Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16593


This item is only available as the following downloads:


Full Text
El O 121




/




P1HA A C'.lPlpAL. JLl JAIWIPN ONDE NAO SE PACA PORTE
Por trea mezes adianadoe ... ........ 60000
Por seis ditos idem...... ......... 120000
Por um armo idea................. 24)000
Cada numero amigo, do meuno da............ 1100
TEBCA--PEIBA
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
' Por seis meaes adiantados......... ..... 13^5n
Por novo ditos idem................. 2*!w>
Por uxn anno dem.....#........... 270OOP
Cada numero avulso, de dias anteriores. *....... 0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Pr0prie}al>e ^e JJtaiwel Jigatvcfa i>* Jara & M\]os
-^
TELEGRAMMAS
ssst::: rAB-icnu so siasio
RIO DE JANEIRO, 31 de Maio, a 4
horas e 10 mnalos da tarde. (Recebido s
5 horas e 16 minutos, pelo cabo subma-
rino).
II ,<. na turnara dos Deputadoa. o
denembarsador Oenrlqae Perelra
de Lacena, om defeaa do ea ac-
tos como presidente do Rio Grande
do Sal. proferto um Importante dis-
canto.
Olr. Pedro Beltroapresenton nm
requer me n I o. caja discasso leon
adiada per ter pedido a palavra os-
tro deputado. pedlndo lnformacdea
acerca das occarrenclas liavldas na
Assembla Provincial de Peraam-
buco. segundo teiegramma que re-
ceben do Sr. Baro de Calara.
Forana nomeados t
Presidente da Junta de Hygiene da
Parabyba. o Dr. Cruz Convela t
Inspector da sade do porto da
mesina provincia, o Dr. Agnello Fia
lbo.
Foi declarado avulso o Juiz de
dlreito da comarca de traja mi. no
Maranbo. bacharel Antonio los
Marques.
Foi nomeauo Juiz municipal e
de orpbos dos termos reunidos de
fant'Anna de Mattoa e Analcos, no
Rio Brande do Norte, o barliarel
Francisco Pinhelro da Cmara.
Forana* xonerados dos cargo*
de presidente de provincia :
De Pernambuco. o conselbeiro lo-
s Fernandes da Costa Perelra J-
nior :
Do Uaranliao. o conselbeiro Joe
Capisirano Bandelra de Mello i
De S. Paulo, o conselbeiro Joao Al-
fredo Correa d'Oliveira.
Foi aposentado o director eral
da Secretarla de Marlnba, conae-
lbcii'o Sabino Eloy Pessoa
Forana promovidos na mesma
Secretaria:
A' director eral, o director de aec-
rao commendador Adolpbo Paulo
de OliveJra Lisboa r
A' director de seceo. o 1. o m ti ai
commendador Jos Mara Bomtem-
po t
A' 1. oulcial. o S." commendador
Jos de Mello Fayo
A' *. olcial. o amanuense capi-
to iullnerme Frederico Martlns.
mu;: ba limu satas
^Especial para o Diario)
PARS, 30 de Maio, de manha.
A maioria da commissao nomeada
pela Cmara dos Deputados para
eliminar a proposta tendente a ex-
pulsar da Franca smente o Conde
de Pars favoravel A expulso ge-
ral de todos oa pretendentes dins-
ticos.
PALERMO, 30 de Maio.
A crupr&o do Etna diminue de in-
tcnsldade.
VENEZA, 30 de Maio.
ciiolera naorbus fes boje 1* vic-
ti
LONDRES, 31 de Maio.
Julga-se que o mu. relativo a re-
forma irlandesa sera adoptado pela
Cmara dos Comnauns.
PARS, 31 de Maio.
Os Principes d'Orleftes eato de
volta em Pars.
Agencia Hars, filial
31 de Maio de 1886.
Pernambuco,
INSTRDCCiO POPULAR
xeando. O que a ualureza, porm, Ihe recuadra em
dutea physicos de furmosura e elegancia, dea-lh'o
profusamente em habilidade manual e. liuura de
en gen bu.
Vulcu.no tornou-ie dutinctissima no fabrico das
armas, e em geral as applicacoes ntihasntaa que
industrialcente soube fazer dos diversos metaea.
Oa primorea d'arte raais celebres da antigaidade
mythologica, todos o paganismo lhe attrlbue ; taes
sao por exemplo o sceptro de Jpiter e o de Aga-
memnon, as armas de Marte, o tridente de Neptu-
no, o collar de Venus, o esoudo de Achules, a- ar-
madura de lineas, etc., etc.
Foi na lha de Lemnos que Vulcano estabeleceu
suas forjas e oficinas ; mas outras teve tambem no
archipelugo das ilhas Lipari e as cavernas do
monte Etna.
Eram aeus officiaes os Cyclopea, gigantes mons-
truosos de urna forea formidavel, que tinham ape-
nas um olho, e este no meio da testa. Filhos do
Co e da Terra (seguudo uns) ou de Neptuno e
Amphitrite (segundo outros) os Cyclopea foram
afiual mortoa por Apollo em vinganca da haverem
forjado o raio com que Jpiter f jlminou Esculapio.
Representase Vulcano sob a figura de um ho-
mem robusta mas ioio, de barba crescida e cabel-
los desgrenhados, nu da cintura para cima e ala-
gado em auor. segurando n'uma das oaos um mar-
tello e na outra urna tenaz de ferreiro. Venera-
dissime entre os poves da antguidade, Vulcano, a
quein ob Gregos davam e nome de Hephaiatos, ti-
nha numerosos templos entre os Romanos, templos
habitualmente guardados por caes. D'entre os
animaes era-lhe consagrado o leSo.
Por ter as feicoes notavelmente feias, difficil foi
a Vulcano, apezar de sua alta estirpe, encontrar
densa que por marido o quizesse.
E todava... a mais formosa de todas, essa foi
exactamente a que o dcua ferreiro para si cubicou,
Venus, a densa da belleza !
Deu-lh'a Jpiter em casamento como signal de
gratuito por ser Vulcano quem fabricava os rajos
para seu pai. Outros dizem, porm, que tal uniio
fra o premio efferecido pelos dense, quando Val-
cano se prestara a satisfazer- lhe8 o pedido que
lhe haviam feito de desatar o intrincado n da ca-
deia com que Jpiter prendera em tempos e sus-
pender entre o co e a trra a impertinente Juno.
Seja como for, Vulcano casou efectivamente
com Venus. Longe, porm, bem longe estava o
deus ferreiro de suppor qoantoa desgostos lheacar-
retaria a constante volubilidade da sua gentil es-
posa !
Venus era filha de Jpiter e de Dione (urna das
nymphas martimas). Phantasiam-lhe outros mais
poticamente a origrm, dizendoque nascera da es-
cuma do mar. Logo ao nascer, Venus cansn por
sua deslumbrante belleza o pasmo de todo o Olym-
po,e inmediatamente a proclamaram bella entre aa
bellas quantos a viram.
Tal foi igualmente o voto de Paria quando con-
vidado a formular o seu juizo entre Venus, Mi-
nerva e Juno.
(Contina)
. MYTHOLOGIA
(Extrahido)
OA BIBLIOTHKCA DO POTO B DAS ESCOLAS
(ConhmwH&o)
Vulcano. Vens e Cupido
Vulcano, venerado pelo paganismo como deas do
fogo, paaaa por ter aido o onieo filho masculino
que Jpiter bouve do sea consoreio com Juno.
Quando ,basceu era to feio e disforme, que J-
piter n'ua accsso de impetuoso despeite olvidon
os deverea/da paternidade a ponto de arrumar no
filho um rjmtap, com que brutalmenie o precipi-
ten do ce*. Da queda lhe resultan quebrar ama
persa, n conseqnencia do que fitou sempre eo-
tSoverno da Provincia
EXPEDIEHTB DO DI 21 DE HUIO DB 1886
Asto :
O vice-presidente da provincia tendo em vis-
ta a proposta do administrador dos correios, em
officio n. 455 de 22 do corrente resslve de confor-
midade com a lei n. 2,794 de 20 de Outubro de
1877 nomear a D. Mara -Jas Dores de Oliveira
Maciel para exercer o cargo de agente do correio
da cidade da Victoria, em substituicao do respe! -
ctivo serventuario Manoel Mariz Gomes Silveira
exonerado a seu pedido. Communicou se ao
administrador dos correios.
Officios :
Ao commandante das armas. Sirva-se V.
Etc. de remetter-me segunda via do3 pedidos a
que alinde o commandante da companhia de caval-
lara no officio, por copia, annexo ao desse com-
mando, de 30 de Abril findo, sob n. 233.
Ao mesaio Deferindo o requerimento do sol-
dado do 2 batalhao de infantaria, Jos Mendos da
Fonseca, autoriso V. Exc, 4 vista da sua informa-
cao n. 283, de 22 do corrente, a conceder-lhe baixa
do aervico do exercito, mediante substituto, se
este tiver os requisitos exigidos por lci.
Ao presidente da provincia das Alagoas.
Por officio de 30 de Marco ultimo, solicitou V.
Exc. que esta presidencia providenciasse no sen-
tido de permittir-se s autondadea policiaes e
aos ag-ntes fiscaes do Porto Calvo e de outros
districtos poderem transpor oa pontos Campos
Fros e Palmares em perseguico de contra-
bandos, sendo os mencionados agentes eficazmen-
te auxiliados nesse empenho pelas autoridades po-
liciaes dos ditos pontos que pertencem a esta pro-
vincia.
Em respasta ao citado officio, devo dizer a V.
Exc. que nao pode ter lugar a medida solicitada,
porquanto nao s difficil ser pmvar-se a proce-
dencia da mercadoria encontrada em poder de
commerciantes as alludidas localidades, como
por que provavelmente dessa meiida resaltarlo
conflictos e abusos prejudiciaes Fazenda, con-
forme opinou o The8ouro Provincial a quem ouvi
a respeito do assumpto
Ao eommandante superior da Guara Na-
cional da comarca de Garanhuns. Faco constar
a V. S., para os devidos fius e em resposU ao seu
officio de 16 de corrente, que, nao tendo Jos Pei-
xoto de Mello Caj, nomeado capitao da 2" eoopi-
nhiado 57- batalhao da Guarda Nacional d'essa
enmarca, prestadojuramento dentro do praso le
gal, perante o tenente-coroncl commandante do
mesmo batalhao, nico competente para deferir o
dito juramento ooa termos do art. 81 do decreto
n. 722, de 25 de Outnbro de 1850, couforme se
declarou a csse commando em officio de 15 de De-
zembro do anno pasando, foi por esse motivo con-
siderado sem effdito j. nomeaeilo de Mello Caj
para aquelle posto e nomeada capitao da referida
companhia o cidado Jos de Barros e Silva, a
quem devora V. S. reconhecel-o coma tal, man-
dando cumprir a respectiva patente pela forma
indicada no 24 do art. 1 do decreto n. 1,354,
de 6 de Abril de 1854.
__ Ao inspector do Thesouro Previncial.
Neata data indefiro o requerimento, que se refere
a informaco n. 587 prestada por Vmc. em 21 de
Abril ultimo, em qin o eog*nheiro Henrique Au-
gusto Milet, pede aposentadoria na Ingar de en-
genheiro de districto da Reparticao das Obras
Publicas, vuto nao ter o mesmo engenhciro Milet
completado o tempo legal de que falla o art. 41
da le n. 1,860 de 1885. Communicou-so a Re-
partici) asObras Publicas.
Ao director do Presidio de Fernando de No-
ronha. Sciente do motivo pelo qual Vmc. man-
dn abater cinco rezea da prodnco detsa ilba
para o consumo dos sentenciados, approvo o seu
HCto ficando assim respondido o wfficio n. 139 du
16 do corrente.
Circular :
Aos presidentes das juntas classificadoras de
i scravos dos municipios da provincia. Tendo o
Ministerio da Agricultura, Commercio e Obras
Publicas procedido, como consta do aviso circular,
le 0 de Abril ultimo, ditribui}ao da 7" quota
do tundo de emanicpaco,^ destinado a esta pro-
vincia a qnantia de 130:0001, proporcional po-
pulacho escrava existente em 30 de Junho do an-
no passado, reeolvi nosta data ordenar applica-
ces da meama quota ; em virtnde do que coube a
esse municipio a quantia de.........correspon-
dente a.... eecravos. _
Recommendo, portante, que, reunida no da...
de... a junta claasificadora, da qual Vmc. pre-
sidente, e que funecionar, pelo menos, 15 dias
consecutivos, nos termos das ordens em vigor, se-
jam clasificados tantos eseravos quantoa pode-
rem ser libertados pela dita quantia e saldos an-
teriores, observada sempre a ordem gradativa da
circular desta presidencia, de 10 de Fevereiro de
1883, e outras determinacoes.
Segundo o dito aviso, continuar em vigor, na
forma do 7. do art. 3. da lei n. 3.270, de 28 de
Setembro do anno passado, at o encei ramento da
nova matricula, o processo actual da avaliacao
dos eseravos, o qual, entretanto, no poder exce-
der dos valores mximos, fizados pela tabella do
I. do citado artigo.
Para esse assumpto chamo especialmente a at-
tencio do agente fiscal membro da junta.
Recommendo, outrosim, conforme o aviso men-
cionado, a maior vigilonjia para impedir o abuse
de aerem libertados, por conta do fundo de eman-
cipado, eseravos que, por sua idade, tenham do
aer conaideradoa livros dentro de pouco tempo, de
accordo com o 10 daquelle artigo.
Approvada a classificacSo por esta presidencia,
depoia do que decorrer o prazo do art. 34 do re
gulamento de 13 de Novcmbro de 1872, proceder
o agente fiscal de conformidade com o art. 37 e
seguintes.
Finalmente, cont que aos trabalhos da junta
presidir o maior criterio, afim de n5o se tornarem
necessarias altcracoei n- classificacao, visto que
at o encerramento da nova matricula, em 30 de
Marco do anno vindonro, dever estar concluido
em toda a provincia o servico de libertacao pela
mencionada 7. quota.
Circular :
Aos uizes de direito das comarcas especiaes
e aos municipaes e de orphoa dos termos da pro-
vincia.Tendo o Ministerio da A gricultura, Com -
mcrcio e Obras pjblicas procedido distribuifio
da 7. quota do fundo de emancipafao, como con-
sta do aviso circular de 6 de Abril ultimo, e des
tinada a esta provincia a quantia de 13G:0U0*,
proporcional populacho escrava existente em 30
de Junho do anno passado, resolv, nesta data,
ordenar a applcaca; do mesma quota, em virtude
do que coube a esse terma a qnantia de... corres-
pondente a... eseravos.
Para esse fiua reco.nmende hoje ao presidente
da respectiva junta claasificadora que. reunida
esta no da... de... e funecionando, pelo menos,
15 dias consecutivos, nos termos das ordens em vi-
gor, aejam classificados tantos eseravos, quantoa
poderem ser libertauos pela dita quantia e saldos
anteriores, observada a ordem grada-.iva da cir-
cular desta pre8idencii, de 10 de Fevereiro de
1883, e outras determinacoes.
Segundo o dito aviso, continuar em vigor, na
forma do 7.o do art. 3. da lei n. 3,270, de 28 de
Setembro do anno passado, at o encerramento da
nova matricula, o processo actual da avaliacao
dos eseravos. a qual, entretanto, no poder exce
der dos valores mximos, fixados pela tabella do
1. do citado artigo.
Para este assumpto chamo espscialmente a at-
tencao do agente fiscal, assim como a de Vmc.
Em cumprimento do aviso citado, recommendo a
Vmc. a maior vigilancia para impedir o abuso de
serem libertados por conta do fundo de emancipa-
cao eseravos, que, por sua idade, tennam do ser
considerados livres dentro de pauco tempo, de
accordo com o 10 d'aquelle artigo.
Concluida a classificacao e approvada por esta
Presidencia, decorrer o praso do art. 34 do regu-
lamento de 13 de Novembro de 1872, findo o qual
proeeder-ee-ha na forma do art. 37 e seguintes.
Finalmente, contoque Vmc. se esforcar, quanto
pudei, para que at o encerramento da nova raa
tricula, em 30 de Marfo do anno vindouro, esteja
concluido o servicn da libertacao pela 7 quata.
Portaras :
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem r, at Penedo, no vapor
que seguir para o sul a 10 de Junho prximo, ao
promotor publico da comarca de Floresta, par conta
das gratuitas, a que o goveroo tem direito.
O Sr. erereote da Companhia Pernambucana
mande concedor passagem proa, por conta das
gratuitas a que o governo tem direito, at ao pre-
sidio de Fernando de Noronha a Marcellina Oioa-
aia do Sacramento, que para ah segu para con-
trahr matrimonio com o sentenciado militar Pedro
Jos Paulo dos Santos.C mmunicou 'se ao direc
tor do presidio de Fernando du Noionha.
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Reeife ao S. Francisco sirva-se de mandar dar
passagens, em carro de 3* classe, para serem des-
contadas opportunamente das gratuitas, a que o
governo rem diieito, di estacas das Cinco Puntas
de Una, s pracas de commando do corpo de po-
lica, Severino Goncalve'a da Rocha, Jos des Pas-
sos Baptista, Luiz Jos de Franca e Joaquim Fer-
reira da Silva, e aos criminosos J<<2o Mendes de
Barros e Antonio Jos do Nascimeuto.
O Sr. encarregado do prolongamento da es-
trada de ferro do Recfe ao S Francisco, na es-
tacSo de Palmares, mande dar passagens, em
carro de 3a classe, de ah at a de Canhotinho, por
conta da provincia, i pricas do-corpo de polica,
Jos dos Passos B.ptista, Luiz de Franca e Joa-
quim Ferreira da Silva, que vao1 destacar em Ga-
ranhuns
O Sr. engenheiro chefe do prolougamento da
estrada de ferro do Reeife ao S. Francisco e da do
Recfe a Cmara mande dar transporto da esta-
cao central cidade da Victoria, em carro de 3*
classe por cunta do Miuisterio da Guerra, ao cabo
do 2o bata hao de infantaria Joao dos Santos da
Silva, que vai depor como testemuDha no processo
do reo Joa Thom de Oliveira, conforme requesi-
tou o reipectivo juiz municipal ao brigadeiro com-
mandante das armas.
EXPaDIEHTE DO SECBETAaiO
Officios :
Ao Io aecrfltario da Assembla Provincial.
De ordem do Exm. Sr. vicepresidente da provin-
cii transmiti a V. S. a informaco junta, por co-
pia, de 18 do corrente, prestada pelo Exm. bapo
diocesano sobre o as-umpto do seu ocio, a que
respondo, n. 75, de Io de Abril fiado.
Ao commandante las armas.De ordem do
Exm. Sr. vic-presidente da provincia, rem/rtto a
V. Exc. a inclusa porta-a de passag-m para o
cabo io 2 batalhao de infantaria de que trata o
seu officio n. 283, de 21 do corrente.
Ao commandante do corpo de polica in-
terino O Exm. Sr. vice-presidente da provincia
manda eommunijar a V. S. que exarou boje o se
guinte despacho em seus offios de 22 do corrente,
sob n. 486 e 478 acerca de ajada de busto a offi-
ciaes desse corpo.Reaiettido ao Sr. inspector do
Thesouro Provincial par* mandar attender.
DESPAPHOS DA PRESIDKNCIA DO DA 29 DE
MAIO DE 1886.
Ant'iiio Alvea Ma.-hali outros.JA tendo os
autos seguido pira o Tribunal da Relaco, segun-
do informa o Dr. juiz de direito da comarca da
Eacada, nao b qu>- deferir.
Argemira Guilhermin* Feitoaa Brechenfeld.
Concedo sem vencimeut a.
Autouio Ferreira Nobr-ga.Sim, com as res
trceoes do estyl >.
Bacharel Francisco -antiago Ramos.Sim.
Iguucio Marcolioo Bezerra do Aicaral.-Infor-
me com urgencia o Sr. commandante sup" ior da
guarda nacional das comarcas de Olinda e Igua-
rasB, conforme lhe foi ordenada por despacho de
22 de Fevereiro ultimo,
P,.dre Joao Rodrigues da Costa.Como requer.
Jos Elias da Rocha. Iufarme o Sr. Dr. chefe
de polica.
Manoel Pedro do Amparo.Encaminhe-se, pa-
gando o supplicante o porte na reparticao dos cor-
reios.
Manoel Marques da SilvaRemettide ao Sr.
inspector do Thesouro Provincial para mandar
attender.
Maximino da Silva Gusmo Nao tendo o sup-
plicante concorrido praca, nao tem lugar o que
requer.
Pedro Ramos Lieuthier.Concedo um mez.
Vctor Leandro Pereira Lete.Remettido ao
Sr. Dr juiz de direito das execucoes criminaes do
Reeife, para prestar ao pedido a considerado que
merecer.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 31 de Maio de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegas.
Reparticao da Polica
Secgao 2aN. 440.-Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 31 de maio do 1836.
-Ulm. e Exm. Sr.Partecipo a V. Exc.
que foram recolhidos na Casa de D.'toncSo
os seguintes individuos :
No dia 29 :
A' ordem do subdelegado do Reeife,
Jorge, escravo de David Ferreira Balthar,
requerimento de seu senhor.
A' ordem do de Santo Amaro, Joao
Firmino de Brito Freir, por disturbios.
A' ordem do do Io districto de S. Jos,
Severiano Vieira de Souza, por disturbios.
No dia 30 :
A' rainha ordem, Joao Mendes dos San-
tos, como indiciado em crime de roubo e
por mandado do Dr. juiz de direito do
4o districto criminal, a cuja disposicaofica;
e Jos Polycarpo Lin3 Correia, por distur-
bios.
A' ordem do subdelegado do Reeife,
Mara Francisca de Souza e Runa Ma-
ra da Conceicao, por disturbios.
A' ordem do do Io districto de S. Joa,
Ezequel Jos dos Anjos, Francisco Jos
Filguera e oSo Ribairo de Souza, por dis-
turbios .
A' ordem do do Io districto da Boa-
Vista, Delfina Mara do Jess, por distur-
bios.
Gommunicou me o delegado do Io
districto da SerinhSem, que no dia 16 des-
te mez e em trras do engonho Anjo, os
individuos de nomes Manoel Felismino,
Joao Carpina, Joo Maricas, Nicolao Prin-
cipo e Augusto Pes3oa, estando embriaga-
dos e levados por ceumes, travaram entre
si um conflicto, do qual resultou ser Mv
noel Felismino ferilo com duas facadas
por Jo2o Carpina, afora diversas cacetadas,
vindo a fallecer quatro dias depois.
Dos delnquenos foram presos os de
nomes Joao Principe e Augusto Pereira, eva-
dindosa os demat?.
A tal respeito procedeu-se nos ulteriores
termos da lei.
O subdelegado da freguezia do Re-
eife remetteu a esta repartifSo um revolver,
um compasso, urna faca d ditas ordinarias, que foram tomadas di-
versos desordeiros.
Communicou-me o cidado Elyaio Al-
berto Silveira ter nesta data reassumido o
exercicio 4o cargo de subdelegado do Io
districto da Boa-Vista.
Na madrugada do ante-hontem, os
ladrSes arrombaram urna porta da casa n.
11 sita ra de Fernandos Vivir, onde
reside Francisco Jos da Costa e Silva e
tentaram penetrar nella, nao o fazendo por
terem sido presentidos e repellidos com al-
guns tiros.
A patrulha da guarda cvica, que se
achava as iinmodiacBasdacasa, incontinen-
te so apresentou; mas j no oncontrou as
ladrSes.
Na mesm'a occasio ouviram-se apitos de
alarme partidos da casa n. 10 da referida
ra, onde reside o subidito portuguez Ma-
noel Jos Vaz e inmediatamente para alli
se dirigi a patrulha, que ainda encontrou
os ladros, nao conseguindo, porm, pren-
del-os apesar de tel-os perseguido.
Haviam elles aborto urna janelli da sala
da jantar, onde entraram, e sendo presen-
tidos trataram de fugir, conduzindo apenas
um papagaio, que deixaram no caminho
quando eram perseguidos pola patrulha.
A tal respeito procedeu-se de accordo
com a lei.
Hontora, s 5 1/2 horas da tardo,
manife8tou-se incendio no 1. andar do
predio n. 49 sito ra do Bom Jess, onde
tem deposito de fazend*s e de movis, as-
sim como no pavimento terreo, o agento
de leil3es Thomaz de Gusmao.
Iramediatamente fui avisado pela esta
tacSo central telephonica e para alli me di-
rig encontrando j o subdelegado da fre-
guezia acompanhado de algumas pravas e
do inspector de quarteiro Jos Miguel dos
Santos, que foi quem priaieiro dera setn-
ela do incendio aquella autoridade.
Em seguida tambem comparacoram a
companhia de operarios militares da Arse-
nal do Guorra com a respectiva bomb, o
enmman .ante garal da guarda civica, os
coinmanlantes da 2.a, 3.* e4.a estacSo com
piquetas, o patrao mor 1. tenente Mos-
quita cora a tripolaclo que dirige e o pes:
soal do Arsenal de Marinha com urna de
suas bomb'ts.
Coinpareceram igualmente o superior do
dia, os ajadantea da ordens de V. Exc. e
do '.ominando das armas, e piquete do corpo
de polica e do 2o e 14 batalhSes delnha.
Maadei arrombar a porta do 1." andar,
por on.lo sabia muito fumo, o que se fita
na melhor ordem.
Estando presentes o agente Gusmao e
seus eropregados e abrindo o pavimento
t< rreo verificou se que nelle nao hava fogo,
pelo que voltando-so de novo ao 1. andar,
ch'gou-sa a evidencia que o incendio tinha
lugar na pirte posterior do predio e sobre
a oa porjao de capas de seda para chapeos
de sol.
Retiradas ai fazendaS incendiadas para
a sala da frente, onde hava mais espaco,
foi apagado o fogo com alguns baldes d'a-
sua-.
O incendio foi originado por um foga-
reiro que as moradoras do 2. andar inad-
vertidamente haviam collocado na ante-
sala junto a um- buraco por onde eahiram
algumas brazas sobre as mercadorias.
A's 7 horaa da noite eatava extincto o
incendio, sendo diminutos oa prejuizoa por
elle cauaadoa.
Nem o predio nem aa mercadorias est-
vara seguras.
Prestaram bona servijos em tal emergen-
cia os cidados Joaquim Carnpiro Lins de
Albuquerque, Raraao Jos de Fontes Fer
raz, Jos Antonio Moreira, Jos Miguel
dos Santos, Pedro Figueiredo, George Es-
tephano, Joo Burgos, Pedro Fontes Fer-
raz, Antonio Fangueiro, Manoel Moreira
de Souza o 2. sargento Joao Jos des
Santoc.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. D* Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vicepresidente da provincia.
-O chefe do polica, Antonio Dmingoos
Pinto.
inspectora Cieral da lustrueco
Publica
DESPACHOS DO DIA 25 DE MAIO DE 1886
Dina da Silva Coutinho, profesiora publica.
Cumpra-se e registre se.
Ad"laide Rosalina Bitteocourt Barbosa, profes-
fessora publica.Cumpra-se e registre-se.
28 -
Manoel Figuera do Naacimento, profesaor pu-
blico.'*umpra-ae e registre-se.
Jos Gancalves dos Santos professor publico.
Cumpra-se e regstrese.
Francisca Arselina dos Santos, professara pu-
blica.Cumpra-se e registre-se.
Joaquim Guilherme de Oliveira.Como requer.
Manoel Jos Martins, professor contractado.
Sim, mediante recibo e juntando procurado.
Fausta Pergentina de Lima Barros, professora
publica.Encaminhe-se.
Andrade Maia & C, na qualiiade de 'pro Mira-
dores do professor publico Manoel Clemente da
Costa S ntos.Informe o delegado Iliterario de
Garanhuns, declarando a data em que o suppli-
cante assumio o exercicio.
Secretaria da instruegao publica de Per-
nambuco, 29 de Maio de 1886.
O porteiro,
J. Augusto de Mello.
PERHAHBUCO
Assembla Provincial
35 SESSO EM 12 DE MAIO DE 1886
BESmlKCIA DO EIK. SR. DB. J03 UiSOEL DB BADBOS
WANDEBLKT
SuJ pediente.Regeico do requerimento do
Sr. Solonio de Mello, sobre delegados
ltterarios.Discussao do requerimento
do Sr. Juvenci Mariz, sobre a cmara
municipal'de Caruar. Discursos dos
Srs. Juvencio Mariz, Rodrigues Porto e
Juvencio Mariz.Adiamento da discus-
sao.Primeira parte da ordem do dia
Approvacao do projecto n. 70.2 dis-
cussao do art. Io do projecto n. 43 deste
anno (orcamento provincial)Apresen-
tacao e apoiamento de emendas.Con-
sideraces do Sr. Jos Mara.Encer-
ramento da discussao. Requerimento
do Sr Ferreira Jacobina Discuaso
do art. 2.Apresentacao e apoiamento
de emendas.Segunda parte da ordem
" do dia.Final da sesso.
Ao meio dia, feita a chamada e verificando se
eatarem presentes oa Srs. R ts e Silva, Luiz de
Andrada, Lonrenco de S, Constantino de Albu-
querque, Rxlrigues Porto, Coolhode Moraes, Joio
Alvcs. Prxedes Pitonga, Birros Wanderley, II r-
culano Bandeira, Reiro Mirros, Joao do Oliveira,
Visconde de Tabatiuga, Ferreir* Jacobina, Ju-
vencio Mariz, Solonio de Mello, Domingu^a da Sil-
va, Soares da Amorim, Joao d S, Sophronio Poi
talla, Antonio Victo-, Gomes Prente, Costa Go-
mes, Rogoberto e Julio de Barro), o Sr. presi len-
te declara a berta a aessao.
Camparecem depois os Srs. Jos Maria, AbJr
Dias, Regaeira Costa o Costa Ribeiro.
Faltam, com particpaclo, oj Srs. Antonio Cor-
reia, Augusto Franklin e Bario da Caiar, e sem
ella os Srs. Roaa c Silva, Goncalves Ferreira,
Amaral, Baro de Itapissuma, Ferreira Velloso,
Drummond Filho e Barros Barreto Jnior.
E' lda e sem d-'bate approvada a acta da sea-
Bao antecedente.
O Sr. 1* secretario procede a leitura do seguinte
EXPEDIENTE
Um officio do secretario do g iverno, dev .ven-
do infor nado o abaixo asagnado de mrreiciros
desta cidade. A quem fez a requisicao.
Urna peticao de Francisco Einygdio de Gus-
mao Lobo, propondo-Be a esabelecer nosta pro-
vincia mediante a concessao do doze annos, urna
fabrica vapor e moinhas para fazer farinha de
trigo e farello, dando-se-lh isenco de impostes
provinciaes e municipaes e obrigando-se o peti-
cionario a ensinar e sustentar a seis orphoa.A'
commissao de petices.
Outra de Manoel Gomes dos Santos, requerendo
o pagamento de 4002 que lhe deve a cmara mu-
nicipal de Nazareth. A' cammisso de cre-
mento municipal.
Outra de Manoel Olavo do Rcgo Barros, reque-
rendo o pagamento de 3:2502 que lhe deve aca-
mara municipal de Pao d'Alho pela constrnecao
da ponte sobre o rio Cureahi, em Roncador. A
aommissSo de orcamento municipal.
Outra de Marianna TVix-ira da Casta Coeliio,
profesora de Duarte Dias, requerendo entrar na
quadro das da terceira entrais em vista da lei
n. 1592A' oommisso de intruccaa publica.
Outra do Thomaz Antonio Maciel Monteiro,
professor de Tunbaoa, requerendo consignacao
da verba de 400 i de gratifieacio pela regfcncia da
escola nocturna.A' commissao de instruccjlo pu-
blica.
Vem a mesa, lda, apoiado, julgxdo objecto de
deliberado e vai a imprimir o seguinte projecto :
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
nambuco, resol* :
i Art. nico. Fica transferida a sede da ft e-
guezia do Poco da Panella do municipio do Rcci -
fe, para o povoado do Mon eiro, i -rvindo de matriz
a igri'ja de S- Pantaleo do Monteiro.
~Em 12 de Maio de 1888.Reg Barros. >
Posto a votos o requerimento do Sr. Solonio de
Mello, pedindo informacoes sobre delegados litte
rarios. rejeitado.
Entra em discussao o requerimento do Sr. Ja
v.jncio Mariz sobre a cmara municipal de Ca
ruar.
O Sr. Juvencio Maris Sr. presidente,
nao peusava mai em trazer para o recinto da As-
sembla os factos que motivaran! a apresentacao
do meu requerimento de informacoes, que se acha
em discussao ; e nao pensavtf mais n'isto, 8r. pre-
sidente, por duas razoes : a primeira por me pa
recer ter passado a opportnnidade e a segunda
porque, embora haja quem po83a julgar-me par
modo muito diferente, bou antis de tudo conci-
liador e mimigo de fomentar e estimular paixoes
e odias polticas.
A leitura rpida, porm, que fiz do orcamento
municipal deterrainou que en madifcasse essa mi-
nha opinio e me leliberasse a apreseatar o re-
querimento que se acha em discussao.
Sr. presidente, a cara ira municipal de Caraar
acha se em um estado anmala. Para eu chegar
a esta demonstradla tenha necessidade de remon-
tarme factos anteriores e par isso peco permi-
so a V. Exc. e casa para o fazer.
Procedendo-se eleicao municipal e com algum
ardor, o partido liboral de Caraar cansegaio ele-
ger 7 vereador e o partido conservador apenas
dois.
Depois da eleisao, Sr. presidente, sobreveio uta
certo estremecimento entre oa membroa da maioria
da municipalidade e succedeuque urna frac^lodos
vereadores liberaes se rennisss com a oppiBcao
para elegerem o presidente e o vico-presidente.
Ese tacto permaneceu at mudanca da pol-
tica.
Em Janeiro deste anno, os liberaes que at entile
tinham acompanhado os 2 membros conservadores
daquella municipalidade, entender m e entendern
muito bem que tinham chegado o tempo em que
deviam rounir-se ao seu partido.
Nestas condicces era evidente que a mesa em
vez de ser reeleita, como esperavam oa conservado-
res, teria de sir compotas por vereadores liberaes.
Infelizmente 03 cenaervadores e um dos liberaes
que faza parte da mesa entenderam que nao se
deviam sujeitar essa deciso da maioria, e ento
trataram de embarazar a reunio da Cmara.
Foi assim que no dia 1 de Janeiro tendo-se feito
as communicaoea convocando-se a cmara para
reunir-se a 7 e eleger-se a mesa, no dia 4, o presi-
dente da cmara dirigi officios, nao todos os ve-
readores, como era do aeu dovar, mas alguns di-
zendo que a convocarlo feita para o dia 7 tinha
eido adiada para 5 )
(Ha um apartado Sr. R>drgues Porto).
Comprehende-se que ato ao foi maia do qus um
meio de que se quiz servir a minora para sorpre-
hender a maioria e deste modo eleger o presidente
e o vice-presidente.
O Sr. Rodrigues Porto di um aparte.
O Sr. Juvencio Mariz.Por consequenea, nesse
proposito, o presidente da cmara de accordo com
seus amig03 e muito naturalmente com o nobre de-
putado que era e continua ser vicepresidente
nao aandon convidar um dos vereadores liberaes
que mora distante 5 leguas de Caruar, porque
elle nao compartiendo, a minora ae converteria
em maioria, e, deste modo, conseguira o seu de-
sidertum, que era eleger a mesa.
'estas condiccoes, oa veriadarea liberae3 que
me rain na cidade nao compareceram reuniia,
desde que o acto da original adiamento tinha sido
urna verdadeira sorpresa.. .(ha um aparte do Sr.
Rodrigues Porto,) .. .e depois disto a minara an-
da teutou sorprehender a maioria a fazendo a coa-
vocacao 24 horas antes do da era que devia ter lo-
gar a sesso convocada!
O Sr. Rodrigues Porto -E' injusti? de V. Exc.
O Sr. Juvencio Mariz Nao apoiado nao tal in-
justica.
O Sr. Rodrigues Porto d um aparte.
O Sr. Juvencio MarizA maioria dirigi umi
representaba ao Sr. presidente da provincia ex-
pondo esse facto e pedndo-lhe providencias (apar-
tea) e oqne certo que o Sr. presidente da pro-
vincia nao se digoou dar providencia alguma e a
cmara municipal de Caraar continua a ser diri-
gida pelo presi lente que nao devia oceupar mais
eaae lugar.
O Sr. Rodrigues Porto d nm aparte.
O Sr. Juvencio MarizO certo que desde essa
epacha nunca mais a cmara municipal se reu-
ni. ,
O *' Rodrigues PortoPor falta de numero le-
gal (Ha outros apartes),
O Sr. MarizA minara Sr. presidente, embora
conheces3e, segundo pens eu, qnejra suplentes nao
podem tomar parte na eleicao do'preaidente e do
vice p'esidente da cmara, parque esti isto deci-
dido pelo governa geral em diversos avisos, que
elles tomassem parte na reuniia... (ha um apar-
te do Sr. R>dripues Portal, e tanta isto assim
que o Sr. alferes Cisimiro Vieira de Mella conser-
vador foi convidada e se negau a isso.
O Sr. Ridngue3 Porto d um aparte.
O Sr. Juz^ucio MarizEste culatada) declaran
publicamente que tendo sido convidado polo pre-
sidente da cmara pare esse fim isso se recu-
sara; e por consequencia qualquer docummta nao
p 1 co itrariar este facto que publico e notorio
n'aqualla cidade.
l> Sr. Radrigues Porto d um aparte.
O Sr. Juveucio MarizO que certo que en
suppmdo que a pretencao da minora se hmitasse
apenas eleica da mesa, tendo passado a oppor-
tunid.ide, nao traria esse facto para o recinto da
assembla; misdesd.t que veja o estado anmalo
em que. ae acha a amara substituida illegalmente
pelo presidente vice presidenta que arrogam se o
direta de organisar orcamento e balancete...
O Sr. Rodrigues Pono d um aparte.
O Sr. Juvencli Mariz -... Nao po;so nenvde-
vo ficar em silencio ; nao aei de que raod > a C-
mara organisou esae balancete ; o nobre deputa-
do o dir ; mas o tacto que se ella nao o remet-
teu era lempo, incorreu em urna multa, devendo
servir o orcamento passado, cama propasta da C-
mara.
(II i um aparto do Sr Radrignes Porto.)
Em t jdo o caso o que certo que vi cem sor-
presa, no orcamento municipal, apreaentaio
Assembla, qe parece ter a Cimara Municipal
de Caruar feito e approvada essa balancete,
quando tal nao fez, era poda s;r feito pelo pre-
sidente da Cmara.
Ora, sa isto nao um tacto anmalo que mereca
reparo, nao aei o que possa entSo merecer reparo.
Deaejo que o nobre depatad, que vice-preai-
d-nteda Cmara, me expliqua parque mdagre a
Camora, nao tendo se reunido em sessio, foi possi-
vel organisar seefte balancete, no qu 1 se preten-
de suppnmr lugares e repartir ordenados de em-
pregados liberaes, amigos meus, par eutras rune-
conarioa, pelo facto de srem conservadores.
En, portento, mandando cate requerimento 4
mesa, pretendo apenas pedir explicacoes desse
facto e mo3rtar Assembla, que nao veoho aqu
declamar ou fazer aecusacoea com o fim de incom-
moar ao nobre deputado.
Admirei me muito ouvr S. Exc. dizer que a
Cmara naa tem funecionado par falt ae nu-
mero _
Ora, desde que o presidente da Cmara hiera a
convocacio, como fe, como tem feit at hojo, as
veBperas, mandando entregar particularmente os
offljosaseus amigos, e eom a precisa antee dea-
cia, ho passo que o fez poucas horas antes, aqael-
les que nao lhe sio adnesos, j se v que nao
poaaivel reunirem-se todos os vareadores ou o nu-
mero suficiente para hav r oesslo.
V Exc. pode fioar convencido de que os verea-
dores liberaos nao hao de sanecionar semelhante
escndalo, sem. Intar e protestar primeiro !
A maioria daqnella Cmara, qpe conservado-
ra, nao podendo de modo algum conseguir o se*
intento na eleicao da mesa, lauca mao dease re-
curso reprovado e eondemnavel para sorprender a
Aba
maioria,
O nobre deputado alba perfeitamento do tuao
isto, assim como sabe quita nm capricho da par-
te de sens correligi#mri|, qc exereero esset lu-
gares, p:etendeHdo imporem-se.
O Sr. Rodrigues Porto d um aparte.
O 8r. Jnveneio MarliNao ma consta que se
achem ausentes do municipio de Caruar os ve-
readores eleitos para este quatriennio, 4 excepci*


"i
y


pVIHHJ I Hj
Diario de Pernambuco---Ter^a-fefra I de Jiinho
do nobre deputado, qe se aeba con aesento da convocado de 7 para 5, remetiendo os oficios
aoi vereadores liberaee com poucas horaa de ante-
cedencia aquella em que baria de reunir-se a ca-

nesta casa.
O r'r. Rodrignea Porto O facto que oa ami-
gos do nobre denotado nao coneorrem as sesaoea.
O 8r. Juveocio Mariz Iaao pelo facto que ac-
ke deexplicar.
' o que tenho a diier por 'ora, aguardando a
explicarlo do nobre deputado, o Sr. Rodrigues
Porto, que dirS. porque milagre, nao reuniude-se a
Cmara ba tanto tempo, arraujou o orcainento e
baiancete que < nvitu a ata Assembla.
O Sr. BodrlgsMfi Forlo 8r. presidente,
i com bastante acabameato que sobo tribuna ;
so o taco toreado pelo obre epatado, e/ee, como
eu, representa o 10 diatreto, o qual eatendeu
levantar questoes eoneementes ao mesara diatre-
to, tratando de syndicar uin requerimento de in-
formacoes, relativa k Cmara Municipal 4a cidade
de Caruar, da qual aou vice-presidente.
Isto poseo, orre e o dever de-Tir dar explica-
res casa sobre as aensideracoes presentadas
peb raeu collega o Sr. Javencio Mariz.
Peco a V. xe. que me mande o requerimento
em discusso.
(E' satisfeito.)
Sr. presidente, o nobre deputado requer a esta
Assenibleia que, pelos caaaes competentes, se pe-
sara as-seguintea iuformacoea ():
Responderei a 8. Exc, dizendo que a Cmara
Municipal do druar nSo tem funccionadu no
eorrente anno, devido somente falta de concur
reneia ou comparecimento de numero legal de ve-
readores, taita pela qual eu reaponsabiHSO nica-
mente ac nobre autor do requerimento.
O 8r. Juvencio MarizEsta nito m.
O 8r. Rodrigues PortoA Cmara Municipal
da cidide de Caruar, como V. Exc. e a casa de-
ven sabe:', compe-Bc de nave vereadores, genio
tres oorreervador-s e nove libertes.
Tendo sid > convidados todos estes vereadores
para no dia 7 de Janeiro proceder-se a eleieo de
presidente e vice-preaidonte da Cmara, aconte
eeu que o vereador Apolinario Teixeira de Carva-
Iho se achasse docnt-j, molestia que o tem conser-
vado em casa, impossibitando-o ainda de compa-
recer s sesaOes, cando assim a Cmara Munici-
pal com oito vereadores, sendo tres conservadores
cinco liberaes.
O Sr. Javencio Maris.Tre3 ?
O Sr. Rodrigues Porto.Sim Sr., porque o meu
amigo Sr. Alteres Aurelio Liraerra conserva-
dor. Nestas oondces, como disse, ficou a cmara
com oito vereadores, somente tendo os liberaes a
maioria de 1 porque o presidente nao toma parte
a votaco. .....
Esta pequea maioria foi que deu lugar ao nao
eomparecimento dos aaiigoa do nao deputado
qur deram motivo para nao haver sessao no dia 7
de Janeiro. .
O Sr. Jos Mari. Nao foi esse motivo, toi ou
tro ronito difTiT-ente.
O Sr. Rodrigues Porto-V*. Exc. injusto.
Crea o nobre deputado que nSo eatou aqu sophii-
xeando.
At eu fui a casa do Sr, capito Joo Benigno
de Mello conv dalo para que fosse cmara, e
elle rcapondeu-me negativamente.
O Sr. Jos MariaMas por iue motivo nao quia
elle comparcer ? V Exc. explique.
O Sr. Rodrigues PortoPorque os seus amigos
nao estavam todos reunidos, sendo somente de um
a sua maioria.
O ir. Jos MariaA raio nao foi esta. O no-
bre deputado deve ser tranco.
U Sr. Rodrigues PortoEu sou muito franco ;
em mim predomina semp e a franqueaa,
O Sr. Jos MaraMenos desta vez.
O Sr. Rodrigues Porto- D'eeta ves, como em to-
das as outras.
O Sr. Jos Maria d um aparte.
O Sr. Rodrigues PorteO presidente da cma-
ra que liberal, meu amigo tem procedido muito
bem ; convocou os vereadores, e nao tem culpa que
elles nao qurzeram comparecer..
O 8r. Jos Marialaso o que dia V. Exc.
0 8r. Rodrigues Ports... dando razo para
ficar adiada a seaso.
Dras depois 8r. presidente, convocou outra ve
o presidente da cmara urna reunio, mandando
avisar a todos afin de se proceder a eleivao da
mesa. Como uo estava porm presente o 8r.
Mello. n^ comparectram os amigos do nobre de-
putado, e dtste modo tem oontiuuado at boje tor-
ando-se impossivi 1 a reunie da cmara porque
03 correligionarios de S. Exc. nao querem absolu-
tamente comparecer.
O Sr. Jes Maria d um aparte.
O Sr. Rodrigues PortoV. Exc sabe que fe-
e um* representacao n'esse sentido ao preaiaente
da provincia, elle raandou ouvir a cmara esta
respondeu satisfactoriamente, dndoos motivos por
que nao poda funecionar.
Quanto ao nobre deputudo dizer que... que o
presidente da cmara, contra a lei convidou o pri
xneiro sopplentc para tomar parte na eleicao da ca-
mera, injustica de S. Exc. elle nao foi convocado,
ena S-cretaria da Presidencia ha um officio que
enfirma o que estou dizendo, pois o propno sup-
plente que affinna que nunca foi chamado para
fazer parte da Cmara Municipal de Caruar.
O Sr. Juven-riu Mariz d um aparte-
O Sr. Rod. igues PortoN'estas condicoea, por-
tento, parece me ter respondido aos pontos do re-
quer ento do nobre deputado.
Quanto ao ponto do discurso de S. Exc. e*n qae
pede ntorovacoee atim de saber por quem foi re-
siettida a proposta do orcamento da Cmara Mu
nieipal do Caruar, eu tenho a responder a S. Exc.
que foi rcmettida pelo presidente e secretario a
roesm Cmara.
O Sr. Juvencio Mariz Nao poda.
O Sr Rodrigues PortoEu explico a razio por
que foi remettida a proposta, sem intervenco de
toda cmara.
A Cmara Municipal de Caruar, nao tendo
podido se reunir por falta de numero legal, am
de tratar da proposta da cmara e entrando eu em
exereicio do cargo de vicepresidente no dia 9 de
Janei.o, communicou-me o secretario que ainda
ao-tinha sido remettido a Assembla, a proposta
do ureamento. Reconhecendo que as cmaras tem
rigoroso dever da at o dia 31 de Dezembro d
cada anno remetter a Assembld dita proposta
resolv remettel-l ade accordo com o secretario, 4
firo de nao ficar a cmara seru lei para regular-se
durante o novo exereicio dando scienea a Exc
8r. presidente da provincia, a quem apresentei
s razoes p rque assim proceda.
O Sr. Javencio Mariz d um aparte.
""O'Sr.1 Rodrigues Porto O nobre deputado sa-
be perteitamecte que por mais de urna vez, os
amigos de V. Exc, teem sido multados por falta
de cvmparecimento as aesses. O capito Joo
Francisco de Pontes, liberal destnete, nao faz
questo de continuar a se- presidente da cmara,
mas os vereadores amigos do nobre deputado, em
numero de 4, que andam sempre ausentes, querem
que o presidente da cmara convoque a meama
eamara para um certo tempo que elles possam
omparecer. J4 v o nobre deputado que o pre-
sidente da cmara tem obrigacao de convcala
logo que reclame o servico publico c nao quando
oe amigos do nobre deputado se queiram reunir.
Ntstas condicces convocou elle a eamara e nao
foi possivel baver aeaao ; por quanto o 1- sup-
plente de vereador diz que nao preata juramento e
o 2- que o nobre deputado estando nesta As-
tembl*, nao tendo juramento, assim nao poda
ier convocado. _
O Sr. Juvencio Mariz d um aparte.
O Sr. Rodrigues Porto Eu respondo ao nobre
deputado : que na propoata da c mar foi suppri
mido apenas um lugar e sabe V. Exc. qual foi ?
Foi o lugar de conservador das obras publicas do
municipio de Caruar. ...
O nobre deputado querendo pagar servicos elei-
toraes creou um lugar de administrador das obras
do municipio, dando o avultado.ordenado de tiOOi
foi justamente esse lugar que foi Nestas condicces, Sr. presidente, tendo respon-
dido a requerimento do nobro deputado, em que
ede cforinacoes afirn de saber a razio pela qual
a cmara nao tem tunecionado, pareee-me que j
i os motivos d'essa falta.
Dadas estas txplicacoes, parecendo-me maia ou
menos ter esclarecido nos meas nobles collegas,
vou sentar me, esperando que Ss- Excs. votem
ontra o requerimento d nobre deputado. faien-
do assim verdadeira jastica.
Tenho concluido.
VozesMuito bem, muito bem.
O Sv. Juvencio Mara Sr. presidente,
por maiorea esforcos que fizease o nobre deputa -
do, que me succedeu na tribuna para responder
om vantagem as ligeiraa oba"rva5es que fiz em
relacao ao requerimento de k ormajSes, nada po-
da conseguir. O nobre depuf ido nao fez maia do
.oe procurar torcer oa fac as para ver se deate
modo, elle* aasiro baralhadds, poderia maitrar a
improcedencia do meu pedido de infornoacoes.
Eu j fiz ver casa o acto manos legal do pre-
sidente da c .mar, que a tendo convocado para o
da 7 de Janeiro, e depois querendo armar urna
torpreza contra a maioria, resolveu mudar o dia
mar.
O 8r. Rodrigues P irto-Dezejava que me moa-
trasse eBSM documentos.
I Ha outros apartes).
I Sr. Juvencio MarisEstao na presidencia da
provincia, instruindo a representacao que a ella
foi dirigida; e por esse motivo que peco intor-
macoes, e se o nobre deputado nSo teme que essas
informacJea veakam, vote pelo requerimento.
(Ha um aparte do Sr. Rodrigues Porto).
Mas, o trae earto proponao-te a Matar *e obaervacSea que fia a
AaaWbla, nao pode, e antea pelo contrario ro-
buateceu aa affirasaces que eu acabava de faaer.
S. Exc. nao pode negar qoe orpresidente da c-
mara tendo convocado os vereadores para odia
7 de Janeiro,mpdo-adepsii pan o da 5, naaa-
do da expresaSoadiar,nande devara tordito
apressar, encurtar o praso.
Ora, Sr. presidente, adiar eapacar, ou ento
eu nao eonheco a forc, a significacao do verb
adiar ; maa em Caruar o contrario; l o presi-
dente da cmara municipal eutendeu que era di-
minuir. ..
O Sr. Rodrigues Porto d amanarte.
O Sr. Juvencio Mariz... abreviar, approximar
o dia.
Estou apenas discutindo o acto e nSo a pessa, o
mostrando que o oobre depntado nao tem razo, e
a pro va que nao contestou nada do quauto affir-
mei.
Depois para poier explicar as razos que o le-
varan* remetter Assembla o orcameuto e o
baiancete organisado por S. Exc e pelo secretario
da Cmaradisse que o fez para tirar de ai a
responaabidade, o que nao tem a mnima prece-
dencia.
O Sr. Rodrigues Porto d um apart;.
O'Sr. Juvencio Miria Se a r sponsabilidade
nao do nobre deputado, que razao liuha S. Exc.
para acautelar se d'ella, e nao pedio antes que a
Cmara fosse multad por nlo ter opportnnamente
remetiido a esta Assembla o seu orcamento e o
baiancete ?
(Ha um aparte do Sr. Rodrigues Porto).
Maa, longe d'isto, o nobre deputado reconheceu-
se responsavel por essa anomala e quiz remover
esea difficuldade remettendo um baiancete ar-
ranjado por um meio Ilegal, suppondo talve que
isso oassaria desapercebido tha um aparte do Sr.
Rodrigues Porto); e tanto pensava isso que os
seus amigos diziam que o nobre deputado tinha
asente na Assembla e que portante esse acto da
Cmara pausara sem reparos 1
O Sr. Rodrigues Porto d um aparte.
O Sr. Juvencio MarisA Cmara devia ter feto
em tempo o seu orcameuto e baiancete e remette
1-os Assembla, mas nao o fez, porque o nobre
deputado quena forciore reoleger o presidente e
v ice- presidente.....
Ha um aparte do Sr. Rodrigues Porto).
las o .obre deputado nao quer confessar-se
venoido o entilo vem fallar ne officio da presiden-
cia para encampar o seu acto, acto que nao tem
justificaco, porquanto o presidente da provincia
nao pode dispensar na lei, e a Cmara, isto a
mesa da Cmara commetteu urna falta pela qual
dsve ser punida.
O Sr. aodrigues PortoE' despeito do nobro de-
putado.
O Sr. Juveneio MarizEst engaado ; taz me
urna injuitica, juiganlo-me por si! Em mim nao
ba despeito algutn.
O Sr. Rodrigues PortoFoi derrotado na elei-
C&o para o cargo de vereador.
O Sr. Juvencio MariO nobre deputado est
convencido do contrario 1
O Sr. Rodrigues PortoTeve apenas dois vo-
tos.
O Sr. Javencio MariOra, veja se ha alguem
que acredite na afEimacao do no >re deputado de
que eu nao tenba podido conseguir mais de dois
voto I
Fui eleito deputado, c nao pude obter mais que
2 votos, para vereador !
O nobre deputado sabe perfeitament que eu
querendo ser vereador em Caruar, o nobre depu-
tado nao tem forca para derrotar-me, para me dei-
tar Tora da chapa; o nobre deputado sabe muito
bem que eu de aoeordo eom oa maua .amigos dis-
tribu as chapas na matriz por dois candidatos,
tendo u'aquella ocjasio reunido-ae 84 amigos elei-
'orea.
O Sr. Rodrigues PortoO que verdade que
toi derrotado.
O Sr. Juvencio MarizQuero aer derrotado a-
siin e que o nobre depotado tire d'isao grande
vantagem.
(Ha um aparte do 8r. Rodrigues Porto).
O nobre deputado sabe que nao fui eleito ve-
reador porque uo quiz ; anteriormente o tinha
sido ; reclamei contra a vaiidade da eleico e ella
foi annullada pelo venerando Tribunal da Rela-
cao.
Ora, te tiresse deaejoa de ser vereador, nao pro-
cedera da maneira como proced contra a espec-
tativa do nobre deputado e de aeua amigos.
(Trocam-se diversos apartes).
O 8r. PresidentePeco a V. Exc. que resuma o
seu discurso.
O Sr. Juvencio Maria.Sr. presidente, eu acho
que o nobre deputado deve estar muito contra-
riado.
O Sr. Rodrigues PortoNao ba tal.
O Sr. Juvencio MariS. Exc. nao conseguio
de modo algum sustentar com vantagem o que
pretendeu, isto destruir as censideracoes que
eu fiz, era ordem a justificar a requerimento de
informaeocs.
Se o nobre deputado nao tem receio de que es-
tas infoi macoes venham j se est convenci-:, como
procurou demonstrar, que a maioria liberal da
cmara nao tem razao ; se o nobre deputado acba
que, org misando como elle confeasou, o balan
cete a que me referi, procedeu regularmente; eu
entendo que S Exc. deve ser at interessado em
fazer com que este requerimento seja approyado,
porque vindo eesea documentos, se tirar a limpo
quem tem raza, se eu o nobre deputado. Se por
ventara eu nio tiver razo. me conaiderarei ven-
cido e convencido. Se pelo contrario o nobre de-
putado nao tiver razao nem por iaso o>ve deixr
de querer que a luz se faca, porque o nobre e-
putedo bam comprehende que nao ha interease
nenhum p*ra o municipio de Caruar que a c-
mara continu c funecionar, pelo modo pque o
tem teito at boje, sem se poder dar despacho ao
expediente que se vai all accumalando, sem se
poder reepouder aos oficios da Presidencia e dar
outras providencias de que o municipio necessita.
Eu, portante, tenho o direito de esperar que o
nobre deputado, longe de contrariar o roeu dese.jo,
concorrer.i com o seu voto e pedir aos teua ami
goa para que o requerimento seja approvado a ve-
nham aa informaces. Acho que nao juate o
nobre deputado querer abuaar de sua torca na
merica; lirma-se na maioria e espera tudo della
Eu aei muito bem disto e S. Exc. mesmn honteu
fez sentir que se nio conleccionou aqui um certo
projecto, foi porque nao quiz, porque psderia fa
zel-o.
Eu porjm j nao posso dizer a mesma cousa,
porque quando estivemos em maioria nesta casa,
nao proced do mesmo modo, porque aerapre encon-
trar em opposico o nobre deputado pelo 10 dia-
tricto, o Sr. Io secretario, amigo do .nobre depu-
tado.
Basta izer-se isto para conhecer se o valor de
que pd. o dispor o nobre deputado para conse
uir qualquer cousa desta casa ; e ate o Sr. Joio
Alves deve conhecer o grande valor que tem o
Sr. 1 secretario... ....
O Sr. Rodrigues Porto Tenho muito desejo de
servir ao meu distncte, mas sem sabir dos limites
do justo e do honesto.
O Sr. Juvencio MariAinda nao sei se o no-
bre deputado tem com effeito desejos de bem ser-
vir ao districto.
O Sr. Rodrignea PortoTenho todo.
O Sr. Juvencio MarizHavemo de ver mais
tarde ; e deade j pode V. Exc. contar commigo,
embra a posica em que me acho collocadc, por
aer minora.
Mas pir ora ainda .nao vi o nobre depntado
fazer cousa alguma. Embra o nobre deputads
tenha promettdo muito, eu ainda eatou na espec-
tatva.
O Rodrigan PortoE V. Exc. tem feito muita
O Sr. Juvimclo MarizNa primeira legislatura
a maioria Jenta casa era como anualmente con-
servadora, e o Ilustre deputado que se acha au-
sente o Sr. Rosa e Silva, pempre que eu trata va
de qualquer melhoramonto, oppunha embargos es-
perando melbores teinpos para os amigos. Na
legislatura p isBada, o nobre deputado sabe qne a
provincia ostava lutando com diflieuldadea finan-
ceiraa, nao ai poda tratar de melhorameatos ma-
teriaes para ( 10' districto nem para parte alguma.
Mas boje que a provinci prospera no sau ce-
jado finaneeiro, espero que 8. fixe. piomover
todos os melhoramentos -ealisaado tudo quanto
prorartteu :pontea, acudes, casas para cadeiaa.
Se eu fiz ou nlo alguma cousa a despeito das
diffieuldadee, abi est&o oa amuaes.
Tenho concluido.
VozesMuito bem I
A discusao fica adiada pela hora.
Passa-se 1 parte da
OBDSH DO D1.
E' approvado em 3a discusso o remettido
commiiio de redaccao o projecto a. 70 deate
anno.
Contiaia aJldoart. lodo prajecton. 43 deate
)nn (ox^saneasopravinoial).
Veem.ii, sao lida, apoiadae e entrara oon-
jsactanrtuem saacuHso aa-aegerintea emdm :
Ao g 10. Suparsmara-se as pasare*
ando a piisuca, at o snn do paragraphoo-
pWonio Porteila___Joiio Atvee.Joio de Oliveiza.
Barros Barreto Jjuir.
N. G. Ao g 21. Depois miytixtmm -Medie,
lea-se: 4 por rento quando fra della, e nao 8
por cento, como est no projecto.Juvencio Ma-
riz.
N. 7. Ao g 30. Em vez de 504 diga-se 1004, e
em vez de 75* ligase 1504Jos Maria.Joo
de Oliveira.
N. 8. Ao -35. Aceeatoente-ee Em casaa habitadas por seus donos, quo nao pos-
auirem outras. Rtis o Silva.
N. 9. Ao 38 diga se 504 em ve de 104-
Joa Mara.Joo de Oliveira.
N.' 10. Ao 46. Em vez de 10 por cento diga-
se 5 por cento.los Maria.
l. 11. Onde couber: 2004 por casa ou indivi-
duo que recebar ou vender cal de LisboaLuiz
de AndraJa.Q. de Drummond Filho.
N. 12. Oude couber: 1004 por cada pessoa que
maacateur fazendaa ou miudetas em qualquer dos
municipios da proviucia, exceptuando-se os do
Recite e Olinda Solonio de Melln.
N. 13 Substitua-se o 8 pelo S 7 art. 12 da lei
n. 1860 de 11 de Agosto de 1885.Gaspar de
Drummond FilhoRalis e Silva. Lu de An-
drada.Rogoberto B. da Silva.Vctor Cerreia
Joo Al vea.Joo de 8Regueira Costa.
Rodrigues Porto.-Constantino de Al3uquerque.
Sophronio Porteila.Visconde do Tabatinga.
Juvencio Mariz.Joo de Oliveira.Solonio de
Mello.Ferreira Jacobina.Dr. Pitanga. -Costa
Ribeiro. Baro de Itapissuma. Baro de
- aiiir.
N. 14. Aog4b. Contribuicoes. Depois das pa-
lavras sello de herancas diga-so : sendo 3 por cen-
to para oa empregados publieos que perceberem
at 1:0004 de ordenado ; de 5 por cento para oa que
perceberem maia de 1:0004 at 2:UX)4 ; 7 por
cento para oa que perceberem mia de 2:0004 at
3:0 04 ; 9 por cento para os que perceberem mais
d 3:0004 at 4:0004- Dahi para cima pagaro
10 por cent..Ratia e Silv .
N. 15. Ao54. Supprimam-se as palavraa
Colonia Isabel at o reatante O maia como-est.
Ratia e Silva.
N. 16. Ao g 4S no final. Em vez de 10 por
cento diga-se 5 por cento.Q. de Drummond Fi-
lho Regueira Costa.
O r. Joa Mara fas diversas considera-
coa juatificando duaa emendas que apresentou.
Ninguem mais pedindo a palavra encerrada a
diacuseao.
V.m mesa, lido, apoiado e approvado o se-
guinte requerimento:
R' queire que as emendas vo imprimir no
jornal di> casa, para depois ento seren votadas.
Entra em discusso o art. 2.
Vem mesa, sao lidas, apoiadas e entrara, con-
juntamente em discusso as seguintea emendaa :
N. 17. Ao g 9 do art. 2: Gymnasio. Dapoia
das palavrasie lingua nacionalaccrescente-se:
quando vagar.Ratia e Silva.
N. 18. Ao g 10 do art 2. Gymnaaiono fim
do paragrapho accreacente-ee : ficando a conser-
vando lo museu aos cuidados do 2* continuo que
j servio eate lugar, com urna gratificado de
8004 Ratia e Silva.
N. 19. Ao 28 do art 2. Obras publicas. Aa-
crescente-ee no fim do paragrapho : e 15 contoa
de res para a concluso do segundo raio do hos-
picio de alienados.Ratia e Silva.
N. 20. Ao 65 do art 2. Arrecadaco de
rendas. Depois das palavraa de dous lancadores,
accreseente-se: prooorco que forem vagando es-
ses lugares.Ratis e Silva.
N. 21. Illuminacao publica, nevo, da cidade
de Bezerros com 15 lampees. '.tatis e Silva.
N. 22. Art 2 Auxilios diversos. Novo para-
grapho. A' Colenia Orphanologica Isabel 80:0004-
Ratis e Silva.
N. 23. Para ser col locado onde eonvier:
30:0004 para a construeco de mais um raio para
a casa dos expeatos.Costa Ribeiro.Dr. Pi-
tonga.
N. 24. Ao 28 accrescente-se depois das pa-
lavras agente do pagador : e mais 4:0004 para
aa obras da matriz de Itarab. Soares de Amo-
rim.Julio de Barros.Ferreira Velloso.Lou-
renco de S.Ratis e Silva.Reg Barros. -Au-
gusto Franklin.Domingues da Silva.Rodrigues
Porto.
N. 25. Para ser collocada ondo eonvier : 5004
para auxilio da casa de educacao do vigi rio Joo
Evangelista, para roupa dos orphos a seu c*rgo.
Dr. I i tanga.
N. 26. Ao 55. Secretaria do governo. Sup-
prima-se o respectivo g depois das palavraa 2 of-
ficial.Ratis e Silva.
N 27. Ao 47 accreacente-ae : igual quota
para a illuminacao da cidade de Bom Jardim-
Dr. Costa Gomes.
N. S. Para collocacilo dos 40 lampees na ci-
dade de Pe.-queira 6:0004Dr. Pitanga.
N. 29. Para as ohras do rebaixamonto du la-
deira do Triumpho 5.0004-Dr. Pitonga.
N. 30. Ao 20. Em lugar de 5:0004 diga-se
8:0004.Dr. Costa Gomes.Rodrigues Porto.
N. 31. Para concert do acude do Cildeiro
de Alagoinha 2:0004--Dr. Pitauga.
N. 32. Para as obras da matriz de Cimbres...
1:0004Dr. Pitonga.
N. 33. Para concert do acude de Vertentes..
2:0000. Dr. Pitanga.
N. 34. Para conatrueco do acude de Pesquei-
rt 6:0004--Dr. Pitaoga.
N. 35. Sero tambem aupprimidaa as cadeiraa
de allemo, historia natural e italiano no Oyirna-
so Pernambucano.Julio de Barros.Dr. Costa
Gomes.
N. 36. Ao g 49: em vez de 4:004 diga-se
6:0004 Sophronio Porteila. Constantino de
Albuquerque.
N. 37. Ao 5 supprima-ae as palavras: ea
porcentagem ao porteiro pela arrecadaco de emo-
lumentos.Sophronio Porteila. Rogoberto.
Constantino de Albuquerque.
N. 38. Eleve-se a verba com a quantia de...
286S que se deve ao professor Gaspar Antonio
doa Reia, proveniente de expediente da escola noc -
turna de Allianca.Dr. Costa fGoines.
. 39. Ao g 73 accrescente-se : e mais a quan
ta de 1834332 quo se deve ao p.-ofessor jubilado
na cadeira de instrueco primaria de Bebedouro,
Javencio de Barres Correia, proveniente do seus
ordenados de Maio a Junho de 1885.Juvencio
Mariz.
N. 40. Oflereco como emenda o projecto n. 80
de 1885 para ser collocado ond* melhor eonvier.
Juvencio Mariz.
O projecto a que se refere a emenda o segua-
te :
A assembla legislativa provincial de Per-
nambuco, resolve :
Artigo uoico. g Io Fica o presidente da pro-
vincia autorisado a candar desappropriar para
servencia publica, a ponte construida aebre o rio
Bitury, no povoado de Bello Jardim, pelo capito
Gaudencio Rodrigues de Araujo.
* g 2 Para tal fim poder o presidente abrir o
crdito necessario nao excedendo este de 1:5004.
k lie voladas ai disposicoes em contrario.
Em 30 de Abril do 1885.Juvencio Miriz.
Adelino A. de Luna Freir Jnior.
N. 41. 4:0004 para conatrueco de unta cadeia
na villl* de Correntos. Sophronio Porteila.
Constantino de Albuquerque.
N. 42. 1:0004 para construeco da ponte sobre
o riacho Gravat na villa de Aguas Uellas.So-
phronio Porteila. Constantino de Albuquer-
que.
N. 43. 4 0004000 para a construeco de um
acule em Pao Ferro, fregUezia de Aguas-Bellas.
Sophronio Porteila. Constantino de Albaquer-
que.
N. 44. 4:0004 para construccac de um acude
em Buique.Sophronio Porteila. Constantino
de Albuquerque.
N. 45. 4:0004 para conatrueco de um acude
emMucimbode Aguas-Bullas.Sophronio Por
tolla.Constantino de Albuquerque.
N. 46. 1:0004 para conatrueco de urna ponto
na barra do riacho Gravat na villa de Aguas
Bellas Sophronie Porteila.Constantino de Al-
buquerque.
N. 47. 2:v004 para construeco de um acude
em Santo Antonio da Pedra.Sophronio Portel-
la.Coastautiuo de Albuquerque.
N. 48 Ao g 9 do artigo 2' Supprimam seas
palavras de : ltiro outra.Sophronio Porteila.
N 49. 3:0004 para a compra de urna casa na
villa da -Vira a qual sirva para cadeia e quartel
do destacamento.-Sophronio Porteila. Cons-
tantino de Albuquerque.
N. 50. Onde couber. Illuminacao da cidade.de
Jaboato com 25 lampees 1:7754. Sopbrouio
Porteila.Constantino de Albuquerque.
O Sr, Qomekj Pareaste (pela ordem) re-
quer e a casa concede o adiamento da discusso
por 24 hacas.
Pasaa-ee
2 PASTE DA OttDEH DO DIA
Deixa.de-ser votado por falta de numero o pro-
jecto n. 3 deste anno.
Entra n 1 discusso a fica adalo o projecto
n. 29 desee anno.
O Sr. presidente levanta a sessao, designando
a aeguinte ordem do dia :
1 parte : 2 discusso do projecto n. 43 deste
anno : 2* parte ; conlinuaco da antecedente e
3a discusso do projecto n. 151 de 1884.
ACTA DA 4# SESSAO EM 29 DE MAIO
DE t886
PBE8IDEKCIA DO BXM. SB. DB. J0S 1IAOBL DB BABBOS
WAMDHBI.BY
Ao meio dia, feita a chamada o verificando-Be
C8tarem presantes os Srs. Ratis e Silva, Barros
Barreta Jnior, Luiz de Andrada, Joo Alves
Reg Barros, Rodrigues Porto, Barros Wanderley,
Sophronio Porteila, Juvencio Mariz, Soares de
Amsnm, Herculano ?Ba .deira, Aatonio Vctor,
Constantino de Albuquerque, Ferreira Velloso,
Domingues da Silva, Joo de S, Costa Gomea,
Aagusto Franklin, C mlho de Moraes e Julio de
Barros, o Sr. presidente declara aberta a sessao.
Comparecern^ depois os Srs. Rogoberto. Joo de
Oliveira, Visconde de Tabatinga, Andr Dias,
Solonio de Melle, Jos Maria, Baro de Itapis-
suma, Gomes Prente, Costa Ribeiro, Regueira
Costa, Baro de Caiar, Ferreira Jacobina, Pr-
xedes Pitanga, e Lourenco de S.
Faltaram com participacao oa Srs. Amaral e
Drummond Filho, e aem ella os Srs. Rosa e Silva,
e Goncalvea Ferreira.
Encerrou ae sem debate a discusso da acta da
aesso de 2i, sendo approvada o regeitada a emen-
da do Sr. Regueira Costa.
Em seguida foi lida e sera debate approvada a
acta da sessao antecedente.
O Sr. 1 sacrotario procedeu a leitura do ae -
guite
EXPBDIEKTB
Um officio do secretario do coverno, remettendo
informaces do inspector do Thesouro Provincial
e mais papis annexos, afim de se resolver sobre
a decretaco de crdito de 534200 de transportes
da estrada de ferro do Recife a Limoeiro em Abril
ltimos.A' commisso de orcamento provin-
cial.
Outro do mesmo, idem, idem, sobre a decretaco
de crdito de 144200 para pagamento de trans-
portes a presos pobres, noa carros du estrada de
ierro do Recife ao 8. Francisco, em Julho ultimo.
A' commisso de orcamento provincial
Ootro do da provincia do Espirito Santo, aecu-
sando a recepeo dos Annaes de 1885 e remet-
tendo un. exemplar das leis daquella provincia,
do mesmo anno.Iateirada.
Urna petico do bacharel Jos da Cunha Libe-
rato de Mattoa requerendo a restituico de 3684695
que sua mulher pagon de mais como herdeira de
D.Genoveva Rosa da Silva, sua tiaA'com
miasilo de rreamento provincial.
Outra de D. Candida de Oliveira Lamenha Lins,
legataria e herdeira dos lens da referida D Ge-
noveva, sua tia, requerendo a restituios de 5004
que pagou do mais de taxa relativa uo legado.
A' commisso de orcamento municipal.
Outra de Anto Borges Alves, escrivo do cii-
me e jury da Gloria do Goit, requerendo a con-
s'gnac&o da quota de 4004 que Ibe dev de cusas
de processsosa Cmara Municipal d'allLA' com-
misso de orcameuto municipal.
Ontra de Tito dos Pasaos de Almeida Rosas,
tabellio publico e escrivo do jury de Florera,
requerendo coasi^naco de verba no orcamento
para seu filho Tito, de 18 de idade, estudar nesta
capital.A'commisso de orcamen'.o provincial.
Foi imprimir, sob n. 92, um projecto resta-
belecendo o eueino religioso naa escolas publicas
do instrueco primaria, sendo; a requerimento do
Sr. Ratis e Silva, dispensado da impreaso em
avulsos, afim de ser dado para ordem do dia.
Leu-se e foi apoiado um requerimento do Sr.
Jos Maria, pod'ndo iuformiooes sobre o facto de
achar-se armada de faca de ponto, na madrugida
de 28, na ra do Baro da Victoria, urna praca do
2 batalho de linha.
Ficou dito requerimento sobre a mesa para op-
portunamente ser discutido.
Continuando a discusso do requerimento do
Sr. Jes Mana, pedindo informaces sobre a priso
de Primo de tal, effectuada pelo subdelegado do
1" districto da freeuezia da Boa-Visto, orarara os
Srs. Jos Maria e Sophronio P< rclla, depois do
que pedio aquello e obteve a retirada de dito re-
querimento.
O Sr. ophronio Porteila, pela ordem, reclamou
providencias contra as galeras, lendo o Sr. 1 se-
cretario os artigos do regiment 187 e 188.
Adiou-se pela hooa a discusso do requerimento
ssbre a praca do 2 batalbo de linha, tendo orado
o Sr. Jos Maria.
1.* PARTE DA ORDEM DO DIA
Procedeu-se a votaco das emendas ao art.
2' do projecto n. 43 deste anno, dando o resultado
abaixo, e tendo, pela ordem, orado diversos Srs.
deputados.
Foram nominaes as vota,oes das seguintea
emendas :
N. 114, 2* parte, a requerimento do Sr. Jes
Maria ; pro, oa Srs. : I "osta Ribeiro, Jos Maria,
baro de Itapissuma, visconde de Tabatinga, Ro-
goberto, Andr Dias, Barros Barreto Jnior, Lou-
renco de S, Joo de Oliveira, Regueira Costa
Juvencio Mariz, Sophronio Porteila, Prxedes Pi-
tanga, baro de Caiar e Solonio da Mello, 15 ; e
contra, os Srs. : Reg Barros, Ferreira Velloso,
Joo de S, Julio de Barros, Soares de Amorim,
Herculano Bandeira, Costa Gomea, Domingues da
Silva, Ratis e Silva, Coelho de Moraes, Luiz de
Andrada, Ferreira Jacobina, Rodrigues Porto,
Constantino de Albuquerque, Antonio Victor, Au-
gusto FraDklin, Joo Alves e Gomea Prente, 18 ;
N. 89. requerimento do Sr. Regueira Costa :
pro, oe Srs.: Reg Barros, Ferreira Velloso, Julio
de Barros, visconde de Tabatinga, Soares de Auio-
r'm, Herculano Bandeira, Costa Gomea, Domin-
guea da Silva, Barros Barreto Jnior, Coelho de
Moraes, Joo ie 'liveira, Rodriguea Porto, Cona
tontino de Albuquerque, Sophronio Porteila, An-
touio Vctor, Joo Alves, Gomes Prente e Luiz
de Andrada, 18; s coutra, os Srs. : Costa Ribeiro,
Jos Maria, Joo de S, baro de Itapissuma, Ro-
goberto, Andr Dias, Ratia c Silva, Lourenco de
S, Regueira Costa, Ferreira Jacobina, Juvencio
Maris, Augusto Franklin, Prxedes Pitanga, ba-
ro de Caiar e Solonio de Me'lo, 15;
N. 90, 1* parte, a requerimento do Sr. Regueira
Costa : pro, os Srs.: Reg Barros, Ferreira Vel-
loso, Julio de Barros, visconde de Tab .tinga, Soa-
res de Amorim, Herculano Bandeira, Costa Gomes,
Domingues da Silva, Ratis e Silva, Barres Bar
reto Jnior, Coelho de Moraes, Joo de 01 veira,
Luiz de Andrada, Rodrigues Porto, Constantino de
Albuquerque, Sophronio Porteila, Autonii Victor,
Joo Alves e Gomes Prente, 19 ; e contra, os
Srs. : Costo Ribeito, Joo de S, Jos Maria, ba-
rio de Itapissuma, Rogoberto, Andr Dias, L >u-
renco de S, R-gueira Costa, Ferreira Jacobina,
Juvencio Mariz, Augusto Franklin, Prxedes Pi-
tanga, baro de caiar e Solonio de Mello, 14 ;
N. 90, 2.* parte, a requerimento do Sr. tteguei
ra Costa ; pro, os Srs. liego Birros, Ferreira Vel-
loso, Julio de Barros, Visconde de Tabatinga,
Soares de Amorim, Herculano Bandeira. Costa
Gomes, Domingues da Silva, Barros Barreto J-
nior, Coelho de Moraes, Joo de Oliveira, Luis de
Andrada, Rodrigues Porto, Constant no de Albu-
querque, Sophronio Porteila, Antonio Victor, Au-
gusto Franklin, Joo Alves e Gomes Prente, 20;
e con ti a, os Srs. : Costa Rioev, Joo de S, Ba
rio de Itapissuma, Rogoberto, Andr Dias, Lou-
reaco de s, Regueiro Costa, Ferreira Jacobina,
Juvencio Mari, Prxedes Pitanga, Baro de
Caiar s'olonio de Mello, e Jos Maria, 13.
N. 38, a re (uerimento do Sr. Regueua Costa :
pro, os Srs.: Reg Barros, Ferreira Velloso, Julio
de Barros, Visconde do Tabatinga, Soares de
Amorim, Herculano Bandeira, Costa Gomea, Do-
mingues da Silva, Barros Barreto Jnior, Coelho
de Maraes, Joo de Oliveira, Luiz de Andrada,
Rodrigues Porto, Constantino de Albuquerque,
Sophronio Porteila, Antonio Vctor, Joo Alves e
Gomes Prente, 18 ; e centra, oe Srs. : Costa Ri
beiro, Jos Mara, Joo de S, Baro de Itapis-
suma, Rogoberto, Andr Dias, Ratis e Silva, Lou-
renco df S, Regueira Costa, Ferreira Jacobina.
Juvencio Mariz, Augusto Franklio, Prxedes Pi-
tanga, Baro de Calar e Solonio da Mello, 15.
N. 141, a requerimento do Sr. Jos Mana : pro,
os Srs. : Costa Ribeiro, Jos Maria, Bare de Ita-
pissuma, Visconde de Tabatinga, Soares de Amo-
rim, Rogoberto, Costa Gomes, Andr Dias, Bar-
roa Barreto Jnior, Joo de Oliveira, Regueira
Coate, Sophronio Porteila, Baro de Caiar e So
Ionio de Mello, 14; e ontra, oa Srs. : Reg Bar-
roa, Ferreira Velloso, Joo de S, Julio de Barros,
Herculano Bandeira, Dominguus da Silva, Ratis e
Silva, Lourenco de >", Coelho de Moraes, Luiz
de Andrada, Ferreira Jacobina, Rodrigues Porto,
Juvencio Mariz, Constantino de Albuquerque,
Antonio Victor, Angosto Franklin, Prxedes Pi-
tanga, Joa Alves e Comes Prente, 19.
N. 154, a requerimento do Sr "Jos Maria ; pro
oa Srs. Jos Maria, Baro de Itapissuma, Viscon-
de de Tabatinga, Soares de Amorim, Costa Gomes,
Andr Dias, Barros Barreto Jnior, Joo de Oli-
veira, Regueira Costa, Baro de Caiar o Solonio
de Mello, 11 ; e contra oa Sra. Costa Ribeiro,
R-go Barros, Ferreira Velloso, Joo de 8, Julio
de Barros, Herculano Bandeira, Rogoberto, Do-
mingues da Silva, Ratis e Silva, Lourenco de S,
Coelho de Moraes, Luiz de Andrada, Ferreira Ja-
cobina.'Redrigues Porto, Juvencio Mariz, Cons-
tantino de Albuquerque. Sophronio Porteila, An-
tonio Vctor, Augusto Franklin, Prxedes Pitan-
ga, Joo Alvos e Gomea Prente, 22 ;
N. 84, ultima parte, a requerimento do Sr. Jos
Maria : pro o Sra.: Reg Barros, Ferreira Vel-
1080, Visconde de Tabatinga, Soares de Amorim,
H -rculano Bandeira, Costa Gomes, Barros Bar-
leto Jnior, Joo de Oliveira, Luiz de Andrade e
Constantino de Alb iquerque, 10 ; o contra os Sra.
Costa Bibeiro, Jos Masa, Joo d S, Baro de
Itapissuma, Julio de Barros, Rogoberto, Domin-
gues da Silva, Andr Dias, Ratis e Silva, Lou-
renco do S, Coelho de Moraes, Rogueira Costa,
Ferreira Jacobina, Rodrigues Porto, Juvencio
Mariz, Sophronio Porteila, Antonio Vctor, Au-
guato^Fnink'in, Prxedes Pitonga, Joo Alves,
Gomes l*arente, Baro de Caiar e Solonio de
Mello, 23;
N. 87, 1* parte, a requerimento do Sr. Juven-
cio Mariz : pro, oa Srs. Reg Barros, Ferreira
Velloso, Julio de Barros, Visconde de tabatinga,
Soares de Amorim,Herculano Bandeira, costa Go-
mes, Domingues da Silva, Barros Barreto Jnior,
Coelho de Moraes, Jco de Oliveira, Luiz de An-
drala, Rodrigue* Porto, Constantino de Albuuuer-
que, Sophronio Porteila, Antonio Victor e Gomes
Prente, I 7 ; e contra os Srs. Costa Ribeiro Jos
Maria, Joo de S, Baro de Itapissuma, Rogo
berto, Andr Dias. Ratis e Silva, Lourenco de
S, Regueira Costa, Ferreira Jacobina, Juvencio
Mariz, Augusto Franklin, Prxedes Pitanga, Joo
Alves, Baro de Caiar e Solonio de Mello, 16 ;
Aps a votaco desta emenda, travou-se um de-
bate pela ordem, em que toraaram parte os Srs. :
Jos Maria, Andr Das, Regueira Costa, Ferreira
Jacobina e Barros Barreto Jnior ; e tornando-se
tumultuosa a sessao, o Sr. presidente a suspendeu
por 15 minutos.
Reaberta, orou de novo pela ordem o Sr. Jos
Maria, c nao havendo numero para continuar a
votofo das emendas, o Sr. presidente levantou- a
sessao, designando a seguiute ordem do dia : 1 e
2.a partes : continuaco da antecedente.
'i resultado das emendas votadas foi o seguinte :
aprovadas as de ns. 26, 51, 86, 87, na 1.a parte ;
88, 89, 90, 106 e 112 ; prejudicadas as do ns. 17,
35,37, 48, 52,53,54, 61 67,131, 142,143, 156,
162, 163 e 164 ; rejeitadas as de ns- 18. 55, 60,
87, na ultima parte ; 114, 141 e 154, e retirada a
de n. 165.
KfcviSTA DIARIA
Gremio Lltterarlo. RecreativoFue-
ciona boje ata aociedade, s 5 horaa da tarde, na
respectiva sede.
1 Tragedla* do Recife- Est publicado
o 2 fascculo de romance As Tragedias do Recife,
do Sr. Dr. Carneiro Vilella, romance de que j
as oec upamos.
Cumpaubia do BeberibeConforme ee
v do aununcio inserto na seceo propria deste
Diario, foram registradas, durante o anno social
prximo fiado, de 1 de Maio de 1885 30 de Abril
do correte anuo, aa transferencias de 2,516 ac-
edes, sendo 1,198 por devoluco de heranca e 1,318
por venda.
Conflicto e ferimento Em trras do
engeuho Aojo, do 1 districto de -'erinhem, tra-
varam conflicto entre si os individuos de nomes
Mano'el Fmisinino, Joo C*rpina, Joo Maricas,
Nicolao Principe e Augusto Pessoa, todos os quaes
estavam embriagados e excitados por ciumes ; e
da luto, resultou sahir gravemente ferido Manoel
Felismino cora duas facadas que Ihe deu Joo Car-
pina.
O (.Hendido falleceu quatro dias depois.
Foram presos Joo Principe e Augusto Pesaoa.
Os outros delinquentes evadiram se.
Oa larapioaEstes industriosos na madru-
gada de sabbado, arrombando urna porta da casa
n. 11 da ra de Fernandes Vieira, onde reside
o Sr. Francisco Jos da Costa e Silva, procur&vam
all penetrar, quando, sendo presentidos, fugiram
aos tiros que contra elles dispararam.
Acudindo a patrulba rondante, nao maia os vio ;
mas, ouvindo apitoa que partiam dacaaan. 10,
para alli se dirigi, e encontrou os taes sucios, que
tinham tambera ahi penetrado por ama janella que
forcaram, nao podendo entretanto prendel os.
Oa larapios apenas levaram ura papagaio, qua
por fim abandonaram quando eram perseguidos
pela dua patralha..
Desenbo de palsagem No Lyceo de
Artes e Oficios abr -ae boje um curso nlio de ptisagem, dirigida pelo Sr. J J. Telles
Janior. A anla funecionar a tercas e sextas-
feiras, das 6 s 7 horas da tarde.
Acham-se abertaa matriculas para referido
curso.
Bendimentes publico* Arrecadaram
as seguintea estacoes em Maio :
Alfandega :
(scmbleii ProvincialFuuccionouhon-
tem, sob a presidencia do Exm. Sr. Dr. Jos Ma-
noel de Barros Wanderley; tendo comparecido 35
Sra. deputados.
O Sr. Liurenco de S, pela ordem, pedio e ob-
teve que fosee publicada no jornal da caaa a acta
da sessao antecedente, e somente depois d'isto
submettida a discusso.
O Sr. Io secretario procedeu leitura do se-
guinte expediente:
Um offieio do secretario do governo remetten-
do urna informaco da repartico das Obras Pu-
blicas, e declarando que os reparos precisos no
edificio desta Aaaembla serio feitoa depoia do
encerramento dos trabalhos da actual sessao.
Inteirada.
Outro da cmara municipal de Ouricury, com-
municando ficar sciente de ter assumido a admi-
nistraco da provincia o Exm. Sr. Dr. Ignacio Joa-
quin de Souza Leo. Inteirada.
Urna petico de Carlos Ferreira da Silva, escri-
vo do jury e crime de Bom-Jardim, requerendo
pagamento do que Ihe deve a cmara municipal
d'alli, de custas.A' commisso de orcamento
municipal.
Rejeifou-se, depoia de orarem os Sra. Jos Ma-
ria e Sophronio Porteila, o requerimento adiado
d'uquelle Sr. deputado, pedindo inf irmacSes so-
bre urna praca de linha do 2- batalho, que na
madrugada de 28 de Maio ultimo estivera na ra
do Baro da Victoria.
Foi lido, apoiado e adiado a pedido do Sr. An-
dr Dias, ura requerimento deste, pedindo infor-
maces sobre as providencias dadas no sentido de
cohibir oa desmandos conmettidos peb sargento
do destacamento da cidade da Victoria.
Paseou-se 1' parte da ordem do dia.
Votaram-se diversas emendas aoart. 2- do pro-
jecto n 43 deate anno (orcamento provincial), fi-
cando adiada a votajo pela hora.
A ordem do dia : Ia parte continuaco da an-
tecedente ; 2 parte : V d8CU3so do projecto n.
'.'2 deste anno e continuaco da antecedente.
Agentes do CrreloPor actos da Pre-
sidencia da provincia, de 24 e 29 do corrento e so-
bre proposta do administrador doa Correios, foram
nomeados :
Agente na cidade da Victoria, Maria das Dores
de Oliveira Maciel.
Agente da eataco de Camp3-Grande, Henrique
Cavaleaute d Albuquerque.
Ajudante do agente de Cabrob, Joo Barbosa
Penna.
tinierno da BiwpadoDiz a Aurora de
30 de Maio que, e 21 27, foram passadas :
Proviso de coadjutor para a freguezia de San-
to Anto da Victoria, por tempo Je um anno, a
favor do Rvd. Jos Paulino de Andrada.
Carta demissona para se ordenar de suhdiaco-
no, dicono o presbytero na diocose do Cear, em
favor do clrigo EmygiioCardoso de Souza, na-
tural desta diocese, da fregjezia do Catle do Ro
cha, na Parahyba.
Carta de eonego honorario da cathedral de Olin-
da, a favor do Rvd. Joaquira Antonio de Siqueira
Torrea, arcipreste nesta provincia e vigario da
freguezia de Villa-Bella.
dem, a favor do Rvd. Bernarda de Carvalho
Andrade, arcipreste na proviucia da Parahyba e
vigario da freguezia da Serra do Teixeira.
dem, a favor do Rvd. Pedro Soares de Freitas,
arcipreste na provincia do Rio Grande do Norte
e vigario da freguezia de Carabas.
Incendio. No domingo, 30 de Maio, s 6
horas da tarde, manifestou se incendio no primeiro
andar do predio n. 49 da ra do Bom Jess, onde
tem deposito de movis o leiloeiro Gusino.
O incendio comeeou na parte posterior do dito
pavimento, sendo ateiado em um maco de capas
para chapeos de sol, onde pareceu que cabio urna
braza da coiinba do segundo andar do dito predio,
e por um buraco existente no respectivo soalho.
Dados os signaes, aeudiram as autoridades poli-
ciaca e as bombas doa Arsenaes de Marinha e
Cu-n a; mas estas nao ebegaram a funecionar,
porque, mediante alguna canecos d'agua, foi ex-
tincto o incendio, ainda em coraeco.
O prejuizo foi diminuto: e o incendio foi mani-
fostamente casual.
Paquete Manos,- Este paquete naci
nal, tendo sabido da Fortaleza hontem tarde, to-
car hoje no Natal, amanh na Parahyba e no dia
3 do eorrente em Pernambuco.
Denaatlre. No sabbado ultimo, o trem da
ferro-via do Caxang, que largou do Recife, s 8
horaa e 15 minutos da noite, ao passar pelo En-
troncainento, esmagou um individuo de nome Luiz
da Frota Martn) do Sacramento, o qual, sendo
assageiio desse trem, tentou saltar de um dos
carros quando o mesmo trem estava em movimento
e toi apanhado pelas rodas dos vehculos, que Ihe
passaram sobre o tronco.
Trazido o infeliz para o Recife e recolhido ao
hospital Pedro II, era lamentavel estado, falleceu
no domingo s 3 horas da tarde.
Heanlo acadmicaAmanh, 1 h-ra
da tarde, devem reunir-se, na respectiva sala da
Faculdade de Direito, os alumnos do 6 anno do
curso, para trataren, de negocio que lhes in-
te ressa.
.linterna MacicaPublicou-se o n. 155
deste peridico humorstico ilustrado.
670:6484648
673:75^4778
985:3714476
721:41644410
876:3574221
40:8314818
39:5604141
50:0234401
52:2944473
59:3234021
154:0874282
117:4034697
124:4874473
(16:7644288
170:2504640
do Consulado Provin-
De 1886
De 18S5
De 1884
De 1883
De 1882
Recebedoria Geral
De 1886
De 1885
De 1884
De 1883
De 1882
Consulado Provincial :
De 1886 (*)
De 1885
De 1884
De 1883
De 1882
() Na renda de Maio
cial figura a quantia de 48:0724661, proveniente
dos impo8'os de exportoco e gyro commcrci.il,
arrendados pela Alfandega de 17 a 31 do dito
mez.
O Enfado. Com este titulo distribuicse
hontem o Io numere de um quinrenario, orgo do
Club Litterario Digues Junr, fundado entre os
alumnos do Instituto Dezenove de Abril.
Deaejamos-lhe Ionga e prospera existencia.
Inquerllo.Pelo subdelegado do Io distric-
to da B ^a-Vista, foi remettido ao Dr. juiz de di-
reito do 4o districto criminal, o inquerito policial
contra Manoel Jos Dionizio, por crioso de feri-
mento.
Irmas defeaaa* Pelo mesa o subdelega-
do foi remettido ao Dr. chefe de polica, 10 facas
de ponta, 6 compasaos, 3 navalhaa, 1 caivete e 1
estoque, armaa, que foram tomadas pelo dito sub-
delegado.
Ttaesouraria de Fasenda. Hontem
procedeu-se a balanco inesperado nos cafres desea
repartico, de accordo com aa ordens em vigor, en-
contrando se exactos os saldos exiatentea as di-
versas caixas a cargo do respectivo thesoureiro.
Movimento de dinbeiro No mez pr-
ximo findo a praca do Recife, sob a reeponsabili -
dade das diversas companhias de vapores que a
servem:
Recebeu
Expedio
A expedicao foi para :
Rio de Janeiro
Alagoas
Fernando
Parahyba
Rio Grande do Norte
Cear
Para e Amazonas
Club Acadmico vivi Romero.-
Funccionou ante-hontem este Club, em sessao or-
dinaria, sob a presidencia do Sr. Costa Carvalho
Filbo.
Lida e approvada a acta da sesao anterior, e
depoia de discutidas e approvadas diversas ques-
tes de ordem, os Srs. Gama e Serpa desenvolve-
ram as theses para que foram sorteados.
Totnou assento, como socio effectivo, o Sr.Silva
Cabral e posee de 1* vice-preaidonte para que lora
eleito, o Sr. Liberato.
Foi reconhecido socio effectivo por proposta de
Sr. Alfonso Gama, o Sr. Caasiano Lopes.
Foi exonerado, a seu pedido, do cargo de Io se-
cretario o Sr. J. Serpa e nomeado para substituil-o
o Sr. P. Franca.
Procedeu-se ao sorteio para o primeiro jury h's-
torico que deve ter lugar na prxima sessao ordi-
naria, recahindo a sorte para o personagem hist-
rico em Carlos Magno, para promotor no Sr. 0.
Leite e para advogado no Sr. P. Franca.
Fundo de emanclpaco Desde que
comecou a ser applicado este fundo, teem sido por
aua conta alternado- 24.165 escravoa, mediante a
despeza abaixo declaiada
483:874403*
506:9404321
365:3764000
42:6004000
240400*
12:300300
60:601)4(00
13:610400t
12:2144324
E c. alforriados Despeza
Mina3 Geraea 4.230 3.509:4374
Rio de Janeiro 4.115 3.300:120
Baha 3.202 1.552:4204
S. Paulo 2.791 2-269-.8104
Pernambuco 2.249 1.180:850*1
Cear 1.805 2 :335|
Rio Grande do Sul 1.466 771:4S14
Maranho 1.408 770:7244
Parahyoa 78J 292:5764
Municipio Neutro 754 414:3104
Alagoas 734 366:7834
Piauhy 710 262:0044
Sergipe 659 317:2764
Para 566 315:17.14
Espirito Santo 422 284:3154
Santa Catharina 356 158:2284
Rio Grande do Norte 329 136:2204
Paran 200 116:9244
royaz 197 92:7134
Matto-Groaso 138 113:3414
Amazonas 52 37:1424
Total 24.165 16.443:6724
Levada em conta a quantia de 972:9025 com a
qual teem contribuido os libertandos para a sua al-
forria, eleva-sa a 17.416:5744 o eusto total das
21.165 manumisses obtidas pelo emprego do funde
do emancipaco. O preco medio das manumistoea
tora sido, portante, fraccocs despresadas, de 7204,
inclusive a contribuico dos peculios, ou de 6804,
considerar nicamente a despeza feita pelo estado.
As medias parciaes do custo das alforrias, ex-
cluidos e incluidos os peculioa, teem sido as se
guintes :
Com peculios
9134000
9044000
8644000
81340 0
7644000
7484000
6854000
6424000
6294000
5944000
5934000
5624000
5624000
555S000
53840,0
-6234000
4844000
4534"00
3954000
[3884000
1744000
Estas medias, nada satisfactorias, sao deduci-
das de toda|a despeza|effectuada desde que o fun-
do de emancipaco eomecou a ser applicado, e re-
ferem-se,*portaut>, 12 anuos, abraagendo perie-
Matto Grosso
Amazonas
Minas Geraes
Rio de Janeiro
*. Paulo
Em rito Santo
Para
Paran
Rio Grande do Sul
Goyaz
Maranho
Alagoas
Muuicip o Neutro
Pernambuco
Baha
Sergipe
Santa Catharina
Rio Grande do Norte
Parahyba
Piauhy
Cear
Sem peculios
8214004
714400
829400
8014009
705400*
6374009
556400*
594400*
458400*
468400*
547400*
499400*
550400*
525/00*
484400*
481400*
445400*
414400*
307400*
369400*
161400*

i
l
I

r
i


1
ario ffe T^naiiilHwfTerfa^-feira I de Junho de 1886


J
dos em que a propriedade- escrava, j em raeo da
idade, j por outraa netorins circuinstancias, tinha
maito maior valor vwd do que prMB*efliito.
Se a adinmistrayo conhecesse a ladia annaal,
estamos certos qu a dos dous ltimos annos se
mostrara sensivelnente reduzida, a despeito da
exageradlo daa avaliacdes, que todos temos debal-
de deplorado, ha tanto tetnpo.
Carpo da armadaPreenehidas qaaes te
acham as vagas deste corpo, excepto na classe de
segundos tenentes,- est constituido doeegainle
modo o mesmo corpo :
Almirante 1
Vice-almirantes 2
Cbefes de esquadra 4
Chefes de divisSo 8
G .pitaes de mar e guerra 16
Capitaes da fragata 30
CapitSes-tenentes 0
Primaros tenentes 160
Segundos-teneutes 119
Na classe de segundos tenentes ha 121 vagas.
A respcico desta organisaoao dia o ultimo reta-
torio do competente ministerio : O pcsioal do
corpo da armada pode ser reduzido sem inconve-
niente para o servico publico, sobretudo na classe
dos officiaes generaes cuja numero excessivo, o
que tras para o governo difficuldades para cullo-
cal-os em empregos correspondentes as saas pa-
tentes.
"_ Compoe-se esta corporacao de servidores iu
tclligente-s e dedicados, dignos de elogio pelo modo
porque, em geral, descmpeuham as commisses que
Ibes sao confiadas
Aprendise marinhelroaas 12 es-
colas a que foram rcduzidas, na forma do decreto
de 14 de Fevereiro do ultimo anno, as 18 compa-
nhiau outi'ora existentes, acham-se os seguintes
apreadiz.s marinheiroa :
Amazonas e Para 49
Maranhj 39
Piauhv 51
Otar 126
Parahyba e Rio Grande do Norte 91
Pernambnco e Alagoas 159
Babia, Scrgipe e Espirito Santo 111
Porte e Minas Geraes 243
Paran i 25
S.iuta Catharina 47
Rio Grande do Sul 54
Goyaz e Mstto-Grossn 22
Companbia de Santos 51
pltal rerlaxueiO movimento das
enfermaras deste hospital duraste a semana finda
foi o segu nte :
Existiam em tratamento...... 20
Entraran................... 7
Sahiram curados....,........
Falleeoram.................
Ficam em tratamento........
27
3
2
22
27
1 071
Total
Dotante o auno prximo passado cootribuiram
estes uleis estabeleciraentoe com o contingente do
330 pr cas para pr^enche' os claros que oceorre-
ram no corpo de iniperiaes marinheiros, sendo tor-
necidas 93 pravas p-jla escola desta cidade e 237
pelas escolas das provincias.
Ausnear de be torraba n Chile-
Porto de Santiago, na fazenda dos Guindos, de
Benjamn Malte, foi estabelecida e comecou a
trabalhar, em Marco deste anno, urna fabrica de
assucar de btterraba, consumindo diariamente 800
quintacs de materia prima. Calcula -se que na
safra a.'tnal a porcentagem saecbarina ser de 13
a 14. A fabrica dirigida por dous cbefes es-
irangeiros c 30 operarios chilenos.
A :lia-se- em construefio, as cercanas da cida-
de do Parral, outra fabrica do mesmo genero,
contando-se que a cultura da b.iterraba, qual
se deparam no Chile terrenos particularmente
aptos, tomar alli grande incremento. A fa-
brica de GuinJos rMebeti no correte anno
90,000 quintaes Al beterraba, sendo 80,000 prove-
nientes das plant-icJiM oKal na fazenda da mea-
ma denoiaiuicao.
O Ch'le considerado, as esiatisticas comparati-
Tas, como o paiz que, salvo a Inglaterra, maior
uantidade de assucar consom, proporcienalmente
populacho. No ultimo anuo, segundo dados offi
ciaes, iinportou assucar no valor de 5.500,000 pe-
sos. Apenar disto, a imprensa chilena manifesta a
esperanca de que., dentro de pouoos annos, a cui-
tara aperfeiepada da bsterraba e a fundacb de
fabricas apparelhadas segundo o padro das da
Allemanha e da Austria permittirao repblica
abastecer-so a si roesina de assucar com a pro-
duccao do seu frtil solo.
Liberto exatenarlos -E' at agora
conhecida a existencia dos seguintes libertos oue
adquiriram tal eoudicao, na forma da le n. 3,270
de 28 de Setembra ultimo, p>r baverem attingido
a idade 60 annos :
Maranhao, em 5 municipios
Porahyba, em 16 municipios
Pernambuco, em 19 municipios
Alagas, em 10 municipios
Espirito Santo, em 12 municipios
Municipio neutro
Rio de Janeiro, em 19 municipios
S. Paulo, ere 3 municipios
Paran, em 12 municipios
Sauta Citharina. em 4 municipios
Rio Grande i Snl, em 4 municipios
Miuas-Geraxa, em 77 municipios
G.'Vuz, em 13 municipios
Matto-Grosso, diversos municios
665
602
3,20
1,072
1,224
3,055
11,035
363
278
108
213
13,595
213
231
Total
40,66
O Sr. ministro da agricultura acaba de ordenar
que se prosiga na organisaco aesta estatistica,
de maneira que at o eneerramento da assembla
geral p.ssa ser Ibe annunciado oficialmente qual
o numero de antigos escravos aos quaes j se tez
applicavel o beneficio da recente le.
Rede lelesrapblca do BuladoSe-
Kndo os uiiio recentes dados officiaes as linhas te-
jraph icng do Estado, entregues ao trafego, mc-
dem 10 292k385m com o desenvoivimento de
17,993k576ji de fio ligando entre si 170 estacos.
Aquella extenso ser brevemente augmentada de
liS kilmetros pela abertura da linha de Vizeu
capital do Para.
A linha geral, que pe em communicacao as
principaes povoacoes do littoral, mede 6,690,334
metros desde a cidade de Vizeu, uo Para, at a
fronteira meridional do imperio onde a mesma li-
ha se liga do Estado Oriental.
A exteuso geral da linha entre as estacSs ex-
tremas, e de cada urna para a estacao central na
r>te, a teguinte :
Metros
De Vizeu a Jaguarao 6,826,057
De S. Luiz a Jaguarao 6,576,334
De S. Lniz a Urugrayana 6,120.434
Da corte a Vizeu 4,553,716
Dr t.-te a S. Luiz 4,097,816
Da corte a Uruguay na 2,274.4>1
Da corte a Jaguarao 2,024,718
Durante o anno financeiro de 1384 a 1885, tran-
sitaran! na rede telegraphica 367, 799 telfgram-
mas com 5,598,816 palavra sendo :
Officiaes : 48,332 com 1,816,497 palavras.
Particulares : 319,467 com 3,782,319 palavras.
O movimento finan:eiro do rresmo anaa.fji se-
elinte :
cceita arrecadada 700,619*233
Cnsteioe construccao 2,109,570*545
Maior d'speza
1,408,951*311
O transito dos telegrammas officiaes, a ser pago
Sela tarifa dos particulares produzina a receita
u 644:58 J54O0. '
Do c>nfi'on*o destrs algnrismos com os do anno
anterior (1883-1884) resulta a favor de 1884-1885
a differenca do 35,915 t-.-legrammas e 692,732 pa-
lavras para maia. Iiifelismente, este augmento
verific iii-se na coirespondencia official, porque a
renda proveniente dos telegrammas paiticulares,
tendo sido de 724:853*908 no anno de 1883-1884,
baixou no anno immediato a 700:619*233, em
quauto a reccit ficticia dos telegrammas oficaos
augmentou do. 315:077*700 para, 644:583*400, ou
mais do dabro.
JeHe.Effectaar-se-hao:
Hoje :
Pelo agente Sth-eira, s 11 horas, na raa do
Imperador n. 75, de_predio, terreno o engenho.
Pelo agente Tirito, s 111/2 horas, na ra do
Imperador n. 16, dw predio.
Velo agente Modulo iiapiisla, s 11 horas, na
roa do Imperador n. 75, de dividas.
Amanha :
P Visconde de Iuh-tma n. 48, Je miudezas e quin-
quilhanas, fazendns, roupaa, etc.
Pelo agente Gutm&o. s 11 horas, na ra Da-
que de Caxiss n. 77, de miudezas.
i Pelo agente Mart's, s 11 horas, na roa do
Imperador n 16, de urna hypotheea.
Miiwt faaebre*. Serio celebrad**:
Hoje :
A's 7 1/2 horas, no Eipirilo-Santo, por alma le
Antonio Jos Lo oes Braga; s 7 1/2 horas, oa
Ordena Terceira de S. Francisco, por alma de >.
Fraocisca Brasilina Lima.AmaraL
Amanhl:
A's 8 horssjna matriz da Boa-Vista, por alia
de Joao Florentino Ca ;akante de Albuquerque
Contina de semana o mordomo Jos Sabino de
Abreu Cardoso
Caos de Detrnro Movimento dos pre-
sos no da 30 de Maio :
Existiam presos 314, entraram 8, sahiram 6,
existem 316.
A saber:
Nacionaes 285, mulberes 6, estrangeiros 7, es-
cravos sentenciados e processados 8, ditos de cor-
reufao 10.Total 316.
Arracoadcs 257, sendo : boas 245, doentes 12
Total 257.
Nao houve alteracao na enfermara.
Loierla da provincia.Quarta-fe ira, 2
de Junho, se extraiiir a lotera n. 56, em bene-
ficio da igreja matriz de Agna Preta.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceieao dos Militares, se acharao expostas a s
nrnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica apreciado do publico.
Lotera Extraordinaria do Vpl-
ranfraO 4a e uleimo sorteio das 4* e 5> series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000*000, ser extrahida a 12 de Junho proxi
mo.
Acham-se expoeto a venda os restos dos bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marc j
n. 23.
Lotera do RioA 2* parte da lotera n.
197, do novo plano, do premio de 100:000*000,
ser extrahida no dia 4 do corrente.
Os bilhetes acham-se venda oa Casa da For
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambero acham-se venda na praca da Inle
ca ns. 37 e 39.
Lotera de Macelo de SOOiOOOAoo
A 10' parte da 12* lotera, cujo premio grande
de 200:000*000, pelo novo plano, ser extrahida
impreterivelmente no dia 1 de Junho s 11 horas
da manha.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In
dependejeia us. 37 e 39.
Lotera da corteA 1* parte da '64 lo-
teria da corre,cujo premio grande de 100:000*,
ser extrahida no dia 9 de Junho.
Os bilhetes acham-se venda na Casa Felis,
praca da Independencia ns. 37 e 39.
Tambem se acham vendana Casa da Fortuna,
ra Primeiro de Marco n. 23.
Matadoaro Publico Foram abatidas
no Matadoaro da Cabanga 78 rezss para o consu-
mo do dia 31 de Maio.
Sendo: 65 pertencentes aos Srs. Oliveira Cas
tr < C, e 13 diversos.
No mesmo estabelecimento foram tambem
abatidas para o consumo do dia 1 do corrente 80
rezes.
Sendo : 65 pertencentes a Oliveira Castro & C ,
e 15 a diversos.
Mercado Municipal de *. Jo.0
movimento deste Mercado nos dias 30 e 31 do cor-
rente, foi o segninte:
Entraram :
72 bois prsando 10-630 kilos.
672 kilos de pcixe a 20 ris 134440
67 cargas de farinba a 200 res 13*400
23 ditas de truc-tas diversas a 300
ris 6*900
23 tabolciror a 200 ris 4*600
29 suinos a 200 ris 5*8u0
Foram oceupados:
42 columnas a 600 ris 25*000
56 compartimentos de faiinha a
oOO ris 28*000
46 compartimentos de comidas a
bOOris 23*000
156 ditos de l.-gumes a 400 ris 62*400
32 compartimentos de sumo a 700
ris 22400
26 ditos de tressaras a 600 ris 15*600
4 talhos a 500 ris 2*000
18 ditos de ditosa 2* 26
108 talhos de carne verde a 1* 108*0*
Dr. Oliveira Escorel. 2. promotor pu
buco, tem seu eacriplorio de advogacia da
ua Primeiro de Marga n. 2.
Dr. Seabra. Madou seu escripia de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
atronarla
Frandno Manoel da Suva <& C-. 3-
sitarios de todas as especialidades pharm
ceutic-AB, tintas, drogas, productos, chimioo
e medicamentos homceopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Faria, Sobrinho & C, drogustos poi
attacado. Ra Mrquez de Otind n. 41.
Serrarla a Vapor
Serrar/a a vapor e officina de carapino
de Francisco dos autos Macedo, caes de
Capibarioe n. 28. N'este grande estaba e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta albeia, assim como se preprala obras
de carapira por machina e por preeps sem
comrwi'An'*,a
PIBLll'ACOES A PEDIDO
lllms. Srs. Redactores.No meu discurso publi-
cado no Diario de 28 do corrente, deu-se um enga-
o typograpbico que, por alterar profundamente
o sentido da phrase, rogo o Vv. Ss. tenham a hon-
da de rectificar.
Em vez de laso quer d'zer que viemoe aqui
prestar simplsmente o ultimo tributo de admira-
glo leia-se : Isso quer dizer que nao vie-
ntos >, etc, como est no autographo.
Confesso me desJe j muito grato por este fa
vor, assignando-me com sinceridade-De Vv. Ss.
attento, venerador e criado, Jodo Ribeiro Peisoa
de Oliveira.
Pao d'Alho, 30 de Maio de 1886.
Deve ter sido arrecaiada nestes dias
aqnantiade 366*740
Presos do dia:
Carne verde a 4S0 e 240 is o kilc.
Suinos a 560 e 8 0 ris idein.
Catnciro a 700 e 1*000 ris idem.
Fannha de S0 a 400 ris a cuia
Milbo de 280 a 320 ris idem.
Feijode 800 a 1*400
Cemlterlo publicoObituario do dia 28
do corrente :
Elpidio, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos ; inte-
nte
Um recem-nascido, Pernambuco, S. Jos; nas-
ceu morto.
Isabel, Pernambuco, 90 annos, casada, Boa-Vis -
ta ; velbice.
Antonia Mara de Araujo, Pernambnco, 50 an-
nos, Boi-Vista; hemorrhagis cerebral.
Celestina*. Pernambuco, Boa Vista : eclampsia.
Dia 29
Mara, Pernambuco, 55 dias, S. Jos ; ttano.
Manoel, Pernambuco, 2 1|2 annos, Gra^a ; ca-
chen a.
Arthur Pernimbuco, 17 mezes, Boa-Vista ;
convulses.
Mana, Pernambnco, 4 mezes, S. Jos ; convul-
ses.
Severiana, Pernambaco, 11 annos, Boa-Vista ;
tubrculos pulmonares.
Gertrudes, Pernambuco, 18 annos, solteira, Boa-
Vista : tubrculos pulmonares.
Martiniano Manoel de Oliveira, Pernambuco.
30 annos, solteiro, Boa:Vsta ; pneumona.
Dia 30
Joanna Mara da Conceieao, Pernsmbuco, 36
annos, solteira, Boa-Vista ; febre perniciosa.
Damiana Severina Dolorosa, Pernambuco, 20
anno?, casada, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Manoel, Pernambuco. 2 mezes, S. Jos; e-
elampsia.
Clara Donata da Silva, Pernambuco, 26 annos,
solteira, Boa-Vista ; ulceras syphilitcas.
Manoel Ferreira da Costa, Portugal, 45 annos,
solteiro, Boa-Vista ; tubsrculos pulmonares.
Manoel do Amaral Ferreira, Portugal, 51 annos,
casado. Boa-Vista ; anemia.
Amaro, Pernambuco, 4 dias, Boa-Vista ; ttano,
IHDICAgOES DTEIS
Medlcoa
Consultorio mediru clrurglco do Dr.
Pedro de Atlabyde Lobo Hoscoso a
ra da loria n. 3.
O doutor Moscozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manha'
Este consultorio offorece a commodidt.
do de poder cada doente ser ouvido o exa
ininado, sem ser presenciado por outn-
De meio dia s 3 horas da tarde ser <
Dr. Moscozo encontraxlo no torreSo pa
a do Commercio, onde funcciona a ibs
peccSo de sade do porto. Para qualquer
d'cstca dous pontos poderlo ser dirigidos
js chamados por carta as indicad as horas
Di: Miguel Themudo mudou san consul-
orio medico e residencia par a raa Nova
a. 7, 1. andar, onde d consultas das 12
8oras s 3 da tarde e recebe cahmados a
qualquer hora. Especialidadespartos fe-
bres, syphilis e molestias do pulrnao e co-
jaco.
O Dr. Arthur Imbassahy, medic occu
lista, recentemente chegado, esta cidade,
d consultas tod>s os dias, das 8 s 10
horn.'i da manha, sendo gratis aos pobres,
no 1. andar do predio n. 53 da ra da Im-
pera tris.
Dr. Barreta Snmpaio d cocsultas de i
s 4 hoias da tarde, ra do Bar.lo di
Victoria n. 45, 2. andar, reaidoncia raa
io; Riachuelo o. 17, canto da ra de Pires.
4dtogado
O bacharel Benjamn Bandeira, ra de
Imperador n. 73, 1." an lar.
O Dr. Gaspar Itrtiniuiouil
AOS SEOS ILLU3TEKS FILHoS, DB. QASPAB
DBCMMOND E SEDS DIQSOS IBMOS,
Onnes morrimur, et quasi acqua
delabimur in terram.
(Liv. 3/ dos Res)
Como o leao na arena elle tombou I
Nao vencido, porm da lucta exhausto ;
E, da lucta abracado c'os laureis,
Da morte adormece no leito infausto.
Quem foi?.. Quem foi o vulto venerando
Que contar os seus pleitos por trophos,
Quando a espiral da gloria remontava,
Foi abatido ao p dos mausoleos ?
Quem foi ?.. Quem foi a estrella rutilante,
Que pelos ceas da patria se alteou ?
E, um'orbita tragando luminosa,
No ocano da morte descambou ?
Silencio!.. Hoje urna pedra... eis o quo restal
VeneracSo ios seus sua memoria;
Urna saudade funda n'alma impressa,
E mais um nome no Pantheon da Historia.
Era um anciao: a fronte encanecida
Ante as luctas travadas das ideas ;
Tritao do um mar de glorias que atravesaa,
Como Moyses as vagas Erethreas,
Era lbe o genio o mgico condo,
O patrio amor smente o seu Palladio ;
Nos certamens gigantes que travava
O fulmeu da eloquencia era-lhe o gladio.
Era urna cabera ingente constellada
Ao rutilo explosir do pensamento ;
Quando no Foruma voz sonora ergua
Borrifava-llio a lava do talento.
Sempre leal causa que abracara,
Sempre a ruissao fiel que elle aceitn,
No pugilato ardente das doutrinas
Jamis das suascrenyas renegn.
E foi grande I E a patria o admirou I
Ou, a p'.T.na empunbando, elle escrevesse,
Ou nos grandes comicios populares
As ovajSes e palmas recebesse,
D'uma classe ornamento que elle honrou,
Poli tico esforcadoingente cidadao,
Qual foi na Grecia o grande Epaminondas,
S Ihe cabe da patria a gratido.
Morreu!.. que a foice inoxorarel fria
Da eternij morte a eterna ceifadora,
A espiga abate que gravando vem,
Como a pavea que a seara aloura;
Cga em b^u curso irrevogavel sempre,
Nao oscolhe a planta que o veneno encerra ;
E o cedro altivo, que o viburno abriga,
Cabe rouitas vezes fulminado em trra.
Morreu Qu'importa a morte, quando um nome
Se ha conquista io em gloriosa lida ?
Todos morremos I solucjto tremenda
D'esse problema que chamamos vi 1a;
Porm aquello que, no amor da gloria,
ImpCr-se aos seus pelo prestigio soube,
Depois da morte aioda alera do tmulo,
Recebe o preito que lhe em vid couba.
Todos morremos!... E' o fatal escolho
Onde sossobra esse baixel da vida ;
E ante os umbraes d'esse alcacar escuro
Todos de pomos u'a oracSo sentida...
E' qu'uma cr-mca nos eleva a alma,
Qual da cacoula se levanta o incens ;
E' que noss'alma, se elevando alm,
Vai 1er no livro diante Dous suspenso...
Porm, n3o morra o grande Lomera nao !
lrnbora a morte avassallal-o venha,
Alma que em vida se adornou de palmas,
Mostra Ihe as palmas por celeste senha.
Tal ello foi I.. E o immorredouro nome,
Qual se hoje grava na funrea pedra,
Se gravar as grandiosas almas
Onde a virtude em alvos lyrios medra.
Detenjao, 31 de Maio de 188G.
Gustavo Adolpho
tro de merino edr de cumbo, com bolinhas
t velludo granada; e outro de merino
cor de parolas, coa rendas cor de crerne.
4 vestidos de per cale e cassa de cores
defferentes; saias bordadas, camisas in-
glesas para hornera, seroulas, duas calcas
de casimira, sendo urna preta, e outra de
cor, duas sobrecasacas, sendo urna nova
com. a marca ra do Hospicio Rio de Ja-
neiro 2 pares de botinas de pellica, para
senhora diversos pares desapatosde charlo
te, iluaa camisas marcadas com o nome Dr.
Nereu Guerra urna calca e cohete de
flanella azul com a marca Gomes e Sil
va, casacos brancos enfeitados de rendas,
perfumaras etc, um casaco de merino pre-
to com palmas de vidrilho, e enfeites de
setim, e urna bolcinha de couro da Russia
Pede-se as autoridades policiaes a ap
prehenso dos referidos objectos, e dos la-
dr5e, e d'aquelles em poder de quem fo-
rem encontrados taes objectos como cum-
plices de seraelhante roubo, sendo indem-
nisados de qualquer despezas, no referido
engenho Cotunguba.
A Iingua maldizente
ME ESPECIAL AMIGO MAJOB JOS MEN-
DE8 VIEIRA
h'-rdeiro des briosas e honrosos sentimentos, alar-
maram os Coutinhos, Canecas,' Bezerras, Camaj
r>s, Das, Nunes Machados e ootros muitos que
se sacrificaratj pela patria ?
Provincia alguma deste impecio teta lima histo-
ria mais rica de actos uatriotreos a-w seta?
Nao.
No drama Cabo Ctar poe-se em evidencia o
aerysolado amor dos pernambucanos, que para
desatrontarcm a patria da injuria arremessada ao
nosso pavilho, correram ao Paraguay.
Os bataihdes II, 21, 0 c 51 de voluntarios eram
p 'riiainbuc.iuos. Na batalba de Tuyuty, e bem
assim eui outras, que se lbe seguiram, destingui-
ain-se elles ela bravura com que se batiam.
O cabo Cezar, o bem assim o general Campelio
erum pernambucanoe.
Ambos typts da heroicidade honrados, b5o com
rigor descriptos, e foram magistralmeate desera-
penhados p"lus Srs. M-iraes e Lisboa.
Segunda causa : a umita sympathi que os so-
cios do Club Dramtico Familiar tera sabido an-
gariar do nosso publico pelo seu dedicado amor
com trrata e quatro mol res em dinheiro. arta e eorreeto desempenho dado aos dramas
Ronbo, a nulo armada
No dia 18 do corrente roez um alraocre-
ve conduzindo da cidade do Espirito San-
to, de Pao d'Alho, para o engenho Cotun-
guba urna carga com dous bahs, entre os
engenhos Cancolla e. Cotunguba, foi ata-
cado, e amarrado por dous ladr5es, que se
apoderando dos bahus, arrombaram-nos, e
roubarara os objectos seguintes : 3 pul-
seiras d'ouro, tendo urna inscripta a pala-
vra anisade- em perolas, outra repro-
sentande um triangulo, e tendo urna co-
bra, feita de perolas, e a terceira repre
sentando urna or de. coral com palmas de
ouro.
1 relo,rio"para senhora, com alfinete para
pregar c 'elogio-
4 veitidos fines, sendo um de sed
aaul marinho coa enfeites de vellodo e
rendes ; outro de merino c6r de grabada
coa enfoites de setim, da mesma cor ; ou-
.... Do quo nao capaz urna Iingua maldi-
zente ? Mais aguda que urna espada, mais afiada
que urna navalha, ou semelhantc a settas inflatn-
madas, segundo a linguagem do Prophi-ta Rei, os
snus estragos apenas podem parar se a ess^s mon-
tuca de cadveres immolades durante a noife pela
terrivel espada do anjo exterminadorEcce omnes
cadavera mortuorum : ms l pareca s a vida
de um corpo frgil o miseravel; aqui parece a
honra, isto a mais bella porcao da existencia de
um espirito formado para a immortalidade.......
(Marqnez de 8nta Cruz).
Da Nova Selecta Classca, J. B. Rigueira Costa
pag. 94.-
Mais manhosa que o fogo de monturc...,
mais auaaz que as bruxas alcoviteiras.... mais
sanhuda do que as vboras venenosas..., mais
terrivel que todos os incendios..., mais immunda
que todos os paues..., mais infame que todas as
infamias I... ella perverte a virtude.. pro-
fana o quo sagrado..., intriga..., enreda...,
corrompe..., mata. .., destroe... I emfim, para
tal peste nao deve baver castigo algum alcm do
deeprezo pois todas as chammas dos infernos
eu julgo pou :ae para abrazal-a I...outra causa
podrra ser tilo terrivel... mas nada tao misera-
vel I !!...
1884Maio, 25.
Thomaz Cavalcante da Silleiva Lins.
It'n 9.o da do infauato trespasso do
Dr. Antonio Francisco Crrela de
araujo.
Fu nobil'alma la tua, amico mi!
Anti... nel cielo guard*-ti Dio!
Morrer morrer quando a vantura a nos sorrir
Rseos horisontes antev no porvir !...
' mais que triste e doloroso, compungente
No chaos... no desconhecidn atogar-se a mente .'
Cale-se a poltica, quando a patria chora.'...
que felizmente tem levado i scena.
jTercer cauta : o assumpt* de que lanjou mi
o Sr. Dr. Corte Real para compor o Drama.
'. historia de bontm, e ah anda existen! mui-
tos e muitos que foram, uns actores e outroe es
pectadores das scenas do muito amor pela patria,
que de 1865 a 1870 deu provas o povo parnambu-
rano.
Todas estas cousas piovocaram no anno oassa
do o ueste a attenc/io do nosso publico, qu6 na noi-
te de 23 do corrente por mais urna vez deu prova
do seu aproc/i ao mrito real de um escriptor que
tem feito esforcos para cantar Ihe a benevolencia
Consta -nos que no dia 3 do futuro ser O Cabo
Cezar exhibido com todo o aparato, quo demanda
o assumi'to, cboin assim, quu o producto deste es-
pectculo em beneficia do Monte Po dos Vo
lun'arios, e de urna viuva que merece ser soccor-
rida.
Almejamos que a noite de 3 do futuro seja em
tudo semelhante de 23 do corrento.
Recife, 30-586.
Um fluminense.
Visita pastoral de H. K\e. II vina.
ua eidade de i'olmi es
Quando queremos contar um faeto heroico, co
Iheraos primeiram nte todos os dados precisos pa-
ra que o leitor veja escripto a realidale do pas-
sado lancando a sua coutirmacao ao ler : justa-
menta o que feito, trata-se da visita de S. Exc.
Rvma. a esta parochia de Palmares.
Estavamos avisados pelo nosso virtuoso paro-
dio de que S. Exc. Rvma. viaba a esta fregue-
zia, em visita e cnrisiaar: esta noticia foi rebebi-
da na occas o da missa conventual e desde esta
occasiao espalhou-se prr toda a cidade enchndo
a todos de um forte regosijo.
No dia 6 de Abril, dia designado para a chega-
da do amado pastor diocesan, na estacao da va
frrea achava-se o Rvm. paroch com mais seis
sacerdotes, urna commissao da sociodade de S.
Vicente de Paulo, representando as duas confe-
rencias, outra do Club Litteraro, outra nomeada
pelo Rvm. parocho das principaes pessoas da loca-
lidde, mutas pessoas gradas, os professores e as
profcssoras.'com os seus alumoase alumnas, o des-
tacamento de polica commandado pelo alferes com-
mandante desta localidade ea banda marcial.
A's 12 horas e 30 minutos quando avistou-se o
trem, uoa salva de 21 tiros suhio ao ar e a banda
marcial tocn urna das melhores pecas de seu re-
pertorio.
Ao chegar e saltar S. Exc. Rvma. subi ao ar
urna grande gyrandola de frnetes e S. Exc. Rvma.
ergueu vivas a religiSo c^tholica, apostlica e ro-
mana, a Sua Magestade o Imperador, a Sua San-
tidade o papa Ljao XIII e ao pov palmarense
N^sta occfsiao, urna neta do negociante Joo
Augusto, recitou um soneto ao qual S Exc. Rvma.
agradecen com aquellas phraaes amaveis, a mani-
festacSo feita pela infancia. Depois o Dr. Corne-
Ainda que dversario poltico do Ilustre finado,
um dever de gratidao, de sympathia, de chrstao, j lio em nome do Club Litteraro fez um discurso.^
Em seguida o Dr. Fiel, por pirte da commissao
parochial, s-'ndo que a todos S. Exc. Rvma. res-
ponda e agradeca, notando-se no semblante de
S. Exc. Rvma um regosijo pula manifestado de
que era alvo. .Nesta oceasio, anda ergueram-
se mutissimos vivas e a banda marcial executava
variadas prcas.
Finda todas as manifestacop da recepeo, sr-
guio S. Exc. Rvma. para o Club Litteraro, lugar
destinado para revestir- se, guardando a seguinte
ordem:
A msica com a guarda de honra, os meninos
das escolas e as meninas e mocas <"in num ?ro de
duzentas, sendo que os meninos trajavam preto, as
meninas e mofas, branco com faix s, ns commis-
soes e S. Exc. Rvma. com o Itvra. vigario e mais
sacerdotes e o povo em massa em numero do mil
pesa as.
Chegando S. Exc. Rvma. ao Club, foi recebido
Tudo sperava a patriade suas luzes, civismo ; per urna commissao, ahi S. Ex. Rvma. revebtio-se,
e dedicaco a pnucos minutos chearou a irmaniade de Nossa
Mas, eil-o que d'entre nos desapparece... como Senhora da Conceieao, de cruz aleada,
no espaco o meteoro f rececedida pelo Rvua parocho e 03 Rvras. sa-
Nada mais drei, senhores, poique na conscien- [ cerdote, dah sabio S. Exc. Rvma. sob o pallu | de fogueteg annunciando a vespera do grandioso
ca de todos vos. esta, quem foi o nobilissimo va- ; para a matriz, guariando-se a mesma ordem pnn- dja & jantissima Virgem, o que se repitar s t
rao que, entre nos, denominava-seAntonio Fran- cipal.
As ras achavam-se com pastes e bandeiras e
e at de parentesco, obriga-me hoje a aqui estar.
Porm, scohores, nao de extranharque eu,
que em poltica, do passado j me nao record,
que do presente me descuido e atugento, e que,
..pesar dos meus 45 Jan-iros, s o futuro ante-
vejo e aguardo esperancoso e ledo, venha, por mo-
mentos, em descouchava las phrsses, oceupar a
vossa esclarec la attencao.
') Dr. Antonio Francisco Corroa de Araujo,
meu- senhores, por seu illibado carcter, por seus
honrosos precedentes, pela sua lhanrza e illustru-
cao tornon-se dii/ao de respeito e consideradlo de
seus adversarios, e da homenagem e gratidao de !
seus concidadaos 1
Era um pernambucano p^r muitos, ttulos, ds-
tinctissimo !
Coma autnridade, como magistrado, e mesmo
simples cidado, ninguem o excedeu em probidade,
em justica e equidade !
papis para casamentes ; confibois e em ca-a-
rera; as confissoes subiram a riis de quatro mil
pessoas, casaneentos a seiaeent >s, j desta fre-
Cnesaa e de cutrs mais, de peisoas que miam
juntas illicitamente, e chrismarim-sa 6,987 pes-
soas.
Na quarta-feira, (14) ao terminar oSerraaoj fez
S. Exc. R=vm.* as suas deepedidas. A egrejatque
achava-se cheia de ovo mais do que nos ante-
riores dias, nao poda conter o povo que anda
tioha na exterior; ao cuvirein o adeus de despe-
dida, nao teve corado anda sendo bronze, abri-
ram-se e os olhos derramaran) ligrimas, S. Exc,
Revm., por corto nao pode sester-se, a alegra
que devisava-se nos dias anteriores tornoa-se em
tridteza n'aquella hora. S. Exc. Revm.a ao termi-
nar o Sermao deu o annel a beij ir a todo o povo
presente em numero de 5,000 pessoas e anda
chrsmou. No dia seguince, (quinta-felra), s 9
brax, foi S. Exc. Hevrn.* para a Colonia .Isabel ;
ao chegar a estacao do Prolongamento, o Revm."
Manoel de Sant'Anna e Luz, ussaudo da palavra,
disse, que, para mais abrilbantar a visita do S.
Exc. Revm.* a esta fregu zia, conceda carta de
liberdade a dous seus escravos, Ambrozioe Ma-
cario, anda moco?,entregando as cartas a S. Exc.
Revm.*. Este, agradecendo mais esta prora que
acabava de receber, agradecen por si e pelos li-
bertado?, ergui*ndose anda varios vivas. Dada
a hora, seguio S. Exc. R vm. para a Colonia
Isabel, acompanhado (ir dous Revds. sacerdotes
e algumas pessoas gradas d'esta cidade, d'onde
regressaram no da 16, (sexta-feira). Ao ch-gar
a estacao lo Prolongamcuto, achava-se o Revi,
parocho, as professoras com suas alumnas, muitaa
pessoas gradas e a banda de rauica marcial.
Ao saltar, a neta do negociante Joo Augusta
fez um discurso pelo qual, por si e pel-euas ons-
panheiras, despsdia-se de S. Exc. Rav _.* S.
Exc. Revm.1, ainda commovido agradoccu aquella
prova que acabava de receber, abencjand a to-
dos, e disso que, das freguezias que vizitou a de que
lcvava mais vivas recordaeoes era Palma-
res, onde promettia sempre vir qnando lhe fosse
posar/el.
O nosso virtuoso parocho, em um passaio que
deu com S. Exc. Revm. c isa do Dr. Fernando
Affonso Ferreira,fez doacao de uuias casas de que
elle propretario em S. Lourenco da Matta, 4
Santa Casa de Misericordia do R .cite, para o Gol-
legio dai Orphas m linia, tudo isto em rega-
zijo visita de S. Exc. Revm." a esta parochia.
Por certo, S. Exc. Rovm.* digno de todas as
manitestacoes que lhe foram feitas.
Em casa do Rvd. vlgario recebeu muitissinias
visitas, sendo entre ellas a da Conferencia do Sa-
grado Coraeao de Jess d'eata cidde.
O povo Palmarouse ficar regosijado pelo hos-
pede que teve, e sentido pela retirada.
Lembrai-vos, Plecaro Pastor, d'esta cidade e da
seus habitantes. Voseas pdavras ficaram grava-
das em nossos cora^oee. e reverente implorarnos
diariamente a vossa Santa Ben.-o Pastoral.
Este Club procedeu no domingo, a eleicio para
o novo conselho administrativo, o qual ficsu asis
constituido:
Presidenlo
Dr. Antonio Joaqun de Barros Sobrinho, (reet
ta).
Vice presidenta
H. Fosfw.
Io Secretario
Osear C. Monteiro ("reeletu).
2 Secretario
Rodelpho Martina Mureira.
Thesoureiro
Francisco Paula Lopes.
Adjunto
Sebastio do Barros Barr-to.
Bibliothecario
Luciano Mauvernay.
Directores de Regatas
William Huges.
Auguito Oliveira.
H. Permon.
Commissao de Cuntas
Dr. Alfredo Lisboa.
Mujor, Jos Franklim de 4Iencar Lima.
Major, Jos Eleuterio do Aze redo.
Programma
da festa do Hez Mariano, na igre-
ja do Monteiro. actual matriz
dP'i'o daPaneila
Dia Ia de diiniio
A's 7 horas da noite, ao subirem ao ar diversas
yrandolaa de foguetcs, ter lugar a ofEerta das
orea, feita Santissima Virgem, por diversas me-
ninas, sendo eatoadus lindos cnticos sigradoi
com acompanbamento d harmonium e piano.
I>ia 9 de Jinilu
Ao meio dia, subirlo ao ar diversas gyrandolu
cisco Correia de Araujo !
Tinha eu, para com elle, urna divida de honra e
gratidao; cil-a, anda que em bem paludo esboco,
de ulguma sorte, em parte resarcida.
Requiescat in pace.
Pao d'Alho, 20 de Maio de 1886.
Joaquim Elias de Albuqtterque Reg Barros.
Ai publico
Assim como no Ca6o Cesar faoo este dizer:
cada um o seu dever, assim tambem hoje faco por
cumprir com o meu.
Agradeco, como autor do drama, que foi exhibi-
do 23 do corrent-, no thoatro de Santa Iaabsl,
aos Exms. Srs. Dr. Ignacio Joaquim da Sonsa
Lcio, digno vice-presidente desta provincia, ge
neral Agostinho Marques de S, commandante das
armas, o generoso auxilio que bondosamente pres-
tarain ao Monte Pi dos Voluntarios da.Patria,
para levar effeito os seus festejos ao 20* anni-
versarb da batalba do Tuyuty.
Ao Monte Pia dos Voluntarios da Patria e torno
reconbeciment de rainha gratidao.
Aos Uustrea mamoso uo corpo sceaieo do Club
Dramtico Familiar repito as palavras qoo, ha ura
anno. por occasiao da rspresentacao do Voluntario
da Patria, lhrs diese: Devo vos, e s vos, os
tnuu.phos obtidos, porque do vosso magistral des-
empenbo ao drama foi que originou-so a esplen-
dida recepcao e acolhimento do povo.
A' todos os membros do corpo scenico do Club
Dramtico Familiar meu ieeonhecimento eterno.
Peco todos desculpa se me vejo toreado fa-
zer urna especialisacao.
O Sr. tenente A. A. de Moraes da M. Pimentel
merece quo eu singularise minhas palavras de
cratido seu respeito.
Atacado ha Inicos dias por urna bronchite, e
contra as prescripces medicas, esforcou-se, aven-
turando a sua saude e vida, para o desempenho do
seu papel, de que magistralmente se sabio.
Em vista dente proceder de justica que eu es-
pecial ise o nome do Sr. tenente Moiss, e lhe diga
mil vezes agradecido.
Ao publico, quo pressuroso correo ao theatro de
Santa Isabel, na noite de 3 do corrente, para as-
sistir a representado do drama O Cabo Cesar,
minhas palavras de gratidao.
Recife,31536
Joo B. P. Corte Real.
O^abo Cczai
HlPelos annuncios dos jernaes desta cidade cons-
ta que o drama Cabo Cezar, da composicao do Dr.
Corte Real, va sceua, pela segunda vez, no
theatro Santa Isaoe da 3 do futuro mez.
De certo n'essa noite haver a mesma afluen-
cia de espectadores que houve na de 23 do corren-
te. O theatro esteve lateralmente cheio. Houve
urna enebente real.
Consta-nos, que no da 22 tarde estava mais
de meia casa vendida, e que a 23, pelas 3 horas
da tarde nao havia se quer um bilhete de paraizo
na mo do bilhetciro.
Esta afluencia ds espectadores, e o caloroso en-
thusiatmo com que foram applaudidoa os amadores
do cor o scenico do Club Dramtico Familiar, e
victoriado o autor do drama, denotad para nos
tres cousas.
A primeira deltas, e a maior de todas, o im-
menso amor patritico, que se anninha no pcito
dos pernambucauos.
O pernambucano tem par sua .patria um amor
extremoso sem Ijmites^'e esse amor a mola real
de todos os seas nentimentos.
E porvsptura .neo de ver elle orgulhar-se de ser
arcos de f ilhagcns.
Ao avistar a procssJo, os sinos da igreja ma
triz entraram a dar signaea festivos pela prxima
entrada do amado diocesano.
Ao chegar S. Exc. Rvma. na nutriz, achava se
o Rvm. parochos e mais sacerdotes na porta prin-
cipal, onde S. Exc. Rvma. brijou a iiaagem do cru-
- cificado, fez o aspersorio e pelo Rvm. parocha foi
insenssdo.
. Ao entrar na matriz, que achava-se cheia de
povo, que quera ver o principe da igreja olin-
dense, entoou a orchestra o Ecce sacerdos, notan-
do-se em todos jubilo de alegra.
Ao chegar S. Exc Rvma. na capella mor tez
oraco e precedidas as demais formalidades do
pontifical romano, subi S. Exc. Rvma. para o so-
lio donde entoou o Te-Dcum, sendo correspondido
pela orchebtra, qui sob a regencia do Sr. Benedic-
to Sofrer, executou satisfactoriamente a sua in-
cumbencia.
Ao terminar o Te Deum deu S. Exc. Rvma. a
bencao pastoral, annunciando depois o hrisma pa-
ra o dia seguinte e sermao. Despido das vestes
pontificias, foi S. Exc. Revm. acompanhado por
todo o povo para a casa do Rvd. Parocho, lugar
destinado para sua residencia, sendo quo ao sabir
deu o ann<-l a beijar a todo o povo, notan io-se a
amabilidade no seu semblante pela recepcao feita
a si, pelo povo que o ceriava.
A noite varias casas d'esta cidade, a egreja o
pateo, at a casa do vgario, achava-sc Iluminado,
sendo visitado n'esta noite palas pessoas gradas
d'esta cidade.
No dia seguinte chrsmou S. Exc. Revm.* e pre-
gou, seguindo d'esta nancira nos mais dias, e
sendo ouvido por grande numero de pessoas, j
d'esta cidade, j de lugares arredados da cidade e
j de outras freguezias.
No dia 11, (domingo) S. Exc. Revm. celebrou
s 9 horas da inauh. A egreja achava-se cheia
de povo; depois da missa, fez o memento do estylo
c procedeu a vizita na Matriz, onde revistou o
Sacrxrio, a Pia Bapsmal, os Santos Cieos, os Al-
tares, a sachristia e os paramentos, toalhas e li-
vros parochiaes, achando tudo em ordem, e dando
varios conselhos para seren imitados ; encontrou
as escripturaeors em dia e fez o termo de vizita, e
deu depois a bencao com o -rant'ssimo Sacramen -
to; depois de despido das vestes com que cele-
brara, ainda chrsmou at 1 hora da tarde.
Ao terminar, o pharmaceutico Joaquim Augus-
to Xavier da Mua entregau urna carta pela qual
libertava urna sua escrava ainda moca. S. Exc.
Revm.* Uz urna ailocucao, onde mostrou o que era
a liberdade e como devia, e o que devia faer os
que gozasse dola e para gozar o que era miatr;
entregando a carta libertada aconselhou-a a
trilbar no caminho do bem, lindando em abracar
ao tenente Maia, em regozijo, pelo seu acto es-
pontaneo, de dar aquella carta,
A' noite S. Exc. Revm.' pregou e depois do
sermao, foi presidir a assrmbla geral d* Socie-
dad de 8. Vicente de Paulo, estabelecida n'esta
Matriz. Ouvio S. Exc. Revm." os relatorios das
duas conferencias o do conselho particular, orando
tambem o Dr. Lyra o depois fallou S. Exc. Revm.*
sobre Cita aociedaac e o seu fim principal, mos-
trando qua foi o sen principio e por quem. creada;
e, rcgozijando-se por ter n'esta cidade duas con-
ferencias e mais anda, por seus membros satisfa-
zerem as diaposices principaes do Regulamento.
deu a conferencia de Nossa Senhora de Lourdes,
por aggregada, cuja carta d aggregacao vinda
de Pars, achava-se na* mos de S Exc. Revm.*
nadando ea dar a sua bencao Pastoral. Seguin-
do nos mais dias, como j dissemos, Chrisma pela
manha e a tarda e sermao a noite.
Os Revds. sacerdotes que aqu se aehivao em
numero de oito, eram oceupados en despachar
e la 6 horas da tarde, tendo ugar s 7 horas da
noite a Coraco da Santissima Virgem, por urna
crianca, que acompanhada de outras entoario cn-
ticos apropriados este acto, subindo ao ar diver-
sas gyrandolas de foguet*s.
Iia S de Junlii
A's 5 horas da manha, diversas gyrandolas d
foguetes annunci iro que raiou o dia grandioao
da festa da Santissima Virgem.
A's 9 horas da manha, entrar a festa, soltndo-
se nessa oceaaio multas gyrandola! de foguetes,
officiar o Rvm. parocho-da freguezia, Joao Rodri-
gues da Costa; oceupar a tribuna sagrada o
Rvm. conego Eustaquio, sendo a orchestra dirigi-
da pelo mestre de capellas I ydio Purpurarlo San-
tiago de Oliveira.
Antes e depois da festa tocar diversas pecas
de seu repertorio banda de msica da sociedt.de
Philarmoniea Dtzesete de Julho, quo obsequiosa-
mente a isto se presta.
A's 7 horas da noite, entrar a ladainha, sende
dirigida a orchestra pelo mesmo mestre de capel-
las, segundo-se depois a bencao solemne da Saa-
tissimo Sacramento, sendo nesta occasiao atacadas
diversas gyrandolas de foguetes.
A mesma banda de msica da sociedade Philar-
moniea se presta ainda a tocar na tarde e noite
deste dia.
A eommiss-j abaixo asignada agradece a todo
Tt qnelles quo concorreram para o brilhautsmo da
feeta da Santissima Virgem.
Consistorio da igrrja matriz do Monteiro, 31 de
Maio de 1886 \fonso Morsira Temporal. Joi
G-mcalves dos Santos Jnior.Andr Rampks.
Antonio Luiz da Costa Wanderley.
Palmares
O abaixo assignado convida todos os seu
amigos polticos da comarca de Palmares a se
reiuirem no dia 13 de junho prximo, na cidade,
na casa de sua residencia, para tractar-se da or-
ganisaco da chapa de camaristas que deven
concorrer eleio municipal em julho do correa
te anno.
Palmares 28 de maio de 1886.
Avilrclinio de Castro S rrelo.Ba
A aula mixta particu-
lar
Francisca Martiniana L. Carneiro participa a**
pais de familia, que sua aula abrir se-ha no di*
12 do corrente : qnem dr seus prestimos precisar
pode dirigir-se ra do Vsconde de Goyaana a*
21, que entender- se-ha com a mesma.
Emulsao de Scott restan-
tsicos, purifica o san
afaata do organismo toda sorte da
N.
ra a
gue
11. A
saude aos
affecc3es sscrofulosas e fortalece aos de-
bis e eufraqueeidos.
Excita o appetito, estimula o organismo
e augmenta as carnes e as forjas.
Dr. Mo Laite
Medico, parfeiro o operador
Residencia ra da liftperalriz n. 48, 2.- Mudar.
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consultas das 11 horas da manh s 2 da
tarde,
Atteods para chamados telephone n. 449 c
qualquer hora.

i
}
%



""!
liario de Peruambuco---Terfa-feita 1 de Jimho de
Enfermldade sen nomo
f Militares de pessoas padecer, as quaes nao teem
nenbuma moleatia especifica. No entretanto sea-
tem-se apathicas, insensiveis e indiflerentes, co-
mes sem vontade, dormem sem o desejado descan-
to e no todo sentem-se miseravelmeute desvalidas
em causa plausivel. A cansa apparente de tudo
isto provem de urna retardada digesto, do eatado
semi trpido do figado, d inaetividade do* intes-
tinos. Afim de se restitairem os orgoe inertes
nm estado de salutfera actividade nao tfem man
do qne laucarcm mao das pilulasassucaradas de
Bristol.
O Dr. Benjamn Wallis, de Bjaton, de opinio
qne nao ha nada que com ellas s possa compa-
rar, para os caaos onde ha falta de energa vital
no estomago e suas dependencias, e onde existe
ama debilidade geril e depresso apparente sein
comtudo apresentar urna distincta forma de mo-
lestia qualquer.
Todos os que padecem de prostraco physica,
scompanhadas de abatnenlo do espirito, acharo
qne as pilulas assucaradas de Bristol Ibes ser vi-
rio de immenso beneficio.
Ellas acham-so mettidaa dentro de frasquinhos,
por isso a sua conservaco duravel em todos os
climas.
Em todas as molestias aggravadas ou prove-
nientes de impuresa de sangue, a salsaparrilha de
Bristol, deve de ser tomada conjuntamente com
as pilulas.
Acha-se vend em todas as principaes boacas
e lojaa de drogas.
Agentes em Pernambuco, Heury Forstex C,
roa do Coinmercio u. 9.
0
Rna da Saudade n.
Xarope de Mat-niat
O Mat-mat (lecythie idatimon) com
qual se prepara este xarope um vegetal da flora
brneileira.
E' um agente therapeutico poderosissimo con-
tra as molestias do peito e da asthma.
Os numerosos aflectado3 que delle tm feito uso
conseguirn] um resnllado muito satisfactorio, aca-
bando por se reconhe -er que at hoje a melhor
preparadlo para a cura da nslhmn, bron
chile miimaiirn, e antiga e oppres
des, dispensado o emprego do arsenio, folbas
de estramonio e plantas narctica* que acabam
qnasi sempre pelo abuso que delles se faz e mes-
mo pelo uso prolongado por prodnzir effeitos des-
astrosos sobre a sade e em geral entorpecimento
do cerebro.
Vndese na Botica Franceta de Rouquayrol Fie-
res, successores de A. Caors
RT. tt-Bna da Crua X.
RECIFE
Respeitavel publico
Contina berta a escola particular de instruc-
cao primaria para o sexo masculino, ra da ma-
tris da Boa-Vista n. 34, regida pelo professor par-
ticular Julio Seares de Azevcdo.
Educa e instrue a iufaucia, pelo systeina d"8
principaes collegios da corte do imperio, onde es-
tere por algum tempo a passeio, cnjo systema
ama paciencia Ilimitada, urna vocaco intima,
guiando os seus discpulos no caminho da intelli
gencia, da honra e da dignidade, afio de que ve-
nham a ser o futuro sustentculo da patria, da re-
ligiSo e da le e um verdadeiro cidado brasileirs.
Espera, pois, que o novo pernamlmcano applau-
da e saiba apreciar o seu verdadero ensino pri-
mario, onde rpidamente abracam e amam de co
ra^o aos livros as lettras, as artes e as sciencias.
Ra da matriz da Boa-Visla n. 34
Julio Soares de Azevcdo.
Dr.
MKDIl'O
Tem o seu escriptorio a rna do Mrquez de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
bera em diante em sua residencia ra da San-
a Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
oras e enancas.
Conoltorio medico-eirorgico
O Dr. Estevo Cavalcante de Albuquerque con-
thraa a dar consultas medico-cirurgicas, na ra
do Bou Jess n. 20,1 andar, de meio da as 4
horas da tarde. Paras? deinais eonsulta e visi -
tas esa sua residencia provisoria, ra da Aurora
a. 53, 1" andar.
Ha telephonicos : do consaltorie 95 e residencia
m.
Especiaidades Partos, molestias de creacas,
sTatero e seus an nexos.
Clrurgio dentista
Patricio Moreira
Consulta.. e opera coes, das 10 horas da manh
s 4 da tardp.
RA DUQUE DE CAXIAS
N. 57, 1 andar.
Cr Hecknann
Usinas de cobre, lata* e bronne ee d
Golitser Ufer n. 9. Berlira S. O.
Espeef alidade:
Construc(o de machi-
nas e apparclhos
para latineas de assucar, destillacSes e re
finacSes com todos os aperfecoamentos
modernos.
INSTALLAgAO DE:
Engenhos de assucar completos
Estabeleeimonto filial na Havana sob *
mesma firma de C. Heckmann. .
C. e San Ignacio n. 17.
Inicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para inforrnacBes di jij arase ai
Poli lina a &C
6i Ho Commeroo 110
Dr. Cr rneiro Leao
MEDICO
Consultorio e residencia ra do Livramento
n. 31 lo andar. Consultas de 11 horas as 2 da
tarde. Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades, febres, partos e molestias de
enancas.
Dr. Mello Gomes
MEDICO-PARTEIR ) OPERADOR
Ra do Barao da Victoria [antiga
ra Nova n. 37) 1." andar
Dedica -se com especialidsde ao cura-
tivo das febres, molestias de peito e das
senboras, syphilis e estreitamentos da
urethra.
Consultas das 10 ao meio da. Chuma-
dos a qualquer hora do da on da noite.
Trlephone n. 259.
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio da. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
OCULISTA
O Dr. Brrelo Mampato, medico oculis-
a, ex-chefe de clnica do Dr. de Wecknr, d con
sultaa de 1 s 4 horas da tarde, na ra do Baro
da Victoria n. 45, 2 andar, excepto nos domingos
e das santificados. Residenciara do Riachuelo
n 17, canto da ra dos Pires.
EDITAES
COMERCIO
Bia coinuicrcial de Pernam
buco
RECIPE, 31 DE MAIO T>E 18t
As tres horas da tarde
l'otacbt* otficiaet
Letras hypothccarias do banco do crdito real de
Pernambuco, a juros de 7 0/0, do valer
de 100* 945OOO nada urna.
Cambio sobre o Rio de Janeiro, 3 d/v. ao par.
Na hera da bola
Vendei am-se :
68 letras hypothccarias.
Offereeeram Vender Comprar
42 letras bypotheca ias 95 94#
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforado.
RSNDI.MENTOS PBLICOS
Ka do Maio de 1886
ALFANDEGA
O slferes Affooso Moreira Temporal, 4-
juiz de paz da freguezia do Pojo da Pa-
nella, em virtude da lei, etc.
Fco saber a quem nteressar possa, que s au-
diencias de.te juizo sero as quartas-feiras s 9
horas da manh, em caaade minha residencia n. 1,
na l1 ha do Temporal, antiga dos Ralos, no Mon-
teiro.
E para constar mandei passar o presente, c af-
fial o nos lugares mais pblicos desta fregurzia,
e publieal-o pela impre >sa.
Freguezia do Poco da Panella, 27 de Maio de
I066.
Eu, Manoel Francisco Coelho, escrive que o ea-
crtvi.
Affonso Voreira Temporal.
Raxoi OIEAL
De 1 a 29
dem de 31
Ksstoa raovmctAL
De 17 a 29
dem de 31
C-.0:483J323
10:165*119
45:894*263
2:178*398
Total
BacasaDOKiaD 1 a 29
lo- ir de 31
GoaauADO pEovnicui.-D dem de 31
Sfc.fb DBATSAOE I'e 1 a 29
dem de 31
670:648*448
48:072*661
718:721*109
39:347*119
1:484*699
40.831*818
101:659*549
4:355*052
106:014*621
17:341*124
337*459
17:678*583
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Vapor inglcz Lyhis. entrado de Londres no
dia 28 do correte e consignado a N. J. Lidstone,
manifestou :
Arroz 290 saceos ordem, 100 a Fernandes da
Cuata & C, 100 a H. Nuesch & C, 50 a Joao F.
de Almeida.
alpiste 45 saceos ordem, 30 a Paiva Valente
& C, 10 a Rosa & Queiroz.
Chapeos de sol I caizo a GuimarVs IrnuEo &
C, 1 a F. X. Ferreira h C.
Canela 10 caizas ordem, 5 a Paiva Valente &
Companhia.
Canos de ferro 59 feizes a Reis & Santos.
Calcados 3 caizoes a A. Cruz & C
Cerveja 60 barricas ordem, 30 caixas a Pe-
reira Carneiro & C.
Cimento 900 barricas ordem.
Cb 10 grades a S. Basto, Amorim & C, 7 a
Joaquim Fe reir de Carvalho & C, 6 a Paulo
Jos Alves & C, 3 a Guimaraea Rocha & C, 2 a
Paulino de O. Maia.
Chapeos 1 caizo a Oliveira Basto & C.
Drogas 78 volumes ordem, 6 a Bartholomeu
& C-, 3 a Faria Sebrinho ce C.
Enxadas .'i- barricas a Oliveira Basto & C-, 10
a Parete Viauna & C.
Esteiras 15 rolos a Joaquim L. Ferreira & C,
5 a Manecl daCunha Lobo.
Folies 10 a Miranda & Souza.
Fogareiros 169 aos mesmos.
Ferragens 30 volumes a Miranda Ferreira Guimarcs & C, 1 a F. Xavier Ferrei-
ra & C.
Fio 6 fardos a Oliveira Basto & C, 1 a A. de
O. Maia & C.
Folnas de flandres 60 caizas a Prente Vianns
C.
Ferro galvanisado 12 feizes a Samuel P. Johns-
toniC.
Genebra 30 caizas a Rosa ir. Queiroz.
Linha 31 caizoes a Nones Fonseca & C.
Mercadorias diversas 1 volume a Prente Vian-
na & C, 25 ordem, 33 a H. Nuesch & C, 16 a
Oliveira Basto & C, 7 a cempanhia de Beberibe,
2 a Recife Drainage Compiny, 27 a W. Halliday
6 C.
Oleo de linhaca 50 barra a F. Manoel da Silva
&C.
O Dr. Adelioo Antonio ae Luna Freir,
official da Imperial Ordem da Rosa, com
mandador da Real Ordem Militar Por-
tuguesa de Nosso Senhor Jess Cbriato,
e juiz de direito privativo de orpbaos e
ausentes n'esta comarca do Recife, por
Sua Magostado Imperial a quem Oens
guarde, etc. -
Faco saber que nesta data foram declarados li-
bertos, em virtude da lei n 3,270, de 28 deSetem-
hro do anno prximo passado, sem dependencia de
nenhum titulo on formalidade. os escravos cons-
tantes das relacoes abaizo. sendo que aqu illea que
j tiverem completado a idade de 65 annos, sao li-
bertos desde j pura todos os effeitos, sem nen-
huma clausula ou obrigacao d servidos, devendo
permaneder em companhia dos ez-senhores. salvo
se preferirem adquirir, por outro modo, ineios de
subsistencia e para isto forem julgados aptos por
este juizo, devendo no primeiro caso, os ez-senru-
res alimentar, vestir e tratar os mesmos libertos
as suas enf-rmidades, usufruindo os services que
estes poderem prestar, compativeis idade e apti
dio physica. Os escravos de 60 a 65 annos, po-
rm, tieam libertos com a claueula nica de pres-
taren! servicos aos ez-senhores pe prazo do t
annos, nao sendo exigida prestacao de servicos
alm de idade 65 i.nuoi.
ContinuacOo da rtlacao dos escravos maiores de
65 annos
371 Luiza, preta, solteira, 65 annos, do Manoel
Joaquim Dias.
372 L'.i z i, preta, viuva, 72 annos, de Anna Ma-
ra Francisca de Paula Cavalcante Bar-
r to.
373 Luiza, preta, solteird, 70 annos, de JoSo Pin
de Lcmos.
374 Luiza, preta, solteira 65 annos, de Jos Al-
fredo de Carvalho.
375 Luiza, parda, solteira, 78 annos, de Jos Bo-
telho Pinto do Mesquita.
376 Luiza, pard-i, solteira, 89 annos, de Joaquim
Jes de Lima.
377 Luiza, preta, solteira, 74 annos, de Miguel
Garccz Alves Lima.
378 Luiza, preta, solteira, 67, de Joaquim Jos da
Silva Lisboa.
379 Luiza, parda, solteira, 77 annos, de Cathari-
na Mara da l'aixo.
380 Luiza, parda, solteira, 73 annos, de Tbereza
Fredenca de Siqueira.
381 Luiza, parda, solteira, 63 annos, de Delfino
Martins de Araujo.
382 Luiza, parda, solteira, 75 annos, de Mathias
Alfonso de Albuquerque.
3o3 Luiza, preta, viuva, 70 annos, do Dr. Fran-
cisco Pinto Pcssoa.
381 Lura, preta, viuva, 73 annos, de Luiz de
Franca da Silveira.
385 I.iiz a, preta, jolteira, 73 annos, de Francisco
Alv. la Silva.
386 Luzia. preta, casada, 65 annos, de Joao Fran-
cisco Gomes de Arruda.
387 Luzia, preta, solteira, 66 annos, de Francis-
co Antonio de Brito.
388 Luzia, preta, solteira, 65 annos, de Ilermenc-
?ildoE. do Ri-go Monteiro.
juzia, preta, aolteira, 65 annos, de Vicenca
Gomes de Mello.
390 Macario, pr<-to, solteiro, 69 annos, de Manoel
Joaquim Ferreira Esteves.
391 Malaquias, preto, solteiro, 65 annos, de Jos-
pha Peres Cam jello.
392 Manoel, preto, soltviro, 72 annos, de Isabel
Cairoll.
393 Mauoel, preto, solteiro, 74 ennos de Vicente
Antonio do E.-pir'to Santo.
394 Manoel, preto, s -Iteiro, 65 annos, de Arminio
Pessoa de Albuquerque.
395 Manoel, pard", solteiro, 74 annos, do Dr. Fran-
cisco do Reg Barros do Lacerda.
396 Manoel, prete, solteiro, 84 annos, de Jos
Mara Pereira da Cunha.
397 Manoel, prew, solteiro, 70 anuos, solteiro, de
Joao Alves da Cruz.
398 Manoel, pardo, solteiro, 65 anno3, de Genuino
Jos Tavans.
399 Manoel preto, 3olteiro, 68 annos, de Justiuia
no Ant- nio Alves Soares.
400 Manoel, preto, 73 annos, do Lauriana do Al-
buquerqu: Lins Barros.
01 Manoel, preto, solteiro, 73 annos, de Isabel
Mara Baptieta Fragoso.
402 Manoel, preto, 3olteiro, 68 annoe, do Barao
de Muribeca.
403 Manoel, preto, casado, 68 annos, do mrsmo.
401 Manoel, preto, solteiro 78 annos, de Joaquim
Salvador Pessoa de Siqueira Cavalcaute.
405 Manoe!. preto, casado, 93 annos, de Mara Jus-
tiana de Albuquerque Montenegro.
406 Manoel, pret>, solteiro, 73 annos, de Manoel
Jos Aff nso.
407 Manoel, cabra, solteiro, 76 annos, de Antonio
Francisco Martn;.
408 Marcellina, preta, solteira, 66 annos, de Fran-
cisca Margarida Plenman.
409 Marceilina, preta, solteira, 65 anuos, de Ro-
sa Antunes de Oliveira Monteiro.
410 Mareolmo, preto, solteiro, 65 annos, de Joao
Baptisfa de Medeiros.
411 Marcolino, preto, solteiro, 65 amos, de Do-
mingos Alfonso Nery Ferreira.
412 Marcolino, preto, solteiro, 66 annos, de Salva-
d ir de Souza Braga.
413 Marcolino, preto, solt'iro, 73 annos, de Bel-
lanninodo Reg Birros.
Barca norueguense Solafid chegada de Liver-
pool, no dia 29 do corrate, e cousignada ordem,
manifestou :
Carvo de pedra 491 toneladas a ordem.
Barca noruegueose Risor, entrado de Carafl no
dia 30 do crreme, e consignada a Johnston Pater
& O, manreston:
Car .-ao de pedra 515 toneladas a ordem.
Escuna ingleza Helia Rosa, entrada de.Terra
Nova no dia ni do corren ce, e consignada a Saun-
ders Brothers & C. manifestou:
Bacalhau 23M) barricas e 594 meias ditas a or-
dem.
DESPACHOS DE EXP0HTACA0
Em 28 de Maio de 1886
Para o exterior
No vapor alleno Desterro, carregou :
Para Liverpool, V. Neesen 86 fardos com 16,864
kilos de residuos de couro.
No brigue portuguez Armando, carrega
ra i :
Para o Porto, M. Lima & C. 141 saccas com
11,042 kilos de algodo ; Seixas Irmos 8 barricas
com 288 kilos de tecim.
4J4 Marcolino, paido, solteiro, 65 annos, de Do-
xoingos Alfonso Nery Ferreira.
415 Marcolino, preto, solteiro, 67 annos, Joao Car-
neiro Rodrigues fam pello.
416 Marcos, preto, solteiro, 66 annos, de Baltar
Oliveira & C.
417 Margarida, preta, solteira, 74 annos, Louren-
co Ribeiro de C Oliveira.
418 Margarida, preta, solteira, 65 annos, de Joo
Francisco Corroa de Aranjo.
419 Margarida, preta, casada, 75 annos, de Her-
menegildo Hetto Coutinho.
420 Murjrarida, preta, casada, 78 annos, de Jos
Gorgonho Paes Barretto.
421 Mara, preta, solteira, 65 annos, Antonio Jos
Si va do Brasil.
422 Mara, preta, solteira. 65 annos, de Ccciliano
Coelho Ramos de Oliveira.
423 Mara (do Carino), parda, casada, 82 annos,
de Anna Mara Francisca de Paula Caval-
cante Barretto.
424 Maria (do Carmo), preta, viuva, 65 annos, de
Mara Anna Cavalcante Barretto do Souza
Leo.
425 Mara, preta, solteira, 84 annos, de Joo de
Medeiios Raposo.
426 Maria, preta, viuva, 81 annos, de Maria Fran-
cisca do Amparo Simes.
127 Maria, preta, solteira, 84 annos, de Mara
Francisca Ferreira Villaca.
428 Mara, preta, solteira, 67 annos, de Miguel
Paes Barretto.
429 Maria (da Penba), viuva, 74 annos, Joo Leo-
poldo Lopes.
430 Maris, preta,solteira, 67 anuos, de Rosa Fran-
cisca de Bou* Coelho.
431 Maria, parda, solteira, 65 annos, da Maria
Josepha de Almeida Coimbra.
432 Maria, pard, solteira, 65 annos, de Joaquim
de Oliveira Mello.
433 Marn, preta, solteira, 70 annos, de Joaquim
Jos Das Femandes.
434 Maria, preta, solteira, 80 anoos, de Antonio
Jacintbo dn Medeiros Nordeste.
435 Maria, preta, solteira, 79 anuos, do Dr. Frau-
cisco do Reg Barros de Lacerda.
436 Mana, preta, solteira, 69 annos, de Francisca
Marques da Cunba.
437 M-iria, preta, solteira, 84 annos, de Maria Joa
quina da Conceicao Azevedo.
438 Mara do Rosario, preta, solteira, 74 annos,
de Jos Rjdrigues Pcixoto.
439 Maria, preta, eelteira,65 annos, de Jos Luiz
de Souza.
440 Maria, preta, solteia, 73 annos, de Elias
Baptista da Silva.
441 Miria, prets, viuva, 73 annos, de Francisco de
Paula Correia de Araujo.
442 Maria, preta, solt-ir, 65 annos, do Josepha
M ira da Exaltacao Peretti.
43 Miria da Peuha, pieta, sol'e ira, 83 annos, de
Isabel Perpetua de Medeiros.
441 Maria, preta, solteira, 67 annos, de Jos Ig-
i acio Xavier.
445 Maria, preta, solteira, 67 annos, de Francisco
Antonio Correia Cardoao.
446 M'iria, preta, selteira, 68 annos, de Reino
Alexaudre liau ira da Meilo.
447 .Mara, preta, solteira, 67 annos, de Francuco
de Piuho Borges.
448 Maria Francisca, preta, viuva, 83 annps, de
Anna Jjaqnina Mauricio Wanderley.
449 Maria, preta, solteira, 79 annos, de Galdino
Tbemistocles O de Vasconcellos.
450 Mana, preta, solteira, 73 anuos, de Ber ar-
dino de Miranda Albuquerque.
451 Mara, Dtvta, solt- ira, 83 anuo?, do Maria
Th odora do Oliveira Mello.
452 Maria, preta, solteira, 81 annos, de Agostinho
J.js de Souza R>-go.
453 Mara, preta, solt< ira, 05 aunos, de Gonzalo
Jo: A ti lid j.
liii Mara, preta, F.o'.tera, 65 aunos, de Miriannu
Francisca de Abreu e Lima.
455 Mara, preta, solteira, 68 auno?, dos herdeiros
de Leopoldino Lins de Andraie Souza.
456 Maria, preta, solteira, 83 annos, de Maria
Thcodora Murtius Saldanba.
457 Mari-, preta, solteira, 88 annos, de Joo
Rodrigues do Paaso.
458 Mara, preta, s Jteira, 65 annos, de Francisca
Maria do Nascimeuto.
459 Maria, parda, solteira, 73 annos, de Fraacisca
Lopes da Gama
460 Mara, preta, solteir, 75 annos, ro Baro de
Mur.b-ca.
461 Mara Rosa, preta, viuvs, 81 annos, do mes-
mo.
462 Man auna, preta, solteira, 75 annos, de Joo
Goucalves da Silva.
463 Mariauu, prea, solieira, 78 annop, do Joo
Baptista da Silva.
401 Mananna, preta. solteira, 68 annos, do Mau-
ricio Jos dos Santos Rib :ro.
465 M'iranna, preta, solteira, 78 annos, d- Baro
de Muribeca.
466 Marianuo, preto, solteiro, 68 annos, de Auto-
nio Cavalcante Lins.
467 Martha, preta, solteira, 93 annos, ie Maria
Jiutiiiiaua de Albuquerque Montenegro.
468 Martinho, preto, casado. 68 anno?, do Baro
de Muribeca.
469 Mutbeas, preto, solteiro, 65 annos, de Fran-
cisco de Pinbo Borges.
470 Matheus, preto solteiro, 65 aunos, de Feppa
Maria da Conceicao.
471 Matheus, preto, casado, 67 annos, de Braula-
no Pessoa Cirreia de M.llo.
10, carga cr.rvao de pe
Para o interior
lugar norneguense Chance,
carrega -
Phosphoroa 30 caixoes a Prente Vianna <& C.
Provises 5 ca xas ordem.
Presuntos 4 caizas a Paiva Valente & C.
os" Cr J
& Queiroz.
Pimentada India 10saccovVvrdem, 5 a Rosa
ALTERACO 3a PAUTA
Para a seman de 31 fle Mai a 5 de junho
de 1W6
Nio boave alteraco.
Alfcnaegt ae Pernambuco, 29 de Maio de 1836.
Os conferentee,
Manoel A. R Pinheiro.
Adolpho Gentil.
Papel 3 caixas a Rodrigues de Faria 4 C.
Salitre, 50 barricas a Prente Vianna fit C, 50
a W. Halliday & C., 50 a A. D. Carneiro Vianna,
50 a Miranda & Souza, 100 a Samuel P. Jchnston
A C, 100 a Oliveira Bastos & C, 100 F. Manoel da
Silra C.
Tecidcs diversos 31 volumes a orden, 2 a N.
Maia & C, 8 a Antonio de O. Maia & C, 14 a
Goncalves Irmo r. C, 2 a Alves de Britto & C,
3 a F. G. de Amaral & C, 9 a A. Vieira & C-, 15
a Santos 6c C, 20 a Machado Pereira.
Tintas 150 volumes a Sannders Brothers & C,
70 a ordem, 23 a Bartholomeu fe C, 240 e 4 eaixas
a F. Manoel da Si va & C.
Tinta psrk eacruver 3 barricas a Oliveira Bas-
tos & C.
Vidros 110 caixas a Prente Vianna & C.
Velas 80 caixas a Domingos Ferreira da Silva
& C, 14 a ordem, 5 a Rosa & Quiroz.
No
ram I
Para o Rio Grande do gal, J. S. Loyo & Filho
700 barricas com 7.1,972 kilos d assucar branco.
No vapor inglez Likus, carregaram t
Para Santos, B. Oliveira fe C. 3u0 saceos com
18,0*0 kilos de assucar branca e 300 ditos com
18,000 ditos de dito masca vado ; Maia t Rezen-
de 50J saceos com 30,000 kilos de assucar branco
e 700 ditos com 42,000 ditos de dito mascavado ;
A. F. Baltar 2 caixas cora 16 kilos do doce.
No hiate nacional lres, carregaram :
Para Mossor, J. de Albuquerque 200 saceos
com farinha de mandioca ; P. Alves Sb C. 6 barri-
cas com 360 kil is de assucar refinado.
No hiate nacional eus te Ouie, carregou :
Para Villa de Touros, M. Amorim 2 barris com
192 litros de agurdente, 3 ditos com 88 ditos
de me), 6 saceos com 90 kilos de assucar masca-
vado e 2 volumes com 90 ditos de dito branco.
No hiate nacional Crrelo de Natal, carre-
gar m i
Para o Natal, P. Alves & C. 25 barricas com
1,5(0 kilos de assucar refinado ; F. Rocha fe C.
25 saceos com farinha de mandioca.
Para Macahyba,'Amorim Irmos fe C. 60 sac-
eos com farinha de mandioca.
Na barcaca Sol-Fixo, carregaram :
Para Villa da Penha, Reis & Santos 600 saceos
com farinha d" mandicea.
Na barcada Lindo Paquete, carregaram :
Para Parahyba, A. Figueiredo & 0.120 duzias
de vassouras de piasanva.
No cter Jaguartiry, carregou :
Para P. de alageas, F. Fiuaa de Oliveira 5,000
litros de sal.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entradas no dia 30
Cariiff43 dias, barca norueguense Risor,
sen, equipagem
dra ; ordem.
New-Castte-49 dias lg^r norueguense
Christine Elisabeth, de 238 toneladas,
capitao J. C. ThorseD, equipagem 9,
carga carvo de pedra ; Companhia
do Gaz.
Navio sahido no mesmo dia
Maco Lugar noreguenso Sophie, capitao
A. Nielsen, carga farinka de mandioca.
Navios entrados na din 31
Santos-G 1/2 dias, vapor inglez Hercules,
de 742 toneladas, commandante R. .Mir-
en eil, equipagem 82, em lastro; a
Jolmston Pater & C.
Terra-Nova -37 dias, escuna Dgleza Bella
Rosa, de 157 toneladas, capitSo George
Bowder, equipagem 8, carga bacalho ;
a Saunders Brothers & C.
Buenos-Ayres 20 dias, Barca ingleza
Campsen Glen, de 490 toneladas, capi-
to James Webster, equipagem 10, em
lastro; ordem.
Maco 10 dias, byate nacional Adelina
dos Anjos, de 83 toneladas, mestre Ma-
noel Francisco Monteiro, equipagem 5,
carga varios gneros ; a Manoel Jos da
Cunba Porto.
New York e Para 27 dias, vapor inglez
Portuense, de 839 toneladas, comman
dante F. Hews, equipagem 31, carga va
rios gneros ; a Johnston Pater & C.
Navio sahido do mesmo dia
MossorHyate nacional Deus te Guie, ca-
pitao Joao Sabino Antunes, carga va-
rios gneros.
472 Mathias, preto, viuvo, 67 annos, do Baro de
Muribeca.
473 Mathilde, preta, solteira, 78 annos, de Jote
Amancio do Oiteiro.
474 Mauricio, preto, casado, 65 annos, de Louren-
co Pereira de Azevedo.
475 Messias, prea, solteira, 68 annos, de Joaquim
Salvador Pessoa de Siqueira Cavalcante.
476 Merencia, preta, casada, 65 annos, de Rosa da
Cunha Freirs Cavalcante.
477 Merencia, preta, casada, 74 annos, de Temo-
lea) Duarte de Albuquerque Maranho.
478 MicbaeU, preta, viuva, 68 annos, do Baro de
Muribeca.
479 Miguel, preto, casado, 79 annos, de Antonio
Jos Silva do Brasil.
480 Miguel preto, solteiro, 83 annos, do Baro de
Muribeca.
481 Miguel, proto, solteiro, 73 annos, de Luiz de
Paula L;pes.
482 Miguel, preto, viuvo, 78 annos, de Lucio Al-
ves de Oliveira c Souza.
483 Miguel, preto, solteiro, 68 annos, de Maria
Candida do O'.
484 Milito, preto, solteiro, 72 annos, de Jos An-
tonio Marques.
485 Narcisa, preta, solteira, 77 annos, de Catha-
rina A. de Carvalho Paes 'e Andrade.
486 Nicolao, preto, solteiro, 74 anuos, de Manoel
Goncalves Ferreira da Silva.
487 Olegario, preto, casado, 73 anuos, de Jo
Gorgonho Paes Barreto.
488 Pantaleo, preto, soltoiro, 68 annos, de Auto
nio Gomes Netto.
489 Paichoal, pardo, solteii o, 69 annos, de Traja-
no Correia Pessoa do Mello.
490 Patricio, preto, solteiro, 65 annos, do Baro
de Muribeca.
491 Paulo, preto, solteiro, 72 annos, de Thomaz
de Carvalho Soares BranJ.o.
492 Paulo, preto, casado, 93 anuos, de Carolina
Mana do Reg Mello.
493 Paulo, preto, viuvo, 71 annos, de Sebastio
Antonio do Mello Reg
494 Paulo, preto, solteiro, 73 annos, de Bernardi-
no de Miranda A'buqu"rque,
495 Paulo, cabra, solteiro, 67 annos, do Dr. Silvio
Tarquinio Villas-Boas.
496 Paulo, preto, so'teiro, 93 annos, de Manoela
de Mandonca Mello Reg.
497 Paulo, preto, solteiro, 68 annos, de Augusto
Fernandos da Silva Manta.
498 Paulo, preto, solteiro, 72 annos, de Diogo Soa-
res de Albuquerque.
49D Paulo, prelu, solteiro, 63 anno?, de Jc= Cm
Calves forre*.
500 Paula, preta, sulteira, 89 annos, de Anua da
C uiceico Cainpello.
501 Pedro, proto, solteir 65 anno?, de Joaquim
Jos Martina.
502 Pedro, pr-t", solteiro, 65 anuos, de Antonio
Joaqun Bello.
503 Pedro, preto, solteir>, 80 aoius, i!e Francisco
Ferreira Boig-s.
504 Pedro, preto, solteiro, 71 annos, do Dr. Fran-
cisco to Reg Barrea d L.cerda.
505 Pedro, preto, solteiro, 70 ancos, de Jos Hila-
rio Paes Brrelo.
506 Pedro, preto, solteiro, 65 anuo*, do bospiul
portugus.
507 Pedro, preto, solteiro, 81 anno?, de Josepha
Peres Campello.
508 Pedro, prete, sultelro-, 73 anuos, de Anua
Barbosa Correia de Mello.
5'J9 Pedro, preto, solteiro, ano is, de Carpa-
teiri Ki.h i \ -S ibrnbo.
510 Polyrarpo, preto, viave, 65 aonos, do casal
de ,)o: Pedro Vel-oso da Silveira.
5; 1 Prudenei, p rta, sulteira, 78 annos, Je The-
resa Carneiro Lins de Mello.
(Contina.)
O Dr. Antonio ileuriqu! do Aliada, juiz
do direito e do orphilos da comarca de
Jaboaio, por S. M. o imperador, a
quem Deus guarde, etc.
Faco sabernos que o presente edital virr-in, que
no dia 15 do mez de Juubo prximo vudouro, na
Sula das audiencias do juizo, s 10 horas da ma-
nb, ten) de ir em piafa publici por hito idaiQ' n
to tricumi!, o engenta Javunda, sito Beata comar-
ca, moeute e crreme com agua e com suas b-m-
feitoriua, eervindo do ba3e a renla animal da
quamia de 1:500j, dando o arrematante finnca
edonea, que garanta nao s o preco do arreda-
ii."uto, como a counervacao das obras e beinfeito-
rin.
Mando pirtanto ai oScial porteiro do juizo, que
nffieo presente edital no lugar do costuinc e pela
imprensa, deveudo passar a respectiva ceni-
dS >.
Dado e passado nesta cidade de Jaboato, aos
18 das do mez de Maio de 1S86.
Eu, Joo Evangelista de Souza, escrivo nte-
rin'*, o escrevi.
Antonio H trique de Almeida.
O Dr. Antonio Henriquo de Almeida, juiz
de direito ia romaica de Jaboato, por
S. M. o imperador, a quem Deus guar-
de, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem, que
no dia 3 do mez de Junho prximo viuiouro, as
10 horas da manh, na sala das audiencias do
juizo, tem de ir em praca publica o arrendamento
triennal do engeuho Sicupeminha, sito nesta co
marca, serviodo de base a quantia de 1:200,
dando o arrematante fiador edoaeo.
Mando portanto ao porteiro do juizo, que arfixe
o presente edital no lugar do costme, devendo
tambein ser publicado p'jfa imprensa.
Dado e passtdo nesta cidade de Jrboato, aos
29 do mez de Maio de 1886.
Eu, Joo Evangelista de Souza, escrivo interi-
no, o escrevi.
Ar.tonio Henrique de Almeida.
Estna US ferro o Recife a Ca-
Aviso ao publico
Do dia 1 de junho de 1886 at novo aviso se-
nt supprimidos nos domingos e dias santificados,
os trens seguiates :
Para Casanga, s 10.18 da manh e 2.18 da
tarde.
Para Apipucos, s 10.45 da manh:". e 1.45 da
tarde.
Do Caxaag, s 11.12 da manh e 3.12 da Urde.
De Apipucos, s 1145 da manh e 2.45 da
tarde. Recife, 30 de Maio de 1886.
A. W. Stonebewer Bird,
' Gerente.
Tbesouraria de Fazenda
De ordem do Illm. Sr. inspector, faco publico
que no dia 5 de Julho prximo vindouro, perante
a tesso da junta, recebem-se propostas em cartas
fechadas para o fornecimento dos artig >s de expe-
diente abaixo declarados, qno se fazem precisos ao
Arsenal de Guerra, no semestre de Juina a De-
zembro do correte anno :
Caderudas em braneo de papel fame, pautado,
com 50, 100 e 150 folha, urna.
Caetas finas, duzia.
Ditas entre finas, idem.
Caivetes finos, um.
Envelopes para offieios timbrados, cento.
Esptulas de osso, nma.
Grampos para preuder papel, caixa.
Gomma arbica, frasco.
Lapes de Faber, duzia.
Oitos de duas cores, idem.
Ditos de borracha, idem.
Lacre encarnado, pao.
Livros em branco de papel fiume, pautado com
100, 150 e 200 folhas, um.
Ditos dit> de dito HolUnda, pautaHo, fermato Ca-
rooe, com 50, 100, 15') e 200 folhas, um.
Ditos dito Ec, cjm 50, 100, 150 e 200 fallas, um.
Ditos dito Carret, com 50, 100, 150 e 200 lolhas,
um.
Ditos dito Raisin, cora 50, 100, 150 e 200 folha?,
um.
Ditos dito formato Jese, com 50, 100, 150, 200 e
250 folhas, um.
Ditos dito dito Colombier, com 200. 250 o 300 fo-
lhas, U'O.
Ditas dito de todos oj formatos e nmeros de fo-
lhas, com eucaderitao intuir de couro, um.
Papel fiume pautado, p ama.
Dito di.o liso, dem.
Dito inglez r sudo e branco, para cfHoio, idem.
Dito dito dito di.") timbrado, ide.r..
Dito lio linda, friu.to Corone, Ec, Can!, Rai-
sin, Jesei e Colombier, caderno.
Dito inata-borrio, folha.
Dito dito carto, tolha.
I'ennas de ac Perry. caixa.
Pastas do oleado de diversos tamiinhss, uina.
taspadeira pr pp-l, uma.
Tinta inglesa para eserever de J. A. Sardinhs,
bailo.
Dita preta para o mesmo im, garrafa.
Dita carmn, frasco.
Thesourara de Pernambuco, 2S do Maio de
1886.
O secretario,
L''= Emyydio finheiro da Cmara.
3ico u9 cfBilita"bu! P8a-
Edital n. 18
O administrador do Consulado Provincial faz
publico a quem interessar possa, que no periodo
de 30 dias uteis, contados de 15 deste inoz, ser
efTectuada por esta repartico a cobran?a, livre ;e
multa, dos seguintes impostos, relativos ao se-
gundo semestre do exercico corrente de 1885-86.
Imposto oc repartico.
10 o 20 % sobre estabelecimentos commerciaes
fra e dentro da cidade.
20J000 per ese. chanieo.
2tO rs. por baralho de cartas de jogar.
12 /0 sobro consultorios mdicos e escriptorios
de advogados e solicitadores.
Consulado Provincial de Pernambuco, de 11
Maio de 1886.
Francisco Amyntas de Carvalho Moura
BECLARAC0ES
Nos termos dos arts. 5 e 6 dos estatutos, sao
convidados os senhores accionistas realisarem
at o dia 30 de junho prximo, na sedo do bao,
ra do Cournercio n. 31, a segunda entrada de
dez por cento do valor nominal de cada aceao.
Uocife, s:8 de Maio de 18S6.
Os administradores,
Manoel Joao de Amorim.
Jos da Silva Loyo Filho.
Luiz Duprat.

Circular n. 10
Tbewouraria de Fazenda lie Per-
nambuco, S8 do Malo de SB
O inspector declara aos senhores coectorcs das
rendas geraes da provincia, que achanc.o-se con-
vertido em sello os emolumeutos da tabella anne-
xa ao decreto n. 4153 de 21 de Abril de 1869, em
irtude do % 3 da lei n. 2940 de 31 de outubro de
1879, devem cobrar ISOOO de sell) das certidea
e matricula de escravo- que forem requerida?,
de accordo com a tabella B 1 n. 15 do doereto
n. 8916 de 19 de Maio de 1883 ; e que de taes
certidoes nao se cobram buscas. *m consequencia
ae estarn os livros de matricula de escrauos
ai da em andamentc.
Antonia Caetano da Silva Key.
CoDipanhia do Beberibe
Durante o anno social prximo find?, de 1 de
Maio de 1885 30 de Abril de 1886, foram regis-
tradas as transferencias de 2,516 accoes, sendo
1,198 accoes por devolucio de berauca, e 1,318
acedes por venda.
Escriptorio da companhia do BVbcribe, em 1
de Maio de 1886.O director secretario,
Jos Eustaquio F. Jacobina.
Companhia
DO
JO J&J3 JtTliXiOiXl
O abaixo assignado, por ter se desenea i nbado
do s:u poder os ttulos de 0 acces da compadhia
do Beberibe. de na. 5,701 5,750, do antigo pa-
dro de 50000, e ter de requerer referida com-
panhia a substituido dos mencionados ttulos por
outros de novo padro, faz a presente declaraeo,
de que fi-am sem valor os mesmos ttulos, e para
os devidos effeitos legaes, pnblica esta neclaraco.
Recife, 31 de Maio de 1886J
P. P. de Joapuim Pereira Rosas,
Luiz A. Siqueira.
A directora da companhia da estrada de
ferro de Ribeiro Bonito, convida todos os seus
subscriptores para uma reuaio extraordinaria no
dia 2 de junbo, s 10 horas da manh, ra Du-
que de Caxias n 70, 1 andar, afiti de tratar-se
do augmento do capital social. Recife, 15 de Maio
de 1886.
Pederneira.
Baro de Serinhem.
Jacobina.
1
Mecnicos e leras u Pee-
De ordem do irmo director convido atlos es
irmos a reunirem-se em assembla geral em nos-
sa sede, sexta-feira 4 do corrente, s 6 horas da
tarde, visto nao se ter reunido numero legal no
dia determinado, devendo ter lugar com o que
comparecer, como de lei.
Secretaria da Imperial Socicdade dos Artistas
Mchameos e Liberaes de Pernambuco, 1 junbo
de 1886.
Jos Caster,
jo secretario.
C. C. E.
VAPORES ESPERADOS
de 381 toneladas, capitao E. Jorgen-' Tagm
Jacuhypc
Finanet
Mandos
Gironde
Oralor
MarvJio Visconde
Aconcagua
VtUe de Ceari
Bahia
Ville de Santo*
Colorado
Etbe
Espirito Santo
Tomar
Para
Hamburg
Ipojuca
Ceard
Neva
Congo
do sul hoje
do sul a 3
do norte a 3
da Europa a 3
de Liverpool a 4
da Bahia a 4
do sul a 6
do sul a 6
do sul a 7
da Europa a 7
de New-Port Newi a 7
da Europa a 9
do norte a 13
do sul a 14
do sul a 17
de Hamburgo a 20
do norte a 20
do norte a 23
da Europa a 24
do sul a 25
do val a29
De ordem do presidente da commisso executi-
va, faco saber aos republicanos desta cidade que,
segando preceita o art. 7 da lei orgnica, appro-
vada na segunda reunio, que teve lugar em Abril
do corrente anno, smente poder apresentar-se
cendidato na prxima eleico municipal quem for
designado pelo centro, ncorrendo as penas do
mesmo artigo quem procurar infringir aquella dis-
posico.
Recife, 31 de Maio de 1886.
O secretario,
Af. Coelho dos Reis.
S. R. J.
Soire bimensal em 6 de junho prximo futuro
Previno a todos o? senhores socios e convidadas
que esta soire prineipiar as 7 horas da noite. Os
ing'essos encontram-se at a vespera da soire
em podar do senhor thesoureiro, e os convites no
do Sr. presidente. Recommenda-se toda a sirn-
pl cidade nos toilettes e scientifica-se qne nao sao
admissiveis aggregados.
Recife 10 de Main de 1886
Luiz Guedes de Amorim,
3- secretario.
Club Comnaercial Eaterpe
Sarao em 12 do corrente
Ter lugar nesta noite o sarao que este club
proporciona aos seus a-sodados. Os senhores so-
cios que estiverem quites at 31 de Main findo,
podero procurar seus ingressos em mao do Sr.
thesoureiro.
Secretaria da Club Commercial Euterp?, 1 de
Junho de 1886.O 1- secretario,
Francisco Lima.
Santa Casa da Misericordia do
Recife
Arrenda se por muito barato preco, o armazem,
1 e 2- andares do predio n. 24 ra do Viwonde
de Itaparica,_ outr'ora do Apollo, com excellentes
accommodaces para familia, tendo o 2- andar um
bom terraco e soto ; arronda-se separadam sute.
O armazem presta-se para deposito de assucar,
barriqueiro ou outra qualquer negocio que de*
mande grandes accommodaces; divide-se o mes
mo .rrnazem, tornando-se anda issm dous bons
armazens, com trentes para o caes do Apollo e
ra do mesmo nome.
Os pretendentes podero examinar dito predio,
que se aeha em reparo, tratando sobre o sen ar-
rendamento na secrotaria desta san'a casa.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 29 de Maio de 1886.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sonsa.

^
]
i



nwujw .-v'Kivpi
Diario de fernambucoTerfa-feira I de Junho de 1886
/
1
3f '

- '
Conpa Santa Tiareza
Emprearla do abacleelmenlo d
agua e gai a\ cidade de Ollnda
DEVEDOBE8 EM ATBAZO
Tendo a directora, em sessao de 15 do
corrente, resolvido receber pur intermedio
de um sollicitador todas as contas de con-
summidores d'agua e gaa em atrazo, a
contar do anno de 1876, resolv n'esta
data encarregar' de tal cobranza o Sr.
Diogo Baptista Fernandas, a quera espero
attenderao desde logo os mesraos devedo-
rs, cortos da justica e equdade de simi-
lhante resolucao.
Escriplorio do gerente 28 de Abril de
1886.
Antonio Pereira Simdes.
THEATRO
Quinta-feira, 5 de Junho
Grande Testa iheatral
Representar-sc-ha pela segunda e ultima ver, o
apparatoso drama em 1 prologo e 5 quadro?, ori-
giual il i distmeto dramaturgo o capito Dr Cor-
te-Real :
0
' A peca est montada com as uxigenciae que re-
qaer, timndose notavel o prologo que dcmandi
de um pessoal de mais de 100 figuras.
O acampamento em Tuyitly, que representa o
scena';\ <-sl d? accordo com a acoo de lugar ;
coiliuia onde esta montada a ceUbre art I liara
Malet, barracas de officiaes e soldados em campo
aborto A sen tcinpo entuam soldados conduzindo
um armo quo cuta repb-cto de cartuxame. o qual
explosir em consequencia da passagem de um fo-
guete eongrvo.
O ultitto quadro, onde est estendido em forma
o'.1 bitalho, afim de ter lugar o fusilamento do
Cabo Cacar, realmente deslumbrante, quando
rompe o funHo apregmtando urna seberba apo-
theeseO anjo das batalhas.
Figurara como personagens principaes, o bene-
mrito general OsOria., genjr.il Caonpello, officiaes
de voluntarios e o Cabo Caar.
Encommendas Eneaderuaco I", mmercial,
ra Duque de Caxias n. 30, e bilhetea Tonda, na
veepera e di do espectculo, no theatro.
FORT OS DO SUL
O vapor Manos
Commandante V tenante Quherme Wad-
dington
E' esperado dos portos do
norte at o da 3 de Janho,
e depois da demora in
dispensavel, seguir para
os portos do sul.
Recebe tambem carga pa-
ra Santos, Pelotas eRio Gfrande de Sul, frete m-
dico.
Para carga, paasgeas, encommendas e valores,
trata-se na agencia
N. 11 RA DO COMMEROIO N. 11.
Compaahla Franc'eza de Navega
eSo a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
stemer Vil! e de Cear
Espera-se dos rjortos do
sul at o dia 6 do corrente
eeguindo depois da ndis-
pensavel demora para o Ha-
vre*
As pastafrens pdenlo ser tomadas autemo.
Recebe carga encommendas e patsageiros para
os quaes tem excellentes accommodacoes.
Pacific Steam Navigation Company
STRA1TS OF MAGELLAN LINE
Paquete Aconcagua
E' esperado da Euro-
pa ate o dia 6 de Ju-
nho, e seguir depois
da demora do costume
'para a
Janeiro, Monte-
Talparalzo
Para carga, passagens e encommendas e dinhei -
ro a frete tracta-se com os
AGENTES
Wllson Sons t& C .. Limited
N. 14 RA DO COMMERCIO-N. 14
2 leilo
Baha, Rio de
video e
De urna carta de sentenca civel, prvenien-
te de urna bypotbeca, na importancia de
30:5200594 e mais 4:578(5090 de juros
accrescidoB desde Fevereiro de 1885 a
12 de Maio prximo passado.
Total 35iOtt8Ae84
A' serem cobrados executivamente de Jos San-
cho Bezerra Cavalcante e sua mulher, senhores de
engenho Alegra, na comarca do Escada, engenho
que garante sobejamente o pagamento de dita di-
10.940 Urna corrente para relogio, ouro Je lei; e
um relogio de ouro.
10.942 Dezenove colheres e um par de fivellas de
10.943
prata.
Um
par de rosetas de ouro com dous bri-
lhantes, urna pulseira e um par de botoes,
ouro de lei.
LEUDES
Leilo
Mi I;
Gompaohia de EdiflcacOes
O escriptorio desta
companhia acba-se in
stallado na pra$a da
Concordia n. 9,conser-
vando-se aberto das 7
horas da manh as 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trueqoes e recoristruc-
Qes.
Recebe-se informa-
des acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesaioescripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da m e s m a
companhia.
MARTIMOS
< onPAMiii: de nessAv;
res maritimes
linha mensal
O paquete Gironde
Commandante Miner
Espera-se da Eu-
ropa no dia 3 de
Junho, seguin-
do depois da de-
latora do costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, Rio de Janeiro e Monc
tevido
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se ao ssenhores recebedores de merca-
dorias que s se attender as reclamscoes por M
tas nos rolumes que forem reconhecidas na occa
sio da descarga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheirj
a frete: tracta-se com o agente
angoste Labille
9 RA DO COMMERCIO-9
Compz- fel Bratileira do Savc-
gaeSo a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Baha
Commandante V tenente Aurdiano Jzaac
E' esperado dos portos do sul
at o dia 7 de Junho, e
seguir depois da demora in-
1 dispensavej, para os portos
do norte at Masaos.
Para carga, passageas, eaeanwaeadaa valore
racta-se na agencia
11-Roa do CoMMMW-11
E' esperado da Europa at
o dia 7 de Junho, Be-
guindo depois da iudispen-
savel demora para a Ra-
bia. Rio te Janeiro
e Sanios*
Roga-se aos Srs. importadores de carga p 'ios
vapores desta linha,quciram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng. .
quer reelamaco concernente a volumes, que po-
vatura tenham seguido para os portos do su'.afin,
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias. .
Expirado o referido prase a companhia nio se
responsabiliaa por extravos.
Kccebe carga, encommendas e passageira parb
t s quaes tem excellentes aecomodacoes.
Augusto F. de Oiiveira & L
.IUK.\TKM
42 RA DO COMMEROIO -42
COMC*A.VHIA PKIi*llHl-A t<
DE
Xaregara Costeira por Vapor
PORTOS DO SUL
Hacei, Penede e Aracaj
0 vapor Mandahu
Segu no dia 8 Ot
Junho, s 5 horas da
-tarde.
Recebe carga .t o
Idia 7.
Encommendas, passag^'S nheiro a frete at
aa3 horas da tarde do din da partida.
ESCRD?TORIO
Ao Cae da Companhia Ptrrambucana
n. 12
tOI-.tMIIt l>Kn\IHHICi\l
DE
^ravegaeSo Costeira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara<
caty, Cear,
vapor Pirapama
Segu no dia 5 dz
Junho, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 4.
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sabida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Per^ambw/inn
n. 12
Bom emprego de capital
Tereafeira, f de funlio
A' 11 horas
A' RA DO IMPERADOR N. 75
O agente Silveira por mandado e com assisteno
cia do Exm. Sr. Dr juiz de orphos levar lei-
lo o engenho Penedo de Baixo na freguesia de 8.
Lourenco da Platta, comarca do Recife, espolio
de D. Anna Mara da Rocha Falco, sendo o en -
genho edificado margem do Capibaribe, moente,
com bom cercado de pastagem e excellentes matas
virgens.
Os Srs. pretendentes podem examinar o referido
eugenbo.
geme Silveira
Leilo
DE TERRENO
Terca feir l de funho
io raoio dia
O agente Silveira por mandado e com assisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juie de orphos e ausentes, le-
var a leilo urna parte do sitio denominado
Hospital, freguezia da Vanea, todo arborisado
em terreno proprio, com 146 palmos de frente e
1000 ditos de fundo.
Os Srs. prctcndi-nUs podem examinar.
QARTA-FEIRA, 9 DO CORRENTE
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 16
0 agente Martina, auterisado pelo Ulm. e Exm.
Sr. Dr, juis do civel, far leilo, em sua presenca
e a requerimento de D. Bernarda de Souza Maga-
IhScs e Silva, inventariante do espolio de seu fi-
nado irmo, coronel Jos Anto de Souza Maga-
Ihes, da divida proveniente de urna carta de sen-
ten^a, obtida em 12 de Fevereiro de 1885, contra
Jos Sancho Bezerra Cavalcante e sua mulher, se-
nhores do importante engenho Alegra, para pa-
gri'm executivamente e por carta precatoria exe-
cutoria, que j se acha pastada, a quantia de
30:5204594, do principal, juros c custas, alm de
4:578090 de juros accrescidos de Fevereiro de
anno passado at 12 Je Maio ultimo.
Os Srs. pretendentes podem examinar a refer
da carta em mo do agente.
Leilo
Agente Silveira
Leilo
De predio
Ter$a feira 1. de Junho
A's 11 1/2 horas
A' na do Imperador n. 7o
O agente Silveira, por mandado e com asisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juiz de orphos c ausentes,
levar lei 3o o espolio inventariado de Francis-
co Antonio Alves Mascarcnhas, a requerimente do
inventariante, o seguinte :
Um sitio com um sobrado do um andar, no lu-
gar denominado Caboc, com 10 metros de
frente e 6 de fundo, 2 salas de frente, 2 quartos, 4
jancllas de cada lado, menos no do norte onde est
collocada no lado de fra urna cacada, andar ter-
reo, 2 quartos de lado e urna sala no centro, tendo
o sitio diversas arvores fructferas, 4 quartos no
fundo, servindo um destes de cosinba.
Os Srs. pretendentes podem examinar.
de movis, lauja, crystaes, quadros, tape-
tes e candieiros a gaz kerosene
A SABER
Um piano forte e quasi novo de Plsyel, 1 mobi-
lia de Jacaranda com 1 sof, 1 jardineira, 2 coa-
solos, 2 cadeiras de bracos e 12 de guarnico, 2
cadeiras de balanco, 2 quadros a oleo, 4 castifacs
com mangas, ,4 jarros, l candelabro, candieiros de
suepenso, tapetes e escarrt. deiras.
Urna cama francesa, 2 marquezoes, 2 comino-
das, 1 lavatorio, 1 toilette, 6 cadeiras c 1 cadeira
espregui^adeira.
Urna mesa elstica. 1 guarda Iouca, 2 aparado-
res, 12 cadeiras, 1 relogio, ,1 quartinheira, 1 guar-
da-comida, Iouca para cha e ara jantar, copos,
clices, garrafas, compoteiras, mesas, cadeiras e
accessorios de casa de familia.
Sexta-feira 4 do corrente
Ra do Visconde de Go)anna n. U
O agente Pinto levar a leilo os movis e mais
bjectos cima mencionados, sil horas do dia
cima dito, na casa em que morou o Sr. Antonio
de Souza Oiiveira, ra do Visconde Goyanna
n. 64.
Em continuado
vender o raesmo agente differentes portas, cai-
xilios, grades, v nesiauas e mais pertences de ja-
ncllas e portas.
A's 10 horas e 20 minutos parfir o bond da li-
nha da Magdalena que dar passagem gratis aos
concurrentes ae leilo.
Leilo
3 leilo
Xa ra do Imperador u, 35
De dividas na importancia de 2:3144000, da
venda e padaria que foi de Mariano Jacintbo dos
Santos, no Arraial.
Em seguida
De pianos, 1 mobilia do Jacaranda, 1 de junco,
preto, pertumarias e cutros objectos, ao correr do
martello.
Terca feira 1 de Junho
A' 1l horas
AGENTE MODESTO BAPTISTA
Leilo
(OHPtMIII l'l.lt\AMBH < A > V
DE
Mavegaco costeira por vapor
Fernando de Xoronha
O vapor Giqui
Commandante Lobo
Segu no dia 10 de
Junho, pelas 12 ho-
ras da manh.
Recebe carga at o
dia 9, e passagens at
s 10 horas da manh
do dia 10.
ESCRIPTORIO
Ce da Companhia Peresahii
ana n. 19
limed SUtes & Brasil MaiI S.S.C.
0 paquete Finance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 3 de Janho
depois da demora necessaria
seguir para
H.
aranhSo, Para, Barbados,
Thomaz e New-York
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
se com os
O vapor Colorado
Espera-se de Ncw-Port
News, at o dia 7 de Junho,
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
frete, tracta-se com os
AGENTES
enry Forster k C.
N. 8 RUADO COMioRClO.-N. 8.
1- andar
Companhia Bahiana de navega
eo a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante J. J. Coelho
E' esperado dos ooriof ci-
ma at o dia 2 de Jnubo
e regressar ultra os mea-
mos, depois da demora do cos-
tume.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a fret racta-se na agencia
7liua do Vigario7
Domingos Alves Matheis
Be miudezas
A saber : jarros, pentes com diademas, cartei-
ras de chagrn, espclhos com estajos, sapatinhss
de la, botoes de diversas qualidades, cspelhos
ovaes, linhas de carril Alejandre, bandeiras na-
cionaes e portuguesas e outros mais objectos, que
sero vendidos na occasio do leilo de fazeudas,
na loja ra do Rangcl n. 48.
Agente Brito
Quarta feira 2 de Junho
A's 11 horas
Ra do Rangel n. 48
~~ 2o leilo
De urna casa terrea sita ra do Areal n. 24,
com 1 poita e 2 janellas de frente, corredor sepa-
rado, 2 salas, 4 quartos, cosinha fra, caeimba,
quintal murado, em solo proprio, rende 30 men
sacs.j
Agente Brito
Terca-feira 1 de Junho
Ra do Imperador n. 16
A's 11 e meia horas
de fazendas e miudezas, pedras pollidas,
vinhos, quadros, ferragens, 1 cofres e
differentes movis
SABBADO 5 DO CORRENTE
A's 11 horas
Ra do Bom Jess n 13
O agente Pinto levar a leilo, por conta e ris-
co de quem pertencer, pot liquidacao e sem re-
serva de prefos, as fazendas, miudezas, vinhos,
pedras, quadros, ferragens, movis e mais i bjec-
tos existentes em seu escriptorio, ra do Bom
Jess n. 43, principiando pelas fazendas.
Sexta-seira 4, deve ter lugar o leilo de movis,
louga e vidroa na casa da ra de Visconde de
Goyanna n. G4.
Subbado5, o de diflerentes fazendas ingle-
zas c nacionaes, in carteir, 1 cofre, pedras para mesas e outros mo-
vis, objecios existeutes no Io andar do sebrado
da ra do Bom Jess n. 43.
Leilo
Da casa t:rrea com 3 portas de frente, sendo
oceupada com taverna, medinrfo 5 metros e 30
centmetros do frente, e 15 metros e 40 centme-
tros de fundos, com quintal, sob n. 15; de 1 casa
assobradada n. 15 A, tem 1 grande sotea, 1 porta
e 3 janellas de frente no pavimento terreo, 2 sa-
las, 2 quartos, cosinba interna, quintal murado, e
no andar, 4 janclli.s 4 salas e 2 quartos, medindo
de frente 9 jaetros e 90 centmetros, e de fundo,
4 metros e 58 centmetros; todas situadas ra
da Casa Forte.
Qnarta-feira, 9 Je *mnho
A'* 11 horas
Na ra do Queiroado n. 77 A, loja deno-
minada Boa Fama
O agedte Gusmo, competentemente autorisado
por mandado do Exm. Sr. Dr. juiz de direito de
commercio e com astistencia do mesmo, e a re-
3uerimen'o do Dr. curador fiscal da massa fallida
e Manoel Carpintero Souza, ftr leilo das
casas cima mencionadas, pertencentes a referida
massa. e para mais esclarec ment o mesmo agente
dar.
Leilo
De fazendas, ronpa feita, miudezas e 18 arrobas
de doce de goiaba, na loja ra do Rangel
n. 48.
O agente Brito vender em leil as seguintes
fazeudas" :Brim liso, pardo e lona, casimiras em
cortea e pecas, oxford, mulesquins, chita preta,
mariposas com barras du cores, intertela parda,
velbutins pret* e azulada, lavraUa e lisa, colchas
brancas, bata azul, meias, lencos, camisas de
meias, calcas e camisas para homens, algodoes,
madapolocs c fusloes, e outras fazendas, que sero
vendidas ao correr do martello, por terem sido
transferidas para a referida loja.
Quarta-fcira 2 de Junho, s 10 e meia horas
Ra do Rangel n- 48.
Leilo
i;re eontinuaeo
De finas miudczaf, pertumarias, espelhos, ar-
macao, cofre prov de fogo, cbapoi de sol de di-
versas qualidades e mais objectos, existentes na
bem conhicida loja de miudesas Boa Fama
ra Duque de Caxias n. 77 A, em lutes, vpntade
dos compradores.
ttuarta feira t de Junho
A's 10 e li2 horas
{POR INTERVENgO DO AGENTE
Gusmo
Por occasio do leilo de predios da mas-
sa fallida de Manoel Carpintero 7
Sonsa & C.
Leilo de joias
Esto estabelecimento far leilo no dia 8 de Ja-
nho viudouro, por ntervenco da agente Martina,
ra do Bom Jess n. 32, s 11 horas da manh,
dos objectos que nao forem retgatados ai ves-
pera, das seguintes cautelas a dinbeirc de con-
tado.
Estaiao exposi^o tres diasantes.
10.070 Urna salva nitavada e tres colheres para
sopa, peixe e arroz, prata de lei.
10.116 Um annel de ouro, com brilhantss.
10.118 Di-seno ve colheres, prata de lei.
10.136 Um par de rosetas de ouro com brilhan-
tes.
10.137 Um annel de ouro com brilhante.
10.784 Duas salvas de prnta d lei, 25 colheres,
12 garfos, 12 cabos para tacas e um pale-
tero de prata.
10.786 Urna salva e duas colheres, prata de lei.
10.807 Um annel com brilhante e cinco botoes de
-ouro.
10.811 Urna corronte c medalha para relogio e um
relogio, ouro de lei.
10.817 Dous pares de brincos, dous broches, um
annel de ouro com um pequeo brilhante
e um trancilim, ouro de le.
10.829 Um par de rosetas de ouro com brilhantes,
tima pulceira, um alete, um par de brin-
cos com perolaa, urna medalha, um annel,
seis botoes e urna fivella, ouro de lei.
10.830 Urna corrente e cinete, para relogio, ouro
de lei.
10.831 Duas pu ceiras, um broche com coral, urna
volta de trancelim com perolas, um annel
e urna corrente, para relogio, ouro de lei.
10.839 Um par de brincos de ouro com pequeo
brilhante, urna par de rosetas e um tran-
celn!, ouro de lei.
10.841 Urna pulceira, um broche e um trancelim,
ouro de le, um trancelim, ouro baixo.
10.842 Um broche de ouro eom perolas, urna pul-
ceira e urna corrente, para relogio, ouro de
lei; um alfineto cravejado de diamantes.
10.843 Um trancelim e, dous anm is, ouro de lei.
10.844 Um annel de ouro com um brilhante, gran
de, um dito com um dito, tres botoes com
ditos, orna par de rosetas com dito, tres
cruzes, urna pulceira com ditos, .tres fios
de perolas e urna c rrente para relogio
ouro de lei.
10.846 Um par de rosetas de ouro com diamantes,
um par de brincos, urna pulseira, um tran-
celim e urna medalha, ouro de lei; urna ti-
jella, prata de lei; urna salva e um copo,
prata baixa.
10.853 Ui < paliteiro, prata de lei.
10.855 Urna correntee medalha para relogio, ou-
ro de Wi.
10.867 Um corrento de ouio, um trancelim, tres
cardoes, um par de brincos, duas pecas de
dito, ouro de lei; um par de caaticaes, 12
colherrs para sopa e 12 ditas para cha
prata de le.
10.869 Urna corrente para relogio, um trancelim,
um broch.-, urna loneta e um relogio, ouro
de lei.
10.885 Um botao de uuro com brilhante.
10.887 Urna cor ente e medalha, para relogio, ou-
ro de lei.
10.889 Urna pulseira, um trancelim, quatro an-
neis e urna moedinha, ouro de le.
10.891 Um broche com b.ilhante e diamantee.
10.901 Urna corrente para relogio, ouro de lei.
10.905 Tres correntes e urna medalha para re-
logi#, ouro de lei.
10.910 Urna corrente e medalha para relogio, e
um trancelim, ouro de lei.
10.914 Urna pulceira de ouro com brilhantes.
10.921 Dios aunis de ouro com brilhantes, urna
corrente para relogio, um par de brincos,
dois ditos de rosetas, tres alfinetes, nm
par de botoes e tres aunis, ouro de lei e
um trancelim, um par de brincos e um la-
finete, ouro baixo; dois relogios. ouro de
lei; e trece colheres de prata.
10.922 Urna Corrente para relogio, nm resplandor,
cinco coias para imageus e um relogio
Kqueno, ouro de lei.
lis anneis de ouro com brilhantes, urna
volta de ouro com medalha, um trancelim,
una moedinha, duas .medalbas, dois pares
de brincos e um relogio, ouro de lei.
10.946 Um trancelim, urna medalha, urna corren-
te e sinte para relogio, e um rclo?<>, ouro
de lei.
10.974 Urna corrente para relogio, um trancelim e
urna medalha, ouro de le.
10.997 Um relogio, ouro de lei.
11.006 Um par de rosetas de ouro eom brilhan-
tes.
11.015 Um tranceln, oure de lei, urna pulseira,
ouro de lei.
11.022 Urna pulseira, ouro de lei.
11.032 Urna corrente e sinte, para relogio, ouro
de lei.
11.061 Um par de rosetas de ouro com pequeos
brilhantes, urna volta de ouro e urna me-
dalha, ouro de lei.
11.062 Um par de rosetas de ouro com brilhantes,
um annel cok- dito e rubios, nm alfinete,
dois botoes e um relogio, ouro de lei; um
alfinrte da ouro com brilhantes, dois pares
de rottas cravejado de ditos, um annel e
urna cruz com ditos, im fio de perolas, um
trancelim, um collar e urna corrente, euro
de lei; dois cordoes, urna cruz, um cora-
co em ouro, ouro baixo.
11.068 Urna corrente para relogio e urna meda-
Ib*, ouro de lei.
11.092 Um par de brincos de ouro, contendo bri-
lhantes.
il. 102 Urna corrente para relogio, urna volta de
ouro e um relogio para senhora ; ouro de
lei.
11.108 Um broche, ouro de lei.
11.117 Um annel de ouro com um brilhante.
11.118 Urna corrente para relogio e um relogio,
ouro de le.
11.128 Seis caaticaes pequeos, prata baixa.
11.129 Um annel de ouro com brilhante.
11.138 Urna pulceira de ouro.
11.139 Um relogio, ouro de lei.
11.146 Urna medalha, urna volta de cordo, dois
anneis, duas pe;as para pulseira e urna te-
ta de ouro.
11.151 Duas pulseiras, um par de brincos, um dito
de botoes e dois anneis, ouro de lei.
11.168 Um cordo, ouro de lei.
11.177 Urna corrente e medalha para relogio e
um par de brincos, ouro de lei; urna pul-
seira, ouro de lei.
11.192 Urna pulseira, um trancelim, um meda-
lho, um broche, quatro moedinhas de ou-
ro em boto, s, ouro de lei.
11.493 Um trancelim, um par de brincse urna
pequea teta, ouro de lei ; um broche, um
par de botoes e un annel, ouro baixo.
11.198 Um relogio, ouro de lei.
11.210 Um relogio, ouro de lei.
11.212 Um alfinete de ouro com brilhantes e pe-
rolas, ouro de lei.
11.216 Duas correntes e urna medalha, ouro de
lei.
11.242 Um annel de ouro com brilhante, urna cor-
rente e medalha para relogio, ouro de
lei.
11.213 Um par de brincos, um dito de botoes, um
alfinete, duas cruzes, oito anneis e um
habito (condeceracao), ouro de lei.
11.247 Urna moediuha de ouro com laco de ouro,
dous pares de brincos, um dito de botoes e
tres anneis ouro de lei; um alfinete, um
cordo, dous pares de rosetas, urna teteia,
urna figa e tres anneis, ouro baixo.
11.250 Um cordo e urna cruz ouro de lei; um
cordo ouro baixo.
11.257 Um par de brincos era vejados de brilhan-
tes em prata.
11 260 Urna corrente e medalha para relogio, ouro
de lei; urna salva e doze colheres para
sopa.
11.261 Um annel de ouro som brilhante, um dito
com ditos e esmeralda, urna pulseira e urna
corrente para relogio, ouro de lei.
11.278 Um relogio de ouro para senhora.
11.299 Urna pulseira, um par de brincos e um an-
nel, ouro de lei.
11.303 Seis botoes, ouro de lei.
11.309 Urna volta de ouro, um cordo, dous an-
neis, um dedal, ouro de lei.
11.326 Urna pulseira, urna volta de ouro e um par
de rosetaB, ouro de lei,
11.330 Um relogio,ouro de lei.
11.334 Tres pulseiras e duas pecas de brincos,
ouro de lei.
11.346 Urna corrente pra relogio, 1 phosphoreira
de ouro e urna volta de trancelim, ouro de
lei.
11.352 Umacorade ouro para imagem, um cor-
do e um emblema do Espirito-Santo, ouro
de lei.
11.356 Urna corrente com medalha, oora de lei.
11.372 Um annel de ouro, com brilhante.
11.377 Urna volta de ouro com medalha pequea,
um alfinete, um aro de ouro e um annel,
ouro de lei.
11.380 Duas moedas de ouro (libras) em botoes.
11.383 Urna corrente para relogio (faltando cha-
ve) ouro de lei, tres moedinhas (dollars),
urna pulseira, ouro baixo, e um relogio de
ouro.
11 384 Umi pulseira, um par de brincos e urna
cruz, ouro de lei.
11.386 Urna escri\aninha de prata de lai.
11.388 Om cordo, um par de rosetas e urna cruz,
curo de lei.
11.392 Urna corrento para relogio e um par de
brncoo, ouro de lei.
11.401 Um relogio, ouro de lei.
11.409 Um relogio, ouro de lei,
11.412 Um alfinete de ouro com brilhantes e um
relogio de ouro paia senhora.
11.419 Urna pulseira, ouro de le
11.429 Urna corrente para relogio, ouro de lei.
11.436 Urna pulseira, um broche e um par de ro-
setas, ouro de lei.
11.437 Um relogio, ouro de lei.
II .443 Um par de rosetas de onro cravejadas def
brilhantes c urna corrente para relogio,
ouro de lei.
11.450 Um alfinete e um par de rosetas, ouro de
lei; urna salva, prata de lei ; e doze co-
lheres, prata baixa.
11.463 Urna volta de ouro com diamantes, ouro
de le.
11.454 Um laco de ouro cravejado de diamantes
e duas pulseiras, ouro de lei.
11.472 Um relogio, ouro de lei.
11.475 Um alfinete de ouro com brilhantes.
11.485 Um par de brincos, um medalbo, urna
volta de trancelim e cinco anne;s, onro de
lei.
14.492 Urna volta de trancelim, urna cruz, dous
pares de brincos, um dito de rosetas, ouro
de lei.
11.497 Sete colheres de prata.
11.511 Um cordo, urna moedinha de ouro com
laco, urna moedinha de valor de 5 e um
annel, ouro de lei.
11.513 Um cordo, ouro de lei.
11.521 Um annel de ouro com um brilhante e urna
pulseira, ouro de lei.
11.523 Urna corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
11.534 Um annel de ouro com brilhantes.
11.538 Duas salvas, duas colheres para sopa e
arroi e qua'ro garfos de prata.
11.514 Um par de rosetas de ouro com pequeos
brilhantes e um annel com numero em cir-
culo.
11.548 Urna correte para relegio, ouro de lei, um
feixe de ouro baixo.
11.551 Urna aalva de prata.
11.552 Urna pulseira, um par de briness de ouro
de lei.
11.653 Urna pulseira, um broche e um par de ro-
setas, ouro de lei.
11.554 Um relogiode ouro de lei.
We trancelim, urna cruz,
11.600 Um annel de ouro eom brilhantes.
11.601 Urna corrente de ouro para relogio, urna
dita com medalha, ouro e platina, e um
paliteiro de prata de lei.
Recife, 15 de Maio de 1886.
O gerente interino,
Felino D. Ferreira Coelho.
AVISOS DIVERSOS
Pede-se aos abaixo assignados o favor de
virem ou mandar ra do Marqaez de Olinda a.
51, a negocio que nao ignoran.
Tenente Manoel 'Antonio Yiegas, camarista
Precisa so de um m-nino de 12 14 annos
de idade, para vender na ra, dando fiador de sua
conducta ; a tratar na ra de S. Joo n. 26.
Precisa-se de urna ama para servico de casa
do pouca familia : a tratar na ra da Conceico
numero 9
Precisa-se alugar urna preta ou uuy menino
para vender an ra : a tratar na ra dos Marty-
rios n. 148, 2o andar.
Aluga-se o sitio do Pina, com.boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqneiros,
seis grandes viveiros, duis cacimbas com escolen-
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
Precisase pe urna
ra do Bom Jess n. 50.
ama para cosinhar ; na
Precisa-se de um menino com pratica de ta-
verna ; trata-se na ra do Caldeireiro n. 39, ta-
verna.
Aluga-se casas a 80C0 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.
Arrenda-se um sitio na Matriz da Vares,
no Ambol, com casa, muitas fructeiras, grande
baixa para verduras e capim, margem do p,
passando na frente a estrada de ferro : a tratar
no mesmo lugar, no sitio defronte da taverna, ou
em O'inda, sitio defronte da igreja de N. S. do
Gudalape.
Para ci.ntestaco do artigo do Sr. Joaquim
E.^ Ribeiro, em resposta ao que anteriormente pu-
bliquei nos Diarios de 25 e 26 do corrente, ba3ta
dizer que a escriptura da hvpotheca foi passada
no cartoro do tabellio Jos Alexandre Ferreira,
onde existe ainda, ficando portanto em vigor
aquelle mcu artigo anterior. Keci:e, 28 de Maio
de 1886.
Flrsculo de Alrneida Magalhes.
O London Brazilian Bank, limited, participa
ao respeitavel publico, que, desta data em diante
a gerencia do inesmo banco em Pernambuco, pas-
sa a ser exercida peloSr. William Henry Bilton.
Recife, 1 de Junho de 1886.
Precisa-se de urna ama para urna s pessoa ;
na praca do Conde d'Eu n. 21, loja de Iouca de
barro.
Precisa-se
Prata n. 20.
de um caixeiro; na travessa do
Ama
Precisa se de una ama para cosinbar : na
Magdalena, residencia do commendador Barroca,
def>-onte do chafariz.
Fazendas baratas
Boa Duque de Caxias numero 2
Chitas petit pois de cores azues a 200 rs. o co-
vada.
Ditas finas claras e escuras, 240 rs. o dito.
Las escossezas, 320 rs. o dito.
Alpacas de cores finas, 500 rs. o dito.
Fustoes brancos finos, 500 rs. o dito.
Setnetas e gorgurinas lisas, 500 rs. o dito.
Meriu setim maravilhoso, duas larguras, 1600 o
covado.
Cortes de vestido em cartoes, 10/ um.
Ditos de cachemira dem, a 30J e 40 um.
Fichus modernissimos, de 2 9 um.
Ditos dd malha, a 1 um.
Collarinhos fechados, a 5000 a duzia.
Punhos finos de n. 26 30, 800 rs. o par.
Velbutina de todas as cores, alio covado.
Merinos pretis e de todas aa cores, setins de
todas as cores, cambraia com salpieos branco e
de cores, tapetes de todos os tamanhos, meias
para homens, senhoraa e meninos, e outros muitoa
artigos por precos resumidos.
MENDONgk, PRIMO <& C
Casa de campo
Aluga-se urna grande chcara na Capunga, si-
tuada margem do Rio Capibaribe, porto do Ja-
cobina, tend as seguintes accommoda^oes: 2
grandes salas, 4 qaartos espacosos, grande cosi-
nha e 1 quarto para criados, tem soto com ja-
nellas ao lado, e no mesmo 2 sallas e 4 quartos,
gallinheiro de ferro, cocheira, quartos para cria-
dos e banheiro. Toda a casa ladeada de larga
calcada e varanda de ferio, sendo toda murada
com 2 portoes de ferro e gradeamento na frente
da mesma. Tem sitio com algumas fructeiras,
jardim, cacimbas, etc. Foi toda reedificada e es-
t pintada e asseiada. Da mesma ao ponto de
parada dos trens gasta-se 4 minutos : quem pre-
tender dirija Se ra do Mrquez de Olipdan. 55.
Attencao
Perdeu-se um alfinete de ouro om perolas, da
ra do Baro da Victoria rna Nova de Santa
Rita ; quem o acbou pode leval-o. ra do Mr-
quez de Olinda n. 55.
NA EXPOSICAO UNIVERSAL DE 1873
VINHO de CATILL0N
de GLYCERINA e QUINA
0 mais ptxlerozo tnico rfcoostitinte proscripto
nos cajos Je Dores d'estomago, Langor, Anemia
Diabeti3. Consumpco, Febres,
Convalescenca, Rezultados dos partos, etc. "
O mesmo inho cora Cs ro. VINHO FERRUGINOSO DE
CaTlLLON regenerador por excellenaa do sangue pobre
J3 e descorado. Este vinho faz tlerar o ferro por todos
- os estomago e nao occasiona priso de ventre,
P4RIS, 23, ra Stat-Vtnctnt dt-Pml. Em Ptrnambuco;
Franca M. da Silva e G,cnnprincipM fharnurfc*
NICO VINO QUINADO O'JE flBTEVE ESTA
11.557 Um volnJWe trancelim, urna cruz, dous
pares d brincos pequeos, um dito de ro-
setas, um dito de argotoes, cinco botoes,
ma Mediaba, dous pares de colxetes, duas
pegas de bringpa e um annel, de ouro.
11.562 Ura correntio, urna gargantUha, urna pul-
seira, tres pares de brincos, um-alfinete,
urna moeda de ouro com lago, e tres botoes
de ouro de lei.
11.562 Urna volta de ouro com medalha, duas pul-
seiras, dous cordoes, um trancelim, tres
pares de brincos, um alfinete, dous anneis
e quatro moedinhas de ouro de lei, urna
salva de prata.
11.566 Um annel de ouro com brilhante.
11.579 Um par de esporas de prata baixa.
11.589 Um par de rosetas de ouro com brilhantes.
11.590 Um trancelim, urna medalha e um collar,
onro de lei.
11.593 Um par de rosetas d ouro com brilhantes
e perolas.
Guilhermino Joaquim do Reg Barreto, sua
mulher e filho, D. Anna Joaquina do Reg Bar-
reto e Joaquim Nasianzeno do Reg Barreto, ten-
do de mandar celebrar missa por alma de sen ve-
neravel amigo, compadre, padrinho, etc., Dr.
Gaspar Vasconcellos de,Drummond, no dia 7 de
jnnbo, dcimo quarto dia do s-u senaioilissimo
passamento, rogam a todos os scus paren tes e
amigcs a se dignarem assitir este consideravel
acto, que ter lugar no con reuto de Santo Anto-
nio de Ipojuca, s 9 horas da manh, pelo que
lhes serSo eternsmente agradecidos.
Joo Florentino Cavalcante de Albuquerque
Jnior, sua mulher e filhas convidam aos seus
parentes e amigos atsistirem a missa que man-
dam celebrar por alma de seu sempre lembrado
pai, sogro e av, Joo Florentino,Cavalcante do
Albuqueique, na matriz da Boa-Vista, s 8 horas
da manh de quarta-feira 2 do cr rrente, 1 an-
niversaro de seu passamento ; antecipando-lhes
seus agradecimentos por esse acto de religiao.
Antonio Joa Lopes Braga
Vicente Lopes Bratra, testamenteiro inventa-
riante de sea falleciddMrmo, Antonio Jos. Lopes
Braga, convida a seus garentes e amig; s e aos do
finado, a assistirem a urna missa que, pelo eterno
repoueo de su'alma, manda celebrai no 30 dia do
seu passamento, terea-feirs, 1 de Junho, s 7 1/2
horas da manh, na igreja do Divino Espirito
Sant antecipando desde j seus profundos agra-
deoi ment*.




6
-
Diario ce PeruaiiitiiinTerfa-eira 1 de hubo de 1886




5
NTICO
Preoarago de Productos Vegetaes
PAMA
EXTINGO DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
JMART NSXBASTOS
Pematnbiico '
~~ Engenho
Arrendase o engenho Estiras, sito na comarca
do Cabo ; a tratar no eecriptorio de Sebastio de
Barros Barrete, roa do Commercio n. 15.
"RECLAMrT
Miudezas linas e de goste
VENDIDAS A PREgOS SEM COMPE-
TENCIA
LO JA FLORIDA
EUA DO DUQUE DE CAXIAS N. 103
Barboza k Santos
Artigo* espprlae
Esplendido sortimento em jarros de crystal, por-
celana, alabastro, vidro e louca de diversos tama-
nhos a precos qne admira 1 .' !
Candieiros de diversos tamanbos para sala,
quartos e toillet.
Porta retrato de metal fino pasteado, doarado e
de velludo.
Albunspara retrrto de velludo chagrn e de
pellucia.
Para acabar
Bico valeneienea 1JI500 e 2#000 a peca.
Plisss a 320, 400 e 6(10 rs. o metro.
Lencos de linbo a 1#50G a daiia.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinbar : no Ca-
minho Novs, confronte a estacao, n. 121.
Na roa da Uniao n. 9, ae precita de urna ama
para coeinhar.
Precisa-se de urna ama que seja boa cosinheira
na ra do Csbug n. 16, 2- andar-______________
Ama
Precisa-se de nma ama para cosinbar : na rna
do Barao da Victoria n. 57.
/% mm %
Precisa se de tima ama para comprar, que co-
sinbo bem e seja asseiada, para casa de ponoa
familia : a tratar na ra do Barao da Victoria n.
46, loja.
Precisa-se de urna ama para cosinhar e que nio
aia 4 ra : a tratar na ra Velha n. 75.
Ama
Precisa-se de urna ama que cesinhe bem e faca
alguns outros eervicos de urna casa de pequea
familia : a tratar na ra do Atalbo (no oitao da
caiza d'agua) n. 23. *
Ama para meninos
Prec sa-se de urna ama para acompanhar urna
familia que se retira para a corte.
Na travessa das Pernambucanas n. 3
Aluga-se
por preco commodo as casas : Pocinho n. 55, n.
67,1 andar, becco do Veras b. 8 : a tratar na
ra larga do Rosario n. 34, pharmacia.
1Henrao
Na ra da Concordia n. 73 se dir quem vonde
urna importante taverna, que das melhores loca-
lisadas que ha para retnlho, e tem bons commodos
para morada. _____________________^_
Novo [orlo to carvao
t j Rna do Marque do Herval-U
Vende se carvao a 720 rs. a barrica, e quem
tiver comprado 30 barricas, ter urna de gratifi-
cacao. Mais ostro offerecimento vantajoso : o
consumidor que houver recebido dez barricas gra-
tis receber um quarto de bilhetes da lotera de
4:000$ da provincia ; se em dito quarto sabir a
sorte grande, sera entregue ao portador 20 vig-
simos da lotera do Rio de Janeiro, 20 ditos da
orte, oO ditos da importante lotera das Alagaa,
e 80 quartos da lotera de 4:000 da provincia.
Portante, o possnidor dos cem nmeros est habi-
litado a tirar mais de 220:0004.
N. B. O portador s ter direito apresentando
os taloes e recibos fornecides pela casa.
Am ii yJ .
Em quartos e meias garrafas, v. m Fsria
S'abrinho & C, a roa do Marques de Olinoa j. 41,
DEPOSITA RIUS______________
Issucar especia!
Joaquim Salgueiral & C, proprietaros da refi
naci ra Direita n. 22, tendo reformado com-
pletaminte o sen estabeleeimento, scientificam ao
publico em geral e esperialmeote ao commercio,
que tcem sempre um completo sortimento de assu-
cares, tanto rm careco como refinados, de 1, 2* e
J" sorte, e especial refinado com ovos, o melhor
que se encentra no mercado, e podem de prompto
satistszer qualquer pedido que Ibes seja feito, pois
para isse teem sempre um grande deposito. Ga-
rantem a boa ezecuc&o elimpesa dos seus pro-
ductos.
\n
"Numero felepbonlco
Pao d'Alho
Pede-se ao Sr. Epipbauio da Rocha Wanderey,
chefe di' estacao, que mande ou venha sati .zcr
oque ha mais de uta anuo promette, e n:li faaendo
dir-se-ha o negocio-
Aluga-se barato
as seguintes casas : Pocinho n. 48 ; Caes do
Apollo n. 75,1 e 2 andares; Brum n. 84, arma-
zem, e 4 andares : a tratar na ra larga do
Rosario n. 34, pharmacia.
Aluga-se barato
O 3." andar da roa do Bom Jess n. 47.
A casa n. 107 da ra Visconde de Goyanna.
Trata se na largo de Corpo Santo n.19.1 andar
A i commercio
O abaixo assignado tcientifica ao commercio e
ao publico em geral que o Sr. Manoel Esteves
Narsea dcixou de ser seo caixeiro desde esta data.
Recife, 28 de maio de 1886.
Jo&o Baptiita Pinheiro.
Mudanza de escrip-
torio
O advogado Francisco do Reg Baplista e os
solicitadores Diogo Baptista Fernaades e Anto-
nio Machado das, anudaram seu scriptoro psra
a ra do Imperador n. 23, 1- andar, lado de de-
trs, onde serao encontrados das 10 horas da ma-
nha s 3 da tai de._____________________________
Transferencia de aula
A aula primaria e secundaria (diurna e noc-
turna) da ra de S. Jorge, mudou se para a de
Bom Jesns n. 47, 1- andar. Preco mdico a sa-
ber : priioeiras ltttras 2000 mensaes, e prepara-
torios 3*000.
Hot^l Petropoles
Em Palmare,
a eNlaro de
Junto
Una
Os passageiros dos trens teem tempo muito
sutciente para a! mocar. O trem que sobe detno-
ra-se 50 minutos, e o que desee 1 hora. Hospe-
dagem somente familias e pessoas moralisadas.
Cosinbeiro
Precisa se de ubi cosinheiro : a tratar na rna
da Uniao n. 11.
Leonor Porto
Ra do Imperador n. 45
Primeiro andar
Centina a ezecutar os mais diffieeis
figurinoa rrcebidos de Londres, Paria,
Lisboa e Rio de Janairo.
Pritnaem perfticao de costura, cm kre-
vidade, modicidade em precos e fino
gosto
J
os lites dos oJlies
Cura certa em 48 horas das DflamacSes
recentes dos olhos, pelo colyn'o prepara-
do por Jos Pedro Rodrigues da Silva.
Emprega e este poderoso colyrio sempre com
grandes vantagens, as seguintes molestias :
Ophtalmias agudas, purulentas e chronicas, con-
unctivites, etc., etc.
Deposito eral, na drogara de Paria Sobrinbo
& C. ra do Mrquez de linda n. 41.
Para infurmucoes, sedirijam iivraria Indus-
trial ra do Barao da Victoria n. 7, ou resi
dencia do autor, ra da Saudade n. 4.
Aos senhores logistas e alfaiales
Maria Magdalena e Felismina de Miranda, re-
sidentes ra de S. Joao n. 26, coscm com pres-
teza o por preco commodo camisas, ceroulas, cal-
cas e palotots. Os senhores logistas e slfaiates
podem se informar do negociante Jos de Ar ujo
Veiga, ra larga do Ros rio, que est habilitado
a dar qualqu-r esclarecimento.
Experimenten. '
V. tilgam o que acbam
Os especiaes licores de genipppo c caja que se
acbam a venda ro largo de S. Pedro n. 4T
. guoin.
}{
5
Pillas purgativas e depurativas
de (ampanha
Estas r ilutas, cuj. preparaeio puramente ve
getal, teem sid > por mais de 20 annos aproreitadas
com os melhores resultados as seguintes moles-
tias : affeccoes da pelle e do ligado, syphilis, bou
bes, escrfulas, i-hag^s inveteradas, erysipelas e
gooorrhas.
Modo de nnnl-nn
Como purgativas: tym--.se de 3 a 6 por da, l.e-
liendo-se ap<3 cada dsc um pauco d'agua aoea-
da, cha ou caldo.
Com reguladoras : tome-se um pilula ao jantar.
Estas pilu!as, de invencSo dos pharmaceuticos
Almeida Anirade & Fdhos, teem veridictum dos
Srs. mdicos para sua melhor garanta, tornndo-
se mais rrc. mmendaveis, por serein um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
osadas em vaeem
ACHAM-SE A' VENDA
Ka droaaria de Parla ttobrlnho A C.
*l BA DO MAKQDEZ DE OLlNDA 41
PARA COSINHAR
Precisa-se de urna
ama que saiba cosi-
nhar bem; no 3. an-
dar do prerdio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da tj-
pographia do Diario.
C Onteira a vapor
Snprimento para o vapor Jagvaribe
N. 927:170
O Sr. Francisco Alvcs da Costa, commandanta
do rupor Jaguaribe, pela segunda vea rogado
vir ra do Marque- de Oliada n. 50, dar cum-
primento ao numero cima. Pcde-se ao digno
gerente providencias a respeito.
Aos pas de familia
A abaixo assignada, acbando-se habilitada a
abrir um corso primado cm sua casa, raa do
Coronel Suassiina n. 72, pede a valiosa protc-cao
dos pais de familia, garantindo todo o esmero
possivel no desempenbo de sua missao.
Donatilla Pacific* de Salles Dutra.
Mercearia
Traspassa se urna casa de molhados em urna das
principaej mas dcsta cidade, muito afreguezad l
livre d<- impostos e de qnaesquer dbitos.
Quem pretender dirija-se ra da Madre de
Deus n 22, das 9 horas da minha iis 6 da tarde.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinbeira : na ra de Pay-
sand n. 19, Passagem da Magdalena.
(osiuheira
Precisa-se de urna boa cosinbeira, fiel e limpa e
de boa conducta, para cus de mocos solteiros : a
tratar h ra do baro da Victoria n. 52, primei-
ro andar.
Cosinheiro
Precisa-se de um eosinbeirW a tratar na raa
de Pays.nd n 19 (Passagem da Magdalena).
Ao publico e atroun-
mercio
Benvenuto Buarque declarajjgue nada deve nes-
ta praca e era fra del'a ; e pede ao autor do
annuncio da ra d) Barao da Victoria n. 10, que
declare se pura ter a devida respoata.
PrancUra Rraoilina Lina
Amoral
Joo do Reg Lima e sua mulher mandam reca
missxs por alma de sua presada filo, Francisca
Brasilina Lima Amaral, cajo acto ter lugar ni
igreja da ordi-m terceira de 8. Franeiseo, terca-
fera 1 de junho, pelas 7 1/2 horas do da, triga-
simo de sen fallecimento.
Dhosphatina
r Palioros
PARA A
IMENTAgiO RACIONAL
islam
fes, Crianzas, Amas,
Conoalescentes.
Este alimenta; de un sabor agradavel, precioso
sobretudo :
Para-as Maes, durante a gravidez;
Para as Crianzas, na occasio de desmamabas;
Para as Velhos o Convalcscentes.
A PHOSPHATINA constitue o verdadeiro alimento
das Criancas alimentadas no sgio ou na mamadeira. Nenhuma
Fcula, Conserva ou Pos ditos do alimentario para a infancia,
pode-competir-lhe.
E a administragdo fcil do Phosphato de. Calcium, que fortifica a
Crianzas durante o seu crescimento.
FABXZ, 6, Avenue Victoria, 0, PAEIZ
tipalUrlM sa PtrnmbuM : FRAM" M da SILVA k O3-
**^ nico IxL-verj-box ^
SABOSUCCOALFACE
*
0 melhor dos Saboes de Tomador
^ ^COMMENO^O P^S
.vitar aa Imito.Qea
^aposito* as principas!- Perfuznariaa. PUfJW*cias a Cabellerairo da Amarlo*
Molestias Nervosas
Capsulas do Doutor Clin
Launtdo da Faeuldade e Medieina d$ Pai. Premio Montyon
As Capaulas do Doutor CLIN ao Bromureto de Camphora empregao-se
as Molestias, as de Cerebro e contra as aleccOes seguintes:
Asthma, Insomnia. Palpitages do Goraco, Epilepsia, Hallucnacao.
Tonteiras, Hemicrania, Alfecces das vlai urinarias et para calmar toda
especie de excitaco.
un Urna explicado detalhada aoompanha cada Fraseo.
Ex'vjir as Verdadeiras Capsulas ao Bromureto de Camphora de CLIN & G'1
de PARS, que se enconlr&o em casa dos Droguistas et Pharmaceuticos.
Oleo i Figado i Bacalhau
do 13
lodo-Ferruginoso de Quina e Casca de Laranja amarga
mm-----------
Este medicamento fcil de tomar, nao provoca nr.useas,
e de cheiro agradavel. Pela sua composico, possue todas as
quakdades que lhe permittem combater :
a ANEMIA, a CHLOROSE, as AFFECCES do PEITO
a BRONCHITE, os CATARRHOS, a TYSICA
a DIATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSA, etc.
Em vista do seu emprego fcil, da sua accao multplice e
segura, da economa para os doentes, os mdicos receitam-n'o
de preferencia qualquer outro medicamento similar.
DBPOB1TO QTIHUT, i
PARS, 209, ra Saint-Denis, 209, PARS
VE.WEH-SE EM TOD^S AS PRIN'CIPAES PHARMACIAS DO UHIVERSO
CONFIAR DAS FALSIFICACES E IMITACOES
AU BON MARCHE
Un casa iristid Bouclcaut pabix
Bedaa. raienrta oras.
Trajo*, Conlecao, Toilettes
Boyas para Senhora e Orlanoas,
Modas, ores. Xeadas, Fitas,
luva, Lequf, Perrumrlu,
T^nfaria, Ronpa de Mesa. Tapetes,
Moblllas, mhrellan,
Chapeos- de-Sol, Barretarla. Calcados
para Sentaoraa e Crianzas,
Artlf os de Viagem, rticos de Pars.
etc., etc.
As lejas do BON MARCH, sSo as
aiaioroi, as mais bem dspostas as mais
onfortareis e as mais bem organizadas.
EncerrSo tudo quanto a experiencia tem
podido produsir de til, commodo e con-
Lrtavel o sob este titulo sSo urna das
curiosidade do Paria. Os engrandeci-
mentos recentemente inaugurados lovio
a 10,000 metros quadrados (un bectare) a
superficie do edificio.
O BON MARCH nico no mundo.
O syutriiiti de vender tritio rom
um pequeo hene/icio e intelra-
mente de conflancu <' absoluto no
Armaxeim do BON MANCH.
Qualquer merendara que. nao
re.itponder aarantia liada gen
difticuldade. trocada ou reembol-
sada como o entender o comprador.
Untes principios sineera e linl-
tnente applicados salerdo-lhe um
suceesso at hoje sem precedente e
que ndo tem experimentado inter-
rupedo.
Os Armazens do BON MARCH uo
teem nem suecursaes nem representantes
quer em Franca quer no estrangeiro.
TTERPRETES PARA TOBAI AS UI80AI
^m\tVV\\\\\\\\\^aa\\\\\\\Wt>^^
CREME de VOGEOT
Sspecialidade de Caasls
C JSTIH DEVILLEB1CH0T
BWW (CCM-Of) Franoa.
irtrMOtAaa nu fipoi/fSst tf ;
PtBU 185S, idiO, 1167 (Eissslfit Oirtiml)
DIJO 1KS (Misalha de Honra), lsM
LOnflEI, HACOI 1151 BORDEACX 1851. IIS5
U0DI6 1151 BESASPON, TROTO 1113
; toMaita'iatoB/VrflajnoifCO Friaf'M.da8ILVA*C*
i^JU\\\^>iM>M>iW
dio ao rtosto
a bella alyura Tapo-
rosa que fez a reputaco
das Be/fezat tfa Antlguidatie.
i la
L. PANAFIEU C"
Parla, ra Rocheclwuart, 70.
tejwitirlatm Pernar.tbuv : FrDiU. iSS.VA A C*.
!
fiiiiHiiiiHoiiiiimim
EXPOSITION J$ IIHIV* 1878
Medaille d'Or^TCnixd.CheTalier
Les nos mures ntcomptiisu
PERFUMARA especial
i-ACTEINAj
B. COUDRAY
Piscenisada pelai Cclliridadc Me.lin de Paria
ARA TODAS AS NECESSIDAOES 00 EDUCADOR
PRODUC TOS~ESPCIAS
mie ABROZ de LACTEIA para branquear a nriie
SAEiO de LACTIIHA para o toscador.
CREE e P e SABAO de LACTIIIU para a barba
POMADA de LACTEIA par a belleza dus cabellos
AGUA de LACTEIRA |ara o tomador.
0' EO de UCTEIHA pa a embellizar os cabello.
ESEHClA de LACTEIRA para lenrnt.
P e AGA DENT.fRlCIOS deUCTEBA.
CBEK LACTEiMA cli .m .da selim da pdle.
LACTE1K1IA (ara branquear a pelle.
, ESTES RTICOS A"aM-SE NA FABRICA
; PARS 13, rae d'Enoliien, 13 pars
DeposilM m toda as l'erumarias, Pbarmaeiai
e Cabellerairo^ da America.
J
A DbIIqxo, Ortpps. Brorvtaltsa:
Krrltaooss ao Falla, c ZABOPE a PAUTA pst-'
tan) L. HAT*. 1. DRSLAHQRENIER i m-
id om TsrtllsiJ por Hombro 4
d* tadk-ls. te tasca.
Bam Opta, Kii|lan asa Csalas i__
ia ariasva atTastaAaa da Tosas oa Oonoalaoaw.
rAHl ta. raa aWMaaa. as PAR.i
lfSJ. Bordaaux: Meiitha tf Brome;
Lloia: .vidA.n c fr.Tf,; Bocho-
lort : enfJo la H'Cj'-j Se Prtta,
! rindontodtlo.. lS33,Amfftanlam:
Mciatht i* 1885,
i^cposio-o 4i^ xrasalato:'
Alimenta.' ho Rion
I 'jai.'-.cnittsssfcaiati. I
rhLli. or auxiliar
A rasitriA rx,xn'
ocinnaa.
r.xpcrinienti lu-.horcxiU)
iio>pitaos e i'iani-as!
e as ijnc
CSasvfiili '- ii 1. ij, IHolcst.ini, d ntps-
**'"'* '"' u todas
as AL ,' -louiago
BiipporUr a ali uta .... n cossaria pata a pro-
ducciio da lo .i v
l niwa A H UDA : A moH
Pharmacia JU.I.i:,, ln-Ptrn/imfiuM. i'r.i.:'- K. i.a ji!va & C.
a
Ensillo commercial
Diurno c nocturno
POR PEDRO MAMA LIAUSU
KO COLLBOIO 11 DB AGOSTO E CASAS PARTICCLABES
I stripmao mercantil
Cursoessencialme tepruticodetodasas r,ransac-
(oes commerciaes e bsnearias, interiores e exte-
riores, ceneignscoes, cambios, etc.
Ai'lthiucfJcu commercial
Applicada especialmente s opera^des commer-
ciaes e bancarias e curso completo de contas cor-
rentes com jares por conta e em participacSes,
em diversas moedas, adoptadas pelo alto commer-
cio e os bancos.
CaKI^raphla
Cursiva, bastarda redonda. allemSo, gothica.
Un-ii:i franceza
Curso tbeorico e ortico com todus as difficulda-
des da syntaxe em 90 licoes. Supplemento de
estudo sobre a syntaxe, locucoes familiares, idio-
tismos em 30 licSfs.
Ao commercio em geral
Enearrega se de escripias
atrazadas, escripturaces do casas commerciaes
e de escripias de casas pequeas ; abertur e vo-
riica^Ses de lirros, balancos inventarios, cor-
respondencia mercantil; trabadlos de contabili-
dade e de calligraphia, etc.
R'ara tratar, ra da Cloria n. 95
BMULSSO
UE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiarado de bacalho
o
COM
Hypophosphitos de cal e soda
ipprovada pela Punta de Hy
giene e autorizada pelo
governo
E' o melhor rem> dio at hr je descoberto para a
nica liroinlii!.. *>Ncrophuiat. ra-
ctaltiH. anemia. et>lli deilaxoM, ioc chrontca e aflTec;6ei
do pelto e da garganta.
E" muito superior ao oleo simples de figado de
bacalho, porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes mediciones e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituinti s dos hypophosphitos. A' venda na
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Francisco Manoel da Silva i C.
23-RUA MRQUEZ OE('LINDA-23
t aA*4a\
muuisX
Ferruginosas
JURUBEBA\
BARTHOLOMEO a Ca
Pbarm. Pernambuco.
Curao a Anemia, inores brancas,
S Falta de HXenstrua^ao,
aj DebilidadesPobres de sanarne^
*\ Estigir a. asalsrnat-urs J
&<$.<',
^Yk

as
PASTILHAS
De ANGELIM&MENTRUZ
se
as
as
as
0 Remedio msit effica e
Jefuro que se tem deacoberto ote
ttje para e*f'lir ai Lorr trigas.
MHH.IAY0L FRERES
so
C3
SS
4-
zr
i

5
Este remedio precioso tem gozado-da aecelta
f&o publica durante cincoenta e sete annos, com-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua oopularidade e venda nunca forao t3o exten-
sas como ao presente; e isto, por si raefmo,
offerece a melhor prova da sui efficacia maravH"
hosa.
Nao hesitamos a dizer que n."io tem deixado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creanjas quer em adukcs, que se acharo afflio*
tos destes inimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantementa
attestaedes de mdicos em favor da sua efficacia
admiraTel. A causa do suceesso obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificases, de
sorte que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
ernifto de B. A. FAHMSTQCK.
PIULAS
JURUBEBA
BARTHOLOMEO* C'
Pbarm. Pernambuco
leuro as es*es. c todas as referes |
lnteriBlttentes.
15 ANNOS DE SUCCE88O!
TJIW3-* r asaiar.5itu.riVy
Costureiras
Preeisa-se de boas costureiras ; aa ra da Au-
rora n. 29, 1 andar.
rJtVMt.
BogiMor ia m^iiiid
Este imp 1* ato estabelecimento de relojoaria,
fundado em J M#, est funcionando agora ron
Urea do osatiu u. 9.
0 seu proprietario encarregado do reguliniyi-
to dos relogms do arsenal i" mariuha, da compa-
ahia dos trilhos urbanos do Rticife linda e Be-
beribe, da do Ri-cife & Caxang, da estrada de
ferro de Cartiar, da con p.nhia ferro carril de
Pernambuco, da assosincao commercial l>eneficen-
te e da estrada de torro d> Lmoeiro, cercado de
intilligeii! s e babasl uxiliaros, cuncerta e-fa-
biica qualquer pe?a para relngios de algibeira,
de parudf, de torres de jrtja, chronomi tros ma-
rtimas (dando a marcha), raixas do msica, ap-
paielhos tluctriccs t, hgraphicos.
O mi-smo acaba de recvber variado sortimento
de relogios americanos que vente de 16 a 20/
para parede, mesa e despertadoras de nikel.
Contina a exercor a sua profisbio, com zelo e
iuteresse de que sempre deu provas ao respei
tavel publico e aos scus collegas, e vende forne
cimento de qualquer qualidade.
Em frente de seu estabelecimnto se acha col-
locado um r<'lopio, cujos mostradoras tambero po
derao ser vistos pelos piRsageiros da ferro-carril,
tendo sempre a HORA MEDIA DE>TA CIDADE,
determinadas pelas suas nbscrva^o s astronmi-
cas. Ra larga do Roario n. 9.
Antonio da Costa Arauio
Ao eoimocreio
O abaixo assignado teado cmpralo o deposito
rna do Coronl Suassana n. 180: quem aehar-is
credor de Jos Perreira Victal, no prazo de i dtu
aprsente suas con tas.
Recife, 1* de Junho de {886.
_______ ________Manoel Alves dos Sanias.
Para escriptorio
Aluga-se a sala da. frente do 1 andar site
rna do Imperador n. 55, proprio para escript*-
rio : tratar na loja do mesmo.
A
ma
Caixa Econmica
Aviso a esta rep'irtirilo q rdi a eaderncta
sobn. 9.94.
Hermillo Coutinho.
Oiialiliafo
Acbam-se ufiixad>>s as matrizos de Boa-Vista,
e Graca o alistamento elritoral qne ultimarrente so
prooedi'U naqi ellas fregueaiac; visto que nao tem
tido possivel arr pub.icado n Provincia jornal,
com qin m a cmara contractou a publicnco dea-
tes e de outro.
Criado boleciro
Alaga-ie um mulatinho escravo para criado^ o
qual sabe bolear
t ^sa o. 87.
Na ra Duque de de Casias n. 43 precisa -sa t
nma ama para comprar, cosinbar e engommax
para c>.sa de pouca familia : paga-se bem.
Acpoes entre cava-
lheiros
Do sitio em Beberibe c duas meias aguM
da ra da Palma
Que devia correr com a primeira lotera do mea ia
Jiuih), correr defiiitivamentejeota a primeira la-
tera da provincia que se extrabir no mea de J-
lho.
Bouqiiels de apurados
novos gostos
O bem conbecido fabricante do boaquets, Josa
Samuel Botelho^ se faz lembralo nest* trabalbo ;
al 'm da reputacao grangeada u He, pido gosto, ai-
sio, promptido, etc., tem boje para offerecer M
publico novos porta b.uqu, ts de ln estadatla
o reflectida combinacae e gosts ; a tratar na ras;
do Barao da Victoria n. 20, loja de miudecaa,
na ra do Mrquez de Olinda n. 43, Inju de sel-
eiro.
Caixeiro "
Precisa-se de um caixeiro dt 13 15 anno,
com pouca pratica, que d fiador de sua conduc-
ta : na rna dos Pires n. 53.
Precisa-se de um bom cosinheiro ou cosinheira ;
na roa do Mrquez de Olinda n. 20.
Arniafilo
Precisa-se de nma armacSo de amareUo, nj*-
praparilojadefazeo^M; qus ti ve r e quijar
trata-se na na de 8. JoaoJ ^d,r' dir,,a K rus DB1ue de CsXI" n" ^
Mioja.
nnanti l
tx
-S

:r: -
I
1
1



t.
i
Toe DRISINA A c.
Ra Mrquez de 'linda u. 1S
< \ nIIfia da Cadela)
Casa de commisses
Grande e variado sortimento de moi-
iras e uatalogos de producooe da Alloma'
ana, Franca, IngJatera, Austria, Hespanha-
Italia e Estado-Unidos.
N. B.Informales sobre maohinismoe
ohricolas, ditas para engenhos centraes-
agmbas, etc. para incondioa a outras o.
boinas e utensilios
Eogenho
Tnspaaaa se o anendamento do engento Santa
Rosa, na freguetia da Luz, perto da esta co de
f. Lourenge, na via-ferrea do Limoeiro, assim
eetno de Jaboatao, na va frrea de Caruar. O
terreno d pura safrejar-ae annualmente de doua
i tres mil p5-s de assucar. Alem de muitaa var-
zeas tem mata virgem para abrir-se no vos parti-
dos, moa a vapor, tendo urna machina nova, de
mita Pirca, e moendas novas e grandes : quem
rtendel -o dirija-se ao mesmo engenbo ou a ra
Imperador n. 79.
Peniambuco--- Terfa-feira
ear
Oui'Di tem ?
Oor e praia : compra se ouro, prata
pedras preciosas, por maior preco oue em outra
qnaiquer parte ; no 1 -.andar n. 22 a ra larga do
fioaano, antiga dos Qtorteis, das 10 horas as 2 da
arde, das uteis.
ltenlo
Pe vine-se qne ninguem faca negocio com a me-
tade da casa n. 45 da ra do Nogurira porque eaaa
asa pertence a Marcolina Henriqueta da Concoi-
io.
Caxciro
Preciaa-se de um caixeiro : na ra do Principe
omero 1.
AttenQo
gJTeuho em meu poder tres cartas para serem
entregues aos abaixo assignados, qne pedem ur-
gencia e se acham na ra do Bario da Victoria n.
"~Llja de alfaiate de Carlos Sinden.
"i pe da Costa Pereira (pratico).
licio Rodrigues dos Passos.
Jcse Bnrges Dias de Brito (estudante).
Kecife 28 Maio 1886.
Curso livre
DE
il re I lo natural e r amano
O Dr. Clodoaldo Lopes lecciona a materias re-
feridas ; e pode ser procurado em seu gabinete de
advogacia, ra estreita do Rosario n. 32, pri-
meiro andar.
^rolongamento
PeJe-se por favor que venba ra Oireita n.
16 (viado branco) os seguintes senhores : Manoel
Joaquiru Araujo Goes e Walhido Odn Arante*.
~ Siti
Aluguel multo barato
Com casa para familia, t ndo mu tos arvoredos
danoo tracto, e logo junto ezcellente banho sal-
gado, na travesea do Motocolomb n. 4 (Afoga-
dos), perto dos bonds e do caminbo de ferro ;
julio do Illm. Sr. chefe Lima : a tratar na ra
de Santa Tbereza n. 38.
VENDAS
. Veode-se nm terreno n'Agua Fra, ra
Fermosa, com 50 palmos de frente : a tratar na
ruado Livramento n... 3* andar
JJ Vende-se na cidade de O!inda urna taverna
a ra de Fernandes Vieira n. 53, com armacao o
]K>ucos fundos, muito propria para principiante, e
boa localidade.
~~ Biliar
Vende-se um bilhar francs em perfeito estado
tom tres jogos de bolss e seis tacos : a tratar no
antigo largo do Pelouriaho (corpo Santo) n. 7, es-
riptorio.
Bom negocio
Vende-se urna pe-
quea taberna, pro-
pria para principiante
por ter poucos fundos.
Na ra da Roda, n.
48, da rao informales.
A Revoluto
0 48
ra Duque de Casias reduzio as vendas
a 25 0[q de menos de seu valor
Ver para crer
Setin maco a 800 rs. o cavado.
Merino de bolinbas 900 rs. o dito.
Lindas alpacas de cores 360 o dito.
Setinetas lisas a 400 rs. o dito.
Citas escosst'sas a 440 o dito.
Chitas finas modernas a 240 e 280 o dito.
Cretones finos a 320, 360 e 400 rs. o dito.
Fasto branco a 400, 440 e 500 rs. o d:to.
Linn branco a 500 rs. o dito.
Mariposas finas de cores a 240 o dito.
Lindos escossezes de quadrichos a 240 rs. 0 dito
Henos da China 240 rs. o dito.
Seda de listras 1/000 o dito.
Damasco de cores a 500 rs. o dito.
orim pardo liso 300, 360, 400 e 500 rs. o dito.
Verbatinas de todas as cores a 1/000 o dito.
Fichas al/, 2/, 3/, 4/ e 5/000 um,
Casemira inglesa de cor a 3/ e 4/000 o covado.
Dita diagonal a 2/ e 2/500 o dito.
Dita de cores a 1/800, 2/ e 2/400 o dito.
Flanella americana 1/200 o dito.
Toilette para baptisados a 9/000 nm.
Ponaos e collarinhos para s-nhora a 2/000.
Espartilhos de coraca a 4, 5, 6 e 8/000 um.
CamisHS bordadas de linho a 30/000 a duiia.
Camisas para senbora a 30/000 a dita.
Ditas de meia a 800, 1/OoOe 1/40O a dusia.
Tiir.es para meninos a 4/000 um.
Casacoa de laia 12/ um.
Bramante de 3 larguras a 900 rs. a vara.
Dito de 4 larguras a 1/200 a va ra.
Lencos ccn barra a 1/200 a dusia.
Lene s brincos a 1/800 e 2/000 a dosis.
Leo oes de bramante por 1/800 nm.
Cortes de casemira de cor a 3/, 3/500 e 4/ um.
Tualhas felpudas a 4/ e 6/000 a dusia.
Ditas alcocboadaa de 20/ por 12/000 a duaia.
Meias para homem de 3f, 4f, 5/ e 6/OOu a dusia
Meias para senhora 3/, 4/- 5/, e 6/000 a dita
Colchas brancas e de corea a 1/800 urna.
Colchas bordadas a 5/000 e 7/5 0.
Cobertas forradas a 2/800 e 2/900 urna.
Madapoln gema e pelle de ovo a 6/600 a peca.
Redes hamburguezas a 10/00) urna
Brim trancado a 700 rs. o covado.
Cambraia de forro a 12/000 a peca.
Zefiros lisos a 120 o covado.
Cortesde casineta a 1/900, 1/600 e 1/800 um.
Anquiol as a 2/000|uma.
4 Loja das Listras
161--M DflftBB He Can-N. 61
E a que vende fazendas mais
baratas e d descont
em qnaiquer compra su-
perior
Admiren) os presos
Mirins de todas as cores infestados superior qna-
lidade, a 800 ris.
Mirins com bolinbas de todas as cores a 700 '8.
Setim de Maco a 800 rs.
Percales e chitas finas a 200 e 240 rs.
Cretones finos largos corsa seguras a 320 rs.
Z-pbiroa de quadrinhos a 160, 180 e largos a 200
e 240 rs.
Renda da China, tazenda aberta, a 240 rs.
Fusto branco a 3B0 e 400 rs. e infestado a 500 rs.
Cssacos bordados, tecido de mal ha a 10/000.
Pecas de babados bordados finos a 900 e 1/000.
Meias lisas, o com listias toaas de cores, para se-
nbora e meninas a 500.
Lencos escessezas com fios'de seda a 320 rs.
Espartilhos finos todus os nmeros a 4/,
Failes com bolinhas, cores lindas, a 500 rs.
Cobertores de 13, bespaohes a 2/.
Colzas de fusto de cores a 1/500.
Mirin preto, qualidade fina, a 800 rs.
Setim preto a 1/.
Cortinados bordados para cama o janella a 6/.
Leques de fantazia, lindos desechos, a 1 /.
Lencos brancos a 2/ a duzia, s a caixa vale a
importancia.
Madapolo muito fino a 6/ a peca com 20 varas.
Algodosinho do melhor a 4/500 e 5/000.
E muitas outras fazendas que se vendem mais
bsrutonaLja das LISTRAS AZE8.
Fazendas brancas
t
Cabriolet
Vende-se um era perfeito estado e por pi
rommodo; tratar na ra Duque de Cazias n. 47
Imprtame liquidado
A
Loja das estrellas
Ba Duque de Caxiae n. 58
Merinos de todas as cores, duas larguras, a 800
rs. o covado.
Sedas, ricos desenhos, de 2/ a 800 rs. o co-
vado.
Fustoes de lodos as cores a 400/8. o covado.
Ditos de ricos desenhos, para coberta, de 1/200
320 rs.
Leonesas (novidade) a 240 e 320 rs.
Zephir de quadros, 120 e 160 rs.
Setineta lisa de todas as cores, 400 rs.
Dita estampada, 320 rs.
Estamnea imperiaes, 400 rs.
Bramante de buho com 11 palmos de largara a
1/800 o metro.
Dito de algodao trancado, 800 rs.
Meias inglesas para bomem, 3/ e 4/ a duzia.
Vestidos a Jersey para menina de 2 8 arinca,
a 6/, 8/ e aOZ.
Chapeos de sol de seda para homens e sentaras
a 2/, 2/500, 3/, 3/500. 4/, 5/ e 6/.
Vest arios de casemira para menino de 2 8
amos, 8/, IOS e 12/.
Madapolio, pclle de ovo, 6/ a peca.
Algodao marca T, 5/ a peca.
Lencos com barra de cor, 1/200 a duzia.
Assim como um variado aoriimento de porcella-
nas douradas, eryata es, artigos de phantasia para
toilette e muitos outros artigos que se vendem por
menos 50 0/0 do qme em outra qualqner parte.
"GRANDE
Exposif ao central ra larga do
Rosara n. 38
Damiaa Lima & C, nao podendo acabar com a
grande quantidade de mercadorias, resolvern
anda urna vez convidar as Exmas. familias e o
respeitavel publico em geral, que com certeza nin-
guem perder seu tempo, fasendo urna visita i
KxpoNirn Central
Pecas de bordados a 200, 400, 500 e 600 rs.
Punhes e colarinhos bordados para senbora a
2JO0O.
Ditts ditas lisos, 1/500
Ditos para homem, 1/500.
Um plastrn de 2/000 por 1/500.
Invesiviia grandes por 320 rs.
Lacos para senhora por 1/500.
Macos de 12 para bardar, 2/800 e 3/
Luvas de seds arrendadas a 2/500.
Ditas lisas, 2/200.
Ditas de fio de Escossia, 1/CCO.
Broches para senhora (modernos) 1/590.
Um par de meias para senhora (fio de seda
600 rs.
Dito idem liso, 400 e 500 rs.
Dito idem (fio de seda) 1J200.
Duzias de baleias a 360 rs.
Carreteis de 200 jardas a 80 rs.
Metros de srquinnas a 160 e 120 rs.
Um par de froabae de labyrintho, 1/500.
Nacos de gramp s a 20 rs.
Metros de plisss a 400 rs.
Lindos passarinhos de seda para chapeos de
sentara, de 500 rs. a 1/000.
Um pente com inscripcao para senhora, 1/.
Um leqne de 16/ per 9/.
Briiiquedos para enancas, leques de papel, fi-
tas, bicos de linho, quadros para retratos, lencos
tspartilhos, bicos, gales, franjas com vidrilhos,
eutres muitos oojectos de phantasia por preco
aem competencia: na esposicao Central, 4 rns
larga do Rosario n. 38.
Em vista dos grandes progressos da idea de que
se gloriara as nacoes civilisadas, o commereio
deve acompanhar esse progresso, visto que elle
o mais poderoso elemento do engrandecimento das
aacoes : em 'ista do qne annuqciam
MART1N8 CAPITAO & C.
1 Rna estreita do Rosario 1
Grande sortimento de gneros alimenticies, es-
colha dos quaes, os annunciantes teem sempre
maior cuidado, para bem servir os seus numerosos
fregueees. Lembramos, pois, o proverbio :
Qucm nao experimenta, nao sabe.
Venham ver, pois :
Qui'ijos, fiamengo e de Minas.
Fiambres ingleses.
Chocolate francez Menicr.
Dito do Maranhao.
Fructos seceos, como :
Passas, amendoas, figos, etc.
Ditas nacionaes.
Doee de todas as qualidades.
Bolachinha inglesa.
Semf ates novas de hortalicas.
specialidade em
.Vinbos finos do Porto, Madeira e Shery
Ditos da Figueira e de pasto.
Cognac de divraos autores.
Vinhoa tonicoa, como :
Absintho.
Vermouth, etc.
Licores de todas as qnalidrdee.
Champagne.
Cerveja de divcrsai marcas.
Bem assim :
Araruta fina em pacatas.
Cha verde e preto.
Dito perola.
Especialissimo matte do Paran, en. po.
Ainda mais:
Ovas de peize.
Sardinnas de Lisboa em Saimoura.
Vendem Martin Capitio & i'., roa estreita di
Rosario n. 1.
AOS AGRICULTORES
Foruaicida capanema (verdadeiro) para extinc-
ci completa da formiga sanra. Vendem Martina
Cap to & C, ra estreita do Rosario ni.______
Fariila aw oMaiaiai
SO' AO NUMETO
rna da Impera!riz = 41
Laja dos baratetrot
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estts fazendas
abaizo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodaoPecss de lgodaozinho com 20
jardas, pelo- barato preco de 3/800,
4|, 4/500, 4/ t, bg, 5/500 e 6|50*
MadapoloPepas de madapolio cam 24
jardas a 4/500, 5/, 6/ at 12/000
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Di as branc ib e cruas, de 1/ at
Creguella francesa, fazeuda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e
Ceroulaada measaa, muito bem fetas,
a 1/200 e
Colletiuhos r'a mesma
Bramante francez de algodao, muito on-
corpado, com 10 palmos de largura,
SMMt
Dito de linbo ingles, de 4 larguras, me-
tro a 2/500 e
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escaras, pa-
drees delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs.
Todas estas fasendas bsratissimas, (na conhecida
loja de Alheiro & C, eaqnina do becco
dos Ferreiros
Algodao entestado pa-
ra lencoes
AOo ra. e loOO* metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
codito para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larguras 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim coma dito trancado para
ma .has de mesa, com 9 palmos de largura a 1/200
u otro. Isto na lja de Alheiro & C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1/200, 1/400,1/600, 1/800 e 2/ o covado
A ln'iro & C, roa da Imperatriz n. 40, veo
dem mui^i bons merinos pretoa pelo prepo acinu
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di s Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhora*, pelo preco
de 5/nOO, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2/800 e 3/ o covado
800
1/800
500
1/500
800
1/2
280l
1J8O0
400
200
Camisas n.icionaes
a ajaoo. aaooo e s/500
32=-- Loja a ra da Imperatriz f S2
Vende-se neste novo estaheaeimento um gran-
de sortimouto de camisas brancas, tanto de aber
turas e pjnhos de linho como de algodao, pelos
baratos precos de 2/600, 8/ 4/, scalo tazenda
muito melbor do qu" as que veem do estrangeiro e
muito mais bem fetas, por serem cortada* por
am bom artista, especialmente camiaeiro, tambam
se manda faser por encounnvudas, a v jntade des
fregueses : na nova loja da ra da Imperatriz n.
31, de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de Fazendas
*
3;
Alheiro & O, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o- padres mais deli-
cados para costme, e vendem pelo barato preco
de 2/800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer costumes de casemira a
30*, sendo de paletot sacco, e 35/ de fraque,
grande pechincha ; na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porco de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 32C
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado* a lOOrs. a peca
A roa da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto com 50 pecas, sorti-
das, por 5f, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
Peehineha
Vende o Vascoucellos roa
corram a ella!
da Aurora n. 81
Lelc condensado
Vendem Jos Joaquim Alves & C, roa do
Bsrao da Victoria n. 69, ao preco de 500 rs. por
lata, e 5/000 a duzia, garantindo se ser do me-
hor fabricante.
UQDIDAvlO DE CHPEOS PARA
Vende-se pelos seguintes pre
eos de i5oo at oaooo, a
rna do Crespo
Meanellna.
n. 19Madama
para
Rna i>uue de caxias n. &
Fustoes de cores para vestidos a 240 e 320 rs.
o covado.
('hitas claras e escuras, 200 e 240 rs o dito.
Sargelins diagonal de todas as cores, 240 rs. o
dito.
Alpacas de seda idem idem, a 360 e 400 rs. o
dito.
Las com bolinbas, novidade, 560 e 700 rs.
dito.
Setiuetas superiores, fasenda de 600 rs., para
liquidar a 400 rs. o dito.
Damascos superiores, duas larguras, 1/800 o
dito.
Popelina branca de seda, 480 rs. o dito.
Setins maco de todas as cores, 800 rs., 1/000.
1J200 e J /400 o dito.
Velludilhos de listrinhas, novidade, 1/600 o
dito.
Sedas japonesas, 4<0 rs. o dito.
Eaguio para casaquinhos de senhoras, a 4/ e
40500 a peca.
Brim pardo fino para vestido, 500 rs. o covado.
Failes ae novos goatos, a 500 rs. o dito.
Camisas para ssnhoras, as mais lindas que tem
vindo, a 4/500 e 5/.
Saias riquiasimas, para todos os precos.
Cortinados bordidos, 6J500 e 9/ o par.
Guarnicoes de crochet para cadeira e sof, a
8/000.
Camisas francesas superiores, a 300 e 36/.
Bramante de algodao, o melhor que tem vindo,
1/500 o m*itro.
Id-m de linho puro, 2/ o dito.
Colchas de cores, francesas, 1/500 e 2/ urna.
Lencoes de bramante muito grandes, 2/ um.
Cobertas de ganga, idem idem, 3/ urna.
Meias arrendadas para senhora, a 8/ a duzia.
dem cruas, idem, 8/ e 12/ a duzia.
Idea* inglesas para homem, 3/500, 4/ e 5/ a
duzia.
Ccroulas de bramante bordadas, 12/000 e 18/
a duzia.
Lencos de linho a 3t> a duziu.
Casemiras de corea, inglezas, 1/4O0 e 1/600 o
covado, com duas larguras'.
dem pretas diagonaes, 1/800, 2/ e 5/400 o
covado.
Cortes de ditas de cores, proprias para invern,
a 2/500 e 3/.
dem inglezas, superiores, a 4/500. 5/ e 6/.
Cortes d-- fusto pan Golletes, lindos desenhos,
a 2/500 e 3/.
dem de gorgorito preto, a 2/ para acabar.
Deposito de algodoes, tanto nacionaes como es-
trangeiros, superiores madapoloes, brins, caee.i-
ras de todas s qualidades, cheriotes e merinos
para luto.
Vendas em grosso, descont da praca.
Carneiro da Conha & C.
5 Boa Duque de Caxlasj 59
Engolillo a venda
Vende se oengenh) Murici, com saf-a ou sem
ella, situado na freguezia da Escada, distante da
respectiva estacao um quarto de legos, podendo
dar seis caminhes por dia, moente e corrente,
tem duas casas grandes e duas pequeas para tno
rada, e outra para farinha com suas pertenyas : a
tratar na roa do Imperador n. 65, 2 andar.
Ra da Imperatriz
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabele.cimento encontrar o res-
oitavel publico um variado sortimento de tasen-
as de todas as qualidades, que se vendem por
reces baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de roupas para homens, e tambero se man
da tazer por encommendas, p r ter nm bom mos-
tr alfaiate e completo sortimento de pannos finos-
casemiras e brins, etc
Fructas maduras
Vendc-se diariamente especiaes laranjas para
mesa, mangabas, sapotas, e outras muitas : no
largo de S. Pedro n. 4.
a*Boa da Imperatriz-89
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimeoto vende-se as roupas aba)
zo mencionadas, qae sSo ba- ..as.
Palitots pretos de t"'r aiagonaea e
acolchoados, senuo tazendas muito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de eordao muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fasenda muito nftlhor
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgorito preto, colchoado,
sendo fazenda muito encorpada
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem feitas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2/, 2/500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem fui tas a 1/200 e
ColletinhoB de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos d
linho e de algodao, meias cruas c collarinhos, etc
Isto na loja aa ra da Imperatriz n. &
7/001
10/001
12/001
12/001
5/501
6/501
8/001
3/00t
1/601
l/OU
R i sea dos largos
a 900 rn. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem s*
riscadinhos prspi-ios para roupas de meninos <
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covado
tendo quasi largura de chita franceza, e ssp
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja do Pereira da Silva.
FuMtocN. aeiinetaa e lartniifi* a SO
ra. o covado
Na loja da roa da Imperatriz n. 32, vende-i
um grande sortimento de fustoes brancos a 601
rs. o covado, lzinhas lavradas de furta-core
fczenda bonita para vestidos a 500 rs. o covade
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. > covado. pechincha : na lojt
do Pereira da Silva.
Merinda pretoa a 1*
Vende-se merinos pretos de duas larguras pan
vestidos o roupas para meninos a 1/200 e 1/60
o covado, e suuenor setim preto para enfeites a
1/500, arsim como chitas pretaa, tanto lisas cotnt
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; na no vi
laja de Pereira da Silva ra da Imperatriz nu-
mero 32.
AlsrodoKlnbo francs para lencc
OOOra.. i* e iltoo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-
superiores algodSozinhos franceses com 8, 9 e 1<
palmos de largura, proprios para lencoes de un
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1/000 i
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1/280, ae
sim como superior bramante de quatro largura,
para lencoes, a 1/500 o metro, barato ; na loj
da Pereira da Silva.
iKonpa para meninos
A t$. 1S50 e 6*
Na nova loja da roa da Imperatriz n. 32,
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palitosinho e cale;
nha curta, feitos de brim pardo, a 4/000, dito
de moleequim a 4/500 e ditos de gorgorito pretc
etnitando casemira, a 6/, sao muito baratos ; n
loja do Pereira da Silva.
Camisas de cretooe
A SO
Na nova loja de fazendas ra da Imperatriz
n. 32, vende se esmisas de cretoae de cores, sendo
muito bem feitas e de bonitos padroes, pelo bara-
to preco de 2/500 cada urna ; assim como ditas
brancas muito finas, pelo mesmo preco : isto aa
ra da Iinpc atriz numero 32, loja de Pereira da
Silva.___________,_________________
Carne e queijo do serijo
Vende-S carne e queijo do sertao do Serid,
por preco baratissimo': ra ra do Bom Jess nu-
mero 38.
Mitssa de mandioca
Vende-se massa, especialmente preparada, para
bolos de Santo Antonio, S. Joo e S. Pedro, a 500
rs. cada pacote de meio kilo : no largo de S. Pe-
dro n. 4.
Ao 05
Bonitos leques de gaze para senhora, a 3/, 6/
8/e10/.
Ditos de setineta, de 1/500 a 2/5U0.
Ditos de papel, de 300 rs. a 1/.
Hu contlnuaco
Cintos de couro a 1/500 e 2/.
Babades bordados largos e estreitos, a 100 rs
a peca.
Chapeos para baptisados, de 1/500 a 8/.
Ditos de palha para criancas de 3 a 4 annos, a
2/51.
O Pedro Antunes & C. e quem tem para Ikjui-
dac,o.
Belleza, frescura, jnvenlude
Pa branco dea trace para ama-
dar a pelle
Estes pos, de urna fineza extrema, especialmen-
te preparadr \ ~. aformosear a pelle, sem-alte-
ral-a.
A' vends, 6Ui .*** do Pedro Antunes fe C., ra
do Duque de Caxias n. 63.
Igualmente o bem conhecido leite de rosas para
extinguir as espinhas e pannos, os mais assombro-
sos inimigos de urna assetinada face, restituindo-
lhe a belleza antiga.
F.m ultima analyse ser bom nao esquecer o
crme rosado para es labios !! S a Nova Espsv
ranea.
i til e agrada* el
Fazer um delicado trabalho de crochet cam o
novellos de la e aeda de diversa cores, que teem
o Pedro Antunes & C.
Linhas de diversas cores, dita branca de linho
para (az( r trivolit, medalhro tranca bem conhe-
cida para o mesmo.
Um bonito desenho colorido para mesa bonita
almofada.
Ao 63Ra Duque de Caxias
O tempo proprio
Boas meias de li para homens e senhoras, luvas
de dita para quem soffre de rheumatismo.
Ao 3 -Ra Duque de Caxias
WHISKY
BOYAL BLEND marca VIADO
Este ezcellente Whisky Escossez preferive
ao cornac ou agurdente de oanna, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho nos tu Inores armazens
Bolhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujo nc
me e emblema sao registrados para todo o Brazi
BBOWN8 & C, agentes
S.3
jimf
DE
(Dimaro a Stla
CHEGOU
afinal o pinho de Riga, de primeira qualidade, em pranchao de 3X9, 4X9 e
3X12 de 19 at 70 palmos de comprimento, barrotes, taboas de forro e assoa-
Iho, ripas e caibros para cobertas, chalets, estacSes de vias-terreas, e para suli-
pas; garante-s nao ser este pinho atacado pelo cupim, em virtude de ser elle o
verdadeiro pinho de Riga, nico que n'este clima resiste ao tal bichinho. Ret p^n
Iba se barato e em porcao baver reduccoes de pteco.
im*--------------------------------------------------1
LOTERA
XJicK*0
ALAO0AS
CORRE NO DIA 1E JUNHO
O portador que possuirum
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar...
10:006^000.
Os bilhetes acham-se a' ven-
da na Casa Feliz, praca h In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 1 de Junho de
1886, sem alta.
Grande e bem montada odicina de alfaiate
DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor-
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravata,
todo importado das melhores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; e para be
servirem aos seus amigos e freguezes, os proprietarios deste grande estabelecimento
im na direccJo dos trabalhos da oficina habis artistas, e que no curto espaso de 24
horas, preparara um terde roupa de qualquer fazenda.
Ra do Baro da Victoria n. 41
(PREgOS SEM COMPETENCIA)
proprietarios
conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respeitavel PUBLICO que receberam um
grande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam-
bera relogios de todas as qualidades. Avisara tarabem que continuam a receber por
todos os vapores vindoe da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que em
outra qualquer parte.
HIGDL WOLFF & C.
N.
4RA DO CABUG----N.
4
Oompra-se ouro e prata velha.

J
Q
*6

Chapeos e cliapelinas
36 A40PRAIJA DA KBRDRIi ---36 A 40
B. S. CARVALH0 & C.
Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento pajteeipam
as Exmas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das principaes casas em Paris e Maachester o que de melhor e de
apurado gosio ha om chapslinas e chapeos para senhora*. o meninas
e das primoiras fabricas de Hamburgo o que ha de melhor em cha-
peos para homens e criancas, e muitos outros artigos concernentes
cbapelaria.
Flores artificiaos para ornamento de salas.
OS
5C
a
3

oo
flaBEri



8
Diario dcipcrnambucoTer^a-lcira


ASSEMBLEA GEftftb
SfcSSAO EM 20 DE MAIO DE "i 886
PRESIDENCIA DO SR. AHDBADE FWMEA
Ao meio-dia, feita a chamada, responda
72 Srs. deputados e brese a sesso ciaco
minutos depois do meio-dia.
E' lida a apprpvada a acta daawssao an-
tecedente.
'O Sr. 1. secretario d oonta do es-
pediente. -
O Sr. rfoo Uenriqne obrlgado
a levantar algumas accusagSas feitas no
senado s autoridades-da provincia do VI -
ranhao, nao so oceupando das oceurrencia^
de Grajah, porque dolas j*4 tratou no c-
mara ura distincto representante da mesma
provincia.
Sa quizesso oceupar se das eleigSes era
geral, seria para acensar o partido liberal
pelas scenas escandalosas que se tora da-
do no MaranhSo desde 1878,' en que ouni
co conservador qua conseguio ser eleito
foi o nobre deputado Sr. Maia.
Passa a responder dotidamente ao ne-
bro sonador o Sr. Franco de S rebati-
do cada urna das arguigo.;s qm S. E*c.
langou no senado contra o presidente e o
chefa de polica da provincia do Marauhfio,
lendo documentos que provam quanto es-
sas autoridades foram solicitas era uaant3r
a liberdede das urnas e em garantir a tran-
quillidade publica.
Termina apresentando cmara ura re-,
fBrimenta, no qual solicita a presidencia
provincia do Maranhao copia dos pro-
cesaos instaurados alli ltimamente, na qual
se encontrara todas as perversidades qua se
podem imaginar em trabalhos eleitaraes.
Vem mesa, lido, apoiado e entra em
discussao, que fica adiada, por pedir a pa-
lavra o Sr. Candido de Oliveira, o segura-
te requerimento: .
Requeiro que pelo ministerio da Jisti-
9a se solicite ao presidente da relagao de
S. Luiz copias dos procesaos do alistamen-
to que teve logar em Setembra de 1885 na
comarca de Barrerinhos, e qua sjam taes
copias presentes commissao mixta.
Sala das sessoes, 28 de maio de 1886-
Joao Henrique.
O Sr. Escragoolie Taunay vai
tratar de assurapta alheia poltica e de
interesso geral; por isso espera qua a c-
mara lho conceda tempo para em breves
termos expor o motivo que o traz tribu-
na, acreditando prestar um servico ao paiz
porque o asaumta a que vai referir sa de
bellas-artes, e representa a a.tividade da
intallectualidade humana.
Reborda o prot.sto que levantou na c-
mara contra um projecto que foi raalisado
isto nao resisti pieareta a bella fa-
chada da Academia das Billas-Artes para
ser substituida por outra que nao pode ter
amo artstico.
Descreve as bellezas artsticas da antig*
fachada, profligando a actual; que foi obra
mandada realisar por um ministerio liheral,
que nao escrupuliaou em destruir um mo
numento que era considerado na3 obras de
architectura como urna das mais bellas ins-
pirares da arte; felizmente urna cortina
de vegetado quasi encobre a actual facha
da, que tanto desprestigio langou sobra o
director e os professores do pnmeiro insti
tuto artstico do Imperio.
Observa que a Franca, no aeio de tan-
tos desastres, tem conservado a sua supe-
rioridade moral era todo o mundo pelo do
senvolvimenta das bollas-artes e das bellas
letras. Um dos ramos do bellas-artes a
devum tersa no mais elevado
mais se dis-
qae
msica c
conceita os compositores
tinguem. .
Ljmlara qua o Brazil tam urna gloria
completamente desamparada, um artista de
grande meracimento que pouco cooheci-
do; refere-se a um inorta ha muitos annos,
cujas composso3S cstao sendo estragadas
pelo dente dos yermes.
Recorda que no tempo de D. Joao VI,
queveio ao Brasil acompanhado par gran
des msicos, Mar os Poitug.l, apenas ou
vio a execugao de urna coaaposcSo daquel-
la gloria brasilira, abragou o paire J.
Mauricio Nanea Garca, declaraado-o sen
irmSo em arte, fazenio sentir a importan-
a desse aferago a ara genio que nio'tinha
sida apteo^la Q0 Brasil, e anda luje se-
pxVu^-rajjla imperial urna parte dee-
sas comoj^MM, "V8 milito mal. A
Descara Kai foi .* sua adrairagao na
j^ireirajtiffa votiva do Espirito Santo)
que ouvi6Torao deputado gpral, ci^o re
quiem^ra do Jos Mauricio.
* anaultandu artistas da Europa, soube que
o paire Jos Miurici teua obras que sito
cojlocadaa ao lado dos grandes mostrea da
Allemanha, Q_mposic3ea de que- os sem
compatriotas ne u sequer tra noticia
Julgae>)u.8tficado prqjee,to quo va a-
prseutar, prapwUo qu > a cmara autorise
vernojjT despender at a quantia do
10:000 j oom a inpraasao das obras de Jo-
s Mauricio Nones Grarcfa.
* Toma a libe/dado de lembrar, visto
se est-pm poca de economas, qua se g
tam intilmente 12:OO9|0 annuaes com um
conservatorio, de msica, do qual nao se
tem tirado nenhum resultado, que se corte
dessa verba alguma parte duranta dous,
"fres ou quatro annos, afim de se pagar urna
divida da gratidao e de honra para com o
mais Ilustro dos brasileiros qua tm visto a
luz neste Imperio.
E lido e ramettido coraraissao de or
cemento o seguinte projecto :
Art. 1* Fica o governo autarisado pa-
ra despender at a quantia de 10:0000,
na acquiaigo e impressSo das composigSaa
sacras mais notaveis do eminente Jos Mau
ricio Nunes Garca, sendo algumas publi-
cadas com sua instrumentoslo, principal-
mente o Rquiem, e outras reluzdas.
Art. 2o Sao ravogadas as disposijoes
em contrara.
a Sala das sess3js, 20 ie maio do 1886.
Escragnolle Taunay.
ORDEN DO DI A
VRIFCAglO DE PODERKS
Procedas votago do parecer n. 106
sobra a eleisao do Io districto da provincia
de Sargipe.
O Sr. Candido de Oliveira (pela ordem)
requer e a cmara nega votajSo nominal
para a conclusSo, que manda considerar
compativel o candidato Luiz Freir.
E' approvada o parecer n. 106, reco-
nhecendo deputalo pelo Io districto da pro-
vincia da Sargipe o Dr. Luiz Francisco
Freir, que proclamado deputado.
E' approvado o parecer n. 107 reconhe-
c.nis deputado pelo 6o districto da Cear
o,Dr. Leandro Chaves Mella Ratisbona, que
proclamado deputado.
E' approvado o parecer n. 108, recon
hecendo daputado pelo 8o distri.ta da Ba-
bia o Dr. Innocencio Marques de Aranjo
G^s, qua proclamado deputado.
E' approvado o parecer n. 109, recon-
hecendo deputado pelo 12J districto da
provincia de Minas o Dr. J Ignaci* de
Barros Cabra, que proclamado deputa-
Jo. .
Achando se na ante-sala os Drs. Luiz
Francisco Freir e Innocencio Marques de
Aranjo Gea, slo introduziios com as for-
malidades do estylo, prestim juramento e
tomam assento.
JUBILA(,'AO
Entra eaa 3.a discussao, e sem debate
approvado e ramettido coramissao de re-
dacQlo, o projecto concedendo jubilado ao
protonotario padre Camillo Barreto.
APOSENTADO
Entra era 3.* discussllo, e sem dobate
approvado e ramettido commisso de re-
dacySo, o projecto concedendo aposenta
glo a Fortunato Jos dos Santos, porteiro
da Faeuldade de Direito de S. Paulo.
FOB9A NAVAL
Contina a 2." discussao da proposta fi-
xando a forja naval para o exercicio de
1886^1887.
O r. Marcondes Figuelra tem
necossidada de vir tribuna para defender
os seus amigos e co religionarios, que sus-
tentaran! a sua candidatura na provincia
de Goyaz, das accusacSes levantadas pelo
Sr. Candido de Oliveira, que se fez echo
das calumnias impressas em alguna jor-
naes.
Affirma que a apresentagSo da seu nome
no 2. districto d'aquella provincia nao foi
devida ao Goyerno, e que uinguem ca-
paz da apresentar urna prova, ainda indi-
recta, de gemelhanta asserjo ; porqua o
rLHETIM
ANGELA
POR
(Continuagu.o do n. 123)
XXXIII
__ Fernando. .. disse o Sr. do Gevrey.
A bella hervanaria voltou-se.
Nao ao senhor que en rae dirijo,
replieou ella, ao Sr substituto...
Tenho que lhe fallar.
Meus senhores, vouja n'uaa momen
to, disse o Baro da Rodyl.
seguio Angela, que tinha aberto a
porta do quarto.
Assim que elle entrou, Angela fechau a
porta.
O substituto pirecia profundamente per-
turbado.
Que tem que mi dizer i perguntou
elle.
__ I9to: no fim de dezeseta annos o
acaso (acaso sinstro, visto que- foi o resul-
tado de um crime), poz-nos lace a face, o
senhor, o seductor, eu, a mulher seduzida,
bastante ingenua, outr'ora, para tomar a
serio as suas palavras mentirosts e o seu
prfido amor... Fui sua amante fiel e con-
fiante, o senhor abandonou-me Der lhe
uma filha, o senhor ranegou-a e hoje quasi
que a daixou matar diante dos seus olhos,
pelos seus collegas E' covarde 1 O se-
nhor nSo tem coracSo, j o sabia ha muito
tempo, mas entretanto julgava-o incapaz de
afrontar a presenta de uma menina de que
6 pai; de uma crianya adoravel, a quem o
senhor rio ainda agora, pela primeira vez
e cuja vista nao lhe fez rascar nem pieda-
de!... Bastava uma palavra do senhor
para suspeader essa gente sua subordina-
da, para inlerromper na interrogatorio que
seu nome foi lembrado pelo directorio do
partido conservador de Goyaz no annoj
passado^ quando ainda no tinham sida fei-
tas as nome'aco'e's das respectivas autori-
dades -coflserva.doras, isto I, 48 dias antes
que l ehegasse o novo presidente da pro-
vincia.
Diz que''a eleijSo de S. Jos de Tocan-
tins teve lugar com toda a calma, sendo
cooposta a mesa de liberaes ; mas na oe
casiSo de se emnassarem as cdulas, hou-
vc raclaraaclo para que os masaos tossem
de 25, como manda a loi, e nao de 100,
como fazia a mesa; tendo esta rnconheci-
do.que os enveloppes nlo erara os do can-
didato liberal, um mesario fez era alta voz
urna exclamante ; em vista dos boatos,
que corriam, de so nutilisar a eleicfto
n'aquslle dia, os conservadores retiraram-se
do recinto, e o delegado de polieia mandou
que o destacamento viesse para o largo da
matriz; o comraaodante do destacamento foi
para a porta da igreja, afim de receber as
ordens da me3a eleitoral; nessa momento
foi mor to pelas costas, por um capanga do
ehefe liberal, dando-se entilo o conflicto.
Affirma ser esta a verdada, e tudo quan-
to se tem dito e repetido em contrario nio
passa de uma inverdade, com o fim do en-
cobrir os ver.ladeiros culpa los.
Quanta eleicao de Jaguahy, o orador
convida o Sr. Candido de Olivaira a apre-
sentar prova de qua foi o juiz municipal o
autor do desapparecmento dos livros ; reu-
nida a ra3sa eletoral em 15 do Janeiro, o
presidente fechou na arca todos os papis,
e indo-se proceder eleico no dia seguin-
te nao apparaeeram esses papis, nao ha-
vendo signal de violencia na arca; j se
vu quo aquella subtracglo s podia ser feita
por quem tinha a respectiva chave, isao ,
os amigos do contendor do orador
Quanto reaejab que houve no 2." dis-
tricto, mostra que se limitou demissao de
quatro empregados, por assim o exigir o
servige publico, como mostra com 03 factos
que apresenta
Quanto aos destacamentos enviados para
o dito districto, diz que o foraui requisi-
yao das autoridades liberaes e nao se pro-
va que esaa forja interviesso na eleicSo.
Historia o que se deu na occasi&o do
apresentarem-se ao Tribunal da RelacSo
dous soldados do corpo policial impetrando
habeos-corpus, que n5o podia ser concedido
a prajas, segundo a reforma judciara.
Passa a responder ao nobro senador por
Goyaz, felicitando aquella provincia por
terse levantado aqueja voz no senado de-
pois de 30 annos em que nunca fallou a
resp-ito da sua provincia natal.
o tem a fortuna de ter naacido em
Goyaz, mas pode garantir a S. Exc. o ao
paiz que na posigSo de representante d'a-
quella provincia o orador ha do tratar de
sustentar os interesaos e a prosperidada da
mesma como todo o disvello e nSo far
como o nobre senador, qua 6raento tem
tratado de seus interesses particulares.
Responde ainda ao nobra senador, que
charaou o-orador de desjonhecido na pro-
vincia de Goyaz, com o proprio contendor
com quem. pleiteou a eleijao, de quem o
orador recebeu uma carta solicitando au-
xilio no 2. districto da provincia do Goyaz,
prometiendo reciprocdada no 1. districto,
contando que no fosse oandidato pelo 2. ;
isto prova a sympathia com que foi roce-
bida all a candidatura do orador.
Por isso limita-se a expor o procedimen-
to do juiz de direito Joilo Vieira da Cunha
tanto na eleigo provincial, como na geral
da respectiva comarca da provincia de
Goyaz, lendo diversos documentos.
Conclue julgando desnecessario tratar
dos negocios refereutes pasta da raari-
nha, depois do brilhante discurso do res-
pectivo ministro.
O Sr. JoUo Caetano (pela ordem) re-
quer e a Cmara concedo o encerramento
da discussao.
E' approvado o projecto, que vai com-
rnssSo de marinha e guerra para o redigir
na forma O Sr. Rodrigo Silva pede e a Cmara
conoede a dispensa de intersticios para que
o projecto entro na ordem do dia logo que
a commissao o tentia redigido conforme o
ven ido.
^EKQTJO PAKA PAGAMESTO DE DIVIDAS DE
EXERCICIOS FINDOS
Entrara em-discussao nica as emendas
do senado ao projecto n. 20, abrindo ao
Ministerio da Agricultura um crdito para
pagamento de dividas de exercicios lindos.
O Sr. Coelho Rodrigues (l. secretario)
requer e a cmara approva, que sejam dis-
cutidas engloba Jmente as emendas do se-
nado.
O Sr. Candido de Oliveira nao
vai inpugnar este projecto, j emendado
polo senado: mas parece lhe intil a pas-
sagem das emendas, desde que os paga
montos Aellas consignados teem de ser fei-
tos pela verba de exercicios lidos do or-
yamento de 18851886 e essa verba nao
tem sobras que comportera esta despeza.
Julga.preferivel a apreaahtacao de no-
va proposta, tendo por fim pagamento
destas despezas. Para regular o seu voto
precisa ouvir a raspeito a opiniao do noLre
ministro da agricultura.
O Sr. Antonio Prado (ministro
da agricultura) pensa que da forma porque
est redigido o projecto emendado n5o se
pode dar curaprimento ao voto da Cmara,
pela presumvel carencia de sobras na
verba da exercicios lindos para occorrer a
despezas j feitas. Entretauto, esta ques-
to pode ser resolvida pelo Governo quer
a Cmara approve quer daixe de approvar
as emendas, e assim opina para quo se
vote o crdito em discussao, porque em
todo o caso o Governo providenciar pro
cedendo abertura da novo crdito.
O Sr. I.niironro de .llbuquer
|Jie entendo qu# convra verificar su ha
ou nao ha sobras na verba do exercicios
findos de 18851886 quo comportera as
despezas feitas, porque se as nio bou ver
ser intil votar cato projecto.
Nestaa coudigoes, requer que o projecto
volte commissao de orjamenta.
Vem mesa, lido, apoiado e entra em
discuao o seguinte requerimento :
Raqueiro que o projecto volto com-
njissao de oryamento. Laurenyo de Albu-
querque.
O Sr. Presidente observa que o projacto
dado para a ordem do dia tem toda a
actualidade, po-que sa nlo chegarem as
sobras dos exercicios findos para occorrer
ao pagamento, poder o governo fazer,
para esae fim, operacojs de crdito, para o
que eBt autarisado.
O Sr. candido de Oliveira di
verga da opiniao da mesa, mostrando que
a cmara votando o projecto cogitou de
que nao chegassem as sobras para fazer
justificado o adiamento pr4- HsCrorer para

esgotava ainha filha... a sua I E essa pa
lavra nem sequer a disse 1 Ainda uma vez,
covarde!
Minha senhora... comeyou Fernan-
do.
Ok I deixe-me acabar, interrompeu
Angela. Ha de mo escutar at ao fira e
nao impora silencio.
O papel que veio aqu representar, Sr.
Barao de Rodyl, duplamente infame 1.. .
Julga cntao que nao leio no fundo do seu
penaamento ?... Ousa acemar-me, a mim,
de haver pago o assassiuo de Jayoie Ber-
nier, meu pai I... Tndo comprohandi, fi-
que sabendo !... Suspeitaa insensatas, maia
do quo insensatas, idiotas e monstruosas
pesara sobre mim !... E o senhor... o se-
nhor, oue me conhece... o senhor, que ou-
tr'ora pretenda amarme, o senher nio te-
ve a coragem de impr silencio aos meus
aecusadores!... O senhor faz causa com
mua com cites, com esse juiz formador da
culpa, seu amigo, e, se na ousa drzer em
alta voz: Esta mulher cumplice do as-
sassiuo Esta mulner" parricida e o tri-
bunal a reclama...E' porque eve medo
do escndalo suscitado por AngelaBernier,
sua antiga amaute, o qua o salpicara tam-
bem.
Pos bem; fique descansado Angela
Bernier ca!ar-se-ha, no pelo senhor, ma3
por sua filha! Angela Barnier nSo quer
que Emma Rosa saiba que o senhor seu
pai.
Tinha esquecido o seu abandono. Nem
sequer mo recordava da sua existencia.. .
esta va morto ou vivo, nao me oceupava em
sbelo... Nao me obrigue a recordar-
me... n2o faga revivor o meu odio j ex-
ticta.. Dixe-nos, minha filha o eu, na
nossa obscurfdadei.. E' a paa quo eu li. e
offereco... Se a guena partir do senhor,
ser guerra sem misericordia! Se o es-
cndalo rebentar por sua culpa, ser rui-
doso, terrivel e o senhor morrer com elle !
Eis aqu o que tinha que lhe dizer, Sr. do
Rodyl I... Eacolha. j
Fernando tinha escutado, com a cabega
baixa,
Quando Angola acabou, elle ergueu-a.
Ejt ameacando, murmurou elle,
exactamente quando o meucorajao se abra
piadade.
A bella hervanaria encolheu os hombros
e replicn desdenhosamente:
Tem a pretencSo de conhecer a pie-
dade?
O bar2o proseguio, como se nao tivesse
ouvido aquella exoIauiaao injuriosa :
No momento em que, vendo a meni
na que era minha filha, eu nSo podia olhar
para o pas3ado, sem saudades, sem remor-
aos...
Saudades estaris Remorsos tar-
dos I I disse Angela.
Por que esteris, so sao sinceras ?
Porque nada podem reparar... E de-
mais, recuso acreditar nellos. Sa os re-
morsos e a piodale tvessera realmente en-
trado na sua alma, o seu procediraento te-
ria sido difforente... Teria imposto si-
lencio a ase juiz, qua torturava a nossa fi-
lha. .. Teria impedido qua elle me suspei-
tasse de um crime .. Teria respondido
por mim, corpo a corpo... Calar-se, era
associar-so a tao abominavel aecusacao.
XXXIV
Defendi-a, replieou o Sr. de Rodyl.
Nao duvido da sua innocencia.
Na verdad ', muita honra para mim !
disse Angela, encolhondo os hombros des-
denhosamente.
Sem isso, proaeguio Fernando, esta-
ra j presa, minha ordem.
Teria a repugnante coragem de me
separar do minha filha ?
Teria, so a julgasse culpada ; sou,
antes de tudo, horaom do dever.
PoiS bem, entilo cumpra o seu!...
Ainda agora fallnvme na sua piedade, as
suas saudades, nos seus remorsos... Pro-
ve-me qua nao meiitia.
Provar-lhe. Como ?
- Reparando uma parte do mal que
f*z... Oh 1 no se assuste, nada peco pa-
la mim.. para minha filha, para a nos-
sa filha, que eu o imploro.
Que po3so eu fazer por ella ?
Dar-lhe o seu nomo.
Fernando estremecen e urna ruga njo-
funda se lhe cavou na testa.
E' irapossivel exclamou elle.
Irapossivel 1 por que ? O senhor nao
casado, nao verdade ?... E' livre. Uma
simples declaracSo bastaria para roconhe-
cer Emma Rosa, da quem pai... sab3-o
perfaitamente.... nem nunca o duvidou....
os pagamentos, e por isso autonsou o go-
verno a abrir operares do crdito para esse
fim; mas o senado, emendando-o, restrin-
gi ejta ultima condigno, nao permittindo
ao governo a abertura de um crdito espe-
cial.
Assim parece-lhe, intil a passagem do
projecto, desda que nao se sabe ao certo do
estado em que so aoha a verba de exerci-
cios findos.
O Sr. Presidente diz quo a cmara votou
para quo os pagamentos sa fizessem pela
verba do exercicios findos, e que se esta
nilo chogar, o governa est autarisado a
abrir operagias de crdito. Foi esta tam-
bera o peasamento do senado as suas
eetendas.
Nnguera mais pedindo a pajavra en-
cerrada a discussao do requerimento e
indo se proceder votagao, faita a chama-
da, recoahece se nSo haver numero para
votar.
Contina a discussao do projecto, quo
encerrada nao se voltando por falta de nu-
mero, ficando adiada a votagio qual pre-
ceder a do requerimento do Sr. Laurengo
de Albuquerque.
O Sr. Alves de Araujo entende que se
a cmara votou o pensamonto pela verba
de exercicios findos e, nSo bavendo so-
bras, por raeio de abertura de crdito
claro que tendo o senado restringindo esta
ultima faeuldade dada ao gaverno, e nao
ha vendo meioa na verba do exercicios fin-
dos para occorrer ao pagamento, conformo
asseverou o nobra ministro da agricultura,
menos reflectidamente proceder votando
pelo projocto assim emendado. Perianto,
parece-lba
posto.
Ninguera mais pedindo a palavra
cerrada a discussao e adiada a vo
por falta da numero.
CMLQirO DE 100:000$ PARA A ESTEADA DE
. FBBBO DE HADEIBA A' MAHBE'.
Entra em i' discussao o projacto n. 31
concedendo um ere uto ao ministerio da
agricultura para os estudei da estrada da
ferro do Mafeira Mamor.
O Sr. Rodrigo Silva manda mesa o
seguinte requerimento qua lido, apoiado
e entra em discussao :
Raqueiro qua a proposta volte com-
missao de ornamento para emendal-a de
accordo eom as ultimas informajoes do ga
veroo. -Rodrigo Silva.
O Sr. Candido de Oliveira vo
ta contra o requerimento de adiamento,
por entender que elle era nada adiauta o
andamento da proposa.
O Sr. Antonio Prado (ministro da agri-
cultura) observa qua nSo estando a propos-
ta de conformidado cora as despezas feitas,
o raelaor restabelecor-se a verdade da
proposta qua tem de servir de base dis-
cussao, do que votal-a tal qual se acha
concebida.
Voltando a proposta commaaao, esta
ter do governo os devidoa esclarecimientos
sobre as despezas realmente feitas, e nes-
ta sentindo sa modificar o pedido de cr-
dito.
Vota, portanto, pelo requerimento do
nobre deputado.
iinguem mais pedindo a palavra en-
cerrada a diacussilo do requerimento e
adiada a votajao por falta da numero.
Continua a disaussio do projecto.
O Sr. Candido de Oli ve ira nao
vai oppor-se ao crdito de quo o governo
precisa para fazer face a pagamentos;
mas, aproveitando-se da largueza do deba-
to, perguntar ao nobra ministro da agri-
cultura se verdade o que corre sobre a
demora do prolongamiento da estrada de
ferro D. Pedro II, damori originada do
quebramento da bitola da mesma estrada.
Sustenta que foi um erro, o quebramento
da bitola, porque semclh tnta medida vai
prejudicar altamente os interesses de uma
regiao ubrima; e que u, drecgao dada
estrada f->i a peior possivei. Mas so o
mal est feito, n.to razao para privar
agora da um prolongainento de bitola lar-
ga a zona mais productora do Minas-Ga-
raes.
Da8eja ouvir o nobre ministro da agri-
cultura a respeito, e tambera saber de S.
Exc. quando se inaugurara as estagoes da
Soledado e outras.
Nao havendo mais quem pega a palavra
encerrada a discussao e adiada a vota-
gao por falta de numero.
CRDITO DE 142:512^486 PARA telegra-
PHOS
Entra em 2a diseuso o projacto n, 32
abrindo ao ministerio da agricultura um cr-
dito para a verba telegraphos.
O Sr. Rodrigo Silva requor que o projec-
to volte commissao do orgamento para
emenda-lo de accordo com as ultimas infor-
magoes do governo.
Ninguf m pedindo a palavra, encerrada
a discnsSo ficando adiada a votagao por
falta do numero.
Contina a diseuso do projecto, que
dos pela minba pessoa... quera ousaria su3-
peitar a mulher de quera o senhor tivessn
reconhecido a filha ? Faz isto, Fernando ?
O Sr. de Rolyl abanou a cabega, o pela
segunda vez respondau :
E' irapossivel
Irapossivel I repeli a bella hervana-
ria com una* tora cheo de despreso. Sira,
j o sei ha rauito tempo 4 lhe irapossivel
commetter uma boa aegao !... O senhor nao
raUdou. A sua pie Ja le, .s suas saudades,
os seus romorsos sao outras tantas menti-
ras vergonbosas, com as quaes eu nao me
illudo. V, senhor, deixe-me acouaar pe
los seus collegaa... aecuso-me o senhor tam-
bera... eu inesmo me defend'-rci... Alm
disso, as suas aecusagoes cahirao por si
mesraas... Na minha existen ia inteira nio
tenho senao urna falta, pela qual devo co-
rar, a de o ter amado... A justiga pode
revolver toda a minha vida, nada receio...
Nada tenho mais quo lhe dizer, se-
nhor. .. volto para junto de minha filha.
Eu> seguida, abrindo a porta qua deita-
va para o corredor, Angela mostrou essa
porta ao Sr. da Rodyl, que sahio, depois
de se 1er inclinado diante dola, langando-
lbe de soslaia ura olhar carregado de co-
lera.
Angela apressou-sa em voltar para o qnar-
to de Emma Rosa.
O doutor combata com energa um des-
raaio, do qual comegava a temor as conse-
quencias.
Maito prepecupado, muito inquieto, nSo
quiz assustar a pobra mii dando-lhe parta
do3 seus receios ; tranquillisou a raesrao do
raelhor modo quo pode.
Fernando de Rodyl tinha voltado sala,
onde os magistrados, seus collegas, o espe-
ra vam.
A sua pallidez, os labios comprimidos e
a expressao do rosto fizeram coraprehender
ao Sr. de Govrey que uma saena desagra-
dvel acabava de sa passar entre o seu
*m'go e a filha de Jayme Bernier.
Senhores, disse o substituto, esforgan-
do se em recuperar a sua serenidade, res-
ta-nos apenas esperar a resposta do tabel-
liao de Oijon e voltar para Pariz. A menina
Emma Rosa nao est em estado de sup
portar hoje e talvez por muitos dias um
no /o interrogatorio... Por maito til que
deva ser o seu testoraunho, nao abaalu-
Prooedendo assim, imporia respeito a to-tamente adispansavel... Bastar segr a
encerrada ficando adiada por falta de nu-
mero.
CRDITO DE 107:000$ PARA OBRAS PUBLICAS
Entra em 3* diacusSo o projecto n. 33,
concedendo um crdito ao ministerio da
agricultura para a verbaobras publicas.
Ninguera pedindo a palavra encerrada
a discussao e, por falta de numero, adiada
a votagao.
Esgotada a ordem do dia.
O Sr. Presidente da ordem do dia
para 21.
'UTTHATlil
1
chos fluminenses
A TANTO POR LINIIA
(Do Paiz da corte)
Entre os typos que avultam nesto ren-
doso meio, onde vivemos, um dos mais
salientes o do polemista de publicarles
a pedido. _______________^_^^
os jornaes, ver o nome
om letra redonda, tornar sa objecto de pa- .
G^' *'ra e dscussBes durante vnto e quatro
tago flora8> e3 0 ideal, a aspirago, o sonho
dourado de muita gente da nossa trra I
Ha individuos que nio podem viver sem
meia duzia de polmicas, pelo menos, por
anno. #,
A mais* insignificante rixa, o mais pe-
queo incidente fornece-lbes logo ensejo
para se esgrimirem, vehementemente, a tan-
to por linha na ultima pagina das folhas
diarias.
Tm, supponhamos, uma briga com o
vizinho, a qual comegou pouoo mais ou
raeno3 nestes termos :
Seu filho atirou para o mau quintal
pedaa.
NSo foi meu filho ; foi o moleque.
Foi seu filho que eu t>em o vi.
Pois, sa foi ello, fez muito bem,, por
quo de sua casa atiram tambera constan-
temente pedras para c.
O meamo digo eu, e s sinto que
ellas nSo tenham ainda quebrado a cabe-
ga...
De quam ? Acabe.
Do pai que nao sabe dar aos filhos
a educagao nacessaria.
Ora, qualquer sujeito nestas condig3e
tem tres caminhos a seguir :
Ou calarse;
Ou solicitar verbalmente da pulicia pro-
videncias cuutra o vizinW inconveniente;
qu r-lha as bitaculas,.
O polemista nao seguo nenhum daste*
alvitres.
Corre para a grande tribuna universal,
para oa jornaes.
No dia segratele se em todas as folhas:
F... ao publico :
A corrupgab que lavra nesta paiz che-
gou ao seu maior auge 1
J nao ha garautias para os cidados
pacficos, qua ate no proprio lar sao insul-
tados pelos vida vinos que infestara a nos-
sa cidade.
i Mo marido, mo pai, mo cidado,
o Sr. J... nao podia deixar de sef tam-
ben! mo vizinho.
Pedmos providencias s autoridades
contra esta perturbador da orden publica,
que bem merece a3signar termo de bem
viver.
Se o Sr. J... tambera polemista, cor-
ra igualmente para os jornaes, e em letra
de formapede ao Rio de Janeiro que sus-
penda o seu juizo at que obtonha docu-
mentos quo posaam esmagar e seu niiser-
vel calumniador.
E eis todo o Rio de Janeiro aterrado e
suspanso I
Aterrado por ver a ordem publica pro-
fundamente abalada por um valdevinos,
que nao re3peita at o lar do cidado.
E ao mesmo tempo suspenso, o que nao
deixa de ser ura contrasenso, emquanto o
tal valdevinos nao esmaga o calumniador.
Qujm sao, porom, esses senhoras que sa
julgam cora o direito de aterrar e suspen-
der a capital do Imperio ?
Quem sao esses dous poderosos?
Dous deseonheeidos, dous tomos so-
ciaes I
Que facto gravissimo, qua revolugao deu
origem ao aterramento e a suspansSo ?
raa simples rixa dos dous !
A polcmica, nma vez encetada, rola at
ao fim o plano indinado das diatribea e
doestos, mais ou raenes frisantes, segunl
o tarap rainento dos contendores.
Ha polemistas que, como os afamados
gallos de briga, s deixam a arena quan-
do completamente nxhaustos.
Nao ha nada maia ridiculo do quo velos
nessas occaaoes.
A gente encontra-sa cora um deltes na
meio da ra ou em um bond :
Adeus, como vais ?
Bera, late o de hoje ?
L.
Nao disse ainda tudo o qua quera.
Amanha vou demonstrar luz da eviden-
cia, urna por uma, todas as bandalheiraa
que elle tem feito. Hei de chmalo em faca
ladrao.
Dahi ha pouco encoatra-se com o outro :
Oh! como est3 ?
(Contina)
pista do assassno de Jayrae Bernier desde
a partida de Marselha do ex armador. O
Sr. chefe da seguranga dar ordem para
quo os seus agentes se ponham em campo,
sem perder um s dia... O Sr procurador
da repblica, de Joigny, se d'gnar en-
viar-nos as ndicagoes resultantes do n-
querito a quo tambera vai proceder.
Senhor, aecrescentou Fernando de
Rodyl, dirigndo-sa a LeSo Lroyer, quan-
do espera voltar para Dijon '<
- Sahirei de Saint Julien du Sault ama-
nha, respondeu o mogo.
Entio, logo que se tenha recebido o
telegrarama, encarregal o-hei, naturalmen-
te, de uma carta para o senhor seu pai,
afim de evitar demoras.
Estou s suas ordens, senhor.
Exactamente nesta occasio baterara a
ptirta da casa da Sra. Dharville e pouco
depois appareceu ura criado trazando um
telegra7ima, qua entregou a Leao.
Este rasgou o enveloppe e desdobrau a
folha de papel azul.
E' de meu pai, dissa elle.
Depois leu em alta voz :
< A noti da da morta cauaa-me profunda
magoa passado o dia 11 com Jayme Ber-
nier para regular negocios Deixei-o uni
camente hora e meia da madrugada, no
momento da partida para Pariz.--Estou
prorapto a dar a quera da direito intorma-
goes do alta importancia. Desjo raesrao ser
a depuro mais proraptamenta possivei.cha-
mado Benjat.in Leroyer.
Eis aqui um todegramma de impor-
tancia, liase o Sr. de Rodyl; cont muito
com as coramunicago 8 qua nos prometa
seu pai, e pego-lhe quo parta para Dijon o
maia breve poaafvel... E' intil que eu es-
creva. Contar ao Sr. Leroyer tudo quan-
to sabe deata lgubre historia e pedir-lha-
ha que tenha a bondade de se dirigir, sera
demora, a Pariz, ao gabinete do Sr. de Ge-
vrey, juiz formador da culpa e ao meu...
Partirei meamo esta noite, respondeu
LeSo. Amanha de manha meu pai fi;; r
sciente do que o senhor deseja dalle.
Agradego lhe, senhor.
O Baro de Rodyl testemuohou o seu
reconheemento Sra. Dharville pela hos-
iitalidade que ella se thha dignado dar-
he e aos seus collegas.
Os magistrados sahiram da casa, acom-
panhado3 at porta da ra por Leab e
Renato Dharville.
Quando oa dou3 mogos se acharam sos,
Renato disse a L ao :
Com que entao partes esta noite ?
Assim preciso... -Esta partida ino-
pinada e em taes condicSes apoquonta-me
muito, mas indspensavel. Meu pai ten-
do sido chamado a Pariz, por causa deate
terrivel {acto, na sua ausencia devo estar
no cartorio, afim de responder a alguos
clientes. Deixo aqui, inteiramente, o me
coragao. Se a menina Emma Rosa eatives-
se completamente curada, ir me-hia satis-
feito pensando que dentro em pouco a tor-
nara a ver. Mas este funesto interroga-
torio aggravou o estado da querida meni-
na. Bam vejo que o doutor est inquieto
vou com o coragao cheio de angustias e
de 6ombrios presentiraentos.
Angustias que preciso combater, pre-
sentiraentos que deves tirar da idea, repli-
eou Renato Dharville. Por-te-hei ao faca
de tudo, quanto aqui se passar.
Sei perfeitamento que possO contar
comtigo.
Tanto quanto comtigo mesmo. Alm
disso, emquamo a mim tenho esporangas.
O doutor homem hbil e, demais, a me-
nina Emma R:sa ter perto de si a mclhor
das enfermeiras, que a sua ma que a ha
do cercar de desvelos e de amor. A pro-
posito de sua mili, nao te parece estranho
que o nome do Barnier esteja collado ao
nome da Angela, sera que o soubessem
at hoje?
O que que tem isso de estranho, na
tua opiniao ?
O hornera que acaba de ser assassi-
nado cbama-se Jayme Bernier.
E', ou ielo menos, pode ser nma
simples coincidencia. O nome de Bernier
ta vulgar como os Durand, Leblond oa
L'gris, NSo tinha mesmo feito repara
niaso.
Mas eu fiz e por urna razao muita
seria.
Qual ?
Pareceu-me que existia nm lago qual-
quer, entre a Sra. Angela e Jayme Ber-
nier.
(Continuar-se-ha)
Typ do Diario, roa Dd|ue de Caxias n. 42.
I

y

,
r.
*1

I


'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJSLLCENR_FDDCNW INGEST_TIME 2014-05-27T21:49:40Z PACKAGE AA00011611_16593
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES