Diario de Pernambuco

caridade a desvalida Maria da I'ouccii.ao da
Penha, que diz ser de Pao do- Kerros, e ua seus
lilhus menores, Carolina, Prancisea, Aotniiio e
JajRk
Ao cmrmiandante do corpo de policia.I'Ode
Vine, desligar do corpo sob o ,-i-u commando o
soldado Cusiip Teixeira de Souza Baptista, de
qucm Irata o mi olllcio n. 469, de bonlem da-
ludo.
/Ao rnesmo. I'ode Vine, eugajar no corpo
sol* o seu com nando, sendo idoueo, o pabano An-
tonio Pereiia iia Silva, que. sogoudo o seu afMo
n. 468 de 111 du rurrante, fui julgado apt) para o
service.
Ao 2. uiz de piz do Limneiro. InfiMDM
Vine, sobre o quo cxpoe o I.* juiz do pax dessa
freguezia no olUeio junto, que devolvera, decla-
randc a razau pela qual nao p>sson ao dito juiz
de paz os offlc ua perteneenles ao jnizo.
3.' sendo
Ofllcios :
Ao tnsncetur da thaaouraria de fiuenda.
Reeominendo -.,. V S. que, a vista da inclusa cob-
ta que me nmwUeo u Dr. chefe de policia com
oHicin de hoiitom daiado stdi n. I'i<*i';, inande pa-
Ear ao laaente qaartel-inestre do corpo do policia,
Antonio Jose de Souz e Silva. ai|tianfia de.....
11 rvtto, despindida coin a diaria fnrnecida ao re-
cruta Jose Silvestre de Souza Junior, vnido do
tenno de Tacaratil com destino ao servi^'o do
exercilo.
Ao mesuio. = Toman lu em eonsidcracao o
qua expoz Jiiiquim Blias d*^ Carvalbe Uourano
incluso requoriiiiciito, a quu allude siia iui'orma-
cuo de 19 do correnle n. UOt) sorie D, autori>o V.
S. a mandar pi gar ao supplicanle, soli re-pousa-
Lilidade da preside .cm, uos te.nnos do decreto n
M3i do 1 de fsveroirj de I8uz\ a quautia do-
83a, proveniente dos concertos feilos na eoberta
do edilicio do hospital uiililar. visto uau existir ni
respectiva verba crediio algum para semelhante
pagamento.
Ao mesno. Inteiiado do que expoz V. S.
em seu olBcio de 16 do conente n. 888 serie D,
tenho a dizcr que o auloriso h mandar escripturar,
sob a responsiibilidade da presidency, nos termos
do decreto n. 2884 do i. de fevereiro de 1862, a
Ollioios
- Ao Dr. chofe de policia. Sua Exc. o sr. prc-
sidi-ute da p ovincia m.inda declarar a V S. que
nesta data cxpedio ordem a thesouraria de fazeada
an si-niido de ser paga ao tenenle quartel-mestre
do corpo de policia, Ant juio Jo.se de Sous;i e Silva,
a quantia. de que trata o sou ollicio de hnulem, sub
n. lioi.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vi::eia inanda transmktii- a V. S. o titulo junto de
nonteaeao do delegado de leruio de Ipojuca, do een-
tirtnidade com a proposta de V S. em ollicio u.
l'."i"> de hontem datado.
* Ao oommandaote superior iuterino do muni-
cipio do Serinhaem. 0 Exm. Sr. presidente da
provincia inanda commauicar a V. S. qui a the-
souraria provincial tern ordem para pagar o- veu-
paa'atos do destacamento da guarda nacioual, de
que trata o seu ollicio de 15 deste moz, sob n. 3.
KXPEDIKNTE D DIA 21 DK AG0ST0 DE 1873.
/. teciulo.
Oilkios :
- An Bx.lL lin'sadeiro comnandaul; das ar-
mas. Sirva-se V. Exc. de mandar piir om liber
!>. a mandar pagar soli a rispousabilidide da pre-
*ilen -ia as ilesfiesaii mitidas da juelle arsenal, feitas
n > mz di- juiiho ultimo, e na imp irtaneia de
2914000, vial.) uao hawr para esse Utn Cfedilu al-
3um na verba competenle, segun to se deprelum Je
o pareeer da coniaduaft dessa Miesourari.i, que
veio appenso a sui aataala (afanoacao.
Ao inspoetdr da akwaararia aruvaaciai -
Coinmonico a V. S. que, tataando wn auakaateraejan
o qua me requereu a trmaauade ile Noa-a Senhora
da Assumpc.io, da imperial capella da Estancia, e
lendo em vista a? informacuAs ininistradas pelo
(nesoiireiri) das loterias e por V. S. em 16 e 20 do
correote, acabo tie autorisar a extraccao da parte
da hleria conoedida pela lei do orcaiujgnto vigente
a favor da referid i capolla, em lugar da que ae
aeha deainada na aaesma lei para as obras io ce-
aaMnrw de Olmda, que nao node ser extrahida
aUHMWaaV otavaaV iaape.Ho a qate esta so
jetia.
Ao mesmo. Annuindo ao quo soliciloi o te-
nonle coronel cimiroandante d corpo de policia
em oflicios de 19 a 20 do commie, sab a. 471 e
475, auloriso V. S. a mandar ab-naar 3 m es de
vencimentos a am official qne segue para e Grani-
U>, e 100*001 eoino ajnda de eusto de ida e volu, e
sete dalas de soldo a iiraa praca que o acompanha,
contnndo-se o abnno do official, do l, e o da praca,
de hoje, e bem assim 5 ditas a 10 pracj
2 inferior-"*, qac van destacar, 5 na G
Vicencia.
An mesma. -Em addiunento ao meu officio
do .'i d i corrente reinellenJo copia daV inodiiica-
(lies feitas ao contraeto celebrado com o barao da
Soledade para a coastruccio da estrada de ferro do
Recife ao L-'moeiro, declaro a V. S. que no art. 11
oode se diz o jaros deste, deve ler se e jnjos desta
noari. 14 ondesediz concurreneia -d>veler-ae
conveniencia e no art. 23 onnV se dizexcepcao
las obras diga-se esccui;ao das ob'as.
4' secrav.
APt< :
0 presidente da provincia, attendend ao que
ex|M*)z o Dr. director geral ialerino da iustmccao
pnbliea em officio de 16 do correote, sob n. 2)2,
resolve ebneeder ao Dr. bellannino Correa de Oli
veira Andrade a exoneracao que pedio do cargo
de delegado litterario d> distrieto da cidade de
Goyanna, e nomear para sub-tituil o o Dr. Alfredo
Ernesto Vaz de Oliveira, juiz municipal e de or-
phans da njesma cidade.
0 presidente da provincia, altendondo aoqae*
requereu Maria Augusta de Garvalho, e tendo em
vista a informac.io d i "It. director geral imerino da
instruccao publica, de 18 do cnrre.ue, sob n. 253,
resolve nomeal-a para reger interinameute a ca-
deira de pritneiras lettras da novoa j*o de Queiraa-
das, mediante a gratificacAo annual 600/;000.
Offlcios:
Ao Exm. Sr. presidente da proWaeia do Pa -
ra. --Com a inclusa copia do officio do brigadeiro
coramandaatc das annas desta provincia, datadi
aaaada d-cl irar a V. Exc, para -eu cnnlieeiweut-i,
que nesta data uiandou-sc- loraecer o pedido que
veto aauexo aoseu officio de 19 do corrente nob
n--*34.
- Ao mesmo. Sua Exc. Sr. presidente da nunciadi oe art 203 do cudigo criminal.
A'min'a orlem, Basilio, escravo de Luiz Pe-
reira de MeHo, nor andar fugidu.
A' onlem do Dr. juiz de fireito do 3.* distrieto
criminal, Felhiana Maria Olympia, por esiar pro-
prafincia mauda declarar a V. Exc, em resposta
an sen officio do h mteui sob n. 8J"i, qi-' hoje ex-
pedio ordem a agenda de vapored para transp jrtar
a cwrte, no vapor Bahia, > capita.) aggregado Mi-
noetdMtquim Machado, e a thesourarii de fazenda
para ajustar eontas e passar gua de soxorri-
iueu.s
Ao mesmo.Do ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, communico a V. Exc. quo nes-
ta data o director do arsenal de guerra lica aulo-
risaJo a maodar oonduzifdo hospital mililar para
a|Uol!' arsenal osobjeetoseoiistauli-s djpedidoan
nexo ao officio de V.Exc, de bmlem, sob n. 833.
Ao mesmoSua Exc. o Sr. presidente da
prormcta mauda coimnuoicar a V. Exc, em rcs-
|wsa ao seu officio de houtem, sob o. 831, que acs-
ta data expedio ordem ao director do arsenal de
guarra, all-n do serein couduzidos d'alli para o
quarte! pjrtencenies ao mesm i batalha i
3.' secciio.
Oflicios:
Ao Dr. chefe de policia. 0 Exm.Sr. presiden-
as -iaetusive te da pruviocia mauda Iransmittir a V. S o titulo
Gloria, e 5 na de aomeacao Jo subdelegad i i-; Paralibo, de con-
foraai Jade com a proposta de V. S. em offliio n.
1,461 de houtem datadi.-.
* Ao commaudaut: superi n- de Garanhuns,
Buiqae e Bom Conselho.Sua Exc. o Sr. presiden-
te da provincia inanda cominunicar a V. S. que
a tnawouraria de faxenda f >i nesta data aUtorisada
a pagar a Jose Carlos de Sa os vencimentos do
destacamento da guarda nacional, de que trata o
seuufficio do 12 do correnle.
Ao commanJante do c-irpj de poli na. Sua
Exf. o Sr. presidente da provincia mauda com-
maaicar a V. S. qie nesta data acabade autorisar
a thesouraria provincial, no seulilo de serein fcitos
os aboaos de que trataru os seus officios de 19 e
20 aVste lu.-z sob us. 4T1 e "475.
Por ollicio de 26 do correnle communi^ou-me o
delogado de policia do term-) do Cabo, ter o sub-
delegado do I." distrieto daquelle termo, remetti
d i ao Dr. juiz ri'dinal, os iuqueritos policiaes a
into procedeVa contra FirmiDa de tai e Maximinia-
no M.inoel, o primeiro pelos ferimentos loves fei
tos na pes-oii de Juito dos Santos, e o sagundo
pela morte de Pefe de ul
Fiualmente, a ordem e a iranquillidade publicas
u.ii- sooVerau alteracao.
D.-us gtfardt a V. fixc-lllm. e Exm. Sr. com
mendader ll-nrique Pereira do Luceua, dignissi
mo presidente da provincia. -0 chefe de policia,
Antmio Frunciscj) Corriin de Aiaujo.
EXTERIOR.
Ctarresiionileiiein lo lliai-io
Pcruamhiico.
le
dadi-, visto ter provadoisencio legal, o recrula Jose (,e 20 do corrente sob n 830, respondo ao do 6
Francisco de Azevedn.
Ao director do arsenal do guerra. -Perlen-
cendo e sendo neevssarias ao seivieo do 9' bala-
lliao de infantaria differeotes peeas de armamauto
e utensis existentes n'esse arsenal, mande Vine.
conduzil-os para o quartet daquelle batalhao,
anre>entandi)-ne a couia dessa couduci;ao, alim
de ser paga pela the uraria de fizen-Ja; salisfeita
leste modo a ivqnisicao do Exm. brigadeiro com-
mandaote das annas em officio de hontem. sob
n. 831.
Ao mesmo.Mande Vine, ennduzir do hos-
pital militar para esse arsenal, conformc soliciloti o
Exm. brigadeiro c immandante das annas em offl
cio de hontem, sub n. 831, os olijectos constantes
da inclusa relacao ; devendo Vine, fazer a despeza
dessa cenduccao, alim de ser opportunamento pa-
ga pela thesouraria do fazenda.
2." secQfio.
Ados :
0 presidente da provincia, attendend a ao que
requereu a furriel da 4' companh a do corpo de
poHcla, Hicardo Pereira Mendes, e a vista da mfor
macao do respeclivn ciinmandaiite em officio n.
470, de i9 do corrente, resolve coneedcr-lh; um
mez de liceni.a, com vencimentos na forma da lei,
para iratar de sua satide,
0 presidente da provincia, de conformidade
con a proposta do Dr chefe de policia em officio
n. 1462 de 20 do correnle, resolve nomear o capi
lao honorario do exercito, Vanoel de Carvalho Paes
de Andrade Gouvin, para exercer o cargo do suli-
ilelegado do distrieto de Paratibe, 2 da freguezia
de Maranguape, do termo de Olindo, que se acba
vagi i.
Offlcios:
A-1 Dr. chefe ds policia.Com o ollicio por
copia, da camara municipal desta cidade, respondo
ao de V. S., n. 1339 de 29 do mez proximo passa-
do, quanlo a alguuias palhocas existentes na Ilha
dos Rates.
Ao juiz dp direito de Santo Anfta-i.Fico in-
despeza de 19^685*8 !8, feita pelo almoxarifado do; ttirad.i do haver V. S. espacadn para o dia 29 de
sessao do _
a epidemia", que reina
presidio de Fernando de X-ironha nos mezes do; setembro proximo futuro a sessao do jury do ter-
Janeiro a main doste anno, exercicio de 1872 a| mo ue Santo Antao attenla :
naquella localidade.
?
1873, visto nao haver crediio na verbaExercito
do muiisterio da guerra.
Ao inspoTtor da thesouraria provincial Mi-
nistre V. S. a esta presidencia uma demonstracSo
da despeza a fazer se com o pagamento dos ordena-
dos dos profes'ores de latim, cujas cadouas [oram
si.pprim.das pelo art. 36 da lei do orQamcno vi-
gente, aim de ser autorisado o competente crediio
para sernelhaiite pagamento, visto nao haver con-
signacao de quota na mesm a lei para essa des-
peza.
Ao mesmo. Trazcudo V. S. ao meu conhe-
'i.-imento a cmnmunicicio que fez 0 fiacal interino
da collectoria le Bezerros, de ter-se aus-ntado, a
pretexto de milesiia grave, oesaivae dessa esta-
tao Diogj Jose da Costa, o quo obrigou-o a no-
mear par* sul stiluil o interinameute o alferes Joa-
quim da Costa Pereira, tenho a dizer que approve
essa nomeacftn ; 0 que declam a v'. S. para os fins
ronvenientes.
Ao mes'ino. Tendo por despacho desta daU
reJevadii Joao Pedro da llocha Pereiia da multa de
li por cento eta 'jue incorreu por nio haver pago
om temco os apparelling da atrina e annuidade,
cobradoti para mdomnisacao lo pagamento a com-
}ianhia Itecife Drainage, com-i iuf innou V. S. em
officio do 11 do cirrente sob n. 311, assim o com-
munico para seu c >ahecimeiito e tins conve-
oiontes.
Ao mesmo. Expeca V. S. suas ordens no
senlido ile serem pagos, a vista dos inclusoss prels
era duplicata que me remetteu o commandante
superii r interino do muuicipio de Serinhaem, com
officio da 15 ilo correale s-ib n. i, os'venciineatM
do destacamento da guarda-nacinnal exislente na-
quella villa, concernentes aos mezes de junho e
julho ultimo, scguodo in-licam os menciouados
prels.
A) me=m-'>. E'o resposta a> s.-n officio de
10 do C Tronic s ili ii 341, cm que iraz ao co:;he-
cimento desta presiilencia a proposta de Antonio
Jose de Souza para a compra do sitio dos Reme
dios,adjudicado a fazenda provincial pelo preg < de
3:7o0x, tenho a dizer- a V. S. que autoriso-o a
acceitar a me-ma proposta no valor daqoellaadju
dicacio, visto nao se ter obtido outra mais vanta
josa nas repel idas vezes que o dito sitio tern ido a
pram
4.' seccfio
OJzeios:
* A) provedor interino da Santa Casa d.s
Misericordia. Communico a V. S., para os flns
coEven;entes, quo Desta data deuro a peticSo de
An commandante do corpo de policia. A'
vista do que informou Vmc. e.n officio n. 470 de 19 do
correnle, tenho a dizer Ihe que beam concedidos
30 dias de licenca ao furriel da 4" compau'da do
corpo sob a seu cominando, Ricardo Pereira Men-
des, para tralar se.
3." secciio.
Offici.is :
Ao iuspeclor da thesouraria de fazenda.
Sesta data officio aos vigarios das freguezias desta
provincia, no seutido de observarem o disjiosto no
regulamento de 20 de junho de 1840, con forme so-
lieitou V. S. em officio de 9 de maio' ultimo sob
q. 770, serie C, quo assim lica rerpondido.
Ao mesmo. Altendendo ao exposto pelo se-
cretario da cauitania do porto no incluso reipio-
rimento, a que se refere ua iiifonuacao do 19 do
corrente n. 9i)3 serie D, auloriso V. S. a maodar
pagar ao supplicanle sob responsabilidade da pre-
sidencia a difference a que ten) direito para o
complement!) da 5' parte da gratilicacao de capit.io
do porto, segundo foi declarado por aviso do minis-
terio da marinha, de 26 de julho ultimo.
Ao mesmo.Transiniiio a V. S. a folha, re-
lacai nominal e nret junto.- em duplicata que me
remetteu o cuinmandaute superior interino dos
municipios de Garanhuns, Bunjue eBom Conselho
com officio de 12 do corrente, alim de que mande
pagar a Jus,'- Carlo.- do Sa os vencimentos do des-
tacamento da guarda nacional da villa de Aguas
Bellas, relatives ao mez de julho ultimo.
Ao mesmo. Nao obsiantts a impugnacao que
faza contadoria no pareeer que. veio annexe ao
seu officio de houtem, n. 901, serie D, relativa-
monte afalta de crediio que ha na respectiva verba
para o pagamento a que tern direito Augusto Caors,
provetiieiite da. ambulaucia que foi reraetlida .ao
suhdelegado do distrieto do Timbauba por inler-
medio uo Dr. iu-pect-jr da saiide publica, aatoriso
V. S., nos termos do decreto 2884 do 1 de feve-
reiro de 1862, a mandar effeetuar esse pagamento
sob responsabilidade da presidencia.
Ao mesmo.Mande V. S. ajustar contas e
passar gnia de soccorrimento ao capitao aggrega-
do Manoel Joaquim Machado,o qual, em viriude do
aviso do mmisterio da gderra, de 2 de julho ultimo,
tem de seguir para a curie e ser alt expeccio-
nado no mez proximo vindouro.
Ao mesmo. Tomando em considerajio o que
expoz o director interino do arsenal de guerra em
officio de 16 do corrente, n. 465, a que allude sua
iaformacso do hontem a. 909 serie P, autoriw V.
tambera da corrente, pedin-Jc esclarccimentos acer-
ca do soldado do 2g batalhao de infanlaria Felippe
Nery de Andrade, que allega ter marchad > dessa
provincia para a guerra do Paraguay, como guar-
da nacional designado.
Ao director da faculJade de direito. -Trans
mttto a V. Exc. o incluso raqnerimento documeu-
tado, em qne D. Umbelina Luiza da Silva-fcrmn-
des ile Loureiro, viuva do conselheiro Lourenij.> Tri-
go do Loureiro, fallecido nesta provincia, pede uron
pensao; alim de que V. Exc haja de emittir a seu
pareeer a tal respeito.
Ao thesoureiro das loterias. -Tomando em
con-i leracao o que me requereu airmandade de
Nosa Senhora da Assumpi.an, da imperial capeda
da Estancia, e tend) em vista as iuforraacocs mi
nistradai por Vmc. e pelo inspector da thesoura-
ria provincial em 16 e 2 do correnle, o autoriso
a mandar extrahir a parte da lotena concedida
pela lei do orcamenlo vigente a brat da refenda
capella, em lugar da que pela oie-m.i lei foi desig-
nada para as obras do cemiterio de Olinda, que
oao pode ser extrahida em virludc do eleva-Jo im-
post o a que esta sujeiia.
PorUna :
A lllma. camara municipal do Recife -
Com a copia junta, do officio que em data du lj
do correnle me dirigio o director da companhia de
Beberibe, satisfaro o que i;m 21 de joliio ultimo so
lieilou a flima, camara municipal do uecife, pe-
dindo providencias no sentido de fazer desappare-
car o fo.-n de insalubridade, exislente na rua de Vi-
dal de Negreiros, desta cidade.
5." secciio.
Offlcios :
Ao presidente da junta de emancipacao de
escravos do mumcipio d Bui pie. Ten lo' nesta
data, .nos termos do art. 28 do regulamento de 13
de novembro do anno passado, declarado ao pro-
motor publico dessa comarc.i qu, competindo aos
escrivaes das collectorias geraes substituir os eol-
lectores em seus impediinentos temporarios, be u
acertada fora a desigoacao do dessa collectoria
para substituir o respectivo collector nos trabalhos
da junta emaneipadora ; assim o communico a
Vmc. em resposta aos seus officio* de 17 de julho
ultimo e 7 do corrente. Outrosiin espero que con-
linuara no desempenho das obrigagoes que Ihe
prescreveo cilado regulamento, cessando todoo mo-
livodedivergencia entre Vmc. e oreferido promo-
tor, com o que naia tem a lucrar o servico pu-
blico.
Ao promotor publico da comarca de Buique.
Inteirado do que expoeem seu officio de 13.de
julho ultimo, relativatnente a mterrupcao dos tra-
balhos da junta emaneipadora dos escravos nesse
monieipio, pela duvida suscitadaentre Vmc. e o
respectivo presidente, sobre a substituicao do col-
lector durante seu i npedimento nos menciunados
trabalhos, tenho a dizer-lhe que, referiuio-se a
minha circular de 3 daquelle mez ao caso de oao
achar-se preenehido o lugar de collector, e nao ao
de impediments temporano, e sendo por oulro lado
certo que sao os escrivaes das collectorias geraef
os substitutos legitiraos dos colleclores, claro e que
ao dessa collectoria compete a substituicao de que
trata Vmc. em seu citado officio, que lica assim
respondido. Outrosuu espero que, resolvida por
esle modo a duvida suscitada entre Vmc. e o refe-
r\lo presidente, continuara a prestarse aodesem
penho di que Ihe incumbe o art. 28 do regula-
mento de 13 de novembro ultimo.
Ao de Ourie.ury. Inteirado do que exooe
Vmc. em seu officio de 26 de julho ultimo, relali-
vamente a recusa de alguus senhores em pagarem
a taxa de 14000 pela matricula do seus escravos,
por nao a terem feilo em tempo competente, alle-
ganJonao ha/er alii quern a cubrasse no prazo
da lei; tenho a dizer-lhe que, sendo procedente
essa razao, deve Vine, receber dos referidos senho-
res somente a taxa d^ 500 r*. prescripta no 3' do
artigo 87 do regulamento de 13 de novembro de
1872, visto nio serein elles responsaveis por seme-
Ihante omissao.
Port aria :
Os Srs. agentes da, companhia de navegac^o
brasileira mandem dar transporte para a cdrte por
conta do miouterio da guerra, uo vapor Bahia, es-
perado dos portos do norte, ao capitao aggregado
Manoel Joaquim Machado, o qual, em virtude do
aviso do mesmo ministerio, de 2 de julho ultimo,
tem de ser inspeccionado alii no mez de setembro
vindouro.
EXPEDIENTS DO SECBETABI0
/.* ItCtfO.
Offlcios : ,
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.Sua Exc. o Sr. presidente da provincia
Olcio :
Ao Dr. director
pobUca. Sua Exc. o
mauda declarar a V.
4 seecgtiti.
geral interino da instruccio
Sr. presidente dt provincia
S. que, ati'-n-leudn ao que
retfaereu Maria Augusto de Carvalho, e informou
essa direetoria em officio de 18 do e.irrente sob n.
SSiVresolveu noin.-a 11 por acto desta data para
refer iutorinamenie a caloira do prim da povii*ca-)de Queimadas, mediante a gratiflcacao
annual de 600a.
aciios da PRBsms.Nia.v ue 2 i de ouruBiio
i ik 1^73
ixo assiguados, uieaahfua da *ocie lado Pro-
paajalora da instruccao Publica ua parocliia do Po-
cw^a Panella. Ao Sr. director geral iuterino da
itwarfcecao publica para al'.enler an. supplicaules,
n is termos de sua iuformacan de 23 do eorrenie,
sob n. 312.
Amancio da .-ilva. Sim.
Antonio Pereira da Silva. Couceda se somente
a mulher do supplicanle.
ChrUlovin da Rocha Cuuha Soutj Maior.-lude-
C'rnl-
FraficMco Pintu de Magaliiaes. .\esta data soli-
ci!o do "overuo imperial o uecessario ere lito para
pagame'ito .10 supplicanle..
Dr. Francisco Hinto Pessoa Informe 0 Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Fielden Brothers & C *-L)eferido com offico des-
ta data a thesouraria provincial.
Francisco Pereira do Lago. Sim.
Joan WaHredo de Medeir-is k C. -Nesla data so-
licit 1 do governo imperial o crediio neces-ario para
pagamento ao supplieante.
Joaquim Ignacio Ribeiro. Informs 0 Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
fane Ignacio Avila. luforme 0 Sr. inspector da
the-ouraria de fazenla.
Joaquina Maria da (imceic4o. Deferido com of-
ficio desla dala a Santa Casa de Misericordia.
Manoel Pedro Evangelista.Informe o Sr. direc-
tor das obras publicas.
Seralim Vieira d Carvaho. Satisfaci o quo
exigem os arts. 45 a 46 do decreto n. 1,13) de 12 de
marco de 1851.
William Otto. Informe 0 Sr. inspector da the-
souraria de f zenda.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 30
de oulubro de 1873.
0 port-iro,
Silvino A. R idngues.
: rhi hi it 11 do snperior.
QU.VRTEL DO COMMANDO SUPERIOR INTERINO BA
. GUARDA NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE,
28 DE OUTUBRO DE 1873.
Ordem do dia u. 134.
Para cumpriraento da ordem do Exm. Sr. com-
mendador presidente da provincia, de 23 do cor-
renle mez. refereote ao aviso do ministerio da jus-
tice, de 4 tambem ii cirrente, delermino aos Srs.
commamlanies dos corpos e esquadri'e's de cavalla-
ria (excluido o l* de artilharia) que lha remellam
impreterivelmente ale 0 dia 3 do mez proximo vin-
douro uma relaca nominal dos clarins, cornetas e
tambores, coin declaracan da data de seus engaja
men!->s; devendo desde ja ser despeiidos do ser
vico aquelles que ja houverem complelado seus
contractos e e mesmo se ir praticando de ora em
diante, fazendo se as devidas coramuuicai;5es._
Publico, para os fins eonvenientes a relacao in-
fra dos Srs. offlciaes nomeados para o I* baiallia
de artilharia por portaria do mesmo Exm. Sr., de
24 do andante mez.
Eslalo-maior.
1 tenenle quartel-mestre, o 2* da 6" companhii,
Jose" Frederico Cardoso Ayres.
2" tenente secretari >, o gu rda, Jose Fmza de Oli
vetfa.
1.*. companhia.
Capitao, 0 1* tenente da 6', Francisco Jose Jay-
mo Galvao.
2.* companhia.
tenente da 5', Joaquim
Pedro da
Capitao, 0 I
Costa Moreira
1* tenente, 6 2* da mesma Caetauo Jose Gom;al-
ves da Ponte.
2* tenente, 0 guarda, Josa Antonio da Silva Gui-
maraes.
2 tenente, 0 guarda, Antooio Pinlo da Silva
3.* companhia.
Capitao, o 1* tenenle da 2 Francisco de Paula
Cardoso Junior.
. 4.* companhia.
Capitao, 0 1* tenenle quartel-mestre. Eustaquio
Zeferinj da Silva Braga.
5.* companhia.
! tenente, 0 2* tenente seeretario, Paulo Pereira
Simoes.
2* tenente, 0 guarda, AHooso Fiuza de Oliveira.
Acha-se de servico durante 0 mez de novembro
proximo 0 Sr. major aju lanle de ordens, Jose Go-
mes Leal.
Rodolpko Joao Barata de Almeida,
Coronel commandante superior interino.
faeccio.-
IH.
1 Pernambuco.
Repartlfift* da patlici
io. .Secretaria da pohcia de Per
30 de outubro de 1873.
N.....nim. eExm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhldos a casa de detencao
93 iadividaoj seguintes :
PORTUGAL.
LISBOA, DE OrjTl'B80.
II m' -in peli) meio dia tirou a mala 0 paquete
Donrn, quo ciilrou de madrugada. Esta ira pela
de Valp-iraii> da companhia de navegacao do Pa-
cidco. Pouco ha f.-lizmente, nao hi acootecim-'nt is que se podera
acrescentar com 0 intervallo de vinte e quatro
horas ? Seja como for, a necessidade de encher-
mos, tantos quartos de papel para nao perder b
bom costume da pontualidade, que me impuz,
me fara respigar, a por Um alguma cmisa en-
conirarao os nossos h-mdosos leitores, que Ihes
desperte a curiosidade.
A imprensi esirangeira e tiortugueza con-
tinua aindi a ocenpar-s,- do ompreslim > nacional,
que foi 0 facto mais importante.de que ultima-
meiite se tem registra le em relacao a este paiz
Gracas a abundau -ia de capilaes disponiveis e
aoa bancos portugiiezes, a subscripcao excedeu
|H).' mais de 13 por cento a soinna porque foi
aberla. Agora que pi--.ni a bora da espectaiiva
em que muilos itimbravam de nio obstarem,
mesmo indireetamente a c-in-oli la; 10 di divila
lluciuante ci):n suas reflexoes, vai-se discutindo
fri.-imente a operacao e ja quasi todos eonfessam
qne o governo lere nisto ainda mais felicidado
que seguraara de calculos.
0 Commeicio d> Porto na sua revista commer-
cial que remetto agora, depois de discorrer des-
apaixonadamente acerca da reforida operac.tu,
conclue :
Qualquer que seja, porem, a opiniai qiie se
tenha icerca das condicfles da operacao de que
acabamos de fallar, 6 forcoso convir em que 6
grande a c mlian ; 1 publica no estado das linan ;a>,
e |quo 0 paiz esta n'umi 6poca do prosperidade.a
t A emissao de 38,000 contos de reis de ins
aripeSas nao difficuilou da modo algum a orga
nisaivio de emprezas parliculares.
Rofere-se depois ja torem se feilo as primeiras
entradas do capital da companhia de liacio, lece
lagem ertOtnrnria dimominada -Porto Inlnstrial.
Apenas se avendu a idea da formaeao desta em-
preza, os capitaes a protegePam e j.i se aeha for-
mala. E-pera-se inoitn da mdustria da liacao
do que d.i tioni lestemunho o estado pro-peri di
C-impatiht 1 Fi'ici'10 I'ortuense, que resolveu aug-
raenlar 0 seu funlo err. 73 cantos de rdis.
Refere tambem que sc organisou com tola a
rapidez a s.oiedale que se destina amanter uma
fabrica do lia.-ao e de que sin soeios gerentes os
Srs. Antonio Jose Carneiro e s-ilva, JosiS Antonio
Fcrroira de Azevedn e k>s& Pereira Rezcnde. A
escriplura da soeiedade ia foi registrada no tri-
bunal do commercio do Porto. As aceocs desta
empreza sao muito pro^uradas.
A outra empreza, se refere igualmente a men-
eioaada revista. E' a Nova Compauhia Viagiio
Vortuense. a qual tem conlinuaao a suslenlar
com grande vantagem carreiras de diligeneias en
Ire 0 Porto e liraga. tratando ia de e-tabelecer
'diligeneias para Traz-os-Montes.. E' bello 0 pe-
riolo com que 0 illustre revisteiro celebra e-te
facto, e nao celo a tentacao de copiar : 0
Min'io ja sufficientementc protegido pelos capitaes,
c beneliciad) pefc) estado, principia a offerecer
menos lugar a certas emprezas que a antiga pro
vineia transmnntana reclama. Chegar-lhe-ha a
sua vet, I'assa sc do jardim de Portugal para 0
seu riquissimo pomar. Rompam-se as muralhas
qae a natureza p iz como g"uarda a feraz e mon-
tanhosa provincia ; cruzem nos sens alcantis as
diligeneias, mova-se nas entranhas das serras a
locomotiva do caminho de ferro, leve-se emlim a
provincia o capital de que ella esta carecida,
e em breve se licara assombrado pela maravilhosa
producfSo agricola de Traz-os Monies, e se acres-
centara prodigiosamente a riqueza do paiz. Que
jurm de usurario nao pagara sem cu laneolica e lecundissima provincia I Quasi tudo
o que nos cribicamos ao Alemtejo, ao Algarve, a
Madeira, aos Aeores, da-lo-ha Traz-os Monies,
dsde 0 vaiimenlo para 0 pobre, ale ao preducto
servido nas mesas mais delicadarame abaste-
ci las se encontrara nessa provincia, ate hoje
meio esqaecida pelos capitalists e pelo es'ado.n
Meus amigns, regosija-se-me 0 ammo (e des-
culpem se Ihes pareeerostentaclo de patriotism))
Suandn vejo estas boas novas de cousas que te-
as ellas sommadas representam muita prosperi-
dade nacional, muitos elementos de vida autono-
m.ca, de ordem, de paz e de moralidade publica.
Mas qne qucrem senio conGo so nos capitaes na-
cionaes para 0 desenvolvimento destas riquezas !
A boa politica, e um conjunct)) de circumitan-
cias favoraveis com que a Providencia aprazdo-
tar-nos mantera a eonfianca neccssaria a vinda
muito expontanea dos grandes capitaes forastei-
ros, que hSo de transformar dentro em pouco
tempo a nossa b)a terra.
Aqui anda agora (e e de tres dias apenas 0
alvitre) na tela da discussio, -0 pensamento fe-
cundo de se contraiir um emprestimo por series,
emittindo cada serie a proporcao que as forem
reclamando as necessidades do maximo desenvol-
vimento da viacao, devendo applicar-se para 0
jurocamertisacao desse emprestimo ate a soraraa
de 400 contos por anno.
Ora, a verba dVseripta no orcamento de......
8 0:0004000 annuaes para eslradas e insigni-
lican e; gasta-se uma boa parte com o papel
techni.-o e deixa de ser appllcada a construc^in
propriamente dita. Era preciso eleva-la a 1,200
011 a 1,500 contos pelo menos. Mas os 700:0005
que faltam, nan p idem nem devem sair dos re-
cursos proprios do thesouro.
Ora, pelo methodo proposto e alvitrado a que
aciraa me refiro, flcarao livresiOO:'!* da receita
ordmaria que servirao para nos de;afTrontar com-
pletamente do deficit, e ate mesmo para que de
novo tome a efTecluar se a amortisacao da divida
extern a consolidada, amortisacao decretada em
1843 e que inv.iriavelmente tem cessado ha perto
de 25 annos I
So em Portugal e que se tem pretendido que os
grandes melhoramcntos materiaes saiam dps re-
cursos-proprias do thesouro.
A camara municipal do conselho de Beteai (vi-
sinho de Lisboa), foi devidamente autoada, por nio
obedecer as intimacies qi\e superiormente rece-
ben com relacao a posse a'um vereador eleito.
Ha poucos dias fora disafllvida, como Ihes disse,
a camara municipal de Leiria por grandes irre-
gularidades que se encontraraui.
A aca-Ie.-ilia real d is sciencias de Lisboa es-
colheu para coustituirem a expedicao destinada a
observar a passagem do planeta Venus pelo disco
do sol, os ;'rs. Joao Carlos de Brito Campello, Fre-
derico Anguslo Oom e Cesar Augusto de Campos
Rolrigues, officiaes da armada real portugueza,
e astronomos. As observardes devem veriflcar-se
em Macau no dia 8 de dezembro do anno proxi-
mo. Vao partir para alii estes cavalbeiros com os
respectivos iustruincutos.
Terminarain n'um d'estes ultimos dias, os
exexcicios de tiro ao alvo, feitos pela escola-
pratica d'arlilharia, estabeli^cida na fragata D.
Fernanda, ancorada na costa de Lisboa. Fize-
rara-se 336 tiros a 1,060 metros. sendo a porcen-
tagem de 40 por cento, dos que feriram um alvn
de 5 metros.
Foi creada na direccao dos telagrapbos e
pharoes do reino de Portugal uma classe de alum-
nos telegraphicos. A admissao e feita por concurso,
sendo 0 limite das idades de 14 a 18 annos
O period.) para 0 eu-ino 6 de 3 mezes, passando
depois a ;lasse de praticautes, e em seguida a de
tclegraphistas auxiiiares.
No actual anno as reeeitas das alfandegas
dao ja um augmento de 450:OCO>000 proxima-
lueate.
Ha fundadas csperancas de que no fim deste
anno economico 0 orcaaiento estcja eiiuilibrado.
Corro em Lisboa que o governador de Mn-
cambique distrahira grandes soinmas do cofre dos
fuudos dos auseutespara despezas nao aalorisadas,
taes coma luxuosas mobilias no palacio, etc.
Trata-se de organisar no Porto uma nova
soeiedade anonyma de responsabilidade limitada,
cujo fim especial e de estimular a agricultura
vinicuia do Alto Douro, fazendo acrc-ditar e ven
der nos prineipaes mercados estraugeiros, por
conta do seus donos, os vinbos mais estimados
d'aquella e d'ouiras procedencias..
Esta so :ie lade da qual 6 iniciador 0 Sr. Arnal-
do Navarro e que prometle a industrial vinicuia do
Douro os melhores rcsultados, e organisada sobre
bases que offerecem oplimas garantias para os
produclores.
0 capital inlcial sera de ."0:0001000, dividido
em 5,OX> acc^es de 1004 cada uma. 0 referido
capital podera ser elevado a 1,001:0004.
A companhia ahonara todas as despezas desde
a ;.dega do lavrador ate ao armazem, e bero
asim lode 0 beneficio; de que 0 vinho rareca
ate ser embarcado.
0 giro sobre as quantias despendidas sera de 6
por cento, e a commissiio de venda nos viohos ex-
portados de 10 por cento, alem de uma leve pnr-
centagem por pipa, que a seu tempo sera e.-tipu-
hda par.1 fazer face ao despendio d'aluguel de
armazens c ordenados de administrate.
Todas as despezas de beneficio serao debiladas
em conta do lavrador.
A companhia po'era receber a consignacao, ou
mesmo fa?e:' adiantamentos subrc vinhos armaze-
nados, embora nao porleiicam a lavradores, com-
tanto que por sua qualidade sajam exportaveis
sem descredito para a compahia.
0 programma foi acompanha lo de uma circular
da Sr. navarro, que por brovidade nao trans-
crevo.
Foi declarado limpo de cholera-morbus o
P rto da Liverpool.
Foi uomeada uma commissao sciontifica para
prop ir an govern) a organisaclo unifnrmc do*
eursos preparatorios d-> corpo de estado-maior e
das arm.as especiies na universidade de Coimhra
e cscolas poliieehnicas do Lisbja e Porto.
Vai se estabalecor um premio ao pintor que
executar 0 nulhor qntdro, cujo assam iUi sera o
pharoleiro Almeida Neves no acto. de salvar a
a rainha e seus fllhos das ondas na boeca do in-
ferno.
Pedi.) a sua reforma 0 coronel de cavallaria
D. Manoel do Smza Coatinlm (Santa Iria, ajudan-
te de campo de el-rei.
Diz-se que vai ser promovido para preencher
esta vagalura 0 tenente-coronel Jose Guedes de
Carvalho Menezes.
Ja nao ha nas estacSes dos caminhos de fer-
ro do norte e leste onde recolher 0 trigo hespa
nhol (em transilo para reexportjcao) de que en-
tram todus os dias 20 \vag5os.
Come?am no dia to do corrente os trabalhos
para a edifieacao da estacao principal do tramway
a vapor (pelo systema Larmanjat no antigo circo
ou praca do Salilrc que a companhia omprou por
sete contos de rcis.
As despezas foram orcados em 24 contos.
Entron antes de hontem 0 Neva dos portos
do Brasil
Vai publicar-se um novo jornal para comba-
ter as idi'-as repuhlicanas e internacionalista-.
Denominar-se-ha 0 Diabo em Lisboa I I
Entrou no Tejo a fragata hespanhola Sori-
goza. Vem de New York, esperar orden? do go-
verno da republica visinha para seguir pant
Carthagena. SofTreu na viagem um grande tem-
poral. Deve sahir hoje ou amanha.
Em nm dos ultimos paquetes do Brasil vie-
ram para Li-boa edeverao seguir para a Afric*
occidental 20 libertos pretos entre homenst mu-
lheres e criancas. Tem cbamado a attencao do
povinho qne lhes eslranha a frescura das toillet.
Continda por todas as fregaezias, corporacdes,
regimentos e corpos militares, asylos camaras ma-
nicipaes, etc.. a eclebracao do fe-Deum era accao
de gramas por ter sido salva a Sra. D. Maria Pi.
c seu- augustos filho>.
Ja estao propostos novos lentes para 0 real colle-
gio militar A opiniSo mais admittida e que se deem
pensoes aos fllhos dos officiaes militares nas cir-
cuinsiancias requeridas e elles que esuidem nos
lyceus, pois 0 collegio mililar nao e mais do que
um lyceu com internados assaa dispendioso, com o
grandes iuonvenientes de todos os grandes in-
ternados.
Ainda ha ontra opiniao, que e mesmo acabar
com as pensoes, pois, os empregados civis que tenv
lilbo- la os educam d 1 modo que podem ou que-
rem, e ninguem Ihes da a educafio de graca.
Ora, mesmo eite beneficio da educacao gratui-
ta que se da no cellegio militar e quasi ncticio,
pois 0 dispendio de uniformes, reparacio deMes,
etc.i avulta quasi tanto longe das ramilia- co-
mo se estivessem a estudar mdo de suas casas acs
lyceus, ou no Internado de algum collegio parti-
cular.
A institniclo foi bda, quando se inaugnron em
Portugal, porque nesse tempo a instruccao rece-
bia-se so nos conventos, (lura a universiiaria) c
ninguem dira que os conventos fossem 0 mais
adequado semioario para offlciaes do exercito
Hijequeha un lyceu por cada distrieto, 0
que 0 numero das insliiuicoes particalares avulta
em Lisboa, Portd, Ceimbra e muitas oatrascidados
e mesmo villas de Portugal, n5o so jasliQca um
lyceu militar apparatoso, carissimo, com program-
mai de ensino quasi identicos aos lyceu 1, e Isto as
abas da capitaL Porque ? Para crear espirito
de classe ?
0. que a estada do coUegio cria sao costumes
Srecoces nos rapazitos com grande dose de falui-
ade e de fllaucia baldfa. 0 dispendio para as
farr.ilias, no que rompem e estfagam e enorrae.
- Vai grande azafama no theatro do Principe
Real pars se levar a scena no dia 16 que e 0 aa-
ni'*ersario natalicio de S M. a raiaha, um & pro-
pos de Luiz de Araojo, intitulado 0 PkoroUvyt
Salvador dos prinapes 0 scenario representan 1o
a arriba de Mexilhoeiro, ao pe da bocca do inferno
X


.
aat-i*>1i-Wfii-iT'ii- in'- in 1 'iimini
J



\
JJ-WPW-. i
tlifWffc Peraambuco ~ Sexi*. feira 31 de Outubro de 1873.
\

* pintado pjr Manool- Victor Rodrigues, o Ardts-
on, os quaes foram eopiar do sinislra. ,'
Comooou hoMIMIfcilatle Jo Porto.a cons-
iruccao di esti^aKm^nal do caminho dc ferro
do Mmho. Faz-se no togar do Pinheiro, ireguezia
de Cimpanha.senJo a estecio eommum as linhas
ferreas do Miut.o, Lesto^Nalte. Carre par coiua
*o governo e,n parter.'-Cguaoa, e pel > companhia
real oi camialios de fcrio, adespcza da cons-
xruccao.
Morreu o n Tavira o viscoaie da UpaUraha.
Foi eroaJ > em Evora um aeqiicuo banco da
iadole da caiaa 4c ereddo industrial de soa,
coin o titulo do Ci'JW de credit* .Vwnie. 0 sea
capital o de :{:J eaiitoi d rei* em 630 ae;OJS. Ita-
<-ebe depos.tos aJaro e so.n olle. Empreslasobre
penbores, neg.ieviemprestimis a c>rporaeoes le-
gses e doseonu lettras.. A sui secci-i mais un-
partaatft e a caixa ceohomica, ondc so re ebem
de Wi rois ate 6)0500!) o o juro nao
.sera iafciin- a 3 nem superior a 5 par cento.
- ^lib.d, ale a d t Uzoatruilu Bxage quep
possue, vai W outro OOfH o uomo de Santos c Stl-
4i quo era uni outro poeta setubalcnse, gemoque
anobreeeu a sua te r.i natal. E' lUuaunM i a
g.tz e e;n oprim.is c mdieV* de veililacfu.
BOLSA BE LISBOA.
13 de outubro.
EiTectuaraw-se as seguintes transaccoes "-
A dmheiro.
DiviJa extern* portngueza a 43.
Bmpr.HMno iiacional de 1811 -10 / desem-
Mn ao par.
ttito coin bulasai proslaeo's pajna a 41,30.
Oivi.L'i interua de Hespanna a lli.il.
A prase.
Uivida externa pettagueaa a WOi e 43,01 para
27 de oaiiibr).
Com ilited-n hospanhoes de 3 V. internos. cou-
pon eonvnte i>ara 87 de outubro a 16,30 e 16.49.
Ni>era*tf"iW* os se*-iiiiies praeo~ : 44,86 e
A\M iifferewlos por inscripuues de aaseutamento.
:|,>*9 eflbrsd I h por dfvi la oxtorna porlugueza
iiara M I* km n o-o.
I,W de premio sobre o uoniinil offereeido por
obrigaciies de eaminhn do lerro coin 50 /. dosein-
bolso.
L.
--------------------------
chias ncm privilegios.
sos olhos o mendigo -con*)
__---------------------
Tao enminoso e aos noj-
IHTERIOR.
RIO Mi JWiiUlO
0 AVISO 1)K 27 DE SETESBRO.
Desyasradou apppttticao de ambus os inatizM o
aVtoO do iiiiiiiftei'i" do impcrjo, du 27 dc selembM,
maudando promoter ante o supremo tnbuaal de
jv;-lira a accisa^ao do bispo de Pertiambujo.
K' omUido esse aviso (em que pe>e aos illus-
Ires opinaiitcs) peia primorbKi, qaer na forma,
ij:i"i' ui es.-iiicia, e quo faz lioura ao gabinete e
paiticulannento aos creditor do illusirado e sovero
Sr. OKt-i-Uie ro Joao Alfredo.
.\:';o ha que aduitrar, purem, que assim se te-
tihaiu ui.iiuitstado dos duus eampoa advereo.
{. idj;.: do tut um direito, desses quesecxercem a
hit da razao instrnida, leal c justi, nao passa a
oji,Ki.-i(:ao eotre no- do paixao, a modo de sensual,
que u'i.ixa os mais estreilos laeos da con*ciencii
Para nos ^ue nao leiiioS motive de descrer da
Ijitgauimiila lo dos govirnos idoneosesses ;-
vtroos qnr da eonsdwucia das sum nonradas eon-
vi,-i>oo- at'ri'aQi as saas mais poderosas energias
t''>ii:vo-no- ij aviso de 27 de suleiBbro, cooforto e
sati>! .(..'ao ; couplemeulo logKo do aviso de 12 de juti!: i essc
oulro padrao da nvre resisieneia naei rial aos rtea
vios de um poder mal avisado cujas pretenfo.'s
acaw i;taioo por toJo o orbe prejuJlcando eon vez
de ma s imi .iearein o senlunento eathylico ? Nao
damuara t.^1 pro ediinento a propria fe cbrista, en-
ja base pare.'ia iuabalavel ?
Na jiaixoe-; odientas, de-envoltos o lies.
Tao pouco soa nolle > estrepito de c nceggdes
auareliicas cm quo tau'.o se distingue uma va ju
lispiudeneia servija por argudosa dial uiai- va.
Nao. nao falla no aviso de 27 de setembro a ar-
rogancia que ainbiciona subsiituir-se as sotidas
iu-tiluic'ies iriuadas nas tradi;oes, nos costumes
6 na in>lo!e de um grande povo, nem tdmbcm fal-
la a descaridade dos exaltailosa quoill podoria tal-
vez aproveilar o social desmantelamento.
0 aviso niio e uma sot de revolta enifiin, ma3 o
brado encrjpco de um poder CoosfllQClonal que
recebe^eiva da; leis e no inleresse das mesmas
leis, Cructo da opiaiao dos g' vi'inr.s icprcseotativos.
Vivetnes ; m socicdadc policiada, com seus co-
iigOi, sens poJeres, suas delimitadas jurisdicioe^
que, a exemplo do systema plam-torio. concor-
rem posto qje caJa uma em sua orbita indepen-
dent'-, para o equilibrlo c a universal harmonia.
Os govern is que si prezam e tern bem claras e
ill-i (iininad is as institnigoos da sua responsabili-
daJe, nao D aheccnt paraos sens ados, por mais
graves ou par mais simples, outro mundo de ac-
<%io 0,110 nao seja 0 das lets. Fora dessos salutares
donuaios, oulros nao veinos a nao sercm os do ar-
bitiio (pie prodoz 0 despoUsmo atrabiliario, e da
f ira v.-itig nosa quo gera a rapida anarchia.
Sao assacudos nao sabemos quo balddes ao mi-
ni-terio polo aitcnlado de haver, como era de seu
nujireseriptivel dever, inandado submetter o bisp
a processo. Permitta-nos a iltostre opposlcio es-
iranbariBos que, de arraiacs que se appellldarn li-
Deraes e ate repnb!icauo3, so haj.un desferido ex-
probraQoei ao ministerio por nao ter exercido am
acto d absA'lutismo Aeaso seri da natnreza des-
sas dnas coafisaoes poiiticas a inscrip^ao nas sins
banJeifas, do esqueciuiento do direito escripto ? 0
proprio Sr. Zacbarias de^larou no senado scr o pro-
cesso o lecur-o regular na questao vertente. En-
lender t.u s homens e a iroposstvel incognita que
iianca descabrira o governo.
Hi eslo, desprezando os tribunaes a cuja baira
uiauda a le^jsjacao condiuir sem excepcao, lodos
us ciJadiios qu? delini|iiein, deporlasse o prelado
iucur^o em crime, nao baveria, sini, cm tal caso
razao para ceusura 1
Ah I quando, conscio de sua posieao e de seus
destinos. ajpliea elle re nedios legaes as publicas
enfoimidados, vein logo a arte de subterfugir en-
venen .ml >-lhe as intenvoos, precurando levanlar
indisposii;,ac contra as suas razoes de estado, e es-
forcaudose por enfraquecer e annullar seus actos
auedeviam suscilar da parte de todo bom cida-
ao, o mais cordeal apoio, coopera';ao e fori;a I
I'.tis liem : si seduzido pelos cantos de perQdas se-
reias, fosse elle pedir as regioes do arbitrio a es-
pada ou de Alexandre ou de Brenno, terieis o di-
reito de li|)ida-lo alo, e voso lapidarieis, nao taaja
duvida, coi'ioo estaes fcoje profligando com acri-
nwoii: incrivel, alias sem soinbra dc razao. Nirra
Tact to que, aproveitando-so Druso do eclipse da
lua, dominara assim s legioes alvoratadas. Que
eerta lesta :erra si sobre os seus mais lirniesprin-
ipios pairasse o eclipse das leis f
0 pmeesso nao airoveita, dizeis vos. Porque
descr^r d priori de formulas eternas que tao bem
tem provadoe que Ifte de ser sempre a primeira
segtirinea de repress ao, como a primeira adver-
tencia de prevenrao dos crimes ? Ah I ja nao con-
fiaes nas leis I Em ser snnpre efJQcaz o imperio da justiea oscripla ; o
leinpn nolo conlinuaia.
X \ioIencia, por animos i.npacientes e espiritos
trefegjs suggerida, 6 que. sobre ser iniquidade, so-
ria fuuestissimo precedente de que naturalmente
deveriam originar-so iacalculaveis desastrr-s.
Si u iiispci for condemnado arvora-se em'mar-
tyr, continuaes a dizer.
Maj-tyr martyr I
Aco&o denomiuareis 7os assim a.jueile que a le-
gislacao pieexistente de vossa terra houvesse d
priori condemuado f
Denomiuareis martyr qualquer iudividuo por
mais Jlevado que fosse, que visse brandir sobre
sua cabeca a espada da lei, por ter d r6tamente
e por factos, lentado destrulr a independencia ou
a inleirridade do imperio, embora mesrao o crime
se nao con sum masse ?
Charaareii martyr o cidadao brasilairo, que ie-
baixo de bandeiras inimigas tomasse arraas con-
tra a terra que Ihe fdra berco 1
Chamarieis martyr aquelle que enlretivesse com
uma i;ai;ao inimiga ou seus agentes inteiligencias
bostis ?
Chamarieis martyr aquelle quo comproraettesse
a lioai'a, dignidade, fo ou interess'-s uacionaes *
Chamarieis martyr aquelle que fos.se punido de
prisao com trab;ilb3 por tentar direc^amente e pqr
faetps dfctnir algnm ou a!guns artigos da cons-
titaB
Cfiamariiiis rnaTtyr...
Nap amis, uli mais.
A. nsa hgisfapaffaao denomina martyres, mas
deUnifj^nies" todos quaatos iiraticam accab oh
omJgsJp'-voliiQtaria cmiriria as leis,
A ret fnniamentel aasfna-nos t|ue a lei sera
igual para todos quer proteja ipuer castigue, e
portanio na) conhecemos em frente della, jerar-
O ultimo decreto sobre iustruc-
;o publica.
Ja por tantos bratoes -preclaro c benomerito,
acaha o ministerio de 7 de mar.o, a cuja frente
avulta o athleia'da tribuna e da diplomacia, vis
coude do Rhi Dranco, de reeojninendar-se, por nova
in:raenta couquista. a graiidao da patrii.
DevKin a esta bora estar exultando de prazer
com o decreto que nelUs estabelecfl cannnissoes
geraes do exauws de preparatoi ios, aqueUas pro-
vincias onUe nao existem faculda'.es de direito ou
de n.edicina.
E' tun dos passos de mais alcance que torn dado,
nao diremos o mioMerff, maso Hrasit em assumpto
de instrneeio publiCA. lioura ao espirito elevado
do consflbeiro Joao Alfredo uma das glorias nnis
provadijs e consi>tenles da actual sitnaeao I
Nao podia deixar de sentir-se sob a pressao de
legitimo pe ar o espirito verdadeiramente liberal
que se volvia para a quasi totalidade das nossas
provincias.
Via as depeudentes da^uellas outras onde todos
os ann.is iam pedir seus lilhos, com avultado dis-
pendio e com sacriiicio de sffei.oes de Jamilia, a,
por a-.-ini dizermos. esmola da in tnir.ao seeun-
daria.
. Era esse um privilegio em favor dc qn.ltro sobr!
dezeseis Irmas, neas lanibem de elementos do vita-
lidade, e por isso coin indisputavel jus a terem mi
seu seio fonti's de iustruceao. que, poupaado lues
tars sacrifieios, Ihes proporcionassem as faeilida-
des do uma caireira lilt; raria e scicntifica inenos
penosa.
Quantas brUhantes voca.,o.s, qnantos graodiosos
lalenios se nao perderaio por nap disporcm do
ieios para se trausportarem e iflanfereni em Per-
iiao.buco, ll.ihia, enrte e S. Paulo darante 8 annos
pelo in. iius I
Qoantos pais inesino, para se pouparem, d.-ina
Siadu exlremo.M's, a dor de acerba separar.io, III I
prefenaui ver ao pe de si, inculta e a meiee de
mcerla foriuna, a prole queriJa quo, nas ceudicSes
ereadas boje pelo deereio, poderia atiingir aos mais
lisongeiros destinos, com gloria e proveito do torrao
natabciol
Dir-se ha : Mas o decreto nao removeu todos
esses iucouvenientes que subsistem desde que ad
nos quatro primeiros pontos continuain a existir fa-
culdades scientilicas.
E' verdadeira a observacao, sem todavia desl car
de seu pedestal de merito o benelico acto do mi-
nisterio do imperio que em perlunetoria apreoiaoao
ei>tainos csiudando.
E' nos primeiros annos quo o espirito tenro ne-
cessita do couchego maternal sol e providencia
de aJTecto, de moral e de rcligiao que laolo indue
no desenvolvimenlo e de-tino da plantaimlielle.
Mais de um espirito, de quern poderia a patria
esporar servicos e esforgos fecundos, si3 tern per-
vei lido distante do lar, lunge da providente vigjlan-
ci* da familia. A familia e a hygieniea estaeao da
juvenlude, que facilmente se des'garra dos boos es-
limulos quando a nao acompanha de perto o eon-
selho sazouado do progenitor, os suavissimos ensi-
uamentos moraes de que o materno coracao e rico
e inexgutavel cofre.
Pesou bem o decreto todas essas razoes quo a
natureza e a primeira a ensinar que o proprio le-
gislador.
Segundo a nova organ-sacao lilteraria, prepa-
ram-se os jovens em suas provincial e no seio do
nintia seu paterno Alem do proveito do realisarem
os estudos preparatorios sob a immediata solicitude
dos pais, accresce a economia na despeza. Nao 6
preciso consignar mesaoa em provincta ostranlia
Ora, vencido esse primeiro eNtadio, prompto o
aiiimno paraentrar no curso superior, ja D&O 6t*0
ditlicil ao pai, amda que pobro seja, comntetar-HiH
a educafao; ja uao torn lardOS OUidados que o
preoccupem: o lilho, quo so ausenta, vai quasi com
o espirito feilo, coin a mdole accentuada. E outras
muiias vantagens que naturalmente oecorrem.
Pois nao importa tndo iss* emancipar as provin-
cias da dependencia em que se sentiam, em mate-
ria de iustruceao, para com as outras que gozavam
do privilegio de serein as u:iicas onde an podiani
prenarar os alumnos 1
Nao importa isto elevar bem alto o nivel da in3-
iruccao seccundaria, que o privilegio abatia e atro-
phiava ?
Nao importa imprimir ela.-terio as carreiras litte-
rarias e scientilicas ?
Nao importa quebrar em grande part? a centra-
li-.'u;,io que, nao menos que em polilica, proditz nas
lettras fructos pikos e mal saos ?
0 patriotisuio sem eiva nao pddfl deixar dc ap-
plauair, possuido de cordial enthusiasm.), provi-
dencia tao vasta em sua base o que ha de ser fo-
cundissima em beneficos resultados.
Nos o repetimos:
Hoiira ao conselbeiro Joio Alfredo, vulto por in-
uumeros titulos, syrapathico do magestoso uiinV
terio Rio Branch.
(XOQOO).
Accai) incrlloriH.0 censor, algunt pf**
magnata, si c qtw-a j fo.*eienaw*n#r d i praiicu' um acto louvaycl.
ao mui'.o digai M|M
to C.iniL'iio Muiiteiro da
Silva Santos,-.. titalo* vencra da or Jem da Rosa,
com que o governo imperial se digaou dislingui lo
polos releviinles servjjos por elle preslados a ins-
iruccao pui.licadesu proviocia.ja co:uo professor
do gymuasio, ju como membio do conselho direc-
tor da iustruceao paljlica e ja linalmeiiie como
um dos socios install a Jores da sociedada propaga-
dora da iustruceao publica.
Hitviviladc Patriotlca Wo/.e de 8e
teiiibi'*. -llo> (31) haveri sessao desla socie-
dada no lugar e hora do costume, para tratar-se
de negocio-nrgeiite. L .
Amur iio estudo.Aniauba havora sessao
do conselho director desta socicdade, pelas 4 boras
la tarte, no lugar do costume.
Club littcrurio. Em virtade de scr santi-
(lcado o dia de amauha, haveri hoje sessao neste
club as horas do costume.
Jaizado de pax da Boa Vista. Por
ser ainanba dia saiaificado, dar-so ba boje a au-
dancia, as h,ras do costume.
Eserivau ds protestos. Sendo, por Iji
fenadu o dia da eommemoracao dos defuntos ( 3
ueuoveiubro proximo futuro) as lettras que li-
verem de vencer-se na juelle dia devem ser hoja
apresenladas a proteslo.
Faculdade de direito. -Fizoram act)
liontem 17 estudanies, so ado 6 do S. anno o" 11
do 3., obtendo os resultados seguintes :
2 anno.
Jose Mane! Caralcmte de Almeida, approvado ple-
nauiunle.
Joio Joaquim de Freitas Henriqucs, idem, Idem.
Joao Ped o Honorato Correia de Miranda, idem,
idem. .
Joio da Silva Pires Ferreira, approvado sunptes-
inento. .
Joaiiuim Cordeiro Alvim da Silva, approvado ple-
nainente.
Joaquim Jose da Silva Santiago, idem were.
3." anno.
Albino Goncalves Meira. de Vasconcellos, afqirova-
do com dislinccao.
Ambrozio Cavalcante de Gu-mao Lyra, plena-
inente. t,
Juventino Infante Luiz Themudo. idem, idoin.
Aalustiano Jos6 de OMveira, idem ilem.
Fredenco Augusto Borges, approvado com o-
tinccao,
Francisco Jo^e Cones Brandao, plenamente.
llanoel Johnson Ferreira, idem idem,
fzaias Guedes de Melio, idem idem.
Henrique de Miranda, approvado com distinccao.
Joio Baptista de Castro Rabello Junior, plena-
mente.
Manoel Pinto Damazo, com distinccao.
Admiaistra^ao do correio-Reassu
mio hoiKem o exere.io de admmistrador do eor-
icio e Sr' AlTonso do Rego barns
Via rcrrra de kjfinda.H >je, as 4 hora>
la tarde, deve haver sessao da assemWea geral
dos aecioiiislas desta comparmfa
Suciedadc reereativa Niova Uniao.
Amanha, as 4 horas da tarde, deve reuntr se a
assembles geral dos menbros desta sociedale,
pam dar-se euiiiprimenlo ao art. 31 dos respective
estatutoi.
:Vssoiaca dia de aoiinhi deve funecionar, na ruado Mar
quoz do Hcrval u. Ill.essa assi.ciacao,
Fernando dc Xoronha. -E' no dia 4 de
no\v.,:.ro.|ue deve sabir para nste presidio o va
por Geunio, da compaMiia Periuinbucana.
.V<>vi> 'l(iij;tn. -Cornecando no 1 de no-
vomuro a asai^nalurado t.*anno,e devend-i ie
dia near em n.-sso porlo, em viagem para New-
York, o vapor Ontario,- as pessoas que de I de certo, a iio csp
impula-ao nao deve pesar mais furtcmcutc sobre bucaiat aJ*laui d;pran
a uliimo cuj >s d.;veres sociaes, cuja intolligeiicia solvendo lirar e offerecei
cullivada mellwr Ihe' fazem toediv a grAvidade do do gjiiniasio, !).-; Aatras
dtflicto que perpctra.- '
Martyr I marlys I o re.) de crime, que lulgado
e condemnado, torn decumprir apena legal 1 Mar-
t.riooaede certo nao ambieienaioa uinguem em
boa razao, martyrio do que, nao gloria, mas tns-
tissimacelebridade procederia.
Code existo indisputavel gloria e naquella se-
rena a mabalavol firmeaa qae, a todo o Iran*,
faz cumprir as leis sera se deixar impressiouar da
corronto de ar infeccionado da oecasiao.
Nisso, siin, ba plena granleza moral que se im
poe como salutar iuSueucia e tao malefica oppresr
sao, levando a eonsoiencia da sua galharda gen-
tileza aos ammos mais reveis.
Descrer da efficacia dos codigos e a maior das
injurias que se podom irrogar n'uin paiz iivn e
banhado pelas copiosas torrentes de luz da civi-
lisacao.
Ohl piix3c3 humanas, quanto vos coutrapon-
des aos mais nobres sentimentos e as mais sazona-
das not;oes do bem e da liberdade Interesses
partidarios que sopitaes tudo quauto o cora.ao e
a razao torn de mais elevado, calai-vos ao meno<
nesta hora cm que um dos pnncipios cainlaes da
consciencia brasileira se vd a braijos com as on
las da impiedade, com os bulcoes do fanatismo
o sacratissimo principio ebrfstao.
0 gcrretaa Joufia nos tribunaes, guarida da or-
dein o dos interests publicos feridos.
Quo a mcao conQe no governo, e que os ho-
mens de incquivoco patriotism; se acerquem do
paladio das nossas leis.
N.io haveia razao para duvidar nem esmorecer.
Na griu i|ue estruge os ares, e licito nao ouvir voz
de legitima angustia, mas o alarido de imperti-
nente opposicao.
0 aviso de 27 de setemliro nao desmenlio o de
12 de junho, nem o ultimo eloquente discurso pro-
ferido uacamara teuiporaria pelo provocto e ve-
neiando Sr. presidente do conselho.
Continue u ministerio de 7 de maryo, continue.
csparavamo-la.
Hoiitem em beneficio dn
a scena a* eomedias 0
asa mjP Ciisa, e bem assina
micaA) inteliigente aclr brasil
tjnes 0 Sr, Douungos [6 a c Esteve pouco solfrivel a execucao, e o publi-
co nao ficou satisfeito.
ATf81
rio, foram
o Quern
IHWscena co-
Corroia Vas-
Folgiieiam tr noiicnad'aW em qua ie ow Lui'Efigenio.
ft*itr#- Aezerra Mime N.-^ny; foafjuim Sharps Br-
bosa, Jo-e Iriinio CanposT., Joaquim P. C. Gui-
miraos, Manoel Braiico, Aat'.niio de Si, Joio Bap-
tista Duarle, Antonio Jose C-- Vatentfl, toneale-eo-
rand U.miingoj Rodrig4 Carvalho Junior,.Pedro
Kuacio Santos, Joao X, Co^sta, Pedro N. Corrda,
anci-co Joaquim Alves Rodrigues, Domingos J.
Soares Peixoto, Edttardo Alhaiue, Jose Poi*tella,
di/. que nao ha nit nor weeio, segundo a opmiao
de alguns modie. sobre a precieai saude 6o db-
tinefoa.veneffMdo a.niu'O o Kxm. Sr. Btrio de
Gsyaaoa.
a umtii nada : ate a our
Monte pio Santa Crux No dta 4 de
novembro mm reunir s a assemblca geral dot
membros JaSa sociedade, aum de proemfcrem a
elcicao do novo conselho director.
Musia. -Acabam de che^ar mais exompla-
res da bella e interessante quadrilha Demditas la-
grimas, do pr-ifessor Ldioso, e esta a venia ua
livraria dos Si's. L:ulbacar & C, a rn* Primeiro
de Mar;o il 9" m
Gndio Gaborlaia. Morreu, tendo apenas
40 annos il.- ida.le, um dos mais celebres lomau-
cistas franceaes, Emilio G iboriau. Ad juirira uma
grande reputacio principalmente com os seus ro-
nan '.es judiciarlos, pela grande verdade dos inci-
dentes e exactidao dos pormenores.
Os seus livros mais notnveis sao o-a seguintes :
As taiis celebres, 2 volumes; n 13 de HussarJs;
as Corned'antes ador das ; os Casninentos de aoen
tura ; os Empregados de secret a- ia ; o Processo
I j; rouge ; o Crime d'Qrcival. em que appareceu
pela primeira vez o celebre Mr. Lecnq. typo que
licm grava io na memoria de todos os leitores de Ga-
boiiau ; os Aifrs.'tt3; o< Bscracos de Paris ; o
Senhor hrWf; a Suci; doirada ; a Vida Infernal;
o Desabamento ; C'raVi ni garganta. Deixou
no prelo nm volume Diheiro dm outros ; e esta-
va trabalbando a'outro, Ninete Suzor
Niapuleao 1. C >uia Paulo do Kock nas sua
memorias. que Hie appetecea um'dia ver de perto
o impr.dor Napjleao'l :
Eu tiaha m mifestado est desejo a Mengal,
meu professor Jo rabeca. Uma tarde do mez de
julho disse-me Mongal :
Qur ver o imperador ? Lembro Ihe um
meio. Depnis de amanha ha concerto nas Tulhe-
rias, no patoo Horloge. Tome parte no concerto ;
venha commigu.
Comsigo ? Com que pretext.. ?
Como uolinista, esta claro I Como nao co-
nhece as peca* que sahao de executor, contentar
se-ha em Tingir qua toca. 0 regante da orchestra
o meu nmigo e fara a vista grossa.
0 epic e facto d \u a custa da rabeca em
que lingia tocar, live oecasiao de ver-o iuiperador
a aid a imperatriz.
Maria Luiza pareeeu me bella, mas achei Napo-
leao, amarello, oneso, grosso e a cab-^a bastanle
nvtiida nos hombros. Nao era o heroe quo eu ti-
nha ideali"ado. Bsparava um deus e apenas vi
um hemvm gordtK
I'.isi-hoal Cueaia. 0 Jornal de Genebra
publica uma corrosponJencia de um deputado li
treMl hfspaojhol .bngida a um dos seus amigos, e
em que Ihe da interes*inles noticias teerea do
cabiv.ilha cartistuque iloinma a proviucia de Cis-
tellon <5 qua se ch una Paschoal Cucala.
u Pasohoal Cucala, diz a ca'ta, e um campo
nez cujo porti e maneiras sao rules e feroies, e
barxo,--coxeia um pouco e apresenta uma physio
nomia dura e severe, mas nao vulgar. Nao enca
ra nuuea o seu interlocutor (isso e um habito pro-
prio d is nopulacdes do Meditarraneo desde Torto-
sa ate Ali.-ante)"; e absolutameule desprovido de
toda a instruccio, o nada ex plica, nada, a nao ser
o fauatisuii iiohtico, o eutijusiasin) e a venera
cio quo Ihe consagrain os seus partidarios. Usa o
fat i gro-eiro dos nossos camponezes ; traz na
cabe,;a o g rro branco e ao cinlo de um lado uma
signirtaras ou renovar as antigas, enorm-! espada de cavallaria e di outro um re
woivcr.
Ceiniterio publieo. -Obituario do dia 18
"do corrente, :
Francisco da Costa, pardo, Pernamboco, 30 an-
0'. solieiro, tocife ; variolas.
Sebastiao Bexerra de Menezcs, pardo, Pernam-
uco, 4o anuoa, solteiro, Boa-Vi8la, hospital Pedro
U ; fractures e paralysia.
Joaquim Joad de Barns, branco, Pernanabueo,
14 annos. viuto, S. Jose ; teUno.
Rosa, parda, Peraambuco, 1 mezes, B >a-Vista ;
convulsoes.
Ernesto, pre'to, Pernamtmoo, 7 annw, Graca;
cdnvulsdes.
Josd Joaquim de 5anf Anna, pardo, Peraambu-
co, 3o annos, casado, Recife ; variolas.
Recem nascido Manoel, prelo, Peraambuco, Boa-
Vista.
Antonio, branco, Peraambuco, 14 mezes, Boa-
Vista; escorbuto.
Maria, branca, Pemambuo, i> annos, Santo An-
tonio ; febre cerebral.
Manoel par-lo, Peraambuco, 10 annos, Santo
Antonio; convulsoas.
Isabel Maria Baptista de Castro, branca, Per
nambaco. 49 annos, viuva, Boa Vista ; interite.
Antonio lose Gomes do Correio, branco, Per-
nambuco, 7i arm, casad*, Poco; dilatacao pas-
siva do4 coracao e insiifflcienciajjdas valvnlas do
iDesmo orgao.
Manoel, escravo, preto, Africa, 66 annos, solteiro,
Santo Antonio; bronehita
29 -
Zulmira, parda, 20 mezes, Boa-Vista ; bexigas.
Jose L mrenco de Mello, branco, Rio Grande do
N^rte, 16 annos, solteiro. Boa Vista ; fabre ty-
p ica.
Nicola Vita, branco, Italia, 30 annos, Recife ;
asphyria por snbmersao.
Maria da Conceicao, parda, Peraambuco, 30
annos, solteira, Boa Vista ; bexigas.
Pedro, pardo. Pernainbnco, 8 mezes, Boa-Vista ;
dyarrbea.
SebatkHii, ewravo, preto. Peraambuco, 34 an-
nos. solteiro. Boa \ista ; tuberculos pulmonaies,
Clemeirte, escrevo, preto, Peraambuco, 20 aunos,
solt.-iro, ft.>.-Vi ta ; bexigas.
Felieidad', oscrava. preta, Africa, 46 annos, scl-
teira, Boa-Vista ; bronchite.
Ieve:n ir boje a "livrarn frace a, lim de evitarre-
taidamento no rccehimeuto dos r.s a publicar-se.
Bsct>la iiiirmal.Da hoje este ctabd.-ci-
nieiitu de instrucca.) primarii as respeotta#feriar,
a noite eslara o mi'sni) estabelecimeuto, foim e
costume, decente nente ornado e dlaminado: para
ser visitado pelas famdtas e pessoas que se dig-
narem h >nra-lu. Uma baa la de omsica completare
o fastejo, exhibindo as diversas peeas de seu re-
periorio.
Associaeao Commercial Agricola.
Reunio-se nun tem a assemblea dos membros
desta c >rp >ra.,ao e pmcedeu-so a eleicao seguinte:
Presidente.Bernardino de Senna Pontual.
Secretarios. I." Joaquim Jose Ramos o J.* Joao
Pereira Rego.
Thesoureiro. Antonio Jose Coimbra Guimarae*.
Commissao Je conlas. Commendador Antouio
Gomes de Mirauda Leal, Jose Antonio da Costa
tforeira, Joaquim Xavier Vieira Ligo.
Transferencia. Foram transferidas a*
-ahidas dos vaporcs da companhia pernambacana,
Ipojnca e Mindahu, a pielle para hoje c este para
n 1. do vindouro.
Gymnasia provincial F.nccrram-se
hoje "os trabalhos lectivos doste estabelecimen'o de
in-truccao secundaria.
Fdcicoes de irirtandades. Para ama
aba, as to horas do dia, sao convocadas as mesas
geraes das irmandades das almas das malrizes de
S. Frei Pedro Goncalves e da Boa Vista, alim de
procederem a eleicao das mesas regedoras para o
anno de 1874.
Inuueritos polieiaes. -A subdehgacia
do termo do Cabo ja remetteu an respectivo Dr.
juiz criminal, os que procedeu contra Firmino de
t?l e Maximmiano Manoel, o primeiro pelos feri-
leves praticados na Dessoa de Joao dos
A guerrilla do Cur.ila co:npunha-se de perto de
1,000 bomeps,a maior parte -muitos uovos. Um
certo uamero dellos, montados em belles cavallo-,
faziam brilhar ao sol as cores vistosas do seu fato
anlamz.
t Eminaoto a infantaria, nao tinha uniforme
algiun, oseu unico signal distinctive era o gor-
ro caracteristico.
c Quando Cueaia entra n'uma cidade oun'uma
aldeia, onde os carlistas f(nnam amaioria, as ma
Iheres cerrem, avidas a contemplar e accla.nar
D. paschoal : trazem escapularios, imagens que
rocam pelo fato delle, como o fariam com a ima-
gem de um santo.
t Assim que elle chega, aprcssam-se a fomscc-
lo de tudo quanto elle e os seus podem precisar ;
arraniam-lheo melhor alojamento possivel,junta-se
dmbeiro, armas e cavallos, e, o que 6 ainda mais
importanto, os rapazes alistam se,.eos pais veem-
nos parlir sem pena, porque v.io ajudar s de-
fensores da lei de Dens o
Outras vezes, e foi isso tf que suscedpu em
Villareal, o parocho vem, acompanhado por uma
turba tumult'.tosa de garolos, boijar a mio de Cu-
cala, e ninguem acha one dizer a isso.
A Dacca do Inferno. Esta a um kilorae
tro de Cascaos, a esquerda da bella estrada que
conduz ao sitio da Gnla, a furna de larguissima
bocca, ha muito conhecidi por esse tetneo no-
me 1
Obra da natureza, merece, em verdade, a nossa
admiracao. As paredes deste profundo antro sao
formadas de rochedos, a borua do mar, mais ou
menos incrnstados de camadas pedrosas, de va-
riadissimo e exquisito feitio. No mais profundo,
a esquerda, ve-se uma abertura fabricoda pelo
poder do o*eano, qne por alii, entra rugindo, ele-
I i-..,i !.,...> i uientos leves praticados na pessoa _-----|r--------------------._,-
Santos, e o segundo pela morte de Felix de tal. vaodo-se logo para affronter as paredes do aDys
gjjifary de Pai d'Allia e Isrnarassu'. mo.
REVISTA DIA.RIA.
Via-fcrrca de S. Franeisco. Por
portaria da presidencia da provincia, de 2.) d cor-
rente, foi nomeado o engenheiro Crysolito Forrci-
ra de Castro Chaves, pr.ra servir inteiinamente dc
ajudanle do fiscal da via-ferrea do Recife a Sio
Francisco.
Promoter e sidjunto publieo. Por
portarias da presidencia da provincia, de 29 do
corrente, foram nomeados : bacharel Joaquim Ma
noel Vieira de Mall-s promoter publieo da comar-
ca da Boa-Vista; e Joao Baibosa de Souza, adjuri-
to do promoter publieo da comarca do Cabo, no
termo de fpojuea.
Termo de S. lento. Por. portiria d3
presidencia da provinda, de 29 do corrente, foi
exonerado o major Joao da Porciuncula Valenca,
de seguado supplente do jaiz municipal do termo
de 3 Bento, por ser esse lugar incompativel com
de juiz de paz
Comarca de Pa d'Alho. Por porta-
ria da presidencia da provincia, de 29 do corrente,
foram nomeados segundo e terceiro supplentes do
substi.uto da primeira vare de direito da comarca
de Pay d'Aiho : bacharel Antonio Martins da Co
nha Souto-Maior e Diego Soares Caraein; da Albu-
querque.
Autoridade policial. Por portaria da
presideneia da provincia, de 29 do corrente, foi
nomeado Silvano Roniao Torres Gatlindo subdele
gado do primeiro di'stricto do termo de Caruarii.
Declaraeao neeeswaria 0 secretarjo
do governo desia provincia ultimameale nomeado,
6 o Sr. bacharel Aotdoio dos Passos Miranda, e
nao como hontem for publicado, por engano de ty-
ppgranhia.
Jury do ^oetfe.A' falta de numero suf-
ttciente de juizes de facto, deixou de haver sessao
hontem.
Pelo Exm, Sr. conselheire presidente do tribu
nal da reUeao foi convocada a 4.* sessao do jury
do Pan d'Aiho para o dia 20 de novembro futuro
e designado para presidi-la o Sr. desembargador
Silva Neiva. Tambem foi convocada a sessao do
jury de Iguaras.-i'i, sendo designado para presidi
la o Sr. desembargador Lourenco Santiago.
Gnyanna. Escreve o nosso correspondente
desla cidade em data de 26 do corrente :
A paz o a tranquilidado publieas nao ten sof-
frido nesta cidade a mener alteragao.
t Jevemos isto, com certeza, ao pneedimento
energico e prndeuto do diguo delegado do policia
loneule Aprigio de Moraes.
Nao e esta a primeira vez que com relacao a es
sa autoridade digo isto ; entretanto vainos tao bem
a respeito de policia, que praza a Deus nao te
uha de retirar-se d'aqni Uio eddo o leneate Mo
rae^
t Kstamos, por^m, nos os habitantcs de Goyan
na, um pouco descontontos co.n a desfalque que
vai soltrendo o destacamento, pois que, cnastando
elle de 35 pra^as com o reforjo de lo que veio ao
mez de ajtosto, reduzio-se pouco de|is a 30 por
terem seguMo 5 para fa'erem o destacamento de
Ponta de Pedras, o a^ora mesmo acabam de sa-
hir 6 para Itarnbo. licaado reduzido o des.aca-
mento a 24.
c Ora, uma ciduids grande e commercial como
esta, nao pode de certo ter umMeslacamento me-
nor de 40 pracas, e a prova disto esta em que
logo quo veio o reforco dc que fallo, a qua o des-
tacamento passoa a eompor-se de 35 prar^as, tudo
por aqui torn ido muito bem.
a Ha de se recorlar ainla de que referindo Ihe
uma desor.leii quo honve aqm no theatro em
uma das noites de espeetaeulo, o toaento Moraes,
a frente das 30 prajas^ue tinha, fez-se respeitar
e conlinuou a ser alii respeitado ate hoje.
m Sera, portanto, de- esperar que o Exm. Sr.
Dr. Lacerta, que tantos beneficios lem feito a esta
cidade, providencic de modo a que seja reforca
Jo o destacamento com o nunieio de prapas que
delle foi tirarlo.
< 0 nosso estado sanitario contiaua ainda mio
com a maldlta variola, qtte hae cess"a- do fazeT
proezas.
a Os distinctos medicos Or.-Caaba Mello e Lu-
duvijo Correia tem prestadq relevantissiraoS ser-
vices, iooculando vaccina em nns e as tirando
defies para inoca'a-lss-em outros.
t Servicos desfa ordofl! devbttt ser sempre lemL
brados.
a Haviara diversos preso- doentcs na cadeia des-
ta cidade ; felizniente, porem, alguns se tem res-
tabelecido, e de 5 lue aitliilt' 'se* aehata doeales,
nenhuiu inspire receio.
t Foi pronunCrado nas penas'do art. 201 dbca-
digo cfimin.il Austricliauo Multa. pelas offen*as
feitas no cabo\Jlo',Ari|o,-,V*rde''-Ciarjo.''-
a FalleccU ba aya'flfafla Idade de 86 annos a,
Exma. ?ra. D Therera de Jestis Va- Curado, mai
do uossp disiincto ain'iga. o Dr^ Hpnorid1 Vaz Gu-
raUo, dtgad prohiotor publibo dVsta comarca.
a Ao ehterrd coacdrreii' gratafe' numero de
seus amigos desta" cldadd."
Xa qualMtiraftraana seeaa no theatro Gym,-
nasio Dramatico, de jua ti oinprezario o Sr. Pe-
nante, o drama era oaajps Miiic* das criancat,
e a comedia em um acto Os irinios das almas
ou os pedreirot livres. *jk ^.-^a .
t A magnifica execucao que tiveram tanloo
drama, como a7coraedia, nada^eixdfl" a absejar,''
e, verdadeiramente, ficaoios sorpreudidos pqra,ue
A' direita, fabricou o mesmo artifice uma
grande grata, revestida de curiosas petrificacoes,
tendo no lecto uma fenda por onde o sol vem alu-
miar tao lugubre paragem e apresentar ao obser-
vador curioso um phantastico e admiravel qua-
dro.
Em oecasiao de lempestade, parece que to-
das as furias do Tartaro alii veem despedacar se
em medonba luta. E' verdadeiramente pavoroso,
ncsse moment-is, o especticulo qae a natureza
nos apresenta naqueile lugar, justilicando assiin o
temeroso nome, Bocca do Inferno, dado ao aby3-
mo I
A'esq aerda, passando a ponte que conduz a
Pombeira Alia, e descendo-se pela nba on ladeira
que alliexi^te, en-ontrase uma grande abertura,
no fundo da qual, a direita, esta uma grata que
commnnica para um i serie de galenas ou abooa-
das de diversas alturas, coutendo grande varieda-
de de stalactites.
As paredes e tectos estao revestidos de incrus-
tacoes, qne ao reflexo da luz formam um quadro
maravilho80 I
No fim da referida ponte, em frente, ha um ca-
minho de ladeira, onde ultimamente se fizeram al-
guns degraos na propria rocha, qne condaz a uma
grande fraga, de trinta metros de comprido por
dozede largo, a qual e chamadaa Pombeira Alta;
e. descendo-se ainda uma peqnena rampa, ao
poente, encontra-se outre fraga, de vinte metros
de comprido e des de largo, a que cbamam a Pom-
beira Baixa, hevendo ahi nma furna onde se re-
colhe grande numero de pombos bravos.
Afrni costumam vir pescar os Pescadores de pro-
tissao e os ouriosos, no qae tambem se divertem
algumas familias que vem a Cascaes no tempo dos
banbos, e prineipalmeate os estrangeiros.
0 volume d'agua que entra pela Bocca do In-
ferno e, as vezes, tao grande e impetuoso, que
subiudo a enorme altura, desce formando diversos
oylindros qne depois se eonvertem n'um immen-
so lencol de nlvaesenma, no qual se o sol bnlha,
se refleetem as mais variadas e seinlillaates cd-
re9.
0 bramido das ondas que entram por entre as
fraga* fa abaladas a uma grande distancia, ou
vao cobrir os penedos ^alguns talhados por forma
pbantasKca) que bordam o lugar; complete este
qaadrw.do beHo horridorbem digoo de.mais acu-
rae:a descripcao.
Protesto de letras.0 escrivao dos pro-
testos Jose Marianno, este de semana, cartorio
oade foi asecretaria de poUcia, sala do lado da
mare.
I.oteria.A que se aeba a veoda e a 72* a
beneficio da igreja da Nossa Seahera io Livramen-
to da Victoria^ a qual eorre no dia 4, pelo novo
piano'publicado.
Casa de dctencao.Movimento do die
J9 de outubro de 1873:
Existiara presos 342, entraram 3, sahiram 8,
Nattooae-s 249, malheres 12, estrangetros 37,
ascravps 37, eseratas 2,Total 337.
Aluoentados .a custa dos corres publicos 284:
STovfraeato da enfermaria do dia 29 de outubro
de 1873 :
Teve alta: .
Irineu Pereira de trieetra Preire.
Passja4iei.ros,-Sahidos para o sul no va-
por Goncalves Martini:
JosS'Tbeotonro Simdes, JoSo totrrenco Dnarte,
Josd Manoel Baptista, Domingos Jose de Faria, An-
ijfiRONH A U 1AR1A.
Tribunal do eoinniereiti.
ACT A DA SESSAO ADMINISTRATE DE 23 DF.
OUTUBRO DE l73.
PBEStDKNClA DO KM. Sll. C0.NSELHE1RO ANSELM'
I.-I1ANCISCO PEBETTI.
A's 10 horas da manna, presentes os Srs. de-
putados secretario Olitito Bastos, Lopes Machado
e suppleutos Sa LeUao e Alves Guerre, S Exc.
o Sr. cmselieiro presidente deelaroo aberla a
sessao.
EXPEDIENTS.
Resposta dos direclores do Banco Commercial
de Pernainbucoj dizendo nSo aceitarem a nomea-
ca i de syndicanles do balance apresentado por
Bastos i liilva, impetrantes de raoratoria. -0 in-
buual, coinp'isto dos Srs. supplentes Sa Leitiio, Al-
ves Guerra e S. Exc. o Sr. const-lheiro presidente,
resolveu quo novamente se convidassem os Srs.
MfMlentas Cgy.lio de Figueiredo e Joao Ignacio de
Medeiros Rego, atim do compareeerem na sessan
de 27, para Jeliberarem acerca da nomoacao de
um syndicanle.
Represtnlacao da direccao da A sociacao Com-
mercial Benericenle, a respeito de protestos de let
tra9.Adudo para a proxima sessao, se houver
tempo.
Idem de dita acerca de exame de livro dos cor-
retores. 0 tribunal resolveu qua se offlcie a
juuta dos corretores que por ora sobr'esteja no
que Ihe fui recommendado em offlcio de 19 de se-
temtiro proximo pas-ado.
Distribuiram-se os seguintes livros :
Copiador de Peraambuco, Barroca & C, dito de
Gusmao iv Leal.
DESPACHOS.
Requerimeutos :
De Joao Jose da Cunha Lagos, pedindo carta do
hiate Joao Valle, deque e proprietario.Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
De Jose Barbosa do Mello, baixa em a nomeacao
de seu caixeiro Francisco Gii de Souza Teixoira.
Como pede.
De Francisco de Assis Fernaades Vianaa, regis-
tro da procaracao junta.Ueferido.
De Manoel Jose dos Santos, rcgistro da no-
mea'.ao de seus eaixeiros Theodora J sd dos Saa-
tos e Antonio Jose da Oirta Rego Filho.-Begis-
tre-se.
De Antonio Francisco dos Santos & C, idem
da nomeacao de Belizario de Souza Bandeira So-
b-inho e Antonio Francisco dos Santos Filho. -
Sim.
De Leonidas Tito Loureiro, idem da do Daniel
Francisco Pinheiro o Joaquim Braz da Costa Rios.
Na forma requerida.
Do mesmo, idem da de Leandro Honorio Jose
de Sainpaio.Como requer.
De Antonio Joaquim de Sa, idem da de Heliodo-
ro T-burcio de Siqueira Varejai. Na forma pe-
dida.
De Antonio Joaquim de Sa A C, idem da de
Andrd Gomes Ferraz.Sim.
De Braga & Silva, registro da de Manoel Braz
Teixeira da Silva. -Seja rCiiistrada.
De Domingos da Costa Ferreira, idem da tie Her-
mino Francisco Rodrigues Freire Registrar.
De Guilhermino Rodrigues Monte Lima, idem da
de Manoel Xavier Nogueira Lima e Manoel Xavier
da Foneeea Capibaribe. Deferido.
Do mesmo, da de Alexandrino Pereira dos Sin-
tos.Como pede.
re Joaquim da Costa Maia, idem da nomeacao
quo junta. Proceda-so ao registro pedido.
De Paulo Guelphe & C, idem da de Francisco
Damazio dis Santos e baixa na de Jose Pelix de
Brito Macedo.Como requerem
De Victor Grazem, idem da de Francisco de Sa-
les Moreira Fontes.Seja regi^t/ada.
De Joaquim Teixeira Bastos & C, idem da de
Jeronymo Jose Correia e Henrique Rodrigues da
Fonceca.Sim.
De Josd dos Santos Oliveira, idem da de Jose
Dionizio de Souza e Manoel Francisco dos Santos.
Como requer.
De Manoel Ferreira Pinto Malheiro, idem da de
Baibino Ribeiro da Silva.Begistre-se.
Dc Joaquim Geminiano de Arruda, idem da de
Luiz Martins de Arauji, Demetrio Ferreira da
Silva, Francisco Joaquim do Rego Almeida e An-
tonio Carneiro da Cunha.Deferido.
De Antonio Jose Silva do Brasil, idem da de
Antouio Teixeira Peixoto. -Como requer.
De Jose Barbosa de Mello, idem da de Francisco
Pereira de Figueiredo Tondella.Sim.
De Pacheco & Azevedo, idem da do Antonb Pa-
checo da Silva.- Como pedem.
De Lehman Freres & C, idem das nomeacoes
inclusas. -Como pedem.
Dos inesmos, idem de dita.Registre-se.
De Joao Gervasio da Cunha Perne, idem da de
Francisco Nogueira da Silva.Facase o registro
pedido.
De Monteiro & Correa, idem da nomeacao que
apresenta m. Registre-se.
De Pordigao Oliveira & Filho, registro da no-
meacio delieus caixeiros Antonio Guilherme da
Silva, AU-jbso Fiuza de Oliveira e Joaquim Fran-
cisco da Silva.Como requercm.
De Jose Peliciaoo de Nazareth, idem de dita que
vai inclusaNa forma pedida.
De Jose Aatonio Seraficc de Assis Carvalho e
Joio Felix Pereira, registro do seu contrato junto.
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Informareo da secretaria pare ordenar-se a re-
gularisacae do contrato de Manoel Goncalves de
Barros 4 C. Precede a informaeao.
Idem declarando que Josa Joaquim Dias Fernan-
das Jnnior 6 obrigado a mostrar qne da porda do
patacho Veloz a esta data nao decorre urn anno.
Deferido, de cwiformidade com ainformacao, aflm
de que apresente o snpplicanteo docuroento-apon-
tado.
COM-0 PAREGEtl FISCAL.
De Francisco Jose Silveira, corretor.geral, pe-
dindo dou? mezes de bcesca.0 tribunal resolveu
que se onvidasse o Sr. desembarfador fiscal,
aflm de issistir a sessib de 37 do corrente, em
que tem de serdecidfda a |tetl$ao do corretor Sil-
veira
De Casiaiiro Jose da Silva e Francisco Cavalean-
ti de Albuquerque Leito, nsgistro do seu ontrato.
Satisfaca o parecer fiscal.
Do Banco Industrial e Mercantil do Rto de Ja-
neiro, registro do contrato juntoDiga a seere-
tarta.
De Joaquim Dias do* Santos, pedioqo titnlo de
agente do leildes. Preste o supplicante a fiauca
fegal,*depnis do quo sl5a^V^9fcoo competent*
titulo.
Papeis relatives a. orratoT Joao da Cruz Mace-
d >, infr.ictor do's .iris. 47, 48 e 51 do codigo com-
mercial. Aut.ndx e dosigbado oHifflcial-naaior
para servir de esei ivan, de sa visla-ao Sr. desem-
birgador fiscal para o ffm mencionado no final da
primeira parte do art. 18 do decreto n. 806 inan-
dado oSservar aesta proviacia peto de n. 808.
Aatos de rehabilitacao de load Maria Palmeira.
Adiado, o foi entn-gue ao Sr.akMfra.
Sommario ex-offlcio contra ^jrretor Save.
Adiado.
Ao meio dia, nao lnvendo mai o^ue despachar,
S. Exc. o Sr. conselheiro pretUiilto encerreu a
sessao.
PARTE POLITICA
PARTIDO C0HSERVA90B
RECIFE. 31 DE OUTUBRO DE I87.
Os liberdadeiros da Provincia coineeam a deitar
mascaras a baixo -na quested do Sr. bispo.
De aeeusidores frenetic <>, inplacav*i<, que
eram, tirnam-se ostensivos advogados da causa
ultramontana. Ainda bem.
NTopiniao dos procincianos ja o Sr. bispo u in-
nocenle e a accusacao que Ihe promove o Supr--
mo Tribunal, nao tem razao de ser. Vejamos :
Ha poucos dias diziam elles : t Os nossos bispos
esquecemso da patria e querem exigeradamente
applicar as leis inflrxineis da igreja boje -decla-
rant, que o bispo de Peraambuco ja nao teata di-
rectamente e. por factos destruir os ariigos da coos-
tiiuicio, visto como nao tem feito mais dojjue as-
signor pastoraes, pubticar breves e dontrfnar os
seus romanot; logo o Sr. bispo e inooceoto
Se o nosso bispo e culpado, maior culpa deve re-
eauir sobre os repuUicaaos, que todos os dias es-
crovem e doutrinam contra a nossa forma gover-
nmental.
Eis ahi o dilemma: Se culpa lem o bispo. em
culpa iacorrem tambem os republicanos; se sao
eslos innocentes, aquelle a dava ser; seuao laocais
grdheta aos pes dos republicanos, boo a poJei"
doitar aos p6s do bispo.
I-to e logico e concludente.
Agora I'-oguuiamos nos a esses falsos aposlojo^-
da liberdade : porque em .o accend stes vossa c>
lera contra o innocento pastor da diocese?
0 jasuitisrao com seu direito do propriedade,
sen suberan} estrangetro, sua hierarchia, organi-
sagao, dUcipliua, iniluencia sobre as conscirnctas,
constitue uma meuoracu assombro^sa contra as
Lberdudes puli'.icas I o
Como caneiiiau enUo o perigo imminento .!'
nossas liberdales publieas com o exercicio legiti-
mo de um direito, quo nao podeis contestar ? -
E' tvidenle a abeu'acao da doulnna que flzestes
propalar.
Se o bispo eumprio os seus doveres, como ago-
ra co'nfos.ais, porque outaodenuncial-o cottW|a-
gerado e fanatico f
Havemos de demoustrar aos liberaes desla terra
e a todo o paiz, que vos nunca tivesfes principio *
series e delinidos na quo>Uo religiose, a que este
uio vos torn serviJo saw cumu lecurso de ospe-
.ulacao-pjl.iica. As vjssas p-Javras, qua leraos
archiva.to, buo de servir de claro ducumento para
vossa coudemuai^io no tribunal da puulica opiuiao,
e da qual uiio e da lo zombar impunSiaeuto.
Liberaes da- Provincia, na peus^is quo o paiz
vos oscuta Lndttfdrente em vossos devaneios e qne
0 stigma da ieprov.u;a> dos no-'!s:is lijiiesU.s de
lodos os i;artid..s deixara dc cahir sobre as vossas
cabecas
Apieciem os bons cidaJaos a iocoiieiencia a.i
pro;liuienlo de hoje com as ex|.iessiies e joe in
1 a expeudida s :
a C.nliniia ainetc dora a qu.-stao religiosa. Ja
o dominio espn-itual desce* d, cuisciencti* e se
eslenieu pelo comphcado labyruiibo da cidade
em suas relacoes cum o indimduo, a familia t o
poder publieo.
Se os proprios pruvtneianos e que denuuciaui
que o d.imiiiio espintual desceit dot coitsciencias.
isto 6, da orbita natural de sua acc;"w para invadir
a esphera do dominio lemporal em todas us rela-
coes com a individuo. a famitia e o pod-r publieo,
como ousam nfflrmar quo o bispo ja uao teute di
rectamente e por factos contra as leis coustiiuidas?
A sociedade quo a siste, desde tao largo espaco
do tempo, anciosa e agilada a essa luta nnilente
e obstinada por parte do diocesaao, d a mais rom-
peiente para aquilatar o merecimento desses ajios-
talas de suas proprias opinioes. por amor das
juaes agitaram e perturbaram a paz a a conscien-
cia dos cid=daos ale na praca publica.
Ao passo que declarant hoje que o bispo e in-
nocente, por uao bafcr infriugido as leis do estado,
afTlriiiain, por outro la lo, o seguinte :
a Mal do Brasil, se tendo vivido meio seculo em
paz sob o regimen de uoia legislacao, viesse agora
confe sar a impolvnci i dessa legislacao, batesse
em reliradt a face do Jesuit*, reconhecesse agora
que teve a paz, porque o jesuita quiz, e nao |tor-
que as suas leis eram leis.
Se enteodieis que o bispo nao havia violado a
legislacao do paiz, a que vinham entao essas pala-
vras, que acima licaiu transcriplas t Para que ia-
vocar a fortaleza e autoridade de leis que nao fo-
ram desconhecidas e desrespeitadas ? Se confessais
que a paz foi perturbada pelo jesuila, a uue deve
ser ella restabelecida pelas nossas lais e nao por
vontade do mesmo jesuita, como declarais *f0ta
que ate h-mve transgresslo das nir-smas leis V
E' inci ivel a vosM coragem pelo uesilem com
qne vos (ironaBciais a face desta |iovo, que Ie
vossos estontoados discmsos em- tao melindroso
as-umpto.
Pois n.ioil -.'-: is *t\ ie querieis, manlendo, por
emqnanto, t meia lib* lade da con?iiiuicao, dis-
putara soberani'i ao- jo uiias,que se acham, contra
a l'i, em terras do Brasil 1
Mas como assim, se afflrmais para logo que a
lei nao fora transgredida ?
E' justo confessar quo vos Srs. provincisnos
estais em constante tresvario I
Nao fazem inuitos dias que escrevestes com a
vossa propria uiao o seguinte dilemma :
Oa sahe o bispo escoltedo.ou o Sr.Lucena fica
comoespargo no monte, exposto ao riso das multi-
does (como este aconlecendo) c ainda mais docc
acharlamo' o nectar dos deoses.
Depois que os oradores do Club Popular d<
clararam entre os applausos do partido liberal,
que preitariam t'4o o c mcurto ao governo do paiz
ka sustentartlo das leis que o regem; e mais que
reprovavam o procedimento daquelles que salio-
reando o nectar dos deoses, aconselhavam ao povo
a indifferen;a nas medidas que o governo tinha de
tomar com o nobre intuito de corresponder ao
appello que Ihe fizera o mesmo povo, depoL*
desso terrivel remoque e corrigindo os vossos es-
criptos, declara^tes em vossa gazeta as seguiatos
memoraveis palavras:
t Antes do aviso de 12 de junho, firmes e cons-
tantes na liea, agitamos, como deviamos, a qoas-
lao.
Depois desse vosso acto, levantemos por aru
pr.uco as annas do combate, p is a vossa accuo
comecava a manifestarse e cumpria aguardar que
a lei se pozesse em pratica, que fallasse ella.
Mas se a lei, como agora dizeis, nao foi poster-
gada, como havia ella fallar e por-se em prattea T
Nao dizeis que o bispo nao teuton dtrectamente
e por factos contra a lei ?
Que elle niio obslou o effeito das determinafoes
do poder executive, perque o Sr. bispo nao inan-
dou arrancar a opa dos hombros de ninguem,
nem tomar conta de bem algum das irmandades
e que, ate aqui,-ninguem subio com recursoao
governo por motivo de veixacao civil, oriunda da
excomniunh.to?
Nao declarais que o bispo nao infringio leis e
regulamentos, porque estes ordenam o temporal e
o bispo ordena o cspiritual ?
Nao declarais que o bispo nao obrou por molfvo
frivolo, porque e senlinella de Israel ? ^
Que nao abusou de conuanga, porque o govpr-
no coniiou nefle para bispo e nao para agente po-
licial ?
Nao declarais finalraente quo o bispo nao obroit
com premeditacio, porque este na sua seara. es-
piritual, como o Sr. Paranhr* este aa temporal?
E' incrivel, mas e verdade I
Actusadores violentos, implacaveis, feroies qne
clamavam pelo bispo escolteao e de grilhete aos
pes e os jesuitas espoiejados napraca, de repente-
mud am a face de Jauo-e co^tituem-se .publ|e)s
patronos da causa impia qua condemaaram It
Incrivel escandakw .*,,
Em njme de que principio entao vos, hypocrite*
da Provinoia, agitestes a tranquillidade deste terra,
se neste momenta vindes declarar-no^a nas loops,
que o bispo jamais tern excedido os seus dorairaos
espirituaes para iavadir a orbita dos poderea tem-
poraes ? .
An passo que tewaakaiB nma a apotheose.do
bispo de Peraambuco nas oolumnas do vesso pe-
loorin-o, onde acoilastestom aatenico furor o m-
nocente, lavrai? a senteoca irrefragavel da vJssa

f

[lUGlVH


i
Mm-



I
'DilriabiWTFehitofifeed Sexla feira U d*Q*iiftm de 18&.
TT^>
comlemnj-ao
T;irtafos, porque bnlSo
d03 ve-soi rsujiladJos
da pcrdieiio ?
Bmasaliiaiijos ejio ti'nliamoi.incanclw)
Qiliaerae- sjjniajps. e ao povo pornamWano, a
quern acorJenfftr que ccwisHssequed) ao aica-
rane/feenlfc 6Sr. Lnrena eo Sr. D. Tital. qe.e v6s
nio linheiiNdoae Irmes, nem jirtiwtipios, nem dpi-
nioe1.
Aliemli/n os leitores : 1
_ i>a o :. I.u#eni, que tanta forca basoflava,
(ra da fabula) faria sair eseoltado o Sr. D. Vital e
ficaramos viugados da patoral e do olBcio deste
e quo os dous ainigos de hontom so tivessem coa-
vertulo em algoz e vietima; ou o Sr. Ltfecna fl-
eam como espargo no moute, exposto ao riso das
inultidoese ainda mais doee achariamus o ntctar
4ns deoses. >
Que trist} e i:ruel satisfacao de ver sair eseoltado ]
o bispo poi mottvo de uma pastoral, cuja puIMi-
lim divarso a nao ser doutrnvir espirttuUmenle os
aeus romanoi 1
Qnal era p>is, o crime, quo tcsejavcis ver vin-
gado com til severidade 1
0 vosso regosijo era pois, nem mais nem menos,
de odio e d j vinganca
Para vd< esta que-tii) seria e grave reduz-se a
eapretnr cruejo favorawl para gilgardes o poder.
Defde jna o Sr. Lurena fosse expa-to ao riso
das niulliddes, mais proximo vos julgarieis de sa-
lioriar o incbriante nectar.
0 paiz ja vos conheee, alicanlmeiros de todas as
?mochas.
frtinWUHUB1** aosl> 6 patente '
scgundoa Unlflo, na man!-
flea o utraria a dos" outros.
causa essa raanlfestaf;*o so
jercicio das crencas alheias T
e-s manifeskjao p6de ser contagiosa e opa-
rar a mudanca da crenca geral 1
E que mai" vai abi para a ordem social f
E" que sem religiao nao pode haver- esta or-
dem 1 wi
Da reii^flo porem serao tamo mais salutares
o iatluxo e os effcito*, quanto eom menos constran-
gimento e mais convits^an t>r ella abraeada.
Que importa, hypocfitas, que importa ao esta-
do que o cidadao, qualquer numero delles, siga
esta ou aquella rejigiao, tenha, e portanlo manifes-
to, esta ou aquella crenca ?
Mas dimis vos : So no catholicismo e?la a ver
dade, (como eu o digo tambem, como a respeito
das outras religioes dizem todos os que a seguem)
*&g'Vl*s1S-de selembr* de 187!. Ju.-tiao de
Sou^a. V
* X?tMfe! tJuW fll^a. titk tt"Ma*W 06?rto da
Sflva, {e'-cionou mialia fllha Bellarmina de Oli-
vein rcln'ii Cavaleante, resultandb do seu ineao
, r.-:.^
% iggravw do JpcNoMrtdit)ial da relarfti *e
Ma*Bucorf pot A. H. Imperial, o Sr. D. Pedro
tfqaeBeui guards etc. etc.
Attesto-qiieaExiM. i'ra. D. Maria Co6!uo da
silva, profesaora da prtmaJW cadeira de instrue-
l 'nea0 ?. Pnnarla desu (regaezti, 6zerceu o seu ma-
savel trabalim o ser esta approvada com distinfi- gisteno com muito zelo e dedfc*c*T, tornando-se
,;ao no exame que fe?, e com ella oulras igual- / por is.so digna de todo o elogio. nao $6 pelas raa-
mente Dabditadas ; iraiou sempre muit^ bea) j neiras delicadas cum que tratava suai alumnao
as suas .:.'umnas, e wto provava o grande nu- como pelos esforcos uue cmpreava oara obter o
raero dellas, qua froguemavam saa nula. Qnanto "
===2SH|
ondas
refSRas, Umi v.>z se onvira, von nnsteriosa bra-
daudo:
<' Piluti), cufra gca^e no leme !
* Etitao sera a voz da bandeira da .iLerJade,
IPiCa dctisa generosa, que mais de' uma vez teui
- iivado a mouarcliia brasileira, e apezar dc tudo
.inda Hie estsnocra a mao.
A panacea desei medicastros e segredo, que
f- elles conliecein e sabem appliea/, quaudo a
paiz reviver no auuedo detespero; a deusa gene-
rosajtio ou\e se niio a sua voz, estendendo Ihes
a niSu para jalvaron a monarchia; mas e essen-
tial que o piloto cha.tiC ao leme a sua boa
amestrada genie ; antes disso o perigo de sosso-
brar e evMeiita e u iijI.io painotismo, pure, i:u-
inaeulndo, plr si so, nao torn prestigio.
Se nio fu eoDvoeada a esperta tripolac^o, o
uaufragio c ioevitas'd.
A fo.ri das eiusis n,lo trard a sua vez sem
t}ue ou^im a voz do piloto : e entao chegara para
ualvaraiosa ceaoroaa deo.-a da liberJade, ijuc e a
sua bandeira
A$sii.i < o .; hbenitismo e ussim continuard a
ser.
e por tanto fora do catholicismo nao pode haver a
ordem social, porque esta so resulta da verdade.
SuppDnhamos qne seja asim. E tem o estaio
meio de fazer que os cidadaos sejam de veras do
crencas catholicas ?
Se pela tortura obriga a manifestai;5o de cren-
cas conlrarias a consciencia, isto s6 cr& bjpocri-
tas, como vos sois, so produz a deserenca, comi
vos estais produziodo, porque vos so quereis tiy -
pocriias como vos paia vossa obra netanda, o
supersticiosos para vos roubardes seus haver^ .
Se o catholicismo 6 a verdadeira religiao (como
de facto o contrario nao se pode sustenur em uma
seria discussao) nio 6 u forca, nao A a tortura que
a pode manter e deseuvulver. Cslas produzem os
schismase as seitas diversas, destru'mdo a unida-
i*eranv*3. vossas torluras, M
quereis, "Hypocriias ;" W1^ IRToToTs'"dnTMBs
jdPW% inimigoa de Jesus Chrhto.
yqtlto quereis estar unidos ao estado,
Mnlncos a vosso dispdr, armados do arc
a
r^otor,u"a-ei
conee.niia, teremos urn bispo, com o em-
' lo e grilheta ao pi
isahira Jo tado i.-tj o zovenu .to ar
Rntroiaiit) tcmos pi!gnn!adu q id a o.iinUa
I'dasa; hhn.mda Pivcinc.n, e a re-=p >sta e a *uj
t \ '* io -c ;ii":'* i'oarti5W; quo :a n el!c nao'se3
i.-fofari ) i>ai.
*.j|s.!!ido a forca das cousas !rnu\er a nts^a-
%ez,Uid i s.dv.,reams pe!a liberl.ile o para a It s
,'<-'r^'; oura ver'Jad^ cirisJa, nio e a tortura nao e a!
Com as nieias valentias do ?r. Parauh^s,'ante raode qtralqucf g>nero, miseraveis liypoe*
audi-i.-; Mm n me do jesiiltisnmi o paiz hade
ii^'ar em breve ao auge lo desespero.
^a pnr en iron sassurro immenso das
.!): instrjim
tao a viKsd modo.
?! o rlTfis'hnf'-'m'K fi<>', a verdade,'*
:_ 3*l)ti tj di\or-' se manifestam alguina
muilas coasciencias, se ale se levauta .
pr i|iagni'.Ja jliversa, o meio de fazer tiiumpl
A I nirto
IX
A IGnUA L1VRE NO ESTA DO LtVRE.
Km naposta ;i propaganda actual da separacao
estado c da igreja, a Unilo, pensaudo que "as-
>.m intimidava esto povo c.itnoliw, e talvez
perceber que tanto ogoverno actual,
;.i opposieao nao ((uercriam esia ;i
por
mm intimidava esto |iovo
como o ciiefe
eparagao, por
isto tiulo a Uiimo ameaeoti-aos com esta separapio
operada por p-arte da igreji. Isto, oirem, so cau-
soarisa pirqiea emerta i.n'ajcil, u hypocrita Je-
suitism), (io aferral) cum 6 a> estado para ava-
<;alal>. u'n pilia eagaoar a ningaen ibm a sua
iv i -: .!egi,-i. a UiuO-i 'pjfcebeu esto riso
o, ni. so agu'fiuuli ne-i" t-.rreuo, abaulonjua
I >i i para eontiduar a sui sdria c es!'ir;ala, qtiaar1
to desparatada propaganda eoalra a iiberdate de
coascieacia e cle cultos.
Eutio e ao p.assi i|ue a Umlo miis se euvnara-
nha ni sua au'e-clirista a immoral theoria. mais
deiu transparento a mascara da liypocrisia, para
l>ateatoar a t> los que o j s*uita so quer d uninar o
nmnlo, domininlo as Bonscieacias e impoodo o
I'ulto pela fir;a coercetiva do braco seisular, a
todo o man It, crei.i cili uii muito erobora, ou
nio creiri uj q le para o jesiiitisino e pura verdade.
Quern nan sabs, segualo a UhIuj que a liber-
dado dotactu internos naoDode ser violeutada
l>or auiiiiJade algama visivel? Esta, p>is, e a
unica liber hi) p..-r uis-ivsl n'um paiz Je calluli-
os | ias ti.i sqa iiiili lide.
Gaardiy-se", partuito, qaabiuer dc externar o seu
peniamento de qual |uer mrJo que v^nlia a ser sa-
! i I j, se aaod sooforme a verdade catbolica ; por-
qae alti enta-i is fogii-M.-as da ioquisjcao, ou outra
liiaiqaer tintira ninistrala pel) braco secular
: ara puuir o cseanlilosa desirdeiro, e obrigar a
tolas a aJorar a Deus com) manda o jesuita, nu
-.< nao aliralo de nu!) aljiin, nem em quarto fa-
lad ), ue.n a irhwr a ni aaisi palavra, nem ao
ami?) miis intim-), de mlo differeiie.
En verdade o que 6 essa consciencia li^re, que
isistc si'.iieiite uo peusi uanta secreto sem a li-
fierlal; d^ nen u n umo movimenl.i, nem urn
-.olvjr d'olhos, n >m uma alteracao n fa:e em ex-
pressao do senlimant > pclo ou para o Deus a quern
i.ternameate *e a-'bra? Qie liberdale le con.
scienaaoesur S'aliberdade b jesuita, eaii- cnri\n'"itTrrw?
berdale Ja incuisicao o da .bgucira. tampello -Uarroso.
sim. a PALAVH A
A uaiavral uuica anuade quo usou o P>
tor. a oalavra niaii.ae paciaoa. a palavra
amorosa, condolente, traspassada daquella
evangelica, monstros I aquella ongao que so
sabem imilar os que sen tem dor, qiie Christo ensi
nou a sentir pejas rfes^racas d) g?nero .imrrian >.
Pacamos aqui.uma piusa, quo eslou can.-am de
mdignarab e de teSio que me catfsam vossas Tneo-
rias infames.
Recife; *3 de on'tubro de 1873.
Aff-nso de Albuquerque Mello.
Curso dc educaqao para o
sexo feminino.
A projessora Maria Coelho da Silva, achando-se
melhorada doi graves padecimentos que moti-
varam sua jubila/fi), e Ihe sendo penos6 subsistir
decentemente, com os minguados recursos de que
dispoe, deliberou-se abrir no comeeo do future anno
de 1874, urn curso de educagio litteraria, moral,
e economico. A pratica de mais de vinte annos Je
professorada I.' cadeira desta freguezia, com cons-
cieucia de fiel desempenho do se inagisterio, pro-
vado com documentor das autoridades litterarias
com quern servio, de muitos pais de familia, cujas
liliias teve n prater de leccionar, os quaes tem
hwje a lionra de dar publicidade, somcuto oara
conhecimento dos iuieressados de suas babilita-
foes, e solicitude em edncar por meio da inslruc-
cio, desenvolvndo as faeuidades naturacs p)r
meio do esiu-lo racional, formando o coraQao por
meio da pratica da virlude real, preparando na
menina, a futura mnlher; na lilha a futnra mai,
sao garantias do Bin a que se propoe, e para o
qual apresenta o seguinle :
Curso BtfeiUENTAR :-I,eitura, escripta, calculo
aritlunetico ate a resolucao dos problemas mats
commuas. instruccfn mural e religiosa, cosiuras e
irabalnos de crochet.
Cnaso BLBHBtrran : Lellara e declamagao, cal-
ligraphia, calculo. principins de linguagem verna-
cula, instruccao moral, canto, tapecaria, labiryntlio
e bo rdados
Cuas) r., implement ar : Leitura em to Jos os
estylos, estudo mais desenvolvido da linguagem
vernacula, exercicios de redacgao e composi^ao,
prineipios de geographia, bisloria, musica vocal
e piao.o, desenh >, i-egras de hygiene e economia
domestic.!, noeoes rudimentaes das scieucias natu-
raes, lavoiv.s, tapecaria e (lores.
A dirocefio moral e economica do estabeleci-
mento estara sob sua iminediata gu'arda ; e a par-
te litteraria, sera conSada a pessoas de reconhe-
cida mo:alidade, i.iustraiiao e notoria dedjeacao a
instruccao e piogresso social. Os iuteressados
podem desde ja dirigir-se a povoacao dos Afogados,
largo da I'az sobrado numpro.
D0CUMENTO3.
Attesto qne :< supplicante e exacta no cumpri-
mento dos deveres de sou magisierio, quo torn
exercido com intelligencia, dedicacao e assiduida-
de, leceionando grande numero de discipulas com
apr iveitiment) Oas mesmas ; c que tem boa on-
ducta civil e moral.
Distritrieto lillerario da freguezia dos Afogados,
6 de marco de 1857. -0 delegalo do mesmo, Fran
ciseo Luiz Maeiel Vianna.
a sua conducta, nada se podo dizer em desabono,
pelo eontrario merece os maiores elogios de todos
que prezam dizer a verdade, e sentein como eu
a sua falta na qualidade de proiessora.
Afagadas, 26desetembro de 1571." Salvador
Barbalao Uchoa Cavalcante.
Attesto e jure, que a Exm. Sra. D. Maria Coe-
lho da Silva, professora publica da primeira ca-
deira de instruccao priraaria do i districto desta
freguezia, exerceu este magisterio com superior
zelo e dedicacao, torh'ando-se para suas als'mnas
uma carinhosa mai, e por ettii forma tirando su-
perior vantagein ao aprovekameato dis mesmas,
o que teulio n itado por divessas occasi5es que
testemunhei o exercicio de suaj funCcdes, como
pai de Anna Francisca de Sa e Senhorinha Maria
de Sa, suas discipulas: a frequencia de alumnas
em sua aula, subia orariamente de cincoenta me
ninas ;.(estemithhando os exame's no anno pro-
ximo findp, vi serem.approvadas em differentes
graos, getp op oho altlinnas Quanto a sua con-
ducta miral, teni aquella qiie a: faz rectmment
davel aos pais .do familia, para guiar suas lilhaJ
no caniinho da virlude.
Freguezia dos Afogados, 26' de setembro de
1871. ManoelGoraes de Sa.
Renro-mc em tudo ao atteslado acima, tendo
tambem duas liliias, Maria Clementina Caval-
cante e Maria E uilia da Trio4ade, soba immedlata
instruccao da Ekma. Sra. prefessora D. Maria
Coelho da Silva.
Afogados, 27 de setembro de 1871Igaacio
Joaquim Goncalves da Luz.
Attesto que a Exraa. Sra. 9. Maria C"i?!ho da
Siha, professora desta freguezia, foi sempre ex
acta no cumprii-^ento dos deveres de seu inagis-
terio, leceionando com aproyeitamento o grande
numero de alumnas que lem frequentado a sua
aula entrc cllas minha filha Idalina Lins Cha-
ves, de quern recebcu tnui boa educacao e trata-
mento ; as.-'im como que fago o nielbor juizo pos-
sivel de sua optima c.nddcta moral.
Afogados, 27 de setembro de l87i.-Camillo
Lins Chaves.
A supplicaute cumpresatisfactoiiamente com os
deveres do sen nHgislwio, pie tem exercido com
vocacio, assiduidaie e iuleliigimcia, ensinando
com zelo e proveito, grande numero do alumnas ;
e tem boa conducta civil c moral.
Sala das s s-ii s do conselho do districto litiera-
rio da h>gnezia dos Afogad^, 7 ile marc.) de
1857. -Vianna, presMsnte -Vigario Torres -Costa
Pois esta e qua e a unica lib.-rdaJe do couscien-
cia permlttiJa pela Unifn, a nnica que ua> podo
-or violentuli nem puuida por ulymna nut^ridi-
>it mmvel e someate cai sob o diininio da t'gislt-
i:-lo dicina. Tola outra liberdade. n'um pai? ca-
fiolico nao e liberdade, e crime ; por|Ue a verda-
deira liberdade de consciencia no paiz catholico,
fora daquella so esta no Catholicismo; porque esto
' a verdale, e -n na verdide esta a liberdade.
E' a infirae ^heoria do hypocrila jesuilism
No roi-oulito do pensameat i para quo nao s
io.
,. seria
o uomeiri livre deste mode? Selo-hi.a para todo*
S crimes, como para todas as virludes. Seria a
liberdade illim.tada para bdas as cousas. Mas
quern ja chamou liberdade a facmJade de pensar
'msegreb? A liberdade, lelluam-a como qui-
zorem, sempre vem a dar nisto quo c mui simples,
so a bem detlairem : a liberdaJo e a faculdade de
obrar dentro dt-s liinites tragados pela lei.
A lilierdale. :iortmt), refere.-sc someute aos ac-
t.5 e\-t:n; is, tr.itaab se Jo liimem e.n so:iedade.
' ) qiinb fi-j trata di lib;rdiIo; porque, no
juro oeisammt) s') (bus eat.-.a, o n"io teat a s)-
^hli fl.te se liter com ell".
Q laado se trata, p .is, de liberdade Je couicien-
'a, tratase da faculdade de raaiifesiar cada um
^ suas crencas, conforme a sua onscieacia. Do
'imtrario nenhama signidcacao tem a expressao
uberdide de coasciencia.
Esta.literdadj porem, para a Unite, nao e li-
i ,;rdaJe, i um crime, c mho ja yimis. A liberda
de consiste na unica pennissa) de iegair se a ver
lade catholica, porque so na verdade esta a liber-
dade.
Porque ponr.n o estado nio deve permittir,' deve
pueir 0 qae todo o muodo (todo o muiido porque
y jesuila, o iniuiigo do Christo, nao e gente e o
i.ujo das Irevas, com a missio infernal neste man
io} p irqw dgvo o estado puuir o que todo o
mania chama liberdade de coasciencia ea Uniffo
ebama crime ?
Q.ul 8. o tint do estado? E' j.ar veulara lerar
.v almas no ce i ? Hem desejara eu ver a Uniuo
'letnoiisfr;. la. sem excitar o riso universal. Ao
ontraria ja demonstrei, (sem trazjr nada deaovo)
fiianteiidoAjra/moiiia tO-e os cidadios, deilniudo
-is raias dlifro' ias quaes e licit > a cada um mo-
ver-se com q iier, ao quo esta a liberdade
:>.:
.:ra
r.a, snponha nos que todoi os eiiajios
t$. s>'i.atU cathilicos ortholoxos, ate a
menos
83 p.)n{0
vr qne u ii papa adaltero, assasstoo, ainda
ao pi iticaalo os respectivos acios, ou levaa-
famkfexprcit.) para fazer a gaerra, nao erre. Que
'em resilf^i pan a, ordain social .ie**a:Ojji, e qt* fosaein lez Oa com ou mil ou
iailb4^tqBeanaiiu*eaa as drew**; Ja sua cons:ien-
-ua diSereiiw -atras* cidadaos, se nessa
Jaarfestajj^ ni, j, i abque, olTeusa aos oatros t
ap|H<'eM a erdein; ponjOb e8la so 8(! l,erlui-ua

nao-offende ao*
trends
ioo por n.-rj acta inoffensivi
Attesto que a supplicants tem conducta illibada,
0 como professora desempenha seus deveres re-
ligios.imj'ite ; ifque sfflrmo em fe de parocho.
Afogados. 3! de Janeiro de 1865. -0 vigario
Antonio Francisco Gooeatves Guimaraes.
Coriolano VeHoro da Silveira, commandanle snpe-
H r da guarla nacional do municipio de Seri-
nhiom, commmdador da imperial ordem da
Rosa, por S. M. Imp-Tial e constitncional-o Se-
nhor U. Pedro. II, aqaem Ueus gnarde, etc.
Att'ssto quo a Extna Sra. D. Maria Coelho da
Silva, prsfossora publica d) iustruccao primaria
da povoacao dos Afogados, exeree satisfatoriamen-
tc os deveres de sea magisterio, e algumas veze-
qae visiui a saa aula, vi frequentada por grande
numero dealumaas, sendo qae 6 oublico o apro
veitamento dellas, o que afttrmo, por terem sido
suas discipulas diversas pareutas minhas. Quan-
ta a sua coudui'ta civil e moral, o juizo que fa.-
e o melh r passive! ; ha deznito annos que dita se-
nhora. ra intern rela.aies com t'idos" de minha fa-
milia e nao me cmsta (|ue praticasse aclo alguin
que se preste a mais leve censora ;educou ami-
niia mana de nome Maria, alguas mezes que
meus pais estivoram no mgenlio, a deixaram em
sua casa, alim de nao pcrder aula ; tal era acou-
Hauca que nella depositavamos, a qual ainda hue
6 a mestna: e por me ser pedido, passei o presente,
em que meTassignu.
Engenho Ribeiiaa nu lermo de Serinhaem, 14
de junho de 1871. Corielano Vellozo da Silveira.
Attesto e se preciso for jurarei que a Exma.
Sra. D. Maria Coelho da Silva, professora publica
desta povuaeao, desempenha c m todo zelo os de-
veres de sou" magisterio, e com aproveitaraento
de suas numcrosas alumnas; assim como e boa
a sua conducta moral e civil
Afogados, i'6 de agosto de 1871. Damasio An-
tonio dis Ab ahtara.
Attestam -u;iplicante tem boa conducta
magistral, assam como que a juizo nosso, goza
ella de boa opnilmsta individual.
Conselho do district i d? instrncQao publica nos
Afogados, 23 de setembro de 1871. 0 delegad*
litterari), Anlnnio Justine de Sou2a. O vigorio
f'-aquiiri JoS4 ie Faria.R L Chaves.' AlitonJo
CaWas da Sftvi.
rflm. St. -Matia Coelho da Silva, professora
publica de insiruc.au primaria, a bem de sen da-
.reito nccessita qu:-. V". 5. so digne mamlar attcs-
lar p;'1)s pais de fttinHth, enjas fllhas eve a bbn-
[ra- le lembrtar, sea se darante o tem
pa_4UQ gflcyju ue*U PJJV ';"', id ou nao cxactit
no cuuiprimooto.llos de.V' lo sao magisterio;
se leccioor v a'iKle; ti'm annas, co*e
pr-iveito das iuea>"n. d q as tratavv e-
cidauaj; e uina limrfmenio quai k coaduc^.A tla supplicanta:
::im. Sr. Ilr. delewtdailUii-rasio la fregueiia dot
Afoga.lo..-Ei& M.Maria Coolbd da Srtva,
AUosto: quereodo. LK't?gacia litteraria dos
Reliro me aos attostados acima, por ter tambem
uma filha nesla aula.
Afogados, 28 de setembro de 1871. -Maximiano
Henrique da Silva.
Refirome aos altestados acima.
Afogados, 28 de setembro de 1871 Jose Ber-
nardino Alves.
Reliro-me ao3 altestados acima.
Afogados, 28 de setembro de 1871. Jose do
NasciJiento Albu |uer jus.
RefiToMiic aos atlestados supra, accesceutando
que adoe endo a uiiaba Qlha iu aula, quan io la
cheguei, ja acbei-a om tralamento, com o maior
desvelo pisiivel.
Afogados, 28 de setembro de 187 i. Henrique
da Fonceca Coutinho.
Attest) que a Sra. D. Maria Coelho da Silva, tem
boa conducta civil e moral, tem tide duraote o
tempo em qne rega a caleira desta freguezia, sua
aula muito frequentada de alumnas, tirando bom
aproveilamento dellas, o que attesto por ser mai
de duas fllhas que frequentam dita aula com bom
proveito.
Afogados, 28 de setembro de 1871, Laura E-
milia de Souza.
Hollro-me aos altestados acima.
Afogados, 28 de setembro de 1871. Anna Au-
gusta Campello.
Reliro me aos altestados supra.
Afogados, 28 de setembro de 1871. Candido1
Theotonio da Cainara Santiago.
Nos abaixo asslgnados paes de familia nesla fre-
guezia, attestamos de nossa espontanea vontade,
quea.lllma. Sra. D. Maria Coelho da Silva,. profes
fora de nos-as lilhas, exerceu na primeira cadeira
de instruccao primaria d6s:a freguezia os deveres
de seu magisierio a nosso contanto; o seu zelo u
paciencia no ensino, a sua conducta exemplar,
tudo nos faz sentir muito a sua retirada da referi-
da cadeira, que exerc?u sempre com satisfacao do
publico desta freguezia.. Faze.nos votos ao Altis-
simo para que a nompanhe e felicicite.
Afogados, 2S de setembro de 1871. Antonio
Rodrigues de Moraes. -Joaquirn Quintilho Itodri-
gues da Moracs.-A. de Hollauda Chacon.-Jose
do Silva Araujo. -Manoel Ferreira Menezes d'A
zevedo. -David da Silva Maia. -Jose Francisco de
Abreu.Francisco AlvesTeixeira. -Felippe Rodri
gues Sintiago. Manoel Francisco Alves Teixeira.
- Jose* I'ereira da Silva. -Antonio Gomes Machado
da Ibra.Deocleciano Ferreira da Luz. Antonio
Patrick) da Silva. Nanoel Paulino da Fonceca. -
Francisca Valeniina de Queiroz. -Anna Augusta
Campello Cavalcante. Jacmtha Clara Xavier.
A rogo de Joaquina Maria da Concei;ao, Jose Hi
beiro It drgues -Manrel Jose Soares. Francisco
Jus dc Sant'Anna. -Wenceslao Jos6 do Rego.
Jose l.uiz de M.'iiezes. -Leandro Aloncio Alves de
Carvalho.Mallieus de Siqueira.
amarvtamenlo das raes ras. Lamenlo proiu'ada-
mente-que a mesma digftlssima senhora nao poss?
continuar a exercer aaftincgoes do seu magisterio
ms.ul Je*uezia, porque nolei por diversas vezes a
sua aedicacao para ensinar suas alumnas, d*entre
as quaes (Iguravam minhas fibas Adelia Carolina
Handeira da Cunl.a e Isabel Honorina ll.andeira da
Lunna. Quanto a-sua conducta civil e moral e a
melhor possivel.
Afogados, 7 de outubro de 1871.Augusta Cos"*
da Lunha.
*' ifioriI lo Hiiirav elain-
inan.
Kiisle por ccrto uma qualiJa-Jo oltamoiife
sanitaria suavee cbleitavel na. doliciosa fra-
grancia desta agua popular que de tao gran-
de ornameiito serve ao roucador.
Ella coma uor eucniito nos faz lembrar o
dulcissinti) iAi:eiisn llori ls> de verao ou a
imitagau de um favorito lom de musica ,m-
tigo, o qual por venlura nos fa/, racord ir
aquelm scea-isji passbdas, darante as quaes
ourirdO-lo-pela vez primeira. E* es;*intua-
lisantee d'efieado como o aroma da genuinn
agua ,de col.Hlia, ( .-mn ludo o sen jerfame
e mais profun lo e diiradqujq e a sua fra-
graiicia iunca muda nem entraquece, omo
aeonteoa com os mais perfumes extraliidus e
compostos de bletM vol.atis.
As senlioras as quacj g.Talmente soflV.un
de dores nervosas do cabe^a Ihe dao a pre-
lerenciu il toda o qualquer uma outra applt-
cai;ao local, como um excellenlo meio de
alliviar as dures ; e ein qualidale de um
perfume para o quarto de um doente e elle
por sem duvida eminentemente refrigerante
e agradavel.
Oleo pucn .iieilioliiul de flgail*
&emp.
Neiihum cliimieo tem podido ae hoje di-
zer-rtos em que consiste os principles cura-
tivos do oleo do figadode baeallido. Porem
nao importa. Uasia qne se saiba que 6 um
romodio seguro e ellicaz ptra os pulmoes de-
beis e as gargantas enfermas, para as glan-
dulns escrodulosas e os sysbmas; extouuados.
Por^m aqui deve-se fazer uma reserva dis-
tinctiva. Deve ser puroebgitimo, pois que
do eontrario para Dad t presla. Se desejais
ter neste particular um i eomplota seguran-
i;a, confiai vos unicamcnie o que podeis
fazer com toda a Sejirraftga -do oleo purio
melicinal de ligaih de bacalbao, do Lanman
d Kemp, extrahido de ligados frescaes, a
prova contra todas as inudancas do climas,
excellenlft em todos os rospeitos. 0 agente
balsamico p6de ser iodo, brome, ou qual-
quer outra cousa. Porem islo fica sendo
um sogrei-j-oja iwtureza, sabomos corn tudo,
que e elomfluto conserva lor da vida, seja
elle qual for, nolle existe Os doeutes ma-
cilentos epaitidos, mariyrisados pela tosse e
extenuados pelos coptosos suores n ctnrnos,
deveriq para dosdo ja langar mao deste os-
pecifico approva !o, so e que dao o menor
aprego ds suas saiides. Porem por amor de
v6s mesmos, nao [>ercais tempo ;. to la a
ilemora e fatal. 9
pescarrejjfam hjar.-M Je oulttbro
I'aUcho raglez Mary hMlky mercadorias para
alfandega.
Barca franceza Anne Marie ferragens ja des-
acbadas para o trapiehe Conceicao, para
conferir.
Lugar francez Rio Grande mercadorias para
- alfandega.
Patacho inglezImpulse varios generas para 0
trapiehe Cmccieao, para despachar.
>ESPA':HOS DB BXPORTACAO .\0 DIA 20 W
UUTUBRO DE" 1873.
Plr a os portos do exterior.
Na fcafca ingleza Belli, pan Liverpool, car-
regaram: G Neesen k C 75 fardos com 13,308
kilos de algodSo-. *
No patacno francez S. Andre, para Liverpool,
carregaram : G. Neesen A C. 77 "fardos com 7,188
kilos de algodao.
Na barca itighza Zingri, para Ha'mburw,
^r[!';a.r'}1'n R- Schmmettau A G. 217 saccas com
lo.lol Kilos de algodao.
No vapor inglez Boyne, para Lisboa. carre-
garam : J S. Leal Reis l barrica eom'l5aba-
cacins Para Londres, Fernanpes Rosing 40 ditas
com S) ditos. ^
Para os portos do interior.
Para o Para, na escuua allema ffrtUnnte,
carregaram : Amorim &" Cardoso 80 barricas com
d,71G 1[2 kilos de assucar bianco ; A. M. de Sou-
za Machado 105 dilas com 7,707 l[! itos de dfto ;
P. Vianna ic C. 160 ditas com 11,024 ditos de difo;
Amnrim Irmaos & C. 23 ditas com 1.866 l|2 ditos
de dilo.
Para1 Alagoas, na bareaca Alleluia, carrega-
ram : Algonez & Carvalho 3 barricas com 180
kilos de assocar relinado.
'ara Alagoas, na bareaca AssumpQao de Ma-
na, carregaram : B. Gomes & C. 1 caixa com 36
kilos de doce.
Para Macao, na bareaca V. da Gloria, car-
raffamn : (j. j. Pereira & Irmao i pipa com 480
utros dc aguardento.
Paid Macao, na bareaca Oontlancia, carre-
rou : J C. Siqueira :t barricas com 367 kilos no
assucar branco.
Para Porto Cairo, na bareaca S, Fnncisco,
carregou : B. G. Guimarae's 1 sacco com 30 kilos
de assucar braor.o.
Para Mossoo. na bareaca Veronica, carre-
gou : A. da Silva Campos 4 pipas com 1,920 litros
de aguardenie.
Fara o Ceara no vapor brasileira Ipnjuei,
carregaram: Costa & C. 10 barricas com 710 kilos
de assucar brauco.
- ox ir.
ARfVI-
Ofejur-
pelo iltrp-u
terra, a
Vgaie,
ao sui
uAPaTAZIA DA ALFaNDEGA
rteadimetitu di. dia I a 20 18910*186
Idem do dia 30..... 6994172
19:618*37
VOLCMKS S.\!lll:i)S
>'o dia 1 a 20. . 41,86.4
Immmm poria no dia 30 122
5eguuda jioria .... 100
Tbrceira porta .... 274
Quarta porl.a......
i tpi ;lie ^oDcei.ai' 088 42.948
n I MINl^TERIO DA
Pclo niinisterio da fla
te aununcio bWroigr^li_
sito de cartas e pianos de Paris
IV 1. Traducrao do cpiia.5|eieote Cirqueira.
Lima Annnncio liydrographico -N t Pa-
rts, 15 de Janeiro de W73. Ocraoo atlantfcrfdo-
none Canada.
Luz fixa em Tracadia. pt.,va HninsvHck).
U governo do Canada ommunicou, que atun-
deu-se uma nova luz no" lado septentrional da
garganta de TracaUa.
A luz e branni, fira, elevada 11,-0 acima do
ravel do preiamar. e, com atsmrtphera clara po-
der se-ha vela da distancia de 12 milhas.
A torre e quadrada. de maloira, elevada 6"! e
pintada de branco.
PoSiVao dada : 47" 3:f X., 67- 12' fj.
Lsta. Im serve para domandar se a
gnTar n*o porto.
l/uz fita no porto de Quebec. (Lagoi
Acendeu se uina nova luz sobrei,
] -qiifiia .Ilia situada no porto de Quebec,
do Micbipicoten.
A luz e branoa, fie i, elevada O,"-* aeiflta dw
nlvel do preiamar, e visivcld.e 10 milhas de dts--
lancia, esrandb a atmospliera elava.
A torre 6" ifnadra.la. d madeira. pitf*da de
52iC'iWa Ci1' e ?wjwifiu dada ao*
47- 42' 50" N, e 88* 2J* Wfjr.
E-ta luz goiara os navies qne demandarero porto de Qnehec, 0 canal e assignalado noV qda-
troboias,. das quaes duas a lesle sao rermelt*;*
e duas a reste pretas.
Luz sobre a ilba Miebipico|eii. (Lago. superior).
Acendeu-se uma nova luz no lado-' Sr,enlal rt-a
porM de Quebec, na ponla meridional da Una IU
cbipicolen.
A luz e branca, fixtr. elevada I7,"0 neWi d)
nivel do preiamar, a visivel de 18 uuiliw, ,-^an-
do a aimospbera Clara.
A terre e de madeira, elevada 9,"7 ;. e pintada
de branco ; a parte inferior e quadrada, e a su>
perii r oetog.nal.
Ppsicao : i7 42" Li" N., e 88' |i' 44" (> 1
E.-.ta luz serve do tiui* [>na demanlar a f rra
e para ir ao porto de Quebec.
Cabeeos d; Coral mi canal des Passes.
( Ilhaa Bermuda: )
0 navii de guorra inglrz Ariadne tocou em um>
recife de coral siluado enife a bifta do canal (Fair-
way) t)a lioia interior, pintada em xadrea,doca-
Pnra oviikciae.
|nlu 1." districto.
Manoel do .N'asrimento Macliado
I'urtella.
Manoel do Kego Barros Souza Loao
Dnrio Cavalcante de Albu (uerquc.
Joao Barbalho L'chda Cavalcante.
Carlos ^'az d Oliveira.
Nabor Bezerra Cavalcante.
(lervasio Campello.
Jos^ Tiburcio Pereira de
lliaes.
FeTippo de Pigneirda Faria.
0 cU-ilor do 1." district".
SEIIVICO HARIT1S0
viNarea^.i? descarregadas no trapirba
a alfandasa d < dia I a 29. .
Oiiti ditaj no dia 30' .
N'avus atracados no trap, da lifandem
Uv*rengas ...
Vo trapli'.lie Conceicao .
88
SS
itBCUBrfSOlUA OF. itC.NOAS LNTERNAS Gl
Raes df. pkiixamrttco
dencL.aeiito do dia 1 a 59 88:910*914
dem do dia 30 .... 9:792^338
98:703^232
1/ l)r.
2. >.
3.
4.
5:"
6." >.
f '>
I
8." >.
9."
CO.\SC!,.\IM PKOVINCIAL
A4npiuulo do dia 1 a 2D 60.807*677
uleni d" dia :t0 2:429*281
63:436*058
MOVIMIENTII M ?HT0
Aiaya-
Attesto uue a Sra. I). Maria Coi'lho da Silva,
professora desta freguezia, durante o tempo que a
conbeco tem exercido o seu inagisterio bonrada-
menli>, e com uma conducta exemplar. E por
ser verdide passo o presente em que me assign*.
Afegndw, 29 de selcmbro d,- 1871. Manoel
Jose Ramas.
_ Attesto que a Exma. Sra. 1). Maria Coc bo da
Silva, professora publica de instruccao primaria
nesia freguezia, exerceu o seu magisterio com todo
o zelo e bom aproveitamenio, leccionan lo one
a quatro (Unas de nomes Landelma Candida de
Albuquerque, Marcionilla Candida de Albuquer-
que. Maria Corcina de Albuquerque c Anna Lau-
rtnda de Al mqnerque, as quaes sempre oblive
rani aproveitaraento d bom ensino do quant" i
digna a mesma senhora. Quanto a sua conducta
civil e moral, tem aquella qne se faz preeisa aus
paes de familia para educa.-ao de suas lillia-.
Afogados, 29 desetembo de 1871.Joao Cliri-
soslouio de Albuquerque.
Attostamos que a professora 1. Maria Coelho da
Silva, da escola publica primaria desta povoacao,
tem sido sempre exacta no desi inpenbo de seu
magisterio, com aproveitaraento das >uas alumnas,
a cujos exames por vezes temos assi ciuno e boa a sua conducta civil e moral, o que
alllrmainos em palavras de sacerdotes.
Afogados, 30 de setembro de 1871.-Padre l.uiz
de Araujo Barbosa.-Padre Pedro Goines 1%iraa
de Aleuquerque.
Attest) que tenbo ouvido geralnaente elngiar a
Ilima. Sra. D. Maria C lellid da Silfa, de f'xelfente
professora de primeiras lettra*, cuio cargo aqui
exerceu. Quanto a su> conducta civil e moral,
de nada sej iiue a desahone.
Freguezia de \fogados, 3 de outubro de I8TL
Manoei de Mesquita Barros Wanderley.
Atteslo por me ser pedido que a lllma. Sra. ft.
Maria Ctidlho da Silva, duranie o lernpo que ser-,
vio de professora puWIica de instruccao pri nai ia
nesta freguezia, cuftoprto exactamimte com os de^
veres do seu magisierio, leceionando sempre e coin
proveito a avultado numero de alumni*, inuRa^
das quaes eram-exammadss, enao ob**antasii^
appmvadfts, continuavam conn) alumnas vww a*
inauiiras atteni!Wsa3 e delicadas porttue eraftrtru.-.
tadas pela sua mui digna protessrtra. Qoanb> >i
sua conducta civU e moral, e a ranis r^gdlar <}ae
dar *pode. it
Afogailos, 6 de outubro de 1871. Jose Roberto,
dade do Recife.
Atteslo porjno ser pi
D. Maria Coeljio da Sal
instruc.ao primaria des
bem respeidm, e esse apl
e nao so devido, a, io*ellig^acia,ic jJj com a Exma. Srja.
_ sora publica de
ocia, e pessca mtif^
lite se Ihe tributa,
exerae as fun^ops .dp^agisiefl^ com' real agtidU
veiiaineato.de sua* alumns,>nie. lainbem. ph
sua conducta hone-l.a o, exernpja/,
.Afogados, 7 de rmtnfca *l7i. F?ao Odiloft Tayarts.de Lima, bai-harelPin *' pendimeatp
faculdade do Recife. '(dam da i*|i

A'ugasio Cesar da'Cuubakecrivie do appel'^es"
Ao corpo eloitoral do prime
ro districto.
I'ur-
Apre-enlamos os seguinles nomes :
1." Dr. Manoel do Naseimento Machado
tella.
2. Dr. Joao Barbalho Cclioa Cavalcante.
3." Dr. Miguel Jose de Almeida Pernambuc".
4. Dr. Felippe de Figueiroa Faria.
a." Dr. Dario Cavalcante do llogo e Albuquer-
que.
6. Dr. Manoel do Rego Barros Souza-Leao.
7 Dr. Carlos Angnstu Vaa de Oliveira.
8." Dr. Antonio D > mngos I'inlo Junior.
9." Dr. Jose liernardo Galvaa Alcoforado Ju-
nior.
Um eleitvr.
.4u il!ii.ti*c corpo cleitoral lo 1.
pircnilo |iar !'jniijilos pro-
vinciues.
Ds corimoad ret eleitoru devem cerrar a vota-
ciio nos seguintes.
1 Dr. Manoel do Xascunento Machado Portella
2 Dr. Manoel do Ue#i Barros Souza Leio
3 Dr. Miguel Jose de Almeida rViuambuco Junior
4 Dr. Dark. Cavalcante do Rego Albuquerque.
H Dr. Felippe de Figueiroa faria.
6 Dr Manoel Caldas Barreto.
7 Dr. Jfoie TebUrcio Pereira de Magalhies.
s Dr. Joauuim Francisco de Arruda.
9 Dr. Joao Barbalho Uctioa Cavalcante.
Algunsde Santo Antonir.
Rsmedios do Dr. J. C. Aver
&C.
Como tem apparecido nesta pra;a grande quan-
tidade de falsiricardes, vamos agora prevenir aos
consilmidor^s que ds remedio>do .ir. I. C. Aver &
Crlpre'parados especialmenle para o Brasil, trazem
os r.itulos iia b'ngua d i pair, e sao enviado* so-
uiente por intermcdii) dos Sr<. CasseN Causer 4
C. (anticameaite A. R. I'assete ic. C), Kio de Janei-
ro, e c:ula frjseo leva u uiireim A. R. Cas-cls &
C, Rio d6 Janeiro, agentes geraes para o Brasil.
Hugamos aos c mpra I >res quo so acxitcm os re-
meoios em ennformidadi' coin BsK aviso, c rejei-
UMo i[ua'qu;r qoe iraga & rotulo cm inglez.
:ii-t":;;>r,' um gramb- depiasrto destesverda-
deiri.* r<'.|!Pdios, eia casa d>.s Srs.
1 0 C 1) lYLE.RTA DDCOMMERCtt>.
. Tambem este Sr: eslaencarregado de acciiar en-
rohamehflas por'quahtidnde, pelos precos de Nova-
.j i >-
Navies entnidos no dia a).
Rio de Janeiro -9dias, brigue inglez Ann, do 24 i
toneladas, capitio W. J. Fenne, equipagom
8, em lasiro ; a ordem.
Rio de Janeiro 12 dias, patacho alleraao Xicolaus,
de 312 tonelada-, capitao J. D. Luhrs, equipa-
gem C, em lasiro ; ;i ordem.
iVarto saliido no mesmo dm.
ParaEsenna hollandeza Ilerriette, capitao \V II.
Sholten-, carga assucar e outros genera*.
Observacdo-
Fundeo:i no lamarao uma barca franceza, mas
nao teve eommuaieaeaa com a terra.
ED!
PHA?A DO WSKtFR'30 OR f*Tiri0.
DG 1873.
w ;Ji't/SrroRAsjD*l'AaB.
,OiM*ir!5eji oSSetiaoc*.
de Moraes e Silva, baehaiwl'cm dfrf^o.pWa.'facuIr 3^*''-^ fr sorte 8i"0&e 8J80Opor tf kilo*.
I' $aiubfc ~jJflgb9lt& a J diV. 1,4 d. por
towrt, flontertt ,
da pe Ira d^ Kowt'lSl por tonellada,
., Oanfiurcq I
Presidents
Leal Sew
Sn-retanc.
- De ordem do lllm. Sr. inspector da Ibesou-
rana de fazenda fa,o publico, qua nao podendo
lerlagar no dia 28 do corrente a arreraatacao cm
hasla publica do barraclo, silo em Santo Ama o
das Salinas. Bca ella trans'ei ida para o dia S de
novenibro viudouro.
Secretaria da tbesuuraria de fazenda de Per-
namhuco 27 de outubro de 1873.
0 secretario da junta
Jezuino Rodrigues Cardoso.
0 Dr.j Sebastiaodo Rego Barros de Laccrda, juiz
de direito especial do commercio, nesta cidade
do Recife de Pernsmbueo. p)r S. M. I., etc., etc
Paco saber aos civ dores dos commerciantes ma-
tricnlaiios Bastos & Silva, estab lecidos nesta cida-
de, impetrantes de moratoria ao meretissimo tri-
ounal do commerci", qup pelo presente edilnl .-So
cbamados para comparecerem perante este juizo,
na sala das audieneias, as 11 horas do dia 31 do
corrente mez de outubro, alim de obsei var se, e
Jar-se inteiro curaprimento ao disposto no artigo
900 do codigo commercial, de conformidado com
as disposicoes dos art'gos 842, 844 e 847 do roes-
no culigo, eertos os ditos credores de que nao
serao adraittidos pur procuKidor, sem que este
exliiba proeuracio especial, a <|ual nio podera ser
conferida a devedor dos impetrantes, nao p dendo
ouirosim um so iudividuo represeular por dous
Jiversos credores, e que sera bavido o credor que
nao eomparecer, como adherenle. as resoluooes,
que tomar a malaria de votos dos credores que,
comparecerem ; sendo rrecesjario para concesslo
|ue nella envenha a maioria dos credores em nu-
mero, e que represente dous tercos da totahdado
das dividas dos creditos sujeilas ao? efTeitos da
mesma moratoria.
E para que chegue ao ccnhecimenl" de todos
mandei passnr o piesefite que sera pubbcado oela
imprensa e afBxado nos Wgarei do c stnme.
Cidade do -Recife 14 de outubro de 187:1.
Eu, Manoel Maria IVvlrigties Ho Sascimenlo. ep.)
criviio, o sub-crovi.
Sebasliao do Rego Barros nal des Passes (Narrows)
No instante em que o navio tocou, havia C,"7
d'agua sobie o recife-; porem se fez depois sal-
lar a sua parte superior, sobre a tfual Iia actual-
tnente 7"3 d'agua nabaixamar.
Estando sobre este recife, inarcouse a boia do-
caual ao X. 58 N. 0., a quatro amana? ; a Niia
interior, em xadrez a E. J SE, a tfps a#arras
e meia, c a extremidade occidental da ponta Ca-
tharina ao S. 33' 15" S.E, -a sete amarras.
Como o recife torna e.-ta parte do canal mai
diHicil para os navios de grande calado, c e pos-
sivel que existam pedras semelhantcs, deve se ter
iniiita cautela quan lo se navegar no mesmo ca-
nal.
Ramos verdadeiros Varisrao : 7" 45' NO em
1873.
OCEA.NO PA IFICOMEIUDID.VAL.
COSTA OCClOBNTAL DAMKRICA. (Cllili.l
Eseolhos na babia (j sception.
Os escolnos acima foram assigualados em fren-
te dos cabos Loberia e lluily, no lado oriental da
enlrada da babia Conception.
Em frente do oabo Loberia. Uma pedra p<>'nlu-
da (pedra Lena), com Ires metres d'agua s bre si
proximamentc na baixantar, e C,"l a G,",7 do fun-
do em toda ; jaz a meia uiillia proximamenle a
0. 5 S.O. da ponla meridional do cabo Loberia ;
tem-se visto o mar quebrar sobre ella, quando faz
mao tempo, porem, com tempo ordlnario. uao ba
arnbiuilacao sobre este escolli >', o que o torna en
tan mui perig^so.
Km frente da cabo Huily. I'ma pedra isolada
(pedra Zoal: u>(, quo esta qonsi a llor d'agua du-
raote abaixahiar, com 7,*3 do fiindo entrj ella e
acosta, e 9,l a duas amarras ao largo. Kste es-
colho lica a quatro aroa/ras :u S. 29sTo- do cabo
Huily, 6 a uma millia a 0 lo" X.U. da ponta n:o
riditraal do Morro del Tome; djvose raarea-la
I>or meio de nma hola.
Observacao.Para evitar ostea escolhos subs
mergidos, deve-se passar a uinea millia pelo ineoo
da cosi.i, quando se navegar entre o cabo Loerir.b
e o Morro del Tome. Previhe se ao mesmie ra-
pe, que nao ha baliza sobre u banco Chore*, e quo
a boia.do banco Belen, que estava na extremida-
de meridional, foi aucorsda no meio e em 3",6 de
t'undo.
Itumos verdadeiros. Vaiiacao : 17 30- X.E. .
em 1873.
Pare*, lo de Janeiro de 1873. (AssignadoJ A.
Le Orus, cbefe do service das instructors.
Esta conforme.
0 secretario da capiiania.
____________ Decio U Aquino Fbnee<
. it
ikumt
SOCIEDADE MONTE-PIO SANTA CRL7..
De ordem do conselho da parochia de S. Jose
da su?ra mencionada socieda.de, convido a laths
os paro'fiiauo* irmaos da mesma tooiedade para
que no dia 4 de novembro pr iximo se dignem de
compart eer as ti Inn a- d i n ule a sessio de elei?5o
para o conselho director, em nbservancia do ari.
36 dos estatutos.
Ci-n-elliu director da parochia, em sessa > de 2s
de outubro de 187 !.
0 pivsidentc inleriiui,
iv di.lpbo Cui-des.
V^ociacao Portugueza de
Bcneftcencia dos empre-
gados no commercio e in-
dustriaem Pernambuco.
De ordem do Sr. president'1 sao de .n-ivo eon-
vidados os Srs. associndoa para comparecerem a.
rua do Inaperador n. 35, I andar, no dia 1." de
novembro oroxim>, pelas .1 horas da tarde, afira
de, retinidos em assemldea geral, ouvirem a Iti-
tura do relatorio da direcloria da mesma associa-
Recife, 88 de outubro de 1833
0 I." secretario da a*sen blea geral.
Salvador Jo.-e Ferreira Guiinaraes.
Almas da Boa-Vista
D' eonformidadV coin o rapitulo :i" artigos 14.o
IC d< nossu compromis-o, ^.ao c4os os
Uosaes cli;irissimos irmaos a comparecerem to dia
i* de novembro viudouro, a. 10 h nas da piaiiha,
no caaiisloiio dc.-la irmandade, alim de encrpo-
radus elegerem a mesa regsedora line teui de func-
eiooar no anno compiom^sal de 1873 a 1874.
C-msistoiao da irman'ladi: das almas, eceda m
malriz da Boa-Vista, 28 de outubro do 1873.
0 escrivao
Franc*co das Chagas i'ereira.

0 agente fiscal da3 rendas da provincia da Ph-
rahyba nesta cilaoVe do Recife, faz publico pera
ponbeeimento dos -snteressados, qne, em.cumpri-
mento das ordens da presidencia da mesma pro-
vmcia contiuas nas disposicoes n. 414, expedidas
em 26. dejalho proximo passado ; todos-os gene-
ros de produ 'Qao da referida provincia qae enlra-
rem nesla citlade sujeitos ao> direitos provincias
serao recolbidos a um depowto especial alim de
fazer-se etltciiva a arrecudacao dus mespaos direi-
tos ; que esse deposito foi coulratalado'peto the I
souro provincijal por ordem daquella presidonoia
om o cidadao Marcollno deSousaTravassos, sendo
feito o servl.-o pelo syslema djs armazens alfan
degados; que o mcueiooaao eontraelante tem
designado os armazens n. 9 da rua da asssem-
bla, e os do nnmenosi, 4e-12 na rua da com pa-
nhia Peinambucana, para armazem dos generee ;
e, finaknenle, que ucorreriio na. m.u"a de 2oi0u0
os coiiductures ou denos di generos que os dei
xaremde re.-olhvr ao stiprdito dcao3ito, alem de
ficarem sujeitos a indbmni^ar a provinda da im-
po-tancia doi respecfivos direitos, os qliaes serao
tobra/loj ex.^ntiyamente conforme o calculo feito
pefj rae^mo agetilo. E para qde niogiiem so ''ha-
me'a igooraucia'faz a presente declar&cao.
Age*cin fiscal das. rendas priivmclaei da Para-
hvba.emjl de outabro Ac IS'73.
Pejo agente dscal,
Caetan-' Wirqv

35:934 IBS.
9:703m
Capltaulta orrro. tt de a.gosto ih> 133. t
! Para ^B1*cia'-dos.nv3^an*e sn publica o se,-
loinle anflnnelo h> drograpliier ;
Societe fran^aise de secours
inaitwels.
Les stalulo rediges en seance publique riant
ap|irouves, les memores de la societe sont prtes de
se reunir. Ie jeudy 6 novembro dans le saloiio-
I'hotelde i'univers-a 7 hedres du sar.
Le president
____________________________E. T.rpin.____
Armazeaagem dos productoa
da praviiicia da Parahyba
Marcolino de Souza Travassos, conlraiante da.
armazenagem dos genaros da provincia d i hmabf
ba, eniradins nesta cidade do Recife, sujeikis ao-t.
Impostor da mesma provincia, avisa [iela pfesenle.
a quera interessar possa, qtia deaiajldaia omdianto
den priucipio ao recolhimento dos meocinnaatw
aenecos, de c.onCOrmidade com as diaposivocs di*.
TPgalaaeuto n. il4, de 20 de j uiho- do. ||rrent.
amu.e elausulas do contrato que assignwRerau
te o tnesouro da referida provincia, pondd a di-
iKastQao dos conductores 03 armasens n. 9 da ru-
a.a Assehibtea, e os de ns. 2, 4 oli da rua d.i
.Conpanbia Pernambueana ; seado o servio i fiiin
pelo systcma dos armazens alfandegados, ti as ta
xas d*s armazeaageas as do uso e costum d-
praca. Recife, 30 Je oqtubax) de 1873.
0 coniratanM" do doposilo
Marcolino de Siuza Travassos
Jltih omnmerciul
Do par*.1 r;,i *-.s!a sociedade convid-i
aos Sr- -reins nafa aTennirem se no dia^de
da n':tnhtillfcfyt,|ifnn o-a
andar, aflrn ,de. tralaf-s" do<
.ia-.ivos r\ mesma. Recife, W dc ou-

0 -fcrct.-.ri



L
Diario de Pernambuco Sexta teira 31 de Outubro de 1873.
Runiao oacional.
Haverd reutufto n dia sab-
bado, 2 do corrente, narua tla
Cmioortlia n. 22, para a leitu-
ra dos latutos da eociedade
auiiliadora la nacionaltaaqao
Ckih Litterario.
De emfora idade cum us e.-t:iliit'>s desta socie
tlaJe, fiu conviclados us senhores socins a eompa-
racereia do dia 3 de novembro as 4 boras da tar-
de pan a elcicio da nova administracao.
Salt das sijssoes do Club Litterario, 31 de ou-
tubro de flJW.
0 1.* secretario,
Francisco Itaciano Teixeira.
ADWNIsTRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO 31 DE OUTUBRO DE 1873.
Mains pelo vapor Ipojuca da companhia
pernarabucana.
Tendi sido traosferida para hoje (31) a sahida
do vapor acima meneionado para os portos do nor-
le ate a Graoja, sera a correspondencia recebida
pela maneira seguinte :
Maeos de jornaes, improssos do qualquer natu-
reza, e cartas a egistrar, ate 2 horas da tarde,
cartas jrdinarias ate 3 boras, c estas ate 3 1|2.
uagando port* dopio.
0 administrador
Affonso de Rego Barros.
TOEATRO
Santo Antonio
Para
Sogue com muita brevidado para"o porto acima
a escuna llenrielte, recebendo alg uma carga na
camara e passageiros : a tratar com o capitao na
rua do Commercio n. 4.
0 agente Pfnto lerara a leilao, por conta de nma
pessoa que mudou de residencia, os moveis e
mais objectos ac ma meneionnnos, existentes no
sobrado da rua do Marquez do Herval n. 3', eu-
tr'ora rua do SoJ, onde se etfectuara o Mao.
O I ilao priucipiara as) l|2
hora.
a aiuerieana e iirasiieira
de paqiiclcs a vapor.
\t6 dia 1* de novembro 6 esperado dos portos
do sul o vapor americano Ontario, commaadante
locum, o qua! depois da demora do costume
seguira para os portos do norte.
Para fretes e passagens, trata-so com os ag ente
Henry Korster 4 G, rua do commercio n. 8
Para o Para
segne sem falta nestes poucos dias o patacho alle-
mao Brilhante ; para a pouca carga que Ihe falta,
trau-se com \ntonio Luiz de Oliveira Azevedo 4
C, no seu escriptorio a rua do Bom Jesus a. 57
Rio de Janeiro
Seguira em poucos dias o patacho Noridade :
para o resto da carga trata-se na rua do Vigario
n. 7, 1* andar, com Pereira Vianna.____________
EMPREZA
Sabbado 1. de novembro
Ai 8 1l|'-S horas eiu ponto.
A opereta em 3 actos :
A Torre era Coiicurso.
Ifnaiea dc F. Colas.
THEA.TRO
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PAN!
Linha quinzeiial
0 PAQUETE
LUSITANIA
espera sedos portos do
    bro, e depois da demora do costume, seguira para
    Liverpool, via S. Yleente e Lisboa, para onde re-
    cebera passageiros, encommendas e carga a frete
    OS AGENTES
    Wilson Rowe C.
    14RUA 1 COMMERCIO14
    LEILOES-
    Leilao
    DE
    um magnihVo sobra Plant* para as extrafSe das
    loterlas, approvndo pelo Kxm
    Wr. presidents fa provincial.
    3,000 o.lhet*- a 3*1)00 12.000*000
    Imposto geral, sello, benellcio c com-
    missao........4:080/000
    Liquido.....7:920*000
    de 2 aiviares e so
    too, '-in oliaos proprias, com frente 'It*
    8/.nl"j >. I.i rua do Bom Jesus n. -2U.
    TKttCA-KEItt.t 4 UK NOVEMBRO
    as 11 horas.
    0 agente Pinto leffalmente aulorisado, levara a
    leilao o predio acima meneionado, o qual lorna-se
    rccommendado nor ser novo e ediiirado em ehao
    proprio, e em lima das rnas mais enmmerciaes.
    0 pretenJentes poderao d>de ja examina-lo, e
    concoirer ao leilao que deve ter Ingar as "1 ho
    ras do dia 4 de novt-inbro, oo escriptorio do refe-
    do agente, a rua do Bom Jesus n. 43.
    LEI LAO ~
    DE
    faz nda^ limpas e;variatia?
    Quarta feira 5 de .loveaibrj
    As 11 horas da manha.
    . 0 agenle pinho Borg>.-s vendera em leilao, por
    conta de diverso*, brim branco, algodao azul,
    seda de cores, casemiras, grosdenaple preto, algo-
    daozinho avariado, chales de merino, ehapeos
    de massa, madapolao avariado, esguiao, chitas, e
    mais oulros dilTerentes artigos que se acharao pa
    tentes no dia dn leilJo
    Era seu escriptorio, rua do Bora Jesus n. 53,
    orimeiro anlar.
    1 premio de .
    1 dito de .- .
    i dito de .
    i ditos de 100*000
    3 dims de 4040tX>.
    8 ditos de SOiOfiO .
    14 diu>s de 104000.
    iO dilns tie i 570 titan de 4*000 .
    620 premios
    4:000*000
    700*000
    500*000
    100*000
    120*000
    iro*too
    1W14000
    120*000
    2:20*J00
    7:920*000
    N. B. 0 premio de 4:000*000 csta sujeito ao
    iiupusio de 17 010 por lei g-ral, e provincial, eo
    de 700*000 lull 2 0,0 por lei provincial, sendo
    este tamberu ,-njriios au de 3 0,0 sobre 0 valor do
    jit in I'osto provincial.
    Tbesourari-* das lutt rias de Pernambuco, 23 de
    outubro de 1873.
    0 ihesi ureiro
    Aoti-nio lote Ro'rigues de Souza.
    Mi
    !
    mk M FORTiA.
    AOS 4:1
    ANTONIO JOSfi DE AZEVEDO.
    Rua Nova n. 11.
    PMOS.
    Qijor'Mi !o !i iimtiv.i ni'iite tiqui l..r life iiegm'M, *'Ai'lo tuly* os quo tMij; noTOS c
    iis.uius, peToproge ilocuslo >\t f.ictnra.
    Tambem acaba de receber o seguinte:
    OLEADOS inglezes para asso.ilho de nlas, de largura 100 4e compridn, podendo forrar-se uinasak
    si'ja com olcado ittltiiru.
    MAllSIElOOS espulhos ovaes para ornamcritos de s.ilas.
    ANNE f* (dectricos para curar ilnrni i\o. caho^a. n.-vralgias e notvnso.
    ML'ITO lindas gravuras, grandus, para quaMros GRAMPOS para segurar roupa eslondida nas corl. s, a -200 r$. a thuja.
    TALAGARCA e papel picado para boniarcom la ou s&fa.
    VERDAHE[RA agua ie. colonia em garrafas empalhadas.
    E muitos outros artigos, epor muito baiato preco.
    11 a 33 palmos
    por grando que
    Leilao
    6=S>
    f'VjK'daculos a Me.
    Sabbado.
    A
    OU o
    Beinado das nmllieres
    os mmm almas
    DOMINGO
    a
    I
    LttTK
    .1 .s 5
    I| tlsi tarrt.
    >r^uw< ^r^r-irJt
    mm mmmoL
    ("OMI'ANIIIA I'RUNAMBLTANA
    DE
    ltivcs.ic.to coM4cis*a vapor.
    POBTOS DO SUL.
    Por ordem do Exm, prestdente da provincia.
    foi trausferida para aiiianiia. 1 de novembro as .">
    boras da tarde, a sahida do va^or Maiuluhu ; fe-
    chaiido o exfiedienle no esciiplorio da gerencia,
    hoje 31 ao Dieki Jia, e a mala no correw as 2 bo-
    ras da larde.
    GOMI'ANBIA PERNAMBUCAHA
    DE
    !%'voi;nc coatcisra. a vapor.
    P0RT')> DO NORTE.
    Por inotivos imprevistos d-'ixou dc seguir hon-
    tem como se ichava annnnciado o vapor Ipojuca,
    seguindo hoje as 5 burns da tarde : fecha o ex-
    pedien';e no escriptorio da compmhia ao 1/2 dia,
    a m.'iia no rorreio as 2 horas da tarde.
    loja chapelaria elegante,
    rua da Imperatriz n. 3
    Hoje
    as 10 1|2 horas.
    Ltensilios, ar-.na^ao e mercadoriaa
    A saber:
    Uma arma^ao envernisada e envidracada, 1
    grande balcao, 1 flleiro de amarello envidra5ado,
    z mostradores de niogno envidracados, 1 anna-
    rio, 1 arraacao ingleza, 1 carteira de amarello, 2
    espelhos, utensilios para o fabric de ehapeos,
    eandieiros, arandellas para gaz, eabideo, haneas e
    mesas, chap6, s de pelticia, castor, feltrn, la, pa-
    llia, para homens e meninos, dito.' de palha da
    Italia, velludo, setim," sparterie para senbnra9 e
    meninas, bonets, plumas, flores e outras miudezas.
    0 agente Pinho Borges, aatorisado, l^vara os
    objectos e raercadoriaa adma declnalis, a leilao
    os qnaes o mesmo agente no acto r- talhara os lotes
    a vontade dos compradores, ou em nn s>> tote ha-
    vendu|irelendenie.
    0 mesmo agente vendera m mesma casa, I pia-
    no, I excellenle nn IjiIi.i de mugni), compondo-se
    do 18 cadeiras de guarni'.ao. 2 dilas de bracos, 1
    sofa c irn encosto de paHtinba,3 con^olos cum tain-
    po de pedra, 1 meia commoda de amarello, 1 me-
    sa e prensa para copiar, cadeiras avulsas, espe-
    lhos, I fecretaria, mesas, cabides, (piariinheiras,
    jarros para tlores, quartinhas, I cofre de ferro,
    e outras muitos objectos.
    I)E
    uma cnixa con 100 'tuzias decbapeos, ava-
    riados
    QISINTA-FEIRA 8 DE NOVEMBRO
    A's 10 1x2 horas
    0 agente Pinto fara leilao, por antorisacao e em
    prosenea do >Sr. gerente do consulado de franca,
    pur coiiia e rfaeo de quem pcrtencer, de uua cai-
    xa com a marca diamante, S no centro, n. 48, con-
    tendo 100 diuias de ehapeos de la, avanados, a
    bordo da harca franccza Pidelilt. 0 leilao sera
    elTectuado nu dja e liura acima mencionados, no
    escripU) io do referido agente, a rua do Bom Je-
    sus n. 43.
    DE
    FAZElNDAS
    AVARIADAS
    QUINTA-FEIRA 6 DE NOVEMBRO
    as 10 I \-> horas cm ponto
    Por intervencao do agente Pinto, em seu es-
    criptorio a rua do Bom Jesus n. 43.
    MLIIETES GARANTIDOS.
    1' ma Primeiro de Marco (outr'ora rua dt
    Crespo) n. 23 e casa* do costume.
    0 abaixo assignado tendo vendido nos sens fi-
    llies bilhetes, dous meios n. 1J60 com 5:000/000,
    quatro quartos n. 117 com 800 *i 00, urn meio n
    1828 com 100*000 e outras series de W/.0C0 e
    20* da loteria que se acabon de extra hi r (71 >.
    convida aos possuidores a virsm receber na con-
    formidade do costume sem .desconto algum.
    Achara-se avenda os (elizes bilhetes garantido
    da 4* pane das loterias a beneficio da igreja do
    Livramento da Victoria (72*), que se extrahira na
    terc -feira, 4 do mez vindouro pelo hovo piano.
    pre;os
    Bilhete inteiro 4*000
    Meio bit hete 2*000
    EM PORQXO DE 1009000 PARA C1MA.
    Bilhete inteiro 3*500
    Meio bilhete 1*750
    Manoel Martins Fiuza
    - Um passageiro do maehambomba que che-
    gou a estacao do arco de Santo Antonio as 3 e
    meia horas da tarde, esquecca-se em um dos car
    ros de segunda classe, de um lenco amarrado com
    diversos papeis, entre os qua>-s um ofBcio para o
    Sr. sec etario de S. Exc. o Sr. bispo diocesano e
    algnmas cartas para o Sr. vigario Camillo de Men-
    donca Furlado. Pede-8 a pessoa que por acaso o
    tenha achado, o favor de entregar a rua do Mar
    Suez de Olmda n. 50, em casa de Braga Gomes &
    ., que se graliticara.
    Recife, 29 de outubro de 1873.
    OLEO
    DE FIGADO DE BACALHAU
    IODO-FERREO
    COM QUINA
    E CASCA DE LARAIUA AMARA
    d/T Voutor DDCOOX, 13, galerie d'Or leans (Paco Real), Paris.
    Eta medicameito t facil de loraar. Mm resaibo, a de cheiro agradarel. Pela na eomposielo,
    possue tedat u qualidadei qae Ihe permeMem nbslituir com Taotatem todaa como pilulai ferruginosai, vinho de quina, oleo de flgado de bacalhau, xarope de catemdt
    laranja amara, empregadoi pan combaler a anemia, a chlorose, as affecctes do petto, a bronchite.
    Of catarrhot, a tinea, a diathese estrumosa, eserophulosa, etc, etc.
    Per motivo do sen emprego facil, da sua acclo maliiplice e segun, dt economia para oi doeotes,
    oe medicos preKrevem n'o por preferencia a qualquer outro medicamento similar.
    Depoeito em Pernambuco, A. REGORD.
    LEILAO
    Irgcneia.
    DE
    \avoga-
    lihnduilS
    oisi|>Hnhia Frimceia
    cai; a vapr
    I/inha mensal entre o
    Havre, I.isiioa, Pernambuco, Rio de
    Janeiro-, (Santos, soinentc na vol-
    la ) Montevideo, BuenosAyres,
    (earn l.ialdeaeao para o Rosario).
    STEAMER
    "VlUX B. IVVUW
    C'oinaimndanCe. P. Robert.
    E espera Io dos portos do sul ate" o dia 4 do
    novembro, seguindo depois dademora precisa pa<
    ra o Ilavre com escala nor Lisbor?.
    Rec-jbe carga para Anlnernia em direitura, e
    para Liverpool, por baldeaeao as expeusas da com-
    jianhia.
    Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
    ros, pjraos quaes tem excellentes acommodaeSes
    por precos reduzidos : trata-se cam
    OS CONS1GNATARIOS
    AOGUSTO F. D'OLIVEIRA & C.
    42Rua 'Jo CommercioEntrada pela rua
    do Torres.
    Pacific Steam 3ia\'iga!faii CompaHy
    Liulin qiiiiixeiial
    0 PAQUETE
    MAGELLAN
    espeni-se da Europa ate o dia 9 de novembro
    e depois da demora do costume seguira para o sul
    do iniperio, Rio da Praia e costa do Paciiico, para
    onde rccehera p.i-sageiros. encommendas edinhei-
    jo a frete.
    OS AGENTES
    Wilson Rowe A. C.
    14 RUA DO COMMERCIO1*
    Para
    Pari o referido porto pretende seguir com pou-
    ca denora o trigue portugoez Urcife por ter a
    inaior parts do carregamanto trarado : para o
    resto iue las falta trata-se com os sonsignatarios
    Jonqaim Jc* Gon:a!v<* n'tra" 4 Filho, a rua ao
    Commercio n. 8.
    LEILAO
    DE
    uma parte do sobrado n. :2 da rua dos
    Quatro Cantos em Olinda, e uma dita di-
    la do sobrailo junto ao mesmo e na mes
    ma rua.
    Hoje
    0 agente Martins levara novamente a leilao, per
    mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
    cio, as parte- dos obrado< i'cima, penencentes a
    massa fallida de Manoel de ?ouza Carneiro Pim-
    pao.
    No armazem da rua do Imperalor n. 48 as II
    horas da manha do dia acima.
    Dias,
    autiga
    DA
    taverna sita d rua de Marcilio
    rua Direita n. 7i.
    Hoje
    A'S 11 HORAS EM PONTO.
    0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
    corrta e risco de quern pertencer, da muita afre-
    guezada taverna sita a rua de Marcilio Dias, anii-
    ga rua Direita n. 74, da srosaolo, generos e mats
    utensilios existen es na mesma taverna, os qnaes
    serao vendidos em 1 ou mais lotes a vontade djs
    compradores. Garante-se a po chaves se acham desembara.adas de qualquer
    onu*, podendo desde ja ser examinado o balanco
    em mao do referido preposto, sexta-feira 31 do
    corrente, as 11 horas da manha.
    LEILAO
    Ao meio dia
    DE
    um grande trem de cozinba, um eicellente
    fogao de ferro, aparadnres, mosas, louga,
    oma quartinheira, uma bagatolla, caixas
    de folha para conduzir comida, tainboro-
    tes de amarello, e muitos outros objectos
    do uzo de um hotel
    pelo agente Martins.
    Ne primeiro andar do .-obrado da rua do Ba-
    rao da Victoria n. 48, entrada pela rua de Santo
    Amaro.
    LEILAO
    DE
    bons moveis, finos jarros, louc,a e crystacs
    A SABER:
    Um piano forte, I mobilia entalhada (obra de
    gosto), 2 columnas a imitacao de bronze, 4 can-
    tareiras, jarros para tlores, estante para mnsicas,
    1 cadeira para piano.
    Um sofa de jacaranda, 1 mesa c cam* france-
    za, 1 toilette elavatorio, tudo de jacaranda, 1
    guarda roupa com eapelho e 2 commodas cem
    pedra. 1 cama para meninos.
    Uma mesa elastica, 2 aparadores, 1 juarda-co-
    mida, 1 sofa, 12 cadeiras, 2 espregulcadeiras, 2
    quartinheiris, 1 mesa de amarello, copos, calies,
    garrafas e muitos outros objectos que estarao ao
    exame dos concorrenles.
    TERCA-FEIRA 4 DE NOVEMBRO
    Sobrado n. 31 da rua do Marquez do Her-
    val, em fronte 6. oscola mod- lo.
    lougas, joias de ouro e brilhantes
    SEXTA FEIRA 7 DE NOVEMBRO
    A's 0 1-2 horas tin m;iiih\
    A SAB ER:
    Um piano, 1 mohilia de jacaranda, constando de
    I sufa, 1 conjoins, <6i4deiras He gnarni^ao, 4
    ditas de bracos- (de bom gosto), cadeiras de ama-
    rello, dilas grandes para costnras, mesa elastica,
    guarda-louca, guarda-rou|>a dn mogno, camas
    fraiicezas, espelhos com moldnra dourada, ser-
    vi^j, pura jantar, dito para almo^o, jarrosj tlguras
    linas, diversos objectos de prata, coino ?ejam :
    easticam, paliterm, salvas e outros mais.
    I'or ordem de uma (amilia que se retirou para
    fora desta provincia, o agente Pinho Borges fara
    leilao dos moveis e mais artigos; assim como o
    mesmo agente iara leilao. em continuacao, dos
    objectos que licaram. perlencentes ao Sr. Joaqnim
    M. Marinho.
    No sobrado a rua do Bom Jesus n. oft, primeiro
    andar.
    Precisa-se alugar metade de uma casa de fami-
    lia, para outra familia pequena que chegou ha
    pouco de fora : a tratar na rua do Duqpe de Ca-
    xias n. 35, loja._____________________________
    AO COMMERCIO
    O abaixo assignado hquidatario da extincta ir-
    on de ferreira & Ico, faz publico jue tem jusio
    e contratada a veuda da loja de fazendas, sita a
    rua do Barao da Victoria n. 59, com o Sr. Anto-
    nio Manoel Fernandes Silva, flcando o compra-
    dor i-ento de qualquer responsabilidade inhe
    rente a extincta lirma ou ao liquidatario vende
    dor, e quem se julgar coin direito a impedir,
    apresente se no prazo de tres dias.
    Recife, 29 de outubro de 1873.
    Maneel Jose" Ferreira Cru'.
    JB^-B
    ivtsu
    . ?;S0S
    \M\
    COMPANHIA
    m
    3
    1
    Acham-se promptos para lunccionar os appare-
    lho> que fora;'; ollocados nos predios abaixo de-
    claraiUs. Os senhores proprietarios so deverao
    dii.es fazer uso depois que rectberem um cartao
    da companhia qua os aa'.orise para isso.
    Fregnezia da Boa-Vista.
    Rua, do Visionde de Albuquerque de n. 62 a
    140 e 95.
    Collegio dos orphaos.
    Becco de loao Francisco n. 14 e 15.
    Rua da Alegria de n.'l a 15.
    . Rua do Destino n. 2 25 e 27.
    Collegio de Santa Genoveva.
    Rua da Conceigao n 23 e 31
    Rua da Ponte Wlha n. 109.
    Recife, 29 de outubro de 1873.
    0 gerente
    ^____________ Johau Blnunt.
    \TTliN0A0.
    A tres cimios incompietos fugio do abaixo assig-
    nado o escravo de nome Leocadio, cabra, de idade
    dc 29 a 30 annos, altura regular, cara comprida,
    cabetja redt nda par deiraz, eabelios froxos quando
    grandes e nao prelos, olliar fraco, denies limados,
    tem no cotovello de um braco uma marca de quei-
    madura, tem na mai.a do rosio uma marca de la-
    Iho e outra na sobrancelha, ua ponta do queixo
    uma marca de dentada, que se ja e liver com
    barba ha de encobrir, nariz puxado e as ventas
    afrontadas, tem as pernas finas e quasi sem barri-
    ga, pes compridos e descarnados, e deJos tambem,
    as duas unhas grandes deTeiluosa-, senta os pes
    Qxos e nao tem cava, e um tanto corennda e o
    andar banzeiro; fugio pira o Recife, e pode eslar
    em qualquer outro lugar ; tem 10.i quem o en-
    tregar preso.
    Do mesmo abaixo assignado fogio no dia 20
    deste iiudante mez o escravo de nome Zeferuio,
    crioulo, preto, boa altura, de 22 a 25 annos de
    idade, nao tem barba, grosso do corpo, bonita
    figura, peca de grande valor, cara grande e gorda,
    cabeca redonda e am tanto afunilada, nao abre
    muito os olhos e nem tao pouco, tern aa orelha
    esquerda signal de burac > por ter tido argola em
    pequeno, tem os dous denies da 'rente azulados e
    arruioados, tem um dedo mendinho inlericado pro
    venieuie de um panaricio, e com ponta alguma
    cousa lino, nariz chato e um tanto redondo, pes
    carnudos e vei melhos a roda, cosluma ter a lin-
    gua froxa que as vezes ajunla agua, beico um
    tanto cajiido e den;ro vermelho, veixado atiopelia
    a falla dando com a cabeca ; tem 1004 quem u
    entregar preso, foi para o Recii'o se nao tomar on-
    tro destino de la : pede e roga as Illmas. autori-
    dades policiaes de qualquer ternio e mesmo pro-
    vincia, assim como a todos os capitaes de campo
    qae virera taes escravos o facam capturar, poden-
    do tambem recolhe-los em qualquer cadeia com
    seguranca, e logo avisar ao abaixo assignado que
    mora em Bella-vista junto a Taraataup* de Flores,
    comarca de Nazareth.
    Jose de Hollaoda Cavalcante Leilao.
    Ao publico
    Manoel Felix da Silva, morador e eslabelecido
    na villa do Cabo, faz ver ao publico que encoD-
    trando outro de igual nome, d'ora cm dianto se
    assiguara por Manoel Felix da Silva Cacador.
    Bom negocio.
    Aluga-se uma olana na rua do Viseoude de
    C-sanna n. 63
    na
    a tratar na mesma.
    Peidcuse mi roubaram da algibcira de seu
    dono, no dia 29 do corrente. as 11 li2 boras do
    dia, a quantia de quinhentos mil reis, em quatro
    noUis de cem mil reis e dez- de dez mil r6is :
    quem achou essa quantia ou souber notieia quem
    foi que subtrahio-a appare.a na ma da E ya, no Caminno Novo n. 97, (me sera gratifica-
    do com cem mil reis.
    \ttencao
    X
    Andre Vidal Alves, proprittario da casa na Pe
    dra Molle, aonde o Sr. Jose Antonio MenJes linha
    uma peiiuena vendinha, e caiodo doente recolheu-
    se ao hospital porluguez e no mesmo falleceu no
    dia 16 de outubro; portanto, faz ver aos credo
    res do mesmo para virein ver a casa o examina
    rent o balan^iprocedido com tresentos e tantos
    mil reis em resto de generus e cascos vasios, vis
    to que o proprietario quer sua casa desoccupada,
    deixando o defunto uma nota dos credores e seis-
    centos t tantos mil reis, sob peua de perderem o
    o direito a mesma.
    Pedra Molle ou engeubo Dous Irniaos, 28 d
    outubro de 1873.
    Hypolito Martins Goncalves de Pinho.
    Aviso.
    Roga-se ao Sr. Dr. Joaquim Gomjalves Aleixo
    que tenha a bonlade de vir ao pateo da ribeira
    de S. Jose u. 7, a negocio de seu particular in
    teresse.
    50JMM0.
    Acha-se fugida desde o dia 19 do corrente a
    escrava Suzana, com ps signaes seguintes : cor
    parda. idade 30 annos pouco mais ou menos, ea-
    bello corredio curto pucha por uma perna em
    consequencia do um defeito ii'mn joelho, sem
    unha nos dedos dos piis, de estatura baixa ; le-
    vou comsigo toda roupa do sen u-o, e a quan
    tia de lOOfl que subtrahio de c"ii -lenhor ; presu
    me-se ter seguido^iara Goxama em companhia
    de um tal Florencio. Ro^.i-sc as autoridades po-
    liciaes e aos capitaes d amppj sua apprehensao
    entregandj-a a rua d Marcilio ^ Dia n. 21, ou a
    snu senhor a rua da Somalia Nova n. 7, que se
    ra gratilicado com a quantia acima. ______
    Previno ao publico e especialmente ao commer
    cio, que nao fagam trausaccao alguma com tres
    lettras por mim aceilis e sacadas por Antonio
    ose Ferreira Monteiro, por quanto Dao tendo-se
    realisado a transaccao que dera origern a estas
    lettras, o sendo (-Has conservadas em poder do
    saccador coin abuso de confianga nelle posla, nao
    tem valor algum, como se provara em tempo com
    petenie.
    ________Joao Fernandes da Costa.
    0 abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
    cor| do commercio desta praca e a quem inte
    ressar possa, que comprou ao Sr. Antonio Fer
    nandes da Silva Beiriz o sen estabelecimento de
    taverna sita a rua do Visconde de Pelotas n. 19,
    livre e desembaracada de todo e qnalquer onus :
    se alguem se julgar prejndicado em seus direitos
    e interesses, queira reclamar no prazo de tres dia,
    a entendcr se com o mesmo abaixo assignado, no
    mesmo estabeiecimento. Recife, 30 de outubro
    de 1873.
    Manoel de Souza Almeida.
    Antonio Austricliaoo de Monies da Mesqui-
    ta Piiiieotel, eslabelecido a rua da Imperatriz n.
    63 A, sob a razao de Moraes k C, declara quo
    comprou o eslah-jlecimento de charutos dennni-
    oado Norraa de Havana, sito a rua Vidal de Ne
    greiros n. 36, ao Sr. Joaquim Bapti-ta de Attayde,
    ficando de uenhum elTeito qualquer transaccao
    3ue o mesmo Sr. tenha feito desta data em
    iante.
    Recife, 27 dc outubro de 1873. ^^__
    AVISO.
    Fugio do men sitio da estradi do Arraial,
    no dia 27 do corrente, a minha escrara Adriana,
    com os signaes seguintes : altura regular, cara
    bexigosa, cor fnla e muito regrista. Esta escrava
    tinha o costume de vender fructas e e muito co-
    nnecida no Recife : protesto com todo rigor da
    lei contra quem a tiver asylada e recompensarei
    a :>lo qne troaxer ao dito sitio.
    J-je Poppe da Silva Lopes.
    HOTEL
    Restaurant de Bordeaux.
    Rua 1. de Marco n. 7 A, 1." andar.
    >- h >t-l. oulc se oncotitrard apnsi'iitns !)'!in m.liilial.is. gunante sc as pessoas
    que o lVi;(j'u:ntaiern, nao 50 a boa qunlidade d.nnzinlia, oimti tan brm o acciue promp-
    tidiio m >rvii sr aose. ur.uirentes. Situado no inellior Imirni di'sUi li-ladc, n hotel de
    Bordeaux offiemsc todos os commodos possiveis, quer com n-lafao aw aposentus mobi-
    Bndos ivi-n g'>t-> e aceio por m')ili(ro pre^o, quer com rclafao a sua posi^ao.
    Aiui.ii; > \iiihiisilc ti'las us quahdailcs.
    [,iinihs Gonserrns idem idem.
    iai. tares C rvijas idem idem.
    C..iHS l.icnrps idem idem.
    Agnade vichy verdadeirae nova a 1^000 a^arrafa.
    Assigiiiiluras meiisjn s a SSsMMifl !
    Mine. F. Bimont, tendo nberto um hotel para satisfazer a tiocossi-lade que tem os
    viajantos, do hospedagens na cidade do Natal, capital do Rio Grandodo Nortp, offeroce &
    concurrcncia publi'-a e garante aceio e promptidao no service.
    AUra de ser este hotel collocado na inelhor rua desta cidade, fla tambem em uma
    da^ melhores casas. pelo aceio eposigao.
    Tambem ha quartos mobiliados que se alugam mensalmetite.
    Prei;o o mais resumido pnssivel.
    (WMJl
    * -it /' l\< *
    Franco daCunha Jt C, com armazem de gene-
    ros de estiva a rua da Moela n. \1, fazein puwl' i
    que dosde o dia 17 do corrente dcixou de fazer
    parte de.ta firma o Sr. Joao Ferreira dos Sautos
    Junior, retirando-se pago e satisfeilo do seu capi-
    tal e Iiktos, lli'ando assoeiado a mesma o Sr Tito
    Livio Son res.
    Recife, i9 de outubro de 1873.
    Franco da Cunha A C.
    IllllllllgllllWIIIIII IIIIMII I'litlin 11 III
    Antonio Jose Gomes do
    corrcio. NOVAS PUBLICACOES HUES.
    A. J. fl'AzcvedoHuiiVnuii If .
    Arabwn de publicar-se, e acham-se
    venda as seguintes musinas :
    PIANO SO'. -
    &UBUUUIU UOIIIC3 iiiuscum;, ,
    e Olhos do fiuado Antonio, danse ESPAMlot.A, pur Asclier
    D. Maria Luiza do Rego Barros
    Gomes, Enstaquio Antonio Gomes
    (presente) Antonio Enstaquio Go-
    mes, Olympio i astos Gomes e Je-
    zuiuo Enstaquio Gomes (ausentcs)
    viuv.i
    MAZURKA, po
    r G. Wer-
    Poi
    ka r>
    Alber-
    rilhante
    Jose Gome* do Correio, agradecem
    do intimo d'alma a todas as pessoas que o acorn-
    panharam ate u cemiterio publico, rogando-lhes
    de novo o caridoso obzeqnio de assistirem as mis-
    sas iii por alma do mesmo finado mandam cele-
    brar Da capella do Mouteiro, pelas 8 horas da
    manha do dia 1 do novembro, 8 de seu passa-
    mento ; pelo que desde ja so confess; in elerna-
    meute agiadecidos.
    matin*
    Alferes Augusto Fortunato
    da Costa Carapello.
    ,t_ i n bahiauo
    Lm padre amigo de Augusto For- v,, ,-... *.,..-.
    timato da Co^ta Campello, tendo de 1A->U .f: *^a lu-
    rezar pela alma daqnelle Buado./WESESPERO, muito Imdo romance
    uma missa no cemiterio publico. por I. Smoltz
    as 8 l|2 horas da manha do dia
    3 de novembro ; pede aos paren-
    ts, amigos e companheiros d'ar-
    mas do mesmo alferes que Ihe facam a caridade
    de assislir a ella atim de unirem suas *upplicas
    as que vii por e.-te motivo enderessar ao Altis
    simo.
    Arabella,
    tbeimer
    Valsado Faosto. no' "ro>
    Sonbo nr rA Miii;;;.it. p
    tazzi
    Anna la I'r.u:, ravatina
    AoClaii. de la I.inf., por Bussmeyor
    estbeixa do xorte
    Saluacao ao Baiiia
    Cricket, por Seixes, offerecida aos
    dirlckets club perunmbucano c
    25000
    19500
    iaoo
    19000
    1*000
    19500
    19000
    19000
    Soeiedade Recreativa Ju-
    ventude.
    De (idem da presidencia convido aos Srs. so
    cios para comparecerem segunda feira 3 de no-
    vembro pelas 7 boras da manha na igreja de S.
    Pedro, para assistirem alguns mementos e respon-
    sos que se tem de celebrar por alma dos socios
    fallecidos.
    Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude,
    29 de outubro de 1873.
    Vulpiano Baptista,
    l.* sccretario.
    AVISO.
    Joao Barbosa da Silva pede a Maria de tal, co-
    nhecida p>r Maroca, qu- esta de ama secca nes-
    ta praca, que foi moradora em Pao d'Alho, no
    lug?r Olho d'Agui, que deu uma menina em casa
    de Joao Malanguzo para ser padrinho. e depoi9
    este mesmo torn u-a para criar, por justii.a, que
    esta mesma menina, hoje moca, acha-se em sua
    casa, e quer a companhia dc sens parentes, mai,
    ou quem seja por ella, por ter o padrinho bota-
    do a para fora de casa.___________________
    Aluga-se
    uma grande casa com soiao, circulada de janellas,
    dentro de muro com portao de ferro, no Gra da
    rua da Aurora, a rua da Lembranca do Gomes : a
    tratar cam Ignaci i Harroso a rua do Capibaribe
    B. 34.
    2900O
    Nos m'a.m.wa, romance por Guentia 19000
    Tambem roeebeu da F.uropa grande sor-
    timeiito de musica para piano, piano e
    canto, estudos, methodos, etc. etc.
    Aluga-se una excellenle casa na povoacij
    de Duarte Coellio, em Olinda", com bons commo-
    dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
    Ainorim. < 37.________________
    Massa fallida de Duarte &
    Medeiros.
    0 abaixo a-signado, administrador desta massa,
    tendo de proceder a veriiicarlo e classificacao
    dos creditos, convida pel presente a quem se
    julgar credor, a apresentar seus litnlos ate o ulti-
    mo do corrente, na ma do Marquez de Olinda n.
    43, para aquclle flm.
    Recife, 21 de outubro de 1873.
    ________________Jose Fortunato dos S. Porto.
    Alu.'a-se uma escrava para cozinhare lavar:
    atratar na rua do Bom J^sus n. 31, 1 andar
    Ao commercio.
    0 abaixo assiguado faz sciente ao respeitavel
    publico que dissolvera a sociedade qne tinha
    na taverna sita a rua de Marcilio Dias n. 74, sob
    a lirma- de Pereira A Luna, flcando o activo e
    passivo a cargo do socio Lima, e Pereira desone-
    rado de toda e qualquer responsabilidade.
    Recife, 30 de o tubro do l8"3.
    Jose da Silva Pereira.______
    A luga-se
    uma escrava cozinoira na loj* do Passo a ma
    Primeiro de Marc. n. 7 A.
    -. Na ma da* Trlncbeiras n. II, poapot*l-e
    a machioa qusesqner cbras de alfaiate poi pr1;;>
    commodo.
    ./
    {
    v



    I
    ^1
    f -'


    ('"VBaB
    *4
    *

    Precisit-se de uma ama para
    cozinhar : na praca do Corp.)
    Santo n. 17, 3* anaar. ___
    Preeisa ;c. de uma ami
    ama quo >aiba lavar c en-
    g, :m:iar p;.r* duas ff-"f1T"
    a rua do Hespicio nuim-rj
    50._____________________
    \fn^ i* nia doftirllo da Victoria n. 3fc,
    .Alii X pnicisa se tie unia ama para cwinhar,
    lavar, ongonimar e comprar para uma pessoa.
    Precisa-se de uma ama para cozi-
    \ lli \ nnar l,ara rapazes solteiros : na rua
    fllTJlT de Pedro Artbnso a 49.
    Offerece-se uma ama para casa de homem
    Mlteiro : na travessa do Peixoto n. 7.
    AMA
    Na rua do Capiharibe n.
    34 precisa-se alogar uma es-
    crava que enzmhe e engoni-
    ne para uuu ramilia composta de doas pesseas e
    urn mmipo, paga-se bem.____________________
    Atten^ao.
    20#000.
    Precisa-se de duas amas, sendo uma para
    comprar c cozinhar, e outra para engom-
    mar para casa de uma familia de duas pes-
    soas, preferiodo-se escrava, paga-se a quart-
    tia acima: a tratar na travessa do Vigario
    Tenoiio n. 1, das 9 horas da manha ate* as
    3 horas da tanle, escriptorio.
    Ama de leite.
    Precisa-se de uma ama que lenba bom leite e
    abundante ; paga-se bem : a tratar na rua For-
    mosa, casa defronte do becco dos Ferreiros n. 24.
    Preeisa-se de un.a ama para co-
    zinhar em ca-a de familia: a tratar
    na rua do Hospicio n. 46, casa terrea
    que tem bolus amarellas na cornija.
    AMA
    m Precisa-se de uma ama somente
    para cozinhar em casa de rapaz sol-
    teiro, preferindo se escrava : a tra-
    tar narua Primeiro de Marco n. 17, loja.
    Amn l*reciaa-sede uma escrava para cozi-
    *T^mC4J nhir a ontimmqi Am < Aa nQllCA
    andar.
    Diano de Pernambuco Sexta feira 31 de Outubro de 1873.
    nhir e engoramar em casa de
    familia : no largo de Santo Antonio n. 2, !
    AMA w
    Precisa-se de uma ama forra |
    escrava : na rua da Guia'
    PUNDTCAO DO B0WMANFUNDICAO DE FERRO
    RUA DO BRUJR.n. U rienrKn t- \v\\X\\
    (Pasin o cliaiariz) -| UAIiliUoU VX. lU.TjAU
    Oaldeiras
    e 10 cav;i!los.
    PEDKM AOS M^uborea de engenuo e ontros agrico1ior*a, e etnpregadjrea le m HrXKBKRAM de Inglaterra compl.to sortimonio de ferraMt* e mm h
    cinismo o favor de r.rna visila a sen eMaJjtienmi-nto, pm verem o uovo *ortiiEfnto genhos, as mais modernai e inelhorohra que tem vindo ao m'.-iv/ido.
    omplet' que abitem; se_k tudo aopenor em qoalidade e furti.iao; o qoe c. m a ins \rapOreS'je forca d* 4 6
    mctio peas >al pode-se veriflcar. *
    ESc'EClALATTENgAOAONLMEBOi. LuGAH DE SUA PuNDigAO
    (Fttnrifli d ve\t\ctG \*ucr s *"' m,m mo'eroos tyteiuas eem ta-
    VapUiOi rOUaS U iig'.-tt. ua..rio$ eamvawMW para a* diver;as
    ircomatanciaa doa aenhorea prnpriMarw e p dea-ar^ar alg-idlo.
    Moendas de canna S2 *** ***" *
    aodas dentades v**"********.*'**'
    ias para
    n *-
    Faixas ^e ferro fundido, batido a de cobre.
    Ahmbiquea 9 fandos dfj alambiques
    tfoArtiniamna para maodinca e *if)oda>.,l Puilendo lodua
    "8CDIDlSniUS e paraeemrtmdeirs fsrr mo'idos a mso
    QrtmKoo l?m 8goa, vapor*
    fVIIIIUtla de pateule, (jaraDlidas........ Ton auitrans.
    Todas as machinas i"*J'** *>-imi.
    Fa qualqur concerto de **<*" a pre mai f*"-
    Formas de ferro SS? wrtbom e "^ h,rv'a'PXi?tBDte8 D0 mer-
    ^tArtmmaniJofl Iacumba-se de maii.lar vir Qiialquer machinismo i von-
    Ul/'JlIlIIloll ?.a.. ta(je ,jg ciientes, Ifmtirando-lbea a vantagem de fazerem
    ott compraipor inlermedio de pessoa enteodid3. q e *ib ialqoef neoaaidade p6de
    -.ti prestar anxilio.
    IradvS americanoa 6 iM"2l,-''0' ;8'icc''"-
    RUA DO BRUM N. 52
    PASSA^DO O CHAFARIZ
    teem
    Andre Corleiro Coelho Cintra faz sciente
    ao
    AMA
    inipi'if.triz n. J7.
    Precisa-sc de uma ama para
    cozinha, forra ou escrava, pre-
    ferece-se escrava : na rua da
    AMA
    ir'ora da Prlia
    Precise- se de uma ama para
    casa de pouca familia, secdo
    para cozinbar e comprar : na
    rua de Pedro Aflonso n. 2, ou-
    Esta fugido o eseravo Francisco, caboclo,
    natural do Ceara, com 22 annos, estatura regu- public.) e especialmente ao respeitavel corpo do
    lar, cabeHos pretos. olhos castanhos, rosto oval, commefcio que nesta data dissolveu a sociedade
    boeea pequena, com falta de dous dentes na gomraercial uue tinha com Henrique Ferreira
    fronte, lem em um dos bracos tres iniciaes F. A. Pontes, ttcando este responsavel por teda e qual-
    0 ou J. F. 0. feitos com tinta azul, tem andado quer obrigac'io ate" entao contrahida em nome da nna, em seu escriptorio a rua do tncanta-
    einbarcado e e" cozinheiro : quem o apprehender raesma sociedado. mento n. 5, 1. andar.
    leve-o a rua d-> Marques de fJlinJa n. 1,2.* andar, Recife, 13 de outubro de 1872.
    que sera recompensado.
    de sobresaiente para vapores.
    MOenaaS inteiraS e meias moendas, obra como ..un.-a aqui veto.
    TaiXaS IlindldaS e batidas, dos melhores fa)>ricantes.
    EvOQaS U aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
    KOdaS (lentaaas de todos os tamanhos e qualidades.
    Rel0gi0S e apitOS pra tapores.
    jjOmDaS de ferro, de repocho.
    AraClOS de diversas qualidades.
    FormaS para aSSUCar grandes pcquenas.
    CoDCertOS c011081^*1111 com promptidao qualquer obra ou machmt, para o que
    sua fabrica bem monlada, com grande obom pessoal.
    EnCOlJimendaS man(^am xlT Por encommendada Europa, qualquer machinismo,
    para o que se correspondem com uma respeitavel casa de I.ondres
    e com urn dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
    ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
    RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
    FUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.
    Cutileria allema.
    Rua de Matthias de Albu-
    querque n. O. Roga-se ao Him. Sr. Ignacio Vieira de Mel'o
    Antiga rua das Flores. escrivio na cidade de Nazareth desta provincia, o
    O proprietario deste estabelecimento declara que favor de vir a rua Duqne de Caxia; a. :'6, a con-
    esta prompto a amolar, afiar e polir qualquer cluir aquelle negocio que S. S. se eompromettea a
    ferramenta de aco, a saber : como thesouras, na- realisar, pela terceira chamada deste jorual, em
    valhas, facdes, caniveles, etc. etc. | fins de dezembro de 1871, e di-pois para jaueiro,
    passoa a fevereiro e abril de 1872, e oada eamprio;
    e por ette juotivo e de novo CRamadu para dito
    CASA DO 0M0
    AMiiOOOdOOO
    Bilhetes garan'tidos
    n'lto i'.o Hariio ii n. C-l, ? (.-(" ifo i:oshiw.,
    Afliatn << a t*n.la mnitn fi-li-ns biRKtea g^-
    *au",idv iia 'i jijRo da lull iia a ijeneflcio d:i
    igreja do Livra eut da Victoria, que se extrahira
    uo dia 4 de novcinbro.
    Preyos
    lnteiro 4*000
    Meio 2*000
    Be lOOsOOO para cluu.
    lnteiro 3*500
    Meio U750
    Recife, 29 de outubro de 1873.
    JoSo Joaqmtn da Cost a Ltitt.
    - O lllm. Sr. Dr. Loopoldo Cesar Duque Kstra-
    da, formado na academia de Pernambuco cm 1873,
    liiho Jo lllm. tir. Joaquim Leopoldo de Figueiredo,
    i' rnaniado a loja de Amaral, Nabuco & C, rua
    Nova n. 2, a negocio cjue nao ignora.________
    Aluga se uma boa casa propria para passar
    a festa, na povoai.ao do Mnuteiro, rua da Ponte n.
    il : a tratar na ro? Duque de Caxias n. 71.,
    mp&n?*&
    Esta encouragado !! !

    CAFE DO RIO.
    Tem para vender J. S. Carneiro da Cu- *chava neste eidade
    Sm. pois S. S. se deve lembrar qne este uegocio 6
    de mais de oito annos, e quando o Sr. seu blho w
    O Sr. Antenio Lniz da Costa, qne fol nego-
    ciante em Olinda, na rua de S. Rento n. 45, 6
    cham^ndo a mes-na cidade,a rua do Commercio n.
    24, a negocio que S. S. bem sabe.
    Escrava.
    Para casa de pequena familia, precisa-se alugar
    CASA
    Aluga-se o arniazcm de recolher ua lua do
    Burgof n. 11 : a tratar na rua da t raia n. 20,
    a tratar com Jose Feliciano Nazareth.
    Attenc-fto.
    uma escrava para todo serviijo
    tel de Apipucos.
    Precisa-se de um criado para uma casa de | Na rua (lo Bar^ Victoria n 36 ^
    mtFt chav^ para vefesiadefronL, na refma- PW : .a tra.tar na lravessa do faar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
    m e trata-se no Recife, rua da tadeia-n. 3. Vigario n. 1, escriptorio. reira, a negoeio de seu intcresse.
    KOLESTIAS
    tsci;ni'ii,iis.\s.
    A; Mo'estias
    DA.PBLLB.
    Ercjxoes,
    tJlceta,
    Kiccha
    Etc
    Sau
    %
    AS
    DOBNCA3
    Que Ffio CttinHlafcM
    Pela InfeccJto
    Veuori'M.
    lillElMATIynrt,
    ERY3I?SLi,
    AIARR!LHA
    Dr. J.
    I'UKIARADO l'KLO
    C. AY lilt a> Co.. tie Lowell,
    Ustaclos UiiicloB.
    EM I-RASCOS PEQUENOS.
    W. E. OASSELS & Ca., Agentes Geraes no Brazil-
    Unicos agentes nesta provincia os Srs. J.
    O. C. Doyle, rua do Commercio n. 38.
    Precisa-se de uma engommadeira, uma cozi-
    nheira e um criado para compras : na ma do
    Hospicio n. 40.
    STRADA DE FIRIO
    RECIFE A
    Do 1 de novembro de 187 3 em diante a partida dos trens sera regulada pela tabella |seguinte
    LIINHA PRINCIPAL
    I
    IMAS llltS
    DOMINGOS E IllAS SAM It ICAIXS
    ESTAgOES
    Recife..........
    Rua ao Sol....... ...
    Rua Formosa. >.....,
    Officinal........... ..
    Soiedade.............
    Caminho Novo.......
    Mangu nho.........
    S. Jos*...............
    Torre...............
    Ponte d'Uchda.... :...
    Jaqueira.............
    I'arnameirim.........
    Sant'Anna...........
    Casa Forte............
    Caldereiro...........
    Monteiro............
    Porta d'Agua.........
    Apipucos............
    Dous Irmaos.........
    I'edra Molle..........
    Caxanga.............
    MANHA 1 TARDK
    G.IO 6.157.10 7.50 8.25 9.30 12. 2.15 2.30 3.15'4.15 4.30 4.53 5.15 5.4O6.13!6.30'7.15 8.15 9.30 9.45
    3.14 6.19 7.14 7.54 8.30 9.34 *-. 2.19 2.34 3.19,4.19 4.34 4.59 5.19 5.43 6.19 6.34 7.20 8.20 9.34 9.49 9.37.....
    6.16 _ 7.lfi 7.5fi 8.32 9.36 rt 2.22 3.22 4.22 3.01 h.-a 5.45 6.22 7.22 8.22
    6.19 6.23 7.19 7.58 8.35 9.38 3 2.24 * 3.24:4.24 .... 3.03 3.24 5.47 6.24 7.25 8.25 9.:<9.....
    6.21 .... 7.21 8.00 9.40 cr> 2.27 3.274.27 .... 3 06 5.37 5.30 6.27 7.28 8.28 9.42
    6.23 7.23 8.02 9.42 a OS 2.30 . . 3.30!i.30 3.08 5.90 5.52 6.30 .... 7.30 8.10 9 45
    6.25 6.27 7.25 8.05 9.44 9a 2.32 2.40 3.32 4.32 4.40 3.10 5.32 5.54 6.32 6.40i7.33 8.33 9.47 9.851
    6 27 a 7 27 8 42 9.46 cw 2.35 c . 3.33 4.35 .... 5.13 5.33 5.57 6.35 ....|7 35 8.35 9.5' %
    6.30 7.30 9.48 * 2.37 .... 3.37 4.37 .... 5.37 .... 6.37 ....7.38 8.37 9.53 .....
    6.33 7.33 p. 9.0 2.40 3.40 4.40 i 5.40 6.40 ....'7.41 8.39 9.56
    6.36 7.36 9.33 2.42 ^ . 3.4! 4.42 i 5.42 .... 6.i2 ....j7.44 8.41 9.59 .
    6.38 7.38 9.55 ST2. 2.45 3.45 4.45 5.45 6.45 -----17.47 8..3 10.02 .....
    6.41 7.41 9.58 2.17 3.47 4.47 .... 5.47 . > 6.47 . 7.51 8.47 10.031.....
    6.44 7.44 10.00 s' '7-J- r 2.TiO .... 3.504.50 -*.. 5.50 .... 6.50 .... 7.54 8.49 10.08
    6.'46 7.'ui 10.02 O 2.52 3.52 4.52 .... 5.52 . 6.52 .... 7.568.52 10.11 i .
    6.SO 6.48 7.50 8.25 10.H5 a i*. ">') 3.00 3.5o 4.55 5.09 3.55 i . 6.55 7.00 8.00:8.55 10.15 10.15
    6.5i 8.29 .. 10.(8 a. c 3.04 ... ^ * 6.00 . . 7.02 .... 9.00 10.18
    6.57 8.33 .... 10.10 3 3.10 K.-04 l 6.03 7.05 .... 9.03 10.21
    7.02 , 8.38 10.13 3.13 5 07 6.08 .... .... 7.t8 .... 9 07 .... * 10 24
    7.04 .... .... 8.40 ..... 10.15 S 3.16 " 5.10 6.10.... ....7.111.... 9.10 . 10.27
    7.10 -. .... 8.45 .... 10.20 1 20 3.20 .... . 5.15 6.15 ... > 7.15 9.15 ..... 10.30
    ESTAgOES
    Recife.........
    Rua do Sol.....
    Rua Formosa..
    Ofllcina?.......
    Soiedade......
    Caminho Novo.
    Manguinho.....
    S. JosC.......
    Torre.........
    Ponte d'Uchoa..
    Jaqueira.....
    i'arnameirim ..
    Sant'Anna.....
    Casa Forte....
    Caldeireiro
    Monteiro.....
    Purta d'Agaa..
    Apipucos......
    Dous Irmaos...
    BPedra Molle...
    Caxanga......
    MANHA
    6.00 7.
    6.05; 7.
    6.08 7.
    6.'0 7.
    6.12 7
    6.15
    6.17
    20
    16.23
    6.26
    6.28
    6.31
    6.34
    6.37
    6.40
    6.45 7
    6.47i7
    6JS0-7
    i.54'7
    6.59 7
    7.05 8
    J.
    00,8.00
    05 8.05
    088.08
    1018.10
    12,8.12
    15 8.15
    8.17
    17
    .42
    8.20
    8.23
    8.26
    8.28
    8.31
    8.34
    8.37
    8.40
    8.45
    .478.47
    .508. M>
    .3418.54
    .39 8.59
    .05 9.05
    9.05
    9.09
    9.12
    9 17
    9.01
    9.05J
    9.08
    9.10
    9.12
    9.15
    9.16
    9.20
    9 23
    9.26
    9.28
    9.31
    9.34
    9.37
    9 40
    9.43
    9.47
    9.50
    9.54!....
    9.59!....
    10.03'....
    9.40
    TARUE
    .00
    1.03
    1.08
    1.10
    l.li
    1.14
    1.17
    1.20
    1.21
    1.26
    1.28
    1.31
    1.34
    1.37
    1.40
    1.43
    1.47
    .50
    1 54
    1.59
    2.05
    1 l L
    05 2.00,3.00 3.
    09 2 03l3.05 3.
    1.11
    1.18
    4.00
    2.08l3.18
    2.10I3.1<>
    2.12 3.12
    2.15 3.13
    2.17
    2.20
    2.23
    2 26
    2.28
    2.31
    2.34
    2 37
    2.'i0
    1.40
    3.12
    3.17
    3.2)
    3.23
    3 26
    3.28
    3.31
    3.34
    3.37
    3.40
    3.18
    2.433.43,3
    2.473.47:.
    8.30,8.301.
    8.54 3.5*.
    2.59 3.59 .
    3.05 4.fo .
    5.005.05
    .40
    4.03
    4.08
    4.10
    4.12|a.
    4.15 5.
    4.17 5.
    4.205.
    4.235
    4.265.
    4.28'5.
    4.31 5.
    4.34 5.
    4.37 5
    4,40 5
    08
    (IS
    10
    18
    I'i
    17
    r.\
    .21'.
    .28
    .31
    .34
    .37
    .40
    .43
    .47
    .50
    .54
    .59
    .05
    5.09
    5!iJ
    18
    5.40
    6.00
    6.05
    6.08
    6.10
    6.12
    6.18
    6.>7
    6.20
    6 23 7.
    0.26 7.
    0.28 7.
    6.3117.
    6.34 7
    6.37 7
    6.40'7
    6.43:7
    6.4717
    6.M) 7
    6.54;7
    6.5i(.7
    7.05 8
    (0 8.00 8.
    05 8.05 8.
    08 8.088
    10 8.10-..
    18
    18
    17
    80
    il
    86
    88
    31
    .34
    .37
    .40
    43
    .47
    .51'
    .54
    .59
    .05
    8.12 .
    8.141.
    8.1718
    8.201.
    8.23 .
    8.26,.
    8.28 .
    8.3l!.
    8 34
    8.37
    8.40
    8.43
    8.47
    8.50
    8.54
    8.59
    9.05
    8.40
    9.00
    9.03
    9.08
    9.10
    9 12
    9.15
    9.17
    y.20
    9.23
    9.26
    9.28
    9.31
    9.34
    9.37
    9.40
    9.43
    9.47
    9.50
    9.54
    9.59
    10.05
    10.00
    10.03
    10.08
    10. ;0
    10.12
    10.15
    10.17
    10 20
    10.23
    10.2G
    10.28
    10.31
    10.34
    10.37
    10.40
    10.43
    10.47
    10.50
    10.54
    10.59
    ll.f.O
    1 & 111
    |-4i
    DIAS UTEIS
    IMMII\<.OS E DIAS SAATIFICADOS
    ESTATES
    '^axarga.......
    Pedra Molle....
    Dous Irmaos....
    Apipucos.....
    Porta d'Agua...
    Mont:iro.......
    Caldeireiro___
    Casa Forte.....
    Sam'Anna......
    Parnameirim...
    .Jaqueira......
    Ponte d'Uchoa.
    Torn........
    San-lose......
    Manguinho ...
    Caminho Novo.
    Soleclade......
    Omcina*......
    Rua Formosa..
    Rua do Sol....
    .Recife........
    13.43-0.43
    5.500.50
    MANHA
    5.52
    5.57
    6.0'
    6.05 7.05
    6.52
    6.57
    7.00
    6.08
    6.10
    6.13
    6.16
    6.18
    6.21
    6.24
    6.27
    6.29
    6.34
    6.37
    6.39
    6.41
    6.45
    7.08
    7.10
    7.13
    7.16
    7.18
    7.21
    [7.84
    7.27
    7.29
    7.32
    7.34
    7.37
    7.39
    7-41
    7.45
    .18
    8.05
    8.07
    ,8.09
    .398.11
    .428.13
    .448.15
    .46 8.17
    .50 8.80
    8.03
    8.08
    8.10
    8.13
    8.16
    8.18
    .21
    8.24
    8.27
    8.29
    8.31
    8.33
    8.35
    8.38
    6 41
    8.45
    8.10
    8.14
    8.16
    8.20
    8'.25
    8.43
    8.49
    9
    9
    8,5219
    8.5519
    9.10
    9.14
    9.16
    9.20
    9.22
    9.25
    9.28
    9.30
    9.32
    9.35
    9.37
    9 40
    9.43
    9.45
    5.47
    9.49
    9.51
    9.53
    9.35
    .9.57
    10.00
    10.
    10.
    10.
    10.
    10.
    Hi.
    10.
    111.
    10.
    11.
    11.
    11.
    II
    11
    II
    11
    II
    II
    II
    II
    11
    x a
    HO
    ,38
    ,38
    11
    43
    .46
    .51
    ,53
    .56
    .00
    .02
    0ftte
    .07
    .10
    .13
    .15
    .18
    .20
    .S3
    .26
    .30
    TARDE
    ESTaCOES
    l.-V)

    -T7
    V
    T3 cfi
    re a
    S.3S
    3.1013.55
    56
    .39
    .01
    04
    .05
    .08
    .12
    4.10
    4.14
    4.17
    4.20
    4.23
    4.26
    3.29
    4.35
    4.38
    4.40
    4.42
    4.45
    4.47
    4.50
    4.55

    3.15
    5.17
    5J9
    5.21
    5V2.
    3.96
    5.29
    5.33
    .1
    .24
    .28
    .31
    !35
    .54
    .56
    .39
    .02
    .04
    .07
    10
    6.53
    6.59
    7.01
    7.03
    7.07
    7.107
    7.14
    7.17 .
    7.30
    7.24
    7.27
    7.29
    7.32
    7,35
    7.38
    7.41
    7.43
    7.46
    7.48
    7.31
    7.55
    18
    ....;8.
    .....8.
    8.
    8
    8
    8.10 8
    8,14
    .7
    820
    8.24
    8^7
    8^29
    8.32
    8.35
    8 38
    8.41
    8.43
    8,46
    8,49
    8.51
    8.35
    13
    15
    .17
    .20
    .22
    .24
    .26
    9 55
    10.00
    10.04
    M.OI
    Ki. li
    .0.15
    to.19
    IO.fi
    I".23
    10 38
    1U.31
    10.34
    10.37
    10.40
    10 43
    10.46
    10.48
    10,30
    10.52
    U^5
    li.llO
    Caxanga........
    edra Molle....
    Dous Irmaos...
    Apipucos......
    Porta d'Agua..
    Monteiro......
    Caldeireir.o...
    Casa Forte....
    Sanl'Anoa.....
    Parnameirim. .
    Jaqueira.....
    Ponte d'Uchoa.
    Torre.........
    San Jos.......
    Manguinho .
    Caminho Novo,
    Soiedade......
    Offlcinas.......
    Kua Formosa..
    Una do Sol...
    Recife........
    MANHA
    S.38
    5.41
    3.45
    5.51
    5 33
    3.55
    6 Oo
    6.03
    6.06
    6.10
    6.13
    6.15
    6.17
    6.20
    6.23
    6.25
    6.27
    6.30
    6.32
    6.33
    6.40J7
    35
    U
    15
    50
    52
    33
    00
    03
    00
    10
    13
    .15
    17
    .20
    .23
    25
    .27
    .30
    .32
    7.35
    7.41
    7.45
    7.5o
    7.52
    7.5-i
    8.00
    8.03
    8.00
    8.10
    8.13
    8.15
    8.17
    8.20
    8.23
    8.25
    8.27
    8.30
    H.32
    .35 8.35
    .4018.40
    35 10.
    41 10.
    45 10.
    50 1,
    10
    10
    10
    10
    10
    10
    10
    to
    Hi
    10
    10
    10
    10
    10
    10
    II
    11
    88
    83
    .27
    30
    ,38
    ,33
    ,40
    08
    1-2
    .11
    .19
    .it
    .-23
    .28
    .30
    .33
    .36
    .38
    .41
    .43
    .45
    .48
    .50
    .52
    .53
    .57
    .OJ
    .03
    10.30
    .51
    .36
    .59
    .01
    .03
    .10
    11. v>
    11.41
    11.45
    11.50
    1.52
    11.55
    12.0
    12.03
    12.06
    12.10
    12.13
    12. 5
    12.17
    12.20
    12.23
    12.33
    12.27
    12.30
    12.32
    12.35
    12.4
    TARDE .-
    2.00
    2.22
    2.24
    2.26
    2.29
    2.3'
    2.34
    2.38
    35
    41
    45
    3(1
    58
    55
    00
    03
    00
    .10
    13
    13
    .17
    .20
    .23
    .25
    .27
    .30
    .32
    .35
    .40
    4.00
    j
    4.22
    4.24
    4.26
    1.29
    4.31
    434
    4.38
    35
    li
    45
    50
    53
    35
    On
    03
    06
    10
    1:1
    15
    17
    -2.)
    2:1
    25
    27
    30
    sa
    38
    40
    6.00
    6.22
    6.24
    6.26
    6.29
    6.31
    6.31
    6.48
    7.33
    7.41
    7.43
    7.50
    7.32
    7.35
    8.00
    8.03
    8.06
    8.10
    8.13
    8.15
    8.17
    8.20
    8.23
    8.25
    8.2;
    8.30
    8.32
    8.35
    840
    8.35
    8.41
    8.45
    8.50
    8.52
    8.55
    9.00
    9.03
    9.10
    9.10
    9.13
    9.13
    9.17
    9.20
    9.23
    9.25
    9.27
    9.30
    9.32
    9.35
    9.40
    9.00
    .22
    .24
    .20
    .29
    .31
    .34
    .36
    9.35
    9.41
    9 43
    9.50
    9.52
    9.35
    10.00
    10.03
    10.06
    10 10
    10.13
    10.15
    10.17
    10.20
    10.23
    10.25
    10.27
    10.30
    10.32
    10.35
    10.40
    RAMAL DOS AFFLICTOS.
    Mas uteis.
    Doming is, etc.
    ESTATES.
    MANHA.
    Recife.................
    Rua do Sol...........
    Rua Formosa..........
    Offlcinas...............
    Soiedade..............
    Caminho Novo.........
    Manguinho............
    Entrada dos Afllictof....
    Igreja dos dfflictos.....
    Tamarineira..........
    Mangalieira..........
    Casa Amarella........
    Monteiro..............
    rorta d'Agua...... ...
    Apipucos.............
    Dons Irmaos..,........
    Pedra Molle............
    Caxanga.......... .,
    4 1 in 1
    6.15 7.50
    6.!7.54
    6.16:7.56
    6.23 7.58
    6.21 8.00
    6.23 8.4)2
    6.2718.05
    6.30 8.08i
    6.38,8.11
    6.358.13
    6.39 8.17
    6 43 8.21
    6 48 8.25
    , .... 8.89
    .... 8.33
    8.38
    8.40
    8.43
    TARDE.
    MANHA.
    2.JO
    2.34
    2.2*1
    2.24
    227
    2 30
    2.40
    2.43
    2.46
    2.49
    2.52
    2.54
    3 (KI
    3.04
    3.10
    3.13
    3.16
    3.80
    30 6.
    34 6
    22
    24
    -.'
    30
    40
    43 6
    46'6
    48 6
    52 45
    54 0
    10
    04
    07
    10
    15
    40 10
    49 10
    52 10
    54 10
    00 10
    03 10
    05 10
    08 10
    10 10
    15 10
    >'*
    TARDE.
    1.05
    1.09
    1 11
    1.10
    1.13
    1.14
    1.17
    1.30
    1.23
    (.47
    1.31
    1,33
    1.43
    1.47 .
    1.50
    1.54
    1 59
    2 05
    5.0;
    .091
    .08:
    A
    12
    IS
    14
    17
    20
    23
    27
    31
    35
    43
    47
    50
    5418
    808
    03i9
    "WttMVMV
    Dia* uteis.
    Domingos, etc
    ESTACOES.
    05 Caxang;i............
    .09 Pedra Malle.........
    12 Dous Ir-ixios.......
    10 ^pinuco?...........
    ti Porta d.'A|Kia.......
    . 14 Montei-o...........
    18 Casa Aniaredla.......
    20 Mangal .a ........
    2 Tamariii.iij j.........
    27 Igreja uos Afllictos...
    31 Emra.'i d,s Afflii*tos.
    (8 M.mcuinl'o..........
    43 Camintio Novo.......
    47 3ol**dai!............
    30 0!Bci:u*...........
    54 Rua Form.iM.......
    59 Rua d.) S.I..........
    05 Recife..............
    MANHA.
    .|8.10
    8.14
    8.46
    8.20
    7.15
    7.19
    7.83
    7.27
    7.30
    7 33
    7.35
    7.42
    7.45
    7 5'
    8.25
    8.28
    8.32
    8.36
    8-39
    8.4'
    8.43
    8.49
    8 52
    8.53
    TARDE
    3 25 5
    3.29 5
    1 33 5
    3.36 3
    3 38 .
    13.41 5
    13.43 5
    '3.46 5
    3 48 5
    13.51 5
    '354 5
    |3 36 5
    1.59
    4 01
    i.03
    4.05
    4.08
    4 12

    TARDE.
    3.35 3 33 8.33
    . . 3.4i 3.41 8.41
    .... 3.4 5.45 8.45
    3.50 5.50 f.50
    3.42 .5 4.38
    1.'0 4.00 6.0 J.00
    2."4(4.04 6.03 9.05
    2.0914.'9 6.07 9.07
    .14 4.1. 6.12 9.(2
    2.17 4.17 6.15 9.13
    2.20 4.20 6.18 9.18
    2 22 4.22 6.2r 9,28
    2.24 4 21 6.25 9.25
    2 26 4.26 >.27 9.87
    2.29 4.29 6.3" 9.30
    2.31 4.31 6.32 9.35
    2.34 4.34 6.35 9.32
    2 38 4.38 6.40 9.40
    B, C: Bailfifrbee, gerente.


    1,


    ^MtrfciMi-rn^i 1.1



    ------
    ___* '
    Pfei-aamfoiioo Sexta feka 31 Pergunta-se.
    Perpj ua-s,; ta Sr. fiscal da freguezia de S.
    Prei ^lr. r, wolves, sjj dfcu pri-ilerb para es-
    lar abet i tin duiflfngo pn*v> e mais algum do-
    ming artnazam do niolhados da rua do Com-
    mrfetu f. 10. Porgunta fiuem mier lor o mosaic
    privily ,.
    On-c.no Si. Os-al tenha cuidaJocom os so
    nft -a. veil I'llvjcs qua. m dominro esquecemsci
    i5o;t easa para a festa.
    "wel'iiue casa no Monteiro, tra-
    vessa fli V a qua! se acba em muk.i hom es-
    la*- ': \wn\Hta : a Iratar na rna Primeiro de
    Marco. ,i!'-;. ic. Crespo u. 10 V loja de Goreel
    do Am.iRfl Q C.
    Os mradorr* fivaes da ma-sa fatlida Jo Al
    biso Martin*da Silva liorges, pelo preseutocha
    mam os credores da menia inassa, para "ot)razo
    de oito dias, apTescntrrrem seus litulos, afim de
    s reni classifieados. devendo os mesmos titulos se-
    rein aprvsentados em seu e^criptorio a rua da
    Madre de Deos o. ii.
    \
    -
    @
    DKSUHtERTAS MEDICINAES
    l'KI.0 HACHAliRL ^?
    Manoel de Siqueira &
    tjavalcante.
    &

    t1 a preservative da cry-
    si ;el. : para curs et.< pout* iemp,i, qualquer ataque de
    ervsiiM-l;, o prevenir u sou reappare
    ciim-r.ro.
    Este mulieamento tambem 6 muito
    pnderosn para o rheiim.m'smo.
    3- .: .-.u|i5(!.! da mens
    Ifu:i;.ai :_ para falta, irregularida-
    " M( i r, >i, repenlina dame >strua-
    ea>, e di loebips, assim como para
    tod :>s to rimenlox devidos aquellas
    BlE'ccoea. Anibiis e.-.tes medieamentos
    |. io ii lito eonceituados. e procura-
    Os act* provincia, e na do Rio de
    Jancir.i.
    Aeliaio-so a veuda soinente em casa
    do -'Uor, -las 9 h..ras do dia as 3 da
    :ar.l<:, e a qualquer hora em casos ur-
    o'-'llt.'^.
    f!RMIS A03 POBBES
    Hu.i d;. I nperatriz n. ii, 2 andar.
    m
    9
    Precisase aliiRar urn sobradinho de urn andar,
    ou mesrao uma rasa lerrea, com lanto quo tenha
    os commodos segoioles : 2 salas, 4 quartos, co-
    zinha fora, e qi intol com arvoredos e seja ma-
    rado, prefero-se quo seja na Boa Vista e em rua
    Sue passe os bonus : quem liver e quizer alugar
    irija_-se _ao escriptorio de^le Diario, das JO ho-
    4 da tarde, que aeliara com
    ras da mania
    quem tratar.
    as
    Perequito.
    Do pr.,iieiru an lar da casa do Antonio Jose
    Rodng.i.^ d^ r-M.ua, a rua Nova n. 5 voou urn
    perequito ronlrafebo e faUador, levando no pe
    uma err. nt- dm prata : quem o liver .negado
    q'!"M !r alondvJa do o cntregar name-:ua
    mj i. >.,-,i gi'iiTosamente recompensado.
    Has iiiuTiifirias
    Puna ttiiiesiloisi c ca(aciiil>nM no
    Porto ^ Bastos, corn loja de cal
    ""do a Praia da Independencia n.
    J9. acabam de receber da Europa
    novo sortimemo de eapeHxa mor-
    narias de lindi earn as segointea insi'riproc-, as
    oiacs vendem porraenos pr.i-o do
    jui em niitra (iiialqiTer narV
    A Had i'..i
    A Mttiha .Viai.
    A Hen Emu so.
    A Mm(M Ksp sa.
    A Men VilliO.
    A Miniia l-'ilha.
    Urn;; lagr-nia.
    am i-11.
    SauJ.ides
    Pi(Ag,V l A IKBEPENIkENCM N. 39.
    i-p
    '
    dos Rates n. GS, ci>m a
    lo Hosptcio, com ba-tante
    a iratar ua rua do Mar-
    -. ,-a lerrea na Una
    ' nt- para a.fstrada
    -' para t'ainilia
    -. i .ia n 4,
    > > a laverna do paleo dn ribrira deS
    bin afregue^jida para terra e matto.
    1 jvmeos rutd<, propria para algnm prinei
    nif, o motiv da imaa se dira a ifflrtn pn--
    id'' ,. : .i Ira! ir na m-.'.-ina ou na rua Thomo de
    ara ii
    n li'vj aehado \w. ;n.ico di> papel. cuns-
    ' it] < de deri.n:i-. alugeis d rasas e
    - le iuii-i. c hu< n ...i i entregar, pode
    . raa d;\ iJrm n. io. qae sera recom-
    Escravo fugido
    Aclia-sc fugido am escravo com os signa so-
    gumids: mutate, cabello carapinho, represeaU ter
    M annos de idade, secco do eorpo, estalura regu-
    lar, cara pequena, hocca gran le, beic.w grossos,
    com falta de deules na frente, nariz chato, com
    nrdas escuras e miudas, quo vistas do longe pa-
    lecem buracos, maos pnueo foveiras, foi foguista
    do trem de Apipncos, chama se Joe Rufino, tam-
    bem couhecido p-.r Jo.>e do Rawlinson., e nalural
    Ua Parahyba, onde foi comprado. Para ser ven-
    dido tinha sido entregue ao major Almei la, de cujo
    poder fugio : quem o apprehenier pode leva-Io a
    rua c>treita do Rosario n. 23, i andar, que sera
    gratificado.
    Ao commercio
    Os abaixo ass:gnados fazem sciente ao publieo,;e
    com espeeialiJade ao corjiu dovommercio, quo
    ncsta data di.-solverara a sociedade que tinham na
    taveroa sila a rna do Coronoi >uassnna n. 41, sob
    a razao de Braga t> Samarcos, sahindo o socio
    Braga pago o ealisfeito de sua pa:le, (icando todo
    o activo e passivo a "-argip do socio Jos6 Joaquim
    Samarcos. Recife, 28 de outuhre de 1873.
    Manoel Gomes Braga.
    __________________Jose J anuim Samarcos.
    Fugio da villa do Pan d'Alho em 3 do cor-
    reate, o prelo cnonlo, de nome J aquim, que re-
    presenia ter 38 a 40 amns, alto e o elo do corpn,
    nariz afllado e poaca barba ; foi enconlrado na
    Estrada Nova em direcclo para esta pra.a, vesti-
    do de cal a t- Jaqneta 1 ranca, ramisa de mada-
    polao, engoininada e ehapi-o do i.aeu ; este es-
    cravo veio do Iguarassii em 1845 a 1848, para
    a villa de Pao d Aliio, ,-m companhia de sen an
    tigo senhor o capitao J.,.e Felippn; ha sete annos
    pouco mais ou menos fez nma fuaida ignal a esta,
    fui presa em Iguarassii, no eugenbo luliaman, por
    onde v.igava : pede se as auteridades policiaes a.:
    c.iptiira do mcs;rio escravo, e qoalquer canilao de
    campo (pie o capiurar e eondnzi-lo a referida
    villa de Pao d'Alho a seu senhor Antonio Antunes
    da Silva, cm nesta praca a Nicomedes Maria Frei-
    re, na l! ia-Visia, Iravessa dos Pirrs n. 31, sera
    bem recoinpeiisado.
    Aluga-se
    a casa da rua do S. Gmiralo n. 8. com commodos
    para tamilia : a Iratar na mesma casa.
    mm mm
    AusenUiram se do engcr.lio Jaguaribe oa esora
    vos seguiutes:
    Manoel, crioulo, de idade de 18 annos, baixo,
    com todos os dentcs, ollios grandes e bonitos, na-
    riz grosso, orelhas pequenas, tendo a esquerda
    como que no cimo della uma beira aparada, e na
    face esq'ierda uma cicatriz, bocca grando, pes
    pequenos e foios : e filho do Brejo do Areia, e foi
    alii escravo de Antonio Isidoro Delgado Caval-
    cante.
    Luiz, cabra, biixo, cabidlos carapinhos, testa
    larga, olhos grandes, narh grosso, bocca regular, j
    rosio oval, barbado, tendo as mesmas muito ca-!
    rapinhas, 6 pouco espadaudo e-jem pes grossos
    e curtos : 6 lllho da comarca de Paged e foi es-
    cravo do finado major Antonio Bernardo, aendo
    epois de Vicente Ferreira Lima mbradof no Co- i
    neiro de Paj^u.
    Pede-se as aatoridades poTTciacs a apprehensao
    destes escravjs, e graltfica-se bem a qualqueri,
    particnlar qne os apprehender o os levar no
    dito engenho, ou na rua Nova n. 8.
    Casas para alugar par-a-a fes
    ta ou por anno.
    Um sobrado no Poco da Panella, a rua do Rio
    n. 5, com 4 salas, 3 quartos, saleta, cozinha foYa e
    qnintal m'urado.
    Uma boa casa terrea nova com cozinha, estri-
    bana, pequend sflio, a mftrgem do rio n. 35 da
    mesma rua
    Uma casa pequena, pyrem com bons cbmfnodos,
    i Cruz das Almas ao pe da casa ver-
    na travessa da
    melha n. J.
    Tndo a tratar com
    o crfmmendadnr 'i'asso.
    O
    Perdeti se na tarde de se.runda-f>ira urn relogio
    de ouro patento mglez, com uma corrente de o'u-
    ro, porta-1*pii "e nrrfa thavw Ldo 'fertio de iima sa-
    carrolha e um sinete com timbre; o relogio tem
    da parte de fora1 n;i t imp"a uma coroa de nobreza,
    e os imnteiros sao pretos e extraordinariamente
    grandes : qnejif o acBoa so o levar a rua do Im-
    perador n. 26, I" andar, recebcra a gratificacao
    de 1504000.
    I
    2
    (
    BAZAR 1
    Rna do Barao da Victoria n. 22.
    DE
    Carneiro Viamia.
    Pede-se aos Srs coronel Joaquim Cavalcante
    de Albuquerque, senhor do engenho Paulista, Dr.
    Luiz Lopes Castello Branco e Vicente Bacellar, o
    obsequio de apparecerem na rua Duque de Caxias
    n. 44 a iregdcio aue llies mteresia.
    1 J |
    Gft^fFRAS.
    Slu?
    -s I ::;liS 8S cMJKtfSS ('
    vilfss k Pulupl.
    Carvalho <$ Nogaoira. saccam soliro o
    i no nine rial de Viann.i, e suas agen-
    riasem torfos as ciilades e villas .1<> r>rtu-
    qual^ner quant ia ;i vista on a prazo e
    par ItmIuo ,-,5 paquoWs; & ira do Apollo
    20.
    UaiaSenhora boncsta quo sabe bum
    /;,- I'm sua ni.uvmi i o |.! pequeoQ sala-
    rio, < presta 1 rnorar cm rasa defantHia,
    an : ; os suns snffigos : quem preteia ler
    aHi.ii icifl por cslc Diario.
    Aluga sc i -.' amlar e so'.ao com todos os
    Mduspara grando fannlii, d-tsM>fdon. ii
    a rna 1- H-.rias : a tratar na rna do Trapi-
    a. I.I, annaienr* assucar. Tamb:Mii fe von-
    rca de tic- quarlas paries di> mesmo so-
    brado.
    ' ta \tj ^ul
    > an !;r -!i iiobrado sin
    5 a iratar a rua du Barao
    nAnacao.
    i rua iio Ar.igao n-
    d i 'Iiiuinpho n. 5i>,
    - Pii'c s ;--f de nma aroa Wra ou escrava.
    $oo ai!)a l.tv.ir. eng.imniar e cmnprar para casa
    de uma famlia istrangcira romposta d: tres pes-
    as : a truiar iij rua do Vi-cocde de Gmano; n.
    1*7, fabriea da ia
    Aluga se ii na e*S lerrea na rua dos Mar-
    Jfrios miinoro UK>, reedifleodo e do lado da
    so>!.ra len Ires porias de frente e e muito ele-
    v da, MB) otin ciniiiio Iris p-ua familii : a tra-
    tar na rua do Itosariu i! \ Isoa-Vista, sobrado n.
    &*, %" andar, p >r cima da r&flBatao.
    (J;l!TOS de 1>IX0.
    E1 inquestiitnawl qas a cachefra da rua do Bom
    * -us n. 13, de J(iarnim Pans Pereira da Silva, e a
    , tem as mejhurea berlindas, calecas, meias ca
    %as e vi,-trias de luxo, proprias para qualquer
    no.vado, visilas do etiqueta. bailes e ados da ara-
    ^sinia. .-..'in!. us mesnios aja.-zados de excellent s
    ilhasiloanimaes, arreios luxuoos eboleeiros
    >m firdarnentos do ultimo g"Slo, para o que se
    !j ao puldico a vir por si mesmo scienlili-
    da verdadj do qae deixamos dito, cerios de
    . : eficontrta-io pemada, e aim realidade e
    is jirecos.
    100$ de gi'iililicacao.
    Auseniar;.ii! se do cugtaho Araqnara, termo
    de Bseaila, desde o dia Itt do carreate, os escra-
    v.,s : Pedro, le 23 annos, cor fu a. alto, grosso do
    eorpo; pes apalhettdns, ladino. rantaajof do mo-
    Jas, ciinprad.i nesta cidade an Barao de Nazare-
    th ; e Am..inn, Ue iO amius prelo, estalura e eor-
    po rej.-ul.nes, con falta de denies na frente, pes
    tambeni apallH-tad<>s, loeador de viola, comprado
    ao Sr. Leonardo Roiin. SnapeHa-so que o pri-
    meini esteja na cidade de Olinda, em consequen-
    cia de ter sido escravo do coronel i'assos, iioje
    Barao da Tacanina ; e quo o seeundo ande pelo
    P050 da Panella, onde reside o seu primilivo se-
    nhor. A pessoa qne os apprehender dirija-se ao
    .Sr. iilympio de Souza Galvao, na estaeao das Cin-
    co-Punta-, ou ao dito engenho Araqnara : a Ira-
    lar com Antonio Jose Gome.s tanidr, nue sera re-
    compensado com a quantia acima.
    - Precisii >e de um caixeim de 12 a 18 annos
    do idade, que tentra praiica de nwlfaad s, para a
    cidade da Escada : a tratar no paleo do Tereo nu-
    mero 23.
    Cobre e latao.
    Compra-se cobre, ra(5o e cliumbo velho :
    no armazem da bola amareHa travessa da
    rua dr Imperador.
    Compra-so duas venezranas novas ou
    com algum uso, e que esteja-mem bom es-
    tado : na rua do Barao da Victoria n. 5.
    Compra-*se
    um sitio nos arrahatdes desta cidade, onde pasje
    linhade bonds : a trat* na rua do rmperador n..
    48. armazem.
    -Compra-se uma escrava de nieia idade, que
    eaiba lavar, engoramar e cozmhar, npo- nao tenl
    ^icio algum e-seji sadia : quem tivertoessas corr-
    dieoes e queira vender, annuncie por este Diario,
    ou irija se *e>irada de Joao de Barros, sitio n. 21,
    que achara com quem traUr, das 9 boras da ma-
    nia as 4 da tarde.
    ATTEWAO -
    Precisa-se de um criado-para easa de pequena
    familia : a tratar na Iravessa do Vigario n. 1, es-
    criptorio.
    Gasa.
    Aluga-se 0 1* andar da casa n. 1>I da rua do
    Apollo : irala se na rua d.i Cadeia n. 3.
    ara banlios de mar.
    Amnral, Nabuco A C, reccberam da P
    ri: interessantai costumt= do ultimo goito
    para horn ens 0 senhnras quo desejarem to'j
    roar li.ml.os sa.gados. nlem da soluiez da
    fozouia para rosistir a agnn salgada, a ele-
    ?auria dos tr jos nada deisS a dese-
    c
    Hotel chinez
    21Rua da Imperatriz21
    Rsta abertQ a concurrencia do respeitavel |,u-
    biico este novo e bem ufil tatabelerimento. Rece-
    be-se assign.iinras meusoes, e premette-se ter
    aempre sumcieales comedorfas para se foruecer
    avnuo. 0 proprictario dole n vo estabelecimen-
    10 promelto servir o melhor que se pode de-ejar,
    e por precos muito resumidos. 0 qne sc torna no-
    lavel nesios casos, i p asseio e oromptiao ; e nem
    so se pole ai'liiiuc.ir i as comidas serein muito hem feitas, visto que tem
    um rozinlioiro de primeira or Ipm. rraveri todos
    os di;.s sorvete das melhores frnetas ci-nhocidas
    entre n6s. Espera-s<- a con mrrenria do respeila-
    vi'l pnbtieo.
    0 Consultorio homeopa- m
    JJ thico 0
    *fc Do lr. Santos M<*Ho Q
    JK 41-------Rua do Imperador-------41 g%
    '1. r.onsult.is todos os dias das 1 a t da 2?
    W Isple. 0
    .jj Grabs aos pobres. jj
    Rcsidencia ;i rua Nova n. 7, segundo J?
    a.J^ andar, onde da constiltas das 6 as 9 da -fg
    t manlia e das .") as 5 da larde. f
    j,.- Chamados a qaatqner hora.
    1001:000.
    Esta fugido o escravo Manoel, de Joao de Souza
    Dias Valladao, que esta em l-'ernando de Ngroulia,
    o qual li-m os signaes sfghtntea : mnlato, andar
    descancado, altura regular, barba senada. e dizeov
    que anda com uns papeis t ilsos e iulitula se com
    livre : qnem o apprehender e I.-va i" ao largo da
    A semblea n. 17, reliera a gratifi-araj ac ma.
    Alugase uma boa casa em Olinda. com bastan-
    les commodiu para familia. uaruadu S Pdio n,
    "^! k.9.0? i"*.?len(ler djrija-se a rua do Marque?
    ra com on<*m tratar.
    u1
    ?>'! h.Mfl do Adipocos, precisa-se de urnco-'-
    zinh^iro. livre ou escravo,
    Can decamjM)
    Offerece so a quem quizer fazer oa coneortos
    neeessarios, o airmdamento por alp uns a/inos, d>
    graea, rt* toicellecle easa sila m l'..rta r.Agua.'
    sue foi u i floado Dr Joaquim Pirn- Caroejr j M id
    wiro, passando-se escriptura para maior seftumn
    - A IncaOilnde muito salubr<, e a casa muito ..
    fresca, tem magnilico h.-ioho d" m'
    frtiite, a ril nc^^
    j-froi'" .m nneiender pode dirSgir-.se ao Sr
    Francisco (-arm iro Monteiro, em Ajiipucos. an L_
    .>r. hrancisfo Igmcio Pinto, na rua do Bom lesus,
    w ao 5r. rjiimuB, a rna (Jo -'pmniercio n. 40.
    ;!'
    VELOUTINE
    A UMA ESPECIB DH

    POSde FL.OR oe ARROZ
    Eapecialmentepriiparadoaom bmmvtm
    e por conseguinto if uma acfao Mwdsvel
    spine a pelle.
    E' *HHEBHJJTE e tthnent BNVfc
    "do a pi uiua fvanuxa 4
    raeg.
    av I
    Jrreoo da Uairinha toiuOjofl^ fr.,m
    emu deCh. FAT,9,m Dppositoem Pem-vmbucv. A.RBOORD.
    20
    Rua do Crespo.
    dmiliuaa a vernier bamlopira'
    apirrar uinilo
    Brins de linho-de cores (pechincha) a 1*2C0 a
    vara.
    Fustao branco iwra roupa de meninos s 360ts.
    0 covado.
    Lazinhas escooezas a 240 o 280 rs. 0 covado.
    Alpacas com listras a 500 rs. covado.
    Rrins pardos e de cores a 400, 440 e 500 rs. o|
    covado.
    Brin lona brano 1 a 1*600 a vara.
    Cambraias pretas para Into a 240 rs. o oovadp.
    Cretone de Jistoa* a 440 rs. o covado.
    Chitas roxas a 200 e 240 rs. 0 covados
    Gror-denaple preto de cordan a 2*400 0 covado.
    Cobertas de cbiu adamascada a SioOft.
    Colchas brantsi* c de cores a 3J500 e 4*.
    Lenses do. bramanto a 24.
    Dilos de algoda a I -5 '*- n.
    Toalhas alcocSnalas a 6* a duzia.
    LenQos de c;t*su coin barra a it a duzia.
    Ditos de dila abainliaJos a -2.
    Ditos do esguian a :jj5O0.
    Cambrai? lisa a 35 0 4|*)00.
    Dita Victoria Una a -U80U.
    Atoalhado a 2s a Vail.
    Cortes de r.-v>emira fma a .'*.
    FuslSes de cores aljo corte,
    Challes de merino lise a 2*.
    Dilos de dito estampado a 4J, 4&5t'0-e 34000.
    E-guiao fino a 2* a vara.
    Brim prelo trancado a 24 a vara.
    Bramante de alg'ouao a 15600 a vara
    Dilo de linho a 2*500 a vara.
    Cambraia de linho de cores a 360 rs. 0 covado.
    A Ignd:hi TaSj a peca.
    Madapoloes baralos. '
    Metins
    Proprio para vesiidos.o que I* de mais gosto
    padn.es inieiramento.uovos, pelo dirainuto pteco
    de 400 rs. o covado : na rua do Crespo n. 20, ln]a
    de Utiilhbfme & C.
    (liissa-U
    LUegouesta fizenda. sendo lindoa padr5e. e
    vende-se pelo diminuto pre?o de 200 rs. o cova-
    do ; somente na rua do Crespo n. 20, loja de Gui-
    iherme 4 C.
    S6 na rua do Crespo n. 20.
    K>uflrTerme & C.
    A' C3te grande estabelecimento tem cho-
    gado um bom sortimento dc macbinas para'
    costura, de todos os autoros mais acredita-'
    dos ultimamentena Europa, cujas maebmas
    sao garantidas por um anno, e tendo um
    perfeito artista para ensinar as mesmas, em
    qualquor parte desta cidadn, como bem as-
    sim concerta-las p-lo tempo tambeia d'um
    anno sem despendio algutn do comprador.
    Neste estabelecitaento t mbom ha perten^H
    para as mesmas macbinas e se suppre qual-
    querpera que seja hecessario. Kstas ma-
    cbinas trabalhara com to<]a a perf.ieiio de
    um e dous pospontos, franze e" horde toda
    qualquer costura por Ana que soja, seus:
    precos sao da seguinte qualidnde : pm-a tra-'
    balhar a mao de 30-3000, 4OJ0O0, iSfOOO
    e 509000, para t'rabalhar com o pe sao de
    80??000, OOJJO'O'O, 100^000, 11)^)00
    1203000, 1303000, 1503000, 20CC000 e
    2503000, emqnanto aos autores mo ha ai-1
    teracao de precos; e os compradon3 poderao
    visitar este estabelecimento, que muito de-
    verao gostac pela vdriedade de olijectos que
    ha sempre para vender, como scjam : eadel-
    ras paravfegem, malas para viagem, eader-
    ras para salas, ditas de balance, dita para
    crianrja (altaa), ditas para escolas, costurei-
    ras nquissimns, para senhora, despeii5aveis ?
    para criancas,.d'e todasas qualidades, camas
    de ferro para homem e criangas, capachosv
    espflhos dourados para sala, grandes e pe-
    quenos, apparelhos de metal para cha, fa-
    queirojcom caho de ntetal e de marfim,
    ditosavulsbs, colherfes de meralTino.condiei-
    ros para sala, jarros, gaarda-comidas de
    arame, tampas para cohrir pratos, esteiras
    para forrar sa*as, lavatorios completos, ditos
    simples, ohjoctos para toilette, e outros mui- ,
    tos artigos que muito devemagradar a todos
    que visftarem oste grande estabelecimento
    que se^acha abertode-.de as 6 horas da ma-
    nna ate" as 9 horas da noute a
    Rua do Barao da Victoria n.
    Nenhuma machina
    Singer 6 legitima se
    nao levar esta marca
    fixa no brae.0 da ma-
    china.
    Para evitor faicin-
    ca^oes notem-se beaa
    odos o^detalhe? da
    marca.
    AS MACHIMS PARA C
    DE
    SINGE
    A
    NAO TEM
    MAIS DE ni'MIUHn TENSE VE\WIM)
    Porque?
    Sac as melhores
    Sao as mais haratas
    Sao de dous pospontos
    Sao mais simples e rapidas
    Sao durad6ras e aperfhigoadnt
    Sao util em uma casa.
    22.
    Nao ha mais cabellos
    u
    TI.NTURARIA JiPffil.
    So e unicaapprovada pelas scadsraias de
    seiencias, reonhecida superior a toda que
    tera apparecido ate hoje. Deposito princi-
    pal, a rua da Cadeia do Recife, hoje Alar-
    quei de Olinda, u. 51, f. andar, e em
    todas as boticas e casas de cabeliei-
    ChlXO.
    Faz melhor costura com metade da linha que gastam
    as oidras e-fomecem urn meio de
    VIBA
    Para-aquelles que tom de snsleiilar-fie
    DE
    IS
    Querem agradar a yaya ?
    Querem agradar a esposa?
    Querem agradar a iiiha?
    C0MPBEM OMA
    MACHINA DE SIMiEP,
    3ft 1M
    Nenlmma casa esta completa sem uma
    MACHINA DE SINGER
    Sen: cnixa 803000. Com cnixo!003000
    TJNIGA AGENLIA
    EM
    mwm
    A CASA AMERICANA
    45 RUA DO IMPEMDOil to

    De forca dc d us a.seis cavallos : a vc-nda no
    armazem de Joaouim Uopes Machado & C, tr-a
    vessa do orp.i Santo- n. i">.
    - Vende-se tuna *ltH*sa eonstrnida a
    moderna. com fren'o de azulejo, e um grande si-
    tto e an grando s-t\o com uma casa ; tudb
    na margem da esir .da real em Jaboalio e lendo
    o stfio baas prop(^c> para edaiteacao : a tratai
    em Jaboaiao com B-rnardo 6on?alves dos Santo
    ou na rua dV.SLiri'ibn.tt.av n. 10
    \ >id de.
    Na rna OTNgAio il. 2:i ha para vender-se la-
    tas de oito libras coim torresmos, morcilhas e lia,
    guicasi cbegbdos nltii*a!n3nte da ilha do S. Hi
    de nimda (aotiya rna da Cadda) u. 20, que acb'a- *?!____ '

    Feno.
    Vende-se carca de 300 fardos : no escripmrio *''
    ^e Wilson Rowe & ('.., a rua do Commercio n.
    Calgado estrangeiro.
    Aproxima se- o mez do dezembro, tempo em
    jue o I'aris na AnkMica, a rua Duque de Caxias n
    69, 1 andar, tem da dar o seu balanco, por este
    motivo, os proprietarios deste estabelecimento e3-
    tao resolvidos a veiidere.n sens calg.dos pelo cus-
    to, alim de niinoaarem o trabalao,; assjm pois os
    apreciadores do bom, e com espwa'alidade o sexo
    amavel, para qnsm o Paris no America, conserva
    com a devida dticencia) o aeu gabinele reserva-
    do, para a escolaa de calgado-, aproveitem e ve-
    aham munirem-sa do que precisarem.
    Grande nayidade.
    S opara o 43
    Vieram no. ultimo vapor, baptut.is fiiias coai
    barras, gostos chinezes, pelo dinunuto prero do
    500 rs. o covado : a rua do Quaimado n. 43.
    Las com Ihtras assotinadas, ultimo
    1^000 0 ccyado : so
    I)ao-se araristras.
    gosto a
    Contra erysipela
    Da* puMir vnrice
    Meias de borracha, iccido em seda, unieo reme-
    dio- contra a erysipelrdas pernas: a venJa na loja
    dofiabi Vigilante a rua do Crespo n. 7.
    ATTENG&Q.
    UMAM0B1LIA.
    Yeode-se nma mobilia de amarello em perfeito
    estad.> a Luiz XV ; const ndo do um sofa, uma
    jardineiaa, um bar rlrf tonsolos, 13 cadeiras de
    gufcrnicao, dos da bra;o e Buas de balanco ;
    quem quizer fezer ncgocio, diSjase a rua Direita
    : andar,! qne achara com qnem tra'.ar.
    &><\irV -'^'S^-;
    bicos, rendas.
    JSo escnptono de Gomes do Mattos, Irmaos, a rua du Cadeia
    do Recife n. 40, 1. andar, e o unico deposito do que ha de
    melhor, e bem acabado, que vena a este naercado, da cidade do
    Aracaty no Ceara\ quem os comparam com os feitos aqui na
    terra, facilmente reconh cera a iiumensa differenga, que vai
    de uns para outros, tauto em prego como em qualklade.
    Lindissimas toalhas de labyrintho.
    Fronhas de diversos tamanhos.
    f.engos de todos os pregos.
    Bicos e rendas empiofuzao.
    "c
    n,
    "Wil onowi^ L. veiidim 110 sea armazem
    a-de Commercio n. i\ :
    rdadciro pmnn de algodao azul amenwmo
    flente nVi do xcla.
    de qnalidade
    .0' de Brtrdeam.
    Ogyto je^Pedra de lodas as gualidadea
    Lenses tfe bramante a
    Vende-se lengoes de bramante de um panno so
    a 21000, 6 baralo para acabar.
    Toalhas grandes para rosto a 500 rs. ; aa rua
    dofCstofa n-10, loja da America.
    TASSO IRMAOS & a
    Em seus armazens a rua do Amorim
    0.43. a ma do Qu >ltora 37 e .CaeS d Apollo n. 47,
    tem para vender por pregos commodoa
    Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
    Canos de barro para esgoto.
    Cimeuto Portland.
    Cimento HydrauKcc.
    Machinas de descarogar al|odao.
    Machinas de padaria.
    Potassa da Russia em barro.
    Phospboros de c6ra.
    SagU-em garrafdes.
    Sevadinba em garraf5e>.
    Lentiihas em garrafws.
    Rlium da aJmaica.
    Vinlw do Perto velno engarra.'adi,.
    Vioho do Porto superior, di.o.
    Vioho de Bordetmx, dito.
    Viuho.de Scherry.
    Vinb da Madeira.
    Potes com lin?uas e dobradae ukglous,
    Liceres finos soriidos.
    Cogoac Gaulbier Freres.
    [/atas- de toucinho inglez.
    Barris com repoiho em salmoura.
    Vende-se
    trastes de jacaranda e amarello com poute uj .
    . em perfeito estado, e tambem um raeio apparelt.
    de loupa para jantar e um dilo de porcelana, flni.
    I bianco, para almoco Vende se por ter 0 done. d
    )-w retir para Europa : na rua da Imperairi-
    u. 5i A.
    * i>o ultimo numr, c da'maL~niv.i
    . rsynaiMaDirgta.p. l', esquina do! beeco
    bPcdro
    *alsa: pamlha
    Rosario n. 34.
    ^^WWW^^PW^TtflWIJT"TtffgJt" fl*"
    Potassa da Russia em meios
    barrisa50Grs.okito
    Desembarcada ha poucos dias : voude-s- n.
    escnpti.no de Oliveira Filhos & C, largo do Corp.
    Santo n. 19. "
    Gate du Rio
    V'-.ude-ae-na rua do Marquez de Olinda oume-
    ro66.
    maim n -}}nciro : vende"se a de Vigario, ar
    m C Doyle.
    a para v 1 r'
    Cbgnac de Hennessv, sapc-i lor e verdadeiro.
    .Who Xflf^?ijA^BBlbo-res qualidad^.
    Whisky.
    Cha prelo em latiaa de 10 libras.
    Fiado!
    Rua -do Barao n. Viotoaia
    n. 22.
    0 prour^Jario do estabelecimento Bazar Uni-
    versal tea do de transferir 0 mesmo para outro
    JW&Aii&Ao grande deposito de Machinas de
    cuTfura aeloaos oa autores, resolveu vender a
    PRAZO, raodiante a convencao que se puder fa-
    zer com os pretendenles : a rua do Barao da Vic-
    i'
    Vende-se uma casa terrea com um bom
    terreno, na rua da Hora, junto ao becco do Es- lodas as preparacoes chiraicas do Dr. Ayer; no. toria n. ft.
    pinheiro : quem pretende>la dirija-se a rua da amiazem da ruji do Commercio n, 38. I Antonio Duarte Carneiro Vianna
    mpera'riz n. 79, loja do fuoileiro. I
    MHMH
    DHH
    I iubIvh
    m


    lmn
    *
    >
    Diaiiio Je, pejuamtoicoi State ..feiia~3i (kGii^>>rc. de-lblJ>.
    r

    Wi
    DE HOWE
    whs mnim
    SOARES LEITE, IRMAOS
    UNIGOS AGENTES
    Rua do Barao da Victoria n. 28
    is maiia simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
    Na exposicio de Taris, era 1867, foi concedido a
    Elias Howe Junior, a racdalha de ouro e a condecora-
    cio da Legiiio de llonra, por serem as machines raais per-
    feitas do rauado.
    A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
    Estados-Unidos por scr o inventor da machina de cos-1
    tura.
    A medalha de ouro na exposicio de Londres acreditam'
    estas machinas.
    MCfflHAS PARA C0S1DRA
    A 25-^000 e-4fi#ftfc
    BOOS P0SF0NT0S
    Na loja de Soares Leit0 Irmaos, a ma do Barao da
    Victoria n, 2&
    pollica com pequcno toque,
    Luvas de
    a 2C0 rs.
    Abotoaduras para collote, sjra/ide sorti-
    mento a 120 rs.
    Caixa do linha de marca, a 200 rs.
    Lamparinas a* gaz, dando uma !uz muito
    boa, a ltfOOO.
    Duzia de pecas de cordao imperial, a
    240 rs.
    Caixa de botOes de osso para calca, a
    200 rs.
    Duzia decarrcteis de linha, 200 iardas, a
    600 rs.
    Idem idem 60 jardas, a 2i0 rs.
    Mac,o de fita chiiieza, a 800 rs.
    Caixa de linha com 40 rmvellos, a 500 rs.
    Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
    Garrafa detinta roxa extra-fina a 1JJO00 Del, 1#C00.
    Espelhos do moldara donrada, de todos
    os tama'nhos e precos.
    PSWUMARIAS ,E- MIUDEZAS.
    Frascocom oleO Ortza verdadeiro,
    13000.
    Mem com toaico de Kemp, verdadeiro.
    10000.
    Garrafade agua florida verdadeira a 1JJS20O
    Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
    Idem idem divina, a HJ000.
    Idem idem Mag'Ialena (noviiadei a
    1^200.
    Caixa do p6s para dentes, a 200 rs.
    Idem idem de p6s chinez, muito bom. a
    500 rs. e 1$000.
    Pote com opiata do Rieger, Rimel e Gros-
    dita ingleza, preta, a 100 e
    muito boas, a
    A 908000
    &ie-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
    Potes com
    160 rs.
    Caixa de pennas Perry,
    13000.
    Idem idem, a 400 rs.
    Caixa de enveloppes tarjados, a 500 r.
    Idem idem forrados, a 700 rs.
    Caixa de papel amisade, beira dourada,
    a 800 rs.
    Idem idem idem lisa, a 600 rs.
    Duzia de sabonetes de amendoa. a
    33600.
    Duzia de sabonetes de aniinho transparen-
    tes, a 23200.
    Idem idem com Acres, a 13500.
    Sabonetes Glycerino trahsparentes, a
    13000.
    Caixa com sabonetes, formato de fructns,
    a I300 e 135<0.
    Cosmeticos, grnudes o pequenos, a 100 e
    lurk, ostaboleceu nesta cidade a" rua do Barao da Victoria n. 28, urn deposito e agencia 5*000
    taral, para um Pernambueo e mais provineias se venderem as afamadas machinas de cos- j i^m'.
    on de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicfio de seu trabalho,' e k^qq
    ?mpregando uma agulhamais curta com a mesma qualidadc de linha que qualquer outra,'
    nala mtroduccao dos mais aperfeicoados apparelhus, estamos actualmente habilitados a
    "ftrpcer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
    As vantagens destas machinas sao as seguintes:
    Piiraeira.-O publico sabeque elias sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
    ;rcuinstancM do uunca terem apparocido no mercado machinas d Howe em segun-
    la mac.
    Segunda.Contom, 0 material preciso para reparar qualquer desarranjo.
    Terceim.Ha nellas manor fricc&o entre as diversas pecas, emenos rapido estrago
    to que nas outras.
    Quarta.Formam 0 pouto como se fora feito & mSo.
    Quinla.Permitte que se examine 0 trabalho de ambos os fios, 0 que se nao consegu.-
    Moutras.
    Sexta.Fazem pouto miudo em casemira, atravessando 0 lio de um a outro lado,
    logo era seguida, sera modincar-so a tcnsSo da linha, cozem a fazenda mais
    ina.
    Setima.O compressor e levantado com a maior facilida;!..', quando se tem de mudar
    agulha ao comecar nova costura.
    Oitfiva.Muitas oompanhias de machinas de costura, tem ;: lo epocas de grandezae
    ''cadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desci hecidas, outras soffreram
    nudanc.is rac" icaes para poderem substituir : entretanto a compauhia das machinas de Howe
    'doptaodo a opioiao de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
    agmenudo o seu fabrico, e hoje nae attendo a procura, posto quo faca 600 machinas
    or dia.
    f*da mn china acornpanha livretos com Lnstruccoes em portuguez.
    \ 9(h>000 A 90^000
    SOARES LEITE, IRMAOS
    A'
    do Barao da Victoria n. 2 8.
    Duzia do talheres cabc branco, 2 B., a'800 rs
    Frasco com agua do colagne, a 200, 320,
    FiViacios muito finos dos nv Ihores au-
    Idem kleraliso, a23800, 33S00e 53000. tores..
    Corjuos moderaos, a 33000. Lindas e elegantes caixihhas com perfuma-
    I Duzias do pe$as de trancas de caraeol rias, proprias para presentos, dos autores
    branca, a 'GO is. | E. Codray, Wyr^t, Gelle Freres, etc.
    Mem idem lisas, a 200 rs. | Quadros com santos o estampas sopara-
    Loques de osso e sandalo, a 23000, 43 das.
    e 63000. Fntrcmeios e babados transparcntes e ta-
    Fita do velludode todas as cores e largu- pados.
    ". L'ma grande taboleta propria para qual-
    Microscopios com 12 vistas,|a 63000. qucr loja.
    Frasco com oleo para machina a 400 rs.
    Rua do Barao da Victoria \l 28
    Agaa florida, de Giiislain, Joaquim Jose Goneaives
    N", 4--Rua do CabugitJST.
    JOSEPH IvRAUS
    >!
    & c.
    DO
    BAZAR NACIONAL
    Rua da Imperatriz n. 72
    DE
    Lourenco Percira MemiesGuiiuardes
    Declara t seus freguozes que tem resolvido vender o maisbarato que for possivel.
    saber
    CH1TAS A 160 E 200 RS. O COVADO.
    Vende-sc cliitas francezas largas com to-
    que de avana, a 160 e 200 o covado. Di-
    ;as limpis a 240, 280 e 320 rs. o covado.
    CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
    Vendo-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
    o covado.
    USINHAS A 200 RS.
    Vendo-se lasinhas de cores para vestidos,
    a 200, 360, 400 e 500 rs. o covado.
    ALPACAS A 400 RS.
    Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
    640 e800 rs. o covado.
    COBERTAS DE CHITAS A 13600.
    Yende-se ccbertas de chitas de cares, a j
    13600 e 23000. Ditas de pello a 13400. rs. o covado.
    CORTES DE BRIM DE CORES A 13500.
    Vende-se cortes de brim de cores pr
    calca, a 13500 e 2SO00.
    BOT1NASA33000.
    Vende-se botinas para senhoras, a 33000
    33500, a elias antes que se acabem.
    ROUPA FE1TA NACIONAL.
    Vende-se camisas brancas, a 13600, 39
    23500, 33000 e 43000.
    Calcasde casemiras de cores, a 53, 6a
    73000.
    Palit6ts de casemira, a 43, 63 e 83000
    Seroulas a 1(5 e 13600.
    . BRIM DE CORES A 440 RS.
    Vende-se brim de todas as cores a i'
    Colxas de cores a 13200, 23500 e 43500.
    CHALES DE LA A 800 RS.
    Vende-se chales de la de quadros a 800
    i e 13000.
    Ditos de rajrind a 23, 33, 43 e 53000,
    CAMBRAIA BRANCA A 33000.
    Vende-se pecas de cambraia branca trans-
    /arentes e tapada, a 33, 33500, 43, 43500,
    53 e 63000.
    SAIAS BRANCAS A 23000.
    Vende-se suias brancas e de cores, para
    senhoras, a23000 e 23500.
    BONEIS A 500 RS.
    Vende-se be nets pretos de seda para hc-
    inens, a 500 is. Chapeosde palha, pello e
    massa, a 23, 23500, 33000 e 43000.
    MADAPOLAO.A 33000.
    Vende-se pecas de madapolao enfestado a
    33000. Dito:> inglezes para os preccs de
    43 43500, 5;>, 03000 e 730Q0
    ALO0DAO A 33500.
    Vende-*epoeias4ealgodao, a 33500, 43,
    " 53000.
    BIUMANTE A 13300.
    Vende-se biamaute com 10-,palmos de
    largura para lencol,.a 19600, 23.e 23500 o
    metro.
    fiRAtfDE UQIJIOACAODESARONEIES 280 RS.
    Vende-se uma grande por^ao de' sabone-
    tes ingleiws, a 200 rs. Ditos franceae* com
    cheiro a 320 e 500 rs.
    Agua de cobnia, a 200, 320 e 500 rs. o
    frasco para l.qoidar, e -, outros extractos
    muito burato.
    LENCOS BRANCOS A 23000 A DUZIA.
    Vende-se a duzia de lencos brancos, .
    23000. Ditos com barras de cores a 33001
    Ditos de linho a 53000.
    TOALHAS A 800 RS.
    Vonde-se toalhas para rosto, a 800 r.
    13000.
    GRAVATAS DE SEDA PRETA A 500 K^
    Vende-se gravatas de seda preta, a 50-*
    rs. cada uma.
    CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
    Vende-se chita para coberta, a 280 e Si-
    rs, o covado.
    BONETS PARA MENINOS A 13500,
    Vonde-se bonetes para meninos, a 1950c
    ESPARTILHOS PARA SENHORA A 8350
    Vende-se espartilhos para senhora,
    33500.
    fiRAXADHES
    A 800 RS. 0 COVADO.
    Vende-se granadines com listras de seJ
    para vestidos de senhora, a 800 rs. e 190M
    o covado.
    COLCHAS DE CROCHET A 63000.
    Vende-se ricas colcbas de croch¶ ca
    mas a 63000.
    PANNOS DE CROCHET A 13500.
    Vende-se pannosde croche't para cadeirai'
    a 10500 e 23000.
    CASSAS PARA CORTINADOS.
    Vende-se pecas. de cassas para cortinados
    com 20 varas, a 103000 e ,129000, e outrn*
    muilas fazendas em liquidaQao.
    va
    COMES DE MATT-08 AIRUAO
    Avisam ao respeitavel publico desta cidade qneo sortitnento de joias, do subido
    lor, que existia em seu cstabelecimento, esta cnmpletamentc roforcado com o mois ele
    gante sorlimento de novas joias, quo receboram directamente pelo' ultimo vapor da Eu
    ropa, constando ellc do mais variado sortimento de aderceos & Boulevard, pulseiras d<
    ultimo gosto com pedras prcciosas e sem elias, brincos d'argola, agraffes para relogio de
    senhoras, delicados aderetjos para meninas, meios aderecos rle camafetf lindissimos, volta*
    ile nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de platina, variada quantidad*-
    do botoes para punhns e poito, com embletias maconicos, do onix, tecklo de ouro, can.a-
    fcu, etc., brilhantes mon^tros 'le rarissrmfls agoas, em anneis, rozctas, pulseiras, alfire
    les c botoes, c outros muitos objoctos de ouro do melhores fabricantes do Paris, que se
    venderaocom grande reduccao de pretos, por serem elles. recebidos directamonte de seu>
    committentes.
    Os proprietaries do acreditado Mt'ZF.U DE JOIAS, tendo sou estabelecimcnto aberti.
    ai6 8 horas da noute, convidam as familias que so quizerom prover de lindas joias, *
    virem escolbe-lns a vontade, para o que &!? em exposic^o nos m^stradorcs.
    T? /'
    >k
    pai.-a fazer os cabellos pre-
    tos.
    A agoia branca, a rua Duque de Caxias n. 30,
    acaba de receber nova renaessa da aprcciavel agua
    florida para fazcr os cabellos pretos. O bom ro-
    soRado nolhido por queni tem feito uso dessa
    inoirensiva preparacao a tem altamente ronceitua-
    do, a por isso apenas se fax leinbrar a quern no-
    vameote delta precise e ijaeira so aproveitar de
    ns utilidade. Taiibem vcio agua de topasio e
    oleo floriUo para o mesrao bsu, e tio acreditados
    eorao aquelia.
    Voltas e brincos de grossos
    aljofares de cores. .
    A agnia branca, a rua do Duque dj Caxias n.
    50, recebeu novas e bonitas voltas e brincos de
    grossos Ijofares do cores, e como sempre conti-
    nna a vende-las por prego commodo.
    Novos diademas dourados e
    com pedras.
    A agnia branca, a rua do Duque de Caxias n.
    50, recebeu novo sortimnnto de bonitos diade-
    mas dourados o com pedras, tan to para meninas
    como para sennoras.
    Colleecoes de traslados ou
    normas para escrever-se.
    A aguia branca, a rua Duque de Caxias n. 50,
    recebeu novas colletQoes ou normas para as crian-
    cas apreniterem a escrever por si inesmo, lnje tao
    nsadas nas aulas e collcgios; e como sempre ven-
    de-as por pre>;o commodo.
    Meias cruas finas para meni-
    nas esenhoras
    A loja d'nguia branca, a ma Duque de Caxias
    n. 50, recibcu novo sortiineuto daqucllas tao pro-
    curadas meiaa crnas \un. senhora, vindo igual-
    mente para uieninas, e contintia a veude-las por
    precps commodo--.
    Y6os ou Diantinhas retas.
    A loja da auia branca, a rxu -k' Duque de Ca-
    xias n. 50, riicebeu bouitos veiis ou manunha*
    pretas de seda cor:; Bofes, e outras a unibcid de
    croche, e rende as pe'os liaratos pretos de Ji.
    it e 6 estado, pel j quo coniiniia a ter prompta extrac-
    c5o
    Perfeita novidade.
    Grampos com borboletas, bezouros e gafa-
    ifftotos dourados e coloridos.
    A loja da aguia branca, a rua do Duque de
    Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bor-
    boletas, bezouros e gafanhotos, o que de certo e
    perfeita novid de. A quanttdade 6 pepuena, r.
    por isso em bruvo m aeuart.
    Novas gollinhas ornadascom
    peiucia ou arminho
    A loja d'aguia branca a rua Duque de Caxias
    - 50, rectlifu uma pequena qiumtidade de boni-
    s e novas guliinbas, trabalho de 14 a seda, en-
    neitadas' com arminho, obras estas de muito gosto
    e inteiraii.ente novas.
    Grampos, brincos e rozetas
    dourados.
    A loja da aguia branca, a rua do Duque
    Caxias n. 30, recebeu novamento bonitos gram-
    pos, brinciu o rozetas dourados ; assim c-mc
    uovos diademas do aco, e .umo.sempro conti-
    nua a vendo-los por preco? azoaveis
    Caixinhas com p6s dourados
    e prateados, para cabellos.
    Vende-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn-
    que de Caxias n. 50.
    Beltrao & Filling
    Teem para- vender na sen esciptoru- a rua ao
    Commercio n. 5, o segui'iii' :
    AGUARDKXTE de cajti: caixadc 12 rarraba
    . ', de larania- >dem idem,
    ARC06 de pao para narril.
    CAL de Lisboa, receutemente chegada.
    CHAPEOS de sol, para homera e senhora, jh>
    de mariim e osso.
    PWXES de ferro, para porta.
    FIO de algodio da Bahia, da fanriea rK) ^amtm-
    raendador Pedrozo.
    LINHA de roriz.
    OBI1AS de pali eta.
    PANNO de algodao da Bahia, da fabrica do t-
    mendador Pedrozo.
    KETROZ de todas as quahdades, dsa faLricas i
    Peres e Eduardo Militao.
    ROI.HAS proprias para botica.
    SALSAPAItRILHA do Para.
    VEI.AS de cera de todos os tananhns.
    VINIIO engarrafado do Porto, eaixas de U gaiv
    rafas.
    t dito Moscate do Douro, idem ideja.
    dHo Setubal, caixas de I e 2 du;ia.-.
    c da Italia engarrafado, caixas d 6 ar-
    r:;fas,
    de Col lares superior, em ancorelas.
    de rajii, caixas de 12 gar ab.
    Malvasia do Douro, caixas corn IS rir-
    raras. *^
    Carcavellos^ idem idem.
    Chupeos jiara scSwmT!
    Au.aral Nabnco & C. receberam nm >niptela
    sortimento de chapeos de palhA dc Iuli;: e volludo. pretos pa,ra luto. e de .ores enfeitadm
    com bonitas Oores e fita : vendem no Bazar >ifi-
    lona, a rua do Barao da Victoria n. 2, aiitina1 rua
    Nova. "
    Asunicas verdadeiras
    Biclias hamburjiuezas qno vein a este merca "\ rna do Marqo z de ntinda n "i!.
    FAZENDA
    400
    rs. o
    mu
    covado.
    Lindas poupelinas de linho e seda.de cOres, lazenda muito
    em uso actualmente na Europa, e inteiramente propria para
    a presettle estacao, pelo batatissimo pre^o de 400 rs. o co-
    vado.
    Na rua Primeire dc Marc,o (t.ntiga do Crespo) n. 13, .loja
    las Columnas, de Antoois Correa dc Vascpncellos.
    Rape Rocha
    a ]^>.'O0a libra : n* rua do Vigano n. 7. priraei-
    ro andar.
    VENDE-SE
    uma casa terrea, do taipa, bem conslruida o sobre
    pilares de pedra e cal, em chaos proprios e bom
    local por ficar junto a estacao dc Agua-Fria e a
    beira da estrada de Beberibe, na rua Alegre n.
    3 : a tratar na rua da Roda n. 45.
    PAM DIA DIFllBflS

    Novo estabelecimento de
    cera.
    Na cidade di Victoria, a rna da Imperatriz n.
    Las e sedas.
    Cambraias bordadas e outras fazendas, vendem-
    se baratissimo, a dinbeiro : a rna do Barao da
    48 A vende-se e troca-se cera de toda qoalidade. Vlct^uT9,anUaa,,ru;, Ko'va"
    a qual se afflanpa por ser feita na terra, e c seu i v,cloru 3' anil*a rua iXOVa-
    antor foi premi:,do na exposicSo de 1869.
    Venda-se
    61, ao pa .do q-aartel do 9."
    rsa tavern a.
    Pede-se ao Sr. Manoel Rodrigues Pcreira,
    a ;averna da rua do Hospico n.:<;oin padaria em Santo raaro, queira se entender
    SAUBADES.
    Amaral, Nabuco & C. acabam do receber um
    variado sortimento de capelfas funebres com as
    seguintes inscripcCes:
    A men pai.
    A minha mai.
    A meu esposo.
    A minha esposa.
    A meu filho.
    A minha lilha.
    Saudades.
    Amizade.
    Lembranca.
    Vende-se no bazar Victoria,. rua> aoDarao da-
    Victoria a. 2.
    Ineyclopedia inodema
    ou
    Biccionario das, sciencias, lettraj, artes, ia
    dustrias, agricnltura e commercio
    i>0 wildest
    A' venda.por pree o mais commodo pop-
    sivel, na livraria Academica
    RUA DO IMPERAD0R.
    Para o dia.de:finados.
    Veuda J. A. Moreira Dks, era seoannaieip a
    rua da Cruz n. 26, as yerdadejras luvaa.dapSfica
    : a trator na mes- com o seu ex-empregado Antonio Jose da Silva a preta, tanto para homem.Como para senMra, do
    negocto de muitt urgencia. afamado tabricanto JoUvin.
    LIQUIOACAO
    DA
    Finiilicao da Aurora
    Grande sortimento de:
    Moendas de todas as qualida-
    des e tamanhos.
    Tachas, fundidas e batidas,
    idem.
    Rodas dentadas e angulares,
    idem idem.
    Machinismo, idem.
    Yarandas, gyadeamentos pa-
    -rajar djm, eto, etc.
    Tuda sevende por preqpsj
    iftuito em conta para aoa-
    bar.
    G. Stair &G.j em Mquida-^
    cao, na fimdic^Q daJ^ro^a
    qtia,, Santo Amarft-_________
    Xttrope d'agriao do Pai^j,
    no
    Ajitjjjoe. conoe^ttado medicameoto para
    cpra das ipolest|as,jij'os orgSos respiratorips,
    pomppbtysjca, bronob4tes, asthma,,etc.,
    apelicado.ainda com optjm.ps resujtadQs, no
    Para acabar
    Vende-se umaporcao de casaes de pomhpsi en-
    do a maior parte de raca (grandes) per prejO mo-
    di* : a tratar oa rua do Vigario ri. J8, ou rua doj
    Barao do Triampho (antica do Brum^n.^4
    Rna do Oabiiga n. 11 A.
    Vende-se um escravo mo^o
    nho on padaria, por preco mu "'
    iropno para en|6-
    JtUu
    .tlrogaria
    Luvas de pollica pretas e de
    outras cores.
    A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
    xias n. SO, recebeu novo sortimento de luvas de
    pullica^ pretas e de outras cores.
    Agiias Alcitliiio-ta sas dcisTe-
    dras Sal^ndas.
    Villa Rouca de Ai^uiar.
    BICAKBONATADAS-S' DICAS
    Analyses ri Dr. Jose .Julio Roclri-
    gues, ! eSiaicn de I.isbua.
    Esta exeelleote agua usada coui vaniagem nos
    padecimentos das vias digestivas, urinanas, do
    estomagu etc., etc.
    Vende-se
    . NA
    Phurauncia e
    DA
    Baa larga <' Ito^ario n. 3't.
    Os verdadeiros
    Vinhos de Bourgogne
    das niarcas
    Chambertin
    Poramard *
    Virils
    Volnay
    Beanne
    Monthelie
    Dito Bordeaux em quartollas.
    Ywkw \>u? bart preco
    PARA LIQLIDACAO DE CONTAS
    NA
    Hurt Larga do Rusario n. 34.
    Botica.
    mm SiO LIKDGS!! "
    Os leques todos de madreneroia. braaeca e da
    cores e (pie trawm o dhtico -LXIAO em Icttras
    tamhcin d" madrepcr.ila em alto rele\o, tor-
    nandu so pi r isto apropriados para noivas. a .NO-
    VA ESPERA.VGA a rua iiuque do Caxias a. 83
    (antiga do Qiiomiado) e quern cs tem.
    Sao de tartamga
    Os brincos, broches, meios aderepiK tram,
    coracoes e cassoletis, que esjro oxpustas a iiOa
    escoltia da> Exmas. (amantes do chiqu,-) v, ude-sa
    na Nova Esperduca, a rua Duqtw Ju Caxiaa
    n. 63.
    Aos meninos
    A Nova Esperan^a a rna Duque de Caxias n.
    63, acaba de rc^-cber um Undo sortimento de bo-
    ueeas de muilas qualidades, virdo cntre eHas as
    engracadas bonecas de borracba, assira lanibem
    uma pvquena quanliilade de bonecas pretas qua
    se tornam aprecia-las pola sua novidade.
    Ebtm atil
    A NWa Esperanca a rua Duque de Caxias n.
    63, ecebeu verdadeiro ciinen'- inglez, prcpara
    tao para cmoertar p"rcelana bem util.
    Vestido ptidido
    Muitas vexes um veslido tonia-so ioteiramentt
    feio, somente pur estar mat onfeiiido : a Nova Rs-
    peranja a rua I uque de Caxias n. 61, retnovtf
    este roal ; porque esta hem provida dos meilit>r*>
    galors e franjas d>- todas as core*, on!e pode es-
    collier-se a vontade sobresabtndo entre estas as
    modernas franjas tnsaicas, qm- pela nua-varteda-
    de de cores, flea bem em quasi tcdas as fazendas.
    A elh antes que se acatiem.
    Cabellos brancos so tem tjaem
    quer
    A Nova Esperanca a rua Tuque de Caxias a.
    63, acaba de receber a verdadetra tiniura de. Das-
    nous para tingir os cabellos, o que s ''^nsi-gue
    (empregando a) com muita faeil.rtr.de, e por este
    mo'.ivo, cabellos brancos so tem qoem quer.
    Estao na moda
    Ok cinturues de couro, proprios para ri^ahoi m,
    ?tie recebeu a Nova Esperaiuja a rua Duque de
    axias n 63, estao, stin, setthora, esta: na oioda I
    Se quere* ter ou preparar um rani;tt)iet de
    cheirosos craves brancos para o voasa casameulo
    ou para outro fim apropriadn, 6 n cessario ir a
    Nova Esperanca a rua Duque de ''ixl:^ a. 63,
    que alii enr.inrrareta os malMrc* pm-ts fy que se podi- 'Insejar.
    Bolas de borracha
    Vendem-so dp todos o? tnroapm* a rua Dunua
    dr Caxias p. 63. na Nova Esperau^a.
    V ende-se
    um vapor de forca Dara qualquer mister, com bronzes de sol resa-
    lentes, por preco commodo: para ve noarma-
    zem do barao do Livrauiento, e tra'ai" a ru do
    Torres n. 34, 2 auoar.
    Banhos cm
    V^X*ll-..!ct.
    >
    ISA
    INGERIIIlll
    Para attenler aos numero-
    sos pedMos esta resolvido a ,-.
    vender suas afamadas machi- (
    oas de costura
    A__________
    I
    )
    "" Vende-se
    uma easa na villa de Barreiros, na rua do Cora
    nrercrd, por preco modico : a tratar com Tassi
    lraaos*G.__________-
    Fazendas baratas
    CASA AMERICANA
    ; 45 Rua do linperador 45
    \m
    LOJ\ BAIKUGzV.
    Bramante de qualro lar^uras muito bora para
    Jaiqeeft;a i*6tX> a vara.
    Brim lona superior a 1*600 idem.
    Madapolao francez a 6* a peca.
    ^""PAB A TOALHAS DEMESA.
    Vende-se i\v\ atoalhado com duas larguras e
    desadhos modemos a 14600 a vara.
    PARA VESTIDOS.
    Lazinhas de quadros azues a 400 re"is o civado
    Metim traneado, c6res garantidas; a 400 reis
    idem.
    LlzWus com listras de setima I* idem.
    4 Brilhantina assetinada, ma duas larguras, a
    oOQieis idem. Dao-se amjstras: na rna do Ca-
    bhga n. 10, !(]-> A,'^rre-\._____________^
    " Vende um prelo arnericino, pequcno e com
    todas as pertf ncas pa s trabaiiiats para ver e tra-
    tar na rua do Marques de Olioda n. 53, loja.
    Camisas e ealcas de fazenda de boa 'imlidade
    proprias para os banhis cm Olinda : na loia do
    arcos a rua Primeirode Marc- (au'tiga do i respo
    n. 20 A. de Gm j.e\ do Amaral t-C.
    Para 2 de novembro
    Bu/i&s enfe.iadas dc boa cera e diverts tama-
    nhos, para o dia de Quados : na rna, do Cabuga
    numero 5.
    Burros d venda
    J. Deir6 avisi a seus freguozes. que er!a euj via-
    gem para as provineias de Ala^oas e Pernamb'oco,
    conduzindo excellente tropa de Imrios ; |>. -sara
    por I'enedo. Pilar, Castinha Grande, Putin Calvo,
    Barreiros, Rio Formoso, Etcada, Calio, e pr>-vavel-
    mente por Santo Aaiaro de Jabo.iao a N.u.oeth ;
    pur isso pode ser avisado ou eneor.irado ., quer destes lugares. Larangeiras, 20 do oulubto
    de '873.
    Vende se um hoi de raca turina. pr- priJ
    para cri can ; a ver e tratar na rua da laz n. 1.
    Vende-se uma e-crava crioula, com babili-
    dades e propria para rriar por tor louito bom e
    abuinlanle leile : a tratar rua da (nperatris. so-
    brado n, 78.
    Extraordinaria pechincha.
    2*500
    Colcbas de alg dao adamascadas para caraa
    pel i baralissitrio preco de 2,#3f;0 na loja dos
    arcos, de Gorgel do Amaral C. a rua Primeiro
    de M.uco (antir doCrtsiw) n 20 \
    Fazenda de criar gado
    Vende se a faienda de criar gado, de >vine For-
    quilh..s, na provincia do RioGniiJe d-j Noite. co-
    roa.-ca do Assii, tendo de extent*) emeu legnas de
    terra, coin bastante gado dc criar.apanha..do mais
    de 200 hezerro \u>r anno : quern pretwi W fnzer
    este ueg< cio dirija-se ao engenho Gonjcapo, em
    Ipojuca, a tratar com a proprictaria, ou coin oa
    eerrcsponnVntes Leal & Innao ni-?ta praca do Re-
    cife, rua M-rqoezdc Olioda n. 56.
    Vende-se um escravo pedreiro muito robusto
    e sadio, bora uw*tre de maeeira, forueia bem le-
    nha 0 (az todo o amis servico com perfeigao, e tem
    foiiieadj pio o bolarba era caso <)' neces cozinha sol'nvet.nente o diario d<: uma casa, 6
    proprio para engonho p>r ser muito p4sanie : a
    t.-atar na ro* to Domingos Theotoniu (outr'ora
    rua das Calcadas), taverna n. 49i
    Sal do (Jabo, Verde.
    Tem para vender Joaquim Jose Uorical-
    ves Belu.ii' & f'iiho, a bordo dc 1-j;:u. por-
    tURUP/. D.Anna, fundeado defrooU*Aotra-
    piche Alfanrtega Velha : a tratar a wr-ln qu
    no aeu escnptrxio drua Jo Commercio-
    n. 5.________r
    M;1ho no^o em sn 000=5.
    vende-: .. 4-'.'HW c; tdfeco. o roo'ho* "
    no mercado. oai purc^j e a rdta.-o ; ? ..>,
    nil.
    ?
    lUGfVEL
    r


    .-7
    ____-A_>
    r
    8
    Diario de Pernambuco Sexta feira Si de Outubrd dc 1873.
    YiRIEDADE
    CA1VFAS DE I'M CAIPIRA.
    (ConcfusAo)
    K assim es ;apou e em menos tempo do
    que gastou em viagem o telegramma n. 88,
    que, sendo fxpedidodaqni para Santos, no
    dia 2 d 1 bora < 23 minutes da tnrd v so
    .chegou ao sea (veslino is 7 horas e 13 mi-
    nutes da manna seguinte.
    Ora, esti) lelegrarama tinlia por lim anti-
    tipat ac Sr. Manoel Jose Ftoriudo, daquolla
    praca, ii noticia da ida doom passageiro no
    vapor S. Joie, sahi lo no mesmo dia, e
    cbmo o "elegr aroma chegou la 2 horas e um
    quarto depoii do vapor... ndo sei so me ex-
    plico com ckreza I
    Aproveitou pois. tanto ao destinatorio
    como tem aproveitado a saude publica nos-
    sos constantes prolestos contra a immun licia
    que cobre a cidade. contra o lagedo que-
    brado que se acha como ratoeira disfarcan-
    do uma valla da rua de S. Christovao,
    contra um buraco quo ha na rua da Ouitan-
    da em frente ao Carvalhies, contra os d-s-
    pejos que se fizeru no largo da Prainiia, e
    contra o nestilento lino que costuma saliir
    do alcatifado hotel dos Priucipes.
    0 que nos vale, rnano, e quo no meio de
    tanta incuris la surge uma ou outra ides,
    um ou outro projerto grandioso, que pro-
    mette transfoimar osta cidade n'um vorda-
    deiro paraizo.
    Nesse caso se acha o de du is enormes
    ruas, atravessatido a capital de polo a polo,
    Cortandd'Se era cruz, com uma cumioira
    toda do vidro i tun zimuorio de... Mas ea-
    la-te, Felippe ; deixa os delalhes do piano
    para a proxim/. quiutadeira, que a cousa
    bem merece isso e o mnis.
    Quando souberes por onde hao de passar
    estas duns sen tioras ruas, mano, has de ftcar
    boquiaberto come eu liquei e dizer, como
    eu disse :
    Safal
    Porqu'3 na verdade a idea
    admirada como a coileccao
    acabo de receber uesle momento.
    Parieiariw, cuamam-se alias.
    Parietarias I Um titulo que cheira a bo-
    tica que resoende a tisana I
    Mas, emfim, o Sr. Paredes assim quiz, e
    estava do seu direito.
    0 que desejo de todo o coracdo e que por
    |aes parities ncims vicejem as suas parieta-
    rias ate mesm) depois da oisumma<;ao dos
    seculos, amer,' I
    Para que tudo fosse exlraordinario, quiz
    tambem o au:;or incluir no meio de alguns
    versos bonitos; tanto no pensainento, como
    na forma, ouiros deste quilate :
    e tao para ser
    de versos, que
    Mas casarcom Carolina
    (sso sim, que nao senhor!
    .< 0 ciisameiiio em purgantes
    Transforma os beijos d'amor
    Purgantes I... porein nao ha quo estra-
    uhar... : sao ideitos das malditas parie-
    tarias Eu ja estava prevenindo isso
    mesmo.
    E antes que a cousa mo toque por casa,
    moita 1
    E adeusinho,
    Teu do coracdo
    Felippe.
    iJonvil do Commercio, do Rio.)
    NOVA PUBLICACAO. Com o titulo de
    Imperio e mcnarclna, publicou em Franca o
    Sr. Paulo do Cassagnac, bonnpartista en-
    thusiasm, um eloqucnte folheto, quo e um
    paralello entre a forma de governo que cahio
    em 4 de setembro de 1870 e a monarchia
    traditional, que os deputados legitimistas
    aspiram a restaurar, entre u direito divino e
    o difuito do povo ; e linalmente entre a ban-
    deira branca e a bandeira tricolor dos Na-
    poleoes.
    0 Sr Paulo de Cassagnac, depois de lem-
    brar a phrase do discurso pronuciado pelo
    principo imperial .em Chislauurst, em 15 de 89 de setombro de 1820, de mauhd colo,
    agosto ultimo : tudo para 0 povo e pelo Luiz XVIII appareceu i janelladas Tulherias
    povo resumo da idea napoleon Let. es- e disse Meus amigos,
    tabelece que sdo os realislas que querem a vossa alegri iha:-aasceu-
    fazor perder ao paiz o beneficio da victoria nos um filho'para todos. Este meuino sera
    de 2i de maio, que sao ellcs que romperam um dia o pai do pjvo e amar-vos-ka como
    vioUra'.amenteotratadodeabuegacAomutua, ou vos amo. No dia seguiulo Chateau-
    que unia todos os conservadores contra a briaul chamou-lhe o meuino do milagro,
    r'epubiiea. pois nascera scte inezes depois d-> assassina-
    0 esciiptor francoz diz que c preciso com- to de sou pai, o duque de Berry, e-Victor
    batur a todo iransccssa monarchiadesJe Hugo, enlao legitimista, consagrou Ihe uma
    o momento em quo se atrevo a impor-se pde entlusiastija. Mais tarde os embaixa-
    ainda a na^ao, de cujo territorio ja por tres dores acudirau ao palacio, e Luiz XVIII
    vexes foi expulsa. disse-lbes que aquelle infante, naacido .10
    0 Sr. Paulo Cassagnac, tra<;a em soguida meio de pezares e de gran les dores, era
    hiovcmento a historia da monarchia, a qual tambem o ftlho da Europa, presanie e gi-
    se vai despojiuio dos attributes de pureza rantia da paz, depois de graudes gucrras e
    mditar, de direito divino, de legitimidade. agitacoes. V municipali Ja le do Paris sau-
    A Waterloo e a Sedan, oppoe Crecy, dou tambem o seu nascimento, vendo n'olle
    Azincourt, Poitiers, Pavi", Malpluquel para o successor do grande Henrique IV, o pai &
    nao citar senao as batalhas quo puzeram a Salvador dos seus povos.
    Franya a dous dedos d<; sua perdi<,ao o A" estas memorias os revolucionarios
    captiveiro do rei Joao, de S. Luiz, de oppdem a sua antiga accusa^So de illegili
    Francisco I ; os tratalos de -Breligny, de mi lad" contra o conde de Chambii;d, i-
    de Senli, Narbona, do Madrid, de Pans e.u sistinlo eui qur- Luiz XVIII na i pojja an-
    1763. nullar o casamento rontrahi lo na sua mo-
    Combatedepois a prcten\;ao dos realislas, cidade pelo duqun le Berry e m Miss Brown,
    os quaes proclama:n que o seu direito pro- e que, sendo nullo o seu enlaoe posterior
    cede do* Deus, Jo quern se apoJeram *x- coma duquezi de Berry, eram illegitimos
    clusivauiLnte, sum apenas deixar aos demais toJosos filhrts. loste seguo lo inajtri-monio.
    partilos politicos reclainar uern uma mo-
    desta paite, quandu na historia iiaJa os OURO \ 'IPORTADO EM INliLtTEURA.
    autorisa para esse moiiopolio roligioso. Le-se o seguinte n'uma folhi' ertran
    Passa em soguida a refutar oattributo da g^ira
    a U valor il ouro imporiado e:u Ingla
    terra, procedunte das. colnnias da Australia,
    tern ti lo no correnle anno um augmento
    notavul. Em 31 de agosto ultimo su >i *
    ssenUiin no mesmo pn icipio(a 6,213:6i9 libras esturlmas, comquanto
    istructivel, no priucipio da ;durante o m -sno perio lo de 1872 so so
    ogilimidadc na mmarchia, fazendo nular
    que a dyuastia dos Capetos nao e senao a
    tercoira das rogas roaes n'aquellaepoca. A
    sua ascengao ao throno, como a dos que o
    precederam,
    eterno e in
    designacao polo povo, c pela elei^ao. !elevara a i,082: ^81 hbras e a 4,632:142
    Depois de assim ntacar o Sr. Paulo Cas- em idenlico prrio lo de 1871. Piesta>- to-
    sagnac os attribulos do direito divino, da taes figu'ra o mezde agosto por l,9i0?737,
    traJi^ao, u do principle hcreditariu da mo- 1*71.122 e 670,039 repeclivamente a caJa
    uarchia, define o imperio, e lembra os anno.
    principios quo sao a sua base, e as necessi-, Em Q leensUn I cstd s; obton lo actual-
    dales que lhe impoem como forma unicae,mente ouro a nzao de "210,000 oin;.s por
    definitiva do governo moderuu. [anno. Dizs; tauibe.n quo os torrenas de
    No julgamenlu do escriptor, o imperio Joao Creek, a 90 milhas ao sul de Por Da-
    nao e uma quarta dyuastia, succelendo a ruim, no lerritorio Norte la Australia do
    lerceira; nao ea mo.:arcbia roaf, como Sul, sao tambem rios do ouro. Os cam
    tambem nao c a republica; mas nasceu es- pos de ouro de Auchklinl e N>ra Zdmdia
    pontaueamenlo da impolencia d'esiaStduas^presentam notavel augmento. Finalmen-
    formas de goveruo, p&ra fundar na Franca te, fizeram-se novas o ricas descobertas em
    moJerna um governo estavel eem harmonia. Bullock Crock, districto do Fingal, Tas-
    com a vonlade nacional. i mania.
    0 Sr. Paulo Cassagnac, depois delembrarj '
    que dontro de alguns mezos o principe irn- A EXP0SICA0 DE HESPANHA- -Segun
    perial terd chegado .i sua maoridade, ma- do menciuiu uma folha hcspanhola, a ex
    nifesia a esperanca de que d'aqui at^ entao, i posi^ao que hrevemmte deveri effectuar-so
    queira algum homem honrado terminar to- era Madrid vai ja sobrepujando as esperan-
    dos os couflictos miseraveis que arruiuam e cas que os proprio? inici dores tinham con-
    perdem u Franga, dando afiual a palavra a
    nacao, unica qua pode e dove irapdr a sua
    vontade soberaoa. Faca se um plebiscite,
    cebido d'.iquelle primeiro onsaio, atten-
    deudo as difiiculdades que o estido do paiz
    offerecia. A varielade dos .bjectes expos*
    e reduzam-se os partidos do imperio a!tos, a novidade de alguns e grande unpor-
    agrupar-se resolutamenle era volta de um| taucia de muitos, accrescenta o mencioqjsdo
    joven chefe, que e um soldado, e que en- [ periodicn, ha de despertar a curiosidade do
    volte nas pregas da bandeira tricolor, im-jpublico era geral, como desperta jd a de
    pord sileucio aos maos cidadaos, para que
    oii^a em todos os arabitos da Franca a
    grande voz do povo, que nao e outra senao
    a voz de Deus.
    0 VAPOR VILLE DE LLSBONNE.Em
    uma noticia que eucontramos no Jornal do
    Havre, aeerca do naufragio do vapor Ville
    de Lisbonae, alem dos pormenores ja co-
    nhecidos. refere-se n'olla mais o seguinte :
    O Ville de Lisbonne, era um vapor a
    helice; de 230 toneladas, construido em
    quintas pessoas intelligen.es teem lido oc-
    casiao de examinar os objectos collocados.
    A demora na remessa tem dilatado por al-
    guns dias a abertura. O parque formado
    cm redor d i palacio da exposicao foi trans
    formado e n um bello jardim, onde serao
    expostas diversas variedades de plantas^
    sendo tambem abi collocados alguns co-
    bertos para depeodeneias do mesmo cer-
    tame.
    ANNIVERSARIO DO PLEBlSOTO.^Di-
    lhe : a Queriam induzir nos a abandonar
    Roma, parera nuoca o fareis
    TERRIVEL CATASTROPHE. -O Cour-
    rier de Bd/te, dauJo circuiuslanciaJa noti-
    cia de um pavoroso inceudio que ultima
    mente rebenteu nas Qorestas pro\im is da
    villa de Biigeaul, e que aos Uibilantes des-
    sa localilade foi impossivol dominar, on
    consequeuuia da rapi loz vertiginosa com
    que elle se propaga aleutado por u na forte
    ventani.i, menoioni o sigainte :
    a 0 pjvo le Bog:iu 1, renuiiuiaulo a
    loiitativa de apagir o in-Muilo, preparou-
    8o para se retirar para a villa. Infeliz
    mente robeulou u.n lurbiliiao Je veoto, e
    o incenJio avaiio.ui.lo para os Haucos da
    moutanha, roJoou-o> qu.isi lHianl.inea-
    menle.
    u Imagine se da silua^ao desospera Ja
    dosies infolizes ; o logo estava aiuJa longe
    e j>*r isso uao se apressaraui em ehegar Is
    suas hihitacdes. De repente veom o fogu
    dtanie de si, procuram ii pressj uma ou
    outra sfihiJa, porein, uao eucoutram senao
    uma uarrcira t.npraticavel. Por tolj a
    parts uma lingua de ulum uas, ueiihtima
    esp'or.iooa uma morte iiud tnha e iuevitavel
    era peispcctiva I
    S-te homens de Bugo.iud pcreceram
    desla honorosj moite. Quatro oulr.s hi-
    bitantes estava iu grave.uente lendos, mas
    salvaram se por milagre. Eis como t
    m L'.u delies, coiinecendo perl'eiiamjnte
    os fecaiitosda floresta, polio a s seus ties
    uompauheiroi para o saguire n. Correram
    adiaute do ineeudi), desoera u os deeiives
    de moutanha o bem depressa chogaram ao
    leitedcura riacbo que seccara. U fogo
    avauija sempre e este esleu leu Jo se por ci-
    raa das arvores, i'ormava por sobre os fu-
    gitives uma abobada iatlam.uada. 0 guia
    or lenoa entao aos seus companheiios que
    izesse u na areia ouraeos com as maos.
    Eutei raram-se mutuameu e u mais fuudo
    quo Hie foi possivei, com o rosto pousa lo
    [i-i oil i-, e uesta lerrivel situacao esperaram
    que o logo passasse por ;i.ua das suas ca-
    becas.
    0 calor era espantoso ; soffriam as
    mais vivas dores e o ar que respiravam e
    que atravessava os estof s com quu tinbim
    coberl is a cabei;a era arJente. Estesupplicio
    durou por inuito tempo, e quando pudera n
    levanUir-so, a epiderme das custas esiava
    co.nplelamente queimada, nan sendo osseus
    corpos mais do que uma grande chaga,
    Comtudo poderam exi.air-se a trisle sorte
    que tiveram os outros seus coiupaiihei-
    ros.
    SERIA 0 REMORSO? -Dizem os jornaes
    de Paris, que fallecera o eoramuiiJante (ia-
    veau, que tao ceiobro se tornou camo eom-
    missario do goveruo, no %" couselbo de
    guerra. dos que j ilgaram o communistas
    pelos apaixouados libellos e aecUsai;oes voa,-
    tra aquelles miseraveis.
    &aveau morreu doido I
    EWTAPBIO CL-WOSO.Em uhw eemite-
    rio de1 Berlim observa-se -um singular raw-
    numeiv>'> funebre. fcoosisto em dues figu-
    ras, qvH representam um pequeno geuio en-
    treganckr a outro maio* um bilhete um que
    se I earn estas palavras &
    Por esta minba lettra de cambio,- valor
    recebido ent- alfeoto e bilelidades coujugaes,
    Jesus Christo te pagar mmediatamente a
    salvagao eterua.(( Assrgnado ) Dickouw,
    de Postdam.
    duas rn.irg.ras nesta direccao era de mais
    de 16 J pes ; a largura de 1,400 pes. No
    sitio oulr'oia escoIhiJo por Blondiu, 4 dis-
    taujia entre as duas margeus era de sd de
    800 pes
    Pelas 4 boras appareceu, na iiurgcin ca-|
    mdiana, o acrobala Balloni, todo vestido
    de braneo. Inspoccionou a or la e raau-
    dou fazer lhe algumas mudan^as. Depois,
    um oou'.-o aut.js das 3 horas, poz se en
    taarena. To Jos 0* olhires estavam fitos
    nolle.
    Logo qiK a musica principiou a executar
    alguraas pticis, cuj is meloJias se mistura-
    vara co.n 0 ruido da catjrala, Balleni
    avaucou com pa,so firme 0 seguro. As 3
    horas menos 6 minutes linha cbogado a
    raeio carainho. Estrondosas acclamagOes
    parlirara uesti momento da raulti lao. De-
    pois de ura pequeuj descanco, Balleni con
    tinuoo a perigosa marcba. Dez minutes
    depois das 3 h tras, chegava a margem amo-
    ricana no raoio de uma trovoada do applau-
    sos. 0 acrobala esiava p illido como um
    ca laver. A passigera s>bre o rio effectua-
    ra-se em lo .ninolos. B:lleni descan^ou
    durante 13 minulos 0 principiou 0 regresso.
    Chegado a meio carainho preparou-se para
    o salto perigoso, quj I'ormava 0 principai
    altractivo e final daquelle novo eipeclacnlo.
    Irapellio o irapezio para o espaco, prendeu
    ao cabo prineipil uraa cor.la elastic,! e
    deixou se e>corrcgar. Ouvio-se borbulliar
    .1 agua. mas bem depressa a cabeca do alre-
    vido artista reappareceu a supirlicie da
    asua, uadaudo era segni.la para 0 barco
    que devia recebe lo.
    A'iIl\D;:ClMEMTOS.--0 Sr. Minghetti
    lirigio ao primeiro burgo-mestre de Berlim
    a seguinte carta '-
    Berlim 2> de setembro.Muito honra-
    do senhor,0 corleal acolhimente que S.
    M. 0 imperador, a familia imperial e a ci-
    dade tie Berlim, fueram ao rei do Italia,
    iuspira a tjlos 05 coraijoes italiauos um
    vivo reconhu^imeuto. Recebo de um gran-
    de nuraero de cidades lo reino 0 particu-
    larnv.ntedo syudicode llomi, 0 coile Lui-
    gi Pianciani, em norae do 0011501110- imini-
    cipil, 0 po.li lo de expriinir-vos sens 'Jefjii-
    gas estas deraonstrmjo-es de roconheeimwtrto.
    Congratulo-rae por tor si do encarregadodes-
    ta nussao, e por poder ao mes.no tempo tes-
    tem inharvos os men* sentimentes pesso-*)s
    de estiina e do elevadu consileracao. .tf.
    Minghetli.
    Nantes em 1836 e matriculado no porte do.zem de Roma que no dia 2 de ou-tubro., por
    Havre. 0 casco do navio estava seguro no occasiao do anniversario_ do plebiscite -ro-
    de 160,000 francos e a
    L7CESCIA S0?.3IA
    MEMORIES OE SATANAZ
    POR
    D.MunoelFcrnndcyon*Ble*
    PRIMEIRA PARTE
    O GRAN-CAPITAO.
    (Coiitimiacao do n. 949j
    Havre em cerca
    carga em 430,000 francos.
    A RESPEITO
    BOH I).-Le-se o
    trangeira :
    0 recente anui versa rio
    r
    mano, 0 papa recebeu 300 menobros das
    associa^oes catholicos. Pio IX na sua allo-
    cuQao comparou os 300 visitautes com os
    DO CONDE DE CHAM- 300 companheiros de Gedeao, animaodo-os
    seguinte n'uina folha es- e dando-lhes a esperanca de melhores tem-
    pos, viste terem jd principiado as dissen-
    natalicio do goes no campo inimigo.
    conde de Chambord. fez recordar algumasj Depois desse discurso. 0 papa bllando
    circumslancias do seu nascimento. No dia j com um dos membros da deputaoao, disse-
    0 frade estava no cirao dos'tres degrdos
    da porta, e Do niuico na base d'elles.
    Uma lampada, qun ardia diante da ima-
    A lileira poz-se cm marcba, atravessando
    assolitarias ruas de Roma ate d ponte de
    San Sixto, fazendo um rodoio para evitar 0
    encontro dossoldados de Orsini que se alo- gem de uma Santa Madona, no lado esquer-
    iavam por aquelles sitios. do do portic -, por sobre uma area destmada
    0 traiecto ora grande e levaram pelo me- a receber os expostos illurainava tdo s6-
    nos uma hora para ehegar d ponte de San-'r
    Sixto. .
    A lileira ia escoltada por Dominico e por
    mais quatro homens com a cspada empu-
    nho.
    porta.
    Tudo 0 mais estava envolto nas sombras.
    Devemos advertir que em Roma abun-
    davam e abundam as imagens de virgense
    EXiiRCICIO- PERIGOSANotimdoaaez
    passado. teve lugar nas ojacJas do Niagara
    unrw passagem*perigosa por meio de corda.
    Nasduas margens eslavam- p-.stadas cente-
    nas de curiosos que assistiara aquelle assota-
    broeo espectacate. A cordu tinha l,5o0
    pes h) comprido e media' 2 polegadas e
    meia-de diaraelro. Uma das extremidaJes-)
    estava'defroute '* Cuil'ion House e a outra
    achaw-so em Prospect-Fark. A- altura das
    CACADA REVL.A fo*i official de Ber-
    lim piibltcuMi o resuttado da cacada quo ti-1
    van lugar m Hubertussioch em honra
    do rei de llatia. Foram raortos 138 vea-
    ikc cabritos taontezes, 17 gamos el ra-
    pos<. Eta foi morta pelo iraperador, que
    raatou tambem 2 veados e 3 cabritos mon-
    tezes O rei de Italia foi mais foliz, poi6
    abiteu 10 veados, 3 cabritos montezas e *
    games. A raais beHa cabeca,. ura vcado
    do loze galhos, te* 0 tropheu- do principe
    Froderico Carlos.
    PREDICIIAO. 0 astronomo hespanhol
    Castillo, pa'rticipou a um diario sa*agocano,
    que, segundo as suas observances-, haverd
    ate ao dia i de setembro, chuvas- geraes
    eia quasi toda a peninsula, trasbordando
    variosrios, palo que dewm estar provenidos-]
    os lavradores.
    CORAGEM BEMJNINAv 0 New-York-
    Times, da conla de um concurso de watagdo
    entre senhoras, que teve lugar em Barlera
    River,, no dia 7 de selembro. A6 senhoras
    concurrentes eram dez. 0 premio era um
    costume da seda, no valor de 175pesos, ou
    aproximadamente 40 A distancia-a per-
    correreradeumadegua iagleza.
    A meniua Gobeefs ganhou apKrtm*;.he-
    gou ao-termo em quarenta ininutos. A me-
    mna Coltoii, chegou em segundo lugar.
    A menina Denan, ia na frente de ambas ;
    mas abandousu a corrida para ir em auxllio
    de um mancebo que cahio accidental mente
    ao mar. Os espectadores resolveram otTe-
    recer lhe um rotegio de ouro, como recoia-
    pensa da sua coragem e da sua dedicagao.
    0 QUE FaI A AMBICAO.Appareceu um
    novo especulador, laJrao e assassino, seoie-
    Ihanto a outro de que ha pouco demos no-
    ticia ; aquelle celebre meJico americano,
    quo mateu um preto, esquartejou poz fogo
    d casa no inluito deserem os fragmentes do
    corpo hu.nano quese oncontrassera tornados
    pelo do medico, ea familia deste receber um
    seguro de vida, importaucia de 20,000
    dollars; somma que effoctivamente rece-
    beu.
    Agora 0 outro imitador soguio camiobo
    analogo.
    0 caso passa-se igualmenlc nos Estados
    Unidos.
    Um tal Pool tinha segurado a vida em
    23,000 dollars. Sobre prates to de que ti-
    nha invcuta lo um novo systema ilo ortir
    ooiro-, eucerra vase todos os dias em sua
    casa, para fazer, dizia ele, suas esperiencias
    com uma ossencia de mineral.
    Uma bella tar le, appareceu a casa a ar-
    dor, e, quau lo o inceudio foi exliiicto, en-
    controu-se um cadaver, qua Boardu.iihi, ir-
    mao Ja Sra. Pool, aflirmou sobre su pala-
    vra de honra reconhecer que era de seu eu-
    nhado. As companhias do seguro foram
    coodemnadas a pa gar o premio.
    Porera. mais tarde, Boerdmann abandonou
    o paiz e foi para outro estado encoutrar-se
    com Pool, que nao tinha tnorrido assadov
    mas esiava sdo co:no um pero.
    Naturalmente Pool nao quiz dar grande
    quinbao na parulha do logro pregado ao se-
    guro, e d'ahi resultarani d< saveix;as que de-
    ram origera d um novo crime. No calor de
    uma disputa, Boardmann maton ocunhado,
    cuja morte por segunda vez vei a ser re-
    gistada.
    Coiutaodo isto a companhia lesaJu inten-
    tou acc,ao de reiviodicacao, porem, nao en-
    con'.rou a viuva, ;m bens quo peuho-
    rar.
    Pelo proeesso criiwe quo correu centra o
    aisassino da Pool, seaveriguou, natm'ahneu-
    te por conffesdo do pfoprio reo, que ceada-
    ver carbonisedo', que si; encontrou ente os
    ontulhos do predio iucesdiado, era 0-da-ura
    desgra^ado mendigo, que o infame Pool,
    ajudado por sou- cunhodoy mais tarde'sau
    assassino, havie-feito morrar. arrcinessando-o
    vivo para o foco do incendio, e iiiutdisand*-
    Hie os meios dfc poder fugir I
    0 tribunal que julgon oscelerado Board*
    Maun, condemnou-o d morte.
    Depois de alravessar a ponte, a lileira pe- santos metlidos em nichos nas ruas alluiaia-
    netrou nas esireitas viellas da ribeira e en-'dos por um lampada.
    trou na rua do la Longaretta. N aquelle tempo era aquella
    Ao ehegar d esquina desla para a de S.: luraiuacao uocturua de Roma.
    a uuica il
    Sobe e ajoelha, disse o frade com voz
    portico de um edificio antigo depedra, no;secca. vibrante e severa.
    Gallicano, a liteira passou pela freutedOi
    M FKADE QUE A PR1MEIKA VISTA PARECE UM
    nr.MOMo.
    Retrocedamos.
    A's dez hDras d'aquella mesma noite che-
    gara ao postigo de uma grande casa, cuja
    porta principal currespoiidia para a praca
    de Hespanba, um homem erabu^ado.
    Aquelle aomem deixara, u'uma encruzi-
    Ihada obscura, uma liteira conduzida por
    dous homens, e outros quatro que deviam
    f coltar a lteira. Apenas chegou ao posti-
    go, 0 homem batou n'elle tres pancadascom
    o cabo do punhal.
    0 jostigj abrio se, dando sahida d uma
    mulhorembuca a n'um manto, com o ros-
    to encoberto por uma mascara que disse
    com voz tremula ao personagem que havia
    batidci : ,
    Ondt estd o seu senhor, Dominico 7
    No sitio do costume, minha senhora,
    respoadeu 0 embucado.
    Para que sahio elle com esta noite 7
    [Sao leconliecosteno cadaver do homem que
    foi assassir.ado.esta tarde, 0 pobre Pietro 1
    __Pietro era demasiaJo imprudeutee
    prov cador, replicou Dominico, e Roma
    estadntVsteda pelos bandidosde Orsini, gen-
    ie d qoem nada matte medo.
    E polos esbirros de Cesar Borgia, ac-
    crescsntou a senbora. Sorprandi duas ve-
    zesoolbarftrritel de Cesar, olhar ternvel
    e cruel, fi:to no duque de Gandia duran e
    a procissiio. Teu amo odo devia ter sahido
    de cssa wta noite ; receio tudo. Deixas-
    te-o Bm soguranca na Longaretta ?
    Sim, minha senbora, ndo temos nada
    a teioar. Se quizessem assassinar 0 senhor
    duque, 'sstiwunoa muito tempo d porlada
    casa He Pietro, quo sabiaraos ndo poderia
    4brir-aos. ate que oonseguimos fon^r a fe-
    <4dtira ([ue po.r fortuna era velha.
    QfiimDeus que tudo isto sejam ape-
    nas tpaios do meiiamof;^ Varaos depressa,
    Dominico.
    Ediru;io-se apMMadamente pata aen-
    cruzilhtda onde asUva aliteira para a qaal
    entrou.
    gosto grego-romano, em cujo^ngulo se er-|
    Dominico subio os degrdos e ajoelhou,
    uorre sombria | nio. diante do frade, mais diante da porta
    ' Era aquella d que chamavam a Torre dos .da igreja.
    Ti Pnforeados Juras, prosegu 10 0 frade, perseverar
    Por baixo da torre, no muro, junto da na tua obediencia ao mestre em semepde
    esauina, havia um nicho de pedra no qual Deus e da sua santa igreja T
    Sviiuma tola denegrida, representaudo | Juro, respondeu Dom.D.co com voz
    o Ecce Homo, frouxameute allumiado pela (firme.
    l.aTuma lampada. Q* Santiss.raa Trindade seja com-
    A'escassaluz da lampada, podia ver-se tigo se cumpnres o teu jurameote, e nio
    que adama, que sahira da liteira para en- Icurapnndo, que a tua alma pertenca d sa-
    trar n'uma pequena casa pegada d casa de lanaz.
    pedra, era alta, esbelta e genii"
    Os cinco homens que esooltavara a liteira
    e os dous que ate alii a haviam conduzido,
    cheiravam muito a assassinos ou bandidos.
    Amen, disse Dominico.
    Levanta-te, replico'i o frade.
    Dominico levantou-se a o frade desceudo
    os degrdos do portico voltou, seguido de
    A'd'aina pnetrou'na"casa e os homens e Dominico, pelo "mesmo caminho por onde
    8 traterrurpttedefora, encosta-1" Alegar t^^**
    do i porta e silencioso, firraando-se na as-;da ruade la Longara para a de la Louga-
    _ nl I a trnv
    INNOVAQAO. Um jomal francez tras-
    ladu do Echo ftorueguez, uma noticia in-
    teressante, que dJK assim :
    Occupa agora a altenca- um facto de-
    grande iraportancia para a arte da pesca.
    Os navios noraeguezes adoptaram -ua
    navegacao e nas embarca^Oes eosteiras, o
    usado-telescopio tro- introduziram tambem
    na- arte da pesca. Ti>dos os barcos de Pes-
    cadores estdo munidos de ura teloscopio de
    tres-ou quatro pes daaompriraento.
    Mergulham a eiliemidade do telesco-
    pio M agua e assim conseguera dist'mguir
    os objectos a 10 oa (& bracas uV profundi-
    dadey.como se elles estivessem aVsaperjioie.
    Comptebender-se-ha de quant* .alflalade
    uma tal descoberUi-serii para os--Pescado-
    res.
    L1CENDIOS.X bibliotheca doaehateu.
    em Manclwster, foi pustodas chanwaas.
    Proximo de viiUe mil volume* se por-
    deram. '
    As-perdas totaessao eaiculadasemi 12,000
    libras starliuas.
    Tambem ardeu uinedifi sio da-dazentes
    metres superficiaes, pertencenta-ao novo-
    hippodrnmo quese esti construiado no-
    hosqpe de Boulogne, e se devia.ioaugurar
    no di*- 1." de navemfeco.
    retta, travessa formada pelos
    nda
    casa de aate7*'u&>r** p0 de s- Gallieano, te as escuras, o frade |
    muros dos
    Papouco depois appareceu na esquina da jar dins de^.g-^l^. r"tnl
    ura vulte" alto, bran^o e preto
    Era um frane. cabeca descoberta
    Ohabito e 0 manto eram brancos. e 0 de respeito.
    capuzqnelhecobria os hombros, preto.
    Viste dluz da lampada, aquella figura pergmitou oJrade-
    era completaraente phantastica. 1
    0 frade atravessou por diante
    Dominico
    que 0 seguia, parou lambem, sempre com
    e inclinada eui signal
    Sabe alguem que estou em Roma 7
    rguutou o frade.
    __Ninguem, respeitavel mestre, respon-
    do nicho deu Dominico ; meu amo, que tem em mini
    do^c^-iYomo.'-p^ssou por'junto de Domi- grande wnfianca, nio me disse cousa algu-
    .*', ma : nada sabem lgualaiente nem Michelot-
    "TmTnfcofo \n elle como se paella to, nem.o,.esbi,ros de Cesar Borgia. Car-
    ohantasraa 0 arrastasse los Orsmi ignora-o compleUmento.
    v __Cegam-os a ambicao e a impureza,
    o frade adiante e Do-' disse 0 frade. Deus aisim 0 quer, por isw
    atra ate que chegaram d uma tra- que p6e uma venda nos olhos dos reprobos
    ui1:.l neLraram na rua da Lon- 4 quem .sentence. 0_ beraga. o eicom-
    um
    que parecia
    corasigo.
    Contituaram assim
    xiraa-se do Vahcana, e o vgucauo osoillara
    gara, segi
    Regina Casli. quando elle lhe tecar, porque u guia a mdo
    Alls parou 0 iraue. .
    A.douspasses delle, perroaneceu immo- de Deus
    Alii parou 0 frade.
    vel Dominico, c nio. a ca- Depois de um breve silenoio, o frada pro-
    beca inclinada cm signal de respeito, e a seguio:
    outra mao apoiada na espada cuja ponU Q*> novidades ha
    .desaancava. no pavirneoto de romore dQ. Boas e mas.
    i portico da igreja. t VJ*mos. .
    Dominico t
    As boas sdo-queos BuiTgiasse despeda-
    caa : esla tarde fui morto Pietro Basti, por
    ura dos esbirros de Cesar.
    E essa morte tem alguma relacao com.
    Giovanni Borgia ?
    Tem ; .Pietro ia| avisa-lo de que se-|
    acautelasse, porque havia pvrigo para elle.
    Pouco tempo antes de ser morte, Pietro Bas-
    ti bavia-mo iallado para que avisasse tam-
    bem meu amo sedlo 0 nao podesse fazer.
    0 perigo ora imminente de um momento-
    para outro. 0 Corso, a praca del Populo,.
    a de la Colonna, e todasas-ru.s iminedia-
    tas, estavam cheias de mascaras. Os esbir-
    ros de Cesar Borgia, couiundiam se com
    ellas, umalvoroloqualquoi podia interrom-
    per a proctssao papal, isolar 0 duque de
    Gandia, po-lo ao alcance de am pnnhal.
    Pietro ouvira de dous bravi estas palavras :
    Se nao hoover confusao, se nio poder
    ser agora, logo era Rioue, ou junto do pa
    lacio Poruese : estejam prevenidos. Pietro
    recouheceu nos dous braoi, apezar de: que
    levavam mascaras, Paulo Michelotteeum
    dos esbirros de Cesar Borgia. Pietro-sabia
    perfeitameute que o duqiie de Gandia vive
    no palacio Fornese e que esta noite linJi de
    passarem Rione para vir d rua de la Longa-
    retta. Julgou. e com razdo, que a vida do
    duque esiava ameacada Encontcou-rae por
    acaso, e disse-mo ; a procissdo aproxiina-
    va-se ; 0 duque de Gandia vinha a direita
    do papa e Pietro rompeu por entre a mulli
    ddo, que nos separou. Pouco depois ou-
    vio-se um grito e houve algum tumulto.
    Pietro Basti havia sido assassinado. Pro
    vavelmente, tiuhara-n'o observado, e eu
    que receiei que suspeitassam de mi a, per-
    di-me entre a mulndao.
    __Ndo atraicoaste a causa de Deus? disse
    o frade. Lembra-te de que diante do seu
    tetuplo renovaste o teu jurameote de fideli-
    dade.
    0 duque de Gandia ufto sabe cousa
    alguma.
    Despedacam-se os Borgias. Deus assim
    0 quer, disse coin voz rouca o frade ; sAo
    ertes a maldicAo e a corrupedo de Roma ;
    unam os seus crimes, as suas irapurezas j
    os malditos devem cahir sob a raaldic,do do
    Spnhor
    Angiolina Crespi, d quem acompauhei
    pot ordem do meu amo, desde 0 palacio de
    Urbino ate i casa de Pietro Basti, vio no
    assassinate d'este uma ameaca ao duque de
    Gandia, e estd alerrada e possivel que 0
    aviso.
    Couio 1 disse com voz tremula 0 tra-
    jde. AugioUaa alraigoa-nos T
    fjoraina-a a paixdo.
    __Oh 1 as mulberes esldo infeccionadas
    por aatfli""* I Sdo unica mente came e raa-
    teria corrompida que tjioa froquentes vezos
    a forma de um anjo.
    JaMhe disse respeitavel mestre, que era
    muito arciscado langar uiao d'essa joven
    para servir a causa- de Deus. Sao ambos
    muito formosos : elle possue a arle- da se-
    duc^do,. ella nao nmou nuoca.
    Ok-! serd oerto que Angiolina nite sen-]
    tio nunca- ;imor ? exclamou o frada. de um
    modo estranho e- terrivoL
    Assim o ccfr 0 duque de Gandia, que,
    quando se trala de muiLeres niio se engaua
    nunca. As joveos edueadas nos conventos,
    estao mais expostas do que aquellas educa-
    Jasno mundo, sao.deatasiado inoocontes ;
    estao aaoiosas de tudo j engauamrse com fa-
    cilidade ; julgam ser amor a'peimeira infc-
    pressao- que um h.jraea Ihes causa, e quan-
    do araam verdadeiraroente, nao ha nada que
    ascontentia. Rpito, veueravel mestre. que
    e muito arriscadodan^ar mdo da joven dama
    da duqueza de- Urbiuo : e demasiala. for
    mosa 0 siiccedeu o que eu esperava. Odu-
    que enaraorou-se d'ella, e ella em vez de
    atlrabic a duque d Reforma, foi attraida
    por elle. Felizmente, Angiolina' ndo nos
    vendou aiada, mas pode vender-nos, Tal-
    vez quo esta noite, cedendo ao Heraor que
    -X Vejamoa, replicou elle. *
    Eu tirei da algibeira a chaveda porta. da.
    Torre dos Tre^-Enforcados e diss# .'
    Esta chave vate- cincoenta lescudes da
    sente pelo perigo do duque, noa atrai^oe.
    Cumprio-se a minha prediccai^ respeitavel
    mestre.
    Em tempos de ILbertinagom e corru-
    pedo como estes que atravessamos, 4 necos-
    sario lanjar mdo, omfjvor da justiga, dos
    [mesmos rnoios de que se valora. a tyranniaa
    a infamia. E* possivel que te tenhas enga-
    nado ; e possivel que Angiolina se finja eua-
    morada do duque para n dominar, para o
    attrahir, para no-lo entregar vencido* Oh 1
    ndo, Angiolina ndo pode ter-nos atraicoado.
    Terei eu perdido a intelligencia ? Ter-me-
    ha 0 Senhor negado a sua lu?
    Sinto repetir lh'o, veneravel mestre,
    disse Dominico com firmeza, Angiolina araa
    0 duque de Gandia. Qua:ido esta noite
    sahio pelo postigo dos jardins do palacio de
    Urbino, perguntod-me anciosa pelo duquo
    A voz treraia-lhe, estava atorrada, tardava-
    Ihe ehegar para 0 awisar ; ndo, eu ndo me
    engano ; a filha do advogado Crespi ama o
    duque de Gandia, com todas as rorc,as da
    sua alma.
    0 frade soltou um rugido de colera, de
    odiO, do vinganca.
    Quero ve-los, quero ouvi-los immedia-
    tamente 1 exclamou elle.
    Outra imprudencia, replicou Domini-
    co, e uma imprudencia inutil. Oduquede
    Gandia sentenciouse d si proprio. Eu fui
    dizer 1 Michelotte : a Camarada, quanto
    me dari,aa tu por um segredo, pelo qual 0
    duque Valentin4 te desse um thesouro ?
    amo 7 perguntou Michelotte.
    Sim, porque toca do muito pertQ
    sua ircaa Lucrecta Borgia.
    otiro.
    <( porqua vale Unto ouro assa cha*rT
    Porqua 6-a chave da cssa deshabita-
    da dos Tres-Enfor :ados.
    (( Masque iraportam essaj.ehave a ess a
    oasa d meu amo Cesar Borgia*, d. sua imia
    Lucrecia ou d.mira ?
    N'esfa casa tem esta. noite umaen-
    trevista d* amor o duque de Gandia-e a
    formosa Aragiolina Crespi.
    __Ah exclamou Michelotte querendo
    apoderar-se da chave.
    Devagar, camaradav. disse eu, esla
    chave troca-se por cincoenta escudos.
    Mas, corao e que possuindo eu 0*
    tu essa chave, podera entnar na casa encaa-
    tada os dou&amantes ?
    __.0 duque de Gandia e a tormosa An-
    giolina entrara na casa dos Tres-Koforcalos,
    poa uma porta secrete da casa. Inmediat 1
    do- barqueiro Pietro Basti.
    Michelotto fera ao caliijr da tarde, e
    estevamos em sua c-sa) contou cincoenla,
    ascudos de r-uro, dea-rn'ose eu entreguei
    lhe a chave. Ndo ha, pois. nacessi ladfe,,
    respeitavel mestre^ de qoa xd d essa casa.:.
    serd Lucrecia Borgia quo vd Id, e tal vet qua
    JAM esteja.
    De todos. os modos d necessana que
    eu vd exclamou o frade. Mas como bei
    de eu entrar se essa chare foi impremidita
    damente vendida por tit
    __Ndo. importa, replicou Dominico, se
    quor enttar, entrard ; jurei-lhe obediencia,
    e tenho comigo uma chave mestra. H.
    muitas vozes necessidale de umhomemfa-
    gir, esoonder-se, a 0 melhor meio para isso
    e abrir a porta que se encontra e fecha-Ia
    em seguida. Uma chave mestra 6 Ido ne-
    cessaria como um punhal a uma espada.
    Descanse, pois, reverend mestra, porque
    entrard na casa dos Tres-Knforoados.
    Vamos immediataraente, disse o frade
    com voz tremula de impacienoia.
    Dominico comecou a camiabar apressado,
    seguido pelo frade.
    Penetraram na rua da la Longaretta, che-
    garam d porta da casa dos Tres-Knforcados
    e Dominico abrio-a.
    Depois de abarta a porU appareceu um
    corredor escuro no qual penetrou 0 frade.
    Dominico fechou a porta, e voltou para 0
    seu posto junto da casa de Pietro Basti, on-
    de 0 fnde 0 tinha eiloontrado.
    (Continuarse-ha),
    > -

    lTYP.DO. DIARIO RUA DUUUK DK U.WA5
    MM
    *


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16717


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AAXO XLIX. XUKL'RO 281
.
*A*\ A CAPITAL I.IG1HFJ GXBE \1 SB PAA PORTE.
Mtr '"*". ::::::::::::::: ,35s
Por urn anno idem.................. jy
Cada naiiuero avulsc.........., '.'.'.'.'.'. '.
SEXTA FEIKA 31 DE OLTIBRO UE 1875
PARA II K.VTRO E FORA 1>J\ PROVISCIA.
Por tret mezes adianta.los............. .-
Por sets ditos idem.................
Por note ditos idem..........'......
Por urn anno idem.................
7W
*n*M
RMMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILHOS.
* Sr. Gerardo Antonio Aim & Filhos, no Par*; Gonplyet A Pinto, no Maratihao; Joaquim Jose de Oliveira d Filk>, no Cnara; Antonio de Leiut* Brajja, no Aracatj ; Joao aria Jalio Cbaves, no Assd; Antonio Marques da Siira, no Natal; Jo* Just
Pereira d'Almeida, em Maraanguape ; Augusto Gomes da Silva, ua Parahjba j Antonio Jose Gomes, ua Vi!a>>i Penha; Beiarmino dos Santos Bulcio, em Santo Antao ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazaretb;
, Antonio Ferceira uVAgujar, era Goyanna; Jofio Antonio Maehaeo, no Pilar das Aiagoas; Alves d C, na Bahia ; e Leite, Ccrquinho & C. no Rio.de Janeiro.
PAKTE OFFICIAL
-.--------------------------------
IKaworuu da puviuciu.
KXPKOIEKTi: IMJ DIA 20 UK MS >STO DiJ 1873.
/* xrrojo.
Odicios :
Ati Bxm. brigadeiro eniiiuundanie das i-
inas. Mande V. Exc. por em libenla-ie o reenita
Antooio Marinho Falcio, iinU IT f.ruv.nl.i isem-ao
legit.
Ac mesmo. Sirvase \. Rxo. de iimnd ;r |n',r
em liberdade o reerula Ploriiicij d-t Costa VtMJo-
so, que provou iseuv-io iogal.
Ao capitii do porto.Chamo a auenciio de
V. S. sobre abtiso conimno de se lirar perti-as
mos recile* di Boa-Viagem e pi>.xiuudOe*, be*
I'omo para a e >ostruecao J.; cnrraes que prejinK-
'ain a navegacAo ; provideiiciando a respiio .mni
julgar convenimte.
Ao cowman lant- do vapor de gmrra h>-
life.-Pin sauVaeao do que sid.eilu i (i cofcttil
ile Hespnaba em ouVio de 16 do rerremV, inior-
ftje Vine si a Lord i .4a eervela de guerra commando oxisle < u existki algum sulxiit-v hespa-
nhol cocitraetad", phr que Maw, o sen canpnaju
a bordo, si lee guia de desembarqtie nest* pWto
e om que diiia. o borax e apnellido do mesnwl
subdito, equil a miCndaOe qun Ihb cn.-elou I
permiss.io pura se por ao servi-.u doa navj gui-rra do iinpi-rio.
A." *eci;Ho.
Actos :
0 iHMidwte da provincia, atn.-nd requcreu o tacban.1 l>n Clinnro do Buirtto g"nd0 l)rof),J ,)m c,uJ" Wnnafao.
Santo, joia municipal e de orplia. d) tartno do rxnomnt do sfxbetahio.
Bora Conselho, rw-itvu proro^ar por nuw um iniu ^- .
a licence que Ihe foi couceJida a a lu juiho pro* |
jcimo paasado.
Ctaiiilina Maria du Heo, concedendo \m- ej.i iak-
'npi i no quadra a sna lilha do uome Maria, aV) que
Ir.iia ii u olll in de U) do correote, auli a. ,>ii.
para ser re<:ol.ii4a ao eoNegio das oi jaa4a jiun l;i
houver vaga. Aconi|:anha a este a repe.-t v,i cer-
lid.ii i ne edade.
- Aji pro-areaaiMla 4m caniara niuuicipal'du
haniW. AeniM r*Tlido d oiieio de Vine., d>*
i.1 ae julho Undo, iKHiiuMHiicamli) luver u mteado
o fmtmar Pedro Rati< de Inujiwa Varejao para o
carjfa d aferidir. lim resposU tenha a djaer-Hic
que s go provisoriaiueiru', cumpre que V'roc lee a prava
respeeliv.i imansio logy que se apreseuiem com-
ourtea** aaaaiudo*. uua ter-nos das insiraceues
citatas no m ailodido oUkio.
- Ao HajaWida freguesia de S. Krei Pedro lion.
calM do Hecife. Amunuiu ao qaa ex pus o um<
aanur da-tbeaamaria de faaettda Ml otiloio de maio ultimo, #*> a 770^ rio B, recviuieeaJo
a V. Kevin, que eumpra iiaposio no ragalamento
de SI de jnaho de m\ daatdo aaianeia aquella
n-partieio do fallecimento de qualquer peiioa re-
.oidi'iite nessa fregue*ia, que pereeber vencimento
do o-tad Ignaes a tanVkt os vijfarios das fregue-
sia* da pro\incia. .
'aaaajii
OluVi..
- An engeiilieiro ebule da rrparti./io tUi obraa
puMieaa. Em viata de mia iufonnzgao de 16
do corrente ob n. 318, tmmit \me. ur$ar a de-
peaa a fazer se com o* naaarw dos apparelhos ne
ewsarlos. toilurados no gynioasio provincial, bero
i-oiiki com o nov< ewMiiamemo para collocaeau de
0 presidiiutc J.i iiruvmaa, .iiiendendo ao que
requereu o baciiarel liuiiiio Augusto ds Almeida,
jdministrador da casa do deteticau, reiolve coaee-
dor-lhe i> uieies de Iwoii'.-a com loJo.i os renci-
anentos.
0 presid mie da provincia, a viU do offlcio
<)o Dr. c'jefe de pilici.i, n. liiio u.- I'.l do orrente,
reM>lve (untediT ao barao das Heroes a nxouera-
oio por jlle pt.di la do cargo do deiegado do ternio
de Ipojuca.
0 presidenie da provincia, de conforiuidadi,
com a proposti do Dr. pliefe de policia em officio
J1. 1155 de 19 do corre.uie, resolve nomear para o
cargo de dele^ado de policia do leniHi de i|K)juca
ii cidadao M.miel iluilln Waudcrley I.ins
Officios :
Ao Dr. chef: de policia PruvideiKM V. S.,
alim de quo sejatu recolliidos aos eslabelecimeul is
Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAQQS0KOA_ILUZOL INGEST_TIME 2014-05-27T22:21:55Z PACKAGE AA00011611_16717
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES