Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16715


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i)
\


AiVMi \LIA. JOEBO IM
* Jor tres mezes adiantado,................ ^^
Por sets dilos idem ... .SET!
Por am .nno M- ..... \ T *...... iSS
Cad. numero vul* ... ......... ***???
.....
7
OLAWA RiU 29 0E OUTUBfeO DE 187^
TV
PABA ESTT*0 B F6BA I>A PROVI;ciA.
Por Irel metes &!&*................
Por teu dilos idem. 7 i ._,... [ .* |
Por nore ditos idea
Per an mno idem.
r
9*116
tnwo
ao3M
nyeoe
FIGUUROA
"'
~
0.
Srs. Cwardo Autonio Alvcsd Filhos, no far.; GoncalreS 4 Piiito, no Marsuhfto ; Joaquii
juim Jose de OUveira 4 filho, no Ceara; Ai,l4mo de Ien,.s Braga, no Ar.cat; Joao aria Julio Chares, no Assd; Antonio Marques da Siira, no Satal; Jos* Jtm
Percr. d Ahue.da, em Mamanguape j.Augosto Gomes da Silva, na Parahyba ; Amonio Jose Gomes, na V.Ua da Penh., Belamino dos Santos Baklo, em Santo Antlo ; Domingos Jose d. Co*. Brag., em IWlh;
Autonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Joao Antonio Maehaeo, no Pilar das Alago*: Aires d C, na Bahk ; e Leite, Cerqainfeo 4 C. no Rio,'de Janeiro.
PAETE OFHCIAL
lliuiwtcrii* rob 0 ji comman lo 0 ilestacauiento existentc na
cidade do Njzaretli.
- Ao juiz municipal do tenno'da Boa-Vista -
Em resposu ao seu offlcio tie 29 dejucho proximo
passado, em o qual salicila a noraea ao do u.n col-
lector, romotlo lhe a iucluza informacao por copia
*
:XPTOii-NTr: 00 dia li de orruBno.
Oeclarou-se a thesouraria de Peruambuco Dad, Jo ltt*t>eetor da thesouraria de fazenda. -No roes-
tendo as jiresWencias das provincial das, Ataguas,
Parahyba e Rio Grande do None axpedldo ordeus
as respectiva* agendas fisoaos na rei'erid.i provtOi
cia de Pernamliiico para arrecadarem a* rendas a
eftas pertencenies, deve nstUrk anvcaila.-ao do
taes rendas pola alfandcga, que prestai.i. entro-
tanto, os auxil os one couborem na* sua* allrl-
buicdes para 0 bom desempenho das funcoflw das
ditos agencias.
- dia 6. -
Circular n. 31 As thesour.uhs, orlon.indj, para
a bda execucao do art. 15 da lei do or;amoalo n.
2,348 de S3 do airosto proximo passad.t, que do
corrente BXercjoio em di.inte fajam o.-ssar a prati-
ca de lan^r-se no mini za de depjsitos, e a dajsiflqtiem no canRul > de-
positos-convoni-inlemente discrimina la. no des-
snvolvimenlo dnj balan;s, p.-lus titoioi danigua-
dos no rooncionl Ij artigo, senlo u-:>u cmformi
dade cliiolnada no rel'orido ministerio a do-poza
effectuada. nos mazes Ja docorridos dj aciaal eltr
cicio.
bia 9 -
Communicou-je a t!ie item que, senJo presente ao t.ibunal do tbeso:iro
mo mntido ao promoter puWic,
BoaMsia.
da comarca da
o recurso interpost p>r VlrgJoio Barbisa da Sil-
va da decisa0 da dila thesouraria, oonlirmatoria da
que proferira a reeel)edjria ssijeitando-o ao paga
uieolo da ditim 1 de c ancollaria de lima accao
tribunal.
Considerando qne 0 reeorrente foi de facto ac-
cionado por Cardoso & Sunza, para pagamento da
quantia de 2i:8!5j3:i0, d.'clar.ida na petifio i:ii-
cial, em forma lo llfteflo, p..r assignagao de doz
dias, proeesso quo enrrm sens termos regularos,
seodo alinal o roorrente condemiudo ;
Considerando quo e.-te, aleui Ua defoza mani-
festada na alludidi ac(.;\o pr.ipoz por stia vez uma
ac-;2o ordiaaria eonira os ditos Cardoso A Souza,
na qual exigio dos 'eos 0 pagamento da quantia
de 26:89i.l533, pnnnovendo a. propriameate diu, nos tenuus do logulamonto de
16 de Janeiro do 1839, c reiiilamonto 11. lo) de
1842;
Considerando pie 0 imposto substitutivo iti di-
Kim de chanccll iria, cobra**;, segundo o valor da
causa deiiiandada, quo <( sera sompre reguliido
pelo pedido dos autoros quo Ho o'Tigados ado-
clara-lo e>;pressim-nte, na forma do art. J do
.-upracitado regulament0 de 1842 e S do do 20 de
ir.arjo de 1869 ;
Considerando, finalmente, que nao prouodem as
raz5es apri-sentadas polo reeorrente, nao so a vista
do quo Qeuu ap.ntado, co.110 tambom porqueo al-
ludido imposto, i!as quMt-Jes de pagamento de di-
vidas, cobra se polo pedido nas aocoes, e nao pelo
que for apurado na exeoucao em virtude da sen-
t^n;3 proferiila, conforme ja foi declarado pela or-
d?m n. 17 de 12 de lovoreiro de 1845;
Kesolven negar provimento em reenrso 0 sas-
tentar a decisao i|ue 0 motivou.
Govcrun tin proviucia.
EXl'KDIE.NTE DO DIA 18 DE A(i )STO DE 1873.
1.' sccquo.
Ao Exnt brigadeiro commandante da3 armas.
Commuaioo a \. Bse. que por portaria do hoje
oomeei o alferes liannran-i do exercibi, Mariano
dos Rois Spindola, subdelegado do districto do Bo-
beribe, do termo de Oiinda.
Ao DMsmo.Corn a ipclusa eopia da inbrma-
ciio preslada pelo director do arsenal do guerra
respondo ao ollloij do V. Exc, do 7 do corrente,
inoluindo ouir.i em c|uo o tenonle coror.el com-
mandante do in antarii pede a
trausferoneii para a luusiea do inesm) baialhao,
doi mancobos, Antonio X ivier do SanfAnaa, Joao
Jose" dos Passos e Ji'.se Luiz Sovero.
Ao DMsmo. P6de V. Exc. mandar por on
iiberdade os recrata-', M.ioocl Luiz da Sd.'a (; Mi-
guel Joaquim da Cunba, visto serein iaeapazes do
servico militar, seguudo o lermo do inspeccSo an-
noxo ao sju otr.cio do 16 do ccrrento sob t\.
17.
2.,$ec$3o'
Actos :
0 presidente da provincia, a vista do offlcio
di Or cbefo de palicia, n. 1435 de 14 do corrente,
resolve exonerar, por nao fereta prosladjjuramon
to dos cargos de I- e 2' supplentes do delegado do
termo de Tacaratii. os cidadaos, Jose Francisco Ca-
\ alcanto c Jose \avicr do Sa, e por igual motivo
dos dc 1 e 2" sujplentes do subdelegado da fre-
guezia desso nome os cidadaos, Jose Pereira Bar-
lo) Maivin?. e Francisco Ruliniano da Silva.
0 presidente da provincia, de conformidade
cum a proposta do Dr. cliefe de policia em ofilcio
n. 1448 de 16 do corrente, resolve nomear o alfe-
res honorario do exorcito, Maria dos Reis Spiuola,
subdelegado do districts do Bebenbe, do iermo do
Oiinda.
0 presidente da provincia, alteudenio a a.ue
no municipo de llezerros, creado pela lei provin-
cial n 919 de !8"'0, e onde ja funcciona a re-pec-
tiva camara, foram apurados 205 juizes de facto,
negundo a lelagiio nominal ime veio aimexa ao
offlcio do juiz- de direito da comarca de Bonilo, de
$ do corrente, resolve, de conformidade com o
disposto no art. 31 da lei n. 461 de 3 de dezembro
de 1841 e docreto n. 276 de 24 de mar;o de 1843,
crear no diio inu licipio foro civil com eonwtao do
jurados, licindo o termo de Bezerros annexe ao
do Bonito.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta de Dr. chefe do policia em offlcio
n. 1133 do 14 d-i correiito, resolve nomear os ci-
dadaos abaixo.ineiicionados, na ordem da respecli
va collocacl.0, pan os cargos do I* e 2' supplentes
do delegado do termo de Taear->iu, Jose Rodi igues
I'.avalcanle, alferes Manoel Antonio da Costa Ga-
meiro.
0 presidente da provincia, de conformidade
i om ajiroposta oo Dr. chefe de policia em offlcio
n. 143o de 14 do corrente, resolve nomear para se
lugaresde l*o2 supplentes do subdelegado da iru-
;: lezia de Tacaratii os cidadaos seguintos na or-
dem do sea coloeacao: alferes Pedro Gougal-
ves Cavalcs-nte, llanocl Barboza de Siqueira.
0 presidentn da provincia, de Conformidade
Oin o dispjsto no art. 1" do Jecreto n. 1294 de 16
de dezembro de 1853, e a vista do offlcio do juiz
do direito da 1' vara civel da comarca de Pao
d'Alho, de 12 do corrente. resolve nomear o alferes
Joao Paulo Nur.es do Mello para in.erinauionte
exercer o ofljcio de escrivao de orphaos e mais an
nexos do tjrmo de Pao d'Alho.
0 presidento da provincia a vista do offlcio do
Dr. chefe tie policia. n. 1436 de 14 do corrente,
resolve ex nerar, a belli d &orvico publi^u, Airto
nio Baldoit.o Paes di- Sauza do cargo de subdele-
gado do dintricto de Queimadas, 3" districto da Ire-
guezia de Quipapa, do termo de Paneltas.
0 president i da provincia, a vista do offlcio
do Dr. chefe de |olicia, n. 1448 de 16 d corrente,
resolve concedtr ao capitao Manoel de Carvalho
Paes de Aadrads Gouvim a exoneracao, por elle
pedida. do cargo de subdelegado do districto de
Beberlbe, do termo de Oiinda.
Offlcios "
Ao commaadante superior dj Nitareth.
Kxpeca V. S. as suas ordens, afim de ser aug-
jM-jatado com nnis 7 pracas da guarda nacional
- Ao prom dor public., da 'vrniaroa de Ouricu-
ry Aocuso rwabido o seu offl;i de 20 de jullio
prximi dado; a em reiposla tenho a dizer-lho
f,mC' S''D,' a ma,ri,:"la *H *I"o trala no sen dito
offl'-io se n duvidi a e-pecial do art 87 do regula-
pnent.i do 13 de noveuibro de 18/2, c sendo o seu
Iprodocto destmado as despezas da mesma matri-
;ula. n o exceJonte ao fundo de emancipacSo, do-
vein sr ciuJos os parentes herdeiros d > major
Antonio Riymundo Brigid > lo# Santos para entra-
rem com aquantiado.337*000, quo diz Vine, tersido
rocnlhida por aquello major, alim de ser recol i-
rja ao respoetiro cjfre, dep.iis Je itoduxidas as des-
pezjs.
. 3 teceati.
Aclo :
- 0 presidente da provincia, toudo a vista a
informacao do inspector da Ibesonraria de fazen-
ila, de li do corrente n. 863 seric D, e bem assim
o pare or de respecli va contadoria, resolve, nos
tenant do decrcto 2884 lie 1 de fevereiro de 1862,
abrir sob a rosponsalniidado da mesma presidencia
um credito na importancia de l:000i .00 a verba
eventua.is do minirtrodaagricultiira -commercio
c obras puhlicas, alim do poder aquella thesoura-
ria occorrer nor espa,p de 6 mezes no exercicio
de 1873 a 1874 ao pagamento das gratifieacoes a
que teem direilo Vicente Ferreira da Porciuncula
! i' baehjicl Joaquim Ferreira Chares, aquelle
pela substiluicao de administradov da reparti.-ao
do< c rroios, c este prfa d > conlador da iliia "re-
partifekvo.
OlHcios :
Ao inspector da thosourarh do fazenda.
Tondo nesta data despachado o requerimsnto do
liacharol Pedro Bezerra Pereira de Araujo BeltrSo,
segnndo a pareeer do procurador, fiscal escripto
nj verso do mosmo roquorimento quo Hie devol-
ro, e sobre o qual versa a sua informacao do 13 do
corrente, sob n. 854 serie, D ; assim o coinmunico
a \. S. ptra o seu conhecimeato o lins conve-
nient!^.
- Ao mesmo. -Com a portaria junta por copia
pela qual resolvi, nos termos do deireto n. 2884
do J. de fevereiro de 1862,-abrir soli a responsa-
bilidide da presidencia um creiito na im ortancia
do 1:0004 a vetba -Eventuaos-do ministerio da
awnculttira, commercio e obras pub'icas, lica V.
colleclor qne foi eleito para ester shim > oplar por i Joanna Candida do Freitas -Inform" o Sr oro-
uf d'ellos. vedor da Santa Casa dc Miserieordia.
A mesma.Declaro a camara municipal da Jaciotha Avelma da Cruz. -Passoso portaria
cidade da Victoria, em resposu ao offlcio d.i o djU con erleado tres mozes de licnca com voncimen
corrente, que nos termos do aviso de 29 de nutpMi, na forma da lei, para traiar de sua satide
ultimo, nao ha- incompalibilidade enlre o* carg.) | Dr. Manuel Buarqne do tfacodo Passe-se por-
de vereador e de delegado. jlaria ..-oncedendo trni mezes de licenea na forma
camara municipal da villa de Ingaaoira. j re.inerida;__
0 mosm.'. -Passe se portaria ni forma requo
nda.
A"
. i....... ., i n.viuiit-tii.i e o oaeimrei 40.1i|UIII
Ferreira Chaves, pelas substiluicoes deadministra
dor e coatador da repartioao dos correios dost
S. autorisado a mana\r effectuar, por cspaco de
sois ntezes, no exercicio de 1873 a 1874, o paga-
mento ilas graliflcar;oes a que teem direito Vicente
ira da Porciuncula e o bacharel Joaquim
tra-
-ta
provincia.
Ao mesmo. -Na conformidade do qne soli-
citou-me o engenhciro das obras raHitares em
offlcio de li do corrente, mande V. S. pagar, a
vista da conta que remetto iuelusa; a qnantii de
254, em que importiui o concerto do telheiro da
cacimba do deposito de recrutas, contractado com
Tlionm Antonio Maciol Monteiro Filho.
Ao mesmo. -Cominunico a V. S: que nesta
data mando augmentar com mais sete pracas o
destacamoiito da guarda nacional, existente em
Nazareth.
_ Ao mesmo. -Commuuico a V. S., para os de-
vidos lins, que a 7 do corrente reassumio o.bacha-
rel Ernesto Vieira de Mello o exercicio do cargo
do pronk.'t'ir publics da comarca de Palmares.
Ao mesmo. Remetto a V. S. as inclusas
ennlas, para qne mande pagar a quern se mostrar
autorisado a respectiva importancia, provenieute
do passagans concedidas na cstrada de terro do
Recife a S. Francis:o por conta do ministerio da
guerra.
Ao mesmo. -Mando V. S. pagar ao sargento
Firmino Francisco do Barros, a vista dos inclu-
sos prets em duplicate, a importancia dos venci-
mentes ilo commandante e das prnras do batalhao
n. 23 da guarda nacional, destacadas na villa da
Escada duranie o mez de julho findo ; conforme
solicitou o respectivo commindante superior em
offlcio de 13 do corrente.
Ao mesmo. -Attendendo ae que requereu
Alfredo d". AndradeVMS Rarreto na petigio que
Iho devolvo e a qne se rererc o seu offlcio do 16
do corrente sob n. 884 serie D, autoriso V. S. a
mandar releval-o da multa em que incorreu por
niio haver declarado, deplro do praso legal, o falle-
cimento de sua escrava'Eva.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Providencie V. S. no scntid.) de ser pago a Antonio
Domingues de Aline da Poeas, conforme solicilou
o Dr. cliefe de policia em offlcio de 14 do corrente
sob n. 1440, a quintia de 204610, constante da
conta junta em duplicate, e despendida durante o
mez de julho ultimo cam o forneciraeoto de luz e
agua ao quartel do destacamento de Santo Anteo.
Ao mesmo. Receinmendo a V. S. que, a
vista dos iuclusos documentos em duplicata, man-
de pagar a Bento Jose de Maced i Pocas, por assim
o haver solicitado o Dr. chefe de policia em offlcio
de 14 do corrente sod n. 1443, a qnantia de 120J,
proveniente dos alugueis das casas que no termo
de Agua Preta servem de cadeia e quartel ao res-
peetivo destacamento, seguudo indicam os mencio
nadas documentos.
Ao mesmo. -Mande V. S. pagar ao fornece-
dor da casa de deteneao a quantia de 4:2744721,
em que importou a despeza feita duranto o mez
de julho ultimo com o fornecimento de sustento e
dietas aos presos daquella casa, na conformidade
das eontas que remetto inclusas e do offlcio do
Dr. chefe de policia, datalo, de 14 do correnta
sob n. 1441.
Ao mesmo. Autoriso V. S. a mandar p3gar
a impoi'Uucia das follias do pessoal empregadi em
fazer a e^acada preoisa para garantir o aterro do
projectado passeio publico, e a satisfazer as de-
nials despezas, orcadas todas em 1:7504 ; confor-
me solicilou o engenheiro chefe da reparticao das
obras publicas em offlcio dj 12 do corrente sod
n. 306.
Ao mesmo. Remetto a V. S. as inclusas
eontas, para quo mande pagar a quem se mostrar
ant irisado a respectiva importancia, proveniente
de passageos concedidas na estrada de ferro do
Recife a b. Francisco por conta da provincia.
4.' secqao.
Actos :
0 presideute da proviucia, aitendondo ao que
requereu o padre Jose Procopio Pereira, professor
da instruecjio primaria da cadeira da villa do Bre-
jo, e teuio era vista a iuforma;ao do Dr. geral in-
terino d mstruccao publica, em offlcio de 5 do
corrente sob n. 341, resolve removel-o para a da
povoaca> do Malhadiuha.
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Caetano Francisco Duraes, professor pu-
blico da villa de Agua Preta, e tendo em vista a
ioformacao do director geral interino da inslruccao
publica, de 31 de julho Undo, em offlcio n. 233,
resolve prorogar por mais dous mezes, com os
vencimentos que por lei lhe compelirem, a licenea
que ultimameute lhe foi concedida.
i'ortarias :
A camara municipal da cidade da Victoria.
Declaro a camara municipal da cidade da Vic-
toria, em re^posta ao offlcio de 5 do corrente, que
sao incompajtveis os cargos de collector de rendas
[Tovinciaes e juiz de paz; cutnprifldo, portauto, ao
Em rcsposta ao aflieio da camara municipal da
villa de ingazeira, de 31 de julho undo, tenho a
dizer que concedo licenea ao professor dessa villa
para exercer o cargo de at'eri lor, nos termos dos
instruccdes baixadas com o derxelu de 18 de so-
lembni de 1872.
& tecQfto.
Acte :
0 presideute da provincia, aitoudcnd.' ao qu?
requereu Thomaz de Carvalho Soarei BranJao So-
brinho, arrematante do 4* lan;o da estrada de
Muribec?, e teado em vista a informaeio do en-
genheiro chefe da ropartioao das ohms pubiieas
em offlcio de 13 ao corrente sob n. 30*, resolve
conceder-llie o prazo de tres mezes ,ara lazer os
reparos precisos na mancionad i estrada ; pagando
a multa em que incorreu, mencionada em seu
contcacto Esta sera apresentada nas esteooes coin-
petentes para tor a devida execueio.
Offlcios :
Ao engenheiro Francisco Pereira Passos, em
I.ondres. -Accnso recebido o offlcio de V. S., da-
lad j de 27 de jullio proximo fin lo, no qual partici-
pa quo, em virtude das ordens ultimamente rece-
bidas, tratou de completer o projecto para a con'
Jtruccao da ponte da Boa- Vista nesta cidale, e
que, logo que estejam cqucluidos alguos detalhes
quo faltam e feitas as necessarias especiflcac^ies
clausulas para a arrematecao, serao chamados os
concurrentes a execucao dessa ubra. Em rasposte,
tenho a dizei-lhe que flco intei ado dessa noticia,
assim como das deraais referidas no mesmo offlcio.
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.Em vista do iuciuso offlcio anonymo e
som data, que me devolvera, denunciando o mao
estado do barracao denominado Gymaasio Dra-
maiico, mande Vmc por pessoa competente pro-
ceder a uma vistoria no referido barracaa, dando
alinal seu pareeer sobre o que no mesmo anonymo
se acha declarado.
EXPEDIENTS D0,3ECaKTAI0.
! seccao.
Offlcio :
Ao engenheiro das obras militares.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia inanda communicar
a V. Exc, para o< devidos efleilos, que no.-ta data
otliciou-se a thesouraria de fazenda, ordenando o
pagamento do concerto feito no telheiro da cacim-
ba do deposito dos.recrutas; conforme solicilou V.
S. em offlcio de 14 do correnie.
2 ser^uo.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. 0 Exin. Sr. presi-
dente da provincia inanda declarar a V S., em
resposla ao seu offlcio ii. 1,404 de 9 do corrente,
que nesta data foi mandado augmentar com mais
sole pracas o destacamento da guarda nacional de
Nazareth.
Ao mosmq_-S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda communicar a V. 5. que acaba de
exnedir ordem a thesouraria provincial, no seuti-
do de serem pagas as despezas de qne tratam os
seus ollcios de 14 deste mez sob ns. 1,440 e
1,443.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. piesidente da
provincia manda communicar a V. S., para os fins
con'eniontcs, que nesta data expedio orden?. a
thesouraria provincial mandando pagar ao forne-
cedor da casa de deteneao as eontas provenientes
do fornecimento do sustento e dietas dos presos
pobres daquella casa durante o mez de julho un-
do, de conformidade com o que solicitou V. S. em
seu offlcio de 14 do corrente sob n 1,441.
Ao mesm>. 0 Exin. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que fleam expe-
didas as convenientes ordens, no sentido de que
trata o seu offlcio n. 1,432 de 14 do corrente.
Ao mesmo. De ordem do Sxm. Sr. presi-
dente da provincia, transmit o a V. S. os titulos
juntos dos 1 e 2 supplentes do delegate e sub-
delegado do termo e fraguezia de Tacaratii ; de
conformidade com a proposta de V. S. em offlcio n.
1,435 de 14 do corrente.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. quh por portaria de
hoje foi exonerado, a bem dos ervico publico, do
cargo de subdelegado do districto de Queimadas o
cida l'io Antonio Ualdoino Paes de Souza, de con
formidade como offlcio n. 1,436 de 14 do cor-
rente.
~ Ao mosmo. De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, transmute a V. S. o tilulo jun-
to de noineacao do subdelegado do districto de
Beheribe ; do termo de Oiinda, de conformidade
com a proposta de V. S. em offlcio u. 1,448 de 16
do corrente.
Ao commandante superior do muuicipio de
Santo Antao e Escada. ue ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, communico a V. S.,
em resposte ao seu offlcio laiado de 13 do corren-
te, que ja foram expedidas as convenientes ordens
a thesouraria de fazenla, no senlido de ser pagi a
conta relativa aos vencimentos do commandante e
pracas do batalhao n. 25, da guarda nacional, des-
tacadas na villa da Escada durante o mez de ju-
lho findo.
Ao juiz de direito da 1* vara civel de Pao
d'Alho. -0 Exm. Sr. presideate da provincia man-
da communicar a V. S., para os devidos fins, que
Por portaria de hoje foi nomeado o alferes Joao
aulo Nunes de Mello para interinamente exercer
o offlcio de escrivao de orphaos e mais annexos
do terrno de Pao d'Alho.
Ao bacharel Ernesto Vieira do Mello. 0
Exm. Sr. presidente da provincia aianda accusar
o recebimento do offlcio de V. S, de 7 do corrente.
em que participa ter nessadata reassumido o exer-
cicio do cargo de promoter pnblico da comarca
de Palmares.
5.' ucqao.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. 0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S., em resposte ao seu offlcio
de 12 do corrente sob n. 306, que nesta date au-
torison o inspector da thesouraria provincial a
mandar pagar a despeza mencionada no mesmo
offlcio.
Ao superintendento da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco. De ordem de S. Ex. o
Sr. presidente da provincia, communico a V. S ,
para os fins convenientes, que por offlcio desta da-
ta autori-ou-se as thesourarias de fazenda e pro-
vincial a pagar a importancia das csntas prove-
nientes de passagens, concedidas nessa estrada de
ferro por conta do ministeri > da guerra e da pro-
vincia ; conforme solicitou V. S. em seu offlcio
de 16 do corrente.
\ icente Licinio da Costa CampoHo. P.isse-se
Luiza Clementina Vieira de Mello.-Passe se
portaria JOticedenlo 30 dias de licesoa na forma
da let.
Secmlaria da presidencia de Pernauibuco, 28 de
ouiabMfedR73.
0 porteiro,
Silciuo A. Roirigues
^MUiUiiuilo das armaa.
JUAHTfL G&JKRAL DO COMMANDO DAiS All MAS
UP. PEtmMBUCO, EM 28 DC OUrUBBO DE
0/-ffe.n do dii n. 714.
Havendo passado de doente a prompto o Sr.
major bomirario Ao exercito ajudante de ordens
encarrrtgji*) Jo detalhe, Jose Bonifacio dos SiuHos
Mergulnao, reassumio nesta data as respectivas
funccoas, flcando dellas di do 2J batalhao do inlantaria Jose Elisiario d
Santos, qne salisfactoriaraeu'.e as desempenhou.
(Assignado.) Mnnoel da C'inh'i Wandtrtey
Lins.
Conforme.-0 major, Jo*e B. dm Santos Mer-
fiilkao, ajudante de ordens encarregado do de-
alhe.
na barra do Porto den oecasiid a tornar-se a jr
fa/far com nroita instancia na organisacao de uma, v- '.' .rujJa
companhia par* conslruir o pono de Leixoes.
Alguns dos iniciadores deste importente em-
prezadirigiram-se an ministro dar obras publicas
a quem communicaram as bases do seu projecto.
A companhia fnrrlar-se-ba sera subveucao do
governo, exigindo, porem, o privilegio de explr-ra-
cao oTaquelle porte que a naturexa quasi completou
e que de poucos capitaes precisa reiativamente.
- A camara municipal de LisbOa vai dar a
concessa'i de dous mercados nos bairros- occiden-
tal e oriental de Lisboa. Ma capifalistes eslran-
geiros que se promptificam, logo que a eoacessao
lor obtida, a conslruir os ditos mercados nos me-
Ihores condicfios, comtanto que possam explora-
los nor 50 annos.
t'arlio antes d'hontem para Caslcllo Branco
e Covilha o Sr. Cardozo Avelino, ministro das
obras publicas em companhia do1 Sr. Pinhe:ro
Rt'pwrti^ao da noliela.
!. *eccjb. .vH-.retaria da policia de Pernarabuco.
28 de outubro de 1873.
N t*-2.Illm. e Exqi. Sr.Particino a V. Exc.
|ue foram hontem recolftid is a casa de deteneao
os indirlrhjos seguintos :
A'.miiihii ordem, Antonio Francisco Marinho,
p ir se achar prmmnciado em crime de inorte no
termo de Canniarii e Manoel A veiino da Cunha Li-
ma, rtndo de Garanhuns, como senteuciado.
A' ordem do subdelegado> do Recife, Jo?c Fran-
cisco da R.tsa, a requisicao do capitao do porlo, e
Joao, escravo de Roubach Canu 6c II, a requeri-
me/iU) destes.
A' ordem do do primeirn district.) de S. Jose, Ja-
cintha Maria da Couceicio, por embriaguez e dis-
til rbios.
A' ordern do da Capunga, Tlieophilo, e Oubnurcq p ir embriaguez e ilismrbius.
Em data de 16 deste mez. cummnnicou-me o
delegadb de Cimbres que, na mesma data, captu-
rara e'recolhera a respectiva cadea a Manoel
Francisco do Naseimeuto e a India Caetana, sogra
do mesmo Nascunento, por se acbarem pronun-
ciados no termo da Alagoa do Monteiro da provin-
cia da Parahyba, pelo assassmaio de Joao Paulo da
Costa, Villar.
Ptnalinciiio, a ordem e a tranquillidade publicas
aAo a^ffieram alteracao.
Ileus Kiiiirdo a V. Exc. film, e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Luoeua, dignissi
mo presidente da provincia.0 chefe de policia,
Antonio Francisco Corr'ia de Araujo:
EXTEEIOR.
D ;spAcnos da presidbkcia de 27 de ovtubro
de 1873.
Rernardina Maria de Jesus.Sim, com recibo.
Major Carlos Maguo da Silva.Forneca-so.
0 mesmaSim.
Camilla do Carmo Torres. Passe-se portaria,
concedendo trinta dias de licenea com vencimen-
tos, na forma da lei, para tratar de sua sadde.
Emilia Fortunate de Gusmao.Prove a suppli-
cante o fallecimento de seu marido.
Felix Amador da Silva.-Sim, mediante recibo.
Joao Baptista da Silva Ducla.Dirija-se ao Sr.
capitao do porto, a quem se expede ordem pan
at leader ao lupplicaute.
Correiwpaudencia tlo Diario de
Periiambiiee.
PORTUGAL
USROA, 13 DE OL'TUHUO DE 1871.
Tern se fallado n'estes ultiuius dias em se-
rein amnistialos os militares presos & em via
de julgamento em conselho de guerra, no ce-
lebre proeesso da revolta. Pareco que o indulto
se fundaria no favor da Divina Providencia a fa-
milia real por occasiao do perigo qne correram a
rainha e os principes na praia do Mexilbociro,
junto a bocc'i do inferno em Cascaes. Acrescouta-
se, todavia, ipoe eslos boatos nao passam de bons
desejos das famili is de alguns dos reos que por
todos os modes possiveis procuram commover o
boudoso corajao do soberano.
Verilica.se no dia 15 do corrente a iuaugu-
ra;ao do proloiigameuio do caminho de ferro do
sul ale Extremoz. seguindo de Evora por Algeruz,
Vat do Pereira e vendas do Do que.
Ha ires emprezas qu>' pretendem concluir o
aterro ate Rolem. Uma e a dos carris de ferro de
Lisboa a outra e a ropresentada pelo Sr. Almeida
Campos, e finalmente uma outra do Sr. Luccote.
A priraeira requereu a camara municipal e as
outras duas dingirara se ao governo. Ja foram os
respectivos requeaimentos apresentados em conse-
lho de mioistros, e que a este respeilo alii bouvera
< calorado debate.
A cotacao ultima de fundos portuguezes em
Londres era de 43/4. Pelas in-cripcoes a'assen-
laineito offerecia-se na bolsa de Lisboa no dia II
a 44,93-, 45 e 45,01 e nao ha via quem vendesse ;
coupjnt a 44,91 e ficaram cotadas a 43,23 e 45,30.
Emprestimo nacional, 0,10 por cento de preraio.
Caminlto de terro do Minho, com o desembolso de
50 por cento2 por cento de premio. Fundos ex-
ternos, compantuas com o coupon corrente para
27 deste mez, venlerau te no dia li, em Lisboa a
16,15 e 16,18 com o c.aipon do !. semestre, a di-
nheiro a 16,74 a 16,80 e para 12 de novembro a
16,30.
- 0 Diario do Governo publicou a note da di-
vida (lactuante. A 3i de agosto ultimo, era de
16,3ii3;OOO40OO E em 30 de sctembro de......
13,671:0004' 00. Diminuio por taoto 9,6.34:0004.
De Nova Goa com data de 7 do mez passado
dizem que foram morlos Jous salteadoros : Naba
e Custo, em consequencia de tereuv resisiido na
occasiao de serem surprehendiJos petes aldeaos
da ptovincia de Canacona. Eram. estes os doui
unices que ainda restavam da quadrilha dos lla-
nos, que ha muito devastava aquelle piz, o qual
na actualidade se ac.alivre dossalteadores.
Foi entregue as autoridades portuguezas o sal-
teador Bahil Gopal, fugitive da cadeia de Margin,
e qne se achava refugiado no tcrritorio britan-
uco. onde tambem ha salteadows.
Nao obstaote disoorem os iaglezes de grande
forca de policia bem orgaaisada, oflerece agora o
encarregado della mil rapias a quem descobrir o
refugio de uma importente quadrilba que iufesta
o territorio britannico.
As demais noticias da India portugueza sao
pouco iuteressantes.
Cousla como certo que ogovernno vai man-
dar um uavio do estado as aguas do Para, alim de
transporter para Afriea aquelles deotre os uvora-
dores portuguezes que desejam abandonar esse
paiz.
A nossa impreasa torn feito raui seteras cousi-
deracoos aceroa dos faetos que alii se tern dado
Ultimamente eontia a oolonia pirtugueza, e que
por certo reprovaut tedas as pessoas sensalas
d'auuella provincia.
0 caracter brasileiro nao- cremos que possa
applaudir excesaos e revindictas que tentain a
deannir os portnguezes alii domiuiiiadus dos. natu-
raes do pait, quo em ultima analyse, de Portu-
gueses e que procedem.
Sao 300 os portuguezes que dejejam ser trans-
portados por conta do nosso governo para a Afri
0 uaufra|io recoute do vapor Yille it Lisbon*
Chagas^ deputado por aquelle districto; e do Sr.
Moita c Vaseconcellos. Havia grandes fostejos
preparades para a recepcao do illustrc ministro
one vai assistir a inauguragao ax estrada das
Pedras Lavradas na Covilha.
No dia 15 do corrente casa o Sr. D: Jose de
Saldan'>a d'Oliveira c Souza, (irmdo do conde de
Rio Maior) com a Sra. D. Barbara Proenca, uma
das mais ricas herdeiras de Portugal. Sao ma-
drinhas as Sras. condessa do Rio Maior (D. Mhria)
e -condessa de Silva Sanches.
0 noivo deixa o lugar de director da casa da
moeda que tern desempenhado com distinccao
Vai ser nomeado para o substituir o Dr. Agos-
linho Lourencoi, illustre chimico porluguez (natu-
ral da India) e mu'to conhecido la fora no intindo
srieniifico.
Continuam alguns periodicos a fallar na pos-
sibiadade da amoriisagio da divida consolidada,
asseverando mesmo que se incluiria ja no orca-
inerrto uma verba de-tinada aqnelle flm. No or-
camento figura ha muito aquella verba para
amortlsariio, e as difflculdadcs do thesouro e
gue nao tern permittido que ella seja devidamente
applicada.
A lei de 1845 estabeleceu uma amortisacio de
titulos- eomprados com 25,0oO effeclivas todos os
annos e mais a somma correspondente aos juros
dos ttiufoe <|ue assim fossem sendo retlrados da
circulacio. Ter-se-hia amortisado para lima de
tres milhoes sterlinos ji, se o toesouro nao tivesse
lancado roao d'este reeurso.
Entretaiito, bom e saber-so que a receita arre-
cadada nos cefres do continente em julho deste
anno, e aproximadamente o dobro da que se co-
brou emjuuho de 187.2.
Diz-se quo para o anno que vem SS. MM.
irao tomar banhos nas praias da Figueira da
Fox.
Annnnciou o banco de Portugal que no sab -
bado 11 do corrente terrrfinaria o prazo para a
raiilicacao do emprestimo.
Dcclarou tambem o mesmo banco que ja se ti
nham recebido dus subscriptores cerca de dous
mil e 400 cootos de escriotos do thesouro, o
que corre-ponde a estar paga igual quantia.
Jos bancos do norte (do paiz) ainda nao veio
apuramento.
O orcamcnlo do proximo futuro anno econo-
mico, coordenado nos termos do regulameuto de
contabilidade, isto e, referindo-se as reoeitas e des-
pezas do anno 1872-1873, tera um deficit pouco
menor quo o nolado para oanno economico actual.
E' verdade que o augmento que ja vao mostrando
os rendimentos das alfandegas de 1873-1874, liao de
por certo, coDrir essc deficit e deixar talvez algum
saldo ; mas esse saldo diz-se que sera para atten-
der as deduccoos dos vencimentos dos funcciona-
rios do estado.
Houve promocao e foram preenchidos os lu
gores vagos na administraeao central do correio de
Lisboa, e na reparticao de contabilidade da direc-
cao geral dos correios.
Foi exonerado o commissario de policia
de Lisboa Antonio- Vieira Caldas e nomeado rece-
bedor da comarca do Alemquer. Foi substituido
na policia pelo Sr. Antonio VM Mascarenhas.
Foi dissolvida pelo governo a camara mu-
nicipal de Leiria por muitas irregular idades que
sanccionou, devendn proceder-se a nova eleicao
dentro de 30 dias. Foi metlido em proeesso o res-
pectivo escrivao.
Foi hontem o primeiro dia de feira do Cam-
po Grande, suburUos de Lisboa Grande con-
currencia; tempo delicioso. Vendas importantes
de gado. 0 Lannanjat (tramway a vaporj.condu-
zio para alii muita gente.
Os omnibus, cltir a banes e toda especie de^ve-
hiculos iam para la cheios. A felra e uma das
mais antigas que se fazem nos arredores do Lis-
boa.
Era alii que nossos avos hiara sortir-se de pan-
nos de linho, coberteres, nozes, passas_ e amen-
doas para tedo o anno. A feira entao fazia se
deutro das alainedas do campo e nao na estrada
como ha dous annos. Ranchos e ranchos senta-
dos pelo chao a sombra das arvores seculares
(hoje substituidas por novas plantacoes) tasquinha-
amem sante paz o conleudo dos seus farneis sue-
culentos. A saborosa isca de carne de porco era
alii que se principiava a provar e tudo por Cm se
mergulhava em genuinas libacoes do mais puro
cartucho, Lavradio, Torres e Termo.
Tudo isso ja vai passando.
A feira e quasi uma semsaboria. Nao diverte
nem convene, como muitas outras antigualhas po-
pulares que ja pouca razao tem de ser desde que
os mercados da provincia, por causa das rapidas
communicates, estao a poucos minutes da capital.
Nesses tempos tambem em que nao havia inter-
nacionaes, nenijmw, nem discursos de bonet
phrigio, nem os inechanicos se mettiam a politicos,
havia muito mais sinceridado nestas diversoes po-
pulares. Tomava-se uma grande carraspaua- oom
a maior sera ceremonia do mundo e voltava-se do
Campo Grande cantando e fazendo SS pelo meio
da rua, sera quo a gravidade oporaria soffresse
com isso nem uma sombra sequer. Outcostem-
pos, outros costumes 1
0 servico da telegraphia em Portugal cada
vez esta recianando mais a urgeneia, de uma
reforma.
0 pessoal 6 poqaeno reiativamente e mal reinu-
nerado. Grande numero de telegrammas chegam
mais tarde do que as cartes pelo correio, o que faz
grande transterno, alera de ser dinheiro perdido
para quem os expede.
Oualquer trovoada 6 pretextopara incriveis alra-
ws na expedicao dos telegrammas.
E" curioso o que diz o Diario de Notieias da
tal seu&orita Puccinely (D. Florentina Mina) di-
reetera e redactora do perioiico El Leon. E' ca-
pUao dos voluotarios da raorte, membro honora-
rio do club republicano e do congresso, foi com-
mandante da legiao hcspanhola as ordens de Gari-
baldi ; fez a guerra encre a republica franceza e
o imperio prussiana e foi ferida na batalba de Di
jon, naqual demonslrou coragem heroica. Re-
presentou Garibaldi no congresso de Bordeos no
dm da guerra. Tem 36 aunos ; foi capitao da 2
balalhdes de milicia franceza, e ultimamente passou
a Barcelona onde organisou um batalhao de valun-
tarios contra os carlistas. Por varias intrigas reio
para Malaga, d'onde a iransportaram par?. Portu-
gal.
Na Prussia tem familia, mas nao p6de regressar
alii, por ter seguudo dixem. a cabeca posta a pre
mio. Emigrou de Franca ; tUorarn-na sahir de
Hespanha ; esteve agora ha dias cm Lisboa, mas
o governo mando-u sahir dentro de 14 noras, on
entao seria recolhida a bordo de am uavio
falla iogluz, francez, allemao, ner-
panteol e ru;so. 0 commissario geral de policj*
fez com que fosse photographada com os seus uni-
formes de capitao commandante do batalhao em'
Barcelona, sob as ordens d>> coronet Camps, qne
com ella iWera a guerra trasco'prussiana.
0 goveraador interino de Quelimane, o Sr.
M.igalh.os Alv.ki, esta procedendo a uma obra
de grande udHdade. qual e a obertura do canal
Massollo. que liga o rio Quelimune com o de Ma-
cuse eoutros, eqao pora em commnnicacio todos
os prazos hauhidos pelos rios. Teucion.i em M-
guida abrir o car.hideBorabuaudo, quo liga o /.am-
beze com o rio dh Quelimane.
Esta obra sera db incalculavel beneficio tanto
para o estado, como para o commercio geral.
Espera-se q ie no principio ite anno proximo
comece a funccionar a fabrica (real) de fiagao de
Thomar.
Ha tempos lhes fallei da morte atrocissioia que
soffreu o barao de Pono de Mar, victims- de sua
riqueza. Varias prisdes se fizeram enlaor sendo
formado um proeesso que se tornou notavel, pelas
testemunhas e reos que nolle figuraram; sendo
nm destes ultimos um parente muito proximo do
assassinado Pois ha dims dias foi preso proximo
de Lisboa, um indiciado no mesmo crime, 9 que
ja por duas vezos tivera antes de escapar-se a
accao da justi.;a. Chama-se Jose Ribeiro Carva-
Ihada e e trabalhador.
Teem sido geraes os regosijos, pela salv.icao
iniktgrosa da rainha a senhora D. Maria Pia> e
dos infantes, qo; na minha ultima lhe retati
minuciosamente. Teem havido Te-Detim em quasi
toda as parochias de Lisboa emaocao de gracas
por a<|uelle successo. 0 visconde de Mossame-
des, reader de servico, assim- como o valente
salvailor Almeida Neves foi condecorado Com &
h.ibito da Torre:Espada, pelos rliosos servicos
prestados. Sua magestade a rainna foi agraciada
com a medalha de ouro, de valor e generosidade-
philantropica, pelo inodo valoroso como contribute
para.a salvacao de seus filhos, com risco da pro-
pria vida.
Tem produzido grande extraoheza esta me-
dalli i coneedida a uma mai por acudir a seus*
filhos I Quantas medalhas nio seria preciso
cunhar todos os dias 1
: Esteve para se reproduzir em Portugal mna
parodiada quested Hidalgo que ha tempos se ori-
ginou era Hespanha,
Eis o caso : Um tenenle chaaiado Vivaldo
que fez o seu tirocinio na arma de artilharia, mas
sein o curso superior, e actualmente- servindo nas
pracas de 1* ordem, foi promovido pelo ministe-
rio da guerra ao posto de capitao para a arma
de artilharia, nao tendo comtudo o-general di-
rector da arma feito a competente proposU. Logo-
que I'ssa promocao saliio na ordem- da exercito.
a offlcialidade scientifica da armi, combinoit
uma represc-nlacao a sua magestade, para que de
modo algum, em 1873, passasse a fazer' pane do
quadro d'artilharia, um offlcial sein as habrlitacoes
superiores. 0 respectivo ministro logo que teve
conh-cimento deste facto, deu o devide deslino
ao offlcial promovido, mandando-o para uma praca
de I* ordem.- As-im se eviiou uma q^iestao qne
podia trazer eomsigo alguns transtornos e diffl-
culdades.
Conlimiam a fazer se em Lisbda simulacros
do batalna pelas dilferentes origadas ite guarnioao.
0 resultado e, de certo, o mais effleaz possivel.
Foi resolvido na commissao que ba dias se
reunio, no respectivo ministerio, que aaa se man-
dasse para a exposicao que em breve se abre em
Londres, amoslras dos vid'ios portngnezes, por
se reconhecer que o tempo que inedeia, ate a
enoca em quo as amostras devem ser entregues
alii, nao e suffleiente para se colligir uaia collec-
cao em condicoes rogulares.
Ja deram entrada no thesoure, cerca de
2,401 contos de re'is em titulos da divida fluctuan-
te, dados en> paxameuto das subscripcoes do
emprestimo nacional.
0 corpo docente do real collegio militar
pedin a sua demissao, menos o padre capellao e
um sobriaho do Sr. Fontes, em consequencia da
demissao que foi intimada ao professor de francez
do collegioj o Sr. Celestino Soares, professor ha
22 annos, com bellas informacoes, e decano do
respe;tivo conselho. Julgando o professorado a
sua dignidade e independencia menoscabada, apro-
sentou a sua exoneragao como protesto pacifico.
Foram 9 os lentes que se exoneraram, tendo de
recolher as fileiras do exercitp. 0 governo acei-
tou as demissoes pedidas e encarregou o general
director do collegio, Jose Paulino do Sa Carneiro,
de quanto antes propor outros professores.
Eifectuou-se no dia 8 do corrente a abertuia
da escola-medico-cirurgica de Lisboa. Assistio
sua magestade el-rei, acompanhado do ministro do
reino, do director geral da instruceao publica e
dos empregados superiores, aquelle estabeleci-
mento. Foram quatro alumnos os premiados.
tendo em tres premios em outras taotas cadeiras
Na cadeira de partos foi tambem. premiada uma
alumna.
A sosiedade industrial de Vienna d'Austria
concedeu cinco medalhas a expositores portu-
guezes. Esta sociedade apenus concedeu 10:.
medalhas aos expositores de todas as nacdes que-
concorreram aquelle certamen. Um dos premiado*
foi o Sr. Adoloho Lallemant, r>pographo, estate-
lecido em Lisboa.
O ministro de Portugal em Vienna d'Aas-
tria recebjiu a gran-cruz da ordem dos varoes do
Italia, qpe lhe foi offerecidn. por el-rei Victor
Manoel, na occasiao em que visitou aquella cidade.
Tom continuado interrompidos. os conselho* do
guerra para julgamento dos militares impticados
no proeesso da revolta, por motivo de doenca do
respectivo auditor.
Esta indigitado para preceptor dos principes de
Portugal, o director geral do miaisteno da justica,
o Sr. Henrique 0. Welk
Vio ser melhorados. os vencimentos dos empre-
gados dependentes da direccao geral do? telegra^ ,
phos e pharoes do reino de Portugal, que forem-
servir nas ilhas da Madeira e do Cabo Verde, na,
linha submarina. Estes ultimos tem soldo dobra-
do e ajuda de custo para viagem e casas.
Na seccao porttigucza das gaterias da exposicao-
universal de Vienna, apparecemm as medalhas a
diplomas que a associacao promotera da tndustria.
fabril portugueza conferio aos seus socios exposi-
tores. Sao de- oronze e oiiiimamente gravadas. A
associacao tem. socios bjs primeiras eatades da
Europa, como, Londres. Manchester, Vienna, e
conferio diplomas e medalhas aos seus socios ex-
positors estrangeiros, tanto aos que retaelteram
colleccoes para Vienna, como aquelles que as tem
mandado para o museu lechnologioo do institute
industrial e commercial de Lisboa, e estao alii em
exposic?.) permanente. A associacao alludida foi
a prim-iira a deserapenhar-se do seu compromisso;
pois as medalhas da exposicio de Vienna, as das
assoojacao industrial da Austria, e oulras, ainda
naa foram apresiWadas. A iniciativa de tudo isto
compete ao Sr. Htsso da Siivcira.
A commissao central de dezembro de 1640, faz
nos principaes joruaes um manifesto agradecendu
ao Sr. visconde de Sanches de Baena, e a todos os
de nais subscriptores brasileiros para a oonstruc-
cao do monumnato qne se tenta erigir em 1 iiboa,
afim de tomar perpetuo o glorioso feito patrtotico
d'ondalhe veio o nome, e os relevantes servicos
prestafcs a favor de tad nobre erapenho, decidindo
por unauimidade que na acta de uma das ultimas
sessoes, se Czcjie de tudo a devida mencso, con

1
MM
I



.*.
--

JtC^I
-
^
HI


*>
^ iXM 3U UftlliTJO M #JH3'4 iPfctfWjfc Pernambuco Quanta feira 29 de Outubro de 1873.
i .


r
/
v
>^*fssia^
as expreisSbs le louvor eondigno
lanto brio e inignanimidade.
Obleveso PfiUWio do suhscrip.ao publica a {-.lito prtugpcz.Diogo Jpse da Silv.a, G>*H> >-
Btocda biasilcin. A coin-f t'Intciraoo do conteudo dos document)',
quantia cle
inissio que estaTBBjwnando do Rio do Janeiro e
c omposla dos 3ttMtde da Sslrella, presidente ;
commendador j^gMlpqAugusto Teix.eira, vige-pre-
sid elite; Francisco luiz Salgado, l. secretario ;
Miguel Pinto dz. Cista Aguiar. 2. secieario ; An-
tonio Jose Alves
rarrubros, como
Os prineii aef
services prestadoa
gueza, Augusto d~
porto do gnerri, ^
do mosno no a
Wdliam Edgar
IT%psouroiro; e niais ow
nacj du LisbJa oxpocm os
|o ollcial da mariaha portu-
alho, eomman lanle do trans
imane de estagiiOi no porto
barna mereante franceza,
fcrreu para o concerto daqucl-
ie navL, quo si m dtwiJa se perdcria, se nao fosse
oseu vaiioso iuxilio e dos valentes naulas que
compSem a murnieaft do transporte portuguez.
Noliciase a \mda a LisbOa d> visconde de S.
Januario, governalor de Macau. Vein com licenea
do governo de melropole Paroee i|ue vai ser no-
meado minisln plenipotentiary do Portugal junto
ao Celeste imp-Tio. Fall.i-se em que vai para g >-
veraador de Macau 0 Sr. Baptista de Andrale,
capitao de mar e gucrra, ex-governador ger?l da
provincia. do Angola.
Foi repieuiJ.i. pelo ministerio da justiea ao
jnizo de direito de Coimbra, a planu e mats dese-
jihos do projecto da penitenciaria, para aquelle
districto ; alim de ser dado 0 parccer sobre aquelle
tjdifieio. 0 projecto esta orcado em 4):8800OD.
A plant* comp -ehende "\ cellulas para homense
16 para mullxo's, 1 abitagiio p:,ra o deleg.ido do
procariWor r\:io, e careereiro, salas para o juiz e
empregalos e ufflcinas indispeusaveis.
Comp 0 trnipo ainda vai magnifico tern cun-
tinuadu i.s corridas de touros na Galeguu, Santa-
rein, Setabal etc.. etc. No dia 29 e a aberturado
theatro l;>iico. Valtia- nos isso, ao menos.
L.
=~^
35
race
INTERIOR,
RMI> DE Jt\i:iill>
decreta Rcforma.
Trouxs hontem a imprensa doclaragdes que nos
salisfizoram, 0 Sr. frederico Rego, illustrc paladi
no da Btfermu.
Nem 0 conlrario pidia aconlecer, possuindo, co-
1110 cremos, anielle cavalheiro conscieneia limpa e
<-orag.io de inoco.
Disse :
Que 0 decrelo do Sr. consellioiro Jo.io Alfredo
troflxe inquost. uavelineute vaotageas a instruc-
$5o, refluida to la para 6s grandes centros ondu
existciu acadeaiias.
Que era reabnente injusto que aljiunias pro-
viaci.is tivessiMi a faculdade de conceder liiulos de
hatiilita^iio para o curios sup nor.<, o'mquanto
outras diaher Ja las ile ignal favor, tin lam fle en-
viar os sens li' o< a longas distaucias em busca
de conheoiinentos quo nao lh;s po'iam foroe-
ccr.
a Que 0 decroto, estabeleceado a igaaldade, hi
des.jipareeer ;. i.d,)sa eWiJpsao, b tri'.'0 in'ii'.o
manifest) de hvanlar 0 easin 1 socaadario tao des
luezado na nirior paxte do paiz.
Ate aqui tain irmamente pensado comaosco oSr.
FrcJerieo Rego. Outrasnao s3>i as id.'as conttdas
.:in iiosso primeiro artigo.
Tern, p ircui, dito antes, que si um raro favor
desprende-so a custo das uiau-t avaras do poder,
aao filtam liy.ua-a para celebra lo, 0 0 proprio
g.ibiuote man 1 pregoar com 1 sou a |uillo que elle
ebama '.riumpho incruento, 0 quo u apenas :\
vi.-.i.r',i h o.uuiai, depots do long;', c po.liada
iuli.
.'liu.li bem iuo 0 decreto e a v.ctiria da opiniao,
0 que, li nge de empanar, ainda mais roalea a glo-
ria do :iiiniteiio.
\ 1 se 0 das iiae.vVs cult-as n\j so elavam os ga
biaetes ;enai j roc dendo as-i.n. Sfu estas as nor-
111 is, este e o I.-al do govern j represeijlativo.
Querecia acas 1 0 iliustre e-criplor da Befarm-t,
que fosse ft deerulo a condensagao do ideas ex-
U-aahas ao pel iaiu.mw publici ? Tal tlieona nao
scria di^na do nus, nem lauibem dcs^es climas,
dVude uos falli oSr. Rego, climas reputadosame-
110s por >e diziavm da libcrdado a cujo pooeroso
tufluxo naodei'em vingar scaao priiic;pios saos -
plantas ;em enxeilo e ^em verme roelor.
Ora, si ft decrelo foi a victoria da opiniSo, era
natural que iaj Cailassem hymooa para cele-
bra-lo.
As viet.nias da opiniao sao semprc recebidas
earn applausos, coin espoulauea manifestaeio ; e
desla \erdade ioiiie/e-ins iac mtrastavel prova 0
prourio esc rip .or, que fez a devida justiea ao de-
creto por mero impuiso, alias rauilo elcvado, do
sjii e>|iiu'to, Coino, pois, oquea todos cabc eomo
direito 0.1 meliior -lev-'r, scriios-!iia levado a i.'on-
ta de praj'w encomiiuadid'tl Nem querem os
liberals |ae lunbaiaos a liberdade do dever?
\rictona da apiniao foi a emancipaeao do cle-
11! 'IUO -I'i'vil ; e Indus sabeni que cicatrizes, ver-
Jade e que inuilo glorjosaS, guarda ainda o govor-
no dessa batalba lioneriea. vingue.n diraqueme-
rai olio meaos por isso, da gralidao da patria.
k'ietori i ,1a npiiwail I M.is as victorias da opi-
niao cusiam, 0, eomo to.las as victorias, eojtumam
dt'isar aiii- si invalidos j laaiulos nas regiocs pa-
liiieas. Ila mssas Unas iuiinigos que veacef, eas
;ii.us das viv. s que inimig 1-! paixoes dissolves
let, mil dene ih.s il sy-tematica reaeoao do que
i ioainnei.il 0 talento eslrategico, a arte desubter-
fngir.
So di.zcr do o&cxiplor a quern estaaios resp >n-
J1-11I0, nai :ai nitflhoramentos, embora Dtois,
que necossilai 10s, por6m sim, uma relorma com-
pieta da base para 0 apice, e antes de tudo a emau-
cipacAo la esc ila.
Alas q lem naft ve 0 qiii lem feilo 0 iafaligavel
Sr. cuns.'ilieir0 Joiio Alfredo a bem da iastruc(;ao
primaria. (nsiituem-se e;n quasi lodas as provia-
cia< sociedades propagadoras dessa iastrucjiw,
ediJicaui-se casas paraescolas, cstaaelecem se bi-
tilioiliecis pullic.is. Escolas, ae.ctuiuas paraalul-
tos, 0 iMpnae; para senh iras vao sendo creadas
em dilferentes provincias.
Nao siiiein s que, em tempo al.u'un, entre nos
tanto se haja eito a bem desse ra no daa.'tividade
intelleclaal; nem mais se poderia razoavclmeoie
oxigir dopatri ilisnio e da solicitude niiaisterial tjne
tanto lem prrduzido.
A eou.Dcipi.iyto da escola perleace as provincias
Pernambuco leerotoq este ami) a liberdade dn
ensino.
Que outra c :nancioai;ao querera 0 Sr. Frederico
Rego? Nao atem ainda assim a Prussia nem me-
Ibor os E-tadiis-Caidos.
A in-truc-'ao leiga, obrigatoria e gratuita cis
os grancles re'iamos dos povos que procuram pela
paz elevar 0 ea nivel moral diz 0 joven cs-
criptor.
Nao temos mitra especie de instruccto. Pernam-
buco, por exemplo, na sua le: do l!i de maio de
1835 eslabefeee ptnas aos pais, tutores e curado
res que nao ilerem o eosino primario aos filhos
maiores d; sete anaos. NSo fez raelhor a Franga
depois Je 89.
Quaado e fanatismi tern dito j:i 0 Sr. Frede-
rico do flego -procara avassallar os espintos, e di-
vilir 0 imneri'j em efdadaos 0 lleis, er,tregar-lhe c
eaiiao secii u n orro fatal a liberdade.
Mas queia rai eutregar 0 casiao au faoali- ii '
Mero pbanta- aa.
Lombra 0 eseriptor 0 projecto de creaeAo de uma
aniversidade, projecto qi' extranlia nao leoha
aiada surgilo
A nD'idade e impa.'ionto, 00 Sr. I'redarico Re
go i luoeo.
. Din qae a iu itidio immensa que vive do tra
lialho (le todos os ilias con'.iuua a iguorar a exis-
teucia do alphabet i. Sera a mingua de escolas
ede miavel i;o)paraiodoi podores pnblicos eda
popular, 10 aluoiiada das cidadesf
Outras sao as causas que nos eximimos a discu-
f ir, por amor da brevidude, e |ior serum tanibein
ja Uo eonlieci las e debatidas.
Aorapanaareaios o Sr. Frederico Rjigo de per to
e de boa voatade nas sua* caaaidera509s sobre 0
decrelo dd 2 de outubro.
(Da A'dfdo).

R11VISTA DIA^IA.
Mialsterio dos cstrangreiros. Foi
expedid(i 0 sejuinte aviso :
X. 10.Ba> de Janeiro. -Ministerio dos nego
ci estrangeins, 11 de outubro de. 1873. illm.
Exm. Sr.-**Tanno presence 0 ofQcio n. 18, que V
I'-xe. diri|io>-m; com a data do 17 de setembro pro-
ximo flmfo, daido conheciioeiito da reelamariao do
consul pjagt,ez nessa cidade, em conjiequencia de
haver 0 juiz 1 muieipal e de orphaos do tenno de
Goyanna reensado recoahecer a competeaeia do
geate cinsular da mesma na^ao no dito termo
acompanharamo clladft offleio. to^ho a sati-tacao
ilo approvar a resposla qo V. Exc. deu ao cousut
Jo Portugal, porquanto trataya-se dp espolio de
ama brasileira, quo se easara com o subdito por-
r.agucz anterionnente a lei do 10 dejeteinbro de
a respetto doqaal'iieahuma iugerweia ca
aqaen* agente roasular. Cumpre-me, entreta-
ucrescentat qoe qnando so nao deseo cs>a ojf
eumstancia. e a f.dlecida fosse scibdita portogueza
; tivesse deixado Mhos meaoi'es, como Jeixoa,
linda assim nao seria aJmissivel a Inierveneao do
ageate consular porMguez, por isso que a dispen-
-ava a presenca do pai, tutor legitimo c natural
Jos ditos meaores. Aproveito a opportunidade
para renovar a V. Exc. assegurancas de minha
nurfaila estirrta e dislincta consiueraejor Viteonie
iTVaraveilas. A S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia de Pernambuco. Cunpra-&o.. Palaaio da
presilencia de Ptrnambuco, 28 de outubro de 1873.
- Lucena.
Thcsouraria provineiiil -Per portaria
da presidencia da provincia, de 23 do corrente, foi
ap-.isentado, a seu pedid), 0 commondador JosS Pe-
dro da Silva, no lugar de inspector da thesouraria
provincial, de accordo com as leis ns. 683 de 5' de
maio de 1866 2' c 5\ 1,103 de 28 do maio, e
1,114 de 17 de junho ultimo, com os vencimentos
que Ihe competirem ; e foi nomea lo para 0 subs-
tiluir ochefe da la sed;ao do e^nsnlado provincial
bacharcl Antonio Witruvio Pinto Bandeira Aceioli
de Vasconcellos.
Cntsiilado provincial.Por podariada
presidencia da provincia, de 28 do corrente, foi
nomeado 0 bacharcl J >ao Djni*Riboiro da Cunha,
chefe da 2" seccao da secrelaria do governo, para
cliefe da 1' scccao do coasulado provincial.
Secretaria do governo. Por portaria?
da prosideacia da proviacia, de 28 do corrente, foi
removido e bacharel Jefferson Mirabeau de Azeve
do Soares de archivista para cliefe da i' seccao da
secrelaria do governo ; e foi nomeado Jaquim
Pedro Barrelo de Mello Rego, archivista dessa re-
particao.
Guarda nacioual Por portarias da pre-
sidencia da provincia, de 27 do corrente foi pri
vado do posto de alferes secretario do 38' batalliao
de infaniaria do inunicipio de Cimbres, Manoel do
Nascimento de Siqueira Barbosa, por nao ter tira-
do patente, send) nomeado para Qsubstitirr Ma-
noel Coelho Lins do Albuquerque.
Autoridades policiacs. Por portarias
da presidcocia da proviacia. de 2o do corrente, fo-
ram nomeados 2 e 3* supplenles do delegado do
termo de Ilambe Luiz da Veiga Pessoa Cesar e
Antonio l'orfirio da Cunha.
Instruefao publiea.Por acto de 28 do
corrente, e tendo precedido pedido do intoressado,
foi aposimlado pela presidencia, nos lennos das
leis ns. 1,108 de 17 de junho ultirao.o Exra. Sr. Dr.
Joaquim Pires Machado Portella, no cargo de di
rector d 1 instruocao publica desla proviucia, coin
os vencimentos eorrcspmJenles ao tempo de ser-
vii'o, contado de accordo com as leis citadas.
Questa relijjriosa. 0 Sr. promotor
puiilico da c.i.narca do Recife, Dr. Jos^ Joaquim
de Oliveira Fon.-cca,.dirigio honluin a S. Exc, 0
Sr. coaimeiidador presidente da irjvinciaj 0 se
guiuto olfleio ;
. Recife. 28 de outubro de. 1873. -Illm. e Exm
Sr. Em virtude dos faclos constaates de uma re
presenlacao a V. Exc. dirigida pela irmauJaJe do
Santissirao Sacramenio da freguezia de Sauto An-
tonio, doi perante 0 Dr. juiz de direito do 2. dis-
tricto criminal uma doauncia contra 0 vigario da
mesma freguezia, conego Antonio varques deGas-
tilba, por crimejle desobedieucia ; seudo como
tal qualiflcado 0 pracedioiento d'elle em relai;ao a
decisao proferida pel) |v da inencionada irmandade.
Tirada a copia da denuncia, por forca do res-
poctivo despaelio, foi reniettida ao denuueiado para
respon lor 110 prftxo legal, 0 depois os aut ia noo-lusos ao" supradito juiz. para
deci lir se torn 011 nao lugar a formae.ao da cil|ia, a
vista da denuncia, documentos em que olla se fun-
da c resposta do d"nunriado.
Aguardo essa decisao, para recorrer deila, ou
promover os lermos de formaeao da culpa, segun-
do 0 snntido, em que for proferida.
Tratando-se do faclos successivos, da mesma
natureza, praticados pelo mesmi individuo, e com
a mesma inleacio, pareceu-mj nao haver fanda-
inenlo para reproduzir a denuncia. e podir duai
fezes a mesma pena, em raziij do facto couslante
da represenlajao de Joaquun I'rancisoo de Mello
Calm Junior.
Creio ter assim respondido ao ollicio de V.
Exc, quo, sendo datado de 23, foi par mini hon-
tem recebido.
Deus guardo a V. ExcIllm e Exm. Sr.
comnumdador Dr. Henrique Pereira de Luccua,
D. presidente da provincia. 0 1. pre motor pu-
blieo. Jo'i J.aqiiim de Oliveira Fonceca.
Jury do Recife. Tendo cjtnparecido 30
Srs. juizes de facto, foi sorteado 0 conselho Je tenca que se conipoz dos seguinles Srs.: Emiliauo
Ernesto de Mello Tamborta, Francisco Antonio da
Silva Cavalcante, Caadido Thomiz Pereira Dutra,
Joiio da Cruz Mace.do, Ig acio Alvim da Silva,Ma-
noel do Amparo Cejd, Jose (tomingoes (^odeceira,
Antonio Cardoso de Queiroz Fonceca, Dr. Olympio
Marques da Silva, Joaquim Frapcisca do Espinio
Santo, Dr. Affonso do Albuquerqne Mello, Antonio
Rulino do Andrade Luna.
Foram submettidos a julgainento os riiis Lou
reneo Jaslinlano iNery e Joao Felippe Nery, pro-
nuncialos no art. 2Bi do codigo criminal, tendo
ambos por advogado 0 Dr. L. E. Rodrigues \'ianna.
Ea\ vista da decisao do jury foram os mesmos
ab-olvidos 0 poslos em liberdade.
Dciiuneia. 0 Sr. Dr. 2" promotor publico
desta capital denunciou houtem per.nte 0 Dr. juiz
de direito do 4" district > criminal do capellao do
iemitcrio publico que so recusou a resar 0 me-
injiito a (pie, ptlo regnlamento do mesmo cemite-
rio, de o de fevereiro do i872 e obrigado, por oc-
casiae do eatorramealo do Elias Francisco Mindel-
lo, polo facto de se achar prescnte a irman.ladc do
Saotissimo Sacramento da matriz de Santo Anlo-
nio.
Os crimes cm que incorreu 0 denunciado sao os
dos arts. H.EU*a ao mei'ito. Apos o2 annos do
Servians publicos, apos meio seculo do mais liel e
honeslo procoder no camprimento de sens deve-
rcs, c.irno fnnccioiiario poblico.acaba de obler sua
aposeatadoria no cargo de inspector da thesoura-
ria provincial 0 Sr. commondador Jo.-ii Pedro da
Silva.
Reunindo as apliddes exigidas peios mlsterep
daquelle tao importantc lugar a mais severa tir-
meza de caracter, 0 Sr. rommendador Jose Pedro
da Silva recolhe-se a ?ida particular seguido da
mais iriinosa tradiccio, que a rar*s acompanha em
cases se njlhv.ite*. *
Seria 1 ara lamentar em dobro a retirada de tao
zeloso e grave funccioaario, da ia-speccao da mais
imporiante repartiQao provincial, se 0 clevado tino
administrativo do Exm. Sr. presidente da provincia
nao se revelasse ainda uma vez previdente e cir-
cumspecto, como aconteceu, nomeando para snbs-
lileir ao Sr. commendador lost Pedro, um cava-
lheiro tiio disiincto e recommendado, como aquel-
le, pelas relevancias do talento quo 0 distingite, da
illustrac-ao technica que o caracteris.i, e da hum-
bridade que 0 exalea entre os melhores, 0 Sr. Dr.
Antonio Witruvio Pinto Raadeira e Aecioli de Vas-
concellos.
Muito tern a provineia a agradecer ao primeiro,
como tudo tern a eonfiar do segun do.
E' assim que, com 0 mais intimo jubilo, sauda-
mas a devida distinccao que, ainda a tempo, die-
gou a recompensar os meritos que ha muito so-
brelevavam 0 nusso disiincto amigo, Dr. Wilruvio,
aos olhos daquelles que justamente oapreciavam ;
e que applauJunijs o givernoda provincia pelo
acerto com que se houve ao acto que praticou, no-
meando-o inspector da thesouraria provincial. .
Nosso antigo e fratemalmente dedicado i-oinpa-
nhoiro aas tides da imprensa joraalistica, cum lo-
das as abun Ian Mas do coraQao, so lemos a dese-
jar-lhn nesto momenta que. a altura da espinhosa
missao que Ihe foi iacumbida, paire sempro seu
noine sympathisado e honrado como ale ftoje lem
si do.
PaRsamento. Apos longos padecimentos
deu hontem a alma ao Creador 0 commendador
Antonio Jose Gomes do Correio, adminiBtrador
aposentado do correio desta proviacia, e mordomo
effective da junta ad minima liva da Santa Casa da
Miserlcordia, na idade do 73 annos. O finado era
horoem respeitavel, qucr por 9eu comportamanto e
quer por sua fortuna.
A' sua viuva e lilhos nossos sinceros pezames.
; Illiwtracao heNpanhola e ameri
eana. Acabam de cbegar os ns. 35 e 36 deste
jornal madrileno, recommendaveis nao so pelos bel-
los arligos que Irazem, como pelas mleressanles e
raomentosas gravnras.
Associaeao Couimereial Agrieoia.
Nao se realisou honiem a sessao da assemblea
f-geral dos raombros desla asweiacao, por falta de
immero legal.
>|M.
Vapores cspei-adiis -A 29,0
He, dodtio da Praia e escalas; a I de
o auiotaoano Ooto**, da sul do impfl
fraHcez VtUe ifr D imi, do Ilk) da Rr.iU
ra^ ff^RHifl^lcTei huiiaiii'(, da Eur
geli ml 4c tjth4 -c jjMii"..
Vaporesi a m^ttlr. Hoje o tionQalves Mat-
tins, para a Bahia e escalas ; amanbi 0 Ipojuca,
para 0 Acaractt e escalas, e 0 ilitiiahjt, parao
racajlfe c
iVmbr ^Vf (n^H- H^B ^W sess* or"
dinaria as horas c no IfHr d^^Blame.
I'lulotiiulu Ifaveta h^Hossao extraordi-
nana para joramenlo da nova flastiiuicao.
Falleelmento. Na villa do Truuopho, fal-
leceu ulttoameate de raolestia de peito Sr. Jose
Pereira Lpmos dosta praca.
>ivlos eaeontrados. A barca ingleza
Pitinjiro, entraJa nesto porto em 20, procedente de
Greeuock, declarou ter communteado em 13, tudo
do corrente mez, com a barca da mesma bandeira
area
32',
em 27
cidade
denoiuinada Suntitiyo, 11a laL 12', i N long. 27'
20", cm viagem de Liverpool para Valparaiso com
MM.*1 ** ^^r^W%/,
- 0 bialfl iDglez Impute,; chegado a este porlo
no dia 27 com procedencia de New-York, commu-
nicou cm i'6, tudo do corrente mo*, com r fc
Amei Martha Darin, na long. 31'S3", lat.
em viagem de Boston para S. Francisco.
Escada -Escrevem nos desta cidade
do corrente :
Terminaram hontem as missdes nesta
e segue agora para essa capital 0 ftvd. E^ Veflan-
cio, prefeito do hospicio da Penha, 0 qual desdo 0
dia 0 do corrente mez so achava enlrj nos, e mui
poacos mementos teve de deseanjq por se havor
empregado com a maior abneg;icao na recftnstruc-
c.ao da uossa matriz e d s verdadeiros mys'iri,,s
da oossa santa e sublime religiao, para cujos fins
nao poupou os meios a seu alcad;a, e,a seu zeloe
admiraveis esforcos, devpmos 0 desapparecimento-'
das ruiaas da wllia igreja que servia do matriz e
sobre ella surgirem os alicerces da gigasiesca obra
comocada pela capella-mor, na qual^ havendo-se
gasto uma grande somma, irouxe 0 desanimo e
descrenja aos habitantes desla freguezia a ponto
de acredilarem que tal obra nunca teria lim, sem
0 poderoso a,uxilio dos cofrcs publicos, por falta
de avullados capitaes que jamais seriam rouuidos
con a conlribuicio dos particulares, esgotadas co
mo f >ram as principaes forces com a construccao
da capella-mor que infelizmeote n^o se poda dizer
acabada por ter ja soffndo r'eparos e n cessitar
ainda de obras para sua conservacao.
Gracas, porem a forgada evangolica palavra
empregada por lao diligeate e virtuoso apostolo,
como e 0 Rvd. Pr. Venancio, a obra da matriz
vai em um progresso espahtoso e com toaa segu-
raii^a so pode diier que se conlarmos com a eon-
tinu'acao de seas esforcos, pelo Rvd. Fr. Caetaao,
liudar 0 auuo a igreja eslara coberta, e em lugar
de ruinas, teremos espaco sufOcicnle para se ccle-
brarem os actos e sacnticios da ao>sa santa reli-
giao coJi a devida decencia e commodidade neces-
saria a adoracao dos fiois, e desta sorte coasegui-
remos lavrar um contra protesto em favor dossen-
timentos religiosos quo tanto dislinguem os esca-
deoses.
> Ilonra 0 louvores sejam dados aos Geis habi-
tanles deste logar pela maoeira risoalia e satisfeiu
coo} que se 1 ao prestado a todo 0 trabalbo, carre-
gando ate as mulhere-J, em seus proprios hon;
Bros, os materiaes pr9cisos, e todos submissos a
voz do adinira'el Utvila uto se tern poupadp para
que a obra se va realisaudo com a maior ecjno-
mia possivel.
Se da parte dos ricos nao tern havido a co-
opera;ao que .era de esperar. a hberalidade do po-
vo cm g-ral tern concorrido para 0 muito que
se tern feilo ; e de crer, porem, que esgotado 0 en-
thusiasino deste, pela miseria cm que vive, venha
cm auxilio de lao justo e sanlo empenho 0 podero-
so bravo dos ricos e abaslados proprietaries desta
opulenta freguezia, que tanto devem a excelsa
Mai de Dens, Nossa.Seuhora da Escada, aossa in-
signo padroeira.
3 Brevemente c ni'aecera 0 publico 0 nome da-
quelles quo conoorreram para a obra da matriz,
por falta da qual tantas vezes se lem posto om du-
vida os sentimenljs religiosos deste povo, quando
alias se achava a e-se respeilo amortecido, alem
ie outras cousas, unicamente pela falta de uma
iuiciativa qua iaspirasse verdadeira coofianQa, co-
mo agora contamos no3 principaes obreiros da
santa religiao, os Rvms. capuchinhos.. que na edi-
ficai^ao dos templos lem feito ealre nos verdadei
ros milagres.
Nao haja, pois, desanimo, conSando todos em
Deus, cm Nossa Sonhora da Escada c 11a poderosa
palavra de lao respeitaveis apostolos," qae nada
poupam no servico em honra do Deus, porque
brevemente teremos a malriz acabada, para attes-
tar ao inundo cattiolico que os h ibilantes da Eaca-
da sao reconhecidos aos beaeflcios quo prodiga-
inente gozam da Divina Providencia.
Honra, gralidao e louvores ao Rvm. Fr. Ve
aancio, que agora parte a descanear das fadigas
do atura'di) trabalho do tantos dias, absorvidos na
predica duas vezes ao dia, no confessionarlo e na
obra ; ti paz do Senhor seja com elle perduravel e
0 acompanhc em todas as emprezas que a si lo-
in hi. para ca la vez mais cealcar a nossa santa
11 li,-iao e para honra e gloria da respeitavel ordem
a que pertence, lembrando-so que os escadenses
conlam com a sua protec;ao e com ella esperam
que seu mui digno successor, 0 R*d. Fr. Caetano,
faca tanto quanto elle fez em tao poucos dias.
Termo de Cimbres. -Escrevem-nos des-
sa localidade :
A terceira sessao do jury desta comarca foi
presidida pelo juiz de direito Dr. Brandao Caval-
cante, officiando como promotor publico 0 Dr.
Ilarros Barrelo e como escrivao 0 tenenle Albu-
querque Mello.
c No dia 29 de setembro, achaudo-se presenle
numero legal de juizes de facto, foi declarada ins-
taliada a sessao, e o Dr. juiz municipal fez a apre-
sentacao de 10 processos.
t Sendo chamados a barra do tribunal V.Uerio
Pereira do Mello, acensado pelo crime do hoaiici-
Ferreira de Carvalho, 0 juiz de direito deixa a
presidencia do tribunal, passando a dirigiros tra-
balhos do jury 0 Dr. juiz municipal, por estar im-
peiido o Dr. (uiz de direito ; foi 0 reo absolvido
e posto em liberdade, por ser unanime a absolvi-
cao.
No dia seguinte foi julgado Francisco do Ro-
sai io Braaco, accusado de haver mandado dar
uma surra em Severino, e lerem os mandalarios
morto Francisco Jose Vclloso por. engano, lendo
por advogado 0 Dr. Marco? Tulito dos I'.eis Lima
foi 0 reo condemnad) a 0 annos de prisao, appel-
lando 0 advogado.
t No dia seguinte (1 de outubro) comparecou
ao tribunal Joao Alexandre de Carvalho, acensa
do de co-parlicipante na morte de Francisco J096
Velloso ; nao tertdo 0 reo advogado, 0 Dr. juiz de
direito nomeou defensor ao Dr. Marcos Tullio ; foi
0 160 absolvido, appollando 0 Dr. juiz de direito
a No dia 2 foi julgado Clemente Alves de Bar-
ros, tendo por advogado 0 Dr. Aureliano Ferreira
de Carvalho Ventura ; foi accusado pelo crime de
ferimentos graves, e condemnado a u.m mez de
prisao ; e, logo em scguida, passou 0 mesmo-con-
selho a jnlgar 0 processo em que era r6 Maria
Wagdalena, acensada de haver morto a Francisco
Maciel, tendo por advogado 0 professor publico
Vai Tiano Hezerra CaValcante ae Albuquerque;
foi absolvida e posta em liberdade por ter eonse-
gnido absolvicao nnanime, appellando 0 Dr. juiz
de direito
No dia seguinte a casa passou a julgar 0 teo
Quirino Uispo de Oliveira, accusado de haver
morto a Lourenco Finnino de Macedo ; foi ab-
solvido unarHmemen'.e, tendo por advogado 0 Dr.
Marco Tullio.
< A 4 ent ou em julgameuto Idalina Cordeiro
da Silva, acensada de haver mandado malar a sen
marido Joao Peregrino da Silva, sendo mandataries
Nemesio Jose Bezerra e Joaquim A. liezerra, tendo
por advogado 0 Rvm. Dr. Eslanislao ; os dftus pri-
me.iros foram condemnados a 14 annos de prisao
e 0 ultimo a 6.
a .No dia S eatrou em julgameuto Antonio Fer-
reira da Silva, accusado da haver dado inn tiro em
Miguel Ferreira, tendo como advogado o Dr. Mar-
co Tollio ; foi 0 reo absolvido e posto logo em li-
berdade ; on seguiua o mesmo conselho passou a
jolgar 0 reo Jose, escravo de Francisco de Brito
Cavalcante. tendo por advogado o professor publi-
co Valeriano ; foi condemnado e commulada a
pena em 3=10 asjoites.
- No dia. 7 e tribunal /ulgou -0 reo Joio Leo-
nardo, accusado de haver dado um tiro em Tho-
ndaz de Aquino, tepdo-.por advagado p prefeesor
publico Valeriano ; foi absolvido; e potto -em li-
berdade ; e nao navendo n>ais feitos a julgar, 0
Dr. jniz de direito dusolveu a teuoiao.
< Ha, ja, tempos qne este termo. niaoonla uma
sessao dp jury ti.4wporlante, oomo a- que se ee-
cerrou a 7 deste mez; felizmente, os eidadaoqoe
se achsm revestidos dos.cargos publjcus na co-
rn arca> sao honpstos e ajtomui sobre etles-aecu-
,Q5es infamantes ; todos elles se esforcam pela
dosia-rinest
Boy-1 lit do direito de dia em ^TtTji'ftffc
^^^Bne qucrem 0 cumpriment = da lei, e nao
^^^^H^HHBder empaagwos relaxados.
H0a consi iora4fao 0 cstima.de
r.i Fwreira Leite,
-acrilicando os sous interesses c commodos,
vai lies sorvioos a policia, fasen-
do importantes capWTai, sem que haja a lamentar
resistencias e mortes.
E* tambem digno de ser leoabrado o Dr. juix
municipal Fran- ~o Domingo* Bibeiro Viaana.
Os juizes de facto t-unborn mbttra am-se cons-
cios de seus deveres, nus tulo isso e devido
a attitude que tern tornado .< Dr. juiz do direito, e
a escrupulosa qualificacao dos iaites de facto feita
por elle ea* qual muito foi ajudad) ;>elo presiden
te da muafciaalidade. Com taes clomentos esta
nova comarca vai ter nova vida, nibora cntregue
aos eleraeatos deleterios que ainda tern em si.
Esianwe em pleno verio ; faz um calor de
abafar durante 0 dia, sendo em compensapao as
nodes frescas a bem esuelladas. 0 que lemos
com abundanciae vento
a 0 a^odlSo, que constitue a riqueza do sertao,
nao deu salra esle anno, polo que todos se quei-
xam.
0 pre?o dos geoeros qae vem ao mercado e 0
seguinte : a came verde cusla os 13 kilos 3j300
a 6i000 : a de sol idem 12*800 a 134500 ; 0 as-
sucar, 13 kilos 4J30J a 3*000 ; 0 algodao em ca-
roco que appare.ee, cusla. idem, 2*000 ; a fannha,
medida de 10 litros, cusla 320 a 400 reis; u milho,
160 a 200 niis ; 0 feijio 1*280 a 1*300 ; 0 sal,
idem, 1*100 a 1*600 ; a rapadura, uma cusla 60
reis.
Apresenta-se candidate a assemblea provincial
o Dr. Joaquim Francisco de Ilarros Barrelo, actual
promotor publico desta comarca : sendo sua can-
didatura sympalhica, e prolegida e recommedada
pelo Exm. barao do Buique, legitima inffuencia do
a districto, e de crer que eonsiga uma cadeira
na assemblea provincial, 0 so assim e que tere-
quem va pugnar pelos into resses dos criadores,
tao esquecidos dos nossos boaiens e dessa corpora-
cao. Deusqueira que, qnando.liver assento nessa
corporacao, u.-io se olvide logo dos inleresses dos
qne Ibe deram votos. como soe praticar a maior
parte ; mas nao e de esperar isso do seuproceder,
e esle respondent pelo fuiuro.
Capturas Em 16 do corrente a delegacia
de Cimbres alii capturon e rccolheu a respectiva
cadeia Manoel Francisco do Nascimento, e a in-
dia Caetana, sogra deste, por se a^harem pro
nunciados no termo da Alagoa do Moateiro, na
provincia da Parahvba, pelo assassinato de Joao
Paulo da Costa VUlar.
I.nteria. -A que se acba a venda e a 71* a
beneficio do collegio dos orphaos e orphas, a qual
cor re hoje 29.
Gasa de detencao.Movimeuto do dia
27 de outubro de 18731
Existiam presos 346, entraram 7, sahiram 11,
existem 342.
A saber 1
Nacioaaes 231, muiheres 11, estrangeiros 40,
iscravos 38, escravas 2Total 342.
Alimentados a eusta dos cofres publicos 278.
Movimeito.da enfermaria do dia 27 de outubro
ne 1873:
Tiveram baixa :
Joao de Oliveira 0 Silva -coiUusoes.
Jose Vntonio da Cruz idem.
Tiveram alta :
Luiz Eugeoio Vieira.
Galdino Bernardo da Silva.
Manoel da Espirito Santo e Silva.
Pa.ssa;;eiros. Sahido? para 0 sul no
vapor naeional Cruzeiro do Sul:
Capitao Jose Mblchiades Bezerra de S. Cavalcan-
te c sua familia. Manoel P. Almeida Santos, D. El-
vira Gjncalves Guimaraes, D. Ignez Goncalves de
Araujo 0 dons criados, Dasthia Erick, Antonio
Joaquim Peixoto, Anna Maria da Silva e sna lilha,
Pedro Francino, Felippe B., Dr. Manoel Bnarquo de
Macedo, Jose Joaquim Dias Firnandes Junijr, Joao
da Costa, Jose Francisco Pereira da Costa, ex-pra-
ca Crispim M. Nogueira, Joao F. Je Almeida Ma-
ceio, ex- liveira Maia. Julio Cesar de Menezes. imperial ma-
marinheiro Lourenco, Felippe do E^pirito-Santo,
Raphael Theodoro de Almeida, Trajauo A. de Me-
nezes Djria, J0I1 L. Duarte, Antonio T. Pinto
e 34 escravos a enlregar.
Sahidos para 0 norte no vapor Parana :
Jose Antonio Goncalves e um criado, Antonio
B. Freire da Silva, Jose Antonio Uernardo Mr
Seiclura, Dr. Jose de Saboia e Silva, Aalsnio Ri-
bairo dos Santos, Augnsto R. Cesar, ex-praga Joao
Francisco dos Santos, Manoel P. da Silva, Jose
Joaquim Xavier Teixeira.
Ceiniterlo paltiieo. Obituario do dia 27
do corrente :
Leopoldo Ferreira Martins Ribeits, branco, Per-
nambuco, 37 annos, viuvo, Boa-Vista; hepatite
chronica.
Antonio, branco, Pernambuco, 3 annos, Boa Vis
la ; bexigas.
Joao Isidoro da Silva, pardo, (ignora se a natu-
ralidade) 36 annos, casada, S. Jose; lesiio organica
do coracao.
Maria Julia, parda, Pernambuco, 21 mezes, S.
Jose; denlicao.
Joaquim, branco, Pernambuco, 2 mezes, S. Jose;
convulsoes.
Maria da Annunciacao, bran:a, (ignora-so a na-
turalidado) li annos, solteira, S. Jose; variolas.
Mauricio Marques de Brito, pardo, (ignora se a
naturalidade) 30 annos, casado, S. Jose ; ascije.
Emerencia, oscrava, preta, Pernambuco, 13 an-
nos, solteira.S. Jose ; febre perniciosa.
Florencio, escravo, preto, Maraaaao, 7 annos,
S Jose ; bexigas malignas.
' Jose Antonio Goncalve* da La*, branco, Per-
nambuco, 13 annos, S. Jose ; gastro entente.
CBROMCA JI'1M:IAB1&.
TIUBUVtL. D.4 RELlClO.
SESSnO DE i8 DE OUTUBRO DE*1873.
>RBSI!)KNCI\ 00 KXM. SB. CONSELHKIRO CABrA.N J
SANTIAGO.
Ser.ret-ario Dr. Virgtlio Coelho.
A's 10 horas da manna, presentes os Srs. des-
jmbargadores Lourenco Santiago, Almeida Albu-
querque, Doria, procarador da coroa, Dominguos
Silva, Regueira C)sta e Neiva, faltando 0 Sr. des-
embargador Araujo Jorge, que preside 0 jury do
Recife, abrio-se a sessao.
JltLGAMKVTOS.
Recurso. crime.
Do Recife. Recorrtnte Baziliano II. da Cunha
Cavalcanti de Albuquerque, resorrido Jose da
Costa Bispo. Juize3 os Srs. desembargadores Re-
gueira Costa, Neiva, Almeida Albuquerque 0 Lou-
renco Santiago.Improcedente.
Da Escada Recorreate 0 juizo, recorrido Vi-
cente Ferreira do Rego Barros. Juizes os Srs.
desembargadores Domingnes Silva, Lourenco San-
tiago, Neiva e Regueira Costa. Improcedeatc.
Itecurso de fallencia.
Re;orrente o juizo especial do commercio, re-
corrido Joaquim Ferreira Lobo. Juizes os Srs.
desembargadores Domingnes Silva, Regueira Cos-
ta, Almeida Albuquerque e Lourenco Santiago.
Nao tomaram couhecimento por estar 0 recorrido
ausente.
Appellacoes crimes.
Do Recife.Appeliiote 0 juizo, appellado Jose
H. de Azevedo. -Impioccdenle.
De Campina. Aiqiellaale 0 juizo, appellado Ma
noel Soares da Silva Sambola.Improcedente.
Do Goyama. -Appellante 0 juizo, appellala Ro-
sa Maria do Espirito Santo.A novo jury.
Appellante Marcelino Ferreira da Paixao, ap-
pellada a justiea. Modilicou-se a pena.
Do Cabo. Appellante 0 juizo, appellado Manoel
Felix da Silva.Nalio pela incompetenciajlo quei-
xoso.
De Aquiraz. -Appellante 0 juizo, appellado An-
touio Rodrigues Monteiro.A novo jury.
Appellacoes civeis.
Do Recife. Appellante Mathias L. da Costa
Maia, appellado Jose Maria de Castro. Conlirrna-
da a senienca.
Appellante Joao Gregorio GonoaLves, appellado
Andre de Souzt Umbelino. Confirmada a sentenca.
PA.S3AGENS.
Do Sr. desembargador Loiiren^j Santiago ao
3r. desembargador Almeida Albuquerque :
De Porto Calvo. -Appellante lo.'u Biptista Lins,
appellado Luiz Antonio Goncalves Becco.
Da Escada. Appellante Joao Carlos Cavalcanti
de Albuquerque, appellado Martiniano de Barros
Branco.
Uo Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr desembargador Domingues Silva :
Do jury da Imperatriz.Appellante o juizo, ap-
Lppllados Lucio Soares de Albuquerque, Eustaquio
e outras.
De Souza.Appellaote Franoisca Maria da Con-
ceicao, appeliada a justiea.
Do Bonito.Appellante Manoel Magdalino da
Costa, appellado 0 Juizo.
Ao Sr. desembargador Doria :
Do Recife.Appellantes Manoel Luiz da Veiga
e aatros, appeliada a fazenda.
* Do Sr. desembargador Doria ao Sr, desembar-
U*>* DHMomoJl Wlta-
Do Recife.Appellante Joaquim Pereira dos
Santos, appellado Joa-> Martins Ponies.
Do Sr. desembargador Qomingues Silva ao Sr.
desembargador Regueira Costa :
Do jury do Recife. -Appellanlo 0 desembarga-
dor presidente do jury, appellado Valerian3 Ra-
phael dos Reis.
De Barreiros. Appellante 0 juizo, appellado
Joao Calisto de Mello.
Do Sr. desembargador Regueira Costa ao Sr
desembargador Neiva.
Appellado crime.
Appellante 0 juizo, appellado Manoel Felippo de
Azevedo Santiago.
Appellacio civel."
Appellante Levina Augusta de Brito, appellado
Seahorinha G. do Espirito Santo ; appellants Jose
Jacome Tasso, appellado Manoel Alves Barbosa.
Diligencia crime.
Ao Sr. desembargador procurador da justiea :
Appellante 0 promotor, appellado Jose Joaquim
Dias appellante 0 juizo, appellado Joaquim Go-
mes da Silva ; appellante Joaquim Goncalves da
Luz, appellado Jose Martiniano de Souza; appel-
lante 0 juizo, appellado Jose Joaquim de Brito ; ap-
pellante 9 juizo, appellado Antonio Florencio da
Paixao ; appellante 0 promotor, appellado Jose,
Alves Ferreira Calabassa.
Assignou-se dia para julgainento dos feitos
seguintes:
Appellacoes crimes.
Do Recife.Appellante 0 juizo,appellados Tibur-
tino Jose dos Santos e oulro.
Do Rio Fermoso. Appellante Manoel Jose da
Resurreicao, appeliada ajustica.
Appellacao civel.
Do Recife.Appellante Felicidade Maria Olym-
pia, appellado Antonio Moreira dos Reis.
WSTRIBUIQOES.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Regueira Costa :
Recorrente 0 juizo de direito de S. Jose de Mi-
pibii, recorrido Jose Damazio Pider.
Recurso de fallencia.
Recorrente 0 juizo do commercio, recorrido Joa-
quim de Brito Vasdoncellos.
Appellacio civel.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Do Recife.Appellante a fazenda provincial, ap-
pellado 0 viscoade de Suassuna.
Appellacdes crimes.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Do Crato. -Appellante Antonio Gomes de C Pe-
tico, appeliada a fazenda.
De S. Jao. -Appellante 0 juizo, appellados Si-
mi ao Gomes de Souza e oulro.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Pedrasde Fogo.Appellante Joaquim Cor-
rda de Oliveira A, appellado Virginio H. de Frei-
tas.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
De Itambd. Appellante 0 juizo, appelladj Ma-
noel N. Ferreira de Borba.
Ao Sr. desembargador Regueira Costa :
Do Buique. -Appellante e juizo, appellado Joao
Vicente Pirambd.
Ao Sr. desembargador Neiva :
DeS. Joao.Appellante 0 juizo, appellado Jose
Manoel de Lima.
Encerrou-se a sessao as 11 horas e 3 quartos.
para4qrfo*p'oV iiftortoodfo4o* F*m.
proviucia fosio pedula uma relafl**
C IMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDi.NARIA EM 13 DE OUTU-
BRO DE 1873.
PRESIDENCIA DO SR. REGO ALBUQUERQUE-
Ao meio dia, presentes os Srs. presidente Rego
Albuquerque, e vereadores Leyo Junior, Neves,
Theodoro Silva, Cunha Guimaraes e Dr. Mossozo,
0 Sr. presidente abrio a sessio, e lida a acta da
anlecedente, foi approvada.
Foi lido 0 seguinte
EXPEDIENTS .'
OflBcio do Exm. presidente, do 11 do correnle,
declarando em resposla ao da camara de 1 e 8 do
corrente, que concedia antorisacao para se lavrar
termo de arrematacao por tempo de um anno em
favor do Manoel Domingues da Silva do imposto
de cento e vinte reis por carga de farinha 0 legu-
gumes vendidos nos mercados publicos das ribei
ras do S. Jose e Boa Visla dosta cidade. -Mandou
se lavrar termo.
Oulro do mesmo Exm Sr., de igual dala, lem
brando a camara a conveniencia de mandar desde
ja, tracar 03 arruainentos a observar-se na edili-
cacao do arrabalde Torre, visto prometter este ar-
rabalde povoarse em pouco tempo em toda a sua
extensao.Ao engenhciro para lornar na devida
consideracao.
Outro do mesmo presidente, de 10 do corrente,
conimunicando em resposta ao da camara do 19
de marco ultimo, que 0 Exra. Sr. rainistro da
agricultura, commercio 0 obras publicas, em aviso
de 30 de setembro do corrente anao, autorjsou a
comraissao de pesos e medidas a subslituicao das
pecas inutilisadas dos padroes. metricos deama
dos a esta camara. luleirada.
Otllcio do Dr. chefe de policia, mandado pelo
Exm. pre3idente a camara para informar sobre
ediilcacao de casiohas denominadas crtijos, que
na freguezia de S. Jose esta fazendo Manoel Cy
priano Ferreira Rabollo. A camara mandou in-
formar que, antes de haver recebido esse olfleio ja
linha lido couhecimento do facto por intermedio
do seu respective fiscal e dado as providencias ne
cessarias.
Informacao do engenheiro aos pontos apresenta
dos pelo Sr. voreador Dr. Moscozo sobre a obra do
matadouro publica. Remetteu-se a respectiva
commissao.
Ollicio do coatador, apreseataado dous balance-
tes da receita 0 despeza desta camara demonstra-
tives dos reudimentos produzidos uos exercicios
de 1870 a 1871 de 1871 a 1?72. V quern lez 1
reqnisicao.
Ollicio do fiscal de S. Jose, dando parte a cam 1
ra do que, tendo sciencia pelo inspector do primei-
ro quarteirao da Cabanga, segundo districto da
subdelegacia daquella freguezia.de haver sido mor-
to um b.ii que |a so achava doenle e a carne leva-
da para 0 acougue a ser ex posta a xenda se diri-
gira ao agougue coin os Drs. Joao Maria Seve e
Francisco de Paula Soares, e, verilicando estes que
realmente a carno era de uma rez que, antes de
ser morta ja estava doenle, elle fiscal fez conduzir
toda a carno a ser enterrada na Cabaoga. -A ca-
mara mandou ouvir sobre esse fact) ao adminis-
trator do matadouro publico.
RelacOes das mul=as impostas pelos fiseaes das
froguezias de S. Frei Pedro Gongalves do. Recife e
Boa-Vista, de 7 a 13 do corrente", o primeiro na
importancia de trinta e dous mil reis (32*000) e 0
segundo de trinta e cinco mil r. is, (33*0j0.) A
archivar.
Informacao do fiscal de Santo Antonio, sobre as
pcticoes de Jose Gomes de Freitas, Marques & C,
requerouJo a camara para que a respeito de seus
estabelecinieatos de coafeitaria aao fosse observa-
da a seguuda parte do art. 187 das posluras ap-
provadas pela lei provincial n. 1,12=) do 26 de ju-
nho do corrente anno. Foram indeferidas estas
peticoes, visto como, segundo as refendas infor-
ma.oes, os peticionarios veadem bebldas aleoolicas
em ditos estabelecimentos.
Parecer da coramiss id de policia, sobre 0 ba-
lanced, apreseatadi pelo procurador, da receita e
despeza da camara no mez de setembro ultimo,
cujo saldo foi de vinte e dous .cantos oitocentos e
trinta mil trezentos e setenla e quatro reis........
(22:830*374. -Foi approvado.
Mandou-se dar quitaeao ao procurador e nemet-
ter 0 balaacete a coatadoria.
A commissao de policia apreseatoa 0 seguinte
parecer :
Tendo sido presenle a commissSo de policia as
proposlas de Manoel do Nascimoat > Silva, Dr.
Manoel de Figueiroa Faria, Joao Henrique de
o Oliveira e Oscar Destibeaux, para a construccio
a de kiosques na cidade t seus suburbiils, confor-
me 0 art. 33 da lei provincial n. 1,063 de U de
junho de 1872, e examinando as coadicoes aellas
estabelesidas, cntende a commissao que deve ser
preferida a doDr. Figueiroa por ser mais vantajosa,
caso elle se sujeite as seguintes clausulas :
1", reverter em favor dos e>ofres muuicipaes a
quantia de quinhentos mil reis, que 0 p:oponente
offerece por cada aano de daragio do contrato,
Sara 3er applicada as obras do hospital Pedro II;
, estabelecer nos caes da cidade tantos kiosques
Snantos os que julgir a camara necessaries, rae-
iante condipoes quo se estipular entre as paries;
3', se 0 proponente nao der cumprimento ao con
trato, pagara a multa do dous centos de reis em
favor dos cofres municipaes.
Pago da camara municipal, 13 de outubro de
1873.Jose da Silva Loyo Junior e Joao da Cunha
Soares Guimaraes.Foi appro /ado 0 parecer e re
raetiea-se copia do mesmo e da proposta ao Exm
presidente da provincia a quern se nedio aatorisa-
gio para se flrmar- o contrato.
Foram approvados os seguintes requeriraentos :
do Sr. vereador Neves, para que 0 saldo dado pelo
pfocurador nos balancetes como existente nos co-
fres po fim de cada mez, tosse veriiicado pc!a com-
missao que lem de examiaar os mesmos balanc- -
tes ; do Sr. vereador Cunha Quimaries, primeire
prosidente da
. ao consulad"
provincial d lade; segundo
para se I^HB ^^^^^Kpresidcnte por
jaal das licfltfti! sar guia de MiiMnaniot, se pela do vigario que
foi sospenso pelo diocesano, e nao pelo poder civil,
ou se pela do coadiuctor nomoadojior aquella aa-
toridade em sUMRuigaaA).vHKsuspeiiso.
0 Sr. veredji^evej^yraJK Para capelU-i
do ceaiterio phMko 4Mb eidJ lo padre Juvcu
cio Verissimo d>a Aa|., seftfipposto a votos fqL
approvoda, maadanto a camaea que se passassff^
0 respectiva Utulo de nomeapio, e se fizesse as
communicacS necossarias.
Foi autorisada a commissao 4e policia a mau-
dar proceder a abertura das tairiuas publicas .
foi tambem autorisado u adiaiaHrador do cemi-
terio publico a mandar levantar nous altares por-
tateis para.no dia 2 de novembro vindouro, com-
memoragao dos linados, se celebrar missa.
Foram eocarregados liscaes da cobrapga do im-
posto de coquciros, visto nao ter apparecido lan-
i-.ador para o mesino im|toslo.
Foram ao engenheiro para informar a pelieiw
de Jose Correa de rtcito, a eontadoria a de Paulino
Herculano de Figueiredo, ao respective fiscal a de
Mauoel T .ootoaio Freire; a petigao de Manoel Go-
111 s Pinto teve despacho de anada haver que de-
fenr; foi indeferida a de Guilherme Augusto do
Athayde; foram deferi.las as de Amaacio Jose
Diogo da Costa,- Andre Goudinho Pinheiro, Albino
Leite de Farias, Antonio Francisco Martins, Anto-
nio Jose Peres, Aatouio Jo<6 Vieira, Antonio Jeee
Vicente dasCHagas, Antonio Jose Pereira, Agbsti-
nho Antonio Bispo, Antonio Ferreira Raiao-, An-
tonio Cesar Ramos de Olive ra, Aniceto Rodngae-
de Almeida, Antonio Gongalve3 dos Santos, Anto-
nio Jose Teixeira Lima, Antooi) Gomes q> Moura,
Benedicte Jose de Sant'Aona, Brnao Jose*ide .San-
t'Anna, Barao de Beiufica, Clementiao Fhiloracno
Simoes, Cesar Pruz da Costa, Casmiiro Bispo da
Silva, Carlos Fclicu.no de Sant'Aana, Crispmian
Marques Nogueira, Cosine Damiao da Souza, Da-
miao da Sil ra Coutinho, Francisco Dias Marques,
Francisco Xavier Lima, Felippe das Chagas Fer-
reira, Faustiup Jose de Meudjnea, Felismmo Fer-
reira das Chagas, Francisca Jvise Gomes, Francis-
co Jos6 do Araujo, Fraacisco Xavier Vieira Ligo,
Fraacisco Antonio Soares da Costa, Francelmo
dos Santos Araujo, Guilherme Parcel!, Galdiao
Antonio Soares, Galdino Pinto Martins. Horacio
Leopoldino Alves da Fonceca, Uilario Franilsco
de Souza, Inooccncio Pereira Jacome, Izidro de
Goes e Silva, Izidro de Freitas Barros, Jose Anto-
nio Marques, Jos6 Maria Pacheco, Joao Jose Perei-
ra da Costa, Joaquim Pereira da Costa Nobre, Jo-
se Joaquim do Piuho Mendonga, Joaquim Baptista
Nogueira, Joao Nopomcueno Ribeiro Junior, Jo'.o
Francisco de Almeida, Joao Baptista de fcarias,
Jacintho Antonio Elisiario da Costa, Jose Gongal-
ves Torres, Joao da Costa Estanislao, Jose Antonio
Ferreira Gomes, Joaquim Gomes Saraiva,' Jovino
Lopes Ferreira, Joiio Baptista Xavier,. Jose Rodri-
gues de Souza, Joao Benedicto, Jose de Sant'An-
na, Joiio Mauoel de Siqueira, Jose Maria dos San-
tos. J*ao Eiuebio Soares, Joaquim Jose dos Reis,
Joao Martins de A'uorim, Joao Francisco Rodri-
gues, Jose de Castro Oliveira, Jacintho Jose Jiii>
de Amnrim, Joao de Moura, Joao Salustiano, Joao
Jose da Silva, Jo-c Vicente da Hora, Joso Maria
Lopes, Joao Lastel, Jacintho Jose de Andrade, jna-
quini Gregorio d.s fleis, Joii) Pereira de Alcan-
tara do 0', Luiz Monteiro de Anlrade, Luiz Fraa-
cisco Simoes, Luiz Andre P., Manoel Baptista da
Silva, Manoel Filgaeira Curado de Menezes, Maria
Felicia da C-mceigao Bastos, Manoel Jose Gomes
de Oliveira, Manoel Moutinho Nogueira, Manoel
Ferreira de Aguiar, Manoel Francisco Cardoso,
Marid Joanna, Manoel Crispiniano da Cruz, Ma-
noel Dias do? Santos, Mariano Pereira Branco,
Marciano Joaquim da Motta, Manoel Joaquim das
Chagas. Manoel Silvestre de Carvalho, Manoel Mar-
tins, Marc ilino Jose dos Santos, Manuel Jose Daa-
tas, Manoel Jose de Ainorim, Manoel Theodoro Pe-
reira, Mareolino Jose dos Santos, Marcolino da
Silva Lima, Mathias Gomes da Annunciacao, Ma
noe! Antonio Pereira dps Santos, Mareolino Tava-
res da Silva, Narciso Francisco dos Reis, Olegario
Emilio da Silva, P.-.ula Marques da Costa Soares,
Phipps Brothers & C, Pedro Lourengo de Oliveira,
Paschoal Alexandrino de Mello, Pedro Correa,
Quinlino dos Anjos Pereira, Quirino Joso dos San-
tos, Raymundo da Silva Ozorio, Roque Antonio da
Paciencia, Rita Angelica Wanderley, Seraphim
Rodrigues, S. Manoel Ribeiro Jaques, Thomaz Es-
meraldo de Ahreu Mello, Vicente de Paula Justo,
Vicente Ferreira de Paula, Vicente Francisco Fer-
reira.
Nada mais uouve, e 0 Sr. presidente levanlou a
sessio as 3 horas da lardc.
Eu, Pedro de Albuquerque Autran, secretario,
ji cscrcvi
.M iiioel Joaquim do Ite.go e Albuquerque, presi-
dente. Jose Marii Freire Gimeiro.Jose da Sil-
va Loyo Junior.Jose Pedro das Neces.Theo-
dora Machado Freire Pereira da Silea. Jeronymo
de Souza bkut. -Joan da Cunha Soares Quimi-
rues. -Dr Pedro de Alhayde Lobo Moscoso.
PARTE P0L1T1CA
B'ARTIBO CO^iSERVADOR
RECIFE, 29 DE OUTUBRO DE 1873
9 segre:!o tlas caadidatm-as pro-
vineiacs.
Nao vemo? razao para a cstrauheza que (Inge
mostrar a Provincia sobre 0 modo porque correm
as candidaturas a fulura assemblea provincial.
Nunca foi pratiea em nosso pail a exbibigao de
programma par parte dos candidatos a eleicao de
jual |uer natureza. Ate hoje elljs teem prucetbdo
como raelhor entendem poder chegar ai sou
flm.
Uns podem votos por carlas circulares, fazendo
valer seus principios e servigos politices, outros
manifestando ideas que prelendem realisar, e mui-
tos limitando so aos pedidos isolados e confiaadj
no concurso dos aniigos.
E' isto 0 que sempre se lem feito, e e 0 que ae-
tualmeute esliio pralicando os candidatos.
Se em outras uccasioes nao causou este niodo
de proceder reparo a nenhuin partido, nao vemos
ratio para quo dasta 0 estranhe a Provincia, sen-
do, como &, 0 c rpo eleitoral unanime quanto as
ideas politicas.
Nem e admissivel que se attribua segredo aquil-
10 que e de todos couhecido.
03 candidates alii estiio a fazer seu trabalho,. a
distribuirem circulares, e as inQuencias locaes
mais ou meuos occupados em fazerem combina-
goes.
Como, pjis, dizer-se que a eleigao corre em se-
gredo?
A administragai naft tem de modo algum torna-
do parte na eleigao. nao tem mostrado, ao menos,
interesse por este ou aquelle candidate.
A elei.-ao corre por conta das influencias e de
aclivjdaJe dos candidados.
Portanla, em que estao sendo preteridas as boas
praticas do syslema epresentativo?
Nao disfarce &lProvincia o seu desejo. A luta
no seio do partid) conserva lor e 0 que Ihe convj-
nha, e como v6 que ella nao se dara, procura meio
de disfargar 0 seu desgosto.
Pois bem I Continue em sua ingrata,tarefa
de desvirtuar a verdade por todos conhecida, e a
fazer as suas lamurias. Nada temos cftm isto.
^hibijoacoes a mm.
Tendo sido publicado no Diaria de Pernambucu
de 27 do corrente, sob 0 titulo Qui potest capere
cpiatum aviso do ministerio da jostiga em que
se declara que 0 caefe de poli-ia, apezar de su-
perior ao promotor publico, nao deve usar de
express5es imperativas quando se dirigir ao mes-
mo, ainda que sobre ohjectos da restneta obriga-
cao deste, e podendo alguem eaxergar em serae-
ihanle publicagSo uma censura ao Illm. Sr.JJr.
chefe de policia desta provincia, julgo de men de-
ver declarar qae nas cartas que, como seu escri-
vao, tenho dirigido ao Illm. Sr. Dr. promotor pu-
blico desta comarca, convidaodo-o para assistir as
visitas feitas pelo mesmo Illm. Sr. Dr. cbefe dp po-
licia na casa de detengio, hei sempre guaidado a.
cortezia e attencdes devidas a aquelle faneeiooa-
rio, usaado de expressoes rcspeitosas e que de.
nenhura modo podem ser qualificadas de impera-
tivas.
Recife, 28 de agosto de 1873.
Thomaz Barreto Lins de Barros.
.**
^
t
As desardeu.4 law raid Augusta.
Eu, Dr. Kalley, sendoestraogeironaotomo
parte algum a de partide algum da poliliaa
do imperio, mas desdo quo eta tudo que to-
que a mim se diga a verdado e se fa?a' jus-
1'va-


D

-*t



,r..
K
f:
.O*iri^.doPBWiiOUc0f .--JguUrta fejra 2? $|ftd&|f6>|taaftg'

jV^r..'
Seodo ciinmnda no mil
,iccuiaQ(Je< feitns no mui
de policia e outras aut^ridaik:
tivcssern w.ttorisado ou minut m
-eseandalos jjrifaados contra, nuus compa
tiherros, caArHpa mulhorc eontra mini
na sema^OSjbn pec-o au I Urn. Sr. i
dactor do mono quo por m>!o do sen jnr-
nal publique os raeas agradecitneatos cer-
Aiaes as ai tori lades, pela promptidao e etier-
gia com quc roprimiram esses escanda-
los. T%I\]
Pernambuco, 28 de oulubro le 1813.
Rofll. Kolkij.
Povoacao de Afogados.
Nao e jnito que continue o povo;do dos Afo^a-
dos sera uraeha'anz qno o ablsteca d'agua.
0 que iia, esta na freguezia de S. Jose, e mesmo
# apenas ira buraco immiindo, de quo se lira
agua por umcano.
Pede-se i|ue a companhia do Beberibe man le
abaixiir um ikiuco os canos e preparar o chafariz
do pat.eo da Matrix.
A despeza c pequcna. Alii esta o verao, e lere-
if: ,s a?ua por alto preco e ma.
Poucos |)6de(n dar oOO reis por um balJe
d'agua.
Se o Exm. Sr. Dr. Locena nao fwcr alguma
cousa a b ;m de um povoado que paga imposlos
cm larga os-ala, pelos predios que tern, casas de
nogocios e olarias, podera ser laxado de iniusto.
Sabemos jue o nao e.
Pai*a 1." Dr. Mghoel do Naseimento Machado
Portelia.
Manoel de Rego Barrow Souza Leiio
Dario Cavalcante do Albu pjerquo.
Jiao Barbalho Uehoa C.avalcant;.
Carlos Vaz.d'Oliveiru.
Nsbor Bttterra Cavalcante.
Gjrvasio Campollo.
Jose Tiburcto Pereira de Magu*
lines.
F-jlipps 0 eleilor do i. dialmto.
2.*
3.
4.
ti.
7*
ft.' ..
Ao corpo eleitoral do prime
ro districto.
linos os segumtes nomes:
te) do Naseinwuto Machado
sfeOa Cavalcante.
:rnambueo.
Por-
Aprc
1. Dr.
iolla.
i." Dr. Joao Barbalho I!
:!." Dr. Mi^tiel Jose de Almeida Per
4. Dr. Felipe de Fiipieiroa Faiia.
'''.' Dr. Darin Cavalcaata do Hego e Albuquer-
que.
6." Dr. ila#oeld Ue^oJiarros Souza Leao.
7. Dr. Car! is Augusto Vaz de Oliveira.
' 8." Dr. Autouio Doningos Piulo Junior.
'.." Dr. Jose Bernard) Gal van Alcoforado Ju-
nior.
I'm clulor.
Ao illhstrc corpo eleitoral cii'4;ulu pura viiicitt:es.
Os res eleitores devem cerrar a votu-
cao wjs seguintes.
1 Dr. Mwwel do 'Naseimento Machado Portelia
2 Dr. Mfliioel do Rego Barros Souza Leio
) Dr. Miguel Ju?e de Almeida I'.'rnambnco Junior
* Dr. Dariu Cavalcante do Rego Albuquerque.
) Dr. Felipp) de Figueiroa Faria.
i> Dr. Manuel Caldas Barreto.
7 Dr. Jose Teburtio Pereira de Mag;dbies.
8 Dr. Joaqmm Franciscc de arruda.
9 Dr. Jo.io Barbalho Ucboa (Cavalcante. "
Algunxile Sunto Anlonic.
A caspi e outras- males que allligem
. 'i craneu inevitavelmenta de>troem a vitajjdado
dos cabellos. 0 remeiio soberano ci)ntra e-tes
riagejlps e o Toaico Orient il, o ijual, como por
-.icant>. proinptamente csfaz desappareeer
Por^m istn aiifda arn 6lul'. vigbrisa e d;i torn
i "iitionla por lal forma, que nao e possivel poder
rewodtuir, a nao ser cjue o seu usj stya con-
tinuaao.
A (riinspb*tclo obMraida eausaaa polo cnlorpe-
Cimento da'memnrana exterior, e a origem de mui-
tis d.;* aflfecooes o enfennidades dos cabellos, e es-
tc entorpeciriento nap pode existir, quando os va-
sos snperfleiaes recebeni su'a maior fecundHade
mediante a piderosa acijao e auxilio de?te raro vi-
eorador vg;tal.
II;tja sMiiimo cuiiladu coin as af-
feef oes los bronehios. -Sens progressis
s;io rapidos e assustadorcs. Atailiom se pois os
primeiros symptomas meJiante doses regulares do
Peiloral de Awieahuita, o qual para logo fara
1-arar os progressos da molestia on rallammacao
local; impedira que a mucoidade se agglomere
n is tubos bronehiaes, fortificani os orgaos da voz,
e una'inente rostabeleeera a saiiJe a o. vigor de
todo o systema respiratorio. Embora mesmo no
caso, que a mokstia se acbe ja alguni lanto avan-
cada, propcrcionara con rnuitos caso?. etTeetuara uma prompts cura. Por-
tanto as viclimas dt tos.je, constipacJjes, catarrhes,
febres inflaramatonas dos pulmoes, on de qualquor
uma (iatra cnfer.ni lade Jos orgaos da respiragJo,
3 n-em nem por isso desesperar por um s6 mo-
ito, de sua final rira ; uma vez qua tenham a
mSo este iidmiravd e maravilhoso medieamento,
crdadeiro rostaurador da vi la c saa le, qualquor
5a que o use, deve tor perfeita fo e confianja
mesmo nos indi-ios os mais pronupeiados da mo-
iia.
^IMM^W

PH.'
*
DO.
OUTUBHC.
AS 3 i/i HOHXS D\ TARDB.
C'otacoe's ofBciae*-
idao doMtio Grande So N'orte59^200 pir
l.j" kilcs posto a bordo a frete de lljlC
d. 5 o 0|0.
>>,ibio sobro Londres a 90 d|V. 2G d. d>i
UOOU.
sobi-edito a 90 d(v. 2a 7(8 d. por IJ.OO0,
hontem.
kbio -sobre Lisboa a 90 drv. 109 0\0 de prcraio.
do banco.
I ambio sobre o Porto a 60 d|v. lO:1 OiO de
prmiio.
'.algados verdes 370 rs. o kilo, hontem.
OaDourcq
Presidente.
Leal Beve
aecretafio.
AFLNDA.EGA
'Mtdirneiuo ^lodij I a il.
i.im do A\;\ 28.' .
8i3.69l*2'l
W:4W>fll
M3.13iiU3
;. .-..i
Desoafregam hoje 29 de otilubro
franeez Rio tirnnde inereadorias para
alf.tndega.
Barea franoaa< Anne Marie ferrageas ja dea-
aoliadas para o trapk-lie Oincei^ao, para
conferir.
yalajJto iaffez Impulse farin^a dt trigo ja de5-
J>aihada part ocaes do Apollo,
oacioaal -Graeiosn -goneros uacionaes para
o armazem Aviia.
V'mor nacionaJ Cwuripe generos nacionaes
para o trapiche da co;npanhia pernarq-
bumna.
irnacionalGiquiu -generos nacionaes |.ara o
ir*iehe da eon.panltia pernambucana.
lie iostez Mary Miller me.rcadorias para ,
' smdega. "v
PaiAclio aJiitaSo Avarice (arriliadu) assrjiar
tP^iia o caes do a polio,
no tugler--"- Marty baealhao ja j;i ue|)a-
af*4o tP*ra o trapiche Coui'eicaov
Furr^j 4 caisas aos consig-
._ rofene 330 caixas a Costa Amorim &
W^5W a WagamSes & Imao. .
- Mdchinas 12 a Cunha & Manta.
Pregos de cobre l.barrica aoi consig-
nataiios.
TiFW W'y-ili a*
Antuerpia, oscuua iugleta Mary Millar,
oonstgnada a Wilson Bowoie 4'-., mani-
festou :
Armas 22 caixas a J. A. Araujo & C2.
il a Pareote V. & C. 2 a Von Schosten
4C.
Cirnenlo 55 barricas ans cousiguatarios.
Cartuchos 4 caixas e capsu'as 1 dita a Pa-
re ate V. & C.
Espoleta 1 caixa a Pa rente V. & C.
Feno 314 fardos aos consigoatarios.
Genebra 40 caixas a Von Schosten & C
Papel 16 caixas a Parente V. & C. 20
a J. A. Araujo & C. Pregos 30 barricas a
Olio Bohres & C.
Tecklo 11 volumos a ordera.
Vidro 10 caixas aos consigoatarios, 142
i ordeui, 100 a Von Sohosten & C.
Zinco 1 caixa a Shaw Hawkers & C.
llio Grande do Sill, barca brasileira .Vor-
ma, i iii].rigimk_ i Oliveira Filhos, mani-
festeu : ^*v^
Graxa 8,42 kilos I v
Seboera raraa 2,585 kilos
Xarque 1-25.073 kilos aos consigoatarios.
Liverpool, patacho brastieiro Ormesincia,
coo&ignado a Jbhnslon Pater &' C, mani-
festo u :
CJmeirto 150 barricas aos cousignatarios,
Gerveja 200 barrieas 6 0s eonsignaUrios,
100 a P. S. Soares, Chumbo em folha 100
cunhetes a Von Schosten & C. Canuos 80
volumes a Sempson d C, 5 a Shaw Haw
kes & C. Candieiro 2 caixas a Antonio
Pereira & C CateUria 1 caixa a S. P.
Johnston.
Estaouo. i- caixas a Carvalho Moraes.
Ferragem 69 volumes a Shaw Hawkes
AC, 6 a C. Moura, 14 a S. P. Johnston.
Formas 65 ao mesmo. Folha de flandres
50 caixas a Von Sehosten & C.
Louca 30 gigos a Goncalves& C. Linho
1 caixa aos'consigoatarios. Latao 1 caixa
a Shaw Hawkes & C. I.eitos de ferro 1
wlumo aos consigoatarios.
Mazaine 50 ca a Cunha & Irrnao.
Moveis T volu nes aos consigoatarios. >h-
chiuismo e pertenjas 38 pegas e 6 caixuiii^a
S.P. Johnston.
Oleo 3 barris a Drainage, 10 a Silva.Fa-
ria & C. Objecto para esgolo 55 volumes.a
Drainage.
Esjurito de vinUo I barril a Drainage.
Tocido 23 volumes a Mills Latham &&.,
22 aos cousigualurios Tiota 10 barris a
Tinoco do Sousa.
Vidro 50 caixas a Carvalho Moraes, 12- a
Shaw Hawkeis d '.. Verniz 5 caixas a
Drainage.
Aracaty, hiate nacional Graciosi, consig-
nado a Barlholomeu Loureneo, manifestou :
Algodao 84 sa :cas a M.S. Ponies, 14 a
Guimaraes Sousa & C, 8 a Gongalves Fer-
reira & C.
Courinhos 20 molhos d ordem.
Comma 200 saccos a Gomes de Matlos.d
Irinao, 40 a ordera.
GtfBtpe ,(a Terra-Iiwa) 50 di.is, cseana.
ll'jtooeja-
tripawaa .
i); a Simp-j
inglexa Mwaad V'
das, capit/lpSamtiali
carga 1,752 Unas com bai
son C.
Antuerpia38 dias, oscuna ingleia Mary
Miller, de 112 tonelmtts, capirto Robert
Mill, equipagem 7, carga varies generos;
a Wilson Bowe d C.
Santos 10 dias, hiato iaglez Gerent, de 162
toneladas, capitao Sanford, equipagem 7,
en laslro, a ordem, seguio para West In-
dies.
Cardiff39 dias, brigue inglez Bertha
Carringlon, de 211 tonetadas, capilao
- Guelbert, equipagem 9, carga carvuo ; a
Lidstona Robelliard d C.
Aracaty10 dias, hiato nacional Graciosa,
de 95 toneladas, capitao Maooal Joquim
da Silveira, equipejam 6, carga algodao
e outros generos; a Barlholomeu I.ou-
rengo.
Rio de Janeiro 20 ilins, patacho itahano
Venetuele, de 248, toqe^adas; capitao Jose"
Gazolo, equipagem 9," em laatro ; u Sa-
unders Brothers d C'
Bahia6 dias, brigue portuguez t>. Aiwa,
de 288 toneIi*das, capitao Antonio Franco
I.eitao, equipagem 11, carga sal ; "'a J.
J. G. Beltrao d Filbo*.
Nftoio sahido no inetWfl di9.
CanalLugre inglez Racer, capitao W.
I.owrie, carga assuiial".

de
Terra nova, escuna iogleza, Edward
Witterg, consignada a
nifeslou :
Bacalh.nu 1752 barricas
tanos.
u .
Simpson d C. ma-'
aos consigna-
Terra nova, patacho inglez Mary, consig-
nado a Wilson Rowe d C. manifestou :
-Bacalhau 309 i barricas e 11 3/2 ditas aos
consigoatarios.
Cardiff,, brigue iuglez/JeWAa Carrigthoa,
nsignado a l.idstone d Robilliord, mani-
festou :
Carvao 300 toneladas aos cousignatarios.
JK3PA IHOS DE EXPOUTaCAO NO DIA 27 DE
UUTL'liI0 DE 1873.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Boyne, para Liverpool, car-
regaram : Adamson Howie & C 522 saccas coml
46,980 1|2 kilosde dgodao ; F. da Costa & C. 40
ditas com 2,903 1(2 ditos de dito.
Para os pottos do interior.
Para o Rio de Janeiro, no vapor Cruzeiro do
Sul, carregaram : Carvalho & Nogueira 200 sac-
cos com 13,009 kilos de assucar branco; J. F. M.
Guimaraes 85 ditos com 6;375 ditos de dito ; A.
Quintal & C. 30 ditos com 2,*50 ditos de dito; o
bispo de Pernambuco 1 caixa com 20 abacachis.
Fara Acaraeti, no vapor brasileira Ipojucn,
carregaram: J.'-B. de Carvalho 8 barricas coin 791
k.lo# de. assucar branco ; J. A. da Costa Siqueira
3 ditas com 436 ditos de dito reQnado.
Para Mosso:o, no hiate nacional V. da Glo-
ria, carregaram : Carheiro k C. 3 pipas com
1,440 litros de aguardente.
Para o Para, no navio alleraao Hanieta, car-
regaram : B. Oliveira & C. TilO barricas com
37.123 kilos de assucar branco.
Para o Natal, na barca.a Constancia, car-
regou : B. de F. GuimarSes 1 barrica com 65 kilos
de assucar branco.
oaPATAZLA DA ALFANDEGA
fteadimento do dia t a 27. 17:223*115
Ideal do dia 28. 59949-jl
17:823*086
VOLUMES SAHUiOS
No dia 1 a 27......
Pnmeira poria no dii 28. .
iegauda purta.....
Ttrceira porta .
Quarta porta......
Tidpiche Gonceicae ..
SEBVlgQ MAR1TIM0
viv*re&^aa descarregadas no trapiche
* alfandega d:> nT*,T a *7-
JiUs ditas no dia 28. ...
\"a\iJsairacadosnb trap, da altandega
Uvarengas........
So trapicbe Coaceicao......
39,759
237
103
280
268
40,667
63
63
GE
KECfeJCiiDOftiA 1)E RENDAS 1NTERNAS
RASS-DE PERNAMBUCO
KdndjMonto do a\\K \i~'. 77:998*228
Idem! do'dia 3.
5:801*713
Consulado provincial
Para sciencia dos contribuints do imposto da
decima urbana e os effeitas lgaes, em segaida
publicarnse a aMentfit* veriticadas no lanca
mento do mesmo imposto no corrente anno finan-
ceiro de 1873 a 1871, Qcando aberto o prazo as
reclamacOes, quo por vcatura possim ter a t'azer
es interessados na focma da lei e regulamentos
respectivos.
Alteracoes v.-rificada* pile lartgador Joaquim ds
Gusmao Coelhryia laneinaeua da decima ur-
bana da freguezia da UOa-Vista do Becife; que
tern de servir m anno de 1873 a 1874.
Una d.-i Irnperalriz.
N. 4. Jose Uandida de Moraes e Luiz
Alfredo de Moraes, 1 sobrado de 3
andares e Ioja arrendado por 1:900*000
N. 6. Sebastian Marque j do Nasei-
mento, 1 sobrado de^'andares e
Inja por 2:000*000
X. 18. Maria das Neves Carneiro la.
Cunha, 1 dito de um andar. sola*
e Ioja por 1.0003000
:\. 32. Lourenco Josr de Moraes Car-
vallio, 1 dito' de 2 anlires t Ioja
por -2:Oii)*0l0
N. 26. Rosa Fr.ineisca de Miranda o
Jose Barboza de Mlranla Santiago,
^1 dito de dous andares e Ioja por 1:380*000
N". 3'. Dr. Bento Jose da Costa, 1
dito de 3 andares por f:703*030
N. 34. Jose Fausline de Lemos, 1 di-
to de tres andares por 1:860.5000
N. 36 Dr. Joto M irta Seve, 1 dito
de dous andares e Ioja por 1:800*090
N. 38. Herdeiros de Antonio Martina
Bibeiro e Antonij Biogo da Silva,
1 dito de dous an lares e Ioja por 1:500*000
N. 40. Herdeiros de Marti Joaquina
Martin3 e Leopoldo Perreira Mar-
lins Ribeiro, 1 dilo de d"us anda-
res e Ioja iwr 1600*000
N. 12. Dr. Luiz Salasar Moscoso da
Veiga Pessoa e Joao Martins Ribei-
ro, 1 dilo de dous andares e ioja
por 1:600*000
X. 44. AanaJosepha do Espirito San-
to, 1 dito de dous andares e Ioja
por 1:140*0)0
X. 54. Antonio Pereira da Cunha Ga-
ma, 1 casa terra por 403*0)0
X. 64. Dr. Praxedes Gomes de Souza
Pilanga, 1 sobrado de um andar e
sotiio por 1:300*000
X. 70. Francisco Maia Cortes e An-
tonio Maia Cortes, 1 casa terrea
por 300*000
X. 78. Angelina Filgueira Machado
e outras, 1 sobrado de um an lar e
duas Injas por t:160S0"O
X. 80. Carolina Francisca de Ma-
galhSes e outros, 1 dito de um an-
dar e Ioja por 1:303*003
X. 3.-Dr. Jose dos Santos Xunes de
Oliveira, 1 dito de dous andares c
Ioja por 2:220*000
N. 5. Theresa Gongalves de Jesu-
Azevedo, I dito de dous andares e
Ioja por 1:700*000
N. 9. Jose Pereira da Cunln, 1 dito
de dous andares c Ioja pur 2:900*000
X. 23. Remiglo Kempp, 1 casa terrea
com um sohra.liniio no quintal e
mais uma casa terrea na rua d'>
Canibaribe, occup'a io tudo pelu se-
nhorio pur
X. 29. Mar^elino Jose Gonealves da
Fonte, 1 casa terrea com um le-
lheiro no quintal por
N. 33. Manoel Antonio dos Passos e
Silva, 1 dita por
N. 3a Paulo de Amorim Salgado, 1
sobrado de 3 andares, sotao e Ioja
por
X. 37. Visconde de Camaragibe, I
dito de tres andares e Ioja por
X. 39. Dr. Alexandre Bernardiao dos
Reis e Si >a. 1 dito de ires andares
c leja pur
X. 43. Antonio Martins de Carva-
lho e herdeiros de Maria Candida
Xavier de Brito, 1 dito de tres an-
dares e duas lojas por
X. 49 Barao de Xazareth, 1 dilo de
ires andares e Ioja por
X. 79. Maria de tesnu Teixeira Fran-
co, 1 casa terrea por
Praca do Conde d"Eu.
X. 28. Francisco Jose Pacheco, uma
casa terrea por
N. 7. Joao Ferreira Ramos, um su-
brado de dous andares e Ioja, por
Rua da Conceicao.
X. 8. Thereea Gonealves de Jezus
Azevedo, um dito de um andar e
Ioja, por
X. 12. Theresa Carneiro Lins de Mi.-
ranaa, uma casa terrea por
X. 20. Manoel Hermenegitdo Goneal-
ves da Silva e \''irginia, Qlha de Ca-
rolina Francisca de MaKalua.es Sil-
va, uma dita por
N. 22 Manoel Fructuoso da Silva.
uma dita por
X. 26. O mesmo, uma dita por
X. 28. O mesmo, uma dita por
X. 38. Irmandade do S. Bom Jezu.-
das Dores, tuna oka por
X. 40. Luiz Jose da *'Mi* Amorkp,
. uma dita par
X. 42. Francisco Maria do> Santos,
uma dita per
X. 46. Joaquiaa, Maria da Cuoceicao
Botelho, uma dita por
X. 50. Ordem Tcreeira de S. Fran-
cisco, nina dita por
N. 58. Joaquim TeixeiraPeix**o, uma
dila por "*
X. 62. Mfcria Joaq_uioa de Oliveir.a.
Campos, uma dita "por
X. 7. Jose de. Azevedo M*ia e Silva.
m..\s_J.k-' > -
Vclloso,
8J:799*f40
-York, bi
iM0e a User
COXSL'LADO PROVINCIAL
r\30piu.oto do rua 1 a 27.
;dim do dia 28.
56:623*285
1:787*123
58*10*110
1:090*000
800*000
.500*090
2:200*000
1:800*000
2:240*000
2:000*0 0
3:5'KiO00
i20*000
480*000
1:240*000
1:120*000
ttt&tm
480*000
360*000
:> 16*000
276*000
3WJ00O
400*000
360*000
420*000
300*000
1
480*000
300*000
sobra
' por
N. ifr-Mtvaio ^tntmt4!et\aQim
ma, uma casa taea ogt
N. 22. Francisco En
querqp.e, uma dila^l^"*
N. 1. Ffltios *fOr Joao Antoniide
Souza BeltMo de Araujo Perajfa,
um sobrado com dvus aad::
Ioja nor ,
N. II. Vigario Francisco Luiz
Carvalho, uma casa tSwNi por
X. 27. Dr. Bet Ceciliano*>s Santos
Ramos, nma dila nor
X. 33. Costodia Maria Card'>so, nma
dita por
Tambia.
X. 10. Jjuo JoSl d Carvatlio Moraes,
uma dua por
X. 9. Jose Pereira Teixcira. u.rta di-
ta por
Rflffd-j VisconJe de AlbuqOc?.jue.
X. 10. Me duiroa de Joao Manoel de
Oliveira Miranda, uma dita por 300J5000
(,,-. 26. Idalina Margarida de Oliveira
Carift.ro e oufra?, um sobra Jo de
dous andap*ohija por
N. 4* Aniwiki Ferairrides
unia c m terrea por
N. 44. Joao .Valealim Villcla, um-
sobrado de .doas.:andarcs e soladr
por
X. 48. MaaqaJ Joaquim Bapt&fc, uma
casa term* por
X. 8*i' Antonio Fernandas Volloso.
uma dita por
X. 58TDr: Manoel Fraciscf TcTttbg.
uma dita por *\ I < 3
N. 66. 0 mesmo,wfAiitftirji^
N. 68. Marcelinn Josi? Gongalves aa
Feole, uma dita pur
N. 82^Jose d*. Costa Duurado, uma
dita por
X. 84- JuS-i (', riitymi, nma dia por
X. 106. Joanna de>Jesus Nores.Qua-
resma, uoia casi Jerrea per
X. 124. Antonio Fa^chonl Rodrigues
Lima e; Francisca Pulcneria Rodri-
gues Li.i>3, nma dita por
X. 136. Francisco Wanderley Vieira
da Cunha c sens lilhos, uma dita
por
X r 8! Antonio' V;i-co de Aleonez
Cabral, uni tObiaJo. avaliadj "por
X. 140. I'auh Isidarada Costa Moo
. teiro e outros, um ilitojKir
X. 142. Os.fliesjuitfj^mun caaa tsea
por
X. 172. Amis Maria do Carmn Dias.
U:n:i dita por
X. 184. Miguel Joaquim da ('..jota.
uma dila por
N. !>. Antonio da Silva Feritira Ju-
nior, utoa'4tu p.it-
s'. 15. Antonio Xunes Ferreira Coim-
bra o outro, uma ilita ;)or
X. 17. Jose, Miuo-.i e Anna, lilbos Je
i Anloato (jNrfigatves dos Santos, uma
dita por
.V.'Jft Cartann Cyriaco da Costa
Montciro, um sobrado dr urq andar
e Ioja por
X. 77. Antonio, da Silva Ferreira Ju-
nior, uma casa terrea por
X. 99 Irmandade do Rosario da Boa
Vista, uma dila por
Bee.-o do Fundao.
X. 2. Porfirio da Caulia Moreira Al-
ves, 1 dila por
X. 4. Herdeiros de Rosa T!*ereza da
Cunha, u na dita por
X. S. Tboiiiaz Pereira Bastos, uma
dita por
X. 7. Herdeiros de Rosa Theraza da
Cunha, umr. dita por
X. 8. Os mosmos. uma dita por
Rua da Aurora.
X. 19. Fillios de Joaquim Jose Ja
Silv,'ir;i. um sobrado 3e 2 andares
e Ioja, por
X. 27. Bernardino Gomes Je Carva- i
lho, tun-dk) por:
X. 39. An? Goea!ves de Aze-
vedo, um dito por
X. 91. Barao dd Livramento, um por-
tao qne da'entnda para um te-
Ihelro e um quarto, avaliado por
X. !01. J.se GoM.;alves Ferreira da
Ciwtl, nma ca-a terrea por
X. 111. Clirr sobrado avaliado por
X. 13'. B-5o da .Ie1a.de, um so-
brado de 1 and-ar por
Rua rhf Cupibaribe.
X. 6. Viuva e herdeiros de Manoel
. Gon;alvi>3 da Silva. uma casa ter-
rea por
X. 12. Dr. Gervasio Piivs Ferreira,
uma dila por
X 32. Viteoade de Camnragibe, uma
dita por
X. 54. Jose de Seuxa Braz, 1 Jila
avaliada por
Pont.- Velha.
X. 6 A. Barao de Morenos., uma dita
em obras, avaliada. para pagar o'
if semrstre, na raz o do
X. 10. Antonio da Silva. Perreira Ju-
nior, u na dita par
X. 2'. Manoel Francifco Moura. uma
lita por
X. 26. Dr. Christovao dos Santos-Ca-
valcante, uma casa-lerrea por
X. 50. Viava e herdeiros de Antonio
Jose da Costa e Silwa, uma dila par
X. 62. }r.~{- Franci-co Lavra Penna,
uma dita por
X. 70. Luiz Antonio-da. Silva ISos.
uma dita jior
N. 82. S-iminano de OlinJa, um so-
. brado de 1 andar e Ioja por
X. 118 Jose Ferreira Costa, um dito
por
X. I. Antonio Jose Bittencourt, um
dito por
X. 35. Jose de Souza-Braz, uma oasa
terrea por
X. 41. Padre Francisco Pereir* da
Silva, I dita por
X. 43. Au'onwJoaqnim Ferreira Pin-
to. I dita por
X. 47. Manoel Fructuoso da Silva,
uma dita por
X. 49 Francisco de Paula Ferneira.
uma dita por
X 63. Irmandadrde S. Pedro, uma
dita por ft>'
X 83. Antonio Rwreira Alves, uma
diti em obras.avaliada para pagar
o 2." semestrc-na razao iei
X. 123 }>-( Mara Pereira daUoclia.
uma dita por
Pateo da Santa Cruz.
N. i. Joao Lui* Ferreira Kibeiro e
Tiburcio \ aleriauo Baptisht, um
M.trdo par
X. 10. Franciseo Jose de Sousa, uma
casa terrea i>or
X. 3. IrmanrtaJr .l<- Senhor Bom Je-
sus da ViarSaera. Iwna dita ava-
liada por ... a.
1* seccao-do consulado provincial, *> de outu
bro de 187.3. u ,
O chefe,
AnlOMio Wlrn'io P'"'t'o e A. dt Vnsconcrll*.
l.aten-
reu.
i') a P.
urns
L Olta
i;:osta
?*f- ?e, consig-
B -manifestou :
ties Ja Costa,
Banha 150
Barricas
f&Ste "iignalarics.
F. da Coal*.
*% ,i' bamoi* aos cori-1
smmmwntix*
Naviot entrados no dia 38.
rrj? um i dita por
X- ID. Jose Candido de Mpraes, uisu.
d:ta por
N. 2|. Antonio Jaeintbod^.Medeuos.
uma dita por
X. 23. Anna A. de Albuquerque Mtel-
lo, uma dila por
X. 2f SUna l|6\aia lima, uma
dita por
X. 27. Manoel AWes Ferreira, uma
dita avaliada pot
J*. 29. Anjonio,. ferreira da ffecb^
Leal e oulros, uma dita por
X. W Jose #"Sota. B*az,. um,
por
X. 33. Joanna Baptista do Azevedo
^^^^
,'N. i
400*000
1:26 '*OO0
36 '*000
400*000
300*000
240*0)0
144*01*0!
1:340*00)
1:409*000
2405000
264*066
2165000
240*00)
400*00)
240*000
240*000
360*000
3051,00
240*000
630*000
850*000
240*000
300*000
420*000
9-30*000
360*090
300*000
1:200*003
300*000
192*000
96*000
96*000
1-2O-40O0
96-4000
96*000
1:800*000
1:800*000
1:340*000
300*000
500*000
1:200*000
1:000*000
300*100
300*000
400*000
300*000
1:200*000
240*000
240*000
360*000
300*000
264*OJO
300*000
564*000
1:17'>5(0)
4:020*000
144*000
96*00)
30^*000
240*000
300*000
240*000
300*000
300*000'
800*000
: 160,5(00
121*000.
0 Dr. Setoiao do R&gO Barros tic
dii. itkiz ile c
*M.aatfjfiljr*roflrt^*^
RVsobscrevi. Bwife, II
_ de qutubro de 1873.
i ia Rodrigues do Naseimento.
Sebastiao do liigo Bqrros de LactrAa.
'.to sellu 300 reis. -V. S. S. ex causa.
______________j 4 Bacrps de Laeerda.
Edital n. 88.
Pela iuspecloria d < alfandega se faz publico que
ackando-se as raereadorias conlidas nos volumes
abaixo mencionados, no caso de serem arremala-
das para consumo, nos termos do cap. 6 do tiL 3
do regulamonto de 19 de setsuibro de 1860, os sous
donos ou consignatarios doverao despacha-las uo
prazo de 30 dias, sob pena de, Gndo elle, seram
vendidas por sua conta, sem que lbes fiqoe com-
petindo allegar contra os efTeilo* desta veuJa.
Armazem n. 6.
Marea POLO ns. 400 e 401i caixas vindas do
Havre no vapor francrz Ville de Bio de Janeiw,
de-eawegadas em 24 de abril do corrente anno o
eonsignadas a Francisco Gomes de Oliveira So
brinlir>.i
Mm HPB us. 273 e 275-2 ditas idem idem.
Alfaode>.i de Pernambuco, 27 de oulubro de
1873.
0 inspector
____________Fabio A. de C. Reis.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda /a';o puWico, qua nao podondo
ler lujar no dia 28 do corrente a arrematacao em
jrista piiblica do'barracio, silo em Santo Ama-o
das Salinas, liea ella transferlda para o dia 5 de
povembro vindouro.
Secretaria da tliesouraria de fazenda de Per-
nambuco 27 de oulubro de 1873.
0 secretar io da junta
Jozuino Rodrigues Cardoso.
feifBli
0 adminislrador do consulado faz puMico
que, no dia 28 do corrente mez, a purta desle con-
sulado, pelas 12 haras, se ha de arrematar em
praca publi.-a 5 barricas com cerveja narional,
avafiados a vista do preco da panta semanal em
*600, appreliendidas a Alheiros Oliveira ct C.
o feitor conferenle Joaquim Pi res da SilVa.
Mesa do consulado provincial, 22 de ontubro
de t873
Antonio Carneiro Machado Bios.
Pela tliesouraria provincial se faz publico
que foram transferidas pira o dia 30 do corrente
mez as seguintes arremataedts :
Reparos da ponle do Junqueira 5:7205000
Venda do sitio dos Reraedios 3:750*000
Serretaria da tliesouraria proTinciai de Pernam-
buco 24 dfoutubro de 1873.
. O official-maior
Miguel Alfonso Ferreira.
Companion
nambuuu
ferro Carril ltr Pr-
(outr'ora Pernambuco
Street Railway).
Convido a todos os possuidores de bilbetes de
passagem nos carros desta companhia, ainda exis
tent! s em cirenlacao com a assignatura de -H.
II, Swift, Asst Treasf, -a traze-los ao troco jior di.
nlieiro no cscrip6)rie da companhia ;i nta do
Drum, em to J >s os dias uleis, das 10' boras da ma-
nha as 3 da tarde, ate 31 de dezembro proximo
vindouro ; |>reveninik), ouiro sim, que os ditos bi
Ihctesserao reputaJos sem mais valor para qual-
quer elfeito, a partir do I. de Janeiro de 1874 em
diannte, os termos do aviso do mini-iterio da fa-
zenda de 6 de agosto proximo passado o da por-
laria da presideneia desla provincia de 6 de ou-
lubro corrente.-'
Recife, em 7 Je oulubro de 1873.
Ogerente,
Gustavo Adolpho Schmdit.
Consulado provincial.
Por esta repariicao pubhoa-se, para os fius con-
venieiites, que de 24 ate hoje habilitaram-se mais
para o exercicio de mascate nesta capital os se-
guintes individms :
Alexandre Bxposto.
Raphael Matheuf.
Antonio Mega.
Maria Amelia dos Passos.
Igualmente acham-se habilifados para o mesmo
exercicio fora da capital os segnintes :
Francisco Lango.
Miguel Maessoiini.
Antonio Joussini.
Luiso Daltro.
to<(t Bonalira.
Xicolao Dalto.
Domingor Matheus.
Manoel Ferreira de Oliveira,
Antonio Dalto.
Vicente Dalia.
Consulado provincial, 28 de oulubro de 1873..
O adminislrador,
Antonio Carneirv M chudo Bis,
Juizo dos feitos da fazenda.
. Stacrivfto llanileira.
Sexla feira, 7 de novembro prc-xo future, as 11
boras do dia, depots da respecftva audiencia, ira a
praca por vanda o sobrado de 3 andares n. 29 da
rua'do Amorim com I'rente para a rua da Moeda,
com 59 palmas de comprido, 22 ditos de largo,
avaliado po 12:00.'* para pagamento do quc aevcm
ii fazenda provincial Manoel Fcrnandes da Costa
A casa "terrea n. 22 sita no largo dos Remedios,
com 2 salas, 2 quartos, 44 palmos do f rente sob re
51 de lundo. com um terreuo a fronte. avaliada
cm 1:5oO*, para pagaineulo do que deve Man el
A. Riueiro.
Recife, 28 de outubro de 1873.
0 solicitador da mesma,
J. Firinino Correia de Araujo.
SANTA CASA DA M1SKHICOKD1A DU
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
IJisericordia do Recife, manda fazer publico que
aa sala de suas sessoes, no dia 30 de outubro
pelas 3 horas da tarde, torn de ser arrematadas a
queiu mais' vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tr s artnos, as rendas dos predios em seguida
ieclarados.
ESTABELEaUEXTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobrado n. 41.....306*000
Cinco Pontas
tlasa terrea n, 70
i cavesea de S. Jtosc.
Casa terrea n. I.......- 201*000
PATR1MOXIO DOS ORPHAOS.
Rtia da Senala-ve!ha.'
Rua do Trapiche;
Sobrado n. 20.......
Rna da Madre de Deos
Casa terrea n. 2 .'.....
Rua da Guia
Casa terrea n 25.
800*00t
300*006
200*000
24UOiO
da. *iz de'lireito ospet
cio iiax-idade do rCecife de
connBer-
Ruo do Pilar.
Casa terrea n. 98. ...
Ideian. 10'.........J*I4000
luem n. 102.........2*1*000
Idem n. 108.......207*000
Rua do Rosarii >da Boa Visla
Case terrea n. 58.......245*000
Os preteudeutes deverAo apresenlar no acto da
arrematacao as suas riafleas, ou compareccrem
aeon panhados dos respeetivos tiadorcs, devendo
pagar alem da re'nda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
inento commercial, assim como o servico da lim-
pcza e precos dos apparelhos.
S*f l-etaria da santa casa da/miserscordia do Re
Ac'efideu se u:
(lequena illia aituada
de
acima a\o
has de ds-
pintada *
e dada aoj^
I ha Agalf,
_ coooec, ao sul
tto Michipicoten.
A luz e branca, fl
uivel do preiaroar, o
lancta, estando a at
A torre e quadraiKJ
branco, elevada 6,"L* fl
47' 43" 50" N e .88- 22- 19'U
E-ta luz guiarii os navios.que demandarem r>
porto dc Quebec, 0 canal e-assignalado nor foa-
tro boias, das quaes duas a leste sao vermttka*
e duas a oesle pretas.
Luz sobre a ilba Michipicoten. (Laco superior).
Acendeu-se uma nova luz no lado orieatal do
porlo de Quebec, na p.mla uieridionai da ilka Mi-
chipicoten.
A luz e branca, fixa, clevad.i 17,"0 aciaja il>
nivel Jo preiamar, e visivel. de 18 niilhas, Un-
do a atmosphcia clara.
A terrc 6 de madeira, elevada 9,"'75, e pin!
de branco ; a parte interior e quadiada, e a J"^
perior ociogonal.
Posigao : 47" 42" lo" N., 8' 21' 44" 0
Esta luz serve de guia para de.nandar a Urra
e para ir ao porlo de Quebec.
Cabeeos de Coral no canal des Passes.
(Ilbas Bermudas )
0 navio de guerra inglez ,4riadfl recife de coral situado enlre a boia do caaal ll
way) e a boia interior, pintada em xadrez, doe i-
nal'des Passes (Xarrows).
No instante em que o navio toceu, bavia 6,"7
d'agua sobio o recife ; porem su fee de;.
tar a sua ^at le superior, sobre a qual I .
menie 7-3 d'agua na baixamar.
Estando sobre csto recife, marcou-se a Loii il <
canal ao X. 58" N. 0., a quatro amarras ; a I
interior, em xadrez, a E. 9 S.E, a ires iwft.rr
e meia, e a extremidade occidental, da ponfu Ca-
Iharina ao S. 33-13' S.E. a sele amai r;.<
Como o recife torna e^ta parte do eaual raoi
diffteil para os navios de grande calado, e e pos-
sivel que existam pedras seinelhantes, deve se ter
muita cautela quando se navegar uo mesmo ca-
nal.
Rpmos verdadeiros Variafao : 7u 4o' NO en>
1873.
OCEANO PA 1FIC0 BEWWONAL.
COSTA, OCC10KKTAL DAUSIltCA (Chili.)
E-.coihos na bahia Conception.
Os escolnos acima loram assignsatedos cm fren-
te doe cabas Lobelia e lluily, no lado oriealal da
enlrada da bahia Conception.
Em frente do cabo Loberia. L'ma pedra ponlu-
da (pedra Lezzi), com Ires melros dirRiia s bre st
proximameute nabaixamar, e O.^l a 6,J7 da fuu-
do em roda ; jaz a uieia millia proximaineat*.a
O. 5" S'.O. da poula meridional do cabo Loberia ;
tem-sc vistb o mar quebrar sobre ella, quando faz
mao lempo, porem, com tempo ordioario; io ha
arnbenlacao sobTe este escolho, o queo toma en
tao mui perig^so.
Em freule do cabo lluily. Uma pedra iselada.
(pedra Zealou>). que esta quasi a llor d'agu*du-
rante a baixamar, com 7,"3 de fun Jo entre ella
acosta, u 9,"l a daas amarras ao larga Kste es-
colho lica a quatro amarras-;io S. 29*S.O do cib'>
Huilyve a uma mima a O 13' X.O. da ponta e-
ridioual do Morro del Tome ; davc so maicaLs
por meio de uma boia.
Obscrva.ao. -Para evitar estts rscolhos SOB1
mergidos, deve-se passar a uma iniliia peto meno.v
da costa, quaudo se navegar eulre o cabo Loberia
e o Morro del Tome. Prevme se ao mesmo tem-
po, que nao ha baliza sobre o banco Chores, e ijub*
a boia do banco Belen. qae- estava na extremida-
de meridional, lei ancoiiwla no meio e em 3",6do
fundo.
Humos verdadeiros. Vatiacao : 17 30' N.E.
em 1873.
Paris, lo de Janeiro de 1873. (Assignado) A.
Le Gras, ehefe do servico das iostniCfSos.
K-ta couforme.
O'seeretario- da capitania,
DeotodAquino I-'oneeca.
Associagao Fortugueza de
Beneficencia dos empre-
gados no cominercio e in-
dustria em Pernambuco.
De ordem do Sr. president sao tie novo con-
vidados os Srs. associados para e\mpareeerem :i
rua do Imperador u. 35, t.' andar,no dia I." de
novembn. proximo, pelas :t boras- da tarde, afim
de, reumdos em assemblea geral, ouvirem a lei-
tura do relaiorio da diroctoria da mesma associa-
cao.
Recife. 28 de outubro de I873S
0 1." secretario da a5sen blea geral,_
Salvador Jose Ferreira Guimaraes.
MSTiTUTU ARGKEOLOGILVO E GEO-
____PERNAivlBUGAMO-
Havera sessao ordinaria quittta-feira, 30
do-corrente outubro, pelas 11 lioras da ma-
rl ho.
OIU'KM 1)0 1)1A.
1." Pareceres e mais ti-.iballios rjeedrami*-
soes-.
i. Palestra litterari.i.
Secretaria do luslituto, 27 tie outubro dp
1873.
x J. Soares h'Azevedo,
Secretario perpetuo.
Associacao commercial agri-
cola de Permit i tlxico,
Nao selendu reuuido numero sufDcientc deso
cios, afim de que podesse ter lugar a assemblea
geral convocada para hontem. sao de novo convi-
dados todos os senhores socios para se reunirem
no dia 30 do corrente, as '.) horas da mauha, sendo
que funccion.ra .-o:u .ualquer n.m re de socios
que comparecer, como marca o anigo 11 dos es-
tatulos. Recife, 29 ue outubro do 4873,
Manoel M piista de Miran la
Secretario.
Almas da Boa-Vista
D* conformidade com o capilujo 3 artigos 14 e
16 do nosso compromisso, sao convidados todos os
nossis eharissimos irmaos a eoinpareeerem no dia
! de novembro vindouro. h* 10 horas da manna,
no co'i-islorio desia irmandade, afim de encorpo-
rades elegerema mesa rpgedura (ftie tem do func-
cktnar no auno compaomissal dc 14*73 a 1874.
C-msistorio da irtuamlade das almas, erecla n.i
malriz da Bba-Vi-ta. 28 de outubro de 1873.
0 eserivao
Franci-co das Chagas Pereira.
COMPANHIA
l^runmb^o, c*,^ de oulubro de .873.
36JA03J0
30O*fJp,t
pot Sua Mag^tadC' Imperiak,, qne Beus
giia^ie, etc. .' .
Faco saber aos (ye o otttcvin edilal virem e
d'elle noticia tiverem, ijue a requarimenlo de JOS
l^PWRPflf*l#^t-arierr3 a hMeem.d coo.-
merciante Paulo Ptrnandes da Mello Guimaraes,
pela sentenca do tlianrVtiguinUr-: *
A' visla 'dos tiluk* e dBp^lmentos de- folhas hei
pos decUiada a abertura 4a faileoeia de J^aulo
Fernandea-ifo-lteW) Giiraae;flS, esiiibekeido. com
loja de fazendas--* rua da lmperatriz, a datar de
7 desle flfeiieflfca enlfafli cesson sells pagamen-
tos. XcSefr PldprKSd. f> redil Jose Lopes
Alheiro, qua presUirit iuianiento. Proceda-se logo
a iiivcntasip, sendo uwositario o que nessc aclo
f.'.r pr' l nhrtSlfWiMi'Servir, slAqwa a 30
di mesrao me.z, n%fAi|ifdas audiencias, ao mep
dia, os. eredores p*-rjce At no,*Mn%>m*&mia****l'-Por edilaas
* resJ--ftWr wowslas. "
2S iitntmtatri,
"O escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.______
t upitania lo porlo ile Pernam-
buco, 42 le agosto K- 1N33.
Para wSieuci* dos navegantes se publica o se-
euinte annuncio hydrographieo :
M MIN15TER10 DA MALU.SHV.
Pelo ministerio da marinki se publica o seguin-
te annuncio hydrographies, org-mrsado-pelo depo-
sito de cartas e pianos de Paris.
N. I. Traluccao do capitao-leneate Cerqueira
Lima -Annuucio hvdrograpliico.-N. 2. Pa-
ris, 13 de Janeiro do lH73.-(*eano atlantM-o do
norle. Cana ,
Luz fixa em Traoadia. (Nova Brunswick.^
O goverao do Canada communreou, que acen-
deu-se uma nova lb.% no lado septentrional
arganta de Traealia.
K 10. AuM
\ isconne de I'MDWs.
-Hamassa.
iao c]o
do todos
ItBrnfi'
Ja
^Slift'-"W nivel db preiamar, e, com alsmophera clara pO-
der-oe-h't v*4a da distatwia d rtflhas.
;orre e qnulrada, de madeira, elevada 6.-1.. e
*** S,67Mi0.
ana
g#si.;^ di
U / ^st
. terra, e
"gtilaf noporto. "'"'-,
,*? |x* np-porto de.Qcebec. {l%%> snpertor).
J
Aebam-se promptos para fnmseionar 6s appan-
llios que fora-j: coilocado* nos predios abaixo do-
claradas. Os senhores propriettirios :-6 deverS..
deiles fazer uso depois que recrherein um carla .
da companhia que os autorise ;.ar& isso.
Freguezia Visla."
Rua do Visconde de Albiu|uerque de n. 142 V
180.
liua da,Santa Cruz de n. fra 27.
Rua do l.eao Coroado do h. 2 a %$.
Rua de S. Goncalo de n. 1 a 29 e de 22 a 28
Rua do Visconde de Govanna de u. I 119.
Rua dos Coelhos >k- n. 2 a 10.
Rua do General Seara de 2 a 20.
Recife, 29 de oulubro de 1873.
0 gertote
Johan Plounl.
Santa Casa *te Misericocdii^
do Kecife-
De ordem do Iltm. Sr. Dr provedor interino d*
Santa Casa de Misesicordia'do Recife, e cm virtu
3e do que resolveu a junta admiiiHrativa em ses-
sio'de hontem, la.;o saber que fle novo. esta aber
ta a concorrencia para se con'.ratsr o servico rrror
tuano e de carros funebres, de cenformfdnile com
a lei n. 1,121 de 17; de julho do cotreiKe antic,
irecebenilo-spropostas nesta sorretJftfa aW od;a
6 de novembro "proximo vindouns ipsra serem
Se dia abertas era sessao.
' Os'proponentes terao de snbmeller-se a,;dispo?li
coes-oa citada lei, as condicflcs addicTon MVtoi- -
xo puWicadas, assim conv as mbel' Ii* i*- J
feriiki.a.'inetle qje sobr^ a< wt
tatelfikji-maicr abatlmealo oHertcef. "
Secretaria da Sam i
iftficfta.lfc'de cutubro o 1873.
0 (
\ Pedro rttldm-

I
A
>






llEfflH
.-_**-.-.-

IMHI





:



/
:n
lei rt i.iti.
Ar. I." Fica sob a iireccao da Sanla Casa do
Miserieo -Jia o servico m oriuario de carros fune-
brt desla cidalc.
Art 1* A'rnasraaSanU Can podera contratar
p>m OS qua acualmente fazem o serri;o oa com
'jaom melhorcs vantagcns offercccr o reforido sec
vieo, sob as seruhites bases :
>J. Prtzo nuica maior de 20 p"
ir10. --! IVlfl 6 con-
O preeo da conduccao e vestu-
res que se acbarein fora da-- -** 09 cadave-
Anionio, Recife, S. Jo! 'rettKzias de Sarto
.^ Ooi'Visfa, <
fta-Ia
, sera augmen-
kitMnetro, a panir do
/Obfiga;*'i
i i!t.',?!?an!n*s;',if o coimatinto aos
(. Do:.ci> nunca mr de vin)e e ,-,,. con(os
ile .us an.iuae., p,.- ^ do contrau,llle> para 0
Hrae"r^ l';, plica Jos .is ..bra* dos es'abclcci
mentosda _,esnu SaoiaCasa e e-pcualmcnte ao
asvlo-V alien; dos.
* Precos Je carros fanebres taxados em oma
"Uoella, jue dt vera ser revista de cinco em cinco
annes.
3." Respeito total e compteto das taxas cobradas
aetualrosute p il.\ muaicipalidade.
6 Oliriga^.o njstricta de, liado o contralo, en-
iregar c conlratante a meMiia Sauia Casa tudo o
material dos seus estabeleeimentos em perfuito es-
tado de eoosei varto e sem uenlmma. indemnisa
cao.
Art. 3 0 ontrato de que se Irata n> artigo an-
tecedents tart subraetndo a approvacao do presi-
dent* da prorheia, a quem lie a igualmente incum-
bida a revisao das tabcllas de preens dos carros
fanebres.
Art. 4* Findo o conlrato a Sanla Casa conti-
aoara a fazer <. servico nello estipulado, respei-
tando senpre as taxas municipaes e revendo as
ubellas no senlido de baratear o preco desse ser-
Yi$0.
Art. 5.* Ficam rsvogalas a* dispjsicoos era con-
rario.
Condicoes addieionaet.
I.' Durante o prazo do privilegio somente o
contralaute oa pessoa por pile antorisada podera
faier o servico morluario e de carros lunebres es-
peci'lcado nas tabellas.
J.* Os preco- tixados nas ubellas terao todos
uma reduccao Je 4 piir teal*.
3.'"0 contraiante obriga so a dar a Santa Casa
da Misericordia em couipcnsacio do duello exclu-
sive, que Iho confer-?, a quantia de viute e c-uco
eonlosdereis muualmente, em presiacoes uimen-
saes, sendo a priinaira no aeto de assignar o con-
trato e as outras depois do vencidas. Pala mora
oa entrega de qualquer pre-Ueao pagaia o con-
traiante os jurcs de sois pyr cento ao anno.
4.' 0 contraiante obriga-se a transportar gra-
tuitamente, fonieeeodo ataiides do sexUi classo, os
cadaveres das pes^das desvahdas que fallecerem,
soccorridas ou nao pola Santa Casa, dentro dos ac;
tuaes limites das froguezias do Recife, Sinto An-
tonio, Boa-Vista, S. Jose, Graca e tambcm dos que
fallecerem no liospicio di alienado-, qae se vai
construir.
5.' Se por qualquer aclo da assemblea provin-
cial fdrderogado o privilegio exclusivo do que Ira
ta o artigo primeiro, dentro do prazo de dez annos
a Santa Casa olirig -;o a Jar' 11 ontraUinte uma
indemnisacao c!e vinte por eon1 < das presta>;oes
vetteilas.
~$.' Sc pr qaalquer aeto dj pod;? civil ou ec-
clesiastico fOr prohibiJj fazer-se o servico funebre
pela forma ate hoje toleradi (era o contraiante di-
reito a uma reducejlo no valor das prcstaeSes me-
diantc am aecdrdo coin a Santa Casa Jo MiSirieoft
flla, com reenrso para o presidcotc da pro-
vincia.
7.* As multaii por falta de promptidao, ordem c
3S>c1o no servico quo lica a cargo do contratantc
serao do 10 a 50^000.
8/ As multas seiao impostas pelo mordomo da
Sanla Casa Je Misericordia encarregado da liscali-
sacao do conlrato, preeclenJo reclamacao por es-
enpto da pessoa interessada pela sua i nposieao ;
Jiftstando ser ftita verbalmente se eissoa for
pobre.
9. 0 Contraiante tea recurso da imposicao da
iiiuiU para a junta da Santa Casa de Misericordia
e desla para o presidente da provincia e em am-
bos os casos com elTeilo suspensivo.
10.* As iniiltas serao pagas no prazo de 10 dias
depois de intimadas por escripto, salvo no caso da
interposicio dos recurso?, dando o conlratante ao
mordomo ou a junta, se ja tiver usado do direito
do primeiro recurso, sciencia desse facto.
II.* Na hlta do pagamento de qualro preslaeo^s
-uccessivas- podora a Santa Casa reseindir o eon-
trato, comprando o estabeleeimento pelo sen josto
valor, do ijoal sc descontara o too o conlratante lhe
estiver devendo on cobrar judieialmonto a impor-
tance das dii >n quairo prestacSes a cojo valor se
accumulara o premio de t2 0[0 ao anno pela
mora.
12.* Os cadaveres so poder-i) sor conduzidoa
para o eentoiia actual e para os tjae forem cons
traidos nas einw iVeguezias doclaradas no art. 4"
em carros fune'ms puchados por cavallos, oxcep-
tuando-se somente o caso cm que os parents*, os
amigos e as eorporaeoes religiosas do iinado qui-
zerem carrega-lo a mao desde o lugar do falleci-
mento ou da igreja undo se lizerem as exequias,
;ite o ceraWerio.
13.* Sos casos do farja inaior ficara o conlra-
tante eximido do pagainenlo das presiacoes ou do
parto deltas, mediante accordo com a Sanla Casa
Je Misericordia, cum recurso para o presldenle da
provincia
14.* 0 contraiante obriga-se a prestar uma fian-
ca do valor de 13:000jOO, para garantia do paga-
inento das prestacoes o multas, senJo dita (iancja
elevada a 26:000^000 no principio do ultimo quin-
qaennio.
15.* Fica livro ao eonlrataate transferiros direi-
tos e obriga^oe:! doste contralo a pessoa idonea ou
a uma compauhia com approvacao prcvia da Santa
Casa de Miseru'ordia,quepor mortodo conlratante
ou de quern estiver substabclecido em seus direi-
tos e obrigacftes, passara o privilegio aos seus her
deiros necessarios ou tostamentarios.
16." A Sanla Casa de Misericordia obriga-se a
solicitar dos poileres coniiielenies o estabelecimeu-
lo das multas n para a liel execui;ao des-
te conlrato na parlo en quo se ivl'ere ao direito
exelusivo trausl'eriJo por forca da lei n. 1,121 de
17 de jnnho do currente anno", ao conlratante.
17.* No ultimo quinquennio do coutrato podera
ser esto rescen lido pela Santa Casa sem que esta
pague iudemnisacao alguma no caso de falta de
pagamento de <|uatro preetacdes successivas, cou-
siderando-se veucido o praw do privilegio para o
effeito da reversao ein benelicio da mesma Santa
Casade Misericordia, de todo o material e animaeS
empregados no servi--1.
TAMELLA-A
eotiOOQao dr cadaveres
Adiiltns
I.* classo. i.irro pueliado a qualro cavallos de-
centemen:o aja3sados e cobertos de mantas de
panno pieto'orladas de galao e franjas; caixao
eoberto com um grande panno de velludo preto
com borlas na.; poutas e orlado de galao e fran-
jas de ouro, 0 carro teia cupola e cornija sup-
portada por columnas de nma das Ires ordens le
architectura (jonica, coriulhia ou composita i com
relevos e dourados, 100*000.
2.* classe.-< arro puctiado a dons cavallos de-
oentemente ajaesados, cobertos do mania de panno
preto, caixao cdberto wm panno de velludo preto
orlado de galao com borlas de prata. O carro sera
mais simple? dc que o do l. ciasse nos relevos e
dourados, com copula, cornija e columnas da
ordem dortca onjauica, oOiOOO.
3.* ciasse. Carro poehado a dous cavallos e
caixao eoberto tie pauao do velbulina com galao
ou franja io palbeta falsa e borlas da mesma qua-
lidade. 0 carro sera semelbante ao da 2.* ciasse
e piptado de preo sem dourados, 303000.
4.* ciasse.Crro simples pnehado a dous ca-
vallos e caixao cuberto com um panno preto dc
la, teado somen.e nma cruz branca no meio...
10*000.
Alem lessas classes havera carro de luxo a
aprazimento dat partes, e cujo pre^o nao podera
oxceder de 200i, incliiindo o aluguel do panno ;
a earro de caridade euja armacilo podera ser em
formideurn*. pintado Je preto.
Os carros para donzellas serao iguaes na forma
e no proc), variinilo somente nas cores c ornatos.
Puroulia
1.* ciasse.C-rro semelbante ao de 1.* ciasse
para adultos, senJo o caixao eoberto de velludo
e galao de ouro o forrado de setim, tudo de euros
apropriadss, iiOjOOO.
1." ciasse.-Ci.rro Bemlhanta aos da 3* para
adultos, com &Jr;s apropriadas, sendo o caixao co-
bertos de eelbutna e forrado Je setim de qualida-
de inferior ao do I.* ciasse, tudo com as cores
apropriadas. 0= caixSes desla e da l.a ciasse po-
derao ser pintajos e d rut Jos ou pratiados, se
as paries liisso (oovierem, 30*000.
3.* clas*!.(kirro simpiM seiiielbante i.os da 4."
ciasse pan. "a r apropriada, e
**eea assim # I
Alem de ivera (amfnim carro
de lu r do 100*.
O i ta 1 ciasse. tanto para
^df*l! iiro eria
o, veslinco ri m
tado com 8 Oi"
largo deP .^fi*t
ARMAQAO DE KQAS
1 class*. -Eca com Ires e>trados, cupola figtt-
rae, emMemas, guarnicao de veOudo, panno lino
galdes4c ouro ou prata enlielinos, trinas, b.r-
dailos a onro e enfeites dourados prateaJus,
crepe*, penachn*, 1603000.
*.* clause.Ecj cOm trc- cstra.kis, lipnras, em-
Weoias, Buarnicao de veil id >, | de onro ou de prata Mtretkom. trinas, crepes....
80*000.
3." ciasse. Eca com dmis estralos, guarni^'ao
de velbutina, fazenda de la, pMt6 de pailu-ta, tri-
nas, v. laule, 40*000.
4.* ciasse.Eca com um< ostradu, guarni'^o de
fazenda de la com simples adorno de volanles e
e alKOdlo de paldeu falsa, 20*000.
5.' ciasse.-Eca com estrado guarnecido de
baeta, volantes, galoes de baixo preco, 10*000.
Alem dessas classes podera o conlratante, a
prazimento das paries, armar ecas ou cenotaphios
de maior preco.
TABULA-C
ARMKCAO DE IGBEJAS
Primeira clothe
I,* Guarnicao de velludo, panno fino, e galoes
emblemas, franjas de onro e prata enlrefinos em
cada altar lateral, 184000.
2.* Dita nas ca|icllas mores, 24*C00.
3.* diU-emoada porta, 6*000.
4.* Dita em cada tribuna e pulpito, inclusive
colcha 9*000.
5.' Ditano com por cada colcha 3*000.
O forro das paredes de igreja?, sera feito pelo
preco que o encarregado do funeral ajustar com
o conlratante, attenla a natureza e quantidade da
tella que se houver de applie.tr.
Srgutida ciasse
1.* Guarnicao.de velbutina, fajenda de la, galoes
e emblemas em cada altar lateral 124'00.
2.* Dita nas capellas mores, Jfi*iN)0.
3.* Dita-em cada porta, 4*000.
4* Dita em cada tribuna e pulpito, inclusive
colcha 6*000.
5.* Ditano couro cada olcba 2*000.
TBELLA-D
VBSTUABIOS DOS CADAVKRES.
Adultos
llabito de alpaca fina, das diversas ordens reli-
giosas 16*000.
Idem de alpaca de qualidade inferior 12*000.
Idem de dita ma is ordinaria 9*000.
Idem de metim 7*000,
Vestuario da Cunceicao ou da Soledade, feito dc
sedi com galSes e rendas entreflnas C0*000.
Idem de setim papel com yaloes e rendas de pa
llieta 2o*0;)0.
Idem dc cambraia com galoes de palheta.......
10*01.0.
Habilofjde morim branco, 7*000.
I'arvulos
Vestuario rieo de S. Miguel ou Santo Urbano..
60^000
Dito de S Jo?e ou S. Joao, 30*000.
Dito do menino Deo*, 20*000.
Osmesmos vistuaiios, sendo de qualidade infe-
rior por metade dos ditos precos, e sendo de setim
ordinano com galao de palheta falsa pela terja
parte dos jnesmo? precos.
TAIJELLA K
Ataudet
L* ciasse. Forro de panno lino preto guarnecido
de bordados de metal douiado ou prateado de
galao enlrefinocom emblemas mortuarios 80*000.
2.' ciasse.Tudo como na primeira-classc, mas
de qualidade inferior, 00*000.
3." ciasse.-Forro de panno preto guarnecido
de gaioes lie"palheta, simples ornatos, 40*000.
I.* ciasse. Furro de alpaca preta e galoes or-
. 20*000.
ciasse.-Forro de metim 10*000.
6." Ciasse.Simples madeira com os seguintes
lamanhos :
De 0",5O a 0-.80 3*000.
De O,90 a 1,30 4*000.
De 1,40 a 1,80 6*000.
_ Os ataudes de qualquer das dita? classes nao se-
rao pregados, e terao dobradicas e n.ni aldraba e
tranqueia.
0 aluguel Jos caixoes para conducc,ao dos ca-
daveres a mao para o cemilerio ou dcposila-los
en igrejas, sera de \ a 10 mil reis para adnltos,
confurme a oniamentaoao. e para parvulos de 2
a 8*000.
uinarios,
Santo Antonio
EMPREZA
V1CI
Quarta-feira 29 de outubro
Recita extraordinaria.'
Em beneBcio do
o antigo bilheteim bem conhecido nos tbeatros
desta cidade.
ProgiMMtiina.
Representar se ha o semprc applaudido drama
prologo
em I
3 acios :
sen Jo
tisla
\
dosempenhado
principal papel pela ar-
Manuela Lucci.
Terminara e espectaculo com a comedia em 1
aeto :
As duas heiigallas.
I'rincipiara as 8 1|2 horas.
0 beneflciado espera Uo respeitavel pnblico toda
a proteccao que costuma dispensar aquelles que
a solicitam, e agradcee desde j.-'i a todas as pes-
soas que se dignaram aceitar oj seus convites.
AVISOS MARmMOS
Para
Sogae com muita brevidade para o porto acima
a escuna Henrielte, recebendo alguma carga na
camara e passageiros : a tratar com o capitSo na
rua do Commercio n. 4.
Cttiiipaiihia awericana e lirasiicira
de jiapeles a vapor.
Ate o dia 1* de novembro e esperado dos portos
do sul o vapor americano Ontario, commandante
locum, o qual depois da demora do costume
seguira para os porios do norte,
I'ara fretes e passagens, trata-se com os ag ente
Henry Forster A C, rua do commercio n. 8
Real companhia de paquetea
inglezes a vapor.
No dia 29 do correntc espera-se dos portos do
sul o vapor inglez Boyrte, commandante F. Reek^
o qual depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
cente e Lisboa-
Para fretes, passagen?, etc, trata-se na agencia,
^^e Commercio n. iO.
COMPANHIA PfiRflAMBUGaSA
DE
MlavfAj^ia^a* cMteirm m V|Mr.
AKAflYtA, SATAL, MACJiO, MfTSSOKO', AhACA
TT, g^aAa, mannac''k acahaco'.
0 Tapor Ipojuca,
commandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 30
do correBte, a* 8 bo-
ras da tarde.
Kecebe i-arga ate o din 28 do corrente, encom-
L-ien ate as 2 U*ra- Ja urde do ilia da sahida : es-
crip'-T"
Knrr !" "iSattos Q. {'.
Para o l*aia
segue mm falta nest>-s poueos Jias o patacho alle-
mao Brillutiiln : para a ponca earga quo lhe falta,
trata-se com \ulonio Luiz do Oliveira Azevedo &
C, no sea escriptorio a rua do Bom Jesus n. 57
COMPANHIA PERNAMBICANA
BE
\hve^wciln cestcira vupor.
FERNANDO DE MOHONHA.
0 vapor GtquiA, com-
mandante Martins, segui-
ra para o porto acima
no dia 4 de novembro
ao meio dia.
Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 10 horas do dia da sahida.:
escriptorio ifi Forte do Mattos n. 12.
Bahi
la.
0 hiate Garibaldi segue em poueos dias para i
i orto acima : para carga trata-se com Tasso Ir-
maos 4 C. a rua do A morim n. 37.
Para
Para o referido porto pretende seguir com pou-
ca demora o brigue portuguez Recife por ter a
maior pane do carregamento tratado : para o
re-to que lhe falta trata-se com os consignalarios
Joaquim Jose Goncalves Beltrao 4 Filho, a rua ao
Commercio n. 5. __________*
"COMPANHIA PERNAMBLCANA
DE
\uvesacilo eosteira a vapor.
MACEl6, ESC ALAS E PEN EDO ,
0 vapor Mamlahu,
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 30
do corrente, as 0
boras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 28 do corrente, encom-
mendas ale 0 dia 30, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte to Mattos n. 12.
Companhia Franceza dc Ifarcega-
$&o a vapor
Linha mensal entre o
Havre, l.islioa, Pernainbueo, Rio de
Jaiieii'i), (Santos, somente na vnl
ta ) .Montevideo, BuenosAyres,
(com baldea^ao para o Rosario)
STEAMER
YilXE Hl UWUV
Coniitinndante, P. Robert.
E' esperado dos portos do spl at6 0 dia 4 do
novembro, seguindo depois dademora precisa pa-
ra 0 Havre com escala por Lisboa.
Recebe carga para Antuerpia em direitura, e
para Liverpool, por baldeacao as expensas da com-
panhia.
Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os qoaes tern excellentes acommodacoes
por pregos reduzidos : trata-se com
OS CONS1GNATAR10S
AOGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
XiRua '.lo CommercioEntrada pela rua
do Torres.
Pacilie
StMiu Navigation Cosipaii]
Linha qninzenal
0 PAQUETE
AGELLAN
aspera-se da Enropa ate 0 dia 9 de novembro
e depois da demora do costume seguira para 0 sol
do imperio, Rio da Prata e costa do Pacifico, para
onde recebera passageiros, encommendas e dinhei-
ro a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe Jk C.
ti RUA DO COMMERCIOi*
l^^K
PCiFIC STEAM
PANY
L.inlna quinznnl
0 PAQUETE
LUSITANlA
espera se dos portos do sul ate 0 dia 8 le novem-
bro, e depois da demora do costume, seguira para
Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde re-
cebera passageiros, encommendas e carga a frete
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA 1 COMMERCIO14
COMPANHIA PERNAMBICANA
DE
\nve^actlo costelra a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Corwnj**, com-
mandante Santos, seguira para
0 porto acima no dia 28 dc
corrente, as 5 horas da tarde
Recebe carga, encommen-
das, passagens e dinheiro a
frete ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. U.
*w^<3&..
%m
LEILOES.
IHUHH
(Jrandc c importaule
LEILAO
DE
ntoveis, loucas, vidros, crystaes e prala
Hoje
as It hora em ponto.
0 preposto do agente Pestaea fara leiiao par
con la e risco de qnem pertencer, e de nma fa-
milia que se retirou para Europa, de 1 riea mo*ol-
lia de mogno com tampoa da plr. 1 dita de ja-
caranda, iiima>as condwow, i aiu 4aamarel-
le, 1 dita mpeo, 1 dita de mticica, ico p|
ingler, 1 edHfoda do jaearaiida, t d.
2 dita* do amsrello, 1 guarda-k:* 4
2 pare* de aparvl.<
de faia, 1 cartefra rle amareflo, 7 quadros a oteo
com ricas paisagens, 1 rico relogio de ouro pro-
prio para medico, 2 ditos para cima de mesa, 2
pares dejarros, cadciras de junco, ditas de ama-
rello, tUflB de jacaranda, rabides, qnartinbeiras, 1
mesa elastica de 30 palinos, mesas redondas, mar-
Jueades, marquezas. eamas francozas para rasal,
itas de forro, s*fas, eadeiras de balanco, ditas de
bracps, guardacomida, e nmitos oulros objectos
que esiara>.i paientes no aeto do leiiao.
QU1.NTA-FEIRA 30 DO CORRENTE
as 11 horns cm ponto
ao correr do martdlo.
No primeiro andar da rua do Commercio, anliga
_________rua do Trapiche, n. to.
Leiiao
m
13 barris com manteiga ingleza
OL'ARTA-FEIRA 29 DO CORRENTE
is I i horas em ponto.
0 preposto do agente Pestana fara leiiao por
conta e risco de quem pertencer, de 12 barris com
manteiga ingleza
Hoje
As 11 boras da man hi.
No armazem do Annas, defronte d'alfandcga.
DE
um e>cellente fogao de' ferro, um grande
jgtiem de cozinha, louca, mesas, aparado-
res, e mais objectos do hotel da rua do
Barao da Victoria n. 48, entrada Dela rua
de Santo Amaro.
EM LOTES.
QUINTA-FEIRA 30 DO CORRENTE
Pelo agente Martins.
A's 10 1 [2 horas em ponto.
LEILAO
DE
e oDj-ctJs do uso tiotuestico
Quinta-feira 29 do corrente
NA
t6-Rna d lmperador-16
SS3
a
loja chapelaria elegante
rua da Imperatriz n. 3
Siexta feira 31 do correntc
as 10 1|2 horas.
rtensilios, arma^ao e mercadorias
A saber:
Uma armac|o envernisada e envidra^ada, 1
grande balcao.l flteiro do amarello envidragado,
2 mostradores de mogno envidracados, 1 arma-
rio, 1 armacao ioglezs, 1 carieira de aiuarello3 2
espelhos, ulensilios para 0 fibrico de ehapeos,
eandieiros, arandellas para gaz, cabides, bancas e
mesas, chape", s de pelucia, castor, feltro, la, pa-
llia, para homens e meninos, ditos de pallia da
Italia, velludo, setim, sparterie para tenlioras e
meninas, bonct?, plumas, flores e outras miudezas.
0 agente Pinho Borges, autorisado, levara os
objectos e mercadorias acima declarados, a leiiao
os quaes o ine.-mo agente no aeto retalharaoslote?
a vontade dos conipradores, ou em um s6 lole ha-
vendopretenden to.
0 mesmo agente vendera na mesma casa, I pia-
no, 1 exeellente mobilia de mogno, eompondo-se
de 18 eadeiras de guarnicao. 2 ditas de braeos, 1
sofa com encosto de palbinha,2 concolos com tarn-
po de pedra, meia comffloda de amarello, 1 me-
sa e prensa para copiar, eadeiras avulsas, espe-
lhos, 1 secretaria, mesas, cabides, quarlinheiras.
jarros para flores, quartinhas, 1 e outros muitos objectos.
Iff
ANTONIO JOSfi DE AZEVEDO.
Rua Nova n. II.
piAses.
Ouerondo di linitiv.i nonle liquil^r "Ste tiegot-io, leudc lodos os quo tein, novos e
UStdos, pelo prm;o iln i nslo dc i.iclura.
Tain bem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes parn assodlio do sains, de muitos limlos desenhos de 11 a 33 palmos
do largura h 100 iln coinprido, podendn furrarse uma sala por grande que
soja com Qtosilq inttiio.
MAGNIFICOS fspelhos ovaes para uriiameiitos de sal.is.
ANNE'S electricos para cur;ir dnrs do i'.abo;a.'hi*vra4*|iM e neivoso.
MUITO lin las gravuras, gr.uilos, para qua Iros ile Nth,
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cor I s, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA- e papel picadu para honlarcom l>1 on sola.
VERDADEIRA agua do colonia em garrafas enipiilh.idas.
E muitos outros arligos, e por muito barato pi-ecu.
I
Es i
2M* X.
FABRICALAB0RATORIO,."i.",CITE DES FLEURS.8ATIGN0LLES-PAPIS
YINHO.iBORDEAUXQUINADOKCHEVRIER
De uma riqueza incomparayel em principios aciiTOf, tonico, (ortiflcantc; emprega-M nas febres rebeldes, na*
conralescencias tardias, nan diarrheas chronical e em todos os casos d'alonia.
VINHOdeMALAGA OUINADOoeCHEVRIER
Possue as mesmas propriedades do que o anterior, mas emprega-se com preferencia para as mulheroe, o
cnancas e as pessoas cojo estomago 9 debilitate.
VINHO.QUINAFERRUGINOSHCHEVRIER
Que reune os dous agenles mais poderosos da therapentica. soberano di eblorose, na anemia, leucorrhea,
pysmenorrhca, nos meninos durante sen cre'cimento e nas donzellas no momenlo da puberdade.
YINHOk PEPSIN A EDIASraSE.iCHEVT.IER
0 digestWo mais heroico que se conhece, favorece a assimilacao e restabelece instantaneamente as fonccfies'
do apparalo digestive *
VINHOmPHOSPHATOdeCALVeCHEVRIER
Na tisica pulmonar, fecha as chagas do pulmio atlacado, cura as alporcas, 0 raquilismo restabelece a sauda
das pessoas exbaustas pelas vigilias e pelos excessos. Notaveis successos obtidos nos hospitaes.
VINHQ DEPURATIYO DO DR. CALVO, SOBRINHO E
DtSCIPULO DO CELEBRE PROFESSOR RICORD
Especifleoindispensavelparaassegurar a cura radical de odas as moleslias sypbiliticas anliguas ou recentesk
Deposilo em Pernambuco, A. REGORD.
.-"
/ Y
Ti'L
LEILAO
DE
uma parte do sobrado n. i da rua dos
Quatro Cantos em Olinda, e uma dita di-
ta do sobrado junto ao mesmo e u mcs:
ina rua.
'"ievtu-feii'rt 31 do corrente.
0 agente Marlins levara novamente a leiiao, per
mandado do Iilm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio, as paries dos sobrados acima, pertencentes a
massa fallida de Manoel de Souza Larneiro Pim-
pao.
No armazem da rua do Imperador n. Is* as II
horas da manhll do dia acima.
Leiiao
antiga
DA
taverna sita a" rua de Marcilio Dias,
ma Direita n. 74.
SEXTA-FEIRA 31 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS EM PONTO.
0 preposto do agente Pestana fart leiiao, por
conta e risco de quem pertenc- U muita afre-
guezada taverna sita a rua rl- "' ilio Dias, anti-
ga rua Direita n. 7i, da *r- i. i.. generos e mais
utensilios existenies na ih taverna, osqnaes
serao vendidos em 1 on mi* lotes a vontade dos
compradores. Garani. .-o a posse da casa, cujas
cbaves se acham desembarai.adas de qualquer
onn*, podendo desde ja ser oxaminado o balanco
em mao do referido preposjo.^ sexta-fcira 31 do
corrente, as II horns da inanha.
ei
Restaurant de Bordeaux.
Rua 1." de Mar Neste hotel, otido se cncontranl aposontos br-m mobiliados, garante sc as pessoas
que o freqnoiitarem, nao 36 a boa qualidade dacozinlia, como tambem o aceio e promp-
tidao em servir-se aosonenrrentes. Sitnado no mellior bairro desta eidade,* o hotel de
Bordeaux offerece todos os commoclos nossivcis, qaer com relacao a--? aposentos mobi-
liados com gosto e aceio por niodico prei;o, ipier com rclacta a sua posi^iio.
Almoc.'is Viubos dc todas as qualidades.
- Lnncbs Conservas idem idi'm.
'ir.tarcs Ci-rvejas idem idem.
Ceias Licores idem idem.
Agua de vichy verdadeirae nova a 1^000 a garrafa,
AssjffnaliiiMs ??ien^i's is 33&G&) !l
DO l. DE NOVEMBRO EM DIARTfi.
Mtal
Mme. F. Bimont, tendo abo: to um hotel para satisf.izer a necessidade que torn os
viajantes, de bospedagens na cidade do Natal, capital do Rio Grande do NortP, offerece a"
concurrencia publica e garante aceio e promptidao no service.
Alem de ser este hotel coll icado ua melhor rn i desta ci la-lc, fst das melbores casas, pelo aceio e posi^So.
Tambuin ha quartos mobiliados qun se alugam mi.-nsalmente.
Pre^o o mais resumido possivel.
s.
um
DE
magniuco sobrado
de
2 audares o SO;
tao, em chaos proprios, com Create do
a/ulejo, da rua do Bom Jesus n. 20.
TERCA-FEIRA 4 DE NOVEMBRO
as 11 horas.
0 agenle Pinto legalmente autorisado, levara a
leiiao o predio acima mencionado, oqual torna-sc
recommendado por ser novo e edificado em chao
propno, eem uma das ruas mais commerciaes.
0 pretenJentes poderao desde ja examina-lo, o
concorrer ao leiiao que deve ter lugar as tl ho
ras do dia 4 de novembro, no escriptorio do refe-
do agente, a rua do Bom Jesus n. 43.
avisos ovtrsos
Frontispicio do Carmo.
PHOr.lUMMA DA I'ESTA DE NOSSA MAI SAXTIS-
MA SF..M10KA DO CARMO DO I-RONTISI'IOIO.
Na sexla-feira ( 31 do correnic ) ao meio dia,
uma musica marcial annunciarii, tocmd i algnmas
pecas de gosto, a fo-ta da mes ma Senhora.
As o horas di tarde tera lugar a bencao da ima-
gem,sendo p.idrinhos os Illins. Srs. Dr. Honofio
Bezcrra do llenezes, eapitiu Antonio Climaco Mo-
reira Temporal, negocianio Agosiinho Jose -nans
e Joaquim Lopes da I'oSta Maia, subimlo a is ares
giranJnlasde fogn.
As 7 horas da noile tera lugar o levantanienlo
da bandeira, sahiudo da igreja par.i o pan acorn
panhada por meninas ; depois da qua! uma ladai-
Na madrugada de sabbado havera missa rc-
9tda.
As 10 boras Ja manha desse dia entrani a festa,
sendo orador d.-lla o eloquente pregaior da ca-
pella imperial o Rvd. padre Lino do Monte Car-
mcllo: linda a festa am grande balao subira aos
ares.
A" tarde a musica marcial lacara, em frente
da igreja, lindas pecas de sen repertorio, seguin-
do-se n tiramento da b indeira.
As 7 horas da unite entrara o act i, sendo pre-
gador o eximio pa Ire nestre Leonardo Joao Grego.
Por ultimo, se qucimara um Undo fogo do ar-
llficio. -
Opateo "start decentemente illiwiinado.
Atten^ao
Andre Vidal Alves, proprietario da casa na Pe-
dra Molle, aonde o Sr. Jose" Antonio Mendes tinha
uma pequena vendinha, e caindo doente recolheu-
se ao hospital portuguez e no mesmo falleceu no
dia 16 de outubro; portanto, faz ver aos credo-
res do mesmo para virem ver a casa e examina
rem o balanco procedido com tresentos e tantos
mil reis em resto de generos e caseos vasios, vis
to que o proprietario qner sua casa desocenpada,
deixando o defunto uma nola dos credores o seis-
cento* e tantos mil reis, sob pena de perderem o
o direito a mesma.
Pedra Molle ou engenho Dons Irmios, 28 de
outubro de 1873.
Hypolito MartinsjSoncalves.de Pinho.
triad.)
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa se de
utr. criado de 13 a 14 annos, forro ou escravo.
Pederse
ao Sr. Joao Gon;alvcs Ferreira Seve, para vir a
rua das Cinco Pontai n. 93, a uegocio *> sen par-
ticular interesse, ,
ire)-U grand
iian>fi|vro de i
Aluga-se jA^^:
ando casa com sutio, circi. taelias,
't mnro com portao de ferro, no fim da
urora, a raa da Lejnbranca do Gomesr: a
Lgaacin B*'
Alnga so nma excellent casa na povoacao
de Duarte Ooelho, em Olinda, cum bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
Amorim, n: 37. ____________________
Massa fallida dc Duarte &
Medeiros.
0 .. -ipuado, administraJor desla mas-a.
tendo de umceder -a v*rifie.v;ao e classificacao
dos credi:os, convida pelo presents a quem se
julgar crcdor, a apresejifar .*eus titulos ate o olli-
mo do corrente, na rua do Marquez de Olinda n.
4-1, para aquelle lini.
Recife 21 de outubro de 1873.
Jose Portnnato dos S. F'orto.
#a.e *a -""icrava par* eozinharo lav.tr:
I rr. IVIimi J |- andar
NOVAS PUBLfCACDES UUSICAE&
A. J. Acabam de publicar s<>, e acham-sc &
venda as segiiinlts musicas :
PIANO SO'.
Danse espamioi.a, por Aschor 28*000-
Arabella, mazltika, pur G. Wor-
tbeimer 1J650O
Valsa no Falsto, por Croyzes 19000*
SOMIO DF. LMA VIRGEM, por Albor-
tazzi tf&OOO
Anna la Prie, cavatina 19000
AoClairdei.a Ixxv., por Bussmeyer 19500
ESTRELLA DO SORTEf i iu AMLnnn
^ ... i. >Poikn l.ri hante IfflOOO
bAUDAQAO AO BaHIA (
Cricket, por Seixa's, oiforecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiauo I900O
PIANO E CANTO.
Desespf.ro, muilo litido romance
por I. Smoltz 2*000
Non m'amav'a, romanc.' por Guercia 19000
Tambe-r re-obeu da Europa grande sor-
timento de musics para piano, piano e
canto, estudos, inethodos, etc. etc.

tor.

>"o engen'
;i ra do Mai
HM>.dc a
mimmmmma
mmmm
mt


._ -* '
!
I
i
1
*
3-iario da Feraambucu Quarta feba 29 de Outubro de 1873.
A quem interessafc
PeIeiro d* *,va ^"""rJe*, propri-tari
oj.i do Pav-jc, prev-nem (y.-io pronto a*--u-
nfm '..'into mmernplarao com
guczet: lest;, .ra.a, quege, .vliam com sens debit*
ir>ami>9, que so iao-il.laivin m mesnios ale)
lia .w.te^nAubrn do cnn.Hiie anno, tratarAo d
cobrar iudicklmeot
nirtfoe*!i.
Kecifi', 2i if. s.i<':nlir de 1873.
Doees, fructas^elloTes;
Na ma da Cruz n. 6 tem todns os dias sorvete
das II lK>ras .-m diante, gelados, refrescos e xa-o
pas de t'jdas usqualidades.
Kngio da villa de Pao reste, o urer.o crioute, de noine J aqniii que re
presenla Ur : a 10 annos, alto e cbelo do eoi,
nanz afilado o pouca barba ; foi encontrado iia
hstrada W em direc^ao para esta pra a, vesli-
tit !^2 Jaioeu branca, camisa de mada-
polao, eigommada e chapeo de baets. i este es-
?tu? T^tJ* 'F"*** em I84S a 1848, para
a villa d Pao d'Alho, em companhia de sea an
ugo senhor o capilao Jose Felippe; ha sete annos
pouco mais on menos fez uma fugida igual a esta
roi prese em Iguarassu, no engenho Fnhaman, por
onde vagava : pede se as autoridades policiaes a
captura do mesuo escravo, e qaalquer capitao de
StuP? aao ".cap'arare conduzi-lo 4 referida
viiia ae Pao d Alho a seu senhor Antonio Antunes
aa silva, ou nesta praca a Nicomedes .aria Frei-
re, na Boa-Visia, travessa dos Pires n. 31, sera
bem recompen; ado.
ATTEWAO
Precisn-s.' do uui m.id. para casa de pcqurna
aniilia ; a iratar ii \ Iravessa d> Vigariu n. I. e~
enptorio.
A;i!i,iin ,bi riMtgar |ii-lii v.ip.ir anmneai*^ de
Havana. ttoqs Wit >- I..p.-inlioi's. utn delta .'
prifcssi'-na! .-.n fi?e- .i*ue.ir e a^r-uli.T. < o on-
ttn i!i:n limi-i.i f. i.nili-in niusire do ain\-.r a
pes* a -|ii.- ,c 'I'rfirr ittilisar de >.-us i-mi.-.fc, p.
de dirigir si) ;o cousulado da llespanlia mm dira nnde se acbain.
Alugase uiu.i ca-a na Capunga, rua da Ven-
tura, com ramaicilos para fainilia, roncertada e
pintada : a tratar na rua Dunne de Caxias nume-
ro It.
MOPINA
Esta eneonra^ado 1 !
Roga-se ao lllpj. Sr. Ijmar.j,, Vi.ira de M^llu
escriva ua cidaile d! .N'a.'.arcil, favor de vjf a ma Ihique di- t>xi n. 16. a nm-
.tluir a ^eaii^ar, pela terceira chamada deste jornal, em
ns de dezembro de 1871, e d>pois para Janeiro,
passou a fevereiro e ahril de 1875, e nada euRiprio;
a por este motiyo e de nnvo ehamado para din-
dm, pois S. S. se deve lembrar qne este negoeie t
le mais de oito annos, e qnando o Sr. sen filho v
n-hava nesta eidade.
Casa.
Aluga-se o (* andar da casa n. 61 da rua do
Apollo : trata se na rua da Cadeia n. 3.
Allencao.
Aluga-se urn dos melhores sitios da Torre,
com boa agua de beber, perto da capclla : a tra
tar com o respeetivo proprietario Caneca, profes-
?or de pnmeiras letras do mcsmo Ingar.
Andre Cimeiro Goelho Cinlra faz sciente ao
pubhco e especialmenle ao respeiuvel corpo do
commercio que nesU data dissolveu a sociedade
gommercial uue linha com Henrique Ferreira
Pontes, ficando este responsavel por tuda e qaal-
quer obrigaeAo ate entao contrahida em nome da
mesma sociedade.
Recife, 13 de outnbro de 1872.
Alngi m a armazi-m de recolher na iua do
Burgoi n. 11 : a tratar na rua da Praia n. JO,
a iraUr com Jo6 Eeliclano Nazareth.
0 Sr. Antonio Lnii da Costa, que fol nego-
ciante em Olinda, na rua de S. Bento n. 45, e
cham ndo a mes-ra cidade,a rua do Comireroio n.
it, a negocio que S. S. bem sahe.
Tmin
MEURQN
Preci&i-sc'd* um criado para uma cjsa de
pequena familia : a tratar na travessa do
Vigarioq. 1, escriptorio.
Atten^ao
100#000
Gratifica-se com esta quanti< a quem agarrar a
mulata escrava Balbina, baixa, cheia do corpo.
canellosca.chiad.is e ralos, que tendo sido ha tem-
po cortado. presf ntemente amarra, tem uma pe-
quena c>catriz en uma das sobrancelhas e outra
em nma daa mans do dedo pela parte de dentro
que pnva de a.)ri-la pe feitamente, e ja andou
fugida em Soyanna, Itamaraca, Iguarassd ; sendo
amasiada com urn soldado do *, foi presa na al-
deia da fortaleza das Cinco Pontas: quem a pe-
gar leve-a ao Caminho novo, em casa do Sr. Joa-
aim Luiz Gonralves Penna, ou a rua do Viseoude
le Goyanna n. 8!>.
Antonio Llimaco Moreira Tempo-
ral e sua muther Juvina Gomes
Pcnna Temporal mandam resar
ur.ia miisa pelo eterno repouso de
D. Margarida Baptista Cahifa, fal
lecida no dia 17 do corrente, em
sen engenho Serra Ouca, sito em
Porto Calvo : rogam, pois, aos parentes da falle-
cida e aquellas de sua amizado, se dignem de as-
sistir na quinta-feira 30 do corrente, pelas 7 boras,
no convento do C.irmo.
Dr. Joaquim cla Silva Gus-
mao.
Cosaria &ndiJa Nubre de Gusmilo couvida aos
parentes e amigos de seu finado filho Dr. Joaquim
da Silva Gismac, para na qliinta-feira 30 du
corrente assistirer.i as mls-as que se resarao na
Carmo por occasiio da traHsIadacao dos =eus res-
tos mortaes, para a Ordem Terceira do Carmo.
Hotel chinez
21Rua da Imperatriz21
Esta aberto a concurrencia do respeitavel i,u
bhco este npvo e bem mil estabelecimemo fiece-
be-se assighituras measaes, e promette-se ter
sempre sulBcientes comedorias para se fornecer
avulso. 0 proprietario doste n vo estabetecimen-
td promette servir o melhor que se pode deseiar.
e por precos muito resumidos. 0 que se torna no-
tavel nestes caso.-, e o asseio e nrumptiio ; e nem
so se pode affiancar i-io, com > tambem se garante
as comidas serem muito bem feitas, visto que tem
um cozinhoiro do primeira ordem. Havera todos
os dias sorvcte das melhores fructas conhecidas
entre nos. Espera-se a concurrencia do respeita-
vol publico.
Boa
casa para a festa.
Aluga-se uma excellente casa no Monteiro, tra-
vessa do Xisto, a qual se acha em muito bom es
tado de lirapeza : a tratar na rua Primeiro de
itarco. antiga io Crespo n. K A, loja de Gnrgel
do Amaral & C.
>a rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-se
lallar ao Sr vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
reira, a negocio de seu interesse.
Cm hi'mem portuguez, oasado, tendo uma
irenina, se offerece para caixeirft de algmna oa-a
de molhados, ou mesmo paracaixeiro de engenho,
do qne torn- bastante pratica, o qual e bastante co-
nriecido nesta pra.-a : quem precisar annuncie.
S Consultorfo homeopa-
m ihico
0
C0ZINHE1RO
K5No hotel de Adipucos, precisa-se de um co-
zinheiro, livre ou escravo,
Pede-se ao Sr. Manuel Rodrigues Pereira,
:om padark. em Santo Amaro, queira se entender
com o sea ex empregado Antonio Jose da Silva a
negocio de rnuita urgencia.
Atte9$td.
Rodrigues dos Anjos
Alexandre Rodrigues dos Anjos declara que
nao se entente com eiie o auuuueio que 3 pseu
do Martelto publicou hontem neste Diario ; vis-
to como nao tem nem nunca teve negocio al-
gum de particular interesse no becco do Padre.
Atacado de nil mal, que a nao ser a mise-
ricordia Divina, a proteccio de alguns amigos, e a
pericia do distinct" medico que me tratou, o lllm.
Sr, Dr. MaJaquias Antonio Goncalves, teria por
eertosuemmbido, tal era a natureza e gravidade
do mal ; e porque julgo-me hoje quasi restabele-
cidotomei a imbrensa c*omo interprete do senti-
mento de gratidao qne eternamente votarel a al-
guns amigos resilentes no povoado denominado
Barro, com especi ilidade ao3 Illms. Srs Rvm. pa-
dre Raphael Antonio Coelho, Bernardo Gomes de
Abreu esna Exnia. familia, Germano de tal e Jose
l.uiz da Cosla Aze^edo, aos quaes pelo muito que
me prestaram oirere^o o meu ai-anhado prestimo
onie quer que o destino me colloque. Recife, 28
de outubro de 1S73.
___________riyses Thcmistocles da Costa.
0
Do Dr. Santos Mello
41------Rua do Irhpera lor------1!
Consultas todos os dias das 11 a I da
tarde.
Gratis aos pobre?.
Residencia a rua Nova n. 7, segundo
andar, onde da consultas das 6 as 9 da
manha e das 3 as 5 da tarde.
Chamados a qualqner hora.

JK**B mM* v
'm
o ilia de Bnados
As ilores naturaes *ao as mais prpprias pira
esse dia, e por isso todas as pessoas que precisa-
rem degrinaldas muito bem feilas, devem mandar
suas encommendas na rua da Cruz n. 6.
Doces, fructas e flores
Na rua da Cruz n. 6 apromptam-se encommen-
das de bandeijas com bolinhos. doce3, pio-de-16,
bolos, pudins e presunto em flambre para casa-
mento, bailes e ontros, doces d'ovos e fructas crvs-
talisadas e de calda, geleas dilTerentes, aita de m'ao
de vacca, tndo muito bem feito.
Alugam-se nesies proximo* dias duas boas
casas na Capunga, rua da Venfur com comno-
dos para fam.ija, as quaes f(;iam concerudas-; e
estao se pintando : a tratar na rua Duque de Ca>
xias n. it
Prevencao
Ao abaixo assignado dt-.se ncaminhou-se uma
cariafirmada em 10 do corrente mez pelos Srs.
Cunha 4 Irmaos, do Araeaty, capiando um sai|ue
maior de lt:W)04, e como se ignore contra quem
vem o dito saqne, e qual a quantia exacu ; vem
prevenir que ninguem o aceite, sem que seja apre-
sentado pelo abaixo assignado.
Recife, 24 de outubro de 1873.
__________Antonio Alberto de Sonza Aguiar.
Aluga-se o 1 andar da rasa n. 69 da raa do
Padre Floriano, proprio para pequena familia ou
homem solteiro : a tratar no 2 andar, das 8 ho-
ras as i da tarde.
ftos eompradores do bem conhecido e acreiitado rap6
AREA PB.ETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rapd de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cdr, eujo desenhc se p6de
confundir com o d'aquelles.
iiTif?8 aPre^adores que qaizerem do verdadeiro AEEA fel
FBETA, devem para nao serem l'n
os botes tragam o nome de
na 2D
enganados
& C, e
ver qutt
a demg-
t
Faz-se negocio com a da rua de Vidal de Ne
greiros n. 147, que foi do Campos, uma das me-
lhores naquella rua, ou tambem se admitte um
socio om algum capital ; o molivo e porque o
encarregado da mesma tem de retirar-se para
for:, da r-rov!n.;ia a trataj Vigario n 3.1
..UFfDORWT
Tem para vender J. S. Carneiro da Cu-
iilia, em seu escriptorio a" rua do Encanta-
mento n. St. 1." andar.'
- 0 lllm. Sr. Dr. Leopoldo Cesar Duque Estra-
da, formado na academia de Pernambuco em 1873,
filho 9o lllm. Sr. Joaquim Leopoldo de Figueiredo,
e cnamado a loja de Amaral, Nabuco & C, rua
Nova n. 2, a negocio que nao ignora.
IOOjJOOO.
Esta fugido o escravo Manoel, de Joao de Souza
Di;is Valladao, que esta em Fernando de Xoronha,
o qnal tem os signaes seguintes : mulato, andar
descancado, altura regular, barba serrada, e dizem
que anda com uns papeis falsos, e intitula-se como
ivro : quem o apprehender e leva-lo ao largo da
A-semblea n. 17, rebera a gratificaQao acima.
Ausentaram se do engenho Jaguaribe os escra-
vos seguintes :
Manoel, erionlo, de idade de 18 annos, baixo,
com todos os den:es, olhos grandes e bonitos, na
riz grosso, orelhss pequenas, tendo a esqueida
como que no cimc della uma beira aparada, e na
face esqucrda uma cicatriz, bocca grande, pes
pequenos e fcios : e filho do Brejo de Areia, e foi
alii escravo de Antonio Isidoro Delgadc Caval-
cante.
Luiz, cabra, b..ixo, cabellos carapinhos, testa
larga, olhos grandes, nariz grosso, bocca regular,
rosto oval, liarbado, tendo as mesmas muito ca-
rapinhas, 6 pouco espadaudo e tem pes grossos
e curtos : cravo do finado major Antonio Bernardo, sendo
pepois de Vicente Ferreira Lima morador no Co-
ueiro de Pajeu.
Pede-se as autoridades policiaes a apprehensao
destes eseravas, e graiilica-se bem a qualqner
particular que os apprehender e os levar no
di'o engenho, ou na rua Nova n. 8.
iOOS (le gralilicacao.
Ansentaram se do engenho Araquara, termo
de Escada, desde o dia 19 do carrente, os efcra-
vos : Pedro, de 21 annos, cur fuia, alto, grosso do
corpo, pes apalhetados, ladino, cantador de mo-
das, comprado ne-ia eidade a. Barao de Nazare-
th ; e Antonio, de 30 annos preto, estaluia e cor-
po ragniaret, com falta de denies na frente, pes
tambem apalhetailos, t- cador de viola, comprado
ao Sr Leonardo Roiin. Suspeita-se que o pri-
meiro t ciade tor sido escravo do ccronel Passos, hoje
Barao da T.icarura ; e que o segundo ande pelo
Poco da Partella, onde reside o seu prirnitivo se-
nhor. A pessoa que os apprehender dirija-se ao
Sr. olympio de Sruza Galvao, na estacio das Cin-
co-Pontas, oa ao dito engenho Araquara : a tra-
tar com Antonio Jose Gomes Junior, que sera re-
f.ompensado com a quantia acima.
Precfsase &', um caixeiro de 12 a 18 annos
rie idade, qne ten! a pratica de molhados. para a
eidade da E.-cada : a tratar no paleo do Terco jiu-
luero 23.
Pede-se aos Srs coronel Joaqnim Cavalcante
de Albuquerque, senhor do engenho Paulista, Dr.
Luiz Lope? Cartel)o Branco e Vicente Bacellar, o
obsequio de appancerem na rua Duque de Caxias
p. 44 a negocio qne Ihes interessa.
CASA
Alugase it casa terrea n. 76 pa rua de Santa
Rita : a chave para ver esta defronte, na relina-
cao, e tratase no Rec ift, rua fla^ia Jeia n. 3.
Aluga
a casa da rai de S. Gonci
para familia : a tratar na
eom commodos
a casa gran^lj
mau09 eoal
tante "0 pali
enhas no sS
lliiga-se
ao Monteiro. a margem do no, com
do-, quintal murado, banheiro dis-
, .? 1: ,m Msca-
Seria por engano ?
A i>essoa que hontem levou do cafe da rua da
Imperatriz um paletot trocado, tenha a hondade de
mandardesfazer a troca no mesmo cafe ate ama-
Dha as 3 horas da tarde, cerlo de que se o nao
lizi-r vera seu nome estampado nesta folha como
autor dessa caridosa olira, pois se vio, qnando aca-
bou dejogar bilhar, vestir o paletot que Hie nao
perlencia.
Alugase uma boa casa em Olinda, convbastan-
tes commodos para familia, na rna de S. Pedro n.
31 : quem pretender dirija-se a rua do Marquez
de Olinda (antiga rua da Cadeia) n. 20, que acba-
ra com quem tratar.
Ausentou-se da casa de sua senbora,desde o
dia 24 de agosto do carrente anno, a escrava Lou-
renca, cabra, idade 42 annos, natural do Para,
falta de um dente na frente da parte de cima, tem
um talho no lado do queixo, e muito risonha e
esperta, fa! la um tanto atravessado, foi comprada
ao Sr. Jose Franciseo do Rego, morador em Api-
pneos, que tem armarcm de assucar no Recife,
e muito conhecida por nio ser a primeira fugida
que faz, intitula-se de forra e viuva : pede-se en-
earecUamente a todas as autoridades policiaes e
capitaes de ramoo a'sua apprehensao. Assim como
se pede a quem tenha amas que veritique nessas
que dizemser forras, pois consta eslar ella de
ania que nao sahe a rua ; e sera bem recompen-
sa.|o quem a levar a sua senhora, Henriqueta
Francisca de Lima, na rua da Assumpcao nnine-
ro 68
Aluga -so uma boa casa propria para passar
a festa, na povoacao do Monteiro, rua da Ponte n.
11 : a tratar na ru? Duque de Caxias n. 71.
Aluga se uma excellpnte casa na Boa Via-
pem : a tratar na rua da Ventura n. 21. Ca-
gunga._________________________________
Precisa-se de uma ama para
cozinhar : n pra^a do Corpo
Santo n. 17, 3.' andar._______
Precisa se de nma ama
ama que saiba lavar e en-
gommar para duas pessoas:
a rua do Hespicia numero
SO.
A M A
Aniji rua do B'.rao da Victoria n. 36,
precisa-se do uma ama para cozinhar,
lavar, eneommar e comprar para uma pe^soa.
FUNDigAO DO BOWMAN
RUA DO BRIM I. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores r3e eDgeoho e ontros ?gricnliorf8. e frnpregadorcs de m:
uinismo o favor de cma visitaaseo estaJjelecimerito, psra verem o lovo lortimento'
ompleti qne ahi tem; sendo todo aoperior em qaalidade e forlidao; o que com a iiis
)c^io pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENC-40A0NUMER0E LL'GAR DE SUA FUNDigAO
7apores e rodas d'agaa dos raai
Pre<"isa-se
r
1 andar.
de um irabalhador para tratar de
8 pequeno : a fallar na rua No a n. 19,
no
manhos convenieotes para as diversas
irenmjtancias dos seohores proprietarios e para descarocar algodao.
oa tamanhos, as^meihores qoe aqni
Koendas de canna !
Rodas dentadas paraanimae8' a^aevaPOr.
raixas ie ferro fundido, batido e de eobre.
Alambiques 9 fundos de alambiqaes.
ifachinismos
rWHHOlW de patente, garaniidas
rodas as macbinas
para mandioca e algodao,
e p?ra ferr?rmideira.
PodeDfio! todos
ser movidos a m5o
por agrja, vapor,
on animaes.
o pecas de qne se cottama precisar.
\nh.i
de
Precisa-se de uma ama paia c
..jirn
B Pedro Affonso n 29.
--------__ _--------_ ,,. wu^.-
nhar para rapazes solteiros : na rua
me
um
Na rua do Capibaribe n-
34 precisa-se alugar uma es-
crava que cozinhe c Bosom-
para uma familia composta de duas pessoas e
menino, paga-se bem.
AMA
Altericao.
20#000.
Precisa-se de duas amas, sendo uma para
comprar c cozinhar, e outra para engom-
mar para casa de uma familia de duas pes-
soas, preferinrlo-se escrava, paga-se a quan
tia acima : a tratar na travessa do Vigario
Tenorio n. 1, das 9 horas da manba ate as
3 horas da tarde, escriptorio.
AMA
Preci?a-se de uma ama para
cozinhar e engommar : na rua
de Hortas n. 16, i. andar
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama que tenha bom leite e
abundanle ; paga-se bem : a tratar na rua For-
mosa, casa defronte do becco dos Ferreiros n. 24.
Pas quaiquer concerto
Formas de ferro
Encommendas.
de machuvsmo, a pre^o mai resamido.
om comprag por intermedio
be* prestar aoxilio.
t?m as melbores e mais baratas existentes no mer-
cado.
Incumbe-se de mandar vir qnalqner macbinismo 4 von-
tade dos clientes, lembrando-lhes a vantagem de fszer^m
d6 pessoa entendida, e qne em qaalquer oecesfidsde pode
Acha se legalmente depositado por esta sub-
de.cgacia dous cavallos, um castanho e outro ruco,
apprehendidos em poder de Manoel Francisco Xa-
vier, como furtado : quem for seu legitimo dono,
compareca perante esta subdelegacia, que provan-
do Ihe serao eutregues.
Subdelegacia de policia da freguezia da Varzea,
3 de outubro de 1873.
0 subdelegado
__________Manoel Candida de Albuquerque.
Achado.
A pesspa quo perdeu uma argola de ago com
diversas eiuaves : dirija-so a taverna do Hospital Poriueuez, qne dando os signaes cei-
los Ihe sera ""Ktregue.
"M
i) abaixo a$ignado, pricurauor em 1- lugar de
Francisso Jose .da Costa Ribeiro, compiuu por sua
ordem tres meies billietes da loteria n. 479 a be-
neiicio da'santacasa da mi:ericordia du Rio de Ja-
neiro, dos seguintes numeros 3825, 3023 e 2837, e
dando elle Hibeiro sociedade oestes bilhetes aos
Srs. Jose Leonardo e Francisco da Costa Amaral,
todos tres residences na ilha de S. Miguel fregue-
zia do Pico da Pedra. Pernambuco, 28 de outu-
bro de 1873.
________ Joao do Amaral Baposo.
AVISO
0 abaixo assignado participa ao respeitawl pu-
blic que vende" seu estabelecimento sito a rua
de Santo Amaro n. 6, ao Sr. BeUarmino Gomes
de Lima : quem se julgar com direito ao mesmo
apresente-se no prazo de tres dias.
Recife, 27 de oolnbro de 1873.
_______________Manoel C. Dnarte Figueiredo.
ALUUA-SE
andar do sobradu n
-a tratar a rua do BarTn
re'i"-icA0.
a rna do Aragao o*
do Triumpho n. ii&,
AMA
t'ora da Praia.
Precisa-se de uma ama para
casa de pouca familia, sendo
para cozinhar e comprar : na
rua de Pedro Alfonso n. 3, ou-
Ama
Precisa-se de uma livre iu escrava
na rna da Conceicio n. IS.
AMA;
Precisa-se de uma ama para co-
nbar em casa de familia : a tratar
na rua do Hospicio n. 46, casa terrea
que tem bolas amarellas na cormja.
AMA
Precisa-se de uma ama es-
crava : a tratar na rna da
Aurora n. 3, audar terrao.
A TYIfi ^a rua da Senzala Nova n. 33 preci-
Aixzco CjPa-se de uma ama para cozinhar e
comprar para uma so pessoa.
- Precisa se de uma ama para casa de rapaz
solteiro de tres pessoas, para comprar e coz'uhar:
ua rna do Amorim n. IC. i
Precisa-se de uma
casa de homem solteiro ;
moro 66.'
ama para cozinhar [era
na rua do Bruin nu-
Precisa-se de uma ama para en-
gommar e cozinhar em casa de
uma familia de duas pessoas : a
x '-*---- tratar na rna nova de Santa Rita
n. 49, serraria a vapor, ou na rua do S. Joao nu-
mero 61._____________
Pc aoSr. Joao do Couto Alves da Silva para vir a rua
das Cioco Pontas n. 93, a negocio do seu parlicular
inieresse.
Attencao.
Pergnnta-se ao Sr. Biro, morador na Escada,
quem Ih deu a faculdade para edificar no terreno
do sitio denominado Lava-pels, outr'ora de Joa
3uim Cavalcante""de Albuquerqae, a este eompra-
o por Siqueira, e actualmente pertencente a caixa
filial do banco do Brasil ; por ventura tera com-
prado ou aforado dito terreno a caixa filial 7 Bis o
rpie se pretende que Vine, se digne resnonder
para goverao do abelhudo, que nada tendo que
ver com os prejuizos do banco, com tudo muito
anbella saber com quem foi feita a trans.ic.-ai, pois
nao e crivel que o Sr. Biro fose edificar uma casa
em um tern-no aHieio sem rnbtivo one para isto
Ihe de*se diretto.
Escrava.
Para casa de paqueua familia, precisa-se alugar
am^ 5K?a Par ^o ervic/> ; a tratar na ho-
irados americanos e iD8trDn,eD,8 ?8ricoIas-
. RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICiO DE FERBO
A' ma do Barao do Triuniplio (rna doBnuii) ns. 100a 104
CARDOSO 4 IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais modernas e melhor obra que tem vindo ao mercSdo.
VapOreS de forca de i, 6, 8e 10 cavallos.
OaldeiraS de sobresalentc para vapores.
JlOenaaS llltCiraS e meias moendas, obra como .mnca aqai veio.
laiXaS llUndiaaS o, batidas, dos melhores fabricantes.
rXOCiaS U agna com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
LvOdaS CientadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Relogios e apitos para vapores.
oOIIlDaS de ferro, de repucho.
ATaaOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes e p^uenas.
CoilCertOS ^fce^nicompromptidao quaiquer obra oumachim, para o que teeml
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOTODieildaS man(*arn v'r Por encommenda da Europa, quaiquer machinismo,
para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Capellas m riuarias
Para (imiulosi c catneumbas
dia do fisiados.
Porto & Basins, com loja de cal-
?ado a Praca da Indcpcnilenria n.
^9, acabam de rocciier da Europa
novo sortimento de capell.is mor-
tnarias de lindissinios d-senbos,
com r.s segnmtcs inscriprdes, os
quars vendem por menos preco do
quo em outra quaiquer parte.
A Meu Pai.
A Minha KSl.
A Meu Esposo.
A Minha lisp.sa.
A Meu Filho.
A Minha Filha.
Uma lagrima.
Amisade.
.Saudades.
PRACA DA INOEPENOENCU N. 39.
Carros de luxo.
E" inquestionavel que a cocheira da rua do Bom
Jesus n. IS, de Joaquim PaeS Pereira da Silva, 4 a
que tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-
lecas e victorias de luxo, proprias para quaiquer
noivado, visitas de etiqueta, bailes e actos da aca-
demia, sendo os mesmos ajaezados de excellentes
parelhas de animaes, arreios Inxaoso? e boleeiros
com fardamentos do ultimo gosto, para o que se
convida ao publico a vir por si mesmo scientifi-
car-se da verdade do que deixamos dito, ryrtos de
que nao encontrario pomade, e sim iralidade e
commodos precos.
Para banhos de mar.
Amaral, Nabuco ris interessantes costumes do ultimo gosto,
para homens e senhoras que desejsrera to-
mar banhos salgados, ale'm da solidez da
fazenda para resis'lir a agua salgada, a ele-
gancia dos tr-jos nada deira a dose-
jar.
~'-------------------- lit
Gaixeiri)
Precisa sede um menino para caixeiro de taver-
na, que tenha pratica : no becco da Carvalha n.
I, enquina da rna d Asnmpc?o
Capellas para finado
Na rua estreita do Rosario n. 33 tem ricas ca-
pellas para donzellas, anjos e defontos, com fltas
e letreiros, proprios de lembranca de minha mai.
pai, esposo, esposa, filho, filha, irmits, irmaos, av6
e avo, tudo por mui barato preco de 3J,&, og e
8/000. Na mesma casa tem lindos bouquets de
cravos e rosas para formatuxa dos senhores aca-
demicos, com fitas bordadas a ouro ; a encom
mendi deve se fazer tres dias antes ; e preparam-
se tambem bouquets para noivos, de cravos natu-
rae?.
a casa terrea na Ilha dos Itatos n. 68, com a
frente para a.estrada do Hospicio, com ba?lan!<
commodo para familia : a tratar na rua do Mar-
que?, de Olinda n. 4.
Attencao'
0 Barao de Bemfica riclifica o seu aviso muitas
vezes repetido no Jornal do Recife e Diario de
Pernambuco, de que nao attendera a n-cibo al
gum que Ihe diga respeita, nao sendo passadu por
sat liliio Jose do Oliveira Castro ou i.or Antonio
Joaquim Rrito de Oliveira ou Adolpho Henrique
Amanda Chaves, unices empregados de sua casa
commercial. Ninguem, alem de-tes, estaautori-
sado a firmir documento algum que iropurte exo
nerar;4o a quem for passad "ii nhriitacao do qual-
nuer nstiirezaaue seia. ao animnciante
Precisa-se de nma mulher de meia idaje
que queira prcstar algum servic.o em uma casa
de dua; pessoas : a tratar navu'a larga do Rnsa-
rio n. 30.____________________.
Precisa-se de um caixeiro, prefere se por-
tuguez : na rua Dlreita dos Afogados n. 27, pa-
daria. Na mesma vende-se um cylindro icj.rlez.
Vende-se a taverna do paleo do ribeira de~S
Jose n. 21, bem afregucada para terra e malto.
com pouco9 fundos, propria para algum princi-
piante, o motivo da venda se dira a quem pre-
tende-la : a tratar na mesma ou na rua Thome de
Souza n. 3._____________
Precisa-se de uma engommadeira. uma cozi-
nhcira e um criado para coinpras ; na rua dj
Hospicio n. 40.
Quem tiver achado um maco de papel, cons-
tante de recibos de decimas,de alugueis de casas a
umas cartas de fianca, e querendo entregar, pode
dirigir-se a rna da Crus n. 49, que sera recom-
pensado.______
Casa n. 63 da rua do Hos-
picio.
Aluga-se a casa n. 03 da rua do Ho'spici i
com commodidade para "Mma pequena familia ;
qualqner pretendente pode dirigir-se ao couegio
de Santa Genoveva, na mesma rua n. So, para
tratar do rcspeclivo aluguel.
Engommadeira
Pre-isa-se de uma ama engommade'ra no co!-
legio de Santa Genoveva na rua do Hospicio n-
B5.____________________________
Precisa-se de uma ama escrava para cozi-
nhar c ensahoar : na rua da Penha n 23
Precisa-se de uma ama forra ou escrava,
que saiba lavar, engommar e comprar para casa
de uma familia estrangeira composta de tres pes-
soas : a tratar na rua do Visconde de Goyann? n.
137, fabrica de rape.
Doces, fructas e Ilores.
Na rua da Cruz n. 6 tem todos os dias
sorwte das H horas em diante, gelados,
refrescos e xaropes de todas as qualidades.
Escrava fugida
Hontem as 6 horas da tarde fugio de casa d*
seu senhor Gaidino Themistocles Cabral de Vas-
concellos nma escrava de nome Rosa, mulata, do
idade de 25 a 30 annos, estatura regular, caoel-
los crespos e falta de dentes na frente, levando
uma cria de 4 mezes e uma trouxa com roupa ;
quem a encontrar, pode levar a casa do seu se-
nhor em Olinda, ou a rua do Duqne de Caxias n.
32, escriptorio que sera Bern recompensado.
Recife 27 de outubro de 1873.
Saqucspara lodas its ririaries e
villas de Portugal.
Carvalho & Nogueira. saccam sobrc o
banco commercial de Vianna, e suas agen-
das em todas as cidades e villas de Portu-
gal, quaiquer quantia a vista ou a prazo e
per too^ os paquetes; a rua Ho ApoUo
n. 20.
Vende-se um sitio com casa, contendo 100
palmos de frente e 400 de fundo, situado no lu-
gar do Fundao : a tratar na rna do Rangel n. 48.
Na mesma casa tambem se vende nma outra do-
'fronte do vivelrodo UttnJz.
n,T,PrDCiSa'se ie H criad0 iivre ""avo .:
na rua P-uneiro de Marco n. 8 A.
Uma senhnra honesta.que sabe bem,
cozer era sua niachma e por pequeno sala-
' >, se presto a morar em casa ce familia,
pi !stan arnu'iciepor este Diario.
- Aluga-se o 2* andar e sotao com todos os
commodos para grande familia, do sobrado n. 12
sin a rua de Hoiias : a tratar na rua do Trapi-
cbe n. i3f-ai.nazem de a near. Tambem se 7en-
d* cerca de tr< quartas panes do mesmo so-
brado.


I
r .

\
HHBB^HH^^BiBBBiM




,;


Oiaric teiferatiBbuGO Qaarii^fej*21 29
Aeougue.
Alng i-sa o twin ft afreguezado
retain' i)-i par> do Parffwo : a tratar na ma do
*>p>pv>> loja iln I'asso, junto ao arco do Saato An-
**>-______H___:____
lojs do s awa quail l.-r wgocio : a tratar no arniazem n.
1B# travessa do Gorpo Santo.____________
Engenho Garapu.
Hbhpp;t" i 11 do cngenho Garapd, freguezia do
'i.ivi Vicente, pardo, sem b.irba, um
pmn% fad't; chin Jo corpo e baixo, representa
iff a aim *, falla moderada, anda ccm a vista
BaifV S HutT" sti cego. E.-te mulato foi visto em
CaijUJga -jiii< rvente depedreiro, tern o mesmo
mtoNMn siun.l. uma fislula no queixo : quem o
>";ar e If ..: a ditn eogenho, oua ran do Bora
Sfi*a* n 50, nT.'i'i-ra boa graMicacao.
!ta rna dag Flores n. 7, c cstreita do Rosi.-io n
Ji, lifaj ha lima pes-ua que se encarrega de armar
ftwr.ulm '. i aUcumbai no ccmiterin pnblico para
ib 2 de nutuiflbro, cominemoracio dos ficis de-
Smlos,
Ycnde-se utua excelU n .na, coin freOte de azulejo, a urn grande fl-
it) e um grando silio rora ama casa ; tudo
ni mrem da eslrada real em JabostSo e tendo
o silio b s proporcde< para edillcacao : a irataj
em Jaboaiin' eom Bernardo Goncalves dos Santos
n i na rua do Marcilio Dias n. 16.
Vende se um cabriolet inglez de duas rodas
c com qoatro asseatos, e um exeeilente cavallo _
para o mesmo: para wr, naeocbeira a rna da CHAPEOS de sol,
I'ioda, e a (ratar, a rua UireiU n. 10.________ -
N)vid dc.
Na rua do Vigario n. 23 ha para vender-3e la-
las de oito libras com torresmos, morcilhas e lin-
guicas, chegados ulliraamente da ilha .de S. Mi
gnel. _____'
UQUMCAO
Joaquim Jose {jtoncalves
Beltrao & Filhos
Teem pan vender bo ku escriptono a raa do
Commereio n. 5,n seguinte :
AGL'ARDENTE de cajii: oaixa de 12 gar rafts.
de larania. idem idem,
ARCOS de pao para barril.
\pipucos.
i
AIaga-=i ni'-ia povoacao uma boa ca-a pintada
fc novi>, eo in nii'bilia de jacar.inda na- sala da
frw, |u ntal imiradp e p>rta> que se eommuni-
capara o riu i a iralar im largo do C<>rpo Santo
a. t, < andar. ____________________
Os i-wadures Ikcaes da massa fallida de Al
Wio lianus da SUva Kurges, pelo preseule cha-
irani eredurts ia mesina massa, para, no piazo
in 'Mil .lias apfescutarem sens titnlos, afim dc
* f*n eHassififai., devendo os inesmos titulos se
a 4pn#oiU.ulns em seu e-criptorio a rua da
Madrc >'> l).is n. 22.
IYecisa-.se r.big.r um sobradinho de um j'ndar,
->oiUc>iini uma casa terrej, com tanto<|ue tenha
miraodos seguintrs : 2 >-alas, 4 quartosv co-
n;iiu fiir;>, c i|aioUil com arvoredos e seja mil-
T3 <|oe passe os b in; : qoeui iiv,-r e quizer alagar
dwija s.j ao escnptOTio de.sW Dhtrw, das 10 ho-
.-is (! mam $ as \ da tardo, que achan com
-jnen tratar.
E
iiscravo
iusid
AcIi.-'-se fngi! i um rscravo com os signaes se-
ennt *: uiui ,t.Lc.*.BcHo carapinho, representa ter
-< arm >s da ida ie, secco do corpo, eslatura regu-
r, eara pcqoemr, botca granle, becos groaw)*,
toi falla de dijules na'rente, nariz hato, coin
jardas e>cras e rntudas, qao vistas ila longe pa-
i bnrac maos pmjco foveiias, foi fognista
tetp'ni do Apipncos, enama so Joe Rulino, lain-
mi rtmheoidd porJo<^do Rawlinson, e natural
iia Parabtba, unde foi eompradn. Para ser ven-
Cdn '.ii:li i .-i lo eutregue io major Almeida, de eujo
poder fugio : qaeni o apprehi'ner p64 leva-loa
rga treita do Rnsario u. z\ 1 andar, qua sera
iratrRuado.
Pn cisa sb de um caixeiro de idade de 12 a
il anaos, e qua seja portugttez : a tral,ir cm Olin-
,i do Commereio n. S.
AtteiiQao
"m e na tarJe de s-gunda-f^ira um relogio
patente ioglez, con uma corrflato de ou-
-lapis, e uma chave do feitio de uma sa-
tt um einete com timbre; o r. login tern
tefora na t.m;i uma eoroa de oobrezg,
otros sao protos e exlraordmaiiamente
. quern o achou se o lovar a rua do Iin-
k 26, 1 audar, reeobera a gratilicaiao
W.
FiiiitSicao da Aurora
Grande sortimenfo de:
Moendas de todas as qualida-
des e tamanhos.
Tachas fundidas e batidas,
idem.
Rodas dentadas e angulares,
idem idem.
Mackinismo, idem.
Varandas, gradeamentos pa-
ra jardim, etc, etc.
Tado se vende por precos
muito em conta para aca-
bar.
X. B.
G. Starr &C, em liquida-
qao, na fundiQao da Aurora,
em Santo Amaro.
Xarope d'agriao do Para
Ajjti^o e conceitiiado medicamento para
cura- das molestias dos orgaos rftspiratorios,
norao a phtysica, bronrhites, asthma, etc.,
i-.pplicado ainda com optimos resultados no
eieorbuto.
Isicyciupeilia moilerna
rJicci'inario das smencias, lltra?, artes, in
dustrias, agricultura e commereio
50 volires.
A' vends por prer^o o mais commodo pos-
sitel, na Kvra'ria Acaderaica
RUV DOIMPKRADOR.
mm
de pao para bar__
CAL de Lfeboa, recenteroente chegada.
para horoem e senhora,
de mar lira e osso.
FEIXES de ferro, para porU.
FIO de algodao da Bahia, da fabrica do eommen-
meodador Pedrozo.
LINHA de roriz.
OBRAS de paltieta. .. ..
PAMNO de algodao da Bahia, da fabrica do eoro-
mendador Pedrozo.
RETROZ de todas as qualidades, das fabrica* de
Peres e Eduardo Militao.
ROLHAS proprias para botica.
SALSAPARR1LHA do Para.
VELAS de cera de todos os tamanhos.
VINHO engarrafado do Porto, caixas de 12 jar-
*aras.
dito Moscate do Donro, idem idem.
dKo Setubal, caixas de 1 e 2 duzias. i
da Italia engarrafado, caixas de 6 gar-
rafas,
de Coilares superior, em aacoretas.
4e cajd, caixas de i2 garrafiw.
Malvasia do Douro, caixas com 12 gar-
rafae.
Carcavellos, idem idem.
<
.1
I
h
Chapeos para senhoras.
Amaral Nabnco & C. receberam nm completo
sortimento de chapeos de palha de Italia, seda
e voiludo, preto* para Into, e de cores enfeitados
com bonilas flores e fita : vendem no Bazar Vic-
toria, a rua do Barao da Victoria n. 2, antiga rua
Nova.
As unicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne vem-a estemeraado:
na rna do Marquex de ulinda n. 51.
Mm
Rua do Barao da Yktoria n. 22.
DE
Carneiro Yianna.
eoMPHAs.
Cobre e iatao.
i ."ipra-stMoiin.', la;Vo e thurribo velho :
;. ariuazfoi da bola amareil.i tiavessa da
rua lmpi'iailur.
>;. mpra-- aita cixanbar o orduiario de uma casa : a
iralar na rui do Alecrim n. 20. ________
Compra-so duas venezianas novas nu
'om algmn uso, n quo ostejam em b *ea es-
: na run do Barao da Victoria n. 3.
J/ mIBGCRIUHI
Para allender aos numero-
^ sos pe lidos esta rcstdvido a
vender suas afamaJas machi-
nas de costura
A
ii
KA

CASA AMERICANA
Una do Iiiipmidor i'
Fiado!
Compra-se
. ilic n.is arrabaldcs.'desia cidade, onde passe
ill li >nds : a tratar na rua do tmperador n.
','*. ainzem.
'tompra-si- nma eserara do meia idade, quc
sajba lav.ir, ingi mmar e cozmhar, que nao tciilin
vicii) algum e ^c-ji sadia : quem liver ne.-sas con-
oijSps e i|uci a vender, aniiuncie pi>r esle U:ario.
fa irija se a e.-irada de. Juau de ft.irros, sitio n. 21.
W achara c >m quem Iralar, das 9 bflfas da ma-
ihi as 5 da larde.
Manej
Triumviraes ou
OS
meaes de
seis
viagem
PEL
I3p. Cat lo Cluer*i'r !> Castro.
Obra. polit ca e de geogpphia descripliva r na
tyiMtgi-^Lphu Ij.iinmivial do ilira, a rua cstreita
; Rosario, vende-S" por ti o vwlume. ___
r
i
Rua do Barao n. Yictoaia
n. > 22.
0 propriclario do estabelecimento Bazar Uni-
versal i ii io de transferir o mesmo para outro
lugar e tenJo grande deposito de Machinas de
cu.-iura de todos os autores, resolveu vender a
PitAZO, ni' ilianto a cmveueao qne >e puder fa-
zer com oa preteudenlos : a rua do BarAo da Vic-
toria n, 22.
. Antonio Duarte Carneiro Manna.______
Rua do Cabuga n. 11 A.
Vende-se nm escravo mojo proprio para eage-
nho ou padaria, por preco muito em conta.
Faft'mlus baralas
Bramante de qualro larguras muito bom para
lenc/ies a 13600 a vara.
Brim lona superior a l^GOO idem.
Madapolio franeez a 63 a peca.
PARA TOALHAS DE MESA.
Vende-se rico atoalhadu com duas lar^uras e
desenhos modernos a 13601 a vara.
PARA VESTIDOS.
Lazinhas de quadros azues a 400 reis o covado
Mctim trancado, cores garantidas; a '00 reis
idem.
Lazinhas com li-tras dc setim a i-i idem.
Brilhantina assetiuada, om duas larguras, a
500 reis idem. Dao-se amislras : na rua do Ca-
buga n. 10. lnja d' 'merica.
Para 2 de novembro
Bo^i&s enfeiadas de boa cera e diversos tama-
nhos, para o dia de tinados : na rna do Cabuga
nnmero 5.
C0I0-S&0LIND0S!!
Os leques todos de madreperela,. brancos e de
cdres e que trazem o disticoUNIAO em lettra=
tambem de madreperola em alto relevo, tor-
nando-se por isto apropriados para noivas, a NO-
VA ESPERANCA a rua Huque de Caxias n. 63
(antiga do Queimado) e quern os tern.
Sao de tartaruga
Os'brincos, broches, meios aderecos, craze*.
corac5es e cassoJetast que estao- ospogtas a bi*
eseolha das Exmas. (amantes do chiqua) vende-se
na Nova Esporanca, a rua Duque de -Capias
n- 63.
Aa&* inejwios
A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber um.lindo sortimento de bo-
necas de muilas qualidades, vindo entre ella3 a>
engrafadas bonecas de borracha, assim tambem
uma pequena quantidafle de bonecas pretas quf
se tornam apreciadas pela sua novidade.
Ebem util
A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, i ecebeu verdadeiro cimento inglez, prepara
cao para concertar porcelana6 bem util.
Vestido perdido
Muitas vezes um vestido torna-se inteiramenw
feio, somente por estar mal enfeitado : a Nova Es
peranca a rua Duque de Caxias n. 63, removt
este mal; porque esta bem provida dos melhoref
galpes e franjas de todas as cores, onde pode es
colher-se a vontade sobresahlndo entre estas as
modernas franjas mesaicas, que pela saa varieda-
de de cores, flea bem em quasi todas as fazendas
A ella antes que se acabem.
CabeUos brancos sd tern quem
quer
A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber a verdadeira tintura de Des-
nous para tingir os cabellos, o que se consegue
(empregando-a) com muita facilidade, e por este
motivo, cabellos brancos so lem quem quer.
Estao na moda
Os cinturoes de couro, proprios para senhoi as,
qne recebeu a Nova Esperanca a rua Duque de
Caxias n. 63, estao, sim, senhora, estio na nioda I
Se quereis ter ou preparar um ramalhete de
cheirosos cravos brancos para o vosso casamento
ou para outro fim apropriado, e necessario ir a
Nova Esperanca a rua Dur|ue de Caxias n. 63,
que alii encontrareis os melhores ports bouquets
que se pode desejar.
Bolas de borracha
Vendem-se de todos os tamanhos a rua Duque
de Caxias n. 63, na Nova Esperanca-
Vende-se
um vapor de forca de cinco cavallo?,. novo, propriq
para qualguer mister, com /broazes de sobresa-
lentes, pqr preco cornmwJo : para ver, no arnia-
zem do Bargo do I.ivranjentp, e tratar a rua do
Torres n. 32, 2 aoriar;
A' este grande estabelecimento tern che-
gado um bom sortimento de machinas para
costura, de todos os autoros mais acredita-
dos ultimamentena Europa, cujas macbinas
sap garantidas; ppr. um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despendio algum do comprador.
Neste estabelecimento u mbcm ha pi.-rten^as
para 89 mesmas macbinas e se suppre qual-
quer peca que seja necessario. tstas ma-
chinas trabaluam com toda a perfeujao de
um e dous pospontos, franzc e" bnnla toda
qualquer costura por fina que seja, seus
precos sao da seguinte qualid.ule : pwa tra-!
balhar a m5o do 305*000, 405000, .58000!
e 50#000, para trabalhar com o p.j -ao de j
805000, 90JJ000, 1003W)0', ili?000.|
12035000, 1305000, 1505000, 20"~()00 e
2505O00, eraquanto aos autores nao ha al-
tera^fio'de precos, eoscompradorospoderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
verao gqstar. pela variedade de objectos que
ha sempre para vender, como sejatn : cadei-
ras para-viagem, malas para viagem, cadei-
ras para salas, ditas de balang-o, ditas para
crianga, (altas), ditas para escolas, costurei-
ras riqnissimas, para senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homem e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos de metal para cha", fa-
qiiciroe com cabo de metal e de marfim,
ditos avulsos", colheres de metal lino, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tarnpas para cobrir pr8tos, esteiras
para forrar,salft.s,lavatorios completos, ditos
simples,-objectos para toilette, e outros mm-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
qne se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nhfi ate as 9 horas da nouto a
Rua do Barao da Victoria n.
__________TL__________
Naolia mais cabellos
brancos.
TiNTURARIA JAPDNEZA. .
So e unicaapproyada pelas acad^mias de
scieneias, reconhocida superior a toda que
tern apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, i. andar, e em
tqdas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
Nenhuma machina
Singer e legitinia se
nao leYii esta marcaj
fixa no braco da ma-
china.
Para evitar, fateifl-
noteffii-se bem
todos osdetaliies da
marca.
AS MACHINAS PARA COSTURA
DE
SINGER
NAO TEM
MAIS DE H^ILHaO TE1I-SE
Porque?
Sao as melhores
S3o as mais baratas
Sao de dous pospontos
Sao mais simples e rapidas
Sao duradrtras e aperfticoadat.
Sao util em uma casa.
Faz melhor costura com metade da Imha que gasttm
as outros e fornecem um meio de
VIDA
ParaaqHellcsqwelein de sistentaMse.
Ven per'j> do rio, exiremanilo com o
ft.-eo
tio de Fran
drt All ii-iu-rqo* Mello, com SJ0 palmos de
undo e l"'8 d frente. r -.m ba-tantis fructejras e
em ehiio* pn.prkis : a tratar bo laiao da ribeira
de S. .-ose n !>.
Mo hi i{5ai*s!
e 5|000a 10*000.
t'aia e atMO amavel acabani de re-.^'ber Montelvo
tatt ivrvxC- <.'. uw especial s i.timenio de chapets,
I = enftite< da iiltiii-.i BMda. Silq
fcT.-v.rio* iv. -i |.re?entc esiacao. 11j tambem ves-
i.'OOi ik'ite^ proprios para Uiyr-se com os
lr-smos eliapeos.
Custam de oiOOO a tOiOOO (os chapeos)
Qua Duque do Capias n, 86
MoDtciro (Vuerreiro A ",.
?hmm^.
m
III I til 1VK"
A loja do Passo recelion riquissimos cortos de
tarlatana prateados, proprios para bailes, faehas.
proprios para senhora : na rua Primeiro de Mar-
co (antiga do Crespo) n, 7 A.______'
Burros 4 venda
J. Peiro avisa a sous fregueies que esta em via-
gem para as provinrias de Ala;oas e PernamLuco,
conduzindo exeeilente tropa do burros ; passara
por Penedo, Pil%r,.Canujha Grande, Porto Calyo,
Barreiros, Rio Formoso, Escada, C*bo, e provavel-
mento por Sanlo Ama,io de Jaboatao a N*areth .
p,r isaa pode sej,*visado ou etn'outrado em qn^-.
quer destes lugares, Laraiageiras, 20 de ou'ubra
de i873.
Piecisa se de nm oWcial com nialica : Ml-'
*m Mrta fieheda nesta ivpographia coin a im-
!:________________________________
200^000
\a nu do barao da Victoria n. 36 venle se
arrnaijio, parte nnndracaJa, propria p^.ra
jwinA.'zas '! 11 >j> do oUarat')?.
licmjdes de bramante a
,^.m -Qfdea dobramwMe.dnn> paonr. so
i ii r;4o- para- aeabar.
*.] i* para rosto a ^Ol) n. : au ru*.
io Cabu^.i n 10. loja cfa Ameri
Muilio novo em saeob.
meHwrtpw
r: WWS m
mm**
Von*-.-a- a' i.000 csda sioco. o mei||Hrae ft* pel b-mtissimo preco de. SiA50C nL.
tmmttrzil'iK en^potra'o e a retalho : mm ntra, arcos. de Gurgol do Amaral &. C..: iruv
Tfc Mar^o (anttja do Cresao)- %.-&&.
Tapioca.
47 rua da Moeda V7
Francisco Cunha & G.
Vende se um boi d raja lurina, proprip
para criaya ; ver e, tratar na ru.dJ>ai n.i.
- Vende-se uma escrava crioula, com babWj;,
dides e pmpria para eriar por ter muito bom
abundante leitc : a tratar rua da fijiperatm, $t)'
.brado n. 78.
%
do Crespo.
Cdnlioto- a vcmlcr ll para
\\\\\\m miiUo
Brins de linhn de cores (pecbincha) a 14200,a
vara.
Fuslao branco para ronpa dc meninos a 3^0 r-.
o covado.
Lar.inhas escocezas a 210 o 280 rs. o e^vado.
Alpacas com lis'tras a S00 rs. eovado.
Krins pardos e de cores, a 400, 440-e i>W rs. o
covado.
Brin lona brano a 1^600 a vara.
Camhraias pretas para mate ~iW rs. o covado.
Cretone de ustras a 'j'iO rs. u covado.
Cliitas roxas a iOO e 940 rs. 0 covado.
Gro-denaple preto de cordiio a 25400.0 covado^
Cobertas de cnita adamascada a 3**00.
Colchas braneaa e de cores: a 3&3O0 e 4*.
I.en;6es de bramante a Vi.
Ditos de algodao'a- 1j400i
Tialhas alo'i-hoalas a 6* a duzla.
Lencps, de cassa com barra a i; a ilar.ia.
Ditos de dita aoainh'ados a 2i.
pitbs do esgui io a 3 4"i00.
CambraiX lis a 3 e 4*500.
Uita Victoria fina a 3*800.
Aloalhado a ijk a vara.
Cortes de'ca.emira fiba a W.
Fnstdee de cqrps a < J p certa,
Cnalles de merino liso.a Si.
Ditos de dito estampadc a 44, 4fioi)^ e 5^000
Esguiao fmo a ti a vara.
Brim preto trancado a it a vara.
Bramante de algouao a 13W0 a v*ra.
Dito de linho a iiqOQ'a vara.
Campraia de linlio de ceres a 360 rs. o covado.
Algqdaa-T,*fi*a p*-ra.
Mfttlafoldea baratos.
Metins,
Proprio para ve*iidos, o que iia de mais. goeto,
padroea inteiramento .novis, pelo dinrimilo pre^o
de 400 rs. o covado : na rua do Crerx- n. *). loja
jde Guilherme & C.
Chagoo eta faaenda, senoa Had..-- path-i.es, e
W U
De for^a de d ius a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaquim Lopes ilachado & C, tr-a
vessa do Corpo Santo n. 23.
Caicado estrangeiro.
Aproxima se o mez do dezombro, tempo em
ijue oParis na America, a rua Duque de Caxias n
39, !. andar, tern di dar o seu balance, por este
motivo, os proprietaries deste estabelecimento es-
tao resolvidos a vendereai seus calgjdos pek) cus-
to, afim dp minorarem o trabalho ; assim pois os
apreciadofos do bom, e com especialidade o sexo
amavel, para qnem o Paris ua America, conservi
com a devida decencia) o seu gabinete reserva-
do. para a eseolha de caicado, aproveitem e ve-
nbam munirem-se do que precisarem.
Grande novidade.
S opara o 43
Vieram no ultimo vapor, baptistas finas com
barras, gostos chinezes, pelo diminuto preco de
300 rs. o covado : a rua do Queimado n. 43.
Las com liUras asselinadas, ultimo gosto a
laOOO o corado : so o 43 a rua do Queimado
Jiao-se amnstras.
Contra erysipela
9ns pour varice
i borracha, tccido em seda, un
dio contra a erysipela das peruas : a venda na loja
do Galo Vigilante a rua do Crespo n. 7.
ATTENCA0.
UMA MOB1LIA.
Vende-se uma rhobHia de arbarellp em perfeito
estado a Luiz XV : const ndo de um sofa, uma
jardineiaa, um par do consoles, 12 cadeiras de
guarmeao, daas da brago e duas de balance ;
quem quizer fazer negocio, dirija-sc a rua Direita
B". 3 andar, que achara com quem tratar.
vende-se pelo diminuto preco de 2Q0 rs. o cova
oVS somente na rua-do Crespo n."'. lola de Gui-
Superinres, linhfiras de 38 paJmosa 40 ; vn-
jde-sH a 35* o cento, a rua Nova n. H.
E ^tEawdanaiia^chincba.,
u de afgidao adJuaascadas naj
6^tB, nia do Grespo n. 2r0,
Loja dc
(^\miw& C.
Bankos-em Oiinda.
Camisas e calcas-d ritaidH d
Querem agradar a yaya ?
Querem agradar a esposa?
Querem agradar "4 ldha?
C0MPREM UMA
MACHINA DE SINGEIi
Nenlmma casa estqcompkta sem uma,
MACHINA DE SINGER
Sem cafta 80000. Com rnixaJOOJbOOO
TJN1GA AQENUA:
EM
45
A CASA AMERICANA
RUA DO IMPERADOR 45




Labvrinthos, bicos, rendas.
No escriptorio de Gomes de Mattos, Irmaos, a* rua do Cadeia
do Recife n. 40, 1. andar, e o unico deposito do que ha de
melhor, e bem acabado, que vem a este mercado, da cidade do
Aracaty no Ceara-, quem os comparam com os feitos aqui na
terra, facilmente reconhecera" a immensa difference, que vai
deuns para outros, tan to em preco como em qualidade.
I.indissimas toalhas de labyrintho.
Fronhas de diversos tamanhos.
Lencos de todos os precos.
Bicos e rendas emprofuzSo.
\.
(W^^TO^/^J/WV.-1^
TASSOIRMAOS&d
Yende-se
Em seus armazens i rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tern para vender por precos commodos
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
CimeflW Portland.
Cimento Hjdraulicc.
Machinas de descarocar algodio.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barrH.
Phosphoros de cera.
Sagu'em garrafSes:
Sevadinha em garrafoe?.
Lentiihas em garrafoes.
Rhum da aJmaiea.
Vinho do Porto velho engarrafado.
Vlnho do Porto superior, difo.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vitthb de" Scherry.
Vinho da Madeira.
Poles com lhagaiB e dobradas ingietai,
Licore? finos sortidos.
Cognac Gauihief Preres.
Latas de toucuAo^ip'gle?.
Barris com repollib em salmoura.
trasles de jacaranda e amareHo com doum iu
era perfeito esiado, e tambem uui meio apparelt.i
1 de louca para jantar e um dito de porcelana, fln>
branco, para almoco. Vende se por ter o dano a
se retirar para Europa : na rua da Irap^ratrir
n. 54 A.________ __________
Potassa da Russia em meios
barris a 509 rs. o hito
Desembarcada ha poucos dias : veude-ir a-
escriptoriO de Oliveira Filhos 4'C. largo d" Cof'.""
: Santo n. 19.
Por baralos pregbs para descaro^ai l?c-Av..
12, li. 10, 20,25, 30 e 33 serraB. ~
Cunha ^ M^njta
*a-Ku Warquca u ____
Vln etwuadn no ultimo vapor, e da mais nova :
hMVte!>eA nu Direita n. Hi, csquina do becoo
jtMA-I'edre;______________________^^^ i
Um sobrado a-1 ua de S. Jorge outt'ora de Pi-
DlaT'a. 17;'dg'Om.andar. com twite dr azuhgo, ca-
bea qualidade jcimba e quintal milfaw, que d-ita ns fundos pa-
|ri wm ijuera fatar.
'S~. I
Tem para ve j r :
Cognac, de Hennsj>v, superior e verdadeiro.
ViUbe Seres das-ej.bres qualidades.
Bitters feAngostnrr.
Whisli]* ~
Cha prejn e/n. laUai de 10. hbras.
aMjawmyar-rnado'CoiwOi*rto n. 88.
~. .V. -
Matliinas
\
*J3
barris com carne de vacca e de porto. sa.ga**
para maotirnentos de navios: no armazem d T-
n frrnao? & ft a rua do Amorim rt.'W.
i----------^c_..v" '"-----e>jl- --------------------------
se
uma easa na villa d
mercio, pQr pfc*
Irmaos <1C,
na rua d<
Ta>*
&&
tinako -. vende-se ajau.de, Vigar

^mmmi^m
m
;


V -
i
Oiario vfe PeMaatoooo *- (^ito^feira ^M*^Ottftihft> tfaft7
o.
HOWE
mmm
LEITE, IRMAOS
UNIGOS AGENTES
Rua do Barao da Victoria n. 28
is mais simples, as uaais baratas e as melhores do mundo!
Na exposisao de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a coudecora-
580 da Legiao de Honra, por serem as machinas mais per.
feitas do rauBdo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, 110s
Estados-Unidos por ser 0 inventor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na exposic^o de Londres acreditam
estas machinas.
onus PAM GOSrURA
T mm POSMNT0S
Na lojade Soares Leite Irmaos, a ma Victorian. 28.
9*
de todos
Luvas de pellica com pequeno toque, Espelhos de moldura doorada,
a 200 rs. os.tamanhos e pracos.
Abotoaduras para coRele, arande sorti- iinrmi.rln.n ......
mentoaiaors. ?WIFUMARIAS: E MIUDEZAS.
Caixa ^le linuade marca, a 200 rs. Frascoeom oleo Onza verdadeiro, a
Lampannas a gaz, dando uma luz-inuito 19000.
boa, aiyooo. idem cemtwiico.de Kemp, verdadeiro, a
Duua de pecas de cordio imperial, a 19000.
2*r iS' j i Garrafa de agua florida vardadeira a 130
Laixa de ixrtocs de osso par* cal$a, a Garrafa d'agua japoaeia, a'19000.
20 n; idn idemdivina, a 19000.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a Idem idem Masdalena (novidade) a
600 rs. 19200. '
Idem idem 60 jardas, a 240 rs. Caixa de p6s para dentes, a 200 .
Ma^o de fita chmeu, a 800 rs. Idem idem-de pos ehinea, muito bom a
Gaixa de hnha com 40 novellos, a 500 re. 600 rS. e 19000.
Meios aderecoa com camafeu, a 600 re. Pote com opiata de Rieger, Rimel e &ros-
t-arrafa dettnta roxa extra-fina a 19000.ne), 19000.
Agua florida, de Guisiain.
parafazer os cabellos pre-
tos.
A aguia branca, A raa Duqne de Caxlas n. 50,
acaba de receber nova remessa da aprecravef agua
florida para fazer os cabellos pretos. O bom re-
auUado eoibido por quern lem feito uso dessa
inoflensiva preparacao a tern altamente conceitua-
do, e por isso apenas se faz lembrar a quern no-
vamentedeila precise e queira se aproveitar de
saa utilidade. Taiubem veio agua de topasio e
oieo florido para 0 mesmo uso, e tio aereditados
como aquella.
Voltas e brineos de grossos
aljofares de c6res.
A aguia brauea, a raa do Duque dj Caxias 11.
50, recebeu novas e bonitas voltas e brineos de
grossos ljofares da cores, e como sempre conti-
nna a vende-las por preco commodo.
Novos diademas dourados e
.....-
pruttiidada,
- 3o
com pedras.
A 90$000
Cabe-nos 0 dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
lork, estabeleceu nesta cidade a rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agencia
'*' l?nil &m Pernambuc0 e mais provincias se vonderem as afamadas machinas de cos-
ra de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicao de se4rabalho,
npregaiKlo uma agulha mais curta com a raesma qualidade de linha que qualquer ootra,
MM tntroduccAo dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
irpcer to exame publico as melhores machinas do mundo.
As vantagens destas mackinas sao as seguintes:
Piimeira.0 publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
drcamstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
ia mao.
Segtuida.Contem 0 material precise* para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor friccSo entre as divcrsas pejas, e menos rapido estrago
*o que nas outras.
Quarta.Formam 0 ponto como se f6ra feito i mao.
Quinta.Permitte que se eiamine 0 trabalho deambos os fios, 0 que se nao consegu .-
m outras.
Sexta..Fazem ponto miudo em casemira, atravessando 0 fio de um A" outro lado,
logo em seguida, sem modiiicar-se a tensao da linha, cozem a fazenda mais
1st.
Setima.0 compressor e levantado com a maior facilidado, quando se tern de mudar
agulba no comejar nova costura. 1
Oitaya.Muitas companhias de machinas de costura, tem :.\o epocas de grandeza e
tecadencia. Machinas outr'ora populares, sAo hoje quasi desco-i.becidas, outras soffreram
oadangas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
.doptando a opiniao de EUas Howe, mestre em artes mechanicas, tem constanteraente
agmentado 0 seu fabrico, e hoje nAe atteude a procura, posto que faca 600 machinas
or (Jia.
clita ingleza, preta, a 100 e
boas, a
Potes com
160 rs.
Caixi de pennas Perry, muito
19000.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 r.
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa de papel amisade, beira dourada, i
de sabonetes de amendoa, a
a 800 rs.
idem idem idem lisa, a 600 rs.
Duzia de talheres cabc branco, 2 B., a
59000
Resraa de papel pautodo, a 49000
e 59800.
Idem idemliso, a2&800, 89800e 59000.
Coques rnodornos, a 39000.
Duzias de pe^as de trancas do caracol
brauca, a 400 rs.
Duzia
39600.
Duzia de sabonetes de anjinho transparen-
tos, a 29200.
Idem idem com fldres, a 19500.
Sabonetes -Glycerino transparentes, a
19000.
[Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a 49000 e ir.-JOO.
Cesmeticos, grandes e pequenos, a 100 e
800-rs
1 Frasco com agua de colagne, n 200, 320,
500 re. e 1#>00.
j Bxkractos muito finos dos ni'lhoreeau-
tofes.
Lindas e elegantes caixinhas com perfuma-
rias, proprias para presents, dos autores
|E. Codray, Riegej, Gelid Freres.ete.
com santos e estampas
separa-
Idem idem lisas, a 200 rs. Quadros
Leques deosso e sandalo, a 29000, 49 das.
e 69000. j Entremeios e babados transparent^ e ta-
rita de velludo de todas as cores e lar^u- pados.
ras*. i Uma grande taboleta propria para qual-
Microscopios com 12 vistas,|a 69000. quer loja.
Frasco com oleo paramachinaa 400 rs.
Rua do Baraoda Vjctorian.28
r>da machina acompanha livretos com instruccoes em portuguez.
A 9^000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 2 8.
4Rua do CabugaN.
JOSKPH KRALSE
DE
ra
0
BAZAR NAOIONAL
Rua da Imperatriz n. 72
DE
Lonreii(o I'orcira Meu<1 es Guimarae>
Declara a sous ficguczes quo tem resolvido vender o maisbarato que for possivel,
sabot
CHITAS A 160 E 200 RS. 0 COVADO.
Vende-sc chitas francezas largas com to-
que do avaria, a 160 e 200 o covado. Di-
vas limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
o covado.
LASINHAS A 200 RS.
Vendo-se lasinhas de cores para vestidos,
a 200, 360, 400 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
640 e 800 rs. o covado.
COBERTAS DE CHITAS A 19600. ,
Vende-se cobertas de chitas de ceres, a
!9600 e 29000. Ditas de pello a 19400.
Colxas de cores a 19200, 29500 e 49500.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la de quadros a 800
t e 19000.
Ditos de mcrind a 29, 39, 49 e 59000.
CAMBRAIA BRANCA A 39000.
Vende-se pecas de cambraia branca trans-
/arentes e tepada, a 3335, 39500, 49, 49500.
59 e 69000.
SAIAS BRANCAS A 29000.
Vende-se saias brancas e de cores, para
senhoras, a 29000 e 29500.
B0NETS A 500 RS.
Vende-se bonets pretos de seda para ho-
rnens, a 500 rs. Chap^osde palha, pello e
massa, a 29, 29500, 39000 e 49000.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pe^asde madapolao-anfestado a
35000. Di'.os inglezes para os precos de
49, 49*00, 59, 69000 e 79000.
ALG0DA0 A 39500.
Vende-se secas de algodao, a 89500, 49,
e 59000.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se bramante com 10 pabnos de
largura para lencol, a 19600, 29 9 29500 o
metro.
GRANDE LIQUID:\jCAO DE SABONETES S80 RS.
Vende-se uma grande porcSo de sabone-
tes ingieees, a 200 rs. Ditos francezes com
cheiro a 320 o 500 rs.
Agua de colonia, a 200, 320 e 500 rs. o
frasco para hquidar, e outros extractos
muito ,i>arat>;
CORTES DE BRIM DE CORES A 19500.
Vende-se cortes de brim de cores par.
calca, a 19500 e 23000.
BOTINASA39000.
Vende-se botinas para senhoras, a 39000
39500, a ellas antes que se acabem.
ROUPA FEITA NACICNAL.
Vende-se camisas brancas, a 19600, 'it
29500, 33000 e 49000.
Calcas de caserairas de cores, a 59, 68 <
79000.
Palit6ts de casemira, a 49, 69 e 89000
Seroulas a 1)5 e 19600.
BRIM DE CORES A 440 RS.
Vende-se brim do todas as cores a 4'
rs. o covado.
LENCOS BRANC0S A 29Q00 A DUZIA.
Vende-se a duzia de lencos- brancos, .
29000. Ditos com barrasde cores a 3900 <
Ditos de linho a 59000.
TOALHAS A 800 RS.
Vande-se toalhas para rosto, a 800 r. .
19000.
GRAVATAS DE SEDA PRETA A 500 Ra
Vende-se gravatas de seda preta, a 60<
rs. cada uma.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chita para coberta, a 280 e *2
rs. o covado.
BONETS PARA MENINOS A 19500.
Vende-se bonetes para meninos, a 1950t
ESPARTILHOS PARA SENHORA A 39500
Vende-se espartiUjos para senhora,
39500.
GOMES DE MATT0S & ffiMAO
Avisam ao respeitavel publieo desta cidade. que o sorltmento de joins, do subido
lor, quo existia em seu estabelecimento, esld corapletameijte reforcado com o mais ele
gante sortimento de novas joias, que receberam directamente pelo ultimo vapor da Eu-
ropa, constando cllo do mais variado sortimento de aderecos a Boulevard, pulseiras dc
ultimo gosto com pedras preciosas e sem ellas, brineos d'argola, agraffes para reiogic dt
senhoras, delicados aderecos para meninas, meios adorecos de camafeu lindissimos, voltas
de nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de platina, variada quantidadf
de boloes para punhos e peito, com emblemas maoonicos, de onix, tecido de ouro, can.a-
feu, etc., briihantes monstros de rarissimas agoas, em anueis, rozetas, pulseiras, alfue-
tes e botoes, o outros muitos objoctos de ouro do melhores fabricantes de Paris, -que se
venderao com grande reduccSo de precos, por serem elles recebidos diroctamonte de seu>
committcntes.
Os proprictarios do acreditado MU?EU DE JQIAS, tondo seu oslabelecimento abertt.
ate 8 horas da noute, convidam as familias que so quizercm prover do lindas joias, *
virem escolbe-las & vontade, para o queas'i) em esposicfio nos m^tradoros.
A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n.
60, recebeu novo sortimento de bonitos diade-
mas dourados e com pedras, tanto paxa meninas
como para senhoras.
CollecQoes de traslados ou
normas para escrever-se.
A aguia branca, a rua Duque de Caxias n. 50,
recebeu novas colleccoes ou norraas para as cri an-
ew aprenderem a escrever por si mesmo, hoje Uo
usadas nas aulas e collegios ; e como sempre ven-
de-as por pre.o commodo.
Meias cruas finas para meni-
nas e senhoras
. A loja d'aguia branca, a rua Uuque de Caxias
u. 50, recebeu novo sortimento da^uellas tao pro-
enradas meias cruas para senhora, vindo igual-
menle para meninas, e eontinua a vende-las por
precos conunodoA.
Veos ou raantinhas pretas.
A loja da aguia branca, a rua do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou maniinha>
pretas de seda eom florus, e outras a imitacio de
croche, e vende-as pelo*.baratos precos de 3j,
if e 6^000. A fazenda k boa e esta em perfeito
estado, pelo que eontinua a tcr prompta extrac-
clo
Perfejta novidade.
Grampos com borboletas, bezouros e gafa-
iihotos dourados e colondos.
A loja da aguia branca, a rua do Duque it
Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bor-
boletas, bezouros e gafanhotos, o que de eerto e
perfeila novid de. A qnantidade >j pepuena, e
por isso em breve se acabara.
Novas gollinhas ornadascom
pelucia ou arminho
A loja d'aguia branca a. rua Duque de Caxias
- 50, recebeu uma pequena quanlidade de boui-
s e noyas gollinhas, trabalho de la e seda, eu-
neitadas com arniinho, obras esias de muito gosto
e inteiramente novas.
Grampos, brineos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, a rua do Duque
Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos gram-
pos, brineos e rozetas dourados ; assim conjo
novos diademas de a, e como.sempre conti-
nUa a vende-los por precos razoaveis
Oaixinhas com p6s dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn-
que de Caxias n. 50.
Luvas de pellica pretas e de
outras cores.
A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu novo sortimento de luvas de
pellica, pretas e de outras cores.
Rape Rocha
a lGO0a libra :na rua do Vigario n. 7. prime)-
ro an Jar.
A 800 RS. 0 COVADO.
Vende-se granadines com Kstras de seda
para vestidos de senhora, a 800 rs. e 1900(
o covado.
COLCHAS DE CROCHET A 69000.
Vende-se ricas colchas de crochet para c
mas a 69000.
PANNOS DE CROCHET A 19500.
Vende-se pannosde crochet para cadeiras
a 15300e 29000.
CASSAS PARA C0RTINAD0S.
Vende-se pe^as de cassas para cortinados
com 20 varas, a 109000 e 129000, e outra)
muitas fazendas em liquidarao.
ROGARIA HOMEOPATHICA
DA
4\ Rua do Imperador 41
O.s proprietarios deste estabelecimento, do intuito de lhc conservarem os cre-
ditos dc primeiro neste genero, continuam a esmcrar-se Ha preparacao cscrupulosa
de fens medicamentos, podendo garantir ao respeitavel publico desta cidade e in-
terior que sao rigorosamentc obiervadas todas as regras pharmacologicas. Outro
Esim, que com o me.-mo fim acta-sc a testa do estabelecimento, tendo a seu cargo a
inspeccao de suas preparaeoes e direccao do consultorio, o acreditudo medico ho-
meopaiha Dr. Jcsuino Auguno dos .Santos Mello.
Tem todos os medicamentos cspeciaes para bexigas e os considerados pre-
servaiivos: assim tambem, cs medicamentos da sua drogaria cm todas as dym-
ffinanisa56e8 conhecidas e mais usadas.
Carteiras homeopaticas de 12 a 120 medicamentos em tinturas ou globu'os e
a excellcnte obra do Dr. Mure Medico do Povo em 3.' edicio.
1
i
jU DR. SANTOS MELLO.
|H Consultas das 11 hoot's da manha 4 1 da tarde.
M EEESEEESmEESESES W
PARA D!A DE MM
Fazendas fmas
Ra \: do wco ii. 7 A.
DE
Cordeiro Himoes &C
E' esla easa, sem duvida; uma das qua *iafc
pode com primazia aprescntar aos sen fietri
um vamdissimo soriimento de faw.i.i;,s n<* *o-
ra grande toilette ; assim como, p.-.i.. ufw^rti-
nano de todas as classes, e por pr.-,,- vj>riii-
sos para os campradores, dc cujas fawn um ae>
qoeno resumo.
Mandam fazendas as easas do
para o que tem o pessoal necessariu
tras mediante penhor.
t. lies de seda de lindas cores.
Dilos de gorgurao' de cores.
Grosdenajjle. de todas as cores. "
Gurgurao hranco e preto.
Seiiin Macau preto e de c6res.
Grosdona pies idem idem.
Veludo preto.
Granadine. seda preta c colismasit do oUe^,^m-
dissimas padroes e faienda da uliima aiida.
Popelinas de lindos padroes.
Kilo de seda branco e preto.
Iticas basquinas de seda.
Manias brasileiras.
Coichas de seda para noivos.
Cortes de camhraia branca com lindos bord?i.
Capellas e Hianins para n ivns.
Itiquissimo sortimento de las com lUras Jeed4.
Cauibraias de cores
Ditas maripozas, brancas e de ciipes.
Nansuck de lindos padrSes.
Baptists de padroes inui delicados.
IVrcalinas de quadros pretos e I rancos, de. Q-
tras, etc.
Crins de linho de c'res, proprios para vestiiai
com harra e listras.
Fustao dc iindas cures.
Casac|uiubus de la e de todas as cores, para a-
nhnras.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas idem idem
Vesiuanos para meninos.
Ditos para haplisjtdos.
Ctiapeos para dilos.
Toailias o gpardanajjos adaaiascados de lia!.o 4b
Cores para me.-a.
(>)lebas de t.
Coriinado: bordados.
Camisas bordadas paia h micm.
Meias de cores para hntneina e meninos.
Coniplcto sortimento de ctiapeos de sol pa^a &+.
mons e wchoras, r.mi mo de marlim.
Mcriud de cines para vestidos.
D>to preto.
Atoalhado de linho e algodao para toalnas.
Atoalhado panb.
Brins de linho branco, preto e de cores.
Selim dc lindas cores e com listras
Chales de merino de cores e ptetus.
Iiitos de casemira.
Ditos dc seda prela e de cores.
Dito de ton iiiiiii.
Camisas de linho.
Ditas de chita.
Ditas dc llaneila.
Ceroulas de brim c algodao.
Damasco de la de cores.
Pannos de crochet para cadeira, sofa e (VikaB*.
Colchas de dito.
Tarlatana de tudas as cores.
1'spariilhos lisos e bordados.
Foulard' de seda.
Casacos a tricot.
Rkos cortes de vestidos de lintu para eeufena,
de di ersa> cores, com os compelcntes equa-
tes, ultima moila.
Casemiras pretas e de cures, chitas, mai'ajKiioes,
cambraias, panno fino pr*to e r.zul, cUamriMM,
punhos, gravatas, luvas de pellica, ditas d ta
de Escocia, brancas e de dores, lap* t s de i-.idiM
os tamanhos, bulsas de viagein. ilc etc.
Na loja do Passo, rua l'liineiio de Marca n.
A, aniiea do Crespo.
Gratis.
SAUDADKS.
Amaral, Nabueo & C. acabam de reccber um
variado sortimento de capellas funebrrs com as
seguintes inscrip<;5es:
A meu pai. *
A minha mai.
A meu esposo.
A mlnhi esposa.
A meu lilhu.
A minha filha.
Saudades.
Amizade.
Lembranca.
Vende-se no bazar Victoria, rua qo Barao da
Victoria n. 2.
Rua do Barao da Victoria
n. 22.
OncHo de inaclifa'is.
O proprieUrio do Ba ar Universal do novo avk*
aos seu? freguezes, que cuntiaila a miMtdSw coa-
certar machinas de costura, vendite em sea es-
tabeleeimento, e por pessoft muito habili'ada pa-
ra esti^ fun, e dii coufjiu.iJade com us uuaunuos
feiios pir este jomal.
K beoi assim vende todos as perUn-v.s par* as
mesmas inaehinas por commodo prec/i para os
sens fregjc ;es.
E tambem previne a toJos os sens begueze.
que o Sr. Alfredo l.uiz Ducasble tieiXuU de sere
sen emprig;ido uesde o dia to du cjnente ines.
Becife, 17 de oulubro de 1873.
H. 2i Rnajo Bario da Victoria X ii
Antonio Duarte Carneiro Vianna.
Plumeria, para mordeduras- de cobras.
Sarraeenea, para bexigas ( ou preser-
Vaccina, para bexigas ( vativo.
China cruzeiro, paia febres intermi-
tentes.
Schynus, para angina.
Calendula, para queimaduras.
Tarantula, para paralysias.
Carnaiiba para syphilis
Chocolate homeopathico d'Epps.
Encerado de nrmea.
Pos lii'ineopatbicjs. para dentes.
Jerico,, para rheuaiatismo.
Matamata ou Jaboiy, para tosse.
Espirito de Hahneman cm de eampho-
( i5s!illorio howeopjiliiko
Cactus Grandiflora,_ para pnoumoniag
OU molestias do coracao.
DO
Cadeiras de marnicao niujto baratas.
23-- Rna Plarqaez ilc' Olinda -23
Cl'NHA i, MANTA
Cafe do Rio
Vende-ee na rua doMarquez
ro6.-
de Olinda nume-
Para o dia de finados.
Vende J.
sum j. A. Moreira Dias, em seu armazem a
u. /~L"!iF,ei- a^,Sno P^ueno e com rua da Cruz n. 26, as verdadeiras luvas de pellica
ar, para ver e tra- pretajtanto para homem, como para senhora, do
afamado fabricante Jouvin.
tocks as oaoetn
icls
Mai
o Marquez de Olinda nr'{i.J, loja.
Os verdadeiros
Yinhos de Bourgogne
das inapcus
Cliambertin
Pornroard
Virits
Volnay
.- Beaune
. Montuelie
Dito.Bordeaux em quartollas.
Vende-se p PARA LIQUIDARAO DE COMTAS
NA
Rua Lurgu do Bosario n. 34.
Botiea.
Armazein do fumo
Rua da Madre de Deus n. 16 A.
Jose Domingues do- Carmo e Silva participa aos
feus freguezes e amigos quo no seu armazem a
I raa da Madre de Deus n. U) A, se acba.nm eem-
| nlcloscrtiaento de furaoeai fard*s de patente I.',
X." e 3.' sartes, dos meJbores fabricantes" 4a Sahia,
1 e bem assim a f 6f de todos os fames de cerda
em Tolos, 'pacotes, latas grandes e pequenss, tam-
bem tes jmu acradiUdos fibricautes Torres 4
Ataujo, J4izaur, Aflalpao Schmdt & C, Lizaar
Schmidt 4 C, Veigas & Araujo, Trindade 4 Ave-
lar, Teixeira Pintf) 4 Portella (garantido pelos
jestnos) e te cntfos atmie nlo conhecldos pelo
publico dasta capital. O aonunciante dedara qne
tote fuio *w Ua veiMido m ua casa sera pelo
seujusto'valor, e que quajoda garantir a xe^epti-
va quaUdade, sera sincero, mui partiiiularmentt
coni as.-pessoas qne'potico enteifdam da materia ;
*ie fiara ta servir a todos, ten o aanmicianl*
*. lPDfB.pcatica.de US annos testa oommencio.
------' n
Lils e sedas.
Cambraias bordadas e outras fazendas, vendem-
se baratissimo, a dinheiro : -a rua do Barao da
Victoria n. 9, antiga rua Mqva.

Hes|>eri(ltiia
Verdadeiro biter hesperidina, superior e.ara>
ditado ; a venda no armazem da. lasso Irmaos &
C, rua do Amorim e. ""
mnitojiova e
Rosario n.
Salsa parrilha
- barata : vehfle-s aa-roa ht^a-u J
Sal do Vdbo Verde.
Tem para vender leaquirn
res Beftrao & Frtlp, a bordo dotb^igu* por-
tuguez fi. Amw, fu*4eado defronle do lra-
>iche Alfandega Velha : a tratar a bordo ou
no seu escripto.no a rua do Commercio
n. 5..
VENBE-SE
.terrea, de ta^ia, ^em construida o sabre
pedra e cal, em chitos proprios e bom
'IfrarJuoOra estaijao de Agna-Fria e a
estrada de Beberibe, na rua Alegre n.
a tratar na rua da Roda n. 45.
Mobihas baratas
No armazem dc Jnaquim Lopes Maehado 4 C.
ha um bom sortimenlo de mobilias de Vienna,
brancas e pretas, quo se vendem a prefos com-
modos.
Agjias Ak'jiliiu-Gazvsas das Pe-
dras Salgadas.
Villa Rouea de Aguiar.
BICARBONATADAS-S' DICaS
Analyses do Dr. Jose Julio Rodri
Riies. leute da eseola Polyte-
ehniea de L-isboa.
Esla escellente agua usada com vantagem no s
padeclmentos das vias 'digestivas, urinaras, do
estooiago etc, etc.
Vende-se
NA
Pharmacia e dragaria
DA
Rua larga do Rosario n. 34.
Para senhoras.
Cltnjteos tie sol a "$...':*.
Chapdos de Sl de lindas cures e cabo-compfi-
do, ultima raoda em Paris, pr>ipri.>s pira at
Exmas. Si as. r.pieciadoras dos banlios cm O'imia,
e mesmo para passe.os nos arraballes da cidate,
pelo l..;irati>siino preco de iSMXi cada inn ; i\ pe-
chincha : so na loja do Pas>o, a rua Prinii Iro de
Marco n. 7 A, antiga du Crespo
Para meninas.
Chapeos de sol a 25000 ; 6 pechineha : so aa
loja do Passo, a rua Primeiro de Marco n. 7 A,
antiga do Crespo.
DE
FAZENDAS
Rua do Queiraado n. 43,
pechineha.
Laainhas 4e cores a 200 rs. o covado.
Ditas de barege de quadrinhos a 280 rs. o co-
vado.
Ditas com bonitas listras de sede a 1J,
Cortes de vestidos a escoceza, eom 15 covados
a7*0tta
Baptistas de barra a 500 rs. o covado.
Nansuc tranc.'ado de cOres, propria para vestl-1
' d'rsa IW rs o covado
Leneos abainhados de linho a 3*500.
Toalnas grandes para rosto a 500 rs.
bramante do 4 larguras, prqprio para lencoes a
1^600 a vara. e muitas outras fazendas por me-
nos de seu talor.
Na rua de Quelmado n. 43, em freole da pra-
cmtta;__________________________________
Wil-cn How & L. reBOfem no sea anuazem
arua(teG<)Bmerci. n. tt.:
O verdadeir.i panuo de algodao azul americano.
Excellente Gu de vela.
Cognac de I1 nuaUdadc
Vinho de Bord'-aux.
Carvao de Pedra de tod J as q-.widadea.
A vista desengaua.
]\Iadapolao francez a 6,^009
a peca.
Tem a loja da America madapc'.ao fr.inoez,
bom 'e vende por.e?te preco para acabar na rua
G doabuga n. 10, loja da Ameriea.
Almanaks para 1874.
Almanak de lemnrancas I.itso Bra-
sileiru de Castilbo.
Ornado de gravuras com o retrato do Sr. tu.
A. Rebello da Silva.
Almanak das senhoras
Portugal e Brasil.
Contendo 187 arfg'.s por Guiomar Torresao,
com uma exleasa caru de A. Beiculano.
Almanak das artes e IcttrajL
Ornado de imponantps artigos > JuJas grava-
ras. Preco do eada um dot Utmrnths ariaa.
Acabam de diagar ostea almaur.ks e veiide-a-aa
na hvraria Economic* ao p6 do aico de Sanin
Antonio.
Para acabar
!----------------------------------------
Vende-se aina porcao dp rasae4 de pnmbos, sen-
do a maior parte de raca (grande?) por pre^o rao-
dira : a i-*Ur na rua dotryifcario n. 88, on Ifua do
Bario do Triumpho (antiga do Baui/ n. at-
Novo estabelecimento de
cera.
Na etda'e d Victoria, k raa da Imneratrun.
48 A, vende-se e troca-66 oara do loda quabdede,
a qual se afliau.-a por ser reita na tcna, e u MU
amor foi preiiiiaclo na exp sic.;lo elf l>"7..
Vende-se a laverna da- rua d.. Hossicio a.
fti. "" j"' do quartel do i.8 : a t:-tar na mra-
na






I
ILE6lH |

'' H IW "


8

Diario de Pernambueo Qd%#ft feiia 29 de Outubro dc 1673.

>
I

DOUTRINA.
1.* 0 conjuge catb*llco, divorciado,
que houver mududo de religiio, po
de, e|aado os rites aeatholieos,
contralwr novas nnpcias qpe, civil-
< nientc, validns sejam ?
t 2. Nesle caso, o casainento aca
iholico pode ser cousiderado ccmo
crime dn polvgaroii?
3.* 0 pastor acatholico que in-
' lervier em tal casamento, coimuetie
a.glim crime ?
4.* Goaetaaao.
A lei n. 1,144 de II de setembro de
!88t e Deer. n. 3,009 de 17 de abril de
1S63, dando etleitos civis aos casamentos
de pesssoas quo professarem religiio diffe-
rente da do estado,pdem com) condicio que
entre r s contratantes nao se dd impediinento
que, na conformid de das leis em vigor no
imperil), n'aqmllo quo Ihes possam ser ap-
plicaveis, obste ao tnalrinwnio catholico.
Mas o Reg. de 13 Je novembro do 1827
determiioa qua os impedimentos se regulem,
entre 1165, pelas disposigO-'s do concilio
tridentino, Se-:, 2'*, Cap. 1 De reform.
matrim. e Const, do arcepispado da Bahia,
Liv. 1, Tit. 67 283 e estas disposigdes
consideram como impedimenta derimen-
te 0 doligama, isto d, ssr algum dos
contrahentos casado por palavras de presen-
te cam outra muiher ou raarido.
Ora, nada obsta a que a disposigao con-
cernente ao impediment doHgamepos-
s ser applicado aos casamentos dos aoatho-
Hccs.
Pelo que, coucluimos que taes casamen-
tos iiio polerao produzir effoitos civis,
quando houvereji sido celebrados, existin-
do o impoiiraento de ligame.
Nem imp rta que 0 conjuge, cuja pri-
meira rnultier estd viva, della se tenha se-
parado judicialmeute.
Porquanto, entre 116s, tal separagao nio
importa aaunull.igao do vuiculo matrimo-
nial, que subsiste eteinarae .te, quando va
lidamente celebrado; salvo 0 caso do ma-
trimonio rato, cirque alguns dos conjuges
professar religiao approvada. Const, do
ArceD. da Bahia cit., $ 305 c 306.
E' certo quo, em algumas igrejas aca-
tholicas, pdde-se dar a dissolngio c mpleta
desse vineiilo.
Mas a citada lei u. 1,144 parece sujoi-
tar sste principio, quando decrett p3ra os
casamentos acatholicos os mesmos impedi-
ments qat obstam aos catholicos.
Accresce que, na bypothese sujeita, a se-
guir-se outra doutrina, dar-se-bia 0 resulta-
do, repugnante d equidade e ao direito, de
permanecer impedido para scgunlj matri-
monio 0 conjuge que conserv u-so Gel ds
antigas crengas, einquanto 0 que adop'ou
novas, p desse couvolar a scgundas nup-
cias.
Por identi lade de razio, emquanto per-
maneo.er valido o primeiro casamento aca-
tholico, nao pilcrd urn dos conjuges con-
trahir, segundo os ritos catholicos, outro
que surta effoitos civis, aiuda quando pela
sua conversao d religiao catholica, seja este
relgiosamento valido
II
Enlon lemos com os criminalistas france-
zes que 0 eleiue to essential do crime de po-
lygamoi a fraude que 0 bigamo on polyga-
mo fiz para usurper sobre 0 conjuge illudi-
do, e sua familia, os diroitos que cmanam
do legitimo inalrim<>nio.
No caso sujeito, porem, nao existe tal
fraude; porque o conjuge catholico que,
deixando a sua religiio, passa para alguns
dos cul'.os acatholicos, e se casa do noto,
segundo os ritos deste, sabo que subsiste
civilmente valido 0 primeiro matrimonio, e
que 0 segundo nada e mais do que acto
meramente rdigioso.de qucnenhuns effeitos
civis decorrera.
E' pois manifesto quo elle nao pdla tor
em vista usurpar os diroitos que Quern do
legitimo matrimonio.
Pelas mesmas razOcs nao se p6de dar 0
engano da parte do novo onjuge acatholi-
co e de sua familia.
Conseguintomente, faltando no presente
caso o elemento esseueial do crime de po-
LUCBICLi SOSaiA
MEMDRIAS DE SATANAZ
POR
D. If ninoel Fernandez y Gonzalez
PRIMEIRA PARTE
0 GRAN-CAPITAO.
HI
DE COMO O GRAN-CAPITAO COMECOU UM\ NOITE
D6 AVENTURAS QUANDO E COM QUEM MENOS
O ESPERAVA.
(Continuacio do n. 948)
GonzalQ poz 0 gorro que era de brocado
rle ouro recamado de perolas, com uma
prezilha Je diamantes, embugou-se no raan-
t >, 0 offereceu 0 braco direito a Lucrecia.
Passada a |>orU da ante-camara, espera-
vara doze pagens ricamente vestideis, allu-
miando im tochas de cera.
Lucrecia e Goozalo, seguiram acompa-
nhados pelos pagens, atravez uma espacosa
galeria no estylo grego-romano, com o cbio
de alabastro branco, &\& umas escaias rn g-
nificas.
Caminharan assim ate* & porta principal
do pala^io, que alguns criados haviam
nherto de par nm par. Alii, a urn signal de
Lucrecia, p niram os pagoiis, e ella e Gon-
zulo desceram ao vestibulo do portico, e pe-
n-traram nojsrdirn, caminhando nas trevas.
Na frente ouviam-se os passosde am ho-
mom, e pouco depois sentiram-se os de al-
guns out!os homens que seguiam atraz.
- Antes de sahir, disse Lucrecia, 6 ne
cessario que en vi buscar a chave de uma
casa encantada, que deixaram para mim,
junto de uma das estatuas do jar Jim. Esta-
mos em plena aventura e receio ura-perigo
grave ....
Qm Deus e Santa Maria sejam com-
nosco, e nio ba perigos que valhara, res-
pondeu tranquillamente ogran-capitio.
Lucrecia parou.
Estava junto de uma rnagnifica estatua
aotiga de Cere.'., da qual Gonzalo, era virtu-
Laerecia tirou de sobre 0 pedest/d da es-
tatua", nrria chave que encontrou pelo tacto.
Era demasiaJo grande.
lygamia, deve-se affirmar que Ul crime
nio existe.
Punir, por dtialquer forma, este acto
meramente religioso, seria'- exercer uma
pefseguigio por motivo religioso, 0 que e
vedado pelo art. 179 5 da constitui^io
politica
Pensamos, porem, que a pessoa casada
segundo 0 rito catholico que, estando vivo
0 outro conjuge, contrahe novo matrimo-
nio segundo alguns dos ritos acatholicos, e
0 consumma, nio se poderd livrar das pe-
nas de adulterio { arts. 250 e 251 da codigo
criminal).
Porquanto, -subsistindo serapre civilmente
0 primeiro vinculo matrimonial, como fica
exposto, sobsiste.n tambem civilmente os
devercs da mutua fiJelidade, ainda que a
lei religiosa, sob a quil foi contrahido, os
tenha declarado abolidos ; e, conseguinte-
mente, subsiste a sanc^ao penal que a lei
do eslado ligou d iufraccao de taes de-
veres.
Ill
Da parte, pore'm, d > pastor religioso que
intervem em taes actos, nio vemos crimina-
lidade alguma ; porquanto nio estd ello
comprehendido na expressi;occlesiastico
do que usa o art. 247 do coJigo crimi-
nal ; 0 assim so dove ontender, porque, nio
sendo, na data da promulga^ao do dito
cudigo, admittiJos pela lei civil os pastu-
res acatholicos a receborem alguem em ma-
trimoni >, ui> podia cogitar delles o .eferi-
do art. 247.
Accresce, na presente hyp these, que,
sabendo o dito pastor, os nobentes e suas
familias que so se trata de acto meramente
religioso, a quo nonhum effeito civil se liga,
nao p6do ello tor a inteugio de celebrar um
matrimonio soguudo 0 sentido da lei
civil.
IV.
A difllculdado em harmonisar a nova
instituicao do casamonto dos acat joliuos com
a le^islacio anterior, que inteiram nte a
descouhecia, veio suseitar graves embaragos
praticos e profun las divergencias de opiniio
sobre questoes importantes, ate entre os
mais elevados funcciouarios da adminis-
tragao.
U direito, a moral e 0 grande interesse
publico de facilitar a immigracio estran-
geira, exigem que se rcmovam esses emba-
racos e se uniformiso a opiniio sobre taes
quest ocs.
Mas para obter este fun, fora indispen-
savel harmonisar e completar a leg'islagio
sobre matriminios ;tarefa propria do le-
gis'ador, e nio do jurisconsulto.
Rio de Janeiro, de oulubro de 1873.
Antonio Joaquim Ribas.
w Locacao de services civil.
. As conclusoes adduzidas sobre esta ma-
teria no l.numero do Diario apresento as
observacoes e addicgdes, que se seguem, e
quo submetto respeitoso d abalisada censura
do seu illustrado autor.
I.
A lei u. I0S de 11 de outubro de 1837,
nio mudou a natureza do contrato deter-
minada pela lei do 13 desetembro de 1830,
cujas con iicdes subs anciacssubsistein ainda
no caso de ser 0 locador estraiigeiro.
Assim, a lei dc 1837 nao dispensa, como
parece indicar a primeira conclusio, a es-
tipulacio de tempo determinado, ou em-
preitada e adiantamento no todo ou em
parte da quaotia coutratada.
Nada na lei autorisa a pensar o contrario.
Os arts. 7.e 9. referem-se evidentemen-
te d clausula d 1 tempo convencionado,
antes do qual o locador nio p6de ser des-
perlido, nem despedir-se sem uma justa
causa.
Se a lei de 1837 nio defiuiu taes condicdes
no sen art. l., 6 porque jd suppoz 0 con-
trato perfeitamente delinido pela lei de
1830.
U.
As palavras s6 p6deprovar-se por es-
cripto que se encontra no art. l. da
lei de 11 do outubro do 1837, nio pddem
ser mtendidas, eomo tern silo ate hoje 0
estylo, isto 6, como referindo-se indistincta-
meiite ao escripto particular ou publico.
Com quanto reconhega ser 0 costume 0
Quer ter a bondade de me guardar
esta chave, Sr. Gonzalo ? disse ella.
0 nobre andaluz pegou na chave e guar-
dou-a na bolsa.
Continuemos, disse Lucrecia.
E puzeram-se de novo a caminho.
Pouco lepois abrio-sc um postigo e come-
caram a descer.
Os passos na vanguarda e na recta guar-
da de Lucrecia e de Gonzalo, continuaram,
ainda que d maior distanc a.
Senhor Gonzalo, disse Lucrecia, esta-
mos jd em capanba ; protege-nos a escuri-
dio 0 necessitamos andar de pressa. Eu
nao me fatigo, sou forte ; na frente temos a
porta Pinciana, porem se eu entrasse em
Roma por esse lado, expor-me hia a ser
vista e talvez que detida pelos bons solda-
dos do nosso amigo Orsini. Deixaremos,
pois, d esquerda a porta Pinciana, rodea-
remos o monte Pincio, deixaremos, tambem
d nossa esquerda a porta del P6pulo, e se-
guindo peias muralhaschegareraos ao Tiber,
onde nos espora um barco.
Gonzalo permanecia callad).
De estranho modo nos conhecemos,
disse Lucrecia caminhando mais depressa e
quasi que sem pegar no braco de Gonzalo.
Quando o senhor chegou a Roma estava eu
retirada no convento de San-Sixto, e ainda
alii me julgam n'este momento. Sabi se-
cretamente d'elle s6 para ter uma entrewsta
comsigo ; imagine que nos nio encontramos
caminhando juntos, n'u.na noite escurissi-
ma, por estas vertentes, em direccio ao Ti-
ber, mas sim no meu palacio. Uma grave
noticit como Ihe disse, me obrigava a sahir
quando 0 senhor chegou. A vida de meu
irmio, o duque de Gandia, estd ameacada.
Sua santidade favorece muito 0 Sr.
Giovanni R rgia, replicou 0 gran-capitao,
porem, obs^rvo, minha senhora, que me!
deixou de fallar em italiano, para me fallar
em purissima lingua castelhana.
Pois nio sabe que sou sua compatrio-
ta, que nasci em Valencia, onde passei a
minha infancia ate; ao dia em que, crtanca
ainda, me casarjm com D. Affonso de
Borja ?
Que a deixou viuva apenas foi eleva-
do ao solio de S. Pedro 0 nosso santissimo
padre Alexandre VI,
Foi muito dolarosa para mim aquella
r.iortc, disse Lucrecia.
Devia se-lo. D. Affonso morreu de
um modo raiserave! ; assassinou-o umdes-'
conhecilo, e a mao que armou 0 assassino
pormaucco envoita no uiysterio. i
mais seguro interpreto das leis, Optima ett
Ugum interpret consuetudo 1. 37 II. do
leg., comtudo nao Iho presto homenagem
em absoluto, em despeito de outros prin-
cipios le henneneutica, que nao devem ser
esquecidos.
Digo que, de considerar-se as expressoes
-^ por escripto doart I.' da.lei do 11 de
outubro de 1837, como podendo significar
tambem 0 escripto particular, e nio s6
escriptura publica, resultard uma phrase
sem sentido algum.
Por um outro lado esta ou aquella phrase
destacadi nio basla para a boa mterpretagao
de uma loi, que dove ser entendida pelo
seu contexto, em vista da -intengao do legis-
lador, que delle resultar. InciviU ett, nisi
tola leye perspecta, una aliqua particula
ejus proposita, judicare vel rcspondere.
L. 2t ll. de leg.
A lei de 11 de outubro, dando pro vi Jen -
cencias sobre os contractos de looacio de
servicos, presuppde a lei de 13 de sete at>ro,
reguladora dosses contratos, cujas disposi-
cdes so em parte ficarara alteradas. Ora, a
lei de 1830, regulando a forma, porque
. devem ser mantidos taes contratos, tio so-
[ menle no caso em que constem por es
cripto, fora manifesta redundancia, inal
1 missivel no legislador, dizer 0 art. I." da
lei de 1837, que taes contratos por es-
, cripto, so se podem prooar por escripto,
jse por ventura a significacio que 0 legislador
.quizesse dar as palavraspor escripto,
>nao fosse a de escriptura publha. Seria
jevidontomente uma phrase sem S'*ntido al-
jgumrasoavel,
Em taes casos, tmdo uma palavra dous
sentidos ditTerontes, deve ter-se uuito em
vista o principio exarado na L. 13 2." ff.
de exocus. tut. Et si maxime verba legis
hunc habeaal intelleclum, tainea mans le-
gislatoris aliud vult.
Ora, 0 peusamento do legislador 6 Unto
0 que levamos dito,' que tendo firmado
aquella regra geral, julgou convoniente
fazer no mosmo artigo uma excepcio para
os contratos feitos com interfercucia de
alguma socieJade de colonisagao roconhocida
pelo goverub, a cujos titulos dou fe publica
para prova do contrato.
Tres titulos sendo forcosamente por es-
cripto, inexplicavel seria dar-lhes a loi fe
publica, se provalecesse a doutrina contraria
& quo suste itamos. Com effeito, que neces-
sidade havia para, por uma disposicio es-
pecial, dar a esses titulos (que sao escriptos
particularos) a forga de escriptura publica,
se para os outros contratos a lei se conten
tasse com escriptos particulares ? Seria uma
disposicio ociosa.
Por seus termos, pela sua subordinagio
d primeira parte, pela condicional, que os
liga, 0 segundo periodo do art. l. da lei
de 1837 e evidentemente um* excepcio,
cujo peusamento e a facilidade, que se quiz
dar d taes sociedades, de promoverem a
colonisacio ; e e por isso que por um pri-
vilegio se concedeu aos seus titulos, embora
pa -ticulares, aquella fe publica, que e exi-
gida para todos os contratos de que trata
o primeiro periodo desse art. 1.*, cujas
palavras notadas significant forcosamente
escriptura publica.
III.
Sim, sem duvida os contratos de locacio
de servicos (menos quelles em que 0 locador
fdr estrangeiro), que nio forem por escrip-
to, devem ser regulados pelas Ords. do Liv.
4., Tit. 29 d 35, e direito subsidiario, que
ainda vigoram.
Mas, verificada a legalidade dos contratos
de locacio nio escriptos, feitos por locador
brasileiro, o que cumpre e averiguar a ques-
tio de competenoia, que d'ahi resulta, e de
que nio curou 0 illustrado autor daquella
conclusio.
0 4." do art. 1/ do Dec, n. 143, de
15 de marco de 1842, referindo-se d lei de
11 de outubro de 1837, tem dado lugar d
que se o interprete de modo que, salvo jui-
zo melhor, me nio parece pfocedente.
0 4, cit. diz competir aos juizes de
paz :
0 conhecimento de todas as accoes
derivadas de contratos de locagio de servi-
cos, o qual, na conformidade da lei de 11
de outubro de 1837, continiia a ser da pri
Sim, disse Lucrecia, baldados tem si-
do todos os esforgos empregados para des-
cobnr 0 autor d'aquelle crime.
Que Deus amaldigoe 0 assassino I ex-
clamou Gonzalo Cordoba.
, Eobserv.u a sua companheira.
Nonhum tremor, por ligeiro que fosse,
agitou 0 braco de Lucrecia que repetio se-
renamente :
Q'ie Deus 0 amaldigoe 1
Houve um momento de silencio.
Diga-me, proseguio Lucrecia, que pen-
sa das pretengdes do rei de Franga e da sua
estada entre nos ?
Que 0 rei de Franga ird como veio,
com os seus pares, os seus gendarmes, os
seus peoes, a sua artilheria ; que 0 papa nio
arrancard a investidura de Napoles da casa
de Aragio ; que se 0 rei de Franga se obs-
tina, dar-lhe-hemos uraa-ligio, e que se 0
segundo ramo de Aragio se extinguir, e
assim fdr necessario, conquistarei eu 0 rei-
no de Napoles para os meus senhores os altos
e poderosos reis catholicos D. Fernando e
D. Isabel
Espanta-me, Sr. duque de Sessa, disse
Lucrecia apoiando-se um pouco mais no
brago do gran-capitao, conta com tal se-
guranga com a victoria que parece te-la jd
dentro da bolsa.
Conto com 0 auxilio de Deus, com 0
meu coragao, com 0 bom direito dos reis e
meus senhores, e com as langas dos meus
soldados velbos de Granada. Se eu tivesse
andado por aqui, ha alguns annos, el rei
Carlos VIII nio teria passado triumphante
0 Monferrato, nem zombado dos florenti-
nos, nem teria revoltado a Roumania, nem
se houvera mettido em Roma, obrigando 0
santo padre a encerrar-se no castello de
Sant-Angelo. Ello quer a investidura do
reino de Napoles; pois bera, por em quanto
retirar-se-ha, a senhora casard, como estd-]
convencionado com o bastardo do rei de*
Napoles, estreitar-se-hdo por este meio, os
vinculos que unem a casa de Aragio com 0
fiapa e se Carlos VIII se obstinar, expulsa-
o-hemos is langadas de Italia.
E os Orsini que agitam os estados ro-
manos T
Os Orsini allegara titulos de inimiza-
de particular entre elles e casa de Borgia.
Sim, exclamou Lucrecia ; um dia Pau-
lo Orsini, filho bastardo de Virgiuio Orsini,
atreveu-se a injuriar-me, dentro do mesmo
Vaticano, e ao amanhecer do dia soguinte
encontraram-n'o morto a> punhaladas no
Coliseu,
vativa competencia dos juizes de paz dofdro]
do tocatorto.
S como, pela leide 1837, os contratos
eeleferados pelo locador estrangeiro so p6dem
prorar-se por escripto, prelende-se quo os
contratos de locagio de seivigos, celebrados
por locador brasileiro, nio sio da compe-
tencia Jos juize- de paz, desde que* nio po-
dom ser provados por escripto.
Mas^a lei de 13 Je selembro dispde no
art. l.e:
0 CiHtralo por escripto, polo qual um
brasileiro, ou estrangeiro, dentro ou f6ra do
imperiu, so obriga a preslar servigos por
tempo doterminaJo, ou por emproita la, ha-
vendo adiantamoiito, no todo oj om parto,
da quantia conlrataJa, serd mantido pela
forma ieguinte :
D'ahi, a uiiica conclusio logica e a que a
contrario sensu nos indie* que os contratos,
nio sendo pnr escripto, nio serao mantidos
pela forma deter.niha la nos seguintes arti-
gos da citada lei de 1830.
Uma tal conclusio, porem, e toda relati-
va d or I.Mil do procosso, e de uonhuiu modo
alfecla o principio g.-.ral e absoluto tie com-
petencia oslabelecida pelo Dou. de 13 de
margo do 18i2, at. 1." 4., para todas
as accoes derivadas de contratos de locagio
de servigos, sem espocillcar so sao ou nao
coutratjs por escripto.
Contirmam o asserlo o examo das expres-
soes do cit. i.8, e seu confronto com as
leis do 1830 e 1837.
Na vordade, o Doc. do 15 de margo do
18i-2, teu-lo regulamontado, na 1 as leis de
1830 e 1837, mas a parte civil da lei de 3
do dezembro de 18 1, ou se ha do concordar
que o cit. e uma supertluidado, ou se
ha de ueuitar 0 priiuipio geral e absoluto
de competencia, que delle deduzimos.
Nem obsta a referenda d lei do 11 do ou-
tubro do 1837, quo e reletiva d 2.a parte do
cit. ?.", isto e, quo determina qual o juiz
do paz compotente, e nao d 1.* parto, que
lirma a competencia do juizo de aaz ; por-
quanto, si outra explicagao tivesse a allu-
dila rot'orencia, logica seria a eouclusao da
rovogagao da loi do 1830, no que por certo
ninguem concordard.
Outra cousi Jeragao:
A lei de 11 de outubro de 1837, revogan-
do a lei de 1830 na parte relativa ao es-
trangeiro, como locador, diz oxpressameiile
no art. 1."quo 0 contrato do locagio de
servigos, pelo qual o estrangeiro so obriga
como locador, so pode provar-se por es-
cripto.
Certo, 0 legislador nao altoraria tao pro-
fundamente a redacgio da lei do 13 de se-
lembro, se della so podosse colligir a mes-
ma disposigao expressa de quo taes contratos
so se podessem provar por escripto. ]
E son Jo de mister explicagao dossa ditTe-
renga do redacgio, temos quo a lei de 1830
apenas dispuuba quo os contratos de locagio
de servigos seriam mantidos pvla f6rma por
ella deter ninada, quando fossem por es-
cripto, 0 que implica a possibilidado de con-
tratos nao eSbriptos, regulados no entretan-
to pelas demnis leis em vigor.
Logo, nao 0 d'ahi, e sim do Dec. de 1842,
que deduzimos a competencia. E essa e
geral, absoluta, para todas as acco-s deri-
vadas de contratos, sejam oj nio por es
cripto, salva a restricgao iinposta pela lei de
1837.
Assim, sendo 0 locador brasileiro :
0 juiz de paz decidird de cccordo
com a lei de 1830, se 0 contrato fdr por es-
cripto.
0 juiz de paz deci iird de accordo com as
Ords. Liv. 4. Tit. -29 d 35, e direito subsi-
diario, e mais leis, quo regem os contra-
tos em geral, se'o contrato nio fdr por es-
cripto.
Mas sempro o juiz de paz e 0 competente,
cit. 4..
Agora, a razio da referenda a lei do
1837:
A lei de 1830, dando a competencia ao
juiz de paz, nao estabelecia 0 privilegio do
fOro do locatorio. No art. 5." se le bem de-
finido e fdro do quasi contrato, quando diz
que 0 prestador de servigos quo, evadin-
do-se ao curaprimento do contrato, se au-
setdar d-t lugar, serd d elle reconduzido pre-
su, por depreiada do juiz de pjz (scilicet:
do lugar] etc.
A lei do 11 deoituhro,porem, nio acei-
tou o fOro do quasi eeotrato, e no art. 14
lirmou a privativa competencia do juiz de
paz do CAro do locatario.
Fssa diversidade, e della -tio somente,
nasceu a referenda feita d lei de 1837 pelo
$ 4." do art. 1." do Doc de 1842. quo nao
aceilou, do conformidade com a referida lei,
a competencia do juiz do paz do fdro do
quasi contrato, estabelecida pela loi do 1830,
que nosta parte tambem so acha revo-
gada.
Rio Claro, 10 de setombro de 1873.
AUREMANO DE SOUZA E OUVEIRA.
[Do Direito.)
Essa.morte foi attribuida a Cesar Bor-
gia, e por sua causa, minha senhora.
Attribua-se antes ds desordens d'aquel-
le mancebo licencioso ; estava rodeado de
iuimigos que havia criado pelos seus mdos
habitos e pelas suas infamias. Algum d'elles
aprovoilou a occasiio do Paulo motor in-
jariado gravemente para 0 assassinar, con-
tando, sem duvida, com que as suspeitas
recahiriam sobre uds outros. Paulo tinha
uma amante proximo do Coliseu Calum-
niam-n'os, invejam-n'os ; quando morre em
Roma, ou proximo do lugar em que esta-
mos, uma pessoa illustre, por mao assassina
ou por enfermidade desconhecida, falla-se
do veneno ou do punhal dos Borgias. Nao
estd vivo Carlos Orsini ?
Virginia, seu pai, morreu em batalha,
e dizem que nio foi uma langa inimiga que
0 matou, mas sim uma das suas proprias
langas, no meio da confusio da derrota.
Ha quern affirme que 0 soldado que 0 ferio
de travez, quo havia pouco tempo se alistara
no sea exercito, era um anligo servo do seu
irmio Cesar Borgia, um antigo condietoro,
um tal Miehelotto.
-*-' Calumnias, sempre calumnias I ex-
clamou tristemente Lucrecia. Com tuJo,
Carlos Orsini ameaga 0 Vaticano, infesta de
bandidosos campos,'excita drebelliio esses
reisitos que por si mesmos usurpam os es-
tados da igreja, chamando-se por autorida-
de propria seus vigarios, e nem 0 santo
padre excommungou a Orsini, nem 0 pu-
nhal dos Borgias alcangou Carlos. Pode
exigir se mais mansidio ? Apuraram se os
meios de -conciliagio, sacrificam-me nas
aras do* bem commum sem que me eu quei-
xe : amava e amo ainda 0 meu segundo
marido, Joio Sforza, senhor de Pesaro.
Um dos taes reisitos vigarios da igreja,
observou Gonzalo.
Sim ; houve um dia cm que, como
em penhor de conciliagio, 0 santo padre me
unio a Sforza. Durante quatro annos e por
que naturalmento assim 0 quiz Deus, nio
Uvemos lilhos.
Razio bastante para a dissolugao do
matrimonio, tratando-se de uma priuceza
eomo D. Lucrecia, que tanta influencia tem
nos n;gocios publicos.da Italia, e por isso
mosmo nos do mundo inteiro.
Resultou d'ahi o meu sacriticio ; se-
pararam me de Joio Sforza e obrigaram-mo
a unir-me a um.joven que nio conhego
senao pelo seu retrato, e que me repugoa,
asseguro-lhe. Comtudo, resiguo-me, como
filha obediente da igreja, e aqui tem, pois,
YA1UEDADE
JftSCELAKEANo dia 1 do corrente
priucipiou em I'aris, no tomplo israelita da
rua de Nossa Senhora de Nazareth, a festa,do
Kippour ou doP6rdio, denominada tambem
do "grande jejum. A testa da instiluigio bi-
blica eTixada no dia 10 do mez de Tisri, o
primeiro do anno civil, quecorfespondepau-
co mais ou menos ao principio de setembro.
0 jejum 4 absoluto desde 0 nascer ale ao
pdr do sol No toraplo 0 servigodivino dura
todo 0 dia sem inlerrupgio; as oragOes al-
ternam-se com a leilura da lei 0 com a pre-
dica. A festa do Perdao e 0 jojum sio go-
ralmente observados, ainda polos israelis-
tas que nao 0 pratica n no resto do tempo.
Fallecou 0 marquez do Coislin, um
dos mais illustres mombros da arislocracia
breti.
Fallecou tambem RoJrigoBeucdix, um
dos mais fecuudos autores comicos da Alle-
manha.
Aununcia-se iguaimeute a morle do
popular roinancista fraucez E uilio Gab Falleceu de uma apoplexia pulmouar.
Morreu em Paris a mii da grande
tragica Rachel 0 de outros notaveis artistas
dramaticos, a maior parte dosquaes tambem
jd sio fallecidos.
Deu-se ha lias uma scena terrivel
em Whithy. Na occasiio em quo mais de
100 possoas examinavam uma colleccao de
feras que esta yarn expostas ao publico, um
tigre, o mesmo quo o anno passado matdra
o domador MacCarthy, conseguira sahir da
jaula. 0 panico foi indescriptivel, fugindo
a maier parte dos espectadores espavoridos.
0 domador, por no me Langley, querondo
fazer entrar a fera na jaula, foi agarrado por
olla. Algumas possoas mais animosas, prin-
cipiaram a bator no tigre com as b>mgalas,
guarda-chuvas e Yarns de ferro, para que
elle deixasse a presa, 0 que effeclivanente
succcdeu nao sem bastante custo. 0 doma-
dor, porem, ficou om tal estado, que poucas
esperancas ha deo salvar. A fera devo-
rou-lhe os musculos de um brago, fazendo-
lhe outros ferimentos graves no corpo. Lin
guarda que correra em auxilio do domador,
tambem ficeu bastante feiido.
Principiaram jd as consequencias da
lei da suppressio das Ordens religiosas em
Roma. Os josuitas, com oxcepgao de tres
ou quatro padres valetudinarios, tiveram de
abandonar o convento geral da Ordeui na
capital do mundo catholico.
0 cholera diminue em quasi toda a
Europa. Liltimamente s6 havia 88 falluci-
mentos por serrana na capital de Franga,
ou 12 por dia. Em Vienna tem igualmeute
decrescido muito os casos de cholera, que
conta jd quatro mezos do existencia naquel-
la capital.
Nio falta quern croia que a idade do
conde de Charabord e a sua faKa de succes-
saodegrandes probabilidados d noticia do
que, restabelecido 0 throno, nao tardaria este
abdicar no condo de Paris. 0 conde t de
Chambord completou ultimamente 53 annos.
0 titjlo do Henrique V, que Ihe dao os de-
fensores da monarchia tradicional, foj Ihe
dado por seu avd em 2 de agosto de 1830,
ao abdicar a corda om Rambouillet.
A priuceza real da Prussia e de Ingla-
terra recebeu de Victor Manoel um precioso
collar dc antigos camapheus de Florenga:
seu filho, ainda creanga, 0 collar da Annun-
ciada, assim como o feld-marechal Moltke,
0 imperador e 0 principe de Bismark, re-
essa terrivel Lucrecia Borgia, essa euvene-
nadora, esso monstro.
Os quo nascem n'uma posigao inveja-
vel e em tempos calamitosos, en tempos era
que tudo se transtorna, como se o antigo
eslivesseferido de morte, e 0 moderno vi
goroso e jovou, estao sujeitos ao mdo juizo
da gente commum e de pouco entendimen-
to, que por desgraga 6 muita, e a tudo se
atrevo com a sua lingua maldizento Com
tudo, ha sempro uma causa para que se
levante irritada, contra uma familia, a voz
do povo ; a ambigao de seus irmios e in-
saciavel, minha senhora ; toda a gente co
nhece a divisa do seu irmio Cesar: au Cesar,
ou nihil que signiuca : d todo 0 transe 0
imperio. Pelo que diz respeito d seu irmio
Giovanni, nio se satisfaz com o titiilo de
duque de Gandia, que os reis catholicos,
meus senhores, ihe deram por intervengio
do soberano pontifice, nem com a investi-
dura e os estados de Benavente, que do
mesmo modo Ihe outhorgaram os reis ca-
tholicos, nem com as insignias de genera-
lissimo da igreja, com que 0 investio 0
papa. Quer mais ainda : mas como seu
irmio Cesar necessita ser rei, os dous nio
cabem juntos na terra. Agora mesmo, nio
sabe a senhora de Roma acompanhada por
mim, para salvar do punhal, segundo me
disse, seu irmio 0 duque de Gandia ? Tudo
isto 6 horrivel, tudo isto parece causado
por uma maldigio do Senhor.
: Ah I fallando d'esse modo, suppde
certamenta que meu irnio Cesar, attenta
contra a vida de seu irmio f
Nio 0 supponho, antecipo a supposi-
gio de todo 0 mundo, se por desgraga nio
po iermos evitar que 0 duque de Gandia
seja assassinadu, se acaso 0 nio foi jd I
Oh I t.alle-se.1 calle-se I isso seria uma
desgYaga horrivel de que me nao consolaria
nunca I replicou verdadeiraanente commo-
vida Lucrecia. Caminhemos mais depressa,
as suas ultimas palavras encheram-me de
terror.
Tenho ouvido dizer que ama apaixo-
nadamente 0 duque de Gandia.
E' meu irmio, 0 meu bom irmio, 0
meu parente mais querido I 0 senhor co
nhece-o, e" bravo, generoso, bello, e tem
um grande coragao. Dizem que hoje ia
deslumbrante.
< Com as joias e as perolas que levava
em cima de si, haverra 0 bastante para le
vantar um exercito furmidavel e maote-lo
durante uma carapanha.
Tambem 0 Sr, duque dc Sessa leYara

tratos d corpo inteiro do rei de Italia. Por
seu turno os ministros e generaes italianos
foram agraciados com as gran-cruzes da
Aguia Negra da Prussia.
A academia franceza elegeu para pre-
sidente u Sr. de Sacy, em substituigio do
duque de Aumale.
0 leilao da mobilia de Henrique Ro-
chofort, que ha dias teve lugar em Paris,
proJuzio Um total de 4,000 francos.
Dizem de Coblentz que a raiaha da
llollanJa e osperada no dia 28 de outubro
no palacio de Stolzenfels, proximo do Rhe-
no, onde habita actualmente a rainha viuva,
da Prussia.
Desde 15 de agosto a 13 de setembro
foram presos em Paris 2,653 iudividuos.
Nesto numero entrain 1,428 por embriguez
e 807 por furtos. *
Foi ha dias presa em Paris uma-qua-
drilha composta do 25 ladrdes, que habita-
vara em S. Clou I.
As telhas de cimento_vao sendo geral-
menle adoptadas na Prussia para a cobertu-
ra de casas Estas telhas fazein -se em mol
des de ago; a sua espessura 6 apenas de
0"003, sendo por consegqiute muito leves ;
0 peso e so do 37,50 kilogrammas por me
tiM qua Irado, custando cada uma destas
unidades II francjs e 5 centimos.
Nos Estados-UHidos foram exocutados
quatro inlios Tiodocs, quo so tinham rebel
lado contra as tropas, commettendo alguns
assassiuatos. Dous outros foram iudulta-
dos.
Paruco que 'estd fuialmenle decidido
que o iuipora lor da Allemanha ird eminea-
dos do corronte mez visitar a exposigio de
Vienna, permauecendo oito dias naquella
capital em compauhia da familia imperial
austriaca.
Dizem de Paris que se aununcia a
proxima eutrada em Franga dos chefescar-
listas. Dorregaray e Lizarraga, que cahi-
ram no desagrado de Carlos VII por causa
dos boalos que se tem espalhado, de quo
elles eram partidarios da fusao do todos os
monarchicos em Hespatiha.
Tein-se como provavel que a ex-rai-
nha Izabel dc Hespaliba vd passar o proximo
inverno em Pau. 0 principe Affonso con-
tiunard a permanocer em Vienna, onile es-
tuda. ,
NECROLOGIA. A'cerca do imperador
de Marrocos, ultimamente fallecido, encon-
tramos em uma folha belga as seguintes
notas biographicas :
0 imp jrador de Marrocos, Sidi-Moham-
med, que ulliinamcnto falleceu, tinha 70
annos, pois nasceu em 1803. Subira ao
throno no liin do anno de 1859, succedendo
a seu pai, Abd-er-Rhamau. 0 reinado
deste ultimo f6ra agitado por diversas ques-
toes co quasi todas com desvantagem p3ra o imperio
de Marrocos ; 0 do filho notabilisou-se por
graves difficuldades com a Hespauha, pro-
vindo d'ellas uma declaragio de guerra.
Sob 0 commando do raarecbal O'Donnell,
as tropas hespauholas apo leraram se do
Teman, marcharam sobre Tauger e derrota-
ram em duas bataibas successivas o exercito
marroquino. 0 imperador teve de pedir a
paz, que foi assignalada em 20 de margo
de 1860.
Depois d'estes confliclos, Sidi-Molnm-
med fez esforges persistentes para rt-novar as
relagoes amigaveis com os diversos estados
da Europa. Tomou algumas medidas em
favor da navegagao, ordenou a construcgio
de muitos pharoes nas costas do seu reino e
mostrou as inelhores disposigoes para com
os uavios que procuravam os portos do paiz.
Estas medidas, porem, desconteutaram os
marroquinos, que pediram a percepgio de
direilos dc alfandega, muito pesados, sobre
as mercadorias desembarcadas. 0 impe-
rador tove de resistir vivamente a estes pro-
teccionistas, que transforraaram facilmente
em questao dynastica uma pura questao
comoicrcial, sendo o imperador coagido a
abdicar. Respoudeu pela forga a estas pro-
vocagoos e a final em 1864, promulgou um
decreto que concedeu aos europous a liber-
dado de commercio em toda a exteiisio dc
Marrocos.
I
em si urn thosouro, e montava um soberbo
cavallo ajaezado todo de ouro, segundo me
disseram. Ia d direita do papa, deslum-
brando d toios com a sua ostentagao e com
as galas dos seus alabardeiros, cujas alabar-
das eram de prata, segundo aflirmam.
Isso, minha senhora, nio foi mais do
que a representagio necessaria dos reis ca-
tholicos, meus senhores, Todas essas j las,
todas essas pod ranas, todo esse ouro, toda
essa prata, se converterio um dia em pio e
polvora para os seus bons soldados, se fdr
necessario.
Agora, porem, ninguem 0 ve, nem
mesmo esperava que alguem 0 visse esta
noite, excepto eu, e com tulo apresentou-
se coberto de joias, receudendo a perfumes
como se fosse uma dama, 0 Sr. D. Gonzalo
de Cdrdoba, o leao castelhano.
A riqueza e os perfumes, nio croio
que nio estejam em barmonia com 0 valor
e a bravura. Nos dias de batalha, ajiriho-
rae nas primeiras fileiras deslumbrante de
joias e de pedrarias, para chamar sobre mim
os bragos iuimigos. Sou andaluz, minha
senhora, e deve-se-me perdoar isto.
Vejo que 6 admiravei, disse Lucrecia
apoiando-se com indoleocia no brago do
gran-capiti ).
Lucrecia, com verdadeira habilidade de
muiher, desviara a conversagio do terreno
do crime, para a levar para 0 da galan-
teria.
Gonzalo de Cdrdoba permanecia irapassi-
vol.
E com tudo no seu brago apoiava-se um
brago tentador, e a voz de Lucrecia torna-
ra se suave, insiuuante, fascinadora.
Uma de duas : ou Lucrecia repugnavs
lortemente, com ser moral d Gonzalo de
Cdrdoba, ou a boa e fonnosa D. Maria Man-
rique, sua muiher, nio Ihe deixara 1 i vre
para neuhuma outra, uem a mais pequena
porgio do seu coragio ru dos seus senti-
dos.
Sinto jd a humidade do rio, disse
Gonzalo de Cdrdoba.
Sim, estamos proximos, de barco que
nosespera, replicou Lucrecia.
Um moraeutp depois, Lucrecia e Gonzalo
de Cdrdoba tomavam lugarfn'uma esplen-
dida gondola d veneziana, que se fazia ao>
largo ganhando 0 meio do Tiber.
fContinuar-se-ha).
TYP.D0iDLUU0 RCA DUgUEWf CaJUAS ^

\

M
.mm^mm
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9YJ75KFY_YV3D0H INGEST_TIME 2014-05-28T01:47:34Z PACKAGE AA00011611_16715
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES