Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16710


This item is only available as the following downloads:


Full Text

;
Ai\i\0 XL1X. MJUERO 244.8791 sb ovhtuO
PABA A CAPITAIL K MJGABES OXDE BTAo SB PAGA POBTB.
*c tires rones adiantados................ 4M)00
for nets ditos idem...... .......... WM)00
f*r urn anno idem ........./..... 149000
Ctdt numero iivulso.................. &%Q
PROPRIEDADE DE MANOEL
w*s

WMimWA 2S DE Ol'TtBRO DE 4873
PABA
Por tre mezes adiantados.
Pot teis ditos idem. .'
fur note ditos idem .
Por urn anno idem. ,. .
O-B FO
*m
BOYlACIA.
*
. .
ofc ".

DE FARIA & FILHOS.
Srs. (Jeltrdo Autonio Alvesd Filhos, no Para; Goncalves 4 Pinto, no Marnnhao; Joaqnim Jose de Oliveira d Pjlho, no Ceara"; Antonio de Len,os Braga, no Aracaty ; Joao aria Julio Chaves, no Asso; Antonie Marques da SiWa, no Natal; Jose" Joit
Pereira d'AImeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, aa Parahyba ; Antonio Jose1 Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das AlagoAs; Aires & C, na Bania ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio,'de Janeiro.
PASTE OFFICIAL
Goveruo da proviucla.
FXt'RDlKNW DJ DIA It DK ACOSTO DE W.\.
Acto
/.' sucao.
0 president; da provineia, attendendo ao quo
requereu Antonie Feneiia de Almeida, resolve con-
.cr-der-Ilie liceftca para ir ao presidio de l-'-Tnaii.ln
de Noronha no prinioiro vapor qne para alii se-
j.'nir, levaLdo'etn sua conipanhia, afim de serein
eiiiregues ao naisuio Juse Joaquim Alves Coutmbo,
i'S generos consumes da relacao junta, arsignada
pelo sccrelario interino da presidencia, os (|uacs
nao poderao ser desembarcados sem (|ue nor parte
do commandante da uielle presidio se proceda a
<-.\amc, aiiia de se verilicar se ha aguardente ou
>utra qualquer bebida espirituosa.
Offlrios :
Ao lnigadi'im commandanlo das annas. Sir-
va-se V. Exc. dc lazor chegar as maw d<> cabo de
esquadra do 2' batalhao dc infautaria, Jorge, Manoel
do Corpo de Deus, o incluso document!) prestado
pela presidencia da provineia do ffaranbao, cm dc-
lerimentu ao quo pedio eile no lTuuorimento que
V. Exc. iransmittio me com o sea officio n. 703 de
10 de julho proximo ftndo.
Ao engeubeiro das obras militares. TenJo
ccneedido ao major Wood, gerente do Wester and
Jlrasilian Telegraph Company, o barracan existem-
ic do isllimo dcGlinda, que servia de lahoratorio
ipyrotechnico, afim de nelle ostabelecer a amarra-
<;ao do cabo sulmirino, promora Vmc. a otcolha
de urn local apropriado para outro lahoratorio, cu-
ja construccao, conforme se obrigou o referido ma-
jor, devera correr a sua couta, ticando as respec-
tivas obras sob sua fisealisacao.
a.' seceno.
Actos :
0 presidente da provineia,attendendo ao que
requereram 6s alferes do < bataltiao de infantaria
da guarda nacional desle municipio, Hemcterio Vi-
tal de Negreiros e Joaquim Lauriano dos Prazeres,
a vista do parecer da junta de saude que os julgou
inrapazes do servico activo, o do quo informou o
commandante superior respectivn em officio n.
636 de 23 do mez proximo passado, resolve trans-
il'ri-los para o servico dareserva, e aggrega los ao
f batalnao respectivo.
Officios :
Ao Dr. cbefede poliiia. Ci la existente na secretaria desta provineia que os
2* e 3* supplentes do subdelegado do 1* districto
do termo da Escada cuja exoneracao V. S. propoz
em officio de 7 docorrente sob n. I3H7, ja o foram
a 30 de ago-to do anno proximo passado, e substt-
tuidos pelos cidadiios Joao Francisco daG>sta Cam-
pos c Antonio Carlos Cavalcante de Albui|Utr-
que.
Ao me 7 do corrente, ao qual veio annex a a quaiilia de
2 123JOOO producto liquido doespectaculo offere-
cido petoSr. Watman, director 4o cireo americano,
ifue nltimamenle trabalhou ne-ta cidade, em bene-
licio de qual pier estabelecimento pio, e qoe V. S.
declara ter destinado para a construccao do asylo
dc alienados. Em resposta cabe-me dizT que
agradeco e louvo-o pela prova ijue acaba de dar
de sous sentimentos, tao patriolicos quJo hutnani-
tarios.
Ao command ante do corpo de policia.Eli-
mine Vmc. do corpo sob o seu commando a* pra
gas, Dionizio Uezerra Leite e Joaquim St-veriauo Ka-
iiios, dos quacs trata o seu ofllcio n. 4oi de 8 do
corrente.
Ao mesmo. Expeca Vmc. suas ordens para
i^ue destaquem na I'uiita de Pedras, a disposicao
d\) respectivo sobdelegado, 4 praeas e I inTerior,
lirados do destacai.aonto desse corpo, que seacha
cm Goyanna.
Ao mesmo.Expeca Vmc. suas ordens, afim
dt- ser substiltiido o allures Joaqaira Aprigio Rosa
la Costa no destacamento de Graoito, ficando as-
sim respondido o si u ollicio n. 450 de 7 do.cor-
rente.
a.1 se'-rno.
Officios:
Ao inspector da lliesouraria de fazenda.
I ransmitto por copia o ollicio do Exiu. presidenle
da Parahyba, do 211 de julho ultimo sob n 20ii2,
afim de que V. S. expeca suas ordens no sentido
de ser cumprida e observada a requisicao contida
no dito ofllcio,relatiyamente a arrecadacao das ren-
das da mesma provineia, pmvenieute dos generos
de sua producc;ao, depositados em armazena desta
praca.
Ao mesmo. Tr.msniitto a V. S., para os fins
convenientes, os fnoiasos prets especiaes, tirandoas
LratificacSes de 90 e 300 is. a que tern direito os
eabos de esquadra, Joao Pedro dos Passos e Euge-
nic J-jse Martins, e so'dado Victorino da Silva Azo-
vedo, e bem assim as ex praeas Manoel Joaquim
do iVascinento e Ftlix Amado da Silva, todos do
2* bataltiao de infantaria do exercito, segundo in-
dicam os referidos prets, que me foram remetlidos
pe!o brigadeiro cooiinandaute das armas com ofll-
cio dc 8 do correnle sob n. 799.
Ae mesmo. llecummendo a V S. que, a vis-
ta da inclusa conta, mandc pagar ao capitao Jonas
Fernandas de Aracijo Santos a quan ia de 8j820
om que iinportou o fornecimenlo d'agua e laz ao
quartet do destacamento da guarda nacioual da
villa do Bonilo, a eontar de 19 de maio a 30 de ju-
lho ultimo, conforme soliciton o Dr. cbefe de po-
licia em ofllcio de 8 do corrente sob n. < 400.
Ao mesma.Tendo rcsolvido que ao major
Alexandre Wood, jerenle da Wester and Brasilia n
Telegraph Company, seja entregue obarrac.io exis
leute noisthino de Olinda, que servia de lahorato-
rio pyrotechnico, afim de nelle ser estabcircida a
amarracan do cabo submarino, obrigando-se a
mesma comnanhia a mandar nm-truir a sua
rusta no iugar que lhe for indicado utn outro
dificio para o referido laboratorio ; assim o corn-
rminico a V. S, afim de que, para o constar, faca
lavrar o competent a termo. 1
Ao inspector da ihesouraria provincial.Ex-
peca V. S. suas ordens no sentido de ser paga ao
iiegociante Francisio pereira Camello a quanlia
iJe 834, despendids com o sustento dos presos pc-
11res da cadeia do termo do Bonito, diirante o mez
do julho ultimo ; e para ease fim remetto a relacao
o coatas Juntas qu! vieram annexas ao officio do
Dr. chefe de policia, de 9 do corrente sob n.
I3M.
Ao me-mo.Providencie V. S. no sentido de
s2f page ao padre Jose Modesto Pereira de Brito,
on a seu prc-eurador, o aluguel de 3 mezes de duas
caaas que no termo do Exii servem de cadeia e
quartel ao respectivo destacamento, conforme cons
la do incluso documento que me foi remeltidp pelo
Dr. chefe de policia com ofllcio de 8 do corrente
sob n. 1396.
{Ao mesmo.Autoriso V. S, nos termos de sua
iui'ormaiio de 9 do eorren'e sob o. 3Jfi. a mandar
pagar a Thoinaz 4) Carvalito Soares Brand jo So-
hrinho, a prastacao de responsabilidade, provenien-
te da entrega definiiiva da obra do muro do jar-
dim do ^ainipo das Princeaas, c a que tern direito,
conforme se ve da certificado annexo ao incluso
rei%rimento.
Ao musmo.Mande V. S. pagar ao unbdele
gado do districto c.e Beberibe, a vi-ta dos ilous in
c.lusos recibos, quo me foram remetlidos pelo Dr.
chefe de policia o>m ofllcio de 8 do corrente sob
n. IMS, a qtiaotta d> 14*96 ', despendidaMurante
o mez de julho ulrimj com aluguel da casa qoe
ajli serve de quartel ao respectivo destaoamento e
coot o foi-ajcimento de luz o agua ao mesjjo
quartel.
Ao mesmo. A' vista da conta junta em du
plicata raando V. S pagar a Tliomaz Antoui,
Coimbra, conforme solicituu o Dr. chei'e de policia
em ofllcio de 8 do corrente sob u. 1397, a quantia
de 36iOO0, proveniente de 3 mezes de aluguel de
c.isa que na villa do Cabo servo de quartel ao res-
pectivo destacamento, a conla da 20 de abril a 20
julho deste anno, segundo indica a inencionada
conta.
Ao mesmo.- A' vista do certilicado annexo
ao incluso requerimuito, mande V. S. pagar ao
lenente-coronel Manoel Francisco de Souza Leao,
arrematan'e da estrada de Goyanna a Pedras de
Fogo, a 3* prestagao na importancia de 3:928*980
a que tern direito por tor feito enlrega provisori-
do 1 lanco daquella estrada, corao se ve do menu
cionado certilicado.
Ao mesnn. Conformandj me com sua iu-
formacan de 8 do corrente sib n. 325,relativamen-
te ao ofllcio do juiz de direito da comarca de Itam-
be. que soliciteu o pagamento da quantia de til,
proveniente da conduccao de li granadeiras da-
quella comarca para o arsenal de guerra, autoriso
V. S. a mandar effectuar ese pagamento aos al-
mocreves, Jose Hygino da Concclcao e Joao Anto-
nio da Cunlia, encarregados de tal conduccio, sen-
do 113 para cada urn.
Ao mesmo. Mande V. S. abonar so tenente
do corpo do policia, Manoel Aprigio dc Moraes, que
segue para o termo de Goyanna na qualidade de
delegadu e commandante do destacamento, a
quantia de 35J( 00 como ajuda de custa de ida e
volta, conforme solicitou o respectivo commandan-
te em officio de 7 do corrente sob n. 451.
Ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o te-
nente-coronel do corpo de policia em ofllcio de 8
do corrente sob n. 45'3, autoriso V. S. a mandar
abonar cinco datasde soldo a 12 praeas d'aqnelle
corpo qne vao destacar em Santo Antao, devendo
csse abono ser contado de 11 do corrente.
Ao mesino.Transmitto por copia o officio
do Exm. presidenle da provineia da Parahyba, de
29 de julho ultimo sob n. 2,002, afim de que V. S.
expeca suas ordens no sentido de ser cumprida e
observada a requisicao contida no dito ofllcio, re
lativamenle a arrecadacao das rendas da mesma
provineia, provenientes dos generos de sua pro-
dueeaj depositados em armazens desta pra^-a.
4." secgdo.
Acto :
0 presidenle da provineia, atteodendo ao
que requereu Maria Isabel de Mello Moura, pio-
fessora publica nomcada para a cadeira de pri-
meiras lettras da villa Ai Tacaratii, resolve proro-
gar por tres mezes o praso que lhe foi marcado
pela directoria geral da instruccao publica para
eutrar no excrcicio da referida cadeira.
Officios :
Ao Exm. bispo diocesano. Remelto a V.
Exc. Kvma. os exemplares iinpressos juntos da
colleccao das lei* geraes e decisoes do governo
relalivas ao anno Undo Iguacs* ao- director da
faculdade de direito, ao Dr. director geral interino
da instruccao publica e ao Dr. inspector da saudc
publica.
Ao provedor da santa casa de misericordia.
Comiuuuico a V. S., para os devidos fins, que
nesta data defiro a peticio do sol iado do corpn
de policia, Manoel Bibeiro da Silva, concedendo
que sejam admiilidos no collegio das orphaas as
suas fillias Maria e Anna, a que se refere a sua
infi liuaeao de 8 do correnle, visto ter provado o
peticionario coin a ccrlidao de obilo de sua mu-
Iher serem ellas orphaas, estando assim compre-
hendidas na disposicao generica do art. 1." do re-
gulamento por V. S. citado.
Ao mesmo. Em resposta ao officio de V. S.,
de 8 do corrente, tenho adizer-lhc jae, para con-
cede a autorisacao solicitada pela junta adrninis
traiiva dessa santa casa, 6 necessario que elle me
infoime qual o preco por quanlo pretende aforar
os terrenos a que se refere.
EXPEDIENTS DO SECItBT&HIO.
1." seccao.
Ofllcio :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas.
- S. Exc. o Sr. presidenle da provineia manda
declarar a V Exc. qne nesta data iransmittio os
prets, que vieram appenso3 ao seu ofllcio de 8
deste mez sob n 799, a thesouraria dc fazenda,
para os fins convenientes.
2.' secrdj.
Officios :
Ao Dr. chefe de policia.0 Exm. Sr. presi-
denle da provineia manda communicar a V. S.
qne expedio ordem as thesorarias geral e provin-
cial, no sentido de serem effectuados os pagamen-
tos das despezas de que tratam os seus officios de
8 desle mez sob ns. 1395, 1397 e 1400.
Ao mesmo. 0 Exm Sr. presidente d.i provineia
manda declarar a V. S que nesta data foram ex-
pedidas as ordens no sentido de que trata o seu
ofllcio n. 1394, de 8 do corrente.
Ao mesmo. Dc ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provineia, communico a V. S. que pesta
data foi expedida a convenienle autorisacao a
thesouraria provincial no sentido de serem feitos
os pagamentos das despezas de que tratam os
seus officios de 8 do correnle, sob ns. 1396 e
1399.
Ao commandante superior do Recife. O
Exc. Sr. presidente da provineia manda declarar
a V. S. que por porlaria desla' data, e de confor
midada com o seu officio n. 6S6 de 23 Jo mez pro-
ximo Undo, foram transferidos para o service da-
reserva e aggregados ao 2." batalhao respectivo
os officiaes do 1. de infantaria da guarda nacio-
ual sob seu commando superior, Hemelerio Vidal
de Negreiros e Jos Lauriano dos Prazeres.
Ao juiz de direito da comarca de Ilarabe.
S. Exc o Sr. presidente da provineia manda com-
municar a V. S., que nesta data expede ofilem a
thesouraria provincial no sentido de ser paga a
despeza proveniente da conduccao das 34 grana-
deiras, de qne trata o seu officio de 30 de junho
deste anno.
Ao commandante do corpo de pobcia. S.
Exc. o Sr. presidenle da provineia manda declarar
a V. S. que a thesouraria provincial tern ordem
para fazer o abono de que trata o sen ofllcio de 7
deste mez, sob n. 451.
Ao mesmo. 0 Exm Sr. presidente da pro-
vineia manda declarar a V. S. que a thesouraria
provincial foi n'esta data autorisada no sentido de
ser feito o abono de qne trata o seu officio de 8 do
corrente. sob n. 455.
Expedients do dia 12 de acosto de 1873.
1.' tecqao.
Actos :
0 presidente da provineia, allendendo ao que
requereu Antonio Gomes de Souza, resolve conce-
der-lhe licenca para ir ao presidio de Fernando de
Noronha no primeiro vapor que para alii seguir,
levando comsigo os generos oonslantes da relacao
junta, assignada pelo||secretario interino da pre-
idencia ; nin podendo, por6m, effectuar o desem-
barque de taes generos, sem que por parte do
commandante do mesmo so proceda a exame,
afim de se veriflcar si ha aguardente ou outra
qualquer bebida espiriluosa.
0 presidente da provineia, allendendo ao
que requereu Manoel Rodrigues do Nascimento,
re.-olve conceJerlhe licenca pata ir ao presidio de
Fernando do Noronha no primeiro vapor que para
alii seguir, levando em sua corapanhia Justina
Maria Lins e os generos consumes da relacao
junta, assignada pelo secretario interino de go-
verno ; nSo podendo, poreni, effectuar o des
embarqne de taes generos, sem qoe pet parte
Ao commandante do mesmo presidio so proceda a
oxame, afim de so veriflcar si Ha aguardente nn
outra qnalquer bebida espirituosa.
Officios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas.
Mande V. Exc. por em liberdade o recruta (Jal-
dino Jose Maria, visto tor provado isencao legal.
Ao mesmo. Nestadata sujeito a cousideragao
dojuinjsterio da guerra a necessidade da transfc-
rencia da capellado hospital militar para a sala
que outr'ora servia de secretaria, visto ser preciso
nova autorisacao do mesmo ministerio para que a
despeza cum essa transfcrencia corra a conta do
exereicio vigente, uma vez que, nao tendo ella sido
elfectuada dentro do exerciciojde 1872 a 1873, ca-
ducou a autorisacao concedida para esse Gin pelo
aviso de 14 de novembro ultimo, o que V. Exc.
fara constar ao director d'aquelle estabelecimeoto
em solute ao officio que veio annexo ao de V.
Exc, de 7 do corrente, sobn 796.
Ao mesmo. Em resposta ao seu offloio da
Iado de 2 do corrente, e na conformidade da in-
formacao da thesouraria de fazenda, de 7 deste row,
sob n. 777 serie D, cuinure-me declarar a V. Exc.
que, tendo sido a etapa para as praeas do exer-
cito arbitrada em 3 de junlio, e approvada pro-
visoriamenle em 30 do mesou mez, na raza > de
461 rs., e nao 467 rs., como por cngano de copia
comraunicou-se a V. Exc, bem procedeu a quella re-
particao fiscal impugnando in pagamento dos
prets do 2 batalhao de infantaria de linha a diffe-
renca do 6 rs. de mais na etapa, nao importando a
boa fe om quo as caixas de ranch) despenderam,
em virluJe do eugano alludido, mais do que de-
viam, porquanlo a fazenda nio pode pcrder a des-
peza da diflerenca; cabendo ao referido batalhao
proceder a um desconto nos venciraeutds das pra-
eas, ate que lenha Iugar a reposioao.
Ao ungenlieiro das obras militares.A' vista
da autorisacao concedida pelo aviso do ministerio
da guerra, de 29 de julho ultimo, charoe Vitic a
concurrencia para a cxecucao dos reparos, caiadu-
ra, e pintura de que precisa a casa em que resi-
de o director do arsenal de guerra, nos limitos" do
orcamento na importancia de 836/950, qne veio
annexo ao seu ofllcio de 20 de junho proximo
findo.
Ao mesmo. Autoriso Vnv. a conlractar com
Oscar Destibeaux pela quanlia de 1:995X000 rs. a
exocuca; das obras de que precisa o quartel da
conipanhia de cavallaria, constantes do orcamento
que veio annexo ao sou ofllcio de 24 de maio ulti-
mo, visto ser o dito Destibeaux, d'eutre os dous
proponentes, o que m -\h ires vanlagens offerecera
fazenda, como se ve das propostas que juntas de-
volvo, devendo declarar-se no respectivo termo de
eontraclo que o pagamento sera effectuado em
quatro prestajoes realisaveis na proporclo do ser-
vijo feito, e o arrematante obrig.idu a prest ir cau-
caoque garanU a sua responsabilidade pela exo-
cucao perfeicao e solidez das obras.
A) mesmo.Estando autorisada pelo aviso do
ministerio da guerra, de 31 de julho ultimo, a des-
p za com as obras necessarias na fortaleza do
liruni, constanles do orcamento annexo ao son off!
cio do it do junho findo, na importancia de;
ii:5o8i040, que flea reduzida a 4:267*030. visto
dever deduzirse d'ella a de 1:291/010, cencer-
nente a caiadura e pintura da referida fortaleza,
cuja execucao ja em 22 do mez passado foi auto-
i isada; assim o communico a Vmc, afim dc que
mande proceder a taes obras.
2." secgw.
Actos :
0 presidente da provineia, attendendo a pro-
posta do commandante do 2 batalhao de infanta-
ria da guarda nacional do municipio desta capital,
e a vista da informacao do respectivo commandan-
te superior em ofllcio de 4 deste mez, resolve no-
mear, de conformidade com o disposto no art. 48
da lei n. 602 de 19 de setcmbro de 1850, para o
dito batalhao os cfficiaes seguintes :
2J conipanhia. Capitao,otenente MarcolinoHen-
rique de Figueiredo.
5* companhia.-Tenente, o alferes Joaqnim Ni
colao Ferreira.
8" companhia. -Alferes, o guarda Decio Augus-
to Rodrigues da Sii"a.
0 presidente da provineia, attendendo ao que
requereu o capitio da 4* companhia do 1" batalhao
de infantaria da guarda nacional do municipio do
Recite, Antonio Jose Cordeiro Simoes, a vista do
parecer da junta do saude, e da informacao do
cominandaule superior respectivo em officio n.
G67 de 8 do corrente, resolve transferir o dito ca-
pitao para o servico da reser/a, ficando aggregado
ao l0 batalhao do dito servico.
Officios:
ao Dr. chefe de policia. -Autoriso os concer-
tos de que carece a casa que serve de quartel do
destacamento no termo do Bonito, e que se achara
orcados na uuantia de 40JOOO, segundo o ofllcio de
V. S., n. 1403 de 9 do corrente.
Ao juiz municipal de Aguas Bellas.Em res-
posta ao officio de Vmc, de 30 do mez proximo pas-
sado, ten o a dizerlhe que dove por a concurso
ambos os officios de 1* e 2* tabelliaes e mais an-
nexos desse termo, envi?ndo opportunamente os
oditaes para serem publicados nesta capital.
Ao commandante do corpo de policia. -Man-
de Vmc. destacar em S. Caetano da Raposa, a dis-
posicao das respectivas autoridades policias, I in-
ferior e 4 prajas do corpo sob o seu commando.
3' secQiio.
Officios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communico a V. S, para os devidos fins, que a 1
do corrente reassumie o bacharel Francisco Do-
mingues Ribeiro Vianna, juiz municipal e de or-
phaos do termo de Cimbres, o exereicio do dito
cargo, que por motivo de raolestia deixou a 17 do
mez proximo passado.
Ao mesmo.Communico a V. S, para os fins
convenientes, que em data de 3 do corrente o pa-
dre Herculano Marques da Silva assumio o exer-
eicio do cargo de vigario encommendado da fre-
guezia de S. Felix de Buique.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os de
vidos fins, que a 4 do corrente reassumio o bacha-
rel Menelau dos Santos da Fonseca Lins o exer-
eicio do cargo de juiz municipal do termo dt
Ilambe
Ao mesmo.-Tendo nesta data, nos termos da
aut< risacao conferida pelo aviso do ministerio da
guerra, de 31 de julho ultimo, autorisado o enga-
nhciro das obras militares a mandar proceder aos
reparos de que necessita a fortaleza do Brum, or-
cados na quantia de 4:267*030 ; assim o doctaro
a V. S para os devidos effeitos. prevenindo-o de
3ue, segundo consta do citado aviso, solicitou-sc do
a fazenda a pxpedicio de oriens no sentido de ser
concedido a essa thesouraria por conta do exerei-
cio corrente um eredito daquella quantia.
Ao mesmo.Estando autonada ppto aviso
do ministerio da guerra, de 29 de julho ultimo, a
despeza na importancia de 836*930 com os repa-
ros, caiadura e pintura de que necessita a casa
em qne reside o director do arsenal de guerra,
detcrmino nesia data ao engenheiro das obras mi-
litares que cham? a coucurrencia para a execu-
cao des-6 servico : o que communico a V. S. para
os fins convenientes, prevenindo-o de que, segundo
consta do citado aviso, ia sohciton-se d ministe-
rio da fazenda a expediijao de ordem, para concedida a essa thesouraria o eredito daquella
quantia, por conla do { 14"Obras militares do
exereicio eorrento.
Ao mesmc.Nesta data, de conformidade
com a autorisajao concedida pelo ministerio da
gnerra em aviso do 24 de julho ultimo, t> nos ter-
mos da sua informacao da 7 do corrente sob n.
80S seriQP, auiorUoi o engeuheiro its obras mi-
para OS
litares a conlractar com Oscar Destibeaux a exe-
cucao dos reparos precisos no quartel da compa-
nhia de cavallaria, raediante a quantia de i:995i,
que devera ser-mc paga em quatro prestacfles,
rcalisaveis na proporcao do servico feito, pr stan
do arfematante caiicao que garant i a sua res-
ponsabilidade pela exacu.ao, perfeicao e joiidez
de laes obras : o quo communico a V. S.
devidos effeitos.
Ao mesmo.Inteira lo de quanlo V. S. ex-
poz em seu officio de 7 do corrente s )b n. 787
serie D, relativamente ao pagamento do aluguel
da ca?a que serve de cadeia e quartel ao desta-
camento da guarda nacional da villa de Aguas
Bellas, tenho a dizer a V. S. que devolva a esta
presidencia os documentor, quo acompanharam o
meu officio'de 21 de julho ultimo, afim ie poder
provjddnciar qo sentido de seu citado officio.
Ao mesmo. Annuindo ao nie solicitou o
commandante superior interino do municipio do
Cabo cm offieio de 4 do corrente sob n. 86, auto-
riso VS. a mandar pagar ao capitao Firraino
P. de Mello Faleao os veueimenlos das praeas da
gnarda nacional destacadas naquella villa, e bem
assim o fornecimenlo
  • mesma ; tudo concernente ao mez de jul io ulti-
    mo, com) se ve* dos iuclusos documents.
    Ao mesmoNa conformidade do que solici-
    tou o commandaute superior do municipio do Bo-
    nito em officio do 2 do correnle, e a vista dos
    prets, que inclusos remelto, mande V. S. nagar a
    Joao Jose de Carvalho a quantia de 167^028, im-
    portancia do~ vencimentos das praeas da batalhao
    o. 20 om guarda nacional, destacadas no servico
    de gaamicao da cadeia daquoHa villa duranlo o
    mez de julho findo.
    V.S.,'
    dente da provineia manda coramuwear a v. s., A- ordem do do districui de S. Jose, Maru
    que nesta data manda destacar em S. Caotano da Francisca da
    . j Ao mesmo. -Communico a f. S., para os de-
    vi Io? (Ins, quo a 2 do correute deixou, por inoti-
    ., por
    vo da molestia, *o respectivo exereicio o juiz muni-
    cipal do termo de Itambc. bacharel Menelao dos
    Santos da Fjnseca Lins, sendo subsliluido no dilo
    ca
    da
    ara| pelo respectivo supplenle, Ernesto Justiniano
    a Siva Freiro.
    tAo inspeclor da thesouraria provincial.
    Manfo V. S. pag .r a Sebasliio Mendes Bandeira,
    nos termos de sua infurmacAo datada de honlem
    sob 4. 336, e de acordj com a lei do orcamento
    vigente, a quantia que lhe e devida pelo forneci-
    nente d'agua e luz da casa qne serve de quartel
    'o d|taeainonto da cidade do Rio Formoso.
    -* Ao mesmo.Conforinando-me com a sua ki-
    fonnjcao datada de boutem sob n. 331, na inclusa
    petic* do Dr. Luiz Jose C de Sa, minde V. S. pa
    gar ao supplicante a quintia de 50*, relativa ao
    trabano. que prestou durante o mez de junho,
    como medico de policia.
    -- Ao mesnw. -A' vista do certificado incluso,
    manda. y. S. pagar a Joao de Carvalho Soares
    BraadSb arrematante do priinciri lanco da estrada
    da cohmia de Pimenteiras, a prestacao de respon-
    sabilidade, visto eomo ja fez entrega definiiiva das
    respectivas obras.
    4.' secciio.
    ~t*Q presideute da provineia, allendendo ao que
    expoz o director geral interino da instruccao pu-
    blica em officios de 7 de maio ultimo e 7 do cor-
    rente sob ns. 129 e 342, resolve noimar o cidadao
    Pedro Ivo de Hollands Chacon para reger interi-
    namente a cadeira de primeiras lettras da villa de
    Agua 1'reta, mediante a gratificacao annual de
    600*000.
    Officios :
    Ao Exm. Sr. presidente da provineia do
    Maito-Grosso. Rogo a V. E\c. se digne de dar
    suas ordens para quo sej*m minislrados, por
    quom competir, os esclarecimentos que ao reque
    rimento junto pedem, Conslanca Maria de Hollan-
    da Cavalcanti e Paulina Maria de Hollanda Cava!-
    cami, relativamente a seu irrnilo, o alferes da
    guarda nacional desa provineia, Belarmino de
    Hollanda Cavalcanti, fallecido em 18G7 no corabate
    de Alegre.
    Ao director geril interino da instruccao pu-
    blica. Communico a V. S., para os fins conve-
    iiientci,'que nesta data defiro a pelican do padre
    Miguel Vieira de Barros Marreca, professor de
    instruccao primaria da primeira cadeira da fre-
    guezia de S. Frei Pedro Goncalves, concedendo
    licenca oara poder continuar no exereicio do car-
    go de capellao da companhia de aprendizes man-
    uliciros.
    Ao mesmo. N3o sendo d3 compelencia do
    delegado litterario da villa de Agua Preta a nq-
    meaeao qne, segundo consta dos officios dessa di-
    rectoria, de 30 do mez proximo fludo e 7 do cor-
    rente sob ns. 229 bis e 342, fora por elle feita do
    cidadao Pedro Ivo de Hollanda Chacon, para reger
    interinamenie a cadeira de primeiras lettras da-
    quella localidada, cumpre quo o mesmo cidadao,
    a quem design) por acto desta.data para reger
    a mesma cadeira no impediment!) do respectivo
    profesor, solicite o seu titulo, afim de poder en-
    trar em exereicio.
    Portaria :
    C inniunicu a camara municipal do Becife
    qoe n?sta data defiro a peticao dos negociantes de
    carnes verdes, a que se refere a sua informacao
    de 23 de julho findo, espacando a matncula dos
    talhadorcs, da qual sao excluidos os escravos,
    para quando findar-se o contracto de arrendaraen-
    to dos talhos, como foi determioado nas posturas
    ultimaroente approvada? pela assemblea legislati-
    ve provincial, da? quaes nao tinha conhecimento
    esta presidencia quando em officio de 25 do junho
    findo det-rminou que a referida matricula vigo-
    rasse desde logo ; sendo no entrelanto da maior
    conveniencia publica qne essa Illma. camara des-
    de ja procure arredar das diversas indutrias da
    capital o servico escravo, propondo neste sentido
    as medidas que entonder mais adequadas. Pelo
    rocenseamento ijue acaba de se proceder, verifi-
    cou-se que mais de qninze mil escravos existem
    com prejuizo da lavoura, nossa principal fonte dc
    renda, aggloracrados na cidade e empregados em
    services qne podem ser melhorroente execntados
    por bracos livres. Em vista disso preslara essa
    lllma. camara mais um servico relevante a lavou-
    ra da provineia com as referidas medidas, para
    cujo objecto chamo a sna attencao.
    A' mesma. Accnsando rerehida a repre-
    sen'acto qoe me dirigio a Illma. camara munici
    pal de Recife contra o servico, feito pela compa-
    nhia Becife Drainage, tenho a dizer lhe em res-
    posta que tomarei na devida consideracio a sua
    justa rectamacio, certa de qne a mesma compa-
    nhia nao se recusara, pelo sen proprio interesse e
    obrigacao que the oorre, a exeeular todos os roe-
    Ihoramentos qne a experieneia hoover aconsema-
    do, para qne os apparelhos passam funccionar sem
    os inconvenientes que notam-se actnalmeote, e
    qne de algnma sorte justificam o clamor levantado
    contra essa empreza. Is to pnsto, na.. posso deixar
    de loiivar essa Illma. camara pelo sen patriotico
    zelo, do qiie tem dado tio exuberantes provas,
    promovendo o bem estar de sens mnnlcipes.
    EXl'"DtKNTR DO SRCHRTASK).
    t.' seccao.
    Officio :
    Ao director do arsenal de guerra. S,
    Exc. o Sr. presidente da provineia, tendo expodido
    as convenientes ordens para serem conduzidos ao
    Bio Grande do Norte no vapor da c orapaahn per-
    aambucana, que para alh tem de seguir no dia 14
    do c que trata.v. 8 em sen off^jo de nontem datado
    sobn 4M: assim In'o^njanja communicar para
    sua iireeeio.
    8 secfao,
    Raposa 1 inferior e 4 praeas do corpo de policia,
    as quaes ficarao a disposicao das respectivas auto-
    ridades policiaes.
    Ao commandante superior do Recife. 0
    Exm. Sr. presidente da provineia manda declarar
    a V. S., para os devidos fins, que por portaria de
    hoje foi transferido para o servico da reserva e
    aggregado ao bata hao respectivo o capitao An-
    tonio Joso Cirdeiro Simoes, de quem trata o seu
    officio n. 667, de 8 do corrente.
    Ao mesmo. 0 Exm. Sr presidenle da pro-
    vineia manda declarar a V. S, para os devidos
    fins, que por portaria de hoje loram nomeados para
    o 2- batalha) dej'iiianiaria da guarda nacional deste
    municipio os oUiciaes constantes da relacao junta,
    de conformidade com a proposla que veio aunexa
    ao seu ollicio de 4 do correnle.
    Ao commandante superior interino do muni-
    cipio do Cabo. 0 Exm. Sr. presidente da provin-
    eia manda declarar a V. S., que a thesouraria de
    fazenda foi nesta data autorisada a pagar ao capi-
    tao Firraino Pomposo de Mello Faleao os venci-
    mentos das praxis da guarda nacional destacadas
    nessa villa, e bem assim o fornecimenlo d'agua e
    luz ao quartel das mesraas, tudo concerneuto ao
    mez de julho ultimo ; conforme solicit >u cm seu
    ollicio de'4 deste mez sob n. 86.
    Ao juiz do direito de Itambe. 0 Exm. Sr.
    presidenle da provineia manda accusar o recebi-
    mento do ollicio dc V. S., de 6 do corrente, em que
    participa ter a 4 desle mez reassumido o bacharel
    Menelao dos Santos da Fonceca Lins o exereicio
    do cargo de juiz municipal do termo de Ilambe.
    Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro
    vincia manda accusar o recebimeolo do ollicio do
    V. S., de 4 do correnle, em que participa ler a 2
    deste mez deixado, por molestia, o respective car-
    go o juiz municipal desso termo, bacharel Mene-
    lao dos Santos da Fonceca Lins.
    Ao bacharel Franciseo Domingues Ribei-
    ro Vianna. 0 Exm. Sr. presideute da provin-
    eia manda accusar o recebimenlo do ofllcio de V.
    S., de 10 do correnle, om que participa ter nessa
    data reassumido o exereicio do cargo de juiz mu-
    nicipal do termo de Cimbres, que havia deixado a
    17 do mez proximo passado, por molivo de mo-
    lestia.
    Ao bacharel Francisco de Paula Cavalcante
    Lacerdade Albuquerque.-0 Exm. Sr. presidente
    da provineia manda accusar o recebimejto do ofll-
    cio de V. S., de 31 do mez proximo passado, par-
    ticipando ter a 28 do dito mez reassumido o exer-
    eicio do cargo de promoter publico da comarca de
    Iguarassii.
    Ao presidente e membros do conselho de re-
    vista du guarda nacional do Bonito. 0 Exm. Sr.
    presidente da provineia manda declarar a b V. S.
    que ficou inteira lo, pelo seu officio de 2i do mez
    proximo passado, de haver concluido os seus tra
    balboso conselho de revista da guarda nacional
    do municipio do Bonito, do qual Uzerara pane
    Vv. Ss.
    Igual ao presidenle e membros do conselho
    de revista da guarda nacional do municipio de Pa-
    nellas.
    Ao subdelegado de Timbaiiua. -0 Exm. Sr.
    presidente da provineia manda declarar a V S.,
    em resposta ao seu officio de 28 do mez proximo
    passado, que a 2 do corrente se fez remessa de
    uma ambulancia dc medicamentos para essa loca-
    lidade.
    4.' secgdo.
    Odicios :
    Ao regedor interino do gymnasio provincial.
    -De ordem de S. Exc. o Sr. "presidente da pro-
    vineia, communico a V. S., cm resposta ao seu of-
    ficio datado de 8 do corrente, que ja foram expo-
    didas as convenientes ordens a thesouraria pro-
    vincial no sentido de ser eotregue ao economo des-
    se inslitutu a quantia decretada pela lei do o.ea-
    rn MO vigente, para a verba expediente do gym-
    nasio.
    Conceicao, por offansas a moral pu-
    blica.
    Finalmenle, a ordem e a iranquillidade publicas
    nao soffreram alteracao.
    Deus zuarde a V. Exc Illm. e Exm. Sr. com-
    mendador Henrique Pereira de Luoena, dignissi -
    mo presideute da provineia.0 chefe de policia,
    Antonio Francisco Corrtia de Amu jo.
    PERNAMBUC6.
    DKSPACI10S DA PKESIDEMCIA-DB 21 DE 0UTCBR0
    DK 1873.
    Alexandria da Bocha Granja. Informe o Sr.
    commandante do corpo de policia.
    Americo de Sa e Albuquerque.Deferido com
    ofllcio desta data a thesouraria de fazenda.
    Barao de Jaboatao. Idem.
    Bernardina Maria de Jesus. Informe o Sr. Dr.
    cbefe do policia.
    Hermino Ferreira da Silva. Sim, satisfeita a
    exigencia da thesouraria de fazonda.
    Isidoro Estevao da Silva. Informe o Sr. com-
    mandante das armas sobre a idenlidade do sup-
    plicante.
    Jose do Rego Mello. Informe o Sr. inspector da
    .thesouraria de fazenda.
    Jose Felix Lopes. Beqneira o supplicante ao
    governo imperial.
    Dr. Manoel F'rancisco Teixeira. Sim, pagos os
    direit^s nacionaes.
    Norberto Muniz Teixeira. Informe o Sr. ins-
    pector da thesouraria de fazenda.
    Dr. Praxedes Gomes de Souza Pitauga.Iiifoi'ine
    0 Sr. inspector da Ihesouraria de fazenda.
    Secretaria da presidencia de Pernarabuco, 22 de
    outubro de 1873.
    0 porleiro,
    Silvino A. Rodrigues.
    ( nmiiiaiido das arums.
    QUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
    DE PERNAMBUCO, EM 22 DE OUTUBRO DE
    1873.
    Ordem do dia w. 772.
    0 brigadeiro commandante das armas deter-
    mina que seja desligado do deposito- de recrutas
    em o qual se acha addido, o Sr. capilao do 2.* re-
    gimento de cavallaria ligeira, Jos& Melchiades Be-
    zerra da Silva Costa, qne tem de seguir para a
    cdrte no vapor Cruzeiro do Sul, esperado do
    norte.
    0 mesmo brigadeiro faz poblico que approvou
    o engajamento, que no dia 20 do corrente centra-
    hio para servir por mais 6. annos, percebendo o
    premio de 400*0'O e mais vanlagens que por lei
    lhe competir, o soldado da 4.* companhia do 2.*
    batalhao de infantaria Luiz Caetano de Oliveira,
    julgado apto em inspeooao de saude.
    (Assignado.) Manoel da Cunha Wanderley
    Um.
    Conforme,0 alferes, Jose Elizimtio dos Santos,
    ajudante de ordens interino encarcegado do de-
    talhe.
    Kt-timrticiln fit* policia.
    I*sevcao Secretaria da policia dePernambuco,
    22 de outubro de 1873.
    N 1778.Illm. eExro, Sr.Partioipo a V. Exc.
    que, foram hontem recolhidos a casa de detencao
    os individuos seguintes :
    A' minha ordem, Francisco Antonio de Salles
    Guabtraba, Joaquim Antimes Bezerra, Joao Ale-
    xandre de Carvalho, Jos6 Joaquim da Silva, Ma-
    noel Gomes de Siqueira, Antonio Jose de Campos,
    Clandino Jose da Crux, Neraerio Alves Bezei-ra,
    Idalina Cordeiro da Silva, Jerunymo Jose da Siiiya,
    Bernardo Ferreira da Silva e Francisco do Ro-
    sario Branco, vindos da da comsiroa do Cimbres,
    o primeiro como criminoso de morte no termo do
    Teixeira, da provineia da P-irahyba, e os doraais
    como sentenciados.
    A' ordem do subdelep?,do Ie Santo Antonio. B.9-
    nedicto escravo de Joaquim M^reira dos Santos e
    Maria, uerava de Qlympiq Fracisco Ro jaa a reque-
    Ao Dr. ebeb de policia. .-0 Extn. Sr. presi- 'rimento dls wspecfivog senhores.
    REVISTA DIARIA.
    Deelsae uresidencial. Em 20 do cor-
    renle foi expedida a scguinto portaria :
    < 0 presidente da provineia, tendo em vista as
    aclas do couselho municipal da recurso da villa do
    Limoeiro, e, aUendendo a que, alum de outras ir-
    reguIaridades, nao foram lavradas as aclas dia
    rias das sessoes e somente as dos dias 2 ', 24 e
    25 de julho e de 5 de agosto, contra 0 que recom-
    mendam os avisos n. 73 de 19 de julio de 1848 $
    1 e u.346 de 18 de agosto de 18tM) 2 ; atten-
    dendo ainda a que nao constam das actas, que fo-
    ram lavradas, os ires requeriraentos dos recla-
    im at es c os despachos respeclivos, so tendo
    sido inencionada uma decisao, deixando-se de ob-
    servar por este modo 0 que detcrminam 0 art. 36
    da lei de 19 ee aaosto de 18i6 e 0 art. 1 do de-
    cree n. 511 de 18 de mar.*) de 1847 ; attendendo
    mais a que nao esteve reunido o conselho duranle
    quinze dias utei<, nos termos do arti.jo de lei ci-
    lada e aviso u. 576 do II de dezembro de 1861,
    deixando dj funcci)iiar nos dias 28 e 29 do julho
    por ler 0 juiz municipal, que 0 presidio, ido pre-
    sidir 0 jury na villa do Bom Jardim; e attenden-
    do, finalmenle, a que nao e procedente a razio
    que da o conselho para esta intcrrapcao, porquan-
    lo, na falla dos supplentes do juiz municipal, com-
    petia snbslituilo 0 presidente da camara, que se-
    ria por sua vez subsliluido pelos vereadores a elle
    immedi.ilos, avisos ns. 395 de 13 de setembro de
    1861 e 520 de 7 de novembro de 1862 ; resolve
    annullar 0 referido conselho municipal, fazendo-
    se as precisas csmmunicacoes.
    Declarac&o necessaria. A decisao.
    dada por S. Exc. 0 Sr. c unmendador presidenle
    da provineia, acerca de eleitores que devem to-
    mar parte na proxima eleicao para deputados pro-
    vinciaes, nao comprehend) os de Garanhuns, co-
    rao foi mencionado em nossa Revista de segunda-
    feira (20). por engano do copista da reparticao.
    Hospicio de alienados. Damos em
    seguida mais donativos para as novas obras deste
    estabelecimento :
    Recife, 17 de outubro de 1873. Illm. e Bxm.
    Sr. commendador Dr. Henrique Pereira de Luce-
    na. Junto a esta achara V. Exc. a quantia de du-
    zentos e vinte mil reis, e uma relacao do senhores
    que tem concorrido para o asylo de alienados me-
    diante um nymno a caridade. Irei remeltendo a
    V. Exe. as quantias que for realisando, logo qne
    haja alguma somraa igual. Sou com todo respeito
    e consideracao. De V. Exc. muito attento respei-
    lador e criado, Pedro d'Athayde l#bo Moscoso.*
    Pess6as a que se refere a caria supra :
    Commendador Henrique Pereira de Lu-
    cona 20*000
    D. Thereza de Siqueira Gavalcante 10*000
    Commendador Antonio Marques de A-
    morira 10*000
    Dr Antonio do Amorim Garcia 10*000
    Lai/. Gonzaga da Rocba 20*000
    Joaquim Ignacio Ribeiro 10*1*00
    D. Lvdia de Souza Pitanga 10*000
    Jose Sahino Lisboa 10*000
    Consolheiro Diogo Velho Cavalcante de
    Albuquerque 20*000
    Manuel Joao de Amorim 10*000
    Dr. Manoel de Siqueira Cavalcanle 10*000
    Dr. Barcinio Paes Barreto 10*000
    Capitao Jose de Ctro Paes Barreto 10*000
    E. Biscoff 10*000
    Dr. Cosme de Sa Pereira 10*000
    Carlos Aalonio de Araujo 20*000
    Felix Pereira da 8ilva 20*000
    Gabineto da presidencia de Pernambuco eai
    21 de outubro de 1873.-Illm. Sr. Dr. Pedro de
    Alhayde Lobo Moscoso.De posse da carta que
    V. S. dirigio-me em 17 do corrente, rempttondo a
    quantia de duzentos e vinte mil reis (220*000),
    recebidn das pessoas que teem conlribuido para
    a construccao do asylo de alienados, mediante a
    offerla de um hymno a caridade, cabe-me agrade-
    cer-lhe mais estd donativo e louva-lo pelo interes-
    se que ha tornado no inluito de ver realisada a
    mesma construc.-ao. De V. S. muito attento ve- .
    nerador e criado. Henrique Pereira de Lacena.
    a Illm. e Exm. Sr. commendador Dr. Henrique
    Pereira de Lucena. -A dous do corrente recebi a
    carta de V. Exc. de 12 de maio, na qual sedignou
    honrar-me para fazer parte da commissao na fre-
    guezia dos Montes que tem de promo ver a aequi-
    sicao de donatives para a edificae&o de uma casa
    para a instruccao primaria na mesma freguezia.
    Aceilo de bom grado e emprega>ei os meios a meu
    alcance no desempenho da dita commissao. Niw
    sei qual a demora para ser entregue a diia carta e
    por isso deixei logo de responder.
    PermilU-me v. Exc. a faculdade de sabete V.
    Exc. se approvara a proposta feila pek> com-
    mandante interino do batalhao n. 51 onde existem
    rauitas vagas. Muito apreeio a saude da V. Exc.
    edesua excellentissima familia, a quem apresento
    os meus devidos cortejos. Bngenbo Monte-Pio, 6
    dc outubro de 1873. De V. Exc. assae obrigado,
    Thamaz Alves Mactel.
    a Illm. e Exm Sr. commendador Dr. Luceoa.
    Tenho presente a carta de V. Exc de II de maio,
    a 4 dT correute recebida, ua qual se dign-m V.-
    Exc. honrar-me para fazer parte da commissao,
    que tem de agencur a acquisicio de donativos pa-
    ra a odsicacao de uma casa onde f uncionefn as ail
    las de inslruccio primaria na freguezia de Nossa
    Senhora dss Monies da villa de Palmares. Cam-
    pre-me certifioar a V. Exc, que naa 86 acceiln a,
    tarefa como envidarei os necessarios esforoos ao
    men alcance para bem cor responder as Ttstas,
    de V. Exc.
    Conceda V. Exc. qne prevaleca-ue A&opporlu-
    nidade para significar-lhe oi proteslos. de minha
    mais subida estima e consideracao 4 sna digna
    pessoa e ofTereeer a V. Exc. as meus fraoos ser-
    vices onde quer que me ache. Sou com respeito
    de V. Exc. criado obrigado e lespeitador to**
    Bezerra Cavalcante Uaciel. Engenho Milio, IO
    de outubro de 1873.
    c IIIM. e Exm. Sr. -Participo a V. Exc, que,
    procedendose por est 0 inventano dos bons doixados por D. Henriqnela
    Amalia de Farias, a reouenmento de Antonio da
    Silva Farias, irmio da fallecida, 0 tendo-se prose-
    guido nos termo.} do inveniario, effdctuouso a ven-
    da judicial dos beps do casal da fallecida, cujo
    produolo Isquido mrala na quanlia de 336*660,
    quo so. acha recoihida na recebedoria de renda?
    [ geraes inlernas. E por me 0 referido Antontoda
    Suva Farias, inventarianle 0 herdeiro da flnada,
    me tivesse requerido em daU d 13 de setembro
    proximo passado. dixando aue offereoia 0 producto
    dos bens do casal do inventariado para a eainoa-
    cae do hosnicto dos alienados, me cumpre levar ao
    conhecimento de Y. Exc. a existencia *
    Ihante donanvo, para ordenar que do depoeilopn-
    bHco seia levanttda para ter a appltcacao ^
    doador, dlgnandose V. Exc. dar-me sua* ^iK,
    a esse respeito. Deos guarde a Y, lxc< ~

    1
    *
    '
    i
    ^^^^^1
    ILEGfVEL


    i j(i h\m\ hi M a /mil>iatffct# Pernambuco Quinta feira 23 de Outubro de 1873. IIT1/ ill/ .0//J.
    ntft fei
    Cidade do RjcHiS 9 de outubro A* 1*73.
    -Illm c Kxm.- Sr. fcMMiendador iIonri)iio Pereira
    de Lucena, muito BMjWfhrcsidanto
  • O juiz de direito rf*54ra oivcl, Quinlino JW
    de Mirar.da.n ifcSO*
    Jary da HMMRfc Presents 43jnizes de
    facto, entrou em jutgamento o reo Francisco
    Vianna da Sou'.a o Silva, nronunciodo no art 193,
    aombinado com o art. 34 ao codigo criminal, ten-
    ado por aclvogado o Dr. Luiz B. Rodrigues Vianna.
    Gomp >z-se o on-oAo do seatenca dos se(jnintes
    Sre.: Emiliano Ernesto do Mello Tambnnm, Joao
    da Cru/. Maced>, BeNMHdino.de S. da Sil.a Guima
    caes, Alfonso de Albuquerque Hello, Manoel Jose
    de Azcvedo Santos, Jfanoel Martini Fmza, Antonio
    Maria do Farias Neves, Geminiano Joaqiim de
    Miranda, Manoal- do Amparo Cajii, Jose Elasbao
    Borgcs Ij'ehoa, Francisco Antonio da .Silva Caval-
    cante, Jca^uirr Pedro dos Santos Bczerra.
    Em vi>ta dadecisao do jury quo classificou o
    crime n art. 207 do codigo criminal, foi o reo
    condemn ado a urn mez do prisao simples o multa
    eorrepondente a duas tercas p*rtes do tempo,
    grao minimo das perns deste arligo.
    Deliteera^ao episcopal.Nao ; nao e
    falsa, eemo ten corrido, a noticia que hontem pu-
    Wieanios sob a incite titulo, de ter havido, no dia
    anterior, nma renniao dos vigarios da capital, no
    Jalacio da Solcdade, afim de alii reccberem or-
    ens verbaes co S. Exc. Revma. Hoove tal ren-
    niao.
    Se a BeHheracab. porem, tomada e ordenada
    por S. Exc. Re/ma aos Revj9. vigarios na>> foi a
    -qoe pnbiicamos, mas sim que quando estiverem
    celebrando (o> vigirios) a missa conventual nas
    igrcjas de suas parochias (except uou as matrixes ?)
    apparecerem membros das confrarias e irnnn-
    lades interdic'as, a esses cxpliquem (os vigarios)
    le comette eulpa mortal aquello que viola o in
    terdicte, bem como, que ficam stijeitos a pena de
    xcommunhao maior, de que so ha recurec para
    sumnv) por tiliee, os que deram causa ao in-
    ter.lieto (os Mtirone) e que no caso de taes pes-
    wxas persistirein no proposito de assistir ao acto
    teiidido) nacelebracao do mesmo, afin deque
    aao ventiam a soffreV os iunocentes (agora!) pelos
    peceadores -como nos acaba de informar pessoa
    ansuspcita e aulorisada ; a differenca que ha de
    KM a outra noticia, resultou nao de mistificacAo
    liroposital de i ossa parte, mas da exposicao que
    ana fez o informa ite da primeira noticia, pessoa
    nao menos insuspeita e autorisada que a que nos
    iforneren a prusente.
    Facnldade de Dlrelto.A congregacto
    dos lentes julg>m habilitado* a prcstarern exames
    -da- materias dos divcrsos annos todos os alumnos,
    eoM excepcfto dos Srs. Joajaim Francisco Teixeira
    Francisco Frederic) da Rocha Vieita, que per-
    dcram o anno por excessa do faltas.
    0< act is devim Bomecsr no dia il do corrente,
    pela prova escripta, em turmas de 13 ostudantes
    no I* anao, do 16 nos 2' e 3 snmm, de 12 no 4
    terminc aq iail ta em turmas dolseis eHU'dMhM.
    A ordem do servi^o sera :
    ! anno. -Bit Figneiredo, Pinto Junior e Bel-
    fort ; as 9 horas.
    2" anno.-Brs. Silveira de Souza, J. Araujo e
    Graciiiano Baptists ; .is 9 horas.
    3 anno.Drs. Aguiar, A. OruminonJ e Coelho
    liodrigues ; as 8 horas.
    i* M,"Bra. ManoelPortella.Tarquinio e Pin-
    to I'i'.ssoa ; as 9 horas.
    ."i- anno.D s. Paula'Baptista, Pereira do Rego,
    Ajirigio e Belf.irt; as 10 horas.
    <'ult< as leltrns-Recebcmos e agradece-
    iiiis it ii. 0 do per.odico Culto ds lettms, orgaoda
    sowed id litleiaria hMttSfO Historico e Pliilosb-
    iiiiH*.i I'eroaniliucaao.
    laitltuto .\rehe |f'.i inu verbas estiimeularias de Joao Fernandes
    V'Kiira, urn dos libertadnres do I'ernambuco, dovidas
    a i acwal > trabalho c porfiado empenho do infati-
    u-ivi'l awmbro fundador do ln-=tituto Archeologico
    i- Ga giMjiliic) de Pernambuco, o Sr. major Salva-
    d >r ilijiiriquo ie Albuquerque ; compromettendo-
    H**a i>Ds.-giiir nessa taiefa a proper?ao que o
    id--) a:mgo for dacifrando o original bastante de-
    leriorado. Re^ommeadamos sua leimra aos nos-
    ;j* .issianantes.
    Six-i :-d;i(l < T^ilteraria e An viliailo-
    a da Insti'Uf*cau MeeiHidarfa. Hoje,
    (quinta i>'ra) ha sessio exlraordinaria nesta socie
    dtdn para posse do conselho director, as 9 horas
    d i dia, no Ingar do costume.
    Camara municipal E n se.-sao de bon-
    tem deliberon a camara municipal do Hecife que
    d 1' de nnvembro proximo vindouro en dianle o
    j.i i a petee sejam vendidos a peso, dm cumpn-
    naaa dos arts. 40,11 e 195 da lei n. 1,129 ; para
    o q*i foi ordenado aos respeclivos fis^aes proce-
    desst-m em tempo as devidas intimao&s.
    Lotcria.A que se acha a venda e a 71." a
    beneiicio do collegio dos orphaos e orphas, a qual
    -corre no dia 29.
    Casa de deteneao.Movimento do dia
    2i de outubro de 1873:
    Bxistiam prosos 332, entraram lo, sahiram 8,
    exlstem 339.
    A saber :
    Nackmaes 2ii, mullieres 12, estrangeiros 40.
    escravos 39, escravas 4. Total 339.
    Alimcntados a custa dos cofres publicos 267.
    Movimeato da enfermaria do dia 21 de outubro
    e 1873 :
    Teve baixa :
    rinfto Pereira do Lucena Freirc ; vaecina.
    Tiverara alta :
    Manoel Agostinho Pereira de Seuza.
    Antonio Pedro da Cunha.
    Cemlterio publlco.-Obituario do dia 20
    do corrente :
    Zebino, pardo, Pernambuco, 34 dias, R ia-'i'is(a ;
    diarrhea.
    Venceslao de tal, branco, Portugal, 3) annas,
    solteiro, Boa-Vista ; ferimento do estomago.
    Francelina, escrava, preta, Pernamhueo, 30 an-
    nos, solteira, Santo Antonio ; variolas.
    Amalia, braoca, Pernambuco, 5 annos, S. Jose ;
    convuboes.
    Man m?I de Medeiros Bnlhante, branco, Portu-
    gal, 26 annos, solteiro, Boa-Vista, hospital porlu-
    guez ; r,exigas.
    Manoel Andre do Nascimento, pardo,Rio Gran-
    de do .Norte, itlade ignora-se, Boa-Vista ; tubereu-
    lospulmonarej.
    Antonio Manoel Pereira, pardo, Pernambuco,
    -40 annos, solteiro, S. Jose ; variolas.
    Antonio, branco, Pernambuco, 2 annos, S Jose ;
    dearrhea.
    Dr. Jacintho Pereira do Rego, branco, Pernara
    Jbueo, 33 anno?, casado, Afogados ; leaao organica
    do coranao.
    Fracuoso, braneo, Pernambuco, 3 annos, Boa-
    Vista ; bexigas.
    -Etelvina, branca, Pernambuco, 5 mer.es, Graea ;
    convulsoes.
    Anna Joaquina de Jesus, branca, Pernambuco,
    J*3 annos, viuva, Boa-Vista ; febre ataxica.
    Maria, pardi, Pernambuco, 4 mezes, Santo An
    tonio ; vernier.
    Maria Eugenia da Conceicao, pneta, Pernambu-
    co, 40 annos, casada, Recife ; lesao organica do
    coracfto.
    Eugenia da Conceicao, cabocla, Amazon as, 21
    snnos, Boa-Vista ; hospital Pedro II; tuberculoe
    pulmonares.
    Angelica Maria. Duarte, preta, Africa, 72 annos,
    viuva, Boa Vuta, hospital Pedro II, derramameato
    c Mareos Evangelista DantM. preto, Pernambueo,
    3"> annos, casado, S. Jose ; bexigas.
    21
    ErrtiBlioda, |)rcia, Pernambieo, 2 mezes, Boa-
    Vista ; eoterile.
    Ariniles, bianco, Pernambuco. igoors-se a ida-
    Maria pardi, Pernambuco, 2 me?es, S. Jose;
    coavuls'ies.
    Maaoel, escravo, preto, Pernanibuer., 40 annos,
    folteiro, Boa-Vista; bexigas.
    Liborio, escravo, pardo, Parnambneo, 23 annos,
    solteiro, Boa- Theodora Maria da Conceicao, pardi, Pernam-
    buco, 35 aonoj, solteira, S. Jo^d; espasrno.
    ^Guilhermma, parda, Pernanibui-o, 28 annos, sol-
    t-'ira, Bo-a-Vista, hospital Pedro II; variolas con-
    lluentes.
    Franjuelina Maria ds Jesus, preta, Pernambueo,
    34 annos, solteira, Bia-Vi intermitteme jerriciosa.
    lose" Joaquim dos 'Santos, pardo, Pernambuco,
    22 anno:!, soltiiro, S. Jose" ; variolas.
    Maria, preta, Pernambuco, 2 1/2 ainos Boa-
    ; betiga!.
    Ainarn; oahlo, Pernamhaer, 2 annos e 8 oaezer,
    J*oa-VH>} Mfiga.
    mite wmn
    P.4KTIDO COHlERVAlOR
    RECIFE, 23 DE OUTUBRO DE 1873
    CU3B POPULAR.
    A situacao dos liberdadeiros da Prooincim 'orna-
    se, cada dia, inais precaria nenivel.
    Aoosstdos pelos popular es, os pro vineUmos re-
    trogradaui a olhos vistos, ante a opiniao publica,
    no seio da propria soeiedade, qne haviam orgaoi-
    sado e qne era o centro mais efficaz e activo de
    sua forca e prestigio.
    Duraate urn eerto espaco de tempo pretende-
    ram os ndactores da Provmcia disiarcar_ o vio
    incommodo ane os atormentava, a proporjiio qua
    a soeiedade do Club conaecava agaigar deeidida
    prepeoderancia contra os iatrusos e pretensos ehe-
    fes do liberalism); entretanto confiavam estes em
    que o seumais notavel oabo de euerra, que exer-
    cia effeciivamente uma ccrta intiuencia moral na
    importante assoeiacao, traria sempre fectlados em
    suas maos os deatmos do partido liberal desla pro-
    vin^ia.
    Travada, porem, a Iota, nao tardaram em aper-
    ceber-se do deploravet engano em que jaziam,
    pois quo o inconstante tribuno, convioto de sua
    -absoluta fraqueza, acaba de abandonar o posto de
    honra que ihc liavia sido confiado, desertanao
    desairosamenle para os arraiacs contraries.
    Conhecedores dos sentimentos ante domocrati-
    cos do joven liberal, annunciamo3 com toda a ra-
    sao, o que teria de acontecer, ne^tcs termo-: 0
    distincto consocio, incumbido de fazcr ao Club a
    revista dos jornaes, adoeceu.
    E' provavel que continue o incommodo do il-
    lustre cavalleiro, o qual pelo quo parece jadeposi-
    tou a eorda aos pes do thrcno do leao da Provincin.
    Era com effeito, uma coroa bem pezada essa qoe
    embaracava o esforcaao paladino de abandonar a
    companhia das gralhas populares, para ir tomar
    assento entre o formoso bando dos aristcratas,
    que ao menos nao Hie fariio mais a injuria ds o
    chamarem carroceiro. 0 moco foi empatmado ;
    acha-se em boa companhia; a tr.insaccao da Pro-
    vincia ha 'de produzir sens fructos; esperem urn
    ponco mais.
    Eis pois realisado e mais cedo do quo contava-
    mon, o nosso prognostieo!
    A acta da sessao familiar do Club em a noite dc
    16 do corrente, consagra o seguiote:
    * Tendo tUixatlo 4e comparecer sera causa jus-
    tilicada, o Sr. Dr. Jose Mariano etc., et ;.
    Abiit, excessit, evasit, erupit...
    Quem sonber e tiver gravado na memoria -o
    grande acontecimento da coroa^ao desse assiduo
    popular, que At joelhos receWra a patrio'.ica of-
    I'erta da coroa do martyrio, das maos daquelle
    mesmo cidadao, que hoje abandona com a mais
    feia ingratidao; e souber mais, quo o referido pa-
    triota jurou cousagrar alma, vi la e coracao com
    o anxilio do seu forte braco a mesma soeiedade
    do Cl*b Popular, tera feito uma justa idea dos
    sentimeotos politicos liberaes dos aristocratas da
    Procincia. ,
    Beixando poriim em sua queda o jovn liberal,
    que acaba de finar-se para o Club Populir, para
    ir tomar a ci ysalida entre a bando gantil do di-
    rectorio prooinciano, apreciemos o que acaba de
    passar-se na importante sessao do Club Popular
    de 16 do corrente :
    0 Sr. Corrda de Brito, orador de cnergia, e que
    na.) encontra rival entre os amigos procincianos
    do Sr. de Villa Bella, extemou com franqueza e
    precisao os seus sentimentos em relacao a ques-
    tao religiosa, da qual se tern tornado urn dos prin-
    cipaes prutogonistas.
    S. S. fez ver a necessid ide de prestar ao poder
    civil eaos seus ageates, o apoio de que, em paizes
    d iiii-raticamente organisados, nao devena pres-
    cin lir em caso algum os encarregado3 da admi-
    nistrayao publica.
    Foigaiivjs de consagrar essa opinlio do Sr. Gor-
    rea de Brito, o qual, apezar dc nosso adversario
    politico, entende qne e esse um dever de patrio-
    tisiao de t Mao bom cidadao, e ao qual se aao de-
    ve reensar.
    Em pianto os liberacs mais adiantados fazem
    votos ?inceros pela victoria do governo, os pebas
    da Provmcia adejam sobre o vago e indeftnido
    sem norte e se n bussola, especulando evidentc-
    mente com uma causa que c antes social do que
    politica. Sabem todos que os populares almejam
    pelo principio da -igreja livre no estado livre, ten-
    do sido este o ponto de capital divergencia com
    os democratas da Procincia, os quaes ate hoje
    nao se dignanm definir as suas opiniues.
    Especulando com o partido liberal, pretendiam
    fazer delle um joguete de suas ambicoes ineon-
    fessaveis, lirmando entre os populares os degraos
    de sua sonhada ascenjao e apropriando-se de seus
    laboriosos esforcos.
    Ao passo qne o Sr. Correa de Brito, segundado
    por to Jos os demais oradores do Club Popular e
    applaudido com vko enthusiasmo pelo nameroso
    auditorio, perante o qual fallou, proferia as pala-
    vras seguintes : opino por que se nao condemne
    o governo a contar exclusivamente com os pro-
    prios recursos, os liberaes pebas da" Procincia
    declaram que esperain saborear o nectar dos
    deuses, vendo o governo apupado e escarnecido
    no meio da praca publica 1
    E' com eifeito bem vivo quanto triste e desalen-
    tador o contraste entre semelhante politica baslar-
    da e desmoralisadora com as seguintes e genero-
    sas expressoes do orador popular:
    * E' porque (a questao religiosa) tem caracter
    eminenteraente social, e, sem quebra de dignidade
    para nenhum liberal de lei, pode ser pleteiada
    por quastos o souberem ser contra o ullramonta-
    nismo, que propoe-se a atrophiar todas as !iber-
    dades. >
    Formidavel lieaoque e esta, que os verdadeiros
    liberaes de Pernambuco, que nao especulam em
    assumpto tao momentos > para a patria, atiram so-
    bre a i'ace de desleacs e rancorosos adversarios !
    Bem sabernos quanta distancia nos separam a
    nos, os conservadores, dos liberacs que se congre-
    gam hoje no seio do club popiilar; entretanto
    apraz-nos, como cidadaos, que aspiramos pelo bem
    estar e prosperidade do paiz, agradecer^ em honra
    dos sen'.imeritos, que nesta parte nos sao tao inti-
    mos e solidarios, a patriotica aspiracjio do que se
    acham pissaidos.
    Effeciivamente a questao stria quo neste mo-
    mento nos occupa n.lo e do numero daquellas qne
    o povo, nos estimulos partidarios, nas vias de uma
    reaegio vertiginosa, so ergue ao ponto de escalar
    o poder para usufruir os proveitos de uma politica
    por ventura desastrosa.
    Sim, o assumpto que ahi esta a prender a atten-
    cao dos bons cidadaos reflectidos e pensadores
    n3o deve de modo algum fazer esquecor-nos os
    grandes deveres que nos incumbem, como aconte-
    ce com aquelles, que ndocuram senae do seu bem
    sstar comimm no presente e no future
    G patriotico gabinete 7 de marc) nao deixara,
    sem duvida, de dar solucao sobre a honrosa e gra-
    ve pendancia, que veio sorprehende-lo em sua lar-
    ga t irefa, no empenho generoso que o alenta, da
    regeneracao do paiz.
    Como os oradures do club, entenlemos que a de-
    mocrat nao deve hesitar em offerecer ao governo
    a seu decidido apoio para manter o decoro das
    nossas leis violadas fpor um poder fanatico e pro-
    VL>cador, que nao duvida sacriflcar a nossa paz e
    tranquillidade publica, aiirando-se as perigosa*
    vias de uma reaecAo, cujos limites nao seria facil
    de prefer.
    Bern vemos que inimigos desleaes espreitam aza-
    db enscjo de turvarem as agtias da politica do paiz
    no deploravel intuito de empo'garem a proza am
    bicionada pelo cruel egoismo, quo os devo-a;
    entretanto o governo, convicto dc sua elevalissi-
    ma missao, ha de offerecer ao paiz elaro testema
    nho de sna solicitude e de seu nobre patriotismo
    E-gotados todos os recursos da prudeneia e do
    dever publico. conforme reclamava tao melindroso
    assumpto, ji n o 6 dado ao governo recuar o passo
    -premeJitado e seguro, com que deve proseguir a
    sua raareha.
    Nos confiamos tudo do eoncur-o dos generosos
    eidadao?, que tao desintere^sadamente se cmgre-
    Cam para o restabelecinrjnto da paz e publica
    tranquillidade.
    AJi^ij> Palmares. Lancada a sua primeira
    Rjnu. inissionanos capuchi
    ffrt FhMRj ASma'.^pirio:
    em urn;eerto OMajoxdP >
    ram, vio- o iidmiroa>se quo

    ?U6UDAC0$ # mm
    Matriz de Palmares
    Em uma epoca em que o tumulto das paixoes al-
    liadas ou colligadas se empeaham, unra-simdizer,
    em snff'car da conscieucia o eni desarraigar d,i
    coraci) calholico os sous mais earns e inaprecia-
    reis sentimentos de piedo^o devotauiento o substi
    tui-los por um nataralismo qua-i tiagao, admiram-
    nos e adiairamnos por eerto, todos os fervnrosos
    seatimentos e os pios tentamens daqueUcs 11'1,
    manteodo-os, ppicaram transmi!ti-los a uma gera-
    fao que tia de vir, eque um face de tao irrcfra-
    gayeis'testeraunliDs; de pied ade. bemliri em ver la-
    de, grata, uma gera5.i1) quo foi.
    Nasse caso, pois, esta a grandma obra, 0 in ig
    uifico templo que ora serve de matrii a fregaezia
    na-
    (iieltos cai uiles otreiro?, era c Is
    sendo vSlKTsa eflloathieuie secundada pelo reco-
    nhecido zolod) religioso povo desta' villa, porem,
    aao se fez 1 no to e=.perar por aouelles iucansavais
    Migiosos a hot* > regreaaarem ao se hospicio
    a> eiimprimaito #e ordets supariores.
    Alguns longot mezes, porem, se fcram decorren-
    do, quando para aqoi, qne acabava de se desligar
    de Agua Prelitt elovar-se acalhegoria de fregne-
    a, e provisiouado vigano ooconunwdado 0 Rvm.
    p 'loriano de (Jaeiroz Cmitinho, quoincangavel sem-
    pre se houve 110 andamentj de tao mil empenho,
    tanto mais. quanto nao tinha um templo capaz para
    servir de matiir. Ob seas tncestaMes reciamos e
    appellos nao foram improflcuos: ao carregamento
    de maie.riaes para a obra. se lhe vinham pressnro-
    sos ajunlar do tativos valiosos.
    Nesse po, pois, iam as cousas quando o oompri-
    raento de deveres 0 leva a fregaezia de Gamelleira
    no mesmo earacter om que aqui se achava. Subs-
    tilue-lbe 0 Rvm. Joao Olympio de Sonza Lyra,
    quando ju.-tamente a tomaT posse de sua c.imatca,
    por aqui looa S. Exc. oSr. Dr. Henrique Pereira
    de Lucena, hoje mui digno presideite desla pro-
    vmcia.
    0 espectaculo desolalor de nmacapellinha quasi
    a dosmoronar se, falta de todos aquelles requesitos
    para que dignamente alii so achassc 0 Senlior dos
    ce )S e da terra, toca-lho 0 religioso coragao, que
    eheio de pieiksosdosejos, so interessa e promove
    para aqui a vinda de um missianario.
    Foi eutao 0 frei Caetano Maria de Messina So-
    brinho 0 enviado.
    Uma npva phase, pois, se augura a esta villa, e
    cerlos disso os seas lleis, recobrandq de esforcos,
    e ompenham immensos e resolutos no trabalho,
    ora se prestando ategres e satisfeitos etn carrega-
    rem nas seus proprios hombros todos os materiaes
    preeisos, sempre submissos e doceis a vo* e ao cha-
    mamento de tao conspicuo varao como caridoso le-
    vita, e ora ocorrendo em liberalidade na rasao de
    suas posses com repetido3 e_valiosos donalivos ao
    andamento e conclusao de tao portentosa obra.
    A' docilidade e amabilidade desse ilfuslVee res-
    peitavel minislro do Senhor, a sua abnegacao sem
    termo, ao sen zele achniravel, ;i saa resignacao por
    demais cvangelica, a todas aqnellas qualidades, s
    todos aqucllts dotes en summa qne ornam e en-
    nobrecem, se Ihes ajuntaram 0 mats franco e de-
    cidido apoio, 0 mais sincero e desinteressado devo-
    lamento e em uma palavra todos os esforcos possi-
    veis destc religioso poro.
    A mais bella e ediftcante allian;.a junta a mais
    elevada e harmonica eombinacao de esforcos, que,
    a bem se avaliar, podese sem temor de errar di-
    zer que cada qual nos limites de seus possiveis
    mais e mais se aporfiava, vio-se afinal no carlo
    lapso de novc mezes um templo elegante e porten-
    tozo erguida no seio d'esta florescentc villa era
    substituieao d'aquclle desmoronal e indecente,
    que a semelhanca do mendigo que esmola, se
    via outr'ora a.i a um canto t
    Um tributo de homenagem foi, pois, rendido ao
    Dens tres vezes santo nosses tempos calamitosos
    do bezerro de ouro que atravessamos; e a firgem
    Santissima tevc um altar condigno aos seus sa-
    grados meritos de mai admiravel: e 0 templo de
    magnifica struc'.ura atravessara os secnlos attestan-
    do 0 zclo de um apostolo e a religiosidade de am
    povo.
    Os eclios bom accordados dos instrumentaes que
    prorompiam em canticos no recinto da casa do se-
    nhor nao se tardavam em onvir: 0 incruento sa-
    crillcio da vjctima divina ja foi ali n'aquellas sa-
    gradas aras offerecido pelo virtuoso ministn. 0
    que nos resta, pois, quando conhecemos que a
    simplicidade elegante, perspectiva imp mente, a
    alegria sem nome (jue entio transparecia no sem
    blante do todos, a immensidade de luzes profusa-
    mente distribtiidas, 0 eonjuncto de todos os ador-
    no uaturaes, juntos as iniimas, sinceras e fervoro-
    zas preces dos que ali se haviam reunido, bem po-
    demos avaliar, porem nunca descrever ? ..
    Um brado de louvor, pois, e gratidao ao obreiro
    sempre admi.-avel, ao zelo sempre crescente do
    apostolo, ao cntrepfdo e corajoso levila frei Cae-
    tano Maria de Messina SobrirJno !
    Gratidao e louvor igualmente ao Exm. Sr. Dr.
    Henrique Pereira de Lucena, mui Jigno prcsideute
    desta provincia, por todos os seus exforcos 0 muni-
    ffcenria em favor do tao santo desideratum, fi*an-
    queando 0 producto dc daas loterias ja estrahida3
    para as niesmas obras.
    Paz perduravel vos acompanhe, levita sagrado,
    enchentes de grajas se derramem sobre vo^ para
    honra de vossa heroica ordem, gloria da nossa fo
    ligiio santa, beneiicio destl provincia, e regoSijo
    desta villa qne e hoje snmmamente grata aos vos-
    sos relevantes servi^os para a gloria de Deus, e o
    maior lestemunno que aqui deixastes de vossa util
    e proveitosa i^",ada, e 0 mais evidente de nossa
    religiosidade.
    ^ttfrrazao, pois, nao 6 ella a
    os pkamt os mesmos ?
    Sna ra^jra, sens wtatutos, n!t sa-alteraram ;
    9^i0 daBte-, os jesuitas sao a ndMeis do papa,
    mabaaJoUsmo : como d'antes etyw,a iaipoeiu aos
    MfNnos, e nartorbam a pat oin fp3a a parte em
    qde se acham; tomam conta mreducacao dot
    meninos, e, maia que dantes, elles veem agora sem-
    pre pjjfiadJIeajde sua guaj^Mtajajgada, as>Majadj
    atam 1
    .4 1'nitio.
    VII
    Ja pasaa a Uniao da fingida calma a manifesto
    furor.
    Dous factos a pozeram neste estado doloroso.
    A publiea^ao do livro do Dr. Aprigio e 0 aviso
    do governo, pelo qual foi manJado processar 0 os-
    tensivamente criminoso D. vital, bispo por mil de
    nossos peccados, desta diocese.
    De maneira algnma quer a Uniao que sb toque
    nos seus jesuitas, esta quadrilha infernal de infames
    saltsadores, que tomam 0 nome de Christo para
    instrumento de todos os seus crimes e immoraiida-
    des ; nao quer quo, se toque nesse3 santos cardes,
    que eusinam com toda a hnmildade evangeiica e
    legitimam nos livros de sna duutrina evangeiica,
    0 furto, u assassinato, a lascivia c todos os perui-
    ciosos desejos, preparando assim os seus doutri-
    uados, e todo 0 po 10 a ser sua prasa, pasto de
    seus apetites.
    Fabio Hustico ou 0 Jesuitismo eo calholicismo,
    que e 0 livro ds que nos oecupamos veio divulgar
    as doutrinas jesaiticas, por documentos auluenti-
    cos, transcrevendo as para as suas pagiuas tao
    iuteressantes e necessarias nesta calamitosa epoca
    de jesuitica confusao, quanto e a luz I aneaJa no
    meio das trevas.
    E' mais um trabalho importante que, sahindo
    ha pouco do prelo, veio mostrar a nil a hediooda
    fa:e do relapso do jesuitismo.
    Oe set,s crimes, de suas ciladas, de suas incidias
    rauiio ja se km mostrado, bastante para inspirar,
    so nao aos eegos que nao querem ver, 0 horror
    por esta quadrilha de infames e hypocritas la-
    droes.
    0 ladrao, 0 assassino, 0 immoral que pertnrba,
    armando ciladas, a paz das fain dias em satisfacao
    de seus apetiles infames ; a vasta com panhia de
    hypocritas que dJo combate ao raunJo, sob a in
    piracao deste triplice estimulo, e tao detestavel
    que espanta como ainda se ve" um jesuila em al-
    guma terra esclarecila pela civilisaeio do seculo.
    Mas isto ainda nao e tudo, por que estes. ladroes
    de Christo, escrevem, um grande numero delles,
    uma doutrina moral, que inculcam extrahida dps
    preceitos doEvangelho, sanlifleando hediondos vi-
    cios e crimes !
    E' 0 que constitae a materia principal do livro,
    cuja apparicao poo em furor a Uniao, e a
    transcrip^ao de grande parts da doutrina ec mgelica
    que a iaiame companhia prega aos catholicos, ou
    antes quo estatue como regra aos membros da
    mesnii ordem para elles seguirem e fazerem seguir
    aos catholicos com todo 0 geito que nao escandalise
    como se ensiaa na inesraa doutrina.
    -Vao ora preciso esse livro para fazer a todo 0
    muni) detesta'r essa infame companhia em to
    dos os sens membros ; ba=tavam as cartas do
    Del) Faria a>s jesuitas, para fazer delles correr
    como se corre da cobra.
    Mas aqui vd-so cousa ainda mais horrorosa ; vi-
    se 0 crime heliondo erigido em doutrina moral I
    Aquellas cartas emudeoeraraa Unido e os jesui-
    tas outro meio nao tiverara em defeza senao so-
    prir a sous ad'ierentes qne os jesuitas de agora
    nao sao os mesmos que d'antes, e taes adlierentes
    com a impassibilidaJe com que a ordem manda
    obedecer cegaraente as suas palavras, repotem
    nor toda a parte que os jesuitas de agora nao
    sao oi mesmos que daafes.
    Sao estes, purcm, os cegos do Evangelho, aos
    mais cegos sao os que aao querem ver. Porque
    os jesuitas de agora nao sao os mesmos que os
    de uutr is tempos dizera estes cegos.
    E que razao poderia haver para nao serem os
    mesmos T
    A companhia seado dissoWida por Clemeate XIV
    lou dusobed'econla ao decreto daigrejs.e.msii-
    tu. H formal, dents nos paizes em cujos soberanos
    ae iar.ua ap
    .ilia ass im R?ou caastitaida mesmo depols'
    ^etTfiiji Delvnapa <>x.oaimiuigada.
    !; 03 radi-E13-ifrad8saai.,nxcoramuiigad)sexer
    ciam tidas ai funecfle*.aftj^doUes naqueflee pai-1
    Ms. E-sa inesrna C[)!npannTa,> dissulvida pircau-
    sa de todos o< crimes e vici is que so airegam'no'
    breve quo a conlemna, eafa inesma companhia as-
    sim exeoaunu.igada como se .acjiaya, ,*> -fas-
    tauraJR -por-ootru papa.
    as
    c;
    <|_
    GadKi d'U> elles sao o Hadot dus povos e so
    nao dos simpHoes c dos velli.icos; eoatodimtes ellba
    sao expulsosdos paizes em qne mais nao os podem
    supportar, om eujos governos nao oe julgatn neces-
    sarios para sens fins.
    Por que, .job), nao sao oa messes ?
    La estao eties na Hespanha stlstentando de ar-
    cabuz ao honibro ao assassino D. Carlos ; e la
    estao assassinando e roubando !
    E por ventoraa sna doutdaa da>maral eva*e-
    lica e outra ?
    Nao, 6 a mesma de entao, escripta em seus li-
    vros, qne nao foram aaada prohibidos pela escom-
    mtinliao ou reprova^W da fgreja.
    Pio IX que cliegou a condemnar 0 livro de
    theologia moral de nosso preclaro e virtuoso padre
    Monle, nao condemnou os livros infames das dou-
    trinas morats do jesuitismo. Elles permanecem
    os mesmos com a auleridade qae tinbam d antes.
    Pois bem, veja-se agora nos poncos extractos
    que vamos ver transcriptos para aqui, a que infame
    degradacio e depravacao chegam os infames je-
    suitas, a que depravacao pretendem levar com as
    suas doutrinas os pobres fleis quo os acreditam
    Limitemo nos ao que a respeito do sexto man-
    damento, Fabio Rustico extractou das doutrinas
    moraes dos Jesuitas :
    E' permittido a quem se proslltne, pedir di-
    nheiro para se prostituir. Mas quanto deve ser ?
    Grande e difflcil questao que tem sido muito agi-
    tada. Disiingue-se : quando se trata de uma
    mulher publicamente prostituida, ella nao pode
    em consciencia pedir cousa algnma atom de sea
    preco ordinano, sem fraude, sem mentira, e, em
    consciencia, deve restttuir 0 oxcesso, porem como
    isto e duro, porque a cada um e livre vender os
    seas bens pelo preco que quer, nos inclinamos
    ( ) ( nos Thomaz, Tamborino e Manoel de 3a )
    a (be deixar a esse respeito toda a liberdade, com
    tanto que nao haja mentira nem frando ( santos
    varoes). Mas quando se trata de uma pessoa hon-
    rada, esta pode pedir tudo 0 que qnizer, porque 6
    permittido estimar a sua honra como lhe apron-
    ver, nao havendo lei que regule 0 preco da af-
    feicao.
    a 2." Pecear com pessoa, com a qual alguem se
    acha proximo a casar, antes de sahaverem obtido
    as bencaos ntipciaes. 6 leveounisto nao ha peccado
    algum; e nao so e licito, mas muifo arrasoado se as
    bencaos se dilatam demasiadamcute.
    3." A opposicao ruidosa de Suzana aos dons
    velhos que lhe faziani violenria, foi am heroismo
    de virtude, ella ndo era a isto obrigada ; e nesse
    caso ninguem o deve ser, porque dadita resistencia
    pode resuliar perigo da reputacao, on da vida.
    Nao se deve com tudo publiear esta doutrina (ay-
    pocritas I ) a toda sorte de pessoa pelo abuso qne
    as gentes numitdes nao deixarSo de fazer delta.
    c 4. Etn regra, cada um e obrigado a se apar-
    tar das occasioes proximas do peccado ; mas,
    quando, para delta alguem se separar deve padecer
    um prejuizo grave, como, por exempio, a perdi
    de cem ducados (cento e sessenta mil reis fortes )
    nao sendo pessoa bastante rica, ou ficar privado
    de uma pessoa muito util, ou expor se a uma dif-
    famacao, nestes casos ninguem 6 obrigado a lar-
    gar a occasiJo proxiraa. 6 confessor deve absoj-
    ver os que nella se acham, posto que a nao dei-
    xem. e ainda que as reincidencias sejam frcquen-
    tes; e attenda-se ao que constitae a oceasiao pro-
    xima do peccado ; porque, se em dez tenta^oes
    nao se pecca mais do que duas ou tres vezes, esta
    nao e occasiJo proxima, e ninguem e obrigado a
    deixa-la ( r)
    5. Um criado ou um filho nao devem fazer-
    se ministros do peccado do amo ou do pai ; isto e
    certo.Porem, se elles 0 nao podem evitar sem gran-
    des incooveuientes, por exempio, sem se fazerem
    aborrecidos, sem ouvirera mas palavras, sem se-
    rem asperaraente tratados ou ate despedidos da casa
    com pouca e3peranca de acharem outro modo de
    vida, nestes casos, bem se pode ceder e ervir ao
    peccado. E distinga-se entrcos servi;os proximos
    e os remotos : levando escriptos e presentes, nao
    sao miis do qae servicos remotos e como taes per-
    mittidos.
    6. Os peccados da impudicicia commettidos pe-
    los que se acham tornados de vinho, ainda no ca-
    so em que os hajam previsto, antes de perderem
    o juizo, sao muito menos peccados do que conse-
    quencia de um peccado, isto 6, consequencia da
    aolecedonte prevlsao consentida. Mas se lego de-
    pois de beberem so arrependem_ de haver be-
    bido, as culpas que se seguirem nio trarao mais
    comsigo alguma sorte de peccado.
    0 7.* Se Q raplo feito com intento de casar com
    a pessoa roubada sujeita os raptores a pena esta-
    belecida pebs concilios; mas, 0 rapto feito com
    os obiecjws da fornicacJo e do estupro, nao e su-
    jeita a referida pena. A prova disto e que a pe-
    aa fulminada contra os raptores em geral se acha
    collocada no concilio de Trento sob 0 titulo : a Da
    reformacao do matrimonio nao e bom achado
    charo leilor ?)
    & Da .mesma sorte os raptos das pessoas do
    sexo feminino sao sujeitos as penas estabelecidas
    pelas leis imperiaes. Nao tncorrem nellas os que
    coinmeitem raptos de mancebos com fins aboini-
    naveis. porque as ditas leis que fallam dos primei-
    ros, nao nomeiam os segundos. Esta opiniao e a
    melhor.
    E na bulla de Pio IV que estabeleceu pena con-
    tra os clerigos culpados do horroroso crime da ci-
    dade de Sodoma incorrerlo os clerigos que com-
    metterem 0 segundo dos raptos acima referidos ?
    Sim e nao. (aaata e commoda companhia.) Por-
    que logo se ve que nella ha dons casos, dos quaes
    um delles 6 a be.-tialidade e por elto se nSo in-
    corre nas referidas penas; 6 a opiniao mais ver-
    dadeira e a mais provavel e de todas a que deve
    ser preferivel.
    a E ainda ha muito mais ne-te crime, ainda sen-
    do tal qual elle e expressamenle nomeado na bul-
    la, se os clerigos nao 0 come item mais do que
    uma, duas ou tres vezes, nao incorrerao de ne-
    nbuma sorte nas penas' da referida bulla; porque
    os'termos de que ella se serve, suppSe a frequen-
    ce do crime.
    Eis aqui 0 privilegio que nao podem ter os se-
    culares (bom proveito faca aos padres) porque a
    lei do pr'ncbjMJ castiga esse crime ainda quando
    seja commettido por nma so vez, mas, 0 papa de-
    terminou diversamente a respeito dos clerigos.
    a 9.* 0 direito natural e tao escuro sobre a for-
    nicacao e a poll... que nio deve parecer extra-
    nho que a malicia destes actOs seja invencivel,
    ignorada pelos intieis em toda a sua vida.
    a Nio somente se pode estar em uma ignorancia
    invencivel da malicia destes ados, senao ainda se
    pode inerecer praticando-os, se a consciencia or-
    dena que se pratique.
    * 10. Um furto de trinta reaes castelhanos (seis
    cruxados novos) 6 peccado maior que a sodo-
    raia. >
    E' ate onde pode chegar 0 requinto da perver-
    sa imm >ralidade.
    Como se escreve uma doutrina tao infame, so
    podem explicar, s6 podem justificar os velhacos,
    os obstinados cegos que morrem deamores pelos
    jesuitas.
    E' daquelle modo todo 0 livro do Dr. Aprigio,
    coraposto, cheio das doutrinas dos jesuitas neste
    gosto, a respeito dos mais pernictosos vicios e
    crimes.
    E nao 6 a doutrina de um ou dez jesuitas, e a
    de ranumeros que elle cita.
    Por esta amostra podese fazer idda do que sao
    a todos os respeitos as doutrinas da formidavel
    coinpanhia ; nao sei como mais seja preciso pnra
    inspirar o maior horror de nma tal compaunia.
    Sas sd quem tiver lido todo 0 livro podera fazer
    idea dj) ate quanto pade chegar 0 cynistno destes
    inmsiruosos hypocritas desta companhia que to-
    mou 0 mme de Cnri-to como urn.passe um ta-
    lisma, um instrumento para perverter e roubar a
    humtnidade.
    Estuu eerto que os velhacos adlierentes desta
    formidavel ordem de trUantes, nJo deixarSo de
    ler 0 livro do Dr. Aprigio muito em segredo, des
    denhando-o porem de pabliro e aconselhaaio aos
    Oulros que nao 0 leiara, por ser escripto por paga
    Jala maVouaria para difamar os santos servos de
    eus.
    A Uniao ja 0 disse, este caridoso organ do ca
    ridoso Vital e companhia. Os tolos, porem, o< to-
    bos da grei se absterio de ler Fabio Rustic,
    nao tanto porque nao oU'jam geral ueule desta
    bra 0 in 111 >r conceito, coirti p^r terem mcJo de
    se coawencer de tanto pe/versjdade dos san'os ca-
    rJas quo, em sua innocencia delles adhereutes. ja
    nm.tr.im uosse de sen coragio. Fica no>, poreiq,
    lesCtdgadcs, n6s todos os T|ue tanto rJeseja
    radW.t*T4aW/>(dMci se
    que a opiniao goralmente se coosolidara pela lei-
    lura desse livro qne-veio tJo a proposito como 0
    mais podaroso documento contra a quadrilha para
    a qual nao acao no vocabulario sulllciente quali-
    licativo.
    Antes de en ler esse livro qoalifleava essa com-
    panhia com todos os nomes que expnmem per-
    persao e infamia: depois qoe o li nao acho ex-
    pressao com qne daaignar a companhia e sens
    a, arnbatam
    endo-as as-
    da jesuiiiea
    membros seoia com a palavra jesuita, qne quer
    pier -iniraigo de Jesus.
    ' Do outro aseumpto da qae ao principio destc
    alludo, me oeeoparei n'outro artigo.
    Recife, 17 de outubro de 1873.
    Affonso de Albuquerque Hello.
    Ao corpoeleitoral do primei-
    ___10 districto.
    Apreseaiamos os seguintei nomes:
    t.* Dr. Maaoel do Nascimento Machado Por-
    tella.
    2.# Dr. Joao Barbalho Uchoa Cavalcante.
    3. Dr. Miguel Jose de Almeida Pernambuco.
    4.* Dr. Felippe de Figueiroa Faria.
    5. Dr. Dana Cavalcante do Rego e Albuquer-
    que.
    6. Dr. Manoel do Rego Barros Souxa Leao.
    7.* Dr. Carlos Augusto Vaz de Ofiveira.
    8.* Dr. Antonio Domingos Pinto Junior.
    9." Dr. Jose Bernardo Galvao Alcoforado Ju-
    nior.
    Um eleitor.
    Am iilustre corpo eleitoral do ft."
    eircialo para deputadlas pro-
    vinciaes.
    Os conservadores eleitores devem cerrar a cola-
    cdo nos seguintes.
    { Dr. Mancel do Nascimento Machado Portella
    2 Dr. Manoel do Rego Barros Sonza Leao
    3 Or. Miguel Jose de Almeida Pernambuco Junior
    4 Dr. Dario Cavalcante doficge Albuquerque.
    5 Dr. Felippe de Figaeiroa Faria.
    6 Dr. Manoel Caldas Barreto.
    7 Dr. Jos6 Teburcio Pereira de Magalhaes.
    8 Dr. Joaquira Francisco de Arruda.
    9 Dr. Joao Barbalho Ucoda Cavalcante.
    Alguns de Santo Antonic.
    Qtiu*i eoiasuiaida viva.
    Quem nao ouvio fallar do caso de Dolores Men
    dez, de Lima ? Foi eUa atacada di es;rofulas de
    um aspect0 e naturezaa mais asquerosa e rapida-
    mente mortal.
    Grandes ulceras, que cada dia se tornavam mais
    profundas, consumiram a came de seus membros
    inferiores, a ate os ossos se lhe apodrecerara. Es-
    teve dez mezes de cama convertida n'um esqaele
    to. Chamaram-se medicos de todas as partes e
    todos elles a desenganaram, nao lhe restando por
    tanto outro recurso do que esperar pela morte.
    Achando-se, pois, em tao criticas circumstancias
    lhe recommendaram que tomasse a Salsaparrilha
    de Bristol, e esta a salvou, como ja antes della ha-
    via salvado a outios mil. Reprimiou-sc a calami-
    dade, cicatrisaram-se as chagas ; recuperou as
    forcas e 0 ape ti te, u'nma palavra, a saiidc, a ale -
    gria lornaram a visila la, e de-ide entao tem gosado
    dessas supremas (elicidades da terra, a saiide do
    corpo e a alegria do espirito.
    A faculdade medica consente que se annuncie a
    Salsaparrilha de Bristol, como 0 remedio mais
    prompto e seguro do quaatos se conhecem, para
    todas as formas de escrofulas, cancros, turaores,
    abcesaos e rheumalismo.
    Uma cama ciaae todo o iniindo
    deve saber.
    0 viajanto munido das Pilulas Assuearadas de
    Bristol, acha-se perfeitamente armado e precavi
    do contra aquellas enfermidades do estomago, li
    gado e intestinos, communs em todos os climas.
    A primeira cousa a fazer-se, no caso d'ura ataque
    bilioso, 6 a CTacuacao dos intestinos. As Pilulas
    Assuearadas de Bristol, completam esie servico de
    uma maneira rapida e sem causarem 0 minimo
    incommodo ou dor.
    Ao par que ellas limpam, eilas suavisam e cu-
    ram. Ellas conMm en si nm eerto principio emo
    liente que eviia a irritacJo ; a qual d'outra forma
    teria lugar durante uma aturada purgacao. Du
    rante a sua operacao nao se sente essas agudas, la
    cinantes e espasmpdicas dores, que de ordinario
    acompanham a aceao proJuzida por esses catar-
    ticos in in era es.
    Para 0 tratamentb de dyspepsia, hemorrhoidas,
    affeccao do flgado, enxaqueca, suppressao, verti-
    gens, colicas, ardencia do estomago, ellas sSo jus
    tamente 0 remedio desejado, e nenhnma outra me-
    dicina conhecida, pode >upprir 0 seu Ingar. Co-
    mo se achem metlidas em frasquinhos de crystal,
    ellas conservam se inalteraveis e perfeitas em to-
    dos os climas. Em todos os casos aggravados ou
    provenientes de impareza de sangue, a Salsapar-
    rilha de Bristol, devera ser usada juntamente com
    as pilulas.
    Na Reforma, do Rio de Janeiro, correspondents
    ao dia 2U de marco do corrente ando, lemos 0 se
    guinte paragraphu editorial :
    Para, Brasil, 8 de marco de 1873S/s. agenles
    da Salsaparrillia e pilulas cegetaes de Bristol no
    Brasil.
    Durante a minha presente viagem de exploracSo
    scientific aorio Amazonas.fui a;commettidoa bor
    do, de um forte ataque bilioso, doenca da qual te
    nho padecido seriamente estes ullimos annos. Nao
    tendo achado allivio algum no activo tratamento
    medico ao qual fui submettido, resolvi seguir 0
    opportuno conselho de um dos meus companhei-
    ros de viagem, experimentando aloumas doses das
    Pilulas vegetaes assuearadas de
    Bristol
    Os seus admiraveis effeitos nao se deixarm es-
    perar muito tempo, e hoje tenia 0 especial prazer
    de participar a Vines, que aquella affeccao chroni-
    ca tem inteiramente desapparecido ; 0 Ggado, de
    pois de intensos e prolongados soffrimeutos, tem
    recuperado 0 seu estado normal de saiide, e com
    quanto acho-me provido de um completo sorti-
    mento de medicainentos, aproveilei a oceasiao pa-
    ra aggregar ao numero delles alguns frascos das
    referidas pilulas. Porlanto posso recommenda-las
    com toda conGanca aquelles que padecerem do
    mesmo mal; 0 methodo para mim observado no
    curativo, consistio simplesmente era tomar cinco
    doses com intervallos de um dia, de cinco pilutas
    cada uma, sentindo completo lenitivo depois da se-
    gunda d6se.
    Sem ser inspirado por nenhuma consideracJo
    pessoal e sendo perfeitamente estranho para Vmcs.,
    enviolhes este certificado, puramente na espe-an-
    ca de que pos9a ser util e proveitoso a outros.
    Cliarles Linden, director da soeiedade de sciencias
    naluraesde Buffolo, Nowa-Vork.
    W
    eOMMERGIO
    Seguro contra-fogo
    rHE LIVERPOOL & LONDON A GLOB
    INSURANCE COMPANY
    A^ente*
    SAUNDERS BROTHERS A C.
    11Corpo Santo11
    Capital.
    ?undo
    NORTHERN.
    .... 2o,ooo.-oooaoofc
    de reserva. 8,000:000500(
    Ag^ntes,
    Mills Latham & C.
    RUA DA CRUZ N. 38.
    COMPANHIA
    Phenix Pernambucana.
    Toma riscos raaritimos em mercadorias,
    fretes, dinheiro a risco e fmalmente de qual-
    quer natureza, era vapores, navios a vela ou
    barcagas, a premios muito modicos.
    RUA DO CO.MMERC10 N. 34.
    seguros
    {* )"0spareuMje3 say de Fttbio HusUco. 1
    COMPANHIA ALLIANCA
    maritinios e terreb-
    trea-estabelecida na Bahii
    era 15 de jaaeiro etn 1870
    CAPITAL 4,000:000j?0().

    Torna sfe^rfb ueTnefcffl&rws e dinheiro t
    *co mavrtiaM em navio d ^dtn e vaporov
    paaa dentro e faa* do imperio, essim coir*
    contra, fogo nUm fmimj -ftlKros e (t>
    rundas. >waul *baw-
    Agente : Joaquira Jose" Goncalves BeltrSo,
    rua do Comrnani^n.
    SEGDRIS
    MAWTI!
    CONTRA 0 FOGO.
    A companhia Indemnisadora, estabelecid*
    aesta praga, toma seguros maritimoa sobre
    navios e seus carregamentos e contra fogo
    em edificios, mercadorias e mobilias: na
    rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
    PRACA DO RECIFE 22 DB OUTUBRO.
    DE 1873.
    AS 3 1/2 HOBAS DA TAHDE.
    Cota^dei ofTIciues.
    Assucar mascavado do Rio Orande do Nwte
    liOOO por 15 kilos, posto a bordo, *
    frete de 30 d] e 5 0|0, honteai.
    Milho3X000 pelo saeco com o peso tie offkitos,
    hontem.
    Genebrade Hamburgo commum 4/300 a caixa,
    hontem.
    Ditade ditu de laranja 6friOO a eaiia, hontem.
    Cambiosobre Londres a 90 djv. 26 d. por 1*000,
    do banco, hontem.
    Dito sobre dito a 90 drv. 26 1|8 d. por 1*00",
    hontem.
    Cambio-sobre Lisboa. a vista 112 0|0 de premk,
    do banco, hontem.
    Oesconto Ue totras 10 OiO ao anno, hoje.
    Dunonrcq
    Presidenie.
    Leal Seve
    Secretario.
    AFLNDAEGA
    Aendimento do dia la 21. cr,: 926*84*
    Idem do dil 22.....41.272*041
    697:198*8*6
    Descarregam hoje 23 de outubro
    Vapor ingtezFire Queenmercadorias para al-
    fandega.
    Barca franceza Anne Marie ferragens ja des-
    achadas para o trapiche ConceiQSo, para,
    conferir.
    Lugar inglezBam bacalhao ja despachado pa-
    ra o trapiche Conceicao.
    Barca ingleza Talisman f .rinha de trigo ja
    despachada para o caes do Apollo.
    Hiate americanoJ. V. Angervarios generos pa-
    ra o trapiche Conceicao, para despachar.
    Barca americana -Casco -varios generos para o
    trapiche Conceicao, para despachar.
    Brigue portuguez Bella Figueirense pedras d*e
    cantaria para o trapiche Conceicao, para
    de'pachar.
    0E8PACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 21 DE
    OUTUBRO DE 1873.
    Para os pottos do exterior.
    No navio hespanhol Maristang, para Bareei-
    lona, carregou : A. iiastos 46 saecas com 3,oy
    kilos de algodao.
    P(ra os pottos do inttrtar.
    Para o Aracaty, no hiate brasileiro Deos te
    Guie, carregaram : J. Ramos i Machado 1 barri-
    ca com 60 kilos de assucar reCnado.
    Para o Par a, no patacho portuguez Mkliae-
    lense, carregou : J. Bruno 100 barricas com 3,2oi
    l|2 kilos de assucar refinado, e 6 dilas com 589
    i|2 ditos de dito branco.
    Para Mossoro, na barcaca Riachuetlo, car-
    regaram : J. C. Figueira 15 pipas com 7,200 litres
    de aguardente; B. Gomes & C 5 barris com 216
    ditos de dita. e 10 ditos com 960 ditos de dita.
    Para Macao, A. Oliveira & C. 12 barrica3 com
    1,172 kilos de assnear branco. e 40 laias com 40
    ditos de doce.
    Para Alagoas, na barcaca D. Conslancia, car-
    regaram : A. P. Iiarbosa 1 barrica com 65 kilos
    de assucar rednado. Para Mossoro, F. G. de A
    Maranhio 12 pipas com 5,760 litros de aguar-
    dente.
    Para Miriii, na barcaca Triumpho do Recife,
    carregaram : M. Barros Filhos A C. 4 barricas
    com 252 kilos de assucar refinado.
    UVPATAZIA DAALFANDEGA
    rtendimento d<. dia I a 21. 13:598*0o!l
    Idedi do dia 22...... 879*332
    14:477*37?

    VOLUMES SAHIDOS
    Vo dia 1 a 21...... 29,469
    Pnmoira porta no dia 22. 119
    Seguiida porta..... 49
    Tbrceira porta..... 405
    Quarta porta.....
    hapiche Conceicao ... 681
    1,254
    SERVICO MARITIMO
    iU\arengas descarregadas no trapiche
    a alfandeua do dia 1 a 21. 43
    Ditos ditas no dia 22......
    Na>us alracados no trap, da allandega 3
    Alvtrengas........
    So trapiche Conceicao..... 1
    5
    RECEBUDORIA DE RENDAS 1NT1RNAS GE-
    RAES DE PERNAMBUCO
    Rend.uiento do dia 1 a 21. 50:099*638
    Idem do dia"22...... 5:ll0*ee
    55:210*30S
    CONSULADO PROVWCIAL
    Ranpuento do dia 1 a 21. 43:935*983
    Idam do dia 22...... 3:509*433
    - 47:445**1
    DO PORTO.
    Navios entrados no Ha 22.
    Rio de Janeiro-20 dias, brijme inglez Stagshaw,
    de 244 toneladas, capitao William Gray, equipa-
    gem 10, em lastro; a Johnston Paler & C.
    Navios sahidos no mesma dia.
    New-YorkBarca ingleza Levinia, capitio Mc.
    Kenzie, carga assucar.
    Antilhas- Patacho inglez Nereus, capitao Kerr, em
    lastro.
    Liverpool Brigue inglez Montrck, capitao Lucas,
    . carga algodao.
    tGITAES.
    -----
    Comarca de Palmares
    luizo da pruvedoria
    0 Dr. Alexandre Bernardino de Figneiredo Reis o
    Silva, jniz municipal e da provedoria, supptente
    em exe cicio do termo de Agna Preta e comarca
    de Palmares, provincia de Pernambuco, em vir-
    tude da lei etc.
    Faco saber pelo presente edital que nos termos
    do art. 1 do decreto n. 1695 de 15 de setenjbra de
    1869, dentro do prazo de 30 dia*, contados da ptr*
    blicacao deste edital, recebera este jnizo p opostas
    em carta fechada para a arrematacao por vedda
    dos escravos : Pedro, crioulo, solteiro, de >* an-
    nos de idade, agricultor, avaliado por 800#0G ;
    Fanstino, crimilo, de 19 annos de Matte, solielfo,
    agricultor, avaliado por 1:200*, os qsesperton-
    cem ao espolio do ponnguez ^noef Jo6 Viatma,
    e vao a praga a requerimento do respe^tivo t*s-'
    taraenteiro, e aeham-se neMa villa, a rua da Boa-
    Vista n. 2, onde poderSo ser examinado* petoa
    pretendentes.
    E para que ehegue ao eonhechuenV) de lodoa,
    mandei ^assar o pr.sente; qbe serl1 aWxado a^tt'1
    Mi'-ado pela imprema.
    Eu Custodto> lore da Silva Fragoso, escrlvi(-
    eserevf '
    ^






    HEGftfEl
    Ji
    -i


    V
    I
    t
    i
    I
    m
    >r -'
    Stori* =
    ?
    Vil'.a de
    O majior Jo-A lodmaY Cavaleaate
    mm diMrieio d. fragMzia
    *rttlt*iiei,
    873. --4M
    Jw/t'fl.
    Pessoa, juiz de
    dos AJogados,
    Fg saber que findo os dia$ da lei, vac a praca
    -6 tttMrat de palhraha, 1 coraoda, 1 mesa re-
    donda, t consolos, 1 sofa, 1 marque.a e i candisi-
    ro para gaz, penhorados a Andre ioyi Dias Perei-
    rajpor axecueio que conira o mestm move Jose
    Iaeiniho.Ril>etro, leado islo lugar nodia 30 do cor-
    rente, as 4 li nu da larde, flnda a aoaiencia desie
    jufeo.
    E para cm chegue no eonheetaiimto de todos
    mandei passar e presente, em o qual me assigno,
    cfixa lo nqs lugares mais publico* ieste tlistricto.
    2' district de paz da fregneiia do* Afogados 21,
    de oalabro de 1S73. Estava sellado com uma es-
    tampillia d2 108 rs., e competenloraento inuti-
    iisada *n, Joao Ma.ricin de Senna, escrivao o
    eacrev,..Jose Tuomaz Cavalcante Pessoa.
    E B'tda mais sc conlinh i em dito cdital a-jui
    iranscripto do proprio original.
    2" district* do paz da freguezia de Afogados, 21
    de outubro do 1873. Em fe de verd ade.0 escri-
    vio Jbao Miauricio de Senna.
    clarsndo nao so a matcria em que se tern de ins-
    eroyer, como tambem aquella ou aquellas em que
    ja liver sido approvado, a Gliacao e naturalidade, e
    exhrbira attestado do director do collegio ou pro-
    fessor que o houver ensinado, certiQcando a sua
    habilitajao, e se a letlra do requerimeuto o assig-
    aatura sao do proprio punho do examioando.
    StJcretaria da faculdade de direito do Recite, 20
    de outubro de 1873.
    0 secretario
    Jose Honorio B. de Menezes.
    --
    HCLABACOES.
    ScxU feira 2.4 da corrente, fin l.i a audien-
    ajdo Exra.,Sr. deaembargador |uiz de orphans e
    isenis, vao a praca para serum arreinatadus ee
    em mais der, emu abatimeuto da ipiiula p'arte
    i bc* aegu.iatcs:
    A parte que o casal possuia no enjenho Rega-
    lia, por 3:2uO*Oi;0.
    Urn orreno hito a- rua do Yisconde de Albti-
    qopr^e, por 115*200.
    Um 4ito an aliuhamento da rua da Aurora, com
    100 palmos de frente, e fandos at a rua de Luiz
    do Rego, por 2005.
    Cm diio em aliiihamento da rua da Aurora,
    com 200 palm* de frvnle, por 400s.
    Urn dito em alinhamento (la rua da Aurora, com
    200 pslmos J frente e fandos ate a ru? de Luiz
    do Regj, por 4i6i.
    Urn dito em alinhamento da rua da Aurora,
    com 150 ualin.w do frente o fundos ite a rua de
    Luiz do Rego, por 360400->.
    Ura dito ein Santo Amaro das Salinas, com 100
    palnus de frente, ua campina que prende ao si-
    tio do casal, invvntariado por 200J.
    Cm din em Santo Amaro das Salinas com 100
    palmos de frente, a comecar da cainptiia, o qual
    prende ao siiio_do casal, inventanado por 2004.
    Dit'.is ben? vao a praca a reqneriro-nto d te-
    uente-corcnel Antonio Vieira da Cunha, testa-
    menleiro e inveutariante dos bens quo ficaram
    por tiliecimeuto do major Manuel do Nascimento
    da Costa Mircira e sua mulher D. Antonia Viei-
    ra da Cunlu.
    COMPANHIA
    DOS
    TRILHOS URBANOS
    DO
    Recife k Olinda.
    E Bebcribe.
    Em cumprimento do
    art. 12iIos estatutos da
    mencionada eompaiihia
    oprosidtiiite d'asseint>lea
    goral dos seus acciouis-
    tas convida a estes
    |Mj>a reunirem-se em sssao orditiaria da
    4ita assemblea no dia 31 do corrente moz as
    4 boras da tarde no lugar do costume ; e
    cbama-se a attonijao dos Srs. accionistas para
    o disposto no art. 11 dos referidos estatu-
    tos.
    Recife, 20 de outubro de 1873.
    O secretario.
    Luiz Lopes Castello Branca.
    Santa Oasa da Miseiicordia
    do Recife.
    A junta admini sieordia do Recife, *.ompe:ontemenle aatorisada
    y^U pre^deacia, em data de 3 de setembro do
    anno proximo findo, e de conformiiladc com o que
    dispoe o | 9.* art. u2 do sen dim ronisso. per-
    mata por apolices da divida publica a fazenda de
    criar g'ados que possue o patrimonio dos esta-
    fcelecimentos de earidade a seu cargo denomina-
    da Carniuba sita no termo de Flores desta
    prorincia, com terrenos para criar e plantar, e
    am algum gado cavallar c vaccum.
    Recetie para isto propostas nesta se^retaria ale"
    o dia 10 do dezembro do corrente anno.
    Secrotaria la santa casa da misericordia do Re-
    cife, 10 de outubro de 1873.
    0 escrivio,
    ______________Pedro Rodriguez de Souza.
    0 administradir da recebedoria do rendas
    mternan geraes faz publico que 6 est>s mez de ou-
    tubro o ultimo em qua tern de ser pago scm mul-
    ?3 o imposto fobre industrias e profts5es, relativo
    ao Ie seraestre do cxercieio de 1873-74, e com a
    atulta de 6 OjO depois do referido mo?
    Recebedoria de Pernambuco, 3 de outubro de
    4373.
    Manoel Carneiro de Som.a Lacerda.
    Faculdade de Direito.
    De ordem do 8xm. Sr. director faco publico que
    a congregacao em sessao de hoje julgou das ha-
    bilitacoes dos estudantes, decidindo que estavam
    todos no caso de serem admittidos a acto, menos
    aquelles que por excessos de faltas perderam o
    anno, e que sSo 03 seguintes :
    Joaquim Francisco Teixeira e Francisco Frede-
    rico da Rocba Vieira, do quarto auno.
    Na mesma seisae ficou resolvido quo os actos
    comecem no dia 27 do corrente, pela prova es-
    cripta em tunnas de 13 estudantes no 1 anno ;
    de 16 no 2" e 3; de 12 no 4* e de 11 no quin-
    to ; que a prova oral tenha lugar logo depois de
    concluida a escripta em cada um dos annos, que
    seja esta prova feila em tunnas de seis estudan-
    tes, e, Gnalmente, que seja distribuido o servico
    entre os knm examinadores do modo seguinte:
    !. jmno.
    Drs. Figueiredo, Pinto Junior, Relfort, as 9 bo-
    ras na %.' sala.
    2* anno.
    Drs. Silveira, Araujo e Graciliano, as 9 aoras
    na 3.* sala.
    3.' anno.
    Drs. Aguiar, Drnmrnond e Coelho Rodrigues, as
    8 horas na 4." sala.
    4." anno.
    Drs. Portella, Tarqmnio e Pinlo Possoa, as 9
    horas na !. sala.
    . anno.
    Drs. Baplista, Rego, Aprrgio e Belfort, as 10 ho-
    ras na sala da congregacao.
    Igual i ente faco pulilico que no dia 24 do cor-
    rente termina o prazo para o pagamento e assig-
    natura da malrirula de encerramento.
    Secretaria da Faculdade de Direito do Recife,
    22 de outubro do 1&73.
    0 secretario,
    _____________Jose H'.norio D. de Menezes.
    Arremalacao
    Juizo de orphaos de Olinda.
    Vao em praca no dia 23 do corrente mez de
    outnhro, pela uina hora da tarde, depois da au-
    diencia do estylo, na sala da camara municipal:
    Uma casa torrca de pedra e cat sita a rua do
    Amparo, com quintal mu'ado, cozinha fora.es-
    tntiaria em chao- proprios, avaliada por 9004.
    Duus terrenos na rua de S. Joao, com duas
    frenles do casas de pedra e cal, arruinadas com
    um p>daco de rauro em Chios proprios, avaliados
    por 20 >&.
    Uma casa na ma de" S. Francisco, hoje em
    wmpleta raina com um terreno ao lado do norte,
    tendo cacimba avaliada por :<00i, cujos bens sao
    perteucentes ao primeiro casal do capitao Joao
    ijoiiQalves Rodrigues Praiifa, e vao em praca para
    pagamento de diversos creJores.
    0 escrivio,
    Hermillo Cliagas.
    Santo Antonio
    EMPitEZA
    Quinta-feira 28 do eorfente.
    Beneficic da actnz
    losepbina Carvriko.
    Progrannua.
    Rapresenlar-se ha o 1. e 2.^ctos da phanlasia
    burlesca :
    Mwdo das jnullieres !
    #lusica de Offemback.
    Termtaara o espectaculo com a representacioi
    da rouito jocosa amadia ma 1 acto
    41k-L_ Car
    Asdua8 bengalks.
    Prineipiara is 8 lr2 horas.
    N'om das interallos a beoefteiada Ira aos ca-
    marotes cumprimenlar e agradecer aos seas con-
    vidados.
    Sabbad 25.
    A' PEDIDO
    de mnitas femilias que moram nos arrabaMes, re-
    solveu a empreza dar tnais uma representacao do
    drama :
    Consulado provincial
    Na forma do art. 18 do regulamento do 7 de
    outubro corrente, sao couvidados a virem retirar
    as suas peticjes, para conforma-las com as exi-
    ^encias do niesmo regulamento, aijuolles que pe-
    rante esta rr.particao tiverein requerido a isen-
    cio do impos'o sobre sens estabeleeimentos pelo
    facto de serem os mesmos exclusivamente servi-
    dt> por caixeiros nacionaes, no anno financeiro
    corrente de 1873 a 74.
    Mesa do consulado provincial, lo de outubro
    do im.
    Antonio Carneiro Maohado Rios
    Administrador.
    $ Pela subdeiagacia do 1 di>triclo dos Afoga
    do= se declara giie se acha legalmento depositado
    am cavallo pequeno de cor pedrez, que andava
    vagando por este dlstricto : qnem pois se julgar
    com direito a elle se aprescnte neste jaizo, muni-
    do de sous documentos, den'ro do piaso de 20
    dias, a contar da data do presente, |tie Ibe sent
    entregue.
    Afogados, 17 Oe outubro de 1873.
    0 subdelegado
    _______Joao Chrisostomo de Albuquerque
    A thesouraria de fazi-nda tern de jentratar o
    fornecimento de pa pel, peanas, tinta, envelopes,
    livrds e mais arfigos do expediento quo Ihe forem
    necessarios.dirante o semestre do Janeiro a junbo
    prosimo faturo, cuja lista se acha na seerelaria da
    mesma tnesouraria para ser vista per quern pre-
    tender tomar o mesmo fornecimento. 0 fornece-
    dor prestara lian^a !as multas en quo incorrer, c
    uevefa :ser pcjisoa conhecida c cstabelecida nesta
    <-idade. Rei-cbem-se do dia 1 de dezembro do
    correntf anno a 13 do mesmo propostas em carta
    f^cnada para o dito fornecimento, as qiaes serao
    alfertas no rel'erldo dia 13, perante os pretenden-
    s era scssl) da junta da mesma thx;oararia.
    Seerelaria da thesaararia de fazenda de Pernam-
    rittco, era 17 fle outubro do 1373.
    0 secretario da junta
    ______Jeznino Rodrigues Cardoso.
    COMPANHIA
    RECIFE NttlM
    Coastottdo-a esU eompanhia qne algiins indivi-
    djags an lam em sen nome cobrando iralt3s pelas
    *K, it IHbIo tfe estarem os apparelliis mal tra-
    aides, fai-se publico que a eompanhia nunca
    andoii cobrar mulus. e nem eHas Ihe pertencera,
    &mm ao'g^Terftft, e por isso prevfrie-5i! ao imbli-
    ^|Mue nada pigue a esses falsos agec ;es.
    ^tecife, 13 d; outubro de 1873.
    O gerente,
    __________ John Bloom. _______
    Faculdade I<^ ilirerio
    ordem dc Exm. Sr. director faco puhlii que
    iar da presente data ate o dia 10 ie novem-
    i ara os e>:au;ies de lingua?, do corjonaid.i
    o aviso imperial de fi Jc setcmbrci do a
    imo findo.
    :rar ^|*jifBC9 ao mm. 9r. ikhetir, de-
    Os liscaes do raunicipio de Recife a aixo
    assignados, era vista da lei n. 1129 e determina-
    cao da III ma. camara municipal do Recife, fazem
    saber a todos os municipes, que do 1 de novem
    bro am diante comecam a ter execucao os arts. 40,
    41 e 195 da referida lei, cujos artigos dizem o se-
    guinte :
    Art. 40. 0 peixe sera rendilo a pezo.
    Art. 11. Nas freguezias onde houver mercado
    publico o peixe sera vandido nelle de preferen-
    cia. e nio podera ter entrada no mercado senai
    depois de lavado e sem tripas : so podendo ser
    vendido pelas ruas, acondicionado em vasilhas
    com agua limpa ou envolto em pannos molhados
    e limpos. Os iiifractores serao muitados cm 4J.
    Art. 193. 0 pao, bolacha on qualquer prepara-
    do de padaria sera veodtdo a peso.
    Municipio-do l^eife, 2z de outubro de 1873.
    Jeronymo Jose Ferreira.
    Dellim Lins Cavalcante Pessoa.
    Sebastiao AtTonso do R. Barros.
    Joao Marques Correa.
    Jose Miguel de Souza Magalbaes.
    Ernestino Cavalcante d'Albuquorque.
    ______Joaqnim Francisco de Torres Gallindo.
    SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
    RECIFE.
    A Hlma. junta administrate da santa casa da
    wisericordia do Recife, manda fazer publico que
    na sala de suas sessoes, no dia 23 de outubro
    pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
    quem mais vantagens olferecer, pelo tempo de um
    a tr s anuos, as rendas dos predios em scguida
    declarados.
    ESTABELECIWENTOS DE CARIBADE
    Becco do Abreu;
    Ssbrado de 4 andares n. 1 480^000
    Rua da Viracao.
    Casa terrea n. 7.......312/000
    PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
    Rua da Senzala-velha.
    Casa terrea n. 16...... 209300C
    Becco das Boias.
    Sobrado n. 18....... 421^000
    Rua da Cruz.
    Sobrado n. 14.......4:000*000
    Os pretendentes devetfo apresenlar no acto da
    irrematacio as suas flancas, ou compareeerem
    aco'ipannados dos respectivos (ladores, devendo
    pagar alem da renda, o premio da quantia em
    que for scguro o predio que eontiver estabeleci-
    mento commercial, assim como o servijo da lim-
    peza e precos dos apparelhns.
    Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
    cife, 2 de setembro de 1873.
    0 escrivao
    Pedro Rodrigues de .Soilza.
    miDIMiDEYMFLIR
    depois do e-peclaculo trem ate Apipu-
    havendo
    cos.
    aV!S0S MAIHTIM8S-
    4 1II'1\III t
    DE
    NAVEGACiO BRAS1LE1RA.
    Porlos do nort.
    0 vapor Rational ParanA, esoerado dos portos
    do sul ate 23 do corrente, segiirra"p:rra os do nor-
    te depois da demora do costume.
    Nao engaja mais carga.
    Para encommendas. valores e passageiros, di-
    rijam-se ao escriptorio da agencia, rna do Viga-
    rio n. 7.
    Pereira Vianna A C.
    1 Agentcs.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    \avMa*So OMtelrAa vPr.
    2 j %"vapor Coruripe, com-
    maodantc Santos, seguira para
    o porto aaama no dia 28 dc
    com), ft S horas da tarda
    Recake carga, encommen-
    das, nasaagens e dinheiroa
    freteat<5as2 horas daftrow Id dia da sahida:
    escriptorio no Forte do Bafto> n. n.________
    COMPANHLi PEIINAMBLCAM
    BE
    i\'avogacfto costetra a vapor.
    FERNANDO DE NORON'HA.
    0 vapor Gwiiti, com-
    mandante Martins, segui-
    ra para o porto aeuna
    no dia 4 dc uovembro
    ao roeio dia.
    Reccbe carga, encom-
    mendas, passageiros e di-
    aheiro a frele ate as 10 horas do dia da sahida :
    escriptorio no'Forte do Mattes o. 12.
    COMPANHIA -PER^AMBUCA'NA
    DB
    Havegayo-owrttdra a vapor.
    MACEl6, SC\LASE PENEDO.
    O vapor M'hulahi'i,
    eomnvkiidante Julio,
    scguini para os por
    tos acima no dia 30
    do corrente, as 5
    boras da tarde.
    Recebe carga ate 0 dia 28 do corrente, encom-
    mendas ale 0 dia 40, pasAfeiros e dinlieiro a fre-
    lo ate as 2 horas la tarde do dia da sahida :
    escriptorio n^ Forte do Mattos n. 12.
    COMl'ANHW 1'ERNAMBUCANA
    DE
    tl'avcgacSo costcira a vapor,
    ARAUYBA, NATAL, MACAO, MOSSOKO', ARACx
    TY, Gi:AKA, MANDAUL'"e ACARACl'".
    0 vapor Ipojucd,
    commannante Monra,
    seguira para os por
    tos acima no dia 30
    do corrente, as 5 ho
    ras da tarde.
    Recebe carga ate 0 dia 28 do corrente, encom-
    mendas ate 0 dia 30, pas-agens e dinheiro a frete
    ale as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
    criptorio no Frt< dc Mattos 0.
    rua de T. Redro aiovo, ediScado.^orfeiretmpro.
    Canfos n. o, com 2 salas, i qflarto^^oxfaha fora
    e terreno proprio (rende 12^ mensaes.
    SEXTA-FEIRA 24 DO CORRENTE
    0 agenle Martins fara leiUo dos pry dies acima,
    os qnaes se tornam rcommendav|bjK)r flcarem
    preximos dos banhos salgados.
    Os pretendentes podem procurar a chave do
    sobrado para examina-h, em ma>j do Htm. Sr. Dr.
    Drummond,
    0 leilao tera lugar no armazem da rua do 1m-
    perador n. 48, as 11 horas do dia acima.
    AJjurjivsj*
    a casa grand* no ataMairo, a
    oiBiloa. oohwkmIos, oalMal
    tanto 50 palmos, e fcesca :
    rankaa, .no siuo jnnio.
    at do via, com
    taabairo dis-
    MiaMe comaUsoa
    LEILAO
    DE
    20 barris com cevadinha em mao estado e 27 di-
    tos com potassa.
    SEXTA-FEIRA 24 DO CORRENTE
    AS 11 HORAS DA MANHA
    0 preposlo do agente Pestana fara leilao por
    conta e risco de quem p#rtencer, de 2 barris com
    cevadinha em mao estado e 27 ditos com potassa,
    com assistencia do Sr consul americano, sexta-
    feira 24 do corrente, as 11 horas da manua no
    armazem do Annes confrente a alfndega.
    .------_
    moveis.
    Bahi
    m.
    0 hiate Garibaldi segue em poucos dias para 0
    porto acima-: para carga trata-se com Tasso Ir-
    maos A C. a ma do imorim n. 37.
    Maranhao e Parti
    Pretende seguir com rauita brovidade .palha
    bote Jbcen Arthur, tem part: de soucarregamen
    to a bordo : para 0 resto que Ihe falta trata-se
    com os seus con-ijrnatarios Antonio Luiz de OU-
    veira Azevedo & C, rm do Rom Jesus n. 57.
    P
    tra
    Pacific Steam PJimgatfon Gompanj
    l.inlia quinzcttal
    0 PAQUETE
    sspera-se da Burona at6 o dia 26 do corrente,
    e depois da demora do costume seguira para 0 sul
    do imnerio, Rio da Praia e costa do Pacifico, para
    onde rccebera passageiros, encommendas e dinhei-
    Para 0 referido porto pretende seguir com pou-
    ca demora 0 brigue portuguez Rcife por ter a
    maior parte do carregam mto tratado : para o
    resto que Ihe falta trata-sn com os consignatarios
    Joaquim Jose fioncalves Beltrao & Filho, a rua qo
    Commercio n. 5.
    LEILOES.
    ro'a frete.
    14
    OS AGENTES
    Wilson Riiwe A. C.
    *,RUA DO COMMERCIO
    li
    Para o Fard
    segue sem falta nestes poucos dias 0 patacho alle-
    mao Brilliante ; para a pouca carga que Ihe falta,
    trata-se com \ntonio Luiz de Oliveira Azevedo *
    C, no seu escriptorio a rua do Bom Jesas n. 57.
    Monte pio portuguez em
    Pernambuco
    Assemblea geral
    Nao se tendo reunido numoro legal dos seuho-
    res socios para a primeira convoca;ao, de novo
    convido a todos para dommgo ?6 do corrente, as
    11 horas do dia, alira de que em sessao de assem-
    bled geral tomem conhecimento do exposto no 1*
    art. 24 dos estatutos, certos de que a sessao se ee-
    lebrara com onumero de socios que comparecer.
    Secretaria da directoria do monte pio portuguez
    21 de outubro de 1873.
    Borges Costa
    1 secretario.
    Yeneravel Irmandade do Se-
    aiior Bom Jesus das Por-
    tas, erecta na igreja da
    - Madre de Deus.
    A mesa administrativa manda convldar a lo
    dos os irmaos a se reunirem no consistorio des-
    at igreja, quinta-feira 24 do corrente, as 6 horas
    da tarde para em mesa geral se tomar conheci-
    mento da 8entenca de iaterdicc^o lancada sobre
    s-ta vnerave 1 irmandade.
    Igreja ua Madre de Deus, 29 de outnbro de
    1873
    Real eompanhia de paqueces
    inglezes a vapor.
    Ate 0 dia 27 do corrente espera-se da Europ*
    0 vapor inglez Douro, commandante Thwaltes,
    0 qual depois da demora do costume, seguira para
    Buenos-Ayros, locando nos portos da Bahia, Rio
    de Janeiro e Montevideo.
    No dia 29 do corrente espcra-se dos portos do
    sul 0 vapor inglez Boyiw.'coinmandante F. Reelc-,
    0 qual depois da demora do costume, seguira
    para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
    cente 0 Lisboa. 3j
    Para fretes, passagens, etc., trata-se na agencia,
    rua do Commereio n. 40.
    LEILAO
    DE
    urn magnifico e forte piano de nm dos melhores
    fafcricantes, 0 qual podera ser desde ja exami-
    nado no escriptorio do ag nte Pinto, rua do
    Bora Jesas 0.43,unde se acha (obra prirna.)
    Hl!JC
    as 11 horas.
    , louca e crystaes
    CONSTANDO DE :
    Uma mobilia dejacaranda a-Luii XV, com am
    sofa, 1 jardmeira, 2 eonsnlos, 2 cadeiras Ne bra-
    cos e 12 de jmarnivao, 2 cadeiras de balauco, 4
    jarros para flores, 2 espelhos donrados. 2 esear-
    raileiras, 2 tapetes. I cindieirn a gaz
    Uma caraa franceza de jacaranda, 1 toylett com
    espelho, 1 berco, 1 lavatorio.
    Uma raobilia de amarello com lampos de pedra
    marmore, com 1 sofa, 1 jardineira, t consolos, 2
    "aieiras de braros, 12 ditas de guarni^ao, mezas.
    lou^a, vidros, garrafas de fmos crystaes e ontros
    accessonos SEXTA-FEIRA- 24 DO CORRENTE.
    No 2 andar do sobrado da Praca do condo
    d'Eu n, 5.
    0 agente Pinto, antorisado por nma familia
    que mudon do residencia, levara a leilao os mo-
    veis 0 mais objectos acima mencionados, cxisten-
    tes no V andar do sobrado da Praca do conde
    d'Eu n. 5.
    0 leilao prineipiara as 10 1|2 boras. .
    LEILAO
    DA
    casa do pasto pa rua de Lombas Valenttnas
    d. 46, antiga rua das Aguas Verdes
    8abba 'o 25 do curren^e
    as 11 horas
    0 agenle Martins vendera em um ou mais lotos
    os moveis, loui.a, trem de cozinha e mais porte i-
    cas do referido botequim, sahhado 25 do corrente.
    LEILAO
    DE
    CASA DA FWiWl
    AOS 5:000#000.
    BILHETES GAKANIUm
    i' rua Prtmeiro de aV^H^HMHHWU
    Crespo) n. 23ectuas da costume.
    0 abaixo assignado tendo vendido nos teas>-
    llzes bilhetes, um meio -n. 78 com 90*. iftu
    meion. 843 com iOOi e outras series de H
    20JS da loteria que se anabou de extrahir (70'),
    convida aos pessuidores a virem receber na con-
    formidade do costume sem desconto algum.
    Acham-se a venda os fettzes bilhetes g^rantidos
    la 12* parte das loterias a beueticio do eollefio
    de orphios e orphas (7i), que se exrrshira n*
    quarta feira, 29 do convote-ssez.
    PRE(,S
    Bilheto inteiro OiOOO
    Meio bilhete 3*000
    Quarto |floe
    RM PORgAODE lOOjPOOOPARA CINU.
    P.ilhete inteiro 5X500
    Meio bilhete 2*750
    Quarto ttflii
    Manoel Martitu Piuzm
    AO COMilRCIO
    0 abaixo assignado faz sciente a> jiubliso e
    com espcialirtade au corpo do commereio que nio
    autnrrsen a pessoa algnma a fazer leilao de sna
    taverna sita a rua de Mareilio Dias n. 74, sob a
    Bfma de Pereira & Limn, o qual protcsla contra
    os damnos.
    Recife, 21 de outubro de 1S73.
    ______________Jose da SiWa Pereira.
    aj No collegio da C-nceicao precg-ic de tttn
    criado para copeiro, que do lkid.r dc sua con-
    ducta.
    Massa fallida de Duarte &
    Medeiros.
    0 abaixo assignado, admiiislrador desta massa,
    tendo de preewler a Vfriiiea..ao e cUssiGcaeao
    dos creditos, convida pel presente a quem so-
    julgar credor, a apresenlar seus titulos ate o- ulti-
    mo do corrente, na rua do Mar.mez de Olinda n.
    43, para aquelle flm.
    Recife, 21 de outubro de 1873
    ______________Jose Fortunato dos S. Porto.
    iiiiii"
    Precisa-se de na criado : na rua do r'auibairr
    be n. 40.
    Escravo
    SEXTA-FEIRA 24 DO CORRENTE
    Uma mobilia de jacaranda com tampu de pedra,
    1 dita do amarello, 1 guarda ronpa, i guarda-
    vestido*, 1 phno de mesa. 1 commoda de jaca-
    randa, 1 cama franceza de jacaranda, 1 dita de
    amarello, 1 sofa de mogno, 6 cadeiras de dilo,
    2 ditas de bracos, 1 rico relogio do cima d,
    mesa, cadeiras para sala dejantar, marquezoes
    marquezas, uma cstante de livros, bao>*as com
    gavetas, algnma louca, diversos vidros o mnitos
    ontros objectos que serao vendidos pelo maior
    prefo
    pelo agente Martins.
    No armazem da rua do Imperador n. 48 as 11
    horas da manh3 do dia acima.
    LEILAO
    uma casa de campo no Posh da Panella, rua do
    Quiabo n. 3, casa de csqrtiaa, com janella para
    o oilio, com quintal, jardim e cacimba, (por
    traz da igreja matrix e perto do rio).
    HOJE
    A'S ir HOUAS DA MANH?
    For intrvenr;ao do agente Pinto.
    Em sen escriptorio, rua do Bom Jesus n. 43.
    LEILAO
    di:
    uma parte do sobrado n. ?2 da rua dos
    Quatro Cantos em Olinda, o uma dita di-
    ta do sobrado junto ao mesmo c na mes-
    ma rua.
    Sexta-fcira 241 do corrente.
    0 agente Martins levara h ivamenle a leilao, per
    mandado do lilm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
    eio, as parte- dos sobrados acima, pertencentes a
    massa fahida de Manoel de Souza Carneiro Pim-
    pao.
    No armazem da rua do Imperador n. 48, as 11
    horas do dia acima.
    LEILAO
    DE
    clividas
    liigiilo
    300^000 degmtifieacao
    Au.-enlou-se desde o dia 13 do maio du 1872 o
    preto de nome Alfredo, represent i ter de 30 a 40
    annos de idade, e perfeilo coziuheiro. afto bastante,
    6 beiii magro, pouca barba, olbos ara odes frmuito
    ladino, consta que tem pai no ongcitio do Sr. Luki
    de Ciiara, era S. Loureuco da Malta. Estc prolo
    foi cozinheiro dos n-gocianti-s Adriano k Castro c
    Sr. Jose Joaquim Gou.alves Ratios, e julgase
    que esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
    cular nesta cidade, como forro : pede-so a todas
    as autoridades e capilies de campi. que o desco-
    brindo. o tragam a rua Duquo de Caxias n. 91,'loja
    d>> miudezas do rival stni segundo, que serSo gra-
    tificados com a quantia acima.
    Attengao
    1001000
    Giatiiiea-se com esta quanti a quem agarrar a
    mulala escrava, Balbina, baixa, cheia do corpo.
    cabellos cachi.idos e ralos, que tendo sido ha tem-
    po cortado, presentemente amarra, tem uma pe-
    quena e'eatriz em uma das sobrancelhas e outra
    em uma das maos do dedo pela parte de dentro,
    que prira de abri-la pe feitamimte, e ja andou
    fugida em Goyanna, Itamaraca, Igparassu ; sendo
    amasiada com um soldadu do t\ foi presa na al-
    dt-ia da forlalcza das Cineo l'onias : quem a.pe-
    gar lere-a ao Caminho novo, cm casa do Sr. Joa-
    quim Luiz Goncalvi-s Pcnna, ou a rua do Visconde
    de Goyanna n. 89.
    Precisa-se do um caixeiro, prelero se por-
    tuguez : na rua Dircita dos Afogidos u. 27, pa-
    daria. Na mesma vtnd-- TUEVTBO
    SANTO ANTONIO.
    Qarta-feira 22 de outubro
    Recita extraordinaria.
    Em benelieio de
    Arnor Re.resentar-se-ha o muilo applaudido drama em
    cinoo actos e sols quadros:
    MAdante e a lavadeira, gr'p?^
    Prineipiara is 8 1;? horas.
    PACIFIC STEAM
    - PANY
    Linha qnlnzenal
    0 PAQUETE
    espera sedos portos do sul ate odia 24 1o corren-
    te, e depois da demora do costume, seguira para
    Liverpool, S. Vicente e Lisboa, para onde recebe-
    ra passageiros, encommendas e carga a frcto.
    OS AGENTES
    Wilson Row.- A C.
    14RUA DO COMMERCIO14
    DA
    casa terrea da rna da Sania Cruz rt. 42, em chaos
    proprios
    Hoje
    As 11 boras da rnanlia.
    Por intervencao do agente Pinlo, era seu es-
    criptorio a rua do Bom Jesus u. 43.
    LEILAO
    Be
    fazcudas avariailas
    Conslando de madapoloes, algodoes, chales, cbi-
    tas e easemiras pretax.
    Hoje
    A:s 10 1|2 horas em ponto.
    Por Iniervenclo do
    criptorio a rua do Bom
    te Pinto, em sen es-
    ns n. 43.
    Leilfto
    m
    C(nnpaBhia Franceza de Navegt
    eio a vapw
    Linha tnenbaTMfe o
    Havre, I.I *iioa, Penrainbueo, Ri
    Janeiro, (Santos, spmente na
    ta ) Montevideo, ttSinos-Ai
    (com baldea^an para oRoia
    sti:aiikr
    Co!iiih:mdant&
    E' esperado ar todft o momeentol
    da demota precisa para os port
    indicados, entran* dentro da
    da da Europa, quer najpolt
    IWlTame-.it*l*lTafcl|- <
    DC
    seis caixas com nvasriroilo novas
    QUINTA-FEIRA 23 DO CORRENTE
    As lO boras em ponto
    preposto do agente I'ostnna fara loilao,
    codUi e risco de qum pertencer, de
    com uvas mriito novas.
    QUINTA-FEIRA li DO CORRENTE
    A'S TO HORAS EM PONTO.
    Nc armrntem db Aflnes, dofronte d'alfandega.
    na imporlancia de 40:000^000.
    SEXTA-FEIRA 24 DO CORRENTE
    0 agente Marlins Tara leilao, por conta e riseo
    do qnem pertencer, das dividas acima.
    No armazem da rua do Imperador n. 48, as 11
    horas do dia.
    Onde havera leilao de movois e prodios.
    por
    caixas
    Leilao
    Dt
    f9# ban-icas com fartrtha, avnriada
    SEXTA-FEIRA 24 DO ..GiUtENTE.
    Ao todfi dia
    0 agente Pinto levara a leilao, por conta e risco
    de quem pertencar, ,laO;ba*ricas, com farinha de
    trigo, avanada, aborud co patacho inglez Nereus,
    na sua ultima viagem do Haltinwre para o>i por-
    yaj^cisiontes no armazem. de Joao Uuiriuo de
    lar & C.caes , ondo se effectuara-o
    Leilao
    rplmf'
    OS CONSlGUTAHtOS
    Predfos eni Olfnda
    Sentld:
    na rua do 3. Eent a. bom
    Leilao
    ESPLENDIDO
    i>E
    Moveis, loucas flnas, crystaes, um rico faqueiro
    de prata (lei) um apparelho para almo^o de
    electro-plate, joias de ouro e. brilliante, uma
    rica cruz com M brilhantes grandes, uma dita
    com 8 brilhantes grandes e 140 perolas frias,
    caixa de prata para rape, aderegos com pcirat
    preciosas, brincos, pulseiras com camafeu e
    mais objectos de gosto.
    Um piano novo com pouco uso. de um dosjme-
    Ihores fabricantes, uma ltnda mobilia dc mogno
    compjndo-se de IX cadeiras de guarnieao, 2 ditas
    de bracos, 1 sofa, 2 consolos com tampo de pedra.
    uma rica coslu'eira, 1 toilet de jacaranda com-
    pedra, 1 anparador de mogno com pedra, 2 ditos-
    peqnemos, 2 consolos, 2 mafqoezas, 1 jardineira,
    2 camas francezas, nma rica secretarra de jaca-
    randa com gavetoes, uma dita dc amarello, uma
    commoda de mogno, uma meia dita de amarello,
    uma mesa elastu-a para 30 taiberes, uma secro-
    taria de mogno, cabides, quartinbeiras, relogio, 24
    cadeiras diversas, I guarda vestido, 1 guarda-
    ronpa, 3 qnadros grandes com vidros ovaes, 3
    espelhos grandes e*pequonos, loucas para jantar
    e almoco, jarros Dnos, figuras, quadros, escarra-
    deiras, garrafas de crystaes, lanternas. casticaes
    de prata, um paliteiro de dita, I salva, compotei-
    ras flnas, carrinhos para criancas, bercos, nma
    estante envidrajada, garrafas com vinho. ditas
    com cerveja, trem de cozinha, e ontros mnitos ob--
    jectos que deixa de mencionar para nao se tornar
    enfadonho.
    TERgA-FEIRA 28 DO CORRENTE.
    A's 10 i2 horas
    0 agente Pinho Burges auturisado pelo Sr Joa-
    quim M- Marinhn, o qual se acha ausente, fara
    leilaO dos moveis e mais artigns que acfma men
    cioaamos, o qne serao tfanp.ttadospara o 1- an-
    dar da rua do Bom Jesus outr'ora Cruz n. 50.
    ABMisisntjio: PABIZ. ill, ai.CLCT*t Uiaiumt,
    PA8TILHAS DIGESTTVAS fahriradas em Vichy
    cum os Saea exliabidus das Fonles. Sao de goslo
    agradaTel e a sun arrao e cerla conira a Azia
    e as digeslCes difflceis.
    SAES DE VICHY PARA BANHOS. Um role
    por um baobo, para as pes^oas que nio podem
    ir a Vicby.
    Para evitar at imitiroes
    exigir em todos as prod"Ctos n mnrca do
    CONTfiASlE DO ESTftDO FRMCIZ.
    Os produclos de acima achio-se i
    Em Pernambuco, TISSET f-;-A REGORD. i I
    GRANDLOS ANTIMOHIAES
    DO
    or. PAPILLAUD
    Neva medicacio contra as molestias do cora-
    oCo, aslhma.cdlarrho, coqueluchi, tisica. ate.
    * QRANULOS ANTIMONIAES FERRUGI-
    NOSOS contra anemia, chlorate, amenor'
    rhea, neuralgia, nervosa e moltstias etero-
    phulosas.
    GHANULOS ANTIMONIAES FERRUGI-
    NOSOS com bisputh, conira at molestias
    nerviosas, das vias diteslivas.
    Pharmacia E. MOUSNIER em Saujon, (Cha-
    renle-liilerieure). Francia.
    Depo.'ilo em Pernambuco : A. REGORD;
    MAUREB, pbarmaceufico.
    0 IkiKo da Venda sita i rua de Mareilio Dias n.
    71, anaunriado para hoje,- ftca transfcrido para
    qnaadn for de novo annunciado. _
    ienm bjersos
    Para easflr^e ^equena familia
    oreci8se alugnr uma utsgfinha (te 15 ,i 18 annos
    Win Accomi para/de idade ; na rua 'to Dnons da Caxias ir, %i, lo-
    grande familia, quintal rnurado com p'oiaiia nar||ade fazendas.
    ECO LI DRAY
    PI-.OBCZUIDO VM VERDADEIHO 1ARH0 BE LETT*
    Reconhecido pela genie elegante do muado
    inteiro como superior a todos os sabfies ale agora
    ui-ados no toncador tio delicado das Seahorat e
    dos meninos e para os banhos e a barba.
    Para evitar as numerosas imitaooes, exiga^e
    a firma e raarca de tabrica do in-
    vonlador com patente.
    =4^^
    13, rna d'Enghien, Paris.
    Acba-se em casa do pruiciaaes Pertunistes,
    Pliarmaeeiticot e Cabelleireiros das Americas.
    VELOTJTINE
    st UMA ESPECIB DB
    POS de FLOR oc ARROZ
    EepccialmcntepneparadoacoHi bismuth
    e por conseguinte d'nma ac?ao saadavel
    ^obre a pelle.
    E' ADHI3RENTE e totalmente iNVi-
    SIVEL, daaido a.pclle nma frescura e
    aveludadc aattiraeB.
    Prei,'o 'la Caixinha com borlT^ fr., em
    casa. deCh. FAY, 9,niadelaPix, PAKtt.
    Y^ositoim.Pervambvce, A.REGORD.

    ILbSJO
    "^
    I


    .;
    "^s.


    Bilhcte extuaviaclo.
    lost, de Azevede Maia eStlva declara (|ue per-
    tleu o meio billiete n. w%,', setima loteria conco-
    dida a favor do ostado stnitario da capital e maw
    povoacdes A> Imperio, por isso pre vine qu no a-
    ao ga qualquer imporlancia un ao o amuneiante.
    Furtaniiu do terceiro andar do s jbrado n. 6
    da rua da li iperatrii, no ilia 19 deslo mSs, urns
    cadcia da ouw cow win cicoleta qr.adrada e ura
    relogio deoiro patcnte smsso, cuberto c com-a
    numeracfw 'Mflti. ft*le-e a quern ^aer que ap-
    prehci da cs:cs oijoctos o obsequio di leva-los na
    ru> ik. Cm* na Recife n Hi, prhoeiro andar, que
    sera firoeros irntntc gratilicado.
    D. Maria .lorge Pereira do Rego, D. Senboriuha
    Emilia Jorg;, \ir. Vicente Pereira do Rego, D.
    Joaquina Cyriaoa de Paiva Rego, Manoel Tnomaz
    Pereira do Rego, os bachareis Migi>l Archanjo
    Pereira do Rego e Vicente Pereira do Rego Ju-
    nior (msentes) agradecem do latino d'nlma a to-
    das as pessoas que se dignaram de honrar com a
    sua asjistencia as oracoes e a encommendaclo
    solemne que so fez na tarde de 21) do corrente,
    ante os r&tos raortaes de scu presadhsimo mari--
    do, genro, filho e irmao, Dr. Jacintlio Pereira do
    Rego, na capella do cemiterio publics, e que os
    acompanharun ao feu ultimo jazigo ; e rogani
    outro sim a todos os amigos e collegas do meson
    (inado o caridoso obzequio de assisiireiu as missas
    que se celehrarao no sabbado 23, 7.* dia do seu
    passarricDto, as 7 1|2 horas da manna na Igreia
    do convento de Nossa Senhora do Cormo, pelo
    fllerrio repouso da sua alma.
    Alugvse urn tius melbores sitios da
    com boa agua do beber, perto da capell
    Torre,
    a tra
    tor com o respcotivo propnetario Caaeca, profes-
    sor de pnriMiras letras do mesmo lugar.
    Aiugaui-se duas casas novas, proprias para
    passar a festa no povoadi do Rarro, ua rua da
    Conceii.'ao, perto do no, com duas salas, 2 quartos,
    cozinh.'i fora e quintal : a tratar na rua do Lo-
    mas Valentin is, aoliga run das Aguas Verdea n.
    IS, taverna.
    Precisa-se de uma aina escrava para cozi-
    nbar e ensaboar : na rua da I'enha c. 23. '
    Eogenho.
    Um homem. suiflcienunieiitc habililado para ad-
    ministnr um engjiilio, ofJercce os sous servicos
    a quern delle* quizer ulilisar to, e para isso da
    tiador de/na conducta : quem pretender dirija-se
    a rua do Amorim n. ii, que so dira com quem
    deve tratar.
    Declaracao.
    0 abaixo assignado declara aos sens antigen que
    d'ora em dianle se assignara por Juaquim Ildefon-
    so Virgolino de Souza. Villa do Macao, 14 de on-
    tubro de 1873.
    .________Joaquim Virgolino Maria de Souza.
    Uma pessoa habililada ulTerece-se para cen-
    sor em algum collegio : quem precisar de seus
    servicos deixo carta fechada com as iniciaes S. C.
    na rua da Concordia n. I i I..
    Mello ao chronista da Pro-
    vincia.
    Luciano Eugenio de Mello responds ao chro-
    nista da Pmc,twin n 126 de 21 do corrente.- em suas mattas, em Reberibc, nunca teve e nem
    tern acrutado assa^sinus e desertores, que os tra-
    balhadores que alii fazem carvao sAo homens la-
    boripsos, que so S2 occupam do iraballio a que se
    dedicam, que sendo o respondente.como i^, amante
    da ordem, nao pode coosentir que em suas terras
    morem homens de taes costume.', e isto prova com
    oque ullimamente se den, que apeoas Ihe censtou
    ter alii apparecido um desertor, o fez prender o o
    entregou ao subdtlegado do dislricto, ao conlra-
    rio lbe parece estar o noticiador mais no caso de
    incommodar a policia do que os seus trabalhado-
    res. E se quizer cabal re-posta, largue a viserra
    e assunia a nisponsabilidade do que escrevcr.
    Engenho Garapti.
    Dcsappareceu do engenho GarapU, frcgnezia do
    Cabo, o cscravo Vicente, pardo, sem barba, um
    p iuco palido, cheio do corno e baixo, representa
    18 a 20 anno. falls moderada, anda com a vista
    baixa e finge so eego. Esle mulato foi visto em
    Caxanga como scrvente de pedreiro, tern o mesmo
    como bom sifrnal, uma fisiula no queixo : quem o
    pegar c levar ao dito engenho, ou a roa do Bom
    Jesus n. .'iO, roeebera boa graiificacao.
    c
    asa
    Aluga-si! uma casa na Varzea (Gorrodor de S.
    Joao) para se passar a festa, sendo mui cornmoda
    por ser fres^a, e o rio llcir atraz dd casa : trata-
    se na rua da impcratriz, loja n. 8.
    LIOUIDACAO DE FAZENBAS
    N4
    iua *
    :Rveratriz n. 60
    '%
    *& it i
    Vende facendas ^ara i i aiidai', jx>r baratissimo piT>oo como
    afeaixo se ve:
    Pereira Ja Silva A iiuirnaraes tendo em ser uno grnnde depozito de fazendas,
    tem resolyido -fazer uma liquidaQao das mesmas com grande abatimento nos precos,
    com o unico um dd purar dinheiiv, para o que convidam nSo s6 is seus numen s s
    freguezes, como o rospeitavel publico, a vir surtir se de muitas fazendas, boss e harass
    no seu eslabelecimentj denominado oPavSoa rua da Imperatriz n. 60.
    CAMBftAlAS A W5, 4500, 5, 65J 75J.
    0 Pavao veado um magoifico sortimento
    das mais finas cambraias brancas transpa-
    rentes, tendo JO jardas cada peja, pelo ba-
    rato preco do h$, ?300, 5??, 69, tendo 1am-
    bem das mais finas que custumam vir ao
    mercado, assiw como um grande sortimento
    de ditas tapadas e victorias que vende de 4$
    ate 8*5, sendo fozenda que valle rauito mais
    dinheiro.
    COM SALPICOS DE CORES A 3.
    0 Pavao rccebeu um elegante sortimento
    de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
    nhos miudinhos de cores, terido 10 jardas
    cada corte de vestido e vende pelo barato
    prcgo de 5$, por ser pechinclia, ditas com
    salpicos todo branco sendo fazeada linissima
    a 79500e ditas a 5^000.
    VESTIDOS A USO DA CORTL" 125
    0 Pavao vonde urn bonito sortimento de
    cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
    a da corte todos os safeties necessarioscomo
    sejam : babadinhos, entre-mtios, rendns,
    requcfi.fes, c vende pelo barato preco de 129
    cada um, assim como, di os a 2 de julho
    com todos oscnfeitesa 10?, cortes de cam-
    braias brancas ahertas, com listras e lav,.res
    a ft?, ditos linissimos a 8?, ditos de cam-
    braia branca coin listras do cores, para aca-
    bar 39900, e pechincba.
    CORTES BORDADOS A 203) E 359.
    0 Pavao vende ricos cortes de cambraias
    brancas delicadarnonte bordados, pelo ba-
    rato preco de 20? e .So?.
    i.'infos a 6-000
    0 Pavao rccebeu um elegante sortimento
    dos mais ni"dernos cintos de setim para so
    nhoras, com delicados lacos do mesmo se-
    tim e vende pelo barato pre^o de 65 cada
    um, assim como um grande sortimento dos
    mais modernos espartillios, que vende de 39
    ate 69.
    CASSAS FRANCEZAS
    a 300 rs, o covado
    0 Pavao recebeu um grande sortimento
    do cassas francezas com delicados padrOes e
    cores fixas, que vende pelo barato preco de
    300 rs, o covado, organdy branco e lis-
    tado o de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
    nissimo filo branco liso ode salpicos, e tarla-
    tanas do todas as cores.
    BORNOLSA 129.
    0 Pavao vende um bonito sortimento dos
    mats modernos bornous combonitas listras e
    vende pelo barato preco de 129 cada um,
    assim como um elegante sortimento dos mais
    bonitos chales de merino e com listras de soda.'
    LAZINHAS A 320
    0 Pavao vende bonitas iSzinhas
    u* viiju uijimas lazinnas lisas,
    sendo verdo e cor do lyrio, pe o barato prego
    de 3-20 reis o covado, assim como delicadas
    - delicadas
    lazinhas de quadrinhos a 280 reis, 6
    cbincha.
    reis, 6 pe-
    >a rua das Flores n. 7, e estreita do Ros.\.-;o n
    38, loja, ha uma pessoa que se encarrega de armar
    tumulos e cataenmbas no cemiterio publico para
    o dia 2 de novjmbro, eommemoraQSo dos lleis de-
    funtos.
    Parahyba
    0 Sr. Alberto Severino Bej bond, m rador na
    cidade d i Parahyba, queira vir ou mandar na tra-
    vessa da rua do Queimado n. o, nesta cidade, afim
    de tratar de ncgocio que o mesmo senhor nao ig-
    nora.
    Progress** da proviiicia
    A melhor m.jchina de riscar papel, vinda ate
    hoje para o Brasil, acha-se nesta cidade, mtnlada
    na encaclernacio brasileira, a rna Duqne de Ga-
    xias n. 21, onde pautasa e risea-se papel em to-
    dos os sentidos, bem corno livros em branco de
    reparticdes oo commercio, mappas, manifestos,
    pjntos ou folh;is de empregados, despachos, contas
    cerrentes e de venda, tudo com a perfeicao e pres-
    teza que o freguez desejar. Bem moctado como
    tta este estabelecimento, pode encarregar se de
    qualaner enca-denacao, mesmo de luxo, para o
    que doura-se fobre panno, papel, couro, velludo,
    seda e ptrgaminbo : a rua Duq ue de Caxias nu
    neroSl.
    CASA
    Cede-se as chaves do 1" andar e sotao da rua de
    Hortas n 70, estando a sala da frente forrada a
    < esteira e papel, a quem offerecer alguma vanta-
    gem pelo forro : a tratar na rua da Peaha n. 2o,
    1* andar.________________
    Apipucos.
    Aluga-se nesta povoacao uma boa casa pintada
    de novo, com mobilia do jacaranda na sala da
    frente, quintal murado e portao que se communi-
    ca para o rio : a tratar no largo do Corpo Santo
    n. 4, 1.* andar.____________________
    Acabam de chegar pelo vapor americano
    de Havana docs subdilos hespanboes, nm delles
    e preferivel proOssionale agricultor. e eu-
    tre e" machinista e tambem me^tre de assucar: as
    Sessoas que se quizer utilisar de seus servicos, po-
    em dirigir-se ao consolado de Hespanha que se
    dira onde se aeliam
    francez muito fino a 33000, apenas precisa
    1, Yl metro para urn lencel.
    CHALES BARATOS
    a 29, 29500, 49.
    0 Pavao vende chales a emitacio de me-
    rin6 a 29, ditos do merin6 lisos de todas as
    cores a 29300, ditos de merino estampados,
    muito finosa 49, "ditos linissimos com lis-
    tras de seda a 69500, dilos muito fiuos de
    crepom a 109 e 129.
    Al-odiio enfestario a 19 o 19*80.
    . 0 Pavao vende algodao eufestado com 8
    palmos de largura, proprio pnra lencoes
    sendo do mais encorpado que tem vindo ao
    mercado, liso a19 a vara otraucadoa.....
    15280.
    ATOALflADO A 19600, 29, 59.
    0 Pavao vende atoalhalo tranc,ado com 8
    palmos de largura a 192u0 o 15600, dito
    aJamascado a 29, dito de linho adamasca-
    do a 39 e 59. ,
    SEDA PARA VESTIDOS
    a 19600e29-
    0 Pavao vende um bonito sortimento de
    sedas com lislrinhas proprias para vesti-
    dos de meninasade ssuhora a 19600 o co-
    vado, ditas Iavradinh8sa 29, ospadroes sao
    muito bonitosevonde-se por este preco para
    acabar.
    Botinas a >000
    0 Pavao tem um completo, sortimento de
    botinas muito bem enfeitadas para senhoras
    e vende pelo barato prego Je 5#, artigo que
    em outra (jualquer parte custa 69 e 79.
    LENCOS BRA.NTOS
    a 25000.
    0 Pavao vende lencos brancos ab inhl-
    dos, tanto para homens como para senhor. s,
    a 29 e 295(.'0 a duzia, ditos de esguiao e
    cambraia do linho t-mbem abainhados a
    39500, 49, 59, d tos francezes escuros, para
    rape a 05, a duzia.
    CAMISAS PARA HOMEM.
    0 Pavao vende ricas camisas' com peito
    de linho bord das, proprias p ra noivo a
    100 e 129 cada uma, ditas de linho sen so-
    rem bori-das a 49, 49500 e 59, ditas com
    peito de algodao muito finas n 29, 29500 o
    39, ditas docbita fina miuflinha a 29,25500,
    e 39, assira como grande sortimento de cc-
    roulas francezas tanto do linho como de al-
    godao de 19600 ate" 39, gr ndc sortimento
    de mei-s cru. s inglezas de 49 atd 85000 a
    duzia.
    FAZENDAS PARA LUTO.
    0 Pavao tem um grande sortimento do
    fazendas pret s para luto come sejam : cs-
    s s, las, ou lazinhas lisas que vende a 400
    e 500 reis o covado, bombazinas de 19600
    ate 29 o covado, cantao a 19 e 19200,
    granadine lisa com listras, cassas o chitas
    toJas pretas com listras e salpicos, flpicas
    todas prelas e lavradas de branco, merinos e
    outras muitas fazend s apropri das, que se
    veude por menos do que em outra qu Iqtier
    parte.
    MADAPOLOES ENFESTADOS
    a 39000.
    0 Pavao vende pecasde modapolao enfes-
    tumt. tg,4ft'
    oT) aRua do Marquez de Olinda 56 a
    (utr'ora rua da Cadela)
    LOJA DE MACHI?
    Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal e reoommen-
    4ado pelos grandes dcpositos e bons sortimentos com que sempre prima em ter das
    raelnores, mais acreduadas e verdadeiras maehinaa americanas para also-
    d!o, desde 10 a" 60 serras, e havendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
    mas e melhoramentos para perfeito e rapido descarocamento ; tornam-se dignas de
    ierem vistas e apreciadas pelos Srs. agncultores; os quaes, alem disto, encontrarSo
    tambem mais :
    Apurados vapores locomoveis, deforca
    de 27 e 31/! cavallos com todos pertengas
    precisos para trabalharem 4 machinas para
    llgodgio, ou para outro qualquer mister.
    Machinas para lavar roupa.
    Arados americanos para varzea e ladei-
    ra.
    Carros de man para atterros.
    Tinas de madeiras.
    Baldes de dita.
    Ditos de ferro estanhado.
    Ditos com valvula para lavatorios:
    Ditos de madeira para compras.
    Apparelhos parajardins.
    Guards-comidas.
    Tarn pas para cobrir pratos.
    Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
    Dita dita ditos de madeiras.
    T-rauadines a 440
    0 Pavao vende um elegante sortimento
    das mais bonitas granadines ou gazes do
    seda para vestidos, tendo de todas as cores
    e vende pelo barato preco de 640 re:isoco- ,
    vado e granadine preta com listras de seda ta(1 com 12 jard;sa 39, dito a 39500, dito
    a 1^800 wim 9ft iai-.lnc o *i- CORTES DE LA JAPONEZA A 209.
    0 Pavao vende os mais modernos cortes
    de la japoneza com delicadas palmase listras
    do seda, p*lo barato preco de 209, assim
    como finissimas lazinhas lustrosasdeuma so
    cor a 300 reis o covado.
    LAZINHAS A 360 0 COVADO.
    com 20 jardas a 55, 35500 e 69000, dito
    com 24 jardas de59 ate 89 e 109, sendo os
    mais finos que tem vindo ao mercado.
    AlgodiEozinko a -1900O.
    0 Pavao vendo pecas de algodaozinho
    muito encorpado a 49, dito a 59 e 69.
    TAPETES
    Trens; para cozinha.
    Emfirn muitos outros artigos, que s6avista e neste estabeleomoderacenlp >'i
    ixaminados. *
    Tornos de bandeijas finas.
    Correntes para arrastar madeira.
    Cylindros americanos para padarias.
    Pertencas avulsos para machinas.
    Salitre refinado.
    Breu superior.
    Moinhos de diversos fabricantes para mi-
    lho e cafe.
    Debulhadores para milbo.
    Azeite do spermacete para machinas.
    Camas de ferro.
    Bombas de Japy.
    Ditas americanas.
    Cofres de ferro patente.
    Cannos de ferro esmaltados.
    Ditos de dito estanhado.
    Ditos de chumbo.
    Ditos de borracha.
    l'olles para ferreiros.
    BAZAR DA RUA DIREITA
    HOJE
    , ,, MARCILIO DIAS N. Si.
    Este estabelecimento sempre solicito em offerecer a concurrencia do respeitavel pu-
    Iko um corupleto sortimento do miudezas, cal^ado francez, chapeos e quinquilharias a
    fe$o os mais razoaveis possiveis, para o que recebe quasi todos os seus artigos de pro-
    ..na encommenda da Europa e America, vem dar p'iblicidade dealguns artigos por cujos
    wecos bem se pode avaliar os precis de outros muitos que se tornaria enfadonho du-
    licar.
    MIUDEZAS. MIUDEZAS.
    Li para bordar, da melhor qdalidade, 1 Brincos dito de dito por 29500.
    bra por 59500. BotSes de setim pretos e de cores, n 800
    Agulhas francezas, fundo dourado, a cai-' rs- e 19000 a duzia.
    tin ha com 4 papeisa 60 rs., 240 -s. Franjas brancas de seda de todas as lar-
    Vqltas de Pita de velludo com lindos co- Sura.s a 19000 e 19400 o metro.
    ac Voltas para o pescoco, fingindo camafeu, me-tro.
    jorapanhadas com 1 par de brincos seme-, haloes pretos de seda, de muito gosto de
    aante, tudo por 29500.
    Linba branca de 200 jardas em carriteis,
    jropria para costura de machina, a 800 rs.
    i duzia.
    Dito do dita de Alexandre, numeracao a
    josto do freguez, a 1)5100 a duzia.
    Diademas dourados de 19500 a 39000.
    Ditos de tartaruga com flores a 29000.
    Ditos com borboletas a 19500.
    Brincos encarnados 1 par por 500 rs.
    Ditos de plaquet de 500 rs. a 29000.
    Ditos dourados, duzia do pares, a 19500
    29000.
    Voltas de aljofares com brincos, a 29300. mira< Cbarl6t, tapete e tranca, mais barato
    800 rs. a 19000 o metro.
    CALCADO FRANCEZ.
    Botinas pretas gaspeadas, para senhora, a
    49500 o par.
    Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
    [ alto, a 69000.
    Ditas pretas onfoitadas, ultima moda, a
    69000.
    Ditas dita fie cores, canno alto, enfeitadas,
    \ a 59500,
    Ditas para meninos, pretas e do cdrcs, a
    39 e 49000.
    Completo sortimento de calcado de case-
    0 Pavao vendo bonitas lazinhas transpa- 0 Pav3o vende tapetes grandes para sofa
    rentes com palminhas a 360 reis o covado, sendo para quatro cadeira? a 2590oS dito
    ditas ditas indianas com lindos dezenhns. 'mknL,I h ,.4 .U .:.:'UU0
    ltOS
    assim como
    liDdos dezenhos,' mais pequenos de 75 ale 125. f
    tanto em listras como em quadros a 280 rs. pannos de croche proprioaTpara et costo^e
    l^tiJSSfi^ 'Je a'PaCaSe. Cadeira3 l'nt de b^ d" 8-ni!
    Idz.nha., de ^00 a 800 re.s. j c3o e para sofa, que vende por pretos em
    conta.
    CORTES DE CASEMIRA A 59.
    CHITAS DE CORES
    a 200, 210, 280 e 320 rs. |
    0 Pavao vende um grande sortimento de \
    bonitas chitas tanto claras como escuras o! 0 Pav3o vende um grando sortimento do
    vende de 200 ate 320 rs., assim como ditas fortes de casemira para cali;as, com bonitas
    com listras aolado muito finas a 360 e 400'' gostos, claros e escuros a 55, ditos de 65
    rs., Iinissimas percales miudinhas com lin-!79, 89, ate 109, superiores caserniras fran-
    Oe 40( r-iis, garantindo cezase inglezas, para covado, de 39500 ate
    Alu,ja-se on vendo-se, inteiro ou a retalho
    um excellente terreno silo a esirada de Luiz do
    Rego em Santo -Vmaro, com 100 palmoa de fren-
    te a 600 ile fundo, no qual exi.-te uma grande
    planta de capini: trata se a rua da Aurora d.
    <3, venda
    ~~ Os curadores iiscaes da massa fallida do Al-
    biao Martins da Silva Horges, pelo prcsenle rha-
    ?a^s/,adore!l da me*")a mass?, para, no prazo
    de ojto dias apr.isentarera seus titulos, afim de
    rem cta'mflcados, devendo os mesmos titulos se-
    Cf"2 *5re^nta*>3 "> Sfla escTiBtorio a rua da
    Faavse negocic com a da rua de Vid-u de Ne
    greims n. 147, qae foi do r*mpr, nma da9 me-
    inoret naquella rna, ou tambem s admitte um
    too* com algum capital ; a motivo a ftirqca o
    encarregadu da mesma tem de reiirar-sa i ara
    rada pwdrrja ; a tratar Vigarw i). 33,
    serem todas de cores fixas.
    COBERTAS A 29, 29500, 39, 49.
    0 Pavao vende bonitas cobertas do chita
    com ramagem grauda, pelos baratos precos
    de 29,25500, 39e 49, ditas encarnadas
    lorradas n 59, ditas defustao branco e de cor
    com barras a 49 .e 59, ditas decrochepara
    cama de noivo a 65, ditas muito ricas a 165,
    ditas de damasco a emitacao de seda a 109
    e 149.
    Fustdes
    0 Pavao vendefustoes brancos e de cores,
    sendo as mais bonitas cores que tem vindo ao
    mercado, tanto para roupa de crianc.es como
    para vestidos e roupas de homem, e vende
    pelo barato preco do 560 at4 19, o covado.
    BRAMANTES
    a 19600, 2^2(10 e 29500.
    0 Pavio vende bramantes de algodao com
    10 palmos de largura para lenses, pelo ba-
    rato preco de 196i 0, dito de liuho com a
    mesma largura a 29, 29200 e 29500, dito
    6#, paunos pretos ede cores dos mais bara-
    tos e mais finos que tem vindo ao mercado,
    por pre Roupa feita
    0 Pavao, tem constantemente um grande
    sortimento de roupas feitaspara homem, que
    vende por prec,o muito em conta, como se-
    jam :
    Calcas de brim de cores de 29500 ate 69.
    Ditas de casemira escura a 39500.
    Palitots da mesma fazenJ^ a 49500.
    Calgas de brim p: rdo de 29 ate 5)5.
    Dit s de casemira de corde 7$ ate 120.
    Ditas de casemira preta de 79 ate 14^.
    Palitots de panno preto de 49 ate! 129.
    Fraques de panno preto fino de 209 ate
    359000.
    Calcas brancas de linho de 49 ate 79.
    Colletes de casemira de cor de 39000 ate1
    39000
    Ditos de dita preta de 49 ate" 79.
    Ditas de ditos com coracdos a 19000.
    ' Ditas de ditos de contas com cassoletas, a
    00 rs.
    Rosetas de plaqugt a 19 e 19500 o par.
    Oravatas de seda para senhoras de 19200
    29000.
    ?arures com 2 lacos para cabeca e peito
    39 e 49000.
    Kntremeios e babadinhos bordados do 360
    . a 29400 a peca.
    Haloes de seda brancos e de cores, de
    19500 a 29500 a peca.
    Ditos de algodao e seda, de 19 a 19400
    peca.
    Ditos de algodao, a 100 e 500 rs. a pec.a.
    Trancinhas de cores, a 100 e 500 rs. a
    jeca.
    Leques de marfim a 59 e 89000.
    Ditos de sandalo a 49500.
    Ditos de madeira imitando, a 29000.
    Ditos de papelldes a 19800.
    Coques para senhora, a 39, 39500 e 49.
    Aderecos fingindo coral, compondo-se de
    dfinete e brincos por 29000.
    Dito dito pretos por 29500.
    Ditos de plaquet, compondo-se de alfinete
    i brinco, sendo do muito gosto, por 59000.
    10 % do que em outra qualquer parte.
    CHAPEOS.
    Ricos chapeos de palha d'ltalia, para se-
    nhora, a 119000.
    Ditos ditos palha escura, da ultima moda,
    a 169000.
    Completo sortimento de ehapeosinhos para
    meninas e senhoras, de 29800 a 59000.
    Chapeos de sol de seda, inglezes, cabo de
    marfim a 169000.
    Ditos dito de merind, cabo de metal mui-
    to bonito a 59500.
    Ditos dito de seda para senhora, cabo de
    madeira, a 69000.
    Ditas dito cabo de marfim a 99000.
    DIVERSOS ARTIGOS.
    Granadine para vestidos, fazenda da ulti-
    : ma moda, com listras de seda, a 650 o co-
    ;vado.
    Pannos de crochet para cadeiras, a 19800
    | e 29000 cada um.
    Ditos para sofa, a 39 e 49000.
    Toalhas de linho para rosto, a 19300 cada
    nmn.
    Ditas de algodao alcoxeados, a 640 rs.
    Colxas de crochet, para cama de casal, a
    65000.
    Casa do camp*.
    Ofierace *e, 4 jatM aecessarios, o arrendamejrto por algma* anaoa da
    graaa, da excellente casa iU na Porta 4'Afua,
    que foi do finado Dr. frntqaaaw Pirea Caraeire
    Monteiro, passando-te escriplura para aaajar ae-
    gu anra. A lorahdade o muito salubre, e a ca-a
    muito fresca, tem tuayuiUce bauho ito agua 46-
    ce em frente, e ti muito conunoda, viato qua r>
    treni para defroniu : quem prelaoder pode diai-
    ?ir-se ao Sr. Francisco Carneiro Monleiro, em
    \pipticos ao Sr. Francisco Ipnacio Pinto, rua do
    Join Jesus, ou ao Sr. Cannao, rua do CoaeT-
    :io n. 40.

    Cassis para alugar para a fes-
    ta ou por anno
    Um sobrado no Poco da Panella, na rna do*
    n. 5, com 4 salas. 5 quartos, salela, eotinha f6ra
    e quintal murado
    Uma boa casa terrea nova, com cocheira, estri-
    baria, pequcno sitio, a margem do rio n. 38, da
    mesma run.
    Uma casa pequcna, porem com boas commodes,
    na travussa da Cruz das Almas ao pe da casa ver-
    melha n. 3. 1'odas a tratar com o eommendador
    Tafso.
    I Medico $
    S Augustn Trajano de Holhtada Chacon, ^
    1&. Dr. em nitdicna pela faculdade do Rio JP(
    m de Janeiro, clu-gado ha pouco da Europa, Mg
    " onde nos melbores hospitaes dedicou-se.5
    Wt aos estudos de sua profissao, e com es-
    JQL peci.nlidade as operates e as moleslias aK
    K dos olhos, tem o sen escriptorio na casa 55
    de sua residencia k rna Da ine de Caxias jQf?
    (antiga das Cruzes) n. 9, 2 andar. ML
    Consultas das 7 as 9 horas da mnnha
    Gratis aos pobres. j

    Garanhuns.
    Na rua do Barao da Victoria n. 36, preeisa-se
    allar aos Srs. Pedro d Rego Chaves Peixoto e
    os6 Paes da Silva, a ncgocio de particular into-
    *se.
    Continua a estar fugido o escravo pardo, d>>
    nome Trajano, o qual consta ter andado por Olin-
    da, Reberibe, c ultimariiente foi ^isto em Ignaras-
    sti, intitulando-se de forro, e tem os signaes se-
    guintes : falta de drntcs, ponca barba, bastante
    amarello por solTrer de Irialdade, falla descanga*'
    e um pnuco fanhoo : roga-se as antoridades po-
    liciaes e aos caphaea dc campo aapprehensao de
    dito escravo, e o favor de o levarem ao abaixo as-
    signado, a rua do Vigario n. 21, 1 andar, que
    sera gratiflcadn.
    ______^^^ Domingos Alves Mathens.
    Ainila esja lugida
    aescrava Matildes desde 17 de'marco do corrente
    anno, de 32 annos de idade, preta crioula, es tat li-
    ra regular, cheia do corpo, pernas Anas, tem uns
    carecos no rosto que parece espinhas, falta* de
    dentes na frente da parte de cima, falla muito
    mansa que as vezes desalia compaixaof boa cozi-
    nheira e engomniadeira, e filha do Para, foi com-
    orada a sogra do Sr. eommendador Lucena, 6
    muito conhecida porterestado alugada em casa
    da Manoella do inspector, no Monteiro, ella intita-
    la-se de forra e tem sido vista no Poco da Panella,
    Monteiro, Caxanga, Magdalena e aqui no Recife :
    pede-se cncarecidamente a todas as autoridades
    policiaes e capitaes de campo a su apprehensao,
    assim como se pede a quem tenha amas que ve-
    rifique nessas que dizem ser forras. pois consta
    estar ella de ama que nao sane a rua, qtie se gra-
    tificara com a quantia de I00A a quem a levar a
    sen senhor, na rna do Livramento n. 1, a Antonio
    de Paiva Ferreira; e protesta-se haver os dias de
    servico de toda e qualquer pessoa que a tenha
    occulta em sua casa, na forma da lei.__________
    Saqnespara todas ascidades e
    villas de Portugal.
    Carvalho & Nogueira, saccam' sobrc o
    banco commercial de Yianna, e suas agen-
    das em todas as cidades e villas de Portu-
    gal, qualquer quantia a" vista ou a prazo e
    por todos os paquetes; i rua do Apollo
    n. 20.
    CRIADO
    Xa rua Dnque de 'axil* n. 2fi, 1 andar, pre-
    cisa-se de um rapaz para ciiado.
    A quem interessar
    Pereira da Silva & Guimaries, proprietaries da
    oja do Pavao, previnem pelo presente a seus fre-
    guezes desta prai.a, quese acham com seus debitos
    atrasados, quese nao saldarem es mesmos ate o
    dia 30 de ontnbro do corrente anno, tratarao de
    cobrar judicialmente, nao tendo contemplacao com
    ninguem.
    Recife, 24 de setembro de 1873.
    Precisa-se de uma engommadeira, uma cozi-
    nbeira e um criado para compras ; na rua do
    Hospicio n. 50.
    Quem tiver achado um raaco de papel, cons-
    lante de recibos de decimas.de alogueis de casas e
    umas cartas de flanra, e querendo entregar, pode
    dirigir-se a rua da Crut n. 49, que sera recom-
    pensado.
    ^*5
    Bf
    l&
    w|
    Se
    ^Siiv^

    ttrt'
    . Ceroulas francezas de linho e algodio, para todos os precos e qualidades, assim
    como grande sortimentj de meias cnns, camisas, cc lennbos, ^ue tudo se vende por
    precos muito razoaveis.
    - 0 lllm. Sr. Dr. LeonoMo Cesar Duqne Estra-
    da, formado na academia de Peroamburo em 1873,
    liibo do Dim. Sr. Joaqntro Leopoldo de Pigueiredo,
    ecnamadoa loja de AmarU, Nabuco AC, rna
    >ova n. 2, a negocio que nio ignora.
    - Alrga se uma boa casa propria
    Atiengao
    Alugam-se duas boas casas na Capuuga, rna da
    Vem ir _. com fommodos para familta, a*quaes
    XAROPB PEITOMIi JAMBS
    OPTIMO REMED10 CONTRA
    TOSSES, MOIESTJAS de PEIT(h PHTYSIGAS
    ensaiado e approvado nos hospitaes de Lisboa,
    legalmento auctorisado pelo Conselho de Sadde Publica,
    auctorisacao que se acha reconhecida pelo
    Consul geral do Imperio do Brazil.
    Aluga-se uma casa com bons coromodos, na
    povoacao da Torre : a tratar na rua do Imperadnr
    n. 20._______________
    0 abaixo assignado faz sciente aos credores
    da taverna da rua larga do Rostrio n. 31, sob
    a lirma de Santos & Araujo, e a quern mais inte-
    ressar que recolheu a deposito publico as chaves
    da mesma taverna.
    Recife, 21 de oulubroo de 1873.
    Joaquim Rodrigues da Costa Santos.
    Feilor.
    =
    - Aicga se uma boa casa propna para passar Ventur com rommodos para famiHa
    a tes3, na povoac io da Monteiro, rna da Ponte a, slo />es?as e ado niadas pfptada) :
    m a (ratar na rua Deque de Caxias n. 7!. "* ,na rua Duqne de Caxias n. 44
    a tratar
    UNICO DEPOSITO EM PEIUVANBUCO
    Hna lar-g-a do Hozario
    No engenho Ronito, comarca de riazareth, pre-
    cisa-se de um feitor : a tratar com Leal & Irmaos
    a rua do Marquez de Olinda n. 56.
    Precisa se de uu a ama para casa de rapaz
    solteiro de tres pessoas, para cotnprar e cozinhar:
    na rna do Amorim n. 16.___________________
    Hotel chinez
    21Rua da Imperatriz21
    Esta aberto a concurrencia do respeitavel pu-
    blico este novo e bem util estabelecimento. Rece-
    be-se assignaturas meesaes, e promette-se ter
    sempre sutTicientes comedorias para se fornecer
    avufco. 0 proprictario deste n< vo estabelecimen-
    to premette servir o melhor que se pode desejar,
    e por precos muito resumiJos. 0 que se torna no-
    tavel nestes casos, e o asseio e croraptiao ; e ncm
    so se pode affiancar isto, com) tambem se garante
    as comidas serem muito hem feitas, visto que tem
    um cozinhoiro de primeira ordem. Havera todos
    os dias sorvete das meihores frnctas conhecidas
    entre nos. Espera-se a concurrencia do respeita-
    vel publico.______________ Um homem portuguez, casado, tendo uma
    menina, se otTerece para caixeiro de alguma casa
    de molhados, ou mesmo para caixeiro de engenho,
    do que tem bastante pratica, o qual e bastante co-
    nhecido nefta pra a : quem preci #MHM*8* **
    0 Consultorio homeopa-
    thico
    9k Do Dr. Santos Hello
    &L M------Rua do Imperalor------41
    Consultas todos os dias das 11 a 1 da
    tardu.
    a*j Gratis acs pobres.
    Residencia a rua Nova n. 7, segundo
    andar, onde da cmisnltas das ; as 9 da
    X manha e das 3 as 8 da tarde.
    JS Cbamados a qualqn^r bora.
    >***&$ *#*

    '


    HHI^BiB^^iHI

    t -
    "< **


    H
    jL. '
    swsw
    i BB^
    IMarfo tie Pernamtateo Quinta feira 23 de Oatobro da 1&73.
    t

    !

    i
    !
    I
    M k gratincafcio.
    Fuj.io do engenho AraiiU deUaiJie, na fro-
    guozln do Cabo, no dia I do corrente rrez, o <-s-
    ! Hk* POin 0S si8"aaes -"K'Jiat'H Made
    ml piuco mais ou immos, iltura regu
    'tie bexi^as no rost), ?es grosses c
    MHH de hirho*, e \yr de
    Jlflii a-ijirii'ien k-r, fcvo-n an rcfrridn
    enfertw, ao seu senlmr Joao Luiz pgucalvcs itr-
    reira, so oo Recife, rna da Madre de Dens n. 3d,
    t. andaajl_________________
    MOFINA"
    Esta encouracado !! !
    Rogvse *> 111m. Sr. Ignacio VWra de Mello
    KHrao m cidade de Nazareth desta provincia, o
    aver cluir iiqaelld negocio que S. S. se comprometteu a
    realisar, pel a terceira chamada deste jornal, em
    Bns dci dezetabro de 1871, e depois para Janeiro,
    passou a fev.reiro e abril de 187J,e nada cumprio;
    por este motivo e de now cbamado para dito
    8m, pois S. S. se deve lembrar que este negocio e
    de mais de oito annos, e quando o Sr. sen nlho se
    achava nesu. eidade.
    AO ARMAZEM
    NO
    VAPOR FRANCES
    RUA DO BARAO DA VICTORIA
    N". 7Outr'ora NovaN. 7
    Tranca.
    Aluga-se o armazem de recolher na rua do
    Borgof n. 11 : a tratar na rua da Praia n. 20,
    a tratar com Jose Peiiciano Nazaretb.
    de um caixeiro com pratica de
    16 annos: na rua Imperial nu-
    Prccis.vse
    taverna.de It a
    mero 94.
    O Sr. Antonio Luiz da Costa, que foi nego-
    clante em Olinda, na rua de S. Bento n. 43, e
    chaimndo a mes-na eidade.a rua do Commereio n.
    Si,-a negocic que S. S. bem sabe.
    Consultorio medico
    DO
    Dr. Murillo.
    RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR. &
    Recem-chegado da Enrepa, onde fre- Ig
    quentou os hospitaes de Paris e Londres fL
    po dia ou da neute para objecto de sua pro- q
    fissao. P
    Consultas do meio dia as duas horas W
    da tarde. ^
    Gratis aos pobres. S
    Especi*tididesMo\esli&.s da pelle, de &
    crianva e de mulher. Q
    Kmprega no trataroento das molestias ft
    de sua e^peeialidade as duchas frias e fl
    banhos a vapor, para os quaes trouxe G
    os apparelhos mais modernamente era- rj
    prugado9 na Europa. jT
    'fambem applica com grande proveito M
    no tratamento das molestias do utero a p
    ejectricidade, pelo proeesso do Dr. Tre- jr
    pier. Cura nor um proeesso inteiramente Q
    novo as blennorrhagias e sobre tudo a fjf
    /(gotta mil:tar) dispensando as iBjeccdes.
    MEDICO-CIRURGICO
    m do
    Ir. J. M. Curio *,
    XL Rua do Marquez de Olinda n. 23, pri- B
    2 meiro andar.
    %X Consul ta das 9 horas as 11 da manha.
    < Cbamados a qualqner hora. #9 &-&&&&$& $***
    0 relojoeiro e dourador Albino
    Baptista da Roc ha, de volt a da
    Europa, continua a encarregar-
    se de concertar e dourar relo-
    gios, bem como outros objectos ;
    rogando a seus amigos e fregue-
    zes o obzequio de procura-lo na
    travessa da rua das Crazes n. H, 1 andar, por
    detraz da praca da tadt-pendencia, qne o encon-
    trarao prompio. A garantia de stus trabalhos e
    e faze-los por precos modicos ; assiin como tara-
    bm ovende relogios.
    Venham.
    Bernardo Gongalve9 dos Santos, negociante em
    Jaboatao, previne a seus devedores para virem
    saldar seus debitos ate o flm do corrente mez ou
    da conirario serao diamados a juizo.
    _____________Rernardo Goncalves dos Santos.
    Aluga-se o gabinete da casa do pateo do
    Paraizo n. 4, com commodos para duas pessoas :
    a tratar na mesma.
    Attengao.
    Vende se abacachis de fioyanna, doces o gran-
    des, a preco commodo : no caes do Ramos.
    Escravo fugido.
    100$000 de gratifica(jao
    Desappareceu de novo, de bordo da barca bra-
    ileira S. Jose, o esoravo Joaqtrim, preto de na-
    cao, o qual anda bem vestido e calcado, deixan-
    do cresiier os cabellos a modo de meia cabelleira.
    Esse escravo pertenceu ao fallecido Dr. Olym
    pio Marcellino da Silva, que o havia comprado na
    provincia de Minas ^em S. Joao d'EI rei ou Ouro-
    Preto), e com elle seguio para o Rio de Janeiro a
    d'alli para esta provineia, donde foi para Maceio,
    tendo o vendido alii a Justino Epaminondas Ne-
    ves, a quern o compraram os abaixo essignados.
    Sabe cozinhar, occupajao a que estava dedicado,
    e coaheee se peK falla que e africano.
    Offerece-se a gratifieacao acima a quem o ap-
    prehender e roga-se a todas as autoridades a sua
    eaptura.
    Recire, 6 de outu'sro de 1873
    Jose da Silva Loyo & Pilho.
    Boa casa
    a festa.
    para
    Aluga-e uma excellente casa no Monteiro, tra-
    vessa do Xisto, a qual se acha em muito bom es-
    Udo de limpeza : a tratar na rua Primeiro de
    Marco, antiga do Crespo n. JO A, loja de Gurgel
    do Amsral & C.
    flrecisasede dous caixeiros para tomar con-
    fe de tluw tavcrnas, as quaes ?ao bem localisada^
    a tamtm se da sociedade eatrando com alguns
    tundos e dando conhecimento de sua eonducta : a
    tratar na xua da Santa Cruz n. 9.
    CASA DO QURO
    lM .:OOOrMMI
    Bilhetes garantidos
    Rua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
    n. 53, e casa do costume.
    Acha.m-se i* venda 09 muito fellies bilhete* ga-
    'antidos da :I2- parte da lotrria a fcenefldo dos
    orphSoj e orphas, que se extrahira uo dia 29 do
    correnie mez
    Preco*
    Inteiro G000
    Meio 3*000
    Quarto 1*300
    Be lOOaOOO para dmu.
    Inteiro 5*300
    Meio 2*730
    Quarto 1*373
    Reci^ Jl de outubro de 1873.
    Joao Joaquim da Cost.i UUe.
    Boa-Vista,
    Vende-se i. taverna da rna da Imp.jratriz n. 31,
    bastanle afrezuezada para terra, e muito boa pa-
    ra Bin priacipiante visto tor poucos fundos e os
    donos so a eniem por quererem partar a so-
    ciedade e quem a pretender ilinja-s; a rua da
    Santa Ooz n 74._________________
    , Por onl'mdo Sr. provedor da uraandade da
    Senhorsi Sant Anna, erecta na iRreja da Madre de
    Beos, convido todos os nossos irraaofi ase reuni-
    rem no censiiitorio da mesma igrcja, no ilia 23 do
    eorreot.i mez, aflm da se tratar do arrendamen'.o
    do armazem :iertcnceute a dita Jrm3ndade, isto is
    6 horas da tarde.
    Consiitorio da irmandade, em 22 do outubro de
    1873.
    O wcrivio
    Matioel de Azevo4> Pontes.
    a ra home m.
    BOT1NAS de bezerro, cordavao, peHica, lustre e
    de durarae com biqueira, dos melhores
    fabricantes.
    SAPATOES de bezerro, de cordavao e de case-
    mira.
    SaPATOS de lustre com salto.
    SAPATOES alamancados com sola de pao, pro-
    prios para banhos, sitios e jardins.
    SAPATOS de tapete, chariot, castor e de-tranca
    francezes e porlnguezes.
    Para senhora.
    60TINAS pretas, brancas o de cores differentes,
    lisas, enfeitadas e bordadas.
    SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
    pretos e de cores differentes, bordados.
    SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
    Para meninas.
    BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
    lisas, enfeitadas e bordadas.
    ABOTINADOS de diversas qualidades.
    SAPATOS de tranca portuguezes.
    Para meninos.
    BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
    ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
    qualidades.
    SAPATOS de tranca francezes e portuguezes.
    Botas de montaria.
    fvotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
    meias perneiras para homenj, e meias perneiras
    para meninos.
    No armazem do vapor france', a rua do Bario
    da Victoria n. 7.
    Mobilia de vimes.
    Cadeiras de balanco, de braco, de guernifSes,
    sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu-
    reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
    levos, e ns mais proprios moveis para saletas e ga
    bincles de recreios.
    No armazem do vapor francez, a rna do Barao
    da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
    i\ IV
    Preda- de sma ama para
    var o cozinhar em casa de jif.jae
    tamilia : na nil do Capibanbe
    10.
    VmtQ (j^dc bus* a:n:i< para
    ;IIII(U^ i^j, ii.ijj-ff .> patfo d.i
    mairiz dc Sail 1% que iiroiiipuiucule
    -ci .i ti-ivid i.
    A M A
    Precis*
    cminhar
    e d
    ............. r ^t->--
    Santo n. 17, 3. andar.
    nuu ama para
    praya ilo Curpa
    Atten^ao.
    20#000.
    l'recisa-se Je duas araas, semlo uma para
    cotnprar o cozinhar, e outra para engom-
    mar para casa de uma familia de duas pes-
    soas, preferindo-se escraya, paga-se a quail
    tia acima : a tratar na travessa do Vigario
    Tenorio n. 1, das 9 horas da manha ate as
    3 hocas da tarde,/Dscriptorio. _______
    A M A
    Precisa-se de uma ama para
    de Hor;
    ar e engc
    las n. 16,
    1.* andar.
    PIANOS.
    fortes e
    e bem
    Acabam de chegar muito bons pianos
    de elegantes modelos, dos mais notaveis
    conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
    Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
    vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
    tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
    Perfumarias.
    Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
    trifice, agua de iior de laranja, agua de toilete,
    divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
    cos.Tieticos, muitos artigos delicados em perfuma-
    ria para presentes com frascos de extractos, cai-
    xinhas sortidas e garrafas de differentes tama-
    nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
    dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
    dray.
    No armazem do vapor francez, a rua do Barao
    da Victori?, ou'.r'ora Nova n. 7.
    Quinquilharias.
    Artigos de difTercntes gostos e
    phantazias.
    Espelbos dourados para salas e gabinetes.
    Leques para senhoras e para meninas.
    Lnvas de Jouvin, do flo de Escocia e de camurga.
    Caixinhas de eostura ornada com musica.
    Albuns e quadrinhos para retratos.
    Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
    Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
    Correntes de plaque muito bonitas para relo-
    gios.
    Brincos a imitacSo e botoes de puuhos de pla-
    que
    Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de cou-
    rinho de cores.
    Novos objectos de phantazia para cima de mesa
    e toilette.
    Pincinez de cores, de prata dourado, de aco e
    de tartaruga.
    Oculos de aco flno e de todas as guarnicSes.
    Rengalas de luxo, canna, com eastSes de mar-
    DtO.
    tengallas diversas em grande sortimento para
    homens e meninos.
    Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades
    diversas.
    Esporas de tarracha para saltos de botas.
    Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
    Pentes de tartaruga para desembara^ar e para
    barba.
    Ditos de marfim muito finos, para limpar ca-
    beca.
    Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
    ies.
    Carteirinhas de medreperola para dinteiro.
    Meias para homens e para meninos.
    Gravatas brancas e de seda preta para homens
    e meninos.
    Campainhas de mola para eh"mar criados.
    Jogos da gloria, de-daraa, de bagatellas, de do-
    mind e outros muitos differentes joguinhos alle-
    ml.es e francezes.
    Malas, boli.as e saccos de viagem de mar e ca-
    minhos de ferro.
    Argolinhas de marfim para as criancas morde-
    rem, bom para os dentes.
    Bercos de vimes para embalar criancas.
    Cestinhas de vimes para braco de meninas.
    Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
    criancas.
    Veneaianas transparentes para portas e janellas
    Reverbeios transparentes para eandieiros de
    gaz.
    Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
    vistas. *
    Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
    vidros.
    Vidros avulsos para cosmorama.
    Globos de papel de cores para illuminates de
    festas.
    RalSes aereostaticos de papel de seda rnui facil
    de sabir. ,
    Machinas de varios systemas para cafe.
    Espanadores de pallia e de pennas
    Tcsourinhas e canivetes finos.
    Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
    Tinteiros de lou^a branca, roodelo bonito e hom.
    Tiras de molduras douradas e pretas para
    quadros.
    Quadros ja promptos com paysagens e phanla-
    zia.
    Estampas avulsas de santos, paysagens e phan-
    tazias.
    Objectos de magicas para divertimentos em fa-
    milia.
    Realejos peqoenos de veio com llndas pecas.
    Realejos narraonicos ou accordions de todos os
    amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
    rias difflceis de mencionar-se. No armazem do
    vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
    Nova n. 7.
    Medidas de 40 a 100 metros, pes e palmos para
    raedir terrenos.
    Brinquedos para meninos.
    A maior variedade que se pode desejar de todos
    os brinquedos fabricados em differentes partes
    da Europa para entretenimento das criancas tudo
    a pre< os main resumidos que e possivel: no ar-
    mazem do vapor francez, rua do Barao da Vie-
    oria, outr'ora rua Nova n. 7.
    Ceslinhas para coslora
    Grande sortimento de bonitos modelos chegados
    ao armazem do vapor francez, 50a do Ba-ao da
    Victoria (outr'ora Nova) n 7.
    \ttmv fteeisa se de uma livre ou escrava
    . v ma na raa ja Conceito n. 43.-
    cozinhe e
    01eado3
    baratos.
    Oleado bouites a muito baratos, pat a cima de
    meza : no armazem do vapor francez, rua do Ba-
    rao da Victoria ou-lr'ora Nova n. 7.
    na Boa Via
    n, ft. Ca-
    Alaga se uoja excillfnte ca?'.
    pern : a tratar n-J rua da Wntara
    jranga.
    Ami) Precisa-se da uma qne
    lAJUdi compre : na rua do Cre3po n. 20.
    >n rna do Senhor Bom Jesus n. 9,
    2' andar, precisa-se de uma ama
    para cotnprar e cozinhar, e uma ou-
    tra para engommar.
    AMA
    Ama de leite.
    Precisa-se de uma ama de leite : na rua do
    Brum n. (So._____________________________
    Precisa-se de uma ama forra ou escrava,
    para engommar : na rua Duque de Caxias n. 22.
    No dia 9 do corrente desappareceu do en-
    genho Refresco, freguezia da Escada, o mulato
    Caetano, cujos signacs sao os seguintes : idade do
    40 annos, alto, grosso, rosto redondo. cabello ca
    rapinho e avermelhado, muito barbado, traz a
    barba e bigode cortados a tesoura, olhos grandes,
    castanhos e imperceptivelmente vesgos, denies
    curtos c limados, pes e maos pcrfeitos. E' casado
    com mulher livre, da qual tem muitos filhos; e a
    terceira vez que se ausenta em proenra de alfor-
    ria, dizendo, ora que ja e forro, oia que esta ti-
    rando dinheiro para libertar se ; servia de feitor
    no engenho : quem o apprehendtr pode conduii-
    lo ao mesmo engenho, ou nesta eidade a rua da
    Aurora n. 13.____________________________
    BABY JUMPERS
    Velocipedes and Hand Carts
    For Boy's.
    Elastic Steel matresses.
    Ice King Refrigerator.
    Perfumagators.
    Machinas para descaro^ar
    algodao de 12 at6 30 ser-
    ras.
    NA
    CASA AMERICANA
    45 Rua do Imperador 45
    Aluga.se uma excellente casa na povoacao
    de Duarte Coelho, em Olinda, com bons commo-
    dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
    do Amorim, h. 37.
    Offerece-se um horaem para criado de ho-
    tel oucasa de familia : a tiatar na rna da Im-
    peratriz n. 56.
    Precisa-se alugar um sobradinho de um
    audar, que tenha pelo menos 2 salas, 3 ou
    4 quartos, e cozinha fdra, se tiver sotao me-
    lhor sera, tsrabem serve um 2. andar com
    solao, o com os mesmos commodos, ou mui-
    tos, comtauto que seja no bairro de Santo
    Antonio ou mesmo em algumas das ruas de
    S. .lose. A pessoa que precisa nao duvida pa-
    gar algumas bemfeitorias que tiver, nao sen-
    do muito cara, ou fazer algum concerto pe-
    queno e asseio. Quem pois tiver e quizer
    alugar, deixe carta fechada no 1, andar
    desta typographia, em mSo do administra-
    dor, com as iniciaes W. G., o qual tambem
    poderd dizer quem e o pretendente.
    Olinda.
    Aluga-se uma optima casa mobiliada, para fa-
    milia pequena, porto dos banhos salgados, com
    agna e ga? encanado : na agenda americana, rua
    do Imperador n. 43.
    Esta fugido.
    Em 2 do corrente fngio do engenho S. Caetano.
    em Porto Calvo, o escravo Henrique, cabra claro,
    eabellos estirados, altura- regular, grosso do cor-
    po, com uma cicatriz na ponta do nariz, prove-
    niente de um coiee de cavailo, idade de 1 annos
    pouco mais ou mejios, desconfiase qne viesse na
    companbia do pardo Bernardino, que na vespera
    desse mesmo dia pernoitou no referido engenho,
    e dirigio se para es'a eidade, sendo sua aaisten-
    c a na rua de PHro Affonco, outr'ora da Praia :
    roga-se aos Srs. capitieg de Carapo ou a qualqner
    pessoa, quo delle tiver nolicia, queiram ter a
    b ndide de participar na rua do Horn Jesqs, ou
    ir'ora dji duz n. 20, 2. andar qao serao gratifi-
    cado^.
    MEURON&C.
    t
    aos oompradores do bem conhecido e acreditado rap6
    AREA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
    poia quo os ha de rapd de outra fabrioa e nome diver-
    so, e com papel da mesma c6r, cujo deseuhc se pode
    confundir com o d'aquelles.
    Os apreciadores que quiserem do verdadeiro AREA
    PRETA, devem para nao serem enganados ver que
    os botes tragam o nome de MEUROIf & C, e a desig-
    napao de AREA PRETA.
    " n
    flv3
    MEURON ft
    PDNDICAO DO BOWMAN
    RUA DO BRUM H. 52
    (Passando o ckafariz)
    PEDEM AOS senbores de engenho e outros sgricoliorfs, e empregadarcs de m
    omismo o favor de cma visita a seu eatabelecimeDto, psra verem o novo sortimento
    omi-let) que abitem; sendo tudo superior em qnalidade e (ortidao; o que com a ins
    cqIo pess ial pode-se verificar.
    ESPECIAL ATTENgAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDigAO
    ^flTinvfta A rndflft d'acyrso dos mais ^o'ernos systemas eem ta-
    \ iipi/A'U- *? rUUl U agJr manbos convenientes para as diversas
    ircnnwtancias dos senhorei proprietarios e psra descarogsr s!god5o.
    Soendas de canna edxeIdr 8 t8manb08' as:melhores qoe 8qoi
    SodaS dentadaS Panimae8,agaaevaPor.
    Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
    ilambiques e fundos de alambiques.
    fachinismos
    Rombas
    para mandioca e algodao,]
    e para eerrar madeira.
    ^zv
    Aluga-se o primeira se;rnndo andares da casa
    n. 3 da travMM da Lingueta : a tratar na raa
    Primeiro de Mareo, antiga do Cretpo, na lo} do
    Po junto ao arco. de Santo Antonio
    Podendo todos
    ser moTidos a mao
    'por agna, vapor,
    de patente, garanlidas........ Jon animaes.
    Todas as machinas e mzs de qae 8e coe,oma precisar-
    Fas qualquer concerto d9 m2Cfcistno-a vw mni rC8amid0-
    PoFTSIflR dfl ffirro ,nfn 33 melhores e aaaia bzralas exiitentes no mer-
    Kltftrvtnm ATI fins Incnmbe-se de mandar vir qoalqaer machinismo 4 von-
    lx\j Lll.AAlvu.\A&,3t (a(je (jos clientes, lembrando-lhea a vantagem de fazerem
    nas compras por intermedio de pessoa enteodida, e qne em qualqner necesaidade p6de
    isi prestar aaxilio.
    irados americanos 6 in8trnnjeQlos *vkol-
    RUA DO BRUM N. 52
    PASSANDO O CHAFARIZ
    FUNDICIO DE FERRO
    a
    V rua do Barao do Triumph) (ma doBrni) ns. 100a .04
    CARDOSO & IRMAO
    ' RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento do ferragens e machinas para en-
    genhos, as mais modernas e melhor obra que tem vindo ao mercado.
    VapOreS de for?a de 4, 6, 8
    Caldeiras de
    Moendas inteiras
    Taixas fundidas
    KOdaS Q agua com cubsje de erro, fortes e bem acabadas.
    KOflaS QCntadaS de todos os tamanhos e qualidades.
    Rel0gi0S e apitOS para vapores.
    JjOniDaS de ferro, de repucho.
    AradOS de diversas qualidades.
    FormaS para aSSUCar grandes ep^quenas.
    Concertos concertain coai promptidfio qualquer obra ou machin;, para o que teem
    sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
    EnCOmmendaS man(^am v'r Pr encommenda da Europa, qualquer machinismo,
    para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londres
    e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
    1itas machines, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
    Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
    ______FUNDICAO DE.CARDOSO & IRMAO.______
    Carros de luxo. Capellas para finado
    E' inquestionavel que a cocheira da rua do Bom Na rua estreita do Rosario n. 35 tem ricas ca-
    Jeeus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e a pellas para donzellas, anjos e defuntos, com fitas
    que tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-' e letreiros, proprios de lembranca de minha inai,
    lecas e victorias de luxo, proprias para qualquer pai, esposo, espusa, tilho, filha, irmSs, irmaos, av6
    noivado, visitas de etiqueta, bailes e actos da aca- e ivd, tudo por mui barato preco de 3t,k&, 55 e
    demia, sendo os mesmos ajaezados de excellentes 8^000. Na mesma casa tem lindos bouquets de
    parelhas de animaes, arreios luxuosos e boleeiros cravos e rosa9 para formatura dos senhores aca-
    com fardamentos do ultimo gnsto, para o que se demieoSj.com fitas bordadas a ouro ; a encom-
    convida ao publico a vir por si mesmo scientifi- mends deve se faz.rtres dias antes ; e preparam-
    e 10 cavallos.
    sobresalente para vapores.
    e meias moendas, obra como cmnca aqai veio.
    e batidas, dos melhores fabricantes.
    Joaquim Jose Gongalves
    Beltrao & Filho.
    Rua do Commcrcio n. S, !. audar
    Sacca por todos os paquetes sobre o banco
    \ Minho, em Brass, e sobre os sryvintM
    gares de Portugal:
    Amarante.
    Arco do Val dt Vez.
    Barcellos.
    Beja.
    Chaves.
    Coimbra.
    Covilha.
    Faro.
    Guarda.
    Guimaraes.
    Lamego.
    Lisbda.
    Mirondella.
    MoncSo.
    Ponte de Lim*.
    Porto.
    Tavira.
    Valpassos.
    Vianna do'C&stello.
    Villa do Conde.
    Villa Nova de Famalicao
    Villa Nova do Portimao-
    Villa Real.
    Vizea.
    Valency.
    Figucira.
    Aveiro.
    Agueda.
    Caminha.
    EVur*.
    Oliveira de Azemeis.
    Penafiel.
    Regfla.
    Capellas iiHirluarias
    Para tumiilos e catacuiubas no
    ilia do flnados.
    Porto & Bastos, com loja do cal-
    cado a Praca da Independencia n.
    39, acabam de receber da Europa
    novo sortimento de capellas raor-
    tuarias de lindissimos desenbo.,
    com as seguintes inscripede.', as
    quaes vendem por menos preco di
    quo em outra qualqner parte.
    A Meu Pai.
    A Minha Mai.
    A Meu Esposo.
    A Minha Espcsa.
    A Men Filho.
    A Minha Filha.
    Uma lagrima.
    Amisade.
    Saudades.
    . PRAC.A DA INDEPENDENCE W. 39.
    Aluga-se a casa dos Coelhos; defronte hospital Pedro 11, coin optirros commodos pata
    grande familia : a tratar na rua do Rosario da
    Boa-Vista n. 50.

    PENHORES
    Na travessa da rua
    das Crazes n. 2, pri-
    meiro andar, da-se
    dinheiro sobre pe-
    nhores de ouro, pra-
    ta e brilhantes, seja
    qual for a quantia.
    Na mesma casa
    compra-se os mes-
    mos metaesepedras.
    publico a vir por
    car-seda verdade do que deinamos dito, certns de se tambem bouquets para noivos, de cravos natu-
    quc nao encontrarao pomada, e "
    commodos precos.
    sim realidade e raes.
    Aluga-se nma escrava para o servi^o inter-
    no de casa dc familia ; a^sim como, um escravo
    de 14 annos, para fervico de criado ou hotel : ua
    rua do Imperador n. 50.
    Para banhos de mar.
    Amaral, Sabuco & C.j recetioram de Pa-
    ri int^ressantes costume* do ultimo goito,
    pra homens o senhoras quo dosejarem to-
    mar banhos satgadoa, ale'ra da solid.cz. da
    fnzenda para resistir a agua sslgada, a el*
    gancia dos tr#ios ntda deixa a dese-
    jar.
    Precisa-se alugar um ou dous escravos tra-
    balhadores de enxada, para um sitio : na rua do
    Vigarie n. 3, armazem.
    Precisa-se de uma ama forra on escrava,'
    Sue saiba lavar, engommar e coraprar para casa
    e uma familia estrangeira composta de tres pes-
    soas : a tratar na rua do Viscondo de Goyann? n.
    157, fabrica de rape\
    a casa terrea na Una dos Ratos n. 68, com a
    frente para a.estrada do Hospicio, com ba commodo para familia : a tratar na rna do Mar-
    quez de Olinda n. i,
    .Aiuga se o 2 andar do sobrado junto a igre-
    ja dos Mart>rks: a tratar na rua Sete de Seteo.-
    bro, casa n. 15.
    Attencao
    0 Brrio de Bemfica raclifica o seu aviso moita
    j ve7e epetido no Jornal do Recife e Diario de
    Perna: iNco, de que nao attendera a recibo al
    gum (,ue Ibe diiia respeito, nao sendo passado por
    ' seu fii.io Jos6 de Oliveira Castro oo j,or Antonic
    | Joaquim Brito de Oliveira ou dolpho Henrique
    Amaw'o Chaves, unices empregados de sua casa
    . commercial, .(inguern, alem destes, esta autori -
    a loja do sobrado da raa Direita n. 82, propria s?doa flrm-.rdoc.im-'ntoalgom qne importe exo
    wonalqacr negocio : a tratar no armazem n.. oarer to a quem Lr pasi-ad), ouobrigacio de qual-
    o\ travessa do Corpo Santo, | qaer naturexa qae seja, ao anauncianie
    Precisa-se de um caixeiro com basUnte pra-
    tica de taverns, quo d<5 flador a sua conduct* :
    na raa Dnqna de Caxias n. 82._______________
    ALUGA-SB

    1
    *\



    f
    *jhwio ae?^cwi^o Quiofr.tyra. ^^^^'4eoW.
    PI.LCLAS
    VEGETAES
    BRISTOL
    I us b*>fos sadios e saos
    Uma digestao vigorosa,
    Liu excel leote appetite,
    sio alguns do:> benefieios quo se poelem de-
    invar, frzcndo-se urn uso regular das
    PiIiiImm tegetacs de Rrlistol.
    Uma cur a cen.a e officaz dos intestines,
    Urn remedio adrairavel para os rins,
    Um toiuco poderoso para oestomago,
    Sao as iiui[)reciaveis qualidades medicas
    quo se podem encontrar, usando-so das
    PIIhBum vegetacs tie Bristol.
    Urna mcdicitia que nao produz Hires nem
    ceticas.
    Urn purganto que duo debilita nem en-
    frtquece.
    Lm laxaute que uao causa a menor
    nausea.
    Formam uma ds amuitas virtiJes que
    possuem a s
    M3iItilUi* vegetaes de Bristol.
    Urn mcilicamento suave e favoravel para
    bello sexo.
    Lm correctivo spguro .dos desarranjos dj
    systoma.
    Urn reined io completo e seguro para as ii
    reg'iiariiiado?
    Sao as effcitos sem falla, resultantes dc
    usoe einprego das
    Pilulas ve^otaos de Bristol.
    Uma compleirau clara, alva e transparent*,
    I'ma polio macia o delicada o um
    Ilalito doce e agradavel.
    Sao os resullados certoseinfalliveis, de-
    pois de se
    haver tornado algumas doses destt
    ruellioruos
    Rpinedios is
    PEIufctN vpsclaci de Bristol.
    Em todos os casos de molestias J'uma na
    tareza cscrofulosa, ulcerosa ou syphilitica
    oa quan lo ;> massa do sangue se haja tor
    aado turva Oil viciada polo uso de ferro
    mercurio, ou por outra qualquer substanci*
    mineral a
    ^->: !.i.i|>nrrilla de Bristol.
    devwa ssr Qsada de conjuncto com as pilu
    las, e assim nbrando-se, em restricta con
    fprmidade com as direcfdes ittscriptas m
    snvolto; $s doentes podem Bear certos que
    uma vez usada conjunctamento uma com e
    outra, nouhu na enfermidade ou rnolestia,
    por mais severa ou arraigada que se ache,
    nao podera* resistir ao combiiiado poder se
    oratorio e sanitario destes dons
    GflMDES, E INCOMPJUUVEIS
    BEIIIiBMi.
    Amlns estas medicmas acham-se a vends
    em todas as principaes boticas e
    lojas de drogas.
    Acb.vse a venda em todas as boticas.
    H. Forster & C.
    AGENTES
    Oil
    ;! apresenlada ao politico
    Durante oespaeo
    HE
    4 0 ANNO S.
    S\LS\P\YUUIAliV
    DE
    RB1ST0L
    .-
    CUBA OS CASOS MAIS DESESPERADOS !
    A SA1-SAI'ARUII.llA DE BRISTOL puri-
    iicri a massa do sangue, expelle para fdra
    todc as materias e fezes viciosas e impuras,
    regula todas as serregoes, d;i vitalidade e
    energia a todas os orgaos e da* forca e vi-
    gor >.o svsloma tiiim de poder molhor resis-
    tir a todo* os ntaques da enfermidade. E
    pois este um rcmedio constitutional. Elle
    nunca distroe afim do poder curar ; porem
    consls.ntemniite assisle a natureza. l'ortanto
    em todas as doengas conslitucionnes c em to-
    das as molestias locaes dependente d'um es-
    (adovkioso c imperfeito dosynlemaemge-
    ""', aobar-Se-ba que a Salsvpartimia de
    Bristol 6 um rcmedio seguro e e'ilicassissi-
    800, possuiodo inestimawis o iocoQtostaveis
    vrtudes.
    As coras milagrosas de
    "Batcvofinlos*
    I.Ilcfl'llS,
    i 'hngas autigas
    E5FERMIMDES gTFBIU'ai'CAS
    JliVSU'EIAS,
    RlHSiMATISftiO.
    NKVRAT.C.5AS.
    ESCQRBUTO,
    ETC., ETC.. ETC.,
    que ;;'!! {jwngiadq.g dado o alto Muome a
    Salsaparrilha de Bristol
    | ',<< i'.s as partes do uni verso, sao tao so-
    mente devidas a
    l.MCA LEG1T1JU C ORIGINAL
    SalscqyarriOia de Bi istoi
    1 Forsler 4 C.
    NA
    AGENTES.
    PHARMACIA CENTRAL
    Caixeiro.
    Precisa-sij de um caixeiro que tenha de 11 a \b
    anno* de idade. para uma loja na villa da l'alina-
    res, prelerinki-se qoe lenha alguina pratica de
    nesjocio : a tratar a rua Primeiro de Marco n. 17;
    loja._______________^^ .
    A(}oegiie.
    Aluga-se o bem conhecido e afreguezado
    acoujiufi '!> pateo do Paraizo : a tralar na rua do
    Crespo, loja do Passo, junto ao arco de Santo An-
    ,onio.
    COiVfPBAS
    CopKa-se
    amsitionos arrabaldes desta cidade, onde pa*e
    Imha de bioda : a tralar m n da Impwadw a.
    48, arnuijg ^^ -mr-^- -+*.-
    V.NDAS.
    Vende-se uroa excellent casa construida a
    moderna, com frente de azulejo, e un grande 8|-
    lio e um grande sitio com uma casa ; tudo
    na margem da eelrada real em Jaboatao e tendo
    o sitio boas proporcdes para ediflcacao : a tratai
    em Jaboatao com Bernardo Goncalves dos Santos
    ou na rua de Marcilio Dias n. 16.
    Vende-se um cabriolet ioglez de duas rodas
    e com quatro assentos, e um exceilenle cavallo
    para o mesmo: para ver, na cocheira a rua da
    lloda, e a tratar, a rua Diroita n. W.
    Beltrao & Filhos
    Teem para vender no sea oscriptono a
    Commereio n. 5, o seguinte :
    AGUARDENTE de cajd: caixa do 12 garrabs.
    t de laranja, idem idem,
    ARCOS de pao para barril.
    CAL
    cako
    de.
    f
    Na rua do Vigario n. 23 ha para vender-se la-
    tas de oito liforas com torresmos, morcilhas e lia-
    iguicas, chegados nltimamente da ilha .de S. Hi
    guel.
    Cohr-e e latao,
    Compra-se cobre, latfio o chumbo velho :
    no arm.-ispm dabola amf.rella travessa da
    rua dr j^i peirador.________________^______
    ~- que'saiba rzin*iar o ordm.Tio de uma casa": a
    trater oa-rua de Alegfmi n. J.___________
    C"tajri^j.iiu(a6 veaeziaoas aovs-ou<
    coaalgnta-4is, oue estejam tado: oa *oa -do'BarSo da"Viebwrm n. S.'befra dp s!
    Fiimlicilo da Aurora
    Grande sortimento de:
    Moendas de todas as qualida-
    des e taraanhos.
    Tachas fundidas e batidas,
    idem.
    Rodas dentadas e angulares,
    idem idem.
    Machinismo, idem.
    Varandas, gradeamentos pa-
    ra jardim, etc, etc.
    Tudo sevende por pre^os
    muito em conta para aca-
    bar.
    N.B.
    G. Starr AC, em liquida-
    cao, na fundi^ao da Aurora,
    em Santo Amaro.
    DE
    Algoddo da Bahia
    Ha para vendor das seguintes fabricas :
    S. Salvador.
    Conceii;ao.
    Vatenea.
    ModeJo.
    No escriptorio de Luiz Duprat, rua do Commer-
    eio n. 34, 1 andar.
    Xarope d'agriao do Pard
    Antigo e conceituado medicamento para
    cura das molestias dos orgaos respiratorios,
    como a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
    applicado ainda com optimos resultados no
    escorbuto.
    Iiicjclopedia moderna
    ou
    Biccionario das sciencias, lettras, artes, in
    dustrias, agricultura c commereio
    50 roll! nes.
    A' venda por prero o mais commodo pos-
    sivel, na livraria Academica
    BUADOIMPERADOR.
    CAFE DO RIO.
    Tern para vender J. S. Carneiro da Cu-
    nha, cm seu escriptorio & rua do Encanta-
    mento n. 5, 1." andar.
    fflEIAO
    A loja do Passo recebeu riqui-simos cortes de
    tarlatana prateados, proprios para bailes, fachas
    de seda de lindisaimns gostos, e diversos artigos
    proprios para genhora : na rua Primeiro de Mar-
    co (antiga do Crespo) n, 7 A.
    LNGERII1II!
    Para atlender aos numero-
    sos pedidos esti resolvido a *
    vender suas afamadas macbi- \
    nas de costura
    A
    ,
    NA
    1
    CASA AMERICANA
    'ii! Una do liiipcrador 45
    !
    1
    '__ 1.1 !-
    ATTENCilQ.
    UMA MOBILIA.
    Vende-se uma mobilia de amarello em perfeito
    estado a Luiz XV : const ndo de um sofa, uma
    jardineiaa, um par de consolos, 12 cadeiras de
    guarmcao, duas da braco e duas de balanco ;
    (|iiem quizer fazer neg..cio, dirija-se a rua Direila
    n. 3 I' andar, que achara com quem tratar.
    Fiado!
    Rua do Barao n. Victoaia
    n. 22.
    0 proprietary do estabelecimeato Bazar Uni-
    versal tendo de transferir o mesmo para outro
    ingar e tendo grande deposito de Machinas de
    cuiura de todos os autore, resolveu vender a
    PrtAZO, modiante a eonveocao que .e pnder fa-
    rer com os preteudenles : a rna do Barao da Vic-
    toria n. 21
    Novo estabelecimentode
    cera.
    Na cidade da Victoria, a rua da Tmperatriz n.
    48 A, vende-se e troca-se cera de toda qualidade,
    a qual se aflian;a por ser feita na terra, e o seu
    autor foi premiado Da exposi;ao de i860.
    Rua do Cabuga n. 11 A.
    Vendo-sc am escravo nWico proprlo para enge-
    nho on padaria, poroprcco muito em conta.
    CHAPEOS de sol, para homem e senhore,
    de niarfna a ftsso.
    FEIXES de ferro. para aorta.
    FIO de algodao da Bahia, da fabrics do commen-
    mendador Padrozo.
    LINIIA.de rorizT^-^
    OBRAS de palheta.
    PANNO de algodao da Bahia, da fabrica do com
    mendador Pedrozo.
    BJBTROZ de todas -as qualidades, das fabricas de
    Peres e Eduardo Militao.
    ROLHAS proprias para botica.
    SALSAPARRILHA do Para.
    VELAS de cera de todos os tamanhos.
    VINHO engarrafado do Porto, caixas de 12 gar-
    raias.
    ' < dito Moscate do Douro, idem idem,
    t dito Setubal, caixas de 1 e 2 duzias.
    c da Italia engarrafado, caixas de 6 gar-
    rafas,
    t 4e Collires saperior, em aneoretas.
    de eaju, caixas de 12 garrafas.
    c Halvasia do Douro, caixas com IS gar-
    rafas.
    Careavellos, idem idem.
    Cliapeos para scnlioras.
    Amaral Nabuco & C receberaan am completo
    sortimento de chapeos de pallia de Italia, seda
    e vollndo, pratos para Into, e de cores onfeitados
    com bonitas flores e Ota : vendem no Baxar Vic-
    toria, a rua do Barao da Victoria n. 2, antiga rua
    Nova.
    Asunicas verdadeiras
    Bichas hamburguezas qne vem a este mercado:
    na rua do Marquez de ulinda n. Si.
    COMO S.\0 LINDOS!!
    Os leques todos de madreperela,. braneoa e de
    cores e que trazem o disticoUNlAO em leitra-
    tambera de madreperola em alto relevo, tor-
    nando-se por isto apropriados para noivas, a NO-
    VA ESPERANQA a rua l tuque de Caxias n. 63
    (antiga do Queimado) 6 quem os tem.
    Sao de tartaruga
    Os brincos, broches, meios adorecos, crazes
    coracles e cassoletas, que estao oxpostas a b6a
    escolha das Exmas. (amantes do chique) vende-se
    na Nova Esperanja, a rua Duque de Caxia;
    n. 63.
    Aos rnemnos
    A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
    S3, acaba de recober um lindo sortimento de bo-
    necas de muitas qualidades, vrndft entre ellas a-
    engracadas bonecas de borracha, assim tambero
    uma pequena quantidade de bonecas pretas que
    se tornam apreciadas pela sua novidade.
    Ebem viil
    A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
    63, lecebeu verdadeiro cimenio inglez, prepara
    Cao para concertar porcelanae bem util.
    Vesttdo perdidp
    Muitas vezes um vestido torna-se inteirainenti
    feio, somente por estar mal enfeitado : a Nova Es
    perenca a rua Duque de Caxias. n. 63, removi
    este mal; porque esta bem provida dos melhore;
    galSes e franjas de todas as cores, onde pode es
    colher-se a vontade sobresahlndo entre estas a^
    modernas franjas mosaicas, que pela saa varieda-
    de de cores, flea bem em quasi todas as fazendas
    A ella antes que sc aoabem.
    CabeUos bruncos sd tem quem
    quer
    A Nova Esperanca a rna Duque de Caxias n.
    63, acaba de receber a verdadeira tintura de Des-
    nous para tingir os cabellos, o que se eonsegue
    (empregando-a) com mnita facilidade, e por este
    motivo, cabellos brancos so tem quem quer.
    Estao na moda
    Ov cinturdes de conro, proprios para senhoi *s,
    qne recebeu a Nova Esperanca a rua Duque de
    Caxias n. 63, estao, sim. senhora, estao na moda I
    Se quereis ter ou preparar um ramalhete de
    cheirosos cravos braacos para o vosso casamento
    ou para outro flm apropriado, e necessario tr a
    Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n. 63,
    que alii eneontrarcis os meldores ports bouquets
    que se pode descjar.
    Bolas de borracha
    Vendem-se de todos os tamanhos a rna Duque
    do Caxias n. 63, na Nora Esperanca.
    Para acabar
    ..Vende-se uma pirgao de casacs do.pombos, sen-
    do a tnaior parte dc^ raca (grandes) por preco mo-
    (lico a tratar na rna do Vfgario n. 26, ou rua do
    Barao do Triumpho (antiga do Brtta) n. 21
    Veude-se um siiio no Charon, jdnto ao sitio
    de Slbnqo'erqne MeUo, eom oflO pal-
    d Francisco
    mos de fnndo e 138 de-'frehte, om bastantas ffuc t#r
    terras e eh.io proprio : a tratar no largo darfe awMinu
    Vende-se
    um vapor de forca de cinco cavallos, novo, proprio
    para qualquer mister, com -bronzes de sebresa-
    lentes, por preco cammoxlo: para ver, noarma-
    zem do Barao do Livramento, e tratar i rua do
    Torres n. 32; 2-aaerar.__________
    Rua k Crespo.
    (tiiliiiiii a vender hirato pura
    npiirar muito
    Brins de linho de core! (pechinehn) a U200 a
    vara.
    FuBtao braneo para roupa de menlnos a 560 rs.
    o covado.
    Lazinhas esiweezas a 240 e 280 rs. o covado.
    Alpacas com Fistras a 500 rs.. covado.
    Brins pardos o de cores a 400, HO e 500 rs. o
    covado.
    Brin lona hranc > a 44600 a vara.
    Cambraias pretas para luto a 240 rs. o covado.
    Cri-tone de listras a 440 rs. o covado.
    Chitas roxas a 200 e '240 rs. o covado.
    (iro.-denaple preto de cordao a 24400 e covado.
    Cobertas de chita adamascada a 3*300.
    Colchas brancas e de -cores a 34500 e 4 J.
    Len;oes de bramantc a 24-
    Ditos dealgodSo a *4ino.
    Toalhas alr?-.i*oa}as a 64 a duzia.
    Lencoe de caBM com barra a 44 a dazia.
    Ditos de dit.i abainhados a 24.
    Ditos do esgai.-lo a 35500.
    Cambrai?lisa a 34 o 44300.
    Dita Victoria fina a 3*800. .
    Atoalhado a 24 a vara.
    Cottes de cn^emira Una a SJ.
    Fustdas de ceres-a 9 o corte,
    Charles de merino-liso a 2>.
    Ditos de dito estampado a 44, 4*300 e 54000.
    F.-guiao flno a 24 a vara.
    Hrim preto tr;mcado a 24 a vara.
    RramaMe de alfodan a 14600 a vara.
    Dito de linho a 24800 a vara.
    Cambraia dc Imho de cdrss a 360 rs. o covado.
    Algodao T a 54 a peca.
    MadapolSes baratos.
    Metins
    Proprio para ve?tidos, o que ha de mais gosto.
    padroes inteiramento novos, pelo diminuto pfeco
    de 408 rs. e covado : aa rua do Crespo n. 20, loja
    de Guilherme & C.
    Chegou esta fazenda. seado liridos padroes, e
    vende-se pelo diminuto preco de 200 fs. o cova-
    do ; somente na rua do Crespo n. 29, loja de Piui-
    Iberme 4 -C
    S6 na rua do Cregpo ^n. 20.
    Ivoja de
    Guilherme & C.
    lit) it


    BAZAR
    Boa do Barao da Victoria u. 22.
    BE
    Carneiro Vianiiii.
    ?A,' este grande estabeleciraento tem che-
    gado um bom sortimento de machinas para
    costura, do todos os autoros mais aeredita-
    dos nltimamente na Europa, cujas machinas
    sao garantidaa por um anno, e tendo um
    perfeito artista para ensinar as raesmas, em
    qualquer partedesta cidade, como bem as-
    sim concerta-las pelo tempo tambein d'um
    anno sem despendio algum do comprador.
    Neste estabelecimento t.mbem ha pertenijas
    para as mesmas machinas e se suppro qual-
    quer pe^a ,que seja necessario. Estas ma-
    chinas trabalham com toda a perfeicao de
    um e dous pospontos, franze e borle toda
    qualquer costura por fma que seja, seus
    precos sSo da seguinte qualidade : para tra-
    balhar a mao de 309000, 405000, 3350001
    e 50^000, para trabalhar com o pc sao de
    80^000, 90O000, 1003J000, IJO^OOO, I
    1205000, 1309000, 1509000, 200:000 e
    2509000, emquanto aos autores nao ha al-
    teracSo de precos, e os compradori's poderao
    visitar este estabelecimento, que muito de-
    verlo gostar pela variedade de objectos que
    ha sempre para vender, como sejam : cadet-
    ras para viagem, malas para viagem, cadei-'
    ras para solas, ditas.de balanco, ditas para
    cjianca (alias), ditas para escolas, costurei-
    ras riquissimas, para senhora, despensaveis
    para cruuicas, de todas as qualidades, camas
    de ferro para homem e criancas, copachos,
    espelhos dourados para sala, grandes e pe-
    quenos, apparelhos de metal para cha, fa-
    queiros coin cabo de metal e de marfim,
    ditos avulsos, colheres de-metal fino.condiei-
    ros para sala, jarros, guarda-comidas de
    arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
    para forrsr salas, lavatorios completos, ditos
    simples, objectos para toilette, eoutros mui-
    tos artigos que muito devemagradar a todos
    que visitarem este grande estabelecimento
    que se acha aborto de-.de as 6 boras da ma-
    nhi ate" as 9 horas da nouto &
    Rua do Barao da Victoria
    Nenhuma machina
    Singer e legitima se
    nao levar esta marca
    fixa no .bracjo da ma-
    china.
    Para evitar falcifi-
    cacjoes notem-se bem
    todos os detain*? 4a
    maroa.
    AS MACHINAS PARA C
    DE
    SINGER
    NAO TEM RIVAL
    MAIS DE DM TWLBSO TEM-SE VEMHDO
    Porque?
    Sao as melhores
    Sao as mais baratas
    Sao de dous pospontos
    Sao mais simples e rapidas
    Sao duraddras e aperfugoadas
    Sao util cm uma casa.
    A

    n.
    22.
    Nao ha mais cabellos
    Itnoees.
    TINTURARIA JAPONEZA. .
    $6 e unicaapprovada pelas academias de
    sciencias, reconhecida superior a toda que
    tem apparecitto ate.hoje. Deposito princi-
    pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
    quez de Olinda, n. 51, 1." andar, e em
    todas as boticas e casas de cabellei-
    r6iro.
    MACHINA
    *
    Faz melhor costura com metade dalinha qw gastam
    as outras e fornecem mi imio de
    VIDA
    Para aquclles qne tem de snslcnlar-sc
    Querem agradar a yaya ?
    Querem agradar desposa?
    Querem agradar a faiha?
    COMPREM DMA*
    MACHINA I)E SINGER
    a\11M
    Nenhuma casa estd completa sem uma
    MACHINA DE SINGER
    Sem caixa 809000. Com cnixa"909000
    UNICA AOENUA
    EM

    I-
    De forca de d-ms a seis cavallos : a venda no
    armazem de Joanuim Lopes Macbado & C, tr-a
    vessa do c'orpo Santo n. 25.
    Cal^ado estrangeiro.
    Aproxima se o mez de dezembro, tempo em
    .iue o Paris na America, a rua Duque de Caxias n
    S9, l." andar, tem d9 dar o seu balanco, por este
    motivo, os proprietaries deste estabelecimento es-
    tao resolvidos a vendereoi seus calc.dos pelo cus-
    to, aflm de minorarem o trabalho ; assim pois os
    apreciadores do bom, e com especialidade o sexo
    imavcl, para qnem o Paris ua America, conserva
    com a devida decencia) o seu gabinete reserva-
    do, para a escolha de calcado, aproveitem e ve-
    aham mnnirem-se do que precisarem. _______
    A CASA AMERICANA
    45 RUA DO IMPE1UD0R 46
    Grande novidade.
    S 6p:ir;i o 43
    Vierani no ultimo vapor, baptistas flnas com
    barras, gostos ctiinezes, pelo diminuto preco de
    500 rs. o covado : a rua do Queimado n. 43.
    Las com lirtras assetinadas, ultimo gosto a
    14000 o covado : so o W a rua do Queimado
    Baose amostras.
    Labyrinllios. bkos, rendas.
    No escriptorio de Gomes de Mattos, Irmaos, d rua da Cadeia
    do Recife n. 40, 1. andar, 6 o unico deposito do que ha de
    melhor, e bem acabado, que vem a este mercado, da cidade do
    Aracaty no Co;u\i, quem os comparam com os feitos aqui na
    terra, facilmente reconhecera' a immensa difference, quo vai
    de uns para outros, tanto em prego como em qualidade.
    Lindissimas toalhas de labyrintho.
    Fronhas de diversos tamanhos.
    LeiHjos do todos os precos. .
    Bicos e rendas emprofuzSo.
    Lavas de jwfc.
    Augusto Porto recedeu pelo paquete francez
    ricos vestidos de blond para noivas, frescas luvas
    de pellica brancas, pretas e dc cores, para senho-
    ras e horaens, setim cur de cafe para enfeites
    de vestldos. bonrtaas e capas de la para senho-
    ras e muitas outros artigos que vende por barato
    prego : na rua 4o Duque de Cariaa n. 151.
    m
    uma casa bem construida de' ferro e madeira,
    situada era Sam'Anna, perto da estacao da estra-
    da de ferro : irata-e com os Srs. Shaw, Iiawkes
    fir C., rua' do Bom lesns n. 4.
    Bana0rm 'Ofinda.
    ssdcal
    eGu
    FnrtAjte baa a.
    ^rtl CTW3a : hVl
    <9HWirg 'fmiga no
    io Amaral & C
    UTILIDABE
    Sondas de Beniqu4
    Sio e-tas as niclliores sondas para a dilatacao
    la urethra, nao so pela facilidalc na applicacao,
    eoaio taiubem pelo pouco incommodo que produz
    as doenlc, tendo a vantagem de uma longa dura-
    {j;io. Enconiram fe a venda na pharmacia ame-
    ricanfl, rutr-Otique tie Gaxias-n. f7.
    TASSO IRMAOS &C.!.
    Vende-se
    Em seas armazens & rua do Amorim
    n. 37 e caes do Apollo n. 47,
    tem para vender por pregos commodos
    Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
    Canos de barro para esgoto.
    Cimento Portland.
    Cimento Hydraulico.
    Machinas de descarogar algodSo.
    Machinas de padaria.
    Potassa da Russia em barril.
    Phosphorus de cera.
    Saga em garrafSes.
    Sevadinha em garrafSes.
    Lentilhas em garrafSes.
    Rhum da aJmaica.
    Vinho do Perto \elho engarrafado.
    Vinho do Porto superior, dim.
    Vinho de Bordeaux, dito.
    Vhrtto de Scherry.
    Vinho da Madeira.
    Poles com lingua? e dobradas inglwas.
    Lic^res linos sortidos.
    Cognac Gauihier Freres.
    Latas de toncinho inglez.
    Barris com repofho em salmoura.
    trastes de jaearanda e amarello corn pouso ut..
    em perfeito eslado, e fambem um meio apparell.t
    | de louca para jantar e um dito de porcelana, fino,
    braneo, para almoco. Vendo se por ter o dono d
    se retirar para Europa : na rua da Imperatri:
    n.54 A.________________________________
    Potassa da Russia em meios
    barris a 509 rs. o ktto
    Desemharcada ha poucos dias : vwda>se 'a*-
    escriptorio de Oliveira Pilhos C, largo do Corpt
    Santo n. 19.
    Machinas
    Contra erysipela
    viafli fa#iaF vtttnc^
    , Meiaffdebonracha,- iwMo em ed, nieb rema-
    Ao contra a oryripda das pemas: a venda na loja
    I Mo Galo Vigilante a rua do Grespo n.7.
    J. 0. C. Dovle.
    Tem para ve 11' :
    Cognac de Hennessy, superior e verdadeiro.
    Vinho Xeres das mefhores qualidades.
    Bitters de Angostura.
    mhtty.
    Cha preto em Iatta3 de 10 libra?.
    Tolas as preparacoes chinjicas do lr. Aver: no I
    armazem da rua do Commereio n. 38. 0
    Por baratos precos para descarogai algodao.
    12, li, 16, 20,25, 30 e 33 serras.
    Cunha 4p Manta
    VENDE-SE ~
    barris com carne dc vacca e de po*t, "tiff**
    para nrantimentos do navtos : no armazem*?"Wi-
    o Irmaos & (1 a rua do Amorim n. 37. _____
    Vende-se
    nma easa m vitta dte Barfeiros. na rua (to'-CtM-
    merrfo, por preco modico : a tralar etfm Tasaa
    Irmaos a C.
    .----------------------------------.I

    Cai
    do'Ric Janeiro : t*ride-?e a rtia do' Ylgarto, -
    iUHnn. 16.

    IIEBfVH
    j.^,*.i..i;- -,-->.





    I
    !?***
    w-^ -ww-o-*^
    '*"
    PPWP
    rnm,
    w
    Mta

    WMwai" ^-.-ip-wwi
    Diario Je Pfcrtkaintmeo- Qriito<&irB 29<4ft
    -*-
    ?
    I
    _

    DE HOWE
    MS P0SP0NT0S
    SOARES LEITE, IRMAOS
    UNIGOS AGENTES
    A'
    Rna do Barao da Victoria n. 28
    la maifl simples, as mais baratas e as meihores do mundo!
    Ra exposi^io de Paris, em 1867, foi concedido a
    F.lias Howe Junior, a medalba de ouro e a condecora-
    Qao da Legiao de Honra, por serem as machinas mais per.
    feitas do nauado.
    ranis PARAoosroai
    A 25##$0(e 45#000.
    mm mrarros
    Nalojade Soareg Leite IrmaoSy & rtia d!o Barao da
    Victoria B.2&

    A medalha de ouro, conferida a E,
    Estados-Unidos por ser o inventor da
    tura.
    Howe Junior, nos
    macbina de
    cos-
    pc.llija con) pequcno toque,
    para oc-llele, grande sorti-
    A medalha de onro na exposi^io de Londres acredilam
    estas machinas.
    A 908000
    Cabo-oos o deter de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
    tork, estibelecen nesta cidade i rua do Bar5o da Victoria n. 28, um deposito e agencia
    aeral, para em Pernambnco e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
    **a de Howe. Estas machine s sao jusU mente apreciadas pela perfeicio de seu trabalho,
    mpregando uma agalba mais ourta com. a mesma qualidade de linha qoe qualquer outra,
    * pela introduocSo dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actnalmente habilitados a
    fereeer so exame publico as meihores machinas do mundo.
    As vantagens destas machinas sao as seguirdes:
    Pnmeira.O publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
    drcumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
    - ciao.
    Segunda.Contera o material preciso para reparar qnalquer desarranjo.
    Tertwira.Ha nellas manor fnccdo entre as diversas pec,as,
    o que nas outras.
    Quarta.Formam o ponto como se fdra feito a mao.
    Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o qoe se nao consegn -
    at outras.
    Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um a outro lado,
    logo em seguida, sem raodincar-so a tensao da linha, cozem a fazenda mais
    '.na.
    Setima.O compressdr e* levantado com a raaior facilidad?, quando se tem de mudar
    aguiha ao comecar nova costura.
    Ottawa.Muitas companhias de machinas de costura, tem tido epocas de grandeza e
    tocadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi descct-hecidas, outras soffreram
    nudancas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
    idoptando a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
    ogmentaclo o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto que faca 600 machinas
    or dia.
    P-ada machina acompanha livretos com instroccSes em portuguez.
    A 9(^000 A 90d000
    SOARES LEITE, IRMAOS
    A'
    do Barao da Victoria n. 2 8.
    Luvas de
    a 200 rs.
    Abotoaduras
    mento a 120 rs.
    Caixa de linha de narca, a 200 rs.
    Lamparinas i gaz, dando uma luz muito
    boa, a 19000. ', -
    Duzia de pecas de corcllo imperial, a
    240 rs. ^^ ^
    Caixa de botfies de osso para calca, a
    200 re. "
    Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
    600 re.
    Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
    Maco de IIta chineza, a 800 rs.
    Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs.
    Moios aderecos cOra camafeu, a 500 rs.
    Garrafa de tinta roxa extra-fina a 1000
    Potes com dita ingleza, preta, a 100 e
    160 rs.
    Caixa de pennas Perry, muito boas, a
    12#00.
    Idem idem, a 400 rs.
    Caixa de enveloppes larjados, a 500 rs.
    Idem idem forrados, a 700 re.
    Caixa de papel amisade, beira dourada,
    a 800 rs.
    Idem idem idem lisa, a 600 re.
    Duzia de talheres cabc bronco, 2 %, a
    5*000
    Resma de papel pautado, a 49000
    e 59800.
    Idem idemliso, a2800, 398006 59000.' tores.
    Coques modernos, a 39000. Lindas e elegantes caiainhas com perluma-
    Duzias de pecas de trances de caracol rias, proprias para preseiUes, dos autores
    E. Codray, Rieger, Gelle" Freres, etc.
    Espethos de moldura du*ada, de lodta
    os.taioanhos e precos.
    PRFUMAilIAS< E MfUDEZAS, '
    Frasco com oleo Oriza verdadewg. a
    19000*
    Idem com toaico de Kemp, verdadeiro, a
    19000.
    Garrafa de agua florid* vexdadeira a 19200
    Garrafa d'agua japouexa, a 19O00.
    Idem idem divina, a 19000.
    Idem idem Magdalana (nevidadel a
    192W).
    Caixa de p6s para denies, a 200 re.
    Idem idem de p6s coinei, muito boa, a
    500 rs. e 19000.
    Pole com ooiala de Rieger, Riaial e Gros-
    cel, 19000.
    Duzia de sabonetee de amendoa, a
    39600.
    Duzia de sabonates de anjinho transparen-
    tes, a 29200.
    Idem idem com flores, a 19500.
    Sabonetes Glycerino transparentes, a.
    19000.
    BfCaixa com sabonetes, formate de fructas,
    aI90O0 e10500.
    Cosraeticos, graudes e pequenos, a 100 e
    800 rs.
    Frasco coniaguado colagne, a 200, 320,
    500 rs. e lf)000.
    Extractos muito finos dos m> 1 bores au-
    com santos e estampas scpara-
    branca, a 400 rs.
    Idem idem lisas, a 200 rs. Quadros
    Lcques deosso e sandalo, a 29000, 49 das.
    e 69000. Entremeios e babados taransparontes ta-
    Fita de velludo de todas as cores e largu- pados.
    emenosrapido estrago ras. | Uma grande laboleta propria para, qual-
    Microscopios com 12 vistas,|a 69000. quer loja.
    Frasco com oleo para machina a 400 rs.
    Rua do Barao da Victoria 11.28
    DO
    BAZAB
    Rua
    NACIONAL
    N. 4Rua do CabugaN.
    JOSEPH KRAUSE & C.
    GOMES DE MATTOS a HfflAO
    Avisam ao respeitavel publico desta cidade que o sortimento de ioias, de subido n
    lor, qae existia em seu estabelecimento, esla completamente refor^ado com o mais ele
    gante sortimento de novas joias, que receberam directamenle pelo ultimo vapor da Eu-
    ropa, constando elle do mais variado sortimeDto de aderecos & Boulevard, pulseiras dc
    ultimo gosto com pedras praciosas o sem ellas, brincos d'argola, agraffes para relogic de
    senhoras, delicados aderecos para menjnas, meios aderecos de camafeu lindissimos, voltaf
    de nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de platina, variada quantidad*
    de botoes para punhos e peito, com emblemas magonicos, de onix, tecido de ouro, caira-
    feu, etc., brilhantes moustros de rarissimas agoas, era auueis, rozetas, pulseiras, alfii e-
    tes e botSes, o outros rauitos objectos do ouro de meihores fabricantes de Paris, que s*
    venderSo com grande reducfjfio de precos, por serem elles recebidos directamente de seii
    committentes.
    Os proprietaries do acreditado MUZED DE JOIAS, tendo seu estabelecimento aberh-
    ate 8 boras da noute, convidam as familias que se quizerem prover de lindas joias,
    virem escolbe-las d vontade, para o que es'ij em ejposijSo nos mostradores.
    da Imperatriz n. 72
    DE
    Lonrenco Pereira Meudes Guiraaraes
    Declara a seus freguezes que tem resolvido vender o maisbarato que for possivel.
    saber
    CHITAS A 160 E200RS.O COVADO.
    Vende-sc chit as francezas largas com to-
    que de avaria, a 160 e 200 o covado. Di-
    tas lirapas a 240, 280 e 320 rs. o covado.
    CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
    Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
    o covado.
    LASINHAS A 200 RS.
    Vendo-se iSsinhas de cores para vestidos,
    a 200, 360, 400 e 500 rs. o covado.
    ALPACAS A 400 RS.
    Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
    640 e 800 rs. o covado.
    COBERTAS DE CHITAS A 19600.
    Vende-se cobertas de chitas de ceres, a
    19600 e 29000. Ditas de pello a 19400.
    Cohas de cores a 19200, 29500 e 49500.
    CHILES DE LA A 800 RS.
    Vende-se chales de la de qundros a 800
    rs. e 19000.
    Ditos de merin6 a 29, 39, 49 e 59000.
    CAMBRAIA BRANCA A 89000.
    Vende-se pe$as de cambraia branca trans-
    parentes e lapada, a 39, 39500, 49, 49500,
    59 e '3900-3.
    SAIAS BRANCAS A 29000.
    Vende-se saias brancas e de cores, para
    senhoras, a 29000 e 29500.
    B0NETS A 500 RS.
    Vende-se bo nets pretos de seda para ho-
    rcens, a 500 rs. Chapeos de pallia, pello e
    massa, a 29, 29500, 39000 e 49000.
    MADAPOLAO A 39000.
    Vende-se pec^s de madapolao enfestado a
    39000. Ditos inglezes para Q3 precos de
    49, 49500, 69, 69000 e 79000.
    ALGODAO A 39500.
    Vende-se pegas de algodao, a 39500, 49,
    e 59000. '
    BRAMANTEA 19600.
    Vende-se bramante com 10 palmos de
    "argurs para lencol, a 19600, 29 e 29500 0
    metro.
    GRANDE LIQUIDAQAO DE SABONETES 280 RS.
    Vende-se uma grande porglo de sabone-
    les inplezea, a 200 rs. Ditos franeezes c-jta
    cheiro a 320 e 500 rs.
    Agna de oolonia, a200, 320 b 500rs. 0
    frasco para liquidar, e outros extractos
    muito barato.
    CORTES DE BRIM DE CORES A 19500.
    Vende-se cortes de brim de cores par
    calca, a 19500 e 2S000.
    BOTINASA39000.
    Vende-se botinas para senhoras, a 39000
    39500, a ellas antes que se acabem.
    ROUPA FE1TA NACIONAL.
    Vende-se camisas brancas, a 1960O, 2a
    29500, 39000 e 49000.
    Calcasde casemiras de cores, a 59, 69
    79000.
    Pali tots de casemira, a 49, 69 e 89000
    Seroulas a 10 e 19600.
    BRIM DE CORES A 440 RS.
    Vende-se brim de todas as cores a 44*
    rs. 0 covado.
    LENQ0S BRANC0S A 29000 A DUZIA.
    Vende-se a duzia de lencos brancos, .
    29000. Ditos com barras de cores a 39001
    Ditos de linho a 59000.
    TOALHAS A 800 RS.
    Vande-se toalhas para rosto, a 800 r.
    19000.
    GRAVATAS DE SEDA PRETA A 500 Rs
    Vende-se gravatas de seda preta, a
    re. cada uma.
    CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
    Vende-se chita para coberta, a 280 e i*
    re. 0 covado.
    BONETS PARA MENINOS A 19500.
    Vonde-se honetes para meninos, a 1950*
    ESPARTILHOS PARA SENHORA A S95W
    Vende-se espartilhos para senhora,
    89500.
    11
    A 800 RS. 0 COVADO.
    Vende-se granadines com listras de seda
    para vestidos de senhora, a 800 rs. e 1900(
    0 covado.
    COLCHA* DE CROCHET A 69000.
    Vende-se ricas colchas de crochet para ca
    mas a 69000.
    PANNOS DE CROCHET A 19500.
    Vende-se pannosde crochet para cadeiras
    a 10500e 29000.
    CASSAS PARA CORTINADOS.
    Vende-se Decas de cassas para enrunados
    com 20 varas, a 109000 e 129000, e outra.
    muitas fazendas em liquidacao.
    31DROGARIA HOMEOPATHICA
    DA
    II Rua do Imperador 41
    Os proprietaries deste estabelecimento, no intufto de Ihe conservarem os ere-
    ditos de primeiro neste genero, continnam a esmerar-se na prepara^ao escrupulosa
    de seus medicamento?, podendu garantir ao respeitavel publico desta cidade t in-
    terior que sao rigorosamente observadas todas as regraa pharmaoetogieas. Outro
    sim, que com 0 me.-mo flm acba-se a testa do estabelecimento, tendo a seu cargo a
    inspeccao de suas preparacoes e direccao do consultorio, 0 acreditado medico ho-
    meopatha Dr Jesnino Augur to dosSantos Mello.
    Tem todos os medieamentos espeoiaes para bexigas e os considerados pre-
    servativos: assim tambem, os medieamentos da sua drogaria em todaa as dym
    nanisacoes conhef idas e mais usadas.
    Carteiras homeopaticas de 12 a 120 medieamentos em tinturas ou globulos e
    a excellente obra do Dr. Mure Medico do Povo em 3.' edicio.
    igoa fforida, de Guislafo,
    para fazer os cabUo& pre-
    tos.
    A aguia branca, i rma Ba aeaia.de roceber nova remessa da apreciavel agua
    florida para fazer os cabellos pretos. 0 bom re-
    sultado colhido por quem tem feito uso dessa
    laelsnslva proparafio a tem ahamente conceitua-
    d% por iaao apeus m fax lembrar a quem no-
    vaeau delta precise e queira se aprovei tar dt
    saa utilidade. Tambem veio agua de topasio t
    oleo florido para 0 mesmo uso, e tio acreditados
    como aqaeHa.
    Voltas e brincos de grossos
    aljofares de c6res.
    A aguia branea, a rua do Duque d 1 Caxias n.
    SO, rccebeu novas e boniUs voltas e brincos d
    groason aljotares da cores, e como sempre conti-
    nua a vende-las per preco commodo.
    Navos diademas dourados e
    com pedras.
    A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n.
    50, recebeu novo sortimento de bonitos diade-
    mas doarados e com pedras, tanlo para meninas
    como para senhoras.
    Cblleccoes de traslados ou
    normas para escrever-se.
    A aguia branea, a rua Duque de Caxias n. ISO,
    receben novas colleccoes ou normaa para as crian-
    cas aprenderem a escrever por si mesmo, hoje Uc
    usadas nas aulas e collegios; e como sempre ven-
    de-as por pr&;o commodo.
    Meias cruas finas para meni-
    nas e senhoras
    A loja d'aguia branra, a rua Duque de Caxias
    n. 50, reeObeo novo sortimento daquellas tao pro-
    ouraaas meias cruas uara senhora, viado igual-
    mente para meninas, e continua a vende-las por
    precos commodos.
    Veos ou mantinhas pretas.
    A loja da aguia branca, a rna do Duque de Ca-
    xias a. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
    pretas de seda com (lores, e outras a imitaelo de
    eroche, e vende-as pelos baratos precos de 34,
    4J e 6^000. A fazenda e boa e esla em perleito
    estado, pelo que eontinua a ter prompta extrac-
    cio
    Perfeita novidade.
    Grampos com borboletas, bezouros e gafa-
    nhotos douredos e coloridos.
    A loja da aguia branca, a rua do Duque de
    Caxias n. 50, receben novos grampos com bor-
    boletas, bezouros e gafanhotos, 0 quo de certo i
    perfeita novid-de. A quantidade e pepuena, e
    por isso em breve se acabara.
    Novas gollinhasoraadascom
    pelucia ou arminho
    A loja d'aguia branca a rua Duque de Caxias
    - 80, recebeu uma pequena quantidade de boni-
    s e novas gollinhas, trabalho de la e seda, en-
    neitadas com arminho, obras estas de muito gosto
    e inteiramente novas.
    Grampos, brincos e rozetas
    dourados.
    ' A loja da aguia branca, a rua do Duque
    Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos gram-
    pos, brincos e rozetas dourados ; assim como
    novos diademas de aco, e como.sempre conti-
    nua a vende-los por precos razoaveis
    Caixinhas com p6s dourados
    e prateados, para cabellos.
    Vende-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn-
    Et de Caxias n. 50.
    uvas de pellica pretas e de
    outras c6res.
    A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
    xias n. 50, recebeu novo sortimento de luvas de
    pellica, pretas e de outras cores.
    Rape Rocha
    a 14000 a libra : na rua do Vigario n. 7. primei-
    ro andar.
    "
    Fazendas fine

    NA
    Rua \. de Marco r. 7 A.
    hoje.
    cores, par:. s-
    DE
    Cordeiro 8imoes & C.
    E' esta casa, sem duvida, uma das qiie
    pode com primazia apresentar aos sens fregiezes
    um variadissimo sortimento de faaecdas Unas pa-
    ra grande toilette; assim como, para o uao ordi-
    nano de todas as classes, o por prr^.s vaiiiaio-
    sos para os compradores, de cojas farem um pc
    qneno resumo.
    aadam fazendas as casas dos pi^tendrnteB,
    para o que tem o pessoal necessario e daa smos
    Iras mediante penhor.
    Cortes de seda de lindas cores.
    Ditos de gorgurao de cores.
    Grosdenaple de todas as cores.
    Gorgurao branco e preto.
    Setim Macau preto e de cores.
    Grosdenaples idem idem.
    Veludo preto.
    Granadine. seda preta e cobsmasrt to cores, 0n-
    dissimas padrdes e fazenda da ultima uioda.
    Popelinas de lindos padrdes.
    Filo de seda branco e preto.
    Ricas basquinas de seda.
    Manias brasileiras.
    Coichas de seda para noivos.
    Cortes de cambraia branca com lindos bordiidos.
    Capellas e niantos para nnvas.
    Riquissirao sortimento de lis com Iistra3 de seda.
    Cambraias de cores.
    Ditas maripocas, brancas e de cores.
    Nansuck de lindos padrdes.
    Baptista de padroes mui delicados.
    Percalinas de quadros pretos e brancos, de Ks-
    tras, etc.
    Brins de linho de cores, proprk* para vestidos .
    com barra e listras.
    Fustau de lindas cures.
    Caeaouinhos de ia e de todas as
    nltoras.
    Saias burdada* para senhoras.
    Camisas idem idem
    Vesiuanos para meninas.
    Ditos para baptisados.
    Cliapeos iiara ditos.
    Toalhas o guardauapos adamascados de linho da
    cores para mesa.
    Colchas de la.
    Cortinados bordados.
    Camisas bordadas para hometn.
    Meias de cores para bomens e meninos.
    Completo sortimento de cliapeos de sol para bo-
    mens e senhoras, com cabo de marGm.
    Merin6 de cores para vestidos.
    Dito preta
    Atoalhado de linho e algodao para toalhas.
    Atealbado pardj.
    Brins de linho branco, preto e de cores.
    Setim de lindas cores e com listras.
    Chales de merino de cores e pietos.
    Ditos de casemira.
    Ditos de seda preta e de cores.
    Dito de tou<|uiiu.
    Camisas de linho.
    Ditas de chita.
    Ditas de flanella.
    Ceroulas de brim e algodao.
    Damasco de la de cores.
    Pannos de crochet para cadeira, sofa e ccnsoUos.
    Colchas de dito.
    Tarlatana de todas as cores.
    Espartilhos lisos c bordados.
    Foulard' de seda.
    Ca-acos a tricot.
    Riujs cortes de vestidos de linha para senln.rr
    de di ersas cores, com os competentes enfei-
    tes, ultima moda.
    Casemiras pretas e de cores, chitas, madapoCSas..,
    cambraias, panno fftio preto e azul, colrannno '
    punhos, gravatas, luvas de pellica, ditas d n.
    de Escocia, brancas e de dores, tapetes de todr-
    os tamanhos, bolsas de viagem, etc etc.
    Xa loja do Passo, rua Primeiro de Marco Oi
    A, antiga do Crespo.
    Gratis.
    Plumeria, para mord^duras de cobras.
    Sarracenea, para bexigas ( ou preser-
    Vaccina, para bexigas ( vativo.
    China cruzeiro, paia febres interrai-
    tentes.
    Schynus, para angina.
    Calendula, para queimaduras.
    Tarantula, para paralysias.
    Carnatiba para syphilis
    Consultorio homcopatluco
    Chocolate bomaopatbico d'Epps.
    Enceradode arnica.
    Pos homeopatnicos, para denies.
    Jerico, para rheumatismo.
    Matamata ou Jaeoly, para tosse.
    Espirilo de Uahneman ou de campho-
    ra.
    Cactus Grandiflora, para pneumonias
    ou molestias do coracio.
    HO
    DR. SANTOS MELLO.
    Consultas das 11 horas da manhaa 1 da tarde.
    Os verdadejros
    Vinhos de Bourgogne
    das marcas
    Chambertin
    Pommard
    Virits
    Volnay
    Beanne
    Monthelie
    Dito Bordeaux em quartollas.
    Vende-se por tartta-pre^o
    PARA LIQfJIDACAO DE CONTAS
    NA
    Rua Larga do Itowario n. #.
    Botica.
    irinazeiii do fiimo
    PARA DIA DEFIMDQS
    * it.
    SAUDADES.
    Amaral, Nabuco & C acabam de receber um
    variado sortimento de capellas funebres com as
    seguintes inscripcoes:
    A nieu pai.
    A minba mai.
    A meu esposo.
    A mlnha esposa.
    A mbu filho.
    A minha fillia.
    Saudades.
    Amisade.
    Lembranca.
    Vende'se no bazar Victoria, rua do Barao da
    Victoria n. %.
    .
    ____
    Rna da Mad re de Deus n. 10 A.
    Jose DocMBgues da Carmo a Sil va participa aos
    I seus. freguezes e aatigee sue na seu arinaaam a
    ; rua da Madre de Deus n. 10 A, se acha um com-
    Sleto sortimento de fumoem faraos de patente 1.",
    ." e 3.' sortes, dos meihores fabfitantes da ?ahia.
    e ben assim a flor de todos os fumos de cerda
    em rolos, pacotes, latas grandes e pequenas, tam-
    bem dos mui acreditados Ubricantes Torre* 4
    Araujo, Lizaur, Adolpho Schmdt & C, Lizaur
    Schmidt A C, Veigas 4 Araulo, Trindade 4 Ave-
    lar, Teixeira Pinto 4 Portem (garantido peios
    mesmoa) e de outros ainde oio conbecidna pale
    Publico desta capital. 0 annunciante declara qua
    todo fumo que for vendido era sua casa sera pelo
    seu justo valor, e qne quando garantir a respecu-
    va qualidade, sera sincero, mai particularmente
    com as pessoas que pouco entendam da materia ,
    pois para bem servir todos. tem o aaaaaeiantf
    ">nga pratica de 15 annos deste cemmercio.
    Mobilias
    Cadeiras de gnaroicSp muito barau?.
    23-Ma If trqffez te pmla -25
    ___________CCXITA A MA^TA.
    Veode um nrelo aro
    todas all perti-dcJts pa--j' tra
    tar na rna d) Marquez de Oliuda n7"iKi, loja.
    Bazar Victoria.
    Amaral, Nabuco A C receberam completo sor-
    timento de bengailas de canna. proprias para des-
    canco de velhos, de rhemnaticos, etc., etc., e ou-
    I tras de phantasia, completo sortimento de ehapeos
    .' de sol, bengailas, umbellas. etc., para senhora e
    (cano, prqueno e com para hmnaui, com cabo de marfim com flguraa de
    slhar, psra vpj* e tra-- metal, lisos, etc. etc. Estes ntels e especiae9 ar-
    tijjos vende-se na rua do Barao da Victoria n. 8.
    Lfts'e sdas.
    >{!
    Caleado fcancez
    Borzeguins de bezerro para homem a 7 JO80:
    na praja da Indepeadeuofa n. 30, loja de Porto 4
    Cambraias bordadns e outra* fazeadas-, veadeat- liastoe.
    se baratissimo, a dinheiro : a rua do Barao da
    Victoria n 9, antiga rua Nova
    I'O
    Verdadeiro biter hp^peridina, superior e acre-
    ditado "---------------

    to A^uiieTa ** T*m frTDl0s Portlaud. desembarcado no dia 4 do cor-
    rente, ninguem tem cimpato de. Portland
    muito nova e barata
    Rosario n. 34.
    w %r=~^k,^---------- cmc, iiiii^uviu tem ciraeqio ue. roruanu
    balsa parjllha- tnaisaovohem de'raelbbr qualidade: a
    vende-se na ma Jarga d ''^en ' sa da rua do Imperador.
    Mobilias baratas
    No armazem de Joaquim Lopes Machado & C
    ha nm bom sortimento de mebilias de Vienna,
    brancas e pretas, que se vendem a precos com-
    modos.
    Agoas AIcalino-Gazosas das Pe-
    dras Sal^adas.
    Villa Rouca de Aguiar.
    BICARBONATADAS-SODICAS
    Analyses do Dr. .lose Julio Rodri-
    (jaes, lente da eseola Polyte-
    baiea de Lisboa.
    Esta excellente agua usada com vaatagem no s
    padecknentos das vias digestivas, urinanas, do
    estomagw etc., etc.
    Vende-se
    NA
    Pharmacia e drogaria
    Rna larjra do Rosario n. 34.
    Rua do Barao da Victoria
    n. 22.
    Concerto de machine.
    0 proprietario do Da ar Universal de novo r.vist
    aos seus freguezes, que continua a mandar con-
    cerlar machinas de costura, vendidas em seu es-
    tabelecimento, e por pessoa muito habilitada pa-
    ra este fim, e de coufonnidade com os annuncios
    feitos por este jornal.
    E bem assim vende todos as pertencas para as
    mesmas machinas por commodo preco para os
    seus fregueies.
    E tambem previne a todos os seus treguezes
    que o Sr. Alfredo Luiz Duca$ 4 C, deixm de ser
    seu empregado desde o dia lo do correntB mez.
    Recile, 17 de outubro de 1873.
    N. 21 Rua do BarSa da Victoria N 23
    Para senhoras.
    Chapeas de sol a --00.
    Chapeos de Sol de lindas cores o cabo com pri-
    de, ultima moda em Paris, proprios para as
    Exmas. Sras. apreciadoras dos banhos em O'inda,
    e mesmo para passeios nos arrabaMes da cidade,
    pelo baratissimo preco de 2$oOO cada um ; 6 pe-
    chincha : so na loja do Passo, a rua Primeiro de
    Marco n. 7 A, antiga do Crespo
    Para meninas.
    Chapeos de sol a 24000 ; e pechineha :
    loja do Passo, a rua Primeiro de Marco n.
    antiga do Crespo.
    sona
    I A,
    4 vista desengana.
    Madapolao francez a 6#000
    a pe^a.
    Tem a loja da America madapolao francez, t>
    bom ]e vende por este preco para auabar na rua
    C doabuga n. 10, loja da America.__________
    I aixa.
    Vende-se uma taixa de cobre, pequena : no ar-
    mazera da beta amarella, na trave.-a da rua do
    Imperador.
    DE
    FAZENDAS
    Rua do Queimado n. 43, e
    pechineha.
    Lazinbas de cores a 200 rs. o covado.
    Ditas de barege de quadrinbos a 280 rs. o eo-
    vado.
    Ditas com bonitas listras de sep/a a 1^
    Cortes de vestidos i escoceza, com 15 covados
    a 7*000.
    Bap'istas de barra a 300 rs. o covado._
    Naosuc trancado de cores, propria para vesti-
    d s a MO rs a &>vado.
    Lengos abainhaJos de linho a 3*500.
    Toalhas grandes para rosto a 500 rs.
    Bramante de i larnnras, proprio para lencdes a
    1*600 a vara. e muitas outras fazendas por me-
    nes d sea valor.
    Na rua de Queimado n. 43, em frente da pra-
    cinha.
    A maqonaria desmascarada
    ou
    Coller**o de artigos-
    DO
    Echo de Roma,
    Analysando
    A circular do cap.-. Pr.\ PederacJo de 88 de
    setembro de 1871. E a pranch do Ir.1. Gomes
    Freire ao lr.*. Otto ; assim como a desto cava-
    lheiro R.\ f.: Ven.-. ao redactor do E'-no de
    Roma, dalada de Coimbra aos 16 de dezembro
    do mesmo anno, precedido de uma ca, ta intro-
    dncio e nnnotada por um redactor do fc'rao dt
    Roma. Um volume de 280 paginas. Preco i*300.
    Vende se na livraria Ecooomia ao pe do arco de
    Santo Antonio.
    Formas para assucar
    Vende-se em casa dos importaderes Shaw,
    Hawkes & C, rna, da Bom Jesus n. 4.________
    E' barato.
    BapUstas a 400 rs. o covado.
    Boas las a 410 rs. o covado.
    Alpacas de cores a 880 rs. o covado.
    Cambraias bordadas Unas a 2o**00 o corte
    Popelinas.a 1*400 o covado.
    SeJas a 2*500 o covado.
    Chales de t< uquim a 23*.
    Basquinas de gr0s a 20*
    Cohtas de fusiao a 2*
    A' rua do Barao da Victoria u. 9, antiga nu-
    Nova.
    E' barato.
    Camisas inglezas de 60* a 45* a duzia.
    Csllannhos de linho a 5* a ducia.
    Chapeos pretos finos a 10*.
    Ditos de castor brancos a nret 9*.
    Ditos de merino a 3*.
    Cones de casemira flna a 7*.
    Ditos de dita a 6*.
    "1
    .-:





    i
    -
    -H
    ^L


    8
    0**1%, de Ifentntfmoo Qui^ta .teira f$ ASSEHBtEi GEBAL

    i *
    . '*
    DISCURSO Pf OFfcRtOO NA SESSJlO DE 12 DE
    AG06TO ULTIMO PBJ0SII. DEPUTUK) PELA
    PROVXCIA l>() HAIWXA, CdNSEI.HEUlOM*'
    NOEL FRANCISCO fORHEA, ACERC.V da mis-
    sao oogeiierhI birtbolome mitre,
    enviado e\tra0rd1n.\r10 e ministro ple-
    nipotenciario ox rei'uulica argentina
    EM MISSAO Ebl'li'UAL
    Couetusio
    Ponderaudo que se tratavn de um gra-
    ve assumpto, manifostou S. Exc. o desejo de
    ter uma enlrevist'a coin o Sr. presidento do
    conselho.
    Disse-llie que, aliiu do sua posigao
    como presidents do conselho do ministros,
    6 Sr. visconde do Ilio Branco era tio co
    nhecedor das oossas questoes com a repu-
    blics Argentina que cu nio podia Jeixar de
    apreciar a enfrevista que o Sr. genera! dese-
    java, tanto inais quanto podia lor muito al-
    cance a solugio desto uegocio.
    , 0 Sr. general ficou de escrever para
    tal fim ao Sr. visconda.
    Propcz enl&o o Sr. Mitre que ficass-a adiada
    a conference, ou que eu lhe marcasse ou-
    tra depois que lhe pudcsso dar a decisio do
    governo imperial. >
    Depois de tratar do assumpto corn meus
    collegas, e de ter o Sr. general Mitre a en-
    trcvista que.clescjava com o Sr. [ residente
    do conselbo, eonvidei-o para uma eonforeu-
    cia no dia 17.
    Dessa conferencia o plonipoleuciario ar-
    gentino deu conta a seu goveruo om conli-
    dencial de 19 :
    Conlidcneial Lcgagio Argentina.Rio
    de Janeiro, It) de setembro dc 1872,
    * Sr. ministro. Como anuunoiei a V.
    Eve. em minba confidencial do 12, depois
    da conferencia que live com o Sr. presiden-
    te do conselbo de ministros do iuiperio, es-
    perei que a proposta, que elle me havia
    feito naquella occasiao, mo fosse formal-
    mente renovada pelo Sr. ministro dos nego-
    tios estrangeiros, sein dar para esse iim
    k inenor passo.
    0 St. ministro convidou-me dapois de
    alguns dias para uma conferencia, que tevc
    lugar no dia 17 no respactivo miuisterio,
    desculpandose por mo nao ter convidado
    mais cedo em consequencia do estado de
    sua saude.
    Depois disto rcnovou a propasta que
    me havia feito o Sr. presidonte do consclho,
    o f6ra aceita por mim ad referential, ro-
    cordando os tormos da minha conferencia
    de 12. 0 ministro entregou-me os projoc-
    tos de notes, que e.n original a este acom-
    pnham sob as lettras A e B, coin o que
    tendo eu dito que responderia logo que os
    estudasse, deu-se por terminada a confe-
    rencia.
    No dia 18 communique! confidencial-
    mento ao Sr. ministro o projecto de respos-
    ta por nossa parte, que junto sobre a lettra
    C, enviando lne tambem uma emeuda ao
    projecto da nota brasileira, limitanlo a ex-
    pressao e o alcance do paragrapho sagundo,
    que comega:
    0 abaixo assignado, etc.
    a No mesmo dia a tarde fui convidado
    para uma nova conferencia, que teve lugar
    no dia 1!), e nella o Sr. ministro disse-me
    que a minha redacgao linha sido aceita em
    conselho de ministros, assim como a emen-
    da por mim proposta, coin excepcao de uma
    modilicacao de phrase e troca de palavras.
    Depois de uma ligeira discussao conveio-se
    na emenda, cujos termos se acham indica-
    dosem uma parte do anuexo A.
    Em seguida o Sr. ministro dcclarou-me
    que se eu estivesse autorisado para regular
    definitivanente estu incidente, poderiamos
    desde ja tratar da questao de fundo ; pore n
    que, licando elle pendente, ad referendum,
    o governo imperial nao poderia entrar na
    negociagio, uao obstante ostar disposto a
    ouvir, pela forma que eu julgasse 'conve-
    uiente, tudo quanto eu lhe quizesse dizer
    sobre o particular.
    Neste estado de cousas cspero a resolu-
    cao definitiva de V. Exc. deorca do inciden-
    te, para dal-o por defir.itivamente terminado
    c poder occupar-me seriauiente do objecto
    do minha missao, se o governo se servir
    approvar meu procedimento.
    E' minha opiniao que o governo ar-
    gentino deve acoitar esta solugio qua, alem
    de ser reciprocamento satisfactoria e digna,
    nos da a seguranga de nos podermos occu-
    par desde ja da questio de fundo, partindo
    de bases conhecidas que promettem um ajus-
    te hon.oso e feUz. So antes, insistindo o
    Brasil ns questao de forma, tal qual apre-
    sentdra, podiamos estar autorisados a rom-
    per ou suspender a negociagio, assumindo
    elle grove responsabilidade perante o mun-
    do impartial, hoje que o Brasil nos fez uma
    nova proposta conciliatoria, em que tudo
    fica regulado pela troca reciproca do pala-
    ti^s amigaveis, que nao important senao a
    confirma(;ao do quo ja foi dito, e em quo
    ate se salva a objeccao de V. Exc. de que
    na discussao de governo a governo a nossa
    ultima palavra nao ficasse sem resposta, a
    responsabilidade que d'ahi resultasse seria
    mais nossa do quo delles; sobretudo quan-
    do a ultima palavra do Brasil 6 uma aber-
    tura formal para tratar, e sao conhecidas
    as bases sobre que estd disposto a fazel-o.
    Deu; gunrde a V. Exc. Bartholomi
    Mitie.
    Como se vd, o plenipotenciario argentino
    entregou me o projecto da nota que devia
    substituir a de 15 de julho, e bem assim a
    indi'acao da resposta que lhe pareoia dever
    ser dada pelo governo imperial, indicacfio
    que recebi como document historico, e
    para que meus collegas tivessem pleno co-
    nhecimento do assumpio para final decisao.
    Eis o que escreri sobre a conferencia do
    dia 17:
    Disse ao Sr. general que na ultima
    conferencia havia eu exposto os motivos por
    que me parecia que o seu projecto, de nota
    e de resposta nao podiam ser aceitos em
    sua integridad), que por i>so lhe offerecia
    outros project)* couformes com o pensa-
    mento geral de manutonr^ao da allianca e
    das boas relacbes entre os dous estados,
    Pedia per isso a attencao de S. Exc.
    para os ditos projectos, e, como era impor-
    tante a materia, S. Eic. podi8 ficar com
    elles e dnr-me sua resposta no dia seguinte
    is 11 boras. S. Exc. aceitou os projectos;
    disse-me que astiinava o prazo que lhe con-
    cert ia ; que, jwr raiohas palavras, se per-
    suadia de estarein os projectos de accordo
    com o C[ue e:Lpuzefa na conferencia com o
    Sr. presidente do conselho, isto e\ a base
    da reciprocidade ; que estimaria poder
    aceitar os projectos ad referendum, para
    eutao entrar na materia principal amda que
    confidencialmente, como ate" agora 'em tra-
    tado dos assumptos ie que nos temos occu-
    pado. i ser mais rndirfcreiilo, ainda quando eonoor-
    No dia soguinto o Sr. general Mitre en-. dasse com JEic.; que, sob ,o pnnia^ia
    viou-mo confi lencialmente outras copias vista de aAtfiuL pla ylSb.tin
    para 4|ue tambem com ellas nos eccunasse- J maior imjM^corao porque,
    mos da proxima conferencia, que teve lu-' um erro mffitar, considerava ser i
    gar no dia 19. 'politico.
    Sobre esta conferencia escrevi: a Que sob o ponto de vista miliur seria
    Disse- ao Sr. general que, como prova isolar uma forca naval que nao poderia ser
    do empenho do Brasil em sustentar suas reforcada em tempo de paz, se Deus nao
    anterioresdeclaracdes, iadar-lbea agradavel permittisse que crescessem as aguas do
    noticia do que aceitava inteiramente o sen Uruguay, ao passo que n6s poderiamos em
    projecto de nota por parte do governo ar- qualquer tempo estabelecer um estafeiro
    gentino. mais acima do Salto, e, em caso de necos-
    Quango & minha resposta julgava que, sidade, organisar alii uma flotilha igual ou
    dopois de tal accitac&o, devia com efl'eito maior que a que tivesse o Brasil no mesmo
    soffrer alguma modiQcag,ao no topico a que ponto, estabelecendo baterias quo nio so
    S. Exc. se referia. Por isso eu indicava protegessem esses trabalhos, como ~qne
    uma que. salvava algum inconveniente do tambem impedissem a navegagao fluvial,
    redacjao. ainda quesedesse o caso de crescerem as
    S Exc. aceitou a redaccao proposta, aguas do Salto do Uruguay.
    dizenJo que agora esperava que na) hou- Que sob o ponto de vista polrico, o
    vese mais duvida, por parte de seu gover- erro era amda mais grave, pois que, se o
    no, quanto a esta questao de forma. I Brasil se prevenia e se armava sobre nossas
    Observei eu entSo quo, nao podendo fronteiras, nosobrigjria a fazer outrotan'o,
    S. Exc, apezar de ser um ministro altamen- 'e nesse caso teriamos a paz armada, ruin sa
    le caracterisado c munido de amplos pode- para ambus, e perigosa sobretudo para o
    res, como so declarava om o projecto de'primciro, o qual, por tomar medidas pre-
    nota do governo argentino, acoitar definiti-! ventivasno Rio Grande, vio-se arrastado a
    vamente esse projecto, mas somente ad re- duas guerras em que o comprometteram o
    Votes : Muito bem Mnito bem I
    Sj- ^oanto'tei felicitam o ora-
    requenmento ;
    Reqneiro que se peoa ao governo co-
    kiia, seexinlir na se#retaria de estado dos
    negocios eatrangeiros, da nota do ministro
    das relacoes exteriores da Re[tublica Argen-
    tina de 15 de julho de 1872, a que se rc-
    fere a confldencial do Sr. general Mitre de
    27 do dito inez, publicada no relatorio da-
    quolle ministro.
    Pai;oda cainara dos deputados, 12 de
    agosto de 1873. Maniel Francisco Cor-
    reia.
    Tendo dado a hora, levaula se a scssa j.
    ferendam, ficavamos ainda em uma situa-
    i.'ao provisoria, e que, portanto, nao podia-
    mos entrar em negociacao desde ja; mas
    rjue, estando S. Exc. aqui acreditado em
    ai'.o caractcr diplomatico, nao tinha eu du-
    Barao de Jacuhy e o general Netto. Quo
    agradecendo, entretanto, suas explicacOes e
    aceitando-as para transmitti-las ao meu go-
    verno, pedia-lhe que a respeito de outros
    armamontos me desse as convenientes in-
    vida em ouvir quaesquer declaracdes que forma<;oes para poder garantir as disposi-
    coes pacificas do governo brasileiro, das
    quaes por minha parte nao tinha a menor
    entendesse conveniente fazer.
    Respondeu S. Exc. que compenetrava-
    se de minha obsorvacao; que ia escrever a
    seu governo uo dia 22, e que esperava ter
    solu^ao satisfactoria nos primeiros dias do
    proximo mez.
    A resposta do governo argentino foi no
    sentido de approvar o acto de seu plenipo-
    tenciario, e a nota do ministro das relacoes
    cxterioros da rupublica, de 25 de setembro,
    e a minha de 2 de outubro, em resposta,
    redigidas de confortnidade com os projectos
    8pprovados, sao aquellas de que o paiz tern
    conhecimento, e ostao publicadas no rela-
    torio que apresentei na primeira sessao da
    presente legislatura.
    Passou o Sr. general a tratar dos assump-
    tos especiaes de sua missao com o plenipo-
    tenciario brasileiro, o illustrado Sr. Mar-
    quez de S. Vicente.
    A camara conhece o quo occorreu nessa
    negociagao, e agora estd inteirada de tudo
    quanto a precedeu.
    Pode formsr seu juizo, e eu confi) que
    nem a camara nem o paiz exprobrarao ao
    ninistro dos negocios estrangeiros o nao ha-
    ver procurado salvar osjustos reclamos do
    opiniao nacional, e promover o melhor ser-
    vico de sua patria. (Apoiados).
    Aguardo tranq lo paiz.
    0 Sr. Leandro Bezerra : Ha de ser-
    Ihe favoravel. (Apoiados.j
    0 Sr. Correia : Tive ainda una con-
    ferencia com o Sr. general Mitre dcerca de
    um assumpto especial, e sobre ella S. Exc.
    escreveu a seu governo o que se segue :
    Legagao Argentina no Brasil. Rio de
    Janeiro, 2(i de setembro de 1872.
    A' S. Exc. o Sr. ministro de relacdes
    exteriores da Republica Argentina, Dr. D.
    Carlos Tejedor.
    a Sr. ministro Sendo hoje dia de con-
    ferencia diplomatica, fui ao miuisterio dos
    negocios estrangeiros, sem necessidade de
    me fazer annuueiar previmento, com o fim
    de pedir ao Sr. ministro algumas explica-
    tes sobre os armamentos do Brasil a que
    se refere o despacho de V. Exc. de i) do cor-
    rente.
    Li ao Sr. ministro o despacho de V.
    Exc. dirigido a esta legacao, e pedi-lhe que
    seservisse dar-me algumas explicates ami-
    gaveis s bre o assumpto, accrescentando que,
    encarregido de uma missao dc paz, corria-
    me o dever de prevenir todo o obstacul >
    que pudesse entorpece la.
    OSr. ministro Correia disse-me que
    tinha escripto ao Sr. ministro Magalhaes,
    dando-lhc a esse respeito as convenientes
    explicates, e mostrou se sentido de que, pe-
    dindo-se essas explicates, se tivesse insi-
    nuado a i lea de alguma ligacao com os
    pianos invasores dos emigrados argontinos
    no Rio Grande, ao que observei quesim-
    plesmente se assignalava uma coincidencia
    que na rtalidade podia redandar em prejui-
    zo nosso, sem que com isso se insinuasse a
    idea de connexao entre os dous pontos de
    que se tratava.
    Por essa occasiao o Sr. ministro abun-
    dou cm explicates pelo que respeita aos
    emigrados que vieram com Lopez Jordan.
    Disse-me que tinham entrado no territorio
    brasileiro 1,014 homens, quo foram desar-
    mados, sendo entregues as armas ao consul
    argentino em Pelotas por pedido do general
    Paunero, entao ministro nesta cdrte. Que
    posteriormente, em consequencia de solici-
    t n.-fio do mesmo general, fez-se delles uma
    relaeao, que lhe foi entregue.
    Que se ordenou as autoridades do Rio
    Grande que internassem us emigrados, e os
    dispersassem quanto fosse possivel, nao se
    Ibes permittindo sahir do territorio por via
    fluvial nem terrestre e sdmente pela mariti-
    ma;queest governo imperial nao tinha conhecimento
    de haver Lopez Jordan sahido do territorio
    brasileiro, como tinha visto annunciado nas
    gazetas de Buenos-Ayres.
    Dizendo-lhe que nao era este o objecto
    da minha conferencia, e convidando-o a
    dar-me as explicates que julgasse conve-
    nientes acerca do armainento, disse me:
    que, como militar, poderia eu julgar me-
    lhor do que outrem da importancia estrate-
    gica e fim dos armamentos navaes, a que
    me referia exp essamente ; que elles em
    duvida.
    Respondeu-me o Sr. ministro que oe-
    nhum armamento ertraordinario se baviai
    feito, salvo os que diziam respeito A pro-
    visao dos parques, arsenaes e fortalezas,
    medidas reclamadas pela opiniao publica e
    exigidas pela seguranca do imperio em tern
    po de paz, nao excedondo o sou exer ito do
    numero ordinario, e nao tendo em servico
    maior numero de guardas nacionaes do que
    o necessario para as diligencias policiaes.
    Estas explicagoos do Sr ministro dos
    negocios estrangeiros coincidem com os
    dados que ja possuia, e foi oor isso que em
    meu officio de 24 do corrente communiquei
    a V. Exc. antecipadamente que o estado mi-
    litar do Brasil nao era assustador.
    Termina aqui a parto quo se refere ao
    ex-mlnistro dos negocios estrangeiros, que,
    como se ve, fallou no sentido da politica,
    que o governo segue, de manter a paz, sem-
    pre que pode dignamente poupar ao paiz os
    ruinosos sacrificios da guerra, s6 admissi-
    veis quandoirnperiosamente os exigem dolo-
    rosas e inovitaveis circumstancias, nas quaes
    o patriotismo nacional tem sempre estado
    na altura de seus penosos deveres. (Apoia-
    dos).
    Entrego-a, sem as reflexoes que podia fa-
    zer, & apreciagSo de meus concidadaos.
    Vozes : Procedeu como devia.
    0 Sr. Correia : V. Exc. ha de per-
    mittir-me, Sr. presidente, quo aproveite o
    ensejo para dar uma informac&o ao nobre
    deputado pelo municipio neutro que, quan-
    do fall iu por occasiao da interpellacSo re-
    lativa a prorogao5o das convengoes consu-
    lares, disse que lhe constava existir uma
    nota da legajao britannica, offensiva A ma
    gistratura brasileira. t
    Nao contestei immediatamente a informa-
    cao porque desejava fixar melhor a minha
    lembranca.
    Julgo poder agora assegurar ao nobre de-
    putado que a informaijao que lhe deram nao
    (Scxacta, que nSoexiste, como S. Exc sup
    punha, uma tal nota dirigida ao governo
    brasileiro pela legacSo britannica, a propo-
    sito de convenc,6es consUlares.
    S. Exc. duvidou de que se pudesse cele-
    brar uma convencao consular entre o Brasil
    e a Inglaterra, debaixo do principio de re-
    ciprocidade. Direi ao nobre deputado que
    este principio foi respeitado naquella de quo
    dei noticia em meu ultimo relatorio e que
    ainda nSo se acha definitivamente con-r
    cluida. i
    Procurando investigar o fundamento que
    por ventura poderia ter a informacao que
    prestaram ao nobre deputado quanto a nota
    da legagao ingleza, rec >rdei me de que exis-
    tia um despacho|de diplomata estrangeiru,
    no qual soffria em seu credito a magistra-
    tura brasileira.
    Uouvecom effeito um despacho do mi-
    nistro do imperio allemao, o Sr. Conde
    Solms, dirigido ao Principe de Bismark, en
    que, a proposito de um contrato para a
    introduccao de colonos, celebrado pela pre-
    sidencia da provincia do Rio Grande do
    Sul, escreveu aquelle diplomata palavras
    que prejudicanam a reputacSo da magistra-
    tura brasileira, se fossem verdadeiras.
    Este despacho foi publicado na Gazeta
    de Colonia, e, tendo o governo imperial co-
    nhecimento delle, posso affirmar ao nobre
    deputado que, por meu orgao, cumprio o
    seu dever.
    Vozes : Muito bem I
    0 Sr. Correia : S. Exc. se certificard
    disto, se quizer solicitar os documentor.
    Sobre a questao da prorogacdo das con-
    vencdes consulares, repetirei o que disse
    em aparte, quando se discutia a mterpella-
    gao, isto 6, que por parte do governo do
    Brasil ndo havia compromisso tornado para
    com ns nagdes estrangeiras de celebrar neste
    ou naquelle sentido as novas convengOes ;
    o que esiava bem asseutado era dar por fni-
    das as convengoes actuaes.
    Nao julgando, pore"m, que taes conven-
    cdes devessem ser absolutamente condem-
    nadas, declare o governo brasileiro que
    nao duvidaria entabolar negociagdes para
    celebracao de outras, sem tomar a obriga-
    gao de propo -las.
    As convengoes consulares, como durante
    blTTERATURA,

    caso algum poderiam ter em vista uma ag- a discussao aqui se reconheceu, podem er
    gressftrJ, pois que tendo uma esquadrilha feitas com vantagem.
    actaalmente no A'to Uruguay, como tem' Desde o aviso quedirigi ao conselho de
    no Alto Paraguay, nao necessitariam refor- estado em 1 de inaio de 1871 paraestudar
    gar aquella divisao naval com encouraga- a quBstao, ate as notas de20 de agosto do
    dos, se cogitassem de algum piano militar anuo passado eu que foi notificada a cessa-
    aggressivo. Que a medida era puramente ^4o das coovengdes actuaes, estd raanifesta-
    preventiva e de caracter meramente interoo, do com clareza o pensamento do governo
    tendo s6 por fim tranquilliser as povoagoes imperial.
    do litoral to Alto Parand, as quaes. dopois O nobre Sr. ministro dos negocios estran-
    da invasao paraguaya, tinham ficado sum- geiros entendeu dever prorogar por seis
    mamente inquietas, epelo simples boato de mezes essas convengoes; mas ouvi com sa-
    ri esintelligencia com o governo argentino tisfacio a S. Eic. que o fazia por motivos
    nchava.n-se assustadas, pudeudo aecusar o de benevolenei como proposito do nao
    govern*imperial de descuidar-se de sua renova-las e de nio decretar outra proro-
    seguranga e de nada fazer para tranquillisa-las gagao.
    impedindo semelhante desasocego que se Tive necessidade, Sr. presidente, de nio
    imtregassera com maior confianca a seus tra- dewcer s twbuna sem accreseentar esUs ob-
    balhos e d sua vida politica local. serwses estranhis ao assumpto principal
    Respondi-lhe que de todo raodo era d^meu discurso j e peco desculpa a \.
    uma medida pceentiva que tinha'omvista Exc. e aos honrados deputados quemees-
    tim viziniio com oqualsefcUiva ;era.paz, cutam por tor sido forcada a cansar (no
    \e que sob esfeMpeeto tinha aquella njedida apoiados), por tanto tempo, sua Obseqaiosa
    lm caraxtcr intcmocional a que nao podia attenijio.
    I
    I istoria patria.
    0 testameuto de Joao Feruanles Vieira,
    feito na sua propriodade dos Kuranguapes
    data lo em 15 de fevereiro de 1674, foi,
    em agosto desso mesmo anno, approvado
    pelo UibnlliSo Antonio Soares.
    A Sauta Casa da Misericordia da cilade
    dc Olindd, em vista das disposi';oos testa-
    mentarias do Joa i I'ernandes Vieira poz em
    juizo, no anno do 1707, uma acgao contra
    o coronal Jose Cardoso Moreno, senhor dos
    e^genhos Tibiry decima e Tibiryde blixo,
    da Parahvba ; exhibindo aquella innanJade
    em juizo uma certidao do testameuto e do
    codicillo do mesmo Vieira
    Esta certidao acha-se em nosso archivo
    sob n. 281, caixan. 16.
    Cumpre notar que algurnss verbas deste
    testameuto jd foram publicadas na Revisla
    do Institute do Rio de Janeiro.
    Temos corteza de que a c6pia dessas ver-
    bas a que alludimos, foram conlladas a al-
    gae in pelo nosso fallecido consocio Salvador
    Coelho de Drummond e Albuquerque, em
    cujo poder se achava o referido testamento;
    que esse mesmo algae in as depositara,
    como offerta sua, nas maos de Sua Magesta-
    de o Imperador, quan-lo aqui estcve em
    1859.
    Iremos pablicando o mencionado testa-
    meuto d proporcao que poder ser e le en-
    tendido, pois que ha lug ires quasi illegi-
    veis.
    TESTAMENTO DE JOAO FERNASDES VIEIRA.
    1."Depois das palavras de invocagao a
    Santssima Trindade, a outros santos, e da-
    quellas que e costume empregar cm docu-
    ments desta ordem, principia elle do se-
    guinte modo:
    2.9 Considarando eu Joao Fernandas
    Vieira, em me haver Deus de levar para si:
    e por nao saber o dia nem hora, estando em
    meu perfeito juizo que elle me deu, tratei
    de fazer esta sedula de testamento, de minha
    espontanea vontade, para descango de mi-
    nha consciencia, e paradis por dos bens que
    Deus me deu, a quem ditoso pego me eon-
    ceda a luz de sua divina graga, para que
    acerte em servi-lo; tudoencaminhadoa seu
    santo servico pois que vivendo eu nesta
    vida em que meconservou com tao largas
    merces e beneflcios nao o servi como devia'
    mas confioem sua clemencia que aceitardi
    esta minha vnntade que lhe saerifico com
    verdadciro conhecimento de creatura sua e
    observante i?e lua santa ie; e abragado
    della esparo que me concela gua/dar ale-
    gre disposigSo com resignado fundamento,
    para me recolheronde recolhe osseus ser-
    vos e queridos, de cujo numero desejei sem-
    pre ser ; e assim, querendo dispdr de mi-
    nhas cousas, as ordenei da maneira se-
    guinte :
    3.Declare que sou filho da ilha da
    Madeira, e nao tenho her Jeiros forgados al-
    guns, pir os meus pais e av6s seremjd
    rnortos ; do mais, caso que fossem vivos nao
    eram mous herdeiros, porque nao trouxe
    desua casa fazenda alguma, e vim para
    esta capiiama de Perna'mbuco de idade de
    onze annos ; e toda a fazenda quo possuo
    odquiri con minha agencia e industria e
    aom as mdos ; que ficam sendo bens cas-
    trenses, que nio sao obrigados a herdei-
    ros.
    4.Declaro que sou casado com D.
    Maria Cesar, minha amada mulher; filha
    legitima de Francisco Berenguer de Andra-
    da ; e dt pnmeirasua mulher D. Joonna
    de Albuquerque; e da dita minha mulher
    ndo tenho filhos nem herdeiros, porque
    Deus me os levou ; e casei com a dita mi-
    nha mulher sem receber dote, nem trouxe
    para minha casa bens alguns mais que sua
    pessoa.
    5#Pego e rogo a todos os senhores aqui
    nomeados, sejam servidos de aceitar o so-
    rem meus testamonteiros ; e pego d minha
    amada mulher que pelas razOes de u n vin-
    culo de tantos annos, ainda procure por to-
    das as minhas cousas, assim as que tocarem
    ao descargo de minha consciencia para goso
    de]minha alma, como a boaopiniao da minha
    fa ma, conforme ella conhecer que eu desejo
    deixa- la para com Deus e para corn o mun-
    do, da maneira que o ontendi, e melhor o dis-
    pord se melhor e entender ; e espero de sua
    grande bondade e probidade que em tudo
    me desempenhario, intoiramento como eu fi-
    zera pelas razdas o obrigagio, no encargo de
    todas as suas encommendas ; e deixo por
    meus testamenteiros a dita minha mulher; o
    Sr. provedor que sempre fdr da Santa Casa da
    Misericordia de Olinda ; e ao Sr. governa-
    dor que sempre govemar a praga de Per-
    nambuco ; e ao Sr. capitdo-m6r que sempre
    govemar a praga da Parahyba ; e ao muito
    reverendo padre Sacramento, ermitao e mi-
    nistro da igreja de Santo Amaro que esta
    nos arrabaldes da villa de Olinda ; e faltan-
    do o padre Sacramento serds empre em seu
    lugar o ministro que lhe succeder; e a Pe-
    dro Soares Barbosa ; a todos juntos e a cada
    um em particular torno a pedir me fagam
    favor serem meus testamenteiros, s=m alter-
    car sobre a nomeacio de primoiro ou ulti-
    ma lugar, por evitar dissensdes que muilas
    vezes succedein subre semelhantes nomea-
    cOes ; e o meu intonto e so que para o bom
    cumprimento de minhas disopsigoes se unam
    e conformem sujeitos tao benemeritos, para
    qua se siga o melhor e mais approvado pa
    racer; com que a minha alma se gose em
    Deus, e todos delle receberio o premio :
    que se no effeito deste trabalho bouvesse de
    haver preferencu e primazia, bom claro
    estd que sempre se havia de dar d minha
    amada mulher ; e confio eu tanto da sua
    prudancia e na dos ditos senhores nomea-
    dos, qne dovcm considerar que o recolhi-
    inenio de uma senhora tiuva a impossibi-
    litard a qualquer diligencia pessoal, e se
    accommoiard a ouvir os parcceres que Ibe
    forera communicados e que ella accommo-
    dard tudo, e approvard o que fdr melhor
    para se confassar devedora aos bons cora-
    gooi e ?ontades de Mw 03 ditos senhores e
    meus testamenteiros.
    6."LevanJo-mo Deus-pafasi, me terio
    vinte e quatro horas por aiaortathar, com
    a cera necessaria aceAe eatn responsos
    de musica ; e pogo a toTls^as pessoas que
    mo resem um Padre Nosso pelo amor Ja1
    Deus : e serei amortalbado no habito da
    Sempre Virgem Nossa Sebhora do Livra-
    mento do Tionte do Cara torceiro, o sobre elle d da Ordain minha de
    Christo, como mais propria do christao.
    E serd meu corpo mettido 8m um caixlo
    bem forrado de chumbo c ualafetado, o qual
    sera posto e:n deposito na ig'rija do con-
    veuto de .Nossa Seohora do Crirno da villa
    de Olinda, fora da terra, para d'ahi ser
    trasladado a capella-mur da Santa Casa da
    Misericordia da I Ilia da Madeira de que
    sou padroeiro, onde tenho mandado farer
    um carneiro por minha :gnta e de minha
    mulher, para ser o nosso encerro e de nossos
    filhos ; e em quanto se nao fizer a obra,
    cada dia se pora uma lainpada acosa no
    lugar em q ie estiver o caixao, e porao cera
    sempre ardend ; e se dira uma missa quo-
    tidiana por minha alma e de minha mulher
    e filhos, p-la esmola de doze vintens cada
    uma.
    7Acompanharao meu corpo toJos os
    religiosos que houver ua villa de Olinda,
    e a Mda religiao se dard cinconrda mil riis
    de esmola, e todas me dirao miisa de corpo
    presente af6ra a cautada que so dird com
    tola a solemnidado, a fora o olficio de corpo
    presente que so ha de fazer ; e peco e mando
    por minha consolagao que nem em meu cu-
    terramento, nem no olli.'.io que se me lizer
    haja sermdo; e assim mais acompanhario
    meu corpo todos os clerigos que se acharem
    presentes, e pela missa me cada um disser
    e acompanhamento, lhes dario de esmola
    dous cruzados c uma vella de meia'libra,
    e a todos os pobres m seravcis que acompa-
    nliarem meu corpo lhes dario meia pataca
    e uma vella de quarlu, com obrigagao que
    nesse dia resem um tergo por minba alma;
    todas as cortfrarias que houver nas duas
    matrizos c conventos, acompanharao meu
    corpo e a cada uma se dard de esmola doze
    mil rSis. (1)
    8 Meu corpo serd levado na tum'>a da
    irmandade da Santa Casa de Misericordia,
    a quem com toda piedade pego mo acom-
    panhem todos os irmaos, e me queiram
    resar um Padre Nosso por minha alma, e
    de esmola dario d Santa Casa meus herdei-
    ros e testamenteiros, ce fazenda.
    9. Ordeno o mando que meus herdeiros
    e testamenteiros deen de minha fazenda a
    .propriedade de um conlo de reis d Santa
    Casa de Misericordia da villa de Olinda,
    com obrigagao qno me dirao na dita Sana
    Casa uma missa todos os dias ; mas a fa-
    zenda de conlo de reis lhe sera logo entre-
    gue, ou a dita quantia em dinheiro, o que
    melhor parecer a meus testamenteiros e a
    Santa Casa se aeeommodar para que diga
    a dita missa. serd sempre pela dita esmola
    de conlo de reis, que se ha de enlregar,
    que me parece bast8iite a quantia ; e se
    nao fdr, meus herdeiros e testamenteiros
    accrescentai do o que lhe parecer ; e decla-
    re que alem da missa quotidiana, se dira
    uma cantada cada anno, e serd conveniente
    que a dita quantia se de em casas na dita
    villa, e assim o mando ; e declaro que to
    dos os suffragios e missas se fazem por mi
    nliu conta e do minha mulher.
    10. Meus herdoiros e testamenteiros da.
    rao de minha fazenda um conlo de reis aos
    clerigos, ermitao e recoletas da igreja de
    Santo Amaro, que estd nos arrabaldes da
    villa de Olinda ; e se eutregarao ao reve-
    rendo padre Sacramento seu ministro, para
    que fai.a o assento na sua communidade,
    para ficar clareza para sempre, com obri-
    gagao de que pela dita esmola que recebe-
    rio logo, me dirio para sempre uma missa
    quotidiana, e cada anno uma cantada pela
    minha alma ; e em falta do padre Sacra
    raento, serd o que seu cargo tiver. ,
    11.Mando que meus herdeiros e testa-
    hnenteiros por tempo de dez annos, casern
    cada anno uma orpba, na Santa Casa da
    Misericordia em o dia de Santa Izabel; e
    que seja a mais pobre e honrada que hou-
    ver ; e havendo filha de irmao quo fosse da
    Santa Casa, serd preferida ; mas primeiro
    se fard exacta diligencia si ha no sujeito
    honra e virtude, e so lhe dara rendimento
    do minha fazenda, oitenla mil riis a cada
    uma ; e sera isto na ilha da Madeira.
    12.Declaro que u tive nesta vida mui-
    tos negocios com differentes pessoas, e tive
    muitos criados e lumens de servico, offi-
    ciaes de todos os ofiicios; e nao me lam-
    bra que .naliciosamedte lhes levasse nada ;
    comtudo po*so me enganar ou esquecer-
    me, e por nao saber as pessoas certas era
    quem poderia fazer as faltas ; pego a meus
    herdeiros e testamenteiros me tomem cin-
    coenta mil rdis de bullas de composigao,
    para desencargo de minha consciencia se fdr
    necessario ; e nao sendo determino esta es-
    mola as mais desamparadas almas do pur-
    gatorio.
    13.Meus herdeiros e testamenteiros
    manda ran logo dizer uo reino de Portugal e
    na ilha da Madeira, nos conventos mais ne-
    cessilados, mil missas, dando-se a esmola
    que 6 do estylo ; e serio offerecidas a Deus
    por todas as almas dos que morreram nas
    guerras desta capitania de Pernarnbuco,
    desde a era de 1645 para cd.
    14.Declaro que tive muitas contas com
    muita gente de toda a qualidade, a quem
    poderii passar alguns papeis de creditos ou
    obrigagdes e os poder ter pagos, e tambem
    me consta que algumas pessoas que me ser-
    viram e outras de fora, me furtaram meu
    signal; poderd ser que depois de minha
    morte puxem por alguns papeis destes ; e
    assim meus herdeiros e testamenteiros nio
    paguem debito algum que lhes for pedido,
    sem primeiro examinar com cuidado se sou
    devedor ; e para isso se verio meus livros
    e papeis que tiver, para ver si sou ou nio
    devedor.
    13.Tive contas com Joao Cordeiro de
    Mendinha, quecorreu com fazendas mi-
    nhas muitos annos; e com Joao de Men-
    donga, tive tambem largas contas ; o com
    Agosiinho Cesar de Andrada, morador na
    (*) Nao so esta inexact j a c6pia desta
    verba na Revista do Inslitulo do Rio de
    Janeiro, como em a nossa Revista, Torao I
    pag. 119, por e copias que serviram de fonte.
    A da certidio do testamento de Yieira, pode-
    raos verificar esses erros.
    Depois de paciente o, aturado trabalho,
    a pii vao copiadas fial-nonte, as que jd foram
    publicadas naquella Revista,
    Parahyba ; e com Francisco Barbosa, que
    cerrw tour inm negocios no Recife ; e
    com Jose da Coslatide Faria em Angola ;
    se alguma peseta dtstas ou por sua vii pe-
    direm de midha fazenda alguma cousa,
    meus herdeiros e testamenteiros lhes nio
    pagari# nada, porqha lhe/ n|ofd|vo ; an-
    tes enfflonaciencif me devojnl allp a mim
    randt -qmHUiMe le dinheiro*; e ainda
    que a presents alguns papeis, nio terio jd
    vigor on serio falsosporja estarem pagos e
    desoneradds ; e com Jodo Peixoto do Rego,
    morador na Bahia ; ccora Mvioel de Abreu
    e Maura, em Lishoa, tenho contas em
    aberto que em se ajustanda farei dellas
    menyao para clareza mas elles me sio a
    mim devedores.
    16.-Daclaro que me devem grandes
    quantidades de dinheiro por creditos, cs-
    cripturas, sentences, contas de livro, que
    tenho em meu poder, por onde serio pedi-
    das; descontando-se as quitagoes que apre-
    sentarem do que tiverem dado, que serio
    examinadas ; c alem disto mo devem de
    fora por to, grandes qtiantulades de dinhei-
    ro, em resto de contas de livro de razio, e
    por creditos quo tenho suspeila mo desap-
    pareceram malieiosamente; enaosoi netn
    conhego muitas pessoas que me p -dem ser
    devedoras, e tambem por esquecimento, a
    sao quautias cousi leraveis ; e tambem me
    furtaram de minhas fazendas e da outras
    partes onde eu ai tinha, quantidade de pe-
    gas de escravos, gados, assucares, cobres,
    ferros, terras e outras miudezas que mr
    pertenciam ; e para cobrar estas fazendas
    encobertas. ordeno a meus herdeiros e tes-
    tementeiros que em todas as freguezias des-
    tas capitauias, mandem publicar escriptos
    uonieando todos os generos, e tambem no-
    meario as quantidades- de dinheiro qae me
    lovario em contas ; o nao havendo rastitui-
    gao, lira rao carlo de. excommunhdi
    Paulina de Roma.
    E tambem se fard mengao nos escriptos
    da quantidade de dinheiro que se ma nio
    pagou de dizimos, pro 'estando que a minha
    intengao nao e mais que pedir o que fdr
    meu, e f6ra disto me nao prejudicard nada,
    assim nesta vida como m* outra.
    E sendo caso que me tiverem usurpado
    malieiosamente as ditas fazendas, constan lo
    a meus herdeiros e testamenteiros, por diii-
    gencias que para isso f irao, que nio tem
    por onde paguem em tudo ou em parte.
    Ih'o hei por perdoa lo ; e nem e minha in-
    tengao t> vontade que nellesfique a excom-
    munhdo.
    1T.Declaro que havendo algoma pes-
    soa ou pessoas a quem eu possa dever por
    algum caminho alguma cousa, e mostrando
    clarezas qualificadas que meus herdeiros e
    testamenteiros virem que possi ser deve-
    dor, o pagarao de minha fazenda; e por
    isso quero que seja bem examinado e prin-
    cipalmente com os homens officiaes de ser-
    vigo ; e neste particular desencarrego minha
    consciencia sobre os ditos meus herdeiros
    e testamenteiros, que como nio set com
    certeza a quem posso ser devedor, nio de-
    claro.
    18.Deixo forra a uma crioula por no-
    me Victoria, e a ella so por alguns respei-
    tos; e os filhos que tiver sera i captivos; e
    ella serd obrigada a mandar cada anno di-
    zer uma missa por minha alma ; e viverd
    muito bem a sombra dos meus herdeiros,
    sem obrigagio de servir.
    19.Deixo forra a umaoscrava Angola
    por nome Jo/mica, a qual tem um filho
    muito proguigoso do servico ; meus herdei-
    ros e testamenteire ordenario sempre a dita
    negra, e mandario dividir de forma o ser-
    vigo que andard sempre em companhia de
    seu filho, sem obrigagao de captiveiro.
    20.Deixo forro a um crioalo, filho do
    Anlreza, por nome Domingo* Fernandas,
    por bons servicos que tive delle com obri-
    gagio de mandar dizer uma missa cada anno
    por minha alma ; e sempre viverd d sombra
    de meus herdeiros, para que se lhe guirde
    respeito, e elles o favoregam sempre que
    possara, sem obrigagao do captiveiro.
    21.Deixo ao sargento A ntonio Bezerra
    por bons servigosque tive delle e por outros
    respeitos, trezentus mil reis de minha fa-
    zenda, quo meus herdeiros Iho os dario, e
    o terio para as fazendas minhas, porque 6
    homem de confianga.
    22.Declaro que, no tempo dos hollan-
    dezes, por rcmir minha vexagio e viver
    mais seguro entre elles, tive apertada amisa-
    de com Jacob Estacour, homem principal
    da nagao lTamonga, com difforenga nos cos-
    tumes; e com elle fiz alguns negocios de
    conformidade e por conta de ambos.
    Compramos as terras do engenho das
    llhetas, e as terras do engenho de Santa
    Anna, e as terras do engenho do Meio, da
    Varzea, tudo destruido, que nio havia mais
    que s6 as terras; e as quantias que demos
    por ellas ao supremo conselho da companhia
    que as venderam, as pozeram os ditos sobce-
    mim ; porque nio quizeram nada com o-
    dito Estacour, e por elle se embarcar para
    Hollanda e Bear eu na terra e me Diodeixar
    o' Estacour cabedal de consideragio para
    levantar os ditos engenhos, e so tziuta a
    tantos escravos que em menos de um anuo
    morreram os mais delles de pecouha* (2]
    E deixou mais tres mil cruzados (3) que
    se lhe deviam e algumas cousas que deixou
    para se lhe venderem, as quaes cousas nio
    tinham valor de dusentos mil riis.; e as mais
    das dividas se nio cobraram, e *u com o
    meu negocio e agencia levautei e reedifiquei
    os ditos engenhos, e o primeiro foi o da.
    Varzea, e correndo alguns annosflhe remetti,
    quantidade de letras e assucares, a paguot
    por elle debitos d companhia, sem lhe dever
    nada, por me conservar, pelo perigo de id
    sem elle nunca raetter cabedal, nem cne
    mandar um sO queijo.
    E fui fabricando os mais engenhos. i mi-
    nha custa con dinhciros de depositos, e
    com perdas notaveis de os fabrio&r muitas
    vezes, pela gente da companhia que vinha
    da Bahia os queiraar e levar os escravos;
    e avisando-o eu disto muitas veaes, nunca
    acudiu com cousa alguma, nem respondeu
    a proposito; com que lhe nio fiquei obnga-
    do a nada de debitos, antes si fosse por
    contas como elles costumam, me devia elle
    a mim muitos mil cruzados, a assim que ao
    dito Estacour nio devo nada, nem elle tem
    pretengoes nas terras e outras racdes, por-
    que me d a mim devedor; mas pooho aqui
    esta deolara^io para o que poder aucceder.
    Continuar-se-hn
    (2) Molestia que i hoje conbecida geral-
    'mente pelo nome de bexigas.
    (3) 1:1009000.
    e as outras
    que sob a ordem numerica sio hoje dadas
    pela primeira vez destampa, prefazendo tq.. ,
    toda o numero Jo \inte ciaco Yerbas, I XYP.uO DIARH) RUA DUQUE OS CAllA^
    ^
    *


    it.
    -U
    J


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EHGCFDB51_YB9N1M INGEST_TIME 2014-05-28T01:20:12Z PACKAGE AA00011611_16710
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES