberam un
grande sortimento de joias das mais modernas e dos ranis apurados gostos, como tam-
bera relogios do todas as qualidades. Avisam tambera que continuara a receber por
todos os vapores vindos da Europa, objactos novos e vendem por muito menos que em
outra qualquer parte.
MIGUL WOLFP & C.
N. 4RA DO CABUG^N. 4
Compra-ge ouro e prata velha.
m Q



'f




Utorui de Pern
Tya-ftfra 2 de Fcverciro de 1886
Alaga-se barato
O 1.' e 8-' andar i travesaa do Campillo a. 1
O armasen da na do Bom Jrsua 47
O 1.* andar Ja tr*vea do Carina u. 10.
A loja da ra do Calibouco n. 4.
A casada ra da Palma n. 11.
A casa da ra de Santa Thereza n. 19.
A caaa da ra da Ponte Velba n, 22.
A eaaa da Baixa Verde n. IB Oapunga
A tratar na Largo do Corpo hanto n. J9, 1* an
dar.
Alug-a-sc
primeiro andar da predio n. 30 na Duque de
Caxiaa, e as casas ttrrras na ra d Coronel Snas
auna n. 51 e 53 ; a trat-ir na ra Duque Je Ca-
sias (antiga das Ciusea) n. 30, '2- andar, ou na
padaria.
iluga-se
o segundo andar da roa da Imperatrz n. 24 ; a
tratar ua agencia pro ressiTa, praca de D. Pe-
dro II n. 73.
Af,ga-se
segundo andar da casa ra Imperial n. 19,
tem muitos commoirs e agua ; a tratar na ra
DuqUe de Caxias n. 92.
Ama
Precisase de urna ama que saiba lavar e en-
gomorar ; na ra do Visconde de Goyanua nume-
ro 139.

Ama
Corpo Santo n. 19, 2 andar, pre-
isa-se ue urna ama boa coainheira, que durma em
casa e de pesaos que abone sua conducta.
Ama
Precisa-se de urna perteita cosinheira para casa
de pequea familia no Montciro ; a tratar na ra
dvCabug n. 14, 1 andar, de meio dia s 3 da
tarde.
nm %
Preciaa-se de ama
durma cm casa
linda n. 6
para cozinha, pom qu e
tratar ra do Mrquez de
Precisa-se de urna anua para engommar somen-
te o outra para serv. coa internos de casa de fa-
nulia : a tratar na ra dj Bram n. 68.
Precisa-sc de urna, ama para cosinbar e que
durma em casa do emprego; na ra da Conceic3o
n. 4, 1 andar.
Ama
Precisase de urna boa cosinheira e engomma-
deira ; na ra da Uniao n. 47.
.Borracha para limas
Eeccberam Rodrigues de Paria A C, e tetm
para Tender em tea armazem ra de Murii e
Barros n. 11, esquina da ra do Amorim.
Lzg.
01 o
H c econmico
*m immwk
i
i
MABTnrS B A
Pevnam hue.o
Numero telephonico : n 33
R. m IIRISIW k c.
Bia Ib Boi-Jsds 1.18
(ANTIGA DA CRUZ)
Casa de eommissoes
Grande e variado sortimento de amos-
rae e catlogos de prodceles da Alleru-
iha, Franja, Inslatan, Austria, Hespanh
talia e Estado-Unidos.
N. B.InformaySes sobre uiachimsmor-
gricolas, ditas para engentaos centraes
lombas, etc para incendios outras ttu
binas e utensilios
"Diario de Pcnaabuco"
de de Janeiro deste
anuo
Comprase no arma-
zem de moldados a ra
da Ponte-Yelda n. 54.
>
Casa no Encamento
Aluga-sc urna casa perto da estaca.) de Ptrna-
meirim, nova, tem 2 quartos, 2 sal 8, cosinba
ra ; a chave para ver. na taverna do Sr. Adria-
no no mesmo logar, e!le indicara com quem se
deve tratar, o aluguel barato.
Cosinheiro
Precisase de um c.sinhriro ; a tratar na ra
de Paysand n. 19 (Paseagem da Magdalena), ou
roa do Ccmmercio n. 44.
Cosinheira
Precisase de urati coai.iheira que cngomm.r
bem e ensaboe, e que nio durma fra, para pasa
de pouca familia ; ua iraca do Conde d'Eu n 30,
terceiro andar
A o publico
Cosinheiro
Na ra do Vicario n. 17, se precisa de um co
sinheiro. _____________________________^^
Chegaram
para a ra estrtita do Rosario n. 2 os verdade-iros
3ueijos do fabricante Lameng, que se estilo ven-
endo a 3/000 cada um.
Cosinheira
Precisa-se d-.1 urna ama par., cosinhur, que eeja
limpa no seu trabalko e que faca mais ;lguus str-
vicos de caaa ; a tratar ni ra do Visconde de
Pelotas n. 14.________________________^___^^_
A > eommereio
' Os abaixo assignailo parlicip -m ao publico e
especialmente ao corpa comtdercial que ueste data
dissolveram amigaveimente a ssciedade que tinham
bo hotel sito ao b co do Caj n. 10 r. tirando-se o
socio Oliveira pago e satistiMto de s u capital fi-
eando o ativo e pa,ssivo da cisa a cargo socio
Sonsa.
Recife, 30 de juiero 1SSC.
S Tafia Marques da Silveira.
Mancel Domingues de Sousa
Alme. Miqueliiia
BrataiistaiteMtBila Europa
ai variado sortuato io ctepai 1-
m a cliisara mlms, o w
la fia lais moerno, mmim
Urna senhorn habilitada se offtrece aleccionar
primrirxs lettras < tribunos de pgiilba tm Me-
gios ou em catas puriicolares ; quem de scus
prestimos pit-cisxr. pode dirigir se ra do Co-
ronel Sua.sfiirm n. 1'J.
Escola par! rular
De Insriiet/S priin:iria para o
sexo masculino
34 RMA DA MATBZ DA BOA VISCA 34
O abaixo asignado participa ho Ilustrado pu
blico desta capital, qu abri aua escala particular
de instruc^ primara para o e<'xo masculino,
ra da Matriz da Boa Vista n. 34, < nd- esmerada-
mente se dedica ar> cnsinu de stua aluran'.s.
O grao da escola cuota: 1er, sen v. r e contar,
desenho linear, historia patria e n< coes de francez
Garante um rpido sditntamrntn nw seos alum-
nos, pelo seu sy.-t'-ina de ensiu>, o qiial uina pa-
ciencia illimitaaa, um amor inriolavel e uina es
mrrada d-dio'Cao o i-usino, fnzeiulo eoni qu
seos decipuh s abracem e ameui de corayao as le-
tras, nos livros, e :io estudo, guiandu-cs no cimi-
nho da intellieencia, da honra e da dipnidade,
afim do que vtnhnm a ser o futuro sustentaculr
da patria, da ejigito, e da lei, c um verJadeiro
cidadao brasileiro.
Espera, piis, merecer a confianca e a proteci-a
do distiueto pavo p> ninmbu..,an<\ e em particilar
tem f robusta em todos os pai e tutores de me
mnns que queiram aproveitar um rpido adianta-
mento de scus (ilh s e tute!
Comquanto oue.tda sija esta tentativa, todava
espera que os sius incanaaveis i ;l ros, _e os seu
puros dcs'jup, sejara eoroad'is C'm a feliz appm-
vacio de todos >s lilhos du lope/io da "-anta Cruz.
Si DMda i2000 p-gos adiantados, no acto
da matricula.
Horariodas 9 horas da manha as 2 da tarde.
Hecebe imiiinus int< rnos c meis-p^nsionistas p ir
mensalididt-s raz. aveis e lecciona por isas parti-
culares a anib s os s l
auli oares de Azevedo
34 BA DA MATUIZ DA BOA VISTA 34
Cosinheiro oo cosinheira
Pre :isa te de um bom coainln ir,) ou urna
cosinheira ; a tratar n ra do Apo lo n. 0,
andar, das 10 horas da MU&i arde.
Aula mixta particular
DE IXSTRUIOAO PRIMARIA
Ra de Vidal i eiros n. 21
Deodala mella Ferreira ta Silva,
-5
Ra Primeiro de Marco n. 19
duuto Botina MaravMhosa
Prata
Compra se pa'aees vclbos hespanhocs e partu
guezet ; ua, ra Duque de axias n. 92.
E' impossivel
Haver gravaras de m:.is gosto do que as que
receberam I'cdroza 'Se C, ra do Bario da Vic-
toria n. 41.
Sao esplendidas
As casemiras que receberam Pcdroza & C.
ra do Bario da Victoria n. 41.
Janao maioria ibsolota e unnime pnig todos
dizcm que as grvalas que receberam Pedroza i
C. sao as mais bonitas que tem vindo ao mercado:
ra do Bario da Victoria n. 41.
Realmente sao bonitas
As casemiras de cores que receberam Pcdroza
& C, ra do Brio da Victoria n. 41.
Nao se de ye ir
A feata da Saude sein ge comprar urna das lin-
das gravatinhas quti i jcbcrain Pedroza & C, ra
do Bario da Victoria n 41.
Assucar refinado
Os refinadores se ientificam aoa seas fregnezes
que forcados pelos precos do genero em rama ca-
tabeleeem a segainte tabella para c assucar refi-
nado no proximj mi'z.
1* aorte 530 os 15 k.
2* dita 4*480 os 15 k.
8* dita 3*840 os 15 k.
Eecile, 30 de Janeiro de 1886.
Este i i portante estabele mento de relojoaiia,
fuudado em 1860, est funscionando agora ra
larga do Rosario o. 9.
O seu proprietario, encarr.'gado do regulamen-
to dos relogies do arsenal de marinha, da compa-
nhia dos trdhos urbanos do Recife Olinda e Be-
beribe, da de Recife Caxang, da estrada de
ferro de Carua da compauhia ferro-carril de
Pernaubuco, da associacao cummercial beneficen-
te b da estrada de ferro do Limoeiro, cercado de
inteligentes e habis auxiliares, concerta e fa-
brica qualquer pe^a para relogioe de algibeira,
de parede, de torres d igreja, chronometros ma-
rtimos (dando a marcha), caixas de msica, ap
parelhos elctricos telephonicoe.
Contina a exercer a sua profissio com aelo e
interesse de que sempre deu provas ao respei-
tavel, publico e aos seos collegaa, e vende forne-
cimento de qualquer qualidade.
Em frente de seu estabelecimento se acha col
locado um relogio, cojos mostradores tambem po-
derao ser vistos pelos passageiros da frfrro-earril,
tendosempre aHORA MEDIA DESTA CIDADE,
determiaadas pelas suaa observaces astroaomi-
oab. Ra larga do Rosario n. 9.
Antonio Jos da Costa Araujo.
Aos Srs. de cngcnio
Um moco habilitado offerece-se para leocionar
primeiraa lettras, principios de francas a msica
em algum engenhs : quem precisar dirija-se
roa d i laperatriz n. 78, loja, que adiar com
quem tratar.
CAPSULAS
Mathey-Gaylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten n5o fatig&o nunca
o estomaga e silo reconimendurlas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Corrimentos amigos ou recentes, a Ckmorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas c dos orgos genito urinarios.
UH Urna explicado detalhada acompanha cada Fruoo-
Exigir o Verdaderas Capsulas Mathey-Gaylus de CLIN C, de PARS,
que ae achuo em caaa dos Droguistas e Pharmaeeutieos.
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pi/ulas purlfloao o Sangue, oorriem todas as desordtms de Estomago e
dos Intestinos.
Fortalecem a caude das constitucocs delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades
pecuciarrs ao sexo femenino em todas as edades. Para es meninos assim como tambem para as
ptssoas de idade avancada sua efficacia e incontestaTel.
me *l, NEW OXFORD STREET (astas 633, Oxford Strest), LOlTOBXa,
K vendemse en todas as pharwscia do uoivcno.
tF O compradon slo coridados rcspeito*a*wnte a anwr o rtulos de cada caixa c Polo a* aao tata a
tiirtcsao. 533, Oxford Straat, sao fikfti aflnai
OPPRESSO
TOISf
UTiHM"fFLIII
ASTHMA
NEVR&LGIAS
Moi CICAROS E5P1C
Aspira -se a lumaca acaluia o aymptoma nervoso, icttlte
a expecloracad e favorisa as fuacOOe dos orgaos respiratorios.
. ;mM ra UM H c J UNt, IN, ra Nuuurr, ra P*r
^______Bnvtturu* tm #*r*utn*mc i KMAKV M. *m MI. VA. C*. _
INJECTION CADET
Cura certa em 3 das sem outro medicamento
ffAMIS 7, lioulevard Detuxi. 7 PARS
47 (Qoengas nervosas m
' RADICALMENTE CURADAS COM 0 9
BROIURETO LAROZE*
X: .A. IR O F E SEDATIVO
de Cascas de Laranjas amargas
com BROMURETOde POTASSIO
APPROVADO PELA JUNTA DE HTOIENB DO BBAZTL.
------------------*'* 9 '------------------
O Bromnro'o de Potassio de
Laroze, como todos os productos
feitos n'cate estabeleclmenlo, de
urna pureza absoluta, condico indis-
pensavel para que se obteuba efl'cilos
sedativos o asodynos sobro o sj's-
tema nervoso.
Dissolvido no Xarope Larose de
Cascas de laranjas amargas, este bro-
mureto uuiver.salnuHite empregado
e exclusivamente receitado pelos mais w
celebres mdicos de todas as facul- 4P
dados para combater com certeza :
as aflec^Ses nervosas do corac3o, ^^
da vas digestivas e respiratorias, ^
as nevralgias, a epilepsia, o hyste- jta
rico, a danca de S. Guy, a insomnia ^F
das crianess durante a denticao, em ^
ama palavra, todas as afieccSes
nervosas.
No mesmo deposito acha-se venda os seguintes Productos de J.-P. LAROZE :
XAROPE LAROZE..;'^T^TNICO, ANTI-MERVOSO
Coulra as Gastritis. Gastralgias, Dyspepsia. Dores e Caimbras do estomago.
XAROPE DEPURATIVO"
cascas de laranja
I0DURET0 DE POTASSIO
Coolra as Afe-8es escrofuloscs, cancerosas. Tumores brancos. Acidez de sangue,
Aocidcntej ayphiliticos secundnos e terciarios.
XAROPE FERRGiNOSO.^SS;POTO-IODURETOdeFERRO
i
_Jeiuai5ama'gacoral _
Coolra a Anemia, Chioro-Anema, COres paludas, Flores brancas, Rachitismo.
Qtposito cm iedas as boas gngaras do nzil
Pe.rls, J.-P. LAROZE e O, Pharmaccaticos,
A* 2, HU DES UONS-SIMT-PAUL, 2. #fr
16,600 RECOMPEUSA NACIONAL 16,600
A Quina-Laroche contom todos os
principio- da qu na, tem um rosto inuito
agradavel, e superior aos oulroa vmhos
e xaropes de quina; contra o desca-
mento das forjas e da energa, as aferfes
do estomago, as ftbres tuve.eradas, etc.
VS1 FERRUGINOSO
a feliz combinacAo de um sal de ferro
co.n a quina. E' recommendado contra
a pobreza do sangue a caloro-anemia, as
eonseguencias do parto, etc.
Paris, 22, ru Drouat. e as sriacipaes Pharmacias do Mundo.
GRAGEAS
fSztrami Bepratias
ivDUHsra de ro7ss/a
do Doitop PUCOUX de POIERS
degenerar o sai\Rne depuraedo-o. feser
desappareoB! oa esUgios quo orduiarla-
ment deliam as Xolfetiaa n->Uni*,
paral>sr a aefio do W rcn o, se tlrei-
_ado, cxpelliJ.ao-o economa,
s prtccl'.iaes clTcUon d'esie p;eclos(,
; .-.Uto q..? 3as Molestia* y
ticu*, o ^ompjr
i e Ce*rigente*, verve rjara pirservar dos
Aeetaemmt t.'curJn'-\}*cjtrfriur/o*,
,u um se cxlsliiri,,. r.aii ro>;*:-eceoUs
Greuras com vanlagem nos Mirutnntla.
:noa.3foltttiaaat PtUsa B*t rojit***t
DBPOS1TOS Qi.KAK :
Esa 3?ABIS, 209 roa ..'Jeals.
Em FeituuHamc :
S'^.A-lfT" T&. da SILVA Se C"
Alimentaoo racional
das MES, CRIANCAS, AMAS A COMVALESCENTES
Por uto da PHOSPHA TINA Futiere*,
PAJUZ, C, Avenas Victoria, t, PARiz.
etwiUrlw m ftrnunbuco : FRAN- M da SILVA fc Aamlnlitncio : PAMZ, S, Soultrard Hontntrtn.
QRANDEOMLLE
laiTiasdio
M!TecfiMvinpba;:ca^,<1ar.-
.obstrac.-5ea u iijiaii- e do baO
coscracei calcnlosas da bil.
oMraeaSM
B JPITiX. ASoe5esdai f iandinestivas ineoa*-
de> do '-ornato, digotUo diiUcil, iDappeleecia,
(a. CLESTINS.AHbLvodoriu,ilv!areiaf.
eottcreo&easMdaaastg U, iabt!tB,.Jaun}uuria.
HAIT EB1VE.AIT- ; i.s do rins. dabeiiga^relas
eoDcruossJa^oufini', yo'a, <' abetes, albutfiaria.
ESJA-SE 8 ROE a FCTE fia CAPSULA
Em HrmmbMQ, .-.; .'.guu iimi nome^'i if, n< hio-se a cuu o
rMISMEN T le LABIU.C, 9. ro do C*KBMn9;
WJLXU ft XOA.CUUM, SS. rui d Cm.
CON
Orlsp*. BrorxhlUe.
ato.oXAHOPEtaPABTAp^.^
tortU la NAT de DCLANORENTER O* da i
late carta mHi'i por Membra da Alafa
da Kaatataa i riuta.
Sea OH, Mtiftm M 0iai d
* 'Brtaa.fi affaiiteAM de Toaae oa Coqnelaobe.
a *JI! U PARid
DOD?CHURCHILL
XAROPE
DF; HTP0PH0SPHITO DE CAL
Fmprcgados com tanto eiito para curar a
pLiliisica a as molestia!, tuberculosas,
vondein-se nicamente em frascos quadra-
dos coiu O nome do doutor Uiu-RCmU-l aobre
o vidn-.
8ob a influencia dos llypophoapnltoa a
tosse dirainue, o appetite augmenta, aa fo>
cas toin.'x) a vir, oa suores nocturnos ceaeSo,
e o do Oa (i .ipopkoaphitoa que lev&o a marca
de fabrica da p/iannacia SWANN.
12, ru Caitioiione, Pariz, sao os ni-
co recondecaos e recommendados pe/o
D' CHURCHILL autor da deacooera
,ie suts propriedadea curativas.
Preco i 4 francos por frasco em rr*vca.
Vtmdtm-t* pricipi Plianaaciai.
INSECTICIDA GAL1Y
DE8TR0ICAO 1NTAIJJVEL
I* Psrsonfra, Palta, aMao, Hotou, haeorMea,
Trtcu, Fortuitas, lafartat, SorfuMoe, ata.
O kilo, 11 Ir.; 10* gr. pelo oorralo, l'll.
AMIGA: 7iJoourad'aaerloBTUe> LVOV
Mnra i criado
Precisa-se de oca costureira e de um criado,
oJo deveudo Ur este mais de 16 a M anuos de
1 lade j a tratar na roa da Saudade n. 16.________
Precisa-se
de um tocio para una casa de nimbados, que te-
nsa habilitacilo necessaria e que entre com alguin
capital ; trata-ge no largo do Mercado n. 11.___
Quem tem ?
Oora e prali : compra se ouro, prata e
oedru preciosas, por maior preco que em outra
jua'.quer parte ; no 1 andar n. 22 f-ua larga do
tlosano, antiga dos Quartois, das 10 horas s 2 da
arde, diasuteie. __________
Tricofero
de Barry,
(aranff-ie que
uz crescer o
CABELLO
anda mesmo nnn cnbecae i
mfiis calva, bom conio .ae
cara radlcalmeate
a TINHA e a CASPA.
PositiTamsnte impede a
Jaeda e o embranqueciment
o CABELLO e em todos o ca-
tas o torna invariavelmente
Kacio. B*ilhant, Formoso a
Abundante
Em usobamalsdcoltentaannot
e ten maliT veoda quo n.-uhuui
out*"* Dreparado pardo cabello em
toC. mundo. |
Agua Florida
de Barry.
h
DUPLA."
i Preparada tegmado a fon ma
original uaada pelo inventor no
I auno de 1829.
Tem duas vezes mais Fragrancia
que qualquer outra.
Dura duas vezes mais tempo.
E'muito mais rica de perfume
mais suave. -,
E'muito mais Fina e Delicada.
Tem dobradaforca Refreacativa
Tnica no Banho.
Fortalece ao Debile ao Caneado.
Cura as Dores do cabeca e os des-'
malos. ,
E'multlssimo Superior a todas as
outras Aguas Floridas Actual*,
mantea venda. ----a^
Deacoberta Importantisaima.,
Puro Oleo de Figado de Bacalhae.
COM
IODURETO DE FERROL
Barclay &. CompanhiJi-;
Cura ridicnlmentr e com-cgnranca os pcore caaos
de Phthislca. Ktcru'alaa, Khcomatl-mo. as docncaa
da Espiaha Dona!, do Quadria e dosOesos, as n-,
-.liimmacOea do Filudo, do Bacoe do Ulero, etc.,etc.,]
e rcstittie ao corpo cnfraqnccoo e fatigado o *cu pri-l
mitivo vigor e arredondado d. contornos. E" certa.,
rvnte uina erando deacoberta o Paro Oleo de
Fizado de Baealhao com Sodareto do;
Forro-de Barclay de Ca., Sew York, j
Xarope de Vida!
de Reuter No. ll
DEPURATIVO E PURGANTE..
Este novo e adnuravel purificador^o'
sangue acta sobre os intestinos
o ligado, o rins e a pelle'.^
E'curainfalllvel contra a Debllidade
Nervosa, as Dores de Cabeo&t a Dys-
pepsia as Sezoes, e contra as doen-
cas de origem Miasmtica ou occa-
sionadas por desordens do figado
ou pobrezae Impureza do sangue.'.
Leonor Porto
Ra do Imperador o. 45
Primeiro andar
Contina a execntar os mais difficeis
gurinos recebidos do Londres, Paris,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perf.'ico de costura, em bre-
vidade, modicidade em precos e fino
gosto.

y
Sem dieta esem modifl-
capoes de eostumes
o
tJ
a
o
na
a
3
fcj O
O
es g
a *T
8a
'2
O nS
A
2
o
Ja
H
CO
S
9

P
t-

I
H
5
Espedios preparados ;ha -
maceulico Eugenio y r
de llollanda
Approvados pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Paris.
Elixir de mbiribina
Restablece os dyspepticos, facilita as diges-
toes e promove as ejcc;oes difficies.
Vinbo de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anmicos, debella a hj poemia
intertropical, r. constitue os hydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recoman ndado na bronchite, na hemjp-
tyse e as tosses agudas ou chronicas.
Oleo da testudus ferruginoso e cascaB de
laranjas amargas
' o primeiro reparador da fraqoesa do orga
nismo, na tysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cora radiealmente as febreo intermitientes, re-
mittentes e perniciosas,
Vinho de juruboba simples e tambem fer-
ruginoso, preparados em vinbo de caj
Efficazes as inflammaooes do figado e baco
agudas on chronicas.
Vinbo tnico de capikria omisa
Apastas mam esa-aloas-f a W partariente*.
nreneo aatefebril.
Deposite ; Franoiaco UmasIi da Silra r C
O Vigor rj0
Cabello
"Ayer
(Ajcrs Hair Vigor)
CKSAIH0SUA
VnWMDEFCCRNaWWD
nvnsKJC um icu*l
MR* 0 CABELLO,
TOBNAHOO-0
MaCIO. H.EXIVEI E LUSTROSO
| P*p>rdo Cautelas do Monte de Soccorro
Compram-se na ra eetreita do Rosario n. 2.
Precisa-se de um caixeiro de 14 16 annos,
com pratica de srecos e molhados, que d fiador
a sua conducta ; a tratar no pateo de S. Pedro
numero 2.
Grande sortimento
de peno* e medidas para aeeeaa e
lquido*
Vende-se por preco razoavel ; na loja do Sou-
zi, ra do Bario da Victoria n. 61.________________
OS ESPECFICOS VETERINARIOS
HOMEOPATHICOS^S
==nF HUMPHREY.
' Para a cura de todas as doene^ts de
CaTalIoS; Gado, Carneiros, Ces, Per-
ees, Atcs-
Tem sido usado com feliz resultado por
Fazendeirof, Criadores de gado, Car*
ros-ferri.s, etc., etc.
Certificado e osado pelo GoTerno dos
Estados Unidos.
ty Envia-se Foutetes e Cartees gratis.
Dirija-se a ____
HMPHREY'S MEDICINE CO.
109 Fnlton St. Hew-York;___
Especifico Homeopathico da
HumplireyNo.28.
Usado ha 30 annos. O orneo remedio efficaz para
Debilidade Nervosa, Fraqueza Vital
e prostra(;o,por excessivo traba Iho ou outras causas.
$1 por garraa, ou cinco garraa^c 1 garraio de pos,
$5.00, ouro americana *
- A'venda por todos os DrocuistaS. Tambem
envia-e tpdo correo pelo pfec*r3o costume. ^^
Dria-se a HnmphreVs Hoiueopathlo
Medicine Co." 10> rulfem.SL New-Voriu
8ilk.
Q,LL(Rffi^M0lrTW,ST-
Ju!gando ser de grande utilidade dos negociantes da
America do Sul, terem fios de seda eretroz prepara-
dos em material mais leve do que sejam cairelis de
pao, estamos promptos a fornecer para exportaco
nos de seda, retroz de soda e seda de bordar, de
todas as qualidades, pEcparadas em lancedetras de
papel ou de peanas como cima representado.
Temos todos os lmannos de o preto e mais de
quinhentos cores. 9
Dirija-se "Braixierd 4 Annstrong Co."
6ai Market Street, 469 Broadway,
Phadelphia, U. S. A. New-York, U. S. A..
CALLOS
OMELHOR E MAIS INFALLIVEL E
TRACTOR DOS CALLOS E' A
Majnardina
porque os extrahe coaipletamente.sem causar a
miniua dor.
E' fac de applicar, 0S0 impsde de se andar
ca'cado e tem o seu eoito comprovado por attes-
tadoi nsuspeitos e cm numerosas applicacoes que
nunca falharam. Nao confundan!, nem se en-
ganem com outro preparado. S<5 verdadeiro o
que se prepara e veade na Drogara e Imperial
Pbarm&cia Diniz.

DE DMZ& LORENZO
37-Pra^a do General Ozorio57
Deposito eai P< ruarubuco, pharajacia de
Hermes de Souza Pereira & C,
Successores
M do Mamiiez do Oliia 1.2.
O abaixo assignado, Dr. em medicina pela Fa-
?uldade do Rio de Janeiro, cavalheiro da ordem
de f hristo por Portugal, medico adjunto do Hos-
pital da Veneravel Ordem Tcrccira do Carmo, da
caixa de V. Pedro V, agraciado com a medalha
humanitaria por esta pia lUtituiao, etc., etc.
Attesta que o remrdio denominado MAYNAR-
DINA, preparado pelos Srs. Diniz & Lorenzo
na imperial drogaris e phannacia Diniz, infal-
livel para a extraecao dos callos. Outrosim
attesto que tendo em si empregado, colheu os me-
Ihores resultados a ponto de p tinas as ii):.s justas
O que attesta verdade e jura sob a f de seu
grao.
Rio, 10 de Dezembro de 1S85.- Dr. Francisco
de Puula Costa Jnior.
SO
ROQIAYROL FRERES
PA3TILHAS
De ANGELIM& MENTRUZ S

as
i
33
ce
O Remullo milt efpou e
Seguro tm N lew dttooborto ate
bol' pan stptll/r aa Lomcr/gn.



--=-

*m
Diario de
v
,' F vweiro le I v 6
Ensino m jstico
Offereee-M uma ptqfcwor para milir em
casas particulares, primeiras letfras, trance.
res de panno, msica, principio de matieii e
piano ; a tratar no C&minbo-Nwro n. 138.- Mamo
ora da cidads, ns arrabaldei, por preco modicj.
Na..nti
O Sr. Joao Cavalcante Mauricio Wanderlev,
fino do Exm. Sr. Bario do Traounhaem, queira
rir ou mandar 4 roa Da que de Canas b. 7 coa-
iJnir o negocio que nao ignora.
Aviso
A sociedad Qdos refinadores aviu a seos ir-
guezes, que coutar do Io de feve.eiro cm diante
ob precos doassacar refinado to os seguintes :
Primeira 5*000
Segunda 4*200
Terceira S48i-0
Aviso
Achando-seji impressas as poeeias que deiiou
o finado Luiz Carlos de Araojo Pereira Palma,
iogo aos senhores assigoantes dessa obra o fu ver
de mandaren! procurar en minha residencia,
ra de Motocolomb n. 26 (A Togados) os exempla
res que ihes pertencem; ou deem suas ordena
para lh'os remetter pelo correio.
Padre Pedresa.
Alai
ama 1
Para advocado
-se a sala da frente do Ia andar da casa
taque de Caiias n. 61 ; a tratar namesma.
Luyas
Fabrica se por medidas, em 2 boras, perfeicSo
precos mdicos, elegancia, material de superior
qualidade : ra do Cabugi n. 7, 1 andar.
Gt ande propriedade na
Estancia
Alaga-ae, ou arrenda-se a grande propriedade
da Estancia conhecida pelo Sitio Girao pertencen-
aos herdeiros dos finados Manoel Goncalves da
Silva e D. Clementina Theodora da Silva.
Esta importante propriedade cujo fortellisaimo
solo proprio, medindo urna enorme rea de trra,
circundada por mure, excepto a frente qne mar-
gina o ro Capibaribe guardada por um extenso
caes com duas cacadas para o rio.
Um grande porto de ferro, d pela Estancia
entrada para o sitie o qual contm : innmeras
arvores fructferas taes comomsugueiras, ca-
jueiroa, jaque-iras, fructa-po, sspotiseiros, coqaei
ros, pitombeiras, goiabeiras, e outraa muitas de va-
riadas especies; dous grandes viveiros de apa-
nhar peixea, com alpendre coberto para asaiatir-se
pesca ; duas grandes baixas proprias para plau-
tacao de capim ; dous explendidos jardins orna-
dos de figuras mythologicas ; diversas cacimbas
de agua p^tavel, urna dellas bastante funda, a boc-
ea de dimetro enorme ; urna casa com tanque
para banho e lavagem de roupa, urna casa com
grande deposito d'agua do Prata, e tanque para
banho, com torneiras, duchas, etc.
Urna nascente d'agua.
Urna casa para banho no rio Capibaribe, e outra
para latrina, construidas sobre o caes.
Grande casa para creados, com coebeira, roupa-
ria, estribara, etc.
Casa para vaccas, carneiros, aves, etc.
A casa de vivenda edificada margem do rio
Capibaribe, um magestoso sobrado de um andar
e mirante, tendo de frente nove tanella com varan-
das de ferro, e cinco em cada oitao.
As vastas accommodacoes desta casa sao pro-
prias para numerosa familia, penso ou hotel.
Perfeitamente localisada, perto da linha de
bonds, esta magnifica casa, fresca e confortavel, of-
ferece de suas janellas bello e variadissimo pano-
rama insaciave vista.
0 pavimento terreo, alm de urna grande dis-
pensa, e diversas dependencias de segunda ordem,
conta 4 quartos e urna sala com dous gabinetes
independeutes todos com janellas.
No sobrado contam-se trez grandes salas de
frente, sala de jantar, trez saletas, dous quartos.
A parte anterior frmala por largo avaraudado
de trez faces guarnecidas de columnas.
O mirante tem trtz janellas de frente, um salo,
um quarto, alm de pequeas dependencias de so
mens importancias.
Faz tambem parte da prodriedade Girao um
pequeo sitio apenas separa lo por urna cerca de
pitangueiras, tendo fructeiras, caes, cacimba, es-
tribara cochera, tanque, galinheiro, e casa ter-
rea para vivenda com terrado na frente, 3 salas,
nma saleta c soto com um quarto.
Fazendo esta ligeira descripco da propriedade
Girao para dar aos que lerem este annuncio urna
simples noticia do que ella sao convidados a vi-
sital-a os que a pretenderem.
A' tratar com Jos Antonio Pinto ra da Com-
panhia Pernambucana n. 6, sobrado.
cmiiint
.los 4:000S06O
Baa do asar da Victoria 44
casas do costante
0 abaixo assignado acaba de vender
ea seus feliaes bilhetes quatro quartos de
n. 1298 com a surto 4:000000 e diversos
premias de 32*000, 16*000 o 8*000.
0 mesmo abaixo assignado convida os
possoidores 4 virem reeeber na conformi-
dade do costume, sem descont algura.
Acham-se 4 venda, os felizes bilhetes
garantidos da 7.* parte das loteras
beneficio da matriz de Rio Formozo (35*)
qne se extrahir quinta-feir, 4 de Fevo
reiro.
Precos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
Quarto 1*000
Ea porcio de 100*000 par
clata
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto *875
J0S0 Joaqun da Cotia Lile.
Compra -se e paga-
se mais do que em ou-
tra qualquer parte, bem
como
MOEDAS
Je qua lquer qualidade.
Na ra do Impera-
dor n. 32, lojadejoias
ulio Fuerstcnberg
Tintara Indiana
PARA TINGIRA
Barba eos Cabellos
fimtiuz
AOS 4:0004000
E
.:
BIXHETEM 4aiXTIDO
fraila da Independen
cia ns. 37e 39
O abaixo assignado venden entre os seus
felizes bilhetes garantidos da 34a lotera
* sorte de 100* em 4 quartos n. 1384
dm de outras muitas de 32*, 16* e 8*.
Convida os possuidares a virem recebe;
sem descont algum.
Acham-se a venda os fezes bilhetes
garantidos da 35a, parte da lotera a beneficie
da matriz do Rio Fonnoso, que se extra-
hir no dia 4de Fevereiro.
Precos
Bilheto inteiro 4*000
Meio 2*000
Quarto 1*000
Cm porcio de ioojooo para
clava
Bilhete inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto 875
Antonio Augusto do$ San/- Porto.
os 4.0001000
t
Da afamada fabrica
de cerveja de Bremen,
denominad S. Pau-
loacaba de chegar
peL ultimo vapor de
Hamburgo urna parti-
da desta excellcnte
cerveja cujo rotulo traz
o retrato do grande e
immortal patriota Vis-
conde do Rio Urlico.
Sao nicos agentes
desta marca em Pcr-
nambuco, os Srs. Gui-
mares &Perman.
Esta primeira partida
se acha venda na No-
va llambnrgo e no ar-
mazem deSoares de
Amaral Irmos, ra da
Madre dcDcus n. 22.
Saato Amaro lo Jatato
EQuem pretender urna boa casa bem collocada
pode tratar no escriptorio de Bastos & C. ao
sahir da Companhia Pernambucana^___________
Pasillos railiasflsllerii
Ai nicas intalliveis e que nao repugnam as
enancas. Chegou nova remessa, e vende-se em
casa de
Faria Sobrinuo & C.__________
Menco
Fie* sem effeito a precuracao qne passei ao Sr.
Francisco Augusto de Miranda, para promover
minha cobranca, desde 20 do corrate. Recife,
30 de Janeiro de 86.
_ -m, PamiSo Aderito F, lima
16-Rua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da lotera n. 35a em beneficio
da matriz do Rio Formoso que se extrahi-
r na quinta feira 4 de fevereiro.
corrente.
Precos
Inte>'ro 4*000
Meio 20000
Quarto 1*000
Sendo quantidade superior
a 10 0:000
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto *785
Joaquim Pires da S Uva
Os abaixo assignados, tendo adoptado e regis-
trado a marca industrial como do desenho cima
ve coeformidade com as prescripcoes das leis em
sigor declaram ao publico e particularmente aos
teus numerosos fregueses, qae dora em diante
odos os productos qne -ebirem de s-aa botica le-
varo a dita marca como garanta de sua origem
e legitima procedencia.
4os4:000$000
SILHSTES &AHA3TTID0S
loa Primeiro de Jlarfo n. 23
O abaixo assignado tendo vendido nos
Beus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 3514 com a sorte de 100?KX)0,
alm de outraa sortea de 32*, 16* e 8*, d*
lotera (34.*), que se acabou de ertrahir,
convida aos possuidores a virem reeeber
na conformidade do costume sem descont
algura.
Acham-se 4 venda os afortunados bi-
lhetes garantidos da 7. parte das loteras
4 beneficio da matriz de Rio Formozo
(35.a), que se extrahir quinta-feira, 4 de
Fevereiro.
PRECOS
Inteiro 4*000
Meio 2*000
Quarto 1*000
Em quaatldade malor de lood
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto *875
Manad MarHns Fiuta.
Rap Paulo Cordeiro
Noto forneeedor, sem competencia em proco,
veade-se roa do Marques de Ohnda n. 50, mer-
cearia dos Srs, Brsga Gomes & C, e a 1*500 a
libra.
tintura tinge a barba e os cabellos instan-
tneamente, dando Ibes urna bonita cor preta e
atura!, inofensiva o sen uso e simples e muito
apido ; vende-se na BOT CA FBANCEZA e
DROGARA de Rouquayrol Freres, succepsom
ie A. CAORS, ra do Bom Jess, antiga da Cruz,
mmero 22.
Casas para alugar-se
Aluga-se um sitio na Torre, com boa casa para
morada, muitas fructeiras, baixa para capim, e a
casa terrea da ra do Coronel Suassuna n. 240,
com bons commodos ; a tratar na ra t'rimeiro de
Marco n. 17, 1- andar.
en contiauaco na ra'larga do
Rosarlo n. *
Damiao Lima iu, i Jo p dendo acabar o su
grande sortimento da mi deas, em consequeneia
da eryse perqu> passnmos. continm por mais al-
Sum 'em o a liqui ir suhs m- readona, plo que
e novo convidara ao publico e .-surciImente
timus. famnias, a qui'm pedem toda proteceo.
Admir m I
Punhos e colariubos bordados para se-
ntaras 2*200
Ditos lisos 1**00
Ditos de ceros 1*500
Luvaa de seda de cores 2*500
Agua florida. 700 r>. e l*tO0
Bordados 4a 800 rs. 4 20()0
Bonitos lacoa a 2*200
Lequea de 400 rs., 60) e 1*0 0
Meias para humem 3100"
Ditas idem 3*000
Ditas de cores 4*000
Um par de fronbas de 1 byrlntbo 1*5 0
Urna toalha de labyrintno 255 e 30*000
Envesiveis, rs. 320
Fitas, bicos, lencos, grr vatas e outros muitos
artigos que estilo czposico.
Ra larga do Rosario n. S8
Damio Lima & C.
Fustes de se ti neta a 500 rs, o
eovado
Albeiro & O. ra da Imporatriz n. 40, ven-
dem um bouito sortm entn de fustoes braneos pelo
baratinbo preco de 400 e 500 rs. o eovado, assim
setinetas lisas, tendo de todas as cores a 500 rs. o
eovado ; na loja da esquina do beceo dos Fer-
reiroa.
Crrelas
de sola ingles i, de I na de borracha, de diver-
sas larguras e groisurss ; venov-SH barato na
undicao Villsca, ra do brua u. 54.
2501000
Vende-se por f>0* Udos os utensilios aecessa-
nos para urna padaria, inclusive um bom cylindro
americano, todo em perfeiu. estado de conserva-
eo; a tratar na rna da tmper fiz n. 14, loja.
WHISKY
BOYAL BLEND marw VlAOO
Este ezcellente Whisky Escnssex preferive
ao cognac ou agurdente de caima, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalbo nos melhores armaze ns c
(ralbados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujo ne-
me e emblema san registrados para todo o Brazi
BBOWN8 C, agentes
Tainkas
Vendem se em barris e em quartolas, e mais
baratas do que em ou'ra qualquer parte ; na ra
de Pedro Affuuso ns. 5 e 11. MMMP
VENDAS
Vende-se a armaco da fabrica de cigarros
Africana ou todo o estabelecimento : a tratar na
mesma ra do Cabug n. 1 C.
Bons dias
Mendonca Primo & C.
Vendem por precos sem
competencia
Las escocesas, padroes modernos a 400 res o
eovado.
Ditas mescladas e lavradas a 500 reis o dito.
Velbutinas de todas as corea, lisas e lavradas a
1*200 o dito.
Fustoes braneos com lindos desenbos a 400 e
500 reis o dito.
Lencoes de bramante a 1*800.
Callarinhos modernos para bomens a 500 reis.
Setins de tedas as cores, por precos baratsi-
mos.
Merinos pretoa e de cores para % istido.
Mantilhs pretas.
Ficbs do diversas qualidadee.
Cortes de casa sen ira para senhora, bordados de
seda, atoalhadop, espartilbos, tapetes avelludados,
panos de crochet, punhus para bomem e senbora,
meias de todas as qnalidades para homem e se-
nhora e eutros muitos artigos de moda.
Ra Dnpiie de Cavias n. 9
Fazeiias finas e mudas
t
t A, Ru do ealMis 2 B
* Bastos A C.
fTELEPHONE 359)
Avisara as Ezmas. familias que receberam de
Pariz:
Lindissimos cortea para vestidos com tecidos da
mais i>alpitante novidade como sejam: Etamine
com bordado a retroz, seda crua bordada a capri- i
cho, Cachemire com enfeits bordados a fil.
Moda 1886
Valentionne en ecorce d'arbre.
Primorosa escolha em vestidos com 20 metros de
\& ligeira, tecido anda nao conhecido aqui.
Cores e desenhos novissimas as seguintes fa-
zendas de seda, la e algodao. Etamine, Surah. Se-
tim, Failles, Linn. Toile d'alsace, Cachemires.
Ezplendido sortimento
Em leques, luvas, espartilbos, lacos, lavahrea,
meias, lences e muitos outros artigos que se ven-
dem por precos sem competencia.
SAO AS SEGUINTES PARA, ACABAR
S9-Rua Duque de Caxias-30
Toaile de nice, lindas cores, 18, 1*400 o eo-
vado.
Damac de seda borcada a 1* o dito.
Sedas bordadas, finas, a 1*800 e 2* o dito.
Se tira Maco de todas as cores, a 1* e 1*400 o
dito.
Dito dito preto, a 1*200, 1*500 e 2* o dito.
Cachemiras para vestidos, a 1* e 1*400 o dito.
G-orgurinas matizadas de todas as cores, a 400
e 500 rs. o dito.
Setinetas lavradas e lisas de todas as cores, a
500 e 560 rs. o dito.
Faile com lindas cores, a 460 e 640 rs. o dito.
Mirins pretos a 1*, 1*200, 1*400 e 2* o dito.
Lde quadrinhos, cores lindas a 700 rs. o dito.
Dita de todas as cores, a 400 e 560 rs. o dito.
Popelinas de seda a 300 e 320 rs. o dito.
Alpacas lisas, finas, a 360 e 460 rs. o dito.
Fusto de cores para menino, a 320 e 3''0 rs. o
dito.
Casemiras pretas a 2* e 2*200 o dito.
Ditas de cores a 1*500 e 2* o dito.
DiUs ditas finas, inglesas, a 3*500 e 4* o dito.'
Cortes de casemiras com toque de mofo, a 2*800
e 3*400.
Ditos de dita perfeitos, finas, a 6*500, 7*500 e
10*.
Damasco de 13 com 8 palmos de largura, a 2*
o eovado.
Dito de algodao a 600 rs. o dito.
Dito branco bordado a 1*500 o metro.
Atoalhado de Hubo fino, a 1* o dito.
Cortes de cazen.-ta a l*4t)0, 1*800 e 2*.
Fechs de pelluc:a, 6* e 7* um.
Ditos arrendados, a 2*500, 3*500 e 4*500.
Ditos de seda, lindas cores, a 3* e 3*500.
Chales de casemira, a 3*500 5*500 e 7*.
Ditos de algodSo.a 1*, e 1*800.
Colchas de cores a 1*500 e 2*.
Ditas portugqezas (muito grandes) a 12* e 14*.
Ditas de crochet a 1('*, 12 e 15*-
Capellas com veo (para noivaa) a 10* e 16*.
Enzovaes para batizado, a 10* e 14*.
Camisas para senhora, a 3*500 e 5*.
Saias idem idem, b-rdadas, a 4* e 5*500.
Toalhas de laberntho ricas (para baptizado) a
60* e 80*.
Cret nes para vestidos, lindos padroes, a 280,
360 e 440 rs." o eovado.
Chitas claras, finas, a 240 e 280 rs. o dito.
A* ra Duqne de Casia* n. 59
Cano ila dula k G.
AO
32 Ba da Imperniriz3
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roupss abai-
xo mencionadas, que sao baratissimas.
Palitots pretos de gorgoro diagonaes e
acolchoados, sendo fazcudaa muito en-
corpadas, e forrados 7*000
Ditos de casemira preta, de cordao, muito
bem feitos e forrados 10*000
Ditos de dita, fazenda muito melhor 12*000
Ditos de flanella azul, sendo ingleza ver-
dadera, e forrados 12*000
Calcas de gorgoro preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encorpada ftpMQ
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem feitas 6*500
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
mmto bem feitas 8*000
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e 3*000
Oeroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e 1*600
Colletinhos de greguella muito bem feitos 1*000
Assim como um bom sortimento de lencos de
linho e de algodao, meias cruas c collarinbas, etc.
Isto na loja aa ra da Imperatriz n. 32
Riscados largos
a SOO ra. o eovado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem se
riscadinhos proprios para roupas de meninos e
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o eovado,
tendo quasi largura de ebita francesa, e asa-m
como chitas brancas miudinbas, a 200 rs. o eova
do,"?e ditas escuras a 240 rs., pechincba : na
lojajio Pereira da Silva.
Fuwtoe*. aetinelan e laziniia* a SOO
r, o eovado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-se
um grande sortimento de fnstoes braneos a 500
rs. o eovado, lazinhas lavradas de furta-cores,
fezenda bonita para vestidos a 500 rs. o eovado,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas as
cores, a 500 rs. > eovado, pechincha : na loji
do Pereira da Silva.
Merinos pretoa a ll?oo e 1#000
Vende-se merinos pretos de duas 1-rguras para
vestidos e roupas para meninos a 1*200 e 1*600
o eovado, e surierior setim preto para enfeites a
1*500, arsim como chitas pretas, tanto lisas como
de lavoures braneos, de 240 a'e 320 rs.; na nova
loja de Pereira da Silva ra da Imperatriz nu-
mero 32.
Algodozintio francs para lencAea
a OOOra.. I* e i V_oo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-se
superiores algodaozinhos francezes com 8, 9 e 10
palmos de largura, proprios para lences de um
a panno, pelo barato preco de 900 rs e 1*000 o
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, as
aim como superior bramante do quatro larguras
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na loja
do Pereira da Silva.
Roiiju
Vende-se
por b iratissimo preco 3 1 '2 duzias de earrinhos
de uio, o mais bem ape.teicoado e forte, como nao
ba em parte alguma, o que s avista pode justifi-
car o que tic dito ; para ver e tratar na ra do
Sol, armazens ns. 7 e 13.
a para meninos
A IS. ISSOO e <;*>
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, se
vende um variado sortimento de vestaarios pro-
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci-
nha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, ditos
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgoro preto,
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; na
loja do Pereira Silva.
MERINOS PRETOS
A 1*200, 1*400, 1*600, U800 e 2* o eovado
Alheiro i C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem muito bons merinos pretos pelo preco cima
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
eo dos Ferreiros.
spartllhos
A 5J0OO
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco
de 5*000, aBsim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
Fabrica globo
9* Rna larga do Rosarlo -
Manipulado especial eom fumos eacolhidos dos
bons cigarros, exploradores, navegantes e fede-
raes. Preces razoaveis e bons descoutos para o
commercio de retalho.
Pechinchas
Na loja das listas azues
Ra Duque de Casias n. 61
Benita da Cblna. fazenda branca, aberta,
para vestidos a 240 rs.
Leques a Joanita. representando a'guns
actos da linda opereta a ) *000.
La* cbinesas com fios de seda, com qua-
drinhos e lindas cores a 330 rs.
Cretones franceses, miudinhos, a 240 rs.
Chitas (alta novidade) fabricadas em S. Pau-
lo, corea finas e seguras a 240 rs.
Merinos infestados, de todas as cores, a
800 rs.
Le neos braneos muito finos a 2*000 a
duzia.
Cobertores encarnados com pequeo
deleito a 3*000.
Toalbas aeolchoadas a 2*800 a duzia.
Damasco de Ift intestado, para coberta e
reposteiros a 1*200 o eovado.
Meias de uma s cor, para aenhoras e meni-
nas a 500 rs.
Rna Duque de Caxlas u. SI
Loja das lis "ras azues
Crandc liquidado
de plissM
17 Ra do Bara da Victoria 17
Exposlco nnlversal
Cabriole! e victoria
Vende -se um cabriolet e uma victoria em ptf
feito estado : a tratar n& ra Duque de Camal
numero 47.
Em vista dos grandes progressos da IDEIA de
que se gloriam as naedes civilisadas, o commercio
deve acompanhar esse rogresso, visto que elle
o mais poderoso elemento do engrandec ment das
naedes ; em vieta do que annunciam
MARTINS CAPITAO & C
1 Ra Estrelta do Rosario 1
Grande sortimento de gneros alimenticios, a
escolha dos quaes, os annunciantes tm sempre o
maior cuidado, para bem servir os seus numero-
sos fregueses. Lembramos, pois, o proverbio :
Quem nao experimenta, nao sabe
Venham ver pois :
Queijos, flamengo, suisso, etc.
Dito do aertao.
Fiambres ingleses.
Chocolate francez Menier.
Dito do Maranhao.
Fructos seceos, como
Pasaas, amendeas, figos, etc.
Ditas nacionaes.
Doce de todas as qoalidades.
Bolachinha ingleza.
Sementes novas de hortalizas
Especialidades em:
Vinhos finos do Porto.
Ditos da Figueira.
Cognac de diversos autores.
Vinhos tnicos como:
Absinth.
Vermouth, etc.
Licores de todas as qualidades.
Champagne.
Cerveja de diversas marcas.
Bem assim :
Araruta fina em pacotcs.
Cha verde e preto.
Dito perola.
EspecialiasimD mate do Paran, em p.
Anda mais :
Fonnicida Capanema.
Oleo de mocot.
Azeite de peixe.
As cozinheiras
Lsques nacionaes (abanos) para cozinha a 6* o
milheiro.
E todos os gneros concernentes a este ramo da
negocio.
Encontram-se no armazem de molbados de
Martina Capltfio & C.
1BCA. ESTBEITA DO BOSAEIO1
25O:00OUO0O
LOTE

EXTRACTO mMSU, 3 DE FEVEREIRO
INTRANSFERIVEL
O portador que possuir dous vigsimos desta importante
lotera est habilitado a tirar 25:ooo$>ooo.
Os bilhetes acham-se a venda na Casa da Fortuna ra
Primeiro de Marco n. 23.
. OOMtE 3 BE FEVEBEBO DE 1886, SEM EALTA.



8
Tcrca'-foira 2 de Pcvcrciro de 1886
V
I

,:-

SiiXClAS
A lo m si.iv;i a soda yseuia
iloaiagmann
3 ansa e aprehendidos par
o obadamsaljr lloningraiaa atrcelo
canica dos v 'hiculoB as vas-forreas, t -m
continu -ultados relativuu ate
satisfactorios, o oomquanto essa
condonan t.)r aiaia n^^Hk definitiva
M u por
solUi
in Iros, c o vapo
indo certa pra
,or o piaU.de uba.
.errainando cu s-
mente silo pisto em "**r
quo supportou a primaira -m ;ia applicclo un paueo prolongada, e qu> sa
hio d'ella com xito.
Com effeito, duas aaa;hinas dosso typo
runcsion auamente na liaha de trara-
way d'Aix la-Chapella a Bartschesd, e en
urna seceao de via-forrea que se dirige a
Juliers ; o S.\ Haningminn querale dest-
usar da alguna sorto as diieullades, est
oonstruinda actua'raonte una locomotiva
que quer applicar as rampas de aceess
do tuuael do 8 ilot-Q jtlia.".l.
Si esta au lacioea tentativa dar resulto los
favoraveis, o inventor realizar dea jo modo
ura motor silencioso, qao fuajconari, por
assim dizer sera ninhuma perigo, san pro-
duzir nanhuua projecjlo de carvo"i8, de
tacas ou do umaja, adrairavelraento apro-
priado, par consiguite, a traejaomecnica
as linhas do traaiways, prinoipilment j na
interior das i ladea, coas-gaialo ae mo
tempe tirar carros do cargas relativamente
importantes nos gran los declives das vas
frreas apenas aoaessives as locomotivas.
O apparelho comprbanle ama machina
a vapor sem grelha, cuj cal loira aqua-
v com un dUaolacao de aoda; o prin
cipio, que raeordaremaa cm piucas pal*
vras, consiste om dirigir o vapor da esoa
paraento para urna oapacidade fochidi
ceik de urna disaolajSo salina, forman! i
de alguma sorts umi cdleira externa,
iia qual banha se a cali-ira a vapor pro
priatneate dita. Segua lo una proprieda le
conhecida das dissalueles salinas, o gral
mente dos liqridos que t n alta tempe-
ratura do ebalijaa, a absirpjlo do vapor
"agua pridu* alli u u aq lociraento que
traz ama eleraeao da tjmp ratara superior
do proprio vapor, tacto est) qua j Haba
silo observado por Clemonts Deasorraos, e
assignalalo depois, en tSti, par Faraiuy.
que indicava que produzia sj gempre ama
elevajao de temperatura sobre a bola do un
thermometro, mcrgulhado era ura corrate
da vapor d'agua quando nella so derrama-
va um poueo da sal. J se tinha pansa o
em utilisar cata prepriedadc na pratica, e
pod^riamos citar os ensiios feitos nili
glaterra pelo Sr. Nofus Pericias em 1834,
e em 1874 palo Sr. Speaae : mas essoa en
saioa tcaram at ageia sem applicajao o
dustrial.
O sal empragado pelo Sr. H>ning.mann
a soda com.aura, contoado 10 a 20 %
de agua. A caldeara a vop>r de quai-
quer t'eitio, mas do typo tubultr pira mili-
tipear os p jatos do contacto coa a diss >
hucio da sola que -rlgina o calor. A va
liase fcilmente a ajjao que sa opera nos
tis con lijo : a agua ex ri a (acida l-
vala partida da machina temperatura
de 2JJ', por exemplo, o que corresponde
a una prsale de 15 atraispharas, e a lis
solujito de sola forte.mnte concentrad i,
contealo no mximo 20 /0 de
nAJ entrar cm obulijito a 20 J.
^W vapor que so desprende la caldeir*
recalcadj na diss.lujaj da sola dipjis 1
ter-se distendido nos cylindros da machina
e produzia lo "o sen tr ib din til; com
pletamenta ,.bijrvido ni baulio formado por
esta diasolucao, que atraveasa em toda a
sua altura. Desto m>l) cheg* gradual
monte a > superior a 200;
reaquece a agua d i o coatribu
OOtftegui it nent: par i a pr i luiciio do nov.
quaatttalo de rapsr, con ervando-sa co;is
tante a tempentura da ag 11.
O raesmo etf-ito so produz eraquint-.
da
intei a (|l(} ejc p
itura do vapor.
Ci, [o oujra prte, a propria mareha
di iaa:iina determina uai reluccilj con-
' di pressSo e p>r conseguinte da t' a
i ritu-i da vapor, esto torna a cabir log)
Uiixo i ponto de 'obattcio, o garuu.
liada a absorpcJo. IVoduz-se nov.\ piral*
assim quj so consegue a igualdade, mas o
olie une i j do absorpylo reoomeci piuco
lepla, hg) qie a temperatura do vapjr
Iji'x-j i, o a naehina procedo assim em p>
rilos di abs>rp;Io allernativane ti reas
aunidas e iaterrompidai at que o grao de
diluiulo impeci nova absorpclj.
Neita oeeaaiao, a dissolu;o de soda tem
perdido tola a acoto, e deve sor substitu
(a por Uina diuedocio nova, ou avigora la
para aervir novameate. Pra'ica se esti
opjracaa con tola a a:ililale oom urna
simples e/.ipjraca) c n cillciras rix\j ins-
t ill 11 ii no deposito das machinas.
O Sr. Hjainguina exeeutou no3te typi
le atas lina numirosis nsatoa para dctcr
ni i ;r as ui iieojdjj con/enientos a sore a
pjstas e a pritici; nao iosistirtmoi niajo
l n razio da iulorinie3os que j demos a
3 de Mt'cj do 187-4 ; descrevoremo3 uni-
aameate um dts ltimos typos.
A locomti/a aprosonta dispasig.la aai-
logo iaa duas machinas que faze n o ser-
uiyo do tiam-ay d'Aix-la (Jhapella a Bur-
taehoid, sendo estai nicamente de dicnen-
so;s ma's redu/.id:is.
A ca'.dra vertical, tem o diain?tro de
l1",20, dividida em dous compartimentas
lestinalas, un a dissaluclo aaliaa o outro
prodaiclo do vapjr. A agua contida na
ean ra supr.or aqueeid por intermedio
d) 2) tu'ais de latao typj Fiell, dj 41 mi-
limeiros djdiamjtr>, qua inergulham ni
diualJCTa siliai; a superficie de aqueei
meato qua nipirtidi ds cinco m tras
.ja ilra los vai coutinu uante augmentando
medida que a absorpcilo do valor de es-
capara -nto eleva o nivel da dissoluclo.
Oda u na das duas calleiras munida do
m.inometro especial, c o todo coreado
de ra iteria aao ond ".tora para previnir
qaalqnar p-rla de calor. O vapor dirige
SD
i agor
Cu.nprc notar, pjla observajlo apresentada
reuniJ do3 engenheiros allaraaos pel'j
Lentz, director das ffieraas Hohen-
lijsoldorf, quo impossi-
vel ob'.er com a machina Hoaiagmann una
ictiva como as machinas
a'que carvao de pedra, porque nes-
tas a t imp.oratura des gazes de combustao
ittigi ieil.acate 1,203J ou 1,500 e naa
machinas Honingra inri, a tomporatura. da
di*3ola;1) do soda que originada pelo
calor alo excede, na partida, de 2QQi a
, c no regresso, excede apenas de 2*
ou 3" da timparatura da caldcira a vapor.
Esta obsorvacao mostra que sempre dif-
fieil obter com esta machina a mesraa torca
da vapjrisacao que cora as locomotivas or-
dinarias: tolavia o Sr. Hoaingmana toa-
tou appplicar as machiaas do scu typj aos
treas das vas forreas o a expericacia pa
roce dar resultados favoraveia.
As primeiras cxprleacias fora-n f itis
com ubi locomotiva v^lha cuja caldoira
foi'transformada, o fez durante dea da o
ser vico rjgular dos viajantes na secoao de
Winselea a Stolborg da liaha de Aix la-
Chapclle a Juliers, e serviu alm disso
para experiencias importantes sobro a mar
cha da temperatura as duas cilieiras.
Os diagramm.is obtilos raostrram nos de-
clives qm a to.uporatura da soda creicia
coma a do vapjr em consequencia do gran-
de consumo do vapor, na desoda, a tem
peratura da soda conservou se estacionara.
Atonp'ratun da soda variou de 168
na partida 169 no fira dos ensaios;
nnaca excedeu de 18" a temperatura do
vapir que, partindo com 153 baixou at
143 no decurso da ultima viagim para su-
bir a 152 chegada.
O Sr. Idoiiingmann fez, emfira, construir
duas machinas com 6 rodas conjugadas de
l'n,20 de dimetro, e do peso de 45 tone-_
ladas, destinadas a fazer o servijo da scc-
co de Erstfeld a Goscbcuen na linha do
Saini-Gothard, cuja3 rampas attlngem 25
millimetros. Actualmente urna dc.las fuac-
ciona na liaha do Aix-la-Chapelle a Juliers
em trans do 3 a 10 carros om urna secgao
de 54 kilmetros, apresoataado rampas de
12 a Vi millimetros em ama diff-jreaca de
nivel do 200 metros. O coasumo kUorae
trico de vapjr varia 0k;83 a lk,l, caufor-
iae a carga.
A machina faz diariamente a viagom do
ida e volta, o que representa um trajete
ha a applioaeao muit
n principio de algraa
qao poder para o futuro prestar
roaes esploracSo das linhas ae-
tramways e talvez at a alguoias seccoes
particulares de vias frreas.
L. B.
LTTRATM
OS FILHQS
DO
,, de 103 kdometros, depois regrossa para o
--. aea cyhadros par um tubo, e volta a ,J ; __ij-:...
I deposito onde estao install i la- as caldeiraa
"" mammmmm ...... ..nr.nsn..> a d33jlUljaO
diaaolaoSo salina segurado outro tub ,
aue sorvMii
dejembeca no J /alili-o na
ex re ni lalo d s
orifiuoa para garantir
i de marcha de 4 a 5 atmos- ,
cujo sorvico continuo, alimenti-so a cai-
deira a vapor duraata a evacuaclo da so-
da, o q(io faz cahir a pressilo atmosphe-
um bui'vciu para coaceatrar a
ruado da caldeira, por uran }. ... r ,
... ,| L5 _:*. distendida : esta manobn podo executar-sa
i turma annullar com muitos, r _-J
-.:^ ei tempo demasiado curto, que nao exeecle
a mistura mtima. .1A r < i _.....
machina do tramway,
I de 20 minutos. Para
pli -ras e provina-sa qualquer elevajo anor-
inal alineutaado em marcha com um injec-
tor como as locomotivas ordiaariaa. A
agU ,1a alimentacao contida em reser-
va i.io disposto abaixo da caldeira entre
os eixos motore*. A machina ten dous
cyhadros de O1,13 de dimetro, e O111,22
do curso, o pistn accioaa a roda motara
por nter oedio do duas engrenagens; osta
te a 0:n,70 de dimetro.
A pravisle dj aoda que sa leva parti-
da 303 kilogrammas en una diaaolugUo
de 80 [0. Com esta cu'gi, a maihina faz
um 3?rvica do qntro horas c meia puxan-
do o carro do t ramio y em urna linha de
un klametro de extensio, quj apresenta
r ni is da 55 millimetros e curvas de 20
netrja de raio. Percorre cerca da 27 ki-
Ijmeirjs o vap>risa (300 a G50 litros de
goa, o qui representa urna vaporisajSo
|0 litros)por metra qc adrado e por ho-
ra iv liando a saperncia de aquement)
n lio ra seto metros quadr.idos cinco. No
:i i do scrvic', a prsalo anda de qua
tro at u ispheraa na calleira a vapor, e de
a dissoluyao n\ > cneg, pelo accrescira 13 de atmosphera na caeira a soda. A
continuo lo vapor lo esomeameato, a un
grao de diluicao que determina a ebu
a 200*. A ^bs >rp$ito do vap >r ceasa lea
entli, e ni o r servatorio eativessi aborto
ao ar livre, o vapor se dcspr-nleria n
F0LHET1M
vaporiaaeo das locomotivas ordinarias at-
e oaaaidia 40 kilogrammas por metro
u .ra lo e por kora as macbinaa da via-
laatos, mas nao madrinas de mercadoriaa
ou le a extraccaa m mos activa, conten-
1 ra e meia, mas a iotrodaccSo da diasolu^So
couceiitrada bast depois para levantara
pressao que attiuge a cinco atmospheras.
Segundo os dados foraecidss pelo fcr. Ido-
niagmaaa, o consumo de carvao as cal-
deiraj fixas seria relativaminte fraco, cor-
rospondendo a urna de3peza de um kilo-
grammapara urna prolucjSo de vapor de
seis kilmetros.
As ezperienciaj feitas na linha da Aix
la-Chapelle a Juliers mostraram que com-
batia-so a orroso das follias da ferro qua
fonnam a; parados das cilieiras com soda
juntando na dissolucao c .ncentrala certa
quaatidade de oxydo de ferro. Este oxido
depositaado se forma sobrs as folha de fer-
ro um deposito adheroato de oxydo mag-
aetico, que 6 insoluvel omqaanto a tempe-
ratura da dissolugao nSa oxele de 155'.
Alem dessa temperatura deve-se substi-
tuir o ferro por cobre para evitar quilquer
corrosao.
As experieneii3, das quaes a machina
Honra~iaann foi objecta, aiada so muito
receates, para aer possivel emittir urna a
preciacao defiaitiva accrea desse syste na,
apezar do3 primoiros resulta los obtidos
terem sido favoraveis, mas n3o se pode
M.OHIAS S
AV
V03.
IVs
mu
llSft PAKTE
(Coatinuaclo do n. 24)
II
A feata daa Cegonbaw
Era Beni Matan, em Oulad Nail e no
Chirifato El Ilimel, a caravana receb"u
oerto numero de adeptos.
O seu pessoal j montava amis de tre-
zentos horneas, quando ella chegou ao litto-
ral tumsino, no limite do grande Syrto. S
ent3o tinha que seguir a costa, e, tendo
reorutado novos Kbouans as divernas vil-
las da provincia, chegou a 20 de Novem-
bro fronteira la Regencia, depois de urna
viagera de gris semanas.
POR
S. CAPEH3U
O Baro de Grao Jair
( Continuadlo do n. 24)
VI
A PEQUEA SALA AZUL
E os thesouros da e.ubaixada ?
Estio nossa dsposlcao.
Cathariaa foi bera auecedida?
Maravilbosamente. Too a chave do
gabinete d'armas da D. Pedra, cuja porta
aquella.
Mercurio apontou para urna porta pe-
quena si tu ida no fu lo da sala o multo
bam disfaajada com as pregis do forro da
parada.
Ora, contiuuju o filho do La Ches-
niye, este gabinete d'armas com-munica,
por um Udo cem as casas interiores, e por
outro com os jardns de33rtos a esta hora.
O plano que eu tracei, segundo as infor-
raacSjs do Cathariaa da mai.r exactidlo.
Nlo e possivel enganarma-nos... ebegan-
do o momento. .. operaremos.
Humberto examioou com cuidado as
raassicas portas, que entao estavam abor-
tas o que davam co.mmunicajlo da sala
azul para a sala de dansa.
Esta maleira solida, disso elle, e
as fechaduras a3o excellentes. Em ca^o de
necesailada polia sustentar-se aqu um as-
seiio. Portanto recapitulemos para nao nos
engaarnos e para seguirmo3 pontualmen
to as instrucjSes qua deu Reyoold.
Chegado o momento, disse Humberto,
entras, sem seres visto, ao gabineto d'ar-
mas, sabc3 aondo est o tliesouro do em-
baixador... Eite negocio ica por tua con-
ta.. Eu trago Diana pira esta sala. a
cousa nilo hade ser diffieil porque Ileynol 1
jdbpaz... Cathariaa vem tjr comnos-
co... Depois, a ura signal dado, Girau'l
caho ferido pelo Ricardo, Reyoold vem
para aqui; fechase a porta, Diaaa segue-
nos por fo^s ou por vontade, e depois a
nossa gente espera-nos ao p dos Barnadi-
noa...
Muito bom! O con le de Bernac qae
hio de ver outrar aqui, cousiderado como
victima do La Chcsaayo Foi arrebata lo
por salteadores, e quando toraar a appa-
recer na corte, contar urna historia tocan-
te e cavalheiresca, que lho valer maior
crdito; e durante a sua ausencia tere mos
toropo de seguir e desfazer a intriga que
Van H"lmont tentar formar- e Bernardo...
Bravo! A cousa esta bom combiaa-
da!
Ma3, observou Mercurio, 8 3 doraate
o tumulto, vierem aeomrao.iar-nos aqui ol-
guns convidados ?
Peior para ellos I replicou Mercurio
com vivacilade. Olha quo fatos tilo ricos,
qae de joias, de diamantes, de ouro o pe-
dras ricas I O disfaree mais inferior vale
doua mil esculos de ouro.
Tena razto. Decididamente, Rei-
Portanto, no momento em que ae ia ce- oasij de Menchie, piomptos a reuniram-sa
lebrar com grande estrondo a testa das ce-
gonbas, havia apaas tres dias que Sarca-
ny e Na nir eram hospedes do Mogaddom
Sidi Uazam, cuja casa servia de prisao a
Sava.
Essa habitajUo, dominada por um mi-
narete esguio, com as suas paredes bran-
cas, em que havia algumas setteiras, os
seas terracos com ameias, sem janellas pa-
ra o exterior, a sua perta estreita e baixa,
tinha um pouco o aspecto de urna pequea
fortaleza. Era na realidade urna verda-
dira zaouizi, situada fura da cidade,
beira da planicie de areia e das planta-
cues do Menchie, e os seus jardins, defen-
didos por urna muralha alta, invada o do-
minio do oasis.
O interior liaha a dispasicSo habitual das
si-i ..r.bas, mas tripulada, ista tinha
tr i pateos.
E ii torno desses pateos desenvolva se
n n ijuadrlat'.-ro de galeras com columnetas
r adas, para os quaes davam 03 diversos
qaartoa da casa, pela maior parte ricamen-
te uijuiiij-dos.
Nos fundas dj segundo pate.i, as visi
tas ou os hospedes eacontravam urna vasta
ekJa, especio de vestbulo, onde j tinha
iiav lo mais do urna conferencia, sob a di-
reccKo de Sidi Hajara.
Essi habitaeao era naturalmente defen
tida pelas suas muralhas, mas continha
...! u disso fpessoal numeroso, que pedia
contribuir para a aui seguranja, ao oajp
de ataque doa nmadas ou mesmo das au
toridides tripoltanas, cujos esforos ten
diam para conter os Senousistas da pro
vincia. Havia alli uns cinooenta adeptos
bi-.m armados para a defensiva, bem como
para a uffensiva.
Urna nica porta dava aceesso para esaa
zaouiza ; mas essa porta, muito espessa e
muito solida, nao seria fcilmente forjada;
u, u na
mente ni casa.
S .rcany, pois, achou na casa do magad-
dem um asylo seguro. Era alli qao coota-
va levar a bom tira a sua empreza. O seu
casamento com Sava devla dar lho urna
fortuna muito consideravel, e poda con-
tar com o auxilio daconfraria, directamen-
te i iteressada na realisacao do seu in-
tento.
Os adeptos idos de Tetuan ou colhidos
nos villayetes, tinham-se dispersado pelo
geiros passeiavara por entre a chusma, na
planicie de Soung Ettelate.
Esses estrang aros, esses Mougafircs, aia
gera diria que erara Europcus, com os seus
trajos rabej. O mais velho dos tres pa-
reca habituado a essa roupa.
Era o Di\ Antekirtt, a:orapanhalo de
Podro Bathory e de Luigi Ferrato.
Poata Pescada e Cabo Matifou que ti-
uham cado na cidale, ondo tratavam de
certos preparativas o acm duvida s appa-
receriam em scena no momento de desem-
penhar o seu papel.
Havia apenas vinte c quatro horas que,
tarde o Esctrico 2 tinha largado ancora ao
abriga dessas roehas que formara una es
pecio do doca natural do porto de Trpoli.
A viagem de volta tioha sido tao rapila
como a da i ia. Tres horas somonte de de-
mora em Philippeville, na paquena ensoada
le Flala, foi o tarapa necessario para ob-
ter trajos rabes ; e o Elctrico parti do
navo, sem que a sui presonja fosso assig
nala ia no golfo da Numidia.
Assim, pois, o doutar e os seus compa-
nheiros tnham costeado, nao o caes de Tri
poli, mas os rochados fura do porto; nao
vez forjada, nilo ae eatraria fcil- eram mais cinco Europeus, quo tiabam
posto p no territorio da Regencia, eram
cinco Orientaos, cujos trajos nao podiara
attrahir altenjao. Talvez por falta de ha-
bito, Pedro e Luigi ao tivessem revolado,
com essa roupa, a ura observador atteuto ;
mas, Pont Pescada o Cabe Matifou, acos-
tumadoj aos mltiplos disfarces dos saltim-
baacos, nao estavam embarazados.
Quando an.itcoeu, o Elctrico foi oooul
tar-sa do outro lado do porto, em urna das
enseadas desso littoral mal guardado. De-
va ticar alli pro.apto para taz-ir se ao mar
a qualquer hora do dia ou da aoite.
Logo que desembarcaram, o doutor e os
seus companheiros subiram a parte rooho-
sa da casta, tomaram o caos formado de
grandes pe Iras, que vai a Bb-el Bahr
Porta do M, e entrarain as ras ostrei-
tis da cidade.
O primeiro hotel que encontraram, e nao
havia muito que escolher, pareceu lhes que
poda servir por alguas das, se nao por al-
gumas horas.
Alli apresentaram-so como gente de pou-
cos meios, simples negociantes tunisnos,
que desejavam aproveitar a sua passa-
gom por Trpoli para assistir festa das
cegonhas. Como o doutor fallava to cor-
ao primeiro signal.
Essa festa das cegonhas, sem que a po-
lica tripohtana o suspeitasse, ia, precisa-
mente, aervir a causa do Senousismo.
All, na planicie de Soung Ettelate, os
Khouana da frica septentrional deviam
receber as ordena dos moftia para operar a
sua conceatrajlo no territorio da Cyrenai-
ca e fazer dalle um veriadeiro reino de
piratas debaixo da autoridade toda pade-
rosa de um califa.
Ora, as ci -cumstancias eram favoraveis,
porque era justamente no vlayete de B3U
Ghazi, na yrenaica, que a associajao j
coutava maior numero de adeptos.
No dia em que ia ser celebrada a festa
das cegonhas na Tripolitania, tres estran- rectameuta o arabo como os outroa idiomas
noli um grande homem.
E' um genio.
ira s tunos qua esperar.
Nao ba de aer por muito tempo.
Humberto levantou-ae e deu alguas pas-
80S pela aala azul com um sentimento de
esperanja.
Parou parta e as suas vistas fixiram
so nos diversos pares co'locados diante
delie.
Aa dfferentos phases da pavana exei-
tavam entao a admirajilo dos especalo
res.
O condo do Brnac o a barn.za ex-
cediam-ae pela elegancia e graja com quo
exeeulavara os difforentes passos e figu
ras.
Entretanto, Diana e o egypeio enrgi-
camente disputavam a palma da deusa.
Apezar da coraraojilo que sentia, do re-
ceio que a agtava, dos sentiraentos tumul-
tuosos que Ihe abalavam o pcito o lhe per
turbivain o cerebro, a pouco o pouco se
drizara arrebatar pe s transportes da pa'
vana.
Todas estas vistas fixas sobre pila, a
eonsien ia da luta que sustent.vi, os
raurm iros laudativos dos espectaduies t
nhara operado poderosarac-nto sobre a po-
bre creanja, que con a fronte ardente, e
seio palpitante e a mito febril, s.'ffria as
differtate3 peripecias da dansa coa urna
forja ficticia, devida ao desespero.
Nunca Diana pareceu tao bella e tSj
seductora, o o seu par comprazia-se em
fazer sobreaahir todo o bri ho desta bel.e-
za e deste ea mato.
A fillu do preboste de certo compre
hondea esta obsequiosa attenjSo doegy-
pcio, porque no momento de terminar
a dansa e quaado do todos 03 lados da sa-
la os bravos so repetiam com eathusiasmo,
ella levanto!! os lindos olhos para o seu
myateri^so cavalleiro e agradeccu-lho cora
um serriao.
E egryp.-io eat Tome cautela !
Eram as primeiras palavras, quo elle
aronunciava depois que a convidara para
dansar
Diana foz ora gesto de espanto ouviado
esta roeom nondacao, foita por ura honqem
que ella julgava que nito a conheeia
Ameaja-a ura grande- perigj oonti-
nuou o desuonhecido : era norac do cea 1
esteja precavida.
Diana olhou attonita para o seu nterl>
cutor, e ia abrir os olhos para pedir urna
exp jaejto : mas naquelle momento chega-
va ao p- da sua n3i, e o egyprio cumpr-
raentando-a era silencio aifastou-se.
Eraqoa-ato o egypeio recon luzia Diana
para junto de sua mili, Reynold, deixand
Cathariaa ao p do la Guicho entrada
da sala dos espelhcs, entrou precipitada-
mente na sala azul o ftschou a porta.
Durante a pavana, Rpynold coaseguira
curaprirair a terrlvel agitayao que nelle ti
aliara pro luzido as palavras signilieativo-
racntc amoajadoras do egypeio. A au
frif-zi, a sua indifferenja eacobriara a per-
turbajilo de sua alma, a era tito forte o
imperio que tiuha 3obro si mesmo qua nio-
guem percebera, aera mesmo Cathariaa, a
aaciedade que o atli gia.
Mas logo que so vio na preseoja de seus
irraaos, s> com elles na sala cuja porta
acabava da fechar, deixDU escapar da gar-
ganta urna exclamajaa de furo.
A' obra 1 d830 elte apressadameat;
o perigo est sobre aossas eibejas l
Pois que, exclamen- Humberto, o po-
ngo tilo grande ?
E'.
E tamos do altera? os nossos planos ?
perguntrx* Mercurio.
Assim preciso.
Como? Explcate.... dis3eraai ao
mesmo tempo os dous irraaos.
Sileaeio! 03 roiautos sao preciosos.
Ouj.m, sem rao interrompercm. Ol sa
o perlgc- est eminente, a cousa nao est
de todo perdida, soseguem / M is com
todos es diabos I oujam-me com attenjao,
e disponham-so a obedecerme I Virara o
egypeio que danjou primeiro com Catha-
rna e depois com a filha do preboste ?
Vimos, disseram Hurabertj c Mer-
curio.
lingua
que
do Mediterraneo-j nao sena
havia de trahil-o.
O boteleiro recebeu omito obsequiosa-
mente os cinco viajantes quo lho aziam a
"rande honra de entrar cm sua casa. Era
um homem alto, muito tagarella. O dou-
tor fazendo-o foliar, soube l certas cousas
que o interessavam directamente.
Soube que urna caravaaa tkha chegado
roe intrnente de M-irrocos Tripolitania :
depais soube qua Sarcany, rauito conheci-
do Tripolitania, fozia parte dessa caravana
e tinha recebido hospitalidada em casa de
Sidi Baaam.
Eis porque ne3sa mosma nolta, o dou-
tar, Pedro e Luigi, tomando certas precau-
joes para nao serom notados, tnham en
trado na chusma doa nomalas acampadas
na planicie de Soung Ettelate. Emquanto
passeiava o, observavam a casa do raogad-
dem boira do oasis do Menchie.
Era alli que estava presa Sava. Des-
do a estala da doutor em Ragusa, nunca
pai e filha esliveram tao perto um do ou-
tro I M*s, nesta momento, urna parale in-
supn*avel 03 separa va. Sem duvida, para
d alli trala, Pedro tena coa33ntido em tu-
do, mesmo em entrar ent composijaa com
Sarcany.
O conde Ma.thias Sandorf e elle estavam
promptos para entregar-lha 033a fortuna,
que o miseravel cobijava I Entretanto, nilo
podia esquecar que tambom devia fazer
justija ao delator de Ladislao Zatbmar.
Entro tanto, as candijoes em que se
achavam entao, apoderaren! ae de Sarca-
oy e tirarem Sava da casa de Sidi Hazam
era empreza que nito deixava do apreaentar
difilculdades quasi insuperaveis. A' forja, e
que nao padis dar bom resultado, seria pre-
ciso substituir o ardil ? Poderia esta sor
erapregada no da seguinte, durante a fes-
ta? Sim, sem duvida, o foi de38e plano qua
o doutor, Pelr e Luigi trataran* durante
a noite, plano suggerido por Pont* Pesca-
da.
O valente rapaz arrlscava a vida na sua
excursao ; mas, se coaseguisse penetrar na
habitajao do moggadem talvez podesse ar-
rebatar Sava Sandorf. Nada pareca im-
possivel sui coragorn e sua habilidade.
Foi, pas, om vista da execujo do pla-
no adoptado quo, no dia seguinte, pelas
tres horas da tarde, o Dr. Antkirtt, Pe-
dro e Luigi, estavam os tres de obsorva-
jao na planicie de Soung Ettelate, emquan-
to Ponta Pescada e Cabo Matifou propa-
Pois ello sabe urna parte dos noasos
segredos, tanto carao Van Helmont.
Urna parte dos nossos segredos! disse-
ram a ura tempo os dous hoinens, com a
mesma exclaraajo de espanto e de modo.
Sim, urna parto doi noaaoa aegredos!
Aa palavraa, que me diase ao ouvido, n2o
me deixam a mnima duvida.
E R'ynold repetio, palavra pjr palavra,
o que lhe dissera o egypeio.
Humberto e Mercurio interrogaram-se
com a vista.
Quem pode ser es3e homem ? per-
guatou o primeiro.
Cathariaa brevemente nol-o dir, res-
pon leu Reynold. Mas, seja elle quem
fur, nito esta a questo. E' ara inimigo,
sso sabemos nos. O mais quo importa
Deixar Paria, ficando atraz de nos eate
inimigo, seria urna falta iodesuulpavel.
Portanto, mitos obra repito.
Acasu nao partimos ? Disse Mercu-
rio.
Partimos; mas depois de termos aba-
fado o aossso segredo ao corajSa daqueie
que nos am a;a.
Qua devoraos fazer ?
Eu lhes digo,
E Reyaold deitan lo os brajoH ao pes"co
jo de cada das irmao3, puxau-lhes as ca-
Dejas altura da saa bocea, depois mur-
muren rapidameate alga as palavras em
voz tito baixa, quo pareca reinar na aala
o mais profundo silencio.
Humberto e Mercurio endirsitaram-se.
Coroprohenderam-me Tpcrguntou Rey-
nold,
Perfeitamente, respondern! os dous.
Transmittam as minlias- ordeos a Ri-
cardo e a Camaloao, e daqui a duas horas
estejaraos promptos, tu, Humberto, a ar-
rebatar Diana; tu Mercurio, a execntar o
plano combinado esta manh. E' meia aoi-
to ; a3 duas horas estarei de volta
E tirando da argibeira a chav?,- que lhe
tiaha dado Catliarioa, Reyaold abrio-apres-
sadamente a porta dlsfarjada na tepessa-
ra e entrou.
Humberto tirou rpidamente o disfaree
de morcego.
Debaixo delle appareccu um diefarce
completo, exactamente semelhanto aquello
que usava Reynold, mao tito semelhante
que era materalraenta irapossivcl deixar
de tomar ura pelo outro, muito mais par-
que, como ji d3semos, Humberto, Reyoold
e Mercurio eram todos da mesma altura.
Humberto-enrolou o fato qua desplns, e
raetteu-o debaixo de uraa cadeira, depois
poz a mascira, atravessoa a sala e abri a
porta que dava para a da dan3a.
D'Herbaut estavava tora da porta.
Olhem, E' Beraac, disse ello rlado.
Julgava-te em boa fortuaa, e a5o me eaga-
nava, pois estovas conversando com o deus
Mercurio.
Mercurio, como dissemos, finga o fiiho
de Maia e de Jpiter.
Humberto trocou algumas- palavras com
o marqaez, depois drigio-se para o lado
da sala aonde estava a iinda filha do pre-
boste de Pars.
Diana veado approxlmmr-se aquelle qua
amava, estremeceu, e a graciosa cabeea
pendeu lhe para o hombso-.
Seatia chegar o momento
tante decisivo em que teria
entre urna fgida deshonrosa e a
hornera, que ella julgava ameajado
cumplieo do coado d'Auvergae.
Eutretanto, Mercurio fazendo as cabrio-
las, com que assignalara a sua entrada,, at-
tralria da proposito a attsnjito de todos, os
convidados de D. Pedro.
(Contintu.).
tinhara de
paravam-se para os papis que
represntur no melhor da festa.
At essa hora aiada bj havia nada que
indiea3se o ruido e o moviraento do que a
planicie ia encher-se ao claro do innme-
ros arebotes, quando cahisso a noite. Mal
so tiuha notado, no meio de3sa chusma
compacta, as idas Q viudas dos-jideplos Se-
nousistas, muito simplesmente trajados, q9
commuaicavam un3 aos outros, apenas por
um aigaal majoaico, aa o>dens de setta
che fes.
Mas, vem a proposito contar a lenda
oriental, ou antes africaaa, cujos princi-
pase incidentes lam ser rproduzidos nes-
sa festa das cegonhas, que o grande
chamariz para as populaj3es musulmanas :
Havia outr'ora ao continente africano
ac raja de Djins, com o nomo de Bau
lhobrs. Esses Dijias oceupavara um vasto
territorio, situado no limite do deserto de
lliramada, catre a TjripolitoJiia e o reino
de Fezzan. Era um pava poderoso, muito
tomivel e tambara muito tmido. Era in-
justo, perfilo, aggreasivo, deshumano. Ne-
nliura soberano da Afrioa podia submet-
tel-o.
Um dia o propheta Suleyman teutou, aSo
atacar o Djins, mas coavertel os. Com
osse intuito, enviou-lhes um dos seus apos-
tlos, afim de pregir-lhes o amor do bam
e o olio do mal.
Trabalho perdido! Easas hordas fero-
zes apoderaram-se do missionario e o ma-
taran!.
Se os Djn3 mostraram tanta audacia,
foi porque sabiara que, no sea paz, solado
o de ditfieil accesao, nenhum re vizinho
ousarla aventurar os seus exercitos. Pen
aavam tambera que nenhum measageiro
poderla ir cootar ao propheta Suleyman a
rocepjao que tave o seu apostlo. Enga-
aarara ae.__________________
Havia aa trra grande numero do cego-
nhas. Sito, como sabido, aves de bons
costumes, de subida iutellgencia e sobre-
tu lo de muito bom sonso, porque a lenda
affirma que nunca habitara pas cujo nome
figura n'uraa moeda, porque o dinbeiro a
;onte de todos os males e o movel mais po-
deroso que arrasta o homem ao abysmo das
suas ruins paixoss.
Ora, essas cegonhas, vendo o estado de
perversidade em que viviam os Djins, reu
niram-se um dia em assembla deliberativa
e rosolveram despachar urna ao prophet4
1
f
1
1,1
l
Suleyman, afira de assignalar sua jnsta
vioganja os assassinos do missicnario.
O propheta chamou logo a sua poups,
que o seu correio predileoto, o ordenou-
Ihe que trouxesse para as altas zonas do
co africano todas as cegonhas da trra.
Foi o que se fez ; e quando as innme-
ras phalanges dessas ave3 reuniram-se era
preseaja do propheta Suleyman, diz tex-
tualmente a lenda i formavain urna miyem
que tera sombralo todo opaiz entreiley-
da e Marzouq.
Entao, cada urna, tomando urna pedra
no bico, dirigise para o terri'jorio de
Djins. E, pairando no ar, lapidavnm essa
raa raja, enjas almas estao agora fechadas,
por toda a eternidade, no fundo do. deserto
de I laminada.
Tal a fbula que ia ser posa. em scena
aa fo:la desse dia.
Algumas centenas de ccgpohas tLnhan
sido reunidas era baixa de redes immensas
estondidas na superfice de-Soung Ettelate.
Alli, pela maior parte, em p sobro urna
s perna, eaperavara a hora da libertajao
e o hater das suas man di bulas fa.zia, atra-
vesar o ar um ruido ssmelharjje ao rufo de
um tambor.
Ao signal dado deviam voar pelo espa-
jo e deixar cahir sobre a ohusma de fieii
torros inofiensivos de torra molla, pox en-
tre o borreiro dos espectadores, o estrepito
dos instrumentos e as detooacCes de mos-
quetaria, luz do archotcs de chammaa
multicolores.
Ponta Pescada conhecia o programma
dessa festa o foi essa programma qua sug-
gerio-lhe a idea de nelle representar um
papel. Nessas condijSes, talvez elle po-
desse penetrar no interior da casa de Sidi
Hazam.
Ao por do sol o tiro oe peja da fortalo
za do Trpoli, deu o signal tao impaciente-
mente esperado pelo publico de Soung Ette-
late.
O doutor, Pedro e Luigi, a prinopio ea-
surdecidos pelo ruido medonho que se le-
vantou do toda a parte, ficaram tambera
deslumhrados pelas milharas v luzes que
brilhavam na planicie.
(Contnuar--Aa.)
Typ. do Diario roa Duque de Carias n. &>

1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZOTGGOJC_8BY6AD INGEST_TIME 2014-05-27T23:48:33Z PACKAGE AA00011611_16870
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES