Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16702


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^HH
f
\

n
-
AAAO XLIX. MMEKO 256
SA1 A VCAPITAL B 1M7GARK8 OVOK SAO 8JH FA*A POBTK.
Por tr wmm adiartados .-
for seis diu* idem..... '
For urn anno idem ... lr*^
Cada nutrient avalso .
................ 430
TBtgA FEIM 14 DE OUTIJBRO DE 1873
" .-------____________ -
FAKA BMTIO E FdBA DA PBVIJfCIA.
flor tre metes adiautados. .........
Por scis ditos idem..........*..*.'!.',*
for nove ditos idam .. ...... '. \ ',
for uni ajiuo idem...... '*
fM0
PROPRIEDADE DE MANOEL FI
17900*
FARIA
_____________________. 1Utm FerreirdAu.ar,em Goyanna;Joao Antonio Machaeo, do Wtar d Ala^da*; Air* d C, na Ralua ; e Lehe, Cerqoinho d C. no Rio.de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Gaveruu ila provincia.
KXPRDIENTE DO DIA 26 DK JOLHO DR IS/ I.
1* ser.cho.
Offlcios :
Ao brigadciro commandants das annas.Son-
do possivel, exper-a V.Exc. as snas m-Jans alim de
(JOB o seffijo de rond is das 6 boras da tird--a
ineia noute in freguezia da It. a-Vista seja fuito
por dez praxis do* batalhoss do I- linha.
Ao nie-m. Tendo approvado a proposi a
que, de coiifoiini Jade com o aviso Jo mmisturio da
guerra, de li de-corrente, fez o brigadciro inspec-
tor dos corp>< desta guariiie.io, d > major graluado
fuse Libanio de respcctiva in-qi.'ccao, em suhsiiiuicao do capita,!
Jose MeJelu.il Rozorra da Siiva Cosla. que deve re-
colher-se a core nos lenivs Jo >:iiado aviso ; assim
o communico a V. Exe para ijue se sirva de pro-
videnciar no sentido do refendo major se apresen
tar aquellc brigaJeiro.
2- tfCfUO.
Actos:
O.prjsidMiteda provincia, attendsndo a qua
requcreu o bacharel Antonio Manuel de Medeuos
Furtado, juiz de lireilo da conurca de Caraiiiiuns,
resolve prorogar por mais inn mez a licenca que
lhe foi conceJil.i jiara traiar de. siu saiido
da rssolucao do governo imperial ; dara V. Exe
BUM. o exemplo de respeito as leis do paiz, e
uma prova de que prefcre as armas de mi e
am..r, (|ue o Divido Mcstre lhe conflou, a todas a>
(|ue possam aredar os animus, ja Ho exaludos, de
suas oyelhas. 0 governo imperial tem ate hojc
protegido a rebgiio do estado e contiouara a fize-
lo ennjuauto a ccnstitaieao do iimerio nao lor
ueroRada nesta pane ; *oneguintemento nao pode
ser >uspeitada de infligir easiigos e martyrios aos
nmiTslros dessa rcligia,\ os quaes lhe cumprc de-
tender. Os que, porem, polo sett procedimento
nouviMvni iucorrido nas
leis iTimiuae
DIARIO DE PK R V \ M HTT110 I I"S- ser- ju tiOcado ; sendo quo, quando me.ruo
uxr\Li.L\J UU I tjaiMilll>UW ^. ja houvesse resjlndo pro mn.-iar essas in
la para iratar de s Ja satiJo nesta
capital.
0 presidents da provmeia, a vista do olBeio >,'"> Je Harm ate a enlrada da
do Dr. chefe de pjli:ia, n. I.JiW de i'i deeorrenie,
resolve exonerar dos eargos do i e ;i supplenies
da delpgado d > term i de S ikut >, ostiidadus I .a-
0 pre.iidiiii! Liprovinia, d.i e.mi'oruudad;
om a proposla do i)r.e.nfe d" polieia em ollhriy
n. 1306 dj) 21 do i-orrente, resolve mm;ar para
' cargos de 2- e I" supplenies di ilelegado do ter-
mo de S. Henio os cidaJiis seguinles in ordem
de saa ellocic;io PbiIio Luiz de Sonu Fonte<,
Antonio Bezerra da Silva.
O presidente da proviocia, a vma do pffijio
do Dr. chefe dep di.-ia u. t Wd le i.l Jo torrerite,
resolve exonerar Silvestre Aat-min de Sooza do
eirgo de 1* sup, lento d i sub leleg 11.) da I* dislrie-
todo termi de S. !i.:;it), e Ceciban Jos.1. Manpies | c0:nPa,'li' R"cifc Draiuagr, qae
tambem de t supplente do subdele 'adi d.i distric- s<* it -i di rua do unperadi
peuas prescnptas nas
n;io UearM impunes, e contra elles
Mao Ao provedor da Santa Ca Approvo a deliberate que, segundo declarou
me V. S. em offleio de houtem sob n. 404, tomou
a junta a liuiiu'sirativa dessa Santa Casa de eoa-
senlir que foese enlregue a exposta Tbereza Maria
de Ji!as, menor de 5 annos. a ama qua a creou,
Mana Magdalena Gonvalvos, que adoptoua por
escriotura publica com)sua tilha.
5.' secrj'w.
0:liri.,s:
Ao engeoheiro chefe da reparli.ao das obras
pubbcas.Em addilamento ao meu offleio do 1.
doeorreute, auloriso a Gustavo Adulpbo Schmidt,
gerente da cempanlua Kerro Carril de Peruamlm-
eo, para, emquanto durar o concerto da poata da
Boa \ista, mandar urn carro da mesma com,a-
i percorrer continuadameiile a linha da rua
. mencionada
ponte, reeeliendo os_ passagejros um bilhete espe-
cial, com o qu il terao a passagem que deseiarem
nos carros das diffeieutes linha* que cruzam
n a inell.i rua. Esses bilhetes custarao 200 rs. c
valerao somente para o dia em que forem emitti-
tid is, pagando os passageiros ipie quizerom per-
correr somente a linha da rua Primeiro de Marco
ale a entrada da ponte somente a quanlia de 100
rs. por uma passagem. '
Ao engenheiro fiscal da eompaiibia Recife
Drainage, llemotto a Vine, oopias dos documentos
que viemn annexes ao ollleio do Dr. inspector da
to da Canhotinho, do di:o liiino.
0 presidente da pro vine ia, de coiif->r.iii Jade
<:om apropota do Dr. ehee de pdieia, em ofli;io
a. 130b" de 23 do c-invnj GHohea no.neir para o
cargo de mnpeiite .b subdo:eg.id.. do hdistHclo
do termo de S. lleuto, o ci la la > FVIippH Maine
Santiago, e para o de I- sni.deut
do de Canhitniio do diti lerui, o cidadii Jcr >
nymo Ferreira de Mello.
Offi;< : ...
!>. i':- de poli-i.i.Approve o cmtra
to feiu pelo deiegado do ttdi de Bom lardint,
do aluguel de nun casa para servir de eadeia na
dita villa ; liuau.l > assi.n respondido o sou olli;io u.
12i9 de li do corrente!
Ao .iiesmo. -Queira V. S. inl'or.nar o que
<:jular n'essa rejiartigio ac-.Tea da conditrta do
reertiia Thome Kibeiro d i N.iscimeati, de que tra
lao seu olfluo de 11 do corre.ile, sob n. 1221.
Ao juiz de direit.i di I' vara civel. -Trans-
inilto para os .levilos iiu- a V. S. a relaeio junta
de cidad3os resideutos nas Iregue/.ias de laboatap
t Muribeca, no c.isrr ilo ferein jurados, ipie pelo
delegado do 2* district in foi remettida.
Ao juiz de lireito. Je (anbres. -Em respista
ao seu olflcic do \ d> correnie, com rela^ao a ca j
deia da V:lla de lambres, tenho a dizer-lhe que
jh.r pessoa iiabibtada nianlo in Iiear os m.ilnora-
mentos indispensaveis de qu; invMssita a dita ei-
leia, afnn de preslar-se a sens lins, vindo logo or-
oados esses iiioib irimenhis.
Ao conimuidante d> c rp) de poliei.i. De
segunda-feira, 2S do correnie, em diante, manda
Vmc. apresenlar ao presiJ-uie do tribuual do jury
a for^a cjue & de costume ir para a guard a do
iito tribunal, ate. que e eiicerre a scssao.
3' teccOo.
(tfflcios :
Ao InspectQr da thesouraria de fazenla. -
tiommuuico a V. j., para o- ievidos lins. que a M
>lo corrcnte assnrnio t>. bacharcl Jose Cavalcante
de Albuquerque Uchoi o ccercicio do cargo de
jiromotor pablico da comire.-i To (tambe.
Ao mesiin. C unoninico a \'. S., para os de
viJos fins, que a 17 do cjrronte entrou o bacharel
saude publica, de hoje datado. nos quaes Joaquim
da Silva Uaairo e Henrv Forster, por um seu cai-
queixam-se do estado dos apparelhos da
e lunccionam no
perador, afim de que
Xeiro,
providencic a respeito.
.KXfKOIKXT^ DO SKCitKTABIo.
2.' secc'lo.
Offlcios :
-- Au Dr. chef-.- de p >lieia. -O Exiu. Sr. presi-
e da provineu maoda declarar a V. S. que
lo suliilelegado; J** expedid is as convenientcs or.lens no s-:nti-
do do que irala o sou olBeio u. 1.304 de 23 deste
IIK'Z.
Ao juiz de direito da 2' vara. 0 Exm.
sr. presidente da proviuei i manda declarar a V.
S., que ficam expodidas as convenientcs ordens no
sen:ido do que Irala o ?eu offleio dc luje.
- Ao mes no. Sondo de iudispensavei ueces-
sidade n'c-ifa repartiQao a presencarob bacharel
Aniunio Goncaivos Ferreira, chefe da 3* seceao
aij de que nio suffla o servico publico, rog'o a
V. S. se digue de dispsn>a-lu da presenle sessio
do jury.
Ao juiz de direito de liambe. 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda accusar o recebi-
mento do ofllcin de V. S., de 15' do correnie, em
que participa ter nessa data entrado no exercicio
do cargo de promoter publico dessa coinarea o
bacharel Joae Cavalcante de Albuquerque Uchiia.
Ao bacharel Jose Cavalcante de Albuquer-
que Uchos.0 Exm. Sr. presidente da provincia
man la accusar o reeebimento do offleio de V. S.,
de 15.do correnie, em quo participa ter nessa
data assnnudo e exercicio do cargo de promotor
publico da coioarca de Firiinbe.
Ao bacharel Manoel Joaquim Ferreira Este-
ves Junior. -0 Exm. Sr. presidente da provincia
unnJa a-eusar o recebimenio do offleio de V. S.,
de 17 do correnie, em que participa ter entrado
no gusj da licen;a que lhe foi concedida a 8 deste
mez.
Ao commandante do 'ejorpo de polieia.Fi-
cani expedidas as conveniente? ordens no senlido
do que trata o offleio do V. S., n. 426 de 24 deste
mez; o que lhe declare, do ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia.
4' seccuo.
Offleio :
Ao Inspector da saiide publica. -0 Exm. Sr.
Mauoel Joaquim Ferreira IMeves Junior, promotor presidente da proviucia manda declarar a V. S.
publico da cemarca do Rio Form is >, no gos < da que nesta data furara envisdos ao engenheiro fiscal
licenca que lhe foi eoncedi ta a 8 do corrent". j da cotnpanhia Uecife Drainage os documentos
Ao mesmo.Tomando em eonsideracaoo quo i 'i'te yieram annexos ao seu offleio de hoje daiado,
em vista a
do Recife,
sob n. 30, a na.
2S de outubro
expoz o padre Joio Vicente Gue les Pacheco, ca-
jjellfw da fortaleza de Itamaraca, no incluso reiiue-
riraento a que se refere sua informa;ao de *4 do
corrente, n. 616 serie I), autoris.) V. S,, nos ter-
nios do decreto n. 2884 do f de fevereiro de 1862,
a mandar pagar ao supplicants sob a respinsabili-
dade da presidencia a gratificacaorelatha ao mez
lie junho ultimo.
Ao inspector da thesouraria pnivincial. -
Conformant me com sua informaeao de 2i do
corrente sob n. 3o2, da la aceiea do incluso reque-
rttnenio do curador geral de ausentes, resoM re-
levar o espolio da fina la Antonia Thodolinda da
Mello da multa a ijue e obrigado, por nao ter sido
dentro do prazo de 3*1 dias registrada uo consnta-
do provincial a esenptura de compra da casa n.
10 A, datravi'ssa da rua do Principe ; o que coin-
munico a V. S. para os devid is lius.
4 trtfa9.
Acto :
0 presidente da provincia, tendo
propo.-U da Illma. cainara municipal
i -it.i em offleio de 23 d > corrente
conformidade do art. 2' da I v. di1
do 1811, feso.ve approvar provior'amente e man-
dar que se execute o arligo Je postura addic'ional,
ab.'iixo t'anscripio:
Artigo uoico. Nenhuma alvarenga ou'embarca-
vao do qnalquer qualidadc ou denominarao, que
seja empregadam trafegn h put) ou rios, pode
ra iransitar ou ser canegada on lescarreg.via netn
ustar baldeada e no inais perfeito ertado de aceio
. limpeza. Os infraetores seiao moHados em 305,
i' no dobro na reincidencia. obrigad>s a fazerim-
iii .-diat unente a liinpeza'ncvssarja,; e nao a I'azeu-
do, pagario toda a despeza q le for feita, nao so com
n aceio, como tambem com a d-jsiirfeecto, ?i for
3itlgado necessario.
Offlcios :
Ao Exm. Sr. pres'denti. da provincia das Ala-
goas.Bogo a V. Exe. a expedi;ao das onvenien-
i^s ordens, aflnude que niande dar passagem do
Penedo ate Piranha- no vapor da rompauhia per-
nambucana a um inferior e uove pracas que vao
destacar em Tacaratd, e be-.o as-im a quatro m.i-
Iheres que os acompaiiha.ii
Ao Exm. bispo dioresaiio. Em respo-ta ao
nfflclo de V. Rtc Rvma., rti-,2i do corrente. f-mho
a dhcrllie q'le M,..udi-. i'; I!' -
vigarios desU cidadeprasarer previamenie .lilies
si estavain on nil disnos decer a decisio
to governo imperial sobrc a interdic..io dis ir-
mandacles.qne como sentema deve pr 'lozir t..los
i's effeitos juridicos. Na qualidade de delegado
do governo imp< rial, nij posse deitax d; fazer
lielmente camprir aqueila derisao, maudando pro-
. i-edcr contra os que a na/i rei|ejla em. Si. porem,
dislo resultarem serios recei e rigorosas, no V. Exc.Hrffll. arrtevd, cabe lhe,
em virtode da respeitavel e elevado cargo quo
cxeree, eviu-los, pondo tcrmo a mn tio (Usarada-
-vel MQdiclo, icoacorrendi psra o eomprin
alim de que providencio a respeito.
A' Illma. eamara municipal do Recife. De
ordem de S. Exe. o Sr. presidente da provincia
remetto a Illma. camara municipal do Recife as
inelusas copias Jos actos de ho.item e de hoje,
pelos quaes foram approvados provisoriamente os
dous artigos de posturas addicionaes, que vieram
annexos aos offlcios da me 8 do corrente, sob ns. 57 e 50.
Edital :
Pela secretaria da presidencia desla pro-
vincia se declara ao lilm. Sr. major reformado da
guarda nacionai do mumcipio do Cabo, Bernardo
Ferreira de Barros Campello, que, em vista do dis-
posal no decreto n. 2853 de 1861, faz-se precise
que S. .-.junte folha corrida a peticio em que im-
petra a S. M. o ImpPrador o foro de fidalgo caval-
ieiro da casa imperial.
5* secc/w.
03icio :
A engenheiro fiscal da estrada de ferrp
do Recife a---S. Francisco. Teve o convenieute
destino n relatorio que acmnpanhou o offleio de
V. S., de hontem datado sob n. 87 ; o quo lhe ccm-
munico, dt- ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.
DssPACiros da pnr.siuR.vr.iv ds II dr oi'tijbro
db 1873.
Anna Bezerra Cavalcante da Silva Costa. Defe-
ride com officio desta data, dirigido a ihesouraria
provincial.
Benelicto Jose de Souzi. -Informi o Sr. Dr.
chafe ile polieia.
Compaahia Ferro Carril de Pernambuco.-In-
ferme o Sr. engenheiro director das obras publicas
Prandsco Ferreira Martins Ribeiro.Inforrne o
Sr. inspector da ihesouraria de fazen la.
Joe Eleu erij de Azevedo'. Qimo requer.
Jose Joaquim doSant'Auna Guerra.Passe por-
taria concedendo a lecen;a pediJa, com as vanta-
ges ila lei.
Jose Ignacio de Avili. -Deferilo com offleio
Jesta Jali a ihesouraria provinsial.
Maria Js6 da Conceicao.-Certitique se, nao ha-
vendo inconveoiente.
Man *l Joaqtiu da Silva Ao Sr. tenente co-
r iiie! comoiKulanie di cupo de pilic'S, para at--
tender ao supplicante como for justo.
Waldetrudes Priuiitiva da Fonceea Telles.-
Pas-e poriana, coucedendo unis ires me es de
prazo, p*ra a supplicante eatrar em exercicio de
sua cilcira.
Secretaria da presjducia do Pernambuco, 13 de
outubro Je 1873.
Silvino A
0 porteiro,
Rodriguez,
RECIFE, 14 DE OUTUBRO DE 1873.
0 BISPO DK Pfcu.NAUBUU) E.M FACE DO GOVER-
NO E DOS KIEIS.
Quanta longanimidade e quanta circuiuspeceao
nao tem sido nccessarias ao governo do paiz para
regular e dirigir com raao segura a grvisima
questao religiosa, ate e ponto de ordenar ao pro-
curador da eoriia e soberania nacional que promo-
va a acensacao do Rvm. bispo de OhnJa, D. Frei
Vital Maria Goncalves de Olireira, cooformo e de
direito e reclamam os gran les inleresses do es-
tado I
A'a situacao melindrosa, a que lorn chugaio a
quesUo, nao se dira jamais qoe os poderes publi-
cos do estado nao bajam umpregado os uieies ao
sau alcance, alim de mauler para a igreja lodos os
direitos indispensaveis a realtsaeao de sua augusta
e divina missao.
Cirao Christies, i atholicos, temos, com effeilo,
promovido, com o m.iis vivo eiopenlio, a mais per
feita e exacla liberJade e commuin garantia outre
os dous poderes, consi teran-lo a igreja como o
reino de Deus sobre a terra, e a allian-.a entre os
dous poderes como o mais seguri peuhor de fehci-
dade eiimuium.
Dosgra^aiJamente, porem, east laco de fraterni-
da Je entre os dous poderes soberailos e iodepeu-
dentes, pie por lao longo espaco de tempo, imme-
mor-al, havia poderosamenle coucorrido para a paz
publica, tem sido r mio arrojvk de u n prelado, nosso comproviucia-
ii), que u.io recuou de alicar, no ineio de nossa
sociedade Dacifioa e imminentoinente christi, o
facho da discirdia I
Quo grande example de prudencia o luausuotu-
de nao tem exhibido o governo lu paiz, alim do
evitar com o mais cuidadoso empenho que se des-
pedacem esses Hames poderosos entre o estado.e
a nossa religiao -catholica -apostolica roiuana I T
Que tremeiida respousabiiidade nao e.-la, a esta
bora, posando sobre os hombros de um subdilo do
estado, que, esquecondo-3e deseus graves deveres
de cidadao brasileiro, e em vrz Je trazer-nos o
ramo de oliveira, promove a confusdo, a desordem
e a anarchia entre os sous proprios inuaos per-
nambucanos I ?
Long'i tem sido a coostancia, a paciencia, a qua-
si resignacao do governo diante de lie seria eon-
tnnueia da pane dc um subdilo da .Nueuo I ,
A opiniao publica, esiimulada por act. s repeti-
dos de despeito, de rigor e de violencia, mil tem
podide conter se diante da rcfleviiv, da prul'-neia,
ila mansuetude mesmi dos oodercs pubbcos, oo.
intuito, o mais louvavel, de evitar que sobre as
nossas cabe^as estate a tempestade de um scisma
que possa comprom6lter a nossa fe e a reiigiaode
nossos pais ,
Tudo tem sido improtlcuo e iniiiil diante daubs
tinatjao do prelado pernainbucano !
Nao se dira jamais que o governo precipitou us
acon.'eciirffeniiis quo observamos o os que d'ura
em diante lenhaut de realisar-se. Se alguma fal-
ta pode-se ter havido, essa deveria ser antes impn
tada a benignilade, a niansidao, com. que os pode
res pubbcos se tem dignado Iratar liio grave as-
suinpto, exhaurindo quantos sentimentos d tole-
rancia e de indulgencia podem ser inspirados ao
governo de um .povo catbolico.
Que doloroso contrasts, porem, ontro o reflecii-
do procedimento d.s poderes do estado e a perii
nacia do bisoo de Pernambuco !
Pela apreeiarao desse conlrasle e que melhor-
mente se pode medir tod.) o alcance da coragem e
teimosia de um empregido publico e subdilo de
paiz contra as suas Ti'is conslilmdas.
Custa a crer, mas 6 a vcrdaJe, que o Rvm. bis-
po de 0!in Ja se tetiha recusado a eumprir a decisi)
do governo que deu provim;nto a i recurso acoroa.
interposto pela confraria do S. Sacramento da ma-
iriz lie Santo Aiitonio do Recife di senien;a de in-
terdiccao contra clla prot'erida, pebi unico molivo
de serein indigitados como macons alguns dos seus
membros!
S. Exe. Rvma. devia ben saber qua, desde o
momenlo em que se recusasse a executar as reso-
luv'ues do governo, se teria con*tituido uma poten
cia superior no Estado, calcando aos pes as leii c
as autoridades conslituiJas e esquecendo os seus
deveres imprescindiveis de subdilo brasileiro e o
caracter da empregado publico, de quo se aeha
revestido.
S. Exe. tem exeeJido mesmo toda a expeclativa
na desabridi carreira que prosegue, ostentando o
maior desdem contra o governo, nao so recusando-
se a eumprir os seus precaitos, como ate prove-
c.ndo os vigarios a desrespsitarem o mesmo go-
verno, incuiinde-lhes o teinor das suspensoes ex-
informnta consciencia, de cuja anna tem lancado
ml i com manifesto abuse.
Desconhecendo a missao de paz e de amor que
deve manter e guardar in meio do rebanho con-
fiado ao seu zalo evangelico, S. Exe. despresa a
competencia do poder temporal no quanto diz res-
peito as snas atlribuicoes, sempre aduittidase res-
peiladas ste hoje por todos os prelates brasilei
roe.
Arrogando se um poder quasi despotico, tem
postergado as leis civis, que nio lhe coni'erem, de
modo algum, a autoridade exclusiva de fazer ex-
pellir ex-ahrupto das irmaodades de natureza mix-
ta \arios de seus membros e por motivos total-
mente estranhos aos seus compromissos, com pre-
tericao le todas as formulas legaes.
Os actos praticados por S. Exe, com injustica e
violencia not;rias, dao a medida do rancor de que
se acha possuido, e que lhe cega o espirito, fazen-
doo reincidir muito pro|)ofitalmente na desobe-i
diencia as leis e a todos os preceitos da razao e da
prudencia.
S Exe. constituio-se mesmo em guerra aberta
e declara la contra o governo, prevoeaado os asli-
mulos dos sous prelados para a lewbelioncia, e
julga se, em sua cegueira, autorisado a desprezar
accintosamente todos os direitos magestatieos, se.n
ter na menor considerable- as reiacoes de paz e
harmonia lao necessarias a boa ordem e reciproco
auxilio que sempre se prestaram os dous poderes,
civil e ecclesiastico.
0 rebanho, oernambucano, tratado por S. Exe.
com demasiado rigor e i.idifferentismo, ja nao pole
inspirar-se nos sentimentos da fe religiosa. que
tanto o distioguia, e a para receiar quo um scisma
venha a ser a deploravel consoquencia de tao 1%-
neslos abuses.
Alem de tudo a ordem publica poderia Bear ex-
posta a serias perturbaco -s pela tenacidade de S.
Exe, que nao reflecte mi. momenlo na tranquilli-
dade que deve proroover o pastor, desviando as
suas ovelhas do|ierrgse abysmo, em que lera de
precipitar-se.
Apreciando o procedimonto lao condemnavel de
S. Esc. dir-se-hia que era ja proposito deliberado
de provocar a deshannoroa e a discordia, ap: o-
veitando so de todos os meios de saa posicao para
crear os mais graves enhances ao governo, cons-
tituindo-se em opposieao formal atidas as suas
jilslas deliberai;5es.
Sobre ludo os actos iiltimos de S. Exe revelam
a todo o paiz quo oj;apricho, o despeito e a vin-
gan^a sao os umcos movei j que o determinam nos-
sa cruzada perigosa, em ime se acha eihpenhado ;
visU) omo, logo que S. hxc. teve conheoiinoiito
do offlcie do governo, que ordemnara a sua accu-
sacao, S. Exe. mostrou-se dospeitado e cheio de
ira, lancando uovas inter> i c mais acintosas e
provocadoras.
Semelhante j modo al-
----------pro i...._. ^<^.a .-
tenJ*cc6es, deveria abster-se de o fazer, para que
se nao p.desse do qnalquer forma, pensar quo
el* esse acto indicative de uma nova represalia ao
guvel-no por parto de S. Exe, que *sit'arte atira
umeartel de desafio e mais confuromette a sua
ja tao melm Irosa situacao.
S.Exc ostentou-se apaixonado e vingativo, e
ponu o cnceito e a oslimae consideracao publi-
cas tao indispensaveis a sua clevad i p .sica.i de
pastor, em enjo cora-.-ao nao devem ter abi igo os
seotimenlos Ja odio o de vinganca.
Desde ,sse memento S. Exe. eollocou.se cm con-
dfcao por ventura impossivH de continuar a ser
bispo de Pernambuco, e t>sm alienado o respeito e
a vnneraca, dos fieis, que ji nl, veein em S. Exe.
o numilde e bom paslor que da a vila pelas suas
oreihas.
Poi noineado' secretarie de estado dos neg.o- exclusivamente =ohre i fr.3n n
cos eslrangeiros o Sr. Bulow, qua era ministro dofmun
pleii.prHeneiario do Meklembnrgo, e representante t r,,Vp'.
deste ducalo no conselh i releralailemio foi no- ?J? *""'" m meado subsecretario de estad^. nTiSSsleno da 'm^A ao, P/'^ma re;tanrac^ ncnarchica ?.
iustica o Sr. Friedberg. conselheiro sS da E. e^.1llie""' _d t"do9.os ar,i" "I>n-
as probabilidades
Conseguirao os chefes do partido raonarchico
L
inglrz
i%aticiu* la Etirwttit.
manheceu lioniom cm us-o porlo o vapor in
_t Phho. da linha d) Pacifleo. irazendo datas
I Lislioa ate o l. do correnie, adianUndo olio
dias as qua recebem.w polo Buynr. Bis o que co-
lltomos dejornaes e cartas :
IKOLATKimA.
M Times publica noticias d.) cost i occidental
iTAfnea, dizendo que as doencas alacam furiosa-
e as tropas inglezas.
ihdigeuas ao service dos mglezes parecem
aoisados c>ecu*am-sc a obedecer aos oITi
ciaiB.
^? /ewnhecimeulo inglez que oxplorava o rio
/ rah, foi soi prendido por uma emboscada Qu isi
todos os homens da expedicao fiearam feridos.
Ot'imrtoi'
ustica o it. Friedberg, conselheiro superior da
jusifa e presidente da commissao dos exames judi-
ciaries ; o Sr. Fnedberg 6 um dos mais emiuenles
junsconsultos da Aliemanha ; e lumou uma pane
mm to notavel na coafeceao dos projeclos des codl-
gos judiciaries que two de slt apresentados ao
parlamento na proxima sessao.
Esta nonccao que o .tfnn-'for do imperio snaun-
cia, foi muito bctu acolhida pela opiniao publica.
A abortura do parlamento da Baviora foi
adiada indelinidamente, por causa do cholera, que
ainda esta em Munich.
No eongresso dos velhoi-calkolicot de Constanta,
o professor Schulle deu informacoes muito inte-
ressantos sobre as communidades desta igreja que
ja se tem formado em Aliemanha.
No reino da Prussia existem aclualmante 22
communidades ou associacoos porfeilamente orga-
nisadas, contanlo perto de 14 mil adherentes na
Baviera ; 32 communidades com perto de 13 mil
adherentes; e no paiz de Bade 27 communidades
com 0 mil adliereutes.
0 nuiiKTo de velhos-catholicos reunidos em
communidade em toda a Aliemanb.i excede a 50
mil. Muitis padres fazen parte destas cimmuni-
d ides, o o numero augmenta todos os dias.
0 Sr. Schulte ebsprva que o movimento telho-
cniholico fez em Ires annos progressos mais eonsi-
deravois d.i que no seculo XVI no mesmo lapso de
tempo a Refonna.
AUSTRO-HUSGM A.
0 governo anstriaco acaba de publiear um de-
sa, e de todas as correspendencias sobre a politi-
ca da Franga.
Neste momenlo as probabilidades de Henrique
V, parecem muito compromettfdas, emquanto qne
a prorogajao dos poderes de Mac-Mahon, cornbi-
nada com medidas especiaos para eternisar, quan-
to for possivel, o seu actual uunisterio, e a tnaio-
ria que lhe deu origem, ganham cada vet mais
terreno.
I .ro Cominerell foi gravemente ferido por cretoconvocan o em toias as provincias os colle-
balaMiuelheacertaraniquasisniiultanoa-lgioseleitoraas; ainda que convocadas para dias
mlnta.
J ataquu dos Ashantees ft t-iu repentino, qua
> ib'U quasi tempo aos inglezes le pegarom nas
arniis, que esiavam no fundo das chalupas.
Parece cert > que o ataque foi ravorecido
chefe de Ciiamab e pelo seu povo, sobre cuja
idpliiade aos inglezes paiecia que podiam contar.
A ridale de Ciamah esta colloc.ida a entrada
i i rio Pruk, e os inglezes antes de subirem o rio
na suas chalupas, Unban coll cado uma guarni-
ca de Fnntees.
. *ara ptinir a cidade Jde sua traicao, foi bom-
ha ileada durante algumas horas p.d"i haltesnike
aiuiiila. mas j;;lg.-i-se qne quasi toda a popu-
la ipbiha lido tem oo de se escapar antes do bom-
bit JjBanie no
iComuioJoro tiniia prohibi lo expressametite
qu so dcfs.'iii (iormenorcs exactos deste desastre,
pa \ -r-vitar a unpressao quo devcriam produzir
no wpiriti public > cm Inglaterra, que e contrario
" expcdi;ao de que se n.io c>'peraoi rcsultados
}feis.
inglezes c tnse'guiram construir o reJuclo
sem que os Ashantees Ihes podessem por
ilvs. Construiram um sc^un lo roducti a
into milh.is do prirhWro, mais para u inlerior do
paiz. Of dims reluctos foram jnarnecides de tro-
pas e serviram para protcger os Irahalhos empre-
tiendid is para abrir uma e.-trala, alravez dos b .s
ques em dittcrao de Coumassti, capital dos As-
hantces.
c-ista d Africa a noticia dos desastres dos inglezes.
Os Aslianteps levaram em triumph i a cabeca
do soldado inglez que elles decapitaram a vista
dos seus camaradas. A iinportaocia da victoria
sera exagerada, e a narrativa dos Ashantees tera
por consequancia fall! abalar a lile'ida Je dos al
lialos da Inglaterra naouellas paragons
Muitas trihus q:io ainli hesitam, voUar-se-hao
contra os inglez.s, e |iassarao ao exercito do
kolfee Calcalli
Os ^econdes, os Boutris e os Tacoradies ja to-
maram partido contra os ingletes
Quando (i Bsnhi partia daquelles mares, ouvia-
se uma viva canhonada, e dizia-se quo os navies
de guerra iugl zes e-tavam pr leorando bembar-
dear muitas aldeias partencentes as tribus revol-
tosas, e situadas na costa.
E' imposxivel n.io t;r pied ide dos deegragadw
habilantes do paiz d m Amentees; sao lao p m
co protegidos pelas foroas inglezas, que as suas
propriedades sao cons tan tenente .l.^trui las pelo-
Ashantees, e se elles procuram por so aoabrig>
dessa*_invas3e-, submetleuJo-se aos invasores,
sao tioiuiiardealas pelos navies de guerra ingle-
zes.
0 Times confla que o governo inglez fara todos
os seus esforc.os para acabar quanto antes com
e>ta nova guerra, em longiuquas paragons; e qua
compieiieiidera qua talvez haja ouiro meio do sa-
hir ?o n.mais facilidade da posicio em que se cot-
ioeou do que incendiar a cidadeJde Oimmassee, e
destruir o reino dos Ashantees.
No dia 8 de outubro devia celebrar se em
Narwieii o 17. eongresso annual da associate
para os prmjiessos di scienciasocial; pela mesina
ocjasi.io devia realisar-se uma exposicao de edu-
ca;5o e dc h giene, organisala pala commissao
directura.
Esta exposicio deve comprehen.ler todas as ap-
plica;oes scientlllcas proprias a favorecer a saude
do pov i ou a sua instruccao
As communicae&es a dirigir ao eongresso sio
livres, ou versario sobre qne-toes apresentadas
pelos commies das quatro secedes : legislacao, edu-
cacao, hygiene e economia politica
Entre eslis questoes, u nas inieressam exelusi-
varaeute a Inglaterra e a sua legislaclo, oulras
sao de iuterecse cosniopo!ita.
PAIZES "BAIXIIS.
0 rej alirio no dia 15 do setembro a .sessao Jos
Estalos Geraes eon Uin discurso em quo affinna
a boa situacao das financas do reino; e os teste-
muouoj de sympathia que tem recebido das po-
tencias estrangeiras por occasiio do oitflicto com
o unico sobera.io inJependenle que ainda existe
na ilia de Sumatra, o suitau de Alchin.
N> discurso, coniicma que o bloqueio de Alchin
e maiitido; e que se fazem todos os (ireparalivos
para acontinuai.'ao de uma luta energica ; que a
situacao das indias occidentaes 6 satisfactoria ; e
que o tratado de emigrate entre Surinam e a In-
glaterra di bins resultados.
Dizem da Haya que o ministro da guerra o Sr.
\an Limburg Stirum pedira a sua demissao e fora
pelo ministro da mari-
intcrinamente substituido
nha o Sr. Broex.
Parece que pela impossibilidade de se formar
nesta occasiao novo gabinete, o rei pedio aos ac-
tuaes conselheiros da coroa retirassem o sop pe-
lido de demissao, conlinnando a frentc dos iiego-
cios i\6 e definir mais claramente a situacao po-
litica *?
Os minis tros cederam, e o ministerio c hi tiniia a
frente dos ncgocios, tendo unicamente sa i lo o mi-
nistro da guerra, com > adma dissemos.
ALLRMANHA.
Annuncia a Corrtspondencia provineml de Ber-
lin qne a visita do imperador Guilherme a Vienna
se devo reaJiaar nara meialos da outubro.
A impararriz da Ailemanhai em i ooequen-
cia ?os incommodes de sua sadito, aio poJe sahir
ile Baden-Badon. por oocasiao da vtsita de Viei.r
Emmanuoi a Barii.n. As honras da. corto serao
feitas pola princaja re.I da Ptoasia.
De e e notar qua \ impratrl da Atlemanha
era irmi da rainha de Napale:!, dwthronada por
Victor Biiiminual; o quo explica o seu pouco
empenho on receber a vuita daqiwlle sobcrano.
Em Uerlim acha-vc todo o corpo dipl unatico
ostrangeiro e o pricicipa de Bismark,
liversus as eleicdes, devem todas ter terminado uo
lim d j mez de outubro.
0 movimento eleitoral ctimeca a tomar nma
granle amm.icio. 0 novi systehta do elai..ia>.
direcia do pirlamento tem de ilar as suas provas
e de justjflcar as esperan.as jue os amigos da
con-Uituic.10 fixivam na sua adopcao.
0 minstro dos cultos e da iiKruecao publica,
o Sr. Streinayer, foi por muito te.u;ioo alvo dos aU-
ques da impronsa liberal que nao quena attender
as ejHidirdas delicadas em que este se enconfrava
Acaba este ministro de tomar uma medida que lhe
couciliara as sympathias liberaes: o goveruo res
cinlio o contrato pel) qual linha cedido aosjesui-
tis o privilegioerclu-ivo de ensinar a theologia
na ii'iivarsiJade delnnspruck.'
Daqui por diante as cadoiras da faculdade de
theofigi.i desta universidade serao de nomeacao
do governo, a poJirno st reg'idas por prefe^sores
da sua escolha. Os actuaes professores da compa
nhia de Jesus gozarao, a titulo de inlemnisacao,
de uma pen-io vitalicia.
Esta medida, tonuda na vespcra das eleieoes 6
muito significativa; e indica que o actual gabine-
te so sento com fer^ bastanta para desaliar as
inflnonms clericaes e.raaiciomrias e qua se exe-
cutar o S3U programma com circumspecc.lo e pru-
dencia.^ lhe nao sera infiel.
Na Hnngria esta tambem o govern) em luta
com o alto clero, quo se arroga direitos de que
jamais gozou.
As leis acluaes, como pbsorvau o Sr. Daak, em
um diseufto que causou impressSo, so deixam ao
governo arm is impotentes para a repressai dosles
abuses.
0 benoplacito regio para qnalquer publicacao
ecclesiaslica nunca foi peJido pelo episcopado,
para as suas pasloraes, oj para os seus decreto?;
a a penalida le illusnria da intimiclo ao prelado
delinquents para ouvir a r-prehan-ao real, ad au-
d'endun verbnm regimm uUnca foi applicada.
0 projects do codigo penal revisto, que o go-
veruo !:nngaro vai apre-en;ar proximamente .is ca-
maras, couie.ii dispisicoes novas contra o abusos
do clero.
O jus-pl'iceti e mantido, e o bispo q is nio soli
citar a autorisacao real para as suas publica.oes,
commeUe Mich) paniyel corn um anno de pr.sao
a 3:000 ll irins de multa; mas aquelle que, tendo-
Ihe sido reensada a auton'sagio real, der publici-
dada as suas disp isigoes ecclesiasticas, commette
um enme e iocorre na peai da tras anno3 de
prisio pelo mm as a na oniiscifij dos seus rendi-
men os.
Disposieo-s de igual severiiade sao tomadas
contra aquelles que quizerem abusar da sua auto-
riJade com) pregadores, pregando d) pulpito com
um lim politico.
Era etperada na Croacia com impaciencia a
organisagao da adninis ragao uitmoma da.juelle
paiz, conforms o novo pacto de umao com a Hun-
gria.
A nomeacao do Bin que 6 o representante do
poder real, e o chefe do poder executive no reino
da Croatia, preoccupava a allencao publica..
Nuticias de Pesth dizem que o cei conferira esta
diguidade ao Sr. Muzuranics, personagem muito
popular na Croacia.
TURQUIA.
A holicia deque Kiamil Pacha, presidente do
conselho dc estado, linha sido obrigado pelo seu
esta ilo de saude a pedhr a sua domissao, foi pre-
natura ; porque e>te esta luta tem alcancado
sensiveis melhoras, e coula dentro em pouco re-
tomar as suas. func.oes.
As rela.oes entre a Sublime Porta e o ga-
binete de Vienna, continuam bastante frias, depois
da visita do principe Milan aijuella corte, o da re-
cepcao que lhe Iheram.
Espera-so a velta do minislro trangeiros, Rachid Pach.i, para decidir-se se deve
cbamarii em'iaixador Caboule-Pacha, edeixar era
Vienna um simples encirregado de negocios ; ou
se sera necessario recorrer a outro meio de fazT
sentir ao governo austro-bungare, qua elleesque-
ceu nesta circumstancia o que devia a uma poten-
cia arigi.
Occupam-se neste momenlo tanto na Sublime
Porta como no corpo Jiplomatico da Persia da
commissao internacional para o negocio da pea-
gem do canal de Suez.
Esia commissao, eujos membros ja foram no-
meados, jevia-se reunir a 13 de setembro, mas
nao pode reunir-se por nao estar nessa occasiao
em numero complete.
O seu mandato eescolher um typo da tonelagem
uoiforme e um mode da medida da parte utilisa-
vel dos novios ; disse porSm qne' tambem sera
convidada a Jar a sua opiniao sobre o quanto do
direito da peagem.que deve ser recebido pela com
panhia do canal.
Isto parece tocar de perto ao firman da conces-
sao, cuja interpretacao pertence so a potencia ter-
rileriaJ.
A queslao, ja bastante difflcil da tonelagem com-
pbcar se-hia pois, com a queslao politica, e desde
eniao daria lugar a discussSes e divergencias no
soio da propria commissao e a energicos protestos
da parte da-eom;nnhia.
PKRSIA.
.0 grao-vizir da Persia que percorreu os estados
da Europa na companhia do shah, acaba de pedir
a sin doni-io pir motives de sadde.
A demissao foi acaite ^Hi shah, que nio trata
de substituir o grao yijir demissiouano. pois tem
intone lo de Hear e;n rolacSss directas com os seus
minis ire*.
0 grao vialr f,,; enviado rorao prisioneiro a
Koom. '
>,'Jo h
FRA.VQA,
a mudanfa alguma na situaijao
As oessoas prudentes sao de opiniao que e pre-
ciso nao se liar muito nas appareneias nem na at-
titude attribuida a alguns membros do gover-
no.
A confianci que os fusionistas continuam a
mostrar, autorisa com effeito c supposigao de qae
poderiam a ultima hora desmasearar um piano
de eainpanlu, com o lim do alcanjarera a victoria
por sorpreza.
S6 pela ahertura dos trabalhos da assemblea na-
cional da Versailles, se pedera porem conheeer
da verdads aebrs este assumplo ; pois, os par-
tidos hio deixarao de se ^doflnir claramente, e as
incortezas de hoje deverao entiio dissipar-se.
0 J"or/a/ Official de 15 de setembro poblica o
relatorio do ministro das obras publicas relativo a
dimiuuipuo das larifas dos caminhos do ferro para
o transports de ceroaes, assim como o docreto
qao estaoeleco e fixa essas tarifas.
Muitos jornaes frincezes e estrangeiros, ees-
pecialmenle o Times annunciaram que tinham
sobrevindo dillleuldades de compatihilidade entre
as autoridades francezes e allemaes encarregadas
de regularem as clausulas da liberacao do terri-
torio.
0 Carrier de Verdun desiusnte catagoricaraen-
te estes fades.
A oceupacao enma debaixo de nn porfeilo ac-
cord). N'o dia 15 ds setenbro sahio dc Pranca o
ultimo soldadi allemio.
0 proce-so do imrochal Bazaino sera julga-
do em Trianon, em lugar de Compiegne Ja se !I-
zeram as primeiras citacoes. Os debates abrir-fe-
h.io em 6 ou 8 de outubro.
ITALIA.
l..'->e na Opinione :
A imprensa clerical nbstina-se em fazer acre-
dilar qua a viagem do rei a Berlim e a Vienna, e
um facto sem importancia, e de que a Italia nada
tem do esperar. .
Qua' pods ter a efilcacia ds um meio que coa-
sisle em negar as verdades mais eviJentes ?
t Recordaremos por esta occasiao que lodos os
acontecimentoa de que se torn o-perado algum re-
sultado feliz para a Italia foran negados ao prin-
ciple pelos cloricaes.
A viagem do rei a Berlim c a Vienna 6 a con-
sagraeio da occupafiode Roma, da quedado po-
der temporal, da transferencia da capital, e uma .
sakitar advertencia ao partido quo nos quizesse
contestar o direito de dispormos ds nos raesmos,
d) nos-o paiz, das cousas que nos pertencem.
Xao basta oppor aos factos artigos furibondos
e ainda mais furibundas pastoracs. As illusoes dc
1833 cenduziram os clericaes as desillusoes de
1870. Ondo os couduzirao as illusoes de 1873 ?
Scgundo as ultimas noticias de Roma os par
tides liberaes que favorecom umr. aproximacao
cada vet mais intinada Aliemanha e da Italia, re-
eommendarian de novo, por occasiao da viagem
de Victor Manoel, a elevacao da legaglo ilaliana
em Berlin, ri^categoria de embaixada. O gover-
no italiano n.iutro tempo nao tin'ta opposto ou-
lras objcccocs qua as de economia.
Suppondo a realisacio deste vote dos liberaes
itaiianes, rcalisar-se-hiam tambem uiodilicacdes no
corpo di|)lonntice allemio de quo ja, da ha mui-
to, sa trata em Berlin.
Tudo isto pire.n nio posso por ora de simples,
projecto.
HKSPA.NHA.
No dia 13 teve lugar cm Madrid uma eonfe-
ren;ia entre o Sr. Cislellar e o Sr. Sanchez Bre-
gua, o novo minislres da guerra e o Sr. Moriones,
seu successor no comma-ido do exerciu, que ope-
ra na Xavarra
Ficou cembinade o piano da campanha a se-
guir contra os carlislas.
As cortes votaram a disposic.io que restabe-
lece ^ pena de m>rte nis regulamentos milita-
res.
E" uma satisf.v;5) dada aos oBjiaes para os
aju l.o r a restabeleccr a dlsciplina nas fileiras d
exercito.
As cortes votaram por 124 votes contra 68 a
proposta de suspensi < das sessoes; a miuoria ,que- '
ria primeiro gue se procedesse ao exam'e da cons-
tituicao. 0 veto e tanto mais significativo quanto
succedeu a um discurso do Sr. Castellar sobre
os progressos que tem feito en Hespanha o carlis-
nio, justilicando a sua inlencSo de confiar os com-
mandos a generaes do anligo partido conservator.
- A Gazeta de Madrid publicou uma lei sus-
pendendo as garantias constitucionaes e as ou-
iras leis repressivas votadas nas ultimas sessoes
das cortes.
Em consequencia destas leis cstao suspensas a>
scssSes por um tempo indelerminado, e o Sr. Cas-
tellar acha-se habilitado a proceder sem obsta-
culos Da conformidade dos poderes extraordina-
ry >s que Ire foram conferidos duranle este pe-
riode de guerra civil. Pedera d'aqui em diante
proseguira politica firme e energica que eltepro-
clamou como a condicao abaolula do rastabele-
cimento da ordem sociar e politica na Hezpanna.
Os decretos pubheados sao os seguintes :
a Restabelecendo o rig>>r da dlsciplina no ex3r-
cito ; suspendendo as garantias constitucionaes ;.
pondo em vigor a lei da ordem poblica de 1870 ;
supprimindo a licenca de ports de annas, obri-
gando todos os cidaJaos que se ausentom do seu
domicilio a proverem-se de uma cedula passada -
gratuitamenle pelos alcaides ; prohibindo nos jor-
naes as noticias da guerra civil, a nao sorem as
offl 'iaes, as excitacoes a revolta, e as noticias dos.
movimentos das tropas, sob pena de advertencia
pela primeira vet, e multa de 800 a 5,000 peseta*
pela segunda vez, e suspensao pe'a terceira.
Nosso correspendente de Lisboa escreve o
seguinte acerca do reino visinho :
Elsies decretos foran precedidos de um ex-
tenso relatorio pelo uiinistto do reino. Este
docutnento e um novo incitaniento a energia e
vigor das autoridades, e on novo progranma
mmisterial. Entre oulros inportantes periodo!',
darci o seguinte :
i A unica missao do goveruo, a aproximacao
de am naufragio qne parece eminente, e coroba
ter guerra com a guerra, e applicar o ferro e o>
fogo aos que deixam o balnarto das ideas, e-
preiendam com o ferro e o fogo escalar o poder,.
impor-se ao paiz, e sujeitar a Hespanha a mais
absurda das tyranuias, c ao mais anachronico
dos desuotismos.
Organisouse- de novo o corpo da artilharia,
nas antigas bases. Baslabeleceram se as direcco>*
geraes doexercite ; seudo estas psovidencias iui-
portantissimas precedidas d'uma eloqucatte pro.
clamagio do ministerio da guerra. Foram no*
meados directores da artilharia, ziubala; de k-
fantaria, Mariinei Plomer: de est^- -," Prf.
aiiin?!**'.-;.; a,^SPf
I-- ^rvme ; capitao general dc Cuba, jo-
1enar ; de Castella-a-Nsva, Pavia.
f Em Sevilha forjo* deacofcerias muitas arreflai
. <
franca ; iraSltL^S Pf" tt vm^SZZSfiZ pa^os'^
' !!' e i't"MWu versjra I listas. Houve muitas ur sues.
ILEalVEL
i
yerspi I listas. Houve mijilas prisocs.

