Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16609


This item is only available as the following downloads:


Full Text



i

i
I

I
I
.

IMHA A CAPITAL E JL/GABJK* O.^SE \iO SE PAGA PORTE
Por res mez.'.s adiontadoi
Por seis ditoB idem......
Por um auno idem......
Dada numero avulso, do mesmo da.
6*000
12*000
24*000
*100
DOME 0 20 BE Jffll 1886
DIARIO DE
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Par feis meses adianudos...............
Por nove ditos idem................
Por um armo dem................
Cada numero avulso, de dias anteriores........ .
NAMBU
13*i>o0
2 275JO6
Pr0prtebaii l>e JHanoel -ft&urira >e Jara & Silbos
TELEGRAMMAS
sasvigs F^TZCUua i: habi
RIO DE JANEIRO, 19 de Junho, s 4
horas da tarde. (Recebido s 5 horas,
pelo cabo submarino).
A Cmara don Deputado* nao funj-
rionoii boje.
Honlem rol approvado oeaia C-
mara. <*m 9.a dlftcuawo. o ornamen-
to do Ministerio do Imperio.
SEBVI50 U AHSCIA 3-1VAS
(Especial para o Diario)
MADRID, 18 de Janho.
O governo acaba de pedir as dua
amaras um crdito annnal de____
ttS.OOO peseta* que sera exclusi-
vamente applicado durante 9 au-
no*, a construeco de urna esqua-
dra e a extensao colonial da Hoa-
panba.
Agencia Hars, filial em Pernanbu -,
19 de Junho de 1886.
INSTRDCClO POPULAR
MYTHOLOGIA
( Extrahido )
OA BIBLIOTUECA DO POVO E DA!> ESCOLAS
Crea e Baccbo
i Continua fo)
Baccbo, d"pois da creado e desenvolvido, ujudou
enrgicamente seu pai na guerra contra os Titans.
Mais tarde, acoinpanhado pelo aatyro Sileno, que
havia sido seu aio, e que montado n'ura barro o
seguia para toda a parte, realisou, auxiliado per
grande numero de homens e mulheres que a pa
elle marchavam ao som de cymbaloa e tambores,
a conquista da India. Depois insinuou os povot
varias pratida agrcolas, especialmente as que
dizem respeito vinicultura ; foi elle o primeiro
que plantou vinbaa ; por isso o ficaram os pagaos
venerando como deus do viiiho
Em auaapiegriuaeoea travoa conhecimento com
o rei Midas (de quem j fallamos quando nos occu-
pmoa de Apollo). Midas aga^alhou cdin extrema-
da hospitalidade Baccbo e o seu companheiro Si-
leno, facultan Jo-Ibes a flux quanto vinho quize
ram ; o velbo Silene, penhoradissimo ante esta fine-
xa, que para elle era especialmente grata, recom-
mendou Midas proteceo do seu diviuo pupillo;
Baccbo, por satistazer o aio, comprometteu se a
outorgar a Midas o que este Ihe pedase.
Pedio Me Midas o condito de converter em ouro
tudo aquillo em que pegosse, jalgando que d'est'ar-
te ficaria o mais fel lb'o concedeu. E ahi temos logo o soffrego Midaa,
aem perder tempo, a converter em ouro quanto se
lhe deparava Breve tinha de vir-lhe o arrependi-
inento; quando chega a hora d refeico, vai para
comer.. e os alimentos convert-m se-lhs de s-
bito em ouro quer beber, e... nao pude matar a
sede, porque os liquidos se lhe transforinam em
ouro tambem N'esta aflictiva conjunetura o que
lbe resta ir ter com Baccho a pedir-lhe nova-
mente urna graca especial : a de livral-o d'aquel
la fatal cond-. Baccho sorriudo-se disse lhe euto-
que f jsse lava as mos no rio Pactlo; d'esta for-
ma p> rdeu Midas o funestissimo privilegio que
alias to apreciavel se lbe affigurra, -e e Pactle
ficou sendo, d'ahi em diante, ..faiuado por suas
areias de ouro.
Baccho fui um di.- apaixonadosde Venus: desta
dei-i faoavn elle mn n lo(oHymeneu) etres filtias
(a tres < ira,-as ) A l^e, Thalia e Euphresina
s unuiMVrtin eatMS ir.'- ti I has, e acompanb vain
i II-.i ila f.iriniMsr : privilegiadas com o eape
con-la i 'I urna eterna juventude, exalavam
en torno Je si ..ira-ni lide e a alegra; repre-
'.-i!*vm-u'mi geraJinenta entrelazadas e aem
ornato ai-nm alea u s seus uaturaes attracti-
vus; o paganismo erguia-lhcs aliaresnos tom-
pl s div ilas o i'rasindades. especialmente nos
de Cupido e de Venus. Einquanto Hymeneu,
esse, era o tea qra- invocuVain naaceremoniaa
nup:iaea; ;;era.ment.- o pinfavam com as fe i (oes
de um adolt i-centc louro e mu gentil, coroado de
rosas, empatillando um achu ardente.
(Contina)
MRTE OFFICIM
Governo da Provincia
EXPEDIENTE DO DA 8 DE JUNHO DE 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, tendo em
vista o officio do brigadeiro commandante das ar-
mas e a informaco do inspector da Thesouraria
de Fazenda de 2 e 5 deste mez, ns. 297 e 381, re-
gol ve de ci'nformidade com o disposto no dec. u.
2,884 de 1 de Fevereiro de 1862, abrir sob aua
reponsiibilid.-ide um crdito da importancia de
233*988 verba Evfntuaes do Ministerio da
Gnerr, exercicio de 1885-1886, afim de oceorrer
ao pagamento do pret dos calcetas da fortaleza do
Brura, relativo ao mez de Maio ultimo.Reinet-
teo-se copia a Thesouraria de Fazenda e comiou-
nicpu-se ao commandante das arana
O vice-presidpnte da provincia, tendo em
vista o exposto pelo inspector da Thesour .ria de
Fa'enda em officio de 2 do correte, sob n. 375,
resolve de i.ccurdo com o dee. n. 2,884, de 1" de
Fevereiro de 1862, abrir um crdito da importin-
da total de 9:389*630, sendo 3:337*630 verba
Pravas de pret e 6:052*000 a Etapas do Mininte
rio da Querr, exercicio vigente, afim de ter lugar
o gupprimentodo i.lmoxarifado do presidio de Fer-
nando de Noroba de que trata o refe-ido officio
Remetteu-se cepia a Thesouraria de Fazenda.
O vice-presidente da provincia, tendo em
vista o officii) do engenbeiro ebefe da repart cao
das Obras Publicas de 2 do corrente, sob n. 102,
do qual canuta que durante o mez de M*ioultimo,
foram encont'ados na illominacao publica da ci-
dade de Olinda, trinta e nove ismpeL'i apagados
e dezeseia m luz amortecida, resolve impar
companbia le Santa Tberexa as multas a que se
em a clausula 17a do contracto de 4 de Ju-
lho de 1870 e art. IS do regulamento de 1 i de
Agosto de 1873. Remetteu-se copia a Cmara
Municipal ao Tbeaouro e a reparticao das Obras
Publicas.
__ O vice-presidente da provincia, reeolve no-
mear o bacharel Amato Fonseea da Albaquerque
par servir interinamente o lagar de tabellio pu-
blico desta capita', durante o impedimento do ser-
ventuario vitalicio Antonio Borgei da Silveira
Lobo.
Ulficios :
Ao insDdctor do Arsenal de Marinha.Sir-
va-s*! V. Exc. de providenciar ni sentido de so-
real transportados no di* 10 do correte mez, ses-
senta e nove sentenciados que teem de seguir pa-
ra o presidio de Fernando de Noronha, e bem as-
sim a forc:i que os tein de escoltar ac aqueile
presidio.
Ao commandante das armas.Sirva-se V.
Exc. de providenciar no sentido de ser ministra-
da a forca competente para escoltar no da 10 do
corrente da Casa do Detencao at o presidio de
Fernando de Noronha, a bordo do vapor Giqui a
69 sentenciados que para all seguem.Commu-
nicou-se ao Dr.'cbefe de policia.
Ao mesmo. Declaro a V. Exc. que nesta
data sollicitei do Ministerio da Guerra a exped-
gao de ordena no sentido de ficar a Thesouraria
de Fazenda habilitada a pagar a quancia de 7*920
despendida com o entrramento das duas pracas
de que trata em seu officio de 20 de Maio prximo
passado, sob n. 278.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
do KecifeCom a informaco junta por copia, do
director do Arsenal de Guerra, de 1* do corrente,
sob n. 397, respondo ao ocio de V. Exc. de 26
de Maio findo, sob n. r>72, relativo ao calcado
existente no referido arsenal.
Ao mesmo.Declaro a V. Exc. que ficam ap
provados os ornamentos da receita e despeza para
o exercicio de 1836 a 1887 dos eatabelecimentos
de caridade, do patrimonio de orphaos e Aayladoa
annexos aos seus officios, a que respondo ns. 556
e 574 B. de 19 e 31 ds Maio findo.
Devo:voaV. Exc. o original do orcamento de
que trata o supradito officio n. 574 B.
Ao inspectoi da Thesouraria de Pazeada.
Tendo o Ministerio da Gera por portara de 18
de Maio findo, transferido do 14- para o 15* ba-
talho de infantaria, estacionado na provincia do
Para o 2- cadete Tiberio Cesar Burlamaqui, cor-
rendo per sua conta a despeza do transporte des-
ta para aquella provincia, nest.i data expeco as
necessarias ordens conforme sollicita o brigadeiro
commandante das armas eo officio de 7 do cor-
rente, sob n. 301, no sentido de ser transportado
a seu destino no vapor Bani'a, o referido cadete.
O que fago constar a V. S. para os fins conve-
nientes.
Ao mesmo.Declaro a V. S. para os fins
convenientes, que tendo adoecido o promotor pu-
blico da comarca de Timbaba, bacharel Pedro da
Cunha Pedrosa, foi nomeado para exercer interi -
mente aqueile cargo, segundo partieipou-me o
respectivo juiz de d.reito em officio ultimo, o bacharel Jos Bezerra Cavalcuntc, qua
assumio o exercicio em 24 do referido mez o n'eile
se conservou at o dia 6 de Abril, no qual o pro-
motor publico effectivo reassumio o exercicio.
Ao mesmo. Em cumprimento ao disposto
em aviso do ministerio da faxenda, d- 25 de Maio
ultimo, recommendo a V. 8. qua expeca as conve-
nientes ordens no sentido de ir servir temporaria-
mente na Aifaadeg do Para o Io escriturario da
desta provincia Joao de Asis Pereira Rocha.
Ao mesmo.Remetto a V. .*., para seu co-
nhecim.'nto a deviaaexecucilo, copia do aviso de
28 de Maio ultimo: em que o Exm. >r. ministro da
guerra, declara baver solicitado do da fazenda a
expedicio de ordena no sentido da concesaao de
crdito verbaFardamcnto do exercicio vi-
gente, afim de oceorrer ao pagamento de diversos
artigos de fardamento fornecido por Joao Rodrigues
de Maura e exige nova demonstraco do estado
do crdito da mesma verba.
Ao mesmo.Para cumprimento do aviso cir-
cular do ministerio da agricultura, commercio e
obras publicas, de 29 de Maio ultim, sob n. 135,
sirva se V. S. de reiterar terminantemente as pre-
cisas ordens aos colectores geraes dos municipios
desta provincia, que ainda nao o fizeram para que
sem per Ja de tempo, organisem e rr mettam as re-
lacoes dos libertos sexagenarios, na forma e para
os fins declarados no aviso circular de 23 de De
zembro do anno passado, convindo que os exem-
plares destinados respectiva secretaria de es-
tado, si-jan) remettidos com a promptidao neces-
saria organisaclo da estatistica, que devo se-
apresentada a assembla geral, na actual sesso
legislativa.
Uutrosim. serio remettidaa trimensalmente
mesma secretaria de estado relacao dos antigos es-
cravos, que nos tres mexes anteriores houveem at-
tingido idade de 60 anuos, alm das que devem
ler remettidos aos junes de opphaos.
O qoe tenbo por muito recommendado, esperan-
do que V. S fari c-jmprir pontualmente essi 'e-
coinmendacao.
Ao ins ector do Thesouro Provincial -
Mande Vino, pagar o vencimento que competir a
Julio Cesar Goncalves Lima, professor ; ublico de
(anelleira, a respeito de que esse Thesonro infor-
mou em officio de 21 de Maio prximo passado, sob
u. 654, depois que o titnlo do mesmo professor for
devidamente registrado, conforme exige o artigo
93 do .-egulameuto de 2 de Julh> d- 1879.
Ao mesmo. Com a informaco de 28 de
Maio prximo passado, sob n. 670, submetteu Vine.
iniuha deciso um officio da empresa de lluini-
ii a cao a gaz aceic-t da isencao do. imposto de gyro
sobre materia prima que imporia para cumprimeu
to de seu contracto.
Tenho a iliz-r-lhe em respoeta 'que nio cabe
urna tal i sen cao, emface do artigo 18 da lei n
364 de 8 te alaio de 1855, que autorisou o con
tracto que estabeleceu a cndilo de pagamento
d-imp >at>s provincia-8 e municipaes, muito em
Dora a clausula 17* do dito contracto estipule a
obrigacio em que ficou o goveroo provincial de
obter do imperial a iaencao de direitos geraes na
Alfandega.
Ao directer do presidio de Fernando de No-
ronha.Recommendo a Vmc. que, na primeira op-
portuuidade, faga regressar para a Casa de De-
tencao os reos constantes da inclusa copia do offi
ci do Dr. juiz do direito do 2 districto criminal
da ci.marca do Recif-, de 5 do corrente mez, sob
a. 307.
Ao mesmo.Receba Vmc. ncs30 presidio os
69 sentenciados constantes da inclusa relacar, os
quaes para ah seguem a requisicao do Dr. jui de
dreito do 2o dstricto criminal da comarca do Re-
cife, constante de seu otficio de 5 do corrente mez.
Ao mesmo. l ac Vmo. regressar, na pri-
meira opportunid-.de, para a I asa de De'.encao,
os sentenciados constantes da inclusa copia do of-
ficio do juiz substituto d> 1 districto criminal da
comarca do Recife, de boje datado.
Ao maamo. Receba Vmc. nesse presidio,
para serem convenientemente tratados os erimi -
uosos Vctor Alves Pereira da Silva, Jos Ferrei-
ra de Menezes, Andr Alves de Barros e Vicente
Ferreira d Silva, que para ahi seguem a requi-
sicao do Dr. chefe de polica, em officio n 570, de
hontem datado, por se acharem doentas de berbe-
r.
Ao juiz municipkl de Aguas Bellas.Decla-
ro a Vmc, cm solucao ao <>eu officio de 22 de Maio
ultimo, que, na forma do aviso de 29 de Abril e
19 do dito m- impri'nsa, oude bouver, editaos que contenhain as
precisas declaracoes relativas ao* escravos liber-
tados em cumprimento d> lev n. .',270 e na falta
desse ineio alxidos nos lugares mais convenien-
tes, repetiudo-sc esaas diligencias trimensalmente
at que, encerrado o arrolamento, se proceda nos
termos dos j 2, 3 e 4 do art. 11 do Regulamento
n. 9,517.
Outrosim, iuf irme Vmc. porque, entre os escra-
vos liberta ios por esse juizo, e mencionados no seu
dito officio, figura um com a idade de 59 annos.
Ao eugeaheiro fiscal da estrada de Ierro do
Recife ao S. Francisco.Declaro a Vine, em ao-
lucao ao seu officio de 1 do corrente, sob n. 47, que
fica autorisado o superintendente deesa estrada de
ferro a conceder ao empregado Andr Dias Gomes
Perras um mez de licenfa para tratar-se, proce-
dendo-se quanto a seos vencimentos nos termos do
aviso do Ministerio da Agricultura. Commercio e
Obras Publicas, de 9 de Novembro de 1883
Portaras :
A' Cmara Municipal dj Recife.Chamo a
attencao da Cmara Municipal do Recife para a
portara desta presidencia dirigida mesma Cma-
ra em 28 de Setembr de 1880, pela qual lhe foi
rcmettida copia do aviso expedido pelo Ministerio
ia Guerra em 13 do alludido mez e anno, acerca
do enterramento de pracas do exercito.
O Sr. agente da Companhia Brasileira, faca
transportar por conta do Ministerio do Guerra no
vapor Baha procedente dos portos do sul, o 2."
eadte Tiberio Cezar Burlamaqui, o qual foi trans-
ferido, por portara do referido ministerio de 18 de
Maio findo, do 14 para o 15. batalh) de infan-
taria estacionado ifaquella provincia.Commu-
nicou-se ao commandante das armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem de proa, por conta do Minis-
terio da Justica, at a provincia daa Alagas
bordo dj vapor iiandaku que hoje para alli segu,
aos soldados de policia Eduardo Teixeira da Silva
e Pedro Celestino Teixeira da Silva, que d'alli vie-
ram conduzindo presos.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem para o presidio de Fernando
de Noronha bordo do vapor Giqai, por conta da
provincia, aos sessenta e nove sentenciados con-
stantes da inclusa relacao, e bem assim forca
que os tiver de escoltar.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande transportar, por conta da provincia, bor-
do do vapor Giqui, at o presidio de Fernando de
Noronha, os criminosos Vctor Alves Pereira da
Silva, Jos Ferreira de Menezes, Andr Alves de
Barros e Vicente Ferreira da Silva, que se acham
com symptomas de beribri.
O Sr. gerenta da Companhia Pernambucana
mande dar passagem gratuita de proa para o
presidio de Fernando de Noronha na priojeira op-
portunidade mulber do sentenciado Luiz Anto-
nio de Mello, Theresa Mara de Jess acompanba-
da de urna filha de nome Guilhermina Maria de
Jess.Cominunicou-se ao director do presidio de
Fernando de Noronha.
O Sr. gerente da Onmpanhia Pernambucana
mande dar passagdm gratuita, de proa, para o pre-
sidio de Fernando de Noronha, na primeira oppor-
tuniiade, a Adelina Maria da Conceico, mulber do
sentenciado Joao Jos dos Santos.
Matatis mutandit a Margarida Maris da
Concecao, mulher do sentenciado Antonio Vieira do
Nascimonto.Communicou-ae ao director do pre-
sidio de Fernando de Noronha.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Ao 1" secretario da Assembla Provincial.
De ordem do Excm. Sr. vice-presidente da pro-
vincia devolvo a V. S. um exemplar da resolucao
enviada com seu officio n. 170. de hontem datado,
a quil foi aauccouada sob n. 1872.
Ao Dr. chefe de policia.O Exm. Sr. vice-
presidente da provincia manda declarar que pro-
videncioa-se no sentido de ser satisfeila a requisi-
cao de V. S. em officio n. o76, de boje datado.
Ao Dr. juiz de dreito do 2 diatricto crimi-
nal.O Exm. Sr. vice-presidente manda declarar
a V. S. que estilo dadas as necesarias providen-
cias, no sentido de ser satisfeta a sua lequiaicao
em offi-io de 5 do corrente m<*z, relativamente aos
69 sentenciadea constantes da relacao annexa ao
mesmo officio, os quses devem seguir para o pre-
sidio de Fernando de Noronha.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
O Exm. Sr. vice-presidente da provincia manda
reraetter a V. S. a inclusa ordem do Thesouro Na-
cional, de 28 de Maio ultimo, sob n. 112.
Ao Sr. Williau Henry Brilton, gerente do
London & Brazilian Bank Limited.S. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia, manda acensar
o recebimento do officio de 1 do corrente, em que
V. S. declara haver naquella data assumido a ge-
rencia do London Sz. Brazilian Bank Limited nes-
ta cidade.
Ao Sr. Agente do London & Brazilian Bank
Limited.S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
vincia manda aecusar o recebimento do officio de
V. S., de 2 do corrente, acompanhade da copia au-
tbentica do balauco das eperacoes dessa caixa fi-
lial, efectuadas durante o mez de Maio ultimo.
Ao Sr. gerente interino da caixa filial de En-
gliak Bank of Rio de de Janeiro Limited, nesta ci-
dade.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia
manda accuaar o recebimento do officio de V. S.,
de hontem datado, acompanhado do balancete da
das operaves dessa caixa filial durante o mez de
Maio ultimo.
DESPAPHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 18 DE
JUNHO DE 1886.
Major Custodio Floro da Silva Fragoso.Sim.
Parias Neves 4 Cordeir .Informe o Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fazenda.
Feliciana Maria da Couceico.J tendo sido
requisitado para er julgado o preso a que allude,
nao ha que deferir.
Jos Vicente do Naacimento.latirme o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Ma:a e Silva & C.dem.
Secretaria da Presideucia de Peruarobu-
co, em 19 de Juoho de 1886.
O porteiro,
J. L. Viejas.
Repartlfo da palela
Scelo 2." N. 673. -Secretara da Po-
licia de Pernambuco, 19 de Junho de 1886.
Illra. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem rccolhidos na Casa de
Detenyao os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegada de Santo Antonio,
Joao Soarea de Menezes, por disturbios.
A' ordem do do 2 districto de S. Jos, Antonio
Marianno Ribeiro e Amelia de tal, por disturbios.
A' ordem do do 1 districto da Boa-Vista. \u-
gelo Marcollo e Isabel .Maria da Couceicae, por
embriaguez e disturbio,-.
A' ordem do do 2o districto da Boa Vista, Jos
Crueiro dos Santos, por off-naaa a moral publica,
e Francisco Jos Goucalvea, por disturbios, a
miuha dispoaicao.
Pelo subdelegado do 3* districto de Taquare.
tinga, foi capturado na noite de 15 do corrente o
criminoso de uome Jos Constantino de Mello. qu<-
alm de estar all pronunciado em criine de resis-
tencia taitibem sentenciado pelos crimes de roubo
e furto uas comarcas do Brejo nesta p oviacia e
Cabaceiras na da Parahyba.
lommanicou rae o delegado do termo de Pes-
queira, que no dia 8 de corrente preceder a visita
da cadea existente n'uquella cidade, senlo eucou
trados 35 pr :aoa.
No da 5 do corrente, S 7 horas da noite,
foi assaasiuaio no quarteirio denominado Estiva,
perteucente ao diatricto de Palineira de Gara-
nhuns, o individuo de uome Manoel Rodrigues da
Silva.
O iufeliz apresentava 25 ferhnentoa pnxiuzido
por faca, alm ds algumas contnses provenientes
p ccete.
B crioce foi praticado em lugar quasi rmo, o
qMe facilitn o delnqueme pr-*e em fuga sem
ser recouheeido.
A autoridaue policial do districto abri inquerito
e diligencia descobrir o autor do criine.
^ A' 1 hora da madrugada de boje foram pre-
sos pelo 2* sargento da guarda civica Latinado
Pereira de Brito, os individuos de nomea Manoel
Joao, Antonio de Oliveira Soarea e Joao Francisco
dos Santos, na occasiao em que trtvam chapas de
cobre de u-na barcaca que est em concert no
caes do Ramos e collocavam em um sacco quo
pretendan) conduzir.
Os presos foram detidos na Ia estacan, onde
aquella mesma hora compareceu o subdelegado da
freguezia de Santo Antonio, a chamado do com-
p.-ietarioa permisso para explorar mineraes em
terreno de sua propriedade, foi Ibes declarado que
tal permissSo nao Ibes era neceasaria, exerci-
tando ell dreito proprio na exploracao doa seas
terrenos. Apa pequeo nter vallo a hermenuti-
ca administrativa mo-trou se outra. Dado que
aquelles propietarios tenham iniciado aa opera-
coes, a que rgimen vo ficar submettidos? Serao
obrigados a apresentar plantas dentro de prazo
mandante geral da guarda civica, e all fez lavrar determinado e a satisfazer outras militas obriga
o termo de flagrancia, abrindo o respectivo in-
querito.
Deus guarde a V. Exc illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leilo,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de poli ;ia, Antonio Domingos
Pinto.
josae------------
Commaado das Armas
QDARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS AE
MAS DE PERNAMBUCO, EM 18 DE JUNHO
DE 1886.
Ordem do dia n. 103
Declarando o presidente da provincia, em officio
de 14 do corrente, ficarem approvadas as propos-
tas que lhe foram enviadas com officio da mesma
dala aceitas pota eonselho de compras para o for-
necimento de vveres e ferragens, para as pracas
e cavalhada d'esta guarmeao, na conformidade do
decreto n. 7685 ds 6 de Marco de 1880; e bem
assim a tabella qne acompanhou o referido officio,
organsada pelo mesmo eonselho, e que tem de vi-
gorar no semestre de Julbo a Dezembro d'este
anno, de conformidade com o disposto no art. 35
do citado decreto : assim o faco constar guar-
ncao para os fins convenientes.
(Assigoado) O brigadeiro Agostinho
Marques de S, command"ante das armas.
Conforme O tenente Joaquim Jorge de
Mello Filho, ajudante de ordens interino
e encarregado do detalhe.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 19 DE JNHO DE 1886
Viuva Virgolino & CInforme o Sr.
Dr. administrador do Consulado.
Guiraaraes Fansera C, Antonio Nu-
ne8 Ferreira Coimbra e Fonseea & C.
Haja vista o Sr. Dr. procurador fiscal
Padre Antonio Rogerio Freir.Certifi-
que-se.
Officio Jo Dr. procurador dos foitoa
A' secc2o do Contencioso para satisfazer a
exigencia da contadoria.
Joaquim Manoel Ferreira de Souza o
JoSo Aureliano Luiz Alves.Ao Consu-
lado para attender.
Padre Manoel Espiridiao Muniz.- -Jnte-
se copia das informados.
Medeiros & Ci, Oro nes Augusto Gaio de
Miranda e Guilhermina Jovina Pinheiro. -*-
Selle os documentos exhibidos.
Bacharel Antonio Adolpho "Coelho de
Arruda.--fiaja vista o Sr. Dr. procurador
feitos.
INTERIOR
m:\KH.tf, lo
(do Jornal do Commercio da corte)
Acha-se publicado o decreto n. 9,596 de 15 de
Maio ultimo pelo qual foi concedida p rmissao a
Francisco Lua deOiiveira para lavrar carvo de
pedra e outroa mineraes em terrenos de sua pro
priedade, situados no rincao do Candiota, muni-
cipio de Bag, da provincia do Ro Grande do
SoJ.
Foi marcado o prazo de 50 annos para utilisa-
cjlo da mina, devendo o terreno mineral ser me-
dido e demarcado dentro de dous annos e cum-
prindo ao concessionai io empregai noa trabalhoa
de cada data a qnantia de 10:00(14000 para que
tenha dreito propriedade da mesma data. Se
ao cabo de um quinquennio nao houver o conces-
siooario empregado a quauta correspondente a
todo terreno, perder tantas datas quant s forera
as parce lias qne houver deixado de applicar.
Ser outrosim obrigado a nao empregar escra-
vos nos trabalhos da lavra, bem como a pagar a
taxa aonual de 5 res por braca quadraa dos
terrenos obtidos (4",84) e o imposto de 2 % do
rendimento liquido da mina, na forma do 1.
art. 23, da lei n. 1,507, de 26 deSetembrode 1877.
Por este recente acto cufiruiou o Ministerio
actual a doutrina que, reconnecendo ao Estado o
dreito de propriedade das jazidaa e minas exis-
tentes no sub-solo dos terrenos de propriedade par-
ticular, torna dependentes de concesso especial,
quer a exploracao, quer lavra daquelles deposi -
tos, ainda mesmo que hajain de ser feitos pelos
proprietarios da superficie. Eata doutrina vai de
accordo com a legislacao de quasi -todos os povos
cultos e temol a aempre defendido como deducca
lgica do dreito positivo que rege entre nos a
especie. Entretanto, nao tao incontroversivel
esta opiniao qne a doutrina contraria nao tenha
echado snffragios abalisados, nem tal doutrina tem
sido invariavciinonte adoptada pela adminitracao
publica. Per este modo, a intervalos mais ou
menos curtos variando a hermenutica adminis-
trativa com o Ministro chamado a gerir os inte-
reases dessa ordem, j os proprietarios se acham
na posse do d reto de explorar e lavrar oa seua
terrenos, independentemente de concesso previa
e apenas subordinados ao rgimen fiscal, j ne-
ceasitam de especial permisso para aurr nos
seus terrenos cavas, pocos ou galeras que conati-
tuam meiua de exploracao das jazidas do sub-
solo.
Tao claras e providentes nao podem ser eempre
as Icis que pelo sru texto occorram a todas as
difficuldades da execucao, eliminando a hermeni u
tica per quasi dean-ceasaria. No caso de que
tratamos, poVm, a materia to grave, entrale
to de perto com o dreito de propriedade, relacio-
na-te com interessesde tamanba valia, e to pro-
funda nor outre lado a divergencia de npimoes,
que a iuterpretacAo anthentica da legislao vi
gente conatuue necessidade fundamental do noaao
direito positivo d.--te ramo, A incerteza que tem
pairauo nesta esphera industrial, at agora nao
ha produzido perturbayes sensives, ter nec- o-
futuro mais
coes impostas aos concessionarios, ou podero
haver-se na sequeucia dos trabalhoa independen
tmente de qualquer obrigaco para com o Esta-
do? Caso nao tenham iniciado entuj as opera-
foes podero comecal-aa agora, aem dependencia
de concesso?
A importancia deste asaumpto patente. O
parlamento a distribuir bem o seu tempo, como da
sua aabedoria para esperar, poderia mu util-
mente interpor a s'ia autoridade neste cabos da
nosaa Igislaco das minas. Muito mais ha qne
fazer neste ramo. Nao se chega, porm, a oerf'ei-
co pelo simples des-jo, anda o mais ardente, e
d r-noa hamos por aatisfeitoa, se ao menos lo-
grassemos por agora definitivo termo a esta an-
liga pendencia, que pode ser aspantalho para em-
presas uteis, constrangendo e atrophiando um
ramo"de actvidade industrial que ba de tem duvi-
da coucorrer poderosamente para a prosperidade
econmica do Brasil.
PERHAMBOCO
Assembla Provincial
4S SESSO EM 25 DE MAIO DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. 8B. DE. JOS MANOEL DE BABEOS
WANDERLET
Summario :Leitura e approvaco das actas da
sesso de 20 e das reunioes de 21, 22 e
24.Expediente.Leitura e apoiamen-
to de dous requerimentos. Discurso do
Sr. Jos Maria. Proposta do mesmo
senbor.Approvaco da proposta.Ap-
provaco do Io requerimento, ficando
preju iic&do o 2o Nomeaco da com
misso para asaistir ao fuueral. Final
da aeaao.
Ao meio dia, fei'.a a chamada e verificando-se
estarem presentes os Srs. Ratis e Silva, Soares de
Amorim, Barros Barreto Jnior, Visconde de Ta-
batnga, Luiz,de Andrada, Constantino de Albu-
querque, Sophronio Portelk, Joo de S, Reg
barros, Domingues da Silva, Joo Alves, Antonio
Vctor, Prxedes Ptanga, L mrenco de S, Coelho
de Moraes, Juvencio Marz, Rogoberto, Jos Maria,
Barros Wanderlry, Herculano Bandeira, Augutto
Prankliu, Solonio de Mello, Joo de Oliveira, Cos-
ta Gomes, B.ro de Caiar e Gomes Prente, o
Sr. presidente declara aberta a sesso.
Comparecem depois os Srs. Ferreira Jacobina,
Costa Ribeiro, Regueira Costa, Audr Das, Julio
de Barros e Baro de Itapssumi.
Paltam, com participaco, os Srs. Amara!
Drummond Pilho, e sem ella o Srs. Riza e Silva,
Goncalves Ferreira, Rodrigues Porto e Ferreira
Velloso.
Sao lidas e sem debate approvadas as actas da
sesso de 20 e das reuuioes de 21, 22 e 24.
O Sr. Io secretario procede leitura do se-
guirte
expdientb
Um officio do Sr. deputado Gaspar de Drum -
mond Filho, commumeando achar-se de u jo por
tallec ment de seu pai e nao poder por iaso com-
parecer s scases.Desanoje se.
Outro do secretario do governo, cvmmunicandn
que o Exm. Sr. vice-presidente da provincia
prorogou por 10 dias a actual sesso.Inteirada.
Urna p-"tico de Jos Soares do Amaral, por si
a representando a firma de que associado, Au-
gusto Krut.s, Suc-essores. solicitando o fina de ele-
var o seu estabelecimento A Nova Hamburg.
iaenco por 30 annos para si e seus herdeiros de
decima e ou'ros impoatos.A' commaao de pe-
ticoes.
Outra de Jos Antonio deCarvalho, arrematan-
te do imposto de poita aberta, requerendo diapen-
sa d<> pagamento de 1834000. metade de seu de
bto Cmara Municipal de Gamelleira.A' com-
inisso de orcamento municipal.
Outra de Jacntho Alfonso GumaresCavalcan-
te, arrematante do mesmo imposto, requerendo dis-
pensa do que deve mesma Cmara, no valor de
1100U0.A' mesma commiaso.
Outra de Herculano Theotonio da Silva Gui
maraes, escrivo do crime e interino do jory de
Gamelleira, requerendo consignado de verba para
a Cmara Municipal d'alli pagar lhe 2502060, de
cuatis que lhe deve.A' mesma commisso.
Sao lides, apoiados e approvados dous pareceres
da commiss i de redaego sobre os proje^tos n.
163 de 1884 e emenda n. 1 ao mesmo projecto.
Sao lijos, apoiados e ficam adiados os seguintes
pareceres, por haverem pedido a palavra sobre o
primeiro, o Sr. Herculano Bandeira, e sobre o se-
gundo, o Sr. Luis de Andrada.
A commisso de orcamento provincial, tendo
poesente a p-ticao da Cmara Municipal de Bom
Jardim, em que requer que se marque no ora-
me ito proviucial a quota de 4:0004 par a com-
pra de um predio, onde possa celebrar as suas ses-
aoes ; considerando qne o estado das financas da
provincia nao permitte o augmento de despeina
que nao sejam absolutamente indispensaveis : de
parecer que aeja idoeferida a mesma petico.
Sala das commissoes, 22 de Maio de 1886.
Coelho de Moraes.Gomes Paieute.
A commiasJo de petices, tendo examinado a
de Joo Baptiata Esteves de Souza, pedindo paga-
mento de ordenados ;
Considerando que, conforme consta da informa-
co do Consulado Provincial, o anpplicante foi
designado em 11 de Fevereiro de 1886 para ser-
vir em commistao no lugar de 3o esenpturario que
ae achava prehenchido ; e
Considerando que n'aquelle lugar o suppli-
cante conservava o carcter de commisaionado,
apenas, poia ate todo' os empregos congeneres es-
tavam sendo excrcidos pelos proprios funecionarios,
e qu- portanto, os seus veneim ntoa aeriam os que
o 8iipplieant- auferia antea : de parecer que aeja
eata petico indeterida.
Sala das commiasoes, 24 de .Maio de 1886. -
Dr. Coat Gomes.Julio de Barros.
Sao bdos, apoiados e approvados os seguintea
oareoere :
A commisso de orcamento, para dar parecer
sobre a petico de Antonio Pereira do Monte, era
que pede a conaignaco de verba para pagamento
do aluguel de urna su. casa, si' na cidade do
Cabo, para quartel do deaticamento de policia,
sanamente de aearret-U as, cm tuturo mais ou
. ,j,., __,_; 1 precian qau sobre ella seja ouvuo o Thesouro Pro-
meiioa prox mo, desde que a industria extractiva' r
do sub-solo, chamada a exercer p*pel conaideravel
na vida econmica do Imp< rio, se desenvolver na
escalla que para esperar da pujaiica da nosaa
riqueza desta natnreza
E' intuitivo qne propriedades sitalas em ter-
reno inin-ral Valerio muito mais, recouheeido que
seja ao proprietario o direito de explorar e lavrar
o sub-Bole aem nenhuma das duaa clausulas uni-
formemente iirpostas aos trabalh >s de tal cathe-
goria. Variavel a jurisprudencia administrativa,
seudo agora licito o que hontem era vedado, o
resultado ser qne propriedades contiguas pode-
ro ficar Bujeita* a rgimen profundamente di-
verso quaal Btilisa^o do eub-solo, conforme
oa trabalh* irem iniciados na gerencia de um
ou de outro Ministro. Nao ser preoiso encarecer
O* etfeitos funestos 4esta desh .rmonia da herme-
nutica administrativa.
Nao ba muitos annos, solicitando diversos pro-
vincial.
Sala da cmmissoes, em 20 d Maio de 1886.
Gomes faraute. -Coelho de Moraes.
A commisso de orcamento para dar parecer
sobre a petico do professor Philomeno Raymun
io Nunes de Lima, em que pede a conaignaco de
verba para pagamento do alu:uel da casa e expe-
diente dos metes de Fevereiro a Juuho io anno
passado da aula primaria de Afogados de Ingarei-
ra, precisa que o Thesouro Provincial informe a
mesma petic*. >
Sala daa commissoes, cm 20 Je Maio de (886.
Gomes Prente. Coelho de Maraes.
E' lido, apoiado, julgado objeoto de delibera-
cao e vai a imprimir o aeguinte projecto :
N. 89. A Assembla Legislativa Provincial de
Pernambum reeolve :
Art. 1 Fica coneedido ao Dr. Joo Ferreira da
Silva, ou a empresa qne este ergsnissr, o privile-
gio de vinte e cinco annos, para fundar n'esta ci-
dade nota grande fabrica Je machinas appare-
Ihos elctricos, destinados a produeco de luz, ao
transporte de forca, aos procesaos electrolyticos,
a applicacoes therapeuticaa e s demonstracoe
escolares^.
Art. 2o O concessionario ou a empresa dar co-
meco ao servico dentro do praso de dons annos,
con-.ados do dia em que for feita a concesso.
Art. 3o O conce8sionario ticar obrigado a for-
necer s reparticoes publicas da provincia todo o
material nocessario que disser respeito a sua in-
dustria, por menos a terca parte dos precos dos
cathalogos das casas estrangeiroa ; ficando, porm,
iseuto do pagamento de quaesquer imposto pro-
vinciaes.
Ar. 4* Ficam revogadas as disposicoes em con-
trario.
Sala das sessoes da Assembla Legislativa, em
20 de Maio de 1886Dr.Pitanga.Jos Maria.
O Sr. Vi*-ond de Tabatlnga (pela
ordem)Sr. presidente, incumbido pelo Sr. An-
tonio da Costa de apresentar a esta Aseembla um
seu officio em que trata do planto do cacao, apres-
so-ine a mandal-e mesa, afim de que esta tome
na devida consideraco e lhe d o destino conve-
niente .
O Sr. Presidente diz que o documento que o
nobre deputado apoesenta ter o conveniente des-
tn".
. Vem mesa, sao lidos e apoiados os seguintes
requerimentos:
Requeramos que se suspenda a sesao e que
ae lance na acta um vots de profundo pesar pelo
faecmento do Dr. Gaspar de Menezes Vascon-
celos de Drummond. Gomes Prente. Reg
Barros.Barros 'Barreto Jnior.Dr. Costa Go-
mes.P. G. de Ratis e Silva.Coelho de Moraes.
Domingues da Silva.Antonio VictoiConstan-
tino de Albuquerque. Dr. Joo ie SLuiz de
Andrada. Vgario Augusto Franklin. Rogo-
berto.Regueira Co-ta.Soares de Amorim.
Joo de Oliveira.Baro de Caiar.Joo Al-
ves.Dr. Pitanga.Herculano Bandeira.Fer-
reira Jacobina.Loureneo de S.Juvencio Ma -
riz.Solonio de Mello.Jos Mara.Costa Ri-
beiro.Sophronio Portella.
Requeramos que em aigual de profundo pesar
pelo infausto fallecimento d& llustre pernambuca-
n, Dr. Gaspar de Drummond, an'tigo membro d'es-
ta caBa, se insira na acta um voto de profunda
condolencia e se levante a sesao. Joa Ma-
ria Baro de Caiir. Joo de Oliveira.
Lourcuco le S.Juvencio Mariz.Costa Ribeiro.
Solonio de Mello.Dr. Pitanga. Ferreira Ja-
cobina.Visconde de Tabatinga.
O S>*. 4o- MariaNos arraiaes contra-
rios, no campo adverso, reina grande desolaco, pe-
sar o mais profundo !
, E' que tombou ao sopro glido da morte um dos
mais vigorosos talentos, um i os mais distiuctos
membros do partido conservador, um dos seus mais
esforcados pelejadoreao Dr. Gaspar de Drum-
mond.
Os deputados da minora, seus adversarios, que
no terreno das ideas nunca lhe deram tregoas, qu8
perf sitamente eonhecem e jamis transpuzeram a
liona que divide um do outro cimpo, neste mo-
meuto, ensarlbam armas, concedem armisticio o,
joelbos em trra, confundem-se na mesma dr, de-
plorando amargamente a morte d'aquelle dstincto
cidado, que foi eminente advocado, qne em mui-
tas legislaturas oceupou urna cadeira naassemo.a
cuja tiibuna illustrou com a ana palavra ardente
e fcil, combatendo dia por dia, momento por mo-
l, ento, com inex^divel denodo, om i rol do seu
partido e na nltima legislatura, como representante
do 8." districto, honrou a provincia de Pernam-
buco, na ciinara dos Srs. deputados.
Neste momento solemne em que, rendendo um
preito devido a to diatincto cidalo, confuuaem-
se liberaes e conservadores ca mesma dr, e as
meimas lagrimas, em nome da minora, e de toda a.
Assembla, se a uaioria me d permisso para iato
(aignaea de assi-utimento da bancada conserva-
dora,) p co que se tata na acta um voto de pro-
fundo pesar pelo trespaaso do Dr. Gaapar de Drum-
mond ; que se levante a aeaao como demonstra-
gao d'este pesar, e que o Sr. presidente nomeie
urna commisso para acompaohar ultima morada
os restos mortaes d'aquelle cuja mort-i se de-
plora.
(Muito bem I Muito bem .')
Ninguem mais pedindo a palavra, procede-se
votaco.
E' approvado o primeiro requerimento, bem como
a proposta do Sr. Jos Mara, ficando prejodicado
o secundo.
O Sr. presidente noraeia para s commisso qne
tem de acompanhar os restos mortaes do O. Gas-
par de Drummond, os Srs. Pitanga, Gomes Pad-
rete e Regueira Costa.
Levanta-se a sesao.
emendas apesextadas ka 3' disccssao, ao
projecto n. 43 deste asno (,obcasncnto
municipal).
N 155. Ao art. 1ao 14, accrescente-se:
n 16 i rdenado do zelador do sitio Cacte l:200j.
Reg BaT i8.Rodrigues Porto.
N. 156 A % 2"n. 1Em lugar de 2:000f0r0
diga se com 2:20)^01.0 no oicamcnto vigents.
Reg Barros.Rodrigues Porto
. 157. A's disposicoes geraes accrescente-se ;
por mirfe do actnal zei mara Municipal do R-cife arrendar dito sitio e
emquanto o nao tixer ficar a fiscalisaco do sitio
cargo do fiscal de Afogados.Reg Barros.
Rodrigues Porto.
N. 158. O servico da lirapeza da cidade do Re-
cife a poder ser feito por meio de arrematacao e
nunca por administraco.Reg Barros.Rodri-
gues Porto.
N. 159. Ao art. 69 Fica eliminado dos deve^-
dorea Ja Cmara Municipal de Palmares Jos Pe-
reira Bastos Luiz de indrada-
N. 16 i. Restabelecain-se oa vencimentos que
tem, segundo o orcamento vigente, o administra*
dor do ctmiterio de Nazareth.Joa Mana.
N 161. Ao art. 35 augment.i-3e: 16 dando
ao escrivo do jury de Pao d'Alho 350*000, sem
dreito retribiicao alguma, deduzida da verba
do 14. Dr. Joo de S ^
N. 1!>2. as disposicoes geraesApresento
coin:i emenda o projecto^n. 83 deste anno.Ratis
e Silva.
O projecto a que ae refere a emenda o ae-
guinte :
A Assembla Legislativa Provincial de Pernam-
buco reaolve:
Art. 1.* Fica o.presidente ds provincia autori-
sado a mandax aposentar o actual porteiro do ce-
miterio publico de Santo Amaro con os vencimen-
tos corr-spondentca ao tempo.
Art. 2. R-vogam-ae as disposicoes em contra-
rio.
Paco da Assembla, 11 de Maio de 1886.Julio-
de Barro-.Ferraira Velloso.
N. 163. Apieseniamos como emenda s diapp-
sieoea geraes o projecto n. 88.P. G. de Ratis e
Silva.Oomingaes da ilvaLuiz de Andrada.
O projecto a que se refeie a emenda ^"^
guint
A Assembla Legislativa Provincial de Pernam-
buco reeolve :
Art. 1 Fica o presidente da provincia autori-
sado a aposentar no lugar de contador da Cma-
ra Municipal de Kecife, com o ordenado correspon-
dente' a 15 annos de servigpa preatades na mesma
cmara e pela tabella de ento, a Joaquim Tava-
res Rodovalho.
Art. 2 Ficam revogadas as disposicoes em.
contrario.
Psco da Assembla Provincial, em 19 de Maio
1 litVR i


te v^su^
flfario de PernambucoDomingo 20 At Junho de 1886


e 1886.O. doTr immond Pilo.P. TJ. da Ra-
tis e Silva.
. 164. Ppo.ic5s geraes Offereco como
emenda o OtwjaOttt n. 111 do anuo passado.Si-
tias Sttv*.
O projecto a que se refere a emenda o ae-
guinte :
A Assemblea Legislativa Provincial de Per-
iinbueo remire :
Artigo aniso. Fie o presidente da provincia
autorisado i apoavaana gnatsaa-fiaoal Faaaaaac
Aun .10 Teixea ale (toujuoafrue, coa osaaVc-
mento.- que pjrUciilh.wiinpeli.
R-vogudas mdUt)Mt>)0i aancunrario
Sala das eoaaa* -(ka, Ul de Ja Ande Mb
Maximino Da tete .JaaWforta.
N. 165. A/ 11. 1 i' $ 0veoeiatetlios do
ministrad ir do mtre idojaoblbao de i. Joa : aejarnt
manti los os vasreini>it*>eaiue te>n pdowrctmutoi
vigen's. Ralis-iail va. J .s M .rm..
N. loo. Oude oaaoiur : A .Causara Municipal d*
Panellas pigal d' p-efer Mcia o que estiyer a
dever h iIjj P.imphiiiuo Cvale inte, locistas
pelas lefjsas pvu luxidM no jury en proldepreso1
pobres.J-'s M.ria.
N. 167. A* .>S jira mantidos os vencimeu
ios do ujudan; dj administrador do mercado pj-
blic > le 8. Jo.-. 1- contormiJade com o oroamen
t vig.-iite UdM Silva.
N. 168 Fes oprusideute ds provincia au aori-
ladom e-der Catuar Municipal ou junta de
hjw*utie,pub-ioa do Becife o laboraturio ctiiiojco
Justo oguo, licando cargo deilas a conservaoo
Borneando para isso oe empreado que forera no-
acsaanios.Katis e viva.
N. 16). Qudecuuber. X Camasa Municipal .do
Bio Bmm su pagar pela v r* -,Eventuaes o
gue-'WtiV.-r daver de custaa ao Mserisoo Miga-I
Zefirw 1; Ai'vel Beguer C ata.
N. 17 > M.iutonbiuitse -as veuciuento8 do ad
mimsii-.,1 r do logra ioiim do Giqui, cauto ,aa
acta I monte.Cosu Hibeiro.
N- 171 Mautenham-se oe v.aoctiaentos do ad
ministrador do Morcado Publico do Reoife con.0
ao ac'u .luiente. liegueira.Coota.
N. 172. Conceda-se ao fiscal da (iraca o aaOa) 1
-tm- que no 1 aoieataOsO da Boa-Vista por ter
su-airame tiata 'uwuucoo omatadouro da mes
mu fC9ia^-.JM Jkrnt.
N 17:!. Fica uppr ovado o contrato feito pela
BwWRt Municipal do Eecife, para o aervico da
liinp'*.publica.J.'i Mara.
N. i 71. Ao B. 1 d" 10 do art. 1". Fie res
iabe.'-oido o ordenado do administrador do Cemi
ferio do Arraial, de conformi iade com o aromen.
to.vigeHte.Ratis e Silva.
N. 175 Additivo. Cade couber Por cada pa
vimeuto ae predio nu fieguezias comprehendidos
na -cidad* do R Mt li.Kis e Si.v.a.
N. 176. Ao n. 4 do 8 art. Io Fica rosta bel.-
ida a disposico do orcamento vigente referente
aoaferidur. liatis e Suva.
N. 177. Offerey.) como catead* o projecto n. 6'.
projecto a 4U0 ae refere a emenda o ae
guinte :
A Assembla L;gUltiva Provincial de Peraaio
bur 1 neolve :
Art. 1" Fi-a a Gimara Municipal da cidade du
Recif autorisada a cowtratar coui a pessoa a
qnem uvier, a soUco, M quitcio do debuo
actual, e,nt*anido pela aaeawa Cmara Municipal
tira o Uuieo do BmmI, looliante gozo do rend
ment do Mercado r-ublieo de S Jos pelo Umpo
de oito aiinos.
Ar. O contrato 00 lera sar teito collectiva
ou sm^ularin ote, seudo o contratante ubrigado a
BMgaai-O d ;utro il 1 pr--eo de 30 das do "in qua
lor i.jiisdido, e deliberado em sessao da C*mara
Municipal.
Art. 3" O contratante c polera tomar conU
do mercado qmudo exhibir na Camar Municipal!
a quitv;~io do raterido debito, pasaad. e assigna-
do legalmeute. pelo e-u credor do Banco do.Bra-
sil.
Art. i" Xo fim dos ditos oito anuo' ntregtra o
contratante Cmara Munieipa! o Mercado Pu-
bli.-s de S. Jo no m mao Ksin de couserva^.o,
em que o receb.-r, b inaanim todo* os aeus uten
sillos, doi quaes tomar conu por nm inventario,
^oe assignareser laucado no corpo Jo temo .do
outrato
Art. 5'1 Em vista da dlsp .sitio supra serA.o
eoiitttute ubrig>do a iu/leiouisar tikio o.pre-
jniz 1 que houver psM a Cmara, uo aetodaentr-a
do mercado, qu-r por faiU de algum ut nsilo,
qer.p>r deterioraciio ui mo estado de limp;za
do edificio, seudo o prejuizo avallado por dous ar
bitroa e uin desempatadlo- a cootaut de ambasaa
part'-s contratauten, sujeitaudo-se ellas ao da*
ampute s-m resurso algum.
A-t. 6* O eonlratante no goao doteapo.d.cer
sao do Mercado Publico de S. Jos .sr ab/igalo
a rep itr as pisturas municipal, refarentes ta-
bella dos precia dos gneros, eos impostos esta*
belecidos soDreeases, nob as peaaa.da lei en que
houver incorrido.
Ficam revogadaa m dispisicoas em c intrario
Recite, 4 de Ma.o de 1886.U deputado Batis
e Silva. j
N. 178. Ao n 2 & 2 do art. 1. Ficam igudados
os veucim- utosdoa ammuensesaos dolancadoxej.
Ralis e -ilva
N. 17'J. Ao 4 do art. 8. Supprimam se aapi-
kvras -com obrigaco de defender os presos po -
bres. Ratis e Silva.
N. 180. \o art. 55 27. Depois da patarra
artificioaccresceute-s.ou por idividuc gww
fahrie r.Luiz de Andcada.
N. 181. Ao 65. Aceiescente s;assim com
m dos lugares de lancadsr.Seg Barros. Ro
driirui's Porto.
X ISO. A. Hrt 69. J-'ica extincto O debito de
Jos Hygin-i de Q-.i ir iz, para com a cmara de
Pal:iia:esuaimportauei.ide40)i, visto iA ter pago
eom I is de 6UA caaa d'ta quaniia.Luiz
de And rada.
HiSTA DIARI*
de nomo J0S0 francisco doa Santos, vulgo U> da cidade e pelo seo exclusivo servico, contam 150
Madama, Manoel Joio, conhecido por ManotlPi estacoes. Cada una transportara oais do cam
loto, e Antonio de Olveira Soarea.

Asspmbla Prowisiei*! Funccionou
hjiitea, sob a presidencia do Exm. Sr. Dr. Jos
Mlili de Barros Waudorley, tendo compnrecid .
M W. depuradas.
Adiou-se pela hora a dis^nssoda acta da aoss"
antecedeute, b .vendo orad, os Srs. Jos Maris,
Praa.des Pitanga, que p 'dio fosse a casa consul-
tada sobre .1 facto (ie haver, na eessao antecedente,
o Sr. preaideute considerado prejudicadue dous
requ ruaentoa de al omento da discusso do pro-
jeeto n. 43 deste -na,), aps a approeiicao do de
cneerrainento.
Codsu tada a casi, f.i appnvad ', depois de orar
pela erd. m o Sr. Ferreira jacobina, o acto do Sr.
presiente.
Passa-se 1 parte da orden do dia.
Adi u-ee pela hora a votacao das emendas ao
supraeitado pr jecto, orando pela orden diversos
Srs deput.Uos, e sendo ueminaes a vota'.-es de
duas emendas.
A ordem do dia : 1. a 2.' partes, continuacao
i antecedente.
Btequia* Am-inb, pelas 8 horas do dii,
na ihieja de S. Bento, de Olinda, terSo lu^ar ar
soleir.es exequias que, por alma do Dr. Antonio
PoiMtK 1 Cona de Araujo, manda celebrar o
partido censervador d'ajuella cidade.
0 teaplo acha-se adrd? ifecordi, e para o ac-
to sao c nvidados a Ilustre familia e parentes do
fin .' beta como todos os seus amigos.
Rio brsnile do \oril' i- PrahvlM
Tiv. ui .s folhas destas duas proviacias, ,hont. m.
p lo vapor" --teiro.
Nada de interesse Tti4"i> .'Has.
Por iae nao ? E' o titulo de tima w .Isa
para pisne, do Sr. acadmico J. Thiago i* Fonse
ea, editadu pela easa do 8r. Vctor Prale. ra
do Imp- rad-.r n. 55.
E' bonita. -
^tssaasiualo- V s 1 horas da noite de o d
Barrante, n > quarteinio Estiva, do districto poli
cial de Paimeira de (iaranhuns, foi aasa ainado
eom 25 tacadas e vanas cacet .das Manoel Rodri-
gues da Silva.
O delioqueiite evadi -sn, visto ter sido pratica-
do o criuieein lugar ermn.
Mneals. falsa O Sr. Dr. Domingos Pinto,
digno ebefe de poiicia, esteve hontem, desde 10
horas de roanh at 4 horas da tar ie, na Casa de
Dftenc-io, e ahi proceden ao interrogatorio dos
tres individua presos por erime de monda falsa,
Francisco Cardlo Lal, Bellarmim Jos Jos San-
tos e Francisco Lino de Freitas Barbosa.
As diligencias prosrguem.
Heita UluMlraa Cb:gon-nos as
msV'S o u. 433 desta rsvista fluminense, que, na
forma, dos seus estylos.esta cheia de espirito. Traz
na l'.pagina rm retrato da celebre setriz Sarah
Bernhardt.
IitsraptotA' 1 hora da madrugada dehn-
te. foram presos em flagrante, qnando roubavam
chapas de cobre do tundo de urna barcaca oni re-
aracao no caes 22 de Novembre, os individuos
E'm pjderdclles foi achado um sacco com di-
versos pedacos de cobre.
Lavrou se termo de flagrancia, e o subdelegado
procede aos ulteriores trms do inquerito.
Thraln de Santa iaabol Conforme
haviamos anteriorminto annuuciado, extreou ante-
hontem, no SanU Isabel, a compauhi 1 dramtica
SnatadoiCoulho.
'O drauma aaaslhi lorfi-Vedara, ;jawdu:;c.IoMi-
atasa nedlr. Jard.u, aun dos4*bBaturgosdaan-
Ves da. un dar lestidaaa ljttea*rb/da uctiaU 4
uajio.
Nao aaaaa *e 4Jave.iia;ssMade con disar.
kmu iHM. ijass psamlaannao no pnaieao.
naao thaaW Z~* do .*n!ao de ata**
aelna doaa esja; *a. LBas
oiie, posusi -|iiliasiidltnirB qatasao **e.dua
.iudiviimil.diillaiarikt.vu de gmatat wMto c su-
bido mrito.
0 p meiro anda o inesin > de t
sempre senhr d; si, seinprc corrocto e iuipmente,
interprotaiido eom raro talento c uaturalilalt 09
transportes dilficeis de seus papis
A segunda a Sra. D. Lueindi, nao llie some-
1108 em cuhutn dos dotee que asag***"1-
De figura elegat > porte airoso, logo que os
semaa ao proscenio at'rahio completam -nte a t-
teirco do espectadores, que foram 01a ovultado
numero.
O iuteresse quo inspira a osinta actri crescia
de ponto, a medida que ia ella exibindo o.seu uo-
tavel toi-nto.
Tomando para si o papel de protogonista du
peci, o doaanipuiih 1 m Ihe dsu foi de t.Klo ponto
m-ntos oppostus e faza as tr^usivoos difli-ilunas
do sau pap-d.
E' reolmeute unw grand 1 frirca drumitica de
alto valor a distmeta antrit.
(^aauto aoa damais artistas, que sn eribinam,
s pideinos dizer que ara lar.im, mostrando-s-'
conhecedores do palco.
O tbenlro teve eouneute real, e no fia de oaUa
aoto f ram os dous pnucip : artistas chamados
ao proscenio, s.-mio .-neti raro, bu i- Kunlo Anlauto-O par-
tido couaervadvr da parouhia de Snuto Autoatio,
em reuniio ti.' 16 do coi rente, t .rmalou a seguinte
chapa par juizea ii-' paz do vindouro quatrienuio :
Mtjor Aalonio B'-ruardo Qointeiro.
Artista B'lchior Miguel dos S utos.
ProprUcaric Ju F^rraira Louroiro.
Propr.etaiio Maximino da Silva Ausmio
iVdara A eonponbia d.-aioot.cn Braga Ju
nior i. C, da qual director o aaoOS artista Har-
tado Cueluo, r p-le li..je, no theatro Santa lsab'1.
o lindo .irama de Sa.d'Ju Fdora, e}a 1* eihitii-
V'o tanto agradou o publico lesta cidade, por oc
casiio daestradi coinpaiihia.
Paqaele Coliciu -A:nni>ia leve toe ir em
PernuubufiO o paqn-t- iagk SmltUt,d 1 liuha do
Pacifico, em viagc.n ptra a Europa-
Coii;tm Ora JleieOioe>ttt
- Esta asa lOtoolq c immem .r.i o seu 2 anuiver a
rio no da ~l d correte, taz.11 lo 110 dwotr 1 d
Mallo Antonio, as 7 horas da noite, urna ses-a >
magno, seguida de um e.-pojuculo, que coustut
do, drama Galilea.
olul Ue aeulos eroombucaui
E' no da 2it do corrente im-z que este 0 ub f .z a
su 4 regata, na baca do (azoir-tro, do rio Ca-
pibarib-.'.
icriiiiiao elettsral Ante houtem teve
lugar a reuniao dos eleitores conservadores da paro-
Cbl-i do Pocsj da PiOllb, tifiando u'ella resolvido
que foasem candidatos eleioo de juizes de pus
os Srs. Joio Igaacio Rib-iro Roma, Dr. Siias-
tiano Jos de Olveira, Affinso Moreira, Tempiral
e Aliuervno Aveiino FiuzaLima; nomeando a-
mais urna commiss'*, eoinponta do Dr Jos Frau-
ciso. de (js Cai-aicaute Joao Ignacio Ribeir.
Runa, para se euteuder c >m a cuui nissio cen-
tral do partdo acerca,do candidato vereador da
Cmara Municipal por aquHa fre^uezia.
Btttlielro O piquete EtpinU SomIo lona
par ^
Ala^SiS
Baha
Sanos
O paquete Para levuu para :
Parahyba
Cear
Marnahlo
1'arA
O paquete Pirapama trouxe do n rte aura
diveraoa 31:706*6000
Conasi taitaecaras Aoadeoatcu -Func
cionou no da 17 sob a.presidauea di Sr. Thiago,
presente numero legal de socios.
Foi lila e appn>.daO,jtta da sessilo anterior,
teodo f^'to algumis OHisuieravoo* .0 Sr Victirii..
T ra .11 assento o Sr. Beriiardin.. CaValcanle
Fidio, procodeodo-ae dupois leitura do .xpa-
diente.
Foi npprwvado um p^recr da coumiis*lo de
sTodicancia aceitando psra socio o Sr. Sebastiao
Lobo.
Foram discutidas tlicsas pelos Srs. Julio Pires,
Paul i, Cucalves Mello, Thiago c Vdcturino Mia,
sendo sortead^spara.a priziioA seasao os Srs. Per
digao, Paulino e Beruardino.
Pela s.rle foi sc.lhido pira faaer a 3 coufe-
r-nei s.*iai o Sr. Julio l'irer, o designado o dia
27 Jo correte para ter lugar sesafio 1 i aerarla,
na qnal o socio Perdi'giio tein de realwar a 2 con-
f.-rencia social.
Depuis de tomadas-algjimas m'didas de ordem,
foi encerrada a aaado e designado o dia_ 23 d.
correnie, *s 9 li ras da mtnh, para ter iugar a
prn 1111 S'SS o.dinaria.
Para a omiiiisSa.' qn.i t-^m de representar o Co-
mit uafestu promovida pela 8 >cie lade Pliiloini-
tiea, foram uom. adoa os Srs. Julio Pires, Paulo de
Mello e P.ulino.
. Celas respectivas redueco-s foram offerecidos ao
Comit os quint a nina-ros da Tribuna Acadmica
e Ei/iuidor, a o segundo do Untad-1.
tiablneie *.aotli>lreaoe Msvimento
da tijbu otlieca n 1 ultimo tri nestre :
las seguntes obras:
Comp-iilio de anthin tica pelo socio Adolpho
Atol.jbo L. de Aliin-pierqu ;
O horneas do mar (3 f.lhetos) pe o socio Fran-
cis /> C de Morae ;
Lauipej 19 e cavatinas (versos) p dos autores ;
Dramas d Itecife (romane;) brjeh. e ulmanark
das senhoras, en ;ad., pelo Sr. Vicente da Cesta
Cmpello ;
Pe 18 redaeces : Diario di Pernambueo, Rebate
e Autora do Corado da Barcelloe em Portugal;
a coll cc&o do -Vjo Mentat/eiro do Coracao de
Josas lo anno de 1885, e a Aurora, pelo presiden-
te do eonselho vigario Aotjuio (i. de Araujo Gua-
nta.
Sahlram para leitura dos soe os 314 obras em
384 v lumes.
Entraram 28i obras em 330 volures.
Visifaram a bibliutheca 550 pessoas, sendo 210
s ios e 340 visitantes, entre estes o Exm. e Bvm.
Sr. D. Jos, pr .claro bisp. diocesano.
BeaniSe* sotlaei Ha luje as seguin-
Do Monte Pi Popular Peroarnbucano, s !0
h iras do dia, em assembla gera!, para approva
cao d re'atorio do Io semestre do anno social.
Da irmandade do SS. .--aeramento de 8. Jos,
s 10 horas do dia, no respectivo consistorio, para
eleii.-ao
Du irmsndade do SS. Sacramento de Santo An-
tonio, s 11 horas do dia, para oleica, no re pte-
usiaton
Da As O.iiicli 'ios i is do Coinmercio,
s 5 horas da urde, para tratar do que preocttve
o 1 1. art. 35 dos sena estatutos.
9a irin.o da ledo SS Sacramento do Cor;,
ti, s 11 horas do dia, no r. spectivo consistorio,
para eleicao.
Di Congresso Litt rari o S-eu.ifieo. s 4 horas
da tarde, para el"icio da directoria effeetiva.
Amanha ha as seguintas :
Do Monte Pi dos Voluntarios da Patria, s 6
horas Ja tarde, ca respectiva sede, para leitura
do rjlatorio e posse da nova directora.
21:JOW.OO
JdU'HK-
2:000* -00
2:225.-JO*
3:062i210
2dO*'>Kt
4:64600
milhoes de passa^eiros.
Acidada est dividida do lad 1 do Tamisa em
proporeocs qu iti iguaas; utdosul lubitoo* gente
pobre.
Ten 17 grandes pontos : a mais importante o
Ltudm Brtdge. que cstabelece o limite dos docks
e do aucoradonro dos navios.
Sobre esta1 ponte passam mus de 30 ',000 peoes
e luaiasi' 30,QM.cai ros de todas as especies.
Hodon dsioaosgue ebtna'n a velhice sem ter ou
tra JaJarViaoay aooa> a que Ihss J foraecido;
pelos^rsadosasupies e dofl-nho" expalos nos li-
vraniaa-
U adaaai* lou ao fatt. nodkemicc '.Manoel da Uotta Maoteiro
Lpsaaiaim oaoince histrico, que est paaVcan
do eataaocicaaos, etoajja primen formtamos
aista.
au -pro tendiM'iOdbjnr doooarMoidOMliaMapel as
8p.e 1, 1 iiiitaiii.-nos a reservar o
j,ii 1, a ata ao autor o
iiiioi que uoa J"a> de uui nemplar da .referida
Tormo.
I*nilli osoohii gaotraaaaaloa. O
jantar. jatitar mais importante, que tea o va-
lor de n.n verdadeiro'poa>^veeou'pJ&o lio dia,
o que sob o h imaMfi nome de jantar, reuae em
torno da prea meoa a familia ou sob os iioroas
mais eaplcudidos de jantar c banquete rene mu-
tas peas .as par urna verdadeira feota, na qual po-
d m tomar parte os sentimeatos DMie pobres o as
vaidades mais mesquinhas.
O jantar de um bomem s mo eeask) urna serie
de pras ru sousuaee.do costo e uio tem nenoum
valor psychologico. Se por acaso se.acbam mes
ov mesa duas ou tros pessoas, irme que cada urna
come p r sua cunta, teui-se nm jautsr composto, o
qual pJe 8"r preparado pela conversacio, mas
que mi o constitue anda um f leto moral. Este 80
se teja quand imior numero de pess.ias, estreiU-
Ias p ir vincul .8 de familia ou de amisade, se reu-
nem a urna s mesa para jantar em cotomum. En-
tao t-'in-se um v-'rdadyiro divertimento complexo,
urna verdadeira fasto, na qual os praeeres do sen-
tido se associam em adinicavel accordo s delicias
do sentlmen'o.
No j nitor da faftiilra a parte toelhor do praser
c.iistitu U pdo sen.manto, e, qutndi aste apua-
rece menos, as iguarias mai exquisitas uao podem
substitu r o thesouro que falta, fatendo de cada
individuo um animal que come p .r si. A almos
phera moral que n si cinfuudce.unifica as ale-
gras d.i jantar -. aentinmuto social primitivo,
o aff cto iu : rumie os njembros do fainilu O pra-
ser de rep .usar das fadigas do di, de.ver, de es-
tar vuinh., d; fallar e de nrao"jir,-sao outros tau-
tuimenio da cidade de Londres-
Das torres da cathedral de S. Paulo m Lonires
a vista nao chega aos limites da immensa popula-
dlo, o m memno nos das mais clares e lmpidos.
Em 1H78 o recens-amento aecusava 4,500,000
habitantes; em 185 ebegoo a intjrivel cifrado
00 habitantes.
0 a' gmento normal da populaco de 60,000
pessoas por anno. Em 1878 existan 530,009 a-
aos, que firma rata 23,000 vas.
Actualmente coata mais de 60,000 casas e 24,000
va*.
Calcula-se que em cada dia se oonstre 24 ca-
sas novas, isto urna por Dora.
Qualquer que queira percorrer em toda a sua
extenso a cidade do norte a sul, teri de percor-
rer nunca menos de 25 kilmetros.
As diff-rentes linhas ferreos construidas dentro
tus eleru'iuios que tornau f-liaos as horas e-m.^ue
eia to oreve cap te 1 *- achain reunidas tantae ami-
sades e lantod couteiitaia-iitos. ToJo.isto que tua-
de a appruximar os individuos o a inspirar o aco-
Ihim-uto, excita os praser-s do jan;ar.
Assua nada irais delicioso do que a mesa de
j miar de urna familia suissu que 110.seu quarto de
unVira, ben btMOidO e be qaHK.tie, v calnr a
u--~r-- atravot das jauelliuhaSi, loz tcanqulU de
urna lampa la, einquauto que os filhos ..a paren-
'es esti asa infslai con urna saioniJode .xemplar
i! eom uina ordem inatheinatica em tomo d- De'i.iixo das ,mnn-u c mdicoes tn-iraes entre
tanto puasiino o jaut r de uuradaimlU que disper-
sa nos can ^03, se recolhe c"rca do nato dia.ao.re-
dor de uini mesa suja ou desordenada, e onde uus
CBfil.i assenudos e outros em p. Hto p idemos
muito b>tw uaagm-w-a diff-MBva'tioataj8 duas 'e-
feivoes, seia-s*rui que recoedeujos os tapidos e misteriosos jantarea
das tardes da iuerno e o distra lido jantur dos
dias quentes do verio. Em geral ae pode dizer
qae, and -udo do norte ao sul, o jantar decresoe de
proporc-io e. do belleza, ai A zoo trrido, utuda
t.taluieut.; a sua physionotni.
No j mt ir o s .utiioeito Mi domina 6 em .geral
menos el vado que uo hwnilds jantar, os apuros
do lino vein cjin o seu esp eudido manto a eobrir,
mais de un* v..-z. pxo-'Sinbas d'11 u 1 :uesqninli"S
vcrladeiramente desoladora.
O cjnvi-c mais noore tquelle em que ae tribu-
ta urna bniieuaicin hospit^lidade, c se honra de
mu lo especial a pesoaa que -ejuvidada. Entilo ha
de um padt) as .ilicitudes Je urna cortea i a nota-
ral, e as atten<;iJts do es.ima e respeito e da outra
as expressoes do recanbecimento. Esta trusa de
mbres aftjctos expande sobre todo o jantar a sua
b. uefica influencia e excita e olevo os contnta-
lo u toe. mais vulgares dos.sentidos que silo offere-
cido> em sacrificio sbre o altir dutaentimento.
Raiiasnno* pormsao os jan tares que se elevan
tanta dignidad- e urna exp endida nesa rene
as vzea em torne honeus que-so odiam e se des-
ppesain, nas dtO^quaosse souudiga vHsneute a pro-
teeciio ou aos quaes se quer iinpor o jugo do reco.
nhecimento, abaixando-os sob a verga d'uma pe-
tulaxitc riqu :z,. ulio os.pollidus.e torcidos sor-
risos, as -atildadas incutiaaa-e as impudentes adu-
lares ldl'.iu 1 m saine a uiuea ama alegra falsa e
verdaderamente patholegica, que as vezes conse-
gue tamb ni o atFar os proseces dos sentidos do
gosto pelos quaes taita a attencao necessaria. Alm
destas duas grandes variedades de juntar ha urna
ultima, uto muitaa passoas que se coafaecem
reuutin-s ao redor de urna mosa.br luante de to-
dos os apuros da arte gastronemioa e onde se de-
diea urna v. 1 daleira fosta aos pruseros do gasto,
a** qu.tes se associam o do olfato, do ourido, da
vista e talvez taoibeai do senti.o!o avasual.
Q au lo rotea jsutures nao se abaixam at a or-
gia, po lein ser elevados a um certo grao de per-
teiv" pela arte e pelo aenti ment do sello e a ale
gria que se arrojn de todos os lados entre os im
moderados risos e as scentelhas do espirito, nao
certaiueute euiposa.
L.rt*. Effsctoar-ae bolo :
Aui iiia :
Peio agente Brilo, -s 10 e 1/2 horas, na ra da
Palma u. 84, u m-oveis.
l'elo agente Burlamaqui, ss 11 horas, na roa do
Vigano Tenorio n. 1, da 60 saceos ootn gergelim
avatiada.
i elo agente Guarni, s 11 horas, na ra do
uque de Canas n. 77 A, dos-restos de miudezas
e facen as.
Terca-feira :
Peo agente Pestaa, s 11 horas, na Ponte Ve-
Iha n. 3, de movis, loocas, vidros, etc.
Ce o agente 1 into, 1 hora da tarde, na rna
do Imperador n. 39, de dividas, movis, louca e
vidros.
Pelo agente Martin*, s 11 horas, na ruado
Uau_- 1 n. 48, de movis, louca e vidros.
Peto agente Brito, s 10 lig horas, na roa do
Padre N 'brega, de movis, ouro e prata.
Quarta-feira :
Pelo agente Pinto, s 10 Ij2 horas, na roa da
Aurora i. 39, de movis, laucas, vidros, etc., etc
Hii Amanli :
A's 7 l[ horas, no Eispirito-Santo, por aima de
Antonio J- s da Fonseea; s 7 lj2 heras, na matriz
de Santo Antonio, por alma de Joao Antonio Co.-
laco Dias ; s 8 horas, na Congregacan, por alma
de D. Luisa Lasne de Mello ; is 7 1|2 h >ras, no
convento de S. Francisco, por alma de D. Mara
Luiza Pereira do Reg ; 8 7 1/2 ho*-as, em S.
Francisco, por alma de Jos de Uouveia Accioli.
Quarta-feira 1
A's 7 horas, na igreja do Santa Cruz por alma
de Manuel Gonjalves Penna; s 8 horas, no Car-
ino, por alma dt> Dr. (raspar de Drummond ; s 8
h.r.-.s, na matriz da Boa-Vista, por alma de Joo
Pedro de. Jess da M.tt ; s 8 horas, na matriz
da Boa Vist, por alma de D. Mara Pia Silvcira
du A bu 11.1-.-4ue Mello.
Sexta-teira :
A's 9 hor-, na capella do engenho Massanga-
na, por alma do Dr. Grasp.ir de Drummoud.
PassacelrosChegados dos portos do nor-
te no vap^r naci jal Pirapama :
Francisco da Silva Jnior, Gu-tavo Sab ia,
Adezaldo Josino, Asmim Buche, Dr. l'edro Jos
de Uliveira Pernambueo, sua seohora e urna cria-
da, Jos Eatevao Pereira, Alfredo Augusto Perei-
rs, Dr. Lucrecio Ribeiro, Honorata da Silva, An-
tonio Penna.
Operario clrurgicaFoi praticada no
hospital Pedro II no dia 14 do crrante a se-
guinte :
Celo Dr. Pontual :
Duas amputacoes por desarticularlo dos dedos
grandes dos ps, reclamadas por uletracoes c ue-
crose das pha tanges.
Caos'de Ueienro- Movimoato dos pre
o dih 18 de Junho :
Existatn presos 272, entraran 7, sahiram 24,
existan 255.
A* saber :
Nacionaes 231, mulheres 1, estrangeiros 9, es-
bravos sentenciados 2, procesaados 4, ditos de cor-
reccio 8.Total 255.
Arracoados 227, sendo : b na 217, doenteo 10
Total 227.
Nao bouvo altcrayao na enfermara.
Jboleria da provincia. Quarta-feira,
23 do correnie, se extra hir a loleria u. 60, em be-
neficio da igreja da Concecao dos Milagrea do
Uarauguape.
No cousistorio da igreja de Nessa Senhura ' ConceicJo dos Militares, se achanlo expoa'as as
urnas e as espheras, arrumadas um ordem num-
rica apreciacSo do publico.
Lotera do faloA 4' part da lotera n.
197, do novo plano, do "jreioio de lOO.OOOiSOd*,
sari eaerrahida uo dia S do .ootrente.
Qabjlhetes acham-ae .i votroo ua Cosa da Jor-
^urutaiaua Primeiro de iMorao.
Tmoabem acham-se emioina pmca da iixle-
ria de Mac.-MoeOOiM>odM0
parte da 12lot.'tia, e. dall):00()*(X)0, pelom.wofptano, ser extrahida
immMmivelmentc no tila '-'-'.te duuhi u U.^nras
d
~
,(.
i renda n'8aoaiF--r>a la praco da ln
dependencia ns. 37 e 39.
Lotera Batraordtaarlo. ranaa-0 4" e,ultimo sarta u d-w t* e ;> tHfimtl
desta importante lotera, cojo juior oren. le
15O:0OJOO0, scri extnhida a 11 le aflDOtO prxi-
mo. 1
Achan-se exposto a venda os restos dos bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marc>
u. 23.
tioterla da corteA 1 parte da 364 lo
teria da cor',cujo premio grande de 100:O0U,
ser extrahida no dia de Maio.
Os bilhetes achara se venda na Casa Feliz,
praca da Independencia na. 37 e 39.
Tambem se acham vendaua Casa da Fortunn,
ra Primeiro de Marco n- 23.
oladoaro Publico. Foram abatidas
no Matadouro da Cabamra 101 rezos paro o consu -
mo do da '0 de Junho
S-mdo: 84 p.-rteucentes aos Srs.
tr C, e 17 diversos.
Mercado alunlcIpMl <1" %.
inovimcntodeste Mercado nos dias
rente, foi o seguinte:
Entrarom :
30 1/ biis p-'saudo 4.620 kilos.
850 kilos de pcixo a 20 res
68 cargas de farinha a 200 ris
37 ditas de fructas diversas a 300
ris
10 taholciro? a 200 ris
16 suinos 20<> ris
Foram occurP.^o:
24 columnas a 600 ris
-1 compartimentos do faiinha a
oOO ris
25 compartimentos de comidas a
U00 ris
711/2 ditos.de logumes a 400ris_
18 compartimentos de suino a ttW
ris
13 ditos do treasuraaa 6011 ris
10 ditos de ditos 11 2
A Olveira Castro & C. :
2 talhos a 500 ris
54 talhos de carue verde a U
liveira Cas
aatsa. -')
19 do cor-
17*00 1
13#8-J0
tu toa
2000
aaMQ
14440J
12^000
12o5if)
28*6J
12*6iXJ
7*8
2O0IOOO
LI000
54J(W<
l)uve ter sido arr-icaiada ucsts dias
a quanta de
210*000
Procos do da :
Carne verde a 40!) .1 3 iis o.kii ,
Suiioosa 560 G4 1 r.'-is.idem-
Carneiro a 64) 1 000 ris dem.
Fanaha de 2-W a 320 ris a cuia
Mlho de 280 a 320 ris idcin.
FeijiO de 800 a 1*600
CeaaHerlo PubtlooObituario do din 18
de Junho de .1886 :
Antonio P-erera dos Santos, Pernambu'-o, 60
anua, casado. Boa-Vista ; hem .rrhagia cerebral.
Manoel Severo Fon te lia, Hespanha, 45 anuos,
casado, Boa-Vista; tubrculos;pulmonares.
Podro Francisco Nobre, Parahyba, 48 anuos,
solteiro, Boa Vis'a; tubrculos pulmouares.
Jos Anselmo, Pernambueo, 35 anuos, casado,
Boa-Vista; anemia.
Mara Pa Siiveira de Albuq.ierque Mello, Per-
nambueo, 22 anuos, casada, Boa-Vista; adyna.
mia.
Luiza, Pernatnbueo, 1 anno, Boa Vista; entero
; celite.
Antonia Maria Velloso, Pernambueo, 84 annos,
viuva, Santo Autoui.; velhice.
Misael, Pernambueo, Boa-Vista; ao nascer.
1 __________1_____________L-L-i
IRMCACOES OTOS
Jledsfloa
Coaaallovlo medlco-csauriflco do tr.
Podro ile tlialiyde LhHmi lloacoso
roa da tlorla .a. If>.
O dmUor Moscozo d consultas todos os
I dias titeis, dae 7 s 10 horas da rnanh.V
Este cioratuitorio offereae a coramodida
! de de poder cada ocnte ser ouvido e ex
aliado, sem oer preoenciado por outr
Oe meio dia s 3 horas da tarde ser a
Dr. Moscozo encontrado no torreo pra
fo do Commorcio, onde funcciona a ms
peejao de aade do porto. Para qualquer
i 'estes dous pontos poder Jo ser dirigidos
as cha ruados por carta as indicadas horas
O Dr. Arthur Imbassahy, medito occu
lista, recenteroente chegodo, esta cuide,
d .consultas tod is os dias, das 8 s 10
horas da manhS, sendo gratis aos pobres.
no l.andardo predio n. 53 da ra da Im-
pera triz.
Corneal torio allopalico tlonlmelrio
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 s 3 da tarde em leu consultorio rna
do Bario da Victoria n. 7, 1.* andar.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades partos, febres, syphilis,
molestias do pulroao e do coracao.
Advocado
O bacharel Benjair.im Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. Ddar.
Dr. Olveira Escorel. 2. promotor pu-
lbico, tem sett esitriptorio de advogacia da
ua Primeiro de Margo n. 2.
Dr. Seabra. Mudou aeu escripto de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
rogarla
Francisco Manoel d/i Silva db C 1^0-
sitarioi de todas ao especialidades pharmn
ceutican, tintas, drogas, productos chimic
e medicamentos hommopaticoa, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Faria, Sobrinho & C, droguistas poi
attacado. Ra Mrquez de Olinda n. 41.
errarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de car apio
de Francisco dos antos Macedo, cae de
Oapibari'ie n. 28. N'este grande estabd o
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, coropra-se t vendo se madeiras de
todas as qualidatles, serra-se madeiras tht
conta alleiu, assiiu como ee preparam obra;
de carapira por rwflhina e por precos sen
com,l','",oia,
1 ,OOOsOOOuOO
Os bilhetes desta importante lotera de
tres sorteios, que corre no dia 8 de juliio,
auham-se venda na Roda da Fortuna
run Larga do Rosario n. 36 e ra do Ca-
bug n. 1.
PUBLIC4C0ES 4 PEDIDO
Aos altos poderes do estado e
ao palz
Temos at boje mantido a mais esclupulosa re-
serva e a maior moderacab relativamente a tactos
de que havemos sido victimas, de certo tempo a
esta parte e desde que se tem querido constituir
mandilo desta comarca o Sr. tenente coronel Aua-
tirclinode Castro Sa Baretto. Agora, porui.
estamos at ameacados de assassioato, a reserva e
o silencio poderiam parecer ou ser traduzid s
como cobarda de nosso parte, fazendo se mis ter
queum por todos e todos por un*nos colloqun-
mos em posicilo franca e focamos recabir a respati-
sabilidade de tudo quanto nos acontecer sobre o
?erdadeiro culpado: digamos alto e'bom som : o Sr.
tenente coronel Austriclino responder pera nte a
sociedade e potante qualquer de nos que sobre-
river, ao que por ventura succeder aos outros.
E' de notoriedade publica que, no dia 24 de De-
sembr de 184, nosso pai e sagro1 majur Jos
Victoriuo de Paiva foi victima de urna tentativa
de assassioato ao allegar o trem, que vinha do in-
terior, na estacao de Marayal do prolongamento
da via-ferrea, recebendo diversos tiros, um dos
quaes o ferio noe.costas e que lhe foram diapara-
dos por Antonio G incairoa de Siquenra Qrauj* e
seu primo ^orgo de demorra volho<, sem outro motivo, segundo
diziam, que o haver. el ie ee ojee usado n erapregal
os no servido du oojprea dome un prolongue- u'o
Intentado.* qoeioa pelo oflendidoe p onuncla-
dos 08 crioanosos, dwerinm ellos ser eobatettidos'
n julgam-atooia .1* sesaio do jury do auno pas-
tado. Ahiotir. A-iatricliuo, que Aavia.desenvol-
vido a mais furiosa cbola pHraiobtar absolv-
c4o do roo Sergio de Camp ia, que era o nico que
estava preso, desmascir >u se desde que o Exm.
Sr. desemoargador Coustaor.uio llnga, en'.Io juiz
de direito da comarca, nao iieh ni j o processo de-
vidamente preparado, mandou que o juiz prepara
dar preenchesse a formal.dade que inquinara o
^ipaOBtu-de nullidade iueanavel e oddiou o snu
julgam ut para a seguinte sessao a ir mo ha ve -
reu mais procesaos preparados. Por essa oceasio
maltratou elle p ir palavras aos m igistradoi da co-
marca e declarou que os criminosos serian absol-
vilos tuntas vez.-s quantas fo-sein subm rttiJos
julgameato.
Nos nao escapamos a aua 'sanhs, simplesmenfe
porque nao nos culloc.iinos de seu lado abanuunan
do a cauta de nosso pti e sogr 1, muito einbora,
confiados uuicainent- na juslic^i dlla, nem um
passo tivessemos dado para obtermos a condem-
naca dos delinuuoptes.
..presentado de novo julgamento toi Sergio do
Campos absolvido por 1U Vutos e app-jtUdo po
jutz de direito.
Mais tirde, uuando j m djW o pirtido c 111-
servador. a1 qual alias pert.'ucoinos tolos us que
MMkNOd .daos brasileiros, son la o Sr. Austricliuo
delvgado de pilicia, fez apres-u^ir se Autouio
Grauja, d-pia d-- convouaiio 1 jury, escudo sub-
mettido julgamento foi uuanimem nte absilvid.
e aspelUdo p -lo juiz le direito.
Convm n itor que, nao sendo o Sr. Auitriclino
juiz de facto, assist'a a todas as seiso s do jury,
cabalando deschfrea la e publcame.ite.
Haveudo o egregio Tribunal da relofao man la-
do aubinettor Sergio de Campos a novo jury, foi o
proc.' si apreseutado nc dia 7 Uo crrente ao pre-
sidente do tribunal, que tuucciuuava j ha alguus
dias c quao.lo o ofiendido se ach iva nessa cidade
de vi,' m para o su! do imperio, para oatOS eff.-c-
tiuauaciite seguio 110 da 9.
Xa s-ssao do du 11, quaudo de va o processo
ser julgdo. o advogadoye noss. pn e sogro, p.i-
diuJo a palavra pela ordem, offerceU um* aoeBM
que. s.-u 10 coufe.-sai'a pelo advocado de Sergio,
toi, como nao podin deixar de sd-o, accetu p-*lo
juw.
Kutaj o Se Austiicliao, que em t adaiparti. se
suppe no seu engeaho e em me 10 de seus escra-
vos e fmulos, nao pudendo conter o seu d--speito
e a raecibilidadede aeu genio, conrinou suas de-
claracoos anteriores e quiz mai.tcr com o Idm. Sr.
Dr. Luiz Ignacio de MelU 11 irreto. juiz de direit 1
da eoinorcu e que mal acaba de cfaegar, um-i dis-
cusso do todo o ponto inconveniente, sendo tor-
eado a alar-se pela attitude assumida pelo digno
taagMltaado.
Ao sabiraios do tribunal dous deimis fimos bru
talmente aggredidos por Aoto'iio Granja e Sergio
deCtuipos, |tlBaa)flatii insultados, deseompost>s o
am Malos de assassioato. Iinin:diatainuite can
nuinicmoo ooecorrido aos Illu.s. Srs. Drs juiz de
direito e promotor publico da c .marca.
Autouio Grauja, que est solt, aud armado de
pjiibal crev.ils'-ir a da pub'.cunente que ha de
matar a tudui que emeorrerem pra a sua con
d.aiiwc. e a de aeu primo.
0-Sr. A.ustr clino suri o nico respontavel
palo lia-Gibaera pequenu, mas soube viug i--s-...
Os criminosos ahi est;l 1 oisseiiili a tomat 1 .
bauhos siiatro u.tiidao as vessIqucr quere n :
sus iririo apenas nominal, porque cll'-s gozam
de todas as regHasv rivam na mais competa li-
ajaajaa
Palmares, 15 de Junho de 1886.
Ernesto Adolpho de Paiva.
Jos Victorino do. Pai va Filho.
Julio Cesar de Paiva.
Eusiario Vietorino de Paiva.
Autojiio darlos Soaros de AvelUr.
Antonio Leite Magalbies Basto.
Falle acia de I. C. Lery f5,
PKTICXO DE AGORAVO
I
SenhorPara Vossa Magestade Imperial, e an-
torisado pelo art. 72 do Reg. n. 1,597 do ldeMaio
de 1855, aggravam Ernesto (t. Leopoldo da sen-
tenca a I. l'-3; pela qual o Dr. Juiz Especial do
Coinmercio denegou a declaraco da fallancia de
J.C. LevyftC.
Os Hggravantos passam a demonstrar com a
possivel brovidade, a clamorosa injustica dessa
decisio.
Jos.Clemente Levy e Thomaz Holmes fiseram
urna sociedade sob a firmaJ. C. Lvy & C. 1
qual teve principio no 1* de Outubro de 1883, en-
trando o socio Holmes com l'J:5lK) I'. em dinbei
roe Lvy com 27:OOQOO em mercaduras, arma
cao, utensilios e dividas, inclusive 4:824700 em
dividas p-rdidas-
A fl. 122 est urna demon*trucao feita p los
peritos que ltimamente examinaran os livros;
da qual se v qae tstes 4:824J7U0 compreben-
de.-n :
3:7024800 de letras acceitas pelo fallido Jorge
Jung>nann, e vencidas em Novembro de 1880, Ju-
nho a Deaembro de 1881 e Janeiro de 1882;
250J0 K), '"tra acceiU p-l> fallecido Dr. Pepes,
vencida em 8 de Agosto de 1881 :
871A900, diversos dev dores dos annos de 1869
a 1880.
Os peritos consideran totalmente perdidos es-
tes dcbitoB na importancia de 4.82470O e b -m ia
comprehende que jaeram perdidos em Outubio de
1882.
Em 2 de Janei'o de 1884, isto 3 m^r-'j depois
do contracto erfectuado entre Levy e Holmes, foi
neceaaario que os aggravuates fornecessem......
23:5004000, mediante o contracto fl. 30; pelo
qual se constituirn socios cominan lirarios.
Apesar dis capitaes lealisados por Tbomaz Hol-
mes e os -ggravantes, f.i tal a direeco que o so-
cio gerente Levy imprimi sociedade que foi pre-
ciso lancar mi de repetidos e avultados empres-
timos.
Nao pissuindo Holmes e Levy outros b -ns, alera
do que tnham na sociedade, e sendo os aggravan
tes socios commanditanos, nenbum capitalista fa-
ria a sociedade ta's empres"irnos, repetidos e avul-
lado, se os nao fizessem os meamos ag^ravan-es,
dea -jobos de evitar a per la de seu oapital o '.am-
bem mais tarde, a das quantias ja emprestadas.
O ilustrado Dr. Juiz do Commorcio diz que o
facto do um negociante pela deficiencia de ..pira
dos ou falta de recebimeutos, aontrahir ea presti-
mos par necorrer a nccessidades inadiaveis, d
se quasi com todo, anda os de mais solida f. rlu
na e avultado Capital. *_E' patente 9 enrano ; con-
fundio-se einprestirao cm dse, uto ,le letra-.
, com transferencia, pir meio de eodosso, de t
tulos comuitrciaes ain ia na t vencidos A diff o. o
t* enorme; oOnnoeruioBte, ueste caso, uta de
seu* proprios recursis: naquelle d a eutender qu
os niio tem.
Os embaracos da sociedade constara di: a
letras, que Levy juuteu le fls. 11 a 20, na impor-
tancia de 43:0004(K)t). S 1 letras que a firma J.
C. L"vy & C. aceeitou aos aggravautea e que na
impossibiliditde de pagamento, foram ref..ma las
nos vencimentos. No verso de cada urna deltas,
ex -epcao da ultima (que foi simplesmente entre
gue, sem recib ) -se a declaraco escripta pelos
agravantes : 'Reformada nesta data. Ser tam-
bem e.'stume dos n-gociant-s de m.issolida fortu-
e avultado capital nao pagar o dinbeir.. empr. sta 1 ,
qnando se vencem ua ttulos, pedir.que sejam r--
form.dos?
Nao polea firma J C. Levy & '". pagar as le
tras novamente acceitas. Por conta dapiimeir
fl. 4, deu apenas 8804000 de urna vez, 4604000 de
outra e por ultim, 3:0004000. Al.-m de uao poder
completar o pagamento essa letra que era de ..
5:1004000, uao pagou absolutamente a segunda,
de igual quantia, vincida no Io de Mato desto
anno.
A isto aegui >-se nm facto suuunamente grave,
qua os suppcantes, em sua petioio a fl. 80 re cri
ram nos termos seguiutes :
Conhecendo o seu estado ins. ivavel, o justi-
ficado Levy procurou aos justificantes (Ernesto &
L-*opoldo) e propoz aceitar-lhes ficticiamente.....
12:0004'W0 em letras, para que, reunidos com os
14:0004000, de qne sao credores legtimos, prefi-
sessem 56:0004000, ouja cifra elle julgavs precisa
para obteuyao da concordata que seria necessaria
na quebra que devia ter lugar e para a qual se ia
nreparar, promettendo pagar integralmente aos
suppcantes, exigindo todava delles urna resalva
dos referidos 12:0004000.
NS accedendo os supplicautes proposta
Levy, utilisaodo-se de urna folha de papel, escre-
veu-com sua propria letra o qne se l no documen-
to jauto (a fl. 83) para convencer os supplicanteg
do bou xito de sua empreza, dizeudo Ihes queda-
rio entrada nos seus livros aos 12:00'4, nos datas
mencionadas na dita folha de-papel, e justificara a
sabida d.'stc oapital ua emura ficticia de merca-
doriaa,-pai;ainrto3 de diretis, etc pelo modo tam-
ben ssorspio no mencionado papel.
Exa-oiuaudo-ae o citado documentp, ver-se-ha
quu n He se aeham ecriptos os algarismos 44,
abaixo dedei 12, e a 1 urna do 56, as importan-
cias das letras que o justificado se oflereceu ac-
ceitar ; as quaes souimadas, dio as 12:0004 e as
datas dos seus vencimentos. Do outro lado do
papel ver-se-ha Muaos erara a mercaderas, cuja
compra simulada dovia justificar a sahida do di-
nheiro.
Entilo sendo energic im--nte repellido, Levy
retirou se precipitadamente, licitando sobre a me-
sa do escriptorio dos supplieautns o corpo de de-
licio do seu ernn-; e quem tem c iragem para
tanto, nao admira qun ousc chuar papagaios as
letras dos suppcantes.
Todo este histories os supplicantos se olTere-
cem confirmal-o sob jura leuito. o
O pap:l a fl. 83, onde L'vy deli. eou o seu pro-
jecto de quebra fraudulenta, foi junto aos autos
em 0 de Maio, com a noticio em que os aggra-
raotes o analysaram. Levy, em 12 de Maio, 'ez
a extensa peticad de fli. '.17 a 08 v. ; pedio e ob-
teve, 110 Io do crrente, praso para impngnar as
provas produzdas por Er..c.^to c Leopoldo pe-
tifio a fl. 150) ; fez, neste proposito, a petici.
anda mais extensa de fls. 151 a 157 ; n fez per
ultiini a d- flt. 179 a 180 v. Em tudo isto abs-
tuve-se de dar urna expcaCiio qualquer sobre a
documento a fl 83. Na impossibilidatie de arran-
jar um sopliisina que tiv sse prestiuio, recorreu ao
silencio.
Nao se pode admittir que tenh un pussad des-
percebidas a Levy a juntada desse documento e
a uarraco a fl. 80 v., visto como ahi mesmo
escreveo o seu Ilustre patrono estas palavras :
Mais cousas anda podem inventar os suppca-
dos e em negocios de fallonciaa sao raestres.
Silvo equivoco (pois, escrevend .-se margeia
de urna p-tico de Ernesto & Leip.ldn, nao eram
estes o supplicadosj, aquella iusinuaco injuriosa
foi um simples desubafo, tornando-se anda mais
injusta par boaval-a escrito uuem tem sido e anda
advogado dos a^roviuites -m negocios de tal-
leneias 8 outros, e nunca teve de sustentar, neasa
l'ialidale, tnccnfdes de qualqu-T especie.
(Ceatina).
Jos Joaquim de Olveira Foiueca.
Rio Grande do \orie
O CAPITA3 JOXO SEVERIANO MACIEL DA COS-
TA E O SEU DETRACTOR l'RBANO JOAQUIM
DE LOYOLLA BlRATA.
A's redaeces dos joruaes e a diversas pessoas
desta cidade, reinetteu o Sr. Urbano Joaqun de
Lirolla Barata, a deelaracio (?) que fez The-
souraria de Faaenda d'iiquella pioviucia. contra o
nosso ami^o o capitao Joa.i Severano Maciel da
Costa, por actos de estelionato contrn a fazenda,
comrnettioVis, na illustrada piuuo do declarante,
pelo nosso amigo o cap to Maciel, quando no cam-
inando da compauhia de lufautaria 'aquella infe-
liz provincia !
lista dec'aragao, imprea em um pequeo fo-
Iheto, precedida de um exordio, em que S. S. diz
que a sua deelaracio um excrcieio que as leis
do processo eouferera a todo cidado : que nao tem
em mira os jbilos de um d'-sforco, mas simples-
m-nte a satisfaco consequente ao suinprimenta
.le um dever ; e finalmente, que se convence de
qne o seu pr.ccdimeut encontrar 11 appr vaca*
dos seus eOi.cidados, que se iuteressan, pelo loem
pub.ieo (!!!) .
O Sr. Loyolla Barata, ou de urna imbecilidade
queja toca pobreza de espirito, e por isso mere-
ce u reino do co, ou de urna malvadez perversa
e jesutica, como-os filhos de Loyolla, cujo appelu-
do tem.
Achau teio de mais o ame de denuuciaate e
classificvU ie deelaracio uquido q^e nao psssa de
urna denuncia !
'Nao tem em mira os jbilos de um desforco ; po-
rra, escreve cartas at,para .a provincia do Para,
ea individuos analphabet s, simplesmente para ter
a satisfaco consequente do cumprimento de um de-
otr !
S. S. sabe o que le, direito e dever ? Onde
foi beber tant. erudicio de um s jacto ? Seria
as afamadas baocas de exames que o governo
mandou supprimir, bem da moralidade da ins-
truccao publica ?
Pensa S. S. que o publico legente desta cidade
e o ae outras para onde remetteu a sua declara-
cao, composto de beocios ? Ou S. S anda nao
voltou a 81 do dedumbraineut > em que cabio com
brilho dos botoes da tarda de seu genro ?
Estamos couvencidos de que o tai exordio nao
de sua larra, e a pessoa a quem encommcndou a
sermao, ganhou mal o seu dinlieiro.
Se dizemos que o tal exordio ni.. c de lavra pro-
pria, porque j ti vemos cm nosso poder as per-
guutas que o interrogante do eonselho de guerra
a que respondeu seu genro, o alterco Paula Morei-
ra, devia fazer s testemuuhis, escriptas pele seu-
proprio punbo, pois a lettra est recouhecida por
tabelliao da cidade do Natal; a pela oithofrraphia
redaccic e estylo, ficamos fazendo um juizo bea
critico dos seus coiihecimentos.
Que Sr. o Loyolla Barata inimigO rancoroaa
do Sr. capito Maci. I, nao ha duvidar : basta o
facto de ter o nosso amigo aecusada seu genro por
actos de improbidade, malversado e at de furto,
pelo |ue acaba de responder a um eonselho de
guerra.
Basta dizer tamb 'tn que esse pretenso estcllis-
nato j foi o ubjeeto d- urna deuuucia, declarando,
qu.ixa ou cousa que melbor nome tenas mus
agrade ao Sr Barata e seus protectores, dada per-
ante o presidente d aquella provincia, que tam-
bem por ser muito amigo do capito Maciel, apres-
sou-se em leval-a ao conhe im uto do governo ge-
ral que, apezir dos commentos, NUtiMfex-oo
com a nforinacao exigida e pres'.ada pelo denun-
dedo, como j ti vemos occasiio de dizer.
Segundo nos coasta, a declaraco do Sr. Bara-
ta, j foi remettida ao juiz de direito do districto
do crime, para proceder cunta a esteUionatario; e
nos ilcsde j protestamos en nome da classe mili-
tar contra essa violencia, par incompetencia de
foro, como havemos de provar no seguinte artigo,
para o qual allamaraos a attencao dos Exms. Srs.
Ministros da Justica e da Guerra, do governo ea
geral e de ambas as cmaras do parlamento.
.V. F.
lleunio
d partido conservador da fre
guezia da Boa Vlata
Convi a-se todos os cons'rvadores desta
reguez.a, para runirem-se na' segunda-
teira 21 do correte, s 6 h>ras da tarde,
no predio u- 29 do Pateo de S. Gonglo,
iti n de niegereno o directorio paroebial da
mestua rrcguezia, e ouvin-in pelo Dr. Sea-
bra e outros orador-s que se acham ins-
criptos, o fin principal do dito directorio.
Recife, 18 de Junho re 1886.
P. cife, 16 de Junho de 1885.Illms. Sre. Bor-
claz & C N. w-Y. ik
HaV'uido soffrido por largo tempo, de nma forte
aui-inia dtr'.ilidade do sanguc e cansado de usr
HinnierKVeis medicamentos sem resultado algum de
ensiio por uasualidade ao zampe da Vida de Seute
2*.
A. principio nao pareen fazer me bem; mas
s de usar 3 garrafas, cempr hend a bandada
da pri'piraco, pus obrando gradualmente sobre
o t-yatema > tn yeral c cons.-gu'ndo com 5 garafas
que t.....ei, rebustecer-me, fuxtificandio meu sangue
dotaiilo-me de urna aglidade e di-p,sico para
tudo.
Por conseeuinte, agradecido aos fabricantes de
to lio e i ica z prepara cao, recummendo-o quel-
les que tenham necessidade de um depurativa,
confiado que obterao o mesmo resultado que eu.
Hypolito Eugenio de Souza.

I lama i


Diario de tffnaoibocuJkmugtt 20 de Jmnlio de
\
l^lMUiiff rwrfado de Otlvelra
Carral mshhs amigos e s
aateffMadcs tiesta provincia
Livre do mon.-lruoso prosease que por canta e
ordoin do Sr. Mariauno da Costa Araujo Japiass
rae toi instaurado na Villa da Salgaeiro, estan-
do ao eierek'o da delegada do termo de Leonel -
dina, onde resida un cfllci', era queu folgo de
recouhec r a mxima energa de carcter reunida
ao inaia ardente o aciis.ilado culto quidade
justca, volro, entretauto, receloso ao seio de m-
uha familia, om vista Je i >farui aces ltimamente
recebidas e de rciteados cmsclboj de amigos que
julgam a minh volta iuopp rtuu par suppoiem m-
nha existencia ameacada, mXD w naqueila localida-
de. c >mo na I .ng.i travessia que tenho a pereorrer
para la cllegar.
Em vista c.'isto, veuho do alto da impreasa, e
com'a maxi-na solemnidade, deelarar que o Sr.
Mariauno dt. Costa Araujo Japiass deve ser res-
pon-abdisa lo pelas autoridades desta pro;:
por todo c quolquer attcutado de que eu possa ser
victima, vis: ser este seuhor o uuieo inlmt tenho actualmente e ser gerabn.nte reconheeido
com capaei.iaie plena para emprezas da ordeu
daquella a que acabo de referir-me.
Teuho informacoes de pessoas cima de to-
da a excepeao, de que o Sr. Mariauno tein
niindado vir ,i .s procedencias mais acreditadas os
inais famigerados faeinoras. Nao devo acreditur
que o Sr. Mananto ande em procura de individuos
desta ordeni, com o fim da edifica!-o e traael os ao
camiio do dever e da virtudr, e isto porque, que
eu saib, o Sr. M.riauno anda nao toi incumb do
de tazer misso;s e ineamo tem pouco geito para
isot.
Excluida esta bypotbese por inadmissvel e ab-
surda, mipe-oubo que, sem sacrificio da lgica e
aein poder ser aberbado de medroso, devo acredi
tar que estas faraa foram chamadas para liquidar
oontts com as pessoas que ti vera m a infelicidade
de cahir no desagrado do Sr. Mariauno, a esta
coosiJ-racao que me iras inciensa.
Recife, 18 de Ju.ih le 1886
Francisco Furtndo de Olivara Cabra!.
(Estava sellado e rccouhtciao).
Reuniao elejtorai
Convida-se o eleito-
rado conservador da
freg-uezia do Recife a
reunir-se s 6 horas da
tarde de se^un ia fei-
ra, 21 do corren te, no
1. andar do predio
n. 66 a ra do Mr-
quez de Olinda, afim
de deliberar sobre as
electe> que en 1. de
julho prximo se tm
de effectuar na mes-
ma
f
reg*uezM.
eenstituico e o sangue
X. 396
um tratainento consti'ucional 6 impos-iy*. I
a cuia p-riniu nte do nenhuina un
fermidade eruptiva oj uK-erisa. O sangue vicia-
da deve S" puriti.'ar e fnzei u sauduvel, do contra
rio a causa do mal permanece oocolta no systeica,
e eeito que no fim se apresentar em outra for-
ma mais terrivil d i qnu a auUrior. S um eine-
dio dos cinlicei.l'js entre ban. na, busca, esqua-
driulia e expulsa este mortfero priucipio e resta -
belece a constituico physica sua primitiva turca
e vigor. Tal ou taca sao a* virtudes da salsa-
parrlha de lnatol.
Os rera*iios suppressivos sao excesivamente
perigosos en taes casos e o mercurio substitne in-
variaveluienfe oma morestia par outra anda mais
terrivi-l que a priineira- Porm este balsmico de-
tergeute e restaurativo vegetal, arranca at os ali-
cer es da iiler.nKlade e coa ver te n'um baluarte de
Md>- e fiv* o systeina, depeu de haver expulsa-
do o venen oso invasor.
Este remedio, o mais admirav.d e maravilho*,
e qiantos se eonhei-em ne mundo deve sua extra-
ordinaria reput i^lo s suas virtudes vivifient s e
parifiedoras.
Acbn-se venda em todas as principaes bo icas
e lojas de drogas.
Agentes em Pernatnbueo, Heury Forstei St C,
rna do Cominercio n. 9.
Assim cnicio nao ha perfume nem agua de tor-
eador que so ass- melbe a tsu florida de
nrri. SMM n-nhuma outra lia que puosa -ni-
stituii,a A t|ua florida de iarry ps-
ame luna fragrancia deliciosa, tilo difirante de t >-
das as outras que em nada com ellas so parece o
sjue el!a xa de suave e opulento teein as outras
de acre e grosseiro, o que ella tem de calmante e
refrescaute teem as outras de irritante e nauseati
V0. salutar e deliciosa quanto as outias so pre
judiciaes e desagradareis.
O vioho d-> extracto de ligado de bacalhao, de
Cbevrter, no qual se acliam t>do os elementos ef
fceazea do oleo de fijado de bacalhao, possne ao
Biesmo tempo as propriedadee therapeuticas ex-
elleutes dos preparados alcoolicos. Com o al-
oeol, sustenta o poder vital, rrcita- e forneee
Bateriaes de primeira escolba a.reconstituicao or-
gnica ; eu> nina palavr se fax a trama animal
anima-a. O seu so pois indicado uas innu-
sneras circunstancias patolgicas que resultain
lo empobreeimento do sangue.
a R. consinendamo! o especialmente a nossos
leitores.
(Rcvue Medcale.)
C, IleiimDD
Usinas do obro, iatao bronze ee d
3oJitaer Ufer i. 9 Berlimr. O.
Hspaeialidiid*:
Construya de raaehi-
nns e apprelhos
para fauicas de assucar, destillacSee % re
finayoes com tolos os aporfsigotaieiii'"''
Modernos.
INSTALLAgAO DE:
Engenhos k assucar completos
E8tabelfKmvir.Co filial na Havana sob ^
esioa firma de C. Heckunon.
C. e Sin Ignacio a. 17.
tnicos represeniaalcs
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEUIO
Para informayCne duij-A'nse ai
Pohtiiuui &C
la Mmm 110
Dr. Guille UM
Mrdiieo. paneiro a operador
Bci'dencta ra da Imperatriz n 48, 2.- aadar
Cwsulloro ra Duque de Carlas u. 59.
Da conaojlas das 11 horas da ounna s 2 da
Urdo.
Altead para chamados telephone n. 44! a
]uaJ4B bor.
i a erro Fatal na America!
So peridico Cleveland, publicado em
Ohio, nos Estados-Unidos do Nort, lemos
a desoripgao de ama opera;3o cirurgina,
cujos funestos resultados robresaltaram pro
fundamente todps os facultativos da Rep-
blica Anglo-Saxooica. No entender do ci-
rurgiSo m^is eminente de Cleveland, o Dr.
Thayer, seraelbnte operayao foi quasi ura
rime 1
Havia muitos aunos que urna senliora
.chamada King padec* de urna enfermida-
de de estomago, e nenhum dos systemas
de tratamento empregados por vanos me
dicos puderam alliviar lho os soffrimentos.
4 doen9a tinha principiado cora uiu leve
liesarranjo dos orgSos digestivos, de mis-
tura com um grande faatio. A estes symp-
toinas seguio-se u.n malestar indescriptivcl
no estomago (malestar que foi tomado por
urna sonaacSo do vsio interior) actumulan-
do-se em torno dos dentes urna materia
p- g-jos.i, acompanbada de um gosto des-
agrada ve], especialmente de manh. Lon-
ge de azer desapparecer a sonsacao rio
vazio, i alimento pareca augiucntal-a. En-
tre outros sy nptomas, notava-se a cor ama
relienta dos ollios. Pouco depois, as mS e os ps esfriarem e tornaram-s" pegajo-
sos, cobrindo-se de ura mor fro. A enfer-
ma padeca de um cansago constante, s-n-
cindo-se nervosa, irritada e ebeia de ne-
gros prestn'.imentos
Ao levantarse de repente, a pobre se-
nhora senta urnas toDturas. Com o tempo,
ns intestinos chegarain a estar estreidos
at o ponto de tornar se necessario em pre-
gar quasi todos os diasalgura medicamen-
to catrtico, nSo tardando a enferma a sen-
tir nr.uscns e Lineando fra os alimentos
[iouco depois de tel os engulido, algurnas
-ezes era um estado de azeduroe e ue fer-
mentacao.
D'estes desarranjos proveio urna p.ilpi-
iajao de coraco to violenta que a infeliz
quasi que nao podia respirar. Finalmente,
en ontrou-se na impossibildade de ret-r os
alimentos, atormentando a sem ceaaar do-
res de ventre atrozes.
Attendendo ao facto de que todos ob re-
medios at entilo empregados nSo haviai?;
prcduzido resultado algura satisfactorio,
reunise urna junta medica, e.ujo parecer
foi que a Sra. King padeca de um cancro
no estomago, tornando se necessaria urna
opi nicao.
Em resultado d'es'a dcsiso, no din 22
de Janeiro de. 1882 fez o Dr. Vanee a
operacSo em presenta dos Drs. Tuek r-
m.inn, Pcrier, Arras, Qordon, Lupier e
Hdliwll
A operaySo consisti em abrir a cavidsv-
de do abdomen at descubrir o estomago,
os intestinos, o figado e o pncreas. V-
rincado isto, os medios examinaram os
ditos orgiios, e, cheios de assoinbro e de.
borro., vir-iu que nto exista cancro al
gum.Cerraram e fizeram opossivel para cu
rrnr a feri.la que haviara feito ; mas a pobre
senhora morreu dentro de poucas horas
Que triste a sorte do vuvo que sab". que
a esposa pareceu por causa do urna opera-
ban errada .' Se a Sra Kin^ tivesse em
pregado o vr-rdadeiro remedio contra a dis-
pepsia (sendo este o norae da doenca) esta-
rla li.ije em sua casi viva em lugar de es-
tar na cova.
Por neis do uso do Xarope Curativo di-
Seigel, remedio proprio para a dispepsia e
para n indi^ostilo, muitas pessoas se resta-
tielecerara depns de terem ensaiado outros
remedios sem praveito. As provas d'esto
fcto silo t3o numerosas que nito nos i pos-
si vel reproduzil as aqui, mas os qu L-rara
os certifii.'ados publicados em favor d'esto
grande remedio consideram-os como irre-
t uta veis e convincentes.
A venda do remedio Ilimitada.
O Xarope de Seigel vende-so em todas
as pliarmacia a do mundo, assim como no es-
tabule -imento dos propriotarios, A. J. Whi-
t-,(Limited) 35, Farringdon Road, Loa-
dre., B. C.
Depositarios na provincia, de Pernam-
buco: no Recife, Bartholoroeu c 4 C, J.
G. Laevy e&(!, Francisco M. da Silva e
& C. Antonio Martiniano Veras & C,
Kouquayorol IrmSos e Faria Sobriuho
.t C; em Bello Jardiin, Manoel de Si
queira Cav.doante Arco Verde, e. Manoi-1
Cordeiro dos Santos Filho: em Indepen-
dencia, Antonio Gomes Barbosa Jr : ein
Palmares, Antonio Cardoso d'Aguar: e
Tacarat, Jos Lourenyo da Silva.
Rpspeitavel publico
Contina aberta a escola particular de mstrne-
cao primaria par o sexo masentino, ra da ma-
triz da Boa vista n. 34, rrgida pelo professor par-
ticular Julio ttaaree de Ase vedo.
Eiuca e iustrue a infancia, pelo systema des
principaes eollegios da corte do imperio, onde es
teve por al^rum tempo a p--iseio, cajo pystema
urna paciencia Ilimitada, urna roeiifSii intima,
guiando es seus discpulos no caminan da mtelli
gencin, da honra -e da dignidade, afirn de que re-
.iham a ser o futuro sustentculo da patria, da re
lupia e da le t um verdadi iro cdado brasileir.
Esp-ra, pois, que o novo pernamDucano app a
da e saiba apreciar o seu verdadeiro ensino pri-
mario, onde rpidamente abracan e ainam de co
ra<;ao aos livrjs as lettras, as artes e as sciencias.
Uii d matriz d Boa-Visto n. U
Jul.o Soares de Al ved.
Ao Ilustrado publico
Viva Santo Antonio !
Viva S, Joao I
Viva S. Pedro I
Viva S. Paulo !
Estamos no mez de Junho,
Mez de gozo e di atracan,
Era, que todos festejamos.
Sato Antonio c S. JoSo.
.Mez de S. Pedro e S. Paulo,
Mez de mimos e delicias,
Mez do prazer e de graveas,
Mez da venturas propicias;
Mea sublimado e divino,
Mez dos raezes, mez primor,
Mez em que os crent s venerara,
Quatro columnas de amor I
Mez de Junho, te sau'do !
Mez de Junho, te venero !
Para o teu bnlho me aprorapto,
Abrilhantar to eu espero 1
Meus leitoies e freguez^s,
Nao morreu o Zacaras,
Est de saude, forte,
*'s ordens das senhorias...
Ra Augusta, antiga de Ilortas,
Em sua casa o vens. ..
Que o primeiro andar,
Do numero oitenta e seis.
Ah podereis, querendo,
Vossa encommenda faz r,
Por prejos sem competencia,
Que s a. "iota faz crer.
Faz cangiea, bons bocados,
Os bolos do S. Joao,
Seo-medo. e tos de ovos
Lindos pastis com cidrSo.
Faz bandejas de encommendas
Para qnalquer baptisado,
P..ra bailes, casamentes,
No gosto maia apur do.
Fz erapadas, papos de anjos,
Fino toucinho do co.. .
Pito de-l, pastis de nata,
De se tirar-lhe o chapeo.
E se encarrega tambera
De mesas organisar,
Ondo o gosto, a elegancia,
Se tratara rivalisar.
Eiiifio, trihalha em tudo,
Da sua arto e profiss&o,
S precisa de vos todos,
Preferencia o protecgSo.
Eia, pois; no mez de Junho,
Neste mez todo pr iz ;r,
Consquistem esta trin isde,
Comer, briii :ar e beber I
J sabem, pois, onde moro.
Espero das senhorias
Encommendas fartar.
At mais ver
Zacariat.
Conullorio medico-eirargico
O Dr. Estevn Cavalcante de Albaquer]ue con-
riuua a dar consulta* medico cirurgicas, na ra
do Bom Jess n. 20, l andar, de meio dia as 4
noras da tarde. Parasv demais eonsulta e visi -
Uta em sua residencia provisoria, ra da Aurora
a. 53, 1" andar.
Ns. telephonicos : do consaltone 95 e residencia
Especiaidades Partos, molestias de creacas,
d'-utero e seus nnnezos.
---------------leatw---------------
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia t 3 horas.
Residencia rna da Aurora n. 12T.
Telepbone n. 450
Dr. Mello Gomes
MEDICO PARTEIR > OPERADOR
Ra do Barao da Victoria [antiga
ra Nova n. 37) 1." andar
Dedica-se com especialidade ao cura-
tivo das febres, molestias de peito e das
aenboras, syphilis e estreitamentos da
urethra.
Consultas das 10 ao meio dia. Chama-
dos a qualquer hora do dia ou da noite.
T- lephone n. 259.
Dr. C
Case fle saade do Dr. Sonto M^ior
Mudou-se este estatielecimfiito para Ponte d
Uch'i, junto da estaeao do mesmo tu me.
Situado cerno hoj- est em um salobre e apra-
zivel suburbio e em una ciacara com bastantes
coaimodos pura o seu 6m, offerece muitas vanta-
gnns aos doentes estranneiros, acadeaieos e colle-
giae* que nil i ti erens suas familias n'esta cida-le.
aos que vierem d-- fra do R. cif para ubi s-ffier
algmna operavi" cirurgica e iuiBbi aos que reeidbn-
do n'esta cidad" pr> cisarem de mud.-m ,a de ares.
Hecebe-s- tambera n'esta casa convi.l.'sci-ntes e
pessoas sadias que pn esica do ar do campo, pira
as quaes ha coimnodos separad a .
Os dcentcj p-ira o seu tra'amento, ndicaii-i <>s
medicoe que quizerem.
Na i se aceitam roeutes de molestias conta-
giosas.
Eiietem na casa apparelhos elsetrieo lij
th r-i | '-ur iC'S para es b "ibencs, par.il5-tie.18 etc.
Telephone n. 39&
bulista
Dr. Ferreir va, con-
sultar di 9 ao meio dia. Besi.
dencia e consultorio, 11. 20 ra
Ltvgf d* Rmmto.
MEDICO
Consultorio e residencia ra do Livramento
n. 31 1* andar. Consultas d 11 horas as 2 da
tarde. Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades, febres, partos e molestias de
riao.is.
i. Cerpla Lei
1ICDICO
Tem o seu escriptorio a ra do Marques d
Hina n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desu
hora -in illa nte en> sua residencia ra da San
a Cruz n. 1" Especialidades, molestias de se-
horas e i-rianeas.
Giriffgwi dentisU
Patricio Moreira
Consultas e operacoes, das 10 horas da manha
as 4 da tr RA DUQUE DE CAXIAS
N. 57,. 1* andar.

DE
i
Secretaria da presidencia > PCruasabuco, 18 de
Junhj de 18*
Por esta secretaria se fas pub'ico para conhe
timeiUo de quem interessar, e de r Itfin do Exm.
Sr. viee-presidente d*r provincia que segundo j
aviso do Ministerio da agricultura Commercio e
Obras Publicas, eh- 11 do crrente; si,b n. 4, f A
inleferido o requerimento em que Dingo Henrique
de S iuza pedio para comprar trras fe^olutas,
situadas entre a villa de Qilipap c a provincia
das Alagoas. e bem asiiui licenca para cortar
loadeirns em trras devekitaeiu- ssn provincia.
Ciaid M Iffli
Rna da Saudade u. tt
OCULISTA.
O Dr. Brrelo Snmpalu. medico oculis-
a, ex-chefe de clnica do Dr. de Wecker, d con
sultas de 1 s 4 huras da tarde, na ra do Vario
da Victoria n. 45, 2* andar, excepto nos domingos
e das santificados. Residenciara do Riachuelo
n 17, canto da ra dos Pires.
N. 3. Mais, se tendes filhos debis que
por lalta ds appotite estao doentios, dae-
lhes a Emulsao de Scolt.
"2' maravilhoso come a 11 pouco terapo,
ao tomarera-na, restabelecem-se e como
recuperara a energa e a saude
Mi
EDITAES
Licor depurativo vegetal iodado
DO
Medio (^uintella
Este notabilssimo depurante que vem precedi-
do de tio grande fama iafallifvl na cora de todas
ms doencaB syphiliticas, escrofulosas, rbeumaticas
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati
en, osfeocopa8 e nevralgicas, blennorrbagias agu
das e chronieas, cancros syphiliticos, inflamma
i^jb visceraes, d'olhost ouvidos, garganta, intes
ricos, etc., em todas as osolesiiu- de pelle, simples
on diathericos, assim como na alopecia on qa da
110 e as doenvas determiusdas per satu
raeaV mercurial. Dao-se gratis folhetos onde se
enei ntram numerosas experiencias feitas com este
ieo noi hospitaes peblicos e muitos attesti-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz se
oto para revene
D.psiti em casa de Faria Sobrinr* & C.
Ra do Mrquez de Olinda n. 41.
IDYOGADO
51 secciio Secretaria da Presidencia de
Pernambuco, em 18de Junho de 1886.De ordem
lo Exm. Sr. vice-preeideir.e da provincia faco pu-
blico, para eonbrcim'nto dos interessados, que
neita data foi proferida a sentenca abaixo trans-
cripta, nos autos de medicao e legitimacSo la
posss denominada.Ballha.-sr -situada no naini-
cipio de Agua Preta.
Servindo de aecrctario, Emiliano Ernesto de
Mello Tamborim.
Sentenca.Vistos ef tes autos de medicao e le-
gitimacao da posse denominadaBalthsar si-
tuada no municipio de Age Pr--ta, e requerida
por Flix Jos jomes, nesieao niejsd a fls. 2, termo
de medicao de fls. 12 a As. 17; considerando que
foram respeitados os direitos dos confrontantes e
observadas as diaposicoes da lei n. 601, de 18
de Setembro de 1850, confirmo a sentenca a fls.
25, proferida pelo respectivo juis commissario, e
approvando, Sonto approvo, a d ta meJico, hei
por legitimada a posse do .equerente e mando
que se Ihe passe o competente titulo, satisteitos
os direitos do art. 11 da citada le, e pagos os emo-
lumentos devidos.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 18
de Junho do I8>i6. (A&signado)Ignacio Joaquim
de Souxa Ledo.
Publicada na Secretaria da Preidencia de Per-
nambuco, em 18 de Junho de 1886.Servindo de
secretario, Emiliano Ernesto de Mello Tamborim.
5* ssecao.Palacio da Presidencia de Pernam-
buco, em 18 de Junho de 1886 De ordem do
Exm. Sr. ice presidente da provincia faco publico,
para eonhecimento dos luteressados, que nesta
data foi proferida a si-ntenea, abaix 1 transcripta,
nos autos de m-dicao e Iegitimaca da p isse de
nominadaCabojelituuda no municipio de Agua
PreU.
Servindo de secrotano, Emiliano Ernesto de
Mello Tamborim.
SentencaVistos estes autos de me cao e le-
gitimacao da posse denominada -Cab"jisituada
no municipio de Agua Preta, requeridas por Jo5o
Baptista dos Anjos, petic.i inicial flj.' 2, termo
de medicao de fls. 18 a ft\ 24; considerando que
foram respeitados os direitos dos confrontantes e
observadas as disaosicfoa da le n. 601, de 18 de
Setembra de 1850, confirmo a sentenca a flV 29.
proferida pelo re-pectivo juiz commissario, 8 ap
provando, como approvo, a dita medican, hei por
legitimada a posse do requerenre, e mando que se
lhe passe o competente titulo, satisfeitos os direi-
tos d art. 11 da citada lei, c pagos 03 emolumen
tos devidos.
Palacio da Presidencia le Pernambuco, em 18
do, Junho de 1886. (Assignado).Ignacio Joa
quim de Soma Ledo.
Publicada na Secr-taria da Presidencia de
Pernambuco, o n IB de Junho de 1886.-iervindo
de secretario, Emiliano Ernesto de Mello Tam
borim.
O Dr. Manoel da Silva Reg, official da
Imperial Ordem da Rosa, juiz de direito
do 4* ilitti -to criminal d'esta comarca
e seu terino, etc. etc.
Paco saber as cdadaos comprehendidos no
alistamenti elcitoral d'esto district 1, Boa-Vista e
Oraga, proc-dido em Setembro do nni passado,
que no jraso de 30 das a contar d'esta data,
proeede-se na ra Larga do Rosario n. 10 2o
andar, das 10 huras da manha 's 4 da tarde, a
entrega dos ttulos de itor
E para que chegue ao eonhecimento des inte-
ressados, mandei pasear o presente.
Cidade do Recif.- de Pcrainbnco, 19 de Junho
do 1886.
Eu, Luiz da Veiga Pessca, escribi o sub-
screvi.
Manoel da Silva Reg.
O Dr. Manoel da Silva Rjg, oflS ial da
Imperial rdera da Risa, juiz de direito
da provedoria de capellas e residuos
n'esta comarca do Recife, por S. M
Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II, a quem eu3 guarde, etc.
Faco saber aos que o pre?ente edital virem ou
d'elle noticia tiverem, que depois da audi-.-ncia do
dia 23 do conente mer e anno e preenehidas a<
formalidades da lei do estylj, ir a pre^o quem
mais der, o arrendamiento do predio n. 9 silo
ra Duque de Caxi-s, freguezia de Santo Autonio.
com dos andares e pavimento terreo, por espaco
de tres anuos, servindo de base o arrendainento
actual de 1.200*000 t> t anno e vai a praca
rei'in rim nto de Maria Ji.se Pra^a, legataria de
Jos da Costa Doarado de quem inventa rante
Auna Paulina da Coneeicao Dourado, afia de
que a mesma seja indecnuisada dos reudiment00
vencidos e que veneer"m de conformidade com o
que foi requerid as fls. 1-55 e deferido pelo des-
pacho de fl. 158, e de conformidade Com o meu
despacho de 7 do j rrente.
Dado e passndo n'esta cidade do Recife, aos
12 de Junho de 1886.
Eu, Luiz da Veiga Pessea escrivaoy o sab
S'revi.
MawMdi Silva Reg.
DECLARARES_____
Companhia Brasilelra de Navega-
do a Va or
Concurrencia para forneciinen
to de carvo
J A oompan^ia reebe pn postas ara o forneei-
ment 1 de carvao aos seus paquetes, no porto de
Per ambuc), sob as s guintes condices :
O contr ctante obrgar se ba a fornecer aos pa-
quetes da companhia todo o carvo que precisa-
ren!, requisieao do agente ou dos respectivos
com >u andan tes.
O carvo ser de Cardift, de 1 qualidade, duas
vezes peneirado, das minas Cory myrther, Powel
Unten, Ocean myrther, nsula myrthi-r, Dowlais
myrthrr uu outras coohecidas. Seri arrumado
as carvoeiras durante o temi de demora dos pa-
quttes no porto e em todo e qualquer dia e hora,
81 m esefco de domingos, dia santo ou feriado.
A unidade adoptada para o fornecimento de car-
vo ser a tonelada de quarenta ps cbicos ou
duas mil uzentas e quarenta Iib as nglezas,
vontade da companhia.
O pagamento ao cnntractante- ser feito no es-
criptorio da emnpanh a, no Rio de Jan iro, vis
ta das contas Jeviilamen'e documentadas com os
respectivos recibos de borde.
O contracto durar p lo tempo de dous anuos, a
comecar do 1 de SeUmbro de 18S6
As propostas d- vem ser dirigidas gerencia da
comp.inhia at o da 10 de Julho do correte anno.
Paramis iuf,omacojs, no escriptorio da com
p.i'ihia, ra do Gi-ncral Cmara o. 10, ou na
agencia em PernamSucc.
Ku de Jaiiciio, 8 de Junh de 1886.
(Assignad-J B. Byrne. gerente.
Illms. Srs. Barcia}/ & C.New York Ha ven-
do soffrido por longo tempo de urna for'e anemia
e debilidade do sangue, o cansado de usar innu-
11. 'r.iV'-ia medicamentos sem resultado algum, sW
er.sao. por casaalidade, ao xarope de Vida de
Reuter 11. 2.
Ao principio nao pareca faser-me bem, mas
depois de usar tres garrafas, comprehendi a bon-
dade da preparaco, pois obrando gradualmente
sobre o ryatemaem-geral, e consegnindo com cinco
garrafas que tomei r< bustecer-m, tortificaudo o
meu sangu" e detundx-me de uuia agidadaie e
disposico para tudo.
Por conseoninte, agradecido ao fabricante, de
to boa e efficaz prep irnco, recomnv ndo-o aquel
les que teuham a- cessidade de um depurativo,
confiado que obtero o mesmi resultado que eu.
Recife, 16 de Junho de 1886.
Hypolo Eugenio de Sonsa.
Elri^ff geral
u IRMANDDE
DO
SN. Kacrdineut'o da matriz de S.
fos
.De ordem do nosso irmo juiz, cinvido pe'a ge
gOB ia vez a todos os irisaos desta veneravel ir-
maulad; comparecerem no nosso c-nsistor o no
domingo 20 do correte mez, pelas 10 horas da
manh, para em mesa geral, elegerem os fonccio-
narios do anns compromissal de 1886-87, cmo
manda o art. 3 do nosso coin;roinissj.
Consistorio da irmandade do SS Sacramento da
matriz de S. Jos, 17 de Junho de 1886.
O escriv 1 interino,
Heliodoro O. F. Rabello.
EmpstosMsa** lo- asmslsutil d
xna e nmn 1* cishssl &v Urart.
DEVEDOBE8 BU ATB&ZO
Tendo a directora, em sessao de lo do
correte, resolvido re-eber por intennedio
de ura sollicitador todas, as contas de oon-
summidones d'agua e gaz em.atrazo-, a
contar doi a ni da loT6,.resoI*'i n'esta
data encarregar de tal cobraarja o Sr.
Diogo Baptista Femanl". a quem espero
attendero desde logo os inesmos devedo-
r's, cortos- da jnstija o equidade de sirai-
lliante resoluao. ,
Escriptorio do gnrete 28 de A'bril de
1886.
Antonio Pereirra Sirnoes.
Edit.il 0. lo
do novarlo Kmlrell
8. 1 andar

Thescuraria de Fazenda de Pernambuco, em 19
de Junho de 186
U inspector detenniua os senhores collectores
das rendas geraes dest. proviueis, que cumpram
fielmente, na parte que Ihes disser r.-speito a re
cou-mendaco feita esta inspect ira pnr S. Ese.
o ^^. vice-presidente da provincia, em offiio de
24 de Mato ultim", abaixo traneeripto.
Antonio Caetano da Silva K-lly
Palacio da presidencia de P- rnambuco, em 24 de
Maio de 1386
3" seccae.
Envo a V. S. copia da portara d-sta data, pela
qual, de conf .rinidad 1 com o aviso circular du
Ministerio da Agri utur Commercio < Obras Pu-
blicas, de 6 de Abril ultimo, e ordem do Tbesuem
N1.ei.1nal, dita 'a de 12 do mesmo mez, resolv
mandar applicar a stima quota do fuudo de
emancipaco que coub" a esta provincia, na im-
portancia de 130 000VX10.
Dirigindo-ine s juntas classificadoras e ae
juizes competentes ueste sentid.s declarei Ibes, de
ase nlo coiu o dito aviso, que, conf irine-o < Jo
art. 3 ia lei u. ii10, de JS de setembro do anu 1
paseado, continuar at o cn.'errameiito da nova
matricula, o procesa.. aetuil de avaliaco dos es
cravos, a qilal, entretanto, nio poder exceder
dos valores maxun s, filados pela t.ib lia do |"
do citado rtico.
Outrnsim, recomiuendei a maior vigilancia pira
empedir o abuso de sertin libertado") pelo fuudo
de einanc'paco eteravos, que, por sua id ide, t-
ubam de ser l"S livres deutro de ji-uo
tempo, nos termos dr S '0
('ara eBses assomp o- chamo esp cialmente a
attenco de V. S.. assim como para o dispon'
art. 28 do regulamentn de 13 de novembro de
1872, no que tocar a essa re par
Deus guarde V. S.Ignacio Joaquim de Son-
sa Leso. Sr. inspector da Thesouraria de Fu-
senda.
Matriz de Sinlo Antonio
Veneravel Iriuandade do Ham-
tissimo Sacramento
Pelo presente, e de cuiiformidade com as dispo-
sicoes do compromisso, c invido a'>s irmos desta
veueravcl irmandade. comparecerem no respec-
tivo consistorio, s 11 b ras da manh do dia Mr
do c rrente, para o fim de se proceler eleicao
da mesa regedora que ha de dirigir a irmandade
no anno compromissal de l'S'j a 1887.
Consistorio, 17 de Junho de 1886.
O escrivo,
Seiva Jnior.
Banco de CivJilo Real de
Pernambuco
Nos termos do art. 48 e 49 dos-estatuto, a ad-
ministraco e commisao fiscal priicedero, no dia
23 do corrente, s 11 horas da manhJ, era urna das
salas da pra^a do Commercio, ao primeiro sortcio
das lettras hypothecarias emittidas pelo Banco,
que tm de ser araortisada, e relativas ao prinsei
ro semestre.
O Saneo delibe ou premiar as tres prmeiras
lettras que forem sorteadas.
O local franqueado a qualquer accionista.
Pernambuco, 19 de Junh 1 de 1886.
Os aduiiiiitradores,
Manoel J.o de Amorlm.
Jos da Silva Loyo Jnior.
Luiz Duprat.
i
Assembla geral extraordin.aria
Sao couviladus todos os socios a reunirse do-
mingo, 20 do correte, s horas do costume, na
respectiva sede.
O viz segrega rie,
F.PaoiiaZ Jaselli..
issoelaco dos Empregados no
Commercio
Asscrabla geral
De ordem do Illm Sr. presidente sao convida-
dos U/dos os Srs. socios a reunirem-se em assem-
bla ^eral no doming 20 do corrente, pelas 5 ho-
CofflpaflWa de EMeatMs
O escriptorio d^sta
companhia acba-se im
stallado na p.a^a da
Concordia n. 9', conser-
van do -se aberto das 7
horas da manh t 5 da
tarde, em todos o^dias
uteis.
Incumbe se de cons-
truc^es e reconstrue-
^es.
Recebe se informa-
e,es acer -a de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes qneiram os res-
pectivos denos fazer
negocio.
No mes no escripto-
rio se encontrar:) as
amostras dos produc-
tos da otara mecbani-
ca do Taquary, pro*-
priedade da mesma
companhia.
Monte Pi Popular
Pernambuewio
Assembl i geral
De ordem d > rt=peital irin-15 d rector e de ac-
ord como art. t* d,s auditivos aos estatutos,
convido a todos os ocnh rea socios para se reuni-
rem em assembla geral no dnmugo 20 do corren-
te, s 10 horas da manh, afn de approvarem o
relatorio do 1 semestre dos trabadlos adminis-
trativos desta sociedade. Recife, 18 de Juuho de
1886.-0 1 secretario,
liegiuo P. de Carvalho.
SOCIISUIDE
llenefieeote Concillaco ao vale
da roa da imperatriz
De ordem do irmo presidente, convido a todos
os nossos irmos i> c roparecerem na sede social
no dia 24 do corrente, afim de asM'sfirem a sea-
so magna de filiaco e iniciaco, qu. ter lugar
s 9 horas da m nha.
A entrada no edificio ser franqueada s fami-
lias e pessoas decentes, das 6 s 10 horas anei-
te do mesmo dia.
Secretaria, 20 de Junho de 1886.
O seer -tario,
J. C. Maciel da Silva.
Ao Exm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda, e
aos Srs. Drs. procurador fiscal e inspector do the
sonro provincial, prevenim' s que o sobrado ra
de S Jorge n. 11, e as casas terreas ra do
Rio ns. 8 e 10, pertencentes ao Sj. Joaquim Fran-
cisco Diniz Jnior, e que este pretende hypothe-
car mesma fazenda, para exercer o cargo de
collector, estao sujeitos ao pagamento da divida,
pea qual o estamos accionando no juizo do com-
mercio desta cidade. BeeV, 18 de Junho de 86.
Souza Moutiuho & C-
Club de regatas per-
nambucano
Pelo presente convida-se aquellas pessoas que
quizerem concorrer regata que este club re ali-
sar no dia 29 do corren*e, a vir'm- se mscrever
na sede lo mesmo club, das 7 s 9 horas da noite,
at o da 20.
0utro8im, ha dous premios : sendo um de 254
ras da tarde, afim de ts tomar eonhecimento do I para o pareo compost j de dous ou mais escaleres
que preceitua o 1 do art. 35 dos estatutos.
Reafe, 1 du jjinti. de 1886.
O secretario, Manoel Mais.
Monte-Po dos Voluntarios da
FUria
De ordem da directora, sao convidados tjd.s
Srs. associatos a se reunirem em assembla ge-
ral no da 21 d> corrente (segunda-feira) na sede
da ass ciacao, .ifim de asautuess a leitura do re
httunos a p te da n.v.. directora que tem de
tunec mar no anno de 1886 n 1887.
Pede-se o coinpar cinieuto de todos Sr?. socios
afim de abrilhantar esse acto.
Secretaria d.'Monte-Pi dos Voluntarios da Pa-
tria, em 17 de Junho de 1886.
Alistes Geroncio S. Teixeira.
Banco 1.1 cMti) rea! de Perra-
as termos das arta. 5 e 6 dos estatutos, sao
c uvidados os senhores accionistas reaiisarem
at o da 30 de junh i pmxiui', na sede do bancj,
ra do C >ia ercio n. 34. n segnada entrada de
des por eento do valor o inlii ,1 de cada aeco.
R eif .'8 de Maio de 18S6
Os sdministraderes,
Manoel Joo de Amorim.
Jo.- da Silva Loyo Filho.
Luiz Duprat.
flauta lasa de Misericordia do
Recife
A junta aduiioibU-ativa em sua sesco do da
15 do corrent, pdas 3 feoras da tardr
receher proposfas para o forneeimento de asquear
a seu cargo, e para o
de pao 800ii'i i s orpha em Olinda.
Secretaria da 8 Misericordia do
Recite, 18 de Junh. du 1886
O aerretario,
Ptdro Bodriguts dr Sonta.
de 4 remos ; e outro de 301)00 para o de 6 remos
as mesmas coudicoes do de i.
Secretaria do Club de Regatas Pernambucano
em 9 de Junho de 1886.
William Hughea.
Augusto F. Oliveira.
Directores de Regatas
Irmandade do **. Sacramento
da matriz do Corpo Manto do
Recife.
De ordem do irma.' juiz. canvido a todos os irmos
para, no domingo, 20 do corrente, s 11 horas da
manh, comparecerem em o nosso consistorio, afim
de proceder-se a eleicao dos nnvos funcci narios,
que tm de dirigir esta irmandade no anno com-
promissal de 1886 a 1887.
Reeife, 17 de Junho de 1886.
O escrivo interino,
Bollar Sobrinho.
(abiiuto Porluguez de Leilura
Previne-s aos seolior-s s icios accionistas que
as listas de sabscripca i de accoea para a compra
ou ed ficaco de um predio em iue funecione a
biWiotheca deete gabinete, se acham dispisico
de todos, naade B ocia I, e que sua suucripco
ser incerrada no dia 30 do corrate mez.
Secretaria do Oabm te 1 otuguez de Leitura
em Pernambuco, 17 de Junho de 1886.
Mai.o. I Mari os C-pitas,
1 >ecretario.
Companhia *e EdtOcaeo
tCcmmenica-8e aog Srs n. qUe por
liberaco da Direcl- ria
ment da tercer i pi
cesto do vslor nominal,
ver realisar na sede
Conrordi* n. 9, a'i
oceasio se distribuir"
Recife, 10 do Junh
O director secretario,
Gustavo Antunes,
L.
\ liflvn i


Diario de PernambucoDomingo 20 de Junho de 1386
Fregaezla de Santo Antonio
Os eletorea conscrvadores da fre&uexia de S.
Antonio, em reunilo que teve lugar a 16 do jr-
rente, re: olveram apresentar e recoromendar aoi
mqs correligionarios os seguintes cidadaos para
candidatos a juizea de paz :
Major Antonio B< rnardo Quinteiro.
Artista Be'chior Miguel dos Santos.
Proprietario Joo Feneira Loureiro.
Proprietario Maximino da Silva Guama._____
Circular n. 12
Ihesouraria de Fazenda de Pernambuco,
em 16 de Junho de 1886
O inspcetor recomrr.enda aos Srs. colleetores
das rendas geraes desta provincia a fiel observan-
cia da circular do'ministerio da fazenda n. 12 de
28 de Maio ultimo, abaixo transcripta, sobre a exe-
cucao do decreto n. 9,593 de 7 do dito mcz.
Antonio Caetano da Silva Kelly.
Circular n. \
Ministerio dos Negocios da Fazenda. Rio
de Janeiro, em28 de Maio de 1886
Francisco Beluario Soares de Souza, presidente
do Tribunal do Thesouro Nacional, remette aos
Srs. inspectores das Tbnsourarias de Fazenda,
para a devida creto n. 9,593 de 7 do corrente mez, que manda
cobrar do Io de Julbo prximo futuro em diant>>,
5 por eento dos impostos do mesmo decreto men-
oionado, para ser o seu producto, livre de despesas
de arrecadaco, dividido e applicado de confjrmi
dade coro o que se acha prescripto no artigo 2 3
da lei n. 3,170 de 28 de Setembro de 1885.
Outrosim :
Considerando, que a restricta ex cucSo do dito
decreto ha de encontrar embaracos, noque ro-
pera cobranca daquella taxa addicional no sello
fixo e no proporcional, sempre que se realizar o
pagamento por meio de esttmpilhas, e se tirar de
applicar o ddicional as de 1O ris, ou as de au
tro valor, do qual resulte fraccao que nao possa ser
representada por alguma das estampilbas em cir-
culacao; e nao sendo possivel prover remocao
de semolbante diffieuldade dentro de certo praso
que resta para a execucao do sobredito decreto :
Ordena aos mesmos Srs. inspectores, para que o
facam constar todas as estacse fiscaes suas su-
bordinadas, emquanto o poder legislativo, a quero
vai ser sujeita a resolncao deste r ssumpto, nao
deliberar procedimento differente:
lo que fique suspensa a cobranca da dita taxa de
addicional de 5 por cento, nos cases do pagamento
sello fixo ou proporcional, em que se tiver de em-
pregarestampilba que nao represente valor de 24
pelo menos, para o qual ja ha a estampilha de 100
tis, que dever ser oppoita, observada a recom-
mendacao do artigo 18 do regulamento n. 8,946
de 19 de Maio de 1883;
2* que se proceda como na observacao 3a do
1 da tabella B, annexa ao mesmo regulamento,
desprezando-se ps fraeces quando o imposto a
pagar excedente 4 referida quantia de 24000, ter-
minar ea> fraccao menor de 100 ris.
Nos balincos, que as estacoes arrecadadoras
deste imposto sao obrigadas a organisar e a en-
viar ao Thesouro e Thcsouraria de Fazenda, se
descriminar o producto da arreradacao corres-
pondente mencionada taxa addicional de 5 por
cento, afin de ter a applicacao que lhe compete.
F. Belisario Soares de Souza.
Companhia
Convida-se aos senhores accionistas desta com-
panbia a se reunirem em assembla geral ordinaria
aomeio diado 1 de Julbo prximo vindouro, como
determina o art. 26 de nossos estatutos, n sede
social ru"> do Imperador n. 71, pavimento terreo.
Escriptorio da ompanhia do Beberibe. em 15
de Junho de 1886.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira,
Director gerente.
Jos Eustaquio Ferreira JaCjbioa,
Director secretario.
Juizo dos Ffcitos da
Fazenda Nacional
O Dr. Jos Manoel de Freitas, desembar-
gadorjhonorario, official da Imperial Or-
dem da Rosa e juiz privativo dos faitea
da fazenda d'esta provincia de Pernam-
buco, etc.
Faco saber a todos que o presente edital virem,
ou d'elle noticia tiverem, que pe Dr. procurador
fiscal da Fazenda Nacional me fui requerido, na
execucao de eentenca contra o ex thesoureiro da
estrada de ferro do Recite Garuar e do prolon
garaento da do Recife S. Francisco, Braz Bar-
retto Carneiro Leao, que fosse o mesmo intin ado
por edital, visto acbar-se ausente em lugar nao sa-
bido, para no prazo de 24 horas pagar a quantia
de 32:6664754 de seu alcance, juros e custas, sob
pena de proseguir-se na referida execucao sem ser
elle mais ouvido nem citado.
para o fim requerido maudei passar o pre-
sente, que, iodo por mim assignado, ser affix do
no lugar do costume e publicado pela imprensa.
Dad j c pasaado n'esta cidade do Recife e no
cartorio dos Feitos da Fazenda Nacional, aos 27
de Maio de 1886.
Jos Manoel de Freitas.
EMPREZA DO GiZ
Pede-se aos Sentao
res consummidopes que
queiraiii fazer qualquer
c miunicaco ou recla-
mac >, seja esta feita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
llermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
vntonio da Silva Oli
veira.e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
as Carvalho.
Todos os recibo* dessa
empreza devero ser pas-
sados eiu tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assig lo sem o que
nao teio valor algum.
George Winds or,
Preparados
NA
c
LONDRES
COMERCIO
Boha oa niTi-lal
buco
de Pernam
RECIFE, 19 DE JUNHO ^)E 18Sb.
As tres horas da tarde
Cotace* u fino es
Letras bypotneearias do banco de crdito real de
Pernambuco, a juros de 7 0/0, do valer
de 100* 96JOOO ada urna.
Na hora da uol>
y^ Vendei am-se :
fc 100 letras hypothecarias.
.40 utas idem.
110 ditas dem.
O presidente
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Aleoforado.
RSNDIMENTS PBLICOS
Suda gbral
De 1 a 18
dem da 19
Mes de Junho d 1886
ALFANDEGA
580:3.">5439
24:57lud
Boda povicixl
De 1 a 18
dem de 19
Total
74:524*730
2:201/i7
Oleo de ligado de bacalho e leile
pepitoniNado
Esta preparado to saborosa que urna enan-
ca proniptamente a toma.
O eiv- digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente disfarcar o oleo e as p:ssoas de diges-
tao inais dbil podeui tomar sem recelo.
Peptonoidett deC arne
Uin alimento nifo g. moso composto de consti-
tuintes solidos de leite baui chum gluleu do trigo
(livre de gominaj.
Re; >iniiicinlHdo ni8 convalescencas de qualquer
di enea, uffecco'-s pulmonares, febres, pneumona,
gastritc, dyseuteria e tuda e qualquer debilidad--
seja qual tor a sua Origen.
allinu
Uin extracto concentrado de trigo, avea ceva-
da feriii" rilados.
Valor diastasico 3u veses o seu proprin peso !
O mais rico agente restaurador at boje cunhe
ci.J0, alt mente apreeiavel n ib c-S"s de d. bilidade.
Alimento Souluvel de carnlck liara
cilnnraa
A analyse des te alimento demonstra que os seus
C -tiiuintes nutr.ctivos s o qun.-i idrnticos com o
leite materno, por isto o alimento mais aperfei-
eeado pura crianza.
Foruecem amostras gratis aes Srs. mdicos.
Deposito ra do Barilo da Victori n. 48
Cha preto
As qtialidadrs mc-
lbores emais escolhi-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 ra do
Baro da Victoria.
Rccebeu de impor-
taco directa e vende
inais barato do que em
outra qualquer parte.
Tamben, vendemos
em eaixas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.
THEATRO
DE
EMPRESA
'BRAGA JNIOR & G.
COMPANHIA
qilll
paite o memo artista
ac.'riz portuguesa
e a prime ira
Domingo, 20 de Junlio
Ultima representadlo da celebre pe?a ru 4 ac-
tos, de V. Sardou, e que tanto agradou na sua pri-
meira exhibico, intitulada.
FEBORA
O papel de Princesa Fedora desempenhado
pila 1 actriz liiicinda Puitadu C''lho; o de Loris
Ipanoff pelo artista Furtado Coelho, creadores dos
mesmos papis.
Toma parle loda a companhia
Mise en-sceao do artista Furtado Coelho.
Sccnarios e accessorios foram f itos expressi-
meote para esta peca era Paris, em tudo igual a^>8
do theatru Vau le vi lie, onde a eca foi pela pri-
imira ves represeatada.
Knc.inin iidas a meio dia.
O bilhetereiro abre s 10 hoias da xuiiliii.
Comedir H II horas
Bacaaaooau O* 1 a 18
U>i:ij da 19
CoiBCLADO Paovnicut, Do 1 a 18
dem de 19
Bvcira deatkaobDe 1 a 18
dem de 19
Patacho alleinilo Adler, eutr ido de Ge-
nova, na raesma data e consignado a H.
Burle & C, rniinif'-bt ni :
Azeite 40 eaixas a F. M. da Silva cV
C, 37 ordem.
Alfazema 10 saceos aos consignatarios.
Alpiste 40 saceos aos mesmos, 10 a F.
M. da Silva & C, 15 ordem.
Drogas 3 volumes .. Brtholomeu & C,
1 aos consignatarios, 2 ordem.
Enxofre 150 eaixas ordem, 800 a F.
M. da Silva C, 50 a Prente Vianna
&C.
Fios de lioho 3 eaixas a F. Manoel da
Silva & C. r
Gouiiiia arbica 1 caixa a Banholomeu
& C. Dita lacea 6 barricas aos consigna-
tarios.
Lithograpbia 1 caixa a II. Stulzenb* k
& O.
Liuhaca 4 barricas aos consignatarios.
Li-oris 100 eaixas ordem.
Massas alimenticias )O ceixas aos con-
signatarios, 536 ordem.
Pedra pome 4 barricas aos consignata-
rios.
Piano 4 caixS.-s a H. Vogeley.
Pimenta 10 saceos aos consignatarios.
Pedra raarmore 215 ordem.
604:8f>24542 Pap'd 4 eaixas a Prente Vianna & C,
2 ordem. Dito e envelopes 29 eaixas a
H. S:olzenback.
Taboa de marmore 12 eaixas a A- D.
Carneiro Vianna.
Vermuth 25 csix-is aos consignatarios,
40 ordei' .
Vinho '> eaixas aos consignatarios, 2
a F. Manoel da Silva C, 5 g.irraf<5es a
Flix BeUe& C.
Ter^a-feira, 22 do correnta
Ultima representacao da primorosa peja era 5
actos, de A. Dumxs Fi bo, intitulada :
DEMI-MOiNDE
SEUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia iMieniv Per-
nambacana
Ruado Commercio n. 8
Londou and Hrasllian ank
Limited
Ruii do Commercio n. 32
S.-icca por todos os vapores sobre as o
xas do mesmo anco em Portug il, sendo
-ni Lisboa, ra dos Capellistas n 76 N
l'orto, ra dos luglcze*.
COMPAHHIA
Imperial
DE
SKfcJl.RO CONTRA FOGO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixat
Prompto pagamento de prejuizo
CAPITAL
Rs. lG,000:00000o
Agentes
BROVVNS & C.
N. Ra do Commercio N. 5
Gompauhia de Seguros
martimos e terrestres
Ustahelccida em 1 >>
CAPITAL 1,000:0001
SINISTItOS PAGOS
Ate 31 de dezembro de 8H4
Hariraos..... 1,0:000000
Terrestres,.- 316:000(000
4 4 IIua do Commereio

AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RUA DO BOM JESS-N. 7
('(uro martimo* e lerreatren
Nenies ltimos a nica companhia nesta praga
que concede aos Srs. segurad' s isempyao de paga
incuto de pr.oiio em cada seriino auno, o qne
equivale t d "oto de cerca de 15 por cento eai
favor dos Ei_ Std/H
Manta Casa da .Misericordia do
Keelfe
Arrenda se por muitu barato preco, o.srmazem,
1" *2' andares d> (-redio n 21 rua do Vr-conde
de Itapanca, oulr'ora do Apodo, com excellentes
eeontnodacoef parafiunili, leudo o 2' andar um
buin terrado e 8 tito ; ai riuilii-ae separadamente.
O armazem prcatn-se p.ra dipisito de asauciir,
barriqi.....< ou ontr> qwdqMer in-_-oeio que de-
mande gandes accomiBodaco -s ; dii idese ./ mes
ni riiiazi-iii. rrniaL;do-SH aind* isaitn don bons
armatens, &.m frontes para o caca do Apollo e
rua do mesin i w me.
Os pretendentfs poderSo examinar dito predio,
que se atba em reparo, (rataadu sobre o sen ar-
rt ii Jmenlo na seciotarii desta sanji casa.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 29 de Maio de 1886.
O escrivao,
Pedro lio lrigucs de Souza
Tcrf a-feira, 22 de Junho
TJISTXG.A.
SUMPTUOSA
variada
kE PR E E X T A ,' A O
de
GllANDE XOVIDADE
xysscxGJ^
SORPRENDENTE
misteriosa
111: i ii i; iBSf % v i o
RANDE CL'KIUSIDADE
0 paquete Tagus
esperado
do sal no dia 29 de
crrente seguinlo
depois da demora
necessaria para
Lisboa e Soulhampton
fara passagens, fretes, etc., tracta-se com i
CONSIGNATARIOS
Adamson Howic & C.
CIAKIiElRS REUNS
Companhia Fraoceza de sv'e^a-
eo a Vapor
Linli quinzenal entre o Havre, Lis
90a, Pernambuco, Baha, Rio de Japeiro e
Santos
Steamer Vllie je Finulito
K' esperado da hur-pa at
a da 0 Junbo, se-
guuido depois da inJispen-
sav" demora para a Ba-
ha. Hlo le Janeiro
e HacifoK.
Roga-sc aos Srs. importadores de carga p'los
vapores desta linha,quciraro apresentar dentro da 6
das a contar do da descarga das alvareng. Mi-
quer reclama^o concernente a volumes, que po-
veutura tenham seguido para os portos do sul.afim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido prase a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageiro9 para
is quaes tem xcellent.es accomoUacoes.
Augusto F. de Oiveira&t
42 RUA
DO OOMMERHIO -42
Explendido espectculo pelo celebre illusionish de hiriz Dr.
FAURE NICOLAY
que tem ohlido compelo siiccesso nos priiuipaes lhealros do mundo.
1.a Parte (uvertura pela rchestra)
A HORi DE MGICA E "
DE
scenas
CONTRA FOGu
lie Liverpool & London k (M
INSURANCE COMPANY
R & C.
76:725*902
67 7:618*444
20:258*189
805*803
21:063*992
73:097*758
4:469/373
77:567*131
7:905*099
304*891
8:219*990
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Vapor inglez Lcnurz, entrado de New-
Port em 18 do cor rente e consignado a J.
Pater 4 0,, manifestn :
Car vio de pedra, 1,400 toneladas or
dem.
DEPAOIIUS DE EXPOTACO
Em 18 de Junbo de 1886
rara o exterior
No rapor allemao Hamburgo. carregaram :
Para Hamburgo, H. Nuesch 6 C. 433 couros
salgados com 5,l!>6 kM.
Nc' vapor francez Ville de Macei, carrega-
ram :
Para 3 Havre, A. Lsbille 800 coures salgados
com 16,XW kilos ; J. Kmuse 6 C. 2 caixus com
60 kilos de casco de tartaruga.
Hura Paris, Dr. S. A. Ooocalves 1 barril com
40 litros de aguirdcu'e.
ara o Interior
Ni, barca nacional liara Angelina, carro-
gou :
'Para o Rio Grande do Sul, 8. 6. Brito 618
cas com 58,740 kilos de assuear branco e 78
j com 8,5.<> ditos de dito msseavad.>.
j dUa.'i
N lugar dinamarqnec Barto, carregar m
Para Pealas, Maia & R-zende 325 volumes
com 3(1,025 kilos de assuear branco e 7 barricas
com 7,923 ditos de dito mascavado ; T. d" Aze-
vedo Souza 360 barricas com 33.070 kilos de
assuear branco e 40 ditas com 4,400 ditos de dito
mascavado.
No vapor fr>.cez Ville de rernsmbuco, car-
regaram :
Har Suntos, P. Carneiro 4 C. 1,000 saceos com
60,OJO kilos de aaanear brnco.
Para o Kio de Jam-iro, P. Carneiro & C. 650
sacc-as com 41,173 kilos de algodo.
No vp ir nacional M. de Caxias, carrega-
ram :
Para Penedo, H. A. Snna Jfc C. 6 barricas com
360 kilos de aesucar rtfiuado ; F A. Lebre 4
barricas com 210 kilos de assuear refinado.
No vapor nacional far, carregaram :
Para Maranho, S. Guimaraes & C. 15 duzias
de vassnaras de pxlba.
No hiate nacional Aurora 2*, carregou :
Par* Maci. A. It. Br->co H0 saceos com fa-
riuba de maudioea.
Para Mossero, J. Gamillo 4 barricas com 145
kilos de assuear mascavado.
Na barcaca Augusta de Lima, carregaram :
Para a Cidade do Passo, J. Guimares 10 meios
de 8la ; H. Amorim 1 barrica com 60 kilos de
a tu;.. mascav.. do.
MOVIMENTO DO PORTO
Navio entrado no dia 19
Cear por escala6 1/2 (lias, vapor na-
cional Pirapama, de 360 toneladas,
< oramandant'- Fr^n^isco Carvalho & C,
equipagern 30, carga varios gneros ; a
Companhia Pernambucana.
Navios sahidos no mermo dia
Havre p^r escalaVap-ir francez Ville de
Maceit coiumandante Panchevre, carga
varios gneros.
barbadosBurea franceza Louise et Marie,
capitao Leraerbifrt, em lastro.
Barba dos Lugar norueguense Christin
Elizabt^ capit2o J. L. Thossen, em las-
tro.
HullLugar sneco Atle, capitao O. Linds
tone, carga carocos de algodSo.
VAPORES ESPERADOS
Multiilade He apparicoes de di-sapjiarii,e8 curiosissiiiiaB seiu apparato
liuinoristia e experiencias nada parcci.ias com as at boje apresentaiins e que t-m
valido ao Dr. NICOLAY mnil.is cartas de tuficit&yao dos p.rsonag.ns inais notaveis
do muirlo e Hos nonarchas Ha Europa o do Brasil.
2.a Parte (Syniplionia pela rchestra)
Sesslo Mgica d$ Buhar
Q;ic ter grandes adrativos tanto para senboras como para
t-avalheros
Uultidlo de novas carambolas Ha muior diffieuldade ogadas com o taco e cora
os d"d"s lOO carambolas cXKCtN8 em 5 ininuos: As bolas carainbolarao sosi-
nlias tres minutos Partida sem igual denominada Japonesa, lando de partido ao
inaior jogaduT 49 era 50, ou 99 em 100 caramooUs, etc., etc.
Ex.
3. Parte (Fantasa pela orchestra)
x As Mesas Volantes e as Rolares dos Chapeos
os espectadores poderSo executnr
todos
vez no Brasil Grande curiosidade
Cora a expli.acao ao publico de m'd> que
ama mesmos experiencias sem diffieuldade.
\ MOCA CORTADA PELO. MEIO
Alta r:ovd.vlo aprt-itcnUda pela primeira vez no Brasil Grandi
da epccia 1 !
As 8 t/t horas.
Camarotes de 1.a ordem........ 10(5000
Dito de frisa........... 80000
Citiciras de 1." classe (varandas)...... 20O Kntrada g^ral........... 1>000
Os bilhetes desde j soluta se ven la as casas de Mmoel J. de Miranda, rua
Duqu* dV llaxiaa n. 39 ; Charos Plnyn & C rua do Cormereio n. 24 -Recife e no
Theatro 4c Variedades.
HI- O. Estti espectculo, completamente excepcional, dedicado a todos e a
coda urna das cbisseS ssciaes ; aos hoiuens de scicncia, na parte physica e psycholo-
gira sasftii <1 billiar ; ao bello sexo, na esthfetica; emtiin, quelles que desejam
ccnvcnce/-se de alguns phenou.enos que tendera a levantar urna das poetas do veo
que cOibr* airula certoo myaterioa da natureza.
/ hV t;.njb-in Oro. espectculo dos mais recreativos e instructivos para todos.
(OMPAXHIE DEN nEKWAvK
RE HARITinEK
LINHA MENSAL
0 paquete Congo
C ommanriantc Groii
E' esperado dos portos do
sul at o din 25 do corrente,
segnindo, depois da demora
do costuim1, para Bordeaux,
tocando i-m
Dakar, Lisboa e Vigo
Lembra-SR i o senhores passageiros de todas
as classes quR lia lugares ri-servados para esta
agencia, que p^idcm tomar em qualquer tempo.
Faz-se abarunento de 15 % i-m favor das fa-
milias cmiposta d* 4 ptssovs ko nv-nes 8 que pa-
gareo 4 pas.'agens intriras.
Por exc-p^ao os criados de familias que toma-
ri'in bilhetes de proa, gosain tambem d'este abati-
nento.
Os vales postaes s se da at e dia 23 pages
ile cuitado.
Para carga, passagens, eDCommcndw s e dinheir >
a frote: tracta-se com o agente
4uguste Lalillc
9 RUA DO COMMERCIO-9
MARTIMOS
rima] SUles & Brasil Xail S. S. C.
O vapor Colorado
Ashadale de Cardiff
Godrevy de Liverpool
Ville de Pernambuco do IJavre
Galicia
Cear
Marintr
Colorado
Neva
Congo .
Mando
Advance
Tagus
Amatonetue
do tul
do norte
ele Liverpool
ro sul
da Europa
do tal
do ul
do norte
o sul
Julbo
de New-Y,:k
boje
hoje
hoje
a 22
a 23
a 23
a 24
a 24
a 25
a 27
a 28
a 29
a 3
E' esperado dos portos do
sul at o dia 24 de Junho
depois da demora necessaria
seguir para
Hara.nb.3o, Para, Barbados, S.
Thomaz e New-York
Para carga, passagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se com os
AGENTES
O
vapo
r Advance
Comps-la llra.< ileira ale \aTe-
(aeoa Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Cear,
Commandante o 1.' tenente Guilherme Pa-
checo
E' esperado dos portos do
norte at o dia 23 de Junho
e depois da demora in
dispensavel, seguir para
os portos do sul inclusive o
da Victoria. Recebe tam-
oem carga para Santos, Pelotas e Rio Grande d >
*>ul, frete mdico.
Para carga, passgens, encommendas e valores,
tratase na agencia
4N. 11 -RUA DO COMMERCIO N. 11.
Vlll*Mllt l'tiriMHiiltlW
DE
^avesaco Cosateira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Pnrahybu, Natal, Macu, Mossor, Ara
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
Segu no dia 22 de
Junho, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 21.
Encommendas passagens e dinheiros afrete a?)
s 3 horas da taide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pertambwviin
n. 12_____________
Pacilc Sieam Navigation Corapany
STRAITS OF MAQELLAN LTNE
Paquete Galicia
Espera-se dos portos
do sul at o dia 22 d
Junhr, segurado pa-
ra a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
em diante seguirem tocaran em
l'hmoiitli. o que facilitar che*
garem os passageiros com mais
brevidade a Londres.
Haver tambem abatimento no preco das pas-
sagens.
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
ue com os
AGENTES
Wllson Sons tfc .. Limited
N. 14- RUA DO COMMERCIO N. 14
Terca-feira 22 deve ter lugar o leilao demo-
veis, loucas, vidros, taboas, portas, caixilios e car
ros de mao no armazi-in da rua do Imperador t
39.
Em continuayao e 1 hora da tarde leilao das
dividas da roassa fallida de Persira de Siqueira
&C.
Quarta-feira 23, o dos movis e mais objec-
tos da casa emque mnram o Sr. Alian F. Dutton,
a rua da Aurora n. 39 2* andar.
Leilao
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 28 de Junho
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Babia e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com oa
AGENTE
Henry Forster & C.
N. 8 RUADO COMMERCIO. -N. 8.
1- andar
Lisboa e Porto
Segu com brevidade o patacho portugus Dous
Irm&os. para o resto da caray; trata-se com Silva
Quimares & C, nni de Commercio n. 5.
Para Maranho
Recebo earga e possageiros para o porto cima
a barca portuguesa Vasco da Gama ; a tratar
com os consignatarios Jn* da Silva Loyo
Filbo. ,
BOYAL IAIL STEAM PACIET
C01PASY
0 paquete Neva
E' esperado da Europa no dia
24 do corrente, seguindo
depois da demora necessa
ra para
Baha, Rio de Janeiro, Monte-
video e Buenos iyres
Este vapor traz simplesmente
passageiros e malas e immedia-
tamente segura depois do desem-
barque dos mesmos.
De 5o saceos com gergelim ava-
riados, marca a?. I- d C, pro
prio para oleo
Segunda-teira 21 do corrente
A's 11 horas
Rua do Vigario n. 1
O agente Burlamaqui, competentemente autori -
sado, levar a leilao 50 saceos com gcrgelim a va-
ris do, proprio para fabrica de oleo, descarrega-
do de bordo do vapor nacional Espirito Santo,
chegado dos portos do Norte, e por conta e risco
de quem pertencer.
Leilao
Dos restos de miudezas, panno fino para capot? e
eaixas com vidro, existentes na loja Boa Fama n.
77 A i rua Duque de Caxiaa.
Segunda-teira 21 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVENCAO DO AGENTE
Gusmo
Leilao
-* .-*
utna i
D t M < V 12 I H
O agente Britto, autorisado pela Exma. Sra.
D. Maria Jooqaina d'Assumpcao, viuva do Sr.
Aprigio Jos da Silv, veuder em leilao o te-
guinte: Urna mobilia de faia envernisada de
preto com palba no encost, 1 sof, 2 consolos, com
pedra, 2 cadeiras de braco, 2 de balanco e 8 de
guarnicao, 1 mesa elstica de 5 taboas, 1 anarda-
louca, 2 apparadores, 1 marquesao, 1 cama franexa
de amarello envernisada de preto, 1 cama froneeza
de amarello, 1 grande commoda de amarello, 1 eape-
Iho, 6 cadeiras de Jacaranda, 2 mesas para jogo, 1
gamao com pedras e dados de marfim, 1 lavatorio
ti
i





1
\
^
Diario de PcrnambucoDomingo 30 de Junho de 1886
de amarello, cabides, 12 garrafas de vidro doura-
das, copos, facas, jarros, caadieiros de kerosene e
outros objectos.
Segunda felra, 1 do correte
A's 10 1J2 horas
Ra da Pal mi n. 84_________
Leilao
Do urna cas terrea sita ra do Pharol n. 6,
ore porta e janella. 2 salas, 2 quartos, cosinha
fra e quintal murado, rendendo 18* mensaes.
Urna dita n. 4, uu Decco do Quiabo, freguezia
da Boa-Vista, com porU o jandla, 2 salas, 2
quartos, cosinha fra, quintal murado e ca-
cimba.
Urna dita i a ru* Velha de Santa Rita n. 58,
cora porta e janella, 2 quartos e quintal mu-
rado.
Terca-feira 22 do corrente
A'S i 1 HORaS
POR INTERVENCO DO AGliNTE
Alfredo ihmarcs
Bn ana agenda ra do lloui
lesas n 15
Eui contiiur,ci vender o mesmo agente 8 sa-
ncfia de uegueira, garrafa compoteiras, fructei-
rns a ir.uiUs outros artigos.
Leilao
Leilao
De movis, lcuca, vidros, portas, caxilhos,
grades e carros de mi
A' ssber :
Um piano de armaric, 1 mobilia de carvalho,
j..rro; para fl res, 2cadeiras de bataneo, candieiros
gaz e quadros.
Uina secretaria e 1 estante envidracada.
Uina cama, 1 toiiet, 1 lavatorio, 1 guarda ves-
tidos, 1 mesa e cadeira tudo igual de fiia, i ct-
bde, 1 uarda-roupa de amarello, 2 camas para
meninos. 1 cama de ferro com lustre de rame.
Urna mesa elstica, 1 guarda-louca, 1 apara-
dor, 2 commoda?, z mesas, louca pora cha e jan-
tir, e^pos, calic-s, garrafas, cadeira e carrinho
para monioo, cadeiras de guarnicao, vinhos, 1 re
logio, e outros movis.
Dous carros de mSo novos, portas, janellas e ca-
xhos.
Tapetes, i ir ros de sala e quartos.
Tt i-iyi feira 22 d O ag-ente Pin*o
No arraazem do sobrtdo,darua do Imperador n. 39
Principiar s 10 e 1/2 horas.
Leilao
D ouro, prata e livros da religio
Agente Brillo
i > arente cima, a mandado do Illm. xm. Sr-
Dr. jii's de direito de orphaos e ausentes, e a re-
queruiiriito do Illm. Dr. curador levara a leilao
0 seguinte :
1 Piano quasi novo, 1 mobi'ia de Jacaranda jom
1 sof, 1 jardineira, 2 consolos com pedra, 4 ca-
deiras de hruco e 18 de guarnicao, urna mobilia
de junco pn'to, 1 mesa para jantar, 1 estante para
obrtis, 2 sofs, 2 consolos, 2 cadeiras de bracos,
um manpi i>, 1 quartinheiro, 1 cabide columna,
1 dito de parr.de, 2 mesas para jogo, 10 cadeiras
de guarnicao 2 meias commodas tudo de amarello,
2 pares de jarros, 3 candieiros para kerosene,
louca. copos, facas, livros e obras de ouro e prata
perti'ucentes ao espolio do padre Antonio de Mello
Albuquerque.
TfcRCA FEIRA 22 DO CORRENTE
As lo e me i a horas
Una do Padre Nobrega, outr'ora ra do Alecrim
n. _22._______________________________________
Agente Pestaa
Leilao
Dos movis, lou9a, vidros, piano e o pro
dio onde se acham os ditos movis, no
caos do C'pibaribe, ra da Ponte Velha
n. 3.
Terca feira, do corrente
A's 11 horas em ponto
O agente Pestaa, competent*mente autarisado
pelo Sr. Antonio Perreira de ( arvalho Jnior, que
se retira com sua Exma. familia para o Rio de Ja-
neiro vender 4 importante casa terrea com 2 salas,
4 quaros, saleta de engommado, cosinha, quarte
para criados, idem com banheiro, agua e gaz,
quintal com cacimba, ra da Ponte Velha n. 3,
livre e degmbaracada de todo e qualquer onus,
rendendo 600*000.
Em continuacao vender 1 piano de Blondel, 1
mobilia de Jacaranda com pedra, 1 dita de faia. 1
cama de Jacaranda, 1 dita de amarello, 1 mar-
qnezo para solteiro, 1 guarda-vestido, 1 cmoda,
1 cabide, 1 mesa elstica de 4 taboas, 1 guarda-
lou;a, 1 dito para pratos, 8 jarrros de Bacarat,
12 cadeiras avulsas, 2 ditas de balanco, 1 cama
para menino, 1 barco, 1 relogio, 2 quadros, ma-
chinas para costura, 1 sof de Jacaranda, 1 appa
relho para jantar, 1 dito para clmoco e outros
muitos objectos que estarao patentes, a vontade
dos Srs. compradores_____________ _________
Leilao
Das dividas da massa fallida de Pereira
ae Siqueira & C. na importancia de
3:940*180.
Terca feira, 99 do crtente
A' 1 hora ca tarde
Xo armazem ra do Imperador n. 39
0 agente de leiles Pinto levar cm leilao por
mandado e em presenca do Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio em virtud* do requerimento
do Dr. curador fiscal da masaa fall la de Pereira
de Siqueira & C, das dividas activas da referida
massa, na importancia de 3:940*180 constantes
da nota existente no escriptorio do mesmo agente
- ra do Bora Jess n. 43.
Em contlnuaco
urna casa de pedra e cal ra Direita dos Afo-
gados n. 38, com duas salas, 3 quartos, cosinha
fra, quintal murado e urna armacao para taverna
em bom estado, existente na mesma ; rende 200 j-
Um sitio e casa grande de taipa no becco do
fundi, em Beberibe.
in terreno n'Agua-Fria, em Beberibe, ra
de Santo Antonio.
------------^
Leilao
De bons movis, louca, vidros, t&lheres,
um cofre prova de fogo e urna car-
teira
SENDO :
Urna linda mobilia de junco, com muito pouco
uso, composta de 12 cadeiras de guarnco, 2 ditas
de bracos, 2 ditas de balanco, 1 sof e 2 consolos,
com tampo de pedra marmore, 2 pares de lanter-
naa de vidros, 1 dito de metal para estado, 1 par
de jarros, 3 escarradeiras, 1 tapete para sof, 1
dito para cama, 6 ditos para portas, 1 candiciro
de gaz, 1 cama franceza com cortinado e colijo,
1 toiiet, 1 columna com tampo Je pedra, 1 lava-
torio de amarello, 2 meias commodas de amarello,
1 guarnicao para lavatorio, 1 lbum, 1 tocador de
Jacaranda, 1 cabide de columna, 1 dito ae paride,
1 marquezAo moderno e 1 cama de ferro.
Um cofre a prova de fogo, 1 banco paia o mes
no. 1 carteira de amarello, 1 mocho para carteira,
1 copiador de cartas e 1 revolver.
Urna mesa elstica de amarello, 1 guarda-louca,
2 aparadores, 1 quartinheira, 12 cadeiras de jun-
co, 1 relogio de pareJe, 1 mesa de cosinha, 1 la-
vatorio de ferro, 1 baca, 1 jarro, 1 bandeja. 1
meio apparelho de louca para jantar, dito para al-
noco, fructeiras de porcelana, compoteiras, garra-
fas para vi nb o, copos,'clices, talheies grandes e
pequeos, colheres de metal para sopa e para cha,
concha para sopa, eolher para arroz, ferro de abrir
latas, 1 moinho para ca: e um trem de cosinha.
Terca feira 29 do corrente
A's 11 horas
No 1* andar do sobrado de azulejo ra do E n-
gel n. 48
Manoel Tavares da Costa Rrbciro, tendo de fa-
zer orna viagem a Europa com sua familia, far
leilao por intervenco do agente Mart.ns, dos mo-
vis da casa de ana residencia, os quae se toniam
recommendaveis pelo pouco uso que tiveram.
. __ h0 sel* oirado le a>u Ie-
* wmm Jo. B. 48.
De urna mobilia de junco com 1 sof, 2 conso-
los, 2 cadeiras de bracos e 12 de guarnicao, 2
mesas redondas, 1 mesa para escrever, jarros para
llores, e diversos quadros.
Uina mobilia de amarello eom 1 sota, 2 conso-
iOs, 2 endeiras de bracos e 6 do guarnicao, 1 mesa
quadrada, candieiros a gnz, c tapetes.
Uma mesa de jantar, I apparador com pedra, 1
guarda-comida, 1 quartinbeim, 12 cadeiras, relo-
gio de parede, tapete de c6eo f rro de sala, louca
para cha e jautar, copos, clices, talheres, jsrras,
quartinhas, ffandres, mesas, trem de cezinha, e
vinhos.
Um guarda-rjupa, 1 guare a-vestido, 2 commo-
das, 2 lavatorios, 1 espelho, 1 relogio, 1 tuiletj 1
eama de ferro grande, 2 marquetas, e muitos ou-
tros movis de casa de familia.
loarla feira 93 de Junho
>o segundo andar do sobrado da ra da Au-
rora n 39
Alian F.Duttan, tendo de faz<>r um viagem
Europ*, fa leilao por iutervenco do agente Pin-
to, doo movis e mais objeutos da cusa em que
residi, ra da Aurora n
O leilao principiar s 10 1/2 horas.
Hits (i SBecorro de Prmica
Leilao de joias
O conselho fiscal attendeno no s ao pedi-
do para ser transferido, de 8 do corrente para 6
de Julho vindouro, o anunciado leilao, como por
haver grande numero de cntelas em ser, e nSo
eonvir aos interesses do estabileeimento edos mu-
tuarios submettel-as venda, taz agora publico
que no referido dia 6 de Julho se effectuar im-
preteiivelmente o leilao as 11 horas da manha.
Estuia exposi(;ao tres diasantes.
10.070 Uma salva nitavada e tres colheres para
sopa, peixe e arroz, prata do lei.
10.116 Um annel de ouro, cora brilhantas.
10.118 Dezenove colheres, prata de lei.
10.136 Um par de rosetas de ouro com brilhan-
tes.
10.137 Um annel de ouro com brilhante.
10.784 Duas salvas de prnta de lei, 25 colheres,
12 garios, 12 cabos para tacas e um pale-
tero de prata.
10.786 Uma salva e duas colheres, prata de lei.
10.8u7 Um annel com brilhante e cinco botoes de
ouro.
10.811 Uma corrente e medalha para relogio e um
relogio, ouro de lei.
10.817 Dous pares de brincos, dous broches, um
annel de ouro com um pequeo brilhante
e um trancilim, ouro de lei.
10.829 Um par de rosetas de ouro com bi litantes,
uma pulceira, um alete, um par de brin-
cos com perolas, nma medalha, um annel,
seis botoes e uma fivella, ouro de lei.
10 831 Duas pu ceiras, um broche com ooral, uma
volta de traneelim com perolas, um annel
e uma corrente, para relogio, curo de lei.
10.839 Um par de brincos de ouro eom pequeo
brilhante, uma par de rosetas e um tran-
celn), ouro de le.
10.841 Uma pulceira, um broche e um trancelim,
ouro de lei, um trancelim, ouro baixo.
10.842 Um broche de ouro com perolas, uma pul-
ceira e nma corrente, para relogio, ouro de
lei; um alfinete eravejado de diamantes.
10.843 Um trancelim e dous anneis, ouro de lei.
10.846 Um par de rosetas de ouro com diamantes
um par de brincos, uma pulseira, um tran-
celim e uma medalha, ouro de lei; urna ti
jella, prata de lei ; uma salva e um copo,
prata baixa.
10.855 Uma corrente e medalha para relogio, Gu-
r de lei.
10.869 Urna corrente para relogio, um trancelim,
um broch ', uina luneta e uea relogio, ouro
de lei.
10.887 Uma cor ente e medalha, para relogio, ou
ro de lei.
10.889 Uina p.ilseira, um trancelim, qnatro an-
neis e uma moedinha, ouro de le.
10.891 Um broche com balitante e diamantes
10.905 Tres correntes e uma medalba para re-
logii, r.uro de lei.
10.910 Uma corrente e medalha para relogio, e
um trancelim, ouro de lei.
10.914 Uma pulceira de ouro com hrilhantes.
10.922 Uma corrente para relogio, um resplando
cinco coras para imageas e um relogi
pequeo, uro de lei.
10.930 Dois anneis de ouro com brilhanles, uma
volta de ouro com medalha, um trancelim,
urna moedinha, duas medalhas, dois pares
re brincos e um relogio, ouro de lei.
10.940 Uma corrente para relogio, ouro Je lei;
um relogio de ouro.
10.942 Dezenove colheres e um par de fivellas de
prata.
10.943 Um par de rosetas de ouro com dous bri-
Ibantes, uma pulseira e um par de botoes,
ouro de lei.
10.974 Urna corrente para relogio, um trancelim e
um medalha, ouro de lei.
10.997 Um relogio, ourn de lei.
11.006 Um par de rosetas de ouro eom brilhan-
les.
11 015 Um tranceln, our de lei, uma pulseira,
oaro de lei.
11.022 Uma pulseira, uro de lei.
11.032 Uma crreme e sinite, para relegio, ouro
de lei.
11.06! Um par de ros:as de ouro com pequeos
brilhautcs, uma volta de ouro e uma me-
dalba, ouro de lei.
II .062 Um par de rosetas de ouro com brilhante.3,
um annel com dito e rubine. um alfinete,
dois botoes e um relogio, ouro de lei ; um
alfinete da ouro com brilbantes, do8 pares
de rottas cmvejado de ditos, um annel a
uma cruz cora ditos, un fio de pirlas, um
trancelim, um collar e uma cerrente, r.uro
de lei ; dois cordoes, nma cruz, um cora-
co em ouro, ouro baixn.
11.068 Uma corrente para relogio e uma meda-
lha, ouro de lei.
11.092 Um par de brincos de ouro. cont ido bri
I ha n tes.
[1.102 Uma corrente para relogio, uma volta de
ouro e um relogio para senbora ; ouro de
lei.
11.117 Um ann-1 de ouro com um brilhante.
11.118 Uma correte para relogio e um relogio,
ouro de le.
11.128 Seis'Castlvaes pequeos, prata baixa.
11.129 Um annel de ouro com brilhante.
11.138 Urna pulceira de ouro.
11.139 Um relogio, ouro de lei.
11.146 Urna medalha, uma volta de cordao, dois
anneis, duas pefas para pulseira e -ma te-
t a de ouro.
11.151 Duas pulceirs8, tim par de brincos, um dito
de botoes e duis anneis, ouro de le.
11.177 Uma corrente c medalba para relogio e
um par de brincos, ouro de lei ; nm i pul-
seira, ouro de lei.
11.192 Un pulseira, um tranccm, uin-meda-
lbao, um broche, quitr.i icoediuhas de ou-
ro em bolo s, ouro de lei.
11.493 Um trancelim, um par do brincse uma
pequeoa te'a. ouro de lei ; um broch1', mn
par de botoes o um annel, onro baxo.
11.198 Uin relogio, ouro de lei.
11.210 Um r. logK, ouro de le.
11.212 Um alliuete de ouro com brilbantes e pe-
ndas, ouro de I. i.
11.216 Duas crenles e uma medalha, ouro de
11.212'Uio annel de ouro com brilhaute, uma cor-
rente e medalba para relogio, ouro de
lei.
11.247 Urna m .edinha Je ouro com' la^o de our,
dous pares de brincos, ura dito lie botoes e
tres anneis ouro de lei; um alfinete, um
cjida, dous pares de rosetas, urna reteja,
urna figa e tres anneis, ouro baix.
11.250 Um cor II i e uma cruz ouro de lei; um
. i,i ouro baiao.
11.257 U.ii par de brinco CraVfjalkM de brli-.n-
tts em prata
11 860 Uu-.a corren- na para relo-io.ouro
de lei; uma salva dozn e Iheres para
8-p:i.
11.261 Um '
coi dito
cor
11.273 Um reloj.
11.299 Uma pul*
Bel, ouro de i
11.303 Seis botoes, oaro de lei.
11.309 Uma volta de ouro, um cordao, dous an-
neis, uin dedal, ouro de lei.
11."326 Uma pulseira, uma volta de euro e u mpar
de rosetas,ouro del i,
11.330 Um relogio, ouro de Iti.
11.334 Tres pulseiras e duas pesas de brincos,
ouro de ei.
11.352 Uma corda de ouro para imagen), um cor-
dao e um emblema do Espirito-Santo, ouro
de lei.
11.356 Uma orrentc com medalha, oura de lei.
11.377 Um i volta de ouro com medalba pequea,
um alfinete, um kro de nato e um annel,
ouro du lei.
H 384 Um i pulseira, um par de brincos e uma
cruz, ouro de lei.
11.388 Um cordao, um par de rosetas e uma cruz,
ouro do lei.
11.392 Uma torrente para relogio e um par de
brincos, ouro de lei.
11.401 Um relogio, ouro de lei.
11.409 Um relogio, ouro de lei,
1. .419 Uma pulseira, ouro de lei
11.437 Um relogio, ouro de lei.
II .443 Um par de rosetas de ouro era vejadas de
brilhantes e uma corrente para relogio,
ouro de lei.
11.450 Um alfinete e um par de rosetas, ouro de
lei; uma salva, prata de lei ; e doze co-
lheres, prata baixa.
11.454 Um Ufo de ouro eravejado de diam-intes
e duas pulseiras, ouro de lei.
11.472 Um relogio, ouro de lei
11.475 Um alfinete de ouro com brilhantes.
11.497 Sete colheres de prata.
11.511 Um cordao, uma moedinha de ouro com
laco, uma moedinha de valor de 5 e um
annel, ouro de lei.
11.513 Ura cordao, ouro de lei.
11.521 Um annel de ouro com um brilhante e uma
pulseira, ouro de lei.
11.523 Urna corrente e medalha pata relogio, ouro
de lei.
11.514 Um par de rosetas de ouro cent pequeos
brilhantes e um annel com numero em cir-
culo.
11.548 Uma corrente para relogio, ouro de lei, um
feixe de ouro baixo.
11.551 Uma salva de prata.
11.552 Uma pulseira, um par de brinesj de ouro
de lei.
11.553 Uma pulseira, um, broche e um par de ro-
seras, ouro de lei.
11.554 Um relogio de ouro de lei.
11.55< Um volta de trancelim, nma cruz, dous
/-ares de brincos pequeos, um dito de ro-
setas, um dito de argoloes, cinco botoes
uma moedinha, dous.pares de colxetes, duas
, pecas de brincos e um annel, de ouro.
11.566 Um annel de ouro com brilhaute.
11.579 Um pac de esporas de prata baixa.
11.589 Um par de rosetas de ouro com brilhantes.
11.590 Um trancelim, uma medalha e um cellar,
ouro de lei.
11.600 Um annel de ouro com brilhantes.
11.601 Uma corrate de ouro para relogio, uma
dita com medalha, ouro e platina, e um
paliteiro de prata de lei.
Recite, 8 de Junho de 1886.
O gerente interino,
Felino D. Ferrara CoeUio.
Ama
Precisa-so de uma para cosinhar : ra do Ba-
rio da Victoria n 57.
.;-.--
Juan
IOS 4:0001000
lina Primeiro de Marro n. 25
O abaixo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 1
quarto n. 2591 com a sorte de 1:000^000,
aim de outras sortes de 320, 160 e 80, da
bteria (59.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem recebe:
na conformidade do costurae sem descont
a (gura.
Achain-se venda os afortunados bi-
lhetes garantidos da 2. parte das loteras
a beneficio da igreja da Conceicao dos Mi-
lagros de Mf.ranguape, (60.a), que se ex-
rabir quarta-feira, 23 do corrente.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
'"m quantidade matar de lo
Intoiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manoel Martin Fvtza.
fl
AVISOS DIVERSOS
Aluga-st- a casa da ra do Coronel Suassu-
na n. 150, com grandes cornados para familia,
quintal grande; a tratar ra DireiU n 106.
Precisa-s alugar uma preta ou um menino
para vender nu roa : a tratar na ra dos Marty-
rios n. 148, 2 aiidar.
Aluga-su o sitio do Pina, com boa casa para
morada, con tendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duas cacimbas com excellen-
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
Aluga-se casas a 8401*0 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S: Goncallo : a tratar na ra da
Imperatriz 1i. 56.
Precisa-se alugar uma preta ou um menino
para vender na ra : a tratar na ra dos Marti-
rios n. 148, 2 andar.
Aluga-se uma casa terrea na ra Lnperia
e o 2* anoar no pateo do Corpo Santo n. 17, com
bons commodos para familia : a tratar no terceiro
andar do mesmo.
Precisa-se de uma cosnheira para casa de
familia ; na ra do Bario da Victoria n. 3, leja
Precisa-s de um criado para casa de fa-
milia ; na ra do Baro da Victoria n. 39, lija.
Aluga-se o 1' an lar e sota da casa ra
Thom de Souza, ontr'ora travessa da Lingoeta
(Recife), com commodos para familia ou para ea-
criptorio ; a tratar na ra do Imperador n. 31,
arraazem do gaz.
Maximino da Silva Qusmilo declara que mu-
dou-se da freguezia de S. Jos para a ireguezia
de Santo Antonio, tua dos ssos n. 21, onde
pie ser procurad:.
^^ Jardn) das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar cora as plantas que es-
tilo em vasos u'este j irdim, vende- se os aapotisei-
res muito grandes, c dando fructo, 2X000, la-
ranjeiras, muito grandes, para enxertar, 6000
a duzia, e sapotiseiros mais pequeos por barito
preco.
ASA FELIZ
4os4:000p00
BHETE* .AlLtVTlIX .
Jra eia ns. 37e 39
O abaixo assignado vendeu entre os seus
t alizos bilhetes garantidos da 59a lotera
a sorte de 1000 em 4 quartos n. 2830,
aim de outras muitas de 320,160 e 80.
Convida os possuidores a virem recebe:
sem descont algum.
Acnam-se a venda os feiizcs bilhetes
garantidos da 60a parte da lotera a beneficio
da igreja da Conceicao dos Milagrea de Ma-
ranguape, que se extn.hir no dia 23 de
Junho.
Precos
Bilheta inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
m porco de 1005000 para
cima
Bilhete inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 08750
Antonio Augusto do Sant Porto.
M^ liliIII lili
os 4:0001000
Ao publico
Hermina de Carvalho Menna da Costa, propie-
taria oa photographia sita ra da Baro da Vi-
ctoria n 14 2. andar, declara para os flus con-
venientes, que desde o dia 6 do corrente deixou
de ser socio da mesma photographia o Sr.jFlosculo
de Magalhes.
Aproveita a occnsio para communtcar a todos
aquel les que se t;em dignado de dispensar-lhe a
sua proteccao n'aqujllo ramo de negocio, que con-
tinua com a referidn photographia, a qual se acha
bje melhorad-i cousideraveluteute nao s quanto
aos msteles te.'haieos d'arte, como tambera qian
to aoa.demaia requisitos essenciaes para nao des
agradar aquellas pBs^oaa que all comparecerem,
dando prov* le desejo de concorrer para o pro-
gresso da industris nacional.
Das Exinag. senhoras nrincip&lraente, espera a
referida propiietaria toda sua valiosissima protec-
cao.
^aroe do sertao
Vendem Cimba limaos & C ra da Madre d;
Deus n. 34 C especial <-m qualidade.
Grande casa terrea com solo
Aluga-se
Tem no andar terreo 6 qurtos, 2 salas, corre-
dor ao lado, no quintal cosinha, boa cacimba,
grande telheiro para animaes, no oito de toda a
casa um terreno todo murado com portAo na fren-
te, pioprio para jardun e horta, tjda a casa
muito ventilad, ra dos Coelhos n. 15, esquina
para o caes de Capiba- ibe tra a se no patea do
Carmo, casa de banhos.
40
Z II
Una do Harn da Victoria n
e casas do costme
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 2.a parte das loteras i
seaecio da igreja da CouceicSo dos Mi la-
gres de Maranguape, (60.a), que se extra-
hir quttrla-feira, 23 do corrento.
Precos
40000
20000
10000
de 1006000 para
cima
30500
10750
0875
K
Inteiro
Meio
Quarto
porco
Inteiro
Meio
Quarte
Joo Joaou'm Costa da Leite.
Maria Lima Pereira do neg
Jos Joaquim Pereira do Reg, ainda sob a
dolorosa impressao do prematuro passamento de
sua joven esposa. Mara Lima Perora do Reg,
vem agradecer a todos os seus prentes e amigos
que acotnpanharam o cadver da mesma senhura
ao seu ultimo jazigo, oedindo-lhes se dignem as-
sistir as missas que amaoh, sfgunda-teira, 21
do corrente, seti.no dia do seu failecimento, man-
da resar no convento dos religiosos franciscanos,
s 7 horas da manha, pelo repouso eterno da fi-
nada.
LOTERI
ALAGOAS -
CORRE NO DIA 22 DE JUNHO
INTRANSFERIVEL! INTBANSPEBWBL! #
O portador que possuii um
vigsimo desta importante lo-
tera est habilitado a tirar___
10:006^000.
Os bilhetes acham-se a' ven-
da na Casa Feliz, praead; In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 22 de Junho
1886, sem falta.
~WMPRE DVLA1.ES
Fazendas finas e modas
2 A-Rua do Cabug-2 B
J. BASTOS & C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphanrs, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, tecido moderaisBimo.
Orlatienne, fazenda nova e padrSes lindissimos.
Venitienne, combinacio de fazonda lisa e lavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de tocias as cores com enfeites de Guipoure.
Plumetie, branco e decores com liados bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimnnto.
Etamioe de cores, desenho novissimo.
Satia double, eci-lo de algodo e modernissirao.
Gase de algodJo, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Legues liiaphanos.
Ditos de se ti id.
Dito3 de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos do seda diaphano, revoluco da grande moda para enfeitar vestido
de sedas.
Chapeos de seda arrendidos, novidade.
Sedas e setios, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira com enfeites de passemanterie e vidrilhos,
guarnilo de renda e franja.
Jersey de 12 com enfeites de peluca e bordados, ojcolhidos sortiroentosd'estes
casacos de malha, que vendemos de 8^000 a 15^000.
Fornecem se as amostras de todos os artigos.
(Telephone n. 559)
Por 15$U00
Aluga-se pira Morada a I j* do sobrado ruii
de Loinai Valentinas n. 50 : a tratar na ra 1?
de Mireon. 7-A, livraria P.rsen'e.
. ir-, ura dito
tina pulseira e uina
lei.
ura an-
Porto Calvo
O Sr. Benvenuto Buarque, para satisfazer sua
promesta e compremisso do dia 15, chamado
ra rio BarSo da Victoria n. 10, leja.
Aluga-se
o sobrado de um andar e sola) ra do Mrquez
do H-rval, travessa do Pociaho n. 33 : a tratar
no largo do Corpo Santo n 4, 1 andar.
Mara Pia Silweira de Albuqner-
que Mella
Francisco Autonio de Albuquerque Mello Filha
e Fr-incisco Antonio de Albuq-ierque Mello, mari-
do e sogro da fallecida Maria Pia Silveira de Al-
baquerque Mello, couvidnu: os seus amigos e pa-
reates assistirem as missas de stimo dia, que
mandara resar na matriz da Boa-Vista, pelas 8
horas da manbS d-> quarta-feira 23 do corrente.
Jo&O Pedro Jr*u da Malta
Io anniversaro
A viuva, filhos e genro (ausentes), convidam
aos seus parentes e amigos do fallecido, para as-
sist-'rem as missas q-'e maodam resar na matriz
da Boa Vista, na quarta-feira 23 do corrente, s
8 horas da manha, e desde j an'ecipam seus
agradecimentos por este seto de n.-ligiao.
' FAZENDAS BARATAS
Na bem condecida lo ja darua Primeiro de
Marf n 20
JUNTO DO LOUVRE
Grande sortimento de madapol3es
7^500 e 8^1000
Algodoes brancos, superiores qualidades, de
6500.
de 4^500, 55, 5,5500, 64, b'4500
U, .4#500, U, 54500, 64 e
Ama
Prccis.-se de uma ama pan cosinhar c om-
pmr : a tratar oa ri a do Bario da Victoria n. 58,
Caixeiro
Preeiaa-se de caixeiro com pratica de molhados
e que d fiador de sua conduct-i : a tratar na ra
da Aurora n. 113.
Mara Pin ilvelra de Albuquerque
Mello
Manoel Joaquim Silveira, Elysio Alberto Silvei-
ra, Pedro de AleiiDtaru Silveira, Paulo Ananias
Silveira, Custodia Manoel Silveira e Henrique da
Gnnha P,-rte, pui, ti \ irma ia e cunta lo U.i fl:iala
Mana Pia S Albuquerque Mello, convi-
dara seus parentes o amisis a assistir ns missas
que por sua lina serio reztdHB na matriz da Boa-
Vista, pelas 8 horas da manha de 23 do corrente,
stima da do seu failecimento.
Saperiores cretones de 320 a 500 o covado.
Batistes, lindro paaroes, a 200 e 320 rs. o covado.
Fust5es brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous paunos a 34 500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrScs, a 34000.
Lenyoes de bramante, de linho de 24 a 44000 a um.
Ditos de a!god2o de 1,800 a 24500.
Toalhas felpudas, de tamanbo regular a 54000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 24000 uma.
Lenjos de algodao dt< 14800 a 24200 a duzia.
D:fos ^e algodo, rom barra, a 24400 a duzia.
U.i pardo, dar o 300, 400 e 700 rs. o covado.
,)i > : :.a,'.io, lo.,., a 14, 14x00 e 14200 o meto.
ri. s i vesti k de i-retone de 204 por 84000.
ii i a iaapos la lih t de 34500 a 64 a duzia.
Graade varedade de anquinhas de 24 a 54000.
Meias cruas para homem a 54, 64, e 74000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 54 a 104000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 24500 o covado.
Algodao-transadc- de duas larguras a 14300 a vara.
Bramante de algodSo, de qnatr largura*, de 14500, 14300 e 24000 a vara
Dito de linho idem idem de 24, 24500 34 e 44000 a vara.
Loques de papel, de lindos d^senhos, de 500, 800 o 14000.
Merino preto e azul a 1440( rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado
Velbutinas de todas as cores a 14000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padroVs, a 600 rs. o covado.
Chales do algodao a 14200, 14400, l^HOO e 2000.
Guarda p de brim de linho pardo a 44, 54 o 6$000.
Oxford p.ra camisas, lindos padr3es, a 2 Costuraes para oanhos de mar a 84 e 104000.
Cortinados brdalos para cama e janellas a 84 104, 12, 14 e 134000 o par,
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadores de campo.
k EncarregamO'DOS tambom 'Te mandar fazer qualquer roupa para homem e
meninos, para o que ternas um hbil oficial o um grande sortimento de pannos, brins,
ca remiras, etc.
Quem precisar de algn artigo bom e barato, dever visitar de preferencia
este antigo e acreditado estabelecim ;ntj.
M Primeiro k Marco 120
I mmH r


6
Diario de PeiruainiMu---Domingo 20 de JuiiIio de 1886
Resaurn America r
Os proprietarios deate modesto estabasecimento
particpalo ao respe.tavel publico que aceitan en-
commendas de bolos para o festejados das de
Santo Antonio, S. Joo, S. Pedro a tsdiw as aao-
tos, e preparam c:ias com todo o esmero e protnp-
tidSo ; assim como recbete pfaioniat in internos
e externos por presos o niaie resumidos
28 Ra Duqe* de Caxie* 28
Renlanraal AJawerta*
a Magdalena
Aluga se ama casa terrea com commodos para
familia, tendo agua e gas encanados, e sitio todo
murado, sita travessa -do Paysanii ; a chave
est n* taverna do Sr. Francisco Braga, roa do
Paysand, esquina da ra do Hospital Portu-
gus-__________
Serrara a vapor
Caes do Capaba ribe n. "
N'esta serrara encontrarao os stnhores fregue-
ses, orn) grande sortjmcato de ptvfco de tesina de
eincoa-dez metros de comprirneuco e de 0,08' a
0,2 de esquadros Garante tr preco mais cmo-
do do que em ostra qualqucr parte.
Fanucisco dos Santos Macedo.
Paga-se muito bem
s'nm eniao are a idade do 17 nonos, livre ou os-
esasro, pura vender ua ra, que d, se for livre,
fiador de sua conducta : a tratar ra do Rosa-
rio da Boa-Vista n. 48.
Pillas purgativas e depurativas
(fe Campanha
latas piladas, cuj.i preparacio purameiite re
getal, teeni sidj por mais de 20 annos aproreitadas
com os melhorcs resultados as seguintes moles-
tias: aft-ccoes da pelle e do figado, sypbihs, bou
boda, escrfulas, thages inveteradas, erysipelaa a
gonorrhas.
Modo de uxal-a*
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 per; dio, i e-
bendo-se apos cada dse da, cha ou caldo.
Coma reguladora : tome-s um pilula ao jantar.
islas piUl'.as,. d*. iuvencao dos pnariuac-uticos
Aisneida Andrade dr. Filhos, teem veriJictum dos
Srs. mdicos para sua melbor garanta, tornndo-
se mais recommendaveis, por screm um seguro
purgativo e de pouca dieta, pido que podem ser
usadas em viagetn.
ACHA.M-SE A' YENDA
7*a drogara de Furia Sobrinlio *. C.
t BA DO JURQCEZ Dg CaLIflM 41
Ama
Pstcisatsa do-.ussi ama para cosinhar, porm
que afirma m. casa : na ra de Riaehuello n. 57,
portio da farro.
Pi'Piiss se de sasa nma. que srja boa cosinbeira :
na ruadoCsbugftn. 16, t> andar.
4ffll
Precisa se de urna ama para tod^ servico de
casa de familia a tratar na ra do Cotovello
uusoero 4S.
Vina
>4i praca. do Conde d'Eu n. 7V 2h andar, preci-
sa-so de urna ama que cosiuhe bem, para cusa de
pequea familia.________
Ama de lcite
ffersce se urna ana aosn cuito buso leite, por
prec > mdico, levando lamb m urna filhnha com
tret mezes de idade ; a tratai na traveasa dos
Expostos n. 2, das 7 horas da mano* a & da
tarde.
RAT/
LAROZE
Xarope ie Casca de Laranja amarga
IODURETO de POTASSIO
aPPROVADO PKLA TONTA DK HTOIBNB DO BRaZIL
ii <
Todo o mundo conhece as proprleda-
des do lolurelo de poLas.sk>. Os mais
distinctos mdicos da Faculdade de medi-
cina de Piris, e orincipaliueule os Srs
Dres Ricord, Blanchb, Thoussbau.
Nblaton, Piorhy, Hoobr, obtinero os
aminores resultados no trotameuto das
aSeccSes escrophulosas, lymphati-
cas. cancrosas, tuberculosas, nos da
carie dos ossos, dos tumores bran-
oos, da papeira ou bocio, das mo-
lestias chronicas da pelle, da agrura
do ungue, doa accidentes (Secunda-
rios e terciarios da ayphilis, eto.
>
Este agente poderoso administrado em
solurno com agua, Lem por inconveniente
o irritar a mucosa do estomago e deter-
minar accessos ga&lralgicos.
Em vista d'islo, os mdicos cima men-
cionados escolhero por excipiente (".'este
famo.--o remedio, o Xarope de casca
de laranja amarga de Laroze, o juai,
por sua acefto lomea sobre os orgaos do
apparelho digestivo, facilita a absorpeo
de iodureLo de potassio, provine qual-
quer irntacao e permitteqo.e se continu
o trai.iiiiL'to sem temor de nenhum
accideoleaL completo resiabelecimento.
Ama
Precisa-ac He nma ama para cosinhar, comprar
e fazer ais aJgu >s jervic&s v casa : a tratar
na ra *> Mrquez Olinda a. 62; loja.________

Precisa-ae de urna asna saaa oosiahar e engomar
esa cusa de pequea familia ; tratar na ra do
Mrquez de Olinda n. 27.
~ % M %
Precisa-so d urna ama para casa de pouca fa-
milia : na ra de Fernaades Vieira n. 24, ta-
verna.
Ama
Precisarse, de ama ama para cosinhar c engom-
mar : na ra da Uniao n. 54.
P.-ecisa-se de orna amn psra cosinhar, lavar e
i DSSSsssga#i para duus lapazes solteiros : a tratar
sa ra da taneratrjs *. 63, taverna.
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de acalho
COM
Hypo)l.os[ihitas de eal c soda
.4pprovada pela lunfa de lly
giene c autorizada pelo
goveroo
E' o nilher res* dio al h> je descobcro para a
liNit'H bronchilew. e<<>i>;:iila. rsi-
cbltiN. anemia, ebill defluxoM. toMxe rtirontra e afferr&ex
do pello e da garganta.
E" muito superior ao oleo simples de figado de
bacalho, porque, lin de ter ch-iro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtude mediciue.es e nu-
tritivas ao oleo, alm das propriedadi-s tnicas
reconstituinti s ds hypophospbtos. A' venda as
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Farfolla Lctea
OE
H. Vcstl
O melbor aumento para criancas de peito, rece
be Jos Antonio dos Sant. a
lo Ra do Marques de Olin ia 15
3Ra 1- de Marco3____
Aviso
Precisa-se de urna profess ra que saba tocar
bem piano e mais trubslhos de seahoni, para en-
genho : a tratar eom o Bario de Nazarotli, ra
do Imperador n. 79, 1' andar.
Amas |>ai\i mhm e en-
Criado
Aluga-se um mulatinho escravo para criado, o
qual sabe fi.zer compras e todi o sei vico de casa,
poi terj 17 anuos, teu> boa conduela e bastan-
te ladino, ir !-:< :ua de S. Joao D. 27
Prepara se lindos bouqnets. assim como aluga- \ .
se arsaaeoes de band>jas ; a tratar na ra de IKl,'j Fl a
Hurtas n. 53, ou na ra do liojerador npinero 31
ou 67.
Na ma do Bemfi-
ea sitio que fica em
frente da Kstrada dos
Remedios, se precisa
de duas amas forras ou
se ra vas, para servido
d eozinba e eng'om-
mado.
Ata
urna grande casa com dnns grandes quintaes e
agoa encanada, a ra Lembranca do Gomes n. 1,
em Santo Amaro : a tratar na ra da Imperatriz
n. 32, 1 andar.______________________
Aluga-se por 2*5$
a grande casa wrrea ra de Luis do Reg n
47-B, com 5 quartos e m>.is um frs, bem concer
tada : a tratar na ra do Marques de Olinda n.
60, ou no Caminho doeo n. 91, padarBi, a chave
para correr, oa taverna junto.
Ahsga-sr barato
A casa n. 96 ra dos Guararapes.
A casa n. 107 da ra Vio onde de Govauna.
A rui L ma- Valentinas n. 4
Cas i ra da Ponte Velba n. 3.
Trapi se.no largo de Corp > Santo 3.19. 1 andar
osinhcira
Precisa-se de mm para osa
de pequea familia, no onteiro:
a tratar na ra da Matriz da Boa-
Ao eoffliBorm
Eu, abaixo assignsd.', d- claro que dissolvi a
sociedhde que tinha na padatia sita i ra de D.
Mara Cesar n 30 coaj q r. Joaqun) Goncalves
Cuelho, sahindo es^e Bago ntegrajmaiite da parte,
que Ihe tocou e despneJ|aJo laquelia aoqiedadp ; e,
o al aixo assignado reaj^nsayel pelo activo e pas-
sivo, isto a contar desde 31 de Maio prximo pas-
sado. Kt cife, 8 de junbo de 1886.
______J-s Mauocl i S.
Para S. Joao
A viuva de Valdivino, da plvora, avisa aos
apreciadores de fogos para os festejos de S JYo,
que tem um completo s< rtim de pictolas de
dnas a cinco bolas e fogu>i.hos para omneas,
assim com matsa para bpseaps, plvora para
estouro. Recebe-S'1 cncommi-ndas para eraveiros
e buscaps, sendo as p >gas adiantadas. Tele-
phone n. 369.
\o coramercio
Co h pratica e ealli-
g-raphiasem rival, of-
ferece-s** ummo^ pa-
ra guarda livros ou
mesmo ajudantede J-
guma casa em boas
eondices.
Aprsenla docu-
mentos de sua con-
ductae recebe cartas
na redactandeeta fo-
lha com as i-nicaes S.
R J.
Tambem lecciona
calligraphia.
PAUA COSINHAR
Precisa se de urna
aioa que s;iba cosi-
abar lieipp } 110 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca*
xias, por cima da ty-
po"rraphia do Diario
Surtes
Vende-se bonitas sortes para Santo Antonio
S. Jo5o e S. Pedro : no patee de S. Pedro n. 4
Para acabar
Xa loja das Estrellas roa Du
que de c ixlns n 5W
Merino de todas b cores (2 larguras) de 1400 a
00) rs. o covado.
Granadina arrendada, lindas cores, fazenda pro-
pria para baile d.- 1000 a 500 rs.
Etamynes, alt^ aovidade, a 400 rs.
.ao
Perden-se um alfinete de ouro rom perolas, da
ra do BarSo da Victoria ruu Nova dn Sania
Rita ; quem o achn pode lcval-o ra do Mr-
quez de Olinda n. 55.
Caixeiro
im eaiieire de 1
> H .-pieio u. 34
Criado
Precisa se de um caiieire de 16 18 annos de
idade : na ra do H spiciu n. 34.
Precisa-se de nm de 12 14 annos, para o ser-
VC1 da easa e de ra : na pr.e i do (-onde d'Eu
n 3ii indar.
\lleocao
A pesso qup, s>m duvida, pjr engao, levou
do pateo do Carmo n. 43, um cdigo cri
salsa! minutad, que se achava dentro de une
Diarios, queira ter a bondade de lcval-o mesma
i loja cu rita do Marques do Herval n. 61, que
' se Ihe agradecer.
XAROPE UROZE.aSS'Sk
Mc mssmos depsitos acho-ss os seguintes productos de J.-P. Laroze:
JNICO, Aim-NERVOSO
Cntra u Gastrltea, Gastralgias, Dyapopea. Doras Caimbrae aatomago.
XAROPE SEDATIVOuA'S.BROMRETO DE POTASSIO
Coatn Bpllpala, Hyaterloo. Cansa 'la S. Guy, Iusomnla das Criacoas durante a dantlolo.
XAIWPEFERRUGINOSOo^tPROTO-IODRETOFERRO
Goalra Ana .ala, Chloro-4namla, Corea paUldaa, Flora* branoaa. Rachitinae.
------------------>>-<-------------------
giposit m todas u bou gregarias di graxO
Paris, J.-P. LAROZE e Cto, Pharmaceutico
, RU< DES LIONS SAIHJ-PAUL, 2
Molestias Nervosas
Capsulas do Doutor Clin
Laureado da Faculdade de Medicina de Paris. Premio Montyon
As Capsulas do Doutor CLIN ao Bromureto de Camphora empregao-se
as Molestias, as de Cerebrej e contra as affeccOes seguintes:
Asthma, Insomnia, Palpitacoes do Coraco, Epilepsia, Hallucinaco,
Tonteiras, Hemicrania, Affeccoes das viaj urinarias et para calmar toda
especie de excilacao.
ii Ums explicado detalhada acompanha otda Frasco.
Exigir as Verdadeiras Capsulas ao Bromureto de Camphora de CLIN & C'S
de PARS, que se encontrad em casa dos Droguistas et Pharmaceuticos.
Oleo de Figado de Bacalhau
do
lodo-Ferruginoso de QulnaeCasca de Laranja amarga
Este medicamento fcil de tomar, nao provoca n.-useas,
e de cheiro agradavel. Pela sua composico, possue todj* as
qualidades que Ihe p.-mittem comba ter :
a ANEMIA, a CHLOROSE, as AFFECCOES do PEITO
a BRONCHITE, os CATARRHOS, a TYSICA
a DIATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSA, etc.
Em vista do seu emprego fcil, da sua accao multplice e
segura, da economa para os doentes, os mdicos receitam-n'o
de preferencia qualquer outro medicamento similar.
DEPOSITO OEBAL :
PARS, 209, ra Saint-Denis, 209, PARS
TKSDKSl-SE KM TOIUS AS PUKCIPAES PHAHM^CUS Un LMVKR-0
NFIAR DAS FALSIFICACCES E IMITAQES
Gmmm *s roa* ii-.Bcse.jjLZ>sri'i?<
COLLARES
j>

i*W&*m&U!&mrmL
lectro-Maonettoo
DitM Jlaies wSfaMt a agaucit" wmn u
OOKffVTTJLftOFB
- tax faouTu i aT*>i un tm*tu
<'-COLLARES Rr^*^R,cuBlMCMM ha mai>
'le 25 tunMi siu os aicos que pr-aer ao
-e^lraeata n ercaaoas ".as COWVbUSOSb
ijxtdmudo oo iwm tempo a de,btsh>.
Para cvtter as FatattiosGae* < au 1nltaf%9a. ex*ju .. .. r.-,
caiaina U*M. t. aorta ia ftica ,t e i, tfUim n,>
<^Mto-XaV t?

I
^rQ^"
3M
t-tJer- '
1 HYGIEHIGOS para TOCADOR da PELLE e para FAZER a BARBA I
gstes.(Sabcnetes < os mais linos do Mundo sao eaaoateatnm conlra da pella a as PicadMa
I>E MOSQUITOS. fc
Oppon lo-sc a ucciio dos Miasmas c Microbios do ar o das aguas &
so nucessarios' conlra as molestias contagiosas e epidmicas. =3"
LEASE A BROCHUfA EXPLICATIVA^
Exije-sa a Marca de Fabrica A- MOLLAQD o"
TOiBE-Se EKTfiBA i- fiXt KAS DROGUERAS, PHARIACIAS PERFDIABIAS -
Ai sJOUBERTa S:-.:cesor. Phurmaceutico de 1 Glasse gg-
8, Ra des Lombarda em PARIZ s.
2 MEDICINAES < ceme d. barges p- friccoes bahhos I
OPPRtSSO
TOsse
tiriaut-'.'uue
.i
'X
OiJU
?\ t ClCitOS K:C
us>j, acllllj fcVO"%
vsfilra-se a f'juiaca que penuirai no pui.u .> .. m u synij .> :uu ik
' a expclor^^ao e avonsa as fuoccOca iMM
7tuJa en atado ca ua ae J ESPU; ilH,riia.-li>.i,c.eJi?r
Strtt(anose Pqrt*ani.bu<*rL.t'jtL4.l .<''.J* t-'
.?.
wj.8iiH.iaiwit *TT#
Approvados pela Junta Central de Hygiene da Corte.
Aperientes, eslomac uiC'>s, purgativos, depurativos, contra a
ralta de appetlte, Priao de ventre, Eniaqneca, Vertleena,
Congestoes, ote. Dose ordinaria : 4. i 3 araos.
Exigir saattmimtiiiJH com o rotulo em 4 cores, c a
as JW:TfiTUlif:TaT:T4H^l Uigniiura A. Rouviere m tl:U uuraula.
Em PARIZ, Pharmacia LESOT.
DEPOSITIIS KM TODAS AS l'iUXCII'AES PHABMAC1AS
CADET
CIRA
em TRES DAS
[PlftB!Denan7]
pars
DepoJtos as principaes Phannacias.
Em Pernamhneo :
FRANoo m. da SILVA a C*.
AU BON MARCHE
Naz Casa Aristide Boucicaut PARIZ
Sedas, Fazendas novas.
Trajo. Conlt-coo, Toilettes
novas para Senlioras e Criancas,
Modas, Flores, Sendas, Fitas,
Xiuvas, Loques. Perfumarla,
X,enearla, Konpa de Mesa, Tapetes.
Mobilias, mbrellas,
Chapeos-de-Sol. B arretarla. Calcados
para Senhoras e Crianeas,
Artlsos de Vlagcm. Artigo de Paria,
etc., etc.
As tojas do BON MARCH, sao as
msiores, as mais bem dispostas as mais
confortaveis e as mais bom orpanisadas.
EncorrSo tudo quanto a experiencia tem
podido produsir de til, commodo e con-
Fortavef e sob este titulo sao urna das
curiosidades de Pariz. Os ongrandeci-
mentos recentemente inaugurados levo
a lO.OiO metros quadrados (um bectare) a
superficie do edificio.
BON MARCH nico no mundo.
O aanfsms de vender tudo eom
un leaueno be.ne/ieiit e inteira-
mente de voii/innrri u hs.dlltti ntim
.ifinumen do BON MARCH.
Qitalqiier mereadoria que ada
reuponder garant* dada **
di/jteiildude trovad* ou reembmi-
xutln romooeti tender ocomprador.
Mentes primalplom nitteera e. lea-
Sttente anjilirtuloH valerao-lne um
auceenso at liuje netn precedente e
q;ue nao tem experimentado nter-
rupe&o.
Os Armazens do BON MARCH niio
teem nem suecursaes nem representaues
quer em Franca quer no estrangeiro.
UTEBPRETES PABA TOHAt AS U16DU
Avi;:<
Os ab-> v |
pub>ic un m-t:i la' i ni a i t
nhi Palca \
TURNii-
J'iaroDtin: n, |>iaj-
queroiii^; e que iu,!qu. r r i
srr attenilida n 3 lias, n i d-
til do presi ote ai .
Hecife, 19 d- Junho ile 1886
Siqudra & C.
i o/.
Val
^nj^-s am ''M a* Pha-^i^cuu-
(Hado bohkcir.*
nico
4?*
%
laga Bf Da itm.itii.lir
cata ir 27.
I lo o
loio,
Prenaragao de Productos Vegetaes
sitinoTas caspas
e outras Molestias Capillares.
^1ARTI NS&BASTOS
Perna nibutt
_TiDfl;nt!l ios OS
Cura cert cid 48 horas das ioflarna^-Sea
recentes ros olhoe, pelo colyrio prepara-
do por Jos Pe.ir>> RoHrlgues da Silva.
Kmprega c este poderoso colyrio sempru com
grandes vantageos, nas segaintus molestias :
0|>htalmias agudas, purulentas e chronicas, con-
unitivites, etc., etc.
Deposito ^eral, na drogara de Fsria Sobriuho
tS C. ra do Marques iiv Olinda n. 41.
Para in rmacoi's, sediriJMm livraria Indus-
triul ra do Barao da Victoria n. 7, ou resi
deuciii 4o autor, ra ia Saudade n. 4.
Loja da Violeta
Os proprietarios desfe Pftabeieeiroento, receba-
ran) 1' sua encoinmnda lindas pulseir.s de fita
m borlas prateadas e dourudas para arabon e
menina por 24 ; magnifico snrtiinento de fitas cbi
nezas bordadas, cores escribidas de n. '' metros a'
80:) ris. Amostras a contento.
Kua Duque de Canas n. 65
s
M

Precisa-se dt um no Instituto Acadmico.
Leonor Porto
Roa do Imperador n. 4.
'rimeiro andar
Cmtina a ezecutar os mais dilfleeis
figurinos recebidos de Londres, Paria,
Lisboa e Rio de Janoiro.
Prima em perf.-ico de costura, em bre-
vidade, jnodicidade em precos e fino
gOStM.

I!
i
:
\>osi nh eir
Precisa-sv de nma cosinbeira : na ruu de Pay-
sand n. 19, Passagem da Magdalena.
Taverna
V>nde-8e a taverna da ra de D. Mara Cesar
n. 39 : a tratar na mesma.
Massa para bolos
0 que ha de melbor neste genpro ; vendem
Braga Gomes 4 C, na do Mrquez de Olinda
uiim< ro 50.
Aos scuhores capita-
lisas
0 agente de leiloes, Pestaa, autorisado por
um amigo que retirou-se para a Europa, vende
trinta a cinco predios (caras terreas e sobrados),
em perieito estado de c nservaco, nos melhores
lugares dus freguezias do Kecife, Santo Autonjp,
S. Jos, Boa-Vista e Graca : trata se uo Kecife,
roa do Vigario n. 12, armazem.
Cosinheiro
Precisa-se de um cosinheiro : a tratar na ruu
de Paysmd n. 19 (Passagem da Magdalena).
Casa ara alujar
O 2- e 3-andar da ra larga do Rosario n. 37
defrunte da igrejs : a tratar na tabacria do pa-
vimento terreo.
I.uiza i.osne ile Mello
Jos Luiz de Melli, seus fiiti>-s, sogr.i, cunha-
dos e irmaos, summimente gratos s pes^oas que
se dignarnm assi.-tir as exequias celebradas por
sua cara esposa, mai, fi ha, irin e cunhada, ro-
g>im-ibes o caridoso obsi'quio de assistirem as
inissas que, pelo eterno repouso da mesma, man-
dan) celebrar na greja da Congregxcao, pelas 8
hora da mauha do di 21 do crrente.
Jiiii tiiiniiiii (milico Diam
Jos Collaco Dias, Manoel Collado Dias, Joa
3uim Collaco Dias, Antonia Leopoldina Dias.
..mu:: Das de Leni"8, Hermenegildo de Amaral
L'mos, Joaquim Modest> da Silva, Auna de Vas-
concellos e Silva, Josipha de Vascoucellos e Silva,
Delphim Lopes da Cruz, filhos, rearo, sob.-inhos
e amigo do finado Joao Autonio Collaco Dias, fa!-
1' cido nessa cidade, arr:idec"m do intimo d'alma
aos amigos que condusiram o te miterio, e os convidara assistirem as missas que
por alma d> mesmo mandam resar uamati-z'ie
Santo Antonio, As 7 b .ras da inanha do dia 21
do crreme, stimo do seu passium nto.
tasa grande em Olinda
l*f l6StMH
A'uga se urna casa cem grandes ommodos
para familia, teudo bom quiutal e grande viveiro,
sita em Santa Ther.z, lugar denormnil) Pisa,
pe! barato prevo de 160U0 inunsaei : .a tratar
no Kecife, ra Ua Imperatriz n. 32, loja.
je Sulla lEsalnoso e te Cascas de Laraajas amaros >
TNICO RECONSTITTJINTF
Hemedio soberano
COMTKA A
CHLOP'SE, a.NEMIA, CARIE DOS OSSO:.
a?r ,^<5es das vas disestivas,
DIAHHHEAS CHRONICAS, RACHITISMO,
ESCRFULAS, DEBILI'iAOE,
C01VALESCENCAS DE FEBREi TYPHOIDFAS
E D2 MOLESTIAS GRA'/ES, ETC.
Vcttnangresso:./. B. ISonredosi
Fbi^iaactlc* ta 3RIVZ (Corrue), FBAIfi.
D.'Ikw'* em Pern.iinbuco :
y. EAN" -m:. da SILVA &
i KUl *> fcfi'i !'>!ra-v u Pr.vi'
Ais 4.0OOS0OO
I:
nonio Jn' ila Fonsera
Joi-quim Jos da Frasee, V. atura Jos da
Fi useca AntOiio M .tina leiivin., CDnvidam a
auiis amigas para ussi^rirem as missas que por
'lina de seu scinpro Icmbrado irma sicio e ami-
go, Antonio .Inte da Funrea, mandan celebrar
ua ienja ds Espirito Usaste, Bu ola 21 do corren-
te, s J 1 2 horas da mnnha, stimo dia do seu
infausto passamento, anteelpaado desde j nosso
sincero reeonhee'menrn
DlLijiiju uiiiiaiuiuui
16-Eua do Cabug-a-16
Acharase venda 08 venturosos bilho-
tea gar> nudos da lotera n. 6,1a em beneficio
da igreja da Conceicio dos Milagros d
Marangunpe que se extrahir quaru feira
23 do corrente.
Inte-ro 4,5000
Mei'i 2^000
Quarto 1,5000
weBdo quantjdade superior
a I *- 0:000
Inteiro o-'jQO
Meio 1750
Qarto 1875
Joaquim Pires da Sihu.
si
Manoel (.nnrnliio Peno
Fraucisco de Assis QjB(alvea Penna, Mar.anna
Silvana Vieira Penu, sen fi'bo Antonio (ioncal-
vis Peona e sua inulher Vi i. llana Silveira G >n-
galevii Penna ausentes) agr-ideo-m curdialmente
t. das as pe.-snix que 8'- ilignaSHOl acompanhar
ao oemiteiio publ'iM os rasins inontafa de seu pre-
sudo e niinca i'-i|in i id-i tilli innao e cunhado,
M>.ri el 0nc>ilve-i Peona, i especialmeote acn
frarii doSvuhor Bmi J ans da Va-sacra e so-
ciedade drama tica Nova Tiialia, pela prov* de es-
r-ina que sempre Ibes CributavaBl ; e de novo n.-
:.in o eardn o obsequio de uviretn algtunas nis
.li Santa Cruz,
.- 7 ii ras piar a-fim 23 d.> cor
'.ui-. stimo dia da m a issumeaw, cujo ac'o de
eardade e religiao te o nf- ssain eteru
g.atca.
Eua. *r. Dr. Uupar de Bram
nxniil
Joaquim Custodie Da rt do Aaovodo coavida
aos nmig'9 do finad > E.vn Sr. Dr, Gaspar de
Druoimond p..ra assistirem a inissa do trigsimo
dia do S'U passamento, q>i>' manda celebrar as
eapella d > engmihn Massaneana do Cabo, mu din
5 do andantr. da aniiha.
ISjMsaaWBssMiII II IiiIiW IillilllaTiTTnslIIIS
tu ionio Ju du tonmeca
Leite Bastos C, ;>elo pr. sent eonridam os
pnrentes e amigos de sen finado soeo e amig An
touio Jos da Fonse tir s missas que
por sua alma mandam cel-brsr na igreja doE-pi-
rit i Santo, no dia 21 di> corr< nte, s 8 horas da
inanha setim > do sen infausto nassamentr.
Y \ lina da Imperatriz I 4
l'o;os c .sortcN para *. ioio
. Pedro
O proprietario deste j acreditado estabvleci-
mento o uni > que ple bem servir aos seas fre-
gueses pela longa pratica que tem deste i. .no de
negocio, tanto na ec> lha dos melhores f > uetei
ros desta cidde para o tabric > d' fugo* que veo
de em seu estabelecimento, assim orno vm'c por
menos de ,que outro qualquer e para faoid ie de
despachar os seus numerosos fregueses usude
precos filos.
Ao Maia. S oMaia
Ao eoniiercio
O abaixo assignado, tendo comprado ao Sr Ma-
noel Eeteves Vanea, o deposito sit > :i 1111 Au-
gusta n. 180, que pyrava sob a tirina de Manoel
Alves dos .Sann s, livre e desembarazado ile qual-
iini'r onus ; assim communica as interess li are, afim de r-clamaren) no praso de tres diaa,
no icferid i estabelecim nt .
Beeifr, 19 de Junho de 1886.
.1 Fernandes R--rno".
O CiuT Lierario Ayrrn Gam
profundo s'-ntimen'-i pelo prematin
I Kxm. Sr. Dr. Granr de Driimoi
bonjrario, manda resas umi unts^i ii
ata di | <-l.- 8 ''oras da Man
do Carmo, c para assistirem ess
gio e candada. t<> l<.- i
Eixu.a fao
' inaie
- nentO
I -co
. 2^de

los de .' laciuthi de Giiuv pr. re sen-
pelo tri spa adre Joa
de Oouveia Accioly, no dia 15 do c.rrente no env
gciibo Cam o Verde, manda ceiebrur ama missa
por sua alma na eapella d> conven ran
cisco, s 7 1/2 huras do dia de segunda-f'ira, 0
Convido ss p. ssoas de sua amisnde e as d' .jualle,
a assistirem a este acto de religiioecaridadc, pele
que se cnnfessa desde j agradecido. ___


1 litffi |


i
s
-I
Diario de PcnmmbucoDomingo 20 de Junho de 1S86
Apa li *w
Em quartcs e meias garrafas, v cd| oj Hara
Sobrinho & C. roa do Marones de Olma i.4l,
DEPOSITARIOS________
Clpl Wm i
COt*-lra a vapor
Suprimento para o vapor Jagmribe
N. V27:i70
O Sr. Francisco Alvos da Coata, oommandante
d rupor Jaguaribe, pela segunda vea rogado
?ir roa do Marquen de Olinda n. 50, dar cum-
plimento ao numero cima. Pede-se ao digno
gerente providencias a rceperto._______
Quero tan?
Osar* e prata : compra s% onro, prata
pedras preciosas, por niaior preco que em oatra
craalquer parte ; no 1 andir n. 8 a ra larga do
insano, antiga dos Quarteis, das 10 horas s 2 da
arde, das uteis.
Liqu'daco
Mercearia
Traspasa ee una casa de molbados em uaut das
principaea ras desta cidade, muito afreguezad i,
livre de impostas e de qiiaesquer dbitos.
Quem pretender dirija-se A na da Madre de
Deas n 2, das 9 horas do Nah s 6 da tarde.
VENDAS
Vende-se a casa com aota travs das
Barre-iras n. 7, tendo nm soffrivel sitio com bas-
tantes irvores f-uctiferas : a tratar na rna do
Imperador n. 75, agencia de leiloes, ou na ra da
- Santa Crui n. 60.
Telegramma de Pedro
Antunes $? C.
Rna Duque de Casias n. 6 i
Para accommodar os interesaes da poca, os
propietarios da muito conhecida luja Nova Ea
peranoa n. 63 ra Duque de Caxias, teem re-
solv io em pleno conaelho de estado vender todas
as guas menadorias por menos 20 0/0 do que em
qualquer outrit parte.
Para as Exmas. leitoras se convenceren] devem
se dirigir ao mesmo estabelecimento ; e para
orientar um pouco, passamos a demonstrar em
resumo os precos de alguraas mercadorias maia
eonhecidas.
Espariilhos fines para sennoras a 4500, 5400,
tt e 9*000.
Finas metas cruas idein a 7&00 e 8*500.
Bonitas caixas de madeira para costura a 2*50*,
3*000 e 4*000.
Bicos bordados indianos, largura de 18; e 20.
centmetros a 4|500 e 5*500 pebaa de 4 metros
Bouitas boleas o caixas pata presentes de
enancas i 200, rs., 300 e 500 rs.
As senhoras floristas :
Papel verde claro a 60 rs. a folha, e dito ear-
im a 200 rs rs. ; barato !
Fita Pompadour a 100 rs. o metro, largura
de 3 centmetros.
L-ques de papel a 300 rs.. 400 e 800 as.
E para nao abusar da pacifica e constante lei
tora resumimos o presente, que e vista das
sesmas provamos o que acbanos de expor.
Grande vanedade em lava* de seda de cores
pretes.
dem em leques de seda, finas perfumaras,
panhos e ecllarinhos para senhoras, inmensa va-
.iedade de calongas
Pianos e apparelbos para bonecas.
Cytitariat finas, capellas para uoiva e -
inas.
Sedas e frocos, lis e deeenhos coloridos pasa
Bordados.
Grande variedade em artigos para presentes.
Meias finas para bomens, senhoras e criancas.
Bonita variedade em artigos de electropiate e
eutros mu tos para presentes.
Ao 63, ra Duque da Caxias
Pedro tnlunp S Compaabia
f Vende-se portoes de ferro, gradeamentos para
cima de moro, jai dim e terraco, bandereas de fer-
ro para postas exteriores e interiores, de todas as
quaiidades, galliuheiro de ferro, carioca para
bo>8 e cavallos, earrinhos de rnao e.rodas para
earrocas, por precn commodo : no largo da Forte
m. 4, defronte do quartel das Cinco Pontas, offi-
iaa de ferruiro.
LiqtidacaO
na aloque de Caxias *
Alguns artigos 50 [. menos do aeu valor
Faites damass, linda faseuda, a 408 rs. o co-
vado !
Linons cem salpicos a 660 e 700 rs. o dito .'
Cachemiras com bolinhas de velludo a 1*200 rs
o dito !
dem de 2 larguras, fingindo dados e lisas, to-
das as eores.a 1*500!
dem pretes, e merinos (2 larguras) a 900, 1*00,
1*400 e l#600l
Alpacas de sedas finas a 360 e 400 re. o dito !
l'opelinaa com listras de seda a 280 e 320 o
dito!
Serios Maco verdadeiro, desde & 0 11. a 2*000,o
m ha de melbrr
Gorguro pretc de seda, para (um ve de-
c-ute) a 2*000 o covado para acabar.
Damasss de cores, seda superiar, a 900 rs.
dito!
Velludilhos liso e de listrinhas a 1*000 e 1*600
s dito !
Esguio pardo para vestido a 560 rs. o dito !
Nansoks finissimos de cores a 320 rs. o dito !
Crotones para chambres e cobertas, superiores,
a 360 rs. o dito !
Dmasos de 12 com 2 metros da largura, a
1*800 o dito!
Mariposas de cores lindas a 260 rs. o dito!
Bramante de liobo superior, 4 larguras, a 2*000
metro!
dem do algodo, idem, dem a 1*500 o dito !
Atoalbado lindado, o melhor possivel, a 1*500
dito !
Brins de linho de cores (linho puro) a 1*200 o
dito!
Camisas francesas sem punhoa e colarinhos a
40*000 a duxia !
Ceroul.-is de bramante bordadas a 12* e 18* a
dita!
Guardanapos de linho a 3*000 a dita !
Meias arrendadas para seahora a 8*000 a
dita !
dem cruas para hornera a 3*500, 4*500 e 6*000
a dita!
Lencos brancos em lindas bolsinhas de setim a
3*000 a dita!
Enxovaea para casamento o segainte :
Lindas grinaldas e vus a 14*000 e lGf 000 !
Ricas eolias de crochets a 10*000 e 12*000!
Guaroices de dito (cideias e sof) a 8*000 !
Espartilhos americanos, chiques, a 6*000 e
8*000!
Cortinas bordadas, novos gostos, a 7*000 e
10*000!
Vendas em grosso, descont da praca.
9 Kua Duqne de Callao 5
LOJA pe
Carnciro da Cnnha & C.
A Uevolueo
roa Dajiie d< Caxias, reaolveua vendor
os segumtes artigos com 25 0\q de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Las com bolinhas a 500 e 640 rs. o corado.
Serios maco a 800 rs. o covado.
SetineUs lisas 400 rs. o dito.
Setiuetus tscossezas a 440 rs o dito.
Cambraia com salpicos a 6/ rs. a peca.
Linn branco a 500 rs. o covado.
Liinhos escosseaes de quadrichos e lisos a 240
rs. o dito.
Mariposas de cores a 240 rs. o dito.
Renaa da China 240 rs. o dito.
'Damasco de la com 160 centmetros de largara
a 1*800 o dito.
Bramante de linho com 9 palmos de largura a
1*800 o metro.
Bramante trunvi-ai Je algedao a 1*200 o dito.
Bramante de urna largura a 30, 360, 400 e
440 rs. o dito.
nrim pardo a 300 e 360 rs. o covado.
Brioi prateado de linho a 600 rs. o dito.
Crochets para cadeiraa 1* e 1*600 um.
Ditos para sof a 2* e 2*500 um.
Colchas de fustao branco a 1*800 urna.
Ficbs de la a 1*, 2*, 2*500, 8* e 4* um.
Espartilbos de corsea a 4*, 5*, 6* e 7*500 um.
C luisas de linho bordadas a 30*000 a duzia.
>, afinas a 240, 280, 320 e 360 rs. o covado.
8int> s pora senhora, no .idade, a 1*^00 e 1*80(1
um.
L"nc.s brancos fines a 1*800 e 2*000 a dnsia.
Cobertores de la a 2*. 4*500, 6J500 e 8* um.
Cambraia preta para forro a 1*200 a peca.
Meias para homens e sei.horas a 35, 4$, 5* c
i*00u a dueia.
MadapolSo gema e pelle de ovo a 6*500 a peca.
Cambraia branca a 2* a peca-
Crinolina branca e preta a 2*800 a peca.
Toalhas felpudas a 4*000 a dnsia.
Toalhas alcochoadas a 12* a duria.
Cobertas de ganga a 2*800 e 2*900 urna.
Lenccs de bramante a 1*800 um.
Para a Exmati. noi os
Setim maeso a 1*200, 1*400, 1*800 e 2*000 o
covado.
Popelina de seda a 600 rs o dito.
Alpaca a 400 e 500 rs. o dito.
Cpellas e veos finos a 10* e 14*.
Colchas bordadas a 5*000, 7*000, 8* e 10*0 0
urna.
Cortinados bordi dos a 6*500 o par.
Carteira
Vende-se barato una carteira de baixo dona amarinhos e tres gavetas, e na
peca de cima 17 compartimentos que se fecham
eom orna so chave : a ver e tratar no largd oV S.
Pedro n.;4, leja.
"InlTali loluSir
Vende o Vasconcellos ra
corram a ella !
da Aurora n. 81
Vende-se
o sobrado de um an-^ar e sotao, com bastantes
commodoB e grande fundo para a ra do Pharol,
sendo situado na rna 8. Jorge n. 13 (F<5ra de
Porta) : quem pretender dirija-se ra do Boai
Jess n. 45, das 9 horas da manba s 3 da tarde.
(Me sorlimeiilo de lo-
gos arficiaes
Nacionaes e< hinezes
Proprioa aura alan
para os festejos das notes
DE
arito Antonio, Jlo e
ft. aTedr
Vende-se em caixas e a retalho por precos com-
modos.
Ra do Barao da Victoria n. 61
Loja do Siniza
Massa de mandioca
Vende-se masas, especialmente preparada, para
bolos de Santo Antonio, 8. Jo2o e 8. Pedro, a 500
rs. cada pacote de meio kilo : no largo de S. Pe-
dro n. 4.
km 1.000.000^000
200:0001000
iOO:IM)0$000
GRANDE LOTERA
DE 3 SORTEIOS
Em av r dos ingenuos da Colonia Orpbnula^fa Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
ExtrecQao: no flia 8 fie Jalo b 1886.
0 thesoumro, Francisco Gongalves Torres
Engenlio a venda
Attengo
Vende-se Manteiga inglesa superior em latas de
12, de 4 a 1*100, e 7, 14 e 28 a 1*000 por libra o
gas iuexplosivo a ra do Bom Jess n. 38.
Vaade se oengeoh) Murici, com saf-a ou sem
ella, situado na rreguezia da Escada, distante da
respectiva estacao um quarto de legoa, podendo
dar seis caminhes por dia, moente e corrente,
tem duas casas grandes e duas pequeas para mo
rada, e outra para farinha com sua pe-tencas : a
tratar na ra do Imperador n. 65, 2 andar.
Vaccas
Vndese urna tourina, urna mestica e nma da
trra, tratar na Praca da Concordia n. 11, ar-
ssasem de materiaee.
Vende-se
o hotel denominado Dous Irmaos, sito ra da
Crua n. 23. Este hotel est reedificado, mulo
frequentado por nacionaes e estrangeiros, tambem
tem hospedagem, e o motivo da venda seu pro-
prietario ter de retirar-se para Europa por falta
de sade : trata se no mesmo. Pede aos reus de-
vedores que estile em atrs*, de virem saldar anas
eontas, do contrario serlo seus nomei publicados
nos jornaes desta capital.
Pohora
Vende Candido Thiago da Costa Mello, em seu
deposito }rua Imperial n. 322, otaria, onde tam-
bem vende tijolos e telhaa. Telephone n. 221.
Pinlio de Riga
SX eSx I
Vendem Fonseca Irmaos i C, a preco modi co
Vende-se ou arrendase annualmente urna boa
casa com bastantes eommodos para familia, tendo
! agua e gas encanados, com um bom quintal todo
murado, com algumas arvores fructferas e com
sahida para o rio. por preco uuito razoavel: qnem
preeisar dirja-se a ra Duque de Caxias o. 117,
que achara oom quera tratar.
WHISKY
. .SOYAL BLEND marca VlADO
flste excellente Whisky Sscessc preferivt
aoicognac ou agurdente de canna, para fortificx
o corpo.
Vende-ee a retalho nos i. Inores armazens
nolhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO enjo n.
Vende-se tamancos de Penedo, em porcJo e a me e emblema sao registrados para todo o Brazi
Tamancos
retalho : na ra da Roda n. 11.
Alleiifo
Vende-se nma importante taverna no largo das
Salinas de Santo Amaro, propria para qualquer
irincipiaute, faz frente para a lirba frrea de
iceiro : a tratar namesma.
BBOWNS t, C, agentes
Vende-se
massa de mandioca de primeira qualidade, para
bolo, a 1 *000 o kilo : na Camb do Carmo nu-
mero 10
i l-Behlqatar.
Foi- .oeedor
pririlegiado da Casa Real de Espanfaa
e de Z. 'A. a Rainha de Italia.
Ozea P.
Ozea Sachet.
Ozea Essencitu
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Ozea Oleo.
Orea Sabio.
Ozea Pomada.
Ozea Fwativo.
Ozea Cosmtico.
Ozea Brimantina.
Ozea Cold Cream.
Estas exquisitas preparacoes sao mnit apre-
ciadas na mais dtincta socledade pela deli-
cadeza do sea perfume.
W? RIECER'S
TRANSPARENT CRYSTALSIAP
(Sabo transparente cristalino)
reconhecido como o mais perfeito de todos os sabaos de toilette pelas suas
propiedades hvjienicas, pelo seu aror.i e pela sua larga duraeao.
!>epjs!:o n^s princps Per!'umarias, Farmacia*, dea.
Mutamba
DE
J. Ddsuc
Contra a calvfee, queda dos ea-
bellos, caspas e nevralglas
da cabera
Prego de cada frasco l^lOO.
Vendem Odon & IrmSo, cabelleireiros,
roa da Impera triz n. 60.
Fructas maduras
Vndese diariamente especiaes laranjas para
mesa, mangabas, tapetas, e ontras jnuitas : M
largo de S. Pedro n. 4.
Novos livros de sortes
brande variedade
na livraria PARISIENSE de Medeires 4 .,
ra Primeiro de Marco n. 7-A.
Cabriolet
Buhar
Vende-se um em perfeito estado e por preco
eommodo; tratar na ra D"ioe de Caxias n. 47
Vende-se um buhar francez em perfeito pitado
com tres jogos de bolas e sois tacos : a tratar na
antigo largo do Pelourinbo (corpo Santo) a. 7, os-
criptorio.
.4"
LISTA GERAL
N B.O premio prescrever
um anno depois da extraccSo.
OB5
59
A
DOS. PREMIOS DATt PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. &93 EM BENEFICIO DA MATRIZ DE LEOPOLDINA, EXTRAHIDA EM 19 DE JNHODE 1886.
US. PREMS. NS. PREMS. M8. PREMS. NS. PREMS, NS. PREMS NS PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. Nt. PRrMS. Ns. PKEMS NB. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMt NS. PREMS
8 4d 296 40 584 40 834 40 1087 40 1285 49 1534 40 1738 40 949 40 2201 4d 2460 40 2646 40 2894 40 3122 40 3313 80 3544 40 3758 40
9 A 97 87 9 88 86 36 3li *0 50 4 - 58 49 2911 _ 28 18 40 45 _ 68
14 300 88 43 - 90 95 38 47 40 53 9 - 62 - 51 ^mm 31 _ 31 25 48 __ 78
16 4 93 >56 92 . 99 39 49 54 13 - 65 59 _ 37 _ 35 _ 26 _ 54 *f 88
22 5 603 64 - 95 1304 42 54 5;. 17 - 67 - 65 _ 45 - 42 _ 28 til 40 95
28 6 4 69 1102 8 44 62 65 25 n 70 47 46 mmi 32 70 3804
46 8 . 7 1 70 0 10 53 65 70 33 - 75 89 54 47 _ 34 _ 78 6 161 40
49 9 14 76 6 27 54 66 71 ~ 35 - 78 91 1OO0 59 50 _ 35 , 80 80 10
50 12 2t 79 - 10 29 55 75 78 08 . h2 m^ 92 40 68 51 38 81 40 11
00 L3 24 82 - 12 _ 32 57 79 - 82 41 87 96 71 53 _ 39 ,^_ 82 15 20 22
66 32 28 83 13 _. 43 65 82 86 42 88 97 73 61 _ 44 86
67 40 29 86 17 __ 45 69 83 2005 43 2500 80 2705 74 65 __ 45 ._ 88
74 42 31 900 80 20 _ 46 70 91 9 47 2 *0 10 77 67 46 91 93
78 52 8* 42 2 40 24 ^-B 50 71 92 - 10 - 48 5 40 16 82 74 53 37 43 44 46 56 61 63 66 68 160 4#
85 - 54 4* 46 5 26 , 51 72 93 20 56 7 17 88 - 78 _ 63
98 58 53 7 36 52 74 u 21 60 17 ^__ 22 89 - 79 71 _ 98
110 67 62 24 39 54 79 1800 22 62 - 18 25 90 *0 82 77 __ 3603
15 68 63 27 41 55 81 1 23 64 :i 20 27 ^_ 93 40 83 fe _ 6
17 19 73 79 65 69 ^^m 37 39 48 52 58 63 80 88 93 2 10 "~ 25 33 - 78 79 40 22 23 - 29 30 96 3004 84 85 10 88 96 8 16
21 80 70 47 55 68 40 -94 14 41 4:ooo0 80 - 24 41 __ 5 88 40 3402 m. 19 __
30 81 - 79 51 56 72 95 17 80 50 4* 93 26 Itt 49 12 - 89 O ;;> 5 -- 24 _ 71 74 79 86 87 88 94 96
32 404 83 55 58 _ 74 99 22 40 51 98 2303 27 40 61 15 _ 90 40 7 ___ 27 _
39- 6 n 59 60 77 1607 23 58 30 64 __ 17 _ 98 8 _ 37 _
46 11 97 61 61 79 8 24 59 15 34 _ 74 22 3200 18 _ 38 _
57 ]3 99 65 74 85 14 31 63 17 45 _ 77 23 1 20 _ 41
59 15 705 67 80 95 9 28 37 79 21 48 _ 88 25 _ 7 21 __ 46
71 18 25 80 76 40 99 93 __ 32 39 82 26 50 _ 89 29 _ 13 27 __ 47 -
86 23 25 40 79 1201 1400 __ 34 42 - 83 80 31 51 ___ 91 32 - 16 _ 29 __ 50 80
92 29 26 85 4 0 11 39 43 89 40 34 54 __ 2802 33 80 18 .__. ,31 160 55 40 97
208 - 32 *6 28 87 8 80 16 43 _ 50 _ 91 47- 56 __ 5 80 35 40 22 37 320 60 99
13 33 U 29 91 12 40 19 50 _ 52 _ 93 50 58 14 40 38 24 . 52 40 70 3900
18 41 -~~ 42 1000 15 2J 52 __ 54 94 - 54 60 15 _ 40 26 _ 54 80 78 I 6
19 t 70 78 mm 49 1 20 30 53 57 2104 I 55 64 . 19 f0 42 30 t0- 56 40 80 40 9
20 4* 51 8 " 22 31 57 62 10 40 61 72 o OO0 46 33 40 61 - 84 27 160
25 5 8 ~" 53 19 28 33 59 63 25 __ 65 *0 35 40 49 i0 38 - 74 93 35 H
26 4* 83 55 24 * 29 34 65 68 35 -_ 69 81 39 60 40 39 9 71 3705 - 39
32 504 160 59 25 ^~ 37 35 ^__ 73 __. 74 48 __ 70 82 40 62 48 80 6 - 40 ^
35 - 5 u 61 - 40 "* 3S 41 80 81 _ 80 50 _ 88 - 83 - 41 _ 64 61 _ 81 12 - 43 __
36 17 66 44 40 61 40 95 85 54 90 80 87 45 __ 67 70 _ 83 _ 13 51 a
40 80 24 69 53 48 63 1700 89 62 __ 91 40 91 l:ooO 46 72 76 __ 97 17 - 52 _
43 4* 25 76 59 ** 52 80 73 1. ^ 93 64 93 2602 40 58 __ 73 85 3500 IOO0 24 53 _
48 29 79 60 54 40 74 8 __ 95 69 _ 98 3 60 ^_ 75 91 ___ 5 40 - 68 H
50 30- 89 64 t0 59 76 l i, 11 __ 1^09 71 _ 2401 - 4 70 w 95 _ 96 9 36 69
52 38 90 70 40 65 83 ^^ 13 11 72 _ 3 12 73 3100 10 97 __ 10 _ 37 72
88 56 st 94 80 75 72 1500 -f 14 19 76 5 19 -r- 74 80 2 80 98 ' __ 30 43 - 82
85 57 40 824 40 77 73 5 ,, , 15 Q. 22 79 - 8 26 86 40 6 40 3301 80 35 44 - 90
90 73 28 80 80 14 - 23 -- 26 80 14 28 -- 88 , 19 2 40 38 49 91 ^M
91 . 74 3*0 31 81 81 29 ^" 25 80 30 90 23 84 -- 91 20 5 41 54 _ 96 ^_
94 83 4* 32 ~ 82 "^* 82 38 29 40 42 2200 33 37 1 92 21 "* 12 42 56 - 99


* Diario de Pcraambuco-~Domgo 20 de Junho de 18S6

ASSEMBIJi '.'",<[,
CMARA DOS DEPUTADOS
SESSaO EM 2 DE JUNHO DE 1886
EMftlDKTOU DO SB. AKDEADE FIGUEIRA
(Continuacao)
Ora, tem mostrado a sociedade os mes
tres do nosso parlamentarismo, que ero
dosso paiz, por vicio das Instituic38s ou por
fraqueza dos homens, o governo cni sua
essencia presmese n'uma nica individu-
alidade. Logo, pode-se ffirmar que nao
existe realmente falla do throno e resposta
a ella, como suppoem os incautos, mas o
singular entretenimt;uto de urna pessoa
conversando comBgb mesma, por meio de
engenhosos e complicados processos.
emais, nao sabe o orador em virtude
de que injustificavel estylo, (admittida a
veracidade da fcelo) a resposta, para cuja
elaborarlo nonieam-se sempre tres dos
mais conspicuos roeoibros da cmara, de
uraa factura simples e original, consiste em
reproduzir por outras palavras aquillo mes
mo que o throno disse, paraphraseando,
em circunloquios cortezlos, as propoai
c5es j emittidas, sem a audacia de u ua
idea nova, sem a inconveniencia de urna
transposiclo de periodos.
Tamauha valia ligas? fidelidad servil
da reprodcelo que imprime-se a falla ao
lado da resposta afim ue que todos o pos-
gam materialmente verificar.
Se o facto occorresse rea vida particular,
se, em praticando alguem, se Ihe puzesse
o interlocutor a reeditar-lhe, como um eco
consciente, todas as expressSes, segura
mente enxergaria nisso esse alguem inten-
c3o motejadora e aobrariam razSes para
rompimento.
Parece, porem, que ba leis especiaes
para o discernimento as altas regiSes.
Annualmente com acquescencia dos mais
esclarecidos espiritos do paiz realua-se o
estranho facto descripto.
Apenas durante as duas ultimas legisla-
turas prescindi a cmara de representar
de phonographo dos discursos iraperiaes.
Procedero inintencionalneente talvez ; -
mas o primeiro passo estova dado no ca-
minho da supresslo de tanta inconve-
niencia metapbysiea, de tamanhoa anachro
nismos absurdos que a cada passo se nos
deparam no jogo das nossasiastituicSes, fa-
zendo coro que o povo lhes v perdendo o
respeito e f, considerando as senlo com
ni vontade ou com escarneo, pelo menos
com a desdenhosa indifferenra productora
das grandes estagnac5es .-ociaes, d'onde
originam-se os vapores mephiticos da de-
cadencia e da dissolurlo. A situarlo actual
acaba de reatar a tradiejao rotineira nter-
sompida : honra, lhe si'ja 1
Mas, diz-se em contraposio, ao debate
da falla do throno assiste o mereci ment
de proporcionar ensejo para que se rasti-
tua exame largo e minucioso sobre a poli-
tica gcral do gabinete, Sim ; isto, porem,
quando o gabinete tem systema de poltica
geral, o que rara vez acontece.
3 Qual, por cxemplo, a hynthese, a formu-
la, a consubstancial da do actual?
Ninguem a poder presentar
Ha 9 mezes, prazo sufficeute para a ges-
taclo humana, subi inesperadamente ao
poder o partido cons rvador; subi pela es-
cada de corda dos caprichos irresponsa-
veis; subi sem programla, sem fito de-
terminado, sem outro intuito que o da pos
se da governav&o.
Interrogado a respeito de seus planos e
da sua oprailo acerca de raomentosas ques-
t3es vertentes, esquivou-se o nobre presi-
dente do conselho com a espirituosa ha&i-
lidade que lhe caracterstica. Interpel-
ado solemnemente por um roembro desta
cmara, soube Iludir o sagrado direito da
interpellacao. Obtida a dissolucao da c-
mara, S. Exc. o collaborador activo da
reforma directa, da qual esperava-se a re-
generarlo poltica do imperio, assistio m-
passivel compressao da vontade do af-
lorado, para cuja consecuelo praticaram-
S9 criroes, de que falla o discurso da db-
roa. O rfsuhado que a ninguem pode sa-
tisfazer, salvo as ambicoes isoladas dos n-
teressados, f.i esta cmara quasi unnime,
onde os poucos opposiciomstas que logr--
ram ingresso, nao obstante a forja mcon
trastavel do seu direito, com que entra
ram por descuido attentas as depuracSes
havidas em relacio a outros; cmara un-
nime que um triste attestado do nosso
atrazo poltico e que ha de ser fatal a pro
pria situacao.
Onde est o partido liberal que ha to
poucos mezes ainla apresentava-se enejo
de vitalidade, enfrentadlo resoluto as ma.s
arduas difficuldades do paiz*... Desop-
pareceu, porventura ? Nao ; um partido
transformase, evolue, modificase, mas nao
morra. Foi esraagado no seu direito de re-
presentarlo .
A ro ioria nlo quer comprehender que
tal esmagamento de um partido, importa o
de urna, parte da naci e que sem a exis
tencia dos dous principios hectorogeneos que
se compkstam e se equilibram, naopode func-
cionar oapparelho de cu|aexcallencia ella
mesma a apregoadora. Nlo o comprehen-
de porque ainda entontee-a a posse recenta
do gorerno e cgara-n'aaB suas irradiares.
Mas ao Sr. presidente do conselho, intelli
gencia atilada qua costuma a olhar para
diant-.! au pode causar iraprcsslo agrada-
vel o asj. icinto tranquillo, apa-
thice e homogneo como a face das aguas
moras.
Mas, convm examinar alguns factoa do
periodo transcorrido.
A pasta de estraogeiros oceupada in-
contestavelmente por urna alta capacidr.de
affeita ao estudo das questSes diplomticas.
Entretanto a sua a i ministra cao se assigna-
la, pesa ao orador dizel-o, por uraa victo-
ria de diplomacia argentina sobre a nossa
O tratado celebrado em Bueaos-Ayres a
28 de Sotembro do anno passado, modifi-
cando especialmente a poltica at aqui se-
guiaa em relacio Repblica Argentina,
no tocanta questao de limites, proporcio-
nou lhe ensejo de se vangloriarem de um
triumpho sobre nos, sem que em nada
adiantas se a solucao do litigio.
Consisti esse tratado em- nomciarem os
dous paizes urna commisslo mixta explo-
radora, qual incumbir o encargo de le-
vantar a planta dos quatro rios litigiosos e
do territorio comprehendido entre elles, e
com essas plantas apresentar aos respec-
tivos governos vejatorios idnticos coneer-
nentes a tudo que possa interessar ques-
tao de limites.
Sobre intil, ser o encargo da commis-
sao, de diflLil senlo de impossivel execu-
clo.
Intil porque tudo quanto a commissao
vai explorar j por nos conhecido. O le-
vantamento de plantas est feito e> raaUsa-
do da novo nao decidir a duvida. Re-
sume se esta em aceitarem-se ou nao os
antigos tratados de Portugal e de Hespa-
nha o sobra este ponto ser impossivel a
commissao apresentar relatorio idntico aos
respectivos governos. O governo argentino
propz que se desse como nao havida a
deraaroacao antiga, procedendo-se eorao se
se tratasse de questao nova. Sempre sua-
tentou o Brasil o seu direito secular basea-
do nos trabalhos da velha commissao hes-
pano portugueza. Agora, porro, aceita o
que constantementa repellio. Da duas urna,
como perfeit mente se sustentou na impren-
sa; ou o Brasil renunjia ao que sempre
consiJerou como seu direito o que importa
urna derrota para a nossa diplomacia; ou
pretende mantel a e nesse caso o trabalho
intil alm de despen lioso, o que nao es
t de accordo com o programma de econo-
mas do governo.
O governo argentino jacta-se de haver
obtido do brasileiro jiffirmaco de que
equivocada a demarcoslo de 1759, base do
nussas prentenc3es.
Passir o orador poltica interior.
Quanto administr.'CJlo policial, nunca
os malfeitores andaram mais vontade do
que sob o dominio do actual minist-'rio.
Toda a imprensa lcvantou-se iniignaia
cotra a polica desta capital. Restabele-
cerara se velhas uaanjas ridiculas. Voltou-
sc a applicar contra os escravos um rigor
que j os costumes no comportara ; que,
embora por vergonha nossa, encontr jus
tificativ. era textos legaes, tenda a des-
cipparecer ante a conquista do sentimiento
humanitiri".
Toda a inmensa habililade do nobre
presidente do conselho nao pode dissimular
que a suprema garanta de liberdade indi-
vidual, o babeas corpus, tem sido calcado
aos ps, S. Kxc. condemnou no senado
em termos velados, o procedimento das au-
toridades polieiaes da Baha, era relacao ao
escandaloso atteniado do recrutamento em
Ilhos. Admira que aquellas autoridades
nao bajara pedido ainda a sua exoneracao.
O orador analysa o facto alludido, mos-
trando que um grrnde principio foi nello
desrespeitado.
Quanto as operacSes financeiras do Sr.
ministro da fazenda, o maior titulo de van-
gloria para a situajao, por ora o que *abem
delle que, se realisaram por ura lado um
economa le tres mil e tantos contos com a
converso, aneraram por outro o ornamen-
to com cerca de seis rail contos da juros
dos eujprc-stiiuos contrahidos.
NSo desconhece o ora lor que em geral
essas operac- 3s foraro realizadas com fe-
licidade ; filho, porem, exclusivamente de
um conjuncto fortuito de circumstancias fa-
voraveis. Pedir "emprestado operaclo
trivialissima, ao alcance do mais ebtiuo
FOLHETIH
MGOLO
POR
mu ss mnm
(CONTRIACAO DE ANGELA)
( Continu aco do n. 139)
vm
O coup rodava rapidamente^para a ra
da Saude.
Com pie entao, replicou a moca, cose
notorio de Dijon iropellio meu pa a escre-
ver aquello absurdo testamento E' elle o
culpado de ficar eu reduzida a um terco
da fortuna.
Que quer, querida menina I Nada po-
demos contra os tactos realisados A von-
tade do testador ser respeitada, a menos
que...
Proli calou-se.
A menos que ? perguntou Cesilia.
A menos que as suspeitas, ainda va-
8, do Sr. de Gerrey nao sejatn confirma-
Quer fallar das suspeitas relativas a
Angela Bernier, nao verdade ?
E\
Se easa mulher fosie aecusada e con-
vencida de cumplicidade no assassinata de
meu pai... e seu... o que resultara ?
Nao sou legista ; mas creio eBtar cer-
to qne, em caso de cumplicidade, ella seria
reeonheeida indigna, e por consequencia
inhabilitada a receber a successo a que
cada um recuperara os seus direitos...
Mas sua filha ?
Em quanto a isso, nada posso respon-
der. .. Consultarei um advogado a tal res-
peito.
Ah I a tal Angela Bernier se sou-
jtesse como eu a odeio I
Comprehendo, e nao posso ueixar de
approvar ; entretanto aconselho-a a que te
nha cntela, porque necessario que nin
guem neste mundo suspeite do seu odio.
Calarme hei, fique descansado ; mas
o senhor como se fora eu propria e din-
te do senhor fallo abertamente.
O coup parou na ra da Sande.
Abri se o portlo de ferro para o deixar
entrar no pateo, e Proli con luzio a moca
ao gabinete que ella j conhecia.
Est prompto o almoco ? perguntou
elle ao criado.
Sim, Sr. doutor.
Entao mande-e por na mesa.
O italiano e Cecilia foram para a sala de
jantar c puzeram-se mesa.
Durante primeira parte da refeico os
dous convivas trocaram apenas algumas
palavras ; mas, quando, depois de se ter
servido as sobremesas, o criado se retirou,
Angelo disse a Cecilia ;
EntSo, querida menina, est decidido,
Tem habitar para esta casa ?
Nao lhe disse j que esta va prompta
necesitado. Obter o emprestimo em con-
dijBes vantajosas depende da boa vontade
do emprestador. Faa-S3 raister tambera
o crdito; mas esse nao deriva da compe-
tencia de um ministro, por mais idneo que
seja, como o actual, porm de urna longa
serie de antecedentes que produzam a con-
nanc,a. Nlo se firma de momento e pela sim-
ples intervencao de um individuo o crdito
de um paiz. A coneluaaVa chegar que
os liberaos em set9 annos de poder nao
esbanjarara os dinheiros pblicos, como
hontera asseverou n'uma linguagem mais
do partidario exaltado do qus de prim
ministro da cora, o Sr. presidenta do con-
selho. Se deixassem o Thesouro no estado
descripto por S. Exc, seriam irapossiveis
as op-^rat'Ses financeiras do seu collega da
fazenda. Os liberaes deixaram pelo menos
crdito, de que os conservadores estao se
aproveitando, como ,om geral aproveitam-
sa de todas as boaa ideas dos s mu contra-
rios.
O orador passar a examinar sucinta-
mente o discurso da corda. Quera quer
que, pouco versado na biographia dos nos-
sos polticos, apreciar no futuro o discurso
cuja resposta se discute, nao acreditar
seguramente que seja elle ura documento
poltico da escola conservadora, a solemnia
verba do seu raaxirao pontidee.
Ahi se proclama e se reooraraenda a ne-
cessidado urgente do reforma em quasi to-
dos os ramos do servico publico. O ensi-
no era seus diversos graos, assira como a
organisacao ju iiciaria, j no tocante in-
vestidura dos cargos e j soraraa de at-
tribuijSas que a cada um conferida para
melhor afiancar a seguranca individual e
a adrainistracio da justica; as municipa-
lidades, tanto no modo da constituir sa a
sua represontacJo peculiar, como na auto-
noma que lhes de ve ser reeonheeida ; o
exercito e a armada, nlo s na alteragao
de seus qiuiros, como na instruccao te-
chuica que os progro8808 da scioncia de
guerra estao reclamando e na pena-
lidado corporal a que devem ser su-
jeitos; a lei de trabalho o a le das trras ;
a lei eleitoral para evitarse a reprodcelo
de crimes, o systeraa orcaraentario para
cons3guir-8e o equilibrio entro a reoeita e
despeza e raelhoraraento do raeio circulan-
te, emfira, slo reformas to vastas e to
complexas que, a sorera sinceros os dese-
jos dogeverno de promovl-as, e realisal-as
como devem ser, transformaran] rpida-
mente as condicois de ser deste paiz.
Assira que, es (iieo.Mo da sua ndole e na-
tural raisso, o partido conservador, que era
toda parte representa a permanencia e a
establidade, j nlo se contenta de repre-
sentar no jogo de nossas insttuicSas o freio
que contendo e graduando a marcha da
locomotiva, irapede qua se precipite era car-
reir vertiginosa ; pretende syrabolisar a
forca dynamica que a dirige e impelle.
Reaonhecendo nos partidos direito igual
ao dos individuos de darem sua vida e
aos seus negocios a direcel que julgarera
raais acertada, nlj faria a respeito o me-
nor reparo, se nlo visse nesse facto a de-
monstrado de qulo deturpado vai entra
nos o systema representativo e ao raesrao
terapo serio perigo.
Deturpaclo, porque se de reformas
que o paiz precisa, deve realizal-as quera
as concebe e apregda e nlo quera as com-
bate. D'ahi, pois, a illegitimidade da si-
tuado, sera embargo da victoria as ur-
nas, porque, se a propia lei eleitoral deve
ser reformada, claro qne sob o seu r-
gimen nlo pode a naci raanifestar-se li-
vremente. E essa a realidade : quando
mesmo as autoridades nlo abusassera, nlo
se pode dizer que faz-sa representar ura
p iiz de 12,000,000 de habitantes por....
125,000 eleitores. era na Rnssia. S.
Petersburgo cora 900,000 almas tem cerca
de 30,000 eleitores.
O perigo aquello de que temia-se o fi-
nado rei dos Belgas nlo permittindo que
os partidos se entregassem a ura steeple
chase de reformas.
Mas as annunciadas na talla do throno
sao apenas lant-joulas com que a situaclo
no -a quer garridamente arreiar-se para
conquistar a crdula confianza c*o paiz.
Nlo ha o menor desejo de lvalas a
efteito, pois passado un roez de traba-
lhos, sera que haja ura s projecto a res-
peito presentado.
O orador nao duvdaria, entretanto, do
acreditar na 8ocerid*de do governo se ella
quizesse oflectuar uraa nica dessas refor-
mas, a das municipalidades, por exoraplo,
de modo a tornal-as mdependentes e mais
ampias as suas funcc3es.
Estar o governo resolvido a isso ? Se
est cumpra nlo perder mais tempo. Ha
j trabalho feito que pode ser aprovetado
com vantagem, o do Sr. Ferreira Vianna.
a obedecer-lhe em tudo ?... nicamente
desejava fazer lhe um pedido.
Qual T
Nlo me separar da minha velha cria-
da Brgida, causar-me-hia isso muita pe-
na, porque ella -me muito dedicada e eu
estimo-a muito.
Meu Deus para que havia de se se-
parar deila ?... Ficar s suas ordens.
Ha um quarto para ella no pequeo aloja
ment que vai ocupar, at que tome pos-
se de tudo como senhora da casa.
* O senhor pensa em tudo, meu amigo.
Em tudo que a possa interessar, com
certeza, e ser 3empre assim.
Entao estava certo de antemSo que eu
aceitara o seu offereciraento ?
Certo nlo estava, mas esperava-o.
Conhecia que era sufBcientemente intelli-
gente para nao comprehender que era o
melhor ou antes o nico meio de se por ao
abrigo das provaveis perseguijSes do ho-
mem de Batignolles.
Cecilia fuz se vermelha.
Angelo proseguio :
Logo voltar ra das Damas. Da-
r ordera a Brgida para que lhe prepare
3 suas malas.... Nlo se oceupe senlo
com os vestidos e roupa branca.
Mas a mobilia?
Desfaja-se della immediatamente.
De que maneira ?
Venciendo-a toda a um comprador.
Mas esse comprador nao pagar se-
nlo pela quarta parte do seu valor.
- Ora, que importa ? Vai ficar n'uma
posiclo em que esses pormenores slo sem
importancia... Vendida a mobilia, tome
urna carruagem e venha para aqu com as
bagagens... Tenba a precauclo de dar
ao cocheiro urna morada de phantasia, que
mudar em caminho, afim de que na ra
Ser uraa campanha fcil e brilhanto, se
for incumbido de dirigil-a na cmara o il-
lustre relator do projecto de resposta falla
do throno, o qual de certo nlo abandonr
sua obra.
Mas, a esse prejeeto preferir o gabine-
te o do Sr. Paulino de Souza, cora os seus
typos de parochias e municipios, os seus
regodores de parochias e asssrablas rau-
nicipaes ?
Sito pontos que con vera eslareacr, para
que o paiz fique sabendo em que sentido
se pretande fasor a reforma annunciada.
Nlo a lei de 28 de Setembro de 1885,
incompleta, iraperf'cita, ineffiraz, nlo a ten-
des, exclama o orador, assin) mesmo, nem
leal, era fielmente exeoutada, obedecen-
do aos secretos instinctos da nossa ndole,
s propens3es fatoas do nosso temperamen-
to poltico.
Sede francos, vos que tendes ao. vosso
lado o censo alto, a fortuna, a forca, as
posicSes offijiae8 e a conanca do princi-
pe. Confessai qua ao rol das vossas glo-
rias desvanecei-vos intimaraente de ter
juntado e de haverdes sopitado o ciarlo da
esperanza que um insta ta (rameluzio na
escuridlo dos capitaes para, apagando se
logo como ura relmpago de ironia saa-
grenta, tornar lhes ainda mais t"trica a
treva que os suffoca.
Exultai, em quanto nao vos toma contas
a suprema justica I Era verdade, foi as-
sombroso o phenomono que realisastes, o
qual eocher de estranheza s gerajoes
porvindouras. Quasi ao limiar do novo se-
onlo, a que o actual deixa Um legado su
blirae de conquistas e de grandezas ; aos
olhos attonitos do mundo; auxiliados nlo
sei porque divindade incoraprehensivi-1,
como ura Josu sinistro, vos dtivestes
pira um milhlo d filhos da livre America
a marcha triuinphal do sol da liberdade I
(Muito bem, muito bsm).
O Sr Coteglpe (presidente do con-
selho) dir pouco em reaposu ao discurso
do nobre deputado ; presciudindo das flo-
res do estylo de S. Exc. o assumpto desse
discurso foi que as aleigSes haviara si !o
idnticas s que descreveu o Sr. Candido
de Oliveira.
Levanta-se principalmente para agrade-
cer ao nobre deputado a approvaclo que
se dignou dar a a modo porque o orador
encarava os negocios estrangeiros, particu-
larmente ss quest5es com a Repblica Ar-
gentina o nlo aceita a censura de ter mu-
dado de opinilo, parque se o nobre depu-
tado tive3sa attendido para o relatorio que
o orador leu cmara, vera que quando
o actual gabioete se forraou a negociadlo
estava feita. O oridor ent;nde que da
h.?nra dos governos eonservarera uraa cer-
ta solidariedade, principalmente era ques-
toes d-sta ordem.
Nlo lhe compete agora apreciar de rao-
do algum o facto; se houve victoria da
Repblica Argentina, v a responsabilida-
de a quem toca; nlo podia deixar de as-
signar o que estava feito, estando empe-
nhada a palavra do governo ; mas alu s >
trat* seDlo do reconheciraento do territo-
rio chamado letigioso, s, deps ter-se-ha
de decidir a quera pertenue esse territorio
e reconhecer-se ha, por meio dessa explo-
rajlo que o territorio chamado letigioso
pertence ao Brazil, se o nobre deputado
tivesse prestado mais attenclo exposi-
9I0 do relatorio. veria que quando minis-
tro do estrangeiros o orador rejeitou cousa
semelbante, porque o direito do Brasil lh'>
pareca to evidente, que sujeital-o a dis-
cussao era debilital-o ; entretanto hoje vai
procedar-se exploraglo da rios e depois
decidir sa-ha a questao.
Julga que ao aobre deputado pareceu
cousa menos importante o haver o gabioe-
te contrahido dous eraprestimos, um inter-
no e outro externo, om coodijoes vantajo
ais, porque sso p doria fazer qualquer ou-
tro governo; entretanto assim nlo o ; o
ministerio anterior procurou realisar o mes
rao e nlo o pule conseguir, porque as of-
fartas eram prejudiciaes ao Estado ; era
rae* iso idea fixa ter excusado o Brasil re-
correr praga de Londres para contrahir
um eraprestirao sem grande sacrificio; en-
tretanto o gabinete a tual pode conseguir
um emprestimo era condicSes muito vanta-
josas, por precos nunca ofFerecidos aos go-
vernos anteriores.
Declara que os eraprestiraos foram con-
trahidos principalmente para libertar o
thesouro da pressao em que se achava com
urna divida fluctant* superior a........
100,000:000)J, irapossivel continuar nesse
stailo porque influi sobre o cambio, so-
bre as industrias e sobra o conra-ri io a
ponto do nlo haver a menor conti inga,
nenhuraa empmza sa tentava ; entretanto,
depois da queda da situ-iclo anterior a
confianca restabeleceu se e foi possivel rea-
lisarera-so esses emprestimos vantajosa-
mente.
Responde a um aparte affirmando que o
restabelecimento da confianca publica
que habilitou o governo a fazer essas ope-
racSes o que significa muito era favor da
situaclo conservadora.
Qrjanto questlo servil do que falla-
rara, acba mais ura motivo para aecusar
sraente o ministerio que a lc.vantou; por
que so a queitlo qu- se dizia traria a fcli
oidade do paiz c que s era contrariada
pelos retrgrados conservadores, parou sera
motivo algum que a obrigasse a parar, o
que se segu que esse movimento era
official, alias teria continuado, porque a
nova situaclo nada faz a r.-speito ; mas o
que facto que o movimento despertava
a desconfianca do commercio e da lavoura,
que perturbava sem nada conseguir em
fa7or da idea que quera sustentar.
Quanto nlo execuclo completa da lei
de 2S de Setembro ultimo, o orador diz
que a le ainda depende de algumas medidas
regularaentares, ainda a matricula dos escra-
vos nlo est concluida para se mostrar qual
o numero real dos escravos, suas idades, se-
xos e profiss3es; de modo que se possa
chegar ao resultado desejado sera os incon-
veniontes da precipitaglo; trata-se de
uraa insttuiclo de raais do dous seculos,
que faz; quasi parte da familia brasi-
leira e cora a qual deve haver o mximo
escupulo ; a lei tem sido fielmente exeen-
tada no qua nj.j implica cora a matricula ;
nlo o culpado se a lei nlo satisfaz ao?
nobres deputados.
O Sr. Candido de Oliveira : -V. Exc.
a considerou ura fardo.
O Sr. Bario de Cotegipe (presidente do
conselho) responde que ura fardo nlo
ura peso.
Demonstra que a escravidlo nao vai ao
fira do sculo, o que prova com a execu-
clo que vai tendo a lei, com os algarisraos
dos escravos j libertados e dos que se ap-
proximam da idade em que o deven ser.
Faz ver que o liberalismo em tjdas as
nicS.-s impacienta quando est fra de
poder, mas quando a elle sobem nada que-
-era ; a prova est no projecto do Sr. Dan-
tas a respeito do elemento servil, e depois
vindo o Sr. Saraiva fazer cousa mais seria
e real, vio-se S. Exc. a bracos com os
seus amigos que pediara para elle al a
pena de forca, ponco raais ou menos ; en-
tretanto, o Sr. Saraiva era o redemptor da
situaclo liberal, como j o havia sido em
relacio re.'orraa eleitoral.
Historia as ideas de cada um dos ante-
riores ministerios liberaes em relacao ao
elemento servil, sem que lhe podessern dar
andamento.
Conclue da exposiclo quo acaba de fa-
zer que o partido liberal est impossibiii-
taio de fazer qualquer reforma.
Depois de oucras considerares, afirma
que nlo occasilo opportuna de defender
o programma apresentado na falla do thro-
no ; cada reforma rir a seu terapo desen-
volvida para que os nobres deputados as
possara corabater.
Quanto reforma municipal, mostra que
<-.lla cifrase era mais amplituJe as attri-
bucoes municipaes, mais independencia e
mais prompta execuclo de suas medida ;
esta projecto u'ao implica com o modo da
eleiclu, que alias tem grande infiuencia
na composiclo das municipalidades.
Tratar da apressar quanto posaivel a
representaglo deste projecto; mas cada
cousa tem seu lugar, primeiro qua tudo as
leis annuas; se as ducusses se restringi-
rem aos respectivos assumptos, muito se
poder fazer nesta raesraa sessao, como se
faz no parlamento iuglez, cujo systema des
ereve.
Ter ainda de" comparecer cmara
para outras ''iseussu 's; mas nlo ser to
brevemente como desejara. Pede desculpa
de qualquer falta que tanha commettido, o
que natural quando se falla no meio de
apartes.
das Damas nlo se saiba para onde vai...
Tem algumas divi as nu bairro ?
- Nenhuma, salvo se o aluguel corren-
te e o prximo, de que exigirlo pagamen-
to para me deixarem mudar ; mas o pro-
co da venda dos movis ebega e sSbeja pa-
ra cobrir esta despeza.
Emquanto nlo minha mulher, vou
ser seu tutor, encarregado de administrar a
sua fortuna; disponha, pois, da minha bol-
sa. Fazendo-o, ser-me-ha agradavel.
Affirmo-lhe, meu amigo, que nlo he-
sitarei em fazel-o, mas nlo preciso de na-
da.
Agora, venha... Vou lhe mostrar o
aposento preparado para a menina, e par-
tir em seguida.
O italiano couduzio a filha do ex-arma
dor ao aposento alludido, pequeo, mas
elegante, onde tudo alegrava a vista.
Est n'uma casa de saude, e aqui
est o seu quarto de doente, disse-lhe elle
rindo. Ficar aqui satisfeita ?
Para mim ser ura paraizo II! re-
plicn Cecilia.
Ter por passeio este jardim, grande
como um parque, continuou Proli, e creio
qne ser conveniente nlo sahir delle, antes
que se reaiize o nosso casamento, para que
ninguem possa suspeitar do passado.
Nlo sahirei delle.
- Emquanto ao futuro, fique descansa-
da. Tornal-o-hei brilhante, prometto-o ; e
se alguma vez teve aspiraeftes ambiciosas,
crea que serlo excedidas.
Nlo poderia ter outra aspiraclo que
nlo fosse a de ser amada pelo senhor. Essa
est realizada : nlo teuho, pois, nada a d-
se jar.
E' um anjo, querida Cecilia.
E o italiano, enlajando a moca, abra-
cou-a apaixonadamente.
O Sr. Rodrigues f unior nlo
pode deixnr de apioveitar este debate para
expor cmara algumas conaideracCes que
lhe desoertou a leitura da fallado throno ;
nesse importante documento, que p prj-
gramm'a poltico do gabinete, charaa-se a
attenclo do corpo legislativo para diversas
reformas.
Analysa cada uraa dessas reformas,
apresentando a sua importancia e decla-
rando que nao embarazar a sua passa-
giiu, urna vez que se convenga que ten-
dera a melhorar o estado do paiz.
A cha entretanto qua nlo por falta das
leis vigentes que a seguranja individual e
a adrainistracio da justica nlo slo o que
deviam e convioha quo fossem.
Era seu conceito a inobservancia dessas
leis a causa nica do que se obser-
va; a reforma ju Iiciaria de 1871 estbale
ceu a prislo preventiva, a fianji proviso-
ria e ampliou o habeos-corpus, garanti de-
vidamente a seguranca o a liburdade indi-
vidual ; entretanto esses beneficios da re-
forma tem sido despresados de modo in-
crivel; de modo qua nlo ser com urna
nova reforma que se previnirlo esses at-
tentados, mas com a oxecoco fie! da lei
vigente e com a acelo enrgica das auto-
rida ies, respeitanlo-se a divis3o do poder
eivd do judiciario; cujo desrespeito tem,
chegado a ponto que descrave em diver-
sos succe8sos ltimamente dados as pro-
vincias do norte, j era questoes. eleitoraes,
j ero questSes civeis.
Demonstra que a nova reorganisaclo do
exercito, para a qual o governo est auto-
risado, ha de ser manca e defeituosa, pelos
motivos que aponta, referindo se execu-
clo qne tem tido a lei que estabeleceu o
alistamento militar.
Nlo querendo infringir o regiment e at-
tingindo a hora de terminar a discusslo, vai
concluir por esta considerarlo ; alistado as
fileiras do p rtido liberal, onda sempre
railitou, o seu posto era frente do actual
governo ha de ser opposicionista franco;
possivei que seja alguma vez severo para
os erros dos seus adversarios, mas nlo ne-
gar o seu voto s medidas que entender
que slo exigidas pelos verdadeiros interes-
ses do paiz.
Esta iscusslo tica adiada pela hora. .
fob;a naval
Entrou em 2* discusslo a proposta fixan-
do as forreas de mar para o exercicio de
1887-1888.
O Sr. Montandon sobe tribuna
tendo em vista pedir inform.icSes ao Sr.
ministro da marraba nao s relativas
marcha que pretende seguir na sua pasta,
como tambem fazer algurras observacoes
que interessam a alguna ramos do servigo
publico.
Observa que as discussoes havidas a
ttenglo da cmara tem sido sraente pro-
vocada para os actos da situarlo passada;
desda que reclamacoos sa levantam relati-
vas ao pequeo periodo da situarlo actual,
esta defende-se cora factos que se uerara
naquella ; isto quer dizer que esta situarlo
nlo quer regenerar o paiz, mas s-guir o
caminho de seus adversarios.
Deixa estas consideracoes, para observar
que ha pouco o Sr. Taunay interpellou o
governo sobre certas medidas favoraveis
mmigraclo ; nlo e daquelles que coraba-
tem es*-a tendencia exagerada, mas tam-
bera nlo dos que pensam que smcnta
dessa fonte poder vir a prosperidade do
paiz.
Recorda o que diz a respeito o relatorio
do ministerio da agricultura ; bera como as
crueis decepr3es que ha de encontrar no
Brasil parte da iramigraclo attrahida per
propagandas impensadas.
Demonstra a insuficiencia de phares
as costas do Brasil, o que tem dado cau-
sa a varios naufragios, entretanto que
este um servio do grande importancia
commercial.
Quanto inmigrarlo mostra a necessi-
dade de haver prudencia nesse servico de
modo que nao se seja absorvido pelo es-
trangeiro.
Faz ver a grande popularlo que existe
abandonada no interior do imperio e que
tanto podia concorrer para a nossa pros-
peridade, se houvesse ura governo que se
dedicasse a um servio to patritico, quan
to de necessidade para o paiz.
Cita que na provincia do Kio de Janeiro
ha urna fazenda roteada sraente por fa-
milias do sertlo de Minas, que tem dado
resultados superiores aos que davam os es-
cravos e mesmo aos que dio os estran-
geiros.
Depois de" muitas outras considerares,
trata do projecto de casamento civil, dese-
jando que o governo esclareca o p .iz a res-
peito, porque paira urna especie de susto
entre a popularlo catbolica.
Aproveita a occasilo para chamar a at-
tenclo do governo para os aldearoentos
dos indios e para a catachese, achando
muito diminuta a verba para este s-tvjo.
Voltando acs negocios da pasta da raa-
rinha, er que o nobre ministro poder fa-
zer reduccoes em algumas despezas com
os arsenaes de marinha.
O Sr. Escragnolle Taunay la-
menta ter de occupr a tribuna era hora
tao adiantada para responder ao Sr. Mon-
tandon, que pode Saber muito das mate-
rias que tem estudado, mas que acaba de
mittir ideas estramblicas e estranbaveis
era um filho de estrangeiro, que deve pro-
curar acoror >ar a immigrarao europea.
I
Agora, disse-lhe elle em seguida, v
depressa e faca por voltar cedo. J lhe
mandaram buscar urna carruagem.
A menina Bernier sabio da casa de sau-
de para se dirigir a Batignolles.
Proli sabio um pouco depois della e di-
rigio-se para o centro de Pariz.
Emquanto descia o boulevard Saint-Mi-
chel, para onde fora pela praca do Obser-
vatorio, reflectia na marcha rpida dos
acontecimentos, que trabalhavam em seu
prove to, e conduziam o realisaclo dos
seus planos audaciosos.
O acaso favoreca o por maneira quasi
inverosmil.
Urna circumstancia feliz tinha-o tornado
amigo do Sr. de Grevrey, o juz formado r
da culpa, encarregado do processo do as-
saasinato de Jayme B u-nier e, pelo Sr. de
Gevrey ficaria ao facto dos mais pequeos
pormenores do inquerito.
C cilia estava sob seu dominio absoluto.
Devia tranaformar-se em suas mies no
instrumento da fortuna, visto que trazia um
dote a seu marido de dous trros de um
milhlo e duzentos mil francos, de seu pai
assassinado.
Emquanto ao terco restante, vir-lhe-hia
ter s mos, mais tarde, nlo punha em da-
vida, estando, como estava, perfeitamente
decidido a nlo recuar e a nlo hesitar dian-
t de nada para ficar de posse da heranga
inteira.
Tratava-se, em suinma,' de supprimir
duas mulheres : Angela e sua filha Emma-
RoBa, urna bagatela, que nlo pesava muito
na balanca, visto que na outra estava urna
grande somma.
Ora, o italiano sentia-se com a sede inex-
tinguivel da riqueza.
Quera ser duas vezes, dez vezes, vinte^
vezes millionario, esmagar os seus collegas,
(Continua)
calcar aos ps os seus rivaes e zombar dos
que outr'ora o tinham bumilhado e escar-
necido.
A primeira cousa que tinha que fazer,
para chegar segunda meta da sua fortu-
na, era mudar em certezas as prevencSes
do juz contra Angela Bernier.
Urna vez que Angela fosse condenmada,
a suppressao de Emma Rosa seria a cousa
mais fcil deste mundo.
nicamente o que havia de fazer, para
dar vigor s suspeitas que se dirigiam con-
tra urna innocente ?
Como provar urna cousa que nlo exis-
ta ?
Este problema, se nao era perfeitamente
irrfsoluvel, era, pelo menos, difcil de re-
solver, e isso tornava Proli meditabundo.
" Comprehendoa impossbldade absolu-
ta do proceder isoladamente, dizia comsigo
mesmo.
* E' preciso arranjar um homem sem
escrpulos, cujas necessidades sejam gran-
de e a consciencia absolutamente muda.. .
urna natureza apta para tudo... urna fer-
ramenta dctil... um cumplice hbil.
1 Um cumplice f perigoso, bem o sei ;
mas i.iavitavel!... E' necessario, entre-
tanto, prscural-o, e tudo quanto se procura
acaba por fim por achar-se.
t Primeiro, tenho necessidade de saber
o que aquella loja da hervanaria da ra
das Damas, e se a residencia de Angela
Bernier situada no rea do chlo ou no pri -
meiro andar.
c Nlo.ha tempo a perder... A prorop-
tidlo augmenta sempre, cento por cento, as
probabilidades de bom xito.
1 Continuar-se-ha)
>
Trp.d Diario, roa Dnqae de Carias n.' 42
ST *


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZDEPURFF_E0ZUJB INGEST_TIME 2014-05-28T00:18:56Z PACKAGE AA00011611_16609
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES