Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16716

Full Text
' -- ._
QUOTA
i
r.AHA A CUBITAL B flftABKS OVUK SAO SIB PA6A POUTH.
For tres mezes adimtados................ CSOOO
Por sois ditos idem................. 13*000
for um aniio idem..............'...'. 14*000
.......j.....,,.!*. no
Cada nuuioro avulso
____ >_
S0 E FOatA DA rnovisciA.
for trea man* diantados................. crr&d
for aais dkoc idem...................
for neve ditos idem ,..............
for oa anno idem. ,.............. ffpiQ*
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEtflOA DE FARIA ft PILHOS.
0$ Sn. Gcrtuilo Antonio Alves Pereira d'Alraeida, em Hainanguape ; August** Gomes da Silva, ua Parahjba ; Antonio Jose Gomts, ua Villa da Peaaa t JJdannino dot Santos Bulcao, em Santo AnUo ; Domiojoa Joae da Costa Braga, em JSaxareth;
Antouio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no filar das Alag6a*t Aires 6 C, na Baiua ; e Leite, Cerqoinho d C. no Rio.de Janeiro.
Jost ,
PARTE OFHCIAL.
inoveriiu tli praviuela.
EXPEDIESTK DO DIA 19 D8 Afi)ST) DE IS 73:
1.' terriio.
Offlcios:
Ao Exm. brigadoiro can ninlau.e d;u an-
nas. -Coraraunicu a f. Exc. que nesta data mm
dei satislazer os dous podilos de armament os i|ite
fez 0 9* balalhi) de infantaria, MS q ie allude ii
seu offlcio de honiem data Jo, sob n. 82 >.
Ao mesin o. Coin a inclusa copia r-
ao presiada r,elo Co nounbate superior da guar-
da nacional deste ainnieipio, reiativa nsa'e an
soldados do 16 balalliau de infauiaria, Map n-i Go
mes doe Santos, Ploroncio J <*c da Onieoieij) c J is-
tiaiano Jose da Rodin, respond > ao ofli'its d V.
Exe, de 9 de junh-> ultimo, sob n. 596.. ?
Ao mesmo. -Pod; V. Exc. in.uidai p>r e.u
liberdadc rs recruias, Rayinanlj Pereira. la Siiv.i
e Francisco Xivier do Rego, vist) serein.'ineapazo-
do servico miliiir, seguudi o lermo d: ins|K. annexo 1.0 seu offi:io de homem dai;*d','*ab a.
*27.
- Ao director do arsenal de guerra.--Vole
Vmc, com j solieita em sen olH do ie lioiitem da-
tado. sob n. 4(51, contractor cum o dmo ou mostru
de algum navio de vela a c mdueeao, para a pw
viocia do Ceara, dos artig-js dtwtinados ao res|n:cti -
vo deposito de objirclos bolbco-, menciyoadji ua
Tdacao anaexa ao seu citadioincio.
Ao ftngeiiheiro das obr.is inilitares. -Em so-
lucao ao teu olBcio de li do co rente, sob u. 40,
declarollie qw. *e euleudi com o arriiuialinte da
caiaaura e pintura ita fortaleza do Urum, Domin
Sos Francisco Daraes, no s midodj ser a .;xccuva >
esse servi^o tran-f<;ri(Ja para depois da euadusau
das obras que se vao f.azer na mesma furtaleza ; e
no caso de nao querer o rui'urido anematantu su-
jeitar-se a esta cuniief.io, d;ve Vine. cmisiJerar
rescia lido o contracto com ulle culebrado, e em
tempo opportuno cliamar nova con;urrencia para
as mencionada? caiadara e pintura.
Ao eonwla > de eoinpras du arsenal de gaer-
ra. -Prornova o eonselira de ewanras do arsenal de
auerra o forneeimento dos artig.is couslantes do pe-
dil) junto, 6o9i destiuo a companliia de aprendizes
inenorcs do auMno arsenal e ao respc-tivo almo-
xarifado.
2' srcplo.
Aeto:
0 presideute da pfiwimsia rnsolve designar o
capitao Joao da Cunlia Soarcs Gaiinarae.- para
oxereer as fanecoos de major do :j' baialbao de
infantaria do servico de resenra Ja guarda nacio-
nal deste munieipio.
Offlcios :
Ao desembargador procurador da coroi.
Sirva-s!> V. Exe. emittir o seu parecer Mbre a du-
vida pruUiMlapel > juiz municipal supplente-emexei-
eiciodo tennj de T.icaratu no olllcio junto ig 31
do mez proximo passado, que devolvera com o dilo
liarecer.
Ao Dr. rbeie de polieia. -Louve V. S. aoalfe-
res Tude Pinto Craspo peto acio que praticou
pre3tando-se caridosamente a curar dons prezos
do termo de Bom CoUselho, segnnd seu offlcio n.
4439, de 14 do coirente
Ao mesiuo.-Recominenlii a V S. que pro
videncie de inoJo a ser arrtcadada a anna e cor-
reame dislribuidos ao guarda nacional do 3 ba-
taibao de iufantiria Manoel Joao da Caaba, que,
teado side rocnitado, j;i seguio para o Rio du Ja-
neiro.
Ao mesmo. -Transtnitto a V. s, para seu co-
nbccimento, p.)h.)ia do offlcio, que sot n. 8i0 e data
de Ii do correate aie dirigio o Exm. cuinai indaule
das annas, relativaaien'.e aos actos crimiiiosos at-
Wibuidisapr.iiasdu exerciio, que peraoitarain fo
ra dos respecti'os qnarteis.
Ao Eonuiliindaute superior da guarda nacio-
nal de Serinhaem.Expe-;a V. S as su.is ordeos,
.ifiai de que se,a dispetfsado o sargento da guarda
nacional, que .-o acba destaeado em Serin aem,
ticando as pia.as sob o eonunaado do de po-
lieia.
Ao juizde direito da I' vara civel desta ca-
pital. -Transmitto a V. S., para os devidos lins, a
guia junta diiscnleueiado Liciaio Jose Gomes, exis-
1ente na casa de det 'neA>, a qnal pelo Etni. presi-
dente da proviucia da P.ira iyba me foi remetti Ja
em offlcio de 11 do eorrente.
Ao uotninandante do corpn de polieia. -Mau-
de Vmc. desiacar em Vieencia e na Gloria do G>i
ta 1 inferior e & araeas do corpo sob c seu com
.rnando, floandk eada u.n dMsei desticamentos a
disposicao das respoclivas auloridades paltdaos.
Ao mesmo. -A" vi-ta do qae, fund ado em at-
l'--tado medico, requeren o capitao do corpo sjb o
sea commando Francisco deSiqueira Cavalcante o
do que ioformoa Vine em offlcio n. 466, de 18 do
correate, seja c mesmo capitao dispensado dos ser-
vi^o.' de que tiata o seu dito offlcio, p 'lo espaco
de tempo que ihdica, e julga necessario para o seu
i eitabelecimenlo.
3.' secrao.
offlcios:
i- Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo nesta data autbrisado o gerente da compa-
nuia Recife Drainage a vender a junta da Santa
Casa de Uiseri:ordia desta cidade dez apparelhos
de latrina e caaos de esgoto, de que a mesma
Santa Casa piecisa para o collegio das orpbas
em Santi Tbcr.-za, pagando Wla na alfandega os
respectivos direitos, por acliar .-.e aqnel.e e-tabele
cimento fora d. perimetio da cidade ; assim o
communico a V. S, afim de que faca constar ao
inspector da referida rvpartirao.
Ao mesmo.- Tendo our despachu desta data
n^fado provimento ao, recarso inierposto pelo
oironel Agost nhu Bezerra da Silva Cavalcante
da decisiio tomada por V. S., de adiar para nova
jiraca a venda do barravao que servw de qaartel
da caval aria, pelas razoes expostas em seu offlcio
de lido eorrente sob n, 834 aerie D; assim o
communico a V. S., afim de que inande proceder
a venda. do raferido barraeio em tiasta publiea,
nos ter nos d > aviso do ministerio dos negocios
da fazenda, de il de jullio proximo passa Jo, pre-
cedendo nova avabacao, para o que servira de
*ase a.olleria do k:tol, que fez o recorrente,
visto esrar reconh**ci lo ser inuito baixa a de
2:8JW dada aqtieile predii.
Ac mesmo. Comniunice a V. S. que o pro-
motor publico da comarca de Villa Bella, bacbarel
Fie! Vleira Torres Grangeiro, por offlcio de 2 do
eorrente offereceu ciuco por cent > de seu orde-
uado, a contar desle iuez,ijpara as obras do asylo
dos alie.iados; alia de que sejam elies des-oiita-
dos raensalinciile e renietlidos a Ibosouraria pro-
viacial i dispo-i.ao desta presidencia.
Ao mes'iio. Achando se gra>emenle en-
lerma e.eom probabilidade de fallecer uina pra^a
de marii)ha.,recolbidf a enfermaria do arsenal
do inarinha, nunde V. S cntrggaT ao^t* enfor-
luc.i'o .Autjiiiui'jaiicisei oa" como solieitou o rsspectivo inspector em offlciu
de que, dada ta! oecurrencia. se p)ssa fazer at
ilespeza* com o euteiro da teferida pra{a.
A> mesaio. -Transmitto a V. S. a folha, re-
lacao Qommal e pret juntos em dur.licata.anin
de que nance pagar a quern se mostrar compe-
leatemente aitorisado os vencimentos do deatac*-
meuto cia guiirda nacional existeule na villa de
Garanbiaa, eoacerneotes ao mez de julbo ultimc;
confornie soliciioa o respectivo coramandante su-
perior interi 10 em offlcio du 4 do eorrente.
Ad me .mj.-Ficau aooaadas as fellas quo
deu ao respeetivo exerciciu, jwr motiv.i de ino-
lesiia, o bacbarel Ernento Vjeira de Mello, prouvi-
tor d i f'.ilniares. n. dias 3, 4, S e 6 do eorrente ;
o que declaro a V. S. para os lins coiivenieutes.
Ao iiies.aoFicain abonadas as fattas que,
par inotivo d* niolestia, den nos lias 4, b o G do
eorrente o juiz municipal da Agaa Preta bacbarel
Manuel Annes Jaeo.n Pires : o que declare a V
S. pal i os devidos lias.
- A.i inesino. Traosiiiitiii a V. S., para os
Has e.iuveuieuies, os 7 inclusos ex.'inplares das
colleccoes de k;i< do anno |iassado, sendo 3 para
essa reparlieao, i para a alfandega e 2 para a re-
eebeJ ria de reudas.
Ao inesin i.-A vista do iucluso docuaiento
j em duplicata uue me remetteu o brigadeiro com-
I niandaulc das anna- oca offlcio de honiem 8ib
I n. 8*9, inande V. S.^pagar ao teneiile quartel-
mestie do deposito de recrutas, Henrique TiOerio
i Capristrano, a quanlia de Hi, proveuieute do
trausporl.: de arligos de fardamento do arsenal
de guerra para o quartel da Sutedadc, assim
Ie mio do de mn eajtaa contondo lambom farla-
iiienlo para as pra<;as cxisieutes no presidio de
Fernando do Noronha, do mesmo quartel para o
| trapiche da companhia prniambneana.
-"0 mesmo. Auiiuindo ao que solicitou o
inspector do arsenal dc mariuha em offlcio de
hojii sob n. 693, autoriso V. S. a mandar Ma-
nisar o ministerio da marinlia pelo da guerra
da quantia de (:346i9iO, roustante da in-.lusa
conta o u duplicata e despendi la cim a construe -
cao naquolle arsenal de unu balieira destinada
ao servico da presidio de Fernando de Norootta,
segundo indica a mencionada conta.
_ Ao inspector da tbesouraria provincial.
Cominanico a V. S., para os tins convenienles,
quo nesta data deferi a poticao de Hermogenes
Braulio Ferreira da Cunha, marido da professora
de funellas, Amelia Pereira da Costa, abonando as
lalias por esta dadas de lo de abril ultimo a 9
de maio, dia .anterior ao sen fallecimento ; nos
termos de sua informarjio de 16 do correute em
offlcii sob n. 34C.
Ao mesmo. -Tendo o promotor publico da
comarca de Villa Bella, Fiel Vieira Torres Gran-
jeiro, offerecido cinco por cento dos sens vend
mentos, a contar deste mez, para as obras do
asylo dos aheuados, nesla data dutermino ao ins-
pector da l:esouraria de fazenda que, feito men-
salmente o respectivo desconto, seja o sou pro-
daclo remettido a essa thesouraria a disposicao
desta presideucia; o qne communieo a V. S para
os lias coiiveaicntos.
4.' seccuo.
Offlcios :
Ao Exm. Si. presidenle da proviucia do
mazonas. Accuso recebidos dous exemplares
das leis. regulamentos e contractos promulgados
pel i assemble.! legislativa dessa provincta. de que
trata o offlcio de V. Exc, de 23 do junho Undo, que
lira assim resp-ndido.
Ao director gerai interino da instrnccEo pu-
blica. -Ein resposta ao offlcio de V. S., de 10 de
julbo Undo, tenbo a dizer-lbe que nesla data re-
commendo ao inspector da tliesmiraria que consi
ilere abonadas as faltas dadas pela professora de
Panellas, Amelia Pereira da Costa, de 10 de abril
ultimo a 9 de maio, dia anterior ao seu failed
memo, para o Jim do ser pago a Hermogenes Brau-
lio Ferreira da Oinba, marido da referida profes-
sora, b ordenado eorrespondente, provando elle
essa qualidade.
Ao provedor interino da Santa Casa de Mise-
ricordia.Tendo nesta data aulorisado o gerente
da companhia Recife Drainage a vender os appa-
relhos e eanos, de quo precisa a junta da Santa
Casa para o eolleg o de Santa Thereza, p.igando a
mesma Junta os direitos da alfandega, como solid-
ta Vine, em offlcio de hoje ; assim o coininauico
para seu eonlieeiraenlo e em respos.ta a seu dilo
offlcio.
Portaria :
A' samara municipal da villa de Flores.
Com o offlcio junto por copia, do inspector da the-
s.uraria de fazenda, de 16 do eorrente sob n. 8 SO
serie It, respondo o que ine dirig.o a camara mu-
nicipal da villa de Flores em 29 de julho ultimo,
relativamente a remessa pedida dos padroes de
pesos e medidas.
5.' seccfio.
Acto :
0 presidente da provincia, atbrnden lo ao que
requsrdu o Dr. Jose Za'jliarias de Carvaliio, resol-
ve exuneral-o da commissao oncarregada de exa-
minar os apparelhos da companhia Recife Drainage.
Offlcio,:
Ao Exm. presidente do tribunal do com-
meicio. -Tendo por acto de honiem resolvido dis-
peasar a companliia L'liHdadc I'ublica o intersticio
dos 6^ dias da lei, para poder proseguir em suas
operagdes, visto ter provado a mesma companhia
achar-se desembaracada. por esse merititissimo tri-
bunal, do registro da refonua deseus estatutos, os
quaes furam publicados na capital do imperio, e
aqui por mais de 15 dias; assim o communico a
V. Exc, para seu conheciniento e em resposta aj
seu offlcio de 7 do eorrente.
Ao l)r. Jos Zacharias de Carvalho.Haven-
do por acto desta data exonerado V. S. da com |
inissao encarregada de examinar os apparelhos da
companhia Recife Drainage, attentas as razors ex-
pendidas em seu offlcio de hoje, passo a agrade-
decer Ihe os bons servi^os prestados na mesma
commissao.
Ao gerenle da companhia Recife Drainage.
Autoriso Vmc. a vender a junta da Santa Casa
de Miserirordia desta cidade dez apparelhos de la-
trina e canos de esgoto, de que a mesma precisa
para o c dlegio das orphas em Santa Thereza, pa-
gando ella na alfandega os respectivos direitos.
Portaria :
0 Sr. gerenle da companhia pernambucana
mande dar passagem a prda para o presidio de
Fernando de Noronn i a 'osepha Maria da Concei-
ao, mullier do sentenciado Jose Benlo Pereira ;
correndo essa despeza por conta do miuisterio da
justica.
EXPED4ENTE DO SECRETARIO
1.' seccuo.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commanlante das ar-
mas.;. Exc. o Sr. presidentti da provincia, tendo
autorisado o director do arsenal de guerra a for-
nfecer ao cjmmandante do 9." batalbao de infanta-
ria 5,000 cartuclus de festim e 6,000 capsulas ful-
minautes, e bem assim concertar as duas mesas
com gav.tas pei tencentes ao mesmo batalbao; as-
sim o manda declarar a V. Exc, em resposta aos
sens offlcios de hontem datados sob ns 822 c 821.
Ao mesmo S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda communicar a V. Exc. que nesta
data expedio ordem a thesouraria de fazenda, no
senlido dc ser paga So teneutc quartel-mestre do
deposit i de reorulas a despeza de que trata o sou
offlcio de hontem sob n. 829.
Ao injector do arsenal de marinlia. -S.
Exc. u Sr. presidente da provincia manJa declarar
a V. S. que uesia data expedio ordem a thesoura-
ria de fazenda, no sentido de ser o ministerio da
inarinha indemnisado da quantia, de que trata o
seu offlcio de hoje sob n. 693.
ao mesmo. -S Exc. o Sr. presidente da pro-
viucia manda communicar a V. S. que a tbesou-
raria de fazenda esta autorisada a entregar ao 1.*
enfermeiro desse arsenal a quantia de 131060
reis para o fiin inuicado em seu offlcio de hontem
dated) n. 692.
8.' secfSo.
Offlcios :
Ao Dr. chefc de polieia.0 Exm. Sr. presi-
-
dente da provincia manda declarar a V. S., em
resposta ao seu offlcio n. 1446 de 16 do eorrente,
que nesta data se maadou dispensar o sargento da
guarda nacional destacado um Serinhaem, d : que
trata o seu dito offlcio.
Ao comiiiaudaate superior da Recife. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S, para os fins eonvementes, que por porta-
ria desta data, e de conformidade Mm o seu offlcio a que uao am (aiiado o corlojo de paixdes do toda
de 27 de junho proximo passado. foi designado o
capitao Joaj da Cunha Soares Guimaraes para
oxereer as funccdes de major do 9.' batalbao de
infantaria do servico de reserva da gnard.t na-
cional, sob o sen commando suporior.
Ao command-ante superior intorino de 0a-
ranftuns. 0 Exm. Sr presidente da provmcia
manda declarar a V. S. que a thesouraria uV fa-
zonda tern ordem para pagar os vencimenlos d i
destacamento da guarda nacional. de que trata o
seu offlcio de 4 do eorrente.
Ao juiz de direito do Booito. -0 Exm: Sr.
presidente da provincia manda tratismiuir a V. S.
copia da portaria desta data, creando f<)ro civil e
couselho de jnrados no termo de Bozerros, o qual
ficara annexo ao de Bonito.
DKSPACHOS D.V PnESIDRNCIA DE 28 DE OtiTUBli
DE 1173.
Cirlos Corrothers Johnston. Satisfica a exi-
gencia da thesouraria de fazenda.
Epiphanio Caetano Guedas. informe o Sr. di-
rector do arsenal de guerra.
Fiel len Brothers. Deferido com offlcio desta
iata ajhesouraria de fazenda.
Francisco Joaquim Palilha. -Passe portaria.
Francisco de Paula Gon;alvcs Ferreira. Infor-
me o Sr. inspector da tbesouraria de fazenda.
Jose Nii-ado da Silva. Constando que o sup
plicante se acha physicamente impossibilitado pa-
ra exercer a sua cadeira, nomeio os Drs. Pedro
de Attayde Lobo Moscoso e Joao Maria Seve pa-
ra o examinarem.
Cammendador Jose Podm da Silva.Passe por-
taria aposentando o supplicante com os venci-
mentos que Ihe competirem.
Justin) Jose de Souza Campos. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Jos6 Tavares.Passe portaria.
Dr. Joaquim Pires Maciiado Portella. Passe
portaria aposentando o supplijanto com os ven-
cimenlos corresp mientes ao tempo de servico que
Ihe foi contadi, em vista da lei 1,108 e 1,1 '4 do
eorrente anno.
Jose Marinho de H illanda FalcS). Ao Sr. jniz
municipal do term) de Ipoiuca para iuformar,
devolvendo como todos os demais pretendentes.
Manoel do Nascimento Silva. Informs a Mm*,
camara municipal da capital.
Balthasar Xavier de Menezes. Requeira
gorcruo imperial.
Secrelaria da presidencia de Pernambuco,
de outubro de 1873.
0 port lro,
Silvino A. R dngues.
ten lo a
altitude
organie
ordem e
bispo de
SuucaHMpiagein allcial se reveLm wais con
v?Hcida. law Sjobre, in lis conscienei .sa. A moio
das diffioSjfcpidSB iiatnraes de lao grave assumjHo,
ibro eoragom de assignalar a estranlia
. torn ollonsa a lei fiui'tamenUl, as leis
aatoressea daordon civil como as da
i, houve a aem toniar a si a llviu.
a)
28
Couaiuaado dus arinan.
JL'AKTEL GtNKKAL DO COMMAXDO OAS ARMAS
DE PERNAMBUCO, EM 29 DE OUTUHHO D
1873.
Ordem d > dia n. 775.
0 brigadeiro comnandinte das armas faz publi-
co que m dia 27 do eorrente, embircou para a
corle no vapor Cruzeiro do Sal, com o destine de
reunir-se ao seu regimento 2' decavallaria ligeira,
o Sr. capitao Joso Melchiades Bezerra da Silva
Costa.
0 mesmo brigadeiro determina que, na m inha
do dia 3 de novembro vindouro, se p:isse re vista
de mostra em seus respectivos quartets ai-s bala-
lhoes de infantaria, deposito de recrutas e compi-
nliias isoladas, pela ordem seguinte:
As 6 boras as companhia do operarios, as 6 lj2
ao 2 batilhao, ii; 7 a companhia de cavallaria, as
7 1|2 ao 9" batalhao, e fiaalm.-nte as 8 ao depo-
sito.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wanitrley
Lins.
Confonne. 0 major, Jose B. d>s Sint s Met-
julliao, ajuiante de ordens eucarregado du de-
talhe.
It*l '..' seccao. Secrelaria da polieia de Pernambuco,
29 de outubro de 1873.
N. 1806. Him. e Exm. Sr.Participo a V. Exc
que foram honiem recolhidos a casa de detencao
os individuo9 seguintes :
A' minha ordem, Antonio Bernardino Fomes,
por estar pronoaeUdo em crime de ferimentos gra-
ves no termo do Bonito.
A' ordem do subielegado do 1 districto de S.
Jose, Jose, escravo do Dr. Manoel Terluliano Tho-
maz llenriques, a requerimento deste.
Em offlcio de 25 deste mez declarou o subdele-
gado da Varzea, que na mesma data reraeltera ao
Dr. juiz de direito do respectivo distrieto criminal,
o inquento a que procedeu sobre o facto do roubo
praticado contra Antonio Duarte de Oliveira
Rego.
Por offlcio de 27 deste mez commuuicou me o
subdelegado do Recife, que as 10 j, boras da
inantia, o vapor numero I, que conduz areia das
dragas, ao sahir da barra, abalroou casualmente
o bole denominado Vamos civendo, que vinha pa-
ra terra, resultando disto submergir se o note e
perecerem os subditos italiaoos Nicola Vila e Fe-
lix Fiusella, salvando-se os dous remadores do
bote e mais tres passageires.
Acerca de semelhaote facto orden,Ji ao Dr. dele-
gado da capital, que Drocedesse o ompetente in-
querito.
Em additamento ao sobredito offlcio, o m ismo
subdelegado acabadecominunicar-me que appare-
cora hoje na prala da fortaleza do Buraco, o cada-
ver de Nicola Vita, o qual foi conduzido para a
igreja do Pilar, e ahi procedeu a competente vis-
loria.
Fmalmente, a ordem e a tranquillidade publicas
nao soffreram alteracao.
Deus guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Luceua, diguissi-
mo presidente da provincia. 0 chefe de polieia,
Antonio Francisco Corrtia de Aiaujo.
INTERIOR.
BIO DE J iVKIRO
30 DE SET EM IRO DE 1873.
\ov phase da quewttlo reliaiosa.
Esta no dominio publico o aviso expedido pelo
ministerio do imperio, em que se tern por rauito
recommeudado ao procurador da corua, fazeada e
soberania nacional, que prornova accusacao peran-
te o supremo tribunal de iuslica contra o Rvm. bis -
p> de Oliuda, D. Fr. Vital Maria Goncalves de Oli-
veira.
Nao se limitou o imperial aviso a alguraa vaga
referenda aos conhecidus motives que dovem de-
ter minar a accusacao. Expondo em severs lin-
guagem, digna de um acto do tal natureia, a dolo-
rosa historia do conflicio provacado e mantido pelo
ordinario da diocese de Pernambuco, o illustrado
Sr. ministro do imperio dednio com irrecusaTet
evidencia, e desapaixonadameate, o esUdo da ques-
tio religiosa, as suas diflerontee poases, as suas
causas o eSaitos provaveis, aao exagerando, mas
iiatuicza, o MualraJo aiinisir> soube guardar a Se-
rena ioinaicialidade e euergica rectidio que de-
viam ser asanoraveis oooselheiros de um acto de
tal alciuiea.
Honra ao Sr. miuistro do imp >rio I O aviso de
27 da setajbro vow par mais um facto lostemu-
nhar ao pas quo ao govern* > imperial nao falu a
bem ent->aada e opoortuna euergia que as cir-
cumslancas po*sam reelamar.
iraiiqiiHIuo-so o oawrito publico. Na luu que
o Rvm. bispo de Oliuda parece ter o proposHo de
levar a uatna extremidaJe, ni se deleiido diante
da grave parturbacio que elle, am bispo, pr ivuca,
agila e (>aauU em perda Jos mais caivs inter esses
de uma aciodado profundamente religiosa, o go-
vcrno do paiz uio Jeixara sacriiicados os impres-
criptiveij direitos da soberania nacional.
K' disw uma prova o.novo aviso quo o paiz co-
nhece.
0 g.ivenio imperial sabera, sem vbileaeia, sum o
rocurso saapre perig >so do arbitrio, proservar o
deposit i la soberania a ataqaes impensalo- ou
nao. Maatoaha-se elle, eom-i o tern feiio, na aim-
r'j de sua fraale respoosabilidade e, certo, Ihe nao
faltara oapoto da opiuiao, e o recooheciinento do
paiz, J'-
. E' segur,iaauto uma grave situagaa a que iaos
atravussaaai A sgitacao e a impaewncia qae. sob
diversas fcraas, se t m manifestado desde o co-
mec.i do amtw, attustaiu com iuqui tadora verdade
quautos A quad diversos interesses sentem-se em
penh id os aeste desagradabilissimo confflcto a que
se abre ama nova phase.
.xauca fi mais preciso dizcr ao paiz loia a ver-
dade. St cmapre nao axagerar, cumpre nan dis-
fa.'c-ir os perigos da estrauha situacao a que nos
levou o poter cspiritual reproseulado no Rvm. bis-
po de Olan.
Se o eplseopado nao adverte nesses ptrigos, e se
de sua parts nao contribuir para u desfecho natu-
ral da qiMstio religiosa pela obe Jieucia quo todos
os brasiletru* deveraos as leis do paiz, e pelo raa-
peito aos legitimos direitos da soberania nacional,
consequsanas podem sobrevir que uma justa pre-
videncia deveria por todos os meios apart ir.
Pruleate, moderado e retlectido, o govern ) tern
sido e saltora ser ao mesmo tempo ennrgico.
os actos de 12 de junho e 27 de selembro dao
exacta raodida da intoncS-j deliberada de fazer
in niter contra preten;oes temerarias do |Kder es-
piritaal direitos ouuca post* em da vida.
Esta pUriotiea attitude do gabinele 7 du uiarco
toma-la-aia qualquer outro gover.no que nl ousas-
se sacritoar a soberania de um povo, e as suas in-
coatesta'aeis regaliai, a arrogante e criminosa io-
llaeneia do poder espiritual. A queslao nao e de
um g iveruo ou de um parti.lo, mas de todos os go-
vernos ado todos os partidos. O que teniasse en
tregar ^-aiadiccao dos bispos interesses de ordem
teoip>ra^OMiaiynl.i I Ins ou apeuaa talat'audp-
Ihes formal desrespe-to as leis do paiz, seria' u il
guveruo trabidor a palria.
Nao se jalgue, port into, que a queslao religiosa
teria outro caminho sob o regimen de differente
politica. Contra as prelenijoes do quo su conveio
cliamar partido ultramontano, se este njme pode
ir bem a um peqiieuo grupo de creates exaltados
que tern por timbre confnndir interesses de diversa
natareza, tentado subordinar aos orgaos do poder
espiritual uma jurisdiccao inieirameaie eslrauha a
sua aeeio, elevam-se em igua! grao de resistencia
os partidos coiistitucionaes.
Aiuda os rare? libeiaes qie nao davidam f.izer
praga de sua dedica-jio a politica religiosa do ul-
Iramantanismo, e a frente dello-. o Sr. coiiselheiro
Zacarias de Goes e V .seoaeellos, n.to pojoriam na
governo trahir a sua missao de exueutores da lei.
Estes nao ousariam seguramente, por systemaiica
coherencia, comprometter o sagrado deposito das
|-inslituicoes nacionaes.
Oulros ha, espirilos inquielos, que na > medinam
talvez a acQio governanieutal pelas circaui-lancias
do momenta e, provavelmeute, nao leriam imitado
a bem entendida moderacio t reflectida prudencia
em que te.n sabido inspirar-se o gabinele 7 de
mareo.
Como quer que fosse, nenhuma poltica' teria si
do mais concilladoraque a do actual gabineH nem
mais prompta eenergica sem expiir a sociedade a
flerturbacoes que s4o sempre de pmpar. *
O aviso de 27 da setembro, Kbrindo nma nova
phase a uuestac religiosa, esta longe de ser a so-
lacao ultima que os acontecimentos podem moli-
var.
A formal desobediencia do Rvm. bispo de Olin-
da nao podia ser lolerada por um governo consti-
tacional. O que se querena 1 Deveria o gover-
no, porque se tratava de um bispo, inverter o sys-
tema legal e permiliir a um elevado funccionario,
porque o era, aecrescentar uma a outra successi-
vas infraccdes da lei ?
Fez o governo o seu dever. -Qualquer que seja o
resullado du processo a que vai ser submettido o
Rvm. bispo de Olinda, como quer que se julgue da
inteiicao que a seus actos tern presidido, cumprla
ao governo exgoiar este meio de acauielar e impe-
dir preluucois temerarias do poder espiritual.
0 honrado Sr. ministro do imperio conquistou
legilimo titulo 4 gratidao do paiz Revelou-se ei
dadao na allura das circumslancias, estadisu que
acima de tudo sabe collocar o amor das iuslitui-
c5es, honiem politico que nao trausige sobre direi-
tos da soberania nacioaal
0 act> de 27 de setembro nao escapara, c^rta-
mente, a critica. Devera muito naturalmonte en-
contra-la sob diversas formas, por vezes injusla.
inqaieta, talvez impiacavel. E" a sorle de todos os
actos que ferem a uma certa ordem de interesses. .
Ultramontanos : bradarao escaadalo ao al)er
que um membro Ao episcopado vai responder a um
tribunal de justica por atleutar contra as lei? do
paiz. Far-ihes-uao cortejo espirilos timidos, ap-
prehensivos, e uma certa pane da populacao aqae
o espectaculo de um bispo accusad > nao p6Je ser
iudifferente Grupar-se hao deste lado to! >s os fa-
natisraos que os ha de differentes categorias, todas
as crencas supersticiosas e inclinadas a cega obe
diencia do poder espiritual em todas as orJl-n- de
ideas.
Espirilos de outra tempera e diversamente ius-
pirados, verao a sua vez nease acto nma meia me-
dida, uma providencia sem provavel exito, um do-.
vo meio do adiar para nio resolver a difflcul-
dade.
A paixao politica tera nesta dupla eorrente do-!
opiniocs a larga parte de indtiencia que ell< nao
abdica em lolas quanta* questoes pod mi ponder
de decisio goveroamental.
Inlxansigentes 'adversaries do gabinele, quo ex-
ploram todas as difflcul Jades como preciosa mina
de inconsciente opposica*), ja desde hoje derara pela
Reforma o signal do coinbate.
Tenham embora reconhecido como si a doutri
na do aviso, e devessem por abi applau Ji-lo como
providencia dictada pelas circumntancias, islo pou
eo para demove-los a uma apreciacio calina e
rapassada do justica.
0 que vai resultar deslo processo'? Tal 6 a in-
terrofacio fulminaute da Reforma que raciocma
absojvido on condemoado, e a conderanacio
etuuaari elle o martyrio, D. f iul nio tem a per
dor nem a gauliar. A questao religiosa lea a
mesma, com as suas duvidas pungeutes, as suas
he-itaedes cruets, os seas perigos e trislissimos ef-
feitos. Nada se tera adianlado ; e assim e que o
aviso de 27 de selembro, que devia ser um i es/i i-
di de Alexuadtc, nao e senao um Oovo termo da
palitica de inoias modi da'.
Kstranh i mo lo. di/.emos par uossa vez, do
ajKeciar o valor e o alcance de um acto de tal na-
tureza !
Se a absolvicao ou conlemnacio de D. Vital nao
pole ter a intluencia de impor termo a quesiao re-
ligiosa ; que outra niodida eortaria de um ao gol-
pe pelas difflculdades do presenle e do futtrv ?
Ilouve infracca i da lei f
Se a He/orm a o reconhece, convira sem esforco
qu<', qutlqner que seja o iniYaetor, he 6 applica
vel a sanccio penal. A providoneia de i7 de se-
lembro an inadiavel medida. Rociamavani naoxi
geutememe as circumslancias. Pediam na interes-
ses de ordem superior. Nao poderia ser pennilti-
do a um bispo impane rebeldia a tod) o uo-so ays-
tema legal.
Tal e infrtlizinonle a verdade.
Pois que a Hiform i nos prometle com a m tis so
li'ime afflnnaca'. discutir ainplaahmte o acto de
27 de setembro, nao aniooiparemos reflsxoos a que
o a*iimpto*eonvida.
Ainda bem que,outre as agercos partidarias
e as vistas systematical, esta o espirito publico e
com elle e a sonbrade sua influeneia, estao todos
os espirilos sensatos e bem Intencionados que, nao
applaudindo arbitrios extralegaes, bemdizem a po-
litica sabia, moderada e patriotica quo nao sacrifl-
ca a eonsideracocs de qualquer natureia os .le-
gitimos direitos de soberania de uma grande
napio.
Kles, os verdailei os amigos do paiz quo nao
vi'.mi na quesiao religiosa uma quesla < de partido,
fuao a devida ja-iica aos n-tbres inluitos do ga-
biuete 7 d- Marco e a recbdao e euergia do illus-
ire Sr. ministro do imperio
Forte com este apitio, que tern em si todos os
prestigios de um apoio desinteressado e patriobco,
o honrado Sr. consalheiro Correa de Oliveira en-
contrara no fundo de sua consciencia o premio da
tranquillidade como o mtis ambicionado de quau-
tos acenam a um homem politico.
0 acto de 27 de setembro encerra uma grande
iicjio ; elle reveia em distinctos caracteres que o
Roverno do iirasil nao sera o complice de um at-
tentado contra a soberania nacional.
A Ivirtam n'isto os propagandistas das diversas
opmidts.
(Nocao.)
DURTODEPERNiMBUOU
RECIFE, 30 DE OUTUBRO DE 1873.
.liutielaa do sul do imperio.
Ainanheceu hontem em nosso norto o vapor in-
glez Boyne. trazendo datas: do Rio da Praia 19,
do Rio Grande do Sul 18, d-. Parana IS, de Saula
Catliarioa 19, de S. Paulo 22, do Rio de Janeiro 21,
e da Babia 2G do eorrente.
Eis o que colhemos :
a publicas do pacific .
Telogrammas de Valparaiso em data do 12 an-
nunclam uma invasao de indios, que roubaram e
mataram a gr.nde nos campus de Huquen. 0
parlid) ultramontano fazia opposici) ao governo,
cmquanto o liberal moderado preparava projectos
sobre a aboligao de foros, casanenlo civil, e neu-
trahdade dos ce.niterios.
No Parana foi suffocada a revolu9^o. Espaihou-
se, mas foi depois desmenti la, a noticia de ter sido
assassinado o presidente do Equador.
mo DA PHATA.
Sobre a guerra de Entre-Rios p^uco adiantam.
Dizia se que Lopez Jordan se dirigia para a Fede-
radon, levando a re'aguarda picada pela cavalla-
ria nacional. Apezar disto nao se julgava prova-
vel uma batalha, por n"io poderem as for.as de
Vedia e Gainza alcancar as rebeldes, que se mo-
viam mais ligeiras. Entretanto foi prorogado por,
mais 90 dias o estado de sitio daquella provincia e
das de Santa Fe e Corrientes
Mariano Querencio, cuja desappari^ao do quar-
telgeneral de Lopez Jordan tantos coamentarios
occasionara, ach avase no Sallo. Agora ja nao ia
era inissao mysteriosa, mas tinha se retirado por
desintelligencias entre os caudilhos da revolucao.
0 presidente Sarmiento noraoou o Dr Albarra
cion ministro da justiea, em substituitjao ao Dr.
Avellaneda.
NJ praca de Buenos-Ayres discutia-se qucm de-
via pagar o vapor Porlenho. aprisionado por emis-
saries jordanislas, seudo a opiniiio mais geral que
o responsavel era o governo de Montevideo. Dos
piratas quo fugiram deslo vapor somenle dous pu-
deram ser apanhados, logrando os outros alcancar
a fronleira do Brasil, oade foram desarmados.
Respondendo a mterpellacao que Ihe foi dirigida
era sessao da commissao permanente sobre viola-
cao do terrilorio oriental pelo vapor argentino Ga-
ribaldi no aprisionaraento das tres lanchas com
arraamento, o governo de Montevideo respondeu
apresenlando notas do de Buenos-Ayres, que decla-
rava h iver tornado medidas para qua taes laclos
se nio repetissem. Com esta explicacao deu-se a
commissao por satisfeita.
As folhas de Buenos Ayres referem como noti-
cia grave o boato de haver o governo paraguayo
dirigido ao argentino um ultimatum reclamaado a
dosocenpacao do Chaco. Accrescentam que o Pa-
raguay tratava de levantar ura exercito, contando
com o prolectorab) do Brasil
rio ghande do sul.
Toda a iraprensa refere miulamente os ter-
riveis elTeitos da grande eachente produzida pela
copiosa chuva, que comecara a 4 e que cahira du-
rante alguns dias conseiutivos, acoitada por forte
uordeste. '
Na capital a encheale-tomara proporcoes ex-
traordinarias, e asseveram os moradores mais an-
tigos do lugar que nestes ultimos 40 annos nunca
se vio cousa ignal.
0 Jornal do Commercio de Peiotas do 13 du :
Os effeilos da abundante chuva ja vao se fa
rendo seutir nesta cidade e na do Rio Grande.
As ?guas tern descido da capital em enorrae
massa e com uma foria espantosa, o que continua-
ra se o venu nio mndar. As margens do S. Gon-
calo estao cobertas e a agua chega ja quasi 2 me-
tres acima dos lugares mais altos. As xarqueadas
beira mar soffreram grandes prejuizos, pois algu-
mas ha que tern pilhas de xarque com nm palmo
d'agua em volta.
c 0 S. Goncalo e Pelolas parecem um so rio, os
lugares biixus da cidade estao debaixo d'agua e
esta comeca a assoberbar. 0 vento tem recrudas-
cido de intensidale.
No dia 14 a enchente diminuira sensivelracnte
alti.
As folhas da capital, noticiaido os prejuizos que
ja eram conhecidos a 13, dizem :
luformara-nos que na varzea de Gravatahy ha
perto de 1,000 animaes morlos.
a Em Palnures e Slostardas os fazendeiros tem
perdi 1 j u na tcrca pare de seu gado, e o mesmo
tem acontecido nos campos baixos de Belem, Via-
raao, Aldea e todo o norte da provincia.
a Os prejuizos, porem, nio parara nisto, por-
quanto os pastas verdes do verao vem eneontrar o
gado magro c sem forgas, e a morUndade entlo
sera mais avultada.
t As planta^Ses tambem soffreram considera-
velmente em todos os centros productoras.
< Portanto antolaam-se-aos dias de carestia e
de miscria.
Na ilha da Turutnna, que fi-ia a 4 ou 3 lefnas
da cidade do Rio Grande, Ir Hive lugares em que a
agua elevara-se Ires ou quatro pahnos adaa do
oivel do solo.
Perecera grande quauudado dc ovelbas e toda a
cria'.:ao do aves. A inuuBda.io inatiiisara eom-
plotamente as plantj.Oos, c muilos moradores fca-
lam sem suas pobres casas, que com Unto sacii-
dcio haviam eonstruido.
A furl-' coneuteza da agua causara alguns pre-
juizos no sul da barra do. Rio-Grande, desmoru-
naiido cerca de 13 a 20 bracas de terra, e fazendo
desapparecer a casa. que alii exislia, do Ir. Igna-
cio Jose da Roclia Lima, cujos moradores mat li-
veram tempo para salvar parte dos maJariaes.
A margem do rio qae naquella localidado ape-
uas tin'ia de dous a cinco palmos d'aguaadquirio
uma profuadidade de doas a tres braoa, e isso
mesmo no lugar em que estava a casa.
< Duvo-se notar (diz o Commercial de 17), que
emquanto nesta cidade as aguas invadiam as osla-
cadas e entravain terra deatro, no ponlal da barra
conservaram-se cons^aotamente baixas, seguindo
sempro a torte correntaza o rumo do sul. >.
0 puarol do Estreito deixara de funcoionar du
ranlo alguns dias por causa da grande massa d'a-
gua, qae, invadiudo quasi toda a pequena ilba em
3ue elle esta assente, desmoronara parte das pe-
ras, arrebentara o trapiche, lancara pir terra
uma casiuha que alii havia e arrebentara a esca
>er do servico do dito pharol.
Os phaloleiros, vendo o risen de vida qaa os
amccava, pediram soccorro ao brtgue Pampa.
que perto se achava I'unJeado, e cujo capitao o-
recolhera a bordo.
Finalmeale era tal a correntaza da agua que o
capitao do patac ni iugtez (itmittttmt, allkaira
ter encontrado aguas daces a 30 milhas barra
fora.
Ksperava n-so andosamente notieias das locali-
dades do interior, e diversas commissoes empeoha-
vam-se ca soccorrer as victimas da innuodacao.
Fora muito festejala em Bage a inaugura^ao da
I inh* telegraphic a.
Na mesma ci lade cahira, no dia 3, um raio na
casa do capitao Germano, do lado opposto do ar-
roio Bagc As cinco pessoas de familia que esta
ram alii perderam os seutidas, pore n nenhum ou-
tro mal soffreram.
De uma correspondeucia de Firaliny exlrahimos
o seguinte :
Depois da ultima corrida' me o Sr. Joaquim
Soares de Paiva, subdelegado de polida do 2. dis-
tricto do termo, deu na quadrilha de malfeitores,
e em que prendeu um delles que se acha reeoihi-
do a cadeia desta villa, a quadrilha ausenton-se
para o 4. districto, seu primeiro acampainento.
t 0 major Claudino dos Santos Valerio, sudde-
legado desse districto, apenas teve eonbedmento
dessa mudanca, poz em alarma a polieia do dis-
tricto, e, coaujuvado por vizinnos, dividio a genie
toda em tres escoltas, e com ella poi-so no encalco
dos criminosos.
Na noite de 23 do ultimo mez, tres dos da
quadrilna, o preto Adao, chefe, o indio JoIj Bilisa,
irmao do que se acha recolhido a cadeia desta
villa, e o preto Marciaoo. escravo do major Jose
Dias de Castro, vicram Wr a cozinba da residen-
cia do cidadao Fauslino Jose de Oliveira, de visita
aos escravos da casa; os esCravos deram eonhe-
ci i ento de semelhante visita a seu senhor; este
encarregou aos escravos de os entreler, e man-
dou aviso a uma das escoltas que o major Clau-
dino havia organisado.
t A escolta, composta de tres pracas de polieia
do districto dirigidas pelo seu cominandante o
cabo Claro Jose dos Santos, poz-se em marcha e
apresenlou-se no lugar indicado ; antes, porem, de
effecluar se o cerco da cozinha, onde estavam os
tres quilombolas, estes, preveoidos pelo latido dos
caes, fugiram, consegmudo evadir-se o calebre
preto Adao e o indio Joao Bilisa, mas nao o preto
Marcian >, t-scrivo do major Jose Dias de Castro,
o qual, sendo alcancado, oppoz forte resistencia.
armado de nma adaga de 2 1/2 palmos de folha,
e dc uma faca do 2 palmos, caliiado aGnal
morto com dous ou tres talhos de espada e fieanio
ferida uma las pracas. Deste facto teve eonheci-
menlo o delegado de polieia, Joao Severo d'Avila,
que marchou logo para o lugar do conflicto, e
constame que, de accordo com o subdelegado.
depois de se providenciarem sobre os autos de
corpo de delicto no morto e no off-.-ndido, com
mais empenho continuam na perseguicao da qua-
drilha-
Referc o Divio de Bage :
a Anlehontem (3) desde as 8 huras da manha
ate a bocca da noite. andou pelas ruas da cidade
um pobfe homem querendo enterrar no eemiterio
uma lilhinha sua que havia fallecido no dia ante-
rior, e nao houve em Bage uma autoridade que
Ihe facultasse o poder cumprlr esse penoso dever !
< A deiegacia e subdelegacia acephalas, os jtii-
zes de paz, municipal e ae direito, sem jurisdiecan
a respeito, e astim andava o homem de Herodes
para Pilatos sem nunca poder conseguir dar se-
pullura a sua infeliz nlhiuha.
< Ja tarde, o nosso parocho tendo sabido do
aconteciinento e compadecido do novo pezar
daquelle pobre pai, que ale in da ddr de perder sua
lilha, soffria a de nao pode la enterrar em lugar
sagrado-, lomou a si a responsabilidade do facto e
mandou a chacara do refedo individuo, para onde
ja elle tinha levado de novo sua lilha inorta, vndo
dalli entao para enterrar se. ><
a Fallece.-a em Bage" o nonagenario Carlos da
Silveira, pai do Dr. Caspar da Silveira Martins.
Referindo-se a este fallecimento dizem varias
folhas:
a Seu corpo loi erabalsamado, e acha-se depo
sitado era uma das torres da igreja matrix, no ja
zigo alii destinado para esse Gm. A populacao de
Rage deplora lao irreparave! penis, por isso que
Carlos Silveira era a bondade persomflcada, e ver-
dadeiro typo dessa altivez que caracterisa a bones-
lidado."
a Ficaram livres os escravos que eram de sua
propriedade e deixou em ouro novecentas e tanta*
oncas.
Falleceram tambem : no Rio Grande, o auciac
Joaquim Marques de Sauza, irmao do Sr. conde
de Porto-Alegre, e D. ManoelaThomasia Amaro de
Alencaslro, viuva do tenente coronel Manoel Jose
de Alen astro, morto no Paraguay ; no Jagoarao.
o Sr. Floreurio Correia, e em Pelolas o Sr. Vicente
Jos6 Pinto.
Em Bage suicidara-se, com um tiro de pistola
no coracao, uma moca de nome Damasia, fllha do
Sr. Will,.fanhe e neta do Sr. Jerooymo Antonio
Silveira. Havia-se casado dous aezes antes, e
ignrram-se os molivos que a levaram a pratkar
esse acto de desespero.
PARANA.
No dia 2, as 3 boras da taide, desabara sobre a
capital uma medonha tempestade, accompanbada
de copiosa chuva e trovoada, durante a qual calii
ra um raio na casa da rua Direita, propriedade do
Sr. Joaquim Alfonso Ennes, que felizmente estava
desocenpada.
Fundara-se em Antonina uma assoeiacao de.
instruc(ao,.sob adenomiuacao de Club Anton ine n
se, cujo fim e diffundir conhecimentos uteis entre
os seus associados.
c Na capital, na noite de 8, o alferes Jesoino Jose
do Nascimento fora incsperadamente acommetttdo
por dous individuos, um dos quaes desearregara-
Ibe t to violenta pancada na cabeca que o deixara
sem sentidos, evadindo-se em segnida ambos, sem
qne o offendido as tlvesse reconhecido.
Fallecera em Assamguy a esposa lo Of. lau)
0
i
r

_*Jak.
HEGlVEl
lafl
^-...8L M



: m ~^^
^^^i^H^Bi
m
w
I
2
MI 91- uflfljr JO iU 61 mm gWidKjtk Pcrnambuco
.-w *-.*aua
eeac'e Gable do Queiroz, 0. Elisa Weil'wfc#*
valho Queiroz '>iT||
FalleccriJHflj&ncada '^aJc wrend-rc-
rormado do elMHMlauoel Jose do Souza Coa-
eeijao. IKNIfVt .
S. PAUtO.
Na t.trdo 1? cahirajobce a eidJj_il-) Campinas
achava
haW'Me
da esta
a ieter
_ Ha of-
do lado d<
iima grande pan
vento ia forte, q
^ao toda a clr!
'namento a plm'
fendorara umi
<6ra.
L*-se no .i/uajate> do ftapoliiiinga :
m Pela cxhumlHi feita do cadaver da esoravi.
ne Jaci'Blhajjkftrciii'O inquerito peticial wiiicou at-
a notioia dflt iw Wimero antecedent e, is!') i', ter
sido eUa asssssimtda e nao eiiforcada hij diz'm o
sea soulior.
c No exame -feito sobre o cadaver ;iehou-se sig-
inaes dc sevicias e nein urn dos caracteristicos do
eaforeaineiiti. Estava enterrada eni lugar nao
-segrado, tki*le-!e- eemo *nsa u^nicidio. A in
convetiiencia de nao se enierr.ir no sagrado os
suicidas da occasiao a qitc se possam occullar cri-
mes, cotno o de que *< trata, sob aquelle pre-
lexto.
a Jaclntho Garcia, segundo o quese pode collier
do inquerito, depais de cunseguir seu. barbaro in-
tento, enforcon o cadaver, uiandando chamar al-
guns viziiiho* para vcriticaran o facto !
EsUva a infeliz escrava suspensa em uma ar-
ToTejterto: casa, prcsa pelo pescoso (tor uma
corda. Nao viiam mais nada. > iuspOClOfdJ
quarUjiiao nio apparecou no lugar e Jaeiulao Gar-
cia apiessoo o eulerramento.
N.i oor*tiao de -darse seoultura ao cadaver
maiadis pessoas ppesoiites perguntou :
Xao si leva para o cemiterio ?
t .Nao sabe, respondeu Garcia, que quern
nr,nc enftircado ntio se enierra no sagrado f
K as-irn pode liaifiielle momenta occulta' el
diui!". In is depois eorreu a noiicia que a escrava
morrera em cousequencia do bai'b;iro castigo e
oio enforcada. A noiicia tuinou vulto o o Sr. ftf.
delrga.de Inrio lumar couheeiinento do facto, des-
r.ibrin o crime.
E sobremodo digno de louvor a energia qoc
roveloao dclegado de polieia, ue.-'le uegocio. 0
n.licisdo ao saber que se ia fazer a exhumacao
fugio. ,
1 en Jo apvareeiJo alguns casos de bexiga-em
Gnaratingii'ia organisara-sa logo urn lazarelo.
Tambem rtawiae-sa manifeslado alguns casos da
(erriiotWolitUi em Gunha.
Nolioia o Diarut de Santos de 19 :
' Afate-lhniem, a tarde, procedendo-se aniaDo-
bra lid 4." ptfamar da estrada de feiro no alto da
sen*, fittitram serra abaixo seis wagons, carrega-
dus du cafe e algodao, os qnaes, podendo ateam.^ir
0 desio ua meliide do piano lizerani-se em peda-
i-M>s : na mi's consta que pessoa alguma sofcasfte
nesse dosasir1, quejtao serias eon-:e.|uencias poJia
ter.
* Saivoii-e parte da carga.
Sao estes os prjinerwres que podemos o-
Her.
W-se na neauia folha :
Enlrou bontom a tarda o vapor Corumlm, quo
sabira juntamente com o Vjutixta do Kio de Ja
ueiro, e soubeinos pelo conimainlanle do pruueiro
mi ambos 'is vapores chegaram as 2 boras da
Niiinliaa priia ck; S. Sebastiao, com muito mao
tempo, >.ndi ambos enealharam. 0 Corumbd, porem
.jue navifL. .I com uieiior furra, pude safar-$e,
deooii do a ua demora de duas lioras, ileixando alii
ii Paiitlftct. |:ie, loada I'liclbido um pouco nuis
auiiaiite, liuni esperando a mare para a/ar se
tauibem, nan oflVreeenlo, felizmente, reccio a sua
ituack>, a!t m do alraso da viagein o do :nin-
nio.lo' Ha!lirarem la.;s lauces.
. S.i i 8 Mas da noite e uala mais podeuus
aJi iiiiu".
S-lubem i irtesmo quo o vapor Raniit\.'a
M titan da praia de S. Seba.-uao, ondo estava
eaealhado is ll l|i horas la uianh\ pomlo-s'-
IbtfO em viajiein.
a Sao boras. Acaba do chegar.
Um passajruiro, poiem informanos que deu
causaaUoiias essas iMicalliaioes umi aposta entre
os HMMBaadtfltos 'I is refeVidos vapores sobre a
marclia de i ada um defies. Se assim foi, parece
iios que os <|iie mais pyrderam forain os passa
tviros
Falleceram : em eaaipinat um dos mais impor-
lauies fazenleiivs da.ju -II> muoicipio o coramen-
dador Francisco Teixeira Villela e o primoiro ta-
belliao ioao Raptista Rodrigaes; cm Guaratingueia
o jr. Josii Joaquim Marcos da Motta.
Rio in: ji.Nr.mo
I'oi exoneiadu a scu pedido, do cargo de se-
cretario da provincia do l'ara o baoharel Antonio
dos Passes Miranda.
Fez se merce" Jj lit-.ii> de liarao do lleneveale a
Jim (Uiaiani de Moraes Oo-ia.
Foiiiin nomeadus:
Si'.'i,!;,rioS :
Da previneia do l'ara, o bacliarol Jaau l'i aukliu
da Silva Tavora.
iia de S. Paulo, baciiarel Jeiquiui Jose Car-
l.s i e H
Capi-llao c pr. i-'- o'da rebgiao do institulo dos
eurdotrittjdMS, Fr! Benin da Triudado Cojtez.
Pnrfess.w li ca'leira dos l c 2n annos do mi's-
n insiiUilO) u Dr. Pedro lose do Almeida.
riole-s.r da eadeira das 3*oi innos, o Dr.
J < i liuni .! >: \' UfiOeidi Vieira.
Pio'i'.ss.,!' d' defi-nlM, Joan Maximiauo daira.
i;i;iiiii'oljJ'ii-da orJem da Ito.sa o coronel Fran-
i'i--i.l-c 1: Siiva, cm attengio 0'is ivlevanli.'s
ervi(,'o*que lem prestujia instruccio pu'j!i.-.i na
pinviii'ia dc Goya/.
C.iiii.'edeu-se dispeuA Io liipso de tempo, para
pa.-iai -so a car!a, ao vigario collado da freguezia
.ia.S:.nli.--i.i..i Triiidade de Saiit'Auna de MacacU,
provincia do Rio de Janeiro, Ju.-e Emygdio Jorge
de Lima, da iiiercd le isavalheiro daordem da Ro-
sa, quo Hie f ii oonferida por decreto de ".0 Je m-
vembro de 18GG.
Foi aposentado, a scu pedido, c in o respecti-'o
urdenada no lugar da coniinuo da faculdade de
djraitq d Rijcife, Eljas.Franjtsco de Sauza Pa/roi;
licanJo, p'liiim, C;la merce depemleute da appro-
vaj.aoiia a-.-eiuL-lea gcral.
Por tilulos de Ii do correnle forain nomca-
dos:
2" cscriplurario da tlwsouraria do Santa Catlia-
lina, o |ii..l;caule Julio AugUStO Silveira dc
Souza.
PralicaiiUi da mesma llie-ouraria. o official de
loscarga da alfandega de S- Francisco, Joao Ju-
voncio de Souza CooW^So.
Por deereto n. o,V40 de 15 do corrente per-
inrttia se, attendendo ao que requerou a Associa-
<;ao Auxiliadbra de Immiiiracao o Colnnisa;ao, :ia
"provincia de S. Paulo, que seja clevado a 5 annos
o praio marcadona claa^ula pnmeira da- quo bd-
xarani com o decret) n. 3,351 de 21 de jnlho do
corrente an io, e quo a clausnla vignsima sexln
eja sujjslituida pela seguinte :
-' A assoeiacao perJera a subvenejlo corres^o i-
d'inte \ cadn colono que importer fora das condi-
deJte :ontrato, devendo neste caw entr.ir
para o thesDuro nacioual, dentro de tres meres,
com ?ua importancia.t
AltenClendo ao que requeroa a Coinpauliia
Tclegrapliica Platino Brasileira, o governo, por de-
creta d. 6,ii9 de ii do corrente, delermiuou qae
o^l da clausula 12' das anuexas ao docreto n.
i ,"28 de 16 de main de 1871, que concedes auto-
risai.'io para um eslabel cinvinto de urn cabo tele?
i!ia;ili;i:o su *marino entre as cidadei do Rio le
laneiro e de Buenos-Ayrss, seja subslitoido do jii-
guinti: modo:
Fi:vb o prazo de 40 aunos do privilegio eit-
-.lu>ivi) de qae trata a clausula 2-1, a. empreza (era
_o goz<.i do cabo por mais 20 annos >em privileg o
algum ; rave teudo para o estado a linlia e lodas
a_- su s per.encas, moveis e imnioveis existent?*
no imperio a nas aguas correspond soles ao seu
torritori>, svim.indamnisacao alguma, Gndo que se-
ja esle uovo prazo.i)
Por dicret i n. o.i.'io de ISjdo Cjrrente loi
approvado o regulamento que da nova organisa^io
ao institulo dps surdos-mudos.
Por decreto de 13 do corrente f' a Jose Joaqjim Antunes autorisagao por 30 annos
para lavrar minas de cob re e oolros metaes e ii ii
neraea uas margaos do Rio Capim e seus affluen-
les,; mi. provincia do ParJ.
Fpi expedida pelo -uiinisterio do imporio a
seguinle circular :
Rio de Janeiro em 18 dc outubri de 1873.
Illm. t Exin. Sr -Do niudo deexecucao das dis-
posico> contidai no decreto a. o,42t' do 2 do ccr-
.rente, pea tiepeii I iciaJmento" as vantagens
- d 'V" 'T'ldn'j-.
(l:iuuiiv.iiii
Vmarime,
oria ie CK
)' de Valci
rial, o do
pendeucia. o
A in a1
loria
0
Romedio
.Mercci
Jero:ne _^
Uliicada
da Gurgucia,
Wifr^rtffr-es^fmtuU^uii lffi4KI*^ii piesletodaa a.teuc,ao, evitandi qua, cin jeajloidiis.fieuieo^di&riii.iry, ode Ptrai
pravas reae-, corno'derem si.'f,' da a|ftfiwli^'g|86iv*l CTftei?.i> dii Pedro II
altimims, h.rnem-e meras e inulcte f*rmnliJ*l#i: atMi4MBofltirao Campo Maijr, u
dc. 'lawca.,N*rr'
Dp bom resultedo doj mesmjs cxaiuos c cei; do.Maiv
lamente a pririieira condicaq i) ga'ranfia a idoneT
dade intellectual e moral das pessoas quo coinpu-
zoNp as maaas. Uaai esu coal u;ao dew, por'
cajMBrrjr a dc liaverem u ahliiiiios admundo,
''stodes regulares, coBliedmcntos ben. assentf
e completos, e nao slmpleamente nocCes vagaa tf
liaasagciras quo >irvamap9nas para'ioanicr, naoe-
caaiai) dos axames, tHtisi rias apparencias.
De r.nifonnidada com esla* ideas, deve ser en-
icndido a exec utado o decreto.
Assim, emhjranelle so auturise a rcalisacAo
que i
oh'-jrecein, nas provincias,
ii aos curs os su|ie-
rkuv. l ios eiiudos preja-
ia ragularjdade e i-
\.,i te ccimrtertaia. tun
um n (ueucias, franqueandijas
poria tclligencia.'; insufficimle-
mento hablliuda's pai as alias discipli-
uas que ne'les se ensinam.
de examescm todosos preparatorios, cumpre que,
em sua apptieae&os seja esu dinpoaicaa goral res
trmgida segando as circumstancias especiaes, abrin-
do se examos soaieoto aasjuatenas pi qire^pude |
real ser feilos sem quo deHes resa'wn os incon
venientes a que ja*rne Meri.
< -Quaa Jo, portaalo, nao wr passi val corny sr al -
gumas mesas cem pessoas que teuliam as iudispen-
saveis habditajlcs e offerecam garantias da impir-
cialidade para exercerem como cumpre as funcgocs
de presideniei o de exaininadorus, on Ruanda n>o.
exiscirem estabelecimentos ou aulas, cm que se en
sinem eertas material regularaiaBe, oio deyer.i
instituir-se para ellas os axames que o d ere to au-
lorisa.
Cliamando a atten;ao de V. Exc. para este im-
pei-tente assumpd) recommondo Iho a escrupulosa
ebservancia do quo neste aviso se prescreve.
Declare a v. Exc, ftnalmente, que.para exer
cer as funccfies de secnuario, e para exec utar o
demais trabalhos concornentos aos exames deve-
riie ser designados o socrelario ooutro- empr.iga-
dos da repartiv^o da. msiruecao pubiica da provin-
cia ou dafecrataria do goverao, c.uferiiid)-so-lhes
por isso gratificagoes raz^Mveis, e so no case denio
ser possivil incumbir se desses trabalhos ajoelles
eu|>regado3, sejam chamados para lal.fun. pessoas
e.-tranhas.
. Deus guarde a V. Exc. Joao Alfred) Curreia
de OUreira. -Sr. presidente da provincia do...
Expedio-se a circular segumtc :
Rii do Jntiro, em 18 da ouiiibro de 1873.
Exm. c Rvm Sr. -Sendo necessaru, para agula-
ridade do nmtfO publico, mauter uniforuiiJade
nas praticas concernentes ao processo subre as.r
nuncias de beneficios, na parto da aceit cao econ
formacAo do g.iverno imperiil ; convem que, fei
tas osas renuncia- na forma e ires termos do avi-
so n. M de 23 de maio de 1812, sejam im
mediatemente communicadas ao inesmo governo
polos Rvms. prelados, enviando Hie estes couia au-
tlientica dos respectivos requerinjento.iermo esen-
teiaca.
Recommondo a V. Exc. Rvm. a observance
doste pratica.
Deus guarde a V. Exc. Rvm. Joao Alfredo
Correia drOUccira. -Sr. bispo da diocese de...
- Lemos no Jomal do coumrcio :
-j De 1 de outubro de D<72 a 30 de setembo ul
timo ; matricularam-se :
Na cojlectoria de Nova Friburgo 163 escravos,
sendo 111 do sexo masculine e 32 do feoinini,
pelas idades distribuiram se assim : 12 da 2 a
ami-is, 28 de 7 a li, 33 de 14 a 21, Cide 21 a 10,
18 de 40 a 3ft, 6 de 30 a 60 ; pelas prolissoes as
sim: agricola 92,arlisiiea 3, doiaesiica44 a nao tan
prufissao 21 ; tern residence urbaua 22 e rural
143.
Sa collectoria de S. Joao do Principe 289, sen
do 133 do sexo masculine c 134 do feminino
pelas idades distribuem-se assim : 2 alii I anno,
27 de I a 7 annos, 81 de 7 a 14, 27 dc 14 a 2", 64
de 21 a 40, 109 de 40 a 30, 23 de 30 a 60,6 maio
res de 60 ; pelas proii-so.-s assim : ag/icola 180
Mfistiea 3, (ljmestica30, diversas 24 ; nao tern pro-
lissi)30: teem resideiu-ia uibana 22 e rural
267.
Foram inatriculadis nas colleelonas abaixo
moneiiiiadas os tegiartfi' escravo! :
k Pelropolis: 29, sendo 17 do sexo masculine e
12 do leaiiiiiiiD, distribuindo so pelasidades do se-
guinte modo : 4 de 1 a 7 annos, 3 de 7 a 14, 3 dc
14 a 21, 12 de 21 a 10,3 de40 a 30, e 2 50 a iX),
e pelas proiissoes do seguinte moJo.: agricola 8,
aitistica 3, joinaleiro3 16; tern residencia urbana
22 e rural 7.
Yassouras : 939, sendo 333 do sexo masculiao
e 404di feminino, distribuindo se pelas idades do
seguin'.e modo : I ate 1 aimot 93 de 1 a 7 annos,
116 de 7 a 14, 146 do 14 a 21, 298 de 21 a 40,
192 dc 40 a 50, 76 de 50 a 60, 17 maiores de 60,
e pelas profissoes do seguinte ruado : agricola 88o
0 artistas 39 ; tern residencia urbana 36 e rural
90S.
S. Fidelis : 4,181, sendo 2,368 do sexo mascu-
liuo e 1,813 do feminino, distribuiudo-se pelas
idades do seguiole modo : 20 ale 1 anno, 397 de
1 ale 7 annos, 613 de 7 a 14, 371 de li a 21, 1309
de 21 a 40, 703 de 40 a 50, 312 de 50 a 60, Si
maiores de 60; e pelas proiissoes do seguinte
modi.: agricola 2,675, artistca 116, sarvico domes-
tic! 314 ; nao tern prolissae 8i6 ; turn residencia
uibana 47 e rural 4,134.
As datas que lemos do Campos aleaneam a 21
do corrente;
t Le se no Independent? de 15 :
Tave iugar naiiiauba de 9 do corrente a exe-
cocao dc pena capital na prai;a do Iinperador, dos
pretos Amaro, Cyro, e pardo escuro Aiiionio, es-
cravos do fazendeiro Dr. Jose Antonio Barroso de
Siqueira ; c Henrique e Bcnadicto, escravos do fa-
zendeiro Joaquim de Almeida Pinto, pelo barbaro
assassioato perpetraJo ua pessoa da seus senhores
e co.idemnados pelo jury deela ci Jude.
Por notieias de S. Fidelis, diz o Monitor Cam-
pitta, sabe-se tor alii fallecido, victima da variola,
I'omplicada com typhoo Sr. Vicente Alves de Faria
que ha longos annos era solicilador alii.
i Nuticia o Paraliyba, folha que se pubiica em
(inaralingueta, provincia de S. Paulo :
( Ainda nil p "liTaui ser julgados na ultima
ses-ao do jury os re s pronunciados como auto-
res e complices da niorle do coronel Jose Vicente
de Aztsvedo I-
Tom clles atravessado ale hoju doze sess5e3
do jury, sem ser possivel o seu julgamento
um facto curioso, e talvez unioo
diciarios do imperio.
a Eis as sessoes : l.J A 21 de selembro de
186J.-Foi adiado o julgamento para 38 do mes-
1110 mez, Mim de serem mlimadas as teslomunhas
que nio compare-.craTi ; nao cimiparcccudo ell.s
a 28, a requerimenlo do accusador foi adiado 0
julgamento para a sessao seguinli'. 2." A 4 de
abril de 1870. Nao lendo vindo os reos da ca-
pital, onde se achavam, nao fni 0 procosso subr
meilido a julgamento. 3. A 4 de outubro de
1870. A rfiuuerimento dos reos e o julgamenli
adiado para 0 dia seguinte ; nao ?e -pOdMdk)
nesse dia (3) organisar 0 conselbo de julgamento,
ticou este adiado para a 523 26 de abril de 1871. Nao se podendo organisar
conselho, fica adiado 0 julgamento'. '6.' A 23 de
outubro d) 1871. Chegaram ns r_ees de S. Paulo,
quando jii estava encerrada .-> sessao do jury -8L*
A 13 de marc^o de 1872.-E' adiado 0 julgamento
por nao se poder organisar 0 conselho. 7.* A 18
(je junhu del872,-E' aiqda esgylada a uru,
sem se poder organisar cou'sellto : o adiado 0
julgamento.8.' A 19 de setembro de 1872.-
F01 reijuerida a remessa do processo- para 0 ter-
mo visinlio de Guaratingueia, c deferida em vista
do art. 17 g 6 da lei n. 2,033 de 20 de setembro
do anno passado e art. 2b do regulamento res-
peclivo. -9." A 18 de dezembro dc i872, eni Gua-
ratingueia.Esgota-se a urna, sem se poder 6r-
gauisar 0 conselho.-10", A 12 de marco de 1873.
E' adiado 0 julgamento, a requerimcoto Jos
reos", por n4o terem comparecido a* te.-leniunhas
feira ^0 de Outubro de 187SU'.i ^
u
XI *)4 U
i 1 D.isterro de
nAd) Ri.Dli 11 di P.lucipe
clpe"lm.ieri.1l ; Saal'Anna da
da Independcncia ; S. Goncalo
mi Jo, pelo consul brasi
ansfaridos devilamei
[a do primeiro para 0
ue por consegnim
s, para eviUr duviil
do Huntley Berner em
- A alfandega rendeti d
2,071:934*226.
a 0
conheci3ienC03
0 noinc do na-
chos devem
ijuizos, cum q
Xgkde The Bride, d
ft\ 2-3 do corrente"
ra tprtngmpa
li.'i annacs ju
-ila A 17 de junho de 1873.-sao foi possivel
a organisacao do conselho; e 0 julgamento adiado.
12\ A 3 de outubrifde 1873.N.o lendo compa-
recido as testemunhas, requerem os reos 0 adia-
mento do processo para a proxima sessao.
Como se ve, tem os reos atravessado dote
gessoes de jury, em dous termos, sem ser possi-
vel 0 seu julgamento. Ja falleceu ua cadeia desta
cidade o prelo Vicente, prounciado como um dos
execuiores do crime.
Da3 luformacoes offlciaes existentes na'diree-
toria geral de estatistica consta 0 seguinte quanto
a provincia do Piauhy :
Divisao administrative!. Compoe-se de 32
municipios, 4 cidaJest 18 villas e 28 parochias.
diodes.Theresma, Parnahyba, Amarante,
Oetras.
Villas. Uniap, Barras, Balalha, Piraburuc|
Pedro H, Campo-jlaiur, Marvio^pr.inCipa knp.rUi;
liidopendeucia, Valeoga', Picos, Jaieos, Jeromanha,
Manga, Gureueia, Parnagua, S. Raymunde Nona-
to eS. Jiao do Piauhy.
t Parochias Nossa Senhora do Amparo de
Tlieresina, Nossa Senhora das D.ircs de Tnbresina
e Nossa Senhora dos Humildes, que fonnani o ma-
nicipio de Theresina ; Nossa Senhora dos Reme-
Jios da L'uiio, 0 da Unia"o ; Nossa Senhora da
Conceigao das Barras. 0 das Barras; S. Goncalo
da Balalha, 0 da Batalha Nossa Senlura da Gia-
ca do' Pafnahvba e JTos'sa" Senti&ra dos "Remediosf
do Burity do Lopes, 0 dc Parnahyba ; Nossa Se
Conceujio"do Corrente, N> s menio 4 Paniagua tW > Philoinetfj, 0 de Par
aiguaJBT Rayiaund^Poii 1L0, o d-j S. Rayuauodi
Nonato; 0 S. Joao BaplisU do Piaany, 0 ae
Jaa^Jlaf lUU dujgiaiiby. ^^ *m%-^ 1
a DivUao elcitoriil.. Co istHne oia distrido clei-
teral, com 13 c >lleg*; cap1WfriWy,4eiras,
Amarante. Jeromeulia, Ptrucanifia, Bacra, Inde-
peudencia, Marvai, Bim Jasui Parnagua, S. Ray-
mundo Nonato a Vices; e 23 assenibleas paro-1
cliiaes ; Nossa Seuhora do Amparo de Tfieresina,
Nossa Seuhora .Us DSres de Thoresma, Nossa Se-
nhora dos llumilde-, Noss.1 Sennora dos Reraedios
4a Uniio e Santo Antonio de Gimpo Maior, que
formam 0 collegio d capital ; Nassa, Seahora da
Graea de S Jeao da Pawufayba, 9 Nass Senhora
das RatMdios -Io urily dos Lopes, o de Parnahy-
ba ; Nosia Senhora da Victoria da Oeiras, Nossa
Senhora do 0' d-i Valenvt e-S. Joai -Raptista do
Piauhy. o de Oeiras ; S. GU';alo de .Vmarante, o
leAuiiranio; S ua > Antonio de Jeroinenha e
Nossa.Senhora do Uliyea da tlan^a, o do .Jerome-
uiia ; Nossa Senhora 4o Carmo -de Piracuruca,
Nossa Senhora da Conceicao de Pedro II, S. Gjn-
calu da Batalha e Nossa Soanora dos B*mo!i s do
Periiiery, 0 de Pirariiruci; N ejsa ,Senhora da
Oinceicao das llarras, o d.is Barras ; SaofAnua da
Indepandeueia e Soubor do Boui-Fim dof cqicitie
-Imperial, 0 da liulepcudeucia; Nossa Seuhora do
Desterro de -arvao. o de Marvii); Seu hoc Rom
Jesus da Gurgueia. 0 de Run Jesus; Nossa Senho-
ra do Livrameiito de Paniagua, Nossa Sonhora da
Ciinceicau do Correnio a Santa P. ilomena, 0 de
Parnagua ; S. Raymunlo Nouato, 0 de S. Ray-
iiiuudo Nonato ; Nossa Senhora dos Bern dios dos
Picos 0 Nossa Senhora das ilerce's de Jaieos, 0 dos
Picos.
Siege 24 depute-Jos provinciaes, tres deputa-
dos geraes e um senador.
t Conta 346 ebitores e 31,613 votintes.
Divisao eecli'siasiica.Faz parte da diocese
Jo Maraabao, e divide-se era .13 vigararias foi-a-
neas ou cotuarcas ecclesia-ticas.cem 27 parochias
e um 1 capella curada, sujeilas a uma vigaria ge-
ral que tem sua sede na cidade de Oeiras.
insirucifiotConUya a provincia no anno fin-
do, 62 escolas publicas de inslr.ici;aoprimaria,40
para o sexo maseulino e 22 para 0 sexo famini
uo ; tivaram a freiuencia de 1,611 aiumnos, 1,268
meniaos e 366 aiemnas.
< E wstiam mars ciaco escolas particulares para
meniiios, cuja frcquencia nao e couhecida.
Ires estabelecimentos para 0 sexo maseulino, quo
liveram a froqueucia de 5'i aiumnos.
a. Tun, pjis, a pnovincia 70 escolas de laslruc-
ciio vrimaria e socundai ia, 63 publicas e ciaco
particulares, frequcutaJas por 1,689 aiumnos de
ambos nssexos.
A despeza com a inslruccao foi fixada em ...
19:090*422.
Renda.\ reada goral uo execcicio de 1869
a 1870 subio a 344:332*216. e a duspeia......
338:M5*371.
A lei n. 765 de 6 de setembro do 1871 breou
a despeza provincial em 319.077^216.
lima correspoudencia de Saul'Anna do Livra-
uiento para 0 Diario de Velolas diz:
E.xisie nesle iugar uma ana, quo e uni.vorda-
deiro pluiiom-jno, couia viaie qaatro annos e nao
tem dc altura mais de qualro palmos. Todas as
liartes do coi'.'o sa 1 proporcionaes, faHa regular
iiiiiiie e revela basianle perapicaeia
Reftrem as folhas de Campos :
0 hiate liaruo de S. (Jouqao Irouxenos a no-
iicia de achar-so submergido,sd com as pontasdos
mastros de fora, pela altura da praia dos Paulistas,
uma embarcacao.
Falla-se em um barco uorui-ameri-ano que
se perdeu, e de cuja tripolacao so se salvaram ires
pessoas; entrotanto parece-nos que 0 naufragio ':
o seguinte, quo noiicia o Tetegraplw de Maeahc :
Na noite de 6 para 7 do corrente, foi a pi jue,
20 milhas a OSO. dos ba'xios de S. Thome, o bri-
gue nacional Baliiano, propriedade da Siiverlo da
Silva Gallo, da prae.a da Babia. Esta navio vinha
de Santa Cruz, com um carregamenlo cumploto de
madeiras, com destino ao Rio de Janeiro. 0 si-
nistro teve lugar da seguinle forma :
Em scguida a sna saliida do Santa Cruz so-
brevieram temporaes de vonlo e nar, que obri-
garain a tripolacao a fazer forca de vela, para nao
irem a co3te, com 0 quo evitaram a perda nesta
occasiao, mas resultou licar 0 brigue coin agua
aberla, (|ue foi senipre a mais, ale que a tripola-
cao se vio obrigada a abandona lo na pjsicilo aci-
ma referida, vondo-o momentos depois sossobrar.
t A tripolacao aportou a esta cidade 1* horas
dep as, vindo nas embarcacoes do navio Nao
houvc perda de vida a lameatar.
llontem, por volts do moio-dia, dou-so um fa-
tal abalroamealo no boqueirao aberto cnlra a Ilha
las Gobras e 0 arsenal de marinha.
0 %-apor i41m^ procedente de Macaho, foi so-
bre uma lancha que fazia viagem para Mage, ,
apanhando-a pelo meio, afundou a. Os tripolaules
da laccha foram recolhidos a bordo do v,.por, com
excepeao de um enjo destino se ignora, mas, que
segundo so rappee, raorreu afogado.
Nao podemos ainda averiguar sobre quern re-
cahc a responsabilidade desle triste aeonteeimenlo,
mas iiiformam-nos que nioe raro varem-so es va-
pores quandii vein da franquia demaudandoos tia-
piehes onde Ifim de descarregar e atravessar com
toda a forca lugares como o,boqueirao mencionado,
constantemente percorri In por pequenos barcos.
Eis as uotioias commerciaes das ultimas da-
tas :
lendo seguido varios
no Ria
M>.*tetideo, IN de buiubro. As operacoes
cm cambio realisadis nesta quiuzena foram ....
130.000 a 31 1.1 e 31-3/8 e de frs. 100X)03 a 5.43
e 5,46.
Tem liavido ahum niovimento no mercado de
produclos, prineipalmente las a couros, enjos pre-
(M oi-dhoravam sensiveJmente. a
Rio Grande do Sul, 11 de otdubro. As ope-
rates em cambio desta quiuzena foram da ...
MfpM sob^e Londres de 25 t/2 a 23 7/8 d".; do
frs. 100,000 sobre Franca a 363 rs. por fr. edeMr.
75,0)0 a 463 rs. por marco reicksmunze. Sobre 0
Rh de Janeiro pouco se saocou, porqne 0 com-
mercii ainda se resente de prejuizos colhidos em
taes operae-'ies. As taxas regularama 2 e 2 1/2 O/o
de desconlo.
Citamos hnje as-oness-a 30/ cos soberanos a
9.3<0 1 cada nin a dinheiro.
Foi fretado nesta quizena 0 Presto, para levar
earne para 0 Rio. Baflia ou Pernambue per
3:000,8, 4:O0JS on 5:000*. e 0 Knnlg Wtlhtlmlll,
para I'arreg.ir 'rereae* eraPnrto-Alegre para 0 Rio
por 1:900* 0).
Rio de Janeiro, 23 de outubro. ContinUon-
se no mercado de cambio, a noter pouca activida-
de, mas firmeza sensivel. Effectuaram-so peque-
uas transacc5es sobre Londres a 25 7/8 d. papel
bancario, 26 d. particular; sobrei Franca a 368 rs.
por franco ; e sobre Hamburg* a 45rs. por marco
reicksmunze.
Negociaram-sc lot:s menps que regulares de
soberanos a 9*320 e 9*300, a dinneiro.
As apolices geraes lo 60/n conservarara ee
sempre firmes e procuradas a lM5f,
so nos conslou ter si Jo nrgociado um
ficanie, visto que os possuidorcs
vez mais exigeutes.
Das do empre>timo nacional dc 1868 vende-
ram-se duas partidas a i:070* e 1 072/a di-
nheiro.
a No. mercado d^ accoes avurtciu 0 mbvimento
das dd'Banco do Brasil, qae apresenthram rnuita
activldade e altade precos. Negocraram-=e lotes im
portedtes a 247/, 218* e 249* cada uma a dinhei-
ro, a 218* a entregar ehi 6 de noverrfbro proxi-
mo ; a 25H* para 0 Mm do corrente mez e a '15M
para o pannltimo dia de Iransferehcia.
Ale-n desias operacois, effi.-ftiiaranf-Se' 'diWr'
sas sobre titblos da Companhia Comerc1did* Caf6'
a"60*'cada tirria a dlfihJJro: da Companhia das'
Docas'de D. Pearo' II a 32* 6 da cftmpahriia Estra-
da de Ferro de Macalie" e Carripds al2OW0O.
Naflase fezWJe; em cafe/'as Vehdas' de'asstn
car foram racnos qae regulares para cohsirmo. I !
- Sahirara tambem par a' c6nsnm6 eeffefflB 9fm
arrobas de'cSTae secca. t
Nao aos consta freternento algum.
a 0 Sr. corretor Johannes Vr/'
seguinte : Rogo-lhes queno
in ere io aviseni aoa^n^iudqras
da barca ingieza iAe
sidotendid') e rnudaao;a nltima
seu nome para 0 do Hiinlley Berner, foram
Aborlos
Conserva apenas 187,
firnpos de coloas pcra ajij-olina, siluada
Pardo, e teiWslaWlfctnijriWos outros a colonia
Theodoro.
A colonia Theodoro tem recebido 911 immi-
grantes, dos enviajlos a coluoia Sloniz, e desses. tem
fallecido 40. desle lO de agosto, sendo 31 nos ul-
timo! 30 dias. Nasceram H crianjas.
Seguiram 62 immigrantes para 0 quarto nn-
cleu douominado Leonia, onJe ia se achavam
32.
Na Tiie 1 l.iro existoro demarcados Al lotes rus-
licos de 61,000 metro's quaonados, para as fami
lias, e mais 33 lotes iadicados na frente e fun-
do. B '
1 Eis c-imo um eorrespondanto do Diario da
Bahia narra 0 que bouve nessa c ilonia :
a Subio da colonia Theodoro para a fazenda do
Paco, a duas legoas de distancia, 0 vice-director
Antonio Dipgo de Souza Filh i, no doming 1 23 de
setembro, as 10 Jw*as .do dia, em conuwnhia do
agrimensor Perzwodovsky e 0 interprets Luiz Hei-
nz : no intuito dc alii verificarem os trabalhos a
qua se esta pr.,ee.l-ii'l.' para a formagao do quarto
nucleo colonial, que a empreza pretande estabe-
lecer e onde ja exislem tnnta e dous immigran-
tes. *
No dia iiunaedialo volloo 0 agriineasor, Jemo-
rando-se 0 vice-director p-ir scutir-se incommodado
e mesmo por ja haver dado as pro/idencias para
os trabalhos do dia.
A' noite nranirain-se muitos colonos, capitanea-
dos por alguns, que ja no domingo a tarde linham
insigtidg para que 0 arinazem fosse abarto e se
Ibes fornecesse cacbaca e chai utos, dirigiram-se a
frente do mosmo armazem, voaiferando e mostran-
do dispoi;iio de cntrarem. Gritavam qua os cai-
xeiros ven lum os gancro* a quern bem queriam,
e que elles tinham 9 tbieito de elegerera os caixei-
ros de sua eoniianca.
a Sahindo a frente 0 agrimonsor, pediram Ihe
Sue mundasse-llies entregar 0 armazem, ao que
oclarou 0 rhesmo agrimeosor qua nada liana
com 0 armazom, xnosaue nao podia permittfi de
forma alguma, quo clles forcassem a porta do
mesmo.
Li-jsliraiu os lurbnlentos, apitoa-se pela forqa
p dioial, composta de alguns dos mesinos colonos,
nor|ue quasi lodos se achavam armados, e amea-
cavam a torto e adireito, nao attendendo a ad-
111 lestaca 1 de retirarems; para as suas casas, co-
ma tinliam f.;Ko na vespera.
Na masma occasiao acudirara os trabalhado
res brasileiros,que viram osemprogados era apu-
ros, mas apenas tres pr-derara annar se porque os
turbulentos tinham dado sobre os seus ranches, e
se ap.idera h de suas annas.
a 0 agrimonsor, fiuc linha podido rcU'rar-se pa-
ra dentro do armazem com os deiuais cinpregados
e os trabalhadorts brasileiros, procurou resguar-
dar asso doposito: am [uanto os turfmleutos se
retiratam para, algumas casas, d'onJu 0 ylgla-
vam.
Pcdio soccorros ao conselheiro Leiio, na colo-
uia Moniz, 0 ao Mspectivoisubdelegado, na mesma
.occasiao em quo dava parte do dislurbio ao vice
director, que e Umbem subdolegado do districto,
nio podendo, porem, 03 portadores parlir senao
durante a noite.
. Quando chegou O/vic director ja havia parti-
do para a colonia Moniz 0 agrimensor, levaodo
comsigo sole pessoas, c encontrando om meio ca-
minho, os soccorros quo tinham ilo da Monfz.
0 que ocoorreu, entretaato ?
Reuniram-se novamente cm trente do arma-
zem os turbulentos e lendo principiado o assallo
do meaiuo, arrehenjaado as grades q forcan.lo 0
mgresso disparando mesmn tiros, que felizmente
nao acertaram ; um brasileiro desfeohou um tiro
contra um dos aggressorcs, no raomento em que
este visava 0 agrimensor, 0 tinha falhado.
t 0 tiro foi tao certeiro quo fulminou 0 aggres-
sor Joao Kr his, e com a sua queda, parecendo que
com clles euiros tinham sido feridos, parou 0 rao-
viraonto, como que por milagre, inter vindo logo
mulheres e crian?as, que procuraram dissuaJir
seus pais 0 irman de tante doudice.
t Como J lio Kratis nio tinha mulher ncm fi-
Ihos, maior impressao produzio sobre os animos, a
intervenfao dai mulheres e criancas.
Os colonos retiraram-se para as ,saas casas c
parecia quo nada tinha succed.do, *sto como 0 ca-
daver foi logo recolhido a casa dc seus paren-
les.
t Durante a noite 0 aggrimeusor, aproveitando-
se da circumslancia de se acharem entoxi.;ados os
inrbulentos, cercou-lhes as ca=as e prendeu os
principaes cabecas, que, amarrados, trouxe na
mesraa madrugada para a colonia Moniz, onde fo-
ram recolhidos no quartel do destacamento de po-
licia.
a Os presos foram remettiJos para a capital, a
disposicao do chefe de policia, 0 qual os mandou
para Ilhoos, para ssguirem 0 respectivo proces-
30.
Eis a liste drs premios maiores da terceira
loteria, a bencficio da capella dos Quinzo Mysle-
rios,jjxtrahida hon'.em:
163
864
229
2436
1213, 2810 e 1498
2684, 1067,3214, 2842, 3320 e 485
J635, 18*19, 1340, 521, 1708, 3382
3121, 556, 467, 1314
3351,666, 2048, 2831,
2470, 1511, 3113, 653,
1443, 3180, 1477, 3342,
282, 1743
prejo a quo
fote insigni-
Ass(ciic;" > CiimmnreliU
la. -Dave realisar C Hoj- as 9 betas do dii a
revuiao da assemble 1 geral Am luembros desta
as>tciaca 1, aUm de .eleger-se a nova'direcliria,
com 0 uumaro que comparocer.
Iastifntb Areheolo&ieo e Geogra
phlco.Reune-se hoje era sessao ordinaria.
HistoryrTteatriai-seirnios Ujj- *<>*
8" pagina nis aHUnas Wias do ^stagoewi ae
Joio FerMndes Vietra.
Ki-ualAit de irNaaiidadc -No 1 de
novembra (bbadoi proeedA a irnutdade das Al-
mas, erecto na mitriz da-Voavislx, a eleicio da
mesa regedora para 0 anante 18T3 1874.
Festividade religtosa.N) dia 1 de
novembr* elebra-se, na'Igreja do cmvealo do
Carm 1 do Recife, a fosta de Nosi Senhora do
larmo, que se vanera wt iroalaspisio dossa igreja,
occupando a tribuna sagrada ao Evangelho 0
padre 1 iqf/^jM'lijf Carmello Luua e ao
Deum o Rvm. padre Leonardo Joao Grego. A'
te sera queinad 1 um mido fogo de artiflcio.
Amanha a tarde sera benzida a respecliva iuia-
gem, com tola a solemnidade.
Annivcrsario.Complete amanha- 35 an-
nos S M. 0 rei de Portugal.
A 11110s muaicipueK.-Termini amanha
0 de 18721873, e comeca no sabbado 0 de 1873
-1874.
Dinheiro. 0 vapor inglcz Boyne trouxe
para :
Dr. Gervasio R. Carapello 93:000*000
Bario de Nazareth 33:030*000
Para a Europa. 0 vapor Boyne levoa
124 passageiros soudo 9 recebidos era noso por-
lo, cnire os quaes lord Newiile e 0 honorable
Nyndham Stanhope, que acompanbav.tm 0 Sr.
Ash bury, na sua viagem da recreio, a bordo do
ijatcli a vapor EsUien.
ERla Noraial-No dia 28 leva lugar a
congregacao dos senhores lenles d'esse estebeleci-
inenlo para habilitacao dos ostudantes, que podem
prcstar exames.
Foram considecados habilitados os esludantes
quo deram inenos de 40 (alias no enrso, e foram
designados os dias para exame da seguinte for-
*i* i*|lK^M8M!*mi^* '^'kW^ a uni rolo e vira-.
Ajyrleo- enr^jadjjj^i^sjl^^da^liagi-^nma se inarcari-
os Commissaries d
lin-i!
a e*ai
su;t mage o^dircifo de com'
irar os diag* pieios, qu-iuMtllM vierein pregadM.y
Faenldade de Dlreitu.Fizeram aeic
honiem 11 estuiantos que_o5tiffliam 0 resulla*-
lontem 12 esiu lantas .me obtirorara
0 plenaraente
heiro, simples
plenamcni
enamente.
1313.
3475,
2703,
2109,
2100
3438,
3:000*000
800*000
500*003
200*0'!0
100*00)
10*000
20*000
10301);
REYISTA DIARIA.
I iistruccnn publiea. Por acto da pre-
sidencia de 29 do corrente, foi nomeado 0 Dr. Joao
Barbalho UchOa Cavalcanle para exercer 0 cargo
de director geral da instruccio pubiica desta pro-
vincia.
Jury do Recife. Achando-se honiem
presentes 38 juizes de facto, foi sorleado 0 conse-
lho de sentenca que licou assim composto : Jose
Affbnso do-Rego Barros, Joaquim Pedro dos San-
tos Bezerra, Jose Francisco de Paula Barros, Jose
Domingues Codeceira, Francisco d'Oliveira Mello
Silva, Ulysses Pernambucano de Mello, Dr. Affon-
so de Albuquerque Mello, Dr. Antonio Maria de
Farias Neves, Luiz Pereira de Farias,- Joso Pache-
eo de Medeiros, Jose Elesbao Sorges Uchda e An-
tonio Carlos de Pinho Borg'js.
Kntrou em julgamento 0 reo Jose Victorino, pro-
nnnciado no art 193 do eodigo criminal, tendo por
tornam-se cada advogado 0 Dr. L. E. Rodiigues Vianna.
Foi absolvido, 4 vjsta da decisao do jury.
Sccretarlo do gro'verno.Acha-se no-
meado secretartq- do tovferno da provincia de Per-
-| aambuoo o Sr. "Dr. Francisco Antonio dos Passos
Miranda, -. m,. k km^ au
Kng-enlieirtw flseaes.-Por partarias da
presidencia da! provincia, de 29-da corrente, foram
nomeadas os Srs. Drs. Felippe de Figueiroa Faria
e Parto "Jds6 de1 Oriveira, para iscrvifam interina-
raetrtfl-,' estQ de engehhe'lro fiscal da via-ferrea do
iSefcrlo io Caxanga, e aqnelle da do Recife ao S.
Francisco, 'flnramte-cf irnpedimenW doeflectivo
' 'w.'. Ann^.l<> _riiM ihir ill rnrto
"?ipWrOrifarioDevia'sahir da-cflrtepa
rao nossO porto no dia 26 do corrente.
'?i^r''ll!Hflll.-JEs\^aarmBriciado'ria cor-
para sahir no dia 1 de novembro para'os por
isW.'ntrtHe'dotrttperio.
Vapor Mendoza -Era esperadi na chm.
^Trtfrr d.V'Prata, para sahir para. 0 n 1-0 p-rto a ,
Sa7*'de novembro.
fqstiinto Academteo -f is -r de caracter expressive; 2, serao- exe-
-nos o! ^Igrtdecemos 0 numero 6'do fomAI fnttitu >- e.n loaa afeo, on'-wjiiarela (distemper);
cofti- attnfdo, orgso "da1 srJcieflade 'aSWm dpnwui^i.,! 3- ,.-.le.'u ser executedos com cores, ou em moao-
insntuida ua capita da,BaHia. icuromo; 4, derem ser-vistas perspecuvas ; 6,
floelcdade IJtteraria e Auxiliarto Icada diagramma deve ter pelo menos 5 pds por
i^Wtf1 kntrtKfflo- Seeandnria -Ama- \ 10 ; mas os dtagrte*as,-4imples 6> accuparao
do nha, (quiuta-feira) havera sessao ordinaria desu'raais del0p6s de altura e 20 de compnmento;
ma:
Para 0 1 anno, 0 dia 4 de novembro vindou-
ro; sendo examinadores osleiUos respectivos, Dr.
Jorge Dornelias Ribeito Pessoa. Miguel Archaojo
Miudelo, sob a presidencia do Dr Ezequiel Franco
deSi. %
2* anno, dia 4 de novembro vindouro, os pro-
lessores das respectivas cadeiras: Drs. Maximia-
no Lopes Machado e Avrcs do Albuquerque Gama,
sob a prosideocia do Dr. lose Austregesilo Rodii-
gues Lima.
3* anno, dia 8 da novembro, sendo examinado-
res 03 Drs. Ezequiel Franco da Sa e Jose Austre-
gesilo Rodrigues Lima, sob a presidencia do pro
fessur da escola pralica Vicente de Moraes Mello.
CaadeeoMteao estrau^eira. Pelo
governo porluguez Cbi condecorado com a com-
mend.! da ordem da Cu'.eii;.iu, 0 Sr Luiz Jose da
Silva Guimaraes, negpeiante de nossa praca.
Nova paoliea^ao. -Recebemos e agrade-
oeinos 0 exemplar do pamphlet) ExploraQ&o para
o estabelevimeulo de uma estrada dc ferro a vapor
entre S. Fidelis e Sanlo Antonio de Padua.
Siipi'cm) Tribunal de Justica. -Na
sessio tel :
N. 8165, Peroambuco.Recorrenle a camara
municipal, do Ceara, ntcorridos D. Joanna Marceli-
na de Sainpaio e otitro.Negou se a revisla.
Foram distribuidas as revistas :
N. 8411, Siaranhio.Recorrenle Manoel Jose
do Vallo Guimaraes e outros, rejorrido Raymundo
Josu-da CohI 1 Junior. -Sr.Oiiii.
N. 8418, Pernambuco. Recorrenta Rosa Maria
Ida Conceicao, recorrida Maria das Neves Miranda
Oliveira. -Sr. Chichorro.
Kitletiiu ina^oaieo. Racebemos os ns.
de 7 a 9, dos mezes de juihi a selembro desle an-
no, do boletim do Grand- Oriente lini lo*e supre-
mo conselho do Brasil, unidos em um folheto de
cerca de duzeutas e dez paginas. Agradecemos a
remessa da iuteressante revisla.
Viaferrea. -Tambem rocebemw um opus-
culo couteudo a descrlpgao dos estudos feitos para
a exploraciio de uma viaferrea de S. Fidelis a
Sanlo Antonio de Padua, pelo engenheiro civil e
militar Roberto Arseuio, que, ni prei'acio da obra,
diz ao lei tor :
Nao e ja para os engenheiros que cscreveraos
estas poacas paginas, para os quaes bem dilTeran-
te seria 0 estylo qua empregariamos, mas para de-
raonstrar. aos Q*nces>ionarios e socios da estrada
de ferro de S. Fidelis a Santo Antonio dc Padua,
(|ue, pela nossa pane, cumprimos com odever de
explorar aquolla zom para a coosiruccao da es-
trada, aprcsenlaudo a consequente linha experi-
mentada.
Agradecendo a offerta, dosojamos qua 0 3r. Ar-
senio consiga os seus tins, pelo derramamento de
conhecjmentos especiaes sobre as estradas de
ferro.
lii(|ucritopiliciai. Ao Dr. juiz de direi-
lo do respectivo dislncto criminal remeiteu a sub-
delegacia da Varzea. em 25 do corrente.o que pro-
e'edeu sobre 0' roubo praticado. contra Antonio
3uarle de Olivaira Rego.
Cadaver. Encalhou hontem ua praia do
forie do Ruraco 0 do subdito. iteliano Nicola Vita,
victima do sinistro que ha poucos dias se deu em
nosso porto. Condiizidi'para a igrejajdo Pilar, a i
procedeu-se a competente vistoria.
Loteria do Rio de Janeiro. Eis 0
rasumo dos premios maiores da 9.1 foteria conce-
dida pela assemblea provincial do Rio de Janeiro,
para indemnisagao das despezas feitas com a com
pra da estrada de ferro de Cantagallo, extrahida
no. dia 23 do corrente.
N. 3727...................... 2>00n*003
N. 1980...................... 10:000*000
N. 3215................. 4:000*000
N. 5498...................... 2:000*000
Ns. 901 e 1217-1:000* a cada um.
Ns. 2706, 3264, 3681, 4823-800* a cada um
Ns. 1130, 1292, 1635, 1619, 3314, 4495, 5081,
5467, 5177, 5517 -200* a cada um.
100* a cada um dos ns 494, 682, 1143, 1844,
1981, 2318, 2839, 3050, 3109, 3126, 4"30, 4645,
4896, 5225, 5251, 54Vt, 5495, 5626, 5646, 5784.
40* a cada um dos ns. 202, 283, 691, 883, 954,
998, 1058, U69, U7I, 1374, 1534, 1533, 1623,
1631, (641, 1711, 1729, 18)4, 2018, 2168, 2142,
2144, 2240, 2102, 2115, 2140, 2509, 2391, 2718.
2722, 2778, 2965, 2967, 3458, 3601, 37-8, 3726,
3834, 3871, 3969, 3'.-87, 4037, 4164, 4318, 4101,
4199, 4557, 4678, 4688, 4751, 4784, 5i47, 5277,
5334, 5583, 5601, 5618, 5623, 5751, 5753.
JSxposicao nacional de IH*-1. -Pelo
ministerio de estraogeiro* foi dirigidQ ao da agri-
cultura 0 seguinte aviso :
2.1 seccao.Ministerio dos negocios. estran-
geiros.Rio de Janeiro, em 14 de agosto de 1873.
Illm. e Exin. Sr.Tenho a honra da passar as
maos de V. Exc. a inclusa copia de uma note em
que 0 ministro plenipolenciari) de sua magestede
critanmca nesta corte communica ac lar-se encar-
begado pelos commissaries da exposicao interna-
iional que tem de realisar-se em 1871 naquelle
paiz, de inanifestar ao governo imperial 0 desejo
que nutrein de obter de alguma reparticao com-
petente brasileira, ou dc qnaesquer sociedades de'
engenharia ou architectura por ellas protegidas,
diagrammas dos monumeulos importantes do
Brasil.
t No impresso em duplicate que vai tambem
annexo acha-se regnlado 0 modo de exec-agio dos
referidos diagrammas.
c Rogando a V. Exc se sirva habilitarme a
responder a referida nota, aproveito a occasiao
para renovarlhe as seguran;.as da minha alia es-
tima e muito dlstincte corfslderacao. Visconde ie
CaravellasA S. Exc. 0 Sr. conselheiro Jose Fer-
nandes da Costa Pereira Junior.
Rio de Janeiro, 8 de agosto de 1873. -Sr. mi-
nistro. 03 commissarios nomeados por sua ma-
gestede para promoverem a'expefeicao internacio-
nal de 1874 pedem-me para levar ao conheciraen-
to das repartieSes pabubas do imperio ou das so-
ciedades de architectura ou engenharia protegidas
pelo governo imperial, 0 desejo que elles nutrom
de obter por meio de eompra; ou por qnalquer for-
ma, diagrammas doi eairlcios architectonicos e
importantes do Brasil.
Tenho a honra de remctter os inclusos exem-
plares das ideas dos commissarios sobre 0 as-
sampto.
Aproveito a opportnnidade para renovar a
V. Exc. a segnran^a da mintia subida consldera-
cao. -Georg* Buckley Matkew.
* A 8. Rxc. 0 Sr.- Vfcconde de Caravellas.
Div.sao V classe 9. -De'dnhos de engenharia
civil e ch ftdrUcms archtleftonlcfls. Begras para
iar..s .le dmgrairimas ^ edifictos aotigos e
>r,n- le todos o paizes1*, 09 diagrammas
Jost- Hanrtoira
anoel Raymando (
menie.
Ascandino Vicente de Mat
Francisco Maciel de Olivi
. Rodrigo Correa de Aranjo, ojjb Ju*linc?ao.
Jose Gomae Coimbra, plenaiMMfi-:
Jo^e de Castro Sa Barreto, *plesmente.
Antonio Francisco Pereira dc Carvalho, plena
mente.
Manoel Antonio da Fonceca Costa, simples-
mente.
Luiz Frederico CodictJra, simplesmeRte.
Jose Poppe da Suva fjopes, ptcuiiueuie. '
Francisco de Siqueira Cavalcante, simplesmenti
Loteria. -A que se acha a venda 6 a 72' a
bench io da igreja de Nossa Senhora do Livramen
to da Victoria, a qual corre no dia'4, pRo novtv
piano pubbcado.
Casa de detencao.Movimento do di*
28 de outubro de 1873 :
Existiara presos 342, entraram 2. sahiram i,
exislem 342.
A saber :
Nacionaes 250, mulheres 11, e~t:.iugeir<.
escravos 39, escravas 2 Total ;t4
Alimentados a custa dos coins publicas 279.
Movimeito da enfermiria do dia 28 dcjBtii*''
Teve barxa
HermaBegild'i Luiz da SiWa, comusoes.
Passageiros Vindos do sul no vapor in-
glez B une :
Pierre J. Capiaux, Callau P. Guilleme, Pailaii .>
Armani, Ignacio Souza Ferraz, Maria do Rec.t
Barros, Allou-o do Regu Rarros, Dr. Henrique do-
Rego Karros, Dr Jeronymo Thome da ilva. At
tonin l"ii|'iim Dias Medronho, AdolplnftPur^iia
Cara-iro, jiise-1.orneiro, Jiiao de Karros da Silva,
Luigi Pengsture.
vK*Nli 1 JIOHIABIii
Tribunal de coutnaerelo.
SESSAO JUDlClARIA EM 27 DE OUTUBRt>
DE 1873.
>I\KS1PF..NC1.\ DO KXM. Sit. Cij.NSKUIKHIO A.NSELM-
KKANCISCO I'KltKTTI.
S\teltu-io Merino, 0 official Torres.
Ao meio dia, estando reunidos os Srs. deseu-.-
bargadores Silva Guimaraes, Reis e Silva e-Ac-
cioli, os Srs. deputedos e supplenles OTihto
Rastos, Lopes Machado e Sa Leitao, faltandu cv'it
paricipacao escanta 0 Sr. siqiplenle Guerra, S.
Exc. 0 S'r. conselheiro presideule abrio a.sessao.
Foi lida e approvada a acta da sessao de 2.1,
com recliiicaca0 de ter sido 0 Sr. depulado-01inti>
Ka-t.is. e nao "0 Sr. deputedo LGpes Machado, Bin
dos juizes que intervieram no julgamento que
Jemliam do feito entre paries appellante ioao
ose dc Carvalho Moraes, appellados Jaymes Eneas
Gomes da Silva, Jeronymo Delsuc e D. Ursula Cor-
dolina da Rocba Almeida.
0 escrivao Albuquerque regisiiou 0 ultimo pr"
tjsto de lettra a 21 do corrunle mez, sob p n.
2,966 ; e 0 escrivao Alves de Brito a 25 do masoi"
mez, sob 0 n. 2,904.
ACCOllDAOS.
Leram-se e assignaramse os seguioles :
Appellante Antonio Duarle Carneiro-Vianna, ap-
pellados Joao Raptista Gomes Peuna e Antonio Cli-
maco Moreira Temporal, como admiuistrador de
sua mulher, e outros; appellante Joao Jose de
Carvalho Moraes, appellados Jayme Eneas Gotncs
da Silva, Jeronymo Delsuc e D. Ursula Cordoiina
da Rocha Almeida.
JBi.Gasn.NTos
Relator 0 Sr. desembargador Accioli, revtsor o
Sr. desembargador Reis e Silva, juizes eommer-
ciautes os Srs. Guerra e Lopes Machado.Appel-
lantes* D. Anna Francisca Tavares Braga e seus
filhos, appellados Severino Irmio & CProp*s'.a
a prelimiuar de nullidade foi dispensada, e. entran-
do-se no merito da causa, julgou se procedenie a
prcscripcao allcgada.
Pr(,poslos os seguinles feilos, deixarain de sci
julgados. em consequencia de nao aehar-;e pre-
sante 0 Sr. Sa Leitao : .
Appellante Gertrudes Germana dos Passos, ap-
pellado Manoel Eduwigcs da Silva ; appejlantes <
barao do Livrameuto e Jose Antonio de Brilo, ap-
pellados os administradores da massa failida de
Fernando Stepple da Silva, e os herdciros de Luiz
Amavel Dubourcq e sua uulher.
E por ter pedido adiamenlo um dos juizes eoi.'i-
merciantes, nao pode etfectuarse 0 julgamento i'a
appellagao em que sao :
Appellante Aquilino Rezerra de Meneze:, appel-
lado Jose Cavalcanii de Albuquerque.
Conlinuam adiados em poder do Sr. depulado a
que se referio a acla da sessao proxima passada,
os seguintes feitos :
Appellanles Marques Rarros & C, appellados.os
administradores da massa faind 1 de Silveslre Pe-
reira da Cunha jj C ; appellante Gabriel Anlooic
da Caslro Quiulaes, appellado 0 Dr. Nabor Car-
neiro Rezerra Cavalcanti ; appellanles os adminis-
tradores da massa failida de Magalbaes & Ixmao,
appellado Auljnio Machado Gomes da Suva, tutor
dos men-ires Antonio e-Jose, lllhos de Ren to Jose
da Silva Magalhaes.
PASSAUENS.
Do Sr desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva. Embarcos infrin-
gentes entra paries : Embarganle Jos6 Alves dc
Faria, embargado Jose Pereira de Faria.
Do Sr desembargador Reis e Silvaao Sr. des-
embargador Accioli.Appellante 0 barao de Bern-
lica, appellados Jeronymo Delsuc, 1). Ursula Cqr-
dolina da Rocha Almeida e Jayme Eneas Gomes da
Silva.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimaraes. Appellanles Araalia
Leiden, via va de Henrique Lei Ion, socio da firma
Henrique Leiden & C, appellado Henrique Quanz -
appellante Joaquim Jose Alvim, appellados o Dr.
Lourenco Accioli Wanderley Cannavarro e sua
lilha.
E ao Sr. desembargador Reis e Silva. -Emkir-
gos infringenles entre paries :
Embargantes Joao de Azavodo. Ramos e sua m :-
Iher, embargado Antonio Goncalvea FerreiraCos-
cao.
Encerrou-se a sessao a 1 horai da tarde:
RESU.MO DOS BALANCETES DA EECLli *
B DESPEZV DACAMAHA MUNICIPAL DO
RFX1PE, NO TRI.HESTRE DE JULHO' \'
SETEWBRO DE 1873.
KECfclTA.
Exercicio de 1872 d 1873.
Saldo do mez de junho proxi-
mo findo. : 19:523#4b7
Receita arrecadanos mezes de
julho, agosto e setembro.
30:9*74tr
----------------------------------- i i
50:48^2p7
DESPEZA.
Exercicio de 1872 d 187J.
Importancia despendida nos
mezes de julho, agosto e
setembro...... a7:057*833
Saldo quo passa para o mez
seguinte...... 22.830j$r74.
S0:4882>207
Camara municipal do Recife, 98 de oulu-
bro de 73.
- Oprpcurarlor,
Josi Simplicio de Sd Eaieves.
PMTE BOUncf"
PARTIDO COISEBVADOB
RECIFE, 30 DE OUTUBRO DC 187.1
Os liberdadeiros da Provincia.. ao iendo prin-
cipios series o definidos a- realisar, eoam-.pef.va-
rias veses lemos demowtrado a hiz da evidencia,
adoptaram o comrnodo expedieote de esligrnaisa-
rem a politie* generosar do actual gakenete, o-onal,
em seu coneeito, tenta illndir o paix eom seeasti-
e&s refbrmas o promesjas vis de outras.
Temos inquertdo desses fateos apostotos in pro-
gresso quaes s3osses prineipios refltar na
quadra poliiica que vamos airavessasuo, e de bal-
de aguardainos satiffaeeoria rosposta isnossa
terrogacoes caihegoricas.
)
&y

HfElVB |
i
^



f

^
!
KMo^MnMrbatoU^;<-** nte fefra SOodod^tao*) ic Jfififi
31
aviso.
A nivesta.) religiosa qa) tan
-is pttilosopiUMi da Piitrinrit
olucao mais vaulajosa, a
4o-eanielheiro Xabaco, (jue 6
qaal ijascreveratn tambem, por co
abolicao do j lraueoy ax?,
litieaa, decreiall^
casamcWo eivi If
Julgaodo nMMMi
na desandada politica i
rae da Proeincia, fize
taes refomaii j.i era para
isto *e eonte.ilavani... p ir agora.
Inconstant'!* 11 inticis em suas o;inioes.
abraca n anaa those para inais tarde conv
em bypotnese da sua poliiica aleatoria e ine
fente.
A Provaic.a, qua arvoraram arbitrariamento
.:arao orgao do partido liberal, appareee c;ida dia
-rocheada de iinpropcriftcairica ,g hispp. eontra
- jesuitas; eatretanto qW:(W araKtssniiios par::
ue,*selarin c delinam a sui opinifio e o que en
tendoia elles qua mais eonveiiha que se (a.a em
semeTKanfo ejnjuncrura, unrieitiatamente retra^
hem-si ao siloncio e no* inlimam a qtie deixemo-
o poder, orao se a opinion publica, que os tem de
ba inuilo ahandonalo, pudessa volver em sou
favor, na vaguidio das ideas, que os ditacarara no
proprio sein do seu partido, dividido e retalhado
em aspiraigde* contrarias.
Com effeito. de tun lado vemos o Sr. conselheiro
sjouza Franco, len >minxI) ckefe de pallet pH> Sr.
Silvuira Loin; ile outro lado o Sr. conselheiro
-Zaca
essa pu
nte foi publieado coin
tfaW tapere, capiat -o aviso n.
to de 1813, expedido poroccasiio
onMMP<*eA Ptefe Je atlicia do
ital da

po
. u^attiiTjlar amqfc^dl IrAftcraio Francisco
Correia de Araujo, com qdem tranea absolutamen-
t! tive a minima desinlelligencia. Tenho-o acorn-
paahaao n"*ita da casa de deteneao todas as
veaes, que para isso liel sido convidado ; sendo
este con vile flilo por meio de cartas muito alien-
clotas drantpregado, quetoraa pane na vistta.
Ignore qual o molivo dessa publn'acan, a que
me rcflro, edispenso me de manifeslar conjecturas.
A urn, molivo, alem de outros, se podera attrlbni-la:
a intrtga:
Hccife, 26 de outubro de 1873.
Oliveira Foneeca.
.4 IVcviiiciti (poriodico) de S3
do Culm. Jose Paulo Filho.
Se a frodncia de 93' do aorrente -id Ibsse lida
nesta comarea do Cabo. ou por aqwelles que me-
conlie'-em de parto, nao dar-me-uia ao trabalho
de respjuder a ealumaiosa noticia quo naqtielle
perlodico V'-m com o (itulo Poticla ad 'Cabo.
A liberdale da
ij e ama das glorias
P.iranagua e Saraiva acomoanhaaaki
iraontanos o dilo conselheiro Zacarifcl
s;ia tai em formal opposieao com^p
e lelavuno quo pr^ferem o stutuquo
fa JU >WPj9 Jfc" WpoM ftJBUse-
ft traaiiija,- hifa H wi'Af que
;>i., faiialic )JUa de
lun-ao da encontradas e antagdnio^
lino pretendeis v6s. liberaes pHtf"
cjaj do govemo do paiz cm ci
jd'i apoio ua corUf do,.^*'
iin.iiiu Elites, o:u jueni ;i i??
oulianfi .! tic ^i^tf ti^S.vF
i.lU.ii.i pario'ca^lU.
' sia I.
*4 .<*]>!><*..
es,eiHpeuUij \V\
[ os publicos oogoeios
-tar
coiiiu poduneis
dos bo- zo'O^ando
reitiiiilvs em coimnuni, p:ii con litest
fe?eis, luiuca pile?*rt#tealirflrtrtmi,m'a
ilutir e pniicua parao paiz, agora que
tba'uwrtea-J'ts, o-la um pia 0) J.-
k qae p'deis inspirar a e.-ta sociedade
le g-audes ciinuiettimenlos, seria imii-
i-iiU
-laiu-a em ?o--ji a-p
paiz *
E n:i i o La 1 '. Xa piaWucA na
oam apoio f
-.>U.-: it p
1
eerie to ao g iverno J-
tdul'
a tl
. diL^etralafao e calumuia; vicios estes
das familias e da sociedade, *op
Iroco respeito e benevolernia que
devem uns aos outros, e a carid
ia
jagi
keao
sio
e da opintao i
venJeram aj
p
comi mifoTimt
da lei, da justi-;a
a eomo juizes
uro, cavallos, etc.; homens
rafijjtguMieot calcam as leis aos
aT^flnao publica compflem mui
VgJesS itm i WmtPifc m-HHm? ft^ebaixo da c^
o> aawnyiao.e sob a respoasabiWJftde tl* ii tef
faftrrn, ou em w/^i-pt^jSrt vwjax, abosan^o't
liherdmle da iinprehja';-derramiii sua babtr veij
nosa sbttre' as autJrijii'd rjue ihe's po -m embarl
Cg a eu> a'Mo-, crimiuosos /; 0 cm$$l-M
pubiicOf, e vicom 3,3 giverao a quern c.ila mti un !
??!!'.... ,4 M&tot,ad mt ghiiiJ
\ calumniosa noiieia a ijiia-a-u-roferia
que o digno delegado de pili-ia o Sr
; I'a'cao, hy. }"'" (.' vm*i e tan
rJHr'/l iff7 Tttth : a Nto dix"m4
do torrjnte i 'v* > digitj ^Ll<
naf so n i nr :' 11 I -r>io ia
, coiii^ f i-nh-T ; i MS da
? rtHpondidb* a-sini o pnm^iro ponto,
J'ode iiiesi
rues m os,
vos ahoimi
0 Chi!,
nervo do li
io fossa iiJ
batallia eiiill
trades, euel
{laude entj
porta ontra:
upipiu I
III la 'S 'iniV.r'i'S *i*l'> Call I J^i
K..r a vossa pnlitiea dubia 'e i i.'erla. .
\i7,;r-seH'^*oi*yJ|^'fcs^Wa'|l5l|*IPl?Y',1*n,'s dil WP!1, na qual'dade
e qae I; 'je
pi 'T. hi ';' '
i e detestainj
aL-ir ,j:.- rc.iri:^i;iilava a ror.;a e o
laiis.'ii i .iri lUMvinda, dos |uilou sj
i|-.:v:ii i ifligWiJhieo 0 v.is ti::n lado
!aii|i i rasa Os sons ora't'res [Ids-
;i is J uniiwiii a opiuiai. que os ap
i-ia-ta a ea til inv.;-u.lcr.-i, que-im
taiiUs deh'andalas. cm vo-s'S anaia"<
^5'iasi i-x'i.-ftitis do Viis-"i diiurtorio, freiiuentad i
-'Wiite ,"ir ;iIgQ*rVs'arf*tiicr;itas; teudo eomo seu
friii'fe ii 'oifiu Kao da Pr cincia.
0 v.isso Bts^ial cstit exh i.is.'i a o Club Popular
?:t" na vanguard* d> partido liberal, que
arvoroti a bandewa da igreja k'vre no estiido
livre.
Nesta ritiiii'.-io .uriseada em quo vos aeluis, si-
tiados t't.i de p.Tt i pelos popularcs juji vos tiao
!5o qu .nel, o quo preteudeis pi^ t
Bern vn.nos que fi:ig.s iiidiffet^ntisivro'e des-
i -n-ivl.nl." d.i t'.ltib, mas uaoi-e menus
^'Ordade |uea vossa in-irle politica e" inevitavel
< sociedade.
Ora, pois, e 'vidi'nte a vo-sa fraquez'a e a cense-
(Ueate irnpossibilidade e n que vos acttaife para o
govemo do pazein quadra tio ineliudrosa e. ar-
riseada.
E* ver.lade qjiv no abandtoo, a que esiais re-
-ilazidos, e nao viis t.'iido eompromntii 11 por no-
iu;ii jir iici.iio dis que Iicje se debateni na anna
- (rJMira, podcis livremuiite desposar a causj
qualquer dn* grupos do> liberaes, quo iiii eorte
-.-- nia:iifi:>taiam p ir osse uU par iiquullo^inucipio.
D'est'a t'.' 'tai duvilaiieis applaudir a acompa-
tar a piilUiaa ullr.imontana do conselheiro Za-
ias isai C'liicL-rto com'cs Srs. Paraua^ua e Sil-
reira Lalw
Xa < ve le-, ponim, quanlo seria profuuda e fatal
v.jssa oegueira J
Prevenindi fssa bypotiiese (seinpre a hyptfkeu)
aoiinastes o vosso infeliz e desasado tribune a ir
;ii|i',btar o posto, dequehavia sido sxautorado
aquelle winsrll eir >; o pnblico, poreni, vio o resul-
;;-.i! i, qoal foi de licar desprestig'ado o vosso man-
datario, cabend > a> glorias do triumplio aos ira-
dores do Club que tizerain manter a expul>ao do
obre conselheiro do gremio do partido liberal,
chafe do mesrao partido.
E" dest'arte Umbera quo n:io duvidais de aceilar
[base o prioeipio d:t igrcja liitc preveuindo
iraalmante a hypothese de uma possiRa) ascenciio
dochefe Je paliia Souza Franco enn os sous mo-
jjs fogos)s,ealre osjouaas Sr. Silveira Martins,em
favor de quem distribuis, de espaeo aespaco mr-
r-'cidos encomitis. acaute!an-io vosbemseguros per
!uas fortes aiilarras ma-, eomo semelhante Ity-
pothese se vos iifigon mais n-mota de sua realisa-
;ao, apr-ais mais eerteire para o vosso norte e
jiroclamais eon as devidas reservaso stuh> otto
'iiscllieiio XabuiM, que e a puuta reflectione
i mixto do grande Castellar, o sol da democracia
I'aulo do npostolado da libcrdade
Ahi tendes p is a vossa politica de marotnba,
i ta ilienar-vos todas as sympalhias do partido li
I. que nao pole jamais ter eonflanoa em
iss i earacler dubio e iicerto.
(Si vos'sos escriptos na Proeincia se resentem
.tctamente da mesma incerteza e dubiedade e
::i t'"i 1 -> ojiiiiiio ctrtii i: segura qu. inspire fe
. > v.issjs.caiTJligipiiarios.
i iibsolyta de.assumjito seiio c grave
me sirva d alimento i vossa g.neta, losvirtuais
;i imprensa.das questoes importantes para vos era
. nhares em uma luta de impnperios e de inju-
rias contra,o honrado admmistrador. a quem
.-stais de quando em vez a assacar novas iHJurias.
Xo desealabro a que atirais de novo a vossa
..-irensa. nao rejles quanto romprometteis a vossa
; asicio de escriptores publicos para nos fazi.T
f pois os responsaveis, quando sois vos os primei-
ros a desvirtuar a imprensa do nobre lim, a que e
iestinada.
i-Mamos a tomar nut.i do deiregramento dos
is e* :n|itos coin referenda a adinmistracao
i prorirrcia.
Cumin van a* enusas !
Em t87i, etlanil) em sermtp do 2' dis/ricto dot
i public** tim pratieahte daquella ronartiQao,
'(''.'/i;a di governo,s,ri sciencia da directoria,
no tempo 'qu", coHxiderai) cm woico dell-i pure-
hia o oMetitiHotslin empregad> n i txploraQuo
iu'fttradi d' (Amoeiro, aufermdo mws lO^.di't-
. (Misiigens nos tren; et<-..
0 rjcj p i |c -i?r vjsrilieado, com o-lestemunho
-ii,- Sr. Minn.' e com a data di 'pirtaria que ao
. :ra^tcanti!, eonc&dett mais tarde umalicaiea. Kile
i Dirrn atr onde tefn chagario a pomps deim-
nor liVd-fclt^do.imgeulieiro Galenp : o' ongenheiro
i 'iipa ser cm, jernarca^5es': o seu pratreante e
iiubem iiutorrsadoa atymintar o oritnado'pir
ira.
A pouto dos Carvallps, sptl'ru lu um anno um
-oncerto jis pote,s,do i" ijistrtcto e-t:lo sempre em
; ral trabalbo' foi felto por arremaheSo,
to Helotermo do negocio, quem fep o
55Hn*irtrliailrrei|o*sol>ro a m)>ira>ubsti-
' itda, Btua.-fMlii laacou avvi. (Jus (lim .jevou tal
-taadeicai D.ga. o engenlnii' Galeno. Cirta des-
.nlpaqtlalqu'er
\ mad-'i todt-podre, porexemplo. Se
irabalfiO^' feilo p>r adminlstraeao,
iJKiuarcadfa'.'iiau'.a para
cap fik ewjpensou o
htve'Mai-iqlis eomo
itiijpmilM #og p jifCt < Jn eigjalieiro Uezerra, **-
a p >u leiras di pan'
,110 furam a"rem'atadas
da que lal deseul-
iir se-biaj
-.dminiitra
i a i.ri vail
dspraxl
eiml
Cmio I.'-; sunpTenle, de suodi!fegaiTo, ae'Ho-
em exercie'rn ; e residindo ifarrtro da villa, pesa
tiri- oiim ']!insi tolo n service p dioial, levando pwf
c-,in'luinicaQao sefftanaYia tide o oecorrido ao
mui ligne d'legado,. assiirt, nedhum faCtorcfirf|
nos) de qae tenlm tide noticia'tem escapade a
giio policial, e n.ao me constoa e nem rne que se fiiessem rifa pablicamnQte d-.; qualida
algutna; o que per6in eonstcu-me lia pouuos di
bwo" t-idamnntt, 'fot, quo tt tnnMenle negK'i'i',
Severin >*j isii dosSant'ii Agtlaf, ac inselbaio .por
s*n intitcntinhn pv>rnrad>r, o joven mcrivao tioVectoria proomcirl Firmini Kvirist" Itilieifo
Vafpj-So, nr.'t"iulia propii- ailri aecao nojuitb
ivel. para ODrT|far- a "um individOA'concluir a venla
ile um fttvallo quo, segunlo dis^erarnv-me, ia ser
Mta por ai-ci>e disfritntidas entire amigos. e que
satiendo-sT eriininosh-XWto. em face do decreto
. 1099'de-13 tte setembro:de t8ttt, deixou de fa-
zc-la ; constou-me tambem que o tnnocente Seve-
rino desistio do seu intento por consellios de al-
guns advogndos, entrc elles d ex-juiz bacharel
liacellar, concordando. porem. levarem o facto a
imprensa, afiin de calumniar / .
As antiiridades nao udivinham as factos,sc hou-
veram rifas deelarem os nemos das pessoas que
as fizoran, apreseutem os documentos e teslemu
nbas, venham as denuncias com os requisitos dos
arts. 7i a 7!) do codigo do processo, aviso m. 262
de i\ de navembro de 1832 e de 87 de Janeiro de
de dezembro do 18'tt,
possam tomar coniieci
ISJ5S, e art 'J da lei do
para que asaatorida
memo do lacto
Miseraveis detraclores declarai, apontai, mos-
trai o fact.), o negoeio prohibido por lei, em que
eomo autori lade ou mesmo eomo particular tenha
en consmtid) ou sabido?! !.. Apontai os nomes de
alguns dos liabitantes desta comarea, ainda mes-
mq.de alguns dos meus gratuitos amigos, que af-
firmem oo deelarem ter eu recebido bilhetes para
consentir em rifas Provoco a estes misera-
veis, a estes lazaros da sociedade, a estes repro-
bos Cains da honra e praliidade, se e que podem
ainda corar, ?e 6 (|ue nao perderam de todo a
vergoni? o o punionor, para que deelarem expect-
flcad itnente onde e de quem souberam o facia de re-
crber eu bilhetes para consentir em rifas prohibi-
das, sob pena de passaretn pelos homeas mais mi*
seraveis do mundo !. .
Sou inogo, (': verdade, porem nocxercicio cargo do
de subdelegado nao tenlio faclos que me facaui co-
rar !. Sou moco, e verdade, porem, quer na
minha vida publica, quer na tnintia vida particu-
lar, ate lioje. nio teoho factos de que possa enru-
brecer as faces: no eutrelanlo, outros nao pode-
riio diz.;r assim. ...
Chamam-me auloridade sui generis, porem sui
generis sera o negociante que fallido, escondeu
piano, espedhos, negro, subtralno documentos de
lereeiro, etc ; sui generis sera o empregado pu-
blico que, contra as leis proviuciaes e municipaes,
contra a inlimacao do fecal da camara e da auto
ridade levanta uma casa cow cscandali detidos,
sera aquelle que, abusando da eonfianja' nel!e
posla, subtrai papeis de balms, conliados a guarda
de torcciro e queiina lettras de erphaos; sni ge-
neris sera o juiz <|ue reeebeu dinbeiros, cavallos e
ate alimonies para vender o direito. a honra e a
proprieJade -tlfteia : sera aquelle que em um car-
torio exisle umajustilicaijao em que so provou ter
sido peitado.
Xada mais direi e nem voltarei jamais ; tenlio
consciencia de incus aetos e tenlio sobro olle o
juizo das priineiras autoridades e das pessoas sen-
satiis da eomarca, para quem appello.
Cabo, 2i de outubro de 1873.
i Paulo do Rego Barreto Filho.
SuUo da (iiinha
0 caso mais grave de no lime tangore
(literlamente, nao me toques.) Molestia ter-
rivel e nsqtierosn do nariz, a qual foi obser-
vada pelos medicos, foi curada com Salsa-
parrilha de Bristol. 0 Sr. H. N. Walker,
cidadao eminento do estado de Nova-York,
foi um martyr, durante quatro annos, desta
espantosa enfermidade. A molestia operou
coma um caustico sobre o.orgao nasal, in-
vadindo as faccdes immediatas e progredin-
do paulatinamente ;ite ao cerebro. ''odos
os remedios conhecidos so serviam para
exasperar mais a fnolestia. atd que o Sr.
L Walker principiou a tomar este irresistivel
antisptico. -Dentro d^ poucos mezes estava
extirparla a molestia, curadas as chagas, e
sao o enfermo, Constdere,-se a alegrio e
regosijo daquelle que pouco antes, penava
sem esperanga a cura, assim eomo todas
effectuadaspor esta inuravilhpsa,composi<;ao,
foi permauente. Os portodicos toem publi-
eado pur csparjo de 30 aonos consecutiyos,
annuueios do resa^tados aSo menos mara-
viHtosos, alcancados.pelo mesnao poderoso
agente. Nenhuma molestia exterior por
mais terrivel e destcuidora que ella scja,
jioile resisttr-lhe ; pois limpa o sangue de
to4a- as impurezas e elementos. corruptos c
irritantes.
ferr* St ibietf -madeiras
(leraate a junta da fi
n seja mats ama
->n1e ariiifrarlo
"frmij
vai rie honesta-
flcio des cofret.
I in ii ri" volucfto no trataneutfl
j MUh_Ar.es do. pessoas, cottstderam as ptlulas
aperitj.vas eomo uoa espeeie de inedioiua
mm dejtprje a sua efiacia pela cooliouatao.
Mm putras-pafavras, pensam quo por mais
pequeno que seja 6 hurrrer^ a tomar-se ao
principio, elles ;* s*-p*v iObriga4os para o
Tim titointf igraodo* doaesk Porem a* pi-
lulas'aSf'joaradiis. deTFristot forraara'lima
se maior.
permanonto, c nio necessarie o repsti-laa
aiflB de >|otj|ar |HMiifecabiOa. Para a
prisSo do ventre, dores de cabega norvosaS
dtsor^ens biliosas, cafeTHoVB febres. tncom-
tnoJ' go, .eor^aaaI^ff^n?
eas, irregularidades do systema feminino ;
ellas constitnem uma cura especiftca. Ellas
estao mettidas dentro de fraaqyyihos de vi-
dro, e potji&so a^ua boa coasBrvacdo edu
radora em todos os climas. Km todos os
cjsos aggraVadfts on ptovcnietitel 4Mb es-
tado impuro do sangue, a Salsaparrilha de
Bristol, deve de ser tomada conjunctamente
com as pilulas.
SB
\areo4M
a alrandeaa
Ui ditas no di
pb\i>satracado8no trap. J*,affaudrgi.
bVt^a?Sfe(ao5?
HECriBtfDORlA DE
aend^enjo do dia t a'28"
dem *m*mto*m* i fi

not i
t(1
AS INTERNAS
*A>wuf;o
C3
I
1
GE
C isa terrea
I em n. I0>,
l< em n. lOi
li em
83:799 J40
I."
,,
3.
4.
5i
6.
Dr.




'coNsnftli
HnpiuQto do dia 1 a 88
idem do dia 29
vlif^F
I0i97i
.'910^9'li

][

58:7124518
I-.08541S9
W.807i677
Para ilcinituilo*. pi'oviiiciiuN
pel* rflslrlcio.
Manoel do Nascinjento Machado
PortellA-
Manoel de.flogO lartrjs Souza Leao
Dario Caval^rife HcT^Affiu ^ubr^lj
Joao Barr^rft'4'.|Lr^i5a'['' tavalciinte.
Carlos Vaz (JfOlweira.
Nabor BeierraiCaialcatrte.
Gc.vast6:Catiipello.
Jose Tiburcio Pereira de Maga-
lb5es'7>'" *"q *a,?jK
' Fe!r\^ePrgafW^afn--
lat J i n i-'fi^gemor^P^fmHimo:^
_____
fflw
W
W5
ati4n PaVi.,,-
i41*030
..... 241*000
Ciisi! lerrea n. 58.......fiSL_
Os pretendentos doverao iapresenlar no acto da
irrematacao as suas nawasn^tiaaiBpaTaferem
icompanhados dos respeetivo* uadores, devendo
pagar alem da renda, o premM da quatirfa en.
qne for seguro o predio qua. cemtiver estaholeci-
fiwnto cqpimerqjai, assim cbmo o servico da lim-
p*za e precos ds apparellitis.
Secretana dasanta casa da misericordia do Rc-
:ife, 28 de outubro de 1873.
0 escrivlo ..
Pedro Rodrigucs de Souza.
(states. Beci/e,

n-.b
|Ao corpaeleitoraldo ptiiiie
ro districto.
Apresentamos o^ seguintes nomes:
U- Dr. Manoel do Nascimcnto Machado -Por-
tell*
Dr. J..5
Barbalbo Uchoa Cavalcante.
Dr. Miguel Jose de Almeida-' Bernambuco.
r. Feiiiqic de Figueiroa FatlMJi-'

14.* Dr.
Io." Dr.'Dario Citvakarrte do ftt^, Albuquer-
que.
IG. Or. Man l d-- lt.-go Barros Sooti'Leio.
|7."'Dr. C*r.is Augusto Vaz de Oliveira.
18. Ur. lutunio Domrngos Pinto Junior.
{9.* Dr. Jose llernardo Galvao Alcoforado Ju-
nior.
Um elettor.
Ao illiiwli'c corpo electoral do 1.'
circuit* para ilepntadosi pro-
vincines.
Os conservadjres eleitores decent cerrar a void-
fan ,npslieguintes.
1 Dr. Manoel do Nascinienta Machado Portella
2 Dr. Manoel do Rego Itarrus Souza Leaj
3 Dr. Miguel Jose d,e Almeida.Pernambuco Junior
4 Dr. Dario Cavalcante do Rego Albuquerque.
3 Dr. Felippe de Figuetrea" f'ar'.a.
6 Dr Manoel Calda* Barreto. ,
7 Dr. Jose TebuTclo Peroli-i Je MagalBajes.
8 Dr. Joaqulm Francisco de Arruda.
9 Dr. Joao liarbalho Ucln'ia Cavalcante.
Alguns de Santo Antoitic.
Natries entratios no dia W. ': n '
Rio Grande do Sul-2( dias, hints meionat Perna*-
.wi*, ftp 43* iTOoJada*, eapifti Francisco loa-
qurm da-Trindade, equipafeui 10, carga ,40,001
arrobas de came ; a Baitar Oliveira & C.
Rio Grande do_ul.p,^o alias, lugrc inglez Rio
Branco, de,3i0 tonehdas, capttaTTja> Goncal-
ves Rois euuipagem. 10, cai'K.t 10,610 arrobas de
C4JHC: aMaboelda Silva Mala & '.
io de Janeire>eBauia -5 dias, ,yapor uiglez ft <)
ne, de 2,0fti<.lt;neladas,jcomaundanle Rei-ks,
jequipagem 1J4. caaga varies generos ; a Adani-
i son Howi"
Rio de Ja
de 227 toiletadaT, Ta
10. ernlastiM ; ordem.
i Marina eHKiUnx no m>sm ilia.
Bahia c portos intermedipsi V&por brasileiro flon-
cnlves Martins, commaodante Nunes, carga va-
'j 0 subdelegado da treguezia da Gloria de G >i-
la faz sciente ao publico que foram poressasub-
dtlegacia tornados de um ratoneiro de cavallos,
2jcavallos e 87 pecas de roupa de senhora, em
dbsdo mez passado : quem se julgar seu dono,
dirija- e a mesma subdelegacia.
Capilania do porto dn IVi-iihiii-
[riincez Caroline,
elmd, equipagem
Ci)MW8m.
nos gene/^t
Southampton e porlns iatenneJios -Vapor brasj-
It-ire. Sou ne, coninaii lant: R:oek, oarg'a a mes-
rua. que trouxe. dos portos do sui, e algodao que
reeebeu'neste porto.
' "' ....-___________________ ""
____-LCITMfc" ___
|ditaTn.~88.
Pela inapcct'oVia j alfaudega -e Caz publico que
achando-se as tzwr'^adorias contilas nos colonies
abaixo. menciooados, on caso de .-erem arrcmata-
das para cousunio, pos, lermos do cap. G' do tit. 3
do regulai^enU de I!) de stt-uibro de IsGI), os sens
dottus mi cousiguatario; de'rerau despadia-las no
prazo do 30 dias, sob pena q*e, fin lo elle, sersm
veodiibi per sua conta, sem quo lUes fi |ne com-
petiodo a%gar contra o~ ofT'ito? ffeita vend?.
Armazem n. t<.
Mar-a Pdt.D n<. 4( e iOl2 caixas vinda-' do
Havre n < v9|*j-'femerz Villa de'lib dr-Janeir-,
de-carregadap oui 2\ de abril.do i-irrente anno e
consignada^ arraiiVtVro'Remes de Oliveira So-
lirinho.
Idem IIPB ns. 273 e 275 2 ditas iilem idem
Alfandega de Pernambuco, 27 de outubro de
,1873.
0 inspector
F'iaVo .4. de C. Reis.
sociEDAiifc; Aio.Nre-pio saista cul'z.
De ordem da eonselho da paroehra de S. Jose,
da stnra mencion'ada sociedade, convido a todos
os, parojliianos irinlos da inoama sociedade para
qae no dia 4 de novainbrtt prox'iirja se digncm de
comparecer as 0 hora'drnone a^ssao de eleicao
pra o conselbo director, em observancia do art.
34$ dos estatutos.
Ccnsemo director da parochia, pm sessao de 28
de outubro de 4873.
0 presldente interlno,
; Rodolpho Guedes.
Almas da Bda- Vista
Da conformktado com a capituiu 3" arliav* 14
16 do noaao comproinisso, sio eoavidados todaHlajt
nosaos cli-arissimoe iiaaios a comparecereua no 4ia
1* de novembro Hidouro. as 10 boras da nuaiia,
no coisistorio desta irmaa, nfim itc aacorpit
ratios elegerem a mesa negedora que tem de taa>
cionar no anno compromisjal de 1823 a 4874.
Consistorio da irmandade das almas, erecta iu
matriz da Boa-Vista, 28 de outubro de 1873.
Oescrivao
______________Francisco dBHIIiagaa^rffiirgalm
Santa Casa do Miseilciird&i
do Recife.
PKACA D(J RECIFE 29 DE OUTUB1W.
DE 4873.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDE.
Cota'cdes ol'llciacm.
Algodao do Rio' Grande do Norte 9f00 por
45 kil-'vs posto a bordo a frete de 4l|tC
d. c 5 0(0, iborMem)
Assucar do RidGrando do Norte 15020 por-15
kilos, posto a bordo, a frete de n0( e 5
" 0(0, hontem.
Oe;contotiff terras II OtO ao anno.
uaoMMaj
IVesidente.
Leal Seve
secretario.
Aendimentu
I'Iam do dia
ALFANDKGa
do d>a I a 28. .
2D
893:1341432
60:6 m 725
953:769^157
Descarregam lioje 30 de outubro
Patacho'inglez -Mary Miller mereadorias para
alfandega.
3arca franceza Anne Marie ferragens ja des-
acbadas para o trapiche Conceicao, para
conferir.
Palactio-tnglez Mary bacaltiao ja ja (lespa-
chado para o trapiche.Conceicao.
Lugar francez Rio Grande mercadorias para
alfandega.
Patacho ioglez*fc-/Mi/)'// pachada para o caw do Apollo.
Escuna inglezaEduurd Vitlcry -bacalhaoja des-
pacbado para o trapiche Conceicao. .
Brigue po tuguez D. Anna sal j:i despachado
para baldeacao.
Importacao.
28 e 29 de outubro.
Rio Grande do Sal, male portuguez Pensamento,
eonsignadoa Oliveira Filbos, manifesto :
"Couros GO.
"Xarque 146,? it) kilos aos consignatari s.
Rio Grande do Sui, lugre brasileiro Rio Bronco,
cousignado a M. h. Mala & C., manifeslou :
Courus 24.
Xarqun 155,806 kilos aos consignatario.-.
Bahia, brigue porluguez D. Anna, consigna do a
Gongalves Ueltrao & Filho, mauifestou :
Sal 369,954 kijos aos coasignatanios
JKSPAC.'IOs DE EXP01VTACAO NO DIA 28 1)E
OUTUBRO DE" 1873.
para os portos do exterior.
No vapor inglez Boyne, para Liverpool, car-
regaram : J. Paujr & C. 636 saccas com 55,222
kilos de algodao ; G. Neesen & C- 100 fardos com
17,978 ditos de duo.
Na barca ingleza Ilenmone, para o Can*!,
carregaram : S. Brothers & E. -2U0> saccos com
15,000 kilos de assucar nrascavado,
No pataeho bra-ilein Xrgx, para o Rio da
Prata, carregaram : A. F. de Oliveira 2'i barris
com 2,4'iO litros de aguardente ; B. dos Santos Pi-
nheiro 2,000 cocos (fructa).
Para os portos do interior.
Para o Para, no navio allemao Harriett!, car-
regaram : B. Oliveira & C. 9 pipas com 4.320 li-
tros de aguardente.
Fara o'Ceara. no vapor brasileiro Jpojura.
carregaram: M. A. de Senna 30 barricas com
1,938 kdos de assucar refmado : J. F. Santos Bas
tos 2i ditas com 1,203 dite* de dito: J. 1. da Rosa
20 ditas com 1,254 4|2 dit ? de dito : Carpinteiro
Filho & Souiinho 40 ditas com 3,400 dilo? de dito:
A. Quintal & C. 10 drtas com 550 ditos de dito ;
Bartholoineu & C. 4 barris .com 300' litros de al-
cool. Para o Acaracd, A. F. Barros 10 barris
com 960 ditos de aauardente. I Para o Natal. J A.
Lima 2 barricas convfWwrWde assucar branco.
Para Penedo, ;no vapor naewnai Mandahu,
carregaram ; BarilMaornsu.^- C. \ barril com 80
litros de .alebol. .
Para, o Araety, no hiale ,br*iiiro l)e^ ir
Guie, carregaram : A.Quintal & C 5barricas eun
832 kilos de assucar branco.
Para Mamangdapo, nabari'aca f7or do Nor-
te, carregaram : B'. Gomes AT.. 2 barricas coin
130 kilos-de assucar branetk I
Para Macao, na barcaca tTomalMii.i carre^
gou .' J. C SiouflM-a 3 pippi cumtl^O'litrdsido
aguardente.
Para a ViWada Peoaa, na barcaoa Cwr/kfc?,
carregaram : Fraga i'Roeaa % barriaa? com 484)
tariOB;de assucar branea-
(.APATAZIA DA ALfAMXSGA J
riaodimeiuo. *, ia 4 a tKi'r -i82/l*04
Idea ,dodi I:(i9twii0
fS:8a9*IW
>-----" '.....*m
Jlo-dia 1 a 38 .
rtiWtoitaiwBivnf iiVj .
jagondapojin.....
ftWi**}""
D.- ortrem do Illrn. Sr inspector da thesou-
rana de faieaaa fa.o puutwo, qua nao podendo
ter lugar no dia i> do ciwtnie a arrefnatacao era
Insia pebii-: d.i barr-.H'.ao, slttr em Santo Atria b
das Salinas, lioa ella trausfcrida para o dia 5 de
novembro vindouiW
Secretaria da thesouiiiiia de fazonda de Per-
nambuco 27 de outubro dn 1873.
0 se da junta
Jezuiuu, Bo ingues Cardoso.
0 Dr.J.Sebastiaodo Bego Barms de Lacerda, juiz
de direito espi-oial do conimercio, nnsta cidade
do Recife de Pernamlnn'o. p >r S M. I., etc., etc
Faeo saber aoseredores dos coui'iierciantes rna
iriculados Bastos i Siiva, e.-tati lecidos nesta cirla-
de, impetrantes de meratoria a > .meretissimo tri-
bunal do commercio. que pelu presente edital sao
chamados para r.omparecerem perante este juizo,
na sail das audiencias, as 11 hnras do dia 31 do
eorrente "mez de outubro, atim de observar se, e
dar-se inteiro cumpihnente no disposto no artigo
900 do codigo" commercial, de c.mformidade com
as disposii;''- d"S ai t'gos H'ti, 844 e 847 do mes-
mo coligo, cprtis es ditos credores de qne nao
serao admitlidos por proourador sem que este
exhiba procuracio especial, a qual nao podera ser
conferida a devednr dos impetranteJ, nao p dendo
outrosim nm so individuo representar por dous
divorsos credores, e que sera havido o credor que
nao comparecer, eomo adherente as resolucoes,
que tomar a maiiria de votes dos credores que,
eomparecerem; sendo necessarie para coniseAo
que nella emvenha amaioria dos credores em nu-
mero, e que represente d his toroos da totalidade
das divi las dos crediiis suji.'ites ao> etTeitos' da
mesma moratona,
E para que chogue ao cenhecimento de todos
mandei |.assar o picsonle que sera publieado oela
imprensa e alllxado nos lugares do costume.
Cidade d,i Recife li de outubro de 1873.
Eu, Man iel Maria tiodrtgaes do Nascimouto. cs-
crivao, 6 sdbscrevi.
Sehastitio do Rego B irros de Lacerda
m
Cousulado provincial.
Por esla rop.irlicao publiea-se, para os fins cen-
venientes. para o exercicio de maseate nesta capital os se-
guintes individuis :
Alexandre ETxpoStO.
Raphael Matheus.
Antonio Mega.
Maria Amelia dos Passes.
lgualmente achaiii-se hfibililados para o mesmo
exercieio fort da capital os seguintes :
Francisco LangO.
Migmd Mnessolini.
Antonio 'Joussini.
liUise Daltro.
Jo-e Bon.illra
Nlcolan Daltc
Domingor Malheus.
Manoel Ferrelm do Oliveira.
Antonio Dalto.
Vicente ilalia. .
Consillndn provincial. 28 de outubro de 1873.
0 adminislrador,
Antonio Cameirv M idiado Riss,
Juizo dos feitos da fazenda.
KMi-riv^qr, Itainleira.
Sexta f.-iia. 7 de riuvcnilire frexo futuro, ?.s Jl
hdias do dia, depiis da respeeuva audieneia. ini a
praca por vanda o sohrflidb de 3 andares n. 29 da
rua do Amorini c-.aafcanto para a ia da Moeda,
cam 39 pahuos do .cemprid", tl ditos de largo,
available po 12:00,*> parJ |..vga:r,eiito deque devem
a fazenda provini'ial Manoel Fernandes da Costa
& C.
A casa. terrea n. 22 sfta n > l.ugo dos Demedios,
com 2 salas. 2 qdartw] 44 palmos de frenle sobre
5P de fuudo. ei-iu'nm terrene ii frente. avaliada
ev.i 1.5 '(*. para pagamento do quo deve Man el
A. Ritieiro
Recife*, 2 de oatiabw.de 187-1.
0 notirlitiulor da mesma,
I. Fermlno.Qorreia 4e Araujo.
SANTA CvS.4 [J.\/.\tt$KIUCOKirlA l)U
wmvt:
A Hlma. junjayAirMtMtMxdaysanta casa da
Misericordia dtfeJie, aVSaakfiiJEr publico qae
aa sala de sUfa^ocsftippK)0 de outubro
pelas i horas m4aiile. tewUgser arreraatadas a
quem mais vantagens o#|aTecer, pet tempo de um
a tr s annos. as rendtks dos predios .em segukla
^claraW.
ESTABELElfiMIOS-:UE CAHIDADE
tanva%Mortas
**>. jOv wbradon. 4t.
Cweo*'Polilas
asa terrea u 70
1 cams? a deS. ios.-.
*Aaa torwap.S4.;.......
P^TWJaOeih* ago ORPHAO:
Bua da>aoaaUiowie:.ni
rtatv-aVwiTrayicAe:
Sobrado Hi %< .
fRR*^4aaofc: laterals
s!9rraa;*
I
?* baaco, 99 dc a^osto l' 1H2.1
Para sciencia dos navegantes se publica o se-
guinte annttnrio hydrographico :
MtNISTERI) DA MABINHA.
1 Pelo ininisterio da marioha se punlica o seguin-
t* anauucio hydrographico, orgnnisado pelo depo-
sjto de cartas p pianos do Paris.
N. 1. Traducea i do capitao-lenente Cerqpeira
lama -Anuuucio hydrographico. -N. 2. Pa-
ris, 15 de Janeiro de l873.-Occano atlantico do
I jtorlo- Canada.
Luz flxa era Tracadi i. (.\ >va Ih-unswick).
0 governo do Canada coramuuicou, que acen-
deu-se umt nova luz no lado septentrional da
garganta de Traeadia.
A luz e branra, flxa, elevada 11,9 acima do
nivel do preiamar. e, com atsmophera clara po-
der-se-ha vft-la da distancia de ij railhas.
A torre e quadr.ula, de rttadeiri, elevada 6,rjl, e
pirn id.a de branco.
Posi.ao dada : 47 30' N., 67- 12' O.
Esta luz serve para demandar se a terra, e
guiar no porto.
Luz fix a no porto de Quebec. (La go superior).
Acendeu se uma.nova luz sobre a ilha Agate,
pquena ilha situada no porto de Quebec, ao sui
do Micbipicoten.
A luz e branra, flea, elevada 9,"7S acima do
livel do preiamar, e visivel do 10 milhas de dis-
tance, estando a atmosphera clara.
A torre 6 quadrada, de madeira, pintada de
branco, elevada 6,"!, e sua pnsirao e dada aos
47 42' 50" X e 88' 22' 19 O. '
E-ta luz guiara os navins qne dernandarem o
porto de Quebec, O canal e assignalado por qua
trn hoias, das qnaes duas a leste sao vermelli *s
e duas a oe.-te pretas.
Luz s.ibre a ilha Mkhipieoten. (Lagn superior).
Acendeii-se uma nova luz no lado oriental do
porto de Quebec, na puita meridional da ilha Mi-
chipicoten.
A luz e branca, fixa, elevada t7,'"0 acima da
nivel io preiamar. e visivel de 18 iinlhas, estan-
do a atmosphera clara.
A terre e de madeira, elevada 9,-73, e pintada
de"branco ; a parte inferior e quadrada, e a su-
perior octngnial.
Posigao : '.7 42" 15" N., e 88' 21' 44" 0
Esla luzxserve de niuia para demandar a terra
e para ir ao porto de Quebec.
Cabecus d- Coral ao caual-des Passes.
( Illias Bermuda.- )
0 navtn de guerra inglez Ariadne tocou em um
recife de coral situado entre a bda do canal il'air-
wav) e a boia interior, pintada em xadrez, do ca-
nal des Passes (Narrows).
No iustante ein ipic o navio tocou, havia 6,"7
d'agua sobie u recife ; porem se fez depois sal-
tar a sua parte superior, sobre a qual ha actual-
menle 73 d'agua na baixamar.
Estando sobre.este recife, uiareou-se a boia do
canal ao N. 58" N. 0., a quatro amarras ; a boia
interior, em xadrez, a "5. 9 SE, a tres amarras
e meia, e a exiremidade occidental da ponta Ca-
tharina ao S. 33' 15' S.E., a sete amarras.
Como o recife torna e-ta parte do canal mui
difllcl para os navies de grande calado, e e pos-
sivel que existam pedras semelhaBtes, deve Se ter
muita cautela quando so navegar no mesmo ca-
nal.
Humos verdadeiros V'ariacao : 7" 45' XO em
1873.
OCF.ANO PA IFICO MBKIDIO.VAL.
cost* occiiiknt.xl d'amkhica. (Chili.)
Eseoihos na bahia 0 neeption.
C's escnlaos acima I'orarn assignalado.- em fren-
te dos cabos Lobelia e daily, no lado oriental da
cnlrada da bahia Conception.
Em frente do cabo Loberia. Uma pedra poutn-
da (pedra Lazzi), com tres metros d'agua s bre si
proximamente na baixamar, e 6,"! a 6,"1? de fun-
do em i-i'da ; jaz a meia milha proximamente a
0. 5" S.O. da ponta meridional do cabo Loberia ;
lero-se vislo o mar quebrar sobre dia. quando faz
miio tempo, pm'em, com tempo onluiario, nao ha
arrebentacao sobre este escolho, o que o torna en
tan mui perig"so.
Em frente do calw Huily. I'ma pedra isolada
(pedra Zeal u-t, quo esta quasi a flor d'agua du-
r.ante a bartamar, com 7,n,3 de funio cntro ella e
accisla, o9,,"l a duas amarras ao largo. Este es-
colho lica a quatro amarras ao S. 29S.O. do cabo
Huily, e a uma milha a 0 13 X.O. da ponta me-
ridional do Morro del Tome ; dive se marca la
por meio de uma boia.
Observacao.Para evitar ostes eseoihos sub s
mergidos. deve-se passar a umea milha pelo meno
da costs, quando se navegar entre o.cabe Loeriab
e (i Morro del Tome. Previne se an mesnite m-
po, que nao ha baliza sobre o banco Chores, e que
a boia do banco Belen, que cstava na extremida-
de meridional, foi ancorada no meio e em 3,u,6 dc
fundo.
Burnos verdadeiros. Varlacao : 17 30' N.E.
em 1873.
Pari. 15 de Janeiro de 1873. (Assignado) A
be Graf, chefe do service das inslrud.-e's.
Esta couforme.
0 secretario da capitania.
DectO dAquino Foneeca.
Associacao Portugueza de
Beneficencia dos empre-
gados no commercio e in-
(dustriaem Pernambuco.
De .ordem do 8s. presiitente sao de novo i-.n-
vidadoa os Srs. assoniados para comparecenem a
rna do Fmpcrador n. 35, 1." andar, no dia l." Ue
novembro proximo, pelas 3 boras da tarde, afim
de, reuntdos. em assemblea geral, ouvirem a h-i-
tura do relatorio da directoria da me-ma associa-
c:wi
Recite,. 88 de outubro de 1873.
0 !. secretario da asserrblea geral.
Salvador Jose FexFeira Guimaraes.
mSTTUTO 48CIIE8LBGICQ E
GRAPHICO PEflMMBIIaM
linveri sessSo ordinnria qninta-feira, 30
do eorrente outubro, pelas 11 horas da ma-
tilia.
OKDEM DO MA.
t Poreceres e mais trabalho^ de commis-
sries.
2.^ Paie^tra Utteraria.
Serrotaria Ho Instituto, i" de outubro drr
1873.
J.Soa*r.s j/AzF.vEtxi,
Secaatario pcrpetuo.
iAl^-4$socu^aoconm^ml aijri-
Kl sptKJi
rotate Penwmbueo,
Nito se leado rcufiido nuiiiero snrBricritfc deso-,
oios, afhn ds que podesse ter lngir^ a asseaablea'
geral coavocada para *wtteBB..sao do aavaconvi-j
dados todos os senhores jiqrioi para s reanirem|
no dia 30 do correnbtjili)horas da ntajxha, sendo
qua funraajiifi inp fllliflBrr piMJUii ds socio)
qu,
rora
nrirf
De ordem do Illrn. Sr. Dr provedor interiuo da
Santa Casa de Misericordia do Recife, e em- virtu -
de d > que resolveu a junta administraiiva eni s-
sio de hrtntem, faco saber t.a abet-
ta a concur reucia para se coiitratar vserviro inor-
tuano e dc carros funebres, de eonformidade cori
a lei n. 1,1*1 de 17 tie julha do eorrente awKo,
recebendo-se propostas nesta setrftaria ?.te o-rMx
6 de novembro proximo vtndouro, para sererrrrjes-
se dia abertas em sessao.
Os proponentes terSo de snbmeer-'e a.sWsp*si
goes da citada lei, as rrmdlcSes addtfioBaes'aMi
xo pnbiicadus, assim como as t&bellas, ?"tido pre
fertile aquelle que sobre ospreeps das referidan
tabellas maior abalimento offereeer.
Secretaria da Santa Casa de MiseriewiJa if
Recife, 2i de outubro dc 1873.
0 escrfWbi.
Pedro Ri'driatu-s de S-na.
LEI N. 1.121. J*.
Ar. I. Pica sob a direccio da-Sauf-i Casa" do
.Misericordia o wfvlf.o mortuario de earrW ftme-
bres desta cidade.
At\. 2. A mesma Santa Cast pouVra cojrtrataf
cpm os que actualmepte fa/.cm o seivi.o quem melhores vantagens offereeer o rererido ser-
vice, sob as seguintes bases :
t. Prazo nonca maior de 20 anno* para eon-
trato.
2." ObrigacSo de indemnisar o coiiHiataaJte-an1*
lemais estabelecimentos de caries fnuebjes exis-
tentes nesta cidade.
3.* Doaeao nunra mnor de vinle e'eiaeo cont*
de ras annuaes, por pirte do contrritanle,. para o
tiin de serem appli-ados a> obras dos-es'abeleei-
raeqtes da mesma Santa Casa e e [.ecialmeafcao
asylo de alienados.
4 Precos de carros funebres taxados em ma
tabella, que devera ser revista de cinob em clnpo
anrfcs. 'J
5 Respeito t..tal e eomnteM das tank cvbead**
actu.almente pela municipaiidade.
6 Obrigacyo resirieta de, lindo o contrato, ea-
tvegar o contratante a mo-ma Santa Casatvdoo
material dos sens estabelecimentos em perfeitc es-
tado de coaservacae e sem nenliuiria indemrHsa-
C5' o
Art. 3 0 contrato de qne stj tratii no artigo an-
teeedenle sera siibmetude a apiirev-ae;io do presi-
dent, da provincia, a quem lica igualineDte incum-
bida a revisio das tabellas dc precos dos carros
funebres.
Art. 4." Findo o contrato a Santa Casa conti-
nuant a fazer o service neile e,tipulado, respei-
tando sempre as taxas uiuurcipaes e revendli
tabellas no serilido de baralear o preco desse ser-
vice.
Art. 5." Fioain revogalas as disposicoe- em con-
rarie. -
Condiiyes addi^ionacs.
!.' Durante o prazo do privilegio soraenle o
contratante oil pessoa nor ede autorisada podera
user o service uijituario e de carrot funebres es-
peciticado uas tabellas.
2.* Os precos lixados nas talulliis terao todos
uma reduccao de 4 por rente.,
3 ( contratiinte ubriga se a dar a Santa Casa
(ii Misei.cordia em coinpensacao do direito excln-
sivo. que the confere, a quantia do vinie e clnci>
will os de reis annualinente, em prestaoSes trimen-
saes, sendo a primeira no acki de assignar o con
irate e as outras deudie de vcaoidas. Pela mora
na cnlrrga de qnalqner pre.-lacio pagara o con-
tratante os juros de seis per cento ao anno.
4." 0 contratante ohriga-se a transpurtar gra-
tnitamonie, fornecendo atatides de sexta classe, o>
cadaverea das pessoas desvaltdas que fallecerem,
soccorridas ou nao pela Santa Casa, dentro dos ac-
tuaes limites das freguezias do Recife, Santo An-
tonio, B->a-Vista. S. Jose, Graca e tambem dos que
fallecerem no hospicio de alienados, que se vafc
construir.
5." Se por quajquer ado da asseinblea provin-
cial ferderogade o privilegio exclusive de quo tra
ta o artigo primeiro, dentro do prazo do dez annos
a Santa Casa ohrig -se a dar ao contratante uma
tOdemoisacao do vinte por ceqto das prestacoes
vencidas.
6* Se por qualquer acto do poder civil ou ec-
elesiaslieo for prohibido fazer-se e service fui:ebre
pela forma ate hoje tolerada tera o contratajgte di-
reito a uma reduce-to no valor das prestai;oes rhe-
dianle um accdrde com a Santa Casa de MiSiricor-
dia, com reeurso para o presidente da pro-
vincia.
7." As mullas per falta de promplidao, ordem o
asseie no service- que lira a cargo do ivnlratanto
ferae de 10 a 50i000.
8.' As multas serao impostas pelo mordomo da
Santa Casa de Misericordia eneartfegado da liscali-
sacao do contrato, pieceJendo rectamacau por es-
fiipt i da pessoa intere-sad.i pel i sua iuipusioao ;
bastando ser feita verbalmente so e-sa pessoa for
pobre.
9." u contratante tera reeurso da i'liposiffio da
multa para a junta da Santa fit-a & Misericordia
e desla para o presidente da praviacin e cm am-
bus os cases com elleilo snspensivo.
ID." As multas serao pagas no prazo de ID dias
depois de intimadas por escr.pto, salvo uo caso da
interpesicio dos recursos, dando o contratante ao
mordomo ou :i junta, se ja liver n>ado do direito
do primeiro reeurso, sciencia desse facto.
14." Xa falta de pagamenlo de quatro prestagoas
successivas podera ;i Santa Casa resciuilir o con-
trato, comprandi o estabelockacnto pelo sen justo
valor, do qual se dMoonlara o ine n contratante Iho
esliver devendo ou robrar judiciatraeute a impoi-
taneia das ditas i|iiatro pre.-t;icoes a cttjo valor se
aceumulara o preinio de 12 0(0 ao anno pela
mora.
42." Os eadaveres so podera i ser conduziiios
para o cemiterio actual e para os que forem cons
truidos nas cinco freguezias deelar'adas no aft. 4->-
em carros fnnebrrs paehados por cavallos, escep-
luandn-se somente o ens i em que es parentes, os
amigos e as corporanles reiigioaas do iinado qui
zerem carrega-lo a m*) desde o lugar do fall-
inente ou da igreja onde se lizerem as exequias,.
ate o cemiterio.
13." Xos casos de forea uviior iicani a contra -
tatlle eximido do pagaiiiento das prestagoes ou d
paVle dellas, media nte aceordo com a Santa Casa
de Misericordia, com reeurso parao presidents d.i
provincia
It.- 0 contratante cbriga-se a prostar uma fian-
ca do valor de 13:00Oj(MA para garantia du paga-
menlo das prestacoes o-iuullas, sendo dita.fianca
elevada a 26:000*000 no principio de ultimo quin-
quenuio.
15.* Fica livre ao contratante transderir os difei:
tos e cbrigacees desie coxitralo a pe'Moa^taapajpl'
a uma companhia eomapprovaoao pj-evjd|ij^ntj
Casa de Misericordia, que por mortono. ceritralante-
ou de quem estiver subsbibelecido em sens I'irei-
tos e obrigacoes, passara o. privilegio aos sens her
deiros necessarios-ou teslamenlarles
16. A Santa Caa de Misericordia obriga^t) ;i
soUoitar dos podBtes coiupotenles o cstabeajpnen-
to das multas nocessariaspara a fiel execucao des-
le contrato na parte em que se retere ao. direito- .
exclusive tranffcri'lo por fo|a &ilai'a:vij\2u<.'v-
17 de junho do eorrente anno, aa contfalantfc
17." No ultimo qoinquennio dfl c ser este rescendido pela Santa Casa sem que esta
pague indemtjisacao algama no caso dJIfalK do
pagimertto de quatto prestacoes.sue^fvasjpon.
siderando-s'e vencldo o pra2* do privilegio rfflra o.
effeito da reveraa* e benefK'ioda mesma Santa.
Casa de Misericordia, de todo r> material e :\nima<>a
empregados no servico.
TABEtLA-A
fONDCfio UK r.WAVERts
Adultm
1. ria--e.- Carre puohado a quatro tavailys dc"
ceatemente ajaesados e robnrtos Je, aaa/ujt do-
par, no preto'orladas de gaiao e nnniaaf apxau.
coberto com um grande panno de velludo pret>
com borlai.nas pontas c orlado dc salao c fran-
jas de our*, O oarro tera eapnlajTcornija sup-
portadatjuf oolumnas de umi das "(re* crdens ie
atifiltaWGuttJonica. enrtatbia oWpeiije^fc) f?om
relevos e douradns, 100*000.
I* classe.Carro pucaado a uuu pavallos de-
centemente ajaesados, cohertoi de taaXli de panau
pre!c. raiKao cck-rto c m r^wlNlllR'lc l1T"';ii
[~ ILEBfVEL



-
T

t.1 '


________.ft_ >
Diario de Peraambuco Quinta teira 30 de Outubro de 1873.
i *
oro Made galao com borlas de prata. 0 carro sera
mais simples ilo que a de I.* ciae nos relovos e
douradcs, cons cupola, cornija c columnas da
irdem ilorica oujonica, 3fli000.
3.' cla-e. Carro paeftsdo a doui ravnHos o
< awae ooberto de pan no de velhutina com galao
on franja de |ialhu falsa e Iwrlas da mesma qua-
lidade. 0 carro sera setmilhante ao da 1' classe
e pintado de prefer sum dourados, WiOOO.
4 etwee.-Carro simples puchaJo a dous ea-
vallos e caixao coberto com urn pnii'io preto de
la, teodn soui;nle uma croc branca no meio...
104000.
Alon dew.is clause* havera carro do luxo a
apraznni:nto ilas iwrtes, e cujo preco nao podera
^xceder de M>6, inclnindo o aluguel do pann* ;
e carro de csridade cuja anna5a > poucni ser cm
forms deurna pintado de preto.
Os cirrus para donzcllas serao igoacs na forma
e no preci, v< riando somenlo nas cores c ornatos.
Parvnias
1.* cl use.Cairo semelbante aa de i.* classe
para adaltos, iemlo o caixao coberlo de velludo
0 galao de ouro e forrado de setim, tudo de cores
aproprisidas, 0*000.
2." classe. Carro somlhante aos da 3.* para
idultos, com.cores apropriadas, sen do 0 caixao CO-
berloe de vtltiuiina 0 I" >rrado de setim de de inferior ao de I.* classe, tudo com as cores
apropriadas. Os ca-xoes desta e da 1.* classe po-
derao ser pintados e dourados ou prateados, so
as paries nisso eonvierem, 30*000.
3.* classe. Carro simpies semclhante aos da 4.
classe para [adultos, pintado de cor apropriada, e
bem assun o caixao, 10*000.
Atom destas tres classes havera tambem carro
de luxo, cujo preco nao podera exeeder de 100*.
0 carro de luxo e 0 de 1 classe, tanto para
adultos, como para paivalos, terao boleciro e cria-
do,
O precrj da conduccao e vestuario dos cadave-
res que se actiarem fora das freguezias de Santo
Antonio, Recife, S. Jose e Boa-Vista, sera augmen-
tado corn 5 00 por cada kilometre, a partir do
largo de Pedro II.
TABELLA-B
ADUOAO UK KQAS
1* classe.-Eca com tres estrados, cupola figu-
ras, emblemas, guarnicao de velludo, panno lino
gal5es de ouro ou prata entrefinos, trinas, bor-
dados a ouro e enfeites dourados ou prateados,
crepes, penaclios, 1605000.
classe. Eca com tres estrados, ligoras, em-
blemas, ;guarniclo de velludo, panno lino, galoes
de ouro ou de prata entrefinos, trinas, crepes....
80*000.
3.' classe. Eca com doas estrados, gnarnicao
de velbulina, fazenda de la, galoes de palheta, tri-
nas, v.daote, 40*000.
4.* classe.Eca com urn estrado, guarni;ao de
faaeflda de ]a com simples adorno de volantes e
e algodaa de paliela falsa, 20*000.
5.* classo. Eca com estrado guarnecido de
baeta, volantes, galoes de baixo preco, 10*000.
Alero dessas classes podera o contratante, a
sprazimento d,as piirtei, nrmnr ccasou cenotaphios
c"e maior proco.
TABELLA C
APM'.QAO DE lOBEiAl
Frmtfira cl IL" Gnarnicao dc velludo, panno lino, e galoes
emblemas, franjas de ouro e prata entrefinos em
cada altar lateral, 185000.
2. Dita nas capellas mores, 24*(00.
3.' dita -em cada porta, 6*000.
4." Dita em cada tribuna e pulpit), inclusive
colcha 9 $000.
3." Dilino com por cada eoleha 3 JOOO.
0 forro das paredes de igrejrfs, sera feito pelo
prego que 0 encarregado do funeral ajustar com
0 contratante, attcnta a natureza e quantidade da
tella que se houver de appiicar.
Segunda classe
1.' Guaruicaci de velbutina, fazenda de la, galoes
e emblemas em cada altar lateral 12*000.
2." Ditanas capellas mores, 16^000.
3.* Dita-em cada porta, 4*000.
4' Dita -em cada tribuna e pulpito, inclusive
colcha 6*000.
.}." Dita.-n<; couro cada colcha 2*000.
TBELLA-D
VESTUAniOS DOS C.XDAVF.RES.
Idultos
Habito de alpaca Una, das diversas ordens reli-
i-iosas I6*0t;0.
Mem de alpaca de quaKdade inferior 11*000.
Idem de dita mais ordinaria '.)*000.
Idem do mPtim 7*000^
Vestuario da Conceicao ou da Solcdade, feito de
seda com galoes e rendas entrefinas CO*O00.
idem de setim papal com galdes e rendas da pa-
I bdta 85*000.
Idem de ca obraia com galoes de palheta.......
lOjOf'O-
Habitude morim branc >, 7 000.
MrPttlOS
Vestuario ri-o d.; S. Miyu-I r.\ -auto Urbano..
60*000.
Dito de S Juso 1 n S. loao, 30*000.
Dito domenitu D 11 20*000.
Osmesmos "istuaiios, sendo do qualidade infe-
rior por metace dos ditos preeos, e sendo ordinano com galao de palheta falsa pela terca
parte dos mesmo? pregos.
TABELLA -E
Alnudes
1.* classe.- Forro de panno finopreto goarnecido
de bordados de metal dourado ou prateado de
galao entrelinr com emblemas mortuarios 80*000.
2.' classe. Tudo como na primeira classe, mas
de qualidade inferior, 0 3000.
3.a classe. forro de panno preto guarnecido
de galoes de palheta, simple? ornatos, 103000.
4.' classe. Torro do alpaca preta e galoes or-
dinarios, 20*0.10.
5.a classe.-Forro de nvtim 10*000.
6.' classe. dimples madeira un os seguintes
tamanhus :
De6-,?0a0'",80 3*000.
De 0^90 a 1,30 4#0tW
De 1,40 a 1,80 6*000.
Os ataudes .le quahpier das dita- classes nao se-
rao pregados, s terao dobradicas,e uma aldraba e
tranqueta.
0 aluguel d >s eaix9et para conduccao dos oa-
daveres a mao para 0 cemiterio ou deposita-los
em igrejis, sera de 'i a 16 mil reis para adnltos,
conformu a ornamentacao. e para parvulos de 2
a 8*000.
4
ou o
E
Reinado das mulhcres
B
OS IRMJBS DAS ALMAS
DOMINGO
A lorrc em (Miiriuv.
-V'.s S 1|S ilu t:ir.
AVISOS MARITIMife
Para
Sogne com muita brevidade para 0 porto acima
a escuna Henriette, recebendo alguma carga na
camara e passageiros : a tratar com o eapiiao na
run do Cominerci.i n. 4.
amcrieaua e lirasileira
de paqiicles a vapiir.
Ate e dia de novembro e csperado dos portos
do sul 0 vapor americano Ontario, comman iante
.locum, 0 qual depois da demara do costume
seguira para os portos do norte,
Para fretes e passagens, trata-se com os ag ente
Senrv Forster 4 C, rua do commercio n. 8
Para o Para
segue sem falta nestcs poucos dias 0 patacho alle-
mao Bnlliiate ; para a pouca carga que Ihe falta,
trata-se com \ntonio Luiz de Oliveira Azevedo 4
C, no seu escriptorio a rua do Bom Jesus n. 57
LEILAO
DE
e t bj ctos do uso domesttco
Hoje
NA
l-EIRA SKMAWL
%-tn k liuperailor-M
Leilao
Hoje
is 11 horas em pont<,
DE
4fi caiias com ccbolas, 12 barrii com man
toiga ingleza a i rlitos com Aasia Je to-
mato.
0 preposio do agente Peslatu fan leilao, por
con'a e risco de quern pertencer. de 46 caixas
com rebolas, 12 barris c ditos com massa de tomate
HOJE
SO do correlate
As 10 horas da manhn
No armazem do Annes, defronte d'alfandega.
Grmde c impnrtanle
LEILAO
tal, em freerto i eaeola notVlo.
0 aieote Pinto le*ara a leilao, nor caata de uma
pessoa que mudon de resideocia, os moreis e
mais onjectos ac ma mencionados, exlstentes no
sonrade da ma do Marqucz do Hertal n. 31, en-
tr'ora rua do Sol, ode so effeetuaii 0 leilao.
U. I.-tlA< principinra as 10 I [2
horas.
5W-SH
mm
itflSOSQvERSOS
COMPAHHIA
RECIFE DRllWfiE
Acliam-se prompios pafa fiincionar os appare
llios que fora-; c^llocados nos predios aJtanto de
ilaradns. Os senhoie? proprietari >s so doterAo
dellea fazcr uso depois que rectberem nm cartao
da companhia que os aoiorise (Van isso.
Preguezia da Boa-Vista.
Rua do Visconde de Albuquerque de n. 62 a
140 e 95.
CoHepio dos orphans.
Hecco de Joao Francisco n. 14 e IS.
Rua da Alegria de n. 1 a 15.
Rua do Destino n. 2 23 e 37.
Collegio de Santa Genoveva.
Rua da Conceicao n 23 e 31
Rua da Ponte Velha n. 100.
Recife, 29 de outubro de 1873.
0 gerente
Joban Blonnt.
DE
rlano para as extracedes das
loterias, approvndo pelo Exa.
9r. presidents la prerlsicial.
3,000 bdbetes a 3*000 12.000*000
l Imposto geral, sello, beneficio e com-
missao.......4:080*000
iTfiiiii
ANTONIO JOSfi DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 1.1.

PIANOS.
Qu-fifiidiy i,diiiitit i iicnti' li.joi-lur *sls nognrio, vci:de IimIos os que lem, novos e
USal(H, pijlu jiroru il'i inslo do Ijctnia.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLKADOS inglezes para asso.llio de litrgur.i o 100 -le. comprido, podendo forrar-se uma sala por granne que
s-'ja i-4m oleadij inteiro.
MAdMFICOS cspelhos uvaes para ornameiitos d s;i!hs.
ANNE electricos para curar ilurwi do r-aheca. in.vralguis e nrrvoso.
ML1TO lindas gravuras, grniides, para qua In* dc sala.
GRAMPOS para segurar roupa ostendida nas corl.s, a 200 rs. a duzia.
TALAGARC.A e papel picado para bonlar com Ift on se VERDADEIRA agua de colonia cm garrafas emp-dh.idas.
F mnito nutros arttiros. o por muitn liniatn pnc>.
Bahi
la.
0 hiate Garibaldi segue em poucos dias para o
jorto acima : para carga trata-se com Tasso Ir-
maos 4 (I. a rua do Amorim n. 37.
Para
Para o referido porto pretende seguir com pou-
ca demora o brigue portuguez R'tife por ter a
maior parte do carregamento tratado : para o
resto que Ihe falta trata-se com os consignatarios
Joaquim Jose Genitives Beltrao 4 Filho, a rua oo
Commercio n- 3-
GLUMSEDRS
Conipjijliia Franceza de iXavega
tfto a vapor
Linlia mensal entre o
Havre, Lisbon, Periiamhuco, Rio de
' Janeiro, (Santos, soiuente na voi-
ta ) Montevideo, BuenosAjres,
(com baldeacao para- o Rosarlo).
STKAllKR
\WAX. H. B\HlxV
Coiimiandante, V. Robert.
E' asperado ios portos do sul ate o dia 4 do
novembro, seguindo depois da demora precisa pa-
ra o Havre com escala por Lisbon.
Recebe carga para Antuerpia em direitura, e
par.i Liverpool, por bildeacao as expensas da com-
panhia.
Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tem excellentes aeommedaefiee
por precos reduzidos : trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AOGCSTO F. D'OLIVEIRA k C.
42Hua doCorrirnercioKntratla pela rua
it Torres.
moveis, loucas, vidros, crystaes e prata
llfj'l!
am 11 hora em potato.
0 prcposto do agente Pe.-tana fara leilio por
conla e nsco de quern pertencer, e de uma fami-
lia que se retirou para Europa, de uma rica mo-
bilia de mogno com tampos de pedra, 1 dita de
jacaranda, nas mesmas condi^Ses, 1 dita de ama
rello, I dita de jnnco. 1 dita de oiticica, I rico pia-
no inglez, I commoda de jaean-nda, 1 dita de mog
no, 2 ditas de ama ello, I guarda-louga de dito, 1
guarda-vestidos, 2 pares de aparadores, 1 berco
de faia, I carteira de amarello, 1 quadro a oleo
com rieas paisagens, I rico rclogio de ouro pro-
prio para medico, 2 ditos para cima de mesa, 2
pares de jarros, cadeiras de junco, ditas de ama-
rello, ditas de jacaranda, cabides, quartinheiras,
I mesa elastica de 30 palmos, mesas redoadas,
marquezocs, marqueias, camas francezas para ca-
sal, ditas de ferro, sofa, cadeiras de balanco, di-
tas de lea cos, guarda-comida, e muitos outros ob-
iectos que esiarao patentcs no acto do leillo.
QU1NTA-FEIRA 30 DO CORRENTE
as 11 horas em potato
ao carter do marteUo.
No primeiro anlar da rua do Commercio, antiga
rua do Trapiche, n. 15. ________
a
ADMI.NMRACAO DOS OlRltEIOS DE PERN AM-
BUCO'30 DE OUTUBRO DE 1873.
Malas pelos vaawes Mandnhu o tpojuca
d companhia pernambucana.
A correspondimeia quo tem de ser expedida
hoje (30), pelps vaporcs acima menci'inados para
is portos do sal ate o Aracaju, o para os do norte
art a liranja, sera reeebwa pela maneira se-
jimiti' :
Macos de jornaes, impresaoa do qualqner natu-
reza, 'e cartas a egistrar, ate I hora da tarde.
artas ordinaiias ate 3 horas, 'e estas ate 3 1|2.
nagando porte duplo.
0 admmistrador interino
Vicente Ferreira da Porciuncul.i.
THE4TRI
Santo Antonio
EMPREZA
Sabbado 1. de novembro
Am H 11*<6 koras em ponto.
A optreta em 3 actos :
A Torre era Coiiciirso.
Mo-ica dc F. Colas.
11
IV
EspKdaculos a larde.
Sabbado.
lqja chapelaria elegante,
rua da Imperatriz n. 3
ic\ln I'cira 31 locorreuto
as 10 1|2 horas.
L'tensilios, nrmacSo e mcrcadorias
A saber:
Uma armacii) enve,rnisada e envijragada,. I
grande batcaO, 1 liteiro de amarello envidracado,
2 mostradores de moguo envidracados, I arma-
rio, 1 armacao ingleza, 1 carteira" de amarello, 2
espelhos, utensilios para o fabrtao de chapeos,
! candieiros, aramleHas para gaz, cabides, baneas e
nicsas, coapiis Je pelueia, caslor, feltro, la, pa-
llia, para homens e meninos, ditos de pallia da
italia, velludo, setim, sparterie para senhoras e
meninas, bowfe. plutnas, (lores e oulras miudezas.
0 agenlo Pinno Borges, ftutorisado, levara os
objeolos e mcrcadorias acima declarados,, a leilao
os quaes o mesmo agente no acto rttalharaoslotes
a vontade dos compradores, ou em um s6 lote ha-
vendopretendente.
0 mesmo agente veudera ni mesma casa, I pia-
no, 1 cxcellente mubdia de mogno, eompondo-se
de 18 cadeiras de guarnicao. 2 ditas de bracos, 1
sofa com encosto de paltdnha, 2 concolos com tam-
po de pedra, t meia commoda de amarello, I me-
sa e prensa para eopiar, cadeiras avulsas, e^l)e-
Ihos, 1 secretaria, mesas, eabiJes, (piartinheiras,
jarros para'tlores, quaninhas, 1 ei fie de ferro,
e outros muitos objectns. ______________
Liquido.
7:9205000
premio de 4:0004000
dito de
dito de .
ditos de 100*000
ditos de 40*000.
8 ditos de 20*060 .
14 ditos de 10*000.
20 ditos de 6*000 .
700*000
2001000
200*000
120*000
ieo*ioo
140*000
120*000
570 ditos de 4*000.....2:280*000
620 premios 7:920*000
Pacific Steam Aavigalion Compaq
IJnha qiifoizenal
0 PAQUETE
1GELLAN
aspera-se da Europa ate a dia 9 de novembro
e depois da demora do costume seguira para o sul
do imperio, Rio da Prata e costa do Pacifico, para
inde rcrebera passageiros, encommendas e dinhei-
ro a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14 RUA DO COMMERCIOit
PACIFIC'STEM NAVIGATION COM
PANY
Linlku quinzenal
0 PAQUETE
LUSITANIA .
espera se dos portos do sul ate o dia 8 je novem
bro, e depois da demora do costume, seguira para
Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde re-
cebera passageiros, encommendas e carga a frete
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA 1 COMMERCIO14
COMPANHIA PERNAMBICANA
DE
DavegaeSo costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Corurtpt, com-
mandante Santos, seguira para
o porto acima no dia 28 d<
rorrente, as 5 horas da tarde
Recebe carga, encommen-
das, passagens e dinheiroa
frete at6 as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Matto- o. 12.
LEIIOES,
LEILAO
urn grarnle
aparado-
da rua do
DE
urn Oicellente fogao ^e ferro,
$ trem de coiiqha, lour^a, mesas,
res, o mais objectos do hotel
Baraoda Victoria n. 48, entrada Dels rua
de Santo Amaro.,
KM LOTES.
Hoje
Pelo agente Martian.
DE
uma parte ilo sobrado n. ii da rua Jos
Ouatro Cantos em Olinda, e uma dita di-
ta do sobrado junto ao mesmo ena mes-
ma rua.
Sexta-feira 31 do eorreute.
0 agente Martins levara novamente a leilao, per
mandado do Dim. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio, as parte- dos sobrados r.cima, pertencentes a
massa fallida de Manoel de Souza Uarneiro Pim-
pio.
No armazem da rua do imperador n. 48 as 11
horas da man ha do dia acima.
antiga
N. B. 0 premio de 1:000*000 esta sujeito ao
imposto de 17 010 por lei geral, e provincial, eo
de 700*000 ao de 2 0,0 por lei provincial, sendo
este tambem sujeitos ao de 3 OjO sobre o valor do
dito imposto provincial.
Thesourarii das loterias de Pernambuco, 2a de
outubro de 1873.
0 ihescureiro
Antrnio Jose Rodrigues de Souza
CASA DA FOBTIA.
AOS 4:1
BILHETES GARANTIDOS.
{' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua dc
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus fe
llzes bilhetes, dous meios n. 1260 com 3:0t OiOOO,
quatro quartos n. 117 com 800*<00, urn melon.
2828 com (C0*000 e outras sortes de 40*0C0 e
20* da lotcria que se acabou de extrahir (71'),
convida aos possuidores a virem receber na con-
formidade do costume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido;
la 4* parte das loterias a beneficio da igreja do
Livramento da Victoria (72"), que se extrahira na
terc.i-feira, 4 do mez vindouro pelo novo piano.
PRECOS
Bilhete inteiro 1*000
Meio bilhete 2*000 ,
RM PORgiO DK 1005000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
_ .l/-!MoW Marlins Fiuza
I'm passageiro do machambomba que die
gou a estacao do areo de Santo Antonio as 3 e
mela h^ras da tarde, esqueceu-se em um dos car
ros de segunda classe, de um lenco amarrado com
diversos papeis, entre os qua' s um offlcio para o
Sr. secetario de S. Exc. o Sr. bispo diocesano e
algumas cartas para o Sr. vigario Camilla de Men-
donca Furtadd Pede-^e a pessoa que por acaso o
tenh'a achado, o favor de en.'rcgar a rua do Mar
quiz de Olinda n. 50, ern casa de Braga Gomes &
C, que se gratifieara.
Recife, 29 de outubro de 1873.
OLEO
DE FIGADO DE BACALHAU
IODO-FERREO
COM QUINA
E CASCA DE LARANJA AMARA
do DOOtOr DOCODX, 13, galerit d'Orleans [Paco Real), Paris.
Em* mdic*meala t beil dc tomar, ten reuibo, de cbeir* agradiTel. Pela ua composieS*,
MM Udu ai qialidades que Ike permettem sabstituir com TanUtem todaa eerie de medicamentoi,
cone pilulai ferruginotai, vinho de quina, oleo de figado de bacnlhau, xarope de casca de
laranja arhara, empregados para combater a anemia, a chloroie, as afleccOes do petto, a oroneAfte,
ot catarrhoi, a tinea, a diathese eslrumosa, eserophulosa, etc., etc.
Per motivo do sea emprego facil, da sua accio maliiplice egur., da economia para oi doentei,
os medicos presereveni n o por preferencia a qualqner oulro medieamento similar.
Depoeilo em Pernambuco, A. REGORD.

DA
taverna sita rua Direita n. 74.
SEXTA-FEIRA 31 DO CORREME
A'S 11 HORAS EM PONTO.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco dc quern pertencer, da muita afre-
guezada taverna sita .i rua de Marcilio Dias, anti-
ga rua Direita n. 74, da armacao, generos e mais
utensilios existen es na mesma taverna, os quaes
serao vendidos cm I i>u mais lotes a vontade dos
compradores. Garantc-se a posse da casa, cujas
ct>aves se acham desembaracadas do qualquer
onus, podendo desdc ja ser examinado o balanco
em mao do referido preposto, sexta-feira 31 do
corrente, as 11 horas da manna
Leilao
DE
um magmlico sobrado de andares e so
tao, em cbaos proprios, com frente dc
azolejo, da rua do Bom Jesus n. 20.
TERCA-FE1RA 4 DE NOVEMBRO
As 11 horas.
0 agente Pinto legalmente autorisado, levara a
leilao o predio acima mencionado, o qual torna-se
rccommendado por ser novo e edificado em chao
proprio, e em nma das ruas mais commerciaes.
0 pretendentes poderao desde ja examina-lo, e
concorrer ao leilao que deve ter lugar as H ho
ras do dia i. de novembro, no escriptorio do refe-
do agente, a rtn do Bora Jesus n. 43.
****.
LEILAO
DE
bons moveis, finos jarros, lour;a e crystaes
ASaBER:
Um piano forte, 1 mobiha entalhada (obra de
gosto), 2 columnas a imitacio de bronze, 4 can*
tareiras, jarros para flores, estante para musicas,
1 cadeira para piano.
Um sofa de jacaranda, 1 mesa e cama france-
za, 1 toilette "e lavatorio, tudo de jacaranda, 1
guarda rojpa com eapdhe e 2 commodas cam
pedra. i cama para meninos.
Uma mesa elastica, 2 aparadores, I guarda-co-
mida, 1 sofa, 12 cadeiras, 2 espreguicadclras, 1
quartinheins, 1 mesa de amarello, copos, calies,
garrafas e muitos outros objectos que esrarao ao
exame dos concorrenles.
TERCA-FEIRA 4 DE NOVEMBRO-
A 8 lit 1|Z hOraS Cm pontO. >!,ra.lo n. 3! dama d* tfBfqncz do Her-
Escrava.
Para casa de pequena familia, precisa-se alugar
uma escrava para todo servico : atratar na ho-
lei de Apipucos._________________________
AO COMMERCIO
0 abaixo assignado hquidatario da oxtincta fir-
ma de Ferreira & Ico, faz publico que tem justo
e contralada a venda da loja de fazendas, sita a
rua do Barao da Victoria n. 59, com o Sr. Anto-
nio Manoel Fernandes Silva, ficando o compra-
dor isento de qualquer responsabilidade inhe
rente a cxtincta lirma ou ao liquidatario vende
dor, o quern se julgar com direito a impedir.
apreseoteso no prazo dc tres dias.
Recife, 29 de outubro do 1873.
Haoeel Jo>d Ferreira Cru'.
Peideu-seou roubaram da algibeira de sen
dono.no dia 29 do corrente as II l|2 hwas do
dia, a quantia de quinhentos mil reis, em quatro
notas de cem mil reis e dez de dez mil reis :
quem achou essa quantia ou souber noticia quern
foi que subtrahio-a apparc.-a na rua da Esperan-
ca, no Caminho Novo n. 97, que sera gratifica-
do coni cem mil reis. _____ ____
\o puhli'}
Manoel Felix da Pilva, ,.,j.,.Jor e estabelecido
na villa do Cabo, faz vp, (o publico que encon-
trando outro de igual nome, d'ora *m diante se
assignara por Manoel Felix da Silva Cacador.
\tlencao
L
Andre Vidal Alves, proprietario da casa na Pe-
dra Molle, aonde o Sr. Jose Antonio Mendes tinha
uma pequena vendinha, e caindo doente recolheu-
se ao hospital portuguez e no mesmo falleceu no
dia 16 de outubro; portanlo, faz ver aos credo-
res do mesmo para virera ver a casa e examina
rem o balanco procedido com tresentos e tantos
mil reis em resto de generos e cascos vasios, vis
to que o proprietario quer sua casa desoccupada,
deixando o defunto uma nola dos credores e seis-
centos <> tantos mil r&s, sob pena>de perderem
o direito a mesma.
Pedra Molle ou engeoho Dous Irmaos, 58 de
outubro de 1873.
________Hypolito Martins Goncalves de Pinho.
A luga-se
uma grande casa com sotao, circnlada de janellas,
dentro de muro com portao de ferro, no lim da
rua da Aurora, a rua da Lembran^a do Gomes : a
tratar com Ignacio Barroso a rua do Capibaribe
n. .
:>(>hooo.
Achase fugida desde o dia 19 do corrente a
escrava Suzana, com os signaes seguintes : cor
parda. idade 30 annos pouco mais ou menos, ca-
bello corredio curto. purha por uma perna em
consequencia de um defeito n'um joclho, sem
unha nos dedos dos pe"s, de cstatura baixa ; le-
vou comsigo toda roupa do seu uso, e a quan-
tia de 1004 que subtrahio de seu senhor ; presu-
me-se ter seguido para Goyanna em companhia
de um tal Florencio. Roga-se as autoridades po
liciacs e aos capitals dc campo a sna apprehensao
entregando-a a rua de Marcilio Dias n. 21, ou a
**u senhor a rua da Senialla Nova n. 7, quo se-
pt gratiflcado com a quantia acima.
Previno ao publico e especialmente ao commer'
cio, que nao facarn tnnsacgao alguma com tres
lettras por mim aceitis e sacadas por Antonio
Jose Ferreira Monteiro, por quanto nao tendo-se
realisado a transaccao que dera origem a alas
lettras, e sendo ellas conservadas em podcr do
saccador com abaso de conflanca nelle posta, n5o
lem valor algum, como se provara em tempo com-
pclrt!?B.
Joao Firnandes da C -la.
VERDADEIRO ELIXIR DO D" GUILLIE
TONICO ANTI-FLEIMOSO b anti bilioso
PREPARADO POR PAUL GAGE, PHARMACEUTICO
TJnico proprietario, rua de GreneUt Saint-Germain, 9, em Paris.
A accto da ioimlr CoJUM e Intelramtnlabeneltca.
Como purgativo nao debilin como OS oulros remedios
desta qualidade, porem toniuca e refresca no mesmo
tempo : aoiilia e corrige lodas ae secrecies; da forca
aos diversos orglos I nlo eiige uma diata severs, pelo
contrario 4 preciso lomar uma boa reteicgo i larde
quando se user delta; pode ser sdmlnlsutado com
oguat exito na mats tenra tdada como na mais adlan-
lada velhlce sem nunea caosar accidenle qualquer.
Na dose d'uma colherada pequena dentro d'um
pouco de agua assucarade, seja antes seja depois da co-
mida.esiimuls o appetite, avlva las funccCes digestivas,
substllue a losna (iMt>)i o wtrmnA e bebidas amar-
gasque fecosiuma tomar.
Un folheto que 4 um verdadeiro tratado de medicine
usual e domestics se da da grace com cade garrafa
de ELIXIR. Ella Indies as doencaa aonde o BI.IXIR
util e o mode de user dalle.
As pessoss que qulseren consulter este folheto
antes de oaerem deste BLIXIR, podem dlriflr sen
pedido franco ao S. Paul Gage, em Paris e na
provincla ou nos peizea eslrsngelros, em case dos
depositaries; este folheto IbeS sera entregue de
grac.a at Immediatemente.
Uesde cincoenta annos a reputscSo do allzlr eulllie
espslhou-se no mundo Inlerlo pelos services que
que csda dia elle presta aoa medicos e aos enfermos en
cssos graves ou desenganados.
E sobretudo util a classe operaria, a quem elle poupa gastos consldera-
veis de doencas e tempo perdido, pots com o ELIXIR GUILLIE, as enras
s&o rapidas.
0 Elixir GuilUe vende-se em todas as principaes pharmacias das Amerieai, nomeadamentc
no Pernambuco A. REGORD; BARTHOLOMEO E C

HOTEL
Restaurant de Bordeaux.
Rua l.de Marco n. 7 A, l.andar.
Nesto hotel, ondo so encontrard .iposentos bom mobilia>los, garnto se as pessoas;
que 0 freq'ictitarem, no so a boa qualidade dacozinha, como tao bem o aceio o promp-
tido em sorvir-se aosencurrentes. Situadn no incllior bairro desta ci'lade, o hotel de
Bordeaux offerece todos os commoilos possiveis. tiuer com r. lae'io a ? apose.ntos mobi-
liados com gosto e acein par rhodtco prcr;o, quer com re?la^ao a sua posigao.
Almcrcos Vinlios de tuJas as qualidades.
f.unchs Conservas idem idem.
Jar.tares Ci rvejas idem idem.
Coins I.iioros idem idem.
Aguade vichy vevdadeirae nova a 1^000 a garrafa.
AssignaliircLS rirensa-'-s i\ oli^OOO !!
i)0 l. DE .NOVEMBHO EM DIANTE.



NATAL
M:ne. V. Biinont, tendo aberto um hotel para sstisfnw a necessidade que tem os
viajantes, de hospedagens na cidade do Natal, capital do Rio Grande del Norte, offerece A
concurrenoia public* e garante aceio e promptidao no servico.
\\&.n de ser este hotel collocado na molhor rua lest.i uidade, sta' tambem em uma
das melhores casas. pelo Sceio e posigao.
Tambcm.ha quartos mobiliados que se alngam metlsalmente.
Prego o mais resumido possivel.
Frontispicio do Carmo.
I'ROGRAMMA DA FEST.V CE MOSS A llAl SANTIS-
MA SF.M10RA DO CARMO DO FRONTISPICIO.
Na sexta-feira ( 31 do corrente ) ao meio dia,!
uma musica marcial annunciaia, tocand i algumas :
pejas de gosto, a festa da mesma Senhora.
As o horas di tarde tera lugar a bencao da imaj!
gem,sendo padrinhos os lllms. Srs. Dr. HonorioJ
Bezerra de Menezes, eapiiao Antonio Cliniaco Ho-
reira Temporal, negocianto AgOSiinfM Jose -oares
e Joaquim Lopes da osla Maia, subindo aos ares
giraulolas de fogo.
M 7 horas da noite tera lu.iar o levanlamcnto
da bandeira, sahiudo da greja para o |iao acorn
panhada por meninas ; depois d.i <\u-\\ uma ladai-
nha can^da, promessa de uma devoia
Na mailrugada de sabbade havera missa re;
sada.
As 10 horas da manha desse dia enlrara a festa,
sends oralor della o eloquente pregaJor da ca-
pella imperial o Rvd. padre Lino do Monte Car-
mello; i^nda a festa v.ni grando balfto subira aos
ares.
A'tarde a musica marcial laeara, em frente
da igreja, lindas pe.;as de sen repertorin, seguio
Jose >i tiramento da hindeir:i.
As 7 horas da noite enlrara 0 act >, sendo pre-
gador 0 eximio palre uestre Leonardo Joao Grego.
Par ulttmo, se quoimari nm lindo fugo dc ar-
lificio.
0 pateo estara decenli'inente illuminado. -
(mi)
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa se de
um criarlo do 13 a li annos, forro ou escravo.
NOVAS PUBLICIIEOES MUSiCAES.
\. .1. Acaham de publicar se, e acham-se A
venda as seguintes musicas :
2JJ000
15J500.
19000
18000
15000
PIANO SO".
Dasse espanhola, por Ascher
Arabella, mazurka, por G. Wer-
theiiner
Valsa do Fausto, por Croyzes
Sonho de uma viRCEM, por Alber-
tazzi
Anna la Pkie, cavatina
AoClvir de la J use, por Bussmeyer 19500
ESTRELLA DO NORTE I n -.,____,. .yinnra
o... ., ._i >Poika bnlhante l?WOO
SacdajCAo ao Bahiai
Cricket, por Seixas, olTerecida aos
chrickets club pemambucano e
T*piTp jr&woc PIANO ECANTO.
ao ?r. Joao Gon;alves Ferreira seve, para vir a n-.-..,,.,, militn |in,iu romance
ruaJasCincolo.uasn.93, a negocio J^ *eu par-. ,,liSE,,?-R2' mUlt0 l,ntU) 9yu\n
titular roteresse.__________________________ por I. Smoltz 2CO00
- Aluga se nma exceliente casa na povoacao Non *amaa, romance por Guercia 19000
de Duarte Coelho, em Olinrla, cem buns cnmmo-j Tambera ro-'obeti da Europa grande sor-
los para famrlia; a tratar com Jorge Tasso, rua timento do musica para piano, piano e
Amorim, a. 37. i cant0 estudos, melhodos, etc. etc.

Massa fallida de Duarte A;
Medeiros.
0 abako ^^signado, administraJor ilesta mas-a,
fendo do' proceder a verWcariO e classillcacao
dos rro.li!, convida pelo presente a rniem se
julgar eredor, a apresentar ous litulos ate o ulti-
> cjrr&nle. na rua do Marqaer. de Olinda n. ,
i3, para aquelle fim.
Rfife. 2! do outubro de 1873.
Jose Portunato tlos S. Porto. -0 eng0llh0 Bonito> comarca de mtareth, pre-
aTu Tc hma escrava f.ira cozinhar e bv.-.r: ciss^'' de nm frrtor' a tratar com Leal
. -.hy n. II, I" andar .t Ja >JarQu--7. *:' Olindt u i:fl
PrcctJa-se do um cri.ido : na rna do rapibari
be n. in.
M(ir.
aVafs^bailSHaH
k****i-



mmm
^iH
M
IP|PP
___
iRpnijuu 11 nwm
Ditto '
i
r
I
I
4 quem interestjar *
Pereira d> Siva & GuimarJcs, propri larios 'In
oja do Pavio, previuem rwlo i-wrw a ini-
fueie dest.-, pra.a, quese aehauj com c
atrasado*. que >e nao salflarein os mcvunos ale>>'
dia deoniubro do r.cnvnitt aoini, iratarao di-
cobrair jndirlarmeote, nlo tendo conteniplacio earn
oingmm
I'lCgfe, 2t do ot--oihro le 187-1
"jboces, fructas e floresT"
Na rua da Cnu n. 6 tern tndos os dias sorvete
das H boras diante, gelados, refreseos e xarc-
pes de todas as qualidades.
ftop reBte, uprein cnoulo, do noine J aqjim, que r<-
presenta ter W a iO annas, alto e cteio do corpo,
nariz ifllado e pouca barba ; foi cfocontrado na
Estradi Nova em direCcao para esta pra-a, vesti-
do de calra e jaqueu branca, carnisa de mada-
polao, engommada e chapeo de baeta : este es-
cravo veto de Igaarassii em 1845 a 1848, pan
a villa de Pan d'Alho, em eorrjpanhia de sen an
tigo senhor a capitao Jose Felippe; lia sete annos
pouco mais cu menos fez uma fugida igual a esta,
foi preiie em Igoarassd, no engenho Inhaman, por
onde vs gava : pede se as auloridades policiaes a
captora do mesmo escravo, e qnalqner capitao de
campo qne o raptorar e eondnzi-lo a referidsi
villa de Pao d'Alho a sen senhor Antonio Antunesi
da Silva, on nesta praca a Nicomedes Varia Ftei-
re, na Boa-Vista, travessa dos Pircs n. 31, serii
bem recompiinsado.
2_i ATTEMCiO
Pr^cisa-s-* d-; um ciiado para easa do pequena
familia ; a iratar na travessa do YigaYio n. i. es-
criptorio.
Alng.isc 'ipiifig.-i, rua |a Ven-
torn, com rwnHV !.* par.i f.-iiuili.i, i-i-ncertart.i c
pistada : a trjnr ro ii.
Atlencflo.
Casa.
Aluga-se o I* andar da rasa n. 6t da rna do
Apollo : inta so lama da Cadeia n. 3.
Alug*-.-c uin dos melhures si tins da Torre,
com boa agua de bober, pern da capclla : a tra
tar com o respective propriet irio Caneca, profes-
M>r 3e pnnieiraa tetras do mesmo lugar.
Andre Csrnoiro Coelho Cmtra faz sciente ao
publico e especialmente ao respeitavel corpo do
commercio que nesta data dissolveu a sociedade
gommereial que tinha com Henrique Ferreira
Pontes, (icando este responsavel por teda e qnal-
qner obrigacao ate" entao contrahida em nome da
mesma sociedade.
Recife, 13 de outubro de 1872.
MOFFNA
Esta cncouracado !
Roga-se ao -lllm. Sr. l-nado Vieira do Melk>
jfrriviu ua ci.i.uli' de Savreth di'-ta provinria, i
favor CMiir a |U*ite neg.Hm que 8. S. .e comproinelltfu
rualisar, pela terceira chamada deste jomal, en
flns de dezembro de 1871, e depots para Janeiro,
passon a fevereiro e abril de 1871, e nada cnmprio:
e por este motivo 6 de novo chamado para dik>
Sin, pois S. S. se deve letnbrar que este negorie *
le mais de otto annos, e quando o 3r. sun Blho v
irhflva nesta rid.ide.
A lags Ourgof d. II : a tralar na rua da Praia n. M,
a tratar com Jose Feliciano Nazareth.
Precisa-so'de um criado para uma cjsa de
pequena familia : a tratar na travessa do
Vigario p. 1, escriptorio.
Atten^ao
". 100^000
Gratifica-se com esta quantia a quem agarrar a
mulata escrava. Balbina, baixa, cheia do corpo,
cabellos cachiados e ralos, que tendo sido ha tem-
po cortado, presentemente amarra, tem nma pe-
quena cicatriz em nma das sobrancelhas e outra
em uma das maos do dedo pela parte de dentro,
que prira df abn-la perfeitamente, e ja andou
fugida em Goyanna, Itamaraca, [guarassu ; sendo
araasiada com um soldado do i*, foi presa na al-
deia da fortalcza das Cinco Pontas: quem a pe-
gar leve-a ao Qminho-novo, em casa do Sr. Joa-
3uira Luiz Goi?alvcs Penna, ou a rua do Viscoode
e Goya ana n. 89.
Hotel chinez
21Rua da Imperatriz21
Esta aberto a concnrrencia do respeitavel pu-
blico estp novo e bem util estabelecimento Rece-
be-se assignaturas mensaes, e promette-se ter
sempre sufQcientes comedorias para se forneccr
avulso. O proprictario deste n vo estabelecimen-
to promette servir o melhor que se pode desejar,
e por precos muito resumidos. O que se tarna no-
tavel nestes casos, 6 o asseio e nromptiao ; e nem
so se p6de affian^ar isto, com) lambem se garaate
as eomidas serem muito bem feitas, visto que tem
um cozinhoiro de primeira ordcni. Havera todos
os dias sorvete das melhores fructas conhecidas
entre nos. Espera-se a coocurrcncia do respeita-
vel publico.
O Sr. Antonio Luiz da Costa, que foi npgo-
ciimte in Olinda, na rua de S. Rento n. i3, e
ham ndo a mesma cidade.a rna do Comrren-io n.
2V, a negocio que S. S. bem sahe.
Boa casa para a festa.
Aluga-se nma excellente casa no Vonteim, tra-
vessa do Xisto, a qual se acha em muito bom es
tado de limpeza : a tratar na rna Primeiro do
5arco. anttga So Crespo n. ) A, loja de Gnrgel
do A man I & C
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisase
fallar ao Sr. vigario Andre Curcino de A ran jo Pe-
reira, a negocio de seu interesse.
Um homem portuguez, casado, tendo uma
menina, se offerece para caixeiro de alguma ca?a
de molhados, ou mesmo para caixeiro de engenho,
do qne tem bastante pratica, o qual e bastante co-
nheeido nesta prara : quem precisar annuncie.
*^ "^-S^K 'K -%^ ?^K t9KX^ ^Q^ ?v* ^SC ^5^.^0~7**.
* VM *
Afc.
Porto Calvo :
Antonio Climaco Mornira Tempo-
ral e ?ua routher Juvina Gomes
Penna Temporal mandam resar
nma missa pelo eterno rcpouso de
D. Margarida Baptista (iilafa, fal
lecida no dia 17 do corrente, em
sen engenho Serra Ouca, sito em
rogam, pois, aos parentes da falle-
Cidit e aquella? de sua amizade, se digncm de as-
sistir na quinta -feira 38 JO corrente, pelas 7 horas.
no convento do Carmo.
Sociedade Recreativa Ju-
ventude.
De oidem d:. presidencia convido aos Srs. so-
cios para comnarecerem segunda-feira 3 de no-
vembro pelas 7 horas da manha na igreja de S.
Pedro, para assistirem alguns mementos e respon-
sos quo se tem de celebrar por alma dos socios
fallectdos.
Secretaria da Sociedade Recreativa luventude,
29 de outubro de 1873.
Vulpiano Baptista,
l. secretario.
i

&
0
0
Gonsultorio homeopa-
thico
Do Dr. Santos Nello
41------Rua do Imperaior------41
Consultas todos os dias das II a 1 da
tarde.
Gratis aos ponies.
Residencia a roa Nova n. 7, sqgundo
andar, onde da consultas das 6 as 9 da
manha e das 3 as o da tarde.
Chamados a qualquer hora.
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
^00000 00000 000
Para o dia dc linados
As flores naturaes s3o as mais proprias para
esse dia, e por isso todas aspessoasque precisa-
rem degrinaldas muito bem feitas, devem maudar
suas encommendas na rua da Cruz n. 6.________
Doces, fructas e flores
Na rua da Cruz n. 6 apromplam-se encommen-
das de bandeijas cum bnlinho!. doces, pao-de-16,
bolos, pudins e presunto em fiambre para casa-
mento, ba-lss e outros, doces d'ovos e fructas crys-
talisadas e de calda, geleas dilTerentes, dita de niao
de vacca, tudo muito bem feito.
Dr. Joaquim da Silva Gus-
mao.
Cesaria Candila Nibre d>3 Gusmiio convida aos
parentes 3 ami?os de seu linada (illio Dr. Joaquim
da Silva Gusmao, para nojje q linta-leira 30 do
corrente ai 7 horas da manha, assistirem as mls-
sas e memento qtue se resarao no convento do
Carmo pjr occ&siao da trauslada^ao dos sous res-
tos mortaes, para a Ordein Terceira do Carmo.
C0ZINBEIK0
* No hotel de Adipucos,
zinheiro, livre nu escravo,
preclsa-se de um co-
Pede-se ao Sr. Manuel Rodrigues Pereira,
com padaria en Santo Amaro, queira >e entender
com o seu ex empregado Antonio Jose da Silva a
negocio de muita urgencia.
Esti fugido o escravo Manoel, de Joao de Souza
Dias Valladao, que e?ta em Fernando de Noronha,
o qual tem as slgnaes seguintes : mulato, andar
descancado, altura regular, barba serrada, e dizem
que anda com uns papeis falsos. e intitula-se como
livre : quem o apprehender e leva lo ao largo da
A-semblea n. 17, rebera a gratifica^iia acima.
Seria por
engano
A pessoa que liontem levou do cafe da rua da
Imperatriz um paletot trocado, tenha a bondade de
mandar desfazer a treca no mesmo cafe- ate am.v
nha as 3 horas da tarde, certo de que se o nao
fizer vera seu nome estarnpado nesta foi ha como
autor dessa caridosa obra, pois se vio, quando aca-
bou de jogar bilhar, vestir o paletot que I he nao
pcrtencia.
Atacado de um mal, que a nao ser a mise-
ricordia Divinn, a proteccAo de alguns amigos, e a
pericia da distincto medico que me tratnu, o lllm.
Sr, Dr. Malaquias Ant nio Gon^alves, teria pnr
certo sne -umbido, tal era a natureza e gravidade
do mal ; e porque julgo-me hoje quasi restabele-
cido tomei a imprensa como interprete do senti-
mento de gratidao qne eternamente votarei a al-
guns amigos residentes no povoado denominado
Barro, com cspecialidade aos Illms. Srs Rvm. pa-
dre Raphael Antonio Coelho, Bernardo Gomes de
Abreu e sua Exina. familia, Germano de tal e Jose
Luiz da Costa Azevedo, aos quaes pelo muito quo
me preslaram offerego o men acanhado prestimo
onle quer que o destino me colloque. Recife, 28
de outubro de 1873.
Ulysses Thcmistocles da Costa.
10 Fill
Ansentaram se do engenho Jaguaribe os escra
vos seguintes:
Manoel, crionlo, de idade de 18 annos, baixo,
com todos os dentes, olhos grandes e bonitos, na-
riz grosso, orelhas pequenas, tendo a esquerda
como que no cimo della uma beira aparada, e na
face esquerda nma cicatriz, bocca grande. pes
pequeuose feios : e filho do Brejo de Areia, e foi
alii escravo de Antonio Isidoro Delgado Caval-
cante.
Luiz, cabra, biixo, cabellos carapinhes, testa
larga, olhos grandes, nariz grosso, bocca regular,
roslo oval, bj.rbado, teudo as mesmas muito ca-
rapinha, e pouco espadaudo e tem pes grosses
e curtos : e Tilbo da comarca de Paged e foi es-
cravo da tinado major Antonio Bernardo, sendo
epiis de Vicente Ferreira Lima morador no Co-
ueira de Pa;eti.
Pede-se as antoridades noliciafs a apprehensao
destes escravos, e gratiuca-se bem a qualquer
particular que os apprehender e os "levar nc
di'.o engenho, ou na rua Nova n. 8.
100$ de gralilbrio.
Aaae itarani se do engenho Araqnara, termc
de Escada, desde o dia 19 do carrente, os erera-
vos : Pedro, de 23 annos, cor fu'a, alto, grosso do
corpo, pes apalhetados, ladino, cantador de mo-
das, comprado nesta cidade ao Barao de Nazare-
th ; e Antoni<>, de 30 annos preto, estatura e cor-
po regulares, com falta de dentes na frente, pen
tambem apalhetados, tocador de viola, comprado
ao Sr. Leonirdo Rolin. Suspeita-se (jue o pri-
meiro ssteja na cidade de Olinda, em consequen
cia de ter sido escravo do coronel Passos, hoje
Barao la Taearuna ; e que o scgando ande pelo
Po>o da Panella, onde reside o seu primitive se-
nhor. A pessoa qne os apprehender dirija-se ao
Sr. Oiympio de Souza Galvao, na estacao das Cin
co-Ponta*, en ao dito engenho Araquara : a tra-
tar com Antonio Jose Gomes Junior, que sera re-
compensado com a qnantia acima.
Precisa se de um caixeiro de 12 a 18 annos
tie idado, qne tenha pratica de molhados, para \
cidade da Escada : a tra'tar no pateo do Terco nu-
mera S3.
Psde-se aos Srs coronel Joaquim Cavalcante
de Albttquerc.ue, senhor do en jenho Pauli Luiz Lfpe* Caslello Branca e \ icenle Bacellar, o
obsequio de ;(>psr*eerem na rue Dnque de Caxia3
n. 44 a negodo que ihes interessa. ,
CASA
Alog.1 se a casa terrcw n. 76 na rua de Santa
Rfta : chave para vei" esta defronte, na reiina.-
eio, e trata-se no Recife, roa da tadeia n. 3.
Preeisa.-se de um caixeiro de iJade de 12a
li an*K, e qe ja .portucivz : a tratar em Olin-
da. r::: di ( arnemi < V.
Aluga-se nma boa casa em Olinda, com bastan-
tes cotnmodoj para familia, na rna de S. Pedro n.
31 : quem pretender dirija-se a rua do Marquez
dc Olinda (antiga rua da Cadeia) n. 20, que acha-
ra com quem tratar. _________
Acha se legalmente depositado per esta sub-
delegacia dous cavallos, inn castauho c outro ru^o,
apprchendidos em poder de Manoel Francisco Xa-
vier, como furlado : quem for seu legitirno dono,
compareca perante esta subdelegacia, que provan-
do Ihe serao entrcgues.
Sublelegacia de policia da freguezia da Varzea,
> de outubro de 1873.
O subdelegada
Manoel Candido de Albuquerque.
AVISO
0 abaixo asslgnado participa ao respeitavel pu-
blico qne vendeu seu estabslecimento sito a rua
de Santo Amaro n. 6, ao Sr. Bellarmino Gomes
de Lima : quem se julgar com direito ao mesmo
apresentese no prazo do tres dias.
Recife, 27 de outubro de 1873.
Manoel C. Duarte Figueiredo.
&
DESCOBERTAS MEDICINAES
PELO BACIUREL
Manoel de Siqueira -
Cavalcante.

%
m
m
Siji t5 o pirscrvativo da ery- k
V sipela : para eurar com certeza, e ^_
en. pousd tempo, qualquer ataque de ^
erysipela, e prevenir o seu reappare
cimeato. .
Este medtcamento tambem e muito SU/
podero^o para o rheuraatismo. a^
9" regulatlor da mens x-
lru:i;i\o : para falta, irregularida- />j,
de, suppressao repentina da inei^trua- *
cae, e dos lochios, assim cOmo para jo^
tod'..- os .-oflrimentos devidos aquellas JBS'
affeccdes. Ambus e*tes medicamentos jgv.
ja ?ao rouilo conceitaados, e procura- ^f)
dos nesta provincia, c na do Rio de ^>v
Janeiro. rv
Acham-se a venda somente em casa jQj
do autor, das 9 horas da dia as 3 da 1?
tarde, e a qualquer hora em casjs nr- gentes. Xy
GRATIS A03 POBRES |.
Rua da Imperatriz n. 14, 2 andar. x'
$ -*a##
CASA DO OURO
Aos 4:000{000
Bilhetes garantidos
iiua ilo Barao da Victoria foutr'ora Nova
n. 63, e easa do costume.
Acham-se a venda os mujto felitea bilbetes ga-
antidos da 4" pane da loteria a beneflcio da
igTeja do Livra-i ento da Victoria, que se extrahira
ao dia 4 do no.vetnbffc
Pre;*s
Inteiro 4 ateio 24000
De fUOitOOO paraeluiti.
fnteiro 3/500
Meio 11780
ilertfe, 2- it ootabra !- W3
Me Joaqniitt da Cosi'i (sin.
Alug^am-se nestes proximos dias duas boas
casas na Capunga, rua da Ventnr, com commo-
dos para familia, as quacs forara concertadas, e
estio se pintando : a .tratar na rua Duque de Ca-
xias n. 44.
Prevencao
Ao abaixo assignaJo desencaminhou-se uma
carta Armada em 10 do corrente mez pelos Srs.
Cunha 4 Irmaos, do Aracaty, capiando um saque
maior de I4:000, e como se ignore contra quem
vcm o dito saque, e qual a quantia exacta ; vem
prevenir que ningucm o aeeite, sem que seja apre-
sentado pelo abaixo assignado.
Recife, 24 de outubro de 1873.
_________Antonio Alberto de Sonza Aguiar.
Aluga se o 1 andar da casa n. 69 da rua do
Padre Floriano. proprio para pequena familia ou
homem solteiro : a tratar no 2* andar, das 8 ho-
ras as 4 da tarde.
PADARIi
raz-.-e negocio com a da rua do Vidal de Ne-
greiros n. 147, que foi do Campos, uma das me-
lhores naquella rua, ou tambem se admitte um
socio com algum capital ; o motivo e porque o
encarregado da mesma tem de retirar-se para
fora da prorincb a tratar Vigario n V.
CAFfi DO RIO.
Tem para vender J. S. Carneiro da Cu-
nha, cm seu escriptorio a" rua do Fncanta-
mento n. 5, 1." andar.
- O lllm. Sr. Dr. Leopoldo Cesar Duque Estra-
da, formado naacademia de Pernamnucoem 1873,
lilho do lllm. Sr. Joaquim Leopoldo de Figueiredo,
e cnamado a loja do Amaral, Nabuco & C, rua
Nova n. 2, a negocio que nao ignora.
Aluga-se uma boa casa propria para passar
a festa, na povoacao do Montriro, rua da Ponte n.
11 : a tratar na ru? Duque do Caxias n. 71.
Aluga-se uma excellente casa na Boa Via
pern : a tratar na rua da Ventura n. 21, Ca-
gnnga.
4ir i Precisa-se de uma ama para
iVI *\ oz'nnar :.n* praja do Corpo
Santo n. 17, 3.* andar.
Precisa se de nma ama
ama quo saiba lavar o ea-
pommar para duas pessras:
a rua do Hespicie numt-ro
50.________________
\lTTl lNa rua (' B,r5 lavar, engommar e enmprar para tuna pessoa.
\w Precisa-se de uma ama paia cozi-
IJ 1 niiar para rapazes solteiros : na rua
_lT'T> de Pedro Alfonso n 29.
Onerece-se uma ama para casa de homem
solteiro : na travessa do Peixoto u. 7.
Na rua do Capiharibo n-
a
A lyB /A 34 precisa-se alugar uma es
rmiTJl.x. crava que eosinhe e eDgom-
me para uma familia coinposta de duas pessoase
um me.iino, paga-se bem.
Attencao.
20|000.
Precisa-se de duas amas, sendo uma para
comprar o cozinhar, o oulra para engom-
mar para casa de uma familia de duas pes-
soas, preferindo-se escrava, paga-se a quan-
tia acima : a tratar na travessa do Vigario
Tenorio n. 1, das 9 horas da manhS ate as
3 horas da larde, escriptorio.
Ama de leite.
Prcoisa-se do uma ama quo tenha bom leite e
abundante ; paga-se bem : a tratar na rua For-
mosa, casa defronte do becco dos Ferrciros n. 24.
A rno Preeisase de uma livre ou escrava :
flXUdtx na rua ,ja (joncpjcjo n 43.
W
Precisa-se de un.a ama para co-
zinhar em casa de familia : a tratar
na rua do Hospicio n. 4(5, casa torrea
quo tem bolas amarellas na cornija.
I if i Precisa-se de nma ama somente
-\ VI '\ l)ara cozinhar em casa de rapaz sol-
flJIil teiro, preferindo so escrava : a tra-
tar na rna Primeiro de Marco n. 17, loja.
A,TTia Precisa-se de uma escrava paracozi-
^xJJirti nhar e engommar em casa de pouca
familia : no largo de Santo Antonio n. 2, andar.
Precisa-se de uma ama forra
ou escrava : na rua da Guia
5.
A Til t\ ^" rua l,a Senzala Nova n. 33 preci-
.viiKt Cj comprar para uma so pessoa.________________
Precisa se de uu a ama para casa de rapaz
s na rna da Amorim n. It.
A M A a
Precisa-se de uma ama para cozinhar [em
casa de homem solteiro : na rua do Brum nu-
inero 66.
A
Precisa-se de uma ama pan en-
gommar e cozinhar em casa de
uma familia de duas pessoas : a
tratar na rua nova d,' Santa Rita
n. 49, serraria a vapor, ou na rua de S. Joao nu-
raero 61.
Pede-se
ao Sr. Joao do Couto Alves da Silva para vir a rua
das Cinco Pontas n. 93. a aegociodo seu particular
Inieresse.
O abaixo assignado, procuiaaor em lugar de
Francisco Jose da Costa Ribeiro, compron por sua
ordem tres meies bilhetes da lotoria n. 479 a be-
neflcio da santa casa da mi: erieWlia do Bio de Ja-
neiro, dos segnintos numeros 382S, 3023 e 2837, e
dindo elle Kibeiro sociedade nestes bilhetes aos
Srs. Jose Leonardo e Francisco da Costa Amaral,
todos ties residintes na ilha de S. Miguel fregue-
zia do Pico da Telra. Pernambuco, 29 dc outu-
bro do 1873.
___^^^^ Joao do Amaral Raposo.
Achado.
A pessoa quo perdeu uma argola de aco com
diversas chaves : dirija-sf i (avetpa da "* jnina
do Hospital ?orf'i ?' 'ho -era 'yjir ;.- >.
MEURON&G.
aos comprador es do bem conhecido e acrelitado rapd
AREA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois qne os ha de rapd de outra fabrica e noxiie diver-
so, e com papel da mesma cdr, cujo desenhc se p6de
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que qxiiserem do verdadeiro A SEA
PRETA, devem para nao serem enganados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
napao de AREA PRETA.
MEURON & C. -

FUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRDM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhorea de engenho e ontros sgricoliores, e empregadorcs de m
ninismo o favor de oma visita a sea estJ-belecimento, para verem o novo tortinif do
omplet) que abi tem; sendo todo soperior em qoalidade e fortidao; o que com a ins
err,5o pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENgAOAONUMEROE LUGAR DE SUA FUNDigAO '
vTflYinrAfi A rnHflQ H'flO-nfl dos mais mo5erns y*tema9 eem ta-
V apUJTUS O lUUao U agua maDb09 convenientes para as diversas
ircnmstanciaa dos seiihores proprietaries e p?.ra descaro^ar algodSo.
Soendas de canna ffP 8 lamaahos' a9;me!,lore8 qoe iqDi
Sodas dentadas p "^" p<>'-
Taixas ie ferro fundido, batido e de ccbre.
ilambiques 9 fundos de alambiqaes.
para mandiocae algod3o,J Podendo todoa
e para ?errr madeira. ?ser mo^idos a m5o
/por agaa, vapor,
de patente, garaotjdas-....... |on anirca**?.
-fedas as machinas w tow ****** v*w.
Fas qualquar concerto de ffiacbil1ismoa w oni r0SDmido-
^HITiTlft^ [\p> ffSVYn !fcCa as m6'DOre8 e ma'9 bantas p.ii-ifr,\os no mer-
R!flPniTlTllA'nHlnS Iccombe-se de mandar vir qaalqaer machinismo a von-
iil\j illlUluUicJCS. taije (jos clientes, lembrando-ibes a vantagem de fazerem
uai compras por intermedio -ie pessoa entendida, e qoe em qnalqner necessidade p6de
:ie prestar auxilio.
Irados americanos a iMtroaieDl08 3rico!as-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICIO DE FERRO
m^m.
Rombas
Capcllas Hiirluarias
Para tuumSoai e catacuuibas no
dia tie Onados.
Porto ii Bastos, coin loja de HI-
tado a Praia da Inde|iendenc ;.
39, acabain de receber da &m>| i
. novo sortimento de eapeltaa mor-
I tuarias de lindissimos desenho,
com as seguintes inscripc^es, is
qnaes vendein pormeiHM vneo do
que em oulra qualqaer parte.
A Sleu Pai
A Minha Mai.
A Men EtDDSO.
A Minha Esp =a.
A Meu Filho.
A .Minha Filha.
Uma lapriin.i.
.vmisade.
Saudades.
PKA^A DA INt>EPENDNCIA N. 39.
a casa terrea na Ilha dos Ralos n. 68, com a
frente para a.estrada do Hospicio, com ba-tante
commodo para familia : a tratar na rua do Mar-
quez de Olinda n. 4,
o
V ma do Barao do Triunipho (rna do Bruin) ns. 100 a \l)\
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Inglaterrs completo sortimento de ferragens e machines para en-
genhos, as mais modernas e melhor obra que tem vindo ao raercSdo.
V^apOreS de forga de i, 6, 8 e 10 cavallos.
LaldeiraS ,je sobrosalente para vapores.
MOGndaS intGirJIS emeias moendas, obra comoounca aqni veio.
TaixaS fimdidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
tvOdaS Cl agua com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KiOtlaS QGntadaS do todos os tamanhos e qualidades.
RelogioS e apitOS para vapores.
JjOmDaS de ferro, de repucho.
AradOS je diversas qualidades.
FormaS para aSSUCar grandes e pequenas.
nOTlOPrfn^ concertam com promptidSo qualquer obra oumaehin*, parao que teem
^ v soa fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
RnPOTTimPTlftaq mandam vir por encommendada Europa, qualquer machinismo,
uuv,uiuiuuuuai3 parg q que ge correspon(iem cm UBia respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
iitas inachinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO 4 1 R M A 0.
Carros de luxo.
E' irtquestionavel que a cocheira da rna do Bom
Jesus n. IS, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e a
qne tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-
le<,-as e victorias de luxo, proprias para qualquer
noivado, visitas de etiqueta, bailes e actos da aca-
demia, sendo os mesmos ajaezados de excellentes
panlhas de'animaes, arreios luxnosos e boleeiros
coin fardamentos do ultimo gosto, para o que se
convida ao publico a vir per si mesmo scientifi-
car-se da verdade do que di-ixamos dito, certos de
que nao encontrarao pomada, e sir.i realidade e
coiii-nodos precos. '
Para biinhos de mar.
Amaral, Nabuco d C, receberam do Pa-
ris iiiteressantes costumes do ultimo gosto,
para homeas e senhnrfts quo dosejarem to-
niar banhos 'afgadps, alem da solidez da
fozerida para resjstir a agua salgad.i, a ele--
gancia dos if jos 'nadr* foiti a dese-
i toixeira
Precisa sede um meninopara caixeiro de fa ver-'
n, que tenha pratica : no becco da Carvalha n.
I eqnina da rua '% Assurnpclo
Capellas para finado
Na rua estreita do Rosario n. 35 tem ricis ca-
pellas para donzellas, anjos e defuntos, com fltas
e letreiros, proprios de lembranja de minha mai,
' pai, esposo, esposa, lilho, filha, irmis, irmaos, avd
' e ivo, tudo por mui barato precp de 3(, \l, 51 e
8/000. Na mesma casa tern lihdos bouquets de
cravos e rosas para formatnra dos senhores aca-
demicos, com fitas bordadas a ouro ; a encom
menda deve se faier tres dias antes ; e preparam-
3e tambem bouquets para noivos, do cravos natu-
raes.
Preeisa-e de uma ama forra ou escrava,
3ue saiha lavar, engommar e comprar para casa
e Oma familia estrangeira composta de tres pes-
soas : a tratar na rua do Visconde de Goyanu? n.
157, fabrica de rape._____________________
Doees, fructas e flores.
Na rua da Cruz u. 6 tem todos os dias
sorvete d.is II horas em dianto, gelados,
refreseos e xaropes de-todas as qualidades.
Aluga-se um* casa terrea na rua dos Mar-
tyrios nuraero 160, reedificodo e do lado da
sombra tem tres portas de frente e 6 muito ele-
vada, tern sotao e commoJos para familia : a tra-
tar na rna do Rosario da In.vVistn, s--hrado n.
!tt, t.* an?.T, por eima -n ; *vn t
Attencao
O Barao de Bemfii-a rictifiea o seu avi;-o muifs
vezes repelido no Jomal do Recife e Diario ie
Pernambuco, de que nao altendera a n-cibo al
gum qne Ihe diua respeito, nao sendo passado por
seu lilho Jose de Oliveira ("astro ou \.or Antonio
Joaqnim Brito de Oliveira ou dolpho Henrique-
Amando Chaves, unicos empregados de sua casa
comnnTcial. Ningucm, alem destes, esta autori-
sado a flrnnr docum-'nto algum que importe exo-
nerar^ao a quem for passad ou obrigacao de qual-
Precisa-se dc uma mulhcr de meia idade
3ue queira prestar algum service em uma ca^a
e duas pessoas : a trabr na rua larga do Mosa-
rio n. 30._______________________________
l'recisa-se de um caixeiro, prefcre se por*
I luguez : ua rua Direita dos Afogados n. 27, pa-
daria. Xa mc Vende-se a taverna do pateo do ribeira dc S
{Jos6 n. 21. bem afregue^ada para terra e matto.
com poucos fundos, propria para algum princi-
piante, o motivo da venda se dira a qncin" pre-
tendo-la : a tratar na mesma ou na rua Thome de
Souza n. i.
Precisa-se de uma engommadcira, uma cozi-
nheira e um criado para compra3 ; na rua do
Hospicio n. 40.
Quem tiver achado um m.ipo de papel, cons-
tante de recibos de decimas.de alngueis de casas e
umas cartas de llanca, e querendo enlregar, pode
dirigir-se a rua da Cms o. 19, que sera reeom-
pensado.________________________________
Casa n. 63 da rua do Hos-
picio.
Aluga-se a casa n. 63 da rua do Hcspici
com cemmodidade para ama pequena familia
qualquer pretendente pode dirigir-se ao epllegio
de Santa Genoveva, na mesma rua n. 55, para
tratar do respectivo aluguel._____________
l'recisa-se de uma aim escrava para e\i-
nhar e nnsahoar : n.a rua da Penha n 2.'l N
Escrava fugida
Hontem as 6 horas da tarde fugio de casa d?
seu senhor Galdino Themistocles Cabral de Vas-
concellos uma escrava de nome Rosa, mulata, de
idade de 25 a 30 annos, estatura regular, cabeW
los crespos e falta de dentes na frente, levando
uma cria dc 4 mezes e uma trouxa com roupa ;
quem a encontrar, pode levar a casa do seu se-
nhor em Olinda, ou a rua do Duque de Caxias o.
32, escriptorio que sera bem recorapensado.
Rcdfe 27 de outubro do 1873._____________
Saqiios j,ara todas asciriades e
villas de Portugal.
Carvalho A NogUeird, saccani sobro o
banco commercial de Yianna, e suas ageiv-
cias em todas as cidades e villas de Portu-
gal, qualquer quantia a vista ou a prazo e
per todos os paquetes: a rua do Apollo
n. 30. .
Precisa-se de um criado livre ou escravo :
na rua P-"tieiro de Marco n. 8 A._______
L'ma senhnra bonesta que sabe bem
cozer em sua machina e por pequeno sala-
rio, se presta a morar em casa de familia,
prestamio os'seus services,: quem pretender
auuu .cie por este Diario.
Aluga se o 2* andar e sotio com todos os
cpmmodos para grande familia, do sobrado a. IJ-
sno a roa de Hortas : a tratar aa. rua do Trapi-
chc n. 13, armazem de assucar. lambem te ven-
de cerca de tres quartos partes do mesmo so
brado.
ALUGA-SE
0 2 andar dc aobrado sito a rna do AragSo a
1 : a trater a rua do Bario do Triumpho n. 5
refinacao. __________^^^
Alup^a-se
a ca-a da" rua do S. Goucalo u. 8, cam commodu;
pwa familia : a Iratar na mesma casa.
lUEfKL

/

tftffa



XK -
6 8
. teougue.
oulieci.Jo c afregueafdo
fOUi!fl il i patoo i'o Pirauo : a tratar na rua do
Crt*|..ji I 'Ja d Casio, juntoAjjiirco do Saaio An-
tonio.


AIUG4=SE
a lojv (11 -
para
da raa tjiro.ita n. 82, propria
aUlu^f negoeio : a trjtar no armazem n.
fo Corpo Saniv.
Erigenho Gfcrapu.
Doij|wira-,u do engenho Garapd, freguezia do
Cain!,..,- ivi Viceiile, pardo. soin barba, urn
P !* 4ahdi, eh.-io do corpo e baixo, representa
IK ,i 2o ami.. falla modcrada, anda com a vista
baiv. la liujii se ccgo. Este mulato foi visto em
Oxanja cow rvente de pedreiro, tem o mesmo
como bnto simal. ima fistula no queixo : quern o
fwari Icrar a iliio ongenlin, on a ma do Bom
Jf-i,;- b 50, r'CLi.eia boa gralificacao.___________
Na fr/a da> r>ris u. 7, e estreita do Ross.-io n
38. ii'j, iu ui 11 ,e;.ua quo se mcarrega de armar
tumui, e i' u-umbas no eemiterio publico para
o li.i i dc oovembru, commemoracao dos fi;is de-
funto&
Apipucos.
Aluga-se nc-ia povoacao oma boa casa pintada
do n >v.i, con mohijia de jacaranda na sala da
j-eni-, quintal innrido e p rta i que se coromuni-
ca pai u '" : a iratar no larpo do Corpo Santo
njt, { aud.i'-.
-- 0- rurad .ic< fiwaes da massa falJTdTde Al-
bmo Mariin< la Sii *a iiorges, pelo presente eha-
raam os ered. ra da mesma ma-sa, para, no prazo
de out dias ?.;>re*ioitarera seus titulos, alim d
* re i. ci iMifi' a Ins. devendo os mesmos titulos so
rem aprvsen ,d >s em seu e--criptorio a rua da
Maaic Je Da > a. ii.
Piv.'isa-se al'ig:,r um sobraiiinho de um andar,
'ii n. mm lima rasa terro, com tantoque lenha
os cotnmodos srgnintcs : 2 sa'as, 4 quartos, Co-
zinha fora, e |uitit^I com arvoredos e seia mu-
rad.i, nr.-fero ., qc.e seja na Boa Vista e em rua
quo pm*e o. i/jiis : quern tiv.-r e qnizer alugar
dlrijase an rMrtbiorfo ddste Diarto, das 10 bo-
res da nan a a* i da lar.le. que achara com
quern tratar.
scravo lugido
.\-L -so fiiud ) Bin i seravo c.iii os sijmaes se-
guinl -: um) uafeello earapinho, representa ter
3<> aim-is d6 I'laii', -err,) do corpo, esiaiura regu-
lar, -ara pt-quena, bocca grande, beicos grossos.
com faiu Jo denies na [rente, narii chato, com
sarda- e-rura-, e iniadas, quo vistas de longe pa-
re-em baraco", maos poaco foveiras, foi fuguista
do i; I'm de A lif.nc is, cnama-se iosi Rufino, lam-
bem roahi i*ido p ir Jo.-o do Rawlinson, e natural
da I'arahlia, .nde foi eomprado. I'ara ser ven-
dido t...li,,ir. itr-gueaoniajorAlmeida.de eojo
puder fagid : qnem o appreheoier pode levra-loa
iia i -treiia d i iiosario n. ;-:j, 1 andar, que sera
i'.'.t fiuado.
A
\Uenca6
J't'fl n -i; na tiftle de ."cimndafoira um relogio
.- to patenie inttlez, oom nma corrente de ou-
i-lapie, uma cliave
  • o mil -,;i !. com tiiulire; o i-''logio tem
    ' !< fora ii D unpa n>ra eoroa de nebrMa,
    i'.....,i pivi,- o exiraordmariainente
    ! um ii ; Hi iu olevar a rua dolm-
    i 86 i : M'i.ii-, nelir-ra a yiatiiicavao
    . I '.
    ft
    o ((Hiuuercio
    . i d fiuem .-i-.i'.'iili: ao pujlico, e
    lade ao i"orpi do coinineicio. tjue
    ;..;.. ,!.-,; .- ain i eiedade' que tiubam na
    tavcrtvi viaAroa *ijoronftl Suaaauoa n. tl, sob
    a "." i de Hraga >v samarcos, sahindo o socio
    i pago e "ttisfeito de sua parte, fi^ando todo
    a ii-) e passivn a cargo do socio Josi4, Joaquim
    Samarpos- Recife, S8 Mi'ii.i'l Somes liraga.
    }>,<< i aqulm Samarcos.
    (Jasas para alugar para a fes-
    ta oupor anno.
    Um sobrado no Peco da Panella, a rua do Rio
    .. .">, com 4 salas, ii (juarlos, saleta, cozinlia fora e
    qililital mui'auo.
    i' i,a boi ea>a l. rrea nova cum cozinha, estri-
    laiiaj pequeuo ,-i.io, a margeni do rro n. :5'da
    r:. <;;!'; I'aa
    I'ma casa iw |uona, porem combons commodoa,
    , .vv-s.i da i.ruz da? Almas ao |ie da casa ver-
    I !0.l II. 2.
    ii... kralar c>.ir. o eoiuineadjdor l'asso.
    GO^PMl
    Cobr
    e e lalao.
    Compra-secobre, litao e chumbo vclho :
    uo arnjHZcm da bola am;.relli travessa da
    rua ilr [inuero-lor.
    Compra-ffl nma oscrava. crioula ou africana.
    que saiba c xinhar o ordmai io de uma casa : i
    :ratar na rua do Alecrim n. 20.
    O mpia-si! duas vencziaiias novas ou
    m alguai uso, (i *ue estejamem b >m es-
    iMfd fc?mm\m*-
    di^tobM)l mb lort4CC.
    e nma oxcelleiire casreoreawid* a
    .. ivii !'"">! do azuli-jo, o um g
    tio i) um grtn com nma tudo
    na margem d.. 'ea! en Jalnatio e tendu
    o si tio bans proporcScs para < diflcaeio : a trataj
    em Jaboatao com It^rnarda Goncalves dos Santos
    ou ri rus d.; Marcilio Dias n. IB.
    Veedese um cabriolet mglez de duas rodas
    e coiBiuiatro assentos, e um exceilento caVallo
    para o mesmo : para ver, na cecheira a rua da
    Itodi, e a iratar, a roa Direila n. 10.
    \owhde.
    Na rua do Vigario n. 23 ha para vender-se la-
    tas de oito libras com torresmos, morcilhas e lin-
    guicas, chegados ultimamanle da lilia ;de S. Mi
    U1C3
    nel.
    gue
    UPDACAO
    DA
    Fiindicao da Aurora
    Grandesortimento de:
    Moendas de todas as qualida-
    des e tamanhos.
    Tachas fundidas e batidas,
    idem.
    Rodas dentadas e angulares,
    idem idem.
    Machinismo, idem.
    Varandas, gradeamentos pa-
    ra jardim, etc, etc.
    Tudo sevende por pre^os
    muito em conta para aca-
    })ar.
    N.B.
    G. Starr &C, em liquida-
    (jao, na fundicao da Aurora,
    em Santo Aoiaro.

    na r ia do Uarao da Victoria n. 5.
    Xarope d'agriao do Para
    AnUgoe conceituado mcdicarriftnto para
    cura das molestias dos orgaos rspiratorios,
    codio a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
    applicado ainda com optimos rf";nltados no
    escorhuto.
    Inevclopedia maderna
    Biceionario das saiericias, lettra;, artes, in
    dustrias, agricultura e commcrcio
    50 whim
    A' vonda por preco o mais commodo pos-
    sivol, na livraria Acadeaaica
    RUADOIMPEMDOR.
    ^.IXGEll !!!!!!
    * Para atlcnder aos numero-
    % sos pedidnS estd resolvido a
    i "B vender suas afamadas machi-
    v nas de coslura
    WFwLmJMMmt
    iNA
    CASA AMERICANA
    JS Rua do bperador Vo
    Fiado!
    Rua do Barao n. Victoaia
    n. 22.
    0 proprietario do esiabelecimento Bazar Uni-
    versal tondo de transVrir o mesmo para outro
    lugar e lendo grande deposito de Machiaas de
    ciiriura de todos os antores, resolveu vender a
    Pir\ZO. irn iliante a convenrlio que se puderfa-
    zer com cs prcleudeutes : a rua do Barao da Vic-
    toria n. 22.
    Antonio Oaarte Carnciro A ianna.
    Rua do Cabuga n. 11 A.
    Vende-se um escravo moco proprio para enge-
    nbo on padaria, por preen muito em conta.
    Fazeudas iiaralas
    liOJIX lViVllIEUCA.
    Rramanle de qualm larguras muito bom para
    lercoes a UGOO a vara.
    !i ::a lona superior a IdCOO idem.
    Madapolao francez a G a peQa.
    PARA TOALHAS DE MESA.
    A"cnde-so ria> alualhalo com duas largurase
    desenbos modernos a 1^60') a vara.
    PARA VESTIDOS.
    Laziuhas de quadr >s azues a 400 rei.- o covado
    Metim tranc-ado, cores garantidas: a 40O reis
    idom.
    I.azinhas com listras de selim a 13 idem.
    Itrilhaniina assetinada, iom duas larguras, a
    l!CO reis idem. Dao-se amjstras : na rua do Ca-
    tiiga n. 10, loja d' meriea.
    Teem para reader
    CominorcioP. 5,
    A6DARDBNTE de cajii: i
    t de laranja,
    ARCOS da pio para barrilJ
    CAL de Lisboa, recentemettte ehegada.
    CHAPEOS de sol, para homem e senbora, ubo
    de marlim e osao.
    FEIXES da ferro, para porta.
    FIO de algodao da Rahia, da febrica do eommen-
    mendador Pedroro.
    LINHA de roriz. *
    OBRAS de palheta.
    PAN NO de algodao da Bahia, da fabrica do cou-
    mendador Pedrozo.
    RETROZ de todas as qualidades, das fabrica? de
    Peres e Eduardo Militao.
    ROLHAS proprias para botica.
    SALSAPARRILHA do Para.
    VELAS de cera de todos os tamanhos.
    VINHO ennrrafado do Porto, caixas do 12 gar-
    rafas.
    t dito Moscate do Douro, idem idem.
    < dito Setubal, caixas de 1 e 2 duzias.
    c da Italia engarrafado, caixas de 6 gar-
    rafas,
    de CoRaros snperiQr, em ancoretas.
    t de cajii, caixas de 12 gar i a fas.
    c Malvasia do Donro, caixas com 42 gar-
    ralaa.
    t Carcavellos. idem idem._______________
    Chapeos para seiihoras.
    Amaral Nabnco & C. receberam nm completo
    sortimento de chapeos de pallia de Italia, seda
    e vollndo, pretos para luto. e de cAre enfeitados
    com bonitas flores e flta : vendem no Bazar Vic-
    toria, a rua do Barao da Victoria n. 2, aniiga rua
    Nova.
    n/
    Asunicas verdadeiras
    Bichaa bamburguezas qne vem a este mercado:
    na rua do Marquez do oliada n. 51.
    mm s\o lim)os w
    Os leques todos de madreperela,. brancos e de
    cores e qne trazem o disticoUNIAO cm letira>
    tambem de madreperola em alto relevo. tor-
    nando-se por isto apropriados para noivas, a NO-
    VA ESPERANQA a rua Uiwpje de Caxias n. 63
    (antiga de Qneiraado) e quern os tem.
    Sao de tartaruga
    Os brincos, broches, meios adere^os, cruzes
    coraf5es e easeoletas, que estao oxposta9 bo*
    escofca das ^x'masi (amantes do chique) Vende-Sr
    na Nova Bsperaftca, a rua" Duqde dfe Caxia*
    n. 63.
    Aos memnos
    A Nova Esperanca a rua Duque de Caxi* n
    63, acaba de receber am Undo sortimento de fco-
    necas de niuitas qualidades, vindo entre ellas s.-
    engracadas bonecas de borracba, assim tambem
    uma pequena quantidade de bonecas- pretas que
    se tornam apreciadas pela sua novfoWe.
    Ebent util
    A Nova Esperanea a rua Duque de Caxias a
    63, recebeu verdaaeiro cimento inglex, prepara
    cao para concertar porcelana^-e bem ntlK
    Vesttdo perdido
    Muilas vezes nm vestido torna-se inteiramentt
    feio, somente por estar mal enfeitado : a Nova E*
    peranca a rua Dnqne de Caxias n. 6;H removi
    este mal ; porqne esta bem provida dos melhore-
    galoes e franjas de todas as cores, onde- pode es
    colher-se a vontade sobresahlndo entre' estas a>
    modernas franjas mosaicas, que pela sua varieda-
    de de cores, flea bum em quasi todas as fazendas.
    A ella antes qne se acabem.
    GabeUos bruneos s6 tem quern
    quer
    A Nova Esperanca a rua r>mue de Caxias n
    63, acaba de receber a verdadeira tintura de Des-
    nous para tingir os cabellos, o que se consegue
    (empregando-a) com muita facilidade, e por este
    motivo, cabellos brancos so tem quem quer.
    Est&o n& moda
    Ob cinturSes de couro, proprios para senhoi s,
    qne recebeu a Nova Esperanca a rua Deque de
    Caxias n. 63, estJo, sim, senhora, estao na moda !
    Se quereis ter ou preparar um ramalhete de
    cheirosos cravos brancoa para o vosso casameuto
    ou para outro fim aprcpriado, e necossario ir a
    Nova Esperanca a rua- Duque dc Caxias n. 63,
    qne alii encontrareis os melhoros portt houquett
    que se pode desejar.
    Solas deborracha
    Vendem-se de todos os tamanhos a rua Duque
    de Caxias n. 63, na Nova Eaperanca;
    Oompi-a-se
    um sitio nos arrabaldes desta cidade, onde MBS
    i nia ue b mis : a tratar na rua do lmperador nr|
    4s* a-ma;.cm.
    'ii-npra-se uma essrava de m?ia iikide, que
    saih-i lavar, engonmar e co'zmhar; n,tjQ nao lenha
    viciii alg'im e ><){ -adia : quem livernessas con-
    dicfies p. i......-:i vender, annuncio por este Drarfe.
    ou. iriji >' :i frsira*fla de Jjiio de Fiarros, silio n. 21,
    que achara com queuriratar, d;is 9 boras da ma-
    i.ha a< 4 da lardf.
    Vende-se
    um vapor de forca de cinco cavallos, novo, proprio
    para qualqner mister, com bmaaes de sobresar
    lentes, <> poripreco comoiodo: para ver, no arma-
    zem do Barao do Livratnehto* e tratar a rua do
    Toares n. 32, 2*-aimaT:
    QO
    BAM DMRSAl
    Rua do Barao da ViMnria n. it
    DE
    iGafiwJfo Vianna.
    A' este grailde estaberecimento tem cbe-
    gad6 um bom sortimento de marbinas para
    costura, de todos os autores mais acredtta-
    dos uitimaraentena Europa, cojas maebfeas
    s8o garanti8 'por-'rtm anno, o tendo um
    perfeito artista para ensinar as mesmas, em
    qualquer parto desta cidade, como bem as-
    sim concerta-las pelo tempo tambem v d'um
    anno sem deapendio-atgiiw do comprador.
    Neste esta befecim'ehtotm bem ba per'tencas
    para as mesmas 'machinas e se suppre qual-
    quer peca qu8 seja necessario. Kslas ma-
    cbirias trabalham com torfa' a perft-if;ao de
    um e dons pospontos, fratnt e borde toda I
    qualqoer costura por fina quo seji, scu'
    preQossilo da segnintequalidai'e : para tra-.l
    balhara mao de 300000, 4020Ofr, .>3MW|
    e 50JJ000, para trajwflhar com o j^e sao de'
    80J5OOO, 905000,* lOOfcO'OO, !l(?000,
    120J?00O, 13033000, 1505000, 20#000 e
    250J&06O*, e^mquanto aos antores naoha n>-
    teracSo de precos, e os- eomprndorps poderao
    visitar este'estabelecimftnto, quo rnujto de-
    ver5o gostar pela varieitnde de o!>jeetc? que
    ha sempre para vender, como seja in : cadei-1
    ras para viafem, malas pitra viagem, cadet-:
    ras para salais, ditas de bo-lancri, ditas para
    criafica (alt;i6), ditas para- eseolas, costiwei-
    ras riquissimns, para senbera, despensaveis
    para criancas, de todas as qualidades, caraas
    ie ferro para homem e criancas, capacbos,
    e9pelhos dourados para sala, grandes e pe-
    qurnos, appafalhos de metal para cha, fa-
    queiros com cabo de metal e de rharfim,
    dit'isavulsos, coiheres de metal fini.condiei-
    rns pcra sala, jarros, guarda-comidas de-
    ariinie, tampas para cobrir pratos, esteiras
    para forrar sala,'lavatorios eompletos, ditos
    sirrples, iibjectos para toilette,, e outros mm-
    tos B-rtigo'S'qilft muito devemag^adar a todos
    que- visivarem este grande estabelecimento
    que se acha abrrto de-de as 6 horas da ma-
    nha- ate as 9 boras da noute A
    Rua do Barao da Victoria n.
    __________2^__________
    Naoha maiscafollos
    Neiihuma" machina
    I
    Singer e legitima se
    nao levar esta marcat
    fixa no braco da ma-
    china.
    Para' errtat falciti-
    ,coes notem%e" betb
    dos osdetalhe? da
    marca.
    s

    nao te mm
    MAIS DE WTMII'O TO1-SE
    Porque?
    Sao as melbores
    S3o as mais baratas
    Sab de dous pospontos
    SSo mais simples e rapidas
    Sao durarldras e aperfLicoadjb
    Sao util em uma casa.:
    ij
    m,
    S4 unica npprovada pelas academia? de
    scienoias, reconhecida superior a toda que
    tern, epparecido ate hoje. Deposito princi-
    pal a. rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
    quez de Olinda, n. 51, 1. arxlflr, e em
    todas- as boticas e casas da cabellei-
    reiro.
    Para 2 de novembro
    - Boiias enfetadas de boa ceca e diversos tama-
    nhos, para o dia de linados : na rua do Cabuga
    nnmero 8.___________________ _____
    WfMf.
    Piiai^iacia;
    Predsa-sfl de tin official com pi'atica : trata
    <-:0'-i't: f :! i i neita tjpagraphia "com a im-
    .-...
    W
    Lenc6es de: braraante a
    2^000.
    Ven.le se lanciia dj bramaate de um paono so
    ;. tt-vi},-& bara'tj para-acalmr.
    Toalba* {{rand* para<-j-osto a 50f> rs. : na tua
    do fofwjgil a '.'\ loja da America.
    Mtfao- novo em Baecos.
    nd-'-se a 4/-000 oatla sarcn, o melhor quo ha
    on pii^Joea'retalhi: a rua Nova.
    nil.
    V ild'->.
    du Wii-on
    U.

    criptorio
    "'ommercio n.
    *. v.ndwatw sec
    0"f "a \ ::'' p n io dd aig.-dao azui amiTieanpi-
    Sx<*4' n...vrtn
    i>gna d< I" n;ia|iflaiia-
    v'infeo A* H>plPti!.<,
    rt-fWM.? IV>m d" Ddaj'n? wtWW^:
    A loja do Passo recebeu riquis>3inios cortes de
    tarlatana prateados, proprios para bailes, facbas
    d|i soda d>: lindisaimos gostos, e uiversos artigos
    proprios para tennora : na rua Primeiro de Mar-
    ot> (aniiga do Crespo) n, 7 A.__________________
    Burros a venda
    J. BckQ-ayisa a seus freguczes que esla em ria-
    gem para a/ proviqeias de Atajoas Peraambuca^J
    oonduzindo exrellcnta tropa dehdrros- passara
    pori'enedo, Pilar,ast inha Grande,..Porto. CaLvo,
    iliireiros, Rio Formoso. Escada, Caio, e pi;'ovayejr
    trenle por Santa A.naro de Jabo.dao "a Naza^i^..)'
    pir i>so poda ^er uvisado ou ctt'ootrida em qaalr',-
    3ur jjegtes lugares. l.araugijiras, 20 da;ptuWo'
    8,i'.a. _______________ ..
    Tapioca.
    4? rua da Moeda 47
    Francsoo Cunba & (i.
    Rim do Crespck
    \ nliiHia apnrar -. muito
    Brins de linbo de cores (pochipcha). a -li&w a
    vara.
    Fuslao branco para roupa de maninoc :. :i60 rs.
    o covado.
    Lazinhas escocczas a 240 e 280as, o ci.\ado.,(
    Alpacas com listras a 6W rs. covado.
    Brins pardos c de, ed/es-a 1<}0, S*W) BOO r.-. o
    covado.
    Brin.lona.branci a ii600a .vara.
    Camhriia's pretas para luto a 240 rs. o covado.
    Cretone dejis^ras a 440 rs. n.coyado..
    (^Iiitas roxas a 20) e. 240 rs. o covadb.
    Gro-denaple nretq de cordao a 2*400 o covadA
    Coberlas dc I'liifa adamaseada a 3.8MM).
    Colcha* bjancaate.de c^res a^iiinp e 4*.
    Lehf6es de hramanlc a "is.
    Ditos de -algrtdao ra 1 bW(k
    T.iaLhas alcodioaias a 6*,aduzia
    ,Len^oado cassa com barra a it a duria
    Ditos de dita abainhados a it-
    ' Ditos rfo esguiio' a'3l3D0.
    ' Cambrafe ltea-a 3# o 4*500.
    Dita Victoria fina a 3*800..
    Aloaihado a 2a a vara.,'
    Cortes,decasemira fma a US..
    Furtoea de ci'.res a ifi otcorte,
    Challes de merino Uso a 25..
    Ditos de dito <*staiupado a
    E-guiao fin? a 2s a vara.
    . jBriffi-preto^trancado a 2* a vara.
    |1' Pratnaata-.dS: algo^a' a l$60Q,a vara.
    b Ditda.hnho,8iiiJ00;a;vara.
    Camhraia da', lu^w de fAr& a.360;. o covado.
    Algp4iOti-,5*..apeca,
    Madapa^es. baiatos. .
    Veude.se uui boi de raca,turina, proprio
    para criagao -, a'ver e tratar. navoai da-Patm. 1.
    trado-n. Z8.
    Superiorcs, Jinheiros de 'ib palmos a 40
    a 35* o eenkK'.a uaiiNatw.h.^1. t
    F
    ven
    ordinada
    2$m
    cha.^
    Co.lcna de, aljjdad' adamjfflJWaS, p
    L.iwtissim'o prefode ti-Vft na"
    arm Ae Gilrgel do Ainasiil C area
    r-y.'fantqp? rJv'Cri^b) n "A.
    ,c ham.
    Proprio para vc-lidos, o quo ha de uiais gosto,
    padroae-inteiramenlo novos,, fc\o. diminnto.pre^o,
    d9,499ri o covado ; na ro;i da.Cr.e*P n. 20. loja
    de Guilherme & C.
    ; CassurR
    i Chefoneita fuaada. sendi-Undo-.padc6e. e
    vende-sp pelo djminuto preco de 20Q rs. o cova-
    da^'aowente na^raa'lu Greip^ii. tO,1oji'da Gai-
    S5a irua daOrespo1 n. 20.
    Guim*3iw^0,
    VAP018ES LI
    Dc-forca dedmsascis cavallos: a venda no
    armazem de Joaquim- Lopes Machado 4 C, tr-a
    vessa do Corpo Santo n. 23.
    Calcado estrangeiro.
    Aproximase o mez de dezerabro, tempo em
    .iuc oParit mi AiMiicu, a rua Duque de Caxias n
    s&v 1 andar, tem de dar o seo balanco, por este
    motivo, os proprietarios deste estabelecimento es-
    tao resolvidos a vendere-n seus calcidos pelo cus-
    to, afim de minoFarem o trabalho ; asslm pois os
    apreciadores do bom, e com especialidade o sexo
    amavel, para (jnem o Paris ua Am&rich,''conserva
    com a devida decencia) o seu gabinele reserva-
    do, para a rscotha dc calcado, aproveiteal e ve-
    nh'am munirem-se do que preefcarem._________
    Grande novidade.
    S upara o 43
    Vieram no ultimo vapor, baptjstas finas com
    barra?, gostos chinezes, pelo diminuto precO de
    oOO.rs. o covado ; a rua do Queimado o. 43.
    Las com Hdras assetinadas, ullimo gosto"a
    IfOOO o covado : so o 43 a rua do Queimado
    NWe amostras.
    IM!!I
    Faz melhor costura com mettide da linha que gas
    as outras e fornecemum meio de
    /i i'
    Para aqnelles qne IcHi de sustenlar-s^
    DE
    Querem agradar a yaya ? .
    Querem agradar a esposa?
    Querem agradar a ii rha ?
    COMPREM DMA
    MACHINA DE SINGER
    i
    Nenhumo casa estd compleia sem uma
    MACHINA DE SINGER
    Sem caixa 80^000. Comcaixa;90500t>'
    UNICA AGENCJA
    EM

    A CASA AMERICANA
    45 RUA DO LMPElUDOft m
    bicos, remlas.
    Contra erysipela
    Baa pour varice
    Meiasde borracha, tccido em .seda. unico reme-
    dio contra a erysipela das pertas : a ven Ja na loja
    do Galo Vigilante a rda do Crespo n. 7.
    ei
    Camisas e calcas dec 6ttntff\i de boa qualidade
    ha
    UMA MOBILTA..
    Vende-se uma mobilia de amarello em perfeito
    estado a Luiz XV : const jrdineiaa,jjmj>ar do consolos, 12 cadeiras de
    guarnicao, duas da braco e duas de balanco ;
    fern quizef jtizar nogocio, dhrija-se a rqi Direita
    3 1* andaiyque achara conp quem tratar.
    daflhegadii. iio ultwin vapor, e da m
    WWawnB run Diroiu n. 14i. es quins d 'betco
    de**fl'dro.
    Salsa parrilha
    sario n. 34.
    e .natata j! vendLk nrhta larga d
    beno : quom prMeq
    npera'riz n 79; loja
    casa ter^ea com um bom
    e riinit';ir.o.
    No escriptorio de Gomes de Mattos, Irmaos, a rua do Cadeia
    do Recife n. -40, 1. andar, e o unico deposito do que ha dt>
    melhor, e bem acabado, que vem a este mercado, da cidade do
    Aracaty no Ceara, quem os comparam com os feitos oqui nn
    terra, facilmente reconheceraa inimensa differenca, que vai
    de uns para outros, tanto em preco como em qualidade.
    Lindissimas toalhas de labyrintho.
    Fronhas de diversos tamanhos.
    F.eriQos de todos os precos.
    Bicos e rendas em profuzao.

    TASSO IRMAOS & G.
    Em seus armazens & rua do Amorira
    n. 37 e caes do Apollo n. 47,
    tem para vender por precos commodoa
    Tijolos encarnados soxtavos para ladrilho..
    Canos de barro para esgoto.
    Cunento Portland.
    Cimento Hydraulicc.
    Machinas de descaro^ar algcdat*.
    Machinas de padaria.
    Potassa da Russia em barril
    Phosphoros de cera.
    Sagu em garrafoes.
    Sevadinha era garrafoes.
    Lentil has em garrafoes.
    Rtram da aJmaica.
    Vinho do Pertd \elho engarrafado.
    Viaho do Porto superior, dito.
    Vinho de Bordeaux, dito.
    Vinhp de Scheirj.
    Vinho da Madeira.
    Potes com lingnas e dobradas inglezaa.
    Lkores finos sorhdos.
    Cognac Gaulhfef Freres.
    Latas de teueiilho tnglei.
    Barris com repolho em salmoura.
    _______________i-iii____.^i_-------------------------
    Yende-se
    k i c.
    Tem para ve i <
    I Cognac de Hennessy, superior e verdadeiro.
    ; Vinho Xeres das mtefrwrWqaalidades.
    Bitters de Angostura.
    ' Whisky. MB
    , Cha preta em laMaa. da 10 libra.
    Todas as prepanigfo? chimicas do.Dr. Ayer: no
    brnazem da raadt>Qp.mraer',io n. 38. m_ a
    trastes de jacaranda e amarello com pouw; as,
    em perfeito estado, e tambem uib mejo apparell.*
    de louca para jantar cum dito do porcejana,Sr
    branco, para/aMmo^o. Vende se por t<>r odoco a--
    se retirar para Europa : na rua da Impr
    n. 54 A. _________________i^
    Potassa da liussip. em, raeio>
    barris a 500 rs. o fate
    Desembarcada ha, poucos dias : veude-se o
    escriptorio de OUveira FUhoe k.Q. largo d< Cor>
    Santo n. 19.
    Hadiiuas
    Pur baratos precos para descarocaj alccd"... <%*
    12, li; 16, 20,23^30 e 35 serrk
    Cunha ^ M^nta
    8 3-Rua MUMMnapa 4 barris com carne de*tacca e de pcWo, saigas
    para inantimentos de navins.: no armazem a? T*p
    0 Irmaos & C. i rua do Amorimn. 37.
    .--------1-----------' ^Jl__I "-H.J ,---------Ll lllll .----P t
    \


    M
    nma easa na villa dc Barreiros, na rua do Com
    mercio, por preco nfri'mt ? a jtrntar com Tass.
    cm
    do Ric Janeiro : ventte-s*"* rOa
    iemn 16.
    *
    - >

    1
    Hii
    *<< l H "f


    Diaiio de ; ifoinata&uco ***. ieira, ^d jfe.gtttiijta>iria< 1 fe 1

    7

    COSMEA DE
    bus tmm
    mm, irmaos
    UNIGOS ACENTES
    Rua do Barao da Victoria o. 28
    Luvas de, pellica
    a 200 rs.
    Abotoaduras para cyhete,, goande sorti-
    monto a 120 rs.
    Caixa do liu iu de marca, a 200 rs.
    Umparjnas a\gaz, dando uma luz njuito
    jjwa, a 1000.
    Duzia de pecas de oqrdio imperial, a
    | 240 rs.
    Caixa de Lotdes de ossq para calca, a
    tfl mais simples, as maAa baratas e as melhores do mundo! 20rs.-
    Ra exposicao de Taris, era 1867, foi concedido a 600^a decarreleis Ue linha> 200 iarJas> a
    Elins Howe Junior, a medalha de ouro e a condeoora-
    c,ao da Legiao de Honra, por serem as machiuas mais per.
    kit as dojnuado.
    MCHIHAS PAIA COSIBRA
    V 25|000 e 45$000.
    mm pasftMmis
    Nalajft.de Scares Leifce Irmaos, a ruaVdri Barao da
    Victoria n/28.
    A medalha de ouro, conferida I
    Estados-Unidos por ser o inventor
    tura.
    E. Howe Junior, nos
    da raachina de
    Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
    Maco de fita chitteza, a 800 rs.
    Caixa de lmh,i com 40 n- -vollos, a 500 rs.
    Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
    Garrafa detinta roxa eatra-fina a 1000, nel, lflCOO.
    EsrJellios de.aiald.ura dqurada, de todos
    ostamaqb0S(Q pnecos.
    PRl< I'M ARIAS MIUDEZA&
    Frasco ejm dieo 'On -verdadeiro,, a
    .19000.
    Idem.comtoaico de-fcerap, verdadeiro,.*
    *#OO0.
    Garrafa de agua florida verdadeira 49300
    Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
    idem idem urvina, a J9000.
    Idem idem Magdalena '(novidade) a
    19200.
    Caixa de pas. para denies, a 200 rs. ,
    Idem idem de p6s chinez, muito bom, a
    500 rs. e 19000.
    Pote com opiata de Rieger, Rimel e Gros-
    florida, tfe GuMain,
    para'faze? os cabellos pre-
    IjOS.
    A agnia braoaa, a r*a 4>Dfue de Cwnai n. 50,
    - acaba da recebor nova remessa da apreciavel agua
    florida para fazer os cabellos prelos. O bom re-
    sultado eolhido por mjam tem felto nso dessa
    Inoffenslvi preparacao a tem altamente conceitua-
    do, e par isso apcnas se lax lembrar a queia no-
    varoente deil.i precise e queua se aproveitar de
    sua utilidade. Tanibein veio agua ue topasio e
    olea florido para o mesrao too, e tao aorediu
    'Bomo aquella.
    cos-
    preta, a 100
    boas,
    A medalha de ouro na exposicao de Londres acreditam
    estas machinas.
    Potes com dita ingleza,
    16Prs.
    Caixa de pennas Perry, muito
    15*000.
    Idem idem, a 400 rs.
    Caixa de enveloppes tarjados, a 500 r.
    I Idem idem forrados, a 700 rs.
    Caixa depapei amisade, beira dourada,
    a 800 rs.
    Idem idem idem lisa, a 600 rs.
    Duzia de talheres cal>c brnnco, 2 B., a
    -----------------_. __F-----_r. 0v.~.v. 5JJ00O
    *rai, para em Fernarabuco e mais provmciasse venderem as afamadas machinas de cos-1
    ra de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeijao de seu trabalho.
    de saLonetes de amendoa, a
    A 90000
    Cnbe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de flova-':
    Jurk, estabeleceu nesta cidade & rua do BarSo da Victoria n. 28, umdeposito e agencia
    Duzia
    39600.
    Duzia de sabonetes de anjinho transpa ren-
    tes, a 29200.
    Idem idem com (lores, a 19500.
    Sabonetes Glvcerino transparentes, a
    19000.
    , Caixa com. sabonetes, formato de fructas,
    a 19000 c 15500.
    Cosmeticos, graudes e pequcnos, a 100 e
    800 ns
    litados
    Frasco com agua de colagne, a 200, 320,
    Resma de papel pautado, a 45000 300 rs. e 10000.
    ^pregaiido uma agulba mais curtaW^ aftflnillMOrtn -tn E,traclos muito finos dos m-lhoresau-
    . U mtroducgao dos ma aperfeifioados apparelhos, estamos actualmente habihtados a: Kl??S2oo I r a k
    Grocer ao exame publico as melhores machinas do mundo. If'" mos,Ia ^00- u ;' Llndas elfigantes caixinhascom perfuma-
    -4s vantagens destas machinas sao as seymntes: .-Uu!'Md"..r;as de l,all!as dc f^.rtvi^.i^tfW!^.
    Piimeira.O pablico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
    areum4ancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em setrun-
    Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
    Terceira.i-Ha nellas meuor friecao entre as diversas pecas, e raenos rapido estrago ras.
    *o que nas outras.
    Quarta.Formam o ponto como se fdra feito & mao.
    \Juinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os Gos, o que se nSo consejra -
    Seiita.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio d"e um a outro lado,
    . logo era seguida, sem modiiicar-se a tensao da linha. cozera a fazenda mais
    laa.
    Sefc.ma.-0 compressor, e levantado com a maior facilidadt, quando se tem de mudar
    agulha ao come^ar nova costura.
    Oitiya.Muitas companhias de machinas de costura, tem tido epocas de grandeza e
    ?ecadensia. Machinas outr'ora popula-es, sSo hoje quasi descci.hecidas, outras soffreram
    nudancas radicaes parapoderom substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe i
    aoptamla a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constanteraente'
    o^mentado oseu fabrico.ehojenae atteade a procura, postoque faga 600 machinas
    Cacla machina acompanha livretos com instruccSes em portuguez.
    \ 9^000 A 90^000
    branca, a 400 rs.
    Idem idem lisas, a 200 rs.
    Lequcs de osso e sandalo,
    e 65000.
    Fita de velludo de todas as cores elargu-' pados.
    ' Uma grande taboleta propria para qual-
    Microscopios com 12 vistas.Ja 69000. quer loja.
    Frasco com oleo para machinaa 400 rs.
    E. Cod ray, Rieger, Gelle Freres.etc.
    Quadras com santos e estampas separa-
    a 25000, 45 das.
    Entremeios e babados transparentes e ta-
    Rua do Barao da Victoria n. 28
    I
    N. 4Rua do tGabugaK 4
    JOSEPH KRAtlSS; 4S
    DC
    gomes de .'mires twito
    C.
    SOARES LEITE, IRMAOS
    A'
    do Barao da Victoria n. 2 8.
    ra
    Avisam ao respeitavel publico desta-cidade queo sortimenlo de joias, de subido
    | lor, que existia em seu estabelccimento, esla completamentc refor^ado com o mais ele
    'ganto sortirnento de novas joias, que receberam directamente pelo" ultimo vapor da Eu
    iTOpa, constando elle do mais variado sortirnento dc adereros d Boulevard, pulseiras dc
    ultimo gosto com pedras preeiosas e sem ellas, brincos d'argola, agraffes para relogio dt
    senhoras, delicados aderecos para meninas, meios aderecos de camafeu lindissimos, voltas
    jde nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de platina, variada quahtidad*
    Cafe do Bio
    Vjndcse na rua do Marnuez do Olinda
    ro66.
    numc-
    Para o dia de finados.
    Os verdadeiros
    Vinhos de Bourgogne
    das marcas
    que; se
    Veiide J. A.-Moreira Dias, em seuarmazem u Chambertin
    rua da Cruz n. 26, as verdadeiras luvas de pellica;
    preta.'tanto para homem, como para ?enhora, do '
    afamado f;,bricanto Jouvin. i
    fflobilias
    Cadetras de guamirao muito banlas.
    25-Raa Xarqoez de Olinib -23
    CUNHA i, HANTA
    \endeum prelo americano, pequeno e com
    todas as pertencas pars trabalhar, para ver e tra-
    iar na rua do Marquez de olinda n. 53, loja.
    Pomraard
    Virits
    Volnay
    Boanne
    Monthelie
    Dito Bordeaux em quarlollas.
    Veiide-se por terato preco
    PAM LIQUIDACAO DE C0NTAS
    NA
    , venrlerao com grande roduecao de prelos, por serem'eTles rercbidos dfrectara'ehte de seu>
    committentes.
    Os proprieUrios do acreditado MUZEUDE JOIAS, tendo seu estabelecimento abert
    ate 8 noras da noute, convidam as famiiias que se quizerom prover dc lindas joias, ,
    virem^colbft-lns& voqtade, para o que?ij em exposic3o nos mostradores.
    , Las e sedas.
    Cambraias bordadas o outras fazendas,
    ) baratisshpo, a dinheiro : a
    ! Vietoria n. 9, antiga rua Nova.
    ,--.....-~"i vendem- uma easa terrea. deiaipa, fccm conrtruida o sobre
    nheiro : a rua do Barao da pilaresde pedra e cal, em ehSosproprios e bom
    >joeal por iicar junto a esta^-io de Agua-Fria e a
    ' beira da estrada de Beberibe, na rua Alegre n.
    3 : a tratar na rua da Roda n. 45.
    Novo estabelecimento de
    cera.
    Uesperiiliiia
    Rua Lur-a *VvJ: fo^r^amn^aTor^r^;' de ,oda Voltas e brincos de grossos
    aljofares de cores.
    A aguia branca, a rua do Duque it Caxias n.
    9A, recebea novas e bonitas voltas e brincos de
    pqssos >ljofares de cores, e como sem pre conti-
    nua a vende-las por preco commodo.
    Kovos diademas dourados e
    com pedras.
    A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n.
    80, recebeu novo sortirnento de bonMos diade-
    mas donrados e com pedras, tanto para meninas
    como para senboras.
    OollecQoes de traslados ou
    normas para escrever-se.
    A aguia branca, a rua Duque de Caiias n. 50,
    recebeu novas ceileccdes on normas para as crian-
    cas aprenderem a escrever por si mesmo, hoje tao
    usadas nas aulas e collpj'ios; e como sempre ven-
    de-as por preco commedo.
    Meias craas finas para meni-
    nas e senhoras
    A loja d'aguia branca, a rua Duque de Caxias
    n. 50, recebeu novo sortirnento daquellas tao pro-
    enradas meias cruas para senhora, vindo ignal-
    mente para meninas, e contimia a vende-las por
    precos commodos.
    Veos ou mantinhas pretas.
    A loja da aguia branca, a rua do Duque de Ca-
    xias n. 50, recebeu uwnitos veos ou maotinha>
    pretas de seda com dores, e outras a imitacao dt-
    croche, e vende-as'pelos baratos precos de 3f.
    if e-8*000. A fazenda e boa e esta em perfeito
    estado/ pelo que continiia a ter prompta exlrac-
    tao
    Perfeita novidade.
    Grampos com borbeletas, bezouros e gafa-
    nhotos dourados e coloridos.
    A loja'da aguia branea, a rua do Duque de
    Caxias n. 50, recebeu BMW grampos com bor-
    boletas, bezouros e gafauuotos. o que de certo e
    perfeita novid.de. A quantidade 6 pepuena, e
    por isso em breve se acabara.
    Soyas golliiihasomadascom
    pelucia ou arminho
    A ioia d'aguia branca a it a Dnqne de Caxias
    - 50, recebeu uma pequena quaiitidade de boni-
    s e novas gollinhas, trabalho de la e seda, ea-
    neitadas com arminho, obras estas de muito goste
    e intoiraniente novas.
    Grampos, brincos e rozetas
    dourados.
    A loja da aguia branca, a rua do Duque
    Caxias n. 50, recebeu novaraente bonitos gram-
    pos, brincos e rozetas dourados ; assim eomo
    novos diademas de aco, e ccmo.sempre conti-
    niia a vende-los por precos razoaveis
    Caixinhas com pos dourados
    e prateados, para cabellos.
    Veiide-se na loja da Aguia Branca a rna do Du-
    que de Caxias n. 0.
    Lavas de pellica pretas e de
    outras cores.
    A loja^da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
    xias n. 50, Tecebeu novo sortirnento de luvas de
    pellica, pretas e de oqtras cores.
    Apias Alcalino'GiiZifsas das Pe-
    dras Salgadas.
    Villa Rouca de Ae^uiar.
    BICARBONATADAS-SODIOS
    Analyses du Dr. Jose Julio Etoclri-
    gues, leutc da esooln Polyte-
    cliuica de IJsltoa.
    Est\excellente agua uada com vanta:em nos
    padecimentos das vias digestivas, urioanas, do
    estomiigu etc., etc.
    Yende-se
    NA
    Pharmacia e drogaria
    DA
    _______Rua larga do Rosario n. 34.
    Bffll'&fctoaJl^ctofia
    n. 22.
    (IflftfelodeHwImias.
    0 proprietariu do Ba ar Universal D nnvHavisa
    abs seus fregaezes, que conthuia m.nifar* c n-
    eertar machinas de costura, vendiitesmi >*u es-
    tabelecimento, e por pe*soa mui|o bi.b:liunla pa-
    ra esle fim, e de confonnidade cum is aaimncios
    feitos per este jornal.
    E bem assim vende todos as pert'-nens pfcra as
    mesraas machinas por commodo prec'-.. |m os
    seus fregueies.
    E tarabem previne a todos os seus ftvgreze.
    que o Sr. Alfredo Luiz Dwcasble iMi.d (fi sers
    sen empregado desde o dia 15 d.- rorwhtft-mez.
    Recife, 17 de outubro de 1873.
    N. 23 Rua do Barao da Vi. t..i m N it
    Antonio Duarle Carneiru \'i. iiua.
    Rap6 Rocha"
    a IJCOOa libra : na rua do Vlgarni n. 7. priniei-
    ro andar. ii

    SAUDADES.
    Amara), Nabuco & C acabam de rereher um
    variado sortirnento de capellas funobrcs
    seguintes inseripcoes:
    A meu pai.
    A iniulia mai.
    A meu esposo.
    A minha esposa.
    A men lilho.
    A minha lilha.
    Saudades.
    Amizade.
    Lefnbranca.
    Vetrde-se no bazar Victoria, rua do Parto da
    Victoria n. i.
    Para senkorr.s.
    Chapeos de sol a 9-^000.
    Cliapcus de Sol de lindas cdnc e tabu cuaipri-
    do, ultima moda em Patis, pmprios i.;,ra as
    Exmas. Sras. apieciadoras dos PMihus em Q.tnda,
    e mesmo para pas.-cw? nos arraliaUes da cid;-de,
    pelo baratissimo preco de 2*00 cida um ; 6 pe-
    chincha : so na loja do'Passo, a ma Priineiro de
    Marco n. 7 A, antiga do Crespo
    Para meninas.
    Chapeos do sol a 2i000 ; e peeliineha : to na
    loja do Passo, a rua lrimeiw do Vbtfo u. 7 A,
    antiga do Crespo.
    com
    a*

    >o\Hla(k's,
    Almanaks p-Sra 1874.
    Aliuanak tie IeiubraiicK {.nsaBia-
    silefro de Castilho.
    Ornado de g_ravuras com o telrat) do Sr. L.
    A. Rebello da Silva.
    Almanak das senhoras
    Portugal e Bras!I.
    Contendo 187 artiges pnr G*ift' com uma extensa carla de A. Hnrntao.
    Alinauak das nites c ii'iti-r.*.
    Ornado do imporiautes artigns i> Itudas gravu-
    ras. Prcgo de cada um dot atmkiiafi* acima.
    Acabam na livraria Economira ao pe d > arco do banto
    Antonio.
    Para acabar
    Vende-se uma porcao de casaes Jt pombo9, sen-
    do a maior parte de r'aca fgiandes) mr prei; me-
    dico : a tratar na rua do Vigaric. n. 26, w\ rAa do
    Barao do Triumpho (antica do Rrun;) ti. 22.
    Sal do Cabo Verde.
    Tem para vender Jofjuim Jo-eGoncal-
    ves BeltrSo Jgae [ r-
    tugiiez D. Anna, fundecdo dwfroxM 'lo'tra-
    piche Alfnndega Velba : a tratar a MMo ou
    no seu escnptoi io a rua do Commorcio
    n. 5.
    DOS PREMI0S DA
    12.
    Vende-se a taverha da rua do Hospicio n.
    01, ao pe do quartel do 9. : a tratar na mes-
    *na taverna .
    200P00
    Na rua do Barao da Victorian :>6 vcnle-se
    nnia armagao, parte enridrncaua, prapra para
    miudezas ou loja de charutos.
    71
    -
    PARTE
    DAS L0TERIAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 330, A 0ENEPICK) DOS iCOLLEQlOS-DE ORl'lIAOS E ORPHAS. EXTRAHIDA
    I
    .\S.
    2

    9
    1^
    14
    ao
    53
    57
    63
    67
    69
    82
    86
    89
    90
    97
    107
    ii
    12
    14
    is
    16
    17
    '27
    31
    34
    38
    45
    54
    55
    82
    87
    93
    96
    203
    9
    \i
    PREMS.
    60
    -
    NS. PREMS.
    *OOd
    6,5

    L>10
    18
    20
    26
    35
    36
    37
    39
    40
    46
    50
    51
    87
    61
    65
    73
    74
    81
    83
    89
    97
    312
    irj
    18
    .'27
    30
    31
    34
    39
    .40
    43
    H
    51
    96
    57
    6t
    68
    6
    65
    VS. PREMS.

    79
    383
    85
    86
    93
    95
    409
    li
    20
    39
    41
    52
    55
    86
    61
    67
    68
    69
    72
    74
    78
    82
    83
    86
    89
    501
    6
    10
    11
    14
    48
    20
    ^37
    T,0
    5i
    53
    GO
    62
    63
    NS.
    too
    60'
    65 574
    75
    61
    88
    95
    98
    611
    14
    15
    20
    -- 22
    29
    -T 30
    O0 38
    64! 40
    50
    56
    62
    64
    66
    70
    ' 73
    77
    87
    88
    * 95
    705
    8
    11
    -t- 13
    17
    r 21
    -- 24
    900^ 30
    (.;> 33
    35
    36
    45
    PREMS.
    6,5
    NS. PREMS.
    63
    ^m
    751
    53
    55
    60
    64
    66
    74
    83
    86
    803
    5
    6
    11
    30
    48
    49
    50
    57
    58
    59
    60
    67
    69
    70
    72
    73
    74
    76
    86
    90
    '92
    96
    903
    8
    16
    17
    19
    23 '
    EM 29 DE 0UTU8R0 DE 1873.
    PREMS. NS. PREMS.
    2468
    71
    74
    76
    77
    79
    83
    85
    87
    91
    95
    -Neoi
    4
    6
    8
    11
    15
    17
    18
    22
    33
    34
    37
    39
    52
    60
    NS.


    -

    r
    14MM

    el
    2604
    5
    15
    16
    26
    "30
    31
    36
    42
    49
    52
    57 .
    61
    81
    85
    93
    2705
    9
    12
    13
    33
    32
    34
    '36
    39
    ; ie
    '49
    64
    PREMS
    60
    NS.
    1O0
    60


    m

    60
    4
    ' 77
    78
    T9
    83
    85
    94
    |600
    3

    l!67
    ,70, IO*
    19'
    M
    88
    _ 94
    60
    .;.*0
    2W5
    14
    18
    . 22
    23
    28
    32
    to
    'A
    ;50
    56
    78
    98
    2116
    18
    22
    26
    27
    "42.
    43
    4?
    50
    53
    55
    57
    63
    66
    n
    n
    73
    *S
    89
    &3
    94
    96-
    i?7
    1 hi MS
    60
    tOO0
    -' 60
    4I05

    O0
    : 60
    *94
    I
    1


    I
    c
    -----^_
    -su
    LllKlHl


    J-
    8
    Diario de Pernambueo Quinta feira 30 de Outuhiv* dc
    .
    lntltto Arcfceolsjjic*.
    lllSTtmiA MTfttA..
    Coniin%acdc do testament* de Jodo Fer-
    nandas )rMtra,
    86. Declaro que comprei at terras dis
    Maranguapes aos herdeiros. de Jeronymo
    Paes de Azevedo, quo tudo me venderam
    com todas a.', suas perlengdes, e os sitios que
    possuii.m assim de terras como de fabrica-
    580. E as olarias na villa, qae foram de
    Samuel da Costa Serrao ; e as terras e
    forno da cai que esUo junto ao engenho de
    Antonio Jacome Bezerra, as quaes a mats
    pertengfies comprei a quatro herdeiros, .t
    saber: a Jodo de Moura, que foi casado
    com uma filha ; e a Antohio de Andraia,
    que casou com outra ; e a Jodo Hibeiro de
    Oliveira, casado com outra ; e a Antonio
    de Prezerril, casado com outra ; e tudo
    comproi pelas cartasde partilhas deque me
    fueram escripturas, o por ellas tomei posse
    sem impedimenta ; e s6 Felippe Guedes,
    poz duvida das terras e forno da cal que
    estd junto a Antonio Jacorn* Bszerra, que
    Aca da outra baa la do rio; mas nao sc-
    guio-se a duvida.
    Todos os referidos so me obrig aram a fa-
    zerem bom o que me venderam, e eu Hies
    paguei a todos logo as quantias, e qua me
    dessem fiador ao que me vendiam; e os
    tres* ndo quizeram dar liador, que foi o
    Moura, Jodo Ritteiro p Antonio de Anlra-
    jja; e estes me deixaram no meu poder
    duzenlos mii riis cada urn, que I lies ser-
    viria como fnlor; ate se nolarar so so pa
    gavam as divides los fllamengos; tu lo o
    mais cobrar&o, como consta das quila-
    gbes e escripturas; e ao Joilo Hibeiro e
    Moura, tenho dado alguma cousa a conta
    dos duzenlos mil riis, que coustarao dos
    assentos; mas toda* as vezes quo olles de-
    rem fiador e fizerem bom o quo venderam
    conformo suas escriptas, se pagardo aos tres,
    porque 0 outro ficou pago.
    E so acaso so offerecer alguma duvida
    n'estas terras, advirto aos meus herdeiros
    que o sitio das salinas ate" o ribeiro das fei-
    ticerias eraej; e o sitio onde mora o alfe-
    resClem-jnte Goncalves, tambom e meu, que
    entra na demarcagdo; e trazendo demanla
    com ellos os venci, entrando os ditos sitios
    por sou valor ins terras que me venderam;
    e nem nunca so litigaram as ditas terras dos
    Maranguapes; porque as teuho comprado,
    o as bemfeitorias que nellas se acharcm sao
    minhas.
    27. Doclaro que comproi ao alfores La-
    zaro da Cunha e a seu cunhado Francisco
    Teixeira e a D. Maria Archangel i, todas as
    terras e sobras das praias ate o rio do Maria
    Farinha, de que paguei logo as quantias
    porque m'as venderam ; e partem as ditas
    terras com os Maranguapes.
    28. Declaro que comprei as terras do
    Jaguaribe, sem fabrica alguma, cstando
    tudo posto pjr terra, como bem se via e
    era notorio ; e a quantia porquo fiz a com -
    pra das ditas terras paguei logo, e so fiquei
    uevendo um resto que constard da eseriptu-
    ra que so lavrou, a pagar a tempo largo ;
    c d sua conta dei a Paulo de Almeidi, cento
    e cincopnta mil reis; e torn obrigagdo de
    me cntrogarera os cobres miudos, duasta-
    chas, urn paiol eoutras miudozas de ferra-
    mentas qne constam da escriptura que me
    nao enliegaram; e tambem tern obrigagao
    do me fazerem bom o que me venderam,
    se acaso se oflerecerem algum is duvidas nas
    terras ; qne o mais fiz eu e tudo e" meu.
    2?>. Comprei as terras do engenho Inha-
    md, em leildo e as paguei; e fiz todas as
    bemfeitorias, e tudo veudi ao licenciado
    Pedro Monteiro de Qaeiroz, como consta da
    sua escriptura, de que deve de resto ainda
    dezeseis mil cruzados, (1) e para o mais
    mostrara' quilaroes das pessoas quo se Hie
    deram em rol, de como estdo satisfeitas.
    CO. Comprei a Andre" Coelho, as terras
    do Mulinote, a Ih'as paguei, c vendi dopois
    o Molinote a meu cunhado Francisco Beren-
    guer de Andrada, a cuja conta desobrigou
    dous mil cruzados (2) e deve o resto que
    (1) O:4(W000.
    (2) 800&900.
    consta da escriptura, para ir pagando a pa-
    garaentas ; e lhe vendi as terras do Molinote
    e the carreguei de naais a mais a terra d*
    canna somente em que lavra Valentim de
    Freitas, e em que lavra o padre Ambrozio
    da Ponte, e a em que lavra Mathiis Go-
    mes, o no one toca a em que lavra o Si-
    bides, que e um partido que esta* junto a
    Jaguaribe e parte com o Crvas ; e somen-
    te em quanto o Jaguiribe o nio podir ou o
    engenho de Paratibe de baixo sa nfto fizer,
    porque a elle so obrigados, e as canuasque
    os ditos homens fizorern, as poJerao moer
    no Molinote ; em as demais terras que os
    ditos partidos tiverem portoncem a lnhamd
    ou Jaguaribe.
    31. Declaro que comprei o engenho de
    Cumaupa a Henrique Leitdo c a Diogo
    ynnes Lomas, as terras sem fabrica neohu-
    ma, tudo despovoado e as paguei; e tudo o
    mais que nolle houver o fiz eu.
    32. Comprei as terras do ongonho das
    llhetas, tudo deslruido sem bemfeitorias'o
    as paguei, e a maior partc aos fllamengos;
    e tudo quanto esta" nolle de bemfeitorias fiz
    eu jd por tres vezes, por so haver arruinado
    com as guerras; o o comproi sem fabrica
    nenhuma que nolle bouvesse.
    33. Comprei as terras do engenho de
    Sant'Anna aos fllamengos, e paguei a
    maior quautia de dioheiro deltas, sem fa-
    brica alguma; e fiz o dito engenho tres
    vezes com a minha fazenda, porque tantas
    foi arruinado com as guerras, sem d'elle
    tirar provcito, tendo comprado tanta fa-
    zenda.
    3+. Comprei as terras do engenho do
    Muio, na Varzea, acs fllamengos com algu-
    mas poucas pei;as, de que lhes paguei a
    maior parte; e fiz dito engenho tros vezes,
    por tantas se arruinou com as guerras em
    que tenho recebtdo grande perda.
    35. Comprei o engenho de invocacao
    Santo Antonio, na \arzea,a 1zabsiIGoncal-
    ves Fives, quasi toJo arruinaio com muito
    pouoa fabrica e constara* da escriptura; de
    pecas e concerto do dito engenho o fez Gre-
    gorio dc Metidonc-a c Francisco de A ndra-
    da Caminha e Gregorio de Burros Pereira
    a Carlos de Torldo, genro da dita Izabel
    Goncalves ; e todos como procuradores bas-
    tantes seus, fizeram a dita veuda e ella se-
    gunda vez a approvou c ratificou, como
    consta da escriptura e sua resposta ; e a
    quantia porque fez a dita vend a, paguei logo
    em dinhoiro de conta lo ; e de fora d'isto
    dei ao dito Andrada, por consentir na es-
    criptura, um coldr de duzinlos mil reis,
    como consta do recibo; e a dita Izabel
    Goncalves, dous negros trabalhadores que
    valiam duzenlos mil reis; e &s seis filhas
    de Francisco de Brito, dous pQrtuguezes de
    ouro a cada uma e uma moleca ; com que
    tudo ficou aquietado e concluido.
    36. Comprei as terras do engenho do
    I aca re emGoyanna a I). Jodo de Souza, e
    a esta conta dei doze mil cruzados, [ 3) e
    por sua ordem os tenho jd pago a Sebastido
    Pnunes Colares, na cidade de Lisboa.
    37. Comprei as terras do engenho do
    Abiay, com as terras somente, a Diogo da
    Fonseci Leinos, que logo lhe paguei em
    dinheiro e joias de ouro, cobre e outras
    miudozas, com o que se averiguard a quan-
    tia de que me deu quitacdo ; e eu fiz dito
    engenho e o fabriquei no estado em quo
    estd, e depois o vendi a Francisco Dourado
    Siqmvra, por trinta mil cruzados ( 3 ) para
    m'os pagar na forma da escriptura.
    38. Comprei...... ( Esta verba nao
    se pode decifra-.)
    39. Comprei as terras do Meriri que
    foram de Francisco Homem Pinto d'Oli-
    veira, e todas as pertencOes que tinha e
    mais os sous herdeiros ; e as paguei logo
    de contado em dinheiro, pecas e fazendas,
    como consta dos papeis.
    40. Comprei a Antonio de Andrad0, as
    terras quo tinha no dito Meriri, e lh'as
    paguei logo de contado.
    41. Comprei as terras que no dito Meriri
    tinha Jory. Homem Pinto, a Mathias de
    Albuquerque Maranhdo, que ha de ser
    duas Vguas conforme a escriptura e lhe
    paguei.
    [4) 4:800J>000.
    4 12:000?M)00.
    FOLHETIM.
    lucsecia bjs&i:
    memqr1as de satan&z
    POR
    D. Mttnoell Fernandez j Gonzalez
    PRIMEIRA PARTE
    O GRAN-GAPITiO.
    (Continuagao do n. 948)
    IV
    M QtE CRESCEM AS TESTAgOES PARA 0
    GRAN-CAPITAO.
    A bordo da gondola cessara a obscuri-
    dade.
    0 barco visto exteriormente, estava com-
    pletamente as escuras.
    Logo que Oj remos lhe deram o primeiro
    impulsn, um outro barco que estava occulto
    nas sombras e ndo podia ser visto oor Lu-
    crecia e por Gonzalo de Cordoba, seguio a
    gondoli em que aquelles iam.
    Por terra, seis homens caminhando apres-
    sados, seguiara pela margera direita do Ti-
    ber, junto 'las muralhas, em direccdo d pon-
    te de Sant-Angelo
    Muito atraz d'elles, e provavelmente sem
    que o (i.ubessem, ia outro homem.
    Os d. us barcos, apezar de bem tripola-
    dos, avancafam lentamente.
    O primeiro, aquelle em que iam Lucre-
    cia e Gonzalo de Cordoba, deixava ouvir o
    som dos remos fendendo a agua.
    0 segundo que ia A meia distancia'de um
    tiro de arcabuz, vogava silenciosamente.
    Se fosse dia, teriam visto do lado direito,
    isto e, i esqiuerda do Tiber, as collinas co-
    bertas de viuhedos o por entre estes algnmas
    casas de campo ; em frente, os muros do
    jardim de p .lacio poutiftcio, a igroja de S.
    Tedro que n&o osteutava ainda a sua cupula
    gigantceca, nymbolo do genio audaz de Mi-
    guel Angelo, o castello de Sant-Angelo.
    com o se* tmusoleo de Adriano, unindo-se
    pela ponte do seu uome aos mures, do lado
    direito do rio ; sobre esses muros o monte
    Quiriml e o monte Pinciano coia a suaco-
    rda de mon jmentos.
    A uoite, porem, estava muito escura .9
    jiada d'isto se via.
    0 interior da gondola que conduzia Lu-
    crecia e Goizalo de Cordoba, era esplohdi
    42. Comprei em Serinhaim a todos os
    herdeiros de Manoel Tavaret, d las aortas
    de terra de duas leguas e meia, e a qi
    tia que dei por ella paguei logo em dinh
    pecas e fazendas.
    43. Comprei as terras da Camboinha
    cm quo estdo todas as pescarias que foram
    do Sebastido de Albuquerque e seus her-
    deiros, e as paguei logo e se devem de
    resto novenla e tantos mil riis que se lhes
    pagarao em vista de um papal que ditos
    herdeiros teom em seu poder.
    5. //. de Albuquerque.
    VARIEDADE
    CARTAS DE UM'GAIPIRA.
    Mano Chico,
    Ui
    Ahi vom o verao de fogo em popa, quo
    nao te conto n>da.
    As terriveis irmSs Typhica^ Perniciosa e
    Amarella jd espreitam, pelas numerosas
    frestas das gelerias da City Fedorements,
    s rrindo das piegas que anda fazendo pela
    cidado a sua ecdemoninhada e sarapinta-la
    prima Variola.
    Esoespreitam, reverendissimo careca nor
    artificio, e s6 para nao perderem o eusojo,
    infelizmente tfio proximo, de metterem-se
    tanib;m na dansa, cm que talvez to-.na par-
    te acliva a muito patusca tia Cholera Moi -
    bus, quo sogundo dizem, jd to nou passa-
    sagem de primeira classe ri'uin paqueto
    francoz do Havre de Grace.
    De Grace Ora ahi estd, Chico, porque
    e quo se c istuma dizer que o barato saho
    caro. Na verdado quaiuo n js custard a tal
    sugeitinha que nosvom do Havre de Gracu,
    heim ?
    Nao tern que ver PoJo.n s hmpar a
    mdo d parelo com o futuro que "nos
    aguarda! .
    Ndo achas tambem que cum cinco (5,
    toma sentido !) cinco terriveis epidomias,
    cinco poderosos matadores, 6 impdssivel
    que ndo levemos colilhoum rogra ?
    Como gali iho quo arrasla luta velha na
    ponta da cauda, assim an Jam is nos por
    aqui assustad is, podindo de mao> post is
    que nos livrem ao mouos di parte do quiu-
    tuplo martyrio que nos amsaca, qua ao me-
    nos limpem a cidade. para que tantas epido-
    mias nao achem aqui muitos elementos fa-
    voraveis d sua invasd e desenvolvimanto.
    Dobalde.
    Os Srs. mi nstro do imperio e president*:
    da junta coutral de hygiene, c mo jd live
    occasiao de commuiucar-te, amaciaram se
    com bastaute antocipagao do misero povo ;
    mas por causa dos bonds .
    Ora, ouvesii como a cousa foi.
    Gragas d uma concessdo de trilhos urba-
    nos (e essas gracas sa i sempre posadas)
    foi suspeusa a iilustrissima camara municipel
    e entregue a vereangaaos udo manos illus-
    trissimos supplentes.
    Entraram, pois, estes em exercicio e
    aquelles... no anno do Nascimento de Nos-
    so Senhor Jesus Chrislo.
    Emquanto os primeiros defendiam os
    seus direitos, os segundos defendiam os in-
    teresses municipaes, e assim ia indo o cha-
    vecoseu caminhi menos raal, porque
    bom que saibas que neste Rio de Janeiro
    t idos os santos fazom milagre durante o in-
    verno.
    No tempo de calor 4 que o marimbdo
    ndo e gaiti, e como esso tempo se aproxi-
    mava, o Sr. conselheiro Jodo Alfredo (que
    e o meu homem, digam Id o que disserem,
    mesfuo apezar de to Jos os pozares do con-
    trato arrasador do morro do Castello, que,
    pelos modos, nSo passara do papier tim-
    bre), o Sr conselheiro Jodo Alfredo, repi-
    to, declarou d iilustrissima supplente que
    era mister, para previnir as epidemias ou
    pelo menos minorar-lhes a intensidade,
    adoptar taes e taes medidas hygienicas:
    apontadas pelo Sr. conselheiro Jose Pereira
    do Rego, devendo ella communicar-lhe
    quaes as de que se podia encarrogar e quaes
    as que eram superiores aos seus recur-
    sos.
    ( Enlrc parenthesis : como nao ha traba-
    lho humano que seja perfeito, deu-se uma
    falta bastante sensivel nas recommendagoes
    hygienicas do Sr. ) Reg". E-
    3ueceu-se 8. Exc. MHbem e urgen-
    ssimo desinfe tar'^H Apostolo ;
    porem, como ainda ei tempo, toma-
    rei a liberdade de lambrar as fumigagdos
    com foi lias de parobi e repeti-ias lavsgens
    con acido-ganginollico. E aqoj fecho o
    parentesis com a mjsma soai-6eramoiiia
    com quo o abri).
    Voltemos ao assumplo.
    A camara supplente (nlo obtinto o co-
    lobre late anguis in h:rba at que fallou en-
    tdo o Sr. Nicolau Moroira ) rec^bau com
    [os bragos abortos o aviso do givorno e poz
    [logo a concurso a oxecugao do algumas das
    prescripgoes hygienicas recommonladas.
    Mas ( ve s6 como o demo as ar.na, uni-
    cx> marmanjo da fnnilia quo veste saia ), no
    melhor da testa, quau lo as propostas iam
    s-ir ahortas, cachapuz I dosmoronou-se a
    I igrejinha toda I
    Traducgao littoral : os vereadores sus-
    jpensos fo am absolvidos pela relagao.
    Mas. como p>r um lado os >absolvidos
    considoraraui-s desde logo reentregado? nos
    sous pjstos, j>or ler cessaJo a causa quo os
    afastara dallos, e por ou'ro lado ossupplon
    tes co.itinuaram a despachar, por nao ha-
    vecem recebi lo ate agora communicacao of-
    ficial do caso, segue-se que estamoj co a
    duas doses de venal ires om exoroicio, ou,
    para molh rdizer, sem camara municipal,
    p rque n>anhum uul dous presideutos se
    aiiiuia a convocar u.na sessao para abortura
    das propostas e discusdo do outros as-
    sumptos inuuicipaes do sumim impor-
    lancia.
    E o verao a entrar-nos pala casa djntro,
    mano dos meus peccados I
    E o sol a dardejar seus raios nos lama-
    gaes, paulanos e montes de lixo da ci
    dade !
    Eos miasmas a iucubaram-se nas ma-
    terias org micas, que vao-se decom
    pondo de dia para dia, fcrmentadas pela
    intonsi lade do calor !
    E a morto a distillar no sou laboratorio
    infernal as muitas lagrimas que tern decho-'
    rar os quo perderem pai, mad, lillios os
    unicos arrimos o as uuicas consolagoos que
    tinlnm nosta vida, jd d per si tao travada
    do angustias !
    Daqui d algumas sominas, quando desa-
    tar-se o n6 gordo da questao, quando estes
    ou aquelles vereadores po lercm respond r
    com factos ao aviso ministerial, sera* talvaz
    tarde, meu tosqueado por ci;na, talvez \Ao
    tarde para prevontr oo mos no rein >diar o
    mal, como jd o vai senlo agora ptra chi-
    mar &) rego os sette peccados mortaes .
    (enganei-;nu) ossete ro.nanos, quo cada
    vez nos mimoseam com caretas mais
    feias.
    Caretas mais feias,* sim senhor, pois que
    duvida ?
    Para que avaliesse fallo ou nao verdale,
    ou ndo. dir-te-hei aponas, aqui muito e n
    segredo, qua a ultima dessas caretas foi feita
    pelo Dr. Secioso. CreJo!
    0 quo ain la nos vale um piuco e* qua o
    seu artigo, publicado ha lias, e tao ab.arro
    tado de eruiigdo que talvez com a gra-
    ga de Deus morra de in ligestdo de cita-
    gdes, co no o finado rrmance Favas e Tra-
    pjs de somnolemtissima memoria.
    Mas se ndo morror, temo-la travada !
    Entao ndo haverd outro recurso sonSo
    empregar algum meit tao energico, quan-
    to prompto, para rosolver Sua Santidado a
    canceder nos um armisticio.
    Porem que meio serd esso, perguntar-me-
    has tu com uma curiosidado muito natural.
    Nem mesmo sei; mas atteudendo d ur-
    gencia que temos, creio que se devia fjzer
    isso :
    Pegar no maior canhao que o conselheiro
    Duarte dc Azevedo man lou vir de Ingl iterra
    quando era ministro da mariuha, carregil-o
    com uma arroba de polvora do arrebeutar
    minas, empregar co.no bucha outra arroba
    de notas de 5!)l)*> e como bala rasa o pro-
    prio Dr. Secioso, apintar o canh5o para
    Roma e.. .zds 1 fazer fogo !
    Talvez nao seja esse o melhor meio ;
    mas confosso que, assim da.ropente, nao
    me occorre outr norn mais energico nem
    do ; parecia destinado para mysteriosas en-
    trevistas de amor.
    Era forrado de velludo branco seaieado
    de abelhas douradas e fecuava-o uma es-
    pessa cortina. No fundo tinha um grande
    asseqt t, d maneira do leil, com grandes
    almofadas, tambem do velludo branco. Por
    sobre a entra la, u.na lampada circular de
    crystal encaruado, Java ao velludo branco
    uma love tinta cdr de rosa de um suavissi
    mo effeito. Nos pes do Ieito, servia de ta-
    pete uma pelle do tigie.
    Aquella gondola era a imagem real da
    molicio e da corrupgao que n'aquellos tem-
    pos degradava a Italia, contra a qual bra-
    davam todos os homens severos, e que ser-
    via de pretexto aos reformistas taes como
    Dominico Savonarola.
    N'aquelle tempo a libertinagemem Italia
    era um costume, e por conseguinte, a ge-
    neralidade ndo protestava nem se defendia
    d'ella.
    A politica langava mao frequentes vezes
    da libertimgem e da corrupgdo. A formo-
    sura das mulheres de estado, servia tanto
    para os negocios publicos como o seu en-
    genho. ,
    Admittia-se o terrivel principio consigna-
    do por Nicoldo Machiavelo : 0 fim justi/ica
    os meios.
    Lucrecia era, como Catharina de Medicos
    o foi depois, uma d'aquellas terriveis
    mulheres de estado, que usavam, como de
    uma anna invencivel, dOf attractivos da sua
    formosura e da sua arte consumada para a
    seducgdo.
    Ao entrar na gondola, Lucrecia tirou o
    man to e o chape > e reclinou-se indolente-
    mente nas almofadas, ficando n'uma posi-
    gao altamente voluptuosa, mas digna.
    Gonzalo de Cordoba sentou-se i alguma
    dislancia d'ella e pormaneceu descoborto,
    segundo o exigem a galanloria e o respeito
    de um cavalheiro para uma dama.
    Gonzalo de Cordoba, que era formoso,
    apezar da sua idado, mas de uma formosura
    severa, de beroe, parecia mais formoso ain-
    da pelo moilo porque estava trajado.
    Tirara tambem o manto, e deixara a des-
    coberto o seu gibao de brocado b.rdado a
    ouro e pedrarias.
    Com tudo, a manga da cota de raalhas
    3ueapparecia por baixo da manga perdida
    o gibdo, formava um rude contrastecom
    o resplendor das suas gains.
    Lucrecia fixnva cm Gonzalo dc Cordoba,
    o in lolonte e languid i olhar dos seus ras-
    gados e formosos olhos, assombrados pela
    pes
    comprida e avelludada rama. das suas
    tanas.
    Aquelles olhos como que irradiavam um
    brilho voluptuoso.
    0 soio arquejava-lhe com o impulso de
    uma rospiragdo ardente que lhe emanava
    da bocca entre-aberta em cujos labios brin-
    cava um sorriso tentador.
    Lucrecia estava reclinada sobre as almo-
    fadas, e apoiava a sua formosissima cabega
    na mdo direita, em quanto que a esquorda
    pcndiaindolentementemui proximo da ma-
    direita de Gonzalo de C6rdoba que se apoia-
    va fochada, sobre as almofadas
    Gonzalo de C6rdoba, contemplava com
    uma especie de assombro, mas sem commo-
    gdo, a grande formosura de Lucrecia.
    Combate comigo esta mulher, ou pre
    tende enamorar-me? disse comsigo mesmo
    Gonzalo, que era um tanto presumpgoso
    support mdo sem receio o olhar de Lucrecia,
    em que havia tanto de ataque como de se-
    ducgdo e de complacencia, ou para melhor
    dizer, todas estas cousas ao mesmo tempo.
    Tenho diante de mim a rainha de Roma
    que emprega contra mim todas as suas for-
    gas em batalha, ou tao somente uma mu-
    lher habituada a aveujuras de amor ? Fir-
    memo-nos nos estribos, e langa em riste.
    Sente medo T disse Lucrecia, como se
    tivesse lido no peusamento do gran-capitdo,
    com voz sonora, suave, incitante e tentado-
    ramente tremula.
    0 medo, minha senhora, replicou cor-
    tezmente o gran-capitlo, e para mim como
    os duendes e como os phantasmas ; creio
    n'elles porque fallam na sua existencia mui-
    tas pessoas respcitaveis, porem nao os vi
    nunca, assim como ao medo, e porlanto
    nao conhego nem um nem outro.
    Entao que signifies isto T disse Lucre-
    cia pousaudo um dedo da mlo esquerda na
    mal ha de ferro que cobria o brago do gran-
    capitdo.
    A prudencia e uma virtude, minha
    senhora, replicou Gonzalo, ao passo que o
    medo e uma fraqueza vergonhosa, sob re-
    tudo n'um cavalleiro.
    Ah t receiou entao alguma traicSo da
    feroz Lucrecia Borgia ?
    Ndo, nao costumo receiar d'aquelles
    que me chamam, e muito menos de si, mi-
    nha senhora ; porem os bandidos de Orsini
    infestam os campos ; o seu palacio estd fora
    dos muros da cidade e os assassinates, sobre
    tudo de pessoas que valem alguma cousa,
    sdo communs em Roma. A morte ndo me
    assusta ; permitUoM que Umdiga, enloo
    tome por jactancia, que a morte e eu tetno
    mais prompto.
    Assim podesso eu tamb*?:B) descobrir
    algum meio para afinar aa antaa graves do
    carrilhao na igreja dlf Lapa dos- Mircadores,
    de que Deus nos livre (das notas graves)
    per omnia secula-teeulorum, ainda mwmo
    quando tocam as soguintes musicas sacras,
    quo, durante a fostiridade religiosa havida
    ult+mam sate naquella igreja, tanto d-jleita-
    ram os ouvidos dos dovotos : A Palomita,
    o Doseasca-millio, Marsolhezi, o Orphdo
    na Roga, a Granie Duqueza do Gorolstein,
    a Cachucha e outras muitas roferidas no
    novo catalogo doiaaestro Arvellos.
    N'turalmeute S. Kxe. Rvm. acia tdo re-
    gular que os taos sininhoi, siuolas, sinos
    e sinoos, toquom musicas do cancan, como
    que um leilooiro de festa de igreja, com a
    opa da irmindade nos hombros, ponha-se a
    dansar a polka no corolo, como fez um ilo-
    mingo passado no largo de S. Jodo em Nic-
    theroliy, com gr&nde escandalo do alguns
    irmaos mais carolas.
    Por fa' ar om leilooiros : homem fugia
    mais genie da rua do Ouvidor, do que lo
    inferno !
    Tambem, p)leia -Sa nopequeno iuter-
    vallo compreljondido entre as ruasda Qui-
    tiinda e dos Ourivos estavam nada menos
    de quatro! quatro leilooiros, cada qual
    trovejando com mais forga.
    Um carro t'az muito barulho, mas s^'gue
    seu caminho ; um tiro atrda aos ares, mas
    extiugue-se logo ; um papagaio grita, mas
    dd se-lh** uma espiga de milho e elle cala-se,
    einfim, como disse o piota :
    Nao ha mal quo nao so acaba I
    Porem o loiloairo, ohceus 1 esseootorno !
    Simipre do marlello em punho, sempre
    prompto a apregoar a sua, mercadoria, ndo
    se cala nunca, grita sempre I
    Calcu'.a s6, mmo, quo martyrio ndo
    soffre uma pobre creatura, que estd com a
    sin enchaqueca do costume, e que ouve
    durante- duas, ties e quatro horas um dos
    taes senhores !
    E nao 6 so de dia que elles exorcem a sua
    borulhonta inlustria, qual 1 A' noile tam-
    bem ha algous quo ddo ds vezes siguacs de
    vida ; apezar da ordem expressa do .ribu-
    n il do commercio, e consta-me que, ain la
    aute-hontem, um delles quasi que foi apa-
    nhado coma b>ca na botija.
    Sou um pateta de contas, poso c me lida,
    como ndo igooras ; mts e talvez por isso
    mesmo quo pens > quo os loiloeiros ndo do-
    viam elevar a vot sendo t into quanto fosse
    mister para serom ouvidos, quando muito,
    pelas pessoas quo passam pela porta da casa
    em que 6" foito o l-ildo.
    Mas pelo q larteirao intsiro 1
    Olha, Chico, so o teu Folippo tivesse a
    honra de ser vercador havia de fazer uma
    postura, que por si so bastaria para trans-
    mittir d posteridado o nome de tola a nossa
    felippina fnnilia, coma-Ires e mais adhe-
    renoias do estylo.
    Seria assim, pouco mais ou menos :
    A iilustrissima camara do muni-ipio
    neutro, sempre solicita et cmtera e tal,
    como e de costume, no gozo pleno de suas
    faculdades intellectuaes, mentaes e munici
    paes, faz saber palas cem trombetas da fama
    desta postura, que resolveu, decretou o ha
    de se cu nprir o seguinte:
    Art. l. Os leiloeiros s3o obrigados a
    gritar mais baixinho, sob pena de exeom-
    munhdo maior.
    Art. 2." Era ul supra.
    Art 3. Quern me a visa meu amigo e.
    Art. 4." Dmois nao se queixem.
    Art. 5. Abram bem o oltio comigo I
    Art. 6." Nao tern artigo sexto.
    Dado no pago da camara, aos tantos de
    tal mez.0 vereador, Felippe.
    Mas como o povo nao teve ain la a mag-
    nifica i lea do sontar-me nas macias cadei-
    ras edis ( digomacias porquo anda
    tants gaote atraz deltas 1 ), fico caladinho
    que nem rato, tao caladinho, Chico, que
    nem o enguihoiro euearregado das obras do
    thesouro, que sen dizer agua oai d ninguom,
    foi tratando ie emendar a mdo, fazendo
    desapparccer alguns dos principaos defeitos
    que se notavam nas ditas obras e que te
    referi ha quatro ou seis semar.as.
    Assim tambem quizesse o Sr. desembar-
    gaiior Agostioho Laiz da Cama fazer o mea-
    mo em relagio is cinco crias, petteaceutcs
    ao espolio de Francisco Fernandas Guima-
    rdes, as quaes ainda vivem no captiveiro,
    apezar de haver quern em praga se offere-
    cesse alforria-las ha dous annoa, pelo prefo
    da maiar offtrta.
    Cokadinhas I Como ndo u'veram meios
    para e nprehender uma viagem inesperada
    em qualquer paquete americano, como ou-
    t a cria que cu cd sei, ahi estdo amargando
    uma vida cheia de trabalhos 1
    Prova isto, meu papa-hostias, que nos
    aqui quaremos tanto a emancipagdo como
    os dous padrocos doaz-iis e santarroes, quo
    andam agora Id pela terra da boa laranjinha,
    quereina moralidade pubhea.
    Os taes melros de sotaina deram para im-
    plicar com as caseiras ; mas, proh pudor !
    deixam cm santa paz as comadres e afilha-
    dos dos cullegas quo residem no lugar.
    E jd que toquei nostes nu-lin Jrosissiyao o
    ponto, deixa me recommen Jar-te com muita
    instancia a leitura dos inclusos aponlamen-
    tos b.iogrophicos do actual vigario da fru-
    guezia de S. Sebastido don Frrreiros, do
    muaicipio da Yassouras, na prooincia do
    Rio ds Janeiro,
    E'um primor... com cauella por cirna !
    0 autor proraette dar ao folheto a maior
    publicidade possivol e tormina o sou prefacin
    com estas palavras:
    Nao vird d'ahi tilvez a punigao do pa-
    dre corrompido, mas com certeza ha de vir
    a conlomuagdo tremenda da opinido e o di-
    reito para o povo desta iufeliz freguezia de
    fazer justiga por suas proprias inaos.
    Irribus I Por ahi e que eu ndo vou. I.d
    isso dc cheirar a chamusco, temos couversa-
    do. Se o homem e mdo, uiandem-o em-
    bora .. mas nao lhe airarrotcm os babadus
    no corpo.
    Deixem esta especialidado a um roveren-
    dissimo collogio onde, segundo dizom, sao
    os discipulos roverendissimamente tratados
    d vela de libra.... pelo lombo abaixo e
    nas palmas das inaos.
    So nao aprendem depresf a ndo e de cer-
    to por culpa dos padres quoeusinam, main,
    nem minha, porque mais de uma vez teuho
    apregcado a excellencia daquelles mesires
    na arte de zurzir em todos os tons, como
    podem attestar os mora lores das immedia-
    goes do collegio.
    E nistose mistram vlles tdo caprichosos
    sempre quo se ha por ahi algum pai queteuha
    vontade que sou querido filh" anJe bem es-
    covadiuho, nao tern mais do que manda lo
    para alii...
    So queres aproveitar a occasido para al-
    gun dos teas aiilhados... ve Id... ndo fagas
    ceremonias 1 Aqui estou ao teu dispdr.
    0 que nao to aconselho, isso ndo, Chico,
    e que matricules qualquer dos pirralhos no
    augusto collegio, porque ha 'alii um encar-
    regado de geometrisar os discipulos que nao
    e um homem, e um dragao.
    Tendo embirrado, ndo sei porque, com o
    compendio de Ottoni, embirra tambem com
    todos os discipulos que ndo sabein sendo as
    demonstragoes do dito compendio, o quo
    enche do gaudio tres camardinhas Id do
    peito.
    Ora, ndo dando elle Apostillat nem se
    cansando em explicar o muito (1) que apren-
    deu no oitavo de seeulo que esteve na esco-
    la central, como hao de os estudantes adi-
    viuhar, heim?
    0 que aconte, entdo, e quechovem, a torto
    e a direito, as notas mds e soffriveis, nao
    escapando dellas nem mesmo os que tern
    sempre merecido elogios em todas as aulas
    e em todos os tempos.
    Dest'arte, quando chegar ao fim do anno,
    ha>-de, coita liuhos, ve-se tdo aportados,
    como aquelle parceiro (pobre homem I) qne,
    estando ha dias em uma casa de jogo, que
    foi varejada pela p dicia, correu para a co-
    ziuha, onde, pondo se em mangas de carai-
    sa. principiou a mexer uma panella para
    fingir que era o cozinheiro da casa. *
    nos visto muitas vezes face d face ; conhece-
    mo-nos, somos amigos ; assusta -me, poren,
    ou por outra, enfurece-me a lleidomor-
    rer obsciirainento, so, som qiu a minha
    mono aproveite seaAo ao cri.ne, sob o pu-
    nhal infama dc um assassino, e a sua casa
    estd rodeada d'elles, contra sua vontade,
    provavelmente. Nao receiei de si, minha
    senhora ; pelo couUario, sentia muito a sua
    reclusdo n'um convento, choranJo o seu
    divorcif com o Sr. de Pesaro, porque dese-
    java eonhece-la.
    A' quern desejava conhecer, d rainha
    de Roma, ou simplesmente Lucrecia ?
    Ambas ellas, minha senhora.
    E para que a rainha, para que a mu-
    lher ?
    Diz-se que sua sanlidade lhe consagra
    tanta estima, que a consulta em tudo quan-
    to diz respeito ao sou'podor temporal, e
    que a amizado ou a dosintelligencii do nosso
    santissimo padre, com as casas roaes da Eu-
    ropa, depende unicamente de si, minha se-
    nhora, em cujas rados estd a paz ou a
    guerra.
    Calumnias 1 Eu udo sou mais do
    que uma pobre mulher d quern se attribue,
    por sua desgraga, um poder que nao tem
    nem quer.
    Mas diga-me, minha senhora, o que
    deu causa d morte do seu primeiro marido ?
    Pergunte-o a Deus, respondeu Lu-
    crecia com dignidade energies ergueodo al
    tivamente a cabega e empalhdecendo subita-
    mente. Ndo me offenda, seahor duque de
    Sessa ; ndo lhe dei motivo para isso, nem
    lhe fiz mal algum.
    Ndo me accuse de uma falta que nem
    ' sequer pensei em commetter ; sou franco e
    leal, e pretendo iallar-lhe com toda a leal-
    dade e com toda a franqueza. Eu ndo a
    accuso d'aquelle crime infame, couhego a
    mdo que o perpetrou, porque a vi nas trevas.
    Cesar I murmurou Lucrecia co no que
    fallando comsigo mesma.
    Sim, Cesar Borgia, seu "irmdo, que,
    como sabe, minha senhora, udo estd sepa-
    rado de dos u'este raomento mais do que a
    distancia d'esto barco i raargem ou a outro
    , barco.
    E' possivel, disse Lucrecia.
    Quv f'i quo moveu Cesar Borgia a
    malar os-u primeiro marido? Peco-lhe
    que mo nao respo.i la pirque o tnotivosei o
    eu. Oqueomotu a armar citadas d seu
    irmlo o duquo do Gaudia, d quom n'este
    momenta vamos soccorrer ? A sua ambi-
    cio, a sua sAJe irresistivel de por na cabega
    a corfla da Italia.
    Continuar-se-ha
    E' terdade, murmurou Lucrecia.
    E como buscaria seu irmao Cesar,
    procurar o seu auxilio, minha senhora,
    como um poder invencivel, se naosoubosse
    que, em virtude da affeigao de sua santida-
    da, em si e que estd reunido o poder tem-
    poral do Roma ? E' certo que vale muito,
    minha senhora. Sabe o que me disse o rei,
    meu senhor, D. Fernando V quando me
    enviou a Napoles para que me collocasse
    entre a casa de Aragdo c a casa de Franga ?
    Nao trate com o rei de Roma dcerca da in
    vestidura do reino de Napoles ; trate com a
    rainha de Roma.
    E quern e a rainha do Roma ? per-
    guutci eu
    a Ld lh'o dirao, respondeu o rei meu
    senhor.
    Sabe mjis, minha senhora, o que me
    disse, ha poucosdias, em Floreiiga, Nico-
    ldo Machiavelo ?
    0 bom do florentino, respondou Lu-
    crecia, julga saber tanto, que, confiado
    n'isso enguia-se com muita frequencid.
    Esses sabios enganam-se como as criangas,
    prometteudo-lhos aquillo que desejavam, e
    que ndo se lhes quer dar. Entdo que lhe
    disse de mim o bom Machiavelo ?
    Foram estas as suas palavras : Sr.
    Gonzalo do Cordoba, a Italia estd na cabega
    e nas mdos de uma mulher tao grande pelo
    lugar que occupa como pelo seu talento e
    pela sua formosura: ndo tem que combater
    com um exercito, ndo vai encontrar-se face
    d face com Alexandre VI, Carlos VIII, Ma-
    chiavelo, ou com os soberanos dos peque-
    nos estados da Italia ; ndo, vai encontrar
    na sua frente Lucrecia Borgia. Deus o
    ajude 1
    Nicoldo Machiavelo estd louco, repli-
    cou Lucrecia. Joven ainda, sente jd os
    temores pueris dos velhos. E quern mais
    lhe fallou em mim?
    __ 0 rei de Franga dizia-me hontem :
    Senhor cavalleiro, se eu ndo tivera encon-
    trado diante de mim sendo as langas de Na
    poles, os cidadaos do senhorio de Florenga
    e os suissos do santo padre, seria rei da
    Italia ; porem a minha brava gondarmaria
    perdeu os argoes ao chocar-se no briol de
    uma mulher. A partida ficou adiada ; de-
    pois, vremos.
    Carlos VIII 6 um pobro rei, disse
    Lucrecia torn desdem. Com quern so atrc-
    veu elle ? Com a Italia dividida, revoltada
    por poquenas combinagfies, inflammada pe-
    los reformistas, agitada por Machiavelo, de-
    hilitada, corrompida ; chegou, 'porem, o
    senhor, osj>ada invencivel dog dous mais
    poderosos mouarchas do mundo, e o rei
    de Franga receia, foge ao combate, sente-se
    fraco, e empraza o duello.
    Vence-lo hemos amanha, como o te-
    riamos vencido hoje. 0 reino de Napoles
    naosahirada casa de Aragdo emquanto eu
    poder desembainhar uma espada, juro-o por
    Deus, por Santa Maria, e pola minha hon-
    ra I E quando eu caia, Pica o meu senhor
    e rei D. Fernando, tdo bom capitdo como o
    primeiro, e ni falta d'elle, um grande nu-
    mero de bons capitdes castelbanos.
    E, com tuuo, o seu poderoso rei asta-
    ria prompto para me sacrificar, disse Lucre-
    cia poudo a mao breve e,ardente, na mdo
    robusta de Gonzalo que cstremeceu ao
    contacto. Elle, para assegurar a boa von-
    tade do papa para com a casa de Aragdo e
    pelo reino de Napoles, exigioo men casa
    mento c m o bastardo Affonso, causou o
    meu divorcio com Jo?o Sforza, e eu a rai-
    nha de Roma, a poderosa, a invencivel, fui
    obrigada a ceder 1 Ah I jd ve que Machia-
    velo se engana, que o rei de Franga se en-
    gana, que o seu rei engana-se e que se en-
    gana tambom o senhor. A horrivel, a in-
    fame Lucrecia Borgia, a envenenadora com
    entranhas de tigre, a Messalina sem pudor,
    uma victima abandonada, sem amparo,
    sem ter para quern volte os olhos, abatida
    e deshonrada.
    E Lucrecia estreitava com forga a mdo da
    Gonzalo de Cordoba, e fallava com uma
    vehemencia infiuita, inclinada para elle,
    envolvendo n'um olhar de fogo o olhar do
    gran capitdo, com os labios treraulos o o
    seio palpitante.
    N'aquelle moraento o barco parou e per-
    maneceu immovel.
    Que 6" isto? disse Lucrecia levantan-
    do-se. Ndo chegamos ainda d margem, e
    o barco nao tocou em terra 1 Que sue-
    cede ?
    E, abrindo o reposteiro que eocobria a
    porta, gritou :
    Francesco !
    Francesco Buotti appareceu pallido t som-
    brio e fixou um olhar rapido, mas terrivel,
    no gran capitdo.
    Porque razio paramos ? perguntou
    Lucrecia
    Na nossa frente* minha senh,ora.nti
    raram do um fearco com um cadaver ao
    rio.
    fContinuar-sX'ha).
    TtTJK) DIAWO'- Wa BUQl'E DE"!
    P


    i

    ^^^'^^^H^^bVI

    |____IIEGIVEI