Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16779


This item is only available as the following downloads:


Full Text


f
0
)

y
t
V

ANNO LXYII
QUINTA-FEIRA 14 DE JANEIRO DE 1892
DIARIO DE PERNAMB
NUMERO 10
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILHOS
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE SE PAGA PORTE
s
Por tres mezes adianlados.
Por tres ditos vencidos.
Por un anno a liantado .
dem idem vencido. .
6S000
7&000
24&000
8|000
SAO NOSSOS AGENTES EXCLUSIVOS DE PUBLICAQES NA FRN-
gA E INGLATERRA
Os Srs Amede, Prince & C, resi lentes em Paris34 ru de
Provence.
PARA OS LOGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por seis mezes adianlados.
Por seis ditos vencidos.
Por um anno adiantado.
dem idem vencido. .
13^500
15#500
27&000
31#000
TELEGRAMAS
SE27I;: FASTICLAS SO SIABI3
RIO DE JANEIRO, 13 de Janeiro, s
3 h&res e 25 minutos da tarde.
Foi reformado o marechal Manoel Dec-
doro da Fonseca.
Na Cmara foi approvado em 1.a diseus-
s3o por 57 contra 50 voto3 o projecto de
reor^anisagilo dos Estados.
No Senado o senador Ramiro e outros
apresentaram um substitutivo ao projecto
sobre bancos evocando para o Estado a
resporsabidade das emissoes eom os res-
pectivos lastros, e tixando prasos para os
bancos solvarem os compremissos para eom
o Thesouro.
FORTALEZA, 13 de Janeiro.
A ordem publica contina inalterada.
A co-.fianga no governo do general Ca
rindo completa.
Todo o Estado adhere legalidade, e a
forga federal conserva-se em absoluta neu-
tislidade.
o grupo do Libertador que procura
especular por meio de boatos marehisade-
res que assoalba.
FORTALEZA, 13 de Janeiro, noite.
A forga federal est toda ao/lado do go
verno do Estado constituido, negando se
em absoluto auxiliar a anarchia. Em vis
ta da attitude da tropa federal, o povo
tem le feito estrondosas manifestares.
O corpo de eeguranca publica e o da
guarda cvica tem tido igual procedi-
mento.
Em vista, deesa attitude, tm sido frus-
tradas as tentativas de deposicSo do gover
mdor por parte do grupo opposicionista.
Ao governo tem sido offerecidos ba'a-
lhoeapatriticos,os quaes foramdispensados
do auxilio, por que a opposicao nao conta
eom elementos de receiar.
O commercio da capital, acompanhado
de mais de 1000 pessoas foi incorporado,
felicitar o governador general Jos Ca-
rindo, o qual agradeceu a espontanea ma-
nifestagSo.
Igual procedimento teve o partido ope-
rario, em um grupo de mais de cinco mil
pefsoas.
No interior do Es'-ado tem havido mul-
tas maoifesuc^es de adhesHo ao governa-
dor.
Reina completa paz.
PARTE OFFICIAL
averno do oslado de Perna
buco
EXPEDIENTE DO DA 14 DE DEZEMBRO DE 1891
Acto:
O vi:e-governador do E3tado atleodendo ao
que requeren o joiz substituto da comarca de S.
Lcuresco oa Matta bacharel Francisco Porfirio
de Au rade Lima, resolve CDnceder-lbe om mez
de liceoga, p-ovisoriamen e e sem veDCimentcs,
para tratar oa sa e de pe3sa de ua familia,
devendo o requereatd eoirar oo gso da referida
ceaca ao Dr-so de quioze das.
Officios :"
Ao i.r.ocior da Tjesouraria de Fazenda.
Para o fias convenientes ccmmuniCD-vos que a
10 do correnle mez reassumioo exercicio do car-
go ds inspector da Stde do Porto o Dr. Prxe-
des Goro.- do Souza Puanga, e de ajodante d'este
o Dr. Jos Jul o Femandes Barros, ficando assim
ibpeus :o o D.\ Joao Msria Se ve da commisso
que r. foi njumbida a 13 de Agos o do corren-
t ann .
Ao ir>e3Jio.Communico-vo3 que o joiz de
direi'.o Jjo Siqoeira Cavalcant: em 11 do cor
rente, assemio o exercicio de sea cargo na ce-
marca de S Lourengo da Matta.
Ao mesmo. Commuoico-vos que o miz
substituto da comarca de Nazaretb, bacharel Her-
culano BaDdeira de Helio reaesumio o exercicio
de s:u sargo em 12 do correte.
Ao mesmo-Communicovos que o joiz mu-
nicipal do termo de Bem Jardim bacharel Jos
Cavalcan de Caldas Albuquerqae, interrompeo,
por motivo de molestia, o exercicio de sen cargo
em 9 do correnle mez
Ao mspscor do Thesouro do Estado.Man-
dai p-gar a Francisco Flix Gougalves a quantia
de oOuOOO, importancia de cinco cavallos forne
cidos cavaliaria de polica deste Estado confor-
me o attestado junto.Communicou-se ao com-
man 'ante da cavaliaria.
Ao director do presidio de Fernando de No-
ront.a. Tendo providenciado boje para que siga
para esse presidio Leonidia Pereira de Mendon-
ca muler do sentenciado Jos Autonio Pereira
no caso ce seguir este acompanhando a (tres fi-
Ibos meno-es, chamo a vossa attengo para a in
formago do vos30 antecessor de O de Outubro
ultimo, sob n. 31, para que a facaes regressar, no
caso de proceder incoe venientemente.
Ao fiscal da estrada de ferro do Recife a
Caxang. Reccmmendo-vos, em cumprimen'o
do telegramraa do Ministerio da Agricultura de
11 do correnle, de observancia urgente do officio
desse governo de 10 de Agosto ultimo, referente
ao questionario que acompaobou o mesmo offi
ci.
Portarlas:
O Sr. gerente da Companhia Peroambncana,
mande dar passagem de r at a Babia, na se
guada viagem deste mez, a Fraocisco Claudiano
Ferreira de Andnde, por conta das gratuitas a
que o governo tem direto.
O Sr. gerente da Companhia Peroambncana
providencie para que tenba passagem gratuita de
proa, para o presidio deFernando de Noronba'
,'tencado Jos Antonio Pereira, no caso de seguir
este no vapor Goyanna; assim como res tilbos
menores, ooservando o dlsposto na clausula 23
do decreto n. 10.208 de 16 de Marco de 1899.
Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Fraocisco d pissageot de ida e
volta, por conta do Estado, em carro se, da estacSo de Cinco Pomas a de Una, eom
direito bagagem. ao.ex-commissario da guarda
local Josino Alexan Inno de Oliveira.e providen-
cie quanlo ao transporte, em carro de classe,
de qualro pragai qoe ten tambem direito a ba
gagem. que se recolbem a esta capital.
dem de Palmares a Qaipap.O Sr. supe-
rintendente da Estrada de Perro do Becife a S.
Francisco c passageosde vioda e volta. por con-
ta do Estado em carro de 2' ciarse daestago de
Una a das Cinco Ponas, a 12 pracas da guarda
local, e providencie quanto ao transporte de 7
ro que ellas teem de conduzr da Caja de De
tenco para o termo de Garanouns once vo ser
submtiidoa a ulgamento.
dem de GaraDbons a Palmares.-O sope-
rindente da estrada de ferro do Recif ao Li
moeiro d passageos de ida e volta, ;or conta
do Estado, em carro de 2' classe, da eslaco do
Bram a de S. Lourenco da Matta, a dez pracas
da cuarda local, e providencie quanto o trans-
porte de 5 ro3 que ellas teem de cooduzir afim
de s?rem all submettidoa a julgamento.
O Sr. saperiotendi-nte da estrada de ferro
do Recife a Limceiro d passageas de ida e vol-
ta por coata do Estado, em carro de 2* classe,
da estacao do Brum a de Pao a'Aiho.auma pra-
ga da guarda local, e providencie qianto ao
transporte da bagagem que ella d'alli coadazir
para esta capital.
EXPEDIENTE DO DR. SECEBTARIO
Officios :
Ao Dr. Questor Pocilial.O vice-governador
do Estado, para poder providenciar sebre o as-
sumpto do vo3so officio de 12 do correnle sob o.
1636, recommenda-v-os que declaris qual o mo-
tivo por que requisitado o menor de que trata
o citado officio.
Ao Procurador dos Feit03 da Fzenda.
0 vice governador do Estado manda uceusar o
recebiujento de vosso officio n. 33 6de 11 do
correte mez oo qual Ihe declara haver reassumido
o exercicio do vosso cirgo visto terem-ne enerr-
radonodia 10 do mesmo mez os traDalhos do
senado.
Ao coronel commandante da b'igada poli-
cialO vice-governador do Estado manda decla-
rar vos que Sea ntelrado pelo vosso oficio de 10
dj crrente sob n. 1, de terdes nessa cata assu-
mtdo o exere-cio do roes o posto.Csmsumcou-
se ao inso'.c'or do Taesooro do Ejtado.
Ao Dr. juiz de direito da comarca de S.
Lour<;ngo da Matta.Ovice-eovemadorco Estado
inteiraao do assuapto do cffic o de li d) correa-
te recommendavos que rernettaes a ce:tidSo do
vosso exen icio.
Ao.3 Srs. agea'.e3do L'oyd BrazihiroDe
orcem do vice ^overoador do Estado acenso o
receb.ment doefliciode hootem.no qoaicommu-
nicastes haver chegado dos portos do Norte o va-
Dor S. Salvador e seguir para os do Sil hojeas
6 horas da ti'de.Communiccu se t directora
do Commercic.
Ao Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
oaDe orcem Ho vici-governador acceso o re-
cebimeB'.o do cilicio de 12 do corrente no qual
cocomunicast93 que essa compaonia vai expedir
o vapor BeberlOe paraos porto3 do sulaia
Babia boje s 4 horas da larde.
Ao director do presidio de Fernando de
Noronha,De ordem do vice governador do Es-
tado reaietto vos os documentos roncementes
pretenco do sentenciado Jcs Gomes Barbosa
dos Sanio? alien de'que providenciis para que o
medico abi existente preste es esclare amentos
necea.-arioa para a solugo do assompte.
Manoel Clementino Correia de Mello, ,aa oonhecimento do poder competente
propondo se para faser a cobranca de to
das as barreiras eom o abate de 25 por
cento.Informe o Inspector do Thesouro
do Eslado.
Manoel Antonio Muniz, remador do
Arsenal de Marinha, pedindo passagens
em favor de sua familia para o porto de
Maco.Reforme o sello.
Nanoel Francisco de Sonsa, pronunciado
pedindo que os autos de sen processo se-
jam remettidos para o Tribunal da Rela-
c3o.Os autos de appeilacao aeguiram
para o extincto Tribunal da Relaclo em
20 de Novembro ultimo.
Bacharel Manoel Autonio da Fonseca e
Mello, jais de direito da comarca de Bui-
qne, pedindo tres mezes de licencia. -
Sim.
Pedro Jos Bezerra Cavalcante, ex-l-
ente da brigada prolicial, pedindo cor-
tidSo de seo titulo.Sim.
Vicente Bezerra Cavalcante, pedindo
pagamento dos vensimentos a que se alga
eom direito.Informe o commandante da
brigada policial.
Secretaria do Estado de Pernambuco,
sn 11 de Janeiro de 1892.
O porteiro,
Hemeterio M. da Silva.
para remediar ; a esta inspectora fallece
competencia para um grao de recurso pro-
ve o.
Dia 12
Joio Baptista do Espirito Santo.En-
caminhe-se.
Mara OlinJina Pires Ferreira, pedindo
urna certidSo Gomo requer.
Dia 13
Mara Frarcisco de Castro Araajo.
Encaminhe-s .
DIARIO DE PERNAMBUCO
Commaido das Armas
Quartel general do commando do 2o dis-
ticto militar em Pernambuco, 13 de Ja-
neiro de 1892.
Ordem do dia n. 7
Nao tendo o Sr. major honorario Joaquim Fran-
cisco Dim'z acceitado a nomeacao de commissa
rio da guarda local do Rio Formoso, Sea sem
effeito a nomeacao do Sr. tenente Joaquim Basi-
lio Pyrrho, para o lugar de encarregado da for-
taleza de Tamandar.
(Assigaado)Joaquim Mendei Ourique
Jacques, general de brigada commandante
do 2." diatricto militar.
(Est conforme)O alfe.es Carlos Soa-
res, ajudanto de ordena encarregado do
detalhe.
Retrospecto poltico do .inno
de 18!
ra
poltica particular
FRANCA
(Continuacao)
Leonidia Pereira de Mendonca, mulber do sen 'ha o que deferir.
de8pachos do dia 11 dr ahumo
ds 1892
Alexandrina de Albuquerque Araujo,
professora publica, pedindo dous riezen de
lcec5a.Deferido.
Antonio Ma-ques de Siqueira, senten-
ciado, pedindo perdSo do reBto ia pena
que Ihe foi imposta.Informe' o Dr. uii
de direito do 2- districto criminal do Re
cife.
Custodio Jos do Reg Araajo, arrema-
tante do imposto de barreiras, pedindo
para c-.ntinuar como arrematante das de
Morenoi e S. Jo2o, e bem assim arrema-
tar as de Palmare* e Magdalena eom o
ab&te de um por cento sobre o prego da
respectiva praa.Apreeente-33 a nova
concurrencia que loi ordenada em 7 do
corrente, servindi de baso a quautia an-
nunciada, eom abate nunca uip>rior a
dez por cento.
Companhia Exploradora do Productos
Calcreos., pedindo iseoc;So do imposto de
doze por cento de que trata o jj 12 do
art. 2- da lei orcementaria do corrente
anno, sobre o valor da cal exportada
deste par cutio Estado.Iuforme o In-
spector do Thesouro do Estado-
Companhia Pernan bucana, p?dindo pa-
gamento da conta n. 2622 na impor-
tanciu de 40J50(J.Informe o Inspector
do Thesouro do Estado.
Francisco Moreira Dia-j, pedindo para
embarcar duas mil saccas eom farinhit, cinco
mil eom l ho e duzentas eom feijSo.
Aguarde reeolucSo.
Jos Fernandos Lima, pedinlo para
eliminar se os appaielbos das casas ns.
1 e 3 da ra Baro da Victoria e os das
de ns. 4, 6 o 8 da ra das Trincheiras,
por terem sido demolidas.Deferido eom
officios de boje ao engenheiro fiscal da
Companhia Recife Drainage e Inspector
do Thesouro do Estado.
Joao Januario de Almeida, guaida da
2.a elaese da Casa de Datecco, pedindo
para abonsr-se as faites que deu no mes
da Desercbro. Informe o Dr. Questor
policial.
Joaquim Baptista dos Santos, pedindo
pagamen.o da quantia de 24($O3, dos
alugusis da casa de sua propriedade que
serve de quartel em S. Jlo dos Pombos.
Prove ser de :ua propriedade a casa
contractada t.ara quartel.
Joaquim Marcelino da Rocha e Manoel
Frauciscj So tres, pravas da guarda local
do municipio de SerinbSem, pedindj para
sereu transferidos para a 1.a regic. lo;
deferido, a vista das informales.
Joao Flix da Cruz, sentenciado, pe-
dindo para entrar no goso do decreto n.
77 i de 20 de Setembro de 1890.-N2o
Commando Snperlor
Quartel do commando superior da guarda
nacional do municipio do Recife, 5 de
Janeiro de 1892.
Ordem do dia n. 153
Para conhecimento da Guarda Nacional
sob meu commando fago publico que em
26 de Dezembro ultimo prestaram jura-
meato e tomaram posse do posto de te-
nante-coronel commandante Thomaz Fer-
reira de Carvalho e Augusto Fernando do
Reg, este do 2. batalhSo de infantera e
aquello do 1. da mesma arma, para os
quae3 foram nomeados por dacreto do
Presidente da Repblica, de 25 de Abril
do anno ultimo.
O coronel Francisco Antonio de S Barreto.
Qneatura policial
SecgSo 2.1 N. 1U Secretaria da
Questnra Policial do Estado de Pernam-
buco, 13 de Janeiro de 1892.
Cidados. Participo vos que foram
hontem recolhidos Casa de DetencSo os
segu ates individuos :
A' ordem do subdelegado da freguezia
de Santo Antonio, Manoel J So, eonhecide
por Manoel Piloto, por disturbios.
A' ordem do subdelegado do 1. dis-
tricto do S. Jo:, JoSo Jos de Oliveira,
conhecido por Joao Bicudo, por distur-
bios.
Communica o Dr. delegado do 1."
districto da capital, que foram recolhidos
ao xadre do quartel respectivo, as pragas
da guarda local SebastiSo Nunes de Oli-
veira o Marcolino Ferreira de Souza, au-
tores do espancamento praticado as pe-
soas de Augusto Antonio Mendes, praca
do mesmo corpo e do paisano Francisco
Alves PavSo.
O Dr. delegado abri o competente in-
querito.
O tenente Antonio de Barros Correia
assumio no dia 2 do corrente o exercicio
do cargo de commissano do municipio da
Gloria de Goit.
Tambem no dia 9 assumic o exercicio
do cargo de commissario do municipio de
Pao d'Albo o tenente Joaquim Jos de
BarroB e Silva.
Eutraram em exercicio as seguintes
autoridades policiaes :
.Joaquim Lopes da Silva, delegado do
termo ue Palmares, na qualidade de 3.
supplente.
Liberato Luiz de Freitas, subdelegado
do districto de Tigipi.
A' Junta Govemativa do Estado de Per-
nambuco, 13 de Janeiro de 1892.
O questor, Joaquim Tavaret de Mello
Barretto.
!npertorta (eral da Inatrurro Fu
bilca do Eatado de Pernambuco
despachos do dia 2 ds janeiro
dr 1892
Abaixo assignados dos alumnos do pri-
meiro anno da Eccola Normal. Informe
o Dr. Director da Escola Normal.
SebastiSo Antonio de A. Marinho,In-
forme o delegado litterario do 2." districto
da freguezia de S. Frei Pedro Goncalves
do Recife.
Dia 4
Argentina Infante Ribeiro Peasoa.Co-
mo requer.
Dia 5
Alexandrina Marques Masoarenhas de
Souza.Em virtude da junta govemativa
do Estado, concedo a supplicante o praso
de 40 das para assumir o exercicio de
sua cadeira.
A' cmara frinceza foi em principios de Ju-
mo submettidaf essa obra que, cujos aftanosos
expedientes diplomticos, foi architectado pela
conferencia internacional de Rrusellas para a
conservacao da3 populacOes indgenas da frica
e o aperfaicoamento das suas condigOes moraes
e materiaes de existencia, Dem como para a sup-
pressao da escravatura e do trafico.
Neste documento assegura-se ao estado inde-
pendente do Congo receita3 flseaes, de que o re-
gimen de livre cambio votado em Berlim o ti-
nha privado at aqui, eom o fim oficial de o col-
locar em condicOes de eombater o trafico dos ne-
grea, e plus fran:hument, como diz o relato
rio, para dar aphaat.stlca creago do reidos
be'gas es meios de poder viver, deseovolver-se
e prosperar.
As potencias comencionaram na conferencia
autorizar na grande bacia continental do Congo
d.reitos de entrada de 10 por cento ad valo-
rem.
03 direitos de anida que o re Leopoldo tcb>
flxado foram jeduzidos a 10 por cento, cem c
que muito lucrou a F.aoga por iotermedio dos
estabelecimeotos visinnos do Estado Livre.
0 relator da commisso fez notar que a Fran-
ja tinha um grande interesse em ratificar a de-
claracSo reformando o rgimen alfaotegario da
bacia convencional do Congo ; porque se a Bel
gica nao aceitar a ofierta do rei Leopoldo de to
mar conta do Congo, obvio que o direito de
perempfSo da Franca flea lleso e inconiestado.
Nao ba o que admirar: a base do direito inter-
nacional moderno urna especie do sauve qui
pent, isto cada qual goveroar-^e como poder
e o melhor que Ihe for poBsirel.
Se a cmara foi lavoravel a declaragao no pon-
to em que se rasga porque a Fraoga a bella per-
spectiva de um alargamento de dcminio, nao;
recebeu em compensacSo, eom muita satisfago
a tal variante ao direito de visita aos navios que
os delegados da Franga aceitaram para o seu
paiz.
O relator da commisso declarou que se trata-
va apenas de urna verilicuc&o dos papei*, e nao
do uiitiio de visita ; que nao ba^ia cfl'ensa ai-
gama para a digoidade da Franga na aceitado
do compromiso.
Por seu turno Mr. Ribot declarou que a rejei-
gao da declaragao da parle da Franga poderia
trazer difnculdades diplomticas.
A cmara ouvio tudo e todos, e no fim, sem
grande ruido nern palavriados, rejeitoa o pro-
jecto, como est pe esmagadora maioria de
432 votos contra 104.
Foi feo o cheque que o governo levon.
Quando te traiou da repressSo do trafico da
escravatura no mar, a Inglaterra poz logo a
questao do direito de visita nos navios de ban-
deira de qaalquer das potencias representadas
na confereocia.
Os inglezes oncea perlera o ensejo de tocar
esta nota humanitaria, e de iosistirem por ella.
Com o direito de vista elles so teem a ganbar,
visto a superioridade de ua marinha.
A Franca oppoz-se logo ao reconhecimento
desse direito, que vai de encontr aos seus inte-
resses, e por isso apenas se assentou que cada
una das potencias adoptara o procedimento
conforme as suas tradigoes e aos tratados em vi-
gor. Assim, por exemplo, a Inglaterra e a Italia
reconhecem o direito reciproco de visita porque
assim teem tratado entre si.
A Franca, por seu lado, declarou admittir ape-
nas ama especie de verificago de identidade
pelos cruzadores das potencias contractantes,
nao podendo essa verificaco ir a!md o exame
dos papis de berdo. No caso de depois disto
anda restaren] suspeitas de o navio ser negrei-
ro, o efficial encarregado da visita limitarse ha
a conduzil o no porto mais prximo, e fazel o
visitar pelas autoridades martimas.
Se isto n3o a mesma cousa que reconhecer
o direito de visita, que pouco mais alm vai dis
to nSo fez delle grande differenga apesar do re-
latorio dizer o contrario.
A cmara abundou um pouco nesta idea de
identidade. e a obra da conferencia foi vivamen-
te combatida neste ponto.
A Inglaterra se passasse a doutrina, estrega-
ra as raaos de contente, pois que, cbamem Ihe
oa nao direito de visita, a ella flea pleno o di-
reito da polica dos mares t para bem da bu-
manidade e para que termine o trafico da es-
cravatura.
Foi ba pouco promulgeda em Franga urna lei
especial acerca da altenuag&o e aggravamento
das penas criminae, que, alera de ser extrema-
mente equitativa, deve em pouco Jtempo pro-
duzir ama sensivel diminuigao na criminalidade
a que correspondem Ipenas correccionaes, cri-
minalidade que, como se sabe, a que mais
avulta.
Pela legislarlo penal, de quasi todos os pa-
zes a reincidencia em certos crimes, como os de
furtos, vadiagem, ele., fatal, e pode dizer-se
mais, quasi que imposta pela propria lei. Pare-
cer isto um absurdo, mas nao .
Com esse enormissimo inconveniente dos c-
digos criminaes, veio acabar a lei franceza de
26 de Margo de 1891, a que nos referimos.
O seu art. i, um grandioso elemento de rege-
nerago, diz assim :
Nos casos de condemnagao a priso ou mal-
ta, se o inculpado ao houver tido alguma con-
demnagao anterior, por crime oa delicto de di-
reito commam os tribuaaes ou jaizes podem or-
denar, na propria sentenga. ou por despacho
posterior, a saspenso da pena.
Se no praso de cinco annos, o condemnado
nao praticar nenbom outro crime, ou delicto
commum, dar-se-ha aquella condemnagao como
Do bavida.
A saspenso da pena nao isenta do pagamen-
to das cus tas do processo, n&m das per das e
damnos a que civilmente seja o reo condem-
nado.
Passado o praso dos cinco annos, e nao tendo
o condemnado commettido outro delicto, aquel
la condemnagao ser eliminada do rol das cal -
pas, sendo passado ao ioteressado folba corrida
completamente limpa.
Isto que urna lei feita para regenerar de-
linquentes, para acabar com as reincidencias.
Ja se v que a par desta sensatissima e salutar
benevolencia, aggrava e aggrava muito as penas
impostas aos reincidentes.
Desde que o coademnado que est gozando da
.-uspeasao de penas condemnado por outro
delicto commam, cuxpre primeira a pena que
estava suspensa, e depois que tem de enmprir
a outra.
E, alm disso, na reincidencia, sempre im-
posto o mximo da pena, que pode ser elevada,
por arbitrio do tribunal, ao duplo do que est
estabelecido no cdigo.
Um a sumpto que trouxe por muitos das pre-
sa a attengo publica foi a interpellago do de-
patado boolangista Laor a M. Ribot, ministro dos
estrangeiros relativamente aos passaportes na
Alsacia-Lorena exigidos pelas autoridades alie
m&3 aos francezes que visjam naqoellas duas
provincias.
A ioterpellaco foi formulada em termos vio-
lentos, provocando um serio cenflicto na cma-
ra, que poz em evidente^risco a vida do gabi
nete.
Ao passo que o Sr. Lanr insistia em qne de-
pois de 1888 se tinham ordenado novas restrie-
gues quanto liberdade de viajar na Alsacia e
Lorena, o ministro affirmava que nenbama me-
dida recente tinha sido tomada no Reislaad; e,
alm disso, que a dignidade do parlamento nao
permittia um tal debate, nem to pouco o inte
resse nacional; concluid pedindo ao Sr. Laur
que retirasse a sua interpellago. No caso de
recusa, deste, appellarla para a cmara, afim de
que esta votasse o adiamento.
Como o Sr. Laur se negassea acceder soli-
citago, foi posto a votago o adiamerto.
Pela enorme maioria de 83 votos a cmara vo
toa a urgencia do debate-
O Sr. Ribot, ao conbecer esie resaltado, que
representava um valete cheque no governo,
tanto mais doloroso, quanto inesperado, levan-
tou-se nervoso e commovido e pedio como pre-
sidente interino do ministerio, visto estar au-
sente o presidente do conselho, que se aiiasse
para o dia eeguinte aquella discusso, no que a
assembla concordou.
Ha muito que entre boulangistas, radicaes e
direita andava planeada orna colligago para, no
primelro easejo, derribar o gabinete. nica
mente a sorte qoiz qne esse prlmeiro ensejo fos-
se logo urna questo asas melindrosa, e portan-
te a menos conveniente possivel para tornar pym -
pathico eae assallo da opposigo colligada.
O governo reuni logo um conseiho, e resol-
vea ao dia segainte rejeitar enrgicamente a in-
terpellag5o, e exigir desde logo cmara ara
voto de confiaoga.
Os peridicos commentaram no dia segninte o
acootecimento cem moderago.
Predomina va nelles a opinio de que a derrota
do Sr. Ribot foi devida a um mal entendido, e a
falta de explicagOeR-terminaates.
Em Pars nao se fallava de manb seno no
ncidente.
Ao meio dia correa o boato de que de Berlim
viera um telegramma, dizendo que os jornaes
mais autorisauos allem&es negam que as auto
ridades se recussem a visar os passaportes dos
commissarioB francezes.
Este telegramma fez desvanecer o receio da
crise ministerial, o que nao impedio comtudo
que as galeras da cmara se enebessem comple-
tamente de cariaos ao comegar a sesso.
O Sr. Ribot oceupou a tribuna, e, depois de
faser algamas conslderagoes sobre a sua posigao
pessoal, negoa ter recebido quaeequer reclama-
goes dos commlssarios do commercio, que eos
tumavam ir todos os anuo* & Alsacia e Lorena.
Provou entio que nSo era nova a ordem das
autoridades allems mbre os passaportes, e que
era applicada a todos os estrangeiros sem dis-
tincgo.
as declaragoes severas do ministro, e qne tinha
feito obra s por noticias e jornaes. anda quiz
pedir que se adas je a votago, pois possuia do-
cumentos, dizia elle, bastantes e irrefutaveis,
provando o que affirmava.
Mas a'camara, impaciente, e reconsiderando na
leviandade como andar no dia anterior, aba-
fou Ihe o pedido, gritando: votago 1 votago f
O debate continuou entretanto. Estava inscri-
pto o esqoentado De ro ule de, que largon esta
coarctada:
Como ba de a cmara conceder om voto de
contanga um ministro dos negocios estrangei-
ros que ante a Inglaterra tem as mos vasias e
ante a Allemanba tem as mos atadas?
O presidente convidoa o a retirar estas pala-
vms; mas elle, em vez de attender, comegon a
gritar que a poltica do gabinete era s : fran-
queza, franqueza e franqueza I
Fallou anda o Sr. Pichou, do grupo Flcquet.
e, dada a materia por discutida, e posta a ques-
to de confianga, por 319 votos contra 103, foi
adiada indefinidamente a interpellago do Sr.
Laur.
Estava salvo o ministerio.
EXTERIOR
EUROPA
Pelo Britannia hontem entrado da Europa, alm
das constantes da carta de nosso correspondente
em Lisboa, inserta na secgo propria, tivemos
as seguintes noticias :
espanta*
Em data de 29 do passado diz-nos o nosso re-
ferido correspondente sobre e3se paiz o se-
gu o te :
O Sr. Cnovas apresentoa ha das assigna-
tura da rainba regente o decreto convocando as
cortes para o dia 11 de Janeiro prximo. Sua
Magestade nao fez mais despachos por se acbar
llgeirumente indisposla.
Parti para Berlim o embaixador allemSo na
corte de Madrid. A viagem do Baro de Stumen
relaclonava-se com ama conferencia que o Sr.
Cnovas teve ba poneos das com o principe Al-
berto da Prassia, que naturalmente versoa sobre
a prorogago do tratado de commercio hespano-
allemo. Esta verso era corroborada pelo se-
guate telegramma publicado pelo Times :
Segundo noticias recebidas simultneamente
de Berlim e de Vienna, o imperadores da Alle-
manba e da Austria Hungra concordaram enviar
Madrid membros de suas familias para trata-
rem com a Hespanha da sua adbeso liga eco-
nmica da Europa central.
Algamas pessoas imaginam qne isto nao
mais do que o ponto departida, a opportunidade
para tratar de desenvolver negocipgoes sobre um
assumpto mais importante, oo st ja a adbeso
completa da Hespanba trplice alliauga.
Comtudo, vai serenando um pouco a agitago
provocada pela votago do senado francez sobre
os viohos estrangeiros.
Entre os jornies qne mais contribuiram para
acalmar a opinio publica, figuram o Imparaai
e o Resumtn. Os seus conselhos de prudeacia e
moderago teem sido escutados
O desejogeral que o tratado de commercio
existente seja prorogado por algua? mezes, que
as duas potencias tenbam tempo suficiente para
abrir negociags reflectidas, que veaham a ter-
minar n'um accordo satisfactorio.
Parece que a prorogago do tratado seria bem
recebida em Hespanha, desapparecendo assim a
agitago que se man festn nos nltimos lempos.
O couselho de ministro?, celebrado em 28,
approvou as pautas alfandegarias, que se publi-
caran no dia 1 de Janeiro, e sero apresentadas
corte as primeiras sessOes.
Afim de visitar os seus amigos polticos, o
Sr. Salmern far urna viagem Granada.
Uns 1.500 operarios percorreram em 29 de
Dezembro as roas de Madrii, pedindo trabalho.
O governador civil confereociou com ama com-
misso desses operarios, offerecendo-lhe3 traba-
Ibo, sendo empregados nesse mesmo dia uns
A roanifestago terminon paciti;amente.
Fallecen em Toledo, no dia de Natal, o car-
deal arcebispo Paya, s 7 horas damanh.
A noticia da morte do virtuoso e sabio prelado
causn profunda senaagao. Apenas coastoo que
a sua perda era nomnente, suspenderam-se as
diverses publicas, e o governador ordenou que
nao proseguissem as testas populares.
O cardeal, revestido de pontifical, epois de
embalsama lo errara em exposigo na capella de
palacio, e ser sepultado na capella da Virgem
do Si erario, na catbedral.
D. Miguel Paya y Rien era natura', da provin-
cia de Alicante, onde nasceu em 20 de Dezembro
de 188 i. Distinpnindo se como es ldante da
Universidade de Valencia, ebiendo premios nos
cursos de philosophia e de Iheologia. Foi pro-
frssor por pouco tempo dessa Universidade. Em
1845 fundoa o Echo da Religio >, onde de-
moostroa a --ua profunda erudigo e saber.
Em 1858 foi nomeado bispo de Caeoca. To-
mou parte imoortaotissima no ultimo concilio
ecumnico do Vaticano.
Po IX abragoa-o depois d um discurso qne
duroa duas horas.
En 1871 foi eleito senador; em 1864 elevado
cadeira arcbiepiscopal ce Santiago de Compos-
tela, e em 1877 receDeu a digoidade cardina-
licia.
Vagando o arcebispado de Toledo, pela renun-
cia do sabio pbilosopho frei Ceferoio Guyalez, foi
o cardeal Paya chamado para o substituir.
Era ao bello carcter ; affeigoadissimo s ar-
tes, d'uma caridade inexgotavel, bomem de eos-
turnes simples, austeros, e de vida intima. A sua
socituue para com os grandes infortunios, anda
ltimamente se demoastrou por occasio da gran-
de ratasiropbe de Consuegra.
Foi dos pnmeiros a apparecer, portador de va-
liosos recursos; a sua caridade nao ieve lmites,
e mais ama vez se confirmou a jastiga do sent-
ment popular, que Ihe camou o pai dos po-
bres. *
' O cardeal Paya era capello e esmoler mor da
casa real, chefe da capel'a de sua magestade,
vigario geral do exercito e da armada, tinha aa
gr crazes de Carlos HI, de habel, Cathclica, e
Mrito Militar.
Celsbra-se no prximo esto em Madrid o
centenario do descobrimeato da America.
As cidades de Granada e de Barcelona esto
se preparando trmbem para ccmnemorar aqnelle
anniversario.
Em Madrid haver ama grande exposigo de
objectos e documentos da epocha dos descobri-
ment.
Aquella exposigo, que se espera que chame
capital do reino visinbo grande numero de es-
trangeiros, ser principalmente intereseante para
os crditos e para os archcologos, em especial.
A Hespanha conserva nos seus velaos conventos
verdadeiros tbesooros, no tocante a documentos
e objectos de arte do scalo de Cbristovo Colom-
bo; mas, alm d'isso, as outras nagOes, especial-
*
I



O Sr. Laor,que Acara om Unto abatido com'0161"*" Pb,ica8 da America do Sol, enva-

MUTILADO


"s*'
i




>.
.

i redosos contingentes, e o nreseu" do" Va
, poz disposigo da commisso organisa-
*n grande numero de objectos, que de cer-
toncarao arcuriusidade e a admirago dos v-
attates da eaeosico.
I Grana iadeve ser inaugurado um monu-
aa* rommaBaarativooda tomada d'aqtnlia ci-
Mftaoe mouKs, e iaescobnmento danAme
Diario dePernambuco Quinta-fera 14 de Janeiro de 4892
Bra inaugaracSo fctxse-ba em Jaabo.
"ftttadoliaem motivo Igualmente para cele
toar j.ioemona tde Colombo, porque o abugoa
Ktco des seos moroa, na epocba da aua des
fraja>qnando a ingratido do mundo Iba encbeu
4jNrito de amarguras.
M em Valbadolid, que em Si de Maio de 1506,
^Braluvo Colombo morreu, pedindo que o en-
em com oa ferroa que em lempo Ibe mao-
i a#r Bobadilla.
w ieso a cidade de Varaitrlid faz tambem no
anno o anniversario a'aquel le bito.
Wb'e as festividades que por ess occasiao se
ypela, contase ura concurso litterario, em qua
hc> concedido o premio de 5.000 pesetas ao au-
r ye indique a casa em que-inocreu Colombo.
Aidade propor ao governo a acquiaigo
icasa, se se provar evidentemente que
i*p**a em que o descubridor morreu.
5> caso em que nao chegoe a descobrir se tal
tan, a municipalldade pedir, que o dinbeiro,
** alies ser empregado na compra d'ella, se
tkstibe ao levantamento de urna estatua em
jwmc do grande navegador.
3dTrr lambem um tomeio imitago dos do
lento XV, na plaza del Ocbavo. B ser publica
*vK> lbum, que ter por titulo : Valbado
S? 2 Colombo.
tete convidados a col laborar n'essa publica-
ba Kxioa os actuaea eacnptorea naacidos na ci-
aafetie Valbadolid, ou aa provovincia do mea-
NM.
Avcr nm espectculo de gala, com a repre
de um intermezzo de Cervantes, que
viven durante algum tempa em Valba
MN
afolado da municipalidade darse-ha um
,wnptac3o banquete. Alm d'isso, haver gran-
MBjfeMiinages e fogos de artificio.
INTERIOR
lata
sen
do
NORTE DO BRAZIL
1Si>y piquete nacionalrecebamos
pastes noticias:
Estado do imaionan
Datas at 27 de Desamoro.
Jigitava-se na imprensa urna
reinada entre os partidas polticos.
Encado do l"A i
At& at Io de Janeiro.
Reformado completamente o
irreal typographico, a Provincia
fi, f>ncetou no da 1 do corrente o
j"* teco de s'ja existencia no mundo jor-
, ao qual aquello collega da im-
communica muito brilbo e muita
A Provincia do Para ostenta agora
jb primorosa toilette qu a recommenda
* asi^iy^-j publica.
Eatado do tiara &
Lfetas at 30 ue Dezembro.
2o dia 3 do corrente o Partido
Lt>2C43:> promoveu urna manife3tacSo ao
iKT>Mr do Estado.
Ssrs anteriormente, havia nomeado de-
JqpMVde polica um dos directores desse
Coctinuava renhida na imprensa a
Ba-scCrv 03 partidos polticos.
Eiiado la Parabyba
F*a reorganisado o corpo policial do
fiHMku
ODr. Antonio Ferreira Balt3r rea-
j>..r-- engenho Res ama fe3ta poltica
*ct is rauto concorrda.
O Dr. Lana Filho, 2o delegado de
aaeaa. oo accaitando a demiasao que a
JaXA ibe deu declara continuar no exer-
arcst-i aquelle cargo, t^ndo devolvido pelo
sr*a a portara de saa exonerado,
Lemos no Parahybano, > do dia
3S th- corrente :
afibatem realizaram-Be n'eata
jUfcxac3 exequias por alma do
Tcc Pedro de Alcntara, fallecido
!kcao dia 4 de Dezenaro ultimo.
t J egreja do Garmo, onde ellas
anas,, eatava coberta de crep, e
ajtn-: estar armado um simples, mas
>y.: :. atafalco, tndfl dc-icortiaava se um
2tarceom o retracto do grande cida-
cidaie
grande
em
se
no
-s iz-se ouvir sobre o assumpto o il-
/:..;::) da IbnMOgnape, padre
Jasi-aD Ayres da Mallo, qua em tragos
-delineou a vida do grande cidado,
ntlo as suas qaslidades cvicas e
For-m actjs exclusivamente religio-
am> sem carcter offisial.
:oo braziieiros, nao podemos dei-
atr rendendo homeasgem aj grande
3Exti, desfolbar urna saadade sobre u^a
fiOUESPOME^JAS
alario de Pcrnambuco
DE DE/5EMBKO
ALLISBOA, 30
DE 1891
BMarraram-se boa;em as cortea sem mais for
*at'?2 do que a ieilura do respectivo decreto
jalona 'ssao.
j5de Janeiro prximo abrir se-ho nova-
ais:s, som discurso da cora lido pelo chefe do
Akklo, conde^lavel com o seu competente esto-
jfK- jertado brira do tbrono, assistencia dos
xfcsaes n;re da casa reai, e toJos os matado
w. gando o ritual indicado pela constiiuicao
rgrammas ^djacentes.
Zi gandi s para fra pira verem a tropa e
>s&c3 de gala, outro gaudio na3 tribuna^ re
yuta de provincianas e provincianos que nao
|khi oensejo de ir aimirar as pompas leis
BBraa e a aureola de gloria parlamentar que
tinada a fronte esperangosi do sea lepataao,
boboruilo a preceito, com os puobos, e peiti
Or DZiren como porcelana de Sevres.
%se editicativo espectculo, levarao ao me-
a, alloma cousa para coutarem aos visi.ibos
mcalarios da sua trra.
Agente de Lisboa, ba mui'os anno3 que se
afettx-npa em solicitar bilbets de admisso
jaca esta grande cerimonia parlamentar em que
E-t 1 i um artigo de funo cerzido aos relataos
ja .ulos os seus ministros e declara que mais
aaa nez se sent feliz por se encontrar no seio
ti rpreaentao nacional.
Id dia 13 de Janei-o, segundo ras asaeveram,
*.r*> adiadas as cortes Qcaodo o governo em
ixaUTi para tratar voatad? e sem peas nem
Mate, de :alvar a patria afflicta.
farece que urna das medidas por onde se prin-
fua decretar que neobum emprego que ve
aaa a vagar seja prvido. E' possivel que e3sa
jrcvi'ienc a desorganise 03 servigos pblicos,
aa com um dficit de sete mil (ou talvez dose
mh con 103, preciso cortar ao sao, dda a quem
ser. E' o que se diz.
Bimstre da fazeula prometteu vagamente
TBuacrificlos ; mas tudo me fai crer que virio
> em poaco, e decretadas dic:aorialmente,
AedugOes nos 7encimentos do faneciona-
tivil, que sempre o bode expiatorio,
i na iesso legislativa quebontem fiudou
aejaram os debates sobre a paata ajua-
ra dos deputad03 entreteve-se anda
resto de discusso ou cavaqueira sobre
effectuada dos institotos e escolas n-
oara passar o lempo.
discasao do projecto da nova pauta das al-
legas ser feta nos primeiros qaiazediasde
eiro porque argente, como j t ve oecasio
de lbesdizer, que o projecto seja coaverlido em
lei do paz qaando se reaovarem os tratados de
comotercio que foram denunciados, t que disem
fesoeito a diversas potencias europeas.
O parecer, que j foi apresentado e qie ser-
vir de base discosso, e o d'umu pauta pro-
tecnonista, exagerada mesma, talvez, en mais
de um ponto, mas correspondendo :io sea con-
janto s necesidades da nossa economa nacio-
nal, aos pedidos e is reclamacOes dos indas-
triaes, corren'.e geral de opinies dentro e fora
do paiz, que, toda ella est acoaselbando um
rgimen proteccionista, coma, ba poneos anuos
ainda, aconselbiva un rgimen livrt! cambista,
como sendo o nico ento conseotaneo com o
espirito liberl do scalo e ;onbs verdadeiros
interessesdas nagoes.
O governo e a commisso pirlameitar sabem
a qae> ai!03. interesses liveram de alteaier ao
coacordar con alterac5e profundas j melitici-
cOes sensiveis como as que veem conaigaudisno
projecto da nova paata.
E' preciso proteger e animar a industria na-
cional, niogaemodovida, porque ella representi
o trabalbo e pode representar a riqu;zi de Por-
tugal ; mas, einoora sejam essas as ideas perli-
Ibadas pelo governo en toda a sua flenituie,
certo que nao falta quem se arreceie dos exage
ros e dos exc ssos, que sao um dos caracters-
ticos da nossa ndole e do nasso tem jera nenio,
que esto nos nossos costumes e na nossa eda-
cago, e que podem e naturalmente "eem a tor-
nar-se em verdadeira expoliaco pa a o consu-
midor, que, no ti aa de contas a grande massa
da nopulago.
E' preciso que as industrias nSo se. am exage
radas na* suas exigencias, e que o commercio
nao seja intransigente e radical as suas reivn
dica;Oes.
consumidor, esse collado, ob3e*vava ante
llantn urna folba ministerial, moi'.rase to
completamente indlerente acerca das nauta-
coma a tado o mais que o rodea.
E' am tacto.
Na mesma folba, qae o Diario Popular,
orgo do ministro da fazeada, encantram-se
estes periodos, realmente mais sensatos :
Hauve ama epocba em que o livre cambia-
mo era a doutrioa dominante na e:onomia go-
vernativa dos diversos estados, e s seductoras
tbeorias dos evangelisadores desta ,ou'.nna se
saenflearam interesses criados e interesses em
via do r'riaco. alterando se e^sencial e profun-
damente o modo de ser econmico das socieda-
des de ento.
Hoje repentinamente, abruptamente, desva-
damente, com menos criterio do qie arrojo e
impaciencia, peade-se no mundo econmico e
social para o extremo opposto, e os propagna-
dores do proteccionismo tomando por ponto ae
partida e principio de reiviodicaco a bil Mac
Kinley nos Estados-Unidos, que vaina a verdade
s tem produzdo desastres at aqu pira o esta-
do onde foi implantado, comecaratn i arremes-
sar povos e goverao3 para o extremo de protec
cao pautal, com qae pretendem construir urna
especie de muralna da Clima entre os diversos
povos, ataqui commun^aodo na meema ordem
de interesses econmicos. >
Efectivamente : to nocivos firam os exage
ros dos primeiros evangelisadores da antigi
escola livre-cambista coma pengosas sao os
excessos dos propagadores dos modernos pr.n-
cipios proteccionistas.
Os primeiros saenficaram levianameote os in-
teresses das indas trias aaeionaes; estes prepa
ram se para sacrificar por seu turno oa nteres-
sea mais legtimos do commercio eatosdireitos
do consumidor ao interesse maltas vezes pro-
blemtico das industrias, aU'umas i'S quaes
nem existencia teem ainda a proteger e a salva-
guardar.
Oxalft qae nao seja o contrabanda i a fraude
que, por flm, se aproveitem da protecea qoe a
nova pauta vai laogar sobre as nossas iaanttttee!
Alvitram se varios expedientes para tornar
mais rlli.-uz a represso do contrabendo, visto
que a nossa raa fronteinga to extensa e to
pouco defenavel, sendo por tsso icevitavel que
dentro era pouco tempo veoha a estatielecer-se
um enorme commercio illicito e remunerador
entre Portugal e os centros productores de Hes-
panba, visto qae se vo elevar toseniivelmente
as l.xas sobre os artefactos, que a ncsa indus-
tria j.produz caros, e que amaon bao le encare
cer anda mais.
Um desses alvitres, lembrado pelo orgo offi-
cioso do Sr. Mariano de Carvalno, qae se man
de por em pratica a sellagem, que, ba annos, f ji
ensalada, e que to benel-icos resultados vina a
assegurar para a represso do contrabando, que
o mais prejudicial inimigo da nossa industria
nacional.
E' claro qae os nossos cantrabandistis na ha j
de querer a sellag-^m, como outros nao a quize
ram, e outros ainda nao quizeran a ::ona Qscal
para impedir o trigo do coatrabanlc. Mas, as
industrias e o commercio bane3to yertamente
approvaro e daro torga ao govern ) para repri-
mir o contrabando e deixar que as industrias
portuguesas se deseo volvaua e progne am.
Se a.-siaa uo for, quanto mais proteccionista
for a pauta e mais exagerados os direitos que
ella -siabelega, mais iofrene e avultido sera o
contrabando, soffrendo com isso as r< caitas das
alfandegas e os iedustriaes, sendo ajenas o lu-
cro para o commercio illicito.
A ordem do exercito de secunda leira 23 do
corrente publicava a seguate portara :
Confunda por differeates joraaes da capital
que alguna ofliciaes do exer :ito, reunidos em
urna associaga de carcter exclu3iv:ni'jnte poli-
tizo, leem praticado actos que podem causar
damno disciplina militar por ser- m contrarios
a harmona que deve manter se entre o exerci-
cio dos direit03 cvicos e as presenpgdes restric-
tivas desses mesmos diretos, qua devem ser
observadas pel03 individuos pertancertes ao ex
treito e que constituem o complexo das leis e re-
gulamentus que a amondade supemr militar
compre fazer respeitar: manda S. M. l rei, pela
Secretaria de Estado dos Negocios la Guerra,
que o general commandante da 1* di'riso min-
iar, lendo em vista o uisposto na portada ae 4
de Maio do corrente anuo, deteruiiaigo 7* da
ordem aa ordem uo exercito o. de 1870, proceda im-
mediatamente a urna rigorosa syadicancia acerca
dos fictos apontados, tomando para base das
inve3iirac0es que bauverem de serfei as, s no
ticias publi:ad:3 nos referidos jomajs sobre o
meucionado assampto.
O mesmo general remettera sem perda de
tempo, para esta Secretaria de Estado, o resulta-
do da syndicancia que pe-la presenta p.rtaria Ibe
ordenada.
Paco, em 26 de Dezembro de 1891..oo ^iiry
soslomo de Aoreu e Sanza.
Estavam sa:isferos usun os qaatidianos ca
mores das Sovidades, ou ser este apenas o pro-
logo de ama poca nefasta de perseguirles
cabraltna t
Veremos.
O Dia accresceatava qu para se:-etario do
presidente
  • Cornelio da Silva, coronel, do exercito, qae por
    mui'os nnos expen um dos primeins lagares
    no Ministerio da Suerra.
    Parece que ele official superior tem par vezes
    manifjstado a sua milquerenga con ra a Liga
    Liberal qii s; tlriDuiO un de'-eta publ cado
    ba parto de um antia en odem lo exercito, li
    mi'ando o temao que permittido a qualquer
    111 ;ial exercer certas commusOss. Desse de-
    creto refereodalo tambam pelo Sr. C'iaselneiro
    Abreu e Sjuzi, ministro da guerra actual, t qae
    o era igual anote ento, dizi-se qae por inspira-
    Cesda Liga, resuttou que o Sr. Cornefoda Silva
    leve de abandonar a commisso lmpor antissima
    em qae servia :iaquella Ministerio desde longo
    tempo, e onde dava as cartas, coan vidgartaen-
    te se diz.
    E' de esperar que na commisso de syadicaa-
    cia aos ofciaes filiados naquella ag poltica, se nao esqaega daqaellas antas aira-
    zadis qae Ihe ser grato liquidar.
    Decididamea.eoSr.conselbeiro Abra eSoaza,
    presidente do conselho e ministro da gaerra tem
    j a credulidade senil que faz da saa ndividaa-
    lidade instrumento de oatras qae loe aproveitam
    a maleabilidade de animo qae o apahagio das
    octagenarias oa das creocaa.
    A maior parte dos jornaes de Lisboa, traoscre-
    vem sem commentanos a portara inserta aa or-
    nem do exercito de 28 obre a syndicaocia
    Liga Liberal.
    O Secuto de bontem qae priacipia^a assim o
    seo artigo :
    Comecam as devauat.
    E' natural que o governo procare ecobrir os
    seas actos com violencias. O esoirito publico
    aecessita andar entretido, atim de que os illas-
    tres ministros auministrem, como melbor entea-
    dem, as pastas respectivas.
    J nao e licito aos cidadaos reunirem se para
    protestarem caatra os actos da administrado
    public... Quam nao acreditar nos altos talentos
    dos goTemantes, quem pedir moralidade do po-
    der, ordem aa adraioiBtraco, liberdadeejaslica,
    expe se a ser syadicado pelos factosqae con-
    stara na redaec de certos jornaes.
    Nlogaem sabe fe foi o proprio governo que
    maa''.ou constar as referidas redages o que
    Ibes convem agora aproveitar para os seus Uns
    polticos; mas a qussto abrir a devaua, intl
    midar e persegair, porqae par este systema
    com que o averno est govermndo, pelo3 pro-
    ce3803 do myst9rio e silencio, em que muito
    aproveilam os interesses Snanceires. *
    E majs abaixo, depois da trans:npgao da ce-
    lebre portara :
    QU3 nos o.nsle, os acto3 da Liga Liberal
    sao pblicos, to pblicos como os actos do par-
    tido regenerador e do partido progreaaista, os
    lambem oa militares intervai em negocios po-
    lticos. A Liga como sa sabe, leve por um
    dos seus iniciadores o actual miaistro da guerra,
    e ta pacati ella tem sido, que nunca sabio da
    rbita marcada palos seus estatutos, ha rauito
    dados eslampa, e onde tanto se registra a im-
    parcialidade, que am dos seus primeiros artigas
    estabelece qua a associago nao faz questn de
    formas de governo.
    A'm de tudo isto, devanaos nolar que sem-
    pre, entre eos, aos baciaes do exercito foi per-
    inunda a sua intervengan na poltica, sen que
    por i3sa iremesse nos seas alicerces a ordem so-
    cial. Foale3, (que era militar) foi chefe de am
    partido; o conde de S. Januario (que o tam-
    bem; Fraazioi, Jlo Cbnsustorao a tantos oulros
    (militares) sao figuras salientes dos partidos.
    O coronel Canaaellos abi est no parlamen-
    to trazidu ti is azas da poltica e dos acontec*
    mentos de 31 de Janeiro, e at a respeito da una
    orthial multo conbecido, qie anda por longes
    trras, se disse, ba tempo, qae fazia poltica
    em reanifiaa de sargentos. Manos officiaes sao
    ff tarsido directores de jornaes polticos, e tudo
    isio succede em Portugal, sem pertarbagdes nem
    desarranjos na disciplina militar. A separago
    dos diretos civis da qualidade de oficial mili-
    tar nao difficil de fazer-se quando esses offi-
    ciaes lm o grao de llustraco, que Ihe d o
    perfeito cotibecimento dos seus deveres, como
    succede aos officiaes do nosso brioso exercito.
    Por todas estas razdes e motivos, e parque sem
    pre aos officiaes portaguezes foi permittida a
    acgo polilica,debamos de lado o quanto in
    justiticavel e sem precedentes a medida que
    manda investigar dos actos praticados pelos of-
    ticiaes, que fazem parte da Liga Liberal.
    N < Vangaa.'da de bontem vinha ama apre
    ciago muito favoravel a Liga bem como no
    Ponagaez O dous primeiros sao jornaes
    republicanos e o ultimo motiarctiico.
    O Sr. Augusto Faschini, pedio bontem na c-
    mara, varios documentos acerca da expedigo a
    Mogambiqae. E' bom que se esclaregam as cou-
    sas e que se saiba d'onde partiram as delapida-
    gOes.
    Consta, porem, que mailns dos documentos
    pedidos foram extraviados pira Uns Ilegitimas.
    Falleceu a 26 do correte, era L3boa, o vice-
    almirante reformado, Francisco Olegario de Sea-
    bra Preto.
    Foi amotlicial dstincto, que deserap. nnou
    importantes commisses de servigo e gozava de
    grande considerago e estima aa corporago da
    armada. Era tambem um cavalbeiro de primo-
    roso trato e um carcter ategro e respeitavel.
    Commandou durante aiguns annos o corpo de
    mannbeiros da armada, e era vogal do tribunal
    superior da guerra e mariuha, quando foi refor
    mado em Marco de 1884.
    Parti a 26 pira Madrid, no Sud-express.
    o Sr. conde de Pars pai de S. M. a raioba D.
    Amelia, que foi, com o Sr. O. Carlos despedirse
    gare.
    No dia seguinte partiram para Sevilba o du-
    que d'Orleaos e a princeza Isabel, ir nao da Sra.
    . Amelia. Dingiram se propriedade de Villa
    Naunqae, resilencia dos duques de Montpensier,
    avs da raioba de Portugal. Ue tarde anda o du-
    que d'0rlean3 e a princeza Isabel andaram com
    a Sra. D. Amelia em landau descoberto pela
    Avenida da Lioerdade.
    Cansa que o jornalista Joo Cbagas, con-
    demnado a degredo em frica pelos cooselbos
    de guerra em conseqn-ncra dos acontecime-ntos
    de 31 de Jaaeiro (no Pono) e que se evadir de
    Mos-amades ltimamente, est agora na cidade
    do Cabo da Boa Esperanga.
    - Cbegoa a Lisboa, ba poneos das o Sr. Dr.
    Jos Avelino. um dos mais distlnctos jornallstas
    e deuutados brasilelros.
    Acaba de publicar se ama brochura intitulada
    Os acontecimentos de 31 de Janeiro e a mi-
    nha prisio. Alm dos artigos que o Sr. Ho-
    rnera Chnsto bavia inserido no jornal O Poco de
    Aveiro, contra os erros dos caoegas do partido
    republicano desta p.iz, esta publicago encer-
    ra novas e coriosissimas revelages, escripias
    com coohecimento de causa acerca de varios fa-
    dos occorridos naquella partido.
    Como livro de escndalo tem tido grande
    xito.
    Oeu-se ha das un roubo muito original.
    Da igreja de Mecca, em Alemguer, foi roabada a
    imagem de Santa Quitea, muito venrala
    naqueiles sitios, e a cuja nlerveogo os campo-
    aezes recorran no3 casos de moroeduras de
    caes damoado.
    O mais curioso qae o rouoador deixou licar
    o> vestidos e as saius que adornavam a imagem,
    oque leva a crr qae fo3se algam devoto fauati-
    co o autor do furto e nao um simples gatuno.
    Dave por estes dias ser apretentada ao go-
    verno urna copia das actas do congresso aos
    bispos ltimamente celebrado no pago patriar-
    en.:! de S. Vicente.
    Parece que ama das deliberagOes tomadas tem
    por tira pedir ao governo que decrete o na se
    fazerem as eleigOes nos templos ; oatra diz res-
    peito ao eosino da doi:trina cbrist as escolas
    primarias.
    So are este ponto o que seria para desejar era
    que la! ramo de ensino elementar fosse elimina-
    do dos programmas, incumbindo todo aos res-
    pectivos parocuos oa seus coadjutores. O pro
    fessor leigo, arada com as melbores intengOes
    pode, inconscientemente atastar-se muito do ca-
    minho da orthodoxia. Nao o entnderam as
    sim os prelados reunidos em coogresao, pais se-
    gundo ouvi o qae preendem, que o professor
    de pnmeiras lettras seja muito rigoroso e ex-
    aco na easino desta disciplina.
    Para 03 paroenos e coras d'almas folgarem,
    nao duaJo que prestem os programmas actuaes
    das escolas primarias, com esse appenso da
    doatrina christ; mas para o Dora ensinamen-
    ta della, os ecciesiastico3 que devem ser en-
    carroados dessa raelindro.-a raisso.
    Nao me refer aos mas res primarias livres-
    pensadores, que os ba tambem. Tudo isto de-
    viam ter meditado os sabios prelados cangres-
    SIS'.lS.
    Sua eminencia o cardeal patriarcha de Lisboa,
    mandou traduzir era pariuguex e distribuir por
    todos os paroctios do patnarchado, a eneyelica
    Rerum novarum, em qua o Summo Pontilice
    Leo XIII tratou receuten-nte a qucstSo so-
    cial.
    O Ilustre prelada diocesano fez preceder a
    encyclica.de urna introduego pastoral, em que
    pe em relevo a importancia do assampto trata-
    do, allirma a iallaejcia qae a igreja pode ter na
    sua resoiugo, e manda que aquella diploma pa-
    pai seja lino es'.ago da raissa, tanto na S pa-
    triarcbal, como na3 igrejas paroebiaes, conven-
    tuaes e capailas publicas.
    No ministerio das negociag5e3 estrangeiras
    tiveram antebontem ama conierencia entre os
    Srs. Coode de Valbam, ministro daquella pasta,
    e Antonio Eanes, sobre a delimitago da pro-
    vincia de Mogambiqae.
    EfTectaou-se com aa devidas boiras a au-
    diencia dada por El re ao Sr. Verbraegbed
    Naeyer, enviado extraordinario do rei dos bel-
    gas na corte de Lisboa.
    Acha-se quasi restabeiecida a actriz Virgi-
    nia do doloroso padecimento qae a tem afastado
    da sceoa ba muitos me?es.
    No Colyseu dos Recreios, s partas de San-
    to auto, exbibe-se agora am prodigio de for-
    mosura, mademoiselle Giraldiae. Trabalba no
    trapezio, onde faz maravilhas. E' am delirio
    todas aa noites. Chamadas, nao menos de vio-
    le e s vezes mais. Encbentes conba. E'
    ama doudice. Os noticiadores dos espectculos
    j nao tem adjectivos para qualitical-a. Des-
    lumbrante, esplendida, arrebatadora, tudo
    poaco ao p da realiaade.
    No real Colyseu, da ra da Palma, trabalba a
    oella Zepbora, raioba do trapezio. Cartas do
    pai da liada americana Giraldine em respnsta s
    do empresario Santos Jnior do Real Colyseu
    acerca d'um certamen projectado, tem feito
    maior reclamo anda. O publico, vido de sen-
    sagoes e comparagoes, enene os dous circos e os
    empresarios as respectivas algibeiras.
    L
    INDUSTRIAS E ARTES
    Sabe-sc qae fia pouco foram abstradas aa
    Martinica as plantagO 's do cacoeiro ; e pro-
    posito a Provincia do Para deu am importante
    artigo, do quai offerecemos leitura pablica os
    spgaiates tpicos :
    O commercio de cacao 6, aps o da borra-
    cha, o mais valente S03tenta;alo da riqueza da
    nosso Estado.
    De 1* de Juloo de 1S82 a 30 de Junan de 1837,
    foram exportados do Brazil 20.166.613 cilograra
    mas de cacio, representando un total da___
    10,516:000/1000.
    Nestes algansmos, entra cama a miis privi-
    legiada a regio amaznica.
    Entretaato, apezar da convidatr/a perspectiva
    que semelbaotes sommas offerecem, nossa in
    dolencia atvica anestbesia se em injustilicaveis
    retrabimentos, sem ter um impulso generoso de
    revolta e de iucitamento para buscar o sea pro-
    gresso, melborando o radiraeotar systema do
    commercio do genero, des labrando pela eaor-
    raidade do nosso territorio a rea de cultivo da
    aurfera planta a que os primeiros baspaohes
    aportados ao Mxico alcuonaram, maravilnad >s,
    ie alimeuto dos deuses.
    Emqaanto a Venezuela, a Nicaragaa e a Nova
    Granada, reunidas, produzem por auno 2 mi-
    liifies de kilogrammas, a tia da Trindade
    1.300,000 kilogranmas, as de Cuba e Porto Rico
    igaal quantidide, as colonias francezi3 360,000
    e diversos outros paizes juntos 380,000, os Es-
    tados Unidos do Brazil, gragas ao concurso do
    nosso asaambroso termo.io amaznico, do ...
    4,060,556 kilos por anno, em media tira la das
    ultimas estatisticas officiaes.
    A cultura do cacoeiro das m a facis, das
    mais lucrativas, das que exigem menor numero
    de bragos e para a preparago do seu producto
    nao se fazem mister machinas caras.
    Um s hornera pode fcilmente tratar de dous
    nctares plantados dessa arvore; por consa
    guinte, urna familia que contar dous adultos
    pode fcilmente cultivar quatro beclares e ter
    arada o tempo necesaario pa-a oceupar se de
    cultoras qae Ihe garantara a alimentario.
    S a prodaego ,:e quatro beclares plantados
    de cacoeiros garantir-lbe-ba um rendimento
    mnimo de mais de 12:8004 annaaes.
    Cada p de cacoeiro d, em media, um kilo e
    meio deas e meio de amendoas. Ora, como um
    nectare plantado de cacoeiros con m cerca de
    3,333 ps de arvores, tomando se a media de 2
    kilos por pe chega-te a um total de 6 666 kilo-
    grnmmas por bectare.
    Mas torna-se intil o insistir demasiado as
    vantageos qae resultaram ao Para da generali
    sago de semelbante cultura, ainda mesmo
    quando as cotages, em resaltado da maior
    quantidade produzida, viessem a solTrer cons
    deravel baixa. O simples bom senso correrte
    das pessoas immiscoidasem operages coramer-
    ciaes reconbece, sem reluctancia, que o r.ossc
    territorio pode, fcilmente, em poucos annos,
    se operar sa auui am largo movimento qae des-
    envolva a lucrativa industria, produzlr 40 mi-
    lbOes de kilogrammas de cacao, oque, irame-
    diatameate, vendid > ao baixo prego de 300 ris
    cada kilo, dar 12,000:010/000 unnuaes.
    At boje, depois do Mxico, qae produz an-
    nualmen e 20 milhea de kilos, e do Equador,
    que d 12 milhea, somos o paiz mais produ-
    ctor de cacao em iodo o globo.
    Diz o Correio laulistano qae se acba na capi
    lal de S. Paulo o importante estaucieiro do Uru
    goay, o Sr. Jess Mndez Alcaia, que abi pre-
    tende incorporar urna compaohia para a explo-
    rago, em vasta escala, da iodusiria pastoril.
    O Sr Mndez especialista na creago de
    carneiros de urna raga escolnida e productora
    da raeihor l qae tem apparecido nos mercados
    de Montevideo e Buenos Ayres.
    O mesmo jornal affirma ainda qae ese3 nm
    dactos t A l que o Sr. Jesos pretende explorar em S.
    Paulo foi premiada com medalbas de ouro na
    exposigo universal de Pars e na de Amster-
    dara.
    A companbia que se organisar para a explora-
    gao dessa industria ser denominada Paulista
    Agro-Pecuaria, achando-se j promptos os seas
    estatutos.

    Dos porto3 de Berlim e Manos foram expor-
    tedos para a Enropae America, no anno passa-
    do, 16 394 821 kilos de borracha, segando um
    qaadro demoastrativo orgaoi^auo pelo Sr. Pearo
    di Cauha e publicado no jornal O Demcrata, do
    Para.
    De Rehar forana enviados para a Europa ....
    i,.'tii,5i9 kilos e para a America do Norte ..
    8,235,088 ; de Manos foram exportados para a
    Europa 2,239,509 e Estados-Unidos 1,453 675.
    O i rulado de commercio
    (Do Jornal do Brazil)
    Reproducimos bontem com algumas
    consiie-
    ragaes o artigo editorial da New York Tnbune
    defendendo o Sr Blaine da grave accasago de
    ter engaado o Brazil por intermedio do nosso
    ministro o Sr. Sal valor de Mendonca. A qoes-
    to de saberse se o Sr. Blaine para obter o tra-
    tado com o Brazil assegurou-aos nio celebrar
    idntico com a Hespanba, bem como se esse
    tratado teve por objectivo favorecer o aasucar ou
    o caf, que era tsento de taxas aduaneiras, da
    maior importancia. Como documento para a
    questo reproduzimos hoje o que escreveu o Sr.
    J. Cbailley Bert no Economiste Frangaix de 12
    de Dezembro, que hoatem recebemos, em sua
    revista quinzenal sob o titulo O movimento eco-
    nmico e social nos Estados Uaidos:
    Na occasiao em que acabo de escrever este
    summano, cojo simples enunciado presente ao
    meu espirito e cuja Ieilura fornecer aos lelto-
    res um quadro pouco lisongeiro dos procesaos
    e costomes polticos dos Estados Unidos, tenho
    escrpulos que de dever e necessidade expr
    aquelles que fazem a honra de me lr. Nao
    leu to ido ainda aos Estados Unido?, nao tendo
    deste paiz conheciraento proprio. e sobre o que
    all se passa uma opima fondada na expenen
    cia, nao posso para e3tcs artigos quiuzenaes,
    especie de revista da vida economicb e social
    daqaelle grande repblica, seno inspirarme
    pela imprensa local. Laio, pois, com o maior
    cuidado certas folbas peridicas oa qaotidianas
    e fago all uma colbeita daquillo que me parecen
    mais interessante. O que porem, maisinte-
    reasante para raira, nao o talvez para am ame-
    ricano.
    O qae ue interessa tado quanto se acba
    fora do qaa vejo aqu; sao as cousas qua cba-
    rair.'i paramente americanas e que entre nos
    nao tm semelbantes. Emqumto ao numero,
    ama certa proporgo nao precisamente em
    honra do3 Estados Unidos. O spoiU system, o
    recrutamento das foaccionarios, a corrapgo
    eleitoral, as negociages do Sr. Blaine na Ame-
    rica do Sul, as macbraagdes e as intrigas dos
    proteccionistas, etc., etc., nao podem ser para
    um povo ebeio de altivez am assampto de legiti-
    mo orgaltio.
    E, entretanto, a esse ponto que volto com
    mais frequencia porqae em tado quando leio na-
    da me parece mais curioso e mais digno de ser
    reparado. Mae oo se deve acreditar que estes
    tragos esparsos, reunidos, nao com satisfago,
    repito, mas com curiosidade, representera coa
    pletamente a vida americana. Uma andorinha
    nao faz vero: o pateo dos Milagres oo a
    idde media. O spoils system e o bul Mac-Kinley
    nao sao toda a America.
    Ao lado dos Estados Uaidos, qae pazeram as
    uneges pablicas em leilao e a poltica em
    aeges, ha os Estados Unidos qoe trabalbam e
    se engrandecen]; os Estados Unidos qae araam
    a liberdade, a verdade, a verdade, a arte, a lit-
    teratora ; os Estados Unidos generosos e cari-
    dosos que podem ser citados, como exemplo ao
    mundo civisado e que nanea se devem perder
    da memoria, mesmo dlante do espectculo qae
    esses artigos to frequentemente trazem comsigo
    qae sao para nos profundamente instructivos.
    Dito isto, aceodamos mais ama ves a lan-
    terna mgica. Aqu est em primeiro logar o
    Sr. Blaine e os americanos do sol. O Sr. Blaine
    quera (qoerelo-ba ainda?) ser presidente da
    Unio.
    < Para arranjar eleitores lembroa-se da qua-
    dratura do circulo : proteger a industria do sea
    paiz e, todavia, desenvolver o commercio am-
    pliando a sahida de seus producios. E'. repito,
    um problema, como o moto continjo, insoluvel.
    O Sr. Blaine nSo o jalga assim e at agora nao
    ten errado completamente. Contriboio na me-
    dida das suas forgas para fazer votar o bul Mac-
    Kinley, salvo certas clausulas que citei aqu
    mesmo e qoe Ibe parecan pengosas, por iadis
    porem muito 03 povos estrangeiros e provocar
    represalias de saa parte. Depois, quando o btll
    se transformou n'um act e que a industria ame-
    ricana obteve tudo quanto poda ambicionar de
    privilegio e de monopolio, o Sr. Blaine tratou
    enta de dar satisfago ao con mere o.
    Foi assim que conclua um tratado de com-
    mercio com a Alleraanba; que obteve de qoasi
    toda a Europa qae termiaasse a profibigo que
    demorava as fronteiras o poreo salgado ameri-
    cano ; foi assim finalmente qae negocian irata-
    lalos com varios paizes da America meridional.
    Era isso, sobretudo, em que elle traba mais
    empenbo ; era o que elle havia preparado de
    looga dar e com attenga particular. Antes
    mesma) que o congresso, digamos, se dexasse
    atrellar ao bil Mac-Kinley, o Sr. Blaine tinha
    raostfado ao commercio do seu paiz as vastas
    perspectivas da America Hespanbola e tinha fei-
    to mesmo brilhar, coma um espelbo, dame da
    America Hespanbola, reunida em coogresso era
    Washingtona famoso Pan American3 vanta
    gem e a gloria que naveria para todo o comi-
    nete em unir se estreitimente por tratados de
    reciprocidade com exclaso da Europa, essa
    empata lora, que iiav.a tantos scalos se entre
    mettia entre as daas irms do norte eido Sul.
    O caagresso Pao-araericano tinha feito m cara
    aquellas fran jaezas. Os plenipotenciarias das
    repblicas americanas nao caQ3eguiaan compre
    hender o qae aquelles tratados bes traziam de
    proveitosoa. Os seahores venderam os seu
    productos manufacturados e fazendo isto ganba-
    ram o que a Europa ganbava. at aqtii; mas
    comprar-nos-ho os nossos proluctos ? Como o
    poderiam fazer Por um lado os senhores tem-
    n'os quasi todos no sau piiz e par onlro, vaa
    votar uma tarifa ternvel, que arafcag a maior
    parte de entre elles; par odtro lado anda esses
    productos sao commans a quasi todos os nossos
    paizes do sul, visto que vivemos sob climas se
    melhantes e uma vez que na nos poderiam com-
    prar todos, como poderiam favjrecer alguas de
    eatre os sem descootentar os outros ? O Sr.
    Blaine nao tinha respondido a estas objeeges.
    Nao Ibe agradava responder em ama as-
    sembl-i onde estavam reunidos todos os pleni-
    potenciarios ; prefera tratar com cada um del-
    l3 em particular. Isso permiltia-lae o emprego
    di pequeas habilidades, para ulj dizer mais, e
    de qae ia li.-ar o maior partido. A|aiestac
    procedimento qae elle teve para com o Brazil,
    por exemplo. O Brazil estava em ama posigo
    especial.
    > Acabava de derribar, talvez um tanto leviana
    mente, nm governo qoe o traba elevado a alio
    grao de prosperidade ; o novo governo oo des-
    gostava de levir, como iom do glorioso adven-
    to, aosseas conciiados um tratado com a maior
    potencia do continente.
    Os plenipotenciarios do Brazil pareciam, poia,
    ser daquelles cora quem seria mais fcil tratar.
    Comtudn, esses plenip)tenciarios, como alm
    disso 'oda a.diplomacia da America do Sal, que
    mostroa, especialmeote na Congresso de Was-'
    biogtoo, ama rara oabilidade, nao erara cgos
    nem ignorantes.
    Eiles estavam Jispostos a abrir o sea paiz,
    com a con ligio que loes abrissem os Estados-
    Unidos e, sooretudo, que os nao abrissem para
    os mesmos productos a todo o mundo.
    0:a, o Brazil grande productor de aesucar.
    Nao longe delle est Cuba, qoe o produz igual-
    mente.
    O Sr. Blaine, para arranjar boas condiges
    para os productos americanos, ollerecia receoer
    em condiges favoraveis oassucar brazileiro.
    Isso muito bom, diziam os brazileiros, mas
    o assucar de Cuba?
    O assucar de Cuba nao entrar as mesmas
    condices.
    com esta seguranga os plenipotenciarios do
    Brazil assignaram o tratado.
    Ora, depois delles baverera assigiada-..
    Mas istoagora torna-seinacrelitavel, e enten-
    demos que um estraogeiro nao poderla, sem pa-
    recer sospeito, dar o.caso n e cru.
    Cubrmonos com a autoridade de um jornal
    do mais alto valor moral The Xatiuti que citamos
    textualmente.
    Gragas a informage3 que temo3 da foote
    mais pura, diz elle, podemos affirmar que o Sr.
    Blaine tinha com effeito dado ao Sr. Mendonca
    (o plenipotenciario da Branl) a sua palavra de
    nonra de nao negociar tratado com a Has pan ta.
    na qae respeitasse ao assucar de Cuba e qae Ine
    havia mesmo enunciado a idea de que por falta
    desse tratado os cubanos, na saa opioia, se re-
    voltariam e procuranam tornar-se .independen-
    les.
    Subamos ignalmente de fonte certa que,
    quando o Sr. ministro do 'Brazil se apresentou
    diante da commisso do congresso orazileiro,
    encarregada de estudar a questo desta tratado,
    nao se ple defender, seno dizenio que o Sr.
    Blaine o linba engaado.
    < E tioba mesmo accresceotado que o Sr.
    Blaine havia respeitado a letra do seu compm-
    misso, estando ausente e doeote no dia em que
    o presidente, o Sr. Harrisoo, com outro secreta-
    rio de Estado, o 8r. Foster, havia concaido o
    tratado de reciprocidade com a Hespanba.
    Finalmente, o mesmo ministro do Brazil ha
    via concluido, dizendo que o presideote dos Es-
    tados-Unidos havia consentido em in'.roduzir no
    tratado com o Brazil certas modificage3, lendo
    se a isto decidido por saber que a asaunatara
    do Brazil bavla sido obtida por declarages en-
    gaosas.
    Foi para se entender sobre taes modiflea-
    ges que o Sr. Mendonga foi aos Eatados Uni-
    dos.
    Para publicarDa secretaria do governo
    remelle na-nos o seguinte offi-cio :
    Pago da Inteadencia Municipal da villa e co-
    marca de Alagoa de Baixo, em 30 de Dezembro
    de 1891.
    Cidadaos.Esta Intendencia tem a distincta
    honra em aecusar o recehimento de vossa cir-
    cul.ir datada de 18 do corrente, e scienle de tudo
    quanto vos digoas'es communicar-lhe com refe
    reacia ao alviire tomado pelo orio3o povo por-
    nambucano, depondo do poder o ex-governo,
    que esta junta de accordo cora o meamo pa.o
    -ubstitoio, e era resposta tem a dizer-vos qae se
    contratla comvos.o pelo acertado e enrgico
    acto que praticastes, com o que muito melhorar
    o povo da oppre3so qae em parte estava sof-
    frendo pelo que se confraternisa comvosco e
    sada vos com summo prazer.
    Siude e frateroidade.Aos illustres cidadaos
    da junta governativa do Estado de Pcrnambuco.
    Francisco Gomes da Silva, presidenta ; Fran-
    cisco Nodos da Silva, merabro ; Agostinho de
    Sant'Anna e Silva, Antonio Leite de Sijueira
    Filho.
    Telegramma-Da secretaria do governo
    remettem-nos para publicar :
    Procedente de Una.
    Data 13 de Janeiro de 1892.
    Do juiz de direito aos membros da junta go-
    veraativa
    Acbo-me ne3a comarca por hora nenbuma
    oceurrencia.
    .aniversario Realisou-3e ftontem, con-
    forme fora aononciada, a macifestago popular
    em homeaagem ao martyr da Repblica Fre
    Caneca, fuzilado aos 13 de Janeiro de 1825 por
    baver sido ora do3 ebefes da Revotugo de 1824.
    A's 4 1/2 horas da tarde o largo da matriz es -
    tava apinhado de povo.
    rallou era pnmelro logar, por parte dos clubs
    promotores da reunio, o Dr. Tnom Gibson, qae
    depois de largas considerarles, convidou o nos
    so collega Dr. Thiaeo da Foaseca para mostrar
    a grandeza do faci cojo epilogo foi o fuzilamen-
    to de Frei Caneca.
    Aculiodo ao appello, o Dr. Tblago pronunciou
    um discurso historiando a propaganda republi-
    cana desde 1710 e mostrando a importancia da
    celebre Coofederaco do Eqoador.
    Esse orador acaboo o sea discurso propoado a
    madaoga do nome do largo das Cinco Pontas
    para largo de Frei Caneca, sendo viva e entu-
    sisticamente acclamada essa idea.
    Em seguidaJ foi designada ama commisaS
    K S&f^,M esla maQde -"^ ai
    e j'os^ziaano.08 ^ ** Neves Sobnl
    Em seguida precedido da banda marcial do
    Corpo Policial desfllaram os manifestantes eta
    longo prestito, afim de irem saudar a Junta Go-
    vernativa e o Dr. Martina Jnior.
    Ah ebegados, orou em nome do povo o intel-
    ligente mogo Thom Gibson
    Agradecen a manifestago o Exm. Sr. Dr. Jos
    Vicente Meira de Vasconcellos, aps o qual, a
    pedidos unnimes da massa popular, pronunciou
    um brilbaote discurso o Dr. Mjrtins Jnior, que
    foi vi.'ament applaudido.
    Faliou ainda o Dr. Osvaldo Machado.
    Para coraprimentar o general Oarique Jacqoes
    8eguio o prestito at ojpartel general onde fo-
    ram erguidas saudages.
    Durante o trajelo foram erguidos viva> a Jau-
    ta Governativa, ao mareehal Floriano Peixo, ao
    general Jo3 Semeo, ao contra almirante Custo-
    dio de Mello, ao Dr. Jos Hygioo, ao Dr. Martina
    Jnior, ao coronel Ca nara e a outros cidadaos.
    Igreja-da Santa Crac Por motivos
    justos deixa de ter lugar amaon a festividade
    de Santo Amaro, que se venera nesta igreja, tt-
    candtr transferida para o dia 23 do corrente, e
    em exposigo a imagem do mesmo santo at o
    dia aiima referido.
    A commisso pede 03 devoto3 e com e3pe-
    cialidade aos compreheniidos por eleigo ja
    publicada ueste Diarto a 20 de Noverabro do
    anno passado, qus coucorram ct'm os seas
    obulos, alim de abriibaatir o acto fazendo-3e o
    mesmo, de accordo com as esmslas arrecadadas.
    A Favorita-E' o titulo de uma bella valsa
    para piano offerecida pelos Srs. Camillo 4Silva,
    proprietarios da laja de miudezas, sita ra i
    de Marga n. 23, s boaa freguezas do anno de
    1891.
    Agradecemos-Ibes a gentileza do offefecimento
    de um -'xemplar com que nos obseqaiaram.
    uurrai(lo-No visinho Estido da Parahy-
    ba, tiveram lagar no dia 11 do corrate, na igre-
    ja do Carmo, os sufTragio3 solemnes, que em
    manifestaca de pesar pelo falleclmento do gran-
    de patricia brasileiro D. Pedro de Alcntara, fo-
    ram jpromovidos por urna commisso composta
    de distioctos cidadaos da sociedade parahybana.
    No centro da igreja acbava-se am sumptaoso
    catafalco em redor do qual os Bevms. padres
    Francisco de Paula; Ferreira, Firmino.Teodolino,
    Jos Castro, Wal'redo, Jos Eaphrosiao, Galvo
    e conego Meira, er.oiram o ofcio fnebre, na-
    qaellas vozes compassadas e tristes que relem-
    bram onadahumano, mas que consolara a
    alma dos renles, na pnrase do collega do Es-
    tado da Parabyba. *
    Occupou a tribuna sagrada o Revm. padre
    Ayres, que salientoo eloquentemente aa virtudea
    do Ilustre mono.
    O acto es leve bstanle concorrido,
    Arada em commemorago appareceu o jornal
    DPedro II numero nico, cuja priraera pagi-
    na oraa-se com o retrato litbograpbado daquella
    Sr., e a terceira cora uma gravura copiada do
    Jornai Ilustre de Paris, na qual se represen-
    ta o ex-imperador no leito fnebre, sendo as
    segunda e quaria paginas occupada3 por artigos
    apologticos personalidade do emrito brsilelro.
    tremi doi ProfenMoreM Primarios
    Keune-se boje ao meio da en sesso ordina-
    ria essa associago.
    BelatorioAgradecemos a oLTerta do ex-
    emplar, que nos foi enviado, do Beiatorio da
    Companbia de Trilitos Urbinos do Recife a Olio-
    da e Bebeiibe, apreseatado aos respectivos ac-
    cionistas, era sesso de assembla geral dos mes-
    mos, em 21 de Dezembro fiado, pelo presidente e
    gerente da mesma companbia, em oome de sua
    directora.
    Recreativa imphlonea-Esta socieda-
    de procedeu anle-noniain a eleigo de saa nova
    directora, cujo resultado foi o seguinte :
    Presidente e vice ditoJoa Gavioho de Pas-
    sos o Vicente de Souza Filgueira.
    Sec.-etinosPedro 1. C. Moreira e Camillo da
    Silva Torres.
    Orador e vice-ditoSebastin Ajaricio Gurgel
    e Joo Jorge de Souza.
    Tnesoureiro e vice-ditoJoaquina Gangalves
    de Azevedo e Jos A. P de Mendonga.
    Commisso ne contasOthon Jos da Silva,
    Mauoel Correia Libarlo e Joo Nogueira da Cos-
    ta.
    Directores do mezJoo Evangelista da Silva,
    Alfredo de Moura Roulim e Antonio Pereira
    Bello.
    Foi designado o dia 24 do corrente para sffec-
    tcar-se a posse da nova directora.
    ervico militarHoje superior do dia
    a Sr. capito Leoncio, e faz a ronda de visita
    am subalterno do 2*batalbo.
    O 14" batalbo de infantana dar a guarnigo
    da cidade, excepto a guarda do Thesooro, que
    ser dada pela polica.
    Faz dia ao quariel general o Sr. cadete Ma-
    rio Vaz.
    Uniforme n. o.
    RevlMta Illustrada Proporcionamos
    sempre momentos de bom humor, com saa vi-
    sita, este on.o da imprensa nomnense, que vai
    no seu 16." anno de existencia.
    Quer no texto, quer as gravuras, a Revista
    mostrada est sempre em dias com as princi-
    paes novidades da ierra e por isto todas as vezes
    que vem ao publico risonhamenie receida.
    Agradecemas-lhe a visita. -38 __
    Balado de PcrnambucoPor comma-
    aicagu que nos passou a redaego, deixon o
    collega de dar a ediego de bontem e t ehou as
    suas officinas, pora aiteoder aempreza_ uos res-
    pectivos empregados, que se julgavam'sem se-
    guranga em presenga ae boatos, de asfalto ty-
    pographia.
    Reperiolre Inhcnelip. de Medici-
    ne Moslmtriqae Fonos obsequiados
    com o cxemDlar de Dezembro Iludo, cenfessao-
    do nos reconbecidos fineza i icmessa da im-
    portante publicarn do Dr. Bur-'r< ve.
    Ije BreanRecebemos a edieco de 27 de
    Dezembro fiado.
    As materias comidas nesse numero constam
    do seguinte summano:
    Telegrammas.Nosso Correio do Rio.Echo3
    de toda parte.Os emigrantes para o Brazil.O
    imperador e a imprensa franceza.Noticias dos
    Estados brasileirosRevista financeira. Aa-
    ouucios financeiros.
    Provincia Pela mesma razo indicada
    pelo Estado de Pe.raambuco, em a noticia dada
    a respeito, deixa a Proviacia de sabir boje,
    como manifestou era seu boletim de hoatem,
    Maranbo Esse piquete nacional, do
    Lloyd Brazileiro, tendo hoatem sabido do porto
    da Parabyba, amanhecer em nosso porto hoje
    e amanba proseguir sua viagem pare o sal da
    repblica.
    Paawagelroa Chegados do norte no va-
    por nacional Manos:
    Cesar Ficarra. Ignacio Pereira de Britto, An-
    dreas Brob3tle, J. Slimrhm, Gaspar Wajcicbanln
    Miguel Lobo, Maooel Lorento, Ignacio Chaves,
    Bernardino Cabral, Joo Freir d Fariaa, Joo
    Francisco dos Santos, Eulalio Raymuado da Sil-
    va Joaquim Mnnoel Carneiro da Cunha, coronel
    Zeferioo Jos Teixera Camnos, sua senhora, 4
    filhos e 1 criada, Joaquim William Steel, Maria
    Francisca da Concego e 2 lilhos, 5 pragas do
    exercito.
    Le?EfTeciuar-se-aao os seguales:
    Hoje :
    Pelo agente Pinto, s 11 horas, i ra do Im-
    perador n. 32, de movis, espelhos, jarros e
    crystaes.
    Amanb .-
    Pelo agente Britto s 10 1/2 horas a roa das
    Crozes o. 6, de madeiras, movis e vidros.
    Pelo agen.e Stepple, s 11 horas, ra 15 de
    Novembro o. 13, de canarios allemes.
    Pelo agente Gusmo, s 11 horas, roa Mr-
    quez de Olinda n. 43. de um sitio e dividas.
    laaaa raneares-Sero celebradas:
    Hoje:
    A's 8 horas, na igreja do Espirita Santo, pela
    alma de D. Cordulina Lasae Soares de Oliveira.
    Amanha:
    A's 8 horas, no recolhimento da Gloria, pela
    alma de D. Viceacia Perpetua Freir de Araujo ;
    s 7 1/2 horas, aa matriz de S. Jos, pela alma
    de D. Luisa Mara do Sacramento Costa; s 7
    horas, na igreja da Soiedade, pela alma de D.
    Gertrodea Ma ques de Souza.
    cana de DeteafioMovimento dos pr-
    ios da Casa de Detengo do Recife, Estado de
    Pernambuco, em U de Janeiro de 1891______
    \
    -T
    fr
    >
    'i\
    J

    -->.*,

    IttBilfH. I



    -

    \
    i



    Diario de Pernambuco Qaint&rfira* 14 da Janeiro-de 1892
    Existiam 375, entrou 3, sablran 5, exls-
    tem 373.
    A saber : _,
    Naciooaes 338, mulheres i3. estrangeiros M.
    Total 373.
    Arracoados 316.
    Bens 191.
    Doentes 13.
    Lodcos 9.
    Loncas 3.
    Total 216.
    Inspectora do l.' dlatrleto mar-
    timo -Recite, 12 de Janeiro de 1892.
    Boletim meteorolgico
    _._ ~ = o
    Barmetro Tenso do m a
    loras au o "o a 0 vapor a
    = _ 9 X
    fin 26,-5 759-32 17,65 68
    9 27,'3 757-81 18.27 68
    12 29,-U 757*68 18,77 6i
    3 1. 28 9 756-33 19,15 66
    6 27 7 756-58 1811 66
    Temperatura mxima29,*75.
    Dita miiima26,'03.
    Evaporacao em i boras : ao sol8,-7;
    sombra 5 -6.
    Chu'aaulla.
    Direcfao do vento: ESE com interruoces de
    SE e E de meta noite al 9 boras e 35 minutos
    da manba; E e ESE alternados at 3 boras e 29
    minutos da Urde ; variavel de SE a E at boras
    e 39 minutos; ESE com interrupgoes de SE at
    9 horas e 36 minutos ; E e ESE at meia noite.
    Velocidade media do vento: 5,-26 por se-
    gundo
    Nebulosidade media : 0.-6S.
    Boletim do oorto
    ?_?
    a. x
    B. M.
    P. M.
    B. M.
    P. M.
    Dias
    12 de Janeiro
    II >
    12 B
    13
    Horas
    Altura
    92H da mnb
    322 da Urde
    9i8
    359 da manba
    0-54
    2-31
    0-37
    2-23
    Lotera do Etad Por lelegramma recebido pela Casa do Ouro,
    e3te o resultado da 11' serie da 6' loteria, ex
    trabida a 13 de Janeiro :
    96U 300:000*000
    5719 12:500 000
    8173 7:500000
    5860 : 500*090
    9273 2:500OO0
    9&65 2:500 000
    2027 1:250000
    2378 1:250*000
    2640 l:250000
    30(i0 l:250*fC0
    5u45 1:250*000
    7589 1:2505000
    8*08 1:2505000
    9501 1:250*000
    APPBOXIMAgOS
    9765 1:500*000
    9707 1:500*000
    5718 1 000*000
    57 20 1:000*000
    8172 500*000
    8174 500*000
    Elles bao de fiear esmagados, mas pela re-1 ferir interesaos geraes de que a mesma
    pulsao publica, pelo desprexo, pelo vacuo que JanU e depoaitaria e pelos quaes respon-
    em torno delles ba de faxer o povo pernaonu- de te 0 0 0 aocUinoU a fo.
    cano. r ___, i j
    .___,. ... n ._ mentar a anarchia e laucar na aociedade
    A mentira espabada pela Provincia e *^
    Estado nao passam de meros expedientes pernambuoana elementos que teta preoi-
    para armar ao effeito, paia fazer crer que nao
    ba garantas.
    Anda ante bontem o digno questor policial
    oTereceu garantas qne foram rejeltadas s)bo
    pretexto de que os redactores daquellai folbas
    s temiam o ataque partido da propria k-qa,
    porque do povo nada se arreceavam por estar
    este ao seu lado.
    Como, psrtaato, pelo siaaples fado de se acbar
    annunciada urna manilestago popular a Pro-
    vincia > e o Estado se cobriram de appre-
    bensOes ?...
    Nao, o expediente tomado pelos referidos jor-
    naes, a sua propaganda de diffamac&o nao sor
    tirao o effiito desejado porque boje, l ora,
    ninguem mais acredita no que escrevem a) al-
    ludidas folbas.
    A Junta ti jvernativa confiada no apoio popu-
    lar garante a mais ampia liberdade.
    Previna se o povo com esses boatos alarman-
    tes e cuide de seus interesses, certo de que nin.
    guem, absolutamente ninguem, perturbar a
    marcba serena dos negocios pblicos.
    Esto premiados com 375*000 os seguintes
    nmeros :
    9761 9764 9768
    9762 9765 9769
    9763 9767 9770
    Eslao premiados com 230*000 os seguintes
    nmeros.
    5711
    5712
    5713
    5714
    5715
    5716
    5717
    5718
    5720
    Esto premalos com 125*000 os seguintes
    nmeros:
    8171
    817
    8174
    8175
    8176
    8177
    8178
    8179
    8180
    Todo3 os nmeros termioadose em 6 estio pre-
    miados com 125* excepto a sorte grande.
    Todos os nmeros terminados em 9 eslo pre-
    miados com 125*, excepto a sorte immediata.
    A seguale loteria corre no dia 20 de Janeiro
    de 1892 com o mesmo plano.
    Hospital Pedro IIO movimeota deste
    estabelecimento de caridade, do da 12 de Ja
    neiro, foi o seguinte :
    Existiam 555
    Entraram 18
    -----573
    Saturara 17
    Palleceram 2
    Existen)
    ------573
    Fjram visitadas as enfermeras pelos segain-
    les Drs.:
    Moscoso "otros s 7 horas da manba e sa-
    bio s 7 i/2.
    pjniuil entrou s 9 1/4 da manba e sabio s
    11 12
    Simes Barbosa entrou s 10 da manh e
    sanio s 11.
    Berard i entran s 10 12 da manbS e sabio s
    11 1/2 horas.
    Silva Ferreira entrou s 10 da manba e sa-
    hio s l
    M'ivignier rotrou 9 11 da manca e sabio
    48 11."
    Fernandez Barros entren s9 1/2 da manh
    sanio as II.
    Amonio Marques entrou s 9 1/4 da tnanba
    e sabio49II.
    Bastos de Oliveira entrou s 101/2 da manh
    e sabio s 11.
    Andrade Lima entrou s 9 da manba a sa-
    bio s 10 1/1
    Joaquim F^ippe entrou s 91/4 da manba e
    sano as 10 1/2.
    Pdrala:euco entrou es 9 1/4 da manh e sa-
    bio -? 3 boras da tarde.
    Lotera do Estado do Grao-Para
    A 1." sene Qa SI" loteria, deste Estado cujo
    premio erande de 120:090*000, sera extrahiua
    no dia 16 de Janeiro (saohado).
    Leterla do aranho-A 12' serie da
    6* lotera df-ue Estado, cojo premio grande
    de 301:000*000, ser extrabida no dia 20 de
    Janeiro (quarta feira).
    Cemtterlo PublicoObituario do da 12
    de Janeiro :
    Leonor Augusta X. Maia, Pernambuco, 23 an-
    uos, soiteiro, S. Jo=e, benberi galopante.
    Mana do Carmo F. S., Pernaarouco, 24 anuos,
    soiteiro. S. Jos, typhtles.
    Jos Milsqaias de Britto, Rio Grande do Norte
    60 annos, casado, Recife. congesto cereoral.
    Severino, Pernambuco, 9 metes, Boa-Viaia,
    athrepsia.
    Tbomaz, Pernambuco, 1 anno, Graga, enlerite.
    Jcsf- Ignacio, Perna_buco, 18 annos, soiteiro,
    Boa-Vista, tubrculos pulmonares.
    F.rmino Jos de Saal'Anna, Pernambuco, 40
    annos, casado, Boa V -ta, ttano.
    COMMNICADOS
    Boatos calumniosos
    Sao absolutamente destituidos de fundamento
    ds boatos bontem espalhados nesta capital de
    yie eslava imminente um ataque liberdade le
    mprensa.
    Por mais impatiiotica, por mais peqasnina.
    )or mais mesqaioba e torpe qne seja a attitude
    tssnmida pela Provincia e pelo Estado de
    ernambuco, ninguem, nenbnm pernambucano,
    enbum daquelles que apoiam o actual governo
    eseja a alteracSo da ordem publica e muito
    tecos urna violencia material quelle3 jornaes-
    Arante
    O recluso celular, que aps longos an-
    nos de absoluta segregado da socieisde,
    v se em dia, inesperadamente atiado
    n'uma sala onde a lus jorra por todos os
    lados, cabe immediatamente n'um estado
    psychologico, que o torna totalmente in
    consciente. As mais desencDntradis emo
    cSes, os sentimentos mais indecifraveis e
    intraduziveis apoderam se do seu ser e o
    pobre homam hesita em crer na grande
    za do facto que se acabara de operar.
    Semejantemente os hornees que apoia
    rana o rgimen decahido.
    Atestados dos mais rudimentares prin-
    cipios da poltica verdaderamente ropu-
    blicana, mergulhados no ttrico e trevoso
    antro da intriga, da corrupjao, da igno-
    minia e da perversao moral, elles os que
    oceutos, na escurido de suas conscien-
    cias negregadas, planejavam o insendio, o
    saque e o assassinato, viram-se um dia
    atirados n'um regiruen de ordem, d mo-
    ralidade, de paz e de concordia a quj de
    modo algum estavam acostumados...
    Oesconheceudo as grandes causas do
    mu vi ment brilhante e esplendoroso que
    trouze a regenerado de Pernambuco, os
    adeptos do goveruo passado enraiveuem-
    se, bradam e a9'a!am paizSes !...
    Pobres desventurados!...
    A luz oTenue a negrura de aus al
    mas!...
    No auge de seu despeito, por ver iber-
    ia paia Pernambuco urna nova en, de
    prosperidades, os escriptores do Cor$ari
    e seus amigos tm procurado todos os re-
    cursos, tanc>do mSo de todos os ireioa,
    praticado os maiores desvarios afiai de
    laagarem sobre a benemrita Junta Go-
    veraativa maculas que somente elles pos
    suem.
    Um governo que despreza o fausto,
    que abdica posicSes, que nSo anfere ren-
    dimentos, que restringe as despezas, que
    age aomente tendo os olhos ritos nos in-
    teresses momentosos da Patria, nSo pode,
    de modo algum agradar aos que loram
    apeados do poder e que tinham o pitrio-
    tismo de exercer mais de ao emrrego,
    de contractar usinas, de sugar, ennm,
    toda a nossa seiva, todo o nosso Bangue!
    Um governo que acata os direii os do
    povo, que o respeita, que o considera Mw
    pode ser agradavel aos que tinh-im i ce
    ragem de faaer delle o fantoche de suas
    aspiracSes anarchicas e indignas!...
    Mas cima da opiuiSo insensats dos
    despeinaos, cima das ruins expo las do
    odio e da vingan^a, pairando as regiSes
    serenas da imparcialidade existe um poder
    a quem somonte nos devemos currar I...
    Este poder, esta forca poderota a
    Opihiao Pdiilica, a Vontads P0?L4B
    que por todo3 os modos tem dad^ Jun-
    ta Governativa, ao chefe do partido repu-
    blicano e aos seus amigos as mais incoa-
    cuas a provas de apoio e conri.nya.
    Escudada n'isso a JuuU deve proseguir
    altaneira em a norma governamental que a
    si mesma trayou.
    alo de aerem della, por ora, afastadoa.
    Todos os homens sensatos reconhecem
    que urna constituic^lo, muito excellente
    para os tempos normaes, pode vir a tomar-
    le inapplicavel om cortos cases, na in-
    minencia de graves crises polticas.
    Em ves de garantir, a prohibicSo dessai
    medidas enrgicas pode, nos momentos de
    commocjlo interna, traier o naufragio das
    liberdades publicas.
    A historia esta cheia de exemplos' bri-
    lbaates, que sSo outroB tantos argumentos
    justificativos da acertada decislo da Junta
    Governativa.
    Urgido pela gravidade dos perigos que
    ameacavam destruir, em seus alicorees, a
    grande UniSo Norte Americana, Lincoln
    nao hesitou em suspender o acto de ha-
    beos corpus e exigir a apresentac&o de
    passaporte, medida parcialmente imtala
    em Berlina aps o attentado de que ia
    sendo victima o imperador allemSo.
    Durante os periodos de perturbado na
    Inglaterra se tem, por vezes, suspendido
    la concesb&o de habeos corpus.
    Perqu, portanto, nao podia a Junta
    deixar de cumprir urna ordem de habeos
    corpus e essa illegal e injuridica como j
    tivemos occasiao de demonstrar?
    Tratavam se de um caso de salas po-
    puli e a Junta para evitar perturbares,
    para tranquil I isar a populacho pro;edeu
    mui correcta e legalmente sa oppondo
    urna deciso facciosa e auarchisadora.
    N2o pois, o Protesto hontem publica-
    do no Corsario que far a Junta desviar-
    se da trilba que a si mesma tragou !...
    PASSEMENTERIES
    GaarnicOes para vestidos.
    Galoes de seda.
    GalOes de vidrllhos.
    Gdlesde IS.
    Receben a
    L9JA DO COELHO
    56, ra da Imperatris
    PELOS LTIMOS PAQUETES KEUE-
    BEUAU PARADIS DES DAMES
    Hals um protesto
    O grupo irrequieto e unarchist que
    pretende lancar a du'ida no espirito pu
    blico, fasendo crer que o aotaal do coa-
    sas nao definitivo e que a ordem e a
    lei nai tem sido respeitadas, prjmette
    enderejar ao benemrito Vice-Pres dente
    da Repblica um protesto, aolicitand) deste
    providencias afim de ser cumprida a or-
    dem de Habeos Corpus, illegal e in jurdi-
    camente concedida pelo extincto Tribunal
    da RehcSo.
    Desconhecendo a competencia de poder
    executivo para tomar conbecimsnto das
    latas que se travarem entre o governo de
    um Estado e o poder judiciario, dcixarros
    comtado de abordar esta questSo para eos
    referirnos exclusivamente justiticagao
    histrico philosophica do acto da Junta
    nao cumpnndo ama decilSo que a m de
    SPORT
    Com o ebrisma de Nerina.tcorre de presente a
    Dinorah, que lao bellas carreiras fez no Rio de
    Janeiro, uo turf babiano com sorprndeme suc-
    cesso.
    O grande Hipppodromo S Salvador ba pouco
    aili disputado, gaoboa-o ella, baiendo fcilmente
    os competidores, e percorrendo em 113" os 1609
    metros.
    Para o referido turf vai o Al.ilat, que lhe ser
    competidor.
    *
    Em ennio de 5 de Novexbro ultimo, a com-
    misso incumbida de organisar as corridas da
    Societ f'Encouragement. de Franca, xon as
    seguintes datas para a realisaco das suas prin
    cipaes reuoies de 1892.
    A primeira reumo ter logar no dia 27 de
    Marco (domingo,) em Ljngcbainps.
    0 Prix de Diane s era corrido no domingo 22
    de Maio.
    O Prix dn Jo:key Club, no domingo 29 de
    Maio.
    O Graod Prix de Pars, no domingo 12 de Ju
    nbo.

    A reunio do Ouiomno de Fontamebleau, fui
    suppriaiida, voltando a ser realizada em Long-
    cbamps, a comecar de domingo 4 de Setembro.

    Urna tragedia sportiva:
    Na America do Norte, em Middleton, bouve ba
    pouco urna briltiante corrida, na distancia 3000
    metros e com obstculo, consistente em um fs
    so de dous metros e trila centmetros de lar-
    jju-a e dez-teis metros de profundldade, aberio
    no meio do per:urso para ser sltalo.
    Sk Ebobard, rapaz dos sens 28 annos, bordei
    ro (fuma das melbores fortunas da cidade, deses
    perado por que a corte assidua que fazia a urna
    gentil vinvicli i, Manba Simpson, nao era cores-
    pondida, como elle quera, resolven por termo
    vida de um modo devras extraordinario.
    Sir Ebnbard toma parte na 2.' corrida e no
    moment em que ia ser dado o signal para a par-
    tida, (irou do seio um pequeo Dcuquet de fljres
    do Campo, tendo preso um bilbeunho, cuidado-
    samente dobrado e arremesson-o ao regajo de
    ilartba.
    Nisto o signal foi dado, e os cavaltos partirs
    desrilada
    Quaodo o cavallo de Ebnbard saitou o fosso, o
    cavalleiro atirou-8e para elle.
    Os outros cootinnaram correndo at a meta, e
    s na volta ro que trataram de socorrer o infe-
    liz enamorado, que jacbava s moribundo, tendo
    cabera berriveimenle aberta o sangue maoava
    jorros da frula
    Meia hora depon era cadver.
    O bilbetinbo para Martlu dizia simples
    mente :
    E's nma ingrata. Vou morrer por ti.
    A viuvinba acbou que devia desmaiar; e des
    maiou.
    Que nao sirva de exemplo.
    MEMORIAL
    CORTES DE VESTIDOS
    Em cacbemlre
    Voile de la.
    Batiste.
    Levantioe.
    Recebeu um chic surtimento a
    LOJA DO COELHO
    56 Ra da Imperatnz
    SEDAS SEDAS 1
    Acabam de rnirar da alfandega ura esplendi-
    do sortimenlo em sedas prela3 e de cores, ver-
    dadeira novidade
    Domingos Coelbo Se Soares
    LOJA DO COELHO
    56 Ra da Imperatriz
    __________
    para senboras, meninos e meninas, novos mo-
    deles.
    Receben a
    LOJA DO COELHO
    _________Rna da Imperatriz n. 56_______
    RHBS A PRINEZA DE GALLES
    Sao lindos os que recebeu a
    LOJA DO COELHO
    56Roa da Imperatriz 56
    Mllll tS ME BAILE
    Ecbarps de r- oda de Brnxellas.
    Mantilhas hespanholas.
    Fu-bus de seda.
    Receoen a
    LOJA do COELHO
    Ra da Impe3atnz n. 56
    CAPAS MODELSI
    Em seda, renda e cachemire, receben um pri-
    moroso sortimenlo a
    LOJA DO COELHO
    56 Ra da Imperatriz
    ESPARTILHOS E MADAME VERTIES
    debalos a peiucia e setim, os mais coinmo-
    dos at boje conbecidos.
    Recebe* a
    LOJA DO COELHO
    ___________56 Ra da Imperatriz
    I1QI is i: IUMVHOUS
    Km gaie, Das e plumas,
    ttecebeu a
    LOJA D 5 COELHO
    86 Rna da Imperat iz
    9)
    m
    K
    o
    -
    a

    a
    o
    -

    _- -a
    -_ < t td
    i ^ I
    -i I 2 _a> I
    a 4* -
    m _< 2 **

    s
    a
    a.
    o
    p
    11
    S.o ?
    m CD 9
    a ?-
    o." S O
    -.
    O.CB
    o -.
    m o.
    I
    a.
    a SI
    co
    a 0
    -

    a. -s M
    5 a 3 % t
    e
    = i
    i?' o.
    n
    a O
    o B _
    B= f
    > _
    a
    o o 9
    Collarinbos, grvalas, camisas de pbantaa e
    perfumarlas, ele.
    Mesas para jogo e para fumante?,
    Elageres chinezes e dourados
    Cacbeoots.
    S
    tu Paradis des Da_aes
    Fazendas e moilas
    Esplendido sottimento impossivel de descre
    ja? se tem recebfdo de Pars.
    Au Paradis des Dames
    _______Roa Baro da Victoria, 38_______
    SEDAS
    Brancas, pretas e de cores para grande esco
    AU PARADIS DES DAMES
    Presentes
    E' tal a variedade, que se pede nada compra-
    ren) para tal 6ra, seni primeiro visitarem.
    Au Paradis des Dames
    CORTES DE VESTIDOS
    Em seda, le cmbrala branca bordados gran
    de sortimenlo recebem
    Au Paradis des Dames
    Chapeos e capotas
    Alia moda em Pars retirou u'Alfanaega.
    Au Paradia des Dames
    CAPAS, VISITES E PELERNIES
    De seda preta e de renda oque ba de mais
    chic, recebeu
    Au Paradis des Dames
    Chapeos e capotasultimas novidades
    de Pars, recebeu o Louvre.
    Capas Jersey* e visita*. gostos intei-
    amente novos, cana de receber o Lonvre.
    Corle* de l llnhn netla e algodfio
    ricamente enfeuaios, tem recebido ultima
    mente o Louvre
    Sedas brancas, pretas e de cores-
    no vos padrOes, e para grande sscolha foram des-
    pachadas oestes ltimos das para o Lonvre.
    tn naldaa, leqne e chapeos de *oi
    de pbantasia acabm de ebegar para o Louvre.
    Costantes para creanra di todas as
    idades encontra-se grande sortimenlo no Louvre.
    Ohjectos de ao*to para presentes
    ha oeste artigo grande escolba no Louvre.
    TECIDOM DE f DANTAS!A
    Sendo impossivel de se descrever a grande
    variedade de tecidos de diversas qualidades pro-
    prios para a estacao actual, roga-se ao publico
    em geral e principalmente sExmas. familias a
    Oneza de visitarem o
    LOUVRE
    Ra 1." de Mai-90 n. 20 A
    FRANCISCO GURGEL & 1RMO
    TSLEPHONE N. 158
    Deceben a Florida Rendas com 70
    centmetros de largura, bicos de tilo cora um
    palmo de largura, dem de seda preta com 2 pal-
    mos e mai*.
    103 Ra Duque de Caxias 103
    Drlnqaedos para crlancaw- O Bazar
    da Roa Vista, a rna da Imperatriz o 88, recebeu
    um gran le sortimento de br.nquedos, bonecas,
    camas e mobilias para bonecas._________
    i.imiu de seda- ReceDea m unao scrii-
    mento de linhas de sena em mimosas cores pro
    prias para fazer crochet, caxines e sabidas de
    baile._____________________________________
    Hodalhoes de brome Como haute
    nouveaut o Bazar da Boa-Vista, recebeu orna ri-
    qoissiLua e linda callecc&o de medalhots quadros
    e meialdoes arandellas, de broeze e qne prodnzi-
    ram o maior effeito para a ornamentago de sa-
    las e boudoirs. E' a primeira vez que esses ob-
    jecios d'arte vem ao nosso mercado.
    Eatre as diversas ailegorias, que os referidos
    medalboes representam notam-ae a do Aojo da
    Guarda, e as de diversas flores symbolisadas por
    elegantes figuras femeninas.
    Ao Bazar da Boa-Vista, isto great attra-
    itiun de h*gh life pernambucano.
    Especialidade Molestias pulmonares,
    labres e da pelle.
    Consulta de 12 aa 3 da tarde. Cha-
    mados por escripto.
    Telepfaone n. '392.
    Dr. Tavares de Mello, medico pelo Fa-
    ji'Idade do Rio de Janeiro, d consulta
    das 12 s 3 horas das tarde, no largo de-
    Corpo Sante n. 15, 1. andar: recebe
    chamado a qualquer hora na sna residen
    cia em S. Jos do Manguinho n 4. Tele-
    phone n. 575. Especialidades : molestia
    de pelle e siphilia.
    O Dr. Lobo Motese da consulta en
    sua casa ra da Gloria n. 39, das 10
    horas da marina 1 da tarde. Acharado
    se fora do servico publico o_erece-se par*
    acudir & qualquer chamado com prompti-
    ~o para fora da cidade. Especialidades,
    operacSee, partos e molesti_3 de sonhor-s
    e de meninos.
    Dr. Joaqun Loureiro medico e p&rtei
    -o, consultorio ra do Cabuga n. 14
    i. andar de 12 a 2 da tarde; residoncia
    no Monteiro.
    Geealistas
    " Dr. Ferreira, com pratic- i os priac--
    paes hoapitaes e clinic- de Parit. e Loo
    dres, d consultas todos os das das i
    noras ao meio-dia. Consultorio e rew
    dencia roa Larga do Rosario n. 20.
    Dr. arreto tiampaio, occuiista, d cod
    ultaa de 1 a 4 horas no 1. andar c
    casa na Baro da Victoria n. 51. Reii
    dencia a ra Sete de Sotembro n. 34,
    entrkda pea ra da Saudade n. 5.
    Dr. Pereira da Silva recentemente che-
    gado de Pars, com pratica as clnicas
    de Wecker e Landoit, d consultas de 1
    s 4 horas da tarde ra do Imperador
    n. 63, 1. andar.
    Te/ephom n. 588.
    REZIDENIA CACHANG
    irrogarlas
    Faria Sobrinho & C, droguistas por at
    cedo, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
    Francisco Masioel da Silva & C, depos:
    'arios de todas as especialidades' pnarma
    ceticas, tintas,, aro^aa, producto chimi
    cose medicamentos homeopticos, na de
    Mrquez de Ohnda n, 23.
    Bibliotheca Cublum*
    O Sr. Francisco de Paula Pir_,--v
    bliothecario da Bibliotheca Publica _fcHt-
    lotas, declarou o seguinte :
    c Por oceasiSo de effectuar se vm _s-
    zar em 1 enicio da Bibliotheca
    Pelotese, fui atacado de urna forte
    chite que me levou ao leito. Ve
    prostrado e desojando o meu rest
    ment o mais prompto possivel, +Mmmt)
    usar o Peitor.l de Cambar, e o __iu/
    tanta felicidade qus, no terceiro s m
    molestia, pode reassumir as mineas sim-
    (os de bibliothecario d'aquello et__B_
    cimento.
    Na mesma poca foi a minha ftoc
    Julieta, atacada de urna tosse impunf
    te, com carcter asthmatico, e appiits-
    Ihe eu o mesmo efficaz medieai
    vi-a restabelecida em poneos dias.I**
    cisco de P. Pires .
    (A firma est reconhecida).
    O Peitoral de Cambar vente* a
    20,03 o frasco, 13C00 meia dx-a
    245000 a duzia, as principaee p_r_
    cias e drogaras.
    E' nico agente e depositara a__t
    Estado a Companhia de Drogas t 9b>
    doctos Chimicos, ra Marques t^Xmt
    da n. 23.
    Cha especial Becebeo nov.i remessa do
    acreditad) cb e-pecial marca BULL OOG.
    Medainde* de Dlscnlf Tem un. lindo
    sorumento de objecios prepnos para adorno de
    salas e enfeltes de toilette o que ha de mais bo
    n uno btscuit.
    Btalos e cestas Grande sortimeato de
    btalos para papis, costura, flores, cartdes e
    porta garrafas, propria? para viagem, compras e
    outros osos.
    Cadeiraa Cadeiras com encost de lona,
    magnificas para viagem._____________________
    Filas e flvelaa para veiidN -Gran-
    de sorlimento de filas em todas as cores e qua-
    lidades, fivelas dourados, prateadas, pretas de
    diversas cores.
    brande expoaico de grvalas U
    Ba-ar da Boa Vista acaoa posijao de gravatas de modeles noves e cores as
    mais modfcrnas, em te:idos de crep, gorgoro e
    setim.
    Grande sortimenlo de gravatas mgicas, a
    primeira vez que vem ao meicado a ultima no-
    idade em gravatas. __________
    (altea donradoa Filas prateadas e
    douradas, a ultima novidade para enleitt. de ves-
    tidos, grande sortimento de fitas de cbamalole
    em todas aa cores e larguras, recebeu o basar
    da Boa-Vista.
    88Kua da Imperatriz88
    Alfredo Lopes & C.
    Telepbonen. 214.______________________
    Klninem deve comprar artigos de
    cbapelaria ou flores, plumas, veos, gazes, ren-
    das, etc., sem fazer urna visita a Chapelaria Ra
    pbael, onde se encentra tempre ludo qnanto,
    nesses ariigos, ha de melhor e mais moderno.
    2Ra do Barao da Victoria2
    Rapbael Dias & C._____________
    charutos de Habana
    Receben nova remessa a
    LIVRARIA CONTEMPORNEA
    INDICaCQES BTE1S
    Medico
    Dr. 8 Pereira, ra da Imperatria n. 8,
    d consultas medioo-cirurgicas todos os dial
    daa 8 ao meio dia, menos n)s domingos e
    dias santifcadoa.
    ConiutVono tnedtco-cruroicoDr. Sim-
    plicio Mavignier, de volta da Capital Fe-
    deral tem seu cnsultcrio, ra da Cadeia
    n. 27 1.a andar.
    riBLIlAjOES A PEDIDO
    Sociedade Musical 15 de
    Janeiro da cidade de Ja-
    boatao.
    Esta sociedade solemnisa no da 15 do
    crrante o 3 aaniversorio de sua instal-
    la^So constando do alvorada pela banda
    marcial as 5 horas da manhS, miS3a can-
    tada com sermSb em honra do seu padroei-
    ro s 10 horas, ladainha a noite conforme
    preceitua os seus estatutos em cujos actos
    tocaro a orchestra e a banda marcial da
    mesma sociedade.
    A tarde ter lugar urna paseeata pela
    cidade e a noite depois da ladainha ter
    lugar na sede social a sessSo magna
    qual seguir-se ha urna soire danzante.
    A directora pede desculpa aos seus
    consocios de nS> dirigir-se pessealmente
    a cada um e os convida bem como a po-
    pulacho da cidade para assistirem a estes
    actos.
    ^^TN
    / (arakns
    A' minha boa e querida ati- /
    ga D. Catharina B'aodo da /
    Silva, esposa do Sr. Joo^
    Hermenegildo da Silva, pelo fs
    seu feliz anniversano nata- V
    licio \
    A sincera amiga \
    G. R. &1
    Eml de Janeiro de 1892. gf
    -s ___ /
    O X irope de Rabao Iodado d* Grimanll um
    remedio popular na medicac&o ds cranlas,
    empregado para combater o lymphatismo, a pal
    liles e a flaccidez das carnes, e engorgitamento
    das glndulas do pescoco, as erups da pelle
    e docouro cabelludo e a fraqueza -o peito.
    Elle excita o appetite e favorece a digesio.
    Cumpre, porm, notar que o Xirope de Rabao
    Iodado de Grimanll prepralo a fri e que o
    iodo existe Delle intimamente combinado com o
    sueco do agrio.
    C jQTm por isso nao confnndil-o com as mis-
    turas de Xarope aaticornntico e de timara de
    iodo com i:ue se tem procurado substituir o Xa-
    rope de Rabo Iodado de Grimanll- A cor e. o
    gcsio dessas misturas sao bem differentes, e
    nrllas encoatra-se o iodo em estado livre.
    Mudanza de escrip
    tu rio
    Jos Godoy e Jo. Hugo.
    77RA DO IMPERADOR-77
    Ana c ahu ita P eitoral
    s curas prodazidas pela compoEcao
    de Anacahuita peitoral, sao realmente mi-
    lagrosas.
    Dom Clemente Silva, qae reside na ra
    do Estado, Santiago do l hile, escreve aos
    nossos agentes em dita cidade, que ha-
    vendo Boffrido atrozmente de asthma, pelo
    espado de mais de se:e annoa sem que
    medico algum jamis lhe houvesse propor-
    cionado o menor ailivio* decidio-se final-
    mente em tomar da ComposicSo de Ana-
    cahuite Poitoral e depois de ha ver apenas
    tomado dous frascos descobrio com sorpre
    za, qne a grande oppresso do peito havia
    qnasi completamente desapparecido. No J
    em tanto foi continuando a fazer uso delle
    e no fim de tres meses se achou perfeita
    mente curado, com grande assombro e
    Batisfacao de todo os seus parentcs e ami-
    gos os quac j haviam perdido as espe-
    rances de jamis vel-o bom. Disse tam
    bem que desde entao esta parte o tem
    recommendado a em grande numero de
    seus conhecidos que soffriam de differen-
    tes affdCQiea pulmonares ta frequentes
    as costas do mar Pacifico, na America
    do 3ul, e que seus bona resultados tem
    sido universaes.
    Como Garanta contra as fV.lsificacSes,
    observe-se bem qne os ames de Lunmau
    & Kemp venham estampados em letras
    transparente no papel Jo livrinhe qne
    sirva de envoltorio a cada garrafa. Acha-
    te de venda em todas a boticas e droga-
    ras.
    INSTITUTO FHILOM_Tia
    Corso de nstriicfo pristari
    SECUNDARIA
    Internato e Extersk*
    dirigido pelo bacharel
    Olinto Vctor
    As aulas deste collegio estarao ____.
    do dia 11 do corrente em diante.
    33 Mi (10 YUlO Ull
    Aula mixta particular
    A profeseora Maris Flora Colombier r*r"snpi.
    aos Srs. pase de familia que, no dia 4? rente abrir sua aula eslrada de Joaodt _n*
    n. 26, accettando alnmnas como externas ce _5 nase ensinando primeiras ledras, masz-
    trabalhos de agnlba.
    Recife. 9 de Janeiro de 1892.
    Collegio de Nossa Se-
    nhora da Penh*
    FUNDADO EM 1876
    Sob a direcc.3o de Angust Coman
    Roa Y de Setembro bu *
    (Outr'ora becco dos Ferreiroe
    Comeyaro a 7 de Janeiro prona* Si-
    das a< aulas deste collegio para o ae__c-
    minino, onde as alumnas, a par da __*
    niente instruegao e bom tratameat.-. .a
    mantidas com cuidado e carinho.
    A.ula particular
    Ru;< Vidal de i\greiros M
    Mara Rodrigues de Almeida Gksa_
    part.cipa aos paes de suas alumnae <
    respetavel publico, que abre sua a-aoc
    dia 11 do corrente mez, constande __r
    sino do seguinte : primeiras lettroc, j*&~
    rintho, crochet, bordados brancoe, e_n_a-
    ga, ouro, froco, alto relevo, papel ce st
    roa, cabello, florea de papel, panno *.."#.
    tro, trabalhos de pedra hume. _n_i_c*
    piacnj, etc etc*
    Prejos rasoaveis.
    Aula particular
    Anna Theodor Simoes, particiti
    publico que a sua aula abrir-m-ha
    dia 7 de Janeiro proxin
    Carmo n. -6, L8 andar.
    Recife, 28 de Dezembra de 139L
    no Psaa ar
    Consultorio Medico-
    O Dr. Manoel Argollo com pratieaoda
    hospitaes de Paria e Berlim, tem sea __-
    sultono na ra do BarSo da Victoria _i _..
    Especialidades. Molestias dos altare
    lhos respiratorios, circulatorio e digettec
    Consultas das 12 a 3 da tarde.
    Chamados per escripto.
    Telephone n. 586.
    Peitoral de Cambar*
    O respeitavel anciSo Sr. major Anteir
    Simoes Pires da Fontoura, prcprietsrk
    da faaenda de Santa Clara, no 2.' 4i
    tricto de D. Pedrito (Rio Grande de
    fez pela i mprensa daqnelle Estado, a e-
    guinte pubcacSo :
    Pede me a minha consciencia dtcia_c
    os Maniates factos que servem parai
    bustecer o crdito do precioso cPeoc
    de Cambarn.
    Ha pouco tempo, minha esposa app-
    cen con urna tosse terrivel que saea
    deixava !_ e noite; lembrei-lhe o *tc
    toral de Cambar e oum o uso deste *-
    medio vio se completamente carada av
    poucos dias.
    Um filho meu que ae achava sofitoad*
    do larynge, n olestia que adquiri deje
    que teve o typl.o, ficou tambem rai_t-
    mente curado com o uso do mesmo <*-
    toral de Cambar.
    (A firma eat reconbeoida).
    Antonio Simdes P. da Fontout*.
    Golleio iIb Nossa Stninn b
    20Ra do Hospicio.
    As aulas deste eataoeleoimento de iusti
    primaria e secundaria para s sexo fe
    abrir se-bSo no dia li de Janeiro de 1892.
    Recbese alnmnas internas, emi uitei-M
    exlernas.
    A directora,
    Mara do Carmo Azeveic


    -
    t





    S
    Bftft L






    iaiio de Pernambuco Quinta-feira 14 de Janeiro de 1892
    Dr. Lopes Pessoa
    Attesto que tenho empregacb em minha
    clnica o preparado denominado cPeiteral
    de Cambar*, deacoberta do Sr. J. A.
    de Soasa Soares, cem brilhantes resulta-
    do! as diferentes formas da bronohite e
    em alguna periodos da tubercalose pnlmo-
    nar.
    Recife, 14 de Abril de 1891.Dr. Le
    p:s Pessoa.
    (A firma est reconbecida).
    nica agencia do Peitoral de Cambar,
    i ra Mrquez de Olinda n. 23.
    Regalador da larinha
    Concerta se reiogios de algibeira, pn-
    dolas de torre de groja chronometros de
    marinba, caixas de msica, apparelhos
    elctricos, oculos, binculos, oculos de al-
    cance, joias e todo qaalquer, objecto ten-
    dentes a arte mechanca.
    9Ra Larga do Rosario9
    Dr. Nero Guerra
    Medico operador e occusta, ex-che fe
    de clnica ophitalmalogica do Dr. Moura
    Brasil, com locga pratica no exercicio
    d'essa especialidade, recentemente chega-
    do da Oapital Federal ; d consaltas na
    roa Duque de Caxias n. 46 de 1 s 3
    horas da tarde. Residencia na ra do
    Hospicio n. 46.
    Curso primario e se
    cunda rio
    Jos de Souza Cordeiro SimSes, parti-
    cipa ao publico que as aulas de seu curso
    abrir se-bao no da 7 de Janeiro prximo,
    no Pateo do 'Jarmo n. 26.
    Recife. 28 de Dezembro de 1891.
    Collegio
    Onzi de Agosto
    As aulas des'.e estabelecimento come-
    carao a funccionar no dia 15 do corrente
    sendo que a matricula para os que pre-
    tenderen) frequental-as estar aberta des
    de o da 12.
    O grande sortimento das seguintes mer
    cade ras convida a taserem ama e:cpeiien
    cia.
    Fitas, loques, sortimento de meias par*
    senhoras, criancas e homens, rendas bran-
    cas, pretas e de cores, bordados aven-
    taes para criancas, costames de h-im, ca-
    pas de feltro, enxovaes para baptisados,
    bonecas, reiogios, preparos para vestidos,
    jarros, candieiros, lampariuas, gravtas,
    sollarinhos, panhos, aberturas para cumi-
    ssa, botSes de todas as qialidadis, qua-
    dros, espelhos, boleas, artigos para pre
    sentes, objectos japoneses, albuns e qua-
    dros para retrates, preparos para borda-
    dos, linhas brancas e de cores para cro-
    chet.
    E muitos outros artigos de miudesas e
    mais que nSo difficil ver.
    A Nova Esperanza
    63Roa Duq :e de Caxias65
    Pedro Antunes & O.
    O juis de diieito Joo Bsptists Gira
    na Costa eccarrega se de contrahir em-
    prestimos com o Banco Emissor de Per-
    nambuco, sob hypotheca e penhor de sa-
    fra, para os agricultores e commeroiantes
    residentes neste Estado e os da Pf.rab.yba,
    Rio Grande do Norte e Cear, mediante
    mdica re tribu i cao ; assim como sncarre
    ga-se de liquidarles amigaveis, em qual-
    quer das comarcas dos referidos Justados.
    Pode ser procurado em seu escriptorio
    ra do Marques de Olinda, amiga da
    (Jadeia, n. 34, 1.* andar, das 11 horas s
    4 da tarde, e a outra qualquer hora, em
    sua residencia, na Magdalena travessa da
    fabrica de Fiacao n. 46 A.
    mteiramente inoffenatvo, anda mesmo na mair va & ft, raa do Marques de Olinda
    MK
    Ao alcance de todos
    . 1
    Vendas a dinheiro com descont de
    10 por cento
    A Nova EsperaBca chama a attencSo
    para o seguinte :
    v Todas as quintas feiras vender se ha
    qualquer mercadura com o descont ci-
    ma os saldoB e retalhos por menos do
    custo.
    Dentaduras artificia es
    Sob pressao elstica, e estcelo pneu
    natica systemas novissimo Resta fclsuidb
    pelo cirurgid dentista Numa Pompio.
    i ra do Bario da Victoria n. 54 1 sa-
    rdadas 8 horas da manhS s 4 d a tarde
    Dr. Lopes Pessoa
    MEDICO
    Avisa celo presente de que mudau a
    sua residencia para ra do Marques de
    Herval n. 4, onde pera encontrado todos
    os dias das 7 s 9 1[2 horas da uar.hr. e
    das 5 horas da tarde em diante.
    arenosa e tenra criaoca.
    As senhoras, no estado de pandas, oa no pe-
    -iodo de incommodos naluraes, podem usar den
    eceio algum.
    Ene elixir ja bem conhecido de alguna Srs
    nedicos de todo o paiz, o mais seguro e p rom-
    pi remedio contra as febres, e com especialida-
    de contra a febre amarella, erysipella e bexigaB
    jo qualquer qaalidade.
    odo.de usar
    A's criaagi8 at um anoo 8 goltas de 2 em S
    Qoras em urna coiher das de sopa ebeia d'agua
    fra.
    De ute anno a tres 12 gottas; de tres a dez 20
    Os Srs. dioicos podem augmentar ou diminuir
    al 60 gottas por dose.
    Recite:
    Compaauia de Drogas e Producios Cbimicoa.
    Santo Antonio :
    Naciocal Pbarmacia, ra Larga do Rosare
    q. 36.
    Pbarmacia Orienta!, ra Estrella do Rosark
    q. 3.
    Pbarmacia Alfredo Ferreira, roa do Bario da
    Victoria n. 14.
    Pbarmacia Marti u, ra Duque d Caxias t.
    88.
    Vendas em erosso e a retalno.
    DEPOSITO GERAL
    taa Estrella do Rosario n. 17
    P.BVAlIBieO
    H. liS
    Cidadao Manoel Cardoso Jnior.
    E'com grande satiefacao que atiesto o valor e
    a tflicacia do seu prodigioso especico contra a
    fenie, orquauo tendo apparecido meu Hlbo
    Manoel com febre de carcter roao, e nio sendo
    possivel ceder da sua inlensidade, resolv a con-
    seibo de um amigo a applicar o seu especifico, e
    com omito prazer meu vi desapparecer em dous
    d.as a febre, restabelecendo se em seguida o
    meu estimado filbo.
    Pode Vmc- fazer uso do presente como Ibe
    coDvier por ser a verdade pnra.
    Recite, 15 de Maio de 1889.
    De Vmc. atiento, venerador e criado Floria-
    no Marques Boielbo.
    N. 147
    E.i, abaixo assigaado, negociante n'esla :iJa-
    de atiesto que tendo no dia 17 de Jucho do ccr-
    rtn'.e anoo, meo irmao e caixeiro apparecido
    osa fi-bre de 39 1/2 graos, unmediatamente re
    corr ao Llm. Sr. M. Cardoso e felizmente com o
    sen preparaco Elixir Anti-Febril, no fim de
    doas dias linba desapparecido a febre completa-
    mente ; portanto nao po3so dcixar de felicitar ao
    mesmo Sr. M- Cardoso pela feliz descoberta a
    bem da bumanidade.
    Recife, 22 de Janbo de 1889.
    Aloin* Feroandes de Azevedo.
    Estavam selladas e recoabecidas as firmas.
    n. 23.
    Phrmacia Martina, i ra Duque de Ca
    xias n. 88.
    Pharmacia Oriental, a ra Estreta do
    Rosario n. 3.
    Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do
    Bario da Victoria n. 14.
    Pharmacia Virgilio Lopes, ra Larga
    do Rosario n. 31.

    1
    Medico
    DR. TAVARES DE MELLO
    formado pela Facnldade do RiodeJaeiro,
    tendo-se dedicado com especialidade a
    tberapeutica moderna das molestias de
    pelle e syphills, na polydinica geral, a
    cargo do Dr. Silva Araujo, onde servio
    como sen ajodante; d consultas de 12 s
    3 horas no largo do Corpo Santo n. 15 ou
    andar, e recebe chamanes a qoalqer hora
    em sua residencia, ra S. Jos do Maogui-
    nbo n. 4.
    Telephonen.575.
    fc

    -m*
    Dr. Nunes Coiinbra
    ClnicaMedico -Cirurgica
    Especialidades : febres, partos, moles
    tas de senhoras e de cranlas.
    Chamados a qualquer hora na sua re
    didenciaCaminho Novo n. 163, junto i
    estacio ; ou no seu consultorio, ra Mar
    Suez de Olinda n. 56, in ie d consulta:
    as 11 s horas.
    Telephone n. 387
    li-
    li
    Dr. Mello G mes
    Medico operador parteiro
    i!
    W
    s, moles- }
    i, syphilis )

    -soca
    nae
    Si
    COMERCIO
    ola Cominercial de Pernam-
    bnco
    SOTAfiOES OFFICIAES DA JCNTA DOS COR-
    RECTORES
    Praca do Recife, 13 de Janeiro de 1892.
    Cambio sobre Lond'es 90 d/v 12 1/4 d. por I*
    do banco hontem e boje.
    O presidente,
    Eduardo Dubeaux.
    O secretario.
    Augusto Pinto de Lemos.
    Cambio
    PKAC.A DO RECIFE
    Abri o mercado a 12 1/8 baocario, saccando
    pelo meio dia os bancos a 12 1/4.
    Papel particular foi vendido a 12 3/8 pela ma
    nbi, e a 12 1/2 mais tarde.
    PRA(,'A DO RIO DE JANEIRO
    O London cffereceu saccar a 12 1/8 sobre a
    :aixa matriz de Londres, sem acbar tomadores.
    Banco da Bolsa
    RECIFE, 13 DE JANEIRO DE 1891.
    TVansaccGes efectuadas:
    10 Leltras byppotbecarias
    do banco de Crdito Real
    de Pernambuco do valor
    d 1004 103*000
    11 Ditas byppothecarirs do
    banco de Crdito Real de
    Pernambuco do valor de
    lOOOOO
    A/s victimas das febres
    O elixir antifebril Cardoso, apr i o
    ?ado em 21 de Marco des'.e anno pela inspecio
    >* geral da junta de hygiene do Rio de Janeiro
    ;em boje apresentar-se a bumanidade soffredo
    a do mondointeiro, como taboa de salvaco qct
    io infeliz naufrago Ihe enviada por mSo oum:
    jotente.
    o elixir anil-feorri Cardoso, applica-
    lo em moiiis3imos casos de teures, tem com
    por milagre, levantado do leilo da oor a comple-
    tos moribundos.
    Este remedio, composto smente de vegetaet
    Poram exportadas ate 10 do corrente 157 pi
    >as.
    Agaardente
    Por pipa de 480 litros 120*000.
    Dr. Freitas Guitnares
    Participa aos Beus amigos e clieotes
    que mudou o seu consultorio da ra Du-
    que de Caxias n. 55, para a mesma ra
    o. 61, l. andar, onde contina a dar
    consultas de 11 1 hora d i tarde, e resi-
    s.de no Cajueiro n. 4.
    Telephone n. 292.
    57Ra do Bario da Victoria57
    (defronte da edades, amaro)
    Onde tem consultorio e resi-
    dencia i podendo sr encontrado e
    recebendo chamados qualquer bora
    do dia e da noite.
    Especialidades: partos, febres
    lias de senhoras e dos pulmes.
    em geral, cura rpida e completa ope- i
    races de estreitamentoa e mais sofiri- / <
    meatos da uretra.
    Acode de prompto a chamados ara
    fra, a qualquer distancia.
    Telephone n. 193
    m
    Dr. Alfredo Gaspar
    MEDICO
    Operador, parteiro trata cois eapeciai;
    dade do molestias de senhoras e crearla
    Consultorio e residencia ra da impf
    -atriz n. 18, Io andar.
    Consultas de 8 s 10 da manhU.
    Chamados (por escripto) qualquer hor-
    TKLEPHOKE N. 226
    i
    oesdssi^-
    Dentes
    Termina a horivel dor de dentes usan-
    do o expeliente preparado de Manoel Car-
    doto Jnior.
    As cartas que lhe tem sido dirigidas
    pelos jornaes de maior circulacSo, attes
    ta a efflcacia.
    Depsitos
    Drogara de Franciscc Manoel da Sil
    At
    )1S.
    10 do corrente feram exportadas 236 pi-
    Offereceram Vender
    100 Let.ras byppothecarias
    do ban;o de Crdito
    Real 103*000
    60 Ditas byppothecarias do
    banco de Crdito Real
    100 Ditas nyppotnecarias
    do b a n c o de Crdito
    Real
    Cotaces de gneros
    ASSCAB
    Para o ag~uUor
    Anaco por 15 Icilos. 4*300 a
    3omenos dem dem. 3*400 a
    aascavado dem dem 3*000 a
    Broto secco ao sol idem dem 2*700 a
    Relame idem idem .... 2*200 a
    usinas idem idem..... 4*300 a 4*500
    Mercado muito desanimado.
    Carocos de algodo
    Cota-se a 600 ris por 15 kilos.
    Foram exportados at 10 lo corrente 60.00j
    tilos.
    TABELLA DAS ENTRADAS DE ASSUCAE E AL
    tolo
    Mez de Janeiro
    Entradas
    iarcacas .
    /apores. .
    \Qimais .
    Estrada de Ferro Central,
    dem de S. Francisco
    I iem do Limoeiro. .
    Somma
    AS8U-
    car
    Dias Saceos
    1 a 12 66281
    1 a 13
    1 a 13 4910
    1 a 12 iOOi
    1 a 10 30258
    1 a 11 13309
    119762
    Algo-
    do
    oaccas
    1814
    435
    674
    158
    127
    1724
    4932
    4*600
    3*5(0
    3*100
    2*900
    2*500
    A exportarlo at 10 do corrate consta de..
    13780 saceos e 52i barricas de assucar braneo,
    pesando 947.854 Kilos e 308.292 saceos e.. bar-
    cas de assu:ar maecavadu pesando 13.931.975 ki-
    los.
    Algodo
    Cota-se nominal a 10*300.
    At 7 do corren te foram exportadas 3171 saccas
    de algodo pesando 237.825 kilos.
    Borracha
    Cota-se nominal a 24*000 por 15 kilos.
    Caroeos de mamona
    Cota-se a 1*900 por 13 kilos.
    Coaros
    Seceos salgados na base de 15 kilos a 660 ris.
    Verdes nominal 360 ris.
    At 10 do corrente foram exportados 12874 ora-
    ros e 1.000 1,2 de sola.
    Ha grande procura.
    imporiaco
    Vapor nacional Una, entrado dos portos do
    norte em 12 do corrente, e consignado Cooipa-
    nhia Pernambucana, manifestou:
    103O0O A'godo 60 saceos a Amorim Irmos & C,
    143 a Gomes de Mattos Irmaos, 69 Compaabia
    Comprar de Estiva, 94 a Rodrigues Lima & U
    Cera 2 saceos a Manoel de Souza Franco, 26 a
    Souza Nogueira & C, 62 orden, 40 a Ciimora
    101*500 Gulmaraes & Sebriobo, 156 a Gomes de Mattos
    Irmos.
    01*500 Borracna 12 fardos a G.mes de Mattos Irmcs.
    Courinhos 1 fardo aos meamos.
    Couros 13 a Manoel de Souza Franco, 33 a
    102*000 Amorim Irmaos & C, 105 i Companbia d: Esti-
    va, 87 a Souza N igueira & C, 87 ordem, 66 a
    Gomes de Mattos Irmaos.
    Esleirs 18 volumes a Souza Agolar & C, 17
    a Joaqom Duarte SimOes.
    Chapeos 4 pacotes a Manoel de Souza Franco.
    L 8 saceos a J. A. Coulo Vianna, 12 a Gomes
    de Mattos Irmaos.
    Mercadorias 2 volumes ordem.
    Pelles 6 fardos a Keen Sulter & C, 16 a Son
    za Nogueira < C 16 a Levy & Delmiro, 10 a
    Abe Stetn & C, 35 a Rossbcb Brolberes d C-
    Rodas de ferro 4 a Cardoso & Irmaos.
    Sal 1 pacote ordem.
    Sola 22 rolos a Souza Nogueira & C
    Vassouras 4 fardos a Manoel de Souza Franco.
    Velas 6 caixas a Souza Aguiar & C, 7 a Ma-
    noel de Souza Franco, 16 a Almeida Michado
    & C.
    Vapor nacional Manos: eotrado dos portos
    do norte em 13 do corrente, e consignado a Pe
    reir Carneiro & C, manifestou:
    Barra 165 a Antonio Mar'ia da Silva.
    Pelles 15 fardos a Rossback Brotares & C.
    Velas 7 caixas a Almeida Macbado & C.
    Lugar inglez Clutha, entrado de Tem Nova
    em 12 do corrente, e consignado a B!a kou.-n
    Needbam & C, manifestou
    Bacalbao 3,000 barricas e 1,833 melai ditas
    ordem.
    Lugar inglez Rosina, ntralo de Tem Nova
    em 12 do corrente, e consignado a BlaiJcburn
    Needbam & C, manifestou.
    Bacalbao 2,155 barricas e 1,772 meias litas
    ordem.
    Me!
    Por pipa de 480 litros 60*000 ba falta no mer-
    ado-
    Alcool
    Por pipa de 480 litros de 115*C00.
    Kxooriaco
    ucm, 12 D> JAMIU0 Da 1892
    rara o exterior
    No vapor inglez Paraeuu, para Liverpool,
    carregaram :
    J. Pater de caroeos de algodo.
    No vapor inglez Edtctor, para Liverpool,
    I carregaram:
    M. Camioa & C, 677 kilos de oorracLa de
    maogabeira.
    R. Lima Se C, 30 saccas com 3,292 kil 8 de al
    godo e 15 ditos com t.050 kilos de cera vegetal.
    J. Fuerstenberg & C, 1,030 sac:os com 47,010
    kiloa de carogos de algodo.
    Noctli 8. Sugar F. Limitede, 912 saceos com
    54,720 kiloa de assucar mascavado.
    No vapor mglez Croon of Arangon, para
    Liverpool, carregaram :
    11 Burle & C, 1,000 saccas com 82,392 kilos
    de algodo
    Para o interior
    No vapo- nacional Mando, para Rio de
    Janeiro, carregaram :
    A. S. Couto & C, 20 pipas com 9,600 litros de
    agurdente.
    Dr. Jos Diniz. 1 caixS) com 30 kilos de doce.
    G. Bri.o, t saceos com 130 kilos de assucar
    branco.
    L. A. da Costa, 15,000 coco3, fiucta, e 2,000
    mangas idem
    J. C. Medeiros Vareda, 100 caixas com 3,600
    litros de oleo de mamona.
    i. G. Casco, 1 barrica com 75 kiloa de doce.
    C. Ferreira & C, 80 pipaa com 36,800 litro3
    de agurdente.
    L Lupes Dias, 13 caixas com 491 kilos dedocc.
    No vapor nacional Cmela, para Rio de
    Janeiro, carregaram :
    S. Guimares & C, 10 pipas com 4,600 litros
    de alcool e 40 ditas com 18,400 ditos de agur-
    dente.
    P. Ferreira &C, 50 pipas com 22,930 litros de
    agurdente.
    Para Pelotas, carregaram :
    P. Carneiro 4c C, 100 barricas com 10,310
    kilo? de assucar mascavado e 300 ditas com.
    51,510 ditos de dito branco.
    ParaPono-Alegre. carregaram :
    P. Carneiro & C 350 barricas com 23 050 kilos
    de assucar branco e 200 ditas com 21,010 ditos
    de dito mascavado.
    Para Rio Grande do Sul, carrecaram :
    P. Carneiro C, 100 barricas cem 10,410 Kilos
    d assucar branco.
    No vapor nacional Afaranhao, para Rio de
    Janeiro, carregou :
    D. F. Porto Bailar, 75 pipas com 34,875 litros
    de agurdente.
    Para Macei, carregou :
    J. M. da Costa, 5 barricas com 00 kilos de
    carvao animal.
    No vapor francez Parahyba, para Santos,
    carregou :
    D. F. Porto Baltar, 25 pipas com 11,625 litros
    de alcool.
    No vapor allemo Cutama, para Rio de Ja-
    neiro, carregaram :
    Borstelman & C, 200 saceos com 12,000 Kiloa
    de assucar branco e 200 ditos com 12.000 ditos
    de dito mascavado.
    No vapor nacional S. Francisco, para Ara-
    caty, carregaram :
    P. Alves ft C, 17 barricas cor. 1,395 kilos de
    assucar branco e 5 ditas com 291 ditos de dito
    refinado.
    No lugar inglez Mycawmu'y, para Maco,
    carregoo
    J. M. de Oliveira, 1,200 taceos com 31,500
    kilos de cal prela.
    No biate nacional D. Antonia, para Araca-
    ty, carregaram :
    P. Pinto & C, 81 barris com 3 390 litros de
    mel.
    Pauta da Alfandea
    SlICm DI 11 A 16 DE JANEIRO DI 182
    Dr. Bastos de Oliveira
    Medico operador eparteira
    Tem o seu consultorio ra do Marque
    de Olinda n. 1, 1." andar, onde pode se:
    procurado todos os dias atis de 1 s 3
    horas da tarde.
    Chamados qualquer hora, ra do
    Dr. Joaquim Nabuco n. 2 A. Capuega.
    Telephone n. 365.
    Oculista
    Dr. Barreto Sampaio, oculista,
    ex-chefe de clnica do Dr. do
    Wecker, de volta de sua via-
    gem Europa, d consultas de
    1 s 4 horas da tarde, no le
    andar da casa n. 51 ra do
    Barao da Victoria, excepto nos
    domingos e dias san tincados.
    Telephone 285.
    Residencia ra Seta de Setem-
    bro n. 34. Entrada pela ra da
    Saudade n. 26.
    Telephone 287.
    Dr. Silva Leal
    i- Medico occullsta
    Recentemente chegado da Europa e
    com pratica nos principaes hospitaes e c!i
    nicas de mieetiae de olhoe deParis. d con
    sultas todos os dias uteis das 11 s 3 ho
    ras da tarde em seu consultorio, rui
    Duque de Caxias n 73 Io andar, entrad;.
    pela Praca de 17, n. 73, (antigo Largo di
    ollegio).
    Residencia a ra BarSo de S, Bcrja t
    16. Telephone n. 507.
    Chamacos por escripto, cm sea cnsul
    rio, residencia, e na pharmacia larti.in
    EDITAES
    566
    Cera vegetal (*Uo)...... 5c6
    Canna (litro) ....... 220
    Cal (litro)........ 10
    30000
    r'annba de tcas'iioca (li'-oj r . eo
    Genebra (litro;...... 444
    Grasa (sebo)....... 483
    Jaborandy (em foliu kilo . 200
    Leite de mangabeira (kilo) . 1*466
    131
    Hilho(kilo...... 70
    Pboapnato ae cal da lina Ra-.a (tone-
    1U000
    Pelle de cabra (conc)..... I87OO0
    Pelle ae carneiro (cento) .... 145*000
    Sement de carnauba (arroba) 53
    3*830
    Sement de carrapateira (kilo) . 126
    633
    ratajuba (kiio)...... 40
    raboas du amarello em prancfcoei
    160*
    O Dr. Joo de S:queira Civalcaute, mjor
    hoaorario do exercito e jtiiz de D.reito
    especial de orphes Gus.a comarca de
    P. Lourenco, em virtude da le etc.
    Fago saber aos que o presente ediai
    de praca virem, ler.-m ou deile noticia ti
    verera, que com o prabo de vmte dia3 e
    a requeriment > de D. Pua da Silva Nu-
    nes, por si e como tutora de sena tihos
    everico Theodoroe Osear Pedro de Mel-
    lo e sua mulher D. L^ura Msria da Rosb
    Falcao, Mano Pjjs Earretto de Licer-
    d e sua muiher D. Bernarda Antonia da
    Silva Fragoso, D. Joaapha da Rocha Pal-
    c5o, Francicco de Paula da Rocha FalaSo,
    Francisco Licas de Arauj-j e sua mu'her
    D. Mara da Silva Fragoso e o maj .r
    Bernar.ino de Miran ;a e Aibuquerque,
    no di;i 27 de Janeiro do anno prox:mo,
    dep i da audiencia desee jaizo em fronte
    da ntenien.ia Municipal desta vil.a vai a
    oraya para ser arrematado a q isa mais
    der e maior lance ,ff-rec2r o arrenda-
    mento trimensal do engenaoOonatanti-
    codesta comarca de S. Loureojo sub as
    condic^oes de pagaro rendeiro annualmar-
    te um coato e quinheutos mi! reis,(l:5005)
    dar fiador idneo, conservar as obras e
    utensilios a sua custa, conservar as mi tas, e podendo dcssse utilisar para mis
    teres do engeaho, nao podando finalmente
    allegar direito algum digo allegar direito
    sobre as bemeitorias que fizer sem con
    sentimento dos consennores e approvagao
    deste juizo.
    E para constar mande- avrar o prstate
    edital para ser affixado no lugar mais pu
    blico desta villa.
    R> ndi^nfios pabiiee*
    MU II JANEIRO DB 18(2
    lfanitga
    navios sahidos no mesmo dia
    Porto Alegre, patacho nacional < Franca-
    lia i Cipitaj Amaro Jos Ramos, carga
    assecar.
    Rio de Janeiro e escala, vapor raslonal
    nManaos,i commandante Almeida, car-
    ga varios gneros.
    Liverpool, lug,.r inglez Glyaarood, ca-
    pitao O. Huger, em lastro.
    Valparaizo e escala, vapor inglez Brita-
    nia, commandante Brown, carga varios
    gneros.
    Baha, lugar inglez t Jlutha, capitSo O.
    Q. Joyce, carga bacalhau.
    Kf-rcauo Haolelpal de S.
    ot
    12 di
    Rinda geral
    0o dia 2 a 22
    dem de 13
    184 713*522
    35:165*516
    Renda do Estado
    Do da 2 a 11
    dem de 13
    3 :609/921
    4:759*79/
    220:879*338
    36:369*711
    Somma total
    257:249*019
    Segunda seceo da Alfandega de Pernambucr,
    13 de Janeiro de 1892.
    O thesoureiro,
    Florencio Domingues,
    O ebefe da seceo,
    Feliciano Placido Pontual.
    Kccebedorla do Estado de
    Pernambuco
    Do dia 2 a 9 100:062*793
    'dem ue 11 1^5*064
    101^097*857
    He cite Draloagt)
    Do Oa 2 a 9
    dem de 11
    Alcool (litro .....
    iigodaa em raa.a ikilo) .
    arroz com casca d.o)
    Assucar retinado (kilo) .
    Assucar branco (kili) .
    Assucar mascavado aiio) .
    Bagas de mamonas (kilo) .
    oorracba de leite maagab. (kilo)
    Cachaca........
    Jouros seceos espichados (kilo) .
    Gouro3 seceos salgados (kilo) .
    .iouroa verdes (kilo) ....
    Courinhos (um)......
    -arocos de algodo (kilo) .
    Jarrapateira (kilo) .
    Cacao (kilo)......
    Jefe bom (kilo).....
    Jal restolho (kilo)
    411
    620
    60
    285
    280
    188
    126
    1*466
    222
    636
    576
    315
    1*870
    30
    133
    400
    1*000
    800
    Caf moido (kilo)......1*200
    3:476*154
    22*6U
    3:59*0!6
    HoTlmeato do porto
    Natos entrados no dia 13
    Manaos e escala14 das, vapor
    nal tManos de 1999 toneladas,
    nacio-
    com-
    mandante Francisco Antonio de Almei-
    da, equipagem 60, carga vanos gene-
    ros a Pereira Carneiro & C.
    Havre e escala23 das vapor francez
    Parahyba de 1986 toneladas, com-
    mandante Vaisen, equipagem 40, carga
    varios gneros a Augusto Labille.
    New-York por Macei28 diai, vapor
    inglez Paraense de 1094 toneladas,
    commandants Cidcbotham, equipagem
    32, carga varios gneros a Johnston
    Pater d C.
    Liverpool e escala18 dias, vapor ingles
    Britaniai da 2173 toneladas, comman-
    dante Brown, equipagem 11, carga va-
    rios gneros a Wilsom Sona & C.
    O mjT.mtnlo deste mtreado no da
    Janeiro foi o seguinie : ntraram :
    39 bota pesando 6,492 kilos.
    299 ko8 de peixe a 20 ris 5980
    1 cargas com farioha a 200 rs. *200
    16 Qitas de fructasfdiversas a 300 rs. 4S0
    5 cargas com gal.nhas a 600 re. 3*000
    ca;sas com galinbas a 400 rs. *
    30 1/2 columnas a 600 rs. 18306
    8 sainos a 200 rs. 1*610
    36 taboleiros a 200 re. 7*200
    45 compartimentos com farioha a 500 22*300
    Sao Laurenco, 19 de Dezembro de
    1891.
    u Jos Francisco Telles de Mendonja
    escrivao o escrevi. Em tempo declaro
    ser requerida a referida praca em 7 dtt
    Abril deste anno e publicado o respectivo
    ediial em 21 de Agosto de deste mesmo
    anno. Eu Jos Francisco Telles de Mon-
    donga eacrivo o escrevi. Tinba duas
    estampilhas de 200 reis cada ama inut-
    tliaados cem a sejuicte assignatura. Joo
    de Siqueira Cavalcante. E nada mais se
    contiena no mencionado edital aqu por
    mim fielmente copiado do proprio original
    ao qual em resposta e dea f.
    Sao Lourec, 19 de Dezembro de
    1891.
    O escrivao,
    Jos Franc'tco lelles de- Mendonc.a
    O mdado Sebasti&o Manoel do Reg Bar-
    ros, juiz de paz da fregnezia da Boa-
    Vista em virtude da le ele
    Fax saber aos que este ed.tal de praya,
    com o pcazo de trota dias virem, que o
    official de j-ustif* que serve de pcrteiro
    dsste juizo hade trazer a publico pregSo
    de venda e arrematado a quem maia der,
    e maior lanco offarecer, em o da deze
    nove de Fevereiro s quatro hojas da
    tarde em a casa das audiencias deste
    juizo, ruado Visconde de Cmaragybe
    numero secenta e cinco o bem seguinte :
    Urna ca?a meia aj 5etembro numero n..ve, .'tiedindo nove
    metr^ s e dez centmetros de tundo e qaa-
    iromitrojd. frdnce, tendo urna pjrta
    com a competente rotula que d entrada
    para um pequeo chaguad- e deflte para
    a casa a qual temos commodos seguintes :
    Urna sais, dous qoartos e urna cosinha,
    externa, sendo avaliada em tete centos
    mil rea ; ignorando ae porm s o terre-
    no em que se acha edieaca a dita casa
    ou nao oreiro.
    V?e a praca por execugSo qie move
    Francsco Curioso da Silva Pinio, contra
    o rn jor Antonio Jos Dutrto o qual
    aoh se em [Bgar iacerto e nao sbido.
    E quem pretender a mesma casa e qui-
    zer lascar comparega ueste juizo no dia.
    cima aclarado.
    E para constar, ae lavra este edital e
    outro de igual iheor, que lerdo publico-
    dos pela impreasa e affixadj n > lugar do
    costme
    Dado e pasaado nesta treguezia da Boa-
    Vista aos dozu uiis do mez de Janeiro de
    mil oi'.o centos e noveDta e djU3. E en,
    Aatoaio Horacio da Silva, escrivao ute-
    rino o eherevi e su osen-veo.
    Stbasti&o Monoel da Reg Barros,
    Juiz de p.z.
    Bdital a. 76
    De ordem da Inspectora ae faz publico
    publico que, < 1L horas da manba de 23
    da crente serao vendidos em coasummo^
    porta desta repartigao os seguintes volu-
    mes.
    Armazem n. 23
    Marca EFSF. Urna caixa sem iu-
    mero, vinda de New Y irk a 7 de Jane ro
    do anno paasado, no vapor americano
    tVigilancia, contendo 4 kilos de Ierro
    batido simples.
    Marca ML&C. Um picote ?.* 1, viado
    de Hamburgo s 5 da Marco do acno pas
    sado, no vapor aliemao Be'grano^ aon-
    tendo amoatras sem valor.
    Marca VJ&Gq D no centri Um dito,
    dito, dem, idem, idem.
    Marca DC Urna barrica, sem numero
    vnda de Liverpool a 24 de Marjo do an-
    no, passado, no vapor inglez, Mariner
    contendo amostras de louca.
    Marca S. Urna caixa n. 191, vinda
    de Hamburgo a 27 de Ag sto de 1890
    no patacho allemao a Kobl contendo
    amostras de phosphoros iivre de direitos.
    Marca Nieber^ & C. Um pacote sem
    numero, vindo do Havre a 27 de Maio
    do anno paasado no vapor francez Para-
    hyba* conten'o amostras em retalhos,
    sem valor.
    3*. praca
    Marca DC&U. Cinco saceos vindos de
    Liverpool no vapor inglez iEd tor a 1
    de Se tem oro de 1890, contendo 360 k los
    de sementes nao especificadas.
    2. Seceo da Alfandega de Pernambuco,
    12 de Janeiro de 1892.
    O chefe,
    Feliciano Pontual.
    30 ditos descomidas a 500 rs. i 5*1 (0
    96 ditos de legumes e fazendas a
    400 rs. 38*400
    15 ditos de sumos a 700 rs. 10*500
    8 itos de fressaras a 600 rs. 4*800
    5 ditos de camares a 200 rs. 1*000
    44 talhos a 2* 88*000
    721*280
    Recdimentos de 1 a 11 2 582*560
    Presos do da :
    Carne verde de 28)
    2 803*840
    550 ris 0 kilo.
    Suinos de 640 a 800 ris idetr
    Carneiro de 640 a 800 ris temj
    Parinha da 320 a 400 ris a cuta.
    Milho de 300 a 320 ris idem
    Feiio de U a 14200 idem
    Vapores a entrar
    MEZ DE JANEIRO
    Sal.......... Alagos........... I.
    Norte........ Rio Formoso....... 14
    Norte........ Uaranhao......... 14
    Sul........ Mrquez de Caxtas 14
    Europ....... VUle de S. Nicolao.. 15
    Europa....... Mariner.......... 16
    Sul......----- Vigilancia......... 16
    Sul.......... Jacuhype.......... 16
    Europa....... Trent............. 16
    Not*........ Desterro........... 17
    Norte....... 0/ida............ 19
    Europa....... Pernambuco....... 19
    Norte....... Finance........... 20
    Europa..... atapan.......... 20
    Sul.......... Brozi............ 23
    Norte........ Pernambuco....... 26
    Norte........ Desterro.......... 29
    Norte....... S. Francisco....... 29
    Sol.......... aboatao.......... 30
    Sui......... Espirito Santo..... 31
    Va;;ores a sabir
    MSZ DE JANEIRO
    Sol......... Una.............. 14 as 5 h.
    Sul......... Maranhao......... 14 as 5 h.
    Sol......... Parahyba........14 as 3 b
    Sul......... Trent............. 16 as 2h
    Norte....... Brai............ 17 as 5 b.
    Sal......... Desterro.......... 17 as 5 h.
    Sul......... Olinda........'...19 as 5h
    Norte..... Braz......,...... 24 as 5h
    Sol......... Pernambuco....... 27 as 5h
    Norte....... Espvro Santo .... 31 as 5 b.
    Arrendamento de compar-
    timentos do nercado de
    S. Jos.
    EDITAL
    0 Concelho da Intendencia Municipal do Reci-
    fe faz pablico que, no dia 16 do corrente ao meio
    dia, no mercado de S Jos e com assistencia do
    Sr. presidente e dos commissarios de polica e
    mercados, ir em praca por preeo, o arrenda-
    mento por um anno dos compartimentos desti-
    nados a carne e a outros misteres, abi existen-
    tes, mediante Manca idnea, pagamento adiantz-
    do por semestre, e obrigago de entregar o erm-
    partimento pintado como o recebar, nopodeado
    am ; locador arrendar mais de 7 compartimen-
    tos para o mesmo fim, tegua lo o art. 12 do re-
    spectwo regulamenlo.
    Pago da inteodeacia Municipal de 'fcife, 13
    de Janeiro de (892
    Dr. Manoel Pinto Dmaso, presidente.
    Francisco Faustino de Britto.
    Joo Walfredo de Maderos.
    Albino Jos da Silva.
    Dr. Aogusio da Costa Games.
    Francisco Gargel do Amaral.
    Antonio Machado Gomes da Silva.
    Jf Xavier Carneiro de B. C'mpello.
    Dr. Joo Carlos Baltazar da Silveira.
    O secretario,
    Joaquim Jos Ferreira da R "ba.
    Recebedoria do Es-
    tado
    EDITAL N. 10
    O administrador da Recebedoria do Es-
    tado na forma das Instrucc^es de 27 de
    Jolho de 1883, convida as associas&es
    Commercial Beneficente, dos Artistas M-
    chameos e Libraes, Agrcola, dos Mer-
    cieiros e todas aquellas que ttverem exis-
    tencia legal e conhecida, para que se in-
    cumbam de proceder a distribuicSo das
    taxas de repartilo, ^estabelecidas na ta-
    bella do imposto de industrias e profissoes
    a que se refere o art. 2. 17 da Le n.
    f 3 de 10 de Dezembro ultimo de accordo
    com os Arte. 20, 21, 22 e 23 das mesmas
    InstruccSes ; devendo as mesmas associa-
    {3es remetter o trabalho, que fiaerem, a
    esta reparticSo no praso improrogavel de
    30 dias, a contar da data do presente edi-
    tal, sujeitande se em caso contrario
    deatribuicSea que foi feita por esta mesma
    vi
    r
    f

    i
    \
    i
    i.
    "i
    i

    T




    I
    Diario de Pernambuco Quinta-feira 14 de Janeiro de 1892

    .-
    *
    *

    r
    -
    i
    \\
    repartido na forma das Iludidas Initruc-
    c3 es.
    Recebed j;m i > Pera abaco,
    2 do Jaoeir. H.
    U __...sirtiivi.-.
    Luiz Cetario do Reg.
    DECLARARES____
    De ordem to IUm Sr. Dr. iuspec'.or inte
    rioo aette tbr.~cu o, e por terem sido apprcTa-
    da3 as arrejcatacOes dos pedagios das ba.yeiras
    de Giqui, Cuxang, MotoculomB e Jdbb-to.
    pela Exma. Jauta Gjve.-nativa do Estado, coa-
    vido os Srs. Eiedjoo Goocaives Ferreira da Luz,
    arrematante aas (re p-iraeiras.e Tneotcnio Joo
    da Cunna, a ultima, para mesa assigoa; os
    respectivos termos ce contrato oaseccSo do con-
    tencioso desta repa-ticio
    Secretaria do fbesoora rio Estado d Pe.nom-
    bLCO, 12 de Janeiro de 1892.
    Servio o de ^ecratario,
    J. A. da Silva GulmarSes.
    Secretaria da Sjci^uade Propagadora Ja
    I :.-t.-uecio Puolica. 3 de Janeiro da 1892.
    De ordem do dire:tor da escola doeosioo se
    cuoiano e normal para jeoborai a carno da Se
    cigale Propagadora da Instru-'co. faco s^ber a
    qu-'in Interessar pjssa, que se actiam abertal as
    maficulas para ambj; os cursos, en su casa
    sita ra d HJ3p'.'-io, das 6 ( i s 8 buras da
    iioute se totts* u) das, na co-.iurmidade do art.
    26 o uovo r g'iia iK-n'c.
    Oolroaim, Sed.rase !jie sao coadic5es exi-
    gidas para a mttriiuia :
    1 Saoer ler co.'reeumsole es^rever e fazer
    as 4 operacesde iateirjoque^most.'a pjr meio
    d-j attestado de approvagau em exa'ce as au a;
    publicas, ou perant- urna comnS&o de escoli.
    Ser de boas ostumes, pura o nae juntar
    a'.'.estado de pessoas idneas a juiso aoirector.
    3* Apreaeatar prova legal de ter 14 aoaos de
    idade.
    V Ser vaccinaJa ou ter tidj varioia-", nao s;f
    frer molestia contagio** e nao ter d"fe:to physi-
    cj que prejud.que a alinelo e regoaridale das
    aulas.
    Para a matricula di qaalquer crie posterior a
    1* oecassario jaotarci-ri3aj de appravacao as
    mate ias da serie anterior.
    O I- secretario,
    Percentino Saraiva de A. Galvo.
    A agencia da Cjiupa-iba -. Seguros Au-
    s:a':ra d" Hamburgo aesta c;da.'.<:, faz sciente
    que ten Jo sessado .=uss operac&ps de seguros
    des.ie odia i- deJ.ueiro nuado z.0 da 31 de D-zembro do me>mo anno
    o praso dj Ultimo contrato, tem que bouvtsse
    rechuma reclamago, pelo n.-eente decLra que
    desta data em diante dea completamente extinc
    a a referida aeencia
    Recife, i* de J. neiro de 189!.
    AO COMMEKCIO
    A Companhia de Servicos larinmos de Pernambuco, recentemente incorporada nesja ci
    dade, comeca a lur.ccionar neata daa, tendo sua sede no Caes da Companhia Peroambucaoa n. 3,
    oara onde poderao ser dirigidos todos os pedidos attinentes sos teus rio?.
    Para conhecmento de quem interessar possa, faz publicar a seguirte tabella :
    Recife, 1 de Janeiro de 1892.
    director-gerente.
    Alfredo de Araujo Santos.
    TABELLA
    Dos freles das embarcares entregadas na descarga
    navios no por lo de Pernamliuco
    HIPPODROMO
    GiMFOfRNOB
    carga dos
    AUarenga descob;rta
    Dita dobrada .
    Dita coberta .
    Dita dobrada.
    Assocar, sacco dj 75 ki
    los, Recife .
    Dito, dito de 75 utos di
    los, Cinco Ponas
    Dito, dito
    Recife .
    de CO ditos,
    i
    De ordem 00 IUm. Sr. Dr. inspector inte
    rio deste thesourc, e em virtude do re^IucSo
    da Exma. Junt 1 Governativa do Estado, de 7 do
    correte, sao de nova levadas praca do dia 21
    deste mez e perante a junta da fazeoda, reunida
    em sesso as arrematacoes do peclegio das bar
    reiras infra mencin; das, servindo de base para
    cada urna o valor ahaixo mencionarte, j felto o
    abat? de 10 Oo sobre o da primeira praca, m-
    ximo do determinado em dita resoluco :
    Taoacu' 1:444*500
    Paliares 1:O95600
    Morenos 1:342*800
    S. Joao l:712i70tt
    Coaesetro no Bonito 450*000
    Magdaleni 2:160*900
    Tmb. 945*900
    Ponte dos Carvaibos 286*200
    Tacaruna 1:291*500
    Tauquinbo 1:800*000
    Os senbores concurrentes se devero habilitar
    na forma do repulamenio em vigor perante a
    mesma junta.
    Secretaria do Thesouro do Estado de Pernam
    baco, 12 de Janeiro de 1892
    ServiQdo de secretario,
    J. A. da Silva Guimares.
    Dito, barrica, Recife
    Dito, meia dita
    Dito, quarto de dila
    AlgoJo, sacco
    Dito., fardo e dem de
    trapos .
    Arroz, sacco .
    Breu. barrica.
    H,calbo. dita.
    D.'o, meia dita
    Caldeiras, tonelada.
    Cemento, barrica .
    Dito, meia barrica.
    Dito, quarto de'dita
    Ca'vao, tonelada .
    Coke e ferreiro, tonelada.
    Couros secos
    Recife .
    e verdrs,
    103
    200
    80
    180
    Ion
    80
    200
    no
    140
    100
    Sm
    servante
    401000
    80(000
    SO 1000
    100 J0O-'
    Lamar-.
    Ditos idem dem, Ca
    bauga .
    Cantara ou lagedo, to-
    nelada .
    Dormeotes ou sulipas.
    urna .
    60
    ICO
    90
    180
    70
    160
    10
    70
    IgO
    440
    140
    30)
    120
    80
    300
    2501
    140
    80
    i 000
    2 OOO
    50
    90
    2*000
    70
    I60J00
    320*0t):.
    600
    70
    sos
    800
    300
    300
    1* 00
    uoos
    800
    800
    400
    300
    10*00o
    800
    500
    300
    5*000
    6 000
    18t
    250
    6*000
    Farinha de madioca,
    sac.-o
    )iia de trujo, sacco 90
    kilos ....
    Dita dita barrica.
    Dita doa, meia dita .
    Peno, fardo -
    Ferro, trilbos e taman
    eos, tonel*-da
    Fogo da China, caixa.
    Farello, sieco
    Kerosene, "aixa .
    Lastro de pedra,;custo e
    frete no Ancora louro.
    Dito de dita, dito e ditaj
    na Franqua
    Dito de areia da excava
    cj, do Ancoradoura.
    Dito idem idem, Pras-
    quia ....
    Dito de croa, Ancora
    douro ....
    1) ta cila. Franqua
    Dito do naviu para tr-
    ra, Aocoratlouro, to-
    nelada.
    )i o nfi idem. Fian
    quia ....
    Ueio de sola,
    tiachinismos, taxas e
    moendas
    Madeira de pinho.cad,
    1.000 ps qnadrados.
    Osso3, tonelada .
    Plvora, barril de 25
    bras ...
    ?ipa, no Recife .
    ita, em Cmico Ponas.
    Sebo on graixa, barril.
    250[Xarque, fardo
    15
    160
    40
    110
    140
    70
    800
    2*000
    100
    70
    100
    3*000
    4*000
    1*000
    1*200
    1*50.1
    2*000
    1*500
    1*500
    20,
    B
    2
    400
    700
    600
    300
    3*ooe
    85000
    aso
    500
    350

    afilia'
    a
    100
    i\o dia
    QUE SE REALIZARA'
    7 de Janeiro de 1892
    Xomea
    e
    a
    e
    I'ellua
    Xa 1 ara-
    lid.
    Cor da vesti-
    menta
    l'rop rielarlo m
    1. Pareo -Concluio-800 metros.Cavallos de Pemambuca que nao tenbam ganho nos pra-
    dos do Recife at 9 do crreme, salvo a corr-la Je 8 de Fevereiro de 1891 e eguas do Es-
    tado. Premios 200*000 ao Io, 40*000 ao 2o e 20*000 ao 3.
    9)0
    1*600
    3*000! 10*000
    3*000
    3*000!
    250
    800
    1*500
    200
    100
    10*000
    430
    2*000
    3*000
    600
    500
    A .itiuta municipal governativa
    da cidade de O!inda e sea
    termo etc.
    Faz constar a quem interessar possr que
    estarj em hasta publica nos das 6, 13 e
    20 de Janeiro viudouro, para seren arre-
    matados pelo tempo de ana anno por quem
    mais offerecer, os impostos seguiatea :
    Capim de planta sob a base de 200;),
    40 reis por p de coqueiro de produego
    exc ptuados 20 ps para uso de pp prieta-
    rio, por "98S;500 reis por cabezada gado
    vacuna por 6408, 200 res por cabeca de
    gado sumo, ovelhum e cabrum por 178(5,
    40 reis por metro de rede de pesca, e
    costa por 800 ; imposto de (JOCO por tor-
    no de queimar cal por 90(5.
    Oa pretendentea podem comparecer nos
    Bcados diaa habilitados na forma da lei.
    Em firmeza do que se affixou o pre-
    se .te nos lugares mais pblicos deata ci-
    dade e publicar pela imprensa.
    Paco municipal de Olinda, 30 de De-
    rembro de 1891.
    Eu Jos Marcolino da Fonseca Mangui-
    aho, secretario o escrevi.
    J. Ferreira de Almeida Guimaraes.
    Presidente.
    Qualifica^au de estrangeiro
    O presidente da Intendencia Municipal
    do Recife faz publiso que, dispondo o ar
    tigo 92 da Constituido Poltica deste Es-
    tado que sarao elestorea do conselho mu-
    nicipal, alm dos cidadaos alistados como
    eleitores polticos, os estrangeiros que ti-
    verem domicilio no municipio, desde pelo
    menos tres annos e contribuirem com aa
    taxas municipaes, sao pelo presente con vi
    dados os que, se achando n'este caso qui-
    eerem usar de seu direito, sem perda de
    sja nacionalidade, a requererem titulo
    dentro de trinta dias, contados da presen-
    te data declarando na peticao seu nome,
    fiacSo, idde, estado e domicilio, e tra-
    zendo provado o tsmpo de [residencia no
    municipio, segundo o artigo supra.
    Pago da Intendencia Municipal do Re-
    cife, 11 de Janeiro de 1892.
    Dr. Manoel Pinto Dmaso.
    Presidente
    Joaquim Jos Ferreira da RocAa.
    Companhia Recifense
    de Panificacao
    Esta empreza, tendo recebido parte de sens
    aDnare!b03 que principiars brevemente a fonc-
    cionar, e feto acquisicao de 16 padanas torna-se
    i jsufficiente as soas operagOes o capital realisa-
    3 como ser detalbadameote demonstrado no
    p-xitso relatorio, por es), sao convidados os
    Srs accionistas a entrar mais com 10 "i. soDre o
    valor de soas accOes no prazo de 30 das da pre-
    sante data, e oatros 10 |0 30 dias depols.
    aecife,31 de Dezembro de 1891.
    O secretario,
    Joaquim M. G, Rosas.
    Companhia
    Fabrica de Yidros de Perasm-
    Condces
    i. As embarcages tero i horas para carregar em trra e descarregar a bordo e para
    carregar a bordo e descarregar em trra, sendj que para a descarga ie ferro e macbioismos tero
    6 dias (exceptuando sempre os dominaos e dias santificados) e excedeudo a esse tempo veocero
    diariamente mais metade do frete. '
    2' As alvareogas que tiverem de seguir para ponto fora dos estipulados pela Alfandeea,
    (isto entre o trapicha Rarbosa e o deposito oe gaz no bairro do Recife, e do caes do Ramos ao
    caes 22 de Novembro no bairro de Santo Antonio) Beato com direito a novo frete o qual sera
    obrigados a pagar os donos das mercadirias.
    3.' Asalvarengas sero pedidas porescripto.
    4. A Companhia de Servicos Martimos ae Pernambu:o nao s?. responsabilisa por faltas
    extravos ou avarias que se derem, quer na cargaquer na descargadas mercadorias.
    5 O servijo da plvora sera feto at onde as embarcag6is puderem chegar e qualquer
    baldeaco ser por conta da fazenda.
    6.' As descargas das alvareogas a bordo dos vapores nacionaes serao fetas conforme o
    ajuste particular podendo seus donos mandar fazer o servico por quem Ibes convier.
    7. A condueco das alvareogas na descarga ou carga ser feita por conta da fazenda ou
    navio.
    8.* Cada encerado perceber o alnguel de 1*000 diarios cas descargas.
    9 O servico com serventes si ser feto as alv^rengas de embarque e nao de descarga.
    10.' Vapores, navios consignaarios e agentes dos mesmoa sao responsaveis pela amarra-
    gao e seguranca das alvarengas emquanto estiverem no costado dos navios, on emquanto estive-
    rem sob a guarda das tripolac6es ou oatros por si ompregados para vigiarem pela seguranga das
    mesmas.____________________________________________________________
    BlCO DA BOLSA
    Capital Reis 1,500:000^000
    Dividido em 15,000 accoes de 100:000 caJa urna
    RA DO VIGARXO N- 2
    (Esquina do largo do Corpo Santo)
    Edificio da. Junta Commercial
    Hoia da Bolsa
    DE 1 A 2 DA TARDE
    Compra e vende ttulos e;m cotagao.
    Liquida operares por costa de terceiro ou a prazo*
    Faculta capitaes para conip-a e venda a dinheiro ou a prazo de quaesquer
    italoa cotados na Bolsa.
    Iategralisa convindo cap raes de Bancos e companhias reconhecida utidade.
    Fas transferencia de operaeoes realisadas na Bolsa a prazo.
    Auxilia liquidacao de report e Delcredere.
    Realisa opeacSes bancariaa relativas a sua natureza.
    Encarreg-se de incorporales de Empresas.
    Levanta-se apreatimos.
    Compra e vende metae..
    Encarrega-se da compra e venda de assucar, algodao, etc. etc.
    20 de MarSo de 181.
    O director gerente,
    P. J. Pinto.
    nem ter defeitos physicos qne oa privem
    de bem exercer o magisterio ;
    V. HabilitacSo as materias professa-
    d s nos tres graos do ensino primario ou
    nos do exame que tiver feito na escola;
    VI Vaccina recente ou re-vaccinacSo.
    Para a do 2. e 3. anne :
    Approvacao em todas as materias ensi-
    nadas no anno anterior.
    Outro sim, Cago publico qm o mesmo
    Sr. Dr. director tem designado odia 25 do
    corrente, s 10 horas da manha, para ter
    comeco o exame de habilitacao de que
    trata o art. 27 do regulamento vigente,
    Secretaria da Escola Normal do Recife.
    7 de Janeiro de 1892.
    O secretario. F. Fragoso.
    Baes 4o Brasil
    Paga se o 76 dividendo das acjSea in
    tegralisadaa e o 5o das que realiaarem cin-
    cuenta por cento, correspondente ao se
    gundo semestre do exercicio rindo em 31
    de Dezembro na razao de vinte mil reis
    as primeiras e dez mil reis aa segundas.
    No escriptori^ de Pereira Carneiro &
    C, ra do Commercio
    andar.
    Singapore...
    Arcnivou....
    Regedor.....
    Tupy 2.....
    Pequeo.....
    invicta......
    Velocipede..
    BFanna.
    Gllete.
    Yusulf.
    Rodao____
    Castanho------
    .
    Alazo.....
    Castanho ...
    Kussa......
    Castanho
    Castanha
    Rodado......
    Rozi!ho fov..
    Peroamb.. 51
    51
    51
    51
    i 51
    m 49
    51
    49
    53
    * 51
    Azul e encarnado....
    Azul e branco........
    Encarnado e branco..
    Encarnado..........
    Azul e uuro.........
    Encrnalo...........
    Azul e branco........
    Ene, preto e branco..
    Azul e encaraado
    P. C. R.
    Silva S RibMro.
    J. F.
    F. C. R.
    F. A. B. Cavalcante.
    F. Moraes.
    J. F. B. Cavalcante.
    M. P. A.
    M. R.
    C. A. B.
    ParesAolmarao-850 metros-Animaes de Pernatbuco
    ltimos 4 mezea o Prado e Derby. P.-emios : 200000 ao i,
    que nao teobam ganho n'este s
    4U000 a o 2* e 20<000 ao 3*
    i,Vermouth.
    2 Colosso.
    3
    i
    Potos.
    Talispher...
    Vingador...
    Turco %"...
    Colector. ..
    Ally-Stoper
    Pau-Brazil..
    Tordilho.....
    Alazo......
    Castanho
    Rolado......
    Alazo..
    Russo...
    Rodado.
    Rozilho
    Pernamb..
    o(
    51
    53
    53
    51
    53
    51
    51
    51
    I Azul e encaraado
    Pretoebonetencar..
    Branco, ene e preto...
    Eac. e bonet preto..
    Grenat eazul.........
    ICorpo br. e mang. pr.
    Azul, branco e eocar.
    A. M. A.
    Ooui. Republicana.
    Silva & Ribeiro.
    Coua. Recife.
    Cond. 1" de Juoho.
    J. F. de Moura.
    J. J. dos Santos Jnior.
    Coud. Rosarinho.
    X. A. B.
    3. PareoHll oltoeentos e noveata e dous1000 metros.Cavallos de Pernambuco.
    que nao teobam ganbo em distancia superior a 1050 metros nos prados do Recife e eguas
    do Estado. Premios : 200000 ao L, 40*000 ao 2. e 2000'J ao 3."
    Banco da Bolsa
    Tendo este Banco procedido a incorpo-
    rado da Companhia de Servicos Mar.ti-
    mos de Pernambuco e sendo os concur-
    rentes que mais vantagens offereceu ao
    novo contracto de illuminacSo publica des-
    ta cidade para a qual tornase neceseario
    fazer adantamento como aeja o do ciepo
    sito do valor da avaliacSo da en preza do
    gaz para o qne nao bastante a primei
    ra entrada dos accionistas do mesmo ban-
    co, previne se aos Srs. accionistas deste
    banco qne aSo convidados a fazer a se
    gunda entrada de 10 |0 de sui s acjoes
    at o dia 15 de Janeiro do anno que vem
    e a terceira entrada tambem de 10 r0 30
    das depois como determina o art. 4o des
    estatutos.
    Recife, 23 de Dezembro de 1891.
    O director gerente,
    P. J. Pinto.
    Vivaz......
    Potos.....
    GerfanL...
    iLucifer.....
    5 Ha.........
    61-Maranguape.
    Castanho
    Zaino...
    Rodado.
    Alazo..
    Peroamb.. 57
    a 57
    c 55
    53
    00
    57
    Violeta e ouro......
    zul e branco.....
    Azul e encarnado-..
    Verdee amarello...
    Preto e rora.......
    F. R. Ramos.
    Silva & Ribeiro.
    Coud. Aurora.
    A. Ucba.
    Coud. Ida e Volta.
    B. B. F. Filho.
    i.'
    PareoCoragrem1100 metros.Animaes pungas, e de Pernambuco, pdenlo entrar pe
    Indos, que nao teobam ganho em 1891 nos prados do Recife. Premios : 300*000 ao 1*,
    60*000 ao 2* e 25*000 ao 3.
    5 Pernamb.. 56 Encarnado e branco..
    2 Tenebrosa .. 0 < 5i Azul e branco.......
    3jFaceira..... S 54 Azul e encarnado ...
    5 S. Paulo... 54
    J. F. de Albuqoerque.
    I. R. M.
    Coud. Cruzeiro.
    A: C. Albubuerque.
    Pa.-eciguaidatie de uandcai>-lO) metros Antmes de Pernambuco. Premios
    300*000 ao 1.a, 80*000 ao i.' a 25*000 ao 3.*.
    Monro.......
    Sans-Souci...
    Collosso.....
    Ida..........
    Talispher....
    yclone.....
    Maurity.....
    Pyi llampo...
    Flautista....
    Alazo..
    Baio
    Rodado.
    Castanho,
    1 ur inno.
    Castanho.
    Pernamb.. 52
    56
    a 50
    c 48
    56
    50
    58
    56
    50
    Azul e ouro........
    Ouro e branco......
    Preto e bonet ene ...
    Preto e rosa........
    Encar. e bonet preto.
    Encarnado..........
    Grenat eazul........
    Azul, branco e ene
    Coud. Monriscana.
    V. L. de Mattos.
    Coud. Republicana.
    Coud. Ida e Volta.
    Joud. Recife.
    Coud. Fragoso.
    A. A. F. Taques*
    i. E. Ferreira.
    X. A. Babia.
    6.* ParcoExtra850 metrosAnimaes de Pernambuco que nao teobam ganbe em distancia
    superior a 1.000 metros nos prados do Recite. Premios : 200*000 ao i-, 40*000 ao 2
    e 20*000 ao 3.*
    Gala......
    Tndo....
    Vermoutn.
    Uilzador.
    Pbariseu..
    Tbisbe.. .
    Cyclone. .
    Flautista. -
    Vingador.
    Paticboly..
    Hercules...
    Alazo.....
    Mellado.....
    Tordilho-----
    ''achilo.. ..
    Castanho ..
    Pedrez.....
    Rodaao ....
    Castanho .
    Rodado
    Russo.....
    Rodado......
    Pernamb..

    51
    53
    51
    51
    53
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    Azul e ouro em listra.
    Eac. verde e amarello.
    Azul eencarnado.....
    Encarnado e aml.....
    Azul e encarnado ...
    Encarnado..........
    Azule branco........
    Encarnado. .........
    Branco e azul........
    Verde e-encarnado...
    Luiz Drumm.ind.
    Luiz Drummond-
    A. H. A.
    S. A. dos Anjos.
    R. Costa.
    J. M de Abren.
    Coud. Fragozo.
    X. A. Babia.
    Coud. 1. de Junno.
    D. S.
    H. P.
    7 Pareo11 de Janeiro-8#C metros.Cavallos de Pernambuco que nao teobam ganho
    nos Prados do Recife. Premios : 200*000 ao 1., 40*000 ao 2 e 20*000 ao 3..
    ArchivDU- ..
    Vaga-lume .
    Vigilante ...
    nt.........
    Camponez..
    Presidente..
    Regedor....
    A meneo. ..
    Pequeo.
    Thimes
    Vdocidade .
    Yusulf.....
    Rio Grande-
    Castanho .
    Mellado......
    Castanho ...
    Alazo....
    Baio......
    Castanho-----
    Alazo.....
    Castanno
    Russo.......
    Castanln
    Roziibo fov..
    Rodado Ped.
    Pernamb.
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    51
    [Azul e branco........
    jBranco e encarnado..
    Azul eeucarnado-----
    Ouroe branco.......
    A ul, ene. e branco. -
    Azule ouro..........
    Encarnado...........
    Grenat e azul.......
    Encarnado..........
    Azul e encarnado. .
    Branco e encarnado.
    l3ilva & Ribeiro.
    Coud. Arraial.
    M. L. M.
    J. L. de Mattos.
    Coud. Cruzeiro.
    J. F.
    Coud. Ida e Volta.
    *. B. Cavalcanti.
    J. F. de Moura.
    J, F. B. Cavalcanti.
    G. A B.
    A.P. M. F.
    8. Pareo Velocldade1400 metrosAnimaes nacionaes.
    ao 2. e 25*000 ao 3-''
    Premios : 300*000 ao >., 80*000
    Aaaembla (eral
    Em observancia ao art. 17 dos estatutos, con-
    vido aos senhore accionistas a reunirem se em
    sssembla geral ordinaria no dia 27 do corrente,
    s 11 horas da manha, no escriptorio da comp3-
    nbia, ra da Aurora n. 157.
    Aatonio Mnervino de Monra S):rjg,
    Director secretario.
    Escola Normal do
    Recife
    De ordem do Sr. Dr. dir&jtor desta
    escola scientineo a quem interessar qne de
    15 do corrento at 3 de Feverero prxi-
    mo, estarlo abertas as matr culas as
    aulsa dos tres ancos do curso ; a que de
    accordo com o art. 26 do Reglamento
    de 27 de Dezembro de 188" a aero
    ellas facultadas aos individuos que prova-
    rem:
    Para a do 1. anno :
    I. Idade maior de 18 annos, aa tbrem
    do sexo masculino e de 16 sendo do sexo
    feminino;
    II. Iaencao de calpa que motive & per
    da da cadeira de profesaor publ co;
    ni. Ser de bons costumes ;
    IV. Nao soffrer molestias contagiosas,
    11Torpedo... .
    2G 11 Ira.....
    3|Tberesopolis
    4;Granadj------
    S -tlJ--.....
    6'. Favorita------
    Castanho.
    Alaz&o...
    Castanho.
    Pampo...
    TuMllDO..
    Zaino------
    S. Paulo.-

    Paran-----
    S. Paulo..
    58
    54
    52
    52
    E6
    52
    Azul, ene. e branco.-
    Ouro e preto.........
    Coud. Cruzeiro.
    Coud. Frate rniade.
    A. Marques-
    Branco,azul e ene... Coud. Fraernidade
    Aiul e branco.......1 '. Cavalcanti.
    A. Albuquerque.
    n. 6, primeiro
    Sania Casa da Misericordia do
    Recife
    Por esta secretaria sao convidadas as amas en-
    carregadas da criaco dos expostos, para que
    vecham. acompanbadas dos mesmos, no dia 14
    do corrente, pelas 8 horas da manb, no salo
    do respectivo estabelecimento, aflm de recebe-
    rem a mensalidade relativa ao tempo decorrido
    de Seembro Dezembro ultimo.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
    Recife, 7 de Janeiro de 1892.
    O escrivao.
    Pedro Rodrigues de Souza.
    OBSERVACOES
    Os animaes inscriptos para o primeiro pareo deverao achar-se no ensilhamento
    a 9 1/2 horas da manha.
    Oaforfas serab recebidos at sabbado, 16 do corrente, s 3 horas da tarde, n*
    Secretaria do Hippodromo.
    O horario que na occaBiao for obaervado para eacerramento de venda de poules
    ser restrictamente cumprido.
    Secretara do Hippodromo do Campo Grande, 13 de Jaceiro de 1892.
    O secretario,
    Augusto G. da Silva.
    Banco popular
    Assembla geral
    Em observancia ao ait. 25 dos estatutos, con-
    vido aos senhores accionistas a reunirem-se em
    assembla geral ordinaria no dls 28 do corrente,
    As 11 boras damanb, na Associaco Ccmmer-
    cial Benecentj, aflm de tomarem coobecimento
    do relatorio. parecer riscal e contas do anno An-
    do, e proceder-se a eleico da commiss) fiscal.
    Recife. U de Janeiro de 1892.
    Albino N. Maia,
    Director secretario.
    Santo .4 maro das Salinas
    FESTA DO PADROEIRO
    A mesa regedora da irmandade do Glorioso
    Santo Amaro das Salinas manda rezar urna missa
    em sua igreja, sexta f ira 15 do corrente. diado
    seu glorioso padroeiro, s 7 horas da manb, e
    para assistil a convido a todos os nosses caris-
    simos irmoi; bem assim, aproveito a occasio
    dar scientificar aos fiis devotos que a igreja
    se conservar aberta at 8 hora3 da noite, vi-
    sita dos que quizerem faxer suas romarias. Ou-
    trosim, ni) podendo ter lagar no dia 17 a festa
    do mesmo padroeiro, visto nao se ter arrecadado
    ainda todas as esmolas, flea a mesma adiada
    para o flm deste corrente mez ; pelo que rogo a
    ludas as pessoas a quem se remelteu cartas o
    favor de promptiflearem as suas esmolas que
    brevemente serio procuradas, evitando assim
    novo adiamento.
    Consistorio, 12 de Janeiro de 1892.
    Hettrique Magalhaes da Silva,
    Escribi.____________
    Banco popular
    Scientilico aos senbores accionistas, que em
    observancia ao art. 147 do reglamento de 4 de
    Julho de 1891 acbam-se a disposico dos mesmos
    Da sede social, a copia do balanco, lista nomina-
    tiva dos accionistas e de transferencias..
    Recife, 11 de Janeiro de 1892.
    Albino N Maia,
    Director secretarlo.
    Thesouro do Estado de
    Pernambuco
    De ordem do IUm. Sr. Dr. iaspecor dste
    thesouro faco publico que no dia 14 do corrente
    mez paga-se a classe de proressores de 1 eB-
    trancia, com relajo acs seos vencimentos de
    mez de Dezemoro ultimo, e as prjfassoras de 3
    ent-ancia.
    Pagadoria do Thesouro do Estado de Per-
    lambuco, 13 de Jansiro de 1892.
    O escrivo,
    ________________________Alfredo Gibson.______
    Companhia
    DE
    Tecidos Paulista
    Os senhores accionistas sao convidados a rea-
    lizar a terceira entrada do capital a razo de 20
    0/0 at o dia 8 de Fevereiro prximo fatnro das
    ti h ras do da s 2 da tarde, ra do Boca Je-
    ss n. 1. primelo terreo
    Re;ife, 7 de Janeiro de 1692.
    J. A. Saraiva Jnior,
    Drector secretario.
    Proposta
    A Companhia Pernarcbucana de Navegaco
    chama concurr.-.ntes ao servico da remocho da
    c-.sco do vapor Conde d'Eu, na praia de Santa
    Rita.
    Os proponentes devero spresentar suas pro-
    postas em carta fecaada, no eteriptorio da com-
    paul.ia, at o dia 23 uo corrente, 1 hora da
    tarde.
    Recite, 13 de Jaceiro de 1892.
    Antonio Ulysses de Carvf lho.
    Gerente
    A New York Life Irisaran-
    ce Company
    Avisa aos possuidores de apolices que o Ban-
    co de Pernambuco recebs os prem.os vencidos
    en Janeiro e adianto.
    Hippodroino do Cam-
    po Grande
    Assembla geral ext aordinaria
    1. CONVOGAglO
    A directora convida os rs. accionistas
    para reunirem se em assembla geral ex-
    traordinaria, no dia 15 do mez corrente,
    as 6 horas da tarde, a ra do Imperador
    n. 55, afina de deliberarem sebre corridas.
    Secretaria do Hippodromo do Campo
    Grande, 6 de Janeiro de 1892.
    O secretario,
    Augusto G. da Silva.
    Thesouraria de Fa-
    zenda
    De ordem do IUm. Sr. D" inspector desta re-
    partico e de acco'do com 3 circular n. 65 de 7
    de Novembro prximo passado, faco publico que
    dentro do praso de seis mezes, coatados da data
    da mencionada circular, proceder se ha nesta
    thesouraria a cobranca amigavel dos impostos e
    rendas lancaios e anda nao inscriptos como
    divida activa para seren afectos aosjuizesde
    seceo e relativos a exercicios anteriores defi-
    nitiva organisaco dos Estados da Unio.
    Thesouraria ue Fazenda do Estado de Pernam-
    buco, 12 de Janeiro de 1892.
    O secretario,
    ____________ J- Gome3 da Silva. _
    Nfc Secretarla da Santa Casa *e m
    erlcordla alngant e o* aeguintes
    predios i
    Ra do Encantamento, loja n. 11 30000
    Ra do Amorim, armazem n. 26 104000
    dem idem n. 64 30*000
    Ra do Burgos n. 19__________________12*000
    tmpattljta fce &t$wcoe
    SESTBA TO&O
    Northern
    de Londres e Aberdeen
    -'osifo finance'ra
    Capital aubscripto 3.780,000
    Fundos accnmulados 3.000,000
    .celia annual :
    De premios contra fogo
    De premios sobre vidas
    De uros
    626,000
    208,000
    155,000
    Boxwell Williams & C.
    Companhia \orth Britisb
    Mercantil e Insnrance
    pital subscripto t 3.000,000 0* O*
    Ca dos accumulados 9.752,443 18 5
    Fun ====.==
    RECKITA ANNUAL
    premios contra
    D: f.go.......1.495,818 6 10
    premios sobre
    Devidas...... 992.379 6 1
    t 2.488,197 12a 11*
    N. B.A re par t cao de fondos accumula-
    dos sobre seguros contra fogo, nao se res-
    ponsabilisa pelas transaccOes feitas pela a
    de seguro sobre vidas.
    Agente em Pernambuco,
    N. J Lidstone.
    N. 10 ra do Commercio.
    THE IMPERIAL 1NSURXNCE COMPANY LIMITED
    Estabelecido 1803
    CAPITAL. f ,900,000
    (la. s i.oootooo^onoi
    SEGURA SDIFICIOS E MEBCADORIAS
    Cootra o fogo
    TAXAS BAIXAS
    Prompto pagamento de prejulzo
    SEM DESCONT
    AGENTES
    BROWNS & C.
    SEGURO CONTRA FOGO
    Royal Insurance Company
    de Liverpool
    CAPITAL 9.000:000
    R. Drusina & C.
    ul-K HarqnezdOlind 9-1
    INDlVIlVISAl>O^A
    Companhia de Segaros
    MARTIMOS E TJrJi^RESTRES
    Bstafeeleeldaem 18KK
    Istado flnaneelrn em 91 de l>
    zembro de 1889.
    Capital 1,000:000^000
    Fundo de reserva 110:3761000
    Sioistros pago 1,776:683*000
    44Ra co Commercio44
    w
    '


    6
    HHMHH



    Diario de Pernambuco Quinta-feira 14 de Janeiro de 1892
    k
    SEGKOS
    MARTIMOS contra fogo
    companhia PhenJ i Per*
    nambucana
    RA DO COMMKRGIO N.4
    Gompanhia de segaros
    Jielia* Miguel Jos Al ves
    <. fbd do Bum Jmbi". f
    SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
    Nestes ltimos seguros e a unlcr companhi
    nesta praca que concede aos Srs. seguados semp
    cSo de pagamento de premio em cada setimc
    uno, o que equivale ao descont a anual de car
    a de 18 por cento em favor dos segurados



    I SEGUROS
    CONTRA FOGO
    The Liverpool A London k Glob*
    ETSURANGE GOMPAITY
    ucsnu, imiLi & c.
    , Roa do Bom Jess, n. 16
    London & Brasiiian Bank
    Limited
    Ra do Commercio n. 32
    Sacca por todos os vapores sobre as aj-
    eas do mesmo banco em Portugal sende
    m Lisboa ra dos Capellistas n. 75. Nt
    Porto, ra dos luglezes.
    MARTIMOS


    -



    >H


    Para Rio de Janeiro
    Tendo j engajada a maior parte do seu car-
    regamecto, para abi segu, dentro de poneos
    das, o patacno nacional Amula ; para o resto
    trata-se cem Artbur B. Dallas, ou com o respec
    tivo proprietario, ra do Commercio n. 4, ar-
    ML
    Companhia Ptrnamlincau de
    Esta ccmpanhia mautem as segaintes linhai
    regulares de navegago:
    *trt, tocando nos portos da Parahyba, Natal
    k___.3, Mossur, Aracaty e Fortaleza, partinde
    teste porto um paquete a 11 e 26 de cada mex.
    Sut, com escala pelos portos de Macei, Pene
    4o, Aracaj, Estancia e Babia, sabindo dest
    porto a 14 e 29 de cada mez.
    Fernando de Noronha, partida no meiado d<
    nez.
    Re Formoso e Tamandar, sabida a 28.
    Rio de Janeiro, (directamente) parte o paquett
    te 25 a 30 do mez.
    Rio Gratule do Sul, (viagem directa) sabe di
    IB a 20 do mez.
    Tjdos os paquetes sao novos, tem excellentei
    tecommodages para passageiros e para carga
    d os precos sao muito reduzidos.
    Os passageiro3 encontrara, apar do bom tra
    lamento, todo o conforto desejavel a bordo
    om paquete.
    Os paquetes que tazem as 7iageas ao Rio dt
    Ivieiro, alfc- de terem todo o que se enecntn
    nos paquetes modernos, accresce que faz a va
    eem em quatre das e o prego de passagem
    da 1.* classe 60*000.
    O paquete empregado na viagem para o Rii
    Grande do Sul e smente para carga, e tem i
    calado adequado a entrar no porto daqaello Es
    udo em quaiquer occasio.
    Recebe se engajamento de carga por quanti
    de lixa para todas as viagens.
    Outrosim, a companbia expedir paquetes ez
    ordinarios desde que baja carga para o enga
    ment completo de um paquete.
    Escn crio, da Companbia Pernambucan
    n 2t_________________________________
    Gompanhia Pernambncana de Na-
    vegado
    PORTOS DO SUL
    Macei, Penedo, Araqja e Babia
    ) paquete Una
    Commandante Pereira
    Segu no da 14 do cor-
    rente as 4 boras da tarde
    para os portos cima indi-
    cados.
    Recebe carga, encommendas, passagens e di
    nheiro frete at s 2 horas da tarde do da da
    partida-
    ESCRIPTORIO
    Ao Caes da Companhia Pernambucana
    ________________n. 12_____________
    Lloyd Brasileiro
    ttecco de navegacSo
    DA
    EMPREZA DE OBRAS PUBLICAS NO
    BRAZIL
    L1NHA DO NORTE
    O paquete Maranho
    Commandante Antonio da Silva Fer-
    reira
    E' esperado dos portos do norte
    at o dia 14 de Janeiro, e
    rseguir depois da demora do
    __jcostume para
    Baha, Espirito-Santo e Rio de
    Janeiro
    Recebe carga a baldeiar no Rio de Janeiro.
    para Santos. Canana, Igoape. Paranagu, An
    tonina, S. Francisco. Itajahy, Santa Camarina,
    Rio Grande do Sul, Pelotas e Forto-Ategre.
    As encommendab serio recebidas at 1 hora
    do tarde do dia da safcida, no trapiche Barbse
    no largo do Corpo Santo n. 11.
    Para passagens, frete i e encommendas trata-
    com os AGENTES,
    O paquete Brazil
    Comdandante o capitao de fragata Pedn
    HyppolytoDuarte
    E' esperado dos
    portos do sul ate
    o dia i A de Ja
    Ineiro e seguin-
    do depoi da de
    mora do costume pira
    Parahyba, Natal, Cear, AmarrajSo, Ma
    ranhao, Para, Obidos e Manos
    As encommendas sero recebidas at 1 hora
    da tcirdc do da da sahida, no trapicha 3arbosa
    no Iar*o do Corpo Santo n 11.
    Para passasens, fretes encommendas e di-
    oheiro trata-se com os AGENTES.
    PORTOS DO NORTE
    O paquete Desterro
    Comandante Florindo Gomes
    E' esperado dos portos de or
    te at o dia i de Janeiro se-
    guindo depois da demora do
    turne para
    Macei.
    t fST *

    Macei, Baha e Rio de Janeiro
    Recebe carga a baldear no Rio de Janeiro
    jara Santos, Canana, Iguape, Paranagu, An
    touaa, S. Francisco, Itajahy, Santa Camarina
    dio Grande, Pelotas e Porto Alegre.
    As encommendas serlo recebidas at 1 hora
    la tarde do da da sabida, no trapiche Barbosa
    ao largo do Corpo Santo n. 11.
    Para carga, passagense valores : trata-se com
    os AGENTES.
    PORTOS DO NORTE
    O vapor Olinda
    Commandante o capitao de fragata Viclor
    Delamare
    E' esperado dos
    portos do norte
    at odia 19 ds
    Janeiro seguinde
    depois da demora indispensavel para
    Macei, Babia, Victoria e Rio de Ja-
    neiro
    Recebe aartra a baldear no Rio'de Jaoeire
    para Santos, Canana, Iguape, Paranagu, Arito
    nina, S. Francisco. Itajaby. Santa Catfaarina, litio
    Grande do Sul, .'elotase Porto-Alegre.
    As encommendas sero recebidas at 1 hira
    da tarde do dia da sabida, no trapiche Barbosa
    ao largo do Corpo Santo n. 11.
    Aos Sra. carregadores pedimos a sua attenji
    Dar a clausula 10* dos conbecimentos, que
    No caso de haver alguma reclamacao contra >
    :ompannia, por a varia ou perda, deve ser tslta
    jor escripto ao agente respectivo do porto d>
    descarga, dentro de tres das depois de finili-
    itda.
    Nao procedendo esta formalidade a companhia
    lea senta de toda a responsabilidade.
    Para passagers, rets e eacommendas Ira
    .a-se com os
    AGENTES
    Pereira Carneiro& C.
    6'. Ra do Commarcio^S
    1 andar
    Un red States and BraziJ
    M. S. S. C.
    O vapor Vigilancia
    E' esperado dos portos de
    sul at o dial O de Janeiro
    seguindo depois da demo-
    ra indispensavel para o
    Para, Barbados, B. Thomaz e
    \ew Vork
    Para carga, passagens, encommendas e di-
    abeiro a frete trata-se com os AGENTES.
    O vapor Finalice
    E' esperado dos porten do
    norte at o dia lo do cor
    rente, seguindo depois da
    indispensavel demora para
    Bahia, Rio de Janeiro Sanios
    Para carga, passagens, encommendas e di-
    meiro a frete : trata-se com os
    AGENTES
    Henry Forster & C.
    8Ra do Commercio8
    Io andar
    BdyaT"Mal Sleai PacM Com-
    O vapor Trent
    E esperado da Europa at e
    dia io de Janeiro segundo
    pois da demora necestaria
    Dar
    Baha, Rio de Janeiro. Sanios,
    Montevideo e Buenos Ayre*
    RedaccSo de passagens
    da Ida t i.
    k'Lisboa 1* classe 4 20 4 3)
    k' Southampton classe 28 4 it
    Camarotes reservados para os passageires de
    Pernambuco.
    Para passagens, fretes. encommendas, ira1 a-c
    -os o<
    AGENTES
    imorim Irmos & C.
    N.3Rna do Bon JeenN. 3
    i'!DnganiiB Paramliacaaa le Ra-
    para Fernaado de Xorooba
    O paquete Jacuhype
    (.om mandante Carvalho
    Seguir para os
    portos cima In-
    dicados no dia
    19 do correte s
    '4 boras da tarde.
    Recebe carga, encommendas passagens, e di-
    nheiros a frete at s 2 horas da tarde do da da
    partida.
    ESCRIPTORIO
    Ao cae$ da Companhia Pernambuca-ia
    n. 12
    il
    Vapor
    Macei, Vila-Nova, Penedo, Araca-
    j, Estancia e Bahia
    O VAPOR
    Mrquez de Caxias
    Commandante Fe.itas
    E' esperado dos portos .cima
    at odia IS de Janeiro re-
    gressando para osmesmoi; no
    ,dia 18 s 4 boras da tarde.
    a o <.-1a, passagens, encommendas e d:nhi-
    i frete trata-se com o
    Pedro Osorio de Cerqueira
    17Ra do Vi gario17
    1- sndar
    CHARGERS REUNS"
    Companbia Francesa
    DE
    XavegacSo vapor
    Linha quinzenal eotre o Havre, Liuboa,
    Pemambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
    Santos.
    O VAPOR
    VilledeSar Nicols
    Commandante Esnol
    E' esperado da
    Europa at ) dia
    15 de Jarifiro e
    seguir depois
    'da necessarla de-
    mora para
    Baha, Rio de Janeiro e ftautos
    Roga-se aos Srs. Importadores de carga pelos
    apores desta Imba, queram apresentar dentro
    le 6 das, a contar do da descarga das alvareu-
    ras quaiquer reclamajo conceroente a volumes
    :|ue porventura tenhain seguido para os portos
    lo sul, afim de se poderem dar a tempo as pro-
    cidencias necessanas.
    Expirado o referido prato a companbia nao
    ,e responsabilisa por extravos.
    Recebe carga, encommendas passageiros,
    para os quaes tem excellentes accommodates
    tratar com o
    AGENTE
    Aug-uste Labille
    9-RUA DO COMMERCIO-9
    Mpaa Pimaniuiuaia de Na-
    PORTOS DO SL
    Rio Cirande do ni, Pelotas
    Poro Alegre
    O paquete
    Rio-Formoso
    Commandante Azevedo
    Segu at o da te do
    corrate s 4 boras da tar-
    de.
    Recebe carga, encom-
    mendas e dinneiro irete
    at s 2 hora; da tarde do dia da partida.
    ESCRIPTORIO
    Ao Cae da Companhia Pernambucana
    u. 12
    Lfnha Bl-mensal
    O paquete Matapan
    Commandante G. Rossignol
    E' esperado da Europa at
    o da
    SO de Janeiro de 1899
    seguindo depois da demora necessaria para
    Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Ay-
    res e Rosario de Santa F
    O VAPOR ENTRARA' NO PORTO
    Previne-se anda aos Sre. recebedores de mer-
    adonas que se attender a reclamares por
    fal as, que torem reconbecidas na occasio ai
    descarga dos volumes ; e que dentro de 48 ho-
    ras a contar do dia da descarga das a.varengas,
    deverao fazer quaiquer reclamado concernen-
    te a volumes que porventura tenbam seguido
    para os portos do sul, afim de serem dadas a
    tempo as providencias neces3arias.
    Roga-se aos Srs. passageiros de se aprea'-ntar
    rem na vespera da ebegada do vapor para toma-
    em as suas passagens.
    Para carga, passagens, encommendas e di
    aneiro a frete: trata-se com os
    AGENTES
    H. Burle & C.
    42Ra do Commercio42
    .EtLOES
    Quinta feira, 14, o de bous movis de sala
    de visita, de ja otar e quartos existentes no 2
    andar do sobrado da ra do Imperador n. 32.
    JLeilo
    De boD8 movis, espelhos, quadroa, jarros,
    vidros e orystaen
    A SABER:
    Sala de visitas
    Urna linda mobilia de Jacaranda com 1 sof, 2
    duDkerques, 4 cadeiras de bracos e 12 de goar-
    nico, 1 espelho, 1 mesa oval, 2 cadeiras de ba
    lango, de junco, 2 quadros grandes. 2 escarra-
    deiras, 1 tapete de sof, jarros. 6 langas para
    cortinados e 1 bom piano de cauda.
    Primeiro quarto
    Um toltete, 1 cama fraoceza, 1 commoda, 1
    mesa de cama, 1 guarda-vestidos. 1 cupola, 1
    colchao, 1 mesinba, 1 tapete e 1 cabide.
    Segundo quarto
    m guarda roupa, 1 commoda de Jacaranda, 1
    toilette, 1 mesa de cama, 1 escarradeira, 1 col-
    chao, 1 tapete, 1 cabide e 1 cupola.
    Sala de jaatar
    Urna mobilia de mogno completa, 1 mesa els-
    tica, 1 guarda louca, 2 aparadores, 1 quartinbei
    ra, 1 mesa, 12 cadeiras de junco, louca para cha
    e jantar, copos, clices, garrafas e mullos ostros
    oz-jectoa.
    Saleta
    Urna mesa compnda, 1 aparador, 1 mesa de
    cosinba e ostros objectos de casa de familia.
    Quinta-fe ira 14 do corrente
    A's 11 horas em ponto
    ente Pinto
    No 2. andar do sobrado da ra do Imperador
    n. 32, casa onde morou a Sra. D. Rosa Portelle.
    Os referios movis acham-ee em ptimo es-
    lado de coaservaeSo.__________
    Ag
    Agente Brillo
    Leilo
    De madeiras, movis e vidros
    Ra das Crozes d. 6
    Cadeiras avulsas de icaco. ditas de'amarello,
    3 marquevea largos, 2 ditos estreitos, 2 impor
    tantes guarda louca. 2 aparadores erandes. 2
    guarda-comida, 6 coosolos, 1 3of. 10 banqui-
    nhas com gavea, 1 cama franceza, 5 marquezOes
    por acabar, 48 taboas de soalbo, de amarello, 10
    prancQOes de amarello, 3 rolos de pitia marSm,
    diversos pedagos de maaeira, 1 cemmoda secre-
    taria, 2 carros de mo, 1 contador romano, 1
    taboa grande para collegio, 2 canos de ferro, 1
    dita de vento, 3 jarras, 1 mesinba para jogo,
    aros de junco para consolo, 3 bancos para car-
    pina. 1 machina de costura, 6 cadeires de ba-
    taneo, 2 lavatorios de amarello, 1 dito de pedra,
    1 qoartinheira de columna, abides, 1 cadeira
    para changa, 3 quadro9. jarro*, Uoteroas, can-
    dieiro, de parede, garrafas para \iotio e cutos
    muitos cbjectos que esto patentes em o acto do
    leilo.
    O agente cima, autorisado pelo dono do dito
    estabilecimento, vender os objecto3 cima, sem
    reserva de prego, cijos movis sao todos novos.
    Sexta feira, 15 de Janeiro
    ___________A's 10 o 1/2 horas____________
    Agente Stepple
    Leilo
    De 150 bons canarios cantadores, da Allemanha,
    existentes no estabeleclmenio n. 12 'rua do
    Imperador, boje 15 de Novembao.
    Sexta-feira, 15 do corrente
    A's 11 boras em ponto
    Na Pastelaria Camargo ra da Imperador n. 12
    O preposto do agente Stepple, autorisado pelo
    Sr. C. Brandmiil'er, levar a leilo os importan-
    tes canarios cantadores, ao correr do martello.
    Os Srs. prelendentes desde j pederao vir
    examinaros referidos canarics.
    3. leilo
    Do sitio com 400 palmos de frente e 300 ditos
    de fundo, com casa le laipa, coberta de telbas,
    na estrada de Belem, freguezia da Graga e pr-
    ximo a casa da viuva do Dr. Feitosa.
    A divida de D. Haria Adelaide do Nascimento
    Fetosi. viuva do Dr. Antonio Vicenta do Naasi-
    ment Feitosa. na importancia de 3:1323305.
    Sexta feira, 13 de utituti
    A's 11 borai
    No armazem da ra Mrquez de Olinda n. 48
    O agente Gusmo, antorisado por mandado lo
    Exm. Sr. D. juiz de direilo de orpbos, levar a
    3 leilo em presenga do mesmo juiz o sitio e
    divida cima meicionado pertencentes aos ber-
    deiros ce Urbano Vicente Ferreira.
    JLeilo
    De movis lotizas e vidros
    A SABER
    Sfcla de viffta
    Urna mobilia com 1 sof, 2 consolos, 2 cadei-
    ras de bracos, e 12 de goarnig&o, 2 cadeiras de
    balance- americanas, 1 mesa redonda com pedra,
    2 candibeiros a gaz, 2 jarres, 4 etagres e 4
    quadros.
    Gabinete
    Urna carteira, 1 estante para livros, 2 mesas
    de abrir, 2 espreguigadeiras, 1 mesa redonda,
    candieiros, etagres, palmeiras, crotons e era
    velros.
    Sala de jantar
    Urna mesa elstica, 1 guarda louga, 2 appara-
    dores, 1 guarda comida, 1 filtro, louga para cb
    e jantar, copos, clices e garrafas, (landres, trem
    de cosinba, meeas de cosioba, bacas, 12 cadei-
    ras, 2 quarlinbas, bandejas.
    Urna cama franceza, marquezo, 1 guarda
    vestido, 2 commodas, 2 lavatorios, guarniges,
    2 baldea para agua, 2 cabides, 4 camas de lona
    e muitos outros movis de casa de familia exis
    lentes no 1 andar do sobrado da ra Formosa
    n. 31.
    Sabbado, IB do corrente
    D. Aaesia Scbossler, teodo de seguir para o
    Estado do Cear, faz leilo por intervengo do
    agente Pinto dos movis e dos objectos aa casa
    em que residi ra Formosa 8. 31.
    5 Leilo
    Do sobrado de quatro andares e sotao da
    ra do Torres n. 14 e dous terrenos de
    marinba.
    Sendo o sobrado de 4 andares e soto sob n.
    14, na ruado Torres, freguezia do Recife, ren-
    dendo mais de 100000 mensaes.
    Um terreno de marinba n. 236 B, com frente
    para a ra Imperial, na estrada do Matadouro,
    com 125 palmos de frente e fundo at a balxa-
    mar.
    Um dito dito n. 236 D, na estrada do Matadou-
    ro, com frente para a estrada de ferro, com 90
    palmos de frente e fuado at a baixa-mar.
    Terc,a-feira, 19 do corrente
    Ao meio dia
    No armazem da ra 15 de Novembro n.
    39, antiga ra do Imperador
    O agente Martms far leilo por mandado do
    Exm. Sr. Dr. juiz de orpbos, emana presenga,
    do predio e terrenos cima descriptor perten-
    centes ao espolio do Visconde de Bom Conse-
    I lio._______________________________________
    Agente Pestaa
    Leilo
    De um sitio com diversas fructelras, cacimba
    com agua potavel, e de urna casa de taipa com
    dua? janellas de frente e urna porta, e duas
    janeilas em cada oitao, ama sala, dous quar-
    tos, cozinba, terreno proprio, a margem da li-
    nha de ferro de Limoeiro. confronte a entrada
    do Bartbolomeu, servindo de base a eflerta de
    oOOOOO.
    Ter$a-feira, 19 de corrente
    A's 12 horas em ponto
    No armazem a travesea do Corpo Santo
    n. 27
    O agente Pestaa vender a quem mais dr,
    por mandado e assistenci? do Exm. Sr. Dr. juiz
    de orpbos e ausentes, o sitio e a casa cima
    mencionados, pertencentts ao espolio de Sabmo
    Gomes de Amorim.
    AVISOS DIVERSOS
    Aloga se o terceiro andar do predio n. 1
    roa do Vigario, com bons commodos, agua e
    gaz ; a tratar na ra da Cruz n. 1 (Recife) pa
    vimento terreo.
    Precisa se de um bom cosiobeiro ou cosi-
    nneira e de um copoiro; a tratar cama Mar-
    quez de Olinda numero 3H.______
    Prccisa-se de urna criada para copeira e
    mais servigo de urna casa de familia ; a tratar
    na ra da Soledade o. 82.
    Precisa se ae ama ama de meia idade para
    cosinbar par ama familia de duas pessois ; a
    tratar na travessa da Praia do Forte n. 6
    Ama para engommar; precisa se na ra
    das Pernambucanas n. 14. Caprnra.
    11 para alugar boas casas no lugar turre,
    sendo urna de sobrado com muitos commodos,
    com sitio de coqueiros, baixa para rlantago de
    capta, etc.; a tratar na estrada da Ponte de
    Uchoa, casa defronte da estago da Torre, on na
    loja n. 1, roa 1 de Margo (.respo).
    Precisa se de duas amas, sendo ama para
    engommar e outra para co jeira e servigo de
    casa, paga-se bem ; a traiar na rna Baro da
    Victoria n. 50, i- andar. ^_______
    Tendo o Banco de Cr-
    dito Real que funeciona
    no predio n. 34 sito ra
    do Commercio, comprado
    outropara mudar-se, aluga-
    se aquelle a querr- melhores
    vantagens offerecer : a tra-
    tar no Largo do Corpo
    Santo n. 21, Io andar.
    N 47:730
    Chama se attengo do Sr. Macoel da Silva Cas-
    tro, guarda da casa de Detengo, para vlr pagar
    o seu debito do anno passa lo, ao centrarlo co
    bra-se judicialmente, ra Mrquez do Herval nu-
    mero 29.
    Cost-
    uraras
    Precisa*se de peritas cos-
    tureiras em casa de mada-
    me Paul Jullien, ra do Ba-
    rao da Victoria c. 50.
    EDgommadeha
    Precisase de urna eneommadeira ; na ra do
    Hospicio n. 20.
    Engommadeira
    Precisa-se de urna ama que engomme bem,
    ensaboe e faga mais algum servigo de casa, que
    durma em osa dos patres, para casa de peque
    na familia : na ra de Fernandes Vieira n. 29.
    Casas para alugar
    Ra da Aurora n. 41, 2- andar.
    Ra da Acrora n. 45, 2- and.r.
    Travessa da ra da Madre de Deus n. 8,1- e
    2- andares; a traiar na ra do tfom Jeius n. 1,
    andar terreo. sla do fondo.
    Cavallo roubado
    Roubaram do engenho Tabocas, freguezia da
    Luz, um cavallo de estribarla, castaobo andrino
    cor de rato, grande, cabega grande, com orna
    estrella na testa, on Ihas grandes mas bem feitas,
    Um lano corcunda para a frente, cabello grosso,
    com um Icbinbo. do tamaobo de um limao. de
    baixo do queixo ao p da garganta, com um doe
    ps calcado, andador debaixo e galope em cima
    da mo, castrado, foi comprado em Itabaiana a 3
    metes pouco mais ou meno*. Quem deHe.-ouber
    noticia exacta poder dirigir-Be ao mesmo enge-
    nho ou ra do Bem Je.-'us n. 4, escriplorio,
    qe ser generosamente recompensado.
    f
    o. Tcesela Perpetua Freir de
    Ara ojo
    Trigsimo dia
    Antonia Mara da Costa Araojo, seu irmo e
    irms, teado recebido a infausta noticia do fal
    lecimento de sua prezada tia Vicencia Perpe-
    tua Freir de Araujo, convidam aos seus paren-
    tes e pessoas de sua amizade e os da fallecida
    para assistirem a missa que pelo desea neo eter-
    no de sua alma mandara rezar no dia 15 do cor-
    rente, s 8 horas da manb, na igreja do reco-
    ibimento de N. S. da Gloria, confessando se des-
    de j eternamente agradecido.
    t
    Luis* Mara do Sacramento
    Costa
    Antonio Pereira Lopes, seus filbos, ora e so
    brinbos agradecen! do intimo d'alma a todos os
    seus pa rentes e amigos que se dignaram acom-
    panbar no seu deposito e enterro do cadver de
    sua prezada sogra, av e tia ao cemiterio de
    Santo Amaro, e de novo os convidam para assis-
    tirem as missas que man am rez r no dia sexta-
    feira 15 do corrente, 7 1/2 horas da manb,
    na matriz de S. Jos, stimo dia do seu passa
    ment, e desde j se onfessam eternamente
    gratos
    t
    i Coraulliaa Laane loares de
    Ollvelra
    Antonio Soares Fernandes de Oliveira e suas
    lilia-i Maa Amelia Lasne de Oliveira e Rosa
    Amelia Lasne de Oliveira, aioda pungidos de
    c'o- pelo fallecimento de sua estremecida esposa
    e mi D. Cordnlina Lasne Soares de Oliveira,
    convidam aos seus parentes e amigos a assisti-
    rem as missas que por sua alma maodam cele-
    brar no trigsimo dia. quinta feira 14 do corren-
    te, s 8 boras da manh, na igreja do Espirito
    Santo.
    Por mais este favor se confessam sumisamen-
    te ralos.
    t
    D. Cetrude Marques de Sonsa
    Os filbos, ora e netos da fallecida D. Getru-
    des Marques de Souza, convidam aos seus ami-
    gos para assistirem as missas que por sua alma
    mandara celebrar no dia 15 do correte, na igre-
    ja da Soledade, pelas 7 boras da manb, e desde
    j confessam se ete mente agra,'ecidosJ_____
    Amas o criado
    No Espinheiro, ra de
    Santo Elias n. 10, precisa-se
    de um criado, de urna criada
    e de urna cosinheira ; dando
    attestado de cooducta.
    Ama
    Precisa se de urna ama para pentear urna so-
    nbora e que enterada de costuras : na ra do
    Reachuello n. 51.
    Amas
    Preci-se de urna ama para cosinbar, outra
    para andar com meninos e outra para engom-
    mar e outros servigos ; a tratar na estrada n.iva
    de Caxaog, casa de Artbur Basto.
    Ama c criado
    No becco dos Ferreiros n. 6 precisa-se de um
    criado e de urna ama cosinheira que tenbam boa
    conducta.
    Ama
    Precisi-9e de urna ama para casa de Dequena
    familia : a tratar na ra de S. Jorge n. 70.
    Ama
    Precisase de urna ama pira casa de pouc
    familia ; na ra Augusta n.182
    Ama
    Precisa se de urna ama que cosinhe e engom-
    te, paga-se 20*000, para ir para o Estado do
    Espirito Santo, pagando se passagem de ida e
    volta ; a traiar na ra do Alecrim n. 22.
    Amas
    Na rna da Soledade n. 58, precisase de urna
    cosinheira que compre e durma em casa, e de
    urna ama para servigos domsticos.
    Ama
    i
    Precisa-se de urna ama boa cosinheira; a tra
    tar na rna Direita o. 65, 1- andar.
    ^ma
    Precisa se de ama ama para cosinbar e mais
    servigo para casa de pequea familia, preferin-
    do se cnoula e de meia idade : a tratar na ra
    do Livramento a 1, sobrado.
    Aluga-se
    Urna sala e um quarto do i.* andar sito ra
    Duque de Csxias o. 60, proprio para escriptorio
    ou consultorio, a tratar no mesmo predio, loja.
    Precisa-se
    Na Ponte de Ucboa o. 36 precisase de um
    copelro e ajudante, de um cesinbeiro ou coi
    nbeii'a.ede urna ama que saiba enrommar.
    Cosinheira
    Paga-se bem
    Precisa-se de urna cosinheira que seja perita
    a tratar na ra Mrquez de Olinda" n. 63.
    Chalet
    Aluga-se um chalet em Beberibe
    Vianna, Forte do Mattos.
    no trapiche
    Para alugar
    A casa n. 20 travessa do Corpo Santo, e a de
    n. 5 do becco da Pyndoba (Recife) ; a tratar na
    roa Direita n. 45, sobrado.
    Cosinheira
    Preclsa-Ee de urna boa cosinheira para casa
    de pequea familia, que durma em casa dos
    patrOes, na ra de Fernandes Vieira n. 29.
    Caixeiro
    Precisa se de um caixeiro com bastante pra-
    tica de seceos e molbados, qne d garanta de
    sua conducta ; a tratar na ra do Quemado nu-
    mero 56.
    rofessor publico
    loo Ferreira Vilella de Araojo, pede se a
    este se ibor o fav ir de vir ra do Coronel
    Suasuna n. 218 cumprir a sua palavra, que j
    altou a ella doze vezes.
    Dinheiros pblicos
    O Sr. Brewer antes de fazf r sabir sua publica-
    gao no Jornal de bnje com a epigrapbe cima,
    devera ver que a Usina Estrellianna nada deVe
    ao Tbesourodos juros do 2- semestre.
    Redir, 13 de Jineiro de 1892.
    zina Estrt llianna.
    Ao coixmercio
    Os abaixo assignados, socios da firma de Hu-
    golino Machado da Cuaba & C, declaram que
    nesta data tica extincta a referida firma, tendo
    formado urna nova sociedade sob a razo de
    Machado < Silva, que tcar responsavel pelo
    activo e passivo da firma antecessora.
    Tracanbem, 31 de Dezembro de 1891.
    Hugolino Machado da Curba.
    Joo Nepomuceno da Silva.
    Upe i
    taos
    Na fabrica de viobos de caj, ra da Acrora
    n. 111 .precisa se de embregados que saibam 1er,
    para todo e quaiquer trbalo. > da fabrica.
    Feitor
    Precisa se de um feitor ; a tratar na rna de
    Paysand o. 19.
    Saf do Estado
    Compra quaiquer porcao
    A
    Companhia Industrial e Com-
    mercio de Estiva
    Muita a t ten gao
    Precisa se de costureiras no becco dos Ferrei-
    ros n. 6._______________________^___
    Precisa-se
    De urna ama. no pateo do Paraizo n. 20, loja.
    Bal ancos
    A. T. Nogueira, com pratlca de escripturago
    mercantil por partidas dobradas, encarrega-se
    de proceder a batneos em casas commerciaes,
    organisar escripias, formular contratos sociaes
    e extrahir contas correntes simples e com joros
    recprocos, tanto nesta capital como em qoalquer
    locslidade do interior, prxima a va frrea, po-
    dendo ser procurado na ra do Qneimado n. 108
    e Vidal deNegreiros n. 147.
    Patacoes
    Compra-se de todas as nages ; na ra do Ca-
    hug n. 9, loja de Augusto do Reg.
    Patacoes
    Brasileiros
    Marcados 2*000 no centro, compra se por
    maior prego do que em outra quaiquer parte: no
    armazem a ra do Commercio n. 4.
    Ao commercio
    Domingos dos Santos Coelbo Pereira declara
    que desta data em diante assignar-se ba Domin-
    gos Cot'bo. Recife, 31 de Dezembro de 1891.
    Moedas de prata
    de todas as qaalidades, antigs e modernas, de
    2*100, 1O0O e 500 rs., assim como toda a es-
    pecie de moedas estraogeiras de ouro e prata,
    paga-se bom prege. Compra se tambera ouro e
    prata veiha ; na relojoaria David, rus do Cabu-
    g n. 14
    Olinda
    Aluga-se a casa n, 20 ladeira do Varadouro,
    boje roa do Coronel Joo de S, com 3 quartos, 2
    salas, cosioba externa, bom quintal com cacim-
    oa, porlo para o becco da Poeira e agua enca-
    nada ; a tratar no Recife ra Direita n. 45,
    sobrado.
    Caixeiro
    Precisase de um caixeiro de idade de 14 a 16
    aenos, que d fiador sua conducta, que tenba
    pratica de taverna ; na ra do Motocolomb n.
    65, Afigados.
    Caixeiro
    Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 aonos ;
    na rna do F^go n. 18.
    Compra-se
    Un portio de ferro ; na rna do Bom Jess n.
    1, primeiro andar.
    Vende- se
    Urna taverna rruito afreguezada estrada de
    Lniz do Reg n. 19, por a dona querer reurar-se
    por incommodo de saude : a tratar na mesma.
    Caixeiro
    Precisa-se de um caixeiro de 14 annos, com
    pratica de taverna ; na ma Imperial n. 230.
    PARA EFGEIQS
    Cuimaraes Valente
    participam aos seusfreg;ue-
    zes e Illnis. Srs. de enge-
    nhos, que como sempre tem
    grande deposito dos artigo
    abaixo mencionados ajaran-
    tindo tudo de primeira
    qualidade e precos sem
    competencia, a saber :
    Cal nova de Lisboa.
    Dita de Jaguaribe.
    Cimento Portland.
    Oleo de mocoto (puro).
    Ditos americanos (para ma-
    chinas).
    Dito de linhaca.
    Dito de ricino.
    Azeite de carrapato.
    Dito de coco.
    Dito de peixe.
    Peixe em latas.
    Kerosene inexplosivel
    Graxa em bexigas.
    Craxeta de linho.
    Potassa da Russia (em latas,
    caixoes e barricas)
    Trisulphito de cal (novo
    preparado para clarificar
    OBssucar)
    Formicida Capanema (o re-
    medio mais efficaz para
    a extincc,ao da formiga
    sava)
    6 torpe- Sanie- 6







    A



    Diario de Pemambuco Quinta-feira 14 de Janeiro de 1892
    * AUGMENTA ^l
    rJl H > < P m TNICO ORIENTAL CURA A CASPA IMPEDE A CAHIDA DO CABELLO H p
    & PERFUMA *
    LIOUIDACAO
    POR TEMPO DETERMINADO
    Tecidos
    abatimento
    Moedas brasileiras
    Compra se de 500 rs.. IfOOO. 2*000 no centre
    da moeda ; na ra do 'abug n. 9, loja de An
    gusto do Reg.
    Licor depurativo vegetal iodad
    do medico Quiotella
    Este notabilissimo depurante que ve
    precedido de tSo grande fama infallive! ai
    cura de todas as doengas syphL ticas, e
    crofulosas, rheumaticaa e de pelle, con
    tumores, ulceras, dores rheumaticas, o
    teocopas e. nevralgicas, blenorragias ag
    das e chronicas, cancros syphiliticos, it>
    flaTiajSes viceraes, d'olhos, ouvidos, gar
    garitas, intestinos, etc., e em todas ai
    moiestias de pelle, simples on diatherica
    assim coiio na alopecia ou queda do o
    bello, e as doencaa determinadas por c
    turagao mercurial.
    DSo-ee gratis folbetos onde se encot
    tram numerosas experiencias feitas con
    este especifico nos hospitaes pblicos t
    muitos attestados de mdicos e documer
    os particulares.
    Faz-se descont em casa de
    FARIA SOBRINHO 4 C.
    Rna narqaez de Olinda n. n
    MABAVILHA CURAl!
    IW CELEBRE
    Dr. Humohreys lie Nova Tora.
    A Vercaaeira MarsrOha to Sec, I
    APPaOVADiELICr.^
    pclx Isspectrfa <;cra: . Impcr'o i* EtraaiL
    A MarcTilia i:ri!i\- ,"
    ;.a ;.> PIsariaraa, Machuca-iuras, Couiim
    loras, .'...

    ratetid*
    i .
    A Maravilha C'n.ttUo 5 aU prompfoe
    i......
    leu
    ra I: 'i rn.i-. f- '.:, i <
    ;
    .. !
    - '...- ara *m ... i
    \ .Un rn. ufen t m. .-; -\ -., mi ro
    rtum Uur ilt- | byiuJ. ? Ffece. Inci..-
    di-.lacee >V.
    A Mrmvha Curnlvn nrr<::r*oi>romr.ro
    .
    ^ uas Junta* ou i'crua.
    A Marnvilhr. < ratfva Po frraad i edlo

    A MaraT.Iaa Cantata
    f>mn ln;ecc;o para .tarro, a I< ucorreea oj as
    . -. i
    A Maravilba Coral Iva u
    ';:;.; !'!(-r:is. Ciij^i- -. PaU&r*-
    . .-. eTamores.
    ' Mr.rnvilhR Curat Iva ;rcmpip
    para Diarrhea simple*. de Darrhes en-
    A MaravlH a curativa exeeneate naa
    estribaras e Carnllari<
    l'Laduru> e E^foladura?, Contuses, Lac?racue, c.
    americanos com
    de 50 por cento
    A loja as Estrellas tendo comprado diversos fardos de fazendas de proce
    dencia americana, com abatimento de preces, vem a presenca das Exmas. Famlia
    e da todos os seus fregueses em geral, com os presos de diversos artigo :
    A saber:
    Madapclao com quaii um metro de largura a 600
    AlgodSes superiores, com a mesma largura e 70000 e 8)5000
    Cretones americano!, a 240 res o covado.
    Votes de lindissimos desenhos a 160, 200 e 240 reis o covado.
    Las escossezas, bonkos desenhos a 240 e 320 reis o covado.
    Faille de linho com um metro de largura, indos desenhos a
    covado.
    Setim de cores a 800 e 1(5000 o covado.
    Merinos de urna s cor a 320 o covado.
    Fich a 400, 500 e 10000.
    Pelerinas de 13 8 115500 6 2,5000.
    Brim para roupa de meninos a 240, 320 e 400 reis.
    FustSos de cores a 160 e 200 reis.
    Foile de vieby a 100, 140 e 160 reis.
    Espartilhos a 4i50O um.
    Casemiras pretas e de cores a 2(5000 e 2(5500.
    Casimiras Felipinas iuas larguras a 1(5200, 1(}400 e l^CO.
    Colchas de fustao brincas a 2(5000 e 2)5500. ;
    Luvas de seda a lf5000 o par.
    Bramantes com 4 largura 600, 1(5000 e 1(5100 o metro.
    Seda olindinas a 240 e 320 reis.
    Riquis8mos cortes d<; cambraia branca bordados a 1C00 e 1<52C0.
    Ditas em pecas a 50COO e 6(5000.
    Meias de cores sem costuras para'senhora a 6$000 e 7(5OC0.
    Toalhas felpudas e alcozoadas a 300 reis urna.
    Fronhas ricamente bordadas em cambraia de linho a 16(5000 o par.
    Esgmao a 4(5500 a peca.
    Bramante cim dez pilmes de largura a 2$000 e 20200.
    Lencos brancos e com barra de cor a 10200, 1$400 e $600.
    Cortes de casimira a 30500 e 40000 .
    Cachemira preta lavrida com duas larguras a 500 e 600.
    Meias de cores para meninos a 18200 a duzia.
    Chapeos de sol de seda para homens e senhoras a 10000.
    Brim branco de linhc a 18500 o metro.
    E muitos outros artigas que se vendem com igual abetimento.
    Grande quantidade do retalhos de la, seda, cambraia, chita e cretones.
    3L,OJr.A. X3.A.S aBS^R-SeX^O-A-S
    58-Raa Bvqw d axias~56
    Telephone n. 210
    NA
    Rosa de Ouro
    especialidades do -r. SiunphrsTS.
    Semidis Empec fleo*.
    TugneDIo Mnr::\ lio.o,
    Remedio* Svphilitlro,
    KcmeJlos Vi-uthui-ias.
    OXaomldo T>r. Humphrt'ys ll pj"Tinas sobre as
    rruiil'Klt-cural-aiSecagra'ls, pede
    u boticario dh
    HI MPHREYS* MEDICiNE CO.,
    109 l-'ulian Street, NEW YORK.
    Deposito geral na Companhia
    ie Drogas e Productos chimicos.
    Gerente Francisco Macoel da
    Silva.
    Fitas lavradas para faxas n. 80 com man
    d3 um palmo de largura a 20000 reii
    o metro.
    Gregos, galSes, trancelins e regentei
    brancos e de cores, para enfeitar ve
    tidos e roupa de c -Ganga, camisas, to>
    lettes de senhora.
    Collarinhos para homens a 200 res om
    Grande e variado sortimento de caixas di
    msicas a 20000, 30000 e 50000 reu
    cada urna, preprias para presentes.
    Esoelhos mgicos a 5C0 reis um. Dazit
    40000 reis.
    Espelhos com treB palmos de altura, con
    ujoldura de dourado fino, oval a 8000^
    reis.
    dem, idem a 60000 reis.
    dem qaadrados a 58500 reis.
    Ventarollas de palha branca a 18000 re.
    urna.
    Leques de papel & 500, 600 e 800 reii
    Rendas sbicos de cores, branco, de a*
    godSo e linho de cores e pretos.
    Bolsas e balaios de palha, para compra.
    viagens e passeios,
    Of.p-s de 12 e casemira para senhoras.
    Perfumaras, leos, extratos, cosmetici
    dos melhores abrigantes.
    GalSes, pa'mas e pirgentes de vidrilhok
    < !sinha8 para passeio, de chagrn e pe "
    lucia.
    Aibuns de pellucia, couro e chagrn.
    Variado sortimento de brinquedos.
    Pu!c?iras, voltas, cagoletas, anneis, c
    deias de plaqu americano.
    <.'aixas de msica para presente a 7800C
    880CO, 98000 e 128000 reis.
    as, lenyos, collarinhos e punhos par>
    senhoras e homens.
    Oculos, pincaneas, navalh&s e caivetes.
    C pellas, veos e ramos para casamento
    Toacas e enxovaes para baptisados.
    Corxetes em fita para metros.
    Gal5es brancos para roupa de crianc,M
    NA
    FLORIDA
    lOS-taa Dique de Caxias- W
    Os proprietarios deste bem conhecido estabelecimento reBolveram definitiv-
    mente 4azer grandes reduc^ous de prejos no grande deposito de fasendas de que se
    acham supridos e para conseguirem urna liquidajao completa e tao rpida como
    desejam, avUam aos seus numerosos freguezes e as Exmas. Familias afim de virem
    de preferencia aqui suprirem se, por diminuta quantia, de lindas fazendas
    A saber:
    Vestidos de cambraia bordados em cartSes. Chapeos de sol e eombrinbas de
    seda. Vostidinho8 de cachenira, cambraia e de iustao, para enancas.
    Merino lavradas e liscu cores lindissimas.
    Luvas de seda. Lencos de linho em caixinhas. Meiss de cores. Collarinhos.
    Puches. Gravatas e lagos di seda.
    MadapolSo fino de 13|000 por 108000 e de 150000 por 120000.
    Dito lavrado americano de 120000, 140000, 150OCO e_ 160000.
    Cachemiras com quadiinhcs de seda de 20500 por 10500.
    Sethis de corea a 10000. Gorgurica e cretones muito largos a 500 e 6C0.
    Voilesde s*da de 10500 por 10200 e 10000 reis o covado.
    Cambraias de carocinfco. Baptistas e brim de linho para vestido.
    Setinetas de todas as cores e voile assetinado o que ha de mais chic.
    Merino preto de 106O por 10200 e alpacas de cor de 10000 por 600 e 500.
    Pantazia branca rendada por 18200.
    Chapeos de sol de fina seda cabo de nikel e castSo automato por 150000 e
    outros de 90000 e 100000. Sombrinhas de seda 120, 100, 60000, 405UO e 20000.
    CamizTfrancezas de 708000 a duzia por 40500 e 40OCO.
    Ditas da rlneila, cretone e de meia.
    Tapetes para sof, de 250000 por 20J0OO.
    Ditos mais pequeos.
    Grande sortimento de casimiras e cheviotes.
    Caigas de casimira de 180000 por 110000; de 1*0000 por 60000 e 40000,
    pechincha.
    Cortes finos de casimira dos quaes em 24 horas se faz urna caiga por 200000.
    Brins e cassinetas para roupas e muitos artigos cuja enumeragao Be tornara
    difficil para nos, quanto maasnte aos leitorea.
    Faz-se roupas por medida, pregos commedos.
    N2o se esquegam das r.ossas
    Machinas de costura
    que continuamos a vender por prego sem competencia.
    Progresso medalhaImperialExpresso e Singe americana.
    Se queris comprar eni conta neste mez dirig vos a
    PER
    Royal
    WHISKY
    Blend marca VIADO
    P
    Este excellente Whisky Escoces pre-
    erivel ao cognac ou agurdente de eann*
    para ortificar o corpo.
    Vende se a retalho nos melhores arma
    cena de molhados.
    Pede Royal Blend marca Vlade
    cajo nome e emblema sao registrado* pan
    todo Brasil.
    * BROWNS C, agentes
    NA-MB.UC0
    RuaDuque de (iaxias n. 731. andar
    Entrada pela praca 17
    ANTGO PATEO DO COLLEGIO
    TDex>:)SDPX3:nra,3e dkt.
    Consultas todos os dias u:eis, das 8 da raanh
    s 5 da tarde.
    Chamados a qualquer hora do dia ou da
    noite.
    A CARGO DOS DRS :
    Rlbelro tle Brltti -Medico e operadorEspecialista nfls molestias poi
    monares, cardiacas, nervosas de criangas e febres.
    Nllva LealOculisti.com pratica nos principaes hospitaes e clnico i t
    molestias de olhos, de Pars.
    Thomaz de CarvalhoMedico e operadorEspecialista as molestias dt
    apparelho digestivo, cutaneae e syphiliticas. Cara da Elephantiasi dos rabes, pe*
    Eletrotherapia. Operagao rpida e sem dr dos estreitamentos da uretra pala Eleo
    trolyse. Applicagao da Elec .ricidade as paralysias de qualquer naturesa e as afleo
    coes articulares agudas e chronict.8.
    AVISO
    A Polyclinica tem coatractada a bem acreditada PHARMACIA DOS POBRES
    de pnarmaceutico Maia e Silva, a ra Larga do Rosario a. 28, afim de abrir s qua)
    quer hora da noite servigo da mesma.
    AO HA HA1S PEBRES!
    As PEROLAS de SULFATO le QUIfilH, Ce BROMKrDRATO -e QUININA, e
    __^ CHLORHrORATO, I/ALEBIANAT8 de QUININA, etc., etc.. d3 [\r
    contm cada urna tlez centipraramas (dois !_'rO!;) de Sal de Quinina \J
    chimicamente puro, de fabricara i > tranceza.epr parada^ ]ioiiimprocesso ___^
    APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIZ .
    ebaixode umenvolucro gelatinoso,delgado, uan-paivnti'! ir i:: ii'il de diperir, a (Ju/nina
    secotiserta infinitamente sem alteraf&o, e H eAgole serndeixar o menor mnurgor na bocea.
    Cada frasco conten trlnla perolas equivalenuo a tres grammas FABRICA E VKNDA I'OR ATACADO :
    casa L. FRERE A. Champigny e C", suc."
    19, ra Jacob, Pariz
    t!< <-R f""" [ I ( OiJ.\ I [ IC.1 .. Pf ARMAC Ai
    UiiiWblWWian,HI Caca r/rfro tem
    e em caja Perol* esto
    /mo/vssas as ;
    i.lrrtaii. Paria.
    QJU***~
    ^r?
    :

    .....mi..ii
    Exposi^o
    MEMBRE du JURY
    Sabo..................
    Extracto...............
    Agua de Toucador....
    Logo Vegetal.........
    Oleo...................
    P de Arroz...........
    de X QfciO
    HORS CONCOURS ^
    1
    ...MEIZA DE PER SE
    ...MEZA DE PEP.SE
    ...MEIZA DE PERSE
    ...MEIZA DE PERSE
    ...MEIZA DE PERSE
    ..MEIZA DE PERSE
    ^I@IfiB!S,
    Inventor do SABAO REALtfs THRIDACEacfo SABAO VELOUTINE
    Pars -> 29, Boulevard des Italiens, 29 Pars
    i ACBXO-SE HAS PRINCIPAES CASAS DE PERFUMARAS DA EUROPA E DA AMRICA St
    DIGEST0ES
    DIFFICEIS
    Dyspepsia
    Perda
    \b Appetlte\
    O0tNC>54DfSTOMAGO
    ELIXIR'SfiEZ
    GASTRALGIA
    ANEMIA
    Vmitos
    Diarrhea
    chronica
    TNICO-DIGESTIVO com QUINA, COCA e PEPSINA
    nPT a i 'O em todos os hospitaes JfcxtolMi o* Ouro fhnlomas de Honra \
    4 FAJR1S CCUL1M e C. ro* de M^ubeage, 49, till PhamcUl
    CURA CERTA
    XAROPE BENRY MURE
    Bom ex.to verificado por 15 annos de experiencias nos Hospitaes de Pars
    PELA CURA DE
    '.lUfjisia- I ijsiii 4 g (':! ritisiirs. J'erfigens
    Vhoreii Crisen inri osas
    llijxtero Epilepsia M Ejcaquecas, Ton te i rus
    Jlo/estias do Cerebro Congestoett cerebraes
    e do I.s)ihtia LHabete anucarado jj| Spermatorrha
    Um Fonieto muito importante dirigido gratuitamente a gualguer pessea que o ped.r
    HENRT MURE, em Pont-Saint-Esprit (Franca)
    mi
    I
    s
    x
    f
    -K
    g
    5
    15
    x
    x
    VhMJE-aK BM TODAS AS PBiNUlPAES PUAHMAC1AS E L'aoCiAHlAS.
    }0000000000000000000000000000000>0000000000000000<|
    VINHO QUINA PYROPHOSPHATO FERRO
    PRRPARAnO NA
    MEMBRO DA nCADEMIA DE MEDICINA DE P>R1Z
    ste preparaijio provettosa s Crianzas fmean e roe* i tiran, e favorlsa-IJies o crcscl-
    mento; convein tambem s Senhora* fraeatt ou anmicas, as quaes facilita a Jlenn-
    trii saude depois do parto. Resla* 'eco a /orea viril dos homens enfraijuecidos e facilita-Ins
    s IUgentes laborionan, vsperta o appetite sem produzir os ardores proprios s outras
    preparares. nao d lOL-ar a pr.sao de ^ntre, diarrliea ou fadiga do estomago.
    C por isto que deve ser cousiixsj'jdo como o melur Regenerador do Sangue.
    I(lm da iw'far ai ImitacGea e hnlatflcace* fraudulentas, ox/a-t < Astitntturi
    de BESSE, nico sucesor e ICobiquet A I.rvassrar
    PHARMACIA RObiquet. 23, rna de la BXonnale, PARIZ
    Deposiurios cm Perntmbuco : Franc" 91. da Silva V
    ooooooooo
    rg9g9sgwwww^eeg?a*xxftftjwweqe^aa*x**^cggi
    s
    ANTISPTICO
    - ANTIEPIDEMICO
    ABAO B. BAIN
    Usado noa Hospitaes
    1 ir. d'este SABO equivtle a 1S" SO ta ACIDO PHENICO
    Milito apreciado pelo coreo medico, este saDao de toilette, cuia base o xrapntal Corleado, lndis-
    pensavel contra os perlgosdas molestias contagiosas ou('pideinicas.ae/atua' f6r r.aturezad'eis. Cura
    rpidamente as Impigens, Rubores. Vermelhiddes.Eczemas.etc.assiiri como as comix6es da c\!ieca.
    E'olimo para os culdado< ntimos da tolle te.coutra a? Flares brancas eos-Fiu, [uernatureza.
    PARS 34, ne rJ'AUJSieraam, bain & pounirissa, 34, me fiuteran <> PARS
    Depsitos em Pemambuco : rran" TU. da Silva A CM e as principaes pbarmaci^.
    ************^**^***'5
    4 eaomerelo
    t
    Populares m rP.r.
    HESPAMHA.no 8HAZI,
    or.de i&o tftofl ene
    .^-.^^^^^--..^^^ _j'
    OT-dlcncio Separativa e Ke-"iA
    conatitainto dando '. lade Bj
    para so por prec\> Dar.ito, o SI
    .*,
    s vi- IS
    ciados
    purlDca o saiiguc e la
    as recan
    urganesLeRo
    j
    i
    I
    i
    i
    I
    14
    ISl 2
    i
    S OC- 4>
    . iluieute, as trtostsi.
    Chrai^RS.
    Extracto concc"if -alc ,!rs Ttoxno- ^
    S. ?j
    para as pe i '- "&
    . ,istntna,m
    CmtarrUo, Seta, Ilhenruntinno, *
    rimure. llcottm, I'iniii do *,
    appctite,*ebre*, Vonyt atoe i,3to- *
    l'-stias ata fijailo, litiiiiaens, ?;
    f'erinelhitl o/taiuut, etc. *,
    qaal(]iit*r pr lado attB tuto U o enJarc
    Phci-' COTTIN, genro da sm. Le Rov
    Ra do Scrae, 51. PAtlS ,e,
    Dni'i ?!
    A4AAAAA<>AAAAaTA>+T>>+.+
    AS VERDADEIRAS PASTIL.HAS DE
    Saes naturaes extrahidos das Aguas Mineraes de
    SH3H1
    too vendidas em latas lacradas que tm as marcas
    da Companhia concesionaria de Vichy.
    Digestjjes penosas. Doensas do Estomago.
    ESTACAO dos BANHOS ^MifsitSiw
    Bauhos, Duchas, Casino, Theatro.
    Irstnim m Perntmbuco; Salar at Uchlto; ll|. Lattill
    im ir'JiwrUnicius inou.
    Urna i i ha ata I* oBVece-se [Kara f zer co-
    brHnfHP coattjoaTar e-a aleoma eacriptorasSo
    commercial; daiido fiador o saa conduca.
    Qiiem pretender derija caria para a ra Impe-
    rial o. i9 r andar, com as inieiaes 1. M. S.
    Excellentissimas Senhoras, Queris
    conservar a alvura da cutis, o avelu-
    dado da pelle, evitar as racha assim
    como as Picadas dos Mosquitos ?
    EHPREGAI COI TODA SEGURABA
    o Crezne Espumoso
    GLYCYA
    DE
    K BA7NAUD
    FeTt^xrcxiM^ta.-Ctl,^y^Xlloo
    Este Creae superior aos Cold-
    Crtam, Glycervna liquida e muito
    preferivel todos os sabonetes por sua
    espuma leitosa que restitue apelle toda
    a sua flexibilidaae.
    lUustrisslmos Senhores, queris
    evitar as affecc8es que podem atacar a
    pelle? Aceita!somente para os cuidados 1
    do rosto, para a Barba, o Cretne
    espumoso GLYCYA, incompa-
    ravel pela- sua unctuosidade, de
    E. RAYNAUD, perfumista-chymico.
    O Cretne GJLYCYA. conserva-se
    sob todas as temperaturas, nunca fiea
    rancoso e nto perde sen perfume fino e
    agrada vel. ,
    Deposito qeral ea PARS. I6,rde l'Echiqniier
    Em PERHAMBUC0:Fran~ M.dt Silva V
    as principies ctsiw-
    Xarope Phenico
    de VIAL
    Pharmaceutico em Paris
    0 acido phenico' o principio ac-
    tivo dos alcatrOes expurgados de todo
    quanto torna desagradavel a sua ab-
    sorpcao, e se digere com difficultade.
    Sob a forma de xarope, um espe-
    cifico efficaz contra as Doencas do
    peito, Bronchites, Asmas, Ron-
    quidoes, Tosse, Coqueluche e
    Grippe. Produz los melnores resul-
    tados para as pressoas obrigadas a
    tallar muito.
    Deposito em PARS, 8, ru Vivienno
    e em toda* ai pharmacia*
    Pl LULAS
    Para o tmtamtao e prompta cura das '
    Molestias do estomago e dos
    intestinos, molestias do fijado,
    dispepsia, indifjestSes, clicas,
    nauseas, diarrliea, prlfJBo do
    ventre, falta de appetite. incom-
    mod.is depoLs da eomida, ensa-
    quecas e dores de cabeca chroni-
    cas. rbenmatismo e iievralgias,
    molestias da pelle, molestias pe-
    ridicas das senhoras, e, alm
    destas,muitas outras enfermidadesque se
    classiflcao debaixo de urna iiiflnidade de
    nomes, todas porm, oriundas da mesma
    causa,a saber;
    I>esarranjos dos orgSos de di-
    gestSo e assintilacSo,
    donde provm a impureza e o enfraqueci-
    mc-nto do sangue, com a debilidade e con-
    gestao de todos os ergios vitaes do sys-
    tema.
    Procurem-se
    AS PILUS CATHARTICAS DE AYER,
    PREPARADAS PKLO
    DR. J. C. AYER & CAS
    Lowcll, Mass., Est.-Unidos-
    . Diupobito Gnu. ti.


    DISCOIDES MIDY
    L. USO TT, PtuHHieooccto.ll 3, P S'HOQQTc. PARS
    Pastlllias malliematicam^niidosadascom os
    Alcaloides os mais usaJos para a preparacio
    Instantnea das solucScs bypodermlcaa.
    Com os meus estojos encerrando urna Seringa
    Pravaz um Vidro de agua distillada e urna
    collecc;ao dos Discoides com as doses e com os
    alcaloides os mais usados na medicina humana
    e na veterinaria os Srs.
    MDICOS b ALVEITARES
    teem immediatamente na sua dlsposicSo urna
    solu^ao fresca de qualquer Alcaloide, dispen-
    sados assim da obrigarao de emprear soluedes
    preparadas de anteniao, e, portante, muitas
    vezes descompostas e at nocivas.
    Ittattafi Ilwagairai dos mal notayaii MaUaat
    e dt aiBltai iridalas a Kedieloa.
    Vanda por aticada: N. MISSRANN, 19, rae Paea, NMt
    ^pwlla ia Perntmbuco: f Ca-Drof as k Pn4wUa

    Luiz Veroet levan:
    ta emprestimos de
    qaalquer quantia soo
    cau^o de ouro, praa
    e pedras preciosas e
    tambem compra cen-
    tellas do Monte u
    Soccorro, caucoes do
    Banco Popular, joias
    ebrilh antes.
    Pode ser procurado
    na sua relojoaria ra
    do Baro da Victoria
    n. 53, das 8 horas da
    manh, as 8 da noute.

    MARAVILHA CURATIVA
    DO CELEBRE
    Dr. Humphreys de Nava York.
    A Verdadeira Maravilha do Seculo.
    APPBOVADA. E LICENCIADA
    ^e!a Inspcrtorin Geral de HygieDe do
    Imperio de Bruzil.
    A Mnrnvilha Cm-atlva t remedio prompta
    jara as Picaduras. Machucadrf-s. cou(um, Tor-
    deduras. Cortaduras, ou Lacerac-^9. AUivia a dr,
    tanca o san>rie. Ca |>arar a liiiiuninia^o. redu
    a incliai;a.i. (ira o Ue&corameiuo, e fazfomx a terMa
    como por encanto.
    A Mnrtivilha- Curativa 6 ailivlopromptoe
    cura r:'( i Vuelmadura do iol,e superior aquah.jvruutrc
    remcii".
    A Haravilha Curativa Impagafel para
    odasa&Hemorrhagle.s. neja do Nariz. dasGenelvaa,
    dos fuinioes. do Estomago, ou as licmorroidasoa
    Almorrdmascura sem pre o nunca ralba.
    A MaravHha Corativi 4umaUlvioprompto
    Sara Oor de I>enics, de Uurklos, da Face, luebacao
    i Face e Nevralgla.
    A Maravilha Curativa P orecurso prompto
    e precioso pora DOraa rheuniacas, Aleljo. Dur o
    P-lfidez as Juntas ou Pernos.
    A MakH\ha Curativa fio ir* remedie
    prre. Esqulnenoln. Angina, Aniv^dalas inchadasoa
    K.r.ammadassempre seguro, tcmpi-e eracac
    A Maravilha Curativa Balito valor
    como nieccao para o Catarro, a I,eucorrhea ou m
    Flores Brancas, e outros corrunentos dtbUttaaitca.
    A Maravilha Curativa i Impatrvel para
    curar Ulceras Chairas an! Isas, AHMaania, Pauart-
    clos. Callos, Frieiras, Jo-jjetes e Tumores.
    A Martivilbn Curativas remedio prompto
    para DlarrV? simples, e de Diarrhea chronica.
    A Maravilha Curativa excellente na
    Estrehnria < e C.iv:!llarii;as. paraTorceduras .Dures,
    Pisaduras.. Esfoladuras. Contusocs Laccra<;OC. te
    a-^-
    Ssxcd^idaes do Dr. Euoiphrsys.
    Bcntedics :..|ii>cilc--.
    'nguento Maravilhst>,
    Remedios Syphilltloo,
    Remedios Veterinario.
    O srannal do Dr. Humphreys Utpaginasisubres
    EnferniiiiaiK.- f niodod^cural-a>~- dut--atls, pede*
    laO( :l l>tl*-url UU ..
    HL'MPHRETS' MEDiCIXE CO..
    109 Fultun Street, KEW YORIi.
    NICOS AGENTES
    Para vendas cm grosso en Pe^
    nanbnco
    Fariu Sobrinho & C.
    DROGARA
    A' Roa Margue* de Olinda n. 2
    Criado e cosinheiro
    Precisa-se de om criado fiel e um cosinbeiro
    rfeeilo ; na ra do Paysapfl n. 19.__________

    UJLSL
    Aluga-se un; a casa ter-
    rea com sitio enj Jaboatao,
    com banho do rio, reedi-
    ficada pintada de novo,
    com commolos para gran-
    de familia, para passar a
    estaoupor anno.
    A tratar na ra do Com-
    mercio n. 14, escriptorio.





    MHMJII'

    8
    Diario de Pernambuco Quinta-feira 14 de Janeiro de 1892
    AOS FUMANTES
    Desej.vs n5n ter azia quaado fnmaes?
    Usae por algum tempo os apreciaveis cigarros denominados MINHA ESPERANZA, quer picados, qner desailos.
    saboroso fumo desfiado intitulado Hygienico Naeional e os cigarros do mesmo fumo.
    Depois dis-o dir-nos-hei se foi ou nao til o conselho.
    Cumpre Dotar que os Higienices sao fraqunhos e os ESPERANZAS sao fortes.
    A fabrica MINHA ESPERANZA situada na ra Laiga do Rosario n. 21 .
    _________ Um apreciador.
    Usae tamm o aromtico be
    VENDAS
    Constituijo
    DO
    Kstao U Pmit-
    tatt
    Vend?-se a 400 re**
    cada exemplar, do
    escriptorio do tDia
    rio.
    Livros de recibos para
    alu^ueis de casas; vende-st
    ao escriptorio deste Diario.
    -/
    Fabn$a de lnvas
    DE
    Roa Bardo da Victoria n. 65
    Loja do Espelho
    Madame Gerard avisa aos seus nuine-
    roBsimos freguezes, que recebea de Pars,
    um grande e variado sortimento de pelli-
    cas de pnmeira qualidade de chevreaux,
    uede castor etc.
    Bo 01 negocio
    Vndese ou rt-se sociedade em urna mercea-
    ria em u tratar na ra Mrquez do Herval n. 155.
    Pe chincha
    Assignani-se naUVEARIA BOULITREAU.
    rnn d>) Imperador n. 46 todas as Revistas
    scientifieas e luteranas, Jrnaes de muda e fi*
    g-urinos publicados na EUROPA e no BRAZIL
    com dhtribuigaono dia da chegada de cada
    mala.
    Presos reduzidos de accordo com o cambio
    PAGAMENTOS AMANTADOS
    Rea do Imperador ts. 46 $ 48
    LIVRARIA BOttTBEA
    NOVO ESTAB iLECIMEMTO
    N. B Para nao haver interrupcao preciso
    pagar quanto antes as assignaturas.
    PEQUEHAS Pl F UUS de REUTER
    PARA
    FIGADO
    Fijado ento -pecid'i enrs-sc positivamente com estas
    olla&r Ellai. bJ1i m remedio purgativo nvre ds pen-
    eo pina o hoiiV^ *' taco, tio Bem como bailante
    activo para o iomera mais forte, e nao consupao de-
    pois ; pela ripio ral agrada a todos aneasusam. 80
    JpYjj, estandarte! da profissio medica dos EatadOf
    jt, *^7 gio as menores e mala fads a tomar.
    . oreota em cada (rasco. .

    festa
    para
    rrle3 de voile pura vestido a 2/iOO.
    No armnzem e l ja dss Estrellas, ra D;ae
    dei'axias- 56 e ib.
    Esleirs
    Tapetes
    Alcatifas
    Para oorta, si-.no, sofA'e forro de sala.
    Presos cem eompetoucr
    SABO CURATIVO de REOTER
    "" MEDICINAL
    Tumores, cravos, pelle vermelha, "Pf'^^SSrJ^a'^O
    curado por o mais-erand. de todos os af ormoaeadores da peue. o
    toCorativodeftentei. Prodaza a pelle formpsa. blanca e
    5SyS5 brandas ; alalinamente puro, delicadamente med-
    chado extremamente i icomparavel como sabao para a pelle
    he^w'mo do toucador. dobanhoe do quano das c-ancas.
    rAUTELA.-Nao genuino sem cada envoltorio tara
    mSSadideBarc*yb&eo..NewYork. ^__
    Y PARA 0
    TOILETTE
    Loja e armsienLAis Er'rellaf. ra Duque de
    , Caxtas56
    Acaba de receber
    strellas.
    -56 e 58
    >em competencia er preco?
    '.' fcueteires de todos os lmannos, braneo
    cores.
    M-nq-.T'' americano?.
    i anazt-m e It-js dss Estrellas
    Ro D que le Casias
    56
    Fab]
    1: -!
    de
    Sfclo
    TRICOJr^ROdeBAHKY
    -mAnreoaracao el-eante extremamente perfumada,
    B^XKmpor^docrM-.pr^^Uvoc.
    tra calvicie e cabello ;mzei.o; faz o cabello crescer es-
    p.-sso,brnndoe hermoso. Infiivelpvacnrarerop$aB,
    doencas da pelle, g'.;Jnlas e msculos.
    PARA O
    CABELLO
    A PELLE
    ESUKLECIDO EM18BI
    I
    I
    J"ie ca pida-
    ente conaW. qu -maduras, feridas. toreednraa^c
    r ALITELA.-"*1" mimo ssm cada frasco 1
    terVnra7eiUtraa> de Barclay & Co.. N.w York.
    DEPOSITARIOS destes PKeDDCT08A companhia de Drogas e Po-
    cotes chimico?.
    Ra Marqiez de Olinda n. 23.
    Recebeu um lindo sortimento de
    CAPOTAS
    e rendas di efires e pretas para eenhoras.
    GXXA.3P3eOS
    de renda e de palha para senfaoras e meninas.
    de palha e de seda para crianc; s.
    GBAPES 1E F1LTI0
    para horaens e rapazes, dos fabricantea FRANC'EZES, IN iLEZES E ALLEMAEb
    CHAPEOS
    -.
    de seda para homens.
    GRAVATAS DE SEDA
    FORMAS
    de palha para chapeos de senhoras e meninas.
    3eaNrG^3B.jw.DO( as
    pretos e de cores.
    Fitas, Gazes, Rendas, Veos, Azas, Passaros, Flores,
    Plumas,
    ..ara chapeos e outres artigos ds fantasa.
    Aigrette-
    e G rampos
    Ra do Baro da Victoria
    Di. LICIO MARQUES
    Telephone n. 560
    n. 4^
    aeia n
    4pas e iiaonadas psosas iodas ss qasiidades
    Soda water gincer, ale, limao, laranja, cor
    eio.ab eraaadina.grosellas, 'rarjbois
    bau:i ; i '. irtei-piment*."te.,etc.
    li <"*.AKS O' CAPIBARkBEu-a
    Cal virscm <'e Cotungba
    A priG2ra~:or gna preciosa composfcao cbi-
    mica para o fabrico ao assocar, riquissima de
    saes dd potassa e soia, uddpt;vel peruHameBte
    expiorafj Superior i <1e Lisboa, vende se caJa barrio* com
    60 kilos a 8*00!>.
    senle 'i-'.. capital Manoel Jos d? Araujo,
    roa aria do Rosario n. 24 A.
    Papel-forro
    Grande remes?:,, infinitamente Tinada, em
    cores edesenhos. Os precos ? Casta dar a se
    gninte icia : genero, ra da Mudre de
    especia;
    Deu3 n. 30 (Recift-).
    J. T. Car-Piro.
    jk mwm ii
    Liquidados ca segnintea argti?os por precia queadmirana epocha MtuL
    Casacos brancos bordados para senhoras a 2S>00 e 35 um.
    Vestuarios Jersey e Main para meninos e meninas de 65, 7$ e b<5 um.
    Percales brancas para vestido a 20 rs. o covado.
    Wltons da rrvmagem, lindos desenhos a 240 rs. o covado.
    Chitas escuras bom panno a 2^0 o cevado.
    Cretones de corts boa escolha a 320; 360 e 400 o covado.
    Ditos modernos, ultima moda a 320 <; covado.
    Etamine de cores finas de 4C0 o 500 o covado.
    L2s de cores, gosto ds casemira a 600 o covado.
    Brim pardo para vestido a 360 o covr-do.
    Dito a imitacSo de fusto para roupa de enancas a 500 O covad .
    Setinetas lizas francesas de todas as cores a 5'C0 o aovado.
    Fustao branco fino, a 500 o covado.
    Linn de cores ltimos desenhos a 640 o covado.
    Mirin de cor, liso, 12 pur-J a 320 o covado.
    Cretone Uso de todafl aseares.
    Gasemirp.s pretas diagonal fina a 2.400 o covado.
    Cheviots azul fino para costume a 3000 o covado.
    Srins de cors para roupa de 360 e 500 e covr.co.
    Sargelim de todas as erres.
    Bordados e ntremelos bi.ratissimoB.
    FlanelU de cores para vestido a 440 o oovado.
    Alm de muitos outres artigos em fazendas que liquidamos por todo e qvialqu-
    preco.
    - mm
    Pelo vapor francez Adour acaba da chegar de Portugal para este ja bem
    conhicido estabeleeimento, novo sortimento de vinhos das seguintea marcas :
    SANTAL, VRGEM, LAGRIMA DO DOURO, MINHO. PASTO ESPECIAL,
    CLARETE PORi'UGEZ, MADURO ETC.
    PASA AS PHAMACIAS
    Superior VINHO BRANCO DO PORTO, em decimos, sem competencia em
    ualidade.
    PARA MIMOS DE FESTA
    Encontra-se naADEGA PORTUGUEZAos puros viohos do Porto d.
    MONTSIRO & IRMOS das marcas seguintes REGINA 1820RE 183X4-De
    LIJIZ I DUQUEMOSCATELUMA DUAS E TBES COROASprecos e qua-
    lidades incontestavelmente sem competencia
    Ennes Barbosa, Cooper fct
    II ??
    Kerosene inexplosWo
    nicas recebedores
    __ MS6C3 MB&C.____
    Vende-se
    0 estabelecimento de moHiados sito em San-
    l'Anna, juqio a esiafo, tem poneos funCoie
    rroprio para principiaite ; a tratar no pateo (o
    Paiaizo n. 16, com Fraoco Ferreirn & C.
    Vende-se
    Uro bei propro para carro de quatro rodas oo
    para carroca, por preco commocio ; e aluca se
    urna cochera para Lois, por prego razoavel; a
    tratar em Santo Amaro das Salinas, estrada de
    Limoeiro taverna n. 6-B.__________^^^^^^
    So' quem vende
    Hilho novo a 280 rs. a coia e 0 rs. o kilo ; do
    Largo do Mercado o. 12, Gomes Ferreira.
    Libras sterlinas
    Vem'e-se na loja de jotas de Augusto Reg
    i C, roa do Cabula ?. 9.
    1 litiga fabrica Caja-
    rubeba
    Veode-se ama machina americana de aplainar
    outras de triturar, espremer fructas, etc., cma
    xeellecte caldet-a de cobre estanhado para co-
    ler no vacuo, grandes depsitos de foiha para
    ilcool on quaiqner mister, urna boa armaco in-
    gleza, grande qnantidade ,'e rolhas ioglezas,
    lquidos e u.uitos outro3 objectos, tolo muito
    em conta ; na rna Lniz do Reg n. '4. Santo
    Amaro, das 8 s 10 horas da manb e das da
    tarde em ciante____________________________
    ltala
    Mais barato do que em outra quaiqner parte;
    vendem
    VIEIRA & SILVA
    Rna de S. Francisco n. 26
    AOS
    CARDOS
    e rus
    Vender
    Urna excellenle prop-ieaade com boa cssa de
    morada e bom sito, tni am dos melhores arra-
    baldes da cidade : a tratar com oGusmao, agen-
    te de Ifriloes.
    TTir
    encontr de doun ou
    JULIO MARY
    OS DOIS INNOCENTES
    SEGUNDA PARTE
    (Continuar a o do n. O)
    VII
    PELAS GRANDES ESTRADAS
    Ora essa, dorm! Dormi e tive um
    bou to sonho. .. Sonhei que j* nao esta-
    vamos to-, como hoje... que eramos pro-
    teg di s por urna tenbora, de pbysionomia
    triste e meiga, e que noi beijava a ambos
    com a m';sma teroura.
    Ah! disse Cbarlot... E j tinhas
    viste essa senhura ?
    Nao.
    O qu9 rra ella ?
    Nao sei, Charlot, iras chaaiftvs-a
    matr'i... e retribua os seus carinhos com
    bejjos bem estrepitosos.
    Subitameutc c Aauelia siroplS palavra mimHi, atirada
    atsim de chofrj BM suas existencias, no
    abandono de pjbres entes martyres, agita-
    ra-oa profuniii.ue.'.te.
    Tiveram n'cessidade de pensir em par-
    tir, porque nao podiam demorar 83 mais
    tempo.
    Ticbc-m foroe.
    Segu ram a estrada que atnvessava a
    fl resta e caminharam a io meio da.:
    Apenas fiaeram o
    carreiros puxando penosamente los que a Dada momento tropec^vam. itbre
    a nev.
    A eBsa hora ouviram o som de umn sino!
    enrugada, com dous olhos pretor, nquie-
    brilhantes. A su pparen-
    cia no era m.
    t'.zp. tricot.
    Vimos de longe,
    Ra Baro do iViunaplio ns. 100 a 104
    doVisconde de [tapanca ns. %Z
    Tcm sempre em deposito :
    MACHINAS a vapor de 4 a 8 cavailos dos melhores fabricantes.
    OALDEIRAS multitubulares para 4, 5, 6 e 8 cavailes.
    MOENDAS as mais solidas e melhorfls do mercado.
    TAIXAS de ferr* batido crava<:r.s c caldead s. tundido de todus os tamanho.
    q RODAS'AGUA ptra cubes de DUaeua e todas de ferro.
    KODAS DENTADAS de espora e angulares de diversos tamanhos.
    CRIVaCOES duplas e boceas de fornalhas para as9entamentos.
    BOMBAS DE REPUCHO sem sd'.a, vlvula de bronze.
    CHUMACEIRAS parauuos e o mais que se opsa desejur para engenhos, eatra-i
    as da ferro e Obras Publicas.
    FAZEil E CONCERTAM toda e quaiqner pog de machinismo tanto de fern
    andido como batido-
    EN .AKREGAM SE de mandar vir da Europa por encommenda, mediante um
    ommissao rasoavel, qualquer machinismo e OoNTRACTAM apparelhos para Us>
    las, para fabricar de 100 a 300 sacos de assuaar em 24 horas.
    Oorigain-se a montagem dos mesmos e responsabisam-se pelo
    PASA LIQUIDAS
    ra o que tem um hbil engenheiro ingles
    cusa qne tambero engenheiro.
    rouito pratico, a'ca de
    bm trbala*
    dos um Boci<"
    Oh
    OOS
    procuramos traba-
    dEo n lito longe dVlles, mais perto aioda I ho e ebtemos com maita tome, mmba M
    do que iu!fcv;.m, pt.rquo a nev alafia nhora, dibse Berlina,
    os dobres, que ch gvam aos S3UI ouv.dos' A ouiher ficou muito tem,., leaoiot,
    como que acolcboados. trabal^ndo e olhando os. Befl.cu* ou
    E quasi a-j mesmo tempo achar.im-se ,e2tao pareca n5o ter i
    ira da floresta.
    Dianto 'eiles apresentou-se
    ate once po-
    viam-sc her-
    nuvens da
    das chacni-
    de aldeia. Era a Solre.
    Espilhad..s pela campia,
    dia alca&9sr so a paysagem
    dades, fabiicas e usinhs.
    O co eatava carregado de
    fumaya condens&da que sahia
    ns das fabricas.
    All, diise Bortina, encostraremos
    alimentos.
    Tenho medo de levar te l Nao
    estamos anda longe de Siint-Rmy.
    Meu Charlot, tenho muita fome.
    O rapazinh > suspirou. Tarabem elle ti-
    nba fome. NIt se queix.va psra n lo en-
    tristecer Burfina.
    Notou bui pequera cas* beira mes
    mo da fljreta Er.i cuntrnida de barro
    e coberta de telh.i vermelha ; na pirto
    anterior cinco ou aetis cercados par p->r
    cea e em volia um ariim echada pir cer-
    ca de espinos.
    Vem, disae ChorioL
    Encami.'ihsrim-s'j para ali, deiando
    atraz a aldeia.
    Abriram ua ceros urna porteira feita de
    paos e.icada
    que a ter casa.
    Apparecu logo urna muuer que con-
    servsu-se na soieira.
    O qun maiiilam vcccmeca ? cisse
    ella detonli.id
    uea cum-
    Iprehendido.
    urna gran- Charlot ia repetir o que dissera quando
    Onde moram seu?
    ! sini, minha senbora, quere
    ! dis^erarn ambos ao mesmo terop.
    E os seus olhos briiharam, .os seus 1-'
    bios entreabriram se.
    Ha alg.imss podres... Eacolham j
    as que ecto perfdit*s...
    Ooedtcram tiranlo algunas. Estavam ,
    aaeStM. lase fel-os rir. A campon z*
    cutiu dous bons pedis de um pao cuja
    erosta estuva branca de arinha. Poz um
    puohadu de *al a um canto da mesa, ume
    vB.lha eom asna e dous copos.
    Proaapto! disse ell?. Comam von-
    tadi?.
    Baotou-sa, poz os ps na grada do
    aqueced.ir e coutinuoa a fazer tricot, sem
    moBirar que se uccjpara do que elles r-
    sian
    Elle i foruim- Cumo saboreav^m a
    inillo O roetos rizonbos e reconneci
    dos de ambos agradecan] ve!ba.
    iJbjri.it pjrguutou-!ho :
    M-oha serhora, j que t3o boa
    para n?, puder indicar-nos onde ptd:re-
    m.,8 aohT trbalho ?
    Talvea qne cu ineama os empregnt,
    jdisee ella,
    i E cremos squi
    ^im.
    OacibarerooB alguma c'iusa ?
    eil<< merrompeu :
    De onde vm ?
    pi.ii ?
    Nos vimos de Ms.ubenge. Nao te-
    moi fumilia.
    Conlinu u a mesma pa- aa, prulorgada
    o singular. Deoois :
    Q'iem trata va de vo'.s ?
    Ninguem !
    E' impossivel...
    Charlot animou-se porque se aquella
    mulher os interrogava que interetsava
    se por elles. Pensou quo era meicur no
    mentir.
    Somos da Assistencia Publus...
    Ah j o desconhava...
    E depois ae outra pausa que du'Oi cin-
    co luiiuios, pelo meuws :
    Eutrem Comam f-rta Jo depende de v.,ces.
    E fui ospashar adiuut sem ueisar o tra- I E puderamos cumer todos os di s
    '0&1,0# Maiu<8 ve?.ei no d.a e ao doauagu
    O interi.r da casa era pobie. porm!l-,i',a IM vmt" Par* 8)UEUrem a'g"
    muito aestiado. Os movis reiuzam Nao
    nava um gra de po. ira em paite alga-
    ma. Da cremaiheir peaiu aob.e o tuquia t-r.ei
    la Ci ll-a.
    O!
    miuha senhora, que serv ;o ha
    urna grande caldeira. A m.lher levantuu
    a tampa e viram qus eatava cneia de ba-
    tatas.
    Isso o pc.isco dos meus p'-rcos '
    diaso a campoueza. P^im us L>M(*)M
    Uuiiuo... Meu filho cxplicar-lhes-
    ba i sao elie p u^rio.
    Nu *o riaeram rogar. Mef.iam a mao
    nt o 1 '.en-- ; iir/v.tm as baUUB, que pe-
    >hvuui ut a i oueiites, pU'ibam as no Sal e
    Era magra, baixicha e toda octrqur- que elles comem b*o as mesinis que tos !eugiiim vora-inente, tamintos.
    lhad. A sua pi.ysionomia era moxeoa, comemos... Es*?o cosidas... Qersu f1 Aduai, hcar^n fartos.
    Aque^am se, disse a cimponeza
    meu ti'n-i nSo deve. tardar muito.
    Uin>i hra depiis, m.ns ou menos, ouvi-
    ram-.-e passoa no jariim.
    Cbegon Jennekio, meu filbo, disse
    a ve>ha sem mudar de posiglo.
    Batrou um homem e deitoa um olhar
    sorpreso para os dous abandonados. Era
    baix i e ae ai pareacia raubitico. Pareca-
    se excr oidnanamente com a sua miti.
    Mo>trova ter uns vinte e cinco annos d*
    \*ndi Os seas olhos pretos brilhantes,
    expri;nir,m corno < de sua mSi urna espe
    c;e ri>; ncsasBic-go e de astucia.
    A mi e o tilh > pueeram-se a fallar
    apress lot e Bertina nu compreheadiam. Algu-
    mas expre8;ois apenas lembravsm-lhes pa-
    lavras j ouvidas em Sint-Rmy Mas
    nSo apanbaram o sentida das phrases.
    Djpois Jent-i k n veiu ter com elles.
    Querem trabalhar
    Oh sim, senbor, queremos, com
    muito hSi vjitH.ie.
    E* riblho peoosi .. muito pe-
    noso. ..
    .so2 03 fortes...
    ,B=m. Varemos.
    \m que vi ojcip r-no3? interro
    g >n Be i tina.
    O hmm sorriu-se vagamente.
    II\ de dizrr Ibes, xuas pjr hoje des-
    eancem. A man ha faremos urna viagem.
    Ac i:u j.iiiiiar me h5o e ex jlicarei o que
    que quera qu fa.am.
    A re!ra tes una cima na coeioha para
    ..ha \jt e utitra, em um gabinete em que
    dormii, para rtertni*.
    Aqu i-ur l>.m men na... E como
    ve na-j ternas m-.-ih>r cama para coi...
    NA i BiimoB r:cOi...
    <.'h tu i.tia senhora, nanea fomos
    rn1 s ti liti-s do qaa -gu.-a.
    A tamilia Jeack (i nao era rica, effe-
    c'irame.i e, e Chanoi e Bertiaa- passei-
    Charlote verdadeiro, qua-
    lidade superior,
    Castores de todas as co-
    res com lindos desenhos.
    Tapetes com lindissimoi
    padroes.
    Marroquim branco e de
    todas as cores.
    Sola especial.
    Formas francezas moder*
    as e mais artefactos para
    sapateiros.
    Tudo isto se vende por
    diminuto preco por ha ver
    grande depsito na loja de
    calcados ra do L va-
    me rito n. 10
    Costa Campos C.
    ando tarde pelo jardim, pensavam em
    qual seria o trabalho mysterioso que ihes
    reservava.
    Porm eram jovens demais para cogitr.-
    rem muito tempo nisso.
    Dormiram socegadamente.
    Pela manh2, muito cedoaper.aa o dia
    despon o a camponeza despeitoa os.
    Vistam-se, disse ella.
    Fizeram-no com presteza. Quando fi-
    caram promptos ella deu-'.hes urna grande
    chicar.", de caf mistarado com chicorea e
    duas latas de po.
    3 o almo9o...
    E vamos trabalhar, minha senhora ?
    perguntou Charlot.
    Sim, hoje mesmo !
    Entr. uMennekin.
    Trazia na m3o um grande bas2o ferra-
    do as extremidades. Grandes polainas
    de coaro apertavam at o joelho a s: a
    perna nervosa.
    NSo era talvez muito robust>, mrs dc-
    via ser de urna agilidade mi>ravilhosa.
    Urna cinta de c mro cingia ua sua c'ntura
    a blusa &3ul dos hoosens do norte.
    Venham disse lacnicamente.
    Elles obedeceram.
    Quando entraram no mato, d po s de
    terem camiubsdo uns esm metros, Jenne-
    kin detove-se olhou em redor del e, como
    se e3para8J9 algaem e nao vendo nada,
    soltoa 'um assovio estridente, terminado
    por orna modulado particular.
    Qjasi ao mesmo tempo sahiu de entre
    as arvores um cao de pello grosseito cor
    de cinzs, cojos olhos pequeos, vivo.,
    quaii humauos estavam ensombrados por
    longos pellos que par;c am abriga I os.
    Kosnoa quando avistou Bertina e Chsr-
    lot e ficcu distancia.
    /
    CConnuar\-ha)
    Typ. d? Diario, ra Doque de Caxias n. i.
    .

    V
    f


    4

    V

    i.

    ,lll I l.l !.!


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EBDTM12TY_4M3YAZ INGEST_TIME 2014-05-28T01:10:42Z PACKAGE AA00011611_16779
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES