Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16605

Full Text



ANNO Lili--- NMEBO 136
PARA A CAPITAL. E JLUCAHIS OADE NAO SE PAGA PORTE
Por tres mezcs adiantados ... ........ 6(5000
Por seis ditos idem............ 120OOO
Por um anuo idem................. 24|J000
Cada numero avuiso, do mesmo dia............ ($100
QARTA-EEIBA 16 i JNHO CE 1886
-
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantado*............... *^wi
Por nove ditos'idem.................. 2^i
Por um anno dem................. 27000^
Cada numero avulso, de dias anteriores........... JluO
NAMBGO
Prjmeirafc* te ttaiwel -tfiguora t>t Jara 4 -ftil)05
TELEGRAMMAS
%
i
i
I
i
ssavigs mmm :: suaio
RIO DE JANEIRO, 15 de Junho, s 3
horas e 50 minutos da tarde. (Reeebido s
5 horas e 40 minutos, pelo cabo subma-
rino).
A Cmara lo* Deputado* approvoa
boje em ? iiMiian de forra* de mar para o ex-
erelcio de 838S.
O Senado approton nonlem. em S.*
ii*,i**;io. o projeclp de fliaeo de
forran de mar para o exercicio de
l'ni nomeado mlnlutro do Supremo
Tribunal de Juatica o deaembarga-
dor do Tribunal da Belarau da corte.
Lata Canoa de Paita Teixelra.
Foi nomeado Juiz municipal do
termo* reunido de Marwo e II u
mllde. da provincia do Piauby. o
bacharel Jo*<- Lonrearo de Horaen
e Silva.
SE&vigo m a&sssia 27:
(Especial para o Diario)
MUNICH, 14 de Junho, tarde.
O principe O Ibn, irmo de Luiz
II. acaba de aer proclamado re da
Baulera. *oi> a regencia do principe
i.niipoid. sen lo.
TRIESTE, 15 de Junho.
Acaba de apparecer atiui o chole-
ra -morbo*.
Agencia Hars, filial
t5 e Junho de 1886.
em Pernambuco,
INSTRUCCiO POPULAR
MYTHOLOGIA
%
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO K DAS E800LA8
Apollo e Diana
(CojUtmtafo)
Diana, a densa da castldade e a padroeira da
caja, era tambem venerada pelos pagaos oomo
deusa da la (o'esta qnalidade lhe charaavam es-
pecialmente Pbebe) e como divindade dos tmulos
(Hecate a denomina vam ento. chegaudo alguna
mythologos a confundil-a n'cate caso com a pro-
pria Proserpina).
Como representante da la em contraposigo a
seu irmo Phebo (que era o deus do sol), Diana
u Pbebe representava-se geralmente meia envol
ta n'um largo veo azulado e semi-traosparente re
f cunado de estrellas ; no pinteado, sobranceiro
crote essa guisa d; diadema, scintillava- 1 ie nm
rrescentede la. E, assim como Apollo guiavadu-
tante o dia o carro do sol at esconder-se no b oriaon
i, Diana era quem,nophantesiar do paganismo di-
rgia em seu prrcurao oformoso astro das noites.
Mercurio
Com essa vara intenten Mercurio orna vez separar
da as serpeotesque no campo encontrara assanhadis-
simasuma^ontra a outra, e para conseguir seu fim
Imdcou lheB a vara oe permeio entre ambas ; ae ser-
pentea, porm. longe ugir cala urna para seu lado
como suppunha Mercurio, enroscaram-se mutua-
mente na vara e all ficaram permaneceudo aempre
unidas. Ao conjuncto da vara com as duas aer
pentes enroscadas deu-se o nome de caduceu,in-
signia que passou d'ahi por diante a constituir um
symbolo de paz, e que os mj thologos tiguram
sempre nadeztra de Mercurio a representarem-n'o
adolescente, imberbe formoso, com as azas nos ps e
na cabeca.
(Contina)
Mercurio foi o fructo dos amores entre Jpiter
e a nympba tlibi. Venerado pelo .paganismo
tomo deua da eloquencia, dos do commercio e
por ana lucongrueBte accuroulnca' de attributos
deus tambem doa la roes, Mercurio exerchi as
faneces de mensageiro dos deuses e era particu-
larmente o encarregado de transmittir as ordena
de seu pai, o qual por isa lhe puzera azas nos cal-
canbares e na cabeca p i a com oais promptido
executar seus n,andad
Incumbia-lbe igual nte o encargo de trans-
portar para a mansito infernal as almas dos mor-
ios, assim como lhe assistia o poder.de as revocar
de l regio i as e vida.
Por sua dextreza de inaos que merecen do pa-
ganismo aer venerado como o patrono dos ladroes
Luciano nos seus Dilogos diz que Mercurio se
gabava de por sua ezperteza baver sabido furtar
a Neptuno o tridente, a Marte a espada, a Apollo
as flechas, e inclusivamente a Venus o celebre ces-
to ou cinto das gracas. Subretudo o que mais
principiou a turnar nutavel sua extraordinaria sa
gacidade n'este campo fui o roubo que tez, quando
verdea annus ainda centava, das manadas que
Apollo andava pastoreando, pertencentes ao rei
Admeto. Houve, porm, quem presenciasse o fur
to ; e foi um famoso pastor por nome Batto
Quiz Meicurio tapar-lhe a bocea, e para o con-
seguir procurou c mpral o offerecendo-lhe a mais
formosa rez das que furtara. Batto, encantado pe-
rante a grande valia da mimosa offerut, premetteu
guardar o mais completo segredo. Mercurio que
se nao fiou as promessas do pastor, e para averi
guar ao certo, se a palavra de Batto mereca ou
nao confianza, siinumuretirar-se ; volvendo, porm,
d'ahi a pouco. ja com a figura mudada e a voz dis-
famada, apresentou-se ante o pastor a ineulcar-se
como don'i do gado roubado e a offerecer-lbe em
premio nma vaeea e um boi, se descobrir-lhe
quizesse onde pairavao roubo. Nada mais foi pre-
ciso ; Batto cedendo tentacao do premio que
o disfarcado, Ibe offerecia, e esquecido j da pro-
messa que fizra de guardar segredo, nao besitou
cm revelar tudo quaiifo sabia. Mercurio ento
por castigo d'aquellamf, metamerphosi-ou o pas-
tor em pedra de toque.
Mercurio foi um dos que conseguiram captar as
boas gracas de Venus e ser por ella correspon-
dido em seus amores.
De Venus, pois. houve Mercurio um filho, por
orne He.-mapbrudito, o qnal, apaixonando se ex
tremosamente pela nympha Salmacis, implorou
dos deuses como suprema graca que os corp-os de
ambos se fundissem e identificsssem n'um corpo
nieo, desejo a que os deuses accederam, conglo-
bando effectivainente n'uma entidade nica os
corpop dos teus extremosos amantes, e resultante
reatura se ficou chamando Androgyno (vocabulo
grego que significa homem e mulher.)
Mercurio pus-"' or ser o inventor da lyra, e
contam que a fabr ara de urna concha de tar-
taruga em cajos bo Jos esticou longitudinalmente
nove cordas em honra das nove Musas. Ser-
vio-lbe depois este primoroso invento para com
elle mimosear Apollo, o deus da poesa, offerecen
do-lh'o por dadiva.
Em troca de to especial offerta, Apollo oose
quiou Mercurio dando-lhe por presente nma vara.
JARTE orflKUH.____
Ministerio do imperio
Por deopacho imperial de 29 de Maio finio toi
concedida a exoneracao qne pediram :
O conselheiro Joo Alfredo Correia de Ol
vira do cargo de presidente da provincia de S.
Paulo ;
O conselheiro Jos Pernandes da Costa Pereira
dIHie presidente da de Pernambuco ;
O conselheiro Joo Capistrano Bandeira de Mello
do de presidente do Maranho ;
O bacharel Franklin Washington da Silva
Almeida do de secretario da provincia de Minas-
Geraes ;
O bacharel Pedro Carvalho de Moraes do de se-
cretarioada do Espirito-Santo.
Foram no neados :
O bacharel Jos M irianno da Costa para o
cargo de 3" vice-presidente da provincia do Mi-
ran has ;
O arcediago Dr. Manoel Tavares da Silva para
o de 4 vice presidente da mesma provincia ;
sendo exonerado o bacharel Jos Jansen Ferreira
Jnior;
O bacharel Fraocis20 Coelho Duarte Btdaro
para o cargo de presidente da provincia de Minas
Geraes ;
O Dr. Jos Evarist da Cruz Gouveia para o
de inspector de hygiene da provincia da Para
hyba ;
G Dr. Agnello Candido Lins Fialho, para e
de inspector de saude do pjrto da mesma pro-
vincia.
Foram acceitas e confirmadas as renuncias
qua fizeram dos respectivos beneficios, aa ca-
thredral do Maranho, os padres los Manoel de
Freitas, Carino Nonato da Silva e Gervasio Anto-
nio Nogueira.
Foram apresentados os padres Francisco
Hildebrando Gomes Angelim e Francisca Jos
Baptista as cadeiras de eonegos vagas na mes-
ma cathedral ; e o padre Jos Demetrio do Reg
Brito na de beneficiado.
Por desp .cho imperial de 5 do corrente
mee : .
Foi agraciado cem o grao de cavalleiro da Or-
dem de S. Bento de Avia o Io tenente da armada,
Francisco Gavio Pereira Pinta
Foram nomeados :
0 bachorel Archias Euripedes da Rocha Medra-
do para o lugar de lente da 1* cadeira do 2* anno
da Escola de Minas ae Joro Preto.
O Dr. Luis (.'arlos Lins Wanderley para o lu-
gar de inspector de hygiene da provincia do Rio
Grande do Norte ;
O Dr. Jos Calistrato Carrilho de Vasconcellos
para o de inspector de saude do porto da mesma
provincia.
Ministerio da fustlca
Por decretos de 5 do jrrente:
Foi declarado avulso o juiz de direito
Aristides Augusto Milton, e vaga a com ai
ca de Pedro II, na provincia do Piauby,
visto ter sido o tnesmo juiz eleito deputado
Assembla Geral Legislativa pelo 3o dis-
tricto da Baha ;
Foi declarada sem effeito o decreto de
27 de Marrjo ultimo, que removeu o juiz
municipal e de orphaos, bacharel Santos
Estanislao Pessoa de Vasconcollos, dos
termos de Camet e Baiao, na provincia
do Para, para o de Patos, na da Para
hyba.
Foram concedidas aa demissSee que pe-
diram :
Ao bacharel Jos Brando da Roch, do
lugar de juiz municipal e de orphaos do
termo de Gamelleira, na provincia de Per-
nambuco ;
Ao bacharel Antonio da Rocha Hollanda
Cavalcante, de igual lugar do de Atalaia,
na provincia das Alagoas.
Foram nomeados juizes mnnicipaes e
orphaos:
Do termo de Igarap raeryo, na provin-
cia do Para, o bacharel Santos Estanislao
Pessoa de Vasconcellos;
Dos de Coroat e S. Luiz Gonzaga, na
do Maranho, o bacharel Urbano Santos
da Costa Aranjo;
Do de G melleira, na de Pernambuco,
o bacharel Joao Lopes de Siqueira Santos.
Foram expedidos os seguintes avi-
808 : VT 3
2a secsao. Ministerio dos Negocios da
Justi$a. Rio de Janeiro, de Junho de
1886.
Illm. e Exm. Sr.R^spindendo ao ofli-
.io n. 92, de 28 de Abril prximo passado,
declaro a V. Exc, em soluco consulta
do juiz municipal e de orphaos do termo de
Marvao que, de conformidade com o de
creto n. 84 dfl 20 de S^temOro de 1851 e
aviso n. 52 de 24 de Agosto de 1882, nao
podem os juizes de direito mandar os seus
substitutos presi I ir o jury sem passar-lhes
a jurisdicyao plena.
referido major, que t'ever restituir o que
deraais recebeu, o voncimento de l:2G0f$
annuaes, consignado no art. '' n. 18 da
lei de orgamento que regeu o exercicio pas-
sado.
Deus guarde a V. Exc Joaquim D l-
fino Ribeiro da Luz. Sr. presidente da
provincia de Pernambuco.
---------------g'aesoc-'--------------
Ministerio da Fazcnda
Por titulo de 26 de Maio prximo pas
sado foi nomeado 2o escripturario da Al-
f.indega da Parnahyba, provincia do Piau-
by, o 2o escripturario da Thesouraria de
Fazenda do Amazonas Egydio Osorio Por-
firio da Motta.
Por ttulos de 5 do corrente toram no-
meadoa :
OB al de descarga da alfandega de Ma-
nos, no Amazonas, Joa Di imedes de
Brito Inglez.
2o escripturario da Thesouraria de Fa
zenda de Matto Grosso, Frederico Simpli-
cio Gualberto de Miranda.
de
jXc. Joaquim Del-
- Sr. presidente da
Deus guarde a V.
fino Ribeiro da Luz.
provincia do Piauby.
Ministerio dos Negocios da Justi$a. 4"
seesao. Rio de Janeiro, Io de Juaho de
188 i.
Illm. e Exm. Sr. -Com o offi io n. 48
do Io de Abril ultimo, transmittio V. Exi.
copias do que lhe dirigi o inspector da
Thesouraria de Fazenda dessa provincia e
da representado da contadoria, contra o
abono de vantagena militares feito ao ma
jor da guarda nacional Guilhermino Paes
Barreto, pelo exercicio de mjor da praja
du presidio de Fernando de Noronha. Em
resposta declaro a V. Exc. que, nao sen-
do applicaveis ao caso vertente as disposi
gees dos avisos ns. 410 de 30 de Outubro
de 1872 e 49 de 26 de Janeiro de 1880,
que sereferema officiaes effecti/os, refor-
mados 0 honorarios do exercito, s cabe so
Ministerio da Agricultura
Por portara de 28 de Maio proxiim finio foi
removido o engenheird Mfedo Fernandes Dias,
chefe de seceo do prolongamento da estrada de
ferro de Pernambuco, para idntico lugar na de
Porto Alegre Uruguayana.
Por outra de igual dar foi removido o enge-
nheiro Henrique Cristino da Silva Guerra, chefe
de seceo da estrada de ferro de Porto Alegre
Uruguayana, para idntico lugar no prolonga-
mento da de Pernambuco.
Por portara de 1 do corrente foi nomeado aju-
dante de 1' classe do piolongamento da estrada de
trro de Pernambuco, o de 2* engenheiro Joe
Machado PortelU, percebendo os vencimentos que
lhe competirem, conforme propoz o respectivo di-
rector engenheiro chefe.
Foi expedido o seguirte aviso :
Ministerio doe Negocios da Agricultura, Com-
mercio e Obras Publicas. Directora da Agri-
cultura. -2" seceo.N. 5.Rio de Janeiro, 4 de
Junho de 1886.
Illm. eEim. Sr.Remetiendo a V. Exc......
caixote contendo.... livros do que trata o art. 11
4- do regmamento n. 9,517 de 14 de Novembro
du anuo passado, c ihe-me declarar que o uso de
taes livros est regulado nos 2", 3 e 4o, do ci-
tado art 11, o que V. Exc. far notar aos joizes
de orphaos.
Des guarde a V. Exc. Antonio da Silva Prado.
Sr. presidente da provincia das Alagoac.
Idnticos as presidencias das provincias de Per-
nambuco, Babia, Sergipe, Paran, Santa Catha-
rina, Rio Grande do Sul, Goyaz e Matto Grosso.
Ministerio da Guerra
Considerando que o art. 232 do regulamento
approvado pelo decreto n. 5,529 de 17 de Janeiro
de 1854, com reanlo aos officiaes extranumerarios
conten dispesico idntica do art. 92 do que
baixon com a decreto n. 2116 de 1. de Marco de
1858;
Considerando que o art. 34 do regnlameuto ap-
provado pelo de n. 2582 de 21 de Abril de 1860,
extingnindo aquella classe de officiaes, determi-
oou que os que ento existiam fossem incluidos,
segundo anas antiguidades, nos quadros dos cor-
nos a que h viam pertenido, ficando aggregados
os que eicedessem, at haver vaga em que fos-
sem contemplados :
Hei por bem, por identidade de razo, mandar
reverter ao quadro ordinario do corpo de estado
maior de Ia classe o major Jos Rabello de Vas-
concellos e ao da arma de artilbaris o major Fir-
mino Pires Ferreira, dispensados, este do lugar
de instructor da escola militar da provincia do
Rio Grande do Sul, e aquelle do de professor de
matbematicas do curso preparatorio da Escola Mi-
litar da corte, procedendo-se a respeito de ambos
nos termos do disposto do mencionado art. 34.
Palacio do Rio de Janeiro, em 22 de Maio de
1886, 65 da ind-pen -enca e do imperio. Com a
rubrica de sua m^gestade o imperador. Joo
3oa de Olireira Junqueira.
Por decretos de 29 de Maio fiado :
Concedeu-se reforma, nos termos da primeira
parte do Io do art. 9 da lei d. 548 de 18 de
Agosto de lb5, ao capitao do 21 batalho de in-
tantaria Antonio Raymundo Miranda de Carvalho,
visto ter sido jaldado incapaz do servico do exer-
cito em inspeccio de aad a que foi snbmettido.
Foi transferido para a 2* claase do exercito, de
conformidade com a immediata e imperial resolu-
co do 1" de Abril de 1871, o tenente do 15* ba-
talho de infantaria Firmao Ponciano dos Santos,
ficando aergregado arma a que pertence, visto
ter sido ta.nbem julgado incapaz para o servido.
Foram clasificarlos nos cornos abaixo men-
cionados < s teoents do execito promovidos por
decreto de 15 de Maio pa sado :
Para o esqnadro de cavallaria em Goyaz, Cons
tantino Antunes do Prado, Can lido d Azevedo
Baogcl, e para infantaria : 2o batalho Raymun-
do Fernandes M .nteiro, 5", Firmioo Raymundo dos
Santos Kios, Manoel More ira de S >ura e Americo
Albuquerqu-' Portocarrer ; 7", Jos Joaquim La-
pa do Nascim-ntn ; 9, Henrique M moei da Silva
e Antonio Joi- Ribeiro ; 1 Francisco de Assis
Camet ; 15*, Malaquias Jos Netto e Antonio
Goucalves Pereira ; 16, Salvador Pires de Car-
valho Arago Jnior; 17*. Fausto Martina Ri
beiro ; 18, Jjaqoim Sjares da Silva, Jos Maria
la Rocha Andrde e Aifreio Muniz ; 20 Alberto
Luiz 'la Cunha e Cruz e Joo Antonio da Costa
Campos.
Ministerio da Marinha
Por decreto de' 29 le Mno findo, toi aposentado,
a seu pedido, o director geral da Secretaria de
Estado dos Negocios da Marinha, conselheiro Sa-
bino Eloy Pessoa.
Por decretos da mesma data toram, na referida
Secretaria, promovidus :
A director geral, o directo* de seccao Adolpho
Paulo de Oliveira Lisboa ;
A director de seceo, o 1 official Josj Mar a
Boint> mpo ;
A 1 official, o segundo Jos de Mello Fayao ;
A 2" official, o amanuense Guilherme Frederico
Martina.
- Foi transferido para o 20" de infantaria o
ten-iite do 10*, Adalberto Xavier de Castro, epara
est^- batalho. onde continuar a exercer interina
mente o lugar de secretario, o tenente do2ij Joo
Antonio da Costa Campos
Foi transfer lo para o 2 regiment de arti-
Iharia o 2 tenente do 2" batalho da mesma arma
Militao Lobo.
Cioverno da provincia
EXPEDIENTE DO DIA 4 DE JUNHO DE 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, usando da fa-
culdade conferida pelo art. 7.* da le de 12 de
agosto de 1834, resolve prorogar por des dias a
actual sesso d* Assembla Legislativa Provin-
cial. Comtnuncou-se Ats-mbla Provincial e
ao Thesouro Provincial.
O vice-preadente da provincia, tendo em vista
o officio de 15 de maio findo, do juiz do 1. dis-
tricto de paz da parochia de Sarto Antonio de
Tracunbem, do qual consta que o consistorio di
respectiva matriz, alm de ser pequ"no para a i
reuno dos eleitores actualmente existentes,
acha-se em estado de ruina, e a informacio pres-
tada a respeito em 20 do mesmo mez, pelo Dr.
juiz de direito da comarca de Nazaretb, determina
que os eleitores da parochia de Tracunhem se
reunam no recinto da capella de Nossa Senhora
do Rosario, situada na mesma freguezia, ficando
assim sem effeito a portara anterior na parte
relativa reumo dos eleitores no consistorio da
egreja matriz. Remettcu-se copia cmara mu-
nicipal, juiz de direito j jiz de paz do 1." distriito
da parochia de Santo Antonio de Tracunhem.
O vice-presidentu da provincia attendendo ao
que requereu Affonso Lucio de Albuquerque Mel-
lo, amanuense da repartico da Ii|tru<<;io Publi-
ca e tendo em vista a informaco n. 151 de 18 de
maio findo, do respectivo inspector, resclve conce -
der ao peticionario 30 dias de licenca com orde-
nado para tiaetar de sua saude onde lhe conver.
O vice-presidento da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chete de polica, em
officio n. 545, de 31 do mez findo, resolve decla-
rar por convenieecia do servico publico que o en-
genho Cuyab, com todos os seus terrenos, fica
pertenecudo ao diatricto policial de Preguica do
termo de Palmares,Communicou-se ao Dr. chefe
de polica.
O vice-presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Antonio Borges da Silveira Lobo,
tabellio publico desta capital resolve conceder-
Ihe 3 mezes de licenca para tractar de sua saude,
devendo entrar no goso da referida licenca no
prazo de 15 dias.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o contador do Thesouro Provin-
cial, bacharel Antonio Maria de Faria Neves,
resolve de conformidade com o disposto no art.
5." da lei n. 683 de 5 de maio de 1866, restabele-
cido p-lo art. 1. da de n. 1,522 de 11 de abril de
1881, conceder ao peticionario a gratificaco da
terca parte dos respectivos vencimentos, visto
contar mais de 30 annos de exercicio segundo a
informaco do mesmo Thesouro de 7 da abril ul -
timo, n. 559, devendo ser-lbe abonada a referida
gratificado nos termos da lei n. 1,682 de 21 de
junho de 1882.
Officios :
. Ao Dr. chefe de polica. Communico a V.
S., para os fins convenientes e em soluco do seu
officio n. 516, de 21 de maio findo, que foi refor-
cado com 3 pracas, conforme reclamou o com-
mandante do Corpo de Polica, o destacamento da
Passagem da Magdalena.
Ao commandante superior- da Guarda Na-
cional do Recife. Declaro a V. S., para seu co-
nbecimento o devidos fins, quo fica dispensado do
conselho de reviso da qualificaco da guarda
nacional o official Alfredo Rodrigues d>s Adjos,
conforme solcitou a Inspectora Geral da Instru-
ceao Publica, em officio n. 171, de 29 de maio
findo, visto ser o dito official archivista da respe-
ctiva repartico, onde faz-se preciso seu compa-
recimento diario Communicou-se ao inspector
geral da Instrucco Publica.
Ao commandante superior de Bonito e Be-
zerros. Em esposta consulta que faz V. o.
por officio de 15 de maio findo, tenho a declarar-
Ihe que deve mandar proceder a nova qualificaco
na parochia de Gravat; podeodo, opportunamen-
te, ter lugar a reviso as parochias do Bonito e
Bezerros, que nao terminaram seus trabalhos.
Outrosim, informe V. S. por que nao foi con-
cluida a qualificaco na referida parochia de
Gravat.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. 8., para oa fins convenientes, que au-
torsei o director do Arsenal de Guerra mandar
concertar com urgencia a carroca do 2' batalho
d infantaria, despendendo at a quantia de.....
135^795, em que foram oreados os concertos, at-
ienta a falta que faz a dita carroca aquelle bata-
lho.
Ao mesmo. Declare a V. S., para os fins
convenientes, que vista da sua informaco n-359,
de 27 de Maio findo, autorisei o director do Arse-
nal de Guerra mandar fomecer a enfermara
militar diversos artigos pedidos em 15 de Outubro
do anno passado, pelo Dr. Francisco Homem de
Carvalho, quaodo encarregado da mesma enfer-
mara, despendendo com a sua acquisico at a
quantia de 260*870, om que foram oreados os di-
tos artigos ; d'eate mea acto dou conhecimento ao
ministerio da guerra, secundo de opinio a con-
tadoria, na citada informaco.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Para
resolver sobre os requerimentos da irmandade do
SS. Sicramento de Saoto Antonio, proprietaria da
casa n. 9, da ra dos Patos, e de Joo Francisco
dos SanUseifilhos, propietarios das meias-aguas
ns. 1 e 3 da ra do Calabouco Velho, a que se re-
ferem as intormacoea d'esse Thesouro, de 26 d*
Marc i e 5 de Maio deate anno, sob ns. 54 e 615,
compre que Vmc. informe com a possivel brevid*-
de,quaes toram os motivos que determinarm a ele
vaco da dcima dos referidos predios, e se bou. e
alguma reclamaco ou recurso por parte dos p.o-
prietarios quando se deu aquella elevaco.
__ Ao meslo. Verificando se dos documentos
apresentados por Maria J oaquina dos Santos A-
br-u e Silva, e das informacoes a que se referem os
oficios de Vmc, de 10 de Abiil o 17 de Maio ulti
mo, sob ns. 568 e 638, que houve manifesta djus-
ta na elevaco da uecima da casa sita trav-a
sa do Pocinho n. 21, nos exercicios de 187778 e
187879, visto que nao deu augmento no valor
locativo da dita casa, dou provimento ao requeri-
menio da rec rrente, para que o dito predio terne
ao favor do art. 17 da novaco do contrato de 18
de Dezembro de 1865, sendo lhe restituidas as an-
nui lacias que indebitainente pa^ou.
__ Ao mesmo. Pnra o m indicado no officio
673, remetto-lhe a inclusa relacAo dos objectis em-
barcados nos navios Arae Lyhum, a ciegar de
Londres, com destino ao servico da compauhia
Recife Drainage, e que teem de jer despachados
na Altand-ga, livres de direites.
Ao dir.ctor do Arsenal de Guerra De ac
cordn com o ornamento, na importancia de......
260">70, que veio aflnexo ao officio d'essa directo
ra. de 3 de Novembro do anno passado, sob n.
1,738, mnde Vmc. forneeer enferma ia militar,
os artigos mencionad.>s no incluso pedido, de 15
de Outubro d'aquelle anno. assignado pelo Dr.
Francisco Hoinem de C .rvalho, quando encar-. ga-
do da mesma enfermara, urna vez que exiate cr-
dito para ore rrer ar spectva d speza, segn lo
informa a Thes. uraiia de F..zenda, em oficio u.
359, de 27 de Maio findo.
__ Ao uvsmo. A' vista do exposto im oficio
dessa directora, de 1 do corrente. sob n 398, au-
toriso Vmc. a mandar faz-r com urgencia o* c m
cert s de que tetn Careada a carroca p. rtencente
ao 2 batalho de infantera, egmido o orcamenfo
na importancia de 135*790, que acoinpauh u u ci
tado oficio.
Ao inspector geral da Instrucco Publica
Reconunendo a Vine, que chame a atfenc > do de
legado do dtric.o Iliterario do Granito para a
disporco do art. 17 g 5', regu'am. nto de 6 .1 I-
vereiio de' 1885, relativo ao molo porque devem
ser paseados os attestados de exercicio"de prof.-s
sores.
Ao fiseal da Recifa Drainage D.claro a
Vmc, que neita data remetti ao Thesouro Provincial
a relaco dos objectosembarcados nos navios Ara
Lyhum, chega- de Londres om destn > ao ser-
vico dessa companhia e qne teem de ser despicha
ios na Altandega, livre de direitos, de que trata
em seu oficio de 28 de Maio prximo paasadfc
Quanto aos despacho s bre a^ua, de que-'as oc
cupa o final do mesmo officio, perteiicem elles i di-
recvSo da Alfjndega. quem cabe a applicaco
das disposicocs eguiamentares.
Ao mesmo. Declaro a Vssc, que de accor
do enm a sua informaco de 28 de Maio altimo,
indeferi o requerimento de Angela Mana do Espi-
rito-Santo.
Ao mesmo.Verificando-se dos documentos
apresentados por Mara Joaquina dos Santos A-
breu e Silva e das informacoes prestadas pelo The-
souro Provincial que houve manifesta injuetica na
elevaco da decima da casa, sita travessa do
Pocinho n. 21, nos exercicios de 187778 o 18'8
79, visto que nao se deu augmento no valor lo-
cativo da dita casa, dou provimento ao requer-
ment da recorrente, para que o dito predio torne
ao favor do artigo 17 da innovaco do contrato de
18 de Dezembro de 1865, sendo-lhe restituidas as
animidades que indebtamente pagou.
Ao promotor publico de Taquaretnga.Re-
commendo a Vmc que proceda, conforme for de di-
reito, contra o sargento do corpo de polica Jos
Bento da Costa Moreira, commandante do desta-
camento ahi estacionado, pelo facto de haver des-
obedecido a urna ordem de habeos corpus concedi-
da pelo respectivo juir do direito a favor de Maria
Joanna do Espirito-Santo.
Do resultado do processo dar Vmc. conheci-
mento esta presidencia.
Ao juiz municipal ede orphaos do termo de
Bom-Consclho.Conforme declarei a Vmc. em cir
eular de 6 de Abril ultimo, e consta do aviso do
nvnister o da agricultura, commercio e obras pu-
blicas, de 2 de Marco, o governo imperial provi-
denciar opportunamente sobre a remessa dos li-
vros, de que trata o 4o do anigo 11 do regula-
mento approvado pelo decreto n. 9,517 de 14 de
Novembro do anno passado.
Assim fica respondido o officio de Vmc. de 26 de
Maio prximo passado.
Portaras :
O Sr. agente da companhia brasileira man-
de dar passagens a r at o porto de S. Salvador,
por conta do ministerio da agricultura, commer-
cio e obras publicas, ao engenheiro'Joo Martina
da Silva Coutinho, vista do aviso do mesmo mi-
nisterio, de,30 de Vlarco ultimo.
O Sr. gerente da companhia pernambucana
faca transportar at o porto de Penedo com des-
tino villa de Tacarat, por conta do ministerio
da justica, no vapor Mandahu o 2- sargento do
14- batalho de infantaria Antonio Ludgero Mon-
corvo e o soldado do 2- Francisco Eufrazio Nobre
o primeiro qne vai substituir no destacamento ao
1- cadete 2- oargento Marcal de Siqueira Campos
e o segundo ao 2- cadete Mathias Pinto da Costa,
que foi excuso.
Outrosim, mande tambem transportar at aquel-
le porto, com destino Leopoldina, por conta do
mesmo ministerio, an soldado Joo Baptista de
Araujo que vai substituir no destacamento all
existente ao soldado Manoel Jos de Sant'Anna,
que foi transferido para companhia de Alagoas.
Communicou-se ao commandante das armas.
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao Limoeire.Mande dar passagem de ida
e volta de primeira classe at aquella cidade, por
conta do Ministerio dos Negocios da Justica, ao
empregadoda Secretaria da Policiajoaquim Fran-
cisco Borges Ucha que vai a servico da reparti-
co, conforme soliciten o respectivo chefe.
BXPEDIEHTB DO SECBETABIO
Oficios :
Ao commandante das armas.S. Exc. o Sr.
vice-presidente da provincia manda declarar a S .
Exc ter autorisado o Arsenal de Guerra a forne-
eer os artigos mencionados no pedido annexo ao
officio desse comraando de 15 de Outubro do anno
passado, sob n. 1,352.
Ao conselheiro Francisco Jos Cardoso J-
nior, coronel director do Hospital Militar (L Corte.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidnte da pro-
vincia tenho a honra de enviar a V. Exc, em ob-
servancia ao officio n. 416, de 30 de Abril ultimo,
o incluso documento aumente aos medicamentos
fornecidos pelo Laboratorio Pharraaceutico Militar
Enfermara dVita provincia, a cargo do 14,
batalho de infantera.
A' Thesouraria de FazeBda.De ord-?m de
S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia devolvo
a V. S. depois de assignado o titulo de nomeaco
de Manoel Goncalves Ferreira e Silva Jnior para
o lugar de cobrador da Recebe loria.
A' mesma.9 Exm. Sr. vice-presidente da
provincia manda remetter a V. S. quatro ordena
do Thesouro Nacional de ns. 109 a Ul, e urna do
Ministerio da Guerra datado de 26 de Maio findo.
Ao agente da Companhia Brasileira.S.
Exc o Sr. vice-presidente da provincia manda
aecusar o offi io de hontem em que V. Exc. declara
que o vapor Manos., entrado as 6 horas da ma-
ulla des portes do norte seguir hoje as 4 horas
da tarde para os do sul.
= Ao agente da Companhia Bahiana.S. Exc
o Sr. vice-presidente da provincia manda aecusar
o officio de 2 do corrente em que V- S. declara que
o vapor larinho Visconde entrado naquelle dia da
Bahia e escalas regreasar a B ao meio dia para os
notarnos portes.
Ao gerente da Companhia Pernambucana. -
S. Ere. Sr. vi ce-presidente da provincia manda
aecusar o officio de 31 de Maio u time, em que VJ
S. declara >ue o vapor Mandahu seguir para os
portos do sul at Aracaju' no da 8 do coriente s
5 horas la tarde.
DESPAPHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 14 DE
JNHO DE 1886.
Bacharel Francisco X.xier Paes Barre-
ta e Joaquim Ridrignes Pimeoteira. In-
forme o Sr. iaspector da Theaouraria de
Fazenda.
Irmandade d* S. Pedro.Informe o Sr.
inspector do Thesour > Provincial.
Dr. Manoel da S B irreto Sarupaio. -
Reiuiettiilo ao Sr. inspector da Thesouraria
de Fazenda para mandar attender, de ac-
co'do com sua infor.naco de 9 deste mez,
sob n 289.
Paire Manoel Jos le Oliveira Reg.
Sun, noineando s-s para suDitituil o Manoel
EUteltita de Oliveira Mello.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 15 de Junho de 1886.
O porteiro,
J. L Viegas.
Repartico da polica
Seceso 2.* N 600. S vretara da Po-
li -ia ..e Pemaiubu::i, 15 de Juaho de 1886.
Illm. e Ex ii. Sr.Participo a V Exc.
que foram hontem reoolhid *s na Casa de
Detent^U) os s -guintes individuos :
A' minlia ordem, J Ferreira d'; Mel-
lo, vm lo i i >-o nares do Brejo como pro-
nuii al i em crime de furto na provincia
da Parabyba.
A' oru-m do subd-1-gado de Santo An-
tonio, Augusto Jos Pintieiro Chaves, por
disturbio!.
A' ord-Mn do do Io distrioto da Boa-
Vfet Jos d"- S .uz Lima e Antonio Jos
Concia, por disturbios; M-nel Euzebit
Cunes de Moura, por uffeusas moral pu-
blu.
A ordem do do 2o districo da Boa-Vis
ta, Manoel Jo iqui u de Sant'Anna, por em-
briagaez e disturbios ; e JuAo Monteiro,
por se achar pronunciado no art. 205 do
Cod. Orioi., disposijao doDr. juiz de
direito do 4o districto criminal.
Pelo subdelegado da freguezia de San-
to Antonio, foi remettido ao Dr. juiz de
direito do 2o districto criminal o inque-
rito policial a ou > prouedeu contra o indi-
viduo de nomo Domingos Rocha, que fora
preso cm flagrante, por baver no dia 11
do corrente, s 10 horas da noite, ferido a
Bernardina Maria da Coneeico.
Conimunicou-me o delegado da termo de
Olinda que no dia 4 de corrente pro eden-
se a visita da cadeia existente naquelL ci-
dade, na qual foram encontrados dous rss
pronuncalos o cinco indiciados em diver-
sos crimes.
No dia 21 do mez udo, foi capturado
pelo delegado do termo de Tacarat o cri-
minoso de nome Manoel Pereira Vianna,
pronunciado em crime de furto no termo
da Matta de Agua Branca da provincia das
Alagoas.
Em data de 31 do mez ultimo assumio
o cidadSo Jos Lyra Chaves Pessoa, na
qualidade de 2o supplenter1 o exercicio da
delegacia do terme de Flores.
Deus guarde a V. Exc. illm. e Exm*
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O ebefe de polica, Antonio Domingos
Pinto.
DIARIO DE FERAMBGCO
RECIFE, 16 DE JUNHO DE 1883
noticias do Pacifico, Hio da
Prata e sul ti > Imperio
O paquete ingl z Tamar, oue. hontem passou
para a Europa, trouxe do sul as seguintes noti-
cias e as que constara, das rubricas Parte Official
e Interior.
Paciflco
Datas dejornaesat 11 e telegraphicas at 23
de Maio :
Segundo telegramma de Santiago, do Chile, no
dia 21 iuaugumu-se em Valparaizo a estatua de
Artliur frat, com pompa desusada. A festa foi
presidida pelo presidente da repblica.
As fulhas nada adiantam.
Rio da Prata
Datas de Bueuos-Ayres at 1 e de Montevideo
at 2 de Junho :
Em Buenos-Ayres, o juiz federal Andr Ugar-
riza resol veu maoter sua jurisdiccao no processo
ii/staurad eontra Eliseu Acevedo, director do
diario El Debate, por desacato e ameacas contra o
presidente da repblica; levantando assim con-
flicto com o juiz do crime daquel.a capital Aguir-
ra, Dcrants o tribunal nacional.
Em ducnos-Ayres foi so'emnisado o dia 25 de
Maio, de festa nacional. Favorecido por nm
teuopo primaveral digno da fama com que deram
a Maio os ooetas do outro hemispherio, o nosso
grande anniversario deu hontem occasio para que
a ci iade apresentasse o aspecto animado que de
ordinario lhe d o numero consideravel de pessoas
que concorrem praca para presenciar a parada
militar e ver os altos tunecionaries civis e milita-
res que assistem ao Te Deum na metropolitana.
No theatro Colon, quaudo se cantava a opera
Trovador, houve um principio de incendio, sem
maior con8equencia, mas que entretanto motivou
extraordinaria confusao.
A cmara dos deputados da Repblica Argen-
tina resolveu solicitar a pre enea do ministro de
interior para dar explicacoes acerca dos exarbi-
tantes impostes municipaes recentemente exigi-
dos com violaeio da le orgnica e da constitui-
cao. x
As eleicoes de Catamarca, depois de violento
debate, foram approvados, por 32 contra 14 votos.
Nos dias 29 e 31 do mez passado chuveu torren-
cialmente no snl da provincia de Buenos-Ayres,
causando damnos importantes.
No dia 20 do corrente mez deve safar de Bue-
nos-Ayres urna esquadra de evolucoes que, nave-
gando de conserva, ir ao porto d Montevideo
para d'alli sefru.r viageu pela costa do Brasil at
Fernando de Noronha.
__ No dia 21 de Maio tomou assento uo senado
da repblica Oriental do Uruguay o capitao-gene-
ral Mximo Santas, eleito senador pelo departa-
mento de Flores. Immediatamente dtpois do acto
da posse, o presidente Levino, renunciou a presi-
dencia, nos seguintes termos : Acaba de eutear
para o senado o capito-general Maxi no Santos,
director poltico do n>sso partido. Diante de vul-
to to valioso para as, nao posso permanecer por
mais teinpo no lugar qu oceupo, e formalmente
faco renuncia delle, porque niuguem pode ser maie
digno de dirigir o seuadu do que aqu Jle que aca-
ba de entrar para elle.
Respondendo-lbe, disse Santos : Agradeeo in-
timamente a demonstraco que me feita, sentan-
do ter de substituir a tao patriota antecessor. Ve-
nho com orgulho oceupar este cargo, sendo o pri-
meiro militar que tein representaeao na assem-
bla. E mereci, porque sempre respeitei a as-
sembla nacional de inintta patria. >
Autes de entrar para o senado, Santos renun-
ciou o cargo de generalissiino.
No da 24 reunio-se a assembla geral e aceiten
a renuncia feita pelo Dr. Francisco Antonio Vi
dal du cargo de presidente da repblica, dirigin-
du-lhe urna mensagem de agradecimento pelos as-
signuladus servicos que prestou patria e decla-
rando por ultimo, que, de conformidade com o art.
77 da constituico da repblica, cabia ao presi-
dente do senado assumiro poder executivo. E no
mesmo dia assim acontec u.
Ao diarin portenho La Nacin, escreveu o seu
correspondente em Montevideo : Os boatos que
circulavam desde sexta-feira (21) realizaram-se,
com a ornea differenca de que o Dr. Vidal, em
vez de pedir licenca i asscinhla pa a ausentar-
se, uffereceu-lhe a renuneia de presidente. Assim
que o g- neral Santos toi eleito presidente do s-
nido, reuniram-se em sua casa os seus amigos e de
accordo c an elle dingio-ae urna carta a > Dr. Vi-
dal, indicando-lhe a conveniencia de pedir licen-
ca por teuopo indeterminado : mas o presidente
declarou que tal nao fari, preferind > (ffcrecer a
sua renuncia com o carcter de indeclinavel.
A elevaco de Mximo Santos presidencia da
repblica oriental do ILuguay fci mu-t> f-slejada
em Montevideo pelos a-aigos Jo capitao- general,
e ,ias noites de 24 e 25 s edificios pblicos esti-
veram illuminados por esse ui itivo.
Dava-sc como cena a partida para a Europa do
ex-presidente Dr. Francisco Antonio Vidal.
O capitao-general Mximo Santos, presidente da
repblica Oriental do Urngu >y, nomeou o aeguln-
te iniuisterio : governo, general de brigada Luiz
Eduardo Peres ; negocios estrangeiros, Dr. Ma-
noel H-rrera y b-s ; fazenda, Dr. Jos Ladislao
Terra; justica, culto e Dstruccao publica.. Dr.
Lindiro Fort' za, guerra e marinha, teneute-ge-
neral Mximo Tajes.
O general Cantos, presidente da repblica do
Uruguay, acompanhado do general Tajes e de tres
mdicos, parti para S. Jos, afim de visitar os
atacados de varila e distribuir soceorros.
Ro Brande do Sal
Datas at 1 de Juubo:
iwrt*
s,


Diario de PernaiiibncoQuarta-feira 16 de Junho de 1886


>.



O tobellio-W Viusate la Site Te*te foi
Pelo Dr. juiz Je direito do 2o districto crimina) de
Porto-Alegre pronuuciado as peta* de rt 966
do cdigo criminal.
Na Serra das Asperezas, 2o districto de Pirati-
ny, toi brbaramente assassinado, no dia 19 do
correntia, o estoncieiro Claudiao Mareellino de
Sonzi.
Os assassiaos pratcaram o crime depois de rcu-
bareni todo o dinheiro que o infeliz possuia na ca-
sa de na residencia c que se calcula em avulta-
diaaioia quantia.
A cunara raussseipal do Rie-2raete, aim la
representaco qee, em nome de soea anuuicipes,
val dirigir ac avalares do Estado sebee a conve-
niencia inmediata, de seiaieiarem ca nselhoraineu-
toa definitivas da barra; deliberou tambera cm sua
ultima sesso, dirigir-se a todas .as suas colgeno
res da provincia preconiaaiido o opportunisrao de,
no inesino sentid, re presen treos ao governo.
Para u effeito uraadara circulares a todas, acom-
pauhadas de urna copia da representaco que, por
sua ~rz, dirigir ao governo.
Telegramma de Piratny para o Crrelo
Mercantil, diz que estb deseobertos os assaaainos
do f axvudeiro Claudino Marcelino de Souza, mo-
rador ii > districto daquella villa.
Bata ja presos os buididos Pancho e Pedro de
tal, fallando dous que sSo Camillo e Galdino, psi
de l'edro
Em D. Ped/ito, estando na casa coromercial du
Sr. Jaciutho Das, o joven Victor Anastacio de
Oliveia Sobrinbo, arrebentou-se-lhe o cinto e ca-
hindu-ihc a Biatola poi elle presa acintura, dispa
rou de inn modo to desastrosa que causou-lbe mn
grande ftrimento na parna esquorda, sendo atra-
vessada pelo projectii, que passou pelo lado poste-
rior do tibia.
Ka costa de Saeta Mara Chica, na casa do Sr.
Pedio (i. ulaito, uin meuino de notne Archaujo -
sassHicu casualmente outri menino filho do Sr. OH
vtrio de, Santos, coro um tiro de pistola.
A aUaedVae do Rio-Grande reudeu no roer fin-
do 178:868-S986 e a mesa de randas 20:047*059.
Manta (ntharina
Por acto da presidencia de 1 do corrente oram
prorogadas as leis do orcamento provincial e mu-
nicipal
Fallecen na capital Sergio Nstor Falco.
Mina* Ce*ae
Datas at 1 de Junho :
No Machado :iulia gado desde o principio do
mez; iiuis as nontes de 12 e 13 g ou rxtraordina-
riamint: as rocas de feijo c os pa=' s fi -araai
completamente queimados.
Ein Cataguazes, trav*ndo se de razos Jos da
Nativniade com seu sogro Joo Valentim Alvea,
foram diaparados tiros de parte, a parte fican'o
ambos esteudid.s, um com um braco e perna frac-
turxdos e outro quaei moribundo.
Em Pitauguy oi intenso O fri n noute de 12
para 13, como se v p -la seguinte noticia da folha
deste nome:
O fri, este anno, promette ser intenssimo;
apenas camecado ja est insupportavtl.
Na larde de 12comeeoua soprar um vento sul
esfriou a tcmpoi atura tanto que o therinometr i
baizou a graos e na inanha de l'. cstava toda a
Cidedc coberta de gead.i que produzio alguns es-
trag i principalmente no c*f e ban-'n1 iras.
O nata-Boa que as rocas os canaviaes esto
em grande parte queimados a que os cafezsestam
bem soflreram.
Em S. Joo d'EI llei f orara capturados pelo sar-
gento Ji o dos Santos Lima, tres cigun >s de urna
comit'iv-aque s aehava alojada em S J.>s d'EI
Re, Honorio da M tta, Valeriano da Motes) eGui-
Ihermiuo de tal, indigitados como autores do assas-
sinato jjerprtrado na pessoa de Antonio do Ama-
ral, em Santo Autouio do Aven'ureiro. termo de
Mar de Hespanha.
OTSr. ministro da justica raasbwi do Dr. chefe
de polica de Minas o seguinte telegramma :
Ouro Preto, 2 de junho de 1886.Manoel Ta-
vares ile S eco e8t preso e recolhido cadea
da Jauuaria. Recebi telegramma da Diamantina,
enviado pelo delegado da Jauuaria.
C cafe de polica.Antonio Pedro Ferreira
Lima.
H. Paulo
Datas at 8 de Junho :
O -r. Bario de Trememb, estaudo a percorrer
um cafesil no seu estabeleciaento agrcola domo-
nicipo de Taubat, cchio do cavallo e fracturou
um braco.
O espita;) Antonio Mariano da Silva Bittene urt,
collector de Lrena. tendo comprado algumas m-
sicas cib casa do Sr. Henriqne L. Levy, por es-
quecimento deixou sobre o balco um pacote con-
tendo 1:3160()0.
Percorreu diversas casas e mais tarde deu pr
falta d'esBe dinheiro. ignorando onde o havia per-
dido. Hontem, inlo casa do Sr. Levy c per-
guntando se all nao se ha va encontrado o dito
paeote, foi-lhe elle immedatamante entregue. O
Sr. Levy nessa occaaiao preparava se para aunun-
ciar a quantia achada.
Refere a Imprnisa de Tiet :
n Agostinho Vaz de Almeida, horaem de cor, ca-
rapina, residente nesta cidade, acaba de praticar
urna cci-o digna de iuuvor.
. Teudo um filho esravo, eatrru com a quantia
de 5005, trueto de suas economas ara a liberd..-
de de seu filho Pedro de Arruda tambem b un ra-
paz, que goza de estima dos babeantes desta cida-
de. A carta, passada no domingo 23 do corrente,
foi entregue naquelle mesmo dia, perante grande
numero de convidados, em casa de nosso amigo o
cidad Jos J. de Arruda. Houve msica discur-
sos, etc.
Esereve o Crrelo Paulittano de 5 do co--
rente :
Ante-hontem, 1 hora da tarde, um grupo de
individuos, segundo nos infonnaraui, composto ua
sua maior parte de caizeiroe, quiz a todo transe
obrigar os proprietarios da casa commercial Silva
Braga & C. a fechar as partas de seu estabelect-
mento.
Proromperam a principio em vaias e grita-
ras, mas afiual chegarain ao excesso de procura-
rem aggredir com pedradas e pauladas um dos
proprietarios da Dicama casa, o qual vio-se assim
forcado a fechar as uortaS.
A" noite o mesmo grupo, ja entilo bastante nu-
meroso, Beato e tantas peisoas, mais ou meaos,
percorreu as ras da cidade e os arrabi des cm
alarido intrual, apedrejando estabelecmentos
commeiciaes que encontravam com porta a berta
ou apenas cerrada.
Cutre as casas que foram apedrejadas, apona-
mos as se^uintes.
Padaria 7 de Setembro, ra da Imperrtriz. Foi
ferido o tono da casa e apedrejada esta. Confei-
tariade Goncalo Vasco, ra direita. Fji apedre-
jada a eaaa cujo dono estava enfermo. Confeita-
ria Negel, ra da Imperatriz. Vidros, caizilhos,
pratos. etc., ficaram quehnidos. Grande apedre
jamento Urna venda na ra da Esparanca. Ape-
dri-j amento c espancamento de um guarda urba-
no por tres pracas de liuha. Caf Lucinda, largo
da Assi mbla, apfedreiameuto e grandes estragos.
Armasen de Nanoel Andrade, largo da Assem-
bli, apedr.jamento. Um kiosque do largo do
Mercadinlm, apedrejamento. Venda na ra Mu
nicipal n. 46, garrafas quebradas e feriram a ca-
beca do dono da eaaa. Outro kiosqce do larpu do
Mercado, tu Jo quebrado e estragado. Fabrica de
bebidas de Beddair, ra Vinte Cinco de Marco,
atirarar; urna pedra sobre cabeca de urna moca.
Confe taria Java, ra da Quitanda n. 12, assalto
c quebramenao de Vidros. tilberierg, Malrhad
& Peuznaozuki. Qoebraram vidros dos armarios.
E outras multas casas dos arrabaldes soffreram
prejuizos.
O Dr chefe de polica ordenou que urna forca
de cavallana foaae ao encontr dos turbul utos
com o fim de dispersal-os, o que de laeto reali-
sou-ee.
Nao s as roas centraos, como as dos arra-
baldes, foram distribuidas patrulhas de caval-
laria.
No Amparo, no dia 2, s 8 horas da manha,
houve um grande conflicto no Bairro das Limas,
resultando dous ferimeutos grares. O facto deu-
se do modo seguinte : .___
A cmara, sob representacao dos moradores
do bairro da Vargem-Grande, mandou abrir nm
caminho que facilitasee as communicacoes com es-
ta eidade ; mas sem offensa ae direito de proprie-
dade. Aquelles individuos, munidos desta anto-
risacao, abriram a picada, estragando as beartfei-
torias de sete proprietarios ; estes reelumarsm : a
cmara, attendendo a essa reclamacao, modificou o
tracado de modo a evitar aquellas pr. juizos. Os
mteressados na abertura da nova estrada pediram
a reconsiderado do acto da cmara e esta fra-
aueou. mandando que se fisesse a nova estrada
por onde des javain.
Hoje, s 8 horas da manfa, o inspector da
nova estrada frente de quiaze individuos, che-
gou k casa de Jos Franco de Lina e intimeu-o
para que desobstruase a estrada: este resiste,
xjgindo que se loe apresentasse a orden da ca-

asan ou do jais maairapal para a abortara da es
tradd; trava se a luta entre o inspector Jos An-
, Goacalves e Jos Franco de Lima ; esta re-
cebe um tiro de garrucha sobre o peto e ferimeu-
tos na cabeca, aquelle fi a offenddo levemente
Lucas, antes de ser recolhido ao hospital da Mi-
ser cordia, disse por diversas vezes que, como ia
msrrer, quena urna pessoa que tomasse as suas de-
claracoes porque tnha bena, de que dspor.
Alguns visnhoa nformaram-nos que senta do,
mas um sobriho que se atira em sua defaza, re- s 8 horas da noite, grande rumor dentro da casa
cebe profundos golpes e so ach em perigo de de Roas e estando ella fechada, foram procurar
um inspector doqnarterao, afim do communicar-
Ihe o facto-, quand) rr. gressram, disse um dos
vsinhos mais prximos : ChrUtina abri a porta,
ptoI amando : meu marido uta morto ; entraram na
sala oade encMtraram Lucas, sentado em cima
vida.
L-se na Provincia de S. Paulo:
Em a noite de 4 para 5 do corrente, a tempe-
ratura baixou xUaordinanamcute em quasi toda
a proviasjsa Na capitel, em CMeasaas, t ireaae-
nunga, 8. Cartea do Kb\sJ, Brotas, Araraqaara,
Ltaeire, Rio Oaro, etc., n geada eahio forta ssa
grande oasniidade.
. Pessoaa antenddas assegurass que este gea-
da toi mais iuleasa que a do mez paseado.
Bl<> dst. fassolrat
D tas at 9 e Junho :
Ai principses noticias constem da carta do nos-
so correspondente, publicada ua rubrica ItUt-
?t'or.
- Em a ssao de 31 de Maio, o tribunal do
Thesouro Nacional:
Deferio o recurso do bacharel Antonio da_ Ro
cha Hollaoda 'avalcante, do despacho da The-
aouri.ria das Alagoas, indeferindo a sua preten-
cio du le. ser levado ein coste no sello a pagar
do titulo de noinsacao para o lugar de juiz uiuui-
cipal de Atalaia o que j satisfizera como secreta-
rio dii presidencia.
Deferio por equidada* recurso de Souza Bas-
tos.. Ainorim, & C. contTB a execuco que se me*
nove pelo jnizo dos feitos da provincia de Per-
uambuco para indemnisacSo da fazenda nacional,
pela imp-rtmcia de direitos de consumo, a que fi-
caram obrigadoa pela reexpnrtsc.o de diversas
caixas com kerosene p_ra a provincia da Para
hyba.
Indeferio o recurso de Antonio Gomes de Mi-
randa Leal e outros, contra a deciso do ThesoU-
ro de Pernambico, austeutando a da Recebedo ia,
que Ihes uegou a restituicao do imposto de indus-
trias e profisaoes, que pagiram no excrcicio de
1884-1885, como directores da conpeahia ano-
nyma denomuadaLocomotora Peruambuiana.
O Exm. Sr ministro da fazeuda rejolveu :
Approvar o acto de que deu conta a Thesoura-
ria das Alagoas, relevan lo o Dr. Joaquim Teles-
phoro Ferreira Lopes Vianna do imposto de in-
dustrias e profiss-s por escassez de rditos;
E declarar sjbre a nova lepresc^ntaco de Fiel-
den Brothers, concessionarios da empreza de illu-
minvao a giz na cidade do Recile, para a con-
cessao de iscnoao de direitos, que se de ve aguar-
dar adecisio do recurso iuerpostj pira o consc-
Iho de estado.
Foi prorogado o praso marcado para a in-
scripcJo dos candidatos aos lugares de praticos da
barra c do ro S. Francisco, Da provincia das
Alagoas.
Nao foi attendida por contrari-, as clausu-
las d.i contracto, a recUmafao da eonpaahia ees.
siooaria da va-frrea do Recife r.o Limoeiro,
contra as gl s.-.s feit.s p >la c wniaaaV c i.npetente
as contas de custeio d )S annoi de JSo4 e 1885
S ib o titulo Sernas de sangre, cscroveu o
laruil do Commercio de 8 :
Hontem, j 8 bjras da noite, deu-se na casa
n. 21 da ra do Jogo da Bola urna secua de san-
gue, que aterrou os moradores visinhoa. Alguns :
I aceu lin lo ao lu:_'ar, encontraram morto ni
sala d jaiitar Ro-ario R -si. all morador, e gra-
vemente rido Aut'iiio Lucas, seu hospede.
Rosario Rossi, resida em compuiliia de sua
mnlher Chri-tiu.i Mal t;ni e quatro filbos na frente
da casa: Lucas morava no fundo. Ambos exer-
ciam a praslaaio de alfaiate ; o primeiro era iw-
pregado do Arsenal de Guerra e o segundo tra-
balDava particularmente, tendo se ltimamente re-
tirado do Arsenal onde tambem era empregedo.
Rossi duva-se milito ao vi :o da embriaguez ;
era hometn de grande estatura, representando 40
annos de idade e usava barba cerrada; Lucas
de Batatera regular, tem 42 anuos de da le, usa
pera e bg >de espessos e pr. tos, sendo ambos de
nacionalidad italiana.
Chrstina Martini, que gritou por soccorro, ex-
plicou o facto do seguinte modo :
Eram 8 horas, pouco mais ou menos, achava-
de una B*h, asaparando com as mSos as viosras,
o qual Ihea sesee : elle est morto e eu nao escapo.
De ter aras neis qur Lucas primo de Chria-
tina eeae esiaete, havendo entre elles e Rossi fre-
queutee aheraoaes pelo que, por varias voses, fo-
ram ietietados sera eomparecerem na polica ; que
Christiea j estove separada do marido e que, ha
pouco teanpo jactaran-ss de novo : que Luces nao
morava en casa de Rossi, mas sin an un sota*
ireximo casa ; que todos tres sao moradores do
ugar h* 3 mezes, tendo, porm, all habitado em
outras tempos ; que Rossi entrou em casa cerca
de 8 horas da noite ; nessa occasib Christina
oahic e votrou pouso depais, sendo seguida, com
pequeo aterrado, por Lucas ; quando este eu
trou fechiraw ae as perUa da casa, o logo an as
guda oiivirain o barulho, que chamou a sua ai-
ten fio.
O alferes Velho deteve Chrstna, seus filhos e
Serafim, afira de apresental-os autoridade po-
licial.
Lucas teve entrada no hospital na Misericordia
hoje cerca de 1 hora da madrugada.
Eeplrito Santo
Datas at 5 de Junho :
As noticias carecm de interesse.
Babia
Datas at 13 de Junio :
Prosegua era seus trabalhos a assembla pro-
vincial.
Foraall aprasentade um projecto prorogando o
orcamento vigente.
Anda se davam casos fataes de febre ama-
relia-
Dorase, na noite de 3, um grande incendio
na capital.
Alagoas
Dsts at 14 do correte :
As noticias silo de interesse Iscal.
INTERIOR
Correspondencia do Diarlo de
Peroambuco-
RIO DE JANEIRO Corte, 8 de Junho
de 1886
Suuuabio :Os trabalhos do parlamento, na ordem
em que tean sido executaduS Discurso
do Sr. Lucent.Um telegramma lido
pelo Sr Brllrtio.Q-iestoe* do Rio Gran-
de.O Sr. Siloa Tavares. O Boi-
tat "mi badaRespostc do Sr.
SUveira MartinsUrna offerta do Sr.
Avila nao aceita. O abolicionismo do
Sr. Danta* e o seu novo projecto.Di -
cnssSo da resposla a falla do throno na
Cmara.As commitsoes naneada pelo
Sr Andrade Fi']ueira.Elcicao da mesa.
A pralicas contrariadas pelo actual
presidente da Cmara. Re/eicao no Se-
nado do projeato de adinmento da elei-
c$o municipal. Projecto apresentado
pela ommissao especial.Parecer sobre
o projecto do Sr. Dantas. Reconheci
ment do Sr. Ribeiro de Mcneaes.Os
Srs. Nabuco e. padre Joao Manoel. Res-
posta do Sr. Lii' ena a denuncia dada
perane o Suprem Tribunal pela Assem-
blia Provincial do Hio Grande do Sul.
Principiemos pelos trabadlos do parlamento e
sigamos a sua or iem oelos das de sessao.
Feeh"i a anterior 29 do pasando, dia em que
nao houve sessao na Cmara, por ser sabbado.
Do que occorreu ni Senado n'aquelle dia deram
se na sala da frente com seus filh is, trab .lhando conU g jornaP, de 30i levados pelo paquete, au*
n'uma machina de costura, quaudo de repente, vio d-aqui pHrt nV8,a datl N3o ^^ p^e_
abrirse a porta e entrar multo embriagado beu cig0 repetil-o aqu. Consignare! sement dis-
marido Rusai w Rossi, que, com as calcasi cahir,, curgocom queo Sr. Silvera Martina justificou um
exclamou : hoje bebi mudo. e-u> seguida dingio-se j reqUerim^nto sobre negocios de sua provino!.., fa-
o mesmo sala de jantar; nessa occasido Antonio ZPndo novag cnguril8 adnvnistracao do Sr. Lu-
Lucas, que estava em um dos aposentos da casa, I wn% ^f t,r Dega(Jo Banccio a lei do orcamento e
dirigo-se tambem mesma sala, com ura lamp io mandad, vigorar do eercieio anterior,
na mo, que collocou em cima de urna janella. ; Dia 5/._Na Cmara o 6r. Coelho Rodrigues
Rossi auno eotao a gaveto de mesa, della tir. u aprP8entou um projecto, determinando que na poca
urna grande faca de cosiuha, que escondeu, cru- dft primera reviso do alistamento eleitoral qu
ando as mios as cosUs: em seguida atirou se, ^ gzfir no imperi0l proced-r-so ha a qualifleacao
sobr.- Lucas e (eu-lhe um golpe no lado esqtierdo doe eleitores na comarca de Paranagu, no Piauhy,
do abdomen. O sangue jorrou lo-o em grande p ^ Santo ^ na Biihu Pil4 ag bagt,g e Q |nodo
quantidade. Rossi, veudo Lacas f -rido, ficou at- .j,, a|,3Uunenl0i attendendo s disposices da lei
touito e exclamou : Oh Devsl matei te, pon vou vigente.
matarme tambem ; e voltando para si a faca, fe- Nl n9r, dog requerim^ntos o S-. Lucena trava
dio-se con varios golpes na regiao esquerda do ; da pH|avri4 P comeca disendo que a ambicio
reito e d> auiom-p. cahindo morto. contrariada, depois de longos mezes de incubaco,
Tal fui a deciaracio de Chnstiua que a fez com j acabou de fazer a sua erupcao, n cita estaa pala-
mu.ta ealraa. vras, que foram p.of-ridas pelo finado Jos de
O i-adaver de Rossi estava deitado sebre o lado Alencar, a proposito de um fan-ata que tem hoje
direito, na sala de jantar junto ao eorredor que ag^nf,, M Senado. (Reclamacoes da bancada
communca com a sala da frente j trxjava camisa Hbera[, o presidente diz que o orador falla inde-
A- inei e ceronla de algodiio, e estava descalco, armiadamente, e por isso nao pode chamal-o
Lucas toi encontrado na sala da frente, seutado ordem.)
e toreendo se com dores ; sendo d'alli transporta g orador afirma que no Senado fez exploso a
do para a cama onde dorma Rossi : trajava ca- crtera da maledicencia, qu> alli se aehava ncu-
misa de eUta, calca preta e estova calcado. j bada, arremessando estilhacos por toda a parte,
A casa onde se den o facto, de pequeas di- egt|hac s que voltario ao antro tenebroso de onde
mensoei ; conpos-se das seguintes pecas; sala 8ahiram, sem ferir nem de leve aquelles contra
de frente tendo as paredes retractos de persona- qUPln foraul arremessado8.
gens alianoa, e onde ha va urna m-sa de trabalho
de alfaitc c urna machima de costura ; do lado
direito um quarto onde dor mam Rossi e sua mu-
lber; esqrierda um corredor que communca a
sala da frente com a sala de jantar, e urna out a
s .leta, onde dorma Lucas ; toJos estes aposentos
sao pequeos e pjuco asseiaios.
O faeto foi levado ao cunh-cimento do alferes
Joa> Velho, ceinmaedante da 7 estaele policial,
que comparecen logo acompanhado dos inspecto
res de qusrteirao Antonio Rocha Passos Sobriho
a Mauricio Coelho da Rocha Teixeira.
Con.pareceram tambera o lugar os peritos Luiz
Antonio da Costa, Fernandcs da M-itta.
Abdou Milauez e T.-ixeira da Rocha, que exami-
nando Lucas, declararam ser o ferimentir que re-
eebee mortal, por profondo do abdomen, com h-
roe do intestino delgado e seceo completa do
mesmo intestina.
A autiridade locai, que estava prpsidindo o
theatri Polj/theama, teve aviso do facto a3 9 horas
da noite, com porm, at s 11 1/2 horas an-
da nao tivesse comparecido, o alferes Velho com-
maudttnte da 7" eetauao, vendo que se aggravava
o estado de Lucas, toinou a deliberacao de envial-
o para o hospitol da Misericordia bem como de
remover o cadver de Rossi para o necroterio.
Contra as prescrip?oes legaea foi o cadver tira-
do da posico em que estava, antes do chegada da
autoridade policial; verificaram entao os peritos
que Rossi fra ferido com cinco facadas, sendo
tres ni regiio hypoga trica, urna no baixo ventre,
iutere -saudo a arteria epigstrica e urna deltas in-
teressandi a mamaria interna.
Lucas, sendo interrogado, declarou que Rosal
esuva embriagado eeonfirmou anarracaode Chris-
tina Martini, disse mais que tinha s veres ques-
toes com Rossi, porm que este era seu amig ,
se tinha praticadu setnelhante acto toi pelo
estado em que se aehava, Ou entao por insinuaco
de um individuo morador na mesma rus, de nome
Serafim Calodick, tambem empregado do arsenal,
amigo intimo do finado Ross; e inimigo figadal de
Luca-.. que se tinha despedido do mesmo arsenal
por sua causa.
Chratina Martini urna jiulher de estatura re-
gular, muito magra e apparentando nm carcter
vivo. Nao inost'ava o menor aentimento diante
do cadver de marido, nteresaaudo se mais pelo
curit.vo de Lucus ; tomn se digno de nota aos
circumstantes o modo por que ella saltava por
cima lo cadver quando ia cosinha buscar qual-
quer tousa a pedido dos peritos para o curativo de
Lucas. Os-seus tres filbos menores nao derrama-
vam urna s lagrima ; eetevam attonitos e disiam
em italiano meio atrapalhado que o papai estava
embrii gado. O outro filho de maior idade nao es-
tava presente.
Junto cabe;a do cadver aohou-se um charu-
to por fumar e urna faca de mesa,de pequeas di-
mensoes ; havia pegadas no corredor, como de
alguem q ie dirigia-se de jantar para a sala da
sala da frente ; na parede ao corredor, junto
mesmi sala de jantar, no lugar onde jazia o ca-
dver, nowa-|e manchas de sang-ic, parecendo
de alguen, que, ferido, procura va ampaio, para
nao eabir.
Quando Rossi entrou em casa trazia comsgo
um corto de sobreeasaea com os respectivos avia-
mentoi, sjisb foram encontrados tintos de sangue,
en cima de um baha. .
Este exordio d i lea dos termos em que o Sr.
Lucena responden as aecusacoea e injurias que
lhe havia asaacado o Sr. Silvera Martins, por
mais de urna vez, n > Senado, onde at discuti
tongamente a eleico do 1* districto de sua pro-
viucia, para mostrar que o legitimo depu'.ado era
o Sr. Cainargo ; e isto quando a 3' commisso de
inquerito ainda nao tinha ap escotado o respec-
tivo parecer pisto j tivesse votsdo s >bre amato-
ria, reconhecendo o Sr. P uilinoChavea. Mas, como
o Sr. Beltro, que pedido doa amigos havia por
fim se apresentado a tomar parte nos trabalhos da
mesma commisso, declarou que tiuba de dar o
voto em sepando e tomou os papis, teve se de
esperar por esse voto, muito extenso e minucioso,
escript i, ao que dizem, pelo proprio Sr. Camargo,
e a casa ainda nao tinha conhecimeuto do parecer,
nem do .-oto, que s dep ds foram apresentados,
sendo curioso, que em mais de um ponto o citado
voto em separado invocava em seu apoio o que no
dito o Ilustre senador rio-gran-
S nado havia
dense.
Como n discurso do Sr. Lucena ha de, natur il
mente, ser ah publicado, escuso extrctalo.
O Sr. Beltrio, pela ordem, leu o s-guinte tele
grsmma que receoera e apresentou um requeri-
mento pediudo informacoes so governo sobre o
caso :
Recife, 29 de Maio.
A Assembla Provincial, tranquilla, votav
o orcamento, quando se vio coacta, rodeada pela
torca.
O commandante e um ofEcial da guai da -c-
vica penetraram na nte-sala.
Relamacoeg dos dcpntados Iiberaes e de al
guns conservadores.
Tumulto. A ecaaSo foi suspensa. (A signa
dos aro d Caiar. Uaro de Itapissumv
Jacobina.Pitonga.Lourenc de S.Jos Ma-
na.
Diversos deputados pediram a -alavra, ficando
o reqaerimer to adiado ; mas o Sr. Portella, tam-
bem pela o'd'-m declarou, que nem o governo, nem
os deputados de Pernambuco podiam dsr esclarec-
m- ntos, por nada saberem respeito, e, confiando
no criterio do presidente da provincia, acreditava
qoe elle nao mandara feca para o edificio da As
sembla Provincial se nao fosee requesifada pela
mesa.
Apoz a diseuesilo de um crdito do Ministerio
do Imperio, entrou em discusso o parecer da 2*
ommisao sobre o 3* districto da Babia, recoube-
cendo o Sr. Mil ton. Os Srs. Candido de Oliveira
.i mais seis deputados Iiberaes apresentara urna
emenda reconhecendo o Sr. Prisco Paraso. Discuti-
rn! os dous candidatos, preenc endo e resto da
soasa.
No Seado tambem o S-. Luiz Felippe, refe
rndo-se ao telegramma reotbo pelo Sr. Beltro
e que f.z logo publicar no Paapresentou
um requerimeuto pediado intomaeoes sobre os
motivos porque havia sido suspensa a sessao da
Assembla Provincial de Pernambuco no dia 29.
O Sr. Mamor responden que nenhdma iuformacao
tinha recebido, mas espera va-as, pirque logo que
leu o telegramma no l'aiz havia telegraphado ao
presidente da provincia, e que da resposu dara
conhecjmento ao Senado.
En seguida o Sr. Affunso Celso justificou ton-
gamente um projecto queelsborou e foi sasgnado
tambem por outros seuadorss, sobre habeos eor
. US.
Depois de urnas Iigeirusexplicacoes pedidas pe-
lo Sr. Lima Duarte e dadas pelo Sr. Cotegipb so-
bre garantas d divida do Paraguay ao'Brazil,
passou-ae a 1 parte da ordem do dia, forcas de
trra para o exercico prximo, orando om primei
ro lugar e largamente o Sr. Juuqueira, o qual, en
treas explicacoes que deu, parece que disse algu-
na cousa de monos agradavel aos Srs. Pelotas e
Avila, qu-i julgiram-se obngados a tomar a pela-
vra. O segundo no final do seu discurso, daud*-
ae por offenddo. por ter o honrado ministro da
guerra qualificado as suaa ideas de areas, tornou-
se spero e picante, contrariado pelo Sr. Junquei -
ra, queado afSrmou qua euoca havia lhe dirigido
cartas, ecplicou que n&o se dirigi a pessoa do mi
ustro de guerra, mas a autoridade a quena eabia
aoeiter eu nao a offerta. que fisura, a bem do ser-
vico do paiz.
E' oeeso que alias sute '-ra eoolieeido do publi-
co que amando, por canea dos ltimos moviuaeu'os
no sTateea visinho, o gotereo tom>u aa providen-
cias que se sabe, reforjando as guarnicoes da frou-
teira, o Sr. Avila dirigi urna carta ao Sr. Jun-
queira 1 mbrando-lhe que ainda era commandant-t
superior da guarda nacional de Jaguaro, e como
tal punha dispoaicao do g iverno seus servif-s
para a defeza da patria.
O Sr. Junqusirn, en nona do governo, agrade-
ceu, como era de suppor : primeiro porque io ha-
va neceasidade de chamar-se a guarda nacional
servico ; segund', porquesto opinio minha
anda mesmo que se dsse tal neceasidade, o go-
verno nao ira confiar um enraman lo de brigada
ao honrado senador, muito hbil general de tribu-
na, onde tem revelado, verdade, estudos detidos
sobre admnistraco militar, mas que nunca, em
dias de sua vida, corara me ou urna guarda, se quer.
Alm disto, um senador do imperio, e as veape-
ras da abertura do parlameuto, que nao poderia
ser destrabJdo de suas funecous de legislador sem
licenca da respectiva cmara, poda e pode, como
tem feito, prestar ah muito inelhores servicos ao
paiz, do qua frente da milicia de que se comoe
o seu commando superior.
E' certo que ha vocaco irresistiveis, e isto o
que justifica a offerta, mas, sem que haja offma
ao cr. conBelh"iro Avila, o gjveruo nao desacert
prescindindo do concurso da sua guarda nacio-
nal.
Na secunda parte da ord',n.do dia, o projecto
de edianettl i da el iciii mUicipal e de juizes de
paz, preeneheu toda a hora ^r> Franco de S,
enmbatendo-o.
! de Junho Xa enmara sao l'dos e reo im-
primir os pareceres da 3 commisso de inquerito
reconhecendo deputado pelo Io districto do Rio
Grande do Sil, o Sr. Paulino, com o voto em se-
parad) do Sr. Beltro, e reconhecendo pelo 2 o
Sr. Seve Navarro.
Em seguida o Sr. Silva Tavares, tomando a pa-
lavra, diz qv> julgar-se-hia dispensado de tratar
dos negocios de sua provincia depois de importan*
te discuiso pronuncalo na vespeea pelo Sr. L i
na, se nao fosse o firme proposito em qne est de
nilo deixar sem resposta nenhuma propwicao pro
ferda no Senado respeito da mesma provincia.
Nesse sentido historia largamente os acontecimen-
tos, respnndendo ao Sr. Silvera Martina, que tem
ido o boilit'.u' com que aqu se assusf-m s
eriancas d- barbas brancas. Apresen*a la nina
relafao das demissoes, remocops e nomeacoea fel-
fas por aquelle senador quando ministro da (asea-
da, mostra que as demssoes e remococs fcitas na
actual situacilii sao em numero inferior.
A imprensa humorstica tem commentado muito
o tal bm-tntu parecendo ver no qualificativo seuti-
do injurioso, que alias nao tem. Em nina trra em
que outr'ora viva-se pelo boi e para o boi que
onstitu'a sua nica indu-tria e riqueza, nao de
estranhar em pocas ida;, que no temp > em que
se costumava fazer adormecer as criancas assna-
tando-as, as mais e ai amas inventariara um my-
'ho encarnado no boi para melhor ser comprehen
dido pelas mesmaa criancas. Foi creado o boi-tat
com a sua leuda; um touro negro, de chfres enor-
mes, olhos de fogo, deitando chammas pela boeca,
que oceulta se durante o dia e a ucite avisinha-3e
das casas para pegar as criancas, etc., etc.
L4 pelo norte o espantalho reves'e outras formas
e o typo ou ro : a caipora, o lobis homem, etc,
O Sr. Tavares o que quiz dizer toi que o Sr.
Silvera Martins, com as suas objurgatonas e as
suas ameacas. tem-se tornado um espantalho pe
ante o governo central e os proprios codegas do
senada ; mas o nobre deputado, na sua qualidade
de rio-grandense, ap mas usou do phrasea 1 > de
guasca Eis tudo.
Antes de entrar-so na ordem do da, o Sr. Al-
coforado requeren e a cmara assentio que ae Un-
ca8s na acta um voto de pesar pelo fallecimento
do Dr. Gaspar de Drummond.
Entrando em discusso a respista falla do
throno, rompeu o debate o Sr. Candido de Olivei-
ra, que pronunciou um longo liscurso poltico, h-
bil e moderado, prometiendo entretanto, ocupar -
se desenvolvidamente de cada urna das reformas
recommendadas no discurso da coroa, medida
que ellas forem sendo sujeitas apreciadlo da
cmara.
A esse dis'-urso, alias de pouco effeito, respon-
den o Sr. presidente do conselho, tambem moda
radam -nte, apreciando ponto por ponto a crtica do
leader da opposico.
A discusso ficou adiada pela hora, pass nido-
so Ia dscuss) da resoluco prorogativa da le
do orcamento, por quatro mezes. Foi o Sr. Mon-
tando quem iniciou o debate, fazendo considera-
coes polticas de ordem geral, e, refenndo-se a al
gomas das ultimas medidas fioanceiras, entre as
quaes louvou a converaao das apolices, concluio
estranhando que em vez de esforcar se por fasst
passar a nova lei do ornamento, para o que poda
ter sido convocada a assembla geral para Mareo,
o governo venha pedir a prorogago da actual.
Respondeu lhe o Sr. Beiisario, que preeneheu o
resto da sesso.
No senado, o Sr. Dantas, em um longo e pie-
parado discurso, qual estava annunciado o era.de
esperar do chefe do novo partido liberal, justifi-
cou um projectoassignado tambem pelos Srs.
Silvera Martins, Jos Bonifacio, Pelotas, Silvera
da Motta, Octavihoo, Francc de S, Avila, La
mare e Castro Carreira e filando o praso de cinco
annos pa'a a extioeco da eacravalura no impe-
rio. A' requerimento do mesmo Sr. Dantas foi o
projecto remettido a urna commisso especia de
cinco metnbros, que fji eleita na sesso seguate e
ficou composta dos Srs. Nunes Goncalves, Paes de
Mendonca, Martinho Campos, Barros Barreteo e
Fernandes da Cunha.
Na oriem do dia diacutio-se o projecto que ada
a eleic&o de vereadores, orando o Sr. Jos Boni-
facio, o ministro do imperio,Frauco de S e Correia
Da 2. No principio da sasso o Sr. Portella
mostrou, p >r um telegramma que leu e que no
mesmo lia foi tambem lido peto Sr. M .mir no
senadoque nao era exacto o que referi o tele-
gramma exhibido na vespera pelo Sr. Beltro.
Eutrandi na discusso da resposta falla do
hrono, orou o r. Celso Jnior, a quem respondeu
anda o Sr. Cotegipe com o espirito que ltn pe-
culiar, quando oceupou-se com a interrogado que
lhe fez o orador precedente sobre a exist ncia do
partido liocral e sobre os motiv s porque bin-
deira do abolicionismo, nao ha muito to agitada,
estova agora enrolada.
Passando a discusso das forcas de i.ar para o
exercico de 1887-1888, tomou era primeiro lugar
a palavra o Sr Montan Ion. a quem respondeu o
Sr. Taumy. Por fim o Sr. Beltro protestou con-
tra suppresso do Arsenal de Mariuba de Per-
nambuco, lembrada era outra ocuaaio pelo Sr.
Candido de Oliveira.
No senado h sessao com cou quente. por um
longo discurso do Sr. 'ilveira Martins, que a pre-
texto de requerer inforraacoes sobre-negocios de
sua provincia oceup .u-se cm responder ao Sr.
Lucena o o fez n'iquella incontinencia de linguagem
de que costa ne ser prodigo quando se seote con-
trariado. Coucluindo disse elle que o ex presiden-
te de sua provincia deitou aa orelha- sobre oco-
traz... Cada um obra confirme suauatureaa .
Acerca do discursa do Sr. Suva Tavares nao
dase nada.
Sobre o projecto do adiam-nto da el-ico muni
eipal fallaram os Srs. L o Velloso, Lima Ouarte,
Fausto de Aguiar, Corr. ia, Paranagu e Octavia-
no. quasi todoa contra.
Da 4. O da 3 foi santificado.
Na sesso du 4 fez o presidente da caara a
iiotneocao das commiasoea da casa, que lhe foi com-
iocttida, e que aiuda n tiuba fasto a espera qu -
fossem reconhecidoa mais deputados e a escolha
nao tivesse de ficar restriugila a um numero rea
tricto. Ao envs dn Sr. Doria no anuo paaaado,
que d'entre 50 deputados conservadores j reeo
uhecidos nao aclmu om s digno de fazer parla
dV qualquer comuns-aa o ~r. Aodrade Figueira,
dos deputados Iiberaes reconhecidoa que nao che-
gam a 20, iiomuou : para a commisslo de peasea
e ordenados o Sr. P-ndo; para a de justica ci vd, o
Sr. Candido de Oliveira; para a de justica crim
nal, o Sr. R*ti.bona ; para a de diplomacia, o Sr.
A. Celso Jnior ; para adeaasemblas provinciaes
o Sr. Rodrigues Jnior ; para a de agricultura,
minas e bisques, o Sr. Al ves de Araujo ; para a
de obras publicas, o Sr. Jos Pompeu. O Sr. Lou-
i-enco de Albuquerque j era inembro da commis-
so de orcamento.
Depois de um discurso do Sr. Candido de Oli-
veira e outro do Sr. Baro de Leopoldina sobre
negocios de Miuas, procedeu-se a eleico da mesa,
que foi toda reeleita.
Desde das antes, tanto havi un dito a Qazeta
de Noticias e.os Tpico* do Sr. Jo quira Serra
acerca d'es eleico na parte tocante ao presi-
dente, ora figurando desharmona entre o Sr. An-
drade Figueira e o ministerio, ora afirmando
existirem profundos desgostos e serios motivos de
incompatibilidad, entre a maioria da cmara o
aeu presidente, que a dita eleico era esperada
com certa curiosi iade e interesse. Era ultima
analyso o facto mostrou que nao h-ivia tal deshar-
mouia do Sr. Figueira com o governo, nem moti-
vos serios de incompatibildade com a mtioria.
Entretanto, a votaco mostrou que por parte de
varios deputados ha desgostos eom o Sr. Andrade
Figueira, como se v do seguinte :
Para a eleico de presidente foram recebidas
85 cdulas, sendo 19 em branco. O Sr. Andrade
Figueira teve 59 votos, e o Sr. Gomes de Castro
7. Para a eleico de 1 vice-preaident (orara
recebidas 80 cdulas, sendo em branco. O Sr.
Gomes da Castro teve 19 eotoaj a o Sr. Villa da
Barra 1.
D'aqu se v que alera dos 7.conservadores que
votaram para presidente no Sr. Gomes e nao no
Sr. Figuiira, houve anda alguns, 7 pelo menos,
pois os liberaos presentes regulavara p>r urna
duza, que votaram em branco.
Que signficacao pode ter esse facto? Qual o
motivo da zanga ?
O Sr. Andrade Figueira conh cdamente de
urna severid.de rispida, que desagrada muitas
vezes aos proprios amigos. Collocado na cadei-
ra da presidencia, elle nao os distingue dos adver-
sarios. Conhecendo a fundo o regiment, e fir-
mado neile, nao faz a menor concesso, e nao h i
qne reclamar, por que nao cede a nngnem. Ora.
quando as praticas eram outras, e os presiden' ia,
caracteres fracoa, ignorantes dai disposices re-
gtmmtaes, s procura vam evitar questo s e on
ftic-tos, s ibretudo com os membios da miora,
levando a condescendencia a um extiemo mais
que ceusumvel; bem de ver que o ivo rgi-
men deve desagradar.
Mas isto s nao explica tamanha diff -r-raca de
votaco entre a do presidente e a do 1 vicepre-
sidente. D ve haver ainda um outro fundamen-
to latente, que o reeeio de parecer preciptalo e
injusto cmbarg-i-me do esmerilbar.
Urna das praticas antigs que o Sr. Andrade
Figueira acaba de proscrever a de pagar-te ao
deputad) o subsidio integral, anda quando ele
tivesse tomado assento soraente no fim do m->z.
O caso Bsera foi outro: o deputado comecou a
perceber o subsidio do dia em que prestou jura-
mento, dado o caso de nao ter comparecido antes
por proprio gosro ou preguca.
Fez se, porm, excepeo para aquelles que tendo
comparendo s sessoes preparatorias, estiveram
sempre presentes e por circunstancias estranhas a
sua vontade, como seja demora na aptesentacaa
do parecer da respectiva commisso, tardece.
por eff.-ito de impugnaco de sua eleico, deixa-
ram de ser reconhecidoa antes ds abertura das
cmaras
Os prejudicados, si prejudicados se podera
chamar ficaram ferinos, conservadores e libe-
raos, que com a bocea doce pelo vezo antigo, nao
eontavam com tal desequilibrio nos seus orQam;n-
tos. Era de ver a cara com que ebegavam ao
pagador para receberera o subsidio mutilado.
Diz o Paiz que esa? corte dado pelo Sr. Andra-
de Figueira deu urna differenca de vint contos
para menos ni f ilha do subsidio. Nao chego
tanto. Deve-se att -nder a que ha ainda deputa-
dos a reconhecer e outros que s f iram reconhe-
cidos depois do dia 3, cujis subsidios nao figura-
rim na Mea. Deduzidoa estes, aquella differen-
C* decresce muito.
Da o: Foi sabbado, mas contra o costume,
houve sesso na cmara, do que aproveitou-se o
Sr. Coelho Ridrigues para responder tongamente
ao que no Senado havia dito o Sr. Straiva, em
das passados.acerca da deliberacin:! Cmara.na
questo do 3." districto do Piauhy. Sendo depois
reeonhecdo deputado pelo 8 districto de S. Pau-
lo o Sr. Viscood i do Pinhal, passou-ae discusso
da eleico do 1." dist ieto do Rio Grande do Sal,
de queja se tinhatractado na sesso anterior, em
que oraram os Srs. Lourenco de Albuquerque
e Portugal, relator do parecer. Na sesso de
4 todo o te rapo foi consumido pelo Sr. Camargo,
que fallou at o fim da hora.
Esquecia-me dizer que no da 4, no Senado.
depois d'umis expcicoes do Sr. Pelotas em res
nosta a urna increpac&o que lbe fizera Sr. Silva
Tavares acerca da fuao concedida ao Marques do
Herval, e mais um requer oeoto do Sr. Mera so-
bre negocios da Cmara Municipal do Para, en-
trou cm discusso o projecto de torc&s de mar,
orando em primeiro lugar o Sr. Franco de S, que
talvez o mais encarnicado opp isicionista na ca-
sa dos velhos. e depoia o Sr. ministro da mar-
nba.
Passando-se discusso do ad amento da elei-
co de vereadores, o Sr. Martinho Campos provo-
cou o Sr. Cotegioe que se pronunciasse com to-
da a elareza, em nome do governo, sobre a mate-
ria. Respondeu o 8r. Cotegije que, vista dos
vi ate das gastos com a disenaso, nao nutria a
eaperanca de que o projecto podesse ser votado e
convertido em le na outra cmara, tempo ae
aproveitar, quando a eleico bate-nos porta, e
que portanto, elle mesmo votara contra. Cabio o
projecto e nesse mesmo da foi lido o formulado
pela commisso especial, alterando o systema de
eleico das cmaras municipaes e juize3 de paz.
Naquellas restabeleee a le do terco.
No dia 5, depois de varas explicacoes do Sr
Ribsiro da Luz, sobre aoumptos de requerimien-
tos anteriores, contnaou a discusso di le de for-
jas de i-iar, orando es Srs. De Lamare e Bsro de
Cotegipe.
Dia 7. Na cmara, depois de um animado dscur
so do Si. Paulino Chaves, sobre a eleico do 1*
districto do Rio Grande, toi a discusso encerra-
da requerimento do Sr. Miranda Ribeiro, e aquel-
le reconhecido deputado.
Entrando em discusso o parecer sobre a el-ico
do 2o districto da m-sina provinca, em que dis-
putara o Sr. Salgado com o Sr. Seve Navarro,
orou aquelle, pre-mehendo a hora.
Entrando-se ua discusso ie prorogativa do or-
camento, orou o Sr. Celso Jnior, que apezar de
largas consideracoes, na ia aventou de novo senas
a conveniencia de harm misar oa annos fioancei-
ros com os civis. O Sr. Beiisario respondeu-lhe
sobre diversos outros pontos, declara quanlo a es-
se, que acha razoavel a idea e j sobre ella teve
occasib de mauifestar-se. O Sr. Alves de Arau-
jo preeneheu o r sto da sesso, nao sem reclamar,
por ter o Sr. Andrade Figueira lhe concedido a
palavra quaudo faltavam 10 minutos para o ter-
mo da hora.
A' essas redamacoes costuma o actual presiden-
te responder que o regiment nao lhe d poder
para levantar a sesso antes de completas as 4
horas em geral, e 5 nos casos especiaes, como o
de que se trata.
No Senado nao occorreu nada de importancia,
seno a apresentacao do parecer da com rdsso es-
pecial sobre o projecto do Sr. Dantas, concraindo,
depois de varias consideracoes, por propr que o
mesmo projecto entre em discusso para ser re-
jeitado. Fui relator o Sr. Nunes Goncalves e
nao houve voto divergente.
Ecap iu-rae de dizer que na sesso d i 4 foi re-
conhecido deputado pelo 3 districto de Alagoas o
Sr. Ribeiro de Vienszes, o qual prestou juramento,
e, dirigindo-se para as bancadas do lado de trra,
tomou a primeira cadeira que achou varia, junto
ao Sr. Portella.
Acaba de fazer, d'sse-lhe este, o que o 8r.
nao soube fazer no son passsdo, justica. Pode-
rla ter-me vingaio agora, mas nao eoatumo tirar
vingancaa em neg-cioa desta ordem.
E' verdade, verdade, responden o Sr. Ri-
baite de M-nezes eom toda a fr.-scura!
A questo da eleico do 2' districto deesa pro-
vincia, anda est peud-ute do debate oral, que
to vez lenba tido lagar buje, ou tora amanb. A
demora havida proveio do proprio Sr. Jo Bla
rianno, que tundo pedido vista dos papis, na pri-
meir c oifereaeia da commisso que co-npare-
ceu, foi-lhe marcado o prazo mximo do costnm-,
que venceu ae no dia 31 do psssado, e elle pedio
prorogaco, que lhe foi concedida.
J presenta a sua resposta contestaco do
Sr Theodoro, que foi com vista ao relat t, o pa-
dre Joo Manoel, dando se a coincidencia de ter
sido ao anno passado o Sr. Jos Maranao o rela-
tor da eleico do 2o districto do Rio-Grande d >
Norte, en que o mesmo Sr. Joo Manoel dispute-
va com o Sr. Moreira Brando. Saben todos qua
o parecer foi a favor deste.
O Sr. Nabuco, na sua critici parlamentar no
Paiz, tem por mais de um i v> z se oceupado cora o
diploma do Sr. Jos Maranno, achendo at que
este desee em ir detendel-u perante urna cmara
de lama. ltimamente em um artigo sob o titulo
A arle de furtarfigurava elle aquelle diploma
como urna causa que se tcntova roubar, e discre-
vendo os diversos modos de penetrar se em tal
casa, ora entrando pelo telhado, ora pela porta com
gaza, ora pela cosinha, ora arrombando a pare-
de etc., dzia logo em com eco :
O padre Joao Manoel, da estrada de ferro do
Natal a Nova Cruz, quem est encarregado desse
introibo em casa do Sr. 'os Marianno. A esae
relator ad hoc, principalmente, e commisso em
gira! o contendor de Jos Marianno suggere di-
versos modos de penetrar n. interior das elei,es
do 2.o districto de Pernambuco.
Quemado com o caso e em um artigo summa-
mente aggressvo, de cuja parte principal prescin-
direi pir serem offensas pewoaes que nada tem
com a questo, o Sr. Joo Manoel assira conclue
pelo Jornal do Commercio :
Nao ha quem seja mais amostrado na tal arte
de furtar do que o Di. Joaquim Nabuco, que a
fez por em pratica com circumstancta aggravan-
te, matando para roubar na freguezia de S. Jos
do Recife.
Nao pretendo recuar nesta luta, a que fui
arrastada por constantes provocacoes, icbora re-
conbeca certa desigualdade de terreno, porque o
Dr. Joaquim Nabuco pago para me descompor e
eu pago para defender-me.
O Sr. Nabuco nao volt-w a carga.
Anda no ti ve occasio de dizer que a de-
nuncia dada contra o Sr. Lucena pela Assembla
Provincial do Rio Grande, j ehegou ao Supremo
Tribunal de Justica, o qual mandou ou?ir o ac-
ensado, marcando praso pan a resposta que j foi
dada.
' i Sr. Lucena comees por oppor excepeo de
competencia, quer em relaco a parto denunciante,
quer quauto an jmzo a cujo ju'gamento foi sujeita
e]denaneia. E, incompe'eut a Assembla Pro-
vincial por que conferindo-lhe o azto aiciconal a
a^tribuicao !de decidir, quando o presidenta tiver
sido pronumedo, se o prncesao deve continuar e
elle ser ou nao suspenso de suas funeces, nos ca-
sos em que pelas Hs tem lugar a siisp'nsio, a
denuncia oeste caso importara um prejulgamento,
alm de que prjneipki corrente em direitoque
ninguem pode ser juic e p*rt" ao mesmo tempo.
E' incompetente o tribunal porque sendo o ob-
jecto da denuncia a negaco de sancco a urna lei
inconstitucional o a conseqiinte suspenso da res-
pectiva publicaco, o nico juiz competente para
decidir o corfiieto entre o pn aid-'nre da provincia
e a Assembla Provincial a Assembla Geral.
Accresee que anda quando o tribunal fosse com-
petente para decidir sobre a especie, actualmente
nao o mais, visto achar-se ja prevena a juris-
dipco da Asserabln Geral, a enjo conhecmente
foi submettida a deciso do conflicto que faz ob-
jecto da denuncia.
Depois pass i a mostrar que o presidente da
provincia, dando nu negando sBucco, no uso de
urna elevada attribuicao em que to irrespon-
eavel como a Assembla Provincial, s c abrigada
a sanecionar a lei quando esta for approvada por
dous tercos as hyp theses previstas no acto add-
ciona!; trata do caso em qu sst8 i qua nao est
em nenhuraa dessas hypotheses, conclundo que,
ainda pelos motivos allegadts, nao ha fun amento
na denuncia.
PE1IAIBDC0
Sr. Joo AlvesV. Exc. nao p^le tl-a.
O Sr. Jos MarisTanto posso que vou fazel-o,
pouco se me importando que o nobre deputado es-
ora veje ; diga V. Exc o que quizer, cucare roma
lbe approver o mea proce limeuto, desespere, es-
tores-se, eo> lhe don permsso, mas a Assembla
ter c oihecimento da carta e por isto paseo e
le-a (le):
Illm. e Exm. Sr. Joo Alves-Ha muito que
Assembla Provincial
41 SESSO EM 19 DE MAIO DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. SB. DU. JOS M4N0EL DE BABEOS
WANDERLEY
(Continuacao)
O (ir. Jone MaraEu sei, Sr. presidente,
que malhar em ferro fro querer convencer a
maioria de que ella procede mal encampando os
crimes dos seus correligionarios. Seria melhor
que eu ficasse silencioso. Por mais torca que te-
nham as minhas pala vras, ellas nao abalam de
modo algum os nimos prevenidos dos a brea de-
putados qi.e se sentam na bancada oppos'.a. Ss.
Excs. conservam-se sempre surdos aos reclamos a
das vctimas, feitos pela minha voz. Mas nen
por iato eu cessarei de pedir justica, nem por iste
eu dexare de clamar incesantemente em prol
dos perseguidos ; seja'm elles deste ou daquelle par-
tido, nem por iato eu deixar m-hei ficar silencio-
so, ouvindo os lamentos angustiosos daquelles que
gemem sob o jugo terrivel dos dominadores ac-
tuaes, que muito se parecem com os noasos anti-
gos dominadores, com os dominadores dos tempos
colonses.
Por mais que se diga, por mais claro que se
mostr o estado de Taca'at, os meus honrados
collejas nao se move o, nao empregam o mnima
esforco no sentido de ter aquilo im paradeiro.
Os factos occorridos em Taearat, assim eom*
os factos occorridos em Canhotieho, foram denun-
ciados pela imprensa e ea nao tenho cessado de
erguer miaba voz neste recinto para proflgal-os.
Mas tudo tem tem sido baldado.
Procede hoje a maioria a respeito dos crimes de
Taearat, da mesna forma por que proceden a
respeito dos de Canhotinho, em relaco aos quaes
negou a verdade conhecida como tal, a despeite
de terem sido expostos com t ida fidelidade pela
Sr. Antonio Vctor, um dos ornami ntos da banca-
da conservadora.
Os nobres deputados da direita dsseram que
nos, por espirito poltico, piutavamos aquelle aua-
dro com as cores as mais negras, e entretanto,
forca confesar, a descrpeo fieou muito queoa
da realidade.
Pois bem; alm daa piovas que nos j aqu
apr. sen'Amos, eu proponbo-me a a pn sentar urna
outra que, de certo, nao ser recusada.
O Sr. Joo A!ves=V. Exc. nao tem prova ne-
nhuma.
O Sr. Jos Mara Eu mostrare] a V. Exc. que,
espero, ficar confundido, bem como todos os seus
Compaoheiros.
Demonstrarei assim que nao declamamos quan-
do profligamos os crimes que se reproduzem na
situacao que s? atravessa.
O Sr. Joo AlvesA prova testeuiuuli.il oe
dscumentnl ?
O Sr. Jos MaraE' documenta'.
Eu refiro-me uraa carta dirigida pelo Sr. Ba-
ro do Buique, a um membro desta casa.
O Sr Joo AlvesV. Exc. nao pode referir-se
a esta carta.
O Sr. Jos MaraPorque nao posso?!
O Sr. Joo AlvesA carta Confidencial.
O Sr. Jos Mara En nao sei disto ; ao menos
ella nao reza isto e nem en abusei da oonfiance
de pessoa alguma. Haveria abaso se alguem me
huuvesse confiado o segredo : ninguem contou-me
cousa alguma, logo nao abusei da confianca da
pessoa a quem foi dito carta dirigida.
V. Exc. confion-see alguma cousa?
O Sr. Joo i I vesPor isso mesmo que nao con-
fie o segredo, que V. Exc. abasa.
O Sr. Jos MaraEu tena abusado, se o nobre
deputado me houvese dado a carta em confianca
para ler e eu a exhibiese aqui. Neste caso tena
V. Exe. o direito de dizer que eu abueei da sua
confianca.
O Sr. Joo AlvesE como V. Exc. obteve esta
carta?
O Sr. Jos Mara-A Provdenc'a foi, sem du-
vida, quem eonsentio que ella viesse cahir as
minhas mos.
O Sr. Joo Alves Porque prestidigitaco ?
O Sr. Jos ManaEu pao sei porque modo foi
to, e se sei nao o digo.* o mu segredo. Quem
nos diz nos que nao foi a Providencia quem fez
cahir as miuhas mos esse irrecusavel documen-
to?
O Sr. Regueira Costa V. Exc. nlo pode fazer
uso de cartas particulares, sem consentiraento de
seus donos.
O Sr. Jos MaraPosj. A carta, sem eu es-
perar e nem della ter noticia, ehegou s minhas
mos por mlagre da Divina Providencia, talve,
para que eoy servindo de S'-u instrumento, armad*
desta clava herclea, podesse descarregal-a sobre
aquell.-s que, esquecendo a voz da consciencia, nao
reou.m ante a idee de justificar os mais nefandos
arenes.


P ".....


"*v.

Diario de Peniambuc([aarta-feira' 16 de Junho de 1886
*
nio nos entendemos, e por isto prioc) io esta
comprimestan io-oe deseando-lh prospera sando.
< Sim, senbor. leudo o Diario de 22 de Abril,
deparei com urna futalo sua, em referencia ao
desatino da policia de Ctnhctinh >.
Ea hoy; talvez, sej considerado suapeito,
acerca de tio desasroso acontecimento, porque a
infeliz Rosa Mari daCooceicio procurou a mi-
nha frac.i proteccio.
] Nio posao diser mais do que se tem dito em
eu favor. Os defensores da polica de Canhot -
ktho querem que sejam brancas as forangas, pois
sim, lejana, que eu ca de miuba parte direi sem-
pre que ellas sao pretas.
Triste o empenao de ncobrir-se a verdade !
No dia 8 do coi-rente foi sepultad un filho
da pobre velha, que nao poudo aobnnvfr a urna
ternvel facada no baixo ventre, e existe tambm
urna filha em mo estado de saude, proveniente
de grave ferimento abaixo do peito esquerdo. E'
provavel que venha a suecumbir, em yista do es-
tado melindroso em que se acba.
Nada, meu amigo, nao sou conservador para
pactuar eom desatinos e violencias de meia cor-
religionarios. Como nao dependo doe votos delles
nao procurare! innoeental-os quando tenham pra-
ticado tropelas e arbitrariedades.
Nao tenho iudisposicio com o delegado e sub-
delegado de Canhotinbo, para que me queira pre-
valecer da occasiio para accusal-os de insolentes
e despothos; pelo contrario, sintojque dessem lu-
gar a essa brado que justamente se levanta contra
elles.
Seria nra obsequio que me faza se lessc esta
rainha carta na ante sala dessa Cmara.
a Adens. Pugne pela verdade e ser sempre
applaudido pelo sen patente etc.bardo de Bui-
que.
Veja que ronselho d a V. Exe. o 8r. Bario de
Buique : pugne pela verdade, que ser applau-
dido pelo seu parate Baro de Buique
E V. Exc, a despeito disto, a despeito do pe-
dido que Ihe faz, do conselho paternal, que Ihe d
o Sr. Bario de Buique, para que pugne pela ver-
dade, V. Exc, digo, quer escorecel-a, e ousa le-
vantar a sua voz para contestar at a esse sen il-
lustre prente !
Um Sr. Deputado Eu nao veje nada de prova
O Sr. Jos Mana Entao V. Exc nio \ nesta
carta prova alguma -J. Christo dos Milagrea de
Ip juca I
Sim, senhores est tudo muio direito Eutio,
esta carta nada prova !
E' melhor que digam : o Sr. Bario re Buique
nio merece crdito ; um acoutador de crimino-
sos, como j o diss-'ram no outro dia, quando dis-
cutimos esta materia.
(Aparte;).
Eu bem sei que a leitura da carta incomm o 1 > i
eu bem sei.
O Sr. Joio Alves d um aparte.
O Sr. Jos Maria Para que isto ? V. Exc.
sabe que f > casualmente que en vim a saber da
existencia desta carta V. Exc. sabe que <-u nao
Ihe metti a mi na algibeira para tirar esta carta.
Se o fizesse, cora o seu couscn'iment bem enten
dido, com certeza encontrara nio s esta, mis
outras, e bem assim muiros doeuu>eutos que neces-
saramente corroboraran! tudo quanto aqu tenbo
a (firmado.
Sem dnvida V. Exc. ha de ter reeebdo algu-
nas cartai de Taecrat (ha um aparte do Sr Joio
Alvef), visto a defeza que aqui fez a Cavalcante.
(H iiversos apaites.)
J v V. Exc. que tudo isto vem corroborar os
U03SO9 assertos. (Apartes)
O Sr Begonia Costa Mas afinal o que prava
esta carta ?
O Sr. Jos MariaProva tr morrido nra filho
da infeliz R isa Maria e que urna filha della aeha-
ae prestes a embarcar desta para a outrs vida.
Acha V. Exc. tudo isto p meo !
O Sr. Regueira Costa Mas de que morreu ?
Podia m> rrer de nma indigestao.
O Sr. Jo-. Maria O drsditiso moco morreo,
como diz a carta, em consequencia de um feri-
mento reeebdo ua lucta c>m forca publica, quan-
do teta destrua a ferro o fogo tudo que bivi.a na
fazenda G-rota N->va.
Com a letura que fiz da carts, quiz que esta
ficasse intercalada no men discurso, e consignada
nos Annaep, para que em todo o tempo se coi.uec i
que a minora nao declamava e, que pelo contra-
rio, milhares de provas onfirmavam os seus asser-
tos.
Proeedam os nobres depatados como quizerem
que eu prosegurei na senda que tenho at hoje
trilbado. Continen? os nobres deputados surdos
aos nossos reclamos, continuem os nobre3 depu-
tados a brincar,com a res publica, deixem i ivdea
olta o ginete da administracio; mas pensem bem
que u.n dia se hio de ariependei-. (Apartes)
Nao ha dia, Sr. presidente, em que eu niotenha
necessid-ide de oceupar esta tribuna para prodigar
os afrentados, as violencias commettidas pelas au-
toridades polica'a.
Hoje, quasi h ira em que devia achar-mc ne_-
ta casa, comparecen no mu eseriotorio urna mu-
lher de cor preta, acompanh&da de um seu filho,
pedio io-me que eu prnn vesse tl meios de ser
punido o subdelegado da Ponte dos Carvalhos por
causa da urna violencia desaoraraunal quo contra
seu dito filbo praticra.
O caso fra este : ha c->rca de um anno fra ac-
casado do crime de deflorara-nto Jos Thomaz
Cavalcante e sendo processado, fo mandado ar-
chivar o sumario, em que tunceomu co.no adv:-
gado o uess > distincto collega o Sr. Lmrenco de
S, pirque chegou-se evidencia nio s de que a
Mulher de qua oe cogitava era maior, como tam-
bem de que ni i t nha sido autor do defloraiuenta
refer jo c Jadi.
Acara, quando aquelle hoinera imagraava tran-
quillameute que j nao se cogita va deste assumpto,
que ni) sotFreria mais perseguicoes porestj faet ,
foi preso pe -8 soldados do destacamento, intuido
no tronco e intimado para casar. Tinha sido con-
vidado para funecionar no acto o coadjuctor da
freguezia do Cabo, o Revm. padre Crnz, que nio
ffectuou a ceriraonia em vista da recusa por par-
te do noivo toreado, retirando-se aquelle sacer-
dote para a cidade onde reside. Eatio o subde
lgalo intiinou ao preso para que accedesse ao
casamento ou entao sena inortc.
(Ha diversos apaitcs).
O que cert que o homem foi esbordoado, o
que sei porque m"o jisse e se me apreaenton com
as costas tedas feridas, e neste transe doloroso,
entre cinco aguazir da polica, presente o subde-
legado, que nao s consenta, como fra quero
mandara que os soldados pratieass-m taes actos
de selvageria, o infeliz, na alterativn de ep.sir ou
morrer, ni > teve outro remedio senio sujeitar-se
impo3icao que Ihe era feita, e o casamento se
efjfectuou, sendo p*ra este fim chamado novanen-
te o Rvd. coadjutor, Sr. padre Cruz...
O Sr. Joio Alves d um apsrt<-.
O Sr. Jos Maria.... e unlo, contra ventade,
aquelle. homem aquella mulher. Em geral. depois
do casamento, os noivos entram em lun 'le mel;
aquell-' honv-in. porm. teve urna la de fel.
O Sr. Jo.'.o Alves d um aparte.
Lo^o dep ii.-. dessa verdadeira la de fel o pobre
hom"in tomou o trem o veio para esta cidade.
O Sr. Regueira Costa Trouxe a mulher?
( Sr. J h MaraNao; ibandonou-a.
O Sr. Begoeira C)8ta d uro aparte.
O Sr. Jos MariaEsse homem chama-se Jos
Thomaz Cavalcante e o Sr. Lourenco de S o co
nhec, porque j foi teu advogado.
Sr. presidente, V. Exc. cumprebende que ne-
cessano que baja um paradeiro para todas ^stas
cousas Pois licito que um subdelegado de al-
deia assim obligue um hornera a casar-se, quando
est- acto para ser legal necessario que se r.-ali-
ae com annueneia de ambas as partes ?
Houve liberdade neete acto?
De certo que nio, pois que foi feito com ameaca
de morte e por meio de brbaro espaneam rato.
Aonde vamos nos parar, senhores? Que idea
fario os nobres depntadoa do que eja goveruo, d.>
que seja governar? Os nobres deputados imagi-
nara qu- esse p bre povo poderi por milito tompo
supportar essas correras" que nos remontam aos
teoapoB idos, A idade media ? Eatario convenci-
dos os nobres deputados de que com a ascencao
no poder do sea partido nos seremos obngados a
voltar aos timpos em que preiominava a barba-
I
na Os nobres deputados nio coroprehiidem
que estio por este mdo cavando a ua propri
ruin
O Sr. presidentePeco ao nobre deputado quo
resuma as suas consideracos.
O >'r. Jos MariaObedece, Sr. presidenta, a
V. Exc. ; dsde que a hora e^t dada, eu vou ter
ninar, aguardando me para
to na seaao seguiote.
Eu pens, Sr. presidenta,
tados nio le animarlo a ne_
dade que o nobre dep
teve a coragem de contestar
de Grota Nova.
gEin todo caso, porm. eu
pari mais este attentado.
Itar sobre o assump-
ie os nobres 1epu.
este fseto. Ver-
o o Sr. Joio Alves
~ as occorreneus
nao encano.'
nio tomar te urna providencia, es'.e subdele-
gado de aldoia capaz d suppr-se. Imperador,
TiUum que, polestade, e entio amauhi querer a
forca casar todo o mundo.
O Sr. Drummond Filhofilie muito sensato.
O 8r. Jos Mara Ea o julgo pelos actos. Pes-
soalmente nis o conheca.
O Sr. Drummond Filho-Eu at rnesmo estou
convencido de que o facto nio tu passou assim.
O Sr. Jos MaraAffii.nco ao nobre diputado
que vi o homem com os sieiiaes do espancamento.
O ir, Lourenc > de SV*. Exc. codera dizer me
o nomo d'esse subdelegado ?
O Sr. Drummond filho Nio sei.
O Sr. Lourenco de SPois eu conbeco-o pelo
marido da professora.
O Sr. Jos MariaEst ; V. Exc mesmo nem
sabe nome do hornera, di*te novo inedonho.
O Sr. Drummond FilhoNio me leuibro agora,
mas conheco-o.
O Sr. Jos MariaElle subdelegado de al-
deia, e vendo assim encampado um acto desta na-
tureza, considerar-se-ha um Imperador, anda qu
seja do Espirito Santo, e se der Ihe a mana para
casar todo mondo a turto e a direito, estamos nos
bem servidos.
Eu, por mim, propriainente nio tenho receio : se
porventura passar por aquellas paragens e elle
quizer casar-me a forca, declaro a V. Exc. Sr.
presidente, que nio opporei a menor resistencia
(riso). Soffrerei sem tugir e nem mugir esta doce
violencia.
Que di Serenen, Sr. presidente, entre o proced-
meLto deste sub lelegado e o do Sr. Joao Pamphi-
lino Cavalcante, que tamben j goveruou aquella
freguezia! Este pelo menos nunca quiz casar
uingera a forca.
O Sr. Recueira CodaQuem esse segundo
Cavalcante?
O Sr. Jos MariaE' o Sr. Joio Pamphilino
Cavalcante, ex-oficial de policia, que muitas vezes
exerceu o cargo de subdelegado, sempre com toda
a inoieraco; nunca exerc-u a menor pressio,
nem tio pouco pretendeu casar ningnem a forca,
como este outro, amigo dos n-.bres deputados.
O Sr. Regucira CostaE o outro amigo de
V. Exc?
O Sr. Jos MariaE' meu co religionario,
elcitor do 2J districto. V. Exc. para aquelle la io
nio se arranja.
O Sr. Begueira CostaV. Exc sabe que nada
tenho com o 2<> districto.
O Sr. Jos MariaE faz bem ; all bem poucos
im-ttein o bedelko. Termino, Sr. presidente, aguar-
dando as explieacoe-i da bancada opposta sobre o
presente requer ment.
A discuaso fica adiada pela hora.
Possa-se
I 1* I'.VRIK DA OllDLM DO DA
Con'ina a 2" discuss.io do art. 2o do projecto
n. 43 deste anuo (orcamento provincial).
Vem mesa, sao lidas, apiados e entram con-
juntamente era discussao as seguintes emendas:
N. US. Ao S 88. A' verba do art. 2 % 2S
accrescente-se : mais 1a:000000 para reparos do
emparamento da estrada de Jaboatio Gaspar
de Drummond Filho.
N. 117. Ao 28. 1:000* para o melhoramento
da estrada qu.' vai da estacan de S. Benedicto ao
povoado do mesmo noin".Regueira Costa
N. 118. Ao 28. 4:000 p-ra a construccio
de urna pinte sobre o rio Pirangy no lugar Barra
da Lama, em S Benedicto.Regueira Costa.
N. 119. Ao | 28. 6:000 para a construccio
de um acude na villa do Bonito.Reducir Costa.
N. 120. A. % 28. 4:000')00 pa.-a a compra do
urna casa que sirva de cadeia e casa de cmara na
cidade de B> n Jardira;D A Gomes.
N. 181. Ao art. 20 S 28. 6:000* para a cons-
truccio de um acude no povoaio do Ciuh itinli i
Besoeira Costa.
N. 12-'. Ao. art. 2 28- G.OOO para a cona-
truevo de um agude no povoado Lagedo, no termo
de S. B-nto. R-zueira Costa.
N. 123. Ao 73. Aeerese.nte-se : inclusive o
que se eativer a dever ao cidadao Manoel Marinho
Cavalcante de Albuquerque. na qualidade de pro-
fessor publico de Bom Jai diu e Anglica.Joic
Alves.
N. 104. Para ser enllocada onde couber:
20:000* para acquisicio de urna cadeia e casa de
caraira em Jaboatio. S. R. 14 de Maio de 1886.
Sophronio Portella.
N. 125. Se for approvada a era-rada n. 24,
accrescente-se: 1:000* para as obras da matriz
de MuribccaLourenco de S.
N. 198. Tica o presidente da provincia autori-
sado a comprar, na cidade de Jaboatio, urna casa
que possa servir de cadeia, podendo despender
at a quantia de 10:000*.Loucnco de S
N. 127. Ao 28. Depois das palavrasagente
pagadordiga-se : 10:000* par o empedraraento
da estrada real da estadio dos Prazeres Pie-
dade.Lourenco de S.
N. 188. Aagaeatr-se na verbailluminavio
publica3:000* para collocacio de 20 lampeoes
na villa de Munb -a.Lourenco de S.
N. 129. Ao 28. 6:000* para execucio da lei
n. 1642.Lourenco de S.
N. 130. Ao % 28.Accrescente-se: 10:000*
para continuacio da estrada real de Mnribeca.
Lounnc o de S.
N. 131. Ao 9 do art. 2osupprimam-se as
palavrassupprimidas non das cade ras etc., at
o fim e bem assim o 10.Regueira Costa.Jos
Marn.
N. 132. Accrescente-se i emenda n. 25E
500*000 ao vigario da freguezia de Bom Jardn,
Jos Fraucisco Burges, pira auxiliar a escola de
menin >s desateos, fundada e costeada pelo mesmo
vigario.Dr. Costa Gomes.
(Continua)
--------------geesecs*--------------
EMENDAS AI'I'ROVADAS NA 2* DISCUSSAO, DO
PROJECTO N. 54 DESTE ANNO (OR^AMESTO
MUNICIPAL).
N. 99. Accrescente-se : E a de Cimbres a Pedro
Martyr de Pontea, arrematante do imposto sobre
carga de assucar, carne secca e outro i gneros,
nos mercados publicas de Pesqueirn, o abate da
quinta parte sobre 0 preco da arrematacio.Costa
Uibeiro.
N. 100. Accrescente se igual concessio aos ar-
rematautes de impostos muncipaea de Cinbrts,
Alexan ir Gomes de Araujo Prasa > e Antonio
Manoel Uezeira Cavalcante.Joio Alves.
N. 102. Ao art. 68 accreaeeute-se :
Igual concessio aos arrematantes dos impastos
nnnieipses de Vertentes, Joaquira Juliao de Aze-
vedo e Joio Francisco da SilvaJoio Alves.
Rodrigues Porto.
M. 103. Ao art 68 : Igual favor a Manoel Go-
mes dos Santos, arrematante de impostos em Na-
zaretn,Herculano.
N. 105. Igual favor n todos os que reqnereram
em idnticas circumstaneias.Julio de Barros.
Rat:s e Silva.
N. 106.[jAo art. 71c de preterencia a Jos Ma
ria Perreira Franca o que Ihe estiver a dever de
custas crnninaes.Dr. ( osta Gomes.
N. 107. Onde couber. Fica a Cmara Munici-
pal de Goyanna autorlsada a pagar o que dever
ao solicitador Francisco Leovegildo de Albuquer-
que Maranbio pelas def.-zas produzdas no tribu-
nal do jury em prol dos presos pobres. Stares de
Amorta.
N 109. Fica a Cmara da cidade da Escada
aut risada a pagar de preferencia o que est a de-
ver a Antonio Joaquira Machado, de cuatis judi-
eiaesDr. Costa Gomes.
N. 110. Para ser enllocada onde melhor convier.
Fica a cmara Munieipal de Limoeiro autorisada
a pagar de preferencia/108* ao Dr. Antonio Too-
maz de Luua Freir, va quaea sao lhu devidos de
eaatu.Jos Maria.
N. 111. Para ser col locada onde convier. Ficam
as c niaras municipaes da Gravat e Bezrrros
autora idas a pagar de preferencia pelas verbas
Custa8 jiHiciaeso que eatio a dever ao Dr.
Joaq.iira Manoel Vieira da Mello.Regueira Coa-
ta.Rodrigues Porto.
N. 112. A's disposices geracs. Ficam as c-
maras municipaes de Pao d'Alho, Gloria do Goit
e Tiinbaba autorisadas a pagar ao bacharel Joa-
quira Francisco de Arru la o que Ihe estiverem a
dever de castas. Kodrigues Porto.
N. 113. Fica a Cmara Municipal de Barrearos
autorisada a conceder a Pedro de Barros Wan-
derley um abate noa termos da inforraacio da
m-sma Cmara.Luiz de Anirada.
N. 114. Fica a Cmara Municipal de Sen
nhiem autorisada a pagar a quantia que estiver a
dever de cuitas judiciaes ao offical de justica Ter-
tuliano Fcij de .VelloBarros Barrero Jnior.
jN. 116. Onde couber. De prefe.rencia o que se
estivsr a dever ao escrvio de paz de S. Lourenco
da Matta, Jos Francisco Telha.Joa Maria.
X. 117. A's disposicwea geraes Fica a Cmara
Municipal de Caruar autorisada a pagar o que
estiver a dever de custas ao bacharel Estcvio
Carneiro Cavalcante de Aibuquerque Lacerda e
ao escrivo do jury Antonio Rodrigues Brasileire
Carvalbee*.Rodrigues Porto.
N. 118. Ficam aa cmaras municipaes das c-
dsdes di Nazare'h e Bom Jardim autorisadas a
contratar, com quem mathores vncagens ofiere
cer, a coistruccao de urna casa de mercado em
cada ura d'aqueilas cidades, mediante as seguin-
tes cendieoes :
| 1 O cust j de cada edificio nao ser inferior
a 10:000,1.
g 2 Ao contratante pertencerio dons tercos
lie todos os irapoitoe cobra ios nos meamos merea
dos pelo tempo mximo de 15 annos, quando en-
tregar o edificio 8em ind-'miiisacio alguraa e em
perfeito estado de conservacio.Herculano Ban-
diorn. -Dr. A. Costa Gomes.i
N. 119. Fica a Cmara Municipal do Recife
autorisada a pagar de preferencia a quantia de
399*500 que est a dever de custas a Joaquim da
Silva C.rva!ho.liodriguea Porto.Reg Bar-
res.
N. 120. Onde couber. A Cmara Municipal de
Bom Jardim pagar a Carlos Ferreira da Silva,
e-crivio do crime d'aquella enmarca, a quantia de
351*530, que Ihe deve de custas. -Jos Mana.
N 121. Fica a Cmara Municipal do Recife
autorisada a pagar as custas devidas ao Dr. juiz
de direito Adelino Antonio de Luna Freir.Ba-
ts e Silva.
N. 123. Fie i a Cmara Municipal de Gainellei-
ra autorisada a pagar a Francisco Manoel, o que
eativer a dever, legando em conta o que o mesmo
Ihe estiver devendo.Dr Pitanga.
N. 123. Fica o presidente da provincia autori-
sado a aposentar com ordenad correspondente ao
tempo de servco que tem, o guarda municipal Joio
Pitta Viriles, nos termos da informaQio prestada
pela Cmara Municipal.Ratis e Silva.
N. 125. Dispos coas geraes. Ficam as Cama-
ras Municipaes do Recife, Espirito-Santo, Bom
Jardim e Victoria, autorisadas pagar o que estio
a dev-T a Jcs Joaquim Pereira de Oliveira, Ma-
ncei Olav.o do Rogo Barros, J 'fi Francisco de
Souaa Iteraminaense. Jos Maria de Oliveira,
Francisco Jos de Magalhies, Antonio de Mello
Vercosa, Luiz Cordeiro Benevides e Pedro Fer-
rio de Albuquerque.Reg Birros.Rod-igues
Porto.
N. 127. Fica a Cmara Municipal de. Bezerros
autorisada pagar o que eativer a dever de cus-
tas ao eacrvio Joa Marinho de Hollanda Falcio.
Regueira Coata.
N. 128. Onde couber. De preferencia custas
que sao de vidas ao r. Luiz Rodrigu-s Ferreira
de M.-nezes Vasconcellos de Drninmond, 420*.
Jos Maria.
N. 129. Onde couber. Fica a Cmara Munici-
pal de Timbaba autorisada a pagar ao bacharel
Julio Augusto de Luna Freir o que Ihe estiver a
dever de cuitas.Joio de Oliveira.
N. 130. Fica a Cmara Municipal de Pauellas
autorisada pagar o que estiver a dever a i capi-
tio Jos Matheus de Oliveira Guimaries.Re-
gueira Costa.
N. 132. Ao art. 72. Accrescente-se : e a C-
mara Municipal de liezerros pagar 300* de cus-
tas ao escrivio Flix Macedo da Cunha Franca.
Luiz de Andrada.Joio de Oliveira.
N. 133. Fica a Cmara Municipal de Bonito an-
tonsada a pagar pela verbacustas judiciarias
o que estiver a dever aos escrivies Jesuino Eusta-
quio Gomes e Se gio Clemeutino de Sotilo Maior e
Albuquerque.Regueira Costa.
N. 135. Fica a Cmara Municin! de Bezerros
autorisada a conceder a Manoel Bezerr* Caval-
cante o aln.ie da 5* paite sobre a importaucia da
arrematacio dos impostos municipaes no exer^icio
de 1884 1885Regueira Costa.
N 137. as disposices geraes. Fica a amara
Municipal de Flores autorisada a pairar Lau-
rin io Marques de Souza o qu- Ihe estiver a dever
pelo sustento dos presos pobresRats e Silva.
N. 138 as disposices geraes. Fica a Cmara
Municipal de Qui apa autorisada a pagar Ho-
ori i Il-'r reio Goncalves de Oliveira a importan-
cia doaiuguel vencido da sua casa, que serve de
cadeia e quartel.Ratis e Silva.
N i 11. Onde couber. Fica a Cmara Munici-
pal de Timbaba autorisada a pagar o que dever
ao soi'citador Francisco Leovigildo de Albuquer-
que Maranhio, pelas defezas produzdas no tribu-
nal do jury, era prol dos presos pobres.Soares de
Anrorim.
N. 142. Art. 16. Fica a Cmara Municipal do
Limucirn autorisada a pagar o que estiver a dever
de custas ao offical de justica daquelle termo,
Thomaz Pires Ferxbira.Rodrigues Porto.
N. 144. Fica a Cmara .Municipal de Caruar
autorisada apagar no advogado Juveneio Taciano
Man?, a importancia das custas judiciarias a que
direito, podendo para iss.. usar da verbaEven-
tuaesii a verba especial fr insufficioiitc.Ra-
tis e Silva.
N. 146. Fica concedido ao arrematante dos im-
postos municipaes da villa da r*edra o abatiraento
de 50*000 no exercicio de 1885 a 1886.Sophro-
nio Portella.Antonio Vctor.Constantino de
Albuquerque.
N. 147. Fica a Cmara Municipal da Pedra do
Buique autorisada a conceder a Leonardo Bezerra
Leite Cavalcante, um abate da terca parte do va-
lor da arreinacio por elle feita.Constanliuo de
Albuquerque. -Sophronio r'ortella.
N. 149. Additivo. Fica a Cmara Municipal da
cidade de Ourunr autorisada a dar um abate cor-
respondente metade do preco da arrematacio
dus impostos da freguezia de "4. Caetano, no exer-
icio da 1884 a 1885. ao ex arrematante Fran-
ciaco liodriguea de Sobral Campos.Juveneio
Mariz.
N 151. Onde couber. A Cmara Municipal do
Recife pagar preferencialmente o que estiver a
dever de cuctaa ao escrivio Burgos.Gaspar de
Drummond.
N. 152. Onde couber. A Cmara Municipal da
Escada pagar integral e preferencialment den-
tro do corr-nte exercicia o que eativer a dever Ju
custas aos escrivies Antonio Carlos de AUneida e
Hylario Urbano da Silva.Gaspar de Drum-
mond.
N. 153. Onde couber. a Cmara Municipal do
Rio Formoso pagar integral e preferencial-
mente o que estiver a dever a Jos Ignacio dos
Santos, no corrente exercicio.Gaspar Drum-
mond.
EMENDA APRESENTADAS NA 3* DISCUSSAO DO
PROJECTO N. 43 DESTE ANNO ORCAMENTO
PROVINCIAL).
N. 253. Supprima-se a emenda 242.Reg
Barros.-opLronio Poriella.Herculano Bandei-
ra.Julio de Barros.Rodrigues Porto.Bar-
ros jiarreti Jnior.Luiz de Andrada. Cona-
tantino de Albuquerque. -Guinea Prente.Joio
Alves. Ferreira Velloso. Vigario Augusto
Frauklin. Rat a e Silva. Coelbo de Moraea.
N. 254. Additivo emenda n. 235 ou a de n
213. Nao podendo em tempo algum taea favores
ser considerados um privilegio de qualquer sorte
nem em prejuizo da Sociedade Auxiliadora da
Agricultura, no que Ihe garantid 1 pela lei n.
1789 e pelas respectivas instruccdes'do 27 de Ou-
tubro de 1883. Barros Barreto Jnior.Sophro-
uii Portella. Luiz dn Andrada. Herculano
lian leirn.Bario de CaiarFerreira Velloso.
N. 255. Onde couber. 20u*0)U a .bre es.abe-
lecimcnto de comprar e v nder cavallos, denomi-
nados armazein de sal. Ferreira Velloso.
N 256. A emenda n. 79 depois das palavras
que estiver a deveraecreseeute se iao ,. ..
879*830 e omais como est ni emenda.Bario
de Itapiaauma.
N. 257. Ao 73 do art. 2o. Inclusive o qie se
est a dever a Joio Germano Lyra, de aiugueis
da casa que serve de quartel e cadeia no povoado
do Bi ieh > do Matt i.Coelh do Moraea.
N. 258. Ao art. 7. No fi.ial do auba'.itutivo n
2 do 13 do ait. 1 accrescente-su aa p >l-vras :
exc 'ptuados oa 5 -/. destinados ao fundo de emau-
cipaco. Gomes Prente.Coelho de Moraea.
Constantino de Albuquerque.
N. 259 Ao 36 do at. 1. Em vez fe 11 I
ris diga se 60 ris e o inaia com> est. Coelho
do MoraesJoustmtino de Albuquerque.
N. 0. Ao 54 do art. 1-. Em vaz de 4*
pa-ie diga-so 5 parte e n m lis corao est.Go-
mea Prenle. Coelho de Moraea. Constantino
de Albuquerque.
N. 261. substitutivo ao 12 do art. 1: 2) %
sobre o valor de tumo de corda, de cigarros e :hi-
rutos de quaiquer procedencia, iutroduzidos para
ceusumo, e 500 ris por kilo de fumo picado, des-
fiado, vinao de qualquer procidencia pata consu-
mo em latas, pacotes, etc.Gdices Prente.Coe
Iho de M res.
N. 262. Subienda SHpprimam-se ni emen-
ds sob ii 10 e-14 ao 16 do art. I Gomes P-
renteCoelho de M o
N. 263. Ao art. 2">. Subuaenda. 8e forem sup-
pri nidas as nendas do ns. 10 e 14 ao 46 do
art. 1*, resiabeleciha a disposicio integral do re-
ferido 46 se supprimara tambem as emendas de
ns. 86, 7, 88. 89. 90a 109.Coelho de Moraes.
N. 264. Suoemenda. Suppnmam-se as emen-
das de ns. 21, 22, 82, 99. 128, 146, 174, 78 o 171.
Coelho de Moraes.
N. 265. Suppriraara-se as emendas apparecidas
ao | 28 do art. 2 de na. 19,21, 22, 23, 85, 27,
28, 29, 31, 32, 33, .14, 36, 41, 42. 43, 44, 45, 46,
47, 49, 50, 63, 65, 70, 71, 72, 73, 74, 75, 76, 87,
98,101,103, 104,105, 110, 115, 116, 117. 118,
119,120, 121,122, 126,127,129, 130,137,144,
148 e 178 Coelho de Moraes.
N. 266. Ao g 75inclusive 1:237* para satisfa-
cer as filhas de Miguel Augusto de Oliveira, o que
denais pagaram como herdeiras do renanescente
de D. Genoveva Rosa da Silva, noa termos do
71 do art. 2 da lei n. 1810.Gomes Prente
Coelho de Moraes.Constantino de Albuquer-
que.
N. 267. Ao art. Io. Novos jj onde couberAu-
xilio dos cofres geraes.Gomes Prente.Coelho
de Mora8.
N. 268. Saldo do exercicio anterior.-Gones P-
rente.Coelho de Moraes.
N. 269. Sub-emenda enenda n. 93. Em vez
de 150:000*diga-se 203:000* inclusive a im-
portancia necessaria Dar as obras da Casa de
Detencio e reconstruccao da ponte de Arrumba-
dos.Gomes Prente.Coelho de Moraes.Cons-
tino de Mbuquerque.
N. 270. Substitutivo ao art. il. Fica o presi-
dente da provincia autorisado, a reformar a re-
particio das Obras Publicas dando-lhe novo regu-
araento, como fr mais conveniente, reorganisando
o servico de conservacio permanente das obr*8,
sobre novas bases, de modo a rcalisar-se a mxi-
ma economa, e providenciando no sentido de que
os agentes pagadores percibam 1:8)0* de venc-
mentas.Gomes Prente.Coelho de Moraes.
Constantino de Albuquerque.
N. 271. Sub emenda. A' emenda n. 113 .ac-
crescente-se no final : c mais o que se dever a
Joaquim Jos de Mello e a Jos Torres Campos
de Medeiros, pelas despezas de novo titulo e i-
vos e velhos direitosque indevidamente pigou nos
termos das leis ns. 1649 e 1786.Gomes Prente.
N. 272. Emenda ao art. 2Arrecadacio das!
rendas: -r
Supprfma-se a emenda substitutiva n. 109.Go-
mes Prente.
N. 273. Supprima-se no 61 as palavras e o
ordenado do 2o sollicitaior, e accrescente-se no
finnl o seguate :
Sendo o ordenado do procurador dos feitos de
accordo com a lei n. 1810.Gomes Paren e.
N. 274. Ao art. I novo .Medico da Colonia
Isabel 2:400* Gomes Prente.
N. 275. Enenda. Ao art. 1 do projecto offere-
cido como additivo sob n. 221 depois da palavra
Andradeaccrescente 8"ou com quem meihoras
vantagena efferecer.Gomes Prente.
N. 276. 12* para pagamento do que se est a
dever ao ex-collector e ao ex-escrvao da collecto-
ria de Caruar, Antonio de Lemos Vasconcellos e
Alejandre Freir de Carvalho.Jos Mara.
X. 277. Vais 4:000* para a construccio de
um acude na cidade de Nazareth.Herculano
Bandeira.
N. 278. 20:000* para a estrada de ro iagem de
Gamelleira ao Rio Formoso. S. R.Luiz de An-
drada.
N. 278. Fican iaentos do imposto de tonelagem
os navios da marinha mercante brasileira.Jos
Maria.Barros Barreto Jnior.
N. 28o. 16:000* para m estrada de rodag>m de
Gamelleira a liezerrosLuiz de Anirada.
N. 281. Bibliothcca. Supprima-se o substitu-
tivo n. 86Gomes Prente.Coelho de Moraea.
Constantino de Albuquerque.Reg Barros.
N. -82. Additivo s disposices genesArt.
Fica o presidente d> provincia autoncada a
supprimir o Consuiado Provincial, organisando
com o pessoal necessario um* rejeoediria provin-
cial incumbida da arrecadacio dos impostos de
lancamento. Os empregados que excederen do
quadro serio adiidos s repartieres proviociaes
para aeren provid .s tas vagas que uccorreren.
Os embregados q"e eativerem as condicoe8 le-
gaes poderio ser aposentados.Gomes Prente.
Coelho de Moraes.
N. 283. No substitutivo u. 9 accrescente-se :
na tabella o seguate ond3 couber :
Thesoureiro 2:400*000
Escrvio 1:400*00)
-Gom"8 Prente.
N. 284. Sub emenda de n. 214. Accrescen-
te-se .- exceptuados as dos impostos laucados.
G. Prente.
' N. 285. Substitutivo. Substitua-se a emenda
u. 180, pela s guinle : Fica concedido aos arre-
matantes de dizmos de ga lo cavallar, vaceum e
muar Jos C rdeiro dos Santos, Joio Neporauceno
da Silva, Antonio da Silva Florencio, Antonio de
Vasconcelos Florencio, Joio Guilherme de Az-
vedo Lyra Sohrinho, Aarelio dos Santos Coira-
br* e Augusto Octaviano de Souza, oabate de 50
/. sobre o valor total das arreraatacoes.Rodri-
gues Porto.Joio Alves C. de Albuquerque.
Jos Mana.G. Prente. Luiz de Vndrada.
Coelho de Moraes.-Ratis e Silva.Antonio Vc-
tor.F. Volloso.Regueira Costa. -G. de Drum-
mond.Costa Ribeiro.Rofjoberto.
N. 286. Additivo s disposices geraesFica a
Santa Casa de Misericordia do Recife autorisada
a permutar com Manoel Heraclito de Albuquer-
que o domini directo que tem a Santa Casa de
Misericordia sobre terrenos do engenho Bemtica,
sito no termo de Ipjuca, por immoves sitalos
nesta capital em apolices da divida publica geral
da provinciaG. de Drummond -Barros Barre
to Jnior.
N. 287. AdditivoDo producto da arrecadacio
da o'ivida activa a que se proceder, por meio de
guias expedidas pela seccao do contencioso, ter
o procurador fiscal 2 0/0 de porcmta<*em, ficando
assim dividida a que tem direito os empregados do
juizo dos feitos pela arrecadacio da divida acti-
va : juiz 2 ('/O, procurador dos feitos 2 0 0, escri-
vio 1/2 0/0, solicitador 10/0, contador 1/2 0/0,
2 officiaes de justica 1 0.0 e revogado o art. 8 da
lei n. 1,470 de 16 de Juuho de 187a.Luiz de An-
drada.
N. 288. Accrescente-se onde couber : para a
construccio do urna ponte sobre o rio Ipijuea, no
lugar denomiuado Verti-ntes eq'.ie liga a estrada
urna das eatacoes da via-ferrea de Caruar, de-
nominadaa do Cascavelat a quantia de.....
25:000*000.G. de Drummond.
N. 289 Onde couber : o mais 20:000*000 para
continuarse o calyaracnto da cidade do Cabo.
G de Drummond. Barros Barreto Jnior. -Lou-
renco de S.
N. 290. E mais 10 lampeoes para a estrada do
Encanamento em Parnamerim, augmentando se a
respectiva verba. G. de Drummond.
N. 291. Onde couber : e mais 2:000* para a
estrada do Rio v lia de Se.-inliiem. G. de
Drummond.Barros Barreto.
N. 292. A i 39 do art. 5" : augmente-ae a
verba cora 4 lampeoes para a ra que ca cin freo-
te ao botp tal de Santa gueda, den ominada tra-
vesaa de J.o de Barros. -Ratis e Silva.
N. 293. Onde couber- emaia 20:00* para a
continuacio da estrada de rodagem do Cabo a Se-
rinhiem.Gaspar de Drummond. Lourenco de
S.Barros Barreto.
N. 294 Onde coubar : e niais 30:000 para a
estrada de rodagem que partir de Serinhein
Escada. -G. de DrummondBarros Barreto.
Lourenco de S.
N. 295 Onde cauber : para tapagem dos ar-
r'inbados no porto dos Frades no rio de Seri-
uliem. G. de Drummond.Barros Barreto. =
Lourenco de S.
N. 296 A crescente-se onde couber e mais 6
lampeoes para a ra que vai da estrada da Mag-
daoui pin s Ilha do Retiro.Lo arenco de S.
N. 297 Onde c ni bar. E mais 5 I inpeoes para a
campia da Casi Forte augmentando su a respec-
tiva verba G. de Drummond.
N. 898 0 ido coub-t. E um anuo de Meenca
com urden ido tamoein a D. Laurnia Maria Ra-
mos e L'abelia de Albuq'ierque Mello, professora
de Jaguaribe em It .marac e da fregunzia da Bsa
Vista deata eida le. G. le Drummond.
N. 299. Additivo s dsposicocs geraes. B'icam
relevadas do pagamento 'le dcima.-, .trisadas at
o exe:cicio de 1885 a 1886 s casas peri--ncentes a
mandada de N issa Seniora da Boa Viagem.
G. de Drumuv nd.
N. 300 ijaiiitivo a> 2- Iliurainacio publi-
ca. D i cidade da Escada com 50 lamp ao >s : aug-
ment-se a verba.Ruis e Silva.
N. 301 Fica o presidente' da provincia autori-
sado a andar pagar o que se estiver a dever no
professor Joio Fernn les Vianna de leus veoci-
inentoa relativos no exercicio passado e que cahi-
mtn era ex-rcicio findo.Regueira Costa.
N 302 Ao art. 13. Supprimam-se as emendas
ns. 221, 223, 226 e 228.Dr. Cosa ornes.
N. 303. Em lagar de 1:00.1*000 diga se 5:000*.
Dr. Costa Gomes.
N 304. Fica a junta da Santa Casa ce Miseri-
cordia desta cidade autorisada a conceder ao es-
crivio Pedro Rodrigaes de Souza liuenca com ven-
cimentos at 6 mezes, provando molestia perante
a mesma junta. osta Ribeiro. Rogoberto.
Ratis e Silva.
N. 305. Fica autorisado o presidente da provin-
cia s despender at 50:000* com o empedrameuto
da Estrada Nova do Caxang, a eomecar du proca
do Conselheiro Joio Alfredo.Reg Barros.
Barros Barreto.Jos Maria.
N. 306. Onde couber. E mais 15:1 00* para a
estrada de rodagem da estacio de Ipjaca a villa
do mesmo nome.G. de Drummond.Barros Bar-
reto Jnior.Lourenco de S.
N 307. Re3tituices inclusiva 868*605 para sa-
tisfazer o que demais pagaram D. Anna Lucia
Josephina de OHveira Mattos e D. Candida de O-
liveira Lamenba Lina, filhas de Miguel Augusta
de Oliveira, fazenda provincial, como legatarias
e herdeiras do remanecente dos bens de D. Gene .
ve va Rosa da Silva por causa da omissio do aat.
3 1 do regulamento de 23 de Julho de 1874.
Soares de AmorimJ
N. 308. Fica o presidente da provincia autori-
sado a mmear eectivos o professor doCouro
d'Antas e a professora de K. Jos do Egypto, que
erum contratados antes do Reg. de 6 de Fevereiro.
urna vez que provem quo cumprcm seas doveres
contento da Reparticio da Instruccio Publica.
Dr. Pitanga.
N. 309. Additiva de n. 152. Se passar a
emenda n. 152, fica concedido igual favor a Jos
Gomes Ferreira Maia, arremamatante do pedagio
da barreira do Giqui.Luiz de Indrada.Joio
Alves.
N. 310. Seja substituido o 71 pelo 83 do
art. 2 da lei n. 1,860.Jos Maria.
N. 311.Onde convier.Tendo es terceiros of-
ficiaes da secreta'ia do governo oa mesmps venci-
mentos doa e.npregados de igual cathegoria do
Thesouro Provincial.Jos Maria.
N. 312. Emenda addiliva s disposicoos ge-
raes : Fica revogada. a lei n. 1,675, de 14 de Ju-
nho de 1882 e restabelecida a qu creou os dous
lugares de tabelliies no termo da Gloria de Goit.
G. de Drummond.Regueira Costa.
N. 313. Onde couber : 10 ris por litro de sal
importado.Dr Joio do Si.
N. 314. Supprima se a emenda u. 313.Bar-
ros Barreto Jnior.
N. 315. Em-uda additiva ao projecto cons-
tante de additivo n. 213 accrescenta se.
Art. 3." A3 lettras hypoth-carins do Bao se-
rio aceitas como garanta de flaneas pre-.tad.as
nes contractos com a Provincia Gaspar de Drum-
mond.
N. 316: Emenda ao 54 dn art. 1 :
com ordenado igual aos demais profissionaes dos
clnicos de olhos e de partos e conservando con-
stantemente um mlico uo Hospital D. Pedro II.
Dr. A. Costa Gomes.Baiio de ltapissiiraa.
N. 317. Offereco como emenda o projecto n. 11
deate anno.Ratis e Silva.
E8 o projecto a que ae refere a emenda :
N. 11. A Ass^mbla Legislativa Provincial
de Pernambuco resol ve :
Art. V Fica o presidente da proviucia auto-
risado a mandar orear e despender a quantia or-
eada com a construccio de um acude para depo-
sito das aguas pluviaes, capaz de abastecer a po-
pulacio da cidade de Gravat de agua potavcl na
estacio do verio.
Art. 2' Para a construccio deste acude a Ca -
mar Municipal da dita cUaJe indicar o lugar,
qae mais conveniente f e ficar mais prximo a
ella.
Art. 3 E' prohibido tomar banhos, lavar aui-
maes e rcupas, pescar com rede, e lancar immn i-
dicea dentro do referido acude, aendo os contra-
ventores d.;8t disposicio punidos com peas de
prisio por trjs das e multa de 10* por cada vez
Art. 4- A'Caraira Municipal reactiva in-
cumbe a naponnao c z to para que se couserve
sempre pura e lunpa a agua do a^ude, da inodj a
nio ser prejudicial saud- publica
Art. 5- Ficam revogadas as disposices em
contrario.
Paco da Assemila Legislativa Provincial de
Pernambuco, 28 do Marca de 1886. Ratis e
Silva. .
N. 318. Oftarcco como emenda o projecto infra.
Ratis e Silva.
O projecto a qua se retere a emenda o se-
grate :
N. 49. A Ass.-mbla Legislativa Proviucial
de Pernambuco, resolve:
Art. nico. Fie* o presidente d i provincia
aut risado m indar orear e despendsr a quantia
orea la cora a construccio ds urna ponte de uiadei-
ra sobre o rio Ipojuca, que corta a cidade de Gra-
vat, para dar coramunicacio cono ra da mesma
cidade, qua fica alm.
Revogadas as disposices em contrario.
Sala das Resanes da Assembla Proviucial, 27
de Abril de 1886.Pedro Ratis. .
N. 319. Offereco como emeuda o projecto afra.
Ratis e Silva.
O projecto a que se refere a emenda o se-
guiote :
S. 7. A Assembla Legislativa Provincial
de Perna ubuco resolve :
Art. 1. Fica o presidente da provincia auto
risado despender at a quantia de 2:000* com
a factura de nra* ponte de madeira sobre o pro-
fundo valle, pe o qual corre a vertente denomina-
da Calafate, que se atravess* ao sahir da cidade
da Escada do lado do poente pela estrada que
condnz ao eng-nh > Mameluco.
Art. 2." O ..rreraatante desta obra dever co-
mecal-a 30 dias depois da lavralo e asiignad-^o
contrato na reparticio competente, e concluil-a
dentro ds prazj de mezes, contados do dito can-
trato.
Art. 3." Se no fim do prazo cima estatuido
nio estiver a obra concluida, soffrar o arr -im-
portado do mesmo modo.O presidente da pro-
vincia determinar em regulamento e m-io de se
fazer efivetivamente a cobranca.Joio Al.es.
N. 323. Ao art. 1 supprraiH-sn oJ 10 do art. 1
e a emenda approvada sob n. 5 FVrroira Jaco-
bina.
K. 324. Additivo eme-ida n. 247. 0cr-
vio de orphi'os da cidade de P->aqaeira servir por
distribucio o officii de escrivio do civel e com-
mercio, e privativamente o de escrivio da prove-
doria decspellns e residuos.Joio Alves.
N. 325. Ao art. 1 accresoente-se: e-sobre o
sabio.Perreira Velloso.
N. 326. Os ordenados dos capities de policia
ficam elevados a 1:440* aunases Joio Alves.
N. 327. Fici Jos Montero Torres de Castro
isMto do pagamento do imposto de 20 %, multas
e custas, em que foi colleetado no exercicio de
76 a 77, visto ter provado perante aa roparticoea
fiscaes, nunca ter tido caixeiro de nacionalidade
cstrangeira em seu estabelecimento ao caes da
Companhia Pernambucana.Ferreira Velloso.
N. 328. Ao 42 accresceme se: 1:000* para
o guarda da illummacio publica.Gomes P-
rente.
N. 329. Novo Onde couber: 5 / sobre o
valor offical da tarifa para oa productos importa-
dos que f >rem fabricados no paiz, exceptundo-
se as iazendas.Gomes Prente.
N. 33 '. 73. as d sposices geraes. Fica o
presideuf.e da provincia autorisado a mandar pa-
gar a Joaquim Maria da Rosa VirSes, gunrda da
(asa de Detencio, os ordenados atrazados, refe-
rentes aos mezes de Abril, Maio e Junho do anno
passado, cabidos em exercicios fiados.Ratis e
Silva.
N. 331. Depois do 48 diga-se : Para o Insti-
tuto Vaccinieo, iuciusive aluguei da casa, expe-
diente e compra de lympha, 6:900*. Medico da
Coioaia Isabel, 2:400*.Dr. Pitanga.
N 332. Additivo s disposices ger es. A pen-
sio do Io escripturario do Consulado Provincial,
Victoriano Jos Marinho Palharcs, ser calculada
na razio da tntalidade dos venein^ntos que cou-
beran a cada um dos empregados de igual cathe-
goria da referida re artigo no exercicio de 1383
a 1884, e em proporcio ao tempo de servico que
foi contado ao dito aposentado.Gaspar de Drum-
mond.
AVISTA DIARIA
de
taute um abatiraento ou descont de 10 "/o no pro
90 da arrematacio.
Art. 4. Ficam revogadas as disposices era
contrario.
.. Paco da Assembla Legislativa Provincial de
P rnambuco, 19 de Marco de 1886. 0 deputado
Ratis e Si va. o
N. 320. Offereco como emenda o projecto in-
fra.Ratis e Silva.
Eis o projecto a que ee refere a emenda.
S 79. A Assembla Legislativa Provincial de
Pernambuco resolve :
Art. 1" Fica presidente da proviucia autori-
sado a mandar orQar a factura de urna esr ida de
rodagem, levantando a planta de modo que. par-
tindo da estacio de S. Joio dos Pombos, comarca
da Victoria, termine no lugar denominado Chan
Graude, tocando no engenho Bocea da Matta, no
lugar Frexeiras, buscando d'abi a marg-m de ria-
cho Mutans, segu ndo por ele at o termo final.
Art. 2o Feito o orcamento e levantada a planta
da dita estrada, que deve ser empedrada abaulada
com largura de 40 palmos, e cora as bombas a
pontea que forem necessarias, ser a obra levada
a praca publica para ser arrematada por quem
lucidores vautageas offerecer.
Art. 3* Ao arrematante ser concedido estabe-
lecer barreira para eobraana da pedagio dos
transentes, n.Io pdenlo exigir m-iis de 20 rs.
por pussoa qua passar a p ; 40 rs p-los que pas-
earen montados e 60 rs. por cada quadrupede.
Art. 4o O presidente da proviocia conceder ao
arrematante para 11 lemaisaca do cust? da em-
presa o gozo do rendira-ntJ do pedagio por tempo
que nio exceda de 20 annos.
Art. 5o Assignado o contrato, ser o arrema
taute obrigado a eomecar a obra dentro do praao
de 3 mezes, sob pena d? resciaio do coa'tracto, e
de perder o arrematante todo o o material que ti-
ver para a raesra 1 obra.
Art. 6" Ficam revogadas as disposices em con
trano.
Poco da Assemhla L -gislativa Provincial du
Pernambuco, 11 de Man de 1886.O deputado
Ratis e S Iva.
\. 321. Offareco como emenda o projecto n.
96 deste auno.G. oe Drummond.
O projecto a que se ref re a emecdi; o se-
guate :
N. 96. A Assemb Legis.ativa Provincial de
Pernambuco resolve :
Artigo uuico. F'Ca o Ipreaidente da provincia
autorisado a crear na Escoia Normal um 1 cadeira
de desenlio de p*ysagisas, igurat, flores, ote, a
crayon, pastel, a oleo e aquarell i, regida por urna
professora de instruccio primaria, percebendo se
beucimeutos equivalentes ao das profesaoras de 3*
entrancia.
Io Essea vencimentos serio pagos pela fecha
marcada par qualaiier cadeira de 3 entraucia
quo a presidencia julgar conveniente supprimir.
liVvogsdas as disoosiyoes em coutrario.
Em z de Junho de 1886.Soaios de Amonio.
jN. 322. Ao art l* onde couber: Ficam sujeitos
ao pagamento do imposto de 10*400 por carga
tolas as fazendas Importadas para esta pro-
vincia, pelas provincias visinbas; ficando sujei-
tas ao pagamento de metade deste iraptstuas
cargas de iniudezas importadas as mesmas con-
dicous, pagando 2*000 as cargas de quaesquer
outras mercadoraa. Ficam igualmente sujeitos
ao imposto de 4*000 por csrga todo o algodo ex-
>
4sembla Provincial Funecionou
hontem, sob a presidencia do Exm. Sr. Dr. Joa
Manoel de Bairos Wanderley, tendo comparecido
31 Sra. deputados.
Foi lida e approvada, sera debate, a acta da
sessio antecedente.
O Sr. Io secretan? procedeu eitara do se-
grate ex ediente :
Um officio da secretario do governo da provin-
cia de Minas Geraes, aecusando o recebimento dos
A11a.es delta is.iembla. e declarando que, logo
que se c ncluir a colieccao das les d'aquella pro-
vincia, remetter para o archivo d'esta Assembla.
Iut'.arada.
Urna peticio de Joio de Barros Silva, requerea-
do privilegio por 25 annos pora tecer e exportar
em rama as fibras de linho .de nossas plantas.
A' conmissio de peticoes.
Oatra de Tbereza Josephina da Cunha Salles,
professora publica da 2a cadeira da freguezia de
Santo Antonio, requereado urna subveneio de
lf'OO* pira imprimir sua grammatica portugue-
z-i; obngande-se a dar 3130 exemplares Instiuc-
cio Publica.A' co.nmissio de peticoes.
Outra de Fieldea Broth-rs, empresarios da illa -
raiu icio publica desta cidade, teclamando coutra
a cotiranc* do imposto de gyro sobre o valor do
carvao de peora importado por elles.A' commis-
sio de orcamento proviucial.
Approvou-se ura parecer da coi&missio de ra-
daocaa sobre o projecto n. 93 deste anno.
R-jeitOu-se o requ"rimento do Sr. Bario
Itupissum* sobre negocios de Igaarsssu.
A liou s, a 1 eddodo Sr. Gones Prente, dis-
cussio de un requerimento do r. Jos Mara so-
bre ura attentado coinmettido pe'o sargento da
Guar a Cvica do Recile ; orando s> rs. Jos
Maria, duas vezes, c Gomes Prente.
Aaiou-se, pela hira, a discussao do requerimen-
to do Sr. Joio de Oliveira, que o justiticuu, sobre
a 2" seccio do Consulado Provincia1.
O Sr. J -s Mara, pela ordem, onviou me3a,
afim de ter opp n-tuuamente o devido destino, ura
abaixo assignado de negociantes, propecanM e
armadores de navios* nacionaes.
Passou-se Ia parte da orden do dia :
Approvou-se os 2* discussao, con diversas
emendas, sendo dispensado do intersticio a reque-
rimento do Sr. Gomes Prente, tondo orado, pela
ordem, os Srs. Ferreira Jacobina 1 Soares da
Am >rim, o projecto n. 54 deste anno (orcamento
municipal) sendo tambera a;provados 03 requeri-
meut 13 dos Srs. Ferreira Jacobina, e Prxedes
Pit3uga, apreseutados na sessio antecedente, rela-
tivos emenda n. 108, senda o Io delles em vo-
t ioio nominal, a pedido do Sr. Soares da Amorira
approvado por 21 votos contra H.
Adiou-se, pela Ii .ra, que foi prorogada at o fim
da sessio a requerimento do Sr. Regueira Costa,
a 3* discussio do projecto n. 43 deste anno (orca-
mento provincial), sendo apoiadas diversas emen-
das e orando o Sr. Augusto Franklin.
A ordem ds dia : Ia e 2a parte continuacio da
antecedente. /
Eieqnlas olemnes-0 partido conser-
vador de Pernambuco, grato memoria do Dr.
Antonio Francisco Crrela do Areujo, faz celeDrar
h je, pelas 10 horas do da, solemnes exequias por
sua alma, na matriz da Boa-V'sta.
Para esse acto, torara expedidos inuitoe convites,
e de crer que o tara 1 > regorgite de amigos e
apreciadores do n .bre carcter e d3tincts q jal-
da ies do illu.-trc finado, que foi sempre um cida-
dao prestante, um amigo dedicado e um modello
de virtudes.
A igreja matriz acha-se ataviada com.aoberbas
pompas tunebre, trajando rigoroso luto, e no cen-
tro da sua nave ergue se um magestoso cata-
falco de aprimorado estylo em cuja faoe principal
est collocado o retrato do Ilustre cidadao quem
sin preetadas as der-adeiras homenagen3.
Tliealro *ianla IwabelNcjste theatro,
e era benefi-io da impressio do drama Cabo Cesar
do Sr. Dr. Corte Real, representa-ae pala '".Crira
vez esse drama, dividido era 7 quadros, aorangen-
do um p-ologo e 5 actos.
Nos iatervallos a banda do corpa da policia
executar diversos trechot.
\ 11 ui ver atrioAmanha fazem 45 annos
que, pela Assembla Geral Legislativa, foi eleito
o Regente do Imperio.
Tambem fazem 21 annos que a esquadra
brasileira realisou a passagem de Mercedes.
Fusa de preoLeraos ua Revista Com-
mercial, de Macei. de 3 do cjrrente :
Da cadeia desta c-pital, na madrugada de 31
do passado, pelas 4 1/2 horas, evadiram-se os pra
sos secMacados : Manoel Amancio, eondemnado
a 14 annos de prisio com traba!ho, Manoel Ale
xanl.-ino a 9 annos e 2 mezes e Pedro Jos ds
Costa, conhecido por Pedro do Rancho, a 4 annos
e 8 mezes de prisio.
Deu-se a evasio pela porta principal da edi-
ficio. Sendo o preso Manoel Alejandrino empre-
gado pelo carcereir > como ajudante do chaveiro,
nessa noite, aproveuando se da copiosa chuva
que caba, foi a prisio, onde se achava os oulros
dous, a qual ap-uaa estava trancada com cadeiado
por se ter arrancad 1 a techa-Jura para concert, e
os tirando, com t Hes sabio, abrindo a porta prin-
cipal, cuj* chave tinha era seu poder. A sent-
nella que, provavelraent dorma s deu signal de
alarme, quaudo j elles tiuham sabido, prova de
que despertara com ns passadas dos fugitivos ao
d -sc-Tcm as escadas de pedra.
Tendo scicnei* do facto o Sr. delegado de
pnlida encarregado do expediente, por achar aa
fra da capital o Dr. chefe de pilicia, expedio
u na forca sob as ordens do ditrns commandante
do corpo policial o Sr. tenente-ceronel Fortunato
B'BJaraiu Lins de Vasconcellos e outra de pracas
d* companhia de infaotaria as ordens de seu
com mandante o Sr. capitio Cap, tu lina Lou-
reiro.
No da immediato ao da fuj* a 4 leguas de
distancia desta capital, fjram capturados os dous,
de nomes Mano'l Alexandrino c Pedra Jos da
Costa, sendo morto por urna bala o de nomo Ma-
noel maucio da Silva que resisti, forcando a se
lancar mi daquelle meio extremo.
Sao dignos do elogios o Sr delegado Luiz
Jas de Moraes, o c unmandante do corpo de po-
lica tenante coronel Fortunato Lius de Vascon-
cellos e o Sr. capitio Loureiro, aquelle pelaa acer-
tadas provi lencias que tomou e este pelo bom
r aullado da diligencia, eonseqaeucia da activida-
de que ambos man.festaram. ^^^
iNegocion ele Ps d'Al ti oCommunicam-
nis da cidtde de Pao d'Alho que o r. juiz de di-
reito prossgue na sua faina de desrespeitar todos
*.


.S
4
Diario de Pernambucotyuartafeira 16 de Junho de 13C6

O principio bono d governo procurando crear
dg e desrsspeitar ai autoridades poli-
ciaca, coutra a quaes*nda de lata aberta, a dw-
peito da moderaco e criterio com que essas auto-
ridades cumprem os seos deveres.
No da il do eorrente, cerca de meio dia, o
subdelegado d> freguexia-da cidade, o Sr. Joa-
quim Servulo Vieira da Pas, cuja moderaco nao
pode ser posta em duvida, mandou recolher pri-
sa* a mulher de nome Maria do Nascimento, co-
nhecida por Maria Paje, a qual sendo useira e
veseira no vicio da embriaguez, fra presa por um
soldado, auxiliado pelo amasio da mesma Maris,,
de nome Bellarmino Groacalves de Medeiros, e le-
vada a presenca daquella autoridade, pelo tacto
de estando bebada, estar promover desordens
pelos insultos que a todos diriga.
< Tanto bastn para qje o Si. Dr. Faro, sem
que ninguem rb'o pedisse e tomado de telo pela
sua descommunal autoridade dejuit, chamasse s si
o negocio, tomando a defesa de M-wia Paje, s-
mente no intuito de desprestigiar aquella autori-
dade, pois regra sua implicar com todas as au-
toridades conservadoras.
Officiou ao referido subdelegado mandando
que intormasse, com urgencia, porque motivo
foi recolhida presa a cadeia da cidade Man Pa-
jea, e mandou buscar a mulher sua presenca
afirn de interrogal a, e no intuito de conceder-lhe
habeos corpu, sem que ninguem Ih o requeresse.
Era tal, porm, o estado de Mara Pajeu que
nao poude ter lugar .. interrogatorio, po's a mu-
lher atrou com urna grande insolencia ao Sr. Dr.
Paro, o que fel-o mandar recolhel-a cadeia,
constand eotretanto, que, nao ob tante ter sido
ella solta no dia s-gumte, pdo digno subdelegado,
pretende o Sr. Dr. Faro processar essa autoridade
pelo Jacto dessa priso.
Nem ha que estranhar nisso, porque o Sr. Dr.
Faro disse, ha pouco tempo, n'um dos carros da
ferro via, que havia de morder todas as autorida-
des conservadoras da sua comarca, e de facto as-
sim tem procedido todos os propisitos, sem cu-
rar ao menos de salvaguardar os interesses da
justica e os principios geraes por que se regem os
povos.
Esse jais tulo atropulla, salta por cima dis
formulas, e, comtanto que consiga os seus intui-
tos, nao trepida ana neuhum* violeacia.
Seria para nos urna fortuna se o governo im-
perial u removesse, anda que com notavel accesso,
porque seria o meio de evitar conflictos e repr as
cousas da comarca no seu estado normal, cxtin-
guindo a anarchia em qua vivemos por causa do
Sr. Dr. Faro. '
Voltando ao assumpto de Mana Paicu, causa
eficiente destas linh is, basta dizer que Bellarmmo
Goncalves de Medeiros, amasio desia mulher, sen-
do interrogado pela autoridade policial, declarou
qne por mais de urna vez tem sido advertido
por essa subdeegacia, mas que nao pode centel-a
(a Maria Paje) em vista das insolencias que pra-
tiea, quinto se acha embriagada.
Essa mesma testeinuuba, alias insusp-ita,
confessou que Maria Paje nao recebeu nenhuma
offensa ao ser conduxida para a ca ieia, e que
foi presa por estar embrigada e provocando dis-
turbios.
estas -. >ndicoes, bem de ver que o Sr Ur.
Faro, querendo armar um escan i doso processo,
s tea em vista realisar o seu dito no trem da
ferro va, isto morder a autoridade zelo&\, que
procurou acautelar os interesses da ordein publica,
fazeudo recolher prisao a indicada Maria Pa-
Esso estado de cousas da comarca de Pao
d'Alho pede seria attencao por parte do governo
imperial. .
Nao possivel que continu como jaix de direi-
to dessa comarca quem poe cima dos interesses
da justi?a os interesses mal entendidos do seu af-
ierro partidario, sacrificando a causa da ordem
publica. .
Deraais, ao que nos consta, o Sr. Dr. juix de di-
reito de Pao d Alho nao fax assistencia na sua co-
marca : vive em O'inda, e rara vex vai sede da
comarca; o que importa dizer menospreco pela
boa admioistracSo da justica.
De tudo isso o que se couclae, pois, que rodas
as conveniencias sociaes aconselham a remocao
desse magistrado para outra comarca, fora des-.a
provincia, onde posas elle, xtreme de interesses
po.ticos, melhor distribuir a justica
Asate do Crrelo -Por acto de 14 do
eorrente, foi nomeada, precedeudo proposta do
respectivo administrador, agente do correio da
villa de Tacarat, M ganda Secuudiua .Bo-
telho.
Tbealro Santa InabelContinuando os
incommodos do socio do corpo acenico do Club
Dramtico Familiar, e por cuja causa foi transfe-
rido o espectculo annuncikdo para domingo ps-
sado neste theatro, de novo o referido especta-
calo transferido para o dia que for annunciado.
Coogrenao Lilterarlo ScleotlOco
Esta ociedade funciona amauh, s 10 horas do
dia, no lugar do costme.
Tribuna Acadmica Publicou se o n.
5 deste quinzeaario, propridade de urna asso-
ciaclo.
A Moda IIIotrada Para a respectiva
ageneia, i ra lario da Vutoria n. 9, chegou o
n. 178, de 15 do correte da Woda Iltustrada,
trazendo folha do moldes e fi^urino collondo.
Themour Provincial = Hoje, paga se
nosta reparticio os veucimentos das professoras
de 2" entrancia, referentes ao mea de Dczembro
prximo fiado.
Sel* de OatubroPublicou-se o n. 10 des-
te peridico, orgo da Associaclo dos Funcciona-
riofl Provinciaes de Pernambuco.
Boa transito O paquete Tomar, levou
hontem para a Europa 313 passageiros, sendo 10
tomados em Pernambuco.
DinbelroO paquete Tamar trouxe de sul
para :
Amorimlrmaoa & C. i 1,290
mesmo paquete levou para :
Franca t 200
O vapor Mrquez do Caxias trouxe do sul
para:
Diveraoa 4:055,4000
O vapor Ipojuca entrado dos por tos do nor-
te, trouxe para :
Diversos 63:083*770
Conaelbo Lltterarlo da Inwtracc&o
Publica Em sessao ordinaria do Conaelbo
Litterario, de 15 do eorrente, foram lidos e appro-
vados os seguintes pareceres.
Da 1 seceo, relator o Dr. Ayres Gama, sobre
o abano assignados dos moradores de Tacuruba,
conclualo por pedir lufurraacoes da Caara Mu-
nicipal e das autoridades locaes.
Di inesooa secjjo erelator nobre a transferencia
da cadeira do povoado do Cedro, concluinda pela
transferencia.
Da mesma seccao e relator sobre o Manual Rhe-
torico, c mpilado pelo padre Dr. Jeronjmo Tho-
in da Silva, coneluindo pela sua approvacaa.
Da mesma seceo e relator sobre a transferen-
cia requerida pela professora de Tacarat Maria
Antonia da Costa, concluudo pelo indeferimeuto.
D13 seceo, relator e Dr. R-gueira Costa, so-
bre o processo disciplinar instaurado contra a
profc;ss renhas, concluin lo pela absolvilo.
Proclama* de calamento Na ma-
triz de Afogados foram lidos no dia 13 d > corren-
te oe seguiutes :
Sebastio Ribeiro da Silva com Mana Magda-
lena de Araujo.
Manoel Teixeira de Carvalho com Hermogeoa
Socracia da Paz.
Joo Xavier das Chagas com Maiia Celestina
de Albuquerque e Silva.
Roberto Candido de Oliveira com Raymunda
Francisca da (J mcei^ao.
Antonio de Moraes Pinto com Anna Maria de
Albuquerque.
Foram tamhem lidos no mesmo dia na matriz
da Grac,a :
Liioro Monteiro da Silva com Silvana Maria
Bezerra.
Agostinho Albino Bezerra com Maria Cartuli-
na P reir Penna.
Francisco Presidio Nogucira com Tertuliana
Estellita Goncalves.
Manoel Raposo com Jo i juina Maria da An-
nunciacao.
Jos Antonio Pacheco de Aguiar co.n Antonia
de Almeida Correia.
. lijreu de Arlen e OfOclon Reunem-
se buje, em congregacao. os prefessores deste ea-
tabeleeimeuto, s boias do costuine.
jeiloe*. Eff.c'uar-se-hau:
Uoje :
Pelo agente Al/redo GuinarSet, s 11 horas,
na ra do Bom Jess n. 45, de fazendas.
Pelo agente Alfredo Guimares, s 11 horas, ua
ra do Bom Jess n. 45, de predios.
Pelo agente Brito, s 10 1/2 horas, na ra do
Kangel n. 48, da loja de iniudezas a fazendas ahi
sita.
Amanda :
Pelo uyenie Martin, s 11 horas, na ra da Au-
rora n. 165, de movis, loucas, vidros, etc.
Pelo agente tinto, k* 10 1|2 horas, na ra m
Imperatnz n. 13, de raove s, loufas, vidros, vi-
nhos, etc., etc.
Pelo agente Stcpple, s 11 horas, no largo do
Corpo Saut", de fariuha de mandioc* avariada.
Pelo agente Barlamaqui, s 11 horas, na ra do
Imperador n 21, de pr.-dio.
Sexta-feira : t
Pelo agente Martin, s 11 horas, na ra da
Aurora u. 165, de movis, loucas, vidros, etc., etc.
Minnan funebren. Sero celebradas :
Hoje :
A'i I horas, na greja da Soledade, por alma de
Augusto Baptista Braga ; s 8 horas, na matriz
de Tracunliaem, por alma do Dr. Autonio Kran-
disco Correr de Araujo : s 7 hors, na ma'rz
da S. Jos, por alma do padre Antonio de Mello
Albuquerqae.
- Amanli :
A 8 hora, na greja da Paz de Afogados e no
convento de 8. francisco, s 7 l(i horas na gre-
ja de S. Pedro do Recite e s 8 horas na da Con-
ucicao dos Militares, por alma do padre Autouio
de Mello Albuquerque.
l'anmtKcironChegadoa dos portos do sul
no vapor ingiez Tamar :
Silv-rio de Freitas, Joo M. de Mattos Sol, Lu-
cido A. Marlins, John I Harding, He.ry S. Per
man, Jarlos Ashbowme, Jos Requio, Jacob
.ichael, Gustavo Sal vi, Alfreda B. Dallas e \V
I. Jahonson.
Sabidos para a Europa no mesmo vapir :
Autouio di Araujo Marquee e sua sean ra, A.
B. Tugman, Jos Villaverje, M. L. dos Santos,
Jos I. Oliveira Guedes, Antonio Rodrigues, J.
Rodrigues, Manoel Rodrigues Placa, Manoel Pe-
reira, Joaquim Jos do Couto.
Qt'suna de Heiencao Hovimento dos pre-
,., no dia 14 de Junho :
Existiam pr:sos 63, entraram 7, suhiram 20
cxistem 266. *
A saber:
Nacionacs 243, mulheres 2, estrangeiros 7, es-
cravos sentenciados e processados 6, ditos de cor-
reeco 8.Tou.1 266.
Arracoados 232, sendo : b ns 225, doentes 7
Total 232.
Moviment da eniermaria :
Tiveram baixa :
Antonio Feliciano da Silva.
Izaias Francisco Machado.
Tiveram alta :
Joo Antonio da Silva.
Jos Pedro da Silva.
Boda da FortunaPor esta casa foi ven-
dido o bilhete da n. 3,879 com o premio da.. ..
20:00iJ e de n. 935 com o de 10:00,J : assim co-
mo toda a centena do primeiro premio e algumas
de2:0i0e 1:000*. todos da lotera de Alagoas
exto-hida hontem.
Lotera de Mfaeelo A Casa Feliz d>
Santos Porto, vendeu da lotera 12* parte da 12'
lotera, extrahida hontem 15 do corrtntc, os se-
guintes premios
Lotera de Macelo de aoOiOOOAoOo
A 12' parte da 12 loturia, cujo premio grande
6 de 200:0004000, pelo novo plano, ser extrahida
impreterivelmente no dia 15 de Juuho s 11 horas
da inanb.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In
dependeaeia ni. 37 e 39.
Lotera Extraordinaria ao Vpl-
rangaO 4 e ultimo sorteio das 4* e 5 series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000000, ser extrahida a 14 de Agosto proxi
mo.
Acham-se exposto a venda os restos des bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marc >
u. 23.
Haladouro l'ubllro. Foram abatidas
no Matadouro da Cabanga 65 rezes para o consu-
mo do dia 16 de Junho
Sendo: 51 perteoceutes aos Srs. Oliveira Cas
tr .v- C, e 14 diversos.
Mercado Municipal movimeuto deste Mercado nes dias 15 do cor-
rente, oi o seguinta:
Entraram i
32 boia pesando 5.256 kilos.
275 kilos de pcixe a 20 ris 100 cargas de familia a 200 ris 145(0
20>0O0
23 ditas de Iructas diversas 300
ris 6i900
8 tabolcirop a 200 ris U600
7 suiuos a 200 ris 14U0
Foram oceupados:
22 columnas a 600 ris 13/200
26 compartimentos de faiinha a
aOO ris 13^000
24 cuipartimentos de comidas a
000 ris 12*000
78 i/2 ditos de legumes a 400 ris 31*400
16 compartimentos de suino a 7u0
ris 11200
13 ditos de treusaras a 600 ris 780O
10 ditos de ditos a i 20OOti
A Oliveira Castro & C. :
2 tallios a 500 ris 1*1 KM
54 tallios de carne verde a H 51*U0
Duve ter sido arreca.iada uestes dias
a quantia de 208000
Hrecos do dia:
Carite verde a 400 e 24 ) is o kilc.
Suiuos a 560 > 611 ris dem.
Cameiro a 720 e 803 ris idem.
r'annha de 20) a 320 ris a cuia
Mlho de 280 a 300 ris idem.
Feijo de 1*000 a 1*600
COMERCIO
BoUa eominerclal de Perraaoi
buco
RECIFE, 15 DE JUNHO ^)E;188b.
As tros horas da tarde
t-'otace* oificiae
i
t
>Jo houve.
O iresidente
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforado.
RSNI.MENTS PBLICOS
Mes de Junho de 1886
ALFANDEGA
Reda obral
De 1 a 14
dem 'ie 15
RKDA PSOVWCtAL
De 1 a 14
dem de 15
570:419*135
44:893*361
50:544*353
3:809*136
Total
RicssBDoaiA De 1 a 14
i. de 15
415:312*996
54:353*489
469:665*985
15.471*331
L83* 80
31739 40:0,10*000
e toda a centena.
35876 2:000*000
6543 1.00ti*000
10383 1:000*000
12992 1:000*000
32716 1:000*000
Lotera da provincia. Sabbsdo 19
do eorrente, se extranir a lotera n. 59, em bene-
ficio da matriz de Leopoldina.
No consistorio da igreja de Ncssa Senbora ra
Conceico dos Militares, 6 acbaro expostas as
urnas e as espberas, arrumadas em ordem num-
rica apreciacodo publico.
Lotera do lo A 3* parte da lotera n
197, do novo plano, do premio de 100:000*000
ser extrahida no da 17 do correte.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se veuda na praca da Inde-
cia ns. 37 e 3b.
i
l'lKllUCOES A PEDIDO
0 Dr, Antonio Francisco Corre a
de Araujo
Muito merece, quem malo d.
A gratido e o respeito que a justica a o Dr.
Correia de Araujo impocm ao nosso coracao, sao
tao rea-?, que nao canbecemos prazo para reuder
nos-lhe tributo sua memoria.
E' por sj que anda hoje, ni, os amigos do
Ilustre morto, vimos com memorar o trigsimo da
do *eu passameiito.
Se a soLvedade, como se fazer, j eaxugou as
suas lagrimas c despio o luto pelo finaineuto de
tao venerando vulto, ha de tomar um exemplo e
pasmar ven lo vecejarem co nosso coraco a sau-
dade e o respeito .
E emquanto esta saudade e este resqeit.o dura-
ren), nos iremos apontando os lineamentos d'aquel-
la grande indvidoalidade, alim de que a posMri
dade se encarregue de grava!-os na pedra da his-
toria e sagral-os com veneracao.
Bem sao in n que peoueno o trbulo que ho-
je rendemos memoria de to presuvel amigo,
man ello bein significativa.
Aos grandes n) se e-igem t monumentos f- i-
t'is da brouze Um ped-'stal feito de gratido re-
siste mais a> musgo do tempo do que aquellas.
E o que boje erigimos feito deste metal, tendo
por base o nosbo coraco.
Estas nossas palavras a respeito do Dr. Correia
de Araujo, sao apenas urnas notas bi"gr*phicas
inargeui da gratido que lhe devenios.
E por isw que nesta simples necrologa, nos
encsrainol-o mais especialmente em sua f ieao po-
litieatraco luminoso que perpet o KM noui",
Sb outras inauifestaco s, t-mbora em ligeiros
traeos, airemof u que el'e foi.
(Jomo jornalista, illustruu serapre com o*'U ta
lento e ea'Vatp espirito a redaeco do Tempe, or-
go do seu paitiilo, e do qual foi elle um dos fun-
dadores, em 18W6.
Ahi, viino lo s-'inprc concillando os interesses
polticos com os deve es da moralidade e cortezia.
Patritico, elle senta pulsar e estremecer o sen
coraco. quando se fallava nos interesses da pa
tria.
Democrtico, elle apertava a mi cal josa do ope
rano com a mesma cordealidade e riso com que
inachucava a eetinosa (uva do aristcrata. Para
aquelles era grandioso e bom, para -stts airave
s delicado.
A sua vida particular e intima um capitulo
honroso para a sua historia : era religioso e ren-
te e p ir isso era bom filho, esposo estremecido e
daivellauo, pai carinhoso e amigo sincero.
Poderiamo ficar aqui e teamos acentuado a
sua phisiotiomia. Mas vamos aprecial-o na vida
ufanosa da poltica.
E' ahi onde encontramos sua fe cao principal.
Coksdlaoo PaoviaciAL
lden de 15
De 1 M
BraviFB oaATHAGS -' e 1 a 14
ldeui de 15
16:054*911
54:417*838
3:463*464
57:881*302
4:456*008
1:427 399
5:883*407
DESPvOHOS DE IMPORTA^AO
Vapor nacional Mrquez de Caxias. en-
trado da Baha e es-alai no dia 14 do cor-
rente, e consignado a Domingos Alvcs
alatln us, roanitcstou:
Barricas vasias 200 ao consignatario.
Charutos 2 caixas a JoSo T. Cordeiro.
Fu ido 6 pipas a Meuron & C.
Iropressos 1 caixa aos mesmos.
Peiles 14 amarrados a Luiz Cabral, 8
ao consignatario, 0 a II. Nuesch & C, 5
a Diogo Augusto dos Reis.
Tamancos 4 fardos ao consignatario.
DESPACHOS DEKXPHTACO
Em 14 de Junho de 1886
Para o exterior
No patacho portuguez Dous Irmao, carre-
gou ^^~
Pra Lisboa, J. da Silva Carneiro 40pranchoes
de vinhatico.
Para o Interior
Na barca nacioual Maria Angelina, carre-
gon :
Para o Rio Grande do Sul, T. de Azevdo Soa-
za 35 barricas com 4,080 kilos de assucar masca-
vado.
No vapor nacionsl Par, carregaram :
Para o Para, Vieira & Silva 1 caixa com 60
kilos de doce.
No patacho hespanhol J. Pura, carrega-
ram :
Para o Para, Fernandes & Irmao 3 caixas com
350 kilos de doce.
Ma barcaca Rotalina, carregaram :
Para o Natal, M. A. Senna oe C. 6 barricas com
360 kilos de assucar refinado.
Na barcaca Espadarte, carregaram :
Para Parahyba, H. Oliveira 7 barricas com 280
kilos de assucar branco ; E. C. 3eltro & Irmao
6 barricas com 28 kilos de assucar branco.
Na barcaca Dylia, carregon :
Para Parahyba, J. Baptista 200 saceos com
farinha de mandioca.
Na barcaca Nazinha, carregon :
Para Mainanguape, F. de Ba/ros Jnior 62
saceos com farinha de mandioca.
O Dr. Antonio Francisco Correia de Araujo,
nnsceu a 5 de julho de 1846, no engenho Poeta,
desta cidade. Era filho de Francisco de Paula
Correia de Antojo e Pranc.sc Carvalho Correia
de Araujo, os quaes vendo a dedcaco e entra
uhado amor que elle tinha s lettra, destinaram-
n'o a essa carreira, onde a ua iutelligeucia fir-
mou-ihe luminesa trajectoria.
Em 1866. quando recebeu o grao de bacharel em
scieucias jurdicas e sociaes, deixou nos bancos
acadmicos um vago bem difficl de ser substitui-
do, porque o seu carcter fiel, o seu tracto fiuo, a
sua applicaco ao ettudo, o respeito aos meatres e
amor aos seus collegas, souberam torual-o cre-
dor da mais real e geral estima.
Seguindo a magistratura, ioi nomeado juiz mu-
nicipal de Pao d'Alho, cargo que exerecu com in-
telligencia e integridade, assim como o de juiz de
din-ito de Paje de Flores.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrado no dia 15
Buenos Ayres por escala14 dias, vapor
inglez lmar, de 1S81 toneladas, com-
mandante O. Hyks, equipagem 90,
carga varios gneros ; a Adamson Ho-
wie & C.
Cear por escala10 dias, vapor nacional
Ipojuca, de 360 toneladas, commandan-
te Antonio Maria Baptista Ferreiro,
equipagem 30, carga varios gneros;
(Jompanha Pernarobucana.
Babia 8 dias, barca nacional Alice, de
389 toneladas, capitlo Antonio R. Con-
de, equipagem 10, carga varios gneros;
a Saunders Brothers d C.
Navios sahidos no mesmo dia
Southampton Jpor escalaVapor
Tamar, commandante G. Hyks,
Nesta ultima c unmissi", erabora estivease por
poucos dias, se houve com o acert o zelo que n'a-
quella, de mido qua foi nomeado ebefe de polica
desta provincia, cargo que exerecu por espico de
tres anuos, inspirando sempre a mais plena con-
fianza ao s u partido, a maior prudencia em seus
acto i e toda a dedcaco na destribuico da justi-
ca : de modo que o gabinet" d 7 de mar^i o dis-
tingui com o uficialat i da Rosa.
0 espirito de rectido, o reconhecido talento e
firmeza de caraot- r, os servicos prestados por elle
ordem publics, foram to ussigualados, que o ga-
binete de 25 de junho confiou lhe a administraco
da provincia de Sergipa em 1877, lugar que nao
tomou posse pela ascenso do partido liberal ao
poder em 1878.
Designada enlo, pelo giverno, a comarca da
Vlaranguape, no Cear i, exerceu o cargo respectivo
de juiz de direito por algum tempo, e voltou para
a sua provincia, onde a causa di partido conser-
vador reclama va a sua permanencia.
Ahi, voltando tuda a sua uctmdaJe para a po-
ltica e dentificando-ae a todos os interesses do
seu partido c .m urna abnegaco e energa inexce-
diveis, vio o seu nome figurar e triumphar em
quatro chapas conservadoras, como deputado pro-
vincial, sendo que r.a ultima legislatura, justa e
merecidamente, foi eleito presidente da Asseinbla
no bennio actual.
Duas vezes foi levado Cmara Geral pelo 3
distncto de sua provincia, e pila posieo elevada
e mrito real que gosava no parlamento, foi esco-
Ihido para f-.zer parte da honrosa coinmbse de
resposta fulla do throno.
Nesse empenho, foi sorprehendido pela morte
que roubou-lhe a existencia prematura e traicoei-
ramente.
*
O finamento do Dr. X!orreia de Araujo foi um
acontecimento que impressionou muito o nosso
paiz, principalmente agora quando os seus eleva-
dos dotes e recoohecidos servias aceuavam-lbe
um futuro luminoso.
Na ca reir em que a o Ilustre finado, revesti-
do de todas as attencoes do seu partido, respeita-
do e temido pelos seus adversarios, em breve ve-
na abortas ao s^u vulto athletico todas 83 portas
da asceuso poltica e reservado ua galera dos
homens Ilustres um lugar para si.
Mas, fatalidade Em meio do gyrn, j tendo
c insumido multas das suas forcas em favor de sua
patria, desapparece aosquareuta auno.", legando
aquella e a nos a dor e a saudade.
Quando se morra assim, chcie de vigor e cerca-
do de esperancas, doloroso.
Inclneme nos, pois, diante do termo biolgico
da sua historiaa morte.
Pecife, 16 de junho de 1886.
Seixa Borge.
a'
ial
Trata-se com o mximo empenho e a
maior actiyjdatle de obter que seja nova-
meiite posto em discusso o projecto de
privilegio para a raoutagdin d-, retnalo e
destill.igXo a vapor, e para sa obter este
resultado empregaiu-se todos os tneios, com
quanto liua resultado
A classe dos refinadores conserva anda
urna nica esperanza, qui se nao des-
mmta o criterio e patriotismo dos Ilustres
membros da A&sombla Provincial, que tio
bom cuinprehcmlerain na sua primeiri vo-
tajao a arbitrariedade que Iho pediam.
A '..! 'Su dos refinadores laiubra apenas
aiuda urna vez que esse privilegio vai ti-
rar o pao quotidiuoo a mais de duzentos e
ciucoeuta operarios para o dar a quem
dulle nao tem ne~:essiaade e s por pura
especulacilo o procura obter.
Aquelles que pedir i o privilegio nem
sequ'jr pensam em o explorar, tratam ape-
nas de obtel-o para o passarem a ter :eiros
e bem condecida e triste a historia de
identi^KS trusacySes que se tem dado,
mesmo nesta provincia.
N;io podemos acreditar que a digna As-
scmbl.v Provincial se preste a conceder
privilegio desta ordiro, e acreditamos bas-
tauto no seu civismo para alimentarmos
ainda u esperanca de que nao lancar
na miseria urna classe inteira dos iu lus-
trines pernambucanos.
Um refinador.
Ao publico
Os abaixo assignados previnern a quem
interessar possa, e especialmente dire-
ctora do Banco Rural Hypothecario, que
inovem execucJo, p .lo juizo com inercia I
do termo de Agua Preta, contra Domingos
de Rosario Lins, j tendo sido de .-retada a
pendora, qno deve ser realisada no enge
nho Veuturuso, procurando o mesmo Do-
mingos jjGr bices a seu devido seguimen
to, conforme tudo consta dos respectivos
antos. Por isso : os abaixo assignados
protestara eontrar qualquer transaeco quo
tzcr o mesmo Domingos com o engenho
Venturoso ou com os demais beus, de sua
propriedad", transaccilo que S'-r nulla e'n
face do art. 49-1 do Reg. n. 737 de 25 de
Novernbro de 1850.
Recite, 15 de Junho do 1886.
Correia & C. uccessores.
\o publico e com especiali l9de
ao Kxm. Sr. Dr. juiz de or-
phfioM. curador de oiphox.
cscriTo Oan contador Ho-
racio, lellaeiros ilvera e
Stepplc
No a pedido publicado do Diario de
hontem sob a epigraphe cima, teadente ao
menor Manoel, meu tutelado, faltou publi-
:ar-se a rainha assignatura, equivoco que
me apresso em corrigir.
Rajifi, 15 de Junho de 1886.
O tenento Evaristo de Souza.
A' HEHORI1
Dr. tnlimlo
Franrisco
Correia de
. Da lisonja os pinceis odeio e quebr.
Vigario Francisco F. Brrelo.
Aquclle que parti com tanta vida,
Que de sua provincia foi to forte,
l'ara tudo softrer, cu'"prir a sua
Dos que a eeu paiz sao dedicados ;
Auutlle que deixnndo seus filhinhos,
Seus amig'8, seu lar, longo de tudo,
Findou a existencia, e moco ainda,
Entre os hom-ns deixou um nome Ilustre,
Um nomeda familia to querido,
Um nomedos amigos to prezado,
Um nome einfin de todos conhecido :
T Pela patria viveu,morrju por ella !
A morte, srmpre a morte!a vida nada,
Felizo que merece a sepultura !...
Engao! v deserenca !i vida nana,
Sem virtudes que alu.a ternein pura
Feliz o que de Deus tem alma digna !
Saibam todos e mhecam qual o vate
Que seutindo co..... Este canto de dor Sira saibain todos,
Seu uome hourado couhccid) seja !...
Pernambuco, 20 de Mao c 16 de Junho de 1836
FrancLco C. Sampaio Moeda.
Fallecifflcnlo
Cdcgou nest*
cidade
Ilustre Dr. Ti
bardo Tavares, no dia 1-1 do corretit-
mi'Z, o qual, aband mando o soo da sua
desvcllaila familia en. Port divo, provin-
cia das Alagoas, dirgio-o para esta capi-
tal, c:n busca de recursos da Bolencia,
para deboar os grav.-s incommodos de
h.. le -jue soffri i. Mfl inlelizmcnte foram
baldados os esforcos do sua peuosa via-
gem, porque, victima de btriberi galopan
te, nao pode sobrevivir a este cruciante
mal que procurara rbater. O dedo glido
da morte pnujou e u sua fronte no mesmo
da do seu desembarque nesta cidade.
Causou a su murta urna falta sensivel
sua inconsolavel familia, n um v,cuo no
coract dos amigos, que viara reservado
para ello um futuro irra liante.
O Dr. Tiburcio Tavares deixou as
Academias de S. Paulo e Recite, urna
grande nomeada, niio s na faina acade
inglez
carga
varios gneros.
Rio Grande do Sul
Patacho sueco Iduna,
capitao K. G. Leivin, carga assuca.
VAPORES ESPERADOS
Ashadale de Cardiff hoje
Hamburg de Hamburgo hoje
Vle de Maoei do sul amanh
Para do sul , amanh
Godrevy de Liverpool 18
Ville de Pernambuco do-Iavre a 20
Galicia do ni a 21
Cear do norte a 23
Mariner de Liverpool a 23
Colorado do sol a 24
Neva da Europa a 24
Congo do sul ) a 26
Mando do sul a 27
Advance do norte 28
Tagxu do sul Julho a 29
Amaionente d New-York a 3
Cabriole! de fueiro
O nosso fatnohO juiz. o Ferrabraz desta
torra, tendo de ir presidir o jury no visi-
niio termo, fez urna figura ridicula.
Pobre juiz !
Nao sabendo montar a cavallo, andou a
dar onbecadas em busca de condcelo ; e,
zas, cabio no poleiro de um cabriolet de
tuoiro vulgo carro de bois.
Oler; foi mesmo um figurao, o que fez
o tal juiz trepado no seu novo carro, tendo
latere o promotor Marcelino, que ia no
cabecalho, tangeudo a junta do couce.
Oh I que guapo bolieiro I Oh que bi-
zarro juiz.
Oh I cabeja de meu Juca, oh! caber, i
do rapaz I
Quando a gente vem ao mundo sua sina
logo traz.
O nosso juiz fidalgo foi e voltou no ca-
briolet de fueiro; e a molecagem bateu
pahuas quando vio a guapa figura, urna
cousa como Judas em sabbado de Alie-
luia.
Oh que sabio que o meu Juca, que
cabeca de rapaz.
O famoso D. Quizte derrubar as
sombras da cavallaria andante n2o repre-
Sntava melhor o typo grotesco, o typo do
ridiculo por excellencia.
Irra! foi urna soena guapa, e o guapo
juiz fidalgo vio-se mettido em caljas par
das.
Que lhe faja bom proveito !
Eureka.
Pao d'Alho, 12 de Junho de 1886.
Aos meus amigos
Tendo o Centro Republicano, do qual
honro-me de fazer parte, deliberado apre-
sentar o Dr. Balthazar da Silveira como
seu candidato na prozima eleico munici-
pal, resigno a ruin ha candidatura ua pes -
soa desse meu co-religionario e amigo para
quem supplico-lhca os seus valiosos votos.
Recife, 15 de Junho de 1886.
Antonio Martiniano Vera.
mica, onde se distingui pelos seus esta-
dos e talent), como tambem, como bom
collega e ezcellente amigo.
A' sua inconsoLvel familia damos as
nossas sinceras condolencias.
Reunio eleitoral
Sao convidados os elcitores conservado-
res da fregu-zia do P050 da Panella a reu-
nirem-se no dia 18 do eorrente s 6 horas
da tarde, em casa do Sr. JoSo Ignacio Ri-
q iro Rima, no povoado de Apipucos, alim
de tratar-se de neg ios eleitoraes.
Nazareth
O Barao de Tracunhitem, abaixo assig
nado, convida a todos os seus amigos po-
lticos, a se reunirem no da sabbado, 19
do eorrente, na cMade de Nazareth, pelas
10 horas da manhS, para tratarse da or-
ganisacao da chapa de camaristas e juizes
de paz, e espera quo nilo deixom de con-
correr s e!eic3es ao Io de Julho do cor-
rente anuo.
Engenho
18f6,
REMAO
Partio raflor t friura
11 Eoa-Vista
Convida se ao elei-
tora do conservador
desta freguezia, para
reunir-se na quinta-fei-
r 17 do eorrente s
5 horas da tnrde, no
predio n. 29 do pateo
deS. tionralo, aiisnde
tratar-se das eleieoes
do Ia de Julho.
Recife, 14 de Junho
de 1886.
X. 11. A Emulso de Scott restau-
ra a saude aos tsicos, purifica o san-
gue, afasta do organismo to-ia sorte de
affecijo-'s sscrofulosas e fortalece aos de-
bis e enfraque^'idos.
xcita o appetit, estimula o organismo
c augmenta as carnes e as forjas.
Reunio eritoral
Siio convidados os eleitores conservado-
res da fnguezia de Santo Antonio, para
urna reuniilc que deve ter lugir (juarta-fei-
ra, 16 do eorrente, s 7 horas da noite,
ra de Pedro Affonso n. 45, afirn de trata-
r<-ra de negocios eieitora<-s.
ED1TAES
Antonio .Marques Correia, juiz de paz do 10 anuo
. da paroccia de S. 8alvadur de S de Olinda,
em vir :idi; da lei, c.
De confxrinidade com o art. 12-1 do decreto n.
8,213 de 13 de Agosto de 1881, couvoco os elei-
t Ti-u dota paroebia 4 Minparecerem no paco da
Cmara Municipal as l huras da maulla do dia 1*
de Jtilh" prximo futuro, -ifin de, obs-rvadas as
sp-isicOes dos arta. 139 145 e 192 4 194 do
citado decreto, darein ua S'-us votos para a elei-
cilo de vereadores e juiz-s de paz, que nesta ci-
dade terao de servir durante o prximo quatrien-
ui de 1887 '890.
Procina de S Salvador da S de Olinda, 1 -
de Junho de 1886.
Eu, Antonio Marques da Silva Mtrnguioho, es-
cribi de paz, o escrevi.
Antonio Marques Correia.
" Edital n. 13
Deordem do Illm. Sr. Ur. inspector, taco pu-
blico que no dia 17 do eorrente ira pra?a piran-
te a junta deste thesouro, o t'-n-neciinento da ali-
ineutaca aot presos pobres da casa de detenyao,
relativo o tiimestre prximo futuro de Julbo
Seteinbro, servudo de base a diaria de 4-0 rs.
Secretaria da thesouro provincial de fernam-
buco, em 8 de Junio de 1886.
O secretario,
Affonso de A. Mello.
iTital n. 14
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, fac pu-
b'ieo que no dia 17 do crrente ir praca o for-
necunento dos medicamentos necessarios & enfer-
mara da casa de detencao por tempo de um anno,
a contar do 1" de Juiho proxunof uturo. servindo
de base os precos do re pectivo f. rmulano.
Secr tana do theso -o provincial de Pernam-
buco, 8 de Junho de 86 O secretario,
A jaso de A. Mello.
DECLARAD
Cavalcaati, 13 de Julho de
BarSo de Tracunhaem.
Scgaranea no* nltio* e lusraren in-
salub'e*
>'. .to
O uso da salsaparrilha de Briatol, tem effectua-
do casos admiraveis de sezes, tercans, febres bi
liosas, calefrios, febres remitientes e outras mo
lestias causadas pelas nocivas exhalacoes do ter-
reno e das aguas estagnadas.
Beferem-se casos occorridos nos vales do Missig-
sipt o do Ohio c em todas as parces da California,
para os quaes depois de se haver empregado in-
fructuosamente os talentos dos mdicos os mais
experimentados, este grande restaurativo e con-
servador da sadc, nao smente desalojou a mo-
lestia, como tamoem regenerju completamente o
doente. dando lhe segundo disse um individuo que
se havia salvado das garras da morte, v nova vi
ds, novo vigor, e turuan io-s invulneravel contra
os effeitos da malaria, exposicoes e todas as mais
influencias perniciosas de um clima insalubre e
duentio.
Para a cura das molestias ulcerosas e eruptiveis
o nico e derradeiro remedio infallivel.
Acha-se venda em todas as principaes boticas
e lojas de drogas.
Agentes em Pernambuco, Henry Forstei & C,
ra do Commercio n. 9.
^lub Carlos Gomes
SARAO
Este club dar no dia x9 do eorrente o seu
sarao deste mes om o qual solemnsa o 4 ani-
versario da creacio de sua bibliotheca musical.
Os senhores socios qae estiverem quites para
com o cofre social, sao rogados de procurar na
mo do senhor tbesoureiro, seus bilhetes, isto as
noites de 15, 16 e 18, das 7 horas em diante.
Recife, 14 de Junho de 1886.
Joaquim Alves da Fonseca,
lo secretario.
Thesouro Provincial
Deordem do Illm. Sr. inspector desta repart-
fo, tajo publico que no dia 16 do corrento mez,
paga-se a classe de professoras de 2 entrancia,
reUtivam.'utc ao mez da Dezembro prximo pas-
eado.
i'agadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, cm 15 de Junbo de 1886.
O escrivao da despesa,
Silvino A. Rodrigues.
r~
Part i Repablicaoo
A Comoiisso Ex?cutiva do Centro Republicano
de Pernambuco faz saber a todos os republicanos
desta cidade e especialmente aos membros do
Centro, queem assembla geral de 13 do eorrente,
ioi organisada a seguinte chapa para as eleieoes
de vereadores e juizes de paz, qne se tem de tea-
lisar em Julho prximo.
Para vereadorDr. Joao Cario; Balthazar da
Silveira.
Para juizes de paz :
Freguexia de Santo AntonioCussy Juvenal
do Reg.
Freguezia da Boa-VistaDr. Jos Izidoro Mar-
tina Jnior.
Freguezia de AfogadosManoel da Cruz Mar-
tina.
Freguezia da Gra$a Joao Ramos.
A Commisso Executiva recsmmenda aos repu-
blicanos toda a dedcaco e intrausiganeia neces-
sarias para qne triumpbe a presente chapa; con-
vindo que, as freguezias para onde foram nSo
designados candidatos, os republicanos se abste-
nham de' votar.
Recife, 14 de Junbo de 1886.
J. I. Martins Jnior.
M. Coelho dos Reis.
Bellarmmo Carneiro.
Dr. Albino Meira.
Joo Ramos. 1
De ordem do Illm. Sr. inspector, se previne aos
procuradores dos possuidores de apolices, residen-
tes fra do imparo, para que venham receber at
o dia 25 do eorrente, o valor das mesmas ; fican-
do sciente3 de que, daquella data em diante, nao
se pagaro mais juros.
Thesouraria do Fazenda di Pernambuco, 15 de
Junho de 1886.O secretario,
Luiz E. Pinheiro da Cmara.
Companhla de Edlflcaco
Ccmmunica-se aos Srs. accionistas, que por de-
lbersc.ao da Directora, foi resolvdo o reeolhi-
mento da terceira prestacao, na razo de 10 por
cento do valor nominal de cada acc>, o qual de-
ver realisar na sede da Companhis, praca da
Concordia n. 9, at o dia 30 do eorrente, em euja
occasio se distribuiro as respectivas accoes.
Recife, 10 do Junho de 18*6.
O director secretario,
Gustavo Antunes.
Arsenal de Marinha
CONCURSO PAEA ESCEEVENTE DA DIEECTO-
BIA DE MACHINA8
Em cumprimento ao aviso do Ministerio da Ma-
rinha, sob n. 713 de 27 de Maio ultimo, o Exm.
Sr. chefe de diviso Jos Manoel Picaneo da Cos-
ta, inspector deste Arrenal, manda fazer publico
que no dia 10 de Julho vindouro, s 11 horas da
manhi, ter lugar n'esta reparticao, o concurso
para a Taga que existe de escrevente da directo-
ra de machinas, conforme preceita o art 64 do
Regulamento que baixou com o decreto n. 5,622
de 2 de Maio de 1874, que manda observar as
disposifes de que trata o art. 203 do referido
regulamento, ficando para isto aberta a inscripoao
nesta Secretarla at o dia 7 de Julho vindouro.
Os pretendentes devero instruir suas petices
com documentos que provem bom comportamento e
a idade de 18 a anos completos, pelo menos, podendo
juntar quaesquer outro documentos qne mostrem
suas habilitacoes.
Ao materias exigid s sio : Leitura o analyse
grammatical, escripia ( e trechos em portuguez, or-
thographia, verso das lmguas inglesa e francesa,
exercicio de composica t em portugus, redaccao e
eetylo de actos officiai i.
Secretaria da inspec ao do Arsenal de Marinha
de Pernambuco, 5 de inho de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Asevedo.
I
;
rpaMn
Muami



Diario de PernambucotyaartA--feira 16 de Junho de 1886
i.
i
Club Carlos Gomes
I>ndo o Sr. Amaro Barrito transferido osen
concert, para o dia 17 do corrate, previno aos
senhores socios que neste di.i fica suspenso para
todos os effeitos o expediente leste club.
Becife, 11 de Junho de 18S6.
iuim Alves da Fonseca,
I- secretario.
Banco la SlirallPS-
THEATEO
DE
Nos termos dos arts. 5 e 6 dos estatutos, sao
convidados os senhores accionistas realisarem
at o dia 30 de junho proximi. na sede do bao,
ra do Com .ercio n. 31, a segunda entrada do
dez par cento do valor nominal de cada accao.
Beeife, i'8 de Maio de 18S6.
Os administradores,
Manoel Joo de Amorim.
Jos da Silva Loyo Filho.
Luir Duprat.
Subdelegada do 1 diMirielo da Ire-
Kuezia de S. alon
Achando-se acamo idos nesta subdelegada nma
caix* com sabio e um sueco com eafC', gneros
que foram appr -heudidoj em poder de dous lara-
pios que se evadiram na occasio em que eram
perseguidos, le ordem do meemo subdelegado
chamada a pessoa a quem Ihes pertencer taes g-
neros, que lhe. serao entregue, dando os sigaaes.
Subdelegada, 15 de Junho de 1886.
O escrlvo,
Vicente C. do Espi'ito Snto.
Ompanliia
JO JC> JQJC. A. JO JCj
Convidn-se aos senh.rej accionistas (ta eom-
panhia a se reunirem em assemhla ger-.l ordinaria
ao tupio diado Io de Julho prximo vindoum, como
determina o art. 26 de nossos estatut -, n sede
social ru i do Imperador n. 71, pavimento terreo.
Escriptorio da cimpanhia do Beberibe. em 15
de Junho de 1886.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira,
Director gerente.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
Director secretario.
(M de ttiiis MmUm
De ordem do Exm. Sr. Dr. presidente, convido
os senhores socios a se reunirem era assemb.a
geral amaaha (16) s 7 horas da noite, na nossa
sede, lira de tratarse de. negocio urgente.
Secretaria do Club de Regatas Fernambucano,
15 de Junho de 1886.O V secretario,
Osear C. Monteiro.
Club de regatas per-
nambucano
Pelo presente convida-se aquellas pessoRS qne
(uizerem concorrer regata que este club reali-
sar no dia 29 do corrente, a virem se inscrever
ta sdc lo roewoo club, das 7 s 9 horas da noite,
at o dia 20.
Outrosim, ha dons premios : sendo um de 255
para o pareo composto de dous ou mais escaleree
de 4 remos ; e outro' de 30/UO0 para o de 6 remos
as mesmas condicSes do de 4.
Secretaria do Club de Regatas Pernambncano.
em 9 de Junho de 1886.
William Hughes.
Augusto F. Oliveira.
Directores de Regatas
Quarta-feira, 16 de Junho
Recita em beneficio da impres^So do drama
0 Cabo Cezar
Espectculo honrado com a assistencia dos
Exms. Srs. Dr. vice presidente e Dr.
ebefe de policia.
Depo3 que o Exm. Sr. Dr. vice-presideote tiver
cecupado a respectiva tribuna, ser pela excel-
iente banda de msica do corpo de policia, sob a
regencia do maestro Cndido Filho ejecuta-
do a brilhanle ouvertura
OS TRES CAPITAES
Seguir-se-ha pelos Ilustres socios do corpo sce-
nico do
Club Dramtico Familiar
que generosa e desintercssadauente uccederam ao
pedido do Dr. Corte-Real, autor do drama, para o
protegerem nesta impresso, a exhibiclo io drama
militar e de grande apparato em 1 prologo, 5 se-
tos e 7 quadros, enominado
Hublarios Gomes
Em vista das penderacoes feitas pelo dntincto
Ilustre presidente, os socios da banda musical
deliberaran] desanojar-se e tomar parte no sarao
de 19 do corrente.
O grupo.
Preparados
NA
C.
LONDRES
Haiiiri-SiflaifiliiiciB
Dampfschifffahrls-Gesellschan
Vapor Hamburg
Esperase de HAMBROO,
via LISBOA, at o dia 16 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Urna outra na ra de Sar ta Rita Velha n. 58,
com porta e janella, 2 salas, 2 quartos e quintal
murado.
9. Baliiiiio de Infantaria
Denomlnaco dos qnadros
PRlLOGO.A Cutastrophe.
I.o ACTO.A Revclaco.
2o ACTO O Crime.
3 ACTO.O Conde de Lipe.
4.o ACTO.A Voz do Sangue.
5.o ACTO.O FerdSo.
7. QUADRaApotheose.
JN
w
1
Emprearla do nbatlecimenlo ti
agua e gas a cldade de Ollnda
DEVEDOBES EM ATRZO
Tendo a directora, em sessao de 15 do
corrente, resolvido rebeber pur intermedio
de um sollicitador todas as contas de coa-
sammidores d'agua e gas em atrazo, a
contar do anno de 1876, resolv n'esta
data encarregar de tal cobranca o Sr.
Diogo Baptista Fernandes, a quem espero
attenderao desde logo os meamos devedo-
res, cortos da justija e equidade de simi
Ihante resolucao.
Escriptorio do gerente 28 de Abril de
86.
Antonio Pereira SimZes.
EMPREZA DO GAZ
Pede-se aos Senho
res consumraidores que
queiramfazer qualquer
comunicapo ou recla-
macn, seja esta eita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os unicoscobrador.es
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
ns Carvalho.
Todos os recibos dessa
empreza devero ser pas-
sados em tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assig lo sem o que
nao tero valor algum.
George Windsor,
tanta Casa
da Misericordia do
Recite
Arrenda se por muito barato preco, o armszem,
! e 2- andares do predio n. 24 a roa do Viconde
de Itapanca, outr'ora do Apollo, com excellentes
accommodaceB para familia, tendo o 2* andar um
bom terraco e soto ; arronda-se separadameute.
O armazcm presta-se para deposito de assacar,
barriqneiro ou outra qualquer negocio qne de-
mande grandes accommodaces ; divide-se o mes
mo i rmazem, tornando-se ainda assim dous dodb
armaaena, com frentes para o caes do Apollo e
ra do mesmo nome.
0 pretendentea poderao examinar dito predio,
ana acTacha em reparo, tratando sobre o sen ar-
fendamento na secretaria.desta sarta, casa.
Secretaria da SanU Caaa de^Miaencordia do
Reclfe,29deMaiod.l^cri
Pedro Rodrigues de Sorna
General Osorin,
General Campello.
Coronel commandunte do 9 batalhao.
O msjor do mesmo.
G Sampaio, commandante do 21 corpo de Vo-
luntarias da Patria.
Valcacer, m.ijor do mesmo.
Grasina, capitao do mesmo.
P.Tto, capito do mesmo.
Torrea Gallindo, alferes do mesmo.
Capito Paul", filho do general Campello.
Zulmira, mulhi-r de Campello.
CEZ1R, cabo do 9o batnlbao.
Mana, filha do Cesar*
Valentim, ordman^a de Campello.
Gusmao, sargento do 21 corpo de Voluntarios da
Patria.
Thomaz, vell'o soldado amigo de Cezar.
Pedro, sobrinbo de Cesar*
Officiaes do 9 batalhao de infantaria.
Ditos do 21" corpo de Voluntarios da Patria.
Ajudantes de ordens do general Osorio.
Ajudaute de ordens do 9o batalhao.
Soldados do 3o regiment de artilhnria.
Soldados do 21* corpo de Voluntarios da Patria,
do 30 de Voluntarios da Patri e do 9 bata-
ll-o de iufan:aria, msicos, etc.
O prologo passa se no Paraguay na memoravel
bata] ha de
TTOTY
em que o exercito brasileiro sob o couimando do
Immortal general Osorio
ganha a victoria, depois de urna luta de 6 nor.s.
Durante o prologo sao rememoradas aa glorias
dos batalboes de Voluntarios da Patria de Per-
nambuco.
Dorante o combate em nma scena, onde o gene
ral Oeorio est a dar ordens aos seus ajudantes,
vein peloa ares, arremessada pelos paraguayo!),
urna bomba ardente, ajue cahindo em scena e pres-
tes rebentar, dever produzir a morte de muitos
que all esto, mas o Cabo Cesar calmo, fri,
atira se ella, e cortando a mecha, inutilisa-a.
Por mais esse acto reconheee o general Osorio
a bravura dos pernambucanos, e o d todos.
Em outra scena vista dos espectadores, ao si-
billar das bajas, ao troar dos canhoes, ha a hor-
rivel
Exploso de um armo
replecto de municoes. Scena esta que em excessi-
vo ten, agradado ao nosso publico.
Ao findar a batalha ouve-se o clangor da cor-
neta do quartel-general que toca o signal da vic-
toria sobre o iuimigo.
Por urna t voz, immensa, atreadora, accla-
mado
O Brasil vencedor.
O general Osorio felicita e louva a bravura dos
voluntarios da patria e do exercito.
O drama pa&sa-se na corte, comecando ao rece-
bcr-s; a noticia da
Passa^cm dcllumayt
pela aossa esquadra.
O 5 acto pasaa-se no campo da exeeucao na
corte. O 9 batalhao de infantaria acha-se em
forma. Apresenta se ahi o peloto condnzindo o
Cabo Cesar, que vai ser fusilado.
Ao fiudir-ae esse quadro surge o
Anjo da Victoria
embocando a tuba b'llicosa, e coroando es vultos
dos mtrortae? hroes da guerra do Paraguay:
Conde d'Ea Daqae de Caxlaa
e geaieral Osorio.
Oleo de ligado de bacalb&o e lelte
pepitonisado
Esta preparacao to saborosa que urna crian-
ca promptamente a toma.
O leite digerido tem a propriedade de qnasi in-
teiramente disfarca o oleo e as pessoas de diges-
tido mais dbil podem tomar s^m receio.
Peploooldes deC arne
Um alimento nifo g mogo composto de consti-
tuimos solidos de leite bom cerno gluten do trigo
(livre de gomma).
Recommendado as convalesconeas de qualquer
doenca, affecfoes pulmonares, febres, pneumonas,
gastrite, dysenteria e toda e qualquer debilidade
seja qual for a suaorigem.
Malilna
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastasico 30 vozes o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at boje conhe-
cido, alt mente apreciavel nos casos de d< bilidade.
Aiinn'uio Soulavel de carnlcK para
Cf i nuca
A analyse des te alimeuto demonstra que os seus
cjnstituiutes nutricrivos aa o quasi identicca com o
leite materno, por teto o alimento mais aperfei-
coado para crianca.
Pornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Deposito roa do Barita da Victoria n. 48
lonctxuit i>r;n\AHiiiCA\t
* DE
Aavegaco Costefra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parhyba, Natal, Macu, Mossor, Ara
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
Segu no dia 22 de
Junho, s 5 hoajs
da tarde. Recebe
carga at o dia 21.
Encommendas passagens e dinheiros a frete a?}
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Per^amh^f/ina
n. 12
Companhia Bahiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
aaajaaea
CONSIGNATARIOS
Borsteimann & C.
RUADO VIGiOO N. S
1' andar
( OnPA^IIIE DE 11K*Al.t
RES M.4RITIMES
LINEA MENSAL
0 paquete Congo
Commandante Grou ^
E' esperado dos portos do
sul at o dir. 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar, Lisboa e vlgo
Lembra-ae sos senhores passageiros de todas
as classes qne ha lugares reservados para esta
agencia, qne podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 /o em favor das fa-
milias composta de 4 prssoas ao menoa e que pa-
garem 4 passagens nteiras.
Por excepeo os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaes s se daa at e dia 23 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dnheiri
a frete: tracta-se com o agente
Lablle
Quarta-feira 16 do corrente
A'S U HORaS
POR INTERVENQAO DO AGENTE
Alfredo (u.maraes
Em sua agencia ra do Bom
al esas n 5
Em continnncio vender o mesmo agente 8 sa-
nefas de nogueira, garrafas, compoteiras, pratos e
muitos ou'ros artigos.
Aluga-se nma casa terrea na rna Imperia
e o 2 anaar no pateo do Corpo Santo n. 17, com
bons commodos para familia : a tratar no terceiro
andar do mesmo.
Leilo
De nma casa terrea rna do
Areal n. i O, em solo proprio
Quinta-f'-ira 17 do corrente
AS 11 HORAS
Ra do Imperador n. 22
O agente Burlamaqui, competenteirente autori-
sado, levar a leilo a casa terrea n. 10, a ra do
Areal, em solo proprio, com quintal, botando os
fundos para a fabrica de sabo ; os Srs. preten-
dentea desde j podem examinar a dita casa, a
chave acha-se na mt-sma fabrica.
Preciaa-se de urna criada branca e de idade
que saiba engommar e entenda de coeinha, para
tomar conta de ama casa de rapaz solteiro ( de
commercio), dando flanea sua conducta : quem
estiver as coudicoes deixe carta nesta redaco
com as iniciaes J, S.
Precisa-se de urna cosinheira para casa de
familia ; na ra do Baro da Victoria n. 3, loja.
Precisa-so de ama criada para o servico de
urna casa : na estrada de Joo de Barros n. 41.
Allenco
L Vi I ao
Dh 147
engaste
RA DO COMMERCIO-9
saceos com farinha de mandioca,
avariados, marca F
Quinta feir, 17 do corrente
A's 11 horas ,
Trapiche Companhia. largo do Cor-
po Santo
O s gente Burlamuqui, competentemente autori-
sado, levar a leilo 147 saceos, com farinha de
mandioca, avariados a bordo do vapor nacional
Etpirito Santo, dos portos do norte para este
porto.
Precisa-se de urna aen'.iora de idade superior,
para dirigir a caaa de um viuvo com cinco filhos
menores, em um engenho : quem estiver as cou-
dicoes de aceitar a proposta, dirija-se ra da
lurora, sobrado n. 17, onde achara com quem
tratar.
Ama
Leilo
0 yaoor
Pacific Steaoi ftavigaon Compan;
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Galicia
A excellente banda de msica tocar nos inter-
valloa das actos as seguintes pecas do seu reper-
torio :
Os cantos do hymlneu
A polka esripta pelo Dr. Imbassaby
B. Thoin de Parip
O pot-pourri por Candido Filh>, sobre o motivo
Canees populares
A maznrka por Candido Fnho
A Flor do Lyrfo
O galope
Le Furot
Urna banda de msica tocar no Baguio do thea-
tro durante a tarde nos intervallos dos actos.
O autor do drama dirige-se ao nosso pu-
blico pedindo lhe o seu benfico auxilio pa-
ra a publicacio de urna obra que tem por
fim glorificar por maia eat meio a heroici-
dade e bravura do BRIOSO POVO PER-
NAMBUCANO no carupo da honra, onde
seropre derramou o aeu aangue para provar
que aSo dignos netos dos Vieiras, Camardea
e Diaa.
PROCOS
Camarotes de 1* ordem 10/000
Ditos de 2' dita 12*000
Ditos de 3* dita 8-5000
Ditos de 4' ait:> 4*000
Cadeiras de 1 classe 0*000
Ditas de 2> dita 2*000
Galeras 2*"00
Plateas 1*000
Paraso *5tK)
Aeeitam-se encommendts de bilhetes da Enca-
dfrnaco Commercial do St. Miranda, ra do
Duquj de 7axias n. 39, e no dia do espectculo,
na bilheteria do theatro.
Trens para Apipucos e Olinda.
Bouds para todas as linhas.
rrlndplarA Aa S hora e um quar-
lo em ponto.
Commandante Nova
Segu impreterivel-
mente para os portos
cima no dia|8 do cor
rente, : i 3 horas da
tarde. Recebe carga
nicamente at o 1/2
dia do dia 18.
Para rarga, passagens, encommendas e dinheii-o
a frete 'racta-ae na agencia
7dua do Vigario 7
Domingos Alves Malhens
CHARGEIIRS REIMS
Companhia Franeeza de .\avega-
eio a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Seaier Ville Qe Macei
Espera-se dos Dortos do
sul at o dia 18 do corrente
seguindo depois da ndis-
peBaavel demora para o Ha-
vre.
Os vapores desta companhia entrara no porto
ancorando em frente ao caes da praca do Commer-
cio o. sendo rnuito incommodo o embarque dos pas-
sageiros no fundeadouro das paquetes transatln-
ticos, no Lamaro e demais devendo todos aportar
ao Havre, que o porto mais visinho de Paria,
fra de duvida que ha grande vantagem para quem
quizer ir Europa em aproveitar-se dos ditos va-
pores tanto mais quanto, alm de seren os precos
das passagenB mais mdicos, as despezas do embar-
que aqu e as de transporte do Havre a Paria, sao
muito menores do qne aa qne demandam aa viagens
nos paquetes das outras linhas.
Conduzem medico a bordo, sao de marcha rapid-
e oflerecem excellentes commodos e ptimo passaa
dio.
As paseagena poderao ser tomadas de aatamlo.
Recebe carga encommendas e parsageiros para
os quaes tem excellentes accommodacoea.
Steamer Ville "fie Pernamaco
E' esperado da Europa at
o dia 20 de Junho, se-
guindo depois da indispen-
aavel demora para a la
bia. Mo ile Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p 'los
vapores desta linha,queiram apreaentar dentro de 6
dias a contar do da descarga daa alvareng, l.-
quer reclamaco concernente a volumea, qud po-
ventura tenham seguido para os portea do sul.afia.
de se poderem dar a tempo aa providencias noces-
sarias.
Expirado o referido prasa a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageir? part
es quaes tem excellentea accomodaces.
Augusto F. de Oliveira & i
ACU2MTEM
42 -RA DO COMMERfQ -4*
tntied SUtes & Brasil Hail S. S. C.
O vapor Colorado
Espera-se dos portos
do sul at o dia 21 de
Junho, seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
em diante seguireu. locaro em
Plymouth, o que facilitar chc-
garem os passageiros com mais
brevidade a Londres.
Haver tambem abatimiento no preco das pas-
sagens.
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
e com oa
AGENTES
Wllson Sons & C .. LJmlted
S. 14- RA DO COMMERCIO N. 14
Comp&ia Bra< Ilelra de San-
gseSoa Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Cear
Commandante o 1.* tenente Quilherme Pa-
checo
E' esperado dos portos do
norte at o dia 23 de Junho
e depois da demera in
dispensavel, seguir para
os portos do sul inclusive o
da Victoria. Recebe tam-
bem carga para .Santos, Pelotas e Rio Grande d >
Sul, frete mdico.
Para carga, pasagens, encommendas e valores,
trata-ae na agencia
N. 11-RA DO COMMERCIO-N. 11.
PORTOS DO NORTE
0 vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Gome
E' esperado doa portos 1 >
at o dia 16 dJunho,
seguir depois da demora in
dispensavel, para os porto*
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendaa valores
racta-se na agencia
11Ra do Com mercio11
Para
Segu com brevidade para o porto aeima d
patacho hespanhol Joven Pura ; para o resto da
carga que falta, trata-se com Baltar Oliveira &
Companhia.
Ilahi
De lindoa movis, ricoa espelbos, linos
quadros a oleo, candieiros a gaz, porce-
lanas, crystaea e vinhos
A saber
Um piano de Pleyel, inovo) urna cadeira para
o mesmo, urna linda mobilia de Jacaranda com 1
sof, duas commodas, 4 cadeiras de brspos, nma
jardineira e 12 cadeiras do guaruicao, 1 rico can-
dieiro de gaz carbnico com 5 luzes, todo deerys-
tal de Bacarat e 1 rico (Atias)
Una mobilia de moguo (massica,) a Luiz XV,
com dunckerques, 3 espelhos todos de cryatal,
sendo um para sof e 2 para consolos, l divn e
duas poltronas estufadas, 4 tarros pata flores e 5
ettagers, e 1 linda se.cretaria.
Um guarda vestido com espelho, (palissandri-j
urna cama de Jacaranda com colxo de mola, 1
chiflbnier, com moda com 9 gavetaa e tampo de
pedra, urna mesa de canoa com pedra, 1 rico toi-
lett de Jacaranda (obra de apurado gostu) e 1 la-
vatorio com pedra.
Um lustre de crystal com 3 bracos, 1 dito de
suspenso, 1 cindieiro com i bicos e urna angli-
ca para gaz carbnico, lindoa quadros com finas
grayuras, 3 candieiros da porcelana com abat
jours, 1 estante e carteira.
Urna cama de Jacaranda com balaustres, urna
marqneza. 1 marquezo, 1 toilete, 1 lavatorio,
um guarnico, 1 guarda-vestido de amarello, 1
guurda roupa.
Urna mobilia de pao carga com 1 sof, 2 conso-
los com pedra, urna m.sa oval, 4cadeiras de bra-
cos e 12 de guarnicao, 1 relogio e 1 mappa.
Um lindo licortiro, 1 apparelho de electro-pa-
te, urna mesa elestica com cabeceiras redundas, 2
guarda-loucaa envidricados iguaes, 2 aparadores
de Nogueira, 1 guarda-livros envidrando, diffe
rentes quadros, duas fructeiras, 24 copos para
champagne, urna machina paracaf, urna mesa de
ferro, nma dita, carteira, porcela a, crystaea, 182
garrafas de vinho Bordeaux e 34 de c >gnac.
Urna mesa elstica de amarello, 1 apparador de
dito, 12 c .deiras de pao carga e muitos outros
movis de casa de familia.
Quinta-feira 17 de Junho
No i andar do sobrado da ra da Impe-
ratriz n. 13
Altred Fouqueau tendo de faaer nma viagem
Europa, faz leilo, por intervenco do agente Pin-
to, dos movis e ma s objeetos da casa em que re-
sidi, ra da Imperatria n. 13.
Ja referidos movis sao solidos, fortes, de gosto
e quasi novos, pelo que to^nam-se recommenda-
veia aos pretendentea.
O leilo principiar s 10 e meia horas.
Na praca do Conde d'Eu n. 7, 2- andar, preci-
sa se de urna ama que cosinhe bem, para casa de
pequea familia.
(xasta Gastronmica
Esta caseta prodozir seus effeitos no sabbado
prximo (19 do corrente), com a extraeco da lo-
tera ordinaria da provincia desse di*. Um pe-
queo numero de exemplares que ainda existem
venda, sero encontrados no Caf Ruy, ra do
Baro da Victoria : elles, qoe to poucos.
Caixeiro
Precisa-se da uno menino ; na padaria da ra
da Senzala-nova n. 30. B
Caixeiro
Precisase de um caixeiro de 16 18 annos de
idade : na ra do Hospicio n. 34.
Padre Antonio de Mello e tlhu
qnerque
Os empregados militares e civis do arsenal de
guerra desta provincia, condoidos pelo inesperado
paasamento do seu compsnbeiro Padre Antonio
de Mello e Albuquerque, mandam -esar urna mis-
s:i pelo descanso eterno de sua alma, no dia 17
do corrente, a 8 horas da manh, na Conceieao
dos Militares ; para cujo acto convidara aos p-
renles e Hmicos do finada.
Leilo
E' esperado dos portos do
sul ate o dia 24 de Junho
depois da demora necessaria
seguir para
naranho. Para. Barbados, .
Thoinaz e New-York
Para carga, passagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se com oa
AGENTES
O vapor Advance
Espera-se de New-Port
News, at o dia28 de Junho
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Bahia e Bio de Janeiro
Para carga, paasagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henrj Forster & C.
N. 8 RUADO CMMfiKGlO. N. 8.
/ andar
ia
Brigue italiano Andr Padre segu para a Bahia
nessrs seis dias para oude toma carga a frete ba-
rato, para tratar com o Sr. capito u ra do Bom
Jess n. 35.
Lisboa e Porlo
Segu com brevidade o patacho portuguez Daus
Irmaot, para o resto da carga trata-se com Silva
Guimares & C, rna do Commercio n. 5.
Para Maranho
Recebe earga e possageiros para o porto cima
a barca portuguea Vasco da Gama ; a tratar
com os consignatarios Jo da Silva Loyo &
Filho.
LEILOES
Quinta-feira 17, de b-ms movis, lindos espe-
lhos, candieiro, vinhos finos, e mais pertences da
casa em que mora o Sr. A. Pouqueau ra da Im-
peratriz n. (3
Leilo
Da annacao de amarelio envidracada e do
reato das fazendaa e miudezas da loja
sita ra do Rangel n. 48.
O agente Brito vender o resto das tazendas,
miudezas e a referida armario, todo ao correr do
martello.
A's 10 1J2 horas
Leilo
De fkzendas liropas e avariadas
tuarta feira le do corrente
A's 11 horas
POR INTERVENQAO DO AGEN1: E
Alfredo Guisares
Em sua agencia rita do Bom Jess n 4o
-' Leilo
De urna casi terrea sita tua do Pharol n. 6,
com porta e janella, salas, 2 quartas, cozinha
tora e quintal murado, remiendo 18000 men-
saes.
Urna dita n. 4 no becsc de Quiabo, fregueaia da
Boa-Tista, comporta e janella, 2 salas, 2guarios,
cozinha fra, quintal murado e cacimba
De bons movis, crystaes, um
lastre grande de qual ro bicos,
um banco para carplna e fer-
ramenta
Sendo urna linda mobilia de junco com consolos
de marmore, urna dita de Jacaranda estufada, ten-
do 1 divn, 12 cadeiras de guaruicao, duas ditas
de bracos e 3 consolos de pedra; 1 espelho gran-
de dourado, duas serpentinas de crystal, 2 pares
de jarros de alabastro, 2 grundes candieiros com
ps de metal para kerozene, diversos qntdros,
duas figuras de bronze, bustos, ctagers para jar-
roa, cadeiras de balanco de junco, escarradeiras,
2 bonito* guarda vestidos de amarello, 1 rico toi-
lett de Jacaranda, 1 lavatorio de dito com es-
pelho, 1 berco e urna cama de Jacaranda para
"rianes, duas porta-toalbas, urna bonita mesa de
taia com tampo de pedra, duas poltronas de dita,
1 lindo telescopo com vistas, urna banca de jaca-
randa para jogo, 1 binculo e 1 oceulo de alcance.
Um grande lustre de crystal de 4 bicos, 1 can-
dieiro de metal de 2 bicos, urna lyra, 3 arandellas
parH gaz c 1 grande tapete forro de sala.
Urna mesa elstica, 1 guarda-prata de amarel-
lo, aparadores, cadeiras, marquezas, urna cama
de viagem, urna grande car.eir com mocho, 1
aparador de armario, urna grande mesa redonda
de Jacaranda com pedra, 1 carrinho de 4 rodas
para enanca, 1 marquezo, louca fina de porcela-
na para jantar, dita para almoco,garrafas de crys-
tal para vinho, compoteiras, 2 ricos e importantes
licoreiros, finos clices para vinho e champagne,
fructeiras de crystal, disticos de metal para gar-
rafas, trinchantes, 1 vaso de metal para gelo, 1 ri-
ca globo para corredor e urna boa machina de fa-
zer i af.
Um banco para carpina com ferramentas, urna
grande tina para deposito d'agua e 1 realejoje ou-
tros muitos movis.
Na ra da Aurora, casa n. 165
Sexta-Jeira 18 do corrente
A's 1 i horas
O agente Martina, auioriaado por urna familia
que mudou a sua residencia para fra da cidade,
tara leilo de todos os movis e mais objeetos exis-
tentes na referida casa, ao correr do martello.
O baud da linba da Tacaruua que partir di es-
taco do Brum s 10 horas e 40 minutos, dar
passagem gratis aos concurrentes do le-lo.
Na seguada casa depois da fabrica de oleo,
ra da Aurora o. 165
.VOS 4:000^00
SIinSIES CANUDOS
Rna Priineiro de Narco n. 23
O abaixo assignado tem exposto ven-
da os seus afortunados bilhetes garantidos
da 4.a parto das loteras a beneficio da
Matriz de Leopoldina (59.'), que se extra-
hir sabbado, 19 do corrente.
Preces
Inteiro 45000
Meio 2000
Quarto 1^000
Km qnantidade malor de loo*
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
M"voel Mar*ins Finta.
i
i*
os 4:0001000
E
1:1
16-Eua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da lotera n. 59a em beneficio
da matriz de Leopoldina que se extrahir
no eabbado 19 do corrente.
Precos
Integro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Hendo qnantidade superior
a t Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Joaquim Pires da Silva.
AVISOS DIVERSOS _
Aluga-se a casa da ra do Coronel Suassu-
na n. 150, com grandes cornados para familia,
quintal grande; a tratar rna DireiU n. 106.
Precisa-se alugar urna preta ou um'menino
para vender an ra : a tratar na ra dos Marty-
rios n. 148, 2o andar.
Aluga-se o sitio do Fina, com boa caa para
morada, con tendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duis cacimbas com excellen
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
Aluga-se casas a 82000 no. beevo dos Coe-
Ihos, junto de t. Goncallo : a tratar ta ra da
Imperatria n. 56.
Precisa-se alugar urna preta ou um menino
para vender na ra : a tratar na rna dos Marty-
rioa n. 148, 2 andar.
Precisa-se ds um menino de 12 i 14 annos
de idade, para vender na ra, dando fiador de
sua conducta ; a tratar na ra de S. Joo n. 26.
D-se casa e comida a Urna n.ulhcr muito
pobre e de boa conducta, que se sujeite a morar
com urna familia pequea e prestar seos servico* ;
quem quizer dirija-se aoCaminho Novo n. 128.
|1
li
ASA FELIZ
Aos 4:0001000
BlaLHETfStl 4BWTIDO >
t*raa da Independen-
cia ns. 37e 39
Acham-se a venda os felizes bilhetes
garantidos da 59a parte da lotera a beneficio
da matriz da cidade de Leopoldina, que se
extrahir no dia 19 de Junho.
Bilhete inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
m porco de toe0oo para
cima
Bilhete inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 087SO
Aufonio Augusto dns Sant Porto.
Ao Iris!!
\. I G Rna do Cdbog X G
Para as noites de Santo Antonio, S. Jc.io
e S. Pedro
Neste estabelecimento encontrarn os amadores
um variado e lindissuno sortimento deFogos
chinezes e outros nacionars, de magnifico tfleito.
todos in ffensives e alguna vistos, pela primeira
vez neste mercado.
Grande variedade de sortes em caixinbas, em
bouquets de flores artificiaes, assim como em flo-
res toltas e outras novidades dignas de apreco.
Diversos livros para sortes, dous dos quaes fo-
ram editados este anno, veraoa p*ra sortes avul-
sas e papis de differentes qualidndes c eorea.
Perfuro; ras, quinqui larias, ramos da.flores de
cera para bolos e um lindo sortimento de cestinbas
e caixinbas de setim e cartonadaa, muito proprias
para presentes.
Charutos, cigarros, fnmos e ova pertences do
mi'lhor que vem a este mercado.
Todo a precos muito rasoaveis.



I

>
6
Diario te Peruaulwi>- -Ruarla -feira 16 de Juuho de 1886
de
ismm.
PharmaceutiCQs Chimicos
rPela Escola superior de Wiarmacia d Pts1
14
Este novo medicamento recommenda-se]
especialmente nos Febres intermitientes,
vulgar mente chamadas Se^pes ou Maleitas.'
Ellefai desappareeer com rapidez as Febres
mais rebeldes e sobre a sua influencia os
doentes nao tardam a recuperar a saude e
obter urna cura radical.
-' '
Para evitar as falsllicacdes, exigir oomo
garanta sobre todas as garrafas o soma
i de A. CAORS, e sobre os letrelros a |
i assignatura dos inventores.
VEIOE-SE POR ATACADO E A RETALHO
vnz Botica Francesa e Drogara\
AUGUSTO CAORS
Ra da Cruz, 22
PERNA1BUC0
Vuuutlo Bapllnla Brasa
Os empreados do commercio c niguas nego-
ciantes da ra do Mrquez de ulinda, em borne-
nag'in memoria de seu indito?o collega e ami-
go, Augusto Baptid a Braga, mandam eelebrar
urna missa de rquiem pelo descanso eterno do
ana alma, e convidara assis!;l-a os prente e
amigos daquelle finada, roga do-Ibes o compare-
cmento na igreja da Soledade, s 7 horas <*a
nanhl do dia 16 do crrente, tetiao do seu talle-
cimento.
Vi
AotuMo Bapiiia Braga
A banda do Cl.ib Carlos Gomes convidaos p-
rente e amig. s do fioadu August j Baptista Bra-
ga, p8ra asststiretn a urna missa que inunda re-
sarpelo eterno rep corren te, na rroja ria Soledade, s 6 1/2 horas
da manba.O ih> soureiro,
t
Padre
e Al-
Antonio de Mello
buquerque
Jos Mara Bez> ira Chvmi. ante Irado de man-
dar resar urna ini*sn p r alma de seu pirrado ami-
go e compadre, parir Antonio d afeito e Albu-
querque, pelas 8 h iras d manha do dia 17 do
corrente, Mateo de mu failecim' ato, na igreja
nia'riz de N. S. da P~z e Afogados, convida aos
seus amigos a a.s do fioado. para assitirem a
este acto de caridad.- e nligiAo, pr|o que desde
j se conf-sja arradeci i .
r. Antonio F. i orreia de
Araojo
Thom Correi-. dam resar urna ini.-sa pelo temo r p >us> de seu
presado sobrinho e amigo Dr. Antonia I'raiic'8Cu
Correa de Araujo, n dia 16 d>> o rreata m.-z,
(quar'a f.-ira) s 8 har < da laaafaa, 'rige5imo dia
do seu passameito, na matriz d- Traeunhaem, e
eonvidam os reus nipos para aMiutroa*, con-
fessand(-si' agrad'-cidus i t dos que conc rrerem
a este acto KUgtsoo.
Eng-nbo Limeira 1 i Jaohn de 86.
Padre
e Al-
Imiio je Mello
buquerque
<) capito Jn.- d< nr*o* AcckH e suaa filbas,
Jos de Barros A. d. W-c ucelios e sua fami-
lia, teuen'e-eoron I t'r ui-iscu ie Barros A. de
Vasconeellos e .ua f oailf*. Antonio do Mello e
Aibuquerque, o capillo M n ..1 Chet e na fa-
mili (Montea}, o capita i Joto Ooot n, sua mu-
Iher c lilbos agrade' m < rdialir-enfe aos amigris,
sacerdotes e irman la es que acompanhxram ao
cemiti-no pub .-> i -: >- m rtars de eeu cunha-
o e rio, o R vm. pailr Ant 10 de Mil o e Albu-
juerque ; de uovo eoat tdm/a aos a. ns imigos e os
do finado para afei.-iir in s imssas que mandam
eelebrar na mainx . Joaj .i di 16 do cor-
rente, s 7 horas da manila, stimo da dr seu
fall cimento, pelo 411 se coi f t.-am eternamente
agradecidos.
BBMBMBMBBMIMiiO'M ......'^^^fHMMBMP*
'recisase de urna ama que saiba layar censa
bo.tr, e maia servicoa de casa do familia ; a tratar
na ra do Bario da Victoria n. 7, 2 andar.
Ama
I'reeisa-se de urna ama para cosiuhar, porm
qui dorma em casa : na rus de Riachuello n. 57,
por tilo de ferro.
Precisa se de urna ma que eeja boa cosinheira :
na na do Cabng n. 16, 2- andar.
Ama
Precisase de ama ama para todi servico de
casa de familia : a tratar na ra do Cotovello
numero 46.
Ama
Precisa-se de ama ama para lavar, engommar
e cosinhar para duas pesoas : a tratar na ra do
Imperador n. 75, loja, das 9 as 4 da taode,
Ama
Precisa-se de nma una para
da Florentina n. 2, taverna.
cosinhar ; na ra
insuflo BapliMia Braga
Emilia Cavalcame de Mello Braga agradece
sinceramente aos parentcs amigos que compare-
ceram ao cnterrameoto de seu presad issimo esposo
Augusto Baptista Braga, o convida os i assisti-
rem a missa do stimo dia, que por sua alma,
manda resar na groja da Soledade. quarta-feira
16 do corrente 7 horas da manba, pelo que
ficar eternamente agradecida.
A ina.de leite
Offereee se urna ama com rcuito bom Inte, por
preco mdico, levando jtambem urna filhinha com
tres meses de idade ;] a tratar na travossa dos
Eipostos n. 2, daa 7 horas da manha as 6 da
tarde.
Amas para eozinbar e en-
gommar
Na ra do Bemfi-j
ca sitio que fica em
frente da EstradaJ dos
Remedios, se precisa
de duas amas forras ou
escravas, para servico
de cozinha e engom-
mado.
Aloga-se
Hu i o barato
urna casa na ra de S. Jorge n. 26 (oo Recife)'
com 5 quartos, com coginha, 2 salas, quintal com
portao, etc. ; a tratar na ra de Santa Therexa
numero 38.
Alvga-se
Na roa do Visconde de Pelotas n. 36, a casa
terrea da ladeira do Varadouro na cidade de 01 n-
da n. 22 por 124000 mensaes, tem duas salas, 3
quartos, cosinha fora. bom quintal com cacimba e
portao para o becco da Poeira.

Ama grande casa com dous grandes quintaes e
agua encanada, ra Lembranca do Gomes n. 1,
em Santo Amaro : a tratar na ra da Imperatris
n. 82, 1- andar.
Alagase por 25>
a runde casa terrea ra de Luis do Reg n
47-B, com 5 quartos e mais um frs, bem concer
tada : a tratar na ra do Marques de Oiinda n.
60, ou no Caminbo Novo n. 91, padaria a chave
para correr, oa taverna junto.
Aluga-sc barato
A cr.sa n. 96 ra dos Guararapes.
A casa n. 74 do largo d<- S. Jos
A casa n. 107 da ra Visconde de Goyantia.
A ra do Rozarlo da Boa-Vista n. 39
A ra Lomas Valentinas n. 4
Casa ra da Ponte Velba n. 3.
Trata se no largo dr Corpo Santo n.19.1 aodar
Cosinheira
Precisa-se de nma para (asa
de pequea familia, no onleiro:
a tratar na ra da Matriz da Boa-
Vista n, 9.
PARA COSIM \R
Precisa-se de urna
ama que saiba cosi-
nhar bem; no 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da ty-
pog-raphia do Diario
Serles
Vende-se
S. J ,ao e *".
bonit.-:- sortfs ara Santo Antonio
Pedro : no pateo de S. Pedro n. 4.
Caixeiro
Padre Auisnlu de Helio e M-
Miquerque
Manoel A' onn. V manda 0' lebrsr una
missa nocoriV' ni. .1 I Pr neM is 8 I ras da
manba io d>a 17 ( ,u o .- t^ra) icio r -, ouso t-r-
o d seu fiu-do .im.: cltrfra o padn- Amonio
de M II j o Albaqu r ,o., c Dvida a [ ma. C-
mara Mimicifa ic i r infco p rn nflSt-
tiici'. 11. ll
iran Aiiierira
Os propneTario
participa
comiii'iii-Jis de li
Santo utMiio :-
tos, e prepuram e
tid" ; ssim (
e extern' s p r .
98 !< > i
r t bel cimento
as do
loa a san-
nunp-
eraos
in i lehiiniidiMi
2S
BeNlaurwMt Aaaerica
A ii. 1T
Com a poca imu >u s- i roa
de Hortss n. 17 suppiir- ha de borne
barato, para patsar eita das f-stivaes, como
srjam : vinbos fino, uspecial F;^U'ira, verde
queijoa frescos, njfl sp. cial pira h
aseitonas, eoasorvas, crvilhas, doce fino e muitas
outras eupecisrias.
Precisa-se de nm caiseiro de 12 14 annos de
idade : u tratar no pateo do Paraizo n. 2.
CaixeirOj
Precisa-se d um csixeiro de 12 14 annos,
com pratica de molhados e que d conhecimento
de sua conducta, ato de pessoa da mesma profis-
silo, preferindo -:e portugn. z : na i oa do Mar-
qinz do Herraj n. i'K
Mudanza de eserip-
torio
ii Ivogado Fraac'sco do Reg Baptista e os
radores, Diogo Baptista Pernandes e Anto-
hado dias, modaram seu scriptorio para
a ra do Imperador n. 23, 1- andar, lado do de-
trs, onde sera: eacontriulos das 10 horas da ma-
::h s 3 da tilde.
|III
APPROVAtJAO DA ACADEMIA
\
MEDICINA
O quinium Labarraque un Vinho eminentemente tnico et febrfugo destinado substituir todas a
jotras preparaces de quina.
O quinium Labarraque contem todos os principios activos dos vinhos mais generosos.
O quinium Labarraque prescripto com vanta^cra aos convalescsntes de doen^as graves, as parturientes e
a todas as pessas fracas ou debilitadas por urna febre lenta.
Tomado com as verdadeiras pilulas de Valiet, sao rpidos effeitos que produz nos casos de chlorose, ane-
mia, cores paludas.
Em raeao da efricecia do Quinium Labarraque, preferive! ,. e~y^
tomal o em copo de licosj, no fim da refeicao e as pilulas de VaHet antes, ^/^//f^ ~&& Vende-se na mor parce das pharmacias sobe a assignatura :
Fabricagao e atacado : Casa L. PRERE
19, ru Jacob, Paris.
J
r
i DI
RADICALMENTE CURADAS COM 0
BROKIURETO LAROZE
com
SEDATIVO
Laranjts amargas
BRORSURETO de POTASSIO
3C A.ROFE
o*e Cascas da
APPROVADO PELA JUNTA LE HYGIENE DO BSAZIL.
ii i------1--------
O Br>oaanrato de Potasalo de
tVtwese, como todos os productos
feitos n este cstabelecimoulo, de
ama pureza, absoluta, condicSo indis-
pensavel para que se obtenha efl'eitos
dativos e anodynos sobre o sys-
tema nervoso.
Dissolvido no Xarope Laroae de
Cascas do laranjas anungas, este bro-
murelD universal mente empregado
e exclusivamente receitado pelos mais
celebres mdicos de todas as facul-
dades para combater com certeza.:
89 uffeccoes nervosas do coracSo,
da vas digestivas o respiratorias,
as nevrr,igic.3, a epilepsia, o hyste-
rioo, a danca de S. Guy, a insomnia
das criancas durante a denticao, em
urna palavra, todas as aileccSes
nervosas.
No mesmo deposito acha-se venaa os seguintes Productos de J.-P. LAROZE r
XIROPE LMOZEia-VrsW TNICO, ANTI-NERVOSO
Contra as Oaatrites, Gastralgias, Dyspepsia, Dores e Caimbras da estomago.
XAROPE DEPURATIVO"'Sr^MODURETO DE POTASSIO
Coolri a Affr>_tp6e9 escrofulosas, cancerosas, Tumores broncos. Acides de sangue.
Accidentes svphiliticoc secundarios e terciarios.
XAHOPE FERRUGIN0S0;^sa^tmPR0Tl>l0ORET0*FERRO
Castra a Anemia, Chloro-Anemia. Cores paludas, Flores brancas, Rachitismo.
>-<
ipsite em todos os toas giogatias io azlL
Pars, J.-P. LAROZE e O, Pharmaccutlcos,
_ 2, ME OES LIONS-SiIMT-PAUL, t.
INJECTION CADET
Cura certa em 3 das sem outro medicamento
JPAJilS 7, MttUevard Denutin. 7 &AMIM
Cura rmptdm e errm pe*
ARSENIATOdeOURO 0YNAKIISAD0
mm
do Doutor isJ>]3ISOM'
' da Cblacoao. Anemia, tedas aa Moleartlas do Systems nerroao, BM
Bala mbelda, Btolae'.iaa ohronicaa dos PulmSes, etc., atx
Aa malares lOaatraoMa medicas tem attestado o poder enratlTo deste medcameos a aaasmm-a'o :
o frimetro o maia tturgeo doi reeonatituinM*.
O FRASCO I FRANCOS (EM nukJtQJkJ
Too troteo que mi trouxer sYareo de Fabrica registrada aaulgnatura^^^',*ht '**" I
deTe sor rigorosamente reooaado. ^~\ -^ dut*
Producto
ASIS, harmacla GSULHS, rom Rochecbasart, S8.
Deposito ea Pernambu\ : FRAN M. da SILVA & C.
IX

-CMXLXJDaori:
DCE-OTaT

"m;^
tMr o tallo
SOLUiO 0OIRRE
AO CHL1RHYDRO-PHOSPHATO DE CAL
Etifjfr o ce.'*
h
maia r*oCaroao doo recouaiir-iintea adoptado por todos os MorilCia da Berau
Ftnaftezn aera'.. Anemia. C/Uorosa, TUie*. Catiesia, Sscroru~u. MacMimo, "
tos aun- Cretcuutc antea ac rwtcas, 'ostia, :>spefJat.
_,trl._COlR3li-,_PsOT, 79, m 4: dwrcu-Bii. ^'i*. dm fiwpfva. Banasta. fs
rra-arsoaS^''
CAPSULAS
M ATHEY- CAYLUS
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigao nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres e NaV-Ycrk, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
da Collo, o Catarrho e as Molestia da Bezigas e dos orgos genito urinarios.
113*. Um explicago detalhada acompanha cada Frasco.
Exigir as Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & Cie, de PARS,
que se achao em casa dos Droguistas e Pharmaceuticot.
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pilulas purlflcao o Sangue, corr'em todas as desorden)s de Estomago e
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das constitucoes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades
peculiares ao sexo fermnino em todas as edades. Para es meninos a^sim como Umbem para as
ptssoas de idade a vaneada a sua emeacia e incontestavel.
K
Ess;is medicinas slo preparadas smente no B(abelecimcnto do Professo** Hollcway,
18, NEW OXFOED STREET (antea 533, Oxford Street), LOIPEES,
G vendemse em todas as pharmacias do universo.
' 05 compradores sao convidados respeit osa mente a examinar oa rtulos de cada caixa e Pote se nao teera a
direcyao, 533. Oxford Stveet, sao alsicaQots.

X A
PiUSPi


Aos senhores rOisias e ulfuiates
Maris Maeil)-liiia Petisaaina de Miranda, re-
S rtia d !. .I;"/ n. 26, cos in corn pres-
tes e p'ir preoo -imism, ceroulsa, cal-
is e psletots. s l^gistns e vlfaia'i'B
1 oriem si- ioi
Veig.i, n:
a dar .junlquv
ueianto Joe de Ar ujo
rio, qoe esta habilitado
'IltO.
Ptrdeu-se
ra do Bura-'
Rila ; quera o
1 ques da 0!
I
ouro om perolas, da
:fora roa Nova de Sarita
jede leval-o ra do Mar-
: >Kgai'i is oo
'pZ.".!.:,.
.'-'n [cn> i
. 1
o vtda
a rnfluanoi

(qm tofn o a vir,
e O iliii r:f go/dc uia bom is.ido.\
Oa '\jpoftkcwpfnloa iik' tciS s
c'.c f.v
12, r>
eos re^onhKr.vi'1* rrcoinmewi
,D' CHCHULL, :'o "' dase
j '- : < pi'Op :
5 fregu : 4 r ~ frasco em rr
! rn'!'9i-<-- M Pun airiii.
EXPOSiCSO D PARS !
\ de coKccuao
Cura
de _.
pelo 0 do
GRANCC ORILLE.Affacrrtps 1 tiup'ticas.iloen-
Vasda*-,ias(h^t\s(ivas,obftir*<. ?wi)nil2.i'ji'dobai;o
obiirtvyries viac*ras,eoDcrcJes 'a!cul EJPITJX. AffcccrtesdaKVMix'.^ xti*asificorarix
ios <*.....m..!_j, .'irlo iUl. iruppetoocia,
Kt miftsi i\*'pia.
CTTLEoT -NS. AlTei ^wsdosrias, iiif;arias.
kisourtri-*, U.!i.il)''*-. buioc-"4-
I :<. ve. 1 br.pjf ii
&,cct i;.h3Sui o-ii i;t. s.^u -. eU- lbaBilfiA.
- -SEll Si

3VICO
/
> 1%.
%
++
PrenaraQo de Productos Vegetaes
EXTINCAODAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
jMARTINS & BASTOS
PernminbiUH*
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fijado de hacalho
COM
Hypophosphitos de cal e soda
Approvaila pela unta de iiy-
giene e auto risada pelo
governo
E' o melbor remidi at hije descoberto para a
lisien Iiron< inii-s. escrophulam. ra-
rbillN. anemia, ebiliuadc em sreral.
deflaxoM. leMwe < lirtinica e afTerrAeN
do peito e da gareanta,
E' muito superior ao ob'O simples de figado de
bacalbo, porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medicinara e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades toDicas
reconstituinti-s dos hypophospbicos. A' venda naa
drogaras e boticas.
Deposito em Pcrnambuco
Professora
Preeisa-se de urna professora habilitada para
oceupar-se da educaciio de meninas fora desta
cidade, cm um engeuho prjimo da estica", exi-
sindo-se para dito fim que saibi as materias de
inatruccao primaria, francez outras uecesearias,
assim como msica, piano, trabalhos de costura,
etc., etc. ; a tratar na ra do Imperador d. 48,
prin eiro anclar. ^________________________
\viso
1
O tabellio Apolinario Maranhao mudou o seu
cartorio para a casa n. 14 da mesma ra estreita
do Rosario.
Preven^o
Previne-se qne nin;uem fa?a negocio com a
casa da ra dan Peniiitnbucanas n. 1, da Iregue-
sia da G'ac:, pertenecnte a Jos Machad o da
Costa e sua mulher, por quant 1 clem deste bem
estar sujeit" i di-idas, est letigioso, e por con
sejruinte sem valor qualquer venda, alienacu o de
hypotheej que se faca ou que existir possa.
Ronquis de apurados e
novos gostos
O bem coiihecido fabrieant de b-.aquets, Jos
Samuel Rotelho, se faz lembraio nesti trabalbo ;
alm da rcpntacJo grangeada n He, pvlososto, as
st-io, promptidao, etc., tem hoje para offerecer ao
publico novos porta b mquels de bm estudad
e reflectida couibinacae e gusto ; a tratar na ra
do Baro da Victoria n. 20, loja d>- miudezas, e
na ra do Mrquez de Oiinda u. 43, loja de sel-
leiro.
Aga fie Fm
Em qu irtLS B metas garrafas, \ cr Faria
Sobrinho & C, :i ra do Mrquez de Olinaa .1. 41,
DEPOSITARIOS
.*0>
r\Ky1?\
Pillas purgativas e depurativas
de Campanil
Estas [.lulas, cuja preparacao purameute Te-
getal, teem sido por mais de 20 amus a;ro ;etadaa
com os melhores resultados as reguintes moles-
tias : afl'eccoes da pelle e do figado, syphilis, bom-
bes, escrfulas, i-hagas inveteradas, erisipelas
gonorrhas.
Modo de unnl ai
Como purgativas: tome-se de 3 a G per dia, be-
bendo-se aps cada dse um pouco d'agua adoca-
da, cha ou caldo. *at!
Como reguladoras : tome-se um p'ula ao jantar.
Estas pilulas, de invencao dos pliarinaceuticoB
Almeida Andrade & Filbos, tei-m veridictum do
Srs. mdicos para sua melbor g-irantia, torendo-
se mais recommendaveis, por serem um segur*
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
usadas em visgem.
ACHAM-SE A' VEN'DA
.Va drogara de Paria aobriaibo A C.
4l EUA DO MRQUEZ DE OLIKDA 41
KECLAME
roslo
Miodezas Unas e de
VENDIDAS A PREQOS SEM COMPE-
TENCIA
LOJA FLORIDA
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 103
Barboza & Santos
Aniso* rppeiar
Esplendida sorthneuto em jasros de crystal, por-
celana, alabastro, vidro e louca de diversos tama-
nhos a precos que admira 1 .' !
Candieiros de diversas tawanhoa para sala,
quartos e toillet.
Porta retrato de metal fino prateado, do arado 'u*
de velludo.
Albuns para retr. to de velludo chagrn 9 i
pellucia.
Para acabar
Bico valenciene a ljO e 2i0iH) a peca.
Plisss a 320, 400 e 600 rs. o metro.
Lencos de lisho a l50b a r'utia.
E muito barato
Superior manteiga inglcza a 300 rs. a libra ;
vende-se no pateo do Carm n. 13. taverna.
E' He niHKi
Vende-se ou permuta-ae urna cisa com sota na
ra do Soceg n. 32 : a tratar na mesma.
Na Magda!-- 11a
Aluga se urna cas 1 terrea c>m eommolos par
familia, tendo agua e gaz encanarlos ".-sitio toda
murado, sita travessa do 1'aysnn ; ;i chava
est n* taverna do Sr. Francisco Bra^ 1, i na do
Paysand, esquina da ra do Hospital Port-
guezj___________________________________|t
Serrara a vapor
Caes do Capibaribe n. 9
N'esta serrara encoutrarao os s< nitores fregue
zes, um grande sortimento de piuh 1 de usina do
cinco a dez metros de comprimenco ,; do 0,08 %
0,24 de esquaros Garante se preco mais como-
do do que em outra qualquer parte.
Francisco djr'SantuS Macedo.
t \
J)U-
Ao cominercio e
blico
Nos absixo assignados declaramos que tendo
nesta da"a dissolvido a s-cieda^e quo tinhanoa na
fabrica de ci arros sita ma do K .sai i 1 da Boa
Vista n. 53, sob a firma commercial de Santoa &
Silva, retirou-se D< mingos dos San tes, pago a
satisfeito desea -apital o lacros, ficndo o activo
e passivo a cargo de Jos M- reir da Silva.
tiecife, 12 de Junbo de 1886.
Domingos des S -:"os
Jos Moreira da Silva.
Sitio
Ea. *+'
vcj.
'-ras.
SUSPENSORIO MILLERET
itco.sfm lija-iras drtalM dueoiai.
'ara evttar as falnificace,
exigirajlrnia do inventor, estampada
em c* da suspensorio.
FHDS DE TODOS OS SISTEMAS
MEIAS PARA VAlZES
IET,IESOninEC, sat- ^or.Pirii. 49, r. J.-J. Bntsttaa
HGI~,TH*DO
EsiMor ila i rali
Oucm lem
Onre e praia : c.-npi-i se ouro, unir
jedrms'pr, que em outt
luaiquer parte ; 110 1 and >r n. 12 a ra lar(:s do
voaorio. amiga doa Quat.'ei-. das 10 hora s :i
arde, dias ureis.
Cosinlieiro
Precisa-se de um cus nheiro : a tratar na ma
de Paysjnd n. 19 (Passigem da Magdalena).
I
Este aip itante estabnleeimenta 1:. raloooris,
fundado em 1869, est funcionando agora roa
larga do atoaarin n. 9.
0 seu prorie ario encarrecado do rOgolaawo-
todos relog a do arsenal 1> mariulia, da compa-
nhia dos ti lli .- iirbnuos do Recife Oiinda e Be
beribe, da do R<-eife Casanga, da estrada de
ferro de Caroat, na onirpanhia ferro carril de
Peruambuco. da ssaosiaijto c timnereial luneficen
te da estrada de f-rro d Lirn-eiro, cerc
intelligeiiies o hb.-ls Dsiliares, coneerta e fa-
biica qualquer peca para relagios de algibeira,
de parede, de torres de igreja, chrinomi-tros ma-
ritimos (dando a marcha), caixa* d msica, ap-
paielhos elctricos t. |ejfr:iphicos.
O mesmo acaba e receber vanade sortimento
de relogii.s amerienos que vente de 7j a
para parede, mesa e acfpertador-s de nikel.
Contina eiero 1 a pa protisaio, c in telo e
interesse de qoe sempre det provaa ao regpei
tave! publico e aos aeus eollegas, e ven je turne
cimento de qualquer qiialidade.
Km frrnie de seu cstabeleeininto se aeha col-
loeado um rotegio. cujoa mostradores Umbem po-
Traapassa >e urna caen de molhados em urna das dero ser visto pelos p^ssagfiiroa da ferro-carril,
principae.i na- desta cida<, muito afreguezad i, tendosempre a HnKA MEDIA DE>TA CIDADE,
livre d^ imi o.-tis e de quaesquer d. bitos. determinadas pelas suas observacoea astroaemi-
Qaem pretender dirija-su a ra da Madre de I ca. Ra larga do Roario n. 9.
Deus 2, daa 9 horas da Nabi ar 6 da ta'de. I Antonio da Costa Araujo
4 nado bI Aluga e ui mulatinhi eserovo para criado o
411:1) sah- b < ear : tratase im ra de S. Joi'o,
casa n. 27.
Mercearia
Alaguel milito b->t*.i(o
Com casa para familia, t>odo muiros arroredoi
dando tructo, e logo junto exeellenre b:mho sal
gado, ua travessa do Motocoloinb u 1 (Afoga-
dos), perto dos bonds e do camin' 1 de forro ;
junto do Illm. Sr chefe Lima : ratar na roa
de Santa Thereza n. 38.
'aga-se muito f>em
a um nenino at a idade de 17, annos, livro ou es-
cravo, para vender na ra, que d. se f.ir livro,
fiador de sua conducta : a tratar n na do Rosa-
rio da Boa-Vista n. 48.
JFa
Por todo pre.50
A Predil ota l;qu.)n difinitivam>n!c e para
i<(abar e por r- do u ,'> 5 -
Alm de uuii'.s objectos, annuneia os 1 baixos,
i|iie silo as \ 1 r laoeiraa pee-hinchas :
Brfbid >s c citieni'i,,s bordados cora31/2me
team, 240 1
Bateiai para vestiAuj podidas e fort--?, duxia a
320 rs.
Bote do inaJr : eWa inultos finos para casaeo,
groza lOO.
Voltus de coral venladeira com clchete, nma
600 rs.
Vollasde coral vi rdadeira com clchete, dial
ordens, 609 rs.
Ligas com terses de a$o para menin?, nai par
160 rs.
Urna caixa com 100 tolhas de superior papel,
400 rs.
Urna dita com 1*10 cnvelopes, 300 rs.
Borlas rara pea de arroz, urna 200 rs
Pos de arroz niuiii.|fiiios, um pxcote 3 '0 rs.
Urna dnzia de macinhos ce grampos pilidoa,
200 rs.
(irritis de liuh< de 200 j.rdas. 80 rs.
Suspensorios para meninos e homenr, uin par
800 rs.
Pacotcs com tres sabonetes mnitcs fino,
500 rs.
Duzia de pacotes de sabao em p, 600 rs.
Boleas de chagrn de diversos ranvinl.os, urna
3^1000,
Leques grandes e modernos, a 5C0 rs.
AproTeiiem
.4 "Prafa da Independencia.4
Signa! bandeira enramada com Mr* braocaa
Ca&a ara alugar
O 2* e3- andar a ra larga c'o Roaiio n. 3?
defronte da igreja : a ratur na tabacarin do pa*
virneuto terreo.
OD




I

i
)

I
Mario de PemamburoQuarta-feira 16 de Jnnho de 1886
Aos seohores eapita-
lis tas
O agente de leiloee, Pestaa, autorisado por
mm aogo que retirou-sc para a Europa, vende
trnta a cinco predioe (cata terrea e obradosi,
eos perteito estado de c neervacau, nos melhorts
lugares das freguezias do Becife, Santo Autonjp,
8. Jos, Boa Vista e Graca : trata-se no Recite,
roa do Vigario n. 12, armaaem.______________
Ao comercio
Ea, abaixo assigosdo, declaro que dissolvi a
Bociedade que tinba n padaria sita roa de I).
Mara Otear n. 30 eom o Sr. Joaquim Goncalva
i oelho, sabindo este pago integralmente da parte
jue lhe tocou e desouerado Uaquella sociedade ; e
o abaixo assignado responsavel pelo activo epas-
rvo, ato a contar desde 31 de Maio prximo pas-
mado. Recife, 8 de junho de 1886.
Jos Manoel d S.
Massa para bolos
O que ha de melhor ueste genero ; vendem
Braga Gomes & C., ra do Mrquez de Olinda
umero u.
Leonor Porto
Roa do Imperador n. 45
Primeiro andar
Contina a execntar oa mais difficeis
figranos rccebidoa de Londres, Paria,
Lisboa e Kio de Janeiro.
Prima un pcrfeicao de costura, em bre-
vidade, modicidadc em precos u fine
gosto.
}{
Criado
Preclaa-se de um criado de 12 14 anuos, para
aervico do casi e mu : na praca do Conde d'Eu
B. 20, 1 andar.
Criado
Aluga-se ura mulalinho escravo para criado, o
nal sabe fazer compras e todo o aervico de casa,
por ter j 17 annos, ten? boa conducta e bastan-
te ladino; ir..: -u n ra de S. Joao n. 27
Preparase lindos bouqnets, assim como aluga-
se armac0e3 de bandejas ; a tratar na ra de
Horras n. 58, ou na raa do Imperador numero 31
u67.
Para S. Joan
A viuva de Valdivino, da plvora, avisa aos
apreciadores de fogos para os festejos de S Joo,
3ue tem uin completo sortimento de putolas de
as a cinco bolas e fogunbos para criancas.
assim como mansa para bi'scaps, plvora para
?stouro. Recebe-se cncommendas para craveiros
buscaps, sendo as pagas adiantadas. Tele-
hone n. 369
"^ Cosiel
Precisa-se de um no Inetituto Acadmico.
Farinha Lctea
H. Vesll
O melhor alimento para criancas de peito, rece
Ks Jos Antonio dos Santos.
13Ru de Mrquez de Olinda-15
3 Rual- de Marco3
(npMftniliiiNi
COotoira a vapor
Kuprimento para o vapor Jaguaribe
N. 927:170
O Sr. Francisco Alvos da Costa, coatnaudante
co vapor Jaguaribe, pela segunda ves rogado
vir a ra do Marque do Olinda n. 50, dar cum-
pnmeato ao numero cima. Pede-se ao digno
>r o videncias a res peito.
i Cosi nh eir
Precisa-se de urna eosinheira : na roa de Pay-
zand n. 19, Passagetn da Magdalena.
Aviso
Precisa-se de urna professora que saiba tocar
bem piano e mais trabalhos de senhora, para en-
genho : a tratar com o Bario, de Nazareth, ra
do Imperador n. 79, 1 anclar._________________
""MbIoi era!
Sem dieta esem modifi-
capoes de eostunics
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo phar
maceutico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvados pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de irnbiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
toes e promove as ejeoyes diffioies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debolla a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os bydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de >r de arueira e matamba
Muito recommtndado na bronchite, ua hemop-
Sse e as tosses agudas ou chronicas.
leo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga-
nismo, na fysica. .
Pilulas ante-peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente 83 feras intermitientes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho de jurububa simples e tambem fer-
ruginoso, preparados em vinho de caj
Efficazes as inflaumacoes do ligado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado as convalesoenjas das parturientes
urtico antefebril.
Depeeito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva & C
23-RUA MRQUEZ DE OLINDA-23
Aos Hos dos OJEOS
Cura certa em 48 horas das inflamares
recente dos olhos, pelo colyrio prepara-
do por Jos Pedro Rodrigues da Silva.
Emprega -se este poderoso colyrio sempre com
grandes vantagens, Lias seguintes molestias :
Ophtalmias agudas, purulentas e chronicas, con-
unctivit.es, etc., etc.
Deposito eral, na drogara de Faria Sobrinho
< C. ra do Marques de Olinda n. 41. ^
Para informacoes, sedirijam a livraria Indus-
trial ra do Barao da Victoria n. 7, ou resi-
dencia do autor, ra da Saudade n. 4.
VENDAS
Vende -se a casa com so tea a travesa das
Barreiras n. 7, tendo um soffrivel sitio com bas-
tantes srvores fructferas : a tratar na ra do
Imperador n. 75. agencia de le15#s, ou na ra da
Santa Cruz n. 60.___________________
Liquidado!!!!
Raa Unquc de Caxias ao
Alguns artigos 50 [, menos do seu valor
Failes damass, linda fazenda, a 400 rs. o co-
vado!
Linons com salpicos a 560 e 700 rs. o dito !
Cachemiras com bolinhas de velludo a 1/200 rs.
o dito i
dem de 2 larguras, fngindo dados e lisas, to-
das as eores.a 1J500 !
dem pretas, e merinos (2 larguras) a 900, 1/00,
1/400 e 1/6001
Alpacas de sodas finas a'360 e 400 rs. o dito !
Popelinas com listras de seda a 280 e 320 o
dito!
Setins Maco verdadeiro, desde 8t0 rs. a 2/000,o
que ha de melhor
Gorgurao pretc de seda, para (um vestido de-
cente) a 2/000 o covado para acabar.
Damasss de cores, seda superior, a 900 rs. o
dito!
Velludilhos liso e de listrrnhas a 1/000 e 1/600
o dito !
Esguiao pardo para vestido a 560 rs. o dito !
Nansoks finissimos de cores a 320 rs. o dito !
Cretones para chambres e cobertas, superiores,
a 360 rs. o dito !
Damascos de la com 2 metros de largura, a
1/800 o dito!
Mariposas de cores lindas a 260 rs. o dito!
Bramante do linho superior, 4 larguras, a 2/000
o metro!
dem do algodo, idem, idem a 1/500 o dito !
Atoalhado bordado, o melhor possivel, a 1/500
o dito !
Bnns de linho de cores (linho puro) a 1/200 o
dito !
Camisas francesas sem punhos e colarinhos a
40/000 a duzia !
Ceroulas de bramante bordadas a 12/ e 18/ a
dita!
Ouardanapos de linho a 3/000 a dita !
Meias arrendadas para senhora a 8/000 a
dita!
dem cruas par boinem a 3/500, 4/500 e 5000
a dita !
Lencos brancos em lindas bolsinhas de setim a
3/000 a dita !
Enxovaes para casamento o seguinte :
Lindas gnnaldas e vus a 14/000 e 16f000 !
Ricas colzas de crochets a 10/000 e 12/000.'
Guarniccs d" dito (cadeii as e sof) a 8/000 !
Espartilhos americanos, chiques, a 6000
8/000 !
Cortinas bordadas, novos gostos, a 7/000
10/000!
Vendas em grosso, descont da praca.
S flua Buqne de Castas 5
I.OJA DE
Carneiro da Cunba & C.
4o 63
Vende-se
massa de mandioca de primeira qualidade, para
bolo, a 1 /000 o kilo : na Camba do Carmo nu-
mero 10 ___________^_
AttenQo
Vende-se Manteiga inglesa superior em latas de
12, de 4 a 1/100, e 7, 14 e 28 a 1/000 por libra e
gas ueiplosivo a rea do Bom Jess n. 38.
Frnctas maduras
Vendc-se diariamente especiaes laranjas para
mesa, mangabas, capotas, e outras muitas : no
largo de S. Pedro n. 4.
Bonitos leques de gase para senhora, a 3/, 6/
8/e10/.
Ditos de setineta, de 1/500 a 2/500.
Ditos de papel, de 300 rs. a 1/.
Em centlnnaeo
Cintos de couro a 1/500 e 2/.
Babades bordados largos e estreitos, a 100 rs
a peca.
Chapeos para baptisados, de 1/500 a 8/.
Ditos de pal ha para criancas de 3 a 4 annos, a
2/500.
O Pedro Antunes 4 C. quem tem para liqui-
daco.
Belleza, frescura, juventude
Pa branco dea (races* para ama-
ciar a pelle
Estes pos, de urna fineza extrema, especialmen-
te preparad' -, aormosear a pelle, sem alte-
ral-a.
A' venda, em ..a do Pedro Antunes & C.^uk
do Duque de Casias n. 63.
Igualmente o bem mohecido leite de rosas para
extinguir as espinnas e pannos, os mais assombro-
soB inimigos de urna, assetinada face, restituindo-
lhe a belleza antiga.
Em ultima analyse ser bom nao esquecer o
crme rosado para os labios !! S a Nova Espe
ranea.
t til e ate rada el
Fazer um delicado trabalho de crochet com
novellos de la e seda de diversas cores, que eem
o Pedro Antunes & C.
Linhas de diversas cores, dita branca de linho
para facer trivolit, medalhro tranca bem conhe-
cida para o mesmo.
Um bonito desenbc colorido para mesa bonita
ajmofada.
Ao 63Ra Duque de Casias
O lempo pr*prio
Boas meias de la para bomens e senhoras, uvas
de dita para quem soffre de rheumatismo.
Ao 3Ba Duque de Casia
WHISKY
iOYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Escosscs preferivt
ao cognac ou agurdente de canna, para fortifica
o corpo.
Vende-se a rctalho nos h. iheres armazens
nolhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujo ne-
me e emblema silo registrados para todo o Brasi
BEOWNS & C, agentes
Agurdente de canna
Vende-se em ancoras, a superior agurdente do
caldo da canna : na ra estreita do Rosario nu-
mero 8.
Grande sortimento de fe*
A Revoluco
M. 4
raa Duque de Casias, resolveua vender
os seguintes artigos com 25 0(q de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Lis com bolinhas a 500 e 640 rs. o covado.
Setins maco a 800 rs. o covado.
Setinetas lisas a 400 rs. o dito.
Setinetas escossezas a 440 rs o dito.
Cambraia com salpicos a 6/ rs. a peca.
Linou branco a 500 rs. o corado.
Linhos escossezes de quadrinhos e lisos a 240
rs. o dito.
Mariposas de cores a 240 rs. o dito.
Renda da China 240 rs. o dito.
Damasco de la com 160 centmetros de largura
a 1/800 o dito.
Bramante de linho com 9 palmos de largura a
1/800 o metro.
Bramante trancad) de>ale;odaoa 1/200 e dito.
Bramante do urna largura a 320, 360, 400 e
440 rs. o dito.
orim pardo a 300 e 360 rs. o covado.
Brim prateado de linho a 600 rs. o dito.
Crochets para cadeira a 1/ < 1/600 um.
Ditos para sof a 2/ e 2/500 um.
Colchas de fusto branco a 1/800 urna.
Ficbs de la a 1/, 2/, 2/500, 3/ e 4/ um.
Espartilhos de coraba a 4/, 5/, 6/ e 7/500 um
Camisas de linho bordadas a 30/000 a duzia.
Chitas finas a 240, 280, 320 e 360 rs. o covado.
Sintos pra senhora, no/idade, a 1/1300 el/800
um.
Lencos brancos fines a 1/800 e 2/000 a dnsia.
Cobertores de 13 a 2/, 4/500, 6g500 e 8/ um.
Cambraia preta para forro a 1/200 a peca.
Meias para homens e senhoras a 3|, 4J, 5/ c
6/OO a dusia.
Madapolao gema e pelle de ovo a 6/500 a peca.
Cambraia branca a 2/ a peca.
Crinolina branca e preta a 2/800 a peca.
Toalhas felpudas a 4/000 a dusia.
Toalhas aleochoadas a 12/ a duia.
Cobertas de ganga a 2/800 e 2/900 urna.
Lencoes de bramante a 1/800 um.
Para a* Exmi*. niva*
Sctim maco a 1*200, 1/400, 1/800 e 2/C00 o
covado.
Popelina de seda a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 500 rs. o dito.
Capellas e veos finos a 10/ e 14/.
Colchas bordadas a 5/000, 7/000, 8/ e 10/0.0
urna.
Cortinados bordi- dos a 6/500 o par.
Pinho de Riga
Vendem Fonseca Irmaos 6 C, a preco mdico.
gos
Naconaes eChinezes
ProprioN para ala
PARA OS FESTEJOS DAS NOUTES
DE
*au *. Pedro
Vende-se em caixas e a rctalho por precos com-
modos.
Ra do Barao da Victoria i. 61
Loja do Smiza
Cabriolet
Vende-se um em perfeito estado e por preco
rom modo; tratar na ra Duque de Caxias a. 47
. Fazendas baratas
loa Duque de Caxia numero 6%
Chitas petit pois de cores azues a 200 rs. o co-
vad.
Ditas finas claras e escuras, 240 rs. o dito.
Las escossezas, 320 rs. o dito.
Alpacas de c >res finas, 500 rs. o dito.
Fustoes brancos finos, 500 rs. o dito.
Setinetas e gorgurinas lisas, 500 rs. o dito.
Meriu setim maravilhoso, duas larguras, 1/600 o
covado.
Cortes de vestido em cartoes, 10/ um.
Ditos de cachemira idem, a 30/ e 40/ um.
Fichus modernsimos, de 2/ 9/ um.
Ditos de malba, a 1/ um.
Collarinhos techados, a 5/000 a duzia.
Punhos finos de n. 25 30, 800 rs. o par.
Velbutina de todas ss cores, a 1/ o covado.
Merinos pretas e de todas as cores, setins de
todas as cores, cambraia coa salpicos brancoj e
de cores, tapetes de todos os tamanhos, meias
para bomens, senhoras e meninos, e outros moitoa
artigos por precos resumidos.
MENDONgA, PRIMO & C
Mutamba
DE
J. Deisuc
Coaira a calvcc. quedi dos ca-
bellos, easpas c neuralgias
da caneca
Preco de cada frasco 1500.
Vende jo Odilon & Irmao, cabelleireiros,
raa da Imperatriz a. 60.
Novos livros de sortes
Grande variedade
na livraria PARISIENSE de Medeiros & C,
ra Primeiro d- Marco n. 7-A.
}
Vende-se
o sobrado de um an-^ar e sotao, cim bastantes
commodos e grande fundu para a roa do Pharol,
sendo sitando na ra S. Jorge n. 13 (Fra de
Portas) : quem pretender dinja-se ra do Bos
Jess n. 45, das 9 horas da mauba s 3 da tarde.
E' pcdiincha
Vende-se um grande e excellente fiteiro envi-
diacado e um b liar em bum uso, eom todas a-
suas pertencas, muito em coura : na ra da Flo-
rentina n. 15.
Carteira
Vende-se barato urna carteira contendo na peca,
de baixo dous armarinbos e tres gavetas, e na
peca d^ cima 17 compartimentos que se fecha
coui uina 89 chave : a ver e tratar no largo de S.
Pedro n. 4, loja.
Massa de mandioca
Vende- se massa, especialmente preparada, para
bolos de Santo Antonio, h. Joao e 8. Pedro, a 50*
rs. cada pacote de meio kilo : no largo de 8. Pe-
dro n. 4. ______________
Biliar
Vende-se um bilhar francez em perfeito estado
com tres y gos de bolas e seis tacos : a tratar ao
antigo largo do Pelourinbo (corpo Santo) n. 7, es-
criptorio.
A Bella Aurora
Ver para crer
A verdadera carne do Serid
A 800 rs. o kilo.
A 800 rs. o kilo.
A 800 rs. o kile.
Teen para vender Pinto Figueiredo ft C.
Prac do Coude d'Eu n. t
Engenta a venda
Vence se o engenh i Murici, com sa-a ou sem
ella, situado na freguezia da Escada, distante da
respectiva estcao um quurto de legoa, podendo
dar seis caminhas por dia, moente e corrente,
tem duas casas grandes e duas pequeas para mt
rada, e outra para farinha com suas pertencas : a
tratar na ra do Imperadur n. 65, 2 andar.
Plvora
Vende Candido Thiago da Costa Mello, em sea
deposito ra Imp-rial n. 322, olaria, onde tam-
bem vende tijulos e telhas. Telephone n. 221.
Mulla fl'apf flo Mto
Vende o Vascoucellos ra da Auroran. W
corram a ella!

a=B
8'
LISTA GERAL
N B.O premio prescrever
um anno depois da extraceao.
A
DOS PKEMIOS DA O PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LE PROVINCIAL N. 657 EM BENEFICIO DA IQREJA DE S. PEDRO DESTA CIDADE, EXTRAHIDA EM 15 DE JUNHO DE 1886.
y

HS. PREMS. KS. PREMS. >18. PREMS. NS. PREMS, NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS' NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREM NS. PREMS.
12 4d 219 4* 425 46 666 U 911 44 1208 49 1444 44 1684 44 J902 44 22C0 44 2426 44 2643 ! 2824 44 3015 84 3297 44 3538 44 3777 44
13 _ 25 27 67 16 13 M^a 45 94 19 5 27 - 44 44 25 25 44 3312 40 78
15 _ 29 _ 36 68 _ 20 15 -- 48 1703 i | 20 7 84 37 46 27 - 39 17 41 83
18 ^^ 34 i 40 __ 72 __ 23 _ 16 mm 49 4 21 10 U 42 47 29 45 21 42 94
20 (^^ 40 _ 47 M^ 73 ^^ 27 _ 17 53 h. 6 ,, , 27 12 43 - 48 32 - 51 21 46 96
21 _^ 41 _ 56 __ 76 _ 30 35 56 _ 10 __ 34 27 44 51 33 63 ~ 29 -- 47 98
24 _ 44 mm9 61 79 31 52 mm 60 16 16 42 " 30 45 *5 53 39 68 33 51 - 99
_ 50 _ 67 -- 91 37 62 ___ 70 17 44 44 34 47 U 55 41 71 38 54 3803
41 53 mjm 72 704 _ 38 64 __ 82 25 49 44 54 58 46 79 41 1> 61 4
42 __ 54 mmmm 74 -- 5 41 42 71 __ 87 27 M_ 55 47 55 84 60 334 47 88 l:o04 48 44 66 - 8 a^.
43 56 mmm 75 10 73 __ 92 - 35 St4 65 48 63 44 64 44 55 90 44 49 - 68 9 M
44 61 - 86 -- 14 _ 43 91 ^_ 1502 l4 44 44 67 54 64 68 57 95 52 82 23 --
45 62 88 15 _ 46 97 ^m 3 44 46 73 60 69 71 60 3111 54 85 24
46 64 -- 89 22 _ 47 99 _ 6 47 __ 77 61 70 72 63 16 57 93 28
51 ' _ 71 __ 95 -- 28 i 59 1306 ^gl 7 51 90 62 77 75 73 23 61 3605 29
56 _ 73 V 97 - 29 '44 67 69 70 97 1000 2 3 8 12 22 30 41 44 49 51 56 7 __ 9 53 , 91 63 79 81 77 t4 25 62 8 15 33 _
59 84 500 pmm 36 12 13 T 70 95 78 82 84 80 44 28 84 68 44 17 44 ,. ,
6 86 ioo> i __ 38 i i 15 17 71 i 96 2300 85 84 85 86 53 84 69 - 20 - 47 mm-^
70 87 U 2 tmt 44 84 21 31 72 ^_ 98 3 87 44 86 92 55 44 71 21 55 ___
76 92 3 ^_ **5 44 22 __ 33 73 _ 2009 9 90 88 94 - 57 _ 76 24 57 ^_
77 8* 97 7 _ 54 27 -- 34 _ 75 ^^ 22 10 - 91 __ 92 96 58 80 29 - 64 mm
80 4 300 8 _ 58 _ 31 84 35 _ 79 m 32 - 18 92 _^ 93 98 - 63 __ 82 33 71
82 9 9 69 _ 39 44 43 85 _ 39 84 20 95 96 44 99 70 __ 83 34 72 _
87 _ 10 11 82 __ 40 _ 48 86 _ 41 44 24 2502 __ 2701 2902 71 _ 95 35 80
94 *6 12 16 _ 83 t4 45 52 87 ^_ 49 28 10 __ 12 13 73 99 38 4-oooc) 81 _
96 1 A* 13 21 _ 93 44 50 53 ,^. 89 56 29 24 _ 20 15 - 75 3404 42 44 84 _
98 t 21 28 ^ 803 53 _ 65 __ 91 .^ 63 32 31 _ 31 - 17 79 12 43 85 84
99 _ 23 - 29 ,-- 9 57 _ 73 __ 95 _ 71 36 38 33 19 87 17 too 47 89 44
too 30 81 32 _ 14 __ 58 75 _ 96 _ 77 39 40 _ 36 22 97 24 44 55 91
9 _ 34 U 49 ^ 15 61 _ 76 __ 98 ^m> 78 40 -~ 44 37 - 25 98 334 25 59 94
16 __ 40 56 . 20 63 ^__ 81 lft 1805 mm 90 45 ^ 50 38 29 3210 44 26 60 66 73 78 96
23 __ 45 64 _ 27 58 84 68 ' 82 44 8 2108 46 53 39 44 11 36 3901
26 15 51 l 68 ^^. 31 84 59 44 76 85 22 - 10 51 ~- 54 40 84 49 13 39 5
27 U 57 U 69 __ 39 4a 76 77 3*6 88 28 20 52 56 42 44 63 16 41 15
33 58 75 _ 40 84 95 80 44 91 _ 39 -- 25 55 59 44 6 24 44 81 17
40 64 77 ^^ 43 4 98 84 92 _ 41 _ 28 ^. 56 - 62 3'. -: 48 68 26 47 84 24
42 67 94 ^^ 47 99 86 _ 95 44 __ 33 _ 62 6 44 60 72 32 51 93 26
49 71 98 ^t, 51 1110 _ 97 96 48 38 ^^ 63 72 63 77 84 40 56 Sp 3703 29
52 _ 79 603 15 55 14 __ 98 1601 52 40 __ 65 73 64 80 44 42 60 44 16 30 36 - 41 8#
54 __ 84 e u 61 26 . 1402 27 mmm 53 41 76 82 72 82 oa4 45 72 - 47 44
55 87 __ 10 __ 66 29 __ 7 37 55 -- 43 78 89 73 83 u 49 86 1C4 52
til __ 88 __ n _ 68 34 ^^ 11 45 70 -- 45 mmm 84 93 m- 76 87 53 94 44 4o 52 53 55 -62 -64 65 57
85 _ 91 14 74 53 __ 14 8 49 NPjM 72 - 52 _ 2400 - 2602 -- 86 88 60 3507 58 -
90 ^_ 92 ^m% 18 8J 86 59 mm 17 44 59 mmm 76 53 -- 5 4 86 96 62 10 59 m
93 mam 93 ^^ 25 U 91 m 60 18 64 mmm-' 77 -- 70 10 8 334 89 97 68 15 60 -mm-.
99 imm 402 _ 31 92 66 .19 _ 69 4 79 i 71 12 13 44 97 3000 75 19 DO 81 ~
204 3 84 46 84 94 73 4 20 71 44 83 83 -- 13 21 2805 2 83 25 ^*"
'5 __ 9 H 57 8 901 76 44 22 75 85 -- 89 -- 20 25 84 6 4 85 26 85
9 _ 19 58 U 78 32 79 _ 93 mm 93 -- 21 8 31 8* 18 12 88 28 67 88 M
15 22 60 7 90 38 80 95 96 ' 22 44 42 44 1 23 13 92 32 76 96 44
L.


Diario' de Perimmbuco--([uarta-feira 16 de Junho de 1886

ASSEMBLA GERAL
(1M.IKA DOS DEPITADOS
SESSaO EM 31 DE MAIO DE 1886
ERES1DESCIA DO SB. AHDKADE FIGUE1RA
Ao meio-dia, fita a chamada, a %que res-
ponden 80 Srs. deputados, abre-se a sessao
depois do meio-dia.
O Sr. 1. secretario d corita do ex-
pediente.
E' lido e vai e imprimir o seguinte pro-
jecto :
< A Assembla Geral decreta :
Art. 1. Na poca da priaieira revisao
do alistamento eleitoral, que s fizer no Im-
perio, proceder-ce-ha a qualificacao dos elei-
tores na comarca de Paranagu da provin-
cia d3 Piauhy, e no termo de Santo S da
provincia da Baha da acoor o com as dis-
poaices vigentes das leis a. 3,020 de 9 do
Janeiro de 1881 e 3,122 de 7 de outulro
de 1882.
| 1. Para a referida qualificacao ser-
vir a ultima revisao de jurados que hou-
ver precedido a de 1879 e de que existir
copii authentiea as secretarias das presi-
dencias das respectivas provincias reraetti-
da no mesmo anno em que ti ver sido feita.
t | 2.* Um mez depois de concluida a
qualificaeao proceder-se-ha na respectiva
comarca a eleicao de juizes paz e venado-
res que deverao servir at o fim do qua-
trienio corrente.
c 8 3.o m quanto se nao fizer a elei-
cao de que trata o paragrapho antecedente
servirao os mesmos juizes de paz e verea-
dores que estavam eleitos do terapo da pro-
mulgado das primeiras leis citadas.
Art. 2. Ficam revogadas as disposico"-s
em contrario. Salas das sessBes, 28 de
Maio de 1836.= Coelho Rodrigues.=
Fernandes da Cunha Filho.
O Sr. Escragnolle Taunay man
da mesa urna representacao que encerra
materta gravissima e a respeito da qual
faria algumas considaracSes so o regiment
lh'o permittisse.
Chama a attencao da honrada comraissao
de constituico e poderes para a mesma
representacao, esperando que ella d com
brevidade o seu parecer sobre o assu rapto
que considera importante.
Sr. Alfonso Celso Jnior
mando mesa urna representacao assigna-
da por diversos cidadaos do 20. districto
da provincia de Minas, reclaman lo contra
as tropelas que all se praticam diaria-
mente, e pede seja publicada no Diario
Official.
O Sr. Cruz apresenta um documen-
, to Bobre a eleicao da villa de Ourra, na
provincia do Para, pedindo mesa, a quem
o envia, lhe d o conveniente destino.
O Sr. Lucena corneja dizendo que
a ambicio contrariada, depois de longos
mezes de incumbacao, acabou de f-zer a
sua erupcSo, e cita estas palavras como
proferidas pelo finado Jos de Alencar a
proposito de um farcista que tem hoje as-
sento no Senada. (ReclamacSes da ban-
cada liberal)
Affirma que o orador que no Senado tes
explosao crtera da maledicencia, que
alli achase incubada, arremessando esti-
lhajos por toda a parte, estilhacos que vol-
taram ao antro tenebroso donde sahiram,*4
setn ferir nem de leve aquelles contra quem
eram arrojados. _
Lamenta que o Sr. conselbeiro Silveira
Martina esteja acostumado a nao publicar
os discursos que pronuncia, porque, se as-
sim nao fora, respsnderia urna por ama a
todas as suas arguicSes e mostrara ao paiz
que S. Exc. era um diffa ador publico por
temperamento, por calculo e por habito.
As*im, nao tm remedio senao circums-
crever se ao que consta do resumo hontem
publicado no Jornal do Commercio, o do
que vai dizer ver a Cmara que de todos
os membrea do parlamento o Sr. Silveira
Martina o mais incompetente para ferir a
reputacao de quem quer que seja.
Em seguida passa o orador a defender-
se de todas as increpacSes que lhe fizera
quelle Sr. senador, e a justificar os actos
que praticou na adininistracio da provin-
cia do Rio Grande do Sul.
Na deiLon8trcao dos seus assertos aBse-
gura Cmara que de todos esaes actos em
que sernpre observou os dictamos da con-
veniencia publica e do direito patrio, re-
sultou grande economa para os cofres p-
blicos e moralidade para a administracao ;
predicados estes de cuja falta se resentiara
as .adrainistracBes liberaes n'aquella pro-
vincia, entregue ao predominio e influencia
nefasta do maior tyranno que o orador co-
nhoce.
Aehando-se na ante-sala os Srs. Ulha
Cintra, Barao de Geremoabo e Henrique
Salles, silo introduzidos com as formalida-
des do estylo, prestaoj juramento e turnara
assento.
ORDEM DO DI A.
O Sr. Matoso Cmara (pela or-
dem,< diz que a cominitsao encarregada de
apresentar a S. M. o I operador o auti-
grapho do decreto abrindo um crdito ao
mini.it to da agricultura deaempenhou o
en dever, dignando-so o mesmo augusto
sonbor responderque examinara.
O Sr. Presidente diz que a respost i de
Sua Magcstade recebida com muito espe-
cial agrado.
O Sr. Beltro (pela oriera) l o se-
guinte telegrarama que recebeu de Pernam-
buco : o Assembla tranquilla votando or-
cainento: coacta, rodeada forca, coraroan-
dante e officiaes da guara cvica na ante-
sala. Re ca maco es de liberaes e alguns
conservadores. Tumulto, sessao suspensa
Caiar. Itapissuma. Jacobina. Pi-
tang a. Lourenco. Jes Mara.
Dasejanao fundamentar um requeriman
Uo a respeito desse telegramma, requer me
ia hora de urgencia, que lhe concedida.
Considera gravissima a materia do te
legran na, que se acha assignado por seis
deputados provincia ;s. A Assembla vio-
se cercada pela forca, que penetrou no re-
cnto frente do offieial que a commadava.
Os deputados liberaes e conservadores pro-
testaram contra esta flagrante violacao do
dir ito constitucional: houve tumulto e a
Assembla foi obrigaia a suspender a ses-
lo.
Idntico telegramma foi publicado por
urna folha da corte. Sobre o motivo desta
oceurrencia havida na Assembla do Reci-
fo deve o governo estar informado, e por
isso vai formular ura requer ment pedindo
explicayoes ao mesmo governo, abstendo-
se de commentarios, nao s porque ignora os
antecedentes que originaram o facto, mas
tambera por saber que est testa da ad
ministraco naquelU provincia um cidadao
que se recommenda por suas nobres qua
lidades.
Vera mesa, lido apoiado e entra em
dis:ussao que fiua aditda por padirem a
palavra varios Srs. peputados, o seguinte
requerimento:
cRequeiro que solicitem ioformacSes, por
intermedio do ministerio do irapario, sobre
as oceurrencias da Assembla provincial de
Peruambuco, constante do talegramraa jun-
to.
t Cmara dos Djputaeos, 31 de Maio
de 1886. Beltrao.
0 Sr. Affonso Celso Jnior (pela ordero)
entende que a meia hora de urgencia que
a Cmara concedeu foi para apresentaco
e discussao do requerimento.
O Sr. Presidente responde que a urgen-
cia pedida foi smente para juatificacao do
requerimento.
O Sr. Portella (pila ordem) julga que,
desde que o governo e a respectiva depu-
tacao nao tm outro esclarecimento sobre
o que diz o telagramma do que este mes-
mo, nao havia razio para nao se approvar
o requerimento; entretanto, declara que
confia no criterio do presidente da provin-
cia, que nao mandara forca para o edifficio
da Asseraola provincial sem que essa for-
ca fosse pedida pela mesa.
CRDITOS SUPPLEMEN TABES
Proeede-se votacao do art. Io do pro-
ject> n. 30, abrindo ao ministerio do im-
perio crditos supplementares na importan-
cia de 1,003:765)5258. E' spprovado, bem
como a emenda do Sr. Lourenco de Alba-
querque.
Entra em discuss&o o art. 2o.
O Sr. Affonso Celso Jnior (pela ordem)
requer o adiamento da discusslo, visto nao
se acbar presente o Sr. ministro do i mpe-
rio, que de >e assistir discussao dos cr-
ditos pedido* pela aua repartilo.
O Sr. Presidente observa que o art. 1\
que contem a proposta do governo. e o
art. 2 de iniciativa da commissao.
E' lido, apoiado e entra em discussao o
seguinte requerimento:
Requeiro o adiamanto da discussao do
crdito do ministro do imperio, relativo ao
F0LHET1M
KIGOLO
POR
Z47IS2 22 3UOTEP
^CONTIJSUaCAO DE ANGELA)
( Continuaso do n. 13S)
VI
Cecilia fez-se vermelha.
Todo o sangue do coracao ufHuio-lhe ao
rosto.
Perguntava a si mesma, com raedo, se
aquella felicidad, muito grande, n2o iria
fulminul-a.
Emquanto trocava com s filha de Jnyme
Bernier as pou 'as phruses que acabamos
de repetir, Proli tinha posto o sobr^tudo
e agarrado no chapes e as luvas.
Estou s su.is ordens, minha queri-
da, diase elle, quando quiz>-r partiremos.
Depois, dando de novo o braj) av Caoi-
lia, couduzio-a ao coup, que a esperava
no pateo; fl a subir primeiro e eentou Be
ao lado d- Ha, depois coebeiro que os conduziase ao Palacio da
Justica.
No fim de vinte minutos chegaram.
T ndo j sido chamada ao gabinete do
juiz formador da culpa, a filha de Jayme
Bernitr sabia j o lugar em que se acha
va eolio ada.
Servio de guia ao doutor.
Este pareca absolutamente calmo, mas
no intimo nao deizava de experimentar al-
gumas angustias.
A partida que elle ia jogar era terri-
vel.
O perigo a que se expunha era formi-
davel.
Para o perder, bastava que urna suspei-
ta passasse pelo espirito do juiz formador
da culpa,
Quem sabe se essa suspeita nao lhe oc-
correria ?
Tudo pode acontecer.
Vil
Cecilia percorreu cerca de um terco da
longa galera para a qual sp abrem os ga-
binetes dos magistrados ; depois parou.
E' aqu, disse ella,, mostrando urna
porta,
Proli ia bater a essa porta, quando um
servente de escriptorio se approximou delle
e deteve-o com estas palavras :
Quem procura, senhor?
~r O Sr. de Gevrey.
Tem mandado d. comparecimento ?
Nao, senhor
Citacao como t?smunha?
Tambem nao, mas enho para nego-
cios com esta seahora.
Nao tendo sido convocados, tfio sei
se o Sr. juiz tormador da culpa pod-r re-
cebel-os.
Peeo-llie que faja o favor de lhe en-
tregar o meu >:artao de visita.
O italiano tirou da carteira um cartao-
pircellana, e entregou-o ao servente que o
recebeu e entrou no gabinete do magistra-
do.
Este estava s com o escrevente e com-
pulsava os documentas relativos ao proces-
so Jayme Bernier, que nao dava um pases
e ao qual o tribunal ligava grande impor-
tancia, porque os crimes cujos autores se
nao descobrem, espalbam no publico um
legitimo terror, inspirando Iba serias duvi-
das sobre o poder e a sagacidade da jus
tica.
O magistrado levantou a cabeca e com o
oliiar interrogou o servente, que respon
du :
Um senhor e urna senhora, nao con-
subsidio de deputados e senadores, at que
possa comparecer o ministro respectivo. |
c Sala das sessoes, 31 de Maio de 1886.
Affonse Celso Jnior.*
O Sr. Coelho^ Rodrigues (Io secreta-
rio,) nao vai discutir o adiamento, mas jul-
ga dever informar cmara que o honrado
Sr. ministro do imperio estove present?,
at ha pouco terapo, para assistir a esta
discussao; mas como a hora do expedien-
ta se prolongou muito, S. Exc. tevo de ir
cora parecer no senado.
O >r: Lourenco de Albuqu^rque no se
satisfaz com a inforraacSo do 1 secret rio;
porque nao s trata stnent- d preceito ro-
giinental, mas tambera de pratica parla-
mentar ; logo que a proposta do gaverno
foi convertida no projecto da commissao
nSo ha mais distinecao de artigos; por isso
vota pelo adiamento.
O Sr. presidente sustenta o procedimen-
la mesa, porque as propostas do governo
sao emendadas pela cmara e essas emen-
das vo para o senado separadas das res-
pectivas proposas.
O Sr. Pereira da Silva julga que o Sr.
ministro do imperio cumprio o seu dever
comparecendo discussao do art. i. do
projecto ; quanto ao art. 2. a presenca
de S- Exc. pode ser dispensada.
O Sr. Tarquinio de Souza requer e a
cmara approva o encerramento da dis-
cussao do requerimento, que sendo posto
a votos, rejeitado.
Continua a discussao do art. 2." da
pripoata.
O Sr. Candido de Ollvelra de-
monstra a necessidade da presenca do Sr.
ministro do imperio nesta discussao, por-
que o artigo que se discute autorisa a fa-
zcr operaco-s d) crdito ; ha poucos dias
veio emendado do senado um crdito que
a cmara tinha votado no mesmo sentido
do que se discuto e que o sonado man iou
pagar pela verba de exercicios findos, sen
do necessario mandar perguntar se esta
verba tinha margem para aqudh paga-
mento, e depcis da resposta affirraativa vo-
t u-se a substituicao feita pelo senado; o
artigo em discussao autorisa tres meios -
impostos, operacSes de crdito ou sobras
de outras verbas.
Nao vota pelo imposto, haja economa ;
nao se inclina para operacoes de crdito, c
sim pelo terceiro raeio ; para este era pre-
ciso que o Sr. ministro declarasse se ha
vera sobras em outras verbas, para o pro-
jecto sahir completo da cmara; se S.
Exc. nao est presente, estao presentes os
Srs. ministros deputados que poderSo in-
formar a cmara.
Ninguem mais pedindo a palavra, en-
cerrada a discussao.
Posto a votoa o art. 2., approvado.
Entra em discussao e sem debate ap-
provado o art. 3..
E' adoptado o projecto para passar
3,* discussao.
O Sr. Araujo Ges Jnior (pela ordem)
requer urgencia para sa discutir j o pa-
recer n. 118, que se acha na ordem do
dia, sobre a eleicao do 3. districto da
Babia.
O Sr. presidente responde que esse re-
querimento s poda ser attondido pela
mesa nos primeiros tres quartos de hora
da sessao.
Entiaem discussao o.projecto n. 32 de
de 1885, crdito de 142:5425486 ao mi-
nisterio da agricultura para a verba Te
legrapho8.
O Sr. Araojo Ges Jnior (pela ordem
requer o adiamento deste crdito at que
seja discutido e votado o parecer n. 118,
sobre a eleicao do 3. districto da Babia.
O Sr. presidente observa que a mesa
nao ple aceitar requerimento de adia-
mento sem prazo.
Vem mesa, lido, apoiado e posto em
discussao o seguinte requerimento :
< Requeiro o adiamento da discussao de
crdito do ministerio da agricultura at
que seja discutido e votado o parecer so-
bre a eleicao do 3. districto da Baha ;
sendo o adiamanto por 24 horas. Arau-
jo Odes t
.. Candido de Oliveira confessa que
este adiamento parece um quinao dado
mesa, por isso que o regiment manda
considerar como materia urgente a verifi-
cacao de poderes dos deputados ; mas en-
tende que os crditos tambera sao mate-
ria urgente; por isso vai ser mais realis-
vocados, desejam fallar ao Sr. juiz. Aqu
est o car tilo de visita.
Ricardo de Gevrey olhou para o cartao
e depois de ter lido o nome do Dr. Angelo
Proli, disse immediatamente :
Mande entrar.
O italiano e Cecilia foram immediata-
mente iritroluzilos.
A filha de J .yme Bernier tinha o rosto
oceulto por um veo preto muito espesso, de
maneira que o juiz formador da culpa nao
a pode re onhecer.
L:vantou se e dirigio-ae para Angelo, ao
qual estendeu a mo com cordialidade ma
nifestamente sincera.
Aqu, caro doutor! exclamou elle.
Quanto sou feliz com a sua visita, vem j
trzer-me a maravilhosa luneta inventada
pelo senhor e que minha mai spera com
tanta impaciencia ?
Ainda nao, replicou Proli, sorrindo.
S aman ha o objecto ficar prompto e te
rei a honra de eu mesmo a levar senhora
sua mai... Hoje traz-me sua casa, acom-
panhado da menina Cecilia Bernier, urna
eircumstancia muito extraordinaria e urna
incrivel corabinacao do acaso.
Emquanto fallava, designava a moca,
que levantou o veo.
A menina Bernier repotio o juiz
formador da culpa, muito sorprehendido e
comprimentando.
Sim, senhor, dase entilo Cecilia. O
Sr. Dr. Proli quiz ter a bondade leacom-
panhar-me para eu trazer-lhe os obje ;tos
que pertenerrara a meu pobre pai e que ti-
nham sido roubados pelo assassino.
O Sr. de Gevrey voltou-se para o italia-
no.
Entilo, disse-lhe elle, a sua viska
tem relacao com o negocio do caminho de
ferro de Lyon t
Sim, senhor, por muito que isto pa
reja inverosmil, priaeira vista.
- Tem na sua mo objectos que per-
tenceram a Jayme Bernier?... objectos
que elle trazia comsigo no momento da sua
trgica raerte ?
Sim, senhor, e vai avaliar a s ja gran-
de importancia.
fci do que o rei, oppoudo-sa ao adiament
proposto palo nobra deputado da maoria.
Recorda os motivos que perturbaram a
marcha parlamentar da sessao passada e
por isso nao lei o creHito em discussao,
pelo qual vota.
Nmguem mais pedindo a palavra, en-
cerrada a discussao do requerimento, que
posto a votos rejeitado.
Continua a discussSo do projocto.
Ninguem pedindo a palavra, encerra-
da a dis us.-o.
Posto a votos o projecto, approvado.
Posta a votos a emenda da commissSo,
approvada.
Passa o projecto, assira emendado, 3.a
dis usso.
VERIFlUAglo DE PODERES
Entra em discussS'j o pareoor n. 118 da
2 commissao de inquerito sobre a eleicao
do 3. districto da Babia, cassando o di-
ploma do Sr. Prisco Paraso e reconhecen-
do deputado o Sr. Aristides Augusto Mil-
ton.
O Sr. Araujo Ges Jnior (pela ordem)
requer que o Sr. Aristides August) Milton
seja convidado o vir defender a sua elei-
cao.
Posto a votos o requerimento appro-
vado.
(Entram no salao e tomara assento os
Srs. Prisco Paraizo, diplomado, e Aristi-
des Milton.)
Sao lidas as seguintes emendas ao pare-
cer n. 418:
a 4." Que sejam approvadas todas as
eleicoes que a 15 de Ja eiro ultimo se
procederam no 3 districto da provincia da
Babia.
t 2. Que seja reconhecido deputado o
conselbeiro Francisco Prisco de Souza Pa-
raizo, a quem foi expedido diploma pela
junta apuradora p>r ter alcancado a mao-
ria absoluta de votos.
Sala das sess8es, 31 de Maio de 1886
Candido de Oliveira. Alves de Araujo.
Affonso Celso Jnior.Pedro Beltrao.
Henrique Salles. Mascarenhas. Montan
don. o
O Sr. Prisco Paraizo nao viria
tribuna por si, mas obrigado a atten-
der a logitimidade do diploma que pela
quarta vez lhe foi conferido pelos dignos
elcitores do 3o districto da provincia da
Babia.
Lamenta as decepc5es por que nes.ta
sessao tem passado os brazileiros que amam
8nceraraeate a verdada do systema repre-
sentativo, vendo a cassacao de diplomas
legtimos e a missao partidaria sacrificando
os verdadeiros representantes do partido
liberal.
(Cruzam-8e apartes vehementes entre o
Sr. Barao de Geremoabo e o orador ; o
Sr. presidente reclama ordem,)
O orador declara estar disposto a res-
ponder a todos os apartes; apezar de estar
diante da urna grande forja da deputa$o
da sua provincia, appella para as deputa-
cojs das outras provincias.
NSo sabe como qualifiear o parecer su-
jeito discussao ; nao er que seja urna
chicana poltica, mas o que affirma que
em seu proprio bojo contera o germen da
sua destruicao.
Historia os processos eleitoraes das pa
rochias de Arguim, de Urabaranas e do
Outeiro-Redondo, mostrando a legadaJe
deesas eleicoes e os meios indecentes em-
pregados para, depois de muitos dias, se
declararem fraudulentas aquelles processos
eleitoraes.
Affirma que se a cmara approvar sa-
melfaantes nullidades propostas pela com-
missao, nao serao mais as eleicoes feitas
as urnas, mas nos cartorios dos respecti-
vos escrivUes.
Depois de multas outras consideracoes
justificando a suo eleicao, con-le resi-
gnando-se a qualquer decisSo da maieria
da cmara ; nSs pode ndo acreditar que a
moralidade deserta-se de urna cmara le-
gislativa por isso oceupou a tribuna em de-
feza dos direitos de seus constituiates.
O Sr. HiltOU solcita a benevolencia
da cmara, tanto mais precisa quando tem
de tratar de questao que lhe diz respeito,
posto que interesse em alto grao a urna
grande circumscripcao eleitoral da provin-
cia da Baha e aos direitos do partido con-
servador da mesma provincia.
Tem tido a honra de ser apresentado
candidato a deputado do partido conserva-
dor da Babia desde 1881 ; tem lutado com
t ida a dedieacSo e lealdade pelo triumpho
d i seu partido; at qu chegou a occasilo
de receber do seus eleitores um mandato,
contra o qual sa procurara m at expedien-
tes poaco honestos para o annullar.
Doclara (apoiado pela deputajao bahia-
na) que'do governe imperial nem do pro
vincial Bolicitou ou rejebeu o mnimo favor;
tanto que no seu districto continuam as
mesmas autoridades nomeadas pelo seu
contendor.
Affirma que o triumpho do orodor foi
urna surpreza para o seu contendor, que
havia usa to do todos os meios para ven-
cer a eleicao, ata sug^erindo a distinctos
conservadores a idea de apreseatarem-se
candidatos pelo 3o districto, mas o directo-
ro do partido esiolheu o orador, cujo no-
me foi sagrado as urnas pela mais esplen-
dida victoria, a qual foi annunciada em
toda a provincia sera contestacao immedia-
ti, como demonstra.
Pa33a a descrevor a nullidade das elei-
c3os de Arguim, U nbarana e Outeiro Re
dondo, affirmando com documentos a que
se soccorre qua taes eleico >s foram o re-
sultado da fraude mais revoltante.
Depois du outras consd raco-s sobra o
que tem sido as eleicoes do 3o districto da
Babia no dominio liberal, termina certo
de que o voto da cmara ha de consagrar
a vordade e a moralidade das eleicSea, uni
co desidertum a que sempre procurou at-
tingir o partido conservador quer em_ op-
posijao, quer no governo.
Esta discussao fica adiada pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia
para 1 da Junho.
SESSAO EM 1 DTjUNHO DE 1886.
PRESIDENCIA DO SR. ASDRADE FIQDElRA
Ao msio-dia, feita a chamada a que res-
ponden! 90 Srs. deputados, abre-se a ses-
sao, seto minutos depois do meio-dia.
E' lila e approvada a acta da sessao
antecedente.
O Sr. Io secretario d conta do seguinte
expediente :
Sao approvadas as seguintes redaccoas do
projecto n. 33 de 1885 : emendas feitas e
aprovadas pela Cmara dos Daputalos
proposta do poder executivo que augmenta
do 107:000|JOOO o cradito concedido para
a verbaobras publicas do orcamento do governo.
Ministerio da Agricultura, Commercio el
Obras Publicas no exercicio de 1884 1885.
Accresconte-se no lugar competente:
>t A Assembla Geral decreta:
Art. l. (como na proposta).
o Art. 2. (substitutivo) Para occorrer
reconhecendo deputado pelo 1. districto da
provincia do R:.o Grande o Dr. Paulino
Fernandas Rodrigues Chaves.
N. 122, maullando o diploma do coro-
nel Joaquim Pedro Sulgado e reconhecen-
do deputado pelo 2 districto da provin-
cia do Rio Grande do Sul o Dr. Antonio
Caetano Seve Navarro.
O Sr. Silva Tarares julgar-se-ha
dispnsalo de o upar a tribuna sobro ne-
gocios da provincia do Rio Grande do Sul,
depois do discurso hontem pronunciado pelo
nobra deput ido o Sr. Lucena, se nao fos3e
o firme proposito, eco qua se acha, de nao
deixar passar urna proposicao proferida no
Senado a respeito d'aquella provincia.
Historia como desde 1872 o honrado
chefe liberal do Rio Gran le eons^guio do-
minar a provincia, mesmo no dominio con-
servador; S. Exc. apregoava que todos os
beneficios do Governo geral sua provin-
cia eram devidoj propria influencia de
S. Exc.; mas, quem descer apreciacao
minuciosa dos factos, ha de reconhecer
que a essa gran le influencia o Rio-Grande
nao deve seno grande copia de males.
Mistra que nielhoraraentos materiaes do
Rio Grande foram decretados quando pr ;*i
denta do conselho o finado Visconde do Rio
B-anco ; mas a para desses melhoramen-
tos qua foi executada pelo partido liberal
foi mal dirigida; que, quanto s naneas
da provincia, ficaram estas em situagSo de-
ploravel.
Quando transferencia de offi:iaes do
exarcito em grande numero, por serem li-
beraes, censura feita p -lo Sr. Visconde de
Pelotas, o orador affirma qua s foram
transferidos dous officians para fra da
provincia, as outras transferencias tiveram.
lugar na provincia, por conveniencias do
servico.
i
Refere o estado em que se achavam os
corpas na proviacia, cujos offi;iaes se acha-
vam em grande numero na capital, apezar
das reclamacoesdos commandantasdasfron-
teiras.
Quanto aos commandos da3 frontairas, o
orador considera de completa contiacca do
A um signal do magistrado, o escreven-
te tinha apresentado duas cadeiras aos re-
cem-chegados.
Rogo-lhes que queiram sentarse, dis-
se o Sr. de Gevrey ; expliquam-se, con-
fesso que estou prodigiosamente curioso.
Trata-se de um aohado, disse o ita-
liano, com imperturbavel ousadia, e esse
acbado devido ao senhor.
A mim 1 exclamou o juiz estupe-
facto.
Pelo menos a sua visita minha casa
de saude com a Sra. sua mili. Nao cora-
prehen le, mas j vai camprehender. Ira-
raediatamente depois da consulta, resolv
ir, sem mais demora, ao lapidador de crys-
tal, que mora na ra Vieille du Temple,
afira de lhe encommendar os vidros combi-
nados que deviarn produzir o effaito que
eu esp'rava. Um interminavel erabaraco
de carruagens obrigou-me a sahir do meu
coup. Estava perto da casa onda mora
Touroelli ( o nome do meu homara) quan
do vi no passeio e no meio da lama este
objacto qua aqu est.
Angelo tirou do bolso do sobretudo a
carteira que conhecemos.
EntSo, perguntou oSr. de Gavry,
cada vez mais espantado, entilo esta car
t ira...
Pcrtencia a meu pai, senhor, disse
Cecilia.
Est certa disso, minha senhora ?
Grande numero de objectos desta ordem
parecem-sa a ponto de 8a confundirem.
Aqui o erro impossivel, porqua os
documentos que contm nSo dao lugar a
duvidas.
- Entilo o qua contm a carteira ?
Foi Angelo quera respondeu :
Contm, primeiro, um recibo assig-
nado por um banquero de Marselha, de
una sorama de um milhSo e duzantos mil
francos, depositada por Jayme Bernier...
Em seguida um rascunho de testamento
redigido por um tabellio de Dijon, o Sr.
Benjamn Leroyer.... Finalmente, urna
carta escripta pelo Sr. Bernier a sua filha,
no dia 1 de Dezembro ultimo, carta que a'
despeza de que trata o art. 1. autori-
sado o Governo, na deficiencia de sobras
da recaita, a fazer as operacoes de crdito
nejessarias.
< Art. 3. (Como na proposta.)
f Sala das commisso'es, em 29 de Maio
1886.=^. Coelho Rodrigue. =iMattoso da
Cmara, y
Projecto n 41 de 1885 : Emendas feitas
e approvadas pela Cmara dos Deputados
proposta do poder executivo, que abre
ao Ministerio da Marinha um crdito ex
traordinario de 50:3855il08 para occorrer
s despazas das rubricasCorpo da arma-
da e combustivel -do orcamento para o
exercicio de 1883 -1884.
u Accrescente-se no lagar competente :
A Assembla Geral decreta :
Arts. 1. e 2. (Como na proposta.)
Art. 3.o (Additivo.) Revogam-se as
disposicSes em contrario.
c Sala das commisso'es. 29 de Maio de
1886.=.. Coelho Rodrigues.=Mattoso da
Cmara.
Projecto n. 42 de 1885 : Emendas feitas
e approvadas pela Cmara dos Deputados
proposta do poder executivo, que abre
um crdito supplementar de 43:5260641
para attender s despezas das rubricas
Alunicoes navaes e eventuaes, do exercicio
de 1883 -1884.
Accrescente-se no lugar competente :
c A Assembla Geral decreta:
< Arts. 1. e 2. (Como na proposta )
< Art. 3. (Additivo.) Ravogam se as
disposiges em contrario.
c Sala das commissSes, em 29 de Maio
de 1886=4. Coelho Rodrigues.=Mattoso
da Cmara.
Suo li Jos e vo a imprimir para entra-
rrem na ordem dos trabalbos os seguintes
pareceres das commissoes de inquerito :
N. 121, annullando o diploma do con-
selheiro Antonio 'Eleuterio da Camargo e
menina Barnier havia perdido, segundo me
disse.
Aqu-lla carta que a menina perdeu e
que contiuha a soturna de quinhentos fran
eos ? perguntou o Sr. de Gevrey.
Sim, senhor.
O juiz formador da culpa- abri a car-
t ir.
Tirou da d-ntro primeiro o recibo, abri
e proeurou com os olbos, dizen lo :
Felicito-a, minha senhora por ter en-
trado na posse deste doenraento... E' para
a senhora le urna importancia capital ;
visto que pela sua apresentajao o deposita-
rio da toruna do Sr. Jayme Bernier ter
qu entregar lhe essa fortuna.
Depois de dizer isso, o Sr. do Gevrey
agarrou no outro papel.
Isso,. disse o itiliano, o rascunho
ou antes o projecto do testamento. Foi
lendo o que eu soube a morata de Anglo
Bernier. Apresantai me logo no seu domi-
cilio, para lhe restituir a carteira e o seu
Toeando na terminacao da guerra do Pa-
raguay, diz que ura grupo de otficiaes se
distingui tanto que mereceu toda a consi-
derajao do governo conservador; o gene-
ral Usorio, que se achava testa da sua
fazenda, recebia todos os seus vencimentos
como se estivesse em campanha; subindoo
partido liberal, o que foi devido em gran-
de parte a Osorio, sendo este ministro de
um gabinete, continuou a percebar todos
os vencimentou; mas pelo simples facto de
nao querer acompanhar em todos os desa-
tinos o Sr. Silveira Martins, este, nao po-
dendo vingar-se em vida, depois da morte
do Mrquez do Herval, fez com que o Sr.
Visconde de Pelotas, entilo ministro da
guerra, expedisse um aviso obrigando os
filhos de Osorio a ontrarem com os venci-
mentos que seu pai havia recebido alm
dos de ministro de estado.
Pede ao Sr. ministro da fazenda que to-
me na devida consideracao a carta que o
orador recebeu e que entrega a S. Exc.
a respeito de semelhante facto anmalo.
Passa a responder a alguns pontos do
discurso do Sr. Silveira Martins no sena-
do, cujo talento sent nao ser aproveitado
em servico do paiz; recordando a situacao
dos conservadores rio-grandonses no domi-
nio de S. Exc., e lendo a extensa lista de
empregados de todas as categoriaa da pro-
vincia demittidos, transferidos e aposenta-
dos.
Terminando descreve os esbanjamen-
tos feitos pela Assembla provincial e pelas
administrares liberaes e as cconomiasj
realisadas pela administracao conservadora
fazeudo excepcjlo na primeira serie da ad-
ministracao do Sr. Jos Julio.
O Sr. Alcoforado (pela orderajrequer cTnc
minutos de urgencia para tratar do falleci-
mento do Sr. Gaspar Drummond.
Posta a votos a urgencia, approvada.
O Sr. Presidente: Tem a palavra
nobre deputado.
[Continuar se ha)
conteu lo ; e entilo soube do seu desgraca
do fim e eonheci a grande importancia do
meu achado.
Grande impjrtancia, com effeito, mui
to grande I apoiou o juiz formador, e de-
pois aee.rascentou :
Vejamos qual o thaor desta testa-
mento.
E poz-se a 1er com toda a attencao.
Piroli, cora os olhos tizos no rosto delle,
estudava-lhe a physionomia e via que ella
se tornara cada vez mais sombra medida
que pros-guia na leitura.
Eis aqui o que extrardinario, dissa
elle, quando acabou. Este testamento, se
foi realisado, tira menina Cecilia Bernier
urna grande parte da fortuna de seu pai,
era proveito de sua filha natural, Angela
Bernier I I
So, senhor, respondeu Cecilia.
Sabe, menina, se seu pai teria feita
testamento por esta forma?
- Ignoro-o absolumente, senhor, visto
que ignorava mesmo a existencia de minha
irmS natural. Na sua carta, meu pai pre-
vinio-me qua se demorarla em Dijon para
negocios. Esaes negocios levaram-o ao
cartorio do tabellio, qqe talvez o aconse-
Ihasse...
__ E' evidente, e accrescentr:rei que, se-
gundo parece, Angela Bernier devia igno-
ral-o, como a senhora.
Proli interveio:
Resta saber, disse elle, se o testamento
existe, ou se ficou em estado de projecto.
O que me parece mais particular, mais
inexplicav. 1 de tudo isto, proseguio o ita-
liano, a carta escripta pelo Sr. Bernier
sua filna, perdi i a por esta e tornada a en-
contrar n i carteira e tendo estes riscos, pa-
ra os quaes chamo a sua attencao.
Que riscos ? perguntou e magistra-
do.
Silo as palavras, a3 phrases subhnha-
das a lapis azul.
Vejamos isso.
O juiz formador da culpa tirou do en-
veloppa a carta que j duas vazes fisemos
passar pelos olhos dos nossos Ieitores e exa-
miniu linha por linha, syilaba porsyllaba.
Da vez em quando earregava as sobran-
celhas. >
Para mira in iiscutivel que o agente
Caseneuve tinha acertado Esta carta, per
dida pela menina Cecilia B-rnier, foi o va
de mecum do assassino.. Tracou-lha o iti-
nerario, as plirases sublinhadas assrm o pro-
vara. O assassino por esta carta conhe-
cia a hora em que B-rnier partira de Mar-
selha. .. os lugares em que devia parar e
as horas em qua devia tornar sa a por a
caminho. .. Os outros papis foram rouba-
dos eora os trezentos mil francos de que
ell era portaior. eo UdrSo perdeu a
carteira. Est em Pariz. Pois bem em
Pariz que o procuraremos, e com o i auxi-
lio de Deus ha vemos de enconlral-o !
S*be, caro doutor, que nesta oecasiao est
representan lo siraplearaente o papel da
Providencia ? Restituio a vista a minha
mai 1 Restituio menina Bernier a sua
fortuna compromettida e finalmente presta
justica um serv'co assignalado. V
i Continuar-se-ha)
, .- 7,

"T/p. do Diario, ra Duque de Casias n. 42
m "^