-, -



*


Navarrele. go.-rrilheiro, iafflWH.>>'Wt^W%'^r^^aau1>li^#|iWMifMlfr canto n<
te* do Valla lobl Jiara 'he flagi-rem '# duros "para o em|iio-ll'-.10 ,ucj0nal, nao daisarao de cm-Tdos produ hoi Hum il j tiiiaro.n a ;i
tii iri.is s-di inm'itWIorta'r a Hniia Jc SaniandiT. I prewar 4alP>. joS seas -fundos -disjioniveis. wtM" nilMV inyoMfio so fl orgaua-ii
Cucala torn* jMM softs giiarrilbas umacom- L do* orli>;,actc, e nor volta das unla*. capera-st* tM#AWMWftyHW'idnd. _
/Alii $rtiH var
lofritorio i
le pMjejruir-se Da discus-
jrl
so-ds giierrilba* uma earn- ido* potli^aeEcs, e, por volta das nubs,
15 antios, os quaes Ihelttm?. ripiJa snuida nos fundos.
cs, anJando" armadas de
r-so com -f.Aividade.
* pW> v iin|,ain
do do uai Bavio de
:s dias do auien
>)a pur lim sonao
avaa soutir faiia
quasi qua nao fat
s tem fuMa de Iro-
.to ft urn aiaque de
frotfcdt) govern'i Vie
h Cucala tei*
pauhia de m
wu-vem de 65
tribooos.
As posiqdcs imporlanles, como Bilbao, a Mal-
lona, conlinuaiii
0* insurgent
Ueixado aquella
guerra voltarar
ui. A sua ex
abastccer a :ida
de viveres.
Por outro I
progressos Q _
pas ; e nJBpa
viva forca *Mno
poder vir em aaxitia. Pare:o tamTJem
qne as disseise-as mtestinas dus sitiados Ihes en
tregarao a pfaca.
0 T'is ndtfr.ia que no dia 16 camecava o
Jjajnuardeaincnio de Carlhagena; o ceice pr
terra era c ip'o ; ja nao acontece o mesnw do
lado do mar
Os msargent's dc Carthagoaa, lend) amen-
calo lirt'Bbwidear Alicante, o aiiairaata iuglnz,
qae coiBtnan l.i a espudriuo Meiiternmeo, reu-
nio todas < suas foicas aianle. Ua waade aioea-
cada. N'uma eonforoucia coas i>s metis do* na
vios as.- insuinenles exigio ui .addiamento tie
96 Iraras, anles quo pozessem ^eos project s cm
mioot^au. alhn dn Hie dcixsr o tcinau do icceber
-itsmecflos do sea jovptHii.
a; Hieiitis mui'jjs tutoresses tstrarvgeiroi."
* U-i cujjstt^a pediw* que ete acto do vanaa-
htmo cwubpt unu cidai>: [juram-.-oie comoieroal
-sm irMpqyio- As fnrc:a< reuniJas cm Alicante
T^JTcilfkieiltdj para >u opporem a urn deseiu-
te?qee. '
A at|tiiud<) des insm^entes que ameacam
tiojibardoai a ndade com o Tim anico da saqucar
us nrgocianles c o> pro|ietario?, tern causado
uma jndigoacau gral.
AJicaute estise.lorlifirando activameata, para
wr apri'..--em.'.la Qiua euergica r-vist-nc'n. I'arti-
ram de Mad.id imporlantes f.irpas e niui-
lu jielrecli:s tit; guerr.L Foi o general Caoaleta
inmar o eciimnando ikqnella importa'Ke praea.
Almeria uoiuaiaa a def n lei'-se de qiulqUef des-
.mliinpie ins insnq^m'es.
O^overiiadoi- de AMcante'foi intimado pelocom-
uufldante tUi trapat-a de-guurra Numaffcia, ao scr-
vigo iios io.terseiit,:sdc Cirtliageua, para no praso
de".6 lior-> 'jiiiii^ar a praea, e recouhpeer o
Lantaode CardHi^i^ia. F>ii asperainente repellido
u wilicial iuriirtciiu-, ai:endi>-Mie o guvernador aguaniiv-io da praea estava nas inelhores dispo-
-iroi!- de r''-i.i:.-ncia. Hema o inaior eutiiusia .ii'i AlirawtCj cnUundo no seu porlo naviosde guer-
r.i Ac vaiia- nacjios, Os navios dos insurgenti>,
.i vi>ia .io lit. L..I .ispejio dcixararn o pori-i de Ali-
;aute. Em seguida f.ulrar.un i frajalas fiance/as
eouracad;is.
< Os isur.iea'.i's voltaram de novo ao bomb irdea-
nient i As 5 i-onas da inauha d> dia 27 foram J.v
losu'priiuiuius Uros.seoJp dirigidos oaiii.hs impor
taute> stofni'tf, sujas ruiuns.dainniucaraiti parleda
tidade. As bateilas d i pr.ia resiwnderam ao f gj
t-iui muito exiw. Ao nii'sin) tempo o vapor Fer-
.1 uidi Cutliuti;o, ditscinbareaii l,"iUO homens cm
vdla Jbiyosa, p<>voac3oa 15 KUometros de Alirante.
lu c vio i|u) Alicante possue em.jjj recursos bas-
fantes para repelfir o ataquc. Uiiige as cporai;6e
ui pracA n general Ceballo.--, cstando o povo muito
utUasiasi^a Io Alguns editicius ja f.iram djiiini-
'; coino p.)i" exemplo o do givern.i civil.
de S'hM pjucisdo rttras le u.i prcjiidti'ial Fogo
AUium eJi'i :io- ficaraui e:n coinpletd ruiua. Pres-
i.n:fi pin Vlicuito v.ilios is aervie.jp algous lo* of-
!i i:- de ai tilbaria. rja-j eitavam forj do< i|iialr.)<.
A praea apriv>e:it>in uma heroica defez i. Murre-
raui BpesscK. li'.cento quo a mirinlia e>trau
g ur-i iatiai 11 >* s.iblevaJ.js a nio eoutinuareai e
ii iiiJar.1-aia ir i d.i pia.a aulo. de findir n piazo
I.- i dias. A fiiii-liioa da fr.igala iltndei Sttrtez
reeebtsu avaria-s ^ran.les'e pur isso saliio n.bocaJa
yeit) vapor 'Fern niiio Cathulko.
No dia 2G euVetuou-se a entregi das fragatts
retidas om Gibraltar, Almanza e V.dorii as aut.i
ridades haSjicn'iolas. Es'ta eotrega tenniooa as
fi boras ila larde
JJn dia J do eorreiUe deu-se cm Madrid am
baa^uete, proniovido peb commlssao da exposi-.ao
reg'.oial hisii.in i-;ioitu.^uazi, seudo SonvidadosOS
rci*rescniaotcs da impren-a madrilena, tie tudas as
:": -. polfticas, an'JgoS diplomatas, raflccionarioj,
indiistiias, ( o visconde do Cnrnide, encarrejiado
liis negori u de PoiDtjal.' PreMiram os Srs., en-
gealieJro I'.i;, antigo director do obras pablitsas;
0 lli.ui, HOI doj :i.ais catliusiasmadjs na relacan
.!i i-xiufiein, ('.in il.-jas, Pern.'indoz de l.is llios o
natr h Iioiloih importaptes. Na occasiao dos brin-
des, i coovilu do Sr. Tegoda, o Sr. visconde le
Carol ':, levantm urn briuje a uniio d; Uespanba
.! I'.iiiuga! em lud.i quanM re'acionasse com o
desenvorvimerito da inJu.-iria, da agriealtura e
d i e ai.nei .:io, ii:ii.:a aspiracdo did doiis povus da
S'.:i;n.u!a.
POnTUOAL.
Big 30 dcsetembro cscreve nossocorrepon-
deuW do Libia:
< A oper.i'jai fiuan-i'ira para a consolidarao da
?Sivida lludtiaiito, uCCiipaainda todas as altoncoes,
< todos se coogratulam pelo prpsper.i estado de
a i-.-as iinaacas que permitte qr.e em trinta boras
M enh a nma oTTerUde i3.808coutos do reis, para
tiHi pedido Co 38 mil centos.
.i as casas bancarias de Fonseca Santus Aj Vian-
na, e do Jose Goujalves Franco, Filhosquo linham
uma grande paite dos sens fund.is ernpregadew na
imda Bactuaflte ; e faziam d'ahi a sua *:spec;ali-
dade, siibgcreviTam cum avultadas quantj.is : a I:"
<-jui 7,'JOO contos, e a cum 8,6'iO conlos.
o Os baacos ile Lisboa smbssreveram conjuneta-
meate cum ;i::i8i-.500300J setido :
O banco de Portugal com 7:331:300*000
LusiUno 4,-KU.0:i *(HX)
. Uitramirioo 3,i50:000500d
A sabscripcSo nos bancos do Porto e suaa
#ar.-u-s ies deu'j899:MO*000.
Os baii'-os sao piir urie.ii do valor das suas
-ub>cripc . Banco Portugnez 2,140:000.5000
1,732:300*0111)
1.513:800501V)
1,400.'000*01)0
1,141:000*000
187:400*000
184:7005000
A crisembneCiria'c finadceira #os 6tados-
Uuldosprmlnito utna deseida na pr*si-4-de *odo* men^*'"
os fundos. nas pra^as estrangeiras prindpal-
iiMale na dc Londros.
a Os rondos iiortugac-zes M *(tf9k WKerna,
nwui, pBrtm, n|lla ptltaaia 'ftauda
losensivel; llcaram aotadta a*sm
No Dkurio do Gatema 4a 24 tesetembro,
l.licouvM-. urn aonuoeio vedatinao a taxa do
da divida foetuaale 5 0/j e declaraado qi
prestomislas q ie sc Bio quiwrcm snjoiiar a
jure Ihes serto pagassu.is letras nos dias dos *m
rincnlos.
Ale agora quasi ncnrimm tern retirado 9Bn:
i^M idrid.
isllia^Micida, tin Jl-^flClO
aHnrTlijrojncnij a 'UTo.
t.asou cm Lisbda a Sra. D.
c.inlar fflSitos.
Ja foi entregue t^adnuttfio-das^Dtas^fubli-
cas o Tolatono d) Sr. loS-'i Vieturino Wmasio acer
ca do estado em qm s aha a eamiaVc daWerr
do sueste, que fora encarregado dc tsaminar.
0 Sr. lose VfcXorino Daiiiasio mTtase a ex-'
nor -siraplesmente os tastes, taieado mdica;6es so-
Lre os melhonunentos que se podem realisar rra
imlia.
Foram compradas para o caramho de ferro do
snl e sueste, de Portugal, quafro maenmas do sys-
tema allemao, na importanoia de 32d,000 reales
cada urn* Compraram-se raais, carruagens para
conduc?ao de passageiros o '"arros p ua mcrca-
dorias. A despeza o.e.a pcrr uns 60 contos de reis.
fui o rcspectivo directcr ao estrangeiro fazer
aquella import ante eoiupra.
. Cttegaram ja a alf*ndega de Elvas, as maclii-
uas qne sao novas e de tiella apaarencia.
Purtodoo met do- outul.ro pruximo, vai far
abena a circulavao, o prolongam-'Ulo do camiulio
de ferro de sueste ale a villa de Extremoz (Alum
tejo).
V'orifijonse Uontem a inspeccJo offloial do
caminho de ferro a nericani, ua seocao entre o
ai>enal do exereito a Santa Apolonia e o Cat-
vario.
A experiencia realisou-se com a maior feli-
eidade, subindo o enrro coin rapi.lez a rainpa d i
Pampulha, e descendo-a a passo e a trute, parando
instantaneaaieule em qualquer ponto da ra.npa.
A tiragiMi ua rainpa fez-se own mais U;iia oa-
relha de reforeo, que, iiorem nao e ueeessaria,
mas asseguia a rapidez da via^BO.
Dave ser breveinente aberto a circnlacSo e
esperase que am novembro proximo esleja eutio
guea concurreneia publiea -Io Podiuni^os.
Acompanhi.a Ti-mway a Vapor, syswma Lir-
manjat tern, porein, a.nesentado irrogularidades
no seu servaM, dado causa a atiMpellamentos e a
serins desast:"es. Os cavallos faeilnienle se espn-
tain com os srlvos da weomolUa, e amJa qne as
avisos spjam feitos com uma sinela o se reserve o
\i ev,iratil#aMHi}igrttft>^uite*
ra n>.fo a e**5*lnei-!caaa, e.
lift ten Jo os .v.iwtMBM po^idd pas-
paxsro :io Ycliowstono, qne na. o era muilo
largo e caudaloso, o general tfaler acampon na
GuiwaraeJ, margem do raesmo rio para procurar os meios
part a iJujatsar. mp<^~bm
a h de tpnaisnoo palies vernw-
*.i-aiu sowe a margem pposta do
d campd" e ooaiccaram o
frtnte
Saigiin e
algmaas
long-
provi-
dias,
OHaes da terrivel epidemia Ivong, e per hso foram toraadas
dencias, obrifl^to'V.
os navios prontMBWs'
. Fali#cou;da uota braatite aguda o Sr, Qr. Aa-
lomo Ferreira tie JAaeau.
Est.i se procedenJo com grande actividade a
ediiiaaeao do h*pilil miliUtr de Tan-ar.
<( F.iram roformados os contra-altniraatcs da
armada por'liigitezes, Apdrade Pinto e Antonio
itirardo ttrara. Aqnette .iHustro mannhwro era
inspector do arsenal do inanaUa do Lisboa, iado
sulislitui Io o capilao de mar e guerra o Sr. Souza
Neves.
t 0 vapor Viile de Li.tbmM, naufragou as 4 bo-
ras da tarde do dia 27 co currenle, a io uiilhai ao
N, do Porto. Perdeuse eoiiipletameute, saivando-
se os tripolairtcs e jiassageiros. ,
a O vap r de guerra poftuguez India, foi a In-
glaterra, para transportar art.lbaria para Lisboa.
Kncalaou >nlo a costa; mas pode safaf-se sem
damao aigum.
Em o l do corronte accrescesta o nosso cor
respondent) :
t icaba de cbegar o i*aao,. da carreira do Pa-
cdico, que entrou a barra liontem pelas 4 horas da
tarde, e teneiona sair erta uuajia ptlas 8 boras;
tr.uixo ii68 passageiros. qae seguem viagem para
o imp. no do Hrasil 32 oara Lisboa, entre os quaes
o St. vis;onde da Paiva Manso, coma disse-
mos. ,,_ ^^i.,
Pane ig.iarmente para o Brasil a Sr3. D Ma-
ria da UK**** Buo->iHBird Sr. baiao Ja Vuigoin Alegre; vai pa n seu irmao
o Sr. Itaymundo deOliveira Iloxo.
Tauibem clie^ou do Liverpool o FJra Queen*.
tue dcya segu.r lioje on ainaulia para Pernam-
Uniao
3 Commercial
Allraoca
Utilnlada Pub'ica
1) Do Pmto
Mereantil
Nas provincis
Vianna do Castellu :
Banco de Vianna
u Guimaraes :
Banco de Guimaraes
Braga
< Banco do Hinlio
a Lommercial
8,299:200*000
1,317:300*000
864:300*000
792:900iOPO
300:000*000
3,674:500*000
0 rato estabeleoido foi de 84 3/i por cento.
Os banc6s tjrnaram firm a a parte da sua ga
rantia.
No banco de Portugal eslio se passando os
tilulos proriforios em ntunoro de 80,#:M) ; sendo
28.000, de om conto de reis, 12,000 de 800*000, o
40,(00 de 160*000.
Ainda go ultimo dia e a ultima bora, chega-
ram pedidos i nportantes para a subscripgao, e a
que ja nan era possivei satisfcizf r. Para patenlear
assim beni claro, que a operacao foi aceita nnani
jnemente e lnerecein a inaior eonlianca de lodos,
dirt-i qne muitas des aabscriptores sai credores na
divida fluctuant, aceitaado, assis a cimsolidacio
da me: ma divida nos termo- prtiposlos pelo go-
vern o.
Parcce que a ultima liora apparoeorara pedido*
para so reservar uma parte do emprestimo para
ser destnbuida pelas differeutes coionias portu-
gueza* resid 'rites nesse imperiq, a one nJo foi
possivei attender, porqiie todo* os aotos do con
frato do impreatirao foram feitos com tol aogred i
coin tanta. rapidez, que mesmo depois de distri-
*>uidos os programraas de subseripcao oa larde
de sabbado.-so estaa no miuisterio da /azegda fir-
.aaudo accordo importante entre os represeotanies
d>as bancos e 6 governo.
Coinecam a reeeber-se em Lisboa jornaes as
irangeii'os de data posterior, a esle aeonlaeimenio
ananceiro, e quo nprccia:n favoravelmente esta
openeio.
Entretanlo neslcs ultiiaos dias o mera;J de
papei ado frouxo, e aao =e tern realisado
tran*acc^e.% o quo .-e cxpiiea perfeitaoieote pela
plethora o*e papeis do credit.) quo se encontra no
jnereado. A* cotagSes conservajji-so 41,79 ou
iifiO de quoc;esi;ontando 1,o de semestie corren-
t",da 4.'1,29 a 13,-)" que & a cot?cao apraximada
dos titulos de ernprestimo- 0 preco porqoo fo-
ram recebidos os rtnlos, sendd d 43,25, ha a
pequeno prem
* Esp^ra-se, porem, qae os noasos compalriotas*
apito a va|Mir, para caso exlremo euj quo teoham
de jiarar para o guarda freio apurtar os breks, os
conductores ahusam.
Na linha de Torres Vedras, r e>-enteaieiite
inaugurada, ficaram os pas-ageiros wttoUoras no
meio da esirada, a Ires legnat di Lisb&k lendo
de passiir a noile.nxs canuagens, sem couiida e
sem luzos !
A causa primcira foi ler-soqueVadj urn pa-
rafiisa da macliina ; a causa do loda a demora
que parece incrivel, foi a pessima ut^aai.sa'fetj do
servi.;o ih coaipanbia.
t Esporain se as priaieiias cliuvas qua mullie
as foogcinas, para Jar u nitimo golpo na systema
em quo algous ainda iiareeem conuar.
A smprasa te:n lido uma boa occasiao lie tor-
nar coiiiieciilo e iyoipa'.liicj o seu system:^ porque
> r.irissimo em Lisbia proloiigar se o vera.i ate a
lim ile setembrd $'"" nm upico dra de cbuva.
tj e.-iado sanitaiio, e o ruoilwr qua se poJera
ospenr, n'uma cidade eonveriiJa ha muilo, em
pintauo, com a proloiigaeao do vcriU>, 9 coin as
proximida.les do cholera em diuVrwUcj punlos da
lviropa nossos vi;.in!i..s.
>< 0 governo n,.. rcsolyea aliiJa de u:n inod-1
deeisiv.i, a questiioda exposicio portug ieza no Kjo
do Janeiro, exiginJj dos promoJtufoa da exposicTt]
que Jeclarnscm pjsitivameolo quaes o; a.ixihos
que soiiciuiraiii do governo portuguez, por isso
qne n.1n ha unilormidale entre os pe.liJos feitos
p I) representante ila associicao e as dtelara.ijes
feita* pelos directofes rcsideotes no Urasil, u'uma
rmir.iao que ultimamente so realisoa no Rio de
Janeiro.
Nesti! sentido foi dingido pcla reparlii;iocoin-
petetile um officio ao Sr. Pessanha Pivoas.
Cousta que honteni mesmo os represcntantes
Ja associacao promotora da associaci i portngueza
no Rio de Janeiro ja rcsponJeram ao governo de-
clarandu posilWamento tjoal o auxili > rjae proton
dia:u doguverijo pjriuguez; e 6 provav.,1, qae pot
ssje pa mete possara est-'s c-jmmunicar aos sous
coinmittente3 nu Rio de Janeiro quaes as promes-
sas do governo.
Mais um servico a Portugal c Brasil vai ser
prestado pelo dosso amigo, o visconde da Saoche1
Raima; que e a pnBHcacJo qie projec'a realisar
breve-nenle de uma Vln$ 'stteira, com gravoras origiuaes djs princlpaes ar-
listas portugnezes e brasileiris.
t A parte litteraria sera conliada aos riielhores
escriaiorcs tanto dcsle como desse pan, por laotos
lajos irmaos.
n 0 jirna! Letrat e Artes tem =;d m.iito esii-
mado e em coacorrila muito para eulthrar o bom
goslo pela apres-nlacio das cupias dos quadros
classicos em quasi lodes os geder .s.
t Soutia-se, porein, a falta de um jornal qu'e lor-
nassc coubecidastanto no paiz como no eslrau
geiro, as obras dos artistas portugueze? e de seu.-.
irmSos do BrasiL
a Algumas eiriprczas dosle genero, como a do
Jamil de B Has Arks, Jutenfada par Paganino,
aquelle bello talento quo sc finou na adolescencia,
nao po'deram ganhar raizes.
A inocidado, rica da talento, e dos dotes do
espirito, e quasi sempr^ pobre cm capitaes.
a Espera-se hoje de Bordeos o visconde de Pai
va Manso que Bra a Paris incntflbldo de aprespn-
tar a i marechal Mac-Mahon as memorias e docu-
mentos relatives a questao da Bahia de Lourenco
Marques, do que o presidento da republic.! franca-
ut e o arbitro, entre o govern) portuguez 3 o go
verno inglcz.
As memorias foram entrega!s u)dia20de
setcmbro.
Ja fui present'.' nas muoicipaiiJades de U-boa
o proji-cto dc um bonlerard, que se prolongue
dssde o passeio pBhlieo do Rocio ate a circumva
lacao nas proximidades do Arco do Cego. E' uma
obra nil.ivel, e que deve concorrer em muito para
o iformoseaincnto dc Li^bOa. E-ta oreada csta
importante obra c:n cerca de lrezent:,s coutos de
reis
Esta ja erguiJo no elevado enme Ja serra do
Bussaco, o singelo, mas especifieativo nionoliiho,
recordativo para Portugal de um graodioso facto
da bistoria patria.
A cilumna Indica o local onde tcrminararn a
sua] carreira lib brilhaote os generaes francezes
Ney e Junot.
a 0 monolitho e coroalo por nma estrcHi de
crystal facelado. Todas as paries do tim tal mo-
nunjento sao fabricadas em Portugal e por maos
Je portuguezes, cdmo di?sc a*ama das minims ul-
timas correspondencia?.
No dia 26 do correntc ni"z teve Ingar em Sa-
caveni, a duas legoas de Lisboa proxttnamfinte, e
ponto B9tavelmente estrategic^. por ser ponto obri-
gado de passagain para Lisboa, um sunulacro es-
trategieo da frimeira brlgada da priraeira divNao
de Lisboa.
A brigada compunha-se dos regimeRtos do in
fantaria.os. Se Jo, de ca;a krs n. 2, duas balorias
de artilbaria, uma de campanha e outra do mm-
unha < d'um regimento de cavallaria. A:ompa
ahava a brigada o rcspectivo pessoal da sadde.
Assistio a todas a; manobras, e!-rei D. Luiz e o
iofaote D. Augasto 0 exeraicio constou em ser
fignrado, que o iniuiigo invadira as alturas que
eroam a povoacao, tentaodo a(aar a cslrada de
Xisboa, tendo as for.^is que guarnecia Sacavem de-
rejeilir o ataque. As maaobras Dzeram-se com
a maior precisao possivei. As operae/ns f iram lo-
da? nfMlegidas por uma esqaadnlba eo uposta de
esealeres gnarnecidos e-nn arlilharia, pois traUva-
se Je defender a jiassageui da ponte, e as margens
da ribelra Je Sacaveal proximas a poote.
u Ciiegoua Ad'ri, a ^auhm'.ira fejo, torn uma
viagem muito boa.
0 mineral exporlado de Portugal para os por
tos do canal de Bristol no scgando trimestre do
eorrente anuo, Xoi ao valor do lit' 9a"8*98-), uons-
tando da 3,312 toMJadas de minerio do dive sa*
quahdades. Os priccipses coasiguatariat fora.ii
Mason a Barry e Richardson C. As procsden-
cias brain : Pomeriio, Lislida e i'orto.
a 0 m m'stro das obras puljfcias de Portugal re-
tiUCO.
boras so ;! .loagon o tiroteio ; os
aes abrigavin NMr Iras das arvo-
10 modo que os indfos.
a alien^iu do general Coster estava
lado, ibb bando de 300 aidios, di-
avessava a rio, a montanhi e a ja-
o acampamento americano, parairemoccu-
retaguar.11 do inimigo.
-se e fii occupar os catnoros,'
os sews adversaries.
Estes continuarara um fogo ininterrompido, ate que
o general iJuster ordenou uma carga.
Aasim que os indies viram o< americanos m'on-
taf a cavatro e sarnTem sobre elles a toda a brida,
fugiram, sends- perse, uidos ato uma distancia da
8 millias na direc^'e de Big Horn.
Tendo cliegado ao acampamento a forca da ox-
pedicac r.ollocaram dous obuses em posicao con-
tra os indios u>ie estavam na outra margem. Bas-
birarn alguns tiros para os dispersar.
L)s indios tiveram 40 liomens entre morlos e fe-
ridos; o< amerrcanos mais do t homens.
Os indios estavam ar out is de earabina de al
cance, e ttaliam ranokjoes um abundanci i; eram
prracipzlinente os snerreiros da tribu dos Unca-
papas que so suppo" serein commapdados pelo
chefa Sioux.
Snpp3e se qiie o a apparecer, a alaearem o americanos.
- Um teb'gramma de Waco (Texas) anouncia
qae os peJles.verruellia sorprehenderam e toma-
ram o (orte Sill, no mesmo estado de Texas, e as-
sassiuado ?ran la numaro de s ilda^is, muliieres
e eriaafas.
Os ultimos telegram mas de New York dan a
rrise um pouco mais socrgada. Evitou-se a cor-
rida aos bancos (run) usando estes do seu privilo-
gio de nao deixarem levantar os deposiios sem um
aviso previo aolo dias.
As enormes compras de fuudos poblicos feitas
pi-lo governo, em ouro, e ao par espalharam nu-
merariosufflciente para deixarem os bancos res-
tabetecer o sen credit-).
No dia 23 de setembro reabrio-se o mercado de
ouro a 112 ; o cambio sobre Londres lica a 107
-Ha-
san adiada do parecer d* <-\>mrui!;sao" io-comas da
dtrccturia.
Vnpores* es#4frado*. -Uaje ou amaulia
o amoriaauo Ort&rto, da New York e Cicalas ; de
il a it, o francet Htnri IV, do Havre e Lisboa.
Vapores a sahir.Amariha o Parekyba,
4>para o Rio Formaso o Tainandare ; o Hrapama
para Granja c eseaias e o Q'quid para Acaracti e
escalas.
rorto dc Liverpool.-Kslavam a sahir
para l'ernambuco : a 1 do eorrente, navios June
Maria e Dora ; a t3, vapor /. lundt ; e a 17 de
setembro aavio Fuzitier.
Fire Qpccav- E pool d.;via sahir de Lisboa para a Bnsso porto no
dia I.Miiil do eorrente.
E' coin a pallcia.-lloraderes no pateo do
Tereo pedem-nos que chamemos a altenvao da
aultiridado cmipelente, para que providencie da
taodo i restabelecer a ordem a3s carregadores
d'agaa noehafaflz do mmo pateo, por isso que um
nucleo de pretos mais valentoes, acham-se aulo
risados a nao permitlirem que outro- tomem agua,
em prehaizo de sSus senhores oa amos, alem de
muito palavrao deshoncsto que entre si jogam em
offensa da moral publk-a.
em
117,698:000
nara o Para e
ajPcinambucQ.
Acba-se mais
ribe>e freguezta
FrcJarico Clu-
do 11 do or-
vaLaute dentrn
Rabe'.lo Bistos,
de Afogados,
Dizcm os joinaes do baatem que o governo
rusolvera a pieleiicao da sociedade promotora da
exposirao p^rtuguez'a no Rio de Jaueiro.conceden-
dj o transn*rto gritu t> dc toJos os produelos que
do Portugal foreiu cjaduzidos ao Hio dc Janeiro
cm de^iiio a es.-a exposi^av. Foi esse o unico
subsiJio cj'.ie os represeutantes da ompreza resol-
veram peJir ao governo da Portugal.
. As iii.scnp:as foram eoladas 44,65 e 44,70.
a No doiningo ii de outubro deve realisar-sa a
primeira corrida de cavallos por geutlenun riders
-iii Cintra. Os jockeys sao da nossa. prime.raso-
ciedade, e ligura eulre os primeiros calcSes do
paiz.
Uma ciinaiissao da seuhoras rcuuio por subs-
.liiaao, uma quantia valio um cofre de praia antigi iavrado, qua e uiij^pri-
mar d'arie, e sera o pivmio do cavalheiro veil-
cedor.
Ja se fazem apostas, por um ou outro jockey.
Eiiei courcdeu a gran-cruz da. S. T.iago ao
iUnslce prof.s.sur Joio da Andrado Ci:vo, com)
actual inini-irj Jos n gocios estrangeiros e da
inai iiiha.
a E'uma d is disliilcijoes mats benl eabidas
quo uaate* ultimas teuipos tem sido concc-
dilas.
0 maviiso p.ieta Thomaz Ribeiro mandou iu-
priinir na impreasa nacional a narrativa da sua
viagem a India. 0 as.-umpto 6 digno da viva ima-
giuacao o e.-tyl i ameuo e elevado do autor lie 0.
Jayme, e d.i Delubjoa do Mai.
0 ministro dos negocios estrangeiros de Ues-
panba communica ao ministro em Lisboa, que ha
noticias exactas Jos failos U'armas de Boiga; as
forfas g.iveiiiameotaes en'raram naipiella povoa-
can l.'p.iis de vencerom em dous coinbites su-
eossivos ns carlistas commaadaJos por Sabalfs,
Tristany, ilirel e D. Affonso.
A In la fui renhida o a derrota foi completi
e os carlistas catalaes perderam todas as esperan-
cas. A opiniao gerai na Catalunha e quo a der-
rota dos carlistas em B Tga foi um gofpe mortal
para as faccdes do antigo principado.
u Uoi telegramma da agenda I lavas diz que
Morjoncs alcancou. uma victoria aoiavel contra o
grossodas f -rcas carlistas dj Navarva, desalojan-
do as da aldeiii, quo ellas occupas'am, e causan
do-1 c grandes perdas.
En*eciu:iram-se cm Pans no dia 29 os fune-
raes do Sr. Olozoga quo era ernhaixal.r de Ilespa-
nha naquoUa cone.
Bccobemcs por Malril a noticia da m^rte do
impi.-r.i lor da MarroC/s Si.li Mohammed.' Tinha
subido ao lin'oiio um 1S-J9.
Lsmos no Brasil:
0 fallecimento do respeitavel advogado o Sr.
Dr. Manoel Maria da Silva fcruschv, deu lugar a
um procedimento nobilissimo por parte do Sr.
commendador lose" Cioibo da Cama e Abrau, sub-
dito brasileiro e natural do Para, que ha annos
vive entre nos e quo lodo3 estimam e rcspeilam
pelo seu bAnra]) caracter. cabendo que o falle-
cido deixava numerosa familia em precariascir-
cum-tancias, apeoas soubc da morte d'aquello de
quern apenas fora visinho e uada mais, enviou a
desolada familia d'z nolas de 2 ;5000.
Hi pr.izec cm registrar factos como estes, a.is
quaes a penna se nega a fazer commentarios. Da-
mais tolos cm Lisbja sabein como e i'rei|uente no
Sr. commendador Gama e Abreu o icteressar S"
pelos que soffrem c pelos que necessitam proteccjio
e auxilio. >
. t 0 Diuiodo QQettno publicou a sejuinte por
taria do Sr. ministro do reino:
Tencionando uma assocLacao creada nos Esta-
iIqs Unidos Ja America emprehender uma viagem
aereostatiea atravez dp Oceano, no intuito de con
correr, por meio da experiencias que se "(izerem
para a icsolnejU Jo problama da navegacao aerea,
ii podendo succeder que venham ter a Portugal as
haloes empregalos n'ainell.i viagem; ordena sua
magesiaile el-rei que os governadores civis deem
as providancias conveniente3 para que aos indivi-
duos empeqliados n'esta empreza se preste '.olo n
auxilio do que caregam, e o acolhimento devido,
fazendo-se ;iara isto as recommendae/ies precisas"
as autori lades locae-. i
a Paeo, em 20 dc setembro de 1873. Antonio
Rodrig'ifs Sijnpt'io.
Diz o Time*, chagalo hoje, que o balio Daily
Graphic, qua devia atravessar o Oceano de Nova
York para a Europa, rebentou no dia 12 no rao-
mento em qua se proceJIa 4 operacio de se Ihe
inlroduzir o gaz. A razao de ter rebentado o ba-
lio foi o raau material de que era construido. Ao
Sr. Wise, que era um dos aereonautas, promelte-
ram constrnir-lhe um ba'lao no valor de 12
contos da reis para elle atravessar o Atlan-
tico.
i-MMflLMCft
cebeu um telegramma da fiha da Madeira, no qua!
os membros qua compunham aHi it comtoissao dos
fe.-tejos, por occasiao da inauguracao do cabo alec-
Irico submarino, se coneratulavam com ametn-
pole pelo importante melnoraraento qua seacaba-
fa de realisar.
A oompanhia das linhas ferreas dd tljrte e
\ticJaM da iiuerica.
Por via de Lisboa recebomos as seguintos:
ESTADOS U.VIDOa.
As ultimas unticias dessa praea sae desariima-
doras As quebras dos banqueiros Fisok e Hatch,
com um grande pawivo levaram corasigo mais
quatorze casas bancarias.
Os pedidos de reerabolso aflluem ai bancos de
Philadelphia, e de Washington ; mas as bancos por
ora estao flrmes.
Para atleauar a crise, o goverao ameicaao re
solveu comjirar bonds em qaaniidait: illuuiuda,
pagns em ou*v e ao paf.
Esta medi Ja couseguio por u momeuto tacer
cessar o panico, c restabelecer a confianca ; havia
grande desanimaeao ; as traasae^oes estavam pa-
raiysadas e igaalmente o movimeiito d-is coibeitas.
A crise financeira estande-se a lodo a paiz.
- Um teltgramma ttflNen'Yo'k de 27 do se-
tembro, diz quo inais tres bancos suspeaderaai os
seus pagamenos em CUariest iwn e doiu em Clii-
ago.
AOlanca-sij qua o banco de Londres vai elevar
a taxa d > descoijto, o tomar outras providencias
para que alii se nao reiiota o echo da crise ato-
nelaria da America.
AlHanca-ie .^ue aenhuma das eaaas europcas
doi EstadoitUiibbs esta envolvida na queura.
0 rclateria de setembro da reparticAo da agri-
ealtura avaiia a caideiu de algodao am 4 railune?
de balas, e a do trigo m ^80 milbdas de bois-
seaux.
Os indios tem-se opposlo nela (orea a cons-
trucj^Q da parte do carainhn de /tj Norttfd'
REVISTA DIARIA.
Guarda nucioiial.- Por aortaria da pro
sidenoia da |>rovincia, Je It do eorrente, foi trans-
ferido para o servieo Ja reserva, a seu pedido, o
capit.io Jose Eleuleno de Azevedo, do 3.* batalhao
de int'antaria do municipio do Recife.
V i^rcjn an*i-o:itan(lo o F.statlo.
- Alem do mais qia; tem occorrido, no ullimo
domiago, 12 d) eorrente, deixou de haver missa
conventual na matris d i Roa-Vista, por uagar.tc
a dize-la o respe-livo -vigario, a vista d;i iraiau-
dadido S.irramento, legalmenta autorisada paios
ultimos aetoa do governo, apresautar sc no te.n-
plo revesti la de suas insignias.
0 qae achamos original ns procedimento d>s
Srs. vigarios, que fazem causa commum coin o
Exm diocosano, e que, Ss IVvrns. energicos, inde-
pendentes, quanto a racusarem obedienria as- or-
dens do governo, nlo sentem a menor r puguan-
cia em receberem a coogrna, que Hies manda pa-
gar esto mesmo goverao.
Oirio Ss. Rvin*. qua a cingrna o-o pagameato
de um trabalho. Mas nos lhcs perguntaremos :
do quo trabalho ?
Furlaivos, por esta ou a pialla razao, ao' tra-
balho de que c a congrua remuneracio t Par-
deste o direito a esta.
Sera porquo o governo continua a pagar-vo-Ja,
nio obstanle vo sa llagranle dosobediencia ? Nao,
porque, sa a dignida le do padre nio exclue a
dignidde do Jliomem, .a vos e quo cumpria re-
cnsa-la ao mesmo tempo que vos resolvesies
pela igreja que nega o Estado ; e para flue o vosso
acto fosse coin pie to e puro em todas as formas
domartyrio, devia seguirse a recusTu3rVi^/o pr>-
(ana a resigaacao do cargo, que supponJes huini-
Ilia do por um sacrilegio.
Qne eamiuho lomarao estas cousas ?
Veltarais,:"ch Clirislo 1 ?....
Jury da RecifeNo dia 16 do eorrente
fquinta feira) deve come;ar quinta sessfio ordi
naria do eorrente ann*, soh a oresideiicir, do Dr.
juiz de direito da 1* vara civel da capital.
Temde sorvir na niesma, como jura dos, oi X
guintes senhores qne, e:n conformidada 1 > ai t.
328 do regulamento n. 120 de 31 Ja Janeiro de
1842, foram sorleados
Freiruezia de S. Frei Pedro Goncalves.
Alfredo Henrique Garcia.
Antonio Goncalves Ferreira Cascao.
Francisco Antonio de Andrado Luna.
Francisco Joan de Barros Junior.
lo.io Baptista de 01 ivein.
Joso Adrian da Costa Moreira.
Jose Lins de Azevedo Maia.
Manoel Francisco Marques.
Freguezia de Santo AntoniOi
Antonio Bernardo Quinteiro.
Antonio Francisco Poreira de Lyra.
Antonio Goncalves Torres.
Dr Cicero I idem Peregrino da Silva.
Gonoal > Jose AITonso.
Dr. Joao Barballw Uchoa Cavalcanle.
Jose Augusto de Araujo.
Dr. Jose Joaquim de Almeida Nohre.
Manoel Jose de Azevedo Santos.
Ulysses Pernambueano de Mello.
Fregue/ia da Boa-Vista.
Augusto Pinto de Lemos.
Bernardino do Senna Pontual.
Braz Jose dos Reis.
Candido Jose da Silva Guimaraes.
Ceciliano Mamadc de Almeida.
Eaiiliaoo Ernesto d t Mello Tamborim.
Dr. Felippe Nery Coll ago.
Francisco Jose Babello.
Ignacio AI vim da Silva
Joao Athanazio Bolelho.
Joao Carlos Lins de Souza.
Joao Fcrnanie-s da Cruz.
Dr. Joaquim Jose de Miranda.
Jose Antonio Vieira de Souza.
Joso Pacheco de liedeiros.
Luiz Cesario do Rego.
Minoel Jose da Silva Guimaraes.
Peoro Paulo dos Santos.
Dr. Vicente Pereira do Rego.
Fregneaia de S. Jose.
Dr. Francisco Odilon Tavares Lima.
Joao Antonio da Silva Penna.
Joa itiim Pedro dos Santos Bezerra.
Manoel da Foaeeca Medeiros.
Freguezia da Graca.
Antonio Jos6 Leapoldioo Arantes.
Elias GoncaLves Pereira da Cunha.
Francisco Antonio da Silva Cavalcanle.
Fregoezii de Afogados.
Joao 4a> Cruz Mocado.
Freguezia do Poji.
Joe Domingoes Codeceira.
Si-bastwo Antonio do Rego Barros.
Freguezia da Varzea.
Francisco de Paula Correia de Araujo.
Devem ser julgados na dita sessao os sa^'umtes
reos : afflaneados e ausentes, Tranquilhno Fran-
cisco d Paula, Jose Marlins da Silva; Francisco
Jbse Cetrein Marques, Lourenco de Freitas Gui-
maraes, Manoel Rodrigus Fernandes Leal, Jo
sa Rogorio Marcelino e Jovino Francisco dos
Saates; a tre-os : Jose, eseravo do visconde
de Suasauaa ; Francisco Vianna -de Souza, Ma-
noel Soarea de Lima, Jose Bernardino Torquato,
Izidro Eiasbao da Suva, Lu'o> eseravo ; Joao Pedro
de Ohveira, Maaoel Martins da Silva, Marianno,
eseravo : Martiaao, eseravo ; Lourenco Justiuiano
Nierv e Joao Feiippe Nery.
llUsa funebre. O nosso collega Dr. Wi-
teavaa-BiatoBandeira pede-aos para bcientificar
aea seus parenles e amigos, quo as missas, que
baiftflianda celebrar por aUna do sua consorte,
serao exclusivamente in recolbhnento da Gloria,
a BAa na roatriz da Baa Vista, como hoatem fizera
anuunciar,m eonseqaaaeia da questao religiosa
que ora nas uagella.
Termo de IpoJMea. Coin o prazo de 50
dias, a coutar de 184asetembro ultima, aciu-sa a
coucurso o provtmaato vitalicio do officia do label
hao da aotaae eserivio do civel, crime, orphaoSj
capalUs e residues, do larino de Ipojuca, creado
pela lei proviacial n. 504 de 29 de maio da 186J.
Trilhos au-banos de Olinda. Deve
haver no oia 20 do cprrente (segonda-felra groxi-
Sargipe e Alagoas.-De volta do Ara-
ca;u e escalas c begun liontem a tarde o vapor
ilandahu, da companhia Parnam'oucana, ira-
asndo dalas de Sergipe ate 5 e dxs Alagoas ate i i
do eorrente. Nenhuma noticia trazem os jornae-,
quo meiecam ineueao.
Passainento-Deu hmlem pela niaiiha a
alma ao Creador, apos rapidos padecimentos, o ba-
cliari'l Antonio d'Assuropgio Cabral, antigo advo-
gado do foro do Recife, e secrelario do gymnasio
provincial.
Bint* euitapuio. Em om cemitario dc
Bedim i a um curioso monameato funerario. A
esutua d'um pequeno genio apresenta a estatua
d'uma rapariga a aigautada um,i|f ilha do bronze,
sobre a qual se le :
Sobre ajninha letra de eambio, vaior recebi-
d) em affeicao e lidetidade conjugaes, o Senlior
Jesos le pag.ira immediatamenic a ialvacao eler-
na.Assignado : DtcKouw, de Posldam. >
Meio de ile^tt-uir. lavontou-sa ultima-
mente uma nova machiaa infernal para dastruir
navios, que tem causado granle cxeitanieuto e.n
Laad-es.
Ciuta d'um pequeno bocado de metal fuudido,
de proximameuie o pullegadas inglezas de con;
prido e 2 de grosso. E' oca c imita perfeitamen-
te a conligaracao de um bocado de earv o miue
ral, e e pintado imilando aqualle combustivcl, cooi
a qual se confunde. Interionnente e carregado
de polvot.i, algodao ou nitroglicerina. A((uellas
machinas podem ser introduiidas nos paioes de
um navio de vapor juntatsente com o carvao qu?
constantemente se esta queimand) nas fornalhas, 0
resultado e uma terrivel explosao
Mr. EinilieOUivlcr. Tlie Hour, inleres-
sanle jornal da Londres, con-em no seu nuuiero
do dia 10 de setembro (1* coluiuna da pag. o), a
noticia de uma eatrevisu muito intcressantc que
o aorrespondenle do mesin i jornal em Paris teve
em Pollona, pert > da Biella, coin Mr. Emilie Olli-
vier. A exioasao da noticia lomar-nos hia espaeo
da que nao p-nlnnos dispor, mas aos i|uc se inle
ressam nas cousas da Franca a desejam conhecer
os factos principles dos ultimos tempos, recom-
mendamos a Icitura da n oicia da entrevisla. E'
inslructivaecurio-a Mr. Ollivier occupuu-se lar-
gamenle da candidature do principe de Hohen
zollern ao liirono'le llaspanha, oi;endo que ne-
ohum hoine.n politico do Franca, desde Mazariu
ate Tniers, Uderaria um principe allemao no Ihro-
uo hespanhol. Tambein so occupou extensamen-
to do succosso do dia 4 de setembro. Fallando do
marechal Mac-Mahon, Mr. Ollivier chamou-lhc 0
boinem mais honesto do munJo.
0 correspon lenla do Hour nao ciii aan Mr. Ol-
livier, a quern chuna eminente estadista e dislinc-
to ministro de Napdeao III. ten'na acabado a sua
carreira polilica. Mr. Olliviar e 'um d is france-
zes mais versados nas leis, usos e.costumes ingle-
zes. A Inglalerra tem por elle um grande respei-
lo CO'no elle tem qma gran lo sympathia pela In-
gl.i terra.
04o,OilU niillioes da Franca. De
uma eorre-pondencja eslrangeira transcrevemos o
Toda a iinprensa aiierna manifesto a sua al
miraciio pela facilidade com que a FratiQa se des-
empenhou dos seus eompromissp.s financeiros com
a Pra-sia. E' tuteressaite ler oseguinte num'jor
nai de Berliu.
A Franca a>abou de pagar os 5,030 milliues,
e nos recebemo-lo', se se enlenda par nds o msa-
ciavel cofre niilitar em que esta soinina doiap0-
recea inasi hUeiramenta
A nac.io nai lonn osresultalos desta impor
lacao de'nuinerario ; osbeneficiot que lemos sen-
tido a ver a agioiagein tomar yroporcoes inaudi-
tas o snliirein a um preco oxorbitante todos os ge-
neros de prinioira n ;ce.-sidada. Nao diminuiram
os hnaasMB, epjJemo-, pelo cmtrario, e cada momenta a sua elcvacao. 0 povo sMemaO
uao tirou vaulagem neiiliuma dos o.OJy indhocs de
fraacos pagos pala Franca a Prussia.
Mauii:nissa<>. -0 linado Dr. Antonio de
Assumpgiio Cabral deixou livrc o unico eseravo
qua paatuia
C!to5cra tiinrbus-0 governo bespanbol
alem de outras medidas que tem adojrtado para
(tue nao seja introduzido o cholera em Hespanha,
prcvtm'o os seus represcntantes de Lisboa e Porlo
para qne participant diariamentc ao miuisterio da
governa;5o o vcrdadeiro estado sanitaria dos ditos
paitas. As noticias sanitarias recebidas em Madrid
em 23 da sa setembro sao as seguintes :
Trieste -Cholera* 77 accommettidos no mcz de
agosto ; fallceidos 36.
Hamburgo. Cholera 342 acommeitldos desde
24 a 30 deagisto ; cholerina 713; fadecidos de
ambas as enfermidaes 14*J.
Kosaisberg Cholera :. de 31 de agosto a 6 de
setembro 279 acommettidos ; fadecidos 132.
Havre Cholera : ate 7 do enrrecnte 95 acom-
mettidos no hisnital ; fallceidos .'it
Marselha-A sanle publiea nfio tern melhoradi.
Paris -Cholera : estacionado.
llnao-Cholera : diminue.
Loteria de Hespanha-Os ns. mais
premiados na loteria de Hespanha que teve lugar
no dia 23 da setembro, fMara os seguintes :
28,983 com 80:0o0 pesetas ; 2.3d8 com 50:000 :
29,345 com 23:000.
Com 3:ii00 pesetas os seguintes nnmcros :
8295, 4170, 21640, 21389, 16278, 88i)0, 11997,
-2711, 25224, 2028 i, 3208, 16232, 248 >5, 660;
1911, 7968, 8476, 9602, 14840, 25716, 13776,
14274, 22816, 7843, 13158.
Para o suldo iinperio Com 2 recehi
dos em nosso porto levou o vapor inglez Puno 723
nassageiro^.
- Faeuldade dc direito.Devem encer
rarsa amauha os trabalbos lectuos no correnti
anno.
Anniversaries.Completa Imje 54 annos S.
\. o principe de Joinville.
Mercado monctario dc i.nmlrcs.
Em setembro 24 aizem os Srs. Pinto Leite & So
brinhos :
Inesperadamente depois da nossa ultima cir-
cular de II do eorrente, os descontos tornaram-se
mais faceis, augmentando o supprimento de di-
nlteiro particularmente, e esta facilidade tem coo-
linuado ate hoje, porem, o banco de Inglaterra
obrando cautelosamente, nenhuma alteraeao por
emquant) fez na sua taxa minima que continua
sendo de 3 0/0.
f Os embarques de ouro para Nova York e ou-
tros portos flzeram diminuir a reserva melalica
do mesmo estabelecimento que era em 10 do eor-
rente & 24,018,703, e em 17 do mesmo ......
23,912,623 Jendo nas mesmas d tas notas em cir-
ctilacao no valor do 25,840,923 e 23,565,780
respectivamente. Consolidados baixaram 1/16, U-
caado de 92 3/8 a 9z 1/2. Fundos estrangeiros
nao soffreram alieracao importante com o panico
em Nova-York, tendo esla apenas allectado as ac-
gaes mais especulativas dos caminbos de ferro.ame-
ricanos.
h Em aecoes de bancos tem havido lirmeza e
coumos :
Eaghsn Bank of Rio de Ja-
neiro ll/2 2 preTn.
London & River Plate'novas 2 1/4 3 1/4
Mercantile Bank or the Ri-
. vcr Plate "i 1/2 I
New London & Brasilian
Bank 7 1/4 7 3/4
Bahia e S. Francisco Rail-
way 20 3/4 21 Hi
S. Paulo K 3/4 23 1/4
Becjfee.S. FrancLsea 86 88
Telegrapho submarino brasi-
siletfo 2 1 1/2 des.
Va casa central de b
uueiros as liquidacoe
durante a semana linJa em
10 de setembro somrharam
em" 93,882:000
e na finda em 17 do mesmo
210,53'):000
Porto tie IJshna m ns navios :
a 23 Vilte de Rlo(*)4* HMUaflilidco ; :. 2i Eri-
manthe (v.j iJear; a 29 OouM,li 1'ara, Anciuo
do Vonga, do Aracajii.
Sahiram : a26.31-rut
Maranhao ; affLJf
VacciuadWr
nomaado para o p .voado dS
de S. Pedro Martyr da Olindfl
ves Junior.
Tiro.Pulaa 7 horas i\]
rente a.liava-ta Henrique Ji
da padaria da Antonio Joa|
sHa no lugar Araias, do dii
qaando foi ferido lavement^ pjr um tiro, que Ihe
foi desiachado da poria da ria. Evadio-se o de-
linquente, mas imputam o attcntado a um Exi-
lian > J i-.'' da Penha.
Loteria. A que se acna a venda 6 a 70." a
benelicio da inatriz do Afogados, a qual Curre no
iia 21.
Casa de dctencao.Movimento do dia
11 de outubro de 1873 :
Extstiam presos 328, entraram 2, sahio ,1,
axistem 3.9.
A saber ;
Nacionaes 240, mulheres 10. estrangeiros (9,
eseravos 38, aaenvas 2.Total 32J.
Alimentados a cusla dos cofres publicos 274.
Movimoato daenfermaria do dia U de outubro
le 1873 :
Tiveraui baixa: ~ YirT k ft
Joaquim Jose deSant'Anoa, fehtv.
Francisco de SaHea das Yirgeus, feara.
Tiveram alta :
Jose .\uloiiio de S. Accioli. rfj >
Jose Bernardo de Oliveira.
Josd (eseravo) senienciad.
Hospital Pedro II. O movimento dcsle
estabelecimento, de 6 ao di i 12 de oulttbra de
1873 foi o .-egninie : rxistiam 341, entraram
63, sahiram 32, falleceram 10, axistem 362. sendo :
222 aameas e iiO mulheres,
MaVafiaaaiai
Foraoi visitadas as enformanas uestn dias : as
8, 8, 7 1(3, 7 *t3,8,8, 8, Pelo Dr. Bellrao; as II
l|2, li, I l[2, 12, 1, polo lir. Sarmenio ; as 9, 9,
8 hi 9 l|2, 9. 8 1}2V 10, pelo Dr. Malaquias ;
as. 8, 7 l|3, 7 l|3, 8, 8, 8, polo Dr. Andrado
Lima.
MNaaMM,
CorJolina Maria rjo Sacramento ; variolas er.n-
llueules. i
Joio Jose dos Santos ; entrou meribundo.
Jaaa Vicente Moreira ; variolas comluaates.
Juao Francisco da Silva ; variolas conrtumu-
Maria Ignacia Pinheiro de Mello ; variolas ei :i-
fluealas.
Joaquim Antoiio de Lobao ; febre anwrelL..
Jose.domes NVgieiros ; varatias hc.iiotrliay.cas.
Alberto ; asysUdia,
Francisco lo Livramenlo ; tubercnlese pulmoaar.
Caetaaa Maria da Coneei.-ao ; pneuiniiiia.
Hospital Portuguez dc Iteiiellccn-
cii .Movimento das enfannarias ilesdo o dia 5
a 11 de outubro :.
Ficaram em tralamenlo 30, eniraram 17, sa-
hiram curados 7, falleeeu I, ficani existindo o'J.
Lsta de semana o Sr. mordoino Jose iJ)pes
A llieirn.
Passageiros.Cbegados da Europa no va-
por inglaz Punt : .
Alfredo Thon c sua familia, A. FcMor II. Tf.
ftoadley sua familia, \V. Asbl-'m, J A. Pereira,
J. J. Oliveira, L 0. Penna, L. D. Gucrineau, A.
P. Silva, J. F. dos Santos J. J. Pmto, M. D. Pinto,
P. I Pinto, A. G. da Silva Junior, F. R. da Costa,
A. I. Praea, M. 6. Martins, I. P. Moreira, A. T. da,
Silva, M C Ramos e seu irmao, P. S. Goe'lio, P.
M. Marcelino, P. I). de Azevedo, M. J.T. Lad.
F.ntrados do Aracujii no vapor Mundahn :
Antonio de S. Gusmao, Idalina Vieira do F.guei-
relo, Maria Joaquiaa Calu, Antonio A. L. Braga e
2 lilhos, Aogasta I. Je Jesus, Angela Joauuina
Monteiro, Manoel B. Callieiros, Fr. Estevao de Ma-
ria e 2 pracas de policia.
Sahidos para osul no vapor inglez fun);
Joao A. da Silva, Adofpho Pereira Carneiro e
James Gordon.
Sahidos para o sul no vapor nacioua. Ba-
hia :
Dr Antonio J. A. Neves, tenente-cirmel Autono-
Conpi'S Meilo e sua familia, Ignacio Francisco C.
Silva, Dr. J. F. Popgi de Figueiredo, D. Maria Joa-
quina da Goneeicao, tenente Pearo Ignacio 0. Gne-
desesna mulher, Uarao da Gra.-aa 1 criado.Johu
Box e sua mullicr, general Pa iro M. Xavier de
Castro e sua familia, Pedro R. Teixeira, Fran:i--.-r
Jiachado Pedrdsa, Pansto A. Guedes leo, Dr. Vir-
Kintn H. Costa, Dr. A. de Faria Casiroe sua fami-
lia, JaM Augusto do Almeida, Manoel C. MexafM,
Fobricio Alves Carvalho, Jose F. Soares, I". Do-
mingos da Silva, Dr. Joao F. P. da Cunha, Auivha-
no Izac, Ignacio F. Maria, Luiz Jose Aulonio da C,
VI. da S. Maleira, Antonio de Barros Lourciro, A.
de Moura Rolim, Julio Fuerslenbere, M. A. Aguiar
JosaS. da S. Monteiro, Jose C Alvea de Aguiar,
Nathan), 1 eadeta a 6 pracas, Antonio*. PaularfJo-
mes, Fraaobco V. dos Santos, H. Antonio Passes,
Antonio Pires, Jose E. Ililencourt, Joso J. tie An-
drado, Jose de Oliveira, Andre, africano livre, Lou-
renco Co:i>iantini, Manoel Braa Ribeiro, Jo e M.
da Silva, M B. Gomes, Pedro F. da Costa, loaqunn
I. Reis, J. de Sonza, AITonso Ago-tinho F. liiinos,
Joao Vog "lev, Jose I. S. Barros, n.n aaspeca.la, i
soldado 16 recruta-, Bernardo R. Geuveia e 48
eseravos a f-iilregar.
; flttONICI JllHSUaiA
Tribunal do cosuiucrci \CTA. DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE !DB
OUTUBRO OE 1873.
PBESIOEXCU DO KXM. Sa. Ci.NSKUUEinO ANSKLMO
flumClSCO l-EKKTTI.
A's 10 horas da manhn, presentes os Srs. dc-
putados sicretario Olinto ltastos eLopes Machado,
e os Srs. supplentes Sa l.eitao e Alves Guorra,
S Exc. o Sr. conselhciro presidente declarou abcr-
ta a sessao.
Foi lida a. approvada a acU da precodenle
sessSo.
EXPEBIENTE.
Officio Jo presidente o secretario da junta dos
corretorcs, acompanhando o botelim das coia.-'cs
offlciaes da semana de 27 de setembro proximo
passado a 4 do corrente.-Para o archivo.
Foi a rubrica o livro diario de Jos6 Maria Gon-
calves Pereira.
DESPACHOS.
Requerimentos :. .
De Joao Jose da Cunha Lages.galisrazendo o des-
pacho 1o tribanal de 2 do eorrente para se passy:
cartado biate nacional Flo-io Jmdim.-Deferido
quacto ao que requereu em sua anterior peU\ao,
uma vez que provou sar brasileiro, cntregaalo-se
ao suppiirante o titulo juulo.
Dc Guimaraes & Luz, requerendo baixa n.i re-
cistr'o da nomeacao dc seu caixeiro Manoel ursino
Rodrigues de Azevedo. Como requerera.
Dos mesmos, pedindo certidao da nomeacao de
seas caixeiros Manoel Carlos Maia, Jose Antonio-
Carlos Maia e Cantionillo Firmo do Nascimenio.
Passe-se a certidau- requerida.
De Francisco iosi da Silva Guimaraes, para dar-
se-Ihe por certidao esUr ou nao registrada a no-
mea"ao de seu caixeiro Antonio Lhsiario do Lculo
Soares e>e brasileiro.De se ao supplicantc cer-
tidao do Vc constar.
DeJoao Ignacio Avila, para cerliQear-se-lhe sa
Manoel Marques Avila tem ragistrada a nomeocao
de caixeiro que Ihe dera o supplicante em 1839.
De'-se ao supplicante certidao do que constar.
De Jose dos Santos Oliveira, certidao da ncuica-
cio da seu caixeiro Jose- Dionisio de Souza, ehrai-
uacao da le Jose Pedro Moreira e registro d\ da
Manoel Francisco dos Santos.Como pede. N4o
votou o Sr. Clinto Bastos, tendo o despacbo sido
lan^ado pelo Sr. deputado Lopes Machado, como
secrelario od hoc.
De Francisco das Chagas da Jesas Monteiro,
apresentando a registro a nomeacao de sao caixei-
ro Adriano Francisco Tavare3.-Registrc.-se a ne-
mearao junta pelo supplicante, qua aao provou
ser brasileiro como allega o caixeiro, noineadp.
De Jose Maria Rhigas, snbmettendo, afun de scr
regislrada, a nomeacao.de caixeiro que dcii-a
Francelino. Alves da Silva.Seja rogiaVaaa a hfl-
meajao apreseatada pelo supplicante qua nao
provou a allegada nacioBalidade de seu caixeiro
Francelino.
De Beirao i C, trazeado a registro a aomeacaa,
de Jose Francisco Fernandes. -Registre-sa a no-
meacao aprcsentada pelos supplicaotes, qua nao
provaram a sua allegacao.quanto a nacionBUdaaj
da caixeiro mineado.
De Joao Baptista FernSudes Povoas, peditMo >
registro .! sua uomea^ao de caixeiro da Brin*
Candido Jo;e da SUva Guimaraes & C Regwtw-
se a nomeaoao apresentada pelo auplicante, send'>
que nao esta provada a sua nacionaridaaa dicla-
rada em a niesma nomeacao.
De Jose Joaquim da Costa Fajozes Junior, para
se Ihe registrar a nomeacao que apresecia do
fr
/

I
1 ILE J|
_j




i
&tf> sfe ftunrittbobo Teroa ifefra 14osi* 6a4beltoxlA|.
seus caii;
Jojo Fedts
De D. Mariana Pinto Btaiira, viuva e succes-
sor* da Rodrigo Pinto IHoruira, pedicdo que se
maiide insrrfefer como eatxeiro do nba loia de
acllana, a Silveslro Baptists Ae Santa Rosa.Junte
a s.upplkanto a nonwaeio. cujo registro pede.
De Bastos & Silva, commerctantes matriculados
e eatabelccidos nesta praca, pedindo raoraloria
l>or urn, dm etres annos para assim pagar inte-
graluiciite aos sous credores. Adiado por ter-sc
averbado c!e suspeito com jaramento o Sr. Olinto
BasDs e por ser u Sr. deputado Lopes Machado pro-
curador de urn credorde Pariz.flcaado assim inconj-
pleto o tribunal para a delibcracao que se faz mis-
ter; o mesmo tribunal resolven que fossem convi
dadus acoinpirecer osSr*. Herminio Ecidio de Fi-
gueiredoe Ja.lo Ignam d Rep. Medeir'is quo foi
soado eiitrc os q;UJ como elle |so tern uiu voto
na ordem dos .supplentes.
,.. 2?oa Ce ^rento Viannu & C, para mandar-
sa certilicar quaes eram os associados a tirma
fcliasjose dos Santos Andrade & C.-O tribunal
mandou p...;sar a certidao e proferio o despacho
que Ilia cumpcia. pois s supplicantes nenhuma
outra cousa lhe pediram, e de'si se nueixem os
roesraos supplicants se iias foram explicitos em
u primcira pcticao como o foram na presente
rep ica, tfeveudo a secretaria passar a ccrlidio no
ioouao em quo agora a rcquerem os supplicantes
que ja nao se limitam ao quo se acha regislrado
no anuo de I80.1.
' w o mricr* FISCAL.
Peticoas:
De Jos6 da Costa Maia, registro do distrato do
iirni.i Uau AC. Seja regUtrado o distrato nos
termos do decreto n 4,394.
'De Cnstodio Francisco Muoiz e Joaquim Fran-
cisco Mnniz, registro do seu contrato. Proeeda-sb
?3lslro' segundo o disposto no decreto n.
De Joaquim Ferreira Ramos Sobrinho e Manoel
i-erreira ftemos, registro do sea contrato.-R'gi
YLf cr"llr;,'n junto na forma do decreto n.
4394.
Ao meio dii S Kxe. o Sr. conselheiro presiden-
te encerrou a sessIo/HRo havendo maiso que des-
pachar. '
; AO PR4XBTA A. WTflfUEtRV,
Pergunta o abaixo aas.gaado onde encontrotl
lei, que antonse a vendade nm Item aotos da par-
tilha ter sido julgada por unlenca.
Depots hai do provar qaam e que tem tudo
commetMa por eaasa de dinheiro
A. de Si.
THEATRO SINTO ANTONIO.
Rogaraos ao Sr. Vicente Pootos i) Oliveira, em-
prezario dos tleatros Santo Antonio eGumnasio
??>ch > esPe::i, obsaqaio de lovar a scena,
saooado 18 do correate, o interessante drama de
i mheiro Chaga* -A morguiimha da VallUir. Es-
peramos na bondade de S. S., que o nosso pedido
sera satisfeito.
Os apreciadores.
I
I
Aochronistada Provincial
Qa- si, p'ir.ni eux, quelque vaniteux ]ceut abso-
tnment i? poser en savant; m snurire, tin ap-
plaudtstement, u-i imuvement (Toreille a la mi-
niire des ines, mflU (implement pmr faire croire
aux autres qu'H esl ah hauteur de la chose
lien qn'au fond it nen soil iien.
Sto palavras poslas por Er&um na b)cca da
loucuri. Dir so tiia que elleassim o flzera, tendo
em vista o chronista da Procincia; tai ftSMOlam ellas nsssa impart-iwite persona gem.
O^chronista que- ab.soluinent se p sreii savant;
eenttjowonde |iecvm un sourire, an apptau'
ties aw tern f-Mtr. erer ao; outros quo e-ta na
all urn A'tnmri, e qie p>r eon-egumte p6de ex
cii/iedra chain ir aos miii do loucos e de mais
algunia DUM quo iue apraz.
Dot} cii'it die:, le Vayer, htonn- le quint sine
Lroii UHqmn ?r.' 'ivoir la sagesse en portage,
Hasp r.da a Hoiloau. ao louco Boileau, Sr. chro
nista Ja sei : a resposta 6 que Boileau, si vi-
yaaae, ileveiia If tor juiitauumte com o iarioso
norus ao hosp no de aliena In.
Que ehroniKa impagavol l
b.i a Provmcia parabens a soa fortuna .le ha-
ve-Io sac m'.rado.
Urn lone i c aqm lie quo os loucos repulam urn
humem tie juiz>, dUe-o alguem. Ainda bem qne
otAronista nao fepatqp a Plmi< homem de juizo
h Floi'us fehcita** por lersWo daWSaadjde lou-
co pel.) chrjiilsfa
Kntao,Sr. cnrjnista,achates ridiculo ao brUhau-
lee o tn-liitn Que magni'ico elogio para o es-
eribto de Ptoras I
Reastes esma^ado com o verdadeiro e apropria-
do d.i oru.T-.rjc.i >, '. r.ij., pel) irenesi que vos
cauiasvprdade.satiistes-vos chamandoa Floras do
I! MCI'1.
Pobre chronista Coinosa snppOe a ta hau-
teur it' la chose, 'nen qu'au fond it nen soil
rien !
Oi fewcios U'nbam o defeito dejalgar a todos oa
atltcai.'iK!-, qw viam, .sens eonteiranen. E'o
caao. OB;oeio chwnisia julgou Floras Ueo.-io
com> elle. Para ons)lo norus da ao chronista
licen^a ),: o fazor, coatinuando no defeito, que ja
i elno e nierecj desculpa.
A oasii h de raca ; e'ditodos os Beocios pas-
- I ne pr'sontcs.
Apor.; a mi), Sr. chroniita, a
Ftorus.
\i le outabro de 1873.
9m liberacK
Toda o qualquer |>essoa, que, cercada de gran-
ds males pwsegue vacillante o cam in ho que a
pode coaduzir a urn prufundo abysmj, e que ap-
pareccndo-lh Iroiaena sansatos e desinteressa-
dos oirerecendo a mao para desvialo dene
m.i i cammho, iudicando-lhe a protectora esirella
que o ifeve guiar ao porto mais seguro, e Bio aac-
ceita, c.inliuuanclo aos seus desvarios, 6 cerlamente
I-Ttji- muiii iuc:iaa.-io e al'erro a insensalez
e iguoraoeia.
E e jmjlamenle o que vemos todos os dias fazer
o> homiins quo nesta provincia querem conquiatar
os foros do liberaes. Esles, encaram o bom cula-
dao, o iio.ii.'ai honesto, como umaespceio deexeom-
inung.i-Jos que Uidos devem evitar. Fazem ainda
rcais, lirando de si os deffeilos para sacudirem DOS'
outros. Fel zinenie, ua.i estamos eai uma epoo, em
quo a nientira. de qae usam os" pretensos libe-
raes para razor o.urga a aqoelles cujos c.iracteres
disunelos, quer com i homens publicus, quer como
panic::lares, sao bem cnbe?idos da melhor
gente da nossa socieJade, seja titulo de tionra.
Nio ba da nossa jjarte a mencr exageracao, nem
seauc^w do iutuilerante espirito parlidario.
So ha a verdade, pela verdade. Baldos de meios
legitimos e h, in stos, lancam mao os taes seubo-
re3 liberaes da mfamia e ignoaiinia, a ver se con-
seguem laa?ar a maigem como cousi inutil, os
homens mais distjaeos c desinteressadbs do par-
tido conserirador, o qae nio conscguirao nuuca
desde que, se queira exibir verdadeiras provasdc
uus c deoufros. E quando os iuculcados liberaes,
se sentissem seriamente molestados, leriam como
meio de defosa a verdade, e nao a inentlra de ime
elles usaai. Nao devem iguorar os liberaes, que
a nientira e lio peraieiosa, que quando algum
que costuma mentir. veaha a fillar a verdade
ja nij pode ser mais acreditad), porque e esse J
premio i!) moatirozo Procnrem sempre a ver-
dade para diwreut, quo desta forma evitarao os
inccui'enieates e InobaraQos da nientira. Nao
olbam os liberaes para o seu n.issado iuglorio e
querem acsasara actualldade !
Se lin.-tnnos as noss'as vistas para o pass.ido
da politUa decamdi, o que poJeremo; dizer sem
paixao, 6 quo, eolao gemeria a provincia debaixo
das nniare> vJokiaciat o atrazos possiveis E
hojcoqae varoos 1 A'enns a destribuigio da
verdadeii-a justi.;.a, o respeito aos Jegitiraos direitos
do cidadao, e oolns ruuitos mellioramentos, bem
como, estradas polilicas, edificios publicos coirs-
trujdos oatras em con-traccaoe outros ainda ein-
prati?ndido5, de coja rsalisae^o ninguom dufidara,
a menos que nao .sejam os pi-eteasos liberaes
que fazem-se do eog w, para nao ver aquillo quo
pode servir de obstacalo ao sen ulano de ataqae
be em algam tempj os digaos presidentes que
teaa tiJo a p.-ovincia de Peruaml.uco de 6i para
ca, quizerem exhibir uma e mais provas de a ;tos
de justifa o eagran lecimentos dj saas adraiius-
trajoes, o podiam fazer, porque ahi estao elles
bem pateoles. Ou'.rotanio n.io poderao tazer os
taes senhores liberaes.
S. Exc. o Sr. coomend.idor Lucena, tern sido
umi pestea a lniuisiiaiores a quern a provincia
de Ptuambaoo mi.ito Ihe deve pelo engrandeci-
montcf a qae tem^.:ite cuegar. Caracter honesto
justitfeiree etnprelnnJftdar, e S. Exc. o Sr. com-
raeQdidjr Luceoa urn desses homens, que como
adm.nislrado;-, por mai> qoofajam os inculcadw
liberaes, nio consoguirao nunca fam-lo passar
pelo olvido, como aoonteee com moitos outros
Sue nooio adniiiiiairadores tambwn, nio nassaraTi'
e meras espeeuladoro,. i-
Ala estao Diarlo de Pemahuc\- esta-oado
athleta da verdade, incanswei em profligar o vi-
ew, c eombatgr.a oad.i, flue procira lovar tado
ae rojo em siu violenla passagem.
Goavencam se os Srs. liWraes que co ,a met.
lira nada conseguMc. Fallem embora, porera a
verdade, que assira pro;edeJo nao serio nuoca
offuscados.
9 quo fazem os miasionarioM ca-
puehinhos no Brazil.
PAKA SS. EXC8. OS SRS. COSSELHEIRO SOUZ*
FRANCO E JOBIM LE.REM E MEDtTAR,EM.
Tu nio levantirds fats)* teslemunhos
8.' mandamenlo da lei de Deus.)
Os barbadinhos so servetn no
Brasil para embrntecer o povo
com a mais erassa supersticio,
vendendolhe bugingangasi re-
ligiosas. (Ralavras -dos Srs. con-
selheiros Jobim e Soaza Franco
no senado 1873.)
Le-se no relatorio do-Exm. Sr. presidenta da
provincia de Mioas Geraes, Venancio Jos6 de Oli-
veira Lisboa, no anno de 1873, pags. 23 a 2i :
. CATRCBBSS.
Eslere por muito tempo esquocida nesta oro-
vincia a neoessidade de cbamar-sc a eivilisaci,)
mynades de abprigeaes ipie yiviam aa mais com -
pleta narbana^ entregues as suas paix5es, ate que
tomanJo o brigadeiro Antonio Luiz de Hacalliaes
Mosqueira a direccao da catechese, tem feito desse
servipo uma religiio, em cujo sacerdocio empreaa
o mais inleiligente zelo.
Pelos sens louvaveis esfor^s e dedica^ao evan-
gelica dos religiosos que dirigem os aldaimentos
existentes, jaeste servifo vai produziado bon
iructos, como o demonstra o relatorio que me foi
aprese.atado polo referido brigadeiro, completaudo
as informafoes mmistradas em 30 de noverabro ao
Exm. Sr. seuador Godoy.
Passoadarvos notieia doestado e progresso
desses aldeamentos, baseado nas alludidas infor-
mafoes.
Denominamse elles : tda Immaculada Concei-
?ao do Rio Doca, e Immaculada Conceieao do
Aldeamento da Immacu'adi Concei(So do Rio
Doce.
E dirigido pelos religiosos Fr. Virgilio de Am-
Dare Kr. Joaquim Palermo, missiooarios capu-
ciunnos que onseguindo reunir 110 indios (bo-
, k i?S^que anl;iv;l'" dispersos, tern, com outros
trabalhadores, ronstruido cinco casas, umi olaria
uma Ion-ana e uma capellinha, e estao abrindo
um mo para tocar cinco machinisraos em cons-
truccao, a saber: um moinho, um engenho de
canna, oatro d^ scrra, outro de pilocse uma fabri-
ca de ferro, emqaanto que outros dorrabam ma-
la s para fazorem-se plantacOes no terreno porella'
occupado.
Os indios que, tenlo aepdido pressurosos ao
coavite dos religionos para aldearem-se, mostra-
vam-se receiosos, em cooscquencia das epidemias
que no fim do anno passado lizeram ianta< vieti-
mas, iao devanecendo o seu terror com o melho-
ramento do estado sanitario; e assim e de espe-
rar que va augmentando o seu numero.
Aldeamento di Immaeuhda C.mcei;ao do Tnnbo
cury.
Fundado primitivamente na3 cabeceiras do rio
de S. Matheus, foi por seus direct ores, Fr. Sera-
IIm de Gozizia e Fr. Anjo de Saxo Ferrato, trans-
rendo para um ponto mais baixo, nio s6 por offe-
recer melhores condi^oes de uberdade, como
para isolar os indigeaas de vizinhos mal intencio-
nados.
f.xi-.tora aMeados cerca de COO indios, e calcu-
la It. Scraphi.n entre I e 6,001 n numero dos que
ainda vivem errantes pelos arredores.
Os aldeados moslram-.se submissos c traba-
Inadores; entregamso a lavoura, e j.i este anno
nouve uma pequena colheita, insuffl.-ieate, entre-
unto, para o grande numero da indios existentes.
Ha uma capella de madeira, onde celebram se
todos os actos da nossa santa religiao e ensina-se
a doutrma christa, e uma escola frequentada por
cerca de 70 meninos.
Aldeamento da Immaculada Conceirao de Ma-'
Inhuassii.
Por falta de religiosos nao foi ainda iuaugura-
ao esie aldeamento destinado principalmente a
catechese e dos indios Pury*.
Segundo con'ta-me, estio ajchegar a corte dous
religiosos destinados a emprehender sua funda';ao;
a requisipao do dign) director gerar; autorisei a
ida de um dostes religiosos do Rio Doce para
acompanha-lo.
Pelos valles do Jequitinhonha, do Rio Pardo e
do Rio Grande ainda existent errantes muitas tri-
bus, que convem igualmente chamar ao seio da
civihsagao; sao muitas as difkatdades a superar
piraconseguireste desideratum ; lentamente, po
rem. operar se-ha tao vantajosa e indispensavtl
transformacio,
Para occorrer as despezas com o serngo da ca-
techese, foi consigriado a esta provincia, pelo.mi-
nisterio da agricultura, no exereicio de 1872 -
1873, o credito de 15:000i, do qual tendose des-
pendido 12:il8*0t0, licoa um saldo de 2:3813090.
No mesmo exereicio despendeuso, por conta
do credito de 30:000^, consignado por lei provin-
cial, a ouantia de 16:300J, deixando uma sobra
de 1J:700003
Assim, pois, do credito de 455000,5, consignado
pelos poderes geraes e provinciaes para o men-
cionado scrvigo, despendeu-se apenas 28:7185010
deixando um said i de 16:281*990, o.qua prova
bem a economia com que e elle dirigido
A 29 de mareo ultimo 50 iniios do Jequitinho-
nha aucaram a colonia de Philadelphia, e tra-
vando luta com as f^as de linba e policial, alii
oslacionadas, mataram duas pragas desta.
Para proteger a colonia e os aldeamentos, au-
torisei o capitao Joaquim Bonifacio Ferreira da
Silva, commaadaiUe do daieamonjo alii existeate
a contratar de 30 a 4Q h miens, afun de auxilia-
rem o mesmo destaeamento, que nao podia ser
augmentado crai pra;as do corpo por nao as ha-
ver dtspoairein.
I'm mineiro qne tem horror d mentira.
(Jornal do Cemmercio do Rio.y
O. Amaiia Vieto'iaoa Bdulilrou.
D. Vicioriva >n^'a da Conceijao Co^ta.
D. Brigid* NerT,,yi de O'^'ewa Costa.
D. CordolimtMaria w 9 farro9-
D Rita dos Santos Lea..
D. Matfna Lins Chaves. n D .
D. Epipbania ejposado te^'e Pulino Rodnguos
de OJiveira. fi
D. Isabel esposa do capitao J.,>* BlUrque Lisbui.
D. Urabolina esposa do tenenle ".'<*' Chrisostomo
de Albuquerque.
D. Adriana esposa do teneats Triitao' Jacome c
Arauja
D. Maria esposa do alferes Manoel Gomes Pt!rei'
Guerra.
D Cian.a esposa do major Joaqninidos Passo.-
Escenvjes por eleicao.
Aegociante Antonio da Silva ^raeiro
Padre Jose Esleves Vianna.
. ^ Escrivas pw<4eic*o
A Exmas. Sras.: "
p. Maria (Joel ho da Silva
D. Rosa esposa do Sr. Antooio Gemos Mactiado da
Ora.
Escrivas po? devocJo.
Teoeote Joao Rodrigaes de Moura.
Nejfocianlo Antonio Jose doKt'Aana.
EscrivAes por devo-ao.
As Exmas. Sras.:
C. Joaquina Maria de Caatafeo.
D. Julia Emilia de Souza AfDaral.
Mordoraos e nordomis todo os meradores
e moradoras desta frcfopzia.
Tliesonre*ro. ?
O Sr. Antonio Camello de Miranda.
Procurador geral
O Sr. Anjonio Gomes Machado da On.
Procuradores.
Os Srs.:
Manoel l.w6 d Magalhies Soares.
Galdiao Pereira 7avares.
PauMno Vicente Camello de Miranla
Joaquim Baptista Ferreira.
Antonio Francisco das Chagas.
Agoslinho Vieira Lima Junior.
Afogadis, li de outubro de 187 J.
O rigaiio,
Joaquim Josijie Farias.
Pedido justo.
Os ospectalores do tlieatro Santo Antonio
pedem respoitosamento no mui diguo Sr.
emprezario, sc digne deterrainar que os seus
cspectaculos comocem is 7 1/2 horas da
noite, on ds 8 quando os dramas ou come
dias forem curtos, (como succede no Rio de
Janeiro e se vo dos seusjornaes) aflm denSo
caabarem tao tarde, como costuma, seodp
sempre depot's do 11 1/2 horas e alguns
muito depois de meia noite, com grave in-
commodo para as f.imilias o para todos ora
geral, principalmente para as que se retiram
os arrabaldes, quo as vezes s6 depois das 2
orasda madrugaJa se podem agasaluar, e
qsperauJodcsIuja boa.nenuiesconcia da pir-
e de S. S., dosde ja antecipam seus agrude-
cimontos.
.< '_*
*i Perefra V&MiWk%IcBciSSriS.
D* l p2xoto ^ P'wceca, 50 a ordem, 50 a M.
J Barroi Filhos dt C., 109 a Tavares de Uelfo, 50
ves Beltrao A Filbo. Hi T
Drogas 1 caica aflaibosa & C, 1 ferreira Maia
trvae medioinaes I calxa e lUrdo a Bartholo-
nwa AC, l a m.. 8an>osa. Espelhos 3 volumes a
I. Viul de Netrelrog.
Geog'bre l-fiarrfca a F. Maia & C.
mdea a ri-T'*-16on^^- Lavatorioa I
caa ao mesmo, 1 a D M. GoftcaW
a Goocah^s BeltrSo & Fittio '
Oleo de l^caraao l Caixa a (Jodcalves'B^rfro A
?*:. ?rM '?rro.4 oaix,4 B. D Cmpos &
n a liaco Ci^* a CMri9'-'iro Vianna
Pfldraai de cawaria" il terricas a J. Augusto de
dras a Balflur Oliveira & C Poneiras 1 fardb a
M. Barbosa AC.
Tfai
dejonhode7t, e onsign4d Co- S
? & mao' ^ntendo dous Kilos de
Hm riT em brochu,,. 3**W por 2*000
s^mVahTr*** ^^ ta^
Idem JT.L n. 8 a* 10 6 caixas vinlas
P"jn, 5brigueportuguez Uniao,
f***** fJ>K*c Um, eo'', '
tpndo 6 flguralipara W*im; de p
0> pedra, pwwdo 617 kilos, avaliada
por
IdemdiamiafeBSR gem irilrtl^j -1 k>
ing rf studtnt, descarracada em 9
Snft^al^T'Saac^m
panhia de tnlhn nrbanos do Recife
a Caxanga, snm valor.
"no do aeoluir do ejMenhr
to, consenhor on ^. 5Tm?nib pa-aTM'"
u Cruz, adm depforaro ^.
0 f OMelegado
Francisco Pacheco Soares.
183J100
no vapor mglez Ghdator, descarre-
4de.--
Barros
i
; con-
>abugo 2lardos a Goncalvo?BeItr3o A Pilho.
. .C'Vi'pt 17 bard* aos corisignatarios,'30 a M
JeBarrcfePiiiies-iC. -i. IT
iniMi in m \
. Rioda fe*jro bara pirtw.ava $,-*liido,
signado a Rabetlo A C, manifestou :
Barncas vasias 1^00 e mais 260 meias dius a
SifflK,ra & c" BaISjs'caixas a M-Barro'
i ?f'[^*>cco- a Antonio Annes, 30 a Maralhaes
daLuz.^aCostaLeiie, 100 a Uosas A Filhos
n *J'*}n"'ues i,'ari". *00 a RoJrigues Uaades!
r-ra, 1^Duar,e d? Fin?ife*. S0 l> Ferreira
trot, 20 a Gonpalves Beltrao & Filho, :I0 a J.
Leitao Cognac 3 caixas a M. Barroso de Hello
j-arello 3;H) saccos a Baltar Oliveira A C.
Ladnlho 67 caixas a M: B. Abreu e Lima.
Plpas vasiasiS) a Pereira Carneiro & C.
Baltimore, patacho inglez Nereus, consignado a
Johnston Pater & C, manifeslou :
Fannha de trigo 2,310 bairicas aos eonsigoata-
kspa:;iios
Srs. Lunmanc Htmp-IVova-York
-Udade de Pololas, 20'de jaaeiro de 1873.-Es-
timados Srs. -Levauto-ine da cama depois de mai-
ms mezes do tratamento e sem jamais ter con-
scguido molhorar dos meus incomm'odjs pul.no-
n.ires, apezar de ter usado durante algum tempo
muitas preparacoes receita las para esse lim ;
porem. gracas a milagrosa preparac.lo de Vines'
com o nome de -Peitoral de Anacahuita, tenho
consegaido Hear radicalmente eurado de um ter-
nvel mal. Peco a Deus que dispense a Vracs.
todos cs seus bencficios, atim te que possarn le-
var avante a obra m;rit)ria de alliviar a huma
nidade.
O que aebaa lica dilo, attesto em fe de minha
honra, e firmo o presente por mini mesmo.Ma-
noel Jose da Cunha,
0& EXPOitTACAO .NO DIA 11 DE
OUTUBRO DU 1873.
Para o* gortos An exterior.
No patacho brasileiro Arya, para o Rio da
Praia, carregararn : \. F. de Oliveira 4 C. 50i2
pipas com 12,000 liiros de aguirdente, -
Ao navio hespanlml Maristany, para Barcol
lona, rarrecaram : J S. L iyo Afrlbo 221 saccas
com 16,146 kilos do algodao.
"ara os-portos d interior.
Para Granja, no-vapor lirasileiro Pirapamn,
Sre1;8.? : ,L- J- & Gaiiuaraas 4 barncas com
JI8 112 kilos de asaucar branco. Para Aracajii,
Frajia A Rpcha 3 ditas com 2*0 ditos de dito.
. i ara o Vatal, na barca;a Dous Arniyos, car-
n'S0IJo:F. G. de Albuquerque Maranhao 1 pipa
com 180 bins Je aguarJente.
Para n Xatal, na.barcaca Ties Irmas, ear-
regaram : B. Oliveira A C 1 barriea con 48 kilos
de assucar branco, Para Macao, M. J. Silveira I
dita com 30 ditos de dito.
Para Ahigoas, na tarcaca Vilti Helta, carre-
Saram : Moreira & liraga 1 barriea com 38 kilos
de assucar branco.
no a
& L., sem nlor. .
Idem diamante LRF n. 42-1 caixa
ignora-ap, centendo 48 kilo?, peso'li'
qalde real, pregos de ferro, avaliada
pot
Idem Mwides Azevedo A C. sem tmmc-
ro1 paeott> vindo de Liverpool no
vapor inter Gassende, descarrega-
ao em 18 de outubro de 7f, e con-
signado a Mender Azevedo A C-
conten/lo 38 Ijilos de encciado de al-
godao, avaliado por
*!?itt&-lPi-* ^^ vu,d"s ^
Liverpool no vapor inglez Gaseenic
entrado-em 18 de'ootobro de 72 e
consigiudog a Thomaz de Aqain.i
Fonseca A C Sncceasores, conimdo
tavas alimenticas ja estragadas, ava-
liados por
Mem CPP n. l-l barriea idem no va-
por inglaz Studi nt, deearregada em
2 de julho de 72, ignora-se a consic
nacao, coatendo 26 kilos de carbo-
nato desoda, avaliada nor
Sem marca e sem numero 1 fardo
ipora-se, contendo 20 kilos do fo-
lnas medicinacs. n3o especiflcada
avaliado por
Idem diamante s B n. 20 t caixs,
Jgwra-se, contendo obras de ferro
.3 s,lPles. pesando liuuido
real 98 kilos, avaliada por
H n KF sem Dumero caixa, vinda
do Porto na barea poriagoeza Social,
descarregada em 17 de abril de li
e eonsignada- a H. de Castro Soares."
coatendo fructas inutilisadas.
it co, ..Trapiche Conceieao.
Idem SSAC -5 caixas, vindas de Lisboa
no vapor inglez Arbitrator, contend.!
maQaes inulilisadas, sem valor
Idam diamante L-6 dita; idem idem.
Mem ALP15 saccos, iden. no vapor
portuguez Lidador, contendo alhos,
Pesando liquido real 310 kilos, ava
9*000
44{308
----------------------------------------- ......c.u ouartn,.
^anta Casa de Misencordia
do Recife.
guem mteressar, que no uia 14 do coweu^mSas
? {i"1: "'esoujeiro fatti pagauiinbi daTfnCT-
a81?*^5 vencMas a,d3 ^SowX
ado, as amas que *e apreftno^Wcmffi^
as erjnfas quo lhes fwameoiWiadai. ummammt
secretaria da santa casa de misoricordia *,
Recife, 6 de outubro de 1873.
0 eserivio,
________:________Pedro llodriuues de S^uii.
- 0 administer da ncebedorra de rendat
tabro o ulim.oom q0 tem de *^|*o sem mol
to o imposto sobre iju ao ieniesiredo,exerciri| do 1873,74 .(
baro.'yd
Rocebedorm
1873.
Manoel Carnwo de Sfoa Lacerda.
I'OAOOO
20iOOO
liados' por
Alfandega
1873.
51*460
de Pornambui-o, 11 de outubro de
O inspector.
Fa Wo A. de C. Reis
.APATAZIA DA ALFANDEGA
^eadiroenlo do dia I a II
"deal do dia 13
Biicnos-Ajres, lel8?3.
Illai. Sr. -Ainda uma vez apresentando-me can
didato a deputado provincial pelo 3.' districto elei-
toral, e nio sendo possivel dirigir-me pessoalmcnte
a \ S>., por.|uo cstou ausente dessa provincia em
sorvic.1 do paiz, von por meio desta ss.licitar-lhe o
especial obsequio do prestar me o seu honroso
rote e tambeni a sua valio
mmha candidatura. carlilicando a V.*S., ale,.i do
moo reconhecimonto, que procurarei tornar-me
ainda d;gno de um e de outro
As minnas ideas polilicas sao as niesmas que
sempre lenln professado, e os poucos servicos que
desvanofo-me on apresentar a consideracao de
V. S., sao os que prestei ao partido conservador
durante qpatro aiinos na imprensa dessa pro-
vincia, c, conforme diz-me a con^ciencia, haver
sempre cumprido fielmente o honroso mandato
que em duas legislaturas consocutivas me Toi con-
tlado por esse districto.
Aproveito a occasiao para offerecer a V. S. os
metis, duniuutos prestimos, assegurando ser com
toda a estima e consideracao De V. S. attento
venerador e amfgo obrig.id.i,
. Henrique Mainede Lins de Almeida.
8:66il66
585*931
9.1424117
VOLUMKS SAHIDOS vo dia 1 a 11...... 16,964
Primoirapcri&.no dia 13 Seganda porta...... rerceira porta..... Quarta porta..... fiapicha Conceieao 92 109 330 10 930 1,467
SEItyiCO MARITIMO
\l\areni j alfandega no dia 11. .
Jitjs ditas no dia 13. .
Va\i)satra.cadosno trap, .la aMamtaga
Vlvurougas........
fe trapiche Conceieao ....
23
24
Eleigao
DOS DEVOTOS QUE H.\0 DE FESTEJ.VR A NOSSA
SENIIOIU D.V CONCEtgl'O NO PRESENTE AN-
NO NA MATRIZ DE N1SSA SUNHORA DA PAZ
D.V PREGUEZIA DOS AFOOADOS.
Juiz por eleicao.
0 teuente-coronelFrancisco Carneiro Machado Rio
Junior.
Jai'a por eleicao
A Exrna. Sra. D. Can lid i Rosa da Silva Bra^a.
Juiza de bandeira por eleicao.
A Exrna. Sra. D. Framvlina Ger.ildo'Ferreira.
Juizes perpetuos.
Dr. Jose Roberto de loraes e Silva.
-Vegociante Francisco Luiz dos Santos.
Alferes Alquias Lindolpho da Silva Mafra.
Capitao Aalonio Gongalves do Moraes.
Juizas perpetuas.
As Exmas. Sras.:
D. Herraiaa Olympia de Moraes Chaaas.
D. Senhorinha da Silva Mafra.
D. Anna Fraacisca de Paula Lins.
D. Rosa do Jesus Meodonca.
Juizas por devocio. "
Tenente-coroael Alexanlre Augnsto de Frias Vil-
lar
Dr. Alvaro Rarbalho-Uehoa Cavalcante.
Vigario Joaquim Jose" de Farias.
Tenentecoronel Decio de Aiuino Fon'ee:a.
Nogociante Marcolino Joaquim da Silva.
Capitao Jose" Caotano de Albuquerque.
Juizas por devocao.
As Exmas. Sras. :
D. Anna J oa puna do Regoe Albuquerque.
D. Theodora esposa do Sr. JoSo Baptista Cesar.
D. Maria Horacia Vello?o da Silveira
lgiiu Florida do Hurray d
Latiniaii.
As senhoras quo desejam e gostaai girar e mo^
| ver n uma aimosphera radiante de frescura e fra-
grancia, deverao sempreusir desta ric.i e mimosa
agua nos seas tou:ad)re i.
Umis poucis de gotas deitadas no banho ou
n um copo d'agua, no ca lavagem aos denies achar-se-ha sar eminentemen-
e refrigerants ejummamento saudavel, a para a
boa consorvaelo d is denies nao ha cousa melhor :
a mesroa usada n'um Gno ienco de cambraja pela
occasiao de uma vi.-ita ou ao ir-se a um baile a
delicada e deleitavel fragrancia que se dilTi.n'de
do lenco, attrabiri a si mais attcm-Ao do que o ra-
fo hordado de que o mesmo 6 composto. Aqael-
las pessoas sujeitas a vertigens e dikes violentas
dei eabeca, quando presentes cm grandes assem-
bleas achar.io um prompto alli'vio no uso da a"ua-f
Florida, a mosma faz deoppareeer conn por en-
canto toda a oppressao do espirito, restitaailo a>
mesmo uma doce e refrigerante suayida le alli-
vjatrtoa* idea*, d.iulo ao espirito uma brilliante
ela^Sitida le, e a mente novo allivio e vior.
HECJsiWJOJtLa DE RENDAS IXTERNAS GE
RAES DK PERNAMHUCO
tend..,ientn do dia I a U. 16:137*947
damdodu-13 3:424*13 >
I9:';6ii077
CO.NSULADu PHOVIXCIAL
.tanmuonU) do dia I a 11. 19.636*113
irt^n do dia 13..... 3:544*821
Seccao 2.' -Secretaria da presidenna de Per-
nambuco, em U de outubro de 1873. Por esta
secretaria se faz publico para o conhecimento de
quern inleres-ar possa o edital abaixo trancripto,
do juiz municipal e de orphius do term de Inga
zeira, pondo em concurso a servenlia dosoflkios
de tabelnao e e:cri?ao de orphaos e m'ais annoxos
ao dito termo, deveudo os pretendentes se aprcen-
tarem divrlamente habilitados no prazo marcado
em dito edital
0 Dr. Miguel dos Aujos Barros, juiz municipal e de
orptiaos do t.'tmo de lugazeira da comarca de
I"lores, provincia de Pernanibueo, p.r Sua Ma-
geslade Imperial, a quem Dous guarde, etc
t-aco sabar a quem interessar possa que seacha
em c. ncurso oeste termo o ofllcio de tabelliao de
notas e escnvao do civel, crime, orphao-., capellas
o residues cread > pela lei provincial n. 04 de
29 de maio de 1861, cujo ofllcio desde a creacao
do lore neste termo nao foi pro/ido Os proton
deutes devem no prazo de CO dias, a contar desta
data, habilitirm-sa aa forma di lei, aflm de qua
seja provido dito lugar nos termos do; decretos n.
817 de 30 de agosto de 1831, e n. 4,668 de 5 de
Janeiro de 18/1 ; e para que chegue ao conlic,-i-
mento de todos, uiandei passar o presente e afll-
xar nos lugaies mais publicos desto termo.
Dado e passado pasia villa Je Ingazeira, aos 18
de setembro de 1873 '
Eu, Miguel de Queiroz e Amaral, escrivao inte-
rino, o escrevi.
Ao sello 300 rs. V. S. S. ex-causa.
Miguel dos Anjos Barros.
Esta conform-. -Miguel de Queiroz e Amiral.
0 secretaria interino,
Adolphn Lumenlia Lins.
Edital n. 81.
Pela inspecloria da alfandega se faz publico que
BO dia 16 d* corrente, as 11 boras d. manna, se
ha de arremaxar. livres de direitos, a porta desta
repartieao, fiOpeqnenos volumes, contendo diver-
sas amostras, avaliaoos por 43*534, annunciadas
para consumo por edital n. 93, que deixaram de
ser despachados dentro do prazo marcado.
."Ifandega de Pernambueo, 11 de outubro de
18/3.
0 inspector,
Fabio A. de Cartalki Reis
*-55
OMMFftCI
23:200*944
MOyittENT'6 N H\Xf.&
PHAQA
DO RECIFE 13 DE OUTUBRO.
DE 1873.
AS 3 1'2 HORAS DA TARDS.
Ctacdc.< oniciaos.
ATgodao-de 1- sorte 8*700 e Smo por 15 kilos,
gabbaao.
Cainbiosobre Londros a 90 d,v. 26 d. por 14000
do banco, hoje. '
Ccuros- salgados saccos S79 rs. o kilo, saWiado.
t.eal Seve
Pelo prrsidenle.
Antonio Leonardo Bodryjues.
Polo score*ario.
lendimento
Mam do dia
AFLNDAEGA
do dia faR. .
13 .
---------------------' "" ^t)i-it,i.
D. Rosa Iraneisca de Paula Lins Carvalho.
D. Candida Maria Machado Magalhaes.
D. Anna Samico do Rego Barros.
Juizes pnotectores.
Dr. Antonio Justino de Souza.
Proprietary Manoel Joie de Oliveira Lima.
PrcprieTan'o Joao TefXeira de Souza Lima.
Negocianta Manoel Carvalho de Moura. ,
Neifori.into Joiij.Fraacisco Regis Lol))|
'Jusiino Teixeira de Moura
Tenjota Urculiao da Cunha Torreao.
Major Jj3o Francisco da Cunha.
Coronel Owiolano Volloso di Silveira.
Dr. 'lose Mariano Carnoira4a (Junhi.
D:'- J de-Albuquerquo Lima,
proprietario ioti Carlo j Teixeira.
383:756*768
26:63.1*712
412:3884480
Desearregam hojs li de outubro de 1873
Patacho hespanliol -Pedrifo bacalnio ja desiia-
chado para o trapiche Conceieao.
Bngue portnguez -Bella Fiyueirense varios ge-
neros para o trapiche Conceieao, para
despachar, e cai ja despaohada para o
fapiche da companhia pernambucana. !
Barca ingleza Lacinia -bacalhao ja despachado
para s 2' ponto.
Patacho inglez-iV/reo* farinha do trigi ja des-
pachada para o caes do Apollo
Bar'japortugueza-firafMfcio generos nacionaes
para o armaietn da companhia pernam-
bucana.
Bngue portuguez Recife varios aeneros para
o trapiche Conceieao, para despachar..
Import tt -il<>.
13 de setemhro de 1873.
tWOfc brigue portuauez Belli Fiauhirenu'
'WiJgaiio a R-ibelW 4 C-r manifested
-<'.i doce 60 barrls aos conSiBnatarias. AI-.
o barrioas a Autonio Annfts, 5 a M. Jo Bar-
Tm? Filhos & C. Agua miztea 2 eaix'as a Bu-lfio-
omeu & C. AWaaema f 4rdos ao ie*me. A*a-
HoMUO cairts a O. D. CampXH 4 .
Batatas 100 meias eal^j Aiiftuto Aftbes
Rio de Janeiro -13 dias, barca porlugueza Grati-
duo, de 34'i toneladas, aapflSo A. P. Borges
Pestana, equipagem 9, carga cafe e outros ge-
negoe ; a L. R Rabello ^ C.
fioaboa -13 dias. brigue ponaguez Bella Figuei-
reuse, de 230 toneladas, capitao Antonio de B
Valente, equipagem 12, carga vinho c outros
generos ; a E. R. RabeJIo & C.
Baltimore-SO dias, patacho inglez Nereno, de2IO
jonWadas, eapRao John Ken, equipage.n 8, car-
ga fannha ue uigo ; a Johnston Pater & C.
Liverpool e p ,rhn iotermedios 19 dias, vapor in-
liai Puno, dd 3,10'J t .neladas, commandanle R
Siudditrt, equipagem 144. cargi differentes ge-
neros ; a Wilson Rowe & C.
Aracajii e portos intermedios" 4 dias vapor na-
eional M mdnhu, de 2J2 toneladas, comman-
danle Julio Gomes da Silva, equlpageiu to car-
ga varios goneros ; a companhia Pernambu-
cana.
HaniliHrgo 30 dias, pstaclw., allemao Maria
de 128 toneladas, capitao J. H. Keller, equipa-
gem 7, carga varios" generos ; a Keller & C.
A'acios salUdts n> msmo dia.
Rio Grande do Xarto '| Bare a franceza Santo
Andre, capita i Hiin;l,oai lastr).
Portos d i sul Vapor-nigJez Pumo, commandanle
StuUdaii, carga a mosma que trouxe dos por-
tos Ja Europa.
Secretaria da presideucia do Rio Grande do
None, 23 de setembro de 1873.
Por esta secretaria se faz publico quo no prazo
de 90 dias, a contar desta data, o Exm. Sr. presi-
ding da provincia, recebe propostas em cartas te-
chadas para contratar, de coafonnidade com a lei
provincial n 680 de 6 de agosto ultimo, com qnem
melhores vantagens offerecer, a navegacao por
lanchas a vapor, para o transporte de cargas e
passageiros no rio aftnord, e a constrnccao de
uma estrada de rolagem do p Ylo da llha a cidade
do mesmo noma, niediaate as con ticcoes constan-
tes da citada lei, o abaixo transcriptas :
Art. i. Ficao presidenta da provincia autorisa-
do a contratar com Jose Paulino da Castro Medei-
ros ou com quem melhores vantagens offerecer, a
navegacao por lanchas a v.qor, para o transporte
de cargas e passageiros no rio Mosswo. e uma es-
trada de rodagem do porto da llha ate a cidade
do mesino noma, raediante as seguintes bases:
1." Concessao de privilegio por trinta annos.
2." Obrigacao de fazer o conlratante os mellio-
ramentos e cortes no mencionado rio, indispen
sayois a sua navegacao.
" 3. 0 coutratante ilaia comedo ao servico da
navegacao dentro do prazo de 3 anuos, a contar
da data da celebracao do contrato.
Art. 2. Fica igualmente o preside nte da pro-
vincia autorisado a ira|)6i- ao contratante as con
di;5es que julgar necessarias para a realisacao da
empreza, assim como as muitas convenientes.
0 secretario, Francisco Lucio tie Castro.
Conforme. O secretario, Froncisco Lucio de
Castro.
dos '"Wit W
TItlLHOS UKBA.XOS
DO
Recife d Olindii;^-*1' -
E BeberiiV.
10i000 |MHi ne orJcra dp ^r^sideu-
te il'asseinblea geral du
Wlf fd* coiuoa
nliiancima, la/^sescieit-
te aos en*M-*ccioiii{.'-
Ins, que no dia 20 do
corrente pelas 4 boras ua tarde. o no Umt
I do costume, deve funccionar a assenWo*
geral om continuacAo dos IrabalhoedrtaeaB**
extraordinaria adiada, dos quaes ht pa+tr? "
leitura do parecor da coiumissao noui^adu
para o exame das contas da directbria, ex
hibidas com o relatorio da sefsao ordinaria
do mez de abril proxi.no preterato.
Recife, 10 do outubro de 1873.
0 secretario.
_______f-uiz Lopes Caslella lirunco.
C*iMclho fiscal ilo M#9fe- Pi
Partugoes em f*rnaiMne*.
De ordem do Illrn. Sr. prasidenjo do mesmo
conselho Oscal convirlo a todos os Srs. conselhei-
ros a reunirem se em sessa,,, qnaita-feira 15 &,
corrente mez, as 6 e meia horas da tarde, nos sa-
loes do Gabinele Portuguez d; Leitura, para da-
rem cumpnmento ao que preceitua o 8 !. do art
32 dos estatutos. "-
Secretaria do conselho li-ca1 do Monte Pio Por-
I'ff m Perambuco> aos u de outubro de
Frederic > Aires Pereira Pinto,
________.___________2." secretario.,
Juizo deorphaoa
No dia 17 do corrente, sexta-feira, conuauara
por ordem do Exm. Sr. desembargador juiz de or-
phaos, a praga dos bens perieiu-eutes ao ospolio
do linado commandador Manoel Luiz Viraes ;de-
vendo nessa occasiao ser vendido o sobrado de
um ahdar, sito a rua da Uniao n. 2\ em que rc-
ln mJ;'s.ma comeadad,.r,- e que foi avaliado
cm 20: 00* ; e bom assim, os moveis e prata que
na pr.meira praea nao faraui veitdidt*. A traca
annunciada tera lugar depois da nsp^eiiva au-
diencia e no mesmo sabbado anima indicado, ondV
deverao achar-se presentes os pretendentes, e
depoi. de meio dia.
Pela tbesonrana provincial se faz oublico
que roram transferidas para o dia 23 do correnle
as seguintes arrematacoes:
Fornccinieato dos preaos pobrcs da casa
de deten^ao no triniestrc corrente de
outubro a dezembro proximo viudouro.
enda do sitio dos remedios por 3-7301000
Obras dos reparos da ponle do Juti-
queira por 5:720*000
becreiaria da thesonram provincial de Pernam-
bueo, 1J deouiuorode 1873.
0 official maim-
__________________________M A! Ferreira.
Veneravel ordem terceira de
IN". S. do Carmo.
Nao podendo ter lugar no dia 13 do r/rrente a
festa da Matriarcha Santa Thereza de Jesus, por
nao qnererem os senhores reverendos saci-rtotes
prestar se a funccionar nella, resolveu, entre unto,
a mesa regediira a decorar a igreja, hospital, -e
mais compartimentos dx o.d-m, atim de expoVa
vista dos fieis, desde 9 boras da manha ;.te as 10
da noite, tocando durante esse tempo as bandas
de nrasica do l baulhao de artilharia da guarda
nacion ladinna eantada em louvor da mesma Matnarena ;
do que tudo por ordem da mesa don sciencia aos -
i ratios.
C'Hiiistoiio da vcheravel oraen terceira do Car-
mo, 13 de outubro da (873.
Modesto do Rego Baptista
________________________Secretario.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta administrativa da Santa Casa de Miss
ricordia di Recife, tompetentemente autorisado
pela presidencia. em data de 3 do setembro do
anno proximo (ind<, e da conformidade com o que -
dispoe o 9." art. 52 do sou com romisso. per-
mula Dor apobces da divida publica a fazehdn do
eriar gados que possne o patrimonio dos esta-
Delecimentos do caridade a seu cargo denomina-
te Carnauba sita no termo de Flores desta
p.'orincia, com terrenos para criar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaccuin.
Becebe para isto propostas nesta secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente anno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re- '
cife, 10 de outubro de 1873.
0 escrixao,
Pedro Rodrigues de Souza.
mrm,
Edital n. 80
Pxh injpcctona da,, alfapdega se faz piiblieo que
cause tando effectuada aammatagao das merca-
donas anaixo mencionadas, annunciadas por edital
n 79, por falta de eoncurieocia. se Irausfere a
mesma arrematacao para s (I boras da manha
do di* U do correate, a p.irta desta ropatligJo,
Armanem n. 2.
Marca ](, sem oamero 3 barneas
vindas do Porto na barca porlugueza
%kM, descarregadas omlA do julho
de n, e eonsiga.adas a fhom6 Jose
dos Santos Cab do, contendo ferradu-
ras para- animaes, pesando liqnido
legal 496 kilos, avaliadasnor
Idein JAA4 C n. 1090-1 caixa yindade
L,iverp ol no vapor inglez Jurist,
descarregada om 14 de fereroiro de
21, oasigcuida a J. a. de Araajo
A C, csoatenio 12 chap->s enfeitados
ra sa&har-a, TI boneis do H HiD
fc^ep.Ocados, ,o ty&riu oa 420
lues desandalo. ordinarios, ava
163*681
Idem Cut*'* Ir^.iSeWttamero-J'car- Jf^#^
guez Triumpho, descarregada pin |j pF
i;.iiti sc.
Pela inspecloria da alfandega se fax publico que
as 11 boras da manhi do dia 16 do corrente se ha
de arrematar. livro de direiios, a porta desta re-
particao, um fogio de ferro fundid>, comalgumas
pejas deterioradas, a aliado pir 30*, vindo no
brigue sueco Olaus, e abandoaado aos direitos por
Wilson Rowe & C
Alfandega da I'eniambuco, 13 de outubro de
1873.
0 inspector
Fabio A. de C. Reis.
LOGI
CO E GEO-
1NSTITUT0 ARCHE
GffiPHICB................
Haveri scssio ordinaria qiiinta-feiva, 16
do correpie outubro, pj^as 1 J, bora-s da uia
nha.
QBDEM DO BU,-
1." Parece^s o mats tribalhos decommis-
?oes.
2. Palestra Mtt&raria.
tiocretaria dgTnstituto, 13 de outubro de
J. SoABES D'AZEVEDO,
Socretario perpetuo.
fii 7 /^ subdelegacia da Santo Amiro das Sa-
l.ttnas e (Jfiamid > o Sr. Jose Roberto, conhecido]
iporfjazgza Dourado, residente em Maria Fari-
Oc ordem du Mini. Sr. inspectoa do'lhemu
raria de fazenda, se faz publico que, em virtu j.-
da daiiberaeAo tomada pela presideocia da pr.i
yincia. contida em o.lcio de 19 da agosto ultinn-.
ira hovamenio a praca, perante a junta da mts-
ma thesouria, ao dia 28 do eornnta para ser ae-
reniatado, por quem maior langa. i fferacer, o bar-
racao, sito em Santo Amaro das Salinas, quo sei
vio de quartet da cavallaria, tomandose para ba-
le da arromatacao o preco de cinco contos de te s
porquanto foi avaliado no juizo dosJeitosda u-
zenda.
Secretaria da Ihesouria de fazenda do Pernam-
bueo, 9 de outubro 6Va 1873.
0 secretario da junta,
______________ lesuino Rodrigues Cardoso.
HOSPITAL MILITAH.
Precisa-sa contratar para as di&as d.is doeaies
e racSes dos empregados do mesmo hospital, o (or-
nrcimento das generos abaixo declarados, durante
o trimestro da outubro a dejembto do corrsnte
anno, a saber :
Aletria.
Araruta.
Arroz pilado.
Assucar reflnado.
Batatas inglezas.
Bolachas j
Bolachas inglezas.
Bananas.
Biscoutos.
Came do vacca,
Came secca. x
Ca ne de porco.
Chi hyson.
Caf6 moido.
Doce de goiaba
Farinha de mandiuca.
Feiiao mutatinlio ou [.ret.
Galliahas, urna.
LenliR, acnits.
tarahjas, uma,
Manleiga iugleza.
*
r
I ILEGWEL
""--*

<


Sfanteiga francm. !
Marmeuda.
Macarr*a
^'Zi ae i lii,76i gramnm
SaT
Tapioca,
Touciuho de Lisl< Viiiagre d Lisboa.
Vinho do Porto.
Ovos, um.
Tadoa-estes tenero* devem ser da prom -ira qua-
il lade : a trarno verJe nao dove c.mt.:r no poso
>ao -.liJ.is o pesados i>uto s\ sterna urimamcnw
adoptado _!__.
As nnwnai qu* quiarem fornecr os oujectos
acima memtionadis, apresentem na secrolaria do
mesmo hospital, no dia 1ft do corrente, pelas 11
11 horn da inanhi, suas propostas era carias fe-
cbadas e as respeotivas amostras.-
Hospital imlitar de Pernambuco, 10 de outubro
de 1873. n ^ .
0 escrlvao,
Atdmo Pereira da Cunlia.
THEATRG
Santo Antonio
EMPREZA
H_io de Pernambdeo-i- erQa Leilao
Dfl
. crvst-ies
compaxiua.
DE
MWECACAO BRASILEIRA
Porto* *!.
Ate o dia 17 desperado eosportosdo norte o wa
pov Pant, cummmdante Hyp dito, e depois da de-
mon do eostunw seguira para os portos aeima.
I'ira carga, encommcndas, valores, pasiqkgew
e mais inforraa.-dcs dirijaai-se a rua do Vigan >
. 7, ''jerijiiorio.
Pereira Vianna 4 <'..
Agente-._____
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
ilavega^i* ontelra a vapor.
RIOFORMOSO ETAMASDXRfi.
0 vapor Pai ahyba.
commandant* Pedro, ee-
gnira para os ported
acima no dia 15 do cor-
rente, as 9 horas da nou-
te. Recebe carga, encom
lnendas, passageiros e di-
oheiro a frete : escriptorio no Forte do Matttw
n. 12. _________:__________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE,
moveis, lout;
A SABER:'
Urn piano forte e novo. 1 dadeira e mia, I
nu.hilia de jacaranda, I dila da amarcllo. rsdr-iraa
de Iwtai**, qnadr. s, jarr.*. laprte*. vemMwaa*,
Mcarnfaras- nt4c* c <*#* fraco. h*!*
ras, candieiros a faz, I eosuioiain*, r.doinas com
flore artificiaet > t bistre de 'lb ap-e.
l'ma cau.a frain-vw, coiliw.u s, I fiOinnwda e
Cma me-a rMiea. 2 guardas-louea, 12 etf*
ra 1 **; I > I*" <' J-'>,i,r- ^P05- C?".'*P
gajrJfa* ow*-*-iras. gal*f f*. qmrlioM-
oLieclo* de ca*a do f..atilia. __,.
Hra faqueiro de praU do Porto, salvas, co!^rw,
palitciros e oolro? objrclos de PJ?- n. .__ *
SEXTA-EEIRA 17 IX) LORRifNTE ;
No segundo anJar do solr Bom Jesus o. i'6
Joaquim Pat Pereira da S'.lva, tendo de farer
uma viagem a Europa, letiir.i a leilio por inter-
veiwao do agente Pinto, os moveis e man obiec-
to8 acima mencionado*. exijieatrx em easa de sua
residfneia, a rua do Boin Jesns n. 15.
U l.illlu priu<*piHrd as 10 1(2
hora?.
MET) I CM; A

Quarta-feira Id do corrente.
BEN'EFtCIO
*- deapodiJA do actor portus;iie/
Simoes
1'i'n^raiiima.
Ri'prewntar-se ha a grariosa comedia em 1 ac-
W, original do :ir. Barao de Roussado :
LUCRECIA ,
Tuinam parte os ariistas Maria Bahia, Emilia
Camara, Xisto Ilaha, Pedro Augasto,- Floriudo e
Camara.
t>e da comedia em 1 acio ornada de musica, do reper-
tory do actor Si noes :
Tribiilan'io e venlura
Distrilnricao.
Delgado Sr. Pedro Augusto.
Mamede Sr. Simoes.
Isabel 1>. Olympia V
Depois tera Lugar a represeniarao da muito ap-
''audida comedia em 1 acto com musica :
ANJO E DEMOHIO
d-seiMpenliads pelos arti>us
Manuela Lucci.
Maria Babia, Baiia, Vicente e Vencies.
Ttrminara o especiaeulo coin esta unica repre-
scnlaca) da comedia em 1 acto.de costume* por-
ingoeies, trabalho especial do arti'ta
Si-noes
intitttltdi .
Isidoro o vaqueirti
Dbtrlbojeao.
Isidoro Sr. Simoes.
Rosa D^OIympia V.
MagdaUna D. Emilia.
Saloios e Saloios.
Imalisando a comedia com o
BAILARICO
caatado aaam;ado por t<>Jas as iiuras..
Piineipiara as s l\ boras.
)s nilhetes estao desde ja a d&posieib do ptt-
Wi-ja no escrintorio do thisatro.
0 actor Simoes, tendo de retirar se, para a Ea-
nob no piimeiro paqscte, aprowita a oceasia<)
para agradeeer sinceramento ao Dospilaloro povo
jiernambucano as lisrnpeiras demonslMM>s quo
uo beaevola-iicnto Hie foram dispensadasj
Havegacdo costelra a vapor.
MACRld,- PENEDO E ARACAJU'.
T *v vaPor G'?u**' co 0^^=^^ mandante Martina,
seguira para os' por-
tos acima no dia ii>
do corrente, as ^
horas da tarde.
rtecb- carga at o dia 13 do corrente. encom-
mcndH, alA o dia 14, passageiros e dinhciro a fre-
te ate as 2 how da urde do dia da sahida :
jscriptorio no gorte 'l" Mat tos n. 12.________
COM PAN HIA PERNAMBUCANA
DE
VavegArito costcira a vapi.r
ARAHVBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA
TY, C*",ARA, MAND.VI1U', ACARACU* EGRANJA.
0 vapor Pirapama.
commandante Felippc,
seguira para os por
tos acima no dia 15
do corrente, as 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga ate o dia 11 do corrente, encom-
sieadas ate o dia li, pas;agens e dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
criptorio bo Forte d'j Mattos Q. !-
AVISOS OKrRSOS
BLOES.
LEI LAO
DE
llOCMias <-om iSIatas ca-la uma con
leite co:i*lfiis>lo
ao correr do martello.
4s 10 boras da mauha.
0 preposto do agente Pestana fara leilio, por
conlaerisco d.; Tjuera pertencer, de 110 caixas
com 48 latas eada uma com leite condensado
AOCORRR DO MARTELLO
Tercn-feira lv do corrente.
A's 10 horas da manha
Ho armazem do Annes, defronte d'alfandega.
cm da ruinw
AOS 5:000j?000.
BILIIETES GAKANTIDOS.
1* rua Primti.ro de Margo (oulr'ora rua d>
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes l.ilbetes garantid.^
da *' parte das loterias a Ixmelicio da matriz de
Af>'b'ad.s (70"), que se extrahira na terca-feira, 21
do corrpnle mez.
PREgOS
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilbete W000
Quarto 1*500
EM PORg.lODE 100*000 PARA CIMA-
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Quarto 1*375
Man-jel Martins Fiuza.
f ** immmmk .6-.?B5i* Mcdin*
Isabel de Souza Leao roga aos
parenies e amigos de seu finado e
sempre lembrado marido Felippe
Dcmingos de Souza Lfio, a carida-
de de assistirem as missas que por
Mia alma *e hao de celebrar na
marriz da "villa do Cabo no dia 15
to corrente, :is 8 horas da manba.
Vreparado pot
Lantnan & kemo
(lira i'.ii siaca
wda a qualtdade
lo doen^as, quet
sojn ua garganta,
pi:ito ou bofes.
Exprcssaitiept*
I'scolbidodosaie-
1 in ires ligailosdes
Precisase de um raoaa que |enha as.babilita-
rdes necessanas para tomar conta db uma casa de
molhado por balanco, Cumo socio. e que tonha
algum capital : qu-m se julgar nestas condi(;oes,
dirija-se a rua Direita n. 13 60 que achara com
quern tratar. _____________________
AtteuQao
A abaiu assignada roga ao Sr. hacharel Maaoet
Tei tuliano Travasso dr. Arruda, procotador liscal
do lertno do Bi.m jardim, o favor de anpareeer ao
oillo da matriz o. t6, a necocio de parfiCular in-
toi esse.
Palmvra de Carvalho.
santFIntonio.
leilao
31
vilas marca B
caixas com cera em
Hoje
As 11 horas da manlia
0 preposto do agente Pesbina fara leilao
con:a e nsco
Biarca Bde n
cera em velas.
por
de quem pertencer, de 31 caixss
. 4, 6, 7 e 8, com 1,550 libras de
Tercn-fpira 14 do correlate.
A'S II HORAS DA MAXH*
Xo armazem '.l1 Annes flefronti! da alfanoega.

i-
x
Quinta-feira 16 do corrente.
Reneficio do artista
.idaipiiio Infante da Camara.
bnportante espeetaeulo !
Com o eoaeorso 5isSineto aetor
Simoes
Sabtra a scena pela primeira vez q magnifico
drama em o' actos e 6 quadros :
OU A _
Em segnida, e a pedido a orchestra exeeutara o
^alope dc bravura, composieao io distincto maes-
tro Colas :
Os jesuitas a trote
Terminara o espeetaeulo com uma binita
do peperto.-io du distincto artista
Simoes.
Piineipiara as 8 i|2 horas.
0 beneliciado espera loda a protecijJo do res-
peit>vcl publico pernamimcano, a quem desde j*
agrade.ee. Igualmente aproveita a ocasiao para
agradecer ao seu collega Simoes a maneira ob-
EaqaiosaoW ?uese prestou para mais ahriliian-
tar oste esneetaculo. .
N. B. Km um das iotervallos, o benefleiado
ii'ii aos ca agradecer.
moveis, loncae vidros
1 pianodbjaearaiula el cofro inglez pro-
va de fogo
Quarta ffira i5 de oulubr>
AS II BORAS DA MANHA
0 preposto do .tgente Pestana fara ieilao, pur
conta e risco de quem pertencer, de 1 mobilia
de jacaranda com tainpos de pedra, I dita de jun
co sem pedra, 1 dita de oilicica ms mesmas con
dicSes, marquezOes. marquetas, t piano de jaca-
randa, { cofre inglez prova de fogo, louqa, vidros,
goardas-loucas, aparadores, guardas comila, com
modas, espe'lhos, relogios, quadros, .mesas tlafiti-
casdeti taboM, eadeiras avulsas, dilaa de bal&n-
co, I toilette de mogno com pedra, 1 commoda de
liito, cerca de 300 caixas com -eliarutos exposif^O,
e imiitos ouirus artigos quo estarao pale&let no
ado do leilao.
QUARTA-FEIRA 13 DO CORRENTE.
('is 11 horas
A'HLA DO VIGARIO N. 11. ARMAZEM.
D Isabel Pontual Pinto Bandeira
Accloii de Vasconeellos.
A. Witruvlo Pinto Bandeira e
Acciili de Yascoucellos e seus li-
Ibos agradectm do fundo d'alnw
aus parenies, amig"S e numerosos
cavalheiros. que se dignan.m de
dar-lhes teslemun' q de afleiclio
com ii associarem-se as suas pe-
nas n.i transe dido oso do passainento de sua con-
Mrte'e mat D. Isabel PutitOal Pinto Bandeira e
Accioli de Vasconcellos, ja proenrando suavisar-
IheS as magua', ja prestando-se ao candoso de-
ver de acompanhar ao cemiterio o cadaver da
Imesmo finada ; e rogamlhes a continuacao do
obzequio na assislcnria as missas, que por alma
della tern de ser cek-bradas no ilia 14 do correu
te. pelas 7 hora< da manha; a matriz da Boa-Vis-
ta e recolhimento da Gloria desti cidade, e na
capella do engenho Cabeja de Negro, da fregue-
zia da Estadii, devida esta a ami^ade fraternal
d.- seu cunhado e lio Jo-e Henniao Pont. al.
Igualmente nao podem eatar o sen reccnheci-
mentoas expr*soes) de cundoiencia e distinceao,
manifestadas para comsigo pelas illustradas re-
daocSes da Pvovincia e ''o Diariode Pernambuco;
as qaaes prukssiam viva gratidao.
Ursula Candida de Albu-
querque Bello.
J,..io Baptiaa de Apuiar Bello,
agradeeendo profunda e sincera-
mente a todos os seus amigos que
aftimpan aram ao ultimo jazigo cs
r-:t./s moilaes de suaehara e sem
.Rial's se extrahe
ii ni.-o no banco
du Terra Nova
pu ii licado chimi-
calinetUe, e suas
valuaveispropri-
edades conserra-
das cam todoo
cuidado, emtodo
o franco se garan-
tep.erfeitaajeD-
te puro.
Este o(eo torn
sido submettido
a umexame mui-
to severo, pek)
cbimico de mais
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e fei
pronunciado por
elle a conter
MA10R PORCAO D'lODINA
do- que outro qualquer oleo, que elle tem
e\aminado
IODINO E UM PODER SALVADOR.
Em todo o oleo de figaoo quelle no qual content a maior p^rcdo desta
invaluavel propriedade, e o unico meio pAra
curar todas as ikencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtjsica, bronchistes, asthma, catbarrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos da carnes ab muito
ma^ro que scja, clarea a vista, e dd vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, dd tanto
nutimento aosystema e incommodando quasi
nada o estomago.
As pessoas cuja organisaco tem sido des-
truida pelas atfeccdes das
ESCROFULAS OU RHEUMATISMO
e todns aquellas, cuja digestao se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
I.ANMAN & KEMP
Se 6 que desejam ver-se livres e isentas de
enfermidades.
Acha-se i venda em todas as boticas e
Jrogarias. II. Forsler & C. agentes.
Precisa-so cimuaUr uma posn.i cum a- ha-
bititacSes |>rfeisas para tM-.-npar o lu.-ar *n-
or de um collegio aesU cidade : quem e acbar
pois nestas circumstancias, queira deixar *eu
nome e moradia na loja n...., a rua do Barao da
Victoria, para ser procurado _' -________
Casa.
Aluga-se a ioja da casa n. 61 da rua do Apol
lo : a tratar na ma da Cadeia n. 3.
CASA
Aluga-se a casa n. 32 da rua das Pernambu-
cana. na Capunga ; a chave zsta no acpugue jun-
to. para_ver;____________________________
" CASA DO OUKO
Aos 5:0005000
Bilhetes garantidos
i*ua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nis seu:
muito felizes bilhetes a sorte de 5:000*000 em
iualro quartos de n. 135, a sorte de 800*000 em
dous quartos de n. I333.a sorte de 300* em bilhete
inteiro de n. 1405, e qualro quartos de n. 1906
com a sorte de 100* ; alem de outras sortes me
uores do 40*000 e 20*600 da loteria que se acabon
de extrahir (69*i ; e convida aos possuidores a
virem receber, que promptamente serl^ pagos na
forma do costume.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respciu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilbetes.que nao deixarao d:
tirar qualquer i remio, como prova pelos mesnK j
annuncios.
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga
-autidos da 2' parte da lol>ria a benetieio da
matriz dos Afogados, que se extrahira no dia 21
do corrente mez.
Pre cos
Inteiro 6*000
Keio 3*000
Quarto .1*500 .
De 1003000 para chun.
Inteiro
Meio
Quarto
Recife,
Const motor e aiiler ** pl-
KNU
Ex-afinador das antigas fc atamadas casas
Pleyci e Hertz
e antigo directo'r das otHcinas da casa.
Affotis.. Blondel.
33Rua do Imperador33
T. in a hour., do dcclarar ao respeiUTfl publico
de.sia ridade. que tem atu-rto ;ua casi de concer-
tos e aSnaffics de pianos, qualquer que sej:1. o s-
ladVrdo insirnmento : a rua do lmperador n. 3J.
Casa do ciimpo.
Offcrece se, a qaem quizer fazer o eon?ertM
necessaries, o arrendamento por alguns annos de
praca. da excellente casa slta na Porta d'Agua,
quo foi do finado Dr. Jcaquim Pires Carnciro
Moiiteim, pas^ando-se escriptura para maior se-
gu anca. A hicahdade ^ muito salnbre, e a casa
miiitn h'!''a. tem magnifico banho de agua do-
ee em frent--, e e muilo commoda, visto que o
trem para defronte : quem pretender node din-
jir-se ao Sr. Francisco Carnciro Monteiro, en
Apipueos ao Sr. Francisco Ignacio Pinto, rua do
torn Jesus, ou, ao Sr. Cannan, rua do Commer-
,io n. 40. ___!__________
Hotel Uniao,pra9a do Conde
d'Eu n. 32.
Este estabelecimento continua a fornecer come-
dofias com asseio e promp'.idao, tanto para fora
como para deutro do mesmo estabelecimento, ten-
do todos os dias papa, e nos sabbados niao de
vacca, re ebe-se qualquer encommenda por me-
nos do que cm oulra qualquer parte. 0 mesmo
estabelecimento tem excellenies quartos para alu-
gar, sendo bastanles frescos. 0 propneUrm es-
pera do respeilavel publico a concurrencia e p teccao ; e ao mesmo tempo pede aos seus fregue-
zes que se acham atrasados ha mais de anno, a
virem quantn antes salil.r suas eonlas.________
Casas-para alug.ir para a fes-
ta ou por anno
Um sobrado no Poco da Panella. na rua do Rio
n. 5, com 4 salas. 5 quar os, saleta, eozinha fora
e quintal murado
Uma boa casa terrea nova, com cocheira, esln-
baria, pequeno sitio, a marge m do rio n. 35, da
mesma rua.
Uma casa peqnena, porem com nons commoaos,
na t_avia di Cruz >las Almas ao pe da casa ver-
o commend ador
III''.In n
Taso.
i. I'odas a tratar com
5*500
2*750
1*375
11 de outubro de 1873.
Jodo Joaquim da Costa Uite.
0 LNliXTiNGUIVEL
PERFUME
COZLNHEIKO
- Aluga se
Burgof n. II
armazem.
o armazem du lec.pllierna iuado
a tratar na rua da Praia n. 20,
- ODi. Ermirio Coutmho mudou o seu con-
sulloii. par ol andar da casa n. 53 a rua do
Marquez de Olinda.nde contimia no exercicio de
sua pfottasao.
Gmsultas de t hora as 3.
Precisa-se do um bom coziuheiro
linperatriz n. 37, nrimelro andar.
na rua da
0 Sr. Antonio Luiz da Costa, que foi nego-
ciante em Olinda, na rua de S. Bento n. 4, e
eham ndo a mes-na cidade.a ma do Conin ercio n.
ii, a negocio que S. S. bem sabe.

pre lembrada esposa, convida-os
para assistirem a> missas do seti-
DO ilia, que ten de ser rc-a las no convento de S.
Franeisco, no dia 15 do Corraate, qoarta-feira,
pelas 7 boras da manba.
or Mareelino Jose
no
fWSBS MAR2T.M8$
qnadros a oleo com figuras chinezas,
Restaurant Francnis
OLINTA-FEIRA 16 DO CORRESTE
A's If 1| iMMHh
0 agente Pinlio BergOB fara Ifilao de uns ricos
quadros ehinezes, na occasiao de effeetuar o lei-
lao de moveis do mesmo Restaurant Franrais.
Aviso .
0 bond que ha de conduzir os Sr eoBcun_*9
levara um signal encaruad}, e pai lira da eslaead
as It horas da manha.
Lopes
Altina Poppe da Silva Lopes,
ipp I I opes, Henrique Popiie, al*
fredo P.-pne, Plavia Poppe, Marco-
lino J ii' Lopes Filho e Julia Poppe,
penetrad-^ da mai- pungente dor
pelo pasaaaieuio de seu mui p'reza-
il i marido pai e sogro o major Mar-
ci-lmoJ.-u Ldpes, agradeeem summamente a to-
dos os seusnarentet e amigos que se prestaram a
acompanhar ao ceutiteriu publico o seu cadaver :
outro sim rogam-lhea ocariloso ohfcq-iio de assis-
tirem as mi-sas do sciimi dia, ana tera lugar as 7
l|2 hora da manbi do dia 13 do corrente, na
igrcja da Gloria "
\ ; ."xnn
Ceciliis McnilcA I'lanna Ribeiro
0 Dr, R ivmnndo Men <-s Vianna, Dr. Murillo
M. iiiles Vianna e D. Maria Mondei Vianna pedem
a seus parenies e amigos o earidnso obseqUio de
assutirem a algumas missas que mandaoi celebrar
na igreja do Corpo Santo, no dia 14 do corrente,
3i). dia do passamento de sna i resada irma e cu-
uliada CeclUa Mender \ianna Ribeiro, fallecida
na pr-ivincia do M..ranh i.i, pelo (pie Ihes onfes-
Siim ser eternamente ajradeeidos.
tapanliia aififficana c brasiknra
de papelcs a n\\ ~r.
Ate o dia l-'i d i corrente esperado de New-
York por S. Thomaz e Para, o vapor amerieano
Ontario, coinmandanle Sloeum, o qual depris da
demora du eostoute, seguira paraos portos do sul-
Para fretes e passagons trata-se com os agen
tea Henry Forster -i C, rua do Commercio n.8.
. Ha in bu ego.
0 lugrc alli9nao A em poucos dias
para u pi rto neima ; recebe alguma rarga na ca-
mara : a tratar com Hefi
mercio n. 'i.
Bahia.
0 biale Garibaldi segue em poueos dias para o
porto.aciMa : para carga trata se con) Tasso Ir-
a rua do Amorim n. 37.
moveis, loucas e outros arti-
gos
do Resticiirnntc
I'rancnN
na Passagem
da Magdalona
Quinta-feira 16 do corrente
as 1 I I p* hrft9 ''ft manhS.
tsaber:
Uol bHhar com pertencas, mesas ejasticas, di
tas para" ji'gos, ditas de louro, ditas de pinho, di
las de ferro, aparadores niarquezas, coneojos, a
vatori >9 earn pedra, eabides, eadeiras, escrivani
nbas de mogno, nransa para copiar, caixa pan.
gelo relogio de parode, eadeiras de faia a Lou
S.V,' dilas orfltaria, guarda comida, moinhos,
i jogo dc bagatella, ba*?dejasr eopoa, garrafas,
servitjo para jantar, dito para slmoco, trim a* co-
zinba, banheiros, lalberes, eolhere*, garrafas cm
vinho Bordeaux., ditas corn cognac e outros mui
tog ari
0 igentt PI no r' '? atun.-u.'>, vendera em
leilao os objectos supra ilado._
A's 11 horas em ponto havera nnTbond na res-
oectiva estaf.lo para conduzir os cotteqrrentes ao
ieilao.
Domingo j Francisco Uuraes e Si-us irmaos 18-
gam as pessoas de sua amizade o earidoso obse-
quio de assistirem ao enterro de seu prezado ir
niao Olympio Symphronio Duraes, qne sahira da
igreja de S. Jose de Itiba mar, as I boras da tarde
de hoje. _____ _______^^^
tsmmmrnamamMMmsmmmm
aina
DE
HURRAY t LAMMAW.
Uma pura distilla^ao das mais raras flw
r.s dos tropicos. Content, para assim ut-
ter, quasi o odOr odorifero das (lores (ic
Uwpico da America, esua fragancia 6 quasi
t.itixhatista ainda mesmo por continuada
.raporacao o ditTus.io. N'esto respeito i
i icom para vel a qualquer outro perfume
jBfl ha de venda para :
0KSMA.IOS, ATAQUES SEttVOSOS, DOB
m: C.AB1XA, DEBILIIJADE e
HYSTKRICOS.
E um certo eligeiro allivio. Com o boa
,w, tem couscrvado sua influencia para
cima de vtnte e cinco annos sobre^todos os
-erfumes, uas Indias .Occideutaes, Cuba,
'.', ueo, America Central, e do Sui e n6s
fcoui toda a coufianca o recomraendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, riqueza de odor e permanencia, nao
po'le ser igu'alado. Tambem faz remover
ila pelle :
4SPEREZAS, EMPOLAS,
OlEIMADURAS DO SOL,
SABDAS E B0RBCL1IAS.
Sando reduzida com agua, se torna uma
excdleute mistura para banhar' a pelle,
dando um aroseado e c6r clara a cotnplei-
|i0 nUblada, sendo hpplicada depois de
jarbear, evita a irrita^ao que geralmente
)Ccorre, assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
lhora a condicSo dos dentes e gengivas.
Como ha muitas imitai}6es, as quaes nao
possuem nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado e contar somente o
o famos i 'perfume 3 cosmetico do sul da
America, chain da:
AGl A FLORIDA
DE
HURRAY fc liAWMAJ*. ^
Sj acha & venda em todos odroguistas,
pt ifumarias da moda.
De CAsamentns.
De baptisatlos.
De Italics.
Dc soirees-
Dc almocos.
He lanclics.
Dc bfcknlcks.
De ceias.
De tudii de Imlo
Se cnearrega a confeit ria do Campos.
E alem disso
A eonfeitaria do Campos
Estd sempre provida
De tudo quaiilo 6 preciso para
L'ma bna mesa. .
Rua do Id
or n. 24.
1 CONSULTORIO I
g MEDIC0-C1RUKG1C0 *
DO
Dr. .1. II. Curio
0 abaixo assignado faz sciente ao publico e
com especiaudade ao respeit ivel corpo do com-
mercio, q:ie ne*ta da'a comprou ao 8r. Antonio
Joaquim Lopes de Carvalho a sna tavarna sita a
rua Direita dos Afogados n, 78, livre e desemba-
racada de qualquer onus: por isso se alguem se
julgar credor dirija-se a rua de Vlotocolombo n.
2i no praio de :i dias, os quaes lindos, nao se at-
teiidera a reclama^ao. Arogados, 13 de outubro
de 187:i. .
FraiMiseo Igracio de Jesus Mendonca.
~^- Notrapiche uantas aluga-se escravos, dan-
do-se 505 por mez, comi h o ca*a, p^r tempo de-
tertninado.______________________________
Escrava tugida
Continua a e-tar fugida, desde o dia 12 de
setembro proximo passado, a escrava de nome
Justina, natural de Bio Grande do Xorte, com os
signaes seguintes : altura regular, bem preta..
bem parecida, hocca e narii rcgulares, olhos vi-
vo?, tem olliar um poucn espantado, falla baixo e
qna'ndo pmnunci i as palavras mostra a dentadn
ra que e hoa e bem alva, os pes um ponco curtos-
e apalbetados, aparia o cabello ao meio da cabe-
.;a. foi escrava de Manoel Soares Pinheiro, con>
estabeleeiiinnto na praca da Independencia, do
poder de quem lainbcm sc'ausintou cm tempo,
e foi pegada em Hebenbe lavando roupa, intitula-
va-sc fi.ria ; preseniemente suppdc se que anda
por algiiin dos arrabaUes deta cidade, ou quo
esteja Icilo ana a tiuilo de forra, em alguma casa,
on Una mente algem hlicitamenle a tenha em sen
poder, contra qoem se promette- proceder com
todo o rigor da lei. Pede-e, portant >, .a lodas as
antoridades policiaes rapitaes de n'.mpo, a ap-
prebensaa de dita eci ol"rli .".seu sennor
na Capunga, rua das Ivruamliucarres n. 12, on
Recife, arco da Cncciqao, loja de ourives, que
sera generosamen'e recompensndo._____
m
0
m
m.
fii Kua do Marquez de Olinda n. 2., pn-
S "meiro andar.
Consulla das 9 horas as 11 da manha.
j& Chamados a quaiquer hora.
\)V.
fICfl 5
Feilor
No engenho Jac.ir6 da comarea de N'uzareth.
precisa se d" nm feitor, nao serepara a naeioua-
bdade, sendo b >m c. ce bops qnalidades : quem
esiiver nejtas condii;oes, dirija-'se ao mesmo en
genho, ou no Recife, esrrip'orio de Leal & Irmib,
a rja do Marquez de Olinda n. u6, para contra-
tar-se.
i
i
A. B. da Silva Mai a.
Itua 3d Yiscunde de Albuquerque n.
II, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
ii tl.
I'.hamados : a qualqoer hora.
Consultas: Ads pobres gratis, das 2 as
i iras da i^rde.
!
f >otOi> X^) iSWJi"XSS ^
fo ^ '''.'_
S Consultono homeopa- i%
15
Do
thico
Santos .Hello
do Impera 'or
0
os diaa das 11
41
a i d
Aluga-se uma casa terrea em Olinda, n.< la-
deira da Misericordia n 2, um sobrado nos Qua
tro Caniis n. 21 : a tratar na mesnia. .
Faz--e negocio cun a da rua de Vidal de Me-
greiros n. H7, on se admitte um BOCie com algum
capital para tomar cunta, por ter de retirar-se
para fora da provm-ia o encarregad i da mesma
padaria : a tratar no dito estabtdMimentO a qual-
quer hora ou na rua do Vigano n. 33, taverna.
Preeisa-se de um criado para todo o servigo
de uma casa-de pouca familia : na rua da Impe-
ratriz n. 10.
Ciiiveiro.
Preeisa se de um eaixeiro portuguez de 12 a
ti annos, com alguma pratica de molhados :
Iratar na rua'"^ncrial n. 81.^ ____
de
frerisa-s
lave:'
mero y*.
I'
"o coir, pratica
. n I:.
- preeisn ae de dous caixeims com pratica de
laverna : na ma de S. Jorge (antiga do PHlar) nu
mero 135.
Quem liver achado um mac) de papel, cous-
tanle de recibos de deciraas,He alugueis de casas e
umas cartas'de flanca, e qnereudo entregar, pode
dirigir-se a rua da Crut n. i9, que sera recom-
pensado.________________________
\inda esta fugida
a escrava Matildes desde 17 de marco do corrente
anno, de 32 annos rte Idade, i>reta cnou'.a, e.-talu
ra regular, cheia do corpo, pernas finas, tem uns
careers ni rosto que parece espmlia*. falla de
denies na frente da parte de cima, laila muilo
man.-a que as vezes desafia compaixao, boa cozi-
uiieira e eugommadeira, e filha do Para, foi cora-
prada a s igra do 9r. commendador Lucena, c
muilo conhecida por terestad) alugada em rasa
da Manoella doinspector, uo Monteiro, ella mutu
la-se de forra e tem sido visUr m 1'oqo da Panella,
Monteiro, Caxanga, Magdalena e aqui no Recife :
pede-se encares damente a todas as autondades
policiaes e eapitaesde campo a su apprehensao,
assim como se pede a quem tenha amas que ve-
rifique ne^sas que dizem ser forras, pois const*
estar ella de ama que nao sahe a rua, que.se gra
tificaracom a quantia de !00# a quem a levar a
seu senhor, na. rua do Livramer.to n. I, a Antonio
de Paira Ferreira ; e prote*la-se haver os dias d:
servico de teda e qual pier pessoa ^qae a tenha
occulta'em sua casa, na forma da lei.

Pede-ae ao n^ito digno gerente dos trilhos
nrbanos de OJind.i qoeira continuar coin a label-
la antiga, de 'iiinm de rnanha os trens de OlinJa
a todas as horas, e nao as tueias horas como na
tabella nova, poi a er assim fi'-amos leri-'ifnte
ai nu-J prejudicados Espera-mw que .*. S. se o^nara
annnir ao uosse pedido.
Vsrios aa.ilgnani''s._______
Dr.
M------Itua
CeostzHas todos
tarde.
Gratis aos pobre-.
Residencia a rua Nova n. 7, segundo
andar, Ondc da consultas das 6 as 9 da ^
;a e das -! as 3 da larde. 2X
Chamados i}ualnet hora. ^
? Consnltorio incdico
Si
ao mm
Quoin :;tiisi';!iiiii-di!s(lerece?
lncontestavelmente a loja de cal?adoS7estrang i-
ro qne mais commodo oftereee em geral, corn esp;.-
cialidade ao hello sex^.e o PARIS -NA AMERICA
a rua Duque de Caxias n. 59, primeiro andar-far;-
ti-'a do Queimaio) e a razao ? a razao e simples
nm cavalheiro (amante do ch-que) por certo se
ineommoda qnando, para comprar am par de b>>
tinas, vo-sc ( rcido a eNperinienla-la sobre um
pequeno c tmeroso pedaco de tapete (systema ma-
earronieo) nao podendo desta f6rma conheeer se
a botina (he lica boa. pois, nao tem espaco para
experiinenta-la, an menns qne nao a estrague dan-
do apenas nm-passo, one chegaralogo ao immun-
lohd-ilho; o qne nao aeont"ce no Paris no-
imeriea, onde pode se passear a vontade e des.ta
forma conheeer-se se lica bom o calcado : para o
hello sexo. cutap e quasi impessivel, que uuia ae-
nhoraololiom ton.) queira snjeilar-?e a expen-
m.-ntar calcado ao lado d- nm balrao, onde en-
-n m. in (Mk ajnda -mo nan c mprar : o
f.iris na -'w-r- dSo ri-ente-sddesta falta ; tem
im bem iM>arado i 'd-in-te o, para as
Exmas. que JHIi p'iderao l' :lra ;i ;- .',!i,-i !' ri'i.-olo. .
Xioterminama i as vantagenj ua commotlos
do' Paris ti'i America a rua ltuque de Caxias n.
50 piimeiro andar. consiste laipwm no bom sor-
limeni do LoUnas pan! homens, dos melhores e
mais afamadns tabncanies da Euivpa, como.Me-
hrs. Poser. Polak, of., et-., e grande variedRde oe
chtaellbs e sapatoe, assim lambeio um lindo sor-
.imento de botinas para senhora, e sapatinhos de
uiuitas quabdades ,ue poderio saiisfazer a e$co-
Iha da mais capichosa uenhora (do bom gosto);
pel) que lica expendido. tsia claro que a loja de
calcado estrangeiro, que mais vantagens oftereee,
e o Paris na Amcric ; rua Duque de Caxias n.
59 primeiro and.r, antiga rua do Qoeimado
(Ml HHtfff
DEMSTA OE PAHS I
19-RUA NOVA19 -_J
Aluga-se duas casas na rua das floras
iralar na rua da Uniaon. 55.
DO
Dr. If urilio.
!,UA DA CRIJZ N. 26, 2.. A.NDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
qnentoa os hospitaes de Paris e Londres
pode S'-r procurado a qualquer hora do
dia on da noute para objecto de sua pro-
is-ao.
Consultas do meio dia as duas horas
da larfc.
Gratis aos pobres.
Especiilid rft'S.=Moie8ti^s da pelle, de
crianca e de mulher.
ifmprega no trataroento das molegtias
cm sua especialidade as duchas frias e
bank** a \apn; para os quaes ironxe
at apparelhoa mats modernnmeul
pregad is na Fur pa.
ibem ap| lica Coal grande pro'
no traiameniu das roolestias do uiero a
eltjc'n processo do Dr. Tre-
pier. Cura pot rim processo inteiramente
novo as Mt-ahorrhagiM e sobre tudo a
v(goiu milit rj ili^nsando aeiajeecftea.
- Aluea-bo nnw ca>a para grande familia, sita
nova dc Santa Rita ; assim como um ,bom
armvem na nwsnw rua : a tratar por ma do
irapiehe DanUs.
\
%
I
9
rr
I
\
s
rr
-'-
rr
~
--
-*
''rr
-~
HS-
-?;-
J. M. Leroux, cirur-
giao deutista, succes-
sor de F. Guiltier, es-
pera co-tiuuar a me-
recera confianga dos
clientes da casa; e do
respeilavel publico em
geral.
BABY JUMPERS
Velocipedes and Hand Carts
For Boy's. .
Elastic Steel raatresses.
T Perfumagators.
Machfcas para descaroi^ar
XU1I :l
*

..
.
N

J


4




1
,pf"
l^MHBHHmi
3;ario de Feraambuou Terca feim 1* qa Outubro de 1873.

do sangne
0 ^rande jwiti
SALSA PARRILHA DEEMSTOL
Prpfivce dn nma
nbar c rn-:ilii>;ir : na ru
aim wrravr. para eou-
AMA
\llencao
20SOIIO.
Prtr^.i-so < unw pn.a jvui -uiizinli.ir >
?A>mprr para duas persons, pielcruido-st;
iscrava, que seja perita cozinbeiro, pa
xando-se'ii quaiitia minia : a tratar liu pa-
teo *do Hosiu.nl u. 88, 1." e *
dares. "_____________________
" ~Aiiula so precis* dc uma am* eei-rava <>u
t'.na pam eoxinliv o ens:, boar para _ir para Casa
a tratar na rua da Penha n. 45.
Prccisa se de uma ama que wiha
rnjjommar ou cozinhar: na :aa Nova
ii 7. ki a.
Araa de leite.
Preeisa-sfc dc uma ama de leiur, na rua do o-
sano larp n. ii. spguntio andar.
Precisa--se.de uo ama para la
e cozinhar em easa de peqoena
iamilia : ua rua do Capibaritw nu
mero 40.__________________ '
i vv.na Quern precisar de boas areas para
AITlilS VMiv 0 service, di.-ija-se ao pateo da
AMA*
malri'z de Santo Antonio n. 6,
sera jervid i.
AMA
A M A
sano r. 2
?
Precis.i se de uma ama para
coiinhar : lia praea do Corpo
Santo 7, :> audar.________
Prccisa se de uma que coziuhe
e engomme para duas pcsse-as :
a tratar na rua estreita do Ro-
l. andar.
Pieeisa->e zer o servico da casa. daiidose preference a es-
crava : ua rua Ru^v.e dc Caxias n. ii, segundo
andar, .________________
Prccisa-se de
casa dc Camilla :
garro U. 7, artiiaee'in.
Ama
uma cozinheira para
u tratar na rua do Vi-
i<- *?reeisa-9e uc uma ama, prefermdo-se escra
va : na rua i-> Commcrcio n. 40, 3 andar.
Sitpcspra Mas ascidades
\iUas de Pcrtagal.
'"jtrvallio 4. Nugueira, saccam' s.>bre 0
batten pohhhwhiI cia-itn lodas as cid tides? villas ilc Portu-
gal, per tfia.'.j ,. psqu-etes: I tea do Apollo
30.
j)j j a nop,.,
'JSl1^ jAH
feos oompradores do bem conhecido e acreiitado rapd
AREA PRETA, que reparem bos bates e meios botes,
pois que os ha de rap* de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma c6r, cujo desenbe se p6de
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quiserem do verdadeiro AREA
PRETA, devem para nao serem enganados ver que
os botes tragam o uome de MEURON & C, e a desig-
na^So de AREA PRETA.
MEURON ft C.
?*
raSi
'Wm^r&m ? w9
it.
Garanhuns.
Na rua
allar ao
ose Paes
dn Itarao da Victoria n. 36, precisa-se
Srs. i'edr- d. Rpgn Chaws VeiXoloe
da SWva, a WftfMfc* dp pytRiilar iute-
Cura radicalraente os casos mais invelerados de 6jpdilis, escrophulas, rheumat'ts-
eo chronico e tolas as enferrnidades que t^em a sua crigom na impureza do sangue e
dos huroores.
Como garautia contra as falsilicac,6es, cada garrafa deve vir acompanliada de utna
lira gravada em a^o, na qual apparece a assignatura dos Srs. Faler & Danca, fiucesso-
res, agentes geeaes no Hio de-Janeiro.
Deposito H, Forster & C a venda nos estabepx-imentos dos Sfs. Antonio Alvos
Barboza, Maurcr & C, Bartholomeu AC. Ferreira >laia AC, e-eir. todas assboticas e
drogarias dc l'eruambuco.
I'.-di'-se *'< muito digno I'mpseario dos
tli-atros Sant" Antonio G- nmasio -se ilig-ne le-
varascena as comedias "Utr'ora tao fic-netica-
in3e apiilMwdida?, e iBtltuladaS- 0 vclho perse-
gu*o- 0 terente caamcnteiro a ratoeira de
uipc-*ie.____________________________________
AlniR'si1 a-miM ^a. rua Bella n. 41 : a^ro-
earar n re a do luipttadui n. 44,-piarmacia.
No gailio I\Thsou>, fupu.zia da E-;. la, o mulato
Caetano, cuj' s sigpaes sao os segnintes : idade de
40 annos, alt gi>^ >. rnsto redimdo. rabello pa
rapinho avi-nnplteado. nmisa hiibsiio, traz a
barba e'itigude urudos a Usi-ura, ollios grandes,
castanhos e imp**epiivelmeoie vefgos,^ deates
curtose limados, pfe e mios.|Mlfeilos. E'-casado
com mtflher livre. da qual tmi multos filho"; 6 a
teroeira vi-z que-M. aiiMiiia tffl procuia d>- ali'or-
rki, diasnrtu, , < qur -ftsi li-
randu ainh ir. para llb-itarse ; -.;v.. d* f<-'tor
uo eitppiho : qim* 'i appr>"J> Jo ao m.'sm"> pi.gi-tih'i. uu ui-u ridad? i r.ia da
Aurora n. i:i.
Estabelecimento de carros!
funebres, rua do Iinpera-
dor ns. 9 4Sra . &.,
que para e wuacredi- 4 quart"*, e ozifiha Km, si; tiver '<
ml.":
01:
urn
5 011
rae-
1:0 n:
iiui-
Sciemiiif ;.ii ao public 1
lado esUDfAeeiineato reeeberan da Europi um !|10'rsera tatubem Miwd um 2." ai
complete sertimento de objectos funebres ; e ten- mpiosoinn!Odos
do augmentado ao graade e variado numero de ^"tao.e ootn-oi, im .-.a- nunowis,
carros que p. sue, mai- dou? n-vos, preparados^ios, corotanto que seja no Dairro ae
corn luxo, sendo um p.*r?. anjo e outro para adul-! intonio ou m^^ii:" '' algn'nas das r: a (!
to, convidatoao publicom geral a visitar 0 mes-L;_ jos^< ^ nnsboa uue procisii na.i diwitU pa-
mo estabelecimento, afim
verdade.
Receberara Umbem uin completa sortimento de
""apellas proprias- para tumulas, a? quaesvendpm
por menos pre^o "Bo que em ouira nualquer
parte.
Os proprietaries desk* estabeleeiaiento, tendo
rocebido do respeitavel publico e de seus amig..s
exhuberantes provas de r-oasideracio confian^a,
esperam tpa a me-mos continnarao a utilisar-se
de seu-t servigos, para 0 que os enconurar.iu proinp-
tos a bem serrilos, tanto ao que for de luxo como
do bom, me.lio e ninimo, ;4uJo com limpeza e
perfeic'to, Eendo cw preeos os maU commodos pos-
siveis, cerius do que te|a qual for a quantia de
que possani dispor, nao deisarau de ser servidos
om pron^tidao e asseio._____________
CBIADil
Maoel Plres Ferreira, soltoifo morador na
povi^pfi' de Santo .Amaru de JalKialS". precisa
um triad : a tr.-iar wm AntnnlH Pirps Kerreira,
a rua dy Bariui Jp s. Borja D. $>.
de deeengaoar-se da]^:4r alyumasbetnfeitorias.que tiver, na.sen- |^C^Xgninte
lo inuito c.ti'o, ou fdZ*srigutp cuiieerK pe-
qwno e asioio. Queio p is tiver e quizer
aiugar, detie carta fucliatla no I:* aadar
(jbfita t\pograp;ua, em iua do admkiMtfa-
dwr, coin as. iuieiaes \V. G., o qual tarnbwn
poiiera di/er quern e 0 prct.-ndenti'.
teiulieira
Med
ICO
Augusto Iraiauo de Hollanda Chacon, Dr. em
madie-na pela.faculdade do Rjo de Janeiro, cbega-
do ha peuco da Europa, unde nosJ uielhores hos-
pitae*; tledicou-se a'os e*tudos de sua proflssao, e
coDBiispcl;.|idade as operacoes e asinolestias dos
olhos, tern a s*u escri,.torio na casa de sua resi-
dencia i rca Db 'ue de Caxias (antiga das Cruzes)
n. 9, S" andar. Gonsultas das 7 as 9 horas da tna-
nha Gratis aos pubres.
Ai'igi se as ea-as n. Ifi9 da rua do Coronel
Suassuna e a dos Coelhns defronte do hospital Pe-
do II, amiias com O^thBOs eonHDodoa para gran
de familia : a tratar na rua do Bosario da Boa-
Vista n. 30.
Para escriptorio
AiRga-se uma boa sala e dous quartos do pri-
meirj andar do aobrado a raa do Imperador n.
81 : a strata r noarmazem do mesmo.
Precisa >' de oma coziuheira tpie seja escrava,
paraeozinhareengoramar em easa de pifnena
familia : a tratar na rua da Imperatriz n. t-5, l-
andar____________^________________i_______
Escravo fugklo
Atbamoo, eabocld, idade I'i annos, corpo for-
nido, bem parecido, eal>ellos cretpos, falls um
fan to gago, muito esperto e" conbecedor do Keci-
fe^ para oade diversas xetes se tain auzentadu,
tend.- desta lurtado 33000 em c.bre que wttva
sobre uma mesa. Esta fog4do desde 0 dia 6 do
corrente, de casa dc sen scolior no engenho Sa-
pucaia d Beberlbe, onde ff recompensara a
quern 0 pegar. ________________________^^

OalJuiete Portuguez de Lei-
tura,
( Direcloria )
Em virtude de ordefn da direetoria, annancia-
se para seieaeia dos senhnres seeios, que a bi-
bliotheca do gabinele foi augmeatada com as se-
fuint?s obras, chegadas recentemente da Europa:
adiana (a), Arraadeile, Tirde* de Verao, Biogra-
phia Politica Litterarla do. .Viseoafle de Almeida
Garretl, Carta de guia de casados, Contos e Saty
tas, Peste (a) Negra, Dra-uas (os) da internacio-
nal, Noite (de) todos os gatos sao pardos, Filha
(a) do Cabinda, MiilUer(uma)Jpaliida Tetamento(o)
de Siugup, Resumo da liisluria da Philosopbia.
Tratailu pratien da pdueafao naalerna, Homem
(<) pfrante a natoreza, Griticos (art de Pausto,
Idealismo e spnti'ieato, e Rofaa pallidas. Primeiro
inquerito parlamentar sobre a emigracjio portu-
guezs. e DU-ci mario Universal de educaeao b en-
Pino, I.' vol.
Gib'Bete fVirtairaez de Leitnra< If de outnbro
de J873.
V. Ferreira Ghagas Junior,
I." s.fiP'etar:o.
\ luga-se
Noi Quairo Cantos, na cidade de Olinda, um
sobrado de um audar e sctSo, cm bom I gar a-
ra pas ar a festa, e me de tonar banhos salgados ; 0 dito obrado tern
coraiii' dos para familia, e tern muito boaa vislas:
> fresca : quem ireiend.*r dirfja-*c a ma d J)a-
,qe de.l^ixas >x 6?: out-'ura Qaguiado.
Na rua das Flores n. 7, e eslieiia do Rosarion.
:18, ioja, ha uma pessoa que se encarrega de arinar
tumulos e raiacuinbas no cemiterio publico ]iara
. di.i 2 de novembro. c-ommemorai.ao d'i# (lets de-
funtos.
VELOUTINE
6 UMA ESPEC1E DE
POS de FLOR de ARROZ
E8pecialmente-preparados com bismuth
or consegninte d'iima accao saudavel
re a pelle.
K' ADHERENTE e totalmente INVI-
SIVBL, dando a pelle uma fresoura
aveludado naturaes.
PreQO da Caizinha com borla 5 fr., em
casa deCh. FAY, 9,ruedelaPaix, PARiz.
Deposito em Pernambuco, A.REGORD.
PUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRDffl H. 52
(Passando o chafariz)
PEEM AOS aeoborea de engeobo e ontros agricoltores, e empregad.)rog de m
ainismo -o (avor to oma visiU a sea tstsbelecimento, para verem 0 uovo gortimpnto
/tofleto -qoe abitern-; sendo todo soperior em qaalidade e fortidao; 0 que com a ins
"*^m&SamS^unumero lugar de soa nmntfo "
1 .A/lna /itnn-na dos mais molerno* eystemas eem ta
r afJOreft 0 rOUaS U HgUa manbos convenieotes para as diversas
cinMMtaocias doeDhore profrietarios e para descarocar algodSo.
ItimntoLS de canna L10^ 9 tam8Dh08' a8^elbores qDe aq
a.odas dentada p ----"p^-
Trims' 4e ferro fuudido, batido e de cobre.
Alambiqaes e fandos de alambiques.
Fn^;,nV^ne para mandioca e algodao,! PodeDdo todos
iiSCUlHiSinOo a para terrar madeira. f ser movidos a mSo
n-wi,00 (por agaa, vapor,
OOHlOaS de patwit*, garaniidas........ jon aoimaes.
lodas as maehmas e ^,de'e >"*
Fu ^adlquer concerto *"- "*> "-*
Fwrnas de farro -!"'""'" mCT"
?MAAmmAn.4ofl Incombe-se de mandar vir qnalqoer machinlsmo a von-
B^ll<50IUlllIlJ; ma* copras por tnteii>dio de pessoa ootendida, qoe em qoalquer necessidade p6de
is pr-estar acxilio.
Arados a'merieanos **"" 'erieo1"-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFAR1
tonsultsrin medico rirnrsico
Dr
DO
Ferreira.
MASSA PE1TOBAL E XAROPE
de NAFfi de DELANGRENIER
Paris, 88, rue Richelieu.
50 Medicos dot Hospltacs de PrU conslirem
suainpcrloridade sobrc lodoeosmslsp-itoraet
e >oa podtrnta rfficaeia nss losses, a'lhmas,
grippe, coqutluckf [toise eonvulia), laflam
inaoto to* bronehloe, irritafdei do peilo
da garganla, etc. (Cautrla contra at falltjica-
foti). Deposito* n*s pharmsclM credlid do
Brazil-
VINde QUINQUINA
FERRUGINEUXdeMOITIER
Cm Maluga < P;ron(iospha(o lie
rerr*. Este vinho foi preeonizado por toda a
emprenu medical como sendo o mais poderoo
Iodico empregailo para curar a Cblobocis,
Anemia o Eibahstacao bo sargue.
Deposito geral em Piris, tl. rue des Lom-
bards, Laurcnrri, pbarmaceutico.
Pemaniburo, A. RECORD, e us princi-
ples pharmacia,..
ii Sis
eg-ew
w.
1
Esta encoura^ado !!
Roga-se ao lllm. Sr. ignacio Vieira de Mello
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a rua Duo^ie de Caxiax n. 36, a con-
elnir a'juelle negocio man S. S. e eomprometteu a
realuar, peia terceira cbamada deste jornal, em
fins de di-zembro de IS'I, e depois para Janeiro,
pafison a fevereiro e abril de 1872,e nada camprio;
8 por este niotivo e de novo chamado para dito
dm, pois S. S. sedeve .lerahrar /me_ete negocio e
Je mais de oito aunog, e qaando o Sr. sen (iiho se
arhava n.sta eidade._________________
Aluaa 9c ami casa im Poco da PaicHia, 'it*
a rua Hea! n. Ifi, com i-atante< comm idtM : a
tratar na rua do jfafqaei .le 0!in:ia v.. !, cutr'o-
ra rua da 'M\.'ia. escriptorio de I.eal Irm.lo.
Ao cornmercio! Jfll j Is
Joa-jiiiin Mo: ,iu.-;-,, w. iktciti ligui-',
danui '.i fit to j Je rhtiraaz RinaiidtS i.a Cunlia;
.* C-; dec'raao "drp o -. An-j
tonii|l eiru Se.bra eontJoiia uos i a re j
forila ii I" despeito d" 'ii, pela!
Exma. viuva J> ,-eu fmado W io de
outubro d>- '

si 11 i
*- = = "
Iff I '
s I s jr
w?
W'pp-
S *^ f safe -
"ihili
I s f s
> / ~
Npgocta ; iioia PTeciica-com bypotl'^ca no
cngen!, i Ruasica J "nten-
laval-
$ i



FUMMCAO DE FERRO
\* rua do Barao d Triumpho (rna do Briim) ns. 100 a .04
CARDOSO IRMAO
en-
V? Antigo gabmcte de seu pai, rua larga
do 0oario n. 20.
Cura de bydrocelles sem injec^ao
rftt. com punccao capillar
*$? Abertura de abcessos e extrnccao de
jt derramamento serosos, pelo a-pirador
Joaquim Jos6 Goncalves
Beltrao ^Filho.'
Rua do Coimncrclo n. 5, 1.* andar
Sacca por todos os paquetes sobrep banco
Ar) Minho, em Braga, e sobre s s^gi'intea
gares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val'de V.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilha.
Faro.
Guarda.
Guimaraes.
Lamego.
Lisboa.
Mirandella.
Mon^ao.
Ponte de Limb.
Porto.
Tavira.
Valpassos^
Vianna do'Citt-Uo.
Villa do Convle.
Villa Nova dc FamalU
Villa Nova do Porttnyao
Villa' Real.
Vizeu.
Valonca.
Pigueira.
Aveiro.
Agueda._
Cam in Sin.
I'.vi r?.
Oliveira do Azbmcis.
Penafiel.
Rego^_____
Papel de linho \iado
a eS^'000
a resma, o verdadeiro papel de linho grosso mar
', ca viado, proprio para cigarros de polida, para
os Srs. fogueteiros, e para outros muitos mistere;:
; so no armazem de Jose Domingues do Carmo e
Silva, a rua da Mdre- de Deu9 n. 10 A.
O verdadeiro fumo do Rio
Novo.
No armazem de Jo?e Domingues do Carmo e
Silva, a rua da Mad re de Deus n, 10 A, armazem
de fumo.
G.
RECEKERAM de Ingl.iterr.i eompleto sortimento de ferragens e machroas- para
,'echos, as mais modennas e melhorobra quetem vindo ao mercado.
V^apOreS defor5a4e 4, 6,8e 40 cavallos.
V aldeiraS de soavresalente para vapores.
MoendaS lDteir2S e meias moendas, obra como .ittnca aqai veio.
TaiXaS faEdidaS e batidas, dosmelhores fabricates.
IvOflaS Q aglia com -cubaje de orro, fortes e bem acabadas.
RodaS deiltadaS de todos os Umaafeos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
BombaS de ferro, de repucho.
AraOOS de diversas qualidades.
PormaS para aSSUCar grandes e p. quenas.
pon(,erf/)g concertam com promptidao qualquer obra ou machiiw, para o que teem I tcip^'llaS liHil'tlictriOS.
. sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal. :' Para tumulos e catarumba >*
EnCOmmendaS mandam vir Por encommenda da Europa, qualquer .-nachmwrao, ,,ia de flnttdoSt
parao que se correspondent com uma respeitavel casa de Jj0 res! fE3Hj5JBp| Porn & Bastos, com Ioja de cal-
9 com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar asT.^fltor. gja^^| J cado a Praca_ da' Independencia n.
litasmachinas, e se responsnbilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (ruado Brum) ns.^ 100 a 104
______FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Carros de luxo.
I-"' iniuestionavel que a cocheira da rua do Bom
az
de D vois a 55800 a la la no armazem o> Jo;e Do-
! Deus n. 10 A, armazem d
teem I
mingues do Carmo e Silva a rua d.i Madjrede
Capellas para finado
Na rna eslreita do Rosark) n 33 lem ricas ca-
Jesu* n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, 6 a pellas para donzellas, anjos e defuntos, com Bta9
que tern as melhores berlindas, calecas, meias ca- e letreiros, proprios de lembranca de minha mai,
lecas e victorias de luxo, prpprias para qualquer pai, esposo, esposa, filho, filha, irmJs, irmaos, avd
noivado, visitas de etiquela, balks e actos da aca- e ivu, tudo por mui barato preco de 33,4J, St e
domia, yendo o* mesmos ajaezado? de'excellenb-s RiOOO. Na me;ma casa tern lindos bouquets de
pan-lhas df animaes, arreios Juxuoso? c b jleeiros eravos erosas para formatura dos senhores aca-
coni fardamentos do ultimo g^sto. para o que se demicos, com fltas bordadas a ouro ; a encom
convida ao publico a vir n r si loesmo senntifi- mends deve se fazer ires dias antes ; e preparam-
car-se da verdade do que d-ixamos din, cerios de se tamb-m bouquets para ajiivos, de cravos natu-
qne nao encontrarao pomada, e sim reali-lude e raes. ,._______
r. rcnodos preeos. ,
no
9, acabam de recebef da Eucopa
novo sortimento de capellas mor-
taarias de lindissimos desenhos,
^ com as seguintes inscripedes, as
qoaes vendem por menus preeo do
que em out'."3 qualquer parte,
A Men Pai.
A Minha Mai.
A Meu Esposo. ~
A Minha Esp sa.
A Meu Filho.
A Minha Filha.
Uma lagrima.
Amisade.
Saudades.
PKAgA DA INDF.PF.XDENCIA N. 39.
Silio no .Vrraial.
DA
-se ue - Aluca-se ne-tes proximos dia9 duas bias
casas na Ca;>ong.i, rua da Ventura, com commo-
dos para familia, as o,naes fbram concertadas e es-
, l3o se piniando : a tratar na rua Duque de Ca-
xias n. 41.
'esnnpareoea da casa de sen senhor o escravo
Slh'erio, cabra aca. idad^ de 22 anna-, salleiro,
wai o!Ii.-iii. nalnral de Gayanua, foi all escravo
io Lr. \>tor. alii morador, que agora ae acha na
P,;r^!nba, athoi grandes e. amorte'idos, nariz
baan r^'lar, cabellon carapinho
' altura r..,jUr, ecco do corpo, mats
-, falla foi visto ha dins na
Ca^a Forte .'"quem o apprehender dirijase a rua
Nova n. 8, que ae gratificara L
" Antonio Pint i i>uj;slT W j Portugal tr*
ar de sua saude.
Aloga-8"fcm sitio no Arraial, distante da esta A professora pubHca inna Mon'.eiro de Lima
cito da Ca*a Amarella um minutn, na estrada que Hego Valenca, achando se habilitada para enshir
segue para Casa-Forte, com os commodos seguin- francez e niano, offerece-se ao9 pai> desuas altim-
tes: daas salas, cinco quartos, cozinha Bra, ter nas para lhes ensinar estas materias depoi* das
raco, racimba com boa agaa le beber e bomba: boras de trabalho de sua anla.
a chave pode ser procurada na venda da Casa
Amarella : a tratar na mesma.
*-.
- Aluga se n.ua exccllente casa na povoacao
i!e Duarte Coelho, em Olin i, com bons commo-
dos para familia; a tratar coin Jorge Tasso, rua
do Auiorim, h. 37.
- Preeisa se alogar uma escrava Del e diligen-
te para iwler miudexas na rna : na rua do Im- de 14 annos, para scrvi-j de criado on hotel
peri-cton.*. ,6, armaxem. rua do Imperador n. 5.
Na rna do Bara i da Victoria n. 36 precisa-se
fallar ao Sr vtgauo Andre Curcino de Araujo "e-
reira, a negocio ac seu interesse.
. Aluga-se uma escrava para o servico ii,tar-
po de rasa de familia ; aosim como, um escravo
na
*


\,
*


Oiaric 4e Baraaabiifc* ^ Teica fwsi U M Guuibro & 4*23,
Gasa
casa no caes de Capib
-comagnagaz o inuitos rna da fir. do Recife n. **
MMIriLc,
* Ira tar na
Prtuiisi-se ie
da Aurora.n. 59.
urn boi
6 cuziuhetre: na rua
ILWt-SI
<> 2.- andar' do sobrado da rua direita n. 8* cor.;
25*w Par* Bn,nde fa,n,lia-a ,,a,ar no arma-
zem a. 85da travessa do Cotpo Santo.
a loja" du soJirado
Aliig.i-se
da rua
CASAS.
AJugaM-se doss grande* cams m povoa-
cao do Mooteiro, as q modos e aeham-se em estado da asseio : c
tratar na rua 1.* de Marco, loja n. 18.
Para casa de pequena
, farnilia, preci-
sa-se de uma rapariga braces ou de eor que
saiba de costura e engommgrfqs e para faze*
corapanhia i dona da csa quer aqui
provincia, quer para fora, neatas circura
tancias, trata-se na rua da Imperatm
10 1, andar.
tfeem p.
AGUA
U.-'rne^ocio-:^?raSanon8-*PrOPria
-'-.Jatravussa do Crpo Santo.
armazcm u.
-
CASA.
n S'fftS.tSS'frl MgUH(, andaresda casa
n.J a lrave*>a.da Liaaueu : a tratar na rna
Prune, da Marco, aahga'dn Crwjona "oja do
^ quern iateressar
I'ercira fc Sifta & Guiraaraes, propri-tarioa da
SI'.'?,*"* Prai*,ic aeham com aous debitos
nao saldarem os raesmos ate o
di W^Jin" "-" os memosateo
ninSem 3lMM,e' ni ,ontio-^nleaiplacio
Recife, 24 de'sctembro de 1373
Cobre e latao.
Compra-se cobre, latao e chuaibo velfa*:
no armazem da bola amarella Iravessa da
rua de Imperador.
-.Ii VnVi
Boa casa paraTa festa.
iSfP'W excel!enlc mm no Monteiro, tra-
ado de liinpeza; a tratar na rua Priraeiro de
vest
tad
4^*Sf\ "^ A' loja de
Primeiro de
Gurgel
,l,.7,m, K3"f *.'--' andar do sobrad" sito iTua
Sfm^1^Bb0m *ranJes. cozinha fora, quiataf
taAaffSftJK? 2 rUa de H'Jrlas e cacimba c'
" nnrX' b i, ,?'" :.',Uem Preleader *rija.e a
if. ... lcdepndencia as. 19 e 21, loja de

diSw^t f a C.'n qaem ,ratar- A con'en'o
I1' ,a "* vendeseuma peQa importanle,
LMiiffl^ d.eJ' ,8 anaos de idade> de mi.it i
U u .^ura, sad.a, niaitu robtuta c sem ^io
jS d r.enm Pten,*er dirija so a estrada de
|;a^3 B a' 9 'loraa da .anba, cu das 4 as G
ANEL KXEDINO REGoT\^fe
le\i;a v
s saa8Ai?dattmMa d corm
Peclldo.
Oalu'xo aaigHadtvsnecBrfor de Piu o A Mar-
'i.d-.......'"" atraaadoi, tanhaaj
virsaiJ juntas
____________________ .'. V.M. Pinto.
or>
j
3
res,
boKdado de
uma eozi
na rua do
tte uma engommadeira,
Dueua e mil CiiaJo p'ara eompras;
II >sp!cio u. '(.
Aluga >e o primeiro andar do sobrado da
rua-to Amrflra n. 2", proprio para efcriptorii c
o terevro andar do mesmo predio-; com sdtfo e
buns fmm i !;; para faaiilia: Tambem se alu-
a :: r Av snbrado da mesna rua 52, corn
con : pats barilla, e o sobrado de nm andai
Largo n. 3 : a --atar na rua de Doniin-
LIQUIDAOAO
Fuodicao Ja Aurora
Grande sortimento de;
Moendas de todas as qualida-
des e tamanhos-.
Tachas fundidas e batidae,
idem.
Rodas dentadas e angularesy
idem idem.
Machinismo, idem.
Varandas, gradeamentos pa-
ra jardim, etc, etc.
Tudo sevende por prccoa
muito em conta para aca
bar.
N.B.
G. Starr AC, em liquida-
c;ao, na fundicao da Aur&ra,
em Santo Amaro.
Edc
delafaa),
COS Ae aao para "
de Llaboa, red
iOS de sol,
di; mar!
- >endA9r
LINHA de roriz.
OBRAS de palr;eta.
de algodao da Bhia, da fabrica do
nendador Pedrozo. i
de todas as quaJidades, das fabricas de
Peres e Eduardo Miliiaa
flDUlAS proprras para bofica.
SALSAPARRILtfA do Para.
VELA5 de cera d todos 6s tamanhos.
tHNHO MMTafadb do Porto1, eanas de
Toscate Ido Douro, Utem idem.
Setubal, eaizas de lei dozias.
da Italia engsrrafado, raisae da 6 tif
rafas,
Malvaeia- do Dou/9, caluu com it
rafes.
Careavellos, Idem iftem. .
Cbap^os para senhomT
Amaral Kabueo A C. recebsrmn m eompfeti
ortrmento de cbapeos de palHa de Italia, sedi.
e volludo, pretot para luio. e dfe cures enfeilMos
com bonitas flores e r
toria, a rua de Beroo
Hova.
oa
As unicas vrcfatSMras .
Bicbas hambarguezas qne vein a esle mercado:
i ma*do MaTojuez de ulinda n.8l.
com m mmir
Os leques todos de-madreperela,. braneos e de
dres e que trazem o dlstlcoU.NIAO env leMras
madreperolS' en alto refevo, tar-
IAUR
Rua do Barao da \ictoria d. JSL
DE
i
Caraeiro Yianna.
LR V-^SSS?1 D Ba?ar Sf A' este grande estabdeeiraento tem cb
ao an Matoria- n. i, antiga#oa' .r-^o
tambem de
nando-se por isto apropriados
iRAr"
para noiras: a *iO
VA ESPERANQA a run- Dutpw de CasiaentW
tMitiga do Queimado) e qnem os tem.
StSo ek tatrtaruga
Os brfneos, broches, rnetts adereeos, i in,
CDTacSes e cassoletas, que estae- oxpostes a boa
escolha das Exmas. (amahtes- do e*ique> vead*-*
mv Nova Espcranca> 'a ro*- Bttfne de Ca>ia
n. A3:
Aos- menm&s
IMtH
J&O
DE
Alpdao da Bahia
' "
antiga Senzalla Vclha n: t.

scravo
liigiil.
'00 do ^ratificacao
Di!- en de Bovo, de borJo da barca bra-
sileira S Jnsf, o wrava Joaqnim, preto de na-
> i|ual anda bem vestido e caleado, deixan-
ia eabeHos a mod i 1 nii'ia cabeilelra.
perteoean ao fall-rido Dr. Oiym
da Siiva, que o liavia comprado na
i i d<> Sinas ^"ern S Joan rl'BI rei oti Otiro-
e m elle segnio para o Rio de Janeiro e
. -ti provibcia, domic foi para 'iaeeio,
' ..' veodido alii a Justiaa Bpamioohdas Ne-
vi a quern > eompraram os abaixn esslgnados.
.-. '> a zinbar, ocenpacao a qne estava dedicado,
1 ah( :e se poll fa! i quo e afneano.
Bff-rece-se a gr..; i;.'i) ;>cima a qum >i ap-
prelieudere roga-sn : Unas as nutoridades a sua
eaptnra.
Recif.-, ti do onlfliro 9n 1873
Jose da SMvaloyo & Pilho.
Alugi se ii na ex' li-'iite casa na Roa Via
gem : a tratar na rua da Ventura n. 21, Ca-
punga___________________________________
m e Sllijiililiilli).
Continaani auzentcs os mulatos, Lniz, desde o
dla '> !,% ngvlo do rcrreato anno, cup melbor
ir 6 dodo poll. !_;! da mJo es |uerda cor-
tadu quasi ao meio, de inn laliio descacafldo urn
c,''?.., e Raymundo em 2H tambem de agosto. na-
tural do srr'.Ao, que representa i'i annos maij ou
mcuos do or- alaraajada. trabellos e&tirados, fa-
zendo wltas qnando rslan grandes, cabeca r. don-
da, pe;c.ri jj-'nssii. fti's seccos e caneHks finas e
quande falla an i. u com inedo como que
qnpr :
Esit! nvilsft ja f-z uma foga, e foi prezo na
cidade d'-Arcia ha taaia de anno, e agora foi visio
no Reeif'1 piy as battdas da Uoa-Vista. e S. San-
, assini (.'-ii/ii a liiiilato Lniz, que tem mai
e no irutao iradoros no Recife, cojo irmao foi
:casiao di gucrra do Paraguay.
i' le-so ;i^ antArMades poRciaes a spprcuensao
de :' i scravos, e a qaatdju>r pessoa,- a qnera
kWm .;. i'-mvr se-ipagara goncrosamen
te: n i !i"!' a Ma do Ko h iestts n. HO, ou no en-
' na fregneaade Tejucnpapo
Ha para vender das seguintes fabrjeas :
S. Salvador.
Conceiriio.
Valenra.
Modelo.
No eseriptorio de Luiz Duprat, rua dj Commer-
eio n. 34, 1 andar.
A Nova Esperau^a a rua. aqae de Caxi8*Tk
63> aeaba de recefteV um Kndo aoelanento debfr-
SSrt^SScS^*^ Bstar prfa varied**, de obj.ctoe ,
uma pequena quantidade de bonecas
se tornam apreciadae pela sua no*l
f}>em utW
Cambraias
Victoria fina a l&b 0 e 35000 a peca com toque.-
B' pechincha : na rua do Queimado n. 43. em-
frente da pracinlia loja de Guerra A: Fernandes_
Trastes.
Von c-se mobilias de jacaranda e inais peeas-
avnlsas, todas bem construidas.e por preso mais
eommodo do que em outra qualguer parte : na
rua estreita do Rosario n. 28.
Ajaas Alealin >Gaz sas das IV-
dras Sal[das.
Villa Rouca de Aguiar.
BICAIJ()NATAI)AS-S iHGAS
Analyses do >:-. .Inse Julio Rodri-
gues, lcntc da oscolu Polyte-
cliziiea dc I.ishoa.
Esta excellente ayua usada com vantagem ncs-
padecimenlos das vias digestivas, urinanas, do
eslomagu etc., etc.
Vende-se
NA
Peinrainci c lrogaria
DA
Rua larga do Hosr.rio n. 34.
Vende-se o sobrado n. 17, na rua de S. Jor-
ge, ouir'ora do Pilar, com frente de azulejo. de
um an ar e sotiio, e quintal murado que deita
para u mar : quern o pretender dirija-se a rua
da Cruz n 6, segundo andar, que achara com
quern tratar. ,
Lazinhas com listras de se-
da a 1$ o covado.
X. loja d' Am erica torn
E' fazenda especial e de muito gosto para ves-
titlos de senhoras ; dao-se amostra^. na rua do
Cabnga n, 10, loja d'America.
Vende-se uma raei-agua no hecro dos Mas-
cates n. 4, outr'ora becco das Miudinhas, chao
proprio : a tratar na rua da Santa Cruz n. 1, a
sepagara generosamen- qualguer hora do dia.___________________
Aliiga-se
ATTi
O primeiro anJar do sobrado da rua Duque de
Caxias a. ii,-proprio p-jra eseriptorio ou rapaz
solteiro :- a fratar no mes-no, loja.
Mudan^a.
Vende-se duas mei aguas -randes e com bom
quintal, e que reudem 30$ mensaes, na rua do
Rrum, junto a esta^io dos bond*, das quaes pode-
so fazer um grande, armazem para eslabelecimen-
tos, ou para deposito ; e tambem seis na rua Im-
perial, que rend"in 601 mensaes, edificadas ha
puueo, e em solo proprio : quern pretender dirija-
se a rua das Trincheiras n 34, ou a casa nova da
O abaixo assignade participa aos sens credores, rua do Santa i.eciKa, que fara lodo o negocio.
i' e '\. voiW,'i que nmdou seu cstab.de- "V,.~w J'~is JnD-i!
.'-lius, -daiua da Marques deOlin-! AarOpe d SbgTlBX) 6.0 rftML
da para a rua d n. 14 Antigo e concoituado medicamento para
______________M:irc" "" Alnu''ua L,ma- jcuradas-rnolestias dos prgaosrespiratorios,
clnjoeSro e dourador Albmo
Baptista da Rocha, de volta da
Eurofia, rontmua a enearregar-
se d; con;erlar e dourar relo-
'- gios, bem como outros objectos ;
jQi* rogando a seus amigos e fregur-
*"* aes o obzequlo de proeura-lo na
Iravessa da rna das Cruxes n. ''i, 1. andar, nor
detraz da ira?a da lud'-pendencia, quo o enc'oa-
trarao prompt). A garat.tia de sous trabalhos e
b fazc-los pjf [irejos modicos ; asslm como tam-
'c rel'gios.
A Nova Esperanca-arua Duqao- Caxias-b^
63, reeeben verdaosM-e- cimenlo- ingles, prepavar-
cao para- coneertar pwrcelana-e Bern H1.
Muitas-vezes um vostido torna-se imeiramenw
feio, somenteper estanmal enfeiudo : a Nova Es-
peranya a rna Duque-de .Caxias n.. 68, remow-
este mal; porque esta *en previda dos melhores
galoes e franjas do todas as coresyonde pode es- i
colher-se-a vontade sebresahjndo entre estas-asi
raoderuas franja3 masa^cas, que pefe -sua vWeda-j
de de cores, fiea bem em quasi todas-as- lazendasi.
A ella antes one se acabem.
um bom sortimento de macbinas pare*
eostnra, de todos-os autores mais acredita-
dOs nltiniarnentena-Europe-,, eojas macbinas J
IsSo garantidas pop um anno-, e tendo um \
perferto artista paraensinar as mesmas, em?
qualqaier parte desta'cidade, como bem as-.
sim concertu-las pelo tempo tambem d'um |
anno-sem despendio-algum do comprador.!
Neste eslabelecimentotimberB b# portoncas1
para as mesmas machines e se3pprc qual- j
quer pee* que seja Beeessario-. Eslas ma-!
chinas- trsbalham con--tods a -perfcii;ao de
um e dbus pospontos, franze eHordr toda :
quahjner eostura por ftna que sejr seus'
precos-stod* seguinteqwdidade :. pur < tra-!
balhsT--mdo de 30W)C, 40300J S3000 '
e 50ft9fr, pra trabaiharcom pp-^i) de
805000-, WRJO00, 10*OO0, 1105*00,
1205J009; 13O5J0G0, 15e000, 2O0?<> e
250JJ0W), emquanto aos-ftntores rso-h 1-
tera^So depre^os, eos compradoraw-poderao!
visitar este estabdecimento, qu -nuito rfe-
Nenhnma -ma-china
Singer e legifcima se
nao levar esta marca
lixa no braco da ma-
china.
evitar falcifi-
caco^ uptemnse bem
dos oadetalhep maroa.

AS MACBTMAS tm OSTURA
RE
SINGER

TEM
MAIS DE ll^IIUJO TEMSE ^
Porque?
Sao as melhores
Sao as mais baratas
Sao de dons pnispontos
Sao mais simples-e rapidas
Sao dura^firas e aperfticoadat
Sao util cm uma |ap ha semprc pa^ravender, conao sejam-: oadev-
ras para wagern, malas paa viageaa, oadet-
ras para salas, ditas de baiaBco, ditaa para>
crianga fatfes), ditas para eseolas, oosturei>- j
ras riquissHnas, para senhora, despensnveis-!
para crianges, detodas asqaalidades,. oamas
de ferro para bomem e criancas, capaoho&y
espelhos dOurados para safe* grandos o pe-
quenos, appareilaos de metal para ehi^ fa~
^quciros com- eabo de metal e de siariim,
ditos avGiso9, colberes do metal fim, eondiei-
ros para Gala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampaspara cobrir pratos, ecteiras-
para forrar salas, lavatorios- complet.j&f dito&
I swnples, ofcjectos para toilette, e outros raua-
{vCUMMoS brun0& 66 te.m*->qUe>Wf4\ tos amigos que muito devemagradar a todos
3 j quo visitarem este grande estabelegiaiento
(&f&IF que se acha-aberto de^de as 6 horasda ma-
A NovaEsperanca a rna Deque de Caxias a. hha ate" as-9- boras da no*ei
63, acaba.de receber a rerdadeira tiaairade Des-gTj,.- Ac^T)n-Z^ A^ irJ^+^-^n
nous para tiogir os canelloe, o qne- se eonsegual AWia GO i>araO Ocii- V ICtOl i3t- li.
(empreuando-a) com rauita faeilidade,- e por est
motivo, eabellos liranss-se-tem quern qjaer.
Estao n& moda
Od cinturoos de codpo, ppaprios pana, senhoi **,
qne recebou a Nova Esperaaica a rua-Duquo del
Caxias il 63, estao, sin, senhora. estao-aa moda !
Se qusrs ter ou preparfar um ramalheto de
cheirosos-cravos braacos-para o vossocasameiito
ou para ootro fim apropriado, e Beeessario ir a
Nova Esperanca a aua Duque de Gaxias n. 63,.
que all* encontrareis os meloores jrw* bovqueis
que se pode desejar.
Bolas dehorraehia
Vendem-se de todes os tatnas^os a rua Duqua-
de Caxias n. 63. na Nova Esperanca.
22.
INaoiia mais eabellos
brancos.
Snewiaicaapprovada-pelas acadnmias de
sci encife, rcconbecida superior a t&da que
tei n ap^arfecfclo A'tl b*Je. Deposits 'paitici-
ptil A i quez dfe Olinda, n. 51, 1. andar,. e em
todas r's boticas e casas de cabellei-
reiro.
oem ven
Francisco Xavier do AtliayJo scieutiiica a
todos que com elle qniz rein untender-se, que se
aclia rr.M liiid i no cagenho Pirmeza, propriedade
do coi >iii: Prancisco' Avlojiio de iarros e Silva,
ne comarea daEscaiji, :i le ten: lixado o seu do-
micilio.
lvi6ravo fugido.
Ausentou-sc do eiMjcnlio Jagunribe o escravc
Manocl, erioulo. de idade 15 anno?, com os signaes
scguiat.'.s : alto, seceo, com falta de dous denies
na frente, rest* 'o.oai-idt, cabsilos carapinhos,
olhos vivos narii gr<**>,.bucca regular, iaendo o
beigo superior rail*-jio^e oreihf.sqiequenas-,
Nasceu en; Uezirros, d'-umle voio para oengenho
Raiz. da freguezi.i da E-.cada,.foi alii cscravo do
Barao de'Amaragy, senilo' tfue p.Tienccu em Do-
. zerros a Antonio Marlins dos Santos: pede-se a
-quern o a| rua .Siva n. 8,
que sera Re gjo,_________
ixeiro
Precisa-se d') um cW:ceiro qne tenha bastante
pratica de tavern-i c ld<:.llador"a'sua conducla ;.
na rua Dtiquc :lo Caxias n. li
coino a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
applicado ainda com optimos resultados no
-scorbuto.
Araruta verdadeira.
Continiia a venda na travessa da rua das Crn-
zes n. 4, e rua do Vigario Tenorio n 26, a 50J rs.
a libra. ^________^__^__
Vende-se uua Uverna em Olinda a roa do
Amparo n. i, com poucna fitndos, propria para
principiante, mnilo afregu'aada, livre e desemba-
racada, e o motivo da venda 6 porqueo dono tem
de retirar-se para o mato : a tratar na mesma.
Mobilias baratas
No armazem de Joaquim Lopes Maehado A C.
ha um bom sortimento de mobilias de Vienna
brancas o pretas, que se vendem a prenoa com-
tnodos.
Vendo se seis pipas de mnito bom rrtel de
furo, bem acoodkionado, prompto a embarcar :
na rua Nova de Santa Rita (ribeira do Peixei
n. 19._______________________________
Tlha de S. Miguel
Vende-se na nntiga rna Direita, hoje Marsilio
Das n. 99, moendas para fazer farmua de milho,
e tamb ;n ha um grande deposito de farinha de
todas as qnali.lades; asslm canto tambem se az
bolo todos os dias, ao modello da mesma Iiba, ese:
fazopjo as eiicomm-indas na -esperadoiidra.
Vende-se
Rua k Crespo..
CoBlimia n Tender feara
aprai Eiiuito.
Brins de limYi.oa cores (pec&kica) .?..'Sj?02601
vara.
Fustao branco *iara roupa deineninos- a.rOa
o covado.
Lazinhas escoeezas a 240 e 286 n. r. Alpacas com listras a 300 rs> covado.
Brins pardos- e de cores a 48fl,>.4iQ-e-500 rs. o
covado. |
Brio Iota hr*M># a 'I60O a. vifra.
Cambraias pretas para luta a ,2^6. >s.a covado.
Cr<-tone de listras a 440 rs. o eavadb.
Chilas roxas a 20") e 2ifers. o cevado.
Gro-dcnaple preto d-- enrdon aiiWIO o -con-ade^
CobiTlas deehita ndamasenda.a :jj5500.
Colalias brancas e de cows a 3^300 e 45.
Lrncoes de brimante a 2.
Diios de algoJao a 14\P0,
loalhas alcochoalas a6j a dtuia.
Lencos de cassa com hnria a 14 a dnzia*.
Ditos de dita abainnados a 'i&..
Ditos da esgni-io abianbadns a 33500.
Cam bra i? hsa a 3-s s 4'i0tX
Dita Victoria Una a U&*k
Atoalhado a 2i a. vara.
Cortes >de easerBiEa ilna'a'SA.
Faz meffior costwa com metttde da li^ha que gaskim
as oidras e farnecem tufn meio de
VIDA _
Para aqnclles qne tem dc susleiftar-se
DE
Qaerem agradar a yaya ?
Querem agradar aesposa?
Querem agradar a i.lha?
ttxmm uma
MACBINA DE SINGER
Nenhuma casa esta complete sem uma
MACHIM DE SINGER
Sem caixa 805JO0O. Com caixa"90?*000
UNIGA AGENUA
EM
111
4o
A CASA AMERICAN
45 RUA 1)0 IMPERADOR
De forca de ijms-a seis .cavaHos : a venda no.
{armazem da Joaquim Lopes Maehado ft C, tr-aj
vessla do Corpa Santo n. 2*!.
Fustoes de cores a K&. ,o eortc,
Challes de nfe'riia liso a 2s..
Vende-s^
potassa nova em meias barriqninhas a 320 rs. o i;
kilo: na travessa da Madre.de Deosn 14. ^
Vende-^8 a nierade dosebrado dedous an-J-
dares sot So na rua de'PeJa) Affooso, outr'ora.f-
rua'da Praia n. 33 : a tratar na mesma rua, ar-[
maaem n 2G A- E* vantijc.a a compra por sent
umSaiportante predio, 1>em. con'truilo e 8e gran--
do rainimcntb pel >s sous axcellentes commodos.
Ditos de dito r-sta/npado a 4a, 4S3T0 e 35COO..
Alsrodao de listAS americano (eo toque) a 3Jd
rs. o~covado.
Camisas ingL'm. a 3S5 a duziae 3*300 mna.
E'guiao fin-) a 24 a vara
Brim preto. trancado a %i a vara.
Bramaatede akadao a 156fiDa vara.
Dito de Hallo a 2iS00 a vaja.
Camhraia de linho de cOsja a 360 rs. o covado
AtgodSoTa !f| a peca.
Mauapoloes baratos.
Cassa-Ia
Cbegpuesta fazenda, sendo lindos padroes, e
vende-se pelo diminuto pref'o de 200 rs. o cova-
do ; somente na ru^ do Crespo n. 20, loja de Gui-'
Iherme A C.
S6 na rua do Crespo n. 20.
Loja dc
Guilherme <&C.
Yende-se
nm excellente orvallo novo ppaprio para cabriolet
e sella, por preco muito em (Jonta : a tratar e ver
oa rna do Drum n. 76.
Veade-se, ou aluga-seuma das melhorcc- ensas.
a Boa'Viagem, com em pcqueno sitio para, pasto
de vaccas, e terrena. fresco para planiacao do ca-
pirn a tratar na roa do Imperador n. 83, 1.. an-
dar.
Calcado estransjeiro.
Aproxima so a mez de dezembro, tdrapo cm
que o Paris na America, a rua Duque de Caxias n
39, 1 andar, tm A: dar o seubalanco, por este
motivo, os proprietarios desto estabeieoimento es-
tao resolvidos. a venderevi sens calcidos pelo cn-
tO, afim de nirtorarem o trabriLho ; asslm pois os
apreciadores do bom, e com especialidade o sexo
araavel, para qnem o Paris ua America, conserva
com a devida docencia) o seu gabinete reserva-
do, para a escolha do caloado, aproveitem e ve-
nham unirem-se do que procisarem.
Labyrinilios, bicos, rendas.
No eseriptorio de Gomes de Mattos, Irm3os, a rua da Cadin
do Recife n. 40, 1." andar, d o unico deposito do que ha. do
melbor, e bem acabado, que vem a este mercado, da cidade do
Aracaty no Ceara, quern os comparam com os feitos aqui na
terra, facilmente reconhicera" a immensa differenca, que
de uns para outros, tanto em preco como'em qualidade.
Lindissimas toalhas de labyriuUio.
Fronhas de diversos tamanhos.
Lencos de todos os precos.
Bicos e rendas emprofuzao.
vai
IASS01RMA0S4C.!,
Vende-se
LJuirihas, fazenda de 1*000 por 400 rs. o cova-.
do, sendo da largura de alpacas, padrow bontWs ;
dao-se amostras a rua do Crespo n. 30, loja de
Guilherme A C
Vende-se
urn vapor de forca dc rinco eavalios, novo,- proprio i
Dala qaalquer mister, .com bronzes desonresa-f
lentes, por preco eommodo: para ver, no arma-
zem dafijirao do Livramento, ,e tratar a rua do
Torres n. 32, 8 andar._____________
Vmmn,
a arm
DOS
tlltJ-K l-IRMfv1l,
rmipao da taverna n. 60, aita no pateo,Ja pas| Vendeiaa:mit*Jaa, boa e nw em conta ; -na?|.
Afogados; a tratar na mesnw. -itu o Apopllo d. 27, {
Banhos em Olinda.
Camisas-e oaleas de fazenda de boa qualidade.
proprias para os banbos emOlindt : aa loja de
are5s a rua Primeiro de Marc i (antiga do Crespe i
n. 3fl A, de-Gurgcl do. Amaral A C.
Gkrande novidade.
S opara o 43
Vieram no nltimo apor, bajtiatas finas com
rjas, Jostos cbinezes, pelo duninuto preoo de
ft"JS, o-oovaflo : a rua do Qaeiraado n. 43.
Lib eom liras asaetinadis, ultimo gosto a
IW* a covado: so e*3 ru do Qj^injaao
pMo-se amostfas.
Em seus armaiens i rua do Amorim
n. Sle caes do Apollo a. 47,
tem para vender por precos commodos,
Tijolos encarnados sextavos paaa ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc:
Macbinas de descarocar algod&o.
Maehinas de padaria.
Potassa da Russia em bantl.
Phosphoros de cera.
Saga em garrafdes.
Se-vadinha em garrafoes.
L.entiibas em garrafSes.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Porto velho engarrafado.
Vinho do Porto superior, diio.
Vinho de Bordeaux, dito.
Viaho de Scherry.
Tinho da Madeira.
Poles com lingnas e dobradas inglezas.
Liceres finos,sortidos.
Cognac Gaulbier Freres.
Latas fle toncinho inglez.
B.irris com repolho em salmoura.
J. 0. C. Doyle.
Tem para ve i r :
Cognac de ttennessy, superior e verd&deiro.
ViahoiXeres das melhores qualidade?.
JfcBitters de Angostura. ,
Whisky.
ChA preto cm tattas de 40 libra*.
Todas as preparacoes chi micas do Dr. Ajf armazem da'rna do Commercio n, 38,
.acaranda e amarello com ^ouso m.,
perfeito estado, e tambem um meio apparel! >
\ de louca para jantar e am dito de poreelana, Gno,
< branco, para almoco. Vende sc por ter o dono de
j se retirar para Europa : na rua da Imperalriz
n. 54 A.
Potassa da Russia em meios
barrisa 500 rs.4) kito
poi
Fi
Desembarcada ha
eseriptorio de Oliveira
Santo n. 19.
ucos dias : veude-se no
ilhos A C, largo do Corao
Illacbinas
Por-baratos precos para desearociu algodio, a
12,14, 16, 20,-23, 30 e 35 serras.
Ounha ^. Manta
:i-llim Marqiiez de
<
VENDE-PE
barris com carne de vacca e de porto, saigadi
parafliantimeqtos dc navios : no armazem de Tas-
o Irmao? & C. A rua do Amorira a. 37._______
Silva.Barroca A Filhos teenipafa vender em
sen amazem, a rua do Marqaez do Olinda n. 4 >
segulnte :
Folha de Flandres.
Estanhoetn vergujnhas.
,Machinas para qosearogiir a.lgodao.
Corveja escosseaa hranea e'p'r'eta.
Fillele para bandaira.
Vidres-para vidjafa, 'Ivflnalidadej
Guitchos para.u}ar.
f
^mmmmmm^mmm^m^m
I MM
mm
MU
^


m
MM


* .
i
t
HHMH
I
tMfirJ vfc Pfern&nirWa ^ $e$i feiifc
iPMfcr*>.
7
DE HOWE
Lavas de
a 200 rs.
i Abotoaduras para <>llcle, grande sorti-
mento a J20 rs.
Caiia do linha Je marca, a 200 rs. i
Lamparinas A gaz, cfando uma luzrouito
boa, a 1*000.
Duzia do pecas de cordAo imporial, a
240 rs.
| Caixa vie I>otoe de o6so para calca, a
\s maw simples, as Twais baratas e as melhores do mundo! i aoJ re- ,. :
w. r. ._ ,., Duzia de carreteis de linha, 200 lardas.-a
Na exposicao de Paris, era 1867, foi concedido a' 600 rs-
SOARES LEII'E, IRMAOS
UNIGOS ACENTES
A'
Rua do Itoo da Victoria o. 28
HCIHAS
A 251000 rfiJBfw..
DQUS POaMHTOS
Nalojade Soares Leifce Innd^s, aruai do Barao da
Victoria ii. 28.
pellka com pcqueno toque,
Agua.ilofida^ do auislaip,
patafaaBros cab^Jspre-
tos.

Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a~ condecora- ]
00 da Legiao de Donra, por serem as macbiuas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, coufcrida a E. Howe Junior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de-cos-
tura.
A medalha de ouro na exposicao de Londres acreditam
estas machinas.

Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
Mago do lita chiaeza, a 600 rs.
Caixa de linha com 40 anvellos, a 500 rs.
Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
Espelhos o9,taananfc5 e pra^os.
PEWtMArUAS E MltfDEtAS.
Fraaoo com oleo Onia verdadefro, a
1*900. | o ofcu r. tea
Idem eomtootoo de Kemp, verdadeiro
1*000>
Garrafade nguaflortda verdadeira a 1#00
Gaarafa d'ogua japowoo, 1*000.
Idamideiadivina, a 1*000.
Idem idwa Magdaleua (naviiade) a
l*J0*.'
Caixa-de pos para denies, a 200 rs.
Idem idem de pos chines, muito bum, a
680 re. e 13)000.
Potetornopiata 4* Aiegary Rimel *os-
A aguia branaa, a rna Duque de Caxias d. CO,
acaba de -mm** nova renmsa H apreelavel agua
florida para fazcr es eabellbs pretos. 0 bom re-
sultado eolbido por quern lent feilo use dessa
inoffensiva preparacao a lemaltamente cenceitea-
do, e por isso apettas se fat lembrar a quern Oo-
vamcnte deila precis e e queira Be aprovcilar de
sua utilidade. Tvuinm wte agua de topasio e
oleo flurido para o niesmo mo, e Uo aereditados
como aquella.
Voltas e brincos de grossos
aljofares de c6res.
A aguia branca, a rua do Duque dj Caxias n.
* !*>, recebeu novas e bonilas voltas e brincos dc
grosso Ijoferee de eorea, e como sempre coati-
nua a vende-las pr preco commodo.
Novos diademas dourados e
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 1JW)00 nel, 1* 00.
ingleza, preta, a 100 e
muito boas,
A 90$000
Potes com dita
160 rs.
Caixa de penuas Perry,
1*000.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 n.
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa de papel amisade,
a 800 rs
Cabe-cos o deverde annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
*.rk, est&beleceu nesta cidade a rua do Barao da Victoria n. 28, urn deposito e agenda
ral, para em Pernambuco e mais provincias se vendcrem as aiamadas machinas de cos- j
Idem idem idem lisa, a GOO rs.
Duzia de talheres cabc branco,
5*000
"a'le Howe. Estas machinas sao "justamente apreciadas pela perfeigao de seu trabalho, e 5*800 '
rupre^do uma agulha mais curta com a mesma qualidado de Unha que quaiquer outra, Idem \dem y a.258o0 ^800 e wooo_
pela tatroducgio dos mais aperfoicoados apparelhos, ostamos actualmente habihtados a
OVr-scer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
Duzia de sabonete* da a.neadoa, a
3*000.
Duzia desabouetes dcanjinho tranaparen-
tes, a 2*200.
.Idem idem eoat tldres, a 1*500.
Sabone*es (ilyceriuo tr&nsparentes. a
l*OQo.
beira dourada,; gjCaixa com saborietei,. fonnato de fructas,
a i*600 e l?5l;0.
As vantagens destas machinas sdo as seguintes:
Primeira.0 publico sabeque ellassao duradouras, para isto prova incontestavel, a
^ircuinstancia de nunca terem appareoido no mercado machinas d Uowe em segun-
* mao.
Coques modernos, a 33000.
Duzias de pecas do tranrns de caracol
branca, a 400 rs.
! Costneticos, graudes e peqaenos, a 100 e
2 B., a SOOtb
FraseO'eemagnode colagnc, n 200, 820,
4*000 600 re. e l^rOO.
Extracios muito linos dos ra> lhores au-
tie.
com pedras.
A aguia braoea, a rua do Duque de Caxias n.
SO, recebeu aow sortimento de bouitos diade-
mas dourados e com pedras, unto para menioas
como para seuhoras.
Collec normas para escrever-se.
A aguia branca, a rua Duque de Caxias n. 50,
recebeu novas colleecSes eu normas para as crian-
cas apreiHlerein aescrever por si mesmo, hoje Uo
usadas nas aulas e collegios; e como sempre ven-
de-as por pre^O commodo.
Meias cruas finas para meni-
nas esenhoras
A loja d'aguia branca, 4 rua Uuque de Caxias
n. oO, recebeu novo sortimento daqhellas tao pro-
curadas meias crnas para senhora, vWdo igual-
menie para medinas, e continua a vends ias por
precos connuodox
V6os-ou mantinliaspretas.
A loja da asmia branca, a rua do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bwnitos veo ou inantinha:
f.in-lasa elegantes onixinhaktonnperfoma- pretas deeda eiu n.*e, e eulras a initacSo ck

Idem idemlisas, a 200 rs.
Leques dc osso e sandalo,
e 6*000.
rws, proprias para pniteutes,
Ej Codray, lUt'ger, (ieite t-'reros^ etc.
! Qoadros corn santose estampas separa-
a 2*000, 4* da3.
Seguiida.Contem o material preeiso para reparar quaiquer desarranjo. Fita de velludo de todas as cores e lar^u- pados.
Texceira.Ha neilas rnenor fnegio entre as diversas p.?ras, e menos rapido estrago ras. Uma grande
que nas outras.
Quarta.Formam o ponto como se fora feito i mao.
'^uinta.Permitte que se examine o trabalho de smbos os Gos, o que se nao consega
<* outras.
Scxta.Fazem ponto miudo em casemira, atrsvessando o fio de um a outro lado,
* logo em seguida, sem modiiicar-se a teusao da lii.'ia, cozem a fazenda mais
Setima.0 compressdr & levantado com a malor'fteiiida ;, quando se tem de mudar
* agulha ao eomegar nova costara.
Oitay.i.Muitas compajihias de machinas de costara, \i:.: ::Jo epocas de grandeza e
?jcadencia. Machinas outr'ora populares, s5o hoje quasi do.- <; hecidas, outras soffreram
-nudancas rndicaes para poderem substiluir : entretstrto a companhia das machinas de Howe
tdoptando a opiniao de Elias Howe, mestre cm artes mechanicas, tem constantemente
-jirmentado o seu fabrico, e hoje nae attende a procura, posto que faca 600 machinas
r*da machina acompanha livretos com mstruoodes em portuguez.
V 9(^000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 28.
Entremeios e babados transparentes e ta-
taboleta propria para qual-
Microscopios com 12 vistas,ra 0*000. quer loja.
Frasco coin oleo para machina a 400 rs.
Rua do Barao da Victoria n. 28.


va-
AZAR
Mi!
DA. RUA DIREITA
HOJE
G1L10 QIAS N.
E&te estabelcciinento sempre solicito o:n oflerecor a concurrencia do respeita-vel pu-
i ..yew os ruaii razoaveis possiveis, para o que recehe quasi todos os seus artigos de pro-
*.-ia encornmonda da.Europa e America, vem dar BUbJTcidade dcalguns artigos porujos
jrogosbem se pode avaliaros precos de oiitros muitm$ que se lornaria enfadonhe pu-
s I i ear.
.MIUDEZAS. MIUDEZAS.
S para bordar, da mulhor qualidade, 1 Brincos dito de dito por 2*500.
-bra por iJtJSOO. Botoes de setim pretos e decdres, a 800
Aguihas francezas, fando dourado, a cai- rs- e 1*000 a duzia.
inha com 4 papeisa 60 rs., 240 -s. Franjas brancas de seda de todas as lar-
Voltas de Ilia de veliudo com lindos co- 8ura.s a 1*000 e 1*400 o metro,
acoes fingindo madreperola, a 500 re. R-'tas d"^ cores e pretas a 800 rs. e 1*000 o
Voltas para o pescoco, fingindo camafeu, motro.
ooapMBadM com 1 par do brincos seme-,,^8'0^8 pretos de seda, de muito gosto de
COMES BE MATTOS &18St\0
Avtsam ao rcspeitavel puldico desta cidade que o sortimento de joias, de subido
or, que oxistia em sou estnbekcimento, esia" completaincnte reforcado com o mais ele
gantesortimento de novas joins, que receberam directamerrte pelo oltimo vapor da Eu
ropa, constando elle do mais v.iriado sortimento do.aiiorecos a B(.nilevard, pulseiras dt
ultimo gosto com pedras preciosas o-sem elias, bxinoo6.d'argola, agraffes para relogic de
senhoras, delicados aderecos para meuiuas, meios.aderocos de camafeu liudissimos, voltas
de nogordios para senhoras, corrontcs iuglezas de ouro o do platina, variada quantidad*
de botoes para puuhos e peito; corn wnble i;as magonioos, de onix, lecido de ouro, caua-
feu, etc.^ brilhantes monstrosde rarlssimas agoas, em at>r>eis, rezetas, pulseiras, alfue-
tcs e botoes, e ontros muitos objectos de ouro de melhores fabricantes de Paris, que st
ven*lei-ao com grande reduc^o de preos, p^r serem elle* recebidos directamente de sec>
commi-Uentes.
Os proptietarios do acrcditado MUZEU DE JOIAS, teado seu ostabefceimento abert..
ate S boras da noute. convidam as familiasque se quizerem prover do lindas
vireoi escolbe-Usa' vontaile. para o quce'i3 em exposicao nos mistradores.
l ii e C000. A fazenda e boa o esta em perreilo
estadu, pelo rjue continiia a ter prompla extrac-
(c5o
Perfeita novidade.
Grampos com bprbolctas, bezouros e gafa-
nhutus dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, a rua do Deque dt
Caxias n. oO, recebeu sovos grampos com bor-
boletas, bezouros e gafanhotos^ o que de certo e
perfeita novid do. A quaniidade 9 pepuena, e
por isso em breve se acabara. -
Novas gollinhasoruadascom
pelucia ou arminho
A Itija d'aguia branca a re a Duque de Caxias
60, recebeu uma pequcna quantidade de bobi-
s e novas gollinbas, trabalho de la e seda, cn-
neitadas com arminho, obras estas de muito gosto
e intciraueste novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, a rua do Duque
Caxias n. 30, recebeu novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetas dourados ; assira crmc
novos diademas de aco, e como.sempre conti-
niia a vende-los por precos razoaveis
Oaixinhas com p6s dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn-
que de Caxias n. 30.
Luvas de pellica pretas e de
outras cdres.
A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
xias n. 30, recebeu novo sortimento de luvas de
pellica, pretas e de outras cores.
Mi HA K IMAMS"
joias,
hante, tudo por 2*500.
Linha branca do 200 jardas em carriteis,
oroipria para costura de machina, a 800 rs.
duzia.
Dito de dita de Alexandre, uumeracao a
< sto do freguez, a 10100 a duzia.
Diademas dourados de 1*500 a 3*000.
Ditos de tartaruga com flores a 2*000.
Ditos com borboletas a 1*500.
Brincos encaraados 1 par por 500 rs.
Ditos de plaquet de 500 rs. a 2*000.
Ditos dourados, duzia de pares, a 1*500
i*000.
Vohas de aljofares com brincos, a 2*500.
Oitas de ditos cjm coragdes a 1*000.
Ditas de ditos de eontas com cassoletas, a
00 rs.
*osetas de plaquet a 1* e 1*500 o par.
(irrratas do seda para senhoras de 1*200
2*000.
'arures eom 2 latjos para cabeca e peito
*9 o 4*000.
tfntreraeios e babadinhosbordadosde 300
ft. a 2*400 a peea.
tialdes de seda brancos e de cores, de
19500 a 2*500 a peca.
Ditos de algodio e seda, dc 1* a 1*400
pe?a,
Wtos de algodfio, a 100 e 500 rs. a peca.
Trancinhas de cores, a 100 e 500 rs. a
,>a.
Leques de marfim a 5* e 8*000.
Dites de sandalp a 4*500.
Ditos de madeira imitando, a 2*000.
Ditos do papelbjes a 1*800.
Coques para serlhOra, a 3*. 3*500 e 4*.
Aderecos fingittdo coral, compondo-se de
Ifinete e brincos por 2*000.
Dito dito pretos por 2*500.
Ditos de .praqaet, compondo-se de alfinete
brinco, sendo de maito gosto, por 5*000.
800 rs. a 1*000 o metro.
CALCADO FRANCEZ.
Botinas pretai gaspeadas, para senhora, a
4*500 o par.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, a 5*000.
Ditas pretas enfoitadas, ultima moda, a
6*000.
Ditas dita de cores, canno alto.enfeitadas,
a 5*500,
Ditas para meninos, pretas e de cdres, a
3* e 4*000.
Completo sortimento de calcado de case-
mira, Charldt, tapete e tranca, -mais barato
lO % do que em outra quaiquer parte.
CHAPEOS.
Bicos chapeos de palha d'ltalia, para se-
nhora. a 11*000.
Ditos ditos palha eacura, da ultima moda,
a 16*000.
Completo sortimento de chapeosinhos para
meuinas e senhoras, de 2*800 a 5*000.
Chapeos de sol de seda, inglezes, cabo de
marfim a 16*000.-
Ditos dito de merin6, cabo de metal mui-
to bonito a 5*500.
Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 6*000.
Ditas dito eabo de marfim a 9*000.
DIVERSOS ARTIGOS.
Granadine para vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, com listras de seda, a 650 o co-
vado.
Parmos de crochet para cadeiras, a 1*800
e 2*000 cada um.
Ditos para soM, a 8* e 4*0#&.
DO
BAZAR NACI.0NAL
Rua da Imperafriz n. 72 .
db- .
Loureneo Pereira JleHdesGiiiwaraes
Declara a seus freguezes que tem resolvido vender o mais barato que for nossivet.
saber: i~
CHITAS A 160 E 200 RS. 0 COVADO.
Vende-sc chitas francezas largas com to-
que de avaria, a 160 e 200 o covado. Di-
tas limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 f.
Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
o covado. '
LASINHAS A 200 RS.
Vendo-se lSsinhas de cores para *estidos,
a 200, 360, 400 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400,500,
640 e 800 rs. o covado.
COBERTAS DE CHITAS A !$60O.
Vende-se cobertas do chitas de ceres, a
1*600 e 2*000. Ditas de peHo a 1*400.
Colxas de cores a 1*200, 2*500 e 4"*300.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de 15 de quadros a 800' 2*000, Ditos eem barras-de cores a 30O<
rs. e 1*000. l-tttes-de-lhllW r6fW.
itos de menn6 a 2*,'3*, 4* e 8*000. TOWLHA* A 8WRSV ".
?9fide^fe teaMws |ra Wsto, a 800 t. t
W00."
GRAVATA8 D SEA PRETA! A 600 Rfc
VemMise grvat- de- seda preM, a o
rs. dada errriff.'
CMTA'S-PAHA tCMltLfA A fiSO^M;
Vende-s^cWtafHra cofcerta,' a J^O^e -
rs.o< BOfJFTS' ?m\ MEIfWOS A 1*50.
Vtiodie^ef^metes-p^raYrrerrrno*, a *
safes.
m
^^"^^iwva^^aTORla^/^RKl6m-
se baratUsiiro, a duBieiro : a rua u> Baiao da
Victoria a tpaligi ro> Non.
--------
Rua da Madre do Deus n. 10 A.
Jose Domingues do Carmo e SHva pnhieipi. aoa
seus fregunps e amifOK qnp no sou nrmazioi a
rua da Madre de Deus n. 10 A, ;c tclia um com-
{leto sortimento dc fumoem fardos do pjiento I.*,
." e 3." sortes, dos melhores fabri*ao(es da "ahia,
e bem assim a flor de todos ns romrs de corda
em rnlos, paroles, latas pranies e petiaaims, tau>
bem dos mui acreditados /obriocl'is, Torres k.
Araojo, Lizaur, Adolpbo Schmdt 4 C., I.iiaur
Schmidt A C, Veigas 4 Aranjo, Tiii.-wio i Ave-
lar, Tehteira Pinto 4 Portelta (p j*1ob
mesmos) e de outros iinde nSo wwlweidos pelo
public* deuta capital. O aoouaetaiirc d'fi ;:a jue
todo fmno que for wadido em sua ca*f sera pelo
seu justo valor, e que ,quando gara'titir 4 resrcti-
va qualidade, seri slacero, mui |.al -Llamienta
com as pessoas quaponeo enteodam ii:. matirla ;
poi# para Item servir a todos, tem <> .nnnncianta
">npa pratica de 15 aanos deste Gomrarrcio.
Rua do Cabuga n. i
Vende-se um escravo muco, prupi k>
nho ou padaria, por preco muiti) em ro
1 A.
am tnge-
rtla.
Rape Rocha
a 1 jtOOa libra : na rua do Vigano n. 7. pri.nei-
ro audar.
DE '
Fazendas fmas
Rna V
NA
.0.
CORTES DE BRIM DE CORES A 1*500
Vende-se cortes de brim de cores par.
calca, a 1*500 e 22000.
BOTINASA3*000.
Vende-se botinas para senhoras, a 8*80o
3*500, a elias antes que se acabem.
ROUPA FEITA NAClOffAt.
Vende-se camisas brancas, a 1*600, *j
2*500, 3*000 e 4*000.
Caljasde casemiras de cores, a 5*, 6*
7*000.
Palitots de casemira, a 4*, 69 e 89000
Seroulas a t# e 1*600.
mU.DEORES'A 44 R9.
Vende-se brrwde todas as corea!*
r*. o etftado.
LEMC08 BKANCOS A 2*000 A DU^IA.
Vende-se a duzia de lencos braneos, i
SAUDADES.
Amarai, Nabuco 4 C acabam de reetber un.
variado eortimento de capellas funebres com as
segnintes inscrip(joes:
A meu pai.
A minha mai.
A m. u rifqin
A n.iiihi esposa.
A mtu Clho.
A minha liilia.
Saudades.
Amizade.
Lembranca.
Vende-se no bazar Victoria, rna no Barao da
Victoria n. 1
Caf
do Rie Janeiro : vende-se a rua de Vigario, ar
maxr-.aj n. 16.
CAMBR'AIA BRANCA A 3*000.
Vende-se pegas de cambraia branca frans-
parontes o tapada, a 3*, 3*500; 4*, '4*500,
5* e 6*000.
SAIAS BRANCAS A mtOO.
Vende-se saias brancas e o*e cores, pare-
senhoras, a 2*000 e 2*500.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets pretos de seda pafa ho-
mens, a 500 rs. Chapeos de palha, petto e
foalhas de Iinho para rosto, a 1*300 cada massa, a 2*, 2*500,. 3*000 e 4*000'.'
uma.
Ditas de algodSo alcoxoados, a 640 rs.
Colxas de crochet para cama de casal, a
6*000.


uftbilias
CadeirM deanaroieaa maito baratas
23-Una taptez de Otinda tl
CUNHA 4 MANTA.
Ilesperidiua
Verdadeiro liter besperidlna, superior e *cr-
ditado: i, yenda no armazem de Taw fnpaos 4
q, rat, de Arnonni a. z:.
Bazar Victoria.
Amarai, Nabnco 4 C. receberam completo sor-
timento de bengallas de canna, proprias para des-
caflfo de velhos, de rheumaticos, etc., etc., e ou-
trarde pbantasia, completo sortimento de chapeog
de sol, bengallas, umbellas, etc., para senhora e
para homem, com cabo de marfim com Qguras de
metal, lisos, elc. etc. Estes uteis e especiaes ar-
tigos vende-se na rua do Barao da Victoria n. 2.
Toalhas de labyrintho
Na loja do Passo, raa Primeiro de Marco n. 7
A,vendese ricas toalhas de labyrintho, proprias fasco pa
ara baptisados e casamentos. I muito oa
MADAPOLAO A 3*000.
Vende-se pecas de madrtpolSo enfesrado a
3*000. Ditos inglezes para os preccs'cle
4*, 4*500, 3*, 6*000 e 7*000.
ALGODAO A 3*f)60.
Vende-se pecas de algodao, a 8*500,. 4,
e 5*000.
BRAMAPfTE A 1*600.
Vende-se bramante com iO palrtios'de
largura para lengol, a 1*600, 2* a 2*500 o
metro.
GRANDE LIQUTpACAO DE SaBOPflSTES 880 RS.
Vende-se uma grande porcao de sabone-
tes inglezes, a 200 rs. Ditos francezes com
cheiro a 320 e 500 rs.
Agua docolonia, a200, 320 e 500rs. o
j frasco para liquidar, e outros extractos
arato.
0s verdadeiros
Vinhos de Bourgogne
das warns
Chambertin
Pommard
Virhs
Volnay
Beanne
Monthelre
Dito Berdeaax em quartollas.
Vt'iikj-sc |Mr barato |re*u
PARA LIQLIDACAO DE CONTAS
IfA
Rua Larga do Roaria n. 34.
Botica.
k Mrc p. 7 A.
DE
Cordeiro Simoes & C
E'esta casa, sem dnvida, uma d..s fpie hoje,
pi.de coin primazia a;>reseniar arts q ii-zes
um variadissinio aoriiineuto de fai s pa-
ra grande- toilette ; assim como, \- rdi-
nario de todas as classes, e por ii'ajo-
sos para ns compradores, de no 's f-.-jnu um pe-
queno resomo.
Mandam fazendas as easas do- pratend-iites,
para o que tem o pessoal necessario a dSo ;:mos-
Iras mediaute penbor. *
Coites de seda de lindas cores.
Ditos de gorgurao de cores. v
Grosdenaple de todas as cores.'
Gorgurao branco e preto.
Selim Macau preto e de cores.
Grosdenaples idem idem.
Veludo preto.
Granadine, seda preta e com listras do co-ios, lin-
dissima*, padrues e fazenda da ultima moda.
Popelinas lie lindos padroes.
Filo dc seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Manias bia.-iieiras.
Coicbas de seda para noivos.
Cortes de cambraia branca coin HnJps boiJaJos.
Capellas e niantos para n ivas.
Riquissimo sortimento de las com listrns de seda.
Cambraias de.corei
Ditas maripozas, brancas e de cdres.
Nansuck de liudrs padioes.
Ilaptista de pairyes mui delicados.
Peivalinas de qnadros pretos e hraiiv--, '' lis-
tras, etc.
Brins de linbo de cJrcs, proprios paiJ v. i ;.
com barra e bstfss.
Fustao de lindas ci*res.
Casaciuinhos de lit e de todas a* tf*
nhoras.
Saias bordadas para senhora-.
Camisas idem idem
Vestuarios para nipninos.
Ditos para baptised's.
Chapeos para dilos.
Toalhas n goardapapof ae.imascail.s d,o !
cures para mesa.
Culchas de li.
Oirtiuados bordadoa.
Camisas hordadas para homem.
Meias de cores para bomuns e menroos.
Completo sortimento de chapeos de scf. par:', hy-
mens e senhoras, corn cab d.^ marflm.
Merino de Cures para vestidos.
Dito preto.
Atoalhado de Iinho e algodao para toalhas.
Atoalhado pardj.
Brins de Iinho brnnco, preto e de Peres:
Setim de lindas cores e. coin Hslras
Chales de merino de cores a pietus.
Iiitos de casemira.
Ditos de seda preta e de cdres.
Dito de tonqnira.
Camisas de Iinho.
Ditas de chita.
Ditas de flanelia.
Ceroulas de brim e algodao.
Damnsco de la dc cores.
l'annos de crochet para cadeira, sofa ecus llos.
lolciia s de dito.
Tarlatana de todas 33 cores.
Espartilhos lisos c bordad.i.
Foulard' de seda.
Ca-acos a tricot.
Hi. os cortes de vestidos de linhj para senliora,
de ili cr-as cdres, com os competenies enfei-
tes, ultima moda.
Casemiras pretas e de cores, chitas. madapoloV .
cambraias, panBO fiiio preto e azui, collafinh
punhos, gravatas, luvas de pellica, ditas de
de Escacia, brancas e de ddres, tapek* de t<
os tamanhos, bolsas de viagem, etc etc.
Na loja do Passo, rua Primeiro de Marco i>
A, antiga do Crespo. _________________
Attencao.
Vende-se a cocheira para um priacipiaote,
10 cavallos, 2 carros, e eom os competentes
reios : a tratar na rua Direita n SO.
de
Vende-se a casa terrea sita a ma do Ros
da Boa-Vista n. 48 : a tratar na rua do Viscoi
de Albuquerque a 13k_______^_______________
VENDE-SE
a bem afregnezada taverna sita a rua <& Marc
Dias (outr'or* rua-Aireita) 71 : a. Batar Ua
na n.
mesma, ou na paUar
69.

Cafe do fearA
Veede-se cafe db Ceari de 1* qualidade, em
?acoos : no armazem de Cuaha 4 Mania, raa do
Marquez de Olinda n. 23.
ESPAMILW^ PAH* SEPffleRA- A WSf 0
Vertdew estrtfUffcas pat* setftota:1
CMMBHEK
i e
.
ooRS;Ocov,\Be.
Vende-se grapaaines com nstrasde s&i
para vfestidos &i snhora, a 800 rs. e 190.0(
o covado.
CALCHAi DE CR0CI1ET A 6000.
Vende-se ricas coWhas de crochet para ca
mas a 6*000.
PANNOS DE CROCHBT A 1500.
Yende-se pannosde crochet para cadeiras
a.lAiftOe 2J80Q0.
CASSAS' PARA CORTIiUDOS.
Veode-se,pecas de cassas para. cortioadoi f
Botinas para seuhoras.
A 3*500 BiiOGO
I.a* SMceaas' a 80.
E' pechineba.
Nifua do Crespo n. 10.
Ma IrmiloseC.
Rua daHadre de Deosn. 34.
'Y^iaenryibhiTo Porto de todas as qtralidadHs,
gartffcdoibli' a jracos eomnedos :
Barris do qninao e declmos para pasto dasbetn
eODt-etidas aancaa Meneres e Chamifa
Dims de quinto finos v enfires, Chatnico, Coa
Gnimmea.
Deeltne* eacapadVig, soperior qualidade.
Caixas da uma duiia, de toda a qnalidade, ale
ae afamados-Gravatiaha Aiul-18i4 e 1810.
Sacam
vista.
sobre o Porto ou Lisboa, a pzaxo o a
Pulassa
com20varas, a 10*000 e 12*000, emtratl. j^eem wadam potassa da R
muitas fazendas em liquidajJo. *barris pequenoe.
VENDE-SE
uma casa lerrea acabada de peaco len^po, corn I
quartos e 2 saias, coziuha fora e quintal : a tra-
tar na rna do Rangel n. 48.______
Vende-se
uma eaaa n*. viUa de Bafreiros, na rua do Gnu-
mercio,. por preco modico : a tralar com Tusso
Irmaos & C.
Cafe' deJava.
Chegou nova remessa desse cfe sem tgwl para
a confeitariai do Campos As pessoas quo estavan>
acostumadas a saboriaf do tal cafe pod'ein agora
ir compralo a rna do Imperador n. -2i
CO.VPBITARIA DO CAMPOS
Portland, desembarcado no rlia 4 do cor-
rente, ninguem tem cirnento de Portland
mais novo nem de meiher qualidade : a
venda no armazem da bola amarelia, traves-
sa da rua do Imperador.
Na rua das 'ruzes n. '8, lojAdaaarapna,
vende-se uma escada de 20 degraos, do amaMllo,
e bem feita ; asslrtl como, dons gra bai^.ntoi; de
louro, com mais de 80 aes-,! ^B1^os para.'.guajne-
cer um solao hMerno, mas q '.-r octra
applica.;ao. Na mesma casa se (lira quew prccisa
de um feitor que entenda de jardim.
ti

MBM!

s



Diaiio de Pornambvico Tenja faira 14 de Outuoro dc IS72.
t
IF1AW4
PortagnrzN coim keapanh*e.
Kram quatorzede agosto !
Brago a brgo; rosto a roeto,
Eis em luta dois irmios !
Era o mais velhaaroais forto,
Mas iguaes em brio port*,
Arabos heroes e christios !
I'm H outro dos primeiros,
Nome ii?oal, ambos guerreiros,
Irmios I'armns dovr-m ser:
Foram-n'o, tie voz, outr'ora ;
Mas na i rona os dois agora
Querem veneer ou morrer I
Em gnerra com serraeenos,
Hio ganho novos torrenos 1...
Tinham a bongio Mas... conquista, e heranga vasta,
Ao mais velho ja* nao basta I...
Provoca a ira dos ceus !
Ao repto correu a Abrantes
O mais novo !... Resa instantes
No templo dc S. Join;
Deixa as sobcrbas muralhas...
No cared das cem balalhas
Marcha a luta o capitio.
0 mais velho... das fronteiras
Traz novas armas guerreiras !
Pasraa todo <> arraial !
Das nag&ss peninsnlares
Vorri guerreiros aos milbares !
E' am duello real '
Rompe o sol, brilho !... Eis'comega
Um 'p6s outro so 8rremega,
Ambos segwros de si !
D'um ladpa forga, a pujanga,
D'outroTe, justiga, esperanga ;
Era in Gigante e David 1
II
Sempre justa a Providencia,
Em ft rga, haveres sciencia ;
Cornpensa nossos quinhoes !
Pela amplidao do universe,
Cada qnal rumi diverso...'
Astros, rios ou nagoes !
D'entre os loiros da victoria,
Nasceu um mimo da gloria
A nossa c'roa real !
E, d'um ao outro liemispherio,
Engrandena-se o imperio
Do fronteiro occidental 1
Joao primeiro em Castella,
Ingrato e mao, se rebella
Contra a lei de sous avos !
Olvidou quando, a seu lado,
Na batalha do Salado,
A ajuda-los fomos s6s !
Ao seu regio alvedrio,
Todo o hispano poderio '
Corta o solo portuguez I...
La ribumba a artilhan'a...
E as muralhas de Leiria
Tremem da primeira vez ;
E as cavernas e- os rocbedos
Deitarani fora os segredos
Das passadas geraeoes;
Que as novas armas, estranhas,
Hevolviam Ihe as entranhas
Co as troantes explosoes :
Viriato c o conde Henrique,
E as mil proezas d'Ourique,
Ouve, absorta, a lusagrei !
Rompe as hostes leoninas I
Gentilezas peregrinas
Faz o povo, unido ao rei 1
Qual David outr'ora, ovante,
Affrontou frro gigante,
Fez-lhe curvar a cerviz...
Ao gigante castelhano
Vence o David Iusitano
Joio primeiro d'Aviz !
D'amor i patrii guerreira
Foi D. Nuno Alvares Pereira
Exemplar mo lelo, heroe !
E, sem par na caridade,
A fama de satitidade
Ninguem jamais Ih'a destroo,
D'Aljubarrota o proligio
- Ergueu mais alto o prestigio
Entre os dous pov s irmios :
Ambos fortes, destemidos,
Vencodores e vencidos
E' sorte deram-se as mios11.
Ill
A polit'ca nefasta
Dc novo surpreuJe... arrasta
Quasi a morte Portugal 1 ..
Mil seiscentos e quarenta
Resurgebella, incruenta,
Esta gloria i ccidental.
Para oppor a alheia insania,
Sempre a antiga Lusitania
Tove um Castello Me.lb.or I
E nos cer .os e batalbas,
Bronze os peitos e muralhas,
Marialvas, Villa Flor !
Elvas, Porto, Almeida, Abrantes...
Sentinellas vigilantes
D'uma a outra geragio,
Pela patria independencia,
I.embrarao a resistencia
Dos do Dio e Mazagio.
Li vulta o leio de Hespanha
Das fronteiras i montanha,
Com rugidos inferuaes I...
Mas, ao por a garra adunca,
Em cada pedra le^jnunca I
No cerro, em fogo jamais I
E a fera, tao destemida,
* Ji recua espavorida,
\ Dos muros de Portugal ;
Quera retrucou aos inglezes...
E vai baler osfrancezes...
Tern um ministro o Pombal.
Portugal Contas sinistros I
Mas tambem grandes ministros,
E es do Tejo d India rei I
Mantera-te I V3 te na historia !
Grandes ministros dio gloria,
Vida ao povo, imperio a lei.
IV
A's Quinas luso-bourbonicas
A's Aguias napoleonicas
Eis volvem garras hostis I
As garras ensanguentadas,
Lhos deixam despedagadas
Do Bussaco os alcantis.
De Lisboa ate" Toulosa
Foge a Aguia bellicosa I
0 amor p ttrio faz heroes.
Faganhas, glorias, perigos,
I.igam eternos amigos
Lusos, bietoes, c hespanhoes
Da Peninsula os soldados
Foram sempre celebra los;
E ernquanto o globo durar,
Iradigoes. bymuos, memorias. .
Hio dVeantar as victorias
Da guerra peninsular.
Ambigdes de predominio
Trazem guerra exterminio
Duras trernendas ligoes I...
Disio-o a Roma lusitania ;
Fraoga dil-o a Germania ;
A EuWpa aos NapoleOes.
V
Hoje a Hespanha perde o
Barco sem leme e sem dono...
Voga cm pelago voraz I...
Visinhos f A entrada 6 franca;
Bicolor ou toda branca,
Nossa baudeira e de paz.
A niii versa rios de gloria
Sao diamantes na historia ;
Pobre o povo que os nio tem
K quando em paz os festeja,
Nao ha motivo de inveja,
Nao se injuria ninguem.
outros
throno
antes da 6ra chrtsta.
ongoraajf mais ram
monuaMftav m iaiel
gravadas pelo surnmo Yaoerdo'te Maiwlbon
\ sobrc pyramiles e obeliscos egypciacos, re-
ttra{So o apparecinloiHo> do hoiuom jobre a
; terra, fazeulo-o recuar a 10.0O* annos an
| teriajrraente aoi tempos historicos. Esta sup-
posicfio foi contestada por Cuvier, cujas opi-
Ioides se aproximavam do theor das trail-
cdes biblicas. Mas poJe-se altribuir isso a
que ate ealdo, aindj. se oao banana desco-
iberto despojos humanos en estado fos-
sil.
I Hoje ']& nao se dd o mesino caso, e de
certo que ja" tambem nio e licito entreter as
Lembra a Hespanha Ronceavalhes. mesmas duvi las. Nas margens do So;a:no
Para a corle do Versailles e do DdVdogne, bem como nas rubras areias
Que importa a demonstracSo? I de Crenelle, nas bordas do Lago de Cons-
Outr'ora, os reis inimigos ; tauca. Da Dimanarca, na Suissa e ua lugla
Agora, os povos amigos : terra, tem-se enconlrado ossadas humaiias
Cada povouma narjlo. incontestavel e averiguadainente recooheci
Portugal, so com seu braco, das con > taes, que ciatam de incomputavel
Conquistau tao grande espago, antigui la lo. Occulto na escuridAo dos tem-
Que nAo quer uein sontia mais; pos, o facto da existoncia do hoinem nao
Aos visinhos nada invoja..r
Consorvar e em paz deseja
Santa heranga de seas pais.
Portugal oiicliia a terra I
Deu Tnnger a* Inglalerra
Deu Bombaim I Largou Fez I
U tendes v6s. Olivenga...
Portugal hoje s6 pensa
Em ser sempro portuituez.
Da Peninsula os cantores
Celehram hoje os primures,
RrazAo de nossos av6s.
Naufragos I... Folgai I Urn porto,
Guarida, paz e conforto,
Nosso lar e para v6s.
Nos plainos d'Aljubarrota
A' Hespanha coube a derrota,
0 triumpho a Portugal ;
lfonra e gloiia ao coudestavel,
Por val r, o indomavel I
Pela virtude iin.nortal !
Salve I D. ioho primeiro,
Que este tecto hospitaleiro
Deixast-j linne e de p^.
Heis de v6-lo no futuro
Mais forte, firme e seguro I
E* uosso qu'rer nossa f6.
Patria, patria I As citnitarras
Torcesto I Quebraste as garras
Das Aguias b dos leoes 1
Manten, defeude teus lares ;
Te aos indicos palmares,
Ergue altiva os teus brazdes.
Andrade e Almeida.
I Do Brasil.}
deve mais como ale aqui, ser calculado por
secalos, in. s por milbares de annos.
Com os ossos ou fragmeutos de oesos da
especie humana, tem sido achados uoiijuuu-
tamenle vestigios dasua coeva intelligent v-
E' nes e campo quese demora a doutrina ia
archeologia pre-htstorica. Adinittiam outr'ora
os poetas gregos, coin Hesio lo. que as ens
do mun lo se dividiam em idadu de ouro,
idade de ferro e idade de bronze. Todavia
os primeiros seculos da exislencia da huma-
nidade nao se .mt >l!i i:u como teudo deo >r-
rido no meio das scenas seduct >ras com que
tem sido descriptas. Nio obitaule a opi
niao de Heiodo, os unicos res<|uicios da in-
dustria do homem que ronasKsm desses
tempos, c hoje se tem po lido recolher, nao
constste.n senio em pedras grosseiramente
talhadas, que, a proporgi que decorreiu
os tempos, se vao tornando mais polidas, at \
que Oinlim, depois de longo espago, a cal
cular pela lentidao dos progressos, essas
DO
Sciencius philosophlcas.
ESTUDO DA AN'THROPOLOGl.V, POR CII.
OICilET.
Continuagio.
L'ma publicagao periodica, exclusivamen-
te destinada a constatar os resultados destas
pesquisas, sob o titulo de Revue d'Anthro-
polocjic, acompanha passo a passo estas elu
cubracoes. E' ella dirigida por Mr. Broca,
e encerra n?o so abundantes documen-
tos, como analyses minuciosas das obras
pubheadas dentro e f6ra do paiz. A ar
cheologia pre-historica e as averiguagoes
geographicas e linguislicas figuram com pro-
ficiencia nas suas columnas, a par de im-
poi tantes estudos correlativos de anatomia
comparada. Ainda que de recente data,
este emprehendimentc p6de ja" lutarsem
desdourc com a Re vista de Vircliow na Al-
emanha, e outra ain la mais antiga que se
imprime em Londres.
Antes do mais, agora cumpre-nos dar a
delinigSo desta sciencia, porquanto a etymo-
logia grega da palavra, derivada dos dous
radicaes vmlropos e Cogos, e significando
apenas scienciad) homem, e em si em ex-
cesso vaga e indeturminada. E' sempre, e
p ir toda a p.irte, contiuuamente o homem
objecto de quaesquer estudos; e ne-te seu-
tido desde o tempo do oraculo de Delphos a
sciencia percorre o mesmo cireulo. Segue-
se, pois, que, se a psychologia e o estudo
da alma, a physiologia o estudo da vi la, a
pathologia o estudo da affecgSo morbosa, a
antlKopologia c, nao a sciencia do homem,
m.is o estudo da e-pecie humana. Entre-
tanto ainda esta dclinic&o nio e completa e
necessita de alguns accessories.
Todos os animaes disseminados pela su-
perficie do globo apresentam, a par de tra-
gos cominuns de organisagio, outros taes
como o sangue e o coragio, que servem a
descriminar a diversidade das differentes es-
pecies. Dest'arte, 0 estudo physichologico
da especie cants, por exemplo, proporciona
os dados para distinguir-se este animal do
chacal, do lobo e da raposa. Comtudo nio
e a caracterisagao do individuo, que se tem
em vista com esta nomenclatura, mas sim
a do grupo collectivo canis com todas as
suas variedades, e as modificagdes que tem
experimentado desde as mais remotas eras,
em consequencia dos effeitos quotididianos
do clima, da domesticidade e da educa-
gao.
Mas, ainda que se tenha em mente ape-
nas o estudo de uma unica especie, como
se tor a" notado, esta nao adquiremma es-
sencia determinada, senio destacando-se das
especies mais proximas, com as suas respec-
tivas subdivisdes ; de sorte que para bem
conhecer a qualquer deltas, 6 preciso adqui-
rir e possuir muitas uog&es relitivas is ou-
tras. No mundo intellectual como no muu-
do physico, nada existe isolado ; o e perce-
bendo as relagoes entre as differentes partes,
que mellior se disc-me cada uma deltas. Ad-
verte se deste modo, que uma doutrina que
parece dever restringir-se a um onico grupo,
p61e acarretar comsigo a analyse de ques-
tdes subsidiarias da maior importancta; e
A linguagem e uma das f6rmas mais
eiactas do peosaiaonto Uumainj. Tem sj
dilo, que sem a linguagem nio occorreriain
pensameirtiw ; e o facto antolha-se como
vtwda Joiro. E' facil, pela riqueu e estado
de cultura da lingua, peuolrar e aquiUlar o
dcsenvolvi.aento iatellectual do p >vu que a
falla. Entre frrfelligenci i d >s habitautes
da Ilha do Fogo, qmj so ale qua.ro sabem
coutar, e cujo vooabulano nao *o protraao
alem Je u na cjiitena de palavr.is, u a inlel
ligencia do autor lo Cii, me lei a mai.ifesta-
mt.-nle um aby>ino.
A' prooorgao que o epirilo se eleva
cr-am se progressiva.neiite novas palavras,
inolla-se a gramiuatica, e ami] n a esuriptu-
ra tixa a li%na, r^>ia ultim phi*: e com-
.uumneute caraclorisala por co.itos nacio-
naes e poesi is diversas, de que os p-iemas
indostonicos sao os inii-. amigos iikhiu.ir-ii
los. Nao obslanto as ufctta unjltipiioes vi-
cissitudes, invasOes, diluvios a externina
goes, a li:gua VCiUoitHaod alrave^ las inaio
res cmliii^i'iici is, como um vesligio hides-
truclfvil ; p ) le ii s-g. -liiij *sguir os raslnts
p >r lo ia a pirte, aw>-np.uihjii to let- arte
|ias*i a ^isso as aulig.is eoligrago.ss hu.iia-
nas. EhTeetivaiueuie, n s p i:it s m.iis di-
versos do globo. aeliain-se as in.:s:nas raizes
|in^uistii;as com signilicai.oijs idi.'litieiis ou
anal gis, e 6 co.u twte subsi lioquo se pole
em mente reco npor a tevetn que se eniro
lagavam p-imitivameul.i as diver.sni varie-
dades da especie huiiiana.
llecoostiiuin I a este pri.nairo e.n;a leameii-
to e que so alcaiigou divulir ;-s ragas. em
ragas in Uistinicas, ragas uraui.inas e rag.is
jsiii'-nsfs ; seal compruhen ler uesta clasiili-
cagio as tribus uorle americanas a da Ocea-
nia, enj lingua nao se acua ain la sullioioii-
temont i estudada, careceu In-se neste intui-
to'lo coaduuagao deuovos mali-riaes.
A liiiguistica e a sciencia c impvativa d >s
i lion is, assu inn lo p ir tirala b ostu lo 1 as
suas sainellniigas e dilfereng.H, da sua lilia
gao e classilicagao. Deste BdtuJj) decorre a
grain nalica coinpuala, que so por ,i lonna
uma disciplina iu.portante, e um d is mais
ficigio ethnographica.
Ao parlir para poB^Iongiquos, cada
qual cumpre que lew comsigo um exem-
plar destas instrucgoaa afim de, pefo seu
Uwor, poder colleccionar raelhodicamente
os factos que deveni consliluir o seu exjjauo,
mas nio despieiendo tribute i sciencif da
anthropologia. Tem ueste contextu particu-
lai valor a deteiinirfigio do matiz da cor
da pelle, dus ollic-s o dos cabellos. Para
isto averigoar-se, aclian se organisadas ta-
bellas, em que a cada facto corresponde um
nu.nero, aorTaiilo-se ordenadas em calbe-
g'lrias tolas as circumslancias que poderd!
sorvir a caractorisar qualquer typo hu nano,
A (urea muscular, a eslatuia, o volume do
eraueu e da Jface, a espessura dos labios,
ra.niiialica comparada dellue a^aiu.n ilica
geral. cominuia de to las as linsuas, novo
acqiieslo pftilosopliico do esaaiiiiir bmnano.
Sin estes outros lantos potoplcr-ucirtos da
ethuogra^liia, quer comteinporaiwa quer
antiga. e bem assi.n da historia, d'est'arte
esclarecila nos sous mais recoil lit.rs arca-
nos.
Avent a I as estas ideas, de Denhuu> molo
se podia melbor dar a eotenler a vastilao
desta iinnensa arena scientilira o a sua su-
bida importaacia. Co .i effoit), c.iminbam
de mios dad as- ;> linguistica e a othn ilogia,
e a aml)is sao paries iutegrantes as mais
vitaes da aulhropokigia.
Por sua vez iHltiwgraphia, tendo em
mira a descripga*), lUvisao u fili.igao dos
povos, implica ta-.ii!>e;n com a geograpiiia,
a eslatistica e a- historia. Fit fejagio
goograjiiiia C'lmp-'te-llw o e.vame da distri-
buigao das populagoos so!>re o globo, a in^
vestigaga > da nature/.a dos habitantes de
cada paiz, dasua cunforimgao physica, dos-
seus_uso5. costumes-, lingua* e religiao.
Em referenda i historia, uicunbe 1!&
ihstiiigtur as rag is ea.s fa.nilras dos diversos
povos, as suas relagoes e vicissitudes, bem
eomo as suas liliagoes: segjjiudo-os nas
suas immigragOes as mais
I'Migiqu is e na
f.*:nilias, varie-
no prcsente caso nomeadamente, questoos perpetuado ate os nossos dias; e einQm as
de zoologia geral, envelvendo o exame das relates queexistena eutre as industriasdo
relagoes das especies entre si, e do movi- periodo quaternario e dos perioios mais re-
meuto de transformagiodas ragas, topicos, mot os da civilisagio peruviana, egypciaca e
que eutram na lista dos mais elevados pro- (iudostaucia. Este complexo, conforme se
blemas da physiologia. evideucia, delimita um vasussi lo campj de
Estas indagagSes applicadas ao homem (estudos ; e i proporgao que a atteogio se
constituem um dos assumptos mais repletos' occupa com estas questdes, suscitam-se ao
de attractivos para oespirito humano, e em ao espirito novas combinagdes, -que por
que a~ novidade dos resultados imprevistos seu tarno ^ugmentam constantemente o
se combina, a cada hora, com o encanto de acerro ds inateriaes accumulados, dando-
reitadas descobertas. Fstes factos assimen- lhesnio cogitadas applicagoes.
cadeiados dio ensejo a profundas refiexdes, Com effeito a ethnologia 6 uma das rarai-
alliciando o animo Unto do philosopho e ficagOes mais importantes da anthropologia ;
do poeta, como do medico e do naturalists, porlm, comquanto neste sentido abundom
Nio aspiro abragar a'qui um prograinraa os documentos e ji profusasnoticias, ni-> se
desta sciencia, mas simplesm'ente a delinear, acha esta doutrina ainda, senio apenas es-
sem resolver, as momentosas controversias bogada. Trata se nella da classify agio dos
que suscita. e as doutiinas a que tem dado differentes typos bumanos que povoam o
origem-T-tbemaa em larga escila tratados na globo, dividiudo-os em tagas, variedades o
Revue.d'Anlliropbhyie. familias. Para esta nomenclatura pddem-
0 primeiro pinto liligioso ncsl.13 raaterias se ^omar bases differentes, mas quaesquer
6 a deteirniiiacao da auiiguidade d>^imoin que ellas s<;jam, concorrero todas para 0
sobra 0 glob-V A Bibli'a fa/. sij Qm e all ngetn ao mesmo resul-
esteteocia buniauj a cetca do ii.O^i
mesrnas lapides se encontram grosseiramente coiispicuos eleuieulos da etliu-dogia. Da
encabadas em galbos de rangiter* Posle
riormente alguns cntalhos uestes c'abos de-
notam o comego daarte.
Destas circumstancias deve-se tirar uma
conclusio 0 e que o homem progride incos
santemente c jamais retrograda. Co.nquau-
to siugela, esta propasigio e de maior al-
canco, e tem suscitado a mais viva pole.ni-
ca, ferindo a susjeptibilidade depini6es
b:.seadasem tradigdes quasi immemoriaes.
Com effeito induz-se dabi que 0 paraiso tor-
restre. longe de ter existido no passado,
s6 pode vir a realizar-se no futuro.
Nestes termos, a primeira idade do mun-
do pode com razao ser chamada idade de
pedra ; e divide-se em dous perioios. 0
primeiro e 0 periodo da pedra simplesmoute
talhada ; e 0 scgundo 0 da pedra poli Ja.
Na primeira destas phases 0 homem era coe-
tano de grandes animaes fosseisque tem hoje
desapparecido, quaes 0 urso das cavernas &
0 mammouth.
A raga humana, segundo demonstram s
maxillas e os craneos descobertos em Nan-
lette e em Neanderthal, en entio de typo
muito somenos. Na segunda destas phases,
separada da primeira por milbares de annos,
subsistiarn ji os rangiferos, os aurachs, e
todos os animaes domesticos actuaes. Os
silex comega a assumir feitio determinado.
As pontas em forma de amendoa que distin-
guc-os das pedras meramente talhadas, des-
apparecern e principiam. a ser encontralas
frechas. Estas sao conttitui las por ossos
guiirnecidos de arestas 4 imitagio de uma
penna do ave.
Surgem os machados consistentes em pe-
dras pohdas e formado jav verdadeiros ins-
trumentos do combate, destinados, sem du-
vida, tanto ao assalto e destruigio das feras,
como i defeza propria, ooppresao dos ini
migos. Na estructura das camadas em que
jaziam estes despojos das-gras ignotas, reve-
laram so diversas cavernas mortuarias, taes
como as de Vdzere, Aurigaic e Homme
Mert, alem do outras. Sio ellas c>nslitui-
das pjr grutas, cujo ingtesso 6" vedado por
uma grande molo depeJra, 0 que visivel-
tnonte tinha por fun impedir os animaes fe-
rozes da devorarem os cadaveres.
Existia, pois, eulio ji pelo menes, a re-
ligiao da morte. Resguardados por essas-
pedras, enoontram-se fragmentos de esqutle-
tos humanos collocados- no fundo da cavi-
dade, erafquanto mais- para a frente obsor-
vam-se vestigios de remotos banquetes fa-
nerarios, ossos partidos para se lhes extrahJr
a medulla, raontes de carvio, cinZas accu-
muladas e signaes do combustao. Com os
restos humanos, acham-se intermeiidas ar-
mas, Qgurando principalmente entre estas,
machados de pedra; e concorrendo na
mesma confusao diversos utensdios rudi-
mentaes, constantes sobretudo de silex mol-
dados i feigio. Q que neste conjuncto, po-
rem, se offerece de mais estrauho, e quo
em hordas differentes, sem relagoes absolu-
taraente umas com as outras, se advertem
os mesmos ritos funebres, sendo estes iden-
ticos aos que ainda hoje occorrem em vanas
tribus selvagens.
Como quer que isso possa succeder, ve-se
ji, por esta succinla exposigao, o desenvol-
vimento de que e susceptivel a oiateria,
ainda que s6mente encarada debaixo do pon-
to de vista da comparagao do homem fossil
com 0 homem actual. Nosta simples subdi-
v sio da sciencia da anthropologia desta
cam-se e contrastam-se as phases da civili
sagio pro-historica, os progressos lentos da
humauidaJe; as lutas entre as differentes
ragas ; 0 estabelecimento de usos e costu-
mes coetaaos idonticos, posto que sem liga-
gio ethnographica entre si, e que se tem
mesela das suas difljrouios
dades e typos. Figair.nn nest.a- esp.'i -ra os
nomes de Tiiun oano, Scbloezer, Ruble,
Kloprat, Ritter, etc.. C >llige--e, port.iuto,
a- quasi inconmensuravel exUnsio da an-
Uiropologia qualili&itiva, a qnal comquanto
ainda hoje meuos vatja do que aiiteriormen-
te, com tudo, em ultima analyse, continiia
a- abranger bodieniameiite a somma total
dos conhecimentos que dizem> respeito ao
estudo do homem, tanto no physico, como
30 moral.
Os phiiosoplios e 05 pliysiologistas ape-
^gam se a esta doutrma para iutegrai;ao de
i'cada uma las suas ivespectivas sciencias, ao
imesmo tempo que-tambem p r seu lurno,
quer a piiilosopbid,. quer a physiologia fa-
zem lambem parte da anthropologia. Ainda
lia pouco se ontendia ach ir-se comprehen-
dida s*)b esia mesma eathegoriaa psycolo-
gia,0 que de certo se deve adurittir, en-
caranlo esfo esgaiuo s;ientiffco. como a
somma das indagacoes e pesqaizas que tra-
tam da mtelligeneia humaua e das t'aculda-
des que distinguem 0 home.a dos outros
animaes.
Rurdach entebdia por anthropologia o
coo\plexo dos conhecimentos anatomicos,
chimicos, physio^ogicos epsyehologicos rc-
lativos ao homem. E' fora de-duvida que,
tomada na sua accepgio mais kita. a anthro-
pologia e a sciencia universal do homem, a
qual como in Uviduo, encarando-o na sua
structura, na sua organisagio 0 composigao,
e nos seus pUenomenos physiologicos e in-
lellectuaes; como especie {genus homo) 0
estuda sob o aspeclo das suas differentes
ragas, da sua vida collectiva e social, do
seu aperfeigoamentoo da sua cultura.
Em todo 0 caso 0 estudo dos carateres
das ragas e p.do nrenos u.n elemenio tio
importance como a liiiguistica e um dos
mais momeiilosos subsuuos de que se deve
lancer mio no estudo da antbropologia.
Em toJas as epocas 0 colorido da pelle ten
sido considerado como um admimculo sa-
liente de classilicagao ethnographica. Nesla
conformidade a especie humana tem sido
subdividida em raga branca ou caucasica,
raga negra ou ethiopica, raga amarella ou
mongolica, e raga vermelha ou norte-ame-
ricana. Esta enumeracio, porem, nenhura
merecimento scientitico tem. Para que ne-
nbuma duvida possa entreter so a este res-
peito, basta observar que em regra, na
Oceania ainda que sejam quasi universal-
mente os habitantes da mesma cor, e" ca ilha povoada por hordas de diversa ori-.
gem.
A constituigio de uma 'nomenclatura sa-
tisfactoria a este respeito offerece as maiores
difficuldades, tornando se nestes termos de
emergente necessidade colleccionar neste
sentido novos dados e informagdes. Neste
intuito cumpre que os viajantes sejam in-
canseveis.econtribuam todos, ainda que com
pequeninr.sauxihos, com tudo com o que
fbes permittirem as opportuui la los quo se
lhes apreseutarem, afim de augmentarem
0 cabedal actualmente existente no theor
destas inlagagdes. Insuffl.'iente como e
por ernquanto, nada por ora se pode fazer,
quo c ir.sp >nJa aos postulados scientificoa
neslj ponio. Muitos bous servigos preatou,
pois, Mr. Broca, nest a conformidade reli-
gindo uma notavv! sart'j do iii.-trucgues
a que todos 05 tiajautus amigos da sciencia
devoid obtemperar em prol do incremonto
!c eited-M scientifico destiuadp a uma fu-
tura e mais exacta, senio completa classi-
a obliqui la le dos olhos, 0 uumero de
denies, o comprimento proportional dos
inombros, suo outros tanlos accidentes quo
deste modo fiend sujeftos a segura doter-
mioagio,
Knilim, c in forme era do razio, recom-
iiien la-se aos viajantes que nao percam de
vista a tranformag.10 que grande numero de
vi-zus faz expjriiuentar a estes caracteres 0
costume baibaro de couiprimir aos rece.n-
na los a cabega e o n^riz para incutir-lhes
nm feitio espjeial; o Inbito dos desenhos
iueisivossobre a pelle, 0 de diversa3 niutila-
goes voluularias. Ao mesmo tempo todos
estes phetiomenossao tambe.n Iragos distinc-
tos quo conve.n coedunar para descrimina-
giodas respectivas tribus e familias, aldi-
tdi) lo-se-Ihes a constatagao dos inci leotes
consuetudinarios da gu.'rra, dos habitos da
escravidio, das cerimonias funebres e nop
1 iaes, da condigio social ikis mulheres 0 de
quat's juei principios do direito natural.
Ji, segun lo 0 theor destas consideragoes,
encontram-se na Revue d'Aiitbropologie pro-
fun Ijs investigagoes sobre OS Mincopios, ha-
bitantes das ilhas Andaman, analogas aos
neffros-; sobre 05 Cafres, os Baschemens, os
Kalmoocks da oxlremidade da Asia ; os
Australiaiios, os Neo-Calelonianos c outros
povos-; Tal ez um dia, concilia dos emfini
todos os subsidios, possa alinal constituir-se
iategralnaenta um.i completa historia natu-
ral do homem ; de qua carecemos quasi
ainda absolulamenle.
Neiu e so istu. Na concatenagao dos
tempos historicos as uivasdes se teoire sem
interrupcao soccedido umas is outras, pa-
recen loser antes a guerra do que a paz, 0
estado normal da espoeie humaua. Para
comprovar esta proposigao, recorren lo is
pesquisae fieitas eiii rei agio i Franga, basla
ponderar quo se affigura coa.o certo, que-
depois da iuvasao ou imirw'giagao primitiva-
dos Celtas, sohmveio a dos- iumris, seguin-
doso Ihe ; dos Francos e apos a dos Hunos.
Nao inencioiwraos nosta serie os assaltos
ou oocupagues menos diu&MUas dos Attan-
tides, dos Iberios, provenieiites da Iberia
Asialica; dos Phenicios, e Udvez antes des-
tas ultimas guerras quasi integralmente
pre-historicas, outras ainda que se podem
chamar anle-diluvianas ; e empenha las nas
quaes, acharam-se e;n presenga, hos il-
mente oppostae- uma i outra-, duas ragas
quaternarias ; uma autochtone,. exigua fra-
ca, mal aquiriioada pela natunv.a e cons-
tantemente veuci la e a outra sempre veu-
,i lora, composta de semigigantes, do colos-
sal estatura, mais bem dotadi para a luta,
0 que, descende- das- chap>das- asiaticas,
.viveiro de triumphantas hostes, rechagou o
fez recuar ou aniquilou a primeira. .M.'is-i,
uma vez neste qua ho contemplam-so os
ililata los limites da ethnologia.
Ha cerca de 30 annos, em materia
de iiliaeao humaua,. tola a vehumeucia do
coritroversia gyrava sobre um unico topi
;eo* cujo interesse tem sobreuiodo diminui-
do. Consistia este ponto na averiguagao-|
' da uni laile de origem da ^specie humana.
Segundo Seadoptava uma ou. outra das du.-
ae- opinioes correntes a este rtspeito, era-se
atassilicado co;no mo/i /genista ou polyge
kdta. Esta questio data ate de mai.'
tempo.
Ji Voltaire tinha exclamalo- : 0 pri-
meiro que a priucipio vio ui negro, havia
de Hear bem admirado. Maso mettido a
sabio que mantom e sustcnt-t- provir o ne-
gro do mesmo par tradicional de cdr
branca, do qual se dizain descender os po-
'vos europeos, por certo que a mhi me
causa ainda maior admiragao.
Pretendem os monogenistas, quo nao
hoove primitkamente senio urn unico par
de entes humanos. 0 clima, dizem, osol,
as influencias- climatericas^ o estado de ci-
vilisagio ou de barbaria modified ram de
tal arte, com 0 traspassar dos seculos, a
c6r primeva,. e a ostructur,a dos orgftos, na
descendencia desse primeiro casal, rema-
aram por estabelecerem-se definilivamon-
te as mais assignaladas discrepancias.
Desta maneira conforme se protende expli-
car, os caracteres adquiridos facticiamen-
te pelos individuos, transmittiram se i es-
pecie.
Esta doutrina, porem, logo em incesso,
contrapoe-se i contextura do* factos his-
toricos o physiologicos, hoje conhecidos
ou reputados taes.
So|we os baixo relevos egypciacos dos
reis da decima-segunda dynastia, isto- e\
cm uma epoca que remonta a mais de tres
mil annos antes da e"ra christa obsorvam-
se as figuras de c uiquistadores que cele-
bram triumphos obtidos sobre povos-quo
subjugaram. Nos tragos e feigoes dos ven-
ce lores discernem-se os caracteres da raga
branca e caucasica ; entretanto que, na*
physionomiasdos vencidos revela-se 0 typo
da raga negra ou ethiopica. Oecorriara,
pois, ji nessa epoca duas ragas differentes.
Alem disso, nas ilhas da MaJasia, encon-
tram-se rectos de ragas brancas ainda que
descahidas, e no mais precario estado de
cultura, mas que, entretanto, apezar da la-
titude tropical destas ilhas, conservam a cor
primitiva Outrosim, as ragas mongolicas
quecobrem o globo, tem por toda a parte,
nos mais contrarios extremes, conservado o
matiz moreno amareilado da sua complexio.
Este assumpto, que se consi Ierava esgo-
tado, tom-se de algum tempo a esta parte
enriquecido de tantos materiaes sobrevindos,
que nio s6 0 thera se acha de novo em vo-
ga, como muito se tem alargado 1 .sua es-
pherd. Para esse facto tem tambem cintri-
buido consi loravolmento a doutrina de Da-
rwin.
Sahe-se quo 0 fundatnento Jesta e 0 esta-
belecimento de tres priucipios^ups quaes se
entende que decorrera tolas a?odificagdes
do mun 'oaui'-nal, a saber: a tr.tnsmissio
hereditaria. 0 cmhaU) em prol da exis.teu-
jcJh [the ttrngfc for life) easolecgfio.
Estas phrases, assira erigiJas om ciipitulos
tluorieos, signifioaiu quo, por truntmUldb
heredilaria, 0 progeni'/ir transfero i sua
dascenJenoia, nao so os seus caracteres ge-5
nericos, coma inJjnduaos, ao mesmo tcm-'YP
po que, coinhatlQio pela exislencia, ertra
em coddicto com os eleraentos, 0 clima, 0
solo, os animaes de especie differentes, e so-
bretuilocom os da mesma especie ; emfim,
por privilegio de selecgio, os individubs de
escollm, eleitos de destine, tmmpbam dos
que silo menos' bem dbtadus, kubstitucin-
se-lhe, e fazem-os desapparecer Slinat. '
Taes typos sobre vi vein aos outros, recha-
^im-os, destroem-os, e, por influencia he-
reditaria', avantajam a sua prole com os
mesmos aitributos que lhes alcangaram a
v Ictori a. T% ft ft M
Entre estes merecem particular raengio
0 vigor dos .nusculos, orgios supranume-
rlrios e colorido em relagao com 0 matiz
do solo. Estes caracteres tornam-se rapkla-
meule proprios da especie, e pelo seuincre-
ineuto vagaroso e demorailo, porem conli-
11110, ao cabo de um numero iocalculavel
de annos podem vir a dar lugar d creagao
do novas especies. E', apoiudo-se sobre
ijm num'TO quasi intinito de observagoes
a'lmiravehnente levadas d effeito, que Ch.
Darwin, prendndo de notavel taleoto de ge-
neralisaea > e de prodigiosa orudigao, alt. 11-
gio a estas conclusoes e creou esia oova
theoria, apenas enlrevista e presentida por
Lamark e (ieoilrov Samt-Hilaire.
Siiiiples nos si.-us resultados, mas compli-
cada pela mulliplicidade do> tramites qpe e
preciso transplr para chegar a taes uiferen-
cias, i'-sta tloutrina, para ser devidamente a-
quilata la, necessita de profundas iudaga-
goes; nio send., illrcito a qualquer, sem es-
tes subsidios, juga-la cabalmente. Nio basta
te la dnvilrt referir; e preciso conhecA-la in-
timanenln par com jutiga aprecia-la ; o
que ojcorreaqutadvertir rerteradajnente, a-
lim de pr icurar por um par;leu) d leviaH-
dade com que frivolaoiente se em preten li-
do com desdem illaqjtiea-la.
Nio c com prejuizus vulgares-e ideas pre-
tendidas innatas, quo se respomfc) is serias
concensus do estuda e do eng<;ilo, nas
nais ajltas ospheras dos-conhecimeiKos hu-
manos,
A thoaria de Darwin, referin lo-se j^Deri-
camente i exislencia animal, nao-doi por
elle direclomente, mas terwsido se niirterpo-
sigao, applicada ao ho.nem: subsuiain lo-
se, portautu-, nas cathegorras da sciencio da
antiirop dogia. A maneira por qnt-h* si feita ostaapplieagi torn, como era iiatwal,
despertado sus;eptibilidades f a bam1 andbo
Darwin mantendo-se no simples lerreno-ite
uma these theorica.
Com tudo e iHUes o modo porque se tem
tirado as conclueAes las premssas otabelu-
cidas, do quo essas proprias evolugoes era>
si, que offendeni o nosso melindre e pene-
tram ate ao vivo a sensibilidade da nosso'
amor proprio. Com effeito, emivem com-
prehender bem os argumeutos postos om-
jogo. Nio se pretendo fazer descer a es-
pecie humaua da altura em que se acha col-
locada ; mas erguer gradativamenteate es-
sa altura o reino animal E' o que com as
necessarias preca.ugoes e mister que se ro-
ele 0 se pateuleie. Liui.eo e Buffon cons-
titui'd-m do homem um reino i parte.
Quaoto a l.inneo a sua nomenclatura
discrimina os corpos brutos, as vegetaes, os
animaes e 0 homem ; o qual forma so-por
si, uesta classificagio,, o reino kumand.
Combater ou discutir esta opiuiao teria si-
do, sobretudo* naquelPa- epoua, expor-se a
uma ailimosi lade e impopularidadeqiie e;n
mais recentes eras.ajienas, Darwnn Huxlei,
Dally e Broca se resignaram a arrostar,
coinquaut > posteriormtaile o seu exemplo
tenha poe outros sido kni'ado
Como quer que sept, ou como quer se
prestem a consi lera la, engenhosa ou nao,
seja ditopara aealmar escrupulos, esta theo-
ria e uma mera supposigio, apresentada pa-
ra> a resolugao de um prob ema scieutiiico
dos mais arduos, e que ninguem e obriga-
do a considorar como'dest'arte deshudado.
Nao se trata aqui de nenhuma qiiestio de
moral social ou religiosa. Qualquer que
seja a origem do homem por mais-elevada,
ou por mais ii.fima, a revelagio da mesma
nada sbera ua sua essencia ; e neiu por isso
sa torivna maior nem mais pequetio. A sua
intelligencia, a sua forga physica e moral e
a sua alma determinario sempre a sua gran-
deza e wuitii.uario a ser os verdadeiros ele-
mentos da sua nobreza-. Neste conjuncto
nio me cumprinlo exprimir opiuiao algu-
ma decisiva, so direi que por miuha pane
preferiria pertencer antes- a UOt typo empe-
penhailo em constantes e nuuca interrompir
dos progressos, susceptivel de-Mtiugir a um,
grio ind'efiiiido de pecfcigaov do que a uma
especie em decadencta ou podendu occasio-
nalmonte perder o fructo das suas conquis-
tas> e as suas acquisigees moraes e raate-
riaes.
Estas ultimas consideragoes nada tem com
a sciencia ; mas vultando i ella, nao 6 es-
cusado dizer ainda,. que e s'6 por raeio fl*
um, profurido estudo do hmem e dos ani
maes que se pode afinal uesta quesiao che-
gar a uma decisao terminante. Foi uste cora
effeito, o processo seguiito por Darwjn, quo
comegou por estudac as faculdades-intellec-
taa.es dos animaes. Estes estio longe de
see meras inathiuas cumo acrediiavum in-
credulamente Descartes e Button.. Reve-
iam se nos animaes todas as nosss paixoes,
e comquanto em grio infimo, todavia do
maneira manifesto e sensivel. Nioba nelles
s6mente iuslLuclo, mas tambem esjwilaiiei-
dade; ou, para fallar como os psycholo-
gos, indiviilualidade dos peiisameutos.
0 franzino eio, que arremate a uui lobo
para defender aodono, evideotemente pa-
tented voluntario esforcoecoragein. O qua -
drumano, que emprega uma pedra para,
quebrar uma ndz, ou serve-so de um bor-
iaocomo alavanca, para deslocar pesos que.
de outro mo io nio poderia remover, di se-
guramonte mostras de raciocinio de reflexao .
0 o ango-tango do Zoological Garden >'U<
Londres que adoptoucarinhosamen to um bu
gio de especie diversa, debil e fraco, sd para
0 proteger eamparar contra outro que o per-
seguia, manifests, sem duvida, seutimenlos
inlimamente ana logos d alleigio.
0 cio pertencente a Llysses, que reco-
nhece 0 senhor depois de dez aiinos de au-
sencia, certameute que nio e destituido de
meraoria. A iraaginagio, a attengio, aco-
lera, a ouriosidade e a imitagio encontram-
se em diversos grdosdenotav 1 intensidade,
em quasi todos os imiividuos do gunero
simia. Algumas variedades sio ate socia-
veis. Os monos propriamente ditos vivenii
em baudos e defoudem7se uns aos outros,
como as phooas e os castores.
(Centitm ir-se-ha).
DO DIAIUO -Rb'A DUQUE Dfi"GAXi,U
j>
ILEBfVEl
t

I
,

IMMBHM
! VOTIMi.a. ^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBBLGEWE5_DM5ARK INGEST_TIME 2014-05-28T01:04:27Z PACKAGE AA00011611_16702
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES