Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16661


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
ANH0LII7 NMEEO 95
PABk CAPITAL E LUGARES OXDB NAO SE PAO A PORTE
j- a .... 60000
Por ires mazas achantados........... 120000
Por seis ditos dem............... 230OOO
Por, um anuo idem ....... 5100
Cada numero avulso, do mesmo dia. *....... ...
DIARIO DE
QABTA-MEA 25 BE AB2IL DE 1888
PARA DENTRO E I OKA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantados.....
Por nove ditos idem.......
Por um anno idem.......
Cada numero avulso, de dias anteriores -.
130500
200000
270000
0100
NAMBUGO
Proprietrafr i>t JRmotl /ianetra bt tria Silbos
TELEGRAMMAS
)
i

!

?

\
*
MU Di AGENCIA HAVAS
Servido directo
ROMA, 23 de Abril, tarde.
TelegiammaB de Massouah disom que
urna columna de tropas italianas oocupam
Uaa.
Annuncia-se que na cmara dos deputa-
dos vao realizar-se duas interpellajoes ao
governo, urna sobre a sua poltica extema, j
pelo Sr. Bovio, e outra sobre a poltica
interna, pelo Sr. Cavallotti.
O. Mainel, como O. Joo I amava e preaava as
artes liberaea. Pretenden com elle rivalisar, op-
pondo a fundajo do convento da Batalha e de
outras obras grandiosas do Meatre de Avis. a re-
acontrucco do templo de Tbomar, a igreja e torre
de Belem e creando urna nova escola de architectu-
rs que se aproxijiava europea da Renaacencaa
e se denominon Manoelina. Ammon a pintura,
protegendo Francisco Fern andes, o grio Vasco,
Hollanda e diversos artistas que mostravam talen-
tos aproveitaveis. Em sen tempo a cincelara, a
msica, a gravara, a arte dos coloridos consegui-
rn! progreaaos. Promovea igualmente o estudo
das Bcienci.-.s, e em Lisboa fandoa escolas de as-
tronoma e observarlos, transferndo-os de Sagres,
onde os estabe'ecera o nlante duque de Viseo, e
enriquecen a Umversidade com dulas de mecbani-
ca, geographia e phisica.
[Cnotinua)
FLORENCA, 23 de Abril.
SS. MM. o Imperador c Impsratria do
Brazil e comitiva seguiram hoje para Bo-
lonba.
PARS, 23 de Abril, noite.
Na cmara dos diputados o governo foi
interpellado boje a respailo da nomeaejto
de Mr. da Freycinet para ministro da
guerra.
A discuaeSo d'esta interpellacSo termi-
nou p-'lo voto de urna ordem do dia de
cenfianja apoiando a poltica do governo.
BERLIM, 24 de Abril.
O estado de S. M. o Imperador Frede-
rico III apresenta ligeira melbora.
S. M. a Rainha de Inglaterra acaba de
ebegar aqui.
PARS, 24 de Abril.
Mr. Carnot, presidente da repblica fran-
ceza, parte amanhS com o fim de fazer urna
viogem em diversos departamentos do sul
da Franca.
fServtgo pela va Norte-Amrica
BERLIM, 23 Je Abril.
Vai melhor S. M. o Imperador Frede-
rico III.
Diz-se que S. M. a Imperatriz |eat re
conciliada com o principe de Bismarck.
Agencia Havas, filial em Pernambu^o,
C4 de Abril de 1888.
MOM
INSTRGGAO POPUB
LIIII&AISA
DE
PORTIGH E BRAZIL
PELO
Conselheiro Jo5o Kanoel Pereira da Silva
v
Continuacaoj
Nao ferira bem osouvidoa de D. Manoel a noti-
cia, qu<" logo eile passoa ordens para se castiga -
rem os culpados, fazendo psrtir forcas de Abran-
tes para Lisboa. Prenderam 8- mais de cem indi-
ciados, inuitos f-ram entarcados e alguna frades
deS. Domingos pagarsm no cadafalso as excita-
cues cotn que tinbum exasperado a papulaca. Cer-
tos castigos fornm iufnngidos aos que tinham obri-
escao de munter a ordem e nao haviam cumpri'"
B ______5-1___'.. I.J^ *... Mnn A-a ti
PARTE QUICIAL
Ministerio do Imperio
Por carta imperial de 18, foi nomeado senador
do imperio, pela provincia da Babia, o conselheiro
Luis Antonio Pereira Franco.
Foi elevado a vlacoode 0 Barao de Canda-
ra by.
Foram agraciados :
Com a gran-eraz da ordem da Rosa, o Dr. Joo
Francisco Velarde, ministro das re'acSes exteriores
da repblica da Bolivia.
Com o habito da ordem de S. Bento de Avis, o
major do quadro extranumerario do corpo de eatado-
maior de 1 classe Henrique Valladares, e os ca-
pites Alfredo Vicente Martina e Miguel de Oli-
veira Salsear, este do corpo de estado-maior de 2
classe e aquello do 14 batalho de infantera.
Com a eommenda da ordem de Nosao Senhor Je-
ss Cbristo, o padre Sitvino Angelo da Silva.
Com a eommenda da ordem da Roaa, o erige
nheiro Jos Ewbank da Cmara, Joao Francisco
Lopes Anjo e Antonio Francisco de Paula.
Com o officiala'.o da mesma ordem, o ebefe de
seccao da Secretaria de Estados dos Negocios da
Agricultura, Joaquim Maria Hachado de Aseia, os
engenbeiros Carlos Conrado de Niemeyer e Arthur
Alvim, Jacintha Machado Bitteocourt e ledro Pro
copio Rodrigues Valle.
Com o habito da ordem de Noaso Senhor Je-
ss Cbrieto, Marianno Augusto de Araujo Cer-
veira.
Com o habito da ordem de S. Bento de Avis, o
capito da arma de iafantera Antonio Galdino
Travassos Alvea.
Com o ofBcialato da ordem da Rosa, o Dr. Hei-
ligenthal, e cem o grao de cavalleiro da mesma
ordem Wilhelm Kratt A. Gr^taner, Theophilo
Whieli e Obern n 11er, medico e funecionarios p-
blicos de Baden-Baden.
. Fez-ie merca do titulo de conseibo : ao mi-
nistro do Supremo Tribunal de Jnatica, Ignacio
Jos de Mendonca Ueha ; ao director da 2a di-
rectora da Secretaria de Estado dos Negocios do
Imperio, Baldaino Jos Cue'ro ; ao ajudante de
procurador fiscal da directora geral do conten-
cioso do Tbesonro Nacional, bacharel Antonio Ve-
rissimo de Mattos.
Foram n?mcados secretarios de provincia :
Do Cear, o bacbarel Oacar de Macedu Saaree,
declarada sem effeito a noraeaco do babarel Jos
Ldz de Bulhes Pedreira.
Das Alagdas, o baebarel Jo= Luis de Bulhoes
Pedreira, exonerado, a pedido, o hachafel Osear de
M a cedo Soares.
Declarou-se sem effeito o decreto de 7 de
Marco ultimo, pelo qual o conego Joaquim Arco-
verde de Albnquerque Cavalcante foi nomeado
coadjutor do Rvd. arcebispo da Bahia, visto ha ver
pedido dispensa d'esse encargo.
Foi apresentado o padre Sebastio de Al-
meida Pessoa na grej* parochial do Senhar Bom
Jess do Bomfim da Seria da Rais, provincia da
Parabyba e diocese de Olinda, cando sem effeito
a carta imperial de 8 de Fevereiro ultimo, que
apresentou o dito sacerdote na igreja parochial de
Sant'Anna de Serid, da mesma diocese e provin-
cia do Rio Grande do Norte.
Foi aceita e confirmada a renuncia qu f<-*
o padre Antonio Angelo Gomes de MeJonca da
igreja parochial de S. Bernardo, n villa de Aleo-
baca, do arcebispado e provincia da Babia.
nlnlsterlo da lastica
Foram ncmeados : o bacharel Joo Landclino
Dornellas Cmara Junior, para o lugar de juis
municipal e de orpbos do termo de Villa Bella,
em Pernsmbuco; e o bacharel Alexsndre Garcia
Pereira, dem, idem, do termo da Feira de San-
t'Anoa, na Pabia.
__Foi exonerado, a pedido, o bacharel Jos Lou-
renco de Mcraes e Silva dos termos de Marvao e
Humdes, no Pianhy, sendo nomeado para o de
Govrapary, no Espirito-Santo.
Foi recondusido o bacharel Francisco Xa-
vier de Audrade Moura no lugar de juis municipal
e de orphaos do termo de Inga, na Parabyba.
__ Por decretos de 18 do corrente foram remo-
vidos, a pedido :
O bpchirel ntonij Pedro de Souza Silva io
termo de Iubama para o de Montes Claros, em
Mioas-Geraes.
O bacbarel Antonio Ribeiro Penna do termo de
Paracat para o de Iohama, em Minas -Geraes.
Foram nomeados : o teen te Jos Lias Ca-
valcante de Albuquerqoe para o posto de major
Sendo muitas as attribuicoes do cargo de aju-
dante-gcneral, que, por esse motivo, nao pode, em
pesaos, exercer a salutar e pron.pta\acclo sobre
as forcas quo fasem a guarnico desta corte, e
convindo method'zar os diversos servicos e esta-
belecer a uoidade de instrac^io e o mais rigoroso
dever de disciplina, tem resolvido S. A. a Prin-
cesa Imperial Regente, em no ne do Imperador,
qne, de accordo com o plano de oiganitacSo do
exercita, as referidas forcas formem daas briga-
das, a 1.a composta dos batalhoes 1., 7. e 10. de
infantaria e a 2. do 1." regiment de cavallaria,
2 o de artillara e batalho do engenbeiros, conti-
nuando o 1.* batalho de artilharia destacado as
fortalesas da barra do Ro de Janeiro, debaixo da
aecSo immedi&ta da mesma autoriiade.
A 1. brigada tere sen quartel-general no qusr-
tel da praca da Aeclamscao e a 2.a no de 8. Cbris-
tovo, onde acuartelar o batalho de engenbeiros.
Oatrosim determina a mesma Augusta Senbora
qne as forcas estacionadas na provincia do Paran
conatitoam igualmente outra brigada, que se de-
nominar 3. do exercito.
O que tudo declaro a V. Exc para sea conheci-
mento e fina convenientes. Deu< guarde a V. Exc.
27ic>ma; Jcs Coelho de Almeida.Sr. conse-
lheiro s judante-general.
Ministerio da Marinha
Foram nomeados guardiSes do corpo de
officiaes marinbeiroB os guardas extranu-
merarios : Antonio Jos Mauricio, Ful
gencio Verissimo de Mello, Eupbrosino
da Rocha Bezerr, Antonio d'Aliva, Fir-
mino Teixeira Coelho, SebastiSo Polycsr-
po de Campos, Manoel Tininho Felippe,
Casimiro Benigno de Assumpcllo, Jos Pe
dro da Cruz e Manoel Rodrigues.
Ministerio da Agricultura
For.im nomeados o eogenbeiro Jos Al-
vares de Souza Coutinho e o agricultor
Franz von Lippe, para os cargos de che-
fe e ajudante da cotnmissSo encarregada
de medir e discriminar trras e dividil as
em lotes no Rio Preto e Casteilp, munici-
pio do Cachoeiro de Itapemerim, provincia
do Espirito Santo, o primeiro com os ven-
cimentos Je engeaheiro de 2a classe, tran-
sporte no mximo, gratificado de chefe e
bracagem, e o segundo com o vencimento
meosal de 2660666 e brajagein ; o enge-
nharo Manoel do Nasoimento Neiva, para
o lugar de ajudante da commissSo de me-
dico e discriminado de trras no munici-
pio de Philadelpbia, provincia de Minas
Geraes ; e foram removidos os agrimenso-
res Tranquillo Antonio da Silva o Joo
Jos Vaz de Oliveira, da commissSo
margem do rio das Antas para a .de me-
dievo de lotes as ex colonias Casias as
Alfredo Chaves ; e da ex colonia Caxi e
psra a de Silvsira Martina, o agrimensor
Sovrano de Souza e Almeida, perceben-
do cada um a grai;flcaSo ae ir>o#
ysgcm que lhe competir.
!
eus deveres ; r municipal* Jade, on casa dos vin- 8:odgnte de ordeng 8erBtrio geral de commando
te e qnatro, e seus procuradores foram suspensos J or da com8rca d0 p,iar, na Parabyba : Joo
Lins Cavalcante de Albuquerque para o posto de
capito qnartel-mestre do meamo commaudo.
dae fanegss c privilegios, emultados em seus bens
e igualm-nte varios officiaes qne commandavam a
for$ns publici-.s e as nao tinham applicado soffo-
caco do tumulto. .
Dec'arou D. Manoel iguaesem todos os direitos
ancr oa christ s autigos quer os Bovos ou conver-
tidos, e sujeitos nniformemente mesma le, de-
clarndoos aptos para todos os inisteres. Os israe
litas que se nao btptisaram foram mandados ex-
patriar para a Alb-manha, Hollanda, Inglaterra e
Ministerio da Fazenda
Foi aposentado o 1.a ofEcial da secretaria de
estado dos negocios da fazenda, Dr. Antonio Jos
de Sonsa Reg e nomeados : I. ofEcial da secre
taria da fasenda, o 2.* Verissimo Julio de Moraes
e 2. o amanuense Francisco Augusto de Ath .yJc
estados museulmanos d"frica, levando comaigo ^para o lngar di praticante da Alfandega do
as familias e haveres, e ponio-se a dispoeicSo
delits navios que os transportaran!. D'easa emi-
qraso for^da resnltou particnlamiente para Hol-
landa a acquisico de mdicos instruidos, matbe-
maticea e er.ltioa, foragidos de i ortugal ; e proce-
dern! as familias -israelitas hoje hollaadezas e in-
glexasque ainda conserram seas appellidos por-
tueuzes e exarcitam o culto de%wael.
Eipellidos^le Portugal ta:ito os monros como
oa jadeos, qae se nao tinham querido converter ao
catholicumi, enteadeu-se que fiesva a f pura, e
tedos obedintes a Roma e a igrtjs, firmada a uni-
dsde nacional pela unidade religiosa.
C mo individuo e como rei merece D. Manoel o
t-tul'o da af.-rtunado, que lhe app'ica a historia.
Amado por seus subditos, respeitado pe'os estran-
g, ires, cbedecidcB em todas as sute determinacoes
via dosenvolvor se e opulentar-se a nacionalidade
rie Portugal, j d .mando e g-vernando tant.s pa-
ses ultramsrino, j cobrimlo os mares cora suas
esquiaras, j attrahindo a Lisboa as mais impor-
tantes e neos ctnmercios, e alli cham-.ndo, como
ao enporio mercantil da epecha, todos os povos
da Europa.
Nao poda a lingna ficar estacionaria quando
camuihava a naciooalidade a pasaos to agiganta-
dos ; nao pedia deixar de raiar ums litteratura es-
plendida e gloriosa, quando todcs os elementos
cen-pir^vam para levantar es uamos, enthusias-
mar os espiritos, exaltar as imagiaacoes, aspirar
vdca os mais portentosos e elevados da mente ha-
mana.
Tudo pois se unioe coneorrro para o engrande-
cissento aa patria, sob todos os aspectos em que
elle se aprecie.
Cear Manoel Xavier de Castro.
Ministerio da f^uerra
Foram tranaftrdoa pira o 3 regisemos de ar-
tilharia o 2 teneate do 3." batalho da mesma
arma Timotheo de-Furia Correa Filho e d'aquelle
para este corpo 0 2. t-nente Joo dq Avila Fran-
ca : para o 2.a batalho de artilharia o major do
4.* da mesma arma Francisco de Paulv Pereira
Fortes, e d'aquelle para este corpo o teneute-coro
nel graduado Bento J-t Fernandos; de c.nfor-
utidade com o art. 4. da lei n. 3,169 de 14 de Ju-
lbo de 1683, e de ajeordo com a iitmediatt. e im
perial reaolneo de 11 do corrente, tomada sobre
consulta da seceo d.e guerra e marinha do conse-
Iho de Estado, para o corpo de eagenhuros, com
antigaidade de 15 de Maio de 1836, o capito do
carpo de esrado-maior de l. claese Bellarmioo
Augusto de M adonca Lobo, conforme pedio, pas-
saudo a aggregad. s ao respectivo quadro os offi
ciaes que, tendo mais modernos, t. ram transferi-
dos para o dito corpo de enger).'iros.
Foram transferid* s para o 1~> bac-ihlo de
infantana o iteres do 10 da mesma arma Ry-
mnndo de Amorim Figueira e deste para aquelle
o alferes Leopoldo de Souia Salles ; e do 43 de
infantaria pira o 7* da mesma arma o 2.a cadete
Jerson Messias ConC-i.
Foi mandado classificar na 2.' compauhia do
l.* batalbij de artilharia o capito da referida
arma Lua Gomes Caideira de Andrade, que ri-
verteu 1.a classe do exercito por decreto de 11
do corraate.
Foi expedido, a 26 do corrente, *e seguinle
viso ao ci nsetleiro aju ante general;
fiove rno da provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 23 DE
ABRIL DE 18&3
Commendador Albino J >s da Silva.
Informe o Sr. nsperfor do Thesouro Pro-
vincial. .
Antonio da Costa Araujo.-Infor-
me o S*-- inspector do Arsenal de Man
nD8' T o
Antonio Jos de Freitas.Informe o or.
Dr. juiz de direito da comarca de Jaboa-
tao.
Companhias de seguros Innomnisadora,
Phenix Pernambucana e Amphitrite.In-
forme o Sr. inspector do Thesouro Provic-
i ial.
Francisco Pedro Cavalcante U.r>3a.
Sim, mediante recibo.
Francisco Neyres.Informe o Sr. coro-
nel coromandante das armas interino.
Jos Joaquim Fcrreira. Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Jos Ignacio Pereira do Lago.O pare-
cer, que se refere, relativo a urna
questao pendente de resoluclo do Governo
Imperial. Assim que, nSo possiyel, por
ora, a concesso da certidSo requerida.
Jos Pedro da Silva.-informe o Sr. Dr.
juiz de direito do 2. districto criminal do
Reoife.
Jos Honorio Bezerra de Menezes.w.o
tem lugar, porquanto acha-se encerrado o
exercicio financeiro regulado pela rci n.
1.860, e s e Corpo Legislativo poder at-
tender ao supplicante, relativamente h-
quidagao da divida.
Maria Luiza de Albuquerque.Informe
o S. inspector do ThesoHro Provincial.
Manoel FigueirSa de Faria Filhos.
Informe o Sr. inspector do Thesouro Pro
vincial.
Manoel da Rocha e outro.Nao ha que
deferir, em vista da uformacSo da The
souraria de Fazenda.
Conego Trajano de Figaairedo Lrraa,-
Nao tem lugar, porquanto aoba-se en'erra-
rado o exeroicio financeiro n-gulado pe
lei n. 1.860, e s o Corpo Legislativo po-
der attender ao supplicante relativamente,
liquidaglo da divida.
Vicente Ferreira de Mondonga.Infor-
me o Sr. Dr. juiz de direito do 2. distric-
to criminal do Recife.
Secretaria da Presidencia de Peraain-
buco. 24 de Abril de 1888.
O porteiro,
F. Chacn.
Silva, os dous primeiros, por uso de armas
prohibidas, o teroeiro e quarto por distur-
bios e o ultimo como alienado, al que pos-
sa ser transferido para o respectivo Hos-
picio.
A' ordem do subdelegado do Recife,
Pernai Paniz, Jorge Bstephane e Atezan
dre Ferreira dos Santos, este por crime de
furtos e aquellos por embiiaguez e distur
bies.
A' ordem do de Santo Antonio, leate-
rio Henrique Jos da Costa, Manoel de
Albuquerque Mentenegro, Firmino Pereira,
Theodozio. Antonio dos Santos, Samuel
Ucrjoa Le3o, Jos Cbrystovn, Manoel Jos
Candido de Oliveira, Boaventura Carneiro
da Cunba, L luriano Jos Peraira, JoSo
Francisco de Lima e Jos Comes do as
cimento, p>r disturbios.
A' ordem do do 2.' districto de S. Jos,
Jos Antonio GuimarSes, Francisco Can-
dido e Lnurentino Ferreira Oaj, tambem
por disturbios. ,
Communicou-me o cidadao Jos Fran-
cisco FrasSo, ter no dia 10 do corrente, e
na quabdade de 1. supplente, assutnido o
ezercicio do cargo de delegado de polica
de termo de Alaga de Baizo.
Participou-me igualmente o alteres do
corpo de policia Manoel Jos Ferreira da
Costa, ter assutnido hontem o ezercicio do
cargo de subdelegado do districto de Ma-
caco, para o qual fora nomeado por porta-
ra d'essa presidencia de 14 deste moz.
Por officio d'esta data participou me
tambem o capitulo Francisco Borges Laal,
baver reassumido o ezercicio da subdele-
gada do districto da Torre.
Deus guarde a V. Fzc. Illm e Ezm.
Sr. desembargador Joaquim Jos de
Oliveira Andrade, omito digno presidente
da provincia. O chefe de policia, Francis-
co Domingues Ribeiro Vianna.
DE
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 24 DE ABRIL
1888
Joao Bapt8ta de Moraes--Informe o
Sr. Dr. administrador da Recebedoria
Provincial.
Contas do vigario de Gamelleira.
Ezamiaem-se.
Hypolilo Pereira da Silva, Florismena
Joaquina de Mello Montenegro, Severino
Jos do Nascimento, Maria de Carvalho
de Drummond, Pautilla Lins Vieira Cin-
tra, Maria ao Amparo Mello Rangel, Ohi-
lon Henrt? Peisote da Silva, Joaquim
Salvador de Sant'Ann, Alejandre Carlos
ao Orvalbo e Antonio Ll -lo Alancar.
R"gistre-89 e fajam-se os assentamen-
tos.
Mana Jovelina Ferreira Al ves. Entre-
gese pela porta.
Figueiredo & IrmSo. Certifique-Be.
Estrada de ferro de JaboatSo, director
geral das obras publicas, offi-io do Dr.
procurador dos feitos, Almeida Machado
& C. e Jos Soares do Amaral. Informe
o Sr. contador.
Nicas da Silva Gusmao. Haja vita o
Sr. Dr. procurador fiscal.
MARIO DE PERIAIBDCD
eparfico da Policia
2.* secc2o.N 328.-Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, em 24 de Abril de
1888.Ulm. e Ezm. SrParticipo a \-
EztS que f.iram hontem recolhidos Casa
de DetencSo os seguintas individuos :
A' ordem do Dr. delegado do 1." dis-
tricto da capital, Antonio de Oliveira, pr
crime de furto.
A' ordem do do 2 districto, ?edr* "*r"
boza de Souza, Manoel Lourn;o de Mello,
Tnomaz de Aquino Fonaeo, Victori'-no
Francisco das Cnegs e Manoel Paulo e
RECIFE, 25 DE ABRIL DE 1888
noticias do norte do Imperio
O paquete nacional Siaranh&o, honlem ebegado
do norte, trouxe as seguintes noticias :
Amazonas
Datas at 12 de Abril I
Lemos no Commercio do Amazonas de 7 :
Continua o grande abuso das autoridades da
provincia visinha na concessosde cartas a indi-
viduos que fasem de praticos nos ros do Amaso-
nas.
Esta tompetencia, parece -nos, perlence ca-
pitana db porto de Manos que, nao sabemos a
rstSo, tera tolerado at hojo aemelhante invaso de
attribuicts.
Nao a primeira ves que a imprensa da ca-
pital se oteupa deste assumpto o chama para elle
a attenco do honrado militar que est frente da
reparticoda capitana do porto.
E' preciso que torne-se efFectva e real a auto-
noma desla provincia e que saibamos exercer te-
das as prctogativas que a eonstituico uds garante.
Desde 1852 deixamos de ser comarca do Grao
Para e putanto agimos nos nosos negocios, sem
intervenej) de quem quer que seja.
Se sioi a capitana do porto concedesse car-
tas de pntico a quem quiresse navegar no Xiogu
e Tocante, oh deuses a imprensa de Belm
faria tal *leuma e grita que o official de marinha
que tivetse procedido d'aquelle modo seria logo
condemnaio forca.
o P irmalo, pedimos ao I'lm. Sr. eapitio de fra-
gata Lops da Crns um ponco de-attenco para
este negicio, taaendo pelo menos que os udividuja
bubilitaoos no Para ractifiquem as suas cartas le
praticos .des ros do Amaunas com exames nesta
capitunii
So muito para ellese vale balante para
firmar q4 nao somos mais comarca do Grao-Para
e fm ore. provincia igsal outra parante o noaso
pacto fun araent'.l.
Apro eitimdo o eesejo deste artigo pedimos
anda qu o Ilustrado Sr. capito do porto ni to-
lere que iam deste porto navios abarrotados de
carga e assage>ros como anda ha poneos dias
sahio o A: e, da Aro .aon Steom, pois que alm dos
grandes i tereises de propridade arriscam-se mui-
t*8 vidas.
L t is na mesma fulba de 5 :
Cos -nos que hontem Urde, por occasiSo
da sahid do vapor Acre, em viagem da linha a-
rij Juiu deram ae graves disturbios a bordo
deste vu ir, entre os passageiras de proa, do que
re3ultar.i algans ferimeotos cansados pr arma
bra tesa
Es'e ict; foi devido ao abuso que a agencia
, ibia do Amaionas pd enJ pratica vn-
etos de passageos a quantos lhe appa
lom attender a que a paquena lotaco
avio nao podia computar tanta gente
s nooveoient'?s, pois dizem-ass que o
asBhgeiros foi trlve de40O pessoas.
alm de excessi .-ameote carreirado
lorias da prsc, levoa cerca de 70 to-
carvo sobre o CJnvx, o que tomou
o lugar destinado aos pass*geiros de
Ignora-se o movel do crime.
Os assasaines foram presos e acharase recolhi-
dos cadeia de Silves.
Part
Datas at 15 de Abril:
Fanecionava regularmente a assembla legis-
lativa provincial.
Continaam asfolhas a registrar muitas epu-
cessoes de cartas de liberdade a escravlsados da
capital e interior. J esto redimidas'eo B^t.n a
praca da Independencia, Ilharga de Palacio, Cal-
cada do Collegio, traveseas Marques de P.-rabal,
Joo Augusto Correia e praca de Pedro II.
No dia 13, ao meio dia, comeooa a fdmegar
um monto de lixo existente dentro da tapagem de
taboja que cerca o terreno destinado ao novo edi-
ficio da alfandega.
Aps groasas colamnas de fumo apparecca ama
grande labareda, que despertoa a atteneo dos tra-
bslbadorea eempregados da alfandega, que irnme-
diatamente conmnoicaram companhia de bom-
beiros.
C mparecendo estes ao lugar, comeoaram o ser-
vico da extioceo do fogo, revolv.ndo-se o monto
de lixo incendiado e verificando-se que a madeira
aasente sobre os alicercea eatava queimada em di-
versas partes.
Felizmente o fogo foi extincto s 3 !/2 horas da
tarde.
O* o Commercio do Para de 14 :
A' travesea do Dr. Moraes, hontem, s 4 1/4
horas da tarde, foi atropellado por urna carroca
urna menina, filha do Sr. Jos da Coata Teixeira.
Urna daa rodas paaaou-lhe sobre as pernas e o car-
roceiro, conseguindo desembaracar-se d'nm irmo
da victima, que a acompanhava, evadi se.
A familia do Sr. Manoel Constantino da Vei-
ga, reconhecendo mmediatamente a iofeliz meni-
na, prestou-lhe os primeiros curativos.
Lemos no Diario do Grao Para de 10:
Antehontem s 8 horas da maoh, cabio do
estriba de um bond qne vinba do Marco da Legoa,
o menor Jos, criado da casa do Sr. Clemente Fer-
reira.
Da queda resoltoa ficar esmagada perna es-
qaerda at a cosa e parte da cdxa direita.
O doente foi transportado mmediatamente
para o hospital da Santa Casa de Misericordia,
onde no meamo dia a 3 horaa da tarde, foi opera-
do pelo Sr. Dr. Luciano Castro e auxiliado pelos
seus collegas Drs. Gnimares, Navegantes e Rxo.
< O estado do doente contina bastante grave.
Diz a mesma folba de 12 :
Antehontem pelas daas e meia horas da tarde o
portugus Rocha Jos de Oliveira, tanoeiro, eata-
belecido travesea de S. Matheua e morador ao
largo de palacio, envenenon'se tomando duas co-
lheres de arsnico, vindo a fallecer hontem pelas 9
horas da manh.
' Proeedu se a corpo de delicto servindo de pe-
ritos os Drs. Luciano de Castro e Mareal.
Ignora -se o motivo que levoa Oliveira, a prati-
car este acto de desespero.
Fallecen no dia 8 Manoel Joaquim Dures
Junior.
Marsnb
Datas at 18 de Abril.
Eatava proseguindo em seus trabalbos a Aisdui-
b!a Provincial.
Lemos a'O Paix de 16 :
Teve lagar hontem a 8 horas da manh, o
aaaentamento da primeira pedra do edificio qae
vai ser construido na Camb do Matto pata a fa-
brica da Companhia de Fiaco e Tecidoa Mar-
nbbUBU.
< O acto esteve bastante concorrido, schando-se
presentes algumas familias, muitos depntados pro
vinciaes, vareadores da Cmara Municipal, a di-
rectora e grande namero de accioniatas da Com-
panhia de Fiaeo e diversos funecionarios pnbli-
cos.
a Apa aagraco da pedra qae foi feita pelo
reverendo conego Francisco Joa Baptista, falla-
ram os Srs. Dr. Cvpnano Velloso Vianna, presi-
dente da directora da Companhia, Ignacio do
Lago Parga, director do theaourero, Collaco Ve-
ras, por parte da Asembla Provincial, Henry
Airlie, presidente da Associacao Commercial e
Virgilio Cantanhede, secretario da Soeiedade Aa
xiliadora da Lavoara e Iadastria, o qual em nome
deata soeiedade, cftertou urna caeta de ouro ao
Exm. Sr. presidente da provincia.
S; Exc. agradecen o mimo com que acaba va
de ser sorprendido, em bellas e eloquentes pala-
vras fea votos pela prosperidade desta provincia,
qae tado deve esperar de estabelecmentoa indua-
triaes.
< Durante o acto tocaram aa bandas de msicas
de educandos e do 5' batalho de infantaria .
Plaaby
Datas at 6 de Abril.
Nada refeaem digno de menco as follias desta
provincia.
Ceara
Datas at 21 de Abril.
Todas as folhae sao accordfs em asae^erar que
est declarada a aacoa.
O Libertador de 17 cacreven a tal reapeto :
Centinuarroa a receber ms noticiaa do inte-
rior da provincia.
No Lmoeiro, dixea cartas reeebidaa hoje,
esto perdidas nao s as plantacea como as paa-
tagens.
c A Caieta do Norte pabcoa hontem desolado-
ras informacSea de Morada-Nova.
E' aasim em todo sal da provincia.
< S em alguna aerto-a do norte e no valle do
Cariryeat a solo em condioea de resistir ao ex-
tenso vero que comecon em Maio de anno pasea-
do, s de ionge em longe tem sido interrompido ,
na melhor hypothese, durar at Marco prximo,
a contar com invern regalar em 1889.
< Hontem, tarde, a atmoaphera esteve carre-
jada e soprou vento norte. Era de contar com
chuva copiosa e ua esperavamos com grande sa-
tisfac-, ver desmentidas as nossaa apprehen-
ses. .
Infelizmente, porem, os ventos reinantes da
aiparam oa nevoein 8 e nao caho urna t gotta
a'a8aa- -
Creacem os receoa e empeioram cada da as
crcamatancias da provincia. \
Pode aer que posaamos atraveasar a crise sem
grande abalo, ai a falta de chuvas a se fizer sen
tir cate anno.
b Neate eaao ha ver apenas algama falta de
cereaea, perda de parte da safra de canna, algo-
do e caf, j estando esta completamente perdi-
da, e inevitavel prejuiso na criaco de gndaa.
lato, porem, quanto basta para determinar o
dealocame'nto da pcpulaco e a emigraco para o
da Com
dendo b
receram
d-.qu'.lle
a-m grl
uumrro de|
O
com mera
ueladas
quaai tad
pros.
~- Nodi
viduoa aaia
um velbo
de familia.
;ricto da villa de Uruear qoatrojodi-
sinaram barburameote a cacetadaa a
neme Torres, hornera laborioso e chefe
__ I>mo3 na meama folba de lo .
Affi ae grande qoantidade de gente de vanos
p:ntos da provincia a tomar paseagem para o
Amazonas e Para.
< No paquete de 12 seguiram cerca de bUO emi-
grantes ; antehontem chegaram do Araca'y quasi
2i-0 o trem Btante trooxe hantem igual
qaautidade, e j havia aqu mafti, gente, que nio
poade embarcar no ultima paquete, por falla de
Praca.
Informam nos na agencia da Companhia ora-
aileira, que ha mis de 800 oessoas que preten-
den) embarcar no paquete Per7Wn6iico
Parece que o governo deve fcil tar a sahii
deesa pobre gente, que nos tem como reaietir aoa
rigireB da aecua e, agglomerada nos centros popa-
loaos do littoral, aesrretar a propria p nuria e a
das populaos fixis, compromettt ndo altamente a
aalubridade dos poat s a que se abrigar.
Infelizmente a desgraga publica aconselba o
exado e na somos forjado a pugnar_ por todas as
facilidades ao emigrante qae foge do ingrato solo
da provincia.
Da estaco do telegrapho nacional cammu-
nicaram mesma folba :
_ Hontem s 9 horaa da noite, foi observada aa
capital do Piauby, a psssagem de ama grande es-
tralla, que tomando a direcoo de Norte para o Sal
deixou apoz aoa rpida pasaagem um disco lami-
no/), maita aemelhante a um relmpago, e nm es-
tronda, cama 8e ai hoaveesa dada naqaelle instante
om forte tremor de trra, foi eato oavido.
O meamo phenomeno foi obaervado na villa de
Pery- pery, qae diz ter o disco luminoso deixado
pela estrella clareado perfeitamente toda a villa.
Da 8are escreveram ao Cearenas:.-
Nosso estado aqui desesperador ; ha diver-
sas pessoas accommettidaa de febre amarells, tem
havjdo muitoa casos de morte, e nada de previden-
cias, na obstante a representaoo da Cmara Mu-
nicipal ao presidente da provincia.
Entre as victimas da terrivel molestia contam-
se a virtuosa consorte do noaso honrado amigo Sr.
Joo Facundo o dous filhos manares do Sr. Pedro
da Roeh v Gaimares.
E o qne extraordinario que, nem seqner,
tenha anda vindo aqui commissionado para veri-
ficar o estado das couaas ou o Sr. Dr. inspector da
salido, on algam oatro medico. *
Rio Grande do Norte
Datas at 22 de Abril:
As noticias desta provincia constara da carta do
nosao correspondente, publicada na rubrica Intt-
rior.
rarnhyba
Datas at 23 de Abril:
Nada reterem as folhas digno de nota.
noticias do sul
O paquete norte americano Pionee, entrado
hontem doa partos do sul, foi portador daa se-
guintes noticias, alm das officiaes insertaa aa
aecgSo respectiva, e do Rie de Janeiro, constantes
da carta do noaso correspondente e que publica-
mos sob a rubrica Interior.
Blo da Prala
As folhas da corte publicaram os seguiates te-
legrammaa :
Montevideo, 14 de Abril.
A policia aequeatrou o jornal D. Quixote por
cauaa daa caricaturas contra o presidente.
Buenos Ayres, 15 de Abril.
O senado de Cordova suspenden o governador
por ter praticade raalversaces e violado a eonsti-
tuico.
Montevideo. 15 de Abril.
Depo8 de feita rigorosa inape.'co, o porto do
Rio de Janeiro foi declarado limpo de febre ama-
re lia.
Montevideo, 15 de Abril.
A jinta de bygiene deata capital suapandea a
13 do corrente a quarentena impoata aoa navios
procedentes nicamente do porto do Rio de Ja-
neiro. As medidas de observaco com referencia
aos navios viudos do estrangeiro aero feitas na
ilba daa Florea ou no lazareto da Ilha Grande.
A junta de bygiene doata cidade annallon hon-
tem o sen acto de 13 do corrente, pelo qual sa-
jeltoa a des dias de observaco os navios proce-
dentes do parto do Rio de Janeiro.
A commisao do a-nado encarregada de exami-
nar o praj :cta de lei que se refere convenco
sanitaria erientol, argentina e brazileira apreaeb-
tou parecer favoravl e que autora a juU hygier.e a solicitar doa maia Eatados. da America
do Sul adheao ao meamo projecto.
15 de Abril.
O general Mximo Santos deamentio claramen-
te o projecto de revoluco que ae lhe imputara.
A comauaaao argentina que tomara parte n
trabalhoa da fixaco de limites das M.sSes ehe-
gon b je a eata capital e partir amanh para
Buenoa-Ayroa.
O governo Oriental au'oriaon que se estabele-
cease nm telegrapho semafrico no porto de Mal-
donado.
A canhoneira Gmeral Artigas acompanbar o
paquete italiano Matleo rutzo emquanto este na-
vegar em aguaa da Repblica.
Buenoa-Ayrea, 10 de Abril.
Chegou o coronel Garmendia, chefe da cammis-
so de limites.
El Diario pretende qae oa trabalhoa da com-
uiisa i firmo oa direitoa argentino.
Montevideo, 16 de Abril.
i hegou hoje, bordo do Matleo Bruzzo, o gene-
ral Santos qae segu para a Europa, levando em
sua compauhia tres filhos.
A canhoneira General Artigas, vai de conserva
aquello paquete.
Montevideo, 17 de Abril.
O general Mximo Santos, ex-dictador da Rep-
blica do Urognay, parti esta noite a bardo do
Matteo Brumo.
O povo e os Jaraaes do Uruguay acolhem eata
noticia de um modo aaaz favoravel.
17 de Abril.
0 ministro do Imperio do Brasil junto ao gover-
no do Uruguay acaba de apreaentar urna reclama-
cao enrgica pedindo abalico da quarentena im-
poata a procedeuciaa do Brazil.
Consta ter bavido seria dcaiutelligencia entre o
ministro do governo e o ministro da guerra e da
mariuhs.
Montevideo, 18 de Abril.
E' provavel que o governo da Repblica do
Uruguay decrete em breve a diminuioo das qua-
rentenaa impostas s procedencias do Chile e do
Brazil.
Corre o boato de urna crise ministerial nesta
capital.
Annuncia-se que o ministro da instruceaa publi-
ca, da justica e doa cultos vai ser nomeado sena-
dor. ...
Consta qae o Dr. Ellauri o substituir no mi-
nisterio.
Buenos- Ayres, 18 de Abril.
O Sr. Payan, presidente da Colombia, procla-
mou a amnista e a liberdade da mpreaaa.
O Paraguay bypothecou aoa ingleses a ilha Jas-
peta.
O Club Naval iflereceu um banquete commis-
ao de limites.
Montevideo, 18 de Abril.
Os pratic 8 do rio fizeram pared'.
Apparocerajn no aeio d i gabinete desaccordoi
gravea, relativamente queata da palitioa in-
terna.
O Sr. Dr. D Demivioso Terra apresentase
como candidato a Baador.
O Dr. Julio Herrara apreaentao Sr. Dr. Ellauri.
Blo Clraade do Sal
Datas a II de -Abril. -
_ A Oamara Municipal do Bio Grande preten-
de realissr no dia 7 de Setembro futuro urna r
poei^lo de prodncro3 indnatnaea e artsticos de
oflk O e profisaVa ex reidaa no municipio.
Lemos no Biario di Rio Grande cm data
de 10 :
No dia 25 de Marco prximo Sudo, apparaceu
na cata do oeeana no districto de Mostardaa, ama
lancha tripolada por tres individuos que disseram
tr vindo de-Santa Catharna.
E.icaiiraram a lancha, dea mbarcaram e qaanda
a autordade do distri-sto os proenrou, haviam des-
apparecido. ., .
Nao tera alies commettido algum crime comj
faz snpi>6> o facto de se animarem a fazer aeme-
lhante viagem em ta frgil embarcicio ?
No da 8 os f gaistas, c b >a de togaistas 6
carvoeiruf do p. quete Rio Grande, eoPnumero da
15, recusaram fazer o aervico que Ih'^S incambe,
pretexto de ser domingo e qutrerem vir a trra.
O commandauta do paquete e o respectivo oa-
thinista,Bm como o Sr. Salvador Moutinbo, 89
da comjronhia, mpre^aram todas oa m910a,.!*f_'
rios para conaegmrem que os revoltados voiia*!


IIESWH l


sai



*>
Diario de PernambucoQuarta-feira 25 de Abril de 1888
_____________ --------------- ..
raaio e traUsem da cmmptu u davar: _toi
'i* baldado _jj_j
Vendo assim desrespeitada a a autoridad;,
e nao querendo abrir exeepc5as odiosas- pois
que, apean de ser d.mingo, todo. o. outro. tri-
antes estevam tr.bathando- o commandante
offioiou i cap.u.ta do porto, relatando o oeeorri-
de, e a capitana, offioiou por mw ao dele-
gado de polica qae prenden os rebelde.
Est concluida o trecho da eatrada de ferro
de Porto-Alegre a Urngnayana, aituado em ter-
reno do tenente-coroael Ernesto Fontoura, na a-
Jade de Santa Diaria da Bocea do Mente.
Com a terminacho dente trecho, aoja eanatruc-
;Io fdra embargada em 1832, podara aer breve-
mente inaugurada a eatacio do Riocio de 8. Pe-
dro, situada no kilmetro 336.
Sio miis 44 kilmetro, cuja abertura ao trte-
se, dependendo apenas da recanstraeco de algu-
raas obras, poder ser feita em oteadoi *
""Refere o Onze de Jtmho, de Pelotas, e
lata de 11: .
Aotehoutem, s 7 horas da ncite, na venda
de Guilherme Boha, quem das Tres Vendas,
tete lugar urna scena de sangue, a qual, se-
cundo no infjroum, deuse da seguinte i
Na referida venia achavam-se Leonel de tal,
o masmo individuo que ba temp03 foi perseguido
pela polica, e Vicente de Oliveira, tropeiro, h;
mam pacifico e trebalhador.
Ambos haviam pedido caf e esperavam que
os eerutsem, quando bateram 4 porta, que esla-
va feobada, os celebres desordeiros Joio e Emilio
Pereira. bastante conhecidos por suas facanhas.
A berta a porta, precipitaram-se os bandidos
de pistla em p'inho no interior da venda, e en
contraado Le racl, que achava-se debrucado sobre
o baldo, deafecharam-lhe traiclo e ao mesmj
tempo dona titos que o prostraram gravemente
ferido.
Em seguida, precipitando-se sobre Vicente
de Oliveira, deram-lbe varios tiro, feriudo-0 do
lado esquerdo do pcito e em urna perna.
Depja de saciada a sua t le de angue os
sicarios moataram a cavallo e retiraram-ae tran
quillamente.
Antes de commetterem o crime, os bandido
vieran] a esta cidade e em diversa cusa de ne-
gocio disaeram que andavam em buaca de Leonel
para o aasasnarem, visto haver entre elle urna
questio antiga a liquidar.
Dapois do crime commettilo (requinte da
audacia) os sicarios estiveram em urna taverna
prozima do mercado, e all declararan! que ac
bavam de assaeainar Leonel.
- A auteriiade policial tomou conhecimento do
lacio, sendo Leonel transportado para a Santa
Casa de Misericordia, onde so acha em perigo
A 13 do correnta seguiram para Ouro Fina, Mi-
nas, alguna desses engenheiros, ficando aqu ou
tros para encetarem os trabalhos preliminares.
A renda arrecadada pela fabrica de trro do
tpanema, em Maroo ultimo, foi de 2:403*045.
Em Mar;) de 1887 havia sido de 6:460*295.
Falleceu na capital Manoel Jos da Suva
commendador Ricardo Jos Gomes Gu-
maries, tasendeiro as provincias de 8. Paulo e
do Rio de Janeiro, liberten todos os escravos que
piasuia em suas gaseadas de Cbauaao naquella
proviaaia, e do Pavia Beata, cerca de 303, pagan-
do lhealario proporcional ao servico que pres-
taran.
Desisti taaaacm do servico dos ingenuos, pa-
gando-lhes tambem alario correspondente ao tra-
balbo compatival com iua forca.
Todos, seca exoepcao, declararam a seu ex-se-
nhor que eontinuavam as fazeodas e com satis
faci s* dedioam ao servioo, todos contentes com
o testamento e salario que recebaos.
O Dr. Jos Bernardo Gomes Guimaries, filho
do dito commendador; tambem libertou es seus 19
eacravos e desisti do servico dos ingenuos nos
mesmos tennis. E todos couiinuam a trabalhar
muito satisfeilos.
O Sr. Carlos Gome de Oliveira Campbell,
fasendeiro no municipio de S. Joaquim da Barra
Mansa, desisti dos servico da ua escrava Emi-
lia, de 37 anno, dando-lua liberdade ineoadi
cional.
O presidente da provincia partir a 14 para
Ipin -ma.
Foi assignada a eaeriptura de venda do tinge
nho Central de Piracicaba ao Sr. Bario de Re
sonde, conforme ficon assoatado na ultima reunilo
dos credores da empresa ; e bem assim a de
hypotheca do mesmo eatabelecimento ao ere-
dores.
Foi designado o dia ?3 do corrento para a testa
da libertario do municipio de Itatiba.
A muuicipalidade de D jus Corrego approvou
urna indicacao igual de S. Borja para a reviaio
da Conatituicio Assiguaram na os vereadore re-
publicanos Jos Americo R.-aa, Jos Sabino Fran-
co e Fernando de Barro Libio.
Hma* Geraes
Datas at 18 de Abril.
No da 15 sabira da corte, is 5 horas da ma-
ahi, para Barbacena, o Sr. conselheir o Ro-
drigo Silva, acompanhado do coronel Accioli, ins-
pector das trras publicas ecoloniaacao, coronel
Neiva, commandaote do corpo de bombeiro, di
rector e engeoheiroa da estrada de ferro D. Pedro
II e outraa pessoas.
A'a 9 1|2 horas chegou S. Exc. estacio de En-
tre-Kios, onde lhe foi offerecido e s pessoas pre-
sente,um almcco pela directora daquella estrada,
de I A'a 11 1(2 hora fes-se urna parada prximo es-
| taci do Sitio, visitando o Sr. cooselbelro a fazen-
Vicente de Oliveira foi conduziJo para use i" da Registro, ltimamente comprad* pelo governo.
tem s 2 A' 5 li2 horas chegou S. Exc. a Barbacena, ond
casa sita ra Barroso, fallecendo bontem
hars da tarde.
Tendo o delegado de polica de Pelotas re-
cebido denuncia de que na Buena se actiava o a-
migerado bandido Francisco Luis de Couto, com
mnnicou o tacto ao chefe do policia, requisilando
forera que o auxiliasse na captura do mesmo ban-
dido e tendo aquella autoridade ordenado que
foseen) postas disposicio da inesma delegacia
10 praca do 5 o regiment, actualmente em Bag,
o capitio Catado, apa a chegada desta forca,
pjz-se i frente d'ella, acompanhado de mais 3
prapas d<- policia e do official de justica Marceli-
no Jes da Silva, dirigiodo-se para o local onde
haviam denunciado estar o bandido Couto.
Ahi ehegando, noite, cercaram a casa onde
elle se acoutava, eonsegnindo antehontem, pela
manhi, efectuar a sua prisio.
Diz o Ditrio que Couto chefe de urna qua-
drilha de bandidos que tem sido o terror dos ao
radares do 5. districto, e da qual fazem parte o
celebres tacinoras Chico Couto Sobrinho, Joo
Jos Passabem e Simio Pacheco.
E' aecusado da morte de urna enanca de 12
anuos de idade, pe desconfiar ter a mema o de-
nunciado como autor do furto d- mercadorias pelo
qaml comparecen no tribunal do jury, que o ab-
sorveu.
Est prenunciado como ucurso no art. I93 do
cdigo crminal.
Couto Jeu antehontem entrada na cadeia civil
daquella eidade.
No Livrameoto, dona soldados que se acha-
vam presos no quartel do 4. regiment de enval-
laria travaram-se de razoes, resultando sabir um
d'eUes ferido com seis tacadas, das quaes veio a
fallecer.
Em D. Pednto, cahio na noite de 26 para
27 do pMsado ama fortUsima chava de pedras,
acompanbada de vento e trovoada.
As eas 11 oom frente ao sul fiearam muito dam-
nificadas.
Dis a Aclualidade que, sendo remettido pelo
Sr. Bernardiuo Vargas os papis semestrae da
meaarde ronds genes de Ja2ur-> para a Tbe-
sourari i de Csenla da capital do. provincia, esta
os devolreu por encontrar um desfalque de...
7:000*000, na arrecadacio dos impostes.
A mesa de renda eeraes de Itaqui arrecadou
em Pevereiro 3:8ti3'il..
Suicidsram-ae : em D. Pednto, D. Zeerina
Gomes Ptiraca, e na capital, Manoel Baltbazar
de Almeida e Silva, que exercia as funcco.s de
viso-cnsul do Paraguay n'uquella cidade.
Falleceram : em S. Borja, Alberto Sa-
raiva da Fonseca ; no erval, Guilherme J >s
Sedler ; em Jguario, D. Mara Carolina Mar-
tin ', em Pelotas, Joao Francisco da Silveiro, e
na capital, Luiz Ferreira de Moura e Henrique
Scherer.
Sobre este diz o Jornal do Commereio de Porte
Alegre:
Tendo ajustado para o dia 31 do passado o
calamento de urna tiiba, occorreu a desgraca de
morrerem da mesma molestia, o typuo, o iufeiiz
noivo no proprio dia em que devia effectuar-ae o
seu consorcio e o pai da noiva no dia immediato 1
De noce filhos, que, com sua desditosa viuva,
deixa o Sr. Scherer, deus se acham atacado d'a-
quel.'a terrivel cufcrmidade. 1
Sania Catbarina
Datas at 14 de Abril.
Fallecen na capital D.mingos Lydio do Li-
vrameoto, ex agente coagular all d* R -publica
francas,
S. Paulo
Dftas at 18 de Abril.
L-se no Diario Popular de 17 :
r II atem, ao meio-dia, reun los no sali da
igreja dos Remedios, varios cidadios, foi por elles
fundada nesta capital urna socicJad^ coa o titulo
de Pr.-pgador. da Iustruogio Popular, com o fin
de crear, cid vanoa pontos da capital, esc las no
tuinas, pira o tnsTho de libertos e ingenuos, e em
geral de todos os desprotegidos da fortuna, que,
pir qualqner circumstancia, s possam fr.quentar
aulas nHunMs.
A-clamido p-esidrnte o cididio Martinbo Jos
Marquas, chamou este para secretario o cidadis
flippolyto da Si I vi.
Fiot', por iniciativa dos cidadios presentes,
creada a prime ra escola n:turna da Sociedad
Propagadora da Iustrucf lo Popular, escola que
receben o titulo de Dr. Antonio Bento, justa ho
menag m ao chefe abolicionista, e que funciona-
r das 2 s 9 da noite, no sali do extrnate San-
to Antonio, na igreja dos Remedios, sali que foi
generosamente offerecido pelos directores daquello
ex ter i) ato.
En Taubtt'foi fundada urna associacio de
senhoras caridosa, cajo fi.n c saccawrer a pabre-
za recolbida com eimolaa, fornecei o mios pra-
cisos para facilitar a edueacio e instruccio das
meninas pobre, manteado assim c espirito de ca-
ridade.
J foram nomeadas as seahsros qae Km de.
syadicar 'Ja pobreza neeessitada, afisn de lhe ser
applicvi 1 o rendimento da esmolas, segundo o
estatuto da aisociacio.
Em Sorocaba falleceu Benjamn Baddini,
subdito italiano aiii residente e muito estimado.
A respeito, lomos no Diario :
Deu cansa a tste lamcntavel passamento um
insecto, cuja ciasse sa ignora, que picou o finado
as rosto, durante o somuo, sebreviudo-lhe grande
inchacao e gangrena, sendo baldados os entreos
da aciencia e os inexceiiv :3 disvellos da familia
para ealval o.
Parti no dia 16 de manhi para Santos o
presidente da provincia.
Refere 1 Gajtela de Pir.acitaba que um turno se
poderua naquella cidade de urna enano, furtau-
dc-a a sean pai.
Achavaio-e eate em grande deseapero julgao-
do o fiao orto, qaaodo a policia oasegaio dei-
tar a mi a-um turco, que levava a erianca rou-
badi.
O turco foi reoolhido cadeia.
(jfaegou eidade da Peah do R0 Peixe a
turma de eogenbeiros da estrada de taiaajj Val -
Je de Sapucaby, caja eonttraecio vai
UdSvr
ence-
0 esperava grande concurso de povo.
A estacio eslava toda enfcitada, a cidade com
arcos e toda Iluminada.
O Sr. couseibeiro Rodrigo Silva foi cumprimen-
tado pelos collegios Abi.ioe outros.
A bospedagem foi dada pelo Bario de Carao
dahy.
A inauguracio da colonia realisou-se no dia 16,
7 horas da manhi.
K i territorio do sannicipio de Barbacena, da
proviacia de VI.'nas-Gorae, diz urna folha da cor-
te, de 16, ser boje officialmente inaugurado, o
primeiro ncleo destinado naquella provincia
collocacio de im nigrautes estrangeiros. A^sen-
iado em boas trras de cultura, prvido de abun-
dante aguada, o ligado ao mercado dcata c.-te
pela estrada de ferro D. Pedro II, rene o nas-
cente eatabelecimento todas as condices de des-
euvolvimento e prosperidade, pudendo e deveudo
constituir-ae pelo correr do tempo vasta e populo-
sa colonia.
Ligamos a este facto importancia especial.
Numerosos ncleo contam as provincias do Espi-
to-Santo, Paran, Santa Catbarina e Rio Grande
do Sul, alguna no caminho de grande presperida-
de, ma o de Barbacena, nio cedeado primasia a
nenhum quanto s condicoas natnraes. o primei-
ro que se estabelece em grande provincia, naquel
la onde mais numeroso toi sempre o braco escra-
vo, e qual mu frouxo ou quasi nullo tem sido o
suppnmento de torcas pela introduccio de immi-
grantes. Agora que a provincia, tendo orgauisa
do para este fim promettedora aaaociacio, iuiciou
esforcos para attrahir immigrantes, a fuudaco do
oucleo de Barbacena constitue a nosso ver pro-
videncia essencial ao bom exitq daqueles esfor-
cos.
C lando a prov"ncia de S. Paulo, affrootando
objecfes conscienciosas que pela nosaa parte pro-
curamos combater, poz em experienoia o systema
que aili est aeudo praticado com vant-a .<.,;.
procm para locadores e locatarios, fizemos varias
veses aeotir a nacessidado da fundacio de ncleos
onde podessem adquirir de prompto a propnedade
de trras os immigrantes que esta collocacio pro
fenssem, ou que, tendo accumulado peculio no ser-
vico aaaalariado, desejasaem estabelecer-se defi-
nitivamente como agricultores de coata propria.
Sem isto a provincia de S. Paulo, ou qoalquer cu-
era, que logre attrahir forte correte de immigran-
tes, ter de ver.se privada do concurso de muito
delles, nio fruindo, portante, todas as vaatagens
da immigracio permanente.
A' provincia de Minas Geraes quadram ob-
eervacoes em tu lo ideticas. Sej* o primeiro o
ncleo Rodrigo Silva e venbam outros, em prazo
uio remoto, satfaz?r esta grande necessidade,
porque nio tenhim de sabir do frtil slo da pro-
vincia os immigrautes que all introduzidos deae-
jarem eonstituir-te proprietarios de trras. O
ncleo sio factores indispensav is do povoamea-
te e esta face do problema da immigracio merece
eer considerada muito attentamento. Da immi-
gracio-nio devemos esperar lmente supprimento
de bracos para as necessidade actuaos, mas tam-
bem sementeira de borneas que coadjuve o desen-
volvimeoto da populacio.
Dusta poderosa influencia da immigracio te
mos ezemploa de alta significcio em todas as pro
vincias >nie de longa data temos fundado ncleos
de immigrantes. Em Santa Catbarina o pequeo
nuelee dd Bumenau transforroou se, dentro de au-
no, no mais rico municipio da provincia. Do an-
tigo ncleo de S. Leopoldo, no Rio Grande do Sul
surgi activo emporio de produccio e de commer-
eio. Possam manifesrar-se iguaes pbeuomenos na
provincia de Minas-Geraes.
H10 de Janeiro
Datas at 19 de Abril.
O Sr. consclbeiro ministro da justica, acom-
panhado de seu official de gabinete e de outras
pessoas, eutre as quaes o Rvd. padre Scaligero,
redactor do Apostlo, visiten no dia 14 o aiylo de
mendicidade.
Cbcgaodo s 7 horas da manhi, foi recebi 'o
porta pelo dir c:or e teus auxiliares. Depois de
percorrer todo o estabelvcimanto, < uvio a missa
celebrda uo capella do aejrlo pelo conego Dr. Pi-
nheiro, e servio de psdnnho a duas enancas, li-
bas do asylada, que foram baptisadas entio e
recebram os nj.n-3 de Osear e Mara. A' missa
e a ceremonia do baptismo assiatiram todos o asy-
ladoa e o sentenciados empregadoanaa obras do
odificio.
A'j 10 3)1, dirigio-se o Sr. ministro pira a (asa
de detencao, onde, depoia de informar oe daorgt-
nisafao da r> apectiva secretaria, examinou mais
urna ves as solitarias, ver.ficaudo que j tiuham
tido cumprimento algumas das medidas que indi-
cara por occasio da aua ultima visita.
A' 6 1|2 hora da maubi do in sino dia, o Sr.
conselhciro ministro da guerra, acompanhado de
seu orBcial do gabinete, o Sr. major Modesto, em-
barcou ao ama lancha a vapor do arsenal de guar-
ra e diriio-se para a foitaleaa de Santa Cruz,
- onde foi recebido pelo commindante d ata praca
u'armas c pelo 1 batalbio de artilhenae sua offi
cialidade.
Percorreo detidamente a fortaleza e tedas as
dependencias, examinou e armamento, verificou
quaes as obras qoe se devem fazer e retirou-se s
9 1|4, salvando nesta occasiio a fortaleza.
S. Exc. rucontrou tudo em boa ordem.
O ministro do imperio, acompanhado do seu
official de gabinete, visitou no da 17 ? ssyb de
meninos d.sv.lidos, demorando-aOjalli das 9 1/2 da
manhi at ao are* dia.
Percrreu o estab^lecimento, examinando minu-
ciosamente toda a suas dependencias.
Na secretaria deteve-se no exame do systema de
escripturacio, julgando-o deficiente.
S Exc. preMude faser no respectivo regulamen-
te algumas alterace, restabelecendo disposices
do primitivo, ni) id no qne diz respeito s attri-
buices dos respectivos fuacciooarios, como s.
coadito.-s de admissio doj asylandoa, de modo que
os verd .deiroa desvalidos nio sejam prejudicados
por meninos que estejam em condicoes mais favo-
ravei.
Provavelmate terio de ser excluidos alguns,
tanto mais quanto a lotacio do aiylo, que de
309 est excedida de 42 asylados.
Determinou S. Exc. ao director que oto admitie-
se nem mais nm addido.
Constava que seria nomeado commandante
da brigada que vai aer creada na provincia do Pa-
ran o brigadeiro Manoel Francisco Cocino de
Olifeira Soa es.
A barca Itamiraty, ao chegar is 1/2 horas
Pelropolis prximo da ponte Mau, fes exploao
por ter partido o cylindro de estibordo. Immedia-
tamtnte foram abortas todas as vlvulas de esoa-
pamento do vapor, por indicacio do passageiro
commandante Araujo Castro.
A barca condusia 199 paasageiros.
Serenado o pnico a bardo, empregaram-s: ea-
pima, conaegundo-se atracar e desembarcarem
esa novidade todos oa passageiro.
Consta qoe a Itamaraty est impossibilitada de
fusiccionar, tal vez por um mez, sendo substituida
ao servico *wia Principe do Ordo Para.
Os diraaaarea Barxini, Dr. Alencar Araripe e
Araujo Mata foram em extremo solcitos, j acal-
mando os passagoiroa, j providenciando para o
rcatabelec'.neuto da ordem a bordo.
No Fluminerue de 18 l-je o seguate :
o Com a medouha trovoada, acompaahada de
chava torrencial que antehontem, s 10 1/2 horas
da noite, desabou cobre esta cidade, cabio urna
faisca elctrica no predio n. 141 da ra do Vis-
conde de Itnboraby, qne felizmente estava para
alugar.
Damnificou muito a parede lateral, qoe]o di-
vide do jirdim da casa n. 139, onde reside o Sr.
Marinbo.
< Nesse jardim, appareceu um enorme buraco
junto parede, na mesma direccio dos paos a prn-
ino da citada parede, que ficou muito abalada e
cheia de buracos.
Parece que dessa faisca elctrica partiram
duas aeentelhS, urna qne cahio nos predios ns. 68
e 70 da mesma asa e outra na ra do Viaeonde do
do Uruguay n. 145.
Na casa n. 70, onde reside o Sr. Felippe Mohe
com sua Exma. familia, os estragos foram em duas
portas, urna da sala de jintar e outra do quintal.
Destas portas, a pnmeira que de eanella e
de mais d: urna pollegada de grossura, ficou quasi
intil isada, sendo despedazada urna das travessaa
que, 8 ndo violentamente atirada longe, toi bter
na Exma. Sr. D. Francisca Mohe, que fisou con-
tundida em urna perna.
< Varios pontos da parede da sala de jantar,
t'veram o esboco arrancado, delxando a deseo burto
os tijolos.
Na casa n. 68, onde mora o Sr. Frederico
Portugal, o telh ido da cozinha muito soffre.u, sen-
do arrancadas quasi todas as telhas e dairnificau-
do-se urna parede lateral.
A segundaaecentelba cahio em urna arvore,
em frente casa n. 145, onde eatabe ecido com
alfaiataria o Sr. Francisco Goncalves da Silva,
quebrando urna amendoeira na parte superior, ar-
remesaou a coutra a beirada do telhado, inutilisan-
do-a, bem como ao cano das aguns plnviaes.
c Ha muitoa anuos qu- as falseas elctricas
que cahem em Nitherohy, procuram rempre a zona
situada entre a praca Pinto Lima e o largo da
Memoia.
Em S. Jos de Aim Farahyba, falleceu no dia
13 do eorrente, na idade de 61 aonos, o couselhei-
ro Francisco Januario da Cama Cerquoirc, que es-
tava ha tempos paralytico.
O conselheiro Gama Cerqneira, exerscn por mu-
toa ancos a advocada na Parabyka do Sul, foi
deputado pela provincia de Minas em diversas le-
gislaturas, tendo sido em 1877 ministro da justic.
no gabinete presidido pelo Duque de Caxias.
Entrn em diversas combioaco >s conservadoras,
para a lista trplice as elei;0s de senador por
Minas. '
Intelligente e Ilustrado, sempre leal aos seus
amigos, de trato am 'no e delicado, o coa elheiro
Gama Cerqueira era por todos considerado e bem-
quisto.
Falleceu no dia 16, no Hospital Militar da
corte, o capitio do 1 batalbio de artilheria Anto-
nio Firmino de Almeida.
As honras fnebres foram-lhe prestadas pelo 10
batalbio de infantera.
Falleceu no dia 15, na caaa de sua residencia
ueste cidade, o tenente do 16 batalhao de infante-
ra, addido ao 10 batalhio da mesma arma, Ma-
noel Liiz dos R is Cori 1.
Foram lhe tambem prestadas as honras fnebres
pelo 10* batalbio.
Eaplrito Sanio
Datas at 15 de Abril. \
No distiieto de S. Jos do Calcado, termo do Ca-
choeiro de Itap-mirim, foi preso pelo subdelegado
de polica Francisco Jos de Abreu, o imprtente
criminoso Manoel Quirico dos Santos, condemnado
par crime de homicidio no termo, de Cazaagola, da
provincia de Minas Cleraes. Fugira da cadeia da
mesma cidade na poneos = _____
fc'rn M"-v animo arrecadou a Alfanoega
23:993*620, sendo 224*646 do exercicio de 1886 a
1887 e 23:768*J74 do eorrente.
A renda deaerimina-sa pelo aegninte modo :
Exercicio de 1H88 ;
gencia e grande applicaoio ao estudo, sendo urna
bella esperaoca de futuro.
Na cidade de Mossor, foi asaassinada bar-
barsmeute a infeliz Joscpha de tal, por Manoel
Lu.z, sendo o movel do crime, urna recusa de
casamento, que pretenda a assassiuo com a des-
ditosa moca, que contava apenas 15 anus !
"""no conseguindo emboacar-se noite
em lugar donde poda devassar o casa da indi-
tesa moca, desfechoulhe nm tiro de garrucha, de
que .-esultou a morte instantnea.
.,..! g*d ^8 f,lcla' C3n>eg-> a captura do
assass.no, procedendo s diligencias legaes.
A callela do gado procedida na provincia
no exercicio do 1886 a 1887, segundo dados offi'
caes que constam da Gazela do Natal, foi a se-
guinte:
Bezerros 6- 24|
Poldrinbo. 6'240
Mulos 'i
Jumentos ,7n
Prodosaado urna receita de 77:439*000.
O valor official da produccio acrisola da
PoQcnC,l2.4,Urante 93 eiereieio' de 1882-1883 a
18b18B7 segundo iuformacoig do Thesouro
Provincial, foi o seguinte :
1882 a 1883
Algodio
Assucar
Milho
Carocoa de algodio
Gomma de mandioca
Farinha de mandioca
Sementca de mamona
1833 a 1884
Algodio
Assucar
Milao
Carocoa de algodio
Gomma de mandioca
Farinha de mandioca
dementes de mamona
1884 a 1885
Algodio
Assucar
Milho
Carocoa de algodio
arinha de mandioca
Feijio
1.336:114*155
1.355:975*270
3:887*(KI0
1:170*750
729*340
671*680
15*160
2.698:563*855
142:191*152
1.287:676*975
1:186*800
1:225*165
244*320
40*800
10*740
2.432:575*052
957:064*460
1.008:779*130
4:873*360
689*6 0
244*00! I
33*600
Algodio
Assucar
1884 a 1885
1.971:684*170
542:111*547
1.333:724*372
Algodio
Assucar
Carocoa de algedao
Pannha de mandioca
Sementes de mamona
1886 a 1887
1.875:836*919
1.945:372*473
914:5564080
1:700*000
1:231*203
459*880
mgracio O projecto aboiu
gundo n Jor,ia', do Commereio.Meu-
sagein '.-. u, ouicipalidade da corte ao
bispo diocesano..-Manifest da Cont
deracio abolicionista. Discurso do
Sr. Rodrigo Silva Incendios nos
theatrot.Casa de Detencio.A quei-
tio das escuras.Novo livro do Sr. Af
fonao Celso.
A oontractibilidade do cambio um ph-mom no
gcralmente reconhecido pela sciencia econmica.
Economicameote fallando ni 1 ha mercadura mais
aensivel, mais sujeita a rpidas mutacoos. As
flaetnaede do cambio sao influenciadas por cau-
sas de natureza diverjas. Os trucs de bolsa, a
agiotagem e o jogo, a eapeculacoas e os syndica-
tos formados eventualmente em torno de um certo
grupo de iuteresses poden) motivar de um momen-
to para outro a alta ou a baixa. De outro lado
podem as oseillacoe do cambio ser determinadas
pela falta de crdito ou deaconfiauci que inspira
a direccio politice do paiz, pela inminencia de
urna grave perturbacio no regimeu social ou eco-
nmico do estado e por outro qoalquer desequili-
brio de que posea estar ameacada a sociedade.
Sio factos estes que se reproduzem todos oa aiaa
mesmo em pases coja vida econmica se baaeia
em fundamentos raaia estovis que a nossa e cuja
organisaclo financeira est isenta dos vicios e de-
fetds de que a nossa aindo. infelizmente se recen-
te. Neatas condiedes nao sio, portento, eatra
nhaveis as bruscas transicocs porque pasaa por
veres o mercado do cambio. Anda ltimamente
tivemos aqu occasiio de observar phenomeno
anlogo. O cambio, qua durante o dominio do
ministerio 20 de A'osto, conseguir elevar-se at
25, baizou1 a 23, 23 1/4 logo que a noticia da nova
organisaoao circulou na pr-.c*. Este facto nio
teye, porm, a significacio que lhe quzeram at-
tnbuir, nem indicou falta de confisca u* nova
direceo poltica do paiz. A verdade, segundo se
deprehende de observacoes criteriosas e impar-
ciaes que o raovimento de bax foi exclusiva-
mente devido mera eapeculacao, a jogo de pra-
ca, se que nio toi eccasouado pela reaccio pro-
djzida pela ausencia das causas que sustentavam
artificialmeate o cambio em alsa. A prova disto
que depois, ao aonuacar-se a realisacij de um
emprestimo externo, subi immediatemente, con
servou-se firme e em alta, e nestes ltimos das
tem-se realisado trausaecoes em papis hncanos
e particulares a 24, 24 1/2, 24 3/4 e 21 3/8, equi-
valentes mais ou menos approximadaa. Por este
aspecto pie aioda ser considerado como feliz o
advento do novo gabinete 10 de, Marco, q>io t-m
I-pp rtacio 14:087*022
Despacho martimo 138*000
Exportacio 3:003*672
Interior 5:510*093
Extraordinaria 43*950
Fundo de emancipacao 864*917
DepositeB 121*320
23:768*974
Exercicio de 1836-1887:
Interior 117*434
Extraordinaria 46*810
Fundo de emanrioacio 25*272
Depsitos 354100
224*646
A mesa de rendas da capital em Marco finio fes
a arrecadacio de 8:018*074.
Babia
Datas at 21 de Abril.
Contiuuava a fonecionar a Assembla Le-
gislativa Provincial.
Para o eoucuraoaeadeira de 6oaica e zoologa
na Faeuldade de Medicina, ins ere vera so nica-
mente o Dr. Amancio Joao Cardoso de Andrade e
para o logar de adjunte da cadeira de djinica me-
dica e cirurgica de erianca, coocorreram o Drs.
Aristide Magalbies, Romero Antones e Britto.
Fra nomeado promotor publico de Santo
Amaro o bacharel Joo Jos de Oliveira; Jaoquei-
ra e exonerado o bacharel Alexandre Pdlreira.
Fallecer r na capital, Joao Francfco Coelho
Flores, empregado na Assembla Provncial, Au-
relio B jrges de Figneiredo, com 74 annoj de idade,
embregado aposentado de fazenda e o
gociante Joio Amaro Lopea. _
ntigo ne-
Correspoadeacla do Dkrlo de
PernaubHco
RIO GRANDE DO NORTE stal, 22
de Abril do 1888
Victima de urna lesio no coracio, fajeaeu pelas
2 horas da madrugada de 18, na villa llora Cruz,
o mujor Antonio Benevides Seabra de M lio, que
exercicia o cargo de thesoureiro da A faudega
d'esta cidtdc.
Era um cidadio muito 'stimado e jai mente
c nsiderado, chefe de numerosa famu, ue hojo
pranteia a perda do esposo modelo e *i exm-
piar. Nio ba oeste cidade, quem teu deixado
de sentir profuniamente ette passaujr lo que a
que es
ntimento
mpressio
2.863:319*633
Da Gazeta do Natal a. 32, pedimos pcrmis-
eio para transcrever a teguin'e noticia, de urna
imponente f-sta que teve lugar no dia 13, em casa
do honrado Dr. Jriroymo Americo R. da Cmara :
< Acaba de ter lugir, no da 13 do eorrente,
n'eata capital, urna modetta raa brilbante testa
de iutimo regosijo, na qaal a par dos mais temos
e paroa affectos de familia, tran^pareceu, realcan-
do-a, ara acto aummamente meritorio.
O Dr. Jeronymo Cmara, digno ihefe de policia,
por occasiio du baptisnin nto de seu innocente fi
Ibo Heraelides, offereceu aoa seos amigoa um lauto
banqueteservido com profuaaoe no qual rci-
naa sempre entre todos oa convivas a mais per
feita cordialidaOe.
Em occasiio conveniente, levantou-se o integro
magistrado, e em nome de sua veneranda mila
Exma. Sra. D. Mara Leonor, declarou livres, a
titule gratuito e incondicional, 4 escravisadoa.
Er&m estea os nicos, que actualmente possnia
a virtuosa matrona, na cidade de Cear-merim,
onde resido, em companhia de seu digno filho
vigario Frederico, que foi nm dos paranymphos
em a tolemnidade religiosaaqoi celebradana
igreja do Scnhor Bom Jesspelo nosso reapeita-
vel amigo padre-Antonio de Oliveira Antones.
Ao desert trocaram se ai mais significativas
saudaeoi'8, sendo condignamente f-ito o brinde de
boura pelo Eiui. Sr. presidente da pioviucia.
Aquello acto meritorio a que cima nos referi-
mos, foi vivamente applaudido,avivando o bu-
lbo d'aquella festa intima, de urna aimplicidade
grandiosa,iluminada ao falgr da liberdade,
que banhou a fronte de quatro escraviaados.
E'assim que o i>-fc planente do captivo se
rrannorma Pin Um hymuo de heneaos entoado em
toda as ooesas ftaa familiaras.
Segundo tivemos oceasiio da dar noticia, a
total do escravos matriculados ni proviucia, at
30 de Marga do anno passado, foi 3,167.
De cutio F"a c a generosa idea da abolcio
tem tido notavel iu^nlao, e aasim que, por in-
formacoes que podemo. colher. aquelle numero se
acha reduzdo a meaos 703 escravisados, nio
podendo dar urna cifra exacvg, por f4|a de aj.
gumas informacoea que sio incourjietas.,
Em muitoa pontos da provincia esri, marcad s
aiuda dir de3te mea para a extinecao a.-, negre-
gada.inatituicio, e acreditemos mesmo que, .otes
de votada qualquer la, a provincia teda estoja li-
bertada.
Por carta de pessoa que nos merece toda
co'cfianca, da cidade da Imperatriz, tivemos noti-
cia de um monslru so atteutado, que repugna re-
ferir. Um individuo de nome Jos II- nrique des-
virginou ties de suas Sitias, abandonando-as de-
pois de ter-Ihra estampado na fronte o ferrete da
ignominia, e fugindo do lugar.
Nio ha ver pena bastante para punir seme-
Ihante moustro.
Continuamos a receber pesaimas noticia a
respeito do invern.
Em alguna lugares do aertio, j a popnlaoio
vai procurando retirar-se em busca de refugio.
Ser urna grande calamidade, se as chuvas nio
como ponto capital de seu programma de gover-r
a abolicio do elemento servil e a organisacio i i
trabalbo livre.
Est oficialmente co.ifirnnia a noticia, que an-
tes se divulgava nos circuios polticos e fiaancei-
ros, da negociaco e realisacio na praca de Lon-
dres de um emprestimo brazileiro de seis milho s
de libras sterlinas a juro de 4 1/2 % ao auno. O
preso da emiasio foi de 97 % do valor nomina',
ficando lquidos para o IVsouro Nacional 96 %>.
F^ intermedia!a do fmp.esiiino na praca d; Lia-
dies a cass Rothschild. O producto liquido deste
emprestimo de 57,600:000* ao cambio d 2i d.
por 1*003 A imprensa quaai unnime em r-
eonhecer o brilhante exilo da priuieira optracio
di crdito tii. felizmente realisada palo illuatre
ministro da fazenia do gabinete 10 d; Marc-.
Reaiiaanio caso emprestimo de a 6,030.000 com
s banqueiroa S. Rothschild & Son, nua condi-
co's em que o fez iunegavel qu3 o illuatre Sr.
presidente do conaelao, aproveitandi-se com rc-
conhecida habilidade daa coni:c<5es fiaauceiraa da
praca do Londres, coascguio raaliaar um dos mais
vant.josos emprestimo que temos c mtrahido.
Pelaa ultima cotacoes do Stock Ezchange v--.e
quo os ttulos sul-americanos que maia se appro
znam do typo do novo emprestimo estovara nos
eguintea pr. 9.8: Repblica Argentina de 5%
de 1884 95 1/2 e 97, de 1886 a 95 1/2 e 96 1/2 j
Repblica doChil 1 de 4 1/2 de 99 a 103. Lnc*r
um emprestimo a 97 1/10 oa liquido a 96 e ter a
boa fortuna de vel-o trea vezes coberto aem du-
vida o que se pode chamar urna operaci) filiz e
auepicioaa. Demais as condico :s do novo empres-
timo foram evideotemente mais favoraveia do que
as do emprestimo da igual somma cintrahido pelo
8.-. conselheiro F. Bjlisario em Fevereiro de 1886:
Uouvo urna differenca de 2 % para mais no typo
e urna differenca de 12 /. para menos no juro,
pois, como sabido o emprestimo de 1886 foi feito
ao typo de 95 e juro de 5/.- Ao divulgarse no
dia 7 a niticia desta operaco financeira, tio fe-
lizmente levada a termo, o cambio que estava a
23 1/8 aacendeu a 24, haveudo, portante, urna dif-
irenos de 7|8 para melhir.
Oiacm pessoaa bem informadas que esae em-
prestimo aera applicado conaolidaco da divida
floctuanta, que ficar assim notavelmeute reduzida,
s desposas dos crditos extraordinarios, dftipoaaa
da tabella C e nutras de coutormidade com aa au-
lorisavOea legialativas. H* quem affirme que o
governo conservar na Europa o emprestimo to-
mado agora, ao menos at o fin do anuo. O que
parece certo que so o governo ji antea de con-
trahir o emprestimo catava coberfo at o fim do
anno, agora cem maioria de razio evtela tomar
cambiaes na praca durante o rento do anoo e o de
1889. Fie, portante, o mercado livre desta pe-
sada e desiquilibradora concurrencia.
Refcrmdo seso emprestimo ltimamente rea-
lizado, dase o Jornal do Commereio em sua seccio
comm re-i .1 :
A operaco^de crdito, de cuja realizacio, em
i-dres ac.ba o governo de ter confirmacio por
elegrama official, foi feita em coudiepes muite
hsougeiras par* 0 noaso paiz. E esto res ultado foi
devido na maior ,wte i firmeza com que o Sr.
ministro da fazenda lanteve o limite que fixra
comocondicio impresdcdivel para aceitaciodas
propostas que lhe haviam ido apresentadag
., com efteito, notorio que nio fomos solicitar
emprestimo no grande imporir, do dinheiro, mas
delle recabemos offertas, ficando assim em poaicio
vantejosa. '
Autorigudo pira eff-ctuar operac&es de crdito
em Maesa suprior a 60.030:000*000, 0 8r. mi
niatro da fazenda teve naquella proposta* elemen- ha dous
" A mo-wlidaJe t .1.1 do anuo de 1887 foi de
14.875 iudividuos, sendo 8.735 do sexo masculi-
no e6.140 do sexo femenino.
Relativamente aos mezes v-se que houve em
Janeiro 1.084 bitos, Fevereiro 970, Marco 1.176,
Abril 1.140, Maio 1 213, Janho 1.235, Julbo 1.446,
Agosto 1.693, Setembro 1.604, Outubro 1.290, No-
vembro 1.054 e Oeaembro 968.
Cumpre notar qiet>i euirm o contiogenta
de bitos fornecido pela varila, que figura em
primoiro lugar no quadro das ciu?a da morlalida-
dc, com 3.357, tendo o seguinte deaenvolvimonto:
Janeiro 74, Fevereiro 74, Marco 91, Abril 129,
Maio 202, Junho 291, Julbo 443, Agosto 699, Se-
tembro 635, Ojtubro 426, Noyembro 219 e Dzem-
bro 74.
Felizmente, porm, nao eo am un o de^eavol-
vimeuto detf epidemia com tamanha inteusida-
de.
N'um diagramada mirtilidade pela varila,
publicado ni Boletn), v-se que rm 1859 houve
140 obito; em 1860, 133 ; em 1861,178 : em 1862,
334; em 1863, 186 ; em 1864, 147; em 1865
1249; em 1866, 30 j ; em 1867, 428; em 1868,
102 : em 1869. 31 em 1870, 333 ; em 1871, 120 :
em 1872, 1 017 ; em 1873, 1.629 ; em 1874, 649 :
em 1875, 366 ; em 1876,169 ; 1877, 103 ; em 1878 ,
2.175 ; em 1879, 197; em 1880, 27: em 1881,
127 ; em 1882, 937 ; em 1883, 1368 ; em 1881. 9 :
em 1885, 4 ; em 1886, 164 e em 1887, 3357.
A mortalidade pela febre amarella foi de 100
bitos, sendo 6 m Janeiro, 16 era Fevereiro, 19
em Marc, 22 em Abril, 11 em Maio, 7 en Junho,
1 em Joiho, 3 em Agosto, 2 em Setembro, 2 em
0 itubro, 1 em Sovembro e 10 em Dzembro.
O eoefficiente da mortalidade por 1.030 habi-
tautea tm 1877, na reaeio de 400.003 habitantes,
inclusive o contingente epidmico e exclusive 763
naacidis mortos, foi de 35, 28; no numero dos
moitoi cstio incluidos 652 individuos nao morade-
ros na cidade.
Fallando de um facto que tio de porto se rela-
ciena com a magna queatodo pov Jmente do Bra-
sil nao me parece extemporneo registrar aqu una
dados estatisticos do inovimeato immigraotiata
Mltegidoa psia sociedade Central de Immigracio.'
Por elles s^ v que o movimento immigratorio pa-
ra o noaao pus uestes ultimo 30 annos de 1857.
1887 couetou de 562.619 ao passo que nis Esta-
dos-Unidos foi de 9.511.574 e na Repblica Ar-
gentina do 1219.172. Adispandade eenaivel
raaa cumpro notar que oa uitimos factos demons-
trara que esti crrante de immi^ragio tende a au-
gmentar e augmentar de eerto desde que fjr im-
pulsionada e favorecida por urna poltica larga,
geuerosa e progresista. Basta atteuder para esta
approximacSo de cifras em 1857 entraram para o
nosso paiz 11.091 immigrautea era 1887 vieram
6).000. Tud) pnrtaoto induz aere: quo a ques-
tio capital do nosso poviameute entrn em ua
phase de de:n.ivolvimnto e aoluclo. O momento
actual los mais propicios e o que conven ge-
oeralisar a propaganda e distribuir 03 emigrantes
por por todo o piz em vez d rae-ite no sul. Um tal procesao impoltico e anti-
patritico epio maia tarde constituir um serio
perigo para a atea nacionalidade, para a iute-
gridade do oosso territorio. Cliraia adaptavcia&s
culturas curopis e aa condicoes iudividuses do
immgrante nao nos faltam. Para prova da diver-
silide de climas que existe na vastiaaima regiaO
que trma o grande imperio sul-,meric.no basta
1 2orar a grande d:2 .-renca de temperatura me-
dia que existo cutre a Para (27< conr.) c Curtiba
(l7). Alm da unidade thermica, dajnfmuid de
do calor, outros omita factores, taes orno a cn-
fisuracao do solo, as aguas, a humidade de certoa
litoraes, os nos, concarrem para formar dentro dos
limites d: nosso paiz mais de um typo climatrico.
De8te memeptoso assumpto, generaliaacio do
movimento immigrantista por todo paiz, tem se oe-
eupad por vezes a sociedade Central de Immi-
grucao e aiuda em umi do suas ultimas se-s-s,
27 de Marco, a neceasidade de dirigir a immigra-
cio para aa provincias do norte, foi objecto de
diseussio, coutorm' e depreheode da acta publi-
cada no Jornal do Commereio de 18 do corren-
te ; em que se II o seguinte :
Entrando-ae n* ordem dos trabalhos, faz o di-
rector Dr. Tarquinio de Souza Filho desenvolvi-
das considerares sobre a necessidade de urna pro-
paganda seria e bem dirigida no intuito da se tor-
narem publicas as condicoes vantajosaa que certas
zooas de algumas provincias do norte offerecem a
immigracio.
Sabe p-rfeitamente que a noa ltimos mazes se
ha aventado, quer pela imprensa, quer por corres-
pondencias particularea daquella parte do imperio
a idea de que valiosos resultados devemoa esperar
do elemento europeo, encaminhando com seguran-
ea fl dicernimento.
O mallogrado Dr. Manoel Euphrak>, emquanto
lhe foi dado administrar a provincia de Pernam-
buco, <-nvidou patriticos eafircoa para dotal-a de
alguna ncleos de i nmigrantes e quer acreditar
que nem todo 8e perdeu da brilbante cruzada tia
prerraturamente interrumpida, mas cumpre perse-
verar na obra apenas enaetada. Embora essa e
outraa circumscripcoes do norte j tenham eata-
belecido certa independencia do braco servil me-
diante a utilisacio do trabalhador nacional, da
mxima vantagem a introduccio do europio.
Este dar origem compstencia, ao eatimulo,
acquisicio de couhecimentos indispeusaveis cu!
tura pelos modernos procesaos, quasi inteiramen-
te descoohecidos entre na, conjuncto de circum-
stancias tanto mais necessano quinto, pela trans-
formaco do trabalho, se impoe a transformacio
do trabalho, se impoe traosformaeo de habitoe,
de rgimen e do modo porque se tem operado a
produccio.
Tudo iss'o certamente constitue ama questo
complexa, que exige tempo e estudo acurado, mas
urge, desde j, a adopcio de medidas enrgicas
e progressstas ; a lentidio cora qus temos mar-
chado a certas respeitoa niojustificaria a inercia
de que porventura deaaemoa provaa era momento
que deve ser o ponto inicial da nossa grandeza.
E maie convencido se torna da forca das ideas
nteis quando reflecte no movimento francamente
auspicioso que nos aprsente S. Pau'o. Anda nio
te importante parado estado que lhe cumprin fazer
attendendo a necessidade de eoniolidar a divida'
apnarreerem logo.
ltimamente o Thesouro Provincial poz em pra- .,
ca os dizimos de miuncas e lavouraa, durante o I "^toante (que em 31 de Dezembro prximo pas-
correute anno financeiro, nao havendo quem je *d,/?'n do er',rcicio de 18861887, era de..,,
anime a liciiar. 29.000:000*000), conveniencia de proseguir no
tod 18 cootristou, e o obscuro miaaivi
creve estas linbas, nio pio oceultar o 1
de que se acha possuido, a commocSo a
que lhe cauaram, este tiiste acontec ce te.
O illuatre finado, havia procurado
Nova Cruz, onde julgava poder eucontr:
seus doloroso padecimento.
Seu corpo foi traasportado para esta
o trein do mesmo da 18, sendo
grande numero dd amigos, da es'aeio
de sua residencia, d'oude teve !uar o
8 5 horas da tarde, ao qual eone
ares de
alivio a
lado em
zidj por
ara casa
himeuto
naifreram, o
pelaa 1
Ex n. presidente da provincia, Dr. che! de poli-
cia, Dr. juiz de direito da enmarca, cb ;f das re-
partito.', bem como grande numero di amigos e
pessoas gradas da trra, que pr stal m aasim
bomeuagem ao illuetr morto, qu.' foi i mide e
virtuoso da sublime virtude do evauge! >, aberta
a miu para a esinola, aborto o cora, a para o
amo-, na accio o exemplo salatar, najalavra o
conseibo da verdade.
A campa do justo vale-lhe de priofciro altar,
e a eloquencia dos tmulos iocorruptiel.
Falleceu nesta cidade o protesir aposen-
tado, Jos Alves da Silva, contando annos de
idade, tendo sido jubilado em 2J di Marco de
1851,
Fallecen tambem nesta cidade, p dia 13, o
esperaocoao moc> Diomede Quntililio da Silva
na idade de 19 anno, dotado de brilokate intelli-
Seria conveniente adiar esta arrematacoe, e
nio duvidamos acreditar que o Exm. presidente
temar este alvitre.
A Cmara Municipal deata cidade acaba de
dirigir ao presidente da provincia a seguate feli-
citocio, prestando assim juste homenagem ao il-
lustrado, seloso e activo administrador, que sa -
biamente dirige os destinos da provincia :
> Paco da Cmara Municipal da cidade do Na-
tal, 17 de Abril de 1888. Illm. e Exm. Sr.
Oiaate do patritico e proficuo empenho que V.
Exc tem sempre manifestado em ordem a promo-
ver com afinco o bem geral da provincia, j cu-
rando dcsveladamente do restebelecimento de
suas financia, j realizando, com a mxima .eco
nomia possivel, indispensaveis melhoramentos ma-
tenaos, o que tudo attesta de modo brilhante o
inexcedivel zela por V. Exc. empregado na ges'o
dos negocios puolios ; esta Cmara julga cura
pnr um dever felicitando a V. Exc. pelo acarado
tino que tem sabi io imprimir aos negocios admi-
nistrativo com lustre e real aproveitamento para
esta mesma provinciaDos guarde a V. Exc
Illm. e xm. Sr. Dr. Antonio Francisca Pereira
de Carvaibo, muito digno presidente deata pro-
vincia. Manoel Joaquim de Amorim Garca,
presidente.Francisco Cavalcante de Andrade,
Jos Lucas da Costa, Francisca Gomes da Rocha
Fdgundes, Mauricio Thecdoro de Souza, Francisco
Autuoes des Santos.
Mautragou n Bahia da Formosa a barca
ocrueguense Nihasta, que, com carregamento de
madeiras, se diriga a Montevideo. Segundo fo-
moa informados, o navio bateu em pedras e ficou
totalmente perdido, bem como a carga que tem
sido arrojada s praiaa.
O capitio da referida barca veio at esta cida-
de, em procura do cn>nl, fazer o aeu protesto.
Foi salva, teda a tripolacio. Consta-nos que a
Alfandega fes seguir seu agentes e forca conve-
niente para o lugar do naufragio.
Ao terminar a presente, acabamos de ter
noticia que est declarado livre o municipio de
Porto-Alegre. A geuerosa idea vai cada da ta-
sando maior es conquistas.
t>
RIO DE JANEIRO.Cobte, 19.de Abril
de 1888
Soafctaio :O cambio e o emprestijao.Felici-
dade da primeira operaco de crdito
realisada pelo gabinete 10 da Marco.
Jos d'-mographico.Movimento da
racao.Estado comparativo.A
uiinrfctaeio para o norte do imperio.
Observaea do Dr. Tarquinio de Sju-
sa Filho ov Sociedade Central de Im-
plano do recoloimento de papel-moeda e a de dar
oppor tuna mente ezecucao aos servico designados
em le especial 00 na tabellaC aunexa ao orcamc-n-
to de 1888.
Ponderou o Sr. ministro da.fazenda naturalmen-
te as nossas condicoes commerciaes o econmicas,
o estado actual fe prximamente futuro do paiz,
agaim como a situaoio dos mercados monetarios
europau, e para eiaprehender j e dar preferen-
cia operacio, que tio felizmente realiaoo, teve
sem duvida S. Exc. bons motivos.
Considerado o recente emprestimo, nio j im
relacio cireumatancias em que foi tentado e le-
vado a eff.'ito, mas em absoluto, nio podemos dei-
xar de recouhecer que foi a mais ventajosa opera-
racio desta especie que temos effectuado.
O nossos empreatimos externos do typo 4 1/2
por cents contrahido desde 1852 tm sido os ae-
guintes como se v de nm aonexo ao relatorio do
ministerio da fazenda de 1883 :
1852 1.040.600 a. .
1858 1.52&500 a. 95
1860 1.393.OQ0 a. .
1863 3.300,030 a. .
1883 4.000000 a. .
___1888 6.0X),000 a. .
A simplea iospsecio des'es dados confirma o que
deixmoj dito, e um calculo fcil demonstra que
um emprestimo de 4 1/2 >/ a 9J corresponde a
um de 5 /0 i 108. E' pois iuconjestavel que o
emprestimo de 1883 fex-se em coadcoea muito fa-
voraveis.
No uso dos fundos que brevemente ter sua
disposicio, em Londres, o thesouro proceder com
a maior ditcncio, e nunca s suas sperac^.a assim
teitas pideriocom razio a r attribuidos"-"e lucros
e os prejuisos que porventura texprimeotem os es-
peculadores do mercado de cambio.
- O lllustrado 8r. Dr. Pire Farinha, demogra-
pbista da Iuspectona Geral de Hygieoe,"acaba de
publicar, como nos anuos anteriores, o seu inte-
ressante boletim da mortalidade do Rio de Janeiro,
correspondente ao anno de 1887.
Deste importante documento, que nio mais
completo porque nio temos um servico regular de
estatiatica, deduzem-se^ariaslconsequencias va-
lmmt.
95 u
1/2 /n
90%
88 r.
89 u'o
9/ /o
liosa.
Nio de certo de menor apreeo o augmento que
elle no offerece para provar que mentem e exa-
gerara aqnelfes qae apresentam o nosso paia Da
Europa, como insalubre e inbabitivel pelas suas
condicoes climatolgicas.
Esta arma predilecta, de que de preferencia se
s-rvem costra n3, os propagandista platinos
eocontra oeste pubhcaoio solemne deimentido.
Do imprtame trabalho do diatincto medico co-
piamos as seguintes mformafdee
annoa organiaiu se a sociedade Promoto-
ra da Immigracio, firmando um contracto para a
introduccio de 6,000 europios ; no entanto rece-
I beu a provincia perto de 35,0001 As provincias
do Rio e Minas, per seu turno preparara se para
entrar Da trilha tio pttrioticameute percorrida
pela sua co-irm.
A do Espirito-Santo comees a agitar-so e, se-
guido conste, adoptar resolucoes importantes em
renniio convocada pelo reepectivo pieaidente para
comeco de Abril.
Por que, pois, nao tratronos de promover o
movimento pelaa provincias do norte ?
Tal confianca, diz mais urna vez, lhe marcee a
propaganda baseada nos principios do progresan
bem entendido que nutre a firme esperaoca e ver
em breve toda aquella zona compenetrada da for-
ca immensa que deve-adquirir com a expnnsio do
elemento imargrantista europeo.
E para isso basta tomar em causideracao 0
avanco brilbante das ideas pregadas pela Socie-
dade Central de de a sua fundacio cm ovembro
de 1883. Aquillu que bontem era por muitoa con-
siderado mera utopia, est hoja transformado na
mais invejavel realidada, e por meio de esforct
continuos acabar ella por aabir triumphante da
luta em que tem por norte exclusivo a prosperida-
de do paia .
Cintinuam os bostrs so'orV o futuro projecto
aboliei.mista e a reportagem da imprensa tem de-
senvolvido, a este respeito, grsnde "attividade.
O Jornal do Commereio alias quasi femara
bem informado, publicou as suasNoticias Va-
riaso aegninte esboco que attribuem ao conse-
lheiro A. Prado :
1 Fcam livrs todos os eseraves no Brazi! ;
2<> Sio elles obngados a servir aaeus actnaes
aenhore3 at 25 de Dea>mbro do correte anno,
mediante salario; a 3 Ficario locasados nos
respectivoa municipios pelo periodo de dous anuos.
O regolameuto para ex^cucio desta lei contari
medidas enrgicas, para que se tornea exequjvei
as obrigacooa dos libertos .
Podemos entretanto affirmar que at agora o
Sr. A. Prado, que anda se acha em S. Pau'o, z
ninguem communioon a integra do projecto cuja
elaburacio lhe foi eommettid. S. Exc. apenas
sobre ideas geraes tem procurado ouvir a opioiio
das pessoas interesiada e competeote.
A Illm. Cmara Municipal da Corte acaba de
enderezar a S. Exo. Rvma. o Sr. hispo diocesano
urna mensagem em que pede o seu valioso concur-
so para a grande obra da liberdade do municipio
neutro. Eate menaagem foi entregue ao prelado '
fluminense por urna eemmissio c mpcata doa 8rt.
Thoma Babello, Tdrqusto Couto e Firmo de
Moura.
O 9r. bispo, reeebendo a commissao, e depois
de 1er a mnaagem, declarou qua lhe cautava
grande alegra o procedimento da manicipalidade,
nio s pelo penaamento que a dominava obre a
1 libertacio de seres humanos, com por que busca










-

1


If



Diario de Pernaraboco---Qoarta-feira 25 Abril de 1888
i

., real6r t' oabre aspi-
i^o ; que fisesse sentir a x MWid()^ fe.
^^VoZZ^prJ^^ e que repe-
ta o qej declaroa era pastoral aos povo. de
n. diocese Que aasm como ha ama le para
JL n3tfam oo Braail mais eservos. naja ou-
trn qni n*o permita que niogaem m.rra es-
A ConfederacJo Abolicionista dirigi ao electo-
rado do diatnuto da oorte om manifest, qoa a
imprensa publioon eiiue declara terminantemente
adoptar a candidatura do Sr. conaeiheiro Antooio
Ferreira Vianna, por aer a nica compativel cora
a necasadades do momento e aa aspiracoea do
abolicionismo.
Deste djcumento, que um poueo longo e hern
deduzido destocamos os seauintea periodos :
No pleito que se va travar candidato o mi-
nistro da jostica, o Sr. conselheiro Antonio Fcr
reir Vianna. .
A imprensa tem attribuiio a esse ministerio
dous projectos : um de abolico radioil; outro de
abolico com prazo de preatacSo de servioos.
Em ambos os casos, desde que, pela gra-
sa condemnavel doa noseos governos, os minia-
terioas revelara programo ao parlamento ; des-
de que somos obrigados a subentender dos netos e
das palavsas do ministro caudidato que elle abo-
Kcionisla radical ; o dever de todos aqi Mes que
querem a absltfo irameJia-.a sera iaUeranisaoao
votar us mmistro, para advertir o ministerio de
que elie so poda iealmeote propor a extiaccao ab-
soluta do capveirc. .
Neahum abolicionista sincero pode deixar de
votar no ministro caudidato.
Prende se ainda a questo do di um diaenrso
ltimamente proferido pelo Sr. ministro da agri
cultura por oceasio da inaugurscao do ncleo do
immigrautes Rodrigo Silva, tm Barbacoa.
A fest'i imprensa da corte fes-se representar c ocoup.o-sn
do faeto em rniuUcLsos tdegrammas e correspon-
dencia?. ,.,....
Respondendo a um brinde que loe foi dirigido, o
c Sr Rodrigo Iva agradecen aa mamfestacoea
que he eram fe i tas e prouuncou-se fazendo sin-
ceros votes pela prosperidsde do ncleo, que sig-
cieava o inicio da loealiaacao doe trabajadores
euiopeu-, que devmi auxiliar a transicao do tra-
balho agrico'a.
R--cordn .-;. Exc. quo na naugaracao da esta-
cao de Itabira dissera que era preciso realisar o
pensainento cauopanvel com o nosso estado d-- ci-
viliascac, appellando para o patriotismo do3 agri-
cultores p>.ra nao dt-morarein as providencias exi-
gidas pala evolucaa desta problema econmico,
prevenoa p.-eada ubclicodo elemento servil.
A firea da idea precipit u 03 aeouteciraentos,
e boje nao ha a faser senao reunir os elementos
neceesarics e enpregar os pgstiveis esforcoa para
que sepossa operar a abolico e ccnsegninteiDL-nto
a transformavao do trabalbo, sem perturbar a or-
dem publica, e sem perecimento da fortuna parti-
cular.
A todos, sem ilistinecao de partidis, concita
para esta <-br de jirogreseo.
Ella nlo >: apressata como una qneatae polti-
ca no sentido restricto do inferesse partidario ;
cSo uno, uem comporta rivalidades : urna obra
de patriotismo tm que deve haver s aggregaeolo
dos esforcos de Udos para urna porfis, eaj 1 aniso
estimulo o ei.grandecimcnto da patri1.
D'isto ctto convencidos todos quanlas siucera-
meute p r tote ideal trabalham; e no proprio cir-
culo onue u orador ee fas envir, no municipio asa
que ae aiha, encontra bnibaute ex. mpio paratffir-
mar o sen enunciado dous hom-ns eminentes, de
paitidos oppostos, mas peritamente uuidos ao
pensamento do progrcs30 do municipio, 08-. sena-
dor Lima Djarte e o Sr. viscoude de Caraudaby.
Os en^eubeiros Drs. Bilforto Seheirer, iucum
bidoo por S. Exc o Sr. ministro d. jurtic. do es-
tado da qi stio dos incendios ms theatro-. ji d-
ram conta de sua commisslo pruaentando r.
rio det^lhado sobre as providencias q'ie devem ser
tomadas na sentido de prevenir e mi.-rai os cffoi-
tos doa iccenhos nostheatros d c.le.
Para este fim propuserain umi ene d m.'didas
referentes a cada um dos IHMCMM e foram pejo
Sr. ministro novamente iucumbidos da fis:a
dos trabalbos necessarios as refoimas que propo-
zeram.
O Sr. Ferreira Vianna cjntini a eximmar
diversas reparticoes a cargo do ministerio da jus-
lina.
Foi no dia 1C do correte a casa de detenco e
depois de miuucioso exame, de 14 8hi-< d sagr^-
davclmei.te impresionado por diversos factos que
prcseno'iou e entre outros pela existensia de ""
eicuras ou pr.5 de isolarrento e pea defic;
das racocs dos detentos.
Tendo, ao dar conta deala vibito, mMrlbalo o
Pa a S Exc. esta pbar.e com applicc"io ao Sr.
Coelho Bastos, ex-ebefe de polici-i ete homem
eoffre da mana da crueldadt, isto m tivou a se-
guiute declaracio que foi iuserida em todos os
ioroaes :
CASA DE DETEHfAO
Examinando os factos e tomando as providen-
cias que. desde logo tomn e foram pnblicadas pelos
jornaes de h. je, o Exm. Sr. ministro da justica nao
fea referencia, ainda remota, a qualquer pessoa 00
funceionano di administracao actual ou passala,
do que, alm do ineu, podem dar tes:cmunho o Sr.
Dr. ehfe de polica, o idministrador doestabele-
cimento e a? pessoas presentes.
Corte. 10 de Abril de 1888.Benedicto Anto-
nio Bueno, oficial do gebinete do ministerio da jus
tifa.
Sobre a questao das escuras, que tem dade muito
o que fallar e s :bre a qual farem se largos cjm-
meutarios, proeuron o Sr. ministro d jastioa ou-
vir a opinio da Imperial Academia de M dicina e
para este fim comparecen a urna seBsao extraordi
naria desta asaocucao e formulen duas consultas
referentes as escura e as racoes. A academia no
meou urna e mmisso composta dos 8rs. Cinselbei-
ros Carlos Prederieo, Caminbr, Drs. Costa Ferros,
Soero Guaraoy e Frederici Xivier para examinar
e Jar parecer.
A commisso depsis de ex*me feito no local coa-
d6mnou uneemente aa escuras e achou defic-
Costa Ferrax
do Com
urnas
Seiencia
Confiamos que agora, como entio, merecer sua
direccjto o applauso dos leitores do Diario
Viagem Imperial Ao Jornal
mero da corte esereveram oj<>aJnt* j m. ....
Caaots, 19 de Mareo -S. M. o Imperador ass.s
tioao]-rnNia, nm eoaoerto "gau'^do Pr
dama, inglesas a favor dos P*res daquell. ,aida^
de. acbahdo-se, s 6 horas da tarde, de volta a
SnStTos^visconde. de Nio.c1 e^Motta Ma.a,
qne, como de eatylo, o acompanharam.
4 CheKam a Cannas S. A. a Princesa de Jom-
vilie fraal de S. M. o Imperador, e S. A. o Duque
de Penthievre, sen fiiho.
20 de Maroo-Com o seu camarista e sen medi-
co, visitn o Imperador a igreja de Santa Marga-
riis e apJ corto passeio a p pelos camiahos de
Prejus,' foi ao collegio Stantslas aasist.r 4 repre
seaufiotheatral com qua aquelle e.tabelec.mento
exercita es alumnos na declamado, tendo sido fe-
ta com eraca e propriedade a recitacao de
eebos do Polyeuote e do Horace, de Corne,a do
Amvhytrion, de Moliere, e^de poes as de Vmtor
HuL, Coppe, Q. Nadot, P. Deronlebe e Larlos
Sol Foi orgaoisada e dirigida atesta por Blau-
d'n do conservatorio nacional de Par.., Laforest
8 Acowte de Sua Magestade. assistio Umbem
representaco o seu camarista, Conde de Aljexur,
que veio a Cnnes comprimentar Suas Slegestade
antes de partir para o Brasil.
21 de Marco-Depois de ter visitado em Nita a
Princesa D. Januaria de Boarbon. ass.st.o all o
labrador, no salo do Grande Hotel das libas
Britnicas, o brilbante concert que lhe foi espe-
cialmente cfferecido pela Condessa de Miranda, a
celebre Cbristina Nilson. *. '... m
D-p-is do seu casameuto com o Conde de Miran-
d., a raiuha dos palcos de Vienna d'Austria, de
L ires e d* Parit absteve-re completamente de
cantar em publico, fasendo se tao somente ouvir
de pessoas a qoem desej.va dar testemunho de
sprco. Conserva Nilson, entretanto, todo o seu
grande merecimento artstico. No concert que
ctfrecea a Sua Magestade, fes ella admirar a sua
argentina e encantadora vos na exeenclo de tre
ches do Lohengrin, do Fausto, dos Maguen tes e
em romances franeeaes.
22 de MarcoAeompanhada pelos Visccndes de
Crupebs, visitn 8. M. a Iuiperatrx os Condes
d .'aaerta no seu p-ilacete, re^resaando ao hotel
s 3 1/2 da tarde, aps curta excuraSo de carro.
S. M. o Imperador, com os Viscondes do Nioac
e Motta M >ia, assiatio em Nisa, na qualidade de
presidente honorario, sessaoannual da Soeieda-
d<; de Lettras, Seieneias e Artes dos Alpea Marti-
mos, onde foram lidos, ente outros interessantes
trabalhos, os de Hermano Foi e Eduardo Sarasin
acerca da pnetrac5o da lus do da nao aguas do
lago de Genebra e as do Mediterrneo, teode a
selecta assemb i prestado a 8. M. o Imperador
r.s maiore* demonstracSes de admiaco e desym-
pathia.
Ainanh, por especial convite, assistiro SS.
MM Imperiaes, na igreja de Nossa Senhora da
B* Vigem, ao concert religioso alli projectado
a bes ficio das obras parochiaes. Executar-se-ha
o Stabt, de Pcrgolse, com o Tanlum ergo, de
-ethoven, sendo confiada a execucac a 50 artis-
tas e amadores escolhidos da melhor sociedade de
Canoes. Sera interessaute para muitos dos sens
laitores conhecer o pr gramma da artia'.ica festa e
a distribnicli dos p .pe.is :
IStalt Mater. Coro de 40 voses.
IICujas Animam. Slo de soprano : Misa
C.ward.
IIIO Quan Tristis. Coro.
mosrebixt. Slo de contralto,: Miss
IV-Qute
Aniiui,
V Q's estHomo- Dao e coro: Miles. Jane
R^yonud GoiHotcaux.
VI Viiit Suum. Slo de soprano : Miss Co
w.ird.
VIIEi a Siatvr. Slo de contralto Mlle.
GllilloteaUX.
VIIIFac ut Ardeat. Fuga e coro.
IX Saneta Mater. Solos de oorano o de con-
tralto e 'oro : Mme. Rambaldi e Miss Arnim.
XFae ut Portera. Slo da meio soprano :
Mlle. Thibaatt.
XI- Inflammitus. Slo de md o soprano : M s.
Tbibault.
XII Q:ando Corpus. Coro.
Amen. Fuga e coro.
XIU Ta.itum ergo. Beetboven. Coro uni-
sono.
npplenle* de Jalnea niaulelpaes
__Eua 18 do correte foram nomeados p^lo Exm.
3r. desembargador presidenta da provincia, sup-
plcntes de jui es musueipaes: 2o do termo de
Cimbres, Francisco Cypriani Cordeiro da Fouse-
ea, cm substituicJo de Jo= OJilon Cordero da
Fouseca. auo optou paio cargo de vereador da C-
mara Municipal ; e O", jibuuoi b-jf.-h-J 01.
veira L;do, em substituisao de FrancUeo Vicente
de Vaaconcelli.s, qur naoacaitou a nouieaeio.
A' cada um dos nomeados foi marcado o praso
de 2 meses para prestarem o juramento do es-
y'e-
tutoridsiric polclae-Por portara
da presid, ocia da provincia, da 23 do correte, e
propojtas do Dr. chufe de polica de 20 e 23, fo-
ram nomeados: .
Delegado do termo de Pao d'Alha, o capito do
c rpo de polica Antonio Francisco Corieiro de
Mello, em substituido di Jos Francisco Pinheiro
Ramos, que pedio ex inerac).
Para o lugar vago de 2 supplente do subdele-
gado da fregueaia de Santo Antonio, o capitao Au
gusto Cesar Cousseiro de Mattos.
Agencia a* CrreloPor portara da
presidencia da provincia, de 21 do correte, foi
nomeada D. Francisc* de Assis Cavalcaute, agen-
te do crrelo da Villa da P"'dra.
Prealsleate de provincia Embarca
boje no paquete americano Finance, para_ a pro
vincia do Maianhio, o nosso distincto amigo, Dr.
Jos Morera Alves da Silva, que vai alli assumir
a administracao da provincia. Acompanha a 8.
Eic. o Dr. Eduardo de Oliveira, na qualidade de
secretario da mesma provincia.
Bons ventos os conduzam com felicidade ao seu
destino.
commisso nomeada e responden afirmativamente
aos dous seguintes quesitos :
1.' Se os cubieoloa donominadosescitra e
existentes na Casa de DetencSo da corte, reunem
condco.'s compativeis com a vida dos detentos
neil.8 encerrado?.
2 Se ha rasao para aa reelamaces sobre a
quantidade das racoes de caf, assuear e fejSo,
fetas pelos detentos na r ferida detengo, e dis-
tribuidas como alimentars diaria.
Anda sobre a mesma questo das escuras o Sr.
ministro da jostica ordenouao Dr. Lspiuiola. ch-te
de policiu, que abrisse minucioso inquerito eotfi-
ciasse ao administrador da Casa de Detenclo para
responder a s se^uinteB quesitos :
Se na Casa da Detencao se observa va o rego-
kmento n. 1,774 de 2 de Julho de 1837 no 4- de
art. 35?
8e houve ordm de autoridale superior para
em ves de appliear se a prieo solitaris, ordenada
por aquelle rrgalamento, se coustruirem as escuras
existentes na parte inferior i.a novacuofennariada
Casa de Detencao ?
Desde qnando servem estas tscuras, qnaea os
nomes dos pacientes ah detidos, o tempo que sof-
frfram de reclusao e as datas em que teve lugar 1
t Se deste castiga rcsult;u mal a saie doa re-
clusos e se d3to qneixaram se ?
o So paia applicacao das escuras, como pena,
hoave ordem de autoridade soperior, por que modo
e quaes os seus termo?, ou foi apenas deliberaba;
do administrador da Casa de. Detenca ?
Se ao apaiiear semelhante catigo lsvrava
termo 00 f .na luncamento em livro de que possa
envi..r aartrd&o ?
K b;bli graplii 1 jurieiv braxileira acaba de ser
enriquecida cora a pub'icaco do livro Mareas in
dustriaes e nome eommereiat, devido a penna do
Ilustre Sr senador Aftiuso Celso que, como era
trabiilhos aotericrea, regula-se sempre o mesm >
espirito 1 acido, culto e fortemente preparado p r
nma il astraeo das mais copiosas. A obra do emi
nnt; parlamentar est dividida em 21 captulos,
em qao sao eotudados todos oa aspectos da j,uesto
com methodoe clareza. A recente publicacJo, edi-
tada pela casa Garnior, de utilidade e opportu
cidade incontestaveis.
REVISTA DIARIA
Diarlo de reraambaco-0 illustrad0
Sr. Dr. Joaquim da Albuqaerque Barros Guima-
rias voltou aa posto de redactor chefe do Diario
de Pomambuao, posto que S. S. brilhantementeoc-
cupou em alguna metes do anuo prximo fiado.
liano dos Santos Ramos, deputado geral pelo
districto desta provincia.
Boa viagem.
Bepreaenlautes da nato-Com des-
tiuo ao Rio de Janeiro, onde vo tomar posto nos
trabalhos da Assembla Gjral Legislativa seguiram
no paquete brasileiro Maranhao, os deputados ge-
raes, Ur. Clarindo Adolpho de Oliveira Chaves,
pelo Amazonas, Drs. Jos da Silva Maia e Joo
H nnqae Vieira da Silva, pelo Mtranbo, Drs.
Jayme de Aibuquerque Rosa e Simplicio Co'.ho de
Resende. p 1 j Piauby, Drs. Manoel Ambrosio da
Suveira Torres Portug! e Antonio Joaquim Ri-
drigues Jnior, palo Ceara.
No mesmo paquete segu tambam o Dr. Antonio
Joaquim G;mes do Amaral, senador pela provin-
cia do Par.
Comprimentando apa distinctos representantes
da na^io, desejamos-lhe prospera viagem.
Brisadas -Como j ti venus oceasio Je no-
ticiar, foram criadas duas brigalas na t.te,
da composta a primeira dos regimentoe l" de ca-
vallana e 2 de art Iberia, e do batalho de enge-
nheiros, sob o commando do brigadeiro Jos Ca
rindo de Qaeiros, que aqu exerceu o lugar de com
mandaate das armas, e a segunda dos tres bata-
Ihes de infantera 1-, 7- e 10, sob o commando do
brigadero Antonio Eneas Gustavo Galvo.
Em avisa o Sr. ministro da guerra deu as in-
stru ces para ellas.
Paquetea Chegaram hontem ao porto desta
cdada os paquetes, brasileiro Maranhao do norte,
amer icanoFmanoe do sal.
Partera boje o Finance ao meio dia para o norte
e o Maranhao honte n a tarde segua parao sul.
B1 esperado amacha do norte o paquete ameri-
cano AHiance, que sahir amanh mesmo ee che-
gar a hora conveniente.
Tribunal do Jnrj do ateclfeFane-
cienoa hontem este Tribunal cora a preseaca de 38
juites de facto.
A's 10 horas da msub, presentes na sala das
sesses os Srs. Dr. juia de direito do Io districto,
pre.-id-nte do Tribunal, Joaquim da Costa Ribei-
ro, Dr. Joio Joaquim de Freitas Homiqnes, 1
promotor pub ico e o escrivo privativo Florencio
Rodrigues de Miranda Franco, foi aberta a sessto.
Verificadas as cdalas, e feta a chamada, foi
submettido a julgamento o reo Manocl Pe.reira dos
Santos, pronunciado no art. 269 do Cdigo Crimi-
nal, por despacha do Dr. juiz de direito do 4o dis-
tricto, oceupando a cadeira da dafesa o Dr. Jero-
nymo Materno Pereira de Carvalho.
U juiy de sentenea eompoz-se dos seguales jui-
ses de tacto :
Hemeteno Maciel da Silva.
Francisco Lanro da Silva Costa.
Alfredo Rodcagnes dos Aojos.
Pedro Fraacisco de Paula Bsptiata.
1 Joaqmsa Lucillo de Siqoeira Varejio.
Jos* Mariano de Barros Cavalcante.
Pedro Semeo da Silva Braga.
Jorge do Reg Baptista.
Augosto Aneso de Carvalho. Sorrana.
Fclippe Nery Goaoalves Ferreira da Coota.
Joo Brindsley Fox.
Jos Jeronymo Eabello.
Deferido ao jury de sentenea o juramento da le
e interrogado o reo, responden que era natural
desta provincia, de 71 anuos de i dade, viuvo,
mestre da assuear, analphabeto, que saba o mo-
tivo por que era acensado, que nao conhecia e nada
tinha a allegar contra as testemunhas que jura-
ran) no proceeso, o qual nao attribuia a motivo
particular.
Disse mais, que nada saba a respeito do facto
de que era acensado.
Concluido o interrogatorio, fea o escrivo a lei-
tura do proceaso da formadlo da culpa.
Consta dos antea que no dia 7 de Agosto de
1883, o reo tirou para si contra a voatade de seu
dono, do estabelecimento commercial, sito na es-
trada velha de Santo .maro, onde penetron por
meio da arrombamento, a quantia de 4504000
pertancente a Joo Emilio da Sant'Anna.
O Dr. promotor publico, deduando a aceusaco,
pedio a condemnacao do reo no grao mximo do
art. 269 do Cdigo Criminal, por ter coneorrido
na pratoa do crime as circainstancias og?ravan-
tes doa Ia e 17 do art. 16 do citada cdigo.
Era seguida o patrono do roo produao a defeoa,
negando a autora do delicto.
Nao h 11 ve rplica.
Terminados os debates, recolheu se o conselho
sala secreta das conferencias, voltando sala
publica, meia hora dejoals.
T #!>%jajsy negado por onze votos a autora
c'o crm^ foi o reo abaolvido e cendemoada a mu-
uicipalidade as custas.
Foi levantada a sesso 4s 3 h.ras da torie,
sendo adiada para boje s 10 horas.
Liiieriaruii da parocnia de Sanio
Antonio Na reuma o dos moradores da fregu
zU da Santo Antonio, de 23 do eorrente, foi afei-
ta una conmisio cen'ral para tratar da liberta-
co da freguesia, e diversas commissoes parciaes
para auxilial-a.
Faaem parte da central o Ilms. Srs. :
Vigario Francisco Jos da Silva.
Coronel Luis Cesario do Reg.
Commendidor Albino Jos da Silva.
Tenente-coronel Francisco Faustino dj Brito.
Dr. Gaspar Drummond.
Dr. Manoel Clementino de Barros Carneiro.
Capito Cuicj Juveual do Reg.
Jos Mara de Andrade.
Dr. Manoel Francisco de Barros Reg.
H >je, s 7 horas da noite, se reunir a cam
mieeo, no 1 a jJar n. 43 da ra .Estreita do Ro
sario, para camecar o trabalho c conta ella com o
auxilio de todos para lovar a effoito tao nabre
empresa.
EmbarqueNa paquete Maranhao seguio
h lutera para o Rio de Janeiro o Sr. 1." tenentu
Leopoldo Bandeira de Goveia, ex ajudante do in-
spector do Arsenal de Mariuha desta provincia.
Ao embarque compareceram o pessoal adminis-
trativo e o artstico do referido arsenal, com a
banda de msica do 14 batalhao de infantera, e
diversos amigis d'aquelle digno oificial da ar-
mada.
Desij .mos-lhe prospera \iagem.
Setenta e Hete l!beriac6es O honra-
do agricultor c nosso distincto amigo, coronel Bis-
rismuudo Marques Lina, abastado proprietario da
c marca da Eacada, por acto firmado de 23 do cor
rente, sem coniicJo alguma concedeu liberdade
aos seus easravoa em numero de 77, conforme a
guia de averbaco apresentada colleJtorii d
municipio. Nao se limitou a isto smente, nao;
assegnron anda no allndido documento, que pa-
gara salario iaal ao que paga actualmente aos
seus tmbalbadoree, a todos aquellos que quizes-
sem ficar preataudo servir; >s no engenho.
Si outros titulas j nao bastassem para confir-
mar o justo conceito de que goza o referido coro-
swt, como philantropico e bondoso cavalhoiro. este,
s por i, sena bastante para caracterisar como tal,
seu dign> autor.
Em divulgar esta importante noticia, temos fei-
to o melhor e o mais eloquente elogio, a que fez
jua, o coronel Flori&rnundo Marques L'ns.
Que tPuha muitos seguidores, sao os noisos ar-
dent-s votos.
Prado PernambucanoFoi hout ra or-
ganisado o programma da 14a corrida que deva se
eff ctuar no prximo domingo, 29.
E' elle o segninte :
1. pareo.ConsolacSo 800 metros.Coroim -
boque, Atbeu, Perdeu, Sans-Souci, Postilion, Bei-
ja Flor 2., Cadeux, Lambugem, Veado, ex Pedra-
nolle, La Plata, Macaco, Maaeppa, Bonanart
p-i..e4 Bu'B*rd e ^pc'8-
2 o pareo.Peres Gampeo1.103 metros.
Pelotense, Figaro, Gala'ha, Maestro e Satn.
3. pareo.Dr. Qoncalves Pinto.1.609 me
tros. Beb.ribe, Ealo e Pampe.ro.
4o pareo.Prado Pernambu ano.1.609 me-
tros.Galatba, Maestro e Castiglioni.
5." pareo.Dr. Souza Reis. -1.100 metros;
Treme-terra, Jagnaribe, Cndor, Noruega, Capia
e Ocila.
6." pareo. Erperiencia.850 metros. Tem-
pestado, Leser;., Tangible, Zumby, L'Epivier e
D. Quizte.
Couipanhia Ferro Carril Com sor-
presa de quantos assistiram no domingo ultimo s
corridas no Prado Pernambucano, nao foram en-
contrados no portp do Prado, bonds suflicientes
para o transporte dos que tinhara alli cancorrrido.
A sorpresa era tanto mais fundada qnanto era
a primeira vez que se vjnficava essa falta.
Com excepeo de um pequea numero de pes-
soas, que se. accommodaram em quatro bonds, todos
viram-90 toreados a caminhar at a Magdalena, o
que causou incommodo e viva contraredade, prin-
cipalmente s familias,
Informaodo-i.os da motivo, qne occasionara essa
irregularidade no servico da ComDanhia, at ento
bem feito e que a todos satisfazla, nao podemos
dexar de reeonhecer que nao houve negligencia
da parte da cavalheiro, que dirige a Companhia,
em visia das commuuicaces qua a este respeito
nos fiseram.
O servico foi feito do mesma modo e com o mes-
mo pessoal e material empregados em todos os
outros domingos.
Antes de terminar a penltima corrida acha-
vam-se em frente do parti do Prado, 16 carros e
em caminbo vinham outros 16, que, legando o
costume deviam chegar antes de terminadas as
corridas.
Acoateceu, porin, que depois da penltima cor-
rida, grande numero de frequentadores do Prado
accommodaram-se em 12 carros, que tiveram de
partir, locando apenas 4.
A partida desses 12 carros, retardando a chega-
da dos 16 esperados par causa das demoras nos
desvos e o facto da terminarem ss corridas nm
pouco mais cedo, explicara a falta de transporte
satficiente para todos.
Logo que o Dr. Carlos Alberto, digno gerente
da Companhia, teve noticia do que occorri., deu
ord.ua para quo os 16 carros apressassem a mar-
cha am do chegarcm a tempo de nao haver en-
contr com 09 4 que ficavam no Prado e que nao
devam ter partido antej da chegada do reforjo
esperado.
Infelizmente os passageiras dos 4 carros impa-
cientaram-se de tal forma e r-xigiram de tal modo,
que o fiscal vio-se obrigado a mandar seguir os
referidos cairas, qne ao jbegaren a Magdalena
enc.ntraram-se com 03 16 qu: ehegavam o ento
hoave alguma confuso porque oa passageiros eo-
mecaram a mular de bnd b isto demorn ainda
mais a partida.
Em vista do que se passoa, nao podemos acen-
sar a direcea da Companbia, como o fariamos, se
cao conhecesst'mos que houvs antes um cas for-
tuito do que descuido e taita de actividade do ge-
rente, qu-2 andava 4 cavallo providenciando para
evitar que houvesse maior demora.
Era todo o casa sem nma dupla linha desde o
Viveiro da Magdalena at o Prado, uio poder o
Sr. Dr. Carlos Alberto ficar tranquillo, quanto
a repetico do que se dea no domiog >.
E' mais urna despeza para a Compauhis, nrvs
sei tambera nm meio seguro de satisfaser o pu-
blico c de evitar desagrados por parte deste, qae
tem o direito de ser bem servido,' tanto mais
quanto q-ie d'ahi s ple resultar proveito para a
Companhia.
Esperamos que o digno geronfe empregaia oe
seus esforciB ness- sentida.
Exerciclo de figo Na tarde de antehon-
tem e 14* batalbio de rufanteris, sob o commondo
do Sr. major Estevo Ferras, fes exercicio de fogo
no Campo das Princesas, recolhendo-se ao seu
respectivo quartel is 6 horas, sem occorrer novi-
dade alguma.
Insolliuto do Ceara-Recebemos hontem
o tomo U, do auno II da Revista Trim-nsat do,Ins-
tituto do Otara do trimestre deste anno.
Socicda-Je Atbenea Musical Per
nambuoanoHoje, pelas 7 horas da noite,
em sua sede, deve-se reunir essa sociedade, em as-
sembla geral, afim de empossar o novo conselho,
composto dos senhores :
PresidenteJA* Alves da Silva.
1 secretarioPrimitivo dos Santos.
2 secretariaSebastio Duarte.
OradorCyrillo Santiago.
ThesoureiroManoel America.
BibliotecarioJulio Jovelino das Chagas.
ConsolheirosPedro Alves de Souza Brazil e
Joo Pedro dss Santos Cruz.
Commisso de cootasLydio de Oliveira, D.
Amelia Cherubina dos Santos e Galdioo Pires Fer-
reira.
Proclaman de casamento Foram
lidos na matria de At g..dos, no dia 22 do cor-
rente, os seguintes :
Joio Jos do Carme com Joanna Maria do Nas-
cimento.
Francisco Horacio da Silva Juaior cora Mara
Isabel Pach^eo de Araojo.
Jos dos Aojis Duarte c;m Mara Silveira Ga-
mes da Fonseca.
Marcolino Jos de Sant'Anna com Antonia Ma-
ria dos Santos.
Foram lidos tambera no mes no dia, na ma-
triz de Santo Antonio, 03 seguintes;
Jos Francisco Duarte com Josuraiana Antonia
Jo Nascimento.
Rufina de A'meida Ca'auha cara M*ria Gomes
da Silva L'',t3a.
Francisco Eustaquio da Silva com Claudna da
Exa taco Santos.
Manoel Adoliuo de Freitas com Enedina Mana
da C ineeicjt >.
J 1 iqnio Gonoalves da Silva Pangan com Ma-
ria Ain lia dos Sautoa.
irret) com Rita Esteves Alves. .
( etiftt-n.rieotuar-ae-hSo ;
3 Hoje:
Pelo agente IJurlanaqui, s 11 horas, na ra da
Imperador n. 2, de predios.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na roa Mar-
quea de Olinda n. 52, da a godosiuho avanado
manteiga.
Pelo agente Martina, s 11 horas, na Camboa
do Carmo n. 5, da movis, lencas, vidros, efe.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, na ra do Im-
perador n. 49, de movis.
Iitbertacoe* O Sr. Jos Valentino Vieira
de Mello, residente em Itamarac, acaba de coc-
oeder liberdade sem onus nena condicto alguma
aos seus escravos Jos, Josepha, Generosa e Felis-
mina, unios que possaia.
Registrando esse acto de philantropia, louvamos
o procedimento do Sr. Vieira da Mello.
o EaqueletoE' este o noma de nma nte-
ressante lenda phantastica do Olinda, composico
do Sr. Dr. Carneiro Vilella, que foi publicado ha
snnos, no Diario do Gran Par.
Recebamos o agradecemos aa duas pn'meiras
formas (32 paginas) desta lenda, que est sendo
publicada nesta adade.
Vsate e tuatro de MaloO Monte Po
dos Voluntarios da Patria, no intuito de comme-
morar o 22" anniversaria da grande batalha cam-
pal de Tuyuty, a primeira da America do Sul, re-
s: Iveu celebrar com e explendor dos anuos ante-
riores, algumas testas, entre as quaes a exhibico
de um spparatoso drama militar, de costume e de
occasi&o, sobre factoa memoraveis da campanos
do Paraguay.
A' aptido conhecida do Sr. Dr. Alfonso Olio-
dense Ribeiro de Souza, confiou o Monte Pi dos
Voluntarios da Patria o encargo de esorever esse
drama, misaio qae 8. 8. aceitn e da qual acaba
de desempenhar-se, procedenda a loitura da nova
peca, que se intitulaNo Campo da Honra.
A's 6 horas da tarde de 23 do ca rente e na sede
sacial, presente sua directora, gran je num.'ro de
amadores v art s: ;a rttaaiatnoa, tew aajfai a lei-
tara,
O drama que u Sr. Dr. Aff;nso Olin a; escre-
vea b;ibcia-se em ncontecimentos d eta provincia
em 1865, quauJo o fervor e o latho.iasmo das
philanges voluntarias levavam-n'us pressurasas a
tomar a defesa dos bros nacionaos. Em urna das
aceas figura a benca da bandeira e o embarque
do 2ecorpo de voluntarios dapitria, do commando
do distinct e bravo pernambucano, tenente-coro-
nel 4palbnio Peres Campella Jacome da Gama,
de saudosa recorJaco.
O intervello do glorioso dia 24 de Ma!o deixa
ver urna parte da brigada seb o conmanda do ge-
neral Barras, da qual fazia parte o 7 batalhao
paraguaya, s nlo mais tarde, vista do especta-
dor, repellida esta legio pelas tropas al'iadas, ao
mando do invicto e legendaria general Oaoro.
Eocerra-se o drama, que se recommenda pelo
bem delineado do entrucho e situa.'es dramticas,
alm da parte romntica, pela fidelidade de mui:os
factos histricos e positivos, com o movimento da
praca d'armaB do urna fortaleza do Rio de Jaueir ,
na oceasio em qne tem de c -raprir nm dos man-
datos dos mais rigorosos da vida iriiitar, e vend-
se muitas das secnas da vida ntima, como a disci-
plina o exige em m.s.os quarteis.
A peca depende do um rigoroso desempe :ha na
aeco das figuras e interpretaco dos typos e
promptificaco do scenario.
Para isso o Monte-Po das Voluntarios da Patrio.
eou8eguio dos distinctos cavalheiros quo compoem
o corpa scenico do G'ub Dramtico Familiar, a
direeco e desempenho do to be.lo quanto dirficil
e apparatoso drama-
Resta, apenas, que a populaco desta cidade
corresp-uda ao eaforco e emp-nha que a patritica
associco dos voluntarios faz para que o dia de
to brilbante victo.ia seja mais ama vea solem-
nisado na altara condigna que inspira a corac,oes
patriticos to gigantesco feito d'armas.
Enxenbos Cen raen para Pernaua-
buco Por decreto n. 9,929, de 11 do correte,
foi concedida companhia que vier a ser orga-
oisada por Jos da Silva Lojo Jnnior para 000-
struccao da tres engenhos centraes na provincia
do Pernambuco, garanta de juroa de 6 [,, ao
anno sobre o capital de 1,850:000J, efTeetlvmen-
te empregado na sobredita construyelo. Aa fa-
bricas sero situadas n ;s localidades que for m
recouhecidas por mais convenientes, de preferen-
cia, porn, nos valles deTracunhaen e Sergi.da
comarca de Itamb, sendo do typo de 450:000
urna das fabricas e do d; 700 030 cada nma das
outrs.s.
A companhia ser abrigad?. construir o prmei-
ro engeubo dentro do praxo do uai anno, contado
do dia cmque sb obras tiverem cornejo, e sraente
poder iniciar a construrco das duas outras fa-
bricas qnando a primeira estiver trabalhando e
prodnzinio renda que torne inteiramente nominal
a garanta concedida pelo governo.
Se todos osenguh's farem estabelecidos has
localidades cima desigdadas, dar a empresa
aos tramway, qua ter di construir, direeco que
ligue os supra-m;ecioioads valles, por um lado ao
porto de Goyanna, e, por outro, ferro-va do Re-
cite a Limoeiro na cidade de Nazaretb, oa no ponto
do rainal de Tioob o 1 que mais conveniente for
considerado para este fin. Resalvados os diretos
de tercer.'s, t'-r a companhia na onus e vautageas
<\, ,*.jH#aj de vwco forrea (menos garaux ao
jaros )
A gar nta tornax-se ha effctva, as condi-
coes cima expostas, p-'lo prazo de 20 annos, fi-
cando sujeita a empresa o disposivd's do regula-
menta approvado p :1o decreto n. 8,357 de 24 de
ez.'mbro de 1881, quer quanto a onus, quer quan-
to a favores.
Tarifa* aduniieira* R-caabecenio o
governo imperial como de uiilidade geral a crea-
cao da Repartico Internacional das Tarifas Adua-
naras, qual o governo balga se propoa estabele oor
em Bruxellas, deliberou adherir correspondente
convenci nos termos propostos, sujeitando-se s
obrigacoos do art. 9- do projectado regula-
mento.
A deliberacao foi commuoicada pelo ministerio
da fazenda ao dos negocios estrangeiros,para que
a torne conhecida da legacjta da Blgica nesta
corte.
Beclamaco contra exigencia de
MeUo Aa da agricultura declarou o ministerio
da fazenda que, acbaudo-se estabelecido pela la-
gislacao vigente o procesa > dos recursos e reela-
maces sobre materia de impastas, e estando su-
jeitos mesma legislaco todos os funceionarios
que se consideraron! aggravados pelas estacos
fiscaes, deve a reclamaco do engenheiro Domin-
gos Gomes Braga Torres, acerca da exigencia de
sello, ser encaminhada ao tbesoaro, por interme-
dio da thesotirara de Pernambuco, para que seja
resolvida cam plena conhecimeoto de causa.
Criado ladro Informam-nos que hontem,
pelas 11 horas da manh, tendo o professor Julio
Soares de Azevedo, com collegio ra Velha n.
30, dado urna cdula de 50/2000 a um ssa criado
de notne Manoel, para trocal-a e fazer pagamen-
tos, desappareceu este e nao mais voltou.
Sabe-se que elle morador em Aogados, em
casa de urna sua madrinba, e que tem pai e mi,
na villa do Cabo.
Amanh:
Pelo agenta Gusmao, as 11 horas, na roa da Au-
rora n. 123, de movis, toacas, vidros, carros, ete.
etc., nos cao e asa yaeaa.
Sexta-feira :
Peloagante Gasrno, is 11 horas, na ruada
Aurora n. 123, de movis, loucas, vidros, carres.
etc., etc.
*la* famebrenSero celebradas :
Huje:
A's 8 hars, na Conoeico dos Militares, por
alma do coronel Francisco Camella Pessoa de La-
cerda.
Sexta-feira:
A's 8 horas no Paraso, por alma do desembar-
gador Francisco de Assis Oliveira Maciel.
Sabbado :
A's 8 hora* na matriz de Nasaretb, por alma do
desembargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel.
'nsjelronChegadoa da norte no vapor
nacional Maranhao :
Jos Ceaario de Lima, Oetaviano A. Ribeiro.
Roberto Hislop, Ricar H. Mirdock, Antonio Jos
Pereira Jnior, Dr. Astrobabio Passos, Dr. Pom-
pilio de Castro, Antonio Pinto C. e sua senhora,
H. Ayres e sua senhora. Jaseph Latham, Luis dos
Santos, S. Dance, Luis Cbrspim, Mara Martinha,
Maria da Conoeico, Antonia L. de Soasa, Sabino
L. de Souza, Raymando L. de Souza,Maria F. da
Conceico, Candido Joo C, Joo Antonio da Cos-
ta, Dr. Augusto S Albaqaerque Maranhao, Alci-
biades D. d -- Albuquerqu; Ignacio Araz, H. Nie-
meyer, Gustavo Pinho, Antonio Asevcdo dos San-
tos, Antonia Paiva, Jacntho de Mella, Clemente
Magalbes da Silveira.
Chegados do sul no vapor americano Finance :
Virgilio A. da G. Goncalves, Alfredo Bahiak
Antonio Dubeanix, Mara das Dores e 1 filho.
ireetoria da* ouras se ruaneria-
co tittm nonos de PernambucoRe-
cife, 23 de Abril de 1888.
Boletim meteorolgico
3* a
loras 0 a -a 11 0 O X Barmetro a 0 Tenaio da vapor a 1
$* 9 31
6 m. 2502 759*91 20,78 86
9 27'-6 761*20 20,86 75
13 29J-0 76035 20,92 69
3 t. 28' -7 759^12 20,73 71
6 27'6 759"-77 J).(i7 .7
Temperatura mxima29*,50.
Dita mnimo.24',75.
Evaporadlo eib X horasao sol: 4,m6 ; som-
ora : 4IU,0.
Chuva3,-3.
Dreccao do vento : SE de meia noite at aos 5
minutos da manh; E at 3 horas e 16 minutos ;
ENE at 3 horas e 27 minutos ; NE at 4 horas e
50 minutos ; ENE at 6 horas e 12 minutos ; E
at 6 hars e 22 minutos; NE at 6 horas e 35
minutos ; E at meia noite.
Velooidade media do vento: 3^,09 por segando.
Nebulosidade media: 0,51.
Bnletim do porto
1 3
2 - u
s a
-a
- 3
3. M.
. M.
-t. M.
'. M.
Dia
23 de Abril
24 de Abril
Horas
813 da manh
241 da tarde
8-41
312 da manh
Afta
0,-55
2,"5
0,>27
2,>5S
Operar.-o cliurglcaFoi praticada no
hospital Pedro II, no dia 24 do correte, a se-
uintc :
Pcl-o Dr. Malaquias :
Amputaco do p-uis pelo processa de Gnyon
Ass.ky, reclamada por epitelioma do penis.
Casa de tsetencaoMovimento dos pre-
sos da Casa de Detenso do Recife no dia 23 de
Abril de 1888:
Existala 309 ; entraram 23 ; sahiram 15 ; exis -
.em 317.
A saber:
Nacionaes 303 ; mulhores 7; "alrangeitcs 10
Total-317.
Arracoados 261.
l?.:is 251.
Doeutes 10.
Total251.
Movimento da enfermara :
T.yeram alta :
Harfinha isnciia >>. ai.
Joaquim Jt da Cista Coelho.
Uospltal Pedro IIO movimento (teste
uospitul no da 23 de Arbril, foi o seguinte :
Entraram...............
Sahiram................ 18
Falleceram............... 1
Existem................. MI
Foram visitadas as respectivas enfermaras pe-
los Drs.
Moscoso, s 8.
Cysnei o, s 10.
Barros Sabrinho, s 7 1(2.
Berardo, s O.
Malaquias, s 9 1(4.
Pontual, s 9.
Estevo Cavalcaote, s 8 i [2.
Simdes Barbosa, s 10 1(2.
O pharmaceutieo entrn s 8 1[4 esahio s 4
da tarde.
O ajudante entrn a 7 1(4 horas da manh e
sabio s 4 da tarde.
Lotera do ParA 1* parte da 18* lo-
tera, pelo novo plano, cujo premio grande de...
60:0004 ser extrabida no dia 25 do eorrente.
Cemllerio publicoObituario do dia 23
de Abril : '
Claudina, Sergipe, 75 annos, solteira, Boa-Vis-
ta *, encepbalite chronica.
Candida Maria da Coneeicjlo, 20 annos, soltei-
ra, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Beatriz, Pernambuco, 11 meses, Boa-Vista ;
gastro enterite.
Esther, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista:
pneumona tobular.
Jorge, Pernambuco, 4 mezes, Boa-Vista ; me-
nengite.
Joo Prxedes Monteiro, Pernambaeo, 22 an-
nos, solteiro, Graoa ; tuberculosa galopante.
Domingos, Pernambuco, ,4 annos, Boa-Vista ;
gastro enterite.
Osear Destibeaux, Franja, 68 annos, solteiro,
Santo Antonio; anasarca.
CHRONICA JUDICIARIA
Tribunal da Relatlo
SESSO ORDINARIA EM 24 DE ABRIL
DE 1888
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CON8EI4HEIRO
QDINTINO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costame, presentes os Srs. desem-
bargado rea em numero legal, foi aberta a sessao.
depois de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e paseados os feitos deram-se os
seguintes
JL8AMEST08
Habeas-corpus
Paciento:
Jos Sette.Mandau-se ouvir o Dr. chefe de
polica.
Recursos eleitoraes
Do CaboRecorrente Francisco Manoel San-
tiago, recorrido o juizo. Relatar o Sr. cinselheiro
Queiros Barros.Ngou-se provmento, contra os
votos do relator e desembargados Toscano Bar-
reto e Pires Ferreira.
Recurso crime
Da IgulrassRecorrente Hercu'ano Jos de
Senna, recorr tao juzo. Relator o Sr. desem-
bargador Tavares de Vasconcelloj.Negoase pro-
vimento, unnimemente.
Aggravo de pti^o
Do Recife.ggravantj Eduardo Duarte Ro-
drigues, aggrovado o juzo das feitos da fasenda.
Relator o Sr. desembargador Tavares le Vascon-
celos. Adjuntos os Srs. desembargadores Delfi-
no Cavalcaute e conselhoiro Queiroz Barras
Negou-Be provimenli, unnimemente.
Appetlacces crimes
Do BrejoAp.eiUnte Jos Constantino de Mel-
lo, appellada a justica. Relator o Sr. desembar-
gador Toscano Barreta.Codnrmaa-se a senten-
ea, unnimemente.
De Naasreth-Appellante o promotor publico,
appellado Antonio Cerdoso de Mallo. Relator o
Sr. desembargador Pires Ferreira.Nao se to-
mou conhecimento da appallaco, unnimemente.
Do Limoairo Appellante o jnizo, appellado
Joaquim, escravo Relator o Sr. desembargador
Pires Ferreira.Cmfirmou-se a sentenea, contra
os votos dos Srs. desembargadores Tavares de
Vasconcellos, Alves Ribeiro e conselheiro Qaeiros
Barros. .
De Caruar -Appellante o jaizo, appellado Joo
Sacerdote de Carvalho. Relator o Sr. desembar-
gador Monteiro de Andrade.Mandoa se a novo
jury, unnimemente.
Do CondeAppellante Joaquim Rodrigues dos
Santos, appellada ajustioa. Relator o Sr. de-
embargador Pires Ferreira.Mandoa se a novo
jury, unnimemente.
De PanellasAppellante Manoel Luis da Sil-
va, appellada a jostica. Relator o Sr. desem-
bargador Alves Ribeiro.Mandn se a novo ju-
ry, unnimemente.
Da VictoriaAppellante o joiso, appellado Jo-
s Lins de Azevedo. Relator o Sr. desembar-
gador Monteiro de Andrade.Mandon-se a novo
jury, unnimemente.
Da PombalAppellante o juizo, appellado Ju-
lia Jos Barbosa. Relator o Sr. desembargador
Pires Ferreira.Mandou-se a novo jury, unni-
memente.
Do Recife -Appellante o juzo, appellado Cos-
me Jos do O'. Relator o 8r. desembarga or Pi-
res Ferreira.Confirmou-Be a sentenea, contra os
votos dos Srs desembargadores Tavares de Vas-
concellos e Alves Ribeiro.
De Nasaretb Appellante o juiso, appellado
Joo Manoel Ignacio. Relator o Sr. desembarga-
dor Alves Ribeiro.Mandn se a novo jury un-
nimemente.
Appcllacoes civeis
De TaquaretingaAppellante o juizo, appel-
lado Flix Jos Teixera. Relatir o Sr. desem-
bargador Alves Rib.ro. Revisores os Srs. des-
embargadores Tavares de Vasconcellos e conse-
lheiro Qnoiroz BarrosConfirmou-se senten-
os, contra o voto do relator
Dj RecifeAppellante o consol de Portugal,
appellado Jola Gualberto de Andrade Lima. Re-
lator o Sr. desembargador Pires Ferreira. Revi-
sores os Srs. desembargadores Monteiro de An-
drade e Alves Ribtiio.Coufirmou se a sentones,
unnimemente.
Appeliacocs commerciaes
Dj RecifeAppellante Jos Matheus Ferreira,
*ppellados Luis Goncalves da Silva & Pinto. Re-
lator o Sr. desembargador Monteiro de Andrade.
Revisores oa Srs. desembargadores Pires Gsncal-
vos e Alves Ribeiro.Confirmou-se a sentenea,
unnnimemente.
Do RetifeAppellante A. Lombort, liquidata-
rio da The Central Sugar Factories, appellados a
Baronesa de Palmares e outros. Relator o Sr.
desembargador Pires Ferreira. Revisores os Srs.
desembargadores Monteiro de Andrade e Alvea
Ribeiro.Rcformou-sa em parte a sedtenca, una-
ai raement.'.
PA8SAQEN8
Do Sr. conselheiro Queiros Barros ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
., Appellaco crime
Do RecifeAppellante o promotor publico, ap-
pellados Joo Machado Revoredo e outros.
Appellacoes civeis
Do C'ibo Appellante Joo Chrysostomo de
Senna Tipioca, appellado o escravo Joo.
Da ParabybaAppellante Jos Antonio Perei-
ra Vinagra, appellada D. Maria Umbelina Ca-
valcanwj de Albaquerque.
Appellaco commercial
Do RecifeAppellante J >aquim Jos Gomes,
tutor dosm-nores filbos de Jo3 Tavares Pinhei-
ro, appellada a maasa fallida de Jos Tavares Pi-
nheiro.
Do Sr. desembargador Toscano Barreto ao Sr.
desembargador Deliiuo Cavalcaute :
Appellasoes crimes
Do CaboAppellante Joo Porfirio das Nev,
appellada a jostica.
De AtalaiaAppellante o juizo, appellado Al-
fonso da Silva Guimares.
Di Cimbres.Vppellante Joo, ex-escravo, ap-
pellada a justica.
Da PilarAppellante o juizo, appellado Vi-
cente Ferreira do Nascimento.
De Paulo Affoneo Appellante Trajano Ferrei-
ra Barata, appellada a justica.
Appellaco commercial
Do RecifeAppellante a companbia de enga-
aos centraes, appellado Francisco Xavier Gai-
maros da K cha.
Do Sr. desembargador Delfino Cavalcante ao
Sr. d sembargador Pires Ferreira :
AppellacSes crimes
De Bezerros Appellante o juiso appellado
Manoel Francisca do 0'.
De Itamb-Appellante Jas Mauricio Alves de
Almeida, appellada & justica.
De S. Joo-Appellante Joaquim P"'-' d Oli-
veira, appellada a justica.
Appellaco civel
De Maeei Appellante o juizo, appellado Jo-
s Antonio Ribeiro Braga, senhor da escrava Loa-
renca.
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade ao
Sr. desembargador Pires Goncalves :
Appellaco civel
Do RecifeAppellante Joo Soares Neves, ap-
pellada Miguel Jos Barbosa Guimares.
O Sr. desembargador Pires Goncalves, como pro-
curador da corda e promotor da justica, deu pa-
recer nos seguintes feitos-.
Appellacoes crimes
De GoitAppellante o promotor publico, ap-
pellado Victorino Fidels do Nascimento.
Da Independencia Appellante Jos Martina
da Silva, appellada a Justina.
Appellacoes civeis
De Pao d'AlhoAppellante Manoel Tbomas de
Aibuquerque Maranhao, appellada D. Olympia de
Abreu Marques Bacalha < seus filhos.
Do TraipAppellante D. Angela Rosa Tava-
res, appellada a libertan Ja Clemenoia, por sea
curador.
Do Sr. desembargador Alves Ribeiro ao Sr.
desembargador Tavares de Vasconcellos :
Appellaco crime
Da Bezerros Appellsnte o juizo, appellado
Lus Bento, Manoel Martina e outros.
Appellacoes civeis
Do RecifeAppel antes embargantes Joa An-
tonio Finta e outroe, appellados embargadas An-
tonio Jos Pereira.
Aitigos de habilitaco
Habilitantes D<-, Joaquim Jos do Miranda e
outro, executados Saunders Brothers 4 C.
DILIGENCIAS
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica :
Appellaco crime
De MamangnapeAppellante o juiso, appellado
Jos Trigueiro dos Aojos.
Com vista s partes :
Appellacoes commerciaes
Da Parabyba Appellante Paulino Augusta
Rodrigues Vianna, appellado Claudino do Reg
Barros. -
De ItambAppellante Feliciano Gomes Pe-
reira, appellada Ignacio Pessoa de Mello.
Appellaco civel
Do Ca'ooAppallanta Gil Clementino Caval-
cante, senhor do escravo Zeferino, appellado o
jatee.
DISTRIBUig3E8
Recursos crimes
Ao Sr. dtsembargador Toscano Barreto :
Do PilarRecorrente o juiso, recorrido Venta-
ra Ribeiro Agr. .
Ao Sr. desembargador Delfino Cavalcante :
Do PiancRecorrente o juizo, recorrida Fran-
cisco da Cuaba Lucena.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Do PilarRecarrente o jaiso, recorrido Jos
dos Santos Oliveira. .
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Da RecifeRecomate o juizo, recorrido Ma-
noel Joaqnim.
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Da Bom Cons-lh 1Recorrente o juiso, reconi-
da Marciano Jas da Silva.
.10 Sr. desembargador Tavares de Vasaeucelios:
Do CaboRecrrante Francisco Tolentino de
Figueiredo Lima, recorrido o juiz).
AoSr. conselheiro Qaeiros Bairoa :
Da RciteR correte o vigario L -ferino fer-
reira Velloso, recorrida Dr. Joo Vicenta da Silva
Cesta.
Ao Sr. desembargador Buarqae Lima :
Do Rio Formuso -Recorrente o juiso, recorrido
Marcolino Jos dos Sautos.
jjs Aggravo de peticlo
Ao Sr. conselheiro Queiros Barros :
D) RecifeAggravaute Henry Kolbet t, aggra-
vado Cse|ano Marques.
Aggravo de instrumento -
De Palmares-Aggravante Fiavio J o""0*
ra Cavalcante, aggravado o juiso.

r
llElH
\


BSnBBBBSSSS
BimssBsmsj
sBsnssssisBHai


-jj^^^
tt
Diario de Pernambuco(Juarta-leira 25 de AM1 de 1888
Appellaclo oommereial
Ao 8r. desembargador Toa Do Becife-AppellMto. Man*IJom* Fer
rera E.teve. outror, appelbvio M.ooel Paulo de
a a. JMmWndar Delfino Cavalcante :
"MDICAyOS TEIS
O Dr. Barros ulmaraes
f Podo ser procurado no escriptorio da re-
daccSo d'eite Diario, ra Duque de
Casias n. 42, 2." andar.
O Dr. Milet ten o seu escriptorio de
advocada, na roa Duque de Caxias,
B. 50, 1. andar.
Dr. Seabra, advogado. Ra do Impe-
rador n. 30. Das 10 horas do dia s 3
da tarde.
Medico*
Dr. Barreta Sampaio d consultas de
eio-dia a 3 horas no 1. andar da cas
a roa do BarSo da Victoria, n. 51. Resi-
enoia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade ?. 25.
Dr. Joaquim Loureiro medico e partoiro
Consultorio na roa do Cabug n. 14, 1"
andar, de 12 s 2 da tarde residencia no
Monteiro.
O Dr. Castro Jess medico e operador,
consultas das 11 s 3 da tarde, ra do
Bom-Jess n. 23, 1." andar. Residencia
Travesaa dos Remedios -Passttgem, porto
a. 7.
O Dr. Alvares Ouitnardes chegado da
orte, dedica se medicina em ge ral, e
com especialidade s molestias do coracSc,
pnlmSes, figado, estomago e intestinos, e
tambem s convulses e outras molestias
das crianjas. Reside praya Conde d'Eu,
n. 28, l.4 andar, e tem consultorio ra
do Bom-Jesus, n. 45, onde diariamente d
consultas do meio-dia s 3 horas da tarde,
aceitando chamado em qualquer desses lu-
gares. Telephcne n. 381.
O Dr. Matheus Voz, medico, mudou a
sua residencia para a ra dos Pires n.
33 A, onde poder ser procurado para o
exercicio da sua profissSo. D consulta de
11 horas da manha s 2 da tarde na ra
do BarSo da Victoria n. 32, 1 andar.
Dr. Cergueira Leite, tem o seu escripto-
rio roa Duque de Casias n. 74, das 12
s 2 horas da tarde, e desta hora em dian
te em sua residencia ra da Santa Cruz
n. 10. Especialidadesmolestias de se-
nhoras e crianzas. Telephone n. 326.
[Occallajta
Dr Ferreira, com pratica nos principaes
hospitaes e clnicas de Pars e Londres,
d consultas todos os das das 9 horas ao
meio-dia. Consultorio e residencia a ra
Larga do Rosario n. 20.
Drogara
Francisco Monoel da Silva & C, deposi
taos de todas as especialidades pharma-
oeuticas, tintas, drogas, productos chimi-
oos e medicamentos homeopticos, ra de
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officinas de campia
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Neste grande estabele-
iimento. o primeiro da provincia neste ge-
aero, compra-se e vende-se madeires
de todas as qualidades, eerra-se madeirae
de conta alheia, ast>im como se preparam-
obraa de car apia por machinas e por pre
eos em competencia Pernambuco.
Drogara
Faria Sobrinho A C, droguista por
atacado, roa do Marque de Olinda n. 41.
PIBLICACOES 4 PEDIDO
E
Ler
com o administrador do
cado de S. los
Um morador prximo do Mercado vem pedir
providencias no sentido de lazar cesaar o procedi-
mante abusivo do guarda de nome Cruz, hotnem de
mos oostumes ; porqaanto coatuma alta noite sub-
stituir b apito de aignal de alarma, por grandes
pancadas com o facao ou cacV.e nos candes ou
balcoea dos logarejos do mercado, incommodaudo
d'eot'arte a tranqoillidade doa moradores proxi
moa.
Hoatem, cerca de meia noite, o aquilina do prc
dio o. 5, reclamando enrgicamente contra tal
abuso e sendo secundada palos inqnilinoa doa pre-
dios ns. 15 e 17, foram covardemente injuriados
pelo tal 8r. Ge o.
Eia a raaso por que nao me dirijo peeaoalmente
a 8. 8, com o receio de ser aggredido pelo celebre
capanga Cruz, como foi o inquelino do predio n. 5
quando se diriga para o gabinete de 8. 8. para
pedir providencias.
Recite, 14 de Abril de 1888.
Um vizinho ineommodado.
Ao director das obras publicas
Oa moradorea da Eatrada Nova do Calinga,
peder a V. 8., que ae digne prestar attencSo para
o mo estado em que se acham as vallas da mearan
estrada, poia quando os empreg*dos da companhia
do Caxang vo fazer a limpagem doa trilhos,
atiram com o aojo para dentro das mestnas vallas,
empatando asshn a evaculo das aguas.
------- Minia ^ -----------
N 4t5
ludigeniao oo dyapepala
' ama erfermidade nascida e criada pelo laxo
da civiliaaco. Ellasconatituem a penalidade im-
posta pela natureza em consequenuia da dema-
siada ind-lgencia.
As regras para o tratamento desta molestia s3o
simples, e sao applicaveia para tsdos oa casos.
Conaerve se o ventre livre, renov ee o tom e vi
gor perdido do estomago e regule-se a aeco do
figado, e aasim ter-se-ha conseguido a cara.
Pareos agora aeguem se as p-rguntas ancioaaa do
enfermo :
Como e de que mido pode isso ser feito ?
Onde existe oa poder se achar urna medicina
fi ssuidor* de ama virtade e forca investigante,
ortalecente e curativa aobre e'ates orgSoa ?
A resposta ach.r-se-ha nos segu itea atiesta -
dos divulgados polos nossos mdicos os mais res-
peitaveis. O Dr. Wells, de Nova-York, diz :
tenha mais de 18 meses esta parte, feito
constante uso das pilulaa azucaradas de Bristol,
como um alterativo e tnico, e as considero como
o remedio mais effi:~.z e certo que temos para com-
bater a dyspepsia, indigestado, e assim como para
todas as desordena e desmanchos do estomago,
figado e intestinos, a
O Dr. L. Mills, de Nova-York, o Dr. Elia*
Mott, de Bro.klyn, o Or. Parker Nelson, de Pbila
delphia, fazem mentao honrosa das mismas e ai
recommendam com igual atfinco.
As pilulas acham-se mettidas dentro de vidr-
anos de crystal, e por isso se conservam perfeitas
em todos os climas.
En todos os casos de impurezas do sangue, a
ealsaparril ba de Bristol deve-se usar conjuncta-
mente com as pilulas.
Aviso
O abaixo astignado avisa aos seus amigas e
cuentea que mudou sua residencia e consultorio
da ra Bario da Victoria n. 18 para a mcama ra
n. 59,1- andar, onde con ti n*-a dar consultas .-
horas do costume. Recite, 18 de Abril de 1888.
Dr. Joo Paulo.
mmiMio
Balsa coro crea!
JOTAgOBS OFFICIAKS DA JUNTA DOS COB-
RBCTORB8
Reeife, 24 de Abril de 1888
Accoes da companhia do Beberibe, do valor de
1004 a 160^000 cada urna.
Letras hypothecariaa sem jaros a 934500 cada
ama.
Pi tatajuba a 500 rs. por 15 kilos.
Cambio sobre Santos, 60 d/v. com 11[S Ofi de des-
cont.
Dito aobre dito vista 3\B OrO de premio, do
banco, hontern.
Cambio sobre Para, 60 d/v. com 11|8 0/0 de des-
cento.
Cambio sobre Londres, 90 div. 24 1[4 d. por 14,
do banco, hontern e hoja.
Dito sobre dito, viata, 24 d. por 14000, do
banco.
Cambio sobre Paria, vista 395 rs. o franco, do
banco, hontern e boje.
Cambio sobre Lisboa, 9U d|v. 119 0/0 de prsmio,
do banco,
Na hora da bolsa
Vend ram-30 :
35 acedea da Companhia do Beberibe.
5 ditas dem.
96 letras nypothecarias.
u uiesidtnte,
Angosto Pinto de Lemoa.
O secretario,
Pv'dra Jas Pinto.
Havimento bancaria
aSCIFE, 24 DE AB1IL DE 1888
t&AQX DO EECIPE
Oa bracos abriram ainda h.je a 24 lid. sobre
Londres, saccaado o Internacional particularmen-
te a 24 1/4.
Ao fechar do dia o London tambem sacecu a
24 1/4.
Em papel particular urna pequea quant>a fo
paseada a 24 3/8.
O mercado ficboa firme.
P&ACA DO BIO DE JANEIRO
Oa bau:os saccaram a 34 1/4.
As tabellas expostaa aqu foram estas :
Do Losaooa Baoxs :
Dr. Silva Frreira
Medico e par'eiro, com pratica em varios hos-
pitaes da Europa as especialidades de molestias
de senhoras e da pello, d consultas na roa da
Cadeian. 53 1.* andar, de 1 s 3 horas da tarde
e reside na roa da Conde da Coa-Vista n. 24 1.
Telephoiic n. 412
Jsina Pinto .
Bolonia Isabel. .
Tarbina pulverisado.
atanco 3-* aaperior .
3.' boa .
< 3.* regalar .
ionenoa ....
vlaacavado purgado .
broto.
-ttame .
24400 4 24500
2450J
240O0 a 24100
24100 a 24500
24100 a 24200
14700 a 14900
14600
14400 a 1450'
142 '0 a 14260
4800 a 14000
Amor maternal
a's mXis de familia
Acabamos de ler no importante joma
qae v a las da pablioidade na capital do
Imperio t O Paiz a seguinte pablicacSo,
qae, sem mais commentarios, qai trans-
crevemos :
c Dizia NapoleSo I que, educando-se
a mulher prepara va se o futuro. >
* E de faoto.
A mulher o principal motor do des-
envolvimento humano. Qaanto mais vir-
tuosa e Ilustrada for, melhores e mais
bem educados serSo os homens.
< A m&i a sentinella vigilante que
vela a vida preciosa d crianja, acompa-
nhando a, desde os primeiros vagidos at
o momento em qae, feito homem, trans-
p5o os bumbraes da vida real.
< E quantoa desgostos, e que torturas
angustiosas, os de urna mSi que v seu
filbo ainda peqaenioo, sem ter expressSes
para dizer o que sonte e, todava, gemen-
do, chorando sob a influencia de um in-
commodo que, muitas vezes, sabido a
tempo, poderia ser debellado ?
t Quem se recorda destas situajoes
criticas, tao communs ao vi ver de urna
mi, nSo poder deixar de corvar se res-
peitosamente ante a mulher -a personiti-
carSo do devotamento, da abnegado e dos
mais puros e grandiosos sentimentos que
se aninham no corajSo humano '
E como refl xo desee muito respeito
que temos per ella, dirigimo-nos ngora a
milis de familia, s delicadas educadoras
da futura geracSo
> Mais do que as pessoas adultas, as
crianzas estSo sujeitas as toases, deflusos,
conatipagSes a.outras affecySes congneres,
pela sua dbil compleigao e delicada
organijac3o, j pela sua curta idade que
nao Ibes permitte o esquivarem-se de um
golpe d'ar, por exempb, ou d'outro qual
quer descuido.
c Todos sabem o que acontece neste
caso.
A crianza, um dia, deita-se com a
voz pouco alterada e urna tossesinha in-
significante que, aos propros pas, passa
desapercebida ; depois, no dia siguite,
j aquelles pequeos indicios aggravam-
30, vem-lhe urna febricolasiaha, ioflamma
se-lbe a garganta e dahi urna angina oa
garrotilbo, um momento.
< Chama se o medico, quando, s vezes,
j nao ha mais remedio para a doenca, e
aquella innocente crianeinba, esperanza
fagneira de urna familia inteira, desappa-
re.e repentinamente deixando os pais ira
mersos na mais acerba dor...
t 0b 1 milis, para quem escrovemos,
iembrai-vos que a Providencia nunca deixa
de soccorrer quem a ella confia
i E essa presciencia omnipotente, neste
caso, manifesta-se noPeitoral de Camba-
r remedio excellente, quSo milagroso
para as molestias dopeito, germinadas, a
maior parte das vezes, na crianca por um
descuido da natureza dos que deixamos
apontados.
Coraprai, pois, oPeitoral de Cana
bar e tcre8 prevenido a evontualidade
terrivcl de vos verdes privados de vossos
filhos
liar do nosso devotamento, do vosso amor
rcateraal.
Heitcr.
Ao Banco de Crdito Real de Per-
ambnco e aoa ara. Canioio ft Ir-
mao, co propriciarlos do engenbo
Coocelco doa BlUaa;rea. de Serl-
nhaem
Constando a abaixo aasignada que o en-
genho ConceicSo dos Milagros se acha hy-
pothecado ao Banco de Crdito Real de
Pernambuco, em sua totalidade, vem pro
testar contra essa transoslo, porqaanto
seus filhos menores JoSo e Jos (este fal-
lecido), herdaram urna parte do engenho
Quileba, (em cujas trras foi levantado o
engenho ConceijSo dos Milagree), no in-
ventario de sea finado pai Manoel Jos de
Miranda ao qual tocou dita parte no in
ventano de sua mulher D, Manoela Eleu-
teria de Brito For.tes, que pir sua vez a
herdou de seu pai Antonio Goncalves de
Fontes, e protesta fazer valer em .juizo
os seas direitos e os de sea filho tutellado
JoSo.
Rio Formoso, 9 de Abril de 1888.
Anglica Mara Archanja de Miranda.
Leonor Porto
slua do Imperador o. I &
Io andar
Contina a executar os mais diffieeia
fisurino8 reeebidoa de Londrea, Paris,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeioo de coaturas, em
brevidade, modieidade em precos e fino
gosto.
c=>$
Dr. Coelho Leite
Participa a seos clientes e amigos que
tem seu consultorio na ra Duque de Ca
xias n. 57 1 andar, onde ser encontrado
de 12 s 3 da tarde todos os das e
reside provisoriamente na ra do Hospita
Portaguez n. 14.
Hiate mcional Deus te Salve, entrado do
Aracaty e escala em 23 do corrate e
ourengo, ma
NotaNao ha cctacSo para oa aaaucarea baixoa
e hmidos.
CotaoSo de algoduo
EM 24 D ABBTL DE 1888
Conaton vendas do de l* sorte da aerta a
64400 por lkylos
Bntradaa do asincar o al^adiio
HEZ DE ABEIL
ASSUCAR
Entradas Das
rtsxcscas...... 2 23
Via-frrea de Garuar. 2
Animaef...... 2
Via-ferrea de 8. Francisco 2
Via-ferrea do Limoeiro 2
consignado a Bartbolomeu
nif'.'S'.ou :
Algaij em rama 101 saccas a Maia &
Rezenie, 13 a Prente Vianna & C.
Cera de carnauba 20 saceos a Gomes de
Mattos IrmSos, 38 a Maia & Rezeode.
Cb>pos de palba 10 fardos aos mes
OtOS.
Eateiras 22 rolos a Martina Viegas C ,
10 a JoSo Ramos <& C.
SI 51,200 litros ordem.
Velas 11 caixas a Gomes de M.ttos Ir
raSos, 5 a Fcrnandes & IrmSos.
InstltitQ He N. S. fio Gamo
Fondado em .873
INSTRUCCO PRIMARIA, SECUN-
DARIA E RECREATIVA
EUA DE S. FRANCISCO, PALACETE
N. 72
(Junto estayao)
Neste ollcgio ensioa se primeiras let-
tras, portuguea, latim, francas, inglez,
arlhmetica, geometra, algebra, rbeto-
rica, geographia, philosophia, msica,
danca e desenho.
Os professores sao habilitados e morali-
sados.
Roa alimcntavSo e predio commodo,
aceiado e fresco.
Admtte alumnos internoe, meio-pensio-
iiiBtaa e externos.
Os Ure. pretendente8 sSo convidados a
comparecer no estabelecimento, onde te-
ro todas as iaformaco s.
OSedlitz Cbanteaed,cuja fama universal
um purgante salino, refrescante, de sabor muito
doce e efficacia segara para debellar a coastipacao
(dureta de ventre); o sea emprego diario uti*'s-
imo para as pessoas gotosas, atacadas de rbeuroa
lismo, de constituido sangunea, biliosas, promptns
s congeetes do cerebro, s vrtigos, enxaque
eaa, dispostas s hcmorrhoidas oa eaiburucos gs-
tricos. E' elle tumbem c purgante por excelleocia
das moiheres e das crianzas.
Para evitar oa perigos daa contrafac(5es do
Sedlitxe dos medicamentos disimtricos cujo
nico preparador o Sr. Ch. Chunteaud, exijs-se
nos rtulos o nome dos autores.
Barg|raere Cbanteand
EDITAES
O Dr. Thomaz Garcez Prannos Monte-
negro, commenlador da Imperial Ordem
da Rosa, juiz de direitc especial do com-
mercio da oidade do Reoife, por S. M.
Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II, a quem Deus guarde, et \
Faco saber aos que o presente edital virem ou
d'elle noticia tiverem, qae por parte de Domingos
Pinto de F.citas me foi dirigida a petico do theor
seguinte :
Illm. e Exm Sr. Dr. jais de direito do commer-
cio.Dis Domingos Pinto de Freitas,morador nesta
cidade, qae sendo Jos Vicente Pires de Carvalha
4c C, deredores da quantia de 1:0004000, impor-
tancia di urna lettra vencida em 22 de Marco de
1883 e achando-se prxima prescripele da mes-
ma lettra, o sopplicante tendo.em vista o art. 443
do Cdigo Commercial, vem nesles termos protes-
tar perante V. Exc. na conformidade do art. 453,
3 do mesmo Cdigo Commercial, afim de que fi-
que interrompida a preacripc^o contra os sappli-
cados ; assim, pois, vem requerer a V- Exc. que se
digne mandar tomar por termo sea protesto, sendo
este intimado por carta de edictos, em raaSo de se
acbarem ausentes ossupplicados.em lugar incerto
e nSo sabido, para o que pretende justificar na
forma da lei.
Pedo a V.,Exc. deferimento.E R. M.Recife,
21 de Marco de 1888.Flix Ferreira de Lima,
procurador.
Eitava devidamente sellada.Eu cuja peticSo
profer o dep.tcho do theor segante:
Distribaid.Como pede.O escrivao- designe
dia.Recife, 21 de Marc de 1888.Montenegro.
Em virtudc deste meu despacho foi dita peti;o
aprescatada ao respectivo distribuidor que a dis-
tribaio ao eaenvao do primeiro officio, que lavrou
o termo de protesto do theor seguate :
Aos 21 da Marca de 1888, nesta cidade do Re-
cife, em mea cartorio, comparecen o solicitador
Flix Ferreira de Lima, procurador do aupplicante
e diese perante mim e as tsstemanhas abaixo assig
nadas que reduca a termo o protesto constante de
saa peticSo retro. Elle como assim odiase, aseigna
com as testemuohas abaixo.
Ei, Jos Frauka de Aleucar Lima, escrivio
que o escrevi.Flix Ferreira de Lima, Tranqui-
lino dos Santos Castello Branco, Manoel Lopea de
Carvalho Chavea.
Depoia do qae, tendo o supplicaate Domiogos
Pinto de Freitas justifica lo na ma da lei o de-
dazido de saa petizo, o respectivo escrivao me
fez oa autos coociuaoa, aeliadoa e preparados e nelle
profer a aentenQi d theor aegainte :
Vistos.ircciea jushfi.'acio. Faca se a inti-
rrjaeo por editaes com o prazo legal i] istia tx-
causa.Reife, 22 de Marco de 1833. -Thooiaz
Gircez Paraahos Moateaegro
Em virtade desta minba s-jn'.enji, o respeetivo
escrivao fez pt>ssar o presente edital, por cujo theor
chamo, cito e hei por intimados oa justificados
Jos Vicente Pirea da Carvalho & C, para que no
prazo de 30 dias contados da data da pubcncjl)
do preaente, corcpareQi ante este juizo, afim de
allegar o que for a b :oi de seu direic>.
E para que chegue ao conbeoimento de todos 8 i
pissoa o prescute, que ser pablieado pela im-
precisa e ululado ao lugir do co9tume.
.ido e psssido nosta cidade do Recife, aos 2
das da Marco de 1888.
Eu, Jos Frauk'in de Alencar Lima, escnvlo o
subscrevi.
Thomaz Garcez Paranh s Montenegro-
Perante o Sr. Dr. juiz substituto dos Feitcs
da Fatenda dVsta provincia, Lyndolpbo Hisbello
Correia do Ai-ouj ', se vender em prac publica
no dia 27 do coneate mez, pelas 11 horas da ma-
nbS, dep-is da audiencia, os beas segaiatsi:
A casa terrea de tijolo e cal n. 1, sita ra do
Amorim nos C ios, freguezia da Boa Vista e a
olaria em seguida a mesma casa, tado em estado
de ruina, p rtenceute a Jos de Amorim Lima,
hoje a seus bi-rdrros, avaliado todo em 8034-
Um sobrado de tres andares sito ra de S.
Jorge n. 74, freguezia deS. Fre Pedro G.'0f;.lves,
em b.m estado, pertencente a Francisco de Mello
Cavalcante de Albuquerque, por execucSo contra
Jos da Silva Neves, avaliado por 12:0304-
O dominio til do terreno de mariahs a. 230 B,
sito 4 ra Imperial, fregaez: de S. Jos, nos fun-
dos das casas as. 227 e 295 A, pertencente a An-
tonio Percira de Farias, avaliado por 2004
Recife, 18 de Abril de 1883.
O solicitador da Pareada Nacional,
Luiz Machado Bottlko.
DtLARCOES
Hasta Publica
No dia 25 de Maio prximo vindouro vender-se-
ba em hasta publica (ama vez que do ae tenha
ettectuado venda em particular a aquella data)
as aegumtea propiedades perteacentes a firma
acara & C.,#m liquidaco.
O Trapiche do Gram Para
wm T de 116 ps de compr.mento, 32 Ira de lar-
Este trapiche construido das melhorea maA.
raa da provincia, com cobertura de chapas d^fer
ro estanhado. ^ e rer
Tado no melhor estado de conaervacao.
O rebocador brazllelro Battte
Fullerton
Comprimennto 100 ps, b,cca 18 ps.
I Vichi fin fit^vn n -<-,-^ ^ f\
|J -1-
Forji de cu vallo inlicada 4(0.
Consumo de carvSo 3 1(4 toneladas por 24 horaa
com 80 libras do preasao. Certificado de
-I- A 1 (encarnada) para mais G anuos.
Hachlaas e utencillos da fa-
brica
Da caixas pira bu-racha,
com garanta do aluguel.
Tudo cima meacianado Vi-nler-ae-ha
PosItiTamente
(Exceptuando a evuitual v.nda previa em parti-
cular) para liquidacSo defiaitiva da firma S-ara
C em liqui Jacao.
Para ioformaso s rjirij ge a R. F. Sara & C.
FARABRAZIL
Loyda
dea.minada Eureki,
8. R J.
-'3
24
20
20
Somata
Saceos
28.746
7 633
3.292
63.462
7.662
110.795
Loadres.......
Parto........
Italia........
Saaabarg}......
Portugal......
New-York......
Oo lamouiACiojuL:
Loadres. o .
Paris........
Italia........
Hamburgo......
Lisboa e Porto.....
Principase cidade* de I
gl........
wr-York.....:
Do Eaauaa B*as :
Landres.......
Pana.......
Italia........
Hamburgo......
Lisboa o^ Porto .... i
Priaciae* eidades de i
g'.....
Oha i,* Aorea .
Oka da Madcira .
B-Y rlc ....". *
.W djv
24 l/ 28 7/8
994
490
221
393
398
494
90 Ha
24 1/8 3 7/8
ALGODlO
Entradaa Diaa
Bacacaa...... 2 i 23
Vaporea...... 2 4 21
Via-ferre de Caruar 2 23
Aoimaea...... 2 24
Via-ferrea de 8. Francisco 2 20
Via-ferrea do L.aueiro. 2 20
Somma .
Saceas
3.285
646
903
8 020
3 778
2.935
13.46T
394
490
398
398
494
24080
SO djc d vista
24 i/8 23 7/8
393
490
j*<
396
396
494
223
228
231
.'28
lacA* de auear
tu 24 oa mbjl di 1888
A Auociac&o Commeraal Agrioola, regiacr-m oa
pMfOfl febfcixo, pagos ao agricultor, por 15 kiloa :
Pauta id Alfandega
StHASl DE 23 i 28 DE ABRIL M 18S8
(Vide o Daro de 22 de Abril
.avios a carga
Barca noru-guenae Tordeuslcjold, para Bult'co
Baica poitugoez Ceres, para Lisboa e Port<>,
Barca hespanhola V. de Moniserratt, para Lis-
b>a.
Sirca nsruegaenEe Union, para New-Y.rk.
brigue nacional Prozerea, Para o Porto.
Lugar holUndez t. H. Lunhuis, para Rio Gran-
de do Sul.
Lujar -ingles Brazil, pa Estad os-Uaidoa.
Vapor ioglez Ediclor, para Liverpool.
iHav as d&acaraja
Barca aoraegu?nsa Mjire, mi!
Brca diaaourqueza Anua Qarpti, varios genc-
Barea ioglcza Ethel, bacalho.
B'irca n icioaal Marianmnha, xarque.
Barca noruegoeuse C'io, carva de pedra.
Barca ioruegjer8o Budsttkkens, vanos gneros,
'Burn iujleza JnteretanC', carvio.
Brige norueguense Leetk, catvao.
Encuna nacicml Carolina, xarque.
Lugar ugios Martha Percival, crv5o.
Lugar americano Lew Erkm-m, varioa gen3r03.
Lugar ingles Brldesmaid, carvao.
Lugar p.rtugaes Jo*Jr tev&o, Varioa gneros.
Patacho nacional Htval, xarqu .
_ho portaguz Fanny, vinho.
Patacho nacional Pelotens;, xrque. -
Patvjcho norueguense Banu, carvSo.
Iuiportaco
Hiato nacional Aurora II, entrada do
Mao em 22 do.carrente e consignado a
Carlos A de Arauj >, manifestou :
G'ouros saceos salgados 95 a JoS
de Oliveira.
Sil 40,960 litros ordem.
Hiate nacional Deus te Salve, entrado
le Mossor na mesma data e consignado
a B >rtholomeu Loureogo, manifestou ;
Sal 400 alqueircs ordem.
Lugre portugus Jos Estevao, entrado
do Rio de Jioeiro, na mesma data e con-
signado a Amorim Jrmaos & C, manifes-
tou :
Alfafa 40 fardos.
B.rris vasios 820.
Farello 500 saceos.
Forinicila 10 c.ixas.
Fboaphoros 20 latas.
Pip.s vasias 210.
Viaho 2 pipas e 35 barris.
V iros 4 b-rric8;s ordem.
Vapor americano Finance, entrado do
Rio de Janeiro e escala em 24 do corrente
o consignado a H. Forster & G., mani-
festou :
Amostra 13 volum-s a versos.
Caf 200 saceos a Paivi Valente & C.
95 a Biltar Oliveira & C, 68 a Domingos
Cruz dC, 200 a Feraandes da Costa &
C, 91 a Ferreira Ridrigues & C. 33 a
"Ferreira ie Carvalho & C, 60 a Ar=u
C*stro 4 C, 130 a Jos J.>a<]uin Alvea
& C 105 a G imes & Poreira, 66 a Au
gusto Figueiredo & C, 406 a Joaquim
li'xpertacil
tMorjra, 23 db abuil ob 1888
Para o ezertor
No vapor ingles Edicior, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater & C. 5,000 sacos com
375,000 kilos de assucar mascavado.
No lugar inglea Brasil, carregaram :
Para New-Yoik, H. Pora te.- fe C. 3,500 saceos
com 262,500 hilos de assocar mascavado.
No brigue noruegoeose Union, carregaram :
Para Ntw-York, J. 8. Lyo & Filho 1,800
saceos com 135,000 kiloa de aaaucar mascavado.
No vaper americano .Finance, carregaram :
Para New-Yoik, H Forater & C. 3 barrioaa
com 243 kiloa de borracha ; F. H. da Silva & C.
800 saceos com 48,000 kilos de sement de carra-
pito ; Martias & C. 10,000 pelles de cabra ; Abe,
Stein ft C 50,200 pelles de cabra ; H. Landgrin
Si C. 36,000 pcllea de c*bra.
No vapor alIemSo Roeario, carregaram :
Para Hamburgo, Borstelman & C. 2,3'<8 couros
salgados com 35,736 k los.
Na barca hespanbola V. do Montserrat, car-
regaram :
Fara Lisboa, P. Carneiro & G 1,599 conroa sal
gados cam 19,188 kilos.
No brigue nacioual Prazeres, carregaram :
Para o Porto, S. B. Amorim i C. 21 saccas com
i,545 kilos de algodSo ; J. dos Santos Lagea 1
barrica com 37 1(2 kiloa de assucar branco.
('ara o interior
No vapor nacional Maranh&o, carregaram :
Para Rio de Janeiro, F. M. da Silva & C. 80
caixf s com medicamentos ; H Burle & C. 300
eacc-aa com 28,360 kiloa de slgodo ; Amorin Ir-
ijo' 03 efe C. 25 pipas com 12,000 litros de agur-
dente ; A. F. dos Santos 80 ca'xas com vinho de
jiirobeba.
Para Victoria, A. F. doa Santos 2 caixas com
medicamentos.
Para Babia, Viuva de Manoel F. Marques &
Filho 100 barricas com 11,290 kilos de aaaucsr"
iiranco.
No vapor americano Ftnanc, carregaram :
Para o Para, E. Barbosa 400 barricas csml9,52l
kilos de assucar brando ; T. de Azevedo 8ouza
378 barricas com 28,470 kilos de assacar braneo ;
N. M. do Eirado 150 volumes com 10,118 kiloa de
aasuear branco.
No vapor nacional Manahu, carregaram :
Para Peaedo, M- A. Senna & C. 5 barricas com
30J kilos de assucar refiuado.
seccao da Alfandega, 24
mmmmmmsm
de Abril
Hociedade ((.creativa Javentude
Sarao par iniciativa doa socioa Manoel Dantas
Bastos e Manoel Jos Tavares Girio em 19 de
Maio. Couvitea e iogressos para este aaro todos
OS 01H3.
Secretaria da aociedade Recreativa Juventude.
24 de Abril de 1888. '
O 1- aecretario,
Manoel Joaquim Baptiata
Corrsio geral
Malas a expedirse hoje
Pelo vapor Finance, esta adiriiiiistracao expede
malas para os u:rtos do Mamulla-, Para, Barba-
dos, S. Thomaz e New-York, recebendo impressos
e objectoa a registrar at 9 horas da mnh5, e
cartas ordinarias at 10 horas pu 10 12 com porte
duplo.
Administiacio doa corrcios de Peraamba jo, 25
de Abril de 18380 administrador,
Alfonso do Reg Barret.
Thesonro Provincial
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector desta re-
partico, faco publico que no dia 25 do corr ote
mez paga-ae a seguate classe :
Professoras e 1" eotrancia,'com reluci aomez
de Marco dudo ; fizeudo notar que todos oa pa-
gameutos fiaalisam-se neste dia.
Pagadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, em 23 de Abril de 1888.
O escrivao,
Silviao Aatonio Rodrigues.
Comp niiia de Edificaco
Assemblea geral
De ordem da directora convido soa Sra. accio-
nista.] para reunirem-se em assemblea geral or-
dinaria, no da 7 de Maio prximo vindouro, s
11 horaa da manhS. no escriptorio da companhia
prac* Pedro II o. 77, 1 andar, afim de oavirem a
leitura do parecer da commisso fiscal o dos rela-
tnos coacernentes aos negocios s. de 1887.
Recife, 5 de Abril de 1887.
Ricardo Menetes,
Gerente.
O theaoureiroFlorenc\o Domxngues.
O chefe da aeecSoCicero B. de Mello.
Reccbedorla coral
Do dia 2 a 23 32:1684276
dem de 24 2.030/839
34:193/115
Becebedorla provincial
Uo dia 2 a 23 13.-9584213
dem da 24 7331712
Beclfe Draloase
Da dia 2 a 23 11:5974566
dem g 24 98.599
14:6914925
11:696*165
Frsg.
Cosa
I )U3
Pass
Ferrfira do Carvalbo & C, 50 a
Roohfe &0., 107 a Feraandes da
&C.
Drogas 2 vciuno? ordem.
Fumo 10 volaues a R drig.ias Je Faria
& C, 15 a Costa Lima & C, 10 a Jos
Antonio dos Santos, 28 a Jola Vctor Al-
ves M.-.titeii3 C, 111 a Moura B^rg
4 0., 50aD4vii Bailar.
Inpresos 3 caixas n estrada de ferro
do R-ijife aS. Francisco.
Mercador38 diversas 9 volam'es a Jos
Jo.quirn Alvos & C, 1 a Frederioo & C,
3 a Joto A. Luiz Al ves, lia Magalbaea
& C, la Ferreira & Irmiio, 2 ordem.
Pojno de algodSo 63 fardos ordom,
308 a Luiz Antonio Sequeira, 190 a S>a-
za Biatos Amorirn \ C, 16 a Machado db
Pereira, 53 a N. Maia C, 25 a Julio
& Irroao, 20 a Rodrigos Lina & C, 15
a A. de Brillo C, 10 a B. Miia &
C, 13 a A. Lipes & C, 12 a A. M.ia
d C, 6 a A. Vieira C.
Xarquj 420 fardos a Amorim Irj>aos &
C, 15 a J..s Joaquim Aires d C, '
E>nheiro
BECKBIDO
Pelo vap. amer. Finance, do Rio de Janeiro ;
para;
Banco Internacional 1.000
Pelo vap. nsc. tfaranho, do norte, para:
London & Braaian Bank
rrjncisco Ribeiro Pinto Gjimar3es 12.504*99)
Jos de Barros Taveia 10.7644000
Machado Lopes & C. 4.000*000
Amorim Ir mos & C. 4.000*000
Luis Antonio Seqneira 2.80040 JO
Braga AS 1.831*80
drloa L^urenco Gomes k C. 600*000
Jes- ph Krauaa 500*000
.Martina Fiuza & C 500*001)
Pinto A'ves & C. 45<>f000
Pe cira Carneiro A C. 150*000
BeE-diuMiiioai publicas
ama na abril
Alfandega
Mercado Mualclpal de 9. los
O movimcnto deate Mercado no dia 23 de
Abril foi o aegainte:
Lntraram :
26 boia pesando 3,872 kilos, sendo de Olivei-
ra Castro A C, 23 de 1', e 3 de parti-
culares.
214 kilos de peixe a 20 ris 4*280
139 cargas de fariuha a 200 ris 27*800
9 ditas de frnctas diversas a
300 rs. 2*700
11 taboleiros a 200 ris 24200
15 euinoa a 200 ris 3*000
15 matutes com legumes a 200
rea 3*030
Foram oceupados :
26 columnas a 600 ris 154600
1 escriptorio 3u0
20 compartimentos de fariaca a
500 ris. 104000
21 ditos de comida a 500 ris 104500
8-J ditos de legantes s 400 ris 35200
18 ditos de sumos a 7; 0 ris 12*600
10 ditoa de fresauraa a 600 ris 6*000
10 talhos a 2* 90*00 I
1 dito a 1* 1*000
A Oliveira Caatrc & C.:
54 talhos a 1* 54*001
ESTRANGE1RAS
NAVI08 CONSIGNATARIOS
Amia Casper...... Fonseca Irmos & C.
Athbrsck......... Borstelmann A C.
*{ir............. Pereira Carneiro & C
Brldesmaid........ A'ordem.
Brasil............. N. J. Lidstone & C.
Bams............. A'ordem.
riudatikkens....... N. J. Lidie tone.
Crea............. Loyo A Filho.
Clio.............. A' ordem.
Ethel............. Blackburn Needhan A C.
Edictor........... Samuel 8. Johnatoo.
Fanny............ Amorim IrmSos A C.
P'i............. Hermann Lundgrin A C.
amanee........... Heory Forater & C.
Hornet............ N. J. Lidistone A C.
H. R. Leemhuis... Hermann Landgrin & C.
Iaheretanee....... Li vi amento & C.
Jos EstevSo....... Amorim Irrcos Leetch............ A'ordem.
L wis Erchman.... lenry Foster 6c C.
Martha Perceval ... Via- frrea de Limoeiro.
Noraemann........ Companhia Telegraphica.
Rask............. A' ordem.
Stanwood......... Fonseca IrmSoa & C.
Seodenandcn...... Hermann Lundgrin A C.
T.-.rdcuskjold ...... Wilson Sona & C.
Union............ Wilaon 8ona A C.
Victoria.......... Amorim Irmaoa A C.
V. do Mootserrate.. A' ordem.
O signal # indica ter a embarcacSo aahide.
Vapores entrar
HEZ DB AEIL
Hamburgo..... Rosario..........
Norte......... Allianca
hoje
amaahi
27
27
28
29
29
208*180
4:344*96)
4:543*140
le oda geral
Oo dia 2 a 23
e24
Renda provincial
to dia 2 a 23
dem de 24
755:6371551
35.499*966
95:7811110
7.134 634
791:137*517
102.9154750
Rendimento dos dias 1 22 o cor-
rente
Foi arrecadado liquido &t aojo
Precos do dia :
Carne verde de 360 a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 rea idem.
S-.inoo de 503 a 640 ris ideen-
::lia de 260 a 40J r3 a I
bp de 8) h 320 ria idem -
Feijo de 640 a 1*000 ria idem.
Matado aro publico -
Foram abatidas no Matadooro da Cabanga 79
rezos para o consumo do dia do hoje.
Sendo: 57 rezes pertencentes a Oliveira Cas\r>
1- C, e22 adivereoa.
Embareaedes surtas no >orto
em 4 de Abril
WACIONAES
AVIO* [COHSiaNATABIOS
Almirante Birrozo. (Cirveta de Guerra).
Carolina.......... Amorim Irmoa Giquia............
Ipojuca...........
Jaguaribe.........
Lusitano.......
Marianninha.......
Mariuho V. II.....
* Maranhio.......
Manda h.. .
Companhia Pernambucana.
Companhia Pernambucana.
Companhia Pernambucana.
Maia A Rezende.
Baltar Oliveira A C.
Loyo & Filho.
Viaconde deltaqui do Norte
Companhia Pernambucana.
Sommt total
Praaerea.......... Amorim Irmoa A C.
- Pelotenae......... Baltar Oliveira & C.
894:053*267 1 Rival ............ Amorim Irmos A C.
Sal........... Para..............
Earopa....... Taivs.........
Europa........ Ville de Santos
Sal........... Neva..........
Liverpool..... Author........
Vapores a sah'r
HEZ DB ABRIL
Norte....... Finance........... hoje a 12 b.
Hamburgo .. Rosario........... 26 s 9 h.
Aracajeeac. Mandahu'......... 26 s 5 b.
Rio Formoso. Jaguaribe......... 26 s 5 h.
Santos e esc. Allianga........... 27 a 10 h.
Buenoa Ayrea Tagus............. 27 s 2 b.
Norte...... Pard............. 28 a 5 b.
Santoaeeac. Ville de Santos----- 29 a 2 h.
Southamptoa. Neva............. 29 1 h.
gavies a entrar
Aurorita.......... Ra de Janeiro.
Abel............. Card.ff.
A. D. Bordee...... Rio de Janeiro.
Heariquc. ....... Rio Grande do Su!.
Movimiento do porto
Navios entrados no dia 24 de Abril
Mano o escala12 1/2 dias, vapor na-
cional i MiranhSo, de 1.999 tonela-
das, comraandante Pedro Hypolito Duar-
te, equipagam 60, carga varios gneros j
ao Vid:onde de Itaqui do Norte.
Aracaty12 dias, hiata nacional Doim
te Guie, t de 101 toneladas, mestre
Vicente Ferreira da Costa, equipagei
6, carga varios gneros ; a Bartholomeu
Lourenyo.
Santos e escala8 dias, vapor americano
a Finanoe, de 1,919 toneladas, com-
mandante E. C. Baeker, equipagem 63,
carga varios gneros; a Henry Forster
C.
Sahido no mesmo da
Rio de Janeiro e esoalaVapor nacional
< Maranho, i commandante Pedro Hyp-
polito Duarte, carga varios gneros.
,
Oflffin



r
\


Diario de Pernambuco---Quarta-feira 25 de Abril de 1888
paT^mparecercm no dia 25 do corrate mes de
Abril s horas da noite, afim de tratar se do
bem e'tar da nossa eapella.
Winga, 23 de Abril de 1888.
O secretario,
Jos Paulino da Silva Filho.
Compauhia de Edliccao
Communico aos Srs. accionistas possuldores das
accoes cajos nmeros vio abaixo notados, que
terminou hontem o praco para o recolhmento da
10* prestacSo com o juro de 6 0I() e que fica-lbes
mamado novo prazo de 30 dias, que terminar a
9 de Maio vindouro para realiz .rem o recolhimeoto
da mencionada presta co mediante o juro da 12
Oiq, secando determina o art. 8" dos estatutos.
1446-1455, 1786-1795, 18611865
17961805, 18161825, 597 602
614 647, 1176-1185, 13561365
19961993, 1186-1195, 1706-1715
1851-1855, 1856-1860, 19911995
Recife, 10 do Abril de 1888.
lifiardo de Menezet,
Gerente.
Consistorio da celestial confraria
da S ntissiiia Trindade
De ordem da mesa regedura, communico a to
dos os nossos oarissimos im/js que tenio-se ob
tido despacho v nivel na pet:cao enderezada
Sua Exc. o Sr. internuncio apostlico na corte
deate irrperio, relativo a alteracfto dos hbitos de
meric para brim de liuh) braoc?, convido a to-
dos ca nossoa irmos a f seren seos hbitos, am
de assisti em a noasa festa procisso que se de-
m realizar em o dia 27 de Maio do mes vindou-
ro ; assioi como p?de a todas ss Ilustres pessoss
que fasem psrte da eli ic'o por devoco o favor de
mandaren) entregar suas esprtalas roa deS.
Francisco o. 0, 1- andar, em casa do Sr. tbesou-
reiro oa comuaso nomeada, afim de agenciar
donativos para a procisso.
Consistoriu da celestial c nfraria da Santiesima
Trindade, 18 ds Abril de J888.
O secretario,
Joao Jacintho Quedes Lacerda.
Recebedoria Provin-
cial
O administrador da Recebedoria Provincial, na
forma do art. 45 do regnlamento de 28 de Maio
do anuo passado, fas publico a quem interessar
possa, que no espac de trints das uteis. /sona-
dos do 1* de Maio prozimo, dar se-ha principio
nesta repartco a cobranca, livre de malta, dos
imposto3 de repartieJe constantes da tabella in-
fra a qne se refere o g 27 d) art. 1." da le n.
1884, relativos ao primeiro semestre do exercicio
de 1388. M .
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 23 de
Abril de 1883.
Francisco A. de Carvalho Moura.
do
Recebedoria de Rendas Internas
Seraes
iiipiniu predial e de laxa de ea -
crawea
O administrador da Recebedoria de Rendas Iu
ern.s Geraes avisa aos senhores contribuate s
dos impostes predial e de taza de escravos, que
anda-i' d' fim do correute mes o pagamento livre
de malta de tus impostos, e d pois desse prazo
ser pago cem r malta de 10 0/0.
Recebedoria, 16 de Abril de 1888
AlrzHndre de Souza P. do Carmo
Tabella a que se refere o edltal supra
Casas de commisades, de consignaces e
commissSes e consignacojs.
Ditas oa deposito de vender emgrosso csrvao
de pedra em trra oa sobre agua.
Lejas de vender joias tmente ou joias e re|o-
gios.
Ditas de vender relogios llnente.
Ditas de vender pianos, mus.eas e instrumen-
tos musicacs.
Fabrica de rap Luron.
Ditas de sabio, inclusivo a que se acha na fre-
gu'-zia de Afogados.
Ditas de cerveja, vinagre, vinbos, genebra, li-
cores e limonadas garosas.
D.tas de gac
Ditas agencias e depositas de rap.
Expresas auottymas ou agencias destes, inclu-
sive a Companhia do Beberibe.
Bancos, agencias filiaos e representantes dos
meamos e casas bancarias.
Companhias, ageueias, ou casa de segur) oa
qualquer pessoa que no carcter de agente de
compiobias de seguro fizer contracto desta natu-
rasa ou promovel-os, com ezcepco dos que teem
sede ne3ta provincia.
Armazens alfaniegtdos, de dapjtitj oa de rc-
colher.
Gasas de jogo de buhar.
States i Brasil I. 8. & C.
0 nw Allianca
spera-se de Netv-r-or-News,
at o dia 26 ie Abril o qnal
seguir depois da demora ne-
cesaria paia
Baha, Rio de Janeiro e Saatos
Para carga, passagena, e encommendas traer
le com 08
AGENTES
Henry Forster & C.
8 BA DO COMMERCIO .. 8
1. andan
ROM H41L STEAM PACKT
COMPANY
0 paquete Tagus
tf
Agente Pestaa
Continuado do leilao
De planos, movis, toncas,
dros e ltvros
Na ra do Imperador n. 49
Quarta-feira 25 do corrate
Ti
A'b 11 horas em ponto
DO
CipiJ
BRASIL
30,000:000$
dem realisado 19,000:000^
A caiza filial d'este Banco funeciona ra do
Conumercio n. 40, sacca, vista ou a prazo, con-
tra os seguintes correspondentes no ebtran.'ir :
Banco Internacional
' do Brasil, Rio de Janeiro
f London oa'ce
\ koiitoc Comalj
( Ban&ing Compaoy L.'*
(Breque de Parla d des
Espera-se da Europa it o
dia 27 de Abril e segundo
depois da demora de coetume
para
Macci, Babia, Rio de Janeiro, Sanios,
Montevideo e Bueuos Ayres
O paquete Neva
E esperado do
sulat odia 2S do
corrente e segiir
depois da demora
necessaria para
Lisboa, Ygo e Sonthampton
Reducidlo de passagens
Ida Ida t valla
A foulhampton 1 classe 28 42
A' Lisboa I* classe 20 130
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernamboco.
Para passagens, fretes, etc., tracta-se m os
AGENTES
Amorim Irmos &C.
S. 3- RA DO BOM JESS N. 3
De 100 pegas de algodSozinho avariado
Ouarta felra 5 do corrente
A' 11 HORAS
O agente Pinto far leilSo por antorisacao da
Companhia de Segaros Amphitrite e por conta e
risco de quem pertencer, de um fardo de algodSo-
zinho Cum avaria de agua de mar, e ezistente n
sen armazem roa do Mrquez de Olinia n. 52.
Em continuado
Dez fardos de algodSo nacional, saceos vasios,
atoalhados, lencos 6 ontras fazendas limpas a ava-
nadas.
a
LONDOS..
W
PARS.....
(
Santa casa de misericordia do
Recife
Na secretaria da suata casi da misericordia do
Recife, arren la se p r csp-.fi de um tres ann.s
a casa o. 8 Passagr m da Magdalena.
Companhia Usina Pinto
De accordo com o qu; prcceil; o art. 15 dos
estatuto?, sao convidados es senhores accionistas
para urna reunio da aesembla geral ordinaria,. Cadi...........I
que dever ter lugar no dia 30 de Abril deste | Malaga........I
anno, na sede da companhia ra do Bom Jess Tarragon?......<
n. 14, lia 11 horas do dia, afim de ser apreseDtado Valenei e outraei
o relatcri; e o pirecer fiscal, e bem assim eleger- cidade Hes- l
se a nova commissao fiscal para o anno vindouro, panba_ t .iihas ]
de conformidide com o art. 73 da lei do reg. das Canarias....../
sociedades anonymas. Recife, 16 de Abril de Lisboa.........\
1888.-0 secretario,
Jos da Silva Liyo Jnior.
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, faco
publico que nidia 9 de Maio prximo vindouro
Bamburgo.......
Berlim..........'
Brcmente........I
Prankfurt s/ Main ,
antuerpia.......]
Roma...........,
genova. ...
aples....
Milo e mais 340/
cidades de Ita-1
lia.......
Madrid.....
Barcelona ..
ir prafa, de acco-'do c.im as bases approvadas
pelo E-m. Sr. vicepresidente da provincia cm 4
do corrente o pedagio das barreiras abaixo decla-
radas ; sendo a arrcma'acao relativa aorspac a
correr d j 1 de Julho prximo intuyo ao ultimo de
Deaembro de 1891.
Outrssim, os preces infra sao correspondentes a j
'jm anno. p no oonourren^a A junta deste thesouro de 26 deste m:.
Oaxang 3:123*000
Qiqui 5.828*000
Magdalena 4:001*000
Motocolomb 1:177*000
Tapacur 1:601*0:0
Ponte dos Carvallos 529*000
Morenos 1:641*000
S. Joo 1:80U000
Tacaruna l:274*UOO
Jaboatao 2:992*000
Una ou Palmares 2:001*000
Timb {estrada do norte) 400*000
Engenho Cousseiro (estrada do Bonito) 1:000*000
Secretaria do Tbesouro Provincial de Pernam >
buco, 9 de Abril de 1888
L. Campello.
A celestial confraria da Santisgi-
ma Trindade aos seos irmos
e ao rspeitavel publico.
Tcudo a mesa regedora dcsta c lestial confra-
ria d liberado c-xpr em ejlemue Frociss2o as tres
pesfoas da Santiaaima Tnndad-, os doze apestlos
e os seus respectivos fundadores da Ordem S Joo
da Mafia e S. Flix de Valois, e tendo obtido des-
pacho favoravcl na peticSo de iceuca que c-ndere-
con Sua Exc Revma o Sr. governador do bis-
pado, a celestial confraria vem rrspeitosamente
scientificar a todos os seus irmos e devotos d-ata
contraria que se acham nsmeadas con misaoes para
agenciar donativos para a mesma procissao, sen-
taa commiss.,8 compostas dos seguintes se-
uhcrrs:
Recif', Santo Antonio c S. Jos
Manl Ferreira.
Joe R '.-nos de Oliveira Jnior.
Rodi'ph.- Olympio Quedes ds Lacerda,
Francibco Jos de Sampai .
Beot. Mainel de Castro Amara!.
Anselmo .Avres de Azevedo.
Th I Silva Campello.
Boa-Vista
Tenente Mancel Antonio Viei?a3 Jnior.
I M deiros.
Jaeintl i Ponte
f- ssao urna das mais unorrtai>tes
nedimos a prot.ee'o di;
iaos e dcvotjs es aeus aaxiios
I efieito com o maior brilhantis-
dbo poisivel.
da. commiasao, 13 de
A > -O /ecretnrio da eommi
Jote K ir s di' Olivera Jnior.
HsppMhom> do lampo
(jrande
i
,' d -
tenni abl iral de h.nUc c
de 15 di I ar do d primeira pu'uli.
dest-.; tnnunci Sr. thesonreiro
Sfanoel Jos de Baa? s Helio Mitrado n:
1- ai na do Imp-rador n. 49, ds 11 horas
da ir. .: da tarde at o dia 6 de Maio pr-
ximo vindouro. Recifo 20 de Abril 188-1.
P Kttl !aip,
Jos Diniz Barre
Cannara Mualtijisl do Recife
Aebanlo se em execnciti a lei n. 3,318 de 20 de
Oatnbx >, f.rc firtade da qual p:ssa a Cunara Mu
nici.l a af.rar e fruir os f.r.s dos t-.-rrenos
de m-irinh.i existente! dentro deste municipio,
ditti ee faz constar a todos os interessados ; po
deudo estes satisUzer os foros decorridos de Ja-
neiro do corrente anuo em dian'e aa cofre da rau-
nicipalidade.
Paco da Cmara Municipal do Recife, 9 de
Abril de 1888. '
Corbeniam de Aguino Fonseca,
Presidente.
Joaqun Jos Ferreira da Rocha,
Secretario.
Porto e mais ci-j
dades de Por-j
tugal e ilbas... ]
Buenos-Ayres.. .
Montevideo......
Nova York......
Puys-Bas.
Deutsche Bank.
Banque d'Anvcrs.
Banca Qeaerale e rjas
agencias.
Banco Hypoteeario de
Espaa e tus agen-
cias.
Banco de Portugal
suas ageccias.
English Bank of the Ri
ver Pate, Limited.
(i. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praea do impe-
rio e do estrangero.
Recebe dinbeiio em conta corrente de movi-
miento com jurosra razo de 2% ao anno e por le-
ras a prazo a joros convencionados.
O gerente, William M. Weberts.
MARTIMOS
ii
COMPANHIA PEiniKilIClW
DE
.'VaTega^o Coslelraoor Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Fenedoe Aracaj
O vapor Mandahu
Commandante .Albuquerque
Segu no dia 26 de
Abril s 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o
dia 23.
Encommendas, passagens e dinheiros fr< te at
12 horas da minba do dia 23.
ESCRIPTORIO
Ao Caetda Companhia Parnambucana
n. 12
Comp'.^feia Brasilelra de lave
ga PORTOS DO NORTE
yapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do sul at
o dia 27 de Abril, e seguir
depois da demora indispensavel.
;para os portos do norte at Ma-
ntas.
As eueommsndas sao recibidas na agencia at
1 hra da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagens encommendas e valores
tracta-se na agencia
PRAQA DO CORPO SANTO N 9
a."
* -a
fD O
W O -i
H*
Sil
1
a s =
- g
x 5 -?
n o
o a
B *J
S g B
a *
SS
a
s =
2 !"
2
ro
C3 a>
|"S
a cr
B 2
f O)
1 I
So
B -
:* o
o g
gi
gs-
8
o o

i

i
a i.
co
cr
3-
I
1 Zj a.
J. -.
c a S

5 = i
ts ri e
B
I
B3
a
re
=
>
Q,
re
i
B
o
Q.
re

B
-K -. 2.
" U-
- fD O
S B E
se
SB
cr
i
I
o
=
S
i
B
c
c
='
8
=
re
x
na v
2
>

>
cr
c
re
= = "8
c-.

Dir ;tamente Bi a a. o fr
para . aro- > >
pa do Rio cr cr m H a o
da Prata.

H- to M- p-,
to to C^ O CO c
a. a. ~ c_ O. c
a re i re o
O X W se > cr
c s o c o 2
to t to r-* to
oa s 2 |E -4 Oi
a ti- Bi D. a. B.
re re re a a O
c C. c B ^ ^ > cr
sr o o
e
SB
S
*^
B o->
D a O
>
2 5:3
o. 5 >
g o r
H >
o ra ZL
o ~
-*
a o
a
El*.
r- SO
r-g
Leilao
De 4 caixaa com latas com manteiga de 1.
2, 4 e 7 libras
Hiara teira. 95 de Abril
Agente Pinto
No armazem da ra Mrquez de Olinda
u. 52, por occaaiSo do leilSo da fazen-
das limpas e avariadas.
Leilao
De movis e loaca
Sendo 1 mobilia de amarello com cadeiras de ba-
lando, jarros, lanternas, tapetes, 1 cama francesa,
commoda, esbide, lavatorio, jarro e bacis, aparado-
res, marquesa, marqaetoes, 1 mesa de juntar, 1
apparelho de porcellana para jantar, 1 dito para
almoco, copos, clices, e trem de cosinha.
Quarta-feira 25 do corrente
A's 11 horas
Ka Camb] do Carmo n. S, casa
terrea
O agrnte Martins far leilao dos movis e mais
objectus cima existentes em dita casa e ao corro
do martello.
Leilao
s a.
se o
g -
t
r CO
a-e
js es
E.3
B H
pa
? a
-
OMFAMH1E DES ME^tvE
RES MARITIHE8
IJNHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
' esperado da Europa no dia 4
de Maio e seguir depois da
demora necessaria para
De dous cavallos gordos, sendo um para
celia e outro para carro
Quinta-feir, 26 do corrente
A's 11 horas
Por occasiao do leilao de movis, cristaes e
electro-plate, no palacete da ra da Aurora n. 133,
casa de residencia do lllm. Sr. Dr. Jos Goncal-
ves Pinto.
Por intervenjUo do age nte
Gusmo
Grande leilao
Andar terreo
Sala de entrada
Um grande tapete de eseada, 1 cabide de no-
gneira para chapeos, 1 seeretaria de amarello com
estante e diversas cadeiras.
Sala de visita
Urna mobilia de faia com i sof, 12 cadeiras, 2
poltronas e 2 dunquerqnes com pedra e espelho, 1
piano, 1 mesa de jogo com embutidas de metal, 2
grandes jarros chapones de bronze, 2 p< destaca
com tampo de marmore, 1 grande estatua de bron-
ce, 1 defumador de bronze, 2 jarros de crystal
rom metal, 1 cesta de mariscos, 1 vaso de loucs,
2 jarros trra eota, 2 ditos de porcelana, 2 casti-
caes de bronce chapones, 2 jarros chapones de
bronce, 1 lbum, 1 caiza com 8 caivetes, escarra-
deiras de porcelana.
Gabinetes
Umamobilia de pao carga com i sof, 2 poltro-
nas e 6 cadeiras, 1 secretaria grande de mogno, 1
dita de mogno com armario, 1 estante da mogno
envidracada, 1 mesinba para turnante, 1 prensa
para copiar, i cesta de chifre de veado, 1 arma-
dura e capacete de ac, l reposteiro e lanca, 1 eta-
gere grande, 2 espingardas finas, 1 caixa com fer-
ramentas finas, 1 caiza de segredo, 2 bengalas, 1
lote de livros comprehendendo um importante Oic
ciooario Universal de Lsrosnse, com h> volumes.
Segundo quarto
Uo&a cama para casal, 1 mesa 4 cabeceira do
cama, de mogno com pedra, 1 cpula e cortiuado,
2 cortinados e laucas, 1 tapete forro de quarto, 1
commoda, 1 berco, 1 cabide, l lavatorio com jarro
e baciii e 1 espelho doorado.
Terceiro quarto
_ Um marquecSo, 1 lavatorio com pedra, 1 guar-
nirlo de porcelana com 7 pecas, 1 espelho, 1 cor-
tinado a laac, 1 porta-toalbas, 1 mesa de cabecei-
ra de cama, 1 etagere, 1 cabide e 1 forro de quarto.
Qoarto quarto
Cinco mallas grandes para viagem, 1 lote de
molduras douradas, 1 lavatorio de ferro, 2 mallas
de mo, 1 eseada, 1 lote de quadros, 1 niTel com-
pleto para engenheiro.
5.1a de copa
Um guarda-louca envidraeado cara tampo de pe-
dra, 1 mesa elstica com 5 taboas, 1 guarda-
comida, 1 apparadar, 12 cadeiras de junco, 1 qusr-
tinheirs, 2 cadeiras de junco com bataneo, 3 qua-
dros dourados, 4 ditos menores, 4 cestinhas, 1 li-
coreiro com caiza de vidro e guarnicao de metal,
4 etageres toscas, 1 lavatorio de ferro com pedra.
Sala de jantar
Urna importaute mobilia de nogueira, toda enta-
Ihada, cjmposta de 1 mesa elstica com 5 taboas,
4 guarda-loucas, 12 cadeiras, 1 relogio, 4 quadros
de pratos, 2 jarros grandes chapones, 2 candeiroa
para k rosene, 8 parea de cortinados com seus
pertences, apparelhos de porcelana para almoco e
jantar, ditos de crystal para cha, ditos de electro
pate, faqueiros de prata e electro pate, frccteiras,
galheteiros, porta fructas, colbeies, facas, gsrfos,
salvas, tudo de fino electro pate e prata, clices,
garrafas, porta fljres de crystal, bandejas de cha-
ro e maitos outros objectos, 1 importante appare-
lho antigulssimo para jantar.
Cocinba
Trem de cozinba, bacas e etc.
Cocbeira
Um carro de vis-a-vis, 1 dito petit-duque que se
pode transformar em victoria, 1 par de arreios
para 2 cavallos, 1 dito para 1 cavallo, 2 pares de
arreios para montara, 2 fardamentos, 1 carrinho
de mao e 1 importante sellim.
Perdida
Sa manh de domn cachorrmha branca, pl lo macio, moito bnnealho-
na ; sen dono procure na ra do Bom Jess nu-
meio o.
Carta
O Sr. Antonio P. da Silva Lima tem urna carta
ra Bario da Victoria n. 31.
Ao Sr. Dr. chefe de po-
licia
Nao sendo prohibida nesta cidsdc a vala de bi-
Ihetes de outras provincias, ao menos pedimos a
V. S. para ordenar que as casas vendedoras de bi-
lhetej affixem as portas de sen estabelecimento as
horas em que correm as loteras, afin do evitar a
venda de bilhetes depois de trrem sciencia de ha-
ver corrido a lotera, abusan i; desta forma da
credulidade publica.
Caixeiro
Precisa-se de um caizeiro com idade de 15 an-
nos ; na fabrica Bourgard ra da Iroperatris n.
54, e que d Sanca de sua conducta.
Cnado
Precisa-se de um rapas ; na travessa do Corno
Santo n. 27.
Ccsinheira
Preasa-se de urna cosoheira ; na ra Viscende
de Goyanna n. 149, casa de familia.
Chegaram
Da
h.
i*-..iajr .
a, Ro de lanelro, Daeuos-
O
CURGELftSM'MS
companhia Fra eccema de Xa ve
cao a Vapor
Linha quinzenal atro o H^vrc, Li.
boa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
O yapor Yule ii Sanios
ir.iey
iropa no dia
' c soguindo de-
. demora nee
para
Janeiro c Santos
K | Sis. importadores de carga pelos
linha, queram apresen'.ar se dentro
J: 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualqtr i sement a volumes, que
porventura t-.nbam seguido para os portos do sul
afim em dar tempo as providencia?,
necessar.i.is.
Expirad : o referido prazo a companhin n5o se
responev.b'sa por cztravi- s.
Para carga, passagens, encommrudas e diube-
ro a frote trata-se eom o
! 'ENTE
Algiste LablIIc
9 RA DO COMMERCIO -9
Ayres e Montevideo
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-so aos senhores reeebedores de merca
dorias que s se attender a reclamaces por fal-
tas nos volumes que forem reconhecidas na occa
siSo da descarga, assim como deverao dentro de
48 horas a contar do dia da descarga das alvaron
gas facerem qualquer reclamaco concernente a
volumes que poverntura tenb ,m seguido para os
portos do sul, afim de poder-se dar a tempo as
providencias necessarias.
Pai'i'iarga, passagens, cncommandss e dinhsir
a frele : tracta-se com o
A(iENTE
9
nguste Labille
RA D() COMMERCIO-9
COHPA^H!, l'KRMHBIti>4
DE
%'aTegaco Costeira por Vapor
P0RT03 DO SUL
T mandare e Rio Formo so
vapor Jaguaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 26 de
Abril pelas 4 ho-
ras da manh.
Recebe carga at o
da 25.
Encommendas, passagens e dinheiros a frete
at s 3 horas da tarde do da 25.
ESCRITORIO
faes da Companhia Pernantha-
c?aaa s. 12
Para Lisboa
j z Fanny reeebe carga
e saliir c i tratar cora Amsrim Ir-
m5os :
Porto e I i
Para os portos cima, uegor brevemente a
barca p Ttuguesa Ceret ; para o reato da carga,
trata-se com ose signatarios Jos da Silva Loyo
& Fi ho. '
- Q larta-foira, 25 dj correute, deve ter lugar
o leilao de fsxendas limpas e avariadas, bem como
4 eaJzas eom ataateiga, annunciado para o ai
cem da ra do MHrquez de Onda n. 52.
Agente Burlamaqtii
Leilao.
De ama boa casa terrea ra dos Coelhos
n. 22, era slo proprio
Quaitafeira, 25 do corrente
A's 11 horas
* armazem roa do Imoera
dor n. 99
O age..te cima, por mandado e assistnsia do
Ezm. Sr. Dr. juic de direito da provedoria, ven -
der em leilao a cata terrea em tolo proprio, n. 22,
ra dos Cce.b-s, eom bastantes commodos, a re-
querimento do inventariante dos bens da finada
D. Anna Paul de Mendonca e Silva.
De ricos movis, finos crystaes, porcelanas,
servicos completos para cb de superior
electro-plate, ricos objectos de bronze
(obras d arte), pianos, tapetes, ricos cor
tinados de damasco, importantes carros
e muitos outros objectos de luxo e de
apurado gosto
A saber:
S .la do visita
Duas importantes mobilias estufadas e forradas
_ .oj.. (r.amcA) ]4 cadeiras diversas. douraOoo,
estufadas e torradas a seda, 1 cenversadeira cen
tro de sala, forrada a damasco de seda e com Ai-
res artificial s no centro, podendo formar quatro
pecas, 1 marquesa estufada e forrada de setim
amarello, 2 cadeiras estufadas e forradas de setim
preto, 1 rico dunquerqua (Marquetere) de enano
c.m pedra e embutido de madeira, 1 dito de dito
com embutido de brenze e madreperola (Bule), 2
ditos de ditos para cantos, 1 mesa para centro de
sala embutidos de metal (Bule), 1 jardineira de
pa rosa eom embutidos de metal, 1 mesinha de
charfio eom embutidos de madreperola, 8 jardi-
neras douradas com jarros e flores artificiaos, 8
pares de cortinados de damasco de seda com sa
nefas e mais pertences, 1 grande tapete aveluda-
do torro da sais, 6 ditos de dito para portas, 2
almofhdas para sof, 2 figuras de bronce (mulhe-
res), 1 relogio e 2 candelabros, de bronce ees
malte, 2 porta-retratos, 2 passaros de bronze (Cloi-
sonne), 1 porta-carto de electro-plate e porcela-
na, 2 estatuas de ac (guerreiros), 2 jarros de
bronce e pedestal de velud >, 1 grupo de brence, 2
estatuas de bronze (guerreiros), 2 jarros grandes
com ps de bronce e Aires artifioiaes, 2 jurris de
crystal dourados com ps de metal, 2 cssticaes de
crystal com ps de bronce, 2 vasos pequeos de
bronze (Cloisoun), 1 dito de dito dem, 1 porta-
retrato, 2 porta-retratos de crystal, 2 amphoras
de bronce com pedestal deurado, 1 obelisco de bron-
ce, 1 arco de triumpbo de bronce, 1 peca de colum-
na para enteites, 2 porta-cartoes de metal, 2 ditos
de prata ozicidade, 2 p 'rta-retratos grandes de
peiluc bertas para movis.
Gabinete
Um ptimo piano allemo, 1 cadeira estufada
para o mesmo, 1 estante para msica, 1 mobilia
estufada com 1 sof, 2 poltronas e 4 cadeiras, 2
jardineiras douradas com jarres de bronze e flj-
res artificiaos, 1 importante secretaria com tampo
de marmore e embutido de madeiras, i grupi de
biecuit, 2 quadros oleographis, 2 tapetes pequeos.
2o qaarto
Urna rica cama de bano com embutidos de ma-
dreperola, marfim e bronce, 1 mesa cabeceira de
cama, dem, dem, idem, 1 guarda-vestido de ba-
no com espelho bissote, dem, idem, idem, 1 toi-
lette glande com vidro bissote ep-dra, lguarni-
fo de electro-plat^; para toilette com 8 pee; .s, 6
cortinadrs de crep da China com seus pertences e
1 tapeto forro do quurto.
3 quarto
Urna cama com cpula par* solteiro, 1 commo-
da, 1 meta cabeceira de cama, 1 lavatorio ameri-
cano, 1 guarnic&o de porcelana com 8 p; cas, para
lavatorio e 1 cadeira pira enanca.
Sala de vestir
Una mobilia estufida forrada de p-llueia om
1 sofii, 2 paltronae. 4 deiras, 1 guarda-vestido
de erable, 1 dito de vintmtiuo, 1 toilette de enrva-
ib^com grande espelbi e pe Ira, 1 tapete grande,
2 ditos p-queiKF, 4 .'0rt!":i3 e seos pertences, 1
licoreiro, 1 porta -cario a, 1 caiza p-.ra ccstuis, 2
tetes de obj' etos p t.. i ilett, 1 caixa de pie rosu
com t.mpo de vico, 1 c^tijal e eisetro pate t
1 a! i -2
j e qua ,
U^na cama dj ertbla com embutidos d-
ra, 1 m ea cabeceira do cama de dito, 1 toilette
de erable e:m pedra e espolho, 1 s -cetaria d.' di-
to.com-embutidos, 1 commola de dito, 1 gcarda-
roupa de dito cem espclhos c embutidos, 1 rcesa
to para para centro de sala, 1 cortinado de
cama, 1 gmrnicao com 1 pecas para lavatorio, 1
panno forro de mesa 2 estantes pequeas, 1 cas
tifai de latSo, 3cort:ca^ de crochet e seas p?r-
', 1 cadeira privada, 2 c&bides, 1 guarda-
vestidos de mogno eom cspelbc, 1 espelbo, l es-
tante pequea de nngneira, 3 quadros peqienes
bordados a seda, 1 eofre rrova de fogo com segre-
do, 1 cesta, 1 caiza de carvalho para luvas, 2 me-
sas turcas, i quadros de pratcs e 1 cadeira de
mol .
Sala do fundo
U..i divn e 2 cideiras estufadas o forradas de
srtiin azul, 1 cama de faia para casal, cpula e
cortinado; 2 lavatorios de mogno eom pedra ees-
pelbos, 4 quadros dourados, 1 guarda-roups, 1
cad'ira privada, 1 bidet, 1 eBpelho de crysta!, 2
cabidos, 1 despertador, 1 banca oom 2 gavetss, 5
tapetes, 2 etagers, 1 r^poeteiro, 1 cesta de crys-
tal com electro-plato, 2 porta-retratos, 1 tinteiro
de metal e 2 cssticaes de dito.
Ouinla-feira 26 e sexta-eira
27 do corrente
i h lo e meia horas
No grande palacete sito ra da Aurora
n. 123
O agente Gasmao, autorsado pelo Illm. Sr. Dr.
Jos Qoncalves Pinto, que retirou-se para a Eu-
ropa, fu leilao de todos es objectos cima des-
criptos, que ornam a mesma casa. Nos catlogos
que sero distribu Jos serSo minuciosamente de-
clarados os nmeros dos objectos e suas qual id a-
des.
O bond que partir da ra d} Brum s 10 14
dar passagem gratis aos concurrentes.
os afamados queijos de S. Paulo da facenda Ita-
tyaya. nicos reeebedores em Pernambuco Jos
.Joaqun Alves & C, ra Bario da Victoria, n.
69 e a.-ham se venda nos principaes estabeleci-
mentos desta cidade.
1 Diarios e jomes
Compra-se
n. 85.
para embrulho na ra da Aurora
s,%*>de *Pa's
^ folcgun fragancia ^
FRANGIPANNI
Opepenax o Psidium
Oarlsslma* Oeradia
Ttne-K em lo-lai
ai Prr/umariat fff
K*t- ^ 'Drovariat 0*V'

2j_d Stre
>]
.11*1
Leilao
De urna excellente vacca tourina e nm lin-
do cSo de caja, raja (Foshund)
Quiuta-feira, 26 do corrente
., A'S 11 HORAS
Por occasiao do grande leiwu Jo. rico, movis,
cristaes, prata e eletro-plate, no grauJ*. pjtp(.,
sito ra da Aurora n. 133, residencia do lllm.
Sr. Dr. Jos Qoncalves Pinto.
POK INTERVENQO DO AGENTE
Gusmo
s
3 Aluga-se o sitio da Magdalena n. 8, passan-
do a ponte grande, com casa para numerosa fami-
lia, tem agua encanada e pequeo terreno com
alguns arvoredos ; a tratar com o commendador
Albino Jos da Silva, na Santa Casa de Miseri-
cordia, ou na ra Direita n, 45, sobrado, a qual -
quer hora do dia.
Aluga-se um pequeo ->halet em lugar perto
do trem de Apipucos e bond, s para homem sol-
teiro qua queira pernoitar fra da cidade ; a tra-
tar no Caminho Novo n. 128 Na mesma casa
vende-se quatro quadros da linda historia de
Roma.
Aluga-se o segando andar do sobrado n. 73
ra do Rangel, com muito bons commodos e
amito fresen, tendo a vaqtagem de estar prozimo
ao mercado publico ; a tratar na ra do Cabug,
loja n. 16.
Alaga-se o pavimento terreo do predio n. 4
da ra de Thom do Souza, tem armacao ; a tra-
tar no primeiro andar n. 43 da ra estreita do Ro-
sario.
Aluga-se casas a- 80 no neceo dos Coe
nos, junto do S. Goncallo : a tratar na rva d>
[mperatric n. 7d.
Aluga-se o sobrado n. 46 ra da Roda,
com bons commodos c muito fresco ; a tratar na
ra do Cabug n. 16, loja.
= Precisa-se de um: pr-jfessora j idosa, que
saiba a lingua portuguesa e bem assim a francesa
em seas rudimentos, para leccionar em nm enge-
nho da freguezia de Jaboatao, distante 2 1|2 le-
goas da esUcao ; a tratar na rus do Imperador
n. 81, das 11 s 4 horas.
Precisa-se de um menino para eaizeiro, que
tenha pratica de molhados; na ra da Uniao nu-
mero 54.
Scm dieta c sera modifi-
caf des de eostumes
Laboratorio central, ra do Visconde
Rio Branco n. 14
Esquina a ra do RegenteRio de
Janeiro
Especficos preparados peo phar-
maceulico Eugenio Marques
de Holanda
Approvados pelas juntas de bygiene da
Corte, Repblicas do Prata o Academia de
Industria do Paris.
Elixir de Imbiribina
_ Restabelece os dyspppticos, facilita as diges-
tios e promove as ejec50.es difficeis.
viniio de ananas ferraginoao e
: quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hypocmia
intertropical, reconattuo oa hidrpico.? e berbe-
rieos.
Xaropc de flor de araelra e un
lasuba
Muito rcommendado na bronchite, na hemopa-
tyee e as toases agudas ou chronicas.
Oleo de tealadua ferruginoso e caa-
caa de laranjaa amara;aa
E' o primeiro reparador da fraqueca do orga-
nismo, na fysica.
'lula* ante-periodicaa. preparadas
com pererlna. quina e Jaborandy
Cura radicalmente aa febres intermittentes, re-
mitientes e perniciosas.
Vinno de Jurubeba almplea e tana
b*na rerruginoao, preparados
em tlsiiu de caj
Efficazes as inflamaces do figado e baco agua
das ouehroncas.
y niio tnico de capilaria e quina
Applicado as convalesceneas das parturientes
tierco ante-febril.
scg Manos] n Silra & G
RA T9 MRQUEZ DE OLINDA
ia ra Pormosa n. 33, precisa-se de criados.
Precisa-se de nm
ra do Hospicio n. 3.
criado eom urgencia ; na
= Arrenda-se o engenbu Cajabuss da comarca
do Cabo, moente e corrente, e bom d'agua ; a tra-
tar no pritr.ciro andar n. 43 da ra estreita do
Rosario,
alorada erm muitos commodos o agua, ra
Baraj do Tnumpho n. 81 ; aluga-se na ra de S.
Jorge n. 131, taveroa.
No armazem n 49 Ja raa do Bom Jess ven-
de-se cadeiras austracas (junco) m.iis baratado
que em cutra qualquer parte. Var para erer.
Perderam-se seis apjlices d divida pnblica
de l.-O.XV cala una, de ns. 2900, 2901, 2902,
29-'3, 2904 e 2905, de jiros de 5 0|0 ao anno, da
etnisso do 1828, pertencentes a D. Clnudina da
Silva Pigueiredo, casada com o Dr. Jos Bernar-
do de Figutiredo, que as houvo pr h.ranji de
iua mSi D. Clemenfina Ibeodora da Silva: quem
as tiver acbado queira leval-as ao escriptorio de
Luis Gor.C'ilvcs da Silva & Pinto, no caes da
Companhia 1' rnambucana n. 6, que ser gratifi
cado.
O abaizo assigoado, testamenteiro dos bens
do finado Dr. Francisco Gonfalves da M 'raes,
pelo presente chama a todos os afilbados do mesmo
finado para, no prazo de 15 dias, apresentarem-
se habilitados com certidSo de baptismo, afim de
sertm contemplados na partilba. Recite, 16 de
Abril de 1388.
Manoel Jos de Bastos Mello.
Mara Jo .quina Vianna fns publico que ha
nove meces o Sr. Jos Joaquim Goncalves Bastes
nao mais seo procurado" e nSo tem procurad jr ;
todo recebimcnti de suas casas com recibo de
seu punho, por pessoa de sua confianca. Beene,
23 de Abril de 1888.

Coronel Franciaco Onmcllo
Pessoa de Laceran
Um compadre e amigo manda celebrar urna
misaa per sua alma, na igreja de N. S. da Coucei-
(3o dos Militares, s 8 horas do dia 25 do corren-
te, 1- anniverssrio do seu passamento ; e, para
a8sistil-a, convida aos parentes, camaradas o ami-
gos qneaind* consTv-im a rq memoria.
manta Casa de Misericordia d*
Recife
Devendj a junta administrativa fazer ceiebrar
na igreja de N. 8. do Paraso, pe'aj 8 huras da
ma'-h de 27 do corrente. trigsimo do fa'ic?:men-
ta do seo provedor, de saadosa e veneren-ia me-
mo, a, deaembargador Franeitcj de Assis Oliveira
Macie!, urna mieaa de rquiem, cantada pelas adu-
eadas da casa dos erpostos, convida ac rem-
br;s da irmandade, a Erma. viuva, psrentep, col-
s amigos do Ilustre mortj, para asaiftirem
a easa piedoso acto.
Secretaria da Sin!a Casa de Misericordia do
Recife, 20 do Abril de 1888.
- O escrivao,
Peiro Rodrgaos de Souza.
Cidade de Nacarelb .
^& directora da Sociedade Beneficene" de Na-
ce th convida a todos os seus sssociados para
as; trem a urna missa que manda resar pela sima
do rovedor da Santa Ca?a de Misericordia, Erm.
det mbargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel, no da 28 do corrente, na matric desta clda*
de, s 8 horas da manhS, trigsimo do seu passa-
mento.

aan
r"njffir 1
al


6i
Diario de Pernaubuco---Quarta-fciia 25 de Abril de 1888
TMraiaclyterapiiinKP
FABRICA
De sivra e ecrlpureo
Premisas as posicSes de1882 e 1885
Manuel J. de Miranda
Encadernaelo, pautado e especialidades
em cartoes de visita.
39-RUA DUQUE DE CAXIAS-39
Telephone194____________
Corso primario c secundario
Jos de Soaaa Cordeiro Simdes participa ao pu
blico que transferio osen estabelecimento de ios-
trcelo da ra Marque do Herval para o pateo
do Carino a. 26.
Coia Na acquisicao
Keeocia se por venda urna propriedade muito
woxima da villa de Bouito apta para todo o ge-
nero de cultura, contendo um engenho de fabricar
asaucar, cem ptimo terreno para o planto de
canoa e bem assim um cafetal do Tnais de seis
mil ps, j eafrejando, alm de cutros j situados ;
Da informacoes quem pretender pode entender
ge con oa Srs. Adolpho & Ferro, negociantes nes-
ta cidade do Recite.
Sitio para lugar
Arrendase ou alaga se um sitio confronte a
estaco de Parnameirim, tem excellentes commo-
dos, com duES csss para residencia, sendo urna
de sobrado, casa para feitor, coeheira, jardim bem
flautado e muitas fructeiraa ; a tratar na ra do
mperador n. 28, ou eai Oliad, ra de Mathiaa
Ferreira n. 51._______________________________
Soccorr a yclha
A moradora do becco do Bernardo n. 51, ainda
se faz lembrar s almas candi sas, que nc se es-
quejara da proteccao que eempre lhe dispenaa-
ram.
Aocommcrcio cao
publico
Figueire {o & Irmo mudaram sen estabeleci-
mento defaaendas ra da Imperatri n. 56,
para a mesma ra n. 76-
"Semenles de cairapato
Compra se em grandes e pequea quaatidades;
oa drogara de Francisco M. aa Silva & C, ra
O Marques de Olinda n. 23.
Arrenda-sc
*
na secretaria da saota casa o sobrado n. 24 ra
do Imperador :
1- andar e soto 6005U00
Leja___________ iOgOOO
~T93:800
Manoel Carpinteiro y Souza teta urna carta na
padaiia de Mello & Biset; roga-so o favor de pro
coral-a.___________________________________
Limria, eicafleraaciTliro-
Ra do Imperador numero 93
Livros de jurisprudencia, dir-.i* -, litteratura,
BCieneia e religiao, livros para iuetruoco primaria
e secundaria, livros em branco para escriptura-
55o commercial, tinta para copiar e para escrever,
de diversas cores, artigos para escriptorio e diver-
sos objectes de gssto e pbantasia, papis pintados
para forro de salas, quartcs, restaurante, etc.
Encaderna-se cem presten e seguranza, marca-
se com nitidez cartoea de visita e imprime-se com
perfeic&o qnalquer trabalho typograpbico.
Precos mdicos
Ba do Imperador B. 93
Ao publico
O absixo assignsdo, arrematante das dividas
pertencentes massa fallida de Jop.quim Ferreira
Campos & C, declara que fica erm effeito a pro-
curacao que ha va. pues Ja ua ttita Joo^uiui Fer-
reira Campos para c> branca das mencionadas di-
Vidas. Recife, 12 de Abril de 1838.
David da Silva Maia.
Cosinheira
Precisa-se de urna ama (j de idade) que co-
sfnhe bem. para casa de familia, no Chacn.
Diriia-S" das 9 horas at as 4 nos diaa otis na
ra do Commerco n. 5, 1* andar, escriptorio da
frente.
Arrobe
DE
s,c
rlal do Bariluieo & G. Snc-
Ipprovadu pela juoia eral de hj
gtenc publica da corle
E' o melhor depurativo e cura todas as doencas
syphiliticaa da pelle, rheumatismo, bobas, ulceras,
3 em geral as que provm da impureza da angue.
Deposito em sua pharmacia e drogaras ra
arga do Rosario u. 34, Pernambuco.
Ulencao
Precisa-ac de duas criadas que saibam cosinhar
i com perfeicao para casa de familia ; oa ra Baro
da Victoria n. 60, taverna.

Para tioeir instantneamente a barba e os ca-
bellos brancos e erisalhos da maia bella cor preta
castanbo : vende-se na botica fi.-.neeza de
Rouquayrol Freres
Roa da Crnz=3S
mas do Monte Soccorro
Con-pra-se e paga-Be maia do que em outra qual-
quer parte, praca do Conde a'Eu n. 18.
Caixeiro
Precisa-se de um menino com pratica de molha-
doa ; a tratar no becco do Pocinho n. 24, ou na
roa da Moeda n. 29.
Ama
Precisa se de urna ama para lavar e engommar
te sendo mais alguns servicos, menos comprar e
cosinhar, que durma em casa ; na ra Duque de
Caxias n. 14, s >brsd"), se dir. ^^^^^^^^
Ama
Precisase de urna ama que engomme e cosinhe
c-m perfeico, para casa de duas pessoas ; na ra
Mrquez do Herval n. 10. ___________________
Ama
Precisa-se de urna boa cosinbeira. paga-se bem:
na ra Du^ue de Caxias n. 44, luja de fazendss.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar, em casa
de peuca familia, na ra do Vigario n. 3, 2. ao
dar.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; na ra
Marqaez de Olinda n. 50, ttverna.
Ama
Offerece se urna ama para lavar e en-
gommar para casa de familia ou mesmo de
solteiro : quem precisar dirija-se ra da
Roda n. 11; na venda se dir quem .
Ama
Precisa sedeuma ama para comprar e co-
sinhar pura casa de familia, na ra Duque
de Caxias n. 14, sobrado.
AMA
Precisa-se de urna de meis idade, que seja
boa cosinheira e faca o mais servico de um casal
sein filbos : ra Vidal de Negreiros n. 134.
Prccisa-te de urna ama ; a tratar na ra do Im-
perador n. 26, 3- andar.
Aluga-sc barato
Ron do Bom Jess n, 47, 1" andar
Ba do Corredor do Bispo n. 78.
Boa de S. Jos n. 74.
Ba do Visconde de Itaparica n. 43 2. andar.
Kua Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Boa de Bom Jess n. 47, 2.* andar.
i'rata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
esariptorio de Silva (JuimarSes & C.
Alug
a-se
O 1 andar de n. 27 ra Vidal de Vegreiros.
O 2- n. 66 e o 1- de n. 18 ra de Marcilio Di as.
O terreo o. 27 e o 3- de n 3 ra da Penba.
O terreo, 1* e 2- de n. 34 roa estreita do
Rosario.
A casa n- 1 travesea da Hora,
dem 28 ru de Nunes Machado, no Espinheiro,
om bons commodos.
A tratar na ra do Hospicio, numero 33.
Alugu-se
as seguintes casas : a da ra do Lima n. 30,
grande casa, com agua, gas e apparelbo, e a da
mesma ruu a. 22 ; a tratar na lytographia de J.
E. Puroel, ra Marques de Olinda n. 8.
As Pilulas Catharticas
Do Dr. Ayer.
A experiencia do tempo, appliaado as Pllulaa da
Dr, A ver, tem dailo approvHCio com oa resultados
obtidoe coin ae mesn. i-. i!a malsde quarenta annos
que esta Pllnlas obtive am urna popularidad uui-
veraal, que nenauma outra medecina purgativa tem
podido riv:isar.
AS Piulas DO Dh. AVER, i>orgam completa-
mente o ventre com Buavidade, e ostimulam o or-
tl"flm os orgos digestivos e assuuilativos.
Aa Pilulas do Dr. Ayer
curam indigesto e imi>cdlmpntn. c ovitam muita
serias e a intu toinlnWlfll, notivadas
por aquellas desorden?.
Far as doencas do Estomago, Figado e Kins,
cujos sjTnptoinas sao as Kurermidadeg da Pelle,
Ardor e Peno uo Estomago, Nausea, Males,
lr'r. de Cabera. Hlito FetUlo, Febre l'.ilio~,i
a Clica, Dore* do estomago costas e espaduns,
Inchaet'K Hydropicas, etc. nada as allvia
eom r?ognranca e promptidao convo as PiLrLAS do
1m:. Avih; as qua* silo de grande utilidade no
curativo das Ueinorrluiidai.
Cont remedio domestico nao te egual.
PKEPARADAS TELO
DR. J. C. AYER E CA.,
T.owcll, Mass., E. U. A.
.'.' venda Has principaes pharmacias e drogaras.
>'o armairm n. 49 fia ron do Bom
Jess
vende-se cadeiras austracas (junco) mais barato
do qne em outra qualquer parte. Ver para crer.
Sement de Garrapato
C, pra-se s mente de carrapato ; na ra do
Hospicio n. 79.
Vinlio verde
O que ba de mais puro c agradarel ao paladar.
A fabrica Pb^niz, ra da Florentina n. 15,
nao cfjsa coiitestar a bondade de muitos vinhos
que por ahi se vender, porm desafia que apre-
sentem vinh-i que dispute a primasia, do que ella
tem ezpesto venda por junto e a retalbo a pro-
cos razcaveiB.
m++M
REMEDIOS
LE ROY
Populare! em FRANCA, na AMERICA.
HESPANHA,no BRAZIL,
onde sao autorisados pela Junta de Hyglene |J
IHedicacao Separativa e Re-
conatitulnte dnndo toda a faclidade ^
para se tratar so, por preco barato, e
se curar em ponco tempo.
Essa medicaco expulsa rpidamente
os humores, bilis, humores viscosos vi-
ciados que occasionam-e conservara as
molestias; purifica o aanguc e impede
s rerahldas.
aPurgantesLeRoy
LQUIDOS
4 GRAOS, dosados segundo a idade, con- a
vSm especialmente as Molestias *
C irnica.

Pilulas Le Roy

Extracto concentrado do Eeme-
dios lquidos podendo substitull-os,
para as pessoas que tlverem repu-
gnancia para os purgantes lquidos.
Sao infalllvels contra Aathnut,
fntnrrlto, tita, IIlictimutismo.
apft,'t'eorH,Conyt'Htiiei<, .lo- |#
lestUis VermelHIdSes, .friio/inii, etc. ?
KJHH'lA14tUl5f
qualquer pro PhcU COTTIN, genro do sbt le Rov
Ra do Seinc, 51, PARS
DKPOMTO EM TODAS AS PHARMACIAS
???????????????????????
Atien^o
Cofres prova de fogo
O Carlos Sinden, ra Bario da Victoria n.
48, luja de alaiate, reeebeu de consignacao e
vende sem competencia.
Sui generis
Detestamos' os artigos bombsticos com
que diariamente se enobem os jrcaos desta
capital, annuciando como eapecialidade o
que nunca paasou de mediocridade. Sernos
poiitivos, e como, taes so timbramos em
nao engaar aos que nos dispensam a sua
amizade e auxilio.
Acabamos de recebar ora remessa do
ja tfamado e especial vinbo
Maduro
0 consumo extraordinario que eBte vinbo
ten tido faz-nos acreditar ser este o^ nico
que fica substituindo esses ontros que por
ab: denominam--Bairrada, Figucira, Car-
carelios, etc., etc. Duas aummidades me-
ditas d'esta capital, recommendam aos seus
aaigos o uso quotidiano d'este vinbo, cerno
mt8 salutur economa humana por nao
ter as composicSeg de tantos outros, qus
arruinara a sade da bumanidade, trazendo
cerno conseqatncias os horrores a urna po-
pila^So que se defnha a olbos vistos.
Recebemos tambera o
Requeijo
em latas, de procedencia de engenbos cujos
proprietario8 capricham em bam trabalhar
ntste a.rtigo, afim de terem a primazia so-
bro tantos outros similares, cuja composi-
gio uvid08i.
Em outros artigos como :
SEMENTES DE HORTALigA
E FLORES, LINGUAS SEGCAS DO
RIO GRANDE E
OBJECTOS DE VIME
p-ra isto tao pouco temos competidor. A
nessa casa especialista e as pessoas que
disto se queiraj certificar pdem compa-
recer, cem o que muito nos honrarlo.
A par de urna infinidude do artigos de
prioieira orden?, que se acham em ezposi-
co, aectesce a amenidade do trato com
que timbramos tratar to -os os que nos bon-
ram com sua prevenga, junto a modicidade
de precos sem rivfcl.
Ana Estrella do Rosarlo n. 9,
junio Igreja
Pogas Mendes jj C.
AtteiiQo
Vencfe-se urna casa de taipa, coberta de telha,
sita no Eacaoamento, com 150 palmos de fundo e
50 de frente ; quem pretedenl-a, dirija-se ao Cor-
redor do Bispo n. 93.
Venda de sitie Vinhos da Garrafeira
Vende-se oa permita ao por predio nesta cidad
um boa sitio coa boa casa, muitas fructeiraa
eicellente banho do rio, boa agua de cacimba
ezteasao de terreno para baiza de capim, todc
murad ona frente, com porto e gradeamento, coa
camioho de ferro e estaco junto ao dito sitio, ni
Porto da Madeira, conbecido pelo sitio da JoaV
Selleiro, junto ao Dr. Ernesto de Aquino Foose
ca ; quem pretender dirija-se praca da lnde
pendencia n 40, das 11 horas s 4 da tarde.
Aviso
Precisa-se
comprar urna casa na Boa Vista ou Capunga, com
4a5quait)s e quintal, por cerca de 3:000/ ;
quem tivfr para vender, diiija-se rua Nova nu-
mero 15.
Menina
Precisa-se d? orna menina de 10 15 annos
pasa cuidar de urna crianea de um anno ; a tratar
na ra Nova n. 15, leja de chpeos de s >l.
AI-M
Urna boa casa na Tamarineira esm excellentes
commodos e grande sitio: a tratar na ra do
Amorim n. 43.
Multa altenco
Na ra Sete de Setembro, antipo becco dos
Ferreiros n. 6, faa-se plises e recorta-so borda-
dos^_________________' ___________
Fabrico de assucar
aclilnlsmo dos abricanio Donen
Siewari &. C. de Gla*sow
onstruccao da mais moderna e aperfeicoada e
de grande duraco.
Moeoda com pressao bydraulica de Stewart que
d a melhor ezpresso conhecida at h je.
Caldeiras com econnmisador, eepecialidade des-
tes fabricantes.
Fornalhas para queimar o bagseo verde em di-
reitura da moenda.
Os apparelhos de Vacuo e Triplo sao de siste-
ma moderno como ambem as turbinas ou cen-
trifugo.
Orcamentos e mais informaces em casa de
Browns & C.
Ra do Commercio n. 5, 1' andar
Criado
Precisa ae de um rapaeinho de 12 14
annos para criado, dando fiador sua con-
ducta; no 3. andar ao predio n 42 da
ra Duque de Casias ; pir cima da typo-
graphia do Diario.
Professora
La\a-se e engoima-se com
broldade roupade senhora e de
homem: na ra doPogoMS. 4
Cavallos
Vende-se doas exeellentes cavallos roscos an-
dadores de bsixo, possantes e gordos, proprios
par* carro ; a tratar na ra Vidal de Negreiros
n. 19, e a ver na ra da Detencao n. 19.
_Uma srnhora competentemente habilitada, pro-
poe-se a leccionar em collegius e casas particula-
res aa soguiotts materias: portuguea, franez, e
msica e piano: tiatar na ra do Mrquez do
H.rvaj n. 10. ________________
Pao tenteio
lio & Biset avisnm ao respeitavel pnblico
que todas aa teryas e sextas ieiras teem este aa-
boroEo pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Cautelas to Monte de
Soccorro
Compra-se cautelas de qualquer joia ou brilban-
tes, paga-se bem ; na praca da Independencia n.
22, leja de reloj jeiro.
CRIADO
Precisa se de um criado de idade de 12 a 14
annos ; na ra Marque* de Olinda a. 82,
Mo.uM sigilo
Cbegou a primeira remessa do precioso farellc
de carolo de algodao, o mais barato de todos os
alimentos para animaes de raya cavallar, vaceum
suino, etc. O caroco de algodo depois de ex-
trahida a casca e todo o oleo, o mais( rico ali -
ment que se pode dar aos animaes para oa forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Nos Estados-Unidos da America do Norte e na
Ingluterra elle empregsdo (com o mais feliz re-
sultado) de preferencia ao miibo e outros fareHoe
que sao inni*c mais caro e nao sao de tanta sus-
tancia. .
* Irsisr no Herlfe comFraga Bnrha
tWttttL
MOHIAIS,
P CLERV Vaniie-seeiiitcasawrU
Peitoral de cambara
Agentas e depositarios geraes nesta provincia
FRANCISCO M. DA SILVA & C.
No armazem de drogaa ra do Mrquez de
Olmda n. 23
Precos : Frasco 2*580, 1/2 dusia.
__________13J000 e duzia 24*000
Viulioe licor de janipabo
Na fabrica de licores ra.Baro do Triumpbo
(antiga do Bmm) n 75, vend-se superiores vi- j
oboe e licures de jacipi-.bo por menos prcC'J qoe
em cutra qualquer parte. Alli encontrar-se-ha
s.-mpre eemplajto portira nt) licores e cutras
bebidas b-m prepaiadus, por prego o mais commo-
d9 possivcl.
___________Telepbono d. 5*9
Est se acabando o mando
Sapatos de tapete bardados a 1*000 o par
516o ba satosi a medir
Ra da Iuiperatriz n. 80.
O baixo r.s8gnado avisa aos seus amigse
clientes qu mudou sua residencia c consultorio
da ra do Baro da Victoria n. 18 para a mesma
ra n. 59, 1 andar, onde centina a dar consultas
as horas de costume.
Recife, 18 Ce Abril de 1888.
Dr. Joao Paulo.
Cnsinheira
Prtcisa-je de urna ama boa cosinheira ; na ra
primeiro de Margo n. 16.
Saboeiro
Precisa.se oatractar um bom saboeiro; a tratar
na praca do Corno Saoto a. 6, 1- andar.
VENDAS
Carrosa
Vende-se urna oarroca quaai nova pata cavallo
no sitio da capella, no Chora meninos.
Vende-se
Um terreno na ra da Regenerayao, em Agua-
Fria, medindo 400 palmos de frente e 470 de fun-
dos ; tratar na ra estreita do Rosario n. 26,
evim ento terreo.
Jvraraento & C.
veudem cimento port'and, marca Bobina, de 1
ualidade ; no caes do Apollo n. 45.
^astello
Vende-se o arrendase o engenho de faaer as-
sucar, assim denominado, mornte e corrente, cem
bastantes mattas, boas obras, todo cortado de
estradas ; podendo safrejar de 2.500a 3.000 pSes
de estucar e situado no termo de Ipojuca, comarca
do (abo: a tratar na ra do Marques de Olinda
n. 46.
Para acabar
Brees brancos e de cores a i 1*. [1*500, 1*800
e 3*000.
MadapcISo americano, com pequeo toque de
mofo de 10* a 5*000.
Algrdo T, (americano) de 7* a 5*000.
Bramante para lencees com 4 larguras de 1*200
a 800 rs. o metro.
Lidos cortes de gorgurb de seda com enfeites
de velludo de 150*000 n 60*000.
Modernos cortes de gorgurao de seda para col-
lete, com pequeo toque de mofo de 10* a 4*000,
que maravilha !
Sedas com listrssassetinadas, lindos padioes, de
1*200 a 800 ris o covado.
Etamines, brancas e pretas de linho, faienda
1*200 a 3-0 e 400 ris.
Ficbns de malha, delicado tecido de 3* e 4* a
1* e 1*500.
Tuaile ds Veeby, de 320 a 160, grande pechin-
cha t
Cretones, lindissimos psdroes de 360 e 400 a
200 ris o covado.
Completo sortimento de leques de fantazia a
1*500, 2*000 e 2*500
Lindos cortes de cambraia bordada, branca e
de cores a 5*000.
_ E muit >s outros artigos que se vende por precos
, ompetencia e que admirara.
Pn-vine-se que deetes aitigos nao se d amos-
4 Florida
Finos
Carca vellos.
Madeira.
Moscatel.
Uva Bastarda e de Passas.
PARA MESA
Genuino de Lavradio a 500 rs. a garrafa.
Na merceana de Manoel Corris & C.
Praca do Conde d'Bq u. ib
Reeebeu os seguiDtQa artigos e vende
por presos Bem competencia.
Flisss brancos a 400 rs o metro.
dem brancos com duas ordene e froco
do seda cor de rosa, azul e encarnado a
600 rs o metro.
dem com contas e bordados a matiz a
800 rs. e 10200 o metro.
Contas lapidadas pretaa e de cores.
Vidrilhos pretos e de diversas edres.
Missaogas de diversas cores.
Collarinbos modernos imitando linbo a
50000 a duzia.
Pdiseiras americanas a i50000 o par.
Grande sortimento em broches, de 500
rs. 10000, 10500, 20, 30 e 4000 um.
Collarinbos e punhos de borracha.
Punhos de Hubo, para bo'mens, a 80000
a duzie.
Fechs com mcsclados dtela a 20500.
dem maiores, sem mcsclados, a 20500.
Grande sortimento dechromoj a 2(X) rs.
a placa.
Bicos brancose de cores de 2, 3 e 4
dedos de largura a 20, 20500, 30, 30500
e 40000 a pega.
dem cor do crema a 30000 a peca.
Porta embrulbos americanos.
Iuvisiveis dourados e prateados.
Liados leques transparentes a 20, 20500,
U, 40, 50 e 60000.
dem de setim bordados a sia, de di-
versas e-Gres, a 4, 50 e 6#00O.
Luves de s la do lindas cores a 20,
20500 e 3000 o par
Enchovaes para baptisados a 80, 100,
120 ,al 1G0O.
Lindas capelias para noivas.
Sotperaonos americanos a 20500.
Oleo Florea.
Bicos de algodo de usa _o cor e ma-
tisados a 30 e 40500 a pega. *
dem de linho, de cores matisadas, a
20, 20500 e 30000 a pe5a.
Lindas luvas da fcaa para meninas a
20000 o par, de diversas cores.
dem com palmas de roisaaegas e com
palmas de teda, para senhoras, a 20500,
30 e 30500 o par.
Gall5es e bicos de vidrilhos, gosto mo-
derno.
Lidas rosas de vidrilho preto pira en-
fcitar csanos e capas.
Contas pidadas para enf-itar vestidos,
odres bronzcr.das, granadas, praaades e
dooradas.
Fivellas de mola, americanas, para cal-
cas e eolktes.
Cortinados brancos, de crochet, com
4 jardas de comprimento a 150 e 160000.
Timosinbos para enancas, cambrabai, bordados a 3000.
Extractos, o que pode haver de melhor
como sejam : Guerlin, B.'uquet de Exposi-
cao, Perle Vienne, Exora e Nixiz do Japao,
Briza do Rio da Prata, Corilopses do Ja-
pon, Dida, etc.
Agua Florida, idero de colonia, dem
edeste, dem do Japao, dem liananga do
Jap3o.
RUa DUQUE DE CAXIAS N. 103
Barbosa & Santos
Barato
Vende se um bom cachorro, muito novo, grande
e valente, proprio para guardar si'io ou casa
grande ; para ver e tratar na travessa da ra do
Queimado n. 1.
Cidade da Escada
Vende-se as seguintes casas : sendo urna muito
grande de n. 12 e outra pequea n. 3 na ra do
Ki i, a de n. 25 na ra das Merequitas, as de ns.
24, 26 e 28 na ra da Barra e todas as da ra do
Cochixo.
Engenho
Vende-se ou rrenda-se um engenho na fregu-
lia da Varzea, moente e corrente, e movido a va-
por, com forca para safrejar at 1,200 paea ; a
tratar com Carlos Rabello & C, roa do Vgarir
n. 31, 1 andar.
'licenciadopela Inspectora Geni
de Hygine do Imperio do Brazll.

Na Loja das Lstras Azues
A' ra Ourjne de Caxias n, I
Tjloie 211
Vende fasendaa finas por todo preco e d des-
cont a quem comprar de 20* para cima. As
Exmas. familias nao devem comprar em outra
loja sem primeiro ver ou mandar buscar as amos-
tras que se dao sem penhor-
Fazendas de novidade
Tecldoa de linbo bordados com liatras oo
quadroa, faaenda muito larga e de lindas cores a
800 rs.
Steiioa de Macu, preto e de todas as cores
liso ou de listas a 800, 900 e 1*000.
Velludo preto de seda bordado oucomsta
de setim a 4*0(0.
Mirino infestado preto e de todas as cores
700, 800 e 1*000.
Etajxalne de coree com listas cor de crea
a 500 rs. .
Engalo pardo infestado para vestidos a 360
c 400 rs.
Linn bordado, urna s cor 240 rs.
Velludinbo preto o de todas as cores cont
contas a 1*800.
Renda heBpanhola com bicco, preta ou branca
pe seda.
Cassasi Nanzuc padres miudinbos a 280 rs.
Crochet branco e de cor, desenbos lindos
ara cortinados a 1*000.
Grlnalda* com ricos veos de Blond a 8*,
10 e 12*000.
La* de quadros, pairos uovos a 320, 360 i
400 rs.
Milano dos Alpes fazenda de listas assetiuads
a 300 rs.
SelineCas lavradas de lindas cores a 240 rs.
Fasto brance a '20, 360, 400 500 rs. qua
lidade superior.
Fazertdas diversas
Bramante de 4 larguras a 700 u 1*000 su-
perior qnalidade.
Madapnlao americano Listas azues com 4
e meio palmea de largura a 6*500 com 20 varal
garantidas.
al(udo americano muito larga e superior
para lenc^s a 5*500 a peca, mais estieito a 3*50C
e4*00D.
Cuitas e cretones escuros, claros e niudi-
nhesa 200 e 240 re.
Cassas indianas de cores a 160, 200 e 240
ris. .
Iilsiko lisos e de quadrinbos a 1G0, 120, 160
e 200 rs.
Riim pardo para roupa de meninos a 300 t
320 rs.
Caalaetas escures imitacae de casemiras s
50U rs.
Baeta azul encorpada para renpa de banho a
700 e 800 rs..
Las de quadrinhos, padrees npvos, a 300,3^0
360 e 400 rs.
Creps de lindas cores a 500 rs.
Lencos blancos e de coree a 360, 1*200 e
1*5X0 a'duzia.
Toalbas felpudas e alcoxoadas a 3500 5*
6*000 a duzia.
Helas de cores, brancas e cruas para senho-
ras, hou;ens e meninos desde 2*803 at 6*000
melhor quslidade.
Enchovaes para baptisados completos
103 c12*000.
Cortinados bardados para cama ou janella
a 6* e 7*000.
Panno du Costa, de quadros ou listas a 1*200
o covado.
Alumnado Iavrada, lindos dsenhos a 1*20C
e 1*500-
Gaaranpos a z*ooo a duzia.
Especialidades
Lavas de seda ou pelica a 2*000 e 2*500.
Di eos brancos c.r de crcme, e matizados
2*000, 2*500 e 3*000 a peca com 11 metros.
Coatas lapidadas para enfeite de vestidos pre-
tas e de todas as cores a 500 e 800 rs.
Bordados, buhados e entremeio de fustao i
transparentes a 300 rs. a peca com 3 metros.
Esnartilhos cocraca e americanos a 3*560
4*, 5* e 6*oOO.
Grande quantidade de chitas em -<.talhjs qus
vende se por qualquer preco.
" retratos amenes
Pintados a oleo, com rica moldura e cordoei
por 25*000; esto expostos alguns retratos para
o publico e as Exmas. iamiiiaa-verem o quants
sao lindos e baratos e fcil a qualquer pessoa ter
um em eua sala de visita.
Pura encominendsr bastante mandas
um pequeo retrato em carto ds visita, nao im-
porta que seja antigo, dizendo a cor;dos olhcs e da
cabello chega um lindo retrato dse ado.
Ag> n.-ia de artigos americanos e carimbos de
borracha.
Na Loja das Listras Azaes
Jos Augusto Dias
Xarope-Zed
(0< CODEINA 8 TOLU)
O Xarope Zed emprega-sc contra, as
trrita convulsa {Coqutlucbe'y.'BTonchites.ConstitiafitS,
Calarrhos e Insomnios. ttrsisUntcs.
k PARS. 11. ru Drouot. M POinaACUi'
Oliveira Campse C.
Boa do Creaao n. 91
Receberam'pelo ultimo vapor sortimento cem-
->leto de capad- de casemire, merino, gorgurSc e
eda, para senhora, o que ha de mais novo, c pre-
co rasoavel; receberam mais seda preta e gorgu-
5o, e vendem por pre?o baratissimo.
Boyal Blend marca YUDO
Este encllente Whisky Escocea pro-
ferivel ao cognac oa agurdente de canDa,
para fortificar o -carpo-
Vende-se a re'talho nos ruelhores arma*
zens de molhados.
Pede Royal Blentl marca 1'Iado,
cujo nome e emblema sio registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
tras.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira ; na roa do Hos-
picio n. 8.
lia;; Duque de Caxias a. U
Loja das Estrellas
Te>phorio n. 210
10MB
RIGA SOLITARIA1
CABT.rA DAl.OUPniOA EXPKLJ DA I
dev rao p:; i nouxa pilas
GLOBULAS SECRETAN
[ pHARMftCEUTlCO, LAUREADO, PREMIADO COM MEDALHA ',
i aoico remedio inoTenMvo e lnfailivl I
Faqoptadonoshospitaesde pars'
i OBSERVACAO.-O bom exiio das GLOBULA
f de SECRETAN lem oginido vano miuf productos i
[ wmilnres : c mistor resgrdar-o d eUes coa WuO^
lo cuidado.
r Dtvosito giral, 52, ra Deeaaps, en Pul
\ Pernambuco FRAN" Btda SILVA e G"
CURA CERTA
de todas as Affeccoes ^/limonares
Todos aquelles que soffrem
do peito, devem experimentar
a Capsulas do Dr. Fournier.
Depositarios em Rernambuto :
FRANCISCO M. da SILVA 4 O*.
Venc-se
es utensilios do ajouguo da ra ds Hora, no Espi-
nheiro ; a tretar na ra do Hospicio n. 61, on na
taberna, aoodo se acbim elleF.
\rraaQoes
Vfnde se muito barato duas armacoes proprias
para qusiquer negocio ; a tratar na ra Baro da
Victoria n. 31.
Bichas de Hasiburgo
Vende-se em pequeas e graudes porces ; na
ra da Madre de D^us o. 36 A.
Vendem Rodrigues Paria & C roa Maris e
Barree n. 11.
fTKINSON
-EBfMAR.R INGLEZA
llamada ba mais te om i ecnlo; eiced? todas
-. utraaPilo perfnmcdelicado t c.|unilo>
TrrzMedalhas i,
PKR17. W7S. OA.,CrrA I
MUtxtra-fit 'U2SiJS" "*1"1"*-
smas noims^
Aao- afamada dr. .
LUVAND* IGLEZA Dt TKINSON
ualidade a odor dflcita-v
MSM BIIISTAI PAM lr;S DE ATIIKai
S rlpira alvejar e KTacer 01 denla*
preaeiTar ajgengivaa.
^^ J. E ATKINSOM
24, Od Bond Streat, Londres.
Marca de Fabrica lima" Roa li ranea"
sobr* ama Lyra do Ooro

^N
unusual
~ UEtvtVEl 1



Diario de PerMflkueo--Qoarte--dra 25 de Abril de 1888
Aa posada* en-micas an-
/r cimn/y.o do angue, a quem o
medico aconta 1 ha o emprego
do Ierro, aupportto aero oan-
sacoalgumas B3TTAS CONCENTRADAS
de FERRO BRAVAIS. de
preferencia, a quaosquer oa-
tro* preparado ferruginosos.
0 FERRO
RRA7JUS
nto prodns caimbras, _
oanaaconoeatommgo.nomdiar-
rbaa, nem conatipacao. Nao
tetn aabor algum, nem chairo,
s nXo oommnoica ohairo nem-
buxn aagua,aemaoviaho,nam
a qualquer liquido oom que
poda ser tomado. NUNCA.
ENNBGRECXot DXNTKB.
0 FERRO
BRAVAIS
Am Ceras pmlMialms, atToiamo
tas ooznjnnn antro aa mooaano
motmanto da fortoacMo, a Ane*
mi, a lliloroaia, annunsia-
dores da mor parta daa aifei-
obos ohronicas, rrlrrrmfffaef
oom a maior aiEcaca pelo
oxdjvmo regular do PERRO
0
BRAVAIS
Hestitue ao
coloracao que perdeu
" sthi.
tente
pela molest
NUMEROSAS IMITACORS
Exigir firma
R. BRAVAIS
Imprimida vermelha
witt it mor part i '-

IIEIICAMflrTOl FUNDAS E TINT1I
AS QUAEIBAEES
[II^MPHARMACEUTICPS
em eiuiea-raaiAi
IsrtElAIlDADO
t
'

Especial daile (leste esliibeleciraenlo
E'iir e linimento de Js
1 -

-
Elixir den ti fri ci
Contra a carie e amollecimento e dores de dente.
V.nhe, xaropes e pillas de jTGMa
Grande sortiento de perolas, pr.atilhas, granulos e'pilulas dos melhores fbri
csniest eoropeus e americanos.
"Gra-ide coIlec;lo de alcoluides os raais modernos e raros.
Aguas mioeraes de todas as qaalidades.
Para photographia e homoeopathla
ileool rectificado e desinfectado, cb i mi smente puro.
A Pharmacia Americana tem ama seccao homceopathica onde se encontrar
alm dos medicamentos preparados com todo aceio e segundo os formularios bahene-
msnicos tnais acreditados, carteiras, vidros avulsoa de todos oa tamenhos, glbulos i
inertes e medicamentosos, tinturas de plantas indgenas e exticas,
Recebu medicamentos directamente de todas as fabricas da Europa e amcrica j
MftAinalacSo por precos commodos e a qualquer hora do dia e da noite.
CAPSULAS
Mathey-Caylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigao nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Pars, Londres e New-Ycrk, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgaos genito urinario.
IU4 Urna axplicaco detalhada acompanha cada Frasco.
Exigir as Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & Cle, de PARS,
que se acho em casa dos Droguistas e PharmaceuHcos.
FORMULA
ARGELINO JOS DOS SANTOS ANDRADE
Approvada pela Inspectora Geral
da Hygiene Publica do Rio de Janeiro em
20deJulhode 1887
Este depurativo de grande efficacia as molestias sypbiliticas e impu-
reza do sanguc. Para maior garanta da efficacia deste medicamento, publicou-
se grande numero de allestados de alguns Srs. mdicos residentes nesta
provincia e de muitos catalheiros que teera feilo uso desle depurativo, em nu-
mero superior a 300; notando-se 50 pessoas que se curaram da lerrivel beribe-
ri com este poderoso depurativo.
0 uso dcste Elixir muito recommendado no tralmento geral as mo-
lestias das senhorase a prova est no bom resultado que tem obtido aquellas
das Exmas. Senhoras que delle tem usado.
xwxooaa aoo Tjrsjsj.
Os adultos tomaro quatro collieres das de sopa pela manha e qualro
none. As cranlas de 1 a 5 annos tomaro urna colher pela manha e outra
noite, e os de 5 a II annos tomaro duas colheres pela manha e duas noite.
Deverao tomar banhos, fri ou morno pela manh e noite. Resguardo regular.
Enconlra-se venda na drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silva
& C, ra do Mrquez de Olinda n. 23 e phaimacia Oriental ra Estreita do
Rosario n. 3.
A resurreifo do cabello e a morte di easpa
PELO
AICHI-EXTRACTO
A queda do cabello, que resulta do enfraquecimento do tecido celalar em que se
alimenta o bulbo capiar, urna molestia que pode ser completamente combatida por
meio do Archl Extracto, resubbei<,ao DA cabello.
Esta prepsracSo tem urna accSo tnica e restauradora sobre o tecido celular
sub-cutneo, de extraordinaria eficacia para a conservoslo do cabello, ao qual fornece
o mesmo tecido, tonificado no vos e mais abundantes elementos de vida.
E nao smente o Arehl Extracto d vigor e aasim effectua a conservacSo
do cabello, como o restaura e renova quando tem cabido, iropedinJo a atropbia de
bulbo espillar, tal a sua efficacia em tonificar o tecido celular.
A CALVICIE
A calvicie, pois, pode ser de boje em diante o luxo dos excntricos, que quei-
ram chamar sobre si a attenoao publica e tornarem-se os notaves do seu tempo, mas
j nao um mal sera remedio, de que se possa alguem queixar com razSo. Os. cal-
vos pdem afinal triumphsr de todas as intrigas da mocidade. .. e perder inteiramente
o receio de descobrirem se.
A CASPA
Com a applicacSo do Arrhi Extracto, a caspa, esse mal que tauto morti-
fica e concorre directamente para a queda do cabello, desapparecer em pouco das,
para nSo mais voltar.
O bello sexo, oh 1 esse tem agora o meio fcil de obter com abundancia o mois
gracioso dos seus ornamentosurna basta e loriga cabelleirapropria 1
A hereditariedade c' to exacta como a malhematica!
O mogo que ostenta urna tarta e opulenta cabelleira, cojos anneis, insultan)
cruelmente a mveja dos faltos de cabello, nao estar isento do mesmo mal, se descende
de pai calvo: qufstao de tempo ; ser brevemente um calvo tambera, ver eo-a tao
linda cabelleira ir desapparecendo lentamente, deixando ver o principio da calva no
sito ds oabeca ou as grandes enseadas dos cantos. E o que fazer ? Usar em tempo
do Arehl lxtraco, porque elle o uoico preservativo da calvicie
0 modo de nsar acompanha o frasco
A'fia a u limni Enicni, na Mi
PREgO DE CADA FRASCO 20000
iiiT
Ra f de Narco o. S.
Parti pam ao respeitavel publico que, tendo augmentado seu
estabelecimento de JOLAS com mais urna seceao, co pavimento terreo,
com especialidades em artigos de ELECTR-PLATE, oonvidam as
Exmas. familias e seus numerosos fregueses para visitar seu estabele*
cimento, onde enrontrarao um riquissimo sortiinejtto de joias de ow> 6
prata, peroles, brilbantes e outras pedras preciosas, e relogios de uro,
prata e nikel.
Os artigos que recebem directamente por todos os vapor s5o
oxecutados pelos mais afamados especialistas e fabricantes da Europa e
Estados-Unidos.
A par das joias de subido valor acharSo urna grande vaiiedade
Je objectoe de ouro, prata e electro pate, proprioa para presentes de
casamentas, baptisados e anniveraaries.
Nem em rclacao ao prego, e nem qualidade, os objectos cima
mencionados, encontrarlo concurrencia n'esta praca.
.^
lo Marco b. 9
PECHINCHAS!!
SSo os seguintes artigos por menos de 40 % de seu valor, cujos precos admira,
os que em seguida appreaentamos.
A saber:
Batistas e nanzuca, de c6res firmes, a 160 e 200 rs., o covado.
Mermes lisos, urna largura, todas as c6res, a 200 rs., o dito.
dem dem de duas larguras, 15 pura, a 500 rs., o dito.
betinetas modernas, padr3;s de phantasia, a 240, 280 e 320 rs., o dito.
Zafiros de quadnnbos, bastante largo, a 200 a 240 rs., o dito.
Bros de cores para roupa de crianga, a 320 e 360 rs., o dito.
Brim pardo lona, superior, a 320 e 360 rs., o dito,
dem de linho de cSres, padr3-s novos, a 800 rs., o dito.
Casimiras diagonal, preta, a 10800 e 20200, o dito.
dem de cores para coatumes, a 20500 e 208( 0, o dito,
Cheviots, superior, preto e azul, a 30000, o dito.
Pmnos de edres para mesa, a 10400 e 10700, o dita.
Ataalbados de algodo, duas larguras, lisos e bordados, a 10200, o metro.
Bramante de algodao de quatro larguras, a 800, 10000 e 10200 o dito.
dem de linho puro idem, a 10800, o dito.
Guardanapos de linho, a 20500, 30500 e 60000, a duza
Lencos de algodSo e linho a 10800, 20000 e 30000, a dita.
Meias ioglezas para homens e senhoras, a 30000, 40000 e 501)00.
Camisas de crotones finas, francezas, a 240000, a duzia.
dem brancas, inglezas, a 360000, a dita
Serculas bordadas, de bramante, a 120000 e lfj0OOO, a dita.
Cobertas de g-nga, forradas, a 20500 e 30000, urna.
Lenges de bramante par8 cama de casal, a 20000, um.
Tapetas avelludados, grandes, para quartos e salas, a 80000 e 160000, um.
Cortinados ricamente bordados, a 70500, 80000 e 100000, o par.
Cambraias bordadas pira bergos e camas, a 800 rs., o metro.
Fustao branco brdalo, a 320 o 400 rs., o covado.
MadapolUo americano, superior, a 60000, 24 jardas.
Algodao cr para toalhas, a 30000, 30500 e 40000, a pega.
Fichs de 15, modernos, a 20000, 20500 e 30000, um.
Enxovaes para calamentos
Grinaldas e veos para as Exmas. noivas,a 90000 e 100000.
Damascs e setins branca, a 900, 10000 e 10200.
Espartilhos, laques e luvas para todos es precos.
SaiaB bordadas a pregas sera competencia.
Toalbas de labyrintbo, riquissimas, a 300000. (
Deposito de fazendas para os Srs fazendeiros.
As vendas em grosso teem o descont da praga.
5 -ra Buque de Cavias 0
Loja de
Pereira & Magalhes
SUCCESSORES
de
Canro fia Ha & C.
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO HOLLOWAY
O Ungento de Holloway um remedio infallivel para os males de pernas e do peito; tambern pata
as fendas antigs chagas e ulceras. E famoso para a gota e o rbeumatismo e para todas as enfermi-
dades de peito nSo se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Tumores as glndulas e todas as molestias da pelle nao teem semelhante e para os membros
contrahidos e uncturas recias, obra como por encanto.
Essas medicinas sfto preparada* smente no Estabelecimento do Profesor HollowaV,
78, HEW OXFOED 8TBEET (antes 533, Oxford Street), LONDEES,
E vndanse em todas as pharmacias do universo.
taT Ot compradores sflo convidados respetosamente 9. examinar os rtulos de cada caca e Pote, te n&o teem a
direcoao, 533. Oirford Sutet, sio aUificacoes. _
GALERA DCASBLE
PHOTOGRAPHIA E PINTUU
1. premias e medalha de ouro na Expo-
sipo de Berlim de 1886.
Medalha de prata, Exposiqo Univer-
sal de Anvers. 1885.
1. premio, Exposipo Artstica Indus-
trial Rio de Janeiro, 1882.
Diploma de Progresso e Mrito em di-
versas exposicoes.
Fhotographias artsticas em todos os
gneros, o melh >r que se pode produzir, re-
tratos a oleo, prepos razoaveis.
Grande collecpao de molduras e varia-
do sortimento de passepar-touts.
B-lliA UUO i \\
38Ra do Imperador38
^* Nesta gri nde pbarmacia avia-se receitas e pedidos com promp'.idSo,
<] solicitude e modicidade.
Asprescrip^es em lingnas strangeirasso fielmente
despajadas
O pharmaceatico pernambucano JOS FRANCISCO BETTENCOURT
convida os clnicos desta cidade que queiram honral-o com sua confianga
para qualquer trabalho profissional e ao publico. Garante se a mais atten-
ciosa e conscienciosa execugSo.
Esta casa recebe seus productos obimicos e drogas directamente
das melhores casas da Europa, especialmente encommendadas para sea
receituario.
ESPEIALEQADE
larop do GasW, Gaaco e Balano la Toli
Preparado pelo pbarmaceutico JOS FRANCISCO BETTENCOURT,
de ama efficacia verdaderamente maravilhosa as molestias dos orgSos
respiratorios.
Bronchites, asthma tosse, convalsa, etc.
:o:
CELA PRETO de pri eir qualidade.
DE MAMADEIRAS am grande sertimento.
SABONETES INGLEZES de ptima qualidade a pregos sem compe-
tencia.
Tinta preta para escreverinalteravel, fabricada oom multo cuidado
por ama formula inglesa, especial para escripturagao mercantil e repartigoos
publicas, seoca de preBsa, perfeitamente preta, nao corroe as pennas, nSo
deposita e d < opia.

. tMS DORES oe >*..
aJkBm-*^ POB Mito o mpmoo dob ^lV^* \
f>* Elixir,PePastadentifrioios w*!g,
RR. PP. BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOULAC (Gironde)
DOM MAGUELONNE, Prior
* Medalhnn de Ouro : Bruxellas 1880 Londres 1884
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
1373

INVENTADO
I0 AKSO
Pelo Prior
Pierre BOTTRS ATTB
> mioticli.ino du Elixir Dentifricio
pp. Benedictinos, com doso da
O uso
dos RR. x-i-- .....-i ^-"u ""w ~-
algiini: :u e curn Okvm
dos dente-. ndo e tor-
ko as gengivas perfeitamente sadias.
Prertmoa um v fo. assigMt-
lando o nossos leitores ostti antigo e utilia-
siHio preparado, o melhor curativo o o nico
preservativo contra as AiieccSes den-
taria.
Irn^a Rae Murnerie, 3
n BORDAUX
Acha-tt em todat ai ooaj Parfumtriit, Pharmaoiat < Ongarlu.
Agenta Geral :
M < AMIWsV IsWIWWtVPW**********1
ELIXIR &VINH0
TROUETTE-PERRST
de PAPAINA (Pepsina vegetal)
sao os inais poderosos digestivos conhecidos at agora, para combaier as
AFFECQCES DO ESTOMAGO: GASTRITES, GASTRALGIAS
DIARREAS, VMITOS, PESO NO ESTOMAGO, M DIGEST0, ETC., ETC.
UM CLICE LOGO DEPOIS LA COMIDA BASTA PARA CURAR OS CASOS MAIS REBELDES
venda as principaes Pharmacias e Drogaras.
Venda era grosso ei Paris :TROVETTE-PERRET, boulevard Voltaire, 364
im se exigir o Sillo ti DlliO dos FABRICATIS sobre os Frascos para evitar as Falsifcales.
Depsitos em Pernambuco ; FRAN~ M. da silva e C- 9 as principaes pharmacias.
VI^A^^V^AA>SrSrVV^^VeViV^/erV'^#i^l%l ** r\$H0a%M
>VM
DE
WOLFF& C.
14BA DO CABA'! i
IV'esie muito eonheoldo estabeleeiateil-
to encontrar o respeltavel publico o mais
variada e completo sortimento de JOIAS
recebidas sempre directamente dos afelho-
res fabricantes da Bnropa, e qus primam
pelo apurado gosto do mando elegante.
Ricos aderecos completos, lindas pulsel-
ras, alflnetes, voltas de ouro cravejadas com
brilbantes, on perolas, anneis, cacoletas,
botoes e antros muitos artigos proprio
deste generes.
ESPE IALIADE
Em relogio de aura, prata e nickelados,
para homrns, senhoras e meninos dos mais
acreditados fabricantes da Europa e Ame-
rica.
Para todas os artigos desta casa garan*
le-s> a boa qualidade, assim como a modici-
dade nos precos que s&o sem competencia.
IV'csta easa tatnbem concerta-se qual-
quer obra de ouro ou praia e tambern relo-
gios de qualquer qualidade que seja.
* 4-Rua do Gabug4
-
JdddddHN^dbi-A.
O molrlor
PURGANTE '
o
y >TrovS^'ILA *"^"^"""C'WA *
O melhor
PURGANTE
o
0 PODE ROG
iPOUORE ROG)
legitimo sellado
com um rotulo
impresso em
QUATRO CORES
Toul fl .con
portant pu c*
Cacbd impiimi n qu-Ue
couleur detrs irt con
di comn.t Be si rtsfit p"s
da l;i f-ilriqu*
de rinet.teur.
PARS
HSo ha Purgante
algum que tenha
sabor mais agradare!
FABBIOA1
CasaL.FBERE
II, m Ja*, MU


8
INDUSTRU B ARTES
Diario de PeraambocoQuorta-feira 25 de Abril de 1888
O eprefo de oleo para acal-
Mar as agitar do mar
CONFERENCIA FEITA NA 80CD2DADE DE GEO-
GBAPHU DO BIO DE JANEIRO PELO 1.'
TENENTR DA ARMADA FREDEBICO COB-
BElA DA CA.XUKA.
(Da Revista Martima)
I
(Continusjo)
Esta reluctancia em aceitar um facto hoja
demonstrado scientfieamento e confirmado
por numerosas observares concordantes
careoe tanto mais de fundamento, quanto
certo qua outros factos, menos mpres-
sionaves, verdade, mas intimamente U
gados pela mesma causa -e effeitos ao phe
nomeno produzido par urna carnada de oleo
sobre o mar agitado, sao geralmente admit-
tides sem contestajao.
Quem desconhece, por exemplo, o til
emprego que fazcm os aguadeiros, de um
corpo leve, cm geral um disco fluotuante
de madeira, para impedir projecjBas d'agua
dos vasos que transportara?
Nao useiro na navegajo evitarse os
fortes combates das ondas duraute urna
corrida, por meio de um obstculo qual
quer urna vela, por exemplo, conveniente-
mente disposta a reboque do navio ?
Nao nos asseguram os navegadores e na-
turalista? qua, ao apparecerem os primei-
ros crystaes na superficie do ocano gla-
cial rtico, o mar acalma ? que, nos luga-
res onde as aguas aao lodosas, isto ende,
por accSo dos ventos e crreles que revol
vera o leito, o mar contendo partculas^ so
lides em suspensao, torna se mais c'.ao e
portauto roais favoravel navegajo 1 que
as ondas nvasoras, percursoras do oyetones,
e, om geral, aB vagas, nao se podem tor-
nar nos bancos de vasa molla? que o J/
natam (sargassum bacciferum), essa
estiolaia, ora amarella, ora
o mor de sarga
lativamente altura das que ae produzem
em tempo seoco, sob a aojo de ventoB
mais fracoa.
Taes cj5es ee podem explicar peto ar-
rastamento, para o interior, da masa li-
quida, das partculas superficiaes ao serem
chocadas pelas gottas de ebuva: produ-
zem-se entlo pequeas depressSes superfi
ciaes que difficultam e tornam irregulares
os movimentos de deslooamento das cama-
das Buperficiaes, e o resultado de tudo isto,
urna dminuijo de energia cintica e,
portanto, dimnuijao das agitanes do mar.
O segundo facto refere-se dependencia
que se tem observado entre a intensidade
dos effeitos do vento sobre a superfi-ie do
mar e o eetado bygroraetrico do ar.
A obaerva$ao de Ciald-de ser ornar
sempre maB tranquillo em tempo hmido
que em tempo secco ausceptivel de idn-
tica explicajo. A carnada de ar satura-
da de partculas de vapor em contacto com
a superficie do mar offerece urna infiaida-
de de superficies liquidas separadas por
envoltorios gazoaos, constitaindo assim um
systema cujo deslosameato relativamen-
te muito diffioil.
Estes ltimos faetoa mostram como quan-
tidades mnimas de energia cintica, urna
vez annulladas no acto de se produzirem,
iraped .-m a accumulajo da forja viva de
quesSosusceptive3 enormes massas d'aguu,
revelando ao mesmo tempo a influencia
que o estado, mais ou menos livre, da su-
perficie do mar exerce sobre os effntos do
vento.
Taes aito as considerases apresentadas
pelo Ilustre sabio para mostrar a exacti-
do de sua tbeori, mais urna voz confir-
mada polas applC8c,d"}S que passamos em
revista.
III
cus
vegetarlo
pardacenta que coustitue
jos o tem atravessaio seculas sem s dis
sipar, protege as aguas sobra as quaes
flucta, a despaito da aejao do* ventos e
corren te s !
Todos estes fictos o muitos outro3 en-
contrara perfeita expliciqao na theoria da
energia potencial das superficies^ Upadas
como, con
caso ontra: o retardamento da parte in-
ferior da oodulajao, devido ao eeu attrito
sobre o fundo.
a Cessando o vento, o primeiro phenome-
no se produz a o vagalbo que sole-
vanta tanto a grandes navios como a ira-
geis embarcares, fizendo-os jogar, mas
na) offerece perigo sano aes obstculos
fixos, como os diques e molhes contra os
quaes vem bater.
t Nenhum dos fastos recentemente ci-
tados parece provar urna aejao san-
sivel do oleo, espalhado na superficie do
mar, sobre estas ondulacSes ; e nao seria
prudente esperar que a experiencia mos-
trasse a realidade desta aojao antes de
procurar explioa-1-a pelo calculo T
O segundo phenomeno constitue a ar-
rebentajao (brisant]
t E' observado em alto mar, logo que
a brisa cornejo a soprar; torna-se senaivel
medida que ella refresca.
As euabaroBcS-'S respeitam-a tanto ao
iargo como as profundidades das costas,
quando as volutas das vagas ameajam
inuodal os. Os navios de alto bordo polea
recebar oa embates perigosos dessas va-
gas, aos quaes denominaragolpes de
niSo soffre a influencia em questao Como
mostrai, no trabalho de 8 de Agosto do
anno passado, apresontado Academia
Real da Balgioa, o vento produz as cama-
das superficiaes do mar um movimento
horizontal de translajao, o qual seulo auni-
oientemente prolongado, pode se commu
nicar a carnadas cada vez mais profundas
e propagar ao looga ondulares, talvez
mais pronunciadas. Eis porque se obser-
vaos muitas vezes, a grandes distanoias
das paragens em que o vento soprou, va-
gas acompanhadas da um doslooamento
sensivel no sentido horizontal, vagas con-
stituindo o vagalhSo.
O oleo exarca ioluaacia sobro o va-
tola justeza.. pondera o Sr.
Mensbrughe.
Com efftito, a aejao dos corpos flu:tuan
tes, pouco emergentes sobre a superficie
do mar, o portanto pouco influenciados pela
aejao do vento, comparavel que pro-
duz urna tenue carnada de oleo.
"Dado o escorregamento de um certo nu-
mero de carnadas sobre estas superficies
solidas, constituidas por substancias em
maior ou menor grao de divisao, resulta ne-
cessariamente urna perda de energia po-
tencial, e portanto produejao de forja viva
para as camadifs liquidas que se auperpu-
zeram ; mas, (e_ni consequenciu do empuxo
em sentdo contrario, exercido sobre os
corpos fluetuantes, estes .rfluem superfi-
cie ; a superposijo de carnadas liquidas
diminue por tal eflMto e impossivel torna-
so o accrescimo de forja viva, que forjo-
samente teria lugar si se reaUzaase o es
corregamento de um grande numero de oa-
madas su'cessivas. mmtm
Para concluir o exame dos phenomenoa
principaes que o Sr. Mensbrughe aposen-
ta como contraprova da exactidao de sua
theoria, o Ilustre belga considera dona ou-
tros factos importantes.
O primeiro a aejao oalmante exercida-|
por uro simples aguaceiro sobre a super-
ficie de um mar encap-llado, podendo-se
igualmente ligar a este facto o da pequea
altura das vagas em ocoasi3os de ehuva,
ro A theoria da energa potencial das su-
perfiaies liquidas, unnimemente aceita na
Academia Rial da Blgica, merecen do
vicealmirante Bourgois,da marinha de Fran
ja, a suscitajo de ama duvida, relativa-
mente natureza da agitajao que a effu-
sao do oleo pie acalmar.
Permitti, senhores, quo lea a seguinte
nota apresentada pelo iilustre almirante
Acadomia de Siien.-ias de Pariz, em ses
sao de 4 de Dezembro de 1882.
< A influencia exercida peto oleo, espa-
lhado sobre a Buperfijie de mar, para acal-
mar sua 8gitajao, parece boje oc:upar a
attenjao. O principio em que se funda
n3o aquer contestavel, mas os resultado:
praticos que podem decorrer constituem
objecto de seras duvidas, que os factos
recentemente annunciaios nSo diasipam
completamente (1).
< As testemunhss destes fictos omittem,
geralmente, precisar a natureza da agita-
jao que o oleo acalmara. Ha, entretanto,
urna distinojao a estabalecer entre os dous
phenomenoa cuja superposijao constitue a
onda ou vaga.
O primeiro e o mais importante, devi-
do agtajaa que produz as aguas at
urna grande profundidade, o movimento
orbitario das molculas liquidas, donde re-
sulta a sucoesaao das ondas que fere os
olhos; movimento produzido pela
vento, e que rauitas
distancia
das paragens em que o vento soprou, e
perdura depoisde ter este cessado.
a O segundo dessea pheuomenos o
movimento de translajSo horisontal das
partculas da superficie liquida ; quando
estas chegam rbita das vagas dessg-
gregam se sob o esforjo do vento e tomam,
por sua mistura com o ar, a c3r embran-
quijada da espuma. Cabera em seguida
adiante da crista sob forma de volutas, cu-
jas dimensi338 esto em relajao cam a forja
do vento e a altura das vagas. *
i O mesmo phenomeno se observa ain
da na ausencia do vento, quan lo o vagalbao
do largo vem arrebentsr sobre a praia,
difforindo somento- na causa que, neste
mar ; sobretuio se nao sao protegidos por
seu abatimento, que, agindo sobre o mar,
amortece a arrebentajao, deixando entra
tranto subsistir o vagalhao.
E' incontestavel que a presenja do oleo
ou de qualquer outra substancia viscosa
na superficie do mar pode impedir que as
partculas liquidas se deaaggreguem sob
a influencia do vento e, portento, que se
forme a arrebentajio. Um facto troqueo-
tomento observado pelos martimos nos tro-
picos fornece-nos urna prova irrecusavel.
A' noite, a phosphoresienoia das aguas re-
vela muitas vezes a presenja de grandes
maesas de substancias orgnicas, de ani-
mlculos que dio a easas aguas urna cohe-
rgre-
Tudo me leva a orer que nao exerce
influencia aiguma, a nao ser as proximi-
dades dos baixos e costas, por toda a par-
te, emfim, oude as carnadas aupirjiaes
plem escorregar urnas sobre as outras,
e, portanto, desenvolverse como vagas
produzidas pela aejao do vento.
< Agradejo ao almirante Bourgois quan-
to & prova tirada da phosphorencia das
aguas tropicaes ; somonte attribuo a calma
relativa das porjoos phosphorescentes, nao
a um augmento de cohesSo d'agua, mas
simplesmente ao obstculo que os innme-
ros animlculos fiuctuantes, offereoem ao
escorregamento das carnadas superficiaes
nossoa u. ,
aejao prolongada do
vezes se propaga a muito grande
sao maior e oppoem-se assim a
gajao das partculas de sua superficie.
Entlo a esteira do navio, luminosa durante
a noite, nao produz mais durante o dia es-
puma eabrsnquijada. As vagas nao mais
arrebentam e o navio, seja qual for 3ua
velooidade, desusa Bobre o mar, sem quasi
deixsr vestigios de ?ua paasagem.
c A presenja de urna materia oleosa na
superficie do mar tem, pois, effjito certo
para impedir, nao a formajao das ondas,
ojas sua arrebentajao.
f Dentro de qu-i limites esta proprieda-
de pode ser utiliaada no int-resse dos na-
vegadores ? E' o que a experiencia ainda
nao en8nou. Era todo caso, para que ella
seja fructuosa, indispensavel que os ex
perimentadores observem e ajam conhe-
cer claram*nte a natureza da agitajao
acalmada, a onda ou a arrebentajao.
t A prmeira desafiar, talvez sempre,
os seus esfor jos. A segunda parece menos
diffil de ser dominada e a natureza no
vasto laboratorio dos mares tropicaes disto
fornece prova irrecusavel.
A questao qus o iilustre almirante deso-
jara ver realisada, antes de ser submettida
ao calculo, urna das que em" 1775 foram
suscitadas por Van Lslivold, em seu inte-
ressante opsculo sobre a efueSo do oleo
para diminuir os perigos no mar.
Sando este o principio dos quesitoa que
o benemrito hollandez em s?u opusoulo
propoa aoa philosophos e profissionaes, of-
ferecendo um premio de GO ducados ou
urna medalha de igual valor ao melhor
trabalho que sobre o assumpto fosse apre-
sentado, nada mais natural do que lem
brar urna questao que ao almirante Bour-
gois pareca nao ter sido distinguida as
novas investgajSas do Sr. Monsbrughe.
O iilustre acadmico nao se fez esperar
e em seasao da Aoademia de Pariz de 2
de Janeiro de 1883, responde nota do
almirante Bourgois nos seguintes termos :
Agradejo ao almirante Bourgo3 o
proporcionar me occasiao de precisar urna
vez mais qual do3 dous phenonrnos onda
oa arrebentajao o que em minha opi-
das aguas, urna sobre xa outras ; eis por
que, creio eu, nSo se obsarva arrebenta-
jao nessas paragens.
" c Termino declarando que seria muito
til fazer por toda parte experiencias de
venfioajao j certameate o fin que se tara
em vista asss importante, porquanto a
sociedade inteira interessada no bom xi-
to dos ensaios que se tentarem.
Dapois do quaato fioa exposto sobre o
estado raec&nioo e physico das acjoos pro-
ducidas pola effusao do oleo sobre superfi-
cies liquidas postas em agitajao por urna
causa qualquer, restaos, ainda succiata-
raente, examinar os resultados pratico3 ob
tidos posteriormente aos trabilhos do Sr.
Mensbragbe.
Era ao almirante Clou que e3Uva re-
servada, na Academia de Sciencias de Pa-
riz, a paciente e p3raevcrauto tarefa de
colligir e examinar numerosos ralatorios
sobra o emprego do oleo fio mar.
Depois de reunir 203 ralator03 de ex-
periencias feitas durante o mo tempo e
em diversas circumstaacias, apresentou
Academia, em sesaao de 5 de Jucho ulti
mo, o resultado de um attanto e3tudo que
Co
a altivez e valor das matronas gaulezaa
belleza e frescura das Venus gregas.
Iutelligenoia superior, entrega-se ao es-
tado com esta s le de saber que caracte-
riza os seres pensadores ; e para .ella tem
mais attraotivos um problema algbrico, ou
urna formula de chimios, do que todos os
bailes e Bermejas que possam haver. Ex-
caotrioa como urna ingleza, ninguem Ihe
conhece ao certo os hbitos.
Ora viaja como um homem, arruma a
sua bagagem, toma"o oaminho da ferro,
ou passagem a bordo d'um vapor qualquer
e eil-a a correr mundo, n'uma febre de
tourisd fazendo tonda onde chega, en
chendo o seu budget de notas eimpresso'es
e"dando largas ao seu genio capmhoso e
aventureiro.
Outras vezes enoerra-se das inteirosjno
seu gabinete de estuio e em luta aborta
com a scieniia, arranca lhe os seus mais
bellos aegredos.
Discute com frieza e precsao as tbeo-
rias de Bichat, cita Littre e Haackel como
seus velhos conbeoidos; recita os tercettos
de Dante, ou os sonetos de GuimarSos J-
nior ou Gonjalvea Crespo ; repete os tre-
chos da duvida do Garalet de Shakspeare;
ataca triamente a escola sataniza de Alva-
res de Azevedo, e o lyrismo ertico de
Alfredo de llusset ; conversa sobre arte
como qualquer artista, cita Miguel Angelo
o resultado de um attanto e3tudo
Rvue maritime t
vem transcripto na
loniale.
Dos 203 relatorios examinados, 180 re-
farem-se a exparienas feitas em navios
da longo curso, 18 a salvavidas o outras
embaroaj5as e cinco- a experiencias realisa-
das em diversos portos da Inglaterra.
Nao abusarei da vossa conlesceadenaia
apresentando-vo8 um extracto completo da
memoria do almirante Clou, mas perraitt-
reis, poro, quo lea quatro dos inters-
santas relatorios que illuatraram e3sa me-
moria.
O mais aotigo dos ralatorio3 refara-se
escuna aonnoana May Flotaer, que em
Setembro de 1817, acossada por um vio
lanto furacSo as Autilhas, pero de Ane-
gada, ja havia desmastreado.
(Continuar-seha)
rOLHETIM
TESTAMENTO 7BSMELH0
POR
XAVIbR DE MONTEPIN
PRlMEaaV PARTE
LITTERATURA
k FADA DDS SALG-USIRQS
(Continuajaa do n. 94)
XLVIII
Os trabalhadores, como sabaGioa, toma-
raro cont do socavSo e do pavimento-ter-
reo da C38a de campo no mesmo da da
partida de Angela e do casal alsaciano.
Martha tiuha de certo saudades da sua
ai.va amiga, que se mostrara muito boa
p&ra ella e estimava-a sinceramente, mas
nao ae aborreca e sobretodo nao se assus-
tava'de modo algum com o seu iso'amento
qaasi completo, porque a bus criada imprc-
visada tiaha em Crteil um namorado e
passfva no caatello o menos tempo possi-
vel, preparando e servindo o atmojo e o
jantar a toda a pressa e desapparecendo
depois.
Martha percorria o pequeo parque, pas-
suiava s vezes al aideia vizinba, visi-
tav& os trabalhos dos operarios, e, quando-
oauia a tarde, pegava em um livro, senta-
va so n'um banco rustico sombra de um
grnpo de c&stanheiros e comejava urna lei-
tura, que interrompia logo para pensar na
sua nova existencia.
Nunsa acudir a mais ligeira duvida
me me da moja sobre o affcito de que lhe
dava provas o seu protector,, o Dr. Thomp-
son. l&^iaBflat
Acrcditava cegamente na fbula inven-
tada por Jacques Lsgarde, e que j coa-
tamos.
Trr :ava-se de urna semerhanja prod-
g;osa entre Martha e ama filha que elle
havia peidido.
Como poderia suspeitar que isso fosse
urna oentira ?
O facto em si nao offereei| aanhuma n-
verosimilhanja, e, alm disto, Angela, a
quem haviam communioado tudo immedia-
tamene, o tinha coafirmado.
Demais, todos que a rodeavam manfes-
Uvam lhe muito affecto e sympatbia.
Ceroavam-n'a de carnhos, de attenjSes.
Gozava de complata liberdade.
Nunca a menor palavra que pod'sse of-
fender-lhe o pudor e a alma virginal tinha
sido pronunciada na sua presenja.
Sentase feliz e recolhia-se por aaaim
dizer na sua felicidade, agradeeendo a
Deus o haver-lhe enviado exactamente no
momento em que desesperava do futuro.
A essa felicidade faltava apenas urna
cousa : era a poasibilidade de partilhal-a
com sua mai, que ella idolatrava e cu jos
carinhos nenhum affecto estranho poderia
jamis substituir.
Muitas vazes, quasi sempra, pensava na
pobre Perin...
Ento o sen corajao, de sbito enluta-
do, transbordava e ella desatava em pran-
tos...
Mas enxugava rpidamente as lagrimas,
com receio de que o Dr. Thompson per-
cebesse que ella tinha os olhos verme-
Ihos.
Elle prohib>ra-lhe expressamente de pen-
sar no paseado.
Quera obedecer : quando, porra, o seu
espirito transportava-se inconscientemente
para esse passado, lembrava-se so mesmo
tempo das grandes esperanjas, das eape-
ranjas do futuro, de que tantas vezes lhe
fallava a mai.
Pensava naquclla fortuna roysteriosa, va-
gamente entrevista, e cujas acintillajSas
Perin apresentava aos seus olbos. I
Pensava naquelfa medalha, especie de
talismn, que* de va ser para ella, como nos
eontos orientaos, o Sezamo, brete l de no-
va existencia.
Daquella medalba ainda nao tinha folla-
do .' o Dr. Thompson.
Promettia a si raesma, verdade, f<.zer-
lbe as bu>s confidencias a tal respeito, afim
de qus elle lhe fornecesse os meios de ret
rar do monto de Boccorro de Joigay o pre-
cioso disco de onro, mas adiava constante-
mente essas confidencias.
Esperarei que' o doutor conheja-me
Esther
Esther tem 25 annos. Da urna carnajao
forte e sadia, tez alva como a de urna in-
gle za, cabellos pretos, bastos e sedosos,
na pintura, admira Cellin oomo esculptor,
solfeja trechos da Africana de Mayebeer,
executa ao piano, como mestra as valsas
de Cbopin e as s matas de Beethoven; en-
thusasma-3e ao citar trechos da litteratura
de Vctor Hugo, Castellar ; e daita dous
dedos de poltica, como se Gladstone e Na-
buco, Crisp e Gabatta (ossem seus nti-
mos.
O j'.res vezes sala s escondidas de casa,
com o seu vestido do va'ludo negro, afo-
gada em um ampia capa de gorgorao pra
to, e desee aos bairros da miseria, derra-
mando consolajoes e enxugando as lagri-
mas dos pobres, 03 seus amigos, como ella
diz.
Artista a mulher, tora as delicadezas de
sea sexo e 33 loucuras divinas da arte.
Bohemia, se assim me posso exprimir,
enoara a vida framente, como um comple-
xo de funoj3e3 orgnicas cujo limita natu
ral a morte ; d o verdadeiro aom a
cousas e considera os homens como un3
tolos, por se apr3onar3m rpidamente a
um olhar meigo, ou aferrolharem ao pes
cojo as gargtlheiras do casamento ao pri-
meiro meneio adocicado de qualqu;r mu-
lher bonita.
Celibataria, enrag, conaidera o casa-
mento como um carcera perpetuo a cujas
portas se acabara asprajSas e glorias ; e
diz que jamis perder a sua liberdade de
moja solteira.
Faz varso3, moldando os n'nmas formas
cheias de rendhados tinos e primorosos e
tem sonetos filagranados, de um acabamen
to magistral.
Ioteiramente livre em materia de rel-
gi3o, afrodita somonte em Deus, onten-
dendo-o atravez da natureza em todaa as
suas maoifestajoas.
De urna verve irreaistivel, deita sempre
espirito em urna palestra, por mais prolon-
gada que sej, e faz calembourgs, como
urna parisiense.
Ella sa me augura um ponto luminoso
n'um circulo de trevas; sua figura radiosa
de mulher se esbato entre as sombras de
nossa sociedade rachitica i brilha intensa-
mente, com as irradajSas quintes e ru-
bras do sol do equador.
LaLBA DA FONSECA.
Eu fui a flor que se finando estava,
Olhando o co, pedindo-lbe guarida ;
Tu foste o orvalho que a minh'alma lava,
Ergui-me forte ; tendo nova vid.
So o oamiuheiro vai, por noite escara,
Sem rumo oerto -nuvem nos espajos,
Vagando a esmo ; tem no co a pura
Luz das estrellas p'ra guiar-lhe os pasaos.
Eu, caminheiro, a pelo mundo
Sem luz, sem norte, sem roteiro ou guia,
Tu me salvaste d'um soffrer profundo,
Me foste a estrella que boje me alumia.
Rojam-se as almas nos abysmos tredos,
Dos desgrajados, qua nao vera os caos ;
Mas Deus tem anjos que lhe apontam ledos
Da F da Esp'ranja os luminosos veos.
Minh'alma estava, a revolverse toda
No abysrao tredo, em negros eaoarcos.
Iodo sem rumo peto mmndo, douda...
Tu foBte o anjo que apontou-lhe os cos.
Orialhobanhas a minh'alma ardente,
Sstrallaguias sj meua pissos dubirs ;
Anjome dste a santa f clemente
N'um riso paro de teus labios rubros.
Mas nanea saibas qus em meu peito mora
Este martyrio que me couba em sorta
Tu queres luz a rubra luz da aurora,
Eu busco a trova, o eterno somno, a morte.

/^
Abril 19.
Laura da Fonseca.
VARIEDADES
Logogripkos
E' de pao ; e nao, de ferro.t, 6, 3, 4.
Nao de fogo; dagas, .5, 2, 7.
Ora canta o miserere,
Outr'ora o libera me.
2-
E' da msica urna nota,1, 6.
Que attrahindo, engaaa, e prende.3, 4, 5, 2.
Sendo, embora, imperceptivel,
Tosta, queima, innamma, acende.
3-
E' urna parte do corpo,1,2.
Que p'ra a pesca, se diapoe.3, 4, 5, 6.
Da vista, desapp^reee,
Tudo, que ae lhe transpoe.
E' nma parte do corpo,1, 2.
Q'ie p'ra a pesca, se diapoe.3, 4, 5, 6.
Da vista, desappareae,
Tada que se lhe tranepe.
As dicifracoes desae3 logogriphos sao as meamas
das s gaintea:
CHARADAS

olhos ngfa
vivos e brilhantes, pescojo
melhor, dizia comsigo, e que eu mereja
realmente confiaeja e o affecto de que
elle me d provas... Nao me ha de dei-
xar sem nenhum diuheiro, es'ou cierta .
Por menos que eu faja e por menores que
sejam es meus servigo*. elle os ha do re-
munerar. .. aonomisarei, e, quando pu-
der resgatar essa medalha, -jnostral-a-hei
dizendo-lha qaal o segredo qu ella encer-
ra...
Em summa, a meiga e encantadora
creatura viva tranquilla quanto ao futuro
e oheia de sympathia para os que a rolaa-
vam.
Convencida de que o Dr. Thompson pos-
suia avultada fortuna, o fim da sua via-
gem e da sua mudanja para Pariz parecia-
lhe nao s natural, mas tambem digno dos
maiores elogios, porque ella estava persua-
dida do que elle ia por ao servijo de todos
a sua sciencia do medico, nao peto desejo
de lucro, mas por humanidade.
O seu protector inspirava lhe urna admi-
rajSo sem reservas, urna coafianja llimi
tada, e essa confianja era levada a tao alto
grao, que ella nem se admirava dos traba.
Ihos, entretanto bem singulares, que elle
mandava executar no castelto.
Contentava-8e com pensar : o doutor
americano, e 03 americanos tem todos, ao
que parece, certa dse de excentrcida-
de... Mas, se excntrico, aso pro
prio da raja, e nem por isso dexa de ser
o melhor dos homens. Tudo quanto faz
-lhe dictado peto corajao.
Estas pequeas explicajoes sao necesaa-
riaB para que oa nossos leitores corapre-
hendam bem que sontimentos de confianja,
de estima e de affecto nutria pelo seu pro-
tector a filha de Perin Grandchamp.
Voltemos a Paulo Fromental, o que po
demos fazer sem nos afastarmos do Peque-
no Caatello.
Paulo fora morar com a velha criada na
casinha alugada pelo pai.
Magdalena, muito activa, apezar da sua
idade, puzeta rpidamente tudo em ordeno,
perguntando onde poderla ir fazer as cora
pras, e logo no dia seguinte da chegada
a Port-Grteil terse-hia julgido que havh
muito que Paulo morava all.
Conforme as ordena dadas pslo volho
Fromental, Magdalena fora procurar o do-
no da casa de pasto da ilba, que lhe forne
cera alguna oestos do vinho velbo de Bur-
deos para o uso de Paulo, e para ella pro-
pria um vinho3to nada desagr idavel e mu
to barato.
Afastmlo so de Pariz, de improvisa.
Pauto nao tivera tempo de catar com o sea
amigo B'abio de Cbatelux.
Por isso esoreveu-lhe logo no dia segua-
te de manbS, afim de Ibe explicar os moti
vos da sua partida repentina, dizer-lne on-
de estava e convidal-o a ir visitul-o o mais
breve possivel, oonvenaido de que elle cor-
respondera sem demora ao seu convite.
Para ir deitar a sua carta no correio,
Paulo tinha que atravesaar o Mamo e diri-
gir a i para Saint-Maurlea-Fosss, on >e
acbava se a caixa ma3 prxima.
Vou em bote, Magdalena, dase elle
velba criada. Depois do mea passeio,
irei ler um bocado debaixo das arvores.
torneado, eolio negante e solevantado,
roaos do rainha e pos do fada ; ella nos
traz memoria urna dessas estatuas, pri-
mor d'arte da estatuaria antiga, rounind o
Ler I repeto Magdelna. Santo Deus 1
Para que ?
Para distrabir-me, nada mais.
NSo, nao, deixemoa de leituras t O
senhor prometteu a seu pai nao trabalbar...
E' preciso cumprir a 3ua proraessa.
Mas redarguio Paulo sorrindo, nao
posso estar sem tazer cousa aiguma desde
pela manhS at noite... Viria a morrer
de aborrecimonto. ... E' preciso que faja
aiguma cousa....
__ Faja o que quizer, comtanto que nao
seja fatigar o cerebro. Todos os seus li-
vros do grego, latim, geometra, do3 quaes
nao eutendo nem patavina, nao sarvem se-
n5o para transtornar o espirito e o cor-
pa I.. Nada disto I...
Nasse caso, diga-sie *o que quo
posso fazer.
Qualque,r coasa... o qa3 quizar...
__ Nao me "acode cousa aiguma ao es-
pirito...
Olhe, v pesca e veja .se nos ar-
renja peixa para o jantar de hoje.
E' verdade I tena razo, exolamou
Paulo, mnito contente. Vou a Saiot-Maur.
Hei de sem duvida encontrar l urna toja
de apetreohos de pesca... Comprarei o
que for neceasario e irei pascar a anzol.. .
Ora grajas 1 E' cousa que nao lhe ha
de cansar a imaginajao. Mas, sobretado,
Blmas
Se a rosa lomba emmurebecida, falta
Da gotta d'agua que lhe torne vida ;
Deus manda o orvalho que a corolla esmalta,
Recobra cr?s e eil-a em breve erguida.
E' de pao ; e uao de ferro. 2,eyllabas.
NSo de fogo ; d'agua, .2 eyllabas.
Ora canta o mitere,
Outr'ora, o ibera me.
2
E', da msica, ama nota,1 ajilaba.
Que attrahindo, engaa, e prende.2 syllaba.
Sendo embora, inperceptivel,
Tosta, queirrn, inflama, acende.
E' urna parte do corpo,1 syllabas.
Que p'ra a pesca se dispoj2 sylUbas.
Da vista, deaapparece, _
Tudo, que se lhetranspoe.
E' ama parte do corpo,1 gylluba.
Qae p'ra a pesca, se dispe.-2 Byllabas.
Da vista desappareee,
Tudo, que se lhe transp5e.
Trigo de Loureiro.

tome cuidado de nto aa expor ao sol ; se-
ria o Buffijiento para produzir-lhe ama fe-
Nao ha pf-rigo que eu apanhe sol. Co-
abejo um lindo cantinho do Mamo, abri-
gado dos raioB solares. Anarrarei all o
meu bota debaixo dos salgumros, e hei de
fazer uina pescara enorme I...
Eat certo diaso ?
Ora se cstou I...
Nesse caso, nao prenso comprar na-
da para o jantar, diaae Magdalena rindo.
O peixa ha do chegar.
L isso nSo, replicou Pauto rindo
tambera, correramos o risco de fioar em
jajum!... Compra! compra! o peixe se-
r um extraordinario.
O mojo sabio muito satifeito.
Pratico em manejar os ramos, ohegou
em alguna momentos margem opposta do
ro.. ,
Amarrn o boto em um pequeo orajo
Uvadeiras, e, pulando p*ra a nbanaeira,
foi lastamente deitar a carta na caixa pr-
xima oasa de pasto da ilha.
O propriatario, em p na porta, conver-
8va com um hornera do lugar ; reoonhe-
cendo o mojo por tel-o visto alraojar no
seu e8tabeleoimento, comprimentou o.
Pauto approximou-se delle.
Meu caro senhor, disse-lhe elle, quer
prestar-me um servijo ?
Com todo o prazer. De que se tra-
ta ?
De dizer-me onde poderei encontrar
um vendedor de apetrechos da pesca.
Mesmo no fim daquella ra que all
vi... O pai Tardiff ; a taboleta Ao tu-
rnlo dos brdalos. .. O senhor quer ver
ento se pesca aiguma cousa ?
E' verdade.... para matar o tem-
po.. .
Nao apanhe tudo... O Fuinha fija-
ra zangado co meigo.
Quem vem a ser o Fuinha ? pergun-
tou Paulo.
Urna especie de philosopho esfarra*
pado... um pescador de forja... um ca-
jador contrabandista de agua doce. .. Nin-
guem o vence no que respeita pesca...
Se elle nao apanha nada em um lagar,
porque nesse lagar na ba nada qu> apa-
nbar... E' um grande finorio I Afina!,
um pobre diabo. Compro lhe o peixe raui-
tas vezes... Se o senhor fioar algnm tem-
po por aqui e frequentar o ro, ha de vir
a conhecel-o.
J que elle assim to hbil, hei de
pedir-lhe que me d lijSea.
Oh! elle o far de boa vontade,
sobretuio se houver urna garrafa de vinho
branoo no fim da lijo.
Paulo agradeceu ao propriotario da casa
de pasto e dirigio-se para o Tmulo dos
brdalos, casa do.pai Tariiff, o vendedor
de apetrechos de pesca.
All fez as suas compras s voltou para
o bote, manido de urna pequana rede para
pescar, de urna canna, de urna rede para
g'iardar o peine, linhas e ama caixinha
cora verraas.
Collocou tudo no fundo da embarcajo,
desamarrou o cabo, pegou nos remos,
col-
locou os nos toletes e deixou 33 arrastar
lentamente" pela corrente muito branda no
brajo do rio que eingia um dos lados da
propriedade comprada por Jacques Lagar-
de sob o pseudonyrao do Dr. Tbompson.
Cost'oa a margem e foi amarrar de no-
vo o bote dobaxo de um salgueiro euorme
qua projectava sobro aa aguas verdes a
sua sombra trmula e era dominado por
um grttpo de tres castaaheiros alt03 de flo-
res c6r de rosa, cuja folh3gam espassa, en-
chia de sombra, mesmo ao meio dia, um
banco de jardim.
Salgueiro, castanheiro e banco rustico
pertanciam ao parque do Pequeo Caa-
tello.
O mojo preparou a lnha, poz isa nos
anes, verificou a profandidade d agua
com orna pequen sonda de chambo presa
a um barbante guarnecido de cortijo o,
asto continuo, atirou na frente do bote al-
guna vermes, deitando depois a lnha n'a-
Sua-
Paulo estava longe de conhecer a fundo
todos os aegredos da pesca.
Poda e devia passar por simples ama-
dor, absolutamente destituido de pratica,
mas estava em um bora lugar, rodeado de
hervas altas, o que era muito favor* vel pa-
ra a pesca.
Apanhou seguidamente alguna cypunos,
que metteu ainda vivos na rede pendurada
a um dos toletes do bote.
Este bom xito fcil dvertia-o e deu-lne
os prmeiros elementos da paoiencia, indis-
pensavel a todo pes'ador a anzol, a quem
um gracejador, antes perverso do que chis-
toso, atirou eate "epigramma ferino, ma3
era sempre merecido :
A linha um instrumento oom duas
pontas. Em ama das pontas ha um an-
zol, na outra ura imbcil.
Paulo divertia-se.
Era o essencial.
Os cyprinos coatnuevam a morder.
Elle puxava, tira va, desprendaos e mai
tinha tempo para deitar as suas prazas den-
tro da rede.
Ae cabo de duas horas de paciencia ti-
nha um lote de peixe bastante razoavel.
Olhou para o relogto.
0 pontero3 marcavam apenas tres ho-
ras.
Nunca janto antes das seto, dissa
elle comsigo ; comtanto que esteja era ca-
sa s seis, o quanto basta. Magdalena
ter tempo de sobra para preparar o nosso
peixe. Como ella vai ficar sorprendida '.
Tacto mais quanto daqui at l poera du-
plicar a miuba pescara .
E poz-se de ro#o a pescar, djpai de
ter atrado mais vermes agua.
O tempo estava e3piiudido.
O soi dardejava os seus raios sobre o
rio como freehas d fogo; Paulo a-hva-
s", porm, em urna atraosphera relativa-
mente rasea, no meio de um sombra
transparente.
Sdencoao, embrido, acompanhava com
immenso nteresse, qu*si com eraojao, os
menores movimentos do Aguador da li-
,' Morda ou nao morda.
Esta smpl-s pegunta tiuha .para elle
uma gr-mde importancia.
Abs'rto desta forma, n5o ouvir.om_U-
do Pe-
g-iro mxer das harvas no parque do ro-
queo Castcllo, nem to poued passos le-
*eg (Contmwtr st-ha)
Typ. do Di' rio ra Duque de Oftias n. 42.






1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED8AHRSH2_8CFKAC INGEST_TIME 2014-05-28T00:24:24Z PACKAGE AA00011611_16661
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES