Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16517


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m
A\i\0 L. IVIJUERO 222
r R1 A CAPITA!. B L161RES OVDG NAO SB PAGA POB
wtoHnant adiaoudos................
nrawdrtotMleai..................
r aaa anno idem..................1
Cada naaoero avolso
.
TE.
69000
12000
24*000
#320
flJARTA FglRA 30, &E ^ilwhig DE 874
PABA MSNTatO B FBBA
Por tres mews adiaatedo.. f\. .
Por seis ditos idem ....
Por nove ditos idem .....
Por am anno idem. .
VINCIA.

I
DIAR10 DE P
#760
is#soo
*r#ooo
PROPHIEDADE DE 1AN0EL FICUEIHOA DE FAMA FILHOS

^ **. javaav. ^m_JJa^ xjBV.^6LVB JaVB_a X ^BBl ,BBL .BB\_^B^^bV
CdoA-tonioaJ^* rdhoa.no Para; GoncaWe. i Pinto, no Maranhlo; Joaqnim Jose de OliTeir.dFilno. no Caar., 4*oo deiemu. Bras., no Ar*, ; Joao Maria Julio Ci^a, *> W, Antonio Marque, da Silva Natal Jose Justin*
fareira d'Almeida. em Htmanguape j Carlos Auxencw Monteiro da Franca, aa Parahjha ; Antonio Jose Gomes, a* Vffia da Penha; Be'.rmino dos Santoa Buldto, em Santo lit* Domnfoa Jots da Costa Brag a, em Baaareth '
______________________________________Antonio Ferreira de Agniar.em Govanna; JoJo Antonio Machaeo, no Pilar das AUfdas; Aires 4 C,na Bahia *j A. Xavier LeHe d C. v Rio Janeiro-
PASTE OFFICIAL.
dea provincia.
1874.
I
DO DIA 29 DE AERO. DE
/.* ttcrho.
O
pruKfu da provincia, atteudeo to ao
oerea Qaeriao Joaquim Madeira, resolve
r-ae keeaca para ir ao prasmio de Fer-
ae Jloroaaa, com a condieao de vollar no
ah-rimli' ao em que para aili seguir, e
a levar em sua companhia os gi nero>
6a rebeio junta, assignada pelo se-
14a prfafcacii, os qaaes nao poderao ser
em que por pane do eomman-
i presidio se proceda a exame, alim
r-se ae ha aguardente ou outra qual-
. eapiritooaa.
O preNdtate 6a provincia, atlentlo ao que
i Aaauaio Macuaio Pereira Vianaa, resol-
licsaca para embarcar com des-
6e Fernando, a serem entregues
arjaes Silveira, o? generos constan-
i retacio joaia, assignada pelo secretario da
us qaaes nao poderao ser desembar-
a aW pane do respectivo comman-
aaat* *e aroseda a exame, afim de se ver i near se
to aroarJeaie oa oatra qualqoer bebida espiri-
_
A* Earn, brigaoeiro commandante das ar
V. Kxc. reatetter para a cCrte no va-
**>*, e aeste seaudo ficam expedidas as no-
rwxuias ea: slantes da rela
k veio annexa ao sea officio do
sob a. 338, com exc Ferreira Maia.
a* atrector do arsenal de guerra.Approvo
que bmon V. S., segando commani-
de honiem daudo, sob n 61*, de
de primeiras leltras deste arse-
' para a sala em que esta fuacci ua-
nres aOectados gravemente de opb-
afim de evitar a aggiomera
qoe se dava aa enfermaria res-
i alo Ihe ter sido possivel obter uraa
avsaedtarues deise esubelecimento para
dita eafrmaria. Oatrosim,
a T. S. qoe em nome desta presi -
laaae Sr. Aagosto Trajano de Hollanda
" i aela, 6ueio e desinteresse com que
i a tratar dos referidos raenores.
ale do presidio de Fernando.
reaoenmento do seoteaeiado Casimi-
i Tavares, meatre da ofliciaa de sapateiros
sadM. e a visu das informacoes de V. S.,
area, e da tbesourana d' fazenda de
6a correate anno, pode abonar-lbe a
s S6t reav eamo requereu o referido sen-
2.' vcpto.
O psvaleate da provincia, atiendendo ao
qav reiiawn a leaenie-corooel Anlonio Fraacis-
-_fes 6e Me:to Bnreu, aggregado ao 8.* bala-
rla nactoaal desie manicipio, e a vis-
4 6a jafaraaxao do respertivo commandante su-
mm 1 it mart) do correate anno, resoke
de passagem para o municipio
tern fixate sua residencia.
O araaili'aie da provincia, do conformidade
i | *- do art. I.* do decreto n. i.668 de 5 de
1ST I, resolve nomear provisoriamente
oo6lcio de l.*Ubelliao do publico
, escnvlo de urphaos s crais aone-
_de Agoas Bellas, a J;;.} Faustiao
i Fateao, inlennamente provido no mesmo
U presiden'.e da provincia, d- ccnforaiidade
jm a | d-i arL !. dc decreio n, i.608, de .*i de
1871, r<"~j'v no'ne.ir provisoriatnente
o oXciode i* Ubellifto do publico
pscrivao das execue'es civeis e
tos do lermo de Aguas Bei'a:- a Louren-
ma da CosU. lateriuamenle provido no
uma car-
acompa-
& Dr. caefe de poiirii. Reraett^
:^ra 6e dicimesios bomeopatbicii
iastni-cC-'s apropriada? ao traiaraento
para ser enviada ao subdelegado de po-
strieij de Bebcribe, con^rrae solicitou
' S. eas adBcs) a. Baa, de 21 do correnle.
Ao mesio.Exjieca V. S. suas crden?, afim
de sar^eatregu? aj Dr. jaiz de direiu. da coraarca
daOaiitaiy, ami ambulancia de oiedicamentos
para irsUn^ato da varicb, a qual
i apresentida com ssfe.
Ao ccramanJa'ile superior da guarda nacio-
^S j Recife.Para c^nhecimento de V.S. e de-
^ dau, nund?. cor.celr guia it passagem
s aaweipio d Barreiro^ ao tcneste-coionel
ao 8 batalhao de infantaria da guarda
desie muDicipio, Antonio Francisco Paes
Oarreto, cDnfonr.^ Li por elle ;olicitado.
S.'S: /)
0 jart?iilta:e da prorinda re-.M onceder
peiida per Manoel Vicente da Cu-
do !of ar de collector provincial do ma-
de lahoauo, e oomear para -nbstituil-o o
da* rendas geraes da mc*mc municipio,
d: Seana Mci3;z.
BaMaa:
Aa aaeaectar da iLesvuraria d- lazenda.
saeaa a V. S am exemplar imprt;.-D da falla
a gais afari a sessao da assemt/iea provincial
: 6m I de raarjo do carrente annc.
- Ao seesaw.Para os fins convenientes com-
a V. S. qce. derernlo o reqirrimento do
Casimir-. La:;o Tavares, mestre da
aoaa 6e sapa^irc Jj presidio de Fernando de
' raahi, e a vi: d>> infonnacoes dc respectivo
aanadaaie ess 10 de mar^o.'e oessa tbesoata-
r aa 38 6e a*ril do carrent 3 anno, raandei abo
r." T-eae a 6uria de HOT r:is, conjo rejnerea o
e. Comaani;o s\.S. para seu
e Gas jonvenientes, que por porla-
aalaaoeneei o :yin.:tor 6is rendas ge-
scip:, de Jaboiuo, liercardino de
_ pan exercer o lagar de collector
I 6c eeesmo mani:ipio.
Mande V. S. pagsr ao enge
us Vicente do N'ascimenlc Feitosa os
qae (he compeiirem na qualidade de
lo Ca direccao das cbras pntlicss geraes
daa ppawiacia, cma ves qoe ]a apresentou o re-
uane ceaceraeate ao trimenre de Janeiro a mar-
{C aaaaaa, 6a obras a sea :argo.
' Aa aaesno-Fara as nns eooven.entes com-
i. jasee a V. S que o promo'.ir pnblicc da comar-
ra 6a fcaaake, bacharel Jose Cavalcantr de Albu-
iTeat's nio pjdt assumir c ^xercicio de
aepiis de fiada a sua Heaaca em 16
e oaaraaae, pur atcoaimodo de saude.
la. Maade V. S. pagar ao padre
Fresre 6e Car.alho, Tigario collado da
Oa Haaaa Saaaora das Dores, da cidade
a ooagraa reUtiva ao tempo decor-
rak Oa I.* dejaatara ao altimo de marco do cor
:=aae aaawi aaaa vet que do indasc attestado se
uaprleo :on cs seas deveres
ataoix,
dA' vista das fblhas, relacSes e
V. S. pagar a quern se mos-
lantonsado, cs vecciment03
ultimo eonduzio recrotas
de Agnas Bellas para esta capital, conformo soli-
citon o respactivo cominaudante superior em ofQ-
cio de 9 do corrente, sob n. i'i.
Ao inspector da thesonraria provincial.A'
viiia das relacoes e prels juoh^s, mande Vine, pa-
gar a qnein se mostr-ir competentemente antori-
sado, os vencimenlos da force que em marco al-
timo condnzio criminosos de justica de Aguas
Bellas para esta capital, conforme solicitoo o res-
pective! eoamandanie superior em offlcio de 9
corrente, sob n 23.
Ao mesmo.Mande Vmc, em vista dos do-
cuments juntos, pagar ao padre Francisco Alves
de Alefeqaajro, coadjntor da fregaezia da Boa-Vis-
ta desta erlade, o que se Ibe estiver a dever desde
j*neiro do correnle anno.
4.* Jfcfflo.
Pi-rlajia :
A' lllraa. caraara municipal do Becife.Re-
metto a Illma. camara municipal do Recife dons
exemplares impressos dos regulamentos dos tri-
Ihos urbanos do Recife^a Caxanga e do Recife a
Olinda e Beberibe, afim deque a mesma Illma.
camara em vista delles, e dentro da esphera de
snas atlribaicOes legaes, organise, submettendo a
devida approvacio os artigos de postaras que jal-
gar conveniente. Tenbo assim respondido o ofll-
c o de 2! do correnle, sob n. 32.
EXPEDIENTS DO SECRETARIO
I.' seccao..
Offlcio :
Ao Exra. brigadeiro commandante das ar-
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc. em resposta ao seu offlcio
do honiem datado, sob n. 337, que Ream expedi-
das as necessarias ordens para serem transporta-
dos a corte no vapor Ceara o so I dado voluntario
do 1 regimento de cavallaria ligeira. Francisco
Antonio de Araujo e o de-ertor do mesmo regi-
mento, Manoel Marqaes Cavalcaate.
2.' tecgdo.
Ofllcios:
Ao Dr. chefo de policia. Da ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, rem Mo a V. S.
um exemplar impresso da falla com que o mesmo
Exc. Sr. abrio no dia 1 de marco a assemblea
provincial em saa sessao erdiaaria do corrente
anno.
Ao juis de diroito de Itambe. 0 Exra. Sr
presidente da provincia manda accusar o recebi -
mento do offlcio de V. S. de 23 do corrente, com-
municando que o promotor public i dessa comar-
ca, bacharel Jose Cavalcante de Albuquerque
ITcbda nao pode assumir o exercicio do seu cargo,
quando findoa saa licenca, en 16 tarabem do cor-
rente, por encommodo de sadde.
3.* secqao.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria provincial.De
ordem do Exm. Sr. presidonte da provincia re-
melto a V. S. am exemplar impress da falla com
que o mesmo Exm. Sr. abrio ao dia 1 de raargo
a assemblea legislativa prov.neial em sua sessao
ordinaria do corrente anno.Igual ao inspector da
alfandega e ao administrador do consulado pro-
vincial.
Ao mesmo.J De ordem do Exm. Sr. presi-
dent da provlaeia, com iunico a V. S. para os
devidos fins, qne par portaria desta data foi con
cedida a exoneracae pedida por Manoel Vicente
da Canba Junior do logar de collector provincial
do manicipio de Jaboatlo enomeado para substiiui-
lo o collector das rendas geraes do mesmo munici-
pio, Bernardino de Sauna Muniz.
4.' secgao.
Offlcios :
Ao 1 secretario da assemblea provincial. -
N. 92.De orden de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia remetlo a V. S. para ser submettido a
consideracao da assemblea provincial, uma repre-
sentacao que a mesma assemblea dirige a Illma
camara municipal do Recife, pedindo que na lei
do orcanento provincial se marque ama quota
para ser aberto o canal que existia entre a bomba
da eslrada de Joao de Barns e a ponte d > Maiu-
ro, como meio de facilitar o transporle de mate-
riaes para eUDeacio naquellas immediacSes e
mesmo para remover.-e as aguas alii estagna
das.
Ao mesmo. N. 93.De ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia e em respo3ta ao offl-
cio de boje datado, sob n. 36, tenho a dizer que
o mesmo Exm. Sr. recebera amanha pela uma
hora da tarde a commissao que tem de apresen-
tar a sanccao alguns actos legislativos da assein
blea provincial.
Ao director geral da iastrue;ao publ.ca.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin
cia remeito a V. S. um exemplar impreso da (alia
com que o mesmo Exm. Sr. abrio no dia 1 de
marco a assemblea provincial em sua sessao ordi-
naria do corrente anno. Mutatis mutandis as
demais reparticoes.
6.' seccao.
Offlcio :
A' direccao da associacio commercial bene-
flcente.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, remetto a Vv. Ss. am exemplar impres-
so da falla com qoe o mesmo Exm. Sr. abrio no
dia 1 de marco a assemblea legislativa provincial
em saa sessao ordinaria do corrente anuo.Ma-
tatis mutandis ao engenheiro chefe da reparticSo
das obras publicas, ao administrator dos correios,
ao engenheiro das obras geraes, ao director da co-
Ionia Isabel e aos enhenheiros fiscaes das estra-
das de ferro do Recife ao S. Francisco, do Recife
a Olinda e Beberibe, do Recife a Caxangi e da do
Limoeiro.
1iVl^^l,% M IlkVfe^ls I *4j*"f* uua. opposicao systemaiica, que, sen pro- go qoe Ibe estava imminence
uoc aaaa, cnliea e ceosura desaoiedadatneata o San mr > rii.i. a, i^,
Parin 98.- O eanaidato repiibliea-
no. o r. Mulif. foi eleiso e1putata
pelo departamenlo do Maine e(
Loire.
1 li"^^^^ 111 "*1,^1^\ %\ %, w%m^>\,
IiOndrea ". Ilouvc um tremor de
terra em Guatemala, qne destraiio
a cidade de Viitisua.
^^i\s ihs% m\iki.% %*viM!Ar'
Honhkong SS.-No dia tt do cor-
rente cahlo um tufiio entre Hong
kong e Macao.
Rio Janeiro *o. -Foi pnlslicado no
DIARIO OFFICIAL m nova eonvencao
postal celebrada entre o Brasll e a
Franca.
^9!\%\\% lk\li\1\,!A\%8
Lisboa Chegou boje o p.ique-
te ingles, da llnha do Pacifleo, 1LI.I-
MANt, procedente do Braail.
Rio de Janeiro 99. Mahio boje-o
vapor rrancea VILLE DE SANTOS.
Babia 99. -Sahio boje para Per-
nambneo o piiquete amerleano
SOU-THAMEMCA.
DBSPACIIOS DA PBESmE.NCIA, DO DIA 28 DE SETEMBRO
DE 1874.
Antonio Buarque do Lima.Deferido com o offl-
cio desta data ao Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
Adriana Felicia Maciel.Inforrae o Sr. inspector
geral da instruccao publica.
Bacharel Argemiro Hartimano da Cunha Galvao.
Westa data concedo o ibono das [alias dadas
pelo supplicante desd 3 0 dia 12 de maio ultimo ate
0 em que Ihe foi intimada a remocao para Ca-
brobo.
Agricio Rodolpho de Araujo Lin?.Como re-
quer.
Major Francisco Ferrao Castello Branco.-Defe-
rido com offlcio desta data, dirigido a thesouraria
de fazenda.
Francisco Antonio das Chagas.Sim, pages os
direilos devidos e proceaidas as diligencias le-
gaes.
Henry Law e John Blount.Informe 0 Sr. ins-
pector do thesouro provincial.
Tenente-coronet Jo?e Soares de Mello Avellins.
Dejerido com offlcio des'a, data dirigido ao the-
souro provincial.
Jose Marques da Silva Bastos. Passe portaria,
concedendo a licenca pedida, com vencimentos na
forma da lei.
( AGBNCIA TELEGRAPHICA HAVAS-REUTER..)
Iiondres %9 desetembro.Os flan-
deiros de aigodao da ^ova Inflater-
ra (NEW ENGLAND) nos EntadOK-l ald(),
propoem-ae redaztr a prodacrao um
terco.
COHllRaCUEa.
LondrestS.-Ataxa do deaennto
centiniia a mesma. Conaolidadoa
de a / for account, a 99 S/9. funloH
brasileiroa de S / do anno de I95.
a IOO 1 ditos do I rug-nay de / do
anno de 1991. a t /* 1 ditos ar-
sentlnos de 9 '/., do anno de 19T1, a
911/9. Mercados deeafe e de as-
snear flrntes.
New-York Canabio sobre Loa-
dres 4 -94. Ouro lio. Carresanaen
tos de cafe do Btlo fair a IV 1/4, ditos
good a 19 9/4 cents por libra. Algoduo
mediano uplands a 191/4 cents por li-
bra 1 elevaram-se a otto mil far dos
oa cbegados de boje aos portoa
americanos.
Liverpool 99.-Mercado de algo-
dao fecbado por causa do rerlado.
Mercado de asancar tnalterado.
Hanabarco *8. -Mercado de cafe
inalteradoi os lotes do eseolbldo
de Santos a 94 1 venderam-se boje
uuutro nail aaeeos.
Havre 99.-Mereado de cafe Brae ;
venderam-se boje dous mil e aels-
eentos Marcos.
Rio de Janeiro tv.-Cambie sobre
Londres 96 1/4 a 9 9/9 d. banearlo.
'in 1/a d. particular. Camblo sobre
Paris ao r. por franco. Apollces
geraes a isOlOaooo.
Btahla 99. Camblo sobre Londres
Hi 9'ie.d. particular.
(AGENCIA AMERICANA.}
Bahia 29 de setembro manha Chegou do Rio de Janeiro o paque-
te amerieano SOUTH AMERICA, que sa-
ne hoje mesmo para 0 norte, Sahio hontem
para a Europa o vapor iiiglez DEL AM-
BltE, e vai sahir para 0 mesmo destino 0
paquete YALPARAIZO.
Pard 29 a"s 9 h. e 10 in. da manha.
Chegaram hoje, 0 vapor inglez AGUSTI-
NE, procedente de Liverpool por Lisboa, e
a barca portugueza CAMPONEZA, pro-
cedente do Porto.
Rio 29 &s 11 horas da manha.Esta
annunciada a sahida do vapor nacional
CERVANTES para os portos do norte no
dia 1." de outubro. Sahio hoje para Per-
nambuco a galera portugueza CAMUES.
Bahia 29 a"s 4 h. e;> m. da tarde.En-
trou 0 patacho inglez ANNA METCHELL,
procedente do Pernambuco. Cambio sobre
Londres 26 9/1G particular.
Rio 29 as 4 h. e 10 m. da tarde.
Cambio sobre Londres 26 3/8 bancario, Qr-
me, 26 1/2, 26;9/l6 e 26 5/8 particular,
. ceosura desapiedadauieote o
iraealbos alneios. Assim, passou-se 0 tempo, e
agsravou se essa siluacao ; enlio 0 dislinclo rai-
uistro, qoe nao pode eonformar-se a viver de e*>
peaienies } gastoi, retirouse do poder.
A faaprensa em geral recebea mal os aovos
miois(riM e so o Sigh oasa m,iotfe>ur con&aaca
nelW*. ,
Ocoronel Vasquezainla gora de symnataia*,
mas 0 Dr. BusMmante provoca lal aver.ao, que
ate a TfUmna, para poder atacalo com roais li-
berdade, rauda seu pessoal de redac^ao, deixandu
de fater parte delleo Sr. Jose CandkJo Bustainante,
irmao Aaqnelle ministro e proprieUrio da fo-
Iha.
* A commi^sao de fatenda da caraara de repre-
senlantei ainda nao apresentou seu parecer sobre
0 projecto de lei do ore 1 nemo submettido ao seu
estudo. Segando dii 0 Tlegvapho M-vitimo ella
so propoe seriamente reduxir 04 gastoi, para faaer
desapparecer 0 deticit, principiaodo por dirainuir 0
subsidiotdos represbntanles do povo, para, foriale-
cida com lio nobre exemplo, indicar tambem a
reduciae de ordenados de alguns funocioaarios
publicos, e a suppresslo de certos empregjs dis-
pensaveis. Deus queira que assim seja. >
t Para fazer face aedifflculdades presentes cons-
ta que 0 Sr. Penalva deixou ajusttdo um empres-
timo interior, p la somma de 700,000 pesos.
a-Ogoverno incumbio a assosiacao rural, que- dos qae soffrera.
o Sao por isso digaos de loavores aqnelles hc-
meas qae se aventurararo em benefeio de teas ir-
maos.
A canitania do porto qne tinha por dever pre-
lar HBmediataraente todos os soccorros a seu al-
eanci,- ao contrario mostroa-se indifferenie a esta-
acootecimento, qae fanesUs cooseqaencias po-
roodo que pareeen-n6s ter inutll aqo
esse estabelecimento naval. Seria por n5o ter
scieacia do facto ? Acredilamos qae nao.
o Diversos lampeoes da illuminaca*> flcaram com
os vidros quebrados. Na estrada de ferro, foi po-
los ares a coberta de zinco do armaiem de cargas.
Em S Vicente cahio uraa peqoena casa quo
se achava quasi construida e descobriram-se ah-
guns telhados. >
Segando diz a mesma folha, a ponte do Cas-
queiro, fe:ta ha poucos roezes,, acba-se jaestraga-
da, com taboas soltas e apodrecidas.
A estrada de ferro Jundiahy'a Csmpinas ren-
den no mez findo 45:960*105 e despendera.....
30:5301470, sendo, pois, o saldo liquido de......
15:4av#035.
Le-se no lndepend**te de Mogyrairim :
a No dia 10 do.corrente foi exhumado o cada-
ver da^rela A ntonia, escrava da Exraa. Sra. D.
Sabina Maria de Jesus AJma, a requerimento do
Dr. promotor publico, a quera constou ter sido a
escrava morta em virtnde de castigos immodera-
qceferam cheias com 800- librae de-pel-
DlAKlODEPfiiiWAMbUiJU
RECIFE, 30 DE SETEMBRO DE 1874.
Notlclas do sul do imperio.
Amanheceu hontem em nosso porto o vapor in-
glez Neva, trazendo datas : do Rio Grande do Sal
18, de Santa Catharina, do Parana e de S. Paulo
20, do Rio de Janeiro 21 e da Bahia 27 do cor-
rente.
Eis o qne colhemos dos jornaes e cartas :
BIO DA PBATA.
Em 16 do corrente escrevem de Montevideo
aojornaldo Commercio, do Rio de Janeiro :
t Sahiram do ministerio ante-honlem os Srs. Pe-
nalva e Fonda, sendo substiluido aqnelle, no mi-
nisterio da fazenda, pelo Dr. Pedro Bustamante,
um dos commissarios incumbidos de negocios na
Europa, o empreslimo que falhou, ee3te pelo com
mandante D. Eduardo Vasquez, no ministerio da
guerra. Ninguem suspeitava esta modificacio, e
por isso sorprendeu a publicacao do decreto em
roeia edicao do Ferro Carril, pois que nos pri-
meiros nameros langados a noite a circnlagao na-
da con?lava.
Os motivos que se assignalam sao aceitaveis
por seu fundo da verdade. O commandante Fon-
da desde principio mostrou reluctancia muito pro-
nunciada para aceitar o alto cargo qae merecea do
presidente da republica, e conservandose no seu
exercicio com notado coostrangimento. Vendo-se
aggredido na imprensa e na tribuna por ama op-
posicao tenaz, nao pdde mais carregar a pesada
crnz, e iratou do largal a. Era necossario, lalvez
lutar agora com saa propria corporacao na adop-
cao das medidas de economia urgeotemente recla-
madas na pasta da guerra, e faltarara Ihe as for-
oas para arrostrar maia este compromettimento.
(nstou, portanto, por sua demissao.
0 Sr. Penalva e, sem contestacao, am dos ho-
mens mais honestos deste paiz, e levon a adminis-
tracao saa pratica dos negocios de fazenda, em que
nio se encontra por aqni maita'gente versada e
sua immacalada roputacao, doas elementos de for-
ca de bastante importancia. Pensoa na sitaaQao
angastiosa do erario publico, e apresentou varios
projectos com o flm de melhoral a. Talvez se pu-
desse conceber cousa mais conveniente, mas o que
nio se pode negar e a intencao palriotica que diclou
todos os sens pianos. Nenhum delles conseguio
ealisar, e vio com desgosto levanlar-se de todas
tantos services esta prestando ao paiz de organisar
uma expo-icao feita de producto3 nacienaes, para
solemniiir o dia -25 de agosto do ann:> proximo,
em qae se completa meio secub que o Estado
Orieou! deelaroa saa independencia.
Aquella asspciaca t ja distribuio o programma
para organisacio daqaella festa p.r cuja exito faco
os mais ardeotes votos.
A Tribuna ba dias escreveu um artigo de fun-
do vehement-) contra o novo regulamento de tran-
sit", expedido pelo governo para evitar o repro-
vado confrabando qae se faz no deparlamento do
Salto para nossa fronteira, o sei qae raaitos inieres-
sados trabalham aclivamente para que as camaras
obriguem o governo a suspender sua execocao,
escandalo que quero ver para crer.
Corre queQaalmente no dia 19 segue para
essa cilrte o Dr. Tejedor, firraemente disposto a
corur o no gordio jla questao paraguaya. Pa-
rece que as forcas argentinas qne estavam em Vil-
|i Occidental desccm para C ceia perturbaclo da ordem publica, que exigo
aquelle movimcato : ama hora de inspiracio e
da boa von tad e po lera asscgarar ao Brasil e a
ju? vizinhos rauitos annos de paz e prosperidade.
Daus inspire aos qae dirige em os destinos dos po-
vos sul-americanos. ^
BWGBANDE DO SUL. '
0 presidente da provincia pretendia visilar
no dia 24 a cidade do Rio Grande.
Na capital fdra aberto pela pr sidencia am
novo credito de 3.000J para occorrer ao pagamento
dat despezas com o lazareto de bexiguentos.
Deixara de effeetoar se em-Porto Aleare a inaa-
garacio do gax, marcada para o dia 13, como es-
iavJjmnunciado.
h fundar-se oessa cidade ama associaclo alle-
mide canto, denominada ^p^to-<:/6, sob a di-
reccao do professor Gustavo Lindner.
0 cadele Augusto Candido da Silva Martins,
pretendia expor brevemente ao publico a nova
macbina de sua inveocao, destinida a navegacio,
sera o emprego do vapor.
A eleiclo de membros da assemblea da provin-
cia dera o seguinte rosullado no 2* districto : Dia-
na 185, Osorio 177, Temolheo 177, V. Cunha 176,
Soares, 17d,Camargo 175, C. Lopes 17">, Maciel 174,
Alvaro I7J, S. Santos 171, Ribas 171, Arruda 170,
Sotero 170, Silvestre i70, A. Alves 167.
Ainla nio estava extincla a variola em S. Ga
briel.
0 Bole, de S. Leopoldo, dando noticia dos estra-
gos que alii tern feito essa enfermilade, as3im se
prime :
< Grassara com violencia na r.ielle Iugar e cida
des viziahas as bexigas.
a Ale a ultima terca feira tinha a terrivel epi-
demia sacrificado 29 pessoas.
a Dizem-nos que a doenca originou se na escola
calholica daquelle Iugar e d'ahi espalhou-se.
< Havia na diia escola um menino doente, e o
professor ignorando quao facilmente estae pidemia
passa, 1; uma pessoa para oulra, deixara de tem-
pos a tempos os collegas di menino fazer-Iha vizi-
tas, pelo que sem duvida pegaram as bexigas e
espalharamse.
Tinha ja cheg3do a S. Gabriel a comraissao dos
eogenheiros encarregados dos e3tud03 da linba fer
rea entre Alegreto e Uruguayanna, para onde ha-
via tambem ja seguido. E' che.'e delta o Dr. Hol-
landa Cavalcante.
Dous desgracados acontecimentos liveram Iugar
na cidade de S. Gabriel, que sao assim relatados
pela Revista Gabrielense.
< Em uma destas ultimas noites, achando-se o
tenente commandante da policia com o sargenlo e
algumas pracas em uma diligencia nocturna, ap-
paroeeu am individao a cavallo, qae traijoeira-
mente e a queima roupa desfechou um tiro de pis-
tola no sargento. 0 aggressor, aproveitando-te da
superioridade do seu cavallo, e estando a policia a
pe, conseguio evadirse, mas e bem conhecido, e
consta-nos que o delegado procede sobre o facto
no competente inqiiento poiicial.
a Uma j oven de distincta familia desta cidade,
achando-se so na sala, ouvio gritos na sala de jan-
tare precipitando-se para ahi, encontroa uma ra-
pariga do servico de casa, que corria desatinada,
com as roupas incendiadas.
A corajosa moca nao perdeu a presenca de
espirito, agarrou-se a infeliz rapariga e com os
seus proprios vestidos abafou o fogo, aue lao fatal
padia ser. A rapariga nada soffreo, mas a joven
senhora ficou ligeiramente queimada nas maos.
Esse bello procedimento mostra, alem de admira-
vel presenja de espirito, am nobre e generoso co-
racio.
Diz a mesma folha :
t 0 valor de 800 rs., dado nesta praca aos boli-
viano;, tem determinado extraordinaria impnrtacao
delles, havendo muitos falsificados. 0 commercio
esta creando para si mesmo graves embaracos. A
baixa no valor dessa raoeda e inevitavel, e o pre
juizo sera tanto maior qaanto raaior for a qaanti
dade della em circalacSo ; uma medida prorapta
pode evitar grandes prejnizos futuros b
Failecerara, no Rio Grande, D. SebastianaDel-
Una Canarim, com 83 annos de idade, e mai do
Dr. Henrique Bernardino Marques Canarim, e em
S. Gabriel, D. Jeronyma Gomes de Lima com 90
annos.
.0 Sr. subdelegado de policia Jose Pedro da
Silva, logo que teve conhacimento do facto, dirigio-
se ao cemiterio e deu as providencias necessarias
em ordem a proceder-se a exhumacao e corpo de
delicto.
a 0 Dr. Antonio Jose de Castro Junior, que se
acha de passagem nesta cidade, em vista do impe-
diment dos profissionaes aqui residentes, pres-
tou-se a servir de perito.e examinando o cadaver,
eucontrou diversos vestigios de castigos, e um del-
les ainda em via de cicatrisacao, e a pacieme em
estado de magreza extrerno, conforme declarou no
auto do corpo de delicto, e que os castigos nao
ongmaram a morte, cuja causa declarou desco-
nhecida. *
Em virtude do qua oS'r. subdelegado ordenoa
que se procedesse a autopsia no cadaver, ao qoe
linda se prestou o mesmo Dr. Castro Junior, lu-
tando coin immensas difficuldades, por nio ter tra-
ii1o comsigo ferros propris>; nao obstante, com a
bda vontade que o caracterisa, procedeu a abertu-
ra do craneo, e nada encontrando, passou a caixa
thoraxica, onde chegou ao conhecimento de ter-
se originado a morte por ama congeslio pul-
monar.
Este facto muito tem preoccapado a attencao
publica, qae deseja que a loz se faca.
e Sao dignos de elogios os Srs. Dr. promotor pu-
blico, subdelegado de policia e o Dr. Castro Ju-
nior, pelos seivicos prestados a jastica e acaasa
publica. o
Com referenda ao ousado charlatan, de qae
ja demos noticia sob esta epigraphe, escreveram do
Apiahy ao Diario de S. Paulo :
Consta que Craz (oovpsanto), acorocoado por
PABANA
Fdra muito feitido em Paranagua o anniversa-
rio da nossa independencia.
Fallecera nessa cidade D. Gliceria Cleta da Sil-
va, esposado cidadao Joao Antonio da Silva, em-
pregado da alfandega.
s. PAULO.
Refere a Imprensa de Santos :
a Hontem as 4 horas da tarae o patacho Paqtte-
te de Itajahy que se a-ha aneorado neste porto,
tendo ultimado sua descarga.aehouse era grande
perigo de bater nas pedras do Forte, impollido pe-
lo fortissimo furacao que cahio, o que nio se ve-
rincou, devido aos esforcps, ao qae nos consta, de
am bote com qaatro pessoas da tripolacan do va-
por S. lose, command&das pelo mestre do mesmo
por mandado do commandante Mello ; e alem dis-
so prestaado igua'.mente o Sr. Henrique Porchat o
seu vaporzinho, podendo felizmente evitar o peri-
seus seotarios, preteillllMi a"esta villa, com o
tim de assalia-la e vingar-se dos qae sio contra-
rios a sua seitn. Taes promessas sao ficeis de
reahsar-se, ein visu da indefferenca com qae a
policia local olha a impostura e mesmo os crimes
do santo.
Esta noticia tem amedrontado e inqoietado os
habitaotos da villa, que nao sabem como livrar-se
do dragao Cruz ou do santo liomem.
0 quo e verdad", e que nada se tem providen-
ciado, e o santo continua protegido, corao se nada
houvesse. E' grande neste ponto a responsabili-
dade das autoridades locaes, e. quando se derem
raaiores desgracas, hao de dizer : nao pensaraos
que tal podesse acontecer. Prosiga elle as suis
correrias, e ate ver nao e tarde.
RIO DE JANEIRO.
S. M. o Imperador recebeu, no dia 19 do cor-
rente, as 7 horas da tarde, no paco de S. Chris-
tovao, om audiencia particular de apresentasio
o Sr. D. Jaime Sosa, o qual entregou ao mesmo
senhora sua credencial de enviado extraordinary
e rainistro plenipotenciario em missao especial da
republica do Paraguay.
Na mesma occasiao foi recebido por Sua
Magestade, em audiencia particular de despedida,
o Sr. D. Higinio Uriarte, que se achava acredi-
tado por parte do Paraguay e que passa a des-
erapenhar outra coramissao.
Por portaria de 14 do corrente foi nomeado
o bacharel Alvaro Joaquira de Oliveira para o lu
gar de engenheiro fiscal da estrada de ferro de
S. Paulo ao Rio de Janeiro.
Por portaria de 22 foi nomeado o engenheiro
Nicolao Rodrigues dos Santos Franca Leite para
o Iugar de engenheiro fiscal da estrada de lerro
de Baturite, na provincia do Ceara.
Por portaria da mesma data foi nomeado o
engenheiro Virgilio da Gama Lobo Junior em com-
missao na colonia Blumenou, na provincia de
Santa Catharina.
Por dscretos de 19 do corrente, f irara re
movidos:
0 juiz de direito Gastao Ferreira Gouvea Pi-
meotel Belleza da comarca de ValenQa, de 1' en-
trancia, na provincia do Piauhy, para a do Alto
Mearim, de 2* entrancia, na provinc;a do Mara-
nhao, ficando sem efTeito a sua remocao anterior
para a comarca de Breves, na provincia do Para.
0 juiz de direito Joeqaim Tavares da Costa Mi-
randa, da comarca de Canguaretama, de 1* en-
trancia, na provincia do Rio-Grande do None, para
a de 2' entrancia na provincia do Para.
0 bacharel Affonso Peixoto de Abrea Lima, a
pedido, do iugar de 4 juiz substitute do mani-
cipio da corte, para o de juiz municipal do termo
de Campos, na provincia do Rio de Janeiro.
0 bacharel Martinho de Freitas Vieira de Mello,
a pedido, do Iugar de juiz municipal do termo de
Campos, na provincia do Rio de Janeiro, para o
de 4* juiz substitute do municipio da corte.
Foi designada a comarca de Canguaretama, de
I' entrancia, na provincia do Rio Grande do
Norte, para nella ter exercicio o juiz de direito
Cesario Jose Chavantes.
Foi nomeado o bacharel Joao Firmino de Hollan-
da Cavalcaate para o logar de juiz municipal e
de orphaos dos termos reuoidos do Principe im-
perial e Independencia, na provincia do Piauhy.
Foram nomeados para a respectiva secretaria
de estado :
Primeiro official, o segundo Carlos Manoel Val-
detaro.
Segundos ofllciaes, os amanuenses Alfredo Deo-
cleciano da Silva Tavares o Gaspar Olavo Pinto
Rodrigues.
Foi reformado, a pedido, Clemente Joaquim da
Silva, capitao do batalhao de infantaria n. 21 da
provincia do Maranhao, no posto de major.
Para propor as medidas necessarias ao im-
port \nte servico de esgoto da cidade, foi nomeada
pelo ministro da agricultura uma commissao com-
posta do conselheiro presidente da junta de hy-
giene, do Dr. Buarqae de Macedo e do engenheiro
nseal da companhia Rio de Janeiro City Impro-
vements, afim de indicar o systema e condicitas
para a eelebracao do contrato que deve regular o
referido servico aos districtos do S. Christovao e
Botafogo.
Lemas no Jornal do Commercio :
t Hontem (21) pelas 5 horas da manhJ, rea-
lisou-se a abertura da porta do novo dique da
ilhadas Cobras.
Para esse efTeito haviam-se cavado na parade
de granito que impedi3 a entrada do mr ires
mi nas
vora.
A explosao produzio o eompleto rompiraeato
dessa parede, sera que houvesse a lamentar o
menor incidente desagradaveL gracas as medidas
preventivas qae se tomaram.*
Com a inauguracio, que se effctaoa ante-
hontem (2l>das esUgdes da Serraria e Parahy-
buna, da Irnha do centro, foram franqueados ao
trafego na estrada de ferro Pedro II mais 28 kilo-
metros em eoadicoes mui saiisfaitorias de eoas-
truccao.
a No novo trecbo de linba- ferrea noum-se-
grandes alerros, cortes e mnralhas de revesti-
raento, e a ponte da Serraria, de mais de 200 rae-
tros de extensao e bella estructara.
Compareceram a inauguracio, alem dos Srs.
conselheiro-Cbsta Pereira, ministro da agricultura
os Srs. Dts. Sobragy, Monteiro de Barros e Fir-
mino de Hello, director, inspector geral do tra-
fego e engenheiro em chefe da estrada, senador
Barros Barreto, conselheiro Diogo Velho, presi-
dente da companhia Uniao e Industria, D. Iriarte,
ministro do Paraguay nesta ciirte, o secretario
daquella legacio. o general Caballero e outras pes-
soas de distinccao.
0 trem especial que transportoa o Sr. minis-
tro da agricultura e demais cavaiheiros, partio da
estagao central as 5 t|i da manha e chagon a.
Serraria pouco depois do meio dia, e a Parahybua*
as 2 horas da tarde.
Na primeira destas estacoes, foi a Sr. ministro
cumprimentado pelos vereadores da camara mu-
nicipal de Juiz de Fora, qae o acorapaanaram ale
a estacao de Parahybuna.
Em ambas os estacoes foi ccnsideravel a af-
fluencia de pessoas qae se associaram jabilosas ao
aoto da inauguracao.
< A tripolacao da galera norte americana Detroit,
entrada de Cardiff no di t SO do correnle, revol-
tou-so, ante-hontem (21) contra e capitao e otof-
ficiaes.
a 0 consul dirigio-se a bordoe tonlou accomrao-
dar os revoltosos ; porera, elles racosaram traba-
Ihar, continuaram a ameacar o capitao, e oassal-
taram as 6 l|2 hora< da tarde, armados de facas,
o que o obrigou, assim como ao offleiaes, a dispa-
rarem alguus tiros de rewolver sobre elles, para
afugental-os. *
De bordoda fragata americana Lancaster se-
gaio immedialamente uma forca que poz os refe-
ridos insnrgentes a ferros ; e ahi se conservou ate
que foram elles, hontem, recolhidos a casa de de-
tengJo a ordem do consul. Tres fioaram contoses
com os tiros.
i 0 patacho nacional Venus, que sahira no dia
17 do corrente, em lastro de pedra para S. Ma-
theus, arriboa hontem com agua aberta em nosso
porto.
A alfandega da corte arrecadon de 1 a 23 do
corrente 2,738:489#955.
Eis as noticias commerciaes da ultima data :
a Rio de Janeiro, 23. 0 mercado de cambio
continuou a mostrar se firme e com tendencia pa-
ra alia. As transaccSes effectuadas boje para a
mala do Neva, que sahe amanha, (24) foram sobre
Loodre* regolares a 26 ij4 d. papal bancario, 26
3|8, 26 7|16 e 26 1|2 d. particular; soore franca
a 360 rs. por franco, papel bancario; sobre Ham-
bargo a 4ii rs. por marco reicksmunze, papel
bancario, e sobre Nova-York a 11900 por dollar,
tambem papel bancario.
t ElTectuaram se operacoes mais que regulares
sobre Londres para a mala do paquele do dia 4 de
outubro a 26 3|8 d. papel bancario, 26 I [2 e 26
5|8 d. particular
a Negociaram se diversos lotes de soberanos na
totolidade de libras 10,000 ao preijo de 9*200, a
dinheiro.
Nada se fez em apolices geraes de 6 j.
No mercado de accoes houve algum movimen-
to nas da companhia das Minas de Ouro e Cobre
do Sul do Brasil a 173509 a dinheiro e 18*300 a
prazo curto.
t Vendeu-se tambem uma partida das da com-
panhia das Docas de D. Pedro II a 304, e da com-
panhia de fiacao Brasil Industrial ao par, a'di-
nheiro.
i As vendas de cafe foram hoje regulares.
Desde o dia 3 do corrente ate hoje venderam-
se 3 iO.iOO saccos sendo :
Para os Estados Unidos..... 203,000
Para o Canal e Norte da Europa 75,700
Para o Mediterraneo..... 19,200
Para o Cabo da Boa Esperanca 6.000
Para varios porto3...... 5,500
t Ficam em 3er cerca de 85,000 sac "os.
i Nas vendas dos dous ultimos dias eslabelece-
ram-se as seguintes otacoes por 10 kilogram-
mas :
Lavalo.
Superior e fine.

Nominal.
6JI00 a 64550
5/600 a 54750
54250 a 54400
44900 a 54100
44500 a 44650
34950 a 44150
foram regulares para
la boa
l regular.....
I' ordinaria.....
2* boa ......
2' ordinaria.....
< As vendas de assacar
consumo.
Fretaram se : ura naviopara o Canal a ordem,
cafe, a 15 s.; um para Lisboa a ordem, cafe, a 47
s. 6 d. ; am para Nova Orleans, cafe, a 27 s. 6
d.; dous ditos para o mesmo destino, cafe, a 35
s. ; um para Mobile Bai a ordem, cafe, a 37 s. 6
d., e um para Hampton Roads, cafe, a 37 s. 6 d.,
todos com 5 por cento de capa.
BAHIA.
Falleceu o negociante Manoel Henriqaas Lu-
cas.
Arribara, para sepollar o capitao, a barca al-
lema Isabella.

*
. ,'

.tioticias do norte do iiuperio.
Tambem amanheceu hontem em nosso porto o
vapor brasileiro Ceara, trazendo datas : do Para
20, do Maranhao 23, do Ceara 25, do Natal 27, e
da Parahyba 28 do corrente.
Eis o qae colhemos de jornaes e cartas :
PARA.
Sobre as occarrencias do Jnroparv, de que
nos deu conhecimento o telegrapho, lemos no Dia-
rio do Grao Pard:
Na noite de 6 deste mez foram atrozmente as-
sassinados, na ilha do Jurupary, districto do Afaa,
no municipio de Chaves, os commerciantes por-
tuguezes Zeferino Manoel Pereira de Araujo, e sea
socio Manoel Jose Rodrigues, ambos representantes
da firraa Pereira de Araujo & Rodrigues.
t Os cobardes assassinos, depois da perpeira-
cao de tao barbaro delicto, tentarara tambem dar
cabo da raulher e da sogra do primeiro dos as-
sassinados, as quaes salvaram-se da saaha dos
canibaes por terem fugido para o raatto.
Depois do assassinato, pdzeram em pratica o
ronbo, saqueando a casa commercial das infelizes
victiraas de tao negra perversitfade, carregando
tndo o que enconlraram em uma canoa da pro.-
priedade da referida casa commercial, e seguindo
para o Iugar denommado Furo Gratkde, na dita
ilha do Jurupary, onde apcrtaram, e baldearam o
producto do saque em uma outra canoa, qne alii
tinham do ante mao preparada, abandonando ahi
a canoa das victiraas, e tomando rurao para as
ilhas de fora. onde estao provavelmente desfruc-
tando impunemente os despojos que arrebataram
na facanhuda tragedia qae representaram no de-
serto das florestas banhadas pelo Amazonas.
Miseraveis ban lidos, (eras sanguinarias, pre-
feriram dar cabo de daas existencias hunuaas e
de outras qne provideacialmontq eseaaaram ao aegt
t
I



mm


3i*l*9 de Pernambuco CjrUarta eira 30 de Setembro de 1874
il-*w*erar Batseasfcawcs,
MM aratalan Unit na i J da |
bp "SffSk ciaas de pr~t* delete o ge-
j Trl-1 ij- ar**0. H"** que -se adqui
!jmb (MfiKfiiesU), ^Um HWlMU4) POD**, qoe d-
aara
da eat
I o avilta a* sua especie I
saagaiaarias pregadas sc
capital chihsada por am? sucia de
ee-graeado*, reileetsios oa Tribnn-'.
, cure adtafM do interior da
dada dessrs menstraosos eflei-
i a sooiedaaV, horrorisando a t >-
i cora.ao Bern i trmado.
maito dUtante da cafiHal,
an dUacoldades em acacir ao
taxusa es sens adeptos de ca, e
execuiando as preseripcees dos
aiaa"4e sewaibro, 40a aqai naolave a
1 i iijair. p-ras*Mttn>te as proviencias
Ims ttnm tatoadts a temp.', aborjando o pla-
Ui.f f, que cxmtentoa-so apenas em
r aawwl, oade realc/.va a caricatura
tacu de ferro da propaganda.
i para barlar-lbes ps per versos
, Idyiama Com o qn lizeraos.
- las <** o prfritas de ca e oecupemo-
I ac da iiba de Jarupary, que ao uns e a
r dos duos infeliies portuguczes,
; aatarianneaU- decliaado, foratn
, T5i prUs malheres, que poderam
isanKi: u.-a delle* qua foi recouhe-
eais, charm >a Ja-e i!agal;;aes, por an-
i* -Ute Cili*4ht>.
r4os r -f an lo a ca das vietimas,
1 qarhaham rinJd da" ilhas de fora com
, Tead-r. p<-rpuntaado aos dous
icasa se lu".i* q.i flam co'nprar.
de a11111 em a;usie, pediram am
de rinh". e 5 sailI > ua dos dous infdi-
ia Ui-nr < vi.1 hii, ura dos malvados
a tacaiis o >we-.<> qua estava fora do bal-
dui> uMtta* (eras atacavam ao
1 o .'air., que c>uva da parte de den-
% cwaaas a r. t rW, ji e ctiiW. a existea -ia dessas duas
s.* creilttr--. que naquelle* raedonhos
, awx-.n." -;.'. r a vi j..', encontraram 0
iprit min-ira qje lemos descripto.
1 a > n sub Jdegado do policia
iMiiBliili. l>;>uldmo J >a uim de Al-
1 4f am :ii ido c .ndemn.ivel, por-
ii dbtaatc do tiicairo do crime apenas
3 Bi aite raez, ;<> ao dia 12
4i ) e qoe ><^aio p;.ra alii a proceJer a-<
Biin.i q e u caso cxigia '
SaaHhaate auttrilade cireee de correccao
aaaera twu^, ealreganJo o seu inliguo proeedi-
[ a aareci>rio das aut ridades .-uperiores,
ou:- bm se fara ecperar 0 castigo que
iial *n*dt-le^ i 1 de policia, v rgonha
d rari ira-i -a :* > v\i e degralantern;nte.a
a JUpraacrras auu>rida les d 1 piovincia nao (o-
na laMtere-ites aos damores da~opiaiau pabliea
c da iaaaii 1. co:.Ua as str>eidades praticadas
aja flka d-i lura^arv peVis barbaros aat5!OOS do
Brf-triiin'ej porlugueie?, que alii
tnrtjy na ao.te de 6 desie mez, cuuforuii;
aann^no*.
MM en iMlifiir *a6 0 Ex.n. Sr. presi
1 fa araaiatia. de aecor Ijcora o illustre Sr.
1. rmete it }"iic:a, co.iiiiinaram un~ inedidas
bo sealidj an capturar os malvados, e de
a nd e jr ; r^dade de oolros comraer-
Bilra'es na> H.medta$5es do luyar, cm
. i--*dea h naroo AttmiadOL
* | ft tejit para n a.i-cijio de Cbaves 0 hon-
rd Sr. Ir. dkele de p Jteia, acompauiiado de
bb, a kurJ. di va,< ir /'nil, da propriedade da
fa. aaaii de BiT.facao c commerce di Am 111
ada. que ^ara i-xo 0 p' a dispjsicSo d.i
, aS d<- djr caca a >> roalvados, e des
r.sara id e a >j;it-Jad.: ulT-odiJa gravemtD-
ls>-'-- Tnn- !: -3: :.'<:-, jue cerpflr-raiu, t i-ulos
aaae- de*rm Mr rig runenie punidvS.
Daraare a ausearia do Dr. chffe dd policia
fieaa eaciireja'j do cxpeiiente 0 delegado da ca-
- A ca-aara anaidpal procedeu .i apuragao
dVTrMKc ex.^1 1 dipljtais ie d-putados j.ro-
abRaaes aa* Sr^. lr E n:'.iD de Moraes Dias e le-
c-ii.- FiiBfi-^.-. It Jr j 1 Soarai do amaral.
A caaura tuauicipal de Sanlarem coutratou
tna aaaagraniei n:>rtes-amcricaoos James B.
, S. F. 5ir.vip, e K. II. Ricker, Pitts &
e J. B. 'oBfbaa, por 3.028*i0 a aber-
loas ertradas d'a luclle munii'ipio para que
1 aapcnal decretal a a vcrba dc 6:0':0i.
1 na CinstitHipio :
S# dia 30 di ago-t j naiou-sc, na villa de
rn*< (T<" / **i afiaatadc, e coronal lose Ulympi 1 I'jreira de
Sana 'jraaaa F in, iilu-Te por seus antepassa-
rza sempie honrou, pelas suas
1 fcwarras e ainda nizis pelos fervigos presta-
daiaaalna.
m D->c .-d a!* de nma nnbre familia de Portu-
g-1, ocrH J>e ;lym;>io Pereira era lilho do
ataja- de 1- imia Cunst.vlj 1 Antonio Perei.-a do
>^ii Ca-tilbo Haw.
vai, iinando-o a carreira miiilar, Ihe
hiur jru'_-1 de ca Ma no 2* regiment > de
de Uaba, a'uaae parson para 0 corpo de
, nj qaal cl.eg T"
.U* a Jis qaaliJades que 0 faziaon dutioeto
<-ijre ? *eas camera lis, possuia 0 tenente Jcsc
<>faHM iVreiraos Conbecimento> scientificos da
.-uaaraw, ai^ueridjs na eeeola de matiiennticas
_. jJitadas a ari.lheria, aqui creada pelo govcr-
iii.1 e capitio geu-ral o conde de villa Flor.
Fez pule da expedieao, que em 1826 marchou
aan K4aarar a vdla de C tmeli que bavia sido
a lapili pel^ rcvoH-sos ao commmdo do scele-
0 desembai jce das fjr>;as do governo,
d'aqnella villa, e logo depois retirando-
atjj wviitrnvi e mortifera fogo que das
das Itarraocas e das casas, faziam os revol-
. a leaeale Jose Olympio Pereira nao chegou
' a icon aa praia com a pcca de seu
etralbaad,' 0 ioimigo, te que afina!
1 as manico?*, e senio fendo, foi aprisionado
laeaakasos. Tendo a villa por horaenagera,
1 coaa > s seas moraJure?, que nao esta
aaaj ercado, do espirito da revolts, uraa contra re
i f ] Icvada a effeito com feliz exito,
> Barbosaesea$ sequazes a villa,
io a efta capital, depois de pres
Jado servi^o, algam tempo depois,
ami irmi do Exm. Sr. Visconde de
Ann
Oa Casse por desgutiso da vida railitar, ou
; era ella inc >mpativel com a adminis
1 da saa casa, pedio a sna reforma, que Ibe
, pelo Sr. D. Pedro I, com a condicao
1 exerciio no posto immediato
b foi reformado, se a todo 0 tempo
1836, orgaoisada, pelo general Andreas.
> pibcitl, eaa subsuiuicio da naeional, que
iswudissalTda, J so Olympio Pereira foi no-
' cindante do corpo da villa de
coastutemtnte resiiia, depois da
Ida saa coaaorte.
aiaigiainii a gcarda naeional, foi nomeado
i cuna-j coaamindante do batalhao da dita
eataael commandante tcperior da
I da respoctiva com area.
1 da provincia encontrou sempre em
Pemra am presume auxHiar, nao so
nto da ordem e i 3 impcrio
1 aroTiBcia, comj em tudo 0 mais de
, eoaceroente ao poblico servifo.
I Jose Olympio Pereira era inoco li-
1 da casa imperi.-.f, cavalleiro da crd.m de
1 a aalriai da ordem da ftosa.
reeeado d'eaire os vivas na idade de
> parde n'elle urn prestira )-o
am lb) distiacto ; o par-
1 dos seas dedicadas correligio
an iilasire familia, a qjeu damos o
1 pannes, am membra qae rauito
eaaobreria. >
vauxho
Mt areaideaen da provmcia foi etpedido 0
-ae Sna!i?a4o em 3 de oulubro de
nurcado em 31 de Janeiro da
para tereai comeco as obras
c-ja iaeorponcao enntratoa 0
'Jala Martins da Silva Coulinho, para
icadade d'agoa poUrel em sabsuioi-
Anil, e aao undi ainda Udo
i al>ras, S. Ex.". o Sr. viee-pre-
i, resoivea, em virtu ie da clau-
eaMrato eelebrado com 0 mes-
a i de abnl de 1871, e orde
'** tan caeUha a cobranca da mulla que
ciaasula. *
para Geaipahu'ia (Gaimarae?) 0
nr. prielade de Escola?tico
e delle aaa sa sabia ate o dia 11
- B*fwter->, tpe deu njti-
cia da perda d'aenaRe. _
^BMia (A arnS f*m&iontvtGmme\-
tcr a batta, si4io o feme do logar, e dm sedo
tpossivH encaixa-l 0 p"r*causa domuito mar t; vatyo,
foi, assin desgovernado, afrojaae 0 cuter a costs,
e, batendo nawpedras do Itacolomim, dwpeda-
cou-se. ...
Era 0 sea carregamenta diversos generos, e
levava 3 passageiros.
A tripotacao, compost* de 15 pessoas, e 2 pas-
geiros, salvon-se em ura peda^o do convez qae
nioa fluctuaado, 0 ontro pissageiro, de nome Je-
ronymo, erndo de Jose Ribetro da Cruz Sobriubo,
morreu. a
a No dia 30 de agosto p. p., pelas 5 l[i boras
da tar le f ram sorprendides os habitantps da po-
voacao daPonte-Nova de #rejo, por u.n terrivel
incendio que envponcosminutos reduzio deaeseis
casas a am montto de rainas ; e entre estaa en-,
trou a do St. Venancio Jose Frazio, negociante, que
entre os prejndicados foi 0 que mais perden, pois
calculam 0 seu prejuixo em tres centos de reis.
Felizmente nao houve peFdas de vida. Os esforcos
empregados pelos habitaotes da povoacao, e por
alguns dos visiuhes, aum de socorrerem aos inftdi-
ze?, foram activissiraos, mas sem proveito.
t Falleceu na Victoria 0 juiz de direio do Daixo
MearimDr. Joaquim Rodrigues de Seixas.
* Era muito estimado em sua comarca, para on-
de veio nao ha muito tempa, e sem duvida urn dos
primeiros juizes de direito da proviuoia.
Falleceo das febres que alii reinam com algu
ma inteusidade.
t Ha poncos dias noUciamos ter -asado em 3
do corren'e nm mo^o vindo do Ceara, chamado
Maitinianno Furtado de Uendonca, com uma fllha
do fiuado Or. lose Tbomaz dos Santos Almeida e
sobrinha do Sr. baras de Moncao.
i No dia do eaeamento foi o Infelis noivo accom-
mottido de violenta febre, de inodo que, coacluida
a ceremooia, conrtituio-selhe a desdilosa noiva
sua desvelada enferraeira. Depois maoHeslararn
se-lhe as bexigas, e de tao mao caracter, que bon
tern de madrugada succumbio e de maaha foi se-
pullado.
Trislissirao noivado I Infeliz noiva I Hontem
as flores de laraugeira ciagiudo I lie a fronte, hoje
reonindo as saudades para a triste coroa que deve
pender do sepulcbro daquelleque apenas foi-lhe
csposo peranle Deus. Hontem 0 branco veo velan-
dolhe ui cabellos, hoje, envolnda no crepe da
viuvez
Falivceu, tsmbem 0 negicianto Sadario Cesar
de Souza. eslabelecido com Itja de fazendas a rna
de Nazareth. Era ainda mopo e muito estimado
em sua classe.
a No lugar Mariano, pertencenle ao termo de
Cururupii, foi barbarameute assassinado 00m ura
tiro, no dia 3 do currente, 0 tenente Antonio E-te-
tiode Almeida e Silva, qiundo se achava na va-
randa de sua casa.
l.evado 0 facto ao conhecimeoto do delegado
de polic a resp"ct vo, pjrocedeu eite a corpo de de-
licto no nadiver, e as mais rauiucijsas indagacoes
para de.-eobrimento do criminoso, que ate entao se
ignorava quem fosse.
PIAUHY.
G atinnava graveraente doeute 0 Exm Sr.
Dr. Ldateaba Lins.
Uma iaria do Therezina dell do corrente
uos diz :
0 presidente desde que r-^gressou da funda-
rao da colonia tem estadu doente de febres. e fe-
bres letn sido Oitas que tomaram o caracter typhi-
co e 0 tem extraordinariamente prnstrado. Cinco
m-dicos velam-lhe a cabeceira. Ha dous dias que
tbia melhor.
. Pel a experi.;ncia que tenho destas febres acho
que elio sera salvo, corao tod-s Jesejamos. Eslas
febres quando tem Ue malar, matam loga>
A camara municipal de Amarante e 0 corpo
commercial dessa florescen e cidade dirigiram feli-
eilaeoes ao prosidente da provincia pelo? services
qoe tem preslado a provincia, ja de-envclvendo a
iu*truc<;4u puhliea, ja promovendo outros melho-
ramentos.
Tambem Micilou ao Dr. Lima Santos, ehefe
de policia, a camara deThereziua, pela sua activi-
da !e e en-Tgia por esse funceionario empregadas
para a repressa) do crime.
' P r solicitagao do presidente da provincia
uma das lanchas a vapor da ra-rinha de guer-
ra exi^tintes no Para ira servir no Parna-
hyba.
Diz 0 jornal official de Tuerezioa que 0 presi-
dente preteiide subir nella 0 Caainde ate O.'i.as
pela inverno.
Pelo coronel Theotonio d.: Souza Men les, ha
ponco fallecido no municipio de Amarante, furam
libertados, antes de sua morle. os escravos de ?ua
propnedadsPomiogos, Paulina, Raymunda, An-
gela, S.iltisliana e Kio.-i.uia.
Tambem foram alforri da, sem onus algum,
pelo tenente coronel Haymundj de Souza Ueodes,
residente no termo de Amarante, e pur occasiao
de solemnisar sa seu casamento, acerca do ura
mtz, as suas escravas PraJencia e LaurinJa.
CEARA.
Desenvolvia-se na capital, a variola.
Falle?eram: na Imperatriz, 0 capitaoManoel
Thomaz Rodrigues; 0 em Batunle, 0 capilao Ma-
noel Nazatio da Silva.
^0 vapor inglez Jerome, sahido para Liverpool,
levou : 2,523 saccas com algodao, l,8o0 com as
sucar. 863 com cafe, 163 fardos com borracha,
1,150 couros salgados, pesaudo tudo 301,603,5
kilns.
Deixou de. rendimento a alfandega 12:G7l$6i9.
RIO GRANDE.
Nosso correspondente da capital escreve 0
seguinte :
a Foram capturados ultimamenle pelo sargento
Jose I'az da Silva Bando, os criminosos de niorte
Francisco Marliniano Brandao e Salvino Jose Ber-
nardo, 0 l" pronunciado em S. Miguel do Pao dos
Fcrrcs. e 0 2 em Banaaeiras da Parahyba
No dia 31 da agosto evadio-se da cadeia do
Jardim 0 reo scntenciado Joao Jose de Sam'Anna,
cuja captura ainda se nao pode realisarapezardos
esforcos para isso empregados pela policia.
No lugarRego Molleiro-de S. Goncalo, Ma-
noel Silveslre soifr, u no dia 21 deste mez uma fa
cada que Ihe dera seu primo Joao de Souza.
a O subdelegado, pro^edeudo a corpo de delijto,
verificou serem leves os ferimentos, mas 0 Dr. ehe-
fe de policia nao esteve pelos autos e mandoa pro-
coder a novas diligencias para conhecer da verda-
de do facto e da natureza do crime.
t Por cautela 0 delinquente evadio-?e do uis-
tricto da cnlpa.
A safra do assucar este anno 6 espantosa no
vale de Ceara mirim.
1 Os senbores de engenho, porem, nao tem Ji-
nheiro para tira la.
a O prejuizo e incaleulavel. Infeliz provin-
cia I
O Conservator de hotUem diz :
A 18 do corrente entrou neste porto 0 trans-
porte a vapor Vernek, trazendo a sen bordoodis-
tincto inglez Sir Jonhn Hawkshaw, encarregado
pelo governo imperial do estudo dos portos do Ma
ranhao, Ceara, Rio Grande do Norte e Pernambu-
co, e de indicar os melhoramentos de que preci
sam.
t Ao amanhecer do dia seguinte 0 referido en-
genheiro procedeu aosexames necessarios no pir
to e na barra.
a E' um dos maiores e mais assignalados bene
flcios que se pode faxer a esta provincia 0 melho
-raraento da barra desta cidade
c A visita do notavel hydranlico inglez a nosso
porto e um facto auspicioso, pelo qaal nao pode-
mos deixar de louvar e agradeeer ao illustrado mi
nistro da agricultura, conselbeiro Jose da Costa Pe-
reira Junior, qae 0 ordenou e que incaasavel em
promover o bem do paiz, nao deixara de lovar a
eff ito com a maxima brevidade os melhoramentos
reclamados no porn do Natal, como nos outros vi-
sitados pelo Vernek.
a Ete vapor soguio no dia 19 para Pernambu-
co, d'ondo partira directamente para 0 Rio de Ja-
neiro.
Na cidade do Principe promove-se com aoUvi
dade a construccao de um edilicio para servi<;o do
pago municipal, escola? e bibhotbeca.
a A SI de julho houve uma reaniao popular
para aqucllc Cm, assistindo as autoridades locaes
e grande numero de pessoas gradas, pnitnovendo
se uma subscripcao que chegou a um elevado al
garismo.
a Muito se tem distinguido nesse comraettimen-
to 0 zeloso professor da ialim Manoel Pinbeiro do
Curasao de Maria quo ja al i fundara nma e?cola
noclurna.
A reuaiao foi solemni^ada com algttns disenr-
sos, entre os quaes, nos foi rem^tido 0 do intetii-
gente Dr. Serrano, jniz municipal ilo tenro, e qae
abaixo publicaraog :
Por i>cto de hontem foi nomeado 0 tenente
Francesco Cesar do 11, go Barros, alferesda compa-
nbia de policia, para a qual foram chamadas mais
io rracas.
PABAHTBA.
Lemoe n' Jornal :
t S. Exc. oSr. presidente da provincia determi-
nou ao capitio do porto quo fitetee casligar cor-
jeccionalmente 0 2, tenents offliial d faztmda da
cempanhia de aprendijes marinheiro?, IlnaeiRCofsinPeros de minha abnegaciio a ijalriolism.', que
Jose Manoel Verani, polo eonflicto p >r eiep^wo ] actuaram em ineu animo, e nem .feixar de ex iihir
heade com d'seeretariu da capitania do rWto.ler-
jaaiii) Coastanl Lina d'Albuquorque, dfcnWe a
reparticjo ; o on- n peaa da prl.-Io queder -iaajis-
Ha ao mesih'o official de fazenda deve%sav cikii-
arida no qnartel da dita companhia,
Hotleias da imerlea
p.-r via do Para recebemoa as segaimes:
CUBA.
Conlinu* a-msurrelcdo. Tem tu*ido caajbates,
mais ou menos importantes em Fray Beivta, Sancti'
E-piritu, Huulguin, Iguara, Saa Jose de Laa Lajus
e Managua, endo difucil anaoociar-se emjface das
dilTerentes versoes pablicadaa pelos joraaes qaal 6
0 partido que tem sido vencedor.
Foftoailada a faculdade de isenclo do servigo
railitar. Sau unicamente permUtidas as isencoes
mediante *l-000 (l:800*(00)aoseoBscriptoadesig-
oados para a artilharia e cavallaria.
Um novo decreto do capilao general estatoeqae,
do 1* de seteiwbro em dianto, sejam os direitos da
alfanlegapagos todos em ouro, ou em notas do
banco com 0 augmeulo de 100 "/
8. domim;os.
Os p.irtiJarios de Baez, em n. de 50 ponco mais
ou menos, sorprehenderam em I* de agosto 0 for-
te de Santiago de los Caballeroa e apodcraram se
de todas as armas quelle continha. No dia se-
guinte pela manha reuniram-se os cidadaos e ata-
caram o forte, d'oude foram desakjados os rtvol-
tosos depois ie um combate de 8 horas, em que
perderam dez dos seus. Todos os sobreviventes fo-
ram expatriados.
Qninhentos homens foram enviados de Porto
Plata a S. Dommgos, onde, as ultimas no icias, res-
tabelecera-se eompletamente a tranquillidade pu
blica.
COLUMBIA..
Contimia com actividade no Panama a recons-
truccao das casas destruidas pelos d .us ultimos in-
ceudios.
Ainda nao houve entretanto resolucao sobre a
forma por que deve ser a cidade abastecida d'agoa,
de quo tanto caiece
O estado de Anlioquia eoviou ao papa a sorama
de i6,571.
COSTA BICA.
Tem questdes sobre debmitacocs de fron'eiras a
Costa Rica com a Columbia. A Columbia apre-
sentou a Costa Rica um proJelo de litnites, qne
esta nao aceitou, allegando qne -viria a pertencer
aquella a bahia do Amiral, de qne fiue a po-8e ha
maito t*mpo. Recelb-se um rompiment'.
Costa Rica preparou riquissimes specimens mi-
neralogicos para a exposii;ao. universal do Chile.
HONDURAS.
Os hab.tantes da fronteira de Honduras estao
ameacados polr fome.
0 thesouro emittio *i0,000 de apolices deslina-
dos a teeonsaruccdo e concertos das igre|as e edi-
ficius publicos, destruidos pelos terrernotos da 22
de abrii e 23 de maio ultimos,
NICARAGUA.
O ex-presidente Arios, de Hmluras, chegou a
Managua, onde lave uraa brilnanie recepcao.
PERU*.
Fora aberto 0 congresso pernano em Lima. Com
granle de-cootantaiuent) do podtr exectivo foi 0
Sr. Ctsneros, chafe da opposicao, eleito pre.-idente
da camara d>s depulados. Pei eleito depuudo
por Callao, 0 general Prado. O governo peruano
felicita-ae pela cuuclusao com a China, de um tra-
tadode amisad-, comoercio e navegayao, autori-
sando a importacao de coolies chinezes no Perd.
Enlre os ultiufos actos do presidente Prado, con-
tam-se :
Um decreto repondo em vigor a lei de 1855 que
proRibe aos jesuitas a resi lencia em territorio da
remiWica, e ordenando ao prefeito do Huanaco
que expulse os jesuitas de sea djsiricto ;
Outro, mandando sujeitar ajulgaraeuto 0 bispo
de Puno, pjr haver enviado sua demissao ao papa
sem eensultar 0 g iveruo naeional;
Oatro, ontiando ao engenheiro Frederick Blnne
a construccao de ura caminlio de ftirro de 68 mi-
lhas Je extensao, do porto de Payta a Piura.
O 53.* auuirersario da indepen lencia narional,
foi celehra la em Lima com seis dias de feslas. de
28 de julho a 3 da agosto. Por esta occasiao man-
gurou-se um magniliee monumento de br<>oz a
memoria dos heroes Ce 2 da raaio de ISiO. E?te
monumento, construido em Paris, decora 0 bairro
chamado Por'.a de Cillao.
RQUADOR.
E' das peiores a situacao linanceira da rcpublica
do Eqnador. A praca do eommercio doGauyaquil
dirigio a' r speito uma representacao ao governo,
declarando qae o unico meio do evitar a ruina do
paiz e coagir 0 Banco do Equador a cjnairse a
lei que rega os bancos or Jinarios,. snspfender 0
c-urso forcado das notas da Banco e repor am vi-
gor a lei qua prohibe a exporia.ao da prata em
moeda ou em barra.
CHILE.
Para d-cidir a questao que tem 0 Chile eora a
Republica Argentina sobre a posse da Patagonia?
acoitou o Chile 0 arbitrament e elegeu seu arbi-
ira S. M. 0 imperador do Brasil. 0 da Repnblica
Argentina e 0 presidente dos Estados Uaidos. Sup-
pde-se que 0 rei dos Belgas venha a ser convidado
para terceiro arbilro.
Houve um tremor de terra em Valparaizo que
causou muitos prejuizos.
BOLIVIA.
0 congresso boliviano abrio-se em 6 de agosto
ua cidade de Sucre, actual capital da republica.
Ja estavam os animos preoccupados com as
proximas eleicSes prasidenciaes. Ila muitos can-
didates ao cargo de presideDte, sendo os princi-
paes 0 Dr. Corral, 0 general Daza e 0 prefeilo Su-
linas.
por mai> uma fez a prova iaiMHiwca d w meus
s*ntin)i'iiinj ila respeito 0 dahM)oe?*o sipec-ra ao
irluHraJo governo de S. M. oTmperailor,' 0 fie re-
ceado igualmente a diminuta unadjnvacad pecu
dtaria de vinie por cento dos mens venoimentos
por espaijo de am anno inteiro, a contar do 1* de
Janeiro de 186S para as cmorgeacias do estad),
atom de mlnha lnimifde'coadJaTacao pessoal como
saei-idote, Do ca cessarios os services religbsos e humanitarios de
um capellio voluntario da patria.
t Creia, Exm. senhor,. que nio foram minhas
intencSes descrever, e nem allegar servijos que
por ventnra houvessepreatado, e sira apenas com
memoriiVaa, para que se conbeca, e fiqae em lem
branca que eu nao teaho sido indilTerente aos ma-
les da patria, a despeito das contrariedades, e de-
cepcSes aeintosas, injustica em fim porqoe me b3o
feito passar sem 0 menor molivo plausivel I
< Hoje, porem, que ma acho jubilado na eadeira
do Rio Dcce, por acto deste illustrado governo de
V. Etc., e obiervando os sinceros esforcos, que V.
Exc. ha empregado para levar a effetto 0 edilicio
monumental de caridade para os alienados, nao
posso e nem devo ser iodifferente a esle acto hu-
manitario e religioso de V. Exc, venho de minha
livre e espontanea vontade congratular me com V.
Exc. por tao magnanima inspiracao,> offerecer-lhe
igualraenteo pequeno obolo, que minhas circuras-
lancias actuaes permittem, de cinco por cento de
meus vencimentos, a contar do 1* de setembro
coi rente por um anno inteiro, para coadjuvacau
das despezas d'este importantissimo asylo da alie
nados Daas guarde a V. Exc. felizmente.-Rio
Doce, 5 de setembro de 187i. Illm. e Exm. Sr.
commendador Henrique Pereira de Lucena, dig-
nis.-im.1 presidente da provincia de Pernambuco.
Padre Fiancisco Verissimo Bandeira.
Gahioete da presidencia de Pernambuco, em
25 de setembro de 1874. Illm. Rvm. Sr. padre
Francisco Verissimo Bandeira.De posse da carta
em que V. Rvtna. offerece cinco por cento de seus
vancimentos de professor jubilado, a contar do !
do corrente, por espaco da am anno, em favor do
ho'pielo de alienados, von agradecer-lhe este do-
nalivo, eloaval 0 por sen? sentimentos de carida-
de evangelica em beneficio d'aquelle hnmanitario
estabelecimento.Nesta data' faco con-tar 0 effe-
recimento de V. Rvm. ao thesouro provincial, para
o devidos fins, restando me apresetrtar os protest-
t03 de consideracao com qut? sou de V. Rvm. mui
to attencioso venerador e criad>.~ Henrique Perei-
ra de Lucena.
Tontativa dc morle.-No lugar denomi-
nado Nooa Descuberta do termo do Exu, Joaquim
Francisco tentou matar com um tiro de clavinote,
seu proprio sogro, Manoel Jose do Nasciraento, em
dias do mez proximo Undo. Evadio-se 0 dein-
quente; a policia, porem, tomando conhecimeuto
do fajto, prosegue nos termos da lei contra 0
mesmo.
Inquerito policiaJ. Pela subdelegacia
de B'.lein foi remettido ao Dr. juiz de direito do
respestivo districto criminal, o qua se levou a ef
feiio contra AntonioPoutes Marinho, macbinjsta da
companhia dos trilhos urbanoa do Recife a Olinla,
pelo facto do esma<:amenlo da Joaquioa de tal.
Paris <> mil do imperio -Com nove
reeebi los em nosso porto, leva 0 rapor Almeida
Garret 109 passageiros.
i:xi(<>rt;i<;;ii de escravos.-A bordo do
vapor Ceara acham se 93 escravos, vindos das
provincias do norte para 0 Rio de Janeiro.
Pnra a Europa-Com nove recebidos em
nosso porto, levou 0 Neva 162 passageiros.
Yaaor Ceara. -Sahe hoje as 4 horas da tar-
de para os portos do sul do imperio.
Vapor Goncalves Martins. Segundo
telegramina de Maceid, d-;ve h-jje d'ahi sahir para
0 nosso porto 0 vapor Goncalves Martins, da com-
panhia Babiana.
Asylo dc allenadoa. Consta-nos que
qiiiutafeira I" de outubro, havcia no lardira do
Cirapo das Princezas um conceito musical, du-
raute 0 qual dispor-se-ha do re to das prendas
ofTertadas ora favor do mesmo asylo.
O PostilUao. -Recebemo? 0 sexto numero
desse jornal saiyrico, e agradeccmos a rcraessa.
Dilciro.-0 vapor Neva trouxe para Joa
1 sobrecasa. de yai
REVISTA DIARIA.
Ilospicio de alienados.Os paianym-
phos abaixo Indicados enviarara as seguintes es
molas:
Transporte 20:500*000
Gustavo Adolpho Schmidit 900*000
Commendador Luiz Goncalves da silva 200-000
D. Clemeutina Theodora da Silva 20u<;00
21:100*000
Commisaario de policia.Por porta
ria da presidencia da provincia, de 28 do corrente,
foi exonerado 0 major Francisco Luiz Viraes, de
commissano de policia no municipio de Olinda, e
foi nomeado para 0 substituir Jose Hilario Paes
Barreto.
Mais douativos.Damos era seguida mais
um donativo para as obras do hospicio dc alie-
nados :
a Illm. e Exm. Sr.-Quando em dias do anno
de 1863, achando-me eu como professor da villa
do Bonito, suscitou-se am eonflicto entre a lega-
cao britannica na c6rte do imperio, offered de
prompto ao governo provincial nao so os meus
fracts services pessoaes, como sacerdoto; mas
tambem a insigniQcante coadjuvacao peuuaiaria
de cem mil reis, a deduzir-se de todos os meus
vencimentos em prestacoes mensaes de dez mil
reis, desde 0 1* de raarco do mesmo anno em dian-
te, para occorrer as despezas a fazer-se nas cir-
cumstancias, em qne se achava 0 governo impe-
rial naqualla cata, cuio agradecimento e aceita
cao foi-me communicado por offlcios do 9 de mar-
co e 6 de abril daquelle predito anno.
a Em dias do anno de 1865 quando, tambem en
na cidade de Nazareth regendo a respetliva ea-
deira publics, appan can a gnerra contra a repu-
blica do Paraguay ; e nao podendo ser indiffrente
e nem occuiiar os estimulos patnoticos, que nu-
triam em men coracao contra 0 desacato suscita
do por aquella repnblica sanguinaria, de minha
livre e espontaaea vontade offereci igualmente ao
governo provincial para, nao so raandar alistar-
me como capellao voluntario da palm de am dos
corpus, qae se achavam em organisagao naquelle
tempo nesta capital, como tambem 0 pequeno obo-
lo de cinco por cento de todos os meus vencimen-
tos, que entao recebia como profe-sor, a contar do
1* daquelle mez, por tempoindeterminado emqnan-
to conviesso 0 governo imperial mandar arreca-
dal os para as despezas da guerra.
a Com quanto, Exm. senhor, houvesse de mi-
nha pane toda a sineeridade n'este espootaneo
ofterecimento patriotlco, nto foram com tudo do-
vidaraenle aquilatodos e3ses sinceros testemunhos
de, patriotism) com a mesma lealdade de parte
doa-agente? do gorerno; porque tendo sido aeei-
to por aviso do ministerio da guerra de 8 de julho
do mesmo anno, nada me foi communicado, nem
tao pouo publicado 0 predito aviso na folna offl
cial do governo de entio I
a 8e bem qua contrariadn por aquella eventua
lidade, comtudo aehando me ao depois em Olinda
regendo a respective cadelra pnblica em 1868, a
observ.ndoque 0 governo imperial te achava ain-
da latando, e era xaiores ;.puros com as despezas
da guerra, nSo pude ainda resiit'r 301 estimulos I pret da refarila escola.
quim Jo.'e Goncalves BeUrao l Filho 1,317, em
ouro.
O vapor Ceara trouxe para :
A. J. Furtado & C. 22:895*1*8
A. Hyveruat 2:700*000
J. Krau-e 2:000*000
Aroorira IrmSos 4 C. 1:500*000
Alvares Quental & C 891*000
Carvalho & Nogueira 600*000
Domiogos Alves Matbeus 5il*O00
lost Rodrigues de Souza 490*000
Dr. Claudino de Araujo Guimaraes 457*201
Carlos F. Soares de Brila 391*090
J. F. Jefferson 30^*000
Jose Vianna Vai 280*C00
Manoel dos Santos Villaca 150*000
neclaracao neceasai'ia. Por ter sa
hido hontem com inexactidoes ura dos telegram
mas da agenda llavas-Reuter, repetimo lo hoje
em primeiro lugar.
Monte Pio dos benorarios do ever-
cilo.No dia 4 de outubro (domingo) deve ha-
ver sessao desta sociedade, na rua do Coronel
Suassuna n. 144, primeiro andar. para se proceder
a eleicao dos funccionarios para 0 anno de 1875.
Cidadao notavel. Enviam-nos 0 se-
guinte :
(i Lendo na sua Revista 0 nome de Joaquina da
Fonceca S. de Figueiredo no obituario do cemiterio
publico, e querendo evitar duvidas fuluras, vou
reclamar, que 0 nome e Joajuim da Fonceca Soa-
res de Figueiredo, antigo e bera conhecido enge
nheiro agriinensor, qne aqui no tempo do Bnado
conde da boa-Vista, quando presidente, occupou
0 lugar de engenheiro das obras publicas, tendo
occupado outros lugares publicos em outras epo-
cas, como na alfandega.
a Foi 0 unico brasiloiro que se achou como of-
ficial no exerclto inglez, no tempo de Napoleao I,
do qual foi prisioneiro 23 mezes, quando depois
veio para sua terra natal ; assistio a mmtas bata-
Ihas, entre ellas a de Solferino, Sebastopol, etc.
t Quando a Inglaterra mandou a Venezuella
uma expedicao, Ihe foi dado 0 posto de capilao,
que, depois de aceita-!o, recuzou para vir tomar
conta de sua mai aqai ao desamparo, por ter seu
pai fallecido Daufragado no mar no commando de
seu navio. como official que era da armada potto-
gueza. 0 nome desse cidadao esta ligado a todos
os acontecimentos desde 1796 na Europa, e aqui
depois de 1820, apresentou se em 1824 pelos car-
valhistas. Foi quem era 1824 derrubou a ponte
do Recife pelo motivo da revolucao ; foi preso por
ires vezes, e tendo evadido-se, refugiou-se no Bre
jo da Madre Deus ate sua amnistia; e voltando 0
governo logo 0 aproveitou nas obras publicas e
outras coraini.-sSes.
Vivea sempre no mato, como agrimensor, em
cuja classe deixa am vacua, porque ello foi 0 uni-
co que pode acabar, sa nao em toda a parte. e
por todos, ao raenos na maior narte, as questoes
de limites entre os proprietaries ; ella so qneria a
paz, caridade, amisade, tudo mais para elle era se-
cundario. Morreu pobre nacasa de seu lilho 0 Sr.
Thomaz de Figueiredo. >
Luso Brasilelra, No dia 27 do corrente
festejou esta associacio 0 It anniversario de 9ua
installacao, com nma esplendida sessao magna.
De manha, pelas 10 boras, os associados diriji
rara-se ao coaveuto de S. Francisco e ouviram a
raissa que a directoria mandoa rezar ao patriar
cha S. Jose. A's 11 horas, presente um avultado
numero de socios e convidados, 0 Exm. Sr. presi
dente da provincia e outras autoridades, e com
missoes de diversas asociacoes desta cidade, 0
Exm. Sr. presidente, Dr. Nascimento P^rtella abrio
a sessao, proferiado am eloquente disenrso, ten
dente aos fins sociaes e abertura das aulas de
francez e portuguez ; seguirara-se Ihes os oradores
das comtmssoes preaeates mais 0 orador da casa
0 Sr. Dr. Amorim, alguna aocios eReclivos.
A' noite continuou a sessao, prmcipiando os tra-
balnos as 7 horas. Pronuociarara diversos discur-
sos nao ae por sodos effectivos, como por alguns
convidados a foram recltadas tres lindas poesias,
um hymn0 da caridade, dedicado a associacio,
pelo Sr. Paulo Rtis, outrao porvir da mulher,
pelo Sr. Dr. Lopes Lima, e a outra -0 povo, pelo
Sr. Dr. nntonlo de Souza Pinto.
Os saloes estavam ricamenle adornados. A con-
currencia foi extraordioaria, ate as 10 horas 1/2
da noite, comparecendo mais de600 pessoas, entre
as quaes cerca de (24 saahoras.
Fardamento aos alunanoa da esco-
la ntilitar.O ministerio da guerra, em 28 de
agosto passado, dirigio aoxemmandanta da escoia
militar o seguinte aviso :
a illm. e Exm. Sr.-DecJaro a V. Exc, para seu
conheeimento e fins convenieotes, que, na forma
proposta por V. Esc. em seu offlcio n. 31 de 21 do
correntg, drv,>. comeedr a vigarar do 1.* de janiro
do anno pr ximo Future a inelnsa tahella do farda-
mento qua, segundo 0 disposto no art. 108 do ra-
guiamento da 6cola miHtar do 17 de janiro de
1874, tem de ser abonido aosaluranos pracas de
Joao Josi de Oliveira Jnnaueira. >
N.i primeira admissle e soiiiente
6*ri-j abonados aos alumnos
uo azul, 1 bonet^
de brim'pardo, I gravata' de couro envernisado
Una-, 1 par de sapatos e 1 mania 1a IJ eucai 11A :a.
No lim do primwro semestre de cada anno, 1 ca!
ga de brim pardo, 1 par de sapalos e I calca de
brim branco. No p:incipio de cada anno para os
que contnuarem a estudar, 1 booet, i bkkta's da
brim pardo, 1 calca de brim pardo, 1 gravata de
couro entwnizado Una,' 1 par Ue sapatos, 1 calca
de orim branco. Nj principio de cada dousaouos
para os qae continuarein a estudar, i sobrecisaca
de panno azul.
As pracas de pret que ae matricnlarem na es-
cola militar da corte, e emqaanto estiverem estu-
dando na mesma escoia, licarao privadas dos ven-
cimentos de fardamento a qua liverem direito pelo
respectivo corpo, sendo jastas de contas pelos
mesmos corpos ate 0 fim do anno anterior ao da
matricola.
Os mdividuos qne assentarem praca ne exercito
com destino a estodar deixarao de receber ids cor-
pos era que se aiularem 0 fardamento que gratui-
taroente se abona aos recrutas.
Macbina dc nova invencao.A' pre-
sidencia do Rio-Grande do Sul 0 ministerio da
guerra, em 27 de agosto nltimo, offlciou 0 seguin-
te :
Illm. e Exm. Sr.Convindo que V. Exc. infor-
me a este minisierio acerca do que for occorrendo
com a fabricacao que no arsenal de guerra dessa
piovincia esta axecutando 0 2.* cadete 2. sargento
do 5.* regimento de cavallaria ligeira, Augusto
Candido da Silva Martins, de uma machina de sua
invencao para navegar sem auxilio de fogo ou veu-
to, e acerca do que tralou V. Exc. em offlcio re-
servado n. 2,171 de 2d de julho ultimo, dirigido
ao ministerio da juslica, assim 0 declaro a V.
Exc. para sr u conheeimento e devidos tins. Deus
gurade a V. ExcJoao Jose de Oliveira Jun-
quetra. >
Scllo proporcioaial dos forneei-
nteusos.O ministerio da guerra dirigio ao
ajudaute general do exercito, eta 27 de agosto
proximo passado, 0 aviso que segue:
a illm. e Exra. Sr.Represeulando a reparticao
fiscal deste ministerio em 21 do corrente que das
contas dos conselhos cconomicos dos corpos a es
ta'.oes miliiares, cujos foraecimentos sao failue por
meio de cootratos, na 1 coifeta que se tenhi cc-
br..do 0 sello proporcional pelos mesmos forneci-
mentos, e nem por muitos recibos justiucat vos de
despezas superioresa SO*, convera que V. Exc. em
ordem do dia cbarae a atteucao dos mesmos conse-
Inos para as disposiyoes do regulamanto de 9 de
abril da 1870, nao so quanto a-. obngacOes alii as-
signaladas, como quauto as peuas oramimdas ans
iufractores. Dans guarde a V. ExcJoao Jose de
Oliviira Junqueira.
Duvidas a rcspeito do rcgulamen*
to das rclac#cs. Em 17 do corrente mez,
0 ministerio da justica expedio 0 seguinte aviso ao
presidente da lelacao de Pernambuco :
Em uili'io de 2 de julho proximo findo, sub-
meltau V. S. a cousideracao do governo Imperial
as duvidas susciladas na uxecucao do regulameulo
annexo ao decreto n. 5,618 de 2 de maio do cor-
rente anno. E, am respoata tenbo a daclarar :
Quanto a (.' duvida, que acertadamente re-
sol veu a V. S., enlendaudo que, segundo os arts.1
116, 117 e 128 do citado regulamento, a attribui-
cao dedar vista as paries para o relator da ap-
pellacao, qualquer que seja a natureza desta.
a Quanto .. 2.*, que, em face do art. 83 do me?
mo regulamento, 0 presidente do tribunal, como
relator das paticoes de habeas corpus, pode disco-
tir 0 merecimenlo dos autos, e deve votar na deci
sao.
Quanto a 3.*, finalmeDte, que, confurme se ac-
cordou em tribunal, a vista do art. 8 daquelle re-
gulamento, deve-o referido presidente na qualidade
de relator, escrever nas pcligoes da habeascorpus
as decladea que sobre ellas se profarirem.Deus
guarde a V. S.Manoel Antonio Duarte de Aie-
vedo: '
Multas por infi a. <-. de posta-
ras. O miuisteno da justica, em 16 do oorrente,
dirigio 0 seguinte aviso ao presidente da provincia
do Maranhao:
Illm. e Exm. Sr.Com 0 offiiio n. 35 de 13
de abril ultimo V. Exc. snbxetteu, por copia, ao
conhecimeeto do governo imperial a deeisao que
dera a uma consolta do 3." juis de paz da paro-
cbia da Barra do Corda, e 0 offlcio que Ibe dirigio
0 juiz de direito da com rca de Grajaud contra
aquella deeisao, na parte relativa a competencia
dos liscaes das camaras municipaes para iraporem
multas aos iufractores de posturas, e quanto a po-
deram servir de testemunhas nos autos de infrac-
Qao pessoas analphabetas.
1 Em : fsp i-ta. declaro a V. Exc que iacumbe
aos liscaes vigiar na obs^rvancia das posturas (art.
85, parte 1.* da lei do h* de outubro de 1828), e,
dada a infraccao, lavrar 0 anto com assignatura
de duas testemunhas e remettel 0 ao procurador
da camara municipal, do conformidade com 0 art.
45 I." ii decreto n. 4,824 de 22 de novembro da
1871; eque as possoas analphetas uma vcz que
tenbam presenciado a infraccao, podera ser tesle
munhas do resoectivoauto, as-ignando alguem por
ellas a seu rogo. O que V. Exc. fara constar ao
juiz de direito da comarca de Grajahii. Deu
guarde a V. Exc Manoel Antonio Duarte de Aze-
vedo.
Companhia deSeguros de Benilas
Prcdiaes. O decreto 11. 5,702 de 31 de julho
ultimo concedeu a Jose Xavier Ferreira autorisa
cao para incorpcrar uma companhia destina-
da a arrendar predios de particulares e sublo-
ca-los.
I 'd-li/'iooar o 111
pr nnra tree, ,.ue se poJarem uiltr.
maior nu-nera de dados eitalisticos
->l'|ue se poJaram uliltr.
"j v sf*jfrl.ito:io; serao dlscniilos e approvados
2 blu-as de briqi pardo, .2 calras p,.;a Hs*jciaelo e o resutodo" da vot igio sera % a
i-.vpressjo da opinwio da associacio sobre o as-
sumpto.
" Esfes relatonos serao impressos e annexados
ao reiatorio annual da associacio, onde se fara
cuencao. -^^-r- _^r- air*
Um exemplar sari reneWdo em marco a
secraaria de agricultura, coiaatercio e obras pu-
blicas. Sala das se.sdes, em 27 de agosto de
1874. J. A.de Asectdo. a
Passando-se a ordem do dia, recoraraenda 0 Sr.
presidente a altencao do couselho e dos membros
da associacio 0 assamplo da ina'-ruccm rural. O
Sr. Dr. Nifcolao Moreira lerabra a convenience de
nornear-se uma comm^sao para forraular un>
pareccr que sirva de base a di-cussao. Faz di-
versas consideracSes a r>. speito do as-umpto, apre-
si.-iiiaado as bases era que no seu entender deve
lirraar-se a organisacao da instrucjao roral.
Entre outras Ggura a reforma dj ensino em geral
no sentido da ioteira liberdade (ensino livrei qoe
parece comecar a appareeer. O Sr. eflawaaaisdor
Azevedo julga que se pode tomar para base da
di-cussao 0 regulamento da iuslruccao primaria da
piovincia, pois pare:e-lhe iu'onveaienta qoe naa
esc.das ruraei se faca nso dos mesmos dntplbdios
adoptados nas escofas da cOrte.
Que a instrdecao deve ser apropriada ao futuro
desiino do meniuo. Qua os fllhos dos fazeadeiros
sao edii'-'ados na .wte, sendo as escolas ruraes
frequeniadas tao s-miaote pelos owihnos eaa mais
tarde teem de voltar So campo para ajoaarem o
p.is no ?manho da terra, pelo qoe eaWnde qae
deviam ser introduzidos do pr.-fera.i:ia nas escolas
ruraes o9 compendios qup mais di:e>?tamente_se
ligam a agricultura, 0 calhccismo e a technologia
agricola, etc., afim de que sem perdfrera um
tempo preci0.-0 os meninos ao sahirem da escoia
nao ignorem os mais simples rudimeutos ire olfldo
a que sao destinados. .
Lembra igualmente a convenieneia de raedifi-
car-se 0 regolaraento da escoia normal, no sen-
tido de se crear e preparar 0 de q ie mais neces-
sita 0 paiz, 0 mestre para 0 discipulo.
OSr. Frederici de Albuquerque trata tambem
do assurapij, encarando a competencia da aso-
ciac.ao para iaiciar os trabathos da reorganisa\o
da instrncQao rural.
Finalmente 0 Sr. presidente occupou-so da
materia, discorrendo largimente sobra a necessi-
dade palpitante de setndhante reforms, tjue trara
ao paiz vaotagans incontestavois que muito iufiai-
r.io para 0 desenvolviraento da agricultura e da
riqueza publica.
ipuramento do cenao. O total da
apuracao r^ita n directoria geral de estatistica ate
21 do corren:e e de 8,548,480 habitantos em todo
0 imperio.
Telcgrapnia. Com 0 titulo de Quitro
desp-jchos de uma vez por um s6 (lo, 0 HeienFrfic
American Ae io de juiho estampaque um novo
aperfdeoamento acaba de ser introdazido na tele -
graphia petos Srs. Georges "Fresco t e Tcomaz
Edison.
O primeiro desses iovanlores e 0 muito confieci-
do encarregado do telegrapho na Western Union
Company.
Quanlo ao Sr. EUscn, e?s? tem posto maior
numero de modiflcacJSes praticadaa na talegraphla
do que ninguem no rnundo.
O seu sy-tema foi experimectado com sueres'o
n3 propria offlcina da companhia Western Union-
em Nova York.
E' nm novo modo de transmissao multipla e
pelo qual dous despachos podem simultanea-
raente ser expeJidos na mesma direccao e pelo
raesrao fio, cala qual podendo ser recebido em
um p mto qualquer do caminho.
Combinando-se os systemas em voga e a nova
invencao pode expedir-se quatro despachos ao
mesmo tempo pelo mesmo fio, doos em nma di-
reccao e em outra d^us.
Calcula-se que a applicacSo do novo systema ha
de quadrupli-ar a renda das 175,000 milhas de C09
que possue a companhia.
Ctuarda naeional. Lemos no Pxiz 3o
Maranhao : nn ,
18 de agosto. No anno de 1831, foi neste
dia promnlgada a lei que creou a guarda naeional
no imperio do Brasil, e que extinguio os corpos
da milicias e das ordenancas.
A nova instituicao ostentou 0 caracter pura-
mente demoeratico que tiveram as leis com que 0
poder legislativo dotou a naeao durante algnns
annns da do.ninante inflencia do partido liberal,
viciorioso desde a abdicacao de D. Pedro I a 7 de
abril de 1831.
Os guardas nacionaes clogiam os officiaes das
companhias, estes os commandantes des corpos, o
poder executive ua capital do imperio e por seus
delegado?, os president s das prqviodas, nomeava
os commandantes de legiao. De quatro em quatro
annos deveria rcnovar-se a eleigao dos offlciaes e
commandantes.
a Ate a promulgaelo da reforma de 1873 a lei
da guarda naeional sofireu lantas, tao diversas e
tao consideraveu alteracoes qua mnito teria de
escrever, quem quizesse apenas indical-as; certo e,
potem, que a sua organisacao,.esseucialmente de-
raocratica, nao pode resistir a experien;ia de pou-
cos annos.
Aiuda assim e com todos os seus deleitos orga-
nicos, a guarda naeional di lei de 18 de agosto
prestou services relevantissimos a ordem publi*a
e foi ura dos mais fortes elementos sustentadores
das instituicoes do imperio no primeiro periodo da
minoridade do Sr. D. Pedro II.
Precisamente na capital, a cidade do Rio de
Janeiro, essa milicia civica tanto se distinguio por
dedicada e inlrepida, combalendo revoltas, man-
tendo a tranquillidade e firmando 0 prestlgio e a
accao do governo, que raereceu de um .minisiro
energico, homera stoico e cidadao patriota, cm
breves palavras 0 mais pomposo elogio.
0 Foi uma resposta rapida, condsa, dada de
subito e digna dos anligos heroes gregos e-Vo-
manos.
a O padre Diogo Antonio Feijo, ministro da
justica desde os dias mais perigosos e aterradores
da eapiul do imperio em 1831, e ministro de von-
tade, de coragem e de civismo inabajaveis, acaba-
va em 1832 de ler 0 seu reiatorio perante a cama-
ra temporaria, quando chegou-se a elle ura depu-
tado e em voz baixa perguntou-lhe :
c Vossa excellencia tem quarenta mil soldados
para ustentar as ideas do seu reiatorio ?
Fdio vojtou-se e respondeu rapidamente:
t Nio ; mas tenho quatro mil guardas nacio-
naes.
Congresso de Bruxellas.Sob a ru-
brica Jurispruiencia, encetamos hoje era nossa 8*
pagina a publicacao de um minucioso resumo dos
trabalbos do congresso international qne funccio-
nou na cidade de Bruxellas, capital da Belgica,
para fixarem-se as regras a seguir em diversos
pontos do direito publico. Recommendamos a sua
leitura.
Instltuio Arcbeologrieo e cseojrra-
phico -llavera amanha sessao ordinaria, no la-
gar e bora do costume.
iiii.liotn.-< ;i de algibeira. -A's ltvra-
rias desta cidida acabam de chegar alguns exem-
plares do romance A viscond-.ssa Alice, do escrip-
lor frincez Alberi z Second, verlido para portuguea
por conta do Sr. B. L. Gamier, livreiro editor a
rua do Oovidor n. 63, no Rio de Janeiao, pelo dis-
tmcto littarato 0 Sr. Salvador de Mendonca,
Esse romance, em doos volumes, veio enrique-
cer a grande colleccao deuominada Bibiiotheca de
algibeira, propositalmente creads par* cbegar a
todas as classes da sociedade, pois quo custa ape-
nas mil reis cada volume.
Agencia telegraphica americana.
Dmos era seguida os lelegrararaas recebidos ao
Rio de Janeiro pela directoria desta compaohia :
Paris, 17 de setembro. Concluio-se 0 processo
instaurado contra os individoos accosados de an-
xiliarem a fuga do ex-marccnal Bazaine. Dos fc-
poimenms feitos pelo commandante da iiba de Saa*
u Margarida, coronel Villete, Bazaine Sobrinha e
outros, ficou provado que para realU&r ahoa fuva
ojprisioneiro foi auxiliado por pessoas a quem aao
cabia respoasabilidade na sua guarda- Ficou re-
conhecida a cumpliddade destas pessoas. Por
parte daqaelles a quem a remonsabilidade tocaw,
provousa nao ter bavido a rigorosa vigilaacia exi-
gida pelas condieoes do lagar. O tribunal eaten-
deu daver condomnar algous dos accosados, fun-
dando se nestes pontos. O coronel Villete, PJan-
Esta companhia tera a sua sede nesta corte e
em Nictherohy, e obriga-se a garantir aos pro-
prietaries os alugueis, a satisfazer os onus a que
estao sujeitos os predios, exclusive laudemios, sizas
e exigencias relativas ao nivelamento das ruas,
alinhamento das casas e pagamento de hypothecas
ou quaesquer outras obrigaQSos a que estiverem
sujeitos. Obriga-se tambem pelo valor dos pre
dios contra incendio ou ioundacao, ficando aos
proprietaries salvo 0 direito de optarem entre a
reconstruccao ou concerto dos mesmos predios e
0 pagamento das avarias. Prove de peanas d'agua
. s predios. O sea rundo social sera de 2,000:000*
divididos em 10,000 accoes, e durara 40 annos.
Deve eslar Incorporada dentro da dous annos.
Ajiidas de custo. -Mare ai se ao juiz mu-
nicipal e de orphaos dos termos reuuidosde Lavras
e Varzea Alegre, bicharel Joaquim de Andrade
Portu na, a de 600*, e ao juiz municipal e dc or-
phaos do termo do Pilar, em Alagoas, bacharel
Francisco Jose da Silva Porto, a de 100*000.
Ministerio da marinha. Por titulo de
22 do correute foi nomeado Antonio da Rocha
Gandavo para o lugar de fiel do deposito dos arti-
ges bellicos-do laboratorio de marinha, estabelccido
na Armacio.
Reginaento de custas.Por decreto n.
3,737 de 2 do corrente mez foi approvado e man-
dado executar o novo regimento de custas.
Cniuenciio postal,0 decreto n. 5,743
da 16 do corrente promulgou a conven;ao postal
celebrada em 30 de marco deste anno, entre 0
Brasil e a Franca.
CortHelno de guerra.Por aviso de 14
do corrente 0 ministerio da marinha declarou ao
, judanta-gcneral da armada, para os tins conve-
nlentes, que foi deferido 0 requerimento era que 0
capilao de fragata Barao de Taffe insiste pelo corf-
selho de guerra, afira de justificar se das acusa-
coes, qoe Ihe sao feitas era conseqaencia do ca ti-
go applicadoa Francisco da Paula Ciroe Lima, fo-
guista do vapor Para.
Licencas Concedeu se, pelo ministerio da
justica :
Ao juiz de direito da vara da provedoria da co-
marca do Recife, Manoel Clementino Carneiro da
Cunha, por tres mezes, sem ordenado.
Por am anno : ao juiz de direito da comarca da
Maiondade, Vicente Candido Ferreira Tourinho,
por 2 mezes com ordenado. Ao secretario do tri-
bunal da relacao da Fortaleaa, bacharel Praxedes
Theodulo da Silva, por 2 mezo* com ordenado.
Associacao brasileira de aclima-
cao, Na sessao de 12 do eorrente foi lida e
remettida a seccio de acelimacao para sobre Hla
dar parecer a seguinte proposta :
< No intuito de facilitar 0 estudo das questOes
que mais de perto imeressam a associacao, 0 Sr.
presidente cmvidara os membros que quizerem
melhor auxilio prestar, a se encarregarem de
apresentar as r.eces;idades e os meios de promo-
ver 0 desenvolviraento" das diversas espeeialidades
com os fins da que tratara os I*, 2* e 3* do art.
1 dos eslatutos, escclhendo u.na ou mais espe-
eialidades.
0 membro qus se tiver encarregado do qual-
quer especialidade obriga-se:
1* A afopor e solicitor da associacao tudo
quanto Julgar tendente ao I'isenvolvimjau da es-
pacie de qoeseflohar eocarwisailo.
2" A forraular ins!:-: <") j pratioa^, quando
soja necesiario, para w tons;guir 0 u'm daie-
jado.,
t/p A apresontar um reiatorio annuaL, 0 mass
DJitsfuarde a V. Escjlclrfumslancia-lo que /or possival, procuran.16
tier e 0 aobrinho de Bazaine foram conderanadoi a
seis meze3 de prisao, capitao a*naeau adiuse Gi-
heuK a um. A imprenaa accosa 0 tribunal de ter
siJ) demasiado clemente para cjm os recooaecidos
cumplices de Bazaine. Ante hontera teve togar a
priraeira sessao do congresso postal eat Iterae.
Assislirara nove delegados. Ao inaugorar os tra-
balhos 0 rapresemaate da Alleraanha agradoceo a
prompta annuencia'dos seas eollefas. Disse que
sa toruava u-gento combinar eoj uma reforma
comphu para melhorar 0 actual systema postal,-
t-.nio n h precos como na ci.-culacioe perrautacio
das conespond}neias. Atmuucioa que apresen-
tiriaum proje^lo aesse sestido em noinp do go-
verno n-cni.-. Continaa a fallar-se na vinJa do
w_


i


-
Duttio d Periuuabiico Quarta.
30 do Setembro d*v Iftfe
t
>aaiaucl. A inarea-a pile exoli;a-
(Mujn U *ea proprietorial iBpsJson para
oaaseaa; du Mr silo arbilrario o
! 4* gjvdraaJor miiilar.
* Ae bbIbbbbbb, A raouiao in commissao
fMjlo l*si psviliia pela vije presided* di
MnHu, per actor se aasenle o presideate Buf
lift- Wm saearpeMad.) o feverao sobre a' 9aspens;io.
4aiiaaaaase settr* a reeUnaacao dj represenlanie
4a Alaaneaa coa rafareaeia am ncgoci >s da Hes-
sueaa. Hi osiaistros deraia explicates 0 d >*
aeaaraes traageir aisse qae exis'.ia a inelh>:
kaaril tjatr* a Allemanha ea Franca sabre a
QUii 4a He^paaha teado-se trosaJo as neces-
BBBBii i|,iiiiii F..i appro vado o procedimento
4asaaaaa. Oj repablicaaos gaubaram as elei-
1*5; aas Aauliu*, la distil foi eleito por grande
Hun. O re*aludi das eleicoes no Maine e Lii
tr fa aas caaaesa favjravel. Carre aqui qae o
| sfaaanrjaez amear ou a PrasSi i com a
i sabdiios prassian .3 do sea lerriterio,
asses as mediias de rigor ordenadas
OS liainarqaeze* dj S:hle.-wig. Diz-so
a foe o lapresealante da Dioamarca, em
.pafira ca mos passaporles. 0 projecto
ado del ^g ado di Alleiainha no con
grafts* aayraaaoa*! de. Bern) eslabelece a troea
M cartas de ura paiz para oulra Os de-
leatttiu, U.-spanha, binamarca e Belgica
39ia,
4732,
5445,
am
ra.
17 4t setembro.As noticias de guer-
a ser desanimadoras. As fac;5es
i sae lioaara eotrad na provineia do Caen
i a saa capital no dia 15 d i corrente
14* Caeaca fuiilia. ate qua uma ca
> 4a praeae repellio o iniraigo.
i fcoalea reforc > para o exereito do con
i aas geaeral Caierni se prepara pa-
a* rsrac>*s do exereito in Xavar-
> j'i aio inspiram mais confian
i a Jeai aslra o desanimo que coaliniia
, apunr 4* bom resalta Jo do emprestirao
Paris. Espera-se o eoabaixador
X *jcias de Caba dizem qae as insurgea
i apuAerar se Jo quaniidade de ma
iSial parieacjote ao exarciu taespanUM.
14 de setenbro. O governo italiano
para se rcanir cm Milan o cm
sjsaart typraj-h:<'o. Esta mareadj a reuniao pa-
ra c4ia" 1* it outabni Esla gravemente daenie a
aaqaeza J* Aasta Nit se confir.nou, como sup
Ra artda da m me de GaribilJi; o seu esta-
airaanio da esperan^as. Os joruaes ditem
>sfear = -a satale peso priacipe Amadeu, Foram coa
4sSBaaLH a sar (.z^Jm em Palermo dous dos
kaaatas* ansijacir-.iv Foram reconuecidos como
nbras4ev.rios assastiaataj. Dizam de Roma,
*e a> awz ae aovembro (era lugar an novj cm
X*n-Yik. J7 de sitembro.Rebentou urn
-t caat'cM n Eslad) da Luziania entre o-
anar>sf s aegras. 0 gtveraiiir Ktllog maa-
4sa sacianr o* erap <* arraado? a dispersarem. A
lsr.71 4aslc>as.M cjBUaaa p>rom a avancar so-
an Soa Orlcaas e tevf ura eocontro com o ini
asfaarxiara d eidade. Mir;;ram na 1uta 30
Aeraiad) ia prdtefer os pretos, o go-
encalroa *JaJ0 na populaijao de
*ra ftiliaai. a qaal se declaroa em r ivor dos re -
E aanai KeMig. esciiheado am oalro governadur.
Oaw stisa.1 Gra&s inf >rmal> des'.e aconte<-imen-
a, dkaa aaTe-lka(em a Wa>hiugl-n, de onde se
fariiran far;i fedotaes para a
O -itf-ic do gjvern-i mandou ialimar os
i par* en'regareti a cidadt*, fazen i > sa-
il v a saa resatarao dc su-:?nlar o governalor por
- 4s|i'. Xj cas> de resis'eucia, as tropas
fsastaas laea ord-ai para eatrar a forca na cida-
saan ss (jic 1'ajni pos?a resoltar oulra
icai o d: Arkmsas. Xa Carolina do
i s receia a^it3^i) por cau>a da ani-
aaaBaal* cans aretas braac^s. Aqui tambem
se *Vs -rta graale movimaan p ir pi te dos parti-
4 aae se r^eparam para as proximas elei-
M 4e seasai'.rx -F A fitaa intima^ao em no-
ifoaerat feWal at- roaoltJSM de Niva-
V ar-va calroa na ciJale sern ter aos-
ila. O gi*eraad t p ir eiie. e?colilo Jecla-
jae ae r^ala a iatima.>). appelUnl) para a
stnaoaaes dajaeili cslado. 0 SOeMO
ila. Os grnpos de n?gros armado*
fissjers-ras. Diz-se qae o g iverno de
jb protege a idea la reuniao de a a con-
m ai Lima pi-a Lrat^r da independencia de
aav lYaU'Se 4eargaais3r uma corapanhia de
ra a Amenra do Sul, fazendj riagen?
: a* Ro da l*rata, ucandj em alguns
asA.
^.-ande dj Sal, 2* de setembro. A Knhi
i-aaara aajaaraa esti interrompida na
aaas 4e 71 aoras, em c a psaass fas leera K.aado. >
Saaaas, Si de s-tembr->.Cafe : venderara se
li,a> i aha 4e tV) rs. meri-aioanimadis
siat Est"ar-a de L't-.-id! o logar iagtes An-
sa!ntiea4ei galera allema Alndus com
disir!ii!iiP.ira. Annan
mi d pan) fit desd) o dia 12 dj
: e-taj cilocaiis na exti'emilad; do bau-
Xraas-tra asBBcanls, tresaoias pi a tadas do
pave a, aae 4etenaiaaTi o li.nite jo caaal pen par-
av *es de *ai *!.-*?cao.
A ansatsra, c i; xrada na ponta N. da banco, as-
a Isbbbtm d> fan It en baixa-mar, derao-
nali fci a f. N'Eeo Castel-
uaaS.
A 4 eaeia esta eaa 3",3 le fundo na mesma cir-
, teal i o forte da Barra pir 26' N E, c
is sr I* S E.
Aiercesra eta aa mesma profuadiJade dado
lae o f jrts da Barra por Jf.VE e
i aw A' S E, rumi- magneticjs
iba iHrsr '.tkir.t submarina do
,-0 Xtc-Ytrk Herald, de 15 da preterilo,
i ea saa f Iha de 2J do passado, o seguia-
iaa Ae Kiagst^a (Jamayca):
i eatre Given* eD'morara so pode fi-
: aaaaaaaro. Ovajor Hooper vai
vjfc: a Ea- -pa para ?rjrn>ver-se de mais cabo,
14> 4jarr a tmbi entre Deraerara e Jamayca.
tayaz Leraos no Diario do
Jexaair^ Fran^isci Gomes acaba de
ua viagem da provineia de Goyaz,
as 991 cabecis d? gido com destino ao con
: a* aissa capital.
qne resolve o difGcil problema do
: A; caroes erdes era o niss.) raer-
H-4II4S do galo diju-'lla procedencia,
4a proriaca do Vlaraahao.
pe o Sr. Alexandre dmes lutou
-iriflcios na condac;ao do gado
de onde partio ate o lugar em qae
i as acba o mesm > gado, porcorrendo
Is eegaate -rodo :
. Vmi ao Alto Tocantins por
S. Tieeate a aurgem direita
4a lie Jstafaara, abaiao da cichoeira
at la.
Traaeasia d i Aragaaya para a mar-
paa Ast-aaraa, aa P Da Porto 4a barca a S. Joao do Ara-
gm*va............................ 10
a* S. I ias 4j Aracnara a Praia da
..........:........... io
, 4a Raiaba a Itaboca..... 8
tses a Itapipacd.......... 20
89
O
i acba se aa ilaaltapipaed.einformam
JaT. Gtaes, veai'i-se em serios embara-
nMBana sraHSMTU Io a e eff^bxar a Sr ar -^sVate 4a provineia, expon io Ihe a utoa-
cafc aajaal ea qae se acbava, e pedindo Ihe q.ue o
ansa-ae a -akiir d'ess pnsicio.
t Caa-BK qae o Eim. Sr. presidents da pro
aeaa fax b a acotuiaento ao Sr. Gomes, dando as
situs pruaaaacias para remover as dllOcul
i aae efle se via Vai partir am vapor da
a 4e aavegicao e commercio do Amazo
aaatsli. para o hsgar em qae se acham as
SH uati^n a> gado, afin de conluzi Io para esta
4nas a prestdoacia or lens ao thusonro
de aej&siaade, comprar o gado 4
par coota la provineia *
> tUu ale Jianeiro -rResa-
1 lotera (SW.*) em beaefoij do
1 i aasarasrin exlratnda a 2i do corroate:
u.tm.....'.;..:.......... *,:0JiL'i s.44bb..................... tomnan
V n..................... 4:0001000
M.J1II...................... 200W000
Ss. UTaeSSSil:O0Qi a cada am.
Ss. 4a. aaaS, 1*7* S339 -8001 a cada am.
aa-aaaVSaa, 1156. 10S1, XM, 31*7, 477,
US aaSffaSBU -9N& a cada um.
Sa aaa. Wi.. 6a&, 8z4, jOIS 12)1, 1621,
17am. Saav. taV taafi, 2601. 2701, 3526. 345i,
trm. SMt, Uft 4M7 -MOi a cada am.
Nb 47. 114. Hs, Abb. t, 4U, S67, 088, 7*9,
7W, 77, IM?. 1190, 1225. *, 1343, 1534,
1867, 1777, Wli, 1896. 1973,2066,1097, 23i6,
2J6J, 702, t7l8, 2748, 28*3, 2898, 2923,
3195, 3J3J, 3239, 3392. 3602, 3710, 3714,
404J. 4110, 4532. 4602, 4607, 4628, 4709,
4296, 4905, 5067, 5080, 5131, 5260, 5300,
.ji73, 5i98 e 0618-104 a cada um.
liOtcria da BaliJa.Bedurao 4a listt da
6* lotoria, a benelioia de reeotbimento de S. Ray-
mnndo, extrahida a 26 do corrente :
N. 29iG...................... 5:000*000
N. 3166...................... 800*000
N. 1970..................... 500JO00
N. 1377.....'................ 2 Ns. 1936. 987 e 1487 -100* a cada um.
Mb 1307, 1615, 644, 2742, 3435 e 1198 40*
a cada um.
Ns. 1088, 2917, 143, 1630, i7692, 3457, 1929,
98, 1038 e 2252 -20* a cada um.
Ns 554, 110, 150, 2426, 1869, 1775, 2162, 931,
3J5, 835, 63, 705, 1422, 3081, 472, 1269, 2417,
1136, 1229 e 264-10* a cala um.
.IIimIum aovas. Chegaram a rua 1* de
vlaro,j n. 13, loja das columnas. do Sr./Aptonio
'3orreia de Vasconcellos, entre outros arlfgos de
moda, os seguiatei:
Muito iiiidas sedas de cores lisas e acham,alo-
tadas, fazenda de inteiro gosto e boa qualidade.
Molernos cortes da vestidos de blonde para
noivas.
Superio.-es las com mescla de seda, liias e com
listras assetinadas, faienda da ultima moda e de
lindos gjstos.
Cortes de ve3 ido de cretone, bordados a seda e
iL-o:n,ciuhil,> dos couipeteoles.tigariaos.
Cassas de cores de varios padrSes e novos de-
senhos.
i-i)t>ria. A que se acba a vonda e a 118
a beueilcio da igreja do Livramento de Pao d'Albo,
que eorre hoje.
Casa de detenefia.-Movimeato da casa
detencSo do dia 28 de setembro de 1874.
Existiara presoS 316, entraram 2, sahirara II,
exislem 307.
A saber :
/Naciouaes 242. maibares 7, estrangeiros 21,
Scravos 35, escravas 2. Total 307.
Alim-)nU.k>s a oust* dos cofres publicos 246.
Movimento Ja enfermaria no dia 28 de setembro
le 1874.
Tove baixa :
Florencio Visira da Cruz, edema.
Tivoram alta :
Manoel Antoaio Leila Cabral.
Manoel Fransisco da Silra.
Pasaageiros. Chegados do portos do
norte uo vapor brasileiro Ceard :
Engenheiro Antonio A. dos Santos Souza e sua
senhora, Jose B. Pereira, Antonio Fernandes, An-
tonio C. Bom, ilaaoel da Costa, Antonio Bionda,
Maria Bionda, Avelino V. Guimaraes, Luiz Keller
e sua familia, Servio A* Branw, Maria F. de Je-
sus e I filho menor, Quinliliano B. Uenriques e i
flIUo m^nor, Joa 1 Antonio das Neves, Jose T. Ozo-
rio, Domiiigos J. de Saboia e Silva, Ootavio A.
Mello e 1 criado, IIoyses (livre), Manoel de A. Bel-
monie, tcneute Felix H. do Rego, Alipio D. Ma-
chado, Josuin) de Souza Figueiredo, Etelviao B.
da Si'.va Barbosa, Jofio B. de Magalha^s.
Sgu?ni pa'a 0 sul no jnesinj v*por :
Aprigio <1. Prnenca, caoitao E. C. de Mello, Eu-
ru?e de M. de S)uza, J. B. Pinto, L. SoJy, Maria-
ni de J. Corroia, Virginia da C. Marques, cadeles
Arthur dos R. IUir.1, G. da Costa, A. A. Valente,
Altino D. Ribeiro, C. C da Silva, Matheus C. Mon-
teiro, 1 cabo de equadra, 6 recrulas para 0 exer-
eito 1 flito para a mariuha, B. L. dos Santos, Dr.
F. J. G. Collie, e sua senbora, capitao H. C. Mar
tins, Maria Rita, Maria das Merees, 5 deserlores,
13 pra^as do exereito, 5li escravos a entregar.
CnagaJos aos portos do sul no vapor inglez
Neoa :
Joao V. da Caona, J. J. Manoel Coruack, Joanna
B. Pinto, F. Jardim, Joao tieodes, Jose N. de Souza.
Chegados da Earopa no vapor poriuguez
Almeida Garret :
Baebartil Demosthenes Silvrira Lobo e seu sogro
Jiaquim Teixeira Peixoto, Jo;6 R. Soares, Gertru-
des Moreira, Francisco Gomes Viegas e Antonio
GooQalves Agra.
Sahidos para Europa no vapor inglez Neva :
' Jose dos Santos Moreira, Narciso Jose Netto, ca-
pilao R. \V. Doyle. Guilh rme J mus da Silva Corl
Spilber, Jaan Travnl y Roset, Adolpho de Brito
Tavares Cordeiro Bruno, Kruckenberg e Angelo
Santini.
Cemiterio publico. Obituario do dia 28
de setembro de 1874.
Luiz, branch, Pernambuco, 2 meres, S. Jose ;
roseola.
Manoel Jose da Silva, branco, Portugal, 72 an-
nos, viuvo, Afogados ; febre psrni-iosa.
Joao de Souza, pardo, Rio 'irande do Norte, 30
anaos, srIteiro, Boa-Vista, hospital Pedro H ; tu-
berculos p.i'.monares.
Antonia d) Carmo, preti, Peraambuco, 60 an-
os, solteira, Boa-Vista, hopital Pedro II ; ente-
nte.
G rtradee Maria da Conceicao, preta, Africa, it
annos, solteira. Boa Vista, hospital Pedro II; eule
rite.
Pedrc, par Jo, Pernambuco, 10 mczes, Boa-Vista ;
eoavDlsoes.
I HI5H V II., Ill EIA1*K>
SESSAO Ea 29 BE SETEMBRO OE"l874.
PRESIOENCIA. DO EM. SR. COSSELHEIRO
CAETANO SANTIAGO.
ySecretario Dr. Virgilio Voelho.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
einbargadores SiUa Guimaraes, Lourenjo Santia-
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Accio-
li, Domingues Silva e Souza Lea 1, deixando de
comparecer com cauaa 0 Sr. desorabargador Mot-
ta, prjeurador da coroa, abrio-se a sessio.
Em seguida 0 Dr. secretario procedeu ao sorteio
dos adjuatos para julgamentj dos seguinles ag-
gravos :
N. 61. Aggr*vauO Joao Tavares Ai Mtllo Ju-
nior, aggravate Jose Joaqunn de Castro Moura.
Foram sorteiados os Srs. de-embargadores Reis e
Silva e Aecioli.
Jf. 60. Aggravantes Antonio Ferreira de Car
valho, Tasso Irmios e outros ; aggravados Rodri-
go Ferreira & U. e outros. Foram soiteiados os
Srs. desembargadores Souza Leao e Accioli.
JULGAMBNTOS.
DenuociaReinaldo Gaagstves Torres, contra 0
iuiz de direito do OuricurjrDr. Antonio Lopes da
Silva Barros. Relator 0 Sr. desembargador Lou-
renco Santiago. Aljualos os Srs. desembargado-
res Almeida Albuquerque e Souza Leao. Man-
dou-se iuquerir testeramhas com s;iencia da
parte.
ReJursos crimes.
D Pilar.-Rejorreato 0 juiz recorrido Manoel
Francisco d 1 Nascimeato. A-ljuntos os Srs. des-
embargadores Aloeida Albuquerque e Silva Gui-
maraes. Improcedeate.
Do Bonito. Recorrente 0 juizo, recorrido Ma
noel Joa (uim dos Santos Gitirana. Relator 0 Sr.
desembargador Almeida Albuquerque. Sorteiados
os Srs. desembargadores Domingues Silva e Silva
Guimaraes.Improcedente.
Recorrente Jesuiao Archanjo de Albuquerque
Panantes, recorrido 0 juizo da flseada. Relator 0
Sr. desembargador Domingues e Silva. Sorteiados
os Srs. deserabargadores Accioli e Lourenjo San
tiago. Dea-8e provimento.Despronunciaram 0
recorreute.
Da Victoria.Rocorrente 0 juizo, recorrido Ale-
xandre Alves Ferreira Relator o Sr. desembar-
galor S >aza Leao. Sortealos os Srs. deseiobarga-
dirts Lourenco Santiago e Domingues Silva.
Improcedeule.
Recurso de fallencia
Roeorreote o iuizo espacial do commercio, re
corrido Maaoel Martins le Azevedo. Relator 0
Sr. desembargador Soaza* Leao. Sorteiados os
Srs. dose ubargadores Reis e Silva e Accioli.Im-
procedeate.
Appellacoes civeis.
A>pe:lante ^quiiino llezerra de Menezos, appel
lado Jjse 'iavalcanfe do Aibuqaerque.Despreza-
d)- os embargo*.
D'Olmla.Aooellante Manoel Elias de Moura,
appellalo Mamel Calias Barreto. Nullo 0 pro-
psso de folbas 320 em diante, pela iacorapelencia
do procarador constituido.
Oo Recife -Appellante Bellarmino Alves Aro
cha, aupelUdu Manoel, por sea curador.Refus-
al ou-se a sen ten,'a.
Embargos infringentes. 1
Embargante a canura municipal de Cimbraa,
embargado Pantaleao oeSiqueira r^valcante.Nio
tomaram connecieaento fora 4e tempo.
passagrns.
Bo 5r. desembargadir Silva Goimariaa ao Sr.
desembargador R-!is e Silva :
Appellactoes crimes.
Do Paolo Affxaso. -Appellante Francisoo Jose
Vieira,aprwllada a justice.
De Palmares.' -App llante Vicente Ferreira Ca-
taobo, appellala a jutica.
Da Sr. desembargador Lourenco Santiago a oSr.
dtwasaJaargader Almeida Albuquerque.
Appel Iscao civeL
Da Alagoas.-rAppellwHo Maaoel Joaqai
81
Silva Lcio, appeHftdo bacharel Jose Angelo
da Silva e a fazenda.
AppeUafup commsrcal.
Oo Recife.-Appellanle Uopoldo Fertmra ml*
tins Rlbairo, spp.-lLndo aapoei do Naaeiraento
Vieira da Cualia.
Ac Sr. dese ub.irgador Reis e Silva :
Appellacoes crimes.
De Bom Jardim. -Anjiellauie 0 juizo, appollaJo
Jose Freire da Silva,
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Almeida Albuquerque :
, Appellacao civel.
Do Ceara. Appellante a fazenda, appellado An-
tonio Domingues da Silva.
Appellacao commeYcial.
Do Recife.Appellante Uoraingos Pinto de Frei
tas, appellado Antonio Ferreira Braga.
DoSr. desembargador Almeida Albaquorque ao
Sr. desembargador Molta.
Appellcaao civel.
. Da Escada. -Appellante Joao Carlos Cavalcaate
de Albuquerque, appellado Martiniano de Barros
Branco.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellacao civel.
De Maceio.Appellante D. Lucrecia de Araolo
Rego e outros, appellada D. Umbelina Maria de
Jesus e outros.
Appellacio commercial.
Do RecifeAppellante Machado & Brandao,
appellado Francisco Antonio de Albuquerque
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gadoi1 Domingues Silva :
AppellaQ5es civeis.
Do Recife.Appellante Jo5o de Almeida Cruz,
appellado Manoel, escravo, por seu curador ; ap
pellante Gregosio de Sa L'eitao appellado Jose
Maria Ferreira da Conha.*
Appellacao commercial.
Do Recite.-Appellante Francisco Rod>gues dos
Sanios, appellado Jose Goncalves da Cruz.
Appellacao crime.
De Pao d'Albo -Appellante 0 juizo, appellado
Jose Vicente Ferreira da Silva
DoSr. desembar-rador Souza Leao ao Sr. fles-
embargaior Silva Guimaraes : ,
Appellacoes civeis.
Appellante o juizo, appellado Ooofre, por seu
curador ; appellante 0 juizo, appellado Joaquim,
por seu curador.
Appellacoes crimes.
Appellante Jose Nuius de Figueiredo, appella
Ja a jaslica ; appellante 0 juizo, apptlladi Cuper-
tino de Oliveira ; appellanle 0 juizo, appellado
Mauo il Moutinho 'los Santos.
Diligencias crimes.
Ao Sr. desembargador promotor da justica :
Appellanle 0 juizo, appellado Irineu Ferreira de
Mello; appellante 0 juizo, appelladf Jose Vicente
Ferreira .la Silva ; appellante 0 juizo, appellados
Lucio S.-ares de Albujuerque Eustaquio e oa
tros ; appellante Minoel Caudilo da Silva. appel-
lada a justica ; appellanle 0 juizo, appellado Ju-
vencio Manoel Tibur^io Paes Barreto ; appellane
Sebas(iad Manoel Lins, appellada a justiga ; ap
pellante Miguel Ferreira de Carvalho, appell.. la
a justica ; appell ante 0 juizs, appellado Oened:cto,
escravo.
Appellacoes civeis.
Ao Sr. desembargador procuradcr da coroa :
Appellante a fazenda, appellado Antonio de
Brito Lyra ; appellante Manoel de Azevedo An
drade, appellados Mathias de Azevedo Vilhrouco
e outros.
Ao Dr. curador geral :
Appellacao crime.
Appellants Juliao Jose dos Santos, appellada a
just ca ; appellante Ankmio Moura Reis, appella
da Feliciana Maria Olympia.
A.signsu-se dia para 0 julgaraento dos seguin-
les feilos :
Appellacoes civeis.
Do Recife.Appellanle Elias Goncalves Pereira
da Cunha e outros, appellada a fazenda ; appel-
lants Manoel de Carvalho Moura, appellado Jose
de Fro las Barbosa e outros ; appelUnte ojutto,
appellado Balthazar e Candida, escravos.
Appellacao crime.
Appellante 0 juizo, appellalo Joaquim da Costa
Bezerra.
DISTRIBUICfiES.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Loureaco Santiago :
De Pianco.-Recorrente o juizo exoffl:io, re-
corrido Antonio Bernardino de Souza.
Appellacoes crimes.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Campina Grande.Appellante 0 menor Fran-
cisco por seu curador, appellada a justica.
Ao Sr. de-embargador Accioli:
De Campina GrandeAppellanle Bruno Cesar
de Mello, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Da Imoeratriz. Appellante 0 juizo, anpe: !ado?
Lucio Soares de Albuquerque e outro*.,
Encerrou se a sessao as 3 horas. .
POLITIC
paktido cjo^iiGit'V.-aon
RECIFE, 30 DE SETEMBRO DE 1874.
The only purpose for which
power can be rightfully exercised
over any member of a civilised
community, against his will, is to
prevent harm to others.
...We may leave out of con-i
deration those backward states of
society in which the race itself
may be considered as in its non-
age. The early difficulties in the
way of spoetaueons progresg are
so great, that there is seldom any
choice of means for overcoming
them ; and a rulor full of the
spirit of improvement i3 warranted
io the use of any expedients that
will attain an end, perhaps other-
wise unattainable.
(j. STUART MUX.)
D'eotre os actos do poder legislativo na presente
situacao, actos sempre atacados pelos rigores de
uma critica inexoravel, porque era sua totalidade
se devem aos esforcos do governo, que para coa-
seguil-os le ve de lutar com uma opposicao frcoe
tica e tenaz, nenhum tem sido mais aciemente
censurado, 0 talvez nenhum com maior visa de
procedencia do que a actual reforma judiciaria.
Nao era porem a opposijao liberal 0 orgio mais
compctente de taes censuras. Os princinios ins-
criptos em seu estaodarte politico inliibia'mn-a de
levantar a voz contra a lei, cujo defeito, (se e isso
defeito) consistia na maxima liberdade que trans-
pira do conjunclo harmonic; de suas dispesicoes.
Averbando de suspeiio a oppoaicao liberal, nada
mais temos era vista do que dqslruir a forga dos
argumentos seas pelo lado da copvicfao qae os
gerou, sem enlrar no merecimento delles, que
alias outro nio pode ser se nao 0 de atacV a re
forma por aqaelle lado, que para espiritos liberaes
devera parecsr sagrado, inviolavcl.
Nem sereraos nos quem ha de emprehender
trazera limpo a improcedencia das censuras irro-
gadasa lei de 20 de setembro de .1871, mettendo
hombros ;i arrojada empreza de formular a critica
imparcial, a critica tal como a exigem os altos
principios da sciencra inridica, de uma lei, que
somos bs primeirosa cobrir de appjausos por ter
d um golpe heroico quebrado a poderosa arms'
do'oespotismp polieial a lei de '3 de dezembru
deiSil.
,E' nosso intuito apenas entrar em 3ma ordem
de consiaeracoes tendeates a explicar e de .algum
modo justificar 0 pensaraento do poder zia decre-'
tacao de uma lei qne dizem, tem trazido 0 afrou-
x amen to do regimen polieial no paiz, e conseguin
temeote a difflculdade na repressao prom^ta do
crime.
E' pensar unanime de todos quantos se occu-
pain da arte esplehosissima de governar os povos.
e passa mesmo como dogma aceit >, que as inst
tui.oes se devem-amoMarao caracter, as teaden-
cias .ean gran de adiantamento dos povus a qae
se applieam.
K em consequencia desta verdade qae, em ne-
Bbjum paiz do mundo .le u 0 governo representa-
tivio produzido meiars resmtad-js Ao que na
velha Inglaterra.
Alii tiverara origem-as lnstiaic.oeB de qae mais
se orgulhom as naedes raodaroas.
0 jury, (xaaafos corpus s5o do ba raaito conne-
cidos e de euina applieacso ctm^UriW n'aquelle
paiz, onde aeerMD 0 bereo, e ao ]>**>< que -a
Franca gamia sob 0 despittsmo de Luiz XIV, aa
iDglateHaetavaraa realidade 0 systoma r.presea-
tativo iMjb'laoqaei tl.
E' aai instituiooes, como os monumsntos fa-
accaa!* -tempo ciue as eeoapiafe s toraa doradoa-
rs, a-aaaraada, como Vodat ae foreas do mud >
pbysrooeve ter uma applicacaosabia.e laodarada
parjqae,o exeasss nao pfeindiirae o effeito *que
ee appMca.
"Etle 0 sentir do proprlo Staart*ill, qae Beste
ponto aaoseaparta do que geralmenle se pensa
a tal respsito.
0 sscniptor iaglez, cojac opinioes impregnadas
do mais profundo liberalism) vao ate suas ultimas
coiisequeuctas praticss na sciencia politics, sus-
tontando mesmo a emancipaeao.corapleta da mn
llier, coDereote ainda com suas iheonas politic,is,
prega a ab?iencao dos governos na esphera da
acpao individjai, que a sociedade nao tem 0 direi-
to qae Ihe reconhecia Gaizol -de se iramiscuir
na direccao dos membrus da communhao por ella
constitoida para ura ideal que ella formou e con-
siders eomo o-eupremo scopo das tendencias in-
dividuaes e collectivas pura 0 bem absoiuto.
*^4i4ei qae deve reger a sociedade, diz Guizot,
caminho da verdade e da justica, exisle acima e
independente das vontades individuaes. 0 iim da
sociedode 6 descobrir essa lei stiprema e iiupor a
observanaia so dessa lei. A uma lej,tal se deve
inleira obediencia E' um impoasivera sociedadtj
a menos que nio impere oa a forca ou a obedien-
cia a verdadeira lei. Se a independencia do in-
dividuo e considerada condi;ao para a liberdade,
fiqueinos certos de que a forca se ha de apoderar
da sociedade, porque e impreseindivd quo a so-
ciedade exists. Necessidade iraperiosa da natn-
reza humana, ella recebera sanccai da forca, se
a nao receber da razao 0 da justica. {Hist, des
ovtg dn godvern. repress, pags. 248 a 250.)
parlind.0 de principios totalmeute oppostos, diz
Siasrl Mill :
t 0 objecto deste Eosaio e vindicar os foros do
um prinrip;0 que se destina a goveraar absoluta-
ipente as reUcoes da sociedade com 0 individuo,
sejapor meio da compulsao ou da censura, da
forca phyaica sob a forma de penalidade, ou coac-
5.10 moral exercida pela opiniao publica. E esle
principio e que o uaico objeclivo por apior do
qual 6 licito a sociedade intervir individual ou
collectivameats na liberdade ae ac>;ao de um de
seus membros e urnplesuiente 0 du propria -de-
feza ; que 0 unico mo ivo que autorisa 0 emprego
da foroa contra um membra da communhao civi-
lisadae impedilo de f.izer mal aos outros. 0
bem physico ou moral do individuo nao justifica
essa ihlervencao. Nio pode o cidadao ser com di-
reito compellido a fazer ou conseolir alguma cousa,
porque isso ^he ha de ser conveniente, porque isso
0 tornara mais feliz, ou porque na opiniao dos
outros tal modo de obrar e pru 'eate ou mesmo
justo. Cerlo, taes razoes sad optimas para argu-
meiitar com aquelle iudividuo, para racioeinar
com elle ou persuadil-o i>u convencel-o, nunca
por6m para coagil-o ou coraminar-lne uma peua
no caso de obrar elle diverjamenie.............
sobre si proprio, sobro sen corpo, suas faculdades
so elle, 0 indivi lae tem pleno poder.
(Stuart Mill un liberty, eft. /. p. 22.)
E' porem 0 mais esforyado paladino da liber-
dane, da autonuinia individual, 0 mesmo escrip-
tor quem abre a in lispeasavel excepcao ao rigor
de law absoluto principio consagraudo a iatervencao
da sociedade e dos governos, seu- legitiaios re-
preeeutaotes, na direccao individual, quando
ainda no comeco do tirucinio politico os povos sao
incapazes de comprehendtr e fazer valer seus di-
reilos politicos, direit >s alias impreseriptiweis, que
fora lyrannico reatriugir e de feilo 0 nao sao se
Bio quando por incapacidade de quem os deve
exercer nao sao eil*s 'cmferidos em tula a sua
latitude pela sociedade, quo 6 delles a legitima
depositaria.
E' a men"iid:ule de que falla Stuart Mil no
irecho que faz a epigraphe de.-le artigo.
Dilficil e a posicao de uu governo. quando a
vista das circuuistancias peculiares do paiz para
qne.legisla, nio pode contar de anteaiio como
elfeiio das medidas que propoe; quando a civi-
lisacip e as lu;es nesse paiz nio se derramam
unitormeineute de modo a calcularse predsamea-
te 0 grao du largueza, a amplitude que sob 0
ponto de vista da liberdade devem caracterisar as
iii'tituiiods.
Porque os paizes como os individuos, ja 0 foi
por vexes repetido, passa m por di versos graos de
capacidade em sua cxisteucia politica. E a um
paiz novo e maftas vezos fatal 0 excesso de Boer-
dide n;S iustituicoes, do mesmo modo que aos
olhos quando se sahe Jas trevas offende e desluiu-
bra uma luz vi issima.
Que apreco dara porvenlura 0 rule eossaco ao
ioapreeiavel direito de roto t Que idea tera 0
hotcntote da iustitnieSo do jury .'
A educacao, 0 tirociuio da liberdade e pois ne
cessario como 0 <5 a pratica em todos os ramos da
industria numatia i>ara attingir-se ao perfeito
emprego de nos-a actiiidade era qualquer delles.
Quem se entregar ao estudo de uossos costumes
politicos, ou mesmo lizer a mais ligeira observa-
eao sobre 0 grao de doienvolvimento a que tem
Chcgado a populacao nos diversos p ntos do ter-
ritorio do imperio, notara um phenomeno curioso.
Ao passo (|ue uos ceutros populosos do littoral a
populacao t-etn attingido ao grao de coahecimentos
bastante pa; a compenetrar se da honrosa condicao
de cidaiao de um paiz livre e bem exercer os di-
reitos e eucargos que tal condiciio acarreta, no
interior do imperio, no centra das proviocias
reiaa prufunlo obscurautlsmo, com pesar 0
dizemos.
Devido a causa? que nao examinaremos aqai, a
populacao dos altos serloas c ainda impropria
para as nobres funccSes que exige a liberdade.
Nao vai nisto olfinsa ao povo do interior do
imperio, entre 0 qual como em toda a parte exis-
tem cidadaos que por suas luz s perfeitamenie
comprehendem e apreciam a elevada posiclo
que occupa 0 individuo nos paizes do self govern-
ment.
Paliamos da roassa do povo em geral, que gran-
deincBte distanciase da populacao mesmo das
mais inferiores ca-nadas sociaes nas grande3 ci
dades.
Como prescindir nesta hypcthese da accilo go-
vernameutal, Uj iute ferencia e direccao de um
governo bem intancionado?
Mas ao mesmo tempo 0 estado de adiantameuto
das cidades e lugares proxiojos a zona maritima
nao pode dobrarsea tutellagovtrualiva.a ooiniio
publica abi vive e se manifesta. 0 papel do gc-
verno em tal caso e dirigir-se pela opiniao e nio
dirigil-a.
Eis a antiuomia pclitica que se observa no paiz;
eis 0 magno problema que se levanta aos olhos do
governo e reproduz se cada vez que desce do po-
der um ado de applicacao universal e que ha de
cahir c uno a sementa a esmo sobre 0 solo fecundo
on sobre 0 lagfido ardeBte.
A lei n 2,033 de 20 de setembro de 1871 foi
promulgada, e lo sentio-se seus effeitos diversos
na corte, nas capitaes da provineia, nos lugares
populosos notaveis e o'aquelles onde reina a igno-
rancia e domina a prepotencia.
Era impertinente a intervencao da policia nas
func.oes judic-aes que nos grandes centros de
civ lisacao djvia compelir a seus legltiraos func-
cionarios, os magistrados. Aqui as ideas, as Iuzps
quo esclarecem um publieo illuslrado exigiam ua
auton lade menos arbitrio e os actos desta eram e
sio discuti los pela imprensa e levados ante o
tribunal da opiniao publica.
Demais accreice que havendo mai9 ordem e re-
gularidade no deserapenho das allribuicSes poli-
ciaes, sendo mesmo mais facil a vigilancia a exer-
cer sobre os criminosos ou individuos suspeitos,
pode sem inconveniente algum para a marcha ex
pedita da justica, incumbir a autoridade polieial
tin somenle a execucao das ordens das autorida-
des judiciaos no que concerne as prUSos.
0 coatrario da-se no interior onde a'em de tu io
a popul cio se acha sobreiuodo dissiiuinada, de
sorte queitorna se impossivel a prrnpta execucao
de uma ordem da autoridade judicial, devendo por
esie motivo deixar-ae raaior amplitude a accao po
licial. A reprcsfio do crime tornando-se eatao
mais e mais dilBcil, veenvse a policia por um lado
e por outro a jusii^a em serios einhara^os oriuu-
dos do acanhadoambito deixado pela lei ao pra
d.mte arbitrio da autorida I .
Eis 0 magno topico lancado a boa execucao da
lei de 20 de setembro de 1871.
Os queclamara contra aexcessiva liberdade que
ella .veio plantar no >eio do povo menos illuslrado,
e-oaecem que 0 antigo regimen nao podia cooli
nuar a ter applicacao nos grandes centros da ci-
silUacao.
Esquecem que 0 paiz rege-se por aa* legisla-
cao aniformi, que torn uma applicacao lao exttnsa
como e extenso 0 vas'.isatfao territorio atirado das
o.argens do Amazonas anaeia do Praia, quo 6
forcoso que para conservar-se a unidade
do oacao que ha de am dia pesar grandemeote na
Daft aucm a reger os povos diversos.qoo forraam nos3a
-nucionalol ule
N1 aliernativa cruel de dar ao paiz u na lei
enjinpntemenw Ubecal, embora de Jiflicil applica
4o em alguns pontos do interior, oa conseryar
antigo regimeo, mcea.'saaieote ao
adiauiameato, foi forcoso ooiar
0
nosso grao de
medida quo
detemoio-de 18VL
E ogabinete 7 dfmwc.o, e-grauile iniciador da*
reforms* de rsossa le-^ialagio, aao esucaado aale
asdiflleuldades, coastvguio do pder legislativo a
lei n. 2,o;Wqaa nao fiea aquera 4o- que de melhor
possuom a tal respeito os paises inois liberaes do
mundo,e se apecha quolancam sobre 0 novo re-
gimen tem algum fandamento, em breve uremps
teraodesapparecido as censuras sobro ease ponto
formulaias, attenta a rapnk". com que se vai dif
fundnido pelo paiz inteiro graode melhcraraent 1
da instruccao publica, cujo desenvolviruetHo ain-
da devemos ao patriotico empenho do gabiuete 7
de marco, a quem 0 paiz inteiro vota aiiuifacao e
reconhocimento.
O Mr. conaeflselro >abii<- n;t dls-
ClsssAo (la reforma do recruta-
asento.
A reforma do recralamento mereceu as honras
de ura discurso do Exra. Sr. cooselheiro Nabuco,
que. coma sempre, revelou pro'undos conhecimen-
tos, tendo mais esta eccasiao de osteutar os dotes
oratorios que Ihe sao de ba muito reconheci-
dos.
S. Exc, porem, tem-se collocado no terreno fa!
so em qae se acba a dissidencia, no proposito em
que eslao seas illustres membros de obslar por
lodos os meios a passagem das grand- s reformas
iniciadas pelo esforc-ado gabinete de 7 de marco.
Como aquelles pensa S. Exc. que a missio do
partido conservador cifra-se, eomo ja 0 disse al-
guera com muila proprie lade, em par um ciavo
ua roda do progresso, sem outra aspiracao mais
que a resfstencia passiva a accio do partido libe-
ral, uaico coraputente para promover os melhora
mentos que forein e&igindo 0 estado e cir-
cumstancias do paiz em seu progressive desen-
volvimenlo
Tio apertada esphera nao podia entrelanto con-
vir ao actual gabinete, a rajas vistas palriolicas e
largas nio pareceu assenle permaneccr inactivo
ante 0 estado de amesquinharaenlo em que se
achavam algumas de nossas instituieoes, a que
cumpria dar novo realce, reformando-as, como
vai fazendo 0 gabinete 7 de marco.
A lei da guarda national, a lei do recrutamento,
ustas deque em maxima pailedependo a liberda-
de do cidadao, eram as que mais instantemente exi-
giam os beneficios de uma bem pensada reforma ;
porque tal c a condifio sine qua nm da indepen-
dencia do voto nas eleicoes, cujo processo vai ser
reorganisado subre mais amplas bases.
0 ministerio, que lao dignamente se acha a testa
dos negocios publicos deste paiz tem prestado a
mais profunda homenagem a taes reformas, hoje
necessidades urgenlissimas, e era seus esforcos
para realisa-las, nio raro tem tido de lutar com
uma opposicao desabrida, e que nao reciia diante
dos meiosos menos couveaitnte^a gravidade e al-
lura da representacao nacional.
Feuzmeute couseguio-se a importante reforma
da guarda nacional, restando est'outra eondiclo da
liberdade eleilor..!a reforma da lei do recruta-
mento
Os que conhnccm do perto 0 modo porque esse
scrvico era executado entre nos, as arbilrarieda-
des, as violeaeiaa de que era viciima 0 povo rude,
nao poderao lecer elogios bastantes a coragem e
dedicaclo de que tem dado provas 0 actual go-
verno.
0 projeclo que breveraente sera conveitido em
le: do paiz esta de accord 1 com 0 que da mais
perfeilo cornportam nossas condicoe3 actuaes.
Nao pensa assim 0 illuslrado Sr. conselheiro Na-
buco, i|ue proearou descobrir vicios nas ideas ca-
pitaes do projecto.
C meoundo por declamar ontra uma snpposla
militarisacSo do paiz, >jue na opiniao de S. Exc. e
0 alvo do project.!, S. itxc profligaado a poiitica de
intirferencia qae diz tem sido seguida pelo go-
verno nos nugocioa do Rio da Praia, oppoe se ao
modo dc alistamento censagrado no projecto, e isto
por duas razoes.
Da primeira nao vale a pena ocanparmo-nos,
Uo pouco seria nus parece a impuguacao de S.
Excquando pretends constituir aclualinente um
exereito por ineio de engajamenlos voluntarios,
como succede em Inglaterrasem altonder a di-
versidade de raca, de cotumes, 0 grao de adianta-
meuto que nos separam da velha Albion.
S. Exc. nao qa< rera sem duvida, levar a effeito
uma Utopia, que tal e 0 syslqjpa inglez, attentas
nossas c .udi-.oes actuaas.
0 projecto foi todavia torn cautelosp adoptando
logo em seu primc-iro artigo 0 systema dos engaja-
mentoa voluatarios, que sera qaifa uma bem mil
experieuc'a.
Mas, digamo-lo em hoirjenagem ao esclarecido
criierio de S. Exc, nao insistio muito naqu-lle
ponto de sou discurso e passou por uma transi-
Cio suave a reconbecer a conveuiencia de ouiro
modo de alistamento alem do que apoatou em pri-
ruciro lugar.
Agora a quesiao 6 saber qual 0 modo pratico de
sapprir as faltas no pessoal do cxer:ito e armada,
na hypothesa alias bem natural da insufficiencia
de voluntarios.
Aqui estabelece 0 illustre parlamentar uma dis-
tin :cao profunda entre a 0 systema que esteude a
obrigacao do servico railitar a todos os alislados
annualmente.e osysteaoa quo impoe a obrigaca.
do servico militar a um numero limitadodentre 03
ahstados.
Ao primciro chama systema da cor.scripcao, ao
seguudosystema do sorteio.
Esforcando-se por iracar a Imha divisoria entre
os dous oiodos de alistamento S. Exc, sustenta com
todo 0 attiaco a isencao de que devem gozar os
individuos qua nio foram sorteados. apezar de ha-
verem sido contemplados na lisla de idanei-
dade.
Ora, 0 projecto sujeitou os alistados nio sortea-
dos a serem chamados iara so incorporarem ao
exereito ou armada, alira de preencher 0 quadro
das foreas extaordinarias dccreiadas. Dahi a con-
clusao que lira 0 illustre snador que 0 projecto
adoptou 0 systema da Prussia, e 0 paiz vai denlro
em pouco couverter-se n'um vasto aquartela-
raento.
Sem pretender ealrar na quesiao susoitada sobre
a supposta.distinccao, diremos que a isencao abso-
luta que S. Exc. pretende seja garanlida aos
nao sorteados c tac superflaa quanto irrealisa-
vel.
Pa'a prova-lo basta a consideracao de que 0
pesso: I do exereito e armada vive em uma reno-
vacao ineessante, e 0 iodividuo quo deitou de ser
sorteado uma vez, nio esta isento de sahir no se-
guintc sorteio, uma vez que ate este tempo nio
justifique alguma das iseneoes legaes.
Determinando a lei a obrigacao absoluta de ser-
vico em que fleam os cidadaos de tal a tal idade,
continda p3ra os que em taes eondicoes estiverem
a possibiiidade de serem novamen'.e sorteados,
muito embora 0 na) tivessem sido no sorteio an-
terior.
Alem do que parece que 0 eminente estadista
forcon os termos do artigo o' do pro.ecto, quando
interpreta sua d-sposicao de modo a equiparar a
eondicao do3 sorteados com a dos simplesmente
alistados.
Assim devera ser, se 0 projecto sujeitasse eltec-
tivamente ao servico todos os alistados sem ex-
cepcao. devendo cad* am delles servir v g. por
o-paco de um anno de moda qae se reallsasse a
determinaeio legal a respeito de todos.
E' este 0 systema prussiano que S. Exc. enxer-
gou pa disposicao do artigo 5.
Mas e justaraente 0 contrario que se da cenfor-
rae os termos daquelle artigo.
Segundo 0 pensaraento da lei pole 0 alWhdo
qne nao sahio em sorte, deixar d? prestar services,
uma vez que se nao verifique 0 caso de guerra
externaou interna, em que 0 governo pode cha
chama-lo para fazer parte das foreas exiraordina-
rias decreladas para 0 caso. '
Isto mesmo succedera somente quando nao se
apresentem voluntarios em numero-suffleibnte para
pre'enchiai'entos das vagas que houver no quanii-
tativo marcado.
E' caso extremo e que a difflculdade de organi-
sar promptameuto o quadra das foreas eitra^>raina-
rias decretadas, plenaraent-} jastifka; nio p>idia
porlanto ser tal dwp isicao impugnaaA do mesmo
mod 1 porque 0 fora, e alias com toda a justica,
uma melida ordioaria, uma disposiYao decretada
para as eircamstaneias aormaes.
E pio va se:n reparo 0 niiilo por qae S. aaM.
combateu esta medida, phantasian Io o terror que
a ijoeerleta iria plantar no sejo da industria, dujos
bracos leria de arrancar a ooeupacdes u'.eis e do
quo I'pen ie a prosperid ide do paiz.
Nao nos parecerp fjjndados os receioe de S. Exc.
e para dissipa-los alii eslao os paizes d > crauoen
teeuropeu, os quaes adoptaqdo em grande pa te^
0 systema prussiano, muito mais rignroso que 0
nosso, protperam todavia e nao cattlrao talvez da
atrophia que Ibes jciTetara a paz armada sob
cuja coBioressora iofl ."aria viv-^m.
E" oste 0 ponto-fniis importante do dUcoesodo-
Exm. Sr. conselheiro Naoac), aue para ynl
ve Io, como fez, revelou erudicao de me>tro e pro
destf
em rronra deste paiz -r maa aesque o- pass sjaer a
reforma- e a aceita tal* qaal tut apresentada e vai
ser coarertida em lei.
0 que o paix nio qirer sio essas reformas des-
tiaadas tao somente a sar vir de adorno nas prov
grammas roinisteriaes e por cuja realisacao de-
balde espera, por qae nao-aaesam at mero apparaU
raraisteriali
mmm
^sseamm
mm
.1.4.l i .1. juii.ii s. pi
Aos eafes-aaoav
Muito se tem occupado os boioeaa de eoraea*
e Jamantes dahumanidade, da salabtajado paafica
em nosa lerra, como em toda a parte. 0 roe
dicos da capital desta provineia de ronito procu-
rara enconlrar um lugar, onde eclisna favo-
rega as curas ae certas molesllas; o por bem
longe se ten) andado, quando aqui, aa dWaacia
de20leguas, pode encontrar-se 0 qae b* de aae-
Ihor.
Pedras de Fog-o, colkcada em uma grande eJe-
vacao e extensa plznicie, onde nao se encoatra
aguas estagnadas, charcos, ou panlanosr onde
a ventilacio e livre, o ar fresco e 0 cliraa tempe-
rado e s'ecco, offerece as melhores propercdea
para auxiiiar a cura da? molestias, que deman-
dam um ambiente beaelico.
Alem das eondicoes hygienicas, qne .a natureza
olferece, ha aqui boas casas, e uma populacao ge-
nerosa e hospitaleira, sempre disposta a proper-
cionar commodos aquelles que sio para ca oaa-
duzidos pelos soffrimentos.
Alimentacio, alem de comraoda, i da melhor
qualidade. *Ha opiim >s banhos de choque. erem-
ite elles am pertencente ao Sr. Clandino Jps* *
Araujo, qne pela hmpez^.a Sseio 0 bom- go*t' da
ca U que aH lica escripti, podera ser altestado
pelos que <*.a tem ciiconlrado 0 restabcleciaieijlo
de suas sanies amsjns4as>.
Persuadido disso, o povo de Itambo e Pedras
de Fogo convida aos qne pre isarem de tralar-sa
em um clima salubre, ijue venham a esta tesra
para oode 0 tranp irte ja hoje e muito faeil, cei-
tos de encontrar nella iiaosonqae uma natu-
reza orod;ga e propioia piJe ofl'erecer-lhee, como
tambem o que depend-r d-is habitsales da terra
Itambe 14 de selembrn de 1874.
0 amnnte da humaiudadt.
A' redacqao da America Illus-
trada
Pede-se aos Srs. redactores da America /?-
trada, que declarem qual foi a autoridade polieial
qne tomou parte nos divertimentos de beceo do
Cajii.
Illm.Sr. Dr. chefede policia
Xos abaixo assignados, moradores na freguezia
da Varzea e Caxaoga, constando-uos^ que 0 actual
subdelegado 0 Sr. tenenlo Manoel Candido de Al-
buquerque vai ser reraovido para outro lugar ;
vieinos apressadamente supplicar aV. S., aflm de
que nio seja effectuada essa remocao, pois, foi <>
unico que pode conseguir pelas muitas e arrisca-
das diligeu.ias livrar os habitantes deamargura-
dos transns e sustos produzidos pela cafila de la-
droes e a-sassiooj que quotidianamente inuuda-
vam est"S lugares, pelo que os habitantes vern pe-
dir a V. S a conservacao do actual suddelegado.
Freguezia da Varzea, 28 de setembro de 1874.
Jose Antonio de Brito Bstos.
Vigario Joao Baptists da Silva.
Padre Damas > d'Assumpcao Pires.
Manoel Soares Menles.
Joao Correa l.oureiro.
Ignacio Alves Monleiro.
(E outros).
Thesourariade fazenda.
Nao devo-pcr ora rcsponder, nem tao pouco jus-
tificar meu procedimento ao processo instaurado
perante 0 Dr. juiz sub-titulo do 2. dis.lricto crimi-
nal pelo facto de recebimentos indevidos da paga-
doria da thesourana de fazenda por meio de pro-
curaciies evideote e manifestamente falsas.
Eiii tempo e lugar competenle terei de discutir
esta quesiao, e raostrarei entao a audacia com que
se defraudou os diaheinos publicos mediante 0
conloio de malversores.
Nio posso e nem devo discutir pela imprensa
questocs pendentes ; pode isso ser permltldo a ad-
vogados eomo meio de prevenir os juizes em favor
de seus constituintes; 0 organ da justica publica,
por^m, qce no cumprimento de sea dever nao tem
odios nem affeicde?, que so qaer a vcrdade, so
deve discutir nos aulos.
Nao sou tenaz e obstinado no erro; ao contrario
seu docil em coder quando me cenvencoda ver-
dade. Antes disso nao recuo, quaesquer que se-
jam as conse mencias, no cumprimento de meu
dever.
Nao cedo a intiraacoes jornabsliscas e nem me
inlimidam bravatas q -ixotescas.
Neste ponto, pode a Provineia eslar certa, son de
animo forte. .
Sem preveacoe?, sem odios, sem afleicoes, pre-
tendo fornecerao digno juiz formador da culpa a
prova neeessaria da culpabilidade de todos aquel-
les que, por meios fraudulentos, obtiveram dinhei-
ros do thesouro publico.
Recife, -29 de setembro de 1874.
Gomes Parente.
'f ributo ao aiierito.
Se a imprensa e a machina, onde as ideas se
transformam em luz para espalhar se pela hu-
manidade ; se nella e que 36 trava sempre 0 com-
bate entre 0 saber e a ignorancia, 0 merecimenlo
e 0 orgulho, a virtnde e o vicio, sera nella, quo
eu hoje darei um te-umunho de gratidao a quem,
sabendo arcar ao indifferenlismo qne nos acerca,
curapre os deveres que Ihe sao impost03 pela sci-
encia c pela caridade.
Ha dous mezes fui accommettido da.terrivel en-
fermidade do tetano, que me prostrou de maneira
a nao ter mais esperanca de viver, e contar qua
denlro em pouco ja deixaria de ser para este
mundo!
Mas a Providencia Divina, essa mai commnm,
que sempre olvidamos nos gozos e que como mai
nio nos desampara ns soffrimentos, veio em meu
soccorro, deparando com 0 Ilitn. Sr. Dr. Caetano
Xavier Pereira de Brito, que medicou-me em lao
cruel transe. ...
0 Sr. Dr. Britto, foi duraute a rainha raolestia
0 typo do verdadeiro medico I
Sem ser rcovido pelo interesse (pois sou pobre
e nao pertenco porlanto ao alto da sociedade) fui
por elle tralado com todo 0 desyello, como se
outro vincub nos ligasse, a nao ser 0 da Cari-
dade. ...
Nao me occuparei da maneira pela qual 0 illus-
lrado doutor me traloa, descendo ate muitas ve-
zes a enfermeiro para que nada me faltasse ; basla
dizer que de tao terrivel molestia, no ultimo grao
(onde quasi ninguem escapa) fai salvo pelos re-
medios ministrados pelo Sr. Dr. Brillo e seas cu:-
da-ios I .
.Desculpe 0 Sr. doutor se acaso offendo a sua
modestia; sao dictaraes do coraoio e a elles nin-
guem fuge '.
Recife, 28 de setembro do 1874.
Jodo Francisco da Suva Ueidmca.
brioados com a padra e o cimenio, precisam da coriou. l abuaoa a que d*\a lugar a lot de 3 de
C0LLEG10 0& SiNT SSIM4 TRIHDaDE
SO rua dosCaelhosSO
SOB K DIRKCClo DS PHO^UtE.NA-IUNBBVI.f.V DE ALBU-
pUERQUE o'CONNSLL JE8SSY, COADJUVADA POll
SL\SUIMASD LA.NBEL1.\A 1>B ALBUQUEBQUB 0 CON-
N8L JSaSKY E p. 0WU>I>'A OK AUIUQUSWUE 0Q,S-
n:-:li. JEBSEY.
Artigo !. 0 collegio dirigido por RhAlomeaa
Mioervina de Albuquerque O'Coaueil Jersey, de-
oornina-se Collegio da svmrtssuiA TatfiPADs. __
Art. 2* Asalamnas reccbem nelle inslruecao
primaria, secundaria, reiigiosa, de cmlidade,.* QP
recrcio e prendas. -
Art. 3." A instfuccao primarva e :-leiiara, e$-
cripla, contabililade { quaironparaco-s), nocoes
de grammaaca poriuj;ueza, ceitora cha e cro-
ch.H.
AH. 4.* A instruccao secundaria compreheodo
-lingua'nacion^, fxatJc.ea. ingJz, Ualiajjo, hislo
ria, geqraphia.earJtb,iiielica.
Art. 5. A instruccao .roliftosa.^ 0ada nelo ca-
thecismo ; as alumina aprendam : doutapa,
eh ista, e lodos oa .deveres reifc|P3 ^ c^frijrir
para com Deu.% seus pais e pareoies, e effl g-ral
eom a sociedade.
Art 6." A ins^ruccaa ije civilidade abrange t >
dor os ados ua vida de uma seuh,ora pni r^lacao
comas t-ssoas de ana fA#U'a e com A3ftC.W-
dado, '.
recreio consta dede-
precd^s
renpe :



Dario de Pernambuoo Quarta feira, 3 de Fjetembi de 1874.
tod* a espeeie 4*
seobora da melhor
alaataas internal,
a interior do col-
as anlas de iogiez e
kagaas.
stodam francez,
falter, escrever tra-
tlroetUe.
asinternas e 40*,
para as exteraas
qae uraa vex
.Saalz
das alamnas exteraas,
artigo antecedent*, e a
e naein peasienistas
3, 4, 3, 6,7 e 8, podendo
exteraa freaaantar as
a indeiaaiiaojto qae se
eon ivros, fwpel, etc.,
4es pais oq correspondete*,
a BMleria pnraa de
aaecoudua, aaa propriedade
ao Cnuame da San-tisshm
dmas votes ao dia, de ma-
e d lerde da* 2 I|2 as
das interaas e ao gosto de
a roaea lavada e eag um -
or riles serao foroecidos.
iaaisposicdes e moles-
aao tntadas ao coltogio ; nas
a daredora fax avtsar aos pais ou
para prev-denciarem satora o tra
em soas casas on no col-
sao os das autas publicas,
i ^ee, no collegio, ficam des-
trecrew.
as materias lecctonadas no Col
ib* St-Hicaau TarxDADK, sac lirfasdasoes
a saas irtnas, ou outras seahora
t preeisa, e qae a direotora jalgar
de aeaembro de iVn.Philomena
4i Atsmmnerque O'Commrtt tersey.
gerl da iostruccao pabli-
8 de Janeiro de 1874.Joao
Semeas 390 saeeos a Taomaz de Aquino Fence-
ca k Snccessores.
Uvaa IS caixas a Joao do Rego Lima, II a I. Ro-
drigaes de Carralho, i a Joao iosd de Amorta, 1
a MareoKflo Ferreira da Lot.
Vinho tinto 15 pipas a Silv a Guimaries a C., 15
a Oliveira, Pilhos 4 C, 30/3 e 10/10 aos conslgna-
riot, tO/W, 5/5 a Francisco 6. de Araujo, 4|5 a B.
da S. Costa Campos, l|5 ao commeodador Jose
Pereira da Canha, t5 a Canha hroaos 4 C, 26i5,
141 caixas a loao R. de Carvalho, 99 caixas a Jose
M. da Gnu, 3|5 a Lebre & Rets, 4 barris de 3 al-
mudes a Martins k. Canha.
Vapor tucional (kard, entrado dos portos 1I0
none na mesma data e comignado a Pereira Vian-
oa &C, manifestou :
Carga do Maraahio.
Csmarao 4 encapados a Francisco Goncalves
Ba slos e Sa, 10 barricas a Joaqnim Jose d'Azeve-
de, 1 a Pereira Sirodes & &, 3 encapados a or-
dera.
Farinha d'agua 21 encapado a Pereira Simoes
*C.
Tapioca 9 meias barricas a Joaquim lose d'Aze-
vedo.
Carga do Para.
Salsaparrilha 35 rolos a Beltrao & Filho.
OESHaCROS DB BXPORTACA0 NO DIA 28 M>
SETEMBRO DB 1874.
Para os portoi do exterior.
No vapor inglez Neva, pan Liaboa, carre-
goa : F. N. G. Ferreira da Costa 2 barricas earn
30 abacacbis.
No ferigne portuguez Triumpho, para o
Porto, carregoa : T. A. Fonceca & C. Successeres
20 pipas com 9,600 litres de agaardente.
No navio portuguez .V. 8. Lourenqo, para a
Ilka de S. Miguel, carregoa : T. A. Foneeca<& C.
Successors 64 barri* com 8,500 kilos de melaco.
No aavio portuguez Nova Aurora, carregoa :
J. D. da Canha Lages 1 barrica com 35 kilos de
assucar refinado.
Para os portos do interior.
Para o Rio de Janeiro, no vapor nacional
Ceard, carregou: Carlos Spelker 1 volume com
12 abaeaehis : para a Bahia, J. Maihens 1 barrica
com 20 abacachis.
so Mignados raoradores desta fre
la aaais re.-onhecida gratidao,
de 9er agradecidos da presti-
i-^ae ?cal.>ra de receber em soc-
famiiias acommetlidas da
, prio feliz successo a nao se-
i per^ot ao eemiterio ; primeirameate
a Eale Sapremo, esta desjada
e tm m gwidn caso ao graode interesse
i tMBoa can applicar reinedios, o mui-
e Haau Sr. Maanel Cavalcanle de Albn-
CadJWii, a> soa (eliz carieira homeopa-
'or OMneguinie aao noi distrahe a idea de
em tar par am ram i de felicidade de mn-
eda. am brasil-.'iro abasiado da for-
: taiiia piedade.
ireeoaipen
resta-aas a lib*rdad? de e/n publico levar o
ion* arios de tinta samptoosida-
feito, e sempre prompto a fazer,
b o procuram; piis muito derejamos
i As bom senso nos ajadem a apre-
car fawar reeeaiio.
**al da praia at Maria Farinha, da frcguezia
at S. S. *o O de Maiacguarte,.. .de seiembro de
AB'.oak. Jose Pereira.
J-diD Romlo de Brito.
Joao Jose Pereira.
.\ato:io Joaqnim de Sani'Anna.
I Bereogner de Soaza.
CAPATAZIA DA
ttaadiaMnto do dia I a %
Um do dia 29. .
ALFANDBGA
I. 13:236a488
6241872
13:8614360
VOLUMES SAH1D08
No dia la 28.....
No dia 29
^rimeira poria.....
Uganda poita.....
Twceira porta.....
drpicha Ccncaicao .
24,252
103
47
124
1,871
26,397
SERVIGO MAJUT1MO
Uvaraagat descarregadas bo trapicfce da
alfandega.
No dia 1 a 28.....
So dia 29.......
10
2
2
41
AiiCEBEDORiA DE REKDAS LNTtRNAS GE
RAES DB PERNAMBUC
tandimentc do dia 1 a 28 46:823*336
im do dia 29 1:214/996
reeer do Dr. onrador geral, snbiram os antos 4 mi-
nha coaclusao, not quaes proferi a lenteBca da
theor segninte :
Vistos os docamentos de fls. 5, a fls. 11, iu-
qaericao de fls. 13 a fls. 16, qae provara estar o
justificado Manoel Loitdos Santos praticaade ados
de completa poodigalidade, o nei por incapaz de
administrar sua pessoa e bens, qae flcarao sob a
administracao de sea pat Francisco Luiz dos San-
tos, a qaem nomeio earador.
0 escrivao passe edital para ser affixadeao lu-
gar do costume e publicado pela imprensa, e cua-
tas. Recife, 14 de seiembro de 1874.'Francisco
de Assis OHveira Maciel.
E para qae niogoem faca aegocio algcm com o
precitado prodigo Manoel Laiz dos Saotos, senao
por intermedio de sea corador, com pvevia autori
9aeao deste joizo, mandei passar o presente qae
sera aflxado no lugar docostame e publieado pela
imprensa.
Dado e passadoaestacidade do Recife de Per
aambuco, aos 16 de *etembro de 1871.
Eu, Manoel do Nascimento Prates, escrivao, o
swbecrevi.
Frmcixo de Assis GUveira Maciel.
Recife, 16 de seiembro de 1874.O escrivao.
Manoel do Nascimento Ponies.
Aosello 308 .V. S. S.-ex-cansa.-Oliveira
Maciel.
A camara municipal desta cidade, pelo pre
sente coovida todas as irmaodades e proprielarios
qoe teem tumulos e catacanbas no eemiterio pu-
blico, a maadarem qoanto astes limpa los e repa-
ra los, coma se faz necessario a coaservagao, o
forraoseameato e decencia do mesmo cemelerio.
1'ago da camara municipal do Recife, 32
de setemiwo de 1874.
M J do Rego e Albuquerqne.,
Presidente.
F. Augusto da Costa,
____________________Sfcretari >.
0 Dr. Joaquim Gon^alves Lima, juiz dos
feitos da fazenda desta provincia, por
S. M. Imperial, a que Deus guarde,
etc.
Fqo saber aos que o presente edital vi-
rem que, em cumprimento da ordem do
tuesouro de 30 de dezembro de 1865, e
das instrucodes que com a mesma baixa-
ram, findo o prazo de tres mezes a contar
da data da publicacdo deste, sera* vendido e
arrematado em basta publica celebrada na
oomarca de Itambe, a quern maior pren>
offerecer, a* vista ou a pra.zo ate 11 annos
Cnjo j obfectos sert* vendido em lotea designa-
la Bamerac&A mencionada, a qaem mais
5?' TF10 tor ***] raqoerido o commaadaote
do sfalraaito vapor Guilherme Waddington, qae
oabaadaaoa ponnnavegabilidade, e as companhlas
ae vegarea deNf oio qaizerao tomar conta.
Sreteaaentet, mando qae seja o presente pnblica-
JLBflLia5ares a es,y|0- P81* imprensa. Unto
destacidade cerao da cdrte do Rio de Janeiro e da
prwvrovia de Pernambuco, o qae cumpra.
Baaia, 15 de aetembro de 1874.
K ea Olario Jose Rodrigae* Plmeou, escrivao,
qaeo sabscrevy. 19
Carlos de Cerqueira Pinto.
0 Or. Laiz Ferreira Macel Pinheiro, iuiz sabstita-
? v*r* """nwcial desu cidade do Recife
de I ernambuco, por S. M. Imperial, qae Deus
fuarde etc.
aco saber pelo prtuente, qae no dia 8 de onja-
bro do correnie anno se ha de arrematar pir ven-
da, a quem mais der em praca pablica, dopois da
oudiencia respectiva deste juiw, os obiectos se-
gomtes: '
Um tanque de fwro com torneira de bronze pa
ra deposito de oleo, avaliado por 20*.
Um.burr* de ferro' rnde, franceza, avaliada
por 200* ; cajos bens pertencentes a Gonjalves
Fialuo & C., e peohorailos por execucao que Ihes
movem Rabe Schmmettau & C, aeham-se sob a
guarda dos meamos execatados
E na falta de liciuntes que cabram o preco da
avalia;ao, sera a arreraataQao feita pelo preco da
adjudicaclo com o abatimento da lei.
E para que chegae ao conbecimento de todos,
mandei fazer e presente, que sera afflxado nos la-
gares do costume e publicado pelos jornaes.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 25 de seiembro de 1874.
Ea, Francisco XavieMe Souza Ram)s, escrivJo
interino, subscrevi.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro.
Ao sello 300 rs.-V. S. S. excausa.-Maciel Pi
nheiro.
justificado Antonio Goncalves Ferreira, nio tern
a capacidade preeisa para reger a sua pessoa e
bens, o qae se observa por granda negligencia
nos actos de sua vida, na qua! nenhuma aptidao
mostra para o trabalho, o hei poa interdicto para
near desde ja sob a adminiatracio e cuiadoria de
sea pai Joaqnim Goncalves Ferreira.
Para conhecimento do
pnblica cao
e custas.
presente se faca a sna
pelos meios recommendados em direito
3.- aadar n. ft A.......
Roa de Antonio Heariqnes.
Casa terras n. 26 .
251*000
99(1000
9AJMO
386*000
Recife 28 de seiembro de 1874.Quintino Jose
de Miranda.
E para qae ainguem faca negocio com o preci-
tado interdicto Antonio Goncalves Ferreira, se nio
por intermedio de sou earador, eomo previa auto-
risacao deste juito, mandei passar /o presente que
sera afflxado no lugar do costume e publicado pe-
la imprensa.
Dado e paasado aesta cidade do Recite de Per-
nambuco, aos 29 de setemb-o de 1874. Eu, Ma-
noel do Nascimento Ponies, eserivao o subscrevi.
Qdialiao Jose de Miranda.
'ClAftACOEL
18.038*332
CONSULADO PKOVINCiAb
id ale Uiirrav
l.aaaaaau.
CTKtr
_ precp dao g-nero qnalqaer, fosse
" icoaa- a roedida de sea exacto va-
ios que este exquisito e delica-
* cse'ico era interior a algumas
i e^raageira*. as qa es sao vendidas
pnp |aaan mm mu- aaaaaie euro.
qa<%soa qaanijlade aai cheea a pre-
i pane rontida n'ama das garra-
Por<'i~ baiaBaMe como pos-
hvre e iniependenle de for-
* t**4nz; < das evidBcias dj* nossos
-tm'sia : a ao*sa conclasao a, pois, nes-
mai Jiiloreale.
Hwaai ramiaaaa e?ta rara
o mais leva e-crupcilo ou hesi-
> a sna fragrancia nao so inex-
Iwsea e suave como a
St**, eeaa lolis -.? r;-!>fito tao agra-
a dehradi araasaeoaM qualquer ou-
ojae jamais oos lenha siio forneciJo,
jawuaOlari*. Pa-;- >a L a^r^s. Esta e, pois,
aacaaeara pasaaaa px toda Amerka hespannola-
t a* !'- 2 grad i jolirmamos.
Rantiimento do dia 1 a 28
dem o dia id
84:609*166
9:433*763
94:043*329
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espiritaosos.
Rendimenio do dia 1 a 26 4:901*190
Idem do dia 28 189*573
Bacalhao, etc.
Hendimento do dia 1 a 26 1:318*315
Idem do dia 28 499*oo2
3:691*063-
Ger.eros de estiva.
Rendimentodp dia 1 a 26 4:238*733
Idem do dia 23 70*932
quando muito com juros de 6% ao anna
pelo tempo da demota a com pre hen sao de-
ouminada, Buraco doextincto vinculo
de Itambe, sita naquella comarca a qual se
acha avaliada em cinco contos do rdis e
contem segundo a medicao a quese proce-
deu e coDsta dos autos a extensfio seguinte :
do lado do leste 1,110 brac,as, do lado do
norte 409 braces, do lado do noroeste 682
bracks do lado do poente ill bracas e do
lado do sul 681 bracks, sendo todo o ter-
reno proprio para a cultura de mandioca e
outros legumes e ficando certos os interes-
sados de que, tanto por tanto sera" referido
o lango do posseico respective, na confor-
midade da ordem do tbesouro, n. 15 de 28
de Janeiro de 1871.
Recife, 15 de setembro de 1874.Eu,
Jose Francisco do Rego Barros, escrivSo, o
subscrevi.
Edital n. 57.
Pela iospectona da alfandega se fa? publico qae
nio teudo sido arrematados dous escalerea perten-
centes a esta reparticao, annunciados a lellao por
edital n. 36, por falta de licitantes, se transfere o
me?mo leilao para as 11 horas da manha do dia 2
de outubro vindouro.
Alfandega de Fernambuco, 29 de setem-
bro ie 1875.
0 inspector,
Fa bio A. de C. Reis
Farinha de trigo, etc.
Rendimenio do dia 1 a 26 5:263*130
Idem do dia 28 860*700
Fnmo, etc.
Recdimento.dodia i a26 2:449*111
Idem do dia 28 *
-------------6:123*838
afcriMfciriGtti.
JUNTA DOS CORRETORES
Recife,Ode scteniltro
if 1874.
A5 3 HORAS DA TARDE
oaractes ofhcjaes
- e Jsb9hoi> V some 7*600 por 15 Kilos,
\
M?-
a Paranyia sorte 7*230 por 15
kAas pesto a bordo a frete de li|16 e
e 54tja.
sceas satgado- 556 r-. o kilo, hontem.
sahra Loaares a 90 d|v. 26 1]2, 26 5|8
5 ||a a. por !*000, hontem.
a 3 djv. 26 1* d. por 1*000, do
a 90 d lisfcaa a 3 d,v. 107 OjO de pre-
l IpjBtem.
Rio de Janeiro a 13 d|v. ao par,
ehofe,
dtao i 30 d|v. 3f4 OjO de desconto.
tesa* 10 Ost) ao anno,
a. ae Vasconceuos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
Vinagre, etc.
Hendimento do dia I a 26 1:705*196
idemdolia28 101*271
2:149*141
1:806*170
21:598*084
Thesouro povincial do Pernamuco, 29 ae setem-
oro de 4874.
0 escrivao,
Joao Carneiro M. da Silva Santos.
ALr~AMl%A.
a I a 28. .
349:054*333
18:798*582
367:853*133
*.c 3-3 de setembro de 1874.
Stmieml (esperado) mercadorias
e trapicae Conceicao.
Ilairaaa Garrettmercadorias
para alfandega e trapicbe
ha para deposito no tra-
Beila Ffyueirence varies ge-
o trapicne Conceicao, para
farinha e a$3 ja des-
o eae? do Apollo.
farinha ja despachada
aoApato.
^fc'awa geaso para o trapicne
para Jatpachar.
waviMENTo ao porto
Navio entrado no dia 28.
Assti12 diaa, hiate nacional ftiir do Jardtm, de
150 toneladas, capitio Franciseo Joaquim da
Silva, equipagem 7, carga sal; a J. J. da C.
Lages.
Navios entrados no dia 29.
Portos do norte-8 1/2 dias, vapor nacional Ceard
de 1,999 toneladas, commandante Cypriano A.
de Quadros Junior, equipagem 62, carga dilTe-
rontes generos ; a Pereira vianna & C.
Buenos Ayres e portos intermedios12 dias, e do
ultimo porto 1 I 2 dia, vapor inglez Neva, de
1,653 toneladas, commandante West, equipagem
110, carga differentes mercadorias; a Adamson
Howie & C.
Porto e portos intermedios19 dias, vapor portu-
guez Almeida Garret, de 980 toneladas, com-
mandante Thomasini, equipagem 33, earga dif-
ferentes generos ; a E. ft. Rabello & C.
Bay of Islands (no mar Pacifico)-68 dias, galera
amencana Emma C. Jones, de 307 toneladas,
capitao E. Gefford, equipagem 28, carga azeite
de peixe; ao mesmo capitao. Veio refrescar e
seguio para New Bedford.
Navios sahidos no mesmo dia.
Southampton e portos intermediosVapor inglez
Neva, commandante West, carga a mesma que
trouxe dos portos do snl.
CanalEscuna ingleza Branca, capitao W. Robert,
carga assucar.
i-8l7*ffi7 D.r- Carlos de Cerqueira Pinto, official da impe-
rial ordem da Rcsa, cavalheiro da de Christo
e juiz de direito especial do commercio, nesta
leal e valorosa cidade de S. Salvador Bahi dea
Todos os Santos e seu termo, por sua mage3ta-
' de imperial e constitutional o Sr. D. Pedro II
quem Deus guarde, etc.
Fa50 saber que no dia 8 do vindouro outubro,
as 11 horas da manha, a bordo do vapor national
Cruzeiro do Sul, fundealo na ribeira de Itapagi-
pe.tem de ser vendido em hilao, pelo agente de
leiloes Luiz Zuany, 0 mesmo vapor e suas perlen-
?as, avaliado em sessenta conlos de reis pelos pe-
rils que procederam as vistorias, sendo 0 dito
elilao em 63 lotes, 01 quaes sao :
1.* lote e 0 seu casco com todos os seus ims-
iros, gurupes, vergas, paos de carga e ensarcias,
cabos, machinas de vapor, 4 tanques de ferro para
agua, um ferro e uma corrente de 60 bracas.
2. dito. 1 machina de vapor,, chamada gurnen,
de forca de quatro cavallos que serve para des-
carga.
3.' dito. 1 bote n. 1.
4." dito. 1 dito n. 2.
5." dito. 1 dito n. 3.
0/ dito. 1 dito u. 4.
7.* dito. 1 dito n. 5. Salvavidas.
8. dito. 1 ferro grande de 14 quintaes.
9.* dito. I dito de 12 ditos.
10. dito. 2 ancarotes.
11. dito. 1 amarra da GO bracas.
12 dito. 1 dita de 45 ditas.
13 dito. Pannes conslantes de 1 latino, 1 traque-
te, 1 velacho e 2 velas de proa.
14 dito. 6 loldos de lomna.
15 dito. Poliame do servico do navio, constante
de eadernaes, moires e cabos de talha.
16 dito. 20 remos e sua palamenta do servico
dos bote?.
17 dito. 80 tonebdas de carvSo de cardin.
18 dito. 3 bitaculas com suas agulbas.
19 dito. 1 relogio da camara.
20 dito. 0 barometro.
21 dito. 3lampeoesda camara.
22 dito. 5 lanternas e pharoes.
23 dito. 3 phroes de roda e mastro.
24 drlo. 15 ba'des.
1 bomba de incendio
25 dito.
cas.
26 dito.
27 dito.
28 dito.
29 dito.
com sua3 perten-
EB1TAES
iswtetdm Garr*t, entrado dos
1 29 ao cDrrenu e -onsignado
ihaloo :
de Agniao Fonceca
6 caixas a Ferreira, Mon-
I eaiza ao comaendador
Gnimaraes 4 C.
9 caasigaatarios.
a Viaaaa Castro C. Fi
A FUfeo. Fraetas 38/2
sea C, 5 a Albino Jose
laSrta Gardaao & Pessoa, 1 a
' C Lavas 1 caixa aos coosisnau-
3 caana a Paea. 4 C
9 a Francis
.-> Goa*arfes Ferreira &
,U0a Jaao atoaJhcBasae Faria.
aa agr eja I caixa a Manoel de Az-
<*m ea pratal caixa a Henrique
I caixa a Daaragos Jose Fer
1 caixa a Joao Roarigues de
a Irixain* Prima
a A Fatreira C
0 Dr. Jose Dominguas da Silva, juiz substitute do
juiz de direito e orpbaos da comarca de Olinda,
por Soa Magestade 0 Imperador, a quem Deus
guarde, etc. ,
Faco saber aos qoe 0 presente edital virem e
delle noticia tiverero, que no dia oito do proximo
vindouro maz, a uma hora da tarde, depois da an-
diencia deste juizo. tern de se arrematar, por vea-
da, a qaem mais der, uma casa terrea de pedra e
cal, a rna do Coamarcio, ontr'ora Quatro Cantos,
n. 14, chaos proprios, 4 portas, 2 salas na frente,
sala de detraz e quintal}; pertencente ao espolio de
Jose Francisco do Nascimento, a qual foi avaliada
por 800*000.
E para qoe chegae a noticia a odos, mandei
passar editaes qae serao pablicados pela imprensa,
e afflxados nos lugares do costume.
Dado e passado nesta cidade de Olinda, a 2 de
setembro de 1874.
En, bacbarel Francisco Lins Caldas, escrivao, 0
escrevt.
________________Jose Domingues da Silva.
0 deserobargador Fraacisco de Assis Oliveira Ma-
del, official da imperial ordem da Rosa, e juii de
direito privativo de orpbaos da cidade do Reci-
fe de Pernambuco 0 sea termo, por S. M. 0 Im
peraaor, a qaem Deus guarde, etc.
Faco saber a qaem 0 conttecimento do presente
chegar, qae por este jaizo e a reqoerimento de
Francisco Luiz dos Santos se proceden a jostifica-
cao de prodigalidade contra seu fllho Manoel Laiz
doe Santos, e depois da prova lestamunhal, e pa-
1 aparador com espelho.
1 espelbo n. 1.
1 dito n. 2.
1 diton. 3.
30 dito. 26 ditos pequcnos dos camarotes.
31 dito. 1 mesa n. 1.
32 dito. 1 dita n. 2.
33 dito. 1 dita n. 3.
34 dito. 1 dita n. 4.
35 dito. 1 dita oval n. 5.
36 dito. 6 bancos da mesa da camara.
37 dito. 6 ditos de dita.
38 dito. 6 moxosde de assento de palha.
39 dito. 2 commodas.
40 dito. I armario de vidracas.
41 dito. 2 guarda-copos.
42 dito. 1 cadeira de braco.
43 dito. 10 bancos do conves.
44 dito. Louca de mesa constante de pratos
chicaras, pires, pratos travessos a cobertos.
45 dito. Vidro de mesa constante de garrafas
edpos, calices e compoteira*.
46 dito. Apparelhos de camarotes,constando cada
um de bacia, jarro, ourinol, eseova e saboneteira.
47 dito. Baldes de folha para despejo dos ca-
marotes.
48 dito. Trem de metal, constante de terrinas
pratos cobertos, assucareiros, mantegniras, galhe-
teiras e palmatorias.
49 dito. Talheres de mesa, constantes de facas
garfos, colberes de sopo e de cha.
50 dito. 86 colchdes de earaa dos camarotes com
sens travesseiros.
51 dito. 200 lencoes.
52 dito. 80 cobertas de cama.
53 dito. 30 toalhas de mesa.
54 dito. 150 guardanapos.
55 dito. 100 toalhas de mao.
56 dito. 362 fronbas.
57 dito. I panno de meza.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda,
juiz de dire.to especial do commercio,
nesta cidade do Recife de Pernambuco,
por S. N. imperial, etc.
Faco saber pelo presente que Jose" Luiz
ie Mello, successor e liquidatario da extincta
Srraa Mello & Oliveira por seu advogado,
me dirigio a peticSo do theor seguinte :
Petijao.
Mm. Sr, Dr. juiz de direito do com-
mercio. Jose" Luiz de Mello, successor li-
quidatario da extincta fir.ua Mello & Oli-
veira, sendo-lbe Manoel Xavier Ramos da
Silveira, devedor da quantia de...........
4349190, e Duarte Jose" da Silveira, de.....
5039360, e Candido Francisco de Mello
ed 2530710 e Jose Manoel da Silva
Barros, de 2909410, debitos todos cons-
tantes de letras que estao prestes a pres-
erver, querendo 0 supplicante por ueio
do competente protesto interromper a pres-
cript, vem requerer a V S. digne-se
de mandar tomar por termo 0 seu protesto,
afim de ser intimado aos supplicados, por
que estes estejam ausentes em lugar incerto
e nao sabido, requer outro sim, a V. S
dig-ne-se admittil-o a justificar a ausencia,
afim de ser a intimac.au feita por carta de edi-
tos na forma e preenchidas as formalidades
da lei. Em tempo 0 supplicante declara
que as letras aceitas pelo primeiro sup-
plicado e de 7319190, e a do segundo de
1:2239360, tendo ambos dado a quan-
tia por conta.
Pede a V. S. deferiraento. E. R. M.
Estava uma estampilba de duzentos reis, le-
galmente inutilisaaa coin a data e assigna-
tura supra.
Recife 8 de agosto de 1874.Rego Bap-
tista.
Despacho.
Justitique-se juntando-S3 as letras. Re-
cife, 8 de agosto de 1874.Barros de La-
cerda.
E nada rnais se continha em dita pet'ujao
e em virtude do meu despacho, fora feita a
distnbuicao ao escrivao Ernesto Silva, de-
pois do que via-se 0 termo de protesto do
theor seguinte:
Termo de protesto.
Aos 22 de agosto de I67i, nesta cidade
do Recife, em meu cartorio, perante mim
e as testemunhas infras assignadas, compare-
ceu Jose Luiz de Mello, successor e liquidata-
rio da extincta firma Mello & Oliveira por seu
advogado Dr. Francisco do Rego Baptista e
por este foi dito que reduzia a termo 0 con-
teudode sua petigao retro que offerecia co-
mo parte* da presente, e de como assim
disse protestou', e depois da lido assignou
com as indicadas testemunhas.
Eu Francisco Xavier de Souza Ramos, es-
crivao escrevi.Francisco do Rego Bap-
tista.Joaquim Canuto de Santa Anna.
Manoel Silvino de Barros Falcao.
Nada mais se continha em dito protesto,
depois do que 0 escrivo intirino fazendo
sellar epreparar os autos m'os fez conclu-
sos e nelles dei a sentenca do theor se-
guinte :
Sentence.
Hei por justificada a ausencia dos supplica-
dos, pelo que 0 protesto de folhas ser-!hes-
ha intimado por editaes com 30 dias de
prazo, affixados e publicados como 6 de
costume.Custas ex-causa.
Recife 25 de agosto de 187?.Sebastiao
do Rego Barros de Lacerda.
E nada mais s> continha em dita sen-
tence. 0 escrivao fez passar 0 presente pelo,
theor chamo, cito e hei por citados aos
referidos justificados 0 que for a bem de seu
do qualdireito e justice.
Por tanto tida e qualquer pessoa, paren-
ts, amigos ou conhecidos dos referidos
jostifica dos Ihes poderSo fazer sciento de to-
do 0 expendido.
E para que cbegue ao conhecimento de
todos, mandei fazer 0 presente que sera" affi-
xado nos lugares do costume e publicado
pelos jornaes.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco.aos 28 de agosto de 1874.
Eu, Francisco Xavier de Souza Ramos, es-
crivao interino, subssrevi.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
Iihliiuto Archeoliigico e Ge< gra-
phic IVrnamhucan".
Havers sess8o ordinaria quinta feira, 1
de outubro proximo, pelas 11 horas da ma-
nha.
ORDEM DO DIA.
1." Questdesadiadas.
2. l'areceres e mais trabalhos de com-
missoes.
3. Palestra litteraria.
Secretaria do Instituto, 28 de setembro
de 1874.
J. SOARES D'AZEVEDO.
________________Secretario perpetuo.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia se faz publico que
a arrematacao dos seis armarios, annunciada para
o dia 16 do corrente, ficou transferida para o dia
3 de outubro vindouro, que sera nesse dia defini-
tivamente arrematados, devendo os pretendentes
entender se com 0 porteiro desta reparticao.
Sseretariada ttiesouiaria de fazenda de Pernam-
buco, 29 de setembro de 1874.-0 3* escripturario,
servindu de secretario,
_______Silvino C. de A. Sobreira.
A arrematacao
das fazendas e arroacao da pequena loja de Apipn-
coa, que foi de Joaquim Antoniu Paiva da Fonceca,
que esta annunciada pira aoinU-feira, de ou-
tubro proximo, sera feita a praca na sala das
audiencias, depois da do lllra Sr. Dr. juizo do
commercio, pois quem a pretender arrematar, e
querendo examinar, pole entender-se com 0 de-
positary geral Manoel Goncalves Ferreira e Silva
onde se acha a chave da mesma loja.
Estrada de ferro de Olinda
H 11 I i p as
Esta compatibly cum-
pra sulipas de oiticica,
de 9 palmos de compri
mento sobre 9 pollegadas
de largo e 4 de espessura
ou grossura.
0 gerente,
L. J. de Miranda.
Largo da Caatpina.
Idem n 11 (fechaaa). .....
Rna do Coroaei Soawana
1* andar do scbrado nonera 94 ,
PATRIMONIO DOSORPHAOS.
Rna da Moeda.
Casa terrea n. 21 fecbada}.. .
Becco das Boias.
Casa terrea n. 16.......
Roa da Lap*.
Casaterrean.il.......
Rna do Amorim.
Sobrdo de 2 andares n. 13 .
Casa terrea n. 34 .
Roar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......1534000
Rna do Vigario.
t* andar do sobrado n. 27 .
I* andar do mesmo......
Loja do mesmo.......
Rua do Encantamenlo.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada).
Rna da Senxalla velha
Idem n. 16.......
Rua da Goia.
Casa terrea n. 25 .
dem n. 29.......
Roa da Crnr.
Sobrado de 2 andares n. IS (fechada).
idem n. 14.........
Rna de S. Jorge
^asa te-rea n. 100 (fechada) .
Idem n. 103 Z
Rua do Ampare )Olinda)
Casa tercea n. 18 (fechada).... 240*000
Os pretendentes deverao apresentar no ado da
arrematacao as soas fiancas, on comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores, devendo
pagar alem da renda, o premio aa quantia eaa
que for seguro 0 predio qoe contiver estabeieei-
mento commercial, assim como 0 servico da lira-
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da Santa Casa da|Misericordia do Re-
cife, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Bodrigues -U .Souza,
40000O
4.21*000
802*000
602^000
S2*000
243*000
240*000
300*000
1:400*000
209*000
209*001.
201*000
800*009
600*000
X
241*010
207*000
Gu
B^SEftPSfff';
Capitania do porto de Per-
nambuco, 29 de setem-
bro de 1874.
Aviso aos navegantes.
Em vista de communicacao do Illm. Sr. capitao
do porto da provineia do Para, se faz constar que
no dia 12 do corrente, foram eollocaJas 3 boias
pintadas de preto, na extremidade do banco fron-
teiro a esta cidade, as quaes determinam 0 limiie
d) canal pela p2rte de oeste e sua direccao A
1." collocada na pontj do N' do dito baoco esta
em 4,m de fundo em baixa mar, demorando-lhe
0 Forte da Barra por 40, N". E. e 0 Castello ao S.
a do raeio esta em 3,m3 de fundo na mesma cir-
cumstancia, tendo 0 forte da barra por 26', S.
E. e 0 Castello por 15 S. E. ; e a terceira desta
ultima profundidade. fioando-lhe 0 Forte da Barra
por 23' N. E. e 0 Castello por 24\, S. E. rumos
magneticos.
0 secretario,
____ ________ Decio de Aquino Fonceca.
No dia Sexta-feira 2 de.outubro, liuda a au
diencia do Sr. Dr. juiz de direito da primeira va-
ra civil, tem de ir a praca uma casa lerrea, sila
na rua de S. Miguel n. 81, da freguezia dos Afo-
gaaos, com 8 palmos de frente e 86 de fundo
quintal em aberto e solo foreiro, pela quantia de
960*000, por execucao que movem a viuva e her-
deiros do finaio Marcelino Jose Lopes, contra
Francisco Jose de Oliveira e sua mulher.
- 0 proeurad r fiscal do thesouro provincial
de Pernambuco declara aos joalheiros Pedro Al-
lam. Phelippe Leon Poig e David II .yen, que de
menos pagaram 0 imposto de 2.000*000 por mas
catearem na provincia no exercicio de 1872 a 73,
diflerenga que se deu em consequencia da lei n.
1061 art. 16 41, publicada no jornal official,
ter por erro consigaado a quantia de 1.000*000
quando fora volado aquelle acima iadicado ; que
Ihe fica marcado 0 prazo de 30 dias impr.irogavel,
a contar da publicacao deste para solicitarem da
seccao do contencioso as respeclivas guias para
pagarem a differenca do supradito imposto na ra-
zao de 1:000* cada um, certos de que se 0 nio
fizerem dentro desse prazo, se procedera contra os
mesmos a cobranca judicialmente na conform:da
de da lei n. 891 art. 53.
Ssccio do contencioso do thesouro provincial
de Pernambuco, 28 de setembro de 1874.
0 procurador fiscal,
Cypriano Fenelon G. Alcoforado.
Seccao 2.JSecretaria da presidencia de Pernam-
buco, em 28 de setembro de 1874.
Por esta secretaria se faz publico, de conformi-
dade com 0 art. I a l., do decreto n. 4,668 de
o de Janeiro de 1871, que a serventia vitalicia
dos offlcios de 1. tibelliao do publico judicial e
notas, escrivao de orphaos e mais annexos do ter-
mo de Tacaratii, compareceu Manoel Franeisso
Botelho.
Companliia Fidelidade
aeguroK maritimoas e terreatre*
A agencia desta companhia toma seguroi ma-
ri'.Im s e terrestrea, a premios razoaveia, dando
nos ultimos 0 solo livre, e 0 setimo anno gratnito
ao segurado.
Rua do Visconde de Itaparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
_______________________Agente. .________
Santa Casa d Misericardia
do Recife.
A Illma. junta alministrativa contrata com qaem
por menos fizer os concertos de que preeisa 0 so-
brado n. 94 da rua do Coronel Suassuna, ontr'ora
de Hor'as, pertencente aos estabelecimentoa de ca-
ridaae.
Os pretendentes poderao saber nesta secretaria
quaes os concertos a effectuar, e deverao apresen-
tar suas propostas em ca-tas fechadas devidamen-
te selladas, na sala das sessoes da mesma junta,
pelas 3 horas da lardc do dia 1* de outubro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 28 de setembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza
FUIYDICAO
DE *
C. Starr & C.
SSo convidados os Srs. devedores a vir
satisfazer seus debitos, provenientes de let-
tras e contas vencidas; sendo que nio 0 fa-
zendo ate 0 dia 30 de outubro proximo vin-
douro, serao vendidas em leilao. Poderao
comparecer ou mandar ao escriptorio da
fundijao ou do testamenteiro H. J. Cannan,
rua do Commercio n. 40.
No dia 28 do corrente tern de ser arremata-
dos pelo juizo de paz de S. Jose, diversos moveis
pertencentes a Januario Jose Ferreira, a requeri-
mento de J>ao Gomes da Costa, as 4 horas da
tarle.
Peraote a camara municipal desta eidade
estarao em praga nos dias 23, 24, 25, 26, 28. 29 e
30 do corrente para serem arrematados por quem
maior preco offeiecer, 0 seguinte :
Os alagueis das casas da praca da Independen-
ce, ruas de Joao do Rego, Riachi'ellu e Imperial:
os pretendentes a taes arrematacoes habilitem-se
na forma da lei.
Paco da camara municipal do Recife, 22
le setembro de 1874.
M. J. do liego Albuquerque,
Presidente.
Francisco Augusto da Costa,
Secretario.
Pelu tbesouro
0 secretario,
Joao Diniz Ribeiro da Cunha.
cassarolas, panellas, etc.
59 dito. 1 fogao e 1 caldeira portatel.
60 dito. 1 lote de reaM de tintas, oleo e outros
jectos de sobresalente do navio.
61 dito. 1 virador de linbo de 4 pollegadas.
qo62 dito. 4 espias de couro.
63 dito. Uma porcio de cobre novo e veibo.
64 dito. l |aindaste volante.
65 dito. 2 siooa e I carapa de metal
A camara municipal desta cidade faz publi-
co para conhecimento dos interessados, qae a li-
cenca, dada aes capataies, talhadores, magarefes,
ajndantes ou aprendizes, valera somente por rim
anno, e a falta della nos primeiros 15 dias do mez
de outubro do anno financeiro municipal e juiva-
lera a perda de emprego, conforme determina 0
artigo 231 das posturas municipaes de 26 de lu-
nho de 1873, '
Paco da camera municipal do Re:ife, 23
de setembro de 1-874
M. J. do Rego e Albuquerque,
Presidente..
Francisco Augusto da Costa,
Secretario.
Sociedade Fropagadora da
Instruccao Publica
Nio se tendo reabsado a reuniao da asserablea
geralno dia 30 de agosto Undo por falta de nume-
ro, 9ao novamente convidados todos 03 socios a
comparecerem no oia 1* de outubra proximo vini
douro, pelas 6 horas da tarde, na rua dePedrts
Affonso n. 29(escola normal), afim de contuidet-
a assemblea geral com 0 numero que se apresen-
tar, ouvir ella e resolver sobre 0 seguinte :
Approvacao da acta da ultima assemblea.
Exposicao do movimento da sociedade durante
0 corrente anno social, pelo presidente do conse-
lho superior.
Leitura e approvajSo das contas do mesmo con-
selbo.
Parecer da conmissao nomeada para indicar a
reforma de quo precisam alguns artigos dos esta-
tutos.
Eleicao do novo conselbo.
Secretaria da sociedade Propagadora da Ins-
truccao Publica, 18 de setembro de 1874.
V. de M. Mello,
2* secretario.
provincial se faz publico para
q']?Ti mtcressar pnssa, que foram transferidas pa-
ra 0 dia 8 do mez proximo vindouro as arremata-
coes seguintes :
Obra da bomba do Fragoso, na estrada do norte,
orgada em 840^027 ; obra da ponte do Moes sobre
0 rio Tapacura, orgada em 1:485* ; 0 imposto de
capira consumido na cidade do Recife, orcado em
I:939*46J, e fornecimenlo da alimentacao dos
presos pobre? da casa de detencao.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambn-
co, 26 de setembro de 1874.0 secretario,
______________Miguel Alfonso Ferreira.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS D PJSh-"
NAMBUCo, 30 DE SETEMBRO EE 1874
Maiaa a expedir-se
Pelo vapor nacional Ceard, esU adminisffaca>
exoede malas para os portos do sul, hoje (30).
Recebem-se Jornaes, impressos de qualquer na-
tareza, e cartas a registrar, ate 1 hora da tarde,
jartas ordinarias ate a horas, e estas ate 2 Ii2,
pagando porte duplo.
as cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio ria
SSta' PaBar* previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15 grammas ou fracgio de 15 gram-
mas, e estes a de 40 r*. por 40 grammas ou frac-
cSo de 40 grammas, na progressSo estabelecida
nas tabellasC e D -aunexas as instruccoes do 1
de dezembro do 1866.
Pelo vapor nacional Jaguanbe, esta administr..-
cao expede malas para Maceio e escalas, Penedo e
Sergipe, hoje 30.
Rocebem-se jornaes, impresses de qualquer m.-
tureaa, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde.
cartas ordinarias 3te 3 horas, e estas ate 3 1-2
com porte duplo.
0 administrador,
Affonso do Rego Barros.
0 Dr. Quintino Jose de Miranda, juiz de direito e
snbstituto reciproco de orphaos, nesta cidade do
Recife de Pernambuco, e sea termo, por S. M
0 Imperador, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber a qaem 0 conhecimento do presente
58 dito. Trem de cozinba, constante de caldeiras, chegar, qae pelo juiz substitute de orphaos e a
"irequerimento de Joaqnim Goncalves Ferreira,"se
procedeu a justiflcacao de prodigalidade contra
sea filho Antonio Qoncalves Ferreira, e depois da
prova te9temnnhal e parecer do Dr. candor ge-
ral interino, snbiram os autos a roinha conclusao
nos quaes proferi a sentenga do 'heor seguinte :
Demonstrado como es a com os depoimentot das
testemnnbas e parecer do Dr. enrajor geral inte
rhlok constantes Jdos preseqies .aotos, rje que 0
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Illma. junta admimstrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico one
najsala de soas sessoes, 0 dia 24 de setembro, pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a ires annos, as rendas dos predios em segnida
aeclarados. ^
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
Rua do Padre Floriano
Casa terrea n. 63.....
Rua das Calcadas
Caaa terrea n. 30 (fechada). .
Idem n. 36.......
Vidal de Negreiros.
Caaa terrea n. 114.....
Idem n. 94....... [
Rna larga do Rosario.
! andar e loja a. 24 A. .
!. andar n. 84 A.. '.
207*000
200*000
221*000
362*000
301*006
:J 10*000
40&KKK)
OKJRIO
Relagao das cartas que deixaram deseginr
para Hespanha, Portugal e Buenos-Ayres
por falta de franquia
Antonia Joaquina Alves de Brito, Antonia .V -
ria da Cunha, A. J. Gomes Netto, Antonio Franci--
co Ferreira, Antonio Francisco de Oliveira, Ant -
nio Joaquim Dias Medronho, Antonio Jose da Criu,
Antonio Monteiro dos Santos, Antonio Rodrignes
Martins, Antonio Ribeiro, Bernardo de Faria Sea-
res, Domingos Jm6 da Costa Araujo, Ernesto Ma-
deira Pinto, Francisco Fernandes Cruz, Francisco
di Silva Luna Junior, Francisco Sales Mendonca
Suva Carvalho, Francisco Martins Rodrigues da
Conceicao, Henrique Pinto Alves, Joanna Dias de
Oliveira, Justina Rosa da Souza Peixoto, James W.
Hall, Giovanno Cestaro Ceitadiuo Italiano, Joaquim
Antonio de Vasconcellos, Joaquim Jose Gomes da
Silva, Joao Jose Paixao de Vasconcellos, Joaqmrn
Monteiro da Cruz, Joaquim da Silva Maia, Juaa .
Cirilo Olavarria, Joao d3 Mello, Jos6 de Figaeiredc.
Jose Goncalves Martins, Joae Joaquim Correla, Jose
Joaquim da Silva, Jose Pereira de Lima, Jose Mar-
ques de Freitas, Jose Rodrigues Ferroso, Jose da
Silva Matu, Luiza Diegues, Leacoch & c., Laiz
Thome Gonzaga Junior, Maria Amelia da Silva,
Maria Custodia Gomes, Maria Eugenia Feteirac,
Maria Ferreira, Maria Gutierrea, Maria Ricardi.,
Maria Rosa de Jesus, Maria Rosa da Natividade
Gomes Leite, Maria da Silva Ramalbo, Manoel As-
caray, Manoel Ceelbo, Manoel Fernanles Monteiro,
Manoel Ferreira de Moraes (2), Manoel Jose dos
Santos, R. Knowles & C, Raymundo Fernandes,
Serzedello 4 C, Tbeodorinha Feteiras, Therec
Balga Martins, Thereza de Jesos Menbara, There-
za Martins Torres. Themoteo Copella It), Thomaa
Jos6 de Oliveira, Traiano Luiz de Franca, Victori-
node Almeida Rabello.
aV

_
1 DSTA TNCORREmi



Diario de Pernambuoo Quarta feira 30 de Setembro de 1874.
i da rVuembooo, 96 da setembro
io7*------O official,
A. H. it Araujo Pernambuco.
THEATKO
Santo Antonio
. CBM.'UHIA ITAUARA
Qointa- feira 1. de outubro.
'reclta
A mw CIVIL
taoa 5 acws, do immortal Paalo Giaco-
^P^ priaaeal edit a cargo Enrico Dominici.
AVISOS MARITIMOS
ma
wl do Nasciinenlo Chave s
Antonio Per-grinn Cavalcante de Albn-
uer|iin
Francitco pio daSilva Vallenea
D. Anna Francisca Accioli Lins
Antonio Rodrigaes da Silva & C
Athilano Jose da Costa Castello P.ranro
\hU 0 Mi,
*"| pertafaex Triumph; pretende seguir
ireriiade: para carga e passageiros
y caasigaattrios Tbomax de Aquino
Waaca C. eaecMsorea. rna do Virario n. 19
Lins esterlinas.
Vendem Aogusto F. d'Oli-
veira & 0.
R do Comaaareio n. 41.
Hha de S. Miguel
1JM com fcrandade para S. Miguel o palha-
Ltmrenfo, para onde rece-
naafeiros : trata se com ps consig
de Aqumo Fonceca & C. Succee-
Vigario n. 19, f andar.
aavegacao a va-
i, liaaitada
Peoedo, Araeaju e Bah is.
E" esperado dos portos
do ml ale o dia 1 de on-
to bro o vapor Goncalves
Martins, o qual seguira
para os portos acima no
dia seguinte ao de sna
ehegada.
w_, encommendas passageiros e di-
a an*.
Agents
Aadnio Lua de Oliveira Aievedo.
57-BaaojBom Jesas57________
aaerieana e tirasileira
> pfMtes a vapor.
Ate odia 1* de outu-
bro e esperado do sul
o vapor South Ameri-
ca, commandante In-
kiepangh, o qnal de-
pots da demora do
seniri para New-York com escala pelo
aaasafeas trau-se com os agentes
ey Farnter C.
Roa do Commercio 8
res,quadros com finasgra- B3&X aft u
vuras, livros de direito, bT'u
bercjos paracriancas, relo-
giosdealgibeira tie ouro e' JSSSfeJtaC
prata, camas de ferro, me- m^tJ&^Sk^f*
sas redondas. com pedra, i^piVffi rJ2T
cart iras para eserlpiprio, ^^^1*7^
espelhus grander coin mol- -
duras douradas, lavato-
rios, quartmheirasi casaes
de ratos, sabios indianos,
muitos trastes avulsos e
immensos artigos do uso
domestioo
Oiiin' feira I de outubro
A's 11 h ras da manha
NA
FEIRA SEMANAL
16Rua do Iinperador-16
ARMAZEM
pelo agente Martina.
Agente Pestana
leilao
8138840
7MS60'
ibino
luO|830
a
2!<5|80O
77IIW
21iSo Ucl
l8WM ^
695800, ,.
i1 s8i'f'
7i|Gi0
2278900
(048420
911560
160S IId
179180
.r-Wi&aSJNfB:
ENSINO $
1>E (>
I'AKillUS 1)01111 IDAS &i
E
.rWTTHIN'TfCA
ilifiyido ihT
m\N(m:i, roxr.i:c.i demcm:
m\E LIGHDAMO DE JOIAS ATE FE-
VBREIRO MINI) FITI'RO
ROS
LEILAO
DE
Miudezas, perfumarias, rroveis, ouro, pra-
ta e brilhantes
QUARTA-FEIRA 30 DO CORRENTE
ao 11 liorn* em pun to
No armazem de agenda de leildes da rua
do Vigario Thenorio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de chapeos
para senhoras, ditos para meninos, trancas para
vestidos, enfeites, tinteiros magico*, brincos de
plaquet, latdes, leques de sandalo, pecas de seda
para vestidos, luvas de pellica brancas e pretas,
cigarros e muitos outros artigos relaiivos a miu-
dezas, pianos de armario e mesa, mobilia de jaca
randa e jnnco, mesas elasticas, sofas avul-o?, pa-
res de espelhos grandes e pequenos, carteiras, se-
cretaiias, cofres de ferro e muitos outras artigos
pertencentesamo7eis usados e novos.
Tambem na raesma occasiao vendera uma fac
tara de ouro de uma loja cujo dono fugio, e ven-
dera por maudado dos credores as joias abaixo
declaradas: pares de brincos, voltas, cacoletas,
pares de botSes, anneis de brilhantes, ditos em pe-
dra, ditos de cabello e com letra, aderecos, pulsei
ras, guarnicoes para camisas, e mnitos outros
artigos relativos a ouro, prata e brilhantes, que
se tirna enfadonho menciona los.
DE
fazendas e chapSos
(Em continuagAo e por liquidagio)
A saber:
de clina
de 13, de raetim, de
gaogae
Ffce
de Jameiro
Brigue nacional S. Paulo
i ceei brevidade : para carga e escravos a
*t*e, irata-#Ba roa do Vigario n. 7.
Dho de S. Miguel.
Cmm aorta brevidaie segue para S. Miguel o
r fciriio palhabote portugnez .Voro S. Loarengo.
ton* resto da carga e passageiros trata-se com
* rfimnjs Tnomaz de Aquino r*uceca A
C srcwes i rna do Vigario n. 19.
LEILOES.
Leilao transferido
se feavia annunciado para o dia 15 do
para commodidade dos Srs. mutuarios,
HHderido para o dia 2 de outubro, na casa
tmmtrti. a travessa da rua Duque de Caxias
L a* II boras da manha.
LEILAO
>vtis, loa^as,
DE
vidros e mais
artigos
Cm
11 h ras da manha
A SABER:
de faia. composta
f
de 12 cadeiras
dejparaijao, 2 ditas de bracos, 1 sofa, 2 consolos,
taapas de pedra. I mesa redonda de amarello, 6
adaras die guarnicao, 2 ditas de bracos, 2 con-
mIb. S aesas de pinho, 1 lavatorio e pertencas,
2 taprihes coo molduras douradas, 2 arandeias
a fax, I caou fraacez?, lonca de porcelana, trem
de oazaka, 2 jarros, 4 lanternas, 1 candieiro a
aa eama anitos artigos que se acbarao paten-
ts a* acto 4i leilic.
O afeate Piano Borge>, antorisado pelo Sr. Joa-
|aaa auri Diaa, levara a leilao os refendos mo-
wu, aa taariin a. 36, a rna do Ran gel.
NA
Feira Economica
Raa do Rosario estreita n. 45
HOJE
A'S 11 HORAS DA MANHA
ptU a^enle Martins.
grandr'-, toncadores, aparadores, ca-
i, aurqnezdes, piano, meias coraaio-
i pedraa, mesas, cadeiras, nma
artigos de mtdeira, lonca e vi-
WJdoroe*tk e jardim.
Leilao
DAS
djvalas da massa fallida de Joao Francisco
JMaacoort. na importancia de........
iNivitO
QUNTA-FEIR.4 I DE OUTUBRO
At neio dia
Onav PiMo, lew* novamente a leilao o pela
, as drvidas acima ditas, sendo que dita
raalirsili com quern melhores vanta-
em vlrtnde do despacho do Ulm.
r. Dr. jsax de dkerto especial do commercio.
Ultimo leilao
DAS
dividas da massa fallida de Joaquim Fer-
reira Lobo, na importancia de3:lo79936,
servindo de base a maior otTerta de......
1OOJP00O.
Quinta-feira 31 do corrente
Ao meio dia
0 agente Pinto levara novamente e pela ultima
vez a leilao as dividas acima ditas, sendo que dita
venda sera effectuada naquella occasiao com quem
melhores vantageus offerecer, isto em virtude do
despacho de (lira. Sr. Dr. juiz de direito especial
do commercio.
Em continuacao
vendera o mesmo agente Pinto a parte da casa do
becco do Abreu n. 1, na importancia de 32%R96,
pertencente a referida massa de Joaquim Ferreira
Lobo, servindo de base a oflerta do 75000, obtida
no leilao do dia 23 de setembro.
Leilao
DAS
dividas da massa fallida de Joao Ferroira da
Costa Soares, na importancia de.......
98:5-27^374
QUINTA-FEIRA I DE OUTUBRO
Ao nieio ilia.
0 agente Pinto, levara novamente a leilao e pela
ultima vez, as dividaj acima mencionadas, sendo
que dita venda sera effectuada najuella occasiao
com quem melhores vantagens oft'ere;er, em vir-
tude do despacho do Dim. Sr. Dr. juiz de direito
especial do commercio.
LEILAO
DE
FAZENDAS
rancczas, inglezas, suissas eallemas
SEXTA-FEIRA 2 DE OUTUBRO
Dnarte Irmao farao leilao, por interveneao do
agente Pinto, de differentes fazendas francezas, in-
glezas, suissas e allemas, cm sen armazem da rua
do Bom Jesus n. 34.
________ Principiard as 11 boras.
LEILAO
Feira Semanal
TDobilias completas, pianos
de armario, gnarda louca,
aparadores, mesas para
jantax, camas francezas,
ofcjectos de ouro, prata e
brilhaite, jarros para flo-
DAS
dividas na importancia de 7:931j?490, per-
tencentes aos bens que fjcaram por falle-
cimento de Pedro Jose da Costa Castello
Branco
SEXTA-FEIRA 2 DO CORRENTE
A's 11 horasda manha
Em o !.* andar do sobrado da rua do Marquez
de Oiinda n. 37.
0 agente Dias, enmphndo o respeitavel despa-
cho do Illm. Sr. desembargador juiz de orphaos,
levara a leilao no d:a e hora acima indicados, a
requerimento do inventariante dos bens deixados
for fallecimento de Pedro Jose da Costa Castello
ranco, as dividas que abaixo se mencionam, in-
clusive algumas que se aebam ja recebidas pelo
mesmo inventariante, as quaes vao com a compe-
tente declaracao
A SABER:
Antonio Pereira da Camara Lima, race-
beu o Inventariante S
Antonio Joaquim Goncalves Fraga
Agoslinho Pacheco Raposo
Joaquim Victorino dos Santos
Hercnlano Antonio Marroquim, recebeu
o inventariante
Joaquim Alves do Barro.-
Brax Antonio da Cunba, recebeu o inven-
tariante
Pedro Alexandrino Ferreira
Antonio da Silva Marques
Manoel Antonio Tavares
Jose Eloy de Oliveira
Claudino Rodrigues Campello
Joaquim Jose de Oliveira
Antonio Germano Alves da Silva
Manool Francisco das Cbagas
Vicente Alves Moreira
Clementino Paes Barbosa
Francisco Correa
Luiz Felippe Cavalcante & Irmao
Joaquim Jos6 de Sant'Anna Trave
Bernardo Nunes
Manoel Jos6 de Souza Lima
Jose Antonio da Silva Grillo
Manoel da Trindade Bezerra
Innucencio Torres
Francisco Ferreira
Jose Bento
Antonio Pinto de Magalhaes
Bernardo da Silva Cardoso
A venda n. 35
Jose Mende= Carneiro Leao
9S900
1998270
3218000
3278240
i89080
53S820
1028450
408480
318000
t0o520
391740
19i
6388240
158S280
10|700
6284SO
1668370
73390
108580
918830
74S860
108i
131320
18|700
8400
368600
8538
Chapeos a Cavour, de palaa, de merino,
de seda, de castor e la.
Chales de merino, de seda,
ganga e csemira.
Lencps de cassa, de seda, de cbita, de
cambrala.
Merin6 preto e de cdres.
Casemira preta e de cdres.
Gravatas de diversas qualidades.
Chapeos de sol de alpaca
59 pecas de mnssnlina branca.
100 ditas de cambraia bispo.
20 ditas de granadine de cores.
10 ditas de atoalbado cm.
4 ditas de atoalbado de linho (bramante).
30 diias de damasco de cdres.
24 ditas de dito de la.
13 ditas de dito de setim.
20 ditas de filo preto francez.
120 ditas de panno para colchao.
100 ditas de mussulinas abertas.
10 dnzias de veos para casamentos.
2 ditas de capas de casemira.
1 dita de tunicas de chuly.
11 ditas de cintos de seda.
50 pecas de chitas de ganga.
60 ditas de cassas para cortinados.
15 ditas de algodao enfestado.
iO ditas de damasco de linho.
10 duzias de camisas de linho.
100 pecas de sargelim preto e de cores.
10 ditas de damasco lustroso.
Tapttes de di versos tamanhos.
E muilas outras fczendas.
Quarta feira 7 de outubro
Rua do Bom Jesus n. 63.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello Si C, usando da autorlsacao que tern do
Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial do commer-
cio, continuarao a dispor em leilao no dia acima
dito, por inteYvengao do agente Pinto, das fazendas
supra mencionadas, que fazem parte da mesma,
e que tornam-se recommendadas por serem mui-
tas dellas ultimamente despachadas, e proprias pa-
ra a presente e3tacae.
0 leilao princiiiara as 10 i|2 horas em ponto,
no armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
Os pretendentes poderao examinar ditas fazen-
das na vespers o dia do leilao.
It** v.-f-i por somana *
a l..r e mi a >ito 2
Rua d> Marquez do Herval (niitr'ora ^
Concordia ) n. 138 a 140. &
9? v^ w? r-mwrsnk
L^i
PARTICULAR
Baa da Rodan. 48, aohrado
Pnrneiras lettras, portuguez, francer, inglez,
desenho linear e musica.
Sob a direccSo do professor Hermino Ro-
drigues de Siqueira, funcionam ditas aulas
todos os dias uteis.
Recebe alumnos internos, meio-pensioftis-
tas e externos; fornece t ido o material para
tscripta e livros aos principiantes, por pre-
cos muito razoaveis.
Aluga-se o 1* e 2 andares do sobrado sito a
rua de Lombas Valontinas n. 86, com os commo-
dos legnintes : 2 salas, 3 quartos, cozinha f6ra
em cada andar, tendo para terventia dos mesmos
quintal com portao para a rua de Hortas e cacim-
ba com excellente agoa para lavar. Tambem se
aluga o 2* andar do sobrado sito a travessa dos
Expostos n. 28, com sufflcientes commodos para
peqaena familia : as pessoas que pretenderem, di
rijam-se a rua Nova n. 17, que acbarao com quem
tratar.___________
Rua do Hospicio n. 28
Aluga-se a casa terrea a rua do Hospicio n. 28 :
na rna Dnque de Caxias n. 54, andar.
Uua do tttbiigd jV,. o.
Os piTijisii-i.iiios ili-st.i amijti j '* joio*. n-s tlwHli*-!'^
!ii|i:i lr i) *" ii pth|i<,|crifii'J
os suaa joias d'oum, prata brilhant-s
pn-yos, assini corno as 9p4tninrqendas j;i Ceilas, quo furem cbegando fia
EuropH, pulns |>recos da factura.
varpftili
!-fi:l:i.
Jit.I; WiiiVlII j,wa nihb*t UmLm*
com (iiiirniM sbatiniento nos
M1S0S DWEBSOS
Ao commercio.
0 abaixo assignado muJou seu estabelecimento
para os armazens ns. 13 e 15 da rua da Moeda,
occupados ultimamente pelo Sr. Manoel Ferreira
Pootes, declara que o seuramo de negocio 6 com-
prar e vender aguardente e espirito, portanto pede
aos senhores negociantes exportadores deste gene-
r, que esla habilitado para bem servir e com
promptidao aquelles que o quizerem honrar com
soa confianca, podendo ser procurado nos mesmos
armazens. Recife, 29 de seteateo de 1874.
Manoel Marques de Oliveira.
-^Precisa-se alugar uma escrava para vender
na rua : a tratar na. rua do Bom Jesus n. 29,
Recite.__________________________
Hmlanca de estabelecimento
0 padre Francisco Ccelho de Lemos e Silva,
scientifica ao respeitavel publico, e principalmente
aos sens prestimosos freguezes, que tern raudado
o sea estabelecimento typographico, e tudo o
mais que tinha no seu estabelecimento na rna do
Imperador n. 15, para a casa amarella, sita no
Arraial (freguezia do Poco da Panella,) onde se
acba prompto para prestar os sens servicos, com
aquella exactidao e fidelidade, (de que sempre ba
usado), nos dias uteis, das 9 horas da manba, ate
as 5 boras da tarde.
Precisa-se
de um rapaz de 14 a 15 anno.-, para vender bolo :
para informar a rua do Rangel n. 56.__________
Precisa-e de um caixeiro ccm alguma pra-
tica de taverna, de 14 a 16 aunos, portuguez ou
brasileiro : a tratar na rua Imperial n. 94.
Cavallo furtado
Em a noite de 7 para 8 do corrente mez, no en-
genbo Pedra Redonda, do termo do Bonito, Turta-
ram do abaixo assignado nm cavallo com os sig-
naes seguintes : um pe branco, uma estrella na
testa, uma orelba murcba, marca de peitoral, alem
de outros ferro?, tern em cima da anca do lado es-
querdo o nome SIPO' : qualquer pessoa que traga
ao engenbo Sipo dito cavallo, ou noticia delle, sera
bem recompensada. 0 abaixo assignado aproveita
o ensejo para scientificar as autoridades policiaes
e ao respeitavei publico, que todos os animaes que
tiverem na anca do lado esquerdo o nome Sipo,
pertencem-lbe, pelo que so podem ser negosiados
por ladroes, e desde ja protesta contra quem os
comprar. EngenhD Sipo.do termo do Rio Formoso,
20 de setembro de 1874.
_______ Joao Baptlsta Castanha.
Precisa-se de um moleque esoravo para o
servico de uma casa de familia: a tratar na rua da
Camboa do Carmon. 11.
FUMHCAO DO BOWMAN.
RUA DO BBUM N. 52.
Passando o chqfariz.
Vende taxas de ferro batido a 300 rs e de ferro fun-
dido a 150 rs. a libra.
Fedeaattencao dos Srs. agricultores, a qualidade e
preco de seus maquinismos de toda a especie e tamanho.
ESCRIPTORIO
a rua da Companhia Pernam-
bucana n. 2.
ESTAC.AO PRINCIPAL.
a rua Nova de Santa Rita
ns. 55 a 59.
Esta empreza de transporte de raercadorias, inaugura o trafego dc suas linhas no
dia 10 de agosto do corrente anno.
Wopvico da EalacSo das Cinco Pontas papa Recife.
A empreza encarrega-se da entrega das cartas vindas pela estrada de ferro aos seus
ireguezes, de tirar e entregar-lhes ate" as 8 horas da manh, as amostras do assucar
cbegado na vespera, pagar d vista do conhecimento o respectivo frete e fazer conduziro
assucar e os outros generos com a maior promptidao para o armazem dos compradores
ou recebedores.
0 pre$o do transporte comprehendidos os servigos acima mencionados, a carga,
descarga, e arrumagdo no armazem 6 :
Por sacco de assucar................ t20 re*is.
Por fardo de algodao...............-. 160 reis,
Ancoras ou barris a razSo de.......... 2J6000 re"is a pipa.
As cargas destinadas aos engenhos e remettidas pelos freguezes da empreza ser do
transportadas gratmtamente para a estagao das Cinco Pontas,eserao recebidas ndo so
onde ixtstirem os trUkos, mas em qualquer ponto dos bairros do Recife e Santo An-
onw.t '
Sepvlco do Forte do Mat (os papa as rnas do Apollo e Bpuna.
A empreza encarrega-se de receber com o seu pessoal os assucares e mais genero
clos trapiches ou do caos, com direccfio aos armazens das ruas do Appollo e Bru m
qnaesquer outras dobairrodo Recife na proximidade de suas linhas.
Opreoo de transports comprehendida acarya edescarga earrumacao no arma-
zem e
Por sacco de assucar................. go r^jSi
Por fardo de algodao................. joo r&s!
Por ancoras ou barris d razio de........ l^aoo r^is nor pipa.
Recife, 1 de agosto de 1874. F F F
HOTEL
RESTAURANT DE BORDEAUX.
Kua Fnmeiro de Marco n. 7 A., l. andar.
Quartos Tnobitiados com gosto
Perito cozinheiro francez chegado nltimameote da Europa. P. Saovigiac.
Asslgnaluras mensaes
Gabinetes particulares
Salao verde
Salao encarnado.
Admtntstrador, J. Ddsuc.

(mule Liquid <>>
Do Museo de Joias
Rua do Cabuga n. 4
Neste importante estabelecimento, vende se para acabar at feve-
reiro proximo futuro todas as joias de ouro, prata e brilbates alii
existentts. por prec/>s ate" hoje desconh>cidos, bem assim as remessas
que forem chegan to da Europa, pelo prer;o das facturas.
URAJNDE LigUlBAQAO
TOLENTINO DE CAKVALHO
Rua do Cabuga n. 1 c
Tendo resolvido liquidar o seu esiabecimento de joias, declare
que desta data em dia tn os seus preoos serao extraordinariamente
redozido, eomo nSo poderd haver competencia.
draiiilc Liqjiidiira i
0 COLLAR DOURO
Rua do Cabuga n. S A.
v Os donos desta grande l-ja de joias.'resolvendo-se a liq'iidar o seu
estabelecimento ate pri'-cipio do anno proximo futuro, vendem com
grande abr.tim-nto de precos tolas as suas joias de ouro, prata ebri
lhante- como tambem as que for rocebeodo da Europa, pelo pre<;o
da fabrica.
Grande Liquida^ao
Manoel Antonio Goncalves
Rua do Cabuga n. 3.
Tendo rezoiviln liqml.ir no meimr tempo pissivel o sou estabe-
lecimento, vpnde para acahar todas as suas joias de ouro. prata o bri-
lhantes, com enorrr e abitimento de pregos. E as remessas que fo-
rom chegando da Europa, pelo prego das facturas.
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 A.
LOJA I>K JOIAS
DE
JOSE JIMQUiE l)l\S 1)1! IiE.0.
Isto mIhi ja nilo e liquidnctto v ejaeioaa !!
0 proprietarii d^sie unv e-ialI nniiio atnrodo em o nie-p^rad-> e tridjr dos gritos que
surgemde todos osangii1 > d,^ta gra ,!< cidad-, aoaooeiandaa liquid^cau do- e-tahelecimentos dejoia";
e, receioso de Hear SOSINHO, \ua*t fo bin avahar. asgranles vantagens qua neste caso devena ;iu-
ferir; tomou a inabalavel aMiloca ,ie QUEI.MAR fcela* is >uas joi.K. cm o umco fim de eneorprar-
se a grande caravana, h, rum ella. i-cgnii en, rumaria ion.....e segredn I
A pyra esta aid^nie as iebinan agiiar os sacrificadores.
Isto posto, espera >e, comjoMa r i5o, uma iiranle c^ Dcarrenera dog amantes d< ecn
que nao devem perder o en-ej., dese i,r,,veri-ni ,1e nhie--tos tae-; e devem n*n ainda assim fazer,
qne depo:s de todas es-a ii,)ui,i;n;oi-s. euin o n,,v> auu,,, >rai>am >e a-. JUIAS d,:=ta cidade, e nao
tera o publico aonde dellas s puoa i>r,,vpr.
A ellus A ell s !
ESSENCIA
Premiada nas expo-
sicoes de Pernambuco
e Rio de Janeiro.
"lAlllilftTOCAIIllS!
*-.
Pharmacoutico
Pela osc.iln de Paris
>iiiTeSS"r >Ie
Premiada na exi,-
si-.aii de Vienna d'Au-
tria.
MED.MIIA DE MERIT,,
aristide mm E.
fiu kill
\
tivo e
como
TROS
o seja
di, -.,'ign,-. sem nif-n'urio.
Huh,-rMu OHiiii um puderoso depura-
raa i,ri(.'Pin na imiiureza do a,igiie,
RhEUMATISMO, KMPrNOENS, Dab-
TratamentO puian.eli'e ivyelal vel,l,1ee,> unhi'ail i
A Eeeencta de Cnroba P um mnedm I. je r
especial para cur rt i, ,r a. n.|,-im- qne tpem a
jam : as molesti> yphiliticas, B,ubaticas e Escr,,flxosas,
LCERAS, ERUPCOES, ETC. K C.
Os prodigiosus ,IT> n .- i|u>- inn produzi u a EHitencIa de Caroba, por toda 'Mite
onde ella tem sido aprnpnadanientp pxperm entada, a ten, ie,in a,i,-i iai coon, um dos medieamen-
tos mais segnros e mais en boubatica.
A cada frasco acompanha uma inMFaecan para a maneira de uar.
Pomaila anli-darlrosa
Contra as affecQ5es cutaueas. darthms, c,,mich6es, etc., etc.
I iigtiniln di- i ar !;
Para c'ura das bonbas, nlceras, ehagas antipas, etc.. fte.
UMCAMENTE PRI-PAhADO POR
RODQDAY OL IH1Au>, SUC ES ORES
H lira Iraiiii'/.i
22 Rua do Bom Jesus 22
ANTIGA RUA DA CRUZ )
FRENERVATIVf Di ERYSIPEL4
DO
Bacharel Manuel de Siqueira Cavahnti
Rejnpdio effl,az,na s6 para curar qunl^ or ataque de erysipela. comj
para impedir o seu reapparfcimento.
Apprnvad,. pel,. G .verno Imperial, acba se a djspnsicao do pnblico
com as respect!vasrnstrucvSes, aitestadosde pessoas notaveis, e de Medicos
dc grande reputa,;ao.
Depositds unicos.
Recife: rua do barao da Viet na (rua Nova)
Rocha Siqueira.
Rio de Janeiro : Corte, rua do Ouvidor, n. 78.
Gratis aos Pobres.
$^m

--:
:-
240 RS. 0 COV ADO
Lindas cassas de corps e bran?, com listrs e pettoas as*et nadas a 840
rs. o covado : ua loja de Antmio Correi* ,H) v,coiioll.i, rua Priioeiro de
Margo nrM3.
I
^*^9


Duric de Permauttico -
feira 30 de Setembro & 1^74
Soares de Amaral & C.
aa m Mn: frrjaw. ? qae^ mudaram o seu
KtlniH'lo de giuero- de estiva, do armazem
caes S a tandef a pan o armazem da rua di
eealelVosa.._________________
Boa moradia.
e safe 4a eslrad* de Agua Fria n. 2,
casa para oanurosa farr.ilia e excellente
M riacao Jacai*. (.erto da eslacao doc*-
de terra' a iralar aa ma Primeirc de War-
- O-__________________
Ciira Inslaolaea
descoberlalll
\ i qmnu iiauu de am ealix do superior vinb >
qae aa recde do I* andar do sobrado
96, a raa flair cdSb g?aade vantag' m e extraordinaria eco-
aaaata, d-. iMirativos (ao apn-goados e conbeci
4m per ae*f e caroba, etc. 0 mediramento qae
rara todas as molestias como
a* aaaaceia* q^e *e annnnciam, acompa-
Valtestados; todavia. reslabelece irome-
M l-Tea, e pnrifica o sangue, sem a
fratipen de ser nocivo a sadde.
Vara de orphaos.
Ojai d>orpbaV.se aus-mtes desta capital mu-
a aa reaeearia para a raa do Viseonde de
Ammaatrwatr u. II, eatr'ora da sMatriz tia Boa
*at__________________________________
Ao corpb do commercio.
O atoixu ai-igaaio declara ao eorpo do com-
avtae <>rU cidade que nao se responsabilisa
par ajnlfBT empra qae faga o Sr. Lick, nies
9* aae loi da olQcioa do Sr. Silva Cardoso, sita
a raa 4* Barao da Victoria, oulr'ora Nova.
aVetr. 26 le setembro de |87i.
Aa>ct<> J i -i.
Bunhos e dormida fresca no
Monteiro.
MBfa-se aii duas casas pequenas, tendo cada
zaaa, fleas .-alas trcs eaartM e cozinba : a tra-
tar aa ma Nova, loja n. 7.
Alnga ie nm rapaz excellente copeiro por
-- r > iuin.)o. para hotel pa casa de
. i -Tsog-iri a tratar do Corredor
i i Xa mesmt casa engouimase com
n a f ie senbora.
t-
..
Aluga-se
e iota i d raa do Fogo n. 27, e tambem
em ?:, outro : trala-se a rua do
. Hi>, rma.-in.
li novi rival!
pakm eomo a nossa, e
r 'i listen ia de nm unico
i daqael.e que se deno-
.- -
i porqae aeaba de hrirse a
a p < Itairro d.j R-cife a rua
a Caas.. 12, ama casa rommoda e de-
, .1 inblen do Commercio
cad" r invel poMieo enconlrira sewpre
aa* praoH rio | ira :
On baj.iissde e
I'm lam-he.
iii boat
-ira* le de L> b'das lioas.
I ; ,:!.'. eiiiharaues.
fraeUs de d< lieado sabor.
:'-> a Die preparadas.
.:.:-. qoal ,:: r Ii r;..
.n> c.-u_ raio prfel /.a e prego* equi-
.
e? -
I i! muaerdo 22
; Si Lima
d Cominereio.
FUtilDO.

.
i a, na freguezia de Se-
'. > e.-".:ravo Francisco.
cos de idade, pouco mais
retvlaras, o!hos:rasos e
c ,.M i;jn.-, denlea per-
toieio bonita, sem
pes seeeoa e bem feitos.
. e mmeadador Antonio
. ah r >;o eogeiiuo Cabeca de
ao crrelor Oliveira, moradcr
AJuaa-fO nnia easa tei-r-a na iua dos I'efca-
dures, cum 1 salts, II quartos, cor.inha 16ra e quin-
tal grande, ;oai cacimoa : a iralar na trave-sa de
S. Jose n 22.
Aloga-se
nma excellente casa terrea em Olinda, pateo de
S. Pedro Novo, com gaz e agua : a tratar com
Marc lino de Souza Travassos, no Forte do Mat-
tos.
Antonio dc Azevedo Villaroueo.
Pelo presents s5o convidados os afilhados e afi-
Ih.das de Antonio de Azevedo Villaroueo, falle
cido em Portugal no mez de onlubro de 1873, a
apresentarem dentro do prazo deCOdlas a con-
tar desta data, a certidao de seu nascimenlo, em
casa do abaixo assignado, testamenteiro insiiiuido
pelo dito fallecido, alim de que sejam devidamente
atlendidos na partilha a que lem de proceder-se
com a precisa igualdade, de accordo com a d'spo-
sioao testameataria. Recife, 10 de setembro de
1874. Man el Azevedo do Andrade.
Dr. CinclnatoAlvea Cavaleante
Camhoim.
Francisco Alves da Silva, tendo de mandar re-
tar uma missa, no convento de 6. Francisco, as
8 horas do dia 3 de outubro, por alma do Dr.
Cincinalo Caraboim, convida aos pareotes e ami-
gos do flnado para assistirem
m
a ella.
Olivolra.
Silva, sua mu-
Tiburclo Antaaeg de
Antonio Gomes de Oliveira e
Ihcr e cuahadas, pedm as pessoas de sua ami-
sade e aos amigos de seu fallecido sogro e pai
Tiburcio Antunes de Oliveira, o caridoso obsequio
de assistirem as missas que per inten^ao da al-
ma do mesmo mandam celebrar no convento da
Gloria, na regunda feira 5 de eutnbro, pelas 7
horas da manlia.
Joao
Xaviefl^a
0 Ur. Jo5o Francisco Xavier Paes Barreto,
Iranzido de dor pelo passamento de sua muito
presada tia D. Rita Zeferina Coelho da Silva,
manJa rezar por sea eterao de.canso nma missa
na matrix de S. Lourenco da .Malta, no dia 2 do
proximo futuro mez de outubro, as 9 horas da
manha ; e convida as pessoas de sua amisade pa-
ra asistir a este acto de piedade.___
hi i Hull i i uiiiaa" will
Jose Bom Ramos de Oliveira.
3 anntversario.
Um amigo e comnadre do fioado
Jose 8om Ramos de Oliveira, grato a
uas memoria.manda rezar uma mis-
sa por sua alma, quinta feira 1 de
outubro, pel is 7 horas, na igreja do
Carmo, convida a Exma familla e
amigos do finado para comoarece-
cerem a ease acto de caridade.
AttenQao.
Fortunata Fortes avisa aos pajs desuas alumnas
e en; geral a todos os chefes de familia, lanto daqui
eono do fora, que se ;cha mudada para o 1* an-
dar do sobrado n. 21 da rua Nova, onde continiia
com sua aula de iustruccao primaria, ensinando
tambem todos os irabalhos de agolha, bordadosde
todas as qualidades, trabalhos de la, crochet e flo-
res, com muita perfei^ao; e em sua casa ensina
tambem o fraocer, desenho, musica e piano, por
ter para ias' escolhidos professores. Aceita ext r-
nas e iiitcruas, afli nca bom tratamento, muita ap-
plioacao, eoprecomais favoravel que em cutra
qualquer parte.
N. 21, le2 8nilares, Cambda ^
do Carmo.
Mnnoel I^neiliuo llcgo
Vallenca


9
Consoltas
MEDICO
das 7 horas
da manha as
W
f.bnmadne por eserirto.
Bspecialidades. Doencas dos pnl-
ir.Ses e do coracao.
I
Exmos.


:
-
-
-
Ajnd >nte,.na fregnezia da
" i. o escravo Gtiilherme,
s : pardo, com 2o anno-
n raoa, altora e corpo
' s, oibos gr.'.ndes, rcsto
gnas signaes iU bniba, r>?.riz
MM .' erda, d. lIi s porfeit is ;
* !> r- -'. e fnz movimento no
' -. c :. eeasiao 4e cumpnmen-
--a. le a o cha(>eo por ciuui da
1'. e muito alegre e diver-
.-.-a--e <, ( ;i na oidadt da I'.ira-
i Xazarct'o. Par tanto, rcga-se as
tn e a caj iliea de campo a
t seren entregaes
Pereira de Artujo, lo refe-
q :en teraa a pnga d; 3C0C00
S V,. d saeravo Guiiherme tern
rancfiha.
'

ISO,

i nematanta das divi-
i mai FernanSes da Cu-
l*a... i a da massa failida que
r .t seas debitos a iua Duque de Ca-
- .. nmawsa da m.triz de Santo Anlorio o. 6
il<\ e i L-es ccnslantemente pa-
ra l't
Salsaparrilha de Ayer
rixa rauFiCAR o samoitb.
O renomo de que goza este ex-
cdknte remedio ( devido a milha-
res de enras que tem operado, mu-
itas das quaes sao verdadeiramcute
manrilhosas. Innumeros sao os
eaaos em que o systhema, parecen-
d saturado da jMdridao de enfer-
ddades escroRUosas, tem sido
praaptamente restituido & saiide.
As atlecfoes e desordens, Bgerava-
das pela contamina^io escroiulo-a,
art pro. luzirem dores mortificanles,
^inScaleam gerslraente euradas por elle, em
** P"!** ^?*"' I*8 Pu',''co nt precisa de ser
a^Anaad ^ m* rirtudes e do modo de usal-o.
'uioso e nn dos mais dcatruidores inimigos
' >ra. senborfto-so ocenrta e traicoeiramenta
-1 e deixa-o fraco e inerme contra molestias
i a mfrccao de que corrompeu o corpo
> opportttixt, lavra rapidnmente sob algu-
1 ^*' *' J"-'*1 ''l J* "* euti* j* n orgams
- .- ca*o deposits, niuitas vczes, tuberculos
-. no cora^io, etc., quando n&o ae man-
Tixirca, etc.
in" tn> perfido nunca se deve dar
' e* tMpre melbor do que combaOel-o.
m os proprios tymjj&oma* actwot,
RILBA DE AlER podera evitar
Matr.
* ^* *-''- ~^ > Brytpelmt, Fogo de 8. A*-
"- ''flfii, JTkewMlinu, Tumoret,
iMiiliiladt doloroca nos ouvidos, olhos, Ik.;
*>91 f' iHtUgefa; ITydropetia,
r e arfeccoes do systhema muscntar e
t x-aro albno usando desta 8AX.SAJPJJt-
cm A l EM.
- Jtillimt Ttmrrrmi sao euradas com o
- -. Hint mi in Mais dilrtado espaco de
..i-pu- tarn ii^i ilia Kin fwfi iiiladai
ii, i FSarea gi!, as uiceracoes uteri-
' cs .tJe-tias das maiheres sin tambem allivia-
: -ate coradas por sea effeito purificador s
, quando causados por accu-
i aa aangue, cedem-llie tacil-'
< o Jf! *r Figmdo, C**getmo on
, Ictrrietm, quando sao oriundas
ttmmma < i aae
noivos.
Chamarros a vossa alUnj-ao para o novo esta-
belecimento que acaba de abrir-se a rua do Com-
mercio D. 22, denominado ASSEMBLEA DO
GOMMERUIO onde se preparam nca* bandejas
com grande varicdade de bulinhos caprichosa
nvnle enfeitados, tambem se apromptam bou-
quets.
Assemblea do Commercio
Keira & Lima
22 Rua do Commercio 22
i'recisa-se
alugar uma eserava para vender na rna
na rua do Cabuga n. 3, 2* andar.
a tratar
TEL
Restaurant de Bordeaux.
Aberto toda a noite, nos dias de esptcta-
culo da companhia italisna.
Credores
Massa falliJa de Thomaz Feruandes da Cu-
nba & C.
Samnel P. Johnston & C, administradores da
massa de Thomaz Fernandes da Cunha, CDnvidam
aos ere lores da mesma massa para apresentarem
os sen* titulos dentro As prazo legal de oito dias,
aOm de verificar os mesmos titulos : a antiga rna
da Senzalanova n. 40 e 42, em 29 de setembro de
1874
Escravos fugidos
Coniinaam a estar fugidos desde o anno de
1870, os escravos seguintes : Francisco, crioulo,
com 28 annos de idade, pouco mais ou meaos.
altura e corpo regulares, olhos grandes e brancos,
denies perfeitos, cabellos carapinhados, uma ci-
ealriz por cima do olho esquerdo, barba a Cava-
nbac, muito conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 23 ann:s de idade, pouo mais ou me-
nos, alto, seceo, o'h^s grandes e vermelhos. ca-
bellos um Unto aOfto, pouct barba, diiites per-
feitos, pe3 comnridos e seccos; ambos foram com-
prados ao barao de Nazareth. Des onfia-se qne
os ditos escravos rstSo f'.-cult'-s na cotn&rca de
Pajeo Je Fores, ou no Rio d S. Francisco. Ro-
g -se, portanto, as autaridades policies e aos ca-
pitoes u.e campo a eaiitura dos me.-mos escravos,
e serem entregaes a seu seu senber, Emilio Perei-
ra do Arauj >, no engenho A]"dinte, nn fregue-
zia da Ecada, do quern teiao a paga de 3tj0*000
por cj.Jj um.
Na raa d> sfarqoez de tterval n. i*i6. preoi-
sa-se da umi pesaoa escravi on forra para com-
pr r e vender na rut.
AdrntaMntlo: PAHiZ, t, Imiirad Mootmartaa,
Maapi-SIILLE. ASee^Ses lymphatleu, doeneat
la> tSttiflru, obstructs du flgdo a do bo.
obstroceowTfccer*. concrefSts calcnlosas da bile.
HOPITH. Affccrofs daa rlaa dIgeatiTU, Incoai-
modai do Mtomafo, dlaauao dlflcU, lasppetastla,
CMtralcis, dyrpep.)..
Ct LEST INS. areeeAH dot rim, da bralt*, SHMs
(ODcrofoca da* oarfaiM, gou, dtabaSw, albuatanria!
tUKTESIVE AffceaSe*dot rim, da kTlca,aMI*
eoncn;OM daa oarlnaa, (Ma, d.abetss, albombnala'
M
o HOME m FDEHTK na CAP8DLA
uaTiiatui !,,, r\Ummm, a-
' 3 .....'! com Armr-
J_-,,,,f ? anrtIf outra affeccao
*!! acnarao do seu poder renovaooi
i prampta coxa.
,
A* ' d Vicky, aciina nomed'1at Ifla^lfl n I
RETALHA fct .
Na bolioa frsneez* n. 22
* rlo PBnm Joaua
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, dil-se
dinheiro SQbre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
o 3* andar do sobrado da rua do Vigario n. o, com
grandes e bons commodes para familia, e agua
petatei : a tratar no arraazetn da travessa do C po Santo n. 25. _______
Alugase ama casa em Olinda, no mais hello
local, no pateo de S". Pedro-Novo, onde passava a
festa o corenel Vilella : a tratar no Corredor do
Bispo n. 73. ________ i___
liiqnida^aa a clinheiro
Alsrta economistas!
A Snltana de Paris, a rna da fmperatriz n. 54,
convida a prover vos do que ha de melhor em fa-
zendas, e por modicos pree,os. ^__^^
Caixeiros
O Pescador, a rua Direita n. 21, precisa de urn
on dous caixeiros para molhados.
Aluga-se umi eserava para todo o servigo :
na raa da Gloria n. l iO.
Est4 encouragado !! 1
A^uu mole ein pedra dura
Tanto Aa ate que a fura.
Roga-se ao Iilm. Sr. Iguacio Vieira de Moll
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a raa Duque de Caxias n. 36, a con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril da 1872,e nada cumprio;
a por este motivo & de novo chamado para d
dm, pois S. S. se deve iembrar que este negoci
ie mais de oito aanos, e quando o Sr. sea filho
achava nesta cidade.
a
mm
Joao Correia de Carvalho, artista alfaiate, ten-
do-se desligado da sociedade da casa commercial
existente a rua do Barao da Victoria n. 26, sob a
razio de Araujo, Carvalho & c., acha-se novamen-
te estabelecido na sua arte, a rua do Marqnez de
Olinda n. 48,1* andar, aonde os seus numeroso
freguezes o eucoutrarao prompto para execata
qualquer obm tendente ft saa arte, com esmero
promptidao.
a^-%%.
h
^x^f^r. '^%
E. A. DELOLCHE
U -Rua do Karquez dc Olinda-24
Esquiua do beeco sLargo
Participa a seus freguezes e amigos'que mudou
e seu estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortiraento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qoaiidades, relogios do
algibeira, de todas as qoalidanes, patente snisso,
de ouro e prata doorada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, desenberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
de tod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.
CASA.
ALUGA-SE
ur. a grande casa terrea com bastaotes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31. ________
Ama Precisa-se de ama ama para o servigo
lima jnterno de uma pequena familia : na rua
Duque de Caxias n. 54, loja.
AMA
segundoxandar.
Precisase alugar uma es-
erava para andar na raa : a
tratar na rna do Cabuga n. 3,
AMAS
Prerira se de nma pa-
ra cozinhar e outra para
engommar, e um mole-
que on preta que saiba vender na rua, prefere-se
escravas : a tratar na pharmacia Torres, a raa
de Marcilio Dias n. (35, das 11 horas do dia as 3
da tarde.
AMA
cordia n. 10.
I'rectsa se de uma ama que
cozinhe e compre para pou-
cas pes-oas : na rua da Con-
Precisa-se de uma ama
na raa do Vigario n. 19.
que saiba cozinhar
a \H k Precisa-se de uma ama de meia
\ III \ i>,ade e de boa conducta> Para com
n-Z-TXiTL prar e cozinhar, -e servigo domestico
em c?.sa de pouca familia: na rua Duque de Ca-
xias n. 70, 1 andar.
Precisa-se de ama ama
no becco do Padre n. 28.
que c.ziahe bem
Precisa se de uma ama
nma casa de pouca familia :
va, loja n. 21. <_
para o servigo de
a tratar na rua No-
Offerece se uma ama, para engommar
ou cozinhar para casa de pouca fami-
lia : na rua do Coronel Suassuna n. 99.
Ama
Aluga-sc
o primeiro andar com grandes commodos e sotao
do sobrado sito na rua do Hospicio n. 65, junta-
mente a loja : a tratar na rua do Vigario n. 31.
Eserava lugida
Desappareceu pela segnnda vez, de casa de seas
senhores, hoje 23 do corredte, a eserava lie noroe
Juliana, com os signaes seguintes : mulata aca-
boclada, cabellos corridos, costama trazeios amar-
rados, cara larga e com bastantes espinbas, nariz
cbato, com falta de denies na frente, cbcin do cor
po, altura regular, idade 25 anuos, pouco ma s ou
menos, levou nasorelhas uns brincos de latao com
pedras brancas, tem as pernas aeinzentada*, levou
um chale de merino eslarnpado, da cor I r nca, ja
velho, 1 par de sapatos de Iraoga, 4v lilosde
cliiK, sendo 2 claros e dous e'euros, 4e..-.:isas de
madapoUo, 1 dealgodao e3 lengoes; algvma desta
roupa levou a no corpo e o retio em um. ironxa.
Suppoese que dita eserava e-fa acwila Is. em ai
gum callogy aqui nesta c dade, vinlo do itio Gran
de do Norie, embarcada, por is-o nao sabe estrada
nenbuma para o ceotro : roga-se, portaHto, a to-
das as autoridades policiaes e aos Srs. capiiaesde-
campo que encontrar di a eserava, leva-la a raa
Duque de Caxias n. 76, amiga do Qu- iuiado, que
serao generosamente recompensados.
Modisla franeeza.
Mademoiselle Eugenia Lecomte & Irma, avisan
a suas antigas freguezas e ao publico em geral
que abriram novainente seu estabelecimeuto de
casa de costuras a rna da Imperatriz n. 5, pri-
meiro andar, pelo quo esperam continuar a me
racer a concurrencia das pessoas que precisarem
de seus servigos.
Oatharina fugio.
No dia 28 de agoslo proximo passado, ausen-
tou-se esta eserava, a qual tem os signaes seguin-
tes : estura baixa, rosto redondo, c6r preta, pes
pequenos, eostumava vendor leite, anda sempie
com nm cacele que lhe serve de arrimo por sof-
frer de rheumaMsmo, ja e iiosa e de nagio Cam-
bin-la : quem e enconlrar, pegue-a e leve-a ao sitio
do Cafundo, estrada de Joao de Barros, qne sera
gratiflcado.
Aluga-se oa veude-se uma grande casa terrea,
em Olinda, propria para grande familia ; tem gaz
e agua encanada, sita a rua do Aljnbe n. 31 : a
tratar na rna da Imperatriz n. 86,1 andar.
Obrasi iiiedictag do flnado vigario
Pranelseo Ferrefra Barreto
Aehando-se impresso o 1 volume (prosa) desta
importante obra, os editores avisam a lodos os se-
nhores subscriptores de o ir receber no Ingar
aonde subscreveram assim como o senhores que
ainda quizerem subserever, o-podera fazer nas li-
vranas desta pragat on nesta tVpographia, rua do
Torres n. 10. mediante a importaneia de 5 paga
nesta occasiao. Outro sim, fazemos sc:ente as
sociedades, a quem enviamos circulares, que re-
mettam Dos asiistas ds assignataras adqqiridas,
pare serem en via dm os exsmplaree. Rtcommen
damos essa obra ao illuslra elero.
Alug*-se por preeo razsavel uma casa na
povoagao do Caxanga.: a tratar na rua do mpe-
rador, livraria Universal, n. 54.
-----'-----TO
J.C- Atw ft Ca, Lowell, Mass, E. U,
*-*fl1 (', frmtUm e Analytic.
\>:xw: eac fob
'(javalios hp^rehendi^os
No deponto, em Ipojuca, 3uhaa-ae dous caval-
|...,senrto um castanbu fi'veim e ontro 3laSo, com
u.uda a fazer : qaem e jalgar cum direit^ serao
e^ '.regues. Ipojuca, 29 de setenibmaiaalili.
Madan a Albuquerque &
Irma.
Rua i." de Margn n. 44, 1. andar.
Teem a satisfagao de avisar as Exmas. Srs.,
t}ae recebem por todos os vapores, ngurinos, os
quaes estAo patentes para todas aquellas que qui-
zerem vestir-se com gosto. Sendo seus trabalnoa
perfeitos e mais baratos do que em outra parte.
14 Rua do Crespo 14
AlmsaVac u annaeem-de isrIiBi, Mo sobrsv
do da rua doe Burgos n. 11, par detrx.da rua Ao
Vigario : tratar ot.m Jose feliciam* Nazarflttb
rna da Praia n. 20,_______________
Pelo presenta s^o cttaTnados os credores da
massa falhda de Paulo Fernanda* de UUo Gui
maraes, para no pra*o do cia-o Wat apresenta
rem sens trtolw para serem veriflcados e
palo admioistrador : n% raa do Barao da Victoria
a.**.
tB-eife, 25 de setembro de 4874*.
----------^
O Monte Lima
tem um completo sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canntilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, cnarlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento d6
ranjas, galio falso para ornament'), cordao de la
com borla para quadros e espelbos (conforme o
gosto da eccommenda) tudo por muito menos
prego que em outra qualquer parte : na prara da
Indeuendensia n. 17, junto a loia do Sr. Arantes.
Hotel de Bordeaux
Pela seganda vez, os senhores devedores a este
hotel, sao convidados a virem saldar seus debitos
ate o dia 30 do corrente, attm de prevenirem que
suas contas sejam cobiadas judi:ialmenle, depois
de verem seas nomes estampados nos jornaes mais
lidos desta cidaie. Recife, 25 de setembro de 1874.
0 administrador,
J. Delsuc.
OLINDA.
Aluga-se por festa ou por anno, na rua de S.
Pedro Apostolo on Passo Castelhano, tres casas
ter re as, com encanamentod'agua e gaz, bons com-
modos e quinlaes grandes e marados, com diver-
sos arvoredos de fruclo : a tratar no pateo do
Coro Santo n. 17, 3. andar.n________________
Aluga-se o armazem do sobrado da rua D.
Maria Cesar n. 37, proprio para recolber fazendas
por ser muito espacoso e reediGcado, ou para
qualquer esubelecimento : a tratar na rna de Do
mingos Jose M rlins n. 48, antiga aenzala-Velha.
AO N. 9.
No progresso do pateo do Carmo vende-se man-
teiga iugleza "flor a 800 rs. a libra. _______
Narua Nova n. 19, &*QAar, vende-se uma
eserava mulata, por preeo commodo.__________
Escravo fagiilo.
Fugio do eogeoho Ajudante, na fregnezia da
ic-cada, no mez de junho do corrente anno, o
escravo Martinho, de c6r pttta, com it annos
de idade, pouco mais oa menos, altura e corpo
regulares, olbos grandes e-bnnnos, com prioeipio
de barba, denies perfeitos, cabellos carapinhados,
pes grosos e compridos ; anda um poaco decli
nado para frente, com a vista Drmada para o
chio; 4 muito cantador ..e official de carreiro.
Desconfia-se que o dito escravo esta oecullo em
terras do engenbo Para, na fregnezia de Ipojuca,
pelo que, incorrera nas peuas da lei, quem o liver
occult". Roga se as autoridades policiaes e aos
eapiuves 'le campo a capture do dito escravo, e
ser entregue a sem tenbbr, .Emilio Perelra de
Araujo, no referido engeuho, de quem ^erao a
a paga de SOjIOOO.________________________
Aluga-se o2 an da rOBdi)Rangel n. 73, todo reconstruido e
asseiaito, com bastantes comra >dos, escada
independente do 4. andar, e bem assim o
^quintaI i;i9Riiilr> mufto tre9aO''e com exeel-
linte viste Pwra*a nova fray do meroark);
fpara ver as chares, estao uo esta*b4lecimen-
to de aiolhados do mesmo predio, e para
tratar aathesouraria das loterias com Anto-
trmro Jos'S Rodrlgues de Souza (seu pro-
pri tifio.)
' Bods pianos.
Chegados de novo.
Vende-se.
Trooa-ne.
B alugra-se.
No armazem do vapor francez, a raa do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
MOBILIAS
dc vimc e de faia.
Vende-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
balanco, de bragos e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n 7.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e p6s den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete
divina, florida, lavande, p6s de arroz, sabonetes,
crosmeticos, muitos artigo delicados em perfnma
ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qaalidade
dos bem conhecidos fabricaaSes Piver e Condray,
No armazem do Vapor FatMB) a raa do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
lrtigos de differentes ;oatoa e
phantuzias.
Espelhos, leques, lavas, joias d'ouro, tesourinhas,
eanivetes, caixinhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de vellado,
dita.de couro, e cestiahas para bragos de meninas,
ehicotes, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charatos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, faoete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
Sos, lanternas magica?,cosnioramas, jogos da gloria,
e damas, de bagatella, quadros com paisagens
!;lobos de papel para illuminances, macbinas de
azer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, e bergos para crianga3, a
oulras muitas qninquilbarias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se node desejar de to
dos 03 brinquedos fabricados em dinerntes partes
da Europa, para entretimentos das criangas, tudo
a pregos mais resumidos que 6 possivel : no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outj'ora Nova n. 7.
Calcado francez
A 91
Botinas para homem
. Acabam de cbegar grandes jaeluras de botinas
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqat
com biqueira, de bezerro com bot<5es, e com ilho-
zes a 9&000 (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao dc
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pietas, brancas e de cores, diflerentei
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cSres differentes
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranga portuguezes.
Para nieniuos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
BOTINADOS e sapaloes, de bezerro, da deversas
qualidades.
SAPATOS de tranga.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guiiherme, perbaff
meias perneiras para homens, e meia3 perneixa
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7-
Tende-se

Apipucos
fl5W* do gratificaeSo
Esta em Apipncos o meu escravo Ignacio, o
qual lem os signaes semintes : cabra acaboclado,
20 annos de idade, altura e corpo regulares, ca-
bellos pretos e crespos, bigodinho fino e muito
pouca barba Da ponta do aneixo, tem um caroci-
nho de um lado da caneila por fora, nao tem
un'as nos p6s a exceprlo de um dedo, tem no
c Tpo mareas de chicote e na pa direita um pe-
queno calo, falla mansa e baixa, cara bexigosa e
olhos brr.ncos. Da-so 150^ a quem o trouxer ao
engenho Arendepe, freguezia de Ipojuca, ou nes-
ta praga ao Sr. Francisco Izidoro Ribeiro de Car-
valho Manoel Felippe de Sonza Leao Junior.
Aluga se um excell-nte sitio no Monleiro,
junto a estagao da iinba f rrt-a, com miutos com
modos ; tem jardim, coxeira e gaz : a tratar na
rua do Imperador n. 83 2.* andar.
Alugam se dou grandes sobrados, cada um
de um andar e sotao, sito3 a rua nova de Santa
Rita us 55 e 57, com agua, gaz e cano de esgoto
com 13 quartos e 1 eabinete : quem pretender,
dirija se ao Forte do Matt03 8or cima do trapiche,
Dantas.
Aluga-se o 1.* andar com sotao do
sobrado sito a rua estreica do Kosario, n.
29 : a tratar na loja do mesmo sobrado.
aaaa^3aaaaaaaaaaaaaaaBaaaB^aaaaaaaaaaaaaai
GOMPAAS.
Associa^ao commercial be-
neficente
Compra-se os relatorios dos annos de 1853 e
1857, desta associagao : quem os tiver e quizer
vender, entendase com o archivista da mesma.
Compra-se tres porlas de araarello, que este-
jara em perfeitoestado, na rua do Livramento n. 30.
VINDAS.
LEIS PRQ^INCIAES.
Vende-se no 1. andar desta typographia,
em m5o do administrado, Colleecpdes de
Lets Provinciaes a 500 rs. o exemplar de
cada anno.
Casa em Apipucos
Vende-se ama casa com 2 salas, 2 quartos, co-
zinha fora e quintal cercado com algaraas fruc-
teiras : a tratar na rua do Marquez do Herval n
160, outr'era Concordia.
'
Prrvine-se a quem qar qae tenha de arrema-
PUr o sitio da estrada do Sant'Anna, que o falleci
io major Joaquim de Albuquerque Hello apaoaa
proa 332 palmos de f ente, segundo a escrip-
ra lavrada pelo tabelliao inlerino Carl'.aj -as.^a.
Alnga se nioa es ra<-a para coanbar e cam-
rar : na rua da Matriz da Boa-Visiati 3.
Alteiifao.
|D nnieo deposito na Bah la, da mtito antiga e
capbecida fabrica de colla, denominada -Caraa-
cho, 6 a raa Nova do Commercio n. 2, casa
{.dos Srs. Manoel T. de Carvalho & C.__________
Pecisa-se de nma
siat-Q. "87.
Coziiihtira.
oa raa do Duque de
Ca-
Rim do kmm n. 57.
Presunlos inglezes para fiambre.
Queijos londrinos.
O-tras em latas.
Ovas de bacalhao em latas.
I.ag-islas em latas.
Azei onas hespanholas em frascos.
Azeilonas francezas em frascos.
Saucisaas de Oxford era latas.
Velas de cera branca de Lisboa. ^_^_
,uma casa na villa de U4rrir >s, oa rua do Com-
mercio, por prego- modKd : a tratar com Tasso
Irmaos & C___________________
Bazar das Familia?.
Reif elSilva & Gaimaries, proprietaries des
mai importante loja, sita a rna do Duque de
xias n. 0 A, esqaina da estreita do Hosario, no
intuito de satisfazerem seus freguezes, estao re-
sol vidos a vender por menos 50 por cento do qae
emoatra qualquer parte ; pelo que poem a dispo-
sijSo do respettavel pufcliuo, e especialmente da
bello'sexo, as seguintes fazendas com o reepeeli-
vos precos:
Riquissimas palonezas de gorgurao preto, rica-
menle enfeitadas, pelo diminute prego de 38/J0C0
cada uma.
Liodissimas popeKnas, padroes inteiramente no-
vos, que vendemos pelo diminuto prege de 2t20O
o covado.
P- pslinas de differentes gostos, inteiramente no
vidade que vendemos pelo prego de U600 o ee-
vado e baratissitno.
Popelinas de liaho eom listras, fazenda inteira-
mente nova, que se vende por,480 rs. o covado e
muito barato I
Lindissimas alpacas, gostos novos, muilo lar-
gas, que vendemos pelo prego de I 000 o covado.
Lindas alpacas pretas coml istras brancas, mui-
to largas, qae vendemos pelo diminuto prego de
UOOO o covado.
Sctira braaco aarao, U zenda maito superior, a
21000 o covado.
Riquissimas -caixinhas com espelho. cada ovi-
xinba o ntenao uma dozia de leogos, petes pregos
seguintes : o'aouO, *4000, 6^500 e 7*000.
Riquissimas eaixiabas de madeira enfeitadas, ca-
da caixinna coniendo uma dozia de meias para
sen horas, pelo prego de 5/500 e 6/000.
Lengos brancos, fazenda muito saperfer 2/000
a duzia.
Lindissimas carabraias brancas bordadas com
listras de crocket, fazenda iateirameate nova a
la 100 o metro.
Riquissimas saias bordadas para senhoras, a
6000 uma.
Um completo sortimento de laxinhas de cores
fazenda mnito boa a 200 e 360 rs o covado.
Riquissimos pannes de crochet, lanto para pre-
sentes como para eadeiras de guarnitao de salas,
a 1/500 um.
Um completo sortimento de alpacas de cores,
a 500 rs. o covado.
Cambraia tapada, Victoria, n. 26 a 7*000 a
peca.
Cambraia? bordadas com palmas de cores, a 400
r3. o covado.
Cambraias iraasparentes muilo finas, a 6/ e 7f
a peca.
Cambraias transparentes Nanssuc, a 4/000 a
peca.
Um completo sortimento de meias de cores para
homem, a 8*000 a duzia.
Ditas brancas em caixinhas, a 6*500.
Dilas duas de 4/C00, 4*500, 5*000, 5/500 e
6*000.
Toalhas felpadas muito enci r.adas, a 6$0W
6*500 a duzia.
Ditas alcochoadas imitando linho, a 5/500 a
duzia.
Granadinas com listras assetinadas, a 800 rs. o
covado.
Merino preto fran;ez, fazenda muito boa, a 3*
o covado.
Cortes de casemira, gostos novos, a 4/500 e
5*000 o corte.
Bramante de linho, quatro largnras, a 2/300 a
vara.
Dito de algodao com 10 palmos de largura, a
15400 a vara
Dito de dito trangado, de quatro largnras, a
1*600 a vara.
Madapolio francez madraste a 6800 a pega.
Dito superior irancoz, a 6*800 a pega.
Dito inglez, maravilha, a 5*000 idem.
Dito, elephant*, a4*00 idem.
Um completo sorlimeaso de cbitas escuras e Cla-
ras pelos seguintes precos : 280, 300, 320, 360 e
400 rs. o t vdo.
Um grande sortimento da chalet le merino es-
tampados com listras de seda, a 3*200, 4*500,
5*500 e 6*000.
Ditos pretos lisos, a 2*000;um.
Um completo aorlimento de algodao, de 3/800,
4*000, A-200 e 5*500 a pep..
A3sim como outras fazendas qae n3o mencio-
namos os pregos e que se vendem_ muito barato.
Reis e Silva & Guim3raes,
Cerram quanto ants a grande peehincha I
So no Bazar das Familias.
Rua Duque de Caxias n. 60 A._______
Katoeiras magicas.
Ao Bazar Universal cbegou um sortimento do
ratoeiras de ferro pars pegar pequenos ratos, es-
las sio de tanta vantagem que uma so ratoerra
fara (-esapparecer toao3 os ratos que houver em
uma casa ; e inteiramente ama novidade de van-
tagem : a rua de Barao da Victeria n. 22.
3
Guindaste.
Vtnde-ee um guindaste a apor para 5 lonela
das, ae systema movel, com a earreta para serv
collocado,^ 2i jardas de trirhos de ferfo de 60
hbraa p.r jarda, dos fabricantes Alex-.Chapel in iSt
;.. -BV-Otasg.'W : na rua do Vigario n. 10, es-
criptoirjo de Thomaz de Aquino.
''Vende-se ama casa no Camjnho 'Novo, pa"
raa ttaa'tryapha- n. 1 : a tratar na meama ca^a.
boa con-iiKta, boa cozinheira, tanto da fogao.co
mo de t*rno, eogom Ba com aerfeicao, coze, en
sabaa e faz doce ; e muito boa eompradeira e fat
to Jo o 8rvico de nma casa de familia : a tratar
a raa do Rangei, taverna n 7.____________.. _;,
Oleado pre^o.
Chegou receotemente nma faetura de aiceUaat
te oJeado pareto : a loja da praga da Iaoepaodaa
ns. e 20.
LIQUIDACAO
NA
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas muito boas para roupa do
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores finas a 320 e 360 rs. o covado.
So se vendo.
Ditas com listras abertas, fazenda fina, a 6G0 rs. o
covado.
Cbitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores miodas a 280 rs. o covado.
Cretones, o melhor qae tem vindo ao mercado a
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias braucas, bordadas abertas, fazenda
mais flna que tem vindo ao mercado, e fazenda
de 2*000 o metro, por 1/000 a vara ; A pe-
chincha.
Ditas pretas eom flores miudas a 200 rs. o covado.
Cambraia traosparente, fina, a 3/ a pega.
Dita Victoria, Una, a 4*000 a pega.
Organdy de assento branco e de cores, ccm flo-
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o covado.
E' pechiacha.
Cortes de casemira de cores raodernas a o*500 o
corte ; e fazenda ae 8*. E' pechincba.
Camisas de bnae tnas, lisas, a 36/ a duzia, e fa-
zenda de 55/.
Brim branco de linho a 1/400 a vara.
Dito Angola, verdadairo, a 600 rs. o covado.
MadapoUo francez verdadeiro, 24 jardas, a 6/ e
7/ a peca.
AJgodae T, largo e superior, a 5/ a pega.
Gorgorlo prelo de seda para vestido e para coUete
a 3/ o ovado
Toalnas alcochoadas a 4/S00 a dnzia.
Colobas grandes 3sW0*Bia.
Cobertas de gangi.'foTradas, a 3B.
Lengoes de bramante a 2/ U'".
Lencns de linho, abainbados e era caixjnhaa
3*500 a dnzia.
Ditos de caca de cdvea abainhados. a 3*1500 a du-
lia
E ouiros mnitos srugos que se vende por me
nos do que outra qualquer -parte e para se ties
So na lorera queiratn tnaadar ver aa amostras.
eaganaja de
liaillierme & C.
Una :famBia te te reaira aoariiona ia.pto-
viacia vende um piano d armano ae Herr, com
popco nso, uma irwbariaaja/aeaarnda, nma dita
if amarailo para quarto,** aiatarhos objects de
$p O^-redor*. Bispo a. It, das 7 as 10 horas
damaana, dai4:4^* d>taida, qae aHa
er>a quern tratar. _______
_ Vende ^um'oaaalde e^eravovaeostumaaei
recisao de diahai-
: na ipveasado
ao'servico de engeaho, por
ro; -An iioas e de-tioa
fjarioca n. 7.
r-~ VeMe-se^mctorrqae para met, torn ijoaeo
aipkdKMiuaOw4a.vswwq.-: Atraiar ao eafaaao
3 Jlow^e-Maribeca.
r- > I
1
:
'



.,_--:.-._ .-. ._.
Diario de iteroainbuc Quarta feira 30 4ft Seteirfbro de Ibll.
Eipoagio
Fazendas e artigos de alta
novidade
LWA DO PA8S0
In Prindro de Marco i. 7 A.
Grande liquidacao de fazendas
NO .
P*Vra o fa"b$Qp de chapeos, Ceroulas e camisas.
A C., proprietaries
i MtilnJMinulu, no loirvavel pro-
nto drsmenlirem o conceitn que 03
freguezes Ibes tem dispensado,
14a receber ae sua coota o mais rico sor-
*e aaaas, popelinas, Ks e artigos de Di-
tto eat Paris, e contiauarao a receber
~\ os paqoetes daquella procedencia ; per
a attencao de seas freguezes e os
i a darem om passeio ao sea estabeleci-
garaauodo Ihes qua eacontrarao a reali
a* ejae fie* diia, para arova dao um pe
i_re>amo. enjo infaUivelmcnle despertara a
i 4 is preteodentes.
fezeadas a casa dos freguezes, e dao
i aa-diante penhor.
*ra*aV c alia Movidadc e
ultima moda.
Cones to wstido de linho gnarnecidos de bico
to awi tazeoda e cdr, traxendo fivella, bolca,
BAZAR
N.72. Rua da Imp era t Hz .H. 7 2.
Mendes Guimaraes & Irrnaos.
Tendo os proprietaries deste estabelecimenio resolvido diminuir o grandts depoito de fa-
zendas, eotenderam fazer esta graude liquidacao, omoso ve dos precos abaixo mencionados :
para armac^
PEhANjf ,\ ratsebcu o araiae proprio
de cJiapeos.
Vende-se
la loja do Pavao, vende se ceroulas fran-
cezas de todos os tamanhos para homem a
1^600, e elites de linho a 900, 20500 e
3W00.
Camisas brancas corn peitos de algodao,
lima pmpriedade a margem da Cambda fazenda Una e por estarem um poucoen-
dos Remedios, contendo barro para toda e'lwtoadas a 20A0Q0 a duzia, ou a 1&800
qualquer obra, com uma grande olria,!caa,a uma, ditas com peito de esguifio de
caaa de vivenda e tres viveiros com peixes. j tabo a 39600 e 3*500 cada uma, diias
Prumette-se fazer todo e qualquer negocio : c a tratar
so a.
com fielfira Lins Cavalcaoto Pes-
s
chapeos pan senbora, de cores e
ma to cambraia braneos com lindos bor-
** to aaras com eafeites da mesma fazenda.
' iaa, etc. ei,-.
Caaaa to U para meninas e senhoras, guarne-
oaas to anninb .
Vesiaarios p;ra l>a(li*ado.
toaaassaaas camisas b rdadas para senhora.
L*ia*s to madreperola, para noivas.
Bicas c Ictus de seda, para casamaoto.
Cries de seia, lindas cores.
Goqaario to --eda branca e dito preto.
ScSmahas de delical^s padrdes.
Sanaa Macao to tolas as cores.
toaatoaapL^a pretos e to cores.
?Hat u pre to e damasco to seda.
Jrtdme iireta e de cores.
Fto to seda braoro e preto.
toeas aa<|uinas to seda.
Casaccs av nerino de cores, li, etc.
Maatis bra ilrira?.
CsaHbs e manias para noiva.
Caaa** lii to cores, ailas nuriposas brancas, de
saws, fcsas e Ix-rtadas
FW 4o iMsqce (novidade).
Pcrcalicas de qoadros, hstras, etc.
has to Knh para vestidos.
FoaUo to cores.
Saia* bjrdadas p>n senbora.
Graato snr>imenlo de camisas de linbo li.-as e
aartoaas. para bomem.
to cores para homem, senbora, meninos
fartisafto to chapeos de sol para homens e
to cores para vestidos.
aeao tranrado e de verao, bombazina, can-
etc elc.
to linbo e algodao para toalhas, e dito
tola.
*e linho branco e de cores.
to l Jas cores com listras.
Cbates to merino de cores e pretos
Motto t^a-inim e ditos de casernira.
Caaisas to chita para homem e ditas de Ha-
as to linbo e ditas de ahjodao.
to crochet para sofa, cadeiras, etc.
Leacos bortoios e dilos to lanyrintho.
Bacos cortes de vestid:>s de larlatana, bordados,
zara batos, e tariatana de todas as cores.
C- scbas to damasco de la, e ditas de crochet.
E^artil o? li Fi uiard to seda, lindas cores.
Mesas to seda para senhoras e meninas.
Caseaairas pretax e de cores,
rapelinis.
Kesie artigo temon om variaiissimo sortimento,
aao so eat gosto como em qnalidade.
Lava
cam B*Tas to seda, ditas com pal nas bordadas,
atoa ina^parentes e to oatras maitas qnalidades.
Lmaa
to paBea brancas e to cores, do verdadeiro fa-
ionvtn.
Flnalarnlr :
i pira s-'fa, cadeiras, caina, entrada, etc..
a brancas, chitas de todas as qnab'dades,
aaiipilriin eagoiao, trelanbas, bramantes, algo-
lici. cullarinbis, ponh^s, meias para homem e
aeaaera, poabos e collarmhos braneos e de c6-
res para senboras, gravatas para homem e senho-
-a, peilii awtodua, len^os de linho braneos e de
vices, dhoa to cam'^raia to linho, toalhas, guar-
laaaaos, paano fino, etc., etc.
* Loja do Passo
Rua Priioeiro de Man;o n. 7 A
antiga do Crespo.
1
E' con as senhoras.
A Magaoba, a ma Daqne de Caxias n. 45, par-
if fa aj beao sexo que acaba de receber da Eu-
raaa, am completo sortimento de artigos de ulti-
ntoaa, a como acba tosnecessario fazer am
loabo annoncio, por ja ser bastante eonhe-
. a capricbar sempre am ter bons correspon-
, sendo a pr.meira qoe apresenta o que ha
rootorno e por precas mui razoaveis, por
aOa-se a descrever somente o seguinte:
dooradas.
to cures, unto to seda como de gnipnre.
< toorados, to madreperola, marlim, tar-
uraga, oaso, etc
to bai'e.
, diversos artigos proprio? para pre-
eponbos.
ti para missa, com eapa de madreperola,
tatUraga, marflm, vellado, etc.
saM>i>b to setim para baptisado.
aaa bordadas para senboras.
aeseto.
mosaicas.
aaiercoa to tartarnga.
aaHaioe madreperola.
to madreperola.
Uvres para cabeca.
to vellulo.
dos melbores e mais af am ados
fabric lie i.
iktKM to sol para senhoras.
rtiaa de Telladw to todas as cores e larguras.
Moscas.
Qaewii livrar vos tostes malditos insectos? com-
stai aaaa aaaebiaa to malar moscas por 3*000
aa Maganlh, a ma Daiae to Caxias n. i!i,
Calvice.
A Magnolia, a roa Daque de Caxias n. 45, ven-
ae verdatoiro Vigor to Ajer, qne impede a
cabeUos.
Sardas e panos.
tcaa sardas e panos qnem qner; porqne a
aa, a raa Daajoe to Caxias n. 43, tem para
' a aerdatora Guliculeria, qoe faz desappa-
--- r --U- noacbas em poucos dias.
Si>
I
Grande descoberla
Curativo das molestias do
peito pelo
Varape ale aulphit'j de siorasi
A. BrR\r:i
Bite importable madicamenio qne acaba de ser
Tacoaaejato peloa distinrtos Drs Zalloni e Paras-
cawaas eaeaa aaa verdadeiro e^pe^itoo contra a
agj tm to caaaa po- elks experimentados, como se ve
aa sessieto aralemia to Paris da 24 de marco
toaarreaaj anno, eneontra-se nnicamente no
Deaosito to rharmaeia e drogaria
to
_ MartrWaaea C.
M- 4 Raa larga do Rosario N. 3i
T^?*ty a taverna da roa da Ponte Velha
*iregaeiaoa e com peqa?n? fuodos : a
Chitas largas a 160, 200 e 280 re" is.
Vende-se chitas francezas e finas a 120,280 e 320
o covado.
Latinhas a 120 reis.
Vende se lazinhas para vestidos a 120, 210, 320 e
400 reis o covado.
Chitas para cobertas a 280 reis.
Vende-se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 610 reis.
Vende se alpacas de cures, Unas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
Metim de cores a 320 reM*.
Vende-e metim de cores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas finas a 280 reis.
Vende se cassas francezas. finas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3|,
3*500 e 4*000 a peg).
Cambraia transparenle a 2 e 3*000.'
Vende-se pecas de cambraia transparenle a 3*,
32500,4* e 5*.
Cortinados a 14*000.
Vende se cortinados bordados para camas a 14*'
16* e 18*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e rout a parameninos. a 400 reis o covado.
400 re.s
cdres para
ca'^is t
Brim de cores a
Vende se brim pardo e de
400 reis o covado.
Toalhas para rosto a 700 reis.
Vende-se toalhas dt linho para' rosto a 700 e 800
rCis cada uma.
Chales de la a 640 rdis.
Vende-se chales de la de quadrus a 640 reis, cha-
les de metim a 1*160 reis, chales de merin6
flsos a 2*, e chales de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Abertnras a 2S009.
Vende-se aberluras de linbo bordadas, para ca-
misas, a 2* e 3 joOO. Ditas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cortr-s de casemjras iiuas para calcas a
5*. 5*500 e 6*
Orgmdy.
Organdy de acento branco e de cor, com no-
res wmdas e listras de seda e de 12 a 400 rs. o
covado, e fazenda de 1*, e e pecbincha : so na
rna do Crespo -n. 20, loja de Guilherme A C
Corles de. brim a 1*400.
Vende se cortes de brim de cores a 1*400.
de brim de Angola a ts'-OO a 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende se coberlas de chitas de cures a 2*.
Colchas a 2*J(0.
Dil03
Cortes de casimira a 4$, 5$
e 6#000.
Na loja do Pev3o, vende-se cortes de ca-
semira para calga a 4, 5$ e 65000, ditos
niuito fines de uma so cdr com listras ao la-
do, fazenda que_sempre se vendeu a 98 e
10W)00, liquida-se a S^OOO para acabar:
& rua dalmperatriz n, GO, de Felix Pereira
da Silva.
E' eeonoraico.
Graxa glycerina propria para a cnnservacSo do
Vende se colchas de fustao para cama a 2*. 3* e cordovao; vende a NOVA ESPERANQA, a raa Da
Paletuls a 3,000 rs.
^ Vende-se paletr-u de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. jcalgas de casemira pretaje de coie
leies de casemira preta e de cores, e ontras
tas roupas feitas baratas e fazendas qne est
quidando no Bazar National, a rua da 1m
Iriz n. 72.
que de Caxias n. 68.
PREDILECM
A' rua do Cabugra n. I A.
Os proprietaries da Predilecta, no intuito d*
jonservar o bom conceite que teem merecido do
respeitavel pnblico, distinguindo o sea estabeleci-
menio dos mais que negociam no mesmo generc
veem scientificar aos seus bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
',-as d'Europa para lhes enviarem por todos os pa-
quetes os objeetos de luxo e bom gosto, qne se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles paiies, visto aproximar-se o tempo de
testa, em que o bcllo sexo desta linda Veneza
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebessem peld paquete francez diverse
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Adere^os de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albons com ricas capas de madreperola e ds
veliudo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os
Adere^os completos de borracha proprios para
into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
oitos.
BotSes de setim preto e de cores para ornato ds
estidos de senhora ; tambem tem para collets
cali tot.
Boisas para senhoras, existe am bello sortimen-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de loaca
como de c6ra, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um ponco im-
pertinentes por falta de um objeclo que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulas de linbo e de algodac, de diversos pra-
i.CS.
Caixinhas com mosica, o qne ha de mais lindo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
te
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam am sortimento
aa ultima moda. Unto para senhora, como para
meninas.
Oapellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindo>
desenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a propris-
dade de evitar a carie dos denies.
EJ BOM SABER-SE j.
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato prego, em porc;ao ou a re-
talho : na rua larga do It isario n. 34.
Espartilhos.
loja do PavSo, vende-se espartilhos
Que a NOVA ESPERANCl, a raa Duque de I*""."** ** *#* Ji
Caxias n. 6.1, bem enhecida pela snperioridade de "m ; assim corns bomtos cintos com Jacos
seus artigos de inod^ e phantasia, acaba de recc- !"e 'e,,rn a 5&000, e sedinha6 tavradas com
ber diversas encommendas de mer adorias de sua toque de mnfo a 19000 o covado : A rua
reparticao que pela eteganci. bem mostra aptidao da Imperatriz n. 60, do Felix pereira da
e bom go to de seus antigos corresp. ndentes da c:iv- K
Europa, e por esta razao a X0VA ESPERANCA, '__________________________________
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa | a nQ narxrnana
e constante fregueaa e cum especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, a fun de apreciarern ate
onde toca o prirnor d'arte.
A NOVA ESPERANCA n3o quer e
2JS0O: a rua da Imptratriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.-
Cora dos cslrcitamenlo d'uretra eJ\
pela facil applicagao das
S0NDAS 0LIYAES
Cortes do cambraia
Na loia do Pavao vende-se cortes de eambrsia
transparanto com .bahadgs largos, tau*braoeo
como de cores, por baratos pretos, por lerem al-
gum pequeno defeilo : a rua da Imperatriz n. 68,
de Felix Pereira da Silva.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
Pre^ulca,
e Patriot*.
A tratar com seus proprietaries nestatioato
e para informacdes com Joaqaim Pinto to He*
es Pilho na mesma cidaae de Mamamgaaa*
-sso irmios A .C.
DE
GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeijoadas de todas
as conhecidas
Yendeffl-se
NA
PHARMACIA E DR0GAR1A
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
to de cortinados bordados proprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim eomo colchas de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 reis-e pechincha : a
rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva.
Attencao
a)
Salsa par-ilha
Salsa parrilha
Salsa parrilha
qualidade, tem pars veader
muito nova e de boa
Bartholomeu <$ C
_____ 3iRua larga
do Rosario 34.
Pentes girafe.
Vejam e admirem
A 500 rs. o ciivmio
O barateiro da rua da Imperalr^n. SO.
vende popelinas pretas com I viras aaatA-
nadas pelo baratissimo preco covado. para acab.ir.
Lustres, caodieiros e
Pentes girafe, propMos para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Caxias n. 45 j
e so quem tem.
A empreza do gaz, tendo recebido ultimameata
Dflnu: moTYioT IT.3 'luantidade de Ingres, candieiros, aiv-^Aellas,
1 djjdi, llldllldl. I globus etc. etc., tudo obra de gosto e d iitroeira
Como sao lindas as bonecas de cera que cha-: ?.u.a.'!dade ; acha *eem P"sicao de >upt.,-i- >,-aa
mam papai, mamsi, chcram, andam, etc. So na
Aos
A NOVA ESPERANQA acaba de receber aqnel-
les milagrosos anneis electricos, cura infallivel dot
nervosos.
trar no nu-
mero dos massantes (verdadeiro* azucrins) com
extensos annuncios e nem prelende descrever a
immensidade de objeetos que torn exposto* a ven-
da, o queserla quasi impos.sivel, mas limitar se ha \
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidado |
e toma a libenade de aconselhar ao bello sexo,
que a visitem constantemente, para depois que
coroprarem em outra qualquer parte nao se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
Lustres e arandelas devidro
para gaz
Na grande exposic/w da ma do Imperador n.
35, junto ao escripto'io da compaohia do gaz, ven-
, dem se os mais bocitos e modernos lustres e aran-
delas de vidro para gaz, a sim como tudo o mais
I que se torna necessario para esse fim, sendo tndo
j dos melbores. fabricantes que ha na Inglalerra. Os
sem qne de" um passeio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 03, a qual acaba de rece-
ber os seguintes artigos de luxo e inteira novjda-
de :
Modernas settas para prender os cabellos
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes para senhoras e meni-
nas.
Inieressantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touqnim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto novo).
AlleniM!
sst
A confeit ria do Campos, slta a rua do Impera-
dor n. ii, unico estabelecimento deste genera nes-
ta provincia, p.-oporciona aos habitantes della.as
maiores vantagens
Se
E se nao vejam
uma pessoa quizer tudo quanto e ne-
cossario para
Um casamento
Um baptisado
Uma partida
Um cha para visitas
. Um lunch
I ; Um lauto jantar
jNSo tem mais do que'ir on mandar
do
l con-
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. de g^rgurao, de setim e de cha-
'api/.i.e, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Fk.tr* artificiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flores, nao so para enfeite dos cbellos, como
ambem para ornate de veslido de noivas.
Galdes de algodao, de IS e de seda, braneos, pre-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lagos de cambraia e de seda de diversas cores
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marlim, dsso e veliudo, tudo que ha de
Pentes de tartarnga e marfim para alisar os ca- Ru Pi'iieir d Marco n. *5,
bellos; teem tambem para tirar caspas. junto a loja da esquina,
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-1 Os proprietarios deste estabelecimento] teem re-
perola. marlim, 6sso e dourados por barato preco. solvido venderem suas fazendas por precos muito
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem resumidos, (como abaixo verao) para apurarem
provida, n&o so em extractos, como em oleos dinheiro
feitaria do Campos, rua
Imperador n. 24
Alii tambem se encarregam de bouquets, Bores
e folhas para casamento : assim como, de doces
de todas a3 qnalidades para embarques, e tem
sempre preparados flambres inteiros e a retalho,
pasteis de diversas qualidades, empadas de cama-
r5es e de came.
De tudo que alii se vende, garante-se a boa
qualidade, limpeza e promptidao.
Enfeitam-se fi.mbres, bolos, paes-de-16 e ban-
deijas, tudo por precos razoaveis.
Allialegra-se a vista e satisfaz-se as exigencias
od paladar.
S6 na confeitbria do Campos
O DESENGANO
pane, e com a vantagem que e o dono do estabe-
lecimento mandar assentar os lustres nu arande-
jas no lugar que o Qonjpradorquiier, sem que para
isso pague ^Iguma cousa.. Tambem se compra ou
troca se lustres e acandelas ja usadas, mas que
estejam em cstado de puder servir.
TaldeLisboa
Vende.se ajlde Lisboa : na praca do Corpo
Santo, n. 17,. 1* anaar. escriptorio de Joaquim Ro-
drig'es favares de Mello.
Saianie (ie Lyon
A i.soo a libra
So na A-serablea do Commercio n. 22,
Commercio, Meira & Lima,___________
A 120 rs. o coyadu.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se para aca-
bar uma grande qoantidade de las, restos de di-
versos sertimeekts, desde 420 rs. ate 509 rs.; no-
taodo-se que, qoando ha via sortimentos comple-
tos. se vendiain a U280 e 1/600 a covado, ha
grande variedgde em padrocs, os que primeiro
chegarem melhor peehmcha farao, a ella a rua de
Imperatriz n. 60.
Wlllon Rowe 4 C. vendem no sen armaxc*
a raa de Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul ameneano.
Excellente flodevela.
Cognac de 1" qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades
Magnolia a rna Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
proprias para passaros; a ell is anU-s qae se aca-
bem.
i'ara senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas que
a Magnolia, a rua Duqne de Caxias n. 45, acaba
de receber I
Sedinhas a 1$500 o cov.do.
Venham antes que se acabem : na loja do Passe
i rua 1.* de Marco n. 7 A.
Grande liquidacao.
de miudezas e chapeos: no novo Bazar, rua do
Marque', de Olinda n. 53.
CHEGAIUM
as desejadas lazinhas a 200
rs. o covado.
Rua do Queimado n. 43.
(Jefronte da loja de chapeos da Pracinha)
JJLazinhas a imitacio de seda com riquissimos
padrSes a 200 rs. o covado. S6 o 43. DSo-se
amostras. Venham antes que se acabem.
Chocolate hespanhol
(muito hno, tem para vender na Assemblea do
rua do' Commercio M6'1"" & Lima, rua do Commercio nu-
mero 22.
E baralissimo.
Attencao.
RAproveitera antes que se acabem, popelinas de li-
nho, padroes modernos, pe'o baratissimo preco
de 400 rs. o covado : quem duvidar, venha ver e
comprar : na rua Duque de Caxias n. 88, loja de
Demetrio Bastos.
Vende-se
A rasa Principe Alberto.
Vataa para piano
Na loja de musicas e mstrumeotes de Emilio
Roberto, na' rua do Barao da Victoria n. 17, acha-
se a venda esta linda valsa para pianp, composicao
do maestro Candido Junior
Preco 1JT500.
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Poi to engarrafado, em barris e em
ancoretas.
Cera em velas, de Li3boa, superior qualidade.
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legitimo
Farinha de milho
Vende-se farinba de milho moida a vapor, dia-
riamenie, da I* qualidade, para cuscus, 12patacas
a arroba; da 2', para cangica e pSo de provenca
a 11 pataeas ; da 3", para angii, a 10 patacas; da
4>, para mangunza, a 9 patacas : na rua do Coto-
vello n. 25, casa de azulejo.
Vende-se
sao indispensaveis para rei> o covado.
por commodo
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Bimel
a festa.
Saias bordadas para senhora,
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para hap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta run booito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno recebeu a Predilecta
de or artto preco, para near ao alcance
qualquer bolsa.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje co-
nhecidas.
vende-se
na
I'liarmaeia e Orogaria
de
Bartolomeo C.
A'
4. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Vacciha.
Tendo b Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
montado na cdrte am completo servico deste ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e
mais recente, cujos tobos se enconiram na
Pharmacia e drogaria *
A'
31rua larga do Rosario 34.
^ Aproveitem
-^O PARIS N'AMERICA, a rua Daque de Caxias
n. 59, primeiro aadar, est^vendeodo calcado pelos
segnint--s precos:
Botinas de duraqne para senhora a 3.500 reis.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com botdes ao lado, a 4,000 r&s.
Ditas gaspeadas, eano alto, para senhora, a
5,000 r6. F
Ditas da pellica, ingleza, a 4,000 reis.
Ditas de duraqne bordado, para senhora, a
3,000 reis. F '
Djtas'de daraqoe, de cores, para meninas, a 34.
Em quanto e tempo
aproveitem.
Uletins
Vende-se metins de lindos padrdes, a 280 e
Dio-se amostras com penhor.
Cambraing
Vende-se cambraias transparentes, de 2i500,
3^000 e 35500 a peca, e a Victoria a 3*500, if,
4*500 e 5*600 a peca.
Alpacas pretas
Vende-se alpacas pretas e'muito linas de
600 reis o covado. E' grande pechincha.
Hadapoides
Com pequeno defeito a 4*000 a peca, dito lim-
po, francez, e inglez a 4*500, 5*500, 6*000 e
6*500. E' baratissimo. Algodaosinbo marca T,
largo e fino de 4*000 a 4*500 a peca. E' para
acalar. Chitas claras e 63Curas, a.260,.280 300 e
320 reis o covado, ditas roxas raofadas, a .200 reis
o covado. Cretones escuros e de bonitos psdrCe-* a
360 reis o covado. Lanzinbas de lindos padrdes,
na Torre um silio com boa casa, com 3 salas, 4
quartos, despensa e cozinh \ bom pdeo d'agua de
beber, muilo arborisado, e for a da casa uma saleta
com 1 quarto, quarto para feitor, dito para criado,
| gallinbeiro, tudo de pedra e cal.
Uma casa com 2 salas, 3 quartos, coziuha e ter-
! raco, quintal murado e um quarto para criado,
rende 1 por cenlo.
Tres asae pequenas, cam 2 salas e 1 quarto,
.,. cozioba, por junto ou^seaaradp,, em terreao pro-
" pno, rende 1 por cento.
Um terreno com 30 palmos de frente e 400 de
fundo, tudo no melhor local : na raa estreita do
Rosario n. 4*, se dira-saem vende.
Vewte-se uma escrava moca e de bonita
figura, sabe cozinhar e engommar com perfeicao
500 a e sera defeitos: a tratar na rua do Marquez de
Olinda n. 57, ontr'ora rna da Cadeia, no oscrip-
torio dos Srs. Parente Vianna & C, com Jose.
Antonio da Silva Guimaraes, ou na villa do Ca-
bo, rua do General Victorino n. 21.
E muito barato!
Popelinas de seda, fazenda inleiramente nova
1*000 o covado : so no Bazar das Familias, a
Gerveja
Vende-se por precos baixos oerveja branca,
marca Bas?, e preta, marca Barclay, em banricas,
ambas de superior qualidade : no escriptorio de
Eduardo Fenton, rua do Commercio n. 22, primei-
ro andar.
a 200 reis o.covado. Cambraias de cores a 240 e rua do Duque dc Caxias n. 60 A, de Reis e Silva
280 r6is o covado. Aproveilem antes que se Guirraraes.
acabem.
irlanda
Vende-se esta fazenda muito propria para vesti-
dos de eepheras pelo diminuto prece de 600ts.
o covado.
Brim branco
Vende-se brim branco. de algodao, a 320 rs. o
covado. E' grande pechincha.
Gaee ale seda
Vende-se esta fazenda de lindos padrues, a
1*200 o covado, fazenda que sempre se vendeu
a 2*500 o covado. Aproveitem.
"obreeasaeaa alS elSMaO
Vende-se sobrecasaeos de panno fino pelo bara-
tissimo preco de 12* e 15* cada um ; 6 grande
pechincha : a elles antes que se acabem CamJ-
zisinhas com punhos e coflarlnhos, para senhora, I
pelo diminuto pn-co de 2* cada uma. Meias para
senhora, fazenda muito Qua e um ricas eaiiinbas, i
pelo barato preco de 6* a duzia. Aproveitem.
Colchas adamascadaa
Venle se colchas adamascalas brancas e com
barra de cores, muito graodes, pelo baratissimo
preco de 4,* cada urns, fazenda qe sempre se
vendou por 7* uma. A ellas antes que acabem.
E outras muitas fazendas q ue se torna enfadonho
mencional-as, e que sd o fregaez vendo, poderi
Fuslao.
Fastlo branco para roupa de meninos a, 500 rs.
o covado;- e pechincha : na rua do Crespo n.
20, loja do Gnilheerm & C.
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne vem a este merca^r
na roa do Marnnez deulindan.51
Casemiras
Na loja do Pav5o vende-se um grande sortimen-
to de casemiras de cores e mescladas, tanto claras
como escuras, proprias para calca; paletots e co-
letes por prerjos muitj baratos, assim como no
njesmo estabelecimentos se manda fazer qualquer
obra tendente a alfaiate, com a maior presteza e
por precos muito razoaveis: a rua da Impera-
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Liquidacao de roupa feita
Na loja do Pavao liqoida-se uma grande por-
cao de roupa para homens e meninos,como sejam:
calcas de casemiras pretas e de cores, para todos
os precos e qualidades ; ditas de brim de An-
gola.para differentes precos ; ditas de brimde
cores, pardos e braneos; paletots saccos, casacos
e fraks de panno preto e de casemiras de cores;
coletes de todas as qnalidas, por precos bara-
tissimos, assim como grande porcao de camisas e
ceroulas por menos 3 0)0 do sea valor so para
acabar : a rua da Imperatriz a. 60, de Felix Pe-
reira da Silva
VENDE-SE
Na roa do Vigario n. 1% vende-se o seguinte :
Cimento de Portland, em prweiraouo.
Vinho do Porto, engarrafado, fiis xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inatez m calxas de dazia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, do Lisboa.
Cera em grume, idem._____________________
OTAntPOaLOES
Na loja do Pav3n vende-se roadapoloes franoe-
zes muito incorpades, com 20 jardas a t\0OQ rets,
ditommti fino com 12 jardasa 3,000 e 3,500 ; as-
certiflcar-se, e por isso os prop'riefarios convidam ?,m.corao,nm rande sortimento de madaaeloes
a todas as pessoas a fazeretn uma visita a seu es- i in8leze;s Je 4,500 at6 8,0fl0 e 9,000 : a raa da Im-
tabelecimento afira de convencerem-se da verdade. Pera'r" n 6. de plix Pereira da Sirra.
RUA PRIMEIRO DE MARgo N. 25.
- Vende-se um pequeno'Oitio DacFundao, em
neberibe, todo plantado de differenses fructeiras,
Rentes mdPiraa^^'T* d! te-fa* co1" ex"' A'P^^de- cdres. finas, com listras, largura
2 e.o MrQ!^ eiUOao,.Porcom- de cbitajraucm, a 360 rs o covado, & fazenda
oTnoKo lagar"m0oPdo,n0o.<, ^ \ "'^elL^ Cwp0 2'loja de
Alpacas de tires.
Chap6os para senhora.
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu am rico sortimento de chapeos
para senhoras, pretos e de cores.
PARA LUTO
Vende-se chitas inglezas pretas com pintas a
200 rs. ojcovado, dila franceza muito Una, tanto lisas
como com pintas de 320 rs. para cima; cantao
preto a 800 rs. e muito lino a 1,000 rs.; bomba-
zinas, princezas e alpacas de todos os precos;
lazinhas pretas lisas de 400 ate 500 rs.; assim
como uma grande porcao de retalhos tanto de
chitas paetas como ds las, qoe se vendem por
Sreoos baratissimos ; tambem uma grande porcao
b cbates pretos de las a 1,000 rs. por estarem um
rico russos : a raa da Imperatriz n. 60, de Fe-
Parem da SUM.__________________________
Colchas para camas
Na loja do PavSo vende-se colchas de fuslao
braucos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para cma e ditas de metim escarlate forradas com
madapollo a 5,000 : A roa da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
Fechincha
I freguezes, por pregos men, res do.quela.it m;n.
te. Para verem as amostras, dirijam-se rua da
Imperador n. 31.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio I.niz de Oliveira Aza-
vedo, no seu escriptorio, a raa do Bom Jesus na-
mero 57.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel
proprio para cigarms. r!*e divgrsas '
de
srguras.
nhc
Bramante pjra lenc6es
a 1^800 2*000 e 2*500
Na loja do Pa^ao vende-se superior bram;.c:e
para lencoes, com 10 palmos de lurgura. que apc-
nas precisa de 1 vara l/i para nm lencol, sendo
de algodao a 1,800 rs. a vara, dito mais ^i-
corpado a 2,000 rs., dito de linho puro a 2,500
2,800 rs.; assim como aloalhados superiores, ta
to de linho como de algodao, porprecos muito eia
conta, e pacas de algodiozinlio para \> nQoese toa-
lhas, tendo de 4,000 rs. para cima : a rua da Io>
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
E' biiuit;)
As almofadas bordadas de la matlsada- qae re-
cebeu a Nova Egperanra, a rua Duqae do
Caxias r. --.
Aos inenines
A NOVA ESPERANQA, a rua Dnque de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sortimente ^e li-
nas bonecas que fallam, que riem se e choram ;
tambem astern mudas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se nao e terdade.
E' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rua Duquo de Caxias n.
36, acaba de receber boa' meias d* seda proprias
pcra noivas, e os apreciavels ramos de larangeira
Cartes de casemira.
Cortes de casemiras finas, gostos modernos, a
5*500 o corle ; a elles antes que se acabem, e
pechincha: na rua do Crespo n. 20, loja do
Guilherme <$; C.
ID)
a taverna sua a rua
muito afreguezada :
Rosario n. 40.
do Barao da VictOTte'n. *i,
a tratar na rua estreita dc
12 Rua do Cabugd
LIQUIDACAO
de joins de ouro, prata e pedras
12
prectosas.
5*500
ouro delet.
Correntes do ultimo gosto, a oitava
Alfinetes para retrato, circulado de
perolas
Idem idem idem esmearladas
Idem idem idem robins
Relogios de prata bem dourados, de 15* a
Relogios para senhora, de ouro, de 40* a
Bicos aderecos com pedras finas com
50 0|0 de abate.
Bonitas pulseiras do ultimo gosto com
50 0{0 de abate.
Brincos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao mercar'o, de 15* a
Voltas com um bonito laco, por menos
do que se vende em outra parte.
Bonitas cacoletas, tanto para senhora
como para homem.
Anneis de diversos feitios, de 2* a
Pulseiras de cobra de coral por 50 0|0
de abate.
Tendo o proprietary deste estabelecimento rece-
bido uma grande porcao de joias dos ultimos gos-
tos de Paris, e por precos ja resumidos, parucipa
a todos os sens freguezes, bem como ao respeita-
vel publico, que se acha sempre prompto a servir
com toda a exactidao como costuma; certos de
que passara um reeibo, pelo qual fica respoasabi-
lisado pela transaccSo.
55*000
60*000
65*0 0
30*000
80*000
60*000
20*000
-
Camisas.
Camisas francezas brancas de algodao fino com
frizodecor a 2*000uma, em duzia a 23*000;
e pecbincha : na rua do Crespo n. 20 loja do Gui-
lherme 4 C
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a roa Daque de Caxias*
n. 63, recebeu desta necessaria linha.
Vende-se por commodo prsco um terreno
com 35 palmos de frente e 300 de fundo, com
nma casa de tijolo ainda por repartir, em chaos
proprios, sitnado no sitio qae foi do Dr. Feitosa,
na Encruzilhada de Belera : a tratar a qual-
quer bora, na casa das audienciencias, ou soas
proximidades, oom Francisco Luiz Beltrao, a raa
do Imperador.
Boa venda
Odilon Duarte & Irmao receberam pelo ultimo
vapor um grande e variado sortimento de eoques
de cabello huraano, o que ba de mais moderno, e
vende se pelo baratissimo preco de 1QJ cada um :
a elles, ant-s que se acabem.________
Vende-se duas apolices da companhia do
Beberibe I a tratar no largo do Carmo n. t, -.
Vende-se e estabelecimento de cabelleireiro, site
a raa do Rangel n. 30, prompto de todos os ob-
jeetos tendentes a arte, e tamSem muito afregue-
zada, visto a pessoa ter de se retirar para fera da
provincia, muito propria para principiante.
Laazinhas baratas.
Na loja do Pavao,'para liqoidar, vende-se
uma porc.50 de laazinhas de cdres para
vestidos, tendo de 3-20 rs. para cima ; as-
sim como ditas com listras do seda muito
bonitas a 640 rs, o covado ; alpacas de c6-
res com listras de seda de 640 rs. parg
cima : a rua da Imperatriz n. 60, de Felix
Pereira da Silva,
Grande liquidacao.
De calcados, fitas de sarja largas e estreitas, e
tudo o mais concernente a uma Toja de mladesaa:
rua da Imperatriz n. w>.



8
Dlario de Periiammieo Quarta feira 30 de Betembro JDRISPRDDEWGIA
I Braxellas.
t.'SESSAO 27 DEJUI.HO.
O prograauna d'esta congresso attrahio
a attaogio g-.r I. DilTero.ites p.toncias lan-
garam oihares susp*:itJios para us po dos
jam nnhara do discutir-se. 0 assumpto me-
raoe purUiito rt-rda leiro iiiteressf, a por
OB* reserraraus algumas linhas pira dar
am resume do que se passou en ca la uma
das Shssoes.
Depots do initiistro dos negoci >s estran
" da Beigica se cougratular por ver
raaatdos os membr >s do congresso ; e de
po da tor sido escolhido o baraj Jommi
para presiJeule, leu o deiegado da Russsia
as tostrucgoei que liie tinham si Jo dirigi-
Trata-so pois de fazer comprebender a ca-
da um qual 6 n seu -lever.
0 projects nio tem outro fim. E' um
questionano a que o congresso 6 convida-
iio a responder, c jllocando-se no campo do
interesse de todos. Censurou-se o projecto
ruiso por paralysar os direitos da defeza.
Esta census* na i tern fundamento. Seria
um il-'s-neiitido as rmis gloriosa3 recoriagoes
da Russia.
Mas a gnerra raudou do natureza. Era
obrigatorio, e geral, tola a popuUcio mas
culiua estd de certo m do antecipadaraenta
alistada, e collocada ins condigd > exigidt*
p3lo projecto para ter direito aos privileges
de belligerantes. 0 exercito na Batgica tern
um nuraero determinado, e esta circuras-
tancia impoe forgosa nonte a necessidade e a
resolugio de completer a defeza militar pro-
priamente dita por um appjllo a t)das as
forgas vivas da nagio.
Por c jus jquaucia o deiegado da Belgi
ouirora u na espacio de drama, em que a oa nao pole votar nenhuma clausula que
kv* aqui os principaes trechos del-
tas :
S* era possivel precisar em MM medi-
da pratica. por meio de accorio geral, o
qae de am lado, compirta-o as necessida
das da guerra, e o que de outro, excluem
as mtresse* so'idanos da bumanidado, no
cstaio preseole da civilisagi e das relagoes
mssiiiaiiouaes, sabeodo assim os gowrnos
a exercitos com exacli lao o quo autorisa
Ofsiada de gu.rra e o que prohibe, e po-
" os pofos caloilar anticipa-lamenlo as
lueocias e prever os effeitos. E'w
awl que se teria assim da to um pas-
so importante para lurnar a guvrra regular,
ediauooir as cal imi lades de que muitas
bus sio causa a incerU-za e a ignorancia
jor Moda existe a este re.-peiio.
Soa magestade o imperador entendeu
ajaeesus qoestdes que Unto interessam ao
baaa estar geral nao podiara, pela sua na
"". deiutr de aUr.hir^-a atteogio dos
$abraHes, sen Jo ells os unicos que as po-
dum resolver.
Fua por isso que sua magestade imperial
se deoiiio a coufial-as ao exame de uma
cocfcrtstcu.
O projecto que Ibe propomos no tern
oatr. fim senio offerecer $ deliberagdes
uma base pratica, am ponto de psrtida fran-
camente dofinido.
E" am questionario que indica os poo-
a*. que. na nossa opiniao, podem ser
naminados. c o sentido em quo pela
asa parte, estaria aos dispostos o resol-
JsWs*
O'lautu ao exito final, depende di dis-
cassao, a do accordo que chegar a estabel^
car se. Tor isso que o p-jniamento do im-
paralur e. primeiro que tudo, um pensa-
Otnto de accordo geral.
fin la a leitura das instrucgdes a que
-. s r l-run i>. propoz o deiegado dos Pai-
Zfs-Baixos, Mr. de Lausberge, que os mem-
brij. do ongresso guardassem abs-duto se-
gre-Jo a respeito das suas deliberagoes. 0
prasideote pedio que se nao consig lassem
nas prtcesos verbaes senao os pontos e>a
qa a confsrencia estivesse de accordo, e
ri se naj Gzesse mengao das Oivergencias
opiniao.
E<*a awcac foi admiitida, com a reserva
pnrea de que, se algum deiegado pedisse
para se tomar nota da sua opiniao a res-
fiito da algum ponto especial, assim se fi-
forca e a coragem possoal occupa?anTuma
graode oo-igao H >je, a individualidade foi
substRaida por uma machina fortntdavel
que o genio e a sciencia pdem em movi-
men to.
E' necessario portanto regular 83 inspira-
goes de patriotismo ; de outro modo, op-
pon-lo impulsos desregrados a exercitos po-
derosam^nte organisados, corre se o risco
A* compromelter a defeza nicional, e de a
tornar mais funesta ao paiz do que o pro-
prio aggressor.
Depois desta expisigao de principios, o
congresso por proposta do barao Jomini,
adoptoa a segumte resoluijao ; A assem-
blea defere a leliberagao pr^via do pi-o
ject'i rosso, ou de outros projectos a u na
i com.nissa emquetoraard parte um
legailo conference.
Fieoo. ao mi-smo tempo entendido iue
os d?lega commissSo. po leriara assistir aos seus t
balbos.
Foram designados para fazerem parte |la
corainissdo: o general major barao de
Woigts Rhatz, o general major barfio de
9choBufeld, o barao de Lambermont, o corp-
nel dn Brun, o marecbal de campo ServetJo
general Arnaudeau, o major general Hore-
forl, o coronel Manos, o corooel conde qe
I.anza, de Lausberge, o general de Leal-,
o coronel St ff. e o coronel Hammer.
IVve Dotar-sa o cuidado com que o ba-
ro .1 imini protestou n'esta segunda sessao
contra a censura que se fazia ao projecto
russo.^de querer paralysar os-direitos da del
feza nacion.-il.
Trata-se de fazer conhecer acadaora
qual e o sen dever.
Esta f6rmula tem uma certa razSodeser,
e collocando-se debaixo deste ponto de vis-
ta, eque a opiniaopublica ba de avaliar os
trnbaihos e a- itocisoesdo congresso nassuas
sessoes immediaCns.
1." SESSAO DA COMSHSSAO 6READA. PELO CON-
GRESSO 30 DE JULUO.
/\
2.* SESSAO29 DE JULHO.
0 prestdente barao de Jomiai, coavidou
a OMifcrenria a estabelecer a ordem dos
sk trabalhos. Expoz que a ida do pro-
jflcti dt! conveugio fora suggerida pelo que
sa >ass<>a nos Estados-Uni los por occasiao
da ga*vra de successao. Todos tem p.-esen-
le o ivgnlaiaento do presilente Lincoln para
liti i ideas muito contradictorias a respeito da
ra.
Gas queriam tornal-a mais ternvel, pa-
ra q-a* f'Use menos frequente ; outros que-
ria e fzw am t >rne o entre os exercitos re
galarvs. ten to cs povos por simpes espec-
saares.
E* n-*eessaric que se saiba a mineira por
.- f leve proder. E* primeiro que tu
J n'QHiaiio. collocarem-se n'um te^reno
jrauc<, e admittir, que, uma vez que se
:.ij p ?lem suppriinir as guerras, e opportu
bo r^gal 1-as tanto quanto for possivel. E'
=:ea -.^ecel-obem.
FOLHETIM
J0\NN\
H JIM DtPNXlES.
pon
?irargc Sad
tommm DE x. x. x.)
parte segunoa
(CootinuacSo do n. 220],
I
Sena, como disse, uma inexplicavel fas-
i [! i e, dero accrescentar, experimentei
ua>b* iaaca.
Edoeagio. indole, influencia do meio
i abttnal de vi la, tudo tinha cnntribuido
j-ara fazer da mim am mixto de ardencia
de calou, de amor e de prudencia, que
ata tna attribair a mim mesmo, perante
tseas praprios olbos, e sem duvida pela
i-flu-ncia da \iano, um certo poder de
>\^me da scepticismo, bastante notavel :
f qae aa eotrava n'-ssa phase da vida em
qa a mocidade e a inexperiencia exerniam
&s : impario a queriam apossar-se dos seus
A ntoea qua muito soffrivelmente cau-
sara rae deaconfiancas, a principio caminbou
jjk -' ao brago do marido, sem com tudo
tratarm-se os dous por tu.
0:ngW chamaTa-a Helena, e affirmava-
tae : eHa o nio fatigava -, mas a moga
iasis i em qae estava certa do contrario,
t i. ie deVia deixa-la camiohar so.
I j iscoosas n'esse p^. quando, tornan-
1 --- aminho muito estreito, foi cortada
: :-. viilo que foi mister caminhar a
e it, passando ella air entren6s am-
aVigi dapoic tornou-se o mesmo caminbo
l ,*U>, e o iuglez quiz caminbar pela
rtb^aoam roehosa, asm de evitar que sua
caaapaatkoira riesse a ter alguma vertigem
Mas a aaoca assuslou-se por causa delle,
t ea, logo qae o vi duas vezes vacillar e
eaar p>m*as a cabir, disse-lbe forgan to o
. aato meridional para conservar o
'gaajo, qae me divertia e que eu que-
*ii polaaajar :
Mr. de Lausberge, deiegado dos Paizes^
Baixos, declarou que o seu goverao adhe-
rird voluutariamente a qualquer clausula
que tenha por caracter e por fim- diminuir
tanto quanto for possivel as calamidades da
guerra. Se no projecto submettidoao exi-
me da confereocia ha muitas estfpulagoes
que parece excederem* os limites em que
pretende concentrar-se, outras. pelo cou-
trario, deixam de estar alii menctonadas.
que p6dem ter graode importaoeia para
as oagoes que nao tomara parte na guer-
ra.
0 governo dos Paizes Baixoi daria por
consequencia bontem a sua adbesio ao
estabelecunento de certas regras que te-
uham por fim determinar com. relagao
a essas nagoes as coosequencias da .guerra.
O barao Lambermont, represeotante da
Belgica, toraoa depois a palavra, fez lei-
tura de uma uota, cujo seutid e o se-
guinn :
A Belgic* e^neutral, obrigattva e per-
p^tuamente. Se oseu territorio chegar a
ser atacado tera* sera duvida o- direito e o
dever de o defends, e segundo as circums-
tancias, poferd ser obrigada a seguir alera
las suas fronteiras o aggressor repellido;
mas nSo 6 menos evidente que a unica guer-
ra, para a qual /se p6de preparar, e uraa
guerra defensiva.
A Belgica tera limites restrictos. Se
um esta to e atacado, a guerra nao abranga
ie ordinario mais do que uma parte do seu
territorio. Se a populagao da parte invadi-
da nao pdd i concorrer para a defeza do paiz,
o groeso da nagio fica habilitado, e p5de
prolongar a lota. Um estado pequeuo, pe-
lo contrario, estd nxposto a ser occupado
logo depois de ser invadido.
A Belgica, emfina, e* um paiz de cons-
tsripgSo. Nos estidos em que o servigo e
Perdao, meu burguez ; uma vez qua
o senhor tornou-me como guia, tenho uraa
certa responsabdilade. E' preciso, pois,
ceder, caminbar diaute de mim, e deixar
queen conduza asenhora.
Elle codeu, e consontio no que live pro-
puz, com a tranqutllidade de um gentle-
man, que nao pode ter ciumes de um sim-
ples aldeio.
Caminhei, pois, sobre o contraforto da
verdeda, apoiando ella sobre o meu horn-
bro sua mSosintia enluvada.
Quando algum obstaculo apparecia ante
ella, eu levantava-a, enlagando-a com o
brago.
Assim caminhamos por espago de meia
hora.
Para mim nao passou isso de um passeio ;
para a moga foi tambem faoil a cousa, por
que ella era agil e destra ; mas o inglez, ao
cabo d'esse tempo, acbava-se visivelmente
esbaforido.
Vendo-o n'esse estado, n'um momento
em que elle ficara para traz de n6s, disse
ella a* meia voz e como que se dirigindo a*
si propria :
Pobre e querido amigo I isto e" muito
fatigante para elle, que entretanto gem pre
se crt5 mogo....
E nio e mogo ; respendi affectando
simplicidade, e talvez impellido por um mdo
sent i men to.
Ella voltou-se para mim, e, fitando-me a
principio como se estivesse zangada, corou
depois ate a raiz dos cabellos, como se se
seotisse bumilbada ante um possivel con-
fronto.
Querendo que me fallasse, disse-lbe :
Pego-lbe perdio. Creio que a senhora
nio me fallou ;... nio tenho oilicio de guia
e sou-o apenas pela forga das circumstan-
cias.
Se o senhor nio 6 o que parece ser,
quem 6 entio ?
Um homera mal educado, um caga-
dor de ursos.
Ah I deve ser uma bella profissao ca-
gar ursos. E tem morto muitos ?
Muitos.
-*- E' perigosa essa cagxda, nao & assim?
Muito perigosa.
Eg senhor nunca teve medo t
Quaii lo se tem me to do urso, pode a
gento coiiaidorar-so pcrdida ; e uma vez
que aqui estou...
enfraquega a defoza na :ioaal, ou que desli-
gue os ciiadios dos seus deveres para com
a palria.
Accrescentou que, pelo que respeita a*s
disposigoas do projecto que nio reunem
desde jd o assentimento unanime dos dele-
gados, estara prompto a assignar um pro-
tocollo contestando a resolugio em que eiti
o governo de continuar os estudos e de pro-
curer chegar a um accordo ulterior.
Diremos desde jd que na sessao seguinte
da commissio, fez leitura da seguinte nota
o baraj.1 imini, deiegado da Russia :
0 d-degado de S. M. o rei dos belgas
leu hontem na conferencia uraa declaragio
tendente a reservar eventualmente as deci-
soes do seu governo icerca de qualquer
clausula do projecto que tem por fim limi-
tar de qualquer raaneira os direitos de defe-
za nacional em caso de guerra.
A conferencia tomou nota desta decla-
ragio .
0 meu collega militar e eu julgamos,
cada um pela sua parte, dever declarar
tambem que o projecto apresentado pali
oosso governo ao voseo exame, nio tera de
raaneira alguma em vista restringir de qual-
quer modo que seja, o direito e o dever
iraprescriptiveis, que todo o estado atacade
tera de se defender. As tradigdes da Russia
protesfam contra semelhante procedknento.
A idea do nosso projecto foi que em
preseoga da poderosa organ-isagao dos exer-
citos raoderuos, a ausencia detoda a regra,
tornando a defeza menos eflkaz, teria por
effeito multiplicar m probabilidedes de actos
tfstereis de crueldade e de violencia, tao
prejudiciaes aos ioteresses do paia, como aos
da huraanidade.
Estamo$ pois intesramente de accordo
com o deiegado belga quanto aos princi-
pios. Reservamos para- a conferencia fazer
a sua applicagio:
Para terminar com estes preliminares,
raencionaremos o seguinte- extracto das ins-
tructors do deiegado ingtex,. das quaes elle
fez leitura perante a comrr issao :
Deveis abster^vos de torn a r parte era
qualquer discussion sobre algam ponto'que
passe apresentarse, e que vos parega tocar
nos principios gerae9 do direito interckmal
que ainda nio esiio univepsalmente reco-
nhecidos e aceitos.
3.* SESSAO30 DE iULBO.
A conrmissio delegada do congresso cc-
mezou as-suas deliberagoes pelo exame do
capitulo HI da primeira secgao : a Bos
neios de prejudicsr o inimigo ; dos que sao
sermittidos, ou devem ser introduzidos.
Este capitulo foi adoptado pela- commissio,
;om raodificagoes de f6rma, de pequeaa
mportaneia.
sessAo DE 31 DE JVUOO-i
0 barao de Jomiai fez leitura do projec-
to de convengio primitiva, e de um projec-
to detransacgio qua the parece dever eo-
tontrar o-sentimento-unanime da assembled.
1. commissio decidio que aqueHe projeeto
c mendado servisse dabi por diante de texto
f ara a discussio. A. discussio versou de-
f ois sobre o capitulo 4* da primeira secgio:
I'os sitios e bomberdeamentos. A cora-
niissio adoptou o principio de que uma ci-
djade inteiramente aberta, e nao defeo-
dida por tropas ou pelos habitantes,
cao pode ser atacada nem bombardeada;
que antes de emprebender um bombardea-
mento em regra, o commandante do exer-
c to sitiante deve fazer tudo quanto delle
d spender para prevenir as autoridades-; fi-
nilmente que se devera poupar tanto quan-
t( for possivel as igrejas, os monuraeDtos
a 'tisticos, scientificos e de beneficencia.
0 barao Lambermont coramunicou uma
p itigio dirigida ao governo belga palos ba-
tantes de Antuerpia. Esta pefigio lamen-
ta que o projecto de convengao autorise
qi ie se eotreguem d destruigio as proprie-
i des particulares, aquellas que' abrigam.
oraa populagio inoffensiva. Pelio que se
adraiitrase com > principio de humanidade,
qm ni pjlessem ser bombardeados oseJi-
ficios particulares de uma cidade, ainda
raesm) que esti estivesse fortificada. 0 bs-
rio de Limb.jrraont accrescent >u que esta-
a encarregado de recommendar aquelle
pedidod attengio do congresso.
Mr. de Lausberge, deiegado dos Paizei-
Baixos, teve ordem para apoh'r qualquer
proposta que se fizesse uessa sentido.
0 general de Woigts RheU, deiegado al-
lemio, pedio que seconsignasse no proiesso
verbal, que sendo o bimbardeamento um
dos meios mtis efficazes para se alcangar
o fim da guerra. nio julga o sei governo
que seja possivel satisfazer aos desejos dos
pettcionarios deAntue-pia.
SESSAO D) 1 DE AG0STO.
OcJupando se de novo do capitulo 4":
Dos silioi e bombardeamentos, o general de
Woigts Rbetz pedio que se consignassse no
processo verbal a sua opiniio que depois
de praticida e investida, nio seria o sitian-
te obrigado a consentir na sahida doj habi-
tantes da praga bloqueada.w
0 coronel Hammer deiegado 9uisso, fez,
em Dome do seu governo, reservas sobre o
capitulo adoptado na sessio precedente. Na
sua opiniio, a missio do congresso e", nio
procurar os melhores raeios de fazer a guer-
ra. mis sim de mitigar os seus rigores no
limite do possivol.
A commissio tratou depois de examinar
o capitulo 5^ da primeira secgio :Dos es-
pioes.
0 deiegado dos Paizes-Baixos mostrou
que as instrucgoes do seu governo Ibe im-
puoham o dever de fazer reservas a todos
os artigos daquelle capitulo.
0 marechal de campo Servet, deiegado
hespaoliol, propozque se fizesse uma dis-
tirregio entre o espiio que precede por
patriotismo, e aquelle que nio tem outro
move! senio o lucro.
Esta distincgio nio- foi adraittida. A
commissio assentou na seguinte redac-
gao :
a Hto se pode consid'erar como espiio
senio a> individtoo que, procedendo ctandes-
tinaraente o-j com falsos pretextos, obtiver
iOu procurar obter inforraagde* Has localida-
} des- occupadas pelo inimigo, coma inten-
gio de as- commuoicar d parte adversa.
a 0 espiio encootrado nestas condigoes e"
tratado segundo as leis em vigor no exor-
cito q^ue o apprehender.
Foi suppiimido por unanimidade o artigo
20pi que era concebido nestes termos :
E' igualmente entregue & justiga tcdo
o babitante do paiz occupado pelo inimigo,.
que communicar intormagdes &> parte ad'
versa;
E' este um dos artigos que mais tinha ex-
citad y a opiniao pubiica.
Nenbum merabro do-congresso
sua defeza.
Os outros artigos de* projecto foram ado-
ptados-sem raodificagoes importances.
0 general de Woits Khetz propoz, como
inutilrquese seppri nisee o artigo que pro-
hibe considerar como espides os individuos-
que forera capture dos em bala i. A com-
missio pronuncioa-se pela conservagio des-
ta clausula.
Como procede o senhor para mata-
A' antiga moda do paiz, porque e
ai ida a raelhor : enrola-se o capote no bra-
go esquerdo, que se apresenta ao urso no
in itante em que elle se origa e se ergue, e
cam a mio direita crava-se-lhe a fsca no
cc ragio.
Ah 1 e espantoso 1 deve ser mais
cdmmovente do que as corridas de touro a
qi e assisti na Hespanha I
A senhora chegou de Hespanha ?
Nio, vim de Londres ; mas tambem
vil a Hespanha. Meu marido gosta muito
di viajar.
E a senhora tambem gosta das via-
gdns?
Estou um tanto farta d'ellas; mas,
ei -lo que se approxima ; nao Ibe falle da
a gada de ursos, porque talvez quizesse cor-
re r-lhes os riscos, e eu ficaria muitoinquie-
ta.... ;*
Entio, 6" que elle 6 um bom marido,
nao?
E' um anjo, respondeu ella, olhando-
m) fixamente como para* dizer-me que uma
m ilner da sua cathegoria nio se arreceia
da indiscreta familiaridade de umhomem
da minha classe.
fj gentleman juntou-se a n6s, e aomes-
m< tempo chegaram. os pbrtadores da ca-
de rinha, trazendo este traste.
i moga subio para ella, e recommendou-
me que nao deixasse seu marido sd.
S'ao me julguei mais necessario; entre-
tar to desejei ficar, e, pois, quando elle me
dis ie : Venha comndsco, meu charo,
de; ejo nio te-lo incommodado por tao pou-
co, tive satisfagio, e, refloctindo ; em que
ter a tempo. de recasar a paga, aceitei o
pas seio.
) inglez buscou acompanhar a cadeiri-
nh i; mas, nio o tendo conseguido, deixou-
se l'isso, e, percebendo que sua mulher jd
o t io via, porque ia muito na frente, pedio-'
me o brago, com muita polidez e bonho-
mii.
Su, que o tomara por una velha formo-
suia soffrwelmente ridicula', conheci que
me enganara, e vi entio'que era um homem
amavel, qua lutava contra os primeiros
sytiptomas da velhice, aftm de nio ser pe-
sac o nem desagradavel a uing'uen,
' Fui um grande andador, disse-me elle
paiando um instante ; nao uin bello mon-
sessAo-de 3-e agosto.
0 marechal de campo Servet, deiegado]
hespanbol, impedido die assistir i priraeira
reuniao da comraissie, ignorava as reservas
feitas pelos delegados da diversa&potencias.
Tratou- pois de declarar, pela sua parte,
que o governo de que era representsnte ti*
nha razoes especiaes para nio renunciar a
nenbum dos seu6-meios do defeza. A Hes-
panha nio poderia adherir a nenbuma clau-
sula susceptivel de enSraquecer a sua forga
de resistencia no caso de uma iuvasao es-
trangeira.
A commissio- tiatou depois do exame do
1" capitulo da 3* secgio : Dos meios- de
communicaQdo-, e dos parlamenlarios. Re-
servou-se o artigo 5a? deste capitulo, rela-
tivo aos agentes diplomaticos e consulares
das potencias neutraes ; os demais artigos
do-capitulo foram adoptados com algumas
modificagoes de-fonna.
A commissio passou ao exame do capi-
tulo II, relative as capitulagpes. 0 general
Arnaudeau fez saber que estava encarregado
pelo seu governo de pedir quese iusira uma
clausula, na qual se diga que as eapitula-
gdes nij podWio nunca cooler condigoes
contrarias d bonra e io dever mil.tar.
0 general de WoigU Rbetz disse que to-
dos estavam de accordo naquelle ponto,
mas que 6" difficil encontrar uma redacgio
para formular aquelle principio, por isso
que o que e considerado com) deshonroso
para um exercilo, nio o e para o outro.
0 bario de Jomiai propoz a redacgio se-
guinte, a que se ligou o general Arnau-
deau, eque foi adoptada : t As condigoes
das capitulago ss dependom de um accordo
entre as paries contratantes; mas nio de-
vein ser contrar.as d honra militar. Uraa
vez fixadas em uma convengao, devem ser
escrupulosara'eute observadas pelas duas
partes.
A commissio adoptou depois o capitulo
HI da 3'seecao, o qual se referio ao armisti-
cio.
SESSOES DE 5 E DE 6 DE AGOSTO .
Tratou-se do exame do capitulo IV da
primeira secgio : Dos pnsioneiros de
guerm.
A commissio reservou os artigos 23. e
2i., que se referein aos nao corabatentes
que podem ser feitos prisioneiros-, e passou
d discussio dos arts. 25," e seguiutes. 0
art. 3l). do projecto russo era concebido
nestes termos : Ura prisioneird de gur-
ra que foge, pode ser morto eraquanto for
perseguido ; mas ama vez feito de novo pri-
sioneiro, nio poderd passar por nenbum
castigo. A maioria dos delegados nao
aceitou esta redacgio, e substituio-a pela
seguinte : Contra um prisioneiro de guer-
ra era fuga, e permittido, depois de inti-
magio, fazer uso das annas. Prcso de
novor devep8ssr por peoas- diaciplinares,
ou ser sujeito a uma vigi?acia mais se-
vera.
Depois de ter concluido cow os prisio-
neiros de guerra, a commissio decidio que
se occuparia na sessio seguinte- do capitulo
relativo aos feridos.
0 deiegado allemio declarou qne nio po-
dia tomar parte na discussio daquelle eapi-
tulo senao com a con<3i<;ao formal de se de-
clarar, por unanimidade dos naembros,
que a existeaeia da convengao do Genebra
nio- fica de modo algum' compromettida ;
e que se se quizerem introduzir a!M< modi-
ficagoes ou nJeHboramentos-,. seria necessario
o consentimentt) unanime de todas as par-
tes que assigoaram aquelFa convengao:
SESSAO' DE 7 DB AGOSTO.
A discussio empenbou-se- sobre o eapitu-
loque-se refere aos feridos, e sobre os ar-
tigos doprojpeto-russo, quese podem con-
siderar como addicionaes convengao- de
Genebra.
0 general de Woigts-Rbete conservou o
artigo do projects russo que parece indicar
que o material das- ambulaecias e hospi-
taes miiitares devera ser neutralisados, enia
tomou a- devem em caso nanhum ser considerado
como tornado pelo inimigo.
0 deiegado da AJlemanha declarou que
nio poderia admittir esta interpFetagio, per
isso que a convene* de Genebra claramen-
te distinguio entre o material-' e o pessoal'i
Apresentou um contra projecto* Os dele-
gados belga e suissofizerara omesmo.
A commissio decidio que se nomeasse
uma sub-commissao,- a qual saria encarre-
gada de examinar os quatro projectos qua
existiam e fazer um texto ucko. A sub-
commissao ficou composta do bario de So-
den, do bario Lambermont, general de
Lear, coronel Staff, e coronet Hammer.
SESSAO DE 10 DE AGOSTO.
Era uma sessio precedente;, tinha o ba-
rio Lambermont apresentado ao congresso-
uma carta que dimanava da commissao
belga da sociedade intarnacional de soccor-
ros para os prisioneiros de guerra, e era que
se pedia que o beneficio da convengao- de
Genebra fosse ampliado ds pessoas encarre-
gadas de levarera os soccorros aos prisio-
neiros.
0 bario de Jomini, propoz que se diri-
gisse iquella commissio a seguinte respos-
ta, a qual foi adoptada :
leitura das propostas feitas- pela commissio
belga da sociedade de soccorros aos prisio-
neiros, mostrou de commura accordo que o
fim eminentemente caritativo daquella so-
ciedade, o a elevada honorabilidade dos
membros daquella commissao, sao de natu-
reza a assegurar a essas propostas- um aco-
tanhez como o senhor, mas um cagador les-
to e nervoso, apaixonado pela aegio e pelo
perigo. Eis, porem, que a idede jd rae
vai fazendo sentir o sou peso 1 Com tudo
hei de ir ate onde puder, depois entio re-
signs r-me-hei.
O senhor tem razio em querer lutar ;
todavia e preciso ser prudeate, e nio fazer
excesso. Que idade tem ?
Nio costumo occultar a idade ; tenho
sessenta e dous annos... o o senhor, meu
menino ?
Yinte quatro. Mas, nio continue a
fallar, porque comega a faltar-Ihe a respira-
gio. 0 senhor tem um principio de asthma.
Nio lhe digo que fique quieto nem que
evite andar, visto que penso de modo di-
verso. Tenho couhecido asthmaticos, pou-
co aftectados 6" certo, que ficaram bons fa-
zendo esforgos moderados porem continuos
para restituirem ao orgao affectado suas
funcjoes normaes
-r O que e Id isso ?! o senhor la 11 a como
um medico, melhor mesmo do que um
medico, porque o meu prescreve-me o re-
pouso I
Sou um pouquinho medico, porque
na montanha 6* preciso saber um pouco de
tudo. 0 senhor quer permittir-me que o
asculte um instante ? Respire o melhor que
puder.
Eis-me ds suas ordens.
Estd bem I nao vai mal ; o senhor
pode ficar curado, se quizer ter paciencia e
perseverauga. Ande todos os dias, mas nio
tanto quantohoje, qu: jd caminbou demais.
Elle examinou-me sorprondido, e eu co-
nheci que me trahira contra vontade, em-
bora estivesse lasso do papel que estava re-
presentando.
Continuamos a caminhar, e approxima-
mo-nos da cadeirinba, cujosporladores, que
de ordinario andam muito apressadamente,
tinham parado per ordem da moga, que,
querendo esperar o marido, detivera-os, e
que, ao avista-lo, apeou-se para ir ao seu
encontro, dizendo lhe :
Agora quero andar, o o senhor ird
carregado. jfe^."
0 inglez recusou, visto como, ante ella,
dissimulava a fadiga ; e eu, percebendo pe-
los seus oihares inquictos que nio devia
pronunciar a torrivel palavra de asthmatico,
sim o fez, mas insist! do que ella dissera,
pelo qae conquistei-lhe agradecimenlQs,
Charo amigo, disse eUa ainda, com
certo carinbo e graga, bem vejo que boje o
senhor aio estd bom, e que no anda como
de ordinario. Se persiste, pois, em recu-
sar, aecrescentou em voz baixa, Scarei crea-
te de que o senhor nio me ama mais.
Elle pareceu vencido e cedeu. Os por
tadores acbandr>lhe pouco peso, porque
effectivamenle o inglez era magro e esguio,
levaram-n'o quasi a correr ; e, pouco de-
pois, ficamos a sos eu o ella.
Aceitando, sem embarago nem constran-
giraento, o brago que lhe eu offerecia, disse-
me ella entio :
Agora, occupemo-nos de nds, senhor
doutor I Os portadores da cadeirinba aca-
bam tie dar-me curiosas informagdes a seu
respeito! Disseram-me que o senhor tinha se
formado em raedicina aos vlnte quatro an-
nos, o que 6* muito bonito ; que pertence d
uraa honrada e mui estimada familia ; que
estd em vesperas de se associar ao medico
das aguas de S. Salvador ; e finalmente que
e um homem distincto, e ate um perfeito
ca vai I ieiro da melhor sociedade, quaodo tal
quer ser. E o senhor zomba assim dos po-
bres viajantes, engana-os com falsas appa-
rencias, e apresenta-se-lhes como cagador
de ursos, ao passo que se cbama Lourengo
Bielsa, o e proprietario da linda casa e dos
formosos prados onde ha pouco nos detive-
mos Diga-me, para que essa comedia ?
que prazer acha o senhor em tornar assim
ridicalas pessoas que nio conhece e que
ouDoa lhe fizeram mal ?
Ilespondi-lbe que nao fora eu quem se
ofierecera -, que, sem rae-' consultarem, ti-
nham sido reclamados os meus servigos ; e
que, sem torna-la responsavel pelo equivo-
co, aceitava todavia a ligio como devida d
rusticidade dos meus trajos e da minha
propria pessoa.
Entio e meu marido, d quem o se-
nhor torna responsavel? Nio tem razao
para isso ; elle e um pouco distrjhido, e
convtim confessar que os habitos da riqueza
levam o inglez a julgar que com dinheiro
pode-se dar ordeos a toio mundo ; mas se
o senhor conhecessa sir Ricardo Brudoel,
tudo lhe perdoaria, porque elle e o mais
affave', mais benevolo, mais cortez, emfim
o melbor homem que existe no mundo I
Seja indulgeole, perdoe-lhe depress.!, ou,'
entio, nio lhe perdoarej tambem o ter-me
myst ficado,
Ihiraeato benevolo, e uma seria wnsidera-
gio.
a Todavia, como estas questoes tocam
materias extreraamente delicadas, a respei-
to das quaes a apreciagio dos governo* de-
ve nccessariamente defender do grdo de
confianga qua inspirarem as pessoas enear-
regadas daquella missio de caridade junto
dos prisioneiros de guerra, assim como das
circumstancias particulares, em preseoga
das quaes elles as possam desempenhar, os
delegados nio julgun poder deliberar sobre
as regras geraes que possam ter por effei-
to restringir aquelia libe/dade de aprecia-
gio da parte dos seus governos.
Julgam pois dever limitar-se a indi-
car as propostas apreseutadas pelo deiegado
belga i seria atlengio dos seus governos.
SESSAO DE 11 DE AGOSlo.
A commissio decidio que se substituisse
o capitulo V;i, relativo aos feridos pela se-
guiote redacgio :
Os feridos serio tratado* corrforme a
convengao de Genebra, e com a modifica-
goes ulteriores que se julgar Decassario fa-
zer-I lies, n
Depois ditto, os delegados promaciararn
algumas palarras a respeito deslas modia-
gdes.
Empenhou-se uma longs e profuiida* dis-
cussio entre o deiegado allemio e o- deie-
gado sueco acerca do material das arnbu-
lancias e dos hospitaes.
Oguoeral de Woigts Rbetz nio quer ab-
solutaraente que aquelle material seja neu-
tralisado ; admitte que o inimigo tenha o
direito de se apoderar doMe, e de o conser-
var tanto para seu uso, como para o dos
feridos quo cabirem em seu poder. 0 co-
ronel Staff for de opiniao coatraTra. O co-
ronel Hammer, deiegado suisso,. apoiou o
deiegado sueeo.
O' general Arnaudeau Iiesitoa- em se pro-
nunciar entre as leis da guerra, eos deve-
res da humanidade. Pedio para se eselare-
cer melhor antes-de emittir o seu julga-
mento. O coronel Lanza estava igualmen-
te perpleto pelos raesroes motivos.
No fim da sessao o barao Jomini resumio
a discussio, e propoz que se inserisse na
acta a declaragio seguinte -
Os- delegados da commissao liraitam-
se a defer ir as diversas opinioes emittidas
na presente sessio para o exame dos seus
respective* governos-,- em preseoga das-rao-
dificagoes e dos melhoramentos que se-pp-
deriam introduzir de commui accordo na
convengao de Genebra.
Esta declaragio foi: adoptada.
sassAo de fS'DEAGesaro.
A commissio tratou era fim da examinar
o capitulo primeiro da primeira seccio:
Dos direitos das paries belbgerantes de
uma para com a outra. Como se sabe,
foi aquelle-capitulo que suscitou as mais
graves difibaldades, e que mais inquietou
a opiniao pabliea na Europa.
Mr. de fcausberge, des Paizes- Baixos, de-
clarou que as reservas que ji tinha feito se
referia a todo o capitulo primeiro. A Neer
landia e uma nagio pacilica, cuja organi-
sagao militar e purameote defenskva, qua
nio deseja de maneira nenbuma envolver-
se em combinagoes que- possam cooduzir a
atacar outro estado, ou o implaeal-o nos con-
Bictos, em presenga dos quaes- o projecto
parece mais especialmeote redigido. Mas
se deseja viver constantemente era paz com
os outros estados, a Neerlandia estd decidi-
da a defendar-se a todo o transe se for a-
tacada, e a nio se privar de nenhum meio
de resistencia. Qualquer clausula, pois,
quo desligasse de qualquer raodo que fosse
os cidadacs do dever sagrado de defender a
patria por todos os meios ao seu alcancs,
ou que, em vez de limitar o poder do ini-
migo, coBstituisse 6m direito factos que re-
sultant uoicameiite do emprego da forga
factos a que se podem submetter por ne-
cessidade, mas em que nao podem consen-
tir antecipadamente qualquer clausula
desse governo seria repellida pela opiniio
pubiica, e o governo dos- Paizes Baixos
nao pederia adherir a ella.
O bario de Lambermont, deiegado bel-
ga, e o coronel Hammer, deiegado suisso,
gzerom. declaragoes analogas.
[Coiitinuar-se-ha.)

viver muito
causa d'esse
perdao que o
Em que foi que eu a raystifiquei ?
Deveras I Quantos ursos tem morto,
bello cagador ? ,
Se a senhora tivesse melhor iudogado
de seus portadores, melhor lbs teriara cste>
informado. Tenho morto sete ursos, cujas
garras a senhora deve ter visto, d porta do
meu albergue, entralagadas em festoes mi-
mosas. Com esses ursos regalaraos nos os
amigos e os freguezes do estabeleeiraento, e
os premios que elles me fizeram ganbar di-
vidi-os eu com os meus camaradas.
N'esse caso.... rendo-me, e confesso
que o senhor e um homem extraordinary
a quem seremos forgados a pedir descul-
pas.
Aceito as da senhora, respondi ale-
gremente. Quanto a sir Ricardo, jd cele-
brancos a paz, e ate jd lhe dei uma consuUa.
Ah 1 E elle estd doente ?
Muito pouco. Ha de
tempo.
Deus o ouga 1 E, por
bom auguro, e para 'sellar o
senhor nos concede, d(i-me a mao.
Recebi com emogio a sua miosinha na
minha ; mas nio ousei apertnr-lh'a.
Ella disse-me :
Vamos ; d ingleza I Shake I shake I
Aposto que o senhor sabe o inglez I Eu
nunca aprende-lo-hei ; e uma lingua horri-
vel. Gosto do hespanbol, e aprendi-o mui-
to depressa ; mas intimamente sd estime e
preso o francez,. a Franga e Paris I
A senhora nasceu alii T
De pais pobres, como se costuma di-
zer ; minha infancia foi muito humilde;
depois fui rica, mas niofeliz. Sir Ricardo
amou-mo, e foi a minha providencia. Ago-
gora nada tenho a desejar.
A senna ra jd tinha sido easada uma
vez ?
Nio. Porque faz esta pergunta ?
Julguei ter entendido....
Ab I minha historia e longa, e abor-
recida. Falleraos antes do senhor. Pre-
tenle realraente estabelecer-se aqui ?
Nio sei ainda.
Nio pensa era casar-se ?
Ainda ( muito cedo.
Entio, o senhor nao ama ninguem 1
Esta pergunta brusca fez-me corar como
uma crianga ; e eu respondi que nunca ti-
nha araado. [Continuar-se-ha.)
TYP DO DlAUlu..-lTlA~DUQlE BE CAX^
i1

ti


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKVMTPLHP_QH6UUS INGEST_TIME 2014-05-28T00:41:31Z PACKAGE AA00011611_16517
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES