Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16807

Full Text
iJD LXII HIBiiO ifl
P4R1 A CAPITAL E IAABLKI* OI*B SAO SE PACA PORTE
Por tres meies adiantados............... .%52
Por seis ditos idem................ gJJW
Por um anno idem................" atoo
Cada numero avulso, do rnesmo dia............ 0lw
D0KO5 DE MAIO DE 1887
PARA DEMTRO E FORA DA PROVISCIA
Por se3 mezes adiantados............a.
Por nove ditos idem................
Por um anno idem................
Cada numero avulso, de dias anteriores..........
130500
200000
270100
0100


3


TfixoyetoU fre Jttaiwel Jtfiurira fc* Jara i Silbos
TELEGRAMMAS
saTO ?ASTICLA3 50 2IASIB

RIO DE JANEIRO, 14 de Maio, s 3
horas e 45 minutas da tarde. (Kecebiio
s 6 horas e 5 minutos, pelo cabo subma-
rino) .
A Cmara don Depnladon nao fanc -
cionou boje.
yin Wenatle. o Sr. conselnelro Fran-
co de m requeren boje qae a eino
foe u%pena ate comparecer o Sr.
Barao de Cotegipe. presidente do
< onsielno. que participial adiar se
enfermo, o tinba de explicara rcen-
le modiUcaco bavida no ministerio.
A propona do Sr. connelbelro Fraa
< de s&foi approvada, votando a fa-
vor <>s sri. conselbelroit e mi ni I ro
Francisco Belitiarlo. Bibeiro da l-u*
e Baro de llamar
O PAIZ de boje pabllcon um mani-
fest dos n. connelbeiro Yiaeonde
de Pelotas e general Manuel Deodo
ro da Fonneca.
Eitte don generaen recorrem no
referido manlfeiito para a oplni&o
publica, appellam para o parlamen -
to e protestara, resistir at qae sej a
dada classe militar ama satlsfa-
eo plena por parte do guve rno.
Ejpojiii par* o Diari.o)
RIO DE JANEIRO, 13 de Maio, s 5
horas e 20 minutos da tarde. (Demorado
pelo cabo).
O enterro do Conde de Baependy
presidente do Senado. reallou-*e
boje c fol bastante concurra Jo.
Ocsnselbelro Miranda asslstio co-
mo representante de S. M. o Impe-
rador.
Todos os ministros assistiram tam -
bem. asslm como deputacoes do Se-
nado e da Cmara.
PARS, 13 de Maio.
Esperase qae a crlse ministerial
que parece imminente ser evitada.
O membros da commlsvo de or-
namento parecem dlspostos a facer
concess6es.
PAIS, 14 de Maio.
SS. A 4. o Conde e a Condessa d'Eu
i.1 liega rain aqu boje.
WASHINGTON, 14 do Maio.
O ',>'- --.:. nie dos Estados Unidos
Inausurou n utem aqu a estatua
ericida i frutecido presidente Clar-
fleld.
RIO DE JANEIRO, 14 de Maio, tarde.
O Sena Jo transferio boje tna ses-
so por cauoadeaebar-aelndlsposto
o Sr. Baro de Coteglpe. presidente
do conselbo.
Agracia Hava, filial em Penuunbuuo,
14 de Maio --o 1887.
iNSTRDCCiO POPULAR
-------------------------
cora a bobiua de Rahmkjrff; e dessas experiencias
83 tem concluido que 03 seus efl tos pbysiologieos
chimicoa, calorficos, luminosos e mecbanicos, sao
incompa ravelmente mais intensos do que 03 das
bateras de Leyde e das pilbas.
Para se avaliar a enurme intenaidade dos seus
effeitos pbysiologieos, bastar dizer que as com-
miQoea prodazidas por urna bobina de pequeas
dimensoes (0,m30 de comprimento) quando no fio
inductor passa apenas 1 corrate de mu elemento
de Bansen, sao insapportaveis. Com a raesma bo-
bina e quatro elementas de Buasen, mata-se um
cao cu urna cabra; com mais alguna elementos,
fulminar-se-hia nm homem.
Os effeitos, chimicoa sao muito variados porque
o appareiln produz, ao mestno tempo, electricida-
de esttica e electricidade dynamica. Aaaim, se
introduzrmoa na agua 03 dou3 electrodos de pla-
tina, obteremcs, j effeitos luminosos sem decom-
pasico,j dccomposico, separando se o bydro-
genio 9 oxygenio, para cada um dos potos, ou ag-
glomerando-se os doua gasea em um dos poloa ou
em ambo?, segundo a forma dos electrodos a dis-
tancia a que se achara, o grao de acidulaco da
agua, etc.
CowfisiM.)
'ARTE OFFICii.

ELECTRIC1DADE
(Extrahido)
>AS ESCOLAS E OA BIBLIOTHECA DO POVO
ELECTBO ti* ETICO
CAPITULO XVHI
IsDDCgio ELECTRO DYSAMICA B LtCTBO-MAQSTICA.
BoBIKA DE BOHHKORFF ; BXPBK1ENCIAS MAIS SOTA -
VE 13 B PEISCIPAES APPUCAOOES DBSTB APPABELHO.
( Copil inuaf o )
Voltemos agora inducco pelas correntes, para
apreaentarmos ao leitor a bobina de Bubmkorff,
apparelho aaiveraalmente conhecido, e que tanto
tc-oi contribuido para o conb cimento dos efleitos
da ioda"So electro dynamica.
Coaita este apparelbo, nos modelos de consfrac-
(0 smb simplesdenma bcbina em que se enrolam
imita* deseosa de minares de metros de fio de
Cobre, coberto de seda, de 1/5 a 1/3 de milmetro
da dimetro ; e de urna oatra bobinado muito me-
nores dimenses, que apenas tem enrolados alguna
metros de 0 de cobre de 2 millimetroe de dime-
tro. O prWrt ro o fio iodusido ; o segundp, o
indutor bobina peqaena assenta sobre ama peca,
que est fixa corredica a bobina grande sata fixa
'uutea chapa. O moviment > da corredica facilita
* entrasia da pequea no interior da graude bo-
bina.
Junto bobina de Rubmkorff ba sempre am in-
terruptor destinado a interromper constantemente
h corrate inductor, porque (como j dissemoe)
o phenomeuo da iadacco s se manifesta no mo-
mento em qne se techa e se interrempe o circuito
inductor.
Mu ranadas (sen sido m experiencias feitas
nlnisterio do Imperio
Por despacho de 5 :
Forara nomeados :
ignitario da Ordem da Ro3a, Emilio Leras-
seur, membro do instituto e profedsordo Cullegio
de Franca ; e oificul di mesma Ord-m Carlos De-
lagrave, livreiro e eiitor era Paris ;
L?nteda 1* cvleira do 4o anno da Faculdade
de Direito de >. Paulo o lents subst.tut) da me-
na Faculdad', Dr. Vi ente Mamade Fraitas ;
t'rofessor do anitoiniu e physiologia daa pai-
xei da Acaicmia das Jellas-Artes o Barj de
Motta Maia;
Inspector da saui do3 portos da provincia as
&.lagaa o Or. Manuel Lipes Ferreira.
Forara exonerados :
O Dr Affonao Jos de Meado ica, do lagir de
inspector de siude do port da provincia das Ala-
goas ;
O Dr. Aprigio Jos Chavantes, a pedido, do
lugar de inspector de sau le doa portoa da pro-
vincia de Sergip'-1.
Frz se mrre do foro de mocos fidalgos, com
exercicio na Casi Imperial, a Pedro da Cu iba e
Manoel Ignacio da Cunba.
Por decreto de 8. foi con?edida ao case!h"iro
B ntj Luiz de Oiiveira Lisboa, a exoneraci que
pedio do cargo de presidente da provincia de 8.
Pedro do Kio Grande do Sal.
Fumn nomeados :
Marqaezes. os Condes de Tres Rios e de Itu'.
Couae, o Viscon le de Pinhal ;
Vise ondea vom grandeza, o Bario da Parna-
hyba o os Viseondes de Moreira Lima e de Era-
bar :
Viscondr, o Baro de Tremamb ;
Baro de Pitapetinguy, o lente-corono! Jos
Guedes de Sous ; de Rezende, o Dr. Eatevo Ri-
beiro de Soaza Rezende ; de Itaquiry, o coronel
Fran ;oco da Canha Bueno ; do Jaoy, o ccronel
Joaquim Benedicto de Queiroz Tellea ; do Ara-
ry, Jos de Lacerda Guimires; dis Araras,
Bentj de Lacerda Guimares ; da Agi.ia Branca,
0 cojsuibeiro Dr. Joaquim Ignacio Ramalbo; de
Ibitinga, Joaquim Ferreira de Camsrgo Anira-
de; da Bocaina, o commendador Francisco de
1 aula Vicente da Azevedo ; da Casa Branca, o
teneDte-coronel Vicente Ferrtira Sillos Pereira ;
e Baroneza de Juadiahy, a Si D. Anaa Prado
Fonseca, viuva do senador Jos Manoel da Fon-
seca.
Foi agraciado com o titulo de Ba-io de
Aguas Claras o Dr. Guilberme Augusto de ouza
Leite.
Comm< nladores da Ord^m da Roja :
Antonio Mauoel Al ves, coronel Joaquii Pinto
Ferraz, Antonio Augusto d' Almeida Cardia, Dr.
Joo Ataliba Nogueira, Dr. Fidenuio Nepomuce-
no Prates, Dr. Antonio Pinheiro de Ulbo. Cin-
tra, Dr. Joaquim Lopes Chavea, Dr. Antonio Au-
gusto da Fonaeca, coronel Antonio Jos Correia,
Joa Ferraz de Sampaio, Dr. Franciaco Leite Ri-
briro Guimarea, Luiz de Sjuza Lite, Jos Eliaa
Toledo Lima, Francisco Carr;ia Pachaco, Joa-
quim da Silva Franco e Joaquim Miguel Ribeiro
Lisboa.
Oilkiaes na mesm i ordem :
Dr. Antonio de Siqueira Campos e Walter Him-
mond.
Cavalheiro da Ordem d Noaao Senhor Jess
Cbristo, o Bev. cong > Franciaco Claro de Aa-
Sia.
lllnisterlo da lastima
Por decretoa de 5 do corrente :
Foi apoaentado, a pedido, o director da 3 3ec-
c>o da Secretaria de Estado dos Negocios da Jua-
tiea, Antonio Jos Victoriuo de Barroa, com o or
denado por inteiro, nos termos do art. 21 do de-
creto n. 4,159 de 22 de Abril de 1868.
Foram nomeados :
Director da 3a seeco da Secretaria de Estado
doa Negocios da Justina, o 1 official bacbarel Jor-
ge Frederico Moller.
Io crucial, o 2* Benedicto Antonio Bueno.
2 oficial, o amanuense Alfredo Fernandes da
Silva.
Uesemb rgador da Relaco de Cuyab, o juiz
de direito Luiz de Albuquerque Martins Pe-
reira.
Procurador da Cora, Soberana e Fazenda Na-
cional da Helarj do Recife, o desembargadur
da mesma Relafo Joaquim Pires uonc&lves da
Silva.
Juiz de direito da Comarca de Trahiry, na pro-
vincia do Rio Grande do Norte, o bacbarel Joa-
quim Fer-eira Chaves Filho.
Juises municipaes e de orphaos :
Foi concedida ao hacbarel Tbomaz Gomes da
Silva a exonera(o qae pedio do termo de Apody,
na provincia do Rio Grande do Norte.
Foram recooduzidos :
No termo do Rio Grande, na provincia de S.
Pedro do Rio Grande io Sul, o bhcharel Jos
Vieira da Canha;
No da capital da provincia da Pxrahyba, o ha-
chare! Antonio de Soaza Gouveia Filho.
Foram removidos, a pedido :
Dos termos de Angicos e Saut'Ana* de Mattos,
na provincia do Rio Graude do Norte, para o de
Astil, na aesma provincia, o bacbarel Fracisco
Carlos Praheiro da Cmara ;
Do de Ass para o de Jardira, na referida pro-
vincia, o bacbarel Joao Baptista Gitirana Costa.
Foram nomeados:
Para o termo de Aagicos e Sant'Anna de Mat-
tos, na provincia do Rio Grande do Norte, o ba-
cbarel Miguel Carlos da Costa Rocha;
Para o de Apody, na mesma provincia, o ha-
char.1 Joo Gurgel de Oiiveira ;
Para o de Limeira, na provincia de S Paulo, o
bacharel Gasto de Souza Mesquits ;
Para o de Belem do Desoalv... \ na provincia
de S. Paulo, o bacbarel F-ancisco Paulino de Al-
meida Albuquerque.
Por decreto da mesma data fez-se merc:
A Jos Bezerra Cavalcante de Albuquerque dos
ofHcio8 de 1 tabellio de olas e eaerivo do civel I
e crime do termo da capital da provincia da Pra-
bjba.
Por portara da mesma data foi nomeado ama-
nuense da Secretaria de Estado djs Negocios da
Ju:iica Luciano Augusto de Oiiveira.
Foi declarado sera effeito o decreto dd 17 de Fe-
t;reiro de 1881, qae fes merc Joaquim Cam-
pello de Uillanda Cavalcants da serventa vitali-
cia do officio de eaerivo do civel e crime do ter-
mo da capital da provincia do Maranho, visto
nao ter o mesmo serventuario solicitado o titulo e
pago os direitos fiscaes no prazo legal.
lllnisterio da Guerra
Por decretos de 5 do corrente :
Foram transferidos :
Para o 1 regiment de artilharia a cavallo o
major do 3o, Saturnino Ribairo da Costa Jnior ;
Para o 3o regiment da mesma arma o major do
1, Francisco Clementino de Santiago Dantas ;
Para a 5 batera do 4" batalho de artilharia a
p ocapitaodo Io batalho Celestino Ai ves Bastos ;
Para a 2* classe do exercito, ficando aggrega-
dos arma de infantina, a que pertencem, de con-
formidade com a imperial resolaco de 1 de Abril
de 1871, o tenenre Theotonio Lopes Bastos e o al-
ferea Frederico Xavier Neves. ambos do 18 ba-
talho, e o alferes Perciliano Nunes de Abren, do
6o batalho, por terem sido julgados incapazes do
servco do mesmo exercito,em inapeccao de saude
a que foram submettidos.
Coacedeu se troca de corpas entre si aos capi -
tes de infantaria Ignacio Antonio Gomes de Oii-
veira e Luiz Vieira Machado este do 2* e aquelle
do 21 batalhoes < Foi cla8sificado na 1> batera do 1 batalho de
artilharia a p o capito Pedro Ivo di Silva Hen-
riques que reverteu ao quadro effectivo da arma,
p^r hiver sido dispensado do lugar de instructor
adjunto da Escola Geral de Tiro do Campo Gran-
de.
Re\erteram l' classe do exercito o tenente Ma
noel Luiz dos Res Correia e o alferes Luiz Pa-
raguass d>> Albuquerque, ambos aggregados a
arma de infantaria visto haverem sido, em nova
inspeceo de saude, a que foram submettidos, jul-
gados promptos para o servico.
Foi reformado de esnformidade com a resol ojo
de 13 de Agosto de 1810 e o 3o do plano qae
b ixou com o decreto de 11 de Dezembro de 1815,
o aprendiz artilheiro Alfredo Amando de Souza
Aguiar, visto haver-se imposaibilitado para o ser-
vico do exertito em aeco do mesmo servico.
Hlnlsterio da Agricultura
Por portara de 28 de Abril ultimo, foi nomea-
do o engenheiro Braalio da Silva Barana para o
lugar de fiscal do governo junto a empresa con-
cessiouaria das jazidas de phosphato de cal do
archi; elago de Femando de Noronha com o venci-
meuto de 6:C00 annaaes qae serao indemnizados
pela referida empreza nos termos do contracto de
23 de Abril do corrente anno.
Por ttulos de 4 do corrente foram nomeados,
Jos Francisco dos Aojos, Virgilio Nogueira Lima
e Pedro Augusto de Vaaconcelloa, para exercerem
os lagares de escreventes dw directoras de ma-
chinas, de eonstruccoes navaes, e do patro mor
do Arsenal de Marinha do Para.
Por decretos de 8 de Janeiro ultimo concedeu-
se a patente de :
N. 463 a Augusto Cambraia, portugus, indus-
trial, residente nesta cidade, para o processo de
sua inveofo, destinado a fabricar pannos finos,
merina e orina de algvdo al vejados.
Em data de 23 de Abril aPimo concedea-se ga-
ranta provisoria ao
Dr. Guilberme Jos Teixeira, brasilero, medico,
morador nesta c carador o Club Industrial, fondado e eatabelecido
tambein nesta cidade, para transporte de liso das
habitacoes publicas e particulares, denominada
Carreja i i dora.
Por portara de 4 do corrente concederam-ae 2
raezes de licenca, com o vencimento da le, a Fran-
ciaco Eduardo da Costa S, encarregado da para-
da de Todos os Santos, da estrada de ferro D. Pe-
dro II, para tratar de sua saude donde Ihe convier.
Governo da Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 13 DE
MAIO DE 1887
A directora da AssociajEi de Bornboi-
ros Voluntarios do Recite.A dispensa de
emolumentos, pretendida pela supplicante,
cou;ra o dispasto na tabella approvada
pela lei n. 500, de 29 de Maio de 1861.
Antonio Teixeira Pimentel.Informe o
Sr. inspector geral da Inatrucgo Publica.
Archiaa Liodolpho da Silva Mafra. -
Sim, satisaitos 03 direitos fiscacs e foros
em divida.
Eugenio Lauro Maciel Monteiro.Dou
provimento, para declarar sem effeito o
acto da Cmara Municipal do Recife, que
uorueou seu escrivo especial para o juiz
de paz da freguezia de Nossa Senhora da
Sale do Poga da Panella, quando nao se
provou conveniencia do servigo, nem que
a fubdeUgacia tives3c escrivSo que quizes-
se exeroer separadamente, nem ainda au-
torisacSo do juiz de direito.
Os juizes de paz servem com os escri-
vaes da subdelegacia. E ainda assim, por
raorte do escrivSo da subdelegacia que ao
cumulava as d as funcgSes, o juiz de paz
entilo em exercicio propoz Cmara que
continuasse, como estava, servindo perau-
te elle o mesmo escrivao do subdelegado.
Porem a (jamara, nSo attendendo sua
proposta (de 20 de Dezembro de 1886)
pretorio a de outro juiz de paz, a 7 de
Janeiro de 1887, em sentido contrario,
para que se uzease nomeagSo de escrivao
especial. Nao ba razo de preferencia da
segunda proposta sobre a primeira, impor-
tanlo creagSo de u uu escrivania de paz
privat.va com emb^rajo do servigo da sub
delegada.
Esta a doutrina que inais se conforma
c^m a lei, regulamcntos e avisos do gover-
uo imperial (Av. de 17 de Margo destd
anno, ns. 1, 7 e 9.)
Francisco Joaquim Pereira da Costa.
Informa o Sr. inspector da Thesouraria
Provincial,
Tenente- coronel Franciscu Gongalves
Torras.Eem vista das informasoes do
Thesouro Provincial, n3o ba que deferir.
Consta do despacho de 1-1 de Dezembro
do anno passado que o adiamento entSo
concedido foi definitivamente ultimo e ni-
co, obrigando-se o supplicante a depositar
no Thesouro ou no Banco do Brasil, na
couformidade do art. 7* do Reg. de 27 de
Abril de 1851 a importancia dos bilbetes
vendidos e dos que se fossam vendendo al
a poca da extrccao, prestando immedia
tameute em sigu da conta do estado da
lotera. O supplicanto nao tendo prestado
essas contas, o apenas entrado, por inter-
medio de sua agencia na corte, at 30 de
Abril, com a quantia de 536:851,5001) para
o Banco do Brasil, o Tnesouro fez to-
mal-os, por emprf gado oomrnissionado para
esse fim, o qual, examinando seus livrcs,
palas proprias declaragSes do supplicante,
verificou, como consta do officio n. 600,
de 4 do mez corrente, que dos bilbetes
que o suppl-ante tem em seu poder, ex-
cluidos os qua estilo a cargo de sua agen-
cia na corte, s existem 5:275^000, de-
vendo existir 785:694(5(000, de onde de-
duzida aquella quantia em bilbetes, e an-
da outras que o supplicante declara que se
acbam na agencia do Rio Grande do Sul,
(50:0009) o mesmo em outras que nao de-
clara e ainda 156:576^1000 que diz ter em
ordena e bilhetes a receber, deduzda. em-
fim, tudo quanto est por explicar o pro-
dusto em dinheioo na Thesouraria de
232:687^900, e o aupplicante nao s nao
entrou para o Thesour > Provincial com
es8a, como com quantia alguma, prove-
niente da venda de bilhetes feita aa The-
souraria.
Nestaa condicSea confirmo o citado des
pacho de 14 de Dezembro e porque, nao
possivel a extraccSo da lotera o suppli-
cante deixa de aufarir porcentagem que s
teria no caso de extracgSo, sendo obrigado
a restituir aos portadores de bilhetes ven-
didos os respectivos valores, liquidndose
a lotera como foi expressa no mencionado
despacho de 14 de Dezembro de accordo
com os artigos 15 17 do Regulameeto de
4 de Novembro de 1886.
Flix Joaquim Ferreira de Carvalho.
O artigo 46 da lei n. 1,860, de 11 de
Agosto de 1885 refere-se aos profeasores
nomeados e nao aos contractados.
Idalina Alcoforado Cesar de Menezes.
Sim, juntando procuraeao.
Leocadia Julia de Castro. Remettido
junta medica provincial, a quem a peticio-
naria aa apreaentar para ser inspeccio-
nada.
Bacharel Manoel Francisco Escobar.
Sim.
Marcolino Furtado la Silva Cabral.
Venha por intermedio e com informagSo
do inspector geral da Instrueco Publica
nos termos do artigo 161 3o do Regla-
me ato.
Manoel Alcntara de Souza Cous3eiro.
Informe o Sr. inspector da Thezouraria
de Fazenda.
Martinho Jos de Jess. A gratifica-
gao do supplicante deve contarse do acto
de sua concessSo (23 de Feverero de
1885) conforme a intelligencia dada ao
artigo 117 do Regulamento de 6 de Fe-
vereiro do me3mo anno.
Kodrigo Garvalhe & C. lndeferido.
Vicente de Moraes Mello.Sim, por
contar mais de 25 anuos de exurciio effeo-
tivo e provar impossibilidade, por moles-
tia, de continuar no magisterio.
Secretaria da Presidencia de Pernam
buco, 14 de Maio de 1887.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartieo da Policia
2.a secgo. N. 455 Secretaria de Po-
lica de Pernam buco, 14 de Maio de 1887.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
DetengSo os seguintes individuos :
A' minha ordem Joaqnim Cuimares da Silva
ou Joaquim Ttixeira Gomes, vindo da provincia
do Para, como pronunciado nesta capital, por
crime de roubj ; Jos Antonio L^pes e Luis de
Franca, vindoa da Parhyoa, afim de respmder
urna ordem de /tabeas corpas.
A' ordem do do subdelegado da freguezia do
Recife, Jos Paulo, como vagabundo e turbulento.
A' ordem du Io diatricto de S, Jos, Cypriano
Baptista Cavalcante, p.r disturbios e usos de ar-
mas dufeza.
A' ordem do do 2o diatricto, Joo Evaugelista
Gom.s, por crime de furto, Manoel Cypriano de
Azevedo, par disturbios e Caetano ttodrigues da
Cjsta, como alienado, at que tenha conveniente
destino.
A' ordem do da Graca, Balbino Benjamn de
Mello Ferreira e Joaqaim Pereira dos Santos, por
cSeusas moral publica e disturbios.
Commnnicoa-me o subdelgalo da freguezia de
Santo Antonio, em officio denta data, ter feito ro-
messa ao Dr. juiz de direito do 2o districto crimi-
nal do inquerito policial procedido contra a indi-
viduo de nomo Caetano Luis da Silva, preso em
flagrante por ter no da 9 do corrente furtado uui
palitot de casemira, pertencente a Francisco Igle-
sia Lapes, contendo 03 seguintes objectJS: 1 re-
logio e correte de car*, 1 earteira com diversos
papis o urna letra de -1C00Q0.
No lugar Alago* Grande, do t" districto do
termo de Gloria de Goit, na aoite de 8 do cor
rente, o individuo de noine Victoriano Fidelis do
Nascimento assassinou com um tiro a Jos Fe-
lippe, sendo preso em seguida.
respectiv. delegado abri o competente in-
querito contra o criminoso e nelle proaegue.
O mesmo delegado particioou-me tambem que
no tugar Palmeira do 2o districto lo referido termo
e no dia 3 deste mez, foi preso o individuo de
Dome Antouio Jos da Hora, al i pronunciado no
art. 193 do cdigo criminal.
Commuuicou-me o delegado do ternu de Pao
d'Alho, m officio datado de hontem, ter n'aquella
data feito remessa ao juiso competente dos in-
queritoa policiae* procedidos contra Joo Fran-
cisco Barbosa, Actonio Jos de Sant'Anna, Jos
Joaquim de Sant'Anna, Jos Francisco de Oii-
veira, Jos Francisco de Barros, Jos Rodrigues
da Hilva, Manoel Jeionymo Baptista, Gamillo de
Jliveira e Joo Henrique, conhecido por Henri-
que Pianc, pelos erimes le res8teia e de furto.
Du me ciencia o administrador da Casa de
Deteuco que que hontin s 2 1/2 horas da tarde
fallecen na intermaria, d'aquellc estabelecimento
a alienada Senhoriuha Capitalina Machado Re-
vol Jo.
Deus guarde a V. ExcIllm, e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, muito
digno presidente la provincia.O chefe
de polica, Antonio Domingos Pinto.
iiaia de PERHAJaiieo
KEUIFE, 15 DE MAIO DE 1887
noticias do sal do imperio
Pelo paquete ingle Trent, vinio dos portos do
Snl, recebemos as aeguiotes noticia, alm das pu-
blicadas ob a rubricas Parte Official e Interior.
Kio da Praca
Dadas at 27 de Abril:
O Baoco Hypothecario recusoa fuer o novo
emprestimo de qustro e meio milhoes de pesos so-
licitado pelo governo da provincia de Buenos-
Ayres, aique Ihe d/clarasse o mtsmt governo que
reodas affectava aoservic) da divida.
O juis do commercio nao attendeu aos cre-
d;rea da casa Carminati & C, no pedido que fze-
ram de ser feita por elles a liqnidaco da dita casa,
levantando-se a declarayo de fallencia.
No dia 20 foi inaugurado o mnseu da cidade
de La-Plata.
A sitaago politica uruguaya continuava na
expectativa ; eaperando-se da parte do governo um
acto qaeacccutue urna attitude partidaria ou de-
monstre ue o general Tajes persiste na politica
nacional iniciada.
A eommisso especial nomeada para estudar
a resposta de Joaquim Santos resolu^o do se
nado foi de parecer que esta cmara autorisasse o
sen presidente a apresentar ama mogo expulsan-
do ao dito Santos.
Cojas
Datas at 9 de Abril :
No Publicador Goyano le -se a seguinte repre-
sentado :
Illm. c Exm. Si'. Dr. presidente da provin-
cia.
O abaixo assignado gerente iaterino das la-
vras do Abbade, sita a legua e meia distante da
cidade de Meia Ponte, cabeca de comarca do Rio
Maranho, vera a V. Exe. como primeira autori-
dade da provincia, pedir promptas e enrgicas
medidas no sentido de serem punidos civil e cri-
minalmente os autores do acto de inerivel selva-
geria, barbaridades inauditas, tentativa de assas-
amato, roubo, ferimentoa e violencias, como passa
a expor :
Pelas 6 1/2 horas da manh do dia 22 do mez
prximo passado, apresentaram se as lavras 2
homens, entre elles o Dr. juiz de direito interino da
comarca, o delegado depolicia,e o subdelegado, pe-
netraram oa ca3a da gerencia, arrumbando a porta
a golpe de machado, estragando todo armamento
moderno, que ah existia, que monta em carabinas,
garruchas e revolveres a quarenta pecas, mais ou
U'no3, toda mobilia da casa, bebidas dos armaz.-ns,
assim como o vasilhame, parte do alto bicarae ;
destruirn! as caixaa d'agua e parte dos tubos de
hco do systema bydraulico. e finalmente arrasta-
r*m dous escravos, a D. Umbelina. senhora que
vive em companbia do Dr. Arena, que na occasio
do ataque com mais cinco mnlheres, transidas de
medo e sem defeza, conqaanto nao se oppazesse
causa alguma, foi, arrastada por dous escravos da
comitiva dos aggressores.* Eis qaaado, tentando
um delles assassignal-a por terem duas de suas
criadas intercedido por ella, foi espancada por um
camarada qae oatr'ora fura empregado as lavras,
onde recebera carinaos e agasalhos d'aquella se-
nhora que se avha ainda quasi lou:a pelo terror.
O camarada chama-se Eufrasio do servico do ma-
jor Jayme de S !
Na occasio tambem qae se tentava assassinar
D. Umbelina appareceu um camarada da lavra de
uome Manoel Joo, que recebeu um tiro do Size-
nando Jayme, desviando felizmente recaio o feri -
ment em um cao que o acompanhava, o reti-
raram-se duas horas depcis em algazarra, gritos e
descargas, levando o armamento fino e gneros
alimenticios.
Ainda mal refeitos do susto pelo selvtico ata-
que, o pessoal, quusi todo malheril das lavras, eis
que de novo, na manb do dia 24, repetiram o ata-
que, apparecendo as porteiras das lavras de 35
a 40 homens, cups nomee, tautodo Io como do 2-
atuqu". immediatamente mandei ao presidente da
s-ieiedade, residente no Rio de Janeiro, o Exm
commendador Antonio da Costa Chaves Faria.
E ento dirigiram-ae casa da gerencia, es-
tragaram tudo, terindo o teitor Joo Carneiro com
urna pancada na cahtea ; dirigiram se casa do
empregado Alfonso Mil!iet,que por temor indicou-
Ihes a casa dos instrumentos fortes; forarr. casa
da serrara, montada do am completo machinismo
movido a agua e inutilisaram tudo ; estragaram
todo bicame ; lan^aram aguaraz a urna pilha de
taboas na mesma armazenadas de n. 1.4U0 a 1.500,
do que produzio um horroroso incendio; augmen-
tado com as vozerias que provocava a bebida !
Em seguida dirigiram se casa do mestre
carpnte-,ro David da Costa, o arrastaram com
ameacas de morte, at qae, acudindo-lhe sua mu-
lher, Bernarda soffreu esta de Sisenando grave
offeusa no rosto, perigando nm de seus elhos.
Aggrediram mais ao camarada Jorge Frappy,
a quem dusarmaram com ameacas de morte assim
como a mais dous cantaradas, lovando-!hes as ar-
mas ; cmfim Exm. Sr .ntreos objectos conduzidos
pelos assaltautcs e entre os violentados deve se
contemplar dinheiro, chapoa daloja, espingardas,
dynamite, ferragem, fazenda e a burra da compa-
nhia que de bronze !
A noite do mesmo da 24, appareeerm de covo
incendiara. tudo qae restava na casa da ser-
rara. >
O presideut.1 da provincia officiou ao chefe de
polica para ir proceder s indagacoea e inqueri-
toa uecessarios.
As pessoas da companbia que puderam escapar
ao furor dos ussaltantes refugiaram-se em 'Jo-
rumb.
No Ris Claro,no lugar denominado Boa-Vis-
ta, urna turma de indios foi ao sitio de Antonio
Alhanasio de Souza, matou tres aninaes, foi ao
cannavial e cortoujtoda a canna, levando as que
puderam e inutiliaaodo o resto.
Antes disto tiuham os indios flechado um me-
nino, filho de Zacaras Alves Ferreira de Rezende,
que felizmente escapou.
Falleceu na capital c teoente-coronel Manoel
Sardmba de Sequeira, inspector geral da iustruc-
t-io publiea.
Rio -ranile do Mal
Datas at 3 de Maio :
O Popular de Sant'Anna do Livrameuto, diz o
seguate :
Consta-aos que o cordo sanitario teve ordens
para deixar passar para o Brasil todos aquelles
que quizerem visitar-nos, excepto o Sr. Cholera
que o nico que obriza o Estado a conservar as
vigas, que en? caso de ap.tr r > s p itera i commu-
nicar-se pelo telephoae.
Ha de ser por is30 que temos tido o prazer
de apertar a ino de a:uito3 amigos vinios do Es
tado Oriental.
Sempre alguma cousa....
Em S. Leopoldo deu-se na madrugada de 10
do passado, em amlbaile na casa do Sr. Luiz Sperb,
urna grande deserdem, de que resultou fiearem
diversas pessoas mais ou menos feridas.
O Sr. Sperb que interveu no conflicto afiop de
restabelecer a ordem, recebeu um gravo f.-rmen-
t no baixo ventre, e a um hospede foi quasi dece-
paa ama mo.
- Em Bag, um soldado do 5' regimeato, des-
tacado na fronteira assassiuon a um tal Firmo,
desfechando-ihe um tiro no ouvido quando a victi-
ma estiva dormindo, e roubaodo Ihe 80J em di-
nheiro.
O assassino chama-se Saldanha ; aps a per-
petrado do crime, fugio para o Estado On nial.
Por motivo do acto do Ministerio da Fazeuda,
annexando a caixa econmica rhesoouraria de
Fazenda o povo affliio ao referido estabelecimen-
to de crdito e retirou, diz o Jtrnal do Commer-
ci$ da capital, quantia superior a 50:UOJJ00.
Devido a essa corrida a admiuistracaj da caixa
deliberoa suspender os pagamentos at o dia 29
do pasaado, para poder regularisar o servico.
Fundeou no dia 24, no porto de Pelotas, o
patacho argentino El Dorado, que sabio de Porto-
Alegre, com destino ao Rio de Janeiro, a carre-
gar xarque. aquelle porto carregou cereaes.
' o pnmeiro navio dessa nacionatidade que vem
ao porto de Pelotas.
O Tribunal da Relaco pronunciou em con-
ferencia de 22 do passado o Sr. Dr. Felippe Al-
ves de Oiiveira, juiz munieipal de Santa Mara, e
mandou responsabilisy.r o capito Antonio Lino de
Figueiredo Moreira.
Sobre o canal do Sangradouro, diz a Actua-
Itdade o seguinte :
Ha tres das o vapor Piraliuy :.guarda all
a crescente de aguas para veucer obstculos com
os quaes foram despendidos centenares de contos
de ris ; e, emquanto nao consegue passar, esta-
mos privados de noticiaes de todo o imperio e do
estrangeiro.
As relaj.'e commorciaes desta praca, o ser-
vico publico e particular, resentem-se de medidas
promptas e enrgicas para facilitarcm as nossas
communicacoes com as pracas do littoral.
A b irea portugueza Lopes Duarte, que des-
pachou de Pelotas para a corte e provincia de
Pernambuco, eonduzio 19,901 arrobas de xarque e
280 de gorduras, por conta de diversos exporta-
dores desta praca.
i E' esse um dos cariegameutos mais avallados
que tem sabido desae porto.
Na Uruguayana reuoiram-se muitos nego-
ciantes e deliberaram nomear urna commisso, que
foi casa do general Joo Francisco pedir a 3ua
intervengo, junto ao governo, para que fa$a cea3ar
o estado de sitio, que tem reduzidc o commercio
d'aquella cidade com leta paralysaco. O re-
ferido general promotteu empenhar toda a sua in-
fluencia para a obtenco de medidas^ue melhDreuj
a crise.
Diz uaia folha de Pelotas que eui Uru-
guayana descobrio-se que a ex praca da eec^o
policial Antonio Manoel Candela, condemnada na
sesso do jury d'aquelia eid.'.de a t auuos de prisao,
como autor do homicidio de Joaquim do Prado
Lima, est innocente de semelhante crime.
Appareceram os verdadeiros assasaines, qu-,
alm da confisso, tea contra si os depoimento3
contestes de numerosas testemunhas.
Sao elles Vicente O'campo e Pedro Machado,
pravas do batalho de engenht-iros, que j se
acham presos.
Por ordem do Dr. chefe de polica e rc-
quisicao do ministro de eatrangeiros, por virtude
de pedido de extradieco consentido pelo uosso
governo, foram presos na colonia Alfredo Chav3
os subditos italianos Giuseppe dal Magro, Gia-
como dal Magro e Donato dal Magro.
Consta que estes iudividuos esto processadjs
na Italia pelo crime de matar para roubar.
A prisao, segundo iaformaram Reforma, fo;
feita por nstruccocs do engenheiro Dr. Julio J -
Oiiveira, director da colonia Conde d'Eu.
Os presos j chgaram capital.
Diz o Jornal do Commero, do Porto Ale-
gre, que o hyate D. Luiza, que d'alli sahio ha
poucos dias carregado de carvo das minas do
Arroio dos Ratos, com destino a esta cidade, nau-
fragou na la^oa dos Patos, na altura de Cbristovao
Pereira. O navio estava seguro na compauhia de
seguros Rio-Graudense, desta cidade. A tnpola-
?o foi salva pelo capito e tripolantea do pat.-.ch-a
Alvaro.
A alfandega da cidade do Rio Grande rea
deu no mez lindo 200:3725790. Em igual mez
do anuo passado 163:250^179. Mais agora.....
37:122*611.
A mesa de rendas airecadou 29.120057 : cm
igual mez do anno passado, 23:340tt>5; ma:3
agora, 5:779392.
A alfandega da Uruguayanna rendeu no m.-;
de Marco a quantia de 9:380/952, assim distri-
buida :
Exp)rtacSo 2:307*218
Interior t:9S44
Extraordinaria 255/722
Emancpaco 28841t8
Falleceram em Camaquau, o teaeute-coronel
Boavantura Luiz Pereira da Silva; uo Riauo di-
S. Miguel, na idade de 83 anuos, Constancio Fran-
cisco Rodrigues da Silva; uo Livrara^nto, D.
Escolstica Aotouia Duarte; en Algrete, D.
Beatriz Gomes de Abreu, vio.va do coronel Clau-
dio Jos de Abrou ; em Pelotas, D. Auna Candida
Duarte, e em D. Pedrito, D. Balbiua Jacintho
Lima, Manoel Ferreira Ja Cuuba e Autonio Jal:
de Miranda.
Sania Catunrlna
Datas at 1 de Maio :
A m-rtaiidade na capital fui do 401 pessoaJ1.
sendo 89 de febres infecciosas.
Fa leceram, no Desterro, D. Mana Rita da Na-
ti vidade L ip.ig'jsse e o capito Clemente Antonio
Goncalves.
Paran
Datas at 1 de Maio :
No dia 1 do correure devia naugurar-se o gran
de tuauel da estrada de ferro.
Fallecram na capital Generoso ds Paula Gomts
o coininaudaute da fortaleza da uarra de Paraua-
gu, teuena Jos Ferreira do Campo Juuior.
8. Panio
As n )tieia8 dessa provincia sao de iuteresse le-
ca!.
Iiiuh l>i'r:ie<
Datas ate 8 de Maio :
Foi assassinado Benedicto Autom'o da Sil'-a a
8 kilmetros distate d-j Dores de Monte-Alegre,
no municipio de S. Joo NepomucenJ.
J chegaram Leopoldina os mateiiaes para as
obras do abasteciinento o'agia a cidade.
Foi auJazinente asaasoiguado na Bagag.-m a 13
de Marco o Sr. Francisco Goncalves Teixeira, ci-
dado pacifico e estimado, que era o arrimo de sua
ioai seoluagenaria e i:ms.
Na cidade de Pomba cahijjio inezjpassado uoia
chuva de pedras.
Na mesma cidade o Sr. Thom Borgea ios R-1-;
deu principio a (rabaibo da lii.ha de b.uds para
a estaco da estrada de ferro.
Em Itajub houve urna reunio, que fui muit;
coucurrida, para se ie'iberar sibreo trufado mais
conveniente para o rami! do Sapu^ahy. sendo vo-
tada per quiisi unanimidade a pr.fercncia pe'"
tragado Euler.
Coneorreram a rcuaio ou izerain se r.-preseu-
tar, mais de 300 cidados, de municipi"s do s^l e
mesmo de alguns do norte da provincia.
Foram nomeados para religir a represeutaco
ao governo os Sr. Drs. Aurehaao de Magaiha-3
Joo de Faria.
Na fregus ia do Sap, o cigano Mendonca p>r
quealoes de ciume, disparou tiros um em una seu -3-
cravo, matan o-o instantaneamtnte, e drpiis dou
em sua mulher, eujo eorpo crivou tambem e fac*-
das, ficando esta em misero estado.
S guado coustou ao Municipio, da cidade de S.
J i Nepomuc-no, esse cigano o mesmo que,
tendo sido preso em Itabira, ond" enmio-'so, fu-
gio escolta que o conduzia para Uuro l'reto.
hlegpjssaraui t. Oaro P.-et), d urna exsarsSo s
jazidas de ouro, em explor:ic), Jo 'aiy edePi-
languy, e s fniiricas de ferro de Monlevade. Ca-
gica, Eduardo e nutras do oo-te da provincia, os
alumnos dos Io e 2o anuos do curso superior da
escola de minas, dirigidos pelos profesa -res A.
Taire e P. Ferraud.
Na freguezia da Santo Antonio do Bacalho mu-
nicipio do Piranga, foi assisinada urna pobie
mofa, cuja cadver foi encontrado por seus velhos
pais em um ino:nho,oade a uel.z d<:u a pKaOara
de fub.
E.itr.-u em exercieio na R lafi de Ouro Pr-:to
o dtsombargador J rio BraaltJ Muou /heiis.
Falleceram: niConceico da Barra, ofoxeade!-
ro C-.'lestiun Jor de Almeida, e em Piuuiby, o co-
nego Modeaio Caldeia, que exerceu div.ioos car-
gis de eleifo poou:ar e de uouieaeao do g.veino
e foi diversas veses diputado provincial teado si 'o
presidente da ass; mb.
Em Juiz de Fra, Joaquim G;uits Ribtira;
as DSres de Guaxup, D. Ksaea Ribeiro Jo
Valle; Na Bagigem, D. Jesaiua Carolina de Je-
ss e P.-dro Baptiita Je Campos; em Jontc Ca-


I
Diario de ernambocoDomingo 15 de Maio de 1887
i

M, D. Eva Bar besa Teixeira de (fcryalbo, D. Ma-
iBna Duarte Crui Sarment e o Atieres Luciano
Cdcso de Sonsa Brant; no Brrmado, o major
Manee) Ignacio-*- Carvslbo Sampaio, e em Ouro
Piale D. Mari* Marciana da Costa.
i* de Janeiro
Datas at 9 de Maio.
_-Store a sade de S. M. o Imperador encon-
tib( s o seguinte no Jornal do Commercio :
Sua Magestade paaiou bes a uite de aate-
ioBt.tn e o di da bantrm ; 1 a 3 hosaa da
tarde conferencio cor o ir. saioistBo da agricul-
raia e das 6 s 8 da norte ctm os ira. ministros
da faienda e da juatica, limitando-so neonaarsar
-nm despachar.
8. M a Iniperatris rocebeu algumaa pessoas
aae ioram visitar & M. o Imperador.
Hoje, se o tempo melhorar, irao Suas Magaata-
ics para Tijuoa.
A's 10 horas da msnhi de bontem sahio Sua
M.g.stade da imperial quinta e, ***%**>
im bond especial da Companbia de S. Cbnstovo
Kgaio prao Aidaraby, onde chegou ponco an-
> das 11 horas.
Ccm Sua Magestade foram no bond h. M. a im
atratriz, o principe O. Pedro e a dama D. Jos
Ja ate bond acompanhado de cutres dous : no
piiKeiro iam os Srs. Baies de Mamor e Mota
econatlheiro Albino de Alvarenga e Conde de
Alieiur e no segundo os Sra. major Delgado de
Carmino, commendador Pimenta Bueno, direclo-
im da eompanbia, Sr. Chaves Faria e o otros se
No ponto dos bonds, que esta va tnfeitado com
andeiras, esperavam Suas Mkgestades o Sr. Vis-
itse de Paranagu e muitas pessoas do lugar.
Os Srs. Bario de Mauoor, Viaconde de Para-
aaua e directores da cempanhia alli se despedi-
rtm de Snas Mageaades, que com a sua comitiva
secniram em crros da casa imperial para o ra-
fete da Sra. Condessa de Itamaraty, onde ene-
jaran! s 11 horas e 40 minutos.
Durante o trajete de Suas Magestadea pela
ira. subiram ao ar muitos toquetea.
Snas Msgestadis f.ram recebidos no portao do
lcete pelos Srs. Conde da Estrella, Baro e
aioneza de Escrt-gnolle. c.inmendadores Mon-
teijc, Francisco Goncalves, majores Archer e
VteiUa, Dr. Roxo, inspector das obras publicas e
tros seuhores, e peloa representantes da im-
S. M. o Imperador desceu do carro e foi per-
aitr o palacete e suas dependencias, escolhendo
asa seu aposento um quarto grande que ficajun-
K asada de jantar.
seguida, veio assentar se n um banco da
daesra e alli conversou cerca de ama hora com
a Srs. Conde da Estrella o commeudor Mon-
ja Magestade mostrava se satisfeito.
Alias 5 1/- horas da noite passou Sua Mages-
MsJc *- a menor novidade. *
Da*:
S. M. o Imperador patsi u bem a noitede n-
:e- aoati m. Hontem. das 9 s 10 horas da m .nlii,
ka passeio, acompauhado de seus semanarios
; aediecs assistentes ; depois do jantar teve um
tgtao incommodo de estomago e s 7 1|2 da
sae toi hceumm-ttido por um accesso febril pju-
go istenso que cessou s H 1|4 Durante o dia
b* Magestade recebeu os Srs. ministro do impe-
rio, Cndessa de BaepenJy e Viseonde0 de Para-
oagaa e de Ce.rapebs, < asaignou a falla do thro
ai've ter lida boje peloSi. ministro do
jmveno-
S. M. o Imperadcr passou bem a noite de
>*$* oati:n e o dia e a noi'e de h intem at s 11
a/ra. Bttiio em carro ao meio dia, acompanhado
-.aaiiiiios e mndico Baro da Motta ttaia,
dii^.ado-6e fliresta, lugar denominado Bolido ;
Vi i ye ci.8a do Barao Escragnoll.- e voltou ao
-*tfte s 3 horas. A' tarde reerbeu os Sra. :
satro da marinha. conselheiro Doria e sua s-
^n e Viseonde de Taraandar. Tamben ^ti-
Tm.- no palacio muitas outras pessoas, porm
ai, airam com S. M. o Imperador. A' noite
3*5>aieeeram os Srs. conselheiroa Torres Ho-
ar e Albina de Alvarenga, que o examinaram.
'SBaMagebtade depois do jantar conversn com
ai MBiauarios na sala principal do p ilacete at
^ ioxap, pareceudo mais forte e animado-
KM:
r ". o imperador passou bem o dia de h.iu-
iTBi- Foi a passeio mesa do imperador em cora-
tjA dos Srs. Bario de Motta Maia e major
"jfcrtas. Visi :arani u'o durante o dia muiros
hMeaarioa e diplomatas.
S Magestade conversn no salao at 9 horas
i Ifcatmutt s com os Srs. Conde de A'jezur, gene-
ai Acora e conselheiro Albino.
At 3 11 horts da noite Sua Magestade paes< u
: scvid>de.
_ O Sr. capitio Carlos de Araujo, subdelegado
da S, deacobrio quera ceja a mi da criancarecem-
na scida que ltimamente foi encontrada morta no
Gravati.
Chamase Umbelina M^ria de Souxa, e, segun-
do o exame feto pelos mdicos da polica, a morte
da crianca n3o foi conseauencia de crime algum.
Umbelioa mora na ladeira da Praca e ama-
siada com Joao Mauricio; ambos g.ndo interroga-
dos contessaram a verdad e
A reapaito foram tambera interrogadas outras
aeaaoas da viaiobaraca.
Em fiante Ama deu-ae umaooflicio, moti-
vado por tetom algwuaa pessoas ido a M
de familia owao iutanto de ananaarem do pxr
dalia urna menor, a qnem o juia de orphaos aaga-
xa licenca pa easar-ae.
Tendo coromunicagao disao o ehefe de poliea
recommeadou- ao delegado d'alli que providenciaese
no sentido de avilar perturbacio raaior da paz
acalmar oa nimos das exaltados.
Falleceu a Exma. Sra. D. Francisca Caro-
lina Junqueira da La, viuvado Sr. Joaquim Ave-
lino da La e mi da Sr. Or. Luiz Francisco
Junqu. ira da Lu, 2* cirurgio da armada.
Fa'leceram tambem o professor jubilado Lnpe
rio Liobino Pitcmbo, a Baronesa de Belm, D.
Fuas Ballhaaar da Silveira e tenente Bellarmino
Gomes Vi Hela.
Refere o Diario de Noticias :
Hontem, pela Urde, a bordo do vapor francez
Bourgtgite, deu-ae um lamentavel acontecimento,
que um cavalheiro, que nos merece inteiro crdito,
nos aarrou da seguinte forma :
Um carpinteiro do Bourgogne, tendo iontilisado
um dos tubos da machina, foi acensado de ter
cansado o damno propositaImente-
O commandante do vapor, vista da aecueaco,
manden-o metter a ferros, at que chegaase a este
porto, onde devia entretal-o as autoridades com-
petentes.
Na occasiao, porm, em que iam ser executadaa
as ordens do commandante, declarou o delinquen-
te que ant<-8 de deixar-ae prender laucar -se- hia
ao mar.
Dito e feito.
E acto continuo, afirou se s ondas.
Foram lancadas aUnmas boias de sal^acao^ que,
apesar de ebegarem Ibe ao alcance das maoa, o
infeliz suicida, no sea proposito firme, recusava-
Ihes o auxilio.
Fez o commandante arriar um escaler salva-
vida, n as no momento de approximar se do infe
liz, este se submergio,para nao mais appaiecer
Alago**
Datas at 13 de Maio fluente :
Continuavam os trabalbos da Assemblt Legis-
lativa Provincial.
Tcudo pedido dispensa do cargo o pr si-lente da
Assembia Provincial, foi eleito para substituil-o
o Sr. Foligouio.
Passando-ae ordem do dia, entrsn em 2' dia-
eussao a pi-opoaicSo coneedendo um crdito espe-
cial de 186:234/, para indemnisaco dos terrenos
aterrados ao longo da ra do Viaconde de Itana.
O Sr. Prado observen que ogoverno nao precisara
mais deste crdito, e a proposicSo foi rejeitada.
Entrn em 2' discusso a proposta da fixacio
de forjas de trra para 18871888, e foi adiada
para segunda-feira a requerimento doSr. Joaquim
Delfino.
Fieou ergotada a ordem do dia.
INTERIOR
Assemble'a (eral Legislativa
Nenado
SE^SAO imperial de abertura DA 2a 8E3-
SAO DA 20' LEGISLATURA DA ASSEMBLA
GERAL EM 3 DE MAIO DE 1S87.
Presidencia do Sr. Conde de Baependy
A's 12 1/2 horas da manb, reui.id js os Srs re-
putados e senailores no paoo do ".enaio, 0
secretario leu o officio do Sr. minia
>.W MV. VW OT* ...^- U..-.V, ,..w. n ----------------------,
imp-dimeuto de S. Magestade o imp-"r:idir, para
rir -> seseao da 20a legisiauru Ficou a na-
das a pe
Saa Magostada passou bem o dia de hon-
Meaebeu o Sr. 3ar;lo de Mamar, com quein con-
tjaou um quarto de liora.
A 7 horas da noite teve Sua Magestade um li-
Abu JDejmmodo, fjue nao perturba a marcha da
Mocare, uea.
. I:
> ?a?. Magestade pissou bem a noite de ante
.a e o da de iioiitein. Ao meio da s..h o em
i dirigindo-ae antiga caixa d'agua.ond
i mpanhaio pelo i)r. Motta .Vlait e
j.de te a'jezur, volcando s i horas para < pa-
laaatv. Kecebeu os Srs. Viscon-ie de S. uza Fon-
taf.euaselbriro Kibeiro de Almeida, Bario de Sa-
avf, Dr. Oiiveira Buen", Visconde de Maracej,
ftavo Gralv", Bunio Ayuiar de An Iradt-,
ndwr Vieira IVsta e sua sanhora, Vieitas, lia
rus. if Piraquara, conselheiro Frederico Xavier,
3>E Franc-isco Ant-mo Marques, Coronel Antonio
Sajaes-Netlo, Dr Espcxel, Dr. Cincinato Ijop, s f
S)ide M.tt"so. Sua Magestade a imperatriz
wa-iw os Sr^. Ba'So d- Piraqoara, Vieira T st.i
is m j;nhora e o conse heiro Frederico X ivier.
!.' li as da n >ite S. M. o mp.-rador con-
aaaia jtm alterayao em sua sade.
Secebemos o seguinte teiegr.mma buntcm s
2s>sb3 da noite:
m E o 'operador contina a passar bem, com
'i.'u!..- c mostrund'i boa disp sigao. Cor
tanta di mao tetrp", uo passeiou hoje. Keee-
M, alrai do Sr. ministro da agricultura, ;om o
v^aa esteve em conferencia duas horas, os Sra.
IsjMubargadoT chele de polica, Dr. Aquiuo e Ca-
afaco&s.
Al s !l 1/2 horas da noite Sua Magestade
at>Te so sali conversando com os semanarios
Sra. Baioes da Penh* e da Motta Maia e cou
wfciir- OU't ri .
O Sr. ministro do imperio ordenou aos pre-
wdeates das provincias de .'linas Gerat-8 e S. Pau-
pje, terrninado o prazo da le, desiguem dia
aaia a el* yo de ceputado* Assembia Gem
aaa vagas deixadHS p. U.s con* Hit-iros i andi io de
Qfeveira e Antonio Irado, que tumaram assento
a Senado.
Falla se que o Sr. conselhe'ro Mac D-wel,
aaiatro da marinha, projecta reformar as capira-
asaa tos portos. Eepe:a-se que por esta occasiao
ttjaai modiieados os emolumentos que il.es co-
Consta que foi designad i p; ra servir na sec-
aja de fazenda do conseibo de Estado o censeibei-
ja da Estado L.ff*yette Rodrigues Pereira, e para
a >tc(ao de marinha e guerra o conselbeiro de Es-
tada l-niz Antonio Vieira da Silva, sendo dispen-
uda, a pedido, Jesta seccao o co'iselheiro de Es
ado Visconde de Muritiba.
As repartices fiscaes renderam na mez
S*do:
Alfandepa
fieaebedona
Moa Provincial
4,387:7844412
999:755*154
398:63u*90l
Babia
Datas at 12 do fluente :
Ha tas, cerca das 7 horas para 8 horas da noite
as immediaeoes da Capapiua, suburbio da Ca-
sto ira, quando anxiliavam a destruicao de um
atendi Manoel Vieira e Mara Mathilde, sabiram fereles
pela* projectis denm tiro, disparado de dentro d..s
xattes, ignorando-se o autor deste crime.
A' meia noite de 6 ao passar pelo arco da
Estrada Nova fsi um moco atacado por tres indi-
viduos, que depois de espancarem-n'o, roubaram-
ISJe o relogio e cadeia de ouro, alm da carteira
jaaa din heiro.
Dos assaltantea dojs estavam fardados e um 4
paiaana, suppondo-se serem ellea soldados do des-
tacaaaaoto do Matat
Ev gravissimo o faeto de que nos occupamoi e
asofiamos qne serio dadas toda* as providencias
aaaaaaariaB para descoberta e punicao doa actores
fe arabo.
Sr. 2
secretario leu o otncn ao Sr. ministro do imperio
datado de 1 do correte, rerntstiemlo copia do de-
creto de 30 do mes finio, pelo qoal foi autorisado,
no i
ebr
serob a inteirada.
Em seguida foram nomeriis para a deputacio
qne devia r.-ceber o Sr. ministro do imperio, os
Srs.:
Deputados A'encar Ar\ripe, Americo de S mza,
P^-reir Franco, C 'Sta Aguar, Coeihj de Rezende,
Uaikradt, Mancio Ribeiro e Leitio da Cuuha.
Sead,>riH : Castro Carreira, Jaguaribe, Corris,
e Taunay.
O Sr presidente suspende a sessio al a hora
designada para a abertura da segunda sessio da
actual legislatura.
A' 1 hora da tarde, constando a chegada do Sr.
ministro proseguio a sessio e o Sr. presidente
convidou a deputacio para re^bel-o porta do
sali, a cujo mei > tendo chegado, levantou-se a
assembia, e depois de baver ell tomado assento
direita do Sr. presidente, em cadeira igual, disse :
Augustos e dignissimjs Srs. representantes da
naci.
ua Magestade o Imperador ordenou que me
fosae expedido o decreto do theor spguinte :
L/ecreto
Achando me imposibilitado dt compareee* nes-
EOalmente abertura da segunda sessio da vig-
sima legislatura da asaemhla g- ral, hei por bem
autorisar para este acto o Bario de Mamor, de
meu eonsellio, senador do ixperio. ministro e se-
cretario de estado djs negocios do imperio, que
assiin O i X' cutara
Palacio do Rio de Jadeiro, em 30 .i ibril de
1887, 66 da independencia e do im erio. Com a
rubricada S. M. o ImperadorBaro de Cote-
gipe.
Em virtade desta autorisacii e em seu cumpri-
mento, passo a ler-vos a falla da aber'ura da 2
sessio assignada por S. M. 0 Imperador.
E logo o Sr. ministro lea a Falla, que, publica-
rais, no dia -1 d> correase.
Terminado este acto, retirou se o Si. ministro
com as me3inas formalidades com que fra intro-
Juzi io e lojmedjotamente o Sr. presidente levantou
a sessio.
No da 4 foi eleita a mesa, que ficou cono-
posta dos Sra. ; C.nde d" Baepeody, presdante :
Caiisansao de. Sininib e Crus Machado, 1" e 2o
vice presideutes ; Bario de Mamanguap1, God y,
Qom s o'o Amaral e Amaial o Paula Pesaca, i",
2o. 3" e 4o secretarios.
Foram em seguida elcitas as coramid-oes d r s-
posta a falla do thron', constituicio e diplomacia,
fazenda, 'egialacao, marinha e gu rra, c mmercio,
agricultura, industria e artes, e emprezas privile
giadas e obras publicas.
P r falta de nuxero dcixaram de ser eletas as
deme.is c mmisees permaneatcs, lia vendo o Sr.
2* vico-presidente, que eutio oceupava a cadeira
da presidencia, resolvido que nao tiuba lagar a
issio do parecer para que sejam re : 'uue,-i ios
tre3 senadores, contra a cpiuiio que neste seutido
exrara o Sr. Ignacio Martins, fallando pela or-
dem.
No dia 5 o Sr. ffonso Celso requereu que se
invertes.-e a or-em do dia, afim de seiem disenti-
dos, em primeiro lugar ts pareceres sobre recouhe-
cim uto de tres sendures ; mas o Sr. presidente
clmittio o requerimento.
A pedido do Sr. Lima Duarte resolveu-se una
nimrn'e que na acta da sessio f sse lancado uui
voto de profundo pezar pelo passamento dos alus-
trados senadores os Sis. Jote Bonifacio, Marnnh
Campos, Voia > Luiz Carlos.
Setuio se a e icao das tommissoes de inslruc
ci publica e negoeiis (-eclesisticos, saude publi-
ca, redaccao das leis, estatistica, catechese e colc-
nisacao, assemb as provinciaes, p-nsio e ordena-
dos, e orymeuto (es'e de sete membros )
S*m debate foram approvadog os pareceres so
bre as etwotWa a que se proceden as provincias
de Minas-Geraes e Rio de Janeiro, e d clarad s
senadores os Srs. c inselheircs Candido de Oiiveira
e Francisco Belisario.
Entrn im discusso o parecer sobre a eleicio
do Sr. conselheiro Prado, pela provincia de S.
P u'a, e iraram, oSr. Ignacio Martins, que man
dou mesa um requerimento, Joao Alfredo, Cr-
rela e, por ultimo, o Sr. Ignacio Martins, que re-
queren e obteve a retirada do seu reque-imento.
Foi approvado o parecer reconhecendo sena-
dor do imperio o Sr. conselbeiro Antonio da Silva
Prado.
A sessio do Senado comecen no dia 5 pela lei-
tnra de urna preposta do Sr. Diogo Velho, para
qne urna commissaV) se dir ja a S. M. o Imperador
e o felicite em nome da Cmara vitalicia pelas
melhoras do seu estado de sade e lhe assegure os
votos que ras essa Cmara pela completa extinc-
cio da pertini.1 enfermidade.
Apoiada a proposta, o Sr. Cruz Machado, presi-
dente, nomeoo para essa commiesio os Srs. Diogo
Velho, Lafayette, Barros Barreto, Taunay, Cor-
reia, Lniz Feiippe e Parauagni.
Antes de entrar-se na 1* parte da ordem do da,
foram acompanhadoa ao recinto pelos Srs. Octa-
via no, Saraiva e JoSo Alfredo os novo* senadores
Candido de Oiiveira, por Minas; Francisco Beli-
sario, pelo Rio de Janeiro, e Antonio Prada, por
S. Paulo, que prestaran, juramente e tomaran as-
sento.
O Sr. Octaviano interpellon o governo a respe i-
to da necessidade de completarse o gabinete ;
respondn o Sr. presidente do conaelbo, e o Sr.f-
fonso Celso fes alga mas observafSea.
c asmara dos Deputados
No di 4, depois do expediente o Sr. Alfonso
Celso Jnior apraaenton o seguinte projecto :
A Assembia Geral resol ve :
Art. 1. Nenio declarados livres, desde a data
da pramulgati desta le, todos os escravos ma-
triculados no iranerio:
1. Os iihMsfss por virtade desta dispositjio
ficam abrigadas i pnestacio intransterivel de er
vicos nos seus ex-senhores, pelo prazo de dous
annos.
Desta disposicio exceptuam-se :
g 2." Os que remirem-se d'ella por pagamento
em dinbeiro, nio podende n'este caso os servicos
pela totalidade do prazo serem estimados em quan
ta maior de 500, e continuando em vigor para o
effeito d'esta estimacau a processo de avaliacii
estipulado no regulamento u. 5,135, le 13 de No-
veinhro de 1872.
3." Os maiores de 30 annos o os que, no de-
curso do prazo indicado, foiem attingindo a essa
idade. qne dar direito ao goso immedi.to da li-
berdade.
A idade para este effeito ser determinada pela
matricula, s se admittindo prova em contrario,
quando esta fr em favor Ja .iberdade.
4. Os casados, desde que um dos conjuges
desaoera-se da obrigKC&o de servicos por qualqner
dos meios estabelecidos aesta lei. Havendo filhus,
estes, quaesquer que sejam as condicoes em que se
ac-h m, acompanhariu seus pas.
| 5." Os libertos durante o periodo da presta-
cao de servicos, teem direito a salario, alm de
vestuario, alimentacao e tratameuto em suas en
tenuidades.
6 Os ex-?enhores que nio cumprirem as
obrigacoes impostas no paragrapho antecedente,
perdern o direito aos ditos sei vicos.
7." As taxas e rendas destinadas ao fundo de
emancipafio serao einpregadas em estabelecimen-
ios de ensiiio prufissicnal para os ingenuos, e em
asylo para <>s libertos valetudinarios e invlidos.
Art. 2." Revogam-se as disposicos em contra
rio.
Piocedeu-se em seguida a eleicio da mesa, sen-
do eleito presidente o Sr. rndrade Figueiraj que
pedio escusa e lhe foi negada. Insistiudo, foi elei-
to presidente o Sr Gomes de Castro. Para vice-
presidentes foram eleisoB, Io o Sr. Rodrigo Silva,
' o Sr Castriato e 3o o Sr. Lucena, secretaria
u Sr. i.oelho Rodrigues, nao se clegendo o 2o por
falta de numero.
Ni dit 5, o Sr. Presidente, dtpois de lido o
pr jecto cima, declarcu qne ia consultar a Cma-
ra, se devia ser julgado objtcto de deliberacio.
O Sr. Andrade r'igu.-ira requereu e a Cmara
coneedeu votacio nominal.
O Sr. Matta Machado ^pela ordem) observando
|iie se aehav na anti-sala o Sr. c.nselbeiro Ma-
eiei, deputado p.-io Rio Grande do Su', pedio ao
--. presidente parri que, antes da votacio nomi
nal, fiase S. Etc. convidado a prestar juramento.
i) Sr. presidente convidan os Srs. 3o e 4 se-
cretarios para d^rem ingresso no sali ao Sr.
Maeiel, o rual foi reoebido, prestou juramento e
i assento.
Proced nominal.
Responderam nao os Srs. Cruz, Lfio da Cu-
uha, Silva Maia, Dias Carneiro, Tarquinio de Son-
sa, .loio Manoel, Carneiro da Cunha, Soriano de
.louza, Maaoel Portel la, Tli;odoro da Silva, Loo-
renco de Albuquerque, Oiiveira Ribeiro, Coeiho
e Campos, Freir de Carvalho. Americo de S>uza,
A'--cioli Franco, Fernandes da Cuuha Pilbo, Costa
Peri ira, Fernandes de Oiiveira, F. Bplisano,
Coelh) de Almeida, lez-mat. Alfredo Chaves,
Laeerd* Werneck, Andrade Ftgneira, Cunha
fj-itao, ('hristiauo da S'!va, Olympio Valladlo,
So tren, P-'dro Branda-;, Culos Piixito, Antonio
Prad i, Almeida Nogueira, Rodrigues Alvea,
Daarte de Azevedo, M-.rcondes Figueira, Eufrasio
Jorreia, Pinto Lima, Paulino Chaves, Bullid m
Carvalhje Btrao da Villa da Barra (41).
R'soonderam sim os Srs. Passos Miran 11,
Mancio Ribeiro, Costa Aguiar, Joio Henrque,
Coeiho Rjdrigucs, Coeiho de Rezeude, Torres
Portugal, Alencar Araripe, Bario de Ctoind,
Rodrigues Jnior, Jos Pompeu, Ratisbona, Ja
guaribd Fdho, Alvaro Camiuha, Paula Primo,
Felippe de Figueira. Jo venci de Aguiar, Bento
Ramos, Olympio Campas Lemos, Candido de
Oiiveira, Affonao Penna. Masearenbas. Paci-
fico Mascarenhas, Joio Penido, M. ntandon, Ma'ta
Machado, AtFooso Celso Jnior, Alv--s de Araujo,
Fernando flackmdt, Seve Navarro, Maeiel e Can-
to (33).
O projecto nio foi julgado objecto de delihera-
cao.
O Sr. Presidente nomeou para comprimentar
Sua Mag stade o Imperador e manifestar-lne os
votos da Cmara dos Srs. deputados pelo seu
pronocta; porqnapto, nio indicava os meios pra-
ticos de levar a effeito ou ser realisada a emissao
das novas acedes.
O Sr. conselheiro presidente declarou qne exis-
ta sobre a mesa nma proposta sobre os alludidos
meios praticos; mas, que nio Ibe parecendo ra-
soavel que se discutase oa meios praticos da emis-
sio aem que primeiramente fosae resolvida a con
veniencia desta e autorisada, por isso nio posera
as duas propostas em disenasao ao mesmo tmpo :
alm disso a primeira proposta implicava com a
organiaacao social da companhia, e que a segunca
era urna questio apenas de expediente e um mero
modo de execucio, maa que nao tinha duvida de
pol-aa em discusso conjuactamente, e que at
proporciona va meios de simplificar qalquer dis-
cusso.
O aaeretario passou a ier a seguinte proposta
firmsMa por 28 accionistas :
FaBjntaos que a emisado das novas aeces para
augasento do capital social faoa-ae as seguiotes
condicoes.
I* Por sobseripcio publica e franca, a preco de
canto e cincoenta mil ris, actaal cotaco da pra-

2* O pagamento da emissao dever ser em trez
prestacoes; primeira, de des per cento no acto da
inscripcio; Segunda de cincoenta por cento duran-
te trinca das snbseqaentea ao da subscripcio ou
inscripcio ; e terceira de quareuta por cento no
correr de noventa dias contados do da da subs-
cripcio, perdendo o subscriptor o direito as entra-
das realisadas, se por ventura nio effectuar o pa-
gamento integral nos presos determnalos.
O posauidor das n-vas aeces tei direito ao di-
videndo contado do primeiro de Maio do corrente
anno.
Assim harmonisamos nosso modo de pensar com
a lembranca da digna commiesio fiscal.
Recite, 18 de Abril de 1887.
O Dr. Pitanga pedindo de novo a pa'avra disse
que considerava deficiente, incompleta, a exposi-
ci justificativa da proposta, procurou dualisar
alguna dados dos clculos do futuro d.. companhia
e combateu os meios praticos propostos.
O Dr. Jacobina, director secretario, usando da
palavra disae, que a exposicio justificativa da pro-
posta poda peccar por excesso de detalhes, de
particjlaridades, e nunca por deficiente ou incom-
pleta, e misfrou a exacridio de sua assercio pela
apreciacio de alguns pontos : pissando ao depois
a respmder a tonas as duvidas apreaentadas pelo
anterior accionista
Pedindo a palavra o Dr. Ignacio Joaquim offe-
receu a seguin'e proposta ; assignada conjuncta-
mente com o Dr. Pitanga, para ser submettida a
votacio no caso da approvacio das anteriores:
Proproos que se passar o valor da emissio por
lOOOO, que se abra logo a inscripcio entre os
accionistas presentes.Dr. Pitanga,-Dr. Ignacio
Johquim.
Nao havendo mais quem pedisse a palavra, o
Sr. presidente, passeu a por a votos a proposta da
dir'ct-iria para augmento do capital social, a qua!
foi arjprova la em todo? os itens.
Finalmente foi posta a votos a proposta do L)r.
Pitanga e Ignacio Joaquim o foi regeitada.
Declaro em tempo qie a proposta do augmento
do capital feita pela directora foi firmada no arti-
go 4o dos estatutos qu: previa a necessidade do
augmento agora autorisado.
Nada mais havendo a tratar foi levantada a ses-
Secretaria da Junta Commercial do Recife 13
de Maio de 1887.
Cidade do Recife, aos 13 de Maio de 1887.
Em f da verdade. O secretario, Julio Augusto
da Cunha Guimaries.
REVISTA DIARIA
Ej secretario da a-sembla geral lavrei a pre-
sent .
Lus Vfanovl Rodrigues Valonea.
Joa B-'rnardo Galvio Aleoforado.
Ceciliano Mam-'de Al ves Ferreira.
Aurelio des Santos Coimbri. por ai r aeu3 filhos
Amalia Cambra. Amanen Coimbra, Alberic
.'nimbra e Arcina Coimbra.
Joaquim Duarte Campos.
O uno tu;or de Mara Joaquina uarte Campos.
Joaquim Duarte Campos.
Joao Jos Marque".
Antonio Jos de Oiiveira Campos.
Jos da Costa Maia.
Por procuraeio Antonio Jos de Oiiveira Cimpjs
Francisco Gurgel do Amaral.
Por procuraeio Manoel Tavares da Costa Ri-
beiro.
Jos Albino de Abreu Cardoso.
Jos Albino de Abreu Cardoso.
Antonio Augusto doa Santos Porto.
Por procuraeio de meu filho Antonio Augustedos
Santos Porto Filho
Autonio Angustodos Santos Porto.
Manoel Jos Machado-
Joio de Oiiveira.
Antonio Josj Coimbra Guimari}3,
Augusta Candida Gomes C timbra.
Por procuraeio Luiz Jos de Oiiveira.
Por procuragao de Custodio Rodrigues de Oii-
veira.
Antonio Jos Coimbra Guimaries.
Joiquim Olintho Bastos.
Por procuraeio Manoal Jos da Silva Guimaries.
Antonio Augusto de Almeida.
Por p.ccuracio de Emilia M. de Amorm.
Antonio Marques de Amor'm.
Antonio Joio do Amorm, por si e seus filhos,
Maria Phlomena de Amorim, Angelina Amorim
e Antonio Joio de Amorim Jnior.
Triase amnlveraarloHontem comple-
tou-se justamente um anno, que falleceu na ccr-
te e nosso distincto comprovincisno, Dr. Antonio
Francisco Correia de Araujo, que representava
entio esta provincia por ter sido eleito deputado
pelo 3 districto.
Ainda se conserva no animo dos seus amigos a
dolorosa impressao, qua causou a inespe da no-
ticia do seu pajsamaoto, qua to rudemente cortou
as bem fundadas esperancas que esta provincia
nutria acerca do patriotismo o servicos de um dos
seus distnctos filhos.
Anda hontem resa'am-se missas.por sua alma
na matriz da Boa -Vista e amanhi de novo se re-
zario outras.
Amniriaeno dos Func-ionarlo Pro-
vinciaes de l'ernambuco-Por ser hoje
dia santificado raalisar amantii esta Associa-
cio, as 5 1)2 horas da Urde em sua sede ra do
Imperador, a assembia geral do corrente mes.
Ter de tratarse de negocios de interesse
para o funeci onalismo.
Mei se O utubroDistribuio se hontem o
n. 8, do 5- anno deste quinzenario, .irgio da As-
sociacio dos Funccionarios de Pernambuci.
Morte de alieaitdaFallecen antehon-
tem na enfermara da Casa de Detenoao a alie-
nada Sennorinba Capitulina Machado Revoredo.
Vacada Ante-hontm no 1 districto da
Boa Vista e no quadro de Sebastiio, acbando-se,
em casa de urna mulher qu-s all mora, Francelino
dos Santos Sooza, conhecido por Franca Capio
foi teiiio por urna tacada na cana thoraxica que
lhe deu Manoel Augusto Vieira, conhecido por
Manoel de Abel.
Da vistoria a que procedej-se reconheceu s
ser grave o ferimento.
O ienqueate evalio-se e o terdo foi recolhido
ao bosoicel Pedro II.
instituto 4 r!i"->l<.Kco e (.ciira
pliicu 1-i-iinuiliucano Q.iinta-feira, 28
do Aoril, 1 horada tarde, reuuio-se o Instituto
em s. ssio ordinaria, sob a presidencia do Exm.
Sr. comeiheiro Pmto Jnior, com asistencia dos
Srs. Drs. Ignacio J.aquim, Cicero Peregrino,
monsenbor Arcoverde Ctva^caute, Baptis'i U -
tjue'ra, 1" secretario, Jos Hygino, Lopes Macha-
do e Ferrer, Angorto Costa, Augusto Cesar e ma-
jorca CnTa e odeceira, 2o secretario.
Lda, toi approvada a acta da suss.io antee'
dente.
O Sr. Dr. Io secretario declarou que ein vista
de que haVla resoivido u Instituto ua sua ultima
aefsai, retirara o effioio em que tinha solicitado a
a exoocraeai de seu c*rgo, e meoc inou :
Um offico do consocio i)r. Joaquim -'ortella.
fi'crtand O livro um que r-i lavrnda aceta
instali.ic;! o original a respectivos estatutos e
ooros documentos re vos k sociedade de
cuitura que ostall i i: ta cdado m 1857.
i'e.O C Oloocio :n ; ,'i!L XI vol, : I
naes i-i l>i il t!i ea "aci il dn lio de Jaiieii ,
-ei'i i-s do Ob iro Laperin I d Ri
de Janeiro, um are iro que pertenceu :t Fr.
c.i e urna mu ta li e ibre.
P Ei n Sr. bi a I :ir i com n in lante -
mas Clnrl'ido de, Qi r z, por intermedio du m
mo consocio inajoi Cintra, 1 volInformaco.fs re-
as ao regiment ue lnha do Reci e, n. 2, c. tn-
prehei.'l> n 1" os anuos de 1802 t 1813.
Pelo sr. E. Dufoss i folheto -Ainericaua Uul-
letiu du BouquiuistcAmercain .t colonial >
Sen !.
Pelo Sr. Andr C. de Carvaiho, 4 meedus de
cobre
Pelo i!>r. Temuleio P de Albnquerque Mara-
i.li.i., u;n grande pente de tartaruga
Pelas respectivas redC',oj3 diversos j rnaes o fabiico de assuc.ir, dancto-s
desta e de outrus provincias. meu;acoea projectadaa em larga en..-..|H. IVndo
Passando-se a ordem do dia e nio tendo a cm- sido couvidado o Sr. Dr. Frederico Mauricio Drai-
missio de contss mandad > ainda o orcamento! nert, lente de technologia ua escola agrcola da
com o seu parecer relativo ao corr-nte anno s>- Baha, para assistir s raesmas experiencias, ri-
cial de 18871SS8, lida e p'sta em discusso a fortnam nos que o Ministerio da Agricultura aco-
pn posta apreseut .d t por diffdrentes socios para : Iheu favoravelmente a ia licacio do Centro da lo-
que as sessoes do lustituto fossem celebradas dustria e Commercio d.. Assucar para qua algum
uoite. auxilio aeja cjuiedido para realizacaj da viagem
Pedem a palavra em favor da proposta os Srs. que, com squellc uui.u fim, est prouipto o Sr.
Drs. Jos Hygiuo e Ferrer e mij >r Cintra, e cou- i raeuert a effectuar.
tra os Srs. Drs. Cicero Peregrino, Lipes Macha- Este professor dedica-se a mais de 20 anuo-, a
do e Igaacio Joaquim.^ estudo3 especiaes acerca da cultura da canna e
Encerrada a discussio foi rejeitada a referida I fabricacic do assucar, tendo publicado a respeito
propos'a, deliberando o Instituto que continuas- | desta especiulldade varios trabalbos valiosos. O
sem as sesso.-s a ser celebradas !ura do costu- i Sr. Draeuert tambem autor de numerosas obser-
me, a sendo prot.usto pelo Sr. Dr Cicero para I vacoes climatologicaea relativas distribuiclo tas
que se determmasse precisamente a hora resolveu I chuvas em varias zonas do Brazil.
gativa, differentes documentos, quadros estatisti-
cos e cutres esclarecimentos organsados na se-
oretaria da mesma cmara.
E' um trabalho de merecimento e de grande
proveito para os que precisarem orientarse acer-
ca do que se pssea na cmara temporaria.
Agradeeemoj.,
Psi otoajrapbia moderna-Brevemente
ser transferida para a ra l- de Marco n. 7, 2-
andar a oficina photographica de D. Hermina
Costo, que por ora acha-se na ra do Bario da
Victoria.
Na nova officina ser esta dirigida pelo bab
phatographo D. Antonio Canellas, quV nio tem
poupado despesas para dar .na cfficina as con-
dicoes precisas para a perfeicio dos seus traba-
mos.
P ral ira niea do crreloAmanhi ter-
mina o praso para inscripcio dos candidatos ao
concurso que nessa reparticio se realisar'para
provimento de quatro vagas de praticantes
aasM.lnaio-No lugar Alaga Grande do
l" districto do termo da Gloria de Coit, na nou-
te de 8 do corrente o individuo de nome Victorino
Fidelis do Nascimente assassinou com um tiro a
Jos Felippe, sendo preso em seguida,
O delegado est procedendo ao inquerito.
O Escndalo '.do asedieCom este ti-
tulo ceoiecou a publicarse nesta capital um ro-
mance brasileiro escripto pelo Sr. Dr. Gaspar da
Silva Ros Jnior.
J se acha venda o 1- fascculo de 16 pagi-
nas,
Agradecemos a offerta qne nos fizeram de um
exemplar.
lie orno de <*. Joao BapliNla-No da
9 do cerrente orgauisou-se no 2" districto da ffe-
guezia de 8. Jos urna devocio do putriarcha S.
Jcio Baptista e procedendo-se a eleiyio da mesa
regedora ficou assim compjsta:
Presidente, Fabis da Costa Pereira de Fariae.
Vice-dito-Tibureio Valeriano das Nevee,
1 secretarioConrado da Fonseca e Silva.
2o ditoEleuteno de Lima dos Campes Esco-
bar.
Procurador geral- Januario Manoel Joaquim
dos Santos.
Io procuradorMariano Francisco da Paz.
2o dito Antonio Matheus de Sant'Anna.
ThesoureiroJovino Bazilio de Sant'Anna.
D. uidores :
Epiph*no Fernandes da Costa.
Manoel Fraueiseo.
Elias doa Sautos.
Joio Jo> de Scuza.
Arthur Bazilio.
Joio Prodines.
Jote Onofre dos Res.
Paatefteiro e doceiro Sr. Argemiro
Pedro Ja Silva, pasteleiro e doceiro, estabeleci-
do, ha cerca de um m-'Z. na ra da Imperatriz n.
54 A, obsequiou-nos ante-hontem com algumas,
amostras dos delici sos manjares que alli prepara
COUl 0 Ul .1 r ;it: i.
As elll oes
i xtaa ten .s nfallive!.
e o va'apa. qu i as
i incontestavelmi ate
prepai los d modo a stt.st zer aos mais exig .-
tes e :i rov )c ir i a ip rire e que a q .
- ej i.
Ni eu:os d lixar l re i ma i r s i
lias n i ., ir. Arg. uiiro, ce: u pie nio se
. i
C i am-nos u seguinte :
li." V o: ; : -
-i' ni.-, i ; iba acad m ea i .'ir il ida A Penna, ^eb
. : ice i ai lemic s Ant. uio Ji s de Ari o
Augus'.: 'arvalh i <
Vapor .J< muO pnquete nacional
rito Santo sahio li ntem .i irde da liahia pira os
portos do sul. Dever c-hegar rqui na tErca-
l'eira.
A UilTuoao no rabrico l< aoonrar-
N'u corn r deste m-.-z dev m .-. r asa itad is no en-
gertho c utral Non Pareil, conjtruid i em U
ra, da Guyana [ngleza, bateras de I ffus para
assucar, dano-se cujioco a exjeri-
rompK-to restabelecimento os Srs. Loorenco de Pela menor Elysa, Antonio Joio de Amorim.
Albuquerque, Duaete de Azevedo, Costa Pereira,
Alfonso Penna e Uackradt.
Prucedvu-se em seguida eleigio do 2% 3o, o
i secrtanos, sendo eleitos os Srs. Cot-kraue,
t'oelho e Campo3 e Torres Portugal, e eleici)
de outros, uio se coucluindo por falta de nu-
mero.
No dia li. foi -pprovada a acta depois de
sicomas observaces dos Srs. Atfonso Penna e
Aftcnso Celso Jnior. Foi approvado um voto de
p-. zar pelo passamento do ex-deputado ^eral Dr.
Candido Gil Castelli -Branco.
Sobre a ultima rec mposi^ao ministerial falla-
ram es Srs. Alfredo Chaves, Alfonso Penna e Af-
fonao Celso Juuior que neese sentido enviou
mesa urna interpellaf;io ao govtrno.
Fortn I idas a prnpestas dp ixicio de forcaa
de trra e mar para 1838 a 1889 e eleitos para as
couimisioes de orcamento os Srs. Coeiho de Almei-
da, Mattoso da Comara, Tdeodoro Maeh.do, Car
los Peixoto, Henrque Rodrigues Al ves, Loureuco
de ..Ibuquerque, Aff-oiso Penna e Matta Macha-
do ; para a commiseio de f.zenda os ts. M nir.iu,
Soaii-s, Araujo Pinho, Dias Carneiro, Carneiro
da CuiJih, Almeida Negueira, J. Penido. Paula
i': m-m e Moniundon.
Nio havendo mais numero para a elercio das
outras coo.mi-bdes, levantou-se a sessio.
PERNAHBGO
t' inpaitlii:i do Bcberibc
ACTA DA ASSEMBLAGEBAL EXTBAOED1NAKIA
Aos 18 de Anril de 1'87, no primeiro audar do
predio n. 71, rui do Imperador d'esta cidade,
>ichundo-se presentes 85 accionistas desta Compa-
uhia do Bebenbe, por si e seus legtimos procura-
dores, representi.ndo 4,lii2 accoes com 649 votos,
como consta do respectivo livro de compaiecimen-
to, o con< Ib. lro Jos Bernardo Gal', io Aleofora-
do, presidente da assembia geral, disse, que ten-
do a dirict.ria da companhia ce nvocano os accie-
uistas para Ibes apreseotar urna proposta para
augmento do capital social necessano para con-
clusio das obras, reuniio que nie effectuara-se,
ni ni no dia 6 do corrente nem era 12, primeira e
segunda convocacio. e tendo-se feito terceira con-
vocacio para o dia de boje, tanto nos jornaes, co-
mo por crtas ; e em vista do que dbpoe a 2' par-
te do 4 do art. 15 da lei n. 3,150, de 4 de No-
vembio de 1882, declarava aberta a sessio da as-
sembia geral.
Eu, Luis Manoel Rodrigues Valenca, secretario
da aseambla geral, proced a leitura da acta da
ultima atsembla geral, de 16 de Juiho do anno
prximo passado, depois do que, foi posta em dis-
cusso, e ninguem pedindo a palavra, foi appro -
vada.
O conselheiro Jos Bernardo G. Aleoforado,
presidente da assembia geral, disse, que o fim da
presente reuniio era deliberar sobre a proposta da
directora para o augmento do capital social, e
como a exposico justificativa da proposta e o pa-
recer da commiseao fiscal, feitos de accordo com a
disposicio do art. 40 do decreto n 8,821, de 30 de
Dezembro de 1882, estavam impressos e distrioui-
dos pelos accionistas, propunba que fosse dispen-
sada a leitura de taes documentos, o que foi appro-
vado.
Em seguida o secretario proceden a leitura da
proposta da directora, para que nos termos do
art. 30, 6 dos estatutos esta assembia geral de-
liberaste qne o capital social ficasse elevado a
l,50u:i>00#, emittindo se para esse fim 3.0U0 ae-
ces.
Sendo posta em disenasao, o Dr. Pitanga pedio
, palavra e disse que considerava incompleta a
Francisco de Paulo Amorim e por miuba mulher
Anna Soares de Amorim.
Jos Joaquim Moreira.
Por prt curacio Anna M. de Amorim,
Anna E. Maia doa Res.
Henrique V. dos Santos Reis.
Manoel V. doa Santos Reis.
Marianna V. des Santos Reis.
Viscondcssa de Valinor.
Maria L. de A. Guimaries.
Victoriano do Araujo Guimaries.
Amorim Irmios & C.
Por procuraeio Carolina S. de Amorim Moreira.
Maria Se.ares de Amorim.
Manuel Joio de Amorim.
Manoel Joio de Amorim,
Francisco C- Rodrigue? Campello.
Jos Maria da Silva Fernandes.
Por procuraeio Manoel Ferreira Barbosa Jnior.
Jos Mara da Silva Fernandes.
Por procuraeio Agostinho Ferreira da Silva Leal.
Jos Albino de Abreu Cardoso.
Poi procuraeio de Manoel Albino de Amorim"
Jos Albino de Abran Cardoso.
Luiz A Ivs de Magalhies.
Manuel Martins Fiuza.
Antonio Bruno da Silva Maia.
vlsnoel Fernandes Velloso.
A. J. do Reg Medeiros.
Francisco Jote dos Pasaos Guimaries.
Por procuraeio de Jos Fernandes Lima.
Passos Guimaries.
Isidoro Bastos de Oiiveira.
Graciliano Octavio da Cruz Martins.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Manoel Joao Gomes ue Amorim.
Por procuraeio da Santa Casa de Misericordia.
Albino Jos da Silva.
Gratu'iano dos Santos Vidal.
Manoel do Nascimenio Pontes.
Joaquim di. Silva Carvaiho.
Por procuraeio Joio de Oiiveira Leite e Bous,
Joaquim da Silva Carvaiho.
Jos Theotonio Magalhies.
Antonio Gomes de Oiiveira.
Autonio de Soaza Oiiveira.
Jos Antonio dos Santos Couceiro.
Por procuraeio de Geialda F. da Boa-Viagem,
Franesc. Canuto de Boa-Viagem.
Victorino Domingos Alvea Maia.
Eugenio Goncalvcs Caeco.
Por minha mulher Adelaida Gomes de Amorim,
Manoel Joio Gomes de Amorim.
Por minha mulher Rufina A. Dias Guimaries,
Sebastiio Copes Guimaries.
Illm. S'. presidente da Meretissima Junta Com-
mercial.
A Companhia do Beberbe, requer a V. S. que
digne-se de mandar certificar se est registrada
n'essa Meretissima Junta a resolucao da assembia
geral dos accionistas, de 18 domes prximo pas-
sado elevando o capital social a mil e quinhentos
c untos de ris, cerno ha va sido autorisado pelo
art. 4- dos seus estatutos.
Nestes temos pede a V. S. deferimento
E R. Me.
Recife, 12 de Maio de 1887.
Cectaoito Mamede Alvet Ferreira.
Director gerente
Certifique-se. Junta Commmercial, 12 de Maio
de 1887.
Miranda Leal.
Certifico qne nesta data fica devidamente ar-
chivada nesta secretaria a resolucao da assembia
o Iustituto que fosse 1 hora da tarde.
Foram propostos e approvaios para socios : ef-
fectivo o Sr. lV. Jos Osorio da Cerqueira e cor-
respondente o Revdm. vigario Francisco Ray-
muulo da Cunha Pedrosa.
O Sr. preaideute lembrou a necessidade de se
Applajdiremos ardentemeute quanto se baja de
fazer a bem da industria saccharma, uio t para
aperfecoar lhe os methdos mas ainda para desag-
graval-a dos encargas a que se .cha brigada, e
que cada vez se Ibe toriutm mais penoso.-. Por
causas muit norrias a industria assucareira est
geral dos accionistas elevando o capital social a I ten do andamento de todos os projectos e parece
al e quinhentos oontos de ris. I rea. disenasao especificada do orcamento e proro
publicar no 1" ou 2o numero da Revista deste an j atravessando no Brazi! crise angustiosa, ua qual
no, as netis e t-dos os trabalhos occorridos no Ius-j desfallecer at quisi suezumbir, abandonados
tituto desde o comeco do mesmo anno, e chamou | que seji'n os factos ao seu curso natural. A ne-
paraesse fim a attenco da respectiva commissio uhuui oul.o paz, mais do que ao Brasil, inte; essa
de redaccao, a quem est incumbida pelos estatu- a questio do m.-thodo apropriad > a extrahir Ja
tos a eacolha desse3 trabalbos. caima a sua mxima riqueza saccharina. Oa po-
O Sr. Dr. Jos Hygiuo declarou por parte da Ideres pblicos nio serio indiferentes a este aro-
redaccio da Revista, que estando quasi impresso o blema de alcance iucalcuiavel para a riqueza na-
1 numero eom a traduccio dos documentos tra- eional.
zidoa da Hollauda, informava que, quando muito Wypliotiia clawlicaMandau a Ministerio
s poderia admitr a publicacao da ultima sessio da Agrunltura ouvir a presidenc i pi ivincia
mgaa e dos discursos nella proferidos; pelo que d Mar^nhio icerca do reqoerimenl i eln |ual pe-
o Instituto resolveu que se publicasse na dita fe- I dirara nermiscii Nerol inda, Irma )s & C. para co-
nista a referida acia com tod s aquellen discursos llher Droduetos da syph-.nii elstica outros
e mais tiabalhos, que i juizo da mesma commis- .ve jotaes nos terreo s Latido situad s
bo podessem ter lugar. j margem direita do n P irn i e a csquerdB do i io
O Sr. prtsidentu lembrou a conveniencia de i Turyass.
desde logo se designare* as peaaoas encarrogadas : Ppo.eNMO de medlco de (errns-
dabiohothecae do mnseu, na torma dos estatutos, A.3 esidencas das pnvinjia, r-xpedio o Minis-
tractaudj--ie tambem da i r'anioacao dos catha- ... .. i
, D ^ v-aiua u.rl0 U;i Agricultura, a b do Corrente, 0 S .: o
logoa de uu,a e nutra cousa. .. '
c>_ i ^ i% r> n aviso circular :
i.m virtude o is'o, c Sr. Dr. Regu-,ira Costa, ps-, ,,,, p. u. r>k, .....~ \- o
. r illm. e Lxm br.i^namo ;i attenco le t-xc.
dindo para qne se suomettesse a discusso e vo-
tacio a proposta que creava o lugar de biblioth -
cario, o Sr. major Codeceira declarou que sendo
autor deaa proposta, a retirava, o que foi appro-
vado pelo Instituto.
O 'r. presidente nomeou oa Srs. mpressores Ju-
vencio Aureli-.no da Cunhaa Cesar, Hermeueiirdo
N. de Azeredo Continbo e Dr. Jos Joaquim Vi-
ves de Abuquerque, para organiaarem o orcamen-
to da deapeza preciaa para a impreasio dos docu-
mentos trazidos da Hollauda pelo consocio Dr. Jo
s Hygmo, e levantou a sessio.
Vapor Tmsum Por telegramma recebido
da ag.ncia de Lisboa sabemuS ter sahido hontem
(13) s 0 h ras da tarde o v*por Togas o qual
esperado em nesso porto no da 23.
Joso da Ciloria Assim se intitula urna
especie de jugo, constantes de nmeros, desde 1
at 90, collocado em forma de e3oiral ; o jogador
que maia depreasa attingir o ulumo numero, ga
iili.i a partida.
O Sr. Manoel J. de Miranda em caja typo-iy-
thographia toi impresas a taboa desse jogg obse-
quiou-nos com um exemplar.
Agradecidos.
A ImmlrrariioRecebemos esse jornal or-
gio da Sociedade Central de Immigracio, e qre
se pub'ica na corte, coutendo o preseute boletim
sob n. 31 as seguintes noticias :
I. Immigracio allemi pelo Dr. Z. Barroso.
II. Einigracio belga.
III. Colonisac&o dirigida pelo estado.
IV. Bodas polacas.
V. Divida de colonos.
VI. Vapor Paraguay.
Vil. Casamento civil.
VIII. Paran.
IX. Transporte de immig-antes.
X. Alfredo Maro.
XI. Bibliographia.
XII. A industria saccharina na Rnssia.
Xill. Consumo e produccio do assucar em di-
versos paizes.
XIV. Meteonlogia. Observacoes em Uberaba.
XV. Sociedade Central de I nmigracio. (Actas)
XVI. Informacoes.Immigrantea dinamarque-
ses.Ncleos coloniaes de S. Paulo Provincia
do Espirito Santo.Movimeuto de immigrantes.
Nova Tba.HaRealisa boje as 7 1|2 horas
Ja noite essa sociedade dramtica o seu espect-
culo mensal, que ter lugar do seu theatro, sito
no caes de Capibaribe n. 40, com a representacao
do drama Luis e a comedia a Santinba de carne e
osso.
Agradecemos a attenco, que para comnosco
teve a sua directora, enviando-nos um convite.
Cmara do* DeputadosRecebemos o
re a torio e synopese dos trabalbos da ca arados
Srs. deputados na sessio do anno de 1886, con-
a atteoc i .
para i. circular de 21 de Janeiro de 1884 que
tratando de alguns recursos, em procesar.-, de ine-
dicio de trras, apreseutados a ete ministerio
em terem sido temados cr termo, reeoannen-
dou a rigorosa obaervaocia dessa formalidade es-
sencial.
Deus guarde a V. Exc..4. da Silva Prado.
fia trenla do ewt-ravoM.L
Jornal do Commercio da corte de 1- do corr< nte :
Aute hoiitciii loram definitivamente encerra-
dos nesta corte o arroiaraento Os libei tos-sexa-
geuarics e a matricula dos escrav a '.'misada
em virtud.; da segunda le de 28 de Setcmbro, re-
ferente ao estado servil.
Dos libertns-sexrtgemrios foram tio lmente
inscriptos 125, tendo sido, portanfo, mu ge-ral a
reuuucia dos servicos a que a lei ebrigou aquelles
libertos a titulo de iudemuise.ci-- da sua aiforria.
D s escravos fisaraui inscriptos 7 4s4, arralados
em 3,185 relacoes, tenio sido 9 considerados de
nenhuui valor p r oli' recei t'tn duvidas nao sanadas
no prazo regulaujeutar.
O exime dos dados relativos populacio es-
crava do municipio da corte indas a ass-gurar
que a coutribui^ao da capital do Brazil para a
obra da emaucipacao tem sido de mais alta va-
lia, j i ittendendu ao numero de escra vos mana-
mittidus, j considerando o preco venal dos escra-
vos. Estatistita orsrauisada c im todo o cuidado,
vista dos livros da antig matricula, deu por
existentes nesta corte, a 31 de Dez-mbro ultimo,
24,602 escravos. do3 quaes :
Do sexo masenlino 11,913
Do sexo femiuino 12,689
Tendo sido matriculados 7,484, resulta have-
rem passado 17,118 condicao de libertos por te-
rem sido omittidoe na inscripcio encerrada ants
hontem. ido que 1,118 escravos se achassem
indevidauente inscriptos na matricula aotiga, por
omissio das declaraces de bitos c de alforrias,
foi de 16,000 o nmn-ro de captivos manumitidos
por effeito da nova matricula.
Desde a ex'cucao da lei Rio Branco tem sido
esta a contribnicao do municipio neutro para a
obra da emaneipacio :
Aif.rrias gratuitas e expressamente de-
claradas a reparticio competente
Alforrias outorgadas pela Xllma. Cmara
Municipal
Acorras tacitaroeute outorgadas por
omistoes da nova matricula
Total
13,866
577
16.000
05
Tendo sido dados antiga matricula 47,084
escravos, e tando se elevado este numero a 54,637
por efleito da entrada e sabida de escravos no mu-
nicipio da corte, verifica-se que mais de metade
da populacio servil da capital do Imperio, segun-
do j ti vemos occasiao de notar desappareceu pelo
:
*'
r IECNH i


ario de r^ruaDibueu~Booiogo 15 de Maio de 188?



inflaxodos aentimentoa philantropicoa da nos
populaco. ,
Itop-rta accreaceotar qae transformado de
16.0J0 eecravos em liberto, nao ia tornoa percep-
tivelaeno pela justa psito eeonfronto dos ele-
meatos eatatiaticoa. A? condtcooa d> trabalho
nada mostrara ter aoffriJo nem a ordem policial
accusoa qualquer alteracio.
Brunlen plateaHa hoje as aegain
tes
Do Ncleo Recreativo Familiar, s 4 horas da
tarde, ein asaembla geral.
Da confraria de Sauta Rita de Cassia, s 10
horas da manh, para cleico do cooselho adra:
nistrativo.
Da irmindade do Divino Espirito Santo, s 11
horas, para eleico de novos fuuccionari s.
Da confraria do S. Jjs d'Agmia, s 10 horas,
para eleicaj de oovoa fuuecionarioa.
-j Amanha:
Da A-.aociac.ao C:minercial agrcola, em na s-
de, s 10 horas do da.
Da contraria do Seuhor B>m Jeaua da Va Sa-
cra, na igraj aa Santa Cruz, s 6 hiras da tardo,
para eleico de n^vos funcciouarias.
Da AsaocHca dos Puneciooari os P.ovmciaes,
s 5 1/2 horas da tarde, em aaaembla geral.
D directora da Sooiedaie doa Artistas Me-
chanicos Liberaes, hora do coatume.
Dlrcrtori da obraa de nmieria
rao doa porloaBoietim meteorolgico do
da 13 de Maio de 1887 :
Lotera dap rovineta Qaarta-feira 18 i forenca que taao inoommodou o aenhor
do correte, a 2 horas da tarde, se extrahir a \iniiqnado pasa seu fias.
1___,.; Aa Sienta _. / C .
1 Barmetro a Oo
Hora-* Ttaao do vapor o a a 3 a
6 m. S2-8 76!)ni53 19,20 93
9 26'3| 761*23 21,13 sa
12 288 760 ">61 21.90 75
3 t. 2861 J59>25 22,26! I.".
6 27-l 759*28 21.32| 80
Temperatura mxima29,3J.
Dita mnima22,25.
Evaporado em 2i horas ao sol: 4,in0 ; som-
bra: 2,-0
Ohuva4,m3
Direeci do veuto : SWdemcia ooitr at 1 hora
e 17 minutos da manha ; E at 10 horas *> 42 mi-
nutos da manh ; ESK at 11 horas e 21 minutos
da maulla- ; SE e SSE alternados at 4 horas e 6
minutos da tarde ; SE at meia noite.
Calmara durante 2 horas noite.
Velocidad? media do vento : 1* 22 por segundo.
Nebnloaidae media: 0.35
i> iletim do porto
18 parte da 4' lotera, eaa beneScio da Santa
Casa de Mieeric-rdia do Recife, no consistorio do
igieja de Nossa Sanbora da Conccico doa Milita-
res, onde eatarlo exppatss as arma e aa esphera*
a apwciacj do pubtieo.
Latera da cdrseA 201 lotera da cor-
te, pelo novo plano, eujo premio grande d------
3O.-OOOW00O ser eatrahida no dia .. do cor-
rente. ,
Os bilhetes acham-se venda na praca da In-
dependencia na. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da Por-
ua ra Primeiro de Marco n. 28, de Martina
Fiuxa & C.
botera do rao-ParaA lotera desta
provincia, pelo novo plano, cujo premio grande
40:1100*000, aera extrahida no dia 21 do fr-
rente.
Bilhetes venda n* Casa do Ouro, ra do ta-
ra da Victoria n. 40 de Joao Joaqaim da Costa
Leite
Tambem achom-ae venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23, de Martina
Fiuza & C.
Lotera da propnelaA 18 parte da
4' lotera em beneficio da Santa Cisa de Miseri-
cordia do Recife. ser extrahida quarta feira 13
do corrente, s 2 horas da t irde.
Os bilhetea garantidos acham-se venda na
Casa Feliz na pr,.ea da Independencia na. 37
e 39.
Tambem achara ee venda na Casa da Fortuna
ra Primeiro de Marco ,n. 23 de Martina Fiu-
za& C.
Lotera da ParabytjaEsja lotera cujo
premio grande de 20:0004000 ser extrahida no-
da 20 do corrente a 3 horaa da tarde.
Oa bilhetes acham-se venda na Casa do Ouro
ra do Baro da Victoria n- 40 de Joao Joa-
qnim da Costa Lefte.
Lotera da provincia do Paran
A 13 lotera desta provincia.pelo novo plano, cu
jo premio grande de 15:000*000, ae extrahir
no dia 17 de Maio.
B:lhtes a vonda na Casa da Fortuna, rna
Primeiro de Marco n. 23, de Martina Fiuza & C.
Lolerla de alagoaaA 16 parte desta
lotera, pelo novo plano, cuj j premie grande
de 15:0004000, ser extrahida do dia .. do cor-
rente.
Os bilhetes acharas venda na Cas* Feliz
praya oa Independencia na. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da Fortu
na ra Primeiro de Marco" nd 23, da Martinj
Piusa & C.
Poderia eixar easa missXo para o mo.
fineiro, que, ae tivesse siguas sentimentos
nobres nio stirsva podras a telbados
alheios, quando tem os seus do .vidro to
loo.
Nao colbo tambera a invencao sobre a
grande lotoria desta provincia, cujo pUno
fui approvado devidamento pnr anto do
poder legislativo onde ficou estipulado o be-
neficio, e esa i L-i nao ioi anda derogada.
Nao ser feiu a 2* extracelo no dia 7
de Maio, como j raandei annunciar e pro-
venir meus gentes porem o sei em bre-
ve, e para o que opportunamente annun-
ciarei o dia certo.
Tambera nao exaoto que eu man le
vender bilhetes por mais de seu valor.
Qui.n.o s demais b 11 zas era qui sou
chamado de mentiroso; homem de m f e
tuti quanti du maligno fermentou ni cere-
bro do motinista, sao mimosas e arjmati
cas Aires, proprias tSo sonunt) do jardira
que as produzio, e para onde as davolvo
com toda a sua dalguia.
Maeei, Io de Maio de 1837.
Manoel Jos de Pinho
lula particular
mos referir certos tactos que estabelecem a
rerdade da nossa affirmajo.
Ha carca de dons annos, ama das se-
oras raais bellas de New-York, abando-
nada pelos facultativas era um caso deses-
perado de tisica (pois era este o noine que
os mdicos davam molestia) julgava-se
condemnada a morrer. Os paia da doente
resolveram lvala a Paria, esperangados
em que, na capital de Franca, a Faculda-
de descobriria algura remedio contra o mal
que ameojava a vi la da joven senhora.
Esta esperanca nao se realisou, maa feliz-
mente em Paria os amigas da moribunda
ouvirara fallar de um novo systeiua de tra-
tara-nto aioptalo prraitivara;nt! pelo3
Shakrea do Monte Labanoo, no Estado
'de New-York e empregado depoU p^r ou-
tras peBsoas cora um xito extraordinario
em muitos caaos de Dispepsia. Aos p:iis
da infeliz pareeeu qne era possivel que a
doenya que affligia aua filha poderia talvez: em diante em sua r
denominar-se Dispepsia ou lndigestao, e I Cruz n 1.
nao a Tidica que tanto teraiam, e abriga-
vam a esperanca de que, em tal caso, 8e-
Coreo completo de primeiras lettrarpsara ambos
oa aexos (em aaiaa separadas), coaipreheadendo
trabalboa de aguiha para o aexo femiamo, e os
preparatorios ao novo prsframoii para o mise
lino ; na ra do V8cond de Albujuerquo uu
mero 26.
Dr. Col) L)
Medico, parteiro operador
Hiiidencia ra Bardo da Viciara n. 15, 1 andar
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consulta* das 11 horas da mana s 2 da
tarde.
Attende para oa chamados a qualquer ora
teiephone n. 449.
Dr. Gnrin Lits
heoico
Tem o aen escriptorio ra Duque de Caxias
n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta h ira
ra da Santa
Pra mar
ou Du
baixa mar
11. M. 13 de Main
P. .
B. M. 14 de Maio
P. M. a

II'j ras
3 5 da tarde
930 manha
Altura
O,"!;*
1,">95
sueiie cttec uar-se-aao:
Amanh :
Pelo agente Giismao, ra do Mrquez de
Olinda u. 19, de 1 piano e movis.
Terca-feira :
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas de
ront'1 a'A'fandega, de 180 saceos com fejo.
Pelo agente Brito. s 10 1 '2 horas, ra do
Fogo n. 18. de movis.
Quarta-feira :
Pelo agente Burlamaqm, s 11 horas, na ra
do Imperador n. 22, de predios.
Pelo aunte Brito. s 11 1/2 hiras, rna do
Pedro Aff-raso n.43, de urna obngaeao de 6:0)0.
Pelo agente Cusma s 11 horas, na ra da
Aurora n. 109, de movis, vidroa e plantas.
Mlaaa fnebre*.Serio celebradas:
Amanha :
A's 8 horas, na igreja de ti. Fr-iaeisco. por al-
ma de Luiz Carlos Peieira do Araujj; s 7 1/2
horas, no conveuto do Carmo, pela al.na de A'ito-
nio da Silva Rumos Neves ; na matriz da Boa-
Viata. aa 8 1/2 da m mn.- por aira i do Dr. Anti-
nio Francico Correia de Araujo (Io auniversa-
rio.)
Quinta fcira :
A's 8 hras, na miiriz da Bia-Viata, por alma
de Julio Porto Carrei-o ; a 6 1/2 horas, na igreja
do Terco, por alte-, de Capuulin > Jacintho Pavo.
Pawaaffeiro*'Jhegados dos pnrtos do sul
no vapor inglez Trent :
Artnur Wiliiaui Sauudrea, Francisco B irbosa
Bezerra, Pasqual Massico, Anh'ir Carlos de
Sampaio, Alberto Dimz, Joao Luciano Pereira,
duard llorn ni, Emilio Garai, Alexanaer L.
Black ford.
Sabidos para a Europa no mesmo vapor :
Th. Hopper, Damelli Adolpho, Danielli Fran-
cisco e uin ri.li Doraenico Antonio, Jos C. de
Nicola. Boxhara, A. B. (Jhewy, Soell, 2 filhos e
1 criado, Jos Mara de Carvalho e sua familia,
Augusto M. e aua senhora, HjWard Fitoher, An
tomo Jos Ferr-'ira Monteiro, sua aeuhora, 2 fi-
lhoa, 2 cndo3 e 1 cunbada, J. Kivanagh. Wil-
liam Hughtr, Firiuino Gomes da Costa, Jo Bap-
tista P.r-ira de Souza, sua senhora, fibos e 1
criada, Victorino F. Rodrigues da Silva e sua se-
nhora, Luiz Antonio Siqueira, J. A. Tnom, aua
senhora e 2 flhos, W. W. Ribilliard e asu s-
nhjrj, Mine. Blandin. J. P. H., Dusnure e sua
senhora, A. Poblman, Robert W. Challan, Th.
Heren,-Antonio Ferraira Pinto de Magalhaus, Jo-
s Lopes Machado, Jos Viriaaimo Marques, Ame-
lia dos Res Lima. Pedro Antunes Alves da Sil-
Va, J. J. Th m, Autinio Pereira Gomes e 1 cria-
do, Autonio Joaquim Baptista, Jos Augusto de
Sampaio, Eduard Patn e 1 filho, tW. Lae, W.
R. White. A. Dewey. J. O. Connor, J. Ferris, J.
Grady, Autonio de Souza Martina.
It Sabidos para Fernando de Noronha no va-
por Giqui :
Alteres Jo Soarea de Mello, cadetes Ferreira
Lobo e Senlindonio Lina Caldas, aua senhora e 1
filho, Uuibelina da Coata Soares, Josepha Mara
da Conceico, Manoel Jos Maris (sentenciado),
Joauna Mna da C ,no-ico e 2 lhos, Jos Luiz
Carlos Tavares, Joaqu'm Pinto de Almeida J-
nior e sua senhora, Frracelraa Cecilia da Silva, 3
filhos, 15 pracaa, 3 mulheres, 3 filhoa de urna das
pracas, 10 detentoa berib;ncoa, 7 aentenciadoa.
Caaa de BetencoMovimento doa pre
sea da Caaa de Detenco do Reeife no dia 13 do
corrpnte :
Exiatiam417 ; entraram 10; sahiram 13Exis
tem 414.
A 8aber :
Nacionaea374 ; mulberfa 6 ; estraogeiros 14 ;
escravos sentenciados 6 ; idem procesados S :
idem de correccio 12.Total 414.
Arraeoados 384:.
Bona 360 ; doentea 21.Total 384.
Movimento da enfermara.
Tiveram baixa :
Braz Jca da Silva.
Candido Jos de Oliveira.
Gustavo Adolpbo Cardoao Pinto.
Manoel Bernardiuo de -ouza.
Teve alta :
Francisco Cynaco Marques.
Fallecen t
Senhorinh Capituliua Machado Revoredo.
Lotera do ParaEis os premios da 6
lotera do Gro-Par extrahida em 14 do cor-
rente :
1163 40:000*000
6612 5:000*000
14126 2:000#000
4853 1:000*000
Esto premiados com 500* os dona nmeros
qne se seguem :
13448 14067
Esto premiados cem 20)* :
824 1266 2037 6212 8308
Esto premikdoscora 100* :
602 1446 4991 6843 12352 12714 14454
15333 16429 1770o 195*41
Approximacoes
1162 400*000
1164 400*000
5611 50*000
6613 50*000
14125 30*000
14127 SOMK
O-i nmeros de 1101 a 1200 eato premiados
com 40* excepto da sorte grande.
O* nmeros de 6601 a 6700 estao premiados
coa) 20* excepto o da sorte de cornos.
Todas aa centenas terminadas em 68 eatio pr -
miadas com 10* 10-lusive a da sorte grande.
Todos os una- roa terminados em 3 esto pre-
mUdue com 5* inclusive a d* oree grande.
A 7 l.teria ter rogar no dia 21 de Maio
i 01 preter vilmente. 1
PIJBLKMOES A PEDIDO
Ao publico
L^ndo o Diario de 6 do corrente deparei em sua
Revista Diariacom a noraeacao de Feliz Ba-
ptiata dos Santos e Joaquim Tenorio da Silva, este
para 2." e aquelle para 3." auppientes a subdele-
gaba da S. Joao dos Pumbos 4." districto da co-
marca da Victoria.
Sorprehendeu-me bastante a int^rvencSo do meu
n uno nesta folha cargo que nio desejo oceupar
anda mearao'qne fosse consultado. Seria para
mim muito desairoso, sendo morador neste distri-
cto, dentro da povoacl >, eleitor votante deaje
1884, e 4. juiz de paz do referid) distncto, oceu-
par um cargo de 3." supplentc que ae cha quera
de minha poaicao, lato descer de ninha diguida-
de. Quem quer que aeja que se lerabrou do meu
humilde oome para tal cargo frna oa fructos de su t
le nbranca. Desde j agmdeco a remessa. Aiu-
li mais o 2. supplente nomeado Joaquim Tenorio
du S va alm de nao aer eleitor, e morador em
Meringabas urna legua distante deste povoado.
Do qu fca dito conheca o resp'itavel publico
que nao pedi nem aceito a referida iK:m"acao.
S. Joao dos Pombos, 7 de Maio de lbS7.
Flix Baptista dos Santos.
Sociedxle Recreativa
tilde
Inven
Dueameato Importante (5)
Dia a dia vai augmentando o consamo do Pci-
toral de Cambar, o remedio soberano pra as mo-
lestias do pi-ito e que tao brilhantes provas j tem
dad 1 da aua grande eficacia.
U jornalismo de quasi todo o Imperio nao tem
deixado de elogiar este excellente preparado ; a
sciencia conaagrou-o eloquentemente, por meio de
atteatados valiosos, firmados por illustres apost-
los da medicina; o povo, casa grande torca que
repreaenta a voz de Deua, tem prestado as mais
eloquentes provaa de reconheeimento pelos benefi-
cios prestados humanidade pelo Peitoral de
Cambar.
E asaim devia aer; porque nada mala digno dos
elogios da imprensa, da consagrai;o da sciencia e
da gratido popular, do que aquillo que se destina
cara das enormidades que maisafBigem e maior
mal causam humanidade.
Acabamos de lr nos tres mais importantes e
conceituados jornaes da corte, o Jornal do Com-
mereio, Paiz e G'izeta de Noticias, urna eioquente
prova do que levamos dito, prova que vem juntar-
se a muitas que j teem sido publicadas.
O Exm. Sr. Baro de Aveliar Resende, impor-
tante tazendeiro, proprietario da fazenda de Mat-
to-Dentro, na estrada de ferro Leopoldina (eata-
co de Santa Isabel), que liga o Rio de Janeiro
provincia de Minas Geraea, dirigi se, pela ira-
prensa, ao descobridor e preparador do Pora
de Cambar, nos termoa mais lisongeiros, que con-
stitue um valioso e importante docuaento, cuja
le tura recommendamoa a todos quanto se inters-
sara pelo bera estar da humanidade.
Eis o documento :
Illm. Sr. Jos Alvares de Souza Soarea.
Atacado de nma forte rouquido, e ecm ter tido
a livio algum cora o uso de muitos medicamen-
fus receitado8, experiroentei o aeu xarope, Ph-
tobal de Cambar, e em poucos diaa a molestia
" cedeu completamente.
Depoi8 d'es'e facto tenho aconaelbado a di-
versas p ssoas o seu remedio, e todas teem lo-
grado ns melhores resultados. Queira, pois, re-
cebi-r miuhas sinceras feliciUcoes.
Bardo de Aveliar Resende.
Fazenda do Matto-Dentro,estacao de Santa Isa-
bel, estrad 1 de ferro Leopoldina, 18 de Janeiro
de 1887. *
O referido preparado vende-se na agencia
cargo doa Sra. Franclaco Manoel da Sil-
va A C, r Frasco 2*500, meia duzia 13* e duza 24*.
KATAN-ijCHOLERA-HORBUS AOS COCCKS
Ento Sr. Katino cholera mirbus descabellado
e typo ri voscemec Um mutas queixas da-
qnelles que lhe derara hospitalidad-; ?
Que voscem-'c fac asneiras e d pata las de
todos os tamanhij em seas patricios -tquelles que
sao filhos de alm do rio Minho, nada temos que
ver com Uso purque finalmente chimbe com
chimbe. Porm com oa de cdeve andar mais
de vagar, porque quando V08mec atirar o pri-
meiro couce com certeza loe cortamos a pata.
1) h que n- pe limos exoneraci. e nao eliniina-
co! o seu secretario modelo e Zezinho Modiis
espantado, tem grande capacidade orelhuda, pois
nr se acanhou em mandar-nos dizer que ni ti-
nhamos sido eliminados, pois diga ao seu Zezinho
o que lhe valle sea titio Alexandre, seno j o
tinhain >s postj na torre de Pedro a fazer ver-
aoa la.
Pur li je Seamos aqui at domingo que teremos
sariihs.
s brasileiros eliminados.
Gloria do Goit
Constando-nos que o Sr. Manoel de Sou
za Leal, morador na Gloria do Gaita,
pretende vender uin vapor que nos com-
prou em 29 de Dezembro do auno prxi-
mo passado, protestamos, betn como o
garanto do inestno vapo pola desta ven-
da, emquanto nio tiver quitacilo nossa ou
do garante, visto j se aohar vencida tima
das suas lettras.
Recife, 14 Maio de 1887.
Re & Santos.
taaraliuila peitoral
A Academia Medica de Berlim teve perfeita-
ireute mzo em aeu judicioao julgamento em pro-
nunciar o sueco da balsmica Anacahuita Mexicana
como um especifico positivo e infallivel para to-
das as irritaces ou infiamiracdes da garganta e
dos vhbos bronchioa.
Nao ba neuhum caso de rouquido, toase, catar-
rho, excoriaco da garganta oa irritacio doa bron-
chioa qne possa resistir as auas admiraveia quali-
dadea anti-irritants.
Elle reatitue a vos quando perdida ou enflaque-
cida p"laa affeecoaa ou aenaacoea de aspereza no
patato; faz cessar a expectoracao sangunea e im-
pede a accumulaco de mucosidades nos orgos da
respiracao que partera doa pulmoea.
Inteiramente differente na sua composicao de
todos os mais peioraea m inufacturados de fructas
adatrigentea, caacaa, raizea, etc., o mesmo nao con-
tera nenbnm acido prussico, opio ou outro ingre-
dientes venenosos.
Como gabaxtia contra as falsificado'a. obsrve-
se bem que os oomea de Lanman & Kemp veuham
estampados em latir transparentes no papel do
livrinbo que serve de envoltorio a cada garrafa.
Ene ntra se venda em todas as pharmacias e
drogaras.
Agentes em Pernambaco, Henry Forater & C,
rna ao Commercio n. 8.
Alagoas ora pomada
Lndo sob essa epigraphe a motiui de
urn senbor indignado, publicada no Diario
de Pernambuco de 27 e 28 do prximo
passado contra a lotera da provincia, em
que bou taxado de m fe e ardiloso, sou
forjado a vir imprensa em attencao ao
publica.
a 16* lotera da de premios 60j0, e
na-, ha raza para ostranbar attento ao
que passo a expor.
Pago de- imposto g*ral o beneficio 25 (0,
afora o imposto provincial, sello, etc. ; a
lotera da Farabyba paga sobre as 2 ru-
bricas pinaeiras aponas 11,33 *i0, desde
que do impasto geral retira 7 "(, para au-
xilio das despezas, entrando assim apenas
8 [ e quanto ao beneficio paga 36:0000
por anno, para extrahir nesse espaco de
tempo 6 lotera de 200:000*, cora a emis-
afto total de 1.200:0000, pelo que d de
porcentageiu 3.33 (,. que ootn aquel les
8 "( pretaz os preditos 11,33 "(..
J v, pois, o publico onde- est a dif-
A agencia envia a quera pedir, condices ira-
pre8aaa para as vendas por 'atacado.
Fabrica Amor
Lorga & (J., Buecessores de Joao Gon
calves o Hespanhol, estabelecido com fa
brica de cigarros ra L*rga do RoZario
n. 8, chamara a attenjao do respeitavel
publico e especialmente dos S3us treguezes
para 3 seguintes marcas de cigarros de
sua fabrica : Paulo e Virginia, Amor, D.
Emilio Castellar, Especiaos, >amorados fi-
nos, ditos grossos, Goyaz desliados, Tres
Coras, ditos desfiados b irrigudos, Linho
e G'iy.iz aromticos.
Os cigarros cujas marcas acabamos de ci-
tar silo fabricados com os melhores furaos
Goyiz e Rio Novo e por isso, como tam-
bem p lo esmero e cuidado da manipula-
dos tornam-se sen conpetenuia nesta pro-
vincia.
O crdito que pela excellenca dos seus
productos ha sempre a Fabrica Amor
auti^a do Hespanhol, gozado entre os Srs.
consumidores de tabacos a mais solida ga-
ranta da justa fatua dos cigarros de nossa
fabri :i.
Esperamos, pois, dos Srs. consumidores
urna visita ao nosso citado estabeleci-
mento.
Recife, 10 do Maio de 1887.
Teleptione n. 453
\l:igoasnova pomada
Est venda entre nos mais ama lotera das
Alagoas, ao preco de 500 ria cada dcimo : ora,
quera havia de dizer que para chegar a seus fina o
He. thesoureiro Manoel Jos de Pinho ae lembraria
de tal; tal preco e taes bilhetes a e a tem por
fim lancar urna rede cujas malbas apertadisaimaa
colhero grande nomero de incautos, e chegamoa
esta concluao, porquanto muitos aem tazerem re-
paro daro naturalmente no mnimo por cada um
1000, peca que smeote descobriro quando por
acaso t>-nham de receber o chamado mesmo di-
nheiro 500 rea. Sirva iato de prevenco a todos,
e vejam que quando muito nao deem mais de 600
ria por cada dcimo, tendo anda em vista os
compradores, qne cuatando os bilhetes todos.....
80:0004 amente do em prrmioa 48:000/ o que
d para beneficio e despezas a enorme cifra de
40 % muito peior que todas as outraa loteras, que
quasi todas do em premio* 70 % como o Para, a
Pirahyba e o Paran, a corte, o Bio de Janeiro,
aendn ella portante, muito inferior a da noaaa pro-
viDcia.
Outro abuso, esto se igualmente vendendo aqui
de urna grande das aiagoaa qne nnnea correr
por nao estar de aceordo com o aviso de 7 de Fe-
vereiro, j por nio dar o imposto e o beneficio es-
tipulados sello, e'.c, que vo a cerca de 30 |<,
quando ella amente desconta 25, cousa por tanto
imposaivei e contraria a lei e anida principalmen
te porque nao ao oa bilhetea inteiroa ou frac-
coi s relativaa a formar inteiroa, viato que 5 vig-
simos armente um quarto, dis ter o thesoureiro
licenc onde essa liceoca ou autorisaco do Sr.
mmiatro da fazenda; pura invenco, por quanto
j toi inalado para apreaentar essa excepeo a
nada de novo.
Cuidado, uiuuem os compre que iaao eepe
cular com a boa t dos outros ; mais boa f Sr
thesoureiro ; e oa vendedorea d'aqui eero leigos ?
O indig iado.
ra fcil salvar a desditosa joven.
Apressaram-se, pois, a alcancar urna
quantidadede um medicamento intitulado
Xarope Curativo de Seigel, e preparado
com o fim especial de curar a Dispepsia,
A doente tomou algumas dozes deste re-
medio, e o resultado do novo tratamento
oi maravilhoso. Hoje, aquella senhora, j
restabelecida, vive feliz e goz-i de urna
sade perfeita. Certo que, nesta caso
os mdicos tinham tomado urna doenga por
outra, e quando se descobrio a origem do
mal, e se explicou o verdadeiio remedio,
os symptomas da Tsica desappareceram
immediatamente.
O caso que acahamos de citar nao o
nico neste genero. Ha milhares de infe-
lizes que actualmente estilo tomando re-
medios para curar enfermidades do tigade,
dos rins e dos pulm3es, doencas provo
nientes dos vapores miasmticos, etc., ao
passo que realmente nao existem em mu-
tos casos taes affeccoes, sendo a in Jiges-
tao a verdadeira causa dos symptomis que
tanto terror inspiraos aos doentes; e sa
estes applassem o verdadeiro systena de
tratamento, nao tardariam a curarse.
Nao ser por demais o recordarmos ao
leitor que o xarope curativo de S.-igel se
vende cm todas as pharmasias do mundo
inteiro, assim como na casa dos propieta-
rios, A. J. White, (Limited), 36, Farring-
don Road. Londres, C.
Depositarios na provincia da Perna nbu-
co : Bartholomeut C, J. C. Livy & C,
Francisco M. da Silva & C, Antonio Mar
tniano Varas & C Rouquayrol Irmoa e
Faria Sobrinhe & C.; em B^llo Jardim :
Manoel de Siqueira Cavalcante Arco Ver-
de e Manoel Cordeiro dos Santos Filho ;
era Independencia. Antonio Gomes Bar-
bosa Jnior; em Palmares: Antonio Car-
doso de Agniar; e era Tacarat, Jos
Lourenyo da Silva.
Especialidadesaiolestias de senhoraa e crian
cas.Tolephone 1. 326.
m
Oculista
Dr. Barrete Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 ra do Baro da Victoria, ex-
cepte nos domingos e das aintificados.
Kesidencia ra Setc de Setembro n. \l
34. Entrada pela ra da Saudade n. 25. j !
Clinicamedico cli'iirca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
Bpeeiali 111 -Parto*, m reacias ie sjuho.as e
er ancas.
Residencia Ra da Imperatriz n.'A, aegundn
andar.
Consultorio medico-
cirargico
r Castro Jess, eoutaado mais de 12 annos
I ie escrupulosa observaco, reabre consultorio nes-
ta cidade, ra do Bom Jeaus (anciga da Crm
I n. 23, l.o andar.
Horas de consultas
De dia : das 11 s 2 da ta -de.
De noite : das 7 a 8.
dos, os qaaas se acham todos em '.ujar ineattae.
nao sabido, adoattidoa oa eappliaanteva daeaax-
oeaaana juatificaco no dia e hora que por V.Exc
forera designados.
Outrosim, requeren oa supplicants qqe V. -tW
ama vez tomado por termo o protesto e intiaaadc
ae digne nandar eutiegar Ibes o dacuiaentoa^ac
a-a junuia, ficando copia nos antea. Pode daftas-
meatn. E. R. M.
Reeife, 14 de A ril de 1897.Soma Pinta.
(Eatava sellada letralmente).
Nada mais se continha em dita potica aa fatft
profer despacho do theor seguine :
Distribuida. Como requer.m, cesisaando a aa
crivao da.
R--cife, 14 de Abril de 887M .atengro.
tai virtade deste mea d-apacho o respectfc
deatribuidor a quem foi a meama p:ca. preaeate
a diatnbaio ao eacrivo do prim-ir otScio qaear
lavrar o term do proteate do theor seguinte-
Aos 14 dias de Abrilde 1837, nesta oidaieae
Jtscife, em meu carterio veio o r. Antonia V
Souza Pinto e dase aote mim e as testemuakac
infra asaignadas que por parte de seus eoacti-
tuiutea Soares do Amaral Irmaos reduzia a teran
de pr-iteato o contedo de sua peticao retro-aae
fica fazendo parte integrante do presente, afia e
aer intimado aoe aupplicados para os devidoa effec-
tes.
E do coma assim o disse e protestou lavro ette
termo em que assigua com as testemunhas depak
de lido por mim Maneel Lopes de Carvalho Cfca-
ves, eacreveute juramentado que o escrc-vi.
Eu, Jos Prauklin de Janear Lima, escrivii^ c
subscrevoAntonio de Souza Pin'o.Jos do Pt
trocinio Carmo Rib.ro.Balthazar Jos dos Rw
Filho.
E' o que continha dito termo de protesto aecs.
fielmente tran cripto-
E tendo sido pe-Ios supplicautes produzida a jig-
tificacao da tei o respectivo eacrivo me fet et
autoa cooclusos e nclles profer a s.rnten^a do tneoc
segainte.
Vistos. Julgo procedente a Jus.'ifie-.cie mnsSc
que sejam os justificados intimados por editaes eme.
o praso de 30 dia3 do protesto de folhas para a-
terrupco da prescripeo de titulos de folhas a fe-
lhas. Custas ex-cauaa.
Recife, 15 de Abril de 1837.Thoraaz Garosa
Paranhoa Mouteuegro.
En^virtudc desta minha sentenca o reapeetirc
eserivi fez pasear s ores -nte edital por cujo tfcear
chamo, 8tj e hei pir intimados os justficudw
Francisco Nunes Leite, Julio G-uimarcs Adriano dos Santos Perora, Fortunato Bexern
da Silva, Francisco Pereira das Chagas, JoaoBap-
iista do Sacra 111 oito. Joao Liureu(> da Silrs^
Francisco Traja no de Lima, Autonio Eiteveg ale
Naecimeuto, Jos Joaquim de Abreu, Alves & C:
Aureliano (Joncalves de Oliveira. Braga & Iraiio,
Jouo Martius Coelho, G-eorgo Maltes, Augucte
Goncalves ia Rochas, Jos 'ntouio Gonoalve da
Roch, Jos Licate &. C, Joao Elysio doa Santo*
Peitada, Manoel Joaquim G'rreiro & Irmao, pare
que no praso do 3 dias compareca ante este
eitio traveaaa dos Remedios n. 7, primeiro por-
to esquerda, alm lo porco do r. Coame.
as demais horas da noite ser encontrado n< J"lzo afiin de allcgarem o que f:- a bem de asee
direites.
E para coubeci ment de todos o presente seri
publicado pela imprensa e outro d igoal thea:
affixado no lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Pej-
nambueo, aos lt de Abril de 1887.
Eu, Jos Frankliu d; Alencar Lima, o sob-
escrevo.
Ihomaz Garcez Paranhos Mmtenegtv..
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balitar da Silveira
I
!
Especiali dadesfebres, moleetiaa daa
eriancaa, dos orgaoa respiratorios e daa
senhora 8.
Presta-se a qualquer chamado para
fora da capital.
AVISO
I
i!
I!
[)
t
Todos os chamadas devein 8er dingi- 1
de
Ti-neiile coriiiel tusl ii'li.in
CitNlro *i Barred
(CIRCULAR)
Palmares, 25 de Abril de 1887
Illm. Sr.
0 partido conaervadur de Palin-ires. querendo
dar um tes'erauuh 1 de saudade, religio e amisa -
de ao seu semore lembrado chefe o tenene-coro-
uel Austriclino de Castro S B&rreto, que foi tao
grande em suas dedbacoes, quanto infeliz era sua
carreira de homem poltico, reaviven fazer o seu
funeral, que ter lugar no dia 24 de M-iio, 80 dia
de seu passameoto, na matriz deata cidade, e para
isto noineou em commissi os abaixo assigrudoa,
que ae dirigindo a V. S., pedem, nao s o seu com-
parecimi'nt como amigo que foi do finido, como
anda uin obulo para ajudal-os na realisacaa d'S-
ta obra de caridade, leligio, aaudade e araisade.
08 abaixo assignados, ao com o devido resp-i-
to de V. S. amigos attencioaoa, veneradores e cria-
dos.
Fiel de Torres Gran^eiro.
Joaquim Lapsa da Silveira.
Joao Flix Pereira.
Urcino Teixeira de Barros.
Adolpho Firmo de Oliveira.
Jos Prente Oliveira Firmo.
Jnnqunn Angnatn Xavier da Maia.
dos pharmacia do r. Sabino, ra da
Baro da Victoria n. 43, onde se indicar
ana residencia.
Advogad<
(Foro civil c ecclesiastleoy
lia .liare! Antonio d- Ldlis e Sonza
Pont's.
Ruado Imperador n. 37 1.- andar.
\DVOG\DO
DR. CLODOALDO LOPES
RA ESTREITA DO ROSARIO K. 4
idvogado
O bacharel Julio de Mello Filho tem o
seu escriptorio de advocacia ra Primei- mentes musicaes
1 ro de Marco n. 4, Io annar, onde pode .. ,Pte 3"
. j j ia l j l~ j rabrica de rap Muuron.
ser encontrado drs 1 I horas da manha a | 7 Dta8 de sablo uc|a3va
Edital n. 13
O administrador -io Consulado Provincial, dac-
do cu-nprimento ao que dispoe a lei n. 1860, f*t
pi-blieo a quem interessar posta, que no espat.:
improro^avel de trinta dias uteis, contados Je
de Maio prximo, dar-ae-ha principio nesta re-
partico a cobranca, livre de inulta, dos iinuostac
segdintes, relativamenfc ao 2- semestre do erer
cicio corrente de 1886-87.
3 0/ sobre o gyro de casas comnierciaee & ro
retalho.
10 0,0 sobre estabelecimento- fra da cidade.
12 0|U sobre escriptonos de advogiioa, solieita
dores, cartorios e consultaras medicna.
20 0|0 sobre estabelecimentos da cidade.
20 por escriptorios c'e descontos de letras.
lrOtjOi por casa de garantir bilnetes.
1:0004 por casa de vender bilhetes de outrai
provincias.
2500 por tonelada de alvarengas, canoas, ete
i.'0(r por eacravo empregado em servico ta
cbanico.
Imposto de rejoarticocompreheuden lo :
Parte I"
1 Casas de coM*rissoe& de cousignacoes e f
cominissoes e consignacocs.
2 Ditas ou depaaitoi de vender era grosao car
I vo de pedra ara terr- ou aobro agua.
Parte 2
3 Lojaa de vender joias somente, ou joias e r*.
ligios.
4 Ditas de vender relogios somente.
5 Ditas de vender pianos, tausics e instra
3 da tarde
Pial Hniia Gasta
Ra do Baro da Victoria a.
II. 'i andar
A proprietaria deste estabelecimento, j bastan-
te conhecido peloa trabalboa all executadoa com
mestria e bom gusto, como tambem pela Ibaneza e
cavalheirismo que costuma-se dispensar quelles
qne dignam-ee de honral-o com a sua visita e
confiaoca, previne ao publico qne, com a acquiai-
oo que fez de machinas as maia aperfeicoadas,
eat o mesmo estabelecimento era coudice8 de
tirar retrates inalteraveis por precos inferiores
aos dos que teem ltimamente viudos dos Esta-
dos-Unidas, e assim que um retrate de meio ta-
manho natural tira-so pelo custo de l j KK).
O atelier, modificado e reformado como acaba
de ser, tomou-ae o mais perfeito possivel para dia-
tribuico de lus, de modo que pJe-se trabalhar
aempre, com bom eu mo tempo, de 9 horaa da
manh a 6 da tarde.
A eaaaa circnmitancias accresce aer o pessoal
technco habilitadiaaimo e delle fazer parte o pbo-
tograpbo heepanhol D. Joaquim Canelas de Cas-
tro que trabalhou nos melhores estubeleeimentoe,
dease genero, em differente paizea da Europa, e
a respeito de qnem j os diversos jornaes desta
provincia trataran.
Do que fica dte v-se que est o referido esta-
belecimento em condteoes de executarcom pericia
quaeaquer trabalhoa de photographia.
All encontrar-ae-ha aempre expostas venda
grande numero de vistas de alguna edificios
pblicos, pracas, ruaa desta cidade e aeua arra-
baldea.
Urna enfermldade tomada por
ootra!
Equivoco dos lacu Itativi
O failecimento de algum amigo ou p-
rente a quem amamos ternamente sotn-
pre u;na desgraca lamentavel : mas a ca-
lamidade verdadeiramente terrivel quan-
do os factos nos manifestara, que a pobre
victima suecumbio por se ter empregado
um aystema de tratamento que nao era
apropriado para a sua doenca. Comtudo,
casos ba em que o erro dos medios se
descobre antas de desapparecer a ultima
esperanca, e uestes casos, algumas vezes
se asosegue salvar a vida do doente.
Para ejemplo do que deixamos dito, va
Medico
Dr. Silva Ferreira, de volta de ana viagem
Europa, com pratica noa hoapitana de Paria, Vi-
nua e Londres, onde dedicoo-se a eatudos de
purtos, molestias de senhoras e da pelle, ofierece
oa aece eervicoa mdicos ao reapeitavrl publico
desta capital e ora d'ella, p id' ni o aer procurado
no aeu coaaulteriora da Ca lea n. 53, de, 1 Aa
3 horaa da (arde, ou em aua residencia tempora-
ria Ponte d'Uchda 55.
Leonor Porto
lina do Imperador n. 45
Primeiro andar
Contina a execatar 03 maia difficeis
figurinos recebidos de looodrea, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicode costura, em bre-
Ividade, modicidade em preco> e fino
f g oato.
Dr. Joao Paulo
MEDICO
Especialista em partes, molestias de senhoras e
de enancas, com pratica naa principaee enterni-
dadea e hospitaes de Paiis e de Vieana d'Austria,
faz todas as operacoee obsttricas e cirurgicas
concernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Baro da
Victoria (antiga ra Nova) n. 18, 1 andar.
Consultas daa 12 s 3 horas ds tarde.
Teiephone n. 467.
a que se acha cu
freguezia de Afolados.
8 Ditas de cerveja, vinagre, vinbos, genebrs.
licores e limonadas gazozas.
9 Dita a de gaz.
10 Ditas agencias c depsitos de gaz.
Parte 4
11 Empiezas anonymas ou agencias destas.
1 Companhia de Bcbcribe*
13 Bancos, agencias filiaes e representantes doc
mesmos e casas bancanas.
14 Couipanhias, agencias ou casas de seguro ac
qualquer pessoa qne no carcter de agente de
companhias de seguro fizer contrate desta nata-
reza ou promove! os, com exeepeo doa que tees.
sede nesta provincia e contratarera o servico es-
pecial do art. 13 desta lei.
15 Armazeus alfandegados, de deposites ou de
recolher.
16 Casas de jogo de bilhar.
Consulado Provincial de Pernambuco, 20 de
Abril de 1887.
F. A. de Carvalho Moura.
EDITAES
Advocado c professor de lingims
O bacharel Eduardo Alfredo de Oliveira tem
aberto o seu eairiptorio de advogado ra 1 de
Marco n. 4, onde tambem pode ser procurado para
leccionar o ingles, fraacez e alleino, pratica e
theoncaroente, noa collegios e casas de familia.
Tambem para a commedidade doa eatudantes
e empregados do commercio, resolveu abrir um
curso nocturno daa ditas linguas. A tratar no
escriptorio cima referido.
elisia
Dr. Ferrara da Svi consulta
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Montenegro,
commendadorda Imperial Ordem da Rosa,
juiz de direito especial do commercio desta
cidade do Recife, capital da provincia de
Pernambuco, por Sua Magestade Impe-
rial e Constitucional, o Sr. D. Pedro II,
a quem Deus guarde, etc.
Fayo saber aoa que o presente edital virem ou
d'elle noticia ti vi rem que por paite da Soarea de
Amaral Irmaos me foi dirigida a petco do theor
seguiute :
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio.Soares do Amaral Irmoa, commer-
ciantea n'esta praca, sao credores de Francisco
Nanea Leite por ama letra da quntia 1:4324570;
de Julio Quimarea & C. por ama letra de
1:7734770; de Adriano dos Santos Pereira por
trez letras no valor de 8781400; de Fortunato
Beserra da Silva por urna letra de 2704100; de
Franciaco Pereira das Chagas por urna letra de
436S670; de Joo Baptiata do Sacramento por
una letra de 954240; de Joo Loarenco da Miva
por um letra de 1234550.; de Francisco Trajano
de Lima por nma letra de 354710; de Antonio
Eetevea do Na8Cimente por urna letra de 1234870;
de Joe Joaquim de Abreu por sete letras na im
portancia de 4:1474230; de Alves ie, C pela quan-
ti* de 3284600; de Aureliano 'oncalves de Oli-
veira pela de 2024110; de Braga & Irmo pela de
1774970; de Joao Martina Coelho pela de 9114240;
de G orge Mattea pela de 1384100 ; de Augusto
(Joncalvea da Rocha pela de 5:7174220; de Joa
Antonio Gonce!vea da Rocha pela de 1:0614230; de
Jos Licate & C pela de 4964400; d J-o Elyaio
Estrada de ferro do Ribei-
rao Bonito
Nao ti'ndo-ae reunido numero sufficiente a\ ac-
c5"8 para a conatituicao da assembla geral pata,
boje convocada, convido, de ordem da directora e V
noa termoa do art. 63 do Reg, n 8,821, de 30 de \
Dezembro de 1882, os Srs. accionistas se reoni-
reii no dia 18 do corrente, ao meio dia, na at
da empresa Praca do Pedro II n. 73, priaicir;
andar.
Recife, 12 de Maio de 1887.
O secretario,
Jos B-llarmino Pereira de Mello.
Capitaula do porto
De ordem do Exm. Sr. capito do porto, faeo
publico, para os devidos fins, que acha-se depo-
aitada nadca J'est Arseual, uraa lancha que foi
aprehendida na fortaleza do Brum.
U respectivo proprietario ter 1 praso de 8 dias,
enfados da presente data, para justificar o sea
direito de propriedade, e nao o faaendo ser a res-
pectiva lancha deamanchsda.
Capitana do porto de Pernambuco, 5 de Mak
de 1887.O secretario, Antonio da Silva Azo-
vedo. ______ ____^_____
Culi Imperatriz
Em virtude de baverem sido suspensas aa lote-
este club emittir
. a D*.r r a TOw. deMlnl da Colonia Isabel, reaolv.u
doa Santos1 Petada pola de 6t^**U*agl em ^^ lo a8 hftvil ps86ado
Joaqu.m Guerrero & Icjpao pela de2.MM440, V arnavale8co, que corre-
constando estes unimos debitoa de contaa de livro.
E como os anpplicantea queiram evitar a pres-
cripeo daa retendaa di vi daa, veem protestar pela
interrupco dlas requereudo a V. Exc. que ae
digne mandar temar por termo o competente pro-
teato, que aera intimado por editaes aoa supplica-
rao com a nona lotera do Grao-Para. Roga por-
tento quelles que as aceirarau. e pigaram, de
vir roa da Imperatris n. 4, afim de trocal-a
O theaoureiro,
Antonio Jos de Azevedo Maia.

' MiTRAlO I




^^^1
^-_
i



^^^iiB
MMl
MH
-DomiDffo 15 de Maio de 1CS7
Thesouraria de Fa-
zenda
Substitnicao de noUs
Par conheeimeoto do publico se declara que as
notos do Theaouro de 2*000 da 5 estompa, 5*
da 7* e 10 da 6 serio substituidas nesto repar-
ticao at o fim do mes de Junho vindouro oem o
descont de 2 0/0, o qaal ser elevado a 4 0/0, a
contar do 1* de Jalho a 30 (1h Setembro do cor-
rente anuo, na forma do disposto no art. 13 da
le n. 3313 de 1886.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco. 5 de
Maio de t887.=0 secretario,
Luiz Emygdio P. da Cmara
I
DO
BRASIL
Capital
dem realisado
30,OOO:OOO#
3,000:000*
Este Banco, establecido ra da Alfandega
n. 22, saces, 4 vista ou a praxo, contra os seguin-
tes correspondentes no estrangeiro :
L rodres......... s/N. M. Rothschil & Sma.
Pars.....
Himburgo
Berlim-----
Bremente.
Frankfurt s/ Main \
Antuerpia.......
Rom..
Genova
aples
Miiao e mais 340
cidades de Ita
lia...........
Madr.d.........
Barcelona.......
Cdiz..........
Malaga........
Tarragonr.....
Valencia e outrae 1
.idadea da Hes I
Jpanha e i I has j
Canarias......'
Lisboa.........\
Porto e mais ci- r
dades de Por-/
tugal e ilbas... )
Bueuos- Ayres.... )
Montevideo......)
Nova York
De Rothechild Prres.
Deutsebe Bank.
Baoque d'Anvers.
Banc Gsncrale e saas
agencias.
Banco Hypoteeario de
Espaa e suas agen-
cias.
Banco de Portugal
suas agencias.
Eng'.ish Bank of the Ri-
ver Pate, Limited.
G. Amsiok & C.
Compra saques sobre qualquer praca estrau-
geira.
Concede cartas de crdito a favor de viajantes
e contra exportar-lou.importaco de merendonas.
Acei'a consignacoes de caf e mais mercadorias
para o estrangeiro, incumbindo-se d* venda e fa-
zendo o adiantanvmto qae tr ajustado.
Adianto dinhoiro sobre c if u outras mercado-
riaa, de accordo comas dispisico.ts dos seus esta-
tutos.
Descunta ledras da praca e uutros ttulos com-
mereiaes on de bancos, bilhetea do thesjuro geral
e ttulos que representem divida do Estado.
Empresta sobre penhir de ttulos da divida ge
ral e provinciaes, aco,5es de bancos, accoes e
obrigacosi de oinpauhias e ttulos cominer-
ciaea.
Incumbe-se da compra e venda de titules da
divida publica, letras bypoth 'Carias, accoes, etc.
Abre contos correntes garantidas por ti'ulos
eommerciaes e outros.
Recebe dubeiro em conto corrente de movi-
mento e por letras a prazo.
Companhia de edificado
Communica-se aos Srs. accionistas, que por de-
liberacao da directora, fui resolvido o recolhimento
da 7* prestuco, do capital social na razo de 10
per ceuto do valor das respectivas accoes, a qual
dever realisar-ae at o dia 14 de Junho prximo
futuro na sede da companhia ao largo de Pedrj II
n. 77.
Recife 14 de Maio de 1887.
Gustavo Altanes,
Director secretaria.
Companhia do Beberibe
Couvida-se aos Srs. accionistas a virem receber
o 78 dividendo na proporco de 5*000 por aeco
ou 10 por cesto cujo pagamento se effectuai n'es-
te escriprorio das 10 horas da maoha a 1 hora da
tarde, diariamente at o ultimo d'este mez, e ao
depois aos sabbados.
Escriptorio da Companhia do Beberibe, 14 de
Maio de 1887.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
Director secretario.
Alfandega de Pernambuco
Por ordem do Illm. Sr Dr. inspector e em vir-
tude da portara da Taesouraria de Paseada n.
82 desta data, faz-se pubiieo que esta reparticio
receber proposta no. dia 18 do corrente para o
tornecimento de 216 kilos e 360 gramolas de pl-
vora, que ser destinada para o servico da forta-
leza do Brum. Os senbores proponentes devero
apresentar as il horas de refeiido dia as Bas
propostas assignadas, fechadas e acompanhadas
das competentes amostras
3 seceo da Alfandega de Pernambuco, 14 de
Maio de 1887. -O ebefe,
Cicero B. de Mello.
Si PmlkliB
Asjsembla geral extraordinaria
Por falto de numero legal de socios, nao teve
lugar no dia 8 a assembla geral desta sociedad?,
convocada por oraem do presidente, e sao nova-
mente convidados para se reunirem domingo, 15
do crrente, s horas do costume, na sua sie, &
ra da Imperatriz n. 22.=0 1 secretorio,
A. Rafaelle Pellegrino.
Imperial sociedade
DS
Artistas .Mchameos e
Liberaes
De ordem de nosso irmo director, e por delibe-
raca. da directora, tomada em a sesso de 1 do
corrente, scientiti. o aos membros da mesoia, que
as suas sessoes de hora em diante sero as
segundas-feiras e nao as quiutas-feiras como
cram.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechaaicos e Liberaes do Pernambuco, em 13 do
Maio de 1387.-0 1- secretario,
Paterniano Barroso.
Venoiavel clTraria De Sata Rita
COMMERCIO
if i:.u inn %s
Servigo da Agencia Havas
LIVERPOOL, 13 de Maio.
ASSCAR :Mereja* calmo, precos
aern varlacden
O de Pernambuco n. 9. vndese a
I/S por quintal.
ALGODO:Herrado contina cal-
ato e precoa Inalterado*.
O FAIR de Pernambuco ende Me
a 6 1I/1G d. por libra.
Vendas do da 9iOOO fardo*.
NEW-YORK, 13 de Mab.
JSi'rCif.-Hereaiio em alteraco.
ano precoa auatentadoa.
O FAIR REFINJNG de Pernambuco
vende leil 9/1 tt cent, por libra.
Agencia Havas filial
13 de Maio de 1887.
em Pernambuuo,
Retrospecto commerclal do mez
de Abril de 188 9
jmente h;je podemos dar cumprimento ao en-
cargo que nos impozemos de apreciar em um pe-
qn no rotrospecto, os tactos e dados mercantis
referentes ..o mez de Abril ultimo.
Reconhecemo8 nao ser oinpletj esse nosso tra-
balho, pelas mil difficuldades que sempre se ante-
i'O.'m a organisac i de quadros estatisticos, que
raras sao ofe que attiogem a perf :co ; mil so me-
nos consf guiri idos dar uau idea do movimento
mercantil que ae operou no decurso do mez e que
necessurittuaebie deve intereesar quelles que nao
tao nJifferentea o desenvolvimiento da agrieul-
taa e do coimr.ercio de nos-ia provincia.
Oomquanto tenhamos chegado ao termino da
safra, anda no mez de Abril as entradas do assu-
cir e do algodo para o mercado furam regula-
res, dando-se urna diffjrenca para mais do que
em igual mez de 1886 de 63.320 saceos com as-
sucare 22.747 saccas com algodo.
A eipcrtacau desses productos tambem fji su-
perior a do wz de Abril de 1886, encontrndo-
se urna difr.rene*, para mais, em 7.453.896 kiles
de aasucar e 1.101.484 kilos de algodo.
Entretanto, comparado as mez de Margo ulti-
mo, v-se qne em Abril nao s entraram para o
mercado menos Hssucar e algodo, como tambem
a^zpertaco foi luferior.
masim, temos que em Margo ultimo: eniraram
mais 93.243 saceos com aasucar u 61 saccas com
algodo e foram exportados mais 4.536.580 kilos
de aasucar e 1.144.673 kilua de algodo, do que
em Abril.
Disso, porm, nao se pode dediuir que o mer-
cado dos dnus prmeipaes productos de uossa ri
queza diminno em Abril ultimo, urna vez que as
entradas e a exportaca.) apreseuiAui nao peqnena
di.ffrenca para mais do que em igual mez de
i S8'J.
O alcool e o mel tambem soffreram diminuico
tas entradas e eooseguintemente na exportaci,
notando-se, porm, vjutagens em outros artgos.
Os precos do assucar e do algodo melhoraram
i:) me fiudj.
O prece medio do assucar em Abril ultimo toi
da 1*913 por 15 kilos contra 1*658 no miz ante-
sendo o de algodo de 5*900 contra 5*300
, em Marco.
Passemos agora a apreci-r o drsenvo! ;imento
des algarismos;
i: I. E I A o
De ordem do conselho administrativo desta cin-
trarla, convido pela tereeira vez aos uossos caris-
simos irmos para reunidos em collegio represen-
tativo, no dia 15 do corrente. s 10 horas da ma-
nila, proceder se a el>'i?o do conselho administra-
tivo que tem de reger esta oenfrana no auno eoin-
promissal de 1887 -1888.
Consistorio da veneravel mirara de Santa Ri-
ja de Cassia, 12 de Maio de 1887.
O secretaria interino,
Manoel Bandeira Pilho.
Aaaocla^ao Commerclal n-oia '<
l'ernainliiii'u
De ordem do lllm. Sr. presidente, convido aos
seahores asaociadoa a comparecerein na- resp criva
sede no dia 16 do correute, a 10 horas da ma-
nh, para em sesso de asserahli treral tratar-ce
de interesa s sociaes. Recife, 10 de Maio pe 1887.
Antonio Arthur Moreira de Meodonca,
1 secretorio.
tsutlori:i doa runeelonarloa pro
vlnclaea de Pernambuco
De ordem do I:un. Sr. presidente desta associa
cao, convido a todos os senhores que fazem parte,|
da mesma, a comparcccrem na sede s icial nu dia
ltt do corrente, pelas 5 1 2 da tarde, afiui de as
sistirem a sesso da assembla geral do correute
mez, na qnal se ter de tratar de negocios a in-
teresse para o funecionalismo. Recife, 12 de Maio
de 1887. O 1- secretario,
Alfredo R. dos Aojos.
IRMANDADE
no
Div lio Espirito Sanio do Recife
Assembla geral
Bfalo
De ordem do n jbso irmo jais, convido a todos
os nossos carissiinos irmos a se reunirem em o
nosso consistorio domingo 15 do corrente, pelas 11
horas do dia, afim de, em assembla geral, eleger-
roos os novoa fuuccionanos que devero adminis-
trar a nossa irmandade dorante o anno compro-
missal de 1887 88.
Consistorio da irmandade do Divino Espirito
Santo do Recife, aos 12 de Maio de 1887.
O escrivo,
Julio Ferreira da Costo Porto
lici
Nao se tendo verificado a conferencia annuncia-
da para 8 do corrente em conseqnencia do mo
tempo, previne-ge que ella ter lugar no dia 15
1 hora da tarde no tbeatro de Variedades, sendo
orador o Sr. acadmico Nle Pecanha.
El seguida ha ver a parte recreativa incum-
bida aos distintos artistas, que se prestam abse-
qniosamente a preenchel-a.
Abril de
1887
lf86
Alfandega
Msis cm 1887
727:?23553
649:770*082
77:448*471
Abril de
1887
1886
Recebedoria geral
Mais em 1887
69:291*926
61:066*433
8:225*492
Abril de
1887
1886
Correio
Mais em 1887
13:717*823
10:224*190
3:493*632
Abril de
Consulado Provincial
1887
1886
137:343*087
105:635*650
Maia cm 1887
31:707*437
V se d'ahi qne no mez de Abril rindo c rendi-
mento das repartiera rsca.:s foi super or ao de
igual mes em 1886.

Sob a responsabilidad das companhas de va-
pores que serven) a praca do Recife, esta :
Receben em Abril de
1887
1886
284:626*645
256:01 l*o'0
Mais em Abril de 18>S7
Eipedio em Abril de 1887
1886
Menos em Abril de 1887
28:614*940
597:276*133
1,272:891*567
675:615*129
A expedico em Abril fiudj fo para :
Rio de Janeiro
Baha
Sergpe
Alagas
Fernaudo
Parahyba
Rio Grande do Norte
Cear
Maranbo
49:9 10*000
24:000*000
35:046*970
S6J:7uO*'0
:09 !51W
bO:OvX>*UUO
22:263*370
14:066*280
200*000
Das adicacS.i ofEciaes da B:-ls uo consfoa
que no mez de Abril ultimo tvesae se dado des-
couto de lettras dapra^i.
Fra da Bolsa, porm, effectuaram-se alguna
descontos a 9 e 10 />
*
Sobre as prayas do imperio entre!>c*ds com-
mercialmeute com a n:saa, continuarain a ser ele-
vados os premios dos saques.
Segundo os prazjs, efbetuaratn-se transaccoes
sobre:
Ro Grande do Sul, de 1 a 3 1/8 %.
Pelotas, de I a 2 1/4 /,.
Santos, de 1 a 2%.
Rio de Jaoeii o, a 1 a/.
Para, de 1/2 a 3 %.
*
Par as pracas estrangeiras os prejos extrtmos
do cimbio foram estes sobre :
Londresde 21 5/8 21 1/8 d por 1*.
Parizde 440 449 rs. por franco.
Hamburgo de 545 556 rs.
Portugalde 146 160 % de premia.
Foram saccadas sobre Londr. s 340,000, Bendo
pelos baes t 150,000 o por particulares.......
t 190,000.
EMPREZA DO G1Z
Pede-se aos Senho
res coDsummidores que
queirarn fazer qualquer
comunicaeao ou recla-
maea), seja esta feita no
escriptorio desta empre-
sa ra do mperador n
29, ohde tambem se re-
ceber? qualquer conta
que queirarn pagar.
Os nicos cobra** jr.es
externos sao os Senhores
flermillo Francisco Ro-
Jrigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
tas Car.valho.
Todos os recibos
desta empreza devero
strpassado em taloes
carimbados e firmados
pelo gerente sem n que
nao tero valor algum.
George Windsor,
________Gerente
Entradas do LxlerO"
14 Vapores, lotondo 20087 toneladas.
6 Navios de vela, lotondo 2:142
Entradas dos portas do Imperio
31 Vapores, lotondo 34:399 toneladas.
20 Navios de vela, lotondo 4:027
Total das entrados
45 Vapores, lotondo 54:486 toneladas.
28 Navios de vela, lotondo 6:169
Rcsumndo as entradas e comparando, v-se :
Abril 87
73 embarcad-oes, lotondo 60:655 tons.
Abril 86
99 embarcac^'s, lotondo 63:977 tons
^ Abril 87----------
Menos 26 embarcares, lotondo m-nos 322 tons.
Sahidas para o Exterior
17 Vapores.
15 Navios de vela.
Sahidas para os portos do Imperio
24 Vapores.
24 Navios de vela.
Total das sali.as
41 Vapores.
39 Navios de vtla.
Rcsumndo aa sabidas e comparando, v se :
Abril de 87 80 embarcac.-a.
. de 86 81 .
THEATRO
SANTA ISABEL
EMPREZA E1ECC0 DO ABTPSTA
HOIE
Donngo, 15 de Nao dei887 .
*' REO ITA
Da companhia aramatica de que faz parte a primeira actriz og.'niu brasileira
xx xsax^x:tNr.A. xwxo3csrGx,JK.3B.
Primeira representacjlo n'esta epocba do drama do propaganda abolicionista em
5 actos do afamado escriptor brasileiro, e distincto dramaturgo, Dr. Carlos Antonio
Cordeiro de sandosissima memoria, intitulado :
O ESCRAVO FIEL
iH'ittO.iiivtr \o o .ut;s
Acto l.A mor tu do legatario e o testamento escondido.
Acto 2.O liberto eseravisado e a berdeira dtsherdada.
Acto 3.A heranca dividida e a venda do captivo.
Acto 4.O sacrifico da orpha e a dedicacSo do preto.
Acto 5.00 monareba protegendo o esoravo e a lei castihando os usurpadores.
O* papel de Lauren$o, o protagonista, ser desempsobado pelo actor SO ARES
DE HEDEIROS e de Eulalia pela iusigne actriz D. l^OI>I\ A 130\( I. \It
Toma parte toda companhia.
acfw passa-se no ISIo de Janeiro
. ):o:(--------
Este drama, que tanto se re^ommeada pela verdade com que desenvolve todos
os lances de suaroagnifia acjo, foi reputado pelo conservatorio dramatizo di corte
como um trabalho de grande inerecitne:ito e reconheoido como a mais importante com-
posiyao que se tem exhibido no palco brasileiro. O drama Escravo Fiel encerra
factos paseados no Rio do Janeiro, que foram com mentados na so.-isd.id< fluminense e
de cojos argumentes muita gente conserva in la memoria I
Termina o espectculo com o entre-acto ornado de mtisica desmnponhado pelo
actor Martins Ramos e pela actriz D. IM>I.I\ 1 HOXCLAit
114 NOITE DE CAR^ViL
Haver bonds para todas as lindas.
Principiar hora do cosame.
--------)::(--------
Brevementea peja de grande espectculo
I UTO M
Companhia
mperia
i.
DE
MUilROI CONTRA FOCO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Promplo pagamento de prejuizoi
CAPITAL
Ra. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. ftRa do Commercio>r. 5
NDMNISADOM
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelclda em 1^55
CAPITAL 1,000:000^
SLNISTROS PAGOS
%te 31 de dezembro de 8S4
Haritimos..... .,(10:0001000
rerrestres,.. 316:000^000
_!*Ra Ao Commereio
nniin t itttt i nn imf"
CONTRA FOCO
Norlb British & Mercantiie
CAPITAL
t:OOO.OOo de libras sterliaa
A GEN ES
Adoiusoii Howie (OlIflMU DE BCROt
0KTHERN
de Iiondre* e Abertieen
F Capital oubsciipto
Fundos accuraulados
Bereitn unnuali
D premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
3.000.000
3.134,346
577,330
191,000
132,000
O AGENTE,
John. H- Boxwell
ki;aio cowheucio vcmxjuk



Conrrarla do lenbor Boa Jemnti da
Via iacra
na igreja de Sania Crnc
De ordem da mesa regedora de nov > se convida
a todos os nossos confrades a compar-crem em
nosso consistorio na segunda-t"ira 1G do frrente
s 6 horas da tarde, aEin de reunid is em numiro
legal de mesa geral, proeederse a elcico, em
vista de nao ter-se cffectuado no sabbad 30 do
mee piozimo pissado, para os novos tuncci< na-
rio que tem de reger esta cenfraria no auno
compromissal de 1887 a !888.
Consistorio, em 12 de Maio de 1887.
Francisco Antonio da Silva Buris
Escrivo interino.
Em Abril de 1886
Mais em 1887
AlgodaoExterior
Interior
Iota!
Em Abril de 1886
Mais em 1887
AgurdenteExterior
Interior
4:0S3:957 .
7:453:896
1:474:850 kiL
2-2:515
1:497:365 .
395:881 .
1:101:484
Abril de 87Mtnoj
1 embarcacao.
expobtacao
O mercado exportador, msnteve-se anda activo
conservando se os precoa dos diversas gneros de
produeco da proviucia quasi que na mesma posi
co do mez de Marco ultima.
U algodo soffreu melbora no piefo, cotando-se
o de Ia sorte a 7/000 por 15 kilos.
Entraram para o mercado :
Assucar
No mes de Abril fiodo, comparado com o memo
wei em 1886, renderam as repartieres fiscaes :
No mercado de ttulos toram vendidas :
Apolices gera.-s : 45 de 1:000* a 990* e 72 de
500* a 495*, juro de 5 o/,.
^ ApoliceB provinciaes: 16 de 1:000*, juro de
7 /. ao par.
Letras bypothecarias : 137 da Ia serie, do valor
de 100* a 96* e 36 da 2", do vlor tambtm dr
100* a 92*500.
Accoes de empresas : 15 do Banca de Crdito
Real, valor realisado de 6c* a 65*; 20 da compa-
nhia de edificacao, valor de 100* a 65* e 10 do
valor de 50* a 25* ; da companhia Uoina rinto,
do valor de 200*, ao par.
*#
movimento do porto em Abril ultimo foi o se-
1 guate;
Abril de 1887
, de 1886
Mais em 1887
Algodao :
Abril de 1887
> de 1886
Mais em 1887
agurdente :
Abril de 1887
. de 1886
Menos em 1887
Aicool :
Abril de 1887
Couros :
Abril de 1887, por mar
Regularan! as vendas:
Assucar -Por.15 kilos :
Hraoeo3 superior
* 3.a boa
* 3.* regular
4.a sorte
Somenos
Mascavado purgado bom
* regalar
americano
BrutoRegular
i-io cinal
AlgodoPor 15 kilos. :
I.* sorte
Mediano
2. sorte
AgurdentePor pipa :
De
AlcoolPor pipa :
De
MelPor pipa :
A
ConrotPor kilo.
Espichados
* SeccoiDe
Verdes
123:972 saceos
60:652 .
63:3i0 "
30:789 saccas
8:042 .
22:747
411 pipas
841 >
430
18 pipas
427
2*800 2*900
2*500 a 2*700
2*300 2*500
2*200 2*300
2*000 i 2*100
1*600 1*900
1*500 1*650
1*300 1*500
1*200 1*250
1*000 a 1*050
6*800 a 7*0J0
6*000
5*000
52*000 55*000
105*000 110*000
45*000
650 ris.
560 565 ria
320 ris
Em Abril de 1886
Mais em 1887
AlcoolInterior
Em Abril de 1886
Menos em 1887
CourosExterior
Em Abril de 1886
Menos em 1887
MelInterior
Em Abril de 1886
Menos em 1887
Total
90 litros
475:980 .
476:070
36J:669
tu
CONTRA FOfei
Fhe Liverpool k London i Globe
uc.
Sement de carrapato
Seineutes de mam.na
Soila
Tabeas de amarello
Tiapos
Total appruximado
20:000*000
7:8015500
11:300*000
241*740
378O0O
2.355:246*422
MARTIMOS contra fogo
C/ompauhia Pheulx Per-
nambncaaa
Hundo Commereio a. 8
X.
AGENTE
Miguel Jos Alies
7RA DO BOM JESS-N
Seguro marillmo* lerrealre
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
.)ue concede i.is Srs. seguradas isemrco de paga-
oiento de premio em cada stimo anno, o que
equivale ao descont de cerca de 15 por cento em
favor dos segurados.
115:401
8:160 litros
14:580 ).
6:420
T7:527 kii.
60:628 .
43:101 .
1:480 litros
49:348
47:868
BorrachaExterior 3:188 kil.
CafExterior 240
Carocos d'algodaoExterior 610:000
Carvo animalIuterbr 340
Cascos de tartarugaExtrrior 32
Cera de carnauba -Ioterior 1:200 kil.
Cocos-Exterior 2t:OJ0
Interior 43:700
A exportacao pela Alfandega U\ a segninte :
AssucarExterior 5:307:525 kil.
Ioterior k:23:32
Total 11:537:853 .
Total
Couriuhos e pe lee--Exterior
DocesInterior
Fai inha de mandiocaInterior
Medicamentos e drogasInt.
MilhoInterior
OssosExterior
Ouro velhoExterior
Passsros seceosExterior
PiassavaInterior
Pontas d'' boiExterior
Prata velhaExterior
SalInterior
Sementes de carrapatoExt
de gergelimExt.
, de mamonaInt.
SolaExterior
Interior
67:900
123:970
1:835 kil.
4:247 saceos
858 volumes
1:615 saceos
21:000
9:300 graos
1:300
100 volumes
12:400
33:000 gr.*s
8*3:000 litros
80: ,00 kil.
1:478
70:000
530 meios
1:730 .
Total 2:260
Taboas de amarelloIit. 6
Trapos-Interior 14:000 kil.
*
O valor dessa exportacao, calculado pelas me-
dias dos precos mensaes, o seguinte :
IUPOBTASAO
O mercado importador esteve em Abril findo um
ponco menos animado do que em igual mez em
18S6.
P le-se, porm, atfirmar que foi elle regular,
attenta a pequeua diffdrxnca que se nota entre a
soama arrecadada em Abril ultimo na Alfandega,
sob a rubricaImportacao, queat tingio a.....
621:746*7:'6, e a ae igual mez em 1886, que foi de
627:001*630, ou mais 5:2541834 do que em Abril
de 1887.
*
Foram os seguiutea os preces das vendas de di-
versos artigos abaxo relacionados, salvos os des-
contos commnns :
Alhjsde 120 a 140 ris por mauqca.
Arrozde 2*500 2*850 o >r 15 kilos.
Azeit.- de oli-eirade 3*0 K) 3*400 por galio.
Bacalhede 18*500 a 19* por barrica.
BatatasJe 4*500 6* por eaixa e a 2*500
por giga.
Caf-de 9*003 13*010 por 15 kilos.
Caneliade 1*500 por kilo.
' Ceblasde 14*0 17*00) por eaixa.
Cervejade 6* 10*500 porduzia de garrafas
ou botijas
Chade 3* a 6* por kilo.
Cominhosde 17* por 15 kilos.
Farinba de mandioca-de 2*500 2*500 por
sacco.
Farinba de trigoamericana de 17* i 18* por
barrica ; e de Trieste de 22* 25* por barrica.
Feijode 6* 10*000 por sacco.
Gomma de mandiocade 2*800 3*000 por
15 kilos.
Herva-doecde 17*00jpor 15 kilos.
Massas alimentaresde 5* 7*500 por eaixa.
Manteigafrancesa em lata de 1*500 1*591
por kilo, e de diversas en. lata de 2*200 2*943
por kilo.
Milho de 45 70 ris por kilo.
Passasde 9* 10* por eaixa.
Pimenta da-Indiade 1*450 1*50* por kilo.
Queijosde 3* 3*600 cada um dos flimengos
Sardinhas Saldo nacional de 50) 709 ris por 100 li-
tros.
Toucinhode 9* 10*500 por 15 k-los.
Vinagreio de Lisboa de 150* 190* por
pipa ; e do oacioaal de 80* 100*000 por pipa.
Vinhoie Lisboa, de 220* 250* por pipa ;
de Figueira, de 225* 260* por pipa ; do de
Oette, de 240* 250* por pipa ; do nacional, de
1110*00 120*000 por pipa.
Xarquedo nacional, de 6500 a 8*201 por 15
kilos.
Arroz1.196 saceos.
Afeite de olivera5 barris e 518 caixas
Azeitonas1 barril.
Bacalhe 4.803 barricas, e 3.030 meias.
Banha de parco 600 barris.
Batatas 997 caixas e SO'j gigas.
Biscoutos 57 caixas.
Bitter1 eaixa.
Caf4.300 saceos.
Canella13 volumes.
Carne de conserva6 volumes.
Castanhas1 rolume.
Ceblas640 caixas.
Cerveja738 caixas e 335 barricas.
Cevada25 barricas.
Cn94 volumes.
Champagne- 25 caixas e 30 gieos.
Chocolate3 caixas.
Cluuric.as3 caixas.
Cidra225 caixas.
Cocos-16.900.
Cognac282 caixas.
Cominhos69 caixas.
Couservaa199 caixas.
Cravo da luaa3 saceos.
Doces -35 caixas.
Farinha de trigo9. 751 barricas.
Frijao212 saceos.
Genebra195 caixas.
Gerims200.
Legumes10 volumes.
Leite condeusado20 volumes.
Licores -22 caixas.
Maizena304 caixas.
Manteiga795 barris, 1.264 meios e 6 caixas.
Massa de tomate2 caixas.
Milho1.000 saceos.
Peixe de conserva4 caixas.
Pimenta da India124 saceos.
Presuntos28 caixas.
ProviBOes10 caixas.
Queijos681 caixas, 5 tinas e 2 volumes.
Sal291.030 litros e 25 volumes.
Salame4 caixas.
Salpicoes2 caixas.
Toucinho101 barris e 2 caixas.
Vinagre33 pipas, 120 quintos e 12 barris.
Vinho395 pipas, 10 meios, 794 quintos, 437
decimos, 326 barris e 1.003 caixas.
Xtrque-717.900 kilogrammas e mais 9.454
tardos.
Wermoutb45 caixas.
Wikjy50 caixas.
Assucar
Algodao
Agurdente
Alcool
Conros
Mel
Borracha
Caf
Carocos de algodo
Carvo animal
Casco de tartaruga
Cera de carnauba
Cocos
Courinhos e pelles
Doces
Farinba de mandioca
Medicamentos e drogas
Milbo
Ossos
Ouro vlho
Passaros seceos
Piaasa/a
Pontas de boi
Prata velha
Sal
471:460*470
583:991*100
53:05t'*690
1:983*420
9:851*9213
139*550
4:036*008
176*000
48:091*000
56*440
112*000
372: 400
5:432*000
92:977*500
1:835*000
10:829*850
12:876*000
5:135*700
273*000
347*448
630*0 JO
406*200
5:841*600
77*880
528*000
Alpistede 4*600 5*000 por lo kilos.
Breude 8*500 12* por barrica.
Carvo de pedr*de 15* a 16*000 por tone-
lada.
Cera de carnaubade 3*100 6*200 pr 15
kilos.
Cementode 5*000 8*000 po' barrica.
Couriuhos e pellesde 40*000 110*000 o
cento, conforme a qualidade.
Fumode 6* 31*000 por 15 kilos.
Graixade 4*300 5*000 por 15 kilos.
Kerosene de 3*200 3*30) por lata.
L-Micade 85* 125*00) o gigo da ordinaria.
Paptl de embrulbo de 500 1*500 cada
resma.
Sebode 3*200 i 6*000 por 15 klos.
Sola 5*000 cada meio
Velasde 280 320 ris um masso das naci-
naes, e de 580 900 ris cada masco das estran-
geiras.
*
Foram impc.rt.dos os seguintes gneros al:men-
ticios, bebidas e condimentos:
Amendoins-50 saceos.
Albos 80 canastras.
Arar-isas13 caixas.
Amend^as2 volumes.
Entraram mais os seguin'cs artgos :
Agua raz10 caixas.
Alcatro10 barris.
Alpiste198 volumes.
Barricas e barns vasios2.068 e mais 3.700
volumes desmanchados.
Barrilhi-220 tambores.
Barre priva de fogo43 caixas.
Borracha22 volumes.
Cabos78 volumes.
Cal4 barricas.
Calcados23 caixas.
C*rrapat<-77 saceos.
Carvo de pedra383 toneladas.
Ceras56 volumes.
-Chapeos39 eaixa- e 6 fardos.
Charutos18 cano s.
Chumbodo de munico 215 barris ; em canos
18 barricas.
Cemento1.510 barricas.
Cobre29 volumes.
Colla1 voiume.
Cordas150 pecas.
Couriuhos e pelles7 caixas e 451 fardos.
Couri8 de boi586.
Drogas e medcamentoa356 volumes,
Dynamite214 volumes.
Euxofre50 barricas.
E'anho42 volumes.
Esteiras48 volumes-
Estepa-95 fardos.
Farelio200 saceos.
FeVro-Era ac, 54 ^* '&** > em
arcos, 920 febea 5 em barra, 1.619 e 418 fe.xes;
em canos, 49 teixes em correntes, 2 barricas ; em
enxadas, 157 barricas ; em terragens diversas,
636 vilmes : em fogoes, fogareiros e chapas para
elles, 963 volumes ; em tolha, 79 ; em flandres,
477 cunhetes; em
i; em tolha, 79 ; em flandres,
i pe, 20 feixes ; em rodas, 120
MUlhUVIl I
V____________-----------.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

m


Diario de PernambucoDomingo 15 de Maio de 1887



>

U"
t*ndoa de Braslliaa Bauk
Limited
Ras do Commercio n. 32
por todos os vapores sobre as ca-
sas do meomo banco em Portugal, ssndo
eiu Lisboa, ra dos Capellist.is d. 75. No
Porto, ra dos Inglezea.
m
COMPANHIA. DE EDIF1GAQ50
O escriptorio d'esta
companhia a c h a s e
iuaccionando no largo
de Pedro II, n. 77, l.j
anda .
Imcumbe-se median-
te contrato < a paga-
mento cm prestafdes,
de construcfdes e re-
construepocs de prc-
d os, cojos projeetos c
ornamentos sejam ou
t i o confeccionados;
pela eompanhia.
So escriptorio se en-
contraro sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica vapor
do Taquary, tendu sem-
pre venda: tijolos
massifos de a i venara.
ditos para ladrilhos,
diversos formatos, tc-
Ihas romanas, france-
sas, de capote con?, cn-
eaixe, de crista; canos
e curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e ti jo los fun-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas c cn-
eonicndas, no escripto-
rio central.
Na secretaria da Santa Caaa arreudam se os
seguiutes predio :
Bu* do Bom Jess n. 12, loja e J andar.
dem idem n. 13, 8- e 3- andares.
Ideen do Vigai io Tbenorio n. 22, 1 andar.
Id in do Mrquez de Olinda n. 53, 3- andar.
dem do Apollo n. 24, 1 andar.
dem da Madre de Deas n. 20.
dem idem n 10.
dem da Modft n. 45.
dem idem n. 47.
dem idem n. 49.
dem da Lingoeta n. 14, 1 andar,
dem da Guia n. 25.
Becco do Abreu n. 2, 2- andar,
dem das Boias n. 18, sobrado de douB andares
e loja.
Kua da Aurora n. 37. 2- andar.
dem da Detenco (dentro do quairo) deas
CBUS.
BOYAL IAILSHAI PACKET
C01PANY
0 paquete Tagus
' esperado da Europa no di
23 do corrente, seguindo
depois da demora necessaa
ria para
MARTIMOS
Bahia, Rio
vdeo e
de Janeiro Monte
Buenos Ayre*
Para p:issagens, fretes,, etc. tracta-se com os
Consignatarios
Vapor Hile
Eapera-se da Europa no dia
17 on 18 do corronte seguin-
depois da demora necessara
para
Comp&-.ia lira i le Ira de \avc
gaco a Vapor
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante Joao Mana Pessoa
' esperado dos portos do sul
at o dia 16 de Maio, e
seguir depois da demora ii
diepensavel, para os portee
do norte at Mancos.
Para carga, passagens encommendas e valore.-
tracta-se na agencia
PRAQA DO CORPO SANTO N. 9
By8lMal]8t:8iMetCflipaf
Vapor extraordinario
O vapor Nile
Baha e Rio de Janeiro
Reductfto de passaqens
Ida Ida e volta
A Southampton 1* classe 28 42
Camarotes reservados para o passageiros de
Pernambuco.
r"ara passagens, fretes, etc., tmea-se <-. m os
CONSIGNATARIOS
Segu impreterivel -
tente para os partos
cima no dia 19 de
Maio, as 2 horas da
tarde. Recebe carga
_ unic.imente at ao li2
di., do dia 18. '
Para carga, passagent, encommeadas e dihueiro
a fre, 'racta-so na ageneia
7 Domingos Alves Malhens
CBARfiFiiRs mm
Companhia Francesa de Navega
Cao a Vapor
Linha quinzn;i! entre o Hwre, Lia
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Inled S^tes4Brasil M U C
0 vapor Allanca
Lapera-se de 1 -
News, at o dia 24 e Maio
o qual egvrt -. > ,i:
lemoi-i oe i ii' .1 *
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
O paquete Finance
o
owse
iiaiaison
S. 3 RA DO OOMMERCIO
1- andar
N. 3
pg-siiBQamf
DampfschilMrts-GeselIschafl
O vapor Campias
De 3,039 toneladas de registro
Rio
1 de
Sabir do porto do
de Janeiro no dia
Junho prximo com es
cal* para Bahia e Per
Darabuco, seguiado depois de pouca demo
ra com malas e passageiros para
LISBOA E SOUTHA3IPTON
Desde j recebe-se encoramendas parr
camarotes na
AGENCIA
Ra do t ominen o n. 3
1" andar
AdamsonHowie <&C,
AGESTES
Babia, Rio e Santos
9 nw austraco Szciwi
E' esperado de Fiume at o
dia 10 de Maio, sega indo de-
pois da demora necessara
para os portos acimu.
E' esperado dos por-
tos di su! at o dia 2
de Junho c seguir do-
pois da demora neceo-
jara para
Hamburgo
Lisboa e
Para pasagens, tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
Commandante Pancbvre
Esperujse des portos do sul
at odia 2 de Junho seglin-
do depois de indispensavel
d.-mira olliVBE, tocando
em Lisboa.
Havendo numero sufficiente de passageiros de
" classe o vapor ntrar dentro do porto.
Conduz medico a bordo, de marcha rpida e
ofierece excedentes commodos e ptimo passadio.
As passagens podero ser tou>ad>.s de anteuio.
Recebe carga, encommendas e passageiros p ra
os qaaes teai ezcellentes accommodacoes.
Para carga, patsagens, enco'nmodns e diohetro
a frete : trata-se com o
t' esperado dos portos de
sul at o dia 21 de Maio
depois da demora necessara
seguir para
Harauho, Para. Barbados, *
Thotnaz e .lie w-York
Para carga, passagens.euc uunendaa dinheirc
frete, tracta-se com os
AGENTES
llenrj Forslr i C.
N 8 RIJA a) COMMERCIO -
1 anda*
O
Commandante Brant
O vapor Lissabon
pares : em :i.s, 66 : em trilhos, 50 ; eon maclii-
nas, apparelhos, etc ete., 5.20) volumes e pecas.
Fio de liobo e algodo205 volumes.
Fumo423 volumes e 126 fardos.
Graixa111 pipas e mais 3.970 kilos em bexi-
gas.
Jangadas-6
K rosene29.647 cxixas e 0 barricas.
Lmbas192 caixas.
Lona24 fardos.
Louc* 483 volumes.
MideiraslO.i.'O achas d.- lenha, 62 eucharos
2 pranthoes, 2 rolos. 2 tr ;ve, 5 tranjas, 5.T0J
loros de m ngue, e 20 feixes d<- arcos de j j.
M'-.nnores e pedrns70 volumes, 771 lagja, 301
redras de amollar e 15 barricas com pedras de
i igo.
Mercadonis divesas3.140 volumes.
Oleo -150 volumes.
Palha de carnauba256 m:h ^e.
Puoiio de algodod>> Dais1.052 fardos.
Papel--81 caixas e 393 tardos.
l'<-rtiiniarH825 caixs.
Fhotpboros264 caixts.
Fanos1 volume.
Piassava56 molhoi.
Pipis vasias191.
PboUa2.OO0.
Saceos vasios489 olumes.
Salitre475 caixas.
Sabao- 5 cuas
S-.bo1.072 barris.
Suda5 tambores.
Sol1.310 meios e 118 volumes.
Taina neos24 lardos.
T-cidos1.716 volumes.
Tijolos.OUO.
Tij .los para facas60 canas.
T.ntaa244 volumes.
Typos 1 C4ix.
Trapas6 fardos.
(Jabas 120 kilos.
Velas155 caixas e 7 vo'umes.
Viiros106 volumes.
ViuieEm obras, 2 volumes.
Z cito3 barricas.
Z neoEm folha, 3 barricas.
B >Ka otiintrcSal
l'TAVES OFFICIAES DA JUNTA D08 COR-
RECTOBE8
Recite 14 de Maio de 1887
C "iibiu obre Li>uJret, 90 d,v. 23 d. por 1, do
p.'jcj, hontem.
Gtioaio sobre Lisboa, vist.i 136 0/0 de premio
do banco, hontem..
O presioeote,
Antonio Lronardo Kodrigues.
U secreiario.
Eduaido Dubeux.
ifiivlaento nanearlo
BSCIFB, 14 DE MAIO DE 1881
0 bancos abriram boje o mercado de cambio
eom a taxa de 22 7/8 d. sobre Londres e a? rela-
tivas sobre &s demai pracas, saccando depois a
n 3/4 d.
A'o 2 1/2 horas da tarde, porm, retir-ram do
bale-So h rtferida taxa de 22 7/8, sr.m officialmen-
te estabelecerem outra, e j recusando-se saccar
a 22 3/4 d. ,
Mercado de anaacar e aiKodaw
BF.CIFE, 14 OS MAIO DE 1887
Asmear
>) preeos, pagos ao agricultor, foram estes :
3. batxo, por 15 kiks, de 2*000 a 2#100.
regular, por 15 kilos, de 2*100 a 2*200.
3.' boa, por 15 kilos, de 2*200, 2*300 e 2*400.
3. Mperior, por 15 kilos, d.- 2*500 a 2*600.
i'.rsnco turluua pnlverisado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*401).
bvuieooa, ?.it 15 kilos, de 1*W a 1*700.
Maeeavad:, por 15 kilos, a 1*200 a 1*300.
Bruto, por 15 kilos, de 1*100 a 1*200.
Enlames, por lu kilos, de 840 a 1*000.
O inmuno ou miuimj Ots oreos sao obtidos
riue o sortiinciiU).
Algodo
Q de Pernambuco e boas precedencias, em ter
ra, (oi hojo vendido a 6*500 pjr 15 kilos.
Recebe carga e encommendas a frete mdico
rractar com os
CONSIGNATARIOS
JOHNST^N PATER & C.
RA DO COMMERCIO N. 15
Knlra de annucar e algodao
MEZ OB MAIO
O
4
Barcacaa.....
Vaporea.....
EsiraJa de Tcrro de Cit
ruar .....
Animaes.....
tstrnda de trro de S.
Francisc .
Estrada de trro de Li-
moeiro.....
1 12
1 4 12
1 13
1 14
1 12
1 i 12
i
17.421
2.583
1.852
21.266
1.362
44.484
280
400
40
4.053
1.378
578
6.729
Espera-se de HAMBURGO,
por LISBOA, at o dia 17 do
jrrente, seguindo depois da
di mora necessara para
Rio de Janeiro e Santos
Para passageiros e car^a afrete trata-se cornos
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RA DO COMMERCO N. S
2* andar
Companhia Bahlana de navega
cao a Vapor
Maeci, Villa Nova, tenedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
O VAPOR
Principe do Gro-Par
Commandante J. F. Teixeira
E' esperado dos oonop aci
ma at o dia 16 de Maio,
e regressar para os mee-
mos, depois d&demora docos
turne.
Para carga, passageus, encommendas e dinhei-
ro a frete, trata-se na
Espera-se dos Dortos do
sul at o dia 18 de Maio,
seguindo depois da indis
pensavel di-mora para o Ha
IKi
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo passa-
dio.
As paseagens podero ser tomadas de anteinan.
Recebe carga encommendas e paesageiros para
os quaes tem excellenteB accommodacoes.
10 vapor ViU e de Cear
Commandante Si;ni>n t
E' usperailo da Europa
at o dia 21 de Maio, se-
guindo depois da indispon
savel demora para a Ha-
Hijj. Hi.'; e Kaoloa.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p *los
vapores dest li!ia,ijui'iram aprtseutar dentro de 6
dias a contar <1- ijuer recHia(.e..(.i concerueute a volumes, que po-
vi ni u. h tenham seguido para os portos do sul.atia
de se podcreni dar a tempo ae providencias neces-
ssrias.
Expirado o referido pruM cnupahiioa n se
"eeponsabilisa por extra vioe.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frite: trata-se com o
AGENTE
Aaguse Labille
RA DO COMMERCIO -9
IL1
I'Im. 8r. Dr. juis de direito especial do ccmmer-
eio, a requerimento do V.'sccnde de Campo-Alegre
e outros, vendero em Icilo o que se segu, pelas
amustias e a entrega uj estacao das Cinco Pon-
tas : 10,800 kilos de assuear de 1>, 320 de 2, mais
15 toneladas de assucir de 1, 59 ditas de 2',
4,148 litros de agurdente, 20,000 de me| tudo do
engenho central Santo Ignacio, no Cabo; mais 38
tenelhdus de assucir bruto, grande quantidade
de assuear rtame em 6 tanques, litros de mel em
2 1|2 tanques, 227 tacco com assuca.- e cerca de
81 pipas de agurdente do engenho central Bom-
Gcsto, em Palmares ; mais 13 depsitos com as-
suear, 466 saceos com saucar de 50 kilos cada um,
52 ditos de 80 kilos, 15,003 kilos de assuear, litros
de mel em 2 tanqu s, ditos de agaardento cm 4
cubos grandes uo engeuh i ceutral Cuyambuca e
finalmente 250 sace.-.s de assuear, 180 ditos de
mascavado, cerca de 50 barris de agurdente,
1,000 litros de mel de l e 10,000 de i; no enge-
nho central Firm.'za, na Escada, cujas amos-
tras desde j podem ser examinadas pelos senho-
res preten.ienti:j no armazem ra do Imoerador
n- 30.
Leiliio
Leilo
De um importaute piano novo do fabricante
Hoelling & Spangenberg. 1 cadeira para dito, 2
mesas novas elsticas de 4 taboas, guarda vesti-
dos, guarda loucas, mobilia, camas, marquesoes,
mesas grandes e pequeas com gavetas, quadros,
espelhos, jarros, talheres, copos, clices e muitos
outros objectos.
Segunda feira, 16 do corrente
As 11 horas
Vo armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 19
POR INTERVENCO DO AGESTE
Gasmao
Lc'lao
Agente Britto
O agente cima, aut risado pelo Sr. Eduardo
Gadaux, que se retira para a Europa, far lellao
do seguiute : 1 mobilia de junco, 1 dita de ama-
relio, mesa elstica de 3 uboas, 1 marquezo, 1
commoda, 2 aparadores, 1 quartinheira, 1 lavato
ric, 1 espelho, 1 relogio de parede, csndieiros de
kerosene, lanteruas, louca do almoc' e jantar, co-
pos, clices, compoteiras, facas, jarros, quadros,
tapetes e outros objectos miudos na antiga ra do
Fogo n. 18
Terja-feira 17 do crrante
As 10 lj2 horas
De movis, piano, loucas, vidros, eleo'tro-
plate, plantas e viveiros com passaros
QUARTAFEIRA 18 DO CORRENTE
Vs 11 horas
Na casa terrea sita ra da Aurora n.
109 G
CONSTANDO
Do 1 importante mobilia de junco com t>mpo ci
pedra, 1 plano de Ply.l, 1 cadeira para dito, 1 es-
trado para dito, 1 luatr-' d:j gaz, 4 quadros, 2 pa-
res de jarros, 1 candieiro para gaz, 1 espelhn
oval, 2 forros de quart), 1 oama fraocezs, 1 guar-
da-vestido, 1 toilette, meia coiLmoJa, 1 lavatorio.
1 marquezo, 1 cabide, 1 cama para menino, 1
dita para casal, 1 cabide de pande, 1 cadeira
furada, 1 mobilia de jiioeo, 1 mesa elstica de 4
taboas, 1 guarda pratos, 2 apparadores, 1 machi-
na de costura, 4 quadros, 2 pares de jarros, 1
candieiro de. g.iz, 1 guarda comida, 1 mesa c>ra
ps torneadas, 1 diti com tami.o de pedra, 1 la-
vatorio, louc.i para alinoco e jautar, copos, Cau-
ces, garrafas, colheres, talheres, salvas, appare-
lhos, coiheres, facas, galheteina, heoreiros, tudo
de electro-plate, 1 lustre, 1 grtudc viveiro com
passaros, 1 dito com rolas e diversas qualidades
de plantas.
O agente Gusmao, autorisado por urna familia
que refira-sc para fra da provincia, fara leao
dos objectos cima mencionadjs.
9
Aracaty
Segu para e porto cima o hiate Deus te Salve,
recebe carga ; a tratar na ra da Madre de Deus
o. 8 i u no caes do Liyo, a bordo,
r
Segu para o porto cima o hiate nacional D-
Antonio, receb cargn ; a tratar na ra la Aladre
de Deus n. 8, ou no ce6 do Loyo a bordo
AiMorlarnu tommercial
Entrou de semana o director D. P. Wili
Banco de Crdito Beal
Este banco eat pagando o seu primeiro divi-
dtuao razao de 4*000 por accao ou 10 0/0 do
valor reaiizaif. de cada mu ..
O pagamento f.iz-oe ua ode i do b-uco, das 10
Doras da mauh.I s 4 horas da tarde dos das
atis.
SabNdluico de uoias
As notas do Thesouro de 2*!XH) da 5.a estampa
5*000 da 7.* e 10*000 da 6.*, serao substituidas
na Tbetouraria de Fazenda at o rim do mes de
Junho com o descont de 2 0/0, o qual ser eleva-
do a 4 0/0 a contar do 1. de Julbo a 30 de Se-
tembro do corrente anuo.
>ota* do I lnxoiiro dilsrerada
O recolbimeuto de notas dilaceradas est sendo
feito na Thesouraria de Fazenda, as tercas e
sextas-friras, das 10 s 12 horas da manh.
ruma da Aifandega
SkMlNA DR 16 21 DE MAIO DK 1887
Assuear branco (kilo) 126
Assuear mascavado (kilo) 066
Alcool (litro) 218
Arroz com casca (klo) 65
Aodao (kilo; 360
Aosuvar refiuado (kiio) 145
Borracha (kilo) 1*26*
Courok seceos salgados (kilc) 500
Couros verdes (kilol 270
Cacao (kilo) 400
Cachaca (litro) 077
Caf bom (kilo) 460
Caf restolho (kilo) 320
Carnauba (kilo) 366
Cargeos de alrodao (kilo) 014
Carvo de pedra de Cardifi (toj.) 16*000
Couros seceos e pichados (kilo) 585
tfarinha de mandioca (litro) 080
Pumo restolho em rolo (kilo) 400
Fumo restolho em lata (kilo) 6tf
Fuin< boai (kilo) 720
enebr (litro) 200
Mel (litro) 040
Milh.i (kilo) 040
Taboados de amarello (duia) 100*000
luportaeo
Hiate necional Giriquy, entrado do Rio Gran-
do do Norte em 12 do corrente e consignado a
Mauoel Joaquim Pessoa, manifestou :
Borracha 5 volumes a Julio & Irmo.
Couros salgados seceos 387 aos meamos.
Vapor nacional Jagu ribe, entrado dos portos
do norte, em 14 do corrente e consignado Com-
panhia Perima: bucana, manifestou ;
Algrdo ''0 seccas a Borstelman & C, 360 a
Joao V. Aivez Matheus 4 C, 60 a Gimes de Mat-
t>s Irmts.
Barris 71 a Pereira Piuto & C.
Caf 25 saceos a Gomes de Mattos Irmaos. i
Couros salgados seceos 138 a Borstelman &
C, 81 ordem, 21 a Joa > Paes d; Oliveira, 14 a
J. Krause & C.
Courinhos 170 fardos a Abj Stein C.
Cera de carnauba 20 saceos ordem.
Pelles 1 faido a J. Krause & C.
Queijos 1 caixa a Antunio F. Ramos, 4 ordem
3 a Cuuha Irmos o C.
Sola 610 meios a Gomes de Mattos Irmos, 200
a E. da Cunba Beltrn.
Velas -23 Caixas a Joaquim Felippe Aguiar.
Lugre iuglez Maggie, entrado de Terra-Nova,
em 14 do correte e consignado a J. Pater & C,
manifestou :
Bacalho '265.1 barricas c 900 meias ordem.
Vapor ingles Afarriner, ebegado de Liverpool e
Litb .a, cm 12 do corrente e consignado a J.
Pater a C, manifestou :
C*rg8 de Liverpool
Arroz 600 saceos ordem, 25 a Aranjo Castro
& C, 25 a J. F. da C -ata, 100 a Domingos Cruz
& C, 25 a Gomes & Pereira, 50 a Joaquim Fer-
r ra de Carvalhj & C, 100 a Fernandus da Cos-
ra & C, 100 a Soares do Amaral Irmos.
Arcos de ferro 71 feixes a Res & S intjs.
Alpiste 10 saceos a Araujo Castro & C, 10
a Souza Basto Amorim 8c C, 10 a Paiva Va-
lente & C.
Ancjr^s de ferro 15 a C. C. da Costa Moreira
& C.
Amostras 8 volumes a diversos.
Agua mineral 20 caixas ordem.
Batane Barrilhas 30 tambores ordem, 30 a F. da
Costa & C
Barraa de ferro 115 e 180 feixes a VY. Halliday
& C, 205 e 12 feixes a Mi "anda & Souza 135 e
245 a Albino Silva & C, 88 ba-ias a Alian Pa-
tersen & C, 283 a Ferreira Guimaraes 6t C-
Biscoutos 10 caixas ordem, 10 a Paiva Va-
lente & C
Chapeos 2 caixas a li.ipli.iel bias & C
C-ivada 30 barricas ordem.
Cemento 400 barricas a C mpanhia do Bebe-
ribe.
Cartas parajogar 2 caixes a F. Liuria & Ceu
Chapas para toges 60 a Simuel P. Johust
IG /
C irrente de ferro 1 a Livramento & C.
C indieilos 3 volumes ordem, 4 a Duarfe Cam
pos & C-
C Crveja 20 barricas a AraujnC is'ro C, 30 a
Domingos F. da S Iva & C. 55 a Paiva Valente
& C, 33 ordem.
Cilcados 1 eaixo a Ferreira Btrba&a & C
Cmetas 5 ciixas a Araujo Ctatro c '..
Chumbos de inuuicoes 4 barris Ferreira Gui-
maraes & C.
Ctnos de ferro 31 feixes Miranda & Souz.,
103 Samuel P. Johnstou & C
Conservas 30 caixas a Domingos F. da Silva
& C *
Cha 12 volumes ordem, 11 a Djmingcs Cruz
& C
C -bre 19 volumes a ao Dr. Hyjolito V. Peder-
neiras.
Cidra 20 caixuS urdem. '
Elstico 1 caixa a Gomes de Mattos Irmos
& C
Estopa 28 fardos a R. dngues Lima A C, 10 a
Machad & Pe reir, Albino Amorim dr. C. 10
ordem, 5 a Aotouio D Carneiro Vianna.
Estanho 20 barricas a Samuel P. Johnston dt C.
Enxadas 34 barricas a Pirente Vianna dr C,
36 a Ferreira Guimaraes a C, 80 a Antonio D.
Carneiro Vianna, 3 a Vianna Cistro 4 C-
Ferro guza 10 toueladas a Samuel P Johnston
&C
Fio 4 fardos a Oiiveir-i Basto 4 C, 2 ordem,
4 a Prente Vianna 4 C, 2 a Ferreira Guima-
raes 4 C-
Fltro 5 volumes a N. J. Lidstone.
Folha de ferro 20 a W. Halliday & C, 52 a Mi-
randa 4 Souza, 20 a Ferrei.a Guimaraes 4 C-
Ferragens 3 voluinrs Cardoso 3c. Irmo, 2 a
Alian Piterson x C, 4 a Antonio Rodrigues de
Souza & C, 3 4 ordem, 28 a W. Hallidny dt C,
14 a Samu 1 P Jehnstoo dr. C 1 a Manoel C. Ay-
res, 9 a Gomes de Mattos Irmos, 18 a Ferreira
Guimaraes & C, 2 a Reis & Santos, 1 a Vianna
ft C, 5 a Miranda 4 Souza, 2 Antonio D. Carnei-
ro Viaunu, 6 a Vctor N., 13 os Herdeiros do
B v.'.nan, 1 a Al Dio Siiva dr C
Fogareiros 100 a Vianna C istro 4 C, 200 a F.
C, 1 a
1 a F.
a K. J.
Guimaraes ir C. 180 a Samuel P. Jjhnston 4 C.
Folhas de flandres 5,3 cunhetes a W. Halli-
day 4 C, 3il a Vianna Cistro 4 C, 100 a Prente
Vianna de C a Reis & Sintos, 50 m Ferreira
Guimaraes 4 C. 25 a Albino Silva dr C.
Ginger-alc 5 caixas a Fernaudes & Irmo.
Louca 1 gigo a Samuel P. Johnstou 4 C., 170 e
3 barricas ord-m.
Linha 32 caixoes Gomes de Mattjj Irmos, i a
F. Lauria 4 C, 10 a Manoel Joaquim Ribeiro
Lona 3 tardos a W. Halliday C.,1 C. Wa-
chsmam, 1 a Prente Vianna 4 C-, 1 a A. D.
Carneiro Vianna.
Materiaes para estrada de ferro 260 volumes e
pecas Great Western of Brasil Railw.iy.
Molho inglez 1 caixa a Domingos Ferreira da
Silva 4 C.
Mercadorias diversas 1 volume a Guimaraes
Cardoso 4 C, 9 ordem, 4 a A. D. Carneiro
Vianna, 2 a Francisco G. do Amaral 4
Maia dr Silva, 1 a Nunes Fonseca a C,
H. Caris, 2 a Francisco Liuria de C, 4
Lidstone.
Machinismos e ferragens 124 volumes e pecas
aos herdeiros do Bowmain, 4 volumes a Norkman.
Objectos para escriptorio 1 caixa a Manoel Car-
doso Ayres, ditos para gaz 10 volumes empreza.
Oleo de linhaca 2 barris a N. S. Lidstone, 17
ordem, 26 a Francisco Manoel ^a Silya 4 C
Panno para navio 1 fardo a C. C. da Costa
Moreira 4 C.
Pregos de cobre 1 caixi a C. Waeksmann.
Pimenta 5 saceos a J. da Costa, 5 a Gomes 4
Pereira 10 ordem, 5 a Joaquim Ferreira de C ir-
valbo 4 C.
Ps de ferro 10 feixes a W. Halliday 4 C.
Papel 1 caixi a Gomes de Mattue Irmos, 3 a
Joaquim Bernardo dos Reis 4 C.
Pregjs 6 saceos a N. J. Lidstone.
Tnihos de ac 1,049 Great Western of Brasil
Railw.y Company.
Tijolos 1,000 a Alian Paterson & C.
Tiutas 25 barricas a Faria Sobriubo 4 C, 40 a
C. C. da Costa Moreira & C.
Taxas de ferro 15 a Alian Paterson Si C.,4 aos
Herdeiros do Bowmann.
Teeidoa diversos 1 rolume a Manoel da Cuuha
Lobo, 159 ordem, 2 a Rodrigo de Carvalho it C,
7 a C-miio Santos dr C, 10 a Guerra ds Fernan-
des, 8 a Albino Amorim 4 C-, 14 a Otinto Jar*
dim & O.i 11 a Souza Nogueira 4 C, 7 a Sil-
veira & C. 1 a Mcudes dt (J., 43 a Luis Antonio
de Si q ue ira, 8 a Beruet 4 C, la Lcureiro Maia
& C, 2 a Francisco Lairia 4 C, 3 a Figutiredo
&. C, 5 a A. Vieira t C, 6 a BeraarJiuo Maia
4 C, 6 a D. P. Wild 4 C-, 1 a G.Naesch C,
79 a Machado 4 Perroira, 1^ a Goncalves Lmos
dr, C, 8 a Alves de Brito dt C, 2 a Francisco de
Azevedo & C, 32 a Jesuino Alves Furaaudes, 2 a
A. Lopes 4 C.
Tinta 8 oarricas a Antonio Duartc Carneiro
Vianna.
Whiskey 50 caixas ordem.
Vidros 3 volumes a Aurust^ Clark, 2 a Bernar-
dina D. Campos & C-- 50 Dr. Hypolito V, Pe
dorneiras, 58 a Sulzer K lutfman 4 0., 2 & Deo
dato Torres 4 G.
Zincu 1 caixa ao Dr. Hypolito V. Pederneiras.
Carga de Lisboa
Batatas 100 1(2 caix.s a Domingos Ferreira da
Silva & C, 160 a Silva Guimaraes 4 C, 50 a
Ferreira Rodrigues & C, 50 a loo FernandeB de
Alineida.
Ceblas 80 caixas a Ferreira Rodrigues 4 C.
Drogas 1 volume a Rouquayrol Freres.
Papel 1 caixa a Carlos Pinto dt C
Pedras 50 caixas ao Dr. H. V. Pederneiras.
Vinagre 20 pipas e 2b[5 a Silva Guimaraes
40.
Vinho 2 pipas a J. Ferntndes da Costa 4 C, 6
a Casta Lidia & O., 45 60|5 a F. R. Pinto Gui-
maraes, 36, 20|5 a Joaquim F. de Carvalho, 15,
50|5 a Souza basto Amorim 4 C._, 15, 20|5, 10(10
a Antonio Maria da Silva, 7, 80(5 a Pereira Car-
neiro 4 C, 50 barris a J. M. Goncalve, 50 a
Joo Fsrnaules de Almeida, 10 a Amorim Irmos
4 C, 2 a J. M da Silva, 20 a Joaquim Duar'e
Simoss dt C, 1 a Severino 8. de Andrade.
K&port 3 Biscrrs 13 de maio de 1887
Para o exterior
3 No vapar inglez Baikena Bay, carrega-
ram :
Leilo
Ter?a feira, 19 do corrate
A's 11 horas
No trapiche Aunes, defronte d'Alfandega
De 180 saceos com feijao mulatinho de
Lisboa
Agentes Barlamaqui e (iusmao
Leilo
Terca feira 19 do crrante
A's 11 1/2 horas
No armazem da ra do Imperador n. 30
De assuear, .guardeott* e m"l
Os agentes cima por mandado e assiseencia do
Agenta Br Uo
De urna obrigasao da quantia ds 6:0006,
assignada por Manoel do Nascimento
Vieira da Cunha, e perteueente ao espo-
lio de Maria do Carino Vieira da Cu-
nha.
O agente cima, a mandado do Illm. e Exm.
Sr. Dr. juiz de direito deorphos e ausentes e a
requeriini 11:0 do lllin. Dr. curador cern de au-
sentes, em aua presenca, levar a Ktilj a referi-
da obrigaco de divida.
Roa de Pedro Alfonso n. 43
Quarta-feira, 18 do corrente
A's 11 horas
Leilo
De dividas na importancia de 13:659^600,
sendo 8:76/760 em letras e 4:8915840
em conta de livro, espolio do coronel Jo-
te Antao de Souza Magalhes.
(tuart-feira 1 H do correle
A's 11 horas
No armazem a ra do Imperador n. 16
O agente Martina, autorisado por alvar do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito Jo civel, far leilo
com assisteucia do mesmo juiz, das dividas acti-
vas do espolio do coronel Jos Antao de Souza
Magalhaes.
Podem ser examinadas as letras e a reiacao das
dividas em peder do mesme agente.
Para Liverpool, F. Csco A Filho 1,000 saceos
com 75,000 kilos de assuear mascavado ; J. H.
Boxwell loOsaccas com 10,703 kilos de algodo.
No vapor inglez Fructera, carregou :
Para Liverpool, J H. Boxwell 5i'0 saccas com
38.576 kilos de algodo.
= No vapor iuglez TretU. carregou :
Para Lisboa, Pedro J. da Silva Guimaraes 1
barril com 100 litros de agurdente.
Na barca norueguense Hans Tode. carrega-
rain :
Para Montevideo, F. M. da Silva & 0. 100 cai-
xas com 1.000 litros de oleo de ricino.
Para o interior
No lugar norueguense Hans Tode, carrega-
ram :
Para Uruguayana, J. S. Loyo 4 Filho 980 bar-
ricas com 73,975 kilos de assuear branco.
No vapor nacional Pernambuco, carrega-
ram :
Para o Rio Grande do Sul, J. S. da Costa Mo
reir 0 barricas com 1,421 kilos de a.-uc.ir
branco.
Para o Rio de Janeiro, Costa & Fernandes
3,500 cocos, trncta ; Eduardo Barbosa 66 saceos
com 3,960 kilos de assuear mascavado ; Jos dos
Santos 5,000 cocos, tructa ; A. F. dos Santos 28
caixas com vinho jurubeba.
Para Bahia, F. M da Silva 4 C. 25 caixas eom
cajurubeba.
= No vapor nacional Eepirilo Sanie, carre-
gou:
Para o Para, J. L. Vianna 4 barris com 381
litros de agurdente e 11 c tizas com 420 kilos
de doce.
Xavloa & carca
Barca norueguense Qlitner, Hull.
Lugar norueguense Stabil, Montevideo.
Lugar norueguense Hans Tode, Montevideo-
Patacho inglez Kathleen, Eetudjs-Unidos.
Patacho alkme Calo, Rio Grande do Sul.
Xavlu* & dencarga
Barca nacional Mimosa, xarque.
Barca norueguense or, varios gneros.
Escuna nacional fCvora, varios gneros.
Lugar nacional Marinho VII, xarque.
Lugar inglez Stetta, bacalho.
Patacho nacional joven Correia, xarque.
Patacho nacional Rival, xarque.
Patacho nacional Andaluza, xarque.
Vapor iuglez Frutera, carvo.
Dintteiro
O vapir Jaguaribe entrado de Aracaty trouxe
para :
Gomes de Mattos Irmos 9:029*280
Rodrigues Limo & C. 2:518*380
Maia .* Rezende 6:000*00.1
De Natil para :
Fernandes limaos 3:li>7*580
De Maco para :
Gomes de Mattos Irmos 7:0953''0
Cramer Frey 4 C. 630000
Joiio Paes ae Oliveira 6U*''O
Da Thesouraria de Paz-nda para
o almoxarifado de Fernando 4:667*427
2 a 13
dem de 14
Recite Drainage
2:417*505
19*853
2:437*358
Haiadoaro Publico
Foram abatidas no Matadouro da Cabanga 109
rezes para o consumo do dia 15 de Maio.
Sendo: 84 rezes pertencentea Oliveira Castro,
dt C, e 25 a diversos.
Vapore* e navios esperado*
VAPOBES
Gold Hdldo sul hoje.
Principe do Gro-Parda Bahia hoje.
Argentinade Hamburgo amanh.
Espirito Santodo sul a 17.
Lissabonde Himburgo a 17.
Nileda Europa a 17.
Villa de Maranbodo sul a 18.
Bkamenyde Trieste a 18.
Financedo sul a 21.
Ville do Ceardo Havre a 21
Merchantde Liverpool a 23.
Ceardo norte a 23.
Tagusda Europa a 24.
Allancade New-Pcrt-News a 24.
Manosdo sul a 27.
Readimeatos pblicos
Renda jreral
Oe 2 a 13
dem "e 14
euda fiovnuial
De 2 a 13
dem de 14
MKZ DE MAIO
Aifaniega
316:783296
21:502*717
338;2860l3
3':406t804
2:786,.147
40.192*951
.c 2 a 13
dem de 14
Oe 2 a 13
Id-m i. 14
lecebedoria
Join"od(, f. voinciac
378-4784964
15:881961
2:178*444
18:0504408
19.061*406
62 i 729
19:134*134
NAVIOS
Amandade Hamburgo.
Apolheker Dirsende Santos.
Ameliado Rio Grande do Sul.
Albanade Cardiff.
Anne Catharineda Bahia.
Anne Charlottedo Rio Grande do Sul.
Bernardus Godelewus do Rio Grande de Sul.
Carolinado Rio Grande do Sul.
Diudado Rio Grande do Sul.
Enjettado Rio Grande do Sul.
Erutede Hamburgo.
Elysado Porto.
Favoritade Santos.
Guadiauade Lisboa.
Jolanthede Santos.
Julietado Rio Grande do Sul.
J. B. D.de Liverpool.
Katalina le Terra Nova.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Meta Sophiade Hamburgo.
Malpode Brunswick.
Marenlo Ri; Grande do Sul.
Nordtoende Liverpool.
Nauti'usdo Rio de Janeiro.
Our Annit'd" Buenos-Ayres,
Premierdo Rio de Jaueiro.
Positivodo Ro Grande do Sul.
Rosa Hilldo Rio Graude do Sul.
Rabbido Rio Grande do Sul.
Sparkde Terra Nova.
Witheliniuede Hamburgo.
Mov me ufo do porto
Navios entrados no dia 14
R ic de Janeiro e escala7 1/2 dias, vspor in-
gles Trent de 1707 toneladas, commandante t.
E. Bell, equipageTi 92, carga varios generes a
Adamson Hcw,e 4 C.
Camossim e escala11 dias vapor nacional Ja -
guaribe, de 412 tonelada;, comandante Antonio
Maria Ferreira Baptista, equipagem 30, carga
varios gneros Companhia Pernambucana.
Terra Nova35 dias, lugar inglez Maggie de 192
toneladas, capita-t G. H. Percy, equipasen) 9,
Carga bacalho a Johnston Pater 4 C.
Terra Nova35 das, barca ingleza Helen lzabel
de 249 touelaias, eapito J. F. Olson, equipa-
gem 13, carga bacalho a Jjhnston Pater &
O.
Terre Nova28 dias, lugar inglez Doro Je 211
toneladas, capi'o Richard Mary, equipagem 9,
i arg bacalho, a auadres Brcth ts 4 C.
Navios sahidos no mesmo dia
Southampton e escalavapor inglez Trent, com-
mandante A Ball, carga vas ios gneros.
Rio de Janeiro e escalavap-.r nacional Fer-
nambueo, commandante Pedio Hyppolito Duar-
te, carga varios genero?.
Fernando de Noronhavapor nacional Qiqui,
commandante Smza Lobo, carga varios gene-
ros.



Diario e Per nambiro- Domingo 15 de Maio de 1887
Agente Burlamaqui
Leilao
De uma casa terrea sob n. 97 roa Im-
perial, freguezia de Jos
Qaartafelra 18 do correte
A's 11 boras
No armazem .rua do Imperador n. 22
O agente cima por mandado e assisteneia do
Eim. Sr. Dr juis de dir-ito do civel, far leilo
da casa cima mencionada pertenceite aos her
deiroa da finada Tberea Antonia Ferreira doa
Santo.
Os Srs. pretendentes desde j podero ir exa-
miuar a referida casa aci na declarada.
AYISOS DIVERSOS
Profestora Uma profcssora habili-
tada se prope a ensinar rm casa particular nesta
cidade ou arrabaldes, portugus, arithmetica e
todos os pontos de agulha e ootras prendas ; nes-
ta typographia se dir. ____________^^^^_
Na Passagem da Magdalena, entrada para
0 Remedio, alaga se pelo temo- que se conyen-
ciouar, nm sitio com boa casa, maitas iructeiras,
viveiro, baia de capim, etc. : a tratar na roa do
Imperador n. 14, 1* andar.
Compra-se uma casa terrea ; na ra do Mar
qnex do Herval n. 152.
Aluga-se casas a 8(X/0 no buceo dos Coe-
Ihos, junto de S. Goccallo : a tratar na ra d
Imperatriz n. 5o. __________
" Precisan de uma cosinheira para casa da
familia, que durma >ui casa ; a tratar na ra do
Baio da Victoria n. 89, lija.
Iguorandose a morada dos senbores abaixo
declarados b Ibes roga de irem ai largo da Al-
landega n. 7, arm i cem, negocios de seus inte-
resses :
Andr Avelino Pereira de Mello.
Jos Tavares Carmiro.
Leodegaiio de fc'ouz< BarbjSB.
Manoel Rodrigues de Mattos._________________
Prcisa-se de uma engiminadeira, s para
rcupa d<* mulber ; bb ra da Matriz da Boa-Vista
numero 9.____________________________
Chumo ttencSo do Sr. fiscal da freguezia
de S. Jos, par os estabelfcimentes de molhitdo
que vendem todos os d. mingos e das santificados
centra a posturas da Cmara Municipal.
Os vendelhots sao os seguintes :
Ra do Padre Floriano, do Coronel Suassnna,
Martyrios e Pateo do Terco.
= Compra-t.' urna luna dr cadenas de junco,
mu consolo de pedra e duas eadeiras da mesma
qualidade ; qiitin tiver appareca no pateo do Ter-
Qo n. 18, que achura quem compra.
Tonteo
Oriental.
4?
o
Boa casa
Aluga-se O sobrado n. 67 rus do Bartholomen,
confronte a estaco de Ciraar, com bastantes
commodos e boa vista ; a tratar na ra larga do
Rosario n. 34, pbarmacia._______________________
Criada
JJPrecisa-se de uma criada que saiba engommar
e ensabear bem, dando fiador de so condoetc ; a
tratar na ra do Progresso n. 7, na Solcdade.3B
Freguezia do Recife
Alluga-se por preco muito commodo, a uma pe-
quea familia ama sota toda dependente do Io
andar, da roa do Viaconde de Iraparica n. 63, an-
tiga do Apollo, no mes i.o precisa se de uma preta
de meia idade que s> ja fiel, para vender na ra
dasse bom ordenado. _______
Bom negocio
Quem quizer estabelecer qualquer negocio no
melbor local da ra Nova, pode dirigir-se mes-
ma ra n. 16.
AMA
i ama p:
acbuello i
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar
libar na ra de Riacbuello n. 13.
Precisa-se de uma ama para cosinhar e eora-
boar ; na ra la Ponte Velha n. 16.
ferreao no Arrayal
Tendo sido annunciada a renda de um terreno
ma da Harmona, no Arr. yl, pertencente a
Rufino I 'ruz Couceiro, previne se a quem interes-
sar que a cerca ltimamente feifa no* fundos do
mesmo terreno invadi os dos viainbos.
PILULAS
JURUBEBA
BARTHOLOMEOsC
Pharm. Pernambuco
ao as Seafce, e tudas as Pebres j
intermitiente.
15 ANNOS DE SUCCCSSO!
,^rt7KXJ.r a- asBign.a.tu.rrmy
de assurar
Apparelbos econmicos para o cozirnen-
te e cura. Proprio para engenhos peque-
os, sendo mdico en preco e ef-
fectlvo en o pernean
irode-ae ajuntar aos engenhos existentes
do systeii.a velbo, melboran/i muito a
qualidade do assucar e augmentando a
qur-tidade.
OPERACO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes oa engenhos centraes,
ma:hinismo aperfeicoalo, systeroa moder-
no. Plantas completas ou niachinisrtio
separado.
Especiticacoes e informac3es com
Browns C.
5RA DO COMMERCIO-5
AVISO-
Concertam se machinas de costura de
qualquer fabricante, bombas e tod* e. qual-
quer qualidade de machinas movidas a va-
por, ou gas, etc.
PREQOS SEM COMPETENCIA
39-F.l O M-Jw-39
VERMIFUGE COLMET
CHOCOLATE com. SANTONINA
IRFAU.IVEL para desUolr as LOMBRISAS
lslc Vermfugo recommeaiido pela (ll
J se i tibor agrada, el e conserricio indefiaida. Jf/ '
xr t assignaturt:
L rarttJSUCDUIET-l'ilSE. fcPemriire m*
Jalropbii
Manipoeira
Candida Rosa Barroso
1." ANNIVERSABIO
Francisco Barroso, sua mulher e filha mandam
celebrar uma missa no dia 18 do corrente, s 7 J/2
horas da manha, na matriz da Boa-Vista, por
alma de sua irmj, cunhada e t, e para assisti-
rem a esse acto convidan) as peseas de sua inu-
nde e aquellas de seus prente! que anda guar-
dam uma saadosa It-mbranca da fallecida.
Eeeife, 15 d Maio de 1887.
mwaaa^aammaaaaaamaaaamBmmamaaaamaaaaasamamaamama
Capitiilino Jiidntho l'miu
Os empregadoj e operarios da fabrica de Jos
Vicente Godinho, ainda cun os cora?oes tranzidos
de dor pelo faliecimento de si'u companheiro Ca-
pitulino Jaeintho Psvo, mandaa: resar urna missa
de stimo da, na igr'-ja de N. S do Terco, pelas
6 1(2 horas da manh do da 16 do correte, e
para asistir a rsse acto, preprio das almas bem
fazejas e piedosas. convida as pnreutes e amigos
do finado, e de seu comparecimento ficam desde
j agradecidos.
Esse medicamrnto de uma eficacia r. conhecida
no beriberi e outras molestias ero que predomina a
iiy iropeaia, acba-se modificido em suu prepara-
Silo, rracas a uma nova formula de um distincto
medico desta cidade, s^no qne comente o abaixo
asignado est habilitado para pr-pnral-r. de modo
a melhorar Ihe u gosto -iro, v-m todava alte
r :r-ihe as propriedad ,-s meilicaui' nt^sas, que se
conservam com a mesma actividade, se nao maior
em vista do modo por que elle tolerado pi-lj
estomago.
I niro ilepoNllo
Na pbarmacia Conc>-i(a>, ra do Mrquez de
Olinda n. 61.
Beierra de Mello
Julio Forrear i rto Silva
Antonio Ferfeira da Silv, sua mulber Mara I.
Ribeiro da Silva e Jos Ferreira da Silva e sua
mulher (ostentes), tendo recebido a infausta no-
ticia do faliecimento em Portugal de seu presado
pai e sogro, convidam aos sen parentes e pessoas
de sua amisade, para assistir-m as missas que
mandam celebrar pelo seu etorno repouso, na
igrtja do Espirito Sant<, na terca-ftira 17 do
correte, pelas 7 1|2 horas da manhS, pelo que
desije j anti-cipam osen recoobecimento._______
; ,r-)
Clab lilternrlo liizaeit lanior
O Club Digu-s Jnior -onvida a t:id;s os seus
consocios para Hssistirern urna misan, que por alma
do cmsocio Julio Corto C'rreiro, manda celebrar
na rr.atriz da BoaVisff, 8 h rae da manha do
da tb do cerrente, tr g. sin o do seu passamecto.
O club desd j te ei i t'-.->. t- mmente grato
a tod.is as pesstias que se dgnarem comparecer
O 1* Mentarla,
J m P>iuIj C. Le5o.
Jallo Porto (urrilin
Os alomaos do Institu 19 de Abril, represen-
tadas n.. coinmisso abaixo apsi^nadn, onvidam
a todos os parentes e amigos de Julio Purto Car-
reiro para assistirem as mi?sas. que por alma du
finado, mandam celeb'rr na nutriz du Boa-Vista,
a 8 horas da manha da dia 18 do corrente, trig-
simo do sen paasamenfo.
A commisso desde ja se cotifessa sumhi'ment
rata a todas tas pesson qo<- se d^narem compa-
recer a esse acto de religiao.
A eomm'aao
Alberto Ciraicante de A. Wanderlcy.
Alfredo F. P,nto.
Joio Paulo C. L-io.
Joaquina da Fonseca Pinho, Francisca Pereira
de Araujo, Mara Pereira de Araajo, Antonia Ta-
vares Gomes de Arsojo, Jos Tavares Dornellas
de Araujo e Francisco Gomes de Aranjo, agrade-
cetn do intimo d'alma a todas as pessoas que se
dignaran) acompanhar t ao cem i ferio os restes
mortaea de seu muto presado marido, nai e sobri-
nho, Luis Carlos Pereira de Araujo, e pedem do
novo o caridoso obsequio dos mesinos parentes e
amigos, de assistirem as miseas que, na segunda-
teira 16 do corrente, pelas 8 horas da manha, s-
timo da de seu passamento. mandam resar no
convento de S. Francisco deesa eidade, em Igua-
rass e Chi do Eotevo, p-lo qns muito gratos
Ibes sfrao.
ana
\nion o Pereira da Cunha
Joo Vctor Alvos Matheus, feridopela irrepa-
ravel perda de sea presado amigo Antonio Pereira
da Cunha, manda no dia 18 do corrente, 15 dia
de seu passamento resar liversas missas na ma
tris da Boa Vista, s 8 horas da manta e p.ra
assistir a este acto, convida a s> us a igos e aos
parentes e amigos do finado, agradecendo desde
j *og gue enmparecerem.
Antonio da Silva Ramos Nev*
Uma petesoa mend retar nma mipsa por alma
de Antonio d< Silva Ramos Neves, na segunda-
feir 16 do corrente. no convento do Carmo, s
7 112 horas da manh, 31 da do sea passamento,
e convida aos parentes e amig,g do finado para
comparecerem ; e desde j antecipa sinceros
88T leoiiuenios.
O HXTRACX'O OOMPOSTO D3
Ealseparrilha
v^o Dr. Ayer,
E* um altera/.to tSn -VicaK q'.- entirpa completa-
mente lo tjVb .-Tofi' H-ri'tlitaria, ** as
affeoo^es que ; Lfl eon ^j eufennidades
coiitagio5:i- siCtiadU pBlo mercurio. Ao
mesiiin vi trillen e enriquece o Mugue com-
rutiniW*. urna &ec,Xr> saiala.-el :. *>rcHi
reju> scendo o ey.n-tma ntero. I>.a grande
Medecina Regeneradora,
composta com a ver!p Hondura*, ds Iodos de Fotoasio de lena, e
ontrn tagredieiiVs ii/ncia e virtudea
oarattvaa ['reparados.
A fo {simiente eonhecWa da pronaso
medica, e os melhores mdicos receito a Salsa-
PABltlLIIA DO B AYER COmO lll
Remedio Absoluto
para as enfermidades occasionadas pelo etado
vistoso do mangue.
Bal I concentrado no grao niais aUo praeticaTel,
, i qa ilqar ootra prepaaaolo da sua
ipcstStule |'P';>c ^.-ionnr iguaes etTeitoo, e
t- por tanto a in'l-cina BtaiS barata, assim como a
melhor para purificar o sangue.
PREPARADO 1-1
DR. -J. C. AYER k CA.,
Lowell, Mass.. E. IT. A.
A" venda as principies pua-m.:ca- u drogaras.
Prevengo
Constando-me que alguero se inculca,
por meio de cartas para eos as Exmas. fa-
milias, que me honrara com suas ordens,
ser cortadora do mea atelier, decla-ro ser
falso, pois at boje n3o confer title-
oste a pessoa alguma ; assim como previ
no as mesma8 Exmas familias, que du-
rante ; rr.inha pequea ausencia na Euro-
pa, onde vou me prevenir de objectos len
dentes a minha art-, nao deixo ninguem,
me substi'nin i.
Aproveito a ocea8ao para fazer coostar
que a Sra. Maria Duarto deixou de fazer
parte do numero de rumbas costureiras.
Pernambuco, 30 de Abril de 1887.
Ra do Imperador n. 50 Io andar.
Mme. Fanny Silva.
1
Aluga-se a casa n. G ra do Riacbuello, an-
tiga do Destioo, na Boa-Vista ; a chave acba-se
jnnto n. E, e trata-se na ra da Guia n. 62, Re-
cife.
Ama para cosinhar
Precisa-te de uma ama ; na ra da Imperatrir
o. 23, ] andai.
Priso do venlre
A cura dessa molestia qoe tantos incommodos
causa, obtem-se muito simplesinente tomando-se
por algumas noitea uma ou duas pilulas andi-dis-
pepticas e reguladoras do ventre, preparadas por
Hiirt'iolomeii A C. Nuccesrores
34Ra larga do Rosario34
Pernambuco.
Torturas de cabe$a ou encha-
qiieciis
Esse terrivel soffrimento curas fazendo se
uso diariamente, ao deitar-se, de urna a duas pi-
lulas anti dyspppticas e reguladoras do ventre,
preparedas por
Barilioioiucu A C. Saccessore*
34 Ra larga do Rosario 3
feruambnco
Ao publico
^~*++^+*^
M
DE ARSEHIATO DE ODDO DIlilIZiDO
DO D" ADDISON
O MAIS ENRGICO E O MAIS ACTIVO DOS RECONSTITU NT ES
O ARSENIATO DE OTJRO seimpo a todo aquelle qua for cuidadoso do seu bom estado desnude. Com dous granulos por
da, tolla o appehti, as furqaa augmenlao e urna sade perfeila succede rpidamente um estado inquietador.
ANEMIA, ES80TAMENT0, MOLESTIAS NERVOSAS, MOLESTIAS DE SENHORAS
O Arseniato co Ouro dynamizado do Doutor ADDISON, resultando da combinaran do dous medicamentos heroicos,
com .ate yictor.osamenta a Tsica, Bronchitea chronicas, Asma, Rheumatismoa chronicoa o toda.- as Molestias que
rosultao do Esgotamento do systema ervos.
Nao ton. rival nos Entraquecimentos que resultao do tongas molestias. Suas propriedades tnicas e rtnu'adoras da inner-
var,ao tornao-no superior aoJrcrru contra a Anemia, as Flores brancas o as Nevralgias.
As Febres que resistem ao sulfato de quinino cedom ao Arseniato de Ouro.
O Arseniato de Ouro torna as mulheret
jovens e nutridas. Auxilia pudorosamente
atrav ss;ir a poca t3o temida da idade critica
e communira urna nova juvontude.
Sescose-so da, Contrafaj^s
eexija-soaVERDADEIRA ETIQUETTA
como a MARCA DE FABRICA assim
como a asrignatura
e a do Snr.
NICO PREPARADOR
Milhares de Doentes devem hoje sua
cura aos Granulos de Araeninto de Ouro
do D' ADDISON. Innmeros attestados fo-
rao dados, i'ittn. --------------30G-----------------
O FRASCO : 6 francos, em Franca.
EM VENDA NA
Pharmacia CrELXlT
31. ra RctGHoaart. em Parlz.
Depositario gcraJ que manda franco contra
um maudato-postal.
Depsitos sm Pernambuco :
rsaircisco m. da silva &. c\
8 as principaes Pharmacias do SraziL,
GONSTIPAgOES e MOLESTIAS do
XAROPE d BRIANTI
PARS, Pharmacia BRIANT, 150, ra de Rivoli, PARS.
\ >i- o+iridades medirs de Pars recoromendfto ha mais de 50 annos o
I X-'-F.OFE BRIANT CODIO 0 medicamento peltoral de gosto mais agradavel e
de ef/icacia mais certa contra os Deiluxoo, Constipapdes, Catharros, etc.
Este Xarope nunca fermenta.Deve-se exigir a Rrocliura em nove linguas.
|com assi m Uslvel do inventor :
Din' SU KM TODAS Va PRINCIPABS PIIAUMACIAS
- '<&;
Al
ios :>:000S000
$d da.independen-
deixo por meuB procoradores
ves Pacheco, J rs Theotonio
quim Gromos Salgueiro. Prc> aos mus amigos
desculpa prr nao me dfspndir p"ssoalra"nte, o qoe
fac/> por este meio, offerecend. -ihes os nr us limi-
tados prestimos naquelle reino. Recife, 13 de
Maio de 1887.
Jos Veri?simo Marques.
PHARMACIA FARNCEZA
BE
FERREIRA IRMAO tt C.
, a~mi i unto di bohi-
N'este estal>elecimento bem conheeido,
encontrar o respeita\el publico, um com-
pleto sortimenlo de medicamentos, drogas,
productos chimicos, especialidades pharma-
ceuticas nacionaes e estrangeiras, leos, ver-
nizes, pinceis, artig-os proprios para photo-
graphia, pyrotechnia, etc., etc, tudo recebido
directamente dos mais acreditados fabrican-
tes da Europa e America.
Garante-se a qualidade de tudo que fr
comprado n'este estabelecimento, quer em
alho, afim de bem ser-
37

ca us.
O abaixo assignado vendeu
i f
13
da 3' lote-
Jo eorrente a sorte
i.'ii o n.
ria extrahida hoje,
da 100# em o n. 7231.
Appruxiiagao com O^^O'JO
2141.
Achaoi-se venda os felizes hbetis
garantidod da 4a beneficio m anta
Casa de Miserieordi:. lio Re i:'- ijue se
extrahir na quarta-feira 13 do p.orr -nte, as
2 horas da tarde.
PREQOS
Em p orea o
Inteiro
A retalho
lnleiri
!).' lo AuQtmt fi' *
2700
3A000
'uro Pon
Adn:tnistr.iQo : PARIt, $, Boultrard Hontmartrt.
GHANDE-GRILLE.ATMi;(.slvmp!iatira',.!oen-
fas iasviasdigesiiTas, ;bstrac-;e5(]ofir'^(ij t-tl i b :y
obslruccics visceracs,concr6Ci*',e3 calculu.asda be.
HOPITAi.. Arecc"esdaTiridic.'8liva5i.icoran-
i'.-js do estomago, digestao difli.il, iuap[idleuci,
gastralgias d.s.iepsia.
OLESTINS ^.AOi-re concievoesd^s..iiri;ri t.,diabetes,alV.i'.rlnirrta.
BAUTEBtV.AITerto.'Silosr:a*,d coBcrec't's.l.n. ii ni'... ..i lunow-. albraiisnria.
EXMnc: : fcste na Ctm
arrAn^Tigrosso, quer em re
Domngur-s e Joa-
vir aos que lhe dispensaren, sua
25ma do Bardo da Victoria
confianza.
-25
to flkvncmtoso, u Aj
iua no^ea-l^?. i, >jj ju> ent fi d>
AIUSMEN^Y & LABXLLC ', ruc lo Cwmnstri-
e S9LZEB i B03CHLIN, 35. ru* de Ci -
.rtYP0fJHOJPH!YOSL
ma : j .... ... i
Caixeiro
Na iua da Palma n. 37. preciaa-ee de um cai-
xeiro com pratica de molhados e que d fiador I
sua conducta.
q ? #
'&
mme, rharmaceutico, *, ru Caatiglione, PARIB
OLEO FIGADO BACALHAO HOSQ
Sem cbelro nem gosto dos leos deFigado deBacalhao ordinarios.
Este Oleo natural e puro e de uma efllcacidade certa, contra as Molestia do Palto, I
a Tsica, BronchlU., Conitlpjce. Tosses ebrnicaa, Tumores, glandolarlos;
tamben eCDcaz para fortificar as Crlanoaa traca* e delicadas.
Deve-se exigir o nome de BOGO, e de mais o certificado do Sr LESUEUH. Ckef\ dos
Trabalhos Chimicos ta Faculdade de Medicina de Pariz, que val lmpresso no rotulo colado
cm Cidra vidro triangular. O OLEO tt HOCO vende-se em todas as principaes Pharmacias. |
AVISO. Exija-te no rotulo o tello tunU ao Uoverno Frunce*.

I
.- 61
1
sSaf>
.s?
VWMOK
tf*<
%T*V^
GRAGEAS
njecqo*
Hyglenlcz e l'ressrvadort
tem causar
accidente algum.
de Copahiba, Cubeoa
ftatan/i/a a ferro, Bismutho
tlcatrto, Terebenthina. 4*
As GRAGEAS >OP*ai :oro as primeiras queobtiveram a approvacSodaucod*
de narrumno (1S30j ,< ptaram-se nos Hospitaes. Curam aa molestia* secreta,
mais rebelde.- & fatigar os estmagos mais delicados.
A INJECCO FOHTIH sempre recommendada como o complemento da medicacXo.
tMK^oltaaam Perv.nmbuet, i rRAK M. da SILVA C. a na* prinoip. Pttaratnis

>
Precisa-se de uma cosinheira para casa de fa-
milia e qne seja de boa conducta ; na ma do Im-
rador n 73, 3- andar.
Semenies k carrapalo
Compra-se grandes e pequeas qnantidades :
na drenara de Fn neisco M da Silva & C, ra
do Marques d* Olina n 23
Tendea tosse oa nllrci Usai o m^Ibor remedio, que o PEITORAL DE
CAMJJARA', e veris como vosso 8' ffnmento des-
apparece. Vende-se na drogara dos nicos agen-
tes e depositarios cernes na provincia, Francisco
Manoel da Silva & C, i ra do Marques de Olinda
n 23
ATKINSDN
PERFUMARA INGLEZA
afamad* ba mais de am scalo; excede todu
asoutraspero ira perfume delicido e exquisito.
TRKZ MBDALHAS DR OtJFlO
PARIZ 1878. CALCUTTA 1884
pela extra-fina excelleneia de sua qualidade.
GOLO MEDAl BODQDET
ESS. BODQOET | WOOD VIOLET
TBETOl CITPRE
e ootra muilos perfumes ronheci,los pela ni*
qualidade e odor delciravel e exquisito.
ti K TSILETTE K LONDRES DE ATdKSSS
inroQiparavel pnrarefrescar e uavitar a pelie
pela inexcediTsl escolha .le Perfume
para o lepco. rticos noros preparados petos
iQreotores exclnsivarc nt-.
bnitra-K m Can itltn n neiiiUs < lalritaata
J. A E ATKINSON
34. Cid Bond Street. Londres.
t Marcad Fafarie Uma Rosa braocm"^
obre ama L^ra de Ooro."
Allenco
Alnra-se o loja n 24 A ma da Imp. ratriz, com
commodos para iHinilia o grande orBeina ; a tra-
tr na roa do Cor nel SiWajuia n. 204.
As5:00n$0(M,
BILHETES GARANTIDOS
lfi-RM. Si Caias-16
O abaixo assigcaio vendeu noo s^us
venturosos bilhe.tes gm-mtidos d. lotera
fia provincia m s'guintes preruion: o n.
3736 com a Borte de OfJOOO c o b. 1 com
a sorte 30^000.
O mesmo A.ixo assignfido cc.rr.ida nos
po8suidfl^s a vireng reeebar s-m descont
algum.
Acba-8'^ v.-nda os us vr-nHir/rsos bi
Hieles garantidos du 18 .r r fja.4* lotera du
provim-iv UjUe Bcia xtr>il'!... ni quarta-t'eira
18 do corrente.
Precos
Um ii-t iro 30000
Um t reo 10000
Em poaco de f!OGa,)# para
cima
Uqj intoiro 20700
Uro teryo 900
Joaquim Pires da Silva.
Ao commercio
Declaro no c-irrr.ercio d.'sta ptuca que deii' i
por Djirihv ip i.!bik-b vontade, (tu ser en.pieii.d>
do 8r. Bsrtnotomeu L>urenco. Recif.', 14 de
Maio de 1887.
Alberj Cooni.
A coiKinercio
Alberto Ci.tlho despidi-se da cusa BHrtholo-
meu Lonreocs no dia 14 d Mnio tic 1887.
CAS& flA FORTUNA
Aos 5:0001000
BI i heles garantidos
23RA PRIMKIRO DE MARtJO -23
Da 17a parte da 3a lotera da provincia
venderara Mar.'ins Fiuza & C. os seguin-
tes premios garantidos .
2140 :0005
5283 1:0000
4558 1000
1801 500
5138 500
490 34.)0
3207 300
XAROPE
i) r HTP0PH0SPRT0
Empregad.,3 ci:i tp.ii >ii:o.
pLshisica e as molestiai. tonerca
,'vendem*>3 nicamente cm frascos i "i-
rfof cois o nomo do do'*.to Cbcrce.kj. .t.'.aj
jt =ir \
*ob .-. inuericij ISypof 'jinaios al
Itosse oiminus, o apj-eit'. augmenta -J'i
;,:-.s ti initsoavir, os suor^s nocturno tcsso,[
'e o dodnte goza de um bem estar d> -r -''o,,
c O i'i> 5opkosph.itn$ qur let-no 3 maroml
(( '12, ru Castig't'.one. Pai'ir, sSo os unf-j
D' CHUHGHILL, au/O- da eU-vohera!
\'i tta." propriedades curativo.
<
*

Pr^o : 4 francos ,"ir i ".s i ttfi 'fiaucs.
Vmiem-s' at orim^aes P/iarrs.i
....iva- i
s.itm.
Vendc-se noeserip-
torio da Empreza do
Gaz latas com tres
caadas de Tar
eatro) a l #600
promptas e
(al-
rg.,
soldadas.
Faz se grande re-
preso do
as en-
duc^o no
mesmo para
5 >4* 300
1 bi commendas de quan-
iibte* g .ia qu>! si? (xtrahi' qu.-ri. -f irri 1S do
corrente.
PRESOS
1 ioU.ro 30 00
1 terjo 10000
K- poreo de IOoO para
cima
1 inteiro 20700
1 terco 900
Im-
i
Caixeiro
tidades maiore
tratar ra do
perador n. 29.
Vende se ahi tam-
ben! coke (carvo) em
saceos avulsos.
Precisn-5e de um caixeir. de 14 a 16 unuos,
c m pratica de seceos e moroados ; na ra de
Ylnrcilio Dbs n. SB.
tootabilidade mer-
cantil
Um dio, > biiotu .t' bnbi itHilo nn tinten ucimii.
prope-Se a ensin'.r por preco inodivo, eii.pres:nndo
hu method f-.cil e Horpviado. hpp ic.*'lo ao rom-
inercio nacional e sirnnpeiro ; a tri.t.'.r coro o
mesmo, ron d8 IrMaekeir i n. 19, B* ncdnr
dxs 8 hora* s l da ia.-.uoti, e dos 2 su 6 d-.
tardr.
11
Um rapaz qo ten pratica de fasendas, offere-
ee-sc para caixeiro, para dentro ou fora da pro-
vincia, d coohecim nto de sua eonducU ; quem
precisar derx- crta n-sta tjpigraphia Cju aa
iuicia>'s P. L
4nii
Precisa-se de uinn nina para CnS'nhar, c i/ip*ar
e msis aKUm eerviQ) ** 'asa dn ta lii ; ns ra
nova d- &nM )>' n. 47.

-..
nBiwi i
eaw&awam


*
I.



/
Diario de Pernamlmco-- Domingo 15 de Maio de IS87
BRAVAIS
combate
COM
eicacia'
Alnga-sc barato
Roa ViBconde de Itaparica n. 43, armasen!.
Roa Coronel Suassuna n. 141, quarto.
IVata-ae na ra do Commercio n. 5,
>critorio de Silva JuimaraeS & C.
Amas
!
lo andar
Aluga -se
Precisa-se de urna eoiinheira e de ama mulher
de idade, para tratar de dona meninos de 2 e 4
aonoa ; a roa da Uniao n. 55, por trai do Gym-
nasie.
Ama
urna casa com aoto, edificada a modrna, cosa
aecommodaeao p familia, sitio pequeo, entre
as duas eatacoes Jaqueira e Tamarmeira.
OTBA
Urna eaaa nova em treote do Sr. Thom, propria
para p* quena familia, entre Jaqueira e Tamari-
neira ; a tratar na rna Primeiro de Marco n. 25,
loja de joias._____________________^__
Mima-se
a loja di predio da ra d-. M-uque do Herval
traveaaa do Pocinho n. 33, propria para acougne
OU outro qualquer eatabelecimeoto comaaercial,
por aer de esquina ; a tratar no largo do Corpo
Santo n. 4, l- andr. _____________________
Advocado
O bacbarel Antonio Ribeiro de lbuquerque
Maranbio tem sua banca de aivoescia na praca
de Pedro 2o n. "o, no asesino eacriptorio do Dr.
Manoel Netto Baudeira.
Vinlio da Mourisca
Proprlo para uiesa
Joao Ferreira da Costa, ra do Amorim n.
64, acaba de reciber uina partida d viches em
cascos excessivam'nte grandes, e como deseja
tornar bem conhecida < sta superior qualidade, que
se faz recommr ndado pela sua pureza e bom pa-
ladar, resdlve vvndt-r esta reinessa no aeu esta-
belecimento em bairis do quinto e de dcimo, por
precos muito rizoaViis, para o que chumara a
atteneao d.-s senhores apreciadores, assim como
aos dunes de hi.teis.
Em retalbo veudese em casa dos Srs. Justo
Teixeira 4t C. Successores rna 3a Peuha n. 8
Aiuga se o 1- e 2- andana d.. predio n. 27 a
ra do Imperador, ciado e pintado de novo, tendo
bous tommoof e agut ; a trarar ua ra Duque
de I axias n. 47.
Precisa se de urna ama aa fabrica Phenix i rna
de Joao do Reg *. 15 ; a tratar na meama.
Ama
Preciaa-ae de urna ama para o servico de urna
eaaa de pernea familia ; aa ra Nova n. 14, se-
gundo andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de peqaena
familia ; a tratar na ra do Fayaand n. 19, Pas-
sagem da Magdalena.
Ama
Precisa-se de urna ama para lavar e eogommar;
na ra Primeiro de Mareo n. 16,
1
Precisa-se de nma
ra da Aurora o. 23.
para eogommar
Tricofero de Barry
Garante-se que faz as
ce* e erescer o cabello ai n da
aos mais calvos, cura a
inha e a caspa e remova
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de emblanque-
cer, e infaivelmente o
torna eapesso, macio, lus-
troso e abundante.
ANEMIA, CHLOROSIS CORES PALUDAS
Icconselhadocom optmo xito spWift. fracas adoentadas\ predispostas ao empotaecimentoTola?uT" Z
oomtose de oito aioz gottaa & cada refeicao. ITumeroaas imitaces. Zsir a firma B. BBAVAIS
______________uaprinida venatlha. Deposito na mdr parte das Pharmacias.
V fWL
*AIWiV\.v
Ama
Freciaa-se de urna para engommar e oosinbar
na ra da Imp Tutriz n. 44, 1- andur.
I
Precisa-ae de um criado : a tratar na ra do
Paysand n 19. Passagem da Magdalena.
Ciiaio
Na ra Imperial n. 17, precisa-se
do de 14 a Iti anuos.
de um cria-
c: /% s m
4c(0es entre amigos
As de um piano e am santuario correm impre-
terivelmcnte c;,ro a ultima lotera ordinaria da
provincia, neste mes, qual foram ltimamente
adoptades, urna vn que de modo imprevisto, se
acha paralyaada a exttaecao
lonia Isabel.
Recite, 12 de Maio de 1887.
das loteras da Co-
lliMS
D
^ja BsV "" POB MIIO DO IMPBEOO DOS ^"^^ a^af
frP ^ Elixir, P e Pasta dentifricios
>*
9/
tIR. PP. BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOULAC (Gironde)
DON MAGUELONNE, Prior
!* MedoihOH de O uro : Bruxellas 1S8Q Londres 1884
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
1373
:: v l n T A D O
Pelo Prior
fierre BOURSAUD
ti UM U|lOU(lliU0
('. Ti" d:ctinos, com dose de
rene enra :\ carie
-. fortalecendo e tor-(
I rieitamente sadias.
est ni v-rdadeiro servioo, assigna-j
- leitorea ste antige e utilis-
niclhor curativo e o nico
preservativo contra as Afeccoes
tarias^ u
81S1U rOKIUU El U07 A ET sf^ III UjI Sne Hn8nerle, 9
Agente Ge. al: OtUUIIl BORDEAUX
Achase em lotat as boas Perfumiriis, Pharmicias c Drojar/as.
den-
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao official de
un Govemo. Tem duas vezes
ruis fragrancia que qualquer outra
e dura o dobro do tempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
niuito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agrodavel no
lenco, auas -ezas mais refres-
cante no banhp nc ouarte do
doente. E' especifico contra a
frouxid3o e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
deomaios.
arope Je Vida Je Renter No. I
*TlSDHSlL-a
DKPOIS DESiJ>*,
A RDVOLUCilO
0 48 ra Duque de Caxias
Charca a att-ngao d?.s Exma8. familias para um explendido sortimnto de fa
zencias que vende pc.r prcyo> sein compftencia.
E* bom ver-se para acreditar-se
Etaii-iiie C-lubraia bardada rom 10 jardas, 5)5500, a dita.
Guaroi;5cs le veiudilho bordadas a vidrilho, 7000, urna.
Lindas cachemiras broche, 1)$500, o i'ovado.
Cacheciraa de c5rcs, 'SOO rs 1(5000 e !$00, o dita
Damass de seda, 1400, o .lito.
S. ti.a Macau, 30C rs ljJOOO e 1^200, o dito.
Dito preto, .10200 e 10400, 20000, o dito.
Gorgurinas de listrinhas, 320 rs., o oito.
Setiw damabs, 320 rs ,
Lidas las de quadrinhos, 400 rs., o dito.
Di'as alpacas lavrad^s a seda, 320 r3., o dito.
Las coiu listrinhas de seda, 5t0 rs., ) dito.
Ditas com bolinhas, <)00 rs-, o dito.
Fustiio brinco, tiu, a 400, 440, 500 e 600 rs. o dit .
Cortes de e, e en.ira par. vestido, 200000, um.
Cretooes escures e claros, 240, 280, 320, 360 e 400, o covado.
AlgodSo de duas larguras, 800 rs o metro.
Br imante de quatr l..rgurns, 10200, o dito.
Dito tranjado de (iuas I .rgrs, 10200, o metro.
Madapolo gema <:e ovo, 6-5500, a peca.
Cortinados bordados, 60500, 70000, 80000 e 90000. o par.
Colchas bordadas, 55000, 60000 e 70000, urna
Ditas de croJ t, 80000, ama.
Grinaldas com rico- veos, 100000, urna,
Leques de pao, pretos e de odres, 500 rs., um.
Ditos de papel, novidad^ ; 700 rs. e 10000, um.
Artigus para homens
Cortes de r-asemira de cor para eostumes, 250000 um.
itos de dito de r para calca, 50, 60, 70, 80500, um.
Ditos de fustSo para colete, 10000, 10800 c 20500, um.
Dit-a de la e seda para colet?, 60000, um.
Casemiras de cores para 10600. :~'0OOO, 30500 e 40000, o covado.
Dita diagonal e alcoehoada, 20500, 40000, 50000 e 60000, o dito.
Dita SedSo, 20800, o covado.
Cheviots azul e preto, 10200 e 30800, o covado.
Grande sortimento em brios breos e de e'es, casinetas moleskins, meias
jravatas, len50s e outros artigi.8 que se l'-mbraro na preeanca dos fregu zes.
Henrique da Silva Moreira.
Em casa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franca e do Extrangeirc
tgs ii (glrdt Arroz esptcit
PBBPAHADO COM BISMCTHO
Perfumista
PAEIS, Sua de la. Faiac, S, PAHT8

0PPRSS,*0
ASTHM
WEVBAl&lAS
?,!tiimi wat
UTiUls-tCrUsJ
aapm-ae a funv~-7 que penetra no /ella Acalma o mutonia aenoso, tdUta
a xpectortcafl e arorlM as funocoes dos orgada reapiraortos.
Cura positiva e radical de todas as formas de
scrofulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affec^Ses, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
encas do dengue, Figado, e Rins. Garante-ss
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
restaura e renova o systema inteiro. 0 i
Sabao Curativo de Renter
Para o Banho, Toilette, Crian.
Sas e para a cura das moles-
as da pella de todas as especies
em todos os periodos.
Approvados e autorisados pela inspecto
ria geral He liygienne do Rio de Janeiro.
Deposito em Pernamliuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
Tinta preta
INALTERAVLL
F.
i Ol III MC til V
P3\RMACIA. CENTRAL
38 Ra do Imperador 38
Pernamburo
Serve para eseripturacao mercantil e d 3 ou 4
copias de urna vez.
VENDAS
Tamancos do porto
para homem e senhera. o que se pode dosi jar de
mais aperfeiQoado.
Sementcs muito novas
de hortalicas e fiares
Selias
Amores perfeitos
P.icas Vlendes & C.
Ruu rstieita do Rosario n. 9, junto a igreja
Livramento & .
vendem cimento port'and, marca Robins, de 1'
qualidade ; no caes do Apollo o. 45.
WHISKY
ROY AL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Esceeses ifr .arm
o cognac do agurdenle de canna, para lortifio
> corpo.
Vendo-se a retalho nos iu Iberes armasens
olhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADOcujonx
aae e emblema sao registrados para todo o Braai
BROWN8 & C. agentes__________
Cabriolis
Vende-se dous cabriolis, sendo um descoberu
e entro coberto, em perfeito estado, para um 00
dous cavallos; a tratar ra Duque de Caria
4 A' florida
Roa Duque de Caxias n loa
Chama-se a attencao das Exmas. familias par
os prceos seguintes :
Ciatos a 1*000.
Lavas de pellica por 24500.
Lavas de seda cor granada a 24, 24600 e 3*
o par.
Pitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. c
metro.
Albuns de 14500, 24, 34, at 8/.
Ramea de flores finas a 14500.
Lavas de Escossia p&ra meaina, lisas e bord*
das, a 800 e 14 o par.
Porta-retrato a 500 rs., 14, 14500 e 24.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um
Anquinhas de 24, 24500 e 34 urna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs
Espartilho Boa Figura a 44500.
dem La Figurine a 54000.
Pentes para coco com inscripclo.
Enchovaes para batizados a 8, 9, e 124000
1 eaiza de papel e 100 envelopes por 800 ri
Capelia e veus para noivas
Suspensorios americanos a 24500
L para bordar a 24800 a libra
Mao de papel de cores a '200 ris
Estojos para crochel a .8000 rs
Bico- de cores 2, 3, e \ dedos
de largura a 34000, 44000 e 54000 a peca
Leques transparentes a 34000
Id.-m preto a 24000
Lindos Broxes a 34000 14000 e 500 ris
Leques para menina a 200 ris.
Licha para machina a 800 ris a duzia, (CBR)
Bordadas com duis dedos de largura 600 ris.
3 dedos 860 ris, 4 dedos 14200.
Garrufa d'agua Florida 800 rs.
Leques com borlota a 800 rs.
Bicos brauc s pura s 'tiuta, cretoue e chita pa-
ra correr buhados a 14000, a 14500 a peca com
10 varas, barato.! "
Albuns de chagrem, veludo e verbotina para
50 e 60 retratos a 64, 74 e 8000.
Meias de Escossia para aenhoras, a 4500 o par.
Lencos de linho em lindas caixns,
Bico das libas muito fiuo proprio para toalhas
i- saias.
dem japonez proprio para alvas e requets e
tcalhas de altar.
dem bran''.ns com 5 dedos de largura, a 34000
a peca com 10 varas.
Caixas com sortea de jogo de mgica proprios
para salo, a 54000.
Sabonetes de diversas qualidades.
Bolsas de courc para menina de escola.
Collarinho de linho a 3(0 ris um.
Grande periiinctta em eparlllbo*>
de linii.- a 3&O0O. am.
BARBOSA & SAONTS
Cimento patente Portland, marca
it< liins London A .'urtnfeeld
Kent
Vendem Livramento 6i C no caes do Apollo j
numero 45.
De todas as fazendas existentes na antiga casa de
Os segointes artigos comprovan a realidade em vista dos seos precos
Cortes de fustao para coletos, a 1,5000, 10200 e 10800!
dem de casemira de cores, a 20000, 20500 e 30000!
Casemiras pretas e flanellas, a 800 rs., 10000 e 10200 o covado, urna largar
dem diagones, a 20000, 20200 o dito duas larguras.
Brina de puro linho, de efires, a 800 rs. e 10000 metro I
dem idein, branco n. 6, a 10500 o dito I
Las de todas as qualidades para vestidos, a 200 e 240 rs. o covado em i
lho para acabar.
Cacheinirsa idem, a 400 e 500 rs., o dito !
Setins de cores, a 600 e 800 ra. o dito !
FustSes branco e de c6res, a 250 e 320 rs. o dito I
Meias alvas para meninas, a 20500 a duzia I
Camisas inglezas, tinas, a 360090 a dita 1
dem francezas, branca e de cores, a 240000 a dita!
Guardanapos grandes e de linho, a 30500 a dita I
Ceroulas bordadas, de 200000 (para acabar) a 120000 e 150000 a dita I
Espartiihos, de 80000 e 100000 (vende-sel a 40000 e 50000 I
Madapolo americano, a 60000, pecas de 20 jardas I
EsguiSes para casacos, a 40000 a dita de ditas 1
Cambraias brancas bordadas, a 50000 e 50500 a pega !
Grande sortimento de chapeos para seDhora, a 4^000 e 5^000 I para liquidar.
Ficha e capas de 12, a 20000, 40000 um !
Bramantes de linho puro, de 30000 (para acabar) a 20000 o metro !
Setinetas, a 280 rs de Mas as cores.
Pannos para m- sas, atoalharioa brancos, alguJSss, e finalmente liquidam-se
odas as fazendas por menos 40 /a dd seu valor as que istiverem abertas as pejas.
Antiga casa
DE
VA RNEERO M CUMA
S9Ra Duque de Caxias59


Lotera da Provincia
Eiigenfio
Vende-se
a armacao da inverna da ra de S. Joo n. 17,
com es gneros ou sem e'les, para ficar ou sabir
da casa, como co-ivier ao comprador ; a tritar na
mesma.
"iilaiilijeopatlii"-
Vende-se ra ph-.rmaeia do Dr Sabino, ruado
Baro da Victoria n. 43.
Cofres de fe ro
Carlos Sinden re-
cebeu, em eonsigna-
c,o, cofres de ferro
pro va de fogo. Assim
como cha preto de su-|
perior qualidade, e
vende por presos mais
barato que outro qual-
quer.
48-Rua do Baro da Vcterla-48
Boaii negocio
Por inommodos de stude e por mudanca para
fra da provincia, vende-se, nesta capital, urna
loja de fazendas. com pequeo capital, bem loca
I lisada e bem afreguesada ; por favor informa-se
na toa do Bangel n. 50, loja de burbeiro
Grande sortimento
DE
Fogos e sorles
para os festejos das noites de
Joo e 8. Pedro.
Santo Antonio, S.
Vende-se o eugenho Soledade, no termo de Ipo-
joca, meia legua dUtante da estaco da Escada,
tem vapor, casa de vivenda, etc., etc., e acha-se
livre de qualquer onus. Vende-se tambem o gado
e satra a Culher ; a tratar com Luiz Goocalves da
Silva & Pinto, no largo da Companbia Pernam-
bucana n. 6, sobrado.
N0VIDADES
Na loja das Listras \/iies
A' na Diiqae de Caxias n. Gf
Telephone 211
LAS de quadrinhos fazenda escura lindas cores
a 3t() rs.
SETINETAS de listras e quadrinhos de cores !
a 320 rs..
PIISTAO branco a 3G0 e 400 rs.
CORTES de vestidos braocos fazenda de qua-
drinhes como organdy a 5U00.
CAMBBAIA de salpico > bordada a 800 rs., em
pee 64000.
hETlNETA japooeza fazenda ce listras largas
esm lindas t'pfl a 400 re.
MADAPOLO americano igual ao camiseiro a
6000.
BRAMANTE de quatro larguras a 900 rs.
CHITAS finas percales cSr-^s seguras a 240 rs.
CRETONES fr..ncezes ultima novidade cores
segums a 320 e 360 is.
SAROEL1M rnucez qualqu .- cor a 240 rs.|
MERINOS enfestados todas as cores a 800 rs.
RENDA hespunhola preta urna guarnicao para
vestido a 3000 e 4/000.
BICCU de cores e matizados a 4500 a peca.
LUVAS de -eda pretus e de todas as cores a
1&0 O e 2500.
Ll QL'hS de setim e nhantasia de 500 rs.
ESPARriLBOS couraca a 4JC00, 5*0 \f000.
LENQOS brancos finos a 1/500 e 2000 a du-
zia.
BORDADOS fl entremeics tapados, tranparen-
tes, e de tusto, todo o preco.
MEIAS para seubora, para homem e meninos,
todo o Pffco.
FICHUS de seda ccr de creme e pretos a
2/500.
MANTILHAS hespanholas ultima novidade a
ijftso
E outras multas fazenda novs que as Exmas.
Srne. podero ver na loja ou mandar ver as amos-
tras que se oo sem peohor na-Loja das
IilMtran zoes- de
Jos Augusto Bias
Cocheira venda
Vende-se urna cocheira bem localisada e afre-
guesada, cu admife-se um socio que entre com
capital e que possa administra!-a, fas-se qualquer
negocio as condicoes expostas, em razo de o
dono precisar tazer nma viageui ; a tratar na ra
Duqae de Caxias n. 47.
Vende-se
Quarta-feira, 18 de Sfaio, s 2 horas se
extrahir a parte da 4.a lotera em beneficio
da Santa Ca.sa de Misericordia do fecife, no
consistorio da igreja de Xossa Senhora da
Conceieo dos Militares, onde se acharo ex-
postas as urnas e as esplieras arrumadas em
ordem numrica a aprecia^o do publico.
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As PHulas purlflcao o Sangue, corrlgem todas as desordems de Estomago e
dos intestinos.
Fortalecen! a saude das consiitujoes delicadas, e sao d'um valor incrvel para todas as enfermidades |
peculiares ao sexo feminino em todas as edades. Para es meninos assim como tambem para as
pessoas de idade avaacada a sua efiieacia e incontestaveL

*ssas medicinas slo preparadas smente no Estabeleciment do Profes=or Hoi.lowav,
78, NEW 0XT02D STEEET (antes 533, Oxford Street), L0KDBES,
fc vendemse em todas as pharmacias do universo,
t/ Os compradores sfto convidados re>peitosamente a examinar os rtulos de cada caixa e Pote se nSo 1
direccao, 533, Oxford Street, sao falaffica'.-oe?.
.1
TlHHO e GRAGEAS douoe VIVIEN
o deposito sito ra do Coronel
com poneos fundes
Suassuna n. 180,
Terreoo
Ultima norUaiti
Vende-se por preces muito raaoaveis e faz-se
grande differenca em porcao.
I. Basado Baro da Viciarla 1
loja do Soiza
n
Vende-ae um terreno no lugar Aeua-Fria da
estrada nova de Beberibe, tendo 175 palmos de
frente, perteacente a Jo2o Francisco de Paulo : a
tratar na ra larga do Rosario n 5.
Terreno
Vende-ae am terreno confronte a estacao do
Principe, estrada de Joo de Batros, com 90 pal-
mos de frente e bastantes fundos, e com alieerces
para 3 casas; tratar na rna d'Apollo n. 30, pri-
moiro andar.
do
e unaufino DOUTOE
Estracto natural de Figado de Baca Ih a o
PREMIADO COM MEDALHAS DE OURO E PRATA
pela. -A.cacLe:rx!i& ITacional
Ordenados nos Bospitaes de Franca, America, Inglaterra, Russia, etc., etc.
agradavel todos os elementos curativos do oleo evitand
sabor nauseosos (Teste; alem d'isso esta preciosa preparacao tem urna
Administrar so1" forma mu facilc agradavel todos os elementos curativos do oleo evitando
^sslm o cneiro v sabor nauseosos (Teste; alem d'issc
superior-Maue incontestavel sobre o Oleo porque pode ser usada durante os grandes calores
pi
ule
em 'juanto o uso daquee impossivel, tal o eminente servico prestado pelo Doutor
vivien ; a experiencia tem confirmado o bom xito d'este producto.
Exigir a firma do Inventor K. viva* em duas cOres ao redor do gargalo de cada
garrafa com o Sello da Unio dos Fabricantes.
PARS SO, Boulevant de Strasbounj. SO PARS
GARAHTE-SG
#cVj?
OPERAS
NB4e6
Arco daConceica)
PERNAMBUCO
VINTE C/fi/IRROS
N. 203. A presente mares, por mina registrada, com a rubrica- Julio Gruima-
rSesde que uso, contendo a "denominaoSoVENEZAdestina-se aos cigarros ex-
postos venda, por Santos d C, firma commercial domiciliada nesta praca, ao Arco
da Conceicao ns. 4 e 6, da qual nico respoosavel Manoel Luiz dos Santos Jnior ;
foi dita marca apresentada registro, no dia 20 do corrente, a urna hora da tarde, e
registrada nesta data em cumplimento do despacho de hoje da meretissima Junta
Commercial, que nessa mesma sessao ordenou a baixa no registro da marca n. 193.
E para cumprir o predito despacho e o preceito da le, fiz o registro da marca supra,
do qual extrabi esta nota.
Pagou utn mil res de um parecer fiscal e pagar 5#200, sendo 5(5 de sello do
registro e 200 ris de 5 [ addiuional.
Secreuria da Junta Commercial do Recife, 21 de Abril de 1887.
1 O secretario,
Julio Augusto da Cunha GuimarSes.
ILEfiflEl
n


MMOMBIBIH
BHB
Diario de PcrnambaeoDomingo 15 p Maio de IS&7
V

UTTERATlir.
SEGREDO DE DANIEL
*
POB
JULES DEGASTYNE
-(*)-
segunda parte
XVI
[ Continuado)
O irmSo pareeia tambera
J
a olhos
tambera
uito sffli-
nogueni
vis
mu
Se-
os
cto. Havia alguma cousa.
o raconhecia. Eramagreeia
tos... A menina estava
to pallida.
Todas aquellas noticias eram para o ve-
ho outras tantas puubaladas que Ihe pene-
travam no corado.
Apcratava os punbos com raiva.
Oh! se ao menos estivesse bom !
pudesso levantarse 1
Entretanto, no interior do palacio,
acontec neotos precipita varo-s*.
Urna manha, o Fgaro publicou urna
ultima nota a respeito do caso Fresnires,
na qu-.l o i-mSo de Clara era quasi no-
meado.
O desapparecimento do joven advoga-
do, dizia a noticia, paremia tanto mais
inexplcavel, quanto se tratava, havia pon-
eos dias, de um rico casamento. Tinha-
Ihe t-ido concedida a mao, que elle havia
solicitado, de urna das mogas mais nota-
veis da alta sociedade parisiense. Mlle. C.
de S...
I/ando esta prfida noticia, Carlos fui
assaltado por um aecesso louco de colara.
As Ingrimas vieram-lhe aos olhos. Fazia
projeelos do vioganya terriveis. la man-
dar procurar Jorge da Fresnires, provo-
ca! o, natal o.. A >:r de sua irmS des-
espera va-o.
Tinha mandado apromptar o coup, para
ir ao jornal fazer publicar urna rectitca-
cao, quando anuunciarara :
O Sr. Andr Roustan I
Carlos te-*.e um usovimeuto de sorpreza.
Nao o havia visto desde o incidente do
Vaudeville.
Ordenou que o intro;!uzissem.
Andr pareeia grave.
Estendeu a mao a Carlos.
au costuro, disse elie, abandnal-
os meus amigos as horas do infortunio
Tive, pelos jornaes. conhec ment da cou-
du-ta d'aquella itiseravel. Falla-sa rnuito
n'isso, nao preciso dizer-'o. O notne da
tua irniS foi mfelizmenle tuvolvido no ne-
meio. Vi o quasi iropresBO com todas as
K'tiras no Fgaro d'esta raanha. A pobre
menina est horrvelmento coinpromettida.
Carlos levantou a cabeya com orgulho.
Hei de defendis .. E desgrayado
'aquello !. .
Roustan r<-spor.,.eu :
N?.o duvido da tua coragem; mas
infelizmente eli. nao impedir o jiuqJo de
fallar.
O irmao de Cl r.. apertou a cabuya cora
as duas maos.
Que bei do fazer 1 Ah este bomeui I
Hei Je maal-o.
Nao anda isso qu ha d; calvar a
rcputayo de tua irina. Clara sabe de al-
guma cousa ?
- Nao desjonfia de nada. Sabo pe-
na^ queja na. \ Jorge, e isso quanto
basta para : fl;gir.
XVII
Houve entre >;s dous amigos alguns mi-
nutos de silencio, depois Roustan pegn
bypocritaroente as raaos de Carlos.
S-bes, Carlos, como eramos liga-
dos... S.bes a bffeiylo qne tenbo por ti
e por tudo quanto t- diz respeto. Estou
TtAT ITT"P1
daposto & todos os sacrificios para tirar te
d'esta situaySo.
Callos, commovido, aperton as mos de
Andr.
NSo duvido, quarido amigo, e agra-
deyo-te, mas nao v-jo raeio.
Se tua irmS nao tivesse por miro
urna repugnancia tito grande. .
Carlos fez um roo vi ment. .
Que queres dizer T Consentiras an
da, depois do que se passoa ?
E' o offereeimento que vnha fazer-te.
O mancebo estava com os olhos arrasa-
dos d'agua.
~ Oh! raeu amigo.
Isso acaba com todos es coro menta-
ros, proseguio Roustan. Manda-se publi
ear nos jornaes que elles se enganaram
quando fallaram de um casamento prova-
vel entre o Sr. Jorge de Fersnieres e Mlle,
C. de S-, po'"s que Mlle. C. de S. de ha
muto noiva do Sr. Andr Roustan. Ao
mesmo tempo annunciar se-ha a data do
contracto. Encarregome de f..zer calaras
ms lnguas e de impedir as vboras de si-
billarem.
Carlos nao sabia como agradecer ao seu
amigo.
- E' a vida que nos salva a ambos,
mais que a vida, a honra.
Tenbo tr.uita satsfaylo era ser-te
til. Alm d'isso o nieo sacrificio ser
d< ce, porque nunca deixei de amar Clara,
bem sabes
Sim, sim I disse vivamente Carlos.
Agora s resta obter o seu consent-
mento.
O mancebo disse convictamente :
Encarregomc d'isso Ella deve jul-
ga&se muito feliz.
\kL Falla-lhe o mais cedo possivel.
Jal...
Vire s cinco horas saber da res-
posta. Teremos tempo de redigir a noti-
cia e 'val a ao Fgaro. .
Os dona amigos apertaram-se as raaos
e era seguida Carlos tocou a campainha.
Previna minba irma de que preciso
fallar-lhe, disse elle criada, que se apre-
sentou, e pergunte-lhe se pode receber-rae.
Poz- e em seguida a passear pelo gabi-
nete, com um ar agitado. Pensava no
ver a r*z3o apag&r-ae-lhe no cerebro, para
cessar todoa os seus tormentos. Quanto a
duvidar de Jorge, a,unca era tal havia pea-
sado. Poda Jorge esqucel-a ? Ppdia
Un ha muita Essa homam
Ella abri os olhos
-?

i
olhos espant&os e le vou monto parec i-Ihe extraoriinafii
as mSo3 ao coray&o, como se o sentase cipi'o ttribuio os modo* do v
" ., i T TT"i
jflEl
JOSLAROlNZA

3AGQES D FLOT E PEDRO MAEL
i:itCEI.l PABTE
O ABVWMO
(Continuadlo dj n. 110_)
IV
Aceres:entemos que o reembolso devia
snr feito de modo absolutamente anormal,
porqua. rievendo como simples particular,
substitua ess particular pelo func.iona-
:'.u ; elle dispunha, em acto publico, do di
nheiro do Estado em proveito da sua res-
ponaabilidade individual.
Finalmente, e isto tornava a sua posijio
nao s critica, mas perigosa, fazia isso na
occasio em que o seu cofre, submettido
o exan;e trimensal, aocusava um passivo
olvido s mente 3 suas despezas.
Era preciso, pois, que o Sr. d'Isaac co-
briss'j um dficit qu vimos limitar-se era
ultima analyse a vinte e ci; o mil francos,
e dentro de tres mezas entrasse para o co
rra departamental com a quantia de duzen-
tos rail francos.
Conseguido esse auplo resultado, elle es-
t.--a salvo, mivs salvo como esses afogados,
cuja fortuna e at a roupa tcaram no abys-
no. Depois teria para vi ver e dar s fi-
lhiis os sessenta mil francos dos sous liorto-
rarios e pir uni.-o capital es quatroceatos
un trancos da sua fianja. Ora, Renata o
tinha dito, iasr> era nao s a queda p*ra a
ilia iabituada a viver razao de cento
;ncoenta ir.il trancos por anno, mas o
' rompimento do casamento de Alice e, pou-
co depois, a roorte da pobre menina quf,
seguramente, nao sobr- viveria s suas es-
peranzas.
Deraais, rra preciso que o Sr. d'I*aac
-o eonvertesse e que u^nhuroa m vonta-
o-.e tizesse constar ao goverr.o as irregulari-
dades da sua gestSo administrativa e to^.n-
oeira.
acolhimento que Clara ia fp.zer sua pro-
posa. Mas era preciso que ella aeeitasse.
Nao havia para elle como para Roustm
outra solutao.
Ao -abo de alguns minutos a criada en-
troa.
A menina espera o senhor, dase
ella.
Curios f-;z ura gesto de deciso e diri-
g u se rpidamente para os Japosentoe de
Clara.
XVII
Os aposentos de Clara eram, como os de
seu irmo, no prmeiro andar oceupava a
arca aireita do castello. A moga estava de
p, havia j muito tempo, porqae dorma
a>al e as noites fatigavam-n'a. Tinha pres-
sa de ver o da romper por entre as per-
sianas ; parecu-lhe que cada da'que se
lev..ntava lhe traria noticias. Apesar de
todas &s appar; ocias, a pobre menina no
po lia acreditar no ab-niono, na trahigao
de Jorge. Estava dersuadida de que lhe
tinha acontecido alguna pesgraga terrivel,
qu>- talvez estivesse raorto ; que no o tor-
nara a ver. A siu imagem apparccialhe
as suas insomnias en3anguentada e desfi-
gurada. Nunca noton outro hornera que
nao fono Jorg->. A voz de Jorge foi a
ani"a que teve o dora de fazer bater lhe o
cor.;ao. Havia imaginado tanta alegria
com aquelle amor, cora aquelle casamento
projectado I Havia acariciado com tanto
prazer a iia de o ter junto de si toda a
sua vida E 'is que de repente lhe ar
raneado, nao sabia porque accidenta. Todo
o seu futuro e tav., despedazado, o corazao
sangrava-lhe por mil fondas. Momentos
havia em que chamava pela morte em al-
t is ; tivesse de nao tornar a vel-o. Deslava
Tal era a verdade. Essa verdade, Ju
ano Darmailly, forga de sagacidade e
de p^netrajao, coniegaio reconstituir pega
por pega. O mo;o suppunha que Rouval
aa quadrilha nSo desprezariam nenhura
lu^-ro, come ida nio tinha a chave do
pr. jecto infame, suppunha que o lucro pos-
sivel do fazedor de negocios com a ruina
d'Isaae seria superior ao que devia ser na
realidade. Nisro o mogo enganava-se com-
pletamente. O riquisaimo Rouval quera
simple?mente BStisfacsr um capricho, urna
paisao terrivel, se nuizerem, e, como diza
a sua carta a C-lanos, Renata vala bem
duzentos mil r Nao importa Juliano estava ao mesro
tempo enredado e instigado pela perspect
va de urna luta. S os seus instinctos de
"aturo juiz bastavara para o impeilir. Mas
nesse caso elle era aguiihoado pela dea de
orestar servijos a entes que lhe eram ca-
ros e sobretudo o&lo amor profundo, cons-
tante, que votava a Bertha.
Bertha era a parada da partida a ga-
nhar contra Rsaval e os seus tenentes.
Calculava as probabilidades da idea que
lhe passou pela mente.
Vejamos, dizia elle de si para si, em-
p-u'oar em casa de Rouval os diamantes
das meninas d'Isaac nao ser talvez, um
projecto mais especioso do que til ? Pri-
meramente, possivel, verosmil que
urna casa de c.ommercio empresta dinheiro
sobre-, penhores ? Ela empresta sobre urna
firma. A firma o barao e nSo outra, sera
outra. Ese foi o raeio de conveftel-o era
devedor, isto em viotima condemnada
de anterao. Denoia, de que servira to-
mar dinheiro delles, para pagar a ellos
raesmos 1 Pagos por ira lado, os tratantes
nSo deixariam de ser credores por outro.
E' verdade que '-les ignorarara que a
duas dividas erara de um s devedor.
Juliano interroropea-ae e, encolbenao os
hombros :
Ora, deixei-rce irapressionar por essa
id estramblica, de pagar a Rouval com
O seu proprio dinheiro. Isso nSo tem na-
da de pratico. Por o:itro lado nao posso
depositar isto no monte de soccorro. Sem
contar que nom teono a apparencia nem a
reputaco de um bomem qne possua cera
mil francos de joiaa.
Juliano paroj am momento desanimado.
Nessa occasiao vol-ava o canto da ra de
Villars e ia entr*r no boulevard dos Inva-
lido*.
D; repente eslremejeu.
Oh oh ezclamou eile, e en qne
nem me lembrava mais... E o raeu judeu,
aquelle tratante de Jacob, que defend ha
ella sqnecer ^Jorge N5o:
f n'elle, estava certa tt'eH'o como em si
mesma.
Por queja o nao va? por que nSo re
cebia noticias suas? Oh I se tivesse mor
rilo? Mas, se tivesse morrido, por que
seu irmSo, quu poda informarse, nSo o
sabia? Por que seu irrao nHo a tirava
daquella mortal inquietacSo?
Tinha-Q, Biuitas vezes interrogado, sup
plicado com lagrimas nos olhos qu: lhe dis-
sesse o que sabia... pareca incomraoda-
do, depois dizia que estava t3o informado
como ella. NSo tinha oovido fallar do Sr.
de Fresnires e no havia recebido noticias
delle. as suas respostas pareca-lhe fro
e, quando pronunciava o none do Sr. de
Fresnires, a moca julgava ver como que
um vislumbre da colera e de raiva. Que
quera aquillo tudo dizer ? Quando havia
de saber a verdade?
Nestas duvdas crueis passou Clara de
Serves o mez que havia d-corrdo desde o
sequ stro de Jorge. N2o tinha querido sa-
bir do palacb, ticou constantemente s,
minada pela sua raiva, debrugada horas
interas na -atufa, que a approrimavam,
pareciam-lhe, daquelles que lhe baviam
dado a vida e que tioham l do io a mis
sao de a protegerem. Ella o% implorava
constantemente. Muitas vezes, atravez das
vidraca8 e quando estava no ponto mais
fervoroso da sua prece, va de repente no
pateo os olhos do velho fitos nella. O des-
coohecido j comegava effectivamento a
sabir. Livavam-no tarde para urna ra
do jardira e elle pedia sempre que o trans-
portassera para junto da estufa.
Clara, que era um pouco supersticiosa,
senta urna impresso estranha. I naginava
que aquelle olhar corresponda s suas ora-
i,oes secretas. Nelle lia urna dojura e uraa
sympathia infinita e julgava ver lagrimas
naquelles olhos quando ella chorava.
Aquelle olhar fazia-lhe o ffeito do olhar
de Deus, protegendo-a e consolando-a.
Voltava para o seu quart) e esconda-
se para oceultar a emojlo que se apodera-
va della.
J nao sa animava a olhar para o ve-
lho. Limitava-se a pedir a miudo informa
c/es deile e recorameodar que de3sem tudo
quanto elle precsava. Alm disso j nao
sabia do seu quarto nem para passeur no
jardim.
Nao coma, e a sua fraqueza era extre-
ma.
Na manha em que Carlos a mandou
prevenir de que precisava fallar lhe, Clara
estava no seu gabinete mais afilicta ainda
que de costurae, vestida cora um penteador
branco. meno3 alvo que as suas faces, com
os olhos tebris e fatigados.
O pedido de seu irmSo havia-a agitado.
Viria fallar-lhe delle ? Teria afinal sa-
bido alguraa cousa ?
Estava de p quando o inuo entrou,
com o corpo todo a tremer.
Lanjou-se-lhe ao pescogo mm um grito
de espera lija.
Tena noticias ?
Mas o rosto de Carlos estava sombro.
Elia quasi desfalleceu e urna lagrima lbe
veio aos olhos.
Ah meu Deus !
despedazar se.
Que quer diz?r?
u o raiseravel, em
afa.

A prin-
velho a um
f*t Uo por aquel-
XVIII
Carlos amparou a nos bracos e deposi-
tou-a no canap.
-- Ouve me, Clara, s razoavel-
Ella fez-se mais pallida ainda. Ergueu
os bracos em um rao/imento trgico de
dr.
L'a portador de alguraa m nova ?
Jorge morreu?
O Sr. de Fresnires nao morreu, res-
ponden Carlos gravemente; mas melhor
t'Gra para elle e para ti, que tivesse mor-
rido.
em quera nao da vea raais pensar, disse
irmSo.
E contou-Ihe, com risco de matal-a, o
que tinha sabido, o qu3 lhe tioham coufir-
raado, o que diziara delle e della tolos os
jornaes.
Ella cahio como que fulminada pela
raori ; depoia, indo elle gritar por soccor-
ro, a mo$3 levantou-se vivamente:
Tudo isso falso 1 exckmou cll.
com energa. Jorge oXo netrahio... Acre-
dito em Jorge.
Carlos procurou aalmal-a, explicoulhe
os fictos, deu-lho detalhes. Infelizmente j
nSo poda haver duvidas. Nao erara sup
posi{3es aquillo que acabava de contar.
Havia muito tempo que saba de tudo, mas
tinha sempre hesitado era faz^r-lha aqu da
terrival coraaiunicayS'.]. Jalgara que nao
seria preciso fazel-a, mas agora nao podi
raais recuar. Er* obrigado a dizer lbe tudo.
Era um dever para elle. Tinha do salva
guardar a sua honra, que aquella aventu-
ra ameajava de coraproraetter. E havia
da viogai-a horrivelmeat9, quando se apra-
sentasse occasSo. O Sr. de Fresnires ha-
via de pagar caro a sua infamia.
Profera estas palavraa, estas phrases,
con intervalles, como se estivesse domina-
do por ama colera surda.
Clara estava trmula, abatida por urna
angustia mortal. Sabia que seu irmao n2o
lhe causa va um desgosto sem motivo serio.
vSo duviiava do grtado amor qna ti-
nha por ella,
Nao ignora va to pouco que ella nao era
hoinem para so deixar engaar at aqudle
ponto palas apparencias. Nao era mo, e
quando fallava do Sr. de Fresnires, os
olhos tomavara uraa -xpresBao feroz, e a
physonoma pallida pareca cruel.
Em'tudo aquillo devia portento haver
alguraa cousa de verdadeira, real.
Pela primera vez a desconfianza eo-
trou-lhe na alma, cortante e fria como a
lamina de um punhal.
J nao tentava defendel-o.
Contentava-se era aoffrer em silencio.
Do peito Sihiam-lha solugos abafados.
A sua dor era tao profua U, que ella
n5o poda chorar.
Ser assim engaada por elle !
Carlos tambera j nao fallava.
Pas3eava pelo quarto, agitado,
do todas as torturas de sua irma,
punhos fechados, o eerebro cheio da pan-
saraentos de vinganga.
De vez em quando estas palavras sa-
hiam-Ihe dos labios cerrados pela colera :
E que fazor agora ? que fazar ?
Cl ra fechou os olhos.
- Para mim acabou-se a vida !
Carlos suspirou.
Infelizmente no est adabada...
Ha agora o mundo qua to pede um novo
sacrificio.
Ella levantou a cabera.
Um novo sacrificio ?
NSo podes ticar sob a impres3ao des-
sa tr;o.
XIX
Agora, qua j nSo tinha reoeio de ser
tomado por um vagabundo, por um crimi-
noso e de ser preso cono tal ; agora, qua
o conheciam por Jacques Bernard, o an-
tigo zuavo, cujoa papis trazia comsigo,
todo o seu pensaraento se concentrou no
motivo que fazia Clara chorar e tornava
Carlos pallida e febril.
soffren-
com os
seis raezes e consegu tirar de um sper
to. .. Proraetteu-rae toda a sua dedicacSo
e pareca sinsero. A dedicado de ura ]u
deu tem o seu valor e de raais esse filho de
Isaac deve saber alguma cousa dos Rouval.
Vamos l.
E, a deapeito da hora avancada, Juliano
chamou um carro da praca que paasava.
Ra de Amsterdara, disse ao cochei-
ro.
O carro correu corao urna flacha, atra-
"essou a ponte dos Invlidos, passou rpi-
damente a ra Royal e a ra Caumartin.
Vinte minutos depois, Darmailly pagava
o automedonte e suba rpidamente a esca-
da do numera 40. No quarto andar parou
e tocou a campainha.
Ura criado abri a porta.
O Sr. Jacob est era casa T pergun
tou o moco.
A rapariga o olbou de soslaio.
Por que ? O senhor qner lhe fallar a
esta hora ?
Que duvida sem isso n3o teria viu-
do c.
Quera o senhor ? O seu nome ?
Juliano deu urna risada.
Ah minha filha, voc parece ser
muito affeijoada ao seu patrao. Diga ao
Sr. Jacob que o seu advogado, Sr. Dar-
mailly, quer lhe fallar sobre nogocio ur-
hente. Aqu tem o meu cartao.
A criada tranquillisou-se. Deu entrada
visita, fechou a porta e deixando-o no an-
te-jamara, se ai luz, desappareceu cora o
cart3o na ralo, por tras do ura reposteiro
de seda verde.
Reappareceu depois para dizer lhe :
O senhor ple entrar.
Darmailly tinha entrado em urna peque-
a peca mobiliada cora muito gosto, mas
cada movel, cada teteia represent'ava urna
somraa consideravel de dinheiro. O judeu
era adelo e ao mesmo tempo corretor de
negocios. Tinha feito urna verdadeira pro-
viso de objectos de arte. A nica poltro-
na em que elle estava sentado, de estylo
da raais authentica Renaissance, cobert
por uraa tapegacaria extrabida de urna das
celebres colleccSes das fbulas de La Fou-
taine, valia, pelo menos, quatrocentos fran-
cos.
Juliano nunca, tioha entrado nesse antro
da usura.
Ficou deslumhrado.
Com effeito, disse ella de si para si,
o tratante velho ficou com a pella das suas
victimas.
Attenyo I
Jacob tinha se levantado apressadamen-
Se os dous irraaoa no lhes presta va m
attengao, elle nSo parda de vista nenhura
dos seus raoviraontos. Cora o olhar cons-
tantemente levantado para as jan'-ll >s do
palacio, seguia-os, por aasim dizer, passo
a passo. S se oceupava com elles ; s
nella8 penaava. A pessoa que o tratava,
achava-o s vezes singular : chegava qua-
si a ter medo. Aquella fixidez de peBa-
ipio
nento de jjrofun
lea qua o hsviara sulfato : mas ni sua
phyaionoraa havia inas do que raconheoi-
raento.. Nell lia se o aflfaoto, quasi um
verdadairo amor.
Nu raanhS em qua tavo lugar a seena
que narr moa entre Carlos e Clara, o fo-
ndo, que comeca a andar, estava no jar-
.iira. Nao tinha deixado de passar e r -
passar por dante da3 janellas do quarto da
maya. Teve a intuigSo de que naquella
da se passsva algara a cousa grave. Ti-
nha visto passar, por diante de ai, sata-
feito, cora o olhar brilhante, o visitante
martimo, que era Andr Roustan, a a phy-
sionomia daquelle hornera havia Iba causa
lo uraa irapresaao singular, indefinival.
Depois da partida daquille hornera, na
janalla do g^braate, o rosto de Carlos lhe
havia apparacido por entre as cortinas, l-
vido, raacarado pe* angustia, cora con
tracyo;8 de colera as faaes. Depois o
mancebo sahio, dirigindo se para os apo-
sentos de sua irmS. Tinha-o vis'.o atra-
ves3ar os corre lores a passos rpidos ; de-
pois, aps a sua eutravista com Clara, a
moga ficou pensativa, cora o rosto encosta-
do aos vidros da janalla, as faic<5 s con-
vulsionadas p -la dor, cora as lagrimas a
cabirera lhe pelas faces.
Vendo aquella dr trgica, o pobre ho-
rnera sentio o corayao despedayir-se-lhe e
chorou tambem em silencio.
Foi neste momanto que o sea olhar so
cruzou com o da moya.
O velho apressou-se a sahir do jardira e
a voltar para o quarto que lhe servia de
residencia, para que o no vissera chorar
e nSo se adrairassem de sua dr.. mas
soffria horrivelraente.
Que se pasaava ?
Oh se o podesse sabar sar til era al-
guma cousa !
Mas a quem interrogar ?
Oj criados sabiara qu9 a menina era
rauito infeliz, que o patrSo pareca muito
preoecupado, raaa ignoravara o qua poda
motivar a tristeza do uraa e a inquietayao
de outro.
Natarledes3e raes rao da, comeyou a
circular um boato, comeyou a fazer-se a
luz.
Tratava-se de ura casamento para a me-
nina, de ura '..saraento contra sua vonta-
de, a que era obrigada a sujetar-ae, no
se sabia por qua motivo, mis o qua nao
ignoravara, era que a menina chorava uoi
to e dia.
Todas aquellas noticias augmentavam as
torturas crueis do velho.
Padeciara era torno d podia fazer, na la 1 NSo lhe era meamo
permittido inforraar-3J das causas daquel-
la dr e part>lhal-as.
Talvez nunia se lhe tivesse apresentsdo
situaySo mais pungente.
O desgrayade, fra de si, andou toda a
noita em roja do palacio.
Tinha esperanya de ver Clara, de lhe fa-
zer ura signal, de lhe fallar, mas a pobre
menina nao lhe apparecia-
No dia s guinte, logo pela maoha, a
azafaraa dos criados, entrando e sahndo,
iaiicava qua algura aconteeimanto extra-
ordinario se estava preparando. O visi
tante matutino tiuha voltado noita, ani-
mado, como pela manha, de urna ale-
gra m.
O velho levantou-se, e foi collocar-se
espreita no jardim.
Vio ura criado dirigir-ae par a porta do
jar lira, muito atarefado.
Corrau a elle.
Jos ?
- Ah o senhor ? disse o criado de
p i Entao j est bom de tudo ?
Completamente.
Tanto melhor 1 tanto malhor disse
J )s, querendo passar.
E acerescentou :
Vou cora rauita pressa.
a ---------------=gg
Uraa palavra apenas, disse o velho.
Qae se est preparando no palacio ?
- Pois nao sabe ? E' hoje qua sa as-
signa o contrato
E desappareceu rpidamente.
O velho desconhecido ficou no mesmo
lugar aturdo.
Era naquella noita que se devia con .luir
aquella uuio, que is talvez fazer a dcs-
gr*Qt de toda a sua vida, de t'*da a vida
della.
Continuou a passear no jardim, praoc-
cupalo, p nsativo; depois, tarda, de-
e viu uraa lagrima bri-
casar com a:guera a
pois do t r visto Carlo3 sahir, encheu se
de coragara e padio para fallar menina
Clara.
R-sponderam lhe qua a menina u3o re- ,
caba ningnera, mas elle insisti tanto, e
cora un ar tao supplicin'e, que a moya
conseutio e:o vel-o.
O velbo coraeyoa por agradecer-lhe ca-
lorosamente oa seus cuidados, que lbe ha-
vara salvado a via, por inanf-star-lfie
todo o reoonhec raento de que estava pos-
suido ; depois disae-lhe qua tiah1 sabido
do aeu casamento, e que tinha querido ser
dos primeiroa a felictal-.
E, pronunciando est^s palavras, olhou-a
fixaraente, om aqu-.-lle olhar temo e ma-
gntico, que tantas vezes tinha faito im-
presso na moya,
lhar lhe nos olhos.
Nao pouda eonter-se por raais tempo; o
seu corayo transbordou.
Olha, minha, senhora, .-xilamou elle,
perdi-me o que vou d^zer, raas v*jo, par-
cebo ha muito taoipo que anda triste, e
sofff cruelmente, eu que dara a vla para
fazel a feliz. Coota-ma as suas miguas,
diga rae o que posso faz;r pela senhora.
Disponha de raim cora toia a segur.nya o
cora toda a coufianya. Mo en^ontra no-
guera em sua casa, que lhe seja raais dedi-
cado. .
Clara raeneiou a cabeya.
Agr ieyo-lhe, meu amigo, a sua boa
voatale. Mas era o ssnhor, nem pessoa
alguma pode trazer consolsyao ao meu so-
tfrimento.
Obrigan-na a
quera nlo ama. ..
Ninguera rae obriga... E' o raeu
dever que rae obrig*. E' de livre voatade
que rae caso cora o Sr. Roustan.
Ouvinio este nome, o velho deu ura
pulo terrivel.
Oa olhoa esbuzalharam-sa como d.iute
de uraa visao araeayadora.
Roustan exclamou elle, disso Rous-
tan?
Clara olhou para ella admirada.
Sim... conseje o Sr. Roustan?
Se o conheyo balbuciou o desco-
nhecido.
Depois, vendo que a sua emoyao ia tra-
hil o, faz violentos esforyos para conser-
varla calmo.
E' Roustan, o filho, do banqueiro ?
Seu pai era efectivamente banqueiro
murmurou Clara.
No boulevard Sebastopol ?
No boulevard Sebastopol-..
O desconhecido treraio dos pea 'cabeya
Fez-se lvido corao ura cadver.
Nao havia duvida... Era elle.
Era o filho daquelle hornera raorto por
ella, que ia casar cora a sua filha I
O seu crime nao estava pois suficienta-
raente expiado?
Que quera ainda o destino?
Esta ultima provayao aniquilava o.
A testa cobria-se-lhe de suor.
Aquelle casamento era irapossivel.
Eru preciso irapadil-o a todo o custo
Mas como?
Que podia elle, pobre miseravel ?
Precisava dar-se a eouhacer, confessar ?
contar tudo na presenya delles ?
Oh nao, nlo, nao pidia pensar om tal,
sem estremecer.
te, o foi ao seu encontr de raaos esttradi-
das.
Era um hornera alto, de uraa magreza
singular, cara ossuda, accentuad* pelo na-
riz caracterstico da raya. NSo tinha ar
de mo, mas o olhar revelava a paix&o do
lucro.
Todava o seu olhar, na occasiao expri-
ma urna affeiyio muito sincera e muito vi-
va pela sua visita inesperada.
Ah I Sr. Darmailly, exclamou olle,
que prazer me causa a sua prasenya 1 Que
bom vento o traz aqui ? Posso prestar-lbo
algum 8ervgo T
Ura aerviyo muito grande, meu caro
Sr. Jaoob.
Est prestado, se estiver em minhas
foryas prestal-o. Mas, secte-se, dase elle
empurrando para parto do moyo una espe-
cie de divn oriental.
Em poucas palavras, Juliano pz o is
raelta ao facto do negocio.
E' s isso ? exclamou Jacob, satis-
feitis8mo por nSo ser questao ds empres-
tar dinheiro com garantas menos valiosas.
Vejamos as joas.
Darmailly entregou-lhe os escrinos.
Depois de os examinar com cuidado mi-
nucioso, o adelo pl-os em cima de uraa
mesa.
Varaos l, o senhor quer vendel-os
ou empenhal-os ?
~ Empenhal-os e por bom preyo.
Hum Na verdade es8aa joas sao
magnificas. Mas nao muito fcil encon-
trar quera empreste dinheiro. Quanto quer
osenhor?
Meu caro senhor, serei franco. Que-
ro a maior somraa possivel.
O judeu abanou a cabeya o pareceu me-
ditar.
Poda-se emprestar sessenta mil fran-
cos sobre isto, a doze por oento, com le-
tras reformaveis.
Sessenta mil! nao bastante. O se-
nhor pode fazer melhor do que isso.
Jacob fez um grande gesto de denega-
yao.
Oh o senhor est engaado, Sr.
Darmailly, est engaado. N3o sou eu.
Eu sou nm homem pobre. Onde quer que
eu v buscar semelhante somraa? Oh nao
sou eu, ora certeza, n3o sou eu I
Juliano deu uraa risada e bateada no
hombro do homem :
Se, sei. NSo o senhor. Mas tse
nSo s tu, ten irmSo.
, __Eu nSo t?nho irmSo l disse o israeli-
ta assustado.
Bravo 1 E' justamente a resposta do
cor Jeiro so lobo. Meu bom Sr. Jacob, com
isso quero dizer un dos seus irraSos em
Auranao. Ah o sanhor nSo dir que nao
tem.
Jacob aorrio cora complacencia.
Ah isso nSo, por certo. Tenho ami
gos, compatriotas.
Compatriotas. E' justo. Eaqueci-
me que entre os senhoros a raya chama-se
a naySo.
Po3 bem I compatriota ou nao, essa
ha da preencher a differenya.
Mas entao, quanto quer ?
J lhe disse t o mais que for possi-
vel. Quero com mil francos.
Cem mil francoa ? las n3o se encon-
tra.
Acha ? Pois bem, os seus corapatrio
tas serao dous: sessenta e quareota. Que-
ro anda outra cousa.
Que mais, Sr. Darmailly ?
Doze por cento, comprehende, raeu
bom amigo, essa urna taxa de usurario.
Ah 1 senhor, replicou triumphaote-
mente Jacob, para o senhor e s para o
sanhor que eu emprehendo o negocio a essa
taxa. seu monte de soccorro, que
urna insttuiyao philantropica, leva quator-
ze e quinze por cento.
Darmailly deu urna resposta sublime :
Sr. Jacob, venho proaural-o, porque
nSo quero ser roubado.
Era praciso dis-utir. Juliano discutio
com calor.
Afinal obteve: Io que emprestaran! se-
tenta e cinco mil francos, em vez de sea-
senta ; 2o que o emprostimo seria recouhe
cido por um simples compromisso annual,
reformavel e nSo por vencimientos trimen-
Si-es. Quanto taxa do juro, ficou em doze
por cento e a coraraiasao ura e raeio por con
to pela operaySo, Jacob roarcou hora no dia
seguinte para a entrega da quantia.
Juliano, pois, teria que receber sessenU
e deus mil francoa.
Assentado isto, o moyo julgou que era
chegado o momento de tocar no segundo
assumpto da sua visita ao adelo.
Isso est feito, disse elle, resta anda
fallar-lhe em urna questao anda mais im-
portante, e que nae ta de cuatar lhe nem
ura sold, nem o menor riaco.
De muito boa ventada, meu caro se-
nhor, de muito boa ventada, replicou o ju-
deu, que, decididamei/te estava de bom hu-
mor. Se lbe posso sar ngradavel...
- NSo s agradavel, mas til, mesmo
muito til.
Estou ouvindo cora todos os meus oh-
vidoa, Sr. Darmailly.
Quautoa tem ?
(Continua)
Por emquanto dous, corao todo o mun-
do.
O senhor diz : p^r emquanto, o que
aendo necasaario. P^ia bem, meu caror.
Jacob, dous e dou3 saa quatro- Payo-lhe
que neste momento tenha quatro sua dia-
poaiySo e minha e outroa tantos olhos, se
possivel.
Farei o possivel, Sr. Darmailly. En-
tao importante ?
Sera duvida ; preciso de informayo.'s,
de informacSes muito exactas.
Ah a respeito de quem ?
Darmailly fitou o e disse muito lentamen-
te :
A respeito da casa Stephan Rouval
C.
O juieu estremeceu.
Rouval, exclamou elle, a casa Rou-
val Mas, urna daa mais consideraveis
de Pariz, meu caro seuhor, uraa das raais
consideraveis I
Ah 1 raspondeu o juiz da inatrueyao,
eu sei. E' justamente por essa motivo que
eu desajo ser informado, tutre nos, ac-
erescentou elle com um sorriso, eu preciso
de informaySas as peiores possiveis. Deve
ter meio de poder procural-as.
E, rindo s gargalhadas da cara espan-
tada do adelo, o moyo deapedio-se delle
com eata ultima phrase :
Cont com o senhor, Sr. Jacob. At
depois d'amanhS.
Entretanto o tempo carainhava a paaso3
de gigante.
Renata recebeu das mSos da Sra. Frac-
ees, que os houve da Juliano os se83enta e
dous mil francos emprestados e e estopor
intermedio de Jacob.
OSr. d'Isaac escapou primera crise.
Tinha desapparecido a falta no cofre.? Era
entSo neceasario pensar uo vencimento que
o fanecionario tinaa-se imposto tSo impru-
dentemente.
A fallar a verdade, a vida deate tinha-se
tornado um verdadeiro inferno. Para fa-
zer face ao mais urgente, teve de prolon-
gar a sua estada em Pariz. Tiuha de-
corrido mez e meio depois das aceas do-
lorosas que Renata tinha confiado Sra.
Francs. _^
Quareuta e cinco diaa anda separavam
O iatelz de seu segundo pango, que era
ainda maia terrivel, porque era preciso
aohar duaeotoa mil francoa. Porque o Sr.
d'Iaaao f*ia empenhp em hbertar-se. A sua
sujeiyao a Rouval tofhava ae hornvelmenta
a.
(Continursete )
Tjp. do Diario roa Uuque de Caites n.
42.

I MIRAN I
v