Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16695


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mmmmm
:
*
m


I
m
** LPI *AL LLGAKE* OSBE S* M PA6A
H* m* jd'aotados .
'or Mis d.to* idem ..... ...
um anuo>imj.........'.''
Cid4 nutaiggsCj^uLw.......!!!!
SECINDA
PROPRIEDADE DE MANOEL
FARIA
^Sr*.Gtrio Antonio Aly^dFilhos, no Parf.-GoncdyesdPiiito, noMaranhao; Joaquim Joee de OUyeir.dFiii, TOCearf; Aouio de Luu- o A**., J^ i r r*.
____ ________ 4nt0m Ferre,ra ^ Auiar-em GoyannajJoio Antonio idupo.iioPihrdMAlaitei liven dVC. on fiduij Lerte, Cerquinho d C. no Rio;de Janeiro.
PAKE OFFICIAL
l-overuo .la provluela.
fUU'KMKNTK UODIA 13 OK JI1IJIO OR 187.J
___. 1-" seiruo.
Offlcio :
Ao brigadeiro commandante daa annas. -
Mrva-se V. Exc. de manJar put em liberdade o
ancruta AJalberto Fraro isco daa Ciapas, quo pro-
vuaiseiiijiu legal. A' vi>u do que, duixo de ex-
pedir ordens para'o transport- il -sse racrata, coin9
>ohriia V. Exc era seu offlcio desta data shu.
2.' secnlo.
Oflicios :
Ao jail de direito do di>trieto criminal. -
I'riHvda V. S., do cooformidadc coin a lei, contra
0 setiteneiado FraneiMW Neves dos Santos, pelo
homicidio praiicado na poss.u do de nome Jos*
Francisco da Litna, no presidio de Fernando de
Xoronha, onde se achavam, como lud cousta do
"flicio junto por eupia. do commandant.: daqueH*
presidio, o qua! nundou pira esta capital e dilo
-senteaciado.
Ao juiz municipal Jo lenuo de Cimbres.
Jim lespusU ao ollirio de Vine, de 2 do corrente,
teuho a ilizer Hie quo designo a '>' dominga de
;uosto vind mro para tor lugar a reuiia o do con-
selho municipal do recurso, visto nao se iiaver
rcunido aa .'! doutiaga de abril, eoiuo determina
a lei, pelos mulivos pqr Vine allegido-. in seu
alludiilo offlcio.
8* SfCriJO.
Offlcio- :
Ae inspector da thesouraria de fazenda. -
Hecommendo a V. S. qne. a vista da iuc'us a con-
la quo mo fui reiuottida pelo Dr. chefe de policia
com offlieo de 12 do corrente soli n. 1,2-12, man-
de iragar ao tenente quartel-raestrc di corpo de
policia Auluuiu Jose de Suuza e Silva a quaniia
de 'i'U-0 despendida pelo delegaJo do termo de
Tacaralii coin as diailai fornecidas aos recrutas
Pedro Alyes do Souza, Prudeneio Rodriguts de
Souza, Joao Barb wa -tos Santo*, foao Francisco
Calado. J "se Luiz Pereira de Brit) o Marcos Per-
reira da Silva ; vindos da eotnarea da Boa Vista
endo que J()ii Francisco Calado t'oi pis to em li-
berdade, uPrudeneio Ridrigues d: Souza e,>s de-
inais aprosaatados ao c miman la.ite das annas
com dcatino ao servjeo do axercitoou remettidtu
para a armada.
Ao niesiuo. -A* vista la sna inform.cao em
otflcio de hontein datadu sob n. ;>I0 serie D., com
a qual ate confonno, devolvo a V. S. a iiKlusa
couta, em duplicata, oara qfe niande PM>fi ao
ronunandante interino do batilhao u. '1 Ja guar-
da naeional, conformo soliciton j conimandante su-
perior interino do municipio do Cabo o Ipojoea.
Ao inesmo Na c.onionnidade do ollicio do
brigadeiro das a mas, sobn. 6It), e teado em visu
a demonstrai.a i da c mta loria, a qua allude 0 seu
ofticio dalado do 12 do correntu sob n. 5')o serii-
1). mande V. S. pagar sob responsabilidado desta
praafrtaneia a quaaSa de 80^000 de gratiSczcao a
que tern direito frei Felix da .\tiridade Pime'nte',
por ter ex^rcido interinaineate ilurante o mez de
maio e parts de junlio ultitnos o tugar de capellao
da fortaleza do Bmm
Ao uiesmo. Ojtninunico a V. 5. para os de-
vidus lins que a 80 do mez proximo passado as-
samio obaona el Bradttaao Auguto Cesar Wan-
deriey o exercicio do cargo de promoter publico
da comarc.i de Floros.
Ao inesmo. lara qnj o brigadeiro com-
niandaute das ar oas possa salisf.uer as exigencias
U ministerio da guerra, cumjire qua V. S.. Hie
rotneita, como solicit a elle e:n nSeio de bontein
dalado sob n. 707, uma relacao do t >ios os ubjee-
t'.s e vaiiJuarae peitencentes a piiannacia da Iijs-
pital inilitar, e que forani vendidos e:n nasta pu-
libra perante essa reparlicao.
Ao inesino.Commanieu a V. S. para os de
vilos fins que a 13 do mez proximo pagsado foi
nomeado pelo re.-peetivo juiz do direito, o cida-
d.io Manoel Kibeiro e Almeida promotor interino
da eomarca do Ouricury, pn'siando juramento 4
assumindo 0 exercicio.
Ao inspector da thesouraria provincial.Nao
leudo ainda entrado eta exereicio Antonio 1'inb-i-
10 de Alendonca, thesouroiro nomeado para a re-
p.o'tieao das obras publicas, e haveudo despczas,
eujo pagamento nao pode ser adiado, como ponde-
rou 0 respectivo cliele i-m ollicio de hontem da-
lado sob n. 273, niande V S. u::i auipregado des-
sa reparlicao realisar o referido pagamento por
cnta do pedilo meusal e 0 vista uos coinpetenles
documentor, ate 0 dia 16 do correntc.
Ac fiscal da eoUeetoria de Igoarassd. Em
lesposta a sua consulta exarada em ollicio de 8
do correute, dirigido eita presidencia, cabe me
rccommendar-lhe que sem perda de tempo entre
em exercicio das fuuecoes de ajudante do procu-
radur fiscal, independeule da nomeacao, n-s ter-
11105 do art. 33 do regulamento das cullectorias,
visto como e pensamento predominante do men-
cionado regulainento que as funccoes de aju-
daute do procurador fiscal sejani exoiclias pelos
Sseeai das colleetorias.
4.' seccuo.
Ados ;
0 presidente da provincia, attenJendo ao que
jojuereu Anna Bezerra da Silva Costa, professora
pubbca da cadeira de primeiras letras da pavoa-
r.io de Veuda Graule, e tendo em vista ini'orina-
can do director geral iuteri.w da iusiruceao pa-
blica, de 7 do commie sob n. 196, resolve con-
c.djr-lbe tres mezos de licenica com ordenado so-
luontc. para tratar de sua saude.
0 presidente da provibcia, attenden Jo ao que
requerou Joa juim Pedro da Rocba Pereira, pro-
?fejsor de inslruccao primaria da povoar.io da La-
gOa dos Gato> e tendo em vista a iufoimacio do
director geral interino da iastruccao puliiica. de 11
tlo correute, re^ilva concederlhe dous mezes de
iicenca coin vencimeulos ua forma da lei.
Offl :ios :
Ao Exm Sr". presidente da provi:k-ia da Ba-
liia.Tetil.j a ai-emblea le/islativa provincial em
aa ultima seisio autorisado a rcfonua da iis-
truec^o yub ica de.-ta provincia, e desejaudo eu
uniformfear 0 inais possivel 0 ensiuo prunario, ro-
go a V. Exc. e digne remetter me urn exemplar
do regulainento da< aulas publicas dessa provia-
Cia.IgUiies ma'atis /niUiMdis, ao Exm. presideu-
<.?da proviu.i.i do Rio de Janeiro e ao director ge-
nii interino da instrucao publica da corte.
Ao Exm. Sr. presidente da provincia do Pa-
rs.Aecuso recebido 0 olHcio que V. Exc. dirigio
eu* 7 do Correute, ao qnal victim annexos dous
exemjdares do relaiorio coin que 0 Exm. Sr. ba-
rio ae'Santarem entrcgou a V. Exc. a aJministra-
(ao dessa proincia em 18 de abril deste auiu, na
qiafttode de seu f vice-oresidcn:-.
Ae Exm. Sr. presidente da provincia do Ma-
raniiii. V'i'i-1 a ni>'p<;Ao do ollicio de V. Exc,
de 5 do Coi.calo. e ina.i .u>iui dua d..a. i-.\.o.;i(/la-
ros que a elle vieram auoexos, iki Matji io por V.
Exc. apresentado a assemblea legislitiva dessa pro-
vincia, udr occasiao da sua aberlura no dia 17 de
laaio.BUimo
Ao Exm. e Rv.n. Sr. bispo diocesauo.Em
observaaeia i lui, qucira V. Exc respwder no
prazo legal, ao recurao junto interpoato pi'lo des-
euibargai'or prbcurador da eoroa, sobcran a a la-
zenda naeional, que devolvera com a sna ros-
pogta.
Ao conimissario vaccioador provincial.Re
metta Vac. 'join a poiaivei brevMade a secretaria
deta presidtiucu aJjiuis tubjs com lympba vac-
cinica, afiin de serem remettidos para a villa de
S. Bento, onde esta grassando a variola.
Ao presidente da camara municipal da villa
de Serinbaem. -Nao contendo 0 ollicio de Vine, de
30 de junho Undo, todos os esclarecimeutos pedi-
dos em minha circular de 10 daquelle mez, re-
commido-lhe que complete os mesmos esclareci-
mentos, declarando-me nao so qual o documnn-
lo e a data da ereacao dessa villa, como lambem
0 dia em que teve lugar a sua instaliacao.
Portaria :
A' eamara municipal da villa de Panellas.
Fnteirado de qnanto etpoe a camara municipal da
villa de Panellas em offlcio de 7 de junho ultimo,
passo nesU data a solicitor do Exm. Sr. miuistro
da agncultura, commercio e obras publicas, os pa
drSes dos pesos 0 medidas do systcma metrico de-
cimal, a que allude essa camara em seu eitado of-
llcio, que flea assim respoadido Iguaes mutatis
mutandis, as camaras municipaes de Aguas-Bel-
las e Triumpbo.
5' seccao.
Offlcio :
Ao eugenheiro chele^repirtivao das obiai
publicas. -Autonso Vine, a conceder, nos termos
le sua inforraacao de hontem datada sob n. J76,
a Oscar Destibeaux permissao para construir am
cano de eagoto as agaas qne se ajuntam na entra-
da do sobrado, sito a travessa do Poucinho, pro-
liriedadn de Antonio Cliuiaco Moreira Temporal.
Portaria :
Oj Srs. agentes da companhia de navegacio
brasilf-ira man fern transportar a cOrte no vapor
iiHra, pj^r conta do ministerio da guerra, o re-
cruta Jolo Damasceno Cavalcante
KXPKOIKNTE DO SKCHKTAHlo
1.' secrao.
Ollicio :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
rnas. -S. Exc. o Sr. presideute da provincia in: n-
da de larar a V Exc, em resposta ao seu offlcio
de h ije sob n. 708, que ficam expedidas as neces-
sarias 'vdens para o embarque de recruta Joio
Oamasceno Cavalcante.
*.* se*ciio.
Offlcios :
Ao commandante superior do Cabo e Ipoju-
i\i. De nrdein de S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
50 a V. S. para os derides elTeit.>s.


vincia comiuutitco a v. s. para
que por offlcio desta data expediram-se as neces-'
sarias ordens a ihesouraria de fazenda, mandando
pagar a conta que V. S. remetleu inclusa em seu
offlcio datado de it de julho ultimo.
Aobachaiel Miguel dos Anjos B.irros.0
Exm. Sr. presideute da provincia manda accusar
0 recebunento do offlcio de V. S-, de 17 do mez
proximo passado, em que participa ter rea.isumi-
do o exercicio da jurisdicca > da vara de direito da
eomarca de Flores.
Ao bacharol Manoel Rotim de Alenear. 0
Exm. Sr. president); da prrviocia manda acensar
0 receb inento do offlcio de V. S.. de 18 do mez nl-
tim ">, em que participa ter sido pelo juiz de direito
interino da eomarca do Ouricury nomeado pro-
motor publico interino e assumido 0 exercici.) des-
te cargo a 13 do dito mez.
Ao bacharel Graciliano Augusto Cesar Wan-
deriey.-0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da arcusar 0 recebimentn do offlcio de V. S., de
ii do mez proximo passado, em que participa ter
no dia 20 do dito mez assumido 0 exercicio do
carjfo de promotor publico da eomarca de Plores,
para 0 qual" foi nomeado a 26 de uiarco ulti-
mo.
Ao juiz de direito da eomarca de Flores.0
Exm Sr. presideute da provincia manda accusar
0 recebimento do offlnio de V. s., de 23 do mez
proximo passado, participando ter a 20 do dito
mez prestado juramento e assumido 0 exercicio
do cargo de promotor publico dessa eomarca 0 ba-
charel Graciliano Augusto Ce-ar Wanderley.
- Ao president e membros do conselho de
qnalificac&o da guarda naeional de Caruaru.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
0 recebimento do offlcio de V. S., de 23 do mez
proximo passado, em q;w participa ter nessa da-
ta findo os trabalhos do conselho de revisao da
qnalilka;ao de.-sa parochia, .do qual fUeram
parte.
4." seccao.
Offlcio :
Ao Sr. Dr. secretario da presidencia da provin-
cia do Para S. Exc. 0 Sr. presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. em resposta ao sen
offlcio de 7 do corrente, que opporiunameute sera
encaminhado ao Exm. mimstro plenipotcnciario
do Brasil nos Estados-Uuidos d'America, o que a
elle 6 enderecauo pela presidencia dessa provin-
cia.
5.* seefffo.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparlicao das obras
publicas.S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia
manda communicar a V. S. para seu conhecimen-
to e em resposta ao seu offlcio de 14 io corrente
sob n. 275, que nesta data fleam expedidas as con-
venientes ordens a thesouraria provincial, afim de
que seja realisado por urn emprega lo daquella
reparlicao 0 pagamento a que allude V. S. em seu
eitado offlcio.
Ao; agentes da companhia de navegacao bra-
fileira. -OExm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a Vv. Ss. que0 vapor Guira, chegado
hontem dos oortos do norte, pode seguir para os
do sul hoje as 5 horas da tarde. Fica deste modo
respondido 0 offlcio de V.v Ss., daquelle dia.
BXl'KDIEXTE D1 DIA 16 DE JULHO DE 1873.
1.' sergao.
Offlcios ;
Ao Exm. brigadeiro comm ndante das ar-
mas.Expeca V. Exc suas ordens para que seja
feito o servifo das rondas desta capital da meia
noite as 4 horas da madrugada, pela forca de !
linha.
Ao mesmo. De parte do tenente coronel
commandante do coroo de pulicia ser-lhe hao
aprese itadas as ex-pracas do aim corpo, Joaquim
Tiburcio Falc.io e Jose Antonio Pereira, afim de
servirem no exercito, se f.srem julgadas aptai.
Ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar por
em libirdade o recruta Felix de Valois de Canta-
lice Passos, que provou isencSo legal.
Ao capitao do porto. Pode V. S. mandar
por em liberdade, visto serem julgados incapazes
do servico aeflundo eonsta do seu offlcio de 15
dj corrente sob n. 134, os recrutas Francisco Jose
da Silva. Joao Alves vianna, Joaquim Jose Tava-
res Junior, Demetrio Jose da Craz e Prudeneio
Joan da Cruz.
Ao director do arsenal de guerra. Trans-
mitt o a Vine, para os fins convenientes os inclu-
sos termos de inspeccaoa qte foram suomettiios
os raancebos de qne tratam os sens oflicios de 8
do corrente.
*o engenheiro das obras milttares. Nao
tendo appareeido propoaentes a okra do encana-
mento do quartel da Soledade, apezar de ter sido
ehamada a concmrencia per diias veaes, se-
gundo declara Vmc. em seu nfflcio de hontem da-
lado, autoriMMi a eacarregar desse trabalho
aipiella las companbias a que allude, que o flzer
mais barato.
0 presidente da prortacia, a vista do offlcio
do Dr. chefe da policia, n. 1,245, de 14 do corren-
te, resolve exmierar do cargo de subdelegailo do
districlo lie Sitios-Novos, do teraodo Ouncu/y, 0
cidadao Carlos Jose Soares, visto ser o dito lugar
incompativel com o de snpplente do juiz municipal,
que e por elle exercido.
0 presidente da provincia, a rista do offlcio
do Dr. chefe do policia, n. 1,246 de 14 do eorren
te, resolve exunerar do cargo de snbdolegado do
! districto do termo do Exti o cWadfio Antonio
Ulysses da Silva Piixoto. por t.T sido nomeado
adjunto do promotor publico da dita eom irea.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de potkia em offlcio
n. 1.2i6de lido corrente, resolve nomear al.
feres do corpo de policia Joaquim Aprigw Rosa da
Costa, subdelegado do priraeiro districto do termo
do Exii.
0 presidente da provincia, de eon/brraidade
com a proposta do Dr. chefe de policia em offlcio
n. 1,244 de 14 do corrente, resorre nomear para
os cargos de 2- supplente do delegado do tenno
de Triumpbo e subdelegado da freguezia de igual
nome, para o I" o cidadao Balbino Telie* de Mone-
zei, e para o 2- Manoel Joaquim'de Magalhaes.
0 presidente da provincia, a vista ilo offlcio
do Dr. ohefe de policia, a. 1,220 de 11 do corren-
te, resolve exotierar do cargo de snpplente do
subdelegado do distrieto de IVeguica do termo do
Agua Preta, por niio ter prestado juramento 0
cidadao Joao de Carvalho da Curtba de Siqoeira
Andradc.
0 presidente da provincia, do confenuidade
com a proposta Jo Dr. chefe dc policia, n. 1^210 de
11 do corrente, resolve nomear para os cargos de
l'e*| supplentes do subdelegado do distrieto de
Preguica, do tenno de Agua Preta, os cidadiL* se-
gnintes na ordem de s*i colloeacao : Emilio Clan-
dino Bezerra do Amaral, Jose CirneHo de Taacon-
cellos.
0 presidente "da prorlnch'; attendendo i
que requereu o tenente cfrurgiao do eorpo de
cavallaria da gnarda naeional do inonicipio do
Villa-Bella.Leandro Justo de Souza Barros, rejol-
ve conceder-lhe a guia, de que trata n art. 45 do
decreto n. 1,130 de li de marco de 1853, para a
provincia das Alagoas, onde vai re*idir.
0 presidente da provincia. de cmifaniudade desse muhicipio, uor
com o disposto no art. 48 da lei n. <502 do 19 de
seterabro de 1850 e aviso n. 81 do ministerio da
justica de 15 de fevereiro de I860, resolve nomear
Bento Sevenano da Fonseca Pitta, captt*o da I-
companhia da seccao n. 16 da gnanla naeional do
servico de reserva do municipio de Agua Preta.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. SWra-s* V. S'. da1
reeommendar As autoridades policiaev que, sem-
pre que capturaremguardas nacionaes"para o ser-
vico do exercito. tratem de arrecadar o arm.uii.'u-
to o correame pertencentes a fazenda e qiie estao
a seu cargo.
- Ao commandante superior da gnarda naeio-
nal do Recife.Designo o jniz de direito da l va-
ra civel para Tazer parte do conselho de revista da
guarda nacicnal deste municipio ; oque lhe "om
munico em resposta ao seu offlcio n. 645 de 12 do
corrente.
"M^Boaerra Carnerro da Cnnha, si sia exactos
09 ,H?,W wl*u'* TL?* *u* n^or^iu- ** bou-
to delrauda-.*.' dos direito* prorinciaes na im-
poruncia indicada.
Ao mesmo. Ao sargwito Firauno VonaOcio
de Araujo manda V. 8. pagar, a risu' da folha
junta em doplicata, confortie soRcitou o comman-
dante superior do municipio de Pao d'Alho em
ofuVio iii do cnrn proreniente do foraeemwnto d'agoa e bu ao quar-
to! do rus|ieet dotewbro de 1871 a 30 de junho ultimo, eomose
r da ineneionada Wtia.
-^ A* roeano. -Em resposta ao sen offlcio de
It do corrente sob n. 2V2, em quo tout ao conhe-
'imenlo desta presidencia que deixaram de ser
arrmnatados por falta d UciUutes os impostos
das eoiriarcas de Floras e Tacaraid, tenho a dizer
a V. S. que mande annuueiar nuvaiueoto a praca
desses imposlos com outro abate de 10 por cento
sobra u< oltiinos precis, eouformo propde no final
do eitado offlcio.
-J Ao mesmiv Communion a V. S. para seu
roiiheeiineuto odevidu* fins que nesta daU entrou
n) exercicio do fugnr de official de gabinete desU
Siresidencu, oafa o qual fora designado, de ow-
orirtidafle com regulamonto de 12 de ftverairo
de 187?, o ba.mrH Jose Vieeute Meira de Vascon-
cellos. j
ultimo.
Ao juiz de direito da vara.0 Bam. Sr.
presidente da provincia manda eommunkar a V.
S-, para os davidos lins, que vieram do presidio de
trnandn de Noronha, e se aeham a disposicao
relacao convocou
de, para o dia 16
a 5.* sessao do jury' desta eida
do corrente, designando para
presidi-la o Exm. Sr. desembargador Silvario Far-
nandes de Araujo Jorge. mi u ...,
desse juieo, os sentoneia'dos JaeolT Jose deFrao^a, I |i25Si-^Z,lTK!S
Anionm Jose do SanfAnoa e Jose Ferreira da ifclsea.-Amanba
Aocomaaiidantesuperior di guarda natio-
nal de Ffcrres. -Maodu V. S. dar ao tenente cirur-
giao do 1* corpo de cavallaria da guarda naeio-
nal sob o seu commando .->uperior, Li-andro Justo
de Souza Barros, a guia de qne trata o art. io do
decreto n. 1,130 de 12 de marco de 1853, para a
provincia das Alagoas, onde vai residir.
Ao juiz de direito da 1' vara civel. Desig
nei V. S. para fazer parte do conselho de revisao
da guarda naeional deste muniiipio ; o que lhe
communieo para os devidos lins.
Ao commandante do corpo de polL-ia.Faca
V. S. substituir por outro, coin osto de I inferior
e 8 pracas, o actual destacamento de Agua Preta.
Ao mesmo. PoJe Vmc. desligar do corpo
sob o seu commando as pracas Joaquim Tiburcio
Falcao e Jose Antonio Pereira, dos quaes trata o
seu offlcio n. iOi de 11 deste mez, fazendo-os
apresentar ao coronel commandante das arnas
para o servico do exercito.
8.' iecfao.
Offlcios :
4.''leceuoi.'i
Offlcio :
Ao Exm. presidente da provincia do Para.
Afcusaudo a recepcao do offlcio de V. Exc
de n de juulw ultimo, tenho a dizor qne nesta
data expeco ordem ao engenheiro Jose Tiburcio
I ereir.i de Mamthaes, no sentido de ser satisfeita
no prazo do 30 dias, a eontar desta data, a requi-
sicao con>Unte do eitado offlcio.
I'oitaria :---------
ii' caiaajaJqiunicipaJ do Bom Jardim.Cotb-
munico a frtnanr uitiidcipjl do Bom Jardim que
nesta data dafirua p\titlo,4o touente-coronel Jose
da Siiva Pessoa, em qne reeurre do despacho dessa
ofcinara, dwiinando a sna competencia para tomar
conttecimeiito do r^queriuiento do mesmo teuente-
coaun-1, p^diudo reoovacao do seu eonlracto de
arrtmatacao de aingneis dos pesos nas feiras
desse municipio, por juJgar que ten Jo approvado por esta preaidencia, so a ella cabia
resutver sobre sua altora<;i. Tratando-se de
object i que di* respeito a economia municipal,
cuja iuiciatfva compete a essa camara, cumpre-
Ihe apreciar a inateria, sujeitando a sua decisao a
eslapresidencraiiioowso^ejulgar que ocontracto
i.avido d-rre seralu-rado.
6.' tecca*.
Oftkio : i-.x.
Ao eugenheiro Jose Tiburcio pereira de Ma-
galliaes. Tnutsmi-to a Vmc para o* fins conve-
nientes qiia do offlcio do Exm. presidente da
provincia do Para, de 2! de junho ultimo, alim
de ipie seja observado o que nelle se exige.
Assim, lica marcado o prazo de Mi dias, a eontar
desl daU, fiara ser%umprida lal exiguueia.
liXl'LDIKM'K DO SKCBETARJO.
/." seedio fc
Oflicios:
-Ao Exui.brigadeiro coiinniniante das annas.
S-Pfcxc o Sr. pnsideuto da provincia, tendojMtr
Hespacao de hontem utorisado o foruecimento (lo
pedido de art gos ik vistuario vencido no !. ss-
mestre dtisto anno pelos calcetas empregad >s no
servico da facliina do quartel do deposMo. Fran-
cisco Boes de nfia, Mariano Uarbosa de Oliveira,
e Severiuo Alves dos Santos; assim o manda coiu-
uinnicar a V. H xc em respo.-ta ao seu offlcio de
hontem datado sob n. 709.
As engenheiro eucarregado das obras mili-
tare-. S. Exc. o Sr. presidente da prorincia
manda commuuiCar'a V. S. que expedio-se ordem
Antonio
Sflva.
Ao presidente e membros do conselho de qua-
HUcacao da guarda naeional das parochias de
Buique e Pedra.-O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar o recebimento do offlcio de
Vv. Ss., de 27 do me proximo Undo, era qne par-
tie.rpam terem-se concloido n* trabalhos do conse-
lho de qualilicacao da guirda naci nal d.ia paro-
chias do BuiquQ e Pedra. do qual lizeraui parte.
Ao Sr. Manoel Tuiiauo dos Rei3 Campellu. -
O Exm. Sr. presidente da provincia manda accu-
sar o recebimento do offlcio-de V. S, de t do cor-
rente, em que participa ter nessa data prestado
juramento e assumido o exercicio do cargo de pro-
moter publico interino da eomarca do Bui-
que.
4' uccao.
Offlcio :
Ao Dr. director geral interino da instruccio
publica.-S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda eiinmunicar a V. 8., para seu ennhocimen-
to e fins convenientes, qne por acto de 9 do cor-
rente, e de conforiuidade com a sua proposta era
ollicio de 5 do corrente sob n. 193, resolveu exo-
nerar a seu pedido a Lucio Jose de Siqueira Cam-1
dos do cargo de delegado litterario do districto da
villa de Triumpho, e nomear para o substituir o
bacharel Fiel Vieira Torres Grangeiro, cnjo titule
remetto incluso.
5.' MCfJO.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da roparticao das obras
publicas. -O Exm. Sr. presidente d% provincia
manda accusar recebido o offlrio de V s de 11
do corrente sob n. 274 bis, commnnicando haver
tido lugar nesse dia a Inauguracao dos tnbalhos
da estrada de ferro do Recife ao Limoeiro.
dkspachos da presidrncia.de 3 dk ol'tcbbo
dk 1873.
Bacharel Benjamin Pinto Nogueira.Passe por-
taria.
Bernardo Falcao de Souza. -Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Carlos Scholia. Informe o Sr. brigadeiro com-
mandante das arroas.
Joao ile Assii Pereira da Rocha. Passe porta-
ria coneedendo a prorogacao pedida.
Josefa Maria do Kspirito Santo. Informe o Sr.
Dr. chefe de policia. ,
Maria Felippa. -Dirija-se ao Sr. inspeclor do
arsenal de marinha.
Oscar Destibeaux. -Informe o Sr. engenheiro das
obras militares.
Secretaria da presidencia de Pernambnc >, 4 de
eutubro lo 1873. 0 porieiro,
Silciuo A. Bodrianei
!.
2." iecQiio.
-Veto? :
- 0 presidenta da provincia, de accordo com a
proposta do Dr. chefe de policia em offlcio n.
1,245 de 14 do corrente, resolve, nomear para os
lucres de subdelegado do districto de Sitios-No-
oa, do termo do Ouricury, o actual supplente
Joao SHveira Macbado, e para substituir a este o
p E&M& Olegario da Cunha.
se^uencia de ter-se esgotado o credito distribuido
para a verba -inspeccao de saude -, do miuisterio
do imperio -do exercicio de 1872 a 1873.
Ao mesmo. Informe V. S., tendo em vista
o artigo publicado hoje no Jnrnal do Recife, as-
signado pelo bacharel Loureuco Bezerra Larneiro
da Cunha, se sao exactos os dados esutistieos
nelle apresentados da entrada do algodao.e de sua
cxportacio, e bete assim se houve a defraudacao
dos direitos provinciaes na importancia indicada.
Ao mesmo. -Providencie V. S. no sentido de
serem pagos, a vista do incluso pret, o veuLim'eu-
tos dos tambores, cornetas e clarins dos corpjs a*
auarda naeional deste municipio, concernentes Jos
mezes de maio e junho ultimo3, conforme solicilou
o respectivo coramanlanle superior interino em
offlcio de 12 do correute sob n. 648.
Ao mesmo. Communieo a V. S. para os de-
vidos fins que a I deste mez deixou o exercLio
do cargo de promotor publico da eomarca da Bui
que, por ter sido nomeado para a de Ouricury o
bacharel. Pedro Jorge de Souza; sendo nomeado
interinamente pelo juiz de direito para exercer
aquede cargo o cidadao Manoel Turiauo dos Reis
Campelle.
Ao mesmo. -Transmitto a V. S. os inclusos
prets em duplicata quo me forain romeltiJos pjlo
commaudante superior interino dos muuicipios de
Tacaralu e Flores com offlcio de 2 do coneate,
afim de que mande pagar a Flavio Goncalves Li-
ma os veneimentos das pracas da guarda nacio
nal de.-Ueadas no distristo de Caxpiuhos, a con-
tar de 10 de niaio a 30 de janbo deste anno, se-
guudo indicam os raencioaaaos prets.
Ao mesmo. Em vista da inclusa conta do-
cumentada, mande \'. S. pagar a Basilio Jose da
Hora, couionue requisilou o engenheiro das obras
militares em offlcio de 12 do corrente, a quantia
do SlSxS^O, provenientes dos concertos fcitos no
laboratorio pyroteehnico, segundo se deprehende
dareferida conta.
Ao mesmo. Expeoa V. S. suas ordens no
sentido deseoem pagos,a vista da folha e pret jun-
tos em duplicata, qua me transmittio o coramaa-
dan'e superior da Boa-Vista com offlcio de 28 de
jUQho ultimo, as veneimentos do official e pracas
da guard., uacional exislente na villa de Pelruii
na, relativos ao mez de maio ultimo, e bom assim
os supprimentos do mesmo official, tendentes aos
mezes do fevereiro e abril deste anuo.
Ao mesmo. Tomando em cousidoracao o
queexpoz Beliniro Feneiia da Fonceca f^daval,
no incluso rcquerimento a que sa refere sua iufor-
macao de 14 do corrente n.511 serie D, autoruo
V. S. a mandar pagar sob a responsabilidade dessa
presidencia a quantia da ajKIO, proveniente da
mauufactura de algumas pecaa de fardamento pan
e arsenal da guerra, visto nap existir credito na
respectiva rubrica para samelhante pagamento.
, "~ ^? "Hrector daMipuraria provincial. -In-
forme V. S., tendo em vflRao artigo publicado hoje
oa Joraal do Recife, assignaJo pelo bacuarel Lou-
Ao inspoctor da ihesouraria do fazeuda.
Annuiudo ao que representou o iuspeclor da sau-
de do potto em offlcio de 7 do corrente a que al-
lude sua informacao de hontem n. 530 serie D,
autoriso V. S. a mandar pagar a aquelle inspector,
ao secretario e guarda da respectiva repar;io..io,J
sob a responsabilidade da presidencia, nos termos
do decreto n. 2,884 do de fevereiro de 1862, as
gratiflcagoos a que tiverein elles direito, e:n con- -presidente da provincia transmitto a V. S. em 2.'
a thesouraria de fazenda no senlido de ser pag.
a Basili) J.ise da Hor.i a quantia ue que trata o
seu ollicio de it do corronte.
2.' seccSo.
Odlcios:
-i Ao Dr. chefe de policia.0 Exm. Sr. presi-
Jen.e manda trausmittir a V. S. os tilulos juntos
de nomeacao dos l. e 2. supplentes do subdele
gado do districto de Preguica do termo de Agua
Preta. de conformldade com a proposta de V. S.
em ollicio n. 1,22 de II do corrente.
- Ao mesmo. 0 Exm. Sr. presideute da pro-
vinejamauda declarar a V. S. que^ licam expedi-
das as cunv^nientes ordeus nosentitlo de que trata
o seu ollicio n. 1,2.'5 de 12 do corrente, que lica
assiin* respondido.
Ao rnesini. De ordem de S. Exc o Sr.
ncpiirticitii ilia polleia.
seccao. otjcrdtaria da policia de Pernambuco.
4 de outubro de 1873.
X 1722.111m. eExm. Sr.Participo a V. Exc.
Ie, tnttm bontem reeofflatos a cas;i Je dejencao
os individuos seguintes :
A" ordem do subdelegado do 2* districto dft S.
Jose, Franrlsca Maria Cavalcante e Rosa Maria da
Gmceicao, pr desordem.
0 subdelegado da Boa-Vista, commuuicou-me,
por offlcio desta data, que remetteu hoje ao Dr.
Juiz de direito do respectivo districto criminal o in-
querito policial que fez contra lose de lal, polos
ferimentos graves praticados na pessoa de Deme-
trio Grego/io do Xascimento.
Por afflcio desta data, dcclarou-me o subdelega-
do de Beberibe que remettera hoje ao Dr. juiz do
direito da respectiva eomarca o inquerito policial
qne fez contra Manoel Bento Gomes da Souza e
suamnlher Joanna Maria Rita de Sam'Anna, por
crime de aborto.
Finalmente, a;ordem e a Iranquillidade publicas
nao soffreram alteracao.
Deus guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, dignissi-
mo presidente da provincia. 0 chefe de policia,
Antonio Francisco Corr*ia de Araujo.
via,.os tilulos juntos do nomeacao do subJelegado
dodrstricio do Triumpho e do respectivo !. sup
plente, flcando assim satisfeilo o pedido de V. S. em
offlcio n. 1,247 de 14 do corrente.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. qne fleam expedidas
as convenientes ordeus no sentido que trata a seu
offlcio n. 12 i3, de 14 do corrente.
Ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sident da pruviucia transmitto a V. S. os titulos
juntos da nomeacao do 2.* supplente do dele-
gado do termo do Triu t.pho e do subdelegado da
freguezia de igual nome, de confonnidade com a
proposta de V. S., era offlcio n. 1,244. de 14 do
corrente.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia transmitto a V. S. os titulos
juntos do nomeai.ao dos subdelegados do !. dis-
tricto do termo do Exti e do de Sitios Novos do de
Ouricury, e do !. snpplente deste, de conformi-
dade com as propostas de V. S, em offlcios us.
1,145 e 1,246 de 14 do corrente.
Ao coaiinandante superior do Recife. -O
Exm Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que ficam expedidas as convenientes or-
dens, ao sentido de que trata o seu offlcio n. 647
de 12 do corrente.
Ao mesmo. -De ord^.n de 3. Exc o Sr pre-
sidente da provincia, eommdnico a V S. que nes-
ta data autorisou-se a thesouraria de fazenda a
mandar pagar os vencementos dos tambores,' cor-
netas e clarins dos corpus da gnarda naeional, do
que trata o seu offlcio de 12 deste mez sob n.
Ao commandante superior de Pao d'Alho. -
OExm. Sr presidente4aprovincia manda decla-
rar a V. S. que nesta data expede a conveniente
ordem a thesouraria provincial,no senlido de serem
pagas ao sargento Finnino Vanancio de Araujo as
despezas de que trata e seu offlcio do 1* deste
JUOZ.
Ao commandante superior da guarda naeio-
nal da Barreiros e Agaa Prela. 0 Exm 9 pre-
sidente da provincia manda eommunicar a V. S.
para os devidos lias, que por poi taria d-t hoje fo
nomeado Bento Severiano da Fonseca Pitta capi-
to da 1* compaaBia da 16 seccio de reser-
va da gnarda naeional do municipio de Agua
Preta.
Ao comraamlante superior de Tacarata e
Floresta 0 Exm. Sr presidente da provincia
manda eommunicar a V. S. que acaba de expedir
ordem a thesouraria de fazenda, no sentido de se-
rem pagos a Flavio Goncalves Lima os veaciinm
tos das pracas da guarda naciouaL de que trata o
seu offlcio de 2 do c n rente.
Ao commandante superior da gnarda naeio-
nal da Boa Visiii-S. Exc. o Sr. presidente da pro-
/Incia manda deelarar a V S que exnedio ordem
a thesouraria de fazenda, no sentido de serem pa-
goe oa veneimentos do destacamento da guarda
naeional, de que trata o seu offlcio de 18 de junho

SKAMBUCO.
RE7ISTA DIARIA.
Cuiniuissoes znedicas. Por portarias
da presidencias da provincia, de 3 do corrente,
em vjsta da exposicao do Dr. inspector da sadde
publica, relativa ao desenvolvimento da variola
por toda a cidade do Recife, devido sem dovida
a falta de vaceinacSo de grande parte de sua po-
pulacao, e no intuito de facilitar t&o poderoso. pre-
servative, foram nomeadas as pessoas seguintes
para se encarregarem desse servi^ j nas freguezias:
S. Frei Pedro Goncalves. Dr. America Vespu-
cio Moreira de Almeida.
Santo Antonio. -Dr. Ignacio Aluibiades Velioso.
S. Jose.Dr. Francisco de Paula Soares.
Boa-Vista. -Dr. Silvio Tarquinio Villas-Boas.
X. Senhora da Graca da Capunga. Professor
publico Angelo da Costa MelK) Rosal.
Poco da Panella. -Antonio da Rocba Accioli
Lins.
Affogados. -Dr. Miguel Joaquim da Costa Mas-
carenhas.
Por portaria da mesma data, foi nomeada
u.::a commissao. composta dos juizes de direito
e municipal, e do major Jose Cesar de Albuquer-
que, para eacarregar se da distribuieao desoceor-
ros aos indirentes atacados de variola na cidade
de Goyanna.
Guarda Xliaciunal.Por partarii da pre-
sidencia da provincia, de 3 do corrente, forara
transteridos os seguintes offlciaes do 9.* batalhao
de infantana, do municipio de Olinda, de umas
para ontras companhias: o capitao Manoel Igna-
cio da Silva Braga, da 1.* para a 4.' companhia;
o capitao Joaquim Rabello Pessoa de Brito, da 2.'
para a 5.*; os alferes da 3.* Ildefonso de Brito da
Cuuha Souto Maior para a 6.*, e Francisco Joaqnim
Antunes para a 8.*; o capitao Chrislovio Pereira
Pinto da 4 oara a 7.*; o capitao Jose Joaquim de
Lima, da 5.' para a 2.*; o alferes Francisco Lud-
gero Nuues Vianna, da 6-' para a 3.*; o capitao
Joao Francisco da Lapa, da 7.* para a I."; o al-
feres Mauojl do Alcantillado Torres, da 8/ para
a 3."
Yrliiiliilsti-ayfio dos correias. Em
satisfacao ao pedido feko no rosso nnmero de ab-
ba lo, per Urn mascate de Flandres as cost as, pe-
de nos o Sr. administrador interino dos correios
desta provincia que declaremos que, sendo prohi-
bido pelo respectivo regulamento, eommerciarem
os estafetas quando em viagem, tem elle sempre
nao so imposto multas, como despedido todos
aqnelles contra quem se apresentam -quoixas fun-
d .das, c que vai syndiear o qne ba de voridico em
relacao ao e-tafiUa que negociou em Ambole para
impor lhe as penas da lei.
Cidade da Victoria. -Temos cartas des-
ta cidade qne nos afflrmam ser falsa a notieia aqui
espalnada de grassar alii o cholera -morbus, qaando
as epidemias reinantes sao a variola, e febres
acompanhadas de ligetro incommodo nos iutesti-
nos.
Jury.0 Bxffl. Sr, ijonselheiro prasfderjto da
ugar a recita qua a empreza dramatiea do tbeacro
de Santo Antonio olfereceu em benelicio de eofre
do conselho da Sociedade Propagadora da ins-
tnicrao Publica do Poco da PaneUa, onde priawi-
ro se tradazio em facto a idea da aooiedade, n
onde o mesmo conselho ja mauiein uma bibliothe-
ea e quatre escolas, sendo Unas diuraas e-duas
noctnrnas.
0 conselho da referida parocbt* do Puco da Pa
nella, coniiando nos seatimentaa de phiianirooia
|ue caracterisam as D^ssoas amantes da instruc
cao publica, espera (|ue o tbealro seja procurado
e baslante concorrido nessa noite;
Desejam >s qne essa esperanca seja plenanaWte
satisfeita, como convera aos inmitos da Sociedade
Prnpagadora.
Pa^aduria da thesonrarla de fa-
zenda Pagam se hoje as segniote* Mbas :
Empregados do recenseamento, arsenal de ma-
rinha, companhia de aprendizes marinheiros, pra-
cas de pret, reformadas. Os funccionarios qne
deixarem de receber nesta dia so poderao fazc-lo
do rritavo dia ulil em diante.
1 la in be. Recebemos communicacdes dseaa
bralidade, as quaes aleancam a 24 de seterabro.
Eis o que d'alli nos oizem :
Amigo redactor. Causa-me grande admira-
fao a indiflt-resea, on antes o pesado sileneio qne o
jornalismo *issa capital guarda sobre esta eomar-
ca, sileneio' que apenas tem sido pertnrbado por
algum des;ibafo de interesses pessnaes, on '
fogo de paix&es politiras, ou finalmente pell
notonas communicac(5es pessoaes do estvlo e de
rigor quando algnma ndoa de sangue vem em-
porcalhar as paginas da historia desta filha prf-
mogenRae nberrima do heroeVidal de Negreiros.
Enlretanto rjenso qne esta localidade merece mais
attencao, nao sd pelas snas riquezas natoraea e
grande populacSo, enmo pela singular e inexplica-
vel posi;io topographica ijue oceupa na carta ge-
ral do imperio.
Digo : singular e inexpltcavel posicOo topo-
graphica, porque a actual cabeea da eomarca se
acha collocada em um de seus exlremos, eonfinan-
lo com a visinh. provincia da Parahyba, e tendo
um lado da rua principal p-rtencendo a Pernam-
buco e o outro aquella provincia (!) passando a
linha divisoria em sentido longitudinal pelo cen-
T (la.rira> psrtindo o teraplo de Nossa Senhora da
Conceicao ao meio, desde a porta principal ate a
capella mor I Uma tal anomalia faz com que em
um pe jueno povoado se encontrem dons jutzes de
direito, dous .juizes municipaes, dous prnmotores,
don delegados policiaes, em sumnia, um par de
cada entidade official, e sobretndo o maior eraba-
raco para a administracao da justica criminal, e
favor ou impunidade de criminosos, aos quaes
basta entrar por uma das aortas desse templo de
que acima fallo e sahir pela ontra, on saitar do
uma calcada para a ontra, para a sen salvo esca-
par-se 4 aecio da policia, que, sem certas formali-
dades, n8o pode penetrar em provincia es-
tranha !
w Ora, ban sendo D Quixote, a nem tendo pre-
tencflc* a endireitar o mundo, on as suas ""TftHfc i
comtudo acho-mo teniado a quehrar a gelidaapr
qua cobre Itambe, e dirigir-lhe nma ou ontra vez
algumas noticias sobre esta localidade, se julgar
que convem aturar-me edar a lc?r a sens assig-
nantas o qne lhe escrever.
Em roliisiio iiertenco com fe viva a Christo,
e por i?t> delesio aos jesuitas, seita que lhe e con-
traria.
o Em politica respeito e obedejo ao governo do
paiz e as autoridades legalmente eonstiluidas,
como convem a todo bom cidadao, e por estas duas
qualidades e ainda mais por ter certeza de que
Deus fa'ra sempre o melhor, abstenho-rae de poli-
tical- ou fazer propaganda ; e, pois, nao receie vjJr
me envolvido em qnestiVs religiosas e polilkas,
contando somenie era achar-me sempre e unica-
mentc noticioso.
t Itambe, hoje eomarca do mesmo nome, foi
povoado pelo governador Andre Vidal de Negrei-
ros, um dos bravos a quem Pernambuco devea
reslauracio de 1634. Em seus principios modosto
povoado a seis ieguas de Goyanna, foi em 1681
creado parochia, e ficou pertencendo por largos
annosa eomarca de Goyanna, ate que ultimamen-
le, nao so pe.la sua importancia real, come por
conveniencias politicas, foi elevado a catbegoria
de que hoje goza. Constituio^) celebre vinculo
de Itambe, que enriqueceu a flmta genie,' e que
expirou enchendo os bolsos de dinneiro ao fcliz
magistrado e aos demais offlciaes da justica e do
fisco, que tiveram de dividi-Io e liquida-lo.
< E' cortado pelo rio Capibaribe, e composlo de
terrenos cultivados, e criadores de gado, o que o
toraa muito imporlante e rico. As fruteiras de
seus pomares rivalisam com as melliores do resto
da provincia, nao so na excellente qualidade, como
na abundancia das colheitas. Clirna ameno e sa-
lubre, offerece a seus habitantes urn passadio sau-
davel e confortavel.
< A populacao e em geral d j uma indole excel-
lente e muito desvanecida de seu patriolismo, que
exaltam a ponto de lolerarem com muito custo.
quando toleram, o estabelecimento de, estrangeiros
em seu seio. Assim mesmo de toda a eomarca, o
lugar aonde mais impera oste exclusivismo, e na
autiga localidade ehamada Pedras de Fogo, hoje
arvorada em cabega da coraarca.
Na actual cabeea da eomarca goza -se de abun-
dancia de viveres, navendo diariamente pao me-
lhor e mais barato do que se encontra abi no Ref
cife II) e excellente carne verde a preco nunca
suoerior a 320 reis o kilo pela mauhl, e a tarde a-
120 ou 160 reis.
Lastima-se, porem, a falta de abundancia de
boa agua potavel, devido n4o sei bem a que mo-
tivos, porquanto seria mui facil a abertura de um
acude em um dos muitos pontos em que abnn-
dam olhos d'agua perenne e de optima qualidade,
e que ficaui ao lado do povoado. Comtudo ba
aqui um poco qne tem feito a fortuaa do seu pro-
prietary, o qual teve a feliz lembranca de estabe-
lecer uma bomba a vapor para extrahir d'elle
agua, que man la vender a populacao em peque-
nos baldes de 18 a 20 garrafas e*o preco de 40
reis cada um t
< Julgo irae convinha a municipalidade, e am
mo devia ella ou proceder a desapropriacao dMb
poco, ou entao promo ver a abertura de um nfa-
de, com o qual a populacao gozasse do onico e
imporlante bem que lhe falta, agua boa, mnita e
de graca. ou ao menos a preco insignificante. A
assembl^a provincial, em falta de iniciativa da
municipalidade, parece-me que nos podia fazer
ease benelicio, ao quil temos inconteslavel di-
reito.
Actualmente goza o Itambe de us anqnilli
dade apreciavel, devida talvez em f t parte a
possuir magistrados como o Dr. Joao Francisco da
Siiva Braga, seu juiz de direito, nombm intelligent
te, de caracter eoei^ico, nradentyeconciliador,
bem conhecido por honrosos preeedentes na sna
longa vida publica, maatende-se/sempre indepen-
deite a estranno as Iotas mesquinhas da JoeaJidade,
e tendo por norma invariavel de proceder, qaando
administra justica, so ver a lei, sera divtdfar
nobre ou o plabeu, o poderoso ou o humilde, o
rico on o pobre.
Qual nan seria a felicidade e engranilecimento
do Brasil, iie a sua



<\
*m sua totalidale de csraclercs Wo *fti
tiaclos oohw oJfevUv't Hwga !
Hi pouco^i;^-. bwharei Jose
Caraleanti K in tar publico,*aw|>e espei aaca*, dc, u;u trato
ameno e dHinttgifSjBjeca a sst#jr/e ira sob bons
auspicios. Terfl-semostradoiK >nte activq
e solicilo no cumpri
cargo. AeredHam
nello am agenle
am do* sen* mai
femos lam
Mar, o eapitio
*VHo. Foi feliz
rador da prov
tnandaudo nos u
lidade, aondjaba
cialidade*, <^B nl
*iduo que pPla scrsir^Jani ddr^WdOe pol
*wu as condicoes de tat cargo. In delega do militar, sustenladu pa
y^onfianra da presideneia e da "c'liefatura do poll
cia, e o qne realmente nos-fionvern, nssira como
wmda.'tMmnamo do ppnyw a> pnlieia.-
A-gur.rda ni< iunal da loealidade tem-so pres
tado parti os deslacainenlos. c verdade, porem men
Deus, cqmp q tctii feiio v. Desfardada e drear
^iad*OM)&N#ni I^MUvBuafflU *;*!< fttS|C
para sea detcza de cucotes 1 E' til forca aqui
despMteada e ridiuularis^Ja aekg'*4*rfln par ccrla ordem da populacao, que iloveiia res-
peitar a forca public*, fosse qual fosse a forma
sob* qual se appjsor.iasse. Apenas olha-sc para
quando se ve a {rente J'eile urn delcgado e "com-
niandank iudotati i. fcit* susteatavau do q* Ma1!"
tfa,diiar,. ada; e< urn facto iur so ac.>la dc dar
-*8Uamimte u faira : upoifts o deiegauo mftlar
sahio com lieen$i para ess;* ilipUai. uode ki MC-
Marafe uwiMitM|^iiitk*(ki'iMai - xrwtn J*Mnga sco. uK> sdjttiufci9 > *i*bd<>U)Wt*'0.
n.Mlferbs Frefla* Batbosav eua^ iuamW esbi>fo-,
tar ifrapis b-.d u*ifrio SftoaHlDriJi*^ seatioiava, e qBede. faeto
fart* desatautto el ruaittaladaa, Ikar.lo ate fc-
udua j:iunttd*iiieidkic4iatttQ a- mais
UMUfel. !!
-. h "Vtitutita, penai, ao dolegatfo iBtlitar, o an.
eafriti) liracindo L6I.i, ijao nao |unro sa vd pr-
Hia4ie *fti*t* siloo> usiieil I) jus st^igos pivs-
Utaiiaiidqa4 lt*uwe, 4ur qui>UurntoiOs ,tfe*a
KlUtlU '*aM.oflU Wfle
4wBr*fiei dtfiiia d is uia.Hwres !o^ioti, [Vigk^
e apreeiain is *sua iouIHgi!|ici, wergwroaolivi-
takntt. i\ taota rJ{>.i|*;.il >s. wat"*** i'aw*U '.l^aikUMer
cer e lomanao urn grand* nomer'totollMUr Ac-
ttMjr-p*-Muw jiiililirKrulii i inn- i"-| [--r ''""""i do \>tm>, vmh
-*ae*[iro u das iat* a utp^w c*aYttuauiiis ^nO'^jna* fiwtftix|*.ti>w-w-
tid.i doaauda, us kmntifciiM da :nj k|i:0kcU so
.tc|d!l,.ia4i (Jf UMlka i.ctjr.'ir.iv i 'lU:'* "t*-"***'
riauiauto p; rer.a ; im* li-Tuinws.rtisfciUft.QvWl
.^S^k^eifc iit.kt.::*jj a 4*<*MUiao.1l*fgM**:l'Ii
rrfiwk*:**!.' e^jjarca uwus* teiftcfMftWfi'Mq
tiein disturb i s.:ri i a iosi4raJ", I'WSli'fti *'
-kt*ibnnUAiiv^''"'^-> Wto-v'b i;m> o wove-
OMbploiMiiU) |.f".jv.i^'-i-tdiMiiHi ari*>ui*meulo i|U vemn-*>& n.iviai cuni><'*iitl|.. frf'*r *V oadeia da
t&|ja. .,;: .; .. r ,-,,
b*'Wf'J>HiVB3 nrrtHC|f,-iOi'g.P3daEt5r.daa-
i|b um.i agr^davel n-.fcrcia,. Ai.-Jia-.sa o.-tnule-
M(ri|H.estm:fck, a-apidemiaHUO se .kseuyiokV^s
am Tituba iba. Mui. niU>va,i^ffi fiiinm os swvi.-.os
:le, H^i ,|o:.istoa oaa -arrus*^' "J |ift'illeaca:j
priviM-i.. ,de ac.idjr ij'V,lti l);alidadQ, e.mil
,|i,^-*n!A s^;am da-l,is ao ini- Sr. cuivu^ndador
t<-I*- caide a/u quo ;\cudip aquella po-

MHflAHriHHi
!W: 6.18 3130
Ia:6t6^g30
Bl:7t8*6l0lvos?a
680:5214360
1J:2J3J370
I
ista a deprimir
jenflroso, \
ior.a-
.V.i>-radeimcut9.
P
ecn
o, api
omto. -Appellaote
Ilia Calumby, appe|'
Sanlos.
Appfl-.
Pa PiUrAppellant!?! Fftliptiftdfl Miitra UnUm.
e cnxar v
nio pod
m. i
s grs. A
Dr. Jes
Ho paraIfe agdelles;
rorwriivre
dos Santos
ijwsso, flcanilo
os pezados do
appdlada a justi'.-a.
Da Imperatri'.. Appellants Miguel Martins
Saabs, appellado Vicento Corrt'a da Silva.
Do ko^Ap^oHaoiaiaJdBfc, appellate, o 11*40*
.'o:io Bautrsta. ,
Do Sr. Jesembargador Araujf Jorae: ,
Appellanlo 0 juizo, appellada Umbelina Catnari
App^^i^aTcrreT:
cessario para ai
nas quatro fr
Ihorar as com
^iilij*e lt"a
provincia, e pcdinao-?e-lhe, que sendo exiguos os
completamente esso desideratum, se digne de au-
,tale.iaoH& M u^Al*- uiMhM lu-
manitario. .
__\ n"'?" n?'"-'1". "h prn|Mwta fin rnmmissail
A ,ff ^
- nos os F. iB. Vloxham, manager.
ianvu^I 7 u ,e-.-u J -^^aita^/.a^eriqtaBt:. ^
ao maaaonrd panne, a doniidii giki.iuu trffc ~
Ma4jw*apatta do*.fciitol'lore* M0*liJd^,,:;
Mratattolpaca^apaMi)J^l*.r*fc*,id# owftr^
idjrfo^tfava white ,dit?^tf*jiaiiiwt*Pl* provadas pfiiah^ p/omtiaU* i^Stdo J*; de J*
nhodo 1873. jil*-..Ui .; .. )
fa fuuieliida-fi coflMfiiiiW,ile PttiWWiapropos!;
!!TOtmr;
Appellanlo Pedro "Victor Bolilreau, nppc)|ilft|jp>-
fv, per so 1 catadori -' -,
Do Sr. desembar^aV>r Araujo. if ao,,^ *
*inoargador >ieiva .
cura-Jor, appaLaUo Kjtda.^ da W^^j SS'gggy^
Do Bonito. Appellants Francisco P10 da Siiva^va^u^wmmt^nm^^*^M!
V*lertca, ppeHaihft 'iasapba.ioavawa^czcrraUa,.,,* Ca^.^ao^^najP^A^N^
iiuorenda Ceilar .fla arJ-*taW 00 iipo*lo da
biriaha e,4euipesv quit. Iteau Jraa^tda panam
dia primewo.de.oul#ro ^iyifftra********!
imposlo de coqueiros; foktqiaTWfl^e>l>agP'
Die* fraiiwaes'a d.GuilhrAt|iwlAi4>. Albay
-tW-; a> ntipecttv*lhia(t(ai 4*omWi>.d -
>eLJ*CTlioiio>lvs licag* ii-fiHMi detandaa-as de
Autunie FfMJosoa.dil M*aqiip,: Afl*ona^ranatco
Martius, P43VTMM* (MKHtABOB
'&'
Jalma generosa e bem-
e excedendo a mi-
nha'espectativa (motisaram se entre si e ablins yilF. I IVI-BPnOI. '"""""^ fiT/B
n. iJti7-aiiiA "smlps WOi, 8 pTJr P85e 111513," "pTHIefa'm TrfterTaf-
ns. j,ot/.wao me dM ferrQg da escravi(ia0i a que 0 deatino me
devendo deixar no es-
havia condemnado.
Nao
la verdadeiraphijaotrvpia,
quecitn^bjp esse ado .
0 que Sena faltar a am dnsm.Mores sentlmenlos -
a^ralidia qua tkofl-me;etcrao para com *qneils
Si s venho pela imprensa agradecer-lhes do Intlmo
dalma o.eapofltaaeo favor que proataram me dan-
d"o-me afinenlade que lioje 'prmcipio a gozar.
em 10 a____
Tomn s
0.
1 !inheito ff
vela e vaporM
aseiro come
geoeros
* fa-
rua
ar.
Seguro conlra-fogd-
INSURANCE COMPANY
Agente.i

SAUNDEUS BROTHER^ #^6-'
11Gprpo Santo11
So com e*t(
rneu procedimento
illn'-lri^P
for offender a^_^
peeo-Tbe ufpUal.
de-Melfcr. Do jury.de S. MatteasuwAppellanM.-AnUipiq.\p-
loriano da AJencar, appellado Joau JJoWo da i^ya
Pereira. '.' '' ''
Do PWa*.-t-Appellanta ie Fisnci..: la, apaeltaiaa A.)#-Ut*, .- I JiUBf -I oitl
IH< Sr. haeiiu>|wg41lgj- *e- ao r. .oV^cMJljar-
iiador Louitiujo Santiago : u-V cr-
,^ifc) jury dj) Cabj.ApfleUaatc v-'Wt.MVQ^
-Manol Felix da 8il w -.'.: i irV 1 -u/
a. App*nto mVt apuaUal^lw
. Dtriiiovann .
k,M*ria.'iU> tonitiio &vato; aihJalUiito.i}t4-,\iUiaa)
Ffltreira da Paixao, aajieilada a ju-slifla.
De Porto Calvo.-Appellarttcs Manoel Cento da
Silva e ouiro, appelMa a JiistK-1.
Do Hecife.Appellahte juizo, appelj^dfjii n{
J>rtmJua6 di'icitwit4 0 oij.tr.*.,., .,] ,/. -
Mwapci>.criin, .j,^
Ao Sr. daswobarfiadqr aromatoF.da feWSftai- .
- 't)*fi:ife. -iApp#iai 0 juiz), ajipalladp i^d
lb iiritw*4aAtV'i&'ii-,, i i > v I *wi
n 11 Aypeua.-au civcd. | ,- ajj ,,tfi(,,
AiiSr.Dr- JKul.jr par U i .
llooik Appellanto Frapftiscp UarneujoM-!fl-
toiiwk ppellado*hvi-.t*u-o.s fje J;.w da Silva Faria.
deMpura *vai.P** VmWto-vffuA'iW
soguintcs: ..,_* ^olaad Mlinj
AppeV*tttes cfimes.
Da Parahyba.Appffllanto Olegano bara*>' da
Grv;dhp Npiviv appi;l|ada a justi-:;..
ii* yp-na,TuUpajJpnup.i iuui;, a^pel.ado^e-
,aeJ:U>.Cn-r)i}a,do^5)irl!p,S.ui^. ,
" > Su^at,.TABfleJJanto, Fftfiyi^.t A^i.4 ,do
iajenlp,
Junior, Joyiao-eiupitamV .da^u-
' uis'Jostl dntJ-*P-
TOJS^'jT'^ 01 rCRl\0 1)K 1873.
0 fft94.Ci' p.eai . ,&k>JN}ilu#s,4tiixar nasaac 4asapercol)M*amente
p.fV-tia* Pioiiueiu qua lew por epigraplie 0
po*ir pessoal.
.,lft.porianjOi1' rador t alw sobre q,ua atiram
ceitekoa to JtromrVh quaes declaram muito
leriBiaantcmenlq ,4110 rnnllior fora nunea ter
ftlie.exisudi). >
FjgufaudOJ immeRSiilmle de sornelhante poder,
ospi-aj64npa;dijjicobnaUf6e alinal -uestas pala-
***': i
E' da iip,mwfl^,e;rcuin*olrt|ai desdo ppdiir, que
se^lKnenu^ula a dia u.speclro quo taiHo nos
assusu, a*s* aojer pessoal qua uao a raair do ^jae
^rena4ciiiiaBAo.PUai4es a cimtinuati) lateato.do
, absolntismo. >
vneses, Fraa ,i, B(^e>:n^ari# quo os radrwlores l,i Pmvincia,
NORTHERN.
44aVftilr#c
-^#.Ar^.aErga(i,-il. ,
Xoteriia. A qne se row a v
JigttUikio do evlleg-i. il>= oipluos eprj
^^'.^' Ml.
mi
in t '^.
f sj*:
Do,,.
'fa-Jo, apoafU* aj'jU&fr-
- -. Ai4'^ifl^.'!'v':-\
De S. Niigue!.AuiiiOiaa'a lunrtcrr
'ftrretra
.i;.i i..'ipre.-*.i no,H <'uua::'ci,'. -.- .m liiilao'-fia
li^rww^iM to**i ui-'s- '-'^ iw 'i;ie uu>f0U"
1) imta-fliira '' '>- 'I mhisiiv afufll.i..,Pia-
nU.-;!.ida%;iii!a utp, ma do fi. u- -W- ,ji
..u'.ubto. ile(1^741 < ; s,, -
SxisUaui pio^s y.'A. eRtrarara 2, sahyam 0,
I; -.11 336.
toSue ili, Vipfw H, estraimeiros U>,
escr.: l.-ioial3oi).
AH.uoflUdos a cilsta -tos cofres publics --0.
V .wmeato da ep5rrturia Jo dia 3 dc outubro
ae 1873 :
Tivetaw baixa :
Jjfceraio Soares da Silva, ewbaaSJ gastntico.
Tin .-<.'. aIvl-s de 0!iveira, reire.
CamiU'rio plli Jo o nvi.te :
GiiiUnTiniiu) 'oso Gome?, pardo, iimora-sc a-r.a-
fun'iJade, II aniios, selteno, Sant.i.Anlonio ; te-
uno.
HavntundJ fla Silva, preto, Africa, SO anno--,
soltoiro, Boa-Vista, hbapital Fcdro II; tetano trau-
atk, 1 .
' Le.-iii-i0. prqift, l'rnanibno, 3d anm. suneifo,
Rpavista. iiospUal Pedro II; liepalito aguda.
Joao Pcauclsco Ulfe, pardo,ftrnambucu, i. an-
nos, suite'.1 1, Boa-Vista, hospital Pedro II,; vario-
us.
Oclaviar/i, brancA, IVmanshr.eo, 6 m-'.-es, Boa-
Msta: .-ls.tbina-stirToe.ante.
Anna Jo.iquir.a da Coneehjao, parda, P.rnambu-
Li, 80 aano-, solleira, Boa-Vista; hyilropericardm.
Co,
Ueuieatim, pardo,
Vista; bexig;i?.
Luiz, pardo, pernsmbuco, 1 nK.'Z, Recne
eBierite. .
Eugeata, parda, Pernaniluico, 2o anno?, soltei
.a, Boa Vista syphilis.
ernaiiiL-uro. tO iqczos, Boa
gastro
Ferw e WM'^.auirKa Iwroueia de fflgtij- '
1). il scifc. 'ppeijmKe Luiz FerreiM da Silva,
appella-Jw berdL-iros de Jojq-^iin l.^i\ do Arauj-.
OlSTIllllLigOGS
Apiiell^s.^iv^S,,
An sr. descm'Darja.J ji
De Caaurftif'ba. -Ap,
Rego, appcTlados B.iceil
AP Sfi..daseiijbui-jja.-ljr D.'ria.: ri"Il'i t(iawit< 1 astro, toalf
1)3 RedS. -Aivallantu JO, fe^tf &VI -I
^iHPnHpao fff I^tMps WJJr# .llSRj ^ Materiaes wnlidos,
Mwj),Vin*.Bwitfisoo-.,Jwft1i'"b.
niscj JapadeAraUra, Setea ifcjria,
io5o D cnellas Junior, J.>yiao *
nlia, Justino da Silva Boa-Vista, wm-avsq vn
to imariiB, Vni AaKpjw.iJeiOlivewa, lm Ferret
r.i i;amp.)syLftHia. FannauaaajAa .|.lf*,M^WM,
MaU.iei-M*Ji*lFHir;Maa^^Antpp d Alean-
tor.., JJ.gual lforiaTi|,.q> UjpW. p'?4,Ajri4<>
datiiMt Mnafei Jtariaiillhtea,^' PW'^^^^"
ra Ajlrmao, Billiau>fcirr>ei:.*lUW.UJ!iss*ril V#J-
torin i Ant-'nio Cbaves e Vicente Ferre.ra. jj^-.
Nada mais houve^^^Sr^presidente levanlou a
sessaoas3l.orasdabrdc. ,, ,PlM)*HstMM.ooeCqi* d*W
1 Bu, (PedroOariAll^iWtWAAutr^.sQqfcUrio, do.
ascrevt.i uio vt ". In.- */,'
Sflra. Jose d-i ^fl/^JVf ""'>
-------
>1WVIMH5T0\-'ClA 'M*I*BMBI 1>A.COJIPA-
mii.v n^-YfiuiribS tMjttoJr ponEaPtA
HftO I>Bi-y/3mA4|BBf 1--U ,i.iq:--ir.
.lir- 1, m ^Jfiatodaa... >imi
I Bneeftaxiril .oj-.ktjIj. smfc*
LfMaretttf- aOj^4te6Qi
ppjfOiraut, comiiuo sogura acentuar as suas opi
aiiesAobpi UM*A,iuaieria,dtiUu ek^b. peade^a-
8A ...-! .-' ,. ,
iufiscr.'Ma/es.Uiie,asniraui.os foro. de. uauuoentes
fttttp";**^;"*. l6):0 'n>reilo de aventurarcm
poav*i&irdfl,t'.RrjJj!iti, sem qua asspauara sobre
sh,ioa iinupnsa reprabilidado. .\
,i-4^Ki&|uuf to puller poisoal a um J,;u:to,.ia lao 00-
hfo qotVaqsaria estra.dieza U'i4ar
|iWiffi>v: -
Ni^j^omo*, hem oimprjehcoUer os voasos in
- o poder raodera-
tno vagta esphc-
TiNfe; <*. h ,
.1. I^Lq uUfjailauiaata a pouua Je eseriptof publico, nao
teuUiis ajiufc u^hi taip di'tenuinadaa e jjiic ypg
liluljlwiuawJ&v.sf!,o J>a lei, ou ao meuflsao
Sbuq,a*l,, aa*vU ess. Jrpder,r.que denoininaef
a usorpadpft ., .1 !,,,,,..
Ao p.isso, porem, quo flngis igaorar a sua on-
geqnJi*iis Jpgo.au^apto^ ,;| wusa do poder
^saaitl.o#4'> ajhtwpjf*'l^jJineinoa., j. poisibib-
aAb-dftsw n\4 quf.po^; asjjlyrxia, rjfje, aas.tjyMa
6 meUiufe^p,uvM* no^iros aspira?oes.
A-wignatunir:*- -*< ^ifJS^ liiWiAjgj
rau
iff
Miranda.
Ao aCiksempii^idor Uoiainjiues sitya ,
Do Araracu.-AppelI.intH Josd Bvzcrra rie .'
je, appellado Jose Vicente MoiiK-Ir I.
Ao Sr. iresembargailor Regneira (.op .
De Hacaiq.-App|jllanto D. tncre-fij de Araujo
Rego a outros, apiJeliadfos D. fjtpljejrnjj Maria de
Jesus a outrcs.
Rcvista jCivel.
Ao Sr. deseiubargaJortJoniingues Silva :
Hecifr*M3MIa Jose Alvps de Oliveira L-prt, recorndo padre
simplicio Bucwo de Eiqawfra m
O conflicto de jurisiicao entre os juiz-is auHtci-
paesrorphaos da Eseada e Victoria.
Ao Sr. desembargador L Carta tesleinunliavel.
Aagravante Jose Luiz Alves Ferreira.
Aggravo do petic,ao.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque
Aggravante Luiz de Paula Lopes.
Euccrrou-se a sessiio a 1 bora.
>Imi -lls 1*i nn I '
inteiramenle inuh>> >< <""
lisados 30^730 aiiflaO
AMigbek'ide-pprioidAi'r ol ii:-ilu-.;.. /.
chsh MiJuaaikawln-111 V 1 -11.. '-
dtiHtacanief to em
lielom 1 4O30Q0; 1
aanhas impoptas aepi-o .,,.,.
pragaiuja iqUMMw \H&
.1.1-1 o'o"-|-^T1l^'
; (,*..Aii ^ SKmiW&u
TUiWI VAC- n\ glalLAClO.
- SErS^o he'Tk oirrtTmit) de im
nutsisEKcr* ro kxjs. sn. cojsEursmo caktano
'-.vTt.VCO.
Secrttario Or. Prrffiffli ffwfto.
A 10 haras da manha, presentes os Srs. des-
ejnbarcadoret. .Lourenc-o Santiago, Almeida Allm-
- Doria, procurador da coroa, Domingaes
(AMAR1 MUNICIPAL.
SKSSAO EXTBAORDINAIUA 04 3i BE sBFBU
BRO DE 1873.
PHESIDENnA DO Sil. BWO K ALmi;KROl;B.
Ao meio dia, presentes os Srs. presidente Regoc
Albuquerque, e v.-ieadores I.-iyo Junior, Naves,
Theodora Silva. Souza Le:li, Gunha Guimaraes,
Dr.' Mos-ozo e Regi Barros, lei aberta a sossao,
lila e approvada a acla da antecedente.
Krestou jurament) de 2' juiz de paz do 2*
tricto de Muribeca, 0 cida lao Manoel
de Oliveira Gonralves.
Leu-se 0 aegraote
EXTEPIEME :
Um offloo do Exm. presidente- da provincia,
remettemle tres csoaiolaio" las leis geracs e de-
cretos d.i governo, relativos ao anno proxi.ro
passado. -A camsra ficon inteirada e maudou ar-
chivar.
Ootro do mesnw E ;a. preti lento, communi-
caudo que o aiiauio AJvaro i'aula Noblato^optou
di
Santos
jimo iWa/*).
I. o.j.9 in
Deposit) dun.erapre~
gados. +>-<
A\Xl-
Sahidas.
. S;ddo da ux da agoilo.
! ill (1
. ] I'
Onleaados e lenas
.Moviiuanto
Vigias
Esta^oes
Garga e Jastro
Conscrvacao
ulliciiias
Escriptorio
327^0-0
t?:GrMi0iO
1:98V,J37
li:6354o77
i;9CGA3)
3:iiAC00
1.227*300
;i63*400
985*370
I:06:id7u0
i-98j33't
Gbra nova:
Farias
Materiaes

an-
Aranjo Jorge e Neiva,
querque.
Silva, Regueira Costa,
abrio-?e a somiq.
lUtnAMSNTOS.
Reerfeos crimes.
Rccorrente 0 juizo dn diro'to da Rerife, recor-
riflos Jeronytno e Jonqnin), fihertos.' Jnizes os Srs.
descmbargadores hegueira Cost.i, Aranjo Jorge,
Neiva e Almeida Albuquerque. Improfedente.
Recorrente 0 Juizo de tHrerto da" Par;irr.ba, re-
corrido Manoel Jaemtho da'Costa. Juizes os Srs.
de-embargatlores Begneira Gosta, Louree^o San-
tiago, Neiva e Araujo Jorge. Improcedeute.
Habeas corpus.
Paejcnte L jJctam a isen^to de prisao requ jTOrogac.io dc inveitfario.
Inventarianfe Antonio Ferrerni Borgcs. Rdator
Sr.desembargador Lourenco -Sacliago. -Geoce-
deraa 0 prazo dc 6 m(ii(.
ApjielJajik'S crimes.
DoCabo.-Appeilaiite .loaquim BapUsta Nagiia,
appelladaa justica.-uf* touiarara eonhecimaiao.
ile Oiiiula. -AppeJJaaie fffaocisca Luiz Goneal-
vtaFerrqira, appoibJo Pod*') de A- Ve!Iozo.-,lo>-
procodeatta. ,, .
i^jK!eiras.Appellaole 0 juuo, appelwdo
Gabriel lteOeira dos Santi*. A novo jury.
D Ipajuoa.-Appellaole 0 juiz#, appeU-do Jose
Jaaaaini da (^ocaigai.-IoiiKrtcedeute.
Dor^vMnai-Aiipellaiilep jpiz8,aBPBado B&-
apdieto (iorrea.do Espirito Santo.A BPVP jury-
Jja Sobral-nlppattaBtfi Fraaeiaeo Antaato .do
A,appebidaAJnsuci,rIiii^oee oftiin-laa*lb--A|ipllanta AlejcaaoVe Auta-
aio faaarcs da AJpeida.~ Canarauda com a^a-
raca*
ApfnHaicves emu.
Oavfteoia-iAppsaanta Tassp- Irmio, appaUada
AB^aaaaVM^GdpHaBpda.a;saiMea.
ftaiappaMados.Joaqiiim Jo*e Bapusta
raRego.-Confirmada a segufti
osfxraada a phueira
_j4i0n, appelUdOiFran-
sir* (kibftiwada a f tafjipawyi .
*>rv'tebaaaflajga*ariftfliiafcpi o4j*ao. aaj
Swdamaar|iHi maatiia yijind^.
- AapaJlatuteo juiao, ap-
____________r.daiiQinha.
liajta:-Appellanlo Vallerio Gaaaos de Sa-
VOAa a juabra.
Mathaus. ApaaltaaJ
sidente da relacAo, eessaudo assim 0 motivo de
iueompatibildade que se dava no exeicicio simtil-
taneo datiuelles d:-us ollic: '.-li.teirada.
Qiitro do se-retario da presidencia, declarando
que S Exc. 0 Sr. presidente da pruviucia rccom-
uieadou ao Dr. chef> de polioia a expediejio^las
convenientes ordens para ([ae sflja prpsUdoj tolo
0 ausuio de que precUaretn ii.-iaes para ra-
zerera cumprir as posturas mun'uipaes.A ca-
mara man Jon dar seieucia aos Iwcaes,
(Jutro do Dr. juiz substituto de orphios, dpste
termo, de 22 do correnle, cummunicandoqne oessa
data cofttinuava no exercicio da subsutuicao.por
ter reissumido 0 de juiz de direito d9 orphaos
0 Bam. desembargador Francisco de Assis d'Ofi-
veira Maciel. A camara ficou icloirada.
Outro do adiniuisiralor Jo eemito^io publico
desta cidaile,itrazeudo ao conbeciineuw da camara
quo 0 cadaver de RuDnn da Cista Pinto deixou
de *er enconunendado pelo resne'etivo capellao por
estar esle iacommodado e nao poder sabir a rua.
Inteirada
Informacao do engenlu-iro <1a lamara, spin* a
poti?ao do BafSo da S.LdoL', pedinao,pot
memo tenrenos de mariuha, 0 mandada para
aquelia tim a camara, ordenou a mesma camara
qu*. se. dcvolvesse a petie^o e plaat.is que acom-
panhar m, ao K\m. pcealaante ia provincia, c
oar oopia a referida informacao.
" e
mai.
Outra do mesuio engenbeiro,-sobre a peticao e
ai. pappis do coronel Agostinbo Razerra da Silva
Gatfakaute, pediudj uuibera por afcramento le -
rerws de marinha. A camera r.i.-r..T^u remetter
por ipia a referida infojtnajlo ao Exm, presi
dflple da provincia, a q|e se desenvolvofarnj
raasma peticdo e mais papeis. ,.,.,
Guir* do mesnio engenheiro, sobie a ntuiaaue
da desaprbprtocAo 'da ca'&a dc Jose Ioaquira de
Gaftra Mflfca, via ua f^PAna, a !MWl peda If-
ceqca para coacerlaf 0 telbadp .da dita casa e
a*struiravfrejtfe uui njuiro-Uaadoji se dar a
lieeoga, um* vez ojju}, sc^juudo a referida inf
macio, nap ha utiliaade na desnpropriacao.
OlJJtCk- do. procurador da camara, pedi.ndn para
qua se lua lea era conta. a quantia de 7^i.6O0
o^ndaia.cpJ SpMfe"4'*'to B^s-^r3^ qua aB6j&anJiea 0
tro do mesmo
lae^pdas^iulus
ra*te*i
Contas de mezes
teriores
Despezas diversas:
Materiaes, oleo, comr
bustivel, impostos,
objectos para 0 es-
criptorio, etc.
Duposilo: '"*"
\igo a um ompr"a-
rjo de..niliido
I4U37.0
0*5*880
3:081*470
(5:4GI*J77
0515255
. 4:0625984
Co 1 no, portal"unUaideis vos'que' devamos
pa.r..essp,oa/iefp qiw.nos asphyxia?.
CHna:nefl|a,*caupdo 0 espirito dis vossos arp-
M,jm.artce^ar^desu.aito podiT tnoderador
resue.fUiJ(n2ei.v^is.p e^ecuUvo..cuin| os 01110?
snbmissoi par'a.qjntJpQC gdslo do cntr" dc todos
p- pp^rm,,ao *ttk'l*.do parece piunkr-so por
urn-arattWiQleclriro, h
-1 trabalho e I i.da
7:087*454
lOjiOOO
Saldo que passa para 0
mez saguintp
4:arjp86
4253601
14:633*577
Escriptorio da.corppanhir de trilbos urbanos, 30
ie setcmbro da 1873.
0 tbesoureiro,
friz &4 Pi>it,J da Costa.
awaicundo t
juiz de direir
lenceDtes ao
i'naoMI
aer-il
lire 'oaTa
P'l5>alf,u Jpjg^strflsfjrado^^o,Jra,balh.o e Wa
pod^r jud.iciaf'9ieW JW W art' 101 7- Ja com'
titriicio. .
l, G proprjp,ppder IcgisJalivo Ika reilazido a }ogo
r()Arera^Dah.a.YMa dos, ,abusqs .desse podfjr pes-
aqal, que.Iroa^iaae^. ,,,
. Conseauintem,entc para,v6 us Dadpres legisla-
K^p, exequliiw e judiciacio estao cuupleHmente
iiullificados pelo poder moJerador, que tendes
cbrisnWli) com a dynqmioatw da, pessoal, e que
se vos afigura fowp 0 ahjoz d.is. focjedaiL'S.
Prec/tsainbs antciider-nos, &-s. provinaanes, so-
bre esto ponto i aiporuntissimo da vossa politica
aiaticuiosa e s.imbiia. .Na. quereavs verde=gar-
rado 0 espirito publko, que procuraes mquiuar
das ideas inais deletercas e gubversivas.
E' urgente que on pretenspsJiaeraes desenbem
com mais vivas ciires todos 03 ar.ibescos de sua
bandeira pol'ca e 1^ a deiNcm cur bem des-
fraldada do alto do novo odildcio que sobre as
ruinas da couslitui\;ao do imperio ensaiam:se para
eriL'ir.
E' sempre" anti-social, anti eccnoraico, anti-po-
litico u trab..Hu da d. sirui^io desde quo nao se
Irata de subnituir pelo que e graade e generoso,
pelo quo e util c proficuo a (. rospcridade do paiz.
I'erigoso systema que 6 esse de promover 0 des-
credilo das iostituicoes, antes que pela discussao
calrua e rcflectida tanham os revolucionarios as-
sentado sobre as bases dasreformas, quo coovem
estabelecer e Bripar para mai* prosperos destines
da sociedade lirasileira.
So os redactorcs da Provincia continuam no
descalabro das proposieoes, que nos tern enunciado
nas paginas do seu jornal, c quo ahi se acbam
con-ignadas, brevemente nao restart um so prin-
cipio constituido pela nossa forma de governo,
que nio venba a ser abalado pelo ancte da im-
prensa devastadora e delirante.
E' com effeito digno do mais seno exame 0
artigo, a qne respondents, c que tern por epi
graphe 0 poler pessoal.> Ahi estao bem pa-
tentcs as vinas de todos os leitores da Pron'nci",
a saber: .consequencias pcrniciojas qoe tern sua
(foute xsyno sophisma que nos deram como con-
dicao de vida social.
Precisamos que os redactcres da Provincia nos
expliquem seriaraente qual e esse siphima que
nos deram como c ndicdo de vida social, e sobre
tudo qual seja a verdade que desejam substirnir
por esse mesmo sop'.isma.
Liberaes, que asyiram a ascenjac do poder pela
mao do mesmo poder, c jamais pela conquista da
opiniao publica, da qual vivem constantemente
divorciados, nilo duvidam atirar aos ventos da pu-
bKcidade as proporr;oes mais arrojadas e pc-rigosas
contra a nossa forma de governo cc nstilueional.
(Jueixam-se bs provineian s de que sejam elles
os proscrintosdo governo do paiz, come se ao po
der moderador fos?e licito entregar as redeas da
administrac-io do estado a homens, que por seu
constant* procedimento tern alieasdo todas as sym-
pathias da opipla ,. _
Se assim foia, teriamos que todas as condujoes
politico-sociaes estaritim eontrovertidas, dsde quo
os nossos adrersarios sao os proprios a denun-
ciarem apte 0 paiz a sua falta de crenca e de fa
nas mstitukSes vlgente?. .
Com efreito, que politica e qne governo podena
mos esperar daquelles mesmos que estio cons-
tantemente a denunciarem o poder como trpa-
dor. e que nao.e mais do que 0 rennsclmento ou
antes a confinuafno lalente do absolutismo, que
ponco e ponco vje resurgindotitai's hypocnta. mais
pernidcuo e mais fnnesto t
Se pois, Srs. protincianos, estaes tao profunda-
"mente desquitadps desse poder, qne desenhaes com
cores tao soinbms e que nos represents com um
grande escandalo nas t erras Hvres da Ameriea ;
poder qne vos asphixia e vos mata as vossas mais
nobres aspirtfcSes.Je que em lugar de ser a chaw
dos ooJeres politieos, 6 antes a ncgacfto dc taes
poderes ; se lal 6 esse prder pe**ol, eomo pre-
tendWs associar-ww.com elle e por tal forma qua
desprwaes conqnistar-pelos me regnlarej toes
bs ge^ierosos impnlsbs da opiniao jvnra v.W entre-
gare corpo e aJntt a deec'ripiijao do mesmo poderJJ
Fieai eertos, Scs. da Provivci", que a aseencao
-Pi 'ao yoder nio e npo facto pnramerrte material e rjua
1 est*ja exelasivamente dependente da vorrtad* ir.
rcsoonsavel. As posi^ies. 30Ciaes, nos paizes bem
orgnlido*i como 0 hosso, conqaistam-se pelo
ftrAalho e pelo merecimenlo do* patriota*- qn* se-
riamento se devofam a eansa- de sen pai: Imi-
teis e'injnstas say, pois, as vpesas- qoeitas- prot
fmda's e amargurtsa* contra o poder pessoal que
e um phantasm* contra 0 qixat estaes a esgrimir na
sombra T
Estudae os,granges wrferesses dasoeiedadeaeto'
al ; proOjotel todbslos melhorameotos que o-paiz
ree|arna ; coffocai-vus na vanguards da er*TOi
dejeulpa, pois naa pule calar os sentiraeniosde iunii
rneu coracao' agradecido.
Recife, 2 de outubro de W73.
rMo__da fka Jac*nia.
Collegio fftanta Cieaovcvu.
A frequencia que tern tido 0 oileg quo e&taber
leei Deala capital em .lj8S8 indurio-e a procurar
com empenlio os meios, de corresponder a conQan
ca publica.
Desde entao tonbd encontrado embaraqos a^fea-
isaeao completa de aieu piano da en?iao ; poryue
a falta do um edificio quo eontivasae aa nocesaarint
propon;.oos ik nip bom eetabeleciiooufp de ejuca-
cao era a eoatrarioda>|e de qual pier-rnplhorapyeri-
u qua bascava estabelecer.
Desejoi s.dmpre qua, a parda edu*a^ao moral e
lillararia que os alu*aacp-.rooebesseu> goiaasem
coBMHodidadej-Ji nodeiSeak. fawr exercicios, que,
toruando a tiireia collegia! mais agradavel, cop-
tribuissem para quo a separarao eauque e6o tern-
poranamente das suas familias Hies fosse meno
sensivel.
K' safcid.. quanla ajgarballa -Sl.|de, aiul^muder-
na, cpEeoe de eJiucios cuiivouwtuesiaesiabeleci-
in*nlos desta c.-ppcie- Teia s|do, aortaato, os rneu?
esroreos seui'io iu^-essantes em adquirir ua.pr,e-
dio nas coudii.-ue* qne desojava.
ntimameiite, p-Jtem, alugU'Vi a easa d Iljm.
Sr. \ a-eate Feir^ira da Co^ti, sita a run do Hospi-
cio n. 55
Foilos. n.'jfa cn,sa alguas, pequenos melhoraroen-
tos e a lioipeia, dn pjb a/icatsitava, traasferi para
ella 0 coi*taio de SaHla. Uanoveya, do rojnha pro-
priedade e d'nv^pj e bqie uuV^W noyaroente
esle estab. le.-iaieuio de aduca^iio as pessoas que
queiram continaar a b-iarai-me,conlianlo-mesous
liihos para mens alumnus.
IV.^i tapihew a wita aaqpallai qui dasejarem
verilicar pn' si inesinas a cxaciidao das resu-
inid.'is. inforiiia>')s .quo ncsla pujilicacao passo
a dar.
0 collegio tem um grjude salao de caludos bem
claro e areiado, boas sala3^Afa...ap *Qnunodo
refeitorio e um inagru%o djirmitorio. Etta illu-
minado a gaz, cuja canalisacio foi augmeaUda,
ianio sido roabtrtp a quo jaexistia anu-riormente.
fijeiM.sida mfilhyrado 0 serviei de esgato e limpe-
za, fez-se ganaltUQM d'agu., para 0* lavatories e
u^oa^uya -le 1 vr.i^c exflrcioieu gyojmastkos, tao
uteis em estab^Bfiaientui desia qrdeu>. Sem of-
fensa da. verdade, so podo assegurar que tudo e Uo
vasto e commodo- nesta estabetecimenta.-, como em
bons insptulos idenlios nas iiriporUujtti cidades
AA'igikqeia sopra os aluumos e fcita cam cxtre-
ma facilrdadef <
Pin:iimoiiii\o collegii de Santa Ganoveva, me-
Ihorada copio so ao!ia, eiigiaunu reforma em seu
reguhmento de ensiuo para ipaior* ipa^rapido
progresso ,d' s sens alttmvoaapor issp sq yjjgajjisou
0 que e pabjjfiadft. annexo para intelligencia dos
intsressad 1?.
rROGRAvmTDE.E.NSLNU
0| SO DK mSTRUffifO PniUABlA.
Primeiro anno.
I*eiiur.i. Alpliabeto, soletrai.ao e leitura cor-
renle pel os mellKiros methodoa.
Contai.ilidade.-Tal)oada, oporagoes geraes.
Doutrina.-Cathecismo e prin;ipios do deu-
triua.
hstviu:. niu-.-ira nocoes, bastes, ligacues,
etc.
Sr^nu'oinno.
Leitura.Appifei.joamei.to.
Escrip^a.Callicrapbia.
Contabilidade.->Opeia?ues geraes, laboadas ys-
tema metricu.
Doulrina. Catheeismo, doutrina explicada.
Graramatica uaeional Principios geraes.
Terceiro anno,
Leitura. Declamacao, prosa e verso, etymologia
e phonetica.
Eicripta.-Calligraphia.
Conlibilidad; Arithmclica pratica.
Gram natica nacional.- Prosodia, orthographia e
syntaxa.
Geographia. Principios geraes, pratico.
Doutrina. -- Hrstoria Sagrada.
warn
WkMi g^jkvu^
j.*->
COMPAN
Phenix Pernambikcarm.
Toma riseosioariUuios, ern murearfufw,
-fretes, dinheiro a rise e.finalmen%tte-qiM-
q;uer naturcza, em vaporus, naviO'ii v^ftou
hafcacas, a prcmios muito mddfW?^
RUA DO CUMiltUCIO .N. 34.
_ *-
i PKAGA DO REGIFK A DE OUWfUU'
DE1873. .-. V ..
I AS 3 Ir/* HEA8 DA; TABlUfci.
Cotac> ofl1oia>ek
Algodao Friz garanlHo SiWO-fKidiMSHWa esa
terra, frete 9|1 e $ HW p**'hb* :
tjambio solire i/indr a 90 di* 9% Jf*'* W
t\i d. por t-dOOO, h*rrte. i '*'
Dito-sobre dito a 90 d[v. 26 d. por If J 'daubbneo.
>-sobre dito a 90 div. 26 d. por
ho*.
- -sofere'Paris a ~
do lianeo, h^e
/.
fiambio-sobre'Pflris a 90 di*. 383- rt.-por frM0,
we.
DufcoWcq
!re-ldento.
^eadimento
Idem do dia
AFLNi>AEG\
do dia 1 a 3
X
i 11
.1 l
29:6p^i38
194:77s.: 031
Deacarregam hpie G de oatphttr o> |873
Barca Tranceza -Sanfo .indrf (Stfjicsdci) rrr0-
durias para alfatidega." '
Patacho allemao Brilfant (atr.onJr.; vanos-
Seneros pjjra 0 trapiche Omceic.lri, para
cspachar,
Bngu? portiigoer-Recife-Varies generos para o
trapiche Con?eiQao, para rreepnqhar.
Brlgnc ipglez Dara hacalhao-ja despachado
para 0 trapicha Conicican.
Barca portugncza Josephina II vtaho para
deposrto no trapiche Cunh*.
Barca fngleza llermipne maewlHm* e cav-
vao ja despaclrado para 0 daw 00 Apollo-
Putacho pnrtuguez Mitfweieme pedras para r
0 trapiche Conceive, para dcapachv-
\LTEAAGA0 NA .TAUTA DOS ITlEgOSDOS bgjROS
SLJEITOS A DIRKITOS DE KXtMllTAgAO, NA.SBM.VSA
UB 6 A 11, DE OUTUBRO 08 1873.
Algodaoem rama uu la 522 rs. o kilo.
As,suciir mascavado |2G rs. o kilo.
Courosdc boi verdes 381 rs. o kilo.
Carvao de pedra estrangeiro, touellada metnea
28*500.
Cajofode algodao 20 rs. o kilo.
Alfandega de Peruambuco, i do outubro jle
1873.
feO 1 couferenteJ. Ribeiro da Cunha.
" o 1 cjaferente -F. das Cliagas Galvao.
Approvo.-Alfandega. 4 dc outubro de lb...
o inspector da alfandega
Faluo A/ea^jndi-uw-deCuienlfto Reis.
Impoi'tuciio.
Terra Nova, harca ingleza Lqrtwa, eongignada
a Saunders Brother* k G, manifestou :
Bacalhao 3,000 barricas aos coasignaiario?.
DK
IMSTRUCCAO SECU.XDARIA.
Vrimeiro anno.
Gramiualiea nacional. -Analyse logica e com
posi^oes varias.
Ccntabilidade. -Arithmetica, problema.
Francex Pratico.
Iaglez -Pratico.
ikwg.aplua e bistoria Nog5e3 elementares.
Segundo anno.
Grammatica nacionalContinuacao.
Francez. Pratico.
luglez. Pratico.
Lalim -.Grammatica e bistoria sagrada.
Georaetria-Principios de desenhojinear.
Geographia e hisiuria. Continuacao.
Terceiro anno.
Lingua nacional.Grammatica geral, genioda
lingua, rcdac.ao.
Fraii^z.-.Tbaorico.
Inglez.Theorico.
Lalim.Os classicos. .
Geographia e historia-Geographia esiJecial com
a historia Je cada paiz.
Quarto anno.
Lauia Os ekissioos e principios de latinidade.
Historia e geographiaHistoria com a geogra-
phia auliga, media e moderna.
Arithmetica. Superior.
Qitinro anno.
Rhetoric. Eloqpencia, poetica e oritica httera-
ria.
' Genome; iia.
, Geographia e historia.
Phiksophia. Superior, com a historia dos ?ys-
tetnas.
Scioacras em geral.
Direito natura.-Principios elementares
Econouiia social e politica
LitkratuKa tiacioaal.. Com introduce^) si
liUaralura i
Segundo esle progrimma, o alumno no terceiro
anno fata examode francez, portuatiO, mglez
Bfioaraphia ; no quarto fara de latim, historia e
aril&ir.elica.no quinto fara de rhetonca, geome-
tria e philosophic. _.
0 qaeiiuo podarem dar cOnta do programma
irao al no sextp, na qua! fara o cooplemento aos
seus estudos. .
Atfonio Mvrqies de Amirim.
f ueaas- .qneixas erecri-
ido todas as ideas
embr5, qan*> no
na obra Hicrosahta
na ebicidacio dos
, jueopaiz agradeeido
art d* poelaraar ros como os mais aptes
ar-
il*
OESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA
OUTUBRO DE 1873.
Para os portos do exterior.
No vapor ingle* Student, para Liverpool, e
regou : M. M Monteiro 134 saccas com 8,8ilJ
kilos de algodao.
No vapor inglez Undo, para Liverpool, car-
regaram : M. Lathan & G. ail aacca* com 27^97
ii2 kilos de algodao.
No brigue porluguez Umae, para o.Porp*.
carregaram : T. A. Fonseca A G. Suceassores 10O
saccas com 9,098 kilo3 de algodao.
No patacho brasileiro Argis, para o Rto da
Prata, carregaram : A. F. de Oliveira 4C. w
pipas com 95,000 litros de aguardenle.
Para os portos do interior*
Para o Rio Grande do Sui na escuna nacio-
nal Amelia, carregou : J. B. M,reira 5 pipas com
2,400 litros de aguardente. .
Pa a Maceio, na barc-ac Cntzetro. da Sul,
can-egou : J. A- G- Siqueira 3 barricas co 1 i
kilos de assucar roiinado-.
.^PATAZIA DA ALFANDEGA
rteadimento df-
Ideal do dia 4
dia 1 a 3
VOLUMES SAHDDOS
No dia 3......
Primeira porta no dia 4 .
Seganda porta.....
rbrceira porta
Tiapiche ConceiQao ?. .
2:667*0*3
1:035C53
3:702,2651'
4,984
211
76
323
1,163
6,757
SERV1QO MARlBMiP
vharen^as descarregad3s no trapiche-
4 alfandega no dia 3 .
DiUs ditas no dia 4......
N'aM03 alracados no trap, da aJfajDdega
Alv^rengas......
No trapiche Gonceicio.....
10
14
RECKrWDORIA DE RE.VDA9 1NTERHA3 .fiB-
RAES DE PERNAMBUCO
Renduiento do dia 1 a 3 > *4J6j74t
idem do dia 4...... 3<.284#840

lt7^5j
aoMMiacitJ.
M4RITIN0S
Dcmoustracilo d
assucar o da al|
mez deseCeaahrJ
eomo de swa e-xpordarHo.
Entradas.
Do assucar 4,466 saeees.
Do algodao j847 saccas-.
Exportapio.
'Parft Liverpool 1,045 saccas de I
Idem idem 4,475 saccos de assucarl
Para Southampton i90saeeas\i"
CONTR 4. O i E.GGQ Par!l Habnrgo-l,675 saccas <
^V^NA-U^A. \J JTVA-*^ Idem idem 4,506 conros:
AeOQjpanMb-^lidwrinisfldonjf, dstaleig "Para 383- saejcas d*J^^
ipfe ##, tornj ^! .em eijifoios, rnercadoab|fja|||^B r* p,r8 <, nio da -Prata50 plpa* I
rua do Vigrk> :8r>hir^*dr*aai**bm
CONSULADO PROVINCIAL
rtMpiuooto do dia I a3 6iJ*60*i49
idam do dia 4...... 5|8*aW3i
* *i
BHBHaa
__


i
f
4

i

i*
^V^'aitrtij rntrndK no dia
5* :74,aaf If*0." ailem.o, Jnc/tard r/fA, do
JUonelaA., capita,, F. Huilke,eqnipagem
jm fcstro ; a Johnston Pater & C.
Wjra Xova -30 (lias, barea ingleza Laeinia, de
X5I toaelaaas, tlfkito Mr. Ketizie, eauipagcm
IJ, carga 3,000 barricis com bacalhao ; a Saun-
^nUbers.Gtl
Marios aaki&ts no mesme dia
1MbBarca sueca C 1). W., capitao JobS
laHfci-m, em- lastro.
i Escuna portuguez.i Christina, capital
*o*jnim da Silva Loureiro, carga couros e on
J%(9S goneros.
Brando do Sul Escuna brasileira Amnlia,
wWo Roborto Pinto Guiiuaraes, carga aguar-
ite c outros generus.
41 -Ligar inglez Sulla, capiao .Meteueil, car-
l asuucar.
Maoio entrado no dia 5.
ttii -34 lioras, vapor inglez Linda, de 663 ta-
lelalas, commandantc F. DarbLShere, equipa-
Jf.ni Si, carga assucar e algodao; a Simpson
C
Niwio sakido no mesmo dia.
erpoetVapor inglez Student, couimandaate
Bo-rncat, earga assucar e algodao.
TPfTAES
U Dr.
v. Eel
ebasliao do Rego Burros de Lacor-
_ ie Je diretto special do commor-
cio, -nesta cidade do Recife de Pernanv
feueo; por 5. M. I., ete.
Faco aabcr a3 qne o preseato.edital virera c
deHe aotieia tiverem, que no dia 16 dc outubro
dooirrente- anno se ha de fcorrematar por ven-
da a quern ais uYr cm pracaQiublica deste Juizo,
diptis da respective audioneta.o seguinie :
Doio ciiuiras-de guarnicio de madeira de jaca-
raada a &&UIM cada urna, -2 cansoloj com tampo
de pedra da mesma madeira a 32000 cada um,
t MtLdi-mesma madeira pur bO&'Mft, 2 cadeiras
de bro$o da ine-ma madeira a 2ii* cada uma, 1
mesa de nHn de sata da mesina madeira com
laaipo tie pedra por 40$
t tia !#jeolo: fomoi penhorados por cxe-
cuffcHb-liariko da Soledade contra Anguao Pin-
t do.Xenw. %
kv uio toaven 11 laupaJcr goe cubra o preco da
awtfiujao^a anva atacSo tera feila pelo preo da
;idjad2iaca tin forma, da lei.
LUdo.u-pa^ado nesta ei-Uda do Recife, de Per-
naaiiltBt. zo* '-'At 'Ie setcpbro de 1673.
liu. M&aoel Mark IlbtogBos do Nascimcnto,
,'jpnvao o ab~cr,-vi.
'$tl)Vtiao do R'o>8nr>\>>> de Lacerd-i.
A llo 3fl) rs.V. S* S. e-causa.Barros de
LaiTTiJa S
-Jor uivleiQ do Jiiiri; fcr. coHiuiendador Ur'
J'adqo.de Afliyde bobo Masisoso, iaspectur de saii-
dc (.oj-lica, c iuviaa-ac, em firiudo da autjiisafao
coeedida pelo Esui. r. prejjdeiUe da prevJncia,
em 3>do conente,;5i tudas as pcsst as que qaiierem
extrNr olug'* tie vacanador ^caluilo uas fre-
guczias dointetioc da proviacia a aprescnlareni-se
As pejsbls que .-e julgarem habilitadaa e qoize-
rem prt=star esso servijo a humenidade, deverao
requerer a esta repanicao, docnmentando a sua
peticao com alteslado da cacnara municipal, do
juiz de direito ou oulra qualqoor autoridade do
lixgar cade residirera, provando a saa idoneidade
para 0 ctito cargo
fuspee.-ao de satide publica, cm 4 de outubro de
1873.
0 escrevcnte,
Jn.<.: /v.'w'D'rfo de Sonza Laniiin.
ED1TAL N. 73.
Pel a inspccto.-ia da alfan lega se faz publico que
nao (end.) sirlo arrcmatada por falta de concur-
rencia a mercadoria aJiaixa declarada, annunciada
vor edital n. (;8, se transfere a mesma venda para
3s (1 bocas i*a maiiiii d i di 3 de outubro vin-
diHiro, a part* desla repartieSo.
Trapiche Harboza.
Marca S BUma pi pa abatida pesando liquilo
real GO kilos, avaliados par 8.680. vinda de Lis-
Loa no navio inglez Ariel, con-ignada a Saunders
broihers & C.
Altandcga de Pernambuco, 30 d; setembro de
1873. O inspector, Fabio A. de i arvalbo Reis.
ftecltfe sao4nvklados os parentes Oas utifmrtAgf
Jo collegio oas otpbaa em seguida Aeelawnjis.'fi
laaesja coaajletaram a saa educaeSo, uara que
reqwetMRi^a^op. presidente da pToyinMUa^Oa
entrega, em tsta-do que (puululi a janaamdifff^
nistrativa, de confonmdade c6m o que dhpSe o
3 art. 48 do tespectivo regrtaaiento.
Candida das Chagas Coelho e Dionizia das Cha-
gaa.CoeHioj-ftHiasde Vitakdas Chagas Coelha.
Maria Emilia.
igpacia Ribeire, Olha de Leandro Jos*; rtiljp'iro.
Maria Magdalena de Merlo^Bia de Jose Tava-
res do Meller
VaJeriaindos Santos, filba de Vicente ^Perrerra
dos Santos.
Fetlppa. !? ~ *^^C ~~
TlierezadosSaaioe Torres, Glha de Jos4das San-
tos Toes.
Sophia Maria, da Couceicao, exposla.
Secretaria da. santa casa da misericordjiut) Bfi-
ia, 27 de unho de 1873.
O escrlvai*
Pedro Rodriguet de Smttn.
O adfflinisrrad^r da recebedoria ffB^endas
internas geras faz publico que 6 este-moz de ou-
iu*f.o ultimo em que tern de ser pago sn mul-
ta_aimposlo.sobre induslrias e proS?soes, rtdativo
ao 1 seraertre dc exercicio de 1873-74, e com a
niutta-dc 6 0|0 depois do referido mes.
Ilecebedoria He Pernambuco, 3 de ouWfcro de
lilnha qiiinzeiml
.. I I OPAQUETE f '
espera-te da Europa ate o dia 12 de outubro
,* depois da demora do costume seauira para o sul
ido ininerio, Rio da Prata e costa do Pati^o, para
onde rerebera passateiros, e dinbeife a frete. nbarmaci.-i OS AGEKTES. V
Wilson lowc AC.
Ifc-TrfUIA.PQ CQMMgRaQ-Cr^,
tit
DA ^ ~*~^
. M Bara.) da Victoria n.
30, coiistando da arfnar^o, drogn1*, tasi-
Iharhtes e moreis-, pertRncentes a massa
, ayaliadV.etfr-*WrWWr.
Para o Aracatv
segue nestes paucos das^o J>ai c.jnuecidp .|^ja., Mt j, } I
D.Luiza,qae ja tern Jrte do Carrcgamcnf,, : a _, mi ,
iratar cum Gomes do Majtos IrmSos, a rna da(!-" 'J**> AiadM .ft|A4aRtav
:aga^PiV)Jy^awnte .*pU qMaiu
--------------------- v-WjL^bw, jjor despacho do-/|to'. Sr rJr i*,,-, es.
neCialdo cflftmercS, cm Wlnae^lla-hformaclo
^ '", dftic*raftffi*eatdTnaft fallida ^dS^.BrhD-
deia n. 40, r- andar.

1873.
Manoel Carneiro de Soaza Lacerda.
A catnara nmnicipal desta cidade, pelo pre-
aenus eonvMa aos donos de tumulos existentes no
CCTBttfTio publieo a mandarem auanto antes lim-
pa-los e reparalos, como se faz necessario a con-
serTa<;io, afernoaeamxalo e deeeaeia do mesmo
eanriterio, de modo a estarem proniptos ate o dia
31 do correnle inez.
Pace da camara mun,:cipal do Recife, 3 de ou-
turo de 1873.
Manoel Joaquim do Rego e Albuquerque,
Presidente.
Pedro de Albuquer.iue Autran,
Secretario.
Edital n. 78.
Pela inspectoria da alfandega se faz publico
que acliandose as morcadorias contidas nos volu-
mes abaixo mencionados, no caso do serem arre-
raaladas para consumo, uos termo* do cap. 6 do
tit. 3> do regulatnento de 19 de se emhro de i860,
o* seus donos ou eonsignatarios deverSo despa-
caa-las no prazo de 78 dias, sob pena de, lindo
eate, aerem vemlidas pur sua conta. sem que Ihes
fiqae competindo allegnr contra os elfeitos desta
?enda :
Marca V&L n 770 -1 barrica vinda na harca
ingleza Eliee, cntrada em 22 de outubro de 1870.
Idem JM eui numero 1 caixa ignora-se.
Sem marca e sem numero 1 band idem.
Alfandega de Pernambuco, 3 de outubro do
8T3.
0 inspector,
Fabio A. de CarvaUi) Reis
O cidadao Francisco da Silva Rego, juiz de paz
raais votado da freguezia de Santo Antonio, pre-
sidente interir.o, do coHegio elcitoral do Reci-
fe, do primeiro d^tricto eleitoral, em virtude
da lei, etc. etc.
Fa$o saber que pela camara municipal me foi
remettido o oflicio do theor seguinte :
Secretaria da eamar. municipal da cidade do
Recife, ifi de juliio dc 1873 Rim. Sr. Devendo-
se proceder a-eleicao dos membros da assemblea
legfelativa provincial, que tern de funccionar no
biennio de 1874 a 1873, no dia 9 de novembro
proximo vindouro-, segundo me foi communicado
pelo Exm. presidente da provincia a esta camara,
em officio de 28 de junho lindo, cumpre que V.
S. eaavoque os respectivos eleitores para o dia
indicado, tendo tm consideracao o que dispSe o
art. 2. do decrelo n 2,633 do l. de setembro de
1860
Detis guatfe a V. S. film. Sr. Jiuiz de Paz
mais votado da Freguezia de Santo Antonio.Ma-
1 Jdaqabo Jo Rego Albu(|uerque, presidente.
de xlbD'i)rque Autran, socretario.
cumprb.nento do referido. o^lcio, convido
aos Srs. eleitores nao so desta freguezia de San-
to AntOQio como as das de S. Frei Pedro Gon-
calves, S. Jose, Baa-Vista, Aiogados, Varzea, San-
to Amai-o do Jaboatao, Muribeca, Poco da Panella,
K. S. da Grac,a e S Lourengo da Matta, atim de que
todos eomparegam na igreja matriz ila fieguezia de
Saato Antonio no dia 9 do novembro proximo
vipjtouro peias i> lioras da manna, para que se
proceda a organisagao de mesa e raais ados re-
latiros u eleicdo dc 9 membros para deputados
qae.sle distrieto deve dar para representa-lo a
assemblea provincial conforme determinara as
leia em vigor.
% para que chegue ao conhecimento de todos
nandei fazer o presente edital, que vai por mim
assigoado e sera aMxado nos lugares mais publi-
cos desta freguezia e pubheado pela imprensa.
zia do liauto Anloqio 2 de outubro de
Francisco da Silva Rego.
ra municipal desta cidadade
orrenie |i
idade com o art. 103 da lei Je 19
to jle 18M, i a;
la nova villa de Jal i
Ma
uauerque,
Pela thesourana provincial se faz publico
que foram transferidas para o dia 9 do corrante
mez as seguintes arremata;oes :
Fflrnecimento dos presos pobres da casa dc de-
tcwaaawo trimestre de outubro a de:embro.
Venda do sitio Jos Remedios por 3:75o080.
Secretaria da thesouraria provincial de
Mn^iiibuco, 3 de outubrode 1873.
0 ollieiiil-maioi,
___________Miguel Affonso Ferrtira.
Santa Casa de Misemordia
do Recife.
Pela setretaria da santa casa fa?-se sciente a
(iuem interessar, que no dia 14 do core^pte, pelas
9 horas da manna, no salao da casa d~exposto*,
o Illm. Sr. thesoureiro fara pagamento das men-
salidades vencidas ate 30 de setembro proximo
findo, as amas que se apresentarem )nduzindo
asensneas que Ihes foram confiadas.
Secretaria da santa casa de miserieordla de
Recife, 6 de ontubro.de 1873.
0 esc ri vao,
Pedro Rodrigues tie Sauza.
Correio geral
llelafdo do.? objectos registrados exislenles
na administraga.9 dos correios desla pro-
vincia, para as pessoas abaixo decla-
radas :
Antonio Fernandes M. ("), Aognsto Leopoldo
Raposo da Camara, Antonio de Campos Mello,
Antonio Ferreira Ramos Sobrinho, Felippe da Cos-
la Dourado, Firmino T. da Camara Santiago, Ge-
raldo Correia L.ima, Guilberme Vieira da Cun' a,
ilenriqueta Geraldes das Merces, Honorio Augusto
Ribeiro, Joaquim Cinlra do Lima, Joao Gerymsio
do Queiroga, Jo.e Gomes Monteiro, Jose Ignacio
Ribeiro Roma, Jos6 de Seixas, Jose da Silva Gui-
maraes, Maria Avelina M .nteirc, Manoel A. de
Albuquerque Malhado, Paulino Augusto Ferreira,
Silvino Jerooymo da Silva.
Administracao do correio de Pernambuco, 1" de
outubro de 1873.
Jose Candido de Barros
Encarregado do registro.
Santo Antonio
EMPREZA
Terca-feira 7 de outubro.
Recita extraordiuaria.
EM BE.NEF1CIO
do cofre do eonselho da Soeiedade
Propa^adora da Ius-
truc^ao publica
da freguezia do Poco da Panella*
PltOGIilllllA :
Representar-se-ha o muito applandido drama
em 1 prolugo e 5 aetos
mm mm.
CwnjiJiDliia Frameza de Savcp-
^ a vapor
IdnhaTnensal entre o
Havre, I.isltoa, PeNanbuco, Rio de
Janeiro, (Santos, soiuente na vol-
ta ) Montevideo, JUucnosAyres,
(com baldeacao para oRosario)
SI] 1UI It
VH,Ltt Bl Sii^iTOS
Commandantc L.efevrt.
E' es|>erado dos portos do sul ate o dia C do
corrente, seguindodepois da demora precisa pa-
ra o Havre com escala por Lisboa.
Recebe carga para Antuerpia em dircitura, e
para Liverpool, por baldeacao as expensas da eom-
panhia.
Relativamenle a fretes, encommendas e passa-
geiros, para os quaes tem excelleqtes accommo-
dagoes por precos reduzidos, trata-se.com
OS CONSIGSAT.VJMOS
A UGUSTO F. D'QLIVBIRA C.
k-2 Rua do (".ommcreio Kutrada pela rua
do Torres.
' c4tQ. BWencaarfv a armafa*] a^maii bens aoinia
mencionados,.witapf#nrf-w|.dfc0Arao da Vic-,
Wellit) sera effectoado as 10 l|f horas do dia
'"n f' j^)-W'v-'^*<.' >
m
630 chapeosdo Chile
O lP^a#'4J*W B
ynsfliefes sadws 9 aios
/ j LTrii f getacf. li^Jf Wrwe^ceJIqiijoappejItgJjlJK\
^90 afeuDs Jos beneficio-aue so podem ., rh'ar, fazendo se um uso regular das
oaapieacrlptoppio, rna do .floJaaps n. 43.
A^ffi

COSPAXIIIA
DE
NAVEGACAO B&BUNA
Maccid, I'cucdo, Viacuju
c llahia.
E' csperado dos pottos acima ate 0 dia 10 de
outubro 0 vapor Penedo,oqual seguira no dia se-
guinte ao de sua chegada para os mesmos.
-Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
ciiciro a irele ate 0 dia de sua sabida : a traiar
"om os agentes Antonio Luiz de Oli'eira Azeve-
do & C-, rua do Bom Jesus n. 57.__________
"COMPANHU PlRiNAMBLCANA
DE
rVavcgactto oosteira a vapor.
OOYARMA.
0 vapor Parr.hyba,
commaudante Pedro,
seguira para o porto
acima no dia 7 do
corrente, as 9 lioras
da noute.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12.__________________________________
COMPANHU PEKNAMBUCANA
DE
Wavegaeito costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Coruripe, com-
mandante Silva, seguira pars
0 porto acima no dia 11 dc
corrente, as 5 horas da tarde
Recebe carga, encommen-
das, passagens e dinheiroa
frete ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
UEIUO
condenr;ado, 17 caixas com chd graudo e
fiftiudo, a^OJ^tw ^,3 ^iibras de'bo-
lacijinas in^lezas, 3 uoixiis com uorta du-
l, oonieudo caixa U00 latas c outros
' V9U artigos.
SKGO;.DA-FiJULV 6 ^j ,CORRB{TE
As 1 I l\2 horas da mai*h3.
0 agonie Pmlio forges levafa a leilao as mer-
cadorius acima. por conta e risco de quern pec-
leaiief, 110 seq escriptijrip, a ru> do Bom Jesus n.
o3, primeiro andar
11UI AYAU,|.A,A)A,{5
OUISJA.FEIBA 9 DO CORUWITi:
. ,j as 10 lj2 horas,
POr intervengao e no escriptorio do agcwie Pin-
to, a rua do Bom Jesus n. 43.
*...... '-------------------------------------------------r-r
m
DE
,UB) excoilente ierreao com lot) palmos de
: iwaUi e 600 do fuodoy ew.pbdoproprw.,
com alguns arvorecjos, 00 lugar-.do BeTJ
bexibe de Baixo, em a frente para a rua
dos Glerigos, o qual se acbo livre des-
baracado do todo e qualquer onus.
SEXTA-FEIUA 10 DO ..COKAENifi-
as 11 hoi-us
0 agenle Pinho- Borges acha-se aut^fisado a
vender ^n Icilao 0 terfeno acima declarado ; no
sen escriptorio, a rna do Bom Jesus n. 53, primei-
ro andar.
-fUPilulaat vegetaes de BrlmUl.
. tadii
Uml
Sao as inapiwuiavois |"IfiHr%B)iniirn"
que so podem eiicoulrar, T-wir'M( rAftlmt
Utiaa medacioa quo uau produa (tyrMiaap*
oqJicjB.
I'm purgnnte que laoj^iiilita new ,
fra^ueee. ., ai>p -.j r.k
Umiaxa^e quq afo cMa
nauaea. eS .^
I'ormani uma das muitas airtttlift ^m
possuem ns
'tt^^m'm&M
e'
r,
o bello sexo. > {Ul?
Um correctWq seguno 'doa'desarr^iijoB it
systema. *) \ <>>) J)^p> '
Os pretendentea podem desdo ja esaminar 0 re-
ferido terreno.
f A V A R IA D A S.)
HLOJE
ds 11 horas.
Em
sou escriptorio, rua do Bom Jesus 0- S3,
primeiro anJar.
A xiiiicr :
t^itas, algodao, esgoiao delinho, seda bran^a,
linha para 601 dar. retro? preio e de ci">res, botdes
para punhas, brim, algodao, nseado, chales, tran-
cas de caracol, ppcaa de elastico, marroquim, cha-
peos do sol e outros muitos artigos.
Tor intcrvencao do agonto Pinho Borges.
e obras
Terminara 0 espectaculo com 0 gracioso duetto:
O estudante e a lavadeira
Uma banda marcial executara escolhidas pecas
de musica.
Depois do espectaculo havera trem ate Caxanga.
lSS0fMftRITWS
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM-
PANY
Liin3iia quinzcnal
0 PAQUETE
G4H0NNE
espera se dos portos do sul ate odia 10 de outu-
bro, e depois da demora do costume, segnira para
Liverpool, via Lisboa, para onde recebera passa-
geirb?, encommendas e carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO14 '
CWPA8H1A
DAS
HESSAGERIES HAK1TIHES.
MENDOZA
Atti 0 dia 8 do corrente mez e?pera-se da Eu-
ropa 0 vapor francez Mendoza, o qual depois da
demora do costume seguira para Buenos-Avres,
tocando na Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
RIO GMNDE
No dia.10 do corrente mez espera-se dos po
.1 do sul 0 vapor francez Rio Grande, eommau-
ute Delabane.o qual depois da democa do costu-
aognira para Bordeos, tocando em Dakar (Go-
isboa.
u*j5es, fretes e passagens, trata-se cer
AGENTES
Harismendy A. Labylle
Comraartiio a.9.
COMl'A.NHU PEHNAMBUCAWA
DE
\Hvogat>un eo.icira a vapor.
MACF.16, PESEDO E ARACAJU*.
"\-^^ Ik 0 vapor Gtuuut, Co
LEIL.
DE
uiove<-, iouqi. .crvstaes
-de prata
A SABER:
Um piano forte 0 novu, 1 mobilia de jacaranda,
3 sanefas e cortinados, tapetes e jarros para flo-
res.
Uma cam.a fraaceza d- jacasanda, 1 toilette e I
lavatorio tambetn dc jaearauda, 2 commodas, 1
guarda-roupa, 2 cabides, 6 cadeiras, 1 marque-
ziio, 1 cama deferro, 1 mesa de catna e 1 machi-
na de costura.
Uma mesa elastica, 1 guarda Iuu^a, 1 aparador,
24 cadeiras de gnarnica 1, 2 ditas de balanco, 1
apparelho para jantar, 1 dito para cha, copos, ca-
lices, garrafas, compoleiras; mesas para engom-
mar, macbinas de limpar facas, c muitos oulr^
objectos pertcneentes a casa de familia.
TerQii-Xeica 7 tie outubro
Na Capunga, rua das Trioulas.
Alfredo Manias de Barros, tendo de fazer uma
viagem a Europa, levara a leilao por intenencao
do agente Pinto, os moveis e mais objectos acima
mencionados, existentes na casa de sua residen-
cia na Capunga, onde se eftectuara 0 leilao.
A's 10 1|2 horas em ponto partira da esta^ao
do arcn de Santo Antonio 0 trem expresso que ser-
vira de conduccao gratis aos concurrents ao lei-
lao.
_____0 leilao principiara as 11 horas em ponto
Leilao
tos acima no d
do corrente,
horas da tarde.
Recel carga ate 0 dia 13 do corrente. enconr-
mendiis at. n il a 14, passageiros edinheiro a fre-
te at6 as 2 liaras da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Porte do Mattos n. 12.
COMI'ANII 1A PEUNA M HI TANA
DE
Naveganilo costoira a vnp>r.
PARAUYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', AKACa
TY, CEARA, MA.NDAUU', ACARACU' EGRAHJA.
0 vapor Pirapama.
commandanle Felippe,
seguira para os por-
tos acima no dia 15"
do corrente, as 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga at6 0 dia 13 do corrente, encom-
mendas ate 0 dia 14, pasiagens c dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos n. 12
COMPANHU PERNAMBUCA^NA
DE
Navcgacito costeira a vapor.
RIOFORMOSO ETAMANbAUE.
0 vapor Paraliyba,
commandante Pedro, se-
gnira para os portos
acima no dia 15 do cor-
rente, as 9 horas. da nou-
te. Recebe carga, oncom-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12.
Para o Maranhao e Para.
Pretende seguir com muita brevidade 0 palha-
bote nacional Jcven Arthur: para 0 resto da carga
que Ihe falta, trata-se com os sens eonsignatarios
Antonio Luiz Alve3 Azevedo & C, rua do Bom
Jesus n. 57.______
Para o Porto
0 brigue portuguez UniSo ainda recebe carga
a frete para completar : quern no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem trate na rua do Vi-
gario com sens eonsignatarios Thomaz de Aquino
Fonceca 4 Successores.
Bahia.
0 hiate Garibaldi segue em poueos dias para 0
porto acima : para carga. trata-se com Tasso ir-
maos & C. a rua do Amorim n. 37._______^^
Para o Rio-Grande do Sul'
Pretende seguir com muita brevidade 0 paJha-
bote Rosita, por ter alguma carga tratada |
a que lhe falta trata-se com os coasigaaiariss
leaquim Jose Goncalves Beitrto & FUIlo ; 4 roa
do Conunercio "a. -5.
DE
Um faqueiro de prata do Porto (obra de gosto)
sejido as facas e garfos com eabos de marfim
cravad.s de prata, 1 galheterra de prata, 1
bandeja pequena (ambem 4.e- prata, salvas, co
_:'r occasiao do leilao
que deve ter lugar
CORRENTE
Na Capunga
rua das Crionlas, casa em que morou 0 Sr. Al-
fredo Martins de Barros.
A's 10 Ii2 horas partira 0 trem, e as 11 princi-
piara 0 Icilao.
O vapor G,guia,eoii \iwm ,, nutros objecloS) ppr 0
inandante Martin s, ac llluVl, eJcrvslae^ q
ru
louca, ospellios e crystaes
A SABER:"
Cm piano forte, de jacaranda com excellente
voz, 1 guarda-roupa de amarelio em perfeito es-
tado, 1 secretaria, 1 guarda louca, a guardas-
comidas i mobiha de jacaranda a Luiz XV, com
tampos do pedra, 1 dita de amcrello nas mesrnas
condicoes, 1 cama frauceza para casal, 1 toilette
dc jacaranda, 1 lavatorio com pedra, 1 jogo de es-
peli.os ovaes, 1 marquezao, 2marquozas, 1 bidet,
1 guarda vasos, 1 burra,*prova de'fogo, 24 cadei-
ras avulsas, 1 sofa de jacaranda, 7 quadros a oleo
com ricas paisagens, 5 com rieas gravuras de
molduras dmuiadas, 2 pares de jarros, % apparelha
para jaqtar, 1 dito para almoco, i mesa elastica
fara jantar, 1 comiqoda de amarelio, nieia dita,
par de aparadores, 1 par de cadeiras de balan-
ce, 1 par de concolos, 2 pares de garrafas de vi-
dro para vinho; i dito para agua, copos, calicos,
bacian, compoteiras, e uem assim um flautim, 1
clavinole, 1 relogio de parede, e 300 1|2 caixas
com charutos, alem de muitos outros objectcs que
estarAo patentes no dia do '.eilao, ao exame dos
Srs.^oocnnenios
QUARTA-FEIiU 8 DO COARENTE
Jose Hercufano Pereira Lisboa, tendo se re-
relirado desta para a provincia da Bahia, fara lei-
lao de todo* os objectos acima declarados, por in-
tervenc,5o do preposto do agente Pestana, cujos
objectos serao transportacios para o armazem da
rua do Vigark. n. 11, e ahi vendidos
ao correr do martello.
an 11 horas eni ponto
CASADAFOSTil
AOS 5:000^000.
BILIIETES GARANTIOOS.
1' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua d<
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo veadido nos sens fe-
llzes bilhetes, tres quartes n. 2646 com 8002,
um meio n. .12J57 com 300^, dous meios n. 2580
com lOOdOlO e outras sortes de 402 e 20* da
loteria que se acabou de extrahir (681), conrida
aus possuidorcs a virjm receber na conformi-
dade do costume sem dosconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido?
la 11" pane das loterias a beneficio do collegio
de orphaos e orplias (69*), que se extrahira no sab-
bado, 11 do corrente mez.
Pf.ECOS
Bilhdo inteiro 6*000
Meiobilhet.- 3*000
Quarto 1*500
EM POIiglO 1)E 100OO00 PARA C1MA. "
Bilbeta inteiro 5*500
Meio bilhete 2*7oO
Quarto 1*373
Manoel Martins Fiuzn
De CAsauientos.
De baptisailos.
De bailcs.
De soirees-
De ahnoeas
Me lancties.
De bieknicks.
De ceias.
De ludo de tmlo
Se enearrega a confeitaria do Campos.
E alem disso
A confeitaria do Campos
Esta* sempre provida
De tudo quanto e preciso para
Uma boa mesa.
Rua do Imperador n. 24.
0 Baraodc Bemfica avisa a quem interessar
possa, que nao attendera a recibo algum que Ihe
diga respeito, nao seudo passadoiior seu filho Jose
de Oliveira Castro, ou por Antonio Joaquim Brito
de Oliveira ou Adulpho Henrique Amando Chaves.
Ninguem alem d'estes esta autorisado a flrmar do-
cumento algum, que importe exoneracao a quem
for passado ou obrigacao de qualquer natureza
que seja ao annuncinte.
Um remedio coiju^b^.W sfgjyju r%>,<9 -
regularidades- '*tifl
Sao os.effeitos seflj fo^ resullantes dt
us#,eempcego das u*Jv,,a.
filulas vegetacm^SW^m.
liua compleicao cla*a, 4va 4j,^afjspj|DU,
Uma pelle macia e delicada c um
llali'to doce e agrodavel.
SioosresuiKtdps e*rlof e iru^^ii, d?-
poisdese .
havqr tornado algturuas dose* de&
melhor dos
Rpmedips as '. ,
I'iliiluH vceie de UUtiHtAal.
Era todos os casos dc molestias iLuma na
tureza escrofuiosa, ulcerosa ou svun2Utia t
ou quando a massa do sauguo 50 baja tor-
nado turvaou viciada pete uso de ferro
mercurio, ou por outra qualquer ffifystflpcfc
mineral a
^altfaparrillia de ISritdol.
devera ser usada do conjuncto eom as pilu
las, e assim olirando-sc, em restricta con
formidade com as direcgoes inscrij^ras nt>
envolto; os doentes podem I;car eertos que^
uma vcz usada coiijunctataeute uma com
outra, neuhuma cid'ei-midade ou molestia,
por mais severa ou anaigada que sc ache,
nao poderd resislir ao combiiiado uoder se
cretorio e sanitario destes, dous
GRAHDES, E
IBBCiaiSHdKttS.
Ambis esUis medicinas aciiain-se & yenda
em todas asjorincipacs boticas-e
loijas de drogas.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Forstor & C.
Teiii s\k dpreseuuiiia a) |niiilic#
Duraute o espayo
DE
4 0 A N N 0 S.
SiVljSiVVARlttialLJk
DE
RBISTOL
4&
:<-.^:::
:X':
-.--
' -
":o
5
A quem interessar
Pereira da Silva & Guiiuaraes, propri-tarios da
loja do Pavao, previnem pelo presente a seus fre-
guezes desta prata, qjiese acham com seus debitos
atrasados, que se nao saldarem os mesmos ate 0
dia 30 de outubro do corrente anno, iratarao de
cobrar judicialmente, nao tendo coutemplacao com
ninguem.
Recife, 24 de setembro de 1873.
Escravo fugido.
Desappareceu de casa do abaixo assignado, no
dia 23 do correnle, 0 escravo pardo, de nume
t'rajano, de esialura regular e ba*tante palido,
jiois soffre de frialdade: quem 0 apprehender le-
ve-o a rua do Vigario o. 21, que sera recompen-,
tado.
Domingos Alves Mathcus.
moveis, louca e vidros
Quiutiwfeira 9 do corrente
AS 11 HORAS DA MAMlA
asa n. 37, rua das Cruzos seguado
andar.
Um piano do melhor fabricanWj i rica mobilia
de jacaranda -a. Luiz XV, constaado da- 1 sofa, 2
concolos com tampo de pedM,, U aidcira>: de
O relojoeiro e dourador Albino
HapiUa da Rocba, de volta da
Europa, contiaua a encarregar-
se de concertar e dourar relo-
gios, bem como outros obiectos ;
rogando a seus amigos e fregue-
zes o obzequio de procura-lo na
travessa da rua das Cruzes n. 14, 1." andar, nor
detraz da praca da Independencia, que o encon-
trarao prompio. A garantia de seus trabalhos e
b faze-los por precos modicos ; assim como tara-
oem-vende relogios.
Ciiixciro
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos,
para taverna : na rua Imperial n. 240.
0 advogado Joao de Sa e Albuquerque jft
-c continua em seu escriptorio na rua do
9> Collegio, em Nossa Senhora do 0' dc
Xi Ipojuca, onde podera ser encontrado nas
J ter^as-feiras das 9 horas da manha as 4
Vk da tarde, e nos demais.dis no engenho
mk Guerra do mesmo teriuo. Incumbe-se
2 tambem de causas nos aaditorios do Ca-
@ bo, Serinhae>", ltio-Forraoso e Escada.
t- Ante bontem 2. do corrente, por volta de 5
'1(2 horas da tarde, desappareceu da rua larga
do Rosario, um cavalloeom cangalha, e um par
de cambitos e com os signaes seguintes : rueo
sujo, pequeno, cauda eurla, bem eucascado, uma
aatuja no queixo do lado esquerdo : quem ope-
gar e Irouxe'r em Beberibe ao Sr. Joao Manoel da
Cruz, sera recompensado.
Pede-se aos. So. eoronel Joaquim Cavalcan-
te 4c Albuqueroue senlior do engenho Paulista,
Dr. Luiz Lopes Castello-Branco e Vicente Bacet
i, o ohzequki m na rua do Deque
1 Caxi. qoe-lhas intoressa.
.. Motta tenha a bondadi
Bom Jes
i *
^Hk, coasL
0
i
wmmmm
riBaff
Cli'.A OS CASOS MAIS DESESl'EIUUOS I
A SAFSAPAHU1LUA DE BRISTOL pi.ri-
fica a massa do sanguc, expellc para lota
todas as materias e fezes vjciosas e kupuras,
regula todas as secrocoes, dd vitaiidade o
eaergia a todos os organs e da fon;a e vi-
gor ao systema alim dc poder melhor resis-
lir a todos os ataques da eofermidadc. E'
pois este um remedio conslUuciuxal. Clle
uunca distroe aiiin lie poder curar-; porem
constantcmente assistc a natureza. Portanto
em todas as doem;as const it newness e em to-
das as molestias locoes dependents d'um es-
tadovicioso eimperfcito do systema etn ge-
ral, achar-se-ha quo a Sai,sapaiuulua dl
Bristol 6 um remedio seguro e ellicassissi-
mo, possuindo ineslhnaveis e incohtestavei.-
virtudes.
As curas railagrosas de
Svsfi'ol'nSti^.
Ulcei'us,
Ckagas ant igas,
, ENFERMIDADES SVl'HlLItiCiS
ERYSIPELAS,
RHEUMATISMO,^
..i Y1ULGIAS,
LSCORBLTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado oalto reuome rf
Salsaparrilh.a de Bristol
por todas as partcs do-universe, sao tao so-
munte devidaM
I'.MCA LKGITUIA 8 ORIGINAL
Salsaparrilha de Budo\
\l t'wsler k L
AGEPiTES. '
NA PHARMACIA CENTRAL
Escra. fugiilo.
Esta fhgido o escravo Silverio, cabra a^a', de 22
annos, natural de Goyanoa, foi ali escravo do Dr.
Astor alii morador, que agora se acha na Parahy-
ba, olhos grandes eamorteeido1, nariz grosso e
chato, boc-ca regular, cabellos carapinhtw -C-
melhos, altura reguiar e secco do corpo, njaos <
p6s grandes, falla mans. : grauJica-so hem a
quem o apprehender e leva lo a rua Nova n. 8.
Jo.-e Teixeira de Souia, com offlcinade ci-
garreiro no beeco do antigo Port >, sen to mais co-
nhecido por Jose E- publico quo d'ora em dianto assignar>so-ha per
Jose Este vao Teixeira de SooaaJ"
Cozinheko.
na tua da Impe-
Precisa-se de um cozinhejro
ratrit n. 37, i* andar.
Ao commercio

assignado toel*ra ao corpo do com
desdeodia30 de \ou i<-
..piclie Angelo,
ra agradecer ao adminis:rador o seus
nio Pcnkao Yer
^^m


> dePeraamoiwo Segunda
ie 1M*
>
tj
is
.KBIS novidad:
Em fazendas de gosto
NA
LOJA E ARMAZEM DO PAVAO
!***
X. 60 Rua da Imperatriz N. 60
DC
PEREIRA DA SILVA & GUIMARAS3
h (ftp: proprietaries deste importaiite estabelecimento, participam so respeitavel publico
desta cidatie e aos seas nutnerosos freguezes que acabam de receber pelos ultimos vapo-
r 4 fiuropa, un grande sortimento das mais lindas e mais modernas fazendas de gosto
e Mill phantasi* para vestidos de senhoras e meninos, assim como tambem urn grande
ortimento das melhores fazendas de lei, que se vendera por promos muito em conta, s6
com fim de apurar dinbeiro.
As pessoas que negociam em pequona escala, neste estabelecimento poderao fazer
os eus sortimentos, porque se Ihes vendera pelos precos que compram nas casas estran-
geiras ; de todas as fazendas se dao amostras, deixando penbor, ou mandam-se levar em
i das Exmas. iamilias pelos caxeiros.
aberto das 6 horas da manha is 9 da noute
BURNOUS A 163000.
O Pavao recebeu pelo ultimo vapor de
Europa, burneos dos mais lindos gostos
que ate- boje sao conhecidos e em relarao i
sua excessiva barateza, convidam-se is
Exmas. Sras. para verem o que ba de mais
novidade neste artigo.
BRAMANTES PARA LENCOES.
O Pavao vende superior bramante de al-
das-n^rihrfwSAitai* para ve9tS3fr**e- godao, tendo 10 palmos delargura, qoe so
nhoras o de meninas, com delicados padroes Prec,sa de 1 1/4 vara para urn lencol a
miudos e graudos, que vende pelo baratissi- i5f? m,etro <> **800 a vara-
mo preco de 300 rs. o covado, por haver Dlt0 de linho fino superior e muito en
grande porcio. E' pechincha, na rua da corpado, com a mesma largura a 2$i00 a
Imperatriz n. 60, loja do Pavao. ,ya~.* '
NOVOS VESTIDOS A" 2 DE JULHO POR D,tos francezes muito finos a 2&500 e
129000. .39000.
O Pavao recebeu urn elegante sortimento Pecas de Hamburgo e panne de hnho, ten-
dos mais lindos e modernos cortes de cam- do c m 2 e 30 varas Para todos os P1"^05
braia para vestidos, sendo a uso da cOrte e,e qualidades.
2 de iulbo, com os mais bonitos enfeites, e! Dltas de, bretanha de puro hnho, tendo 30
tendo bastaute fazenda : assrm como baba- Jardas Pe!os Preos mais baratos que se tern
Este estabelecimeritoesta cojnstantemene
A'isdez mil mad'is delasinlias
a 300 rs.
Na loja do Pavao.
LAZINHAS A 300 RS.
LAZIlf HAS A 300 RS.
LAZINHAS A 300 RS.
O Pavao recebeu um grande sortimento
dos; rendas, reciffiz e entremeios, sulficien-
tes para as guarni^Oes, e vends pelo bara-
to prec/> de 129000 cada c6rte. Na loja
do Pavao a rua da Imperatriz n. 60.
LAZINHAS BORHADASA 400 RS.
O COVADO.
O Pavao recebeu um elegante sortimento
das mais lindas lazinhas transparentes com
florinhas, bordadas, tendo de todas as cores
inclusivcl rocha propria para viuva, e ven-
de pelo baratissimo preco de 400 rs. o co-
vado. E' pechincha, na loja do Pavao a rua
da Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS.
O Pavao vende um bonito sortimento de
lazinhas listradas sendo das mais modernas
que tem vindo ao mercado, pelo baratissimo
prec,o de 560 e 600 o rs. o covado. E' pe-
chincha, na loja do Pavao a rua da Impe-
ratriz n. 60.
ALPACAS I.AVRADAS A 640 RS. O COVADO.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento das mais lindas alpacas lavradas
de cOres sendo as cores mais modernas que
tern vindo para vestidos, e vende-se pelo ba-
ratissimo prec.0 de 640 rs. 0 covado. E'
pechincha, na loja do Pavao.
CASSAS PRANCEZAS A 600 E 640 US. O
METRO.
O Pavao recebeu um magnifico sortimen-
to das mais lindas cassas fran ezas, de cor,
com os mais bonitos desenb s miudos e
graudos, tendo pad rocs escuros e outros que
servem para lulo, e vende a 600 c 640 rs.
o metro ou 360 o iOO rs. o covado.
LAZINHAS MODERNAS COM LISTRA DE
SEDA A G'0 rs. e 19200. -
0 Pavao recebeu um elegante sortimento
de las com listras de soda assetinada, sendo
as mais modernas que tem vindo no merca-
do e com as mais delicadas cores, c vende
pelos baratos precos de 6i0 rs o 19200.
Assim como outras muito bonitas com listras
sera ser de seda, que vende a 500, 640 e 800
rs., todas estas las sao modernissimas. E'
pechincha, na loja do Pavao.
Chitasn 2 40. 8SO, 3Oe3GO rs.
O Pavao recebeu um grande sortimento de
visto.
Pechinchas de finissimo esguiao ou silezia
com 6 jardas a 79000.
Pecas de finissima silezia com 30 jardas
a 359000.
Atoalhado adamascado com 8 pahoos de
argura a 25*000 a var,a.
Calcas de casemira.
0 PaviO tem um grande sortimento de
calcas de casemira, assim comtf cortes os
mais modernos que tem vindo nos ultimo?
figurinos e cm fazenda, dos mais finos e
mais novos que tem vindo ao mercado, e
vande-se por barato preco para apurar di-
nheiro, assim como calc.as de brim branco e
de cores, por precis muito razoaveis.
LENCOS ABAINHADOS A 19800 E 29000.
O Pavao vende duzias de lencos brancos
abainhados, sendo fazenda muito boa, pelo
barato preco de 29000 a duzia.
Ditos tambem abainhados, com beira de
cor a 19800.
Ditos grandes, fazenda muito fina, sendo
todos brancos a 3000,
Ditode cambraia branca, sendo em peca
a 35600
MELAS CRUAS A 49 E 59000 A DUZIA.
O Pavao vende duzias de meiascruas, ih-
glezas pelo barato preco de49000 e 59000
Assim como ditas muito finas e muito en-
corpadosa 6?000, 79000,83000 e 109000,
e um grande sortimento de meias inglezas e
francezas, para senhoras, que se vende por
preco muito commodo.
MADAPOLAO FKANCEZ a 63fOOO E 75000
0 Pavao vende pecas de madapolao fran-"
cez, que sempre se vendeu por muito mais
dinbeiro o liquida-se pelo baratissimo preco
69000 e 75000, por ter feito uma grande
campra. E'pechincha.
Ajgofluozinlio a 4?000.
0 Pavao vende pecas de algodaozinuo,
muito boa fazenda, pelo barato preyo de
49 e 5-3000.
bito largo muito encorpado, proprio pan
toalhas e lencfies a 65000 e 79000.
CAM BRA IAS. -
0 PavSo vende cortes de cambraia uans-
cbitas de cdres fixas, que ven le nolos bara-, P^"^ Pr0Pna Para ves,ldos a 2**00
tos prec >s de 2i0 e 280 rs. o covado. Ditas
escuras fazenda muito superior, com novos
padrfies a 320 e 360 rs. o covado.
Ditas muito finas padroes claros era teci-
dos de percales, com barra de c6r aolado e
seraella a 360 e 400 rs.
Ditas pretas com tecido de crrtone, fazen-
da muito superior a 3.0 e 400 rs. o co-
vado.
Ditas de cdres, miudinhas, proprias para
roupa de criancas a 360 rs. o covado. E'
pechiucha, na loja do Pavao.
Baptistas a 500 rs. o covadol
O Pavao recebeu um elegante sortimento
das mais modern&s baptistas de cdres com
padroes miudinhos e graudos sendo proprios
paravestido? e roupa de crianc,a, pelo bara-
tissimo preco de 500 rs. o covado, affianean-
do ser grande pechincha !
Cortes vitlade, a 99000.
0 Pav2o recebeu pelo ultimo vapor de
Europa, cortes de ftimbraia brancjcom ba-
badinhos ricanaente bordados, tendo fazenda
sufficiente para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela -na excessiva ba-
rateza tdrna4n-se recommen laveis as senho-
ras de bom gosto.
Ditos com babados de cOr, tendo 20 me-
- tros de babados i 9-r0O0. E' grande pe-
chincha, no Bazar do Pavao a rua da Impe-
ratriz n. 60
CORTES DC GAMBHAU BORDADOS.
O Pavao recebfiu os mais ricos c6rtes de
cambraia branca bordados para vestido, que
vende pelo barato prec,o do 209 e 309000.
CORTES DE CAMBRAIA BRANCA.
O Pavao recebeu um Undo corte de cam-
braia branca com listras assetinaiass que
vende pelo barato pre^o de C-5000.
DitQs com listras de cores, tendo 8 v-aras a
49 e 59000. E'pechincha.
ESPARTILHOS.
O Pav8o recebeu um grande sortimento
deespartilbos tanto para sei.hora como para
raenina, que vende pelo barato pre;o de
89000.
Ditos muito fim:s a 49 e 59000. SSo dos
mais modero i vindo ao mer-
cado.
CAMBRAIS ABERtAS A 9C E 109000
O Pavao recebeu um
das mais tiuas
do Pavar
35000.
Pe^asde dita muito fina, com 10 jarda,
tapadacomo transparente a 49, 55 e 65000s
ate a mais fina que vein ao mercado.
PANNOS DE CROCHET PARA CADEIRAS.
O Pav8o tem um grande sortimento de
pannos de crochet proprios para cadeira de
balango, para ditas de guamicao e para so
fa, que se vendem muito em conta.
COLXAS DE CROCHET A 69 E 85000.
O Pavao vende colxas de crochet proprias
para cama de casal, pelo baratissimo preco
de 65 e 85000.
Ditas de fustao acolxoadas, sendo de cd-
res e brancas, pelo barato prejo de 46000.
E grande sortimento de ditas de damasco,
cretone e de chita, que vende por precos
muito razoaveis.
CORTES DE PERCALLES COM Dl'AS SAIAS
a 49000.
0 Pavao vende bonitos eortes de percalles
com duas saias, sendo fazenda de muito gos-
to a 45000. E' pechincha na loja do Pa-
vao & rua da Imperatriz n. 60.
BOTINAS PARA SENHORA, A 59000.
Na loja do Pavao & rua da Imperatriz n. 60.
Pereira da Silva & Guimaraes receberam
pelo ultimo vapor de Europa um elegante
sortimento de botiuas pretas e com delicados
enfeites decdr, proprias para senhora, gacan-
tindo-se ser_em das mais modernas que ha
no mercado, assim como a boa qualidade
fior terem sido remettidas por um dosw
hores fabricantes de Paris, e vende-se peh.
barato preco de 69, na loja do Pavao.
SAIAS BORDADAS A 59, 60 e 89000.
0 Pavao vende saias ricamente bordadas
do 4 pannos cada uma, pelos baratissimos
precos de 59, 69 e 89000.
Ditas de um panno s6 e com muita rodas
guarnecida de pregas, pelos baratos pre^o.
de 25000 e 29500.
Ditas com guarnicAo de pregas e borda-
dos a 39500. '
Aigodao enfostado a I-:000 a
vara.
O Pav3o vende algodSo americano *nf',3-
tado e muito encorpado, proprio para toa-
lba e lencdes, pelo barato preco de 19000 a
vara.
Diti francez sendo trancado e'muito en-
co
m
Casenii _
0 PavSo vend' ira trance
endo fazenda mm iorque sem-
e liquid
un 1 irancez seiiuu nuu^uuu c uiuuu uu-
orpado, pelo baratissimo pre^o de 19280 0
letro.
JMemiratt a CrOOO e 55000
SOBEMTA E 1NEALL1VEL
imeccao
DO
MATTERRE
I.F.\I I:
!)a Faculdadc de medieina de Paris, cavallicjro da L^iao d'lionra
A blennorrhagia, ou purgacao, ^ uma inflamniacAo do canal da uretra, occasion*
la a maior jwirte das vezes |>ela coimniiuicitcAo impura. NSo 6 uma affoccao geral, qu-
US logar, como a syphlis a accidenles secuulaiio.-. E' uma affecrao puramcnle local-
ttfoctivanieute, ms >ne xa este mal, taes como a copahiba, eubebas etc.. nao prctduzem efeilo senan (Onvmuni,
ando is ourinas algumas das suas composivoes, que, pels sua passagem atravez do eanal-
e tornam uma verdadeira injec4o.
Para que serd necessario carregar 0 estomagn com essas prepara^des nauseabundas a
repugnantes ? Para que e preciso fatigar os intestinos com a sua acji irritante ? A res-
posta e simples :Nao ae tinha ainda descoberto uma mistura que, introduzida direetae
neiite no canal, produzisse os mesmos effeitos sem temer mios resultados. As inject;6e-
lue produzem no canal, sao uma ameaca permanente de aperto, affeccAo muito mais ter-
rivel qu* o nalse pretende curar. Eis aqui porque a maior parte dos medicos, querecu-
am, com rmto, de as tmpregar.
Presentemente, este fundado temor nio existe. A injeccAo que nos apresentamos ao
publico, que conta dez annos de bons resultados, nio interrompidos, nao e irritante. E'
inti-blennorrhagica em teda a extensao da palavra. Queramos dizer, ia causa do mal,
que ella destroe decompondo os elementos da purgacSo e tonificando a mucoza e as
llandulas donde proven a sua origera. A sua applicacAo nao e dolorosa, e se uma li-
teira unpressao se segue & sua introducc,ao, essa impressao 6 de pouca dura, e segue-lhe
ama sensacao immediata e n3o desagradavel. O seu tratamento nao precisa de nenhum
*utro auxiliar para fazer parar em muito pouco tempo as purga^des, ainda as mais re-
beldes.
Quasi sempre basta um sd frasco para a cura, pois nio nos oonsta quehouvesse purr
s'acSo que resistisse ao emprego de dois.
A fim d chegar a uma prompta cura, 0 doente deverd seguir 0 seguinte
RBCIMEM:
1/ De dois em dois dias, tomar m grande banho, e permanecer nelje duas horas,
tendo possivel.
2- Lavar tres vezes pordia a parte.doente com agua fria.
3." Dar tres injeccoes por dia : de manha. ao meio dia, e & noite. Apertar ligei-
ramento 0 orificio do canal, afim de conservar nelle 0 liquido um minuto.
4." llsar um suspensorio.
5. Abster-se do uso de bebidas espirituosas, ou alcoolicas durante o trata-
mento.
i;\nR4.
Ha muito tempo que as Mores brancas, leucorrheas, etc., teem sido consideradas nas
ienboras como causal, a cons'.ituiQSo anemica, que na linguagem vulgar Ihes chamam
pallidas cdres, quando ellas sao ao contrario, a causa do enfranquecimento, e pobreza
so sangae. D'ahi provem 0 erro que muitos medicos commettem ainda, de tralar.es
Ntado geral, em logar de cuidar do estado local, que e a causa dos symptomas gerado
ego e logar proprio este de tartarmos tbeoricamente 0 facto que avancamos, mas acredi-
amos que basta aponta-lo para que tod > 0 medico consciencioso 0 reconheca 0 seu
valor.
A nossa injeccAo tende sempre a suspender esses corrimentos sempre rebeldes a qual-
quer medicamento ; mas para obter esse resultado 6" preciso que seja dada com 0 maior
cuidado, e que penetre ate nas mais pequenas pregas da mucoza, pois que e* ao fundo
la mucoza que esti a causa da affeceao, N6s convidamos as pessoas que recorrerem &
nossa injeccao, a servirem-se, de preferencia a outra qualquer, da seringa direita, forma-
da d'um tubo de vidro do qual a extremidade redonda tem alguns buracos. Estas se-
ringas tem sobre as outras a vantagem d'abrir largamente a vagina, e pOr toda a muco-
m, em contacto com 0 liquido injectado, condicao indispensavel para cura.
Duas coJheres de sopa da nossa injeccAo lan^adas n'uma quantidade d'aguasufficiente
para encher a seringa, bastam para uma injeccao, que deve ser ropetida tres vezes
por dia.
A nossa injeefdo e prophylatica, isto e, evita o mal. Uma s6 injeccao basta, depois
1'ura contacto suspeito, para p6r ao abrigo de todo 0 receio de doenc;a.
NA
PHARMACIA E DR0GARIA
DE
BARTH0L0MEU&C.
34Rua Larga do Rosario34
**x*r sc *'.
56 aRua do Marqttez de Olinda 56 a
(oulr'oi-a rua da Cadcia)
LOJA DEMACHIiXAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal e recommen-
dado pelos grandes depositos e bons sortimentos com que sempre prima cm ter das
melhores, mais acreditadas e verdadeiras niachinas auiericanas para algo-
duo. desde 10 d 60 aerras, e bavendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
mas e mclhoramentos para perfeito e rapido descarocamento ; tornam-se dignas de
sercm vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, ahSm disto, encontrarao
tambem mais :
Apurados vapores locomoveis, de forca
ie 2*/i e 3"s cavallos com todos perten^as,
precisos para trabalharem 4 machinas para
algodao, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladei-
ra.
Carros de mao para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Pitos de ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para comprns.
Apparelhos para jardins.
Guard s-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos do madeiras.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Perten^as avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Moiubos de diversos fabricantes para mi-
lho e cafe.
Debulbadores para milbo.
Azaite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferreiros.
Trens para coziiiba.
Emfim muitos outros artigos, que soavista e neste estabeleomoderaoentp
uaminados.
>Ji 0
:'?-:

m m
ton \:,
^Kua Ho \|>ol!o n. 38 e 40
P--7<"n icipnis i. eu.- frj;na*!- qup tewD peiwa<, *n- iHem t;!Ut,e',ciJo ama t'undi-
rncladi O .su 4i-'ngiM !- .<:-.;n, >-
por, mnfod*- e laxas aa uiuito acrcaiuaa
f;ibri.'a di LAwSfnnr para raa flo Apo.'lo n.
jS^) 38 f 40- ood* coniiDuam ter n ru: ^*^ tKufnt' do Ciii'inm<.
^^ Kan hi sofecw URlbt-.n (| r l~<-w (*ft(. Qio
?*?4 arraaju corn a fun<: en. | ' Seiii ofler^cer .> par* asunuia' u^'iohc
para fabnear ntsxu

O? urojtfiiManiM da lunaigao yural Jaieui
seieDu-i ( -..'ii'.sertts d engeobu mais
cai' dp tn-. t."d!.f.. a ma do Brnin, jun-
to a Btu^ic -los borjii", on :aprontarai'
ijualiiuer 'ib>-a de i4)&intiTi)-a gA'' e prumpudaiK
>!< me-wi rj|!im a* ua. ram olilia rVico lie deixa-
- r'iiciir'iii^odaH pid ca-a rto. Rr*. ^a
a rua do Aooi-
nab-il
HK. -
"?Sj
MS*fltC> ft

"t^l^*
P*~
i!&2
pw
s
t=j
(a
*
3
go
t>s
SRS 9
ffrs
2 iO 3
&?> o e
_ CD S >
"O 3 a
Co. 5 O N 3
3 o 2
. te 5
^ a c/> (fl o D
9 $ Z ~-r*
a
cr-s
E O
3
=r 5 S
C
g o
(B
gig-SB
CT O O 0> Cs
r~* C/> O X & C^
^ c- s M ^ -
11
c
n o
3'g
.o sa. 2.? ^ 3-=>
o g-g-e o?3
rs 1.2 *
a
CO
o
I

=Oq = =
?= =
g en 2.
rli*
D 3 Q.
ra
S=
E V
3 .g
5 3
=r "o 3
O u>
AH PUBLICO
Quoin mais commodo tferece ?
lncontestavelmente a loja de calcadojjestiangti-
ro que mais commodo offerece em geral, com espe-
cialidade ao bello se\, e'o PARIS NA AMERICA
a rua Duque de Caxias n. 59, primeiro andar (ar
tiga do Queimado) e a razao ? a razao e simples
um cavalbeiro (amante do chiquej por ccrto s<
in:ommoda qnando, para comprar um par de bo
tina?, ve-se forcado a experimenui-la sobre um
pequeno e piieroso pedaco de lapete (systerua ma-
carronico) nao podendo desta forma conhceoj sr
a botina Ihe Dca boa, pois, nao tem espa<;o par;,
experimenta-la, ao menos que nSo a e do apenas um passo, que chcgaralogo ao iinmun-
do ladnlho ; o que nao acentcce no Paris na
America, onde pode se passear a vontado e desta
forma conhecer-se se fica bom o calcado : para o
bello sexo, entao e quasi impessivel, qne uma se-
nhora (do bom torn) queira sujeitar-se a expert
mentar calcado ao (ado de um balcao, onde en
ira quern quer, ainda raesrno para comprar : o
Paris na America nao resente-se desta falta ; tem
nm bem prcparado gabinete reservado, para a>
Exmas. qne alii poderao estar em perfeito eommo-
do para a escollia do calcado.
Nao terminam a''i as vantagens ou commodof
do Paris na America a rua Duque de Caxias n.
59, primeiro andar, cousiste tambem no bom sor-
timento de botinas para homens, dos melhores e
maisafamados tabricantes da Europa, como Mc
lies, Susor, Polak, etc., etc., e grande variedade de
chinellos e sapatos, assim tambem um lindo sor-
timento de botinas para senhora, e sapatinhos de
rnuit.is qualulades que poderao satisfazer a esco-
Iha da mais capichosa senhora (do bom gosto) ;
pelo que fica expendido, esla claro que a loja de
calcado estraiijreiro, qoe mais vantagens offerece,
boParisna America, rua Duque de Caxias n.
59, primeiro andar, antiga rua do Queimado
ISS^S fS>SSSQ(CS?|i
%
Precisa-se d
nheira e am criadr
Hospicio B. 40.
/jj| MA.NOEL ENEDINO ItEGO VA- A
^ LE.Vr.A W
meJien, i rua da Camboa do Carnt m

li Consnllflrio nu'dko
y no
an lr. MuHllo.
rff. RCA HA UtL'Z X. 26,1. ANDAR.
\J Hecem-cbegado da Eurepa, oo4.lr-
fy quentou os hospitaes de Paris e Loodres
fi| pode ser procurado a qnaiqnt-r hora do
o dia on da nmite para object'> de sua pro-
rj fissio.
CoKl'J'.a? d'> meio dia a* duas horaa
9: da latde.
* Gratis ao pobren.
* Ksprcia Hd-idr*.^MnlesliKs da pelle, de
V crian'.a e de mulher.
Of Emprepa no tratamento das molesliis
O de sua especialidade as duckos fria* e
) banhox a rapnrT para os quaes trouxe
r' os apparelhos mats modernamento em-
Jfi pregados na Europa.
W. Tambem applica com grande proveito
pL no tratamento das molestias do uteru a
M\ electricidade, pelo processo do Dr. Tre-
Tjf. pier. Cnra p-ir um processo inteiramente
W ik>vo as bit nnorrhagian e sobre tudo a
^(goiU miliurj dispeosaudo as injeccoes.
Deposito em casa de Augusto Caors n. 22J
rua da Cruz.
DKMIST4 M PAWS 4
19 HUA NOVA19
J. M. Leroux, cirur- -:
giao (ientista, succes- -*
5 sor de F. Grautier, es- '
pera con'iiiuar a me-
recer a con&Mica dos
client es da easa, edo
respeitavel publico em %
geral. |
SHERRY uu
(VINHO DE Q11 NQL'l NA HYGIENICO
EPARADO COM OS MELHORES Vl.MlOS DE I1ES-
I'A.MIA DA F1KMA
GALVAIRAC A. G. C. OESEVILHA
ti*

p

.-
"V
FOn.N'ECEDOn DA
J
sua mackstabk
d'hespanha.
POR
A KAINHA
THOMMERET GELIS
PiBiii'maccatico
EX-INTERNO DOS IIOSPITAESDE PARIS
0 SHERRY-KLNA e o vinhodeQuinquiir
que hoje preferem a maior parte dos medi-
cos de hospitaes, dos lentes da faculdade e
dos membros da academia de medieina.
Tem esta preferencia a sua explicae,ao nisto
que offerece todas as garantias que debalde
se procuram nos productos que MUITAS VE/.hS SESACRIFICAM AS (JtlALIDA-
DES TA0 ESSENCIAES QUER DO VISIIO, QCER
DO quinquina (as vezes de ambos) aos lc-
cros da especulaqJo (Yer Giiia, das Aguas
Mincraes. Do Dr. C0NSTANTIN JAMES,
7.1 eiligao.
UNIC0 DEPOSITO
NA
PIIAKMACIAEDROGARIA
DE
BARTHOLOMEU & C.
Rua Larga do Rosario n. 34.
DROGAHIA HOMEOPATH ICA
DA
Viuva do Dr. SabinoO. Lud-
gero Pin ho.
R'Consnltori ? iiicdieu-cjriirgico
-A. B. da Silva Maia.
i

Rua do Visconde de Albuquerque n.
It, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. U.
Chamados : a qualquer bora.
Consnltas: Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas d:i f;rde.
t
43 Run do Barito Contimia esia antiga rasa a ter sempre a venda
os melhores inedicamentos hOmeopathicos em-flo-
bulo? e tintura?, tanto em carteir.is como em cai-
xas, de diversos tamanhos, pelos seguintes precos
fixos :
Em globulos Em tinturas
1 earteira ou caixa medicamentos
1 dita dita de 2V ditos
I dita dita de 30 ditos
1 dita dta de 3d ditos
1 dita dita de 48 ditos
1 dita dita de 60 ditos
1 dita dita de 120 ditos
Tubos avnNos de qual-
quer mediramonto
Vidros avulsos idem
Opodeldoc de Rhus, de
matismo.
Tkcsouro homeopatbico ou VU,-
niceum do Huiunopatha, pelo Dr. S*..
bino 0. L. Pinho, .'I' edirao accrescinlada e m
Ihorada.
Pequeno guiu h tiiK-opnthieo, conteo-
refco
10* <2*
15* 24*
iOt 28*
2i< 3?|
301 401
34| Wf
30* w*
500 rs. u
UO0O e u
Bryoni e pa ra rhe
e
oxontlietn
- Offerece-se um feitor para engenho : na rua | Deserlpeao, bysicne e tratamento
de S. Francisco n. \ia febre amarella.


HHHI


de Pemambnw Seguada Mra 6 ae Outubro de 1871.
n


0 bacharel Mrfttocl
Garros Rego agndece
I
qie Hie presumm,
irma Mar j com
ipeii* .To eemiteria pi!,:
fli i^a^a^e^' >:< r.i? da luaulia.
Precisa-se de uma ama escrava para cozi-
ihar e ensabonr : na ma da Pcnha'a. ?:>
asmsti
nisssa,
0 cunmieudadjivjojo i
'di Silva, nao podeido dirigif.ge a
: todos os sens parenus e amigog in
Mmdualmente, pelo presente conri-
.da-osaouvirem as miseas, qne no
[* 7 do corrente, lam foira, pelas
7 horns da manha, manda resar na
igreja matriz da r->a \ ista pr a'ma de stia fiuadn
e sempre lembra la esposa D. Th;ra?a Julia Pfr."=
Ferreira.
D. Josepha de Menezes Vas-
ooncellos de Drummond
Costa.
I A sociedade litteraria Amor aos
Eft ados manda celebiar na matriz
da Boa-Vista, no dia 7 do corrente
mil, pelas 8 horas da manna, uma
m ssa por alma da Exma. Sra. D.
Jo sepha de Menezei Vasconeellos de
Drummond Costa, mai do dislincto
sochj o Sr. Gaspar do Naseimento Rigueira Costa,
e convida a todos os sens parentes e conliecidos
para a assistir, pelo que desde ja se confessa De-
nhorado. *^
\tieucao
I1,.-
comply.
escrava
>ir> nn 1 run;!
para (n/inhar r
r para duas [ii;-s , quo Scja perita coziuhciro, pa-
gando-se a quantia aciiiia : n tratar no pa-
teo do Hospital n. 28, 1." e -2. an-
dares.
Ainda se precisa de uma ama esirava ou
forra para eoziohar e ensabnar. para ir paxa Casa
Forte : a tratar oa rua da I'euhu u. 23. *
A IVf A -Pre*'8a de nma ama livre ou es-
Lr*- crava, para cozinhar : na fabric* a
vapor de cigarros, antiga rua do Quartet de Poli
cia n. 2t. ...
, MOJTOA
Esta oncouragado !!
toga-se ai.
rivao ita ciii
I
lUga-se au Him. 5r. Fgnaci" Vieira de Mell'i
*rrio ita cuLutr de Nazareth dust* prnvim-ia, o
favor vir a rua l>ii.|U 4f O.xias n. Mi, a cii-
-loir .i jodle ncginrio ijue S. S..se cumpronietteu a
reaJisar, pela terceira rhamada deate jornal, em
tins de dezembro de 1871, e depots pnra Janeiro,
passou a fevereiro e atiril de 1872, e nada cumprio;
e por este mofivo e de oovo chamado para dito
Bin, pois S. 8. se deve lernbrar qne este negocio i
de mais de oito annos, e uuando o Sr. sen fillio *
achava nea pidade.
"j$$-t *$*-**
Precisa-se de nma ama que saiba
A IA engommarou cozinhar: na ma Nova
" 7, Iota.
Ml.
Arvin Precisa-se de uma ama livre ou es-
"^m* crava : na rua do Hospicio n 49.
Amn I'recisa-se de uma que cozinhe ecom-
ALllO) pre na raa ,j0 Crespo n. 80.
AMA
C4SA.
Aloga-se o primeiro e segundo andares da casa
n. 3 da travessa da Lingueta : a tratar na rna
Primeiro de Marco, antiga do Crespo, na loia do
Passo junto ao arno de Santo Antonio
Progress;) da provincia
A melhor machina de riscar papel, vinda ate
hoje para o Brasil, acha-se nesta cidade, monlada
na encadernacio brasileira, a rua Dnqoe de Ca-
xias n. 81, onde pauta-sa e risca-se papel em to
dos os sentidos, bem como livroe em branco de
reparticoes ou commercio, mappas, manifestos,
pantos ou folbas de empregados, despachos, contas
cerrentes e de venda, tudo com a perfeicao e pres-
teza que o freguez desejar. Bern montado como
e8ta este estabelecimento, pode encarregarse de
qualquer encardenacSo, mesmo de luxo, para o
que doura-se sobre panno, papel, couro, velludo,
leda e ptrgaminho : a rua Duque de Caxias nu
Wero81.-:_________________"_____________
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36. precisa-se
airar aos Srs. Pedro d Rego Chaves Peixoto e
ose Paes daSilva, a negocio de particular inte-
"flsse.
Precisa-se de nma ama para co-
zinhar : na rna do Rosario larga n.
28, segundo andar.
Ama de leite.
Uma familia allemS procura nma ama de leite
para entrar immediatamente, paga-se bem : a tra-
tar na rua do Imperador n. 79, segnndo andar.
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama de leite, na rua do Ro-
sario larga n. 88, segundo andar._____________
Precisa-se de uma ama que saiba cozinhar,
e prefere-se nma mulher ja de idade : na travessa
do arsenal de gnerra n. 11.
Precisa-se de uma ama
servico interno de uma casa
quena familia : na I
Caxias n. 43,1* andar.
para o
de pe-
CASAD00UR0
Aos 5:000^000
Bilhetes garamtidos
kua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 5:000$!ifJO em
ious meios de n. 1501, e luatro quartos de n.
1615 com a sorte de 100*000 ; alem de outras
sortes menores de 40*000 e 20*000 da loteria que
se acabou de exlrahir (65*) ; e convida aos pos-
suidores a virem receber, que promplamente serao
pagos na forma do costume.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer ; remio, como prova pelos mesmos
annuncios.
Acbam se a venda os muito felines bilhetes ga-
-antidos da 11- parte da loteria a buneflcio do
collegio dos orphaos, que se extrahira no lia 1 i
do corrente mez.
Prefos
Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*500
c BOOrOOO para elm a.
Inteiro 5*500
Meio 3*750
Quarto 1*375
Recife, 2i de setembro de 1873.
___________Jaw Joaqutm da Casta Leite.
Offerece-se
uma mulher para trabalhar em
costura em qualquer casa particular, preferindo-
se ser dentro do Recife, indo das seis da manha
as seis da tardc ; quern pretender dirija se a rua
da Restauracao, antiga rua da Guia, n. 62, tercei-
ro andar.
Propylamina.
Unico remedio contra o rheumatismo o mais
agudo : unico deposito na pharmacw Americana,
de Ferreira Maia & C.,- a rua Uuque de Caxias
n. 57.
Vaccina.
Chepada pelo ultimo vapor da Earopa, muito
nova, ua pharmacia Americana, de Ferreira Maia
& C.,a rna Duque de Caxias n. 57.
ESCRIPTORIO
COMMERCIAL.
\n, .in i da Praia, 2.
!ASBO\
Lniz Felipne Leile k lrra^s
Executaia por commissao quaesquer ordens das
provincias do reino, ilbas e provinces ultrama-
rinas, bem como do Brasil e outros paizes estran-
^eiros.
Recebem a consigaacio generos nacionaes, c-
loniaes, hespanhik^, fraacezes, i&fltezes, allemaes
e do Brasti, ou mesmo de outros paizes, para se-
rem vendidos no rino oa fora delle
Exeeutam ordens para coiupra e venda de fon-
dos pubticos, nacionaes e estrangeiros. Tratam
da cobranca dos respectivos divideadas.
Promovei.1 no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidacdes, causas dvei* e commerciaes, appet
tajoes e wcurso de revista.
Tem os melhores advqgados na capital.
Para os negooos de natureza especial, como
causas for-enses, administracao de *ens, etc., que-
rendo-ee, ^pode proceder accordo previo conforme
a natureza do negocio.
Solieitam-se dispensas -aiatrimoniaes e quaee-
quer outros breves aptwtulicos concedidos em Ro-
ma ou pela Nnnciatwa m Lisboa, annullacaa
de ordens, e quaesquer outras dep^ndencias dos
tribunaes da Santa Se.
Tratanj da arrecadacao e herancas e adminis-
tracao de bens no contineate do reino.
Obtem documentos de qualquer diacese, distrie-
to admuuVtrativo, conseJho, ou freguezia do reino,
iinas e prffvcH-ias ultra marinas.
.Farem adianumentos sotire consigoacoes de
quaesquer geaeros que .leobam prompta sahida
nos mercados mglezes ou aHemae-. Tambem uom>
pram aquelles que se offoee.rerem em oondicoes
-vantajosas.
Faeem transacts por consignacao ou compra,
sbre minerios, taes como de cobre, climnbo,
phospbatos, ou outros quaesqaer, se convierem as
coodioSes de qualidade e precis.
Dao-e boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Eetaca a tem corrcspundencias senas em todos
os pontoe do reino, em i'aris, Jaglaterra e Ham-
burgo, oa Africa portugueza, em Macao (China)
reino de Siao, Uha dos A cores e Cabo-\'rde.
e aceito as propostw que do' imperio do Brasi
the foreoi feilas por correspondoncia effectiva ou
eventual.
Xa modteidade de suas commissoos. na exact*
dao de suas eoatas e m credito louganunte e-ta-
beleeido faz consntir toda a garantia de bom aco-
lhimento.
Tem corrsspondeatei m Sevilha e outras pra-
cas de Hespanha.
N. B. As enmmissoes #ao regu'adas pela praxe
desta praga______________________>_______
AJada K! fugido o escrave Manoel, preto
de 82 le jilade, tem urn braco cortado,
cravos bos p*s, aio tem barba t iab<' aguardente?
qnem o pegar Jev-o a m anliga Pi
lar n. 74.
I\ 'VI f\ 9,aena fanii'ia : na rua Duque de
Precisa-se de uma
ama livre ou escrava
que cozinhe muito bem, pa-
ra uma pequena familia, pa-
ga-se generosamente : a tra-
tar na rua do Bom Jesus,
armazem n. 40.
MEDICO-CILUJRGICO
W, DO
Or. J. M. Carl*
&L Rna do Marquez de Olinda n. 25, pri-
meiro andar.
Consulta das 9 horas as 11 da manha.
0 Chamados a qnalqner hora.
0 Consultorio homeopa- jj
0 thico 0
K Do Dr. Santos Hello &
mi 41------Rua db Imperador------4! a
2 Consultas todos os dias das 11 a 1 da 55
A tarde.
lag Gratis aos pobres.
tjvjn Precisa se de uma ama de boa con-
^\.illa (jaC[aj para engommar : a rua do Brum
n. 80.__________________________________
Precisa-se de uma ama para com-
prar e cozinhar em casa de pouca
familia, na rua de Pedro Arfo
oulr'ora rua da Praia, n. 3.
AMA
[Tonso,
AMA
Precisa-se de uma ama para la-
var e cozinhar em casa de pequena
familia : na rua do Capibaribe nu-
mero 40.
Attencao
Precisa-se de unia aaia op-
tima coz'uheira, paga-se bem:
a tratar na ru-i do Born Jesus,
armazem n. 40.
Goarda liwos."
Urn moco habilitado che-
gado ultimamente de f6ra,
fallando eescrevendo diver-
sas linguas, ofiFerece seus ser-
vices a quern delles precisar:
para informacoes narua do
Imperador n. 28.
Saques para lodas ascidades e
villas de Portugal.
Carvalho & Nogueira, saccam sobre o
banco commercial dc Vianna, o suas agen-
das em todas as cilades e villas dc Portu-
gal, qualquer quantia a vista ou a prazo e
por todoa os paquctcs: L rua do Apollo
n. 20.
Escrava
fiigida
Continua a e-tar fugida, desde o dia 18 de
setembro proximo passado, a escrava de nome
Justina, natural do Rio Grande do Xorte, com os
signaes seguintes : altura "regular, bem preta,
bem parecida, bocca e nariz regulares, olhos vi-
vos, tem olbar um pouco espantado, falla baixo e
quando pronunci as palavias mostra a dentadu
ra que e lia e bem alva, os p6s um pouco curtos
e apalhetados, aparia o cabello ao meio da cabe-
ca, foi escrava de Manoel Soares Pinheiro, com
estabelecimento na praca da Independencia, do
poder de quern tambem se aus?ntou em tempo,
e foi pegada em Bebenbe lavando roupa, intitula-
va-sc forra:; prcsenlemeiite suppoe-se que anda
por all-uii>. dos arrabaldes desta cidade, ou que
esteja feile ama a timlode forra, ni algnma casa,
ou lina nieote algem illicilamente a tenha em seu
poder, contra quem se pro;neile proceder com
todo o rigor da lei. Pede-se, portaoto, a todas as
autoridades policiaes e capitaes de campo, a ap
prehensao do dita escrava e leva- la a seu senhor
na Capuega, rua das Pernarabucanes n. 18, ou
Recife, arco da Conceicao, loja de ourives; que
sera generosamente recompensada.
- Alnga-se ne*es proximos dias duas boas
casas na>Capunga, rua da Ventnra, com conimo-
dos para familia, as quaes foram concertadaa* es-
lao se pintando : a tratar na rna Duque de Ca-
xias n. 44.
Francisco Guedes tie. Araujo faz puiilico que
vendo o-seu nome inciuido na lists dos devedores
da massa^allida de Amorim, Fragoso, .Santos A C.
declara a quem imcressar, que nada dere a referi-
da massa, por quanto ent" tempo entrou com a
Dane que Hie tocava como socio commaiiditaricl
Quanta a quantia de^ue e concessionario, d 6
responsavel o signatawu do rsspectivo contraio" so-
cial, como tem.dedarado em diversos julgados o
meretissimo tribunal do commercio. E para -que
ninguem se illuda, faz.a prearnfe declaracAo.
Recife, I.- do outuln-u de 187-t.
Aluga se uma ex-cellente casa na povoacao
de Duarte Coeiho, em Glinda, com bons comrao-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
do Amorim, n. 37.
Residencia a rna Nova n. 7, segundo
W andar, onde da consultas das 6 as 9 da
manha e das 3 as a da tarde.
^. Chamados a qualquer hora.
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Casa do campo.
Oflerece se, a quem quizer fazer os concertos
aecessarios, o arrendamento por alguns annos de
graca, da excellente casa site na Porta d'Agua,
que foi do finado Dr. Jcaquim Pires Carneiro
Monteiro, passando-se escriptnra para maior se-
guanca. A locahdade e muito salubre, e a casa
muito fresca, tem magnifico banho de agua dO-
ce em frento, e e muito commoda, visto que o
trem para defronte : quem pretender pode diri-
gir-se ao Sr. Francisco Carneiro Monteiro, em
Apipucos ao Sr. Franci-co Ignacio Pinro, rua do
torn Jesus, ou ao Sr. Caiman, rua do Coramer-
:io n. 40.
MEORON&C.
-------,______________________________
aos compradores do bem conhecido e acrelitado rap6
AREA PRETA, qne reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap6 de outra fabrica e nome diver-
se, e com papel da mesma c6r, enjo desenhc se p6de
confondir com o d'aquelles.
Os apreciadores qne qnizerem do verdadeiro AREA
PRETA, devem para nao serem enganados ver qne
os botes tragam o nome de MEXTRON Sc C, e a desig-
naqao de AREA PRETA.
1
MEURON a
N'a rua do Dariio da Victoria n. 3f> precisa-se
fallai- ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
reira, a negocio de seu interesse.
Hotel Uuiao, praca do Conde
d'Eu n. 32.
Este estabelecimento continua a forneccr come-
dorias com asseio e pron.ptidao, tanto para fora
como para dentro do mesmo estabelecimento, ten-
do todos os dias papa, e nos sabbados mao de
vacca, re ehu-se qualquer encommenda por me-
nos do que em outra qualquer parte. 0 mesmo
estabelecimento tem excellentes quartos para alu-
gar, sendo bastanles frescos. O proprietario es-
perado respeitavel publico a concurrencia e pro-
teccao ; e ao mesmo tempo pede aos seas fregue-
zes que se acbam atrasados ha mais de anno, a
vir..-m quanto antes saldar suas contas._______
3 escravos.
Fugiram do engenho S. Caetano, no dia 29 de
setembro proximo passado, os 3 escravos feguin-
te: Custodio, cabra, de 28 annos de idade, altura
regular, cheio do corpo, olhos um"pouco papudos.,1
cabellos carapinhos, iwuea barba e denies perfet^
tos, tem um talho no largato do braco direito, dous
signaes nas cadeiras do mesmo lado e seccas as
duas unhas grandes dos' pes. Joao, negro, alto e
secco do corpo, sem barba e dentes da frente po-
dres, e pouco gago. Bencdicto, cor muito preta,
baixo c cheio do corpo, sem barba, e bons dentes,
tendo ao Jado do queixo direito signal visivel de
um talho. Tanto um como outro sao de pouca
idade. Ha noticias de que elles tomaram o cami-
nho desta cidade, pelo que roga-se as autoridades
policiaes e capitaes de campo, a sua captura e en-
irega delles no referido engenho, freguezia de San-
to Antto, ou na rua do Apollo n. 3*, escriplcrio de
Silva Arves & C, pelo que se recompen-
Jos6 da
sara.
Na rna das Cruzes n. iS, loja vende-se ama escada de 20 degraos, de amareBo,
bent felta, assim como dous -gradeamentos de lou-
ro com mais de 30 pes, feitos para gnarnecer um
sotiointerno, mas que p;de ter outra applicacao.
Na ienma casa se dirt qaem precisa de am M-
tor que-eatenda de jardim.
Caixeiro
Precisa-sn de umcaiseiro portuguez de 12 a 14
annos, com alguma pratica de molhados e -quade
fiaAjr de sua condueta : a Iratar na rua Imperial
n. 8t. ^
Ataga-se-
o armazen n. 16 da rua do Capibaribe
na casa n 18 da mesma rua.
a traiar
FTNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRDM H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenho e ontros jgricnltores, eGmpregadore? rle m!
oinismo o favor de oma visita a seu edtabelecimento, para verem o novo tortimentoj
omplet i qoe abi tem ; aeado todo soperior em qoalidade e fortidao ; o qne com a ins
>eccJo pessoa! pode-se veriflcar.
ESPECIAL ATTENgAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
ua-nrvrt** a rnHQ Aincrna dos mais mo,erD(,s y^m?s epm ta-
tr ttJJUfOa O lUUaS U aguct. maabos convenientes para as diverts
irenmstancias dos seohores proprietarios e p?ra descaro^ar algodao.
Koendas de canna ie^f 8 lam3Db08' 3S>e]b0Tes qQe ,qoi
Rodas dentadas para 8Qimae8'agDa e vapor-
raixas de ferro fnndido, batido e de cobre.
ilambiqnes e fnndos de alambiqnes.
ItaLUl vilSHIUO e para rerrar mideira.
rlOmOaS ,je pstente, garantidas
Todas as machinal
Faz qualquer concerto
Form as de ferro
Sncommendas.
Csnsnllftrio mdm cirorgico1
%> DO "
S, Dr. Ferreira.
^
Podendo
ser movidos
por agna,
ou animaes.
e pe(as de qne se costuma precisar.
todos
a mao
vapor,
de macbioismo, a preco mui resnmMo.
no mer-
tcm as melhores e mais baratas exisleDtes
cado.
!ocumbe-se de mandar vir qnalqner machinismo a von-
tade d >s clientes, lembrando-lhes a vanlagem defazorem
oas compraspor intermedio de pessoa enteodida, e qne em qnalqner necssidado p6de
let prestar auxilio.
ir&dog americanos e iMtran>MtM ***.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Antigo gabmete de seu pai, rua larga
do Rosario n. iO.
Cura de Indrocelles sem injeccio
com punccao capillar.
Aberliira de abcessos e entraeeao de
derramamento serosos, pelo a^pirador
de Putain.
m
Aluga-se o sobralo de um andar coni cm-
niodos, na rua dus Cepiares n. 3 : a tratar nas
Cinro Pontas n. 3f.
Ha uma escrava pars alugar-se para en-
gommar em casa de pouca familia : a ^uem pre-
cisarafQanca-se a boa condueta : na rua Augusta
n. tto.
Roubo.
Hontem do corrente ronbaram da rua do Li-
vramento n 7, diverts objectos. sendo botinas
para bomens, 8 pares de botas de vaipueu para
montaria. 2 pellet de caaro de lustre, otarroquins,
dinbeiro e ouirns cbjectoa : roga-?e, portaoto, as
autoridades oue f. me cooheci'iicnto e veja se
pdde d'?c.ibrir n* autnres.
Deppapeceu da casa do eu *enb(X" o escravn
Silverio, -cabra aca, idade de 22 annos, soliwro,
sem offioio, natural de Goyaona, foi alii escravo
do Dr. Aslor, alii morador, *|u agora se acba na
Parabyba, olhos grandes e amoriecidos, nariz
grosso e chato, bocca regular, cabellos carapinho*
e vermdlio.% allura regular, secco do corpo, maos
e pes grandes, fatla mansa, foi vkto ha das na
Casa Forte : tpiem o spprehender dirija-se a rua
Nova n. 8, queae gratificara iieni.
se de uma criada e^trangeira para
udaeaoa d duas pessoas ; na rua do JijiperaJor
2J andar.
Aluga Si avas qu : eodnham e fa-
na rua de S. Jorge
n. 74,
J. Dhibaut de Paris
de pia-
casas
Constructor e nfhiader
no*.
Ex-afinador das apjtigas o afamadas
Pleyel e Hertz
e antigo director das ^flicinas dn casa
Affonso Bloudel.
33Rua rlo T-iperador33
J'em a honra de
desta cidade. quejem aberio sua ra-
tos e afinacoos de pianr.u, qnal-iuer que
tadp do Instrnmento : a rua do Impend*
~ Aluga-so a casa %. rua Helta n. 41
carar n> rua do Imperador n, 44, ptanr-ai
FUNDICAO DE FEKRO
k run do Barao do Trinmpho (rna daBrn^J ns. 100a 104
CARDOSO & ISMAO
RECF.BERAM de Inglaterra compleio sortimento de ferragens e macbinas para en-
genhos, as mais modernas o melhor obra que tem vindo ao mercado.
VapOreS de for?a de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
UalQeiraS de sobresalente para vapores.
MOGnQa/S mtCirSS emeias moendas, obra como.mnca a"qai veio. L
lcllXtlS lUnQlQaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOQaS Q aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
ttOClaS QentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
RelogioS e apitOS para vapores.
rJOmDaS AradOS de diversas qualidades.
r OrrnaS para aSSUCar grandes e pequenas.
Concertos concertam com promptid&o qualquer obra ou machiti?, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande obom pessoal.
EnCOmmendaS man(^am vir Por encommenda da Europa, qualquer raachinismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
rtitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
Rua do Barao do Trinmpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
F U NDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
OCC, phMgawwdeo, roe fc Ctlgltooe. /W, nnlc. Prpriett..
lll^llDE
Joaquim Jose Goneakes-._
Beltrao.
Rna do Coiiimcrcio n. S, 1.* andar .
Sacca por todos os paquetes sobre o Lance '
,v> Minbo, cm Brnga, e sobre cfi. sopuintos
gares de Portugal:
Amarante.
Arco do Val de Vez.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilha.
Faro.
Guarda.
Guimaraes.
l.amdgo.
Lisboa.
Mirandelln.
Monc Tonte de Lima
PorVo.
^ avira.
Valpassos.
Vianna do'Caiteflo',
Villa do Corufc.
Villa Nova de Famalicao
Villa Nova do Portimao
I Villa Real.
Vizeu.
I Valenca.
Figueira.
0 mala-dores.
(PAIN KILLER)
Remove toda e qualquer especie de dor I
E' um curativo prompto e admiravel para
feridas, machucadelias e qneimaduras !
Acaba com as dores de cabeca, dores dos den-
tes, nevralgia>, e o rheumatismo agudo !
E' um espeeifjeo seguro contra diarrhea, colica.
caimbra e cholera I
E' de grande ulilidade nas tosses, mal de gar-
gania, sezoes, febres, resfriados e muiias oatras
enfermidades.
0 MATA-DORES, ou Pain-Killer, tem a seu
favo duas g andes vantagens, acima do* mais
remedios :
1." Cura e allma rapida e segoramente.
2. 0 sen preco csta ao alcance de* todos. sn
1*200 por vidro.
Poucas na verdade sio as dores e enfermida-
des que nao podem ser
SEMPRE ALLIVIADAS
com o emprego prompto do Mata-dqres.
Depots de ter visto seus exlraordinarios effeitos
em'nds mesmos, em nossos aniigos e em milhares
de differences pessoas, o pronunciaraos
0 maravillioso remedio I
0 grande salva vidas da scioncia
A riqueza do pobre.
A prcciosa descoberta do ftulo XIX.
Com efTeito, os antigos nunca imfteinaram one
sena possivel descobrir ta-j excellente remedio
Nao tardara muito o dia em que em todas as
habitacdes do Brasil achar-se-ha o Mau-dores, e
o povo entao dira, agora sim, cio temos medo,
as moic",a8 ^ue al6? perseguiam, ago*."* Qi0.'^s 'nquietam mai m an-
tigas d6res e soffrimentos,
remedio e este remedio 6
Davis.
J. 0 C. Doyle, a rua do (
te em Pernambuco.
norque nos deram um
0 Ma;;-D0|W*Perrv
nnliercio. Unico a^en-

HOGG
DE FIGADOS FKESCOS DE BACALHAO
Tiricft, affecfOea escrofuloSas, tosse chronica, rhenmatismoa, fraqneaa
(os membros, coVia. dcbilidade geral (engorda e fortalece), doce e facil
le tomar. Mencio honrosa. ,
Bxi
cada t
~
a marca de fabrira abaixo indicada encobrindo acapavla de '
sco de forma triangular.
Depoaito em Pernambuco, A. REGORD, e nas principles pharmacias.
Carros de luxo.
E in luestfrtnavel qn a i-ocheira da'rua do Bom
S-,", de.ioa |U|;" Paes Peri,a dil Silva. 6 a
que tem as melhores berlindas., cajer.s mnia<; ca
& '.llx- ProprntTpara qualquer
"tiqneta, bailes < art ig da aca-
m mesmos ajaezado- de -xpllontes
es, arreios luxiiosos e boleoiros
do ultimo gosto, para o qne se
lo
do que deixamos dito, eerie* de
ao pomada, e sitn realjdade e
Papel de liiilio viado
a 3J000
a resma, o verdadeiro panel de linbo grosso mar-
m yiado, proprio para cigarros'de policia, para
os Srs. fogueteiros, e para outros muitos misteres:
so no armazem de Jos6 Domingues do Carmb e
Silva, a rua da Mdre de Deua n. iO A.
0 verdadeiro fumo do %io
Novo.
No armazem de Jose Domingues do Carmo e
Silva, a rua da Madre de Deus a 10 A, armazem
de fumo.
in-

I'i
uma grande casa com sotao e cirenlada de ja-
nellas, dentro de muro.eom portao de ferro e boas
arroniiiiodagSes para grande lamilia, 'bastante
fresca, sita no Bm da rna entrar ^a
rna da Lembranca d -se pro-
pi ietario a encaa'ar agua | iara d'mtro, se
assim con\
rua do Capibaribe n."3i.
Barroso na
G
az
de D vois a Sj80 > a lata no Urmaxero de Jose Do-
mingues do Carmo e Silva, a rna da Madre de
Deus n. 10 A, armazem de fomo.
Boa casaajara a iesta.
% uma ) easa no Monteiro^ tra-
vessa do Xisto, aqua! se acha em muito bom es-
Jado de limpeza : a tratar na ru; de
arjo. antiga io Crespo n. JO A, i
iaral & Q.
iifgM
i


AHfc ntotofom m*

/


a
~;ao armazem
^ BO
VAPOR FRANCEZ
KUA DO BA1U0 DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
iCaleado
francez.
Para homem.
! de bezerro, cordavao, peliiea, lustre e
[de dnraque com biqueira, dot melhores
Ifabricantes.
B de be:erro, de cordavao c de case-
I mira.
de lustre com sal to.
ES atamancados com sol* de-pan, pro-
|iries para ianhos, *itio> jardins.
SAPaTQS Je tape^e, cbarlot, castor e de tranca
francezes e porluguezes.
Para seuliora.
DOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
li SAfW^Ulos ^Je phantasia com salt*, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPAT05 de lapete, chariot, castor e de tranca.
Quern pre
Oriados, dirija
Aluga se ifflHs
r'na do -beeeo das i
i hafarix cm I^^L
easada on dous n
mesma.
Aluga se nma exeeltaite casa
gem : a tratar na rua da Ventura
puoga.
21, Ca-
APara ineniaias.
>TAS pretas branras e de cores differentes,
lisas, enfoitiidas e bordaflas.
ABOTF^IADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTIXaS d bezerro, lustre c de cordavao.
ABOTINADOS e sapntdes de bezerro, de diversas
ij'iaHdades.
SAPAT.V- do tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Betas a Xapoleao e a Guilherme, perneiras
ruoias perneiras para homen', e meias perneiras
para meainus.
No armazem do vapor franco', a rua do BarSo
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Gaddras do batan;o, de braco, do guerni>.-5es,
sofas janlineiias, mezas, onversadciras e costu-
i'i'ir.1-, mdo isto muito bom por serem fortes e
lew-. e s mais proprios mowis para binetes de rerreios.
No : rmazem do vapor francez, a rua do Barao
da.Victoria n. 7, outr'ora Nova.
- PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modem*, dos mais notaveis c bem
coabecidos (abricaales ; cerao sejam : Alphonsc
Bldonel, Henry Hers u Pleyel Wollf A C.: no
vapor franctz, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nuva n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos eslractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, ;..;.. de fror, do laranja, agua de toilete,
divina. i ri i, lavande, pos dt arroz, sabonetes,
cos nc-ticis. nuiitos artigos delicados em perfuma-
ria para oraseniis coin frascos de extractos, cai-
xlnnas s .rtiilas e garrafas de differentes tama-
nVo= i!'.,,,:. i! cologne, tudo de primeira quali-
datfc dn bem ,:jnhecidr>s fabricantcs Piver e Cou-
dray.
noarmr.zcm do vapor fraucez, a rua do Barao
daVlcto i?, outr'ora Nova n. 7.
Quiiiquilharias.
ft:'* :os ?t* ilSflfrrcsites gosttoa e
lihumt-.tzZi*.*.
'-' lh dourado* para salas e gabinetea.
para seahoras e para meninas.
!.> li uvio,de li< d E'cociaede camurca
I i> .- i|" ro-iura ornada com inusica.
* A [iiadriiihos para retratos.
:iu p.:'- com vidro di; aiigmeatar retratos.
Hi- i oliras Je ouro b m do Ini garantido.
Diri i de plaque muito bonitas para relo-
-
; a i nitii.t) t; i noes de pualios de pla-
colfps de seda, de velludij e de cou-
cOres.
ibjeclos lie phantazia para cima demesa
t loilelte.
Pincinez de cores, ie p'ata dourado, de aeo e
de tarlaruga.
Oculos de aco fino de todas as guarnicoes.
BeBgalas do luxo, canna, co.;i cast5es de mar-
fim.
BcPgalias divcrsai >m grande sortimento para
lioii'i-:,: i\ uii'ninos,
Cii do baleia e de tnuitas qnalidades
diver
E-; '"as de tarracha para saltos de bolas.
Ponteiras de espuraa para charm o tsigam s
Pen! 1 lartaruga para dcswnbaiacar e para
bar!
Ditos de marfira muito Qnos, para limpar ca-
' -.a.
Escovas para roupa, cabellos, unhasepara den-
tCJ.
Cart irinlias dftihedreporola para din eiro.
Meias para nomens e para meninos.
Qravatas braucas e de ?ela preta para homen?
e meninos.
Campainlias dev moia para cli mar criados.
Jog09 i;( gloria, de dann. de bagatellas, de do-
mino e itros ruuiios dnTirpnles jogninhos alle-
r.. 'S c: frar.cezos.
Malas, bol asc sa^tsos do viagem demareca-
mrolio? do forro.
Arfolinbas do marflm para as criancas morde-
os dentos.
F> ? is i!.' rimes para embalar criancas.
tsnlias do yintes para brajo de meninas.
Carrinbos de quairo roda>, para passcios de
Veueziana^ transparentes para portase janellas
B irlieros transparentes para candieiros de'
gaz.
Esterooscopoa e rosmoramas com escolhidas
-.
l. n rn ts magtcas c mi ricas vistas de cores em
vklr ;.
Vidro- avplsos para cosmorama.
C.l ; de pape) d-< cores para illuminates de
festas.
Bu stali-a; d'-p.ipej deseda mm facil
dr snhir.
Maeh nas d varios systemas para cafe.
Espana lore* de palha e de pennas
TH<:"-!-in!!;is e caniveles linos.
Tapettf c rn vidriilios para mangas e lante-nas.
Tit Imiya hrauca, modelo bonito e bom.
Tiraj^e moldtiras dourada- e pr?las para
Qoi mplos com pa;sagens e phauta-
B^as Je santos, paysagens e phan-
tazias. u
Objeetos fOlfekas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pefllBios de veio com liadas p
Realejo.- ,-rmonieos ou accordions de lodos os
tamanhos. e nutros muitos artigos de quimpiilha-
rias difflceis de BMincionar-se. Ni armazem do
vapor fran-ez, rux d i Barao da Vic oru, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a IOC metres, pes e palmos para
medir terreiios.
Brinquedos para meninos.
A major variedade que se pode desejar de lodos
os brinqueiloj fabxioados em differentes partes
daRuropa para entrdt'ehimenlo das criangas tudo
a pretos mais resumidps qde e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Vic-
toria, outr'ora rua Novi n. 7.
Osiinha.* para ceslnni
Gran'!*' sortimentr le bonitos aiodelos chegados
ao armazem do vajurtfraiiceC gua do Ba-ao da
Victoria (outr'ora N>va) n 7..
Araa e moleque
Precisa-se de uma ama oe saiba eezinhar e
eomprar, para casa de famflta Je duas pessoas, e
urn moleque de 12 a it annos para mandados
paga se bem agradando : a tratax na rua da Pon-
te^elaaj. i.___________________^a
Luiz e Ravmundo.
Continuam aozentes os mulatos, F-uiz, desde o
dia 9 de agoslo do corrente anno, cujo melhor
signal e ter o dedo pollegar da raio esquerda cor-
tado quasi ao meio, de uratalho descacando' um
coco, e Raymaudo em 29 tambem de agosto, na-
tural do se'rtao, que representa 2i annos mais ou
menos de cor alaranjada, cabellos estirados, fa-
zendo voltas quando estao grande-, cabeca i>don-
da, pescoco grosso, pe seccos e canellas flnas e
quando falla apressado ou com medo como que
qaer gagueiar. .
Este motato ja fe uma faga, e foi preio na
cidade d'Areia ha mais de anno, e agora foi visto
no Recife para as bandas da Boa-Vista; e S: Oon;
;alo ; assim como o mulato Luiz, que tem mii
e um irmao moradores no Recife, cujo irmao foi
Fiberto por occasiao da goerra do Paraguay.
Pede-se as autoridades policiaes a apprehensao
de dilos escravos, e a qualqner pessoa, a' quera
alem do agradecimento, se pagara generosamen-
te: no Recife a rua do Bom Jesus n. 30, ou no en-
genho Megaii, na frepueziade Tejucupapo.
JOaquim
Beitrao
'eem ujn veadeMw
CommciWo nJ
AGUAIUM&TE defcajii
c -i de lara
ARGOS de pao para bai
GAL de LisbOa, recenteiwile chegada.
CHAPfcOS de sol, para tawnm e senhora,!
de marlim I Oaso.
FE1XES de forro, Bara HC.
F10 de algodao da Bahia,'da fabrica do
'" meridador Tedtozo.
LINHA de roriz.
escri)
seguinte
xa de 12 garntfda.
lem idem,
. OBRAS de pal'-.eta.
WUtO de algodao da
Bahia, da fabrica
mendador Pedrozo.
nHtOZ de todas as qualidades, das fabric
Peres e Eduardo Militao.
ROLHAS proprias para botica.
SALSAPARRILIIA do Para.
VELAS de ccra de todos os taraanhos.
V1NHO ^Marrafado do Porto, caixas de 1
NHO ajwra^
ftoMesc
scatel do Donro, idem idem. I
dHo Setubal, caixas de 1 e 2 duzias..
da Italia engarrafado, caixas de 6 gar-
t deCollares snperior, em ancorolas.
t de'cajii, caixas-de 12 garrafas.
Mahrasia do Doum, eaixas com 12 gar-
t Carcavellos, idem idem.
Oleado bor
tneza :
rao da
atos.
at>", para cima de
i do Ba-
- 0 a> u Ulpyano CoeUio Calaaho
mudou s< das Crozes, so-
iirado d. i,
Alnga-se
aiBq
o primeiro andar do sobrado da rua Duque de
Caxias n. 44, proprio para escriptorio ou rapaz
soltciro : a fraiar no mesmo, loja. | _^-
Arraazens.
Alugam-se os dous armazens da rua do Apollo,
hoje Viseonde de Itaparica, ns. 34 e 36, com em-
barque e desembarque no caes a qualqner horn
de mares, muito proDrios para qualquer i.estabe-
lecimento ou armazem de recolher : a tratar na
mesma rua n. 51, 2* andar.
COMPRAS:
--v Compr e e vende-se trastes novos
wg e usados : no armazem da rua do Fm-
% ieradorn.48. ^
Compra-se
Diarios a 5000 a arroba : na rua larga do Ro-
rio n. 14, fabrica de cigarros.
ra
UID4CA0
FwiHiicao da Aurora
Grande sortimento de:
Moendas de todas as qualida-
des e tamanhos.
Tachas fundidas e batidas,
idem.
Rodas dentadas e angulares,
idem idem.
Machinismo, idem.
Varandas, gradeamentos pa-
ra jardim, etc, etc.
Tudo se vende por pregos
muito em conta para aca-
bar.
N.B.
G. Starr &C, em liquida-
(jao, na fundi^ao da Aurora,
em Santo Arnaro.
Riia do Cabuga n. 11 A.
Vende so um escravo moco proprio para enge-
nho ou padaria, por prcjo muito em conta.
Casas em Olinda.
Vende se duas casas terreas, sendo uma na
rua do Amparo n 77 e uma na rua do logo da
Bola n. 35, solo proprio : trata-se no Recife, rua
do C.ordoniz n. 9.
Lyra & Vianna vendem para acabar, por me
taile do preeo, os seguintes calcados :
Botinas de pellica do talao e laco a Luiz XV,
para senhora a 73, ditos de vaqueta de ns. 20 e
25 para meninos a 35, focos de dila idem idem
a ij>, ditos de cores ordinaries a 500 rs., sapatos
de casemira sem salto qualquer tamanho a 2*.
VenJe-se uma taverna, no povoado de Api-
pucos comfronte a estacjio dos tnlhos urbanos : a
tratar na mesma.____________________________
Taverna e refinacjio
Vende-se a taverna sita no Varadiuro, em Olin-
da n. 5, a qual lem uma rel'maeao nos fundo?,
com as perteni;as para o tra'aalho da mesma ; o
aluguel e barato, tem commodos para familia; es-
te ultimo negocio deve ser de vantagem por nao
haver oulro desta ordem nesia cidade ; a ra,z^o
de seu dono se desfazer, e ter de ir tomar contra
de um outro negocio no Recife : a tratar na mei-
ma.
Ghapeos para seohoras.
Amaral Nabuco 4 C. receberam um completo
sortimento de chapeos de palha de Italia, seda
e volludo, pretos para luto. ede odres enfdkados
com bonitas (lores e flta : voodem no Bazar Vic-
toria, a rua do Barao da Victoria n. 2, antiga ma
Nova.

Asunicas verdadeira&
Bichas bamburguezas qua vein a este mercado:
na rua do Hanpioz de ulinda n. 51.
Banhosem Olinda.
Camisas e calcas de fazenda de boa qua
proprias para os banbos em Olinda : na I
lircos a rua Primeiro de Marc i (autiga do
n. 20 A, de Gurgel do Amaral & G.
PA1VS0
DE
\lg'dao da Kaliia
Ha para vender da3 seguintes fabricas :
* S. Salvador.
Cofic'eigSo.'
Va"
No escriptorio ^e (jiiz Duprat, rua do Commer-
cio n. >4,'^ anJar._____________''
TfiWlfS
Vende-se mobilias de jacaranda e mais pecas
avulsas, todas bem construidas e por preeo mais
commodo do que em outra- qualquer parte : na
rua estreita do Rosario n. 28.
Cafe deJava.
Gusgou n..va rcinessa dsse cafe um igu.U para
a jon&itaria do Capos M pessoas quo *vam
aebstumadas a saboriai ir compr a-lo a ma do RDperador a. 44
OONFEITARIA DO CAMPOS
n. ZU A, ue uur^ci au rtiaaiai a u._________
COMO SiO LINDOS !f
Os leqnes todos de madreperola,. brancos e de
cores e qne trazem o distico UNIAO -em letlra
tambem de madreperola em alto relevo, tor-
nindo-se por isto aproptiadbs para ndfvas, i NO-
VA ESPEKANCA a rda laiqne de Caxias n. 63
(antiga do Quamado) i quern os ter*.
Sao db tartaruga
Os brincos, broches, meios aderc^os, cruzes
corat3es c cassoletas, que estao oxpostas a boa
eseofha das Exmas. (amantes do chique) vende-se
na Nova Esperanca, a rua Duquc dc Caxias
n. 63.
Aos meninos
A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, acaba de reeeber um Jindo sortimento dc bo-
neoas de muitas qualidades, vindo entre ellas a.-
engracadas bonecas de borracha, assim tambem
uma pequena quantidade de bonecas pcetas que
se tornam apreciadas pela sua novidade.
Ebemutil
A Nova Esperanca a rua' Duque de Caxias n
63, receben verdadelro cimento inglez, prepara
c3o para concertar porcelana6 bem util.
Vestido perdido
Muitas vezes um vestido torna-se inteiramentt
feio, somente por estar raal enfeitado; a Nova Es
peran;a a rua Duque de Caxias n. 63, removi
este mal ; porque esta bem provida dos melhore:
galSes e franjas de todas as cores, onde pode es
colher-se a vontade sobresahlndo entre estas as
modernas franjas mosalcas, quo pela saa varieda-
de de cores, fiea bem em quasi todas as fazendas.
A ella antes que se acabem.
Cabettos bruncos s6 tem quern
quer
A Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, acaba de reeeber a rerdadeira tintura de Des-
nous para tingir os cabellos, o que se consegue
(empretjando-a) com muita facilidade, e por este
motivo, cabellos brancos s6 tem quern quer.
Estao na moda
Os cinturSes de couro, proprios para senho. .j,
Se recebeu a Nova Esperanca a rua Duque de
xias n. 63, estao, sim, senhora, estao na moda !
Se quereis ter ou preparar um ramalhete de
cheirosos craves brancos para o vosso casamento
ou para outro fim apropriado, e necessario ir a
Nova Esperanca a rua Dnque de Caxias n. 63,
que alii enconlrareis os melhores ports bcvqxicls
que se pode desejar.
Bolas de borracha
Vendem-se de todos os UtnkuMM a rua Duque
de Caxias n. &K na Nova Esperanca.
Rua do Crespo..
Conliuuii a under bara
ajmr nimio.
Brins de linlio de cores (pechinea) a 1*200 a
vara.
Puslao brancu para roupa de meninos a 560 r*.
o covado.
Lazinhas escraezas a 240 e 280 rs. o covado.
Alpacas com li-tras a 500 rs. qovado.
Brins pardus e de cores a 400', 4i'0 e 00 rs. o
covado.
Brin lona brano a Ji600 a vara.
Cambraias pretas para Into a 210 rs. o covado.
Craone de listras a 5W rs. o covado.
Chitas roxas a 20) e 240 rs. o covado.
Gro-denaple poeto de cordan a 2J40!) o covado.
Coberlas de chita adamascada a 34=00.
Colchas branca< eihcodss a 33500 e 4^.
Lcn;6es de bramante a i%.
Ditos de aigo lao a U400.
Toallias alcopl.ua las a 6 a.duzja.
Leuqos de cawa .com-mrra a l a duzia.
Ditos de dita abaiuliados a 2 5.
Ditos do esguiao aDiahpados a 3*300.
Cambrai? hsa a 3s e '4ab00.
Dita Victoria iiua a 3t800.
Atoalhado a 2i a vara.
Cortes dc cascniiia fina. a 5^;.
Fu*toes do eprps a i, o corte,
ChaHes do merino !i Ditos de dijq'astampado a 4*. 453.0 e 5*C00.
/tlgfjdao do lisfras americanp (c/jrn toque)' a 320
rs. o covado.
Cajpisaj in^Jozis a 3$5 > dyjja e .3^jjfli) acia.
Esguiao Bui a 2* a vara.
PW .fiMto.,Haj>{w^ *fe Jki*a.
'Dito de. liuiio aTtfJiO^.,* v^a
nbraia do ijnno Algodao -T a 5 a p -jja.
MadapolSes bliratos.
So na rua do Crespo n. 20.
I>oja He
Guilherme & C.
Vende-se
am excellente cavallo novo proprio para cabriolet
e sells, por preeo nrtiito em conta : a tratar e ver
-oa-raa do Bram .-W.
Vende-se
um vapor de forca de tiaco cavallos, novo, proprio
para qualquer mister, com bronzes de sobreea-
lentes, por preen commodo : ipara w, nc arma-
zem do Barao do Livramento, e tratar a rua do
Tprrei n- 32, ,2andar._________
Vende-se o terreiwn. 35 4
du. muT*do, com aerTeotia para
a tratar na mesraa rua, taverna
hr-f pHal portugtm.
Nenhuma machina
m\W iliBSAL 'Singer 6 legitima se
Rda do Barao da Vicloria n. 21/V. .
DE inao levar esta mar^a
CaWWPO' 1&HHiav ta no bra^o da ma-
tom ciie-,; china.
1?m& evitar
e grkhde estabelocirnento
gado um bom sortimento de machiuas paraj
coifora, de todos os autores mais acredita-]
dos uHirrrafHenteua Eoropa, cujas macfainaSj
sfio .garantidas por um anno, e tendo um j
plarflito artista para ensinar as mesmas, em,
qualquer parte desta cidade, como bem as- j
sim concerta-Ias pMo tempo tambem d'um '
anno sem despendio algum do comprador.!
Neste estabelecimento trnibem ba pertencas
para as mesmas rrjachinas e se supprc qual-
quer peen qae sej4 necessario. Esta* ma-
chinaS trabalham com toda a pcrfeirio de
um e dous pospontos, franze e bor.le toda
qualquer costura por fina que sija, seus
pregos sao da seguinte qualidmle : pnrn tra-
balhar a mao de 30J5000, 40-300G, '.^OOO
e 5OJW0O, para traballiar com o p;: ^ao de
80?M)00, 90JJ006, 1005000, 110-3000,
120*000, 130JC0G0, 1505000, 200^000 c
2508000, emquanto aos autores nao ha al-
teracio de precos, eos compradores poderao
visitar este estabelecimento, quo muito de-
verao gostar pela variodade de objector que
ha sempre para vender, como sejam : cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para salas, ditas de balauco, ditas para
crianca (altas), ditas para escolas, costurei-
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homem e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
qunnos, apparelhos de metal para chi, fa-
quciros com cabo de metal e de marfim,
ditos avulsos, colberes de metal fino, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar s8las,lavatorios complctos, ditos
simples, objeetos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto de^de as 6 boras da ma-
nli.l ate as 9 boras da noutc &
Rua do Barao da Victoria
22.
takafi-
notem-se hem
4a
marca.
AS MACHINAS PARA COSTURA
NAO TEM
MAIS DE ll'lllIIU) TEM-SE YfliMDO
Porque?

n.
Nao ha mais cabellos
19*
TlflTLtRARIA JJLPOHEZA.
So e unica approvada pelas acadwnias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido ate hoje-." Deposito princi-
pal A rua da Cadeia do Recife-, boje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
BICHAS BE HA1BDR60
As mais rccentes e melhores.
Vendem-suna pharawcia e drogaria de Bar-
tholomeu A C., rua Larga dosario o lln. 3i.
SEGHEUO ECONOM1A E CKLERIUADE.
Obtera-se com o uso
DA
IMJEGCAO SHOST
Unica, bygienica, radical einfaUml nacu-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
toda especie, rocontes ou chronicas; e que
offe,rece como garantia de salutares resultados
a continuada applicacSo que sempre com a
maior vantagem se tem fcito della nos hos-
pitaes do Paris.
Unicu deposit parao Brasil, Bartholomeu
d\C, ruaLargado Ilosario n. 34.
Setineta para vestidos a 600
rs. o covado.
Receheu a loja d i America setineta branca com
duas laryuras, fazenda muito propria para vesti-
dos e ca:aquinlios do senhora, e tambem para
roupas de meninos : na rua do Cabuga n. 10,
loja da America.______________________________

St;:
^R
,11 VillJU liViUl/dlt/ILIUt
De forca de d is a seis avallos : a venda no
armazem de JoaquUn Lopes Machado & C, tr-a
vessa do Corpo Santo n. 2o. -
A vista desengana
madapoiao franoez a 63>900 a pega
Tem a loja d'Amerira madapolSo francez, e
bom, e vende por este pre? para acabar; na rua
do abrrra n. <0. lo.i a d'A meri ca.
_----------------1------,--------..''< *
Abilio
Tci-ceipo livra i
o prejo 2^500
fica reduzido a 25000
______LIVRA.RIA FRANCEZA._________
Bramante de 4 larguras a
U600 a vara
I se bramante de quatro larguras mnito
lenses' na rua do Cabuga n. 10, loja,
le-so uma casa terroa pequena, edifl-
rreno proprio, na travessa do Encana-
tratar na rua do 4rag3o n. 11.
Sao as melhores
Sao as mais baratas
SSo de dous pospontos
Sao nrais sifwples e rapidaS
Sao duraddras e aperfoicoadas
Sao util cm uma casa.


Faz melkor costura com metade da linha que gastam
as outras e fornecemwnineio de
TIDA
rara aqiielles que [m de suslenlar-se
DE
iiE
Querem agradar a yaya ?
Querera agradar a esposa?
Querem agradar a ldha?
COlll'REM UMA
MACHINA DE SINGER
Nenhuma casa esta complete sem uma
MACHIM DE SIH&ER
Sem caixa 80-500D. Com cnixaj90S00O
UNICA AGENUA
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADO'R Ai
Labvrinllias,
No escriptorio de Gomes de Mattos, Irmaos, d rua da Cadeia
do Recife n. 40, 1. andar, e o unico deposito do que ha dc-
melhor, c bem acabado, que vem a este mercado, da cidade do
Aracaty no Ceara\ quem os cornparam com os feitos aqui na
terra, facilmente reconhjcerd a irnmensa differenca, que vai
deuns para outros, tanto em preeo como em qualidade.
Lindissimas toalhas de labyrinlho.
Fronhas dc diversos tamanhos.
LenQos do todos os precos.
Bicos e rendas emprofuzao.
TASSO IRMAOS & C.
Em seus armazens & rua do Amorim
n. 87 e cae3 do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodos
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas ae descaro^ar algodao.
Machiuas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Phosphoros de cdra.
. Sagii em garraf3es.
Sevadinha em garrafoes.
Lentiluas em garrafoes.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Porto velho engarrafado.
Vinho do Porto superior, diso.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Potes com lingnas e dobradas ingloias.
Liceres Ados sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toueiniio inglei.
Barris comrepolho em salmonra.
Batistas,
om barra a 400 rs. o covado, rua do Queimado
n. 43.
E' barato I I
Baptistas flnas com lindas barras gosto a :tdae>
la, ultima moda, pelo diminuto preeo de 400 rs.
o covado, loja de Guerra & Femandes. liose
amo9tras.
Yende-se
trastes de jacaranda e amarello com pouco w .
cm perfeito tstado, e umbcm um meio apparel! j
de louca para jantar eum dito de porcelana, flno.
branco, para almoco. Vende so por ter o dono d;-
se retirar para Europa : na ru* da Fmperctri/
n. 54 A.________________________________^_
Potassa da Russia em meios
barris a 500 rs. o kito
Desembarcada lia poncos dias vende-se. o
escriptorio de Oliveira Filhos & C, largo do Carpo
Santo n. 19.
far
VENDE-SE M
8s desapoti. abacale, parreira, roraeira, pinbeira.
arangeiracravo, roseiras de varias qualidades, e
outras flores : na rua do Viseonde de Govanna n.
iOi, outr'ora Mondego.
Machinas
Por baratos precos para descarooar alfcdoo, oe
12, ii, 16, 20,25, 30 e 3i serras.
Cunlia $ Manta
tS-Rna Marqnea Je
VENBE-PE
barris com oarae de vacoa e de porto,
para mantimentos de navios : no arroaawaw Tt-
o Irmaos & C. a rua do Amorim n> 2S.
Vande-seum efo{raaee(ea'p^to -
1m i atr*iaraaraAePintoAparo.
"*^-
ll^HB^HH


i

.
iario Je FcraaiR&u* 3eguiu$ai feira & <& Qutnbn

11 i
TtTmnfctit
*jt*\tv> *?i>
iafdo,Bafaoida
nsmros
SOAWSS LEITE, LMAOS
UNIGOS AGENTES
Rna do too da Victoria n. 28
Va mala simples, as maieWatas e as melhores do mundo!
Na erposicSo de Paris, era 1867, foi concedido a
MI
Xn lojade Scares Lei
Ltms de police: cemp< 20D rs. iiMhos 0 pfcfda.
rt verdadwo*
f;A* terida, de b
na.ro. Pcurae oa Afl.h Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a condecora-
$1 da Legiao de Horira, por serem as machinas mais per-
feitas do mundo.
Caixa de linha de *)rca, tfWW rs. I ffasco com 'olbo. Onza
Lnniparinas a ga, dand 'irma1 luz muito WWft.
boa, a WOOO.
j Dozta de necas de cordon -ftHpertwr, a
2iOrs.
Caixa da Jpt6cs de osso para calca, a
200 rs. kivA ,t*i
Duzia de caTreteis de linha, 300 jardas, a
600 rs.
Idem idem 69 jardas, a Z^frts.
Maco de frta chineza, a 800 fe.
Caiia dte linha com rt.W^lfos, a 900'rt.
Meios aderecfts com eaaiafeu, a 3001*1. Pote coito'toiata de Rreger, RimePe Sros-' a a*mi* branca "a
Garrafa detinta Voia 'extra-Una a t&OflO acl, liTCO. ,' recebeu nevo
Idem com to.iico de Kemp, verdadeire,
1*000.
fltfriftrte agnaftoridaTBrdadeira *tt00
Cffltrtta d'ngna japenew, a 1*000.
'idemirfemdftma, a 1*000.
Idem idem Magdalena (noviJade)
Caix"a dc p6s para denies, a 200 re.
Idem idem-de pOs- obinez, muito bom, a
SOO rs. e 1*000.
A aguia hnn
aeapa de i -a-aa j.preciavel agna
florida pa, elkis pretos. 0 bom re-
sultado coHiido par atom tem fcito use desea
inoffeosiva preparatil&HMialumtnio caaceitua-J
dp, e por isso apenas se faz lembr ar a quem no-
vamente della precise e queira se aproveitar de
1 sai atilhtado. Tambem vcio agna de topasio e
Vb florMto para o raesmo nio, e ao acredilado?
como aquulla.
ngn^&dT, prcta, <
1 Ml -
a tOO e
de, sabonetes de
amende*,
A medalha de oaro, confcrida a E. Howe Junior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de
tura.
COS-;
i
Duzia
3*000.
Duzia de sab
tes, a 2?00.
Idem idem com ffOres, i 1*500.
lanjinbo transperen-
SabonerSS Crycerino transparentes, a
OOr)
1*000.
Potes com dita ingleza,
160 rs.
Caixa de pennas Perry, mu-rto boas,
1*00. /
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de'enveloppes tarjados, a 500 rs.
Idem idem forrados, a TOO rs.
Caixa depapel amisade, beira dourtda, 'fteaixa com stfbonetes, formate de ffuctas,
t a 800 rs sJ'0OO> i*-lt\(\
A medalha de ouro na exposicgo de Londres acreditam ,." ., ., .. v a i^uov e ir&no.
Wera idem idem hsa, a 600 rs. Cosmelicos, graudes o peq.irtios, a 100 c
N j Duzia de talhercs cabc branco, 2 B., a 800 is ft
! 5*000 Frasco comaguado cologne, a 200, 320,
Rosma de papel pantado, a i?000 JJOOrs.e 1500#.
e528<>- -mtfaoi muito fin -is dos m-lhores au-
Cabe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Noyii-; Idem idem 'iso, a2?800, 3*500c 5$OO0. tiffeT*'
vri, estabeleceu nesta cidade d rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agenda' Cocjues modernos, a 3?00o Lindas eelegantes caixibbflrt, com perfuma-
ral. para em Pernambuco e mais provinciasse venderem as afamadas machinas de cos- Dnzias de pecas de t'nrir'as do t^aracol rfss, proprias pafa pn's^ntps,~ dos atrtores
-"'ii dfl'flowe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicao de seu trabalho, branca, a iOo r.. E. Codrav Kieintf fleile r'i4ns etc.
sipregando uma agulha mais curta coma mesma qualidadede linha que qualquer outra,' r,im :,iomi: -., qnn ,, ,,, i "' '.
. pela introdu^ao dos mais aperfeicoados apparelhos, cstamos actualmente habilitados a uSJSS*. s7nd lo a 2-000 U das ^ ^ **'
^recer ao exame publico as melhores machinas do mundo. i e w*00< v fc^ ^ e ^^ lr;, ):iI.cntes e ta
As vantagens destas machinas sao as segmntes: | Rta de veikdo de todas as c.,n-s c- lar.u- p
Primeira.0 publico sabeqne ellassao duradouras, para i.to prova incontestavel, a
rafazer os cabellos pre-.
Voltas e brincos de grossos
aljoiaces de cores.
A agnia i'raoca, a rua do Duquo dj Caxias n.
30, recabeu novas e bonius \0Ua9 e brincos de
grossoa .-ljofares de cores, e. come' sempre conti-
nua a vende-lai por preco commodo.
Novos dfademas do'iirados e
nrcamstancia de nunea terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
f mao. J
Segnnefa.Contera o material preciso para repsrar qualquer desarranjo.
Torceira.Ha nellas raenor fricgao entre as rfffeWM pecas, e menos rapido estrago
*> qWe nas outras.
Oufarta.Formam o ponto como se fdra feito & m8o.
'?uinta.Permitte que se examine o trabalho de am bos os fios, o que se nao consegn-
j outras.
Sexfa.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um & outro lado,
*sgo era seguida, sem moditicar-se a tensltt da linha, cozem a fazenda mais
*n.
Setima.0 compressor e levantado com a maiorfadlidade, qaando se tem de rrradar
*e gutha ao comecar nova costura.
Okava.Mnitas conipanhias de machinas de costura, tem tido epocas de grandera e
'eeadeneia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffrerara
ondwujas radicaes para-poderem substituir : entretauto a companhia das machinas de Howe
dopfando a opinijo de Elias Howe, mestre em artcs mechanicas, tern constantemente
'igmentado o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto que fa$a 600 machinas
eta

s- Uma-grande taboleta propria para qual-
Microscopios com 12 vistas,a 6?000. qucr loja.
i
Bonecas de cera, idem borrwha e boias de todos os tamanhus, candioiros e'gaa.
objectos de porcellana, gaiollas de arame, moldikas para qnad-ros, machinas de mad
para costura, transparentes para janeHas. e um complete e tsriado sortimento de miude-
zas, que se torna longo mencionar.
Rua do ISarao da Victoria. 28
:
^"la machina acomnanha livretos com instruc^5es em portuguez.
4 9.0*000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 2 8.
>'i
BAZAK DA fiUA DiREITA

______

"
4--Rua do CabugaN. i

JOSEPH RRAJ28E cV C.
i.i
DE
HOJh
If
Et.de e^tabelecimcnto sfinpre solicito em ofTerecer a concurren. i;i do respcit.ivel pu-
Mico um coiup'.-u s'j;ti;nei)i'> dfl miud^zas, eak^Mb) francez, chapeos e quinquilliarias a
>iqm os mais raxoaveis possivois, para o que recebe quasi todos os seus artigos de pro-
...*ia M itfqmAtim pole avali.-ir us uneg<)6 .ie '.ntros mu i .; ; se torrtaria enfaduuha pu-
iicar.
>UUDEZAS.
1.8 pira bordar, da m.Mhnr qualidade. 1
ibfa pur jjJaOl).
iguHias fraiiccz.H, fun.Io dourado, a ai-
-iiiii3 com i papeis h HO rs.. 2it' -s.
Voltas de tila de velludo eom lindos ce-
rajdes fingindo m*lBeperola, a 500 rs.
Voltas para opescoco, fingindo camafeu,
i;orapanhadas com 1 par de brincos seme-
hante, tudo por 2^500.
Linha branca de 200 jardas em carriteis,
propria para costura de machina, a 800 rs.
i duzia.
Dito da dita de Alexandre, nuraera sosto do freguez, a 1^100 a duzia.
Diademas dourados de 1S05OO a 3?M)00.
Ditos de tartaruga com flores a 2#000.
i'itos com borboletas a 1#5Q0.
Brincos enearnados 1 par por 500 rs.
Ditos de plaquet de 500 rs. a 2$000.
Oitos dourados, duzia de pares, a 1Q)500
29000.
Voltas de aljofares com brincos, a 2JJ500.
Ditas de ditos com corac,6es a 19000.
Ditas de ditos do contas com cassoletas, a
800 rs.
Hosetas de plaquet a 19 e 19500 o par.
(Iravatas de seda para senhoras de 19200
aaooo.
?arures com 2 la^os para cabeca e peite
39 e49000.
~ntremeios e babadinhos bordados de 360
. a 29400 a peca.
haloes de seda brancos e de cores, de
f 500 a 29500 a peca.
Ditos de algodSo e seda, de 19 a 19400
peca.
Ditos de algodSo, a 100 e 500 rs. a pe$a.
Trancinhas de cores, a 100 e 500 Vs. a
peca.
Leques de marfwn a 59 e 89000.
Dltes de sandalo a 49500.
- Ditos de madeira iraitando, a 29000.
Ditos de papclldes a 19800.
"toques para senhofa, a 39, 39500 e 49.
Aderecos'fingindo coral, compondo-se de
!finete e brincos por 29000.
Dito dito pretos por 29500.
Ditos. de plaquet, corapondo-se dealfinete
e brinco, sendp de muito gOsto, por 59009.
----------------------i-i-------------------------.ii. ___________
MlfDEZAS.
Brincos dito de dito por 29500.
Botues !. mult pretos e de cores, a 800
rs. e 15900 n Franjas Lraucas dc seda de todas as lar-
guras, a l^ii'Oii J?*wO o metro.
Ditas de cores e pretas a 800 rs. e 19000 o
metro.
GalOcs pretos de seda, de muito gosto de
800 rs. a 19000 o metro.
CALCADO FRANCEZ.
Botinas pretas gaspeadas, para senhora, a
49500 opar.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, & 59000.
Ditas pretas enfaitadas, ultima moda, a
69000.
Ditas dita de cores, tanno alto,onfeitadas,
a 59500,
Ditas para meninos, pretas e de c6res, a
39 e 49000.
Complete sortimento de calgado de case-
mira, Chariot, tapete e tranca, mais barato
jO % do que em outra qualquer parte.
CHAPEOS.
Ricos chapeos de palha d'ltalia, para se-
nhora, a 119000.
Ditos ditos palha escura, da ultima moda,
a 169000.
Complete sortimento de chapeosinhos para
raeninas.e senhoras, de 29800 a 59000.
Chapeos de sol de seda, inglezes, cabo de
marfim a 169000.
Ditos dito de merino, cabo de metal mui-
to bonito a 59500.
Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 69000.
Ditas dito cabo de marfim a 99000.
DIVERSOS ARTIGOS.
Granadine para vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, com liatraa de seda, a 650 o co-
vado.
Pannos de crochet para oadeiras, a 19800
e 29000 cada um.
Ditos para soft, a 39 e 49000.
Toalbas de linbo para rosto, a 19300 cada
um-
Ditas de algodao alcoxeados, a 6.40 re.
Colxas de crochet para cama de casal, a
"00.
GOffiSDEMATTOS&
Avisam ao respeitavel publico drsta ca'dtfde que'o sbrtftnento de joias, de subido
lor, que cxistia em sou ostabcl.-i-imnntrt, os'J completaiheWte Pefor^add'ebm o mais ele
gante sortimento de novas joins, quo rcceberam dir^ctatnente peloultiim> Va'por da Eu-
ropa, constanlu ellc da mais variado sortimento' de ad'er<;0S'* Boulevard, pulseiras dc
ultimo gosto com pedras preciosas o sem'ellas, brincos d'argola, agralles para relogio de
senhoras, delicados adororos para meninas, meioS'adere^osde ramafeu lindissimos, voltas
de nogordi< para senhoras, corrcn'lcs ingloz'a's' ffe-birro e de'pfattna, variada quantidad^
de botoes para punhos e peilo, com ernblercns maijonicos, de Onix, tecido de ouro, cana
feu, etc., brilhantes monstros de rarrssimas agoas, em armcis, rozetas, pulseiras, alfire
tes e botoes, e outros muitos oojectos do ouro de;inelhores fabricantes de Paris, que s*
venderSo com grande reducf;ao Tie pretos., porserem eUes1 rec'etVi<>os dircctamentcde seu>
commillentes.
Os proprietaries lio acredilado MU7.RU I)K .!OI.\S, tendo wni Mtabelecimfnto aberti-
ate8horas da noule, convidam as familias que se quizerem prover de Hildas joias,
virem escolhedas i vontado. para o que e='?- em exoosic^o nos m istradon-*.
-
iinii
DO
' BAZAR NACdONAL
Rua da Impeuatriz n. 72
DE
Louienp Percira NeodesGuimarae^
Declara a seus freguezes que tem rosolvido vender o mai6 barato que for possivel.
saber :
CHITAS A 160 JE 200 RS. 0 COVADO. I CORTES DE BRIM BE CORES A 19500
Vende-sc chitas francezas largas com, to-1 Venda-se cpttes de brim de cores par.
que de avaria, a 160 e 200 o covado. Di- calga, a 19500.e 22000.
tas limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado. j BOTINAS A39000-
CASSAS FRANCEZAS A 330. US. Vender** botiaas para senhoras, a 39000
Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs. 39500, a elias antes que se acabem.
o covado.
LASLNUAS A 200 R.
ROUPA FEITA NACIONAL.
Venderse. cawiisas brancas, a 19600, 1
Venuo-selasinhas de cores .paw ves,lrt4os.,.2Jl)300,.35Q00.e 4^000.
a 200, 360 400 e 500 rs. o covado. j Cfllc^sde. H*WW de cores, a 59,69
ALPACAS A 400 RS. ,7^.
Vende-sfl alpacas para vestidos a,40QK50Q, P,alitots.de casemirR, a *9, 69 e 8900*
640 e 800 rs. o covado. Seroulas a i& e 19600,
COBERTAS DE CHITAS A l*6,0fc RfiJM M CQIU5 A 440 RS.
Vende-se cobertas do chitas de qv^t, a< Vende-se brim,de tod as cotesa4*
19600 o 29000. Ditas de pelU> *,M^ IP,.flbccado. '
Colxas de cores a t9$po, WMkfi ^9300-
CUALES DE LA A.tyiQ RS.
I.ENQOS BRANCOS A 29000,A DUZIA.
Vender-se a,iiia de len$os brancoi,
VentnACbaICS deli de ^ffiwfeA.-8'^ipOSO. .p>toslcorn,bafrasdecoresa3900
rs. e 19000.
m
Lyra & Vienna ven
e_dojyeco, as segui
a tniz X.
para acabar, por raeta-
i da'^tU idem idora aZiS^Ol); ditos de cores,
larios, idem aOO reis; sapafos da cafieiaira
salto, qralquer tamanho a S/000.
i rua do Barao da Vict6rla n
Tbalhas de labyrintho
-
'i5*,el|l*s ditas da mnMaite. M a;lS, para merrfno a3jf,; ----------------. "A ,A>NTA-----------------
toeos de ftu idem idora i z^ftOft; ditos de cores, AOTOVeitem
ordmarios, idetn *W rtls; apatos de ca&eraira .- *. ^y^^^^^wfuk
sem salto, qcaliiuer tamanho a 5*000 A,n m. 8 rfca do Barao da Victoria n 8 da wet*-d,8 la com Deqnenas palmas e Mtpiees dn
' cores, aenUo algumas com bar as, e uma lazanda
recommendavel pela quaiidade, pela larpura Ie
'.ttbynntho, propnas co de 500 rs. o covado : jia rna Dnqoe de Caxia;.
ALGODAO'' A'89Sw:
mn t l'
Jende-se pe^as de algodfio, a 39S0O, ift1''' Veird^.seJrtanadTftes oom'listras d sAla
* "**********; w fsasf--" *'i*'
Vende-se bramante com ^O-paflfiMrMf COLttfM DE CROCHET A9000.
l&rurapar*ki$61-'a 19600, 29 e *00|6 Vende-sericaseolchaade croche't para ca
metro. -%. *
ORANDE ErQWOACADR8AB(:TB& t80 RS.
Vende-se uma grande potcai
tes inglezes, a 200 rs. Ditos (
chejrq a .320, e 500 rr
ara -fiapftsaiios -e casameriloj.
a. 88, loja de Bastos Irmaos.
I
W? de liBhotAtteMO.
Tt-
com pedras.
a rua do Duqnc de Caxias n.
sortimento de bonitos diade-
nae dourados e com pedras, tan to para meninas
como para senhoras.
Collecqoes de traslados ou
norraas para escrever-se.
A aguia branea, a rua Dnque de Caxias n. 30,
rpcebea novas ci.IkiQoes ou ncamas para as crian-
<;as aprendf rcm a c.screver por si nresmo, hoje tao
nsadas nas aulas- e collegios; e como sempre ven-
de-as por pre.o commodo.
Jleiaa cruas iinas para meni-
nas e senhoras
A loja 4'a-guia branca, a rua Duquo de Caxias
n. 30, recebeunovu sortimento da^uellas lao pro-
caradas ineias cruas para senhora, vindo igual-
mente para iiicmnas, e continiia a vende-las pof
procos coiimiodi)-.
Ycos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia brauca, a rua do Duque. de Ca-
xias n. 50, reecbeu bonitos- vrjos ou mantinhas
pretas dc seda com (lures, e outras a. imitacSo de
erocbe, e Teoile-ae pol baratos precos de 3i,
i* e O'^OOO. A fa/iHla i boa^e: fcta em pcr.'tito
e."tado, pelo que continiia a ter prompta uxlrac-
rcrfeita novidade.
(sfampos com borboletas, bezuurcs e gaia-
niiotie dourados e coloiidos.
A kijaidaiagw'a. branca, a raa do Duque de
Caxias n. 50, receben sovos grarnpos com bor-
bdetas, bezouros e gafsnhotos, o r,uc de Certo
perfei'a niv;d por isso eai brew fle'ftcabara.
Novas gollinhasornadaseom
pelucia ou arminho
A loja d^igWa. branca a re a Duque de Caxias
Id, rerefceu uma ijetpiena quantidade do boni-
s e novas golliuhas, trabalho de \i e seda, en-
neitadas com arminho, oh'ras estas de muito'gosto
9 inteiramentc noras.
Grarnpos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da agnia branca, a rna do Dtrqne
Caxias n. 30, recebea rrovaiente bonitos grarn-
pos, brincos e rozetas dourados ; assira como
novoa diademas de a^o, c cumo.s-empro conti-
nua a vende-fos por pretos razoaveis
-Caixiuhas com p6s dourados
e prateados, para cabellos.
' ide-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn-
uue uo Caxias n. 30.
Luvas de pellica pretas e de
oukas cores.
A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
xias a. 50, reecbeu novo sorlimentD de luvas de
pellica, pretas e de outras cores.
ie-se a taverrfa
com uma excetlente
casa de esquina eiJtiW lit mercado n
commodos e horn,Animal tfm bcuub*
motivo J* ItMHV^ JfflKPIr,
se a casa : a tratar .ftloumWa.
rondos ; r>
e garante-
Armazem do fiii
Rua da Madr* de Dcus n< to A.
Jose Domingues do Canno
seus freguezes e amigos que a
s qu
n. i(
_ laoa
B^Ba a
rua da Jfadre de Deus n. 10 A.
pleto sortimento de fumoem faW';
f." e 3.* sortes, dos melhores fabn :"
e bern aim a flor de todos o fi-n
em rolos, pacotes, lalas granies e ,
bem dos mui acrcditados f.\bric;;i.i
Araujo, Lizaur, Adolpho Schmdt
Schmidt 4 C, Veiga9 4 Araujo, Tni
lar, Teixeira Pinto mesmos) e de outros ainde oio c. i
pubHco desta capital. 0 apnohciani
todo fumo que for vendidb cm rta
eu Justo valor, e que qoando ar%ti
va ijuaHdndt', sera siEceiw, mui pmi^uiitmaua
coin aspessoas (|ae poucu cntoiJ^in h uuteM ;
pois para bem servrr a todos, leni iiate
* ioBfa pratica de 13 ajjnos deste .-
tam-
es 4
Izsur
'Wre-
r,e!'rs
pel*
ague
i pe!o
Itfcti-
i I
:ao.
Vende-se uma paito de uma c- r.i
travessa do Caldereiro n. 3, na f,
da Panel!*, qne fhi Aj flnadn Tlon V-
ques, pela quanta de I:H94tOOi': a iralar -na
rua do laiucrad. r u. ','.', das0 *t i ila.urJa, e
lainbem sc vcode a pane do ouir y.|a
me^ma quantia ; ambas as pane- r.-ifio li^rbi e
dcpembaracjldas rle qualqaer onus.
Vehde sfl'rf'tawrna da rna f..riV:aeh;*Jo n.
4" : a tratar rta mt^mn.

HeferidiRj

id
j
VerdaJciro biter lipspcridina, WTori*teiere-
ditndo: a v|Kla fto.armwm de'<.**--< .U-m|ob it
('., rna dp AirKTiai r.. "
^_
-----
Vf?nde-f<; uma pre^- u> quarcri-a c taalos
annns, toria n. 49.
Cunha Irmaos eC.
Hna iln Hadro 'de! Iy* n.-il-C.
Vendem vinti.s do'lMrt garaniimlo-i-s, i; a preons ermfndes :
Barrii d quiio e deawuos path, pano, daa bem
con! ecidi>s marcas -Mt-nerd c Cbami- >.
Ditos de quintg ling* vencrcs, i. .Jed, CosU
'Juimaracs.
Decimos eneapadis. Irtbiirior qn.ilii'ad .
Caixas de uma duaiav.de U)Ua a ojal;iU.i>, ate
aos afarawdos Gravatiulia Auil IB. i p, lBjO.
Sacam
vista.
sobre
o Porto od' I.hboa, a pzazo e i
fttom
Tambem vendem pDla^sa da liu-in.
barris peqnenos
r.tAj
.em
Vende-se
ma dellarcilio
a armai-iio ei
Din- n. 'io : r. frn'rr i:a m-air'
NUMuni^'
Cal^ado estrangeiro.
Aproxima se o mez do dezembrj, tempo em
.jue oParts na America, a rna Duqne de Caxias n
39-, 1." andar, tem de dar a seu balaneo, por este
motivo, os proprietaries deste estabelecimento es-
Uio resolvidos a vendereai seus calg.dos pelo cus-
to, allm de ininorarum o trabalho ; assim pois os
apreciadorcs do bom, e com especialidade o sexo
amavel, pan quern o Paris ua America, conserva
com a devida deconcia) o seu gabinete reserva-
do, para a escoiiia de ealgado, aproveitem e ve-
nbaui inunirem-se do que precisarem.
r<
ABMAZEM
DR
nmm um
RUA PlUMElRO DE MARCON. 7 A
lv esta casa, sem duvida, uma das que hoje pode
com primaiia apresentar aos seus freguezes um
variadissimo sortimento de fttzendas Gnas para
grande toilelte,as*im como para o uso ordinario de
todas as classes e por prejos vant;ijosos para os
compradorcs.
Os doftos deste importante estabelecimento con-
vidam ao respeitavel publico e particularmente
aos seus freguezes a darem um passeio por seu
estabclecimento, a Gra de verificarem a veracida-
de de sens annunnns, e com vantagem snpprirem-
se dos artigos que lhes forem mister, de cujos
fazem um poquerK' resumo.
Mandam fazendas as casas dos pretendentes,
para o que tem o pvsoal necessarii) e d5o amos-
tras median te penhomt
SUMS
Cortes do seda de lidas cores, grosdenaples de
todas as cores.
Gorgurao branco e preto.
Setim Macao preto e de cOres.
Vemido pralo.
Grosdenaples pretos e de cores.
Granadinede seda preta e com listras e almas de
cores, lindissimos padrrjes e fazenda de ultima
moda.
I'ilo de seda branco e preto.
Bicas basfloinas deseda.
Colxas de seda para noivos.
Manias brasileiras.
Cortes de cambraias branca com linJos boidados.
CapeHas e mantas para noivas.
Poupelinas de lindos padroes.
Requissimo sortimento de las com listras de seda
Cambraias de c&res, ditas mariposas brancas e de
cores..
Naasuck de lindos padroes.
Baptistas, de padroes mui dclioados.
SAUDAI1KS.
Amaral, Nabuco 4 C aeabam di>n-.l .: n
variado forlimento de i-apellr.s. Uiftbsc c ,i as
seguintcs inscripcoes:
A m'cu pai.
A minha Hf&l.
A men espoMi.
A ndnlu es|H)sa.
A intu Glho.
A minha liiha.
Sabdades.
Amiza.le.
Lemhranca.
Vende-se no bazar Victoria, rua doIt-iiWda
Victoria n. 8._____________^^___________
Bazar Victori.v.
Amaral, Nabuco 4 C. receberam co..>pleto sor-
timento de bcngallas dc canna, prtt>ria p.;a des-
canco de velhos, de lheumalicos, etc., etc., e ou-
tras de phantasia, completn sortimento ie rht>os
de sol, bengallas, umbeltas, etc. -.'nliora e
para homem, com cabo de marlim ciin liunra de
metal, lisos, etc. etc. Estes utii> s ar-
tigos veude se na rua do Barao da Y1i ri:i n. 2. _
Veode-st uma casa em um dos m> Ihores
lugarcs da Soledade, na Boa-vista, com 30 p;i.nos
de frente e 8J de futido, com 4 i|U'.rt<-. S salas,
eozinh.1 f6ra com 1 quarto ao I; do, esta iravejada
e tt-in 2 jam-lias no oiliin. pion.pla jpaia so fazer
um grande sotao ou andar, em raao da mesma
ser de oitSes dobrados ; trm pin terreuo ao lada
com um pequeno jardim, assim com') tou grande
quintal, e no goal se polem edificar duas casas,
pelo mesmo deitar para outra rua ; tambem se
vende um terreno com 64 palmos de fieate e 160
de fundo ; a tratar na mesma a rua da Coadtdsta
n. 22, aonde tem um portSo de ferro._________
- Vende-se as obras seguintus. no armazem de
trastes a rua do Imperador n. i8 : I gl.:bo lerres-
tre e 1 celeste, 1 atlas geographico pai Brue, 1
diccionario geographico por liouiilet. i Lais, es-
paco celeste, 1 Manual do bachm-lado, I Die.
Hut Geog. do Maranhao pelo Dr. C. Marques, 1
1 Bic. da lingna franceza por Besfherrll^, 1 Die.
dos homens lllostres, 1 Historia do Brasil pt R.
Southey, t Homero Eliada, I di a Odissea, 1 C u-
sin, Historia da Plutosophia, i Bcstiu, Ari'limeti-
ca 1 Lamennais, palavras de um rrente, I orna-
mentos da memoria, 1 Thesaurus P-i'ticus rmguai
latins. 1 i inheiro, enrse delituraluia, l Ge^ra-
phia da Provineia de Alagoas, 1 Kottiro dos Bis-
pos do Brasil, 1 Grammatica Latina por Castro
Lopes, 1 Die. Geog. do Brasil por Lope- m. Moora,
i Tito-Livio, 1 Lucreclo, Virgilio e Valerio Flacco,
1 Estacio, Mareial e Manilio, 1 Horacio, J venal e
Propercio, 1 Ovidio, 1 Lksero, obras eon 'l-uis :
tudo em 11 volumes era latim euro as travuccSes
em francez a margem ; e Die. de Gamier, 1 Cor-
pos Juris dvilis, 2 grandes vdu-w Todas ettas
obras estSo quasi novas.
Percalmas de -quadros pretos. e branios.
'Brins de.'Iinho de cdres proprios para vestidos.
Fusldes de lindas -tons.
Casaqnmhos de las de cores para senhoras.
Dito^te%nai^^i'f,ftftW0P--- y i 'W^asoars,.
CAW8AM:fR.4.\CA \:mP9- Vwiter^.tcwlbasHrareato, a,a^Q
Yende^per^,dp,caijibr^abM*fl*(JWpp-, ,ldftQQ.
pareotes e tapftd*,^^, $%&>* A,,(tsK9(>H ,QftAV4TAS, U* SAPA, P^E1)A A 800 h&
ta e 6M00. j .Ve^dfl-sirfwjat^ de,seda SAIAh RRA-I^CAi A^OPO, i^.Qftdj un,r Jpsiwirioa para meninos.
Vende-se sa^.bcanca5 e,d} QOTflSi fl*ra, CftJffAAJeAftAQdBaa^.A^K"^.
senhoras, a 2&000' e J9^ ^jdW hib,v%1Joberta, ai80-i0*
,BOfll^Ti>A5O0(lR.S- ,t b-QiftMtadjh
Vende-se bonets pretos da, seda paw ho- I ^EI4iBAHA,4NIN0fi A dJOm,
roens, a 500 re. Chapeos de.galha, .pello e -'%mwfcseabm*Mi para ir\ninois, a,-l*ftOti
massa, a 23, 250A, a^OWn. 4*000. &$MymB9SJtAMi-SSSBSRAiA 39U*
MADAPOLAO A *RW0. Ydft, espattiliw*! para senhora,
Vende-se pe^as de- matlapstto etrfteUrdo al1!**Mu<
3*000, Ditos mglezee rj*rg- os Tnreeos-'ie .B'
4, *500, 8*. 0*000 eV*0fc I' 6 *""-
-.-
9IUBLXES
AWRS/<*Ctm!H)!
adrfte
Agua de colonip,. a?(JfJ, 8Jj|'
frasco para Hquidar, e
muito barato.
mas a 6*000.
PA^SDFCROClitT A f*JTO0.
cpm, a liJS
3 de cassas para cortinados
2*000, e otltra.
imliquida^


Ditos para baptisadss.
Cbapios para ditos.
Toalhaeae cambraia de linho cxa lindea bo
dados. ,|
Fi-quhas bordadas.
Corxas de. Ja.
WbfSoados bordados.
Camisas bordadas para homens.
Meias. de ointe* ipaja laocnens e meninos.
r.hapeog com caseo dftmanSm para homens.
"ijes para senhoras.
'erraol de cores pain vestlflbs.
ifae.ffeteB.
Gtmmrmi efcitas, aidapoliea, casabcaMe obvjdtcJ
pa(ioja,dq Huntm* Prtaeiro de Marco n. 7 A,,
anuga do Crespo, ^
Cordelro Siines'il.
I____._______________'^M .. _____i
I 0. G.

.. lajn para veif'o:
^osde crochet para cadeirai f^gnac de Hennessy, superior e veraadeiro.
Vinho Xeres das melhores qualkfcides.
Bitters de Angostnra.
Cha preto em lattas de 10 librss.
Todas as preparacdes chiraicas do Dr. Ayer : no
armazem da rua do Commercio n, J8. '
a UCOOa libra
ro andar.,
Rape Rocha
na rua do Vigario o. 7.' piiinei-
Em bom locpr.
Vende-se uma taveroa belts Bezaiia para a
terra e propria para prmfl BPp* I*r poncos
fundos; tendo na mesma casa orsulia tra gran-
de faruilia, e um foruo para quern quizer fazer
bolos emigrande oo pequeaa escala : na rua do
^'isconde de Pelptas n. 1-9, outrVra Arag-io, a
tratar na mesma.
Botinas para senhoras.
A 3*500 E 4*000
S80
Las cscoeezas a S8
' pechtehia,
Na rua do Crwpa n; ta
Xarope ^agrifto <\&
Antigo e conceituado medicsn-ento gara
cura das molestias dos orgaos ios,
como a pbtysica, bronchiu tc.,
applicado ainda co
eseorbuto.
do Ric Jane
masem n. 16.
Oaf^
gario, ar-
^___


Diario de Pernambuco


8ENAI90
QaestS* rollgl***
(Conolttsao)
0 Sb. Visconde de Souza Franbo :...
com mais raz.io dewm exigir .1 publicacao
de s^us discursos, e principalmontedos quo
versam sobro s questao religiosa, os brasi-
leiros a quern tanto inlcressa saber como
exaetamentoprnsaja respeito ddla e ile sous
incidentes urn senador tio conspicuo. San
poucososque assistem as disi-ussoes do se-
nado, e rarissimosos quo so vi-las ate as ultimas horas da tarde e ate a"
noute iias prolongadas sessdes diarias deste
anno.
E', pois, em cumprimnnto dosestylos da
casa e nos intertssses do nobre senador, que
a lhe peg a publicacao de sens discursos.
Sua posicao deve 11a luta politics relig osa
tornar-se bent defiuida, para que cosscm as
duridas que fazem 0 objecto da questdo nas
provincias.
flilo 6 em reprenlia aos ataques 0 mote-
jos que me teio 0 nobre senador atiradu des-
do o principio dosta seguuda sessao l-gisla
tiva, quo lhe faco esta exigencia, t .da de in-
teresso publico.
K' certo que nos primdros mezes desta
sngunda sessao, declinando o nobre senador
os nomes dos eonselheiros de estado assig-
nados em um parecer, 0 contestou e pareceu
coacluir que niio eram liboraes as ideas le
seu relator, quofui eu. Respondi-lhe quo
o conselheiro de estado liberal, assim como
todo 0 qualquor outro liberal, respeita as
leis que julgi em vigor e 0 esta >, ainda que
sustetite a necessidada de sua revogacao: a
isto me limitei.
Depois motejou muito do meu aparte ao
nobro senador Sr. Silveira da Motta. Oran
do este muito illustrado senador e chama 11-
do minha attencdo para sens argumentos,
que julgava queeu os nao attenlia, ocoupa-
do com trabalhos do conselho de estado,
eu rospoii'li que estava attento e, escrevendo
ou leiido, ouvia ao mesmo tempi 0 seu
discurso. E de facto para nao deixar em
atrrso ns papeis de consulta. vojo-me 'bri-
gade a trabalhar durante as discussOes do
senado.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presiden-
to do conselho) :Aproveita-so dos grandes
intervalos das reparticdes.
0 Sr. Visconde de Souza Franco :
E lembro me ter accrescentado entao 011 de-
pois, que, quando algum argument* me pa-
recia mais importante ou intrincado, deixa-
ra eu de ler ou de oscrever para lliedar ex-
clusive c
tudo, e^pois, exigent 0 accordo do poder O'Sa. Viswijde dej;
temporal com 0 que denominam poder es- IDisse o nobre sanado.
piritual, ao qual compete a distme$io. ale" porque sua decisao e iufallivel I e divina 1 monarchia dc qae nos
E para que 0 placet, exigido peta consii- tuom lei que nao devia ser
tuicSo do imperio e consagrado por eatylos accord com 0 soberano I.
immemoriaos? Que valor toria die depots soberania uacional estava 1__
da distinccdo que ora surge entra promui- e tanto mais limitada quanto
gacao dependente delle, e publicacao queo a infallibilidade do Papa, de '
naoexige? Se as bullaso lettras pontificUs a cafeeca, porque ao que 6
obrigam os fieis, quando siraplesmente pa- quern seja infallivel, por quern tenhCQsat-
bhcadas pelos bispos epelos parochos, a pro- tributes de Ueus.o homem ndo pdde deixar
mulgacdoe inulil, o placet irrisorio, o jus de obedocer.
carendi ineilicaz. Nae oontosto a liberdade Segun lo esta opiniao, a sobersuta nacio-
de consciencia e pois 0 direito perfeito qae uat nao podia promulgar a constituiQao, os
tem o fiel calholico de atlendor, de sujeitar sous legisdores ordinarios ndopodiam inserir
se aos preceitos, respeitar as doutrinas do no codigo criminal certos artigos. Tudo
sou director de consciencia, pontifice- ou quanto lizeraos ncsto ponto e nullo ; 0 nul-
simples sacerdote. lo porque um poder superior a soberania
0 que eu contesto e a publicacao livre aos mcioual n 1 lo veda I Prpcisaoaos do ac-
funccionarios publicos de'uma igreja, quo c<>rdo com 0 papa para regular estas ques-
por ser do estado ost^ adstricta a cumprir as toes 1 A que flea reduzida a soberania na-
condicfles de sua posicao de religiao do es- ctonal ? Em que fica 0 Brasilpaiz sobe-
Udo. A publicacao pela imprensa e livre a rano ? Qual a sua dignidade aosolhos kdo
todoscomo notinia, coo discussao ; e nos- munl>?
te sentido tambem a das bullas e lettras pon- j 0 nobre senador, toman lo boja para si
ticias tanto como a do alcorao. A publica- o preceito Ile el docele, emiuuu-uis as re-
e3o, pore*m, como preceito em pastoraes, gras da religiao e da politica ultramontana
que sail pecas oniciaes, pelos bispos de um a que devemos sujeitar-uos. Eu. felicito 0
paiz cm quesiio fuuccioiiarios publicos, sa- nobre senador por se ter despedido com
hem da regra Jo simples publicacao. Taes pre publicacoes 0 pastoraes, que po lem alterar se a fizer publicar immediatamente, de ino-
direitos cons itucionaes do cidadao brasileiro,! do que .0 paiz saiba qual & a posicao que 0
nao sAo livres aos bispos. | nobre senaJor tem tornado, posicao que al-
0 nobre senador pel 1 Bahia na predica. lids estd revelada na sua aceita^ao da pre-
eloquente em quo respirava grande uncao siiencia da Associacao Catholica.
0 Sr. Zagarias :Logo estd ityfiiyla.
U Sr. V'iscoxde de Souza Fra^K: 0
nobre senador nao po le estar oid*i3Prgen-
a deile o tempo de Adao, porque forajcia com o nolire senalor pela Maranhao,
promettida. A promessa indica nao existen- acba-se em completa harmonia, est; pois,
cia ; o promotti lo terd ainda de realisar-se, conhecida a posiijao Jo nobre sena lor; mas
do existir ; e depois ainda da longa demons-'conhecida pelo senado e por seus poucos
tra^ao, quo nao pole ser citholico, quoin frequentadores, e eu ontendo que o paiz tefn
nao seja ro nano, eathal co romano, ligando'o direito de exigir igual
religiosa, ainda i'oi alem com a doutrina do
ho/mm lecahidn. Depois de nos edilicar
com a denionstrai.ao da existencia da religiao
christi d
a sorte da religiao de Jesus Christo, do dura
gao sempiterna d de uma cidade penvel, que
alguma catastrophe natural p6defazer desap-
parecer e at^ 0 seu territorio, edificou-nos
com a doutrina do hom*m facahido pelo
peccado (Ij de Addo e quo s6 a graca pode
rehabilitar, po Je tornar o homem da crea-
cjk>.
Alguein bradaria logo contra esta heresia
ensinada pelo jesuita Molina, e que fez 0 ob-
jecto de intermiuaveisJcontroversias noseculo
XVI. Eu, que nao converto o parlamento
em sala de coiiferencias theologicas, acbo
opporluno e convenionte encarar a questao
pelo lado social e politico. I) ho nem de-
cahi io e .quo procisa da graca para rehaver
os grandes dotes que 0 constituent a obra pri-
^ttenQao. Pois mereceu este facto os ma do Creador do uni verso, seria pessimo
motejos do nobro senador 0 referencias a Ce- instrumento de perfectibilidade.
sar, que dictava ao mesmo tempo acincoou
sete escreventes.
Os sous motejos deviam ser-ine tanto mais
sensiveis quanto em uma dessas occasifios eu
lia os estatutos da Associacdo Catholica, de
que 0 nobre senador e presidente, quo ten-
do-me sido entregues naquella manha os
vim ler durante a sessAo do senado para
lhe ovitar grande demora. E nesse mesmo
dia se disse que .0 nobre senador se queixa-
ra da demora de decisao, tanto e 0 emponho
quo S. Exc. mostra em que a Associacao en-
tre em operacoes.
Eram jd motivos do sobra para que eu
comeeasse represalias, e nao 0 fiz e nem ain-
da quando em referenda d votac&o que li-
ve para membro da comraissao de fazenda
do senado, o nobre senador disse que a
malaria de votos era accidente, etc. Devia
enten ler se que na opiniao de S. Exc, s6
por engano, por acaso eu podia ter tido vo-
tos para a commissao e ser o mais votado.
Ainda assim nSo quiz eu entrar em discos-
s*J, que tornasse mais difficil a pofirdo po-
litica do nohre senator.
Apresentando, porem, 0 nobre senador 0
requerimento em que pede a publicida le da
d scussao do conselho de estado pleno, e
depois do seu discurso de hoje, a occasido
era propria para tambem pedir-se a publica-
cao dos discursos do nobre senador, aflm
de que o paiz todo saiba quaes as sua's opi-
niOes. Publiquem se, pois; todos os pare
ceres que 0 nobre senador pede e entao ve-
ra que me attribuio opiniao, quo nao foi
exactamento a minha; e publique tambem
0 nobre senador os seus discursos, para que
0 paiz saiba qual (5 a posicao que o nobro
senador estd tomando.
0 Sr. Zacarias : Por isso 6 que n5o
quiz ser conselheiro de estado ; para ser li-
vre.
0 Sr Visconde de Souza Franco :
Os outros devem tambem saber como e que
o nobre senador 6 livre...
0 Sr. Zacarias : Que tem 0 ^conselho
de estado com 0 que digo aqui ?
0 S. Viscoxde d eSocza Franco :
0 nobre senador, tratando da questao reli-
giosa, estd completamente nas vistas e nas
opinides do nobre senador pelo Maranhao,
o qual declarou que a igreja tem direito de
nosensinar ate a governar-nos. Ora, ensi-
nar a governar e governar.
0 Sr. Mendes de Almeida : Ensinar a
moral.
0 Sr. Visconde tffc Souza Franco :
Qual e 9 povo que, reconhecendo haver
quern tenhao direito de ensinar a governar-
se, direito divino e infallivel ou isento de er-
ros e de abuzos, nao cbame esse ente infal-
livel para dirigir 0 seu governo ?
Quom 6 esse ente privilcgiado em quern 0
nobre senador reconnoce ,0 direito de ensi-
uar-nos e por consequencia de nos gover-
nar ? Aquelle que S. Exc. tambem acredi-
ta que gosa de infallibilidade. Pois, se esse
ente por dom divino e como infallivel so en-
sina a verdade, podemos nosraortaes, sujei-
tos ao erro, prescindir do seu ensino, dei-
ar de obedecer aos seus preceitos, mesmo
sobre as cousas temporaes ? Preve-nos ou
polo meoos nos demonstre o nobro senador
esse direito divino, que tem 0 pontiflcc ro-
mano ao governo temporal dos povos; e
porque 0 nao poderd nunca demonslrar con-
sinta que ainda uma vez lhe repita, que 0
pontifice romano, homem como qualquer
de n6s sujeito ao erro e d morte, nao pode
ser e nao e\ 0 guta supremo dos destinos de
seus semelhantes, 0 rei- dos reis como a cu-
ria romana o quer, como tramam os jesui-
tas para consegut-lo.
0 nohre senador pela Bahia, receiando
talvez que lhe tpmoa diantetra 0 sau colle-
ge, nao se deixou Scar atraz, e explicando
mi* opioifto sobre 0 jus envenii, quo reco-
nhece tereni osgovernos, e como consequon-
ia 0 placet, sd 0 admilte nas materias pro-
priamente temporaes, e nao nas espiritu'aes.
lias quern & 0 juiz desta distincc&o ? Os
nobres senadores afllrraando, que 0 espirito
Jiio apparoce, ndo obra senao por iqterme-
dio da materia, chnraam espirittial a quasi
A graca, que s6 ao pontilicc romauo, o
infallivol como Dous, perteuce distribuir por
si mesmo e por sens agentes em todo 0 orbe,
segundo ashcOes deSs. Exes. ; a graca, quo
o actual pontifice romauo s6mente distribue
|>elo orgdo dos jesuitas 0 capuchinhos e tem
por condicfio o reconhecimento da infalli-
bilidade, e sujeicao aos preceitos do Sylla-
bus, nai p6du partir do Omnipotente, que
creou 0 homem o prunor da natureza.
Guiado polo. jesuitas, sujeito ao Syllabus,
que condemna a liberdade, 0 progresso e a
civilisacdo tnoderna, o ho.no u do illustra-
do seculo XIX teria de fazer recuar o mun-
do a Darbaria, de que nao temos exemplos
nassuasepocas de maior atraso. A sobera-
nianacioual, quo udo so polo partilhar, co-
mo muito bein demoustrou 0 nobre marquez
de exigir igual conhocioaento.
Para os que teem ouvido o nobre senador
estd evidente que a liberdade de consciencia,
a liberdade religiosa, tem em S. Ex6. do e valoroso autagonista, e. pois, como
Gonsequencia necessaria serd S. Exc. anta-
gonista do todas as Ids, que assegurom e
garantam estas 0 outras liberdades pu-
blicas.
Voto pelo requerimouto, mas esiiarando
que 0 nobre -enador satisfaca tambem a
seu respeito os bons desejos quo mostra de
saber as opinioes dos conseiheiros de es-
tado. *
0 Sr.. Zacarias :Emtim, veuha o pa-
recer do conselho de estado.
0 Sr. Visconde de Souza Franco:E
tambem os discursos do nobre senador.
Ficou adiada a discussao pela bora.
-tquanto a eaiali Jerusalem re-
^^^^HPIP8 sanguinarias do dia, mat
obra ella de que dabaixo da tampa de
pedra d'um tuinulu silehcioso esla a chave
dos destinos da humanidade ;um futu-
ro que sera salvacdo, uma salvacao que
nascerd do amor,que arrosta a morte.
Que 6 forca ; ndo a for$a bruta dosolvagem;
mas o forca d'alma, a quo e resignada, pa-
ciente, generosa e humilde ; que e intropi-
ilez e abenegacao ; que nao e uem pode sc'r
covardia.Pellit timorem. Amor, que
ndo e s6meiite aquella dedicvedo pela patria
quo fez os hor6es grogos 0 romanos, e em
que vai mistura de interesses de soberba e
de egoismo Como o lilho do escuiplor
d'Atbenas, Jesus aconselbava a virlude,
coin* eoudicdo de felicida 10. Mas ia
mais longo : queria os homens uni dos na
humanidade 0 a humanidade a Deus, e
dquella com uunhao cbamava elle 0 esqui-;
mau, o fellah, oparia, o escravo .Nao
mais so derramc u na gota da sangue ; co-
mece o roiuado da paz, e tenham direito a
elle as abuas boas, quer seja 0 branco da
civilisada Europa, quer o negro do sertdo
d'Afrka...
Amor quo terd pers^guican, porquo e
bandeira ; que e soffrimento, porque e abe-
negacao ; quo e a victoria, pirque e intre-
pidez; quo egractmjubilo, porque odviri-
dade. Non p 4lit timorem charitas.
Amor que tem vulto ? e tanto so pode en-
coutrar debaixo das vestes do ininislro lo
altir, como sob aestamonh* parda das tilhas
de Santa Clara ; tem symbolo, e tan o pode
ser 0 qitadro da cathedral, como a cruz
carcomida, qUe se ergue no serro solitario;
tem hymno, & umas vexes o cantico festivo
do tt.nplo, outras a voz do monge cophi
ta entru as ruiuas de Thebas e Memphis ;
tem none; e se chama iudifferentemente
Pedro. Francisco X1 vior, Vicente de Paula,
ou Antonio.
UTTEBATURA.
SERMAO DE SANTO ANTONIO PREGADO NA SE DE
VIZKU, PELO IIEVM. PRDRE A. HENRIQUE
DA SILVA, NATURAL DA MESMA PROVI.N-
CIA.
Pellit timorem Charitas.
(Hymn, da Egr.)
Senhores. V6s que sois lilhos de he-
r6es, porque heroico era cada peito portu-
guoz, quando se tratava de levantar uma
liberdade esmagada ; vos, a quern as cinzas
dosses vultos que jazeram por longos dias,
que sao noites, nas euxovias dos carceros,
segredam aiuda, ds horas do silencio, 0 ver-
bo sublime da dedicacdo corajosa,dizei-
do S. Vicente, toria desappare.cido : 0 chefoj me se uao era um principio de amoro alen-
oo estado passaria a ser delegado submisso
do pontifice, quo roconheuido o rei dos reis,
o unico sonhor do uiundo calholico, e go-
vcrnado este polos preceitos do Syllabus, fi-
caria reduzido d miseria e corrupedo de Ro-
ma antes de sua rohabilitacdo como capital
do estado italiauo. Reconsidere de novo 0
nobre senador estas suas doutrinas e publi-
eandoos sous discursos habilite a nacdopara
os julgar. E estou certo que as condemnard,
pjrque a privamde sua soberania e rebai-
xLi'.i a aua dignidade.
0 nobre senador deixou-me muito pouco
tempo para fallar; 0 ndo ten do eu nunca de-
morado o senado d me ouvir al em da hora
nao 0 fa rei hoje.
Sin to que entre aquolles que se retiram da
casa algmmas Vezcs mais cedo, eu possa estar
incluido. 0 nobre senador certamente quan-
do passou em resenha 0 procedimento de
seus collegas, nao mo exceptuar a-mim....
0 Sr. Zacarias :Nao censurei.
0 Sr. Visconde de Souza Franco :...
ndo se lembrou que ha de chegar d idado em
que precise sahir mais codo algumas vezes.
0 nobro senador tomou para si o direito de
censurar 0 procedimento de seus collegas, 0
direito de saber quern vai a Gavia 0 quando
vem. Nao lhe escapam as horas de saltida e
cntrada do seus collegas e disse que tem de
memoria os que se demoram ate 3 horas,
os que entrant tarde e saltern cedo : 0 sena-
do o ouvio. Ndo hesitou em tornar patente
que um desses nossos collegas, que pda ida-
de e molestias o precisa, desaperta asboti-
nas ou as descalca,. para poder assistir &
sessao.
0 Sr. Zacarias :Eu ndo fui Id, raan-
daram-me denuncia, tonho as lettras guar-
dadas.
OSr. Visconde de Souza Franco.:Eu
vou coucluir meu discurso, porque as bo-
de ras sessdo estdo findas.
Alii, na formosa Italia, a ttos milhas de
Forli, e 6 meia encosta do monte de S.
Paulo, triste e solitario como a Thebaida,
ha uma pobre gruta, onde um homem pas-
sa as suas noites. Ld, quando as tempes-
tados ?io acoitar-lhe o desconchegjdo abri-
XO, e asaTes do ceo nao veem cautar noar-
vuro uenhuma voz amiga vai mitigar>lhe as
agruras da solidao 1 sdniente a voz das tor-
mentas, que passam desgrenhadas, lhe falla,
na sua sublime grandeza, da omnipotencia
de Deus 1
Outras vezes o ceo estd sereno e azul,
a lua iuunda a terra do luz pallida, e tepi-
dooar, a brisa canta um gemido brando
na raina da arvore, as rds coaxam na pe-
quena lagoa, andam pelo espaco umas bar-
raonias indofiuidas, sen imos em n6s uus
como canticos dormentes... 0' noites de pri-
mavera, noites de manha alma 1... E tu, su-
blime auaciioreta vives isolado entao, uiaf
quern sabe que mysterio do segredos celes-
tes vai, nessas horas ile sentir suave, entrn
ti e 6 grande Espirito que bafeja a poesia das
solidot-s I
A's vezes, em dias formosos e calmos'
so be ao pincaro do monte ; por Id encon-
tra mudo e triste, como elle, algnm leigo
menorjdo con vento que alii jaz no alto. 0
espectaculo da natureza e sut)lime. Pelas
faldas orientaes corre 0 Zello, c d'outro lado
o rio de Sauioyyia. Um sol esplendido,
to de tantos que voavain a expor a vida
por uma idea, e se a raao da gloria, que
era a mdo da patria, quando guiava um he-
r6o ao Capitolio, ndo ia Id coroar um li-
lho .
Amor eis tudo 1 E' a explicacao syn-
thetica do que ha de grande, de esforcadoe
de extraordiuario.
E' Mucio Seevola queimando a mdo que
errara 0 golpe; Coriolano quesalva a pa-
tria nao obstante sua radi perder um filho ;
Codron fazendo-se matar pela salvacao de
Athenas. Catilina com os conjurados bus-
ca as trevds;Horacio Codes s6 precisa
d'urn peito para, d luz do dia, o voltar aos
inimigos, porque nelle tem a immensidade
da sua dedicacdo; que 0 a sua forca immensa.
Amor e Joanna d'Arc, a pastora, trocando
os monies polos campos de batalha, e .loan-! la grande alma, que sacrilicou ao amor de
como immense sorriso d( cio, alegra 0>
campus do valle, e illumina, muito em bai-
xo, Ifdvadola, e mais alem Calboli sobre
Z-ayyiore. Depois o solitario vai sentar-.se
perto da gruta, d sombra d'um bosquete
junto da foiilo; repousa-lhe d cabec* na
mdo... pensa : emjque pensar.i ? na huma-
nidade afllicta, talvez. Ergue-se. 0 sol
vai esconder-se. Poo os olhoa na orla afo-
gueada do occidente, 0 limpa uma lagrima
Alii, para alem do mar, tuitiain lhe ficado
pai e mai, a amizade de dois irmaos, e os
afagos d uma irma, que, como elle, tro
cara 0 mundo pelo claustrode S. Mi-
guel !
E' triste, senhores, a bistoria quo vru
contar-vos. A's horas socegadas da noite,
quando as estrellas scintillam no formoso
ceo de Padua, e a igreja dc II Santo^az em
silencio, s6 os restos preciosos que repou-
sam no tumulo de Antonio vos poderiam di-
zer em gemidos, do martyrio lento daquel-
Entdo, quarfJo tudo e puro, comoo aro-
ma da rosa que to a mdo iufautd dosfolltu i>oxX'eu
pequeno oratorio, ama-te o coracAo in
nuo ; por quo tu dofendes o opprimjdo odd*
tra 0 oppressor, 0 humilde contra 0 sober-
bo.... Humilde sou ou tambem, oomo, ha
cineo seculos, nao falloude ti algum... Mas
feliz na sua humilda le quern tem par herco-
dourados 0 regago queute de mai, por ors
chestra o cantico siiave que lhe embala 0
somno, por perfumes o ar puro dos espa-
cos, por arcaiifas 0 tapeto dos montes,
por amor a liberdade da ave que pas-
sa !....
Hoje, quo a estrella propicia da iufancia
seosconlou, 0 a trisleza entrou d alma, se-
gra.la-iue tu, amigo coracdo, o verbo da
esperanga nas horas do desalonto,desce
ate mim, bomaveiiturado espirito, e dize ao
padre a palavra magica, que, como a vara
de Moyses, abra as rocbas dos cora-
000s em fontes do sentimeiitos puros !...
* *
Seuhorl Tu, quo to lembras do grdosi-
nho desoneute que o lavrador, por descui-
lo, deixou cabir da mdo, para 0 fazeres
germinar em fructo, a beira do caminho I
Tu que d rasteira grama quo o viajante pi-
sou com 0 pe, onvias uma gota do ceo e um
raio de sol, que a alentem e vivifiquem 1
ndo permittirds que eu. obscuro verme, ve-
nlia desbourar o logar, aondo teem subido
tantos homens illustres, e em que dove ser
proclamada a gloria do leu nome. Descer-
ra-me, Seuhor, os labios, e a minha bocca
annunciara a tua gloria.Ihnune, labia
mea aperies, el os meum annuuciabU lau-
dem tuain.
* *
Meus irmdosi'prometter___ ndo vos pro-
melto nada. Ndo sei onde cancardo os meus
pobres rccursos. Fio de v6s que me dareis
a altenrdo 0 benevolencia de que bein sabeis
que hei mister.
na d'Arc, a venced ra d'Orleans, subindo
d fogueira com a ,designagao d'uma santa ;
e Fernando, 0 captivo, volvendo ao norte
os ollios moribundos e enviando d patria
um verdadeiro suspiro de saudade ; Socra-
tes empunhando com mdo tirme o copo da
cicuta e derramando pelo mundo o ultimo
lampejo da luz da vida, d bora a que 0 sol
se despede, e as estrellas comecam a scin-
tillar na immensidade dos eeos ; e Cicero
decapitado ; Galileu envelhecendo nos car-
ceres.
* *
Mas amor e mais do que isto : perque e
0 filho do homem chamando a si a huma-
nidade na derradeira palavra d'agonia que
lhe sai dos labios lividos, e envolvendo ju-
deus e gentios na ultima restia de luz que
tiTeram osolhos embaciados I.. ,
Um dia, A borda d'uma fonte da Sama-
ria, veio sentar-se um moco : resplande-
ciam-lhe os cabollos doirados e a alva uni-
ca aos raios vividos do meio dia... e as pa-
lavras por que elle, descendente d'uma ra-
0 nobre senador entre as proposicoes que ca inimiga, peJe uma gota d'agua & mu-
emittio, disse que as-bullas que contem ma-
teria dogmatica, 0 governo ndo tem o direi-
to nem de as examinar. Embora se lhe
diga que estas bullas p idem conter, como
sempre acontece, materias estranhas, 0 no-
bre senador nao 0 admitte. E" bulla que
contem materia dogmatica ? 0 governo
I her dos cinco maridos, sdo o bymno
suavissimo da conlraternisacao universal.
Mais tarde sobre 0 cume da montanha, vio-
se pendente um homem nas supremas con-
vulsdes. A' beira do Euphrates tinhain
suspirado por elle os prophetas nas cordas
gementes das harpas de Sido ; tinham no
alias jincumbido de velar sobra a seguranga acolhido d entrada os hosannas das multi-
publica, sobre os direitos da nacdo e obri-idoes, e agora, sobre o monte das eaveiras,
gado pela constituicdo e pelas leis a respon-'cruciflcava-o, e insultava-o no trespasso a
der por ella, ndo tem que Ter com tudo' geotalha feroz I Mas, d hora a que 0 dia
quanto traga sobrescripto de bulla dogma Ise fazia livido, e as torreotes gemiaui, e
tica 1 Jura Tentode morte Tarria a terra, ouvia o
Entre essas bullas veio a da infallibilidade, mundo pela primeira vez a voz deatallecida
do papa, a infallibilidade do papa, que eleva- do condemnado implorar ao ceo perdao pa -
da d dogms ndo tinha 0 governo imperial na- ra 0 algoz Era a idea bella, a filha
da que Ter com a publicagdo e execu$ao des-! auerida do seu coracdo, que lhe mia ain-
ta bulla segundo ao piniao do nobre senador. da no palpitar da ultima reia aaimada ; era
Era consequencia da infallibilidade 0 Syl- 0 espirito ao desprender-se, que ainda exha-
labus, que contem regras de moral e regras Uva 0 seu perfume.
para 0 regimen temporal dos estads, e Ea ide"a ndo morreria. Ld onde expira-
ainda assim querem os nobres senadores quo va 0 Filho do Homem, recebia ella a sua
ndo preeisava desersujoita ao beneplacito primeira santificacdo :era 0 seu primeiro
Nq Syllabus a oonstitpicdo do imperio baptismo de sangue. As vuthas crengas
estd condemnada ; as suas regras e dtsposi- amortalhavam-se nos fuscos vapores do occi-
(003 do codigo penal jd um nobre senador dentc, eas rocbas uogras do Golgotha sdo
sustentou qae a nacdo nao podia decretar I as rosas d'um levante. Li onde Jesus dei-
A constituicdn e ocoligo exigtarn, para ser xa pendera cabeca, orgue"a humanidade
promulgados e obrigar os catholicos, 0 ac- a fronte radiante de esperanca.. E'noi
eordo com 0 p'mlifice I No serro escalvado- auejam os
0 Sa, Zacuias : N'inguem disse isso. trevas em volta d'um cadafaJso 1
Deus e da huiifiiidade os dias gorgeados c
cheios de luz da primavora da vida.
Mas ndo I Apos, d luz das lampadas,
os baixos relevosde Caiitpagnn e Sanso^ino
tos fallarao de suas glorias. Glorias, sim 1
Ai I ndo e 1 iipo pode ser triste a minha bis-
toria I A gloria e a fonte d'aguas vivas nas
aridas solidoes. Apoz as humilhacoes os
exaltamentos. ('.annas verdes e palmas.
Auneis roxos nos pulsos e cordas de gloria
na fronte.
Nisto se resume a vida dos her6es : sa-
crificio e gloria.
Mas gloria verdadeira e a que dd ao justo
uma aureola eterua nas regioes da eterna
claridade, e se traduz na terra pelos esplen-
dores do cu'.to christdo, e pelas manifes-
lacoes espontaneas e jubilosas dos crea-
tes.
E tantos, e de tdo longo, affluent elles a
Padua, neste dia. Veneza, a bella lilha do
Adriatico, en via para as festas populares os
seus comicos, e para a oracdo os seus ro-
meiros ; e pelo espaco reboam os eanticos
melancolicos dos gondoleiros que veem de
Fusina, emquanto as gondolas deslisam bran-
damente pelo canal, e 0 sol illumina, d'um
lado e d'outro, as risonhas casas de campo,
os palacios e as istatuas dos jardins. Padua
recebe-os a todos com alegria, e pelas ruas
calcadis de pedras azuladas e de marmore
vermolho, soam constantemente os passos
das multidoes, que vdo do Prato della Valle
d igreja de II Santo.
Senhores, ndo devia ser eu quern aqui
subisse. Eu ndo posso atirar a vista ds al-
turas em que estd esse homem, que envoi-
vido nos fulgores da sua gloria acolhe hoje
no ceo as esplernhdas homenogens do vosso
coracdo Por debaixo das abobadas dos
templos catholicos, milhoes de milhoes de
fieis se agglomeram neste dia e a estas ho-
ras, chamando por ti, no terror da prece, 6
grande apostolo I Por ti tremem no ce"o as
cordas das harpas dos anjos : por ti se agi-
tam ua terra os labios.dos homens na igreja
da Deus1
E a joTen mai, na linguagem do amor,
ensina d sombra 'dos laranjaes, nas delicio-
sas niarguns do Benta, o filitinho que tem
ao callo, a erguer as maosiuhas 0 a balbu-
ciar o nome do santo moco que preserva de
perigo os dittos pequeuos.
Tambem eu mevezei a pronuncia-lo, a
dizer a palarra querida saudades
descuidada infancia!
Como a luz e bella, senhores CotM as
trevas fogeni acossadas para a regido da
morte, onde o an jo tetrico lo silencio e da
noite si assi'iitou sobre tumulos eter-
nos 1...
Ao oriente ha testa de esplondores e do
gorgeios : o sol do Deus ergue-se d'um leito
de rosas, e balanca -se d orla do borisonte,
ao tempo que a humanidade iuundada de
luz nasceute, entfla. de joelhos, o can-
tico sublime da liberdade e do amor.
Essa luz, senhores, cntrou a alma do in-
feliz, efoi esperanca; d inlelligencia do ig-
uorante, e foi insiruccdo; d consciencia do
oppressor, e foi romorso ; ao espirito do sa
bio, e foi humildade : para o justo, gloria ;
para 0 peccador, perdao : para todos be-
mavontcrauca : immensa, porque ora do
ceo, bella, porque era sorriso,eso chamou
CHRtSTIANISMO.
Podes exultar, humanidade 1 E tu, po-
bre lilho do povo, que arrastaste atravez
dos seculos a tua existencia do dores e vor-
gonhas, surge, miseravel parid das ida
des I despedaca o teu collar do ferro, es-
cravo, e vein a festa universal, trajando ga-
laslimpa o teu suor de sangue, e vem. No
;o, ouves? ndo haverd feras, nem 0 mar-
tello dos Plutoes, nem espectadores infames,
que riam da tua agonia, ea quern tantas
vezes debalde urgueste as mdos a pedir a
vida. Vem.
Por entre as vozes celestes dos anjos da
boa nova, ouvirds o verbo de Deus, uao ter-
rivel como 0 trovd'o da justi<;a, mas bran-
do e amoravel como um cantico de paz.
Sobro 0 imperio da forca, assassino do
coraQdo, levauta-se 0 imperio do coracdo,
que matard a prepotencia da forca.
E sobro a mao callosa do escraTO de re-
fuge cihe a mao alva do consolador, que
chama o escravo seu lilho. Vinde a mini,
v6s todos que soffreis, e eu vos consolarei !
vos todos, viuvasdesamparadas, pequeui-
nos orphans, eugdtados quo andais por
essas ruas cobortos do farrapos, sem afagos
de mai nom arrimo do pai \...M
Sem pai nem nidi I e triste, 1*0 e !
Tiritares, pobre crianca, as ndites do in-
verno ds portas de cada casa ; chamares,
ninguem to ouvir.... nao sentires nas faces
gelidas um bafejo de mdi, nem em volta da
cinta uns bracos, que te concheguem a um
seio... Chorares de fome, e nao vir teu
pai, que morreria a trabalhar para ti, meu
triste pequenino !... Ndo chores I escuta :
ahi tens um velho que te estende a mao ;
nao se chama Vicente de Paula : chama-se
CAiiiDADE. Alta noite sentirds abrir-se-to a
porta d'uma casa: 6 um asylo ; dentrj estd
uma mulher: e tua mdi; nao e nunr-
queza do Franca e tambem cari-
11ADE.
Vinde, vos todos que tendes bebido ate
ds fezes as amarguras da vida, entes
mais fragois, e mais dosprezados vin-
de I
Pobres peccadoras, alem vos offerecem
um vestido candido : sereis as filhas do
Bom Pastor, as filhas de Magdalena (1) ; le-
prosos que jazeis ao desprezo n'algum becco
lamacento e escuro da cidade, e a quem a
propria familia lancou de casa, tereis um
asylo, e uma enxerga onde expirar ; des-
gracados que cousumis a vida nas profun-
dezas da terra, nas minas do Peru e do Me-
xico, aende ndo desce nunca a luz do ceo,
ahi mesmo a caridade ird fundar um hos-
pital ; escravos da calceta, a quem a peste
accommelteu nas gales de Constantinople,
quando vos debaterdes nas convulsoes da
ultima hora, vereis en'rar ahi, onde a mor-
se se bebe no ar que se aspira, um homem
que ndo conheceis, e quo ird cotlar-vos 0
ouvido aos labios febricitantes para ouvir-
vos as dorradeiras palavras da agonia I Por
toda a pane a caridade, a virgem das ce-
lestes meiguices, que chora de nos ver cho-
rar, e nos afaga 0 rosto nas horas do des-
alento, chama para si a humanidade soffre-
dora.
Por noite velha nos falla de longe, em
meio dos Alpes, nos sons perdidos d'um sino,
levados nas azas do vento das tempestades:
convida-nos, nas solidoes do f.ibano, ao ha-
ter de duas taboas pendentes.
Ouviraos-lhe a toz, por entre os rugidos
do tigre, nas flores,tas da Abyssinia ; e acc-
na-nos do alto dorochedo, noalvejar d'uma
cruz, em pr.iias desconhecidas.
r'ez-se ouvir, como a voz da verdade, en-
tre as ruinas d'Athenas, sobre os tumulos
d s sabios; e escuUram-na, junto as pyra-
modes, como a voz da omnipotencia, as
cinzas dos pliaraos.
Vimol-a. sobragando um broviario e arvo-
rando uma cruz, subir o Rio da Praia e o
Paraguay, e procurar os selvagens nas Qo-
restas do novo mundo; e encontramol a
(t) Vej. Chateaubriand, Gen do Chris-
tian., tradu., do Sr. C. Castello-BraD-
co.
ares da India, faliaodo de
^^^^^^^^I^^^B-tigre, ao canlar
do mur o paiz dos es-
ra dos dian antes e das
areas d'ouro I Ahi sim sard a palavra do
missienario, jd ardente como 0 sol que es-
calda 0 sangue, ji plangeatoe grave como o
gemer dos Ganges, jd suave como o aroma
dos vonvoldros...
Ld soou ella, a dos nossos missionaries,
em tempos de muita gloria para um povo
que morreu.o que udo somos nds.
No* somos depositaries indignos d'uma
historia hem cheia, bem rca, mas sellada
ha muito pela mdo do destino. Ndo somos
o que fomos; somos pelo que fomos. Vi-
ramos, se vivemos, pela lembranca do pas-
sadosomos uma saudado.
E quaiito nao sonte a nossa alma ao re-
cordar essa idade d'ouro, em que alguns
dosceudentesdos lusos sabiam d'um pequeno
rincao do occidente para ir sujeitar cidades
0 dominar imperios, e as galeras portugue-
zas metliam ban a deutro as pareas do
oriente ; em que 0 amor d'esses homens
sublimemente dedicados ganhara para a
historia heroes, para a religiao creotes, para
as sciennias verdades occuitas, para 0 the-
souro riquezas, para a patria um nome ;
para esse nome uma gloria immorredoura,
para ella eterna memoria nos cantos d'um
poeta, e por essa memoria ainda a immorta-
lidade do n^me portuguez I
Oh 1 sim I tivemos umnomel Sabiam-
nc os selvagens do deserto e os reis das
nacoes da aurora 1 e as ondas do atlantico,
ethiopico, arabico, persico, indico, taproba-
nico 0 boreal iaai gemel-o a praias lon-
giquas.
Hoje, oh 1 dor I riem da nossa pequenez,
os que uao especulam com a nossa miseria,
E nos ? mis dormimos sobre estas quasi
ruinas, e s6 Deus sabe qual serd a bocca
magica, que protira o surge -.t ambula sobre
o cadaver d'um grande doto I... Ld muito
longe, pdra alem do oceano, jaz esquecida e
triste, como a imngem do uesamparo, uma
cidade, que sorno loucd e ruidosa em tem-
pos de nossa venture.
Visita-a o contemplador d hora do p6r do
sol, e chora de ver... terra outr'ora tao rica
e com mere ia nte, agora despovoada e silen-
ciosa. Mas;' na Velha-G6a, fallar-lbe-hdo
ainda de uosso passado paces e ruinas de
coi 1 ventos0 palacio do vice-rei, e 0 tumulo
de S. Francisco Xavier; que nao sei eu se
mais 0 melhor pela espada conquistamos
vassallos para a patria, que pela cruz ga-
nhamos coracoes para Deus. Cruz e espada
viram 0 cxpor de preciosas vidas. Mas an-
tes ganhamos por aquella, que couquistasse-
mos por esta nos tempos de nosso esplen-
dor. Porque, muito antes que missionaries
de Jodo 3." calcassem terras ganhadas nos
felices annosde el rei seu pai, e os eeos da
costa do Malabar e as solidoes dos Gates,
que digo? e a China e o Japdo conheces-
sem a voz do apostolo das indias, vertera-se
n'AI'rica sanguo de portuguezes pela te,
la soara a voz de nossos santos.
* *
Ha 050 arinos, por uma formosa tardo de
estio, um navio nosso estava prestes a levan-
tar ferro, nas transparentes aguas do Tejo.
A' lolda estava um moco, vestido com o
habito dos frades meuores. Era um portu-
guez 1 V6s sabeis que ha no sacrario do
coracao um seutimen'o que acorda ao som
d'esta palavra, um estromecer intimo e
suavQ, uma corda que vibra umas vagas
melodias d'alma, que sdo 0 hymuo d'uma
religiaoa do amor da patria. Sente a
gente um como desejo de ir beij'ir-lho o pe
a chorar de gratidao, e dizer-ihe ; Vai I
116s em tanto ficamos com a nossa saudade I
vai, vai tufaze-te grande I e Id muito
longe, quando os gntos da admiracdo sa-
hirera espontaneos dos labios, e a humani-
dade beijar a esteira lumiuosa dos teus
passos, dize que nascestes entre n6s, que te
creaste d sombra das nossas arvores 1 e
ama nos entao de ld, tu 1 Oh I sentimos isto,
sentimos n6s todos os que presamos as
nossas tradiccoessentel-o tu. Vizeu, que
amas a gloria, e tens o teu sarc6pbago de
marly res.
Bemdicto sejas tu, Antonio, bemdicto
sejas I j'por Deus, pela humanidade. pelos
portuguezes 1
* *
A' tolda pois d'um uavio prestes a levan-
tar a arnarra estava um moco portuguez.
Sabeis 0 que e uma despodida, quando a
ausencia tem de ser duradoura, e, quem
sabe? eterna?! sabeis 0 que e essa hora
tremenda e indetinivel, quo resume seculos
de angustias ? I 0 que e esse negarem-se os
bracos a desprender-se no ultimo amplexo
que nos une ao que mais amamos sobre a
terra, esse querer e ndo querer, a razdo a
dizer: vai, e 0 coracdo a dizer dice*: -? I...
Mdi, que tens um til ho em longas terras,-
so tu sabes 0 que isso e I
Quando elle chora va sobre 0 teu seio, os
teus labios a dizer-lhe: Parte, faze-te ho-
mem, filho df miuh'aluia,e a voz intima
de teu amor : Ndo, nao, nao 1 tu es o
meu pensamento, 0 idolo santo que levantei
no meu coracdopor ti esqueci tudo ;
quando todos dormiam.e tu eras pequenino,
velava eu a olhar para ti no meu extasi, e a
sentir na minha face a respiracdo socegada
do teu somno innocente I E u6s vamos
u'um esforco supremo, e a sua alma estd
ainda a dia mar por nos na sua soliddo I...
Ai I n6s vamos, mas 0 coracdo fica-nos em
pedacos uas maos d'aquella mulher, que
nos ensiudra n'um beijo a primeira palavra
da oracdo da infancia I...
Subimos jd ao navio; em terra, d borda
do Tejo, estdo os que nos querem bem.
Comece entao a fada da saudade a embalar-
nos 0 somno, a vida do passado a acenar-
iios do seu reino de joias... Alem estd a
jauella de nosso quarto, bate-lbo um raio
do sol poente; Id fica 0 nosso quintal, e o
nosso canteiro de flores I
. Largadiz uma voz. E* o trovao que
estala ao pe do leito da crianca, baliza eterna
que cahio entre dous mundos 1 Sente-se en-
tdo uma grande voz a essa hora, na tua va-
randa, tuas irmas a estejara olhando, tristes
pela tua ausencia I... Vat, vai I Tinhas fa-
milia, serds orphdo I eras nobre, serds hu-
milde I rico, serds pobre I eras moco ? Ai I
aspiragoes, sonhos 'la juventode, tudo se
envoiveu na mortalha do teu habito I...
Quando 0 simoun, pdra alem do Atlas.
varrer as areas do deserto, tu detes olhar
para a lua alma, e deves achal-a tio erma,
como 0 Sahard. Apenas ahi deves vicar um
affecto : 4 a tua cruz; porque ella repro-
senta Deus a salvar a humanidade.
C07itmuar-sa-/ia.


>
I
b
TAP. DO D1AIU0 -RUA OUQUE DE CAXLi
"*^-
^^B
f---------:------


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG7D71FH8_GDQH5R INGEST_TIME 2014-05-28T00:02:53Z PACKAGE AA00011611_16695
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES