Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16711


This item is only available as the following downloads:


Full Text
3
i
11 "". H
AlViVO YL1X. MJMERO 245
*A14 A CAPITAL II ICGABES OXDS SAO SB rAA
Jor tres me** adianUKloi,......
>......
''or sets diloii it!
I'or urn anno idam


utiitfintuit i*o *l>oi 1> tfhl.jtli 6
... ..
PROPRIEDADE DE
SKXTA FEIRA 24 DE OLTIBRO DE 1873

PABA BBJfimO FOHA DA PMTIICIA.
Pot irei mesas adiantado*................
Por seis ditos idem...........'.......
Pot note ditos idem.................
Por am anno idem..................
rrw
vast
DE FARIA 6 FILHOS.

------------------------------------

Pereira J'Almeiua, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parabjba ; Antonio Jose Obh, na Vaidd Penha; Bearmino dos Santos Buldo, em Santo AntAo ; Domingos Jose" da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alag6as ; Aires d C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho d C. no Hiojde Janeiro.
1


tea:.
1ABTE OFFICIAL
Cisverna da provineia.
XHMC.1T.i DO OIA 13 UK AU OST0 DE 1873.
1.' tecroo.
Offlcios:
An Exin. brigadeiro commandante das annas.
- Trausmtittu a V. Exc. os inclusos paptis, i|ue inc
aerab oVvSlvido*, afim de que por sua parts pro-
videncie, si fcrem veriflcados os factos uelles
allegadou
Ao mesmf.A V. Exc. sera mandido apre-
scDtar jielo commandante do eorpo di palicia, em
cujo qtiartei se acha reeolhido, o guarda do 8."
batalnao do inTaotaria deste municipio, Manoel
Bernardo de Sant'Anna, destinadd par;i o servico
do exercito pelo respectivo commandante supe-
rior.
Ao capitao do porto.-Chamo a atieneao de
V. S. para os artigos que vem publ eados na
.Revista Diana do Diario de Pematibucv u Gaze-
tilka do Jornal do Recife, ambus de hoju, relativa-
inente a indebita occupacAo, por partieu lares, de
terrenes de marinlia a margem do rio Cipibaribe,
na freguetia clc> Poco da Pauella, que desliaani ao
plantio de capim.
2.' seccao.
Acto :
0 presidente da provineia, attendenlo a pro-
posla do < immaudante do batalhao n. 28 de infan-
taria da guarda national do muuicipio le Gara-
nhuns, e infoimacao do commandante superior
respectivo em offleio de 28 do mez proximo passa-
do, resolve, de contormidade com o diposto no
- art. 48 da lei n. 602 de 19 de setembro de 1850,
nomear para o posto de capilao da I.' companhia
do 1* bat ilhao o tenente quartel-raestre. Pedro do
Rego Chares.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de pohcia. Em respoata ao
Jii'io de V. S., de a do corrente, tenho ;, dizcr-lhe
jue deixo de arbitrar gratiflcacao para Jos Bal-
biao Gomes Li na, como solioita o dulegado de
Villa Bella no nfflcio remelti lo por eopia, porque,
iondo se elle offsrecido gratuitamente p;ira encar-
regar-se do eurativo dos indigentes ataeidos das
febres que gras'am n'aquella locabdadci, e scndo
acceito o eu orterecimcnto, nenhum direito tern a
reclamar gratiflraeau.
Ao promotor publi-n do Recife.Versando
a duvida tie Von:., ecu offli.io de hout'tm, sbre
questao pandeule, nio pod esa presidencia, se-
gundc tern sido declarado em varias decisdes
do governo, emittir parecer, cabendo ao poder
judieiario proccder conforme for de direito ; por
tanto Vmc resohera o que actiar acertaiio.
Ao commandante do corpo de policia. Faca
Vmc. apntsentar ao Exm brigadeiro eommandaote
das armas, nan o servico do exereim, o guards
do 8 batalnao d'este municipio Manoel Bernardo
de Sant'Anna, cjoese aclia reeolhido ao quartel do
corpo sob seu comnando.
3.' srtcao.
Ao inspector da thesouraria de faiehda.To-
maudo em consideracao o que expoz Fr Venancio
Maria Ferrara, encarrcgado das obras da nova
igreja de Nossa Seohora da Penha no ineluso re-
querimento, a que allude sua info maijao do t. d >
corrente sob n. 715 serie D., autoriso V. S., nos
lermos do decrtto n. 2312 de l. de julho ultimo,
a rnandar despachar livres de direito o:. objectos
roastantes do mosmo requerimento e destinados
ajuellas obras; sendo que a semelhanie respcito
foi ouvido o cliefe da repartigao du ob as publi-
cas, como vera dajiuformagao de 11 do andante,
a. 300, junta por copia.
AomesmcCommunico a V. S., para os de-
vidos lins, que em data de 22 de julho lindo re-
assumio o exerciefo do cargo de vigario de Cabro-
bo o conego Antonio Jose tirmino de Novaes.
Ao mesmo.ManJe V. S. pagar ao thesou-
reiro da santa casa de misericordia d'e.-la cidade,
e por conta do mmisterio da guerra, a ioclusa
ata relativa a despezi feita ccm o tratamento de
doas pra^as do exercito, que por ordetn desla pre
siaencia foram recolhidas ao hospicio de aliuua-
dos, conforme solicitou o respectivo provedor em
officio de 8 do corrente sob. u. 521.
Ao mesmo. Mande V. S. relevar Joao Car
neiro L. Barradas da mului em que in;orreu por
nio ter dado a matricula deutro do prazo legal
o libertoThomaz, Uiho de sua escrava Felisinuia,
sobre quo versou o seu oflicio de hontem dalado
sob n. 8'tl serie 0., informando a petiQao, que Ihe
devolvo, do mesmo Barradas.
Ao mesmo. -Mande V. S. relevar Viridiano
Carolino Soares da multa em que iucorrcu por
nao have decl.irado deutro do praso legal o falle-
cimento do ingonuo Joao, Glho de uma sua escra-
va. e sobre o que versou seu officio de liontem
datado sob n. i'Ai serie D, informando a peticao,
que incluaa Hie devolvo, do mesmo Veridiano.
Ao mesmo. Conformando-me com a sua
;a:jrraa.-;'o dat ida de 11 do corrente sob. n. 62i
serie D, acerca do officio do Exm. brigadeiro com
mandante das armas, de 25 de julho ultimo, mande
V. S. abenar a commissao encarregada de cxa-
tninar a incapacidale de varios oujectos a car-
go do arsenal cle guerra desla provineia, a grati-
tii-acao a que tern direito, nos termos da observa
<;ao do decreto a. 1880 de 31 de Janeiro de 1857 e
da tabella annexa ao mesmo decreto.
4' seccdo.
\ Acto :
0 presidente da provineia, attendendo ao
qae requereajPrancisca Ludovma Ribeiro Bacellar,
professora putdica de iastruecao primaria da ca-
ueira da povoatao da Varzea, resolve prorogar
por mai; tres mezes a bcen^a que Itefoi con-
oedida com os vencimentos que por lei Ihe com-
jietirem.
Offlcios :
AoExm. presidente da provineia do Maranhao.
Nao se prestando ao fim pretendida pelo cabo
de csquadra clo 2.* batalhao de infantaria, Jorge
Manoel do Corjx) de Deus, o documento ineluso,
qae V. Kxc. *> servio transmittir-me :om officio
de % do corrente, visto nao constar dclle o nome
do refeiido calbo, nao estar dalado e menos de-
larar por ordiin de quem foi passad}, rogo de
novo a V. Exc:. se digne providenciar no sentido
da ser-tne remetlido outro documento com as de-
claracSej mencionadas ; e mais, si aquella praja,
na qoalidade ie guarda nacional desiipado para
o servico da guerra, apresentou-se voluntariamente
on si foi a isso coagida.
I 'or tar i as :
A' flloia. canara municipal do Recife.Em res-
posta ao offl :io da Illma. cainara municipal do Re
cifo, de 6 do corrente, tenho a diier qae foram
dadas a:; providencias, para que sejam feitos nos
oanos gttraes ile esgoto na ribeira du S. Jose os
concertos procisos.
A' camara municipal da villa de Bezerros. -
Doclaro a camara municipal da villa de Bezerros.
cm rcsposta :.o officio de .28 de abril ulliiuo, ^ue
concedo autoi'isacao para ser despenlila a quan
tia de 5934750, recebida da camara municipal do
Bonito, provearente dos impistos deua villa e da
povoacio de Gntvata, com os objectcm constantes
do orcainento que acompanhou a sua. informacao
de 8 de julho Undo.
5S $ecgao.
Portaria:
0 Sr. gerenle da companhia pcrnambucana
de* attas ordeas pan serera recebidos a bordo da
vapor qae tern ae segair para o noite no dia 14
do corrente, o conduzidos a cidade do Natal 4 dia-
poi;ao da piesidencia da provineia da Rio Grand j
do Norte, dous caixoes e urn encapado conteado
baianoa, pesos e medidas do systema metrico.
KXPEDIBKTB DO j>kCRETAHJQ.
4' steam.
Odlcio :
Ao provedor da Santa- Casa de Misericordia.
De ordetn de 8. Bxc. o Sr. presidente da pfv
vine. eommuaico a V. S., para os devidos effeitos,
que nesta dala foram expedidas as convenientes
ordens a thesoura'ia de fazonda no sentido deser
paira a conta da de exercito recolhidas ao hospicio de alienados ; con-
forme solicitou V S. era seu officio de 8 ds cor-
renm sob n. 521.
5' secfao.
Officte:
A' dir-eetoria da Associacio Commercial Be-
iielicoute.O Exm. Sr. presidonte da provineia
man la accusar recebido o officio de Vs. Ss., de
liontem datado sob n. 76, no qiial dio conta do
resullado da eleicao que teve lugar na sessao de 5
do corrente.
EXPEDIKNTR DO DIA 14 DK AOOSTO DE 1873.
/* semie.
OiTicios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
uias.Sirva-so V. Exc. de inandar por em liber-
dade o recruta Feliciano Baplista de Olivetra, que
provou isenejio legal.
Ao mesmo. -Para que possa a presidcncia
da provineia do Para prestar o documento pedido
jielo soldado de infantaria, Felippe Nery de An-
drade, no requerimento que veio annexo ao officio
de V. Exc, de 23 de julho ultimo sob n. 743, con-
vein que a referida praca declare o corpo da guar-
da nacinaal daquella provineia, a que pertenceu.
Obtido este esclarecimento, V. Exc. se servira de
m'o trarisiuiiiir para os lins convenientes.
Ao inspector do arsenal de mariuha. -Ap-
provo a compra que, segundo o sea officio de lion-
tem datado sob n. 690, fez V. S. a Belmiro Ferrei
ra, de tres bois uovos para serem fornecidos as
corvetas Vital de Oliveira e Parense, a preco de
''61 cada um.
Ao capitao do porto. Fieo ialeirado de
quanto V. S. expoz em seu officio de honlem data-
do sob n. 144; e em resposta lenho a recommen-
dar-lhe que continue a dar as providencias que
forem convenientes, a prohibir que sejam cercados
imr particular's e destinados ao plantio de capim
ou qualquer outra ceusa os terrenos de marinlia
que margeiam o rio Capibaribe.
2.' secalo.
Actos :
0 presidente da provineia, dc conformidade
com a proposta do Dr. cliefe de policia em officio
n. 1387 de 7 do corrente, resolve nomear para o
L-ariio de subdelegado do lermo da Esoada o co-
ronel Jose.Leao l*ereira de Mello.
0 presidente da provineia, attendendo ao
que requereu o cabo do corpo de policia, Antonio
Hygino |de Carvalho Couto, ao pareeer dos medi-
cos que o consideram incapaz do service e as in-
formacoes do respectivo commandante e do ins-
pector da thesouraria provincial, em offlcios n. 361)
de 28 de jtmho proximo passado e n. 324 de 7 do'
corrente, resolve, de conformidade com o disposlo
nas leis n. 276 do 7 de abrii de 1851 e 436 de 26
de maio do 1858, reformar o dito cabo com os
vencimentos a que tiver direito, proporcionaes ao
tempo que conta de servico.
0 presidente da provineia, de conformidade
com a proposta do Dr. cliefe de policia em officio
u. 1387 de 7 do conente, resolve nomear para o
cargo de 1. suppleute do delegado do termo da
Escada, que se acha vago, o cidadao Aureliano de
Barros e Siiva.
0 presidente da provnci3, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia, em oflicio
n. 1387 do 7 do correute, resulve nomear para os
cargos dn 1.', 2 e 3." supplent^s do subdelegado
do I.* districle do termo da Escada os cidadaos
seguintes, na orleni de sua classiticac.ao : tenen-
te-coronel Antonii Gongalves Ferreira, Antonio
Carlos Cavalcanti de Albuquerque, Alexandre da
Motta Couto.
0 presidente da provineia, a vista do offlcio
do Dr. cliefe de policia u. 1387 de 7 do corrente,
resulve exonerar dos cargos de subdelegados do
2.' e 3.* districtos do termo da Escada, por mora-
rem em outros, o tenente-coronel Antonio Gon-
calves F'erreira e coronel Jose Leao Pereira de
Mello.
0 presidente da provineia, a vista do offlcio
do Dr. chefe da policia, n. 1417 de 12 do corrente,
resulve exonerar dos cargos de 2." e 3." supplen-
tes do subdeleeado do 1.* districto do termo da Es
cado os cidadaos, Joao Francisco da Costa Campos
e Antonio Carlos Cavalcanti de Albuquerque.
Offlcios:
Ao Dr. chefe de policia.Nesta data expedi
ordem a thesouraria provincial, para serem for-
necidos a casa de detencio os triota globos de
vidro de que trata o seu offlcio n. 1127 de 13 dj
corrente, convindo que V. S. recommende ao res-
pectivo administrador todo o cuidado para a con-
servaeao das ditos globos.
Ao mesmo.Providencie V. S. sobre o que
represents o 1. supplente do subdelegado do dis-
tricto de Queimadas, no offlcio junto, a quem ad-
vertira que nao pode dirigir-se directameute a csta
presideneia, por meio de offlcio.
Ao mesmo.A' vista do que expoz o dele-
gado do termo de S. Bento no offlcio que veio an-
nex* ao de V. S., n. 1408 de 11 do corrente, tonho
a dizer-lae que concedo a autorisajao que pede o
delegado, uma vez que sejam feitos os concertos,
e flque a casa que serve de prisao com toda a se-
guranca e melhoramentos de que carece, e a que
allude o dito delegado.
Ao commandante superior do Recife. Fico
inteirado, pelo officio de V. S., de 12 do corrente
sob n. 669, de haver coucluido os respectivos tra-
balbos o conselho de revista da guarda nacional
deste municipio, do qual foi V S presidente.
3.' seccao.
Act) :
= 0 presidente da provineia, attendendo ao
que requenu D. Hermenegilda Candida da Fonse-
ca Soaies e a informacao da thesouraria de fa-
zenda, datada de 13 do corrente sob n. 861 serie
D, resolve abrir, sob sua responsabilidade. e hos
termos do decreto do l. de fevereiro de 1862, o
credito de 375J, a verba Eventuaes -do rainiste-
rio da guerra, para occorrer ao pagamento, no
triraestre vencido em junbo, do aluguel da casa
que serve de quartel general do commandante das
armas.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Ministre V. S. a esta presidencia nma demonstra-
cao, indicando qual a quantia necessaria para oc-
correr ao pagamento das gratilicajoes arbitradas
ao inspector da sadde do porto e ao respectivo
secretario, em compensacSo da perda dos emolu-
mentos, afim de poder a mesma presidencia auto-
tonsar o eompeieme credito para semelhaute pa-
gamento.
Ao mesmo. -Traosmitto a V. S., para seu co-
nhecimento e devida execucao, a portaria jun-
ta por copia, pela qual resolvi abrir, sob responsa-
bilidade desta presidencia e nos termos do decreto
do 1. de fevereiro de 1862, o credito de 375* a
verbaEventuaes -do miaisterio da guerra, afim
de occorrer ao pagamento, relativo ao trimestre
vencido em junho ultimo, da casa que serve de
quartel general do commandante das annas.
Ao mesma-Attenlendo ao que requereu o
major Belarmino do Rego
Ihe
tem
nundar rcleval-o da rau|ta em qae incorreu, por
nao haver dado a matricula dentro do praso legal
a rnenor Antonia, lilha de uma sua escrava.
Ao wmo. Attendendo ao que requerou
Ignacio Joaquim de OHveira na peticao que Ihe
devolvo e & que se refere o sen offlcio de noniem
datado sob n. 851 serie D, autoriso V. S. a inan-
dar relevalo da multa em. que incorreu, por nao
haver dado a matricula, dentro do praso legal, o
ingenao Luiz, Iflho de sna escrava Martinh'a.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a quem
mostrar-se competertterrrente antotisado, e em vis-
ta dos inclusos prets, os vencimentos das pracas
do batalhao de infantaria n. 33 da guarda nacio-
nal, destacadas na villa de Ingazeira duranto o
mez de junho lindo, segundo solicitor! o comman-
dante superior do respectivo municipio.
Ao mesmo. -Transmitlo a V. S., afim dc que
proviuencie a respeito como for de lei, a hVciusa
copia do officio do capilao do porto, desta data sob
n. 144, relativamente a indebita oeeupacSo, por
particulares, de lerrenos de mar nha a margem
do rio Capibaribi que destinam ao plautiu de ea
pim. .
Ao mesmo. Tendo nesta data approvado a
compra fcita pelo inspector do arsenal de marinlia'
a Belmiro Jose Ferreira, de tres bois vivo? para
serem fornecidos as corvetas Pavaente e Vital de
Oliveira, a precede 75| cada um, assira o coin-
niunico a V. S. para os devidos effeitos.
Ao mesmo. -Tendo por despaeho desla data,
e de accordo com a sua informacao de 13 do cor
rente sob n. 8i4 serie D, negado provimento ao
recarso que a esta presilencia interpoz D. Isabel
Maria Perreira, da multa que Ihe foi fmpoata pelo
collector do municipio do Cabo; asslm 6 dbciaro
a V. S. para seu conhecimtnto e fins conve-
nientes.
Ao mesmo.Mande V. S. relevar a Maria
Franrisca da Graca damulta em qae incorreu por
nao haver dado a matricula dentro do praso legal
0 menor Marcelino, filhode sua escrava Catharina,
e sobre que versou o seu offlcio de honlera dala-
do sob n. 845 aerie D, informando o requerimen-
to, que Ihe devolvo, da referida Maria.
Ao mesmo. -Altendendo ao que reqttereu
Jose Luiz Pereira na pelicio que Ihe devolvo, e a
que se refere sua informacao de hontem datada
sob n. 846 serie D, autoriso V. *. a mandar rele-
va-lo da multa em que incorreu por nao haver
dado a matricula dentro do praso legal a inge
mia SecunJiiia, tiliia d'uuia sua escrava.
Ao mesmo.Transmitto a V.'S: afolha, rela-
cao nominal e pret juntos em duplicata, qhe me
foram remettidos pelo commandante superior do
municipio da Boa Vista com officio de 13 de junho
ultimo, afim de que mande pagar a qoem'se mos-
trar competontemente autorisado os vencimentos
do deslacamentj da guarda nacional existeata na
villa de Petrolina, relativos aomez de junho dpsto
anno.
Ao inspector da thesouraria provincial.At-
tendendo ao qua requereram os devedores do im-
posto creado para o pagamento das appaFelboj for-
necidos pela companhia Recife Drainage, na
peticao que Ihe devoivo, e lomMdo etu CvAside-
racio a sua informacao datada de II do corrente
sob n. 332, mande V. \i. dispensa-los da multa de 6
por cento em que incorram, podendoser effectua-
do o pagamento at6 o dia ultimo de setembro pro
ximo future, em que termiua a liquidacao do cxer-
cicio proximo findo, ao qual pertencem os men-
cionados debitos.
Ap mesmo. Em resposta ao seu offleio de
honlem datado sob n. 335, lenho a dizer a V. S.
que autoriso, na conformidade do art. 114 do re-
gulamento de2l de julho de 1868, a considerar
como parte da receita geral do exereicio proximo
lindo em liquidacao a quanlia de 6.900225, pro-
veniente dos premios e saldos de benelicio de lole;
rias, que em virtude do art. 39 da lei n. 473 de S
de maio de 1859 do regulamento ja cilado pres-
creverairt no ultimo do junoo deste auno, e bem
assim a dar consumo aos documentos das contas
das ditas loterias.
Ao mesmo.A' vista da conta e relacao r.n-
nexas ao ineluso requerimento, mande V. S. pagar
a Jose Maria Ferreira Braga a quantia de 18^600,
proveniente do sustento dos presos pobres da ca-
deia do termo de Barreiros, durante o mez de maio
deste anno.
Ao mesmo. -Autoriso V. S. a mandar dispen-
der ale a quanlia de 1:0005 com a conservacio
e inelhorament > do jardim do Campo das Prince-
zas no corrente mez, como solicitou o engenheiro
chefe das obras publicas em offlcio de 2 do corren-
te sob n. 290.
Ao mesmo. A' vista do certiftcado ineluso
do director das obras publicas, mande V. S. pagar
a Andre de Abreu Porto o importe da 3 presta-
SSo do contracto da ponle do Tahyba era Pao
'Alho.
Ao mesmoProvidencie V. S. no sentido de
serem fornecidos a casa de detenc,So 30 globos
de dro para a illumiaacao do dito estabeleci-
mento.
4" secgaiT.
Actos:
0 presidente da provineia, attendendo aoque
ponderou o director geral interino da instruecao
publica em officio de 31 de julho findo sob n. 230,
resolve designar Maria Candida de Figueiredo, pro-
fessora ultimamente nomeada para Ingazeira, e
que ainda se acha nesta cidade, para sabstituir a
professora da povoacao da Venda Grande, emquan-
to durar o seu impedimenio, com a gratilicacao de
50J000 mensaes.
Offlcio :
Ao juiz de paz mais votado do 1" districto da
freguezia de Una.Accuse recebido o offlcio de
V. S., de 1 do corrente; e fico inteirado de haver
V. S. feito a convoeacaodus cidadaos que Ihe ficam
immediates cm votos para a organisac.:lo da mesa
parochial na elelfao de eleitores que tera lugar no
dia 31 deste mez.
51 seccao.
Officios :
Ao engenheiro chefe da reparticio das obras
fiublicas. -Achando>e o edificio destinado a eseo-
a modelo de instruccao primaria em eslado de re-
ceber o encanamento para a illuminac4o a gaz,
conforme Vmc. communieoa em seu offlcio de 11
do corrente sob n. 302, autoriso-o a chamar con-
currentes ao referido encanamento; devendo el
les apresentar suas propostas em cartas fechadas,
as quaes me serao remeltidas, afim de serem re-
solvidas.
Ao mesmo. -Devolvo a Vmc o relatorio que
me remetleu com offlcio de 11 do corrente sob n.
301, acerca das obras _a cargo dessa reparticao,
feitas por administraeoo no prlmeiro semestre do
corrente anno, afim de que oompleie-o declarando
o custo de cada uma del as, bem como quaes as
executadas por adiini>tracao, e quaes as que o
foram por eropreitada.
Ao presideate da junta de emaucipacao da
cidade da EscadaInteirado do que cxpde em
seu offlcio de 12 do corrente, relativamente ao fac-
to de nio se ter podido effectuar dentro do praso
deslgnado a classitlcacio los escravos, nos termos
do regulamento de 13 de narembro, pelos motivos
constantes do seu citadu.efflcio, autoriso Vmc. a
prorogar ate o fim de setembro proximo vindonro
o referido, praso.
KPKD1KNTE DO SECRETARIO
1." ttccio.
Offlcio :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
Barros na peticio que. mas.S. Exc. o Sr. presidente da provineia man
data mandousa-
ao seu offlc^ i".
13 do corrente sob n. 813.
2.' seccao
Offlcios :
- Ao Dr. cliefe de policia. De ordim do Exm.
Sr. BTiSidcnte da provineia, transmitto a V. S. os
titulos de nomeaeao do 1 supplente do delegado
do Urrmo da Escada, do subdelegado do 2" distric-
to, da dito terow e dos supplentes do subdelega-
do m I.* districto. de contormidade com a proposta
de V. S. em officio n. 1387 de 7 do corrente.
A" mesmo. -(JExm Sr. presidente da pro-
vineia thanda declarar a V. S. que as guias dos
softtenclados Manoel Pereira da Costa, Bernardino
Jose .EUlricio, Manoel Francisco Duarte e Jo to
Fraocisto do Nascimeoto, ja foram remettidaa ao
juiz de direito da la vara civel, segundo declara o
da comarca de Ignarassii em offlcio de do cor
rente.
Ao eommandantc superior do muuicipio de
Flora*. De ordeiu de S- Exc. o Exm. presideole
da provineia, communico a V. S.. para seu conhe-
cimQnto, qae nesta data expedib-se a necessaria
ordein 4 the*iuraria da fazenda no senlido de
sua re.juisicao, ftita era offlcio do de julho
findo.
- -jjAo coaiuiandante superior da Boa-Vista.0
Exnt Sr. presidente da provineia mauda enmmu-
uicar a V S., que n.'sta data expedio ordem a the-
suiiraria de fazenda uo sentido" de serem pagos os
venclpoeotos do deslacamento da guarda nacional
de que trata o seu offlcio de 13 de jnlho deste
anna
Ao presidente e memhros do conselho de
revista da guarda nacional de Santo Antao. 0
Exm. Sr. presidente da provineia raanda accusar
o recebiraento do offlcio de Vv. Ss., de 22 do mez
proximo pa>sad.>, em que participam terencerrado
os sou* trabalhos o conselho de revista da guarda
nacional do municipio de Santo Antao, de que fi
zerara jjarto, Vv. Ss.
6.' seccao.
Offleio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
puhljeas. o Exm. Sr. presidente da provineia
manoa declarar a V. S. que nesta data mandou
s.itisazer a sua requisiQao, constanto do offlcio de
2 do corrente spb n. 240.
drspachos da presidsncia de 22 db outubtto
de 1873.
Aaisio Cesar de Oliveira Vianna Inforrae o
Sr. inspector d i thesouraria de fazenda.
Antonio Leite Pereira Bastos. Deferido com of-
ficio desta data ao commandante superior da guar-
da nacional do municipio do Recife.
Br*z Mareelino do Sacramento. De-se.
0 mesmo. -Idem.
Bento Antonio de Oliveira Liberal.Informe o
Sr- Dr. chefe de policia.
Criipim Marques Nogueira. Ficam expedi-
das as convenientes ordens para a passagem do
suppficanie ale a cdrlc.
Hrgiina Maria da Silva. Deferido com offlcio
destajdata a thesouraria de fazenda.
FrMfiseo do Rego Barros Barreto.-Deferido
oom SScio desta data a thesouraria de f-zenda.
Francisco Pedro' Soares BranJao. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Felippe Gomes Baptista. Nio ha lugar al-
gum vago.
Irmandade de Sant'Anna da igreja da Madre de
Dous. Informe o Sr. inspector da thesouraria
provincial.
Joaquim Gomes de AlbuquerqueInforme com
urgencia o Sr. coinmandmte superior de Goy-
anna.
Joao Baptista da Silva Dutra. Informe o Sr.
capitao do porto.
Jcao de Carvalho Soares Brandao. Informe e
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jose Francisco Monteiro. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Joao da Silveira Borges Tavora.Informe o Sr.
Dr. juiz de direito das execucoes.
Jose Francisco de Paula. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Conego Lino do Monte Car mello Luna.He-
queira o supplicante a assemble! legislativa pro
vincial na sua proxima reuniao.
Manoel Correia de Oliveira Andrade. -Em vista
do parecer do Dr. procurador. fiscal, nada ha que
deferir.
Maria Magdalena da Xatividade.- Entregue-se.
Quirino Joaquim Madeira.-Como requer, re-
gressando no mesmo vapor.
Secrelaria da presidencia de Pernarabuco, 2J de
outubro de 1873.
0 porteiro,
Silvino A. Rodrigues.
INTERIOR.
Parahyba, 15 de outubro.
Com a mats viva satiffacao saudamos o Exm.
Sr. conselheiro Diogo Vellio i^valcante de Albu-
querque.
S. xc, que hoje symbolisa para toda pro-
viucia a grandiosa ide"a que, regenerando-a, a
collocarano posto de h nra que Ihe compete entre
suas irmas, para nos outros tem titulos especiaes
de estima, consideracao e apreco.
E um dos nussos mais distinctos chefes pnh-
ticos, cuja autorisada palavra e esclare.-ida in-
lelligencia de ha mmto nos guiara com o maxi-
mo acerto o dedicacao nas lutas a que noiaos
obrigaJos por amor aos principios que sustenta
rrws.
Mereccndo-nos S. Exc, debaixo desse ponto
de vista, inteira e completa adhesao, 6 tambem
com estremeciraonto que o felicitamos pela sua
bda vinda, depots de longos annos de ausencia,
a provineia quo taa dignamente representa no
parlamento nacional e quo se orgulha da bri-
lliaute posicao aUmgida pelo illustc parahy-
bano.
Se, pore i n, taes motivos nos assistem, toda via de
preseute nao nos c licito deixar de dirigir os nos-
I sos mais cordiaes cumprimentos ao distincto cida-
dao pelo esforcado empenho, com que applica-se
em dar impulso ao progresso de nossa terra natal,
dotando-a de melhoramcnto importantissimo, que
Ihe abrira novos" liorisontes de prosperidalos e en-
grandecimento.
N'isso cnmpiimos um dever nimiamente agra-
davel, rendendo com todas as classes de nossa
sociedade preito e homenag^m ao palriolismo
de S. Exc. que, p>r entre as lides de nossa afa-
n.isa politiea, jamais esqueceu os verdadeiros
e reaes Interesses da provineia, que o considera
e acolhe como nm de seus filhos mais prodilec-
los pelos nobrcs predicados que o recoraraen-
dam.
Be fciti), esse preito e homsnagem. S. Ec. os
merece e 6 dalles credor. As manifestafjoes es-
pontaneas e imponentes, de que tem sido objecto
por parte da populac.io desla capital, assim o at-
lesiam.
Nap sAo o resultado da lisonja, anles a expressio
sincerado reconhecimento pelos servi^os presta-
dos; nao importam finjjidas ovaijSes de espiritos
apaix^nados, mas o esplendido galardao ao incrito
civico.daquelle, a quem ennobrecem.
Vai nellas somente justiga.
0 povo, na calma de saa consciencia, recompen-
sa com dignidade ao cidadao prestanle, que pro-
move sou bem estar.
Do intimo do ccracao applaudimos e acompa-
nhamos tao significativas provas de distinccao,
congratolando-nos pelo feliz acontecimento, que to-
dus feslejamos.
Marque elle epocha notavel nus anuaes da pro-
vineia e sirva de pono de partida a prosperidadu
commum !
-(Do Jornal da]Parahyba.)
Commando superior.
JUARTEL DO COMMANDO SUPERIOR INTERINO DA
GUARDA NACIOSAL-DO MUNICIPIO DO RECIFE,
20 DE OUTUBRO DE 1873.
Ordein do dia 132.
Deterraino que se d cumprimonto a- seguintes
resolucoes do Exm. Sr. commendador presidente
da provineia :
De 18 do mez proximo passado, nomeando para
capilao da 6- companhia do 3" batalhao de infan-
taria ao Sr. tenente aggregado ao mesmo bata-
lhao Justino Jos6de Souza Campos.
De 11 do corrente mez, transfenndo para o ser-
vice da reserva, ficando aggregado ao nspectivo
2* batalhao, o Sr. capiUo do 3* dito de inrantana
Jose Eleuterio de Azevedo.
De 13 e 15, tambem do corrente, nomeando os
officials infra declarados : _
Para o 8* batalhao at infantaria.
i- compan ia.
Tenente, o alferes Joio Domingos da Costa Lages.
3* dila.
Capitao, o tenente Theotonio Joa> da Cunha.
Tenente, o alferes Francisco de Assis Castro e
Silva.
4* dita.
Alferes, o uarda Hortencio Soares Pinto Correia.
5dita.
Capitao, o tenente Jeronymo Oion Ferreira Ca-
bra!.
?' diu- ^
Alferos, o guarda Antonio Luiz Pereira Dutra.
Para o 3' batalhao da mesma arma.
1* companhia,
Alferes, o guarda Manoel Duarte Vietra.
r *ta. ;..
Capitao, o tenente Adolptao Pereira Moutinho.
Alferes, o luarda Joaquim Francisco do Moraes.
7**U.
Tenente, o alferes Alfonso Augusto de BntoTa-
Alferes, os guardas Innocencio Jie de Miranda
e Frederico Ferreira Mendes Guiraaraes.
.8* dita.
Alferes, o guarda Fraaeiseo Ignacio Piato.
De 17, BnalraeBte, mandando dar a guia do que
trata o art. 45 do decreto n. 1,130 do 12 de mar-
co de 1813, para o municpio de Macuo, ao Sr. al-
feres da 4* batalhao de infantaria, Jose Servulo de
Borja Kuarque.
Outro aim, faco publico que por despaeho do
17 do corrente, concedi 4 mezes if licence para
tratar de seus interesses particulares, dentro ou
fora desta cidade, ao Sr. capitao da I* companhia
Ao 6- batalhao de infantaria, Anto*.'^ de Si Leitio.
Rodolpha Joio Bar-ata de Almeida,
Coronel con^imqd>^te IQperior iuterino.
PEEIAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
\otit-ias tla corte.-Telegramma de Ma-
ceio, liontem recebido pelas 6 horas da tarde, diz
que fundeou alii a3 1 1/2 horas o vapor brasileiro
Param, procedentc da corte, com as seguintes
noticiaj: ,
0 conselheiro D. Francisco Balthazar da Silvei-
ra, promotor da justiga, denuaciou peranle o Su-
premo Tribuual de Justica, contra o bisno de Per-
nambuco, pedindo a pronuncia e consequente con-
demnacao nas pooas dos artigos 86, 96 e 129 do
codigo criminal, com as circumst3ncias aggravan-
tes do art 16 i? 3", 4, 8-e 10.
0 processo foi distribuido ao conselheiro Manoel
Messias de Leao.
Houveram diversas nomeagoes e remocOes de
juiz?s do direito ; e outras noticias de pequena
imporlancia.
0 cambio sobre Londres ficara a 23 3/i banca-
rio e 26 i/8 particular.
Servico morfuario.A junta da Santa
Casa de Misericordia. em sessao de hontem resol-
veu abrir nova concurrencia, com prazo a veneer
a 6 de novembro proximo, para contratar o ser-
vico mortuario da cidade do/Recife, visto so terem
concorrido Agra & C, com modificagoes nas clau-
snlas aoresenUdas no priraeiro prazo.
Iinjiiisto sobre mascates Em resul-
tado do regulamento expedido por S. Exc. o Sr.
presidente da provineia em 7 do corrente para a
arrecadacao desse imposto provincial, v<5-se pela
nota, que publica a reparticao em outro lugar, que
a medida vai produzindo os esperados effeitos ; e
que cssa fonta de receita perdeu o caracter, que
d'antes a ella se ligava a falla de meios pela repar-
tigao de tira-la da esterilidade, era que se man-
tinha.
0 regulamento a que alludiraos, foi por cerlo
uma salutar providancia, que se dove a S. Exc.
no seu empenho de bem administrar a provineia
que ihe foi conflada.
Do numero de individues habilitados, ja se con-
ta arrecadada a quantia de 7:080*000 do referido
imposto.
Anniversario.Hoje 6 o dia anniversano
da adhesao a independencia do Brasil pela provin-
eia de Sergipe.
Trillins urbanos de Ollnda.-No dia
31 do corrente fsexta feira) deve haver reuniao
ordinaria da asserhbiea geral dos accionistas desta
companhia. .
Monte plo Portaxoea Domingo (26)
deve reunir-se a assemblca geral dos merabros
desta associagao. aflrn de tratarem do que disp5e
o 5 1* do art 24 dos respectivos estatutos
Imposto geral. E' no corrente mez que
se deve pagar, livre de multa, o imposto sobre in-
dustrlas e profiseoe*, relativo ao semestre do
exereicio de 1873-1874.
Fharol.-O vapor Ipojuca, na viagem de 31
do corrente, conduz para o Aracaty o pharol, qu
de que ha nove annos. soffria, e as gravissimas
complicacoes produziqas pelo kialo, compheacoes
verilicadas na autopsia por todos o raodieoa pre-
sentes.
As grandes celebridades taes como- Welle, Clay,
Ko?berle. Nelatoo, Pean, Attle e muitos outros em
operacoes do ovariotomia, quando encontravain
adherencias profuu-las e complicadas. passavam
polo dissabor de ver os seus esforgos e ratios de
sciencia completamenle frustrados.
0 distincto operador que ja conta on easo im-
poriaute de ovariotomia praticado no mesmo hos
pital, por cerio ainda oonsegutria feliz resokado
desla vez, sa nio fossem as condicoes es qae se
achava a operada, que por infelicidade sua orlere-
cia um caso irapossivel, corao foi verilicado, e que
nao po lia ser previsto.
A segunda operada vai de maneira a mais sa
tisfactoria, sem embargo de ser a operaoio muito
mais importanlc e difflcil <\ ie a outra.
As duaf operagoc, do que damos noticia, nio
nos consta tenham sido praticadas entre nos, e a
da extraecao do utero c seus aimexoe por causa
de degeneracao schirrosa mui rarameoteligora nas-
estatisticas dos grandes operadores europeus e
americanos.
Aoscuidados do Dr. Adrias correu a chlorofor-
misagao, que foi convoniente e propriamente mi-
nistrada e sustenlada.
' Ajudaram ao operador os Drs. Malaqaias, Pe-
reira da Silva, Ferreira, Beltrao, Pereira do Car-
mo, Villas-Boas, Caetano de Brito, Mascaro, Pitan-
ga, Camara, Dpminguez, Ferreira Alves, Cisneiro.
Vellnso, Santa Rosa. Andrade Lima.
tlissas funebresAmanlia, a< 7 horas e
ineia do dia, serao celebradas, na igreja do con
vento do Carmo do Recife, missas pela alma do
Dr. Jacintho Pereira do Rego, por ser ease o 7.*
auos o seu passamento.
Amanda, sexto anniversario do fallecimenio
de Bernardino Jose Monteiro, celebrarj o Rvm. pa-
dre Jose Esteves Vianna uma raissa por sua alma,
na niatriz da Boa-Vista, a- 7 horas
Foi maoInformant uos que,por oceasi.io
da celebrar-.se ante-hontem a noite, em nma casa
da rua Augusta, hoje Coronel Suassuna, um ca-
saraento entre estrangeiros, segundo o rtto da re-
ligiao que professam e que nao e a cathoKca ro-
mana : o |>ovo se agglomerara a porta da caa, e
ciin grande vozeria a apedrejara, kvando ainda a
sua too cicilisadora manifestacao ao ponto de
persoguirera ale a rua do Caldetreiro os noivos e
o celebrante quando estes procuravam fngir a
semelhanie furia religiosa.
Isto nan se commenta.
BeneAo de imagens. Na proxima se-
gunda feira (27 ) pelas 5 horas da tarde S. Exc.
Rvma. benzera na igreja deS Pedro as seguintes :
do Senhor das Angustias. de Nossa Senhora das
Dores, de S. Joao, de Santa Maria Magdalena, de
S. Camdle, de Santo Amare e da Virgem da Con-
ceicao ; servindo de lestemunhas ao acto o Rvm.
conego Themisloclea Romao Pereira dos Santos e
as Exmas. Sras. I). Sophia de Figneiroa Faria, D.
Amalia Augusta da Fonceca Arrnda, D. Gliceria
Leopoldina de Oliveira Mello, D. Theresa Bulcao
dc Figneiroa Faria e D. Maria das Dores Lins da
Cunha Menezes.
Eva seguida sera bento tambem nm sino; ter-
minando o acto pela beni-ao do Santissimo Sacra-
mento.
As imagens ficariio por tres dias expostas a
adnragAo dos ficis e na noite do ultimo sera can-
tada uma ladainha.
Comarca de Nazareth.-Escrevem-no*
dessa locali lade em 20 do corrente :
Sob a presidencia do muito recto e illustrado
Dr. Lnii Correia de Queiroz Barros, juiz de direito-
desta comarca, encerrou-se no dia 23 a terceira
sessao do jury, sendo submetiido a julgamento 8
processos, comprehendendo dez reo3, dous dos
quaes acham-se ausenles. Dos oito julgados, tres
foram condemnados, dous absolvidos e tres julga-
das peremptas a accusagao, appellando o juiz de
direito desias ultimas decisoes, assim como um dos
tres condemnados.
t Ante-hontem teve lugar na matrlz dessa vil-
la, a festa de Nossa Senhora das Dores. A or-
chestra, dirigida pelo distincto tenor Rosas, este-
ve excellente, sobresahindo no solo laudamos a
Exma. Sra. D. Cesarina Villar Barreto Coatinho.
Sccnparam a tribuna sagrada o padre Luiz lose
e A aujo e o conego Martins, fproferrado ambes
bellos e importantes sermoes.
No dia seguinte o crepe do luto veio occupar
o lugar das galas e da pompa, ceiebrando se na
forma dos estatutos da irmandade das Doras, um
offlcio parochial por alma das irmas fallecidas.
a A' fesd precederam os exercicios do mez do-
leroso, pregando o co tivas domingas.
a Decididamente o nosso estimado e sympathi-
es vigario Dr. Pelinca nao descanga. Queira Deus
permittir que seia entre nos coaservado esse bello
ornaraeuto do cfero brasileiro.
a A ordem publica coatinda inalteravel, sendo
respeilados os direitos do cidadaa, excepcio feita
de um ou outro caso, o que 6 commum entre to-
dos os povos.
0 estado de salubridade publica da comarca
e o melhor possivel. Nao obstaate, os nossos agri-
cultures estao muito tristes, porque veVn qae, a
conlrauarera as chuvas a ponto de se peasar quo
nao teremos verao este anno, nio poderio eolher
a safra de assnear que torn.
E\ por6m, de suppor que tal nao 9u*ceda, <*
sao esses os nossos sinceros votos.
Scieneias Sob esta rabrica pablicaraos
hoje em nossa ft1 pagina um artig> sobre o depositc*
dos cadaceres nas igrejas e mates qae dvssa prati-
ca podem resutiar para os vivos. Recommenda-
mo-Ia a.is leitores.
Amur ao estudo. -Nesta so;iedad Kite
raria havera, as 8 horas da manha de hoje, sessao.
extraordinaria motivada por negocios de alia im-
poriancia. '
Clubde laaceiros.A sociedade caraa-
vale sessao ordinaria no dia 26 do correntev pela* l'
horas da manha, a rua Duque de Caxas n. 37.
priraeiro andar.
Auxiliadora da Instruccao Sewin
daria.-Xi dia 25 do corrente haven tessa.>
ordinaria do conselh > director desta sociedade lit-
trata-se de ro-
ani deve ser coUocado por ordem do governo ira- lieraria, pelas H horas da manhi
solver questoes importantes.
devolvo e a que se refere o seu offlcio de hen- ] da declarar a V. Exc, que nesta di
datado sob n. 847 ierie D, autoriso V. S. a'tisfarero pedido qae veto annexo ?

perial.
AVIta clrurla.Communicara-nos que no
dia 21 do corrente praticon o Dr. Sarmento Firho,
no hospital Pedro II, duas operacdes de alta cirur-
gia, das mais difflceis e imrfortastes.
A primeira dessas operaedes foi a de um volu-
moso kisto multilocular do ovario complicado de
degeneracao encephaloide do utero e dos seus an-
nexos.
0 operador vio-se na neeessidade de seguir o
processo do Sr. Miohel, suturando os labios da in-
cisao do kisto com os da parede do venire, visto
a multiphcidado de profundas adherencias que o
tumor havia cantrahido com as p&redes e organs
abdominaes.
A outra operagio consistio na gasirotomia com
extraecao do utero e dos seus annexos com elle
confundidos em virtude de um cancro de todo o
eorpo do utero. E meir* Juigada indispensavel pelos medicos pre-
A primeira eperada nao resisiiq a eperagio,
sucenmbindo depois por effeito die uma syncope,
devida ao estado de fraqueza em que se achava a
operada com uma molestja tio grave, corao essa,
Loteria.A que se acha a venda e a 71.* &
benefieio do colregto dos orpha-is e orpnis, a qua!
eorre no dia 29.
I.ell6es. Hoje, das 1ft Uoras ao meio dia.
veude o agente Pinto todos os mbveis eustenV's
no 2.* andar dd sobrado da Praca do Conde a bu
' _I A meia hora depeis de meio dia effectua o
mesmo agente o ieilao de 150 barricas com Carinha
de trigo (avariadas ) no armazera dos Srs. Joao
Quirino de Aguilar & C-, Caes do Apollo.
Casa de deteucao.Movimento do dia
12 de oulubro de 1873:
Sxistiara presos 339, entrarara 6, sabiranr \,
existem 341.
A saber : ,.
Nncionaes 245, mulheres It, ertraageiros 39.
escravos 43, escravas 3.Total Ml.
Alimentados a custa dos cofres prAlicos w-
Movimento da enfermaria do dia M de ontobro
de 1873 :
Teve alta:
Jose" Francif co de Vasconcfflos. ^
f "







(3sim
*'- HI! "
Zl


ip mm :
m
t


!tW 111 Ul #TM /HUH fcWSfcde Pernambuco Sexta feira 24 de Outubro de 1873
Omiterlo phHcrv-Obitaii*o tod* *< EsjaJas-U*Un* .a lantatiparfti
do corrcn'a : __ Smssa, wo reprt.ItSas protestanles.
Pcrcla, |iris*3*>an>l)Uco. 36 annos, casada,
Boa-Vista, hsayMeVeUro II ; sjucape.
Jose Fri teiro, Boa-VTW flgHal Pedro II; ulcoolts.
F.Uir*, i.arelf^WBhwbaco; 6 annos, S. Jos*;
variola*.
Jawtrio, esat^vo, pra*., Africa, 70 annos, sol-
leiro, Boa-Vista ; aaralrsis-.
r*er-
Antonia Rosalia* Pareole do Caic, branca,
naralmco, 11 anaoajAfigailes ; phtvsiea.
Calhar'ma AattNa liaphaeta, biane*, Portugal,
62 annos, sollolh, Recife; hydropisia,-'
Silvina Uaria'ai Conceic*o, parda, Peroamliii<*o.
22 annas, solteSrV Boa-Vista, lio.-ptial Pedro II ;
variolas.
Maria, liraaca, Peraambneo, 4 floras, Santo An-
tonio ; esiwrsmo.
maiJttm da En'earnacaj, branca, Pernambu-
co, !>3 annos, casada, S. Jose ; fehre tvphoide.
Pedro Maximo, preto, Africa, CO annos, casado,
S. Jose, Recife; hernia eslrangnlada.
Rita Fr,ncisca de Lauver, branca, Pernambuco,
22 annos, sMleR-a, Recife; tuberculos pulmona-
res.
Joanna, prela, Pernambuco, um ann% S. Jos*;
1 rio da freguezia * Alogados, 7
on .licas protestanles. 1837. -Viaana, I't'osii'jnteVigario T.mt
Paraguay, hstado Oriental, CinfcdsrajUAFajafi lQaaawlla>-*ll*fial>.
tina, Chile. Bolivia. Peril, Equ.idor, Nova Granada* | rifft jjaji ~
Vcneiaella, Guatimala, renubiica Central, 5. pifc
mingos, Hayti,, sSo repubifcas earhotoas. Noon
que Franca, Hespanha.- Napoles, Panaay
foexigas
Praaoisco, braneo,
aam%
Pernnmbueo, 6
inezes. Boa
Visu ^ fcwtigas.
Maiioel Tdomaz do Nascimonto, braneo, Per-
mmhuco, 70 annos, viuvo, S. J.e; tubercutos
pulwonares.
Jos* Rodrigues dos Passos Junior, braneo, Per-
narooupo. 49 annos, casado, Boa-vista ; hepatite.
Isabel Maria do Espirito Santo, branca, Perna.n-
feaeo, 75 annos, vitiva, Poco ; fast rite.
Liao, pardo, Pernambuco, um anno, Boa-Vista :
oaifBlsSes.
THBSOURARIA BE FAKENDA
20 de outnhro.
Feram remettldos ao Sr. thesoureire para se-
mem pages.
Offloios :
Ba presideneia, mandando pagar ao thesoureiro
da Santt Casa de Miserkordia a quaniia de 30/.
a mesma, mandando pagar a Carlos Waller a
quantia de 23/000 e a Pereira frmao a de 23 J' 00.
Bo inspector do arsenal de umrinha. com as
ootas de services de harbeiro na importancia de
104800, do aviamento do receilaario da enferma-
ria na de 123*740. e da lavagem de ronpa da Mes-
ma enfemiaria na de 100/33.) do mez de setem-
-hro ultimo.
Bequerimentos:
tie Antonio Paes de Lacerda.
De Joaiuim Francisco deMcdeiros.
Be Joao Alves do Quintal.
De Joacuim Ignacio Ribeiro.
Seerelaria da thesonraria de lazenda de Per-
nambuco, 20 de outubro de 1873.
0 secretario da junta,
Jesuino Rodrigueti Cardoso.
'UBLICACOEff A PEDIDO.
A (( I nido.
VIII
Ja MM porque fieou a UmSe ao incommoda
oa com o livro do Dr. Aprigio, a ponto de dizer
qne (bra escripto por paga da maeonaria.
E' ale onde podo chegar o de*o tambem s. enfurece por cansa do process** aue o
^overno mandou instaarar contra a nosso bispo 1
Tome? 0 que ? p
Se elle prooura o martyrio, so este actnalmsntc
nio e o da fogueira, como Item nondera o tornal
la li-iltin, nem de azeitu a ferver, senao do aozo
de todas as honras. de multiplicados proventos for-
necilos pelos lieis, em compensacao da falta da
-.iinnia, *e elle cintinuando em m* obstina-ao,
coiiiiuuara a publiear sua- p.ntoraes, a dar as
>us ordeiis e a ser obedeciJo pelo clero, que tern
nJJnnlo para assiin tomar-se de tanto furor iuc
.ao inanifest.imtmte trahe a sua fingida re 'a'iu'eliea e o falso despreso uoa procura os-
lentar ?
K que os ultramuntanos, os jesuitas nunca pen-
>.im qu.; liies seria tito eustosa a accao erne em-
lirehiuderaiu contra o esUdo. Elles sempre sus-
jieiiarain ate onde poderia ir esta luta ; mas con-
tiramou live am prande stpoftMi de submetter
i pa m mi is pretences, ai mando soberano nesta
nrra, cnianlo com a pedade dest-; povo.
E' hem patente que o processo do bispo nao re
lUei.i a aestao; sera depois dells ainla maior a
uerUirlMcao geral, a coni'usao. Mas a Uniao ja vi
:.< mi podein os ultramoiuanos veacer a baulha
n n in erem rios de saugue, ja peroebe o quanto
ibe< Juvidoso neste caso o iriumpho.
F.I a ira ate este ultimo ponto do dosespero [
nus hern o quieera evitar ; bem quizera veneer
..oenas com as suas impositoes, tenacidado e
arfflneaa. Ja vi1, porem, que vai louge a queslao,
e quu a b.ilalha nao ha de ser ferida so no papel,
mis umbem no eampo da guerra.
Nao obstinte ainda ameaca, e agora a UMa 6
majg insolcnte e audaz ; e um desabafo da raiva.
E de raiva se estoreendo a Uniao, ji vi! a revo
lucio levantir-se p. eugnlir o throng porque este
nao se mette debaixo do; pds do jesuita.
Assim, oi ministr.K--. do imperaddr sio, para a
llmao, Judas politicos, porque mandam processar
i). VMal. -jii-: tern com ostentacao ca cado aos pes
as ieis; elles eslao tornados do espirito satanico,
< vno. segundo o Evangelista S. Joiio, estava delle
> loudo ii que vendera Jesus.
E' aiada hoje esse mesmo espirito que anima
os inimigos da igreja.
Mas o guverno veja que assim vai o paiz para a
perdi'.-ao ; assim puninlo os crimtnosos que com
oslentacao desautorisam a lei. T
A revoiuijao f; incontestavel; o governo, ceden-
do a rnvu.ca. pensadheter enehido as fauces,
quaodo ella Ihe pede um, sem se lombrar que ella
pedir-lhe-ha aoiau1 a doHS.
Esteslevesmiaistros assim cavain a se-
pultura da monarchia, desencostando-a do uoico
ii)ok. que a pole garantir contra 0] assaltos da
revolucao oosmopolita. Escurracados os call olico?,
feriiM enp suas saradat conviccSes, morto em
seu coraeao o amor a monarchia, nao acha mais
esta em ipio assentar-se.
Quando a descrenca religiosa snbir ao grao da
descrenca politica, a obra das trevas estaia con-
snmmada.
Quern encapara ao naufragio ? As coroas tem
sido quebradas muitas vezes, mas a tiara e in-
frangivel. Sxemplo Luiz Faippe que cahio dothro-
no na hora em qne nao se metteu debaixo dos pes
do areebispo de Paris.
Todos estes sao conceitos da Uniao qne maw
vivo nao podeni pintar o desespera, o furor dos
ultr*montano9 por ver sna preea ainda Uo longe,
tao trab-illiosa, tao inoertaj Ho dnvidosa de ser
empalfflads.
Nao d ao imperador apenas a quem a Uniao
amaea, nao e ao menos a sua dvnastia : e a pro-
pria jnonarehia.
O desespero da Un*do ja toca peis ao desvario :
ajnouarrlna e ameacada de morte, porque se lhe
nao quer piir debaixo dos pes, eapsella o jesuiti
mo para a repubhea ?
0 Brasil ', rliristao e geralmente Mtholico; mas
eatre nos > nao detestam os jesuitas velhacos, os
simples e oti ne^cios ( eon en toda parte.) Os
republicaoas do Branl now, quaiqujr que soja o
seunjmero, o eaa "qualrpier tempo repellera com
soberana desprezo tao diabolico auxil ar. 0 jesui-
lismo so pole serwr a si mewBo e n satanaz, coja
mJaadi desempenhana terra.
Quum faia, porem, essa revolucao (ntra o thro-
no, se este, iibertanda o paiz do jugo jesuita, o sal-
var das fogtieiras daiaquisicao, para ;iqualja elles
preparam es aretaKes, e p"*fa cujos apuestos la
planejam as torturas ?
^es rdpubiiemos da infernal republici inquisito-
rial, senao os nroprios uitramontanas comuianda-
dos peios jeMiitas.
Que cathnliros sSa esses que escatn^ados, feii-
dos enl sms sagradas convieedes, mofto em seu
<;ora<;ao o aiaor a mooarcliia, nao ai-ha mais Ma
era qne assentar-se?
Sao os eatholieos da t'n>ao t Sao os eatholicns
da cntkolica f
Ah I e>tes nao sao catholicos, uem protestaa es,
uera eotna alguma legitima ; sao tins ti'itates
qne espncqlam assim com a menarchU, como eom
arepnoliea; assim e-m satanaz, como com Santi
Antonio, para urem senjjore* do nnuado, par,
disportim de ihesouros immensos, par a passarera
vida dehciusa no loJa.al dos tirazeies mais io -
fames.
Se elles especulam ate com Chrian,
mais n-io especnlarao ? E se nao vAle
De nmnrcoistis, sastcnu..^uk uo uono I rati-
leiru, t.lo de# *>14,P? ^v republic? i ,i nao
qucrer a monarobia aceiia-lo^ para seuhores.
Eo que teia,o eatlioUeisma ou o protesuntisaio
com a in marchia ou com a republics ?
A Sueeia, a Dinamarca, a Prussia, it lugiateitii,
a Escofsia, s.io monarchiasprotestant3;i; PorlHga.,
Austria, Baviera, sao moDa. chias catbclicas.
porem que Franca, Hespanha.- Napoles,
Modena, Luca, Toscana, Estados Pontificios, foram
monarchias cathoiicas, e cavholicissimas, do ca
tholicissuaos sjberanos, lodes dedieaios ao paft e
deHe abencoados e querides.
E todos este; soberanos voaram, eahindo o
estados, uns na republic*, outros passanlo
outro soberaoo.
Que comexao ten pois a monarchia com o ca-
tholieismo ?
Quern disse a Uniao que os catholicos sao es-
curracados em saas sagradas cootJccSbs por hver
o governo da menarehia mandado prooewar a
anuridade do catholictsmo que desbbedece e af-
fronta a lei do esiado ?
Tem o bispo do catnoleclsmo o prirHegio d
commetter crimes impunemenle ?
Foi dado ao vigario, aos ministros de Jesus Chris-
lo o poder, o direito de'levanlar a perturbacSo,
trazcr a desordem ao seio de uma sociedade paci-
Oea ?
Foi-iies dado o poder de abrogar as leis do cs-
tado, de fajer pertnrbar aordem social, rompendo
os lacoj que estabelecem as relacoas. eatre o gover-
no e os govern ados, aharmonia cntre estes ?
Quanlos sao os soberanos em um esiado ? a
quem ha de obedecer o povo, porque deofeto se
guiar ?
A sociedade da igreja uma entidade collecliva
que, como outra qualquer, so pode manifestar-se
n funccionar no esiado dentro do circulo que Ihe
permittem as leis. Trazcr lei opposta a do estado
e erigir-se em soberano, em governo, e produiro
choque, o conllicte, a duvida nos espiritos, levantar
a rebeldia, e pretender para s't o governo da so-
ciedade.
Taes pretemjoes nSo podem ser sagradas con-,
viccftes dos catholicos ; sois vos pois que produzis
a descrenca nas convicjfies dos calbolicos.
.Nao pode o vosso poder oxceder ao que Christo
e seus apostolos, gniados por suas li;oes, reser-
varam para si. A vossa ousadia, ma fe, hypocri-
sia e insolencia vae a til ponto que traduzi- a?
palavras de Jesus Christo regnttn metim non est
de hoc mando deste niodo : < o meu reino nao
tem principio neste mundo ; ffi.-to porque que-
rels dar ao vigarie de Christo o poder de dietir a
lei aos soberanos da terra.
Mostrai-oos porem uma so passagem do3 Evan
gelhos, ou dos Ados dos Apostolos em qne Christo
ou seus discipulos, por facto ou doutrina, deixas-
sem de respeitar e obedecer as leis do estado. E
no entanto eram ellas em grande parte bem mas e
crueis, bem oppostas ao espirito da doutrina que
Christo trazia.
Nao falta ao homem prudente e menos podora
faltar a divina missao de Jesus Christo, como nao
falia a sua santa igreja, mcios de ensinar a ver-
dade, contendo as suas palavras c ados, deniro da
faculdade dictada pela lei do estado ; falta porem
aos ministros de Christo, que nao sao infalliveis
desde o seu vigario, para serem isentos do pec-
cado, falta-lhcs a continencia para nao se deixa-
rem arrastar pcla amblcao dos poderes mundanos
Nao pois a monarchia, nem seria a republica
com que vos auieacais a monarchia, que escur-
ra(;a, que fere os catholicos em suas sagraias
couviccoes ; sois v6s, sim, que assumis em nome
do Deui, Puderes que Elle nao vos deu ; que per
turbais as consciencias, pondo em duvida a fe dos
fieis, lovantando entre elles o conBicto do que por-
tenga a Deus e do que perten^a a Cesar
Dais prova de soberba e insolencia, com o rosso
enganoso non possumus; quando Chri-to tudo
pide para respeitar a lei de Cesar, so nao para
adorar a satanaz, como os fieis depois morreram
por nao podeivm adorar a C'sa.% porque s6 nos
pertence adorar a Deus.
Nao e por isto pois que os calholicos.tanto como
os hereges scrio ou nao monarchistas, nem o go-
verno do esiado ineorrera no desagrado do pa[z.
Se-lo-lia sim por este nao rumprir a lei, por nao
fazer punir o delinquente, com tanto maior empe-
nho quanto mais altamente collocado se ache elle,
quanto mais escandalo c perlurbacao traga o seu
crime.
E' doloroso ao catholico, o ver o seu pas
tor conduzido como rio a barra do tribunal, ou
conderanado a revelia, ainda mais por seu des-
preso a lei ; porem o quo ha ahi de mais doloroso
nao e o processo ou punicao, e o proprio crime de
nosso pastor, a sua soberba, a falta da humildade
chrisui, essa humildade com que deve dar o
primeiro exeraplo aos fieis, curvando-se reverente
a lei do esiado.
Em vez disto levantais clamores e rompeis em
ameacas e iinpropenos porque, segundo d:-;is, 6
a igreja opprimida em sua liberdade.
E nao sabeis respeitar a liberdade do estado;
e fingis nSo saber o que e liberdade, como se al-
I g mn, alguma entidade collecliva ou individual, a
podesse arbitrariamenle definir para si.
Toda a liberdade e definida pelo estado, e a
deste pelos principios que dictam o rcspeito a liber-
dade dos outro estados.
Em outro artigo veremos como isto se da; como
se p nit', entender e praticara igreja livre no
estado livre.
Recife, 17 de outubro de 1873.
Affomo de Albuquerque Melio.
Para S. Exc, providential*.
Sera possivel que a professora nomeada
para Salgueiro leve de prorogacao em pro-
rogagao ate eucontrar nesta capital uma ca-
deira que lhe convenha ?
Nao ha amor a* instrncrao publics neste
paiz?
Ainda obterd a mesma senhora novo prazo
para seguir ?
O Gambda.
urso de educac,ao para o sexo
feminino.
A professora Maria Coelho da Silva, achando-se
melhorada do^ graves padecimentos qne moti-
varam sua jubila;ao, e Ihe sendo penoso subsistir
decentemente, com os minguados recursos de que
dispSe, deliberou-se abrir no comejo do fatnro anno
de 1874, um curso de educacio litteraria, nv>ral,
e economico. A pratica de mais de vinte annos de
professora da I." cadeira desta fregueiia.com cons-
ciencia de fiel desempenho de.se magisterte, pro-
vado com documefltos das autoridades lilterarias
eom quem servio, de muitos pais de familia, cujas
Qlhas teve a prazer de leccionar, os quaes tem
huje a honra de dar publicidade, somente para
couheciraento dos interessados de suas habilita-
coes, e solicitude em ednear por meio da instruc-
cao, desenvoJvendo as faculdades naluraes por
meio do estudo racional, formando o corac5o por
meio da pratica ^a virtude real, preparanjdo in
menina, a futura mnlher ; na fllha a futnra m5i,
sao garantias do flm a que se prop5e, e para o
qual apreseotao seguinte :
Pro-rumin n.
Curso budimestar i -Leitura, escripta, caleulo
aritluneiieo ate a resolucao dos problemas mars
eoinmuns, instruct uioiai e religiosa* costeras e
trabalooi de crochet.
Clrso ELKMKNTfca : Leitnra e declamacao, cal-
ligraphia, caleulo. principios de linguagem verna-
eula, inslruccae moral, c'aaio, Upecaria, labiryntlio
e Ixirdados.
outtbo cu>o-o.uEHTk : Leitura em todos as
estylo, estudo mais desenvojvido da linguagem
vernacuia, esereioios de redaccao a composieao.



aria Coelho da
sia BaTOaclia,
-JwdWImI
moral, o juizo que face magisteno, com aproveitamenlo das suas alumna
Attest) (pie a,ajpplicante tem oanj
n ) prcRvssoa de.-empenha sens
HffasMi^lfaV; Mqe aflirmo em fe de parocho.
Afogados, 31 de Janeiro de 1845. -0 vigario
Antoaio Franciaco G^'oaiS^taifBM^n^^^^m
Coriolano VeMozo d*. Mv landanle sape-
ri da narda na.aon.il ft'musicipio a> Seri-
nhaeoft. eonMnena^d'ir da imperial ordeal da
RosavfOf S. M. Irnpsnal econstiiaaionalSc-i
nhor-D. Pedro II, aqiicm Dens guarde, eto.
Altesto eras a Kxina. Sra. D. Maria Coelho da
Silva, prr'essara puMka da instrue..-ao prynaria
da potoar-io dos Afogados, exerce satisfatoriamen-
te os date res de su magisterio, <: aigumas taze
qae visit-i a sni aRri, vi ffequentada por grande
numero de aluuiaas, senlo que e publico o apro- I
veitainento deltas, o que afnrrao, per terem side lilva,
saas diseipulas fflversas parentas miaaas. OHM- Ism
to a sua conducta civil
e o'melfT r possivel; ha dezJito annoB que dita se-
nhora. m intern relacdes com todos de naiaha fa-
milia c nao nie censta quo praHcasse aefe afgom
que se prcste a mais leve censura ; educou a mi-
nha mana de nome Maria, e alguns mezes que
meus pais estiveram no tngenho, a deixaram em
sua casa, afim de nao perder aula ; tal era acoO-
fian;a quo nella deposiiavamos, a qual ainda hoje
c a mesma: epor me ser pedido, passeio preseflte,
e:n que me assigno.
Eogenho Ribeirao no lermo de Serinhaem, li
de juuho de 1871. -Corielano Vellozo da Silveira.
Attesto e se preciso for jararei que a Exma.
Sra. D. Maria Coelho da Silva, professors publica
desta povoacao, desempenha c m todo zelo os de-
veres de seu magisteno, e com aproveltaraento
de suas numerosas alumnas; assim como e boa
a sua conducta moral e civil.
Afogados, 15 de ag*sto de 1*71.Daalasio An-
tonio de Alcantara.
.V.teslauns que a supplicante tem boa conducta
magistral, assim como que a juizo nosso, goza
ella de boa conducta individual.
Conselho do districto de instruccao ndblica nos
Afogados, 23 de setembro de 1871. 0 deleaado
Iilterariq, Antonio Justioo de Sonza. 0 vigario
Joaquim Jose le Pafia".B. L. Chates.*-; Antonio
Caldas da Silva.
film. Sf.Maria Coelho da Silva, nroressor>
publica de instruccao primaria, a Bem de seu dl-
rciloi necessita quo V. S. so digne raandar attes-
tar peios pais de familia, cujas fit has teve a hon-
r.i Je leccionar, sea supplicanteduraute o tem-
po qae servio nesta povoacao, foi ou nao exacta
no cumprimenlo dos deveres do seu magisterio ;
se leccionou grande numero de alulnnas, com
proveito das mesmas, de que nlodo as tratava, d
fliialmente qual a conducta da supplicante:PI
Illm. Sr. Dr. dslegado litlerario da fregueiia dos
Afogados.-E. R. af. Maria Cotilhb da SIKa.
Ailestem querendo. Delegacia litteraria dos
Afogados, 2o de seteittbfo de T871. Justino de
Souza.
Altesto que a Illma. Sra. D. Maria Coelho da
Silva, le.cionou minlia fllha Bellarmina de 011-
veira Uchda Cavaleante, resultando do seu incan
savel trabalho o ser esta approVada com distinc-
vao no exame que fez, e com ella outras igual-
iin-uto habilitadas ; trilou sempre niuit > bem
as suas alumnas, e isto provava o grande nu-
mero deltas, que frequenlavam sua aula. Quanto
a sua conducta, nada se pode dizer em desaboao,
pelo contrario merece os maiores elogios de todos
que prezam dizer a verdade, e sentem cOmo eo
a sua falia na qualidade de prdlessora.
Afagades, 26 de setembro de 1871. Salvadbrl
Barbal.io Ochoa Cavaleante.
Altesto e juro, que a Exm. Sra. D. Maria Coe-
lho da Silva, professora publica da prirneira ca-
deira de instruccao primaria do i" disTrfclb desta
freguezia, exerceu este magisterio com superior
zelo e dedicacao, tornando-se para suas alumnas
uma carfnhosa mai, e por esta forma tirando su-
perior vantagem no aproveitamenlo das mesmas,
o que tenho notado por divessas occasiue's qae
tesiemuuhei o exercicio de suas funccoes, como
pat do Anna Francisca de Sa e Senhorioba Maria
de Sa, suas discipulas; a frequencia de alumnas
em sua aula, subia diariamente de cincoenta me-
ninas: teslemunhando os exames no anno pro-
ximo fiodo, vi serem approvadas em differentes
graos, sele ou oito alumnas Quanto a sua con-
ducta moral, tem aquella que a faz recemmen-
davel aos pais de familia, para guiar suas tilhaa
no caminho da virtude.
Freguezia dus Afogados. 26 de setembro de
1871,-Maooel Gomes de Sa.
Reflro-me em tudo ao altestado acima, tendo
tambem dixn filhas, Maria Clementina Caval-
eante e Maria Emilia da Trindade, soba immedlata
instruccao da Exma. Sra. professora D. Maria
Coiiibo da Silva.
Afogados, 27 de setembro de 1871 Ignacio
Joaquim Gonealves da Luz.
Attesto uue a Exma. Sra. R. Maria Cofflho da
Silva, professora desta freguezia, foi sempre ex-
acta no cumpriirento dos deveres de seu magis-
terio, leccionando eom aproveitamenlo o grande
numero de alumnas que tem frequentado a sua
aula. entre ellas uiinha filha Idalina Lins Cha-
ves, de quem recebeu mui boa educacao e trata-
memo ; assim como que faco o melhor juizo pos-
sivel de sua optima conducta moral.
Afogados, 27 de setembro de 187i.-Camillo
Lins Chaves.
a com uma conducta __
uade passo o presenle om que me assigno
|ado, 29 do sctembraKli4J87l. Ifinotl
ainw. OOOftJ
Altesto qae a Exma. Sra.Jg~Varia Coe ho da
Silva, professora publica d^ktruccao primaria
nesta freguezia, exereeao sea magisterio com todo
*. IfJ'tmjf fra fa#gfe
sostom*
Attes tamos
no
a cujos exames por vezes ieiiws'assUUdoT assim
cajao e b|r V^MP^Mt CIV a moral, o que
aHmnamW-en fWStta&im sacerdotes.
Afogadoa.30 desetaobro da 1871.-Padre Luiz
deAraujo Sarbosa. -Padre Pedro Gom*s Ferraz
de Albuqatrque.
AtteUo que teabo ouvido geraimeute elogiar a
Illma. Srt. D. Maria Coelho da Silra, de exellente
professora de primeiras lettras, cuio cargo aqui
exerooa. Quaato a-su* conducta eivil e moral,
de uada sei que a deaabone.
Freguezia de Afogados, 3 de oulubrd de 1871.
Manoel de MesquiU Barros Wanderley.
Attaalo nor me ser pedido qae a Illma. Sra. D.
Maria Coelho da Silva, duraote o tempo que ser-
vio de professora publica de iasiruceao primaria
nesta freguezia, cumprio exactameate com os de-
verea de seu magistario, leccionando sempre a com
proveito a-avultado numeao de alumnas, multas
das quaes eram exaaunadas, e nao obstante serem
approvadas, coatiuuavam como alumnas, visto as
maneiras attenciosas e delicadas porque eram tra-
Udas pela sua mui digna profe.-sora. Quanto a
sua condacta civil e moral, e a mais regular que
dar se pode.
Afogados, 6 de outubro de 187 LJose Roberto
de Moraes e Silva, bacuarel em direito pela facul-
dade do Recife.
Attesto por me ser pedido, que a Exma. Sra.
D. Maria Coelho da Silva, professora publica de
mstraficao primaria desta freguezia, e pessoa mui
bem respeitada, e esse apreco que se Ihe tribula,
e nao so devido a imelligencia e zelo com que
exerce as funccoes do- magisterio com real apro-
veitamenlo de suas alumnas, como tambem pela
sua conducta hooteta e exemplar.
Afogados, 7 de outubro de 1871. Francisco
Odilon Tavaras de Lima, bacharel em direito pela
faculdade do Recife.
Auguato Cesar da Cunha, escrivao de appellacoes
e aggravos do superior tribunal da relacao de
PenumbiKo, por S. M. Imperial, o Sr. D. Pedro
JI que Deus guardc, etc. etc
, Attesto que a Exma. -ra. D. Maria Coolho da
Silva, professora da prirneira cadeira de instruc-
cao primaria desta- freguezia, exerceu o seu ma
gisteriocora muito zelo a dedicacao, toruando-se
por isso digna de todo o elogio, naO so pelas ma-
neiras delicadas com que tratava suas alumnas,
como peios esforcos que empregava para obler o
adiantameoto das mes **. Lamento profunda-
mente que a mesma dignissima senhora nao possa
continuar a exercar as Tuacgoes do seu magisterio
nesta freguezia, porque notei por diversas vezes a
sua dedica.-ao para ensinar suas alumnas, d'entre
as quaes hguravam miuhas liltias Adelia Carolina
Uandeir-a da Cunlu e Isabel Honoriua Baodeira da
Cunha. Quanto A sua couiucia civil e moral e a
melhor possivel.
Afogados, 7 de outubro de 1871.Aogusto Cesar
da Cunha.
Reflro me aos attestados
uma filha nesia aula.
Afogados, 28 de setembro
Henrique da Silva.
acima, por ter tambem
de 1871. -Maximiano
('omarcu de Oliuda.
Nao tew lugar a 3.* sessao judiciaria desta co-
marca, por faRa de processos que estivessem no
caso de enirar an julgaoiento, pois so am existia
qne nao pode ser preparado pela razao de estar
ausenle o re.o, prenunciado em crime inaftianca-
vel. Isso consta do offlcio qua a 17 do corrente
dingi ao Exia. Sr. eoaselbeiro presideute da re-
lacao, e do em que o mesmo Exm. Sr. oooselheiro
se.deu por sciente de minha commissao.
Sir vain-se, Srs. radaelores, de publiear o ex-
posto como rectificacao a nolicia de sua Revista
de hontera.
Cidade de Oiinda, 21 de outubro de 1873.
O juiz de direito,
Daltno A ugiisto Caoalcanti de Albuquerque.
Para deputados provinciaes
pelo 3 districto eleitoral
1 Dr. Gaspar de Menezes Vasconcellos de Drum-
mond.
2 Vigario Joao Baptista Soares.
3 Dr. Olympin Marques da Silva.
4 Dr. Alvaro b'choa Cavalcanti.
5 Or. Pedro Gaudiano Ratis e Silva.
6 Dr. Alipio Jose da Costa.
7 Dr. Miguel Archanjo Pereira do Rego.
8 Dr. Antonio Venancio Cavalcanti de Albu-
Juerque.
adre Antonio da Cunha Figueiredo.
Muitos eteitores.
pleicao, reui ovendo da pel re toda especie de ebu
licojs, erupcoes ou macalas, loroaadO rosto m.i-j
cio e.iniaaoso, dauda-lhe uuu liudi. iran^parcacia.
lustrosa c elasticidade natural.
; u t run t. ntumm^jwidos
O fligad* de tedea
fftJsST'JSii:
(ita^etvaalaw
baeallaae*
canteni um
laadf do Iue-
E debaixo da f6rma dooleo pnro medicinal de
figadodebacalliao.de Laaman A Kemp, possui-
m^s esla^baJsaraomariliuaa-em tod* a sua excel-
lencia MMrva, com todas as suas propriedades cu-
rativas, paras e sem alteracao, tal qua! aos foi
transmiflrao pelo Cread ir.
As curas que esta prepawcao esta fazenda, quer
no paiz, qcMr at cstraaajeira, a iwa; casos da puly-
sica, es:rofulas, affeccao do Ggado assim como to-
nrr rn 'iinr o*'|aaliaj#aajii e chronicas a que os
orgiesda reapira^aa so acham exposios sao as
suas memoTescreoenciaes. Tantas fraudes se torn
commotlido com o oleo de fizado da uacauuo ,
tao extensa e vergonhosamente tem sido diluido,
adnlterado e falsincado, que o publico e a autori-
dade inedica, saddam com jnbilosa alegria, uma
preparafae hygieoica pura, na qual se pode eon-
Bar com toda a seguranca. Os que desejam ob-
ter am ariigo de saperior excellencia, adaptados a
todos os elimas s sem rival para a cura da tosse,
restriamentos e enfermidados coaseguintes devem
pedir o oleo puro medicinal de ligado de bacalhao,
de Laomau-ot-JLttfiap, e reparar bem so no lelreiro
e na capa se acha estampada a firma desia casa.
Porto-Alegre, provineia do Rio Grande do Sul,
Brasil, 26 de juuho de 1873. Srs. Lunman &
A>mp. -Entre as mnitas especialidades vendidas
sm meu estabelecimento de drogariao pnarmicia.
os prodoctos da sua- casa tent aitranido a minha
auencao, nao so pela perfeicao e regularidsde da
manipulacao, como peios beneficos resullados que
delles tem obtido a humaoidade saffredora desta
provineia, especiaiisaudo dentro elles o peitortU de
aiiacahtuta e o oleo d> baatlltdo quer claro quer
escuro, qae tem produzido maravilbosoe eSeitos
ess) todas as enfermiJades apontadas nas bullas
que os acompanham ; a certeza que leoho aestes
resullados, por noticiaa dos meus amigos medicos
e tambem por cxperiencia propria, om aeonse-
Iham a eonservacao em maior escala de um depo-
sito dos seus preparados em minha drogaria ; nao
so pelo progressivo augraento de consnmo que se
conheee scostvelraente, como porque deste modo
cumpro am dos meus deveres, concorrendo para o
allivio dos sofTrimentos dos nossos semelhantes.
Dignem-se aceitar os meus sinceros protestos de
considerai^ao e apreco. Firmiano Antonio d'A-
raujo, pharmaceulico.
COMMERSHT
Seguro conlra-fogo
THE LIVERPOOL d LONDON* GLOt
INSURANCE COMPANY
Agenles
SAUNDERS BROTHERS A C.
11Corpo Santo11
Capital,
'undo
NORTHERN.
.... 20,000:000JJ00C
de reserva. 8,0O0:0O0jEM>0&
Agwites,
Mills Latham d C.
RCA DA CRUZ N. 38.
Refiro me aos attestados acima.
Afogados, 28 de setembro de 1871.Jose Ber-
nardino Alves.
Refiro-me aos attestados acima.
Afogados, 28 de setembro de 1871. Jose do
Nascimento Albuquerque.
Refiro-me aos attestados supra, accescentando
que adoei-endo a minha fllha na aula, quando la
cbeguei, ja achei-a.em tratamento, com o maisr
desvelo passivel.
Afogados, 28 de setembro de 1871. Henrique
da Fonceca Coutinho.
Attesto que a Sra. D. Maria Coelho da Sjlva, tem
boa conducta civil e moral, tem tido durante o
tempo em que rega a calelra desta freguezia, sua
aula muito frequentada de alumnas, tirando bom
aproceitamento deltas, o qne attesto por ser mai
de duas filhas que frequeatam dita aula com bom
proveito.
Afogados, 28 de setembro de 1871. Laura E-
milia de Souza.
ReQro-me aos attestados acima.
Afogados, 28 de setembro de 1871. Aaaa Au-
gusta Campello.
Para deputation provinciaes
pelo i. districto.
l. Dr. Manoel do Nascimento Machado
Portella.
Manoel de Rego Barros Souza Leao
Dario Cavaleante de Albuquerque.
Joao Barbalho L'choa Cavaleante.
Carlos Vaz d'Oliveira.
Nabor Bezerra Cavaleante.
Gervasio Campcllo.
Jose Ttburcio Pereira de Maga-
Ihaes.
Felippe de Figueirda Faria. -
0 eleilor do 1. districto.
2.
3."
4.
5:'
6."
7
8/
9.
>ao podem- ser outros esses revolaciouari.is, es- -principios de gougraphia, histona, musica voeal
com quo
e pia o, desenho, regras do hygieae o economia
dtmestica, uocSesrudiraentaes das seiencias nata-
raes, lavores, lapegana e flores.
A direccao moral e economica do estabeleci-
menio estara sob sua immediata guarda; o a par-
te litteraria, sera eonfiada a pessoas de reconbe
cida mo. alidade, i:luslrac5o e ootoria dedicacao a
iasiruceao e progresso social. Os iuleressados
podem desde ja dingir-se a povoacao dos Afogados.
largo da Paz sobrado numero.
DOCIIMENTOS.
Attesto que a supplicante e exacta no cumpri-
menlo dos deveres de seu magisterio, que tem
exercido com intelligencia, dedicacSo e assidnida-
de, leec.iiaaodo grande numero de discipulas com
aproveitamenlo das mesmas ; e que tem boa coa-
ducta civil e moral.
Distritrict > litlerario da freguezia dos Afogados,
6 de margi de 1857. O.delegado do mesmo, Fran
cisco Luiz Maeiel Vianna.
A supplicante eumpre satisfactoriamente com os
deveres do seu magisterio, que tem exercido cm
vocacio, assi lui'lade a intelligent i, ensinando
com zelo o proveito, grande numero de alomnas ;
e tem boa conducta civil e moral.
Sala das sessff.-g do conselho do districto Uttera-1
Refiro me aos attestados snpra.
Afogados, 28 de setembre de 1871. Candido
Theotoaio da Camara Santiago.
Nos abaixo assignados paes de famiHa nesta fre-
guezia, attestamos de nossa espontauea vontade
qae a Illma. Sra. D. Haria Coelho da Silva, profes-
f ira de nosjas Blbas, exerceu na prirneira cadeira
de instruccao primaria desta freguezia os deveres
deseu magisterio a aosso eeatanlo; o seu selo o
pacieacia no-ensino, a .ana conducta exemplar
tudo nos faz seotirmuito a sua retirada da referi-
da oadeira, qae exerwu sempre com satisfacao do
puLlico de?ta fregUeala- Pazemos votos ao Altis-
sirao para que a acompauhe e felicicjte.
Afogados, 28 d*e setembro de 1871. Antonio
Rodrigues de Moraes. Joaquim Quiatilho Rodri-
gues da Moraes. -A. de. Hollanda Chacon. -Jose"
do Silva Araujo.-Maaoel Ferreira Menezes d'A
zsvedo.David da Silva Maia.Jos6 Fraocisco de
Abreu.FraneiBeo Alves Teixeira.-Peflppe Rodri-
gues Santiago. Mauoel Franclsc"o Alves Teixeira.
- Jos,e Pereira da Silva. Afltoaio Gome* Ifa/hado
da Hira.Deocleciano Forreira da Luz. Antonio
Patricio da Silva. Nanoel Panlino da Fonceca. -
Francisca Yaleniina do Queiraz.Auna Augusta
CampeUo Cavaleante; Jacmtba Cjara Xavier. f
A rogo de Juaquina Maria da Coacei^io, Jose Ri-
bairo dr*gues.-Baneel lost Soares.-Francisco
Jose de ijaufAuna WenceslaX> Josa do Rego
Jiwtf Luiz dVMenexes. Leandro Aldncio Alvef de
CarvalooHatheus de Sl^aelrA.
Ao corpo eleitoral do primei-
ro districto.
Apreseotamos os seguintes homes:
1." Dr. Manoel do Nascimento Machado Por-
tella.
2. Dr. Joao Barbalho Uchoa Cavaleante.
3.- Dr. Miguel lose de Almeida Pernambuco.
4.* Dr. Felippe de FigueirOa Faria.
o. Dr. Dario Cavaleante do Rego e Albuquer-
que.
6." Dr. Manoel do Rego Rarros Souza Leao.
7. Dr. Carlos Augusto Vaz de Oliveira.
8." Dr. Antonio Domingos Pinto Junior.
9." Dr. Jose1 Bernardo Galvao Alcoforado Ju-
nior.
Um eteitor.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Touia riscos marilirnos em mercadorias,
fretes, dinheiro a risco e linalmeute de qual-
quer natureza, em vapores, navios i vela ou
barcagas, a premios muito modicos.
RCA DO COMMERCIO N. 34.
companhia" aluanca
seguros maritimos e terrefe-
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0009000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro t
ieo maritimo em navio de vela e vapore*
para dentro e f6ra do iraperio, assim come
contra fogo sobre predios, generos e fa
rondas.
Agente : Joaquim Jose Gonealves Beltrao,
rua do Gommercio n. 5, 1* andar.
SEGUROS
MABITIMOS
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecida
nesta praca, toma seguros maritimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em ediftcios, mercadorias e mobilias: na
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
PRACA DO RECIFE 23 DE OUTUBRO.
DE 1873.
AS 3 1/2 BORAS DA TARDK.
<;.(!***.* ofBelaaes.
Cambiosobre Londres a 90 djv. 26 li8, edo ban-
co 26 d. por 1*000.
Gambia sobre Lisboa a 60d|v. 106 0|0 de premio.
DuDourcq
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ieguuda fBtt
IVeeira
Quaita.
rrapiche
4>naui aeu
a ball
2 -37
5
Alxrengas
a alfandaaa-do
OaUs ditas bo aii 13
Xasijs atraeades na trap.
\lv*rengas .
fo trapicha Conca*cio
51
ftECkdKDORU DE RENDAS INTBRRAS G-
RAES DE PERNAMBUCO
HanA .ant.,A^ai. \ t%% laTllilJT"'
'dem do dia 23..... 5:330*400


60:5601705
C0.N9ULAD0 PROVINCIAL
dsnpiijento do dia I a 22 47:4474889
mem do dia 23..... 3:953i55i>
ataA,i
nrmiTI A-------
Navio eutrado no dia 23.
Greenofc -76 dlas, brig^ue allemio Jffner, de 20t
tonelad.s. capitlo Schortng, equipagem 8, car-
ga carvao ; a Adamson. Howie & C.
tariff sahido no mesmo Ha.
Menatillan (no Mexico). Brigue atiemio Ctto,
eapitao Seghorn, em lastro.
EDfTAES.
Lomarca de Palmares
Juizo da prttvrriurin
0 Dr. Alexandre Bernardino de Figueiredo Re;s t:
Silva, julz municipal e da provedoria, supplente
em exeicieio do lermo de Agua Preta e comarca
de Palmares, provineia de Pernambaco, em vir-
tude da lei etc.
Faco saber pelo presenle edttal que nos termoe
do art. 1 do decrato n. 1698 de 13 de setembro de
I8W, dentro do prazo de 30 dias, eonudos da pu-
blicacio deste ediialrrecebera este juizo p opoeta*
em carta fechada para a arrematacao por venda
dos escravos : Pedro, crioulo, solleiro, do-32 an-
nos de idade, agricnltor, avaliado por 80d<800 ;
Faustino, crionlo, de 19 annos de idade, solleiro',
agricultor, avaliado por 1:200*, os quaes peiten-
cem ao espolio do ponuguez Manoel Jose Vianna.
e vao a praca a requenmento do respeetivo tes-
tamenteiro, e acham-se nesta villa, a rua da Boa-
Vista n. 9, onde poderao ser examinados aelos
pretendentes.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presenle, que sera afflxado e pu-
blicado pcla imprenta.
Ea Cusiodla Flora da Silva Fragoso, escrivao o
escrevi.
Villa de Palmares, 6 de outubro de W73.-.4
randre Bernardino de Figueiredo Reis e Si ha
Consulado provincial
Para sciencia dos contribuintes do imposto da
decima urban* e os effeitos ingaes, era seguida
publicam-se as alterac5es verificadas no Ian; -.
memo do mesmo imposto no corrente anno finan-
ceiro da 1873 a 1874, ficando aherto o prazo as
reclamajoes, que por ventura possam tar a fazer
s interessados na forma da lei e regulamen! '-
respectivos.
Alteracoes veriCcadas pelo lancador Joao Pedro
de Jesus da Malta, no laucamento da dedma
urbana da freguezia de Santo Antonio que tem
de servir no anno de 1873 a 1874.
Rua de Marquez do Herval.
N. 24. Antouio da Silva Mello e ou-
trro, uuia caja terrea por 48OJO0D
N. 9. Elias Baptista da Suva, um so-
brado de um andar e sotao ar-
rendado por 900^000
N. 13. 0 mesmo, uma casa lerrea
por 6C0#0(AI
N. i.'i. 0 mesmo, uma dita por 600^00(1
N.'2I. Maria Victorina Carneiro da
Cun'ia e outros, um sobrado de
um andar e loja por 1:000*'Xh
N. 23. Joao Valeniim Villela, um so-
brado de um andar e loja por 1:000/iOOtt
N. 77. Rosa Candida Gonealves Fer-
reira, uma casa terrea por 300JOOO
N. 79. A mesma, uma dita por 300/000
N. 93. Jose Francisco da Costa, uma
dita por 300/000
N. 99. Maria Alexandria Caval-
eante e outros, uma dita por 3G0fO0ti
N. 101. Joaquim d'Assumpgao Quei-
roz, uma diU por 210/000
N. luS. Theodoro Benzer dos Santos,
uma dita por 420/00*)
Rua da Cadeia Nova.
N. 5. Luiz Caetauo Borges..um por-
tao que da entrada para um qua-
dro, no qual tem 5 meia aguas e
tres de telhas tudo por 888/000
1.* seccao do consulado provincial, 14 de outu-
bro de 1873.
0 chefe,
Antonio Witrwsio Pinto B e A. de Yascmcetios.
Ao iliustre corpo eleitoral do 1 ."
circulo para deputados pro-
vinciwea.
Os constrvadores eteitores devem cerrar a vota-
cao not seguintes.
1 Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella
2 Dr. Manoel do Rego Barros Souza Leao
3 Or. Miguel Jose de Almeida Pernambuco Junior
4 Dr. Dario Cavaleante do Rego Albuquerque.
5 Dr. Felippe de Figueirua Faria.
6 Dr. Manoel Caldas Barreto.
7 Dr. Jose Tebureio Pereira de Magalhaes.
8 Dr. Joaquim Francisco de Arruda.
9 Dr. Joao Barballio Uchua Cavalcaale.
Alouns de Santo Antonie.
4FLNDAEGA
rtendimeuto de dia a 22. .
Idem do dia 23. ... .
697:1984886
31:660/711
728:859/597
Desearregam hoje 24 de outubro
Barca mgleza Talisman f .rioha de trigo ja
despachada para o caes do Apollo.
Vapor ingtez Fire Queen mercadorias para al-
fandega.
Barca franceza Anne Marie ferragens ja des-
achadas para o traplche Conceigao, para
conferir.
Hiate americano /. P. Anger kerozene para o
trapicho ConceicSo, para dospachar.
Lugar inglezArar -carvao ja despachado para
. o 1* ponio.
A camara municipal desta cidade fas publi-
co, para conhecimento de quem interessar possa,
a postura addicional abaixo transcripta, approva-
da provisoriami-nie pelo Exm. presidente da pro-
vineia. em 16 de outubro de 1873.Manoel J*a-
quimdo Rego Albuquerque, presidente.Pedro de
A Ibuquerque Autram^ecretarlo.
4.* seccao. Palacio da presidencia de Pernam-
buco, 16 de outubro de 1873.
0 presidente da provineia, tendo em vteta a pro-
posla da Illma. camara municipal desta cidade,
feita em offlcio de 8 d corrente, ena cdnformJda-
de do art. 2. da lei de 25 de outubro de 1881, re-
solve approvar provisoriamente C mandar qua se
execute os artigos de postura^ addioional abaixo
trauscriptos. '
Art. 1.* Nenhum carro, Canroca oa qualquer
vehiculo de condaccao de generos podera lavar
mais de 7 xado por um boi, e 5 arrobas oa 7- saccos poxa-
do por um ravallo.
Art. 2." Ficam em vigor as multas a pfohifci-
coes impostas no art. 173 das po^turas desta ca-
mara approvadas peia lei provineia! n. 1,129 dt
26 de junho do corrente anno, e revogadaa as.de-
mais disposicoes. 'Henrique Pereira de Lueena.
Conforme, Luiz Salazar Mr-seoso Sa Veiga Ptstoa.
-Conforme, PJro de Albuquerque Aufranx se-
cretario.
Edital n.....
Impnrlucao.
*r Greenock, brigue allemao ilina, coasignado
a ordem, tuanifestou :
Carvau de pedra 332 toneladas, a ordem.
OESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 22 DE
OUTUBRO DE1873.
Para a* portos do exterior.
No vapor inglez Cuzco, tara Liverpool, car-
regou : F. J. tforoira 24 abacachis.
Para os porlos do interior.
Para o Para, no patacho portaguez Michae-
lense, carregaram: J. A. da Silva Araujo 70 barri-
cas com 9,1'i9 t|2 kilos de assucar braneo ; J. E.
de Miranda 2i5 ditas com 16.1 iS l|2 ditos de drto;
P. Vianna & C. 7 pipas com 3,360 litr..s de alcnol.
Attesto one a So. D. Maria Codlho da Sta,
professora desta freguezia, durante o tempo qua a
conheco tem exercido o seu magisterio honrada-
Af na Florida lie Hurray Lanrnao.
Mai sabem aquellas senhuraa que fazem fre-
quente ago desses inlitulados empincos aformosea-
dores do dia, qne ellaa aallo leBta e seguramente [ Para o Mara'nhao, "no van r brasileiro P.iru-
destromd* e arrumando a sua saude e mais qne ao, carregaram : Carvalho i, Nogueira 20 barri-
tudo, a sna aelicada completcao. Desde o immB. cas com 2,374 kilos de assucar brlnco : B. Olivei-
S^n^^SfvJS" ?0rgial **? PI^^ dl\t0i P C- 8u ^^ cjm 5> ditos dedito ; Dav.m &
sempre perreitamente sabido peios bem nuciados,' Fernandes to v- ;rT) qm oitas ^ dil0 Para 0
aue a pura essencia do frescas e fragrantes flares. ( P.;a, B Oliveira \ C. SO ditas com 3,787 ditos
epromotora da forawiura^ Na laboriosa p..pa '
racao e delicada eomposicio desta afamada e de-
liciosa agua do cheiro, nao se amyrega ou usa
outro algum composto. mai=, do que aroinaii.^os
botdes de flores e cerJa* folhas d'uma natureza
altamente saudaveii. Em addicio, pois, a sua ex-
Ceuencla eomo urri perfume primoroso, ella encer-
Pela inspectoria da alfandega se faz publico que
as 11 boras da manha de 25 do corrente se lia de
arrematar a porta desta reparticjo, livre de dirt.'.
fos. e sujeitos ao imposto devido a empreza da
apatazia, a mercadoria abaixo declarada..
Marca P S & C. -1 caixa n. 6) vintfa do Havre
no vapor francez Ville de Bahia, ealrado neste
porto em 28 do mez pissado, e abandonada aos
direito- por Pinto da Silva & Cascio ; aonteodo 7
pe-^as de cassa de algodao estampadas, pesando li-
quido real 17 kilos, avaliado* por 229/533, e 33
ditas de ditas avariadas, pesando liquido real 87
kilos, no valor de 243/600 rs.'
Alfandega de Pernambuco, 23 de oatubro ik>
1873.
0 inspector
Fabio A. de Carvalho Beis.
IJECURACOEt
duo.
UAPATAZ1A DA ALFANDEGA
Hendtaeuto 0- Jia 1 a 22, 14:477/37
Idea) do dia 23...... 893*8i3
15:371/194
Sexla-feira 24 do corrente, flada a
i'ia do Exm. Sr. desembargador juiz do i
ausent.-, vao a praga para serem arremata
quem mais der, com abatimentO da quini
os bens .-eguintes:
A parte que 0 casal possuia no angenbo Bega-
lia, por 3:2nO/0(O
Um terreno sitb i ruS do Visconde 4a. Albu-
querque, pjr 115/200.
Urn dit<> no alinhamento da rua da Aur.ora,.com
IOC paimtis de freute, (undoi ate a roa de Luu
do Rego, por 200*.
Um dito era alinhamento da rua da Aurora,
com 200 palmjs de frente, por 40%.

1
n

mm
^l^fca
HI!1


^"'^SM
w .-
*
s
J
I
r
Di*Ki;dtoPflWi^i? -it %&MQ>. 24 4*,0tgfttol# tfj|a
200
do
eon
l.uil
pi's
porJ
ki Aurora^
tc a rua
r\ da Cunba
rj
*^BOr36Q>000.
dtM.em Santo Amaro das Salinas, oom 100,
i d > IwiJfe, 'aa aampina *pie p*;nde ao si-'
asal, iaventariado por 00l.
(Hla -era Santo Amaro das Satin as com 160
la *reute, a-oomecar da camptua, o qual
i.o sitio do casa I, invenlariado por TOO*, j
bens vao a praca a requerimento do tc-
Anlonio Vieira da Cmrfia, testa-
o e iiuentariaate dos bens quo firaram
cciraentj do major Manoel-do laseimento
Ja Jlorjira e soa raalher D. An main Viei
para
TR1LH0S URBANOS
DO
Recife a Olinda.
1'Merike.
Em cumprimooto Jo
art. 1 -2dosestaiutos da
mencionada ccmpanhia
oprosiiJente d'assemiriga
genii dos sens accionis-
tas con villa a estea
tii-se em -s>*3Slo ord;naria da
'iita assembled no dia 31 do correntc raez as
horas I4a*i;-tfe no logar docosUime.; e
charna-se a atMnrao dos Srs. accionistas para
o lOS.
tlorife, 20 de outubro de 1873.
0 secretario.
Luiz Lopes Castcllo [franco.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta adminMrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Kei'ife, !ODipe:eolemente autorisada
pela preMdeftcia. em data de 3 4o setembro do
anno proximo Undo, e de conformidade com o que
dispde o % !>. art. Si do sou com roini-so. per-
inuta por apolicss da divida imblica a fazenda de
criar ([ados quo possue o pulrimonio dos esta-
f>elecimentes do caridade d sen cargo dtnomina-
da QkHMttbl sila no taruan de Flores desta
provineia, com MMMam para eriar e plautar, e
earn al^iim gadd eivallar e vaecum.
Recebe para isto propnstas nesta secrctiria ate
> dia 10 de dozembn docorrente anno.
Seerotaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 10 de outdbro de 1873.
O escrivSo,
Pedro Rodri'/ues de Sonzn.
#e#ar possa, qae havendo o mesmo mcretlssimo
irmanal em sessio de SO do corrente aceitado a
~nissao dada por George Patchett do lugar qne
ircia, de^rretor geraldfljU praca, flcou sub-
ado por sdBBpn a responsabiliuade dos sens
ores ^iramento as reclaraaooas daapre-
Secretmia I tribunal d reioJLPer-
aambueo 23 JJa-ootobro do 1873.
I 0 secretario
_________Joaquim Olinto Bastos.
Unica representacao di opereta burle
actos :
tres
ArmcAO
De ordein do nosso eftarissirao irmao juiz da ve-
neravel innandade de S. do Rosario da Boa-
Vista, sao ronwiados na forma do art. 3 do com-
promise) os cbarissimos irmaos desla irmandade,
que estiveremaegOBo do sens direitos, para se
reunirem em sessao geral no dia 26 do corrente,
pelas 10 boras da mans5, no consistorio da mes-
ma irmandade, para pocedersea elejc^o da nova.
raiesa regedora.
Consistorio, 23 de outubro de 1873.
Manoel Jovioo de Sant'Anna
Secretario.
A til. dottttt* ilrdi/, (I*
Iniv .
De ordem da Aujr.-. Loj.\ Cap.-. Segre(!o e Amor
da Ordem-em seasao de hontem, eantido a todoa
es RKesp.-.'lIrs.-. peiteocenUB an eu Qaad.-. para
sessao especial domingo 2C do corrente as dez
boras da manha, aQmae ser prestado juramento
a nova constituicao maconica.
Secrelaria da Aulv. i.pi.-. Cap.'. Segredo e
Amor da Ordem, 14 do MWWo sdefm.
''*ecpMrio WHerme,
______________Thomas P. M. WaJwiao.________
Pela delegacia do 1. dtstricto do Recife, foi
apprebendida uma trouxa com roupa lavada :
qnem se jnlgar com direrto a mesma compareca
em dita delegacia, qua provandj ine sera entre-
gne.
aborfo : f*ra* le*falta Anu
cam os sens consiiroatorios Antonio Lniz de CHi-
vdlra Aievedo A C., rua do Bom Jesus n. 57.

41
1 Psita t'
Luiz XV (nova], jarros para nof", grandes e bo-
-"jos, tapeies e esearradeiras. i -|l
*rd(nefc-a,- 2 confolos, 2 cadeirts da
s, IX >le%narnfaj dejaearanla, f*t|e|te, I *sm j
no, I toeador, 3 commodas a cabMeaMW *?sa tAe Monteiro,
neados.
Uma
Pacific Steam Navigation Company
liijgkha quinzennI
'OPAQUETE
pera-ae 'da Buropa rte)o dia -26ido -corrente.
e degois da domora do costume seguira nara 0 Jul
* Imperie, Raa*|rrata e eosta do Pacifico, para
fan o referido portq pretondo saguir com pou-
ca demora o brigue portMnae ttcife por ter a
maior parle do carregamMoPtrHado : para o
reBto que Ihe faJta trata-se eom os consignatarjos
Joaquim Jose Gooealves I'.-ltrTio i Pillin, a rua ao
Commercio n. S.
LEILOES.
pde rcaeliBrajraasageiros.'encaain:
ei-
^ AoWfrra1
Witoon lawe C. .
ifc?RiIA.D0CQ5MER(Sp,.iVt
OPara o Pafa
segue sem falta hastes poucos 'dias opitaciio alfe-
mao Brilhante ;'para"a pauca earga qneTme falta,'
trau-se com Antwrio Lniz de OtiTeira Mstado &
C, no sen escriptorio a rua do Bom Jesus n. 57.
risco
a d c
trlgo, avanada, a'lroftm^o patactro 'nigl"z'.Ycreu*.
aa sua uluma viagem de- 'iMfMntoro para cap. por-
to, e existentes noannazem ue Joao Quirino do
^juilar ft U, caes do ApoUo, ondo se effectuara o,
O admiiiistrad-r da recebedoria de r--iidas
ulernas geraes fat publico que 6 eslo mez de ou-
(ubro o ultimo em que tern de ser pago sem mul-
ta o imposto sobro indu-trias e prolissfies. relativo
ao 1* seraestre do exercicio de t873-7i, e com a
multa de 6 0|0 dei>ois do referido mot.
Rocebcdoria do Pernambuco, 3 de ou'.nbro de
1^73.
______Man'iel Carneiro de Soirta Lacerda.
lOMPAMiA"
Uatfslmdn a esU mmpanhia que alguiis indivi-
luosandam em sen nome enbrando muitas pelas
isns, a titulo de estarem os apparelhos maj tra-
tados, -fa* s* publico que a eompsnhia ounca
.-.andou colirar Mio.ltas. e n.-m eilas Ihe pertencem,
- aim ao governo, e por isso previne-se ao publi-
one nvla pig'ie a esses falsos agonies.
P.ecifo, 13 dc otriubro de 1873.
0 gerente,
______________________J.mn Blonnt.
Faculdade de Direito.
f>e ordem do font. Sr. director fa..m p'ubHco. que
^ oor.gregaeao em sessao de hoje julgou das ha-
t;ilitaco3s dos e-Kvlantes, decidimlo que estavam
no saso de serein admittidos a acto, nenos
aquelles qne por lixcessos de faltas perdsiam o
anno, e (\ni sao o < sejfuintns :
Joaqn.iin Francisco Teixeira e Francisco l'rede-
rioo da Rocha Vjiira, do quarto anno.
X* mesma swsa* fi'.oti resolvido quo o< actos
caaweara no dia 27 do corrt-nto, pe'a prova^s-
ripta em tunnas Ac 13 estuJ.intes no 1 anno ;
! 16 no 2 e 3; de li no 4* e do II no quin-
ts ; quo a prova oral tpnha lugar logo de^^is de
eoncluiila a eaeripta em cada am dos annns, que
seja esta prova feita em turmas de seis estndan-
tea, e, Dnalmente, que seja distribuido o servico
<*atre os lentes examinaJdres do moJj seguinle :
1." anno.
Ors. Figueiredo, Pinto Jnnior, Relfort, as 9 ho-
v t na 2." sala.
2" anno.
Or-. Silvcfra, Aratijo e Graciliano. as 9 boras
na 3.' sala.
3. armo.
brt. Asuiar.Dniinnmid o Coeflio RodrigCies, is
8 t)OM3 na i.'1 sala.
4." anno.
lrs. Portella, Tarquinio o Pinto I'essoa, as 9
haras na l. sala.
5. anno.
Ori. Baptista, Rego, Apngio e Relfort, as [0 ho-
ras na sala da congrcKacao.
ignalmea'te fac<) publico que no dia 2i do cor-
fn!e lermina o. prazo para o pagamento e assig-
catura da mitricula de encerramento.
Secretaria da Facullade de Direito do Recife,
li de outubro de 1873.
O secretario,
Jose II< uorio B. de Mctuz.:s.
(17
21
Os fiscaes do munieipio de Recife ft'iaixo
aaaignaaos, em vista da lei n. 1129 e determina-
;io da lilma. camara municipal do Recife, fazem
saber a todos os municipes, que do I.* do uovem-
bro am mania comecam a ter execucao os art*. 40,
4la (95 da referida lei, cujos artigos dizem o se-
guinto :
Art. 40. 0 p.iixo sera vendi lo a pezo.
Art. 4'. \as fregoezias onde honver mercado
: 'iblico o peixe sera vandido nelle do preferen-
cia, e nao podera ter entrada no mercado senaj
detafs de tavado e sem tripas : 6 podendo ser
iwadido pelas ruis, acondicionado em vasilhas
fom agua limpa ou envolto em pannos molhados
e ttrnpus. Os iuffsctoros serao mtiltados cm 45-
Art. 195. 0 pao, bolacha ou qtialqner prepara-
do de padaria sem vendido a p-so.
Ilunicipio ilo Recife, 2z de outubro de 1873.
Jeroaymo Jose Ferreira.
Dellim Lins Cavalcante Pessoa.
Sebastiao /Vffonso do R. Birros.
Joao Marques Correa.
Jose Miguel do Sousa MagalhAes.
Erneslino Cavalcante d'Albuquerque.
Joaqiim Praneisco de Torres Galfindo.
Monte pio portiiguez em
Pernambuco
Aicinbl'*n ajcral
Jiao se tendo reuuido numero legal dos senho-
res soeios para a primeira convocav'ao, de novo
eoavido-a tddos para domrngo *.& do corrente, as
11 floras do dia, atim de qne em sessao de assem-
*te fceral tomem eonbeoimenlo do exposto no !
ort.tH dos estatutos, ccrtos de que a sessao so ce-
ir-brari comonuinero d soeios que comparec;r.
ftscretara da dirertoria do monte pio portueuez
21 de outubro de 1873.
Uarges Costa
1 secrp&rio.
OadmoiMrador do consulado faz publico
que, no dia -38 do e*r>ente raez, a port a deste con-
sulado, pelas 12 boras, se ha de arrematar em
praca poblica 5 barricas com cervja nacional,
a valiados a vista do preco da pauta semanal em
o7600, apprelieudidas "a Alhciros Oliveira & C.
pelo feitor conferente Joaquim Pires da Sflva.
Mesa do consulado provincial, 22 de outubro
de 1873.
___________A iitonio Carneiro Machado Riot.
Consulado provincial..
Para constar publica-se que por esta reparticrio
tern se habilitado ate esta data para o exercicio do
pequeno commercio de mascates nesta capital, no
corrente anno financeirq de 1873 187*, satisfa-
zendu o imposto provincial de 200J000 os indivi-
duos seguintc< :
Angelo Raphael Peregrini.
Francisco I'iuheiro.
Gervasio Protasio SimSes.
Felix Antonio Lasaler.
Miguel Guerra.
Nicolio Picini.
Affonso Mirat.
Miguel Peregrini.
Jose ?n ncis'co Faleao.
JinuarioE'tevlo.
Miguel Uai tli'ilomen.
Andrea Cardinal.
Prederico Mirat.
Francisco Petrucelli.
Jose Elessio.
Miguel Esquiten.
Manoel de Freitas Ribe.rb. "
Francisco da Calabria.
Maria Seraphina Massuolo.
Manoel Jtse Gomes Ferreira.
Gabriel Peregrini.
Vicente Antonio Novelini.
Raphael Lyra.
PrajciscoBouaflna.
Manoel Galoto.
Antonio Moreira.
Jose Antonio Licio
Fnncisco GaUto.
Jose Pereira Alves Coelho.
Joseph Guorra.
Antcnio Novelini.
Joseph Greg9.
UalfswJow do Mello.
JOanna Rosa de Oliveira 1'inho Borges.
Iguaimente habilitarara-se para o mesmo exer-
cicio fora da capital, pagando o imposto de 205,
os seguintes:
Domingos Aveia.
Francisco Antonio Ayres.
Sabino Viriato.
Manoel Goncalves dos Santo-.
All id Antonio.
Francisco Jacouio.
Josi? Antonio Jacomo
Joseph Zecla.
Braz Soparro.
Domingos Marcilo.
Cathalde Palavini.
Euzebio de Palermo.
Januario Massuolo.
Joseph Bruno.'
Consulado provincial, i'\ dc outubro de 1873.
Antonio Carneiro Machado Rios
Administrador.

Real companhia de^aquetee
inglezes a vapor.
Ate o dia 27 do corrente !pera-se da Etirop*
o vapor inglez Donro, eorBinaBdjlnfo Thwaites,
o qual depois da demora do cosftnae, seguira paira
Baenos-Ayres, tbcandp nos portos da Bahia, Rio
de Janeiro e Montevideo.
.
Leilao
cascom farioiij,
BOJE
ia
Ao mcio
p agente Pinto fevaj^a Jailio, nor conia a ri
de] quern pertencer, 'lW fiarricas com fanntia
cama francexa de jaearanda, 1 dita de
amarello, 1 dita de ferro, 1 toilette, $ guardas-
e 1 berco de faia.
mobilia de amarello com tampos de pedra
marmore, candieiros a gaz, casticaes e mangas, t
mobilia de mogno, vadeiras de uioguo.
Uma mesa elaslica, 1 guarda-louca, 2 aparado-
res, 24 cadeiras, 1 relogio de parede, 2 quartinhei-
ras, apparelhi.s para cha e jantar, copos, calices,
gMTaras, corapoteiras, facas,:garfos, ;olheres, ban-
dajas, jarras, mesas, marquezas, trem de cozinha
e muitos outros accessorios de casa de familia.
SeguiMla-fciru S3 do corrente
No armazem da rua da Cadeia n. 24
JEsquina do becco Largo.
0 agente Pinto levara a leilao os moveis e raais
objectos acima mencionados, perlencentes a casa
de ftmiilia, os qaaes serao tran^portado* para o
armazem da rna da Cadeia n. 24, ouJe serao ven-
Midos no d a segonda feira 27 do eorrenie ao cor-
rer do tnaririJIC.
EM TEMPO.
Desdeja previne-se aos arrcmatantes (|be a en-
trega dos ditos mov*is sera effect uada nas^4 ho-
fas depois do leilao, tempo mareado para a enlre
ga da chave do mesmo armazem.
O leilao principiara as 10 hiiras em ponto por
serem muitos e differentes os lotes.

Leilao
DE
-Predios em Olinda

No dia 29 do corrente e^para'>se -Hot portos do
iul o apor inglez Boyne, comihanaante P. Heeks,
o qual depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
cente e Lisboa.
Para fretes, -passagens, etc., 'Wfa-se'na'djfencia,
rua do Commercio n. 40.
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PANY
l.inhu |iiiiizt*nal
0 PAQUETE
Kendo :
Urn sobrtdo na rua de S. Bento n. 16. em bom
estado de oonservacao. com accommodates pnra
grande familia, quintal murado com portiia par
a rua de b Pedro Xovo, e'dificado em terreno pro-
prio.
Uma casa Iflfea na rua da Rica dos Qnatro
Cantos n. .>, com 2 sains, 2 quartos, cozinha fora
e terreno proprio (rendp Iff mensaes.
Leilao
iBoje
agoule Martins Tarii Irillo dos preoios acima,
oajquaes se tornam rccommeodaveis por flcarcm
proximos do* banhos salgados
Os pretendentes pode.n pnteurar a chave do
sobrado para examiria 1 e em miio do Illm. Sr Dr.
Oruminonrt,
Odeilio terti lugar no arnmem da rua do Im-
perador n^48, as II horas do dia acima.
laJM BMJ
espera sedos portos do sul ate odia 24 lo corren-
te, e depois da demora d& cosWme, seguira para
Liverpool, S. Vicente e Lisboa, para onde reoebo-
ra passageiros, encommendas e carga a frete.
08 AtiENTfiS
Wilson Howe A C.
14RUA DO COMMERCIO14
20 Harris com cevadinha cm mao esmdo e 27 di-
los com pytassa.
Hoje
A'S 11 HORAS DA MANUA
>0 preposto do agente Pe-laaa fara leilSo por
crtnta e risco de quern pertencer, de %> barris com
cdvadinha em mao estado e 27 dilus com putassa,
cdm assistencia do Sr eons ft I amerlcano, sexta-
felra 4 do correrte, as 11 horas da manha
armazem do Annes confront a alfadega.
no
DE
urn magnifico sobrado de 2 andares e so-
tao, em chaus proprios, com frente de
azulejo, da rua do Bom Jesus n. 26.
teiu;a-i-i;iiu 4 ue nuvkhbiio
as 11 horas.
0 agente Pinto legalmente antorisado, levara a
leilao o predip acima mencionado, o qual lorna-se
recon.mendado por ser novo e edifu-ade em chao
proprio, e em uma das ruas mais coinmerciaes.
0 pretenjentes poderao desde ja examina lo, o
concorrer ao leilao que devc ter Ingar as il ho-
ras do dia 4 de nnv.-mbro, oo escriptorio do refe-
do agente, a rua do B im Jesus n. 43.
um excellente cabriolet de 2 assentos, for-
railo de novo, coin coberta da vaqueta
TERCA-FEIRA 28 DO COUREiNTE
No sobrado da rua do Bom Jesus n. 50.
Ao nieio dia.
0 agente Pinho Borges levara a leilao o referido
cabriolet, o qual se aciiara na rua da Senzalla no
dia do liilao, exposto a exame dos pretendentes.
innandade de I, S. MidosIIo-
mens, erecta na igrcja da Ma-
dreDcus.
De ordem do irmao juiz, convido a toJos
os nossos irmaos, afim do em mesa geral ele-
gerem a mesa regedora que tern de funccio-
nar no seguinto anno, no domingo 26 do
corrente pelas 11 boras da manha no con-
sistorio da mesma irmnndade.
Recife, 23 de outubro de 1873.
Antonio Annes Jacome,
Escrivao.
mm
Santo Antonio
EMPREZA .
Asaactacuo ;i'.ihbJi, dfe Tiflnefiwncifl dos
fcrrtpregJlrlrjfs no corrHnercio c industria
em Peroiiinbu-co.
' De ordem do Sr njres^ente convido aos Srs.
assaciados a so remiirem nesta s'ecretarja a. rua
do lmperador n. Wi, l> ahdar m dia 27 do coF-
real* pelas 7 aoras dn rarde. afl n de dar-se cam-
primemo aa eitado no art. 30 e seus pariigfapbos,
Jo9 *ossas esMMlos. ,
Red re, *3 da ootnbro de 1873.
Mnfdnr F. Ferreira Gumarifes.
_____i__________SacTCTartp.________
IM* COMMBRCiO hE PER-
o rfi.t" i| H 'coto-l
:-"i no^ Vjui? mi*.-
mi8i;Af
Sabbado 25.
As H l|* Pela ultima vez
A' PfcWDO
0 drama em 5 actos :
HffidiBn'UIE VILFLIR
e a eomedia em t acto :
as \mm oas almas
Havera trem ate Apipucos.
Domingo 26.
A's 8 IfS horas,
0 l. e 3. actos da
tounpnnliia Franceza dc IVavega-
0i> a vapor
Liiiha mensal entre o
Havre, Lisboa, Pcrnambuoo, Rio de
Janeiro, (Santos, somente na vol
ta ) .Montevideo, ftuenosAyres,
(com baldeacao para o Rosario)
STEAMER
moveis, kmea o crystaes
dOJfSTA^DO I* :
Uma mobilia de jaearanda a Unit XV, com um
sofa, 1 jardineira, 2 consoles, 2 cadeiras fide bra-
cos e 12 de guarnicao, 2 cadeiras de halaueo, 4
jarros aara flores, 2 es,pelhos donrados. 2 escar-
railerras, 2 tanetes. I candieiro a gaz.
Bma cama franceza de jaearanda, 1 toylett com
espellio, 1 rberco, 1 lavatorio.
Uma mobilia de- amarello com tampos do pedra
marrirore, com I sofa, \ jardineira, i consolos, 2
'ajeiras de bracos, 12 ditas de goarnicao, mezas,
louca, vidros, garrafas dc finos crvstaes c outros
accessorios de casa de fomilia.
No 2 andaf do sobrado da Praca do condo
o'Eu n, j".
0 agente Pinto, airtorisado p6r uma familia
que modot de residencia, levura a leilao os 'mo-
veis e mais objectos acima mencionados, existen-
tes no 2 andar do soorado da Praca do conde
d'En n. 8.
0 leilao principiara as 10 1|2 hora*.
Commandantc Cnpelle
E' esperado a todo o momeento e seguira depois
da demoia precisa para os portos do sul acima
indicados, entrando dentro do porto, quer na vin
dada Europa, qner *a vofta.
Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tem excellentes acommodacoes
por precos rcduzidos : trata-se com
OS C0NS1GNATAKI0S
GUSTO F. D'OLTVEIRA & C.
42__RuadC ommercioEntrada pela rua
do Torres.
ESPLENDIDO
iE
Moveis, loucas finas. crystaes, um rico faqueiro
de prata (lei) um apparelbo para almoco de
electro-plate, joins de ouio e brilhante, uma
rlc'a crnz com s brilhantes grandes, uma dita
com 8 brilhantes grandes e liOperoIas finas,
caixa de prata para rape, aderecos com pedras
preciosas, brincos, pulseiras com catiafcu e
mais objectos de gtrto.
maitos",ommoaos, qaloiai' awrado! banbetro d
tante 50 palraos, e firasca : Irata^so con M.aea-
reahas do utio junto.
m uWMkT
AOS 5:0O0#000.
BILHETES GARANTfBOS.
1 rua Primeiro de Marpo (outr'ara rua ia
Crespo) n. 23 c catas do costume.
0 abaixo assign ado tundo vendido nos eui fe
llzes- Uilhetes, am meio n. 2878 com 800*, um
nieio n. 813 com 100J e outras sortes de 404 e
20* da loteria que se acabou de axtrahii (7t)*),
convida aos possuidores a viram recober na mw-
formidade do costume sem. desconto ajgiun.
Acham-se a venda os feliros bflhetes garantidos
la 12' parte das loterias a aeneOcio do rollagiu
Je orpbaos e orphas (7l">; qne ae estrohlraaaa ri
quarta-Wra, 29 do corrfnte Biei.
PRKgOS
Bilhete iuteiro 6*000
Heiobilhete 3*000
Quarto i*W0
EM POngAo DE iOOJMO0 PARA rA.
Bilhete inteiro 01800
Mcio bilhete 2*730
Quarto 1*375
Manoel Marlins Fitiza
M lib
.oajii
I v>b
AO COMMERCIO
0 abaixo assigoado faz sciente ao publico
com esp cialidade ao corpo do comtocictii qne nao
autorison a pc.-soa alguma a fazer WHo de stta
taverna sita a made Marcilio Dias n. 74, ;aob a
iirma de Pereira & Lima, o qual protest a contra
us damnos.
Recife, 21 de outubro de 1S73.
__________________JoSe da Etlva Pereira.' -
No r.-llegio da dnreicSo precisa-se ae um
criado para copeiro. quo d(^ fiad jr de sua con-
dncta.
&
m
taj
Massa fallida dc Diiarte
Medeifos.
0 abaixo assignado, aJminislia'durdesta aias.-a,
tenilo de proceoVr a vvrtiicarSo e classrucacBa
dos creditos, cmfvida pel preseute *a quem Sk
jdlgar credur, a apresentar seus titulosateo uJU-
mo do corrente, na rua do Marquez de Olinda n.
43, para aquelle flm.
Recife, 21 de outubro de 1873.
Jose Kortunato dos S. Porto.
Precisa-se dc um criado
be n. 40.
na rua do Capib ari
LEILAO
DE
4
OU O
Reinado das mnlliercs
e a eomedia em "l acto :
0 Mtm MBRBUS
COMPANHIA PErmMBUCANA
DE
\'ave^ncao costeira a vapor.
mamaNgvaM:.
0 vapor CorWipe, eotn-
mandante Sant03, seguira para
o porto acima no dia 28 dc
corrente, as 5 horas da tarde
Recebe carga, encommen-
das, paSsafens e dinheifoa
frete at^ as 2 horas da tarde de dta da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos a. '12.
COMPANHIA PERNAMBDCANA
BE
.\'avegaeao costeira m vapor.
KF. UNA.SIN I DE NORONHA.
0 vapor Gtquid, com-
mandante Martins, segui-
ra para o porto acima
no dia 4 do novembro
ao meio dia.
Recebe carga, eneom-
wendas* paeMfairos e di-
nheiro a frete'ate as 10 horas do dia tia sahida :
escriptorio no Forte do Mattoa n. It.
COMPANHIA PERNAMBtJCANA
DE
\lavegacilo costeira a vapor.
KUCEld, ESCAI.AS E KNEDO.
O-vJBpor MemdoM,
crnmandante JuMo,
s*gu%a para os por-
tos acima ho dia 39
corrente, as- 5
boras da tarde.
Recebe carga ate o dia 28 do corrente. encom-
mendas ate o dia 30, passageiros e diuheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Porle da Mattos n. It._________
COMPANHIA PEH^ABHCANA
DE
, \a\ eaeo costeira a vapor.
ARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', AAAC>
TV, C^ARA, MAlfD.\irO'"E affA^USCL'".
Van* hoj
Hoje
Uma mobilia de jaearanda cata ta'mpo do pedra,
1 dita de amarello, 1 guarda roupa, 1 cuarda-
vestidoo, 1 piano de mesa, 1 commoda. Je jaea-
randa, I cama franceza de jaearanda, 1 dita de
amarello, 1 sofa de mogno, 6 cadeiras dc dilo.
2 ditasde bracos, 1 rico relogio de cima d,
mesa, cMras para sala de jantar, marquezoes
marquezas, uma estanto de livros, ban'as com
gavetas, algtima tenca, di versos .Vidros o maitos
outros objejtos que serao vendidos pelo maior
preco
pelo agente Martins.
No armazem da rua do Imperador n. 48 as 11
Ueras da manha do dia acima.
LEILAO
DE
utaa parte do sobrado o. ?i. da rua dos
Quatro Cantos em Olinda, e uma dita di-
ta do sobrado janto ao mesmo a na mes-
ma rua.
Um piano novo com pouco uso, do um dos[me-
Ihoros fnbrieantes, uma linda mobilia de mogno
compondo-se de 18 cadeiras de guarnicao, 2 ditas
de bracos, 1 sofa, 2 entaulas com lamp'o de pedra,
uma rica coslueira, 1 toilet de jaearanda com
pedra, 1 apparador de mogno com pedra, 2 dilos
pequenos,2 consolos, 2 marquezas, 1 jardineira,
2 camas franeezas, uma rica secretaria de jaea-
randa com gavetoes, uma dita de amarello, uma
commoda de mogno, uma meia dita de amarello,
uma mesa elasttca para 30 talberes, uma secre-
taria dc mogno, cabides, quartinbeiras, lelogio, 24
cadeiras diveras, I guarda vestido, 1 guarda-
roopa, 3 qnadros grandes com vidros ovaes, 3
espelhos grandes e'pequenos, loucas para jantar
e almofO, jarros linos, Cguras, qiiadros, esearra-
deiras, garrafas de crystaes, lanternas, easticaes
de prata, nm palrteiro de dfita, I salva, computei
ras finas, earrinbos para criancas, bercjoe, uma
estante envidracada, garrafts c*im vinho. ditas
com cerveja, trem de cozinha, e outros muitos ob-
jectos que deixa de mencionar para nao se tornar
enfadonhn.
TERCA-FEIRA 28 DO CORRENTE.
A's 10 112 horas
0 agente Piiriio Rurgcs autorisado pelo Sr. Joa-
quim M. Marmho, o qual se acha ausente, fara
leilio dos moveis e mais artigos que acirna men-
cionamos, e qne serSo trnsp..rtadospara o I'an-
dar da rua do Bom Jesus. eutr*ora Cruz n. 50.
MiSOSDVfRSOS
-
Eseraw ftigiilo
300^000 de grntificacao
AU;entou-sc desde o dia 13 de main de 1872 o
prido de nome Alfredc, representa ter de 30 a 46
annos de idadi, e perfeito cozinheiro, alto bastaute,
e bem magro, pouca barl, oliios grande, e muilo
la.lmo, consta que tern pai no engenbo do Sr. Luld
de Cuiara, em S. Lourenco da M.uta. Estc pretp
foi cozinheiro dos n. gneiantes Adrlado & Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, e 'Ju^ase
que esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
cular nesia cidade, como forro : pede se a todas
as -autoridades e cantties de camp '. que q dtsco-
brindo, o'tragam a rna Duqae d.- Caxias n. 91, loja
de mhtdezas do rival som segundu, que serao gra-
tificados com a quantia acima.
Attencao
100^000
Gratifica-sc com esta quanti a quem agarrar a
mulata escrava, Balbina, baixa, cbeia do corpo,
cabellos cachiadns e ralos, que tendo sido ha tem-
po coriado, presentemente ainarra, tem uma pe-
quena c>catriz em uma das s"6t'rancelhas e outra
em nma das mSos do dedo pela parte do dentro,
que priva de abri-la pe feitainente, e ja andou
Joaquim Jorge de Souza actual mente na Eu-
ropa, e ne>ta cidade representado por seu procu-
njdor Vicente d"e Mirraes Mello, tendo-se associado
com sen mano Manuel Jorge de Sonza na padaria
da rna da Soledade n. 4 por tres annos a contar
do 1.- do jaueiro de 1870, cujo papel do train
fora rcgislrado no tribunal do commercio, fazem
sciente ao publico e especial ao commercio que
amigavelmente tem dissolvido dita sociedade des-
de o l.'de Janeiro do corrente anno, epocha em
que fiuiiara o referido contrato social, ficando
Joaquim Jorge do Souza de tudo exonerado e Ma-
noel Jorge de Souza com todo o active e passive
da mesma padaria, (pie tendo entlo gyradn sob a
firma de.Sonza A Irmao pasa a gsrar exclasiva-
menie sob a furaa de Manoel Jorge de Souza,
por so terem dado um .-o outro quitacao de todos
os compromisso coinmerciaes. ,
Recife, 23 de outubro de 1873.
Por procurarlo de Joaquim Jorge de Souza,
Vicente de Moraes Mello.
<__________ Manoel Jorge de Sonza.
3uim Luiz Goncalves Penna, ou a rua do Viseoude
e Goyaona n. 89.
AllOlliilll.
Procisa-se de um criado para nma c.tsa de
pequeua familia : a tralar na travessa do
Vigario n. 1, escrmtnrio.
3^=iv
commandante Mo
seguira para es
s acima no dia
" 0 agente Martins levara novamente a leilao, per
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio, as parte- dos sobrados. acima, pertenceotes a
massa ftltida de Manoel de Souza Carneiro Pim-
pfio.
No arhazem da rua do fmperador n. 48, ta 11
horas do dia acima.
LElLlO ~
dividas
na imporbmHa de '40:60090 Hoje
O Jgehte Martins far.i leilao, por conta e risco
dfe queui perwneer, das flfyidas arirta.
No armazem -da rua do lmporailor n. 48, as H
hbras do dia.
^adejanera'jfmao de rmateis e prediog.
Pugio da villa de Pio d'Alho em 3 do cor-
rente, o preto cnonlo, de nome Jaqnim, one re-
presenta ter 38 a 40 annos, alto e ci eio do corpo,
nariz afllado e pouca barba ; foi enconlrado na
Estrada Nova em direccao para esta pra-va, vesti-
do de cal a c jaqneta tranca, cami^a de mada-
polao, engommada e chapeo de bacta ; esta es-
cravo veio de Iguarassu em I8i3 a 1848, para
a villa de Pao d'Alho, om companhia de !"eu an
tigo senhor o capitao Jnse Felippe ; ha sete anno-
poneo mais on menos fez nma fupida igaal a esta.
foi pre?e em Ignarassd-, no engenho rnhaman, por
onde vagava : pede se asaatortdades puficiaes a
captnra do mesmo escravo, e qualquer ca;>it5o de
campo que o eapturar e conduzi lo a referida
villa de Pao d'Alho a seu senhor Antonio Anilines'
da Sltva, ou nesKi praca a Nicomedes aria Frci-
re, na lloa-Visia, tiavessa dos Pires n. 31, sera
bem recompensado.
ElMkU-VICHH.
rX6iiso ^6de outubro.
Recebe carga ate o
oiendas ant o dia Sa\ passagens
ate as 2 horas da tarde do dia
crtptorto Bo FoT!?* 7[b 'Ratios o.
---------
Onto
fma : pafa c*rg%
a rua do A'morl
A-
casa de paslo na rua de Lombas ValenlinaS
n. W, anaga ma tttslgvas Verdes
as It horas
i O agente Martins verfdar* o moveis, louca, trem de cozinha e raais perteu-
t^s dp. referido hqtequim, sabbado 25 do correnta.
^aodfe evariado
ABMIXIf TE*{;10 s PAHIZ. MlHETJilT MolmlilTlU.
PA8TTLHA8 DIGB8TTVA8 fabrictdas em Vichy
com os Saes extrahidbs dai> Fonles. SSo de goslo
agradaTel e a su.t arrao b certa conlra a Asia
e as digestoes diffireis.
SAES DE VICHY PARA BANHOS. Um role
por um banho, pare ae pessoas fue Die podom
ir a Vichy.
Para evitarat imitafOes
exigir em todos as prodaetos u marca Ho
CMTRUTE DO EST400 FflHCEZ.
Os prodaetos de acima acb9o-se .-
Em Pernambuco, TI8SET f'"i-A. REGOBD. 2
Prccisa-sc alngar um sobradinhu de um andar,
ou mesmo uma casa, terrea, com tanto que tenha
os commodos seguintes : 2 salas, 4 quartos, co-
zinha f6ra, c qnratel corn arvoredos c seja mu-
rado, prefere-se que seja na Boa Vista e em rua,
qne passe os bonds : -oVeni tiver e quizer nluzan
dirija se ao esertptorio deWe Diario, das 10 ho-1
raa da .njanha as 4 da urde, qne achara com
qaem tralar.
Para casa de peqoena familia'
preda-se an)gr nma ne'grinha de lo A 18 annos I
de idade : na rua do Dtique de Caxias n. 81, lo i
dja p. .mzeadas.
Afl
site
piano, mofailias, jarroa, espelhos o
bgjlpwii tafwin
Vm n'iaoo forte, t-fl?a Bwtl'.K?. nVlaAranfla
--- 0 abaixo assiguado dedara ao rei-peiiavel!
publico que tendo de retirar sc para a Europa a!
negoeio de familia, julgh qdo riada deve a
esta praja ; porem.se algnma prssnia rse acharl
com direito, apreseote seas documents legaesnoj
prato de olio dias, no uateo do Paraizo n. 15.
lftci% 23 Hi otitanro de 1873.
Franci Ooainheiro.
Prcis>>o du nm dozin'heiro : na rua Sova n.
9i, i,anaaf.
..yiNDE CUINCUIjNA
ftSHMGINEUXdeMOniER
Coiu Ualasa Pyrophaanliiita rfe
'*' EiUe vioho foi preconizado por lode, a
empnnea medical como sendo o mam poderoso
Uidico enpregado pre curtr a CbcokoDis,
AmMII 0 ExHA.VSTtfAO DO 8CH.
Deposito geral em Paris. 14, rue des Lom-
birds, (.aurrncrl, phaimaccolico.
Pernambuco, A. REGORD. o nas prfnei-
pies pbireiacia.-.
VELOUTINE
UMA ESPECIE DE
POS oe FLOR dc ARROZ
Especialnicnte preparados com
e por conaeguinte d'uma tcoao i
obre a pelle.
E'ADHERENTE e toUlmente J
STVELs dando a pelle urns fll Higf ia1
avoludadu naturave.
Preoo da CAixlnBa com befla S fr., eml
camvdeCh. FAY. 9,ru8delPU,PAmz.|
Deposito em i'tmamtmco, A. I









!



I
& Sexta
tspedaes para arrua-
Tste verniz, cuja tslta a;ui Unto sentom
Od Sirs, fabriear.t-s e possuidores gens, acaba de chegar para seu unico depo;
sito, dis seguintes qualidades.
VERNIZ SUI'ERFINO PARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' ura verniz muito claro e duravel para
s caixas de carruagens, para tod as as de-
mios, ou para a ultima '.sememe, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
horas, depois das quaes se expoe ao ar por
algum tempi, o que faz endureceir, e passa-
das 15 a 18 horas pode passar-se a caixa a
pedra pome e dar-lhe em seguida outra de-
mao. )ao e oom facihdade tres dernSos
deste verniz sobre as tintas, em Ires dias.
A primeira demio servindo de apparelho,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
am excellente brilho.
Verniz superior seccaiite para
earrviagens.
Este verniz e da mesma cftr que o ante-
cedente, ma; endurece e secca com mais ra-
pidec. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar se com o
anterior. A durac&o do verniz perni8nente
dimtnue a proporpao da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
NJo caixas ias carruagons. Emprega-se nos jo-
gosdas canuagens e tambem para as pri-
me! rasdemiios sobre cflres escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas 10 horas,
podeade dar-se em seguida cutra demio.
YernU pre to do Japfta, superior.
Hard trahilhos em preto de carruagens.
Produi: o preto mais cscuro e fcrilhante, e
pddepassarse a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre ura
fuude prcto e cobrir-se com outras duas de
verniz que se emprega nas caixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COUROS, BRILHANTE E
ELASTICO.
iEste verniz, contcndo na sua composic.ao
grande quantidade d'uma subslancia muito
semelhante aoazeite denom'madopieds bwuf,
4 o unico que dd flexibilidade aocouro ve-
4ho envernisado. Em geral basta uma de-
tnao qua deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto no sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e & sombra. mas ao ar
secca em 4. Em tempo humido e inutil tal
trabalho, por que nao e-possival tornar o
verniz elastico e scccante ao mesrno tempo,
Verniz para apparelho.
Depois de ter apphcado 2 ou 3 demaos
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-
ve-se deixar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no fim dos quaes se pode pulir com extre
ma facilicidsde. E' essenciaimente neces-
sario cobrir este >crniz com duas demios do
verniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE.
Mis*.ura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais facilmente e para Ihes dor
maii consistencia.
LIQUIDACAO DIFAZENDAS
NA
iperatria n. 60

pi
ail
Veiide fazendas [>ara liquidar, por baratissimo preco como
abaixo se ve:
Pereira da Silva & Guimaries tendo em ser um graiide depozito de fazendas,
tern resolvido fazer uma liquidacio das mesmas com grand* abatimento nos preens,
com o unico fim dd spurar dinheiro, para o que convidam nao so < s seus numer< sr s
freguezes, como o respeitavel publico, a vir surtir so de rauitis fazendas, bo;s ebaratas
noscu esUbeleciroento denominado oPavioa rua da Imperatriz n. 60.
. Como nao e necessario dar lustro a ultima
demao de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, convem di-lo
n'um local scparado aonde nao baja p6.
(Juando a obra urge,' deve por-srt A sombra
e ao ar livre depois de secco, isto e, passa-
das 12 horas, lava-so e enxuga-se bem com
uma esponja humida. (juaiitas mais vezes
sefizeristo, mais brilhante ficari o verniz,
e mais depressa ss tormina ri a carruagem
femcaso necessario tres dias depois da ulti-
ma deflator). Durante as duas ou tres pri-
meiras semanas deve se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de "ter ser-
vido.
Os frascos devem conservar-se sempre
hermeticainento tapados, o resto do verniz
nao se deve deixar dear no frasco, e pode
usar-se para as primeiras demies.
Nao dete inisturar-se com este verniz ne-
nhum outro ingrediente, nem.agua-raz, e
de nenhuni modo com o seccaivte. E' pre-
ciso limpar bem os vasos e os pinceis, e o
melhor e servir um piucel para cada ver
niz.
Depesito unico para o Brasil., Bartholo-
meu & C, Pernambuco, Rua do Rosa-
rio n. 3i, ___________________________
Uma pessoa habilitada offereco se para cen-
sor em algom collegio ; quern preo.sar de seas
servifos dei:ce carta fechada com as iniciaes S. C.
na ma da Gincordian. 111.
las seabres vondelhoes.
Vejam (\v e a liberdade do commercio deve ?er
onse:rvada, porijue em algamas pfovracias ja e
uso antigo e nao su qaeixam ; qual c motivo por-
que nlo qu<;rem a lei de se fecnar u commercio,
sera porque nao vendem nada de manba aos do-
mingos e dias saatos ? Pois cremos qne nestes do-
mingos que tem -se fechado terao vendido o mes-
rno. A d (Terenca apenas ceta sido di 40 a 80 rs.
de car na ; ura deixem-se disso, que torna-se em
prejciio da iiopulajao, pois bem esliio vendo quo
estes poucos domingos qne se lem fecbado tem
eslado ^ocepadas as foeguetias, e ja nossas fami-
lias podem passear corn mais confiar^a do que ate
agora.
Viva.a liberdade do eoiumercio ni geral desla
cidade.
Viva.a aarao brasileira.
_______________Diversits pais de familia.
Aluga-se o 1" jndar daeasa da rua do Com-
mercio n. tii, proprio para escriptoric pela locali-
Jade, oa paia familia pelos con modo* que oflere-
e: atrataiora Antonio Correia I e Vascon cel-
los, Bi. rua do Crespo n. 13.
f.AMBRAIAS A 49, 43JS500, 59, 69 79-
O Pavao vende um magnifico sortimento
das mais finas cambraiaa brancas transpa-
rentes, tendo 10 jardas cada peca, pelo ba-
rato pre^o de 49, 49500, 59, 69, tendo tam-
bem das mais finas que custumam vir ao
mercado, assim como um grande sortimeato
de ditas tapadas e victorias que vende de 49
ate 89, sendo fazenda que valle muito mais
dinbeiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59.
O Pavdo recebeu um elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos miudinhos de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
preco de 59, por ser pechincha, ditas com
salpicos todo branco sondo fazenda finissiina
a 79500 e ditas a 59000.
VESTIDOS A USO DA CORTE 129
0 Pavdo vende um bonito sortimento do
cortes de vestidos a uso da corte, trazondo
cada c6rte todos os enfeiles necessarioscomo
sejam : babadinhos, ontre-mvios, rendas,
requefifes, e vende pelo barato preco de 129
cada um, assim como, dios a 2 de julho
com todos osenfeitesa 109. cortes de cam-
braias brancas abertas, com listras e lavores
a 69, ditos finissimos a 89, ditos de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, e pechincha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pavdo vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359.
C'iiitoN a 09000
0 Pavao recebeu um elegante sortimento
dos mais m dernos cintos de setim para se
nhoras, com delicados lar;os do mesmo se-
tim e vende pelo barato preco de 09 cada
um, assim como um grande sortimento dos
maismodernos espartilhos, que vende de 39
ate 69.
CASSAS FBANCEZAS
a 300 rs, o covado
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinnos a 640 rs. a vara fi-
nissimoiilo branco liso ede salpicos, etarla-
tanas de todas as cores.
BORNOUSA 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous combonitas listrase
vende pelo barato preco de 129 cada um,
nssirn como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales demerind e com listras de seda.
I.AZINHAS A 320
0 Pavao vende bonitas Idzinhas lisas,
sendo verdo e cor de lyrio, pe'o barato preco
de 320 rcis o covado, assim como delicadas
lazinhas de quadrinhos a 280 reis, e pe-
chincha.
Granadines a G40
0 Pavdo vende um elegante sortimento
das mais bonitas granadines ou gazes de
seda para vestidos, tendo de todas as cores
francez muito lino a 39000, apenas precisa
1, '/* metro para um lencel.
CHALES BARATOS
a 29, 29500, 49.
0 Pavdo vende chales a emitacdo de me-
rin6 a 29, ditos de merin6 lisos de todas as
cores a 29500, ditos de merin6 estampados,
muito linos a 49, ditos finissimos com lis-
tras de seda a 69500, ditos muito fiuos de
crepom a 109 e 129.
.4lgodiU eiifestado a 19 e 19*8.
0 Pavdo vende algoildo eufestado~com 8
palmos de largura, proprio para lengdes
sendo do mais encorpado que tem vindo ao
mercado, liso a 19 a vara etrancadoa.....
19280.
ATOALIIADO A 19600, 29, 59.
0 Pavdo vende atoalhado trancado com 8
palmos de largura a 19200 e 19600, dito
adamascado a 29, dito de linho adamasca-
do a 39 e 59.
SEDA PARA VESTIDOS
a 19600 e 29.
0 Pavao vende um bonito sortimento de
sedas com listrinhas proprias para vesti-
dos de rneninasede seuhora a 19600 o co-
vado, ditas lavradinhas a 29, os padroes sdo
muito bonitos evende-se por este preco para
acabar.
I to I in as a .V>000
0 Pavdo tem um completet sortimento de
botinas muito been enfeitadas para senhoras
e vende pelo barato preen Je 59, artigo que
em outra1 qualquer partecusta 9 e 79.
LENCOS BRANCOS
' 29000.
0 Pavao vende lencos brancos ab inha-
dos, tanto para homens como para senhoras,
a 29 e 295('0 a duzia, ditos de eaguiao e
cambraia de linho t mbem abainhados a
39500, 49, 59, d tos francezes escuros, para
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOMEM.
0 Pa*do vende ricas camisas com peito
de linho bord das, proprias pra noivo a
106 e 129 cai)< uma, ditas de linho sen se-
rem borl das 49, 49500 e 59, ditas com
peito de algoddo muito finas 29, 29500 e
39, ditas dochita fina miudtnln a 29, 29^00,
e39,'Ssim como grande sortimento de ce-
roulas francezas tanto de linho como de al-
goddo de 1-3600 ate 39, gr nde sortimento
de mei s cm s inglezas de 49 ate" 89000 a
duzia
MM i hh
aRua do Marquez de Olinda 56 a
(utr'ora rua da Cadeia)
LOJA DE MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal e recommen-
iado pelos grandes depositos e bons sortimentos com que sempre prima em ter das
melhores, mais acreditadas e verdadeiras mochlnas anaericanas para algo-
do, desde 10 d 60 serras, e havendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
mas e melhoramentos para perfeito e rapido descarocamento ; tornam-se dignas de
serem vistas e aprectadas pelos Srs. agncultores; os quaes, alem disto, encontrario
tambem mais :
Augnslo Trajano de Holt
Dr. em uiedicioa pela bei
de Janeiro, cliegado ha pouco da Europa, ,
' oode no* melhores ho-pitaeadadiew-se '
Wt o cstudo Ao Mia prulisMO, e 0ia fll-
Mt p^cialidade as operacdes e ai moiafkas
^ dos olhon, tem o seu escriptorio na raaa
9 de sua residencia a rua Du |ue de Caxias
L (iniiga das Cruzes) n. 0, 3 andar. ML
2 Coiwultas das 7 as i) hora* dp rnanha
m Gratis aos p<'br-s. W.
Garanhuns.
Na mi do Barao da Victoria a. M, praciBa-ee
allar aos Srs. Pedro d Rego Chavea Paxato a
ose Paes da Silva, a negocio de particular inte-
Apurados vapores locomoveis, deforca
ie 2"i e 3','j cavallos com todos pertoncas
precisos para trabalharem 4 machinas para
ilgoddo, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladei-
ra.
Garros de mfio para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
FAZENDAS PARA LUTO
Ao
commercio
XoJo PrancUco de Sotjza e Frederic.o .yves Pe-
reira Pinto deelaram one detde o I" de selembro
dissolverara amigaveknente a sociedade que li-
nbam aa loii de lazeadas a rua do Marquez de
Olinda n. w qne gyr.iva sob a lirma de Frederieo
Pinto (JC., iieando todo o active e passivo a eargo
do ex-ffleio Frederico Pinto, e o socio comman-
ditario Joaa FrAncisco Ie Souza livre de toda a
responsabili.bdc. Recire, 22 de si'temliro de 1873.
0 Pavao tem um grande sortimento de
fazendas pret s para luto como sejam : c s-
s s, Ids, ou Idzinhas lisas que vende a 400
e 500 reis o covado, bombazinas de 19600
ate 29 o covado, cantdo a 19 e 19200,
granadine lisa com listras, cassas e chitas
todas pretascom listras e salpicos, r I picas
todas pretas e lavradas do branco, merin6s o
outras muitas fazend s apropri das, qne se
vende por menos do que em outra qu Iquer
parte.
MADAPOLOES ENFESTADOS
a 39000.
e vende pelo barato preco de 640 r<5is o co-! PavS'i ?'?nil,e P6*?? de,ma vado e granadine preta com listras de soda tadocom 12jard sa 39, ditoa 39o00, d.to
a 19800. com 20 Jar,,as a ^>'i0 e 6W>0. di">
com 24 jardas de59 ate 89 e 109, sendo os
CORTES DE.LA JAPONEZA A 209. mais finos que tem vindo ao mere do.
0 Pavdo vende os mais modernos cortes! *irm*..i, i^aaa
de la japoneza com delicadas palmaso listras' Aldalnbo a 49000.
de seda, p?lo barato prero de 209, assim! 0Pavdo vende pecas de algodaozinho
como fin.ss.mas ldz.nhas lustrosas do uma so' maito f ncorp,no i;dit0 w w.
TAPETES
0 Pavao ven le tapetes grandes para sofd,
CORTES DECASEMTRA A 59.
cor a 500 r;is 0 covado.
I.AZINHAS A 360 0 COVADO.
0 Pavdo vendo bonitas lazinhas transpa-
rentes com palminhasa 360 reis 0 covado,' sendo para quairo cadeiras a 259000^ ditos
ditas ditas mdianas com lindos dezenhos, mais pequenos de79 ate 129, assim como
tanto em listras como em quadrosa 280 rs. pannos de croche' proprios para encosto de
o covado, e grande sortimento dealpacase cadeiras t-nto de balance como de guarni-
lazmhas de 400 a 800 reis. gdo e para sof I.HITAS DE CORES COnta'
a 300, 240, 280 e 320 rs.
0 Pavdo vende um grande sortimento de
bonitas chitas tanto claras como escuras e| 0 Pavdo vende um grande sortimento de
vende de 200 ate" 320 rs., assim como ditas cortes de casernira para calces, com bonitos
com listras aolado muito finas a 360 e 400 gostos, rlaros e escuros a 59, ditos de 69,
rs., finissimas percales miudinhas com lin- 79, 89, ate 109, superiores casemiras fran-
dos dezenhos a 360 e 400 reis, garantindo cezase inglezas, para covado, de 39500 ate
serem todas de cores fixas. 6$, paunos pretos ede ores dos mais bnra-
,n tos e mais linos que teni vindo ao mere-do,
UiobtUA!* A 29, 29500, 39, 49. por pregos muito razoaveis.
0 Pavdo vende bonitas cobertas de chita
com ramagem grauda, pelos bnratos precos
de 29, 29500, 39e 49, ditas encarnadas Roupa fella
forradns a 59,-ditas defustdo branco e de cor -----
com barrns a 19 e 59, ditas de croche para] 0 Pavao, tem constantemenle um grande
enma de noivo a 69, ditas muito ricas a 169, sortimento de roupas feitasp8ra homein, que
ditas de damasco a emita^do de seda a 109 vende por preco muito em conta, como se-
Para sitio
Prcipa-se de um Wabalhador pn-a tratar de
nm sitia pecioeno : a fallar na rua No a n. l!l%
t' andtf.______________________
Do<3es, frucias, flores
Ma it (In Crux n. 6 prcparam-so bourjuets (!e
cravoe pra !., bailes e dias de unnos, 0 me-
nor qild^te pode /lesejar. ________
I -. JPde-se
ao Sr. .I0S0 do Cmto AKes da Silva para vir a rua
das Cinaa Pontai a. 03, a Mp4o do I'cu particular
intere??e.
e 149.
Fasides
0 Pavdo vende fustoes brancos e de cores,
sendo as mais bonitas cores que tem vindo ao
mercado, tanto para roupa de crianjes como
para vestidos e roupas de homem, e vende
pelo barato preco de 560 atd 19, oeovado.
BRAMANTES
a 19600, 2*2.0 e 29500.
O Pavdo vende bramantes de algoddo com
10 palmos de largura para lenc6es, pelo ba-
rato pracode 196*0, dito de i.uho com a
oiesma largura a 29, 29200 e 29500, dito
jam :
Calcas de brim de cores de 29500 ate 69.
Ditas do casemira escura a 39500.
Paiitots da mesma fazenda a 49500.
Calcas de brim p^rdo de 29 ate 50.
Dit s de casern in de corde 7* ate 42*.
Dit^s de casemira preta de 79 ate 14*.
Paiitots de panno preto de 49 atd 129.
Fraques do pann preto fino de 209 ate
359000.
Calg?s brancas de linho de 49 ate" 79.
Colletes de casemira de cor de 39000 ate"
59000.
Ditos de dita preta de 49afci 79.
Ceroulasfr-ncezas de linho e algoddo, para todos os precos e qualidades, assim
como grande sortimentJ de meias cni-s, camisas,
precos rnuit'j r*zoaveis.
ler.lihos, qne tudo se vende por
'------!----------r-t-------
Atlen^ao
Alof *m-M du** boas caws na Capuaga, rua da
Aluga*euma hoa rasa propna para pa??ar Vrtilur-, rom romnodet tfwa tamilta. asquae
aJpy.a, na povoiiSo do Monkiro, rna da Ponte n., ?5o fre*oas e eio rafada* e ^infnda? :- a tratar
- 0 Dim. Sr. Dr. Leopold') Cesar Duqoe Eftra-
ga, formado naaiademia de Pernambuco em 1873,
Blbo do lllm. sr. Joaquim Leopoldo do Figneiredo,
d cnamado a loja de Araaral, Nabueo 4 C, rua
>ova n. 2, a nt-gocio qu nanignora.
ia? n. 71
m.r
Ternos de bandeijas Unas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Pertencas avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Moinhos de diversos fabricantes para mi-
lho e cafe".
Debulhadores para milho.
Azaitc de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferrciros.
Conliniia a estar fogido 0 escravo pardo, de
nome Trajano, o qual coosta ler andado por Olin-
da, Beberibe, e ultimamente fbi \\sto em Igoaras-
sii, iniitulandu-se de forro, e tem os siguaes se>
guintes: falta de dentes, pouca barba, baaante
amarello por sotTrer de Irialdade, (alia descancado
e um pooco fanho;o : roga-ae as autoridadea po-
liciaes e aos capiUes de campo a apprehensao de
dito escravo, e o favor de o levarem ao abaixo as-
siguado, a rua do Tigario a. 31, andar, qua
sera gratifleado.
Domingos Alves Kathans.
Trens para cozinha.
Emtim muitos outros artigos, que soavista e neste estabeleomoderSeertp
ixaminados.
BAZAR DA RUA DIREITA
HOJE
MARCILIO DIAS N. 51.
Este estabelecimento sempre solicito em offerecer a conenrrencia do respeitavel pu-
lico um completo sortimento de miudezas, calQado francez, chapeos 0 quinquilharias a
recoa os maii razoaveis possiveis, para 0 que recebe quasi todos os seus artigos de pro-
?ria encommenda da Europa e America, vein Jar publicidade de alguns artigos por cujos
ireQos bem se pode avaliar os precos de outros muitos que se tornaria enfadonho pu-
liear.
MIUDEZAS. MIUDEZAS.
14 para bordar, da melhor qualidade, 1 Brincos dito de dito por 29500.
.bra por 59500. Bot6es de setlrn Pretos e de cdres-
Agulhas francezas, fundo dourado, a cai- rs-e HWOO a duzia.
cinha com 4 papeis a 60 rs., 240 -s. | FranJs brancas de seda de todas as lar-
Voltas de fita de velludo com lindos co- Suras HWOO e 19400 0 metro. _____
coes Gngindo madreperola, a 500 rs. 1 Dltas de cores e Pretas a 80 e HWOO 0
Voltas para 0 pescoco, fingtndo camafeu, me^r(?; ,
sorapanhadas com 1 par de brincos seme-. fta,Ses Pretos de ****> de m'l"8;osto de
aante, tudo por 29500.
iinda esla fugida
a escrava Matildes. desde 17 de marco do corrcnte
inno, de 33 annes rte idade, preta erioula, esutu-
ra regular, cheia do corpo, pernas Unas, tem ana
earecos no rosto que pareee espinhas, falta de
dentes na frente da parle de cima,_ falla muito
mansa que as vexes desafia compaixao, boa cozi-
nheira e engommadetra, e filha do Para, foi eom-
orada a sogra do Sr. commendador Luceoa, 6
muito conherida por ter eslado alngada em casa
da Manot-lla xlu inspector, n Munleiro, ella intitu-
la-se de forra e tem sido vista no Poco da Panella,
Monteiro, Caxangi, Magdalcna e aqui no Recife :
pede-se encarec damente a todas as antoridade4<
policiaes e capities de carrpo a m. apprehensao,
assim como sc pede a quern tenha atnas que ve-
rilique nessas que dizem ser forras. pois consta
estar ella de ama que nao sahe a rua, quo se gra-
tificara com a qnanna de I0(* a quern a levar a
eo senhor, na rua do Livramento n. 1, a Antonio
de Paiva Ferreira ; e protesta-se haver os dias da
servico de toda e qnal'iuer pessoa que a tenha
occnlta em sua casa, na forma da lei.__________
Saqikis pani dulas ?is cidades e
villas de Parln^al.
Carvalho & Nogueira, saccam' sobre o
banco commercial de Vianna, e sues agen-
das em todas as cidades e villas de Portu-
gal, qusjquer quantia d vista ou a prazo e
por todos os paquetcs: i rua do Apollo
a 800
toduS
n. 20.
CRIADO
Ifa rua Duque de Taxias n. 86, 1*
cisa-se de um rapaz para criado.
andar, pre-
Linha branca de 200 jardas em carriteis,
jropria para costura de machina, a 800 rs.
1 duzia.
Dito de dita de Alexandre, numeracdo a
< Diademas dourados de 19500 a 39000.
Ditos de tartaruga com flores a 29000.
Oitos com borboletas a 19500.
Brincos encarnados 1 par por 500 rs.
Ditos de plaquet de 500 rs. a 29000.
Ditos dourados, duzia de pares, a 19500
29000-
Voltas do aljofares com brincos, a 29500.
Ditas de ditos com coragdes a 19000.
'* Ditas de ditos de contas com cassoletas, a
00 rs.
Hosetas de plaquet a 19 e 19500 0 par.
Gravatas de seda para senhoras de 19200
1 23000.
**arures com 2 lacos para cabeca e peito
49 e 49000.
Entremeios e babadinhos bordados de 360
s. a 29400 a peca.
baldes de seda brancos e de cores, de
.8500 a 29500 a peca.
Ditos de algoddo e seda, de 19 a 19400
peca.
Ditos de algoddo, a 100 e 500 rs. a peca.
Trancinhas de cores, a 100 e 500 rs. a
x'ca.
Leques de marfim a 59 e 89000.
Dites de sandalo a 49500.
Ditos de madeira imitando, a 29000.
Ditos de papelldes a 19800.
Coques para senhora, a 39, 39500 e 49.
Aderecos fingindo coral, compondo-se de
dfincte e brincos por 29000.
Dito dito pretos por 29500.
Ditos de plaqnet, compondo-se de alfinete
1 brinco, sendo de muito gosto, por 59000.
800 rs. a 19000 o metro.
CALCADO FRANCEZ.
Botinas pretas gaspeadas, para senhora, a
i9500 o par.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, a 59000.
Ditas pretas enfaitadas, ultima moda, a
69000.
Ditas dita de cores, canno alto, enfeitadas,
'a 59500,
Ditas para meninos, pretas e de cores, a
39 e 49000.
Completo sortimento do calc,ado do case-
mira, Charldt, tapete e tranca, mais barato
lOl
do que em outra qualquer parte.
CHAPEOS.
Ricos chapeos de palha dTtalia, para se-
nhora, a 119000.
Ditos ditos palha escura, da ultima moda,
a 169000,
Completo sortimento de chapeosinhos para
meninas e senhoras, de 29800 a 59000.
Chapeos de sol de sSda, inglezes, cabo de
marfim a 169000.
Ditos dito de merin6, cabo de metal mui-
to bonito a 59500.
Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 69000.
Ditas dito cabo de marfim a 99000.
DIVERSOS ARTIGOS.
firanadine para vestidos^-fazenda da ulti-
! ma moda, com listras de seda, a 650 0 co-
j vado.
Pannos de crochet para cadeiras, a 19800
e 29000 cada um.
Ditos para sofd, a 39 e 49000.
Toa.lh.as de linho para rosto, a 19300 cada
uma.
Ditas de algoddo alcoxeados, a 640 rs.
Colxss de croche't para cama de casal, a
69000.
^
*=/
-sr/.
'WBltJ

"*QJO BXO^'
-i\
4
last-
XAROPB PIITOSAL JAMES
OPTIMO REMEDIO CONTRA
TOSSES, MOLESTIAS de PEITO i PHTYSICAS
ensaiado e approvado nos hospitaes de Lisboa,
legalmente auctoriaado pelo Conselho de Sande Publica,
aactoriaacSo que se aclia rpronhecida pelo -^
Consul geral do Imperio do ftrazil.
A qucra iateressar
Pereira da Silva & Guimaries, proprietarios da
oja do Pavao, previnem pelo preseote a seus fre-
guezes desta pra', a, que se acham com seus debitos
atrasados, que se nao saldarem os mesmos atd 0
dia 30 de ontubro do corrente anno, tratarao do
cobrar jndicialmente, nao tendo contemplarao com
ninguem.
Recife, 34 de setcmbro de 1873.___________
Precisa-se de uma eugommadcira, uma cozi-
nheira e um criado para compras ; na rua do
Hospicio n. 40.__________________________
Qnem tiver achado nm mapo de papel, cons-
tame de recibos de decimas.de alugueis de casas e
umas cartas de flanca, e querendo enlregar, p6de
dirigir-se a rua da Cnu n. 49, que sera recom-
pensado.___________________________
Ataftrsa uma casa com bons coromodos, na
povoacao da Torre : a tratar na rua do Imperador
n. 30._________________________________
0 abaixo assignado faz sciente aos eredores
da taverns da rua larga do Rosirio n. 31, sob
a firm a de Santos & Araujo, e a quern mais inte-
ressar que recolheu a deposito publico as chaves
da mesma taverna.
Recife, 21 de outubroo de 1873.
Joaquim Rndrfgnc* da Costa Santos.
No engenho Bonito, comarca de Nazareth, pre-
cisa- >e de um leitor : a tratar com Leal & Irmaos
a rua do Marquez de Olinda n. 56.
Hotel chinez
21Rua da Imperatriz21
Esta aberto a concurrencia do respeitavel ].u-
blico este novo e bem util estabelecimento. Rece-
bese assignaturas mensaes, e promette-se ter
sempre sufilcientes comedorias para se fornecer
muito. 0 propridario deste n vo estabelecimen-
to prometle servir o melhor que se pode desejar,
e por precos muito resumiJos. 0 qne se torna no-
tavel nestes casos, 6 o asseio e oromptiSo *, e nem
so se pode affiancar isto, como tambem se garanto
as comidas serem muito bem feitas, visto que tem
nm cozinhoiro de primeira ordem. Havera todos
os dias sorvete das melhores fructas conhecidas
entre nos. Espera-se a concurrencia do respeita-
vel publico.____________________________
Cm homein portugucz, casado, tendo uma
menina, se offerece para caixeiro de alguma casa
de molhados, ou mesrno para caixeiro de engenho,
do que tem bastante pratica, o qual e bastante co-
nhecido ne.'ta pra<-a : qnem precisar annuncie.
0 Consultorio homeopa- &
m. thico M
W Do
Dp: Santos Mello J
41------Rua do Imperalor------41 ift
Consultas todos os dias das 11 a I da c
tarde. W
1GL Gratis ans polices. fi>
Residencia a rua Nova n. 7. segundo 2
9 andar, onde da consultas das 6 as 9 da 5K
manba e das 3 as 5 da tarde. |X
_ Chamados a qualquer hora. g
00000 00000 000
Paradia de iiiiados
As flores naturae? sito as mais proprias para
esse dia, e por isso todas as pessoas que precisa-
rerri de grinaldas muito bem feitas, devem mandar
snas encommenuas na rua da Cruz n. 6.
UNICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
Rna largfa do Bozario
L

i


Doces, fructas e flores
Na rna da Cruz n. 6 apreraptam-so encommen-
das de banteijas com bolinho*. doces, pio-de-16,
bolos, pudins e presonto em flambre para casa-
mento, bailes e outros, doces d'ovos e fruetas crys-
talisadas e de calda, geleas differentes, dita de mto
de varca, tudo muito hem feito.______________
Doces, fructas e flores.
Na rua da Can n. 6 tem lodes os- dias sorvete
das 11 boras em diante, gelados, refrescos e-xaro-
pes de todas as qualidades._________________
Pede-se
ao Sr. Joao Goncalve Ferreira Leraos, para vir a
rua das Cinro Ponus n. 93, a negocio de seu par-
ticular inleresse._______________________
I're.-isa-se de mn faixeiro, prefere se po-
logupz : i>a rua Direrta do* Afogados n. 17, pj*
daria. Na mesma vrnde-se. um cyliudro ieglez.
Vmoe-hf a lavirna do paler do rileiia de S
Jose n. II, hem afregue.ada j-ara terra e iratlo.
com pouros funnV.s, propria para algwm price*-.
piante, o^rooiivo da venda se dira a quern pre-
totNle-la :'k tratar na rtipfnw cu na rna Tliem/ ae
UkM
-..%
v
"-'
^i"


i

I
.
I
k
:
!

i
IM de gratificacjy.
Putfo do engenho Arariba 4* ftahto, na fre-
gueziji do (abo.no dia \ An eorretite mez,
cravo.JpJtj||te.Ofn os signacSeguiiil<
** 3ifcc0 m"'s ou rM(MM< '<"' r*t|u-
lr, IM Wbexigas no rualo, |hjs pros
C0|IBBiHWiirhris, c pnrei'e *)iTrer eahr dc
1gad|g ppprelieuli:r, lovfg. no referW engei| |q senhur Joao Luiz (Songalves far-
"b, rua da Madre de Deus n. 36,
VAPOR FRANCEZ
RUA DO BARAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
r encouraqado!,
Rajg-se w Dim. Sr. Ignacio Vijira de Hello
crnrBi etiade de Nazareth deeti provincia, o
frvor de vir a rua Daqne de Caxia*. a. 36, a con-
cluir aqaeile nefodo qne S. S. se camproraettea a
realisar, poia terceira chamada dj e jornal, em
Bns de deuimbro de 1871, e clepois para Janeiro,
passon A fc-rereiro e abril de 1871, e nada cumprio;
potr este mou>o de novo chaniiido para tlito
1m, pois 8. S. se deYe lembrar qne into negoeia i
w m-iis de eito annos, e quando o !$r. sea nlbo se
achax-a nesia cfdade.
Atagj.se o armazem de recolher na rua do
Barf* n. 11 : a tralar na rua da Praia n. :W,
a trttar com Jose Feliciano Nazareth.________
Procisa-se de am eaixeiro aim praticsTde
taverna de IS a 16 annos : na rua Imperial nu-
mero H.
0 Sr. Antenio Luix da Costa, qne foi nego-
eianui am Olinda, na rua de S. Itento n. 45, 6
chamindo a mesna cidade.a rua do Commercio n.
84, a negocio qae S. S. bem sabe.
Consult orio medico
DO
Dr. Murillo.
RDA DA CRUZ N. 16,1. ANDAR.
Recem-chegado da Enrepa, cade fre-
quentoi os hospitaes de Paris e Londres
Sode ser procarado a qualquei hora do
la ou da nente para objeeto do sua pro-
fitsao.
Consultas do meio dia as duas horas
da tarcle.
Gratis aos pobres.
*pecio/idtifcs.=Mole8tias da pelle, de
crianca. e de mulher.
Emprega no tratamento das molestias
die sua especialidade as duchas frias e
hanhot a vapor, para os qnaos troaxe
os apnarelbos mais moderna.Tiente em-
pregados na Europa.
Tambem applica com grande proveito
no tratamento das molestias do utero a
electricidade, pelo processo do Dr. Tre-
pier. Cora por nm processo inif iramente u
novo as bjennorrhiagias e sobre tudo a Q
/ (g3tta militar) dispensando as taj,i'.cc9es. Q
r *$&*$
C0NSULT0RIO X
HEDICO-GIRURGICO jg
* 00 ft
m Dr. J. M. Carlo .
Rua do Harqoez de Olinda n. 25, pri- &
Galcado
francez.
lua ilo Marquez de Olinda n.
meiro andar.
Consul ta das 9 boras as 11 da manba.
Chamados a qnalqner bora. ft
0 relojoeiro e dourador Albino
Baptista da Rocha, de volta da
Enropa, continua a encarregar-
se de cencertar a dourar relo-
gios, bem como outros objectos;
rogando a sens aioigos e fregu.e-
zes o obzeqnio de procnra-Io na
travessa da rua das Cruzes n. 14, 1.* andar, por
detraz da praca da Independencia, que o encon-
trarao prompto. A garantia de sens trabalhos e
o faze-los por prejos modicos; assJoi como tain-
hem rende relogios.
Venham.
Bernardo Goncalves dos Santos, negociante em
JaboatSo, previne a seus devedores para virem
saldar seus debitos ate o nm do corrente mez ou
da contrario serao chamados a juizo.
Bernardo Goncalvos dos SanUs.
Attenqao.
Vende se abacachis de Goyanna, doces e gran-
des, a preco commodo : no caes do Ramos._____
Escravo fugido.
100#000 de gratifica^ao
Desapparecen de novo, de bordo la barca bra-
sileira S. Josf, o escravo Joaquim, preto de na-
;4o, o qual anda bem vestido e calcade, deixan-
do crescer ds cabellos a modo de rneia cabelleira.
Esse escravo pertenceu ao fallecilo Dr. Olym
pio V arcellino da Silva. que o havia comprado na
provincia de Minas fern S. Joao d'Sl-rei ou Oura-
Preto), e com ello seguio para o Pio de Janeiro e
d'alli para esta provincia, donde foi para Maceio,
tendo o vfndido alii a Juslino Epaminondas Ne-
ves, a qnem o compraram os aba xo essignados.
Sabe cozlnhar, occunacao a que -,ava dedicado,
e conbece se peh falla que e afncar o.
Oflerece-se a gratilicacao acima a quern o ap-
prehonder e roga-se a todas as antoridades a sua
eapttira.
Recife, (i de outufero de 1873
Jose da Silva Loyo & Filho.
Boa casa para a festa.
Aluga-se uma excellente casa no Monteiro, tra-
vessa do XJsto, a qaal se acha em muito bom es-
tado de limpeza : a tratar na rua Primeiro de
Manjo. antiga do Crespo n. SO A, loja de Gorge!
do Amaral & C.
GASA DO OURO
Aos 5:OOOr4MH>
Bilhetes garantidos
hua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
*i. 63, e casa do costume.
Achara-3e a venda os muito felires bilhetes ga-
-antid03 da IS" parte da loteria a beneficio dos
orphans c orphas, que se extrahira no dia-29 do
corrente n>ez.
Pre^oa
Inteiro 6^0C0
Meio 3*000
Quarto 1#K)
De 1001M0 para clmu.
Inteiro 5*500
Meio ifVM
Quarto 1*375
Recife, 11 de natubro de 1873.
Jodo Joaquim da Costa Leite.
Boa-Vista,
Vende-*e a taverna da rua da Imperatriz n. 51,
has ante ,-ifreguezada para terra, e muito boa pa-
ra urn priocipiante visto tor poncos fundos e os
donos so a vendem por qnererem apartar a se-
ciedade, a quern a pretender dirija-se a rua da
SanU Craz n. 74.________________________
Por ordcm do Sr. provedor la irraandade da
Senhora Sant'Anna, eiecta na igreja da Madre de
Deos, con vide todos os nossiM irraaos a se reuni-
rem no eonsistorio da mesma igreja, Do dia 25 do
eorrent* mez, aflm d3 se tratar do arrendamento
do armazem pertencente a dita innandade, isto as
6 bins da tardo.
Cowist )rio da irmandade, em '.It do outabro de
1873.
O eicrivao
Manooi de Aieiedo Pontes.
3:aho de Peraambuco Sexta feira 2i de (hitotim ie 187i.
Precisa- dt onla ama para la-
va r e rozinbar am CJ|Mi de pciiuena
fan-ilia : jia rna doCnpibaribe nu-
iiu-ro
\m'i Q'iiin pfieiwr deltas amns para
S\iuan ltli.J ,tMr,-iytt dkjia-f; a i ;ateo da
usiriz de H#B|> 4u pruinpuint uhJ
ilm.i ama para
\ \| cii?: \ VTi& do Lorpo
1 ill ft Santo n.. 17, andar.
PADlRIt
F'az-e nefocio com a 4t ruji de Vidal de Ne
creiros ii. 147. que foi do Csmpot nma das dm
Ibw-ea naquHa rua, on umbe n se admitu urn
tot con algum capital ; o m >::ivo e por."|ne o
i eocarref^ado da mesma tern do relirar-se para
for, (i-1 '-:v'-vu. i ">,'v> '< r J
BOTINAS de beaerro, cordavao, peHica, lnstre e
de dnraque com biqueira, dos melbores
fabricantes.
SAPATOES de bezerro, de cordavao e de case-
mira.
SaPATOS de lnstre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, jitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca
franeezes e portngnezes.
Para senhora.
BOTFNAS pretas, brancas e de cores diflerentes,
lisas, enfeitodas e bordadas.
SAPATINHOS de phanUsia com salto, brancoS,
pretos e de cdres differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para meninws.
BOTTNAS pretas, brancas e de cores differentes,
iisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de divereas qualidades.
SAPATOS de tranca portngnezes.
Para meninos.
BOTINaS 4e bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
qualidades.
SAPATOS de tranca franeezes e portuguozes.
Botas de montaria.
F.otas a Napoieio e a Gnilherme, perneiras
meias perneiras para homen-, e meias perneiras
para meninos.
,-No armazem do vapor francer, a rua do Bario
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de gnernicSes,
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costa-'
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
levoa, e os mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7, ontr ora Nava.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
BMonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Bario da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfiimarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agna de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
cosueticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presents com frascos de extractos, cai-
xinhas sorlidas e garrafas de differentes tama-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira qnali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
dray.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de diflferentes gostos e
phantaziaa.
Espelhos dourados para .".las e gabinetes.
Leques para senhoras e pai. raeninas.
Luvas de Jouvin, de I'm de Escocia e de camurca.
Caixinhas de costnra ornada com musica.
Albuns e qnadrinbos para retrains.
Caixinhas com vidro de augmentar retrains.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaque muito bonitas para relo-
gios.
Brincos a imitacao e boioes de punhos de pla-
qn6.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de con-
rinho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pincinez de cores, de prata dourado, de aco e
de tartaruga.
Oculos de aco lino e de todas as guarnicoes.
Bengalas de luxo, canna, com castSes de mar-
fun.
lengallas diversas cm grande sortimento para
homens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de mnitas qualidades
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de-tartaruga para desembaracar e para
barba.
Ditos de marfim muito finos, para limpar ca-
beea.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinbeiro.
Meias para homens e para meninos.
Gravatas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainhas de mola para chamar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mind e outros mnitos differentes joguinhos alle-
ma>s e franeezes.
Malas, bolf as e saccos de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as crianjas morde-
rem, bom para os dentes.
Bercos de vimes para embalar crian ;as.
Cestinhas de vimes para brajo de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
crian^as.
Veneaianas transparentes para portas e janellas
Reverberos transparentes para candieiros de
gat.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de cdres para illuminacoes de
festas.
Bal<5es aereostaticos de papel de seda mui facil
de subir.
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadpres de palha e de pennas
Tesourinhas e canivetfts flnos.
Tapotes com vidrilhos para mangas e lantenias.
Tinteiros de lou$a branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas .e pratas para
quadros.
Quadros ja promptos com paysagens e phanta-
zia.
Estampas avulsas de santos, paysagens e phan-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos env fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com llndas pecas.
Realejos harmonicos ou accordions de todos os
amanhns, e nutros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de mencionarse. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros, pes e paltrae para
medir terrenos.
Brinquedos para meninoSi
A maior variedade que se pode desejar de todos
os brinquedos fabricados em differentes partes
da Europa para entreienimento das criancas tudo
a precos mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rna do Barao da Vic-
oria, outr'ora rua Nova n. 7.
Cestinhas para costura
Grande sortimento de bonitos modelos chegados
ao armazem do vapor franca, <;ua do Ba-ao da
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Oleados
baratos.
Oleado bonitos e muito baratos, para cima de
me*a : no armaiem do vapor francez, rua do Ba-
rio da Victoria outr'ora Xova n. 7.
Attencao*
20|!000.
rrctisa-se do duas ainas, sendo uma para
comprar o cozinhar, e outra para engom-
mar pra casa de uma familia de duas pes-
soas, prefcrindo-se escrava,paga-sea quarj-
tia acima: a tratar na travessa do Vigario
Tenorio n. 1, das 9 boras da manba ate* as
3 horas da tarde, eseriptorio.___________
A' ii 7~ Preeisa-se de uma ama par*
wl \ cozinhar e engommar : na rna
1TA \ de Hortas n. 16, l. andar.
tmn Preeisa se de nma livre on escrava :
AtHtt aa roa da Copeeicie n. 45.
Vina Precisa-se ie nma qne cozinhe e
-fi.ni<>) compre : ua rna do Crespo n. it).
mNa rna do Senbor Bom Jesus n. 9,
2' andar, precisa-se de nma ama
para comprar e cozinhar, e ama ou-
tra para" engommar._____________^^
Ama de leite.
Precisa-se de nma ama de leite : na rna do
Brum n. 65.
Precisa-se de nma ama forra on scrava,
para engommar : na rna Duque de Cazias n. tl.
Precisa-se de uma ama para co-
em casa de familia : a tratar
ua do Hospicio n. 46, casa terrea
que tern bolas amarellas na cormja.
il-l'Xil. mie tpr
AMA
Precisa-se de uma ama es-
crava : a tratar na rna da
Aurora n. 8, andar terrao.
A Uma senhora de boa eonducu
M \ offerece-se para ama : no becco
do Peixoto n 7.
No dia 9 do corrente desapparecen do en-
genho Refresco, fregaezia da Escada, o mulato
Caetano, cuios signaes sio os seguintes : idade de
40 annos, alto, grosso, rosto redondo, eabello ea
rapinho e avermelhado, muito barbado, trai a
barba e bigode corlados a tesnura, olbos grandes,
castanhos e imperceptivelmente vesgos, denies
curtos e limados, pes e maos porfeitos. E' casado
com mulher livre, da qnal tern mnitos filhos; e a
terceira vez que se ausenu em procora de alfor-
ria, dizendo, ora que ia e forro, oia que esta ti-
rando diuheirc para libertar-se ; servia de feitor
no engenho : quern o apprehendtr pode conduii-
lo ao mesmo engenho, ou nesta cidade i ma da
Aurora n. 13.
BABY JUMPERS
Velocipedes and Hand Carts
For Boy's.
Elastic Steel matresses.
Ice King Refrigerator.
Perfumagators.
Machinas para descarocjar
algodao de 12 ate 30 ser-
ras.
NA
CASa AMERICANA
4S Rua do Imperador 45
Aluga se uma excellente casa na povoaclo
de Duarte Coelho, em Olinda, com bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
do Amorim, b. 37.
Offerece-se um homem para criado de ho-
tel ou casa de familia : a tiatar na rua da Im-
peratriz n. 56.
Aliiga ?e nma exci ll"nte ca-:^ -na Boa Via-
pern : a tratar na rua da Ventura n. Ji. Ca-
Precisa-se alugar um sobradinho de um
andar, quc-tenha pelo menos 2 salas, 3 ou
'* quartos, e cozinbn f6ra, se tiver sotao me-
lhor sera, tambem serve um 2- andar com
sotao, e com os mesmos commodos, ou mui-
tos, comtanto que seja no bairro de Santo
Antonio ou mesmo cm algumas das ruas de
S. Jose. A pessoa que precise naa duvida pa-
gar algumas bemfeitorias que tiver, nao sen-
do muito cara, oufazer algum concerto pe-
queno e asseio. Ouem pf)is tiver e quizer
alugar, deixe carta fecbada no 1." andar
desta tjpograpiiia, em mo do adminislra-
dor, com as iniciaes W. G., o qual tambem
podera* dizer quern 6 o pretendente.
Esta fugido.
Em 2 do corrente fugio do engenho S. CaeU.no,
em Porto Calvo, o escravo Henrique, cabra elaro,
cabellos estirados, attura regular, grosso do cor-
po, com uma cicalriz na ponla do nariz, prove-
nienle de um coiee de cavallo, idade de l1* aunos
poneo mais on ienoi. desronfia-se que vlesse na
compauhia do pardo Hemardino, que na vespera
desse me e dirigio se par.; sia eidaaie, soudo sua assisten-
c;a na ria de Pedn> Aironc", outr'nra da Praia :
roga-so aos Srs. capitSes de Cam|>o on a qualquer
pessoa, que delle tiver noticia. queiram ter a
bndfdtj de partidpar na rua do Bon Jesus, on
tr'ora da Craz n. JO, andar-qno ssfio fratin-
cados.
Preclsa" se d- u>> a ama para cts- de rapat
sohelro de tree pessoas, para comprar1 e coz ^n TV* t.? *~r!M v.-1
I UEGIiEl


i
? *
MEDRON&G.
i% VISA *
aos comprador es do bem conhecido e acreditado rap 6
AREA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois qae os ha de rapl de outra fabrioa e nome diver-
so, e com papel da mesma c6r, cujo desenhc se pode
confandir com o d'aquelles.
Os apreciadores qne quiserem do verdadeiro AREA
PRETA, devem para nao serem enganados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
napao de AREA PRETA.
MEURON ft C.
Podendo todos
leer movidos a m;io
por ago a, vapor,
I on animaes.
FUNDIQAO DO BOWMAN
RDA DO BRDM H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS aeobores de engenho e outros agricoltores, eempregadorcs de m
ninismo o favor de oma visita a aeo eatabelecimente, para verem o novo aortimento
omt-let' qoe abi tem; sendo tudo superior em qoalidade e fortidio; o qae com a ins
ttccio pese >al pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENgAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
tTonnrAO. A rnriflfi H'acrno dos m,i8 moderD08 sys^mas eem ta-
v cipuro* O i UUOB u c*g ua, maDboa convenientes para as diversas
ircnmstancias dos aenbores proprietaries e para deacarocar algod2o.
Hoendas de canna SJS! 8 tam,Dh08' a8^melbore8 ij
Rodas dentadas para ,nimM8: lgM ,npor-
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Aiambiques e fundos de alambiques.
Sfachinismos ^^niJ^^
"OmDaS depatente, garanlidas........
Todas as machinas e pe?a6 de qae M C08tama precisar-
Fa qualquer concerto -de machi,li8,no'a mni re8amid0-
RnrmflR t\tk ipArrn te|o as melbores e mais baratas existentes no mer-
i^nnnTTimanrlaa Incnmbe-se de mandar vir qnalqner macbioismo a von-
^Ill/OIUlllOliutto. tade dos clientes, lembrando-lbes a vantagem de farerem
nsa eompras por intermedio de pessoa enlendida, e qne em qnalqner necessidade pode
oe prestar aoxilio.
irados americanos e iDetro,Den,08 a*Tico]u-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICIO DE FERRO
4' rna do Bario do Triumpho (rna do Bruin) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Inglaterr.i completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genbos, as mais modernas e mclhorobra que tem vindo ao mercado.
7ap0reS de forca de 4, 6, 8 c 10 cavallos.
valdeiraS de sobresalente para vapores.
uioendaS lllteiraS e meias moendas, obra como junca aqai veio.
TaixaS fundidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
tvOdaS d aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanbos e qualidades. .
RelogioS e apitOS para vapores.
r>OmbaS de ferro, de repucho.
AraOOS de diversas qualidades. ,
FormaS para aSSUCar grandes e pcquenas.
OoilOPrtoS eoncertam com promptidao qualquer obra oumachmr, parao que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
RnOOTnmPnda^ modm vir por encommenda da Europa, qualquer machinisroo,
uiiuuiiiinciiutio para o ^ m correspondem com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
litas machinas, e se responsabihsam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
______FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.______
Carros de luxo.
E' inquestionavel que a cocheira da rna do Bom
Jesus n. IS, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e a
qne tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-
lecas e victorias de luxo, proprias para qualquer
noivado, visitas de etiqueta, bailes e aclos da aca-
demia, ^endo os mesmos ajaerados de excellentes
parelkas do animaes, arreios loxnosos e boleeiro3
com fardanienlos do ultimo gorto, para o que se
convida ao publico a vir por si mesmo scipntifi-
car-se da vcrdade do que deixamos dito, certos de
qne nao encontrario pornada, e sim realidade e
commodos precos.
Aluga-se nma esorava para o servico iiiter-
no dc casa. de familia ; aosim como, uin escravo
do li annos, para servifo de criado ou hotel : ua
rua do Imperador n. 50.
i .-----------------------------------------------------------,.------------.
Para banhos k mar.
Amaral, N.rbiic & C, receberarn da Pa-
ris ititeressautes costumes do ultimo go. para bomeoa e seshoras que desejarem to-
mar banhos salgados, alem da solidez da
fueuda para resMtir a agua salgada, a ele-
gancia dos trajos nada deixa a des-
Joaquim Jose Goncalves
Beltrao & Filho.
Rna do Comuierclo n. 5, I.* andar
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
\ Minho, em Braga, e sobre os sofnntes
gares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Baroellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilhs.
Faro.
Guarda.
Guimaraes.
Lamego.
LisbOa.
Mirandella.
Moncio.
Ponte de Lima. '
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do'Coitello.
Villa do ConUe.
Villa Nova de Famaiic&o
Villa Nova do Portimao
Villa Real.
Vizeu.
Valenqe.
Figueira.
Aveiro.
Agueda.
Caminba.
Evors.
Oliveira deAzemeis.
Penafiel.
Regda.
Capellas para finado
Na rua estreita do Rosario n 35 tern ricas ca-
' pellas para donzellas, anjos e defnntos, com fitas
I e letreiros, proprios de lembranca de mintaa mai,
' pai, esposo, esposa, filho, filha, irmis, irmaos, av6
| e &v6, tudo por mui barato preco de 34,4, S* e
RfOOO. Na mesma casa tem lindos bouquets de
' cravos e rosas para formatura dos senhores aca-
demicos, com fitas bordadas a ouro ; a encom-
i mends' deve se fazer tres dias antes ; e preparam-
se tambem bouquets para noivos, de eravos natu-
rae?.
I __^^_^__^__^_^^^^^^__^_^_^_____^^
Precisa-se de uma ama forra ou escrava,
que saiba layar, engommar e comprar para casa
, de uma familia estrangeira composta de tres pes-
soas : a tratar na rna do Visconde de Goyann? n.
157, fabrica de rape\
Mil
.* W V *
Capellas luorluarias
Para tiinmlos e catacumitas no
dia de flnados.
Porto & Bastos, com loja de cal-
cado a Praca da Independent n.
39, acabam de receber da Europa
novo sortimento de capellas mor-
tuarias de lindissimos desenbos,
com as seguintes inscripc&es, as
quaes vendem por menos preco do
que em outra qualquer parte.
A Meu Pai.
A Minna Mai.
A Meu Esposo.
A Minha Espcsa.
A Meu Filho.
A Minha Filha.
Uma lagrima.
Amisade.
Saudades.
PBAQA DA I.NDEPENDESCIA H. 39.
Aluga-se a casa dos Coelhos; defronte do
hospital Pedro II, com optiiros commodos para
grande familia : a tratar na rua do Rosario da
Boa-Vista n. 50.
PENHORES
Na travessa da rua
das Cruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa

>
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
H
a casa terrea na Ilha dos Ratos n. 68, com a
frente para a.estrada do Hospicio, com battanie
commodo para familia : a tratar na rua do Mar-
quez dp Olinda n. i,
Aluga se o 2 andar do sobrado junto a igre-
ja dos Martj rios: a tratar oa rua Seta de Setem-
bro, casa n. IS._________________________
Attencao
0 P rao dc Bemfica ractifica o sea aviso muitas
veze epetido no Jornal do Recift e Diarto de
Perna-nbuco, de qne iio attendera a rocibo al
gum cue lhe diga respeito, nao sendo panado por
seu niao Jote de Oliveira Cartro pa |,or Antonio
Joaquun Brito de Oliveira ou dolpho Henriquo
Aman.'o a.ave, unicos enapregadoi de sua casa
commircial. iVinguem, alem dentes, esta autori-
sado a firmr doojmnto algum roe importe exo
fTeeisa-se de uma ama escrava para ou-1 men^io a quern for patau->, on obrigacao de e.uai-
>*r i, .--.--.- -""I*. an ananBctaate *
Precisa-se de um eaixeiro com bastante pra-
tica de taverna, qne de" flador a sua conducts :
na rua Duque de Caxias n. H______________
C4SA.
4Jnfa-se o primeiro e segundo andares da casa
a. 3 ria travessa da Lmgueta : a tratar na rua
Primeiro de Marco, antrga do Crespo, na loja do
Passo junto ao arco de Santo Antonio_________
Mai
Hal
*
ammtu



^
uiam mM*mmbmnn *to f$m$ ^^mWn^.^^^.
A^quguc.
Aln ;.i-se o beat oonheeido e af'ifnemdo
aj-oii ^ih i patee do P.iraizo a iratar m ma do
Crc.po, li.ja do Paaso, iuntama arco da Junto An-
tonio. __^^
Furtaram do lerctirnjiud r do sobr.ido "n7~6
da rua da liuueratriz, no dia 11) desta rnez, uma
cadeia ile ,,ro com uraa cacplota quadrada o am
reli-gi de iniro pateute subIo, coberio e com a
numera^a' 92,0ft. Pede-se a quern qner que ap-
pr-lieml.i i*-ps jbjeelos o obsequio do lo\a-los na
roa da Crtfc na Recife n. 16, primeiro andar, que
sera gmengaiwnte gratiiioado.
P. Maria luge Pereira do Rego, D. Seuhorinha
Emilia j r(.. )r. Vicente Pereira do Rego, D.
Joaqmn.i wiacade Paiv.i Rego, Maned Taomaz
Peru** do It -f!0, os bachareis Miguel Arcbaojo
Per-i. i d<> It-so e Vicente Pereira do Rego Ju-
nior (m-i Dt.->) igradecem do intitio d'slma a to-
da* as o-s-.a- qje te dignaram de honrar com a
sua a-asMria is oracoes e a encomrrendacao
sofciua* Me so fez na tar,!c dc 20 do ccTTonte,
a; 'e os rt.i'is murtaes de seu presadissiuo mari-
do. getKo, (Him e irmao, Dr. Jacintho Pereira do
"ig'S na iap-lla do ceroiterio publico, a que os
aco.tipaiilnr.ini ao seu ultimo ja-.igo ; e rogam
ontro situ a Uidos os amigos e collegas do meson
finado n *dri1w3 obzequio de assislireru as missas
que se ot-l. biaiao no sabbado 2o, 7.' dia do seu
passtm.-i-t), a8 7 !|2 horas da manhii na Icrcja
do -mvmmio ,|.- Nossa Senhora do Curmo, pelo
etcrm iv|.ii.Mi da sua alma.
*--- M| 11 Hr----------rmmr-ni
HoiJf4 mihi eras tibi.
Agwtinko Snares de Santa Clara, roga ?.os seiis,
i-31"' i'; -' """:gjs o obsequio le assistirem algu-
ni.v.- mi-s.i. jue bio ie ser celebradas ua igreja
do c .nvcni... horas ra .n'<5 do dia 27 do cerrente. pelo pri-
meiro aiiriiv^' sario de sua nmi cariuhosa mai Ma-
ns >'>:i.|uin. i'i,nieiro, e pelo quo sc confessa mui
to praio. _____
Aloft-MR urn dos melhores sitis da Torre.
enn > aua de bebor, perto da capella : a tra-
tar com o resptitivo proprietary Caneca, profes-
sor !- iniiii'-ir.-is l.-tras do mesmo lugar.
Aiyiaoi s-. duas casas novas, proprias para
passar a leta no povoaih do Barro, na rua da
ConeeicSo^perlo do rio, com duas salas. 2 quartos,
eoziaJu !'o; i e quintal : a Iratar na rua de Lo-
mi< Vaienii-ns, antiga rua das Aguas \crdes n.
13, tavenui.
Veade-se aaa ei^llwue i cuisicuida a Jnanuim T^"A
raoderna, com frente de azulejo, e um grande si- ^ +vW*&JM UJ
tio e nm grando sitto com nma casa ; tddb
!ia margem da estrada real m Jahontao (endo
o si tio bias proporefies para edilieaoio : a tram
em Jaboatao com B-rnardo Goocaives dos Santos
uu na rua de Mircilio Dias n. 16.
Vendo-se um cabriolet ioglez de duas rodaa
e com quatro assentos, e um exceilente cavallo
para o mesmo : para ver, na d'Cbeira a rua da
Roda, e a tratar, a rua Direita n. 10.
\ovii uie.
Enirenho.
I n I'iii-n'r.j sdJOcieateojenlo habilitado para ad-
fliinistrar um org >nh.>, offercco os seus servi.os
.; [u-'n deil'-s qaiBer utilisar se, e para isso d;i
fiadur de mia Coulncta : cjucm pretender dirija-se
a r:::i do Am. dove tratar.
Na rua do Vigario n. 23 ha para vender-se It-
tas de oito libras com torresmos, morcilhas e lin-
guicas, chegados ultimamente da ilha ;de S. Mi
LIQUIDACAO
DA
Urgtncla.
Pficisase de uma ama de meia iJfule para
- casa ile dn:is imssoas, mosmo com ponca habili-
dada : no pateodo terco n. 21:
Engenho Garapu.
Dwaj p:: < u do engonlio Garapu, freguczia do
UalH), o escravo Vicente, pardo, sein barba, um
p-iiicn palid eli-io do c>rpo e baixo, rppresenta
18 a 2t) a :i:<. falla inoderada, anda corn a vista
ba/a e lii eego. Bale mulato foi vislo em
Osanga eom < s rvente de pedreiro, tern o mesmo
co:"o hora -iun. I, uma fistula no queixo : quern o
pegar e levar au Kin engenho, (u a rua ilo Bom
Jesus n -Mt. n-.ee! era boa gratificacao.
Fnodicao da Aurora
Grande sortimento de:
Moendas de todas as qualida-
des e tamanhos.
Tachas fundidas e batidas,
idem.
Rodas dentadas e angulares,
idem idem.
Machinismo, idem.
Varandas, gradeamentos-pa-
ra jardim, etc, etc.
Tudo sevende por pre^os
muito em conta para aca-
bar.
G. Starr &C, em liquida-
^ao, na fundigao da Aurora,
em Santo Amaro.
Beltrao &
.lves
Teem para reader ao se (iscriptono a rua i.
Cboiinercio n. 5, o seguinie :
AGUARD1NTE de cajii: eaUa de 12 garrafas.
c de laranja, idem idem,
ARGOS de pao para barril.
CAL de LisbOa, recentemenle ehegada.
CHAPEOS de boI, para homem e senhora, cabo
de marfira e dsso.
FEIJ^S de ferro, para porta.
FIO de alfodao da Bahia, da fabrica do commen-
menditdor Pedroao.
LINHA de roriz.
OBRAS de palheta.
PA-NiNO de algodao da Bahia, da fabrica do com-
mendador Pedrozo.
RETROZ de todas as qualidades, das fabricas de
Peres e Eduardo Militao.
ROLHAS proprias para botica.
SALSAPARRILIIA do Para.
VELAS de cera de todos os tamanhos.
Yi.N'HO eogarrafado do Porto, caixas de 12 gar-
rafas.
dilo Moscate do Douro, idem idem.
< dKo Setubal, caixas de 1 e 3 duzias.
da Italia engarrafaco, caixas de 6 gar-
rafas,
de Gollares superior, em ancoretas.
c do cajii, caixas de 12garaXs.
Malvasia do Douro, caixas com 12 gar-
rafas.
CarcaveHos, Idem idem.
Chapeos para seuhoras.
Aniaral Nabuco & C. reecberam am oompteto
sortimento de chapeos de palha de Italia, seda
e vollodo, pretos para iuto. a de cores enfeitados
com bonitas flores e fita : vendem no Bazar Vic-
toria, a rua do Barao da Victoria n. 2, antiga ma
Nova.
Asunicas verdadeiras ^
Bichas hamburguezas qne vein a estemercado:
na ma do Marquez de ulinda n. 81.
GOMO 8*0 LI\l)0S!!
PJlIVJI'O
DE
Algodao da Bahia
l!a para vender das seguintes fabricas :
S. Salvador.
Conceiyao.
Valenca.
Moddlo.
No escriptoiio de Luiz Duprat, ma do Commer-
cio n. 34, andar.
Xarope d'agriao do Para
Antigoe concoituado raedicameato para
cura das molestias dos orgaos respiratorios,
corao a phtysica, bronchites,-asthma, etc.,
applicado ninda com optimos resultados no
escorbuto.
\. rua das Flores u. 7, e estreita do Rosi.-io n
.j-, lu ama pessoa que se encarrega de armar
'.): e catacombas no cemiterio publico para
i de :ovuiiiliru, eommemoraeao dos tieis do-
A
l>I[)UCOS.
;a-! : -la povoacao uma boa casa pintada
.o, com mobitia de Jaearaoda na sala da
, quintal miirado e portao que se communi-
-a o ri i : a tratar no largo do Corno Santo
1.* andar.
- Aln^.-.-se i>u vendo se. inteiro ou a retalho
i oxc-Halite terrenosiloa estrada de Luiz do
em Santo 4maro, com 400 palmos de fren-
160*1 de faodo, no qnal existe uma grande
' nta de capim: trata se a rua da Aurora u.
113, vpn-da
Incyclopedia moderna
ou
Biccionario das sciencias, lettras, artes, in-
dustrias, agricultura e commercio
30 volumes.
A' venda por prego o mats comrnodo pos-
sivel, na livraria Academica
RUA DO IMPERADOR.
Os i uradores Bscaes da massa fallkla de Al-
bnn Wartius da Silva Morges, pelo preser.to cha-
>- i inlor.'s .|i mosfBa massa, para, no prazo
di il dia. apnudntarani sens titulos, alim de
s ren .i a dos, di-vendo os mesmos titulos se-
rcm :;' -iiiados em seu osoriptorio a ma da
Madre de I is n. 22.
(jobre e latao.
Gompra-secobre, latao o chumbo vdho :
no armszem J.i bola araarelU travessa da
rua i' Itnperador.
Cuupr.'i-e uma cscrava crioula ou alVicana,
qne saiba eozlnhar o ordmario de uma casa : a
l.v.kr na rua do Alecrim n. 20.
Comr-se duas veneztanas novas ou
torn algtf+n uso, e me estejaai em born es-
tado : ua rua do Barao da Victoria o. 5.
Compra-se
B' do bos arrabaides dosta cidade.
lii a de bonds : a iralar na rua di.
''. a.luazem.
onde passe
Itnperador n.
gt?saKxtr7"rr?h
'':*"
mis
Formas para assucar
VenJe-se em casa dos importadores Shaw,
liawkes & C, rua do Bom Jesus n. 4.
L\GER !!!!!!
Para attender aos numero-
sos pedidos esld resolvido a
vender suas afamadas macbi-
nas de costura
A
NA
C1SA AMERICANA
46 uii.i dii Saipcriulor i'J
Fiado !
Rua do Barao n. Victoaia
n. 22.
0 proprietario do estabeleoimento -*azar Uni
rersal lendo de transferir o mesmo para outro
lugar e tendo grande deposito de Machinas de
cuatura de todos os autores, resolveu vender a
PRAZO, mc'diante a convencao que se puder fa-
zer com os pretendentes : a rua do Barao da Vic-
toria n. 21
Antonio Duarto Carneiro Vianna.
Nbvo estabelecimento de
cera.
Na cidade d Victoria, a rua da Imperatriz n.'
48 A, vende-se e troca-se cera de toda qualidade,
a qua! se affiau?a por ser feita na terra, e o seu
tutor foi premiado na exposicAo de 1869.
Rua db^Cabuga n. 11 A.
Vende-se um escravo moco proprio para enge-
nho ou padaria, por preco muito em conta.
Os Ieques todos de raadreperela,. brancos e de
cores e que trazem o distico UNIAO em lettras
tambem de madreperola em alto relevo, tor-
nando-se por isto apropriados para noivas, a TV}-
VAESPERANQA a rua Duque de Caxias n. 3
(antiga do Queunado). e quem os tern.
>Sdo detartamga
Os tormeos, broehes, meios aderecos, criues,
coracoes e cassolttas, qae estAo .oxposias a boa
ascdlha das Exmas. (ainantes do cbique) veade-se
ua..Nova Eipetanca, a rua Duque ,de Caxias
n. 3.
Aos meninos
A Nova EsperaiKa a rua .Duque de Gaxias n
63, acaba de receber um bndo soctiaiento de bo-
necas de muitas qaaMdades, vindo rotre ellas as
engracadas bonec;is de borracha, assim tambem
nma pequena quantidade de bonecas pretas quf
se tornam apreciadas pela sua novidade.
Ebem tdil
A Nova Esperanca a rua Duque de Eaxias n
63, recebeu verdadeiro eimento iuglez. prepara
cao para concertar porceJanaa bem util.
1^6sj^ perdido
Muitas veses um vestido torna-se inteiramann
feio, somente por -ostar mal enfeitado : a Nova Es
peranca a rua. Dmuo 4le Gaxias n. 63, removt
este mal ; porque estabem provida dos melhores
galoes e franjas de todas as cores, onde pode es
colher-se a vontade sobresahlado entre estas as
modernas franjas mesaicas, que pela sua varieda-
de de cores, flea bem em quasi todas as fazendas
A ella antes que se acatMtu.
GabeUos bruncossdtmiquem
quer
A Nova Esperanca a rua Duque de CaXias n.
63, acaba de receber a verdadeira tintura de Des-
nnus para tingir os cabellos, o que se conscgne
(empreando-a) com muita facilidade, e por este
motivo, cabellos brancos so tern quem quer.
Estao na moda
0 cinturSes de eouro, proptios para senhoi *j,
Sne recebeu a Nova Esperanca a rua Duque de
axias n. 63, estao, sim, senhora, estao na moda I
Se quereis tor ou preparar um ramalhete de
cheirosos cravos brancos para o vosso casamento
ou para outro flm apropriado, e neoessario ir a
Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n. 63,
qae alii encontrareis os melhores ports boufueti
que se pode desejar.
Bolas de borracha
Vendem-se dc todos os tamanhos a rua Duque
de Caxias n. 63, na Nova Esperanca.

m\\\
Xn-do'.lmflo 4a Vkloria u. 22.
DE
TCareeiro Viama.
A''-eate-, grande estabelecimento tarn cbe-
gaio um bom sortimento de machinas para
costura, do todos os autores mats aeredJta-
os ftltimafnentena Europa, cujas* machinas
sao garaDtidas por um anno, e tendo um
perfeito artista.para en9inar as raesmas, em
qualquer parte dosta cidade, como bem as-
sim coucerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despendio algum do comprador.
Neste eatabeUseimento timbam ha pertencas
para as NMMMf 4Biuihkias o so suopre qual-
quer pe^a que seja ueeessatio. Kstas ma-
chinas trabalham coin toda a perfi:i(;JJo de
una e dous- pwspontos, franzo e" bords toda
qualquer costura por ftna que srj.i, seus
precos sao da seguinte qualidade : p.ira tra-
balbanarnao de 30JJOOO, 4OC00O, i iSJOOO
e 5|K)(H), para trabalhar com o p so de
80000, 90O000, lOfllWOO, Hti-3000,
1205JOOO, 1303M100, 15O5TO0O, 200^000 e
250*000, eraquanto aos autores duo ba al-
tera^uo de pree<>s. eos compradores poderao
vigitar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar pela variedade de objectos quo
ha sempre para vender, como sejaiui: cadei-
ras para- viagem, m.das para viagem, cadei-
ras paraaa'.as, ditas do biifenf^o, idits, para
criauen (alias:,-dOas-para escilas, costurei-
ras -rtquissimas,, pvra aeuhora, despensaveis
para criancas, de tddas as qualidades, camas
det fe.-ro para homem e criancas, capachos,
espolhos dourados,para sala, grandes e pe-
quenos, apparerhos de mutat para did, ra-
HUeiros com aabo.de metal e de marfim,
ftfitos avulsos, colheres-de metal fino.condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobfir pratos, esteiras
para'forrar salas, lavatories aompletos, ditos
Bimples,-.olijectos^ara.teilett8, auutros ram-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha abcrto de-de as 6 horas da ma-
nha ate* as 9 horas da noute d
Rua do Barao da Victoria n,
22.
Nenhuma macKina
Singer e .legitima jse
nao,levar esta marc
fixa no braco da ma-
china.
Para evitar felcifi-
it-,-
.: HI
canoes notem-ise 'bea
todos osdetalhei? da
marca.
AS MACHINAS PARA COSTUBA

.X .:!

TIM RIVAL
JIAIS DE H^lMo TU-SE VfWIDt)
Porque ?
Sao as melhores
Sao as mats baratas
Sao de dous pospontos
Sao mais simples e rapidas

Sao duradoras c apcrl'tigoadas
Sao util cm uma casa.

Faz mellior costura com metdde da linha -gue>gastam
as outras e formcem umtneio $e
VIDA
Para aquellcs que im\ k Mistcular-sc
DE
Vende-se
um vapor de for^a-de eineo eavalios, novo, proprio
para qualquer anister, corn bronzes de sobwsa-
lentes, porprejo e.immodo :,para ver, noarma-
zem do Barao do'. Ijivramento, earatar a raa do
Torres n.v31, 2 anaar.
fiaa do Orespo.
Cwliuua a mto*kmk#/m
affflw -miito
linho de cores (pcchirwlia) a l300 a
i\ao Iia mais cabellos
brancos.
TINTURARIA JAPBKEZA.
86 e unicaapprovada pelas academias de
sciencias, reconbecida superior a toda <}ue
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pals rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
Qnerem agradar a yaya ?
'Qaerem agradar 4esposa'?
Qiiwem agradar 4 liilia?
Urins de
vara.
Fustaoaraueo para roupa. fle: meninos a 960 rsi
o covado.
Laziaoas escecaaas a S40.e :M0te.o;covaao.
Alpacas com Hstras a 500 rs. covado.
mm mnwm.
De forca de'dous a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaqaim Lopes Machado 4 C., tr-a
vessa4o Gorpo Santo n. 25'.
ran** uu. am
AI1M
Nenhuma casa estd compkta "sem tima
MACHINA DE SINGER
Sem caixa'SOJPOOO. Com cai.\aj90J>00
TJNICA AGENUA
EM
A CASA AMERICANA
RUA DO IMPEItADOR 46

estrangeiro.
-tio resoJvidos a vendere'Ji sens calcsdos pek) cus-
to, aflm de miuorarern o irabalho ; assim pois os
apreciadores do bom, c com especialidade o sex*
<*navel,
Almanaks para 1874. .
Atwanak le lemhr.incas1.nso Bra-
Kilr de Castilhn.
Ornado d: gravuras com o retrato do Sr. h;
A. I!.-bf!io da Silva.
Almanak das senhoras
l*(>ptu;;al e Brasil.
louiendo 187 artigos per Guiomar Tor-esao.
a uina extensa carta de A. Herculano.
Para acabar
Vende-se nma p.ncao de casaes dopombos, son-
do a maior pirte de raca (grandes) por pceco m-
diM : a iratar na ma do Vigario n. 26, ou rua do
Barao do Triumpho (antiga tto'Brnm) n. ti.
'do, para a escolha ue calcado, aproveitem e ve-
aham munirem-se do que precisarem.
w.fij
Almauala tins artes e lottras.
Ornali de import; ules artijos e lindas grivu-
r3s. Preco de ca.'a um dol alroanabs acima
a:n de cnegar e-tes almanaks e vendem -e
na Iiv.-.iria ConomiiV) ao pe dj arco de Santo
Ani.mm.
Predios a venda.
Vende aa a casa d. ia3 da rua Imperial, oro
etiao projinos, e grande quintal, que rende i%$
mf-asaes, num. 42 -uiaiaa^aguas -mi uma das tra
vessas da me--naa rua (T. do Bandeira) edilieadas
ha oouco e em sojr proprio. Vende-se mais 2
easas ua rua K*Wi-.v. J3 fc,iu dellas" se
pod! fazer dina (anjd^ ^rmaaen-s por terem
teireno sumcieate para ilo : quem pretender di-
ManqjjJB TJ&wi\'faim #u gels
PBt-.O
*'* *; Wnerrffre de Vmmiro.
Obray^inra f4j gwjgr^pWa dascriptrra
Fazendas baratas
Bramante dc quatro larguras muito bom para
lencoos a 13000 a vara.
Brim iona superior a I 600 idem.
Madapolan franeez a 66 a peca
PARA TOALHAS DE MESA.
Vende-so rioo atoalhado com duas larguras e
desenho* moaemos a 1^600 a vara.
PARA VRSTIDOS.
Lionhas 4e ^piaaros aaoes a 40 Ms o >eovado.
Hata* tr*D*'a'Jo' *r68 B*n,n,*; *T*h'
Lar.inhas com listras de setim a U idem.
-^"lhan,ina assrtnada, rom doas Jarcuras, a
>W rets idem. DSo-se anmtras : na rua do Ca-
btiga n. 10, lija d' vmerica.
Vende-se uma macluna aova do eoMncafina,
de superior qualidade, por meiaee de sen salor :
a pessoa pnearrega se de enSinar com toda per-
feicao : na rua Vidal u\) Segreiros n. 93.
teeiadores
i auevida decencia) o seu ^abinete reserva-
aara qnem o Paris tin America, conserva
Galcado
Aproxima so o mez de dezerabro, tempo era
Jue oParis na America, a rua Duqne de Caxias n
9,1 andar, tem "flo dar o seu balance, por este
bnnsparaos e do cotes a 4o, 4Wr SOOas. o :otivo, os proprietarios deste estabelecimento es-
covado.
Brin Iona Lrano a .14600 a vara.
Cambraias pretas para Iuto a 2*0 rs. o covado.
Cretone de lislas a 4*0 rs. o -covado.
Chilas roxas a 200 e '210 rs. o covado.
Gro?denaple ,preto de cordao a-2*400 o cavaio.
Cobertas de chita adamascada a 3*300.
Colchas .bvaacas o'de pores a 3*500 e 4J.
Lenfoea de bramante a Si.
Ditos de tftgodS a f*4*l0.
Toalhas a1cortioa' nfy duzla.
Lencos de eassa com barra a l*a duzia.
Ditos- de (fata abaiahados a It-
DUos do esguiao a 3*500.
Harabraia lisa a 3* e V|Sfl0.
Drta 'ffctorJa Tma a'3/fOO.
AtoaJaadoa.24aw:ira.
Cortes de caseirfira fina a Si.
PiisJSes ie eores a IA o eorte,
Challes de merino Kso a 4*.
Ditos de dtto estamphdo a 4*. 4*800 e SipOrt.
K-guiao fini a 2* a vara.
Briro'pret 4ran^ado alia vara.
Bramaie de algndao a 41100 a vara.
Dio de linho a 3*800 a vara.
CanAraia de ilnhn tte rtras a'360 rs. o covado.:
Algodao T a 5* a peca.
Modapotoes baratos.
Metins
Labyrinthos, bicos, icnias.
No escriptorio de Gomes de Matos, Irmaos, a rua da Cadeia
do Recife n. 40, 1. andar, e o nnico deposito do que ha de
melhor, e bem acabado, qne vem a estentefeado, da eitrade do
Aracaty no Ceara, quem os comparam com os feitos aqui ha
terra, facilmente reconhjeeraa immensa differenca, qae vai
de uns para.outros, tanto em preco como em qualidade.
Lindissimas toalhas dc labyriirtho.
Fronhas de diversos tamanhos.
Lencos de todos os precos.
Bicos e rendas em profuzSo.


Grande oovidade.
S opara O 48
Vieram no ultimo vapor, baptistas iinas com
barras, gostos chinezes, pelo diminuto pre<;o da
500 rs. o covado : a rna do Qaeimado u. 43.
Las om listras. assetinadas, ultimo gruto a
44000 o covado : s6 o 43 a raa do Queimado
Dao-se amostras.
Cafe da Bio
Proprio para veslidos, o qae ha 9a mais gosto,
fiadroes inteiramento novos, peto dminuto preco
de 400-ra. o eavado : na rua do Crespo U. JO, loja
de Guilherme & C.
BE
uma casa bem canstruida de ferro e madeira,
sitnada em Sant'Anna, perto da.cstacao da estra-
da de ferro : trata-.se com os Srs. Shaw, Hawkes j
A C, rua do Bom Jesus n. 4.
V. r.de-se na rua do Uaro&ez 4e Olinda nume-
eto. *^
fiiarmada.
na Precisa se do
IPtS5 ^T"'T^'*lMiI? k rta WUeitaiem eart* fcchoda
do t^*rf* v>udr y VrT f|.a rWlwm^ 4ftal -tT.
um oflicial ma pralioa : aesta typographia com a fni-
Cassa-b
Chefoaesta fazenda, sendo Hndos padroes, e
vpnde-se pelo dmvJmilo preco de400Us. o cova-
do ; somente na rua do Crespo n.'*0, loja deGiri-
Iherme 4 .
S6 na ma 4o Crespo n, 2.
L.aja de
(Mherme-tfrC.
Baohoa m O+wida-.
$mi*** ca ne CaMMa ton ifnm&
*rprt paraxeafcaah.a.aBi OtMia: a* Ma 4*
aroos a rua Priaia^
n..0A, deGnrga
^flftiSXJt^ir^i
UTILIDaDE
Sondas de Benique.
Sao estas as melhores .sondas para a dilalacao
da .urethra, naa so "pela faciniaio ba applita^ao,
como lainhera pelo ae doente, 1enda-a vaatagsYn de uma Wnfca ilara-
c3o. Encontram-se a venda na pharmacia ame-
ricana, rBaPtiqae de Caxias n. 57. ______
Contra erjsipei
ttas aour varied
Meias de borracha, lecido em seda, unico reme-
dio contra a erysipela das pernas: a V4ndti na luja
do ftala ^ntUaate ituA do Crespo n. 7.
ATTEHCA07
4JMA MOBM.IA.
Teade-ae ama mobilia do aiMetle am perfeito
"idaaiuiaXV : const uds'dc inn sofa, ama
lineiaa, nm par de cmsolos, 12 cadeiras da
innjao, fnm da tirapj a auss Ue tataaco ;
im quizer faier negocio, du'ija-.-.e a rua, Direita
Si* anaar, que acnarat
TASSO IRMAOS & C.
Em sens armazens d rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por pregos commodos
Tijolos eaoartndos sexuvoe para ladriiho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Porttand.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descarocar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da -Russia em barril.
Phosphoros de cSra.
Sagd em garrafiSes.
Sevadinha em garrafSes.
Lentiihas an garrafoes.
5bum da aJmaica.
inho do Perto vellio engarrafado.
Vinho do l?orto saperior, iiio.
Viaho de Bordeaux, dilo.
Vinho de Scherry.
Viaho da Madeira.
Potes com liaguas e dobradas inglecaa.
Licores linos sartidos.
Cognac Gaulhier Frerea.
Latas de touciaho ioglez.
Barris com repdlho em salmoura.
Vende-se
trastes de jacaranda e aroarello com pouto us-
., em perfeito estado, e tambem um meio apparel! j
. de louca para jantar e um 'dito do porcelana, fino,
branco, para almocp. Vende se por ter o dono d*
seretirar para Europa : na rua da Imperatrii
n. 54 A. ___________________. .
Potassa da Russia em meios
barris a S00 rs. o Mto
Desembarcada ha poucos dias : vende-se m
escriptorio de Oliveira Filhos & C, largo do Corpc
Santo n. 19.

Machinas
Por baratos precos para descarocai algodao.
12, *, a, 20, Vi, 30 e 36 serras.
Cunha J$ Manta
23-Riia iMarquez 4,
VENJ)E-vE
I 0. C Dovlc.
vei (
' Com quem tratar.
fern para
Cognac de Hennessy, superior e verdadeiro.
"inho Xeres das aWfMrss qualidades.
de Angostura.
, to
tia preto em lahas do 10 libras.
Todas as preparacoes chimicas do Dr. Aver : no
armazera da rua do Cornmerclo a 80. i
'barn's com carne de vacca e de porlo,
para mantimentos de navios : no armazeln
o ktmMti 4i C. a rna do Amorim n. 37.
Vende-se
uma easa na villa de tirrairoe, na raa^do Com-
mercio, por preco medico : a tfat* cam Tasso
lrriaos & C.
do tec Janeiro
mafcesn n. to.
m&

i rua de Ytf*h* u-
'
UEGfffl
.
^i_
n'MWrina in
r



I
I
mm
m v-w
Mm


____ j*
Diarto J<* BHtiambuob *MS*fcv4eira tf* ^.
i i,.../-,
MCffiWAS PAM C8SM A
0OSTOSA BE
DM Nffffim
LEITE, IRMAOS
UfflCOS AGENTES
Rua do Barac da Victoria n. 28
ta matemples, as mais baratas e as melhores do mundol
Ha erpesicAo de Paris, em 1867, foi concadido a
ElJas Howe Junior, a medalba de ooro e a condecora-
S*o da Legiae de Hoora, pot serem as machinas mais per.
feitas do muodo.
-<".
x.
1
1 s,
A medalha de ouro, conferida i
Estados-Unidos por ser o inventor
tura.
E. Howe Junior, nos
da macbina de cos-
A medalha de ouro na exposicSo de Londres acreditam
estas machinas.
pettica-, com perjueno teqe,
para effete, grande sorti-
______ POSPtttTTOS
$a lojaoVSbares LeiteIrmaos, a rea- do-Barao da
"Victoria n. 28.
&peHws-denaofcjnra dowada, d*'todos
orbatnanhos' e pre$os.
PJWWUJUU& E MMJDEZAS.
frasco cono oleo Oraa Terdatleifq, a
dando uma luz mujto i?Ww.
Idem comtonico de Kemp, verdddeiro,
Girrafa de agua florida verdadeira ai J200
Garrafd. d'agua jappneza, a 19009.
Mem idem dtviha', a 19000.
Idem idem Magdajena (nevtfade) a
19240.
Caixa de pos para dentes, a 20 Idem idem de'pos chinez, muito bom, a
e 19600.
Rime! Gros-
Agtia fktrtda, parafazer os oabellosprc-
to*:
A 90$000
iJavas de
a 200 r$,
Abotoaduras
mento a 120 rs.
Caiia de linha de raarca, a 200 rs.
Lamparinas a gaz
boa, a 19060.
Duzia de pecas de cordao imperial, a
240 rs.
Caixa de botOes de osso para calca,. a
200 rs.
Dufia decarreteis de linba, 200 iardas, a
600 rs.
Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
Maco de fita chinoza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 noTellos, a 500 rs.
Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
Garrafa detinta rox. extra^flna 19000
Potes com dfta inirleza, preta, a 100 e
160 rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
19900.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 rs.
Idem idem forrados, a 700 rs.
A.aguia branca, a rua Duque de Caxiaa n. 50,
aeaba de receber nova remessa da apreciavel agua
florida para fazeros eabellos pretos. 0 bom re-
taitado ooUudo por quem Km feito uso dessa
MoAensiva preparacao a tea altamente conceitua-
do, e por isso apepas se faz lembrar a quem no-
Vaaenfe deila precise e quetra se aproveitar de
saa utiiidade. Tambem veto agua de lopasio e
oleo florido paia o mesmo uso, e tao acreditados
ca3. ampulla
Cabo-nos o derer de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
tork, estabeleceu nesta cidade A rua do Bar* da Victoria, n. 28, um deposito e agencia
iWNuMra n Pernambuco e loaaisprovinciasse venderem as afamadas machinas de cos-
r. da Howe. Estas machina*; sao justamente apreciadas pela perieicao de sea trabalho,
wipregando unmagulha maiscurta com a mesma-qualidade de linha que qualquer outra,
pela urtroduoflo .dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente babilitados a
ffefsecer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
*fis vantagens destasmachinas sao as segmntes:
Primei.-a.0 publico sabeque ellassao duradouras, para isto prova incontestavel, a
nrcamstancia de nunca terera apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
ra-H nellas menor fric^So entre as diversas pecas, e menos rapido estrago
500 rs.
Pote com opiata de Rieger
nel, 19900.
Duzia de sabonetes de amendoa. a
mo*.
Dueia de sabenetes de aniinho transparen-
tes, a 29200.
Idem idem com.Bores, a 19500.
Sabonetes Glyeerino transparentea, a
o que se nao consegu^-
lado,
mais
c que nas outras.
Quarta.Formam o ponto como se fdra feito & raao.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os Cos,
'*t outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o flo de um & outro
logo ern seguida, sem modificar-se a tensao da linha, cozem a fazenda
*.na.
Setima.0 compressor 6 levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
? agujha ao comecar nova costura.
Oitaya. Muitas companhias de machinas de costura, tem tido e"pocas de grandeza e
tecadencia. Machinas outr'ora populares, sio hoje quasi desc^; hecidas, outras soflreram
ondancas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
doptando a opimaO de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
flgjrentado o seu fabrico, e hoje nae attende a procura, posto que faca 600 machinas
'Yd* machina acompanha livretos com instrucgOes em portuguez.
Caixa d>papel amisade,- beira deurada, 1 Igaixa com sabonetes. formato defrucUs
a800rs- aW0.0 e 19ff00.
Idem idem idem lisa, a 600 rs. Co'smeticos, graudes e pequenos, a 100 e
Duzia de talheres cabc branco, 2 B., a 800 rs
""** Frasco com agua de colagoe, n 20O-320,
Resma de papel pautado, a 49D06- 500 rs. e i$m.
e 59800. Ertractos muito finos dos m^hores au-
Idem idemhso, a 29800, 39806 e 59000. tores.
Coques modernos, a 89000.
Duzias de pecas de trancas de caracol
branca, a 400 ts.
Idem idenvlisas, a 200 rs.
Leques de osso e sandalo, a 29000* 49
e69000.
Fita de velludo de todag. as cores e largu-
rss.
Slicroscopios com 12 vistasJa 69000.
Lindas e elegantes caixinhascomperiuma-
rias, proprias para presentes, dos autores
E.. Cod ray, Rieger, Gejle' Freres.etc.
Ouadros com. santos e .estampas.,. separa-
das.
Entremeios.e babadpfi.transpareatiea-fc. ta,-
pados.
Uma grande.tabol#a, propria para, qual-
quer Joja.
Frasco com oleo para machina a 400 rs.
Rua do Barao da Victoria n. 28
\ 90*000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 28.
N". 4Rua do CabugarK
JOSEPH KRAtSIl
4
4
C.
i)
0
DO
BAZAR NACIONAL
Rua da Imperatriz n. 72
DE
Lftoreiifo Pereira MeudesGniinaraes
Iieclara a seus freguezes que tem resolvido vender
(Mr :
o maisbarato que for possivel.
CHITAS A 160 E 200 RS. 0 COVADO.
Vende-sc chitas francezas largas com to-
que de avaria, a 160 e200 o covado. Di-
tas limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS:
Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
o covado.
EASINHAS A 200 RS.
Vendo-se lisinbas de cores para vestidos,
a 200, 360, 400 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
640 e 800 rs. o covado.
C6BERTAS DE CHITAS A 19600.
Vende-se cobertas de chitas de ceres, a
*9600 e 29000. Ditas de pello a 19400.
Colxas de cores a 19200, 29500 e 49500.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la de quadros a 800
t e 19000.
Ditos de merin6 a 29, 39, 49 e 59000.
CAMIrRAIA BRANCA A 3J000.
Ven le-se pegas de cambraia branca trans-
/arentes e tipada, a 39, 39500, 49, 49500,
59 e 69000.
SA1A8 BRANCAS A 29000.
Vende-se saias- brancas e de cores, para
fenhoras, a 29000 e 29500.
BONETS A 500 R9.
Veftd*-se bonets pretos de seda para ho-
rneris, a 501) rs. Chapeos de palha, pello e
massa, a 2#, 29500, 39000 e 49000.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se peca de madapolfio enfestadoi a
39000. Ditos ingleees para os precos de
49, 49500, 59, 69000 e 79000.
ALGODAO A 39500.
Vende-se pecas de algodao, a S5J500, 49,
e 59000.
BRAMANTEA 19600.
Vende-se bramante com 1Q palmos de
largura para lenool, a 19600, 29 e 29500 o
metro.
GRAtfDB LrQUTDACAaDE SABONETES 280 RS.
Vende-se uma grande por^io de sabone-
tes ingleaes, a 2Q0 rs. Ditos francezes com
cheiro a 320 e 500 rs.
Aguad*colonia, a 200, 820 e 500 rs. o
frasco para liquidar, e outros extractos
muito barato.
CORTES DE BRIM DE CORES A 19500.
Vende-se cortes de brim de cores par.
cal^a, a 19500 e 2000.
B0TINASA39000.
Vende-se botinas para senhoras, a 39000
39500, a ellas antes que se acabem.
ROUPA FEITA NACIONAL.
Vende-se camisas brancas, a 19600, U
29500, 39000 e 49000.
Calcasde casemiras de cores, a 59, 68
79000.
Palit6ts de casemira, a 49, 69 e 89000
Seroulas a i& e 19600.
BRIM DE CORES A 440 RS.
Vende-se brim dc todas as cores a 44
rs. o covado.
LENQOS BRA NCOS A 29000 A DUZIA.
Vende-se a duzia de lencos brancos, .
29000. Ditos com barras de cores a 390Or
Ditos de linho a 59000.
TOALHAS A 800 RS.
Vande-se toalhas para rosto, a 800 r. .
19000.
GRAVATAS DE SEDA PRETA A 5O0 Rs
Vende-se gravatas de seda preta, a BO<
rs. cada uma.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chita para coberta, a 280 e t
rs, covado.
BONETS PARA MERINOS A 19500.
Vende-se tonetes para meninos, a 1950c
ESPARTILHOS PARA SENHORA A 39BOC
Vende-se espartilhos para senbora,
39500.
COMES DE MTTOS &>1RMA0
Avisam ao respeitavel publico desta cidade queo sortimento de joias,de subido va-
lor, que existia em seu estabelecimento, esta" completamcnte reforcadO com o mais ele-
gaDte sortimento de novas joias* que receberam directamente pelo ultimo vapor da Eu-
ropa, constando elle do mais variado sortimento deadenecos A Roulevard, pulseiras dc
ultimo gosto com pedras preciosas e.sem ellas* briucos d'argoia, agraifes. paxa. relogia de
senhoras, delicados aderecos para meninas meiwaderacosi de camafeu lindi6iaios,.voltai
de nogordios para senhoras, correntes inglezas deouro, e de.platinav varied* quantidadf
de botOes parapunhos e peito, com embleojas ma^onicos* de onixi teeid o-.de ouro, caaa-
feu, etc., brilhantes monstrosde rarissimas agoas, em.anneia roaetas,. pulaeiras* alfir e-
tes c botoes, e outros muitos objector.devouM>deielhoreeifabricaBtes de Paris, que se
venderSo com grande reduccSo de precos, por serem elles-recebido* directamente -de seus
committentes.
Os proprietarios do acreditado MUZEU DE JOIAS> teodo seu, eslabeleeimento aberti.
ate 8 horas da noute, convidara as familias que se quizerem prover de lindas joias, i
virem escolbe-ias & vonUde, para o que es*i*em exposi^ao noemostradowss.
Mm e brincos de grossos
i aljofares de cores.
A aguia branca, a rua do Duque dj Caxias n.
50, recebeu novas c bonitaa volUs e brincos de
grossos Ijofares de cdres, e como sempre conti-
nna a ven de-las por preco commodo.
Jfoyoa diademas dourados e
eom pedras.
A aguia branca, a rua do Duqne dc Caxias n.
50, receben novo sortimento de bonitos diade-
maa doerados e com pedras, taalo para meninaa
moo para senhoras.
Colleecoes de traslados ou
uormaspara escrever-se.
I A aguia branca, a rua Duque de Caxias n. 50,
recebea novas colleecoes ou normas para as crian-
gas aprenderem a escrcver por si mesmo, hoje tao
usadas nas aulas o coll"yios; e como sempre ven-
de-as por prafo commodo.
Meias cruas finas para meni-
nas e senhoras
A-loja d'agnia branca, a rua I tuque de Caxias
q. SO, recebeu novo sortimento daquellas tao pro-
curad.is meias cruas para senhora, vindo igu.il-
mente para meninas, e contimia a vende-las por
prfecos commodo^.
Y6os ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branra, a rua do Duque de Ca-
xias n. 50, recebea bonitos- veo9 ou mantinhas
pretas de seda com Acres, e outras a imitacio de
croebe, e Tende-as pelos I>aratos precos de 31,
4^e6#000. A faienda e boa e esta em perfeito
estado,,pelo que continua a ter prompta extrac-
'^ao
Perieita novidade.
Grampos com borboletas, bezouros e gafa-
nhotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, a rua do Duque de
Caxias n. 50, recebeu covos grampos com bor-
boletas, bezouros e gafanhotos, o que de certo e
perfeita novid de. A quantidade e pepuena, e
por isso em breve seacabara.
ftfoims gollinhasoruadascom
pelucia ou arminho
A loja d'agnia branca a rua Duque de Caxias
r 0, recebeu uma pequena quantidade de boni-
s e novas gollinhas, trabalho de 12 e seda, en-
neitadas com arminho, obras estas de muito gosto
e inteiramente novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, a rua do Duque
Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetas dourados ; assim como
novos diademas de aco, e como.sempre conti-
nua a vende-Ios por precos razoaveis
Gaixinhas com p6s dourados
e prateados, para eabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn-
EB.de Caxias n. 50.
uYas de pellica pretas e de
outras cores.
A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
xias u. 50, recebeu novo sortimento de luvas de
pellica, pretas e de outras cores.
-------

Rape Rocha
a 1*000 a libra : na rua do Vigano n. 7. primei-
ro audar.
fl DROGARIA HOMEOPATHICA
nil nm-
4\ Rua d Iufpepador -M
Os proprietarios deste estabelecimeoto, no lntuito dedhconservarem os cre-
ditos de prameiro neste genera, continuant a esmerar-se na preparacao,escrupulosa
de seus medicamentos, podendo garanlir ao respeiuvel puWico deste cidade e in-
terior que sao rigorosamente observadas todas as- regras phanracologicas. Outro
sim, que com o mesmo dm aeba-se- a testa do estabetecimerto, tend*' mm cargo a
inspeccao de suaa preparacaa* e dinecoaa do coosultono,o acreditado medico ho,
meopatha Dr. Jesuino Augu*to dos.Sanios Mello.
Tem todos os medicamentos especiaes pars bexigas e os considerados pre-
servativos : assim tambem, os raediearaentos da sua drogaria em todaS as dym-
namsa^Ses conhecidas e mais usadas: '
Carteiraa liomeopaticas de 12 a 120. raedieamentos em tintoras on globnloa e
a excellente oora do Dr. Mure Medico do. Row em 3-' edicip.
PARA D1A DE FI\ADQ&
ARM1M
r azendas finas
Rna K dc lar$a n. 7 A.
DE
Cordeiro Simoes <& C.
E' esta casa, sem duvlda, uma ds que hoje,
pode com primaria apresenfar aos sei<> firgaaes
ura vanadissimo sortimento de faxei.das n.-iaa pa-
ra grande toilette; assim como, para o us.ordi-
nano de todas as classes, e por pr-p* vaaiajo-
sos para os cempradorcs, de euja? faawui um pe-
qneno resumo.
Mandam fazendas as casas dos pretendetes,
para o que tem o pessoal necessario o daw aBos-
tras mediante penlior.
Cortes de seda do lindas cdres.
Ditos de gorgnrao de cores.
Grosdenaple de todas as cores.
Gorgurao branco c preto.
Setim Macau preto e de cores.
Grosdenaples idem idem.
Veludo prelo.
Granadine. seda preta e eolismasrt e cores, Kn-
dissimas padrOes e fazenda da ultima mod*.
Popelinas dc lindos padroes.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Manias brasileiras.
Coicbas de seda para noivos.
Cortes de cambraia branca com lindos bordadoe.
Capellas e mantos para n ivas.
lliquissimo sortimento de-las com li.-tf.is > seda.
Cambraias de corei
Ditas maripozas, brancas e de cores.
Nansuck de lindos padroes.
Raptista de padroes mui deljcados.
Perealinas de quadros pretos e brancos, de tis-
tras, etc.
Brins dc linho dc cores, propi ios para vestidos .
com barra e lislras.
Pustao do lindas cores.
Ca>aquinhos de IA e de todas as. cdres, para e-
nlioras.
Saias bordndas para senhoras.
Camisas idem idem
Vestaarios para meninos. '
Ditos para baplisados.
Cliapeos para ditos.
Toaliias o guardauapos adamascados de iiaho,4a
cores para mesa.
Colchas dc li.
Cortinados bordaios.
Camisas bordadas para homem.
Meias de cores para Loiucns e meoiucs
Completo sortimento de cliapeos de t..l para Lu-
mens e senhoras, com cabo demaiflm.
Merino de cores para vestidos.
Dito preto.
Atoalhado de linho e algodao para toalhas.
Atoalhado pardo.
Drips de linho branco, preto e de cores.
Setim de lindas cores c com listras
Chales de merino de cores e ptelos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta e de cores.
Dito de touqmui.
Camisas de linho.
Ditas de chita.
Ditas dc flanella.
Ceroulas de brim c algodao.
Damasco de la de cores.
Pannos de crochet para cadeira, sofa e ccnsollot.
Colchas de dito.
Tarlatana do ti das as cores.
Espartilhos lisos c bordados.
Foulard' de seda.
Cajacos a tricot.
Ricos cortes de vestidos de linn.) pan- se'nlior:
de di irsas cdres, com os compt-tcctes enfei
tcs, ultima moda.
Casemiras prelas e de cores, chita?, malapoloe.
cambraias, panuo fino preto c azul, r"ll;irinba;.
punhos, gravatas, luvas de pellica, ditas d Bo
de Estvcia, brancas e de ddres, lapa'to de lode
os tainanlios, bolsas de viagem, etc etc.
Na loja do Passo, rua Primeiro de Margo n.
A, antiga do Crespo.
Gratis.
um
as
aimm
1800 RS. 0 COVADO.
Vende-se granailii.es com listras de seda
para vestidos de senhora^ a 800 rs. e I>00(
o covado.
COLCHAS DE CROCHET A 69000.
Vende-se ricas colchas de crochet para c
mas a 6?H)0O.
PANNOS DE CROCHE'T A 1500.
Vende-se pannos de croch6"t para cadeiras
a 1)9500 e 2JJO00.
CASSAS TARA CORTINADOS.
VeDde-se pecas de cassas para cortinados
com20varas, a 10JS000 e 12000, eoutrat 1
muitas fazendas em liquida&ao.
Plumeria, para mordeduras de cobras.
Sarraeenea, para bexigas ( ou preser-
Vaccina, para bexigas ( vativo.
China cruzeiro.'paia febres iotermi-
tentes.
Schynns, para angina.
Calendula, para queimaduras.
Tarantula, para paralvsfas.
Carnauba para syphilis
Chocolate homeopathico d'Epps.
Encerado de armca.
Pos homeopathicos, para denies.
Jaried, para rheumatismo.
Matamata oh Jaboty, para tosse.
Espirlto de Hahneman ou de campho-
ra.
Cacius Grandaflora, paneipneuatfiDias
ou molestias do coracao.
OnsHHom hiriiiCHpflllro
BO
DR. SAOTOS MELLO.
Consultas das 11 horas da marnhaa Ida tarde.

SAUDADES.
Amara), Nabuco 4 C. acabam de receber
variado sortimento de capellas funebres com
seguintes iascripcoes :
A men pai.
A minlia mai.
A men esposo.
A minha esposa.
A meu filbo.
A minha filha.
Sandades.
Amitade.
LaMbnnca.
Vende-se no bazar Victoria, rua do Barao da
Victoria n. 2.
Os vordiideinos

*e-BVr
-.
Vinhos de Bourgogne!
das niarcas
Chambertin
Pomraard
Virits
olnay
Beanue
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas. .
Veirtfe-se por hnm preco
PARA LIQlJIDACAODE CONTAS
NA-
Baa Lai-ga do Rosario u. 34
Botica*
'doa? Ml
*rq'9l ?etfaJ
j .aPriftr, r> ,ued
j
Armazera do fiimo
j Ru* da Madee-daDeus n. 10 A.
Jose Domingues do Carmo e. Silva paftiaipa ao?
seus fremezes. e. amkas que. no seu armaaem i
rua.da BSdre de Deusa. 10A, se aclraurt com-
Sleto sorttawnto- defame em fardos de patentu 1.*,
* erX* srUs;dos naaibareo fabricantes da Bahia,
e bem assim a 8w de todos os, fumos de carda
rojos, pacotes, latas granges e peq,uena9 tam-
i d4s rauf acreditaaos fabricantes Tdrres 4
Arajo Ligaur, AdofpbA 9cbsb 4 ., Lizaur
Schmidt A C, Veipas i Aranjo, Trindade 4 Ave-
lar, Teuaija,; Piuo. 4 Portall* (garaniido pelo?
mesmos) e de outros ainde uao conhectdos pelo
publico desta capital. 0 annunciante dBclara que
fttmo-que fee vendtdo-em sn easa-sert pelo
Mobihas baratas
' fJo armazem de Joaquim Lopes Machado 4 C.
ha um bom sortimento de mebilias de Vienna,
brancar e pretas, que se vendem a precos com-
modos.____________
Agtias AIcalino-Gazosas das Pe-
dras Sai^adas.
VillaRouea.de A^uiar.
BICARBONATADAS-SnDICAS
Analyses ao r. .los- Julio Rodrl-
gues, leute da escola Polyte-
ebnica de Lisboa.
Esta excellente agffa usada com vantagem no s
padeeimentos das vias digestivas, urinanas, do
estomago etc>, etc
Vende-se
NA
Pharmacia e dragaria
DA
H- Qua larga do Rosario n. 34.
Rua do Barao da Victoria
n. 22.
(l^ncerlo dc machines.
0 proprietario do Ra;ar Universal de novo avisa
aos seus freguezes, que contiuda a m.idarcon-
certar machinas de costura, vendidas wn seu es-
tabelecimento, e por pessoa muito latntiUda pa-
ra este fim, e d conforraidade com & anuuueios
feitos por este jornal.
E bem assim vende todos as perte< s para.as
mestnas machinas por commodo preco para os
seus freguwes.
E tambem previne a todos os seus fregueze.
que o Sr. Alfredo Luiz Ducasbte deixoti de sers
seu empregado desde o dia In do coi rente mez.
Recife, 17 de outubro de 1873.
N. 22 Rua do Barao da Victoria N 22
______Antonio Duarle Carneiro Vianna.
Para senhoras.
Claapeos de sol a SrOOO.
Chapeos de Sol do lindas cores e cabo compri-
do, ultima moda em Paris, propnos psra as
Exmas. Sras. apreciadoras dos banhos em Olinda,
e mesmo para passeios nos arrabaldes da cidade,
pelo baratissimo preco de 2*000 cada um ; e ,.:-'
chincha : so na loja do Passo, a rua Primeiro de
Marco n. 7 A, antiga do Crespo
Para meninas.
Cliapeos de sol a 2*000 ; e pechincha : so na
loja do Passo, a rua Primeiro do Marco n. 7 A,
antiga do Crespo.
l!
I aixa.
A vista desengaai.
Madapolao francez a 6$000
a peea.
Tem a loja da America madapolao francez, e
bom Je vende por este preco para aeabar na rua
C doabuga n. 10, loja da America.
Vende-se uma taixa de cobre, pequeoa : no ar
maaem da bola amatella, na travessa da rua do
fmperador.
M Mm

Las e sedas.
Mobilias

Cadeiras de giiarnicao muito haraUs
23- \\m lim\wi k (Hindi)
CDNHA ATIANTA.
Bazar Victoria.
Cambraias bordadas e outras fazendas,, vendea-
[se baratissimo, a dinheiro : a rua do Barfc da
'Vtetoria n 9, antiga rua Nova.
seu >B8t valor, e que ^aasdo, ganstir
va *Udads, aera. saoero, mui particukrramts
pom as. pessoas que poui ettendam da materia ;
pore para bem servlr a todos, tem a annnndante
-'Qgga pratica 4e tC annos deste emmafm*
Calc>da fi-anoez,
Bawgnins bewtro paa taaws a 7*660:
loja de fiortq 44
23i
Amaral, Kahtico C. receberam completo sor-
I tiumnio'de beii^.llas de canna. proprias para des-
canco de velhos, de rheumaticos, etc., HB., aou-
|tras de pharuasia, completo sortimento de-ehapeos
__ vmfc n ai nmn.---------- ,de sol, Itengallas, nmbellas etc., para senbora a
todas as Sitaf .Ir-ZhS' H??* e ?m para homem' com rab0 de marflm com flnra de
nr^a rifa ^ 0,t, 1 n.^' Pl. ^r 0 ,ra- mptal> lis0^- e,- ele- ^stes uteis e especiaes ar^
}ar na rua do Harquez de Olinda n. J,-loja. tigos vende-se na rua do Barao da Victoria n. 2
Hesperidina
TfH
Verdadeiro biter hesperidina, superior e tttado: a venda so armaaem arTlwaa If im di
U rna do Amorim p. 3T
FAZENDAS
[Rtaa do Queiraado n. 43, 6
pechincha^
na praca da Independencia n. 39,
Bastos.
u
Pertland. desembtirad^ no dia 4 do oor-
j rente, mnguem ten dhwento de Portland
j mms noro Bern de me*hot queiidade : a
a e barata : vartese na rualat^a* fl ve^a no armazem da bola aHufella, traves-
I sa da rua do Imperador.
Salsa pamlfea
Rosario n. 34.
he
ce-
HfGlVfl
I*fc,ha#dte> cores a 200 r. o cevade.
BMki da.Mrege de quadrinhos a 280 rs. o
vado.
Ditas com bonitas listras de sede a 1*,
' OTDss de vestidos a escoceza, com 15 covadas
a 7Wf
Bap'.istas'de barra s 800 rs. o covado.
- Nansuc tran;Ji. Pa para vesti-
d s a 240 r< o cova I
Lencos abainhad^ do iiuho a 3*500. -
Vnalnas grandes para rosto a 500 rs.
Bramante de 4 Urguras, pmprio para lencoes a
i*60Q a vara. e muitas outras fazendas por me-
nos da su valor.
W* rua de Quelmado n. 43, em frente da pra-
cinha.

E' barato.
Baptistas a 400 rs. o covado.
Boas las a 440 rs. o covado.
Alpacas de cores a 800 rs. o covado.
Camhraias bordadas finas a 25*000 o corte.
Popelinaa a 1*400 o. covado.
Sedas a 2*500 o covado.
Chales de louquim a 25*.
Basqninas de grds a 20*
Colxas de fu^ a **.
A' rua do Bario da .Victoria a 9, aii.iga rua
Nova.___
E' barato.
Camisas inglezas da 60* a 45* a duzia.
Csllannlios de linho a Si a duzia.
Chapeos pretos fines a 40*.
Ditos de castor brancos e pretos 9*.
Ditos de mrrinoa 3*.
Cortes de casemira Una a. 7*.
Ditos de dita a 5*.
CAFE B RIOT
Tem para vender J. S. Campiro da.Cu-
nha, em seu escriptorio a rua do JEocauta-
meuto n. 5, 1. aodar.
ATTMCiO
A loja do Passo recebeu riquissimos corlaade
tarlatana prateados, proprias para bailes, fachas
de seda de lindisaimos gostos, e di versos artigos
proprius para senhora : na rua Primeiro de Mar-
co (antiga do Crespo) n, 7 A,
mm
smmmm,n._
BUn


jL



Diario de Pemambuco Sexta teira 24 de Outato 4 isf 1
1
fflTERATORA,
istrlnpatria
TESTA SENTO Itt. M\0 IKRNASDES Y1EIBA.
IConclusdo)
23.Goraprei o engeuho da Varzea, da
invoeagdo de San-Jodo, a Jacques Moca,
com os partidos que foram de Felippe Mo-
roira, na qual vondi o coufpra houve en-
gano manifesto ; posso dizer quo era tnais
do que soacbou nas quantida les do terra, o
ndo sor mais quc urn Molinole ; o vendeu-
se por u:n preoo earissimo, o ate hoje sc
nao lirou neiiiium provcito delle, fazeudo-
se duas vezes de riovo ; c d conta 'deste va-
lor fiz tres pagameritus do oito mil cruza-
dos (i) cada ura ; e quaudo fizeram os nw-
radores i.s guerras, me retiroi de minhas
fazendas, e foiam os geuros do dilo Jacques
Moca e seu filho, o me levaram oilcnta, pi-
cas de servico (5), que cada uma valia na-
quelle tempo inns de cem mil reii ; o cin-
aienta bois, que tambcm naquolle tempo
v.iliam vinte mil reis cada um, o todo o
assucar que eslava na casa dc purgar c en-
caixado, que um e otitro eram mais de cem
caixat todo o assucar ; o n iquelle tempo
valia trinta t sets mates a arroba do bian-
co, e vinle e seis rcales o mascavado, e
outras cousis do valor quo levaram Jo casa,
que tudo iraportava em muito dinlieiro (6)
1%.live largas coutas com os governa-
dores da capitania que foram do supremo
coiiselho, aos quacs comprci quaulidades de
fazcndas.de roupas e de escravos o algu
mas terras o tontratos de dizimos, a cuja
conta lei gran do quantidade de caixasde
assucar, pd > brasil, livrangas de encontros
e outras cousas de rnuutimenlos da terra ;
e quando os rnoradores fizeram a guerra,
relirando-mo eu com elles, mandaram a to-
das as niinhas fazendas a tomar todo? os
assucares quo se acbaram eucaixados e por
eucaixar, quo foram mais do seiscentas cai-
xas ; o no Recife me levaram quantidade de
escravos, oobres e outras muitas riquezas
que estivim por niinhas casas epor minbas
fazendas ; equeiraarara os engeubos edes-
truiram tudo e-ii que me ieram graodiosas
perdas, e de mais roe sao devedores da di-
Tninuigao pelo que me deviam fazer de
abatimento em doze annos de perJas que
houve na campanba, do quo os soldados
portuguezes fizeram do queimas e arrombar
agudes ; jirrelar bois ; e levar escravos ; o
quo impossibibtava as moendas. e licou o
tr3to leso, c eiles eram obrigados a toda a
seguranra, porque com esta condigfioequo
arroraatei o contrato e elles o outorgaram
e me tinham ja offerecido quarenUi mil
cruzados (7) dc abatimento cada anno, e
eu os nao ^uiz aceitar porque era pouco.
Tambem me sao devedores de mais de
cem mil cruzados ; (8) que no decurso do
oito a nove annos Ibo dei por remir minha
vexagao e por sjgurar a vida de suas tyran-
nias ; de peitas e dadivas a toJos os gover-
nadores e seus ministros, com graudiosos
banquetes que ordinariamente lbos dava
pelo? (razor contentes.
Tambcm me sao devedores de nove na-
vios que me toraaram nos mares com gran
diosas carreg icoes debaixo dos seus passa-
portcs ; e assirti mais me sdo devedores do
cinco moradas de casas que tinha no Reci-
fe, de grande val r; e das casas em que eu
morava com tudo o ornate de tanta consi-
deragiiocomo nella bavia que importava
muita quantidade de dinheiro ; e em t das
as paries me destruio o roubou esta nagao,
grandiosas riquezas,- e por mais que Hie
dev.i, de naiores qa.'ntias me sao devedo-
res ; e eu pelas armas me desforrei das
vtolenciasque praticaram, e s>bre modo ti-
nha"'. obrigagdo de me fazer todo o bem e
segurar-me ; e com estas razoes e outras
que cc poderiam alleair, acbo em mioha
consciencia quo as Azcndas compradas a
pagaraeatos umas pelas outras, ainda me
sao devedores o nao Hies devo a elles nada;
o as clarezas e quitacoes quo tinha suas, em
como lhes bavia pag >, ras as mandaram
tomar em minha casa do meu escriptorio
que tinha no Recife ; o tulo quanto vende-
ram foi por excessivos precos.
23. Declaro que "a Jacob Estacour atraz
referido, quaudo Hie comprei todas as suas
pertencoes que tinha nas terras e cm umas
casas quo tinha no Recife ; entrou tambem
nu mosma compra a propriedade do umas
casas, que tinha feito um seu criado fraucez,
e assim mais em dezasete pecas que o dito
criado tinha tambem cm seu poder que Ihe
deixou o dito Jacob Eslacour, por respeito
de ser casado o dito criado com uma moca
portugneza por nome Maria do Arruda, e
por outttti respeitos lhe deixava estar pos-
suindo ostaes bens ; e cmbarcando-se para
ilollanda o dito Jacob Estacour, me deixou
por ordena lhe retirasse os taes bens, o que
(4) 3:200000.
(oj Pecasera o nome que uaqiu lie tem-
po davam aos escravos.
(6) Neste lugar o resto da verba estd in-
intelligivel.
(7) 16:OOQ'000. .
(8) 40:000000.
era nao :\r. por corto respeito, antes o favo-
roci mais e Ibe dei um partido de annos
que depois vendeu, e os favores quo eu Hie
ifazia era para quo a mulhor os lograsse ;e
ulle era um renegado e foi graudu acoatc
Nesse mesmo tempo voio a gente da cam-
panba e matou este hercge, e deixou um
filho que eu por remodiar alguma falta do
honra da mulhor e por disfargar a suspeita
quo os flamengos tinham contra mim, cha-
mei um escrivSo de orpbaos e fiz fazer inven-
tario ; e sem ter bens proprios Ihe lancei os
que possuia, no invontario, polos respeitos
referidos, com que-o filho, em consciencia
nao possuia nada.
Fizeram-me sou tutor e tudo fui accitan-
docom dissimulagao.
Depoisdealgum tempo tive com a diti
mulher ajuntamento, de quo tivc um filho,
e desse parto delle depois rajrreu cllae eu
fiquei senJo o legitimo herdeiro de todos os
bens que ella podia possuir, porque os que
pertenciam a Jacob Estacour eram meus c
os que Ibe dei ; demais a mais erahcrdoiro
pela crianga, com que em consciencia nao
devo nada ao dito filho, quo se chamava
Carlos de Oliveira ; e de mais o mandei criar
e doutrinar ate a era do 1654, o o susten-'
tei c vesti trazendo o sempre a cavallo, com
escravos, e o cheguei ao posto decapitio,
cjm que gastei com olio no decurso do
tempo mais de cinco mil cruzados (9) ; e'
tudo quanto ficou da defunta, das portas
para dentro, de vostidos, brincos e hmpoza!
de casa dei e entreguei como e notorio, a i
uma irma da defunta por nome f.jiza de
Oliveira, e a casei com 0 capita) Amaru Lo-
pes Madeira, a quern dei oito mil cruzados
(10) em dote, como c bem pub'ico, cm que
entraram quasi todas as pegas que a de-
funta tinha, c um partido de canuas melhor
do quo o quo tinha a defunta, porque ease
o tinha vendido a Graco Olince, de que se
nao cobrou a quantia por respeito da guerra
que se fez, e as casas ficaram no Recife,
com que nenbuma cousa com ser meulo-
grei, antes dei muita fazenda da minht por
fazer bem e por encobrir faltas e outros res-
peitos ; mas disto sabe muita gente, quando
seja necessano, mas fago esta declaragao
porque uma avo do dito Carlos de Oliveira,
informou contra a verdaded i que ella sabia;
e por este capitulo se govemarSo meus her-
doiros c testameoteiros.
5. //. de Albuquerque.
SGIEHGiiS
Ikposilode cadaveres nas igrejas e males
que dessa pratica podern resullar para
os vivos.
Uma das epocas mais brilhantes da nossa
hisloria, que aba's tern muitas paginas de
oiro, foi cortamente aquetla-, era que foi
approvada a lei provincial, que prohibio os
euterramentos nas igrejas e determinou a
construcgao dos cemiterios. Foi uma dessas
revolugoes grandes na verdade, porem que
foi effectuada eom tola paz e socego, de-
vido talvez isso & presenga do veneradoe
estimaiJo prelado I). Joao da Purificagao,
deque todos nosnos lernbramoscom- a msis
doceeffusao de uma intensa saudade, pois
naquelle tempo febz reinava a mais placida
harmonia entro o pastor e o seu rebanho,
e nao se agitava essa magna questao de fa-
zer as ovelhasabandonarem o aprisco,.onde
foram creadas raansa e pacificamente na
Santa paz do Seahor e viverem despersas e
sem saber onde procurem protecgao e abri-
go : ou d presenga do presidente Bonorio,
que morreu Marquez de Parand, que se
sabia quo era homem capaz de tomar me-
didas a Cavaignac : fosse como fosse o> caso
e que os nossos illustrados e conspicuos
ministros do altar aceitaram a mudan^a de
cousas, quc alids ndo deixou de dar-lhes
algum prejuizo, e cooformaram-se com o
novo estado para oque talvoz muito coope-
rasse a circumstancia de n'aqueile tempo o
nosso santissimo pontifice nao ter ainda
conquistado a qualidado essencial a Deus
A infallibilidadenem tinhamos ainda re-
cebido a divina visita dos santos varons do
S. I.ourengo da Matta, de cujos beneficios
jd temos tornado uma tao grande fartadella,
que estamos arriscados a ter alguma peri-
gosa in ligestao, se elles nao nos fazem o
favor de nos deixar quanto antes.
Essa grande providencia de ac&bar com
o costume do so enterrarem. os cadaveres
nas igrejas teve um fim altaraente hygienico
o altamento civiiisador, e foi acima de tudo
a execugdo dos preceitos da nossa religiao ?
Quem nao sabe o estado a que tinham
chegado os nossos templos com os enterra-
mentos dos cadaveres em seu recinto ? Acaso
o tempo escoado de eutao para cd serd tan to
quo tenba feito esquecer o numero das vic-
timas sacrificadas ds exhalagoes despreudidas
das sepulturas das igrejas ? A missa de ma
drugada quantas mortes repentinas, quan-
tas syncopes, q-iantos deliquios ndo cau-
sou ?
Uma lei sabia separou os vivos da po
dridao dos raortos : uma lei muitas vezes
FOLHETIH.
IBSAT&O DEJANTQ AHOSIO
A MORGADtNHA DE VAL-FLOR
Depois de um interregno, de quasi um
mez, motivado pela presenga dos lilhos do
sol, vok u o Santo Antonio a vida se'ria, a
vida da arte 9 do espinto.
Nfio mais ;.e ouvem os sons da tromb^ta
com que os cidadaos de Iedo, acompanha-
dos dos sens inseparaveis e poeticos compa-
nheiros os classicos rabichos, anmmciavam
pelas ruas as proezas de Satsurnds eosre-
quebros da Sr*. Mazucco ; cuja voz foi clas-
sificada por cortos apreciadores de noTidades
a ultima bora superior a de Patrese, Sach^ro,
Bc-ltramini e outras.
Que impreissoes agradaveis, quantas recor-
dagdes saudosas I
Oh I Satsumds.oh! Mazucco porque dei-
xaste os -leus apreciadores boquiaber-
tos?l
Felizinento 8 tempo e que c um grande
medico, ate para regenefar os costumes de
qualquer rxvvo, id fez desapparecer do ce-
rebro dos en:husiastas da esthetics, do equi-
librio, as im])ressoes gravadas pelas tinas ja-
ponozas
Fazendo da Diogenes, prescindom da lan-
terna, e confiando na excellencia da vista,
(9) 2:00055000.
(10) 3:2005*000.
repetida, e muitas vezes despreada, poz um
a um dos ma ion Lue soffria i hu-
maai qualquer oulro pflje* o funesto
prejuizo de que se achava pad ido a tris-
te humanidade de se esquc e a morte
iguala o pobre tugurio e -egto pag), e
quo o preceito de Deus i WHlivel, xjuor se
trato do rei, quer se trate do peio : nin-
guem escapa do pulverem reverteris do
evangelho.
Se se tratasse de fazer uma re vista retros-
pectiva a respeito dos diversos systerna 5
adoptadus desde a mais reiiota antiguidaie,
quer pel is povos barbaros, quer por aquel-
los que gozaraox de foros de muito adianta-
do's na carreira da civihsagSo, e muito mais
adiantados sem duvida do que muitos his-
toriadores e pensadores querem suppor,
achariamos em seus costumes sempre dis-
posigoos favoraveis aos reclamos de umaboa
hygiene publica. Ou se considerem os em-
balsama mentos que com a maior perfeigao
oxecutaram os antigos egypcioj, e que tem
tiJo a celebridado de intactas atravessarem
uma fouga cadeia de seculos essas mumias
i u a melhOr e mais salutar substituigao
feita pelos romanos de reduzirem a cintas
os restos de seus parentes e amigos, guar-
dando-as inalteraveis e innocivas em peque
nos cofres; como um sagrado penhor ; quer
se encarem com admiragao e respeito as
grutas talhadas na rocha que taosabiamen-
te foram usadas pelas primitivas pupulagdes
da Africa, Ethiopia, Egypto, Crimea, "G-re
'cia, Italia, Sardenha, e Sicilia ; quer e-n-
fim quc se admire o raro instincto das po-
pulagoes.selvagens, que como os iiegfos da
Senegambia aproveitam oas grandes massas
de cascas de mariscos para no meio dellas
depositary a para sempre os restos de seus
parentes e amigos, o que e verdade e que
nesse procoder tao diverso se encontra uma
idea nobre e elevada : Iivrar os vivos da
corrupgao dos mortos.
A lei romana com toJa energia prohibio
os euterramentos nas cidades-: foi.semjxe
esta prohibigao rospeitada em quanto durou-
o imperil) rumano, e nao ba quem saiba
alguma cousa de historia que ignore a ve-
neragao que tinham aquelfes povos pelos
seus deuses penates. Os imporadores sus-
tentarara uma luta heroica contra a tenden-
cia que em geral havia para fazer esquecer
a lei.
Os concilios- e os synodos- christaos- man-
tiveraiw-na, p-wque a religido- christa n'a-
quelles tempos felizcs occupava-se da saude
de seus filhos, e boje trata sdmente dos in-
teresses d'aquelles que vivem &> custa d'ella;
ndo obstante, pordm, apre'videncia eenergia,
tanto dos lcigos como das autoridades eccle-
siasticas nfio pdde resistir ao fervor dos fieis
que na metlia idade e ate' o seculo XVIII
arJiam por collocar os restos tnortaes ao pe
das reliquiae-dos santos, nao se lembrando
do mal que podiam causar aos vivos.
0 mal e o-remedio do mal : foram taes
as consequencias dos excessos e abusos, e
taes os golpes que recebeu a saude dos po-
vos dos campos e cidades, que viram-se
obrigados a fazer reviver assalutares dispo-
sieoes legislativas antigas, mais sabias que
as suas posteriores.
E' que naquelle tempo se nao vendiam as
dispenses ecciestasticas nem se nwrcava tu-
do na igreja, nem so faziam as- extorsoes
que hoje com' todo escandalo e preterigao
de formulas se fazem na igreja em proveito
de meia duzia de famintos e concupiseentes-
A persisteneia das autoridades ec dosias-
ticas e civis, os-canones dos concilios, e
seus repetidos e aturados esforgosacabaram
com effeito por destruir esses pogos pesti-
lenciaes que evistiam por toda part.
As palavras desses canones teem a maior
parte das vezes um colorido tao brilbante,
uma energia tao t'ascinadora, quo pintam o
melhor possivel o quadro metlonho que
apresentavara^ todas as igrejas naquelle tem-
po por tererai sido convertidas em cemite-
rios, ou antes por jue o peccador, pagando,
pode ficar crando que tem direito de apro-
ximar-se do-lugar destinado somente para.
Deus, c alii occupar um lugar igual em ge-
rarcbia, ou. esquecer-se de que oseu corpo,
a materia sem- alma, 6 o puPbis de qua
falla a escriptura.
0 concilio de Braga era Portugal em 563
tem um caoone di guem serd enterrado nas igrejas, porem stra
f6ra e em, redor dos muros,. porque se as
cidades tem o privilegio de ndo se pode-
rem enterrar os mortos dentro de seus mu-
ros, (uauto rnais nas igrejas, por causa do
respeito devido aos corpos dos santos mar-
tyres que noli as se acbam depositados. .
O concilio de Auxerre em 585 prohibio
osenterros nos baptisteries, non licet m bap-
tislerio corpora sepellire*
No mesmo concilio ha uma disposigao que
prohibe enterrar um corpo sobre outro, isto
e, antes que o primeiro. esteja consumido.
0 VI canone do concilio dt Nantes, em
660, encerra iguaes disposigdes. prjhi!>i-
tivas.
No fim do VIII seculo (794) Theodulpho.
bispo de Orleans, homem que por sua ira-
portancia, merecia a confiaaeai de Carlos
Magno, representou ao imperador contra o
procuraram, ate que afinal deram-nos d co-
nhecer, que, os thesouros da arte occultam-
se no fundo de uma tina I
Beraaventurados esses descobridores, por-
que delles serd o reino do Japdo I
As impressdes japonezas passaram, como
passa a nuvem densa, serviudo-nos do lin-
dissirao verso de uosso Barreto.
E ainda bem, que passaram ; digamo-lo
era honra do nosso publico, quem espi-
ritos pessimistas attribuem pronunciado
gosto pelos Satsumds e Mazuccos.
A arte tomou de novo a palavra, aprecia-
mo-la, e felicitemo-nos n6s, que temos a
mania do bello. N.
uso das sepulturas, dizendo que haviafO
feito das igrejas ottro3 Untos cemiterios,
e sustsntoa poraljum teiipo a mais restric-
ts oliservancia dos canoues rslativos ds se -
puttoras, nio s; importando que algms
bispos ndo gostassem de seu procedimento.
Citaremoa as suas proprias palavras ungi-
das de/revereacia inexcedivel ao que e dr-
vino : Loco divino culiui mancipala et
adofferendas hostias praipurata, cemeleria,
sivepolyandri-a facta mint; unde volumus
ut ab Imc re deinceps akafinmlur et nemo
in ecclesitt sepeliatur, nisi fof.io t-alis perso-
na sacerdolis aul cujuslibet jiiili, homiius,
quce per vitam ineritaiii lalem vivendjsuo
corpori defuncto locum acquisicit.
Depois de haver ostabeloeido as unicas
excepgdes, ,que deviam se eoaervar nesta
regra, Theodulpho tevao maior cui ladoem
restituir ds igrejas a feigdo de <|ue nunca
deveram ellas ter sido desaojadas ; inandou
demolir os antig< tumulos e prohibio que
dalli em diante se construisse algum que
sobresahisse ao nivol do chao, ordenando
que s,' ndo fosse possivel executar essas or-
ticand a primordial convortida s-j.nenlo em
cwmiterio.
Carlos Magno para pdr tenno a questoes
suscitadas entre Theodulpho c os outros pre-
lados de Franga,privou os loigosda sepultura
no interior dos templos, e mais tarde inter-
disse as a todos in Ibtinctamente : PiMus
deinceps in ecclesia mortuum sepeliat.
(Anno 797.) .
O canone X-Xl do VI concilio de Aries em
813, o concilio de Magoure, o concflio de
Meaux em 8 5 (canone LXXIT) e o concilio
de Tribur era 805 (canone XVII) 3utora-
ram os enterra mentos nas igrejas, somente
porem dos bispos, dos abbadtes e dos padres
e leigos de primeira ordem por suas virtu-
des, respeitando em todo seu rigor as or deus-
anteriores quanto aos mais.
O tllustre Uinem;r, arcebispode Reims
procurou cortar esse abuio : acabou com
as sepulturas 'hereditarias, e incumbio aos
curasde'foizerem os reguHamontos necessarios
para isso. 0 concilio de Meaux, anno de
845 dd- iguaes instrucgSes- em seu canone
LXXII. 0" concilio de Nantes, no Sen do
seculo IX, prohibio formalmente construir
tamulos no interior das igrejas, cujo ciiro e
allhres jd barium sido invadidos e permittio
que- os fizessen no vestibulo, porticos ou
gaFerias exterioi>es.
Ndo pode nos- nos recusar ao dever de
transcrever as proprias palavras deste on-
none :; Prohibendum est elixtrn secundum
mijopum institute, ut in ecclesia nullale-
nus scpelliantur, std in atrio out in exedris
ecclesia. Ihtraecctestam vero et -yrope altare,-
ubi COBPOS DOVIM sr- SANGUIS cokficiantur,-
nullatenus sepeliantur. A' vista da unani-
m idade de pensunentb que sempre existio
entre a itjreja e oestado civil, pode-se afian-
car que alia sempre se oppoz ao pemicioso
costume dos enterramentos nas igrejas: os
concilios feitos desde-o-X-ate' o XVI f I seculo
em todos os paizes catnolicos ddo>um teste
munho asihemieo dessa disposgao.
0 concilio de Ravnfte, no tempei de Gil-
t)ert, e depois no de-Silvestre II, em 995 ;
pjfl de Waichester em. 1076 ; o farrvoso sy-
inodo de Toiosa em 1093; era que conven-
ci os bispos e os grandes d terra, e outro para
a peble; o-concilio de Londres em 1107;
ddus de Cognac era t2oa e 1260-; um de
Bada em 1269; um de Mimes em 128i ; um
da Chester em 1292; um de Aviahao em
1326 ; um-de Narbonna em 1551 ;;um de
Toledo em 1566 ; um de Malines em.1570 ;
os comiies do clero dfe-France, reunidos em
Melun em 1579'; um synodo de Rtiao em
4581; umde Reims em 1583 ; umde Bor-
deaux o Tours no mesmo anno;. ura de
Bourges era-1584 ; u de Aix em. t585 ;
.im de Tolosa em 159* ; um:outro-de Bor-
tleaux em 1624; foFann todos eoncordes
nesse poato-e admitliain a raesma dsutrina.
A' vista, de tantas disposigdes legislatives,
de tanta raprovagao, como se pode acredi-
tarque um-abuso taO'pernicioso d-.saudepo-
desse conservar-se por tanto tempo? Sem-
pre se quiz attribuir esse medonho facto d
avidez do clero qua grandes lucros tirava
da coneessdo das sepnlturas apezar das
reiteradas prohibigoes; mas quem nao sabe
que o clero sempre teve a abnegagao das
riquezas e sempre cumprio fielraeote o
preceito da pobreza e humildade t8o recom-
mendadas pelo Ftho do Deus.viyo! Para
que diuheiio para quern vivo absorto na
contomplagao dos. mysterios da religiao e
entregue exrlusivamento d pratica das mais
sublimes virtudes? Ve-s&bem.qjnea causa
provinba de outra parte: ella tinha sua
soda no fervor desproposUado dos fieis : na
ambigao dos grandes que quertam conser-
vai sua gcrarchia ate na morte: nestas of-
.fertas voluntacias que a igreja rejeitava por
desencargo da consciencia, ao mesmo tempo
que estabelscia as exacgoes. de seus mi-
nistros ; eca principalraenta- devida a uma
falsa crenga, que o proprio Santo Agosti-
nho atacou : Cum sanctis marlycibus
quiescentes, eVadiraus inferui tenebras. eo-
rum propriis meritis attamen consocii sanc-
titate. *
Vemos portanto na antiguidade uml ^ro-
htbigdo de enterrar ou queimar os ^mortos
nas cidades ou suis vizinkaogas e uma dis-
posigao coilstante a infriugir os regulamen-
tos, quer fosse isso devido A crenga dos
deuses lares, quer ds grandes despezas, que
nao podiam satisfazer os pobres que eram
forgados a levar os seifsjnortos pSra isuito
longc, quer mesmo ao desejo dc subtrahi-
los aos insultos dos pagaos.quando elles per-
tenciam aos tieis. Occultava-se pois .nas
casas os restos morlaes com receio talvez
de que elles nio fossem confun lidos com
os infieis.
Construiram-so depois a3 caiacuniba, e
as primeiras doagOe- de terras leitas pelos
convertidos ou pelos sonhores romanos fo-
ram d-.'stiiiad.is para formagdo dos cemiterios
christdos. Fgirmados elles comegaram a
levaular altares am seu espago; a ornal-09
com especbl cui dado, e provavelmeute fo-
ram esses altares convertidos depois em pa-
rochias. Estes p^quenos odificios a prin-
ciple separados das igrejas foram depois
reunidos por meio de porticos e arcadas, e
pdo correr dos tempos formaram os con-
sistonos deltas. Os tumulos e sepulchros
ou oenotaphios, serviram de alicerces aos al-
tares das capellas lateraes. Afinal alguns
dos cemiterios das parocbias situados nos
campos acabaram por ficar compreh'Jiididos
nas cidades pelo augmeuto progressivo
destas.
Por esta forma e quo se pode esplioar a
existencia das sepulturas nos templos chris-
taos, e a dos cemiterios no seio das cidades,
porque ao priucipio nao $6 nao se.en-terra-
va ninguem nas igrejas-, como tambem a
presenga de um unico turnulo era rnotrvo
salFfcieiite para niro ser permittido a edifica-
gio deltas: em todas as cartas de S. Gre-
gorio.em <\\v>. elle concede liceaga para cmis-
t'ruir umaigreja.se acha inscripta a clausula:
Si nultum corpus ibi coastal humatum.
A principiodesta lei geral -foram exceptua-
dtos os corpos dos raartyres e confessores;
Era jastrr,. diz S. Arnbrozio, qae as vic-
ttmus da 6i- fossem depositadas ao pd dos
altares em quo Jesus Christo se offereceu
em sacrificio-: succedant victims trium-
phales in locum ubi Christus est: sed ille
<( super altare qjii pro omnibus passus- est;
isti sub altari: qui illius redompti sunt
pasaione
A case de Deus era dos martyres e apos-
tolos; os mesmos imperadore3 ndo foram
sepultados-sonao nas dependencias dos tem-
plos.
*
A Morgadinha de Val-Flor, drama do
sympaibico escriptor Pinheiro Chagas, foi
represcnta lo no Santo Antonio.
Antes de proseguir, o chronista preteade
assentat que a Morgadinha rescente-se de
um gravissimo defeito: e uma iguaria dema-
siado neciva ao ostomago nimiamente de-
licado de nosso publico e desagradavel ao
fino paladar do mesmo.
Dito isto, por desencargo de consciencia,
conforme as sautas e moralissima doutrinas
de Hurtadoe Escobar, pnwigamos.
0 auctor dos Ensaios Criticos enfeichou
mais um louro d sua fronte jd tdo laureada,
onde ve-seo filho ilo talentu e os sigoaes
indeleveis de longas vigilias.
A Morgadinlia e um drama lindo: das
esmeradas pallmtas dc Pinhcjro Chagas sa-
hio um quadro bello, pathetico e arrebata-
dor.
Artisticamente estdo debuxados, com vi-
vissimas c6res, os preconceitos sociaes, bar-
reira de bronze, que se ergue entre dous
entes que se araam, impedindo o sublime
consoreio de almas lrmds, de coragoes que
pulsam unistnos.
Luiz, o pin tor, esquece o seu plebeismo e
ousa erguer a vista alto... muito alto...,
ate fia-la na Morgadinha de Val-Flor, fi-
lha da Morgadia deste nome.
Tinha taleato e virtude, mas, que valoi
poderia ter esse conjuncto de dotes ante os
pergaminhos dos morgados de Val-Flor?
Eis o que o Sr. Pinheiro Chagas pretsn
deu castigar e conseguio-o.
A Morgadinha, que a principle zoraba o
escarnece do moco plebeu, regeitando com
jaltivez aristocratica o araorque o consumia,
I e que elle confidra do papel na mystics lin-
guagem dos arcbanjos, e que o acaso per-
mettio fosse pairar as suas mdos ; mais tar-
1 de cede aos castos sentiraeqtos, que domi-
navam a alma e subjugavam o coragio do
Luiz.
0 plebeismo triumphs sobre os pergami-
nhos e dd-se a provacabal, robustissima, de
quo o coragao bumano, o levita do senti-
| meoto, ndo escolhe condigdo, logar e oppor-
tunidade para pronunoiar o seu verbo caden-
cioso e suave, quando, nosprimeiros anuos.
sente a necessidade de preencfior o vacuo,
que nelle existe, como as aves queo sol des-
Constantiuo foi o primeiro qise collocou
o seu tumulo no portico do templo dos
apostolos em Constantinopla. Uonorio, foi-
fenterrado no alpendre- da igreja de S. Pe-
dro em Roma:
Esta distiocgao foi se estendeudoaos no-
taveis pela sautidade desua vida, aos altos
persouageijs, aos fundadores, bemfeitores e
patronos, e os tumulos alcangaram-a nave,
o sactuario a o coro, e apezar das prohibi-
goes nada era-ma is ambicconado pelos gran-
des do que ser sepultado no lugar mais
honroso da igreja.
Taes distincgdes acabar-am por se tomar
hereditarias, e multiplicaram-se por manai-
ra que ndo foi possivel recusal-as a nin-
guem.
& resultado-foi converter-se as igrejas em
cemiterios, porque estes foram abandonados
inteiramente, apezar da- interrupgao dos
sar;tos mysteries produzida pela frequencia
dos euterramentos, apezar do-feddr- que
exhalava uma terra infoeta e revolvida a
cada momento, e apezar do estado do pavi-
mento dos templos que era mais irregular
do-que o das ruas.
!fao e ainda passado tempo sufficieate
para.se esquecer o quo vimos em algumas
igrejas: nao foi pequeno o numero do
vezes que se tropegou nos pequonos peda-
gos de tijolo que cobriam essa terra fria e
perniciosa, nem que uma de nossas pernas
cchisse pelo buraco de uma taboa podre e
fizesse pensar que era chegado o momento de
ser-se sepultado em vida, caso o susto nao
raatasse : a. repugnancia que causdva o es-
tampido returabante do lugubre soquete no
mais solemne momento do sacrificio in-
cruento, o apparato-contristador de se de-
nositar o cadaver na sepultura,. o mao cheiro
xjue delle se exhalava em muitas occasioes,
ps ossos, os pedagos ou craneos ainda com
restos de couro e cabellos, emfim esse ar
pesado e pestifero que abafava o peito de
quem entrava na igreja o araeagava suffocar,
tudo isso emfim era rnotivo mais que suffi-
ciente-para se acabar com o pernicioso cos-
tume de fazer da casa de Deus um f6co de
peste I !
Reagiram por conseguintoos legisladores.
e attendendo aos males causados pelas exha-
lagoes dos corpos em putrefacgao, conside-
rando na kninencia da uma peste extermi-
nadora, resolveram-se a acabar com esse
inco'nveniente costume de sepultarem os ca-
daveres nas igrejas, fazeado vigorar as leu
ecclesia sties: a tan tos seculos sabiamente pen-
sadase mandadas executar com todo rigor
e sem excepgdo, e tantas vezes por eccle-
sia ticos e profanes esqueeidss. e conculca-
das, sendo por cc.nsequencia dsesperar que
o oosso joveroo, atteu4e#J0 os grandes
males que podem vir para a saude publica,
deixe de annuir a odiosas excepgdes, como
jd desatteodeu d prelcncdo dos religiosos
franciscanos, que, a pretexto de serem pou -
cos e taltarein-Iheso meios para fazerem as
despezas com os transport* para o cemiterio
publico pediam ao govenro que lbes couce-
desse sepultarem os corpos dos seus irmdos
no eonvento, ndo se lembrando que era de
eu dever ndo se esquecerem que o serapbi-
co vivendo bumildcmente e na maior po
bresa, os seus discipulos ndo podiam caro-
cer de dinheiro para gastarem em cuslosas-
po upas, quando bavia transporte de menor
cuslo, e ate de graga !
^A
0 amor, esse agro e doce elo da cadoia
dos sentiraentos arrojados, transfo*ma a mu-
lher educada sob a influencia dos precon-
ceitos da velha nobreza portugusee era aman-
te de am plebeu, que valia tanto ou mais
do que todos os pergaminhos do Msrgadio
de Yal-FIor.
Leonor possuia^a nobreza do sangue, or-
gulhava-se de estudar a sua'arvore geaea
logica nas vagas espumantes dos mares da
India, na facnada das mesquitas mahome-
tanas e templos do Indostdo; e Luiz o ple-
beu, o artista, possuia a aristocracia d'alma,
unica que tem direito de cidade era toda a
parte oude ha uma raido sa, um espirito re-
flectido.
k Morgadinha e um drama, como os
que desejariamos ver sempre representados :
a par da fluencia e pomposidades do estylo
4 socdo bem oonduzida, os typos descrep-
tos com maestria artistica e a moral eolo-
rindo as scenas.
Jd nos parece ou vir os clamores, dos da
modernissima etcola, contra o drama em
questdo, por ndo ter o auctor observado as
novissimas regras do reahsmo deraolidor da
arte, tedioso e insipido.
E' exacto, que a Morgadinha ndo e um
drama puramente realista, nem puramente
rom-uitico ; 6 ata mixto das duas escolas,
uma especte de oclectissmo pava que cami-
nham dssassombradamente. alguns drama-
turges modsnios, reagintVj contra essa pre--
tongdo de fazer da seen*,, pela exageragdo
p'onte para algarem o vdo raodiiUndo uvm-jde realisina, a alcOva r>,enoivado ou o quar-
nos so creador. I to da mulher equivaca, frouxamente iUu-
A moral, a religiao, a respeito a Deus e
as cousas sagradas, e a hygiene public) de-
vem ser motivos poderosos de consideragao
para quejdmais se concede, sob qujlqnei
titulo ou pretexto,- a sepultura nas igrejas
ou perto.das babitaeoes.
Expostos os motivos pelos quaes se ndo
deve couseutir no enterra meoto dos cada-
veres nas igrejas, ndo serd diflicil cotnpre-
uender que a esta la delles duraate algu-
mas boras do dia ou da noite no rnterioi
dellas e da portas fechadas, poderd acarro-
tar males iguaes ou semelhantes, ainda mes-
mo que ndo* seja nem com tanta inteasida-
de, nem com tanta amptidao.
As razoos que militam eontra uma fctn
valor identico contra a oatra, portanto se-
as eonveniencias sociaes pfobibera uma^
devem forgosamerrte se oppor a outra.
Alguns hvgienislas, e desde tempos re-
motes, sdo de opiwiao que quando ha
graode ventilagdo o por consegUinte abun-
danlo rei>ovagdo do ar atmospherico nao
ha perigo-das emauagoes putridas-: o gran-
de perigo estd na confinagao d' espago e
per conseguinte na respiragdo de urn- ar que
jd teuvsido respirado e perdido subs- qniali-
dades regeneradoras do sauguo.
Sabe-se que- em geral as nossas igrejas
nao ado construidas de f6noa que o ar*pos-
sa se reaovar focilmente ; a pur conseguii.-
te estando um eadarer durante muiuis ho-
ras a exhalar g-izes mephitioos o resultado-
serd que o ar confinado oella estard* em>
pouco tempo saturado de prineipios noei-
vos, que iutro iuztdos na respiragdo durau-
te o tempo que dura a missa,-ou o ofiicio
funebre, serd crusade molestias graves, ou
mesmo mortaes.
Para isso nao e preciso exhaiafdo de ca-
daveres, basta a reuniao de muitos indivi-
duos em um lugar em que o ar nao se reno-
ne suflicientemente : s exbalagd* do corpo,.
dos-pes, da respirado, bastam para em
pouco tempo se coruer o risco ds- suffocar,
eu de apanhar um inolestia grave.
A Allemanha foi o primeiro paiada Euro-
pa que coustruio casas- para decosko de
mortos. A primeira foi constroida em
1790 em-Weimar, e eom quanto o exem-
plo nao fosse muito saguido, nem por isso
as-outras nagoes tem deixado de aeompa-
nha-la nesse mellioramento, consklerando
que elle nao deixa de ter grandu siguifica-
cao, ndo sc- como medida prevectiva contra
os-enterramsatos preeipkados, como tam-
bem para satisfagdo de certas necessidades
publicas, como as indagagoes peliciaes ou
eiames medico-legaes, e muito principal-
mente parao reconhechnento ite-individuos
mortos naturalmente ou por c;ss-exterio-
res fora de seu -domitilio.
No paiaes frios,. e durante-o inverno
principalmente, a putrefacgao custa mui-
to mais a desenvolver do que no nosso, on-
Ede como jd vimos parece em certos doentes
que ella principia mesmo em vida : por tan-
to ou continuem como ate agora- os medi-
cos a darem attestados de morte, ou se es-
tabelegara os medicos verifisadores-, a ver-
dade e que se nao deve consentir no depo-
sito de cadaveres nas igrejas,. quando a cau-
sa da morte por molestias de certD genero,
como a febre amajrellae outras semelhantes,
a bexiga, etc.
Assim o deposito se fard.no cemiterio, e
de portas abertas, ou se estabetegam casas.
mortuarias com. as condi^oes Uygienicas in-
dispensaveis para ndo rosultar mal delles d
populagdo.
Felizmente 6 numero das pompas fuae-
bres vai sc tornando cada vez menor, por-
que a vida torna-se mais cara d pocporcdo.
que a civilisagao cresce, e a satisfagdy do
necessidades imperiosas priva que se gaote
o dinheiro.em cousas dispensaveis.
Esperamos portanto q,o as nossas. auto
ridates prestem attengaods obsexvagdes-que
acabamns de fazer.
*
minados, pois, outra causa ndo e a descrip-
gdo das scenas da vida com as tintas ultra-
reaes.
E- ha tanta intolerancia em materia de
theatro que, as producgSes ndo vasadasnos
moldes do reahsmo sao consideradas, pe
los modernos Aristarchos, fructos. peccos. e
sem s.tbor.
A irrefiexdo e rad conselheira, e a critica
que del I a se rescente, e estulta e banal, se
ndo ridiculameate inseasata.
A Morgadinha de Val-Flor eem nosso
coacoito, uma pega de aprimorado lavor
actistico e litterario.
Tenha ou ndo teuha o cunho -da origina-
lidade, seja ou ndo, um roflexo dos dramas
Jeune Home, Pauvre. e Belle ou bois dor-
mant de Fouillet, o certo e, quo ndojse po-
derd deixar de considera-lo um drama Ihi -
dissimo, destinado d fazer carreira em qual-
quer theatro, cuja. platea tenha o gosto me-
nos apurado do que a do nosso.
Passeraos ao desempenho.
* *
merecidaraentogosa.
A Sr*. D. Josepbiua, teve no drama uma
parte pequeoa& diremos mesmo- iusigniu
cante.-mas, como pensaraos qua aao 6 so -
raente as grandes panes, que podem ser
bem iaterpretadas, occupamo-nos della,
pela primeira vez, para, dizer-lhe quo no pa-
pel de Rosinha aos pos da crux, orando por-
seu pai moribundo. soube tomar uma atuV
tude pocticamente triste, revellando ceio
semblantu o pezar que dominava a sua
almade filba.
D'outra occasiao e mais demoradamsnte,
nos occupa>-emos da Sr*. I). Joseph in a,
quando, no desempenho de outra pacts, pos-
samos melhor estudar a sua aptidao arlis-
tica.
0 Sr. Eduardo desempenkou muito bem
a parte de Luiz.
Achamos desta vsz o seu trabalho mais
aperteigoado. do que quando o vimos ao
Dr. Ary Keener.
Folgamos em reconhecer-lhe alguma
correcgdo na voz.
Os Srs. Bahia e Julio trabalharam muilo
bem.
A Sr*, D. Manuella, na parte da Morga-
dinha, revellou-nos ainda uma vez os im-
mensos dotes de seu engenho artistico.
Trabalhou admiravelmente.
0 papel de I) Thereza, confiado a Sra.
D. Olympia Augusta, foi com alguma fesi-
cidade desempenhado*
Na parte de Mariquinhas a Sr*. D. Emi-
lia andou como de costume, isto e, manteve
a nomeada de excellente ingonua, de que

M
No Amor Lmdrino, tiveraos occasido do
ver trabalhar o Sr. Simoes, auctor portu
guez de grande nomeada.
Achara-lo um grande srteU comico.

-

.


JW.VQ DIARIO RUA LMJQUfi DJi CUlAS
H


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOEOL0DPI_GFETHM INGEST_TIME 2014-05-28T00:50:34Z PACKAGE AA00011611_16711
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES