Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16612


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-*r
ANNO LU HUMERO 143
A
f AK. A Por lies mezes adiantadoa ... ........ 6^000
Por seis ditos idem...... ......... IStfQOO
Por um anuo ideaa................. 24(J000
Cada Quinero avulso, do mesmo da......... 100
DIARIO DE
WA-MBA 24 BE JIBO DE 1886
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantadoa.....
Por aove ditos idem.......
Por um anno dem.......
Cada numero avulso, de dias aateriores.
135C0
204000
27*000
NAMB
Iflxoyxitalbt ir* Jtlaiwel Jifiurira i>* Jara & JiUja*
TELEGRAMMAS
I


"
RIO DE JANEIRO, 23 de Junho, s
4 horas da tarde. (Racebido s 5 hora8
c 15 minutos da tarde, polo cabo subma*
rio).
* O Senado approvou honlem en *.a
dlscuss&o e boje ena 3.a dlMcuwnao a
resolucfto prorocando o actual or_
menlo por I mesen do exerclclo
vindouro.
O mesmo Senado rejelton. em 3.*
Itscussao o projeclo de reforma mu-
nicipal.
A Cmara approvou hoje em ?.'
discusso o orc-uincnlo do Minale rii
de Ealrangelros. e enea tratando da
%.' dtscUNsiio do (irrami-nio do Ml-
nlsterio da lastira.
:sa7:j: iu g-shcia ams
(Especial para o Diario)
PARS, 22 de Jualio.
Senado volon o projeclo de le
sobre a expulsao dos pretendenlea
em nenbuma moiiiilcacao e por 141
contra io votos.
NEW-YORK, 22 de Junho, tardo.
i alli a importante caaa commer-
clal de noaaa praca II. H. Swift A C.
PARS, 23 de Junbo, de manh.
O JORNAL OFFICIAL desta manba
publica a promulgaco da lei refe-
rente aoa pretendentes.
LONDRES, 23 de Junho.
Os Jornaes Ingleses critican a po-
ltica do governo n-ances relativa
s medidas votadas pelas cmaras
contra os principes franceses.
PARS, 23 de Junho, ao meio dia.
Em consecuencia da adopeo pelas
cmaras do projecto de le contra oa
pretendenlea. o Conde de Pars par-
tira amanba para a Inglaterra i o
principe Jerooymo "Napolco parti-
r boje mesmo para a Sulasat e o
principe Vctor, fllbo do principe Je-
ronvmo. val para Bruxellas.
LISBOA, 23 de Junho, s 3 horas e 25
minutos da tarde.
Parte boje para o sen destin), no
paquete francs NIGER, o novo mi-
nistril de Portugal no Rio de Ja-
neiro.
Agencia Hars, filial em Pernambuco,
23 de Juoiio de 1886.
IHSTRDCCiO POPULAR
MYTHULOGJA
( h'jiirnhido
OA BIBMOTUKCA DO POVO
)
E DAS ESCOLAS
Pan t- a divlndadea campestrea
aire timo a nymplm Pittbys : d'e8ta se diz que lora
aensivel os ^alanteios d Pan,mas que Breas
(om dos Ventos) apaxonando-se tambem poi ella
e i idignando-se por ver a preferencia concedida a
sen rival, se vingra da nympha raptando- i vio-
lentamente, a'um rodomoinbo, em que a desven
turada Pitlhya veio a morrer feita pedacos ao es-
barrar de encontr a um roefaedo. Metamorphosea-
ram-n'a os deuses em pinheiro, e o ssudoso Pan
ficou d ahi por diante costumando, cm commeino-
racao, coroar-se com rjmos verdes d'aqueila ar-
?ore.
Em honra de Pan celebravam os Romanos as
Lupercaes,festas, em que os sacerdotal do dens
percorriam as raas da cidade envoJtos em pelles
4e bode e Labras, que previamente haviam immo-
lado, e armados de ltigos coa que fustigavam
toda a gente que em s>-u transito eacontras9em.
Alm dos bodes e cabras que Ibes Immelava, o
paganismo depoaitava tambem nos altares de Pan
offertas de leite e mel.
(Contina)
?ARTE OFflCM
Governo da Provincia
EXPEDD3KTB DO DIA 9 DE JCSHO DE 1886
Actos:
0 vice-presidente da provincia, de couformi-
dade com a proposta do Dr. ?hefe de polica, em
oficio d. 565, de 4 do corrente mez, resolve, por
eonveniencia do servico publico, crear um datri-
tto de delegacia no termo de Panchas, eom a de-
nominaco de Lagoa dos Gatos, o qual se oompor
do districto desta denominado abrangenJ.) parte
do de Panellas, principiando pela estrada de Umbo-
seiro, a sahir em Sitio Novo e Copira, seguin 10
pela estrada de Serrote liso, e d'ahi em liaba recta
at o serrote do finado Joosinho as tres Lagoss,
a d'ahi sempre em linha at o serrote do Sa'gadj,
seguindo pelo cume do mesmo serrote a ene mtrar
a estrada que vai para o engeuho Inga de 1 laro-
lino Cavalcante, seguindo d'abi pela estrada a en-
contrar o districto de Sao Benedicta.
O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chefe de polica em
fficio n. 5, de 4 do corrente mez, resolve no
teen te Antonio Francisco de Assis Per ti
ra e cidadlo Joao Pernandea da Costa, Aitoni 'otaria eqadTello 2*-'da mesma arma.
Francisco da Silva Vierae Pdro Manoel de As-
sumpeo para os cargo.] de delegado, 1, 2o e 3o
suplientes do districto de Alagoa de Gatos do
termo de Panellas. Commuaicou-se ao Dr. chefe
de polica.
O vice-presidente da prmincia, ateodendo
ao que requereu o guarda da Casa de Deteneo
Jeronymo dr llolltnda Cavalcanto de Albuquer-
bue Jnior e de accordo com a inforrnacao do Dr.
ebefe de polica resolve conceder-lbe tres inezcs
de licenca, com vencimeutos na forma da lei, para
tratar de sua situde ; devendo o peticionario en-
trar no gozo da referida liecnca n praso de 15
dias.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o 2 c rurgio do corpo de saude
do xercito, Dr. Joo Alexanlre de Scixas, e tendo
em vista a inforrnacao do brigadeiro commsndante
das armas, de 7 do corrente, n. 302, resolve, con-
ceder-the licenca por dous mezes, na forma da le,
afim de conduzir atea provincia da Babia sua mu -
Iber que se acha affectada de b riberi.
O vice-presidente da provincia, atteodendo
ao que requereu Grata Candida de Alcntara
Couto, professora da cadeira de ensino primario de
Macapa, e tendo em vis a a intorraaco n. 162 de
21 de Maio finio do inspector geral da Instruc-
cao Publica e o parecer da junta medica provin-
cial, resolve prorogar por dous meses, cora orde-
nado, a licenc ltimamente concedida peticio-
naria para tratar de sua saude un de I he convier.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que lequerea Mara Antonia da Costa, profes-
sora da cideira de eusioo primario de Tacarat,
tendo em vista a inforrnacao n. 157 de 20 de Maio
fiudo do inspector geral da Iastruccao Publica e
o parecer da junta medica provincial, resolve con-
ceder peticionaria 90 dias de liecnca para tra-
tar se, sendo 60 com ordenado e 30 com a metade
do ordenado.
Oficios :
Ao commandantc das armas. Srva-se V.
Exc. ie expedir suss ordens para que boje as 4
horas Ha tarde se acbe postada em frente ao CVtni-
terio Publico desta cidade a fa-oa precisa, afim
de fater as honras devidas ao oBcial da ordem da
Haza, coronel reformado da Guarda Nacional, De-
co de Aquine Fonseca, por occasiao de ser dado
seu cadver a sepultara.
Ao a urna requisicao da presidencia da provincia do
Rio de Janeiro rogo a V. Exc. Revma. se digne
de providenciar em ordem a serme enviada nina
certido de bito do tenento honorario Joo Deo-
clecio da Silva Panla, que segundo consta, falle-
cen na paruchia de N. S. das Dores de Triumpho
(Baixa VerdeJ.
Ao conselbeiro presidente do Tribunal da Re-
cife. Tendo sida suscitado por esta presidencia
em 1880 um conflicto de attribuicoes, anda heje
pendente de resolucao do governo imperial, a pro-
posito de urna accao que Peana, Mtta & C. pre-
tendan) intentar perante o juiz do civel do Re-
cife relativameute ao assonipto de um contracto
para limpeza e asseie da cidade e consUndo-me
que pende de deciso (f esse Tribunai urna questao
sobre assumpto idntico, rogo a V. Exc. se digne
de prestarme a respeito com a possivel brevdade,
os*esclarecimentos que estiver m a seu alcance.
Ao desenbargador Jos Manoel de Freitas,
juiz do 5* districto criminal.Para poder resolver
sobre o conteudo de seu oficio de 7 do corrente,
convm que V. Exc. remetta-me com urgencia urna
copia autbentiza das revisoes de 1882 al a de
1885, do alistamento eleitoral da paroebia do Poca
da Panella, que nao foram dirigidas a esta presi-
dencia, com indicacao, alm dos uoraes dos eleito
res, por ordem alphabetica em cada qnajrteirao,
da idade, filacio, estado, profissas, domicilio, in-
struccao, renda c data da revisto, de conformida-
de com o modelo n. 1, 1* parte, annexa ao regu-
lamento de 13 de Agosto de 1881.
Mutatis matan/Vi ao juiz de direito do 2*
districto criminal de Santo Antonio.
Ao inspector da Thesourara de Fazenda.
4o capitilo Pedro Velho de S Barreto e aoalferes
Olympio Agibar de Oliveira. este do 14 bntalh)
de iipmlmiii e aquel le do 2 da mesma arma, os
qoaes desiacam para o presidio de Fernando de
Noronha, mande V. S. ajastar cuntas.
Ao m"s.mo.Devol vendo as 16 propostas que
acompanharam o seu oficio n. 369, de 1 do cr-
rente, recommendo-lhe que mande lavrar termo de
contrato com os commerciantes que concorreram e
foram preferidos pela junta de fazenda, do forne-
cimento de gneros alimenticios e differentes arti-
gos destinados ao abastecimento do almoxarifado
Jo presidio de Fernando de Noronha, durante o
seraestie vindouro.
Ao mesmo. Transmiti a V. S., para es
fios convenientes, copia dos inclusos oficios, re-
lativos ao exerciciodo promotor publico da comar-
ca de Pao d'Alho, bacharel Francisco Xivier Paes
Barreto.
Ao inspector doThesouro Provincial.Nos
termos da sua informacao de 21 de Maio prximo'
findo, n 659, mande Vmc. pagar ao ex-sargento
do corpo ne polica, Francisco Lite Nogueira Paz,
a importancia de 2154984 piovenientc da gratifi-
cacao de commando que Ibe d.-vid e diz res
peno ao exercicio de 1883 a 1884.
Ao director do Arsenal de Guerra. Remen >
a Vmc, para os devidos fins, o incluso termo de
consumo de diversos artigos a cargo da fortaleza-
do Brum.
As empresario do servico telephonico nesta
capital.Inteirado do que Vmc expoz no oficio
do 27 de Maio ultimo, declaro-lhe que deve ser
cumpnda por essa empresa a recommendacao desta
presidencia, expedida no dia anterior, sobre a col-
locacao gratuita de um apparelho telephonico,
com os competentes accessorios, na sala do direc-
tor do Arsenal de Guerra, porquanto, o con-
trato dessa empresa com o regulam-nto que bai-
xou com o decreto n. 8,935, de 21 de Abril de
1883, limitou o numero de apparelhos em taes
condices, alm de que o dito Arsenal nao pode
deixar de ser considerado urna das prncipaes re-
particoes ou egtabelecimento publico dota capi-
tal, para os efivitos da clausula 13' do citado de-
creto.Communicon-se ao director do Arsenal'de
Guerra.
Ao ommandante interino do corpo de poli-
ca.-Ao Dr. chefe de polica mande Vmc. apre-
sentar, ao dis 11 do corrente mez, as meio da,
urna escolta de 8 prcas, afim de conducir para o
termo de Gamell ira, 4 criminosos que teem de
responder, alli, ae jury.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Ao regedor do Gymnssio Pernambucano.
A1 vista do que V. Rv-lma. expe, em oficio de
boje datado, autoriso-o a eliminar desse instituto
os alumnos constantes de seu predito oficio, de-
vendo ser apresentado ao Dr. juiz de orpkaos se
nao tiver tutor, o menor Augusto Ernesto.
Portaras:
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao S. Franci-co sirva-se de mandar dar
passageos, para rerem descontadas das gratuitas,
a que o governo teas diren.i, da estacao das Cinco
Pontas at a de dameileira, a 8 pravas e a cri
minosos, providenciando para o regresso das refe
ridas prcas.
0 Sr. sgea'eda Companhia Br>zileira faca
transportar a corte, por conta do Ministerio da
Guerra, no vapor Espirito Sanio, o l* cadete An-
tonio Buarque de Barros Corris, que assentou
praca no 2- batalbo de infamara cjm destino ao
2' regiment de artilbana a cavallo.
0 Sr. gerente da Comp>nhia Pernambucana
faca transporrax uor conta do .Ministerio da Guer-
ra, oa priineira opportu.idade, at o presidio de
Fernando de Noronha, para onde destacam, o es-
S'tao Pedro Velbo de S Barreteo e o alteres
lympio Agobar de Oliveira, cate do 14 batalhSo
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana,
fac-a transportar ao presidio de Fernando de No
ronlia, por conta do Ministerio da Guerra, no va-
por Qiqnid, as pracas do 2* e 14' batalhoes de in
fantaria, constantes da inclusa rclsfilo, por cepia,
as quaes para ahi destacam.
-r O Sr. gerente da Companhia Pernambuca- s,
faca transportar para o presidio de Fernando de
Noronha, por conta do Ministerio da Guerra, no
vapor Oiqui, as pracas constantes da inclusa re-
lcelo por copia, que alli vio com diligencia escol-
tando presos. Communicou-se ao commandante
das armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana,
mindcdar pasaagem a r atea Fortaleza, qusndo
se apresen i arem, a Augusto Lessa e Alfredo Re-
quiio, por conta das gratuitas a qie o governo
tem direito.
-i- O Sr gerente da Companhia Pernambucana
mande dar pasaagem a proa at o presidio de Fer-
nando de Noronha, no vapor de amanba por conta
das gratuitas a que o governo tem direito, a Ale-
xaud.-;..a Maria dos Praceres, mulher do senten
ciado Antonio PcncianO de Barros, que para alli
segu.
MutatU mutandis, a Antonia Maria da Con-
ccico, mulher do sentenciado Jos Antonio dos
Sautos.
Mutatis mutandis, a Genoveva Mara de Mel-
lo, mulher do sentenciado Joaquim Domingos de
Lima.
Ilutatit mutandis, a Alexandrina Maria da
Concei;io, que tem de cQtid'.izir com o sentencia-
do Simplicio Leite, e a dous filhos menores de 2 e
4 anuos de idade.Communicou te ao director do
presidio de Fernando de Noronha.
EXPEDIETE DO SSCBETaBIO
Ao 1" secretario da Assembla Legislativa
Provincial De ordem do Exm. Sr. vice-presiden-
te da provincia, transmuto a V. S. afim de que se
diene de submetter i consideracao dessa Assem-
bla, a copia jnclusa do oficio de 6 do corrente
mez, em que o dir ctor da Colonia Orpbanologica
lsanel representa contra a emenda apresen'.ada
ao projecto de orcaracnto para o exercicio* vindou-
ro, e na qual se dispensa a Santa Casa de Mise-
ricordia do Rseife de pagar a mesma colonia o
rendimento do patrimouio dos orpbus.
Ao Dr. chefe de polica.De ordem do Exm.
Sr. ice-presidente da provincia, communico a V.
S. que n > seu oficio o. 563, de 4 do corrente mez,
exarou-se hoje o seguinte despacho : ao Sr. com-
maodante interino do corpo de polica para pro-
videnciar e tomar conhecimento do procedimento
do sargento ajudante.
Ao commandante interino do corpo de poli-
ca.S. Exc o Sr. vice-presidente da provincia,
manda declarar a V. S- que fica sente pelo seu
oficio n. 521, de ter fallecido boje, s 9 horas da
manila, o coronal Decio de Aquino Fonseca, com
mandante desee corp", expedio as necessarias or-
dens no sentido de serem prestadas as honras de-
vidas ao mesmo coronel na occasiao de dar-se seu
corpo a sepultura. Communicou-se ao Thesouro
Provincial.
DESPAPHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 2 DE
JCXHO DE 1886.
Antonio Joaquim dos Santos.Rerrettido aoSr.
administrador da Casa de Detenciu para fazer
entrega da certi ao junta.
Capito Aodr de & e Albuqueique.Passe-se
portara designando o 4o batalbo de infantana
do servico activo da guarda nacioual da comarca
do Recife, para o supplicante ser a elle aggre-
gado.
Augusto Seixas.Passe se portara e a respe-
ctiva carta de naturalisafao.
Capito Ernesto Epaininendas de Loyola.Pas-
se-se portara desiguandi o 2 batalhio de infanta-
ria do servico activo da guarda nacional da co-
marca do Recife, para ser o supplicante a elle ag-
gregado.
Capito Francisco Flix de Mello. Passe-se
portara designando o 2o batalbdo de infantaiia do
seriico activo da guara nacional da comarca do
Recite, para ser a elle segregado.
Gosendo & Torres.Iureferido, nao s porque
nao procede a reclamac) contra a eollecta do im-
posto dereparticao no exercicio de 188384, a que
foram sujeitos o supplicantes por sua incluso na
classe n. 36, da tabella annexa lei n 1786,
como per uao terem mterpostu recurso em tempo
legal da decisii da juuta especial.
Joaquim Rodrigues Primenieira. Aguar le a
concessio do crdito hoje solicitado ao Ministerio
da Guerra.
Joo Lopes da Silva.Nao ha que deferir.
Capito Joao Jos Bizerr* Cavalcante.Passe-se
portara designando o 1 batalbo de infamara
do servico activo da guarda nacional da omarca
do Recife, para o supplicante ser a elle agzre-
gado.
Alteres Joaquim Modeste da Silva. Pasre-se
portara designando o 2- batalbo de ioiantaria do
servico activo da guarda nacional da comarca do
Recife, para Ser a etfe o supplicante aggregado.
Joo Miguel Ferreira dos Santos e Maximiao
Jos da Silva.Informe o Sr. Dr. juiz de direito
das execucoea criinina-s do Recife.
Manoel Fijru iia ie Faria c* Filhos.Deferido
com oficio desta nata ao Thesouro Provincial.
Pasturina Mara da Soledade.Nao ha vaga.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 23 .le Junho de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegas.
Kepartic* da polica
Secco '.' N 623. Si-cretaria da Po-
lica de Pernambuco, 23 de Junho de 1886.
Illm. e Exm. Sr. -Participo a V. Exc.
que foram reculhid >s na Casa de Deten-
erlo os seguintes individuos :
A' ordem do.Or. d> legado de 2. districto da ca-
pital, Joa, cscravo de Thiago de tal, i minfaa dia-
p isico.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Augusto Pljreueio .los Mantos, por embriaguez e
disturbios; Podro Martubo Falco, Joo da Silva
Dias e Manuel Barbosa Curdeiro, por distur-
bios.
A' ordem do do 2. districto da Boa-Vista, Fran-
cisca Mana da Conueico, Florinda Maria da
Couceicio, B-ued francisco Duarte, Manoel
Tavares da Silva e Gregorio Ferreira dos Santos,
por disturbios.
A' ordem do da Mag lalena, Silvano, escravo da
Viscondessfi do Li vi hu uto, por andar ausente da
Casa de son s<.ohora.
Communicou me o delegado do termo de Ca-
ruar, que no da 10 do crrente, s 4 horas di
tarde, fra a h assa-s nado de emboscada o indi-
viduo de nome Joaquim Vicente, tendo sido au-
tor de tal cr'ine Joaq nii> de Sant'Anna, que con-
seguio evadii-sc.
A' tal respeito proeedeu se nos termos do in-
querito policial.
Ao Dr. jais municipal do termo de Taqua-
retiuga ap caeutou t do coareuU, o o Maoix'i Loo, que est pronun-
ciado ao un. 207 do Co lig i Criminal.
No da 11 do crrente, foi capturado no
termo do Bonito, o individuo de nome Tbomaz
de Aquino, que est sendo alli processado por
crime de f irlo de cavalLs.
Deua guarde a V. ixcillm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Soue Lelo,
muito digno vice-presidente da provincia.
O eneja de poli :ia, iionio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 22 DE JNHO DE 1886
Dr. Gervasio Rodrigues Campello.Cer-
tifique-se.
Antonio Eustorgio Jo Espirito Santo.
Informe o Sr. collector de Jaboatao.
Qf..Ponto da secretaria da Assembla. Ao
Sr. pagador para os devidos fins.
Jos Francisco de Paula Cayalcanti de
Albuquerque. Volte ao Sr. contador para
declarar se j foram prestadas as contas dos
recebimentos anteriores.
Manoel Pcrcira da Cunhi.Informe o
Sr contador.
Manoel Carneiro Pereira de Vasconcel-
os. Kestitua-se.
Maria Antonia da Costa. Facam-se as
notas da portara de licenca.
Ordem 3* do Carmo, Manoel Pereira
Cunha e Candido Alberto Sodr da Motta.
Haja vista o Sr. Dr. poocurador fiscal.
Francisco Pereira Barbosa. -Informe o
Sr. Dr. admiostrador do Consulado.
Francisco Duarte. Pro ve a desoecupa-
92o da casa.
Joao Baptista da Rocha Baixa Lins.
Ao Sr. Dr. procurador fiscal para atten-
der, nao havendo inconveniente.
Julio Cesar Qoncalves Lima e Manoel
Pereira daCunba. Cumpra-se, registre-se
e facam-se os assentamentos.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 21 DE JUNHO DE 1886
Joaquim Ramos Souto, Anna Francisca
Bittencourt e Jos Nogueira de Souza.
Informe a [' secco.
Tavares & Oliveira. A' 1" secco para
proceder de accordo com a lei.
Joo Aureliano Luiz Alves.A' secjo
para attender.
Barbosa Lima & C- A' secco para os
devidos fins.
22
Souza Nogueira C. Informe a 2a
secco.
Antonio Felizardo de Amorim. -A' 1*
secco para os devidos fios.
Moreira Irmo, Jos Francisco de S
Leito, Franc8-o Alves de Carvalho e Da-
niel Francisco Pinheiro. Informe al" sec-
So.
Machado & Pereira. Certifique-se o
que constar.
Manoel Joaquim da Rocha.Informo a
2a secco.
Inspectora Geral da Instrnccao
ublica
DESPACHOS DO DIA 21 DE JNHO DE 1886
Antonio Martins de Oliveira Machado.
Cumpra se registre-se a apostilla de 17
do corrente.
Manoel Candido Fernandes Pires e Lou-
renjo Goncalves Alerxo, professores pbli-
cos. Encaminhe-se.
- 22 -
Jos Paulino da Silva Filho e Maria
Leopoldina da Silva, professeres pblicos.
Eneaminhe-se.
Sebastio Antonio de Albuquerque Mel-
lo, professor publi o. Eocaminhe-se.
Joo Ante-Portam Latinara de Mello,
professor publi -o. Encaminhe-se.
Bellarmmo Francisco Lobo Barros, pro-
fessor publico. Indeferido, por nao ter
provado molestia e infringido a determina-
cEo da presidencia da provincin, publicada
por circular de 22 de Maio de 1885.
Secretaria da instrueco publica de Per-
nambuco, 22 de Junho de 1886.
O porteiro,
J. Augusto de Mello.
DlAKlO DE PEnMJaBUeO
RECIFE, 24 D JUNHO D lfS
\olielas do norte do imperio
O paquete nacional Caxias, entrado ho.v
tem do norte, trouxe as seguintes noticias:
tiiiuiona
Datas at 12 de Junho :
A' promotoria publica da capital fora
remettido, por intermedio do juiz munici-
pal, o inquerito policial procedido contra o
secretario do governo, Sr. Jos B. Magno.
Fora nomeado procurador geral dos
orphos o bacharel Antonio A. dos Santos
Porto Filho, promotor publico da comarca
da capital.
Em relaco ao assassinato Qarcia, p
Dr. promotor publico deu denuncia, a 4,
contra Taciano Maurillo Torres, ct-mo li-
curgo as penas do art. 271 do Cod. Pe-
nal.
No dia 1, comecou a inquiaico das tes-
temunha8.
Lemos no Paiz do 11 :
Consta-nos que a commisso encarrega-
da de examinar dous paletots e um par de
botinas pertencentes ao Sr. Maurillo Tor-
res, objectos esees reputados suspeitos,
como mostrando indicios de sangae, apre-
sentou seu trbaiho autoridade, respon-
dendo os quositos que Ihe foram dirigidos.
Assim que diz nao ter encontrado san-
gue nos paletots, porem, em quantidade,
as solas, forros, canos e debrnra de am-
bas as botinas, sangue denunciado pela
presenca do glbulos vermelhos, brancos
ou leucoi ythos e fibrina ;
que, perfeitamente limpas, as botins,
embeberam-se de sangue levado por agua
de lavagem, imbebicSo que nao se poda
faz'.r 12 ou 24 horas depois do derramen-
to. porquanto a coagulaco do sangue a
mpediiia, por estar esse ogente sem serum
e com os glbulos presos as fibrillas da fi-
brina:
que, a nao ser humano o sangue,
de cSo ou de coelho, tuiraaes esses cujos
glbulos assemelham-se aos do sangue hu-
mano, na forma, embora com pequea dif-
ferenca, para menos, na dimetro.
- que nao pode declarar ser o oangue
encontrado pertencente ao corpo de Cus
todio Pires Garca, porque o estado actual
da ciencia nao permtte verificar essa au-
thenticidade ;
que 12 ou 25 horas depois nao se po-
doria dar a imbbico, pelas razSes cima
expostas ;
- que nao pode precisar o tempo que o
sangue existe as bolinas, porem que data
de poucos dias o derraraarnento, porquanto
os glbulos anda nao se achara deforma-
dos ;
- finalmente que pelo exame das boti
as e polo ponto alcanzado uelo sangue
pode-se affirraar que houve eiribebico pida
sola quando pisado o liquido e pelo peito
do p quando aquelle derramado.
A commisso que se oceupou dcste exa-
me executou s?us trabalhos no laboratorio
do nosso muzeu botnico, c se coiup z dos
Drs. Julio Mario, Joaatbas Pedrosa e Bar-
bosa Rodrigues e dos pharmaceuticos Mon-
toiro e Rarass.
Duraram as experiencias 10 dias.
Par A
Datas at 16 de Junho:
Fra apresentado candidato a deputa io
geral pelo 2' districto, na vaga deixada
pelo senador Siqueira Mendes, o padre Dr.
Mancio Caetano Ribeiro.
Lemos no Diario do Grao Para de
13:
Suicidou-se ante hoiitera pelas 3 ho-
ras da tarde, por estrangulaco, a cearen-
se Maria da Gloria, moradora estrada de
S. Jernimo.
A infeliz fo levada a esse acto de
desespero, desgostosa de se adiar ha muito
tempo soffrendo de sua sade, sem encon
trar melhoras.
< Pela manh desse dia o marido da-
quella obstou o designio de suicidio de que
a tempo a infeliz estava possuida f porem
tendo sabido tarde para comprar urnas
bjlachinhas que ella Ihe pedir, ao voltar
epcontrou a porta fechada.
Depois de bater sem obter resposta,
pedio aos visinhos auxilio, arrombou as
portas, encontrando a infeliz pendurada,
porem ainda com vida.
< Expirou logo depois de cortarem-lhe a
corda.
Ante-hontem o estudante do lyceu de
nome Theodoro Jos do Carmo Mouteiro,
atirou sobre o sen collega Gerino Joaquim
de Oliveira urna boraba que Ihe causou fe-
rimento em um des bracos.
A victima levou o facto ao conheci-
mento do Ilustrado Sr. Dr. inspector da
instrueco publica, que fez reunir hontera
a congregaco dos lentes, a qual deliberou,
por maioria de votos, que o alumno Theo-
doro fosse reprehendido perante ella e que
se levasse o facto ao conhecimento de seu
pai, na forma do regiment em vigor.
Lemos na mesma fclha de 10:
No dia 30 de Maio ultimo, no lago
Jacar, districto de Mapu, o commercian-
te Wenceslao Lzaro de Andrade Canto,
seu irmo Mathias Pacheco de Andrade,
acompanhadoa de Rayrourdo Baptista Sar-
dinha e outros, todos armados, dirigiram-
se casa de Luiz Antonio Alves, no rio
Jos de Oeir.iS afim de eonluzirem de l,
forca, a iiltia de Alves, de nome Amelia
Alves Furtado, amasia do dito Canto,
que se retirara de sua companhia em con-
sequencia do mo trato que Ihe dava este,
espaacando-a constantemente.
Ao avistal-os, Alves intimou os a que
se retirassem, nao sendo porm obedecido,
arma-se de nma espingarda e desfecba um
tiro em Canto que cae morto. Como, po-
rm, os corapanbeiro8 de Canto tentassem
fazer logo contra Alves, este dispara ain-
da um outro tiro, conseguindo ferir grave-
mente a Sardjnha e Mathias.
Cear
Datas at 20 de Janeiro : Tambem nada referem do interesse as
folhas desta provincia.
Constava estarem grassando em Baturi-
t febres de mo carcter. i
Kio brande do Son
Datas at 21 de Janeiro :
Reportamo-nos carta do nosso corres-
pondente, publicada na rubrica Interior.
l'aralivbi
Datas at 22 de Janeiro.
Era Alagoa Nova fora.n incendiadas 26
casas.
Lemos no Diario daParahyba de 18 :
Noticias vindas da cidade de. Ara,
dizem que alli fdleceu o vigario Francisco
de Ilullanda Chacn na avancada idade de
89 annos.
O vigario Chacn era um sacerdote il-
lustrado, amado e respeitado de todos que
o conhociam.
Durante a sua vida, praticou muito
actos de caridade, distribundo esmolas a
todos aquelles que o pro uravato e auxi-
liando a muitos parantes e amigos, que oc-
cupam hoje na sooieJade posicCas van-
tajosas
INTERIOR
Noticias de Abaet dizem que no dia
28 do passado deu-se um lamentavfl desas-
tre da casa commercial do Cruz & Nery
na costa do Maratauyra, que assim nar-
rado pelo Abaeteense:
a Estava um filho do nosso distincto
amigo Eroygdio Nery, grudando com cera
urna medida de folha de Flandres, e para
accender urna vela riscou um phosphoro,
atirando-a nadvertidamente para dentro do
balco.
Infelizmente o phosphoro acceso foi ca-
lar dentro de nra barril de plvora, que
estava aberto, fazendo este t rrivel ex-
plo8o e incendiando a loja.
Com a i'jrca da exploso as portas da
loja fecharam-se, e o infeliz moco, qu fi
cara horrivelmente queimado da plvora,
e raais tres coropanheiros que ahi se acha-
vara, ficou preso na sala incendiada !
Algum tempo depois, acudindo a visi
nhanca, avisada pela horrivel exploso,
conseguio dominar o fogo.
< Abrindo-se a porta da loja as infelizes
victimas sahiram correndo e lancaram-se
no rio.
< O filho do nosso amigo Emygdio, de
nome Felippe, ialleceu algurr-.as horas de-
pois, e seus infelizes companheiros acham
so em risco de vida.
t Calcula-se o prejuizo em raais de trez
contos de reis, porque as merendonas Aca-
rara todas estragadas.
Fallecer na Europa Jos Joaquim
Mendes Cavalleiro, um dos fundadores do
Diario do Qr&o Para.
Haranho
Datas at 18 de Janeiro :
As noticias desta provincia sao destitui-
dos de interesse.
Pisan;
Datas at 1. de Junho :
Nada referem as folhas que mereca men-
co.
Co rrespon Pernambuco
RIO GRANDE DO NORTE-Natal, 21
de Junho de 1886
Smmario : Assembla Provincial. Subvenclo
do S.-miiiario. Reformas. RevogaQo
do per ia i de dividas.Seita evangli-
ca. Cjucurso. Arreinatacao de ira
postos.
A Assimbla Provincial j converteo em lei os
pr ectoa dr crcamen! j provincial e municipal, e
de fisaco de forya, que j foram tambem sane-
cinnadus pelo honrad^) administrador da provincia,
o Exm. Dr. Moreira Alves.
(iracas, pois, a patritica maioria conserva-
dora do actual bieunio, vai a provincia entrar no
rgimen da legalidade, de que estevt* distanciada
durante quasi Codo o dominio do partido liberal.
Nao sem razao, e levados por qualqucr s nti-
mento poltico que attribuimos o facto a maioria
da Assembla.
Com erfeito, o que se observou sempre foi que,
oa deputadoa liberaes s compareciam ai sessoes
quando oa conservadores por si sos faziam nu-
mero legal e mes o assim nao deixaram de em-
prear todos os meios de opposicao, para embara-
cai a pasaagem d'aquellas leia.
Dous exercicios se passaram, sem que votessem
um orcamento, de modo que, os presidentes nao
tinham recurso, seno mandar vigorar o ulti-
mo que encontravam.
0 Ilustrado presidente Dr. Moreira Alves, desde
que ficou concluida a eleicao da nova Assembla,
convocou-a extraordinariamente, para se poder
entrar 'um novo rgimen; e nao sendo p03sivel
no curto periodo da sesso extraordinaria, confec-
cionar um orcament) 'ornou a Assembla a deli-
beracao de votar a prorogativa, ae que j demos
noticia, em una de nossas cartas anteriores.
Abena a sensao ordinaria nao se demorou a
commisso de orcamento em apreseatar o resul-
tado de seus estudos
O projecto soft'reu emendas na discuaso muitas
d'cllas da mesma oramisso regeitando algumas,
de outros, que nao Ihe pareceram convenientes aos
interesses da provincia. .
E a proposito de emendas, nao podemos dei-
xar de fazer menco de urna, cuja votafao nao
deixou de ter sua importancia.
Figurava no projecto sob a rubricaSubven-
ccs a verba de. I:750jl000 como auxilio ao Se-
minario de Oliuda, onde sabido que recebem edu-
caco, alguns mocos pobres d'esta provincia.
Os Srs. deputadoa Moreira Praudo e Carva-
iho apresentaram na 2a discusso urna emenda
aupprimindo aquelle piragrapbo, e que foi appro-
vada, tendo votos conservadores que, julgavam en-
ri qne serii preciso supprimir aquella verba,
para nao prejudicar urna outra subv.-nco qae to-
dos apoiavain, mas que, meihur esclarecidos, na 3
discusso regeitaram a referid emenda suppres-
siva, sendo assim restabelecida a subvencao do
Seminario.
0 que a todos surprehendeu foi que, baveado
na Assemb a um nico saerdote (o Sr. padre
Mancel Jeronymo) nao sement nj suhisse ent
defeza da alludida subvencao, como votasse os-
tensivamente contra, assignando urna dcclnraco
de voto, que mandeu a mesa, o Sr. Mareira Braa-
do e outros para ser consignado na acta.
Para nao nos afastarmos do nosso programla,
vai isso sera commentarios.
A maioria da Assembla esteve sempre na
mait perfeita bomogeuidade de vistas, com o hon-
rado Ilustrado administrador da provincia Exm.
Dr. Moreira Alves, que continua pelos seus inve.
javeis dotes, & merecer o apoio e maior confianca
de todos os bons rio-grandeuses e do seo partido.
Como prova do que vimos de dizer, votou a As-
sembla un.a autorisaco ampia, sem restriccoa
para S. Exc. reformar o Thesouro Provincial, Se-
cretaria do Goveruo, lustruccao Publica, assim
como para confeccionar regutameuto para o corpo
de polica.
Aquellas repart cues reclamam ffectivamente
urgentes reformas para melhor regularidade do
servico publico, e especialmente a instrueco pu-
blica qae, por tanto tempo, servio de joguete poli-
tico, durante o dominio da situacao passada.
Consta-nos que S. Exc. j tem a respeito feito
estudos; e com a illustrarn e intelligmcia que
todos Ihe invejam, hade com certeza dotar a pro-
vincia cem reformas, as mais aproreitaveis e
uteis.
Nao podemos deixar de fazer menco de um
dos atos qae faz honra a patritica Assem-
bla.
Est revogada a celebrrima l;i de perdao da
dividas, o acto mais escan lulos i da Assembli li-
beral e que constitue por si s o seu maior padro
de ignominia e execraco, para a historia da pr :-
vincia.
Alguns dos devedores, nao se tinham ainda
aproveitado do favor da le, e p rtanto ficam agora
na phrase vulgara vir navios.
Vem aqu a proposito regist.ar um facto, que,
revela o intento mais audacioso que se pode ima-
ginar. Na secretara da Ass mbla nao foi en-
comiada urna t das actas da sesso passada e
quede.iam ser regstralas em livro propri'>! !'.
Interrogado respeito o ex-presideute da Aa-
semb a, respondeu a um cavalheiro, cujo teste-
inunho pode ser invocado cm qualquer tempo, que
as bava dexado em sua casa, no Serid !
E' inacredtavtl semelnante facto !
Diz-se que se pretende com isso faser arraujos
futuros, mas acreditamos que a actual Assembla,
nao deixar de tomar todas as previdencias preci-
sas, para evitar nue se levem a fe to taes planos,
que revelam nao s muito cynisoiu, como tambeu.
um v rdadeiro crime !
Depois de votadas as lnis de que cima da-
mos noticia, nao se tem reunido mais a Aseem
bles, por se terem retirado a maior parte dos dV


Diario de Pernambueo---Quinte-feira 24 t Jando de 1886
putodos, que foram trotar su suas localidades,
da eleico que deye ter lagar no dia 1 do prxi-
mo mes.
No dia 26 deve ter logar o encerramento da

Euibarcaram 17 no vapor Pirapama, o
sympathico e intolligente secretario da presiden-
cia, Dr. Pedro Pernambueo com soa xm con-
forte, que foram acompanhados at 4 bordo, por
grande numero de amigos, que sabetn render jas-
tica s suas aprecinveio qualidadea. 8. S. pre-
tende demorar-se penco totopo a'essa eidade, re-
greesando para aqni, onde os seas servieos nomo
secretario da preotdoncia, lo saaapre nooessavios.
Seguio tambem mo meste vapor, o symathico
acadmico, o Sr. Francisco Alves da Silva Jnior,
que durante o tempo que ten estado na provincia,
tem sabido conquistar malta estima e maltas sym
patbia.
Com a retirada do ministro da seita evan-
glica da eidade de Mossor, nao se extingui
completamente aquelle movimento.
Consta-nos que deixou n'aquella eidade un pre-
gador assoldadado para faser discursos ao povo
que, religioso como repelle in limine as novas
theoriaa, e d'ahi para receiar que se di ainda
algum movimento. Cremos, porm, que nada ha
vera, gracas as acertadas medidas tomadas pelo
Ilustrado Dr. Amynthai Barros, digno ebefe de
polica da prooincia, em que folgam iodos de re-
conhecer a par de invejavel tino, a maior aotivi-
dade e amor ao bem publico.
Com effeito, S. S. collocou n'aquella eidade nm
brioso militar, como delegado de polica, e que tem
sabido conter os unimos e evitar os conflictos.
Est concluido o concurso a que se proce-
den para preenchimento das cadeiras vagas de
instruccio primaria do sexo feminino, ao qual
concorreram oeroa de 40 candidatos.
Nos, que assistimos a qnasi todas as provas
d'este concurso, nao podemos deixar de levantar
nm brado de entbosiasmo, por ver qne nao peque-
o numero das ama veis candidatos, exhibir.im pro
vai superiores, s que vimos no concurso dn sexo
forte.
Mi vai no que fica dito, nem vislumbre de li-
sonja. E' urna homenapem de justica que pre-
btamos ao sexo amavel.
Est se prooedendo no Thesouro Provincial
as arremstacoes dos disimos de pescado, minacas,
taxas de carne e ontros, cujo resultado so na pro
xana carta poderemos dar noticia.
Ao concluirnos a presente, somos tristemente
surprehendidos, com a noticia vinda por telegram-
ma do fallecimente n'essa eidade, do honrado an-
eio Dr. Franciseo .Uves, pi do Exm. Sr. presi-
dente Dr. More ira Alves.
Somente qnem ja teve a intelicidade de passar
por to cruel transe, pode bem imaginar a ddr
em que se acha mmerso o ooraco do filho extre
moso que S. Exc.
Os seus amigos, logo que lh te constou a in-
fausta noticia, teem estado com o Exm. Dr. Mo-
reira Alves e presendem mandar celebrar solem-
nes exequias a> 1 dia do tallecimento do respeita
vel ancio.
Daremos noticia d'esta solemnidade na primeira
opportunidade.
Outro do mesma, remetiendo urna representa-
oio qne a cmara municipal de 8. Beato dirige a
esta Assembla.A' commissao de orcamento mu-
nicipal.
Ontro do mesmo, devolvendo informadas as pe-
tieoes de Hermino Delfine do Nascimenti e Ma-
noel Bernardo Gaenes Qainteiro.A quem fes a
requisico.
Outro do mesmo, commnnicando que fra proro-
gada por mais 10 das a actual sesso desta As-
sembla.Intairada.
Em seguida ditsol veu-se a reuoioo.
prMsUsjMstdor Favare Wswlay-ete
dtatincto pvestimsmo fea, ante-hontesa, no thentro
das Variedades, soa onhibieo, peraute nuoMto-
sissima conearMi>eia de espectadores.
Enceton seus trabalhos exeootando com a ma -
xim-.i limposa e agilidade diversas sortea, algumas
das quaes eram completamente no.-aa e deooonhe-
cida do nosso publico.
Entre outras, aitradou muito c modo pelo qual
fes esvoacar duas borboletas de papel, de tal sor-
te que pareeiam ellas borboletas naturaes, pousau-
do docemente aqui e alli.
Esse trabalho toi executado com perfeicio, ca-
bendo-lhe por isto muitos applausos.
O distincto Ilusionista sobrusahe nos exercicios
de piestidigitaco.
Empalma e faz desappareeer os objeclos, de que
serve-se com facilidade e ligeirea sorprehendente.
Acompanba-se de ama interessante menina que,
possuindo urna memoria prodigiosa, repete urna
louga serie de nomes de cidades escripias em car-
toes, vontade dos espectadores e em ordem nu
merica.
No buhar fea o Sr. Fanre carambolas e evolu-
coes admiraveis pela certeza e effeito das bolas.
A humidade do tempe, porm, influindo visivel-
mente sobre as bolas, nao lhe pormittio desenvol-
ver todo sea talento no buhar.
Entret tnto o que fez agradou summamente.
Ccnoluio o espectculo com a menina cortada
pelo meio.
Este trabalho foi de perteita illusao e causou
Crande espectaco.
Sabbado far o grande artista sua segunda e
ultima exhibir.
Incendio.Hontem s 9 horas da noite, ma-
nifentou-se ineendio no pavimento terreo do pre-
dio n. 20 da ra da Imperatriz, parochia da Boa-
Vista, n'oma toja onde era site um coemorama, e
que ltimamente tinha fogos soltos venda.
M.itivou o incendio um buscaps,que, invadiudo
o estabeleciraento, qneimou outros rogos.
A hora em que eserevemos, o fogo \i devorou
todo o pavimento terreo referido e ganhou o 1."
andar do predio, que de quatro pavimentos, sen-
do os tres superiores oceupados por familias.
Enceton-se logo o salvamento deseas familias e
dos respectivos movis, o que ia sendo conseguido
om alguma difficuldade.
Ao lugar do sinistre comparecern) diversas au
toridades, bjmbts e piquetes de tropas, e muito
povo.
PARAHYBA, em 22 de Junho de 1886
Continuam a grassar as febres de mo carcter
em diversas localidades do interior. Em Indepen-
dencia, Pilar, Itabaianna, Campia e S. Joo, tm
se dado casos fataes com alguma constancia. Na
capital mesmo nao aatisfactorio o estado sanita-
rio. A frequencia das chuvas conserva urna hu -
midade prejudicial saude.
Termina no fim deste mez o aono compro-
missal da Santa Caa de Misericordia desta pro-
vincia. O actual proveder, Dr. Antonio Alfredo
da Gama c Mello, convidado pelo presidente para
continuar no cargo, pedio dispensa. Foi comea-
do, na forma do eompromissj, para sabstituil o, o
commendador Silvino ElvidioCarneiro da Cunta.
Devendo ehegar da corte, no dia 29 do corrate,
o mesmo commendador, s ento devero ter no-
meados os msanos e definidores, segundo a sua
pro posta.
Nao sao prosperas as condicoes da Santa Casa.
O seu patrimonio pequeo, e quasi nada produz,
de sorte que ss despezas sao feitas com a subven-
cao qne lhe d a provincia, para sustentaco do
hospital. Este, alias, o nico existente na provin-
cia, de qne se podem aproveitar as classes desfa -
vorecidus.
Contando com o producto das loteras, que foram
concedidas na ultima sesso, a assembla provin-
cial deixou de consignar no orcamento quota para
aquella s jbvencao, nutonsando, alias, o presidente
a abrir crdito extraordinario, caso nao se reali-
sassem as mesmas lateras. Ests antorisacao, po-
rm, foi incluida no orcamento da Santa Casa,
qne s comeen a vigorar em Jolbo vindouro.
Deste modo tem se visto em apuros a pia insti-
tnieSo.
Pata auxilial-a o presidente da provincia tem
antorisado o emprestimo de 1:5(IO#000, at esta
data. Por iniciativa de S. Exc. e sua senhora
promove-se urna representac i theatral, em bene-
ficio da Santa Casa, a qual deve realisar-se a 2
deJulbo prximo, diada testa da padroetra. Es-
pera-se que o beneficio render ltUOtifUO.
No mesmo dia sera einposs&do o novo provedor.
Sstisfazendo o pedido do presidente da pro-
vincia, o ministerio do Imperio mandou fornecer
escola aiiuexa ao extrnalo normal um Arithmo-
tnetro Akvens, para iiuciar-se o ensino do calculo
pelo inetbodo intuitivo, e bem assim aj eollecco^s
de Hieses Vieira para as liceSesde colisas, e de
Sabino c Costa (,'unha para as liceSes de UUura.
Foram tambem fornecidos 300 livros le diversos
autores para a leitura das clas=es escolares.
Grande oscarco fizeram os jornaes opposi-
eionistas desta eapital por causa de tactos uccor-
ridos em Alaga Nova, e que sao inexactamente
attribuid -s polica e torca publica.
Fui o o.tso qne umcittudo de Alaga Xuva Henri-
queJo de Mendoncs, reside ha muitos annos em
nmi ngeaho Geraldo, situado em trras qne porten
eram outr'ora aos indi' s BulCrins. O ti rreno hoje
pertence ao Estado, porm te u estado sem demar-
caci', e deile esto ap esados muitcs individuos,
e snas possea tem sido respeitadas.
ltimamente os inimigos de Mendonca, que os
tem rcuito na localidade, incitaram os moradores
do engeuho Geraldo para que nao reconhessem a
posee d'aquclle, e fizeram introduzir no engenbo
deoordi'ircs que destruiam as plantacoes, e faziam
a Mendonca toda sorte de amcacas e Lropclias.
Mendonya vcio capital pvoir s autoridades
supeii'T as garantas para sua vida e proorieda
de, t tatas foram dadas, reeommendando o Dr. che-
fe de polica ao del' gado de Alaga Nova, qua
poztsse cobro s tropelas, eem caso denecessida-
de, mas se da forca publica, exgiudo o cjncurso da
auteridade policial de Campia Giande. Adver-
tia-a, porm, de que o emprego da torca sera ni-
camente para mauter a ord'-m, nc podendo a auto-
rdade p lieial ntervir em questes de posse de
trras, seno pira cumprir requisi^oes da autori-
dade judie-aria
.nuindo as queixas de Mendi nca, o delega-
do de Alagi Ni.va fez vir a forca que i-staciou.-
Ta em C.mpiuas. Lego qu<- esta chegou, cu des
ordeirus fugiam abandonando as casas de palha,
onde h.-.bitavam no -ngenho Geraldo. Fizeram-
se duas pris- 8 : uora de individuo pronunciado
fra da provincia, entra de um individuo que re-
sisti forca desobedt ceiido.
Aproveitando>se do pnico de sens moradores,
do ai andono em que deixaram as paliiocas que
habitavam, Mendonca mandn pjr Ibes figo sem
sciencia do capito de polica que commaudava a
forja, e i em do delegado, o qual nao sonbe do
fatti. seno depois de occorido.
O presidente da provincia ordenou ao promotor
pabilo que requeiesse inquerto sobre estes fsetos.
Fui exonerado o prmotor de t-itimb, ba-
charel Adolpho de S Li-itao.
Fallectu na eidade de Areia, a 15 do corren-
te, o \ gario Francisco de Hollanda Chacn, na
avanyada idade de 90 annos. Desde 1834 era vi
gario d'aqnella freguezia, havendo ha poneos
annos deixado o txercicio pelo seu estado valetu-
dinario.
Era \ essoa geralraente estimada por snas vir-
tades e sabei, e pertenciaa urna das familias mais
inp rtad'-s da provincia.
KtviSTA DIARIA
tasenibta Provincial Nao hou;e
hoatem besao por terem compareoido apenas 12
Srs. diputados.
A reuniao toi presidida pelo Exm. Sr. Dr. Jos
Maooel de Barros Wanderley.
0 Sr. 1* secretario procedeu a leitura do se-
guate expediente :
Um officio do secretario do governo, commun-
andu haver j remettido- ao Thesunro Provincial
% relacao dos Srs. depotados o o ponto dos empre
gados da secretaria detta.Aembla, relativos ao
; de Maio ultimo.Inteiala.
Diploma de medicoXa secretaria da
presidencia acha-se o diploma de doutor conferido
pela facu Idade de medicina do Rio de Janeiro ao
Sr. Francisco Romano de Brito Bastos, afim de
lhe Ber entregue, depois de assignado parante o
Exm. Br. presidente da provincia ou pessoa que
deHgnar.
fvmfearqne>A > bordo do paquete Cear se-
guio li niem para a corte, chamado do Ministe
no do Imperio, o Sr. Dr. Pedro de Athayde Lobo
M-iscoso, digno inspector da sade do porto.
Di si jamos prospera viagem ao nosso Ilustre
amigo o prxima regresso ao seio da familia e dos
amigos.
4 acaba de communicar que no dia 10 do corrente,
s 4 horas da tarde, foi alli asbaasinado de em
boceada o individuo de nome Joaqum Vicente,
sendo autor do crime Joaqum de Sant'Anna, que
consigui evadir se.
Pric. de-se nos termoc do inqnerito policial.
Apresenton-se-Ao Sr. Dr. jais municipal
de Tabatinga apresentou se voluntariamente no
dia 18 do corrente, Manoel Pereira Lobo, pronun-
ciado no art. 207 do Cdigo Criminal.
Capt oradoNo termo do Bonito foi captu
rado no dia ll do corrente o individuo de nome
Thooiaz de Aquino, que alli se acha pronunciado
por c rime de furto de ca val los.
ENpancamenso e ferlmeato Ante-
hontem, cerca de 4 horas da tarde, em Santo Ama-
ro das Salinas, no lugar Maroim, a praca do 14
balho de infamara Manoel Victorino espancou
a M>trtinho Jos de Sant'Anna e todas as pessoas
de sua familia, fazendo um ferimento grave ca ca-
neca do mesmo Martinho.
luteirado dos tactos, o subdelegado competente
levou-os ao conbecimento do official de estado no
qu irtel do referido batalho, e d'alli seguiram duas
outras pracaa acompanbadas de nm sargento, afim
de prenderem o deliuquente.
Chegando ao lugar, essas pracas, longe de exe-
cutar as ordens que !eavam, travaram novo con-
flicto, e ento foram de veras espancados e contun-
dido- o referido Martiuho e sua familia.
Depois d'essa bravata seguiraj todos as pracas
para o qitartel, seuli^afinal presa a de nome Ma-
noel Victorino.
A auturidade policial levou todas as oceurren-
cias ao conheci'nento do ajulante do Sr. general
commandante das armas, e est procedendo uos
termos do inquerto.
Cnmpre accrescentar que toda a desordem foi
motivada pela priso de urna mulher de nome
Beuvinda Mana da Conceic', por cuja soltura
se interessava um< praca do alluddo bataibo.
Fortaleca do BrnmA's 10 horas da
maoh de hoje haver miasa cntala na fortaleza
do Brum, em louvor de 6. Joo Baptiata padroei-
ro da mesma fortaleza.
DlnhelroO paquete Cear trouxe do n.rte
para :
Diversos 4C:46tA410
Bemnide* sociaes Ha hoje a seguin -
te :
I) Beneficente Conciliaco, s 6 horas da tar-
de, em sesso magna, na sua sede ra da Impe-
ratriz.
Ha amanh as seguintes :
Do Gabinete Hortuguez de Le tur/, s (i horas
da tarde, na respectiva s Je, para negocio de in -
teresse.
Da irmandade do 88. Sacramento do Carpo
Sant i, s 11 horas do dia, no respectivo consisto-
rio, pura eleico.
Do Club Internacional de Regatas, s 7 horas
da ir i te, para tratar da prxima regata.
Theatro Manta IsabelA companbia
dramtica, sob a direceo do Si. Fuado Coelho,
representa hoje o drama Divoroiemo nos, de Vic-
toriano Sardou.
Su I e EuropaDevem ehegar hoje: da
Eu.opa o paquete ingles Neva da Malla Real ; e
do sul o paquete americano Colorado.
A'iianli deve tocar tambem em Pernambueo,
em vagi-m para a Europa, o paquete fraucez Con-
go, precedente do sal.
CaMtrlolo liUzitaneA Livraria Classi-
ca, do Rvd. padre Ignacio, ohsequiou-uo* cmn um
exempiar do Castriolo Luzitano ou Hutoria da
i-tierra entre o Brazil e a Hollando, de 1624
1654.
E' a obra de frei Raphael de Jess, publicada
em Piris em 1844, e j soberanai/.eate julgada
pela c-ritica.
Agradecemos o mimo.
Ycrtude* e deffeltoai' do Pas, da cor
te, a seguin te transcripc&o .
Os povos sao como os individuos.
Cada um tem o seu feitio, o sea temperamento,
os seus pontos de vista, certas saliencias de ca-
I decorrem muito lgicamente do meio
em que vive
Se os bomens fossem ignaes, o mundo tornar-se-
hia montono e impossivel.
Bem avisado, portanto, andn o Supremo Arch-
tecto do Universo, nao se preoecupando da syme
tria na conatrucf > da sua obra.
Ha muita gente que pensa que a symetria a
ordem.
E assim parece primeira vista.
Mas o qu paree nestas condicoes, nem sem-
pre a verdade.
Tolas as torres de longe parecem redondas.
Qi.alquer de nos, apertando o nariz na occasio
lo fallar, tornase mmediatamente fanhoso; o
qne irova que o fanhoso nao se serve do naris
quando falla. Entretanto, quaes sao aquelles que
o valgo chamafanhoso? Os que fallam pelj na-
ris !
Poderia citar ainda muitos exemploe para de
monstrar que nem tudo o que parece .
A Im igtuim todos os homens igaaes sobre a croa-
ta da torta.
O qne seria da poltica, desta difficil arte de
governar, elevada boj a a categora de seiencia ?
Um canos medonho, um-Deus nos acudahor-
roroso!
Bemdito, pois, seja o mundo com as saos des-
igualdades e deieitos appai entes.
E' intei essante ver como os povos se separara
em hbitos e costamos, divididos s veres apenas
por seis horas de viagem, gracas descoberta da
applcaco do vapor.
Ponham o f raacez ao lado do ingles.
Um louro.
0 ontro tom o cabello cor de libra esterlina.
Um' vrvo, Galicoso, travesso e inquieto.
O oMHti ealaso, tranquillo e pacato, como nm
boi. Ai, porm, do que experimcntar-lhe o pulso I
Um ooato a MarseiUaite.
O ottn-o Goi ave lhe queen.
L'm ehoire. a perfumaras.
O oatro a cor vio da podra.
A con d > inglec nao se impoe pela architeotu
ra; tem ama fachada de tjlo, de aspecto som -
bro, cora portas estreitas e baixas, e janellascom
vidracas de guilhotina.
O francez habita u na casa de aspecto mona-
mental, por cojas poetas, largas e altas, pode en-
trar at urna locomotiva com os respectivos wa-
gn s.
Que difirenos, po-m, nos interiores das duas
habitacces 1
Apenas transpSem-se os ihumbraes da porta
da ra da casa do ingles encontra-se urna
larga cacada que conduz a grandes salas, vastos
dormitorios e extensos aposentos. A mobilia bri-
tnica est perfectamente afinada com o meio. E'
grande, pesada e solida. As mesas, as commodas,
os longos pianos de cauda, as enormes bacas de
rosto, que parecem banheiras, e onde em dia de
Bpleen o propietario pode at afogar-se, sao ver
dadeiros bens de raz Se na Inglaterra, como
entre nos vigorassem as Ordenacoea do Reino, o
marido nao poderia dispr de urna baca, de um
piano, ou de urna commida sem antorisacao da
mulher.
O palacio do francez dividido em urna porco
de pequeos aposentos, com o nome de apart
mente.
Em cada um desses apartments mora nma fa -
mi lia.
Os movis sao leves, de pouca ou quasi nenhu-
ma solidez, mas essencialmente artsticos. Po-
voam as pratileirs, as chamns e as paredes
mundos e mundos de quadros, de fayences e de
qaiuquilbaaias, cada qual man exquisitas.
A familia francesa, composta em geral de mari-
do, mulher, um filho, quando muito dous, e ama
criada, accoinmoda se uaqasllas aposentos, como
delicados eonfeiios em caxuhas douradas.
Comparem agora os leitjres estes dtus povos
com o americano.
O americano mora em hotel.
O seu ideal substituir o homem pela o achina
em todas as relacoes da vida.
O criado nos Estados-Unidos tende a desappa-
reeer, gracas aos canos e electricidad^.
Pelos canos aquella gente sui generis recebe
agua quente e fra para banho, e muito breve re-
ce ber caf, cognac, chocolate, cb, etc. '
Pela electricidad chama o medico, convida um
amigo para jantar, d parte da morte de um p-
rente prximo, faz e desfaz negocios, realisa em-
fim os mais importantes actos da vida social.
Depois da descoberta do Edison, o americano,
qne qaer pedir urna nuca em casamento, nao gas
ta o tempo em banaes apresentacoes e namoros;
do proprio aposento, onde est, poe a bocea no te-
lepbone e diz:
Gosto da senhora. Quercasar commigo?
Ella, pelo telepbone respjude-lhe immediata-
mente :
Tambem gosto do senbor. Est dito.
As differencas dos tres povos accentuam-se an-
da no modo por que viajam.
O francez vai de um ponto a ontro do globo
com urna pequea bagagem, leve como o seu espi-
rito : poucas camisas, muitos colarinhos, alguns
romances e perfumaras.
O inglez viaja com muita Amela, grande quan-
tidadi de bengalas, chapeo de chava, capas de,
borracha e solidas malas de couro.
Mais pratco que todos, o americano fas a vclta
do monda com colarinhos e punhos de papel.
Poderia ainda, para demonstrar a m inha these
tancar as vistas para utros povos.
Poderia comparar o ita'iauo com o allemo ; nm
todo poesa e lyrismo, e outro a perfurar senrpre
com stoica resignaco os antros escuros da seien-
cia.
Pedera por o hespanhol ao lado do ouisso, en-
tro os quaes ha a mesma relaco disparatada que
existe nutre um iucendiario e um bombeiro.
Poderia. .. Mas nao preciso.
O leitor, ao terminar este artigo, se fiser ligei-
ro exame de consciencia, ver que nos os brazi-
leiros, temos tambem virtudes e defeitos, que nos
teparam dos outros povos.Franca Jnior.
TrannmiNNo da forca pela lee-
trlcldadeA brlhante experiencia de Mr. De-
prez para conseguir a transmissao da forc-a a
grandes distancias pela electricidade sobre as
quaes fez em Outubro de 1885 Mr. B rtrand nm
relatoro a Academia das Sciencias de Pars, j
tem o sello da pratica na industria, que procura
empregar as torcas naturaes para execuco de
muitos trabalhos.
Urna applcaco j est realisada em Vienna, ua
Suissa, onde as aguas do rio Luze podem produ
zir em qualqaar ep^cha urna forca de milhares de
cavallos-vapor.
N'essa localidadeacham-se instilladas duas ma-
chinas dinamo elctricas, nndas por uma-linha
telegraphica de dous fios de cobre de vinte milli-
metros de dimetro. Urna deesas machinas est
junto da queda d'agua na aldeia de Bongeon e a
ostra fuucciona *m Bienue a 1,250 nelras da dis
tvncia.
Urna turbica (roda d'agua horisontal) com gran-
de altura d'agua acta sobre a machina dinamo-
electrioa generadora ; esta turbina move tambem
pira faz t trabalbar as^nacbinas das fabricas de
ti ja de cobem (trifi eries) ah estabeleeidas. A
machina receptora transmiti a forca a dnas fabri-
cas onde se fazem diversos trabalhos. Em um
desdes estabelecimentos prepara-se lamina de pra
ta senio a torca necessaria muito variavel; no
outro corU-se e fora-se pejis de relojoaria, tra-
balho este que exige urna velocidade invariavel.
Par* os fios das machinas, elctricos adoptou-se
um modo de enrolar, denominado Compound, com
o que se conseguo urna velocidade co istante qual
quer que seja o estorco exigido.
Esse modo de transporte da torga fuucciona mui-
to regularmente. Foi iptabelecdo pela casa Meu-
roo ot Guenod, de Genova, com as machinas di-
namo-elctricas de Th>wy.
ouclu'ndo, diremos que Mr. 'Desprez j conse-
guo transmittir a torca de quarenta cavados a dis-
tancia de cincuenta e seis kilmetros na preienea
de engenheiro. e outras pessoas de competencia
n -esas questoes.
I Amanh :
Pelo oyente Martin, s 11 horas, na roa do
Mrquez de Olinda n. 12, do estabelecimento abi
sito.
Pelo agente Gusm&o. s 11 horas, na na do
Bom Jess n. 45, de fazendas e outros artieos.
Sabbado :
Pelo agente Gutm&o, sll horas, no pateo de S.
Pedro n. 4, de movis, lonca e vidro.
Pelo agente Brito, s 101/2 horas, na roa da
Aurora n. 39, de movis, louca, vidros, ote.
maman runeores. Serio celebr das :
Amunn:
A's 9 horas, na capella do engeuho Massanga -
na, por alma do Dr. Gaspar de Drummond ; s 8
horas, na matriz de Santo Antonio, por alma do
Dr. Pranciseo Alves da Silva ; s 9 horas, na ca-
pella do eugenho Cabeoa de Negro, por alma de
capitlo Theodoro Jos da Silva Lins ; s 7 horas
na matriz de Gravat, por alma do Dr. Gaspar de
Drummond.
Sabbado:
A's 8 boros, no Espirito Santo, por alma de D.
Paula Joaquina Cavalcantc de Albuquerque.
Passagclro Sahidos para os portes do
bwbbb m Mpar ptptam:
Xisto Babia, sua senhora e 1 filbo, Antonio
Coimbra, Augusto Peres, D. Apofona Silva, D.
Herminia Coimbra, F. Lyra, Joaqum Teixeia,
Antonio Valle, C. de Azevedo, Carlos Bastos, sua
senhora, 1 fillia e 1 criado, Dr. Abdias Freir Ma-
ris Maracaj. Ignacio Freir M. Maraoaj, Anto-
nio Beserra Cesar de Audrade.
Lhegadoa dos portes do norte no vapor na-
cional Ceard :
Antonio Pinto, Luis Jos Marinho, Antonio de
Mesquita, Manoel P. M. de Oliveira, Mara de Oli-
veira, Manoel Ribeiro de Carvalho, Antonio G.
de Castro, Francisco Artine, Joaqum Fr-mciscr
de Lima e sua senhora, Antonio M. da Fonseci,
Wulpiano Baptista, Augusto L. Meira de Vi.s-
concellos, Dr. Augusto Montenegro, Jos Mana
Noguera, Joo de Souza Castro, Albrt Neubrink,
Jos Golant, Jos Rodrigues, Mara de Sousa
Leal e 1 filha, Jos Raymundo do Lago, Paulo
Pereira, Luiz Torquato de Araujo, J. J- Chriskiel,
Virgilio O. Marinho, sua senhora e 1 criada, Ma-
ra Pousadilbo. Antonio C. de Bulhoes, Nicolao
Pexiles, Francisco Pexiles. Carlos P. Aleantarino,
Arsenia de Oliveira, Jos Xor.., Jcronymo Xeres
e Antonio Goncalves Netto.
Casa de HetenrAo Movimento dos pre-
sos no dia 22 de Junbo :
Existiam presos 317, entraran. 11, sahram 24,
existem 8U4.
^A saber:
Nacionaes 268, mulheres 7, estrangeiros 10, es-
cravos sentenciados 6, processados 4, ditos de cor-
reccao 10.Total 304.
Arracoados 274, sendo : bons 262, doentes 12
Total 247.
Movimento da enfermara :
Teveram baixa :
Antonio Ignacio do Nsscimcnto, Joo, oscravo
de Tbiago de tal, e Antonio Joaqum, escravo de
Flix Valois do Nascimento.
Teveram alta :
Miguel de Torres Gallindo e JoacBa^lula Evan-
gelista.
joterla do BioA4* parte da lotera n.
197, do novo plano, do premio de 100:000*00,
ser extrahida amanh 25 do correte.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
cia ns. 37 e 3b.
botera de Maeeld de SOOtOOOAoOo
A13* parte da 14 lotera, cajo premio grande
de 20O:0O0000, pelo novo plano, ser extrahida
impreterivelmcnte no dia 30 de Junho s 11 horas
da manbS.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In-
dependeaeia ns. 37 e 39.
botera Extraordinaria ao Vpt-
ransjaO 4o e ultimo sorteio das 4 e 5 series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000*000, ser extrahida a 14 de Agosto proxi
mo.
Acham-se exposto a venda os restos des bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marca
n. 23.
Hainiliiurii Publico. Foram abatidas
no Matadouro da Cabanga 95 rezes pora o consu-
mo do dia 24 de Jonho
Sendo: 86 pertencentes aos Srs. Oliveira Cas
tr C, e 17 diversos.
errsdo Municipal de S. movimento deste Mercado nos dias 23 do cor-
rente, foi o segninte:
Entraram :
29 bois pesando 4.223 kilos.
635 kilos de peixe a 2U res 127O0
58 cargas de farinha a 200 ris 11*600
35 ditas de (nietas diversas a 300
ris 10*500
11 tebolciro* a 200 ris 1*000
15 suinos a 200 ris 3*000
Foram oceupados:
231/2 columnas a 600 ris 14*100
26 compartimentos de faiinha a
oOO ris 13*000
25 compartimentos de comidas a
500 ris 12*500
76 ditos de legumes a 400 res 3J*40O
15 compartimentos de suino a 7U0
ris 10*500
13 ditos de tressaras a 600 ris 7*800
9 ditos de ditos a 2* 18*000
A Oliveira Castro & C. :
2 talhos a 500 ris 1*000
54 talhos de carne verde a 1* 54*000
Victoria n. 45, 2." andar, residencia ra
lo Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. andar.
Dr. Qliveira Escord. 2. promotor pu-
lbico, tem seu escriptorio de advogacia da
ua Primeiro de Marco n. 2.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
Bregas-la
Francisco Manoel da Silva & C ieoo-
itarios de todas aa eBpeoialidaues pharma
ceutioas, tintas, drogas, productos chimico
e medicamentos homceopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
errarla a Vapor
Serrara a vapor e ojjicina de carapino
de Francisco dos antos Maje Jo, caes de
Capibaribe n. 28. N'este grande estaba e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
aero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidadea, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparam obrar
de carapira por machina e por presos sem
com natnf>a..
1.000:000*000
Os bilhetes desta importante lotera de
tres sorteios, que corre no dia 8 de julho,
acham-se venda na Rada da Fortuna
run Larga do Rosario n. 36 e ra do Ca-
bug n. 1.
ITBLIQIOES A PEDIDO
Deve ter sido arrecalada nestes dias
a quantia de
201*300
bnete de l.i-llnra iKasrannucn
ateFunccinn ia este gabinete, em sesao urdiua-
ru, no dia 6, d correte mes, presantes onze so-
cios e sob a presidencia do Revro. vgario Floria-
no Coutinho.
Lida e approvada a acta da sesao anterior, o
Dr 1 secn-tario d<-clarou nao hnver exp<'diente e
apreoentoa a seguinte lista de livros e jorna s re-
< bid a no decurso do mez de Maio prximo fiud :
Pelo socio bemfeifor A. de Mendonca : Nabuco,
manual do advogarlo, 2 vola, eoc; Teix'-ira de
Preitas, cneolidac/io das leis civis, ultima cdicco
1 vol. ene. ; Nvaes de Carvalho, promptuano
ieitoml, 1 vol. ene.; G^ultier, Mademoiselle de
\l-iu In, 1 vol. ene. e umitas outras obras de litte-
ratura em broch.
Pe* L)r. Cyro de Azevedo : Drfeta Alberico, 6
exempUres em broch.
Pelo Dr. Sebastio Ale indrino do Amaral :
Chateaubriand, bellezas do christianismo, 1 vul.
ene.
Pelas respectivas r- daccoes :
De P. rnainueoJiirto de Pernambueo. Jornal
do Rtcife, Seis de Outubro, Aurora e Rrbate.
Ki" ie Janeiro Semana, Pain, Vanguarda e
Violeta.
Do CearComtituicao e Ceartnse.
D.i S. PauloImprenta Evanglica.
De Minas-OeraesVachoeirano.
Pelo Dr. Cesar J.ic >b Sergipe, Babia e Alagds.
t. soiveu o mesmo gabinete que o conselh) di-
rector dirigase urna petieo ao Exm. Sr. presiden-
te da provincia, reclamando contra o acto do the-
soureiro das loteras da provincia, tenente oto
nel Augusto Octaviano de Soasa, >supunmindo da
le provincial de 11 de Ag>sto de 1835 (ornamen-
to provin :ial) a lotera concedida em favor do
mesmo gabinete.
Em seguida fii proposto e approvado socio e-
fectivo o Sr. Joo de Soasa Costa
Nada mais havendo a tracUr-se o Sr. presidan -
^e levantott a sesso.
Precos do dia:
Carne verde a 400 tis o kilo.
Su .o^ 560 e 640 ris idem.
Carneiro de 640 e 1*000 ris idem.
('anuo* de 240 a 320 ris a cuia
Milho de 280 a 320 res idem.
Feijode 800 a 1*600 /
Cetnllerio PublicoObituario do da 22
de Junho de 1886 :
2!
Urna enanca, do sexo masculino, Pernambueo,
H'cife; ao nascer.
Mara, Pernambueo, 6 das, Boa-Vista; espas-
mo
Anoa Mara da Conceicao, Pernambueo, 24 an-
nos, solteira, Boa Vista; tubrculos pulmonares.
Antonio, Pernambueo, 2 annos, Santo Antonio;
asphyxia asthmatica.
J is Mara de Alencar, Rio Grande do Norte,
59 annos, eoado. B >a /i-ta; leso do corago.
INDICARES STEIS
MeilicoM
(uiiMilInrin nieilii'it rironlro do lr.
Pedro de iuaiivile Lobo Hoscoso
ra da tilorin n. 3V.
O difutar Moscozu d consultas todos os
fias uteis, das 7 s 10 horas da manh '
tiste '.uusuitorio olftireuu a commoiiitl.
le de poder cada lente ser ouvido o ex
ainado, seiu ser presenciado por outr
De meio dia s 3 horas da tarde ser
I )r. Moscozo encontrado no torreo pr-i
^ do Coiamercio, onde funcciona a in
pv.cyo di: sade do porto. Para qualqu^i
I estes ious pontos podero ser dirij;
is nhutnarloa i>or carta a*s indicadas hora
O Dr. Arthur Imbassaky, medi :o OOCQ
list r i:int>'iuiit chi-gad esta cid > le,
u consultas tod >s os i i > s, das 8 s 10
horas da m .nh, sendo gratis aos pobr ta
no 1. au lardo pr<-dio n. 53 da ra da Im-
p Consultorio ailopiilleo doNlmetrico
Ur Miguel r/iemudo tt consulia d 12 s 3 i-i tarle om s-u consultorio ru
mo Bni da Viot na a. 7, 1. uudr.
Ch m ios por ebufipio Especiali.i^dus piiios, feoi.-o, syphis,
molestias lo pulno e do uoraco.
Dr. Lopet Pessoa Mlico.Railn
eia a ru^ 'ie D. Piro I n. onl<; pode
ser procurado at s 9 uoras da maani
Consultorio rui do Bom Joaus o. 3 Io
andar. U consultos das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Dr. iarreto CSampaio d consultas de i
s 4 horas da tarde, ra do Barao I
Falle nela de I. C. JLevy d C
PKTICAO DE AGORAVO
(Concl't&o)
IV
*
Os aggravantes, por brevidade. deixam de con
siderar em absoluto certos principios enunciados
na sentenca ; limtam-se a apreciar a sua applca-
co ao caso vertente. Um delles o seguinte :
... possivel dar-se o estado de fallencia
mesir o no caso de ser o passivo muito inferior ao
activo, se se verificar a bypothese de ser este de
difficil, precaria ou trabalhosa realisaco. ou quan-
do por motivos especiaes o negoeio nao poder eonti
nuar por lhe faltar a imprescindivel direocao, ou
pelo desapparecimento do crdito, de modo a se
toruarem dificultosas, seno impossiveis as trans-
accoes precisas para o gyro do mesmo negocio.
0 dou'o Juiz reconhece a existencia de motivos
especiaes, que embaracam a continuaco da socie-
dade J. C. L;vy t C. P. i este o derradero fun-
damento :
Attendendo finalmente que oque destes autos
se eollige com evidencia grande desharmonia
entre os socios da firma justificada, o que pode dar
lugar dissolucao da sociedade ..
A falta de imprescindivel direceo, motivada
por molestia, nao influe mais que a falta absoluta
de accordo entre o gerente e os mais socios, a im-
possibiiidade de se entenderem, e o suicidio moral
do mesni gerente; que tracon com sea punho
aquelle plano de quebia fraudulento, e maudou
espancar por seu irmo e por um criado, no pro
prio estabelecimento, e em presenca de caxeiros,
o socio solidario Thomaz Holmes.
I*vy reside fra da eidade, mas urna noit" de-
morou-se no estabelecimento at qne Thomas Hol-
mes, que alli mora, fechasse as portas, Enrico
Levy, que nao socio, nem empregido de J C
lievy & C, e que nao tinha o costume de peruo-
tar alli, esteva presente, armado de revolver, e de-
clarou polica, q-iando foi prese, que levara com-
sigo urna arma, porque ia dormir em companbia
de Holmes. Qaando este acabara de fechar urna
porta, traicoeiramente agarraao pelas costas (o
que tez um criado), e Enrico Levy espauca-o bru-
talmente no i osto e na caneca, e por fim aperta
lhe a garganta para abafar os gritos de soccorro.
Preso em flagrante, e levado l' esteco da guar-
da -cvica (onde foi apprehendido o revolver) En-
rico Levy, que foi acompanhado de seu irmo, de-
clarou que havia lutado, por cansa de orna injuria.
Falsidade revoltante, pois os dous mdicos que
examinaram Thomaz Holmes e Enrico Levy, mos-
traram que este nao apresentava nenhum signal
de que houvesse lutado. Earico Levy apenas
apresentava, no dorso da mo direita, o signal de
qne tinha dado socos.
Cnmpre nao deixar em silencio urna circunstan-
cia, que muito significativa. Thomaz Holmes
em sea artigo publicado no Jornal do Recife de 5
do correte, escreven estas Imhas :
Ainda depois de*te attentado, tenho soffrido
insultes e ameacas, e continuo privado de exami-
nar os livros, para saber, poi exemplo, o destino
de quatro barricas, que hontem, dia santificado,
sahram pela portado fundo do estabelecimento.
O aggravado respondee no Jornal du dia 6 :
Aa quatro barricas que sahram da drogara
oo dia 3 a que se refere o Sr. Holmes foram para
a respeitavel esa commercal desta praca do Sr.
Antonio Martiniano Veras & C.
No Jornal de 9 declaram A. M. Veras 6i C, que
apenas tinham comprado tres barricas, no dia 3 do
corrente, sendo duas com alvaiade de zineo e urna
com 125 kilog. de er; o que constava do memo-
rndum tornecido por J. C. Levy & C.
Este fa te dispensa commentarios.
Voltando ao fundamento j transcripto, incon
testavel que sero dificultosas as transaccoes pre-
cisas para o giro do negoeio. Os aggra" antes, se
nao for abe.ta a fallencia (oque nao I de esperar),
em vez de fornecerem dinbeiro .t para o despa-
chj de mercadorias, promoveram a cbranos ju-
dicial das letras vencidas e que se forera vencen-
do, faro successivas penhoras as mercadorias de
mais prompta venda, e talvez, por ultimo na ar-
maco e utensilios. Os juros e as custas augmen-
taran a importancia das dividas... Perdo, nao
ha de ser assim, nao haver successivas penho-
ras; porque Levy, se conseguir o desejado adia
ment, ha de requerer a fallencia em occasio que
I be pareca mais opportuua.
No fundamento que se vai transcrever, ha um
engao manifest, em relaeo ao exame dos li-
vros :
Attendendo que a prova resultaute desse exa-
me, no qual os peritos tiveram de regular se pelos
li.ros, facturas, etc., nao pode ser enfranquecida
pela circumstancia de dizerem elles que o saldos
apresentados sao hypotheticos, isto que elles
sem bataneo nao p dem assegurar a exist-ncia
real dng mercadorias, de que d noticia a escriptu-
raf/io, p'ti- outra regpjsta nao podiam elles dr em
razo de ser pessivel arranjar-se adrede urna es
cripta, na qual se figure consa muito diversa da
realidad ...
Os_ peritos nao disseram, nem podiam ter dito
cousa stinelhaute. O balanc i, isto o balancea
raento das diverOU coutas, trabalho feto nos li-
vros, nao o me:o de saber exactamente o qne
xiste uas pratileirs, na caix'S, nos armazens.
O ba'anco presuppoe' o inventario que o mei i de
verificar se q'ial a existencia real das mercadorias.
A importancia verificada tem de figurar no ba-
lai.c i.
A uei e-sdade do inventario nao vem unicamen-
. p '-r-ibilidade de extravos ; mas de nao se-
rem laucados um por um, e com os respectivos
preQog, o.- i.bj. ct m vendidos a retalho, ou as quan-
Hdailes veu.lidas.
O d'iutu Juigador soppos, que havia nos livrus
nma conta apres ntaoo de modo determinado, pre-
ciso, cmn t-xictido anrhmica, a importancia dai
marcad ra tistoasos e que os peritos considera
ram us Une, inentos dados hypc'.heticos, pela'pom
hilidid d ler did toda falsa. A s r a--.un, n > haveria exame de
Irvroa qieua. fosse baseado em dados hypot he -
Eib ihi o que disseram oa perito,*, cuja proficien-
li! i -nd dn o aut ir desta miiiBta foi o pri-
ineiru pri-i,inar (e nXi arrep n eu-se) quando
a iub- da M.nneaco 'iell.-s ;
Eu'rau.io, p.irm, na inv stigac) aprofnnda
da d i iimvim uto de ala uina das cuntas devedo-
lua-, cmnefaram pela- coutas geraes,
nd a primeira dalla a de mercadorias geraes,
queri_ii' ni. pelo s I in entre a- entrad s c taki
das na 11. le l><;0: o que i alias essencial no computo desta contal isto
i, A BXISTEBCIA REAL DAS UBRCAD0R1AS, qne s pode
s r r c un ifda pul inwn'ari, o qual nao toi lei-
lo or oceasi .6 da eoutecco do supradicto ba-
lanco de fl. 78.
i Beconhecida esta deficiencia occasional, nao
pode, debaixo do ponto de vis la da existencia de
mercadorias, ser exacta a verba respectiva, do re-
ferido balanco, como tambem nem o por hypothese,
desde que as mererdorias sabidas representara uta
\alor em que presumidamente de va existir um la-
cro, somente demonstravel pelo inventario, que nao
teve lugar.
Foi por isso que os peritos recorreram a hypo-
these e estimalivms, como elles mesmos disseram
em varios lugares do seu trabalh i escripto.
En quanto a sentenca diz que a prova resul-
tante do exame ao pode ser enfraquecida os pe-
ritos declaram francamente que tal prova nao
existe.
Diz a senterioa que os livros, papis, etc., fo-
ram apresentados immediatamOnte, sem que hou-
vesse tempo de se fazer qualquer alterado, que
aiis nem argida.
Houve tempo bastante de seJaserem alteracoes,
e era muito capaz de tazel as quem lancou por
escripto, com sen ponho, o seu projecto de quebra
fraudulenta, e teve a sem-ceremonia de declarar
em Juizo que a pharmacia Levy nao perteucia i
-ociedade, que as letras assignadas por J. C. Le-
vy & C, eram papagaios, etc., etc. O genio in-
ventivo e o desembarazo de Livy chega n a tal
ponto, que elle foi denunciar ao Dr. Chefe de Po-
lica, que Thomaz Holmes esteva preparaudo ma-
terias inflammaveis para laucar fogo no estabele-
cimento Este nao est no seguro ; Holmes entrn
para a sociedade com todo o dinheiro que possnia,
e tem no mesaj predio, onde mora, at a roupa
de seu uso ; de sorte que faria um incendio, para
no dia seguinte ir pedir esmolas !
com invenees, com falsidades, com intri-
gas (e at cartas anonymas !) com recurso" de to-
da a especie, que Levy pretende obter (Vossa Ma-
gesrade Imperial nao ha de permittir que elle a
consiga) a realisaco de seus criminosos intuitos !
Houve tempo bastante para se fazerem alteras!
coes, pois a desintelligencia comecou desde que os
aggravantes se recusaram a reformar as letras ;
notando se que os livros foram apresentados era
11 de Maio (fl. 91), e j em 24 de Abril Levy ti-
nha obtido a resposta a fl. 76, na intuito de pro-
var que os aggravantes eram socios solidarios.
Os agravantes couhecendo os tactos e as cir-
cumstancias que se prendera vida da sociedade,
sguardam a occasio, em que possam ver os li-
vros, para fazer arguices fundamentadas.
Basta apreciar por ultimo este fundamento :
< Attendendo que em vista do minucioso exarca:
feito pelos peritos, profissionaes de reconhecidas
babilite(oes, foram elles de parecer que a firma
justificada nao se achava em estado de insolven-
cia, fl. 115...
Esia referencia ao qne disseram os peritos, deva
ser completada; elles escreveram a fl. 115:
Quanto ao segundo ponto : Que opiniao del-
les nao estar em estado de insolvencia a firma da
J. C. Levy & V., debaixo do ponto de vista dos
valores activos contra suas obngacoes passivas.
Isto significa apecas que, balanceadas as con-
tas, ba um saldo a favor do activo. Se debaixo
deste ponto de vista que a fi ma nao est insolva-
vel, segue-se que ella est, ou pelo menos podo
estar usolvavel, debaixo de outro ponto de vista.
De todas as fsilencias, a que tem assistido
signatxrio desta minuta, lembra-se nicamente da
urna, em que sob o ponto de vista, a que se refe-
iem os peritos, havia insolvencia; porque no ba-
lanco, apresentado pelo fallido, nao havia capital
e sim um dficit de 4:000/000.
E' forcoso concluir, sem mais demora; e nao ha
necessidada de maior expLnaco. O que est de-
monstrado, basta e soheja, para tornar conhecida
a legitimidade e necessidade absoluta da declara-
cao da quebra de J. C. Levy & C.
Os aggravantes confiara na indefectivel justica
de Vossa Magestade Imperial; e esto plenamen-
te convencidos de que em urna questo como esta
nao causante enfado a leitura deste longo traba-
lho e o estud) minucioso dos autos.
Pedem a Vossa Magestade Imperial deferimen-
to
E.B.M.
Recife,de Janho de 1886.
Jos Joaquim de Oliveira Foncea*.
Ao venerando Tribuna, da Relam
Antonio Carneiro de Gouvea, executando Ma-
thias Lopes da Costa Maia, no juizo de orphos,
fez sequestro em urna divida constante de letras
pelas quaes Mathias estova accionando o seu de-
vedor; e, obtendo ama carta executoria, fez cosa
o devedor de Mathias (na Parahyba) urna transao-
cao, dispensando de soa propria sntoridade todo a
premio, e recebendo novas letras Bmente do prin-
cipal.
Mathias oppoz embargas de pagamento, pois
que s o premio dispensado por Gouveia ao ;e
devedor exceda a quanti-t pela qual elle esteva
sendo executado.
Os seas embargos foram recebidos em parte, pa-
ra se mandar attender somente o principal das le-
tras, sob fundamento de qne as primitivas esta-
vam proscriptas !
Houve appellaco no effdto devolutivo. Mas
sendo confirmada a sentenca, e tendo Oouveia ex
trahido carta com a qual levantou do deposito pn
blico, sob flanea de Joo Goncalves de Souza Bei-
ro 6:1544000, que tambem havia peohorado, per-
tencente a Mathias, este exhibindo documento es-
cripto pelo sen devedor com o qual provou que as
primitivas nao estav^m prescriptas, oppoz embar-
gos infringentes, os quaes foram unnimemente
julgados provados, mandando o venerando Tribu-
nal attender a favor de Mathias, o premio das le-
tras que o sea contendor havia dispensado seus
ciencia sua, e emendar a conta das cnstas
0 accordo que assim julgou, foi embargado por
Gouvea, e confirmado ainda unnimemente n'este
ponto.
Desceram os antes, e foi cootado o premio a
emendada a conta.
Verificado, porm, que a importancia do premia
exceda a quaatia levantada por Gouv> ia, qne do
exequente passou ser executado; Mathias, fir-
mado na Ord. Liv. 3 Tit. 86 3 e 4, que dispde,
que sendo a sentenca revogada em parte ou ao
todo, os bens sero restituidos e as anotas pagas
por aquelle que a execuco fez faz -r, ou por smi
'fiador, sem outra detenga, ido. is
principal ser requerido, esem figura ii in ordem
do juiso requereu a citaco do refer lo Joo
Goncalves de Souza Beiro, paraem 48 h.ias, res-
tituir, cr mo fiador, a quantia levantada por Gou-
vea, sob pena de proceder-se penh ra era seus
bens.
Sem restituir dita quantia, nem ao menos offere-
cer bens penhora, appareceram oppondo embar-
gos, nao somente o fiadorcomo teuibem o afian-
cadosendo os embargos d'este qual fica los de
infringentes do julgado; e ambos por interme-
dio do mesmo advogado!
A le muito terminante a respeito de embar-
gos na execuco.
Nj s a Ord. Liv. 3 Tit. 87 pr., como o art. 575
d > Reg. u 737, de 25 de Novembro de 1850, man-
dado observar as execncoes civeis pelo Dec. n.
9,549, de 23 de Janeiro do corrente anno, dizem
quinenhuns embargos sero oppostos antes da
penhora.
Entretanto foram esses embargos admittidos nos
jroprios a iteo la execuco, e at com suspensas
da pc.n i ora !
Accresce qus a decisao que se executa foi profe-
rida soore embargos infringentesippistos por
Mathias; pelo que, anda mesmo no prazo legal,
isto depois de f ita a penhora, e nos seis das
seguintes a aecusaco della em audiencia, nao ss
poderia a Imittir embargos, de igual nitureza, a
G'iuvea, o que ento seria eternisar aa demandas.
Maihiis aggravou par* ovemrando Tribunal, e
o juiz, em sua contraminuta, disse que nao poda
deixar de a imittir os embargos, (o que s poderia
ser feto pelo Tribunal da Relaeo) por serem in-
fringentes.
Note-se que qualificados taes s foram os em -
bargas de Gouv ia, e nao os do fiador contri quem
tem de correr a ex-'cuc&o; entretanto mesmo cem
relaeo aos de Gouvea, encontra-se no DireiUj,
vol. 83, pag. 231, um caso completamente idntico,
e que ahs fora citado n minuta de aggrivo da
Mathias, pelo qnal se v que o jais da execuco
tem competencia para nao admttir embargos, ain-
da mesin. qualificados de infringentes, nao senda
apresentados no prizo legal.
Eis como respeito d esse caso idntico a qua
ahudraos, se expresson o Ilustrado Dr. Thomas
Gares Paranhos Montenegro, contraminutando
um a^gravo :
Todos os embargos do executado, qalqueb icb
soja sua batubeza, s podem ser oppostos dentr*
dos seis dias seguintes a aecusaco da penhora.
Este praso conta-se lo dia da audiencia, o
nao do em quo sao os antes feitos eom vista ao
advogado.
Na bypothese destes autos o conbecimento dos
embargos infringentes da competencia derY.
S~


I
1 mam i
i



Icario de PernamhiieoQuinta-feira 24 de Junho de HH&
' L I I II I I I I i
-r
M. Imperial, mis para seo era precito que el- f
les fosscm offrecidos dentro do prato legal.
Nao posso cerco conKectr del les era uto fi,
porque nio oe rejeitei por su improcedencia,
porm por tcrem viodo fura de tempo, o que da
minha competencia.
E o veuerando Tribunal por su re decidi :
< Accordao em Kelsco Que ieito o sorteio do
adjunctos, ex pistos e discutidos o autos, ne
gam provirnento ao aggravo, para sustentar,
como sustentara o despacho aggravndo, em vista
das ratoes eom que o sustentou o juit quo.
Tanto neste caso de que trata o Oireito yoluine
33, pag. 231, orno no de que nos occupamot, 01
embargos, foram apresentados fra do praso legal,
com a differenca apenas, que all foram presen-
tados no stimo dia depois de acensada a penho-
ra, aqu foram apresentados antes de seguro o
juizo, isto antes de feita a penhora, o que tanto
maior daino causar a Matbias, quanto publi-
co notorio que Beiro, o fiador, procura vender
o* seus bens de raa, tendo para tal fim eucarre-
gad.> Ddmiro Gaudonoi* Ribeiro Pettoa fa ontroa
Portanto de esperar que o aggravo de Ma-
thias seja prvido, para que pista haver confiau-
ca no que diz a lei, e nos julgados ; anda mais
porque d'elle relator o mesmo intgro ulgador
quecomo adjunto proferio o accordao supra tran-
scripto.
Continuar-se-ha.
Cabo.
V&-I*
Vivo sempre em illusoes
Vendo baracoa e gretas
Pedindo a mestras licedes
Soffrendo tempre caretas.
Nao perde ser di s arcado
Quero souoer osar de tretas;
Poja sempre do agrado
Embora soffra caretas.
Bom deixar de ser recto
Se qnizer sugar as tetas;
Seja amigo do setreto
Embora soffra caretas.
Triste viver assim
Pensando em bruzas e petas ;
Quando en para aqu vim
Achei buracos e gretas.
O administrador do ctmiterio.
Luta Romana
Desafio
E' com a Cmara Municipal
O promotor publico de Pao d*A
lh ao Sr. Baro de Itapls
sana
No ultimo artigo que o Sr. Baro de
Itapidsuma subscreveu contra o meu dis-
tincto amigj, advocado Joao Francisco
do Amaral, ha um ponto que, dizendo me
respeito, nSo deve ficar sera resposta.
' aqui-Ue em que o milito alto e pode-
roso Sr. Burilo de Itapissura i chama ex-
clusivamente a si a minha volta para a pro
motoria de I^uarassu', ao tempo em que
era administrador desta provincia, o Exm.
Sr. conselheiro Francisco Mara Sodr Pe-
reira.
Sem querer entrar o Sr. barilo no3 mo-
tivos que determinaran! a reraoco que
allue no referido artigo, malignidade a
que nao posso deixar de ser grato, diz sim-
plcsmente S. S. que fui removido pedido
do Dr. Martina Pereira e que, para ser
agradivel ao meu amigo A naral, obteve
dito favor para nos ambos.
Acredito que o Sr. Barao de Itapissu-
ma, tomando em consideroslo duas ou tres
cartas que sobre o assumpto escrevi-lhe,
nSo se tivesss mostrado infenso minha
pretens&o; mas ha de perraittir S. S. que,
mais do que si, eu devo o favor obtido
ao meu muito presado tio e sincero amigo
o Exm. Sr. Barao de Caiar.
Nao foi, portanto, o Sr Barao de Itopia-
suma o nico autor responsavel pelo facto
de qus se trata ; houve quem trabalhasse
mais por mim do que S. S., e, com certe-
za, manifestando muito maior interesse e
dispondo de melbores elementos.
aquelles ignominiosos tempos para o
partido liberal de minha cara provincia,
pertencia S. S. ao grupo dos cachorros
e o Sr. conselheiro Sodr mostrava ser
mais affeiyoado nos ledes.
Justamente ao tempo em que eu obtive a
minha remocho, diziam as ms linguas que
S. S. nao era um dos mais assiduos fre-
quentadores de palacio e que. corita va com
multa indiguagio a historia das almofadas.
NSo garanto a veracidade de taes boa-
tos ; lanc>os conta dos polticos da
trra.
O Sr. Barao de Itapissuma, ero o Dia-
rio de Pernambuco, de 24 de Marco do
corrente anno, cscreveu um pequeo arti-
go, fallando sobro as cartas, que alludo
cima, e pedinao-me que, se anda melem-
brasse dellas, d'!ixasse-o em paz.
Entilo, remetti ao meu sempre chorado
amigo Dr. Antonio Correia cathegorica
Illustres Srs. da redaccio do Diario.E' pro-
verbial a falta de limpeza em certas ras desta
importante capital. A commissao resoectiva da
Cmara parece que nao tem conhecim>-nto de tal
estado, que tanto desabona a rounicipalidade, ao
mesmo tempo que ta"to concorre para o augmento
da insalubridade publica, sobretudo agora, que
multiplicam-se febres no meio da populaco.
A larga e habitada travessa do Vinagro, no
bairro de S. Jos, prozima matriz, que vem des-
embocar na ra Vidal de Negreiros, grande de-
posito de aguas plnviaes, que all se conservara
permanentemente, aguas ptridas, lodosas, que
prejudicam o olphato, em prejaizo da saude dos
habitantes.
Sem escoamento a traveasa do Vinagre, cojo ni-
vel mais bairo do que o da ra Vidal de Negrei-
ros, sabida nica e nar.ural de suas aguas, nao
calcada, deposito de lno, as vezes immundo, pa-
rece que aquel le local jfica fra das raas da capi-
tal. A limpeza pubtica, obngatoria para a ma-
mara, nunca alli toi feita, etc.
Em taes condices, Srs. redactores, recorremos
ao seu orovado interesse pelas cousas publicas, e
pedindo-lhe que pelo seu conceituado Diario exija
providencias respeito.
Queimam o ultimo cartucho para serem cama-
ristas ; mas os deveres do cargo nao sao conside-
rados nunca. O demonio da poltica partidaria
absorve-lhes o tempo.
Um prejudicado.
Elelco municipal
NSo tendo asis ti .o a reunio que, no dia 21 do
corrente, fizeram os conservadores da freguezia da
Boa Vista, para o fim de elegerem um directorio e
escolherem quatro cidados, que devem ser apre-
sentados a quem tem de organisar o chapa de vc-
reador'a da Cmara Municipal do Recife, aou obri -
gado a vii, pela imprensa, declarar que, reconhe-
eido prova de apreco com que fui honrado, sendo
um aos escolhidos, convem a minha aubstituico
por quem, no caso de apresentado e eleito, deaem-
penhe o mandato.
Recite, Junho de 18*6.
J. N. Tolentino de Carvalho.
fOOlOOO contra l:0O0O0O
A noticia de que D. Maxino havia des-
afiado de palco do theatro de Olinds o pu-
blico inteiro para urna luta romana, apos-
tando 1:000(31000 contra 1005000; e tam-
bem aquella noticia de que nao appareceu
all um hoinem para D. Mximo; me fez
eu pensar : porque eu nao vencerei esse
otreoido hespanhol I ? Eu que venc Bata-
glia duas vezet, mas sendo no Rio de Janei-
ro Assim a declaraco de D. Mximo
que eu li boje, me obrigo logou a ir com
elle ter urna conferencia em seu conforta-
vol Chalet de Olinda. E de onde eu ve-
nho agora s 7 horas da noite para dizer
pelo jornal que fica o dito por nao dito ;
pois eu uSo aceito mais o desafo. As con-
dicSes de D. Mximo sao justas; elle quer
que eu e elle depositemos o dinheiro da
aposta; quer que a luta saja no largo do
Camo de Olinda; e que a victoria seja de-
clarada por uro jury, antes eseolhido, de
accordo. Mas, esse D. Mximo, com quem
eu logo m sent sympathisa >o, um dia-
bo ; eu ;.qui affirmo. Qual Hercnle* I Qual
Sansao t Elle um Pluttto 1
Primeiro cumplimento de D. Mximo
foi aportar a minha mo de maneira que...
rae fez ver candeias. Depois, apresentan-
do-rae seu ainavel lilao, fez isto suspenden-
do elle por um dedo do pezinho no dedo
mnimo de sua mito esquerda I Eu sentei-
me, e D. Mximo, sem que eu dsse por
tul, agarrn o sof cora os dentcs, por um
dos seus bracos, e sustentando-o em linha
recta diante do nariz, commigo em cima,
que puxei meu relo<;io acorapanliando com
a vista o pontero que marcou cinco minu-
tos !. ..
Ouvndo assim as condic3es de D. M-
ximo, eu me desped:Nada, nao luto
com Vmc! eu sahi andando de costas
Freguezia da Graca
Os eleitorea conservadores da freguezia da
Graca, em reuniio, que tere lugar no dia 19 do
corrente, resolvern) a presentar recommendar
aos seus correligionarios os segrales cidados,
para juizes da pas da inesma fregneria.
Major Jos Cordeiro dos Santos.
Capitao Antonio Becerra de Meneses Lyra.
Tenents Manoel Joaquim A! ves dos Santos.
Solicitador Diogo Baptsta Fernandes.
Reunio consejadora
Cmvidt se aos eleitoret conservadores do 2.
districto da freguezia da Graca, para no dia 27 do
corrate, pelas 5 horas da tarde, se reunirem em
casa do Dr. Ribeiro Machado, a estrada de Santo
Amaro,^ am de tratar-se de assumptoa tendentes
ao prximo pleito eleitoral e interesses do mesmo
partido.
Erratas
O abaixo asaignado credor hypothecsrio do
Exm. Sr. Barao de Una, da quantia de........
16:807*577, principal da hypotheca registrada sob
n. 3,063, pags. 267 do protocolo e no fivro 2 B de
inscripcao especial sob n 1,581 pags. 1,660 a
qual comprehende os seguintes immoveis : urna
casa terrea n. 35 do largo de S. Jos, dita n. 4 da
ra dos Pescadores, ditas ns. '2'i, 25, 31, 33 e 35
do beco Largo, um so irado de 2 andares sob n.
10 na ra da Companhu Pernambucana, dito da
um andar n. 16 da traveasa do Livramento, dito
dito n. 4 na ra do tiapo Sardiuha, e terrea n.
38 na travesa dos Quartois, tolas na cidade do
Recife.
Tendo lido no Diario de Pernambuco de 9 do
corrente um edital em o qual declara-se irem a
praca por execucao de Joaona Rubillard as casas
do beco Largo, o s ibrado da travessa do Livra
ment e a casa terrea da ra dos Quartsis, com-
prehendidas em dita hypotheca, vem protestar f*-
zer valer o seu direito contra quem quer que as
arremate.
Guadalupe, 18 d Junho de 1886.
Antonio Francisco Martins.
at tropecar nos trilhos da nachambomba;
pois D. Mximo sempre amavel e delica
do, oh muito delicado, se dispunha a rae
dar um abrago de despedida.
Eu veaho, pois, de aarar ao respeitavel
publeo, muito agradecido sempre a esse
cavaiheiro Exm. Sr. D. Mximo, segundo
estou obrigado, que eu nilo aceito mais o
desifio.
Recife, 23 de Junho.
W. S. R.
resposta ; mas elle entnndeu conveniente
nao publcala.
Hoje, respondo a S. S. cora duas pala-
eras : Se entende que ellas me podem en-
Tergonhar, se lhe parece que dellas pode
fazer jogo contra mira, eu o provoco a que
as publique, castigando assim a minha in
sobncia em levantarme contra o meu pro-
tector.
De igual genero, supponho serem algu
mas que tenlio de S. S. e, portanto, publi
cando as minhas, perraittir que entregue
publicidade as suas.
Nao co.nprehcnda S. S. que eu queira
dar a entender que tenho documentos para
prejudical-o, nito ; o que tenho era vBta
tornar saliente que, se as taes caitas
que alludio S. S. no sru artigo j citado,
eu pedia lhe para nao oppr-se minha
volta para a promotaria de Iguarassu', na
outras, que esto em meu poder, S. S-, ffc-
zendo-me protestos da mais sincera amisa-
de, davame certas ordena.
Orden, sim, porque um fidalgo nio faz
pedidos um descendente de Isabel de
Souza.
Nao assim, Sr. bario?
Adeuzinho.
Recife, 21 de Junho de 1886.
Francisco Xao'er Paes Bar reto.
Pofo da P mella
Consta que o Dr. Saluatiano e seu companheiro
o Sr- Joo Roma qualificaram de clandeatina e ii-
licita a reund poltica que houve n'aquel'a fre-
gucsia era casa do Rvio. vigario, adherida por
maia de GO eleitores. Pcis bem, respondemos aos
ditos senbores ao autor do artigo publicado no
Jornal do Recife, de hoje o seguinte :
Reunio illicita, composta de typos indecentes e
de bbos disfrnctaveis, s pode ser alguma d'a-
quellas qu- cscandalisam as homens honestos da
Poco da Panfila.
O vigario do Poco e o Dr. Ges s sao booa,
na opiniao d^ articulista, porque nao querem
prestar-3e aos manejos dos trahidores e intri-
gantes.
Recife, 23 de Junho de 1886.
Um cadete do 2.
Jama lacrima Mua-e u tumuio de aseas
pul Joo Coelbo de tlmclda
(2 anniverssrio)
Ah recebe este pranto de ternura,
S<- a t'-us ps nio chegar cternidade
Ha de ao menos regar-te a sepultura .
C. de Figueiredo.
Meu pai! acerba dor dilacera os corseos de
teus ineoiifoaveis filhos e prenles.
Seguiste... mas a tua memoria esisie nos co
racoes dos amigas que te presavam.
Succede que, no meio do riso, dos prszeres do
mundo,, debaixo do aocego do espirito, por entre
as caricias e o des vello dos prenles ; entre aa ve
ees no lar, urna mulaar asquerosa, de orna cata-
dura, medfoha, que cooverte o ra i na lagrima, o
toccego no gemido, produzindo o alvoror^o pun-
gente da afflie.fio e do desespero.
Esta mulber a morte Solacio exquisita do
grande problema !
Cedo pagaste o grande tributo i, na tusas.
Descansa em paz !
Derramo sobre tua lousa, urna percio de goivos
e saudades.
R
t
Beoif-, 2 dt) Junho d% 1886.
dst&aau*/.
A Coelho
JuncQao operara
Appello aos artistas ue differentes classes
e de todas a3 freguzias
Convidase aos Srs. artistas eleitores
para uraa reuniSo que se eff-*ctuar na ra
Nova de Santa Rita, pelas 6 horas da tar-
de de segunda feira, 27 do corrente, afra
de deliberar-se a attitude assuroir no
prximo pleito eleitoral.
Poco da Panoli
Chapa organisada, na reunio que teve
lugar no dia 19 do corrente, em casa do
Vigario Joao Rodrigues da Costa, para
juizes de paz daquella freguezia, e que foi
aceita por 67 eleitores, como consta da
acta que se acha em poder da commisso.
Juizes de paz
Francisco Jos Guedes Lacerda.
Affonso Moreira Temporal.
Joaquim Maximiao Pestaa.
Augusto Cesario de Mello.
A cadeia sem porta
NOVA APOSTA DE 500(5003 CONTRA 5)J000
Nao estando o llustre eavalheiro W. S. R.,
conforme se obrignu a declarar h"je pela impren-
ta, mais resolvido a aceitar o anterior desarlo,
apesar de conhecer que sao justas as minhas con
dicoea; venho, perantc o respeitavel publico, fazer
um novo desafio para que na se pense que pro-
meti o que sou incapaz de cimprir. Assim, no
domingo ,-roximo, de 4 para 5 horas da tarde, fa -
sendo, como espero, bom tempo, serei encontrado
no largo do Ca:mo, em Olinda, diaposto a apostar
60040* C contra 5J00O cm qnam ti ve urna junta
de bois, parelhas de cacaUos ou burro outro qu*l.
quer animal que seja capaz de mu arrastar ; con-
sentindo quo se chicot.-ie ou aferroe os animaes
para enturecel-os; e prometi que pucharei a
junta ou parelha que me atrelarem.
Olinda, 23 de Junho.
D. Mximo Rodrguez.
Transforma o sistema
n. a*
Unta das maiores maravilhas da scieucia medica
a rapidez com que a salsaparrilhi de Bristol, resti-
toe as forcas perdidas aos domtes. S a experien-
cia i de permittir i.os enfermos o realisarem os
seos effeitos nos casos de d. biliaade {jeral. Pouco
importa o estado de prostraco physica a que o
doent- se V'ja reiuzdo, po:s a salsaparrilha de
Bristol, lh'a tornar a restituir.
Alguna mdicos t-em suggerido a injeceo de
ssngne puro nat veas dos eufermos, porm este
poderoso restaurativo converte cada urna gotta d -
sangue no carpo do doente em um tnico etficaz
capaz de prestar novas forcas aos msculos, aos
ervos, ao estomago ea todo o machiuismo animal.
Que nenhuma peseoa por mais traca e dbil que
seja pfctca a espera ca de viver at unta idade mui
avxncida, porque nesta preparacao existe um prin
cipio vital que r'Stabelece as forcas dos mais de-
b io como pjr encanto.
Acha-se ven I em todas as principaes boticas
e lojaa de drogaa.
Agentes em Pernambuco, Henry Forstei & C,
ra do Commercio u. 9.
A Agua Florida de narry o mais rico
e ustlhor de todos i.s perfumes, send > como taita
da eaaencia etheren de floras de aroma delicadiasi-
ooe aaudavel. Sua cc> sempre refrescante,
al'ivia e fortalece ao mermo tempo estimulando as
faeuldadea phyaicas e mentaes a renovado eaforco
e fasxndo que as peso, aa que a usam dquiram
esta aiegre vivacidade que to admirada eos ac
bos os s x-s, e que as habilita a apparecer ern" ao-
c..dde muito mnia vaataiosaaiente do qu* qtwsa
nia-ttr>oa o beneficio de to bygienica id
L-se no Progres Medical:
< O vinbo de Extracto de fgado de ba
callio, deChevrier, presta os oaiores ser-
vicos :
< Aos individuos exhaustos por longas
secregoes mrbidas.
Aos antigos rheumaticos privados de
appetite.
Aos gottosos inveterados que n2o di-
gerem mais.
As criangas debilitadas pela denticao.
< Aos adolescentes cujo crescimeato fa-
tiga.
< Aos adultos cujo trabalho ou pr zer
exhausta.
s Todos achara neste mdicamente um
licor agradavel, juntando a um poder
generador indiscutivel um gost > de natu-
reza tal, que satisfaz ao paladares mais
estragados.
t Nao seria por demais recommendar
No artigo do 8r. JoSo Francisco do Amaral, pu-
blicado no Diario de bo'ntem, ha, entre outros er
ros de pequea importancia, os seguintes, que
convm sejam corrigidos :
Na 2* columna, linha 83, onde se l :todava
basta va o simples lutura etc. leia-se : todava
bastava a simples leitura etc.
Namesma columna, linha 117, onde se l :
declaraco, quanto segunda parteieia-se, de-
claraado, quanto segunda parte.
Na 3 columna substitua-se o primeiro periodo,
que cometa pelas palavras : Se o juiz qu ti
vesse pleno conbecimento de suas attribuices i
etc., pelo seguinte :Se o juiz qu tivesse pleno
conbecimento de suas attribuicOes, teria aceitado
delegacoes illegaes do juiz de direito para prati-
car actos, que este nao quiz praticar, sob sua di-
recta responsabilidade. como por ezemplo, o da
suspensao do peticionario, que, elle juiz de direito,
tem, publica e fingidamente d*sapprovado ?
Na mesma columna, linba 94, onde se dizem
leis absoletasleia se : em leis obsoletas.
Anda na mesma columna, linha 125, onde se
l :aviso n. 447 de 28 de setembro de 1864leia-
se : Setembro de 1865.
Ao Ilustrado publico
Viva Santo Antonio !
Viva S, Joao I
Viva S. Pedro I
Viva S. Paulo !
aos nossos leitores o omprego
lente medicamento. >
deste excel-
0 Dr. Lobo Hoscoso
tendo de fazer urna viagem ao Rio de Janeiro
onde se demorar pouco tempo pede >esculpa s
pessoas de su is relajees por nao poder despedir-se
dellas pess.mmente, o fs por esto meio, aguar-
dando all as oriens que lhe quizerem dar.
Outrusim declara que fica o seu collega e amigo
Dr. Jos de Miranda Curio encarregado de sua
clinica.
Recife, 23 de Junho de 1886.
Cbapa de juizes de paz do partido
conservador da freguezia de
S. Fre Pedro Gonfalves do
Recife
Comraendador Jos Pedro das Neve3.
Balthazar Jos dos Res.
Tenente Caetano Jos Gongaves da Ponto.
Manoel dos Santos Villaca.
Freguezia de Sanio Antonio
Os eleitores co iservadores da freguezia de 8.
Antonio, em reunio que teve lugar a 16 do cor-
rente, re olveram apresentar e recommendar aos
seus correligionarios os seguintes cidados para
candidatos a juizes de paz :
Major Antonio B' rnardo Quinteiro.
Artista Be chior Miguel dos Santos.
Proprietario Ji'o Per: eir Loureiro.
Proprietario Hazimino da >i!va Gusmlo.
Eleico municipal
Por deliberagao do Centro Republicano
sou o candidato, quo este aprsenla na pr-
xima eleic&o municipal.
Tive de acquieucer essa apresentacao
honrosa, menos p< la gloria individual que
me possa advir, do que pela opportunida-
df, qu^ se me offerece de prestar um servi-
co idea republicana, qual voto um cul-
to sincero.
Nao disponho, por forca de minha pro-
fisso, de tempo para tirigir-roe a todos os
meus co religionarios, a todos os meus af-
feigoaios o a todos os homens independen-
te, que sabem prestar adhes^o a ideas e
nao a homens, puyo a estes os seus vali
sos suffragios.
Dr. JocLo Carlos Balthazar da Silveira..
Luta romana
DESAFIO
conlra 1:
O iiluatr- cavilheirb que em carta aasignada
com aa iuici>.cs W. S. ti. me dec'arou actitar com-
migo urna aposta em luta romana, a luz do dia,
em plena praca publi 'a, queira t.-r a bondade de
appiir-'eer em qua quer- da das 3 horas da tarde
at 9 da noite, no pequ-n chalet em qu ha-
bito, eui Olinda, afin de rt-gular'noa as c ndicoes.
CiTto de que o primeiro Hercules do mundo tio
generoso qu.nti forte.
Olinda, 25: de Junho de 1886.
D. Maxim Rodrguez.
Dr. Fernandes Barros
Medico
Coosultorio ra rio Bom Jesua n. 30.
Consultas de rreio da & 3 homs.
Residencia roa da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Estamos no raez de Junho,
Mez de gozo e distracSo,
Em que todos festejamos.
Santo Antonio o S. Joao.
Mez de S. Pedro e S. Paulo,
Mez de mimos e delicias,
Mez de prazer e de gracas,
Mez de venturas propicias;
Mez sublimado e divino,
Mez dos mezes, mez primor,
Mez em que os crent s veneram,
Quatro columnas do amor I
Mez de Junho, te sau'do !
Mez de Junho, te venrro !
Para o teu brilho me aprompto,
Abrilhantar te eu espero 1
Meus lcitoies e freguezes,
Nao morreu o Zacaras,
Est de saude, forte,
A's ordens das senhorias...
Ra Augusta, antiga de Hortas,
Em sua casa o veris...
re" Que o primeiro andar,
Do numero oitenta e seis.
Abi podere3, querendo,
Vossa encommenda fazer,
Por precos sem competencia,
Que s a vista faz crer.
Faz cangica, bons bocados,
Os bolos da S. Joao,
Sem-medo. e fos de ovos
Lindos pastis com cidrSo.
Faz bandejas de encommendas
Para qualquer baptisado,
Para bailes, casamentos,
No gosto mais apurado.
Faz empatias, papos de anjos,
Fino toucinho do co...
Pao de-l, pastis de nata,
De se tirar-lhe o chapeo.
E se encarrega tambem
De mesas organisar,
Ondo o gosto, a elegancia,
Se tratara rivalisar.
Emfim, trahalha era tudo,
Da sua arto e profissSo,
S precisa de vos todos,
Preferencia o proteccSo.
Eia, pois; no mez de Junho,
Neste mez todo prazer,
Consquistem esta trindsde,
Comer, brincar e beber! I
J sabem, pois, onde moro,
Espero das senhorias
Encommendas fartar.
At mais ver
Zacaras.
G, Heckmann
Usinas de cobre, iato e bronze ee d
Golitzer fer n. 9 Berlina S. O.
Espeeialidade:
onstruc(o de machi-
nas e apparellios
para frnicas de assucar, destillaces e re-
finacBes com todos os ape.rfecoamentos
modernos.
INSTALLAQAO DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimonto filial na Havana sob a
mesma firma de C. Heckmann.
C. e San Ipnacio n. 17.
nicos representantes
Haupt Gebra'der
EIO DE JANEIRO
Para informacSes dijijamse ai
Pohlman AC
M o Cerner 110
OCULISTA
O Dr. Bssrrelo Sassapalo. medico oculis-
a, es-chefe de clnica do Dr. de Wecker, d con
sulta* de 1 as 4 horas da tarde, na ra do Bario
da Victoria n. 45, 2o andar, excepto nos domingos
e das santificados. Eesideoeiara do Riachuelo
n 17, canto da ra dos Pires.
Respeitavel publico
Continua aborta a estola particular de trutruc-
co primariapara o sexo masculino, i ra da ma-
tris da Boa-Vista n. 34, regida pelo professor par-
ticular Julio Hcsres de Azevedo.
Educa e instrue a iufaucia, pelo systema dos
principaes collegios da certa do imperio, onde es
teve por algum tempo a passeio, cujo systema
urna paciencia Ilimitada, .urna voeacio intima,
guiando os seus discpulos nocaminho da intelli-
gencis, da honra e da digmdade, afin de que ve-
oham a ser o futuro sustentculo da patria, da re
ligio e da le t um verdadeiro cidado brasileire.
Espera, pois, que o novo pernamtmcano applau-
da e saiba apreciar o sea verdadeiro ensino pri-
mario, onde rpidamente abracara e amam de co
raco aos livros. as lettras, as artes e as sciencias.
Ra da matriz da Boa-Vista n. 34
Julio Soares de Azevedo.
Dr. Mello Gomes j
MEDrCO-PARTEIE OPERADOR
Ra do Bardo da Victoria [antiga
ra Nova n. 37) 1.a andar
Dedica-se com especialidade ao cura-
tivo das febres, molestias de peito e das
senhoras, syphilis e estreitamentos da
urethra.
Consultas das 10 ao meio dia. Chama-
dos a qualquer hora do dia ou da noite.
Telephone n. 259.
Fados e nao palavras
4of que st desejam tratar sem comprometter a
saude com preparados mineralgico.
Nesta typographia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes moiestias : asthmatico,
ainda mesmo bronchitico; erysipela, enxaquecas;
intermitentes (sem o emprego do fatal quinino);
tosse convulsa, falta de menstruacao ; cmaras) de
sangue : estericos ou metrite ; dores de dentes ou
nevralgias, metrorragia ; vermfugos, dentieao e
convulsdes das criancas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratara se escrofulosos em qualquer
grao e gommatosos.
N. 6. Em casos de tsica no primeiro e
segundo grao o poder curativo da Emulaao
do Scott surprehendente.
As suas propiedades sanativas e fortifi-
cantes e as suas virtudes balsmicas e cal-
mantes fazem-se sentir immediatamente a*
principiar a tomar o remedio.
EDITES
Dr. Cunto L
MEDICO
Consultorio e residencia ra do Livramento
n. 31 1 andar. Consultas de 11 horas as 2 da
tarde. Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades, febres, partos e molestias de
enancas.
Dr. Gnuira Lei
ni:iii o
Tem o seu escriptorio a ra do Mrquez d
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San
a Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
oras e criancas.
Licor depurativo vegetal iodado
DO
Medi'o (lui iite I la
Este notabilsimo depurante que vem precedi-
do de tao grande fama infalliv-1 na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rheuroaticas
edepelle, coma tumores, ulceras, dores rheumati
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos, inflamis
ces visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou qn.da
do cabello, e as doencas determinsdaa per satu
raco mercurial. DSo-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas com este
especifico nos hospitaes pblicos e muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para revender.
Deposito em casa de Fara Sob'inho & C
Ra do Mrquez de Olinda n. 4!.
ADVOGADO
fls Henezen
llua do Kuaario Eailreita
n. 3t> 1 andar
Conultorio medico-eirurgico
O Dr. Estevan Cavalcante de Albuquerque con-
tinua a dar consultas uiedico-cirurgicas, na ra
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Paras? demais consulta e visi -
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
o. 53, 1 andar.
Ns. telephonicos : do consultcne 95 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de crea cas,
d'utero e seus annezos.
Clrurgiao -si
Patricio Moreira
Consultas e operaces, das 10 horas da manhV
s 4 da tarde.
RA DUQUE DE CAXIAS
N. 5?, 1' andar.
&

{}
Corso fle preparatorios
lina da "aiulade a. O
Dr. Gssitio Lei
Medico, paneiro operador
Residencia rum da Imperatriz n. 48, 2.- andar.
Consultorio ra Duque de Caxias o. 59.
D consultas das 11 horas da manna s 2 d
tarde.
Attende para 9S chamados telephone n. 449 a
qualquer hora.
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas mdustriaes c rtulos das
suas preparadora na junta commerciai do Rio de,
Janeiro de conf rnrdade con. as prescripcoes das
leis a imperio do Brasil, declaram e participam
aos interessaios, que como nicos proprietarios,
tem direito exclusivo de usar as marcas indus-
sriaes e rtulos relacionados com manufactura,
tabricavao e venda das s guin es prepara.o-js ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tonicj Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
Pattilha8 Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemj..
Emulaao de oleo de figado de bacalho com hy-
pophosphites, de Lanmam & Kemp.
Salsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, >
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portante, peraeguiro a todos os falsificado
ros ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando quo sejam castigados com teda
a severidade da lei.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aquelles que mtentam substituir as nossas prepa
racoes cima ui> ncionadas c >m artigoa falsificados
que levsm rtulos ou marcas industriaes que imi-
tara as nossas.
ansian & Kemp.
te tais lio Dr. Sonto H^ior
Mudou-se este tstabelecimento para Ponte de
Uch, junto da estaco do mesmo mme.
Situado cemo hoje est em um salubre e apra-
zivel suburbio e em urna chcara com bastantes
commodos para o seu fim, offerece umitas vanta-
gens aos doentes estrangeiros, acadmicos e colle-
giaes que na i ti erem suas familias n'esta cidade.
aos que vierem de fra do Recife para ahi soffrer
alguma operae" cirurgica e emfim afls que residm-
do n'esta cidad" pncisarem de mudanca de ares.
Itecebe-se tambem n'esta casa convalescentes e
pessoas sadias que preciaem do ar do campo, para
as quaes ha commodos separados.
Os doentes pira o seu tratamento, indicarlo os
mdicos que quizerem.
Nao se acceitam doantes de molestias conta-
giosas .
Existen na casa apparelhos elctricos e bydn -
therapeuticos para as beribericos, paralyticos etc.
Telephone n. 398
Joao Rodrigues de Moura, capitSo com-
mandante interino do 3* batalhSo da
guarda nacional do municipo do Recife
e presidente do conselho de reviaSo da
qualifcacao da parochia de S. Jos,
etc.
Faco saber aos interessados que no da 24 do
corrente, s 9 horas da manha, se reunir nova
mente no consistorio da igreja matriz, da paro-
chia de S. Jos, o conselho de revisao da qualif-
cacao dos guardas nacionaes da referida parochia,
afin de que apreaentem suas reclamaces no pri -
meiro dia da sessao, como determina a lei.
E para constar mandei passar o presente, que
ser affixado nos lugares do costume e publicado
pela imprensa.
Kccife, 16 de Junho de 1886.
Joao Rodrigues de Mour*.
E ital n. 16
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, faco pu-
blico que no dia 26 do eorrente ir praca peran-
te a junta da Fazenda Provincial, o servico da
illuminaclo de Ignarass e Caruar por tempo de
um anno, a contar do 1 de Julho prximo vmdou-
ro, servindo de base o preco de 200 rs por lam-
pino.
Secretaria do thesouro provincial de Pernam-
buco, 21 de Junho de 1J86.O secretario,
A i jnso de A. Mello.
"*!De ordem do Illm. Sr. inspector, e de conformi-
dade com a ordem da presidencia, contida em
officio de 21 do corrente, faco publico que ir no-
vamente praca no dia 28, pelas 11 horas da
manha, perante a sessao da junta, o fornecimento
de xarque para e presidio ie Fernando de Noro-
nha, no semestre de Julho dezembro deste anno.
S jero aceitas propostas em cartas fechadas e
competentemente selladas, e de negociantes matri-
culados na forma das instruccoes em vigor.
Thesouraria do Fazenda de Pernambuco, 23 de
Jvnho de 1886.O secretario,
Luiz E. Pinheiro da Cmara.
DECLARARES
Club Internacional de
. Regatas
De ordem do Sr. presidente, convido aos Srs.
associados deste Club para, reunidos em assemblea
geral no dia 25 do corrente, pelas 7 horas 'da
noite, na sede do mesmo Club, tratar se da sua
prxima regata.
Recife, 21 de Junho de 1886.
Joaquim A'ves da Fonseca.
Io secretario.
Club Concordia
Reunio familiar sabbadr-, 26 de Junho.
A directora.
sorjieDADE
Beneflcenle Concillado ao valle
da lu da Imperatriz
De ordem do irmao presidente, convido a ttdos
os nossos irmaos a comparecerem na sede social,
no dia .'4 do corrente, afim de ssistirem a sessi
magna de filiaco e iniciacao, que ter lugar s 9
horas da manhS.
A entrada no edificicser franqueada As fami-
lias e pesso s decentes, das 6 s 10 horas da
noite do mesmn dia.
Secretaria, 20 de Junho de 1886.
O secretario,
J. C. Maciel da Silra.
Instituto rcheologico e Geogra-
phico Pernambucano
Sabbado, 26 do corrente, a hora do costume
imver sessao ordinaria.
Secretaria do Instituto, 23 de Junho de 1886.
Baptista Regueira,
1- secretario.
Associacao dos Empreados no
Commercio
Assemblea geral
Nio tendo comparecido no dia 20 do corrente
numero suficiente de socios para -constituir legal-
cente a assemblea geral, convocada para aquelle
da, ordena o Illm. Sr. presidente que sejam de
novo convidados a se reunirem pelas 5 horas da
tarde d dia 27 do andante, na sede social, afim
de se dar cumprimeoto disposicao do J 1' do
art. 35 dos estatutos.
A ass< mbla geral ser constituida com o nu-
mero de socios que comparecer.
Becife, 23 de Junho de 1886.
Manuel Maia,
Secretario.
(iabinde Porloguez de Leitura
Previne-se aos senbores s icios accionistas que
as listas de subscripcSo de acedes para a compra
ou ed ficaco de um predio em nue funecione a
bibliotbeca deste gabinete, se aeham disposicao
de lodos, ua sede social, e que sua subscripeao
ser incerrada no dia 30 do corrente me*.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura
em Pernambuco, 17 de Junho de 1886.
Manoel M irtins Capitao,
1 secretario.
Banco de Crdito Real de
Pernambuco
Nos termos dos arts. 5 e 6 dos estatutos, si*
convidados os senbores accionistas rsaiisaram
at o dia 30 de junho prximo, na seddo bausa,
ra do Com ercio n. 34, a segunda entrada- de
dez por cento do valor nominal de cada aecao.
Recife, i-8 de Maio de 18S6.
Os administradsces,
Manoel Joo de Amorim.
Jos da Silva Loyo Filho.
Luiz Duprat.
Cotsipanhla de EdiflcacSo
Ccmmuoica-se aos Srs. accio istas, que por de-
liberacao da Directora, fui resolvido o recolhi-
mento da terceiru prestacSo, na razao de 10 por
ceato do valor nominal de cada accao, o qual de-
vtr realisar ua sede da Companhia, i praca da
Concordia n. 9, at o dia 30 do' corrente, em cuja
oceasiao se dinribuiro as respectivas accoas.
Recife, 10 do Junho de 18-6.
O director secretario,
Gustavo Antuncs.



Wario de Pernarabttco^uinta-fcira 24 de Junlio de VM 6
S. R. J.
Mi MmM JisbMb
Soire em 14 de Agosto prximo futuro,
solemnizando o 22" anniversario
da iuatallaco da sociedade
Ao Sr. presidente podem deaiu ja o* senhores
ocios eotrgarem as notas da seuu convite. qua
nlteriormentH tero de ser rntreguca aos convi-
dados pela presidencia ca pelas commiaaoea por
ella nontead s.
Becife. 21 de J.inho d 1886
Luiz Guedea de Amorim,
2- secretario.
a Santa
Eaapresiarta do abalerimento d
Sna e *j* A cltlade de oiiniia
DEVBDORKS EM ATRAZO
Tendo a directora, em seasao de 15 do
orrente, reaolvido rebeber por iaterinedio-
de um sollicitador todas as contas de con-
sumraidores d'agua e ga em atrazo,
contar V> ann > de 1876, resolv a'esta
data encarregar de tal cobranza o Sr.
Diogo Bautista Fernandas, a quem epero
attenderfio desde logo os mesraos devedo-
rv, cortos da justica o equidade de simi
lli&ate resolucSo.
Eacripiorio do gerente 28 de Abril de
1886.
Antonio Pereira imdet.
lana Casa da Misericordia do
Recite
Arreada se por muito barato preco, o armazem,
1- e.2- andares do predio n. 24 A ra do Vizconde
de Itapsnca, outr'ora do Apollo, com excellentes
aeeonmodacoes para famili", teudo o 2' andar um
Dom terraco e sjfo ; arrouda-se scpardarneute.
O armazem presta-se pira deposito de assucar,
arriqueiro r.u outra qualquer n'.'oeio que de-
mande grandes accommodacoes ; divide-so o mes
mo ..ruiascm. tornando-se ainda issim dous bons
annazens, com frentes para o caes do Apollo e
ra do meamo nomo.
Os pretendentes poderao examinar dito predio,
qne se acha em repsro, tratando sobre o sen ar-
readamente na seerotaria desta sana casa.
Secretara da Santa Casa ie Misericordia do
Becife, 29 de Maio de 1886.
0 escrivo.
Pedro Rodrigues de Souza
Empresa Telephooica
Bourgard
AVISO
A empresa pede aos senhores assignan-
tes que ainda nao tero tabellas novas o fa-
vor de mandarem bus:al-as, ou entilo avi-
saren] para lhe screm entregues.
Assim, tambem, de hoje em diante, ser
publicado t dos os fias de roezes por este
Diario os nomos dos assign.tutes qua col
locarem t-leplione, bem como acuelles que
forem retirando, para por cate mcio os se-
nhores assignantes terera sempre suas ta
bellas completas.
Recife, 22 de Junho de 1886. .
O gerente,
A. do Carmo Almeida.
Empreza Telephoaica Bourgard
EEI.ACaO DOS ASSIGNANTES QUE COLLOCA-
KAM APEARELHO TELEPHOXICO, DEI'OIS
DA NOVA USTA N. 8
A
N. 30ii. Antonio Jes ar?8 & C, tra-
piche. Travessa da Ma'.re de Deus.
N. 137. AntonioPinto da Silva& C.
KuaDuque de Caxias.
B
N. 447. -Bator & Irmao. Ra do Bom
Jess.
C
N. 448. Cotnpanhia Brasileira. Ra do
Commerco.
D
N. 437. Dr. Pitanga, residencia. -Ra da
Imperatriz.
2s. 449. Dr.'Coelho Loif, residencia.
Ra da Imperatriz.
J. 450. Dr. Joo Julio Fcrnaades Bar-
ros, residencia. -Ra da Aurora.
X. 452. Dr. Martins Jnior e A. Orlan-
do. Ra do Imperador.
F
X. 431.Fortaleza do Bru. Brura.
Estando do Caldereiro
N. 21. -M. W. H. Biltoii. -Chacn.
N. 27. Jos Joaquim Martins, venda.
Apipucos.
Cha preto
As qualidades me-
lhores emais escolhi-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 ra do
Baro da Victoria.
Receben de impor-
tarn directa c vende
mais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.
Corapaoliia de EdificacOes
O escriptorio desta
companha acha-se in
stallado na prac,a da
Concordia n. 9,conser-
vando-se aberto das 7
horas da man ha s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe se de cons-
trucc.es e reconstruc-
Qes.
Recebe se informa-
c,es acerva de terre
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos doos fazer
negocio.
o mes mo escripto-
rio se encontrar* as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da m e s m a
companha.
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companha Phenlx Per-
nambncana
Ruado Commerco n. 8
1PANEIA DE SEGUROS
CONTRA FOGO
North British i Mercantile
CAPITAL
*.000.000 de libras sterllnan
AGENTES
AdomsonHowie & C.
SaSibado
Companha
|mperia l
M(.IRON CONTRA FOGO
EST: 1803
Edificio e mcrcadoricu
Taxat baixa
Prompto pagamento de prejuizot
CAPITAL
Os. 16,000:000*000
Agente
BROVVNS & C.
N. Rua do Commerco N. 5
CONTRA FOGO
Fhe Liverpool a London k Glol)
INSIRRAME COMPANY
Mtim Brotbers & C.
GRANDE ES-
de DES
PELO DR. EJi PHYSICA E
21! de Junho
PECTACILO
PEDIDA
ILLL'SIOXISTA OE PAKIZ
ti
FAURE NICOLAY
O esplendido successo de sua primeira reproscntaQito. nssim carao o syrapathi
co acolhiaiento com quo fui rebebido pe* imprensa fin or.d c pelo Ilustrado publico
dn Purnaiubaco, eai particular, resolvi>u o Dr. NieoUy retardar .1 sua partida afm de
d; nonstrar u sua gratidSo, oflferceeinlo urna nova e ullima funcclo completamente
1 variada a compesta de novos Irabalhoa d^ suagic-i cIc*a;;inSe. de gi'ande pres-
tldlgai'o de magnetismo humano e de tica de um attractivo t3o grande para as Benborufi REPERTORIO C0MPLHTAM8NTE NOVO
1.a Parte ((nivt rliira pela rchestra)
OE H&ES E OS GRANDS
Da HOEi
Multitudc de npparicies de desnpparicS m
sijsinias s mu apparat ; ucenas
AGENTE
el Jos Alves
Bolsa commercial de Pernam
i>IICO
PCIPE, 23 DE JXHO VE 186t>.
As treB hura i carde
f'otacet ul/miaet
Acjes da eompanbia do Beberibe do valor de
100 a 150 cada ama
Analice:) da divida publica, de i 0/0, dos va'ore
de 1:000,5, 8OA, 600 e 4005 ao par,
realisavel em m-'ado de Juiho (ez-J.)
Anoliees proviociaes de T 0/0, de 1:0005, ao par.
realisavel em mea lo de Jalho (ex-J.)
Letras bypothecarias di banco do crdito real de
Peruambuco, a juros de 7 0/0, do valer
de 1005 a 96SOO0 -.la urna.
Cambio sobre o Rio e Janeiro, 30 d/v. com 1 2
0/0 de descont.
Dita sobre dito vista, co;n 1/2 0(0 de premio, do
banco.
Cambio sobre a Babia vista, com 1/2 0,0 de
p-emio, do banco.
Cambio sobre lo. d.-w, 90 d/v. SO 1/2 d. por 15,
do banco
Dito sobre dito, vista, 20 1|4 d. por 15000, do
banco.
Cambio sobre Lisboa, 90 d/v. 157 0/0 de premio.
Dito sobre dito, avista, 164 0/0 de premio, do
banco.
Cambio sobre o Porto vista, 163 0/0
de banco.
ioinpanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
UstabecJda emhi
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de iHH-t
.Harilinios..... I,I.O:000&000
Terrestres,. 510:000^000
44-Rua do <'ommercio
N. 7-RUA DO BOM JESS -N. 7
Mesuro* mar.limes i.i r.--.ris
Ne-iea ltimos unita compa'ihia nesta praga
que concede aos Srs. segurad' s isempcao de paga
iiiuuto de prninio fin cada Ktmo auna, o qne
equivale u .' ~"outn d cerca do 15 pjr centj eui
favor dos DCt'Kddo.
n i
SS. Sacruoienlo matriz do Cor-
po Sanio
N4 liavnndo C'mpanci'li) luai-m numero legxl
I" irmilos |iar:t fn.cedi':"-ao .a eleicao dos novas
r'.imvi nari'.s qu- le ni de dirigir os in'goci >b des- j
t< irmaiidade durmile. o i.nu.i eompromissal de
1880-87, de nova > convido, >te ordem d>> irinS-' '
jmz, CGiiipitrec.rrm in o now' cunsitAorio u-i i
p. Kxima qiura-tt'i'a 25 do crvente, As II horas
da uianlij. Recite, 2i de Jimlw d 1886.
l'iitr 8-ibriobo,
Eserivit, interino.
Gabinete 'ortiig-cz de
Iiumnristica8 e experiencias nada parec las com sate hoje apresentadas e que t-m
valido ao r. NICOLAY omitas cartas le lic-itacao dos p rsoni-jens mais notavei
do mundo e dos monarehas da Europa e do Brasil.
2.a Parte (Symphonia)
Grande Tmbola gratuita e linmoristica
<1- 10 ir>a;nifico8 premios e tnrprm^a. O u'ti.tii pr-mii s'ir UAI BOlTO HELO
GIO ubra u* de .-u.i paageiu.
A cada psssoa uer dado u'ii 11n r.-[- p*ra tr lii* ic> m tonljula.
O Dr. Nicolay dar fim a eMs parto, expliciinl klguiuas novas s ri-s e '%
periencias de grande iarivsidad<', t SessSo $ Magnetismo Humano
experiencias que pareueu. lutr ontr.i as Ira d> aatureaa.
3.a Parte (Fantasa)
A PEDIDO SJER.IL
0 GABINETE MARAVIUnsO
A MULHER CORTADA PELO MEIO
i%.a_.r?i.. IWW9 5SAE
Sorpresas inesperadas
BREOS DO COSTUMI-:
Idth n. 3
ConceicSo n. 1G
dem n. 56
Visconde de Pelotas n. 12
dem n. 24
dem n. 31
dem ii 41
Taenbi n. 23
Visconde de Atbuquerque o. 42
Idrm n. 13
dem o. 123
dem i. J2r>
Aurora n. 7
Caes do Capibarihe n. 36 C
Ponte VeJlm 0 22
I I- m n. 5
dem n. ")
dem n. 87
dem n. M
Conde da Boa-Vista n 22
I lim n. 19
Id.m ii. 2
dem n. 31
Sete de Setcmbro n. 3
Idi-m n. 13
dem n. 4
Hospicio ii. 4
Iiifiii n. V.>
Id. in n. .'7
dem n. Gil
Gervasio Pires n. 43
dem ii. 87
Idern n.6
Travess da GervasioPi es n. 19
.Si cego 29
Principa u. 2
Santa Cruz n. ti?
Hospit*l Pedrj II n. 4
General Se.-a n. 3
Coronel Linrnha n. 1
dem d. 29
Alegra n. 20
Li.lo Coroado i. 4
Barate de f*. Borjn n. 16
dem n. 38
Klein n. 4(
dem ii. 64
I Jem n. 33
dem n. 47
VUconde de Goyinna n. 5
dem ii. 26
M. m n. 97
Id-io n. 115
Itecif 21 de Junho ''
Ce 1886.
O garante,
J. Doicslc;/ Jnior.
34170
2*640
2640
2*640
17*380
2*640
60820
6*820
3*500
19*360
6*800
2*640
5/580
2*640
17*380
2*640
2.12920
2*640
2*640
25640
-**3S0
2*640
82580
35*880
3*440
2*640
14*7 O
2*40
1*520
20640
7*180
080
21280
4*369
185240
14*740
2*640
11*060
22*640
352740
2*640
19*360
2*640
10*210
G*820
24640
12*800
2*640
32960
2*640
2*640
2*640
2*640
is 8 1/8 hora.
Os bilhetes dewta j rli^m se venda no Tiieatro Leitura
R^ife DraQag"e
15
(Jl.il) ut i Veihi
Santo Amaro n. 8
De ord. m doExm. tr. prfidenb>, -envido os iRelacJo doa OOcertos fetos DM apparehoa H^e.d'a Matra n. 6
senhores mrinbnis do e ms-II) i delibernti 'o a se i ir j .... .,. .>,> ,U Tnntua -lu \tt.;, ., )
reunirem re.p. c,|vH fei-, na saxt. f.-ira 25 do "u'z '''; Ml" do COrr;"10, """" errnte, pelas (i horas da Urde, afim de debe- .nfurmidaTe WIU Q ait. 10 do .-..ufa.- ^""jj" Allju'l"erque n
rart'in cerca da una p utieiim-i i d* direetorin. le e ?, 2 -j art. ii J'i reytllaiuciit I de
Secretaria do de Janeiro de 1872.
Portugm-a de Leitura cm Pcrnambuoo, 21 de Ju- Reo'fa
nhudel! Mavqaea de Olinda n. 24
11
Alfredo O. Coucseiro,
2U secretario.
Companha
KeDA l'KOVISCIAI.
De 1 a 22
'dem de 23
Total
Convda-aa aos sent re accionistas desta com-
panha a se reunirem em assembla geri io uipio diado Io d>- Julhn jiroximo vindourn, coinu
determina o art. 26 de nos<>s estatutos, n sde
social ru do Iaiorrador n 71, pavimento terreo.
Kscriptorio da ciinpanhia do Beberibe. em 15
de Junho de 1886.
Ceciliuoo Mumede Airea Ferrcira,
Diwetar gaivnfv.
Jos Eustaquio Ferreira JaCjbioa,
Direet ir secretario.
84:340*553
3:474*813
------------------ 87:8-5*345
e premio.
ta hora da boh.
Vendeam-se :
25 acedes da eompanbia do Beberibe.
15 apoiiees da divida oublica de 1:000*.
75 ditas de 400*.
1 dita de 800*.
1 ditas de 600j.
Ris 5:000* en apoiiees miudas.
10 apoiiees proviociaes de 1:000*.
50 lateas hypothecariae.
50 ditas iaetn
40 litas dem.
28 ditas dem.
O presidente
Pedro Joee Pmto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforada.
PBLICOS
ali.x de Junho de 1886
ALPANDEGA
rCtcBBBDoaiA D 1 a 22
li'!U de 23
298:1772518
24:440*7S2
777*973
CviHsiLAno paoraotM
dem Je 23
D 1 a 22
FLlTE DKATNAOP. e 1 a 22
dem 1,- 23
25 218*755
'.9:047*903
3:23it919
102.28822
0:12?
105.
Para o Par, F. A. de Azeveio 350 bairicas
com 20,950 kilos de assucur branco.
No hiato nacional ens te. Guarde, carre-
garam :
Para Aracaty, E. f\ B-Itro ^ Iruiao 4 barricas '
com 351 kilos de assucar branco.
I .i, ii. 26
[ liten n. 's
i dem o. 1
I ii in a. 51
Bom Ji-siis ii. 17
' dem n. 25
I lew ... 39
II. m ii. 47
Alves Cabra! n. 3
(Jmoineicio ii. 6
Largd do Curpo Santo n. 21
Hitpo S;rdinlia II. 11
TiMiii. de SoOZa n. 12
Becc.i de Abren n. 6
vigxriu Tlieuoiio ti. 12
Id. tn D. 24
Ll-ui ii. 21
[ii ni u. 29
Mal i:: c Bul ms ii 2
i Amorim n. 18
| dem ii. 42
I lera n. 7
I lein n. 31
Domingos J.x MutilU U. 128
1 i m n. 149
1 Kes*aurac:io a. 33
II. ni n. 56
12
Ll'in ii 5
lie,,, c. 13
Paiilivo Cmara n. 27
Travoaaa da Bomba n.
r'"j.-o :i. 3")
Livraiii"i,t.i n. 6
dem ii. 18
Mein 11 31
Vasoude de Inauma n. 24
Mein u. 44
Mein n. ftj
25610'
3*118t
4*620
7551(1
2*610
251140
9:230*494
Rbkda o ral
De 1 a 22
dem
675:334*504
34:987*698
710:322*202
DESPACHOS DE IMPOP.TACO
3Vapor nacional Cear. entrado dos p. rtos do
n (te, no dia 23 do crrante e consignado uo \ ia-
conde de Itaqot do Norte, manifestj :
Farinha de mandioca 354 saceos a Baltar Ir-
mitos ti C, 10 barricas a Jo5o V. Alves Matbeus
& C.
Salta 20 rol^s ordem, 15 a F. Manoel da Sil-
va C.
T'ipioca 55 encapados a Carlos L Gimes & C,
15 a Cirvalho & C, 10 a 3oatB Lima & C.
Phtacho norueguente Canova, entrado de Tyio,
no dia 22 do crrante e consignada a Mam & Ks-
Zende, macifeitou :
Zarqae 3,436 fardos com -47,760 kilos aos
consignatarios.
>PAHOS DE KXPORTACO
Ex 22 de Junho de 1886
Para o exterior
No vapor inglez Orator, carregaram :
Para Liverpool, M. Lima & C. 530 saccas com
47,370 kiloa de algodao ; N. Cabu & C. 120 saccas
com 10,051 kiloa de algociao.
No vapor americano Colorado, carregaram :
Para Aew-Tork, H. Forster & C. 46 barricas
com 3,853 kilos de brrracha ; H. bt .lzenbach 29
barrieaa com 1.40 kilos de borracha e 31,800
e urinhos de cabra.
Para o Interior
No vapor nacional Cear, carregaram :
Par o Rio de Janeiro, J. F do Nascimento 50
Cocos, frueta e 10 latas com 20 kiloa de-4oce
Para Vietoria, F. de Mor; es 2 barricas com
188 kilos de assucar branco.
No vapor americano Colorado, carregou :
No hiate nacional Deas te Salve, carregou :
Para Mossoi, M. Am'ir'in 6 barricas com 360
kilos de assucar mas avado.
No hiate nac-mal Apody, carregaram :
Para Mossir. S. Nogueirn c C. 12 barricas
com 670 kilos de a6.suc.tr branco ; L. M. d'As-
g'.nnpi'ao 20 birricas com 1,209 kilos de assucar
refinado.
No Vi.pr nacional Ipojaca, carregaram :
Para Parnabyba, P. Alves C 20 barricas
com 708 kilos de assncar retinad), 30 ditas com
1.009 ditos de dito mascav.ido e 15 ditas com 675
Na barcaca Florida, carregou :
Para Parahyba, F. Monteiro 110 saceos com
farinha de mandioca.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 23
I) Hara 'i iaar n. 16
I lem n. 42
! Visconde de Itaparica n. 2
dem n. 17
dem n. i
Mein ii. 47
8. Jorge ii. IOS
dem n. 110
dem n 5
Mein u. 87
Vital de Oliver,
Guarurupcd ii. 66
Bai.lo do Triompho u. 51
Santo Antonio
Imperador n. 2
dem n. 48
dem n. 77
Io ce Marco n. 12
Duque de Caxiaa n. 2
Mem i
dem u. 60
dem n. 47
ii. 1
2*610
20*400
9*020
25610
22640
27*850
11 180
25610
22610
. dem u 61
Macaos por escala, 11 das, vapor naciooa | Cabug n. 16
Cear,, de 1999 tonelladas, commandante Gui- Idim n. 1
Iherme Pacheco, equipagem 59, carga varios g-
neros, ao visconde dt Itaqui do Norte.
Liverpool e escalas,21 dias, vapor inglez Mari-
ner, de 917 toneladas, commandante Johns
Nsiell. equipagem 26, carga varios gneros, a
Johnston Pater & C.
Navios sahidos no mesmo dia
Sio de laneir) por escala,Vapor nacional Cear, dem n. 41
commandante Guilh-rtne Pacheco, carga varios Idi ni n. 43
gneros,
ParahybaEscuna allcmi Deborah, capito T. J.
Uaak, carga farinha de. mandioca.
dem u. 7
dem n. 11
Bai i y da Victoria u. 20
dem n. 30
dem n. 52
dem n. 60
dem u. 19
VAPORES ESPERADOS
Afariner de Liverpool hoje
Colorado do Bill hoje
Nena da Europa hoje
Congo do aul amacha
Man* do sul a 27
Advance do norte a 28
Tagus do sol Jilho - a 29
Amojnense de New-York a 3
Trent da Europa a 10
Elbe , do sul ie Hamburgo a 14
Argentina a 20
La Plata da Europa a 20
Neva do sal a 29
dem n. 65
Trincheiraa u. 12
dem n. 46
dem n. 35
Idem-n. 37
Laraogeirag n. 14
dem n. 23
Travesta do Queimado n. 1
dem n. 5
dem n. 7
Travessa das Cruzes n. 10
dem o. 16
Largo do Paraizo n. 10
dem n. 12
dem n. 20
Larga do Rosario n. 22
dem n. 41
Estreita do R.sario n. 31
S. Francisco n. 13
dem n. 15
Joo do Reg n. 2
dem n. 12
dem n. 14
Idemn. 30
Roda n. 28
Travessa do'J Quarteis n. 15
4*26
3*90
5*98
7546o
25610 !
25610
14*7-i<>;
26*14');
11*640! Mem ii 33
82080 dem a. 73
8*5901 Pedra Affonao n. 76
42620 \..\i da Praia u. 4
1*720! Marcil.o Das n. 26
dem n. 64
Il-iii n. .'
Mein n. 33
Ti.ive.-ra de S. Pedro n. 1
Viiacii ii. 17
Mem n. 31
3*960 Lanas Valentinas n. 40
I I I.tem n. 5
25G40 (,'or. nel Suassuna B. 20
132:00 dem n. 28
3*080 dem n. 48
5*92)jSnU Tnieza n. ?9
14*740 I Traveasa do 1-iceco do Falda n. 3
111*460 Tn.vessa da Concordia n. 10
25610: dem n. 5 I
6531o; Palma n. 48
3*080 I Km n 56
350-iO Mem n. 74
2*640 Mrquez do Herval n. 4
dem u. 10
Idun n. 30
dem n
dem u. 69
Largo da Praceta n. 1
2" beceo da Cadeia Nova n.
Caes 22]Je Novembro (apparelhopub i-
co)
S. Jos
Marcilio Dias n. 98
Mein n. 117
(ldem ii. 133
3*960 Coronel Suassuua n. 98
4*620 Mem n. 152
15*160 Mera n. 178
2*640 dem n. 244
O Memn. 41
2*640 Idemn. 63
19*360 Travessa dos Martyrios n. 3
5*280 Palma n. 86
2*640 dem u. 120
12*380 Idemn. 109
2*640 Mrquez do Herval n. 207
14*740 Travessa do Poueinho n. 51
4*870 Diai Cardpso n. 82
40 Padre Nobrega n. 2
6*710 Mem n. 35.
0 Vidal de Necreiros a. 92
2*640 dem n. 100
2*640 Frei Henriaucs n. 31
3*140 Dique n. 23
2*640 Domingos Theotonio n. 36
3*390 dem n. 17
19*360 Forte n. 28
2*640 Antonio Henrique n. 30
2*640 Nogueira n. 25
2*640 Santa Ceed.a n. 35
40*440 dem n. 53
65*620 Santa Rita n. 26
2*640 dem n. 30
2*640 dem n. 25
2*320 Nova de Santa Rita n. 34
3*760 Idemn. 9
2*640 dem n. 55
2*640 S. Jos n. 24
1*520 Travessa de S. Jos n. 20
6*160 Ditan. 13
2*640 Luiz de Mendonca n. 24
2*640 .Boa-Viata
8*640 Imperatriz n- 6
20*900 dem n. 8
2*640 dem n. 16
4*620 dem n. 9
6*820 dem u. 57
22640 Praca do Conde d'Eu n. 22
14*740 Idemn. 32
4*62 '
3*3 0
22640
122540
25640
5572<>
25640
3.08*
25640
5*280
2561 '
8*210
2*640
2*640
55 2S0
55720
10*780
5*680
2*640
7*920
3*960
2*640
5610
12*320
v*640
2*640
1*100
2*640
125140
3fff)80
25640
25040
7*720
352580
2*640
2*640
9*4l<>
25640
2*640
2*640
2*640
25610
13*380
J 5010
4*400
25640
7*0602
25640
7*700
2*640
.'1*800
25610
2*640
5*920,
25640
8*600
12*320
12*320
25610
2*640
28*650
95 iW
42890
2*920
22640
3*960
25610
2*640
45620
4*620
19*890
2*640
29*250
1*920
2*640
36*750
2*640
2*640
2*640
25640
2*640
2*640
3J320
145960
25640
2*640
8*580
22*400
15*340
26*840
2*640
8*500
3*080
24*7601
THEATRO
DE
EMPRESA
BRAGA JUKI'R&G.
COMPANHA
FRTABO eOILBO
da qnul faz paiten me-ue, urtitfa o a primeira
actriz imrfnguosa
Oniila-Vim. l\ de Junho
Primeira e unic* reprcsenfao da celebre peca
de V. Sardou. traduccao do disiinrto artista Fur
lado Codito, iotitul.iia:
DIVORCONS
Distribuir*
Cypriana, I. I.u<-iiiila Fui-lado CoelbO.
Des Pruuelles, Furlndo Coelho
(Criadores dos meinin.s ppela na corte)
Adhemar, Feneira ; Bafourdau, Teixena ; Cla-
viiiic, Bellido; A Sra. de Brione. D. Adelina: A
Sr. de Valfontaine, D. Gilda; Madamoisellede
Luzi^nan. D. (iertrudes: Jos, criado do restau-
ran!. Arauj.i; Sebas:iao, criado, Barros: Josepha,
criada de quarto, Augusta ; um c^mmissario, Si-
moea: um agente, N. f.; o porteiro, Portilho ;
criados do restauran!, etc.
Mise eu-steae a capricho do artista Furtado
Coelho.
Os bilhetes venda na bilhetana do thearro.
Comecar Am h i i hora.
llavera bouds para todas as linhas e tren: para
Apipucos.
Sexta-feira, 25 do corrente
Primeira e nica rer,resentc3o do esplendido
drama realista, do celebre escriptor fraucez E.
Kola, intitulada
CHARGEl'RS REUNS
CompanhJa Franceza de navega-
<-5o a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Peruambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
steamer. Ville de Baha
E' esperado da Europa at
o dia 8 de Juiho, se-
guindo depois da indispen-
aavel demora para a Ba-
bia. Rio '.!. Janeiro
e Sanio.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p""los
vapores desta linha,auciram apresentar dentro de 6
dias a conta<- do da descarga das alvaren;:
qner reclamafao concernente a volumes, que po-
rentura tenham seguido para os portos do pul.afim
de se poderem dar a tempo aa providencias ueceB-
srias.
Expirado o referido praso a companhiu c3o se
responsabilisa por extravos.
liecebe carga, encommendas e passageiros para
ts quaes tem excel lentes accomodacoes.
Augusto F. de OiveiraH
42-RUA DOCOMMEROIO-42
CONIMMII l'i;R\tlCA\t
\ravegaco costeira por vapor
Tamandar e Rio Formse
0 vapor Mandahu
Segu no dia 27 de
Junho, pelas 5 ho-
ras da manha.
Recebe carga at o
dia 26, e passagens at
la* 4 horas da tarde
do a 26.
ESCRIPTORIO
vmn da cpaahla PersaariMs-
cana u. 19

I
- 8 m


'




i mam i


Diario de Pernaiubueo--iuta-Icira 24 de Junho de 1886
LC.
O vapor Colorado'
' esperado dos partos do
ni at o dia 24 de Junho
depois da demora necesaaria
seguir para
m.
Haranho. Para. Barbados,
Thomaz e \e lork
Para carica, passagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se com os
AGENTES
O vapor A^dvance
Espera-so de New-Port
News, at o dia 28 de Junho
o qual seguir depois da de-
mora necrssaria para a
Baha e Itio de Janeiro
Para carga, passagens, eucoinnu-ndas e dinheir.
a f.-cto, traeta-se com os
AGENTES
Henry Forslcr & C.
N. 8 RUADO COMMfcKClO. N. 8.
1- andar
'.COMl'AMllE~DEN SIESWAW5
lllli* HARITIXEN
LINHA MENSAL
0 paquete Congo
Com ni andante ion
E' esperado dos p'-rfoi do
sul al o dir. 25 du eirente.
' seguindo, depois da demora
i do costme, para Bordeaux,
locando am
Dakar, Lisboa e VIgo
Lembra-se oa senhores passageiros de todas
as caseos que ha lugares reservados para esta
agencia, que podein tomar ein qualquer lempo.
Faz-se ab* timen to de 15% em favor das fa-
milias eoiiiposta de 4 psso-s to in-nos o que pa
garem 4 pas.-agens intriras.
Por ezcepcilo os criados de familias que tnma-
reoT bilhetes de proa, gosain tumbein d'eote lnli-
men to.
Os vales postaes e se de al dia 23 pag<
de contado.
Para carga, passagens, eucommendas e dinheir >
frete: tracta-se com o geme
Do fazendas o outios nrtigos
Sexta-fuira, 25 do crvente
is ff horas
POR INTERVENCO DO AGESTE
Alfredo Em sua agencia ra do Bom Jeus n. 45
Leilo
de movis, loiira e vidros
SABBADO 26 DO CORRENTE
A's 11 horas
No 2o andar do sobrado hito ao paleo de
S. Pedro n. 4
Constando :
De 1 mobilia de Jacaranda coro 12 cadeiras de
gusrnico, 2 ditas de bracos. 1 sof, 2 consolos c
1 jardiniirn. quadros, 1 rehgio de parede com
corda' para 30 dias, 1 porta-charutos com msica,
2 esearradeira?, 1 caudieiro, 1 cama francesa, 1
rica com*noda de Jacaranda, 1 inaiquezo, 1 lava-
torio com jurro e baca, 1 secretaria, 2 camas de
lona, 1 mesa elstica, 1 guarda-lou^a, 1 aparador,
2 mesas pequeas, 1 machina de costura, 2 jirras
para agua, cadeiras de guarmciio, 1 dita de ba-
Jai)(,- 1 marqueta, 2 cahides, 4 bacas de rame,
1 mesa d cosnha, 2 fogitreirs, l pililo de pedra,
2 p'des p>ra a?ua, 4 sanefas e muitos outros ob-
iectos ce uso domestico.
Por iiilrrit'iiro do agente
Gnsmo
Leilao
4ngusle Liiblle
9 RA DO COMMERCIO-0
CUMCtSIll. ChH'itlIrfM <
DE
'tfavegacao Costelra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Babia
O vapor Jaguaribe
Commnndante Costa
Segu no dia 28 at
Junho, as 5 horas da
tarde.
Keccbe earga at o
Idia 27.
Encommendas, passag.. n nheiro a frcU< at
s3 horas da tarde lidia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Casi da Companhin P*n\umbucann
n. 12
BOYAL MiTfSTE4M PACMfcT
mam
0 paquete Neva
E' esperado da Europa no dia
.24 do correte, seguindo
depois da demora necessa
ra para
Baha, Rio de Janeiro, Monte-
video e Buenos Ay res
Este vapor traz simplesmenle
passageiros e inal.i. e immedia
lamento segura depois do deseoi-
ios IIKMI10S.
do 'nove!*, louga, vidros, c;rn-1 i-iros a gz.
jarros e fiimclros
8ABBAD0, 2G DO COBKENTE
O agente Pin*o
ruada Aurora n. 89, casa em quo morou
o Sr. AllaD F, Duttan
CONSTANDO DE:
L'.i a mi'liriia rom 1 sof, 2 consolos com pedra,
4 cadeiras de brizos e 12 de guaruigao, 2 Candiel'
rosa gaz, 4 jarro., 3 quadros, 4 capiteis, 1 mesa
redon a c 1 relogr' de parede.
Uma cama fi aneezii, 1 guarda-roupn, 1 commo
da, 1 marque?.;! >. 1 toilett-, 1 lavatorio, 1 mesa,
1 cama de ferro e 2 candieiros para gaz carbnico.
Urna ineH elstica, 1 mesa coa* gavetas, 2 con-
sol s, 1 im-sa redonda, 10 cadeiras, 1 quartinhei-
ra, 1 sof, tonca, vidros, trem de cosinha, mesa,
falliere, eollitre.-, cadeiras, carro de mi e trem
de jardim,
l'uncipiar :is 10 I[2 horae.
Entrega, no in' sino din.
Mote fle Sbccorro fla^ Pernambaco
Lriliio de joias
O ronc'hii fifeil attendendo nao s ao pedi-
p.ra s r transferido, d 8 do curente para t
karqud
0 paquete Tagus
esperade
do su! no dia 29 de
e-Trente seguin lo
iepois da demora
oecessaria para
Lisboa e Soullianipton
Para passagens, fretes, etc., tracta-se com c a
CONSIGNATARIOS
AdamsonHowie&C.
(onps ti 'a Bra.< iJeIra de late-
gacoa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
Cornmandsmte V lente Ouilherme Wad-
dinrjton
E' esperado dos portos do su
at o dia 2G de Junbo, ej
seguir depois da demora in-
dispensavel. para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendas e valores
racta-sena agencia
11Ruado Cornmercio 11
Lisboa e Porto
Segu com brevd>i de o patacho portugus Dous
Irmaos. para o resto da e-trgb trata-se com Silva
Guimares A C, raa do Cornmercio n. 5.
Para Maranho
Recebe earga e possageiros para o porto cima
a barca portuguea Vasco da Gama ; a tratar
em os consignatarios Jf-^ da Silva Loyt i
Filbo.
LE1L0ES
Sabbado, 2*>, deve ter logar o leilo de movis,
lufa e vidros da casa da roa da Aurora n. 39,
em lite morn o Sr. A. F. Duttan.
Leilo
Da loja de cabellirciro c barbeiro da ra
do Mrquez de Olioda n. 12
GARANTE SE A CASA
Sexta-fch-'i. 23 do crvente
A's Al horas
Constando de um importante lavatorio de jaca-
randa com tirapo e goarnico de pedra m;irmoiv,
3 bancas de pedra com ei-pelho e cadeiras para
cortar cabello, 1 fitetro, 12 cadeiras de junco, 2
cabides de parede, 1 capacho, toalbas, penteaio
res, registro, encame lellas de ge
mais pertenece de casa de barbeiro.
l
dj Ju.li i vindi uro. .. anunciado leilo, como por
li. ver grande, numero de cautelas em ser, e nao
eonvir aos intn-i'sses do esfah-decirnento e dos mu-
tuarios tubmeitrl as venda, faz agora publico
qu- no referido dia 6 de Julho se effeetuar/i im-
preeriv. lin-nte o leilo as 11 horas da maiih.
Eatvil'i expsito tres diasantes.
10.OTO Uma falva oiiavada e tres eolheres para
sopa, peixe e arroz, prnfa de le.
10.110 Uin aiinel deonro, c un brilhanU'S.
10. llS D-eenove Culheres, prata de lei.
10.13t Um par de rosetas Je ouro com briihan-
tes.
10.157 Ua annel de ouro com briihante.
10.7S4 *ae salvas de pr-la d- lei, 25 c. Hieres,
12 garfa. 12 cabos para tCao e um pal-
t iro de prata.
nO.786 Una salva e duas colh'-res, prata de le>.
10..7 Ubi iinei com briihante e cinco bo'.o.s de
ouv>.
10.911 Uma corrente e medalha para i elogio e um
relogi", ouro de 1-i.
10.817 Dous pares de brincos, dous broches, uro
trrmcl de ouro com um pequeo brilbaute
e um t-ancilim, uUM do lei.
10.S9 Um par de roatM t ouro com brilhantes,
i:ma pulceira, um alete, uin par de brin-
cos en perolas, utna medalha, um anuel,
seis botoas o uma fivella, ouro de lei.
10 831 Duas pu ceiras, um orochc com coral, uma
volta de traucelim com perolas, um annel
a u:na corrente, para relogio, ouro de lei.
10.839 Um par de brincos d>i ouro com p-queno
briihante, uma par de rosetas e um trau-
celim, ouro de ei.
10.841 Urna pulcrira, um broche e um tranceln),
our-> do lei, nm trauc-llm, ouro baixo.
10.842 Um broche de ouro com perolas, uma pul-
ceira e uaia corrente, para relogio, ouro de
lei ; uin alfinete cravi-jado de diamantes.
10.843 Uin traiicr-lim e dous anu is, ouro de lei.
10.84U Um par de rosetas de ouro com diamantes
uin par de. brincos, uma pulseira, um tran-
celim c uiaa medalha, ouro de lei; ama ti-
jella, prata de Ui; una salva e um copo,
prata baixa.
10.S55 Uma correntee medalha para relogio, ca-
ri de h i.
10.869 Uma corrente para relogio, um trancelim,
um brocho, urna loneta e um relogio, ouro
de lei.
10.8C7 Uma car e ite e medalha, para relogio, ou-
r> de lei.
10.889 Urna pulseira, um tranceln, quatro an-
ncis c urna moedinba, ouro de le.
10.891 Un broche com biilhante c dieBWIltM
10.905 Tris correntes e uma mudallia para re-
logi-, curo de lei.
10.910 Urna corrente e medalha para relogio, e
u u tranceln), ouro de lei.
10.914 Uma pulceira de ouro com brilbante3.
10.922 Uma corrate para relogio, um rcsplaiolo
cinco coras para imageus e um relogi
pequeo, curo de lei.
10.930 Dois anneia de ouro com brilhantes, uma
volta de ouro com medalha, uin tranceln),
uma moedinba, duas medalha, deis pares
ce brincos e um relogio, curo de lei.
10.910 Uaia Corrate para rel.gio, ..uro Je le ; e
mu relogio de ourc.
10.912 Dczenove colhere e un? par de fivellas de
prata.
10.13 Um par de retlas de ouro com dous bri-
lhantes, uma pulseira e um par de botoes,
ouro de le.
10.V74 Uma corrente para relogio, um trancelime
urna inedalhn, ouro de lei.
10.997 Um relogio, ouro de le.
11.006 Um par de rosetas de curo eom brilhan-
tes.
11 01") Un tranceln, ouro de lei, ama pulseira,
miro de lei.
11.022 Uma pulseira, ourc de le;.
11.032 Uma corrente e sinte, para relogio, ouro
de lei.
11.061 Uin par de i uro com pequeos
brilhantes, urna vet'a de ouro e uma Ble-
dalha, ouro de le.
11.062 Um par de roseras de curo com brilhantes,
um annel com dito e mbins, um alfinete,
dois bo'.oes e um relogio, ouro de ei ; um
tifiarte da oftra com brilhantes, dois pares
de rosetas trove] ido nc ditos, nm annel e
uma cruz com ditos, im > de prrolas, um
tranceln), um collar e uma cerrente, euro
de lei ; dois cordoes, uma cruz, um cora-
cao em raro, curo baixo.
11.068 Uma corrente para relogio e uma meda-
lha, ouro de le.
11.092 Uin par de brincos de ouro, conferido bri-
lhantes.
[1.102 Uma corrente para relogio, uma volta de
ouro e um relogio para senhora ; ouro de
11.117 l-'m HS 1 de ouro com um briihante.
11.118 Urna corrente para rslogio e nm relogio,
ouro de le.
3 Seis eslieses pequcuos, prata baixa.
11.129 Um aunel de ouro cora brilhaute.
11.138 Uma pulceiri; de curo.
11.189 ,'io, ouro d
11.14'i L la, urna volta de cardo, dois
,s, duas pec>8 para pulseira e 'ima te-
tea de cu
11.151 Da., i y de brincos, um dito
. ouro de lei.
11.177 U para reh g
uin par do ie lei ; uma pul-
seira, cur
11.192 Uma pulseira, nm trancem, um meda-
lbo, um broche, quatro moediuhas de ou-
ro em boto s, ouro de lei.
11.493 Um trancem, um par de brincos e ama
pequea teta. ouro doiei ; um brochr, nm
par de botoes e um annel, ouro baixo.
11.198 Um relogio, ouro de lei.
11.210 Um relogio, ouro da le.
11.212 Um alfinete de ouro com brilhantes e pe-
rolas, ouro de le.
11.216 Duas correntes e uma medalha, ouro de
lei.
11.242 Um snnel de ouro com briihante, ema cor-
rente e medalha para relogio, ouro de
lei.
11.247 Uma moedinha de ouro com laco de ouro,
dous pares de brincos, um dito de botoes e
tres anneis ouro de lei; um alfinete, um
cordo, dous pares de roeetas, urna retea,
uma figa e tres anneis, ouro baixo.
11.250 Um cordo e umu cruz ouro de lei; um
cordo ouro baixo.
11.257 Um par de brincos cravejados de brilhan-
tes em prata.
11 260 Uma corrente e medalha psra relogio,uro
de lei ; nma salva e doze eolheres para
sopa.
11.261 Uin annel de ouro com brilhant-, um dito
com ditos e esmeralda, uma pulseira e uma
corrente para relogio, ouro de lei.
11.2i3 Um relogio de ouro para senhora.
11.299 Urna pulseira, um par de brincos e um an-
nel, ouro de lei.
11.301 Seis botoes, ouro de lei.
11.309 Uma volta de ouro. nm cordo, dous au-
nis, uin dedal, ouro de lei.
11.326 Uma pulseira, nina volta de ouro e u mpar
de rotetas, ouro de lei,
11.330 Uin relogio, ouro de lei.
11.334 Tres pulseiras e duas pecae de briucos,
ouro de !ei.
11.352 Urna coia de ouro para imagem, um cor-
do e um embl-m i do Espirito Santo, ouro
de lei.
11.356 Uma corrente cora medalha, ourd de lei.
11.377 Uma volta de ouro com medalha pequea,
um alfinete, um sro de curo e um snnel,
ouro de lei.
11 381 Umi pulseira, um par de brincos e ma
cruz, ouro de le.
11.388 Um cordo, um par de rosetas e uma cruz,
tint de lei.
11.392 Uma corrente para relogio e um par de
brincoo, ouro de lei.
11 401 Uin relogio, ouro de lei.
11.409 Um relogio, ouro de lei,
11.419 Uma pulseira, ouro de lei
11.437 Um relogio, ouro de lei.
11.443 Uin par de rosetas de oaro cravejadas de
brilhantes e ama corrente para relogio,
curo de lei.
11.504 Um alfinete e um par de rosetas, ouro de
lei ; uma salva, prata de lei ; e doze co-
lli-res, prata baixa.
11.454 Um b.co ile ouro cravejado de diamantes
e duas pulseiras, ouro de lei.
11.472 Um relogio, ouro de Ico
11 475 Um alfinete de ouro com brilhantes.
11.407 Sete eolheres de prata.
11.511 Um cordo, uma moedinha da ouro com
laco, uma moedinha de valor de 5 e um
annel, ouro de lei.
11.513 Um cordo, ouro de lei.
11.521 Um annel de ouro cota um briihante c uma
puljeira, ouro de lei.
11.523 Uma corrente e medalha paia relogio, ouro
de lei.
11.514 Um par de rosetas de ouro com pequeos
brilhantes e um annel com numero em cir-
culo.
11.548 Urna correte para relogio, ouro de lei, um
feixe de ouro baixo.
11.551 Uma salva de prata.
11.552 Uma pulseira, um par de brincu de ouro
de lei.
11.553 Uma pulseira, nm broche e um par de ro-
setas, ouro de lei.
11.554 Um relogio de ouro de lei.
11.55i Um volta de trancem, uma cruz, dous
ares di* briucos pequeos, um dito de ro-
setas, um dito de argoloes, cinco botes
uma moedinha. dous.pares de colxeies, duas
pecas de brincos e um annel, de ouro.
11 .'>!(> Uin annel de ouro com briihante.
11.579 Um per de esporas de prata baixa.
11.589 Um par de rosetas de ouro com brilhantes.
11.590 Um trancem, uma medalha e um cellar,
ouro de lei.
11.603 Um annel de ouro eom brilhantes.
11.601 Uma corrente de ouro para relogio, uma
dita eom medalha, ouro e platina, e um
paliteiro de prata de lei.
Recite, 8 de Junho de 1886.
O gerente interino,
Felino D. Ferreira Coellio.

" <
Tricofero de Barry
Garntese que faz nan-
cer ecrescer o cabello anda
nos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todos os impurezas do cs-
eo monte impede o cabello
de cahir onde embranque-
cer, o iufallivelmcnte o
turna espesso, mocio, lus-
troso e abundante.
i wmi
Agua Florida de Barry
Preparada segundo a frmala
origina] usada pelo inventor em
1 H2i). E' o nnico perfume no man-
do qac tcir, o approva(,-ao olfieinl nm (Joverno. Tem dmis vezes
iimis frngrnnein qnoqnalqncr outra
e.lr.riiodobrodotciupo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
ruuito mais fina e delicada. E'
mnia permanente e agrmlovel no
leneo. E' dWM vezas mais refres-
cante no lianlio e no qnnrto do
iloente. E' especifico contra o
fronxidio e ilebilidndc. Cura ns
dores de cabeea, os cansar/os e os
(lesn)aioK.
Xarope ie Tiia Je Renter No. 2.
AKttS DI SAIr-0. DIPOIS DB 8AL-0
Cura positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Syphilis, Ferelas Escrofuloso?,
AffeccSes, Cutneas e as do Conro Cabel-
ludo com perda do Cabello, e de todas as do-
encas do Sangue, Figado, e Eins. Garntese
que parifica, enriquece e vitalisa o Sangue
e restauro e renov o systema inteiro.
Sabao Curativo de Reuter
Aos 4:0008000
1:0009000
BILHETES GARANTIDOS
16-E.ua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilbe
tes gar> ruidos da lotera n. 61a em beneficir
da Santa Casa de Misericordia do Recife
que se eztrabir quinta feira 1 de Julho.
Pinos
Inte-'ro 4)5000
Meio 2M300
Quarto 1,5000
ttendo qnantidade superior
a 14*0:000
Inteiro 3,5500
Meio 10750
Qarto 875
Joaquim Pires da Silva.
Para o Banho, Toilette, Crian-
fas e para a cura das moles-
tas da pelle de todas as especies
e em todos os periodos.
Deposito era Pernambuco casa de
Francisco M.noei da Silva & C.
Ama de menino
Preciea-se de nina ama para andar com um
menino de dous armo?, que d inforroacoes de sua
conducta ; a tr tar noentroncainento ao Mangui-
nbo, casa de Cuimbra Giiunarao.--, ou na roa da
Madre de Deus n. 34, escriptorio.

i:\ni. Mr.
.aspar do Orum
mond
Joaquim Custodio Duarto de Azevedo convida
ios amigos do finado Exm. Sr. Dr. Gaspar de
Druminoud par nsaistirein a missa do trigsimo
dia do seu passamento, que manda celebrar na
capella do engenbo Massaagana do Cabo, ho dia
V5 do andante. 4a 9 horas da mxnh
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se a asa da ra do Coronel Suassu-
na n. 150, com grandes comidos para familia,
quintal grande; a tratar ra Direit n 106.
Aluga-se o stj do Pina, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis graudes viveiros, duss cacimbas com ezcellen-
te agua : a tratar no caes do Apollo n. 45.
Aluga-se casas a 8J000 no neceo dos Coe-
Ihoe, junto de S. Goncatlo : a tratar na ra da
Imperatris n. 56.
Precisa-se alugr uma preta ou um menino
para vcDdcr na ra : a tratar na ra dos Marty-
rios n. 148, 2 andar.
Precisa-se de uma cosinheira para casa de
familia ; na ra do liarao da Victoria n. 3H, loja
(apilan TlM'Orffero Jime da Silta
Uo
O liai'o de l-'rexeiraB, amigo de Theodoro Jos
da Silva Ln i. muida resar na capella de seu en-
genho Cabt'QH d- Ne^ro, no dia "6 do corrente,
as 9 hora da manila, uma missa > ir sua alma, e
para iato convida 11 todos os auiijro do finado para
assistrem a acto de cari.i:i 10
-r- Precisa-8' ue um criado para casa de fa-
milia ; na ra do Bardo da Vi< toria n. 39, loja.
Ofierece se uma sala e urna alcova de um pr
meiro andar mediante o pre-> de 25000 m-nsaes,
inclusive agua e gaz, para sede de qualquer so-
eiedade littemria : a entender-so. a ra do Impe-
rador n. 61, 2 andar, das 7 is 10 hora da ma-
nila ou das 5 s 7 horas da noite.
Ii.
an< isto titea da Silva
D. l^ira A'iL'iistn do Siqui ira, D. Mara Uezer-
ra lveo da Silva, Dr. Jote Morcira Alves (au-
sente) e sua mulher, Manoel de Siqucira Alves
da Silva e sin mnlhrr, Francisco Alvos da Silva
Jnior, corot-I L nronoi Mez-rra Alvm da Suva
e sua Bolher, Pni tu x i Das Alves da Silva c
sua mull, r. D. Len o- francisca de Mcdeiros,
coronel Cincmaio V IIoso da -ilveira o sua mu-
Iher, agradecen enraialmeiire innandade do
Precisa-se de dua, amas, urna que coa.nhe Santissitco S da n.rii-. Santo An-
e outra que ei.^omme, e de um Criado menor de touio e aos u un e amig is que aeompanharam
na ra do imperador n. 45, pimeiro
16 aun os
andar.
Aluga-se o Io andar e solea da casa ra
Thom de Souza n. 3, outr'ora travessa da Lin-
goeta, no Iiecife, om commodos para familia ou
para escriptorio : a tratar na ruii do Imperador
i). 31, armazn do gaz.
Cosinhciro
Paga-Mi bem
Prec:sa-se de um bom cosiubeiro ou cosinheira :
ua ra do Marques de Olinda n. 20
Grande casa terrea com solo
Aluga-se
Tem no audar terreo 6 qunrtos, 2 salas, corre-
dor ao lado, no quintal corintia, boa cacimba,
grande telheiro para animaes, no oito de toda a
casa um terreno, todo murado cun portao na fren-
te, proprio para jnrdim e hortn, toda a asa
muito ventilada, ra dos C.-cIh.; n. 15, esquina
para o caes deCapibaiibe ta a se no pateado
Carino, casa de banhos.
Smputtm PernamDeal
COftteira a vapor
Suprimento pira o vapor Jaguaribe
N. 97:170
O Sr. Francisco Alves da Costa, commandante
do vapor Jaguaribe, pela segunda vez rogado i
vir ra do Marque., de Olinda n. 50, dar cum-
primento ao numero cima. Pede-se ao digno
gerente providencias a respeito.
ao cemiterio puWico is rest -s mortaej Je seu ma-
ndo, (iihn. nai, rOtfro. tio, irmito < cur-.hado. Dr.
Franciocn Alves da Si'va : e ocamente os convi-
dan :\ a ski* tiren) a missa d-> 8jfimo dia. qpie ser
celebrada na matriade Santo .-Vn'onio. as 8 horas
da da 26 do corrente, e ua matrix'da iregu-zia do
Gamelleira, s 9 hora, pelo que se confessam
eternamente :ii_'r*ecdo8.
\
Porto
a. 45
jconor
Roa do Imperador
Ptimeiro andar
ntina a etecutar os mais dfflce;
figurinos recebidos do Londres, Paris,
. e Rio de Jam
Prima em pen ostara, em bre-
vidade, modicdude ea presos e fino
gosto.
,
i
IOS 4:000^000
imm umm'
Ra Primeiro de Mar^o n. 23
Acham-se venda os afortunados bi
lhetes garantidos da 243. parte das lot-rias
a beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Recife (61.a). que se excrahir sexta-
feira, 2 de Julho.
Preco
Inteiro 4(000
Meio 2,5000
Quarto 1^000
Km qnantidade malor de loo
Inteiro 3,5500
Meio 1(5750
Quarto 875
Manoel Martin Finta.
ClSIlB
os 4:0001000
biihetE mxsm
Hna do Baro da Victoria n. 4O
e casas do costume
Acham-se venda os felizes bilhetee
garantidos da 243.a parte das loteras
aeaeficio da Stnta Casa de Misericordia do
Recife, (61.*), que se extrahir sexta-feira
2 de Julho.
Precos
Inteiro 4,5000
Meio 2^000
Quarto 1^000
Gsa porco de OOAOOO par;
cinta'
Inteiro 3,5500
Meio U750
Quarto 5875
JocLo Joaquim Costa da Leite.
un miz
4os4:000$000
BILHETEtt t^ra^a da Independen
cia ns. 37e 39
O abaixo assignado vendeu entre os seus
folizes bilhetes garantidos da 60a lotera
a sorto de 100,5 em 4 quartos n. 2817,
alm de outras umitas de 32, 16(5 e 8.
Convida os possuidores a virem recebe-
sem descont alsum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes
garantidos da 61a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Rejife,
que se extrahir no dia 2 de Julho.
Precos
Bilhete inteiro 40000
Meio 2^000
Quarto 1^000
Cra porco de 1005000 par
cima
Bilhete inteiro 35500
Meio 15750
Quarto 58750
Antonio Augusto dos Sant Porto.
Fazendas brancas
SO' AO NUME20
4o rna da ImperatrJz = JO
Loja dos barataros
Alheiro & C, rna da Iniperatriz n. 40, ven-
dea um bonito sortimento de todas estas fazendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodoPecss de Igodaoxnho eom 20
jardas, pelo- barato preco de 3*800,
4#, 4*500, i '., b, 55(K) e 6J5GG
MadapolioPeya de madapoln com 24
jardas a 4*506, 5*, 6* at 12*008
Camisas de meia com hstras, pelo barato "
preco de 800
Ditas branc is e croas, de 1* at 1*800
Creguella francesa, faaenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ctronlas, vara 400 rs. e 500
Oeroulas da menina, muito bem eitas,
a 1*200 o l*00
ColletiuhoB r'a mesraa 800
Bramante francex de algodio, muito en-
cornada, com 10 palmos de largura,
metro j*2
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e 280O
Atoaihado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro lf 800
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
droet delicados, d 240 rs. at 400
Baptista, o que ha de mais delicaJo no
mercado, rs. 200
Toilas estas fazendas baratissimas, na conhecida
loja de A'bsiro ft C, egqunu do becco
dos Vrreiro
Algoda< entestado pa-
ra encoes
A uoo M. e l4ooo o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
Todao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de lartnirae 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o iftetro, assim com* dito trancado para
oa'has de m> sa, com 9 palmos .ie largura a 1*200
i' otro, lsto na leja de Alheiro & C, esquina
do uceo dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*200, 1*400, 1*6C0, l800 e 2* o covado
A heiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
den muito bons merinos pretos pelo preco acinw
dito. E' pechincha : na loja da esquina do boc-
eo d< s Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhora, pelo preco
de 5fOO0, assim amo um sortimento de rounas
de casimiras, brins, ete isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3* o covado
Alheiro & C., ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o padres mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 2*800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer costumes de casemirai
30<, sendo de paletot sacco, e 35* de traque,
grande pech nfcha .- na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 r?. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porco de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato pr co de 32P
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da ea-
qu'ua d becco dos Ferreiros.
Bordad* a IOO m. a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs-, ou em cartao com 50 pecas, sorti-
das, por5f, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
fc PAST1LHAS
* De ANGELM& MENTRZ
ss
a

t.-i
E><
5S
s;

O Remedio mais efficaz e
Seguro que se tem descocerlo ate
hoje para expe'lir as Lon trigas.
ROQKIAYOL FRERES
GRANDE
es

Hcnriqne flczi'rrn do lleiru
narro*
Antonio Avelino ili Rogo Barro', ferido do
mais profundo sentiimnfo, convida a seus amigos
e parentes p-tra as3f.iretn a m's^i qu- manda
celebrar na m.-itri : de Grvat, na seguuda-feira
6 de Julho proxuni, s 9 horas da manha, trig-
simo dia do infaust) ptssam-'nto, por alma de sau
sempre lembrado rmao, c antecipa se em agrade-
cer eternamente 10 ios que aes:stirem a este acto
^e religiao e i-andu \v..___________________________
Paula JiKii|iiiaa (valinnte
de Albuquerque
2 anniV'rsario
Silvno Moreira Cavalcante convida os parentes
e amigos para assistirem a missa que manta resar
pjr alma de sua f.Decida mulher, no dia 26 da
corrente. a groja ie Espirito Santo, s 8 horas
da manbi, e de-de ji se cjnfessa grato s pessoas
que eomparpcerem___________
lr. Uapar de Urummonil '.>
Antonio Avelnj do Re tend) de man-
dar resar uma iniss 1 d > Dr. Gaspar de
Drummond, na matriz de s 7 horas di
manha do dia 1 te, convida a seus
amigos e parentes I 1 para assistirem a
este acto de caridade, pelo que anfecipa sens
Este impirtante estabelecimeuto de relooaria,
fundado em 1869, est funcionando agora ra
larga do Rosario n. 9.
seu proprietario encarregado do rsgulamen-
to dos relogios do arsenal ie marinba, da compa-
nhia dos trilhos urbanos do Kec-ife Olinda e Be-
beribe, da do Recife Casanga, da estrada de
ferro de Caruar, da companhia ferro carril de
Pernambuco, da assosiafo ouimercial beneficen-
te e da estrada de ferro do Liiro^iro, cercado de
ntelligentes e habis auxiliares, concerta e fa-
biica qualquer peca para relsgos de algibeira,
de parede, de torres de groja, chronometros ma-
rtimos (dando a marcha), caixas de msica, ap-
parelhos elctricos tdegraphicos.
O mesmo acaba de receber variado sortimento
de relogios americanos que ven le de 7* a 20*
para parede, mesa e aespertadoros de nikel.
Contina a exercer a sua profisso, com zelo e
interesse de que sempre dea provas ao frespei
tavel publico e aos seus collegas, e vende forne-
cmento de qualquer qualidade.
Em frente de seu estabelecimnto se acha col-
locado um relogio, cujos mostradores tambera po-
dero ser vistos pelos p< la ferro-carril,
tendosempre a HORA MEDIA DETA CIDADE,
determinadas pelas suas observarles astronmi-
cas. Ra larga do Roario n. 9.
Antonio da Costa Araujo
Expsito central ra larga do
Rosario 11. "8
Damiao Lima & C, nito podendo acabar com a
grande qnantidade de mercadorias, res>lveram
anda urna vez convidar as Exmas. lamillas e o
respeitavel publico em geral, que com certeza nia-
guem perder seu temp>, fazendo uma visita a
ExpoNlcio Central
Pecas de bordados a 200, 400, 500 e 600 rs.
1 Punhes e colarinhos bordados para senhira a
2,000.
Dtts ditos lisos, 1*500'
Ditos para homem, 1*"00.
Um plastrn de 2*000 por 1*500.
Invesiveis grandes por 320 rs.
Lacos para seu hora por 1*500.
Macos de la para bardar, 2*800 e 3*
Luvas de seda arrendadas a 2*500.
Ditas lisas, 2*200.
Ditas de fio de Escsssia, 1*CC0.
Broches para eenhera (modernos) 1*500.
Um par de meias para senhora (fio de seda
600 rs.
Dito dem liso, 400 e 5C0 rs.
Dito dem (fio de sed*) 1J2U.
Duzas de baleias a 360 rs.
Carreteis de 200 jardas a 80 rs.
Metros de srquinhas a 160 e 120 rs.
Um par de fronhas de labyriutho, 1*500.
Macos de gramp s a 20 rs.
Metros de plisss a 400 rs.
Lindos passariuhos de seda para chapeos de
senhra, de 5"0 rs. a 1*000.
Um pente com inscripcao para senhora, 1*.
Um leque de 16* por 9*.
Brinquedos para enancas, leques de papj". fi-
tas, bicos de lnho, quadros para retratos, lencofi
tspartilhos, bicos, galoes, franjas com vidrilhos,
entres muitos osjectos de phantasia per precos
lem competencia: na exposicao Central, rus
irga do Rosario n. 38.
E' nfallivel
Largo de S. Pedro n 4
Tudo .te vende pelo menos pos-
siTel
Neste estabeiccimento sempre ha venda o es-
pecial licor de maracuj, em lindas garrafiohas,
proprias para toilrt, compotas de n.angaba e
manga.
Tambem se encontra nm completo sortimento de
gaiolas de todos os fabricantes para toda diversi
dade de passaros, at proprias para viagem, por
terem cinco compartimentos cada uma.
Encontrase anda um grande sortimento de
passaros nacionae.- e tstrangeros, entre elles ca-
narios allemles nascidos aqui no Brasil, rolas de
todas as qualidades, at crazadas, proprias paar
viveirOB de jardins.

1 BiElVH i


6
Diario de Pcniaiiibuc(Juinta-feira 24 de Juuho de 1886
Restaurant America
Os proprietarios deste modesto estabelecimeato
partlcipam ao respeitavel publico que aceitara en-
coauoendas de bolos para os festejados das de
Santo Antonio, S. JoJo, 3. Pedro e todos os san-
tos, e preparam ceias com todo o esmero e promp-
tidc ; a8sim como receben; pensionistas internos
e externos por precos os mais resumidos
28 Ra Duque de Canas 28
leitlaaran America
Serrara a vapor
Caes do CapSbaribe n. 98
N'esta serrara encontrarlo os senhores fregue-
ses, um grande sortimento de pioh j de resina de
cinco a dea metros de comprimenco e de 0,08 a
H de esquadros Garante-se preco mais cmo-
do do que em outra qualquer parte.
Francisco dor Santos Macedo.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar, porm
que urma em eaaa : na ra de Eiachuello n. 57,
por! Jo de ierro.
Ama
Precisa se de urna ama para tod-i ser vico de
casa de familia : a tratar na ra do Cotovello
numero 46.
Ama
Pullas purgativas e depurativas
Estas pilulas, cuja preparaelo puramente ve-
getal, teem sidj por mais de 20 anuos aproreitadas
casa os melbores resultados as seguintes moles-
tias : affeccoes da pelle e do figado, syphilis, bou
bea, escrfulas, chapas inveteradas, errsipelas e
Modo de ual-ai
Codo purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, be-
ido-se aps cada dse um pauco d'agua adoca-
chi ou caldo.
3otno reguladoras : tome-se um pilula ao jantar.
Estas pilulas, de invencao dos pbarmaceuticos
Alaseida Andrade & Filaos, teem veridietum dos
Sra. medico* para sua melhor garanta, tornndo-
se mais recommendave8, por serem um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
uaadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
Va drotaria de Parla Sobi-tubo A C.
-ll BA DO MABQUEZ DE OLINDA 41
GMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de bacalho
COM
Hjpopl.ospl.itos de cal e soda
Approvada pela Junta de Hy
giene e autorisada pelo
govern
E' o roelber rem dio at hoje descoberto para a
tiaira bronrhilew, caeiophulan. ra-
rfciti*. anemia. ekilidade em geral.
delato, toante hronlra e aft>cc*ea
da aeila e da careanin.
E' moito superior ao oleo simples de figado de
bacalho, porque, alm de ter chairo e sabor agra-
dareis, possue todas as virtudes medicioaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituintrs dos bvpophospbitos. A' venda na*
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Farinlia Lctea
MI
II. Vrsll
O melhor alimento para crianzas de peito, rece
be| Jos Antonio dos Santos.
15 Rna do Mrquez de Olinda 15
___________3 Rna 1 de Marco3____________
Aviso
Precisa-se de urna profess-ra que eaiba tocar
bem piano e mais trabslhos de senbora, para en-
gento : a tratar com o Barao de Nasareth, i ra
do Imperador n. 79, 1 andar.
Casa grande em Olinda
Por G&OOO
Alaga se nma casa c< ra grandes commodos
para familia, tendo bom quintal e grande viveiro,
sita em Santa Thert-za, lugar denominado Pisa,
pelo barato preep de 160(>0 mensaei : a tratar
no Recite, a ra da Imperatriz n. 32, loja.
Oueni lera?
ra e prata. : compra se ouro, prata
fiedlas preciosas, por maior preco que em outia
ina.quer parte ; no 1 and.>r n. 22 a ra larga do
Rosario, antiga dos Quarleis, das 10 horas as 2 da
arde, das uteis.
Mercearia
Traspasas se urna casa de molbados em urna das
principies ras desta cidade, muito afregueaad i,
livre de impostes e de quaesquer dbitos.
Qnem pretender dirija-se a ra da Madre de
Deas n 22, das 9 horas da Naba s 6 da tarde.
ialeliini
Esa qoartos e meias garrafas, % cr Faria
Sobrinbo & C, & rna do Marques de Olinaa i. 41,
DEPOSITA ROS
Ao connercio
Co ii pratica e calli-
graphia sem rival, of-
ferece-s** um nioc, pa-
ra guarda livros ou
mesmo ajudantede^l-
guma casa em boas
condices.
A presenta docu-
mentos dx sua con-
ducta e recebe cartas
na redaego cierta fo-
lha com as iniciaes S.
R. J.
Tambem lecciona
calligraphia.
Massa para bolos
Na praca do Conde d'Eu n. 7, 2- andar, preci-
sa-se de urna ama que cosihe bem, para casa de
pequea familia.
km
Precisa-se de urna ama para cosinhar e engomar
em cass de pequea familia ; tratar na ra do
Mrquez de Olinda n. 27.
Ama
Na pr*ca do Conde d'Eu n. 7, 2> andar, se
precisa de urna ama que cosinhe bem, para casa
de pequea familia.
Amas para eozinhar e en-
Na ra do Bemfi-
ca sitio que fica em
frente da Estrada dos
Remedios, se precisa
de duas amas forras ou
escravas, para servido:
da coz i n ha e engom-
mado.
Aluga-se
O segundo andar do predio n. 59 rna Duque
de Caxias cora, bons commodos para familia,
tractar na loja.
Alnga-se
o sobrado de um andar e sotao tua do Mrquez
do Herval, travessa do Pocmho n. 33 : a tratar
no largo do Corpo Santo n 4, i" andar.
-S
urna grande casa com dous grandes quintaes e
agua encanada, ra Lcmbranca do Gomes n. 1,
em Santo Amaro : a tratar na roa da Imperatric
n. 32, 1- andar. _______________________
Aluga-se
a casa terrea ra do Vsconde de Albuquerqne
o. 170 : a tratar so largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro
audar.
luga-se
urna boa casa e sitio na Capunga, porto do Jaco-
bina : a tratar na rea do Mrquez de Olinda nu-
mero 55.
Alagase por 25i
a grande casa terrea 4 ra de Luiz do Reg n
47-B, com 5 quartos e mais um frs, bem concer
tda : a tratar na ra do Marques de Olinda n.
60, ou no Caminho Novo n. 91, padaria a chave
para correr, na taverna junto.
Aluga-se barato
A casa n. 96 rna dos Guararapes.
A casa n. 107 da ra Visconde de Govanna.
A roa Lomar. Valentinas n. 4
Casa a roa da Ponte Velha n. 3.
O 2.* andar do largo do Corpo Santo n. 19
Trata se no largo de Corpo Santo a.19. Io andar
V i commercio
A abaizo assitrnada declara que comprou ao
Sr. Manoel do Nascimento Souza o sea estabe'e-
cimento de molbados sito 4 rna da Palma n. 71,
livre e desemharacado de qualquer onus ; se po-
rm alguem se julgar com direito a reclamar, o
faca no praso de tres dias, a contar deste. Iieei-
fe, 21 de Junto de 1886.
Joaquina Peneira Cavalcante
PARA COSINHAR
Precisa-se de urna
ama que saiba cosi-
nhar bem; no 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da ty-
pographia do Diario
Surtes
Vcnde-se bonitas sortes para Santo Antonio
S. Joo e S. Pedro : no pateo de S. Pedro n. 4
Para acabar
Xa
llu
que ha de melhor neste genero ; vendeni
Braga Gomes & tt, 4 ra do Mrquez de Olinda
no ro 50.
loja das Estrella* ra
que de Caxias 48
Merino de todas as cores (2 larguras) de 1400 a
800 rs. o covsdo.
Granadina arrendada, lindas cores, fazenda pro-
pria para baile de 1/000 a 500 rs.
Etamvneg, alt. aovidade, a 40ll rs.
Criado
Precisa-se de um de 12 14 annos, para o ser-
vico da casa e de ra : na praga do Conde d'Eu
n. 30, terceiro indar.
ltenlo
A resso> que, s da loja do pateo do Carino n. 43, um cdigo cri
minal annotado, que se achava dentro de uns
Diarios, queira ter a bondad? de Icval-o mesma
loja ou ra do Mrquez do Herval n. 61, qu.
se Ihe agradecer.
20^000
F
SABONETEdeALCATRAO
vaaa. a TOnmt, oa bajosos aumaooa na* a auanaas
BAMmWMTm, srairo sjiiMaejsWw, o mal effioas para a
MOLESTIAS DA PKLLC
SAPO CARBONISDETERGENS
Lava* 99uat Cniagai com o SAVO vahbomh UMSTEHOENS a/lm de proUvehos contra
o I1ARAMPO, m. VARIOUA a PEBRE ESCARLATINA
Estes BABOSJTES sao recommendados pelo Corpo medico lntelro porque prevlnem as
SKM.SSTIAS EPIDMICAS e CONTAGIOSAS e u adaptdo a qualquer eUnia.
MARCA DE FABRICA SOS ENVOLUEHOS B ROS PES
DsrjBOsdto gsral 11W. "V. WRIOKT JSC O*, Bouthwark. LONDRES
Em. IPeraa.a.inJa-u.co : Prau" l>g:. da SILVA & C1".
y,y*AAAliiSaw*asaasaA
MM
***
i*.....>rn>
ffiiHJ^:iP,v<::
Kstc axssiCAAXEiTTO de um gusto agradavel, adoptado com erando xito ha _
mais de ao annos pelos melbores Mdicos de Parlz, cura os Dtfluxot, 6'ipt, Tone, -^_,"}
orss i* Garganta. Caiarrc vulmonar. IrritvBd i unto, das Viat urina<-i 1a Bexiga. a^BarJ
PARIZ
e
Ateau victoria
r.M.4SllvJiC
XAROPEd reinvillier
Qn^_ Laureado pela Academia de Medicina <~Q
** -^i-^^ Caa/ne/ro tfa Legi&o t Honra rnT^iT O^
O Phosphato de cal a substancia mineral mais abundante do arganlsmo e toda vea que sua
jantldade norm dlminue resulta urna alTeccae orgnica grave.
Mais de cinco ral curas, a mor parte justlllcnda polos Professores e Mdicos das Faculdades
forao obtldas ulthnamonte e flzerao con) que o Xaropr. do W Reinvillior fosse classltlcado
Como o 03000100) mais seguro contra a Tsica pulmonar, Sroncblte < hronlea. Anemia,
atacbitlsrao, XtDkllldade do OrKanImo. 0 Xarope a Mf Reinvillier administrado
diariamente as crlancas racima a acntlcao e o crescimonto as maes e amas de lelle toras o
leite mUhor-, lmpede a cano a cueda dos denles tao rrequentea depols da prenbea.
Pspaanoi rhamsKda
Em Pernamoiu: WMA&" i
TJtXXQE, 8, Paos da la Magdaleln, raJUX.
da SIIj VA 4b C**, a nu pridpm Phtrmioltt Orofsrfst.
**imw!>.-
mm
W.
Cosinheiro
Precisa-se de um coainbeiro : a tratar na ras
de Pays.ndn n. 19 (Passagem da Magdalena),
Caixeiro
Precisa-se de caixeiro com pratica do molha^os
e qae dd fiador de sua conducta : a tratar na rna
da Aurora n. 113.
Cosinheirav
Precisa-se de urna cosinbeira : na ma do Pas-
saad n. 19, Passagem da Magdalena.
Alnga se a casa u. B ra do Iiiachucllu, an-
tiga do Destino, na boa Vista, com 2-salas, 2
quarror, cosinba, quintal murado e foseo, est4
limpa ; a chave se aclia no meim > correr n. F e
trata-se na ra da Guia u. 62, Recifo
2:000^000
Pre:isa-se de um socio :otn o capitel cima,
para um negocio vautajoso e s Carta fechada com h iniciaes, P. A. F., indicando
onde deve ser procurado.
Profesora
Precisa-se de urna senbora viuva ou solteira,
para ensinar primeir lettras a quatro m nios
fra da cidade t a fallar na ra Augusta nume
ro
ra dti
202
fEEEO

itv
vito AU toc&a slm priacipaem lAirr/j-OJ.?*. 5


VINHOcilbertSEGUIN
FEBRFUGO FORTIFICAtTF. wvvado pala Academia da Medicina da Parla
-----------1--------1 ^
Sessenta annos de Experiencia
e de bom xito tem demonstrado a efflcacla inconteatavel deste vnrxto, qur como mmti-
peridico para cortar as rebrja e evitar o seu reappareclmento. qur como fortificante naa
Convalesceiioa*. Bebllidade do Sanrue, Falta de aSenstrnaoao, Xnappetencla, Slroa-
t&aa dlfflo>l, nafarmldadea nervosas, Bebllidade causada pela edade ot. por excesaos.
lata VinHo, que untm mal princlplot aotiios do qua oa tptradoi limitara, nndne per ora
ala ehn.1o.-Mao aa dm oajietar contri o pnoo tai rlita da reoonhecid ffioac/a do iiurfssinto.
htJIIV, 378, roa SainVHonor. PARS
Depositarlos em Pemamouco : FRAM" M. da SILVA e C
fesr
\fTL
Efc-A vnaa .ja todos os Pertnni3zns o Cal>*Ueirerir"a
'yiaoa do Ertraisecir-o
^aPAiD"^ ou BaasS-T.) I,
5Tr Porfomisca g
a J^aar^
OPPRESSAO
TOMl
UTUMO-fLDlO
imm
NEVRJLGiAS
Pelo CIGAHhQS KWC
vspira-se a fioiaca que penetra uo peito acalma o aymptoma nervoso, facilita
a expactorCvao e fat onsa as funcooes dos orgaos respiratorios.
Taada esa afeada eaa eaaa de J. i:PK f te, ra M<-Laaare. eaa Pan
. HegoetUnoi tm rmvnuintne* t iXMAMV~ H. L IA Ai 0.^.____
PtRFUMiRIA 00 HUNDO EIC6ANTFS
wyirwrwvwvwwwwywviiv
54, 56, Ra Rlcher, 54, 56
CREAQ0 PARIZ NOVA

cjiY)Set SUAVIDADE
concentracao
CREME OSMHEDIA
SABOSBTB, EXTRACTO
AGUA DO TOUCADOR
POS D8.ARROZ
COSMTICO, BRILHANT1NA.
OLEO, POMMAHA, VINAGRE
De Figado de Bacaltiau Pancretico
X>E DEFRESNE
SSSrlS
Pertumaria OSMHEDIA assegura
pLIENTES flEIS
artatait itiraa i Qt um igual
am ftnntw.- F"A H- M. da SILVA
TODOS OS QUE PADECEM MOLESTIAS DO PEITO
Devam lor o seguate
Este oleo tem o aspecto de um creme braneo
que se pode diluir no leite, cha, chocolate ou
caf& Possue todas as virtudes e propriedades
de tao precioso remedio, e tambem toma-se sem
repugnancia alguma pelos doentes mais deli-
cados ; (rracas a efficaz addicao da Pariere
atina, chega no estomago, digerido de tudo,
e nunca provoca nauseas nem diarrhea.
Depois de um semnumero de experiencias
praticadas nos hospitaes da Corte, este medica-
meuto obteve a approvacao dos mdicos da Fa
culdade de Pars. Hoje em dia, todos os mdi-
cos receitam o Oleo de Figado Pancre-
tico de Detresne, como nico remedio
para curar radicalmento:
TMPHAT1SMO, IIACIIITISME
TSICA PFL3IOSAK
e mais affeccoes que impedera os effeitos da
nutricio e assimilacao.
IM TODAS AS FHARMACIA8
~*------'------nnnnr>nnnnn--naoi>
OEROCQUE
-X TOOAS A
iOLESTASj VAS URINARIAS
wwriAianoriH
Catarro ctvoMco ta asxiga,
irritars do canal de uratra.
Molestias de orostatc,
incontinencia da Urina,
Arela na urina, etc.
SWAMN, Phar-macsutco-Chimico. *
>f.*n. ?. ai CAsnsuow, u, pars
DY MARTIN
Fornicadoras de Sva Majittid a Rahhr da Inglaterra,
do Exerclto i C"3 Harlnha britamlca.
GRAIXA brilhmte LIQUIDA
GRAIXA.pasuUNCTUOSA
OLEO par AEEEIOS
EtHdoaa.unecessario pinamiru enciodo cssro
M toan as fnau.
DKPOS1TO OERAI. F.M LOI IORES :
, High noltorn, 07
la tamaaaaea: tUHf A II UTA a P.
NICA BWANICA
Dt FILLlOL
OSADA p- dr(.l otbtiln
D.ancos
Ol l-iLL.'OI.
UISTANTAMEAp!. -..rbfc
So am t'.-d. sem prapnr a.
em Uvagesi. aua Cor primitiva
asassltapral ea Pars: riX.HOl.. 13, ra !n ase, PalB
ta Jtnamo ce : Sj*- U. da S.va a C
15, Rm de Poiloa, 15
PA R I S
lilaStllHuijaFirrAiin e'BACALfiAO
I PerruginosoeCreosotaic
^a\ammkaW^a\\^mV^mm^a\\\\^ma\W fe priflC:M-"8 ?A.BC1"I5
i li ta*a*tt>>a*4*itAaA
MORSONs PEPSINA
RtmUifl Inlalilel e aoradaTel
lAR* COMi*TTfcB A m
INDIGESTA0
Sob a forma de
frascos, ros
9 OI.OB1TI.OS.
VEHDESEmUUHDO IHTEIRO.
PRBPAHADOB Dt
Pepsina Moraon
Muito recommendidas
peh principis Ueaicos.
MORSON SON
Swtbaoipton Kow, Russell-Squin
_______ LONDON
WlniHi>miiHis>sm. i.
emitriti Parnambuco iFrat-ltiiSlXVA a\C\

Vends-se on srrenda>se annualmente nma boa
casa com bastantr. tmi a, tendo
agua e gas encHnidos. com um bom quintal todo
murado, (om algumas iirvcrea fructifersB e mm
subida para o rio. por preco emito raz preciSHr dirjase ra Duque de Caxias n. 117,
que achara fon,quem trufar.
Caixeir
Precisa-se d
alguma pruiii: i
na roa dos Pires n
uta minino de 10 A 12 ann->g, com
e que r de sua conducta :
53, raTi-rna.
Por I5W0O
Alnga-se pra nvrad" a 1 ja do sobrado run
de Lo i,m> Vnleuiinas n. 50 : a tratar na ra Io
de Marco n. 7-A, livraria Pariaitn'.e.
NIGO
/

%
PrenaraQo de Productos Vegetaes
EXUNCilf DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
J\/IARTINS&BASTOS
J*(>rnatiibnrc
Criado boleciro
Aluga-se um mulatinbo escravo para criado, o
qual sabe bolear: trata-se na ra de S. Joao,
casa n- 27.
4o commercio
Quem precisar de um e npregado bastante pra-
tico de molhadoa, queira deixar carta uesta typo-
grapbia com as iniciaes A. J. M. ; d-se garanta
dos nrgocios qu^ Ihe forem confiados.
Jardim das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas que es-
tito em vasos n'esto j irdim, vende- se os sapotisei-
res muito grandes, e dando fructo, 2(100, la-
ranjeiras, muito grandes, para enxertar, (iOOO
a duzia, e sapotiseiros mais pequeos por barnto
preco. r
Criado
VENDAS
Carne do serto
Von-e-se a 800 rs. o kilo : no arma rm do
Vasconcellos a ra da Aurora n 81.
Bom emprego de capi-
tal
Vende-se o importante e bem conbecido e afre-
zado esabelecimente de casa de banhos, sito
ra do Bom Jess n. 17, pois d bastante margeai
em ganhar dinheiro a quem comprar, a causa dir-
se-ha ao comprador : quem pretender diiija-se
mesma casa.
WHISKY
OYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky "WSSH preterivel
ao cognac ou agurdente de canoa, para fortificar
o corpo.
Vende-se a retalho nos tu iberes armazena
nolhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujo no-
me e emblema sao registrados para todo o Brasil.
BB0WN8 ft. C, agentes
Precisa-se de um de 14 a 16 annos de idade,
ue tenha pai ou alguem que o governe, ra do
Commercio n. 44.
So o )l aia
Y 4 Ra da Imperatriz X \
l"oi,os e sortes para T. loo e
a. Redro
O proprietario deste j acreditado estabeleci -
ment o unici que pode bem servir aos seus fre-
guezes pela langa pratica que tem deste ramo de
negocio, tanto na escolha dos melbores forjuetei
ros desta cidade par o fabrio d* fogos que ven-
de em seu estabelecimento, assim como vende por
menos de que outro qualquer e para facilidade de
despachar os seus numerosos treguezes usar de
precos fixos.
Ao Maia. So oMaia
Precisa-se de urna ama para o servico de
casa de pouca familia : a tratar na ra da Con-
cejero n. 9.
O abaixo assi5nado previne ao Sr. Bernar-
dino Lipes Alheiro, agente das loteras de Ma
cei nea'a cidade, que tepdo perdido dous vigsi-
mos da 13 parte da 12' lotera de ns. 17 376 e
17,617, comprados a Jos de Figueiredo Carueiro,
nSo pague a pessoa alguma que os apreseutar, e
sim somente ao abaixo assignado. Reeife, 21 de
Juuho dr> 1886.
Joa Monteiro.
Liqu darao
Porjo lialvo
O Sr. Benveouto Buarque, para satisfazer sua
promcasa e comprvmizso do dia 15, chamado
ra ao Burilo da Victoria n. 10, loja.
Tende-se portoes de ferro, gradamenos pan
cima de muro, jardim e terrajo, bandeiras de fer-
ro para portas exteriores e int-'rores, de todas aa
qualidades, gallinheiro de ferro, carroca para
bo's e civalios, carrinhos de uiao e rodas para,
carrocas, por preco commodo : no largo do Forta
n. 4, defronte do quartel das Cinco Pon tas, offi-
cina de ferreiro.
Vende-se
massa de mandioca de primeira qualidade, para
bole, a 1 000 o kilo : na Camboa do C.irmo nu-
mero 10
Notos liTros de sortes
i-mlr variedade
na livraria PARISIENSE de Medeiros & C, i.
ra Primeiro d- Marco n. 7-A.
Bflhar
Vende-se um buhar francez em perfcifo estad*
com tres jugos de bolas e seis tacos : a tratar da
autigo largo do Peiournbo (corpo Santo) n. 7, cs-
criptorio.
Allencao
Ao publico
Hermina de Carvalho Menua da Costa, proprie-
taria aa photographia sita ra di Barao da Vi-
ctoria n 14 2. andar, declara para os tina con-
venientes, que desde o dia 6 do correte deixou
de ser socio da misma photographia o Sr. Plosculo
de Magalhaes.
Aproveita a occasiao para communicar a todos
aquelles que se teem dignado de dispensar ILe a
sua proteceo n'aquelle ramo de negocio, que con-
tinua com a referida photographia, a qual se acha
boje melhorada cousideravelicente nao s quanto
aos misteres teehnicos d'arte, q uno tambem quan-
to aos demais requisitos essei.ciaes para nao d>s
agradar aquellas pes^oas que all comparecerem,
dando prov* de desejo de concorrer para o pro-
gresso da industri nacional.
Das Exmas. senboras principalmente, espera a
referida proprietaria toda sua valiosissima protec-
eo.
Aos do nies dos bJos
Cura certa em 48 horas das inflamacSes
recentes dos olhos, pelo colyrio prepara-
do por Jos Pedro Rolngues da Silva.
Emprega e este poderoso colyrio sempre com
grandes vantagens, as seguintes molestias :
Ophtalmias agudas, purulentas e chronicas, con-
unctirites, etc., etc.
Deposito ^eral, na drogara de Faria Sobrinho
& C. ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Para infurmaconf, sedirij-m livraria Indus-
trial ra do Barao da Victoria n. 7, ou resi
dencia do autor, ra ia Saudade n. 4.
' Vende-se urna importaate taverna no largo dss
Salinas de Santo Amaro, propria para qualquer
principiante, faz frente para a lirha frrea do
Limceiro : a tratar naincsma.
para
casaca,
Aviso
Por todo prego
A Predilecta liquida definitivamente
acabar e por todo o preco.
Alm de muitos objectos, annuneia os sbaixos,
que sao as verdadeiras pechinchas :
Bailados c entremeios bordados com 3 1/2 me
tros, a 240 rs.
Baleias para vestido, peludas e forte?, dnzia par
320 rs.
Botoe* de madreperola muitos finos pTX i
groza l500.
Voltas de coral verdadeira com clchete, una
600 rs.
Vollasde coral verdadeira om colchrte, Juas
ordena, 609 rs.
Ligas com feixes de ac para menin-, uii par
160 rs.
Urna caixa com 100 folhas de superior pipel,
400 rs.
Urna dita com 100 envelepes, 300 rs.
Borlas para pos de arroz, urna 200 rs
Pos de arroz muito finos, um paco'e 3 0 rs.
Urna duzia de maemhos ce erampos nolidoa,
200 rs. "'" "
Carriteis de lmh de 200 jardas. 8 8uspencor3 para meniaos e h im-n--, uta par
800 rs.
Pacotes com tres sabonetes muitos fino,
500 rs.
Duzia de pacotes de sabao em p. 600 rs.
Boleas de chagrn de diversos tama nho?, nma
3000, ^
Leques grandes e modernos, a 5( 0 rs.
Aproveiaem
14 -Praca da Independencia-M
Signal bandeira encaruada com letras branca.
Os abaixo assignados participam ao respeitavel
publico que nesta data comprar m aos Srs. Mari-
uno Falco & C, a Tabacria denominadaSA-
TURNOsita si ra de'Joao do Reg, antiga Florentina, n. 36, livre e desembaracada de qual-
quer onus ; e que qualquiT r< clainac/lo f poner
ser attendida no prazo de 3 dias, a contar da da-
ta no prcs> nte aviso,
Recite, 19 de Junbo de 1886.
Siqueira < C.
Cosinbeira
Precisa-se de una para rasa
de pequea familia, no oRleiro:
a tratar na ra da Matriz da Boa-
Vista n, 9.
Ad SBuHores de eneeno h
Tomem nota
Trullos para engenhos
wa'gons para canna
Locomotivas
NaehPpIsniC' completo para en-
gentaos de Ido* os tamaitos
Systema apert'eicoado
Especificares e preqos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
IV. 5 Rna do c ommercio
N. B. Almdiaiima B cC, tem cathalogosde
muitos implementos ui-cessarios agricultura, como
tambem machinas para desear, car algodio, moi
nhoj para caf, trigo, arroz e milho; cerca de fer-
ro gai vanisudo excelii-nte e mdico esa preco, pes-
soa. nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral-a.
lelegrumma de Pedro
Antunes ty C.
Ra Iii Para accommodar os uiteresses da poca, oa
proprietarios de muito couhecida loja Nova Es-
peran^a n. 63 ra Duoue de Caxias, *oi m re-
solv io em pleno conaelho de et-tado veii'lir todaa
s suas mer.adorias por mruos 20 0/0 d> que CEB
qualquer outra parte.
Para as Exmas. leitoras se eonvencerem d'vetB
se dirigir o mesjio estaeleciim'uiu ; < para
orientar um ponco, passamjs a demonfrar ena
resumo os precos de algumas mercaderas maia
conbecidas.
Esfmriilhos finos para senlioras a 4500, "i.'OO,
8t e 9^000.
Finas meias eruas idem a 7500 c 800
Bonitas eaixas de madeira para costura a l'S500,
3*000 e 45000.
Bieos bordados indianos, largura de 18, 20.
centmetros 4$500 e 5500 pebas de 4 meiroa
Bonitas b leas e caixas para presentes da
crian9as a 200, rs., 300 e 500 rs.
As senhorus flurietas :
^Papel verde claro a 60 rs. a folha, <> dito car
mim a 200 rs rs. ; barato !
Fita Pompadour a 100 rs. o metro, largura
de 3 centii letros.
L ques de papel i 300 rs.. 400 e 800 rs.
E para nao abusar da pacifica e eottarautn le*
tora resumimos o presente, que e v->. daa
mesma s provamos o que acnbiaos de expr.
Grande variedade em luva de seda de corea a
pretaa.
dem em leques de seda, finas perfnmaraa,
punhos e ccllarinhos para senboras, imiin na- va-
. iedade de calungas
Pianos eapparelhos para bonecaa.
Cytitarias finas, capellas para uoivas e me-
ninas.
Sedas e frocos, las e desenhos coloridos para
bordados.
Grande variedade em artigoa para presentes.
Meias finas para hom'-ns, senboras e criancua.
Bonita variedade em artigoa de electrnpUte a
outros muitos para presentes.
Ao 63, ra Duque da Caxias >
Pedra, Aniaaestt CTaaiBXiPbin

f mam i



Diario de Periiambuco---Quinta-feira 24 de Janho de 1886
w*

Liquidaco
J9 Una Waiqae de Caifas
Alguna artigos 50 [. menos do sea valor.
Failes d.imass, liad fasends, a 400 ra. o eo-
vado!
Linons com lpicos a 560 e 700 n. o dito !
Cachemiras com bolinhai de velludo a l200 rs.
dito !
dem de 2 largura, fiogindo dados e lisas, to-
das as cores, 1*500 1
dem pretas, e merinos (2 larguras) a 900, 1*00,
1*400 e 1*600!
Alpacas de sedas finas a 360 e 400 rs. o dito
Popelinas com listras de seda a 280 e 320 o
ito!
8etins Maco verdadeiro, desde 8t0 rs. a 2*000,o
que ha de melbor
Gorgurio pretc de seda, para (nm vei". < de-
cente) a 2*000 o covado para acabar.
Damasss de cores, seda superer, a 900 rs.
dito!
Velludhoe liso e de listrinhas a 1*000 e 1*600
dito!
Esguiao pardo para vestido a 560 rs. o dito !
INansoks finissimos de cores a 320 rs. o dito !
Cretones' para chambres e cobertas, superiores,
a 360 rs. o dito !
Damascos de li com 2 metros de largura, a
1*800 o dito!
Mariposas de cores lindas a 260 rs. o dito!
Bramante de 'inho superior, 4 larguras, a 2*000
metro!
dem de algodao, idem, idem a 1*500 o dito !
Atoalhado bordado, o melbor possivel, a 1*500
dito!
Bros de linho de cores (linho puro) a 1*200 o
dito!
Camisas francesas sem punhos e colarinhos a
40*000 a dusia !
Ceroulas de bramante bordadas a 12* e 18* a
dita!
Guardanapos de linho a 3*000 a dita !
Meias arrendadas para seahora a 8*000 a
dita!
Idm cruss para hornera a 3*500, 4*500 e 6*000
a dita!
Lencos brancos em lindas bolsinhas de setim a
S*000 a dita !
Enxovaes para casamento o seguinte :
Lindas grinaidas e veos a 14*000 e 16f 000 !
Ricas colzas de crochets a 10*000 e 12*000 !
Guarnicoes de dito (cadeias e sof) a 8*000 !
Etpartilhos americanos, chiques, a 6*000 e
S*000!
Cortinas bordadas, novos goatos, a 7*000 e
10*000!
Vendas em grosso, descont da praca.
( Ba Dnqne de Casias 59
LOJA DE
Carneiro da Cunha & C.
A Revoluco
_ --*^- --
Cabriolet
Tendese nm em perfeito estado e por preco
rammodo; a tratar na ra Invine de Caiias n. 47
Plvora
ra Duque de Baldas, resolveu a vender
os segumtes artigos com 25 Ojq de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Las com bolinhas a 500 e 640 rs. o covado.
Setins maco a 800 rs. o covado.
Setinetas lisas 400 rs. o dito.
Setinetas escoaaeas a 440 rs o dito.
Cambraia com sal picos a 6 i rs. a peca.
Linn branco a 500 rs. o covado.
Linhos eseosseses de quadriahos e lisos a 240
rs. o dito.
Mariposas de cores a 240 rs. o dito.
Renaa da China 240 rs. o dito.
Damasco de la com 160 centmetros de largura
a 1*800 o dito.
Bramante de linho com 9 palmos de largara a
1*800 o metro.
Bramante trancado de algodao a 1*200 e dito.
Bramante de urna largura a 320, 360, 400 e
440 rs. o dito,
nrim pardo a 300 e 360 rs. o covado.
Brm prateado de linho a 600 rs. o dito.
Crochets para cadeiraa 1* e 1*600 um.
Ditos para sof a 2* e 2*500 um.
Colchas de fusto branco a 1*800 urna.
Fichas de 12 a 1*, 2*, 2*500, 3* e 4* um.
Espartilhos de corsea a 4*, 5*, 6* e 7*500 um.
C misas de linho bordadas a 30*000 a dusa.
O t finas a 240, 280, 320 e 360 rs. o covado.
Sin tes para senbora, no/idade, a 1*500 e 1*800
nm.
Lfnc-s brancos finos a 1*800 e 2*000 a dusia.
Cobertores de la a 2*, 4*500, 6J500 e 8* um.
Cambraia preta para forro a 1*200 a peca.
Meias para homens e senhoras a 3$, 4J, 5* o
6*000 a dusia.
MaUapolo gema e pelle de ovo a 6*500 a peca.
Cambraia branca a 2* a peca.
Crinolina branca e preta a 2*800 a peca.
Toalhas felpudas a 4*000 a dusia.
Toalhas alcochoadas a 12* a duria.
Cobertas de ganga a 2*800 e 2*900 urna.
Lences de bramante a 1*800 um.
Para a Exma*> nonas
Setim maco a 1*200, 1*400, 1*800 e 2*000 o
covado.
Popelina de seda a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 500 rs. o dito.
Capellas e veos finos a 10* e 14*.
Colchas bordadas a 5*000, 7*000, 8* e 10*0,0
urna.
Cortinados bordkdoa a 6*500 o par.
LOTERA
Attenco
Vende-se Manteiga inglesa superior em latas de
12, de 4 a 1*100, e 7, 14 e 28 a 1*000 por libra e
gas iuexplosivo a ra do Bom Jeaos n. 38.

Vende Candido Thiago da Costa Mello, em seu
deposito Jrua Imperial n. 322, olaria, onde tam-
aem vende tijoloa e telhas. Telephone n. 221.
Carteira
Vende-se barato urna carteira contendo na peca
de baizo dous armarinhos e tres gavetas, e na
peca de cima 17 compartimentos que se fecham
om urna 89 chave : a ver e tratar no largo d S.
Pedro n. 4, loja.____________________________
Engenlio 1 venda
Vende-se o engenho Murici, com safra u sem
-11 a, situado na freguezia da Escuda, distante da
res pectiva estacao um quarto de legoa, podendo
dar seis caminhss por dia, moente e corren te,
sem duas casas grandes e dnas pequeas para mo
rad a, e outra para farinha com sua* pertencas : a
tratar na roa do Imperador n. 65, 2- andar.
Vende-se
o hotel denominado Dous Irmaos, sito ra da
Cruz n. 23. Este hotel est reedificado, muito
frequentado por nacionaes e eatrangeiros, tambem
tem hospedsgem, e o motivo da venda seu pro-
prietario ter de retirar-se para Europa por falta
de sade : trata se no mesmo. Pede aos eeus de-
vedores que esto em atraso, de virem saldar suas
contas, do contrario sero seus nomei publicados
nos jornaes desta capital.
Pinlio de Riga
Vendem Fonseca Irmaos Se. C, a preco mdico ;
Massa de mandioca
Vende-se massa, especialmente preparada, para
bolos de Santo Antonio, 8. Joao e S. Pedro, a 500
rs. cada pacote de meio kilo : no largo de S. Pe-
dro n. 4.
DO(.A.S
ALAG0AS
CORRE NO DIA 29 DE JUNHO
INTRANSFBRI7EL! INTRANSFERI7EL!,
O portador que possuirum
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar...__
10:006$;000.
Os bilhetes acKam-se a' ven-
da na Casa Feliz, praca di In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 29 de Junho
1886, sem falta.
\os t.ooo:ooopoo
200:0001000
IIMMIOIISIIIMI
wmiii: lotera
DE 3 SOfflJS
Em lav r dos ingenuos da Colonia Orphanologiea Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extracto: no dia 8 da Julbo de 1886.
0 thesoureiro, Francisco Gon$alves Torres
SEMPRE NOVIDADES
Fazendas finas e modas
2 A-Rua do Cabug--2 B
J. BASTOS K.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphancs, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, tecido moderniasimo.
Orlatienne, fazeuda nova e padroes lindissimos.
Venitienne, corabinacao de fazenda lisa e lavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as c6res com enfeites de Guipour*.
Plumetie, branco e de cores com lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Etamine de cores, desenbo novissimo.
Satn double, tecido de algodao e modernissimo.
Gase de algodao, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Leques Jiaphanos.
Ditos de setim.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos do seda diaphauo, revoluto da grande moda para eafeitar vMieV
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e setios, branco, preto e de corea.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira com enfeites de passemanterie e vtdrks,
guarnicSo de renda e franja.
Jersey de II com eafeites de peluda e bordados, escomidos sortiraaatos"i
caaacos de malha, que vendemos do 84000 a 15(5000.
Fornecem-se as amostras de todos oa artigos.
(Telephone n. 359)
HOSPEDARA
28- RA DO BARAO DA VICTORIA-28
O proprietario d'este estabeleciment nada tem poupado afino de que os MM
Ilustres rfeguezes encontrem os memores almocos, lunchs, antares e ceias a francesa
e a brasileira, para o que acabe de empregar um cosinheiro de primeira ordea e ps-
soal escolhido.
Jantares e banquetes sobre encommenda.
Quartos mobiliados e saldes reservados para aa Exmas. familias.
Falla-se inglez, allemao e outras linguas.
Recbese nssignaturas para a mesa e pensionistas com moradia, por precos
muito commodos.
Em noites de espectaoulo, este ESTABELECIMENTO estar aberto t o in
do mesmo.
LISTA GERAL
N B.O premio preacrever
um anno depois da extraego.
A
DOS PREMIOS DA 2 PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LE PROVINCIAL N. 1679 EM BENEFICIO DA IGREJA DA CONCEICAO DOS MILAGRES DE MARANGUAPE, EXTRAHIDA EM 23 DE JUNHO DE 1886.
IS. PREMS. NS. PREMS. *8. PREMS. NS. PREMS
6 44 284 4* 468 4* 686 U
10 88 70 89
14 _) 93 72 90
19 _ 95 74 91
36 ^_ 96 75 97
36 _ 97 76 98
J8 _ 301 77 707
55 _ 3 83 8
56 _ 4 91 9
57 * 7 98 10 -
58 9 502 18 -
61 __ 17 3 20
70 __ 20 4 21
78 __ 24 10 26
86 _ 25 14 H 34
95 M 31 20 38
102 _ 35 23 41
3 _ 39 32 81 46
5 44 36 4 55 -
10 W 46 37 57
11 *w 61 38 60
22 69 39 64
26 73 - 43 __ 66 8.5
17 m_ 81 46 __ 67 4
28 mm 83 47 69
38 _ 87 52 1<5 70 i
40 _ 89 64 4 75 U
49 ^M 90 8 69 _ 80 -
51 _ 91 4 72 _ 86
56 - 92 82 90
59 _ 97 92 95
61 400 604 _ 6 -
69 _ 4 i 7 99
70 M 5 U 11 _ 803
72 U 7 ~ 12 1*5 32 *
79 10 _. 18 u . 5 ~
93 __ 11 35 36
96 ^M 15 40 39
306 __ 16 42 ^ 43
20 H 18 43 __ 44
26 27 l-5 52 ^_ 51 ~"
31 ^p 38 U 54 ^, 55
32 - 41 ~ 63 58
40 42 66 59
55 8 45 68 61 -
58 S 46 69 62
61 44 50 72 - 67
64 _ 55 _ 78 70
78 _ 60 79 81
79 67 81 82
NS. PREMS-
892
95
96
909
20
29
30
33
36
37
38
39
41
51
55
56
65
68
72
73
77
79
83
95
99
1002
"5
13
15
19
21
26
30
32
34
41
43
45
55
56
73
75
76
79
81
88
86
91
99
1101
4*
NS PREMS.
1
4*
3
4*
1
4,5
1105 49 1385
11 86
46- 89
51 Io 90
54 u 1400
56 -T- 7
62 11
66 -- 13
68 -- 19
71 -- 22
77 -- 23
79 -- 25
80 36
81 -- 37
88 - 47
93 -- 54
95 - 62
1201 67
3 _ 71
5 -- 76
13 _ 78
16 84
20 - 92
31 _ 95
35 97
38 __ 1501
57 /
61 __ 7
64 _ 22
70 i 26
72 u 39
78 40
82 46
92 s* 48
95 4,5 49
1305 63
9 70
21 _ 82
22 84
27 - 1604
36 5
37 9
42 10
43 _ 15
44 19
46 ^ 20
B2 24
. 78 28
80 M^ 53
83 _ I5
NS. PREMS.
4,5
NS. PREMS.
NS. PREMS.
8
4,5
1641
47
53
55
63
68
76
79
80
87
91
99
1706
8
9
13
19
24
33
34
36
38
42
54
61
64
67
68
77
80
81
83
84
86
88
90
95
96
1803
5
6
7
25
28
39
49
63
66
69
74
4,5
8,5
4,5
NS. PREMS.
ioo
4(5
4,5
4,5
1880
98
99
1902
7
15
17
19
26
27
30
31
35
42
54
56
67
68
78
80
87
91
92
95
96
2014
16
30
31
33
40
41
46
52
58
63
73
76
77
85
96
97
98
2103
7
15
18
26
31
37
45
8P
4,5
NS. PREMS
86
8,5
85
45
86
46
3i
45
2142
52
53
56
59
63
67
70
80
82
85
91
93
96
98
2201
43
27
28
29
36
37
38
41
46
47
50
55
59
62
64
65
68
73
74
79
83
90
97
2302
7
24
25
28
32
35
37
42
43
48
45
ltt
45
166
45
86
45
too6
45
86
41
2350
54
56
62
65
77
81
90
95
97
99
2403
6
8
9
21
33
35
40
53
55
57
58
61
66
67
77
80
85
88
93
96
2504
14
17
21
22
24
28
29
32
36
39
43
50
53
54
65
59
60
45
84
44
86
.45
84
44
NS. PREMS
2570
72
78
80
81
82
90
'93
96
2605
7
14
33
36
46
55
64
71
73
75
82
85
87
88
90
2711
17
20
23
40
41
42
48
65
68
71
72
74
78
90
2801
7
17
21
25
26
28
29
36
40
45
85
45
84
84
45
loo6
45
NS. PREMS.
2842
45
46
47
55
61
62
87
88
89
93
94
2900
1
2
6
7
8
13
16
22
24
28
29
43
44
53
58
59
69
76
77
81
82
93
99
3004
6
9
10
12
14
16
32
35
47
48
62
68
70
6
45
84
44
84
NS. PREMS.
3072
73
74
76
94
95
98
3103
13
14
15
20
38
39
55
56
59
65
67
70
71
75
77
79
88
93
98
3202
7
13
15
i9
25
26
27
28
44
52
57
60
67
71
75
78-
79
82
91
3308
17
18
45
386
46
3*6
NS. PREMS.
3326
28
33
44
47
54
58
59
60
65
73
87
92
96
99
3404
10
18
21
29
30
36
37
41
43
46
56
59
61
62
66
67
71
75
76
78
84
88
89
97
99
3501
6
11
13
17
18
20
33
42
44
16
86
44
84
84
44
NS. PREMir
3543
46
52
54
55
56
67
71
72
77
80
89
95
3604
16
19
21
23
29
38
44
45
55
60
62
67
68
71
72
3700
15
16
19
20
23
24
41
44
47
53
55
57
61
62 4:
64
72
76
80
8P>
87
44
386
46
86
44
ooo4
44
NS. PREMS.
3788
97
3&00
8
14
22
23
28
29
32
33
35
41
39
43
52
53
55
59
63
70
80
83
90
97
98
3901
10
13
15
18
26
39
44
45
46
50
53
58
61
65
68
75
78
82
83
84
87
88
91
99
81
4#


Diario de Pem48iiilHc-*(luittta--feira 24 de Junho de 1886
:
)
ASSEMBiJM GERAL
CAMtRA D*l DBPLTAUO
SESSO EM 7 DE JUNHO DE 1886.
PRB81DENCIA DO SB. ANDBADK FIGElBA
(Cotnuaccfa)
O Sr. Affouao Celso Jnior Esu latitude
foi fafgadarneceBsaria ao nterease das nos-
sas possessoes de alra-mar com as quaes
as communieagi5e8 nao eiara nem prorap-
Us, nem tacis; mas o vapor o o telegra-
pho perraittiriam boje rcouuciar a urna f*-
culdade perigosa. Os ministerios esperam
-t o ultimo momento para egotar seus
crditos : preciso depois reunir os docu-
mentos justificativos, que chegam com de-
o segundo anno decorre antes que
mora, =-&--------------- ---------- -.
o tribunal de contas tome delle conheei
meato e possa comegar ns verificagOcs. ]a ja ^ faZa com 0 juro ja di>ida flao
Mesmo no teuipo ordinario, nilo senao
no fira de 4 annoa que se pode canhecer
com certeza a cifra exacta da* despeza
effeetuadas em um tnao e saber se o ex-
cedente das reeeitas persiste no momento
em que o opamente desse anno foi ota-
do ; nao se transforraou pela accumulagao
dos' crditos extraordinarios em um dficit
considera vel.
Esta perpetua incerteza sobre a ver-
dadera situag&o tnanceira n.to podia ser
tolerada na Inglaterra, acoatumada pre-
cisao e exactidio, e que exige na ges-
tao dos dinheiros pblicos as praticas rgi-
das do commercio e quer que o balango
do r stado seja tao lmpido como o de um
banco. D'ahi vem nao conheeerem elles
essa fiegito chamada exercicio tinanceiro.
O anno financeiro que comega presante-
monte a 1 de Abril, termina inevitavelmen-
te a 31 de Margo seguiote. t
A' vista de tao abslisadas opnioes, a-
credita o orador que o Sr. ministro la fa-
zenda pretlar alguma attengao provi-
dencia (le fazer coincidir o anno civil com
o financeiro, aue, como fieou demonstra-
do, de ineontestavel utilidade para -mar-
cha regular dos negocios pblicos.
Guardou rigoroso silencio o ;Sr. ministro
da fazenda aerea do planos de sanea-
mento desta capital que o seu digno col
lega, ministre do imperio, pretende levar
a'effeitoi A' pag- 84 do relatorio do im-
perio, dia o respectivo ministro que preci-
sa do 100,000 eontos para exeeutar se-
melhantes planos.
Nao comportando a situacao bnanceira
dopaiz tamanha despeza, accrescenta S.
Exc. que s contentar com um crdito
que pretende pedir para aquelle tim e
com urna contribuigaO anaual no orgaraen-
to de sua pasta. De quanto ser este cr-
dito?
A quanto subir essa contrbuigao ?...
' solidario o Sr. ministro da faz nda com
esses projectos, que sao a flagrante con-
tradigo do seu proposito deeeoaomias ?...
Que tim levaram os seus 11,625:000$ de
despezas, laboriosamente cortadas? E o
dficit o terrivel dficit, onde ir parar ?
Nlo podem ticar sera rasposti estas in-
terroga^ '8.
O orador nao desconhecc agrande com-
petencia do Sr. ministrp do, imperio em
as&umptos de hygiene e sanearaento. Acre-
dita, porm, que nao ter efficasia o diag-
nostico Je S- Exc. para curar este gran-
de enfermo o Rio de Janeiro. Julga
mesmo que os seus planos pr.-duzirao re-
sultado negativo, exactamente o inverso
do que se espera, pas a sua simples con-
cepto debilitou e comprometteu seriamen-
te, ao que consta, a saude do ministerio.
O r. Francisco Bellsarle (mi-
nistro da tazenda):-Pela urgencia na
adopgao da medida prorogtiva do orga-
mento, pret-ndia deixar que tallassem so-
bre ella roais alguns oradores para de urna
s vez tomar em consideragim as observa-
goes que sobre ella tizessem ; a 7 de Junho
preciso cuidar que a proposta dependo
ainda de discussilo no Senado; -ntretanto,
nao querendo faltar com a deferencia ao
orador que acaba de assentar-se, oceupar-
se-ha com as prncpaes objeegoes que elle
enuuciou, com referencia a assuroptos de
que j tratara em seu anterior discurso.
O nobre deputado, reterrado so con-
veniencia do anno financeiro coincidir com
E
FOLHETIM
EGOLO
PUR
:v.ss as lu
., continuado de angela)
(Cot>tiss3>a do ii. i 40 )
VIII
O successor de Grisky experimentava
ama inquietacao vaga a^respeito do actor
Darnala ; mas por emquanto Darnala no
era perigoso nem mesmo incommodo.
Sl-o hia mais tarde ?
3e fosse, dar-se-biara providencias.
O caminho diante de mim deve estar
desimpedido aceres :entou Proli. Hade
o eutar I
No ponto de interseegao do boulevard
Saint-Micbel e do boulevard Saint-Ger-
main, toinou urna carruagem e mandou que
o conduzisse a praga de Clichy.
Vagalumo e o seu collega Phosphoro,
ambos agentes de seguranga, nlo tinbam
perdido o sea trapo.
Partindo pelo expreato, que passava por
Laroche s nove horas e cincoenta e nove
minutos da noite, tinham chegado a Mar
selha no dia seguinte s dez horas e qua-
renta minutos da manhS.
Emquanto rodava o trem, empregaram
o tempo a fumar cigarros e a combinar o
plano de campanha.
Apeando se em Maraelh, tinbam -se io
o anno civil, acb muito razoavel essa sus
aii;niao, j por ella1 sa tem manifestado e-
ettimar vel-a opportunamentn submettida
de novo diacussSa e adoptada pelo parla-
mento.
Quanto questSo de emprastiraos, nao
e demorar, por ora, em discutir.
Reclamou em aparte, contra a expressao
.- frivola, que Ihe fui attribuida. N2o po-
da dizer que as observagSes de um qual-
quer membrj desta casa, e muito menos
da S. Exc, eram frivolas. O que disse
f< i que p.rcia haver engao na argumen-
tijao lo nobre deputado na aprcciagSo do
aasumpto de que entilo tratava.
A economa resultante da eonvers3o d^s
apolices, no valor de 3.300:000$, nada
tera com os eraprestimos, que seriam le-
vantados f ir'cosam'ente, quer so realizasso
a eonversilo, quer nao.
^jQs emprestimos nao crearam despeza,
t Jante.
Quanto ao terceiro'ponto das oBeserva-
c5es do n>bre deputado c projecto de sa-
neainento da capital do Imperio dir que
inccntestavel que nos devenios oceupar
com o assumpto ; mas como o Governo
tem o pensamento de reformar as cmaras
municipaes, talvez dessa reforma resulte
poder a Illma. Cmara Municipal da erte
ia!igr impostos que lhe permittam largar
a sua espliera de accao, cuidan lo, portanw,
desse ramo do servigo.
Nao se trata da votar inmediatamente
fundos para isso.
Sao estes os tres pontos de que se oceu-
pou o nobre deputado.
Deve urna respostsa ao nobre deputado
o Sr. Candido de Oliveini, que se oceupou
especialmente dos impostos addicionaes de
5 u/0; mas sendo a prorogativa um objec-
to por sua natureza urgente, pruciso que
rpidamente passe, no que nilo haver iu
conveniente, visto que urna providencia
provisoria. (Apoiarios.)
Espera, portanto, que o nobre deputado
o oseusar de poucodemorar-se n'esta occa-
siao na triburfa. Se os no ores ueputados
apresentarem no vos argumentos que o obri-
guera a voftar tribuna, coropromette-se
a tratar d'eltes, e entilo tomar na devida
eousideracao o discurso do conselheiro Can-
dido de Oliveira.
O Sr. Altes de .4ranjo diz que
o Governo nao pode queixar-se dos libe-
ran, que nao ten embaragado as medidas
sueitas diseussSo. por isso pareceu es :u-
sado o encerraraento da 2.' discusso da
prorogativa do orcamento.
Desejava na 2.a discussSo analysar al-
guns a -tos do Governo; o encerramento,
porni, obstou que o fizesse.
Mostra que a prorogativa j leva no seio
um grando dficit, sera fallar nos dinheiros
do cofres dos orphaos e outros emnresti-
mos que sSo contados como renda.
Analysa algumas verbas do orcamento
em que julga que se podia fazer econo-
m.as.
V que a hora est esgotada, mas p de
alguns momentos de benevolencia da C-
mara, por isso que a palavra lhe foi conce-
dida muito tarde.
Referindo-se ao, e nprestimo interno,'
mosfra que o Banco do Brazil nSo devia
ser o intermediario dessa operaoSo, porque
poderia arriscarse a sorte d'aquelle estabe
cimento; e o caso ainda mais grave,
porque o Governo que chamou o banjo
a casa operacao.
Quanto conversao das apolices de juro
de 6 % acba que foi urna operagao econ-
mica, .-ujo raerecimento nao pode ser nega-
do ao nobre Sr. ministro da tazenda.
Lembra aue a commissito de fazenda po-
di i spresentar urna emenda prorogativa
do orgaraento, mandando approvar o con-
trato do gaz j feito; mostra importante somma parada por causa desse
ootrato o a cidado do Rio de Janeiro con-
tinha a soRrcr o vexame do actual prego
do gaz, quando podia ter esse fornecimento
por muito menos.
Nota aiada que os sellos do correio nao
poliameer exceptuados dos 5 % marcados
na lei sobre o elemento servil.
Reserva para a discussSo do orgamento
outros pontos que deixa de tratar e agra-
dece a seus collegas a attengao que lhe
prestaran).
Esta discus3ao fias adiada pela hora.
formado sobre a situagao do caes da Fra-
ternidade o do grande hotel Beausjour.
Dirigiram-se para l em li.iha recta.
Almocemos primeiro, disse Vagalu-
me ; em seguida, temaremos informagSes.
E ambos puzeram se mesa do restau-
rante do hotel, onde quinze dias antes ti-
nharaos visto Angelo Proli sentado.
' Com muita pressa de por raaos obra,
Lalmogaram depressa e dirigiram-se ao es-
criptorio do gerente, onde pela primeira
vez o italiano tinha visto Jayme Bernier.
Vagalume (que a geiente achou um ho
mem muito perfeito) annunciou a intengao
de passar a noite no hotel, bem como o
seu cornpanbeiro e pedio lhe que preparas-
se um quarto com duas camas.
Os quartos estilo promptos, senhor,
respondeu-lhe ella, pociem-os cOnduzir im-
mediataraente para um delle^.
Nao, minha s> nhora ; um pouco mais
tarde.
Quando quizer.
Caseneuve disse entSo :
Resta-nos agora, minha senhora, di-
zer lhe quem somos. Esto senhor e eu so-
mos agentes da poli ia de seguranga, en-
viados a Marselha para um inquerito...
Aqu estao os nossos bilhetes de visita.
ta provincia gosta-se pouco da polica ;
por isso a gerente achou o seu interlocutor
menos perfeito hornera do que a principio.
O agenta proseguio:
Veu dizer-lhe de que natureza o
tal inquerito e os motivos por que escolhi o
seu hotel de preferencia a qualquer outro.
N5o tenho preciiao do conhe-er o
motivos em que me falla. Parece-me que
ji5o tenbo que intervir no inquerito de que
se acham encarregados, disse a gerente
com urna sequidao involuntaria.
Pego-lhe mil perdeos, miaba senhora;
mas, emquanto a isso, engana-se redonda-
mente... Tanto tem que intervir neste
inquerito, que vai responder a um interro-
gatorio muito completo.
- Eu ? disse a boa mulber, accommetti-
cla de um tremor nervoso.
Em todo o caso socegue, minha se
nhora ; apressou-se em dizer Caseneuve,
sorrindo ; a seniora nao aecusada, nem
mesmo suspeitada de qualquer crime....
N'lo se tratar da senhora em interrogato-
Sr. Presidenta d a oriem da dia
par 8 do correte.
SESSaO EM 8 DE JUNHO DE 1886
ERESIDENCU DO SB. ANDBADE KIGUEIRA
Ao meio-dia, feita a chamada a que res-
pndela 9i> Srs. deputados, abre-se a ses-
s.lo, sete minutos depois do meii.-dia.
E' hda a acta O Sr. i." secreiario di"nte.
O Hr. Cruz, oioupaodo-o com as
oceurrencias ha vidas em S. Jos de To-
cantins, p ir sceaaiSo da eleigao o que alli
se procedeu durante a sua a I ministrado,
comega ileclarando que a sua ehegada
capital de Goyaz rtahzou s- a 5 do Janei-
ro do corr-mte auno, o que, tondo chegado
all o Sr. M ireondes Figueira no dia 25 de
Dezombro do anno anterior, n3> podia esse
senhor t:r sido seu uompanheiro de via
gem, como se propalou.
Le Cmara a copia dos ofh/iios que
roeebeu informandoo dos acontecimentos
que se preparavam em S. Jos de Tocau-
tins, e faz ver que a exiguidtde do tempo
nao Iho permittia tomar as providen-ias
que eram de mister, urna vez que o thea-
tro das iamentavris oj;:urrencias que se
r rauitas leguis da capital.
Entretanto deve declarar que, se hou-
vusse tcmp-> par;i isso, man laria iraiedia-
tamente reforgar o destacamento que se
achava n'aquella localidad >, o contra a per-
manencia do qual se reelamava.
Adoptara log) essa providencia por es-
tar convencido, e os factos posteriores vie-
ran) mostrar-lhe quo nilo se enganava, de
que essa torga nao contribua absolulamen-
to para fomentar as graves desrdeos qu*
all sa derara, rans ao contrario era urna
garanta para a manutengilo da ordem pu
bliea.
S a 22 te ve noticia dos factos occorri-
dos a 15 de Janeiro c- no dia 23 fez se
guir para S. Jos o chefe de polica, a
quem encarregou de abrir um inquerito
afim de descobrir os responsaveis dos at-
intalos coinm -ttidos.
Lo um auto de perguntas a respeto das
oceurrencias o apresenta-o como prova de
que houvo premeditaglo para aquellas des-
ordena, quo o destacamento all estaciona
do absolutament > nao provocou, e que, se-
gundo informag3es de passoas fidedignas,
silo attnbui ias ao maudao d'aqu'dle lugar.
Se tivesse attcn.ido s reclamagoes que
Iho t'oram dirig ias no sen ido de retirar a
forga de S. Jos JaTocantins, acredita que
talvez tivesse sido inaior do que foi o nu-
u.ero das victimas.
Vum mesa, li lo, apoiado e entra era
discussilo, que adiada por pedir a pala-
vra o Sr. Alves de Arajjo, o seguinte re-
querimento :
R iqaeiro que se pegan) ao Governo
informagSes sobre o estado do processo,
por motivo dos atienta los de S. Jos de
Tocantins prat'cados no dia 15 de Janeiro.
Sala das sesso's, 8 do Junho de 1886.
G. Cruz. .
O Sr. Henear Ararlpe sent se-
cosaidade de dfender se das arguigSes que
soffreu no Senado por parte de um nobre
representante pela Parabyba.
Lamenta o s-tro que ltimamente est
invadiodo os nobres opposionistas da C-
mara vitalicia que sob o pretexto de rece
berera de seus amigos alguma qneixa por
meio de artigos de gazeta, de carta ou de
telegramraa, correm logo tribuna e fa-
zera, aera o criterio, e o escrpulo de que
aquella casa deu provas outr'ora, aecusa-
g3es infundadas e injustas contra os raem-
g5'8 da Cmara temporaria, contra o Go-
verno o os seus delegados na actual situa-
gao.
Era seguida passa a mostrar que a can-
aura do nobre senador nao tem cabimento,
porquanto o orador nao intorveio na le-
gao a que procedeu a Cmara Municipal
di Belm ; interveo apenas, como presi-
dente da provincia, na interprjtagao que
cumpra dar lei quanto competencia da
Cmara Municipal pra determinar o quo-
ciente eletoral. Nao era oaso de recurso
para a relagln, e portanto a maioria da
Cmara, tendo frente o seu presidente,
cumprio o seu dover mantendo era ceus
rio, mas do ulguera que ltimamente este-
ve hospedado no seu hotel.
Entilo, de que s ?
Jayme Bernier.
IX
A gerente do hotel olhou para o seu in-
terlocutor, cora anciedade.
O Sr. Jayme Bernier, o ex armador ?
perguntou ella
Esse mesmo responden Caseneuve.
Espero que lhe nao tenha acontecido,
algum desastre.
Entilo ignor.i a sua morto ?
Morrea I. .. exclamou a senhora, le-
vantando os olhos para o tecto. Meu
Deus !... o que me diz! Un homem que
ainda ha pouco esteva aqu, de tilo boa sau-
de. nao ha raaia de quatro ou cin:o dias
e que pareca tao vigoroso I O que somos
neste mundo E de que morreu elle, caro
senhor ?
De urna facada.
A gerente esbugalbou os olhos, 6 os la
bios comegaram a treraer-lhe.
Caseneuve proseguio:
Assassinado no caminho de ferro.
Assassinado !... que horrivel des-
graga I
Caseneuve disse :
Temos precisSo, minha senhora, de
saber exactamente a data em que o Sr.
Bernier parti para Marselha.
J lhe vou dizer, replicou a gerente.
E, emquanto folheava um registro, col-
locado na eserivanioha diante della, accres-
centava :
Pobre Sr. Bernier !... Nos conhe-
ciamo lo, havia muito tempo .. Tinha n'ou-
tro tempo habitad) em Marselha ; disse-me
quando parti qu.e tencionava demorar se
em Dijon.
Com effeito, l esteve e foi entre Di-
jouePariz, que o assassinaxtra.
Sabe-se quera foi o miseravol que
commetteu i3o ab)ininavel crime T... Esse
miseravel j est as raaos da justiga ?
Nao, minha senhora, e precisamen
te para lhe enoontrarmos a pista que esta-
mos aqu.
Ah meas aenhore, so estivesse na
minhas maos auxilia)-os, fal-o-hia com mu-
lugares aquellos vareadores que tinham
sido legaluiente eleitos.
Defeadendo seu acto, declara que ne-
nlmm presidente podia consentir que a de-
calo tomada outeriormente, de eonformi-
dade com a lei fosso rWogada por utra
dada incorapetcntements pelo poder judi
oiario*
ORDEM DO UIA (!.' parte)
VEBIPICACXo DE PODERES
Centina o dis usso do parecer n. 122
da 3.* commiasao do inquerito, sobro a
eleigao r'o 2. distrcto do Rio Grande do
Sul.
O Sr. Seve Navarro diz qua o seu
contendor, dando expansilo aos seus sent-
raentos partiilaros, inverteu a verdada os
factos occorrido3 na eleigSo do 2. distrcto
da provincia do Rio Grande do Sul.
Na in-xacta narragao que fez dessea fal-
tos, S. Exc. prejulgou a sua propria causa
qua:iJo declarou estar certo de ser a ulti-
ma 7ez que fallava na cmara. Era essi a
voz da conscieucia que lhe bradava compe-
tir ao orador, o nilo a elle, o ganho da causa.
N3o se adrairi quo S. Ex .. coimasse de
fraudulenta a eleigao do orador, porque
quera, como o seu contendor, viveu sempre
no meio da fraude e com elU joga, nilo
muito que veuha attribuil-a aos seus adver-
sarios
t Defen'endo a sua cleigilo, le alguns docu-
mentos que contrariam a injustas censuras
do seu antagonista, quando esto increpou o
orador de deputado oriundo da fraude do
crime; e mostra que nao houvo os ass.ssi
natos a que allndio o nobre cunlidato nem
as ameagas vida o propredade do ci-
dadao, gominettidos quer pela polica locai
quer pela polica rural.
Percorreu, verdade, nilo s o munici-
pio de S. Francisco de Cima da Serra co
rao muitos outros, mas seai ir rodeado de
capangas nem acompanhado pela polica ;
nao raoveu procesaos a ninguom, nem at-
tentou contra a seguranga ou propredade
de quem quer quo fosse. Nao e nenhum
aventureiro; oera conhecido naquella pro
vmcia, onde tira amigos a quem pruza, o
jamis desceria par. ter honra do re-
presentar a provincia, pratica ds actos
tao conderauaveis como aquelles que lhe
attribuio o seu competidor.
Nao querendo alongar-se nesta ordem
de consideragles, passa a analysar a acta
da eleigao Je S. Francisco de Cima da
Serra, quo to combatida foi pelo nobre
candidato derrotado.
Acba que a qmstao est ulgada pela
cmara e qua o seu reito est recocheci-
do ; por isso concine dizen lo que apezar
co chefe liberal do Rio Grande do Sul ter
ameagado o governo cora a revolugao e
com a gloria do partido o apezar da3 reu-
niiles m casa do Sr. Visconde de Pelotas,
dizendo aquello que tinha os deputados fe-
chados na mo, o Sr. presidenta da pro-
vincia respmdeu-lho : Nem gloria, nem
revolugilo. Com effeito, aquello chefe nao
pode mais commandar as cahortes de ou-
tr'ora, porque sa a;ha desmoralisado ; por-
que o Sr. Lacena, com seus actos de pru-
dencia o do energia-soube esmagar as im-
prudencias do chefe liberal.
O Sr. Paulino Chives (pila ordem) ra-
quer e a cmara approva o encerramento
da discuasoo.
O Sr. Candido de Oliveira (pela ordem)
requer e a cmara nega que seja nomind
a votagao sobre a eleigSo do S. Francisco
de Paula de Cima da S;rra.
Prccede-se votagao das conclusSes do
parecer, que silo approvados, rageitada a
emenda, sendo rjconhecido deputado pilo
2 distrcto do Rio Grande do Sal, o Sr.
Seve Navarro que adiando se no salao pres
ta jrame; to e toma assento.
SEGUNDA PARTE
BESPOSTA A' FALLA D3 THROSO
Coatinua a discussilo do projecto da res-
posta falla do throno.
(Entr-i no salao e occupa'a sua eadeira o
Sr. presidente do nonselho.)
E' lida, considerada apoiada pelo nume-
ro de assignaturas e entra em discussilo
conjunctmente com o projecto a seguinte
emenda :
a Ao 2o Periodo :
* Infelizmente certo, Senhor, quo a
to prazer... Darei todas as inforraagSes
que desejarera... Primeiro que tudo aqu
est a data que querem saber.
A gerente poz o dedo em cima de urna
linha do registro e leu em voz alta :
Sr. Bernier (Jayme), ex-armador, mo
rador em BaligaollesPariz, 54, ra das
Damas, vindo de Argel, entrado no dia 28
de Novembro., sahido no dia 10 de De
zembro.
Caseneuve consultiva todos os aeus apon-
tumentos.
E* exactamente isso, disse ella em
seguida, e parti justamente no dia indi-
ca to na carta de sua filha... Agora, mi-
nha seahora, queira nos dizer se no mesmo
dia 10 outro qualquer viajante deixou o
hotel ?
Com toda a tacilidade.
Depois de ter percorrido com os olhos a
columna do registro, de alto a baixo, a ge-
rente acirescentou :
Alm do Sr. Bernier, niaguem sahio
de nossa casa no dia 10.
Est certa disso ?
Sim, senhor, nao ha erro possivel
Sou eu que escrevo o registro e gabo-ma
de o fazer com toda a regularidade.
Caseneuve reflectio por instantes, depois
perguntou ;
- Em que quarto habitava o Sr. Ber-
nier ?
O quarto n 10... parece-me que
ainda o eatou vendo, tirando a chave do
quarto qu alli est.
- Esse1 quarto solado ou collocado
entre dous outros ?
Do lado dreito est apoiado de en
contro parede raestra do hotel, porm do
lado esquerdo contiguo a. outro quarto do
mesmo tamanbo o n. 9.
E, naturalmente, disse o agente de
seguranga, esses dous quartos, como cos-
tara0 em todos os botis, sao separados por
um tabique muito delgado com urna porta
que se desprega, quando dos dous quartos
so quer fazer um s ?
Sim, senior.
Nos desejamos, minha senhora, visi-
tar o n. 9 e o n. 10. Estao oceupados
agora ?
1 Nao, enhor.. vou mndalos aeom-
ultiraa eleigao para deputados deu lugar ao
coininettiinento de alguns crimes graves,
sobre'sahindo entre outros os aconteeimon-
tos de S. Jos de Tocantins, Ilhos, Ubi-
raba, S. Francisco de Paula de Cima da
Serra oMorrinho. De accordo com o pen-
samento do Vbs3.a Magestado a cmara
examinar so a reproiugo de somohantas
factos poda ser evitada por do alteragS -s
da le cleitoral, aereditandt to l.avia que a
diuiinuigio dclles em grande parto resulta
r da effeetiva responsabldade dos agen
tes da autoridado publica que ndebitaroen-
te intervicram no pleitc.Canudo de. Oli-
veira.Ales de Araujo. -Pedro Beltr;I>.
-Montandon. Henrique de Sales.Af-
fonso Celso Jnior. Joilo Penido.
O Hr. Ferrelra Vianua vacidou
por algum tempo se devia torrar a palavra
na discussilo do voto do gragas, senao con-
viria antes poupar o tempo da cmara pa-
ra assumptos praticos ; mas para nilo dar
occasiao a se interpretar o seu silencio por
motivos nilo conformes ao seu intuito, nao
tem remedio senao fazer esto esforgo, dan
do mais esta provade seu respeto a cma-
ra dos Srs. deputados.
Quando teve a honra de escrever a res-
posta falla do throno, julgou que ella nSo
soffreria maior discussitiou passaria sem as
recriminago"e8, que o interesse poltico devia
guardar, attendondo urgente necessidada
de reorganizar o paz.
Faz ver que o paiz precisara oeste mo-
mento da reunido de todos os part los po
liticos para essa obra tao in lispensavel.
Recnrda as palavras proferidas pelo Sr.
president) do conselho quando pela primei-
ra vez eompareceu no senado e quo ex-
primem em toda a verdada o que pensa a
respeito do futuro destinado aos partidos
polticos do Brazil.
Vio, entretanto quo o partido que ou-
tr'ora se dizia vencedor a que hojo ape-
nas se poda julgar aposentado, se algum
grito pretendeu levantar foi antes de im-
pracagao contra esta poltica de modera-
gao do nobre presidente do conselho.
Nao perdeu, porera, a esoeranga de
ver 03 honrados opposiconistas procura
rem a politiea generosa do nobrj presi-
dente do conselho como arma de defeza
contra o futuro das institutig3?s amnaga
das.
Pasia a responder s arguigSes oppos-
tas resposta a falla no throao pelos n>-
bre8 deputados os Srs. Candido de Oliveira,
Affonso Celso Jnior e Rolrigues Jnior;
observando ao primeiro que a tiegao parla-
mentir e as boas praticas mandam que o
dnputado ignore o qua se passi no senado
e vioe-versa.
O partido liberal deixou o poder, porque
nao o soube raanter e louva a franqueza
do Sr. Candido do Oliveira, quando extor
nou este pensamento.
Historia os acontecimentos, sobretudo o
resultado das eleig5;s do dominio liberal,
mostrando a pujanga do p.irtiio conserva-
dor e a iseagiio do seu procedimento ante
os adversarios divididos e subdivididos.
Observa a injustica com qua a opposiglo
quer regpoosabilisar o governo pelos factos
natura s que suecedeui nos confias do Im-
perio, onde nilo pode haver polica, que
diminuta nos priueipaes povoidos.
Assevara que se a 1. eleigao do actual
rgimen eletoral foi conpletamento livre,
a ultima oleigao foi igual aquella e o diz
em preito de gratidao ao honrado presi-
dente do conselho.
Lembra que a Biblia diz qua os rilhos
soffrera por causa dos pas, mas na poltica
do Brazil silo os pas que sofirem por cau-
sa dos filhos ; felizes dos que tora filhos
tao dignos, que possa esse soffriraento ser
compensado; admirando sempre o athleta,
que os suffragios da cmara collocaram
frenta do primeiro poler do estado, log)
que soube que o til lio d'aquelle tinha guies
8entimentos que seu pai, prestou-se para
cooperar na victoria esse mogo, prorao-
vendo que urna provincia remota desse
testemunho de grande problema qua nao
tem distancia nem franteira o povo qan
brasileiro, por isso recorreu ao seu muito
amado bispo de Goyaz solicitando, que mais
naoousa, a idea de acolhcr aquelle candi-
datoque era do partido conservador da pro-
vincia.
Felizmente, recebeu das graciosas milos
panhar porque nSo pi-sso deixir o meu es-
criptorio. ,
- Tinhamos-lhe pedido um quarto com
duas camas. Em seu lugar tomamos os
taes dous quartos.
Muito bem, seabores.
A gerente tocou a campainha, para cha-
mar um criado que veio logo o recebeu or-
dem de conduzros recem-chegados aos n-
meros nove e dez.
Caseneuve e Flogny seguiram-n'o e en
traran primeiro no numero dez, que tinha
sido oceupado por Jayme Bernier.
Queira abrir... disse elle, designan-
do a porta de coranaunicagao.
E' que a chave est l om baixo.
Pois entilo v buscar.
O criado sahio.
Durante a sua ausencia, Caseneuve ap-
proximou se da porta, inclinou-so e olhou
pelo buraco da fechadura.
Pdese verde um quarto para ou-
tro, disse elle, levantando-se.
Que diabo procuras ta ? perguntou
Flogny.
fu nao comprehendes, meu velho
Phosphoro ?
Juro que nao.
Pois entilo comprehenders logo.
O criado appareceu trazendo a chave.
Abri a porta de communicagao.
Ha quanto tonino estao estes dou3
quartos devolutos ? perguntou Caseneu-
ve.
Ha quatro ou cinco dias. Os senho-
res nSo precisam de nada ?
Por agora de nada.
Quando o senhor desejar alguma cou
sa s tocar.
Caseneuve, ficando s com o seu corn-
panbeiro, disse-lho :
- Estamos aqu no quarto que oceupa-
va Jayme Bernier.... nSo tem interesse
nenhum para nos.. o outro que ne-
cessario examiaar... Vem dahi.
E Vagalume entrou no quarto numero
nove, que havia sido oceupado por Angelo
Proli.
O Phosphoro seguio-o etomou um ar cho-
carreiro.
Vou emfim comprehender o que tu
contas encontrar aqu ?
do Rvm. bapo urna carta que o orador le,
em que diz S. Exe. Rvraa. qua nilo jul-
gou prudente envolverse nesso pie to ele-
toral, que o orador podia assevera- na c-
mara, como em outro lugar, qua nilo es-
erevora urna s carta ou circular, nem en-
carregara nnguem de fazer qualquer pe-
dido era seu nono, que nilo deu um s
passo en favor da candidatura do Sr.Mar-
condes Figueira, contentan lo se erj pedir
no segredo d* sua alma ao seu Deus e-
N jsso Senhor Jess Chhristo que nilo con-
aentisse que aquelle privo tSo ca'holio ^fos-
se representado por um deputado inimigo
la igreja e por isso inimigo do Brasil &
qua Deus ouvio-o.
O Sr. Presidente observa que est ter-
minado o tempo destinado para {ta dis-
cussilo.
O Sr. Fcrreira Vianna: Obedego. (Sen-
ta-se).
O Sr. Bezamat (pela ordem) raquee ur-
gencia por urna hora, que a cmara con-
cede, para o orador continuar o seu dis-
curso.
O S*. Presidente : -O nobre deputado
pode continuar.
O Sr. Ferrelra Viauna en ten-
de que o assumpto principal, aquelle que
deve oceupar a attengao de todos, maioria
e minora, o equilibrio da despeza com
a recerta, a regularisago das tinangH3,
porquo y-esolvida esta magna que3t2o, es-
tilo resolvidas militas outras.
Nota que a proporgo quo os nossos mi-
nistros ca mam contra os dficits e os em-
prestimos, arabos creseeai, e pergunta onde
est a resistmeia que obsta qua so entre
no rgimen recular. Esta quostao mais
digna de um inquerito da cmara do que
urna e'.eglo.
Pede o orador ao Sr. ministro da fazen-
da, qaa nilo b* Iluda, os emprestimos nSo
resolvem a grando questao, as dividas fi-
c.am. Conhoee as diffieuldades que o go-
verao encoatra para reduzir as despezas,
a qu; os propros amigos se oppo-; mas o
governo devo romper cora os arai por convenieneias provinciaes oppSe se a
essas roducg3?s.
A poltica provincial a culpada de
muitas despegas, que deviam ser evitadas.
Ve qun na poltica do governo ha o pensa-
mento da economa corapat7el com os
corapromissos t -malos e o Sr. ministro da
agricultura j t'.m re luzido coasideravel-
raente os encargos do seu ministerio. Para
estabdecer um orcamento equilibrado
necessario dar golpes profundos e is30 nao
so consegua senai) com muito tempo.
O orador defande a cara ara da inerepa-
gii> de parcialilaJc no julgamento das elei-
gies. Lamenta que senadores julguem as
d^jisi);s da cmara dos Sra. deputados.
A cmara nao pode supportar o juizo do
senado sobre assumpto que da sua com-
petencia exclusiva.
Justifica o voto que deu, julgando nullo
o eleitorado da comarca de Paranagu no
P auhy.
Nao aero dita que com fundamento serio
possi ser argido pelo voto quo deu, n'a-
quella eleigao. Culpas todos os tem, uns
mais do que outros ; e se as dos conserva-
dores avultam silo elles mais passives de
perdao do que os liboraes, porque ao me-
aos a actual cmara tem proeedido com to-
da moderagao na veriticago de poderos.
O orador nutre graves apprehensSes so-
bre o destino rio partido liberal, que nada
deixou, ao sahir do poder, que o recom-
mendasse posteridade.
Agora, na opposigilo, apresentam-se o
lberaes re limando a realisaglo de ideas
que ellas nao tinham quando dominavam.
com que dreito o fazein ?
E' urna soffreguidao da parte de seus
advorsarios o que elles pretenden) eom re-
lagao ao elemento servil. E' por isso que
nilo pode deixar de aconselhar Ihes a mo-
deragao que o Sr. presidente do conselho
tem recomraendado cmara..
Emfim, se tolos t a culpas, justo que
fagaT. penitencia, porque a penitencia, diz
S. Joilo Chryaostomo, abre-nos as portas
do co, danos entrada no paraizo e afu-
genta o diabo. (Hilr.ridade.)
Esta dscuss.ao fi:a aliada pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia.
(Conina.)
Sbese l nunca o que se ha de en-
centrar Procurmos.
Mas esse quarto foi varrido, limpo,
espanado, depois da partida do hospede.
E o que que prova iaso ?... Pro-
curemos mesmo assim.
Onde ?
Por toda a parta. Na chamin, nos
movis e debaixo delles.... nos cantos...
Procuremos... procuremos... Tenho na-
riz de cSo da caga... parece-me que ta-
rejo r.stro... era capaz de jurar que a
caga passou por aqu.
E Caseneuve poz se a procurar, exami-
nando as gretas do soalho, rcmecbendo as
cinzas do fogao, abrndo as gavetas dos
movis vasios e prescrutando-as, com
olhar e com o dedo.
Flogny imitou-o.
Caseneuve abaixou-se de repente e de
um cantidho, em cima de urna cadeira de
bragos, perto de um fogao levantou um ob-
jecto da pequeas dimensoes.
O Phosphoro que lhe vio o raovimento,
perguntou-lhe :
O que aehaste ?
Um pedago de lapis azul.
E consideras isto um indicio ?
Pode ser que sim, pode ser que nao.
Vamos l, contentas-te com bem pou-
oo.
- Quera sabe se esse pouco nlo ser
mii'ro.
Roberto Flogny encolheu os hombros e
a busca continuou.
Alm disso essa busca nilo devia dar
outro resultado a nao ser a descoberta do
fragmento do lapis azul.
Era pouca cousa.
Desgamos, disse Caseneuve ao seu
collega.
Feeharam as portas, desceram a escada
e entraram de novo no escriptorio.
Estao bem nos seas quartos, raeus
senhores ? perguntou a gerente assim que
os vio.
Perfataraente, minha aenhora, res-
pon ieu Caseneane, e depois accrescentoa :
Tinha que lhe pedir ainda o obsequio de
me dar mais iuformagSes.
iLontinuar-se-ha)
Typ. do Diario, roa Duque de Caxas n. 42




\m
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPJAEWSZA_10Y8IY INGEST_TIME 2014-05-27T22:37:13Z PACKAGE AA00011611_16612
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES