Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16697


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\SM> YUY. AlilEfiO 231
1
f>
i -
(


i
P.*A A. CAPITAL. S LUGABES OSOE SAO BE FACIA PORTE.
Por tres mews xHantados ....
Por seis liios idtun......
Por urn anno ktem......
Cada Duineru avulso ....
MOOO
i39000
149000
410
OUARTA FEIRA 8 DE 01TUBH0 DE 1873
PAOA OESTBO FOB A DA PBOT1SOIA.
Por tret Inezes adianudos..............
Por seis dttos idem......*"...-........
Por nove ditoe idem.................
Por am anno idem. ....... ...
ttnm
*roo*
PEIMMBIM
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILHOS.
*/
Oj *. Corardo Antonio Alves & Who., no Para; Conceives ft Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jose de OUveir. ft Filho, no Ceara; Antonio do Leuu. Braga. no Aracatj Joio aria Julio Chaves. uo Assd; Antonio Marque, da Siiva. no fetal; Jose Jo*
Pereira d Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, aa Parahjba j Antonio Jose Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao. em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagfas; AJves ft C, na Bahia; e Leite, Cerquinho ft C. no Rio ;de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Goveruu !. provinciu.
EXPTOIEXTK l>0 OH 19 DK JULIO DE 187 1.
DO DIA 19 DK lUUn DE
1' secnlo,
OJlcios :
Ao Kxtn. brigadeiro e oiumaadante d.is ar-
iiia*. Trado sido approvala polo ministerio
"da guerra, sej.ijndo con.-ta do aviso de 5 do
forreute, a deliberaeio jue loaiei de ospaear ate
" fun desl.. uiri a retired* do cirurgiao inor de
brigada gradiudu Dr. Jose Z.ieharias de Cirvaluo
para a pmviacia do Auiazonas, oude vai exercei
0 lugar de delegado do cirurgiao indr do exercilo,
nao podendo, pireni, o ref.rido doutor doiaorar
se por mais de trinta dias drpois da reeepcao do
cilado aviso ; asiin o declaro a V. Exc, para >n
lias conveuitutes prevenindo-o de que para ser-
virem nesta guarnicao, ja foi nouieado o Dr. Jose
IWelrados .Sani>s Koitella, e brevemenie sera no-
meado onlm coi 10 deelara o cilado aviso.
Ao mesin i. Com o ollicio juolo por eopii,
, do Dr. chefe dc poiicia respoado ao de V. Exc,
>flb D. 723, quaato.i-. rondas nocturna- qne devem
ser dad.is pela furea de I" liuiia.
Ao mesiao. l)e confoniiida..o com o avis*
do ministerio da guerra.de 2 do currente, sirva-se
V. Exc. de mandar iuspecciunar as pracas que
scacham ein iralainenlo a.> hospital militar, cons-
umes da relapao annexa ao sea officiu de 2i de
abril ultimo, dirigido ao ajudante general, enviau-
vlo-mo 5oiu os leimos de iuspec^ao as certido s
de assealaiiienlos das mesiaas pi acas para sereui
iransmittidas ;ii|uelle niiuisterio
Ao aiesi.io. 5irva-se V. Exc. d,s aiandar
pur eiu liberJule o recrula Maximiauo Uispo de
Araujo, visto ser iocs az du serviee imlilar, por
>,iiTrer a lenile clirouica, seguodo >e Vi! do ter-
nio de insptiC'.-.i't anucxo ao ^eu olbcio de hoiitem
d.itado *ib n. "ii.
Ao (pesrno. TraoMnitto a V. Exc, para os
lias coiiveaieiites, oipia do aviso do ldo eutrun-
cuiauieii laudo a i bservaneia da circular de 20 de
junho juaho de HJB'J, '|ae prohibe aos o:Iiciaes
jira^'as reformadas do exercilo a ti-aii>fer.;ncia.de _
Mias ic.-idenciis .as proviacias para a corte e vi
ce- versa seen provia licenca, ina/hla que so fffv
coda coa'-ia aqueilos duo a lufiingireui.
Ao niesmo. Declarando o Exoi. Sr. niinis-
iro da t'uerra em aviso de 9 do correnle ter na
quella data expedido ordcai a intendou :i i de guer-
ra para mandar iiruecer a pliai in ic:a do lio.-pitar
d''sta priviocia os objectos eonsiautes do pedtdo
<|ao V. Exc. rein.-tieu a cMa presideneia coin n
sou olllcio de 10 de ui.iio ultimo s-.A> n. .'>():), es-
eepQSO feita do fonnulario de Cueroovu ; asilm o
iMiuoiunico a V. E. e para o fazer eoustar ao director daquelle esta-
liel.-cimento.
Ao mesnic). Traaamittoos iDclmos p.ipeis
rtlativos ao ex sol laJn do 2- batalbM de infanta-
ria Manoel Jo;.'|iiiin do .Nascimento, que pede pa-
gaineaio do 30i)j000, a que se julga coin direilo
por ter si to vuluntario da patria, allm de que V.
E\c. fay.a a elles auoexar a oscusa original do
supplicanle; depoi* do que me serao os dilos papeis
dovolvidos, para serein restil^jidos ao ministerio
da guerra, coino so deterniiua no aviso de 9 do cor-
rente.
Ao mesmo.Ein cuniprimeato do aviso do
iniaisterio da guerra, do ;i do corrente, sirvarse
V. Exc.de aiaudar snjeiiar a inspecclo de saude as
pracas do 9" b.talhau de inf^utaria, constaales da
lelacao aiinnxa ao uiliciodesse comaund) dearm:i>
datado de 18 de fevereiro ul'.iino sob n. 78, diri-
gido ao ajuJante general, euviando-ine coal os
termos do inspeccTio as certidoes de assoalanienlos
das referid.is p.-acas, alim de serem trausmittidas
a.|iiella secretari.i de estado, coiao determiaao ci-
tadj avi;o.
Ao mesui). -Para cuoiprimenlo do aviso do
iniuisteri'i di gaera, de 3 do corrente, a que veto
aanexo o incluso i equerimeulo qirt me sera de
v.iivido, no qual Igoaeio Caraeiro deLacerda, pai
dj solilado do 14" balalhao de infantaria loseGar-
neire de Laeerda, pede baixa para o dito sen ii-
llio, allegaudo ter elle niarebado para i canipa-
nlia do Paraguay na qnabdade de guarda nacio-
nal designado, sirva-se V. Exc. de informarse o
Teferid > guarda nacional apresem.ou'-se volunla-
riamente a designaelo ou si foi forcado a mar-
char para a gueria.
Ao mesiao. Declarando o Exin. Sr. minis
tro da guerra em aviso do 1 do cjrrente ter ap- .
provado por urn inez somente, com soldo e elapa, sado.
a iicenca de quarenta dias que par portaria de 23
de abril foi concedida a teneuto do 2' balalhao
de lufaattria, Itasilio Jose d llarros ; assim o
c iininunic-.' a V. Exc. para os lins conveuienles
Ao niesmo Em execujSo de ordeni do
Exin. ^r. ministro da guerra, commuaicada em
aviso de i do corrente, sirva-so V. Exc. providen-
c.ar para queo tenento-coronol Antonio de Cua-
p is Mellu e o capilao Manoel Joaquim Machado jo
v .'.illiain a corte, alim de serem alii inspeccio-
nados.
Ao connnan i.iale di presidio de Fernando
d: Noronha. Determinaudo o Exin. Sr. ministro
da guerra era aviso de 1 do corrente que V. S. se
recolha a corU;, alim Je ser alii inspeccionad > ; as-
s in lli'o declaro para a devida exeeucao.
Ao director do arsenal dc guerra. -Envie-me
Vine, coin orgt-ncia para ser trans mini Jo ao mi-
liiJterio da guerra. como delerraina o aviso de i
do corrente, urn pir de sapaios dis qu vieram
uliioiainente da corte, e foram dislribaidos ao 2
balalhao de infantaria, cuja mi qaalidade foi ve
rificada por unia commis-ao que noiajei, em vrsti
de reclaiaacao do evramandante do ruferidu ba-
t.diiao.
2." sec^do.
Aclos :
0 presideiite J.i provincia, da coaTorinidale
com a proposta do Dr. caefe de pilicia ein ofllcio
n. 1,289 de 18 Jo corrente, rosolve crear na fre-
guezia de Guuelleiia, do t-rino da EscaJa, uui dis-
t: iclo de diileg icia, comprohen lenJo todo lerrilo
i io da dita fre^ueiia.
, 0 presideiite la provincii, a vista d olllcio
do Dr. chefe, n. 1,89 de 8 do corrente, resolve
exenerar os ctdad.ios Goni-.alo Cavalcante de Albu
Huerque Uciida e Manuel de Barren Accioli Lias,
008- cargos de e 2" supplentes do delegado do
termo de Seriuliaera, por nao teren< prestado ju-
raraonto.
0 presideiite Ja pwvinria, de coaforinidade
c )ui a proposta do Dr. chefe de poiicia em olllcio
U. 1,289 le 18 do corrente, rosolve nomear para os
cargos de lc, 2* e 3 sup^lentes do delegado do
terms de Serinhaem os cidadaos segainte< na or
valcante de Albuquerque, Antonio Peregrino Ca
valeanie de Albuquerque Junior, Antonio Fernan-
Af* de Mhnq-irqnp ('anan.
0 ,>ri!^tijuiil>: da i.rovnici.;, de joiif-riii lad-
eiim o ofllcio do Dr. chefe de uolieia, n. 1,206 de
17 do corrente, nsotre nomear o cidadao Domiu-
goi dos !5antos Fr;ire subdelegadj do distneto de
Camurirr, da freguezia de Beterros do lermo
desle nome, e para os lugares de | 2 e 3* sup-
plentes do dito suiidelegailo os cidadaos seguinles
aa ordeni de siu collocacao : Jnaqaim Marcelliio
da Silva "ieira Cl'iintino Bezerra de Vasconce.loj
e Jose Antonio de Vasconeello;.
0 preside ate ila provincia, s. vista do olllcio
ski Dr. etiefe de poiicia, n. 1,266 de 17 do corren
te, resolve exoaerar do cargo del' sapplente do
iiubdelegado du 1* districtoda freguezia de Bezer-
ros, do lermo desle nome, o cidadao Joaquim Mar-
cellino da Silva Vieira.
0 presidenle da provincia, de acordo com
a proposla do Dr. chefe de poiicia cm ofllcio n.
1,266 de 17 do correnle, resolve nomear l sup-
plente do subdelegado do l" district!) da freguezia
de Beserres, do terino desus nome, o actual 3 sup
plenle Francisco Antonio de Xeodonea, e para
substituir a este o cididio Jose Ehuistjaao da
Silva.
0 presidenle d i provincia, a vista do ofQc.o
do Dr. ciiefe de poiicia, n. 1,266 de 17 do corren-
le, resolve exenerar Joio Bezerra do Vascoacellos
Torres e Antonio Gnmna de Mello dos cargos de
sobdelegado do 1'distrieto da freguezia de Gra-
vata, do lermo de Beierros, e de 2* supplente do
dito suit lei -gad.i
0 presidenle da provincia, d; conformidado
com a proposta ilo Dr. chefe do poiicia em olllcio
n. 1,266 de 17 do corrente, resolve nomear para o
cargo de sublelegado do 1 districto da freguezia
de G av; ta, do lermo de Bcerros, o tenente Ber-
nardino dn Paiva Cavalcanle, e para o de 2" sup
Bleule d.i dito subJclegado o cidadao Belarmino
Bcerra de Mello.
0 presidenle da provincia, de conformida le
com a proposta do Dr. chefe de poiicia e n olllcio
n. 1,286 de 18 Io corrente, resolve nomear o cida-
dao Joio Leite Pereira para o cargo de sub lelega-
do Jd district > de Cachoeirmha, do lermo de S.
Ben to.
0 presidenle da provincia, a vista do olllcio
do Dr. chere de poiicia, n 1,286 de h intern datt-
do, resolve exonerar, a sen p-dido, Manoel SiinAes
Duarie do cargo de suhdolegado do districto de
C:\choeirinba, do terino de S. Benlo.
0 presideiite da provincia, de coaforinidade
c im a proposta do Dr. chefe de poiicia em olllcio
n. 1,266 de 17 do corrente, resolve nomear para
o cargo de sulidelegado do distrielo de Bua Nova,
2* da fregOezia de Gravota, do lermo de Beterros,
o major Join Bezerra de Vaseaocellos Torres, e
para os dos re^pectivos suppi-mtes os cida iios se
guintes n i ordem da collocacao : \nlonio Gn)i;>
de Mello, Ceierino Christiauo da Silva e Sabino
Jose'de Mello.
0 presideete da provincia, attendend > ao ijne
ouereu o capitao da 5* ompanhia do 9* bata-
liiTr. de infantaria da guarda aaebnial do muuici
pio de Oiuida, D-aietrij de .Wvedo Am trim, ao
parec >r da juiiia de sadd- qitjVp julgou incapaz do
servi.o activo, fe de olHcio elnformacao do res-
neetivo commandante superior,ro-o|ve iransferir o
dito capitao para o servlen da reserva, (ican Io ag-
gregado a > respective bat illiao.
Offleioi:
Ao Exoi ciasid-ieir) presidenle "da relacao
Send) conveniente a creagio do mais lira lugar
de promotor pubheo daconurca desta capital, sir-
va-se X. Exc. de indicar com urgencia a divisao
que for mais conveniente para os districts em
que tivcrem de funccionar o acla d e o aovj
promotor.
Ao Dr. chefe de polic'a. Providencie V. S.
no senti lo de ser prestada a inf irmii-ao quo pole
o aviso do ministerii da justija, de 9 de julho cor-
rente,j|tiaiito ao comportamento que tem tido na
prisiio a escrava Canula, coudeianada a multa pelo
jury de Petrolina, da comarca da Boa-Vista.
Ao commandante superior da guarda nacia-
nal do Bapife. -A' vista do que-informa o Dr. che-
fe de poiicia em ofllcio de home"- dalado sob a.
1.280, relativamente ao guarda nacional recrutado
Joio Pereir,a Lima, nao pode ter lugar a solturj
do mesmo, como solicila o commandaate interino
do 2' balalhao de infantaria sob sen commando
superior, no ofllcio annexo ao de V. S., de 15 do
corrente sob n. 630, que lica assim respondido.
Ao commandante superior de Olin la. Em
resposta ao ofllcio de V. S., de 10 do corrente, te-
ii'iio a dizer-lbe quo uo con-elho de revista da
guarda nacional desse municipio (levy funccionar
o juiz de direito rosptctivo.
Ao juU xle direito da vara desti capital.
Send.i conveniente a creacao de mais urn lugar de
promotor publico na comarca desta capital, indi-
que V. s, eoifl urgencia a divisao que for mais
conveniente dos districtos em j|ue tem de funccio-
nar o actual e o novo promotir. Igual ao juiz de
itireito da 21 vara.
Ao juiz dos feitos da fazenda Devolvendo
a V. S. a caria rogatoria junta, expedida por esse
inizu para as Justieas de GuimarAes, do reino de
Portugal, para alii ser citada D. Clara Maria de Je
sus, Ibe lecommendo a observancia do que de-
termina o aviso d) inmisterio dos negocioi estrau-
geiros, junto por copia, de 30 do mez proximo pas-
Ao commandante do corpo de poiicia. -Faca
Vine, apresentar com segurauca ao juiz muni-
cipal do teraio de Serinhaem as pracas do corpo
sob o seu cjm nand), de que trata o ofllcio do di-
to juiz, junto por copia.
3.* secqiio.
Acio :
0 presidenle da provincia, attendeado a de-
moustrajao consiante do olllcio de 17 do corrente,
da contadoria da thesouraria provincial, a que al-
lude a mformacao do respectivo inspector, sob
n. 2J7, resolve abrir sob responsabilidade ila
presideneia tres creditos supplementares na im-
porlaucia de 15:715^731 para occorrer a conti-
nuacao do pagamento, no corrente trimeslre addi-
ciona! do exercicio proximo tin Io, das despezas
decretadas ha respecliva lei do oreamento, sendo :
4.200i6i3 para o art. 7- !forca poiicial. ...
10.396 4253 para o art. 2* % 2 presos pobres, e
1:118i833 para o art. 10 2 -cobranca judicial,
visto como f-ram insufllcientesos credits votado'.
OCQcioj:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Manle V. S. pagar a Francisco SimSes da Silva
Mafra, si estiverem era termos, os inclusos prels
em duplicata na importancia da 429*600, despen-
dida o mezes de raaio e junho ultimas com o
fornecim-ntoda guarda nacional destacala no ter-
ra) de Villa-Bella ; onforme solicit-ju o Dr. chefe
de poiicia em ofllcio de hontem datado sob a.
1,282.
Ao mesmo. Bemetto a V. S., para seu co-
nhecimento e devidos flns, copia do contracto quo
com Domingos Bruno fez o director das obras pu-
blicas geraes da provincia, para os reparos das
rampas da rua da Aurora e caes do Apollo, me-
diante o abate de i 0|0 s.)bre o valor do respecti-
vo or>;amentu.
Ao niesmo. Transmitto a V. S., para os do-
vilos tins, o aviso junto, di ministerio da justi ca
de 4 do correnle, pelo qual foi concedido pelo go-
verno imperial urn anno de licenca ao juiz do di-
reilo, Manoel Clementino Caraeiro da Cunha.
7 Ao mesmo.Sendo declarado por aviso do
minisierio dos negocios'do impcrio, de 9 do cor-
renle, que fica autorisado pela verbaObras -do
exercicio de 1873 a 1874 o credito de 894* para
pagamento da 4' parte do vencimento do enge-
nheiro director geral das obras pubheas desu
p.tivmcia, qiu^tta com que oncorre aquelle minis-
terio, a contar do 1 deste niez ; assim o commu-
nico a V. S. para seu conhecimento e flns con-
venientes..
Ao mesmo. Transmitto a V. 5., para os do-
vidos effeitos, o incluso decreto de 18 do corrente,
nomeando o escrivao das offlcinas do arsenal de
guerrafdesta provincia, Manoel Jose Pereira Bal-
tar, para o lugar de ejerivdo chefe do escripto-
rio do ajuJante da directoria do mesmo arsenal.
Ao mesmo.-Era cumprimenlo ao aviso do
ministerio da guerra, do 7 do corrente, transmitto
a V. S. os inclusos papeis que me seraa devo-
vidos, relative ao soldado do 7* balalhao de in-
fantaria Manoel de Macedo Novaes, que pede pa-
gamento dos vencimentos atrazalos, passando-
se-lhe litulo de divida, alim de que essa thesoura-
ria complete os esclarecimeatos que Ihe .orain
exigidos a respeilo de semehante preteugao.
Ao mesmo. Comuiunico a V. a., para os
devidos flns, que me foi declarado por aviso do
ministerio do imperio, de 2 do corrente, ter siao
approvado o augmento do credito de 6:8334263,
que foi aberto sob responsabilidade desla presi-
deneia pela verba Faculdade de direi(o do exer-
cieio de 1872 a 1871, para occorrer ao pagamento
da diflerenca de vencimentos que, em virlude do
decreto n. 2,223 de 5 de abril ultimo, compete
aos leutes e mais erapregados da respect.va Fa-
culdade de direilo c aos professores do curso de
preparaiarios.a ella annexo.
Ao me-ino. Traasmitto a V. S. os inclusos
/itulos pelos qnaes fora.n nomeados : coiinaonda-
dor da ordem de N. S. Jesus Christ > Luis Gon-
(jalvos da Silva, ofQcial da ordem da Bosa o Dr,
Manoel Figueiroa de Faha, e cavallniiros da mes-
ma ordem, o bacharel Alvaro Uchda Cavalcaute e
Francisco Libanio Colas, alim de serein eutregu s
a qaem se mostrar autorisado para recebe-los, de-
pots de pagos os direitos devidos.
Ao mesmo. Para seu conhceimento e (ins
conveni'-ntes transmitto a V. S., por copia, o aviso
do ministerio dos negocios da fazenda, de 3 do cor-
rente, relative a remocao d i-ajudaute do guarda-
uior da alfandega desta provincia, Constantino Lo-
p.s Guimaraes, para Jervirinleriaamente de guar-
da-mor em igual repartig4o da do Rio Grande.
Ao mesmo. Transmit'o a V. S. o iucluso
litulo pelo qual foi nituralisado o subdito portu-
gucz Justi Brandao da Bocha, aflm de ser eutre-
gue a quem se mostrar autorisado para recebe-lo,
depots de pagos os direitos uevido*.
Ao inesino.Para satisfazer o que ;ne foi
cxigido em aviso do ministerio dos negocios da
agi'icultura, cummercio e obra- pnblicas, de 3 do
co' rente, eonvem que V. S. me remetta uma de-
mcaslracao da despeza feita por conla do credilo
stipplemeutar, ua importancia de 16:383*928 an-
lorisado por esta presideucia eai 2 de junho ul-
liaio, alim de occorrer ao pagamealc dos veaci
menlos dos ein^regados e mais despezas a cargo
da reparticao dos correios, e sobie quo versoii
a sua informacao de 31 do main desle anno sob
n. 43 seria D
Ao mesmo.Declarando o Exm. Sr. minis-
tro da guerra em aviso d^ do corrente ter ap
proyado somente por um inez com o soldo e etapa
a licenca de 40 dias, concedida por esta presided
cia na data' de 21 de -abril ultimo ao 4eueule da
2" iiatallno de infantaria Basilio Jose de Barros ;
assim o communico a V. S. para os fins coave-
aieates.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Traasmitto 4 V. S, por copia, a portaria dista data
pela qual resolvi abrir sob responsabilidade desta
presideneia tres cr.'ditos sappleinenlaris na im-
portancia total de 15:7134715 para occorrer a con-
".iuuacao do pagamento, no corrente trimeslre a.l-
dicional do exercicio proximo li-aw, das despezas
decretadas pelo art. 7 % 1 art. 8 2 e art, 10
iLd* respecliva lei do orcameniq^visto como
foram insuln:ienles os creditos votados, nos ler-
mos de sua iuformacao sob n. 2:17.
Ao mesmo.A vista da conta junta em du-
plicata mande V. S. pagar a Antonio Bispo da
Cruz a quantia de 18*, relaliva an aluguel da
casa que serve de prisao no districto de S. I.ou-
reneo da Malta, rorrespondente ao trimestre de
abril a junho lindo ; na conlormidade do ofllcio
do Dr. chefe de poiicia data lo de hontem sob n.
1275.
- Ao mesmo. Inclusas remetto a V. S. a
relacao e coma em dnplimta in import incia
de I ii-JO", despendi la coin o sustendo dos presos
pobres da cadeia do lermo de Villa Bella desde
o dia 19 de maio a 18 de junho do corrente
anno, alim de que mande elTecluar o seu paga-
mento ao fornocedor Candido Ferreira Maciel ou
ao Eu procurador ; conformo solicitou o ofliL-io
do Dr. chefe de poiicia, de hontem datado sob n.
1279
Ao mesmo.-Mande V. S. pagar ao thesou
reiro da irmandade de Nossa Senhora da Boa-
Viagem, Manoel Jose de Oiiveira Lima, a quantia
de 7>.-,8, proveniente de dez mezes de aluguel da
casa, perleucente ao patrimoaio da mesnia irman-
dade, que serve de quarlel ao deslacamento do
districto da Boa Viagem, a contar do I" de st-tem-
bro do auno proximo lindo ao ultimo de junho do
corrente anno ; coutorme solicitou o Dr. chefe de
poiicia em seu ofllcio de hontem dalado sob n.
1274.
Ao mesmo.Segundo solicila o Dr. chefe de
poiicia em ofllcio de hontem datado sob~ n. 1283,
e a vista do^mappa incluso, mande V. S. pagar a
Joao Baptisfa dos Guimaraes Peixoto a quantia
de 91*400, despendida com osustento do*, presos
pobres da cadeia do termo de Garan inns no mez
de Janeiro proximo undo.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a Ignacio
Alexandrino Caneca eu ao seu procurador, con-
forme solicitou o Dr. chefe de poiicia em oflieio
de hontem datado]sob n. 1284, a quantia de 18*,
consiante da conta junta que rem-tto, e proveai-
eate do suUento dos pre.-os pobres da cadeia do
Bio Forraoso.
4' secrao:
Acto :
0 presideiite da proviucia, aitendendo a) que
requereu Francisca Seraphica de Assis Carvalho,
professora de instruccao primaria da cadeira da
povoa^ao de Nossa Senhora do 0' de Maranguape,
e leudo em vista a informacao do director geral
interino da instruccao publica, de 11 do corrente,
em ofllcio n. 208, resolve conceder-lhe 30 dias de
licenca, com vencimentos na forma da lei, para Ira
tar de sua saude.
Ofllcios :
Ao Dr. director geral interino da instrucjlo
publica. Accuso a recepcao do olllcio de V. S.,
de 16 do corrente sob n. 212, e bem assim de dez
exeniplares que a elle acompaaharam, do relalorio
que me foi apreseatado por eisa directoria em Ja-
neiro deste auno.
Ao provedor inieriuo da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife.A' vista de sua iutorma;ao de
hontim dalada sob n. 486, autoriso V. S. a man-
dar entregar a Ign icio Florentino Bezerra de Mei-
lo sua irma Maria Ignez Bezerra de Mello, edueap-
da do collegio das orphas, eonforme elle reque-
reu me.
Ao mesmo.Aitendendo ao que me reque
reu Maria Hermenegilda Vieira Machado, auturisn
V. S, em vista de sua informacao de 8 d > cor-
reute sob n. 487, a mandar entregar-lhe sua so-
brinha de nome Pergentina, educauda do collegio
das orphas.
Ao Bvm. prefeito dos capuchinhos da Penha.
Declarando o aviso du ministerio dos nug >cios
da agricultura, coinraercio e obras publicas, de 30
de junho ultimo, que n.o e possivel, attenia a ur-
gente necessidade da catechese em outras provia-
cias, oonservar aqoi uia dos religiosos 'capuchi-
nhos uitimamente chegados da Europa, como soli-
cilei, convindo que sigara elles com a maior br>-
vidade para a corte ; assim o communico a V.
Rvma. para seu conhecimento e devidos flns.
Portaria :
A' carnara municipal da villa do Gtbo. -Re-
coramendo a camara municipal da villa do Cabo
que com a maior brevidade faca extrahir do livro
competente e me envie uma copia de todo o pro-
cesso da eleicao de eieiiores a qne se procedeu
na parochia da mesma villa em agosto do anno
pasiado.
__ 5' teccao.
Olncio :
Ao engen^eiro das obras geraes.Em addi-
taiaeuio ao men offl-ao de 14 d > corrente, remeito
a Vine, a plania inclusa, o recommeado-lhe loda
urgencia no cuuiprimento do que Jeleraiiaei-Ihe
naquelle ofllcio.
RXPEDIKNTR DO SKiaiET M'.l >.
jft 2" secriw.
Ofllcios :
~ jVo Dr. chefe dc poiicia.-Do ordem de S.
Exc. o Sr. presidenle da provincia, communico a
v. S., para sen conbecimeulo, que nesta data offl-
ciou se a thesouraria provincial, manJando pagar
a audido Ferreira Maciel, ou ao seu procurador,
a quantia de 13*200, desoendida com o sustento
dos presos p,*res da eadoia do lermo de Villa-
Bella, segundo aotieitoii V. S. em seu oiflcio de
hontem datado sob n. 1,279.
Ao inesniu. De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidenle da provincia, levo ao conhecimento de V.
S, pant os devidos elicit is, que nesti data foram
expedidas as uecrssaiias ordens a thesouraria de
fatenda, no sentido de-sor salisfeito o que solicila
v-- ein sen ofllcij de hontem datado sob n.
1,283.
Ao mesnu S. Exc. o Sr. presidontc da pro
vincia manda coramani:ar a V. S.. para seu co-
nheciinento, .|oe por nfficiu desU data expediram-
se as convenienles ordwis a thesour ria provincial,
no sintido de ser salisfeito o pagamento do alu-
guel da casa, que serve de quarlel ao destacamen-
to no di-tricto da Boa-Viagem ; eonforme solicila
v. S. em seu ofllcio de hontem dalado sob u.
1,274.
* Ao mesmo. -0 Exm. Sr. presideiite da pro-
virtCia manda iransmittir a V. S os titulos juntos
de Nomeacao de varias antoridades policiaes do
termo de Bezerros ; Je conforraidade c nn a pro-
posta de V. S. em oalcio n. 1,906, de 17 do cor-
rcnt\
% Ao mesmo.Do ordem do Exm. Sr. presi-
deiite da provincii, transmitto a V. S. copia da
portaria oV hide, errando urn district > de delegacia
na frt'gue/.i i de Gamelleira ; de conformidade com
a proposta le V S. em o;io n. 1,289, d* 18 do
corrente.
Ao mesmo.0 Exm Sr. presidenle da pro-
vincia manda tran-mittir a V. S. os titalos juntos
de nomea<;io do subdele^ado do districto de Ca-
choeirinha, do termo de S. Bento, e dos supplentes
do delegado do de S riuhaem, de coaformidade
comas piopnstas le V. S.,ns. 1,286e l,2S9,de hon-
tem daladas.
Ao mesmo. -0 Exin. Sr. presidenle da pro-
vih-aa manda declarar a V. S-, para os devidos
lia*, '|ue fleam expedidas as convenienles ordensj
no senti liwl.' que trata o seu olllcio n. 1,273, de
hontem datado.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidenle da provincia, communico a V. S., para seu
: mlrecinionto, que nesta data expediram se as
cqevcnien'es orJons a thesouraria de fazeada, no
stilli lo de serem pagos os prels d is pracas da
gtWda nacional, destaeadas no terino de Villa
Bail a ; coofoinio solicitou V.jS. em seu ^olllcio de
iX'iUai datado sob n 1,282
Ao mesmo. -S. Exc. o Sr. yrosidenle4a pro-
vincia manda commuaicar a V. s,, p ara os devi los
efleitos, que nesta data expediram se at convenlea-
tes ordeas a thesouraria provincial, no Sentido de
ser salisfeito o pagam.mto relativo-ao sustento dos
presos p .ibres da cadeia do Rio Formo.su, de que
trata o ofllcio de V. S., de hontem datado sob n.
1,284.
Ao niesai). S. Exc. o Sr. presidenle da pro-
vincia manJa communicar a V. S., para seu co-
nhecimenlo, que por olllcio desta data exoedio-se
ordem a thesouraria provincial, para ser paga a An-,
tonio Bispo da Cruz a quanta de 18*000, relaliva
ao aluguel da casa que serve' de prisao u i distric-
to 6: S. Lourenro da Malta, correspoudente ao
trimestre de abril a junho ultimo ; eonforme soli-
citou V. S. em sen otBcio de hontem dalado sob
n. 1,275.
Ao cemmandaute superior de Olinda. 0
Exin. Sr. pr^silente da provincia manda djclarar
a V. S. (|ie por portaria desta data foi transferido
para o service da reserva, licando agpregado ao
respectivo hatalhao, o capilao do 9 de infautaria
Deinetrio de Azeveilo Amorim.
Ac juiz de direito provedor de capellas e re-
siduos. Pr esta secretaria se pailicipa ao
Sr. juiz de direiti provedor de capellas e resi-
dues Manoel Clementino Garneiro da Cunha, que
nesta data se envia para a thesouraria de fazenda
o aviso do Exm. Sr. ministro da justica, de 4 do
correnle, coticedendo a S. S. um anno de. licenca,
para tratar de sua saude fora do imperio.
4' secgdi.
Portaria :
Pela secretaria la presideneia se faz constar ao
(llat Sr. Ernesto Aagusto de Athayde, 2 confe-
rente da alfandega desta provincia, que em aviso
it> 8 do corrente sob n. 2,627 declarou o Exm.
Sr. lami-iro do imperio ser precisa a exhibicAo de
folha corrida, afim de se poder resolver sobre o
requeri nenlo em que S. b, solicita a nomeacllo de
cavalheiro da ordem da Rosa.
5' secrao.
Olllcio :
Ao engenheiro das obras geraes. 5. Exc. o
Sr. presidenle da provincia manda accusar rece-
bido o ofllcio de V. s., de h .ntem datado, remet-
tendo copia do .'contracto feilocom DoraingosjBruno
para os reparos das rampas da rua da Aurora e
c.ies do Apollo, modiante o abate de 4 0|0 sobre o
valor do respectivo on;amento.
4.' seeffic.
Offlci.w:
Ao Exm. Sr. Dr. Frcderico Jose Cardoso de
Araujo Abranches, presidente da provincia do Pa-
rana. Accuso a recepcao do oalcio de 13 do mez
lindo. era que V. Exc. me participa haver n'aqusl-
la data prestado juraraento e tornado posse do car
go de presidenle d-'ssa provincia, para o qual fora
iiotneado por carta imperial de 29 de mare. > ulti-
mo. Aproveito a occasiao para apresentar a V.
Exc. os protestos do minha verdadeira estima e
distineia considerai;ao.
Ao Exm. bispo diocesano.Nesta data dou
sciencia as estacSes campetentes de haver V. Exc,
segundo communicou-me em ofllcio de 19 do cor-
rente, nomoado o Rvd. Augusto Cabral de Vas-
cuncellos para o cargu de vigario encommendado
da freguezia de Nossa Senhora das Dores de Tim-
badba, uitimamente creada, e bem assim o Rvd.
Francisco Raymundo da Cunha Pedrosa para o
lugar de coalintorda mesma freguezia.
\o Dr. director geral interino da instruccao
fiubiica.KemeUa-me V. S. com urgencia uma re-
acao dos professores e professoras que pela lei ja
adquiriram o direito a vitaliciedade, com espe-
cificafao das localidades onde funccionam.
Ao provedor interino da Santa Casa de Mi-
sericordia. Sendo a proposta de 1.601*000 an-
nuaes feita pelo Dr. Deodoro Ulpiano Goelho Cata
nho, -para o arrendamento por seis anuos do pre-
dio silo a ma do Imperador n. 81, mais vantajosa
qne a de 1:201*0X1 de Francisco Jose Leite, le-
vando se em eouta o donativo de 1:500*009 que
offerece para a obra da casa dos expostos, visto
como, ainda mesmo contados os respectivos juros,
essa quantia nao onpensa a diilereaca do aluguel
que no praso dado d do 2:400*000, deixo de con-
cede r a apnrovacae par V. S. solieitada em nome da
junta administrativa, era ofllcio de 18 do corrente,
e recommendo Ihe que, no easo de nao julgar a
mesma junta acceitavel aquella proposta, leve no-
vamente a praca o arrendameato em aueslio, to-
por base.
mando-a
A' Illm. camara raunicipil do Recife. -Ac-
cuso recebido o oflieio da Illma. camara municipal
do Retfife, do 4 de juuln linlo, remettenio as co-
pias das actas das eleicoes de juizes de paz, proce-
didas a 20 de abril ultimo nas parochias da Boa
Visla e Afogados, desta ci lade. Era resposta, tenho
a recommendar a mesma camara que, expedidos
o* competentes diplomas, convide os cidadiis que
foram eleitos juizes de paz para prestarem jura
ineulo.
a." seccao.
Ofllcios:
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.-0 Exm. Sr. presidenle da provincia
manda communicar a V. s. que acaba de expedir
ordeni ao inspector da thes rararia provincial para
saiisfazer a sua requisite, coalida em ofllcio de 19
do corrente sob n. 278.
A' commissao liqnidadora das contas da es-
trada de ferro do Recife ao S. Fraucisco. -0 Exm.
Sr. presidenle da provincia m:uida declarar a Vv.
Ss. que tiveram o conveniente destine as copias da
acla e contas, quo acoinpanharam o seu olncio des-
ta data.
Ao presidente da junta de emancipa.-ao de
escravos do municipio de Petrolina.De ordem de
S. Exc. o Sr. presidente d i provincia, remetto a V.
S. um exemplar impresso do regulamento que
haiX'iu com o decroto a. 3135 de 11 de novembro
do anno proximo passado; eonforme solicita em
seuofflaode 18 do mez Undo.
A) gerenle da companhia pernambucana
De ordem do S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
pode V. S. fazer seguir p ira os portos do Norte e
Sul ate Acaracu e Aracajd, no dia 31 do corrente
as 5 horas da 'arde, os vapores desse companhia,
fpojuca e Gequid; eonforme solicitou em ofll-io
de hoje..
kxp.:i)ii:ntk do scaPTvBio.
J." seccao.
Olllcio:
Ao Exm. lyigadeiro coalman ianle das ar
masS. Exc. o Sr. presidente da provincia, tendo
providenciada pira que a tbes.iuraria de fatenda
entrogue ao aluuxarife do hospital militar a quan-
tia d i 300*01)0 para occorrer as despezas a seu
cargo no seraestre de julho a deie.nbro deste au-
no; assim o manda communicar a V. Exc. em res
posta ao sou ofllcio de 19 do corrente, sob n. 730.
2.' secrao.
Ofllcios :
Ao Dr. elude d.: poiicia. '-OExui. Sr. presi-
dente da pruvinjeia manda declarar a V. S. que
ficam ex|iedidis as ordens convenientes, no senti-
do do que liala o seu oflieio n. 1293, de 13 do Cor-
rente.
Ao mosra). 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia mania accusar o recebimento do ofllcio de
V. S., dd 18 do corrente, em quo participa ler re-
cebido do delegado de Serinhaem 50 facasde pon-
la e 1 bacamarte, appreliendidos pelo subJolegado
do districto do dito termo.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidenle da pro
vincia manda declarar a V. S. que flcou iaieira-
do, pelo seu ofllcio n. 1278 de 18 do corrente, de
terom side remettilas para o arsenal de guerra
156 annas defezasapprehendi las em di versos termos
da provincia.
.Vi commandante superior do Brejo c Cim-
bres.0 Exm Sr. president* da provincia manda
commanicar.a V. S. qua nesta data expelio ordeni
a thesouraria provincial para man-iar pagar a. im-
portancia dos prets que acompaaharam o sea ofieio
de2l de abril.
Ao juiz de direito do Bio Formoso, bachartl.
Marcos Conea da Camara Taraarindo.0 Exm.
Sr. presidente da provincia man la accusar o re-
cebimeuto do ofllcio de V. S., de 4 desle mez, em
que participa nao coder reassumir o exercicio de
seu cargr, por coatiauar a sottrer em sua saude. .
Ao bacharel Antonio Paulino Cavalcaute de
Albuquerque, juiz municipal de Caruarii.0 Exin
Sr. pre-idinte da provincia mania accusar o re-
cebimento do olllcio ile V. S, de 13 do correnle
em que participa tor entrado no gozo da licenca de
15 dias que Hie foi concedida.
. Ao tenente-coronel Decio de Aquino Fonceca.
-0 Exm. Sr. presidente da provincia manda ac-
cusar o recebimento do ofllcio de V. S-, de 6 do cor-
rente, em que, como presidente do cunselho de
re vi silo da qualilicacao da guarda nacional da pa
rocbia de S. Prei Pedro Gongalves do Recife, par-
ticipa haver ncssa data acabado os trabalhos da re
yisSo, licando alistados 728 guardas no servico
activo e 283 no de reserva, seal que tivesse appa-
recido reclamacao alguma.
Ao major'DelQno LinsCavalcante Pessoa.-O
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar o
recebimento do olllcio de V. S., de 11 do corrente,
em que participa ter o conselho de r.-visanda qua
lilicacao da guarda nacional da parochia dos Afo-
gados, do qual foi V. S presidente, concluido os
seus trabalhos.
KXl'KDIKNTK DO DIA 21 DE JULHO D8 1873.
1' seccao.
Ofllcios : -
Ao Exm. brigadeiro commandante das arU
mas. Deferindo o requerimento de Gustavo Lisia-
seno Furtado de Mendonca, procurador de Carlos
Schoel, sobre que versa a sna informacao de hoje
sob n. 732, autori-o V. Exc. a mandar dar baixa
e entregar-lhe o escravo Paulo, pert"ncente ao
sen constituinle, o qual fora recrutado com o nome
de Paulo Carlos dos Santos, iudemnisando o sup-
plicante previamente a fazenda do que a esta for
devido.
Ao capitao do porlo.Communieando me o
5r. Ulrico Keller era ofllcio de 18 do corrente
ter naquella data assumido o exercicio interino
de vice consul da Russia, na ausencia doeffcetivo,
o Sr. Jose Ant nio Pinto, qne segue para a Euro-
pa a tralar de sua sadie ; assim o declaro a V. S.
para seu conhecimento.
Ao consul da Russia.Fico inteirado de ha-
ver o Sr.' Ulrico Keller assumido no dia 18 do
correnle, segundo communicou-me em ofllcio da
mesma data, o exercicio interino de viceconsnl
da Russia nesta provincia, durante a ausencia do
effectivo, o Sr. Jose Antonio Pinto, que segue para
a Europa a tralar de sua saude. Com este motivo
apresenlo ao Sr. Ulrico Keller a seguranca de mi-
nha perfeiia estima e distincta consideracao.
2." seccfio.
Acto:
0 presidente da provincia, atlendendo ao
que Ihe requereu Bertino Lopes de Araujo, tabel-
liao e escrivao de orphaos e mais annexos do ter-
mo de Cabrobo, resolve conceder-lhe dous mezes
de licenqa para tralar de sua saude.
Ofllcios :
- Ao Dr. chefe de poiicia. -Communieando-
me o Sr. Ulrico Keller em ofllcio de 18 do corren-
te ter naquella data assumido o exercicio interi-
no de 'vice-consul da Russia, na ausencia do ef-
fectivo, o Sr. Jose Antonio Pinto, que segue para a
Europa a tratar de sua saude ; assim o declaro a
V. S. para seu conhecimento.
- Ao commandante superior de Olinda.-Ex
peca V. S. suas urdens, alim de que seja dispen-
sada do servico activo da guarda nacional a praca
do 9.' haul nao Antonio Tavares dos Santos, que,
segund > ofllcio do Dr. chefe de po'.icia, n. 1293
de 19 do correute, tem de ser nomeado inspector
de quarieirao no districto de subdclegacia de
Olinda.
- Ao commandante superior interino da Sari-
nhiem. -Em resposta ao omcio de V. S, de 15 do
corrente, tenho a dizer the que, a visla do que ex-
pos, deve fazer parte do eonselho de revista da
guarda nacional desse municipio o major com-
mandante da seccao n. 15 do servico da reserva.
Ao commandante do corpo de poiicia.
Pode Vmc, engajar no corpo sob o sen commando
o paisano Francisui Nery de Barros, de quem tra-
ta o sen ofllcio n. 417 de 18 do mez pnxjmo pas
sado.
3' secc&o.
Ofllcios : ^^
Ao inspector, da thesouraria de fazenda. -
Tomando em consideracao o recurso que interpoc
para esta presideneia Jose Rodrigues do Sooaa, du
acto do collector dos imposios naciouaes do muai-
cipio doLimoeiro, raultand^o ua quantia de 1004
pela infraccao do art. l. Jo decreto a. 496 de
de maio de 1872, por nao haver o recurrent* ma
triculado em tempo o raenor Agostinho, filho da
sua escrava Catharina ; e tendo em vista as ia
forraacdes constaales do ofllci) dessa inspectoria.
do 19 do correnle sob n. 568 serie D, resolvi re-
levalo da referida mulla : o que declaro a V. S;
para os devidos flns.
Ao mesmo. A' vi;ta du que expos na ia
clusa pelicao documentada Benigno Rodrignes
Lias de Albuquerque, recommendo a V. S. qne
mande pagar-lhe o aluguel da casa que serve da
quarlel ao deslacamento da guarda nacional na
villa ae Aguas-Bellas, relative ao tempo decorrido
do 1." de abril do anno pasad) a 30 ae jnnbo
hudo.
Ao mesmo. -Communico a V. S., para o sea
couhecimeulo e devi los lias, que em ofllcio de 17
do corrents declarou me o Exm. bispj diocesano
haver naquella Jtfa nomeado o Rvd. Augusto Ca-
bral de Vascoacellos para exercer u cargo de vi-
gario encommendado da freguezia de Nossa Ss-
nhora das Dores de Tnnbaiiba, creada pela lei
pr ivmciai n. 1,103 de 28 de maio ultimo.
Ao mesmo. Remetto a V. S. para os fins
convenienles as quaiorze inclusas ordeas, sendo
onze do ministerio da fazenda, de as. 117 a 125,
127 e 128, e tres do da guerra, sendo duas data-
das em I e uma em 3 do corrente.
Ao mesmo.Cuminunicando-mc o Sr. Ulrico
Keller em olllcio de 18 do correnle ter na mesma
data assumido o exercicio interino de vice-consul
da Russia, duranle a ausencia do effectivo, o Sr.
Jose Antonio Pinto, que segue para a Europa a
tratar de sua saude ; assim o declaro a V. 5 para
fazer eoustar ao inspeclur da alfaudega.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os de-
vidos fins, que a 15 deste mez enlrou no gozo da
licenca, que Ihe foi concedida por esla presiden-
eia, o bacharel Antonio Pauliuo Cavalcanti de Al-
buquerque, juiz municipal e de orphaos do termo
de Caruarii.
Ao mesmo. Mande V. S. entregar ao alroo-
xarife do hospital militar, de conformidade com u
pedid i junto, a quantia de 300* para occorrer as
despezas que tem de fa-er se no segundo seraes-
tre do corrente anno sob a responsabilidade do
mes no alraoxarife, que opportunainente prestara
contas.
Ao inspector da thesouraria provincial.A
Moreira & Braga mande V. S. pagar, si estiverem
em termos, os prels em duplicata que Ihe remetto,
a qaantia de 189*250, importancia de veacimen-
tos.das pra.-as que cscoltaram presos do termo do
Brejo para esta capital, eonforme solicitou o res
pectivo commandante superior em ofllcio de 21 de
abril ultimo
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
fins convenientes, que no dia 10 do corrente fo-
ram encerrados os trabalhos da aula de latim da
freguezia de S. Jose, de que era professor Manoel
Francisco Coelho, por ter sido oxlincla, nos termos
do art. 36 da lei n. 115 de 17 de junho lindo.
Ao mesmo. Expeci V. S- suas urdens par*
que am empregado dessa thesouraria comp^reca
na repai tir-ao das obras publicas para fazer os
pagainentos precisos, at-1 que so apresente o the
soureiro uuineado, Antonio Piuhe ru de Men-
donca.
Ao mesmo. Communico a V. S para seu
conhecimento e devidos lins, que em ofllcio de 19
do corrente declarourae o Exin. bispo diocesano
haver naquella data nomeado o Rvd. Francisco
Raymundo da Cunha Pedrosa para exercer o ear-
go de coadjutor da freguezia de Nossa Senhora
das Dores de Tnnbaiiba. creada pela lei provincial
n. 1103 de 28 de maio ultimo.
rERMMBUCa
REVISTA DIARIA.
Questao religiosa -Telpgramma de Ma-
ceio, dalado do r.onlem a larte, diz o seguintc
quo alii foi levado pelo vapor Cruzeiro do Sul :
< I'or aviso do ministerio do imperio, de 27
de setembro, remetteu o governo imperial ao
procurador da corda e soberania nacional os pa-
peis relalivos a questao dos bispo? brasitoiros, t
ordenou a responsabilidade do bispo de Pernam-
buco perante o Supremo Tribunal de Ju3iica.
Nnticias da corte. Ainda telegrammi
de Maceio diz o seguinte :
Teve o foro de fidaldo cavalheiro da casa im-
perial o major reformado da guarda nacional de
Pernambuco, Bernardo Ferreira de Barros Cam
pelio. "
Foi nomeado 3 escripturario da thesouraria.
de fazenda de Pernambuco, Joaquim Jose d'Olinda
Tavares.
c Foi concedida a demissaO, que pedio, o ba-
charel Jose Maurieio Fernandes Pereira Barros, do
lugar de inspector da alfandega da cdrte, e no-
meado para o substituir o conselheiro Bemvennto
Augusto de Magalhaes Taques.
Arsenal de inarlnha. Por portaria
da presideneia da provincia, de 6 do corrente, em
visla do aviso do ministerio respectivo de tS de
setembro ultimo, foi nomeado Manoel Jose Soare*
de Almeida para exercer inierinamente as func-
cdes de aponlador do arsenal de marinha desta
provincia.
Guarda nacional. Por portaria da
presideneia da provincia, de 6 do corrente, man
dou se dar guia de passagera, para o municipio
do Recife, ao allures Jose Gomes Soares de Al-
meida, alferes da 4' companhia do 36* balalhao d>
infantaria do municipio do Brejo.
Administracao do eorreio.No met
de setembro arrccaduu esta reparticao 5.992*272,
sendo :
5ellos 2:345f640
Cartas 2:164*550
Agendas 144*130
Premios 19*30"
Assiguaturas 100*000
Mullas 80*452
Extraordinaria 1*000
Movimento de fundo3 937*200
Rua Maincde Simocs Convidaaos o
Sr. fiscal da freguezia da Boavista a dar urn pas-
seio pela rua Maraede Simoes, ao lado do gymna-
sio provincial, nao so para ver o lamacal e human
dicio que ahi ha, como a booita cxpoacao de la-
va a dt ira s. com todo o sen corleje.
Thesouraria provincial. Vai tambem
a praca no dia 9 do correule a obra d s rrparos
da poote da Junqueira, oroada em 5:720*660.
Pagadoria da thesouraria de fa-
xenrla Pagam se hoje as seguintes folhas :
;ilArsenal de guerra e pensionistaa. Os fnnccio-
narios que deixlrem do receber neste dia, so po-
derio fazc-lo do oitavo dia util em diante.
Faculdade de Direito.-fjSao convida
dos* todos os academicos do quinto anno para ahi
comparecerem qulntafeira pelas 9 noro em poa-
V
^

VHHIHH

jumm
ILEGlVlL
-^isssVHBiiS
i^Bminp


in ,\, lia, aim de rcmidos a prepare in*sa an*? o-l|*.JVtrtaflio ; qttmtio*. T
- ^
I'

I
IB ir seu oft'ericinu ulo coaspro
inetle'sc relnUr^flMaJantes do mesui) onno-
tugran o
Pela uuiio iua4tf(|flk%-eiuQU 0: pern-sen camps
recimento de totfcii
SneiedtMla^Utterarla Amorao F.s-
tudo.Sao cWmioos todos os fristo** i ara w-
-istirem a sessao de assemblea Rev.-I, que deve
r,f,i Pei
no logar do
- Ach^ndo se
iropa, o dis
lez Finnic*, a con-
illfl h.'atro prcs
res oo^pnir' cipeetaculos
recntfad.i em nosso thea-
110 Ampr ijindrino'Vi one o no eonstrvar a3 mais i;ral&s recor-
tor lugir hoje a- 1'
ooslumo
Ihcatpo Sit
entre ni)*, de pa:
line to c festejado
vtai do dijno en
ion se aouereeflr-
de ma repertorio.
Fara, hoje.
iro trabalha
publico devij
daciie*.
Vftcwiiia em !*. .lose. 0 Dr. Francisco
le Paula Soares, n< me.ido pela presideneia para
propagar a vaecipa na fregueria de S. Jose, vac-
eiAiCLlaLis os doniiojt:is> das 8 a* 'J boras da
manha, na casa de sua residcncia ;i rna Jo Coro-
nel Sua-suna n. 20 5 ; e bem as'im em qualquer
conlrado em casa.
laualmente fc prestira a vaccioar em it'a on
outra casa, qa.indo houver tnotiwo 'serio, pelo
;|unl n vaccinando nao possa ir a :asa do vaeci
nador.
A Imprensn -Agradecemos a remossa do
ruJi dcsse semanaric
Ilnnrosn. No sabbado nllimn, 4 dv corrente,
os ompregad.s da roeebedoria-desla provincia of
rere&ram ao 5r. Jose Eelipp.e ^r; aa Sirsa, aju-
Ja lie J i administra I >r dea" repaHi<;7io o habito
.la imp'CriaJ Ordem da Rosa com qr..Q foi o mesmo
se'iinor ha pouco atxacfarto.
Merecidi manifestacao de aprceo foi essa quo
reeeben o Sr. Jose Fetippe 'de sen? eonipanheiros
-ie u-abalhos.
Exercleio. -S .h o commando lnienno do
major Carlos Mr.giv fez lio.iiern a tarlc cxptcicio
n i ('.impo das Prin-'czas o 2." bltal'iao da Infanta-
fii de linha. Com'i :empre a iropr. apresenlou sc
Ufa e rcvolanlo a instruccjii compiitivel eom
i Mm pa fi clrt*oins!ancia< de que di;p>3em para
tal.liai, so!j a zelosa direcf^o de seus saiieriorcs.
Saviors cncootradus-o Sr- rapitSo da
bfrca ingfeza Maud, enirada honfern de Liverpool,
! elara ter-se cominunicado com os seguintes
r. ivios :
\ If, de setembM -ni lat. S* 0* norte, long
t't' X? W eom o briguo norueguei-c A'f. perteli1
.elite ao inrto de "Jhristianla. em viag'ai de Pil
; n na Allcmanha, para Rnenos-Ayres.
[dcm-Xa lat. IV- 3-T N., long. 2i5' 0' W., com
a galera Inlui lc V Urine W ao porto ? UsiorJ.im, em vingeii aeSandernna
:Mra rin' a.
!,}, I7-F.it. n 0* X, lonjf. iZ- V, W., com
a barca a.istni.-.i Cone nUu S.. cm viagpnJ de
Mi sflha para Hueiios-AVre8.
I!-:n 18 Lit. 11 40' X., Imig. 2* 0 com a
lurea Inglepi Matktnnd, do porto de S. Jaw, em
V,.igcJti *i Cardiff para o Rio de Jaoeiro.
I lem 2i -Xa lat. o- 3' X long. 2k 30 con a
hare's inglva llahlmn, do porto ie Dundee, em
..:i'em do Lotjdrrs para Bombaim.
iSera :W Xa la:. 2' :<0' X. I nj, 2> 0' W., cem
-.-. gilT.i inglezri He.r-dura, e;ri veiagam At Londrcs para Costa Rita.
Idem ilem -Xa lat 2" 3ng. 2,'i" 0 de
\V., com a gilora imoncana //. 0 1, i i ruma do sal. Todo? iam tm a hoido.
Vaeeina mfti Afrtjtfatlos.0 nr. Miguel
: :::'i':iim de Castro Mascarerin.w, aceitaado de baa
'-,,.:, In ii cominis-io T-ic o Exm. Sr. prcstdettte
_i; pr iviWa -c di:i. hi encarwgar I'n*, dcclara q to
r.i- qdinlas feira*. i< 10 oras dodia, no con-i-!>-
ii i di mvri/. d)3 Afigados, vacdnara a todas as
pe mw 'i1!'- *e apresenUrcili para r.-":ei)er t Ao nti!
prescr'atiTO, priniipinvli l-.g-i a lunha, pots que
v.i opti'.no pi. tr..-.:iuiej para tr;.nsiiit!ir 1^' bra
i; i. a bra.;o : e f.ra diste rtia na casa Je sai resi
.ieiiiua sila ;i I Wi oh 'ira.
a(a e r>rlicnlo. -No dfctrieto do Gra-
iii. do term) do Itwecroa, nn individttodoneme
Se!ia-li.V), quo sediz c>:r.tvo de Alex\i:dre Rihoim
e ajl liir f.igi lo, ao
Manocl Joaqnira do Santa Anna, pardo Periiain
buc, 28 annos so.teiro, S. Jo Maria, par.la, I'ernam'.'uco,, 2 mazes, .<. Jo*e i.ktv$dtf|
convulses.
Maria* da Piedade dos Rei?, bmnca, I'ortagal, appei aJ
TO annos, viuva, Recife ; diarrhea. JBm*o.
Carolina Maria Veridlana, preta, Pernambnco,
4aa*a^i, s'dteua, J^e^ .varplas. I ro
Antonia Joaquiua dos Santos, paria, Peruamba- t
co. 50 annos, viuva, S. Jose ; variolas.
Thurtza, brariea, Pernaoibuco, 18 mezes, Uoa
Visla; bexigas. ...i-l
Maria dos Anjos do Santa Anna, branca.-ignora-
se a nataralidade, 40 annos, casada, Santo Anto-
nio; taberculos nulmonares.
Sebastiana, prcui, eserava, Pernarabuco, 30 an-
n is. splleira, SJos4 ; bexigas.
Maria, parda, Peroambuco, 18 mexes, pan An
tenro ; hr>>nclule.
6 _____;.
Maria, parda, Pernarabuco, Boa Yisla ; a nas-
Cir. iUvUmI
Mariana, preta, Pernambuco, 44 annos, solteira,
Boa VTsla"; bexigas.
Angela Maria, parda, Pernambuco, lo annos,
solteira, Santo Antonio ; bexigas.
Carolina Maria da Sacramento, parda, Vernam
baco, 28 annos, viuva. Boa Vista ; variolas.
Jose" Francisco da Costa, preto, Africa, 80 an-
nos, viuvo, Santo Antonio ; velhice.
Alexandrina, branca, Pernambuco, 2 annos, Uoa
Visla ; asthma
Henrique, branca, Pernambuco, 7 mezes, banto
Antonio ; eclampsia. ..
Xnlin, branco. Franca, 4 >' annos, casado, Recite,
oougestao pulimmar. nmK
Josepha Maria da Conreifto, parda, Pernambu-
co, 20 annos, casada, (Iraca ; pa to.
Jos6 de llarros Silva, branco, Pernambuco, 1"
annos, Boa Vista ; bexigas
Alfredo, branco, Pernambuco, 7 dias, b. Jose .
tetano. ,
Fraocisca da; Chagas Pnma, parda, ignora-se a
naturalidado, 28 annos, Santo Antonio ; diathesc
Joaquina, preta, escrava, Pernambuco, 22 annos
solteira, "ir.ica ; congestio cerebral.
Antonio Francisco de Paula, pardo, Pernambu-
co, 8 annos, S. Jos? ; variolas.
'cdro, pardo, Pernambuco, 8 mezes,
hepatite aguda.
**<*Gomas & C, que sc dera nestasebsao.
' l.eu-see fi assign ido t.unbem.n ae
feri*) soor044MitV^(is one peudiam d
ile Manocl Dias dMfl
S8p Praucisco Xavier ?erejr;i da
jn.GAMKNTOS
d*e Meilo,
.res da
ao pdde
pedido
seoteo
pOJe ser pro-
em s*>corro do offendi 1
da-se jnsfcimonio o c'mir
e que se ve vkdenuv
s d-ifensores, os qua
e a casa, tocam-llie fi
iram-se, sem forma nom
radores do nob re do Dr. Mir
rem-lhe os restos dos seus ja t
04#n>^,lHfcNlKMr'>irBig'j e que-oa* sio os maien
r.ino, p-irque o do viseira deseobertt.
uida polos,
do fe.u
ftpn-
Imenta-
os dias.
in ant,a frftuna, destes nao se serve tanio
Hies qae ostentanJo-se extra
desoi
nd
r
anl
ose|
commJrTf^
ia de -
Hois oSilva,
Mil oiie -do :
es ile3riqaeidca & r- nor sen so-
pal gereiufrffenriqiie Qnam?, appellado
Augusto Kruss.
h I'4tBpxikitt| miJB|f'%signAi S. Kxc o Sr. con-
selBofrl |Jbsilen(iC#|Jinei^ dia util pa.ra o jnl-
gamento dos seguintesfeitos :
~ Appcltantc Antonto JoaqirhndaSdra Srito, ap-
pellado Jute Cvpriano do Araujo ; ajjpelUnto Joa-
i|uim Francisco da Gosta, anpellados Jacob Cahd,
Imjo seus herdeiros. -,
Vor nao ter si-1 r apn^entado em mesa, deixoa
de ser propusto o feilo entre partes-appellante
Joan de Olivrfra Lefte'eSouza. appellado Antonio
Jo*c da Silva Xaja,.o quaj conliniia adiadp.
r.VSSACFM.
Do Sr desembargador Heis e Silva ao Sr. de--
emlutrgador Silva (Juimarao;. -AppeHanteembar-
gantoW. G. Fennelv.appelladosembargados os ad-
ministradores da niasia fallida de Fernando Sicpple
da Silva.
AGGIATOS.
Jnizo especial do commcreio. -- Aggravante
Jose /.ntunes Gnimaraes, asgravidos Isidore Bas-
tes & C.; aggravante Jose Joaquim da Costa
Maia, aggravadu Keller A; C.
PnOTKSTOS OK 1.ETRAS.
0 escrivao Albuquerque registrou o ultima, pro-
t;st(i de letlra a 2 do corrento mez, sob o n
1 932 ; co escrivao Alves de Brito a 30 dopassado,
sob a n. 9M\. ,
Encerrou-sc a scssao a 'i bora da tarde.
Recife
SE-SaO DE 7 DE OUTl'ttlU) DE 1873.
R85IDB.MCIA BO V.X-A. Sjj. C'NSEI.IIEIRO CAET.Ot >
SANTIAGO.
Stcrtl'trio Dr. I'irgMo tV.'/io.
\ 10 horas da man'oa, pfescntes os Srs. dos-
jmbaraadores Doria, procuranar da eorda. Do-
min"u.-s Silva, Hegueira t/)sta, Araujo Jorge e
Neiv.. f.illaudo com causa os Srs d-sembargaJo-
r&s b'uren-o Santiago e Almeida Albaluerquo,
abrio-se a sessio.
T"
II)-
JIS,
Joa |uim Jose do
da Silva. -Despre-
la E-cada, Joa-o Paptisla de Santa Anna espancou
t ivemente a Felix Jose de Farias, no dia 28 de
le Sobral, e at] liir I'.igi lo, ao ser capturado em 21
1 > mez (iroxi no lindo por Joaquim Jose do Lima
l.inior, a es'e ferio gravemeate com uma facada,
- riulo preso cm fj.igranie.
Rum principle. -Em M do mez ultimo n
menor He culani'de tal, HI ho de Francisco Mi-
.i Mil, ferio gravamente con um tiro de clavinote
a menor Maria Magdalcna de Jesus, no.i suburbios
da villa de Bezerros. F.ii jnlgado casual o Rrto,
mas o menor .delinqucnlo teve c cuidado do cva-
lir-se.
Epaneauicnto. Xo 3." distrielo do termo
da "
s'tombro (in 1 > ; I >i proso em flagrant".
Monaieidio -Em terras dositin Araoro,do
distriotn acima citadn, Jo.io Ferreira I i ditrt mez, a-sassinou com um tiro de espingar-
.la a Manoel Pintado e evadio-se.
Cxime ilita^a. -- Terminou
honiem o exame de h:il)ilita*io las candidate ao
pnifesaorato public.] pnmario do kxa feminino, *
|-.ie se proredia pcrante .i directorii geral da ins-
triicg.io pnhli :a.
CiracB irui.iali.-Os Srs. subdelegados e
fiscaes devoni emprcgar a sua vigilancia para os
meninos e mo o |ues (pie passara a malot partc dos
lias a jiigar dinbeiro nas runs dosta eidade, com o
rnaior desfacamenio possivel, com especjalldade
na travessa do Marquez do Recife, em San\n An
-lonio e em diversos pontos oa illta do Sere, luga
r3 onJe quasi sompra termina o jogo em desa-
vencas".
B,~ntcria. A que se acna a vends e a 69." a
fiencneio do collogio dos orphaos e orphas, a qual
se exir;ihir,i no dia II.
L,eila<.Ho:e offectua o agmle Martins as 11
'horas cio dia o leilao de quairo vaccas eom cria*,
sendo dnas farinas e um cavallo para sella mi
.arro, em frentu aj armazem da rua do Impera
l-.r n. 48.
Suutd Casa. Pessoal do enlermos e edu-
eandos que uxistiam em 30 de sjlembro no:' esta-
beleeinientos a cargo di Sauta Casa de Miseri-
cordia :
Hospital Pedro 1(316, filhos de enfermos 11,
hospital dos Lazaros 41, hospicio de alienados 88,
i-ollegio dos orpliaos 93, dito das orphas 157, asylo
le mendicidide (.i-'i, casa dos cKpot-tos 92, expos-
es em cnacao 76.-Total 971.
Casa de detencao.Moviinento do da
t> de outubro de 1873 :
Existi.im presos 311, entraram 7, sahiram II,
existem 337.
A saber :
Xacionaes 253, mulheres 9, estrangeiros 40,
.scravos 42, esiravas J Total 337.
Alimentados a ensta dos cofros publicos 271.
Movimeato da enfermaria do dia 6 de onlnbro
to 1873 :
Tiveram baixa :
lose Antonio de Souza Accioli, rheumatismo.
SebasliSo Fdippi Nery, idem.
Jose, escrava, sentenciado, ind gestao.
Tiveram ;.lta :
Saturnino Leife da Silva.
losS RodrigLies da Silva.
Roberto, escravo de Maria de Souza Leao.
Ceruitcrij pablico. Obitoario do dia i
do corrente :
Liberate Jose de Souza, pardo, Pernambuco, 17
annos, soltciro, Recife, maritimo ; tuberculos pul-
monares.
Jo.-*i Vigario, preto, Pernambnco, 23 annos, rrii-
:itar, B.ia Vista; bexigas.
Maria, parda, Perpambnco,-!t annos, Santo An-
tonio febre intermitente.
Francisco Joaqnim Goncalves, pnrclo, Pernam-
buco, 60 annos, viuvo, Boa Vista, hospital Pedro
II; ignora-se a molestia. '
.Maria,,parda, Pernambuco, 6 dias, Santo Anto
nio; cspasmo.
Jo id escravo, pardo, Pernambuco, 2 annos Boa
Vista-; bexigas.
Maria, parda, Pernambuco, 40 dias, S. Jose ;
diarrhea.
Maria da Couieieao do Espirito Sanlo, parda,
Pernambuco, 48 annos, viuva. Boa Vista, hospital
Pedro II, seirrpse hepatite.
Ma.noel JcSo, preto, Africa, 70 annos, Boa Vista,
bcjpttal Pec'ro II; cachexia paludisa.
FranciJco Msitlmo.Ferreira, branco, Pernambu-
co, 63 anno?, casado. Boa Vista ; tubercalos pul-
its.
I an,i, escrava, Peniairbico, 40 annos,
yMfnas Gsraes,'60 an'tfls,
scrava, Peniamb-ico, 30 annos,
riita; bexigas.
frica, 60 innos solteiro.
Santo '
Em ;!nbaC'), I mez, Boa Vi<-
ta; tmigas.
Weaceslii), pardo, PerntimbJCO;, 48 horas. San-
Gomes
Snares Gui-
Silva ao Sr.
de
Manoel
Coinparecendo em seguida os Srs. Drs. juizes de
direilo Tliomaz llenriques, Quiniim de Miranda c
Sebastian Lacerda, coiivocados iiehi Exm. br.con
selheiro president^, aC n de p d rem ser jnlgados
algaos procoisos, atlenlo o impedimento d
desembarg-idoras, d'eram se os seguintes
julc.aventh;.
Habeas corpus.
Paciente Luiz Antonio do Xascimento e outro.-
Concedeu-se ordeui para o dia U d) corrente.
Appellaroes crimes.
Pc r,M-an!iun~-.-Appellant.e Zacarias Jose Te-
0 ,rlo,"appclIada a jusuca. -A novo jury
DeAlag'ia Grande ApBe'lante Manoel Antonio
da Silva, appellaJi a juslca. A novo Jury.
Do Recife. "'Appellant? g jaho, appeirado Pelro-
niilo Cincio do Xascim'.-nto.-Iiiiprocedeute
De Campina. --Appellanloo j'i'zo, appellado Jose
M.-m 1-,'s.da Siva.-A no'ojuiy.
Do Buique.Appellanle o juizo: appellado
racio, escravo. A novo jury.
Appellacoes civ
Do Cajnaragibv. Anoellante
Alvim, appellado Jose Cyriaco
zados os embargos.
Do llonito. Appellanle Francisco Pio da Silva
ValMiea, appellada I). Josepha Joaquina Bezerra
de Me'llo Heceberam os embargos para-anullar
toda a ace/io e exccuc-io pela iucompetciicia do
iuizo.
PASJAGENS.
Do Sr. desembargador t'ori.i ao Sr. desctnoar
gador Domingues Silva :
Do Recife.Appellanle Joao Antonio
tiuimaracs, appellados Joa
maraes e outro. '
D'Agna Preta.-Appellante lose Laetano ae Uu-
veira, appellado Sebasiiao Alves da Silva.
Ao Sr. desembargador llegueira Costa :
DeTamboril.-Appellanle Antonio Barrozo \a-
lonte, appellado Joaqnim Pires Xunes.
Do Sr. desembargador D miingues :
desembargador Rig'ieira Costa :
Do Acaracu.-Apnellante Jeronymo Bezerra
Arauj \ appellado Jose Vicente Monleiro.
Do jurv de Porlo Calve.Appellante
Amaro do Xascimcnt1, appellada a justiga.
Do Recife. -Appellantes Jeronymo Augusto Pei-
xoto e oulros, appellado Dr Innocencfa Seralico
de Assis Carvalho.
Do Sr. desembargador Regueira Costa ao Sr
lesembargador Araujo Jorge:
Appellacoes crimes.
Appollante Felippe de Moura Rolim, appellada a
justiea : appellanle Miguel Martins dos Santos, ap-
pellado Vicenie Correa da Silva.
Appellacoes civeis.
Appellante Vicenie Ferreira Padillia Calum'oi,
appellado Sezinando Sergio dos Sanlos c oulros ;
appellanle a irmandade daCongregaciio, appellado
Bernardino Lopes do Oliveira .
Do Sr. desembargad.n- Araujo Jorge ao
embargador Xeiva .
l)o Recife.-Appellante I'elro Victor Biletreau,
appellado o preto Joe, porseu curador.
Emliai gos int'ring"ines.
Embargante Antonio de Souza Bras, embargado
Jose Alves Baiboza.
Do Sr. desembargador Xeiva ao Sr. desembar-
gador Lourenfo Santiago :
Do jury do Sabooiro.-Appellante Antonio va-
leriano de Alencar, appellada a justiea.
Do Pilar.Appellants Jose Francisco dos San-
tos, appellada a justiea.
Do Recife.-Appellante o prelo Antonio, por
seu curador, appellado Joaquim Jose de Oliveira.
Oiligencia civel.
Ao Sr. desembargador procurador da coroa :
Do Recife.Appellante Dr. Luiz Rocrigues \\\
lares, appellados Francisco da Cunha Machado
Pedrosa e oulros.
0 confliclo do jurisdicao entre os juizes muni-
cipaes das icrm >s da E>cada e Victoria.
Ao Sr. Dr. curador geral:
Do Recife. -Appellanle o menor Manoel Felicia-
n,o por seu tutor, appellado Miguel Jose Barbosa
Guimaraes
Assignon-se dia para julgamento doe feilos
seguintes:
Appellacoes civeis.
Do Recife.Appellante Jose Antonio Moreira
Dias, appellado Dr. Rufino Augusto de Almeida.
Do Cabo.-Appellan'.es Manoel Ignacio de Al-
buquerque Maran ao e oulros, appellados .Manoel,
Ignacio, Laurenlino e outros.
Appellacoes crimes.
De Barreiros.Appellanle o jnizo, appellado Ma-
noel do Espirito Santo da Silva Caramba.
De Maria Pereira.-Appellante Lute Jose Vieira,
appellado Joao vieira da Silva.
Do Brejo.Appellanle o jnizo, appeliada Umbe-
liaa Calharina de Senna ; appellante o juizo, ap-
pellado o menor Joao Baptista
' Dl&TniBL'igOES.
Recurso crime.
Ao Sr. daeembargador Domingues Silva :
Do Becife. Rec.orrente Joao Josd da Silva, re-
corrido Jovin'o lose de Mello.
Appellacao civel.
Ao Sr. desembargador Araujo Jorge :
Da lmperatru.=Appellanto o juizo, appellado
Caspar da Costa, escravo.
Encerrou-se a sessao as 11 horas e 3 quartos.
PAfffOOifflCl
i.tiiTii> <; RECIFE, 8 DE Oi:Ti:B!\0 DE 187-1.
HOSl'lTAL DJS LOL'COS.
Esta a causar um vivo encon.nojo ^os escrip-
lore;) da Provincia a obra moiiu.uental do projtc-
la lo hopicio. 0 presidente pole perpetuar^eu
it.,nic e.mi esse publico docu-iiculo de caridade e
devor social; e por (anto co.'iveui a todo transe
oppor-Iiie os miis dese^perados obsticulos.
O.s pivviwiaujs le n encarado o assumpto por
todos o> lados da logalid.ide, das convoniencias so-
ciaes e da opportunid.ule.
P^lo lado d.i logaliJade, o presiJenle exorbita de
suas atliibuii;oes, viula a proprieJade individual,
usurpa uma attribnicao. da assembled provincial,
oiiioictie um aitenuJo oonira a inviolabilidade da
propricdade etc. etc.
Qacm liver proscqeiado semelliante escaaceo
lalvcz se lonha pcr.siuli lo de que algujn cldadiu
esta seilo pciseguido on violentalo, e i|ue,_implo-
rando a pioteceib da lei, e.-la Hie e denegada pelo
presidente da 'provincia; mas e cxactamente o
conlrano. porque o cida ao de cuja propriedade j
se trata'e o primeiw e o mais^intera-saiilo cm ?f-1
fe:luar a trausfere:ioia do si'vUH pro>rieJ.ide ;_e
o primeiro, a laiviontar a,pjoiijao que 09 jnvoiH
ciano* ofierecem a real ac/w desie negocid, c de
bom gralo Hies dispeusaria a (also z5lo de que se
moslram possuiios em seu f.ivor.
Com eHeito islo e que e fazer violeneia a ou-
treoi, quereodo proslar Hie um beneficio coiis-
liaogido!
Tun se dito a esses sonhores da 1'iovincia, que
o Dr. Miranda mesmo; e quo veio voluntariamente
offerecer a venda o seu silio.iiara a ediftcaoao do
asylo, e | ie elle mesmo con^in'.'ia no empenlio da
Ttetiatfau da mesma venda ; eniivtunto contimia
a censura dos im;)lacaveis adversarios, os quaes
bazeam-so nos seguintes fundam.'ntjs ;
1, que a desapropriacao do terreno on sitio
para a fuiila;ao d) umi MSA pia uu de soccorro. -
public, seat ser autorisada por lei provincial,-era|opposicao.^a^mavontade_daquelie
uma manifesta illegahdade. '
Tem se mostead i a uo i isto u na falla de boa fe
na argumentacao, pois que pa se tracta do caso
le desapropri.u.ai, de que se occupa a lei, des-
propriacao forcada por causa de utilidade o'ujie-
cessidade publica, mas sin di desapropriacao vo-
luuiaria, quo do modi alp im contrata o direito
do propriedade, e antes maia oconfinna e consa
gra.
Como. pois viola o presidents 0 preceito da lei e
exorbiia de suas allribuic/es, contraclando ami-
gavelmente com o pronri.Iario, quo voluntaria-
mento renuneia o sen. direilo. mediaute condiqoes
previamente estipuladas ?
Evidentemenle a desapropriaea) 6" omi excep-
.:ii ,i plenitude do direito de propriedade consa-
grads pela constituicso, como uma medida tercsse geral e de ordem pnbbca.
A desapropriaQHo dosse direilo ptosnppde, no es-
irilo da lei, a opposiQ.io on a resislencia eobsti-
Esse primeiro-fundamonto, pois,.da censura so
lire o projecto !> asylo nao tem razao He ser, e
nem meraetas. speifao esfargd de uma gaer-
ra desabrida, impl ic.ivel, pon|nanto tudo isso nao
pasta do argucias dos mtinoianos, quanto a le-
^alidade o o niodo regui ,r iril*le da sitio do Sanl'Aiqpfll.aobrc cuja inviola-
bilidade ^B>rabsolutamenie falso, quehouvesse
qualqiieratJOiilado. J .
2. fundainento -qua a crea^o do uma obra
de t.io longo*folego e tio dispendiisa sra, nas
penosas circomstancias ernqoe sc acha a provin-
cia, inionveniente. >
Este segundo tundamento e igualmeate caviloso,
por que nao se traia de-levar instanianeainente
ao cabo a piedosa empreza, e siin de imprimir-he
o primeiro impulso com os generosos soccorros ja
accumnlados, o que a caridade das almas bemfa-
xejas tera de ir-acfesoeinan do grande monuinculo de honra e de dever pu-
blico.
Nao imports, com elleito, que a provincia se
ache esmagada do divida excessiva. que a mao
da inoprevidencia tew feito pezar sobre as nossas
cabecas, pois que o auxilio da Providencia quo
a in para o iraballw perseveranto da bemfeitora ad-
ministraciio na de fazer brolar, como a %%ira do
propuela, a agua do dejerto. 0 obolo dacaridado,
quo enxnga as lagrimas dos desgra;adijs e recolhe
an hospicio da bencficencia os mais desventurosos
dos nossos coneidaJ.vs, desperia nm novo e mais
vigoroso cstimulo para a prosneridade da patria e
para as lutas eenarosas de melhor futuro de fra-
ternidade e de amor.
Caiua lastima que bomens qae se orgnlham de
sor christaos estojam a fazer as mais grosseiras
zombarias com oque ha demais nobre uesle mini-
do, aconselhando os empregados da seeretaria a
percorrerem as lojas e tavernas, revestidos da opas
e munidos de granlcs salvas, a esmolarem para o
asylo de S. Exc. e semelhanles picardias, so pro-
prias de impios c degdnerados !
3.* fundainento -qijp naj era exacto qae es-a
obra monumental losse a custa do obolo da earl -
dade particular, como o iacalcavam o presidente
da orovin.Ia e os seus defensores.
E'publico enotorio que caJa dia coniorre o
sentimento publico da beneficeneia com avultadas
sommas por u.n lado, e proporcionalmento o patri-
nuuio das pe.-soas menos abastadas com as suas
generosas offerias para a caridosissipia empreza ;
e se o presi lento da provincia tem pr.icurado, com
inexceuivel zelo c solicilale, o aaxilio do palrimo
nio dos orphans, e q'le elle project! sup?riores
eompensacocs pira os incsmos orphaos, cuja sortc
trata de melhorar, toraando-os cidadaos uteis a si
e a patria.
Que grande crime lambent recorrer o presiden-
te a um pe^ueno emprestimo dos cofros da santa
casa, que tem de ser restituido sera gravame e des-
falque, lanlo mais iiiianto trata so de reparlir, se.r.
offeu-a de nenliumadessas classes desfavjrecidas,
o pao do espirito como > pao do corpo !
A que. extremos nao e c.ipaz de arrastar o es-
pirito das trevas na blia iccessante e desesperada
contra o Espiritj do Bom ?
Prosiga o honrado pernambuco no a senda de
gluiia h-.minosa c proficaa que vai trilhando, c a
pairia agrado-cida Win lira seu nome.
PllA.NTASMAliOfliA.
Sobre o titalo-luta de candidates, -figura a
ch onica da Pruvincia nm antagonisrao culre o
Srs. visconde de Cam.iragibe,' Maaoel Portella e
commcjidadir Lqcena, cala um por sua parte a
apresentar aeiatotamenle seus can liTatos a as-
seinblea provincial.
0 nosso honr.idi amigo o Sr. Dr. J >5o Barbalho
i o pomo da disctiidia, ijpe os pr.winciunos des-
cobriram em suas I aubracoes politicas.
E'justo que desvanogamos as nrejccup3Soes
dos redaclores da Pr. oincia, asscgurando-lhes
que nem o nosso dis;iucio amigo o Sr. Dr. Portel-
la e monos o Sr. visconde de Camaragibe_ se rc-
cusana.n a prestar o seu asscntimento a lao sym-
pathica candidatur.i.
0 muilo benrado Sr. .iicondc de Camaragibe c
o primeiro a reconhecer as qualidadcs que ornam
o Sr. Dr. Joao Barbalho, e nao sera ccrtamente por
senhor que o
nosso amigo deixra de ser eleito.
0 mexerico de achar-se o Sr. seiuMr Alvaro
Barbalho subrogado aqui na provincilTOn certos
d'.reilos do Sr. conselheiro Joao Alfredo nio passa
de uma trica poquenina e rilicula para alimen'ar
o espirito furlf daqaeltes que, nao tendoas-sumpt
Vivom entre-
Triltiinal do conaitiercio.
SESSAO JUDiaARLA EM 6 DE OUTUBRO
DE 1873.
PRBSIDE.NC1A DO EXM. SR. CONSELHEino ANSFXMf
FBAfietsCo PERrrri.
Sttretarh interhto, o oflltial Totrrs.
Ae moid dia e JO minalos, rennidos osSrs. des-
euibargadores Silva Gnimaraes. e Accioli, e os
depatados Olinlo Basto=, Lopes Machado, a sup-
plentes Sa LeiUo e Guerra, faltando e^Hurticipa
eao o Sr. desembargador Reis e S^^H g[c-
Sr conselheiro presidente abrio a smt
Foi lida e approvada a acta da sesafo de *,
setido rectiflcado na pane em que deu como teade
sido lido e assignado o aecordao ultiinauoa-
le proferido no feito entre paries HP*
Iante Antonio 'J.e de Oliveira, appellados Braga
pirn
nacao do proprielario em abrir mao do mesmo di-
reito, reputado tAo sagradc, que o legidador en-
tenden nio dcve-lo conflar a discri^ao do execu
tivo, antes que reconhecida fosse a utilidade ou
necessidade do sua rralisarao.
EITeciivamenlo a verificacao Ja utilidade publica
que delermina a desapropriacao lem de ser apre-
c.ada, reconhecida e decretada pelo poder legisla-
tive ; mas com o fim exclusivo de collocar o direito
de propriedade ao abrigo da prepotencia e do ca-
pricho do poder executivo.
Si se po"lesse conceder que o cidadao jamais
sa recusaria a contratar amigavelmentc com o
governo a cessao de seus iireilos, desde que pelo
mesmo governo Hies fosse: n estes requcridos, aex-
istencia de uma lei de dc-apropriaeao por utilida-
de publica perderia toda i rasiio de ser, uma vez
que nao houvesse. violeacias a previnir, on di-
re itcs a defender.
Tida a argumentacao do* adversarios assenta
sobre uma hypothese grituita, qual >em a ser a
violacao'de um direito, que nao soffre violencia
alguma, e antes 6 perfeitamente garantido o res-
peitado.
Por todos os poros trapspiram os eslimulos adver-
sos dos redactores da I'moincia pa sophisiica ar-
gumentacao, que nos oppoemem.stu incrivelfre-
nesi conira a oxoeu,ao lt> piedoso raonumento.
Sabein os provinciands que a projectada em-
proza nao tem de ser rerlisada acusta dos cofres
da provincia, e antes pelos donat.iVos dos parlicu
lares e pelo obolo da caridade pnblica ; pois bem:
como o respindem entao a essa consideracao ?
Qiio pouco Hies importa a cusla de quem 6
feita a obra, pur qnanto o qae a lei quiz foi ga-
raniir a propriedade individual, e por isso deler-
rainou os casos do dasapropriaeio e a pessoa com-
petente para verilicar a utilidade .
O.-a, desde que a propriedade do cidadao nao
corre o mais leve perigo, e antes esta plenamenle
garantida, "m qae seacna sopbismada a lei, ou
illudida. a sua execucao ?
Em que nsurpa o presideule as aUribui;des da
assemblea provincial r Era que destroe a garantia
da propriedade individu: 1?
i.ausa ate riso esse falso zelo, do que se
tomam os redactores di. Provincia, defendenda
um direito que nunca sc achou aiacado, e cajo
proprielario porfeiiaroon edespensa osermao que
nao Ihes foi encommendido.
Dizem mais os redactores d^Provi^cia : Por
venlura o jnizo da assemblea provincial nao sera
una melhor- garaatia da propriedade individual,
quando so iratajde arracca-la ao seu dono?-----o
Mas qual 6 a propr.odaie arraiicciM ao sen
dono ? Isto uma cavilafao-
Tem-se dito a esses discolos que, tratando o
presidente da escollm do nm silio para a. coll cacao
do asylo, apparoceu o It. Miranda offereceode a
sua uropriedade, aonw a,que reunia as oondicoes
hygienicas mais propjcias,,e o presideate, com o
mais louvavel empenho, tral u 4e promover ami-
gavelmente a acquit-igaj da mesma propriedade.
Onde esta, ppis,-aqui-o aUootade e a viglancia de
invadir a propriedade a heia, e- derrubar matps
sle ele. ?
Que vantafein haiafci; omsas) iwvecsiwas e falsi-
dades contra o booeatissimo admmistrador, enjos
sentimeutos de sineero {atriotismo e sievada can
lado Ho cada dia mais oalando nospirito e Da
conscieneia de todos os nossos comprovineianos?
Quo decencia.ha abi neises reraoipies. e. aointoi
mjuria> co ur.i o VM-lnosii mancebo, qtw, cm-.idade
lio pouco .KliiKitada, en irega-se.e o*rpo e alma
4m fnerivol abnoga^ao'-' as arduos. trabalhos da
ndiqibUirafaoalestadterfl ica flrovmci a i
Si o presidenw proliadosso dwpejar do saa
(jsopriedade o senhorio qm se raoasasseaeader
ispootaneamente, media ate indomnisacao, a dita
propriedade, razao teriam os alicantlne'iros para
Sorio para occuparera a aua penna,
lidos com S3melhantes enredinbos.
0 qne nos parece digno de mencionar e que,
oor uma graciosa eoincjdancia, a clironica da
Provincia incumbio-se, por si mesma, de dar o
devido valor ao mexerico, accroscentaudo logo
abate) do titulo Luta de candid i'os outro titu-
lo bem signilicaiivo do valor e inerecimonlo da
tal historieta, nesles termos-iV'io fan forlunn.
Com effeito, nao faz fortuna essa liistorasmha.
Ate nisto sao desizados os novelleiros. que pela
njopria bocca desmeutem'o quo afflrmam. Eilcs
mesmos engendram os seus contos, para lgo re-
conhecerem -que ndofazem fortuna. E' de bem
que o reconhegam.
Ifontem e hoje. Nao aproveita a argumentacao
da Provincia sobre os empregados publicos. Nao
importa que os adversarios exercam empregos du
governo ; o que e.necessario e que nao se sirvam
d'elles como meio do crear difBculdadus e despres-
ligio ao mesmo governo.
A auloridade tem direilo ao acalamento e res-
ptito dos seus subordinados.
E tanto nay sc cntende qae os adversaries dj
governo nao devom ser excluidcs dos cargos pu-
blicos, que muitos ani estao conservadus, e ateuo-
'meados pelo actual governo. 0 Sr. inspector da
alfaudega, que estava retirado do funccioualismo'
foi a elle restituido pelo mioisterio de 7 ie margo
Nao serve, pois, de exemplo o qae aconteceu
com alguus opposicionistas, que foram conservados
no tempo da lia-i. Muitos conervaram-se fora
das lulas, e outros, si tomaram pane activa nellas,
si foram conservados, nada importa. Nio quize-
ram, ou nao poderam demilli-los.
Enlrelauto seria. bora nao esquecer os que foram
demittidos, por serem adversarios da liga ; e bora
nao esquecor qae os deputados provinciaes qoe
davam voto contra o presidente, quando cbegavam
a casa, ja alii acliavam a coramnnicacAo da do-
missao ; e bom nao esquecer a doraissao do Sr.
Dr. Portella pelo simples facto de ter sido candi-
date era concurrencia com o candidate do governo
na eleicao do um deputado pelo terceiro districto.
isto nos dispensara de fazer a estatutica dos de-
inillidos.
Portanto a opiniao que hoje emitlimas e a mes-
ma que adoptou a liga durante o seu domiuio.
0 Sr. Buarque bem o sabe. A diffcrenca, pois,
esta em que o governo actual ainda nao fez do-
missoes politicas, nem as fara, em quanto as poder
evitar.
Naoiexaclo. NaJa foi resolvido entre os con-
servadores, sobre quem deva ser o futuro presi-
dente da assemblea provincial.
0 distincio Sr. Dr. Ferreira de Aguiar em nada
desmereceu do conceito em que o tem o seupar-
tido, nem contra elle se prepara a substituicao do
cargo de conflanca que mereceu em quatro annos
aos seus collegas da assemblea provincial, e o qual
oxercen com honra e dignidade.
Dada a sua reeleicao, uinguem duviiara em
mantel o naposica- que occupa na assemblea.
Nao pegara estas intriguinhas sem criterio, que
a Propjftcw procura estabelecer entre o mesmo
Sr. Dr.Aguiar e o^hoarado Sr. Dr. Portella. Am-
bos sio dous eoaservadores disiinctos, que sabem
p* acima de ninharias os altos inleresses do seu
partido. ;
Quanto. ao desre^ramento que atlribue a passada
assemblea e as patou.s eseaadalos de que falla,indi:
que-oi.i nio (bta as cousas vagamente. Essa as-
semblea, como todasas que lemos two, teria coaj.
nwttido erros ; ipas e incontestavel qne servio
muito aos'inleresses publicos. Demonslre o con-
^rario^Proiinwa.
k M I" .l.ll-MJk '
V LssiAo.
IV
I Mjiiio-adianUda Y*i.a.Uniao em sua propagan-
da jeawtieayawiandoilacas ao deis, ser-vindo-se
de sna boa fe e de sua pia crenca, para em
none ds.Dous. sojeiU-ios sA^ugo da satanaz, de
so.
. Uis4osay.par oerto* eao pio cbnstao crer, maxi-
me estsfldo.desjpawnid-ii que baja uma ordem de
iiapiens da lanta bypocrijia que, nsando do none
de Christo, tenna fins tao sinistros, de uma missao
infernal. Considerem, pore"m, qne Christo e soa
satan
mes c terriveis defensores' de Christo, para mere-
cerem a conOaaca dos fleis, irazom a sua igreja a
desordem, a canfnsio; derramam a pertnrbacio,
o odio, a bilis .la'sen ffiror, nos espiritos mais cal-
Wm ; calummam a moral praiica e a doutrina de
Jesus Christo,!!, ainda em seu nome, fazem-se des-
potas, e despolas sem limiles, ale a fogueira.
Nao se entregue, pois, o leitor de corpo e alma
a Uniao, por quo ella diz qae defeade a Christo e
a sua igreja ; por que, se por ventnra ella nio e
aquillo qae nos outros della dizemos, bem pode
so lo; porque sc os inimigos de Christo o quizes-
sera corabater por raeio da bypoorisia, nao toma-
riara outras veslcs, oatra viseira, outras manei-
ras.
Nio sc fiem, pois, nem no qae nos outros dize-
mos, nem tao pouco no que ella affirma e dis-
corre.
Attendarn, examinem e comparem de uma e ou-
tra parte, e se discorrerem sem preconceito nem
jaizo antecipado, conhecerao a vcrdade inteira e
pura.
Considere o leitor que a questao qne de presen-
te se debate e de uma alia, da mais alia iransce-
dencia para o chrislao, para o Brasil, para todo o
mundo calholico, para qne, cego pela sua boa fe,
nao so deixe arrastar pela para connaca cm uma
das partc s.
Nio tomemos em pouca conta as ousas s^rias,
as cousas graves, as coasas santas, para se alien-
der as coniestacoe-s, se pasar ;w razoes e os faclos,
e conse paencias allegadas de parte a parte.
Era m.iteria religlesa so impera a fe, e uma ver-
dade; a'.teada-se, porem, que e sopbismando a
applicacao deste principio quo se pode perturbar
e confundir tolas as sas o claras ideias. 0 hypo-
crila, eobriudo-se com as vestes sagradas e 6ngin
do todos os actos de piedale, nao pode, por ventn-
ra, dizer que e materia religiasa tudo o que Ihe
faz conta, para impor-se sem exame as conscien-
cias dos iieis sob a fc de saa simples palavra 1
Custa-vos a crer quo os jesuilas possam ser hy-
pocrites, que aquelle illustre varao que esta cons-
lilnido a frente da igreja pernambneana possa
mentir ou errar, que o papa, comoinfallivel, possa
com elles e lodos ellos juntos ter outros interesses
alem dos interesses da vera igreja de Jesus
Christo.
. Nao fii, porem, o papa rei, contra os preceitos
do Jesus Christo ?
Xiio disse Jesus a Sat mas, quando tentando, Hie
offereceu os reinos de terra. K naz
Nao disse a um dos apostolos-o meti reino nao
6 dcslc mundo ?
Xio disse a um dopovo -dai a Cesar o que tr.de
Cesar c a Deus o que e de Deus S
E nao obslantc nao chora e clama o papa noite
bdia1 porque perdeuessc throno;nao invoca os no-
eres eos reis da terra para quo restaurem s'u lliro-
no? nio in^tiga o clero a conspiiacao em favor dos
pretendentes do direito diviao decahidos, para que,
estes reslaurados restauiviu tambem o seu throno ?
Xao diz aos uobres que o eomprinaenlam no dia
de anno bom Jesus ClirUto annu a nobreza,
tambem quiz na-cer nobre 1 Jesus Christo que
amoa igualmenU! a todos, qu caudemnou toda a
granleza, que faz da haniildado uma Uio grande
virtude; que dizj qae como Elle, quo veio enviado
por seu pai para servir, e nSo para ser srvido, o
que exerce o cargo entre os coriftios, serve, mas
nao c servido, como entre os paglos, os reis" e os
poderosos da terra ? Jesus Christo nobre, Elle
quo nasceu era uma estribaria, de m5i tao burail-
de, qi*e linha desposado a um pobro carpinteiro 1
E no tempo da raaior piedade, quando a igreja
oa .antes o papa governava os reis, e os jesuilas a
todos, nao accendiM-ara em nome da igreja a fo-
gueira da inquisicao ? "_ .
Nao destribuio o papa dominies, e thronos, nSo
desligou os povos de seus juramentps a seus sobe*
ratios, naoinslizoa .i tevolia, a> derramamenio de
sangue, a guerra a lodas as desgraeas que della
resnltam ?
Nao podem, pois,merecer fe em tudo a palavras
dos ministros da igreja, por mais alia calbegoria
cm que estej.ira, para se crer que elles so se oc-
cupam Jas cousas do ceu, d i que faz objecto de
sua missio. Pelo contrario quando isto tao cy-
nicomente alBrmam, em contrario aos faclos tao
repetidos de sua ingeroncia nas cousas do governo
civil, quando assim aoirmara so dao prova de sua
ma fe e de que em cousa alguma podem ser cridos
sem exame.
E esle exame eonsisle so nisto : se o que e'les
fazem e dizem e maxime no tempo presente, per-
tencea Deus oaao estado, se o seu lim, em uma
palavra, e religioso ou politico.
Quando foi que o papado se lerabrou de fazer
dogmatiea a sua infallibilidade por poucos se-
guida ?
Quando estava presles a pcrder o thwno de rei.
para com aquella arm a dar combate contra todos
os povos, p ira os qiiaes se faria esse tal throno,
esse throno sacrilege, o mais despota dos thronos.
- Infallivel o papa, para aquelles que creem que,
assim infallivel, elle sa se occupe das cousas do
ceu, esta ganha a sua causa, a sua demanda pelo
throno da terra, a sua soberania sobre ledos os
governos.
Menlindo com o mair cynismo, afirma a Uniiio
com os outros ullramonlanos e jesuilas, e rcpetin-
do a palavra do mesmo papa, que c*te nunca se
ingerio nos negocios dos governos civis; e quer
que se cra nesta proposir;ao porque elle e infal-
livel.
Se contra a verdaie dos factos nisto se ere, nada
mais temos a fazer se nao cruzar os braces,e dei-
xar qne os papas governe.n os reis; e os padres,
os jesnitas as nossas cidades, as nossas familias,
os nossos negocios ; sejam senhores dos nossos ba-
veres, de nossa liberdado, honra e vi ja, pelo con-
fisco, pela prisao, peia tortura, pela lacivia, pela
fogueira; por quanio
A crer-se que o papa nao se ingere nos ne-
gocios do governo civil, contra a evidencia dos fac-
tos, o que se da c o seguinte, como assim a estao
praticande os jesuitas.
c 0 papa e infalivel. Lego, dizem elles,
c Xao pode se intrometier, como nunca se in-
troraetteu, nos negocios da sociedade civil; porque
se o lizera, nio seria infallivel. -
t Logo tudo o quo elio dicta ou prjscreve e
dentro da esphera de saa missao, em seu desem-
penho, em bern da salvacao das almas dos fieis.
c Logo tudo aquillo qae e decretado on ensina-
do pelo papa, e infalivel verdade ; e por tanio nao
pole ser contrariado ou limitado ou restricto por
alguma potencia.lei ou poder, fuluros ou passados,
existenies ou a vir.
Assim contra a palavra do papa nio se pode
levanlar alguma barreira, diqueou muralha, e as
que existirem devem ser abalidas poles raios ful-
minados do Vaticano.
t Assim nio ha lei nem governo contra a pala-.
vra do papa, que e a palevra sempre do ceu ins-
pirada por Jesus Christo la das alturas a sen vi-
gario infalivel na terra .
Por tanio se ha lei ou governo contrarios a pa-
lavra do papa, este e seus delegados, todo3 os pa-
dres, nio fazem caso dellas nem delles, as inrrin-
gem, as despresam.
E' assim que condeurnam o beneplacito e todas
as dispo3ieoes que se opponham a lyrannia da pa-
lavra papal; porque dizem com toda a aparento
lirnapa e piedade.
< uevemos obedecer antes a Deus do que aos
homens .
Se e porem uma aieivosia, em que se basea toda
esta furiosa luta dos jesuilas era nome da igreja
de christo contra os povos, so e uma aieivosia pa
tente por factos sem conta o dizer-se que o papa
nao se intromette nos negocio- dos governos e das
sociedades civis, segue-se qoe se aen-ditarmos
nalia, cerrando nossos olhos a verdade patente, o
papa revogara todas as leis e mstituicues que qui-
zer, coodemnando todas as que garantera a liber-
dado das povos, e rednsini tod^s elles a um ira-
menso rebanho, nao deh umi Ides ovelhasde Chris-
to, mas 40 vielimas sacrificadas asatishoae ea
ciadade*de lodos os desejos-e infames epitetos. do
clero sonbor, do clero que se tornara oollulo e in-
fame qnando nio houver mais poder nem lei contra
elle, quando poder, tirmado na infalibilidade do
papa,,*vaealar todos os reis e aoveraos, e.tornar
ein despreso todas as leis nio feitas por elle.
E". o que ja seda com osyllabns.
Deixemos para outro arlig.i 0 examo destas duas
amarras da omnipolencia papal; o -cportat obedire
magit Deo quam luminibus; e
.Q papa como infalivel nunca se intrometie nos
negocios da sociedade civil.
Recife, 30 de selembro do 1673,
Af/oaso de Albuquerque Mello.
perfume i
ai'tfna que exha-
encia, eolbi-
^H>c.im;)os rfrglnaes j iuba e divesie a frnsfancia a inJ
todas guas clieiro.sa*, varece produaia
bem pouco effeito sobre a exqnisita raridade deste
aroma, a qual pertence par escellencia a esia pre-
paracio sublime 0 refrigerantc.
Ella encerra em si, por assim dizer, o condeB-
sado re.ipii o e eida das fiores aa Kais exqnisitas e
odoriferas do reino vegetal e u*fragraocia pare-
ce inexhaurivel, inesgutavel, mesmo depots do tar
sido exposUi a uma prolongada e fusao. Neste respeito ella se assamelha a original
agua da Colonia de Farina e d pfeferida por lod*
America do Snl a nas Antilhaa, nao obstanU o
valor, e custo dobrado daquello outro perfume:
COMMEBCW,
PRA^A
DO RECIFE 7 DE OUTUBBO-
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TAnD*. -
Cuta^dew ofllciucar.
Algodio do Rio Grande do Norte 91 MO por
15 kilos posto a bordo a frcte de 3ii d.
e 5 OjO, honiem.
Algodao-de Mamanguape sem mspcceao 8^tXR
por 15 kilos, honUm.
Assucar da Parahyba 1^800 por lii Kilos posto
a bordo a frele de 27p> c 6 OiO, ln.-mou?.
assucar bruto regular 10900 por 15 kilo*,
bontem
Dito -dito dito i|5 v por lb kilo, hoje.
Cambio sobre Londres a 90 d,v. i6 Ifi d. e S*
ilS d, edo baueo 26 d. por U00t>
hontem.
i^ambio sobre o Rio de Janeiro a 8 dry. Ip ir
premio, honiem.
Oesconto He letras 10 OiO ao anno, hoj-
Duoourcq
Presidents-.
Leal Seve
iecrelario
AKLXDAEliA
Ae.idimento do dia 1 a 6 .
Ii)m do dn ...
2ifc-)MXM
39:067pHOi
z85.Zi*8
Descarregam hoja 8 de outubro de t87*
Barca franceza -Santo Andre -(atracada>inen.-a,-
dorias para a!fand!ga a malerias inflam-
maveis para o trapiehe Coneeicao', p*r
despachar.
Patacho aliemao Brillnnt Otracaio) latoadV
para o trapiehe Concoicao, para despa-
char.
BriKue portuguez Recife -varios generos para o
trapiehe Coneeicao, para desparbar.
Barca porlugueza Josephina II vmlio para
deposilo no trapiehe Cunha
Pitacho ^portuguez Michuelense bigedo para o
"o trapiehe Coneeicao, para despachar.
Barca ingleza Her'mione -machinismo 0 carv.*
ja despachados para o eaes do Apnlko.
Vapor francez Mendota (esperado) varios ge-
neros e bagagens para alfaudega.
Vapor nacional Cruzeiro do Snl generos n*-
cionaes para o trapiehe da comp.inhis-
Iniporiacao.
Liverpool barca ingleza Ma id, con-.-
nada a Simpsjn & C, manifestou :
Carvao 460 toncladas, & compatiliia lio
gaz.
feSI'ACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 6 DR
OUTUBRO DE 1S73.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Linda, para Liverpool, ei -
regaram : 11. Sciunmeliau 4 C. SI8 saccas eom
I6,:l5i 1[2 kilos de algodao.
Xa barca ingUza Zingr.i, p>ra llarabui
carregaram : R. Schmmettau & C. 69 saccas coo.
1.806 kilos de algodao.
Xo vapor francez Ville de Sanlos, para t>
Havre, carregou : L. A. Siqucira 1 caixa com SO
Kilos de doce. ,
Xo navio inglez Dora, para o Cmal, carre-
garam : S. Brothers & C. 800 saccos com 60,000
kilos de assucar mascavado.
No brigue portuguez Loiiiio, para o Porto,
carregaram : M. II. Monteiro 47 saccas con?
3,493 1|2 kilos de algodao; B.. Oliveira & C. 16^
coaros espichados com 1,980 kilos.
P-ua os portos do interior.
Para o Rio de Janeiro, no navio national
Graqa, carregaranv: Amorim Irmaos & & 8W>
saeeos com 19,500 kilos oc assucar branco; i. S.
Lovo 4 Filho 1.700 ditos cora 127,300 ditoa de>
dito.
Para Alagoas, na bareaqa Btzirrut, carre-
gou : A. P. Barbosa 1 barril com 45 kilos de as-
sucar branco.
Para Aracatv. na bare ca D. Luiza, carre-
garam : A. Quintal & C. 10 barricas com otfc
kilos de assucar refiuado.
Para Mossoro, na barcaca tlamha dos Anyos,
carregou : J. A. F. Barros 3 pipas com 1,410 UttOS
de aguardenle.
L.APATAZIA DA
Readimenlo do dia 1 a 6
(de.-n do dia 7 .
ALFAXDEGA
4:658*566.
I.33U90I
5:9901406
No dia 1 a 6
VOLUMES SAH1D0S
Agua Florida de Murray A
Lanniau.
Que os poelaa erabora rotda balumea Arabia-portoD, apezar de tudo,
pode-se muito bem por em davidai se jamais. al-
gam deases aoresod^^^fcoes de canneleiras
ou laranjae3 produzfrao on derramarao incenso e
Pruneira porta uo dia 7
Jegonda porta .
Tbrceira porta _.
ri,piche Conceivao
SERVICO MARITIMO
l\j.rengas descarreiadas no trapich*
^ alfandega no dia 6
JiUs ditas no dia 7
\a\osalracadosno trap, daallandega
Alvrengas.......
Vo trapiehe Coneeicao
9,iit
140
10*
6S!
1,455
lo
17
GlsV
ilECfadiSDORIA- DE REN DAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO
^eud.^iento do dia I a 6 8:888*2"
idem do dia 7...... 774J378
9:662#6:*
CONSULADO PROVINCIAL
Asnpiucnto do dia 1 a 6
itlsm do dia 7 .
10:563423*
844J.1PS
H:44V#82ft
HSf
mmmHiQ do ratrre
Navios entrados no dia 7.
Rio de Janeiro13 dias, patacho hespanbot Ade-
laide, de 136 toneladas, capilao Jose Valdeneuo,
cquipagem 12, em lastro ; a Lovo 4 Filho.
Cardiff -31 dias, Sedwell Jane, de 188 tonjhias,
capilao Bowden equipagem 8, carga carvao ; a
Wilson Rowe 4 C.
Observacao.
Nao bouve sahidas.
TditTIk.
---------------------------------------=------;----------
- Por ordem do IMm. Sr. commandaaW D^
Pedro do Athvde I^obo Moscoso, iaspeclur da s*u-
de publica, convida-so, era virtuda da aUtonaacao
coneedida pelo Exm. St. presldenle da profincia,
em 3 do corrente, a todas as pessoas que qoixareai
exercer olug'r de vaccinador gntuHo nas iro-
gaezias do interior da provincia a apreseataraaisr
n'esu reparticio afim de obtor" eyasaactivo tiUla-
A3 pessoas que se julgarem habilltaaas o.ajaiy-
rjm prestar esse servido a hnmaoidado, fctwiu
rjquerer a esta roparticao, doenmenuudo a ana.
poticao com attesudo da camara municipal, do
juiz de direito ou outra qnalqner antorlds do
lugar onde residirenS, provando a saa iooneMao*
para o dito cargo. __
InpecaO de sadde pnbljea, em 4 de,ouiul)Co r-
1873. n
0 escrevente,
Jose Eiwtrdo de Sonza Landio*.

<
s

<
. ^L
BHaaaaaai
BaaiBaB^^^HBHH
J


I

A c sente con*Jl, UUM lufcafc axjstam
ceniilorio piHjJkfe inJatJarcm auanto antes Km-
pa-Ios e j-epajtekv, como so faz iwjtosaario a con-
aerracio, a>rfno?eamffito e decofieh do mesmo
aTdaSfilAlTX **,r0"' promplos a('> Q **
ttaco-di cainara municipal, do Recife, 3 de on-
turn de I87.*l.
.farcoel Joaquim do Rego e Albuquerque,
President*.
lAMro'de Albu.juero.ue Autran,
Secretario.
G.Ur. Luiz Ferreira JMaeiol Pinheiro, juiz
swtotkulo do juizo especial do eomrncrcio
siesta nd.ide do Recife, capital da provin-
cia de IVnarnbuco, po:- Sua Magestade o
Iinperudor, que Dons guaivle, etc.
Fa saber aos oeuo notisia liverem, quo. no dia 9 de outubro do
oorrenf* anna so ha de arromatar por- vonda a
I tmis da raspacliva audiencii o seguinte : Uma
anaacao, Hum-.) c mez para corta'r fumo, o ca-
lungas e objeeios existent.* na fabrica de eharutos
e ci^atroi uo patco do Terco i. 24, avaliado tudo
por idOiOifl, a qual fi penhorada por execucao
de Antwio ivreira Vflela & C, contra Joaquim
Mibeiro de Albuquerque.
K uio aavondo laa/ador que cubra o preeo da
a^i.tjao, a amraatacio sera leiia pelo preco da
adiudicac.ii> na fiirina da lei.
E |*ra qua oiiegue ao eonheciineoto de todos,
uiaouci |iajsar a presente, que sera publioada pela
inpren>a e a Hit a do nos luganis do costume.
Ci lade ij.) Recife de Pernanbuco, 21 de setert-
lro de 1873.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Xascimento, es-
envij subscrevi.
Recife 2i de selembro de 1873.
____'_______ Luis Ferreira Maciel Pinheiro.
peza e precos dos apparclhos.
Seereraru da santa easa da misericordia do Rt-
afe, t de selembro de J873.
0 escrivao
_____________Pedro Rodrigues die Souza.
O administradar da recebeooria de rendas
lnternas geraes faz publico que e esle niez de ou-
tubro o ultimo em que lem de *er pago sem mui-
ta oTwposto sobre industrias e profissoaa, relative
.10 y. aemestre do exercicio de 1873-74, com a
multa de 6 0|0 depois do referido me!
Hecebedoria de Pemambuco, 3 de aotubro de
1873.
Manoel Carneiro de Souza Laccrda.
Obras militares.
Te* de ser coatraladas, com quem por menos
lizer, as obras precisas no nospital militar calcn-
Jadas em 1:349*03', e os coneertos do quarto I das
Uncos Pontas, orcados em 390i060, os da easa
junto a secretaria, e wn 128J810 os da casa, em
que-escao os apparelhos da companhia Drainage-
quem ne quizer encarregar. apresenie suas pro-
postas. a 10 do corronle ao meio dia, pa reparti
eao das obras publicas, onde encontrarlo ilesde
ja o* respectivos orcamentos.
PWMmbuco, 6 de ontubro. de 1873.
0 engenheiro,
__________Chryssolito F. de Castro Owes
0F0RM05 0 ETAMANDARt.
0 vapor forotyftflfc
commandante Pedro, se-
gnira para os portos
^ acixju no dia 15 do cor-
rente, as 9 lior*s da nou-
1 to. Recebe earga, enwm-
' mendas, passageiros e di-
afteiro a frete : escrplorio no Porte dp Mattoe
Para o Maianhao e Para.
Pretenae seguir com muila brevidade o palba-
bote national Joven Arthur; para o resto da carga
que iiie falta, trata-se ;om os seas consignatarios
Antnoio Luiz Alvei .^zevedo & C, rua do Bom
esus n. S7.
DF
2rwtca a *itas do pasto, tambem com crias.
t cavallorjpljd.8, proprjp^ara cella ou earn ca.
1rudado
'pelo agente Martins.
Pela thesouraria provincial se faz puWicb
que foi tua,ferida para o dia 9 de ootupro. proxi-
mo vindouro a arreraatagio do; raparos da ponte
da iunqueira, orcada em 5:720i.
Leilao
fij DROCAWA HOMEOPATBKiy
Oj 41 Kiia it jwmliir H
DE
Secretaria da tbesouraria provincial de Pernarn-
buco, de setembro de 1873.
0 offlcial-maior,
________ Miguel Afl'onso Ferreira.
Edital n. 79.
JPel.i losntforia da alfendtga se faz publico que
Bio St ton (< efleeluade a arremataoao das mer-
eadoiias abaixu d?elaradas, anrranciada pelos edi-
taes ns 73, 70 e 77, por falla de concurrencia, se
traas/ore a mesma arrematacao para as 11 boras
la manlia de 10 do co-rente, a porta desta rerar-
JiCiio.
Armazem n. 2.
Marra i C S. Sem numero. 3 barricas vindas
do Porto n* barra poringueza Sociil, descarre-
jadas em 2i de julho de 1871 e consignadas a
roonw Jose dos Santos Calado, contendi I'erradu-
r para am'maes, pesando liouido legal 196 kilos,
avahados po- 1634168.
Idem J A A V C N. 1.036. I caixa vinla de
J.iverpuol no va^or inglezi^mc, descarrcgada em
1V d feverniro e \S7i e ensignada a J. A de
Araujoic C, CMiteado l2cbapeos enfeitados para
sewiense meninas, 12 bonots de la nao especifi-
-nd.)s o 33 duziaa ou 42) leques do sandalo, ordi-
aario.*, avaliada por 1:764/000.
Idem A. S-ln numero. 1 dita vin to na iarca pi.nuguoza Social, descarregada em
tl do abrtl d> Mi e coBsignad i a ordem, con-
tend.. 10 pans do botmas de couro de mais de
0.-22, a v.ili a da prr iStOOO.
tdem r_p1a em 21 de jiinho de 1872 e consignada a
Conba A frmlo, sontendo 2 kilos de follietos em
rirochuia, avaliadi por 25000.
Idem i; M. Sem numero. 1 dita idem idem, em
2 idem a Jose Joachim da Costa Maia, contondo 4
jM-*qnenas lata?, sem valor.
Idem J C L. s. S a 10. (i dita vindas do Porto
no hrigue poruisjez Unimi, descarrogadas em 8
dejulliode 1872 e consi-nadas a J M C Lima,
-contend.) Bgttrag para jardim, do. po de pedra,
jwsando tiquido legal 617 kilos, avaliadas por
Idem diannnte B S R. Sem nomero. 1 lata va-
xia, vinla de Liverpool no vapor inglez Student,
descarreawda em 9 do jnllio do 1872 e consigna-
da a Caxangaiksem valor.
Mem F "M B
por
J*o dia 10 do eorrente mez vai a praca, iinda
a audiencia do Dr. juiz de orphaos. na sala respee-
tiva, o sitio na estradade Agua-Fria, era Beberibe
denommado.Olho d'Agua, com mais de 800 pal-
raos de frente, e fundo ate a estrada da Boiada,
olaria e pequena casa de laipa, ayaliado
3:640^.
THEATRO
8ANT0 ANTON 1(3,
Kiiuha tiiilnzeiial
0 PA'QUmfc
3spera-so da J^ro^at^ o^a^TFde oufubro
e depoM dademera do leatume jeguira para o-sal
do imperio, Rio da Pr*ia e costa do Pacifico, para
onde recebcra passageinis, e dinpei ro a ff.ele
OS 4CENTES
Wilson rto<> A C.
14RUA DO COHDUSitCfn14
-20 barns com cevadiiiha envmuo ostado
marra P f, I
Ol'lNfAtPEHA 0 DO rOHRE^'TF.
AW'll HfWAS^PONTO.
Oprepeatofdongenle Pevfcrra far.i leilio, nor
caata- ruieaniUi..qnom porteneer, d3d.barri<
co feyaij^,.,,,,, uiao ^^ vjadosde ,\ew-
\ %S^^m G'ud'^ qainta fdraTdo correu-
to, as Whorasem ponjo. '"
_____rgem^k> Anne^-defrante (faHHwfega.

2'6 bar/js
(is proprietaries deste; eslabefaciateni^ uo im0ito d |110 eonsarvarwn L duos de pnmc.ro neste genero, eonlinuam a esmerar se aa rouSr,'^J?i
de seus med.ca.nentos, podeudo garantir ao respeilavel out,1= -a dJ H!'?"
tenor que sao rigorosamente observadas toda* m regras^ imi^S^n ?i
em todOS OS aiadV.anontna /.iA^i...^, -,- u_:.... i
'nsiderados, prar
[in totftw as am-'
lofls "iwicunentos especiaes para aexiuas cm
seryanvos : assfm tambctn, nanisau>3e3 onhecidas e nrais nsadas u~~nx-
Carteirw bomeopaiieas de 12 a ISO medieamenlos en> tinuins
Mure Medico do Pov em f- <&>
a excetlente obra do Dr.
ou glubuloa -
wS>i4OT%.Jrd"
muito iio-
Para o Araeaty
segue nestes poucos diaobem conhecido hiate
D. Luiza, que ja ten pzEte do an-efacjit : a
tratar com Gomes de Ma tos Irmaos, a rua d*Oa-
deia n. 40, andar.
. RRENTE
3S.10 hpras. pm ponto.
coma e rlsed-fe ^M perfeneer, de W narris rom
manteiga ingleza e 27 ditos com potassa, proorii
|Mra.ea_B8lio.j _>le_r.Krfjjai 4Uima:feira ?do
eorrente, ai 10 horas eui popjp.
No armazem Jo Annes defroute da alfandega.
Sem numero. eaixa idem no va-
por inglez Gladiator, des*am-gada em 11 de ou-
oJM-o de 1872 e consignada "a J. M. de Barros
hlho i C, roopa sem valor.
Mem A P S. Sem numero. I dita vinda de
Lisbfia no hripriie portuguez Ovareme, descarrc-
gada em 9 dede novembro do 1872 e consignada
j Antonio dos Santos f'jnto, eontendo livros em
*>roehnr,i, pazand.'.'12 kilos, avaliada por 184000.
Mom M A N T A. Xs. 116 4 121. 6 ditas vin-
das de Liverpool ro vapor inglez Jurist, descar-
regadas cm 2V Jo iezembro de 1872 e consigna-
das a orSem, contend* 400 latas de gommi de
araruta avariac'a, avaliadas por GOflOOO
Mem diamante R no centra c dos lados L F.
N. 42. 1 caixa ignora-se, eontendo 4- Kilos, peso
liqnido real, de progos de form, avaliada por
Mem diamante S B. N. 20. I dita idem, eonten-
do obras de lerro fundido simple*, peso liquido
real 9S kilos, avaliada nor 16^268.
Mom Blendes Azevedo A C. Sem numero. 1 pa-
cote viftdo do Liverpool no vapor inglez Gassendi,
descarreg.nl > em 18 de outuhro do 1875 e consig-
na.do a M.-lidos Azevedo & C, eontendo 38 kilos
de eneeralo do alsodJo, avaliado por 44i308.
Hem Q. Ns. 1 a 4. 4 saccos vindos de Liver-
poal no vapor inglez Gassendi, entrado em 18 de
no Foncoca & t; Successores, eontendo favas ali-
mentic!.-.s. ja estraga iis, avaliad is por 203000.
Idem C P P. N 1. 1 barrica idem no vapor in-
glez Student, descarregada em 12 dejulhode
i872, igoora-M- a crnsjgnaoao, contondo 38 kilos
de carbon uo de soda avalnta por 108ii (H).
Sem imirc.i e sem numero. 1 fardo ignora-se,
;om 20 kilos de folhas melicinaes, nao especifi-
oada*.avaliado pur 205000
.Marca J R F. 1 caixa vinda do Porto na barca
pottogaeEv Social, iesarregada en 17 de abril
de 1872 e consignada n II. de Castro Soares, eon-
tendo Iructas inutilisadas, sem valor.
Tra]iiche ConraicSo
"Idem S S Sem numero. 2 caixas vindas de
i-isboa no vapor inglez Arbitrator, eontendo ma-
_Ies inutilisadas, sem valor.
Idem diimante L. 6 ditas idem iJem.
Idem \ L P. '5 saccos idem no vapor portu-
Stuez Ltddmr, lonlendo alqos, pesando liquido
real 310 kilos, a'aliaaos por 315460.
Trapiche Barbisa
Idem S B. 1 pipa ; batiJa pesando liquido real
66 kilns, avaliada por 8,680, vinda de Lisboa no
navie Inglez Anil consignada a Saunders Brothers
4 C
Alfandega do Pernambuco, 7 de oulubro de
4873.
0 inspector; -
Fabio A. i.'e C. Reis
Quarta-feira 8 de outubro.
ESTREA
do aj-tislu portugnoz
SiHioes
0 qual acliando se nesta cidade, de passagem
para a Europa, a convite da empreza tomara par-
tenalgnns espect iculos, o primeiro dos quaes
tera lugar no dia anniineiado com o seguinte
Prograinnia.
Primeira representacao neste thealro, do en-
treacto original:
Amor londrino.
Distribnf^ao. *
Sir EverarJ Sr. Simoes.
Emilia actriz
Tterceira representacao
musical em 3 actos:
}]('ns
*T*
D. Olympia.
lo quiproquo comheo.
Mm!
lieu
composicao do Sr.
pelo artista Simues.
iianz j
RMa liocca;
Ornado de mnsica do maestro
wplP. COLAS
S' rimeira representacao da scena comica original
I in allio!
E GarriJo e desempenbada
Prineipiara as 8 1|2.
Ordem do espectaculo.
1-* O primeiro acto de Meus olhos
2.* A scana comica Urn alho
3. 2. e 3. actos de Meus olhis.
4." 0 entreacto -Amor Londnno.
Quinta-feira 9,
As 8 l|* horas cm pnuto.
!.a reci'la em que tostia \mk c
lisla Siloes.
1. repreaentneSo
do applaudido drama em 5 actos :
ar-
Morgadinha de Valflor,
0 papel da protogonista e desempenhad p.la
actriz
Manuela Lucci.
Terminara o espectaculo com
Uma scena comica
desempenhada pelo actor
Simoes.
mm mMnmn
.'.*"
CEttLABACOES.
Santa Caap. de Misencordia
do Recife.
Pela se retaria <\: santa casa fa>se sciente a
-quem itireressaV, irae no dia 14 .Jo eorrente, pelas
y horas da manaii, n.isalao da casa dos expostos,
o Dim. Sr. Ittesonretrr. fara pagamento das men-
.-alidades vencidas ate 30 de selembro proximo
findo, as amw cue se apresentarera cjnduzinJo
.as ensneas que Hie* foram confiadas.
Secretaria da sfflia casa d5 miserieordia dr
Recife, do outubro de 1871
0 escrivjo,
felro RoJriguej de Sooza.
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PANY
I.iiaJya quinzcnal
0 PAOILTK
GAKONNE
espera se dos portos do sul ate odia 10 de oulu-
bro, e depois da dem*a do costume, seguira para
Liverpool, via Lisboa, para ondo recebera passa
gciros, encommendas e carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERC.IO14
COHPAHIIi
DE
mavegacAo mmm
Maccio, I'enf'ilo. Aracajii
e Hit liia.
E' esperado dos portw acima ate o dia 10 de
outubro o vapor Penedo, c qual seguira no dia se-
guinte ao do sua chegida para os mesmos.
4--Recebe carga, encommtndas, passageiros e di-
cheiro a irete ate o dia do sna sahida : a tratar
_!om os agentesAntonio Luiz de Oliveira Azeve-
do & C, rua do Bom Jesos n. 57.
COMPANHIA PERMMBLCANA
di:
Navega^tto costeiraa vapor.
GOYANNA.
0 vapor Parrhijlin,
commandante Pedroj
seguira para o porto
- acima no dia 7 do
I eorrente, as 9 horas
da nonte.
Reeebe -carga, encomnj-mdas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12.
COMPANHIA I'EKNAMBt'CAflA
DE
^'avcgacilo cosleiraa vapor.
MAMANGLAPE.
O vapor Corunpe, com-
mandante Silva, seguira para
o portt acima no dia 11 do
eorrente, a* 5 hora* da tarde
Recc-be carga, eneommen-
das, iiassagens e dinbeiroa
frete ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PEflNAMBlCAISA
DE
oVavega^ito costeira a vapor.
MACElA, PENEDO E ARACAJU".
0 vapor Giquid, com-
mandante Martins,
seguira para os por-
tos acima no dia 15
do eorrente, as 5
horas da tarde.
Reeebe carga ate o dia 13 do eorrente, encom-
mendas ate o dia 14; passageiros edinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
DE
oVavegaciio costeira a vapr.
?ARAUYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', AUACa
TY, CEARA, MANDAHU', ACARACU* EGRANJA.
0 vapor Pirapama.
commandante Felippe,
seguira para os por-
tos acima no dia \o
do eorrente, as 5 ho
ras da tarde.
Reeebe carga ate 6 dia lido eorrente, oncom-
.-nendas^ate o dia 14, pasiagens e dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
enptorio no Forte do Mattos n. 12
'oYtjs, JMca eiidros
Quinta-feira 9 do eorrente
A* 11 HORAS DA MANHA
Na casa n. 37, ca das prunes, segutido
amlar.
Um piano do melhor tiinicante, 1 rica mobilia
de jacaranda Luiz XV, conslaudo de I sofa, 2
concolos dm tampo de pcJva, 12 cadeiras de
gutirmcao, 1 rtea secreiaria de jacaranda, apara-
dares de mogno e de amarello, comnwdas, mesas,
espeh os. quadros, 1 mobilia do mogno, coastaudo
de 1 sofa, 2 concolos com tampo de-pedra, jardi-
neira, 2 cadeiras de btacos, 2 ditas de descanco,
ditas avulsas, serV|{o para jantar, compoleiras,
eobertas de vidro para queijos, garrafas, trem
par-* cuzinlia. e uutros anigos que deixo de men-
cionar para nao te tornar enfadonho.
0 agente P70 o Borges authorisado por uma fa-
rnilia que se retir.m pira fora desta proviacia. le-
vara os objectos acima declarados a leilan.
1
Plumeria, para mordeduras de cobras
Sarra-enea, para bexigas ( on preser-
Vaeia, para bexigas ( vativo.
Unna cruzeiro, paia feferes inlermi-
lentes
Scbynns, para angina.
Calendula, para qneimadnras.
T/ranina, para paralvsias.
Carnaula.
ra.
Chocolate homeopathico d^Bpp-.
Eneerado d# arwoa.
I*08i aomeopathicos, max* deae.>.
Jerico, para rheuinatUiao.
Matamala ou Jaboly, para tosse.
Espnito de Hahneman on de campti.--
Cactus Grandiflora, pea pocumooi^.
ou mulestias do cera.-lo.
I^suitork lianie;>palliico
DR. SANTOS MELLO. in
Consultas d*s 11 horns da manlia a 1 da tarde. m
Pode-se
Afogados.
aos senhores
que no dooiingo 5
"rrente anJaram tirando csmolas para a'festa
* quartos, e cozinlia fora, se liver sotiio me- fesllv'dade, para evitar duvidas
Hiorsera. tambem serve um '2." andar co.n 'coneorrer |)ara esto foSta
aV>
de
a quem preteadr
DA
sotto, e com os mosmos commodos, oa mui-',_ ~Pr^flSia"stJlu?a_r u,na escrava Bel e diligef
rua : na rna do
tqs, comtanto que seja no bairro de Sanlo Sffif???' ra!Udezas na a : na rna do It*-
Antonio ou mesmo em algumas das ruas de '*'> *m-_____________________
S.Jose. A Dessoa que Drecisa n.in ,l.,v;,i, M.'-k~ I???'" ?" ."e** 1e sabe twm con-
gar algumas be.nfeitorias que liver, nao sen- loja do Passo, junto aT> areT/d.rSanto Ani^
do rnu.to car.,, ou fazer algum concerto pe- <) Barao de BernU,^ avisa a quem mter^ar
queno e asseio. Quem rr)ts tiver e quizer Pssa. q nao auendera a recibo algum quTlhe
alugar, deixo enrta fecfinda no I. andar ,lga,!esP'3lt0>nao sendo passadu por sen fiiho Jo*
desta typograpnin, em mao do administra- de ) iveira oif,^i>?^QuAu-'"i') Jea,'n,m Brito
iniciaes W. 6.. o qua. tambem ^Z^Z SXUttJESS S
podera di/er quem e o pretendente.
\luga-sc o 2 andar do sobrado sito a rua
de Lomas Vatentinas n. 86, com os commodos se-
guintes : 2 salas grandes e bastantes frescas, 3
quartos tambem granJes, coziuba fora, quiiilal
com poriao para a rua de Hortas e cacimba com
boa agua para lavar : quem pretender dirija-se ,-i
pracinha da hulependeneia ns. 19 e 21, loja de
chapeos, que achara com quem tratar. A cmtento
dos compradoros vendo se uma pega
mar document.) algum, que import. eraMOded
quem foi passado, ou obrigacTw de qualquer' na.
tureza que seja ao aanuncianle.
Precisa se de uma engommadeira, uma
nheira e um criado para compras
Hospicio n. 40.
cozi
na rna do
Proprio para noivo
tavcrna sita na travossa do LivramenP) n. 28, per
teneeute a firma commeicial de Pereha & lr-1
mao.
QUI.MA-FEIRA 9 DOCORRENTE
As 12 horas da manha
0 preposto do agente Pestana, c-.mpetentemen-
te autorisado fara leilan da taverna acima, por
atacado ou a retalho a vontade dos compradores,
podendo desdoja ser exaininado o compeletite ba-
lanco, o qual se acha cm mao do referido pre-
posto.
mtiho
DE
* 630 chapeos do Chile
Quinta-feira 9 de omobro
A'S II HORAS DA MANHi
Por intervencao do agente Pinto.
Em sen escriptorio, rua do Ron) Jesu3 n. 43.
FAZENDAS
AVARIADAS
QUI.NTA-FBIRA 9 DO CORRENTE
as 10 1(2 horas.
Por iutervencao e no escriptorio do agente Pin-
to, i, rua do Rom Jesus n. 43.
~^ impurtante,
um/ escrava de 1/ a 18 anaos de idade, de muito
bomta ligpra, sadia, muito mbuMa e sem vicio
algnm : quoin prefcndbr dirija'se a estrada de
Joao de Barros. sitio n. 21, quo achara com quem
tratar, das 6 as 9 horas da manh.i
da tarde.
Offerece se uma mulher de idade para casa
quem quizer dirija se a rua
de homem solleiru
da Penha n. 15*.
Engommadeiras
Precisa-se de engomma leiras :
franceza, rua da Imperatriz n. S3.
na tintrraria
0 Extracto t'omposto de
AJ
DE
Bahia.
um excellentc terreno com 150 palmos de
freute e 500 do fundo, em chaoprnprio,
com alguns arvoredos, no Iiigar de Be-
boxil)e de Baixo, com a frente para a rua
dos Clerigos, 6 qual se acha livre des-
barai,aiii) do todo e qualquer onus.
SEXTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
as It horns
, 0 ageaie finlm llorges acha se aut-risado a
vender em leilao o terreno acima declarado ; no
Iseu e-criptorio, a ma do Bom Jesus n. S3, priniei-
'ro andar.
Os pretendentes podem desdc ja examinar o re
ferido terreno.
Quem pretender um primeiro andar com muito*
oons commodos, pintado de novo, forrado a papel
e esteirado, situado era uma das priueipaes ruas
desLi cidade (fr gu;zia da Boa -Vista i, node diri-
gir-se ao armazem do Utm. Sr. eorooel Silveira n
0, caes da Companhia Pernainbucaua que ahi
ou das 4 as C achara ay.n quem tratar, das 10 horas da manha
, as 3 da tarde.
.liapellas uiurluiirias.
Para tnmiilo-. c calacuila *
Porto Bastus, cm loja de eal
cado a Pra-.a da IndepemJeocia a.
39, acabam de reeefcr da Europa
novo sortimento de rapi-IUs mor-
luarias de lindU>imus desenhoa,
com as seguintes inscriprdes, as
guaes vendem por menos proco du
que em outra qualqaer parle.
A Meu Pai.
A Hinha Mai.
A Meu Esposo.
A Minna Esp sa.
A Meu Filho.
A Minha Filha.
Uma lagrima.
Amisade.
Saudades.
|'ka(,;a da
>. ay.
0 hiate Garibaldi segue em poucos dins para o
pqrto aeima : para carga trata-se com Tasso Ir-
maos & C. a rua do Amorim n. 37.
Para o Rio-Grande do Sul.
Pretende seguir com muita brevidade o palha
bote Rostta, por ter alguma carga tratada e para
a que lhe falta trata-se com os consignatarios
Kkiauim Jose Goncalves Beltrao & Filho : a rus
d. Commercio n. 5. N
LEILOES.
LEILAO
DE
LEILAO
DE
.SANTA CASA M MISF.RICOMMA DO
RECIFE.
A Rlma. junta admiiiistrativa da santa casa da
" Miserieordia do Recife, manda fazer publico que
na sala He suass&'soes, no dia 9 de outubro,
pelas 3 horas da$arde, torn deser arreraatadasa,
quem ais van^gtjis olferecer, pelo tempo de um
a trffl ai. ndi.s dos predibs em seguida
declarad
ESTABEM5J MENTOS DE CARIDADE
.Rtre'a do Abreu-
-iisbrada de 4 anfarBs.n. 1 '. 48OJ0O0
Riaife.flloeda.
Laaa term n *7. ;.....4601000
rarawrono sb& mM>s.\os.
<-asaterrean-16 "
Sonra4e_.,^.BeOCO',*sBoias-
^raaon.ii.Ela:\^_
j?*rP"_2PJ1*Bter*;Tet-3o aptesajtir
4209<00fl
_____|
iiifGOO
cntrAniu
MENAGERIES MAKITIME8.
MENDOZA
Ale o dia 8 do eorrente mez aspera-se da Eu-
ropa o vapor Trance?. Menrtoza, o qual depois da
demora do costume segnira para Rnenos-Ayres
tocahdo na Rahia, Rio de Janeiro e Moritevldeb. '
1:003*000
no >:!
{ft sdas n_njaa, ou com,?ar_;efen,
.No dia 10 do eorrente m^z espera-se dos pm-
. ''. sul o vapor Trtmeez Rio Grande, comma'u
*- fabane, o qnal depois da (fefnora do. costu-
K&An _',ara BoTdio; m k*-.(0o.
^Tl
__ ; OS i*It,>
Harismendr St'____
Rua do Corataercio n. ft
louca, espelhos e crystaes
A SABER:
Um piano fortn de jacaranda com excellente
voz, 1 guarda-roupa de amarelto em perfeito rts-
lado, I secreuria, 1 guarda louca, 2 guardas-
comida, 1 mobilia de jacaranda a Luiz XV, com
tampos de pedra, .1 dita de amerello nas mesmas
condicoes, 1 cama franceza para casal, 1 toilette
de jacaranda, I lavatorio com pedra, 1 jogo de es-
pelnos ovies, 1 marquezao, 2 marquezas, 1 bidet,
l-guarda vasos, 1 burra, prova de fogo, 24 cadei-
ras avulsas, 1 sofa de jacaranda, 7 quadros a oleo
com ricas paisagens, 5 com ricas gravnras de
molduras douradas, 2 paresde.artos,^ apparelho
para jantar, 1 dito para almocii, i mesa elastica
para jantar, 1 commoda de a narello, meia dita,
1 par de aparadpres, l par de cadeiras de balan-
ce, 1 par de congolos, 2 pares le "garrafas de vi-
dro para vinho, 1 dilo para- agaa, copos, calices,
bacias, compoleiras, e bem assim nm flaulim, 1
davinote, 1 relogio de parede, e 300.1[2 caixas
com charutos, alem de muitos outros objectos que
estarao patentes no dia do leilao, ao exaoie dos
Srs. concunentes
Hoje
Jose Herculano Perdira Lisboa,
retirado desta para a provincia da Rahia, fara tei
lao de lodos os obfectos acima declarados, pou in-
tervencao o*o preposto-do agente Pesjaua, cojps
objeetot serao transportados para o armazem da
rua do Vigario n. 11, a ahi vendidos
ao correr do martelkK
SEXTA-l'ElllA 10 DO CORRENTE
No primeiro andar do sobrado da rua es-
treita do Rosario n. 43.
Sendo:
L'ma mobilia de jaearanda com lampos de pedra,
1 dita de faia para escriptorio, 1 dita preta, 1
guarda-vestidos de armarlo, l eiina franceza
. oe amarello, i iaiporlante mesa elaslica de 6 ta-
boas. 2 aparadores de amarello, 6 cadeiras de
jacaranda, 12 gadeiras de fala, uma mesa de
jacaranda para jogo, t par de cadekas de bra-
qos, 1 candiciro a gaz, 1 berco de ferro, diver-
sos chicotes para eairro, a outros muitos objec-
tos do uso de uma familia que se retiron desta
provincia.
0 agente Marlins fani leilao dos moveis acima
por ordem de rniw fainiba que se reliron desta
provincia, e que foram transportados para o pri-
meiro andar do sobrado n.A3, da ruaestreita do
Rosario.
l_^*'- A*> II horas do dia acima.
' '4---------------------------------------_ __________,
ALSAPARRILHA
Do Dr. Ayer
0 PURIFICADOR DO 8ANGUE
Para curar tuas molutuu qut proven de vicio ou U*.
pureta do Sangue.e dm Xtcrofula.
MOLESTIAS CUTANEAS. CALLOS, MANCHAS,
IRRUPCOES, ETC.
Kheumatlsmo e Gotta, Dorea *o
AffecoSee doe Oasos, Mai doa Ol-
hos, DebUldade ou fraqueza geral,
Dyspepsia, Iccommodo do Fig-ado,
Uma falta grersl de saude e tuna,1
dispoBlcao fftcll ao soflMmento, em /altar de
varioi outros incommodot, algumt pequenos, outros terioi,
sio oa resultadoft e consoquenclas que mala tarda ou maia
cedo ocoorrem.
AS MOLESTIAS de qae padece o texo feminino, tam-
bem, quasi sempre sio devidaa 4 mesma causa.
O unico tratamento efBcaz a uuica
maneka aegura de readqulrir a saude e
de ri-stabeleoer o corpo, e medlante o
emprego fiel e constante deumPuri-
ftcador Alterante como a
DE
20 tirdos com fi>mo, sorlitlos.
SEXTA-FEIRA 10 DO uwi'iREME.
As 10 boras da manha.
0 preposto do agente festana fara leilio, por
conla e risco da (|uem pertencer, de 20 fardos
com fttmo surtidos, vindos da Bahia pelo ultimo
vapor, ajalnta-reira 10 do. carrenle, is 11 horas da
mauUi, no armazem do. uompaahia.
tvtsfls
fti Sis.-i. V. R Estrada, V. Cesar de A.,
ftufmo P. de. A., aase S. Alvares 8., A. Viilar, Jose
tendp se re- loiqiHitt da P., ierontiao Muniz Farrao de Ara-
gao, Firmao ., Tranetsco Htrques da Qwha,
Gustavo Pontoura, tern cartas de muito sea inte-
resse na rna Nftva n..", A' andar.
Am 11 h*rs cm pfttttfli
Sck>!
|__ SALSAPARRILHA AYER.
A sciencia medica aproaenta -este reme-
dio ao* povo como o melhor e o. mala
eguro que .ella couhece para a flm
deeejado.
Altm da raiz da Saisaparrilka ella i cotnpottadaa prin-
cipals substancias mtdicinatt que a experiencia tern demos-
trado serem as mclhoret que jornec* a natureza e que a
arte tern detcoberto para extirpar do tanguc e dos hxtmores,
ettoi vkioi i comij)coeique too agernunde tantatnolestia.
Logo que a S.M>p.nn,H> Aver haja penetxado no
syatcma, comeca entio a obra de restabetecimento.
i> ao e n'uro motnento nerd em um dia
qae a moleatla deaapparece.
Poueo a pouco, degrao aobre degrae,
o aangue vaa readquirindo ana pureza, o
mal -Tae cedendo e a saude, o vigor a
robuatez, appareoem!
Medicos de aha reputacio concorcbun
no valor e utilidade d'eate inestlmavel remedlo.
Todos oa dtaa apparecem novas provas da sua* vtrtudos.
Todoa oa dim augmenta o coruutmo.
O poro todo, intolligente e-obaervador t6 n'elle um meio
fldedigno de livrar-ae das suas. principaes doeneaa e de
restaurar sua saude e pdr conseguinte tornar mais alegro
sua ezbteBda e mais duradoura a sua vida.
tT um Bspecifico contra grande partc df essas doeneaa
cHrtAai, XhcumatUme* otuH eutanea;etc,
que s*V>. eaueadas pela In/tccao vencrta, ou antiga ou her-
dada.
Ao embusteno.
Poslo que esta palavm se use, e seja bem em-
pregada, ao=Vir=grande histori. grapho de todos
. os = mens = I! !!
Que destreza I q e preceptor, e eate meu amigo j
quando e um obsecrador, dos=priruetvqs=e por.
isto e uk-recedur de estar resguardado nhuni er-"
gaStUK).
0 sen porvir, e nuito notorio, na elasae daa re-
les ; porque coulieco-the c:.mo rebelhonario, de ia-
cognitos, quando tu i-so mais visjvcl.
i KcSponde a esta minha refleeao ; nao me reflfo
com paralogismo, porque tu nao ar.iinpreliendes ;
jo s>mbol->, the darei em muito ponca diiracao.
! Fall.) muito diaphano graude embosteiro, puda-
i mos the consilerar com um prutentado, quo da i
niio podes relrogradar.
Tens decoros que the diio os beatos-falsos ; aln
jmostrasa tua ignominia ; repito, ris ifnaro na ii-
lu=tragao; quereres remedar, es repellido; porqut-
o impartial, nao consente, e nao tens urban::
j I)irigo-me ao ten canalhismo, e nao o teu rccato '.
I falla: mas na minha prczenca e nao, na ausencis.
tu so, pudes diffamar a provincia iateira, ponju.-.
tens tempo para tudo is?o.. Obsceno, lu so exter
minado, beUebii, que nos rastos da tua cauJ.i
se ve-im abysmosde remorses Nao tens discern!-
raeuto, barbas de milho ; corre ao hospicio, qm-
nelle encontraras saciedade ; enoio! faboloM I a
fallaz I
Desempenba a tua farca com todo o teu fasti,
e no final eu estarei presente. Grande fatno!
Pernambuco 7 de Outubro de 187-1.
___________________________A & A
Attengao
Manoel Marlins Soares avisa ao respeilavel pu-
blico desta cidade e fora aella que p.>r haver ou
tro de igual nome, d'ora em dianle se assignai
por Manoel Martins Soares das revei.
Recife, 7 de outubro de I87&- ___________
Silio no Vrraial.
Aluga-se um sitio no Arraial, dislanle da esla-
cao da Casa Amarella nm. minuto, na estrada qu
segue para Casa-Forte, om os commodos seguir.
| tcs : duas salas, cinco- qparlos, cozinha fora, t.
j raco, cacimba com boa agna ae beber e bomb^
a chave- pode ser procurada na veuda da Cas-
Amarelia : a tratar na; mesava.
Aluga-se o primeiro andar do sobrade.da
rua da Amorira n. il, proprio para escriplont. >
o teroeiro andar do mesmo predio, com ioJao e
bons commodos para familia. Tambem se aim
ga a- 3. andar dw sobrado da mesma rua b%. com
commodos para familia,. e o sobrado de. uo*. andai
do. becuo Largo, n. 3:: a tratar na rua de- Oomin-
gas Jose Martins antiga Senzalla Velaa nr 2
taverna.
Pedido.
A malar pevte das molejMas
chronioas, mesmo daa outra* de i
qua s0ra o povo, se ortginein I
n*um estado doenUo e morbido
do aangue.
Logo que gate alimtmio di out* |
Pedimos ao Sr. Vicente, emprezaiio do tbeate*
Gymnasia Dramalice, que leve a scena, domia
go 12 de outubro o drama dp dia 5. qu.%
e A Ramha Cry noli po ou o reinado das mulhe-
res.
Muitos ayrecia lpt_
acharcaj
Sr. Bento,sua escriptt4 certttremos. I
Capelliis para finadq
oS?-1 estre'u ^ Rosarjo n 35
n|p eaUver puro e ou que, m peHas para donzellas, airjoa e defi
a tnfeccao da sypbiUe (taive* jide e letreiros, proprios de leoibranc
annos 1iimamln>> a noleiUa ba de appareoe* aob umaoa pai, SpOSO, esposa, fllho, filha, j
Siiaiiiiiiiaraitacia>tontM. 'oivft, tudo por muibaiato^^^
[8*p00. Na mesma oas
nsPAJUPo cravos e rosas para -formaiara dos aeahiiMi' aiea-
_. .T Aararn jb-'ta- ____ W-. [de'mieos. com fttas hordadas a onro ; a Mttoai-
r. a. %j. A-VUt & ca.. a*wu, Sam ,nend Qei1f) M f_er ires dias antes; e pxaparam-
BSetadoei Umdoi, I se tambera bott'iuets para noivos, de crj>Y0>
Mwl9< fVacHow e 4w#itWoa. raes.
i npsr i





-- -____^ m _

**'
GRANDES NOVIMMS
Em Fazendas de gosto
:"JA. E AM AM DO ,,,
N. 60 Rua da Imperatriz N. 60
BE
EIRA DA SILVA & MMARASI
SOBERANA
Diario de PernamDuco Qaarta teka 8 de Outuoro de
INJECCAO
DO
DR. MATTERRE
nropnetarios desto importante eslabelecimento, participant ao respeitavel public*
desta cidado e aos seus numorosos freguezes que acabam de receber pelos JJ< >g-
na da Europa. um grande sortimento das mais lindas e mais modernas fazendas de gosto
eaS, phantasia para vestidos de senhoras e meninos, assim como tambem um grande
sortimento das mefhores fazendas de lei, que se rendem por precos muito em conta, s6
i om o fim de apurar dinheiro. ",_!_
As pessoas que no.gociara era pequena escala, neste estabelectraento poderao fazer
os tens sortimentos, porque se lhes vender* pelos precos que compram nas casasestran-
eitas de todas as fazendas se dao arnostras, deiiando penhor, ou mandam-se levar em
casa its Exmas. familias pelos caxeiros. t ,
belecimentoesta co"nStanlomene oberto toBJJj^AgJ,J 9 'i8 B *
0 Pavao recebeu pelo ultimo vapor de
Europa, burnoos dos. mais lindos gostos
que ate" hoje sao conhecidos e em relacAo a
sua excessiva barateza, convidam-se as
! Exmas. Sras. para verem o quo ha de mais
novidade nesto artigo.
BRAMANTES PARA LENCOES.
0 Pavao vende superior bramante de al-
' godao, tendo 10 palmos de largura, que so
de 1 1/4 vara para um lencol
A' dez mil eovados de ldsinlias
a 300 rs.
Na loja do Pavao.
LAZINHAS A 300 RS.
LAZMHAS A 300 RS.
LAZINHAS A 300 RS.
O Pavao recebeu um grande sortimento
das mais linda* lazinhas para vostido de s
nhoras e de marinas, corn deli cadlosj padtries V q ^^ 6 fl yara
miudos e graudos, que vende polo baralissi- fe f ior e muit0 on.
mo preco do 300 rs. o covado, por haver P a 2400 ,
grande porcio. E' pechinclia, na rua da ^F >
Ditos francczes muito finos a 2#o00 e
3^000. .
Pecas de Hamburgo e panno de hnho, ten-
do c >m 20 e 30 varas para todos os precos
e qualidades.
Ditas de brctanha de puro linho, tendo 30
i.Evre
f)a facHldadc de raediriaa de Paris, ravAritt da LegiOo d fcoora
A hlennorrhagia, m purgacSo, 4 uma inflammacao do canal da Urolr.v ftccasiona
la a maior parts das vezes pela eommiiDic.-u.ao imp.ira. Nao e uma aflccrAo geral, qu-
it! logar, como ,i svptdis a accidentes socundarios. K uma aife;Ao pummente local-
ttTectivanwute, s'madicainf>ntns que ha muito teem sido npplicados interiormonte con-
ra este mat, la<* maw f i"|>ahilVi. cnltcbas ft.:., nan prudiizotn nffrito spii*i cmwmini,
ndo as ou'rinas algumas das suas composivoes, que, pela sua passagem atravez do anal-
Je tornam uma verdadeira wjecc^o.
Para que serf necessario carregar o estomago com essas prepara^des nauseabundas a
epugnantes ? Para que e preciso fatigar os intestinos com a sua acca irritante? A res-
oosta 6 simples :NAo se tinha ainda descoberto uma mistura que, introduzida directae
Tiente no canal, produzisse os mesmos effeitos sem temer m^os resulta .ao Wladas ate" aqui, conseguem fazer parar a purga^ao, pore"m pela irritacAo consecutiva
me produzem no canal, sAo uma amea^a permanente de aperto, affeccAo muito mais ter-
Avel qui o malse pretende curar. Eis aqui porque a maior parte dos medicos, quercctf-
am, com razAo, de as tmpregaf.
Presenteraente, este fundado temor n8o existe. A injeccAo que n6s apresentamos ao
oublico que conta de* annos de boos resiiltados, n8o interrompidos, nAo e irritante. E'
mti-bUtmorrhagica em toda a extenso dapalavra* Queremos dtzer, ia causa do mal,
que ella destroe decompondo os elemenlos da purga^Jo e tpnificando a mucoza e as
ilandulrfs donde provem a sua origem. A sua applicacAo nao e dolorosa, e se ninali-
ieira impressao se segue A sua introducc8o, essa impressAo e" de pouca dura, e segue-lhe
ima sensacAo immediata e nAo desagradavel. 0 seu tratamento nAo precisa de nenhum
utro auxiliar para fazer parar em muito pouoo tempo as purgacdes, ainda as mais re-
beldes. ,
Quasi sempre basta um s6 frasco para a cura, pois nAo nos consta quehouvesse pur-
mcAo que resistisse ao emprego de dois.
Alim de cheaar a uma prompta cura, o doente deverA seguir o seguinte
' BBGIMEIV:
De dois em dois dias, tomarura grande banho, e permanecer nello duas horas,
imperatriz "n. 60, loja do Pavao.
N6VOS VESTIDOS A' 2 DE JULHO POR
1255000. .
O PavSo recebeu um elegante sortimento
dos mais liudos. e modernos cortes de cam-
braia para veslidos, sendo a uso da corte e
2 de julho, com os mais bonitos enfeitesj, e mais baratos se tem
tendo basUnte fazenda : assim como baba- J-'.1^3' v v ^
dos, rendas, rxiffiz e entremeios, sufflcien- V1 ;c ^ ^.^ j3o ou %i[6zia
tes para as guarmcoes, e vende pelo bara-
to pVeco de 125JOOO cada corte. Na loja com
do PavAo A rua da Imperatriz n. 60. I
LAZINHAS BORbADASA 400 RS.
1.
*ei lo possivel. .
2 Lavar tres vezes por dia a parte doente com agua iria.
0 Dar tres injeccdes por dia : de- mahha, ao meio dia, e A noite.
3.c
OCOVADO.
O Pavao recebeu um elegante sortimento
das mais lindas lazinhas transparentes com
floriuhas, bordadas, tendo de todas as cdrcs
inclusive! rocha propria para viuva, e ven-
de pelo baratissimo preco de *00 rs. o co-
tado. E' pechincha, na loja do Pavao A rua
da Imperatriz a. 60.
LAS MODERNAS.
O PavAo vende um bonito sortimento de
lSzinhaslistradas sendo das mais modernas
que tem vindo ao mercado, pelo baratissimo
preco de 560 >, 600 o rs. o covado. E' pe-
chincha, na loja do Pavao A rua da Impe-
ratriz n. 60.
ALPACAS LAVRADAS A 640 RS. O COVADO.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento das mais lindas alpacas lavradas
de cores sendo as cores mais modernas que
tem vindo para vestidos, e vende-se pelo ba-
ratissimo prec.0 de 640 rs. o covado. P
pechincha.'na loja do Pavao.
CASSAS PRANCEZAS A 600 E 640 RS. 0
METRO.
O Pavao recebeu um magniftco sortimen-
to das mais lindas cassas fran.czas.de cor,
comes mais bonitos desenh s miudos e
graudos, tendo padrdes escuros e outros que
servem para lulo, e vende a 600 c 640 rs.
o metro ou 300 e i00 rs. o covado.
LAZINHAS U09ERNAS COM I.ISTRA DC
SEDA A 640 rs. e 1&200.
O Pavao recejwu um elegante sortimento
de 18s com listrasde seda assetinada, sendo
as mais modernas que tem vindo no merca-
do e com as mais delicadas cores, e vende
pelos baratos precis do 640 rs e 15200.
Assim como outras muito bonitas com listras
sem ser de seda, que vende a 500, 6i0 e 800
rs., todas estas las sao modernissimas. E'
pechincha, na loja do Pavao.
Chitas n a4, SO, 30e 300 rs.
O Pavao recebeu um grande sortimento de
chitas de cdrcs Bias, que ven le pelos bara-
tos precos de 240 e 280 rs. o covado. Ditas
escuras fazenda muito superior, com novos
padrdes a 3il0 e 300 rs. o covado.
Ditas muiti) finas padrdes claros em teci-
dos de percales, com barra de cdr ao lado e
sem ella a 300 e 400 rs.
Ditas pretas com tecido de crctone, fazen-
da muito superior a 3i0 e 400 rs. o co-
vado.
Ditas de wires, miudinhas, proprias para
roupa de crnncas a 360 rs. o covado. E'
Pectuncha, na loja do Pavao.
Bnptislu- a 500 rs. o covadol
O Pa'vfio recebeu um elegante sortimento
das mais modernas baptistas de cdres com
padroes miudinhos e graudos sendo proprios
para vestidos e roupa de crianca, pelo bara-
tissimo preco de 500 rs. o covado, affianQan-
do ser grande pechincha 1
Cortes !-f canibraia. ultima no-
vldade, a ??000.
O Pavao recebeu pelo ultimo vapor de
Europa, cortes de cambraiabrancacom ba-
badinhos ricamente bordados, tendo fazenda
sufficient para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sAo os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela sua excessiva ba-
rateza tor nam-se recommend a veis As senho-
ras de bom gosto.
Ditos com babados de cdr, tendo 20 me-
tres de babados a 9?000. E' grande pe-
chincha, no Bazar do PavAo A rua da Impe-
ratriin. 60.
CORT ES DE CAM B RAT \ BORDADOS.
O PavAo recebeu os mais ricos cdrtes de
cambrai.1 branca bordados para vestido, que
vende pelo barato pre?o de 20$ e 305JOOO.
CORTES DE CAMBRAIA BRANCA.
O.Pavio recebeu um Undo corte de cam-
braia branca com listras assetinadass que
vende pelo barato preco de 6^000
Ditos cam listras de cores, tendo 8 varas a
4 e 5&000. E' pechincha.
ESPARTILHOS.
0 Pario recebeu um grande sortimento
de espartilhos, tanto para senhora como para
menina. que vende pelo barato prego de
J00.
Ditos muito finos a 48 e ISJiOOO. S8o dos
mais mtKfcs'aos qu e tem vindo ao mer-
caio*
CAMRRAISABERTAS A 99 E 169000
O Pavlo recebeu um ehtg.ante sortimento
das maisiinas cambraias brancas abertas,
bC'rdadnspara vestido, que vendo pelo barato
f regatta 9?> e 109009 o corte, tendo fazenda-
(istanto para vestid^. K' pechincha, na loja
do PavAo A rua da '(mperatriz n. 60.
Pegas de finissima-silezia com 30 jardas
a 359000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
argura a 29000 a vara.
Calcns dc casouiira.
0 Pavao te*m um grande sortimento de
calcas de casemira, assim como cortes os
mais modernos que tem vindo nos ultimos
figurinos e em fazenda, dos mais finos e
mais novos quo tem vindo ao mercado, e
vonde-se por barato preco para apurar di-
nbeiro, assim como calgas de brim branco e
de cdres, por precos muito razoaveis.
LENCQS.ABAINHADOS A 19800 E29000-.
0 Pavao vende duzias de len abainhados, sendo fazenda muito boa, pelo
barato preco de 2000 a duzia.
Ditos tambem abainhados, com beira de
cdr a 19800.
Dites grandes, fazenda muito fina, semio
todos brancos a 355000,
Dito de cambraia branca, sendo em pega
a 39600
HEIAS CRUAS A 43 E 55000 A DUZIA.
O Pavao vende duzias de meiascruas, in-
glezas pelo barato pre^o de 49000 e 59000
Assim como ditas muito finas e muito en-
corpadosa 69000, 7^600,83000 e 105000,
e um grande sortimento de meias inglezas e
francczAs, para senhoras, que se vende por
preco muito commodo.
MADAPQLAO ERANCEZ a 63000 E 73000
0 Pavao vendo pcc,as de madapolAo fran-
cez, que sempre se vendeu por muito mais
dinheird e liquida-se pelo baratissimo preco
69000 e 73000, por ter feilo uma grande
cornrra. E'.pechincha.
AlgodSozinho a 4?000.
O Pavao vende pegas de algodaozinho,
muito boa fazenda, pelo barato preco de
49 c 53000.
Dito largo muito encorpado, proprio pan
toalhas e lcncdes a 69000 e 73000.
CAMBRAIAS.
0 PavAo vende cortes de cambraia trans
parentc propria para vestidos a 23SJ00
3-r000.
Pecas de dita muito fina, com 10 jarda,
tapada como transparente a 49, 59 e 63000s
ate a mais fina que vem ao mercado.
PANNOS DE CROCHET PARA CADEIRAg.
0 Pavao tem um grande sortimento de
pannos de crochet proprios para cadeira de
balance, para ditas de guarnicao e para so
fA, que se vendem muito em conta.
COLXAS DE CROCHET A 63 E 83000.
O Pavao vende colsas de crochet proprias
para cama de casal, pelo baratissimo preco
de 63 e 89000.
Ditas de fustAo acolxoadas, sendo de cd-
res e brancas, pelo barato pre$o de 46000.
E grande sortimento de ditas de damasco,
cretone e de chita, que vende por precos
muito razoaveis.
CORTES DE PERCALLES COM DIAS SAIAS
a 49000.
0 PavAo vende bonitos cortes de percalles
com duas saias, sendo fazenda de muito gos-
to a 49000. E' pechincha na loja do Pa-
vAo A rua da Imperatriz n. 60.
BOTINAS PARA SENHORA, A 59000.
Na loja do PavAo A rua da Imperatriz n. 60.
Pereira da Silva & GuimarAes receberam
pelo ultimo vapor de Europa um elegante
sortimento de botinas pretas e com delicados
enfeites decdr, proprias para senhora, garan-
tindo-se scrcm das mais modernas que h
no mercado, assim como a boa qualidade
por terem sido remettidas por um dosrar
lhores fabricantes de Paris, e vende-se pelt
barato prego de 69, na loja do PavAo.
SAIAS BORDADAS A 59, 6* e 89000.
O PavAo vende saias ricamente bordada;
de 4 pAnnos cada uma, pelos baratissimos
precis de 59, 69 e 89000.
Ditas de um panno sd e com muita rodas
guarnecida de pregas, pelos baratos preco,
de 23000 e 29500.
Ditas com guarni^Ao de pregas e borda-
dos a 39500.
AlgodAo enfestado a 19000 a
vara.
O PavAo vende algodAe americano enf"s-
tado e muito encorpado, proprio para toa-
lha e lencdes, pelo barato prew? de 19000 a
vara.
Dito francez sendo trancado e muito en-
corpado, pelo baratissimo preco de 13280 0
metro. ____
Casemiras a 9000 e *9M.
O PavAo vende cortes de casamir fr
z,.. senJu fazenda ronito superior que
pre se vendeu por mais diiiheiro, e hqui-
dam-sea 73000 ocdrte.
Ditos 69000.
Apertar ligei-
raraenie o orificio do'canal, afim de conservar nelle o liquido um minuto.
A.* Usar um suspensorio.
5. Abster-se do uso de bebidas espirituosas, ou alcoohcas durante o trata-
uento. _______,
SEXUORAS.
Ha muito tempo que as fldres brancas, leucorrheas, etc., teem sido consideradas nas
jenhoras como causal, a consutuicAo anemica, que na linguagem vulgar lhes chamam
pallidas cdres, quando ellas sao ao contfario, a causa do enfranquecimento, e pobreza
so sangue. D'ahi provem o erro que muitos medicos commettem ainda, de tratar.es
Ntado geral, em logar de cuidar do estado local, que e a causa dos symptomas gerado
4&o d logar proprio este de tartarmos theoricamente o facto que avancaraos, mas acredi-
amos que basta aponta-lo para que tod > o medico consciencioso o reconheca o seu
vslor
A nossa injeccAo tende sempre a suspender esses corrimentos sempre rebeldes a qual-
quer medicamento ; mas para obter esse resultado d preciso que seja dada com o maior
cuidado, e quo penetre atd nas mais pequenas pregas da mucoza, pois que 6 ao fundo
la mucoza que estA a causa da affeccAo, Nos convidamos as pessoas que recorrerem A
nossa injeccAo, a servirem-se, de prefereneia a outra qualquer, da seringa direita, forma-
la d'um tubo de vidro do qual a cxtremidade redonda tem alguns buracos. Estas se-
rinas tem sobre as outras a vantagem d'abrir largamente a vagina, e pdr toda a muco-
ra,em contacto com o liquido injectado, condic.3o indispensavel para cura.
Duas colhercs de sopa da nossa injeccAo langadas n'uma quantidade d nguasulliciente
bastam para uma injeccAo, que deve ser repetida tres vezes
Duas
para encher a seringa, bastam para
A 'nossa injeefdo e propbylatica, isto e, evita o mal. Uma sd injec?Ao basta,
Cum contacto suspeito, para pdr ao abrigo de todo o reccio de doenqa.
depois
NA
CASA DA FORUM.
A0S 5:000000.
B1LHETES GARAIVTID0S.
4' rua Primeiro de Marco (outr'ora TM9 *>
Creapo) n. 13 e brvxs do costume.
0 ahaixo assignrnto ti-nJo vondido nea *em fc-
Il7.es billielcs, Iros i|i-.:trios n. MM CMB MOj,
nm moio n. 1267 ctm MH)f. dons meiot Mt
com lOOilH 0 e outra? orles de M>i a |D# **
lutiria que so aralmu Ac extrahlr (68"), etmiii*
aos p..s?uilor> t vir.*ni reebr u etahraii-
dade do cuslnme sem desronto algum.
Arham-se a venda ds felizcs lulheies garaii*>
la ll'pHrto das lolerias a benelicio 4o eoilopio
dc oipha.- s << nrpha- (CO ). que -'.' Mimhira *-
Lado, it do uorrpote ukz.
PRECOS
Bilheto inteiro. 6*000
Meio bilhete 3AO00
Quarto 1*500
EM PORCAO DF. 1009000 para CM A-
(iilhele inteiro 5*300
Meio bilhete 2*750
Quarto 1*375
Manofl Martin* Pimzi
PHARMACIA E DROGAWA
DE
BARTH0L0MEU tG.
34Rua Larga do Rosario34
De OAsnmcnlos.
De baptisnilos.
De bailcs.
De soirees
De almocos.
Me lanches.
De bivknleks.
De eeias.
De (udo de tudo
Se enearrega a co.nfeit iria do Campos.
Ealem disso
^A confeitaria do Campos
EstA sempre provida
De tudo quanto d preciso para
Uma boa mesa.
Rua do Imperador n. 24.
A quern iuteressar
Pereira da Silva & Gmmaraes, prnpri tarios da
loja do Pavao, previaem pelo presente a*-u* fre
gueies desla pra<;a, que se achatn com *sos debitor
.ilrasados, que /o nao saldarem os mesmog ate o
dia 30 de oulubro do rarrenle anno, tralario de
cobrar judicialmente, nao tendo contemplacao com
ninguem.
Recife, 2fc dc scteintiro de 1873.
Escravo fugido.
Desappareceu de casa do ahaixo aignado, nc
dia 23 do correnle, o escravo pardo, de ik>nif
.irajnno, declaim a regular e ba^Ullle palido.
iis srlire de frial.lade : qu>rn o apprehender le-
ve-oaruado Vigario n. 21, que sera recompen
\ado.
Domingos Alves Maihens.____
O relojoeiro e domador Albino
f'.ai.teta da Richa, de vnltt da
l-anopa, conliniia a enoarregar-
gi.is, hi-m como onlros obi-cios :
, i gandu a sens an.igos e Iregne-
^ travessa da rua das Cruzes n. 14, I.* andar, por
detraz da praca da Indt-pendencia, que o encon-
trarao promplo. A garantia de srus Irabalhos e
b faze-los por precos modicos ; assim como lam-
oem vende relogios.
etMu se *'.
56 aRua do Marquez de Olinda 56 a
(outr'ora rua da Cadein)
LOJA DE MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conliecido como principal e recommen-
dado pelos grandes depositos e bons sortimentos com que sempre prima em ter das
melhores, mais acreditadas e verdadeiras machiua* aiucrlcauas para algo-
dao, desde 10 A 00 serraa, e havendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
mas e melhoramentos para perfeito e rapido descaroc sercm vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, aldm disto, encontrarao
tambem mais : .,...<
Ternos de bandeijas hnas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
PertencjiS avulsos para machinas.
Salitre refmado.
Bren superior.
Moinhos de di versos fabricantes para mi-
lho e cafd.
Debulhadores para milho.
Azaite de spermacete para machinas.
Camas deterro.
Bombas de .Tapy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Ca'nnos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferreiros
w mm
(Jueiii liaisc;)niffl!df)oferece!
lncontestavelmente a loja de calcado5"estrang,.i-
ro que mais commodo offerece em geral, coin esp^-
cialidade ao bello sexe, e o PARIS NA AMERICA
a rua Duque de Caxias n. 59, primeiro anlar (at
tiga do Queimado) e a razao 1 a razao e sini|des
um cavalhciro (amaute do chiqae) por certo se
incommoda quarido, para comprar um par de ho
tinas, ve-se for^ado a experimcnta-la sobre um
pequeno e pueroso peduco do la pete (systema nu-
carronico) nao podendo Jcsta forma conhecer se
a botina the fica boa, pois, nao tem espaco pars
experimcnta-la, ao menos que nao a estrague dan-
do apenas um passo, que chogaralogo ao imnuin-
do ladrilho ; o que nao acontece no Paris na
America, ondo pode se passear a vontade e desla
forma conhecer-se se fica bom o ralcado : para n
betlo sexo, entao e quasi imprssivel, que uma se-
nhora (do bom torn) queira snjeitar-se a expen-
mentar calcado ao lado de um bafeio, ondc en-
tra quern quer, ainda mesmo para comprar : o
Paris na America nao resentc-se desta falta ; ten.
nm hem preparado gabincte reservaio, para a-
Exmas. (|ue alii poderao estar em perfeito commo-
do para a escolha do calrndo.
Nao terminam ahi as vantagens ou commodo?
do Pan's n America a rua Duquo de Caxias n.
59, primeiro andar, consiste tambem no bom sor-
timento de botinas para homens, dos melhores e
mais afamados tabricantes da Europa, como Me
lies, Suser, Polak, etc., etc., e grande variedade de
chinellos e sapatos, assim tambem um lindo sor-
timento de botinas para senhora, e sapatinhos de
muitas qualidades que poderao satisfazer a esco-
lha da mais capichosa senhora (do bom gosto);
pelo que fica expendido, esta claro que a loja de
calqado estrangeiro, que mais vantagens offerece,
eo Pan's na America, rua Duque de Caxias n.
59, primeiro andar, antiga rua do Queimado
.. I-'.U I ...
i
t lK 1.U4UA
-
: : K
i ... a c>"
:: -?. CUPO r TR'GUEIRO
ri: ,. t,,ijiio /!' llmirii. O/Tirial do
' i-(' ,i,i,r..liiloril'ivr '- C i--' Hea
-
O

Apurados vapores locomoveis, deforca
le 2'/ e 3'/j cavallos com todos pertnc;as
precisos para tra'balharem 4 machinas para
llgodao, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladei-
ra.
Carros de mao para atterros,
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparclhos para jardins.
(iuards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
Trens para cozinha.
orio wcdico-eirirgice g
DE %J
^Consiiilii
8
% A. B. da Silva Maia.
M\ Rua do Visconde de Albuquerque n.
V It, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
y Chamados : a qualquer hora.
rl Consulus : Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
Garanhuns.
Emfim muitos outros artigos, que sdavista e neste estabeleomoderaoentp *
ixaminados.
io
Samuel Power Johns-
ton & 0.
JrKua do Vp>llo n. 38 e 40
r
,, Paiem scieote os seus trtgnez> qu wem
2j5a n&udado o sen leposiio de macbinaa a va
por, inoend e tax as da Oinito acrediuda
fabric* de LowMoor para rua do Apollo D.
38 e M), oode cooimnam a ter o mesmo sor-
tirs;enio lo ef-staBe-
Kaiem Mieain umbern qce teem feito am
rrnjo oom taadieio geral, pe'o qoe po-
dem oOereeer-ee pare Hen aia-hinisaM e mefrao garaati-lo.
Apparelhn para tahrtcar aseoesr, do
9
Os proprieurios da fondicln geral laiem
scienie* not senhores de engenho a mais
pessov., que teem wtabelecido nroa inndi-
C/io de ferro e hrouze a nu do Brnro, jun-
to a eiarl' dos boads, oode aprontarlo
qualquer obra de encomroenl* com perfei-
cio e prompiidao.
Os roe*mo rngam a* ps"* ane qnet-
ram otilisar de eos jervicos d^ deixa-
retn ? eocoauoeDd^.s em c*s *o* Srs. Sa-
moel Power John* id C a rua do Apol-
* 10, ond achario oeo hahili-
ud com qneic a^aro eniendar se
V&SlviN^ENtREJ'nOAL
Ca!- gerat.
Para trur em #eu escrlpicrio a ma do Apollo B..JS e e().
.!< .,.rl<-r deve non aroma
Its' ::!-:> i . ,. ,;:! I'lc'rapenU-
i ;i. t -in|n> 'j;i o toriiao agrada-
, .. .. ,f
C .....ier comi'lPtou a sua
- 'oolc-'......'" I'eferro
, i ...'> I" :i h.iu. Este
:: I--- :\~ nrrp ;t l.lflfS ('O OlC
,-,, / v r:,..ji ,|^ s|4to e nunca
.... ^-. -v-: ii (io \ "i-n t ft'
y,. .. ;-. ,...|ciii-iii:ulea medicie OJJ-
.- d-ilv.rs M'-'pniatfies ferrugino-
., ,., ,,- .1 ', os .-is"- cm que
situ),'!-' '- i ''"" T'ntei* piilmomar,
RrcicMI ICmpl-.im. "i:> Lthiunialiam, Oj
ih-V-h. ,m':iliTH.pin dpmormaee
Frmim'-n dp roimtltulfa*.
drposito km pus: Pliami. CHEVRIER
21, Faubourg Montmarle.
Ba mesma pliarniaciaaebao-eeoViimo
e Ei.ixin de Cor.,\, excellentes prepara-
ooei tonicas. Of pranulos de Bismuth
compostos contra as diarrheas, dysen-
lerias, dOres de estomaw. et^.
Deposito cm casa de Augusto Caors n. 22J
rua da Cruz._______
o t'recisa-se de uma senhora de boa conduct.!,
f em familia, preferindo-se de idade, para compa-
nhia de uma familia composta de dnas pessoas,
antia que se
gratificando-se mensalmente com a qu
convencionar : a tratar no pateo ao T(
ergo n. 68.
" Aluga-se para passar a festa uma casa com
sitiode muitos arvoredos e mnito fresca entre as
erto do no;
rre a Rod a
cstacfto do Monteiro e Caldereiro e pe
nara mais informacoes na rua do Coi
para mais informacoe
na Casa-Fortc.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-se
allar aos Srs. Pedro d Rego Cbaves Peixoto e
os4 Paes daSilva, a negocio de particular inte-
Ihos, penetrados da mais pungente dor pelo pas-
samento premature de seu prezado raarido e pai,
agradecem summamente a todos os seus paren-
tes e amigos que se prestarara a acompanhar ao
cemiterio publico o cadaver de Francisco Ma-
ximo Ferreira ; e de novo roga-lh.es o caridoso
obzequio de assistirem a missa do setimo dia,
que tera lugar is 7 horas da manna do dia 10 do.
corrente na matriz da Boa Vista.
trmrmnr- 1M""*
Escravo fugido.
100^000 de gratificacao
Desappareeeu de novo, de bordo da barca bra-
sileira S- Jose, o e?cravo Joaqnira, preto de na-
cao, o qual anda bem vestido e calcade, deixan-
do crescer os cabellos a modo de meia cabelleira.
Esse escravo pertenceu ao fallecido Dr. Olym
pio Marcellino da Silva, one o havia comprado na
provincia de Minas ^em S. Jor d'EI rei ou Ouro-
Preto), e com elle seguio para o Rio de Janeiro e
d'alli para esta provincia, donde foi para Maceio,
tondo o venJido alii a Justino Epaminondas Ne-
ves, a quenvo compraram os abaixo essignados.
Sabe cozinhar, dccnpjMe ague eetava dedicado,
CASA DO OUKO
Aon 5:0007000
Bilhetes garantidos
i n. 63, e casa do costume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
tnuilo felizes bilhetes a sorte de 5:000*000 em
4ous meios de n. 1501, e inatro quartos den.
1615 com a sorte de 100*000 ; alem de outras
sortes menores de 40*000 e 20*CO0 da loteria que.
seacabou de extrahir (65"> ; e convida aos pos-
suidores a virem receber, que promptameute serarv
pagos na forma do costume. -_j,
0 mesmo abaixo assignado etfevWa ao respeita-
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
Iprar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao do
tirar qualquer i remio, como prova pelos mesmos
annuncios.
Acham-se a venda os muito felixes bilhetes ga-
-antidos da If parte da lelcria a beneficio do
co'legio dos orphios, que se extrahira no lia II
do corrente mez.
Pre$os
Inteiro 6*090
Meio 3*000
Quarto 1*500
De 1003000 para eli
Inteiro
Meio
Quarto
Recife,
5*500
5*730
1*375
2i de setembro de 1873.
Jofle loaqwm dn Coxta Leitt
e co.n
W fall
a crat!
o.
a quern o ap-
ridades a ma
Silva toyo & Filho.
e-se oina ama para andar eom eriaa-
na rua de S. Miguel, em Arogados
CASA.
Aluga-se o primeiro e segundo andares da casa
n. 3 da travessa da Lmgueta ^ a traur na rna
Primeiro de Mar?o, antiga do C.nmno, na loja do
Paseo jon; a.' .>rc, e. tem
Ainda e u -RHd.i c:-..... "llauoel, preto
de M annoe de idade, tem um braco cortado,
era roe bob oee, nao torn barba e bebe aguardente:
quern o pegar leve-o a rua de S. M|ge, antigi fi-
ler n. 7*.
-
t
I


i
de Pernambuco Quarta feira 8 & Outubro de 1873
NDRTMENTO
R
M E I) I f, I N V

Prepar.rio pot
i.iiinnnn A keiru!
'> .ir.-i iliiiitca
low a (lualMadi
tie doen^as, quo*
seja na garganta,
potto OU pofes.
Expressamente
('scolnidodosme^
Ihorosfigados:)"5
qnaes se exlralit
o oleo nu banco
da Terra Nova
purificadochimi-
kcalmente, e suas
Ivaluaveispropri-
'edades couserva-
das cem todo o
cuidado, emtodo
o frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tern
______ sido submettido
a am examemui-
______ to severo, pelo
cbimico de raais
talento, do go-
verno beepanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR TORCAO D'lODINA
do q>ie ouu-0 qualquer oleo, que elle tern
examinado
IODINO E UM PODER SALVADOR.
Em todo o oleo de flgado de bacalhab, e na-
quelle no qual content a maior p^rgao desta
invaluavel propriedade, e o unico meio p*ra
curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, ROFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos da C8rnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e da vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nbecido na medicina ou sciencia, da tanto
nutimento aosystema e incommodaudo quasi
nada o estomago.
As pessoas cuja organisacao tem sido dcs-
truida pelas affeccOes das
ESCROFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas, cuja digestao se aeha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO .
DE
LANMAN A KEMP
Se e que desejam ver-se livres e isentas de
cnfermidades.
Acha-se a venda em todas as boticas e
drogarias. U. Forster A C, agentes.
' Precisa-se-de uma ama escrava para cozi-
nbar e cnsnboar : na run da Penha n. z-t.______
mm.
IVccUa-sc de "na ama \
compiar jiani duas pes '
escrava, que seja perita
gahdo-se a quantia acima :
too do Hospital ii, 28,
dares.
-.ii.i .-ny.Irill,;r o
a.-, piMtilU l-J f
coziuhriro, pa
a !r,ilar no pa-
i. e *.* an-
Ainda so precNa de uma ama csi-ntva on
forra para cozinhar e ensabo.ir. para ir para i-asn
Forte : a tratar na rua da IVuha u. *o.________
Precisa-se de uma ama que saiba
eDgommar ou cozinhar: na ma Nova
n 7, loja.
AMA
* Precisa-se "He uma que cuzinbe e com-
J\.ID.d pre : na ma do Crcspo n. 80.________
Ama de leite.
Precisa-se de nma ama de leite, na rua do Ro-
sario larga p. 28, segundo andar._____________
Precisa-se de uma
ama livreou escrava
que cozinhe muito bem, pa-
ra uma pequena familia, pa-
ga-se generosamente : a tra-
tar na rua do Bom Jesus,
armazem n. 40.
A ma Precisa se de uma ama de boa con-
i\.Hld> ducta, para engommar : a rua do Brum
n. 80.___________________________.
Precisa-se de uma ama para com-
prar e cozinhar em casa de pouca
familia, na rua de Pedro Affonso,
outr'ora rua da Praia, n. 3
AM
AMAi
Precisa-se de uma ama para la-
.ar e cozinhar em casa de pequena
farailia : na rua do Capibaribe nu-
mer
AMA crava
milia de duas pessoas
-de uma ama livre ou es-
ido o servico de uma fa-
Apipucos, rua Nova n 2
Precisa-sc de uma ama para tratar de urn
rooco solteiro : na rua das Trincheiras u. I, loja
de ourives. _______
__,_- Quern precisar de boas amas para
*" todo o ser-ico, di:ija-se ao pateo da
MOFINA
Esta encouracado !
o ao liini. Sr. hjruaiio Vicira de .
..man na <-:! provinria, P
favw Mhrir a ma HuqUf Jr (!.ixi.-.< n. 36, a Cut.
cluir k u'ciii- [icgN'in quo S. S. se cuitipromotk'U a
reaJuar, pela terceira ohamada deale jornal, em
tin? de dezembro de I87I, e depois para Janeiro,
passou a.fevereiro eabril de I875,e nada emnnrio;
e por este motivo e de novo chamado para ditc
tim, pois S. S. se deve kunbrar que este Mfocio <
it maft de *>is-j> annon, e qnando o Sr. sen ulho *
chava nesta cidada.
I CDNSULTORIO *
1' HEDIGO-CIRURGIGO t
* do *
0 Dr. J. H. Curio 0
0 Rua do Marquez de Olinda n. 15, pri- 0
_J_ meiro andar. _k
9i Consulu das 9 horas as 11 da manhJ. J
Qfi Chamados a qualquer hora. &
* *-*$* ^*g
Consultorio homeopa- 0
0 thico
0 Do Dr. Santos Mello
g_ 4i------Rna do Imperador------41
__; Consultas todos os dias das 11 a 1 da 3
W. tarde. _g
Gratis aos pobres.
__ Residencia a rua Nova n. 7, segundo
0 andar, onde da consullas das 6 as 9 da W
uianha e das 3 as 5 da larde. ffi
m Chamados a qualquer hora. ^
0 INEXTINGUIVEL
PERFUME
matriz de Sanlo Antonio n. 6,
sera ?ervido.
quo promptamente
Na rua da U-
niao n. 47 pre-
uma livre ou es-
cisa-se de
crava.
* Precisa-se de uma ama : na rua da
i\.ni Saqnespara 1 das rsculades e
villas de Ptriigal.
Carvallio A Nogueira, saccam'sobre o
banco commercial de Vianna, c suas agen-
das em todas as cidades e villas de Portu-
gal, qualquer quantia a vista ou a prazo e
por toduS os paquetes; i rua do Apollo
n. 20._______________________________
Escrava lugida
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
MEURON & C.
/HIS%11
aos oompradores do bem conhecido e acreclitado rapd
AREA PEETA, que reparem nos botes e meix>s botes,
pois que os ha de rap6 de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma c6r, enjo desenhc se pdde
confdndir com o d'aqnelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro AREA
PRETA, devem para nao serem enganados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
napao de AREA PRETA.
4
MEURON-ft C.
PUNDICAO DO BOVHAN|_322tt&3U
RUA DO BRUM N. 52
m

DO
Fcrrcirn.
'XL'-JC. OU)&*S k^/V
am
DE
MURRAY ft LAKMAli.
Uma pura ,distilla(;ao das mais raras fla-
res dos tropicos. Cont^m, para assira ui-
zer, quasi o odor odorife'ro das floras ao
trepico da America, e sua fragancia 'e quasi
inexhausta ainda mesmo por continuada
evaporacao e diffusao. N'este respeito e
incomparavel a qualquer outro perfume
qne ha de venda para :
DESMAIOS. ATAQUES SEBVOSOS, DOB
RE CABECA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
E.um certo e ligeiro allivio. Com o bore
ton, tem conservado sua influencia para
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
perfumes, nas Indias Occideutaes, Cuba,
Mexico, America Central, e do Sul e n6s
com toda a confian;a o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, riqueza de odor e permanencia, nao
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOEAS,
QUEIMADUBAS DO SOL,
SABDAS E BORBULHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna uma
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e c6r c^ara a complei-
530 nublada, sendo applicada depois de
barbear, evita a irritac&o que geralmente
occorre, assim como tambem garganteando-
se, 0 cheiro do cigarro desapparece, e me-
lhora a condigia dos dentes e gengivas.
Como ha muitas imitacoes, as quaes nao
possuem nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado e con tar somente o
0 famoso perfume j cosmetico do sul da
America, chain da:
AGl VFLORIDA
DE
111 Kit V\ rt I.A\I\\.
Se acha a venda em todos odroguistasj
perfumarias da moda.
SALVA-VIDAS.-Em Southampton foi
lancado ao mar um navio salva vidas, ino-
vido a vapor, da fon;a de 8' cavallps. Cba-
raa-se Peronelle, e seu capitao o Sr. Hans
Busk. Destina-se a cruzar no canal, para
dar auxilio a qualquer navio em pe-
rigo.
_h 0 advngado Joao de Sa e Albuquerque
.__: contini'ia em seu cscrii lorio na rua do <
jj Collegio, em Nossa &:nhora do 0" de ;
*Ipojtna, onde podera ser encontrado nas q
_, tercas-!eiras das 9 horas da manha as 4 X
H da iarde, e non demais di s no efigeni o w
__l Guirra do mesmo termo. Incumbe-se _^
5 tambem de causas nos audilorios do Wt bo, Sennhae">, Ri..-F..rmoso e Es-ada. JR
Pede-se aos Srs. ccronel I jaquim tavalcan-
le de Albuqueraoe senhor do eogenho Paulista,
Dr. Lair Lopes Castello-Branco e Vicente Bacel
lar, o obzequio de appareccem na rua do Duqoe
de Caxiaa n. 4i, a negoeio que Ihes inleressa.
Continsa a e setembro proximo passado, a escrava de nome
Juslina, natural de Rio Grande do Nurle, com os
signaes seguintes : altura' regular, bem prela,
bem parecida, bocca e nariz regulares, olhos vi-
vo?,, tem olhar um pouco espantado, falla baixo e
quando pronunci \ as palavras mostra a denladu
Casa do campo.
OfTerece se, a quern quizer fazer os concertos
oecessarios, o arrendamento por alguns annos de
graca, da excellente casa sita na Porta d'Agua,
que foi do finado Dr. Joaquim Pires Carneuo
Monteiro, passando-se cscriptura para maior se-
gu'anca. A lo'calidade 6 muito salubre, e a casa
muito fresca, tem magnifies banho de agua do-
ce em frente, e 6 muito commoda, visto que o
trcm para defronte : qucm pretender pode diri-
gir-se ao Sr. Francisco Cameiro Monieiro, em
Aiiipucos ao Sr. Frann>eo Icmacio Pinto, rua do
Jom Jesus, ou ao Sr. Cannan, rua do Cunimer-
;io n. 40. ________
ra que 6'boa e bem al'va, os p6s um pouco curtos
e apalhetados, aparia o cabello ao meio da
cabe
oa, foi escrava de Manoel Soarcs Pinheirn, com
estabelecimento na praca da Independencia, do
poder de quern tambem se aus?ntou em tempo,
e foi pegada em Bebenbe lavando roupa, intitula-
va-se forra; presentemente suppoe-se que anda
por algum dos arrabaldes defta cidade, ou que
esteja fcilo ama a titulo de forra, cm algunia casa,
ou lina mente algein illicitamente a tenba em seu
poder, contra quoin se prometle proceder com
todo o rigor da lei. PBde-M, poriauto, a todas as
autoridades policiaes e capitaes de campo, a ap
prebensao de dita escrava c leva-la a sou >enhor
na Capunga. rua das Pernamliucanes n. "12, on
Recife, arco da Conceicao, loja de ourives, que
sera generosamente recompensado.____________
""Aliiga-se ne-tes proximos dias duas boas
casas na Capunga, rua da Ventura, com commo-
dos para I'amilia, as quaes foram concertadas e es-
tao se pintando : a tratar na rua Duque de Ca-
xias n. 44.
Na rua do Bariio da Victoria n. 36 precisa-se
fallar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
reira, a negoeio de seu interesse.
Hotel Uniao,pra^a do Conde
d'Eu n. 32.
Este estabelecimento continua a forneccr come-
dorias com asseio e promptidao, tanto para fora
como para dentro do mesmo estabelecimento, ten-
do todos os dias papay e nos sabbados niao de
vacca, re ebese qualquer encommenda por me-
nos do que em outra qualquer parte. 0 mesmo
estabelecimento tem excelletUes quartos para alu-
gar, sendo baslantes frescos. 0 proprietary es-
pera do respeitavel publico a concurrencia e pio-
teccao ; e ao mesmo tempo pede aos seus fregue-
zes'que se acbam atrasados ha mais de anno, a
virem quanto antes saldar suas contas.________'
Francisco Guedes de Araujo faz publico que
vendo o seu nome incluido na lista dos devedores
da massa fallida de Amorim, Fraggso, Santos A C.
declara a quem interessar, que nada deve a referi-
da massa, por quanto em .tprnpo entrou com a
parte que the tocava como socio comrrianditarioi
Quanto a quantia de que e concessionario, so e
responsavel o sjgnatano do respectivo contrato so-
cial, como tem declarado em diversos julgados o
meretissimo tribunal do commercio. E para quo
ninguem se illuda, faz a prescnte declarajao.
Recife, t.* de outubro de 1873._____________
Aluga se uma excellente casa na povoacao
de Duarte Coelho, em Olinda, com bons commo-
dos para familfa; a tratar com Jorge Tasso, rua
do Amorim, n. 37.__________
Aluga-se o sobra lo de um andar com cm-
modos, na rua dos Cepiares n. 3 : a tratar nas
Cinco Pontas n. 31.
3 escravos.
Fugiram do engenho S. Caetano, no dia,29 de
setembro proximo passado, os 3 escravos seguin
te: Cuslodio, cabra, de 22 annos de idade, altura
regular, cheio do corpo, olhos um pouco papudos,
cabellos carapinhos, pouca barba e dentes penei-
tos, tem um talho no largato do bracp direito, dous
signaes nas cadeiras do mesmo lado e seccas as
duas unhas grandes dos pes. Joao, negro, alto e
secco do corpo, sem barba e dentes da frente po-
dres, e pouco gago. Benedicto, cor muito preUa,
baixo e cheio do corpo, sem barba, e bons dentes,
tendo ao lado do qtieixo direito signal visivel de
um talho. Tanto um como outro sao de pouca
idade. Ha noticias de que elles tomaram o canu
nho desta cidade, pelo que roga-se as autoridades
policiaes e capitaes de campo, a sua captura e en-
trega delles no referido engenho, freguezia de ban
to Antao, ou na rua do Apollo n. 3i, escriplorio de
Alvos & C pelo que se recompen-
Ha uma escrava para alugar se para en-
gommar em casa de pouca familia : a quem pre-
cisar afflanca-se a boa conducta : na rua Augusta
n. 228._________________________________
Aluga-se duas escravas que coiinham e fa-
zem u mais servijo de casa : na rua de S. Jorge
n. 74._______________________
- Jo*e Teixeira 4e Souza, com oflkina de ci-
garreiro no becco do antigo Porto, sendo mais co
nbecido por Jose E-tcvao, far. ver ao ros[ioiiavel
publico qued'ora eiii diante assignarse-ha por
Jose Estevao Teixeira de Souza.
Jose da
sara.
Silva
Xaruadas Cruzes.n. 18, loja de carapma,
vende-se uma escada de 20 degraos, de amarello,
bem feita, assim como dous gradeamentos de lou-
ro com mais de 30 ps, feitos para guarnecer um
soUo interno, mas que p. de t,er outra applicacao.
Na mesma casa so dira qaem precisa de um fei
tor que entenda de jardim.
Maconaria!!
Declara-se que, em qualquer um dos vapores
qne devem seguir para Europa ate o dia 10 do
corrente mez, devera partir em um delles, para
Portugal, Antonio Pinto Goncalves, a tratar de
sua saude ; e pejp presente despede-se de todos os
seus amigos. Ha entre estes tim, que traballn.
incognitamente a seu benelicio, de cujo nome um
dia devera ter o verdadei o conhecimento. 0 pre-
sente annuncio e mandado publicar nor absoluU
deliberacao do abaixo assignado, o qual disto deu
sciencia po- uma carta, ao dito -A. P. Gcmcalves,
e que e*te, hoje de man';a a deve ler erfrontrado
no cbao de sua sala. Recife, 5 de outubro de
1873. .
0iCaridosopXem Macon, nem Jesuita
Desappareceu da casa de sen senhor o escravo
Silverio, cabra aca, idade de 22 annos, solteiro,
sem ofllcio, natural de Goyanna, foi alii escravo
do Dr. Astor, alii morador, que agora se acha na
Parahyba, olhos grandes e amortecidos, nariz
grosso e chato, bocca regular, cabellos carapinhos
e vermelhos, altura regular, secco do corpo, nftoe
e pes grandes, falla mansa, Toi visto ha dias na
Casa Forte : quem o apprehender dirijase a rua
Nova n. ,8, que se gralificara bem.
0 Sr* Jose Pereira da Motla tenha a bondadc
da m dirigir a rua do >enhor Bom Jesus, arma-
zem d. 56, a tratar sobre ama carga vlnda do
Porto n-i bi'igu* purtuijuez Recife, coosignado ao
mesmo seiihor. ___
Mudanqa.
0 abaixfl assignado partlcipa aos seas credore~,
fregnerss e devedoro* que mudon sea esteb^le
bimento *e se_|_, da rua do Marquez de Olin-
da para a rna arrVigiirio n. Ii.
Mn;os de Almeida Lima.
- Aloga-se uma et-cftva ira eostinhar e eom-
prar : quem precisar dirija se a rua da Saodade
Ao puliilco
(Passando' o chafariz)
PEDEM AOSseDbores de engpnho e ontros agricnltores, e empregad.ire? do m
mnismo o favor de oma visita a sea estahelecimento, para verem o novo torlimeEto
ompiet) qoe abi tem; seado tcdo soperior em qoalidade e fortidio; o que com a ins
~* ^ ES;__JL"l^ffib AO NUMEBO E LUGAR DE SUA FUNDIClO
T Jnfl J.nfr.,Q des mais mo^rnr-s cyftemas eem ta
V apOFOS 6 rOQaS U agua maDbos convenientes para as diversas
irenmstancias dos lenbores proprietarios e psra descaro^ar algodSo.
_r J* AMMn de todos os tamanbos, as^me'.lwes qoe aqui
^oendas de canna exi8lem.
Rodas dentadaB p*-*-*r,??,r'
raixas de ferro fundido, batido e de oobre.
Alambiqnes 9 fundos de alambiques.
iTAA'U;.;MVM/>e paramsndiocaealgodao.l Podendo'todos
uaClllxllSIIlOS e para serr?r madeira. \ser movidos a mSo
/por agoa, vSpor,
flOmDaS. de pateote, garaiiidas........ |onanimaes.
Tndas as machinas p^*---p-
Faz qualquer concerto *-** a^ -rt-'~-i4<"
r> J ^^ umasmelhoreaemaiabaratasexisteotes.no mer-
Forxuas de ierro C3i0.
ft -. ^..,^ lnrnrobe-se de mandar vir qoalqoer roai*bnismo a von-
^tlCOHlIUOxliaS. t?t1e dos dientps, lembr?ndo-lhes a.vantagem de razerem
oaa fompraspor intermedio de pessoa entendida. e qoe em qoaiquer neccssidade p6de
'' prestar aoxilio. ,
iradoa americancs >mt-* v
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDIp^ DETERRO
A' rna do Barao da TrhmipliD (rna doBnim) ns. 100 a M
CARDOSO & IBMAO.
RECEBERAM de Inglatem completo sortimento de ferragens e maebmas para en-
genhos, as mais mo-lernas e molUorobra que tem vindo ao mercado.
VaporeS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
CaldeiraS de sobresalente para vapores.
MoendaS ftlteiraS e meias moendas, obra como .runca aqai veio.
TaixaS ftindidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
RodaS d'agua com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanbos e qualidades.
RelOgiOS e apitOS para vapores.
BODlbaS de ferro, de repucho.
AradOS de diversas qualidades.
Forma-S para aSSUCar grandes e p^quenas.
PnTinPrtnQ concertam com promptidao qualquer obra ou machine, para o que teem
UOnceiTOS fabrf b m raontada, com grande e bom pessoal.
T? JwlJ, mandam vir por encommenda da Europa, qualquer rnach.msmo,
EnCOmmendaS "*^mue M^espondem com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos methods engenheiros de Inglaterra ; incun,bem-se de mandar assentar
iitas machinas, ese responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) nsl 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO A IRMAO.______
9
m
Antigo gabmete de seu pai,. rua larga
do Rosario n. 20. v
Cura de hydiocelles sem infec^ao
com punccao capillar. __b
Abertura de abcessos e exlrac^So de *o^
derramamento scrosos, pelo aspirador /a_\
de Potain. '3
m # 9&q ^
Joaquim Jose Goncalves
Beltrao & Filho.
Rua do Commercio n. S, !. andar
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
\ Minbo, cm Braga, e sobre os soruintea
gares de Portugal:
Amarante.
Arco do Val de Yez.
Barecllos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilha.
Faro. *
Guarda.
Cuimarfies.
I.amego.
I.isbda.
Mirandella.
MoncSo.
Ponfe de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpas?os.
Vianna do'Cftitt-ilo.
Villa do Conde.
Villa Nova de Famalkao
Villa Nova do Portiujao
Villa Real.
Vizeu. .
Valenca.
Figueira.
Aveiro.
Agueda.
Caminba.
Evura.
Oliveira de Azemeis.
Peuafiel. -
RegOa. ^^___________^___
0 mata-dores,
0 abaixo assignado tendo miidado seu estabe-
lecimento de calcad", conhecido por Hola de Ouro,
da rua da Imperatriz n. t9, para a mesma rua
n. 7 ; vem por este meio prevenir seus nume-
rosos freguezes que acaba de montar o novo es-
Ubelecimeuto nas melhores condifdes de bem sa-
usfazer o reipeilavel pubheo, tendo um grande e
varia'lo de calcad') national e estran-
gei.o riito razoav
rites.
^^^^^^^Ifonteiro, tra-
vessa cL Xwto, a
tado de limpeza .
kurfo. antiia fio lre*po n. 10 A, loja de -orurjel
do Am a rat & Q.
J. Dhibaul de Paris
Constructor e nfinadcr do pia-
nos.
Ex-afinador das antigas e afaraadas casas
Pleyel e Hertz
e antigo director das oflicinas da casa
Affonso Blondel.
33Rua do Imperador33
Tem a honra de declarar ao respeitavel publico
desta cidade. que tem aberto sua cas de concer-
tos e afinaeSes de pianos, qualiuer que sejro es-
tado do instrumento : a rua do Imperador n. 33.
Aluga se a casa da rua Bella n. 41 : a pro;
curar n rua do Imperator n. 4i, p'armacia.
Aloga-se a metade oc uma casa que U-m
muito conimodo para uuia pejuena familia: quem
-ireteoder di; ija-se a rna 4o Caldeireiro n. 34,
(as 3 boras m dia"'"
DE
HOGG
1. Hlula. ^lmontosafl de Hogg com pepsin* ^^_SSiM P"* mole8ti"
hS^ Ho com^l^ina e proto-ioduro torro inaltoravel, par. molesh-
SoW*yh^cMe cnSarthw, para a tiika, acachexim chloroticaepara uafiekoei
' EtK?zrSortriiig>3a da 100 et 80 pilnlaij pwooa fadteadoi wbre os frMcoa.
D^odto em PeriamKce, A. RKGORD, e nu prmcipaw pharmacias.
Caixeiro.
Precisa-se de um caixei
na, preferindo-se B___|
numero 3.
pratica de taver
ia rua do Raogel
Carros de luxo.
E' in luestionavel que a cocheira in ru& do Bom
Jesus n. 13, de Joa iuim Paes Pereira da Silva, e a
que tem as-melhores berlindas, caleo:is, meias ca-
teeas e victorias de luxo, proprias para qualquer
nr.ivado, viiU de etiqneta, hailea.e act'* da aca-.
demia, seudo u* inwmos ajaezados de exwllentps j
luas deanimaes, arreios 1 ixuosos e boleeiros
(PAIX-KILLER)
Remove toda e qualquer especie de or I
E' um curativo proropto e admiravel para
feridas, machucadellas e qneimaduras 1
Acaba com as dores de cabeca, dores dos den-
tes, nevralgias, e o rheumatismo agndo t
E' um especifico segnra contra diarrhea, colica, '
caimbra e cholera !
E' de grande utilidade nas tosses, mal de gar-
gama, sMoes, febres, resfriados e muitas oulras
enfermidades.
0 MATA-DORES, ou Pain Killer, tem sen
favor duas grandes vantagens, aeima dos mais
reiriSlios :
i. Cura e alliia rapida e seguramente.
. 2." 0 seu preco csta ao alcance de todos, so
1 #200 por vidro.
Poucas na vcrdade sao as dores e enfermiaa-
des que nao podem ser
SEMPRE ALLIVIADAS
com o emprego prompto do Mata-dores.
Depois de ter visto seus exlraordinarios effeitos
em nos mesmos, em nossosamigos e em milhares
de differences pessoas, o pronunciamos
0 maravilhoso remedio I
0 grande salva vidas da sciencia
A riqueza do pobre.
A prcciosa descoberta do sculo XIX.
Com effeito, os antigos nunca imaginaram quo
sena possivel descobnr tao excellente remedio :
Nao tardara muito o dia em que em todas as
habitacSes do Brasil achar-se ha o Mata-dores, e
o povo entao dira, agora sim, nao temos medo;
j as molestias que ate aqui nos atemorisavam e nos
1 pcrseguiam, agora nao nos inquietam mais as an-
tigas dores c soffrimentos, poruue nos doram um
; remedio e este remedio e o Mata-Dores do Perry
Davis. *
J. 0 C. Doyle, a rua do Commercio. Unico agen-
te em Pernambuco. ^^___
Papel de linho viado
a StfOOO
a resma, o verdadeiro papel de linho grosso mar-
ca viado, proprio para cigarros de policia, j
os Srs. fogueteiros, e para outros muitos mist
so no armazem de Jose Domingues do Canno e
Silva, a rua da Mi.dre de Dens n. JO A.
0 verdadeiro fumo do Rio
!
Propylamina.
Unico remedio con'.ra o rheumatismo o rmis
agndo : uriico dencsito na pharmacia Americana, No _rmaMm de Joa| Doinmu do CM poo
deFerreira Maia & C, a rua Duque de Cus gj,,,, j rua da Madre de Dens n. TO A,
n. 57. id tamo.
Vacciua.
Chegada pelo ultimo vapor da Europa, nroito ]
nova, na pharmacia Americana, de
& C, a rua. Duque de Caxias n. 87.
Novo.
Gaz
torn fardamentos do ultimo gosto, para o qne so pharmacia Americana, de Ferreira Maia
convida ao publico a vir por si mesmo scienlit- ^Doque de Caxias n. 87. do D voU a8*800 a Uu no arauum de Jose.Uo
car-so da verdade do qno deixamos dito, certos 8e .___|8ft p-nlo G)D.,;Te, vai a Portugal tra- mingues do Carmo e Sdja, a rna da Madre do
que nao encontrario Jornada, e aim realMade o; ~.A"J_I"?u5'nl 3n-alTe xai a """S^" Deni n. 10 A, armazem de fomo.
commodos preoos. ar ao su .




6
i>iaric
r
>xk*j Quarta .ftjira S cto Gumix* de 1&$3.
I

AZEM
VAPOR FRANCEZ
fflJA DO B\RAO DA VICTORIA
S. 7Outr'ora Nova-N. 7
c
ill
francez.
pro-
liD:
dc tranja
I'aua homum.
IKHLNAS de bezerri); cordavao, peHiea, lustre e
" do duraquc com biqueira, dos melbores
-ftliricaates.
JaStPAJOiiS de be erro, de cordavao c de case-
mira.
i.WFOS de lustre com s^Li.
&WA.TOBS atamancados In sola de
|hios para bantios%itios e ja
MPATOJ de tapete, chariot, castor e
francezese portuguezes.
I'ara senhora.
8BLNAS-pretas, brancas e de cores differentes,
Ins*, enfeitadas e bordadas.
SCPaTpillOS de phuntasia -com salto, brancos,
.^pretos e de cores, differentes, bordados.
5>*raTOS de tapeto, cbarlot, castor e de tranca.
Para mcuinos.
yiWAS pretas, brancas e de cores differentes,
I's.h, enfeitadas e bordadas.
&3OTI.\'A|)0S de diversas qualidades.
4SfikT0S de tranca portuguezes.
I*ara meninos.
&*n>T*S de bezerro, luslre c de cordavao.
XOTLNADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
. q:'alidades.
jtftPATO ? do tranca francezes e Portugueses.
Botas de montaria.
ftatas a Napoteao e a Guilberme, perneiras
raee-5 pefteiras para homen-, e meias perneiras
ffin meninos.
Ro armazem do vapor francc, a rua do Barao
aft Victoria n. 7.
Mobilia de viraes.
Cwkiraa de balanco, de braco, de guernii;5es,
***, jardinciras, mezas, onversadeiras e coslu-
Trias, tinl i i i muito bom por serem fortes e
*3S. e s mas proprios moveis para saletas ega
.:- ili' rerreios.
No ar Mi/in do vapor francez, a rua do Barao
*=Vieioiia n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Scaham do ctwgar Biuito bons pianos fortes e
tot><_"!irics i-oilelo-, dos~mais notaveis e bem
canftecid'-a fabricantes ; como sejant : Alphonsc
riel, Henry I! -is i- Plcyel Wolff 4 C. : no
-K^for Jr.r,::-.::, a rua do Barao da Victoria, ou-
*aNov.. n. 7, a preens muito commodes.
Perfumarias.
fia is extractor, banhas, oleos, opiata e pos den-
aa^oe, agna de llor de laranja, agua de toilete,
afinn.y flurida, lavando, pos de arroz, sabonetes,
aaa-aeneoa, nuiim* artigoa delicados em perfuma-
Eap-'ira i.. -eut.-s com fraicos de exlractos, cai-
rtidas n garrafas de differentes tama-
b&gs d agua *! Mogne, tudo de primeira quali-
fcP dog beat eonhecidus fabricantes Piver e Cou-
aatp.
ffoarm m do v.por francez, a rua do Barao
*i V,r;.) i?, oot/ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
$r*T-i>a (fee differentes goslos
phantazias,
s ih ., idos para sal.is e gabinetes.
i'.i .-''DDoras e para moninas.
iJ i 'Mil, de li i iti- I'.-ciicia e de camurea
lo wstura ornada com musica.
- e 4ii idriiihos para retratos.
in as emu vidro de augmentar retratos.
hiv-'iv !> o!.r.:.s de cure bun de ici garantido.
de j.laijue muitn bonitaa para relo-
- a i.-iiit rao e botdc-i de purihos de pla-

- e cotes de soda, de velludo e de cou-
i I cores.
i...ject's de phantazia
itic
ic oez dc cores, de prala dourado,
i : i ruga.
v'.-nl is li,-, ajj lino < do todas as gnaciiicdes.
Beugalaa do hxo, canna, com castoes de mar-
-u diversas (Hi grande sortimento para
Bl 0 ll Iii IS.
Uohoi de balcia e de muitas qualidades
Arenas
Esiiuraa de tarracha para saltos do bolas.
roirieiras Jo cspuma para cliarntos e cigarros.
ren; da tauaruga para dese-mbaracar e para
lacba.
Di!'j:: de mai Bm muito linos, para limpar-ca-
Csc ivaa j ra roupa, cabellos, unhas e para den-
C::::.irinlias de metlreperola para din eiro.
lleias para homens e para meninos.
Gravatas brancas e de seda prete para homens
meninos.
Gamiiainhas do mola para ch nijr crir.dos.
Jbv'os da gloria, de dama. de bagatellas, de do-
- uiuitos differentes joguinhos alle-
r-'ncezes.
JIalas, bol ..; e saeeos de viagem de mar e ca-
jimluis ,ie ferro.
Arg. ..:. ...-. do inariiiii ^.ra as cri.incas morde-
wna, bum i.ara ns dentes.
Beryls dp .viines para embalar crian^as.
Ce.-liiilia- do virnes para braco de meninas.
Carriobos do rjualro rodas," para passeios de
- tCNsiica*.
\'eiezianas tr*a"sparentes para portas e janellas
Reverbetos tran Lito.-vns.'opus e ccsmcramas com es-colhidas
msias.
Lan! rnas magicas com rieas vistas de cores &m
'SlipiS.
Vidros avuisoj para cosmorama.
fflol io papel de cure? p.nra illuminacSes de
Baloo^^wreostaiicos de papel de seda mui faci!
(- r-i'.lnr.
:..- de varios systemas para cafe.
Espanadores de pallia e de pennas
Tesourinhas e canivetes linos.
Tapctes ct.m vidrilhos para mangas e lante-nas.
Tmt''i;os do |uca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de moliurss douradas e protas para
Tualros.
Quadrosja promptos com pavsagens e pbanta-
a*. "
Esta!nr:is avalsas de santos, pavsagens e phan-
Jbjectix d>1 magicas para divertimentos em fa-
aiiia.
Realejo; pequenos de vcio com linda's pecas.
Realejns i .trmonicos ou accordions de lodos os
amantuv, n ontros muitos artipos de quinqailha-
Bfts difficeis de men*tonar se. No armszem do
por rrani-ez, rua do-Barao da Victoria, outr'ora
Jova n. 7.
Medfclas de 40 a IfW'metro?, p6s e pai-ros para
medir terrenos.
Brincpiedos para ineuino.
~>atf>f variedade'qiie^so'pode desojardetodbs
Aluga
da S. Joao
m .-olao *Ji
ieciso das Gii'iocas, com banlio ,
de cbafariz em casa ; pvefete se alugar a pasoa
casada on dons moco^ softeiros : a tratar na
itMHWL m&~~ W Mir1
Aluga se mua exoelli'iite casa na Boa
gea : a tratar na rua da Ventura n. 51,
puoga. _
1
Luiz e Ravmundo.
Continuam auzentei os mulatos, Lais, desdi
dia 9 de agosto"do ccrrenta anno, cnjtt mel
signal e ter o deeJo pollegar da mao esquerda
tado quasi ao meio, do um talho deseacando urn
coco, e Uaymundo em 29 tambem de agosto, na-
tural do sertfio, que represents. 24 annas mai ou
menos de cor alaranjada, cabellos egtirados, fa
E dolajd:
g '%' do laranj
ARCOS de pao para bar__
CAL da Lisboa, recentemente cheeada
CHAPEOS a
menos ao cor aiaraojaaa, caDeuos egtirBaos, la- uieuuauor reurozo.
zendo voitas quando estao grandes, eabeea rtdon- RETHC'Z de tuJas as qualidades, das fabric
it* newvico crnatA n*w aanpf\a a n^ru,llc ftn r. Peros e Riinardn Mililiin
da, peacoco grosso, pes seccos e canellas ftnas e
quando falla apressado ou con medo eomo que
quer gaguejar.
Este mulato ja fez uma fuga, e foi prezo na
eidade d'Areia ba mais de anno, agora foi viele
no Recife para as bandas da Boa-Vista, e S. Goo-
calo ; assim como o mulato Luiz, que tern mai
e um irmao moradores no Recife, cujo irmao foi
liberto por occasiao da guerra do Paraguay.
Pede-se as auleridades policiaes a apprehensao
de ditos escraros, e a qualquer-Mssoa, a quern
alem do agradeciment". se pagara generosamen-
te: no Recife a.rua do Bom Je&us n. 30, ou no en-
genho Megao, na fregueiiade Tejocapapa
4lwga-se
6fTB*
o primeiro andar do sobrado da rua Duque de
Caxias n. 44, proprio para escriptorio ou rapaz
solteiro : a Iratar no mesmo, loja.
Armazens.
Alugam-se os dous armazens da rua do Apolto,
hoje Visconde de ftaparica, ns. 3i e 36, com em-
barque e deserabarque no caes a qualfner hara
de mares, muito proprios para qualquer ^taba-
lecimeoto ou armszem de recolher : a tratar ja
mesma rua n. SI, andar.
CKIADO
j a.
Joaquim Jose
frao
Teem pj
escriptorio a
seguiate :
ixa de 12 garra
m idem,
OS de sol, para fcMonera e senhora, vbo
do niaxlifR e,fliso. ,
> dc feno, para parta.
ftloA^13r\ t\ I ^M 111 i I Bf fitknMa It 9\. *^*
fabrica do eomipi-'
'ELXBS
'10 da algodao da Bah i
menaWor Pe
LINHA de roriz.
OBRAS de paheta.
ANNO de algodao da Bahia, da fabrica do
mendador Pedrozo.
ROLH.AS proprias para botica.
BftalW^iftlB n nl^Vl mm *h
8ALSAPARRILIIA do Para.
VELA3 de cera de todos os tamanhos.
VINHO ajMarrafado do Porto, caixas de 12 gar-
t dito Moscatel do Donro, idem idem. '
dHo Setubal, caixas de 1 e 2 duzias.
< da Italia engarrafado, caixas de 6
ratas,
de a de aajn, caixas de (2 gar alas.
alaivasia do Douio, caixas com. 12 far-
Wfas.
CarcaveHos, Idem idem.
-----w---------------------------------------------------------------------
Cirapeos paW^cn.sWas.
Amaral Jfabuco A C. reeeberam nm compteto
sortimento dc chapeos de palha de Italia, aeda
e volludo, pretos par* lulo. e de ceres enfeitados
com bonitas fiores e flta : veajem no Bazatwle^
teria, a roa de JJarao da Vietaria n. 2, antig%rua
Nova. ___________
Ab Ulricas vertiadeiras.
Bichas hamburguezas one vein .a este meroalo:
aa wa da tarqaez. de uliada a SI.
-----
Precisa-se de um criado-para, todo o servieo em
casa de pequena familia, e que seja de afflaucad*
conducta : a tratar na roa da Gadeia n. 35.
Precisa-se de um cozinneiro
ratris n. 37, andar.
Cozinheiro.
na rua da hope
Aluga-se o 2- andar a rua da Imperalriz n
: a tralar no cafe imperatriz.
THEATRO
Pede-sc ao Sr. Vicente, digno emprezario do
theatro Santo .intonio, para levar a scena o dra-
ma Trabalho e Honra entrando nelle o sim-
patbico actor Simoes, por quern ja tivemos o pra-
zer de apreciar seu trabalho no Santa Isabel em
1865, este obzequio Ihe pedem muitos dos seus
constantes
____________Espectadores.
Casa.
Aluga- e o primeiro andar da casa n. 61 da
rua do Apollo : a tratar na rua da Cadeia n. 3
no Recife.
Bank>s em Olinda.
Camisas e calcas de fazenda dc boa qualiaade.
jaoprias para os banhos em Olinda : na loja dos
cos a rua Primeiro de Marc > (autiga do Craaao)
I.MA, de Gurgel do Amaral 4 C.
1PRAS
para cima demesa
de a^o e
1'ftStGSa ^k
l

a s
Conipr e e venJe-se trastes novos
e usados : no armazeni da rua do Im-
I erador n. 48.

Fnodicao da Aurora
Grande sortimento de:
Moendas de todas as qualida-
des e tamanhos.
Tachas fundidas e batidas,
idem.
Rodas dentadas e angulares,
idem idem.
Machinismo, idem.
Varandas, gradeamentos pa-
ra jardim, etc, etc.
Tudo sevende por precos
muito em conta para aca-
bar.
^ G. Starr AC, em liquida-
Qao, na fundi^ao da Aurora,
em Santo Amaro.
COM S\0 LIM)0S!!
Oaleqoes todos de madrepereia,. braacoe a de
c6ree quo trazera o disticoUNIAO -em lettra;
tambem de madxeperola em alto relevo, tor-
aaado-se bop isto apropriados para noiaas, a NO-
VA ESPERANCA a rua UuqBB de Gaxias a 63
(aaliga do Queimado) 6 quern os teral.
Sao de'tartaruga
Os brincos, broohes, matos aderecos, crnzet
coracles e cassotetas, qua estao oxpostas a bfa
eecolha das Exmns. (amantes do cinque) vende-se
na Nova Esperanci a rua Duque de Caxia.'
63.
Aos meninos
A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber um lindo sortimento de bo-
necas de muitas qualidades, vindo entre ellas a.-
engracadas bonecas de borracha, assim tambem
nma pequena quantidade de bonecas pretas que
se tornam apreciadas pela-.sua novidade.
Ebem util
A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, recebeu vordadeiro cimenio inglez, prepara
cao para concertar porcelanae bem util.
Vestido perdido
Muitas vezes um vestido. torna-se inteiramenti
feio, somente por estar mai enfeitado : a Nova Es
peranca a rua Duque de Caxias n. 63, removi
este raal; porque esta bem provida dos.melbore;
galoes e franjas de todas as cores, onde pode es
colher-se a vontade sobresahlndo entre estas as
modernas franjas mssaicas, que pela SHa varieda-
de de cores, fiea bem em quasi todas as fazendas.
A ella antes que se acabem.
Cabellos brancos sd tern quern
quer
A Nova Esperanca- a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber a rerdadeira tintura de Des-
nous para tingir os cabellos, o que se consegue
(empreeando-a) com muita facilidadc, e por este
motivo, cabellos brancos s6 tem quern quer.
Estao na moda
Os cinturoes de couro, proprios para senho. -j,
Ine recebeu a Nova Esperanca a rua Duque de
ixias n. 63, estao, sim, senhora, estao na moda I
Se quereis ter ou preparar um ramalhete de
cheirosos cravos brancos para o vosso casameuto
ou para outro fun apropriado, e necessario ir a
Nova' Esperanca a rua Duque de Caxias n. 63,
que alii encontrareis os melbores ports bouquett
que se pode desejar.
Bolas de borracha
, Vendem-se de todos os URnatufca a rua Duque
de Caxias n. 63? na Nova Esperanca.
14IAR a,
Rita do .too da UUia u. 22.
DE
Cameiro Viaima.
qne
Caj
gSV esto grande estabelecimonto tem chp-
gada um bom sortimento .de nja.chiuas para
coptnra, do todos o& autores mai*acredita- [
dos altimiMHGntena Europa, cujas machinas
sao gnrantidas por am anno, e tendo um J
parfeito artista para ensrnar as mesmas, em \
quaiquer parte desta eidade, eomo bem as- \
sim concerla-las pelo tempo tambem d'um'
anno sem despendioalgam do comprador A
Nesta estabelecimento t mbem ha perten^as
para as mejmas macbiiias e so. suppre rjuaN
quer pe^a qua aeja necessario. lCstas ma-'
chinas trabalham com toda a perfoicdo de
umedous.pospontos, frauzc eibqnae toda
qualquer costura, por fina quo sejn, seus'
pregossiio da segumtequalidaiio : para tra-'
balhar a mao do 309000, 40-3000, .J^OOO
e 50JW00, para trabalhar com 0 pc sao de
80000, 90*000, 1O0J0O0, 1IGO000,
120JJ000, taOflOOO, loOaOOO, 200JW00 e
250JJO00, emquanto aos autoies nao ha al-
tera'^So de pregos, eos corapradon-s puderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar pela variedade de objector que
ha seinpro para vender, como sejain : cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para sa!asr ditas do balanco, diras para
crianga (alias), ditas pa,ra escolas, costurei-
ras nquissimas, para senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homom e criangas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhosde metal para chd, fa-
queircs com cabo de metal e de marfim,
ditos avulsos, colheres de metal fin >, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arauie, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar' salas, lavatorios compjetos, ditos
simples, objectos para toilette, e oiitros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto de>de as G horas da ma-
nha ate* as 9 boras da noutc d
Rua do Barao da Victoria n.
__________22.__________
Nao ha mais cabellos
Nenhuma maebina
Singer 6 legitima.se
nao, levar esta marca
fixa no bra^o da ma-
china.
AS MACHINAS
^Pa-ra evkar felcifi^
lacoes netewi^e bern
todps os deta^ttie^ da
marea.
BE
MUS
ff mm
Porque?
Rua do Cabugd u. 11 A.
Vendc-se um escravo m6co proprio para enge-
nho ou padana, por preco muito em conta.
Vende-se uma taverna, no povoado de Api-
pucos comrronte a estaeao dos trilhos urbanos -a
iralar na mesma.
Vende-se a armaeao da loja de calcados da
rua da Imperatriz n. 19, conhecida pot Beta de
Ouro, com o traspasse da chave : a tratar na mes-
ma rua n. 7.
Rua do Grespo.
doniiiiiio a \cinler hara
apiipai' nmito.
liuho de cores (pe^hinca) a 1^200 a
as firinuuedos fabricados cm differentes- partes
L Europa para eutrotenimento das criangas tndo
arecos mais rcsumidos que enossivel: no ar-
auz*m t!o vapor francez, ni do Barao da Vie-
aaia, outrora ma Nova'n. 7.
Geslinlftis jiara oeslilM-
ftande sortimento do b'onitos mOilelos-cReaados
ffKr; ttt licea, coft to Ba4b da
lEwtona (outr ora Nova) n 7.
Oleados
l>sinatos.
DE
Algodao da Ma -
Ha para vender das seouintes fabrica* ;
S.. Salvaflor,
OonBefcao.
Vsleni'a.'
No ^Sf'Rlor'ff dS'I/iiz Diipral, roa doYJomiWri
cion. 3%j 1< awlnr:
^^ -'
Tav-erna.
Vendee uma tarbma na villa .-do- Cabopiro'pa"
teo da tMrvau-W:-qMm*a>pveta0r- dSlJ^sea-
mesma, flu a rua larga do Rosario n. SO
Vend
rua do
piassava, briae mWr&'BTn coiiU'.:
^6'
Brins de
vara.
Fustao branco para roupa de meninos a 560 rs
o covado.
Laiinh'as eseocezas a 240 e"280 rs. o covado.
Alpacas com liUras a 500 rs. covado.
Brins p.irdos c de co:cs a 400, liOe 500 rs. 0
covadu.
Brio lona b'rano a 1|600 a vaira;
Cambrains pretas para luto a 240 rs. o covado.
Crutone de listras a 440 rs. o covad,>.
Chitas roxas a 200 e 240 rs. o covado.
Gro.-denaple preto de cordao a 2*400 o covado.
Cobeptas de chita adamascada a 3*j00.
Colchas branfas e de cores a ."(SoOO e 48.
Leniioes de bramante a 2$.
Ditos de algo lao a 1J10O.
Toallias alcocluiaias a 6} a duzia.
Len^os de -cassa' cbm barl-a al;j duzia. -
Ditos de dita ahainhados a ih.
Ditos do esguiao abianhados a-3^500.
Cambraif lisa a 3i e 4^500.
Dita Victoria fina a 3**00.
Atoalhado a 2i a vara.
Cortes de easeuiira fina a b(.
Fustoes de cores a 15 o coite,
Challes de merino liso a 2i.
Ditos de dito estaitipado a 4J, 460-ao^COO,
- Al/odao de listras americ-ano (com toque) a 320
rs. o covado.
183: a duzia*e 3*50Omai.
TJNTUMRIft JA'POMZA.
S6e unicaajiprovaila pelas acadsmias de
sciencias, rcconhceida superior a toda que
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, t. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
Sao as melhores
~ Sao as mais baratas
Sao de dous pospontos
S3o mais simples e rapidas
Sao duraddras e aperfeicoadas
Sao util cm uma casa.
Faz melhor costura com inetade da liriha que gastam
as outras e fornecemum meio de
VIDA
Para aquelles que leni de su$IMar-se
DE

BICHAS DE HAMfiDRGO
As mais recentes e melhores.
Vendera-setiapharmacia edrogariadepar-
tholomeu & C, rua Larga dosario o Rh. 34.
SE6KEDO' HCONOMiA E CELEUIDABE.
Obtera-se com o uso
DA
IlMECgAO SHOST
Unica, bygienica, radical e infallival nacu-
ra das gonorbeas, Dorcs brancas efluios de
toda especie, recentes ou chronicas; e que
offereee como garantiadesalutaresresultados
a cotitiiiuada applicarao que sempre com a
maior vantagem se tem feito della. uos bos-
pitaes de l'aris.
Unico dop'osito parao Brasil, BaTtholomeu
A C, rua Larga do Uosario n. 34.
Setineta para vestidos a 600
rs. o covado.
Recebeu a loja d America setineta branca com
duas larguras, fazenda muito propria para vesti-
dos e casaqumhos de senhora, e tambem para
roupas de meninos : na rua do Cabuga n. 10,
loj? da America.
Querem agradar a yaya ?
Querem agradar a esposa?
'Querem agradar a lilha?
(MI'REM UMA
MACHINA DE SINGER
Nenhmna casa cstd compkta sem uma
MACHINA DE "SINGER
Sem caixn 80^000. Com caixuJ.90-3000
UNICA A.GENUA
i:.m
ll/li

A CASA AMERICANA
45 RUA 1)0 IMPEMDOfi
tr
F3-*a^G#Vi?o,vielK'
Oleado benites e muito iiaraliis. para cima de
mtai: no irmazem do vfflRir frankz, rua do Ba-
ada Vi .oria otrtr'ora^
0 advogado Daodoro Ulpyanp CoeJlw. Catanao
awdoa sty escriptorio' para i rua d*! Qtuks: so-
amta'n.% f andar:
Laiinhas, fazenda de 14000 por 4 do, seado da largura de alpacas, padroe* bonitos;
dao-se amostras a rua do Crespa n. 20, ioja de
Guilfrerme A C.____________
Veode-se uma taverna, siu na Barro, praca
do Capirn : a tratar na mesma.
(yambraias
Victoria fina- a 2}5ti0 e 3jOW
i" pechiocba : na roa do
Wfot** ftWfgfta, loja dd
....irVWv
BflHTaiimp!
D*o-de lifelio
Cauibr&ia*de .,
A FgtfdSB'T" a-Slrtt-prtSf
Mft*ipolBeS'baaio#:
S&na rua do Crespa- m 2tli
Loja die
Guilherme^C:,
Labvrinlhos, bicos, rendas.
No escriptorio de Gomes de Mattos, IrmSos, a" rua do Cadeia
do Recife u. 40, 1. andar, d o unico deposito do qiie ha du
melhor, e bem acabado, que vem a este mercado, da eidade dc
Aracaty no Cear^, quern os comparam com os feitos aqui na
terra, facilmente reconh jcera" a immensa difference, que vai
deuns para outros, tanto em prec,o corho em qualidade.
Lindissimas toalhas de labyrintho.
Fronhas de diversos tamanhos.
Lengos do todos os prcjos.
Bicos e rendas em profuzfio.


De fore* de d )i* a seis cavtflds : a venaa no
armazem de Joaquim Lopes Hacliado & C, tr-a
vessa drf'f-orpo Santo d.- iS.
Vende-se
i
wn vapor de forca de riuco cavallos, nwo, proprio
para qualqtier mister, com bronzes de sobresa-
lewes, pof. preco cpm'modb: para ve-, no arma-
zem do. Bar*3 da Livramento, e tratar a rua do
Torre* a. di, 2 anqar.
- Vaade^ur-otemoo;n>3ft datroa^PaVun-
ataVfedo, com servetrUa paraw rte Caaibarifefe
a-trtair aa niesma roay tawroa da-aftmina ipital poHilfaez.
Vende-se
polassa nova em meias bfrriqalinhns a
kin : na tra vessa da Madre '
_ 320 rs. o
de Deosn. 14. j
- Vende-se uma-raei-agua no beaco dos Mas-
catts n. 4, outr'ora' beceo d is Miudinhas, chao
propria: a tralar na rna da Santa Crra n. 1, a
qualtmer liora dp.dia.
. Veade-se a nietade' do sobrado de dous an-
dares e sotao na rua de PeJro AITonso, outr'ora
rua da Praia n. 33 ; a tratar na mesma rua, ar-
matenjn 26-A. E'. vantijo a a compra por ser
umiimfrtante*pred76, bem- cdnstruido e-dftgran-
de rendimento pelos -seuiL cxceltetttes com mod js.
TASSO IRMAOS k C.
Em seus armazens A rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n..47,
tem para vender por precos comrr^dos
Tijolos' encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydranlicc.
Machinas de descarocar algodJo.
Machinas de padaria.
Po'tassa da Russia em barril.
Phosphoros de c^ra.
Sagii em garrafoes.
Sevadinha em garraf3es.
Leritilhas em garrafbes.
Rhnrn da aJraaica.
Vinho ddaPerto \elho engarrafada
Vidho. do Porto superior, dito.
Vinho de Bordeaux, dito.
Yinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Poles com linguas e dobradas ingleias.
Licores finos sortidos.
Cognac Gaujhier Freres.
Lata's de toucinho inglez.
Barris com repolho em salmoura.
Yende-se
trastes de jacaranda e amarello com pouco u? ,
em perfeito estado, e tambem um meio apparell >
de louca para janlar eum dito de porcelana, fino.
branco, para almoco. Vende se por ter o do'no d>-
se relWar para Europa
n. 51 A.
na roa da Imperatriz
Potassa da Russia em meios
barris a 500 rs. o kito
Desembarcada ha pqucos (Jiag : veudese no
escriptorio de Oliveira Filhos & C, largo do Corpo
Santo n. 19.
SE
pes desapoti. abacate; parreira, roiueira, piuliem
larangeira cravo, roseiras de varias qaralidadep, e
outras Qores : na rua do Visconde deGoyanaa n
IQjl,.outr'ora Mondego.
Jlaehiflas
Por baratos precos para destaroca?'alfeodlo, tic
12, li, 16, 20,23, 30 e 33 sorras.
Gunha Jfr Manta
ili-Hmx Mnrqitec de
VEM
j barris com carae do v
om.barra a 400 rs.o covado, rua (do Queimado .
E* barato II i tetris com carae de ; 'td, salgadf.
Veude-se ou aluea-sa uma das nfeti< ca B>ptistes fiaas com lifldas barras gosro aflme-rPaJ\Sanlim^lt?s d na inpjzem de Tas-
dJccas, e terreno fresco para plantacao de ca ,ja de Gttorra Feroandes,-dao-se .p Venda-aef umcb(r<'dtrfartD : na rua
a'tratar mv rua do Imperador n. 83, d
i
-
ILEGlVEL
- *<" p>
-i.1 *




'


I

i
Diario Je ^fcrnamfcueo QiiA*to> feira ^itoOatiihrt) W$t$ &
PAAA
A 25|(000 ^t46000.
DOUS POSPGNfGS
Na lojade Soares Leite Irma^B,. &.rua do Barao da*/
Victoria!*; 28.
SOARES LEITE, IRMAOS
UNIBOS AGENTK
A'
Rua do Barao da Victoria n. 28
V.8 mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na exposicao de Paris, era 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a condecora-
?io da Legi&o de Honra, por serem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de
pellica com pcqueno toque,
para collet*1, grande sortt-
cos-
tura.
A medalha de ouro na exposic,3o de Londres acreditam
estas machinas.
A 90$000
Luvas de
a 200 rs.
Abotoaduras
mento o 120 rs.
Caixa de linha de marca, a 200 rs.
Laniparinas a gaz, daildo uma luz muito
boa, a ltyOOO.
Duzia de peca* de cwdao imperial, a
20 rs.
Caiaa tie i>otde de osso para cahja, a
200 is. m
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
600 rs.
Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
Mace do (ita chiucza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs.
Meios adereoos com camafeu, a 500 rs.
(iarrafa de tinta roxa extra-fina a 1*000
Potos com dita ingleza, preta, a 100 e
160 rs.
Caixa de peunas Perry, muito boas, a
1JPO00.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa de papel amisade,
a 800 rs
de todos
, ., idem idem idem-lisa, a 600 rs.
Cabe-nos 0 dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-| buzia do talheres caho branco, 2 B., a
>-/TK, estaoeleceu nesta cidade a rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agencia' 5o00
<*ral. para em .l'ernambuco e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-1 Resma de uaDel naulado a 43000 -
o-a de Howe. Estas machinas sao justamente apreeiadas pela perfeicSo de scu trabalho, e 5*300
apregando uma agulha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra, [ uem 'jJem iiso a23$O0L 38O0e 58000
< Dda introduccao dos mais aperfcicoados npparelhos, estamos actualmente habiUtados a '
t^recer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
As vantagens destas machinas sao as seguintes:
Prirneira.0 publico sabeque elias sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
(ircainstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
) mSo.
Segunda.Contem 0 material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Torceha.Ha nellas menor friccao entre as diversas pecas, e menos rapido estrago
0 anc nas outras.
Qnarta.Formam 0 ponto como se fdra feito & mSo.
'^uinta.'Permitle que se examine 0 trabalho de ambos os fios, 0 que se na"o consegn^
ai outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando 0 fio de um i outro lado,
-. !ngo em seguida, sem modificar-so a tensao da linha, cozem a fazenda mais
In a.
Seti'rn'a'.0 compressor e levantado com a mainr farilidade, quando se tem de mudar
*e agulha ao comecar nova costura.
Oitaya.Muitas companhias de machinas de costura, tem tido epocas de grandeza e
'ecadericTa. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffreram
nudaricas radicals parapoderem snbstituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
'doptando a opiniSo de Elias Howe, raestre em artes mechanicas, tem constantemente
'Ggmentado 0 seu fabrico, e hoje nSe attende a procura, posto que faca 600 machinas
or dia.
""da1 machina acompanha livretos com instruccoes em portuguez.
Coques modernos, a 35000.
Duzias do perns do l-niiQf
branca, a 400 rs.
Idem idemlisas, a 200 rs.
Leques de osso 0 saudalo,
e 65J000.
todas
Espelhos demoldura dourada,
os tamanhos e precos.
PEOFUMARIAS E MHJDEfikS;
Frasco com oleo Onza verdadeiWL; a
19000.
Mem coinAoaico do Eemp, verdadeiro, a
1*MW.
Garrafade agua florida werdadeica a 19200
Garrafa d'agua jappneza, a 19000b
a*a idem divina, a 19000.
Idam idem Mngdalena (uoviiade) < a
J92fld
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos chines, muito bom, a
500 as. 19000.
Pate com opiate deTRioger, Rimel e Gios
eel, 19.00. .
Duzia I de sabonetes de amendoa, a
39600.
Daeia de aabonetes de-anjinho transpa ren-
tes, a 29200.
idemi idem com fidres, a 19500.
Sabonete* Gireerino transparent**, a
15000.
bcira dourada, 'gCaixa com sabonetes, forrnato de fructas,
a 19000 e 1$500.
Coameticos, graudee 0 pequenos, a 100 e
800rs
Fiasco'ewnagaade eolagne, a 200, 3i0,
500 rs. ; U%00.
Brtratros ifiutto finos dos ni'lhoresau-
toresui
Lindas e elegantes eaixiohas comperfuma-
rias,^roprias para prescnles, ilos autores
E. Gwray, Uiegw/Gelle Frere*,etc.
<^uadros cOni santos e estampas separa-
a 23000, 49 das.
F.ntrcraeios 0 babados transparentes e ta-
Aua ^dHda, de Guislain,
paraftizeros cabefllos pre-
tos.
A aguia brancay a ma Duqw d Caxias n. 50,
acaba de receUcraova reaiessada apresiavalafqa
florida para fazcros cabellos pretes. 0 bom're-
sultado colhido por qnem tem feito uso dessa
inoffensiva prepara^ao a tem altamente conceivua-
do, e for isse apenas se (as lembrar a quem no-
vamente delta precisa e queira se aproveitar de
sia utilidade. Ti>iibcm vcio agua de topasio e
oleo florldo para 0 mesrflo' nso, e tlo acreaitados
como aquclla.
Voltas e brincos de grossos
aljofares de cores.
A "efcttHi branea, a rna do Durrne dj C.ixlas n.
30, receben navas e bonitas volta* e brincos de
grossos .-Ijofares de cores, e como sempre conti-
nua a vende-las por preco commodo.
Novos diademas dourados e
com pedras.
n.
de caracol
\ 90$)000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
Fits de velludo do todas as cor'* < lar^u- pados.
rs. lTma-grande taboleta propria para qual-
Microscopios com 12 vistas.fa 05000. quer loia.
Fiasco com oleo para machinaa 400 rs.
Rua do Barao k Victoria n. 28
JOS
Rua do Ga'bagaN.
SST&J ^.CiB2SHSC
cV C.
TO
A*
do Barao da Victoria n. 2 8.
BAZAR DA RUA DIREITA
HOJE
MARCiUO DIAS N. 51.
Eiie estabelocimonto sempre solicito em offerecer a concurrencia do respcitavel pu-
ico um comp!t*to sortlmento de miudezas, cab;ado franccz, chapcos e quinquilliarias a
iC/ts os miis* razoaveis possirois, para o que recebe quasi to Jos os seus artigos de pro-
i/ia enromimsfAh da Europa e America, vem dar o'ibficid.ide dc alguns artigos por cujos
..rtyjos bern se po !; avjliaics promos de ouiros mull'ts -ju.- se tornaria enfadonho pu-
GOMES DEMATTOS &JRMA0
Avisam ao reapeii.uu! publico desla cid'ade qiieo sortimento de joias, de sobido
i lor, que existia em seu estabelecimento, rsti coinpletarnettto refor^adocom o maisete
gaote sorlimento rJd novas joias-, quo Teceberam directam ropa, constando ello do mais #*rirt oTtbuento de adcregos d Boulevard," pulseiras <
ultimo gosio com pedras preriosas e sem elUa; hrjhAn ifr0ol, o6,uirci, jiara rologic dt
senhoraa, delicados adereros para menillas-,! meios1 adeteeo:de camafeu lindi9simos, voltaf
de nogordios para senhofas, correnles inglezas deouro e de phitina, vamda quantidadf
de bot3es para punhos e peit, com'eHrtjleitas-HW^Bicos, de orrixi'teddO de ouro, earr.a-
feu, etc., brilhantes monstrosde rarissirnas agoas, em flritleis', rbzeWS, palsciras, alfite
tes e botoes, e outros muitos ohjectos de ouro de melhores fabricantes de Paris, que st
venderao com grande reduccao de precos-, por serem-elles recebidos directamente de :seu>
committentes.
Os proprietarios do acreditado MUZEU DE JOfAS, tendo *eu estabelecimento abert..
ate 8 horas da noulc, convilam us familias que se quizerem prover de linduls joias,*
\irem escolbe-las & vontade, para o que&'i? em'eiposicSo nos-m-Wtradores.
MIUDEZAS.
La p.irs bordar, da molhor
I
MIIDEZAS.
Brincos dito de ilito por 29500.
Botoes do setim prctos e decdres, a 800
c:i[. rs. e 13000 a rlazia.
braucas
qualidade,
i.-a pur 63500.
Agulbas fraiicezas, fuu.lo JouraJo, a -
uaha com i papeis a 00 rs., 240 ->. I P*W* braucas dc soda dc todas as lar-
Voltas do tita de velludo com lindos co- S^.s> a 19000 e 19*00 o metro.
Jitas de cores e pretas a 800 rs. e 19000 o
'aQoes fingindo madreperola, a 500 rs.
Voltas para o pescoQO, fingindo camafeu,
orspanhadas com 1 par de brincos seme-
hante, tudo por 29500.
Linha branca de 200 jardas em carriteis,
i'ropria para costura de machina, a 800 rs.
* duzia.
Dito de dita de Alexandre, numeracSo a
eosto do fregucz, a 1#100 a duzia.
Diademas dourados de 19500 a 39000.
Ditos de tarlaruga com flores a 29000.
Ditos com borboletas a 19500.
ftrincos encarnados 1 par por 500 rs.
Ditps de plaquet de 500 rs. a 29000.
Ditos dourados, duzia de pares, a 19500
'. 29000.
Voltas de aljofares com brincos, a 29500.
Ditas de ditos com coragoes a 19000.
Ditas de ditos de contas com cassoletas, a
800 rs.
^osetas de plaquet a 19 e 19500 o par.
(Ir&vatas da seda para senhoras de 19200
i 29000.
"arures com 2 lacos para cabeca e peito
39 e 49000.
Entremeios e babadinhos bordados de 360.
rs. a 29400 a peca.
ttlldes de seda brancos e de cores, de
;500 a 29500 a peca.
Ditos de algodSo e seda, de 19 a 19460
* peca.
Ditos de atgodao, a 100 e 500 rs. a pec,a.
Trancinhas de cores, a 100 e 500 rs. a
Leques de marftm a !J9 e 89000.
Ditos de sandalo a 49500.
Ditos de madeira imitando, a 29000.
Ditos de jiapelloes a 1980O.
Coqties para senbora, a 39, 39500 e ttfc.
Aderecos fingindo coral, coTipondo-se de
lfinete brinees por 29000.
Dito dito- pretos por 29500.
Ditos de paaquet, compondo-se de alfinete
- .
MilJ--------------------
o
BAZAR
A aguia braaca, a rua do Duque de Caxias n.
50, recebeu novo sortimento de bonitos diade-
mas dourados b-eom pedras. Unto para meninas
como para senhoras.
Colleccoes de traslados ou
normas para escrever-se.
A aguia branca, a rua Dnque de Caxias n. 30,
recebea novas culleccdes ou normas para as crian-
cas aprenderrai a escrever por si raesmo, hoje tao
usadas nas aulas e collegios; e como sempre ven-
de-as por preco comroodo.
Meias eruas finas para meni-
nas e senhoras
A loja d'aguia branra; a rua Pnqne de Caxias
n. 50, fecWffu rtovo soi-tiniento dajueHas tao pro-
CHradas inoias oruss para scDiiora, vindo igual-
meute para aiuaioas, o oulinua a vende-las por
pyecos coinmodo^.
Yoos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca,-a rua 4a Doque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou uiaiWHWia?
pretas de seda com flures, e outras a imitacSo de
creche, e vende-as pelos baratos precos de 3H,
it e 6^000. A fazenda e boa c esta em perfeito
estado, pelo que continiia a ter prompta extrac-
?ao
Perfeita novidade.
Grampos com borboletas, bezouros e gafar
nhotos dourados e colortdos.
A loja da aguia branca, a rua do Dnqne de
Caxias n. 50, recebeu suvos grampos com bor-
boletas, beznur^s c gafanholos. o que de certo i
perfetti no\id fle. A quant!dade e pepneha, e
por isso em breve se acabara.
Novas gollinhas ornadascom
pelucia ou arminho
A loja d'aguia branca a ru a Duque de Caxias
- 50, recebeu uma pequena quantidade de boui-
s e novas gollinhas, trabalho de 12 e seda, en-
neitada? com arminho, obras estas de muito gosto
e WWirartenle novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, a rua do Duque
Caxias n. 50, receben novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetas dourados ; assim como
novos diademas de aco, e ccmo.sempre conti-
nua a vendc-los por precos razoaveis
Caixinhas com p6s dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn-
que de Caxias n. 50.
Luvas de pelliVapretaoo de
outras c6res.
A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu novo sortimento de luvas de
pellica, pretas e dc outras cores.
Cal^ado cstrangeiro.
Aproxima se o mez do dezerabro, tempo em
que o Paris na America, a rua Duque de Caxias n
b9, i. andar, tem da dar o scu balanco, por este
mofivo, os proprietaries deste estabelecimento es-
tao resolvidos a venderesi sens calc*dos pelo cus-
to, aflm de minorarem o trabalho ; assim pois os
apreciadores do bom, e com especialidade o sexo
amavel, para qnem o Paris ua America, conserva
com a devida deceneia) o seu gabinete reserva-
do, para a escollia dc calcado, aproveitcm e ve-
Dbam munirem-so do que precisarem.
vnde-s tarfrna ib rr/a da Svi'a CxTtin. VL
com uma excellWM,49|y|V, bou. Juct,
casa de esqumn l!rca-V pub:o in
commodoi ton qutud, lera (,*,. Umiiz m
motivo da vendase dira ao ompr; Jji, egataate-
se a cm : a nwar art wwrng. *
Armazem do fiimo
Rua da Madre de Deus n. 10 i.
Jose Domingues do Carrao e S a p;rtieipam
seus freguezes e amigos qne bo seu inw&ai A
rua da Madre de Deus n. 10 A, sf acha un pleto sortimento de fumo em fanins di- -lateirta Vw
1* e 3.* sorted, dos melhores fabricaittes da^ahiB,
e bem assim a flor de tudos os fuatcs de em rolos, pacotes, lata's granies e pequcnis, Om-
bem dos mui acreditados Lbncacies T>i'm Jk
Araujo, Ltzanr, Adolpho Sehtndt 4- C, fJuar
Schmidt & C, Veigas 4 Aranjo, Ti i,l;,(le 4 hm-
lar, Teixeira Pinto 4 I'ortclla (garant'Jo y^m
mesmos) e de outros ainde wt< < -hHCtdui |
publico desta capital. 0 annunciaiite dedaa*
todo fumo que for vendido em sea casa M*iji*m
seu justo valor, e quo quando farantir a rfe
va qualidade, sera.siaoero, mui particntai
DO
metro.
Galfies pretos de seda, de muito gosto de
800 rs. a 19000 o metro.
CALCADO FRANCEZ.
Botinas pretas gaspeadas, para senhora, a
49500 o par.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, a 59000.
Ditas pretas enfaitadas, uhima moda, a
69000.
Ditas dita de cores, canno at'o.enfeitadas,
a 59500,
Ditas para meninos, pretas e de cdres, a
39 e 49000.
Completo sortimento de calcado de case-
mira, Charl6t, tapete e tranca, mais barato \
jO % do que em outra qualquer parte.
CHAPEOS.
Ricos chapeos de palha d'ltalla, para se-
nhora, a 119000.
Ditos ditos palha escura, da ultima moda,
a 169000.
Completo sortimento de chapeosinhos para
meninas e senhoras, de 29890 a 59000.
Chapeos de sol de sdda, inglezes, cabo de
marfim a 169000.
Ditos dito de merin6, cabo de metal mui-
to bonito a 59500.
Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 69000.
Ditas dito cabo de marfim a 99000.
DIVERSOS ARTIGOS.
Granadine para vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, com listras de seda, a 650 o co-
Vado.
Pannos deerochit para cadeiras, a 19800
e 29000 cada um.
Ditos para sofa", a 39 e 49000.
Rua da Imperatriz n. 72
DE
Li.sireiic< Pereira !Hende.s'(iuiniarae*
- Declara a seus freguezes que tem resolvido vender o maisbarato que for possivel.
CBITAS A 160 E 200 RS. 0 COVADO. CORTES DE BRHH DE CORES A 19500.
Vende?-sc chitas francezas largas com to- [ Vende^se cortes de brim de cores pai
que do avaria, a 160 e 200 o covado. Di- calga, a 19500 e 2000.
tas limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado. I BOTINAS A'39000.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS. Vjeode-se botinas para senhoras, a 39000
Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs. 39500, a elias antes 45500.
covado.
LASINHAS A 200 RS.
Vendo-se Iasinhas de cores para vestidos,
I a 200, 360, 400 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400, 50O1,
640 e 800 rs. o covado.
COBERTAS DE CHITAS A 19600.
Vende-se cobertas de chitas de ceres, a
19600 e 29000. Ditas de peilo a 19400.
Colxas de cores a 19200, 29500 e
CHALES DE LA A SoTftg.
Vende-se chales de IS de quadrbs
rs. e 19000.
Ditos de merin6 a 29, 3$, 49 e 59000.
CAMBBAIA BRANCA A 39000.
Vende-se pec.as de c^mbrai'a branca trahs-'
parentes e tapada, a 39) &4tf&* 49, 495od,'
59 e 69000.
SAIAS BRANCAS A 29000.
Vende-se saias brancas e de cores, para
senhoras, a 29000 e 29500.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets j)retos de, seda para bo-
u
Toalhas de linho para rosto, a 19300 cada' mens, a 500 rs. Chape/ts'de palba, peud e
uma. massa, a 29, 29500,/3900f^ e.49000.
Ditas de algodSo alcoxeados, a 640 rs.
Colxas de croche't para cama de casal, a
69000.
Toalhas de kbyrintho
Na loja do Ja^so, rua PHmHro de Marijo n. 7
A,vende-se rieas tealhas ielabvrintho, proprias
ara baptiaados a casgroento._______________
BramarHe de 4 larguras a|
1^600 a vara
Vend*s bnnhante it qaturo largnras rimito
t.om para loncoes' na rua io Cabuga p. iO, loja
da America.
fttfdoMi
era
Vende-se cafe do Cear ualidade,
sa?cos : no arfflaeem de Cnnla & Jfanta, rua do
Marquez de Olinda n. 23.
Mobilias
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pegas de madapolSo enfestado a
39000. Ditos inglezes par,a os prejos de
49, 49500, 59, 69000 e 79000.
ALGODAO A 39^00.
Vende-se pecas de algodao, a 39500, 49,
e 59000.
BRAMAN1EA 19600.
Vendo-se bramante com 10 palmfls de
largura para lencol, a 19600, 29 e 29500 0
aaetro.
I GRANDE LIQUIDACAO DE SABONETES J80 RS.
Amda restam algumas pegas de superior fazen- ,
da preta de la com oeqnenas palmas e salplcos de! vende-se uma grande por^ao de sabone-
eores, sendo algomas com bar recomroendavel pela. qualidade, pela largura, e chSwo a, 32 e 500 rs
^.r_i85'm .?2u*JP*Ar5es: *.ma^. Proeoradas na ^^ a2d 0 e WOrs 0
^Bdnr, outros
muiti
Oadelras de guarffifcao mnito baralas.
.23-Una.ffiarqoez de Otinda -23
CUNHA 4 MANTA.
Aproveitem
Europa :estao sendo vendidas pelo diminuto pre-
co de 300 rs. o covado : na rua Dnqne de Caxias
a. 88, loja de Bastos Irmaos.
ROUPA FEITA NaCIONAL.
Vende-se camisas brancas, a 19660, 2
29500, 39000 e 49000.
Calcasde cascmiras" de cotiis, a 59, 6*'-
t^ooo:
PaTrW'ts de ca^emir'a' a 49, 69e 89000
Seroulas" a f#e; ffcCOU
BRtMDECORESA 440 RS.
Ve'nfde-se brim'de todas as cores a 4 i-
rs. o covado.
LENC0S FRANCOS A 29000 A DUZIA.
Vende-se a duzia de lencos brancos, .
a 800" StfOOOV D"rtds-'cdnlbarra's de cores t 3900*
Ditos de linho a 59b*00.
TOA'tHAS A 800 RS.
Vrmde-se toaftias'pararbs^o, a 800 ft.
19006.
GBltAfAs' rJE-'^DA PftE^A A 900 Ra
Vende-se^ravatas de seda p'reta, s't9*'
rs. cadauma'
mffa PA'RACOBERTA A 2go Rs:
Ven^e^se..c^fta'para coberta, a 280 e' ft'
fS' WrnKtiUL JtfiNtNOS A 19*00.
.Teprje'se espartilhos para senhora,
39^00;
MfA^*ill.^Ifcf
A86RS. 0-G0VADO.
Vende-se graoadiaes ewa listras de seda
para vestidos de senhora, a 800 rs. e t|K>0<
0 eorado.
CdLCHAS DE6ROGHET A 69000.
Vende-serieaseohihae^e- orocWt para c*
mas a 69000.
1 PAS09 BE CROCHET A 19500.
Vende-se pannos de crochet paira cadeiras
IJttOe 19000.
Veode- po0s de> caasasparacortinados
extrao#jcom 10 vans, a lofcOOOe 1S19000, e outrai
muitas fazendas em bquidacio.
com as pessoas pois para bem servir a todos. tem >i -i'i(iuntte
1 mnga pratica de 18 annos dnte e. rnmcrci*.
Atten<;ao.
Vende-se uma parte de uma ca>a do sifia' ml
iravessa do CaldeVelro h. 3, na fropiwia do Kgv
Ua Panella, que foi do finadx Dunnngos Sot&Mm-
qnes, pela quantia de l:C*(r rua do Imperador h. '/$, da.s ;i at 4 da tarde,*
tambem se vende a pane do nun uerdeira ;xb
mesma qaantla ; ambas as paries c.tan Uvtta
desembaracadas de qnalqucr ouns.
Verdadeiro biter hestMsridin^. rnnerior -
ditado : a venda no artiiazm t'y Ta<^ (rni*.
C, rua do Amorim r.. ."'
Vcndeseuma pret- de iiiwicnia e a
anno?, sem habilidades : na rua do Raraa da Vw-
tona n. 49.
1 1.
Ciinlia Irmaos e C.
Run dn llailro de Recs n.St,
Vendem vihhos do i'nrlo dc torta* ;>s qualia4,
garantindii-os, e a prerv< rumn oJos :
Barri.> de qnitilo .; lU'cimos para pasto dasteac
con' eddat marras Meneres e Chamico.
Ditos de quinto linosVeneres, ("liamiro,Cm
(jaimarfltk.
Decimos on -apadi's, superior qnaHdade.
Caixas de uma duzia, de toda a qualidadn, 9k
aos afamados Gravatinha Azul !8:i4 e lR^O.
Sacam
vista.
sobre 0 Porto ou LL-boa, a pzaa ei
Polassa
da Russia, ni.va, a
Tambem vendem potassa
barris pcquenos.
AUMAZEM
DE
m\m% finas
RUA PRIME1RO DE MABCO N. 7 A
E' esta casa, sem duvida, uma das que boje pode
com primazia apresentar aos seus freguezes nm
variadissimo sortimento de fazendas Unas para
grande loiletle^ssim como para 0 uso ordinario de
todas as classes e por precos vanlajosos para os
compradores.
Os donos deste importante estabelecimento con-
vidam ao respeitavel publico e particularmente
aos' seus freguezes a darem um passeio por sen
estabelecimento, a aiim de verificarem a veracida-
de de seus annuncios, e com vantagem supprirem-
se dos artigos que I ties forem mister, de cujos
fazem um pequeno resumo.
Mandam fazendas as casas dos pretendentes,
para e que tem 0 per seal necessario e dio amos-
tras median te penhor.
SEDAS
Cortes de seda de lidas cores, grosdenaples de
todas as cores.
Gorgurao branco e preto.
Setim Macao preto e de cores.
Velludo preto.
Grosdenaples pretos e de cores.
Granadinede seda preta e com listras e almas de
cores, hndissimos padroes e fazenda de ultima
moda.
Filo de seda branca e preto.
Bicas basquinas de seda.
Colxas de seda para noivos.
Mantas brasileiras.
Cartes de cambraias branca com lindos boidados.
Capellas e mantas pa/a noivas.
Foupelitias de,lindos padrSes.
Reqntssimo sortimeMo de las eom listras de seda
Cabraias de cores, ditas mariposas brancas e de
m-..
Xaasuck de lindos padrues.
Baptistas de padrSes mui" dellcados.
r'efeaHnag de qriadTos prelos brancos.
Brins de linho de cures proprios para vestidos.
Fustoes de lindas cores.
Casaquinhos de las de cures para senhoras.
Saias bordadas para senhoras.
Vesttfaries para mefiinbs.
BMoa'para baptieadss.
Chapeos para ditos.
Toalhas de eambraia de linho on lindos bo
dados.
Prouttts WrrdStos-.'
Ofes*dola.
Cortiaadoi bordados.
CaBHsas bordsdas para bomens.
Meias de cores p'a'fa h'omens" e" meninos.
Cfftpeos com tttelio' derrtafffm part homen's.
Bitos-paru seiboras-. -
.Me>ii de cores para vesiiaes.
Ditos pretos.
Casemiras, chitas', madapoloes, cambraias etc", efc.
na leia do Passo rua Primeiro de Marco n. 7 A,
m M
Cordeiro SlnSea C.
10. e
Tenl para veiro:
Cognac de Hennessy, superior e verdadeiro.
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura,
hisly. .
preto em lattas de 10 hbras.
Tadas as preparacoes chimicas do Dr. Ayer: no
armasem da rua do Commercio n. 38.
MAMADEFftllK-
*.* S *
SAUDADES.
Amaral, Nabudo AC. acabain de rceeU.T -at
variado sorlimento de <-apellns funebres com at
egulnius inscripQoes:
A meu pai.
A niuilia mai.
A meu esposft.
A iiiinha espos^. -
A mtu filho.
A minha filha.
Saudades.
Amizade.
Lembranca.
Vende-se no bazar Victoria, rua do Baria da
Victoria n. 2. _,
Bazar ATictoria.
Amaral, Nabuco A C. receberam conple.j sor-
timento dc bengallas de eanna. 1 roprlas pi r 4m-
canro develhos, de rheumaticos, o'.c etc., e esb-
tras de phauiasia, completp suriir eotu de chaiiooa
de sol, bengallas, nmbellas, etc.. para sonh'/ra
para hompn,~com cabo de marfim com li^ums dc
metal, lisus, etc. etc. Estes uleis e e.-peciae? ar-
tigos vende-se na rua do Barao da Victoria n. i.
Rape Rocha
na rua do Vig-r: 1 r. 7. priroei-
a 14(00 a libra
ro andar.
' i'*^*^
9M|
I Botinas para senhoras.
A 3i500 E 4i060
Las escoeczas a 230.
E' pechincha.
Na rua do Crespo b. jO.
Xarope d'agriao do Par4
Antigo e eonceituado medicHinento'^npa
cura das molestias dos orgaos respiratonMt
como a phtysica, bronchites, as!lnna, efc,
apphcado ainda com optimos resultados
escorbuto. .
do Bic Janeiro
mazem n. 16.
Cat6
vende-se a rua 00 Vigario,
Attencao
Vende-se a taverna da rua Imperial n. 4^ >
poucos fundos, propria para qualmur [>r nrpia-
te, per ser a armarao e soas pcriencas, baratit-
simo ; 0 motivo da venda e por ter tie n-'imr-sa
seu done com a familia para 0 mall 1 a tratar de
sua saiide e nao poder apreciar a grande eonear-
reacia que ha nesta rua em tempo tar na mesma.
GRANDE
Excellentes gorgnroes de la e seda, de mat fe-
nitos e novos padroes, fazenda bastante larga e da
muito boa qualidade, so se enco/itra oa rua Do-
que de Caxias n. 88, loja de Bastos Irmio, pet*
modico preco de 640 M. 0 eovtric-
Gafir5 deJava.
Chegou neva remessa desse cafe sem ig*ol pan
a confeitaria do Campos As pessoas quo esUvaoa
acostumadas a saboriar do tal cafe podem agon
ir ccflttMXe'd'rila- do HwperWor n 2A
^^ COWFE1TAR1A DO CAMPOS
Taverna e refinacjio
Vende-se a taverna sita no Varad luro, em DUa-
da n. 5f a qual tern uma reGnavio no fuadoF,
com as perteocas para 0 trabalho da mesma; a
aluguel e Barato, tem commodos pAra 'amiliai**-
te ultimo negocio deveser de vant; i m por na
haver dutro desta ordem nesta cidade ; a raafa;
de seu dono se desfazer, e ter de ir t >mar coata
de um outro "negocio no Recife : a traur na aaai-
ma- ____,-.____:-----.------------.
A visfca desemgai*a
madapolio franoea JTftjKWO ape^a
Tem a loja d'America madapolao francea, 4
bom, e vende por este preee para sea bar; um
do CaboKa n. 10, loia d'Amerita.

-
nasn
f


8

Lnm&TURA.
Diario de
A GUILHERME BRAGA.
PRIMEIRO ANMIVERSARKi DO TRISTE FASSAMEN-
TO DESUA MM PRESAD1SSIMA CUNHADA A
EXMA. SRA. U. FRANC1SCA E. TF.IXEIRA
GUIMARAES.
If souls could always dwell above,
TIioh kndsl not left tliat ephere ;
OrcuM w: kei'p the souls ice love
We ne'rer had lost thee here.
(Toinai Moore.)
I
Longe prazeres, alegrias. risos,
Flores Je um dia so,
Que a mSo Ho tempo que dissipa tudo
Re luz i cinza, a p6 !
Longe, longo do mini I Os venturosos
Us felizes buscai
E queeu pranteie a irreparavel perda
N'estedia deixai.
Correi, 6 minhas lagrimas scntidas,
Copiosas, correi 1
Dai desalfogo ao sentimeoto interno
Que suffocar 1180 sei !
E v6s, entrecortados, surdos echos
Da magua fraternal
Que entre mil ais inlrinsecos envio
Ao velho Portugal ;
Como errantes, mafitimas gaivotas
Cortando o vasto mar,
Voai ao seio da familia triste
Voai ao patrio lar I
II
lira annojd passou, e no entretanto
Fatal recordagdo 1
Represa-se-mo a falla ao proferi-lo
Estalao OOragao.
Coino que vejo todo aquelle quadro
Compungente, atri-cor,
Cuja lembroncu me coutrista, mo enche
De amargura e de horror !
Ai, cega a prant s., a suspiros surda,
Famelica e feroz
A impedomida, sanguinosa Parca
Ld surge ali veloz...
Os paternos umbraes emfim penetra,
Ovante e senhoril,
Pisando ufana o pavirnento triste
Movtndo horrores mil...
Os domcsticos lares submergidos
Em pasmo, em confusao,
Suste o imminente golpe lho supplicam,
Mas ah 1 em vdo, em vSo !
Eis la desfeeha sobre airmd querida,
Quo no seu leito jaz
0 inevituvel e certeiro golpe
Da segure vor.z !
Ill
Depots... (oh Iquea conta-lo sinto agora
A falla me fugir ;
Que ha juios transes quesentir se podem,
Masnunea traduzir.)
I'llS IllRClIentOS labiun culiGoberloa
Emque a dor se traduz ;
Nas roxeadas palpebras cerradas
Uns olhos jd sem luz :
Cos labios hirtos, umas mdos crispadas,
L'mas feigdes sem cor,
Uns'cabollos sem lustre, um todo frio
Sem alma, sem vigor.
I'm Iivido cadaver, so coberto
De gelado suor,
Ais dolorosos, intimos solugos
Da familia, ao redor... ,
Li vejo a branca, funebro mortalha
Que tern de o envolver ;
La ougo ainda o_c>mipassado dobre
Dos sinos a gemer.
Eos semi-gastoscyrios com luz baga
E mortico clarao,
E a virginal capella immurchecida
E o funebre caixdo...
Depois... ah 1 e depois .. silencioso
Prestito funeral
Que lento e lento ao cemiterio avanca,
E uma cova, afinal I
Sim, como que estou vendo todo aquelle
Tristissimo painel ;
Sim," berao vejo aqui : m'o representa-
A memoria fiel.
IV
W este, <; este o triste anniversario
E' este o dia... Que sei I
Correi, o minhas lagrimas sentidas,
Correi, oh sim correi !
Peregriiia, da vida no deserto
Prematura cansou ;
Ho marco solitariodo caminho
Offegante parou.
Perdeu a natureza tenra planta
Que tanto a embelleceu ;
Da humanidade a caravana errante
Mais ummembro perdeu.
Aurora sem crepusculo, obumbrada
Em todo o seu fulgor ;
Tal foi olla na rapida passagem
No mundo enganador.
Delicada boniua melindrosa
Esfolhada em botdo;
Chrysalida brilhante, dissipada
Ainda no embryao.
Ei-la envolta no p6 da sepultura
Jd transformada em p6 I
Na eDtanto apenasquatro lustros tinha
E mais um 'anno so 1
Assim de horrivel cerragao medonha
Em negra noite bostil,
Vivida cstrolla quo no ceo brilhava
Apaga-se subtil.
Morrerna primaveral ao mundo, aossouhos
Dizer o extremo adeus I
Deixar |e para sempre !j os seus penates
E os caros lares seus...
Vor assim mallogradas as mais doces
E altas aspiragoes ;
Ver assim dissipadas, uma a uma
E'agueiras i Husoes...
Ver Uo grandes castellos derribados
Ahi, no rez do chda;
Br uo bergo e despertar na campa
Em treva, em soliddo...
Quando ooberta se apreseota a vida
Do mais brilhante veo,
Quando a meiga osperanca nos proraette
Na terra um nOvo ceo...
Quando com toda a seiva a inocidade
Expande-se a sorrir
F. a devassar-os largos horisontes
Do incognito porvir...
Quando tudo afinal quanto nos cerca
Nos convida a viver...
Como o fructo cortado antes do tempo,
Oh I tao cedo morrer I
Correi, pois, minhas lagrimas, carpindo
Essa perda fatal I
Correi ao seio da familia tnestra
Ao nosso Portugal 1
E do patrio Moudego e Tejo o Douro
EmQm vos misturai
Co'as purasaguas, o da irrad querida
0 tumulo regai!
Selembro1873.
Francino Cismontano.
Y libei'taci&o das niea-. de cor
por uuiu rcvolncaa na appli-
cacao das niachiuas a vapor,
rclatorio das coufcrencias
scientific** pelo rapido atra-
vessador dos desertos e das
savanas.
(Conclusao)
III
MINAS.
Cartas geraes e de porraenores da cons-
tituigao geotogiea das montauhas e dos rios
(pie pi issuem
Suas riquezas mineraes, vegetaes e indus-
triaes, suas communicagoes com os centros
do commercio os mais aproximados.
Projectos de meios para sua r.ultura, pes-
soal necessario ; machinas, uteusis, etc.
IV
VEiNTOS.
Correutos o ventos dominanes para cada
Estado que tern desertos e savanas.
As monies e os ventos regulares. Sua
direccao.
Ventos de O'-ste, que da America do Sul,
pelas ilhas canarias, atravessam a Africa e
a Asia.
Sun volta para a America do Sul
Ventos do Este, que do mar da India
passam pela Africa, sua forc,a, epoca e du-
racao, tua chegada a America do Sul.
V
CORRETEE DE AREIAS.
Resistencia gradual das areias no estado
ordinano, epsca, direcy,ao, duracao.
Velouidadc e dimensdo das correntes de
areias.
Espossura e densidade das areias transpor-
tadas.
EUl COllS-qucix-ia, foi-^a >1o rnrreniQS,
VI
SUPERHCIE DtPENDESTE DAS CORRENTES.
Nova superficie Qca traQada pelas areias
trausportadas.
sua resistencia gra-
Suas dimonsOes, e
dual.
Novo traco form ado pelas areias cahidas
da correote, na durayao de seu gyro.
Dimensoes e resistencia do traco super-
pos o.
' VII
UONTiCOLOS DE AKEIA.
Os ventos iinpellindo as areias e forman-
do os monticulos.
Epoca, ilurac&o e lugares de sua appari-
q3o o desapparicao.
Calculo dos solidos forrnados pelos mon-
ticulos, da superficie occupada pelos solidos,
e da inclinacao das differentes superficies
que lhes formavam os volumes.
buas situates topographjcas e suas re-
lacoes com os accidentes dos terrenos per-
corridos pela corrente.
Em consequencia.
Leis que preudcm.a formaQao e a desap-
parigiio dos monticulos de areias.
Nagclfeocia, a forma^ao, a marcha e a
desapparicao dos monticulos de areias no
deserto, devem seguir uma lei meteorologi-
ca, com a fonnagao, marcha, e parada das
montanhas, de gelo, que descem do polo na
epoca do degelo parando em Behring.
Estes estudos, e muitos outros ainda dao
a certeza de dirigir-se ja gente por toda a
parte nos desertos e em todas as epocas.
Quanto ao pessoal scientifico destinado a
formar a escola, a que alludimos :
Estes homens devem ser daquelles que
nao tummn aventurar-se s6s com uma ma-
china no meio das solidoes immensas em
que nenhum camiuho esta tragado. E'
preciso que teubam vontade forte, e alma de
boa tempera.
Se foi necessario aos primeiros viajantes
o terem muila audacia, e temeridade, I pre-
ciso de mais, aos rapidos ntravessadores dos
desertos o terem coragem mais calma, e
mais perseverante, porque devem identificar-
se com sua machina, e desenvolver immen-
sa energia, afiin de veucerem por meio da
sciencia moderna os obstaculos sem uume-
ro, que se lhes apresentarao no caminho.
Quando nossas machinas tiverem atraves-
I---------------
com o Egypto, a Nubia, a Costa Orieo
Cabo, Gtriui e o Senegal.
Na Asm 700 milbtes de homens esperan
a chegada da'luz e do progresso.
A Siberi i nao sera maisji terra '
da, em que se enterri os viventes,
A TurquU cessari "o igoobil trafico da
venda anmuTneres. ,
A China nao tera mais a supersticao que
torna o povo pygmaico.suffocjodo-lbe o pen-
samento ; e a India nao constara mais de
800 mi Hides de espoetros escravos I
Oseuropeus, eutregando-se por mais de
tres seculos ao culposo commercio da escra
vatura, coutiibuiram paraaggravar oraal da
Africa
Calcula-se quo desde o principio do XVII
seculo ate ao principio do XIX os navios do>
principrcsestados da Europa tirararn varirs
milhares de individuos para a expiorai.ao
das colon ias.
Os reis da Africa, tirando enornie*eii li
mentos desse negocio de carne hiunaae con-
verteram-se em nogociantes por^ aticados,
vandendo seus subditos, fezendo gnerr.i a
I seus vizinhos para procurarom-se esqravos ;
ide sorto que a Africa convertou se em um
' iinmenso degnladouro, oiu que o mais fraco
'cahe a discrigao do mais forte.
A aboligao do trallco nao teia feito cessar
este deploravel estado de couses.
Os reis africanos, nao podendo mais ven-
der seus prisioneiros aos europeus, os im-
portani para o interior, e a escravidau pare-
ce de alguina sorte fomar para todo sempre
i a base do estado social daquella vesti re-
" giao.
Todavia o estabelecimento da colonia
americana da Liberia, e o de Frew-Town,
fundada pelos iuglezes em Serra Leas, e de
esperar que se1 toruem outcos taiitos feeos de
civilisacao.
Nas Americas as questoes a resolrer sao
bastante differentes, sem que com tudo so-
jam menos graves.
Quando o atravessador dos desertos per-
correr as Savanas, da America'do Nirte, 8
raga vermelha nao esperard por muito tempo
a civilisacao dos Estados-L'nidos, euja af-
fouteza em seus estudos praticos rivalisa
com o progresso da sciencia da Europj.
Na America do Sul, os indios menos fe-
lizes, sendo li-nitrophes de varios estados,
nao serao civilisados senio gradualmente.
As nacdes civilisadas das duas Americas
nao devem esperar a invasr5 dos iudio
para os repjllirom d metralha, mas antes
pelo contrario devem invadi-los no seu pro-
prio tt-rritorio para levarem-lhes a industria
e o progresso da civilisacdo.
"Nao terao ellas eutdo rebeld'es a conquis-
tar, esim irmaos a fazer progredir, os quaes
lhes dardo em compensagdo riquezas mex-
gotaveis
No dia em que esses povos noraados e
barbaros forem conquistados pela civilisacdo
das nagdes, que ostao vizinhas do seu ter-
ritorio, tornar-so-hdo os mais uteis colouos,
por estarem habituados a supportar todas
as inte.nperies e rigores de seu clima reci-
proco.
Porque reproduzirao as nac,6es da Europa
suas expedigOes ao Polo Arctico ? porque a
Inglaterra e a Allemanha foram explorer o
interior da Africa e da sua costa occidental?
e porque ndo fara o Brasil explorar o seu
'Herior?
Livingsion e Potormait da C.r.tha tern pres
tado imraensos servigos d humanidade, d
sciencia e a seus paizes; porem ndo sdo
nem os fundadores, nem os unios repre-
sentantes ilessa grande escola, que faz a
exploracao do Globo a bem da especie hu-
mana I... ,
Essa escola, partindo dos phenicios, pas-
sou rapidamente para entre os carthagiue-
zes, e dalli para a Palestina, donde penetrou
na Grecia, propagando-se depois pela Ita-
lia.
Foi Roma, quando iniciou o resto da
Europa na civilisacdo, que lancou as bases
dessa campanha humanitaria, percorrendo
em todos os sentidos a superficie de um rai-
Ihdo e meio de kilometros quadrados, que
tern o Mediterranoo.
Desde a idade media at6 a descoberta da
America, foram os venezianos e osgenove-
zes que dominaram por toda parte, alcan-
gando o mais alto grdo de pjder e de rique-
za, explorando as costas em que haviara
existido quatro dos maiores imperios do mun-
do, o dos assyrios, o dos persas, o dos gre-
gos, e o dos romanos.
0 povo brasileiro estd perfeitamente ao
corrente dos prodigios que fazem os seus
irmdos do norte para augmentarem suas
commtinicacdes.
Tendo chegado apenas ao Brasil n?o co-
nhecemos ainda bastante as vastas regides
para apresentar immediatamente projectos
que possam ser-lhe de grande utilidade pra-
tica: osperando poder faze-lo dentro em
pouco tempo, limitar-nos-hemos por esta vez
a dar algumas ideiis geraes que merecem
ser estudadas, pois ellas poderdo contribuir
poderosamerite para o graudioso futuro do
Brasil.
. Com effeito o caminho que segue agora o
commercio de muitos estados da Ame-
rica meridional, que em sua costa, ba-
nhada pelo Ooeano Pacifico, tern a extensdo
de 60 grdos uo urande Oceano, para pas-
sar-se o cabo Horn, e outros tantos para su-
bir-se o Atlantico e chegar quasi ao mesmo
ponto onde cbegaram em tempo muito mais
breve as machinas da nova locomo$do, atra-
vessaudo o. interior e sem ter passado os pe-
rigos de uma longa navegacdo.
Que grande futuro teria o Brasil adop-
sado rapidamente os desertos em todos os Undo o uovo systema de locomogdo nas
sentidos, tragando assim um caminho nestes' immensas planicies do Amazonas as quaes
immeusos ooeanosde areias ; quando tiver- occupantoda a parte central da America
m os form ado a carta d estes lugaies tristese meridional I
silenciosos hoje ; quando tivermos vencido Elle representana o commercio da Amen-
todas as difficuldades ; descoberto todas as ca do Sul, pois tornar-sehia por esse facto
riquezas que estao enterradas desde a crea- o trapicbe geral do comjieruo dos differen-
gao do mundo ; civilisado milhoes de ho- tes estados que deverdo prefenr essa via
mens que estdo embrutecidos na barbaria, 'menos carae menos longa ao caminho ac-
e que nos libertaremos entdo ; semelhantes tual I
aocapitdodo navio, quesahe victoriosode! Que progresso teria o commercio do
uma luta suprema com as tempestades dos Brasil se adoptasse o novo systema de lo-
oceanos, levantaremos altivamente acabega comogdo nas immensas planicies doS. Fran-
e poderemos dizer com justa razdo que cisco I
nada e impossivel ao homem, e que tudo. Minas, Bahia, Pernamboco,AlagOas, Ser-
lhe e submettido sobre a terra. 'gipe etc., ligando o seu commercio interior
HI d cost* do Atlantico surginam maiores do
A machina de vapor 6 destinada a realizar que muitos estados da Europa.
a grande revolucdo humamtaria da : | Ate agora o interior do Brasil ndo tem
Libertagdo das racas de c6r. offerecido grande interesse, por causa da
Com efeito resolvendo a questdo de atra- difficuldade das communicacOes, mas quan-
ves-ar os desertos e as savaiias levar-se-ha o tos esUdosda Europapodenam rivalisar com
progresso de corrid/i do sul ao norte da as riquezas inexgotaveis em mineraes e eu
Asia ; ao interior da Africa, e ao da Arae- pedras preciosas que estdo enterradas no
rjca interior do Brasil?
Na Asia snrdo a China, a India, a Co- 0 devassamento dos desertos e das sava-
chincinna, a At.bia que iicardo ligadas pelo nas no pouto de vista da propagac^do do com-
a America do Sul um gigante, cujo
Koeo Pacifico ao Atlantico.
[Brasil 6 oeoracilo desso gigante !
Com effeito, quax i o.estado que dova
occupjr o principio da linha, que aitrahyd
a raga India, offorecendo as maiores vanta-
gens ao coinmercio, por sua posi^ao topo-
graphica? {
Apoiause de um lado no co-'iiprunento
de duas mil milhas sobre o Atlantico, e do
outro s-)bre a maior parte dos outros esta-
dos da America do Sul*...
Tornar-se hia a unido de todas as liiihas
do interior da America Meridional, as quaes,
por seu real interesse, devoriam ter Urasil
como centra do commvrcio de suas ricas
mercadorias destinad.s para a Europa.
0 Brasil, tirando assim grandes proveitos
cotniuerciaos, toniar-se-Uia tambein o pha-
rol que ospalharia, como uma luz electrica,
o progresso actual na A norica do Sul I
Si nossa vo/ ndo for ouvida por aquelles
que torn por mis->ao o destino deste povo
tao inlolligente, e so a iuiciaUva privada nao
seassncia a nossos projectos, enlao olhan-
uo a America meridional, da Colombia d ter-
ra do Kogo, o da fosta do Faciiico d do
Atlantico, nos veromos que ella ahi possue
tambem duas graudes planicies de naiurcza
mais s'-meihanto d dos verdadeiros desertos ;
outras planicies mais oxtensas, e emtim pe -
quuuos desertos do areia como os de-Aloca-
ina de l'ayta ua Pinza, entre a Ponta de Fa-
rina e Merope ; e o deserto junto ao pa'iz
do Diaho.
Quo na America do Sul, o Pampa" de
Buenos- \yros. que 6 de extensdo igual d da
Franca e da Hespauha reunidas, fdrma uma
planicie perfeitamente unida, a qual ainda
que coberta de capim ^ destituida do arvo-
re e pouco hume lecida.
Que os Llanos estendem-so desde a ca-
deia das montauhas de Caracas ale as flores-
Ul< das Goyanyas ; e desde os monies le
Mereda, ale o grar.de delta que o Orenoco
forma em sua embocadure, prolongando s do Sul d'Oestc como u.n brago de mar para
o outro lado das margeus do Metz, e do Vi-
chada, ate a foz do Guaviaro, e mesmo ate
aquelle grupo de montanhas isoladas que
os hespanh6es chamaram Fara ma do la
Sum ma Faz.
Veremos ilo mesmo modo que os Llanos
da America do Sul, assim como o deserto
de Sahara, estdo situados na zona torrida,
e se as vezes estd coberto de um tapetu do
verdure como os steppes eleva-los da Asia
Central, outras vezes estdo como o mar de
area da Lybia.
0 aspeclo destas planicies durantu a est.ir
cdo secca, offerece sem duvida um especla-
culo mais horrivel do que o dos desertos da
Africa ; por toda a parte a aridoz annuncia
a morto; e persegueo viajante sequioso, vic-
tima pela fume e sede ardente, vagando en-
tre nuvens de poeira durante uma viagom
eterna 1
Se o Brasil ndo nos der os meios praticos
para effectuar nosso projecto, n6s cumpri-
remos nossa missdo em outra parte; pois
eslamos perfeitamonte tonvencidos, que se
ua histona do genero humanu, o passado e
o presenlo ligam-se ao progresso da nave-
gaga ): a primeira pagina d> futuro ila
maior parte da humauida le serd escripta
por aquelles que forein os pri neiros a fran-
quearem as areias rn ivedigas ilos deser-
tos e 0 solo das savanas com uma mobioo
sem via alguma marcada e ainda menos sem
o soccorro das estradas Je ferro.
Se temos impaciencia em subirmos d
nossa primeira machina, e justa:nente para
escrevermos essa primeira pagina que a hu-
manidade proclama, mas que ella espera ha
seis mil annos:
ALIBERDADE DAS RACAS DE COR.
0 Brasil poderia obtor uma grandj trans-
formagdo no commercio, na- industria, e
augmentar por conseguiute imonpnsamente
as suas riquezas.
Civdisando uma parte dos sous habitan-
tes ainda barbaros e trazendo seus (ilhas a
grande familia, conslituiria uma unidade de
forga mais vigorosa e rqais respeitada.
Para realizar esta transformacdo que Ihe
dard ama nova vida, tem elle principalmen-
te necessidade de crear communicagoes, que
aproximem em seu vasto ter'ritorio os ha-
bitantes ainda pouco numerosos. Ha alguns
annos que esta grande questdo foi compre
hendida pelos sabios e pelos financeiros des-
te paiz, e que comegou-se a construcgdo de
caminhos de ferro nos principles pontos do
Brasil.
Outrw sim o governo central e tambem o
das provincias auima financeiramente e de
um modo muito apreciavel a fundagao das
numerosas'companbias, que surgem da ini-
ciativa particular, garautindo-llies juros sb-
bre o capital empregado, e as vezes mesmo
auxiliando as exploragfies e os estudos
definitivos das linhas, que tem de ser tra-
gadas.
E' certamente isto um principio muito
anima lor para o futuro do Brasil: porem
e tambem certo que com o unico meio da
viabilidade dos caminhos de ferro, serd
preciso muito tempo para veneer as innu-
meras difficuldades, e dispenler sommas fa-
bulosas para pdr em commurricagao as ri-
cas producgOesdo interior com as grandes
cidades.
Com effeito, como conquistar-se-ha a ra-
pida passagem dessas vastas planicies, osolo
de algumas das quaes tanto se apr'o-
xima d natureza do solo dos verdadeiros de-
sertos ?
Para resolver esta questdo, que julgamos
de interesse g-sral para o Brasil, dever-se-
hia formar como jd o dissemos.
A companhia unioenal para alratessar os
desertos e, as Savanas.
Esta companhia creariu immediatameute
a grandeza do Brasil.
0 que faz a grandeza da Gra-Bretanha ?
A Companhia das Indias I
A companhia, cuja formagdo projectamos
tendo uma unidade de vistas scientifiqas
para a exploragdo das preciosas minas do in-
terior do Brasil : tendo unidade do vistas
economicas em transportar os productos in-
teriores para a costa do Atlantico, daria um
tal irapulso ao commercio que enriqueceria
extraordinariameute o povo e o estado ; da
mesma sorte que as maiores riquezas da In-
glaterra, eos meios de manlur fuas impo-
neute^ esquadras, sdo luinistrados pela Com-
panhia das Indias.
Se facilmente se levantam grandes capi-
taes pare a construcgdo de uavios raercan-
t.-s perdi;n lo-se frequentemente nos nau-
fr;igios das emb ireagdes uma grande parte
do capital empu-gaio ; v j
Se se organisom com a mesma facilrdade
companbias destinadas d exploragdo das
minas, nas quaes muitas vezes se, enterram
' julga-
s, on
parocor
ocean i do ari.'ia eno so^^^H
de as teiupeslades ndo J
os capitaus, sera muito
panliia, quo teria de atra
A formagdo da companli ftanto
mais facil, quanto quo 1 eiso se
nao ocipital necet^H to-
dande, afim de explorar a sua empn
ndo t'-ndo a nova T"ico:n gdb n ioossilade
do material fixo, como trilhos, etc... n0m
tdo pouco da construcgdo de leito de es-
trada.
Que brilhante futuro estd portanto roser-
vado d companhia, que tomando a iniciati-
va da nova locomogdo e abrindo escripto-
rios no interior, se apoderar'do todo seu
oinmercio I
Tomar-se-hia como por eucauto uma
companhia, que na America do Sul repre
sontaria uma nova Companhia das In-
dias.
0 uovo systema pode ser adoptado para
percorrer-se as Savanas da America Meri-
dional oude o trajocto rapido torna-se ain-
da mais simples, visto que se achard resis-
tencia em uma profundi lade relativamente
ineuor que a das areias do Sahara, da
Arabia e do Gobi.
Quanto d iuclinagao das superliceis a
percorrer nas Savanas, dd ella menos que
pensar que a dos deserlos, porque o solo
das Smnas offerece uma maior attrac-
cao.
Sornente para as Savanas duas machinas
sdo necessarias, uma de um typo especial
para a descida ; e outra do um mais parti-
cularmeute adoptado para a sulnda.
A vantagem deste ultimo typo de machi-
na serd obter na carreira a maior velocida-
de possivel; ao passo que a machina para
a descida terd tambem a propriedade de
subir, porem, men >s rapidammite."
Segue-se p iis que a machina typo para
a descida descerd rapidamente. mas subird
vagarosamente, entretinto que a machina
typo para a subida, subird com grande ve
locida le e descerd de vagar, porque os cen-
tros de gravidiide das duas machinas de-
vem-se achar em posigao diversa, da mes-
ma sorte que as forgas motrizes devem tam
bem differir.
Offereceriu vautagens immensas ao com-
mercio e d in iustria, se fosse adoptada na
plani'ie de Parnambuco, que comprehonle
uma grandissima extensdo de tcrreno ao
Nordesle do Brasil ; e bom assim em varias
outras menores eu extensdo, como as do
Tard, Bahia, etc.
Estas planicies ale agora teem offerecido
pouco interesse por causa da difficuldade
das communicagoes, que, uma vez facilita-
das, colherao as companbias que com ia-
trepidez so affoutarcm, riquezas inesgota-
veis.
Pedimos a coucessfto para a formagdo de
uma companhia cuja duragdo seja indefi-
nita.
Ao mesmo tempo occupamo-nos da cons-
trucgdo do primeiro apparelho de uma ma-
china pcqueiuw quo mostrard sulliciente-
mente o effeito e o exito da idea.
Feita a expen.-ncia diante dos sabios e
dos eapiulistas, faroinos o primeiro appel-
lo de fundos para a aonstrucgao de u:ni
machina de ensaio, a "qual, sendo capaz
do conter deverd ires ou quatro pessoas, ser
experimentada nas areias do mar, ou no
eolaito algiimii planicie nas vizinhangas do
Rio de Janojro, ou mesmo em qualquer
outro lugarr que se julgar, scientifica-
mente convoniente.
Depois ilessa experiencia publica, a com-
panhia ser.i definitivamente forrriada, e
prestard os fundos necessarios para a cons-
trucgdo de uma machina pdoto, que de
anti-mao devera dflSempimhar os mappas
das differentes planicies, e indicar as linhas
que deverd) p-.H'COTTer as grandes ma
chinas.
Ao mesmo tempo so formara um nucleo
de pessoas, que tendo feito estudos^ espe-
ciaes, possam desenvolver os principios de
nova escola, e aprsentar bases quo assegu-
rem a atravessia dos desertos e das Savanas
em to lo o senti-lo o em todo tempo ; como
os modernos navegadores teem feito com
a uavi'gagdo dos oceanos.
No dia" em que do Brasil se langarem af-
foutamente as primeiras machinas atravez
dos oceanos de areia, nesse mesmo dia a
historfa regristrard que a America deu a
terceira civilisagdo ao mundo : Os Es-
tadosl'nidos do Norte emancipando a
escravatura, o Brasil o/ferecendo o meio
pratico (je emancipar em toda-a terra as
racas de cdr.
FIM.
or, eleraentos que conjunctos acarretaram
d Unido dobrado' dclnmonto, mais do que
a propria guerra civil, considerada em re-
lagdo as despezas e outros damnos materiaes
por ella occasionados.
Nagao menos opuleota, monos energica e
menos industriosa Wria a custo |fesistido is
experiencias tinanceiras, industriaos e com-
herciaes, descriptas por Mr. Wells.
Em 1861, no moraeuto em que reben-
lou a guerra, gozava a Unido Americana de
uma prosperidade seoH I em qualquer
parte do mundo.
A pcpulagdo duplicavarf nenos de 25
annos, e a riqueza nacional n iltiplicava-se
em progressao ainda mais rapida. f .
Nodecennio de 1850 a 1860, por exem-
plo, o increments, da populagie havia sido
de 35 "/., e o da riqueza public* do 126 %:
achando-se calculado o tt-rtho inedio da
fortuna de cada habitante em BIO dollars,
ou mais de 5,500 francos, po* valia nessa
occasido o dallars 5 francos e 35 centi-
mes. -
Coinquanto o governo da Unido ndo tivesse
ao seu dispdr outra verbas de receitadeque a
veuJa das terras publicas, que entdo se effe-
ctuava ao prego minimo de um dollar e um
quarto por are, correspoiidente a pouco
menos de 18 francos por hectare, e o produc-
to das tarifas das alfaudegas roduzidas desde
1840, os seus direitos d media de 15 /.. a
reiwita federal ultrapassava sempre regu-
larmente a despeza, e a adlninistragdo ndo
sabia como empregar o? seus saWoS. Nes-
tes termos resolveu-se a resgat.-ir autecipada-
inento os titulos de dividas creados por oc-
casido da guerra do Mexico, o que so logrou
fdzer pag.-uido-os com o premio de 20 /.
Cuntinunva, porem, a afflu'encia moueUria
e o governo para. Ihe dar vasdo, vio se ate
obrigado a depositar avultadas sommas era
diversos bancos, recommendando a estes
estabelecimentos que emp^estassem libe-
ralmente esses capitaes ao commercio.
Outras quantias deu em uso ds legislatu-
res de alguns estados e a differentes coo-
poragoes municipaes, afim de serein adope-
radas em melhorameutos locaes, erapenha-
do em afastar de si capitaes superfluos, de
que sevia, por assim dizer, assediado. Mr.
Wells cita, a este respeito, um caso frisan-
te. Ndo sabendo o governo co.no collocar
uma certa somma cedeu-asem compensagdo
a uma pequena cidade iusiguiiicanto no intui
to de ahi ser utilisada em dispdr eornamentar
um passeio publico para recreio. Ha, po-
rem. muitos outros factos do mosmo theor,
e noraeadamente em uma occasido foi attri-
buida uma quota importante d eoiupra- da-
terras para nellas ter lugar, como se reali-
sou, a edificagdo de casas para a habitagdo
de indigentes. Ndo 6, porem, menos cer-
to que, ii realidade, a ter durado um tal
estado de cousas, seguramente taes edifi-
cios concluiriam por ndo ter quem por
justo titulo os h bitasse.
N'esta conjecture prorompeu a rebelliao
do sul, o repentinamente toda esta situagdo
mudou. A Unido ndo possuia exercito,
nao sendo licito computar-se como tal um
grupo de cerca de lO.OOIJ hon.ns arregi-
mentados, mas quasi inleiramente destitui-
dos dc disciplina militar, incumbidos de
manter a ordem nos tc-rrjtorios dos indios.
Torna va-se, pois, urgen e croar uma for-
ga armada, e uma forga imponentc ; e, para
iso, ora mcessario um grande capital ra-
pidamente coiduuado. Recorrendo-se aos
bancos de Nova-York, Boston e Philadelphia,
estes a iiantaram a somma de 200 milhoes
de dollars; em seguida ao que, o rongresso
habilitou o governo a emiUir bilhetes do
thesouro, pagaveis u vista, ate d concurren-
cia de 60 milhoes.
Com estes palliativos, attingio-se ao dia
31 de dezembro de 1861. Demonstrou-se,
entretanto, que todos estes processos o
meios eram insuflicieiitos e iuadequados
em relagdo d gravidade das circunistancias,
e das proporgoes colosaes que assumia a
guerra. Zvao se tratava m,-is de contar pot-
simples milhoes, mas'por milhares de mi-
lhoes. I.angou-se mdo entdo do expediente
mais commodo, porem mais perigoso em
taes occasiOes : opapel-moeda. 0 governo
suspendeu os seus pagamentos em metal e
utorisou as instituigoos bancariasa fazerem
VARIEDADE
AS
vop-.fr. tr'ivesssando o deserto : noquetoca mercio, da industria e da civilisagdo, de success!vamente if*** cap'.^
do interior, serdo ellas ligadas uma parte da humanidade ainda barbarajmos que propondo nos i
ECONOMIA NACIONAL.
RECEXTES EXPERIENCIAS FINANCEIRAS,
INDUSTRIAES B r.OMMERCIAES DOS ESTAD0S-
U.MDOS.
Tal e o titulo de um documento da
mai,or importancia, devido d penna de Mr.
David A. Wells, ex-director das rendas pu-
blicas da Unido Americana ; e cuja traduc-
gdoacaba de ser dada ao publico nas co-
lumnas do Jornaldos Economistas.
'.onstitue esta obra a historia economica
e tinanceira dos Estados-Unidos, no periodo
que comprehenJe a grande guerra separa-
tista, e encerra multiplices ligdes repletas
de doutrina, as quaes com vantagem po-
dem e dovem ser aproveitadas em outros
paizes.
Torna-se manifesto que nas medidas de
que oe soccorreu o governo federal para fa
zer face ds emergencies da' situagdo, ndo
poucas foram desacertadas.. Algumas ate
trazem comsigo o cunho de summa inexpe-
riencia; sendo licito dizer-se que a imperi-
cia dos financeiros norte-americanos acarre-
tou d Unido maiores prejuizos do que a
principio a insufficiencia dos seus generaes.
Estes remataram por corrigir-se dos seus
defeitos, alcangando um elevado pa-
drdo de aperfe goaraento; mas dos ou-
tros ndo e dado averiguadamente pensar o
mosmo. Longe disso.
Assds ricos para pagarem por alto prego
a sua educagao militar, economica e finan-
ceira, ao monos os Estados-Unidos aprovei-
taram este tirocinio,-e conforme demonstra
o trabalho de que se trata atiingirdo a resul-
tados que ja por si, ja pelo processo da sua
iutegragdo, merecem particular estudo e sdo
obrigado thema de profundas cogita-
gdes -
A primeira conclusao quese leva tirarda
leitura desta importante obra, e que da en-
tre as pruvidencias postas em pralica nesta
difficil quadra, .as que directamente mais
nocivas coosequencias produzirdo, forram p
abuso do papet-moeda, o excesso de fisca-
em Uinllis8cdo, e a aggrava^do. do systema protec-
o me: mo.
Em quadras ordinarias a circulagdo d
Unido, segundo o uomputo de Mr. Wells,
elevava-se apenas a -216,000,000 de dollars,
ou pouco mais de um billido de francos,
quantia sufficiente a todas as exigencias do
movimento de permuta, em consequencia
dos numerosos subsidios resultantes da
adoperagdo- de instruraentos de credito de
toda a especie, encontro de coutas, cheques,
notas promissorias, etc. Eis, porem, que-
tanto o thesouro como todos os bancos da
republica se puzeram a fabnear & porlia
papel nao susceptivel de reembolso. Em
taes casos, como acontece sempoe, 0 papel
expelle logo da circulagSo a mbeda metallica,
sendo justamente o que sem deteuga nessa
conjuncgdo aconteceu.
Comegou a manifestar-se oagio entre os
dous instrumeutos de troca, e foi gradual-
mente subindo. Ate entdo a parte roefallica
da circulagdo era avaliada em cem milhoes
de dollars, o que deixava ao papel-moeda
uma raargem de 116 milhoes,-visto montar
o importe total do meio circulante em 216
milhoes. Sem apparentemente affectar de
uma maneira grave os valores em gyro,
o governo pftde nestas circumstancias du-u
lica somma do papel inconvertivel. o jp
premio do ouro manteve-se a 2 1/2 0/0 ;
verificando-se isto em junho de 1W62.
Com tudo continuaudo asemissoes officiaes,
o agio augmentou logo em uma proporgdo
muito alem da correlagdo estabelecida an-
teriormente. duplicando e triplicando com
o incremento de sommas muito menores do
que as que em comego quasi de um so jacto
haviarn sido langadas no mercado, Eulim,
segundo expoe Mr. Wells, estas successivas
emissdes perfizeram, por derradeiro, o total
de 1,200 milhOes de dollars, acenro repre-
seutado por bilhetes do thesouro, notas do
banco nacional e outros titulos fidu
tendo tido nestes termos esta especie de cir-
culagdo o accrescimo de 1,08* milhoes.
Tres annos depois da conclusdo da guerra,
em 1868, deste cabedal ainda se ndo acba-
vam resgatados 585 milhoes, somma duas
vezes e meia maior do que aq'iella quo an-
leriorniente d rebellido bastava ds transac-
goes nacionaes. E' f6ra de duvida que este
snbido incremento do meio circulante ndo
se podia effectuar tem comsigo adduzir r
cessariamente um*'enorme depi%ciago <
valores, tragf- urt'^o do regim.-n do
papel-mpe
I
I

MB1B

I
H
kV


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGXX5BWNO_QJ1L82 INGEST_TIME 2014-05-27T22:14:14Z PACKAGE AA00011611_16697
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES