Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16513


This item is only available as the following downloads:


Full Text
!
AJVA'O L. MJMERO 218
1
*

V

PAH.4 A CAPITAL B L|]G1RG O^DE NlO SE IM(,l POBTE.
Por tres mezes adiantados................ 69000
Por seis ditos idem..................12*000
Por am anno idem.................. 843000
Cada naraero avulso................. 93-20
t In. Gerardo Antonio Ai>es d Filhos, no Par*; GoncaWes 4 Pinto, no Maranhio; Joaqnim Josd de OlWeira d Filho, noCeari; Antonio
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Amencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na Villa da
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar da Alagoas
"*
SEXTA FE1M 26' DE SETEMBRO DE 1874

)
PABA DIVIHO B FOBA DA PBOVlMCIA.
Por tres mezes adiantados................
Por seis ditos idem................ .
Por note ditos idem.................
Por am anno idem..................
#750
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA FJLHOS.



lemua Braga, no Aracatj } Jolo Maria Julio Chfm, no Axsd; Antonio Marqaet da Silra, Natal; Jose Justiao
le'armino dos Santos lolcio, em Santo Ant* ; Domingos Josd da Costa firaga, emSuarrtht
Bahia; A. Xavier Leite d C. d Rio Janeiro-
IHS1SUCCA0 FOFULAE
Afos d C.na
Elemcuios de |>li>lea
LIVRO SEGUNDO
UrtfroHtnlira
CAPITCLO I
.-SOES TftA.NaMITTlDAS E EXK'.\< IDAS PKL0S Ll-
QUID0S.
(Conttnnaruo j
Prensa hydraulicn. Termiaaremos 0
oue diz respeito as pressoes dos liquidos pela ap-
I licatiib qua foi Jala ho principle da igualda.de de
presioem todos os seuiidos du confe:cionamauto
da prensa hydranlioi, que e am appaTelho por
maio do qua! iiui 80 lioiiiatn pule exereer eouside-
.:ttiilissima> pressoes.
Esse apparelin, de qua daremos uma ligeira
idea, coiupoe-so de uma cai c tie ferro quadran-
gular e oblonga, susieatada por quatro bases de
7olamnelas. e em cujo centro ha tun cylindro de
ierro fundido. qua serve de corpo de bomba, e den-
tro do qual move-se eom allhcto docee feehand) 0
harmeticamenle um outro cylindro cheio, quo
servindo pela parle inferior de embolo, tem na par-
te superior uma plata-jorma tambem da ferro,
que com 0 cylindro, se eleva ou abaixa vertical
aiente, escorregindo ao longo de quairo colum-
netas ou basles da ferro, adaptadas aos angulos
da caixa aciina, e soiopostas as respectivas bases,
<;ue servem de suportea meima caixa.
No alto das quatro eoluiuaetas ou hastes, acha-
= a perfeitamente li^a-la e forraando corpo corn
ellas, uma chapa quadrangular de forte construe-
oao, de encontro a qual sao compromidos os objec
tos sobre que se exereo o trabalho do apparelho.
A caixa quadrangular, de que fallamos acima,
tem em um de seus menores lados um accrescimo
ou apendice, no qual ha uma pequena bomba, cujo
embolo e movido verticalmeute por meio de uma
alavanca do segundo genero, a que se ligao bra-
ce do inesmo embolo.
0 corpo dessa pequena bomba, que fica deatro
de um pequeno resercatorio d'agua, formado pe-
lo supradito apendice, tem oa sua base uma val
tula, pela qual sob:! a agua do reservatorio, quan-
do 0 embolo se e!eva e faz-se 0 vacuo no corpo da
mesma bomba ; a tem tambem, logo abaixo da
maxima altura a que e eleva 0 dito embolo uma
outra valmtla, por meio da qual e com 0 auxilio
de um tubo de metal, se eslabeieee a comrounica-
V i 1 entre 0 corpo da pequena bomba 0 0 grande
corpo de bomba, existenle entre as columnetas da
caixa supra-meocionada.
Ordinariamanie o diametro do corpo da peque-
na bomba e am decimo ou 1| 15 do diametro do
corpo cylindrio colloeado entre as columnetas;
mas as vezes a relacio entre esses diametros atiin-
ge a grandes aignsroos como 100, 130 e mais
ainda.
Supponhamos 0 embolo da pequena bomba na
bnse do seu eorao, c comecemos 0 traballio.
Emprega-se a potencia, (a forga muscular por
exemplo). n'um eMtremo da alavanca ; este se abai
xa, elevando-se 0 ponto em que aclua a resisten-
cia, e com elle 0 braeo dt embolo, e este conse-
guintemente.
Abra-se enlao a valvui.i da base do corpo de
bimba e a agua sobe
Continuando 0 movimento sobe 0 brace da po-
;en:!a da alavanca. abaixa-se 0 ponto da resisten-
cia ecom ail 0 embolo. A referidi valvula se
1; in^s entio abre-se a outra de que acima
fallanio.', e por elb, c compeliiJi pela forca que
amna o embolo, escapa se a &sua que atravez do
nbo de metal, vai ter ao grande tubo cylmdrico
collocado entre as columnetas, e transmitte ao res-
pective embolo a pressao quo lecebeu do da pe-
<;jena bomba, ;om a difference deque, no pri-
meiro caso. islo e no c*so da pressao sobre 0 pe-
naeno embolo, era esta desrendente, de cima para
baixo, ao pa3so ;ue no segundo. islo e, no caso do
pressio transmittida ao grande embolo do corpo
vhndrico inter-colonmatico, ( a mesma pressao as-
cendente, isto e, de baixo para eima, como 0 exige
0 principio tie Pascal, que nao so se verifica.ues-
.-a part?, mas tambem na que se refare a amplifl-
cacas do elTeito, que dest'irte, no grande embolo,
: .ma se tambem maior quanto maior do que a do
peooeao e a soasoperllcie.
Se, pjt exempli, a soperficie do grande embolo
i- cento e cineoen'.a vezes maior do que a do pe-
queno. e se a pressao exercida por esie e de oi
santa kilogrammos, *s-se que a pressao exercida
^cbra 0 grande emb-.l i torna-se cento e cinciienla
vezes maior, islo e, torna-se de doze mil kilo-
grammos.
Cora as grandes prensa.- hydiauUeas emprega-
das n'i industria, cbega-se a exercer pressoes de
cincoenta mil kilogramme?.
Estas enormes pressoes. transmittidas do modo
que referimos, ao cmbol) d 1 cyliudro movel que
escorrega no corpo do bomba intercolumnajico,
elevani ease cylindro movel e com elle a respecti-
va plata-forma, qu, tendo sobre si os c^rpos ou
objectos a comprimir, impreasa-os com igual pres-
.-lo, de encontro a chapa de ierro que rcpousa e
forma corpo comas colomoetas no alto das mesmas.
E* dest'arte, pois, qae se tira todo 0 possivel pro
veito do apparelho.
h pretua lajdrauiica 6 empregada para compri-
mir e espreraer as substancias cujo succo se quer
cxtrahir, cjmo por exempli : os graos oleaginosos
de qae ?e fabrics azelte do oleos : as betterrabas
e a3 caanas de que fax as;ucar; as macis, de cu-
jo soeco fas-86 1 vinlio chamado cidra ; 0 cajii on
outros froctos de que tambem se fabrica vinbo ;
etc., etc.
Tambem serva a prenia hydraolica para com-
primir cs c rpos, cujo volume se quer reduzir on
diminuir, cimo par exemplo : 0 feno, a la, 0 algo-
tlao e ootros qua torn de ser transportados a borda
dos navios.
Ploalmeme, a prensa bydraoUea pode ser em-
pragada para iavantar grandes e pesados objectos
como ma'.eriaes deconstru'.-i.ao. monumentos indi-
vi^iveis. grandas pecas da' maehinas, etc., etc.
Nestes caso?, porem. a prensa hydrauiica soffre
uma modificaciio, visto eorao tiram-se-lhe as co-
lumnetas e a shapa de fc-rr: porque ellas se ler-
iniaain.
Pol por meio de quatro preosas hydrauiica* que,
c;aindo se quiz collocar i grande," pesadissima e
lndivisivel flexa da cathedral de Strasburgo, foi
ella Ievantida 0 ficou saapensa sera nenhum ontro
iionto de apoic.
copia, sob. n. 1, e bera assim peio arsenal de gaer-1 Ao inspector da thesouraria de fazenda.-
ra do.-ti provincia, c 111 desuan ao referido bala- Gonstando do aviso ministerio da rparinha, de 10
ihao, 1,568 pares de sapatos. de conformidade com
a nota, tambem inclnsa por copia, sob n. % tudo
PARTE OFTICIAL
Govcrno da pi*oviucia.
EX. I"." D I Bl : M:oi. DK 18T't.
*" I .'
OtOcios :
Ae Exm. brigadeirc commandante das ar-
rnas.Coairnuoicc a V. Exc. para os fins conve-
nientes que, de accordo com a sna informacao de
lioniem dilada, sob n. 324, deferi 0 requerimento
dpcapil5o Manoel Joaquirc Bello, pedindo permis-
sao para a^uardar nesta prcvincia a deeisao do go-
verno acerca da reforraa per elle rejmerida.
Ao mesmo. Communicando 0 Exm. ministro
da guerra, era aviso de 11 do corrente, haver pro-
videnciado para que pela intendencia da guerra
sejam fornecidos ao 9." batalhio de infantaria os
aigos di -ardamento coostantes da nsta junta por
em shIi>U';Ao do's pediJos que aeompauharain o
ollici j de V. Exc, de 11 de marco Undo, dirigido
ao couselheiro quartet-inestre general; assimlb'o
declaro para senjeonhecimento.
Ao mesmo. Commnnico a V. Exc, para seu
conhecimento e afim de faaer constar ao director
do hospital militar, que por portaria do rainistvrio
da guerra, de 8 do corrente, foram eoncedidos ao
amanuense daquelle estabelecimento, Avelino Pe
reira da Cunha, 15 dias de licenca para iralar de
sua saiide.
- Ao mesmo.Sirva-so V. Exc de fazer con-
star ao soldado reformado do 1. batalhao de arti-
Iharia a pe, Manoel Ignacio da I'urifieacio, que
pelo governo imperial foi deferido o requenmento
em que pedio licenca para transferir sua residencia
desta provincia para a das Alagoas, correndo por
sua couta a despeza de transporte.
Ao mesmo.Communicandome 0 Exm. Sr.
ministro da guerra, em aviso de 13 do corrente,
que entre os recrutas remettidos ultimaraente para
a corte existe 0 nome de Daniel Raphael da An-
nunciacao, 0 qual .sendoallisubmettidoainspoc^ao
de saiide, foi julgado incapaz para 0 servico do
exercito por soffrer de molestia incuravel; s'irva-
se V. Exc. de recom nendar aos medicos incurnbi-
dos desse servico 0 maior escrupulo e cuidado em
suas inspeepdes, a quo procederem nos recrutas
deetinados ao exercito.
Ao director do arsenal de guerra.Trans-
mits a V. S. as duas inclasas notas de 9 do cor-
rente, organisadas na repartifaojjdo quartel-mestre
general, aflm de que, em cumprimento do aviso do
ministerio da guerra, de 11 deste roex, mande for-
neccrao 'J.' batalhao infantaria, para pagamento
dos vencimentos dtste anno, 1,586 pares de sapatos,
constanles da nota sob n. 2 ; ficando V. S. sciente
de que na data do citado aviso se mandou fornecer
pela intendencia da guerra 0 fardamento mencio-
nado na nota sob n. 1.
Ao engenheiro das obras militares.De con-
formidade com a autorisa^ao concedida pelo aviso
do ministerio da guerra, de 10 do. corrente, mande
Vine, proceder a desobstruccao do cano existenle
no quartel do 2. batalhao de infantaria, como pro-
poz em seu olfleio de 20 de fevereiro ultimo, sob n.
7i, alim de dar escoamento as aguas pjuviaes que
ficam estagnadas na area do referido quartel.
Ao mesmo. Tendo sido autorisadi pelo aviso
do ministerio da guerra de 10 do corrente, a des
peza de 1:326*380, constante doorcamento junto
ao seu officio n. 61, de 22 de Janeiro proximo pas-
sado, coin os inellioran.eutcs de que precisa 0
0 quartel do deposito, com a caidura e pintura do
mesmo quartel, 0 que tudo monta aquella irupor-
tancia, autoriso Vine a chamar a concurrencia
para a exeeucao desse servico.
2. Sfcctio.
Actos :
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu 0 tabelliao de notas desta capital Apolina-
rioFlorentiao de Albuquerque Maranbao Sobrinho,
resolve concederlhe i mezes de licenca para tra-
tar de sua -:m l.j onde ihe aprouver.
0 presidente da provincia. tendo em vista a
informacao do Dr. juiz de direito da 1.' vara desta
capital, resolve nomear o cidadao Jose Carlos de
Sa para substituir 0 tabelliao do solas desLa cida-
de, Apolinario Florentino d'Albuquerque Marajjbao
Sobrinho, durante o impedimento do mesmo.
0 presidente da provincia. de conformidade
com 0 art. 6.* % !. do decieto u. 4,824, de 22 de
1871, resolve nomear 0 capiiao Joao Nepomuceno
Ferreira de Mello para 0 cargo de 3* supplento do
juiz municipal e de orphaos do termo de Gara-
uhuas, vago por ter sido exonerado a seu pedido
Pedro do llego Chaves.
0 presidente da provincia, de conformidalo
com a proposla do Dr. obofB de policia em ollicie
n. 548, de honle'm datado, resolve nomear para
0 cargo de 3* supplente do sublelegado de poli-
cia da freguezia da Varzta 0 alferes Porgentino
de Miranda Pimcntel.
0 presidente da provincia, da conformidade
com 0 art. 45 do decreto n. 1,130 de 12 de mar-
co de 1853, e a vista da informacao do respectivo
coramandante superior em otlieio de 27 de Janei-
ro proximo findo, resolve mandar aggregar ao ba-
talhao n. 28 da guarda national do raumcipio de
Garanhuns, onde se acha re3idindo, 0 capitao Jose
Peregrin) de Miranda, da 8' companhia do bala
ihao n. 27 de infantaria do municipio de Ca-
ruarii.
Officios :
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal dos inunicipios de Garanhuns, Bom Gonselho a
Buique.Para conhecimento de V. S. e devida
execufJo, commnnico Ihe que por portaria deste
data foi mandado aggregar ao batalhao n. 28 desse
commando superior 0 capiiao Jos6 Peregrino do
Miranda, da 8' companbia do batalhao u. 27 de
municipio de Caruarii.
Ao juiz de direito do i. districlo iriminal.
Afim de satisfazer o aviso do ministerio da justica,
de 10 do corrente, reraetla-mo V. S., com urgencia,
uma copia da sentenca proferida contra Jacob T.
Kok, Joao Evangelista de Castro e outros, indiciados
no crime da fabric) de moeda falsa.
Aojuiz de direito do Ouricury. Responden-
do ao oflicio de Vmc, de 30 de marco proximo undo
tenho a dizer-lhe qne opportuoamente sera aug-
mentado 0 destacamento dessa villa, nao podendo
ficar a sna disposigao a forga, que se acha em
Graailo, nao so porque e grande a distancia do am
a outro lugar, sena 1 tambem po'rquo deve ella per-
manecer sob a direccao da autondade administra-
liva.
Ao mesmo Tendo 0 presidente- da eamara
municipal.de Ouricury, em officio de 20 de marco
Qndo, me participado que a variola grassa com in-
lensidade nessa localidade, remetto a Vmc. nma
ambulancia de medicamenlos homeopathic os apro-
pnados ao tratamento da variola, para que se dig-
ne applical os aos desvalidos atacados daquella mo-
lestia, com 0 que Vmc. prestara um valioso servi-
co a causa da humanidade soffredora.
Ao commandante do corpo de policia.Pode
Vmc eliminar do corpo sob seu commando a pra-
ea da 6.' campanhia, Franklin Paulo de Oliveira,
como sollcita era sea officio n. 187, de hontera da-
tado.
Ao mesmo.Pole Vmc. engajar no corpo
sob seu commando os paisano3 Jose Pereira de
Almeida e Leoncio Ramos de Freitas, como solicita
em seu officio n. 185, de 23 do corrente.
Circular:
Aos commandantes saperiores da guarda na-
tional.Para conhecimento de V. S. e devi-
da execucin, incluso remettf the por copia, 0 de-
cieto de 24 de maio do anno proximo lindo, 0
qual toruou-se extensivo a e.-ta provincia, por avi-
so do ministerio da justica, do 6 de fevereiro ul-
timo.
3.J seccQo.
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Joao de Araojo Ce3ar, escrivao da collec-
toria provincial da cidade de Nazareth, resolve
conceder-lhe 20 dias de licenca sera vencimentos
para tratar de sna saiide nesta capital.
0 presidente da provincia, attendenlo ao que
requereu Joaquim Pires da Silva, conferenle do
consnlado provincial, resolve conceder-lhe mais 3
mezes de licenca sen) vencimentos, a contar do dia
era que dndou a anterior, afim de tratar de sua
saiide.
Offieios:
do corrente, qne nessa data se solicitou do da fa-
zenda a expedifio de ordens, afim de que seja essa
thesouraria habililada a pagar 0 corapeteute soldo
ao 1.* (enente da armada Joao Egydio de Castro
Jesus, durante a liceupa de 2 mezes que obteve para
tntar de sua saii le; assim 0 commnnico a V. S.
para os fin- convenientes.
Ao mesmo. Para os flos convenientes om-
munieo a V. S. que em 23 do corrente eolroa no
gozo de tres mezes de licenca, que por esta presi-
deucia Ihe (A concedida em 21 deste mez, 0 juiz
de direito da comarca de Goianna, bacharel Fran-
cisco Teixeira de Sa.
Ao mesmo. -Aulorisaudo 0 Exm Sr. minis-
tro da guerra, por aviso de 10 do corrente, a des
peza precisa com a desobstruccio do cano que
existe ao quartel do 2.* batalhao de intanteria e
destinado ao escoameuto das aguas pluviaes, alim
de qne nao continnem estas e.-tagnadas, no p ,teo
do referido quartel, expedi nesta data as necessa-
rias ordens. ao engenheiro das obras militarea
para mandar proceder a esse servico. 0 que com-
munico a V. S. para seu conhecimento e di-
reccao.
Ao mesmo. Transraitlo a V. S. para ter 0
conveniente destino a inclusa portaria de nomea-
cao de Nabuao Auionio de Alencar pira agenle
do correio do Granito, nesla provincia.
Ao mesmo.Para os tins convenientes com-
munieo a V. S. que em II do corrente deixou 0
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
do termo de Villa Bella 0 bacharel Angelo Catta-
no de Souza Cousseiro, por ter lindado 0 seu qua-
triennio, conforrae participou me em officio da
mesma data.
Ao mesmo. Era"aviso de 10 do corrente 0
Exm. Sr. ministro da marinha, declarando haver
ja providweiado acerca do credito supplementar
de 4:34UU62, aberto sob responsabiiidade desta
presidencia para occorrer as despezas da verba
eventuaes, do exercicio em vigor, determina que
para regularidade da escripiuracao da contadoria
de marinha se remetla com brevidade uma de-
raonslracio do que se tem despendido uo eoirent->
exercicio com as obras do raelhoramento do porto
desta provincia, discriminando 0 que for relativo
a pessoal e material Cumpre, portaoto, que V.
S. de suas ordtns no sentido de ser satisfeita se
melbante exigencia.
Ao mesmo.Mande V.S. pagar, nao haven-
do inconveniente, a Manoel de Oliveira Juniir, os
vencimentos do destacamento de Villa Bella, rela-
tives aos mezes de selembro eoutubro do anno
proximo passado, conforme solicitou 0 respectivo
commandante superior no olli;iu em que remetten
as folhas e prets qua iuclusos transmitto a essa
thesouraria.
Ao mesmo.A' vista das folhas e prets jun-
tos em duplicata, minde V. S., nio havendo in-
conveniente, pagar a Moreira & Braga os venci
montos do destacamento da villa do Bonito, relati-
vos aos mezes de fevereiro e marco deste anno,
conforme solicitou 0 respectivo commandante su-
perior em officio de 2 do corrente.
Ao mesmo.Transroitto a V S. para os fins
convenientes a inclnsa portaria de 8 do corrente
concedendo ao escrivao do hospital militar desta
provincia, Avelino Pereira da CuohJf; 15 dias de
licenca para tratar de sua sadde.
- Ao mesmo. Communico a V. S. que. em
vista das razoes expostas pelo barao da Soledade,
contraciante dajestrada de ferro para Limoeiro, em
requeriraento sobre que informou a eamara mu-
nicipal desta cidade em data de 16 de marco ulti-
mo, resolvi que para logradouro publico seja re-
servada a extrema norte do terreno que ao mesmo
barao foi concedido por aforamento de csnformi-
dade com 0 aviso do ministerio da guerra, de 11
de marco de anno passado, a essa thesouraria
transmiltido per copia em 31 dcjulho do mesmo
anno ; licando esta minha deliberacao depeudente
de approvacao do governo imperial.
Ao mesmo. Envie ma V. S. para ser trans-
mittida a secretaria de estado dos negocios d 1
guerra, com) exige 0 avi?o de 10 do corrente, a
guia de soccorrimento do capitao honorario do
exercito Felippe Jose da Exaltacjio Maaiva.
.10 mesmo.Tendo nesta data concedido ao
capitao do 16.' batalhao de infantaria Manoel Joa-
quim Bello, que se acha presenlemente nesta pro
vincia, perraissao para es^erar aqui a deeisao do
governo imperial acerca da reforma por die re-
querida; assim 0 commuuico a V. S. para sea
conhtcimento e direccao.
Ao mesmo. Para os fins convenientes in-
clusa remetto a V. S. a patanle de reforma do ca-
pitao Joao Bapiista da Silva Manguinho no posto
de major do 9." batalnSo da guarda national des:a
provincia.
Ao inspector da thasouraria provincial.-
Communico a Vmc. para seu conhecimento e de-
vidos fins que nesta data aulorisei a reparticSo
das obras publicas a mandar executar as obras
supplemenlares da ponte da Junqueira, no valor de
448*580, conforme 0 orcaniento junto por copia.
Ao mesafio.ConfTme solicitou 0 comman-
dante do corpo de policia em officio de 23 do
corrente, sob n. 184, mandeVnic.abonar por adian-
tamento os vencimentos e soldos dos seguintes des-
lacamentos: Goianna, 2 mezes de vencimentos a
1 official e de srldo a 24 pracas ; Caruarii,' 2 me-
zes de soldo a 12 pracas ; Limoeiro, 2 mezes de
vencimentos a 1 official e de soldo a 17 pracas';
Bezerros, 2 mezes de soldo a 8 pracas ; Bom Jar
dim, 2 mezes de vencimentos a 1 official e de sol-
do, a 10 pros is; Pao d'AIbo, 2 mezes de venci-
mentos a 1 official e de soldo a 8 pracas ; Naza-
reth, 2 mezes de vencimentos a 1 official e de sol-
do a 11 pracas ; Itambe, 2 mezes de vencimentos
a 1 official e de soldo a 6 pracas; Ponta de Pedras,
2 mazes de vencimenDs a 1 official e de soldo a 10
pracas; Cruangy, 2 mezes de vencimentos a 1 offi-
cial e de soldo a 5 pracas; Timbadba, 2 mezes de
vencimentos a 12 pracas ; SerinhSem, 2 mezes de
vencimentos a 6 pracas ; tudo a contar do !. de
maio ao ultimo de junho vindouros.
Ao mesmo.-Paiticipou-meo thesoureiro das
loterias da provincia, em officio de 24 do corrente,
sob n. 937, que, tendo lindado a licenca que lbe
concedi em 22 de Janeiro ultimo, entrai a no exer-
cicio das respectivas funccoes; 0 que communico
a Vmc. para 03 fins convenientes.
4." aectfio.
Acto :
.0 presidente da provincia, tendo em vista 0
officio do director da instruccao publica, sob n.
134, resolve conceder ao padre Jose de Lima e
Silva a exoneracao que solicitou de delegado litte-
rario do districlo de (anhotinbo, e nomear para
substituil-o o cidadao Leopoldino Teixeira de
Aguiar Repo.
OfficHw :
Ao Exm. presidente da provincia de Sauta
Calharina. Accu-o recebidos os dous exctnplares
impressos de cada uma das seguintes pecas offi-
cioes, que V. Exc. remetteu cam officio de 10 de
abril ultimo. Colleccao das leis prouaulgadas nes-
sa provincia; falla de abertura da respectiva as-
sembled legislative 0 relatono com que 0 Dr.
Pedro Alfonso Ferreira passou a administrate ao
4* vice presidente, Luiz Ferreira do Nascimento
Mello, tudo no anno proximo passado.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Pode ser emregae a Constancy Maria da Concei-
cao sen fllho Joaquim Chrispiniano da Silva, edu-
cando do collegio dos orphaos, afim de ser empre-
gado como caixeiro em uma casa commercial, se-
gundo diz ella, flcando assim approvada a resolu-
c.So da janta administrativa dessa Santa Casa, e
respondidoooifeioque Vmc me dincio em data
de h..ntein,son. *o0

g-Approvando a resolucao da jun
rdessa Santa ':asa, autorisoo a
Sjrafina de Moraes a educanda
s, Adelina Cesar de Albuquer-
nipleiuu a sua educayao, e e pe-
regida no servico da farailia do
franco de Sa. T nho assim res
in de 24 do corrente, sob n.
Ao raoii
ta adininistla
entregar a /i> _
do collegio las
que, a qual
dida para sr i
bacharel E
pnndido 0 sei
851.
Ao Df. inVpeetor da saude publics. Mande
V. S. preparar e remetta a secretaria desta presi
dencia, uma carteira com medicameuto* homeopa
thicos apropnados aotntamento da variola, e ins-
truccoes para sua appliiacao, afim de ser enviada
ao subdelegado do distrMo de Beberibe, conforme
solicita o Dr. chefe de policia em officio de hon
tem datado, sob n. 544.
Ao mesmo. Mande f. S. preparar e remetta
a secretaria desra presideicia uma carteira com
medicamenlos homeopathic**, e iustruccoes apro-
priados ao Irabalho da varida, adm de s^r envia-
da ao subdelegado do disirico da Ponta de Pedras,
conforme solicita 0 Dr. c!W> de policia era officio
de 24 do corrente, sob u 545
Ao presidaute da caman municipal da villa
de Ouricury.-Em resposia aoofficio qie Vmc. mo
dirigio em 20 de maico fiudo.commuoicando que
a variola tem grassado com Ustante intensidade
nesse municipio. Lie declaro quj nesta data remet-
to ao Dr. jui* de direilo uma anbulancia de me-
dicamenlos homeopatbieos apripriados ao traia
mento dos individuos atacados daiuella molestia.
Portaria :
A' Illma. eamara municipal 00 Recife. Em
vista das razoes expostas pelo batio da Soledade,
coniraclante da estrada de ferro pira 0 Limoeiro,
uo requerimento sobre que inforram a Illma. ea-
mara municipal d-sta cidade em data de 16 de
mar;o proximo lindo, tenho resolvid* que para lo
gradouro publico seja reservada a extrema nor
te do terreno que ao mesmo barao foi concedido
por aforamento, de conformidade con 0 aviso do
ministerio da guerra, de II de marco to anno pas
.-ado ; licando esta minha deliberacac dependente
de approvacao do governo imperial. 0 que com-
munico a essa Rlma. eamara para su; intelligen-
cia.
5.a secrao.
Officios :
Ao engenheiro chefa da reparticao das obras
publicas.A' vi.-ia do que ponder* Vine em seu
officio da hontem, sob n. 119, conferencia aos nove
cachorros de madeira, que devera desercolloca-
dos na coberta do gymnasio provincial, autoriso-0
a mandar pagar esse servico pelo pieco do primi-
tivo orcamento; podendo delle ser encarregado 0
contraciante dos reparos da dita coberta.
Ao inesmo. Em resposta ao seu officio de
24 do corrente, sob n. 117, fica Vmc auiorisado a
mandar exeeuiar as obras supplameutaras da pan
te da Junqueira, conforme 0 orcamento organisado
pelo engenheiro Joaquim Galeno Coeiho ; podendo
desse irabalho ser encarregado 0 contraciante da
referida ponte.
Ao inesmo. Inteirado do que me expo* em
seu officio de 2i do corrente, sob n. 120, relativa-
m nle as obras do paeo da assemblea provincial,
devolve a Vm& a revisao das ditas obras, para que
inclua nelia as bancad?s qne foram snpprimidas.
gX/BDIEXrK DO SBCBETARIO.
2' SKCttO.
Officios :
Ao Dr. chefe de policia.-0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda communicar a V. S.
que por portaria de 28 de marco proximo finds
foi exonerado a pedido do cargo de 3 supplente de
delegado do termo de Ounda Joaquim Lopes de
Miranda, conforme foi solicitado por V. S. em ofli-
cio n. 430, de 26 daquelle mez.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia mania remetler 0 incluso lilulo de nomea-
fa do 2 supplente da subdelegado da Varzea, fi-
cando assim respondido 0 officio do V. S., de n.
548, de boje datido.
Ao juiz de direito da comarca de Goianna.
0 Exm Sr. presidente da provincia mand* accu
sar 0 recebitnento do officio de V. S., de 22 do
corrente, remettendo a cerlidao de exercicio do
cargo de juizde direito dessa comarca.
Ko ba-harel Anzelo Cavalcanle de Souza Cous-
seiro.0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
accusar 0 recebimenlo do officio de V. S., de 11 do
corrente, communicando haver na mesma data dei-
xado 0 exercicio do cargo de juiz municipal e de
orpha-s aesse term), por ter liniado 0 seu qua-
(riennio.
Ao coramandante do corpo de policia. S.
Exc. 0 Sr. presideute da provincia manda declarer
a V. S. que nesta data se providenciou no seniido
de serein abonados por adiantamenlo os vencimen-
tos e soldos dos desticamentos indicados em seu
officio de 23 do corrente, sob n. 184.
Ao capiiao Joio Baptista da Silva Mangui-
nho.Por esia secretaria se coramunica ao Sr. ca-
piiao Joao Bapiista da Silva M raguinho que na the
souraria de fazenda se acba a sua palente de re-
forma no posto de major do 9." batalhao da guar-
da national desta provincia, afim de satisfazer os
direitos naciouaes.
3." sec^ao.
Officio :
Ao iuspeclor da thesouraria provincial.Para
seu conhecimento e devidos fins, S. Exc. 0 Sr. pre
sidente da provincia manda communicar a V. S.
que nesta dat 1 autorisou a reparticao das obras
publicas a mandar collocar mais 9 cachorros de
madeira na coberta do gymnasio provincial.
4.' secrao.
Officio :
Ao director geral interino da instruccao pu
blica. De ordem de S. Exc. 0 Sr. presidente da
provincia e para os fins convenientes, remetto a
V. S. 0 lilulo de nomeacao de Leopoldino Teixeira
de Aguiar Rego para 0 lugar de delegado lilterario
db districlo de Canuolinho, tendo sido exonerado
desse lugar 0 padre Jose de Lima e Silva.
5.* secc&a.
Officios:
Aos administrador dos correios. De ordem
"de S. Exc. 0 Sr. presideute da provincia, commu-
nico a V. S. para seu conhecimento que nesta data
reineiteu-se a thesouraria de fazenda a portaria de
nomeaQao de Nabuco Ottoni de Alencar para
agente do correio de Granito.
Ao gerenie interino da companhia pernara-
bucana. s. Exc. 0 Sr. presidente da provincia
manda deciarsr a V. S. que fica inteirado da via-
gem de um dos vapores dessa companhia ao pre-
sidio de Fernando de Noronha no dia 5 do mez da
maio proximo vindouro, conforme sua communi-
cacio de 23 do corrente.
ria nomeando 0 snpplieante sargento da guarda
local do municipio de Nazareth.
oespacllos da puksidencia, do dia 23 de setbmbro
ok 1874.
Caetano Jose Mendes Informe o Sr. engenhei-
ro fiscal, ouvindo ao superiuteudente.
Bacharel Estevao Carneiro Cavalcante de Al-
buquerque. Paise portaria, concedendo trinta
dias de licenca com ordenado na forma da lei.
Dr. Francisco A. Filgueiras Sobrinho.Informe
o Sr. inspector geral da instruccao publica.
Jose Candido Ferreira da Silva.Encaminhe se.
Joao VieiraDornellas Cimara. Requeira o sup-
plicante ao direct )r do hospitar militar.
Luiz.Pereira dos Santos.Ao Sr. Dr. juiz de di-
reito da vara para providenciar como entender
conveniente.
Olegario Martins Torres Barbosa.Passe porta-
Kt-particrto da policia.
t." seccao.Secretaria de policia de Pernambuco
24 de selembro de 1874.
N. 1166. Illra. e Exm. Sr.-Pariicipo a V. Exc
que das communicacoes recobidas boje nesta re-
particao, consta que foram recolbidos hontem a casa
ded teocao os seguintes individuos :
A' minha ordem Francisco, escravo do tenente-
coronel Joaquim de Sa Cavalcante de Albuquer-
que, por andar fugido.
A' ordem do subdelegado do Recife, Vicencia,
escrava de Io6 Joao de Araorim Junior e Tnere-
za. de Antonio Jose da Amorim, a requerimento
dos senhores.
A'ordem do da Bia-Vista, Miguel, escravo de
Antouio Alves de H. Cavalcante, a requerimento
do seoher.
A's It horas da noite do dia 12 do corrente, no
lugar Campo Alegre, do term) de Bom Conselho,
Agostinhd Damaso, Jose Caboclo, feriram grave
mente com nm tiro desfechado de emuoscada a
Anna Camberimba. mulber do primeiro; os de-
linquents lograram ovadir se, e o subdelegado
respectivo procedeu, a tal respeito; na forma da
lei.
A's 5 horas da tarde do dia 12, no termo de
Itambe, foi recolhido a cadeia, Virginio Horatio
de Freitas, pronunciado ali em crime de furto de
escravos. /"^
Hontem, pela 3 e meia horas di tarda o trera
dos trilhos urbanos do Recife a Olinda, ao chegar
a bomba da estrada de Joao de Barros, esmagou a
Joaquina de tal, moradora em Beberibe, que tran-
sitava pelo trilho. 0 respectivo machinista, Anto-
nio Marinho, apenas se deu o facto evadio-se.
0 subdelegado daquelle districlo esia precedes-
do nos termos da lei.
Nesta data o subbelegado de Santo Amaro das
Salinas temetteu ao juiz do respectivo districlo
criminal o inquerito a que procedeu contra Jose
Sarmenlo, escravo, p >r crime de ferimantos.
Deus guarde a V. Exc-Ulm. e Exm. sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia -0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo
EXTERIOR.
la pao
INSTRUCCAO PUBLIC A.
Havera dous annos proraulgou o governo japoncz
uma lei, estabelecendo nos dominios do mikado
53,760 escolas. Anteriormente nio bavia svstama
algura de instruccao publica no paiz. 0 Sr.Watson,
secretario da legato britannica em Yaddo, explica
em ura extenso e minucioso relatorio quaes as me-
didas adoptadas pelo governo local para a reforraa
dos esludos, toda baseada em priocipios estrangei-
ros, isto e, da Inglaterra, Franca, Eslados Unidos.
0 ralatorio foi enderecado a lord Granville, en-
tao mnislros dos negocios eslrangeiros, pelo mi-
nistro Sir Harry Paiker. Agora figura conspicua
mente ne livro azul, raostrando o progresso e rae-
Ihoramentos realisaios era varias nacoes, e exhi-
bindo os commentarios de uma pessoa" competente
sobre o funccionamento da reforma escolar no
extremo oriente.
A insiruccio outr'ora diffundia se no Japao,
como entre os antigos gregos, por horaens de co -
nhecimentos praticando com as pessoas do seu se-
quito. Depois da lei de 1872, abriram-se muitas
escolas em todas as provincias do iraperio ; m*s
a lei, como acontece com outras disposi^oes, pau-
ladas polos costumes europeus so pole ser par-
cialmenle cumprida.
A adminislrasao da ius'.rucgao publica e confiada
ao ilombushu, ou repartiija) de educatiio, exelusi-
vamente. Ha sete districlos, em cada um dos
quaes foi inaugurada uma escola superior. Cada
districlo contem trinta e duas escolas sccunda- e
ha uma subdivisao em escolas priraarias, se-
gundo a extencao do territorio e a den idade da
populacao, ao alvitre das autoridades locaes. A
nomeacao dos inspectores tambem parlance aos
chefes do disiricto.exigindo se somente que tenham
as babilitacoes necessarias ; e nao se impede que
os maoraes das aldeas exercam o cargo. Os ven-
cimentos dos iuspectores sao pagos pelos fundos
que a localidade deve fornecer, mas em caso no
cessario o governo dara subsidio temporario.
Todos os subdiios nobres, osaalo duas espadas,
ou pltbeus, artistas, soldados commercianles cam-
ponezas e mulhf res, quemandam os fllhos as esco
las, dao parte aos inspectores. Se as criaocas, ex-
cedeudo a idaie de seis annos, nao sao enviadas
aos estudos, cumpre communicar a razao desta
falla. Em cada districlo havera uma reparticao,
coraposta de empregados d) Mombusho, que supe-
rintended todas as escola), consultaudo as autori
dades locaes quando fur mister. As escolas sao
divididas em tres classes : superior, secundana,
primaria. Havera seminaries espetiaes para eusi-
no do alguns raraos de instruccao superior, como
philosophia, jurisprudents, litleratura, medicina.
Os estudantes que derem provas de extraordinario
progresso e que forem demasiado pobres para sa-
tisfazer as despezas e alimentarem-se, receberao
um subsidio, contrahindo obrigacao de pagamento,
ou o dever de entrar no servijo do estado. To-
dos os alumaos que e.-iadarem no eslrangeiro a
expensas de thesoura comprom3ltem-se a servir o
estado certo nnmero de annos ou e inderanisar o
que con elles se dispenleu, quando ragressam ao
Japao.
A roforma da instruccao comecou a funccionar
em julbo de 1872 e como observa o Sr. Watson,
despaito das diffilculdades que devia encontrar,
vigora por tOaor, que Ihe causa surpreza. Segundo
as informacoes do Sr. Tanaka, illust-ado vice-se-
cretario da reparticao de instruccao publica, o re-
sultado do inquerito official enviado ao governo,
mostra que no imperio fundaram se 1,799 escolas
particulars e 3,630 escolas publicas ; total 5,429.
NesUsesolas ha 338,463 alumnos masculino3 e
109,637 feraininos, prefazenio um total de 448,100,
mas, ak'-iii destes, qua nao incluem os das escolas
superiorcs, ha mais de 30,000 alumnos que apren
dem en suas casas o que faz um total de 480,000,
pouco mais ou menos. Ora, a populacao japone-
za em numeros redonios e de 33:000,000, isto e,
menos 89,777 do queo censo anterior ; por con-
seguinie recehe instruccao um dentre 68 habi-
lan.es.
0 Sr. Tanaka ponderou ao Sr. Watson que o
governo achou prudenle nio "obrigar os districtos
a observar as disposicaes da lei, senao em harmo
nia com as suas circumslan:ias e recursos, con3i-
deranio o que se Uzer ponto de parttda para suc-
cessive melhoiamento. Os estabelecimentos de
instruccao que ba na capital sao o Dai Gakku ou
universidade, que comprebende as faculdades de
medicina, junspruJencia, philosopbia, mineralogia,
assiifi como uma escola polytechnica, o Go G.tkkii
ou escola de lingua? pslrangeiras, o Sni Uau Gakko
ou escola normal dos professores japonezes, uma
escola feminina superior, vari-is aulas preparalo-
rias e e^tibelecimeuios, em counexio cim as re-
partisSes publicas, designadas para promover o
culiivo de certas disciplinas.
A escola normal foi creada para fornecer em
breve um pessoal technico suffleiente para dirigir
as 50,000 escolas creadas ou a crear. 0 edificio
deinora na parte septentrional de Yeddo, a distan-
cia de uma milha do collegio imperial, junto ao
terreno onde existe o velbo collegio chinez, ao lado
do templo de Confucio.
Um inglez, que visitou o Shi Hau Gakkd.&escre-
ve nos seguintes termos o methodo do ensino :
Inangurcu se uma classe de vinte e cinco man-
cebos escolhidos, e comecou o estudo do inglez.
Ensinados por um individuo dessa nacao, todos
progredir^m eom rapidez. Dentro em dous mezes
comprehendiam perfeilamente as expressoes do
mestre ; e depois de quatro traduziam e comecavam
a fallar. Desde logo cessou a instruccao ; o qae
se pretendia era que aprendassem o methodo pelo
qual o professor esiraugeiro instrae uma clajsn
maolem a disciplina. Era da todo o ponto diffe-
rente d'aqunio a quo esuvam habltuados. Nas
escolas japonezas u-ualmenie lecciona-se uma
classe de cinco on seis alumnos, occupando-se o
mestre com uma de cada vez. Nada conhecem
das recitacSes em concerto e da disciplina. tole-
rando uma bulha e uma irregulandade de fre-
quencia, pie entre nos nao seriam consentidas
n'uma aula da aldea. Ao facto do processo para
ensinar o inglez, criangas mais noas formaram-se
era classes, e passarara a .er dirigidas pelos viate
e cinco alumnos. Assim fizerara s.brea inspeccao.
vigilancia e auxilio do professor estrangeiro, que
suppria quaesqaer deficiencias, que emendava
Suaesquer erros, que rectiticava qualquer desvio
os preceitos norraaes. 0 mais notavel e que o
professor estrangeiro nio sabia uroa piiavra.de
japonex, n-m disso careeia, por ser-Ihe facil fazar-
se entender dos alumnos decuridas na sua lingua.o
Um professor araericauo, depois de grangear boa
reputaci) nos Eslados Unidos, foi chamado a car-
go de grande responabilidade na reparticao de
in.-iruccao publica do Japao. Eis como descreve
as aptidoes dos estudantes indigenas n'um com-
pendio cheio de interesse e de apreciacdes ori-
ginaes :
Os estudantes japonezes no estrangeiro mos-
travam-se tao solicitos, diiigentes, perspicazes, poli-
dos e proprios para aprender, que.grangearara os
encomios dos lentes menos propensos ao panegy-
ric). 0 presidente de um collegio de Massachu-
setts disse que so appetecia a presenca de um alum
no japonez em cada collegio americanp, para en-
sinar boas maneiras a is mestres, decurioes e dis-
cipulos. 0 chefe de uma escola superior de Con-
necticut, disse publicamante que nao havia na
America um conjunct.) de mancebos com as fa-
culdades de intuicao e observa^ao manifests das
pelos Japonezes.
c Os jornaes de Inglaterra e da Allemanba,
assim como os dos Estados-Unidos nao pouparam
os elogios aos graciosos orisntaes que frequenla-
vam as escolas. Nao poucos desses alumnos con -
quistaram grao3, distinccoes e coroas na3 univer-
sidades inglezas, germanicas, francezas, assim
como nos collegios araaricanos. Outros as teriam
igualmente alcaccado se nio se estiolassem na ter-
ra estrang-ira, talleeendo era seguida ou se nao
fossem charaados prematuramente ao paiz natal.
Mas para julgar imparcialmente a questao cum-
pre liquidar se um qualquer estudante japonez e
igual ou superior a qualquer estudante europeu
on americano. Dave-se ter em vista, (Jbmo ob-
serva o escripior citado, que os jovens subditos
do mikado quo foram a America ou a Europa em
demanda de instruccao nao sao tirados de qual-
quer classe, nao provem a esmo da massa da po-
populacao. Sao a-nata, o beijinho da progenie
oriental, por natureza, heranc-i, caracler e selec-
oao. Perto de 90 OjO doj japonezes mandados ao
estrangeiro pertencem a ordem samitrds ou das
duas espadas, istoe, sao nobres e foram designa-
dos por suas especiaes aptidoes. Sao de facto os
(jmorosi adolescentuli do oriente.
Oucamos agora o que diz o professor, depois de
examinaras escolas do governo no Japao : 0-
primeiro grande ponlo de dillerenfa que o mes-
tre estrangeiro nota in Japao c a quasi absoluta
desnecessidade dc i npor obediencia. No seu paiz
natal sabe que as suas priraeiras condi;oas devera
ser vigor e proposito ferrenho. Dirigir uma clas-
se de mancebos de raca anglo saxonia 6 o mes-
mo que ter debaixo de'mao as valvalas de sal-
vacao de outras tantas maehinas a vapor. Para
comer uma classe de alumnos em Inglaterra ou
nos Eslados Unidos scarece-se de uma somma de
forca de narvos e da pulmao, que muitos. mestres
nao possuem, que aU'ecla a saiide de bastanles, e
que torna a simples labutagao dc um dia nas au-
las equivalentea compteta prostracao. Tornouse
qui3i axiom itico nos Eslados Unidos que ninguem
pode reger uma aula mais de 15 anaos conseculi-
vamente. Nio sorprenie, pois, que o exhausto e
dispeptico professor do occidente, considers o Ja-
pao a terra de proraissao d)s mestres ; e saiiio
o alumuo deste paiz corno coiisubstanciacao do seu
ideal. Deixar os rapaies da sua terra, que seali-
mentam de carne escorrendo sangue, e em^ca-
ja mente pullulara as ideas que fizerara os Esta-
dos-Unidos e a Gra-Bretanha o que sao, sempre
occupados em reprimir as enargias turbulentas.
revollas, e passar a dirigir a tranquilla, sedenla-
ria, docil e quasi feminina raca japoneza, que eo-
me arroz, peixe ou mansco, que bebe agua ou
cha, e "'o maior allivio que pode experimentar.
Eotretanto, sa o professor e moco, vigoroso, sau-
davel, energico, dava por vezes ter saudades do
fogo e do impulso da ra^a europea para contras-
tar com a constante docilidade e snjei;ao dos ja-
ponezes.
Para rasumir as conelusoes que dimanani
deslas reflexoes acerca dos alumnos japonezes.
cumpre reconhecer que sao perspicazes, premp-
tos, solicitos e dedicados em apreuder. Conquis-
tam o coracao dos que ensinam pela docilidade,
engenho, deferencia e polidez. Quanto ao caleulo
da intelligencia e capacidade geral, .' igual ao
commura dos estudantes europeus ou amencanos.
Mesmo na intuicao e concepcSes de noc3ej abs-
tractas, pode apenas cousiderar-se levemente infe-
riorei, comtanto que o seu conhecimento do vehi
culo empregado, isto e, do idioma, esieja a par com
o do seu em'ulo. Em fo;o, virilidada, independen-
cia, era todas as vinades positivas, manifestadas
em ac;ao, nao em abstinencia, e sem duvida infe-
rior ao estudante commura do occidenle.
Taesquaes sao, entre anto, os alumnos japoae-
ses que bebem a largos tragos as preleccoes eu-
ropeas nas aulas, nas escolas, nas univer*idades,
preparam uma geracao fadada para altos comma'.-
limentos.
Os que especulam com a reaccao possivel con-
tra as ins;ituic;o-s do extreme occidente, nio vem
que o eulendimento da juventude e a cera molle,
qae tomara as formas prescriptas pelos professo
res; e que em 20 ou 25 annos todos os nomens
pubiicos, nobres, altos funccionarios, grandes pro
prietarios, pertencerio as classes que boje fre-
quentam os estudos e que nao descancarao sem
translormar o paiz completaraenle.
Mais habeis, mais illustrados, mais emprenen-
dedores do que os chins, os coreanos, os torqui-
neze3 e siamezes, nao tardarao em empregar con-
tra essas rajas apathicas e degenaradas os recarso;*
adquirido3 no sou tirocinia com europeus e ame-
ricanos.
Nao e temeridade suppor que levario os seus
barcos a vapor e as suas tropas discipiinadas ao
littoral da Asia escravisada, para as subraetter
ao seu logo.
Ao mesmo tempo que a sua industria e b sea
commercio raultiplicar se hao para altender as la-
cralivas relacoes com os povos do occiiente.
Pouco previdente sera quem nao conle com uma
recrudescencia da febrc mercantil da Inglaterra e
dos Eslados Unidos' para abarrotar os mercados do
extremo oriente dos variados productos das soas
manufacturas. 0 qae o mikado boje semeia hao
de fractiflcar eta optima colheita.



.. ,,,*
t-lfil AM Ui,-____-.

mitPW"!^ Pemambuco Sexta feira 25 de Setembro d6 1874
id V

\U 1/. /A
mm$mmg8fc
(agengia^Jmaphicx havas reuteu.]
Parii fOaJEj getemliro,- \a .clej-
eaes para preoaebimcnio das v-
B-is oviNiPiiu-H Ait asseaibiCa n-
eional rranceza> dfevem ler Ingar a
t* de oiu!ro **.
*. Icterbu*fa *3fraiiwto sen-
Naeiio em Mcrshars" a propoa-
ta do (tovei-a* prua*an para a i
.,....,, farcr parts da -onrcdrra-
(S7)~Pimindo-!e na fiaUe da segunfla feTra
i im^T___.... .-,....m. ma u^i nil1. 1*3 it
urn, ainda a
I ltruida.
"a.tc?e"sccntar qne 6 formosa e ins-
~Do respective prograrnma, que vai puiilieado lia 0 ao.vo.das ewenmvisinhancas adly;and Ycoao propria, veYse'rw fiue'saV inmirialiiVenfe
:-.3n e Alves Gaerra, eo Sr. supplente % Leitao.
S. Exc. o Sr. coaselheiro preskkfofc aSKd* *
eonvrda'dos' os paranymphoi qae teem de figurar.
aa careraonia-da bencao !
. E vptnUcao .de, Philadelphia. -Hoje
ha sessao da commissao incatnbida do agenda-
menio de especimens da industri* nacional para
a futura exposicao de Philaia, no lagar da
Sr. Or/ Porulla, as 6 horas |a tarde.
Hnrncs de Ca-viaa. Segaodo tele iregaozia da rajao, couaelho de
namarca faer parte
fao a lie ma.
Imlrid 5*.1. -I'm hainllifio-eirrlista,
araba de crgacr e ftrailo dc-vrvAA
Ml KMOMIA D. CARLOS I
CeMKKCliE.
bMdrw ** de acteinbro. iner-
radu muiielai'io abundante, Cim-
MolldadoM de 1 "/ *> account, a 99
S/JSeuads ^raatlciro* d fc /
amio dc IH. a too t ditos da ITru
(uhv de t? */> do anau de 1*41I, a G
1/2 : ditos ai-gciatino** do 6 ".' do
amio de I vl a !U IS. O incrcado
dlc.eaje eMa. Urme : yendcra'"-sp
4um ill mirmw do L\**fw d**r de
JOO O a IfS/ti, e douaa mil a am rettradoH j no*. IcUOes fcellau-
drxrij feram olTere-ii* 56.500 sac-
ri)*. Hercado de iiariip Brine.
'\ew.rk'83.-OtniM Sobre Lon-
dren 4s 1 1/5. Owe lO^S.d. Car-
rejjjamentos de cafe do Bio run a Id
a1/-!, "c ddtib 4 8 t*/H CEJrrt ,por libra
\lxndnu me'diano uplands a to t'4
ce^ts Abr libra :. cbeyaram boje aos
porl's da America do \oric sets
I.l'ei-inl *t*----a mai-eado <|o algo
d&o eta mats flrmc ; wndcram-xc
Thye t i.OpO rai-dos. sebdo l,SOO da
.Vmerlea do Wnl ; o fair de Pcrnain-
;m-o a S d.. o de saiMos a 9 is lc
a., e o de Uacelo a 9 *. d. por ii-
Ka. nercado de alsrodao sent alie-
cao.
luluerpia S3. Kercaclo de cafe
brute.
Havre %.1. Vepderam-.se qiiatro
mil e ifittentos aarcos do Rio bout
ordlnario a 1 francos
Uarsciua Assncar de Per-
nauibiico SO a 37 francos.
[AGt.NGIA AMDRICAW.1,
* Liverpool 3 de setembro. Algo rnercailo rjclh.ira, os f^e^os njo solfrernni
ajtcrifao. Cafe : veidaS f.iceis ; no leilflo
iiullan !./ os pregos ckegaram apenas a Si-
i,2e5* l/i.
Havre 23.-Cife: vendas d hop 3.500
sates, scudu 2,6JO -I- procedencia brari-
leira ; o Jo Uio tie 90 a 91, o >\& Santos a
'JO. Alg.Hlao : veil lertnn-se 1,00.0 fardos,
seu'lo G'10 do Brasil; o de I'orrranibuco
93, o (leS.-rocnb.-i9P. Sebo dettoi 5-2 fr.
SO ; do cur. eir< al IV. 23 c. a 51 IV. 75
;. Court): murcadu calmo.
LoUdres 23.(lonf.olidados 9258: fun-
dps b'asil.iros 100.
.N'jw-Vurk 23-Algmlao TioJiano 1G 1/4.
Madrid 23. Houvo o'm Tokiio urn le-
vaiitam 'iiti> por cawsa do imp.isto sobrn is
pao : narram aigaraas rleijjracas alii sueoe-
i ii re-.tabeleci la. y cabjcilha carlie'ta Cu-
eala, entrou em Jativa e sacjueou diversas
casas.
Lisboa 24.Cll!g>u o paquoto ingl z
ililAUANZA prycudeule do Maranbau o que
ai para l.ivcrp-i'.d. Tambein cbegou a
JOSEPH IM, procedente do Rio de Ja-
neiro.
Uaiiia J'i iis 10 boras da manbu.Yai
sabir o paqnete naoional DA MA para o
norti?. ("begoii do It 13 de Janeiro o vapor
ioglez UELAUDRE.
Bio 21 ao roeio dia.Sahio para a Eu-
ropa pelos port>s do norle o paquete ioglez
SKY A.
Batua 2i as 3 boras da tarde.Entrou
1 R*n do Jauoiro o paquete ioglez IS ill-
TANN1A, dt linba do Pacili o, e sane boje
Aescno cl h lite para a Europa por I'ernam-
buco. Assaear branco 23J100 a 25200.
Dito m.isciivado 1,% I? a 13700. Dito de
Kazareth (30i)0 a 1-ViOO. Calo de Caravel-
las 9ji> JO a W*00 lava do, bom o especial;
dito d.to uavo 755300. Cardu, 39800 a
13900 aairoba. Jacararili, i35 a W*000.
Al^'odao .le I.1 sorte 6$900. I'^o Urnsil
19800 3-2?'00. Farinha de mandioci do
u'J00 a 7*000 o saco. Frete de asiticar
para o canal 42 1(2 a 45. Kilo de futno
4 3/9 e 5"0 de primagem. Fumo nao In
t-ansacr;6e5. Entraram do Rio-Gran lo do
Sul no dia 22 a barca EUGENIA e o pata-
obo POSIT 110, am bos trouxeram .....
3sH,Gliu kilos tie carno secca. Sabio du-
rante a noite o vapor m%\taitiYPAtttGHUS,
que eoncertou a cal.leira. Ca'mbib sobre
Londres 26 1/4 bancario e particular; sj-
b:e Paris 304.
Kio 2i.O .governo imperial deferio o
requerimeuto do Sr. Barao do Teffe. insis
tindo para ser submettido a conselho de
guerra, afim de ju^iificar-se rtas accusagoes
que lbe Itm sido feitas sobre os castigos que
soffrera Cirne Lima, na provincia do Ama-
/.onas. Os bancos abriram hoje transac^oas
cambiaes sobre Londres a 2(5 3,8 lirme.
Babia 24. -Cambio sobre I.Midres 26 1/2
indirecto particular.
J)cnjBk'dp;rJsty) ,o (i.'Cdtando Ine aa'meiga* ip
vii<,"t:ii l'1i proni|>to em acrediWf na at^dr^lo
d'attt* moira de ha muilo cueaniada.
N6i smwmos. a opiaiao de qae Capiaotera,
inllaeociado nos destinos daqaella tereia lodosa e
neblosi.
Um'^i<>vp.roipaian.-(^baiiA deMa
eoume, mdo Imperad'ir n. t53. e-cripiorio tin epigraplip temoa dado a^amas^ioliciai relatival a
jii eovenenjioenio qae se den
BEVISTA DIA-RiA.
Hosplclo de alienadod. Os para-
nymphos ab.tixo menciftnado9 enviaram as se-
gaintes esmolaa:
i'ran*poe 19:100*000
D Alexandrina de Bagalhaes Leal Seve 1O0500O
Francici dos SMIeB Macdo K05000
Francisco .Ant .in, da Rosa (00)009
19:4O8000
tit a 1 !; local. Por portaria da prefiden-
cia da provincia, de 23 do corren'.a, foi conMttera-
da sem eC'oito a nomeacao de Joaquim Im6 da
Costa Motta para sargento da guarda local do ma
jiicipio de Nazareth, por nao ter jceitado; e foi
nomeado para 0 doexercito Oiegario Martina Torres Barbosa.
Aotoridttde polirUU.Por
f r.tmraa r.e Maeeio, amanhuceu hontera alii tat
vapor, procedeote do sul, devend > sahir as i ho
ras fla tarde com tlestino ao uosso part".
Tcntatlva de Mttie, No ttrgar de-
Qomiaado Campo Alegre, do terrao de Horn Con-
M'lhe, AgosUaho Datwtso e lose Gabeclo, a It
boraa da noite de 11 d> orreute, darfecbaraa 4
cmKosnada urn tiro sobre Anna Camberinwa,
nralher do primeiro daquelle, do qua resulton-Uie
grave ferinoento. '"\
0s delinquantes wa^irtim'se ; a >>Heia,~jwrem.
^5.t2fflpil.co6hcjn}fiato_jo_ facto, J>rocjsde__no^.
termos da lei.
Furto de escravos. Por e?se crime,
em que esla pronunciado, foi recolhido a cadeia
de llambe, Virgiuio lloraoio de Freiias.
Velas perfuradas. Ao armazem do
Campoi^anva do lmp*ador a. 88, aoaba.de c|w<.
gar nova reme9a de vcjas stearinas, as minadas, e ja rtooabecidai como. as uwlhores,
acompaBliadasjle outras de rosca e corei variadas,
patm illaiBiBajxi tt Itwo.
Camara dos depntados^r-En^tamos
hoje em nossa 8a' pagina a publicacao' do ultimo
discurro pronuncfado, 'jfAq Exm. Sr. conseltieiro
Joao Altrelo ^or/ca de pcrio, aCerea do prCjecto de rerorma da lei eleito.-
ral. Recommendamosasua leltpra.
Triibos urbanas de OlindTa.-No do-
mingo agerencia 'desla empre;a expedira treas
extraordtnarlos de rrieia em mela hora do Recife
para a Encrazilttada e Vice-versa, afitri de condn-
ziras pessoas qae desejarem assfftfr a dlstribui-
rai das prendas no aitio da Tamarioeira.
FoHiividndp reilfffoaa em Palma-
re*. No dia 20 do corrente, teve lugar na ala-
rm dessavrfta, a festividade de Nossa Senhora das
Dores, como estava anannciada. Cantoa a missa
o'Rvm. vigario da parnthia, conego Marcolini P.
do Amaral ; orou ao Evangelfto 0 Rvm. Jtise Este-
ves Vtanna. Houve primeira enmmunhao de tpe-
ninos e meniaaf, ceremonia assaz toeante para 0
corac-iq do christ^o.
A* tarde procedeu-se ao acto da consagra^ao
da parochia ao Sagralo Curacao de Jesus.
Q concarso do povo era Immsn^o, a grande igre
ja matriz estava comjMamente cht-iade fieis, qae
d'aqutlla hora em diante e parr sempre se entre
garam ao amabilissimo c6rat;ao do Dfvino Re-
demptor.
Ocoapdn a tribuna sagnda 0 Rvm. vigario de
Garn-'lleira palreJ)lo Augusto dis Nascimento,
qpe exuberantemente iatlsfez 0 seu nurderow au-
ditorio ; cantou-se 0 Te Denm, e termmoa oact'
Co n a bepcio do Sacramento.
Fii urn- dia de vordadeiro jttbilo, uitia rerdadei-
ra fejla de amor.
i'icoIicrta. Il'ouillaud, na sessao de 2i de igdsto, (la seadd-
mra das sciepcias de Paris, comdiudtcod da parte
do Dr. Ore, de Bordt'os, 0 relatjTrb de uma t*pera-
cSo iimito grave. 0 Dr. Ore, para obter insedsi;
bilidade, injecton chloral nas veias de urn sea
doente. Nao' houve accidente algum ; e hoje a
cura pscS complela.
O Dr. J:iC(iaemin apresentou am relatorio sibre
a accio que 0 acido ctiromico eserce nas materias
tcxtis. Este acido ting'.> de amarello^ *eJa ao
passo q:io nio produz effeito algum no .algpdio.
Nao so com elle se torna fa-ij reconhecer os jeci
dos de seda nue tern mfettira 'de algndao, mas tarn
bem os vmlios artillcTaTmetite coloridcs com a co-
cbooilla. ': T '
O Dr. Chevreal iWelr<>u fan 9 icido pierieo
gora do propiiu laJes |ue tamoem i^sTmUtem co-
nhecer grande naTierw.des^ns, falsificacoes.
No Siecle verauma revjsia scientilica de"larando
que a operai;ao referida pelo Dr. Bouilland, e pra-
ticaiH pelo Dr. Ore, foi um novo ca-o de generos
eencia eancerosa, curada por iojecciJes do chlor.il.
_ Insti'iiceao publiea. A legislatura da
California aca'ba de doirelar a inslruecao obriga-
loria Os pais, ou tutores encarregados dos
maaores de 8 a li anuos devem mandal-.is para
a e;c da publiea. As infraccCes da lei promulga-
di s2o puoidas com a mulla de 20 a 50 dol-
lars. Esta lei ja esla em vigor desde 0 primei-
ro de juliio Undo.
O j'oio inglea.Uma demonstracao ex
traordinaria contra a lei quo torna dbrigatoria a
vaccina, acaba de ter lugar em Inglaterra. 0
seu objecto foi demonstrar a syinpatliia Jo publico
de Galt^borough por um inlividuoehamaJo J^rge
Airthorp, operario, sabido da prisao, dopois de ter
side condeowado por se oppdr obstinadamente a
jue seu filiii fosse vaccinado. Airthorp foi pas-
siado pela citlade u*uma carruagem puxada por
seus ciiupauheiros de tr^balho.
Seguio-se Ihe logo um meeting, na pra^a do
raercado ; votou-se ndleutn rejuerimentoBirigilo
0 minislro Disraeli e ao Sr. Scluer Booto, pedin
do a revogac.ao da lei. 0 tninisUo recebeu 0 re-
querimento, promettondo aprcscntar a qaestao na
priaieira sessao legislativj. Airthorp recebeu 1
dadiva de uma bolsa sheia dedinheiro. 0 meeliit)
coamunha se de ciucj a seis rail psssoas.
Wimpffeu acaba de chamar, por diffammacao, aos
tribunaes, 0 Sr. Paulo i^assagnac em consequencia
de ariigos publicados por este redactor, no Pays-
0 Sr. Julio Fabre e 0 advogado do general. E" a
batalha de Sedan 0 0 comportamento de Napol^o
III que vie ser levados perante os tribunaes.
Tern Kraea.-fun n^gocianie de aguarden-
ti-, do governo tie I'ieskati (Itussia), espalhou rnui-
tos cKemplares de uma carta escnpta em caracle-
res v-rmellios, na qnal sa anaunciava As I'amilias,
que 0 Africa, 5.000 jovens osaolhidas de entre as mais
bellas e que a sua cliegada aquelle paiz, os negros
levalifli hiam para as suas tendas e desp 'sai-as-
h.ia'n. 0 susto que esta noticia causou na locali-
dade foi tal, que todas as raparigas trataram de
se casar com os mogos que se Ibis apresentarain.
Todas as ceremonias effectnaram so por occasiao
das colheitas.
0 uogociante de aguardente, qae se >oube al
gum .tempo depoi% ter sido 0 autor do boato,
yendeu uma graulc quaDtidade de aguardente, a
uniea bebida admittida nos banquetes de nupcias,
poremoao Gcou-impune a sua esperteza, porque
foi contemnado em 15 dias de. prisao e u'uma
grande multa.
Alpfcnse Lemerre. Mais uma precio-
sidade litteraria acaba de er a Inz da publicidade.
0 incansavel editor Alphonse Lemerre publicou
uma obra imitulada Le livre des sonnets Acham-
se alii represectados os melhores autores antigos
e modernos. Rotifard, Dit Hellay, Agrippa d'An-
lugni, Mgnicr, Scarf on, Voltaire, Emile e Antoi-
ne Deschamps, Barbier, Gantier, Victor, Hugo, Sully
Prudltomme, e muitos outros nao menos dis-
tinctos.
Teve rm vata Alphonse Lemerre, ao tentar esta
edicao, agrup-r os sonetos francezes mais celebres
e que sSo repatados com os mats perfeitos.
Coawca esta collecjio na pleiade franeeza, e
acaba nos cou'.emporaneos. Poje alii seguir se
alravez de tres seculos a variedade dh mais severe
eeneaatador dos poemas deste genero. A ortbo*
graphia e a pmwacao de cada autor forara liel-
meoie eonservadas.
Foi A'pfaonso Lemerre r.oadjuvado ne?ta ardua
tarefa por tres datinctos litteratog, Charles RoyCr,
Charlen Affelineau e Ernest Coarbet. Para aca-
bar de enriquecel a, foi a obra ahiiotada coa> mui-
tos es-larecimentos acerca dos autores e da pro
venieneta dos soneto*.
.Iloira eacautcda.-I'm cavalheiro resi-
denle em Mai.rCa, escreven a um sou amigo^les-
Ita cjdade, participando-ihe um caso, quee veria-
a asanl>elra,
impilhtsa, co-
marca dc Arganil.
Na ultima dis.-euvs qae tinbaTi fhegado a
Cotaibra.a vijc.eraa das tres victioi|s ^fins de se
propeder a exame phtsyotogico ao ^aWnete de
cliirpica medRca da-univeraidade.
Ilnje poden.os adcresceatar que in raferidoexa*
leira, convidando a camara em nome, da direct!.-
na rtaiaella roefedade para assi-1ir 91S1 re-sae
magoa, qua tera lugar n) dia 27 do corrente.-^
Int-"ira.da e reiebida co n agraJo. .
Do engehueiro, informando que tendo procedido
ao exatne das Casas ns. 1 6 11 da rua de Joao do
Regs, na freguezia de Santo Antonio, tern a-dizer
. que a ca-a n. 1 esta bem conservada ; mas a casa
ao offlcio do conseltieiro presidente n. 11 esta de tal forma descoacertada, que a djs-
,"ie lo do iowenta.-Mandoavse *>-. peza com os reparos poda importar em 8001000
S03SO0.
Lid*, foi depois approvada a acta da aessao pre-
eedotiM}.' ,'
EXPEDIE.NTE.
Olflci09:
Da Exm. Sr. conselheiro presidente da relacao,
respondendo an -
deste tribunal, d
cjtlvar.
ram eus Uros para serem rubricados na con*)*
vatoria daqJudla provinia e selLdos na alfandaga lacao dos cadaveres alii deposita'dos durante a
veneno em grande dose.
ilUayre eaiupendu. As peisoas que
no domingo pa d- t*w de ^iladrM Mlhete- para lagares b
sol, esbarraraui com 0 seguinte..anfiuucio, modelp
entre todas as produccoes de litteritura tauroma-
chica : Z^H^ T M-am
Por order* dn empftza, nHo Hi sot k"je.'
Josue parou 0 sol; a empreza 09 questao foz
mah : supprimio-o.
Otieii*. -As caiie .Uariaa Brujtellas
contam toda a historla do desano qae ha sido
r.ao titai, eubora boaroso pa a deiaowr da
causa hespaahola na America, 0 St. Ferrer de
-CouW.
, Vei)cidas.po^ elle todas, as diUlcaldales que ,se
oppudham a este lan^e, e declujdo a leva-lo a
cabo, nao obatante. haver ficado i'm Sova-iork 0
sea adversario, subslifuido por am des padrinhos,
sahirara os duelflstas e' as leattyn.anbas da capital
di{ franc, com destino a Belgica. b cosaraau-
dadte Guillen, e 0 Sr. Valero de Tqfros, vendo 0
Sr. Ferrer de Couto decidido a tomar por, padri-
nhos, dous soidados, se nio ocpatJasie outros,
prompti flcara'ui-pe^ a isao, pprtando-'sf ccm um in-
leresse e abnegacao a toda a prova, |ois era muito
coaipromeiudaa.suamissao, em jucude das ijiti-
mas cindeoinaijoes que desalios re:eute9 produ
ziram na Belgica 0. na Franpa.
Chegados a Mouseron, esendo alii a :fronteira
frauca-bqlga muito vigiala, tiveram., que ir a
Touraay, onde,, em lefilorio ja .'da Belgica,
encuiitraram um pirt'p'e onde se verificou 0
duello.
A acta seguinte, assjgiada pelos padriubos, e pu-
blicada pela jihpreusadi Paris, da conta exactado
acontecido :
a II,ul Forraille, en Roubaix.Em conformi-
da.le com. asjjoadieoei pactuadas ealre os Srs.
Rubio Guillen e Alva'o Vafero de'Tornos, teste-
muiihas do Sr. Ferre'de Couto ; e ps Srs. lose
j. G.ivantes e Francsco J. Cisneros, padrinhos do
Sr. Pio Ito.-ado, ievt lugar um encontro a pistola
em territorio belga.
Os adversarios.collocadoa a trinta passos, li-
nham a faeoldadt cada um de avancar setc
passos e oaeiu, 0 (uc permittia redazir a quin
ze passos a dishncia a que podiam encon-
trar-se.
A sorle deu escolha de pistolas ao ^Sr. Fer-
rer de Coutc, e a do local ao Sr. Rosado. Ao
signal dado peloSr. Rubio Guillen, 0 Sr. Ferre.-
de Couto avaucia cin.-d passos e recebeu na oc-
casiao em qua oarava, a bala do Sr. Rosado que
0 esperou sem se mover.
a 0 Sr. Ferr-T de Couto levou a mao ao lado
direiio, onde & sentia ferilo, um pouco abaixo do
peito. 0 Sr.^isueros pclio aos outros padrinhos
que cocsultasem os rclogios para marcarem a du-
rao-ao do meb imnuto que as condicSea do com
bate cqnctdkm ao Sr. lerrer de Couto para ies-
pauder a 1 f'go do seu ad/ersirio. Mas bile en-
tregou a pi tola aos padrinhos, dizendo-lhes: Mao
quero dispirar, e abrafou-os.
t No mes.-no instante venlicou-se uma reconci-
liacio eulie 0 Sr. Ferrer At Couto e 0 Sr. Rosado,
.apiirtanJjas roaos um ao outro. Os dous adver-
saries poilaram-se da maneira mais leal, e os pa-
drinhos I'm summo prater em tributar a homena-
gem a-njus completa a attitude cavalheirosa do Sr.
Ferrer, fe Couto, com respeito ao seu adversario,
na occasiao em que conheeia toda a gravijado do
seu ferijnento.
t 0 Dr.'Scaglia, chegado de Paris com 0 Sr.
Ferrer de Couto, fez 0 primeiro curalivo e tratou
do ferido com 0 mais vivo interesse.
t As-ignado ua fronteira belga aos 25 de agosto
do 1874- -Lorenzo Rubio Guillen, F. J. Cisneros,
Alvaro Valero de Toruos, J. J. Govantes.
- A bala, que ao dia 27 ainda nio havia po-
dido ser extranida, estava alojada no lado direito
do sterao, por baixo do peito. Os padrinhos do Sr.
Ferrer do Couto que contiouam a seu lado, cha
maiam os medicos mais celebres daquellas cida-
des, ao mesmo tempo que 0 Dr. Scaglja dava pro-
vas de serenidale, sciencia e acerto nao vulgar.
Este acontecimento causou grande tensaeao em
Paris, e todos os hespanhoes alii residentes se
deram pressa om fazer ao ferido os maiorei olfe-
reeimeutos.
Lcilao. Hoje, das 9 as II bora*,' se fara a
entrega dos moveis veuJidos hontem uo Hotel da
Europa.
Das Hal hora coalmuara 0 leilao de livros,
roupa do uso e mais objectos, existentes no mes-
mo hotel, conforme se acha annunciado no lugar
competenle deste Diario.
Outro. Ho.e effeetua 0 agento Dias 0 lei-
lao de accoes da companliia de Beber^bs e do Ban-
co do Bra'sil, as II horas da manha em 0 1 andar
do sobrado da rua do Marquez de Olinda n. 37.
liOteria. A que se acha a vonda 6 a 118
abeneficio da igreja do Livramento de Pao d'Alho.
que corre no dia 30.
C asa de detencao.Moviraento da casa
le dele ncao do dia 23 de setembro de 1874.
Existiana presos 316, entraram 4, sahirara II,
existem 309.
A saber :
Nacionaes 240, mulheres 9, estrangeiros 21,
ucravos 33, escravas 4. Total 309..
Alunentados a custa dos cofres publicos 246.
Movimento Ja enfermaria do dia 23 de setembro
de 1874.
Teve baixa :
Theilouio Barbosa da Silva, angiua.
Tiveram alta :
Manuel Antonio de Barros.
llanoel Francisco dos Santos.
Antonio Jorge Rodrigues Onca.
Tiburtino Jose dos Santos.
Jose Barbosa de Oliveira.
Bernardo Vieira da Silva.
iNiNnajreirow. Sahidos para os portos do
sul no vapor fraucez Ville de Bahia :
Jose Dias Seabra, Francisco Dias Seabra, Anto-
nio Tavares, Joao Perei.ra Arrota. Manoel Ferreira,
Joaquim da C. Araujo, Krant'ter Alfonso, Antonio
A. (Us Rejs, Joao Duarte Neves, Jose Matheus
J. Moreira, Jacintho Jos6da Silva, e Michel La-
sal vin.
a LOOOJOOO.Ao procurador para obrigar o in-
Do inspector interino da atfaalega'do CeiraJquiliao e flador a-laaer oa cancertos de qae pre-
remettendo a relayao dos eommereiaotas que aos dsa dita csa, na Ibrma do tenno de obrigar,a
mezes de jaHio e ago.-to proxiraos findos rematte- que assignaram.
Do administrador do cemiterio, remettendo a re-
presidencii da provin-.ia, de 19 do corrente. foi
jiomeado 3* sopplente d > dtlegado do termo do
Bern Conselho, Manoel Lucio Cavalcante.
CommlMsario de pollda.-Pnr portaria
4a presldenria da jtroviacia, de 19 do corrente:
ioi considerada sem effeito a nomeacao de Josi Hi-
lario Paes Barreto para 0 carro deeommissario de
policia no monfeipld de Bom Jardim, por nao ter
aieitado ; foram nomeados para etsu cargo 0
eommissario do de Santo Aotao, 0 alferes hono
-rario do exercito Antonio Floriano de MeJJo, e para
este ao tenente honorario do exeroito Jor6 Maria
Marques de Carv.lho.
InqueritO jpolicial. Foi rentetUdo a
atftoridade competenle 0 quo elfectaou a subdele-
gaeia de Santo Amari das Salinas contra Jo=e
Sarmento, por crime de ferimentos:
Rertrao de Imagein. E;n 26 d) eor-
ri-flte efrectuar-se-hT no convent) de S. Pt'adcfsco
onde e ere-ta, a imrpem de Nossa Senhora 'It-'
Dore, etr fe?ta com Tc-Deum e rira ornameclj-
la igreja, ter.; rngnr 20 dia segoint^ do:niigj-
portaria da; deiramepte myslerioso.
Refere 0 signatario da -caria, que na maohit do
dia 26 de agosto foi encostrada deutro d'uaa das
vajlas do pap.1 de Foja uma donzelia bem veslida
e a dor na la com rieas joiaf.
Poi tirada da valla n'un estado tal qua se alii
permanecesse por taais alguas minutos seria ca-
daver.
Coadnziramn'a para Farraslello, quiota perten-
cente a casa de Foja, onde Ihe foram ministxados
soecprroB pejo medico da villa'de Maiorca o Dr.
Jose Gaspar le Leihys.
Dentro em poao tempo recuperou s seali-
dos, e as interrogates quo Hie iizerarn respon-
deu com evassvas, j.r^urandj iilg'dir o que Ih'as
dirjgiram.
Os etnpregadog da casa de Foja teem coalii.aalo
2 pioligalisar Ihe todos os cuidados.
Os esforfos empregados para se do*cobrir a pro-
veaienci3, naturalidale, e fami'ia da ptetogoqista
da'juella aventura tem sjijo baldados.
' to maneira?, a Ira^Ua'gem e a flbura da catis
raJicaoj er peiroa respective." 0 tribunal inteirado, maadou dito
olllcio para 0 arehivo.
Do presWaate e secretario da junto do* aorrato
me reconhecea com ofldeneia a presenca de res, remaltmia 0 boletiaa das coupons offleiaesda
semana de 14 a 19 do corrente. Mandou-se ar-
aaivar. m 0^ n f9
DftPAOBOS.
Retioerimentos : "
Dc Braga i Piraenlel, para cerlilkar-se achar-
se ou nao registradaj nomeacaf de Manoel Jose
J^rjtts. -CfklUpeX. .
De MTiturnroTjarRlsCr de SRIlo, para passar-se
certidao dos nomes, idadei, ualuralidades, cores e
erdenados dos sens caixeiros.Dd se.
Da Rego 4 Irmao, pediodo juo se eeMilique a
nomeacao de seus caixeiros, regisirada sob 0 n.
fc,?il.-^Certiftqao-se.
DeFrancisc 1 da Silva Boa-Vista, solicitando que
leerttfiquese aehar-se u niio regiatrada a n cao de sen.caixeiro, Jose di Silva Boa-Vista.Dd-
se a certidao pedida.
Pa rion.;;il,' J is.: Alfonso, para certificar se .
l. quaudo Ihe foi oncedida a sua exooeracao de
corretor ; 2.* se 0 seu proloeoilo foi re:olbido ;
;i se pennanece no tribunal ou foi entregue ao
su .successor.^Deferieo.
. Do mesmo, para Jar se pur certidao se-Alanoel
Jos6 Martins tern algum contraiu registrado..Co-
mo requer.
De .Miguel Ferreira Pinto, requerendo eertidao
da noiheatao de seu caixeiro Seraiim Ferreira
Pinto. Attendido.
De Aiit-iitu de il.mra It iliai, impetrando certi-
dao das nomeacoes de stu; caixeiros. Como
pede.
De Jose Franciseo Javier de Mello, submettendo
a registro a procuragao bastiute que lbe passou
D. Joanna Javier de Mello. -Seja regisirada.
De D. Joanna Xavier da Mello, apreseniando a
registro a nomeajao junta de seu caixeiro Lyndol-
pho Lui Loiigoy.Na forma requer di.
Da Joaquim iarcia dos Santos a Silva, trazendo
para registrar-se a nomeacao junta de seu cai-
xeiro. Registre-se na se'.retaria.
De Jose Briz da Silva, para fazer se 0 registro
da nomeacao inclusa de seu caixeiro. .Regis
tre-se.
De Jose Pinto da Costa Soares, paraellectuar-se
0 registro da nomeacao de caixeiro que deu a Eu-
genie Pinto da Costa.Na forma pedida.
De Manoel Antonio da -ilva Moreira, solicitan-
do 0 registro da nomeacao annexa de seu caixei-
ro. Proceda se ao registro.
De Martiniaqo Jo:d Ribeiro Pessoa, para regis-
trar se a nuineacao de Joao Baptista Uuniz. tte-
g;stre-se a nomeajao do caix-iro do suppltcanie.
De D. Umbelioa Rosa de^Lima Pinho, sujeitando
a registro a nomeacao de seas caixeiros Sabi no
Olegario Ludgero Pinho e Henrique A,veliao de
Farias.-Facase 0 registro pedido.
De Ethel'ino Daniel de Araujo Michado, para
proceder ae ao registro da nomeacao junta.-
Sim.
De Uaia & Landelino, apresentando a registro
a nomea;ao coucedida a Joaquim Francisco de
Mello Labu Junior. Jomo requerttn.
De Guilhermino Paes Barreto, para effecluar-se
0 registro da nomeagio de Joaquim Ignacio da
Cruz Dias.Registre se.
De Raymundo Remigio de Mello Junior, para
registrar so a nomeacao que apre scuta. Na for-
ma requerida.
De Jose. Firmino da Foaceca e Souza, pediodo
que se mande registrar a nomeacao de seu caixei
ro Manoel do Nascimento da Fouceci Souza.Re-
gistre-se.
De Vicente Ferreira de Albuquerque Nascimen-
to, requerendo 0 registro da nomeacao de Celso
Augusto Pereira d liosla. -Como pede.
De Hermenegildo SeverianoGmjalves, sujeitan-
do a registro a nomeacao q 1: deu a Alexandrino
Jose dos Santos Araujo.Sim.
De Manoel do Nascimento Cesar Burlanu mi,
para regislrarse a nomeacao do seus caixeiros.
Effectue-se 0 registro prttendido.
De Brcwm Tuorason i^ C., para mandar-se re-
gistrar a nomeacao de seu caixeiro despaehante
AFredo Garret.Na forma requerida.
De Manoel Lyra, solicitaado 0 registro da no-
meacao de sou caixeiro Jose Antonio Save.Regis-
tre-se.
De Pinhoiro & Bartholo, submetteodo a registry
a nomeacao dc seu caixeiro.Como pedem.
De Joaquim Juveocio da Silva, para proceder se
ao registro da uomeacao de Julio de Leliis IVixoto.
Deterido, depois de reconhtcida a lirraa da no-
meacao.
De Manoel Vieira Neves, pedindo 0 registro da
nomeagao dc seu caixeiro, que vai junta.Como
pede.
De Anto.iio da Fonceca Dias, para effectuarse
0 regisjra da nomeacao de Joao Possydonio dos
Prazeres.Effeciue so 0 registre pedido.
De J. Dhibaut, para que seja regisirada a no
meacao annexa de sea caixeiro. Seja registrada.
De Justino Meiroz Ferreira 4 C, trazendo a re-
gistro a inclusa nomeacao de seus caixeiros.
Como requerem.
De Lacerda & C, impetranlo 0 registro da no-
meacao de caixeiro que dsram a Manoel dementi
noliezerra de MenezesFaca-se 0registro pedido.
De Bast os e Silva, para que s 1 proceda ao re-
gistro do documento juoto.Proceda-se a> registro
requerida.
De Manoel da Silva Reis, para mandar-se regis-
trar a nomeacao de Joao da Costa Reis.Como
requer.
De Ferreira Casciio & Filho, juntando a nomea-
cao da seus caixeiros 0 pedindo que seja el I a re-
gisiradaRegistre se.
De Manoel Antonio dos Santos, requerendo que
3e ordene 0 registro da nomeacao junta.Na lor-
ma requerida.
De Joao Alvares de Miranda Caste!lo Branco,
para registrar-se a nomeacao d9 seu caixeiro -
Como requer.
De Antonio lose Alves Ribeiro, para ser admitti-
da a registro anomeacSo anaexa.Deferido.
De Victorino Jose Saldauha, apresentando. a re-
gistro a nomeacao de caixeiro qae deu a Jose Ser-
ra do Rego Barros.Deferido.
De Moreira Monteiro 4 C., para passar-se certi-
dao das nomeacSes de seas caixeiros. Como re
querem.
De Manoel Antonio G meal ves, requerendo que
se certiflque a nomeacia de sea caixeiro Joaquim
Frede.rico de Santa Anna. Passese.
De Joaquim Yieira de Mello Pinto, para elimi-
nar-se a nomeacao de Perminio Jose do Couto. -
Elimine se.
De Meira A Lima, para registrar se a nomea-
cao de seu caixeiro Alfredo Roberto Lopes Lima.
Proceda-se ao registro pedido.
De Antonio Franciseo dos Santos e Antonio Jose
Moreira, pedindo 0 registro do seu contrato social.
Vista ao'Sr.desembargador fiscal.
' COM 0 PABECEB FISCAL.
Peliooes :
De Manoel Pinto Alexandre e Manoel Luiz Sal-
gado, registro do sea contrato.Procela-se ao
registro pedido, nos termos do decreto n. 4,394.
De Joto Antonio de Araujo Joao Correia de
Carvalho, registro do sea distrato.Regislre-se,
na forma do disposlo no decreto n. 4,394.
De Jose Joio de Castro Amorim e Chrisliano
Jose Espinola, registro da seu distrato.Regis-
tre se.
Ao meio dia, nao havendo mais nada a despa-
char, 0 Exm. Sr. conselheiro pregidente encerrou
a sessao.
DE
riKOWl'A JliDKMRiiL
TZeiBI \AI. D.t BEaL.VCiO
SESSAO ESPECIAL EM 24 DE SETE.VlBHO
1874.
PRES1DENCIA DO EXM. SR. C0NSEU1EIR0
CAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coeiho.
A 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores Reis e Silva, Almeida Albuquer-
que, Motta, Accioll, Doraingues Silva Souza
Leao, abrio-se a seseto.
0 Exm. Sr. conselheiro presidente passou a re-
latar os aggravos segQiates :
N. 57. Aggravante Joaquim Severiano Nj>
gueira, aggravado Tasso Irmaos. Adjuaetos os
Srs. desetnbargadores ^ecioli c Motta.Deu se
provimemo.
N. 58. Aggravanles Pereira Carneiro & C, ag
gravados Joaquim Francisee do Espirito Sasto.
Adjun-t 'S oe S<* desembargad- res Almeida Alba
querque e Souza L< ao.Negou ss provimenlo.
N. 59.Aggravante Joaquim Salvador Pessoa
de Siqueira Car.'Jeante. aggravado Salvador de
Siqnelra Cavalcante. Adjuaetos os. Srs. desem-
bargadores Souza Leao e Reis e Silva.NegoO-se
provimenlo.
N. 60. -- Aggravante Bellino Bastos da Silva,
aggrxvadi Joio Ribero Alontarroyog. Adjunctos
os Srs. desembargadores Domingues Silva e Souza
Leao. -Douse provitoento.
N. 61.Aggravante Joao Francisco Ferreira
Junior, aggravaios Henrique Martins Saldanh'.
luizes os Sr--. de-embargadore? Almeida Albu-
querque e S'mza Leao.-Neeoa-se provimento.
Encerrou se a sessio a I hora e mela.
'.Tribunal tie eommercio,
ACTA DA SESSAO DE H DE SETEMBRO DE
1874.
m&8.n>4pCl| CO EXM. SR. C0SS.KLHFmn ANSpi.nr
/IUNCISCO PEItETTI.
A's 10 boras da raanhS, nresenic-. os Srs. de-
putaaoi secretario ffllqto liaito?, E'opYa Hacba-
CAMARA MUNICIPAL.
QUART A SESSAO DA TERCEIRA ORDINARIA
EM 18 DE SETEMBRO DE 1871.
PRKSIDENCIA D) SR. THEODORO SILVA
Ao meio dii, presentes os Sr3. Gameiro, Cesario
do Mello, Rego Barros, e Cunha Guimaraes, abrio-
se a si'.--a.1.
Lida e approvada a acta da antecedente, lou-se
0 seguinte
EXPEDjCXTE :
Qfflcios do Exm. presidente da proyincia, .re-
commendando a camara que providencje no s,en-
tide de serem feitos os cjncertos.de quai. nectssita
um dos.areas da. ribeira da freguezia da Boa-Vis-
ta, qae se acha em e.-talo de ruinas, ameacando
ddsabar, segundo communica 0 Dr. chofe de poli
cja'em otScio'de li do cdrrenle.Qae'ea respon
da qae a camara ja dan as providencias coove^
nienles.
Do primeiro secrefana 9a *) :" lade Luzo-Brasi->'l
se-
mana ; bem como a da ctira" arrecadada.Ao pro
curador.
Do fiscal da freguezia de S. Jos6, partieipando
tfie no dia 17 da corrente 0 sabdetegado em exer-
cio, d'aqaella freguezia, Joio Baptista Cabral, man
doa*por ma inapeator de qnarteirao e uma praca
de policia, intimar a todos quantos tern barracas
de vender verdura3 e frdctas junto ao btrracao da
ribeira da farinha, o* quaes ameacados por-aquella
autoridade de serem presos, estiveram^ com seas
generos expostos a chuva e ao sol, nao obstante
terem licenca da carnara. -Qae se offlcie ao Dr.
chefe de policia, pediado-se providencias
Do capataz dos magarefes, partieipando qae
tendo prendido a ordem do chefe policia aos ta-
lhaderes Rufiao. Ignacio de Oliveira e Francisco,
esc avo de Jose" Luci) Lins, por esfarem lutando
dentro do acougue, e quo nao foran recolhidos a
prisao por falta de auxilio na occasiJa da Inta.
Remetta-se por coaia ao Dr. chefe de policia pe-
dindo se provideacias.
Do mesmo, partieipando qua suspendeu 0 ta
Ihador Antonio Avelino da Silva, por ter praiicado
actos oflensivos a moral publiea, dentro do acou-
gue. Inteirada.
Um abaixo assigoado de marcliantes desta cida-
de, fazendo rechmacoes contra 0 contrato. que
a camarapretende. realisar com Augusto Fernan-
des Eiras e Evaristo de Sa.A' commissao do ma-
tadouro.
Foram apreseutados os seguintes requerimen-
tos :
Requeiro que 0 procurador desta Illraa. camara
trate'de receber toda a eera existente no cemite-
rio e vender d*ndo scsiecc'ia do peso e quantidade
que recebeu.
Pago da camara maoicipal, em sessio de 18 de
setembro de 1874. Cunha GuimarSes. Appro-
vado.
Requeiro que esta Illma. camara autorise para
ir tratando de inventariar, fazendo 0 que for
convenieiJte afim de ser montado 0 arehivo desta
Illma. camara, visto no primeiro de uutubro prin-
cipiar a funceionar 0 official archivista.
Paco da camara municipal, em sessao de 18
de stiembro 1874.Cunha Guimaries. Appro-
vado.
Trago ao conhecimento da camara que trdenei
ao fiscal da Capuoga para mandar a loania to-
das as noites para a pome da Magdalena, oara
evitar qua se faea despejo, em vista das reelaina-
cues que tern apparecido : igualmenle tr^go ao co>
nUecimento da camara, que se tern arreeadado de
impootos atra'ados de 1851 a 1873 a quantia de
1:655*000. Cunha Guimaraes.A camara resol-
veu que se ordene ao procurador que intime ao
cobrador da freguezia de S. Fr. Pedro Goncalves
para recolher quanto antes os livros de talio.
Foram dspachadas as petieoes seguintes :
Da Antonio Florindo da Suva Pereira, Caaemiro
Josd da Silva, Calisto Jose de M-l:,\ gerente da es
tra la de ferro do Recife a Caxanga, Joaquim Es
tanisiao de Medeiros, Jose Joaquim da .Costa Bra-
ga (2), Mauricio Monteiro, e Manuel da Silva
Santos.
Nada mais havenio a tratar, 0 Sr. presidente
encerrou a sessao a 1 hora da tarJe.
Eu, Francisco Augusto da Costa, secretario, a
escrevi.
Manuel Jo guim do Rego e Albuquerque, presi-
dente.Jose Maria Freire Gameiro.-Jose Cesa-
rio -u Mello. Theoioro Macliado Freire Pereira
da Silva.Jote da Silva Loyo Junior.Bellarvu-
no do Rego Barros. Joao da Cunha Soares Gui-
marues. Dr. Pedro de Atkayde Lob) Moscoio.
Me rieLaiza Amazons? Villas-Baas, filha do Him.
Sr. f>r faetano 'Villas-Boas.
Maria Emilia da Silva Manta.
.Paranyraphos; osllKns. Srs :
Tenenje cQrcnel-Joaquim Cavabiaole de Albuquer-
que Bello.
Frf de'rico Pereira Montinho.
Major Carlos Magno da Silva.
l\,uso-hra*ileira.
Esta hamanitoria asaoeiacio qne tem cumpri-
do fiaiiaente os leus ins, estaBdendo sempre 0
obolo da cridade aos seas assoeiados enfermos,
mitigando as lagrimas das viam e dos orphaos,
resolvuu abrir nma aula de instrnccao primaria,
nocturna, e outra de franeez, nio 6 para os socios
sens filhos, como lambem para cflancas pobres.
Nos que araamos a instruccaa, qae conhecemos
os beneticoi effeitos que da taatruccao provem
para a humanidade, applaudimos de coracao os
esforcos empregados pela i lastre directoria e pelo
Exm. Sr. presidente do conselho Dr. Po: tella, para
traduzir-se em facto a idea grandiosa do fundadar
da sociedade, coosagrada no art. 1 2 dos esta-
tutos.
E quem no seculo XIX deixara de render plei-
to a homens dedicados que almejam o bem eslar
do proximo, sacniieando lempa, uabalho e es/or-
cos para banirera as trevas que offascam a intel-
iigancia do seu semelhante I
Quem negara a necessidade"de boas escolas ah-
mentadas a cusla da associates, onle se transmit-
ta a iufancia desvalida verdades sas, onde se eni-
ne principios de moral e dc rehgian ; onde, cmtim,
se prepare lions cidadaos i
A directoria da L\uo brasifeira andon rnnito
acertadaauaiadoi-aala para os cue fctereraxaren-
cia de luz, pois cumprio um dever de pura ca-
ridade.
Hstamos persuadidos que os socios da Luzo-
brasileira fre.]nentarao com1 muita-assiduidade as
di'.as aulas.
Um conselheiro.
"U
^
j
ram.
A classe caixeiral da cidale do Recife recom
menda a de Goyanna 0 sympathico joven rio
graadense1, Ferreira da Silva, e 0 sempre ap.jlau-
dido palbaco, Virgilio Tavares de Oliveira.
A Iguns caixeiros.
\~o pnblico.
A offlcialidade da corveta Reci/e sentio se pos-
snida do maior espant) e da maior indignacio ao
ler bojs uma no.icia inserta a seu respeit) no ab-
jecto e detractor pas.qui.-n denominado Pruvincia.
Era nome da veidade, em deleza de seus brios,
essa mesma otfleialidade vein por seu larno nas
colnmna3 de uma folha conceiluada prole.-lar con-
tra semelhante insulto e, por attencio respeitosa
para com a parte sensau da populacao desta capi
tal, narrar 0 facto, que servo de base a calumni
lal fjual se deu.
Na sextafeira da semana pansada, 17 do carrea
te, pelas 9 horas da manhi atracou a bordo deste
aavio um bate de ganao con luzindo ama mulher,
que pedia licenca para fallar ao Sr. commandante ;
nao se acaando e-te ainla a bordo, 0 official de
servico permittio 0 ingresso a essa mulher afim de
espera-lo. visto como este so as 10 horas deveria
chegar.
Damoranio-se. 0 Sr. commandante alem da men
cionaJa hora, 0 official de servioo tomou a dehbe-
raciio de perguotar a mulher se vinha a negocio
particular, oa se pretendia alguma cousa da re-
giao official, e ella respondeujque desejava quei-
xar-se de um carvooiro que Ihe havia subtrahido
um pince-nez de ouro e corrente : este charnou a
sua presenca esse carv*eiro, inqaerio do facto, ve-
ritk'ou ser verdadeiro e achando 0 roubo resti-
tuio-o, orendend) e.n seguida 0 criminoso, apezar
de saber haver silo 0 facto praticado antes de sen
contrato para praca de carvoeiro, afim de poder
levar 0 occorrido ao conhecimeuto do Sr. com-
mandante.
Desejando a mulher retirar-se e nio encootrau-
do o bate era qua viera, p>r ter este largado para
terra, e achando convemeate oo.ii--itl d> servico
que ademora da referila mulher u"n se prolon-
gasse, permitiij-lhe que tornasw passagem em urn
escaler que em servico largava entao para a Lin-
gueta.
Eis pois a luz da verdale 0 facto no qual os
prelendidos m>ralisadorcs da Provinoia acharam
offeusa a moral publiea e quebra de. discipliaa mi
litar, cobrindo-o com 0 veo do mysterio para ata-
car 0 brio in litar e a reputaqao alias Uo firmada
da offlcialidade da corveta Recife.
Em concla.-ao, viemos a imprensa somen'.e, tio
soraeute, por amor a nossa dignidade, Ja pessoal,
ja militar, e pelo muito respeito que sempre nos
raereceu e continua a merecer-no3 a opiniao pu-
bliea moralisala e conceiluada desta c.i it.tl, a
qaal folgamos dizer esta comao.co.
Qaanto aos pretendidos moralisadores do pas-
quun Provincia, uma vez que na) trepidaram so)
simples infermacoes, a Iancar um insulto Uo gra
ve a offieialidade inteira de um navio de guerra,
so tamos a d12er-lh.es: -Tirem as mascaras do in-
cognito, descubram as faces e ponnam-se ao al-
cance d) nosso braf 0. Nos nio usamos chicote,
mas faremos esta despexa so para termos 0 prazer
de fazer pela primeira vez suW-lhes 0 sangue as
faces.
Bordo da corveta Recife em Pernambuco, 23 de
setembro de 1874.
Benqao solenme e festa.
A commisao encarregada da festa do N. >. das
Dores, erecta no convento de S. Francisco, tendo
de fazer a bencao solemne de sua padroeira, as
4 horas da tarde do dia 26 do corrente, pede en-
carecidamente as Exmas. Sras paranymphas abai-
xo mencioadas, dignem se comparccer a rereri-
da bencao, afim de ser effectuada a ceremonia re-
ligiosa. ... .
A commissio pede aos Srs. juizes djs irmanda-
des que para maior esplendor da bencao sirvam-
se mandar dar um repique em suas igrejas.
No domingo havera a festa e Te Deum como se
vera no programma n'oulro lugar publicado.
Na segunda feira a noite, sera queimado na rua
do Imperador urfl Undo logo de vista e a imagem
da padroma :era exposta por trei noites.
Sio paranymphas as Exmas. Sras. :
Maria Adelaide.Pircs da Cruz, filha do lilm. Sr.
Josfi Pifes da Cruz.
Maria da Concei;ao Pereira do Rego, filha do Film.
Sr. Dr. Vicente Pereira do Rego.
Maria das Dores de Araujo, filha do Illm. Sr. Ba-.
fc*f^ '''* bivramento.
- Maria Uerminia Hanriques de Souza, ir.r.i do lllm.
Sr. Dr. Bra* Florentino 11. Souza.
Maria Lniia ii jS Santos. Mb*, do Illm. Sr. Antonio
Luiz dos Santos.
Festa campestre.
Os abaixo assignados-membros da cowtnisiao
encarregada de ageociar prendas em benerlcio do
asylo de alienados, extremamente agradecida a to-
dos que eoncorrenm a festa de domingo, vein
pelo presente manifestar 0 seu recoohecimento ;
e convidar oara comparecerera novamente as 4
horas da tarde do dia 27, no mesmo sitio da Ta -
marineira. onde pela ultima vez tem de offetecer
ao publico as prendas que receberam.
A commissao senteque por motives independen-
tes a sua vonlade, nao fosse mais brilbante a festa
de domingo, porem esperasatisfazer plenamente no
dia 27, a toda" as pessoas que se dignarern com-
parecer ao bazar das prendas que Ihe tem silo of-
.'ereeid.s.
Para previnir qualquer accidente os abaixo as-
signados ja obtiverara da generosidade do Exm
Sr. bario do Livramento a reconstruct) do barra-
cio qne desta vez sera coberlo de zinco e espaco
so de- modo a ofierecer as possiveis commodidades,
A commissio faltaria a um dever do delicadeza
se tambem nio agradecesse aos qua Ihe fizeram
Jonativ s, e por isto pede-lhes que aceitem mais
esta prova de seu r\iconhecimento.
Coollando ainda na generosidade dos habitante?
desta cldade, a commis.tao espera receber novos
presentes para a festa futura; e, para facilitar a
entrega de ajgans objectos qae Ihe teem sido
offertados, resotveu autorisar a cada um dos mem-
bros qae a compoe, a recebel os nas casas de saas
residencias, ou escriptorios de eomraercio.
Itecife, 14 de s-tembro de 1874.
Lniz Goncalves da Silva.
Joaquim Olyntho Bastos.
Joaquim Dias dos Sontos.
Adolpho Srhmith.
Joao Carl's Bastos de Almeida.
Roloipho Krukemberg.
Joviniano.Manta.
Dr. Pedro de A. Lobo Moscoso.
Francisco J. Pinto.
Oleo puro medicinal de figrado de
baeallisto dc r.anman & Kemp.
Nas raolestias qae condnzem a phtysica nao ha
tempo a perder se com experimentacoes inuteis.
Edassao rapilase as mais das vezes fataes. A
tos-e quo hoje se despresa, pode con^erter-se n'uma
semana depoi; om nma pneumonia, bronchitcs ou
phtysica. So existe um remedio para os casos
aga'dos da molestia pulmonar, quer ella seja chro-
niea ou recente. Tal ee assim 0 proclama toda
a faculdade medica 0 oleo extrahido do Qgado de
bacalhao. Porem e mister que 0 doente esteja
perfeitamente seguro e r.erto que possue 0 remedio
verdadeiro. Se a mesmo for 0 ole> puro medici-
nal do figa-lo de bacalhao de Lanman & Kemp, 0
doente nesse caso tera a melhor pr- paracao p issi-
\-el do pulmonico 0 mais seguro e elflcaz que se
conheca. Lanman & Kemp empregam agentes pe-
ritos que residem nas pescarias, os qaaes os co-
Ihcm para este fim, os (lgados saos do peixe mais
fino que se collie ins baucos da Terra Nova Del-
|es se extrahe 0 ol-'o emquinto estao ainda perfei-
tamente frescos, e dep)is de concloida a operacao,
torna sb tao transparent.) como arabar ou crystal
E' 0 melhor espeeilico moderno no seu estado mais
elBeaz, e niio tern igual nos casos de tosse.resfria-
mentos, asthma, anginas, iuflammaeio dos pul-
moes e bronchios, debililade, emmagrecimento e
todas as mais enf-rmidadades qae terminam em
phtysica ou na affeccao tubercubsa confirmada do
bofe.
QOnlmClivivt
JUNTA DOS COUKETOKES
Praca da itecife,"i 4 dc setembro
de ISS4.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICIABS
Algodao do sertao la sorte 7*700 por 15 kilos,
hontem e boje.
Algodao ae la sorte 7*600 por 15 kilos, lan-
tern.
Apolices da divida publiea de 6 0|0, 1*020 ca-
da uma.
Ac^aodo banco commercial de Pernambuco 40*
- cada uma.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 26 1)2 e 26 5|*
d. por 1*000, hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v. 26 3|8 por 1J0OO, do
banco.
Cambio sobre Paris a 3 div. 368 rs. 0 franco,
do banco.
Cambio sobre Lisboa a 3 d|v. 108 0|0 de pre -
mi.1. banco.
Dito sobre dito a 90 div. 103 0(0 de premio.
Cambio sobre 0 R.o de Janeiro a 13 dp/. 3j4 0|O
dc desconto, hontem.
3. ae Vasconcoilos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario
AjaFANDKIrA
-teoauaenio do dia I a 23.
dem do dia 24
484:996*177
20:541*920
505:538,4097
De8carreaam buje z5 de setembro de 1874.
Barca franeeza-VeridianaWrnafo) mercado-
rias para alfandega.
Vapor iuglez -Boyne (esperado) mercadonas e
amostras para alfandega e trapiche Con-
ceicao.
Vapor nacional Marquez de C-ixias (eperado)
mercadonas para 0 trapiche da compa-
nhia.
InaportacSo.
Patacho nacional Moreira, entrado do Rio Gran-
de do 3ul em 24 do corrente e coasignado a Amo-
rim Irmao 4 C, manifestou :
Graxa em bexigas 7.7i'0 bilos.
Sebo 80 barricas com 7,638.
Xarque 179,136 kilos a ordem.
OE-PACaOSDE EXPOKTACAO NO DIA 23 DB
SETEMBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
So brigue poriuguez Triumpho, para 0
Porto, carregou : T. A. Fonseca & C. Su:cessores
10 pipas com 4,800 litros de aguardente.
Para os pyrlos do interior.
Para 0 Aracaty. no hiate nacional Deus te
Guarde, carregou : J. U. de Carvalho 11 barricas
com 682 kilos de assucar refloado.
Para Maraangaape, na barcaca Maria Isabel,
carregou : A. J. L. Teixeira I barrica com 63 ki-
los de assucar refinado e I volume com 20 ditos
de doce.
Para 0 Rio de Janeiro, no vapor francez Ville
de Bohti, carregou ; D. \. Maiheus, 2 barricas
om 36 abacachis.

:
I


<



7
^VMBfl
*
Dinricv^^iFiBiMibtto6o*-Sexta;ieha 25<>i*:Setembro- da l$f
*3
*. *
Para Alagoas, -tu-baTcaca Anfetrite. carre-
gou; G..1. de Sauza. I volume coa 30Jilfti,e
asmcarjelMwdo.
CAPATAZIA DJUU-FAMJSiiA^
ftaadiswale- do-aia 1 a 23. 11:978*596
idea iBlft 21 32 T2;299A43
20,163
3fc
81
VOLUMES. SaUIDOS
No du 1 a 23 k
No a 21
Pnnieira por-u
4ganda poru.....
f rcair* port* J?
TivpielM Ci.ccj\;a* ,.- 3*'
SERVICO MAMTIMQ
vrura&cas ilesi^rxfljadfi.flo iraplcU da
"lev*:* l:l t a
No
i
n. ;. .
32
..JtUBDORiA DB RBNDA3 JJNTSRNAS G*
RABS DE PERNAMBUCC
. 34:659*914
370* 7|0
33:030*7&
.-usfineolo do dia" 1 a 23
ut^Ao dia. 21
:,Jjo'du-.2i 9:066*2*8
63.7ooii*K
"7
AGENCIAS PROVLNCIAES
Liquidos espirituosos.
;-uiimenlo do dia 1 a 22 4:863*4 '23
Man do dia 23 X
------------- 4:863*123
Bacalhao, etc.
Hendiipento do dia 1 a 22 1:036*871
item do dia 23 .
------------1:056*371
Generos de estiva.
,i*ndimentode dia 1 a 22 3:801*613
idem do dia 23 166*121
, ------------- 3:967*737
Farinha de trigo, etc.
Hendimenlodo dia 1 a 22 1:593*522
Meiridodia 23 ___
-------------1:393*522
Fumo, etc.
Hsndnuento do dia 1 a 22 1:979*976
Id -tii do dia 23 2/881
-------------1:982*860
Vinagre, etc.
Headiinenlo do dia I i 22 1:523*807
Idem do Jin 23 66*279
1:392*086
18:036*499
rbesoar.i poviaoial de Pernarpaee, 21 de setem
le 1871.
O escrivao,
Joao Carneiro M. da Siiva Santos.
Elvas.
Estremcz.
Evora.
Esposande,!,.
FajnaJicJo,
Thorn 3 r.
Tawftr-
Torres Noras.
*' MYdVifc Varzim.
PortfAlgWrr
P^vo*, de.Lai^o,
town-
Saato Thyrso.
Villa Real.
Viahaes.
V|u.
Tories Novas. vizau. .
Villa do Conde, Vil'ajleaf de.5. Antonio.
Villa Nova da
r -
Funchal
CONTRA O FOGG
A companbia Indemnisadnra, estabelecidi
a*rsta praca, toma scguros maritiraos sobn
navios e seus carregamentos .e contra fog*
tm -niilicios, mercadorias e mobilias: ni
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Seguro contra-iogo '
LIVERPOOL & LONDON & GUA
K1SUR4NGE COMPANY
Agentes
SAl'NDERS brothers & c.
11 Corpo Santo11
BIIK30 do Minho.
loaqnim Jose Goncalves Beltrao & Filho sacare
per todos os vapores sobr
Anr,;i.
Aguid i
. |
.":iv -..
Amaraote.
juimarae<
Covilha.
Melgsco.
Portalegre.
Arc is de val de vox.
Ceiorico de llasto.
Camiuha.
Mangualde.
?ont-i do Lima.
Povoa de Lanhosa.
Evora. f Monsao.
Fale. Ovar.
Faro. Porto.
Guarda. Tavira.
Leiria. Regoa.
Lisbea. Vizeo.
Barcellos. Figueira.
Coimbra. Lamego.
Mirandella. Estarreja
Pmafiel Valenca.
V.lla Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
KspoiIs
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Viaiiua do Castello.
VilU-Vova de Portima >. Villa-Nova de Fa>oalicao.
Villa do Cinde.
lia iihas.
Madeira, S. Miu'tiel, Faial e Terceira
SEliUROS
liaiilimo e conira-fogo
QOMPANHIA
Phenix Pernarnbucaua,
RUA DO COMMERCIO N. 31
G0fflPANfllA~\LLUNCA
neguros maritiraos e terrets
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,O0O:O005W)00.
foroa seguro de mercadorias e dinheiro
ico maritirao em navio de vela e vapora
,ra dentro e f6ra do imperio, assira comt
- otra fogo sobre predios, genero3 o f
-ondas.
Agente : Joaquim Jos6 Gon^alves Bejtrac
pa doCommercio u. 5, landr.
"'a.it.) Coiiiiiiorcial de Bfaga
forge Tttnwu
37 Rua io ilmorim 37
Sacca qaaiquer quaatia a prazo oq a vista
bn e.-te Baaco ou suas raspe3tiva8 ageocias
aas seguintes cidades e villa* de Portugal, iltias
idjaceate.-t e He-panha, a saber :
i'or tti en I
Amiraate.
Anadia.
AriHM
Aveiro.
Agueda.
Am de Baulhe em ca-
iras &s Bastoj.
Har5a.'
Barcellos.
'':>
iJrsganca.
Chavea.
I 'oimbra.
i^ura.
Corahi
Cauilo Bran:o.
' laoiinha.
Guarda.
Guimaraes.
Gouveia.
Lagos.
Lamego.
Lisbon.
Louie.
Melgaco.
Miraadella.
Moncao.
Mealhada.;
Monte-mor o velhc.
Oliveira de Aremeis.
Ovar.
Pouafiel.
Plnhel.
Poute de Lsraa.
,Uia" Faya..
HespaiiliA
Madrid. Ga4.-.
!.,,. ^ -ess.
NORTHERN:
Oa^itAL .... 20,000:OOOJM)Ot
^ondo de reserva..
8,000:0002!00f
Agwites,.
Mills Latham AC
RUA DA CRUZ N. 88.
GdmpaDhia Indemaisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:OfOiJOOO.
Tltomaz de Aquino tVn&ecd & C-, successores
agen'es.
Esti companhia toma seguros marititnos e Jer-
restres, dando nestes o eptimo anno gralis aos se-
gurados.
Bun do ^!1VJMEH70 PS PWSW
iSavios entrados no dia 24.
Bahia 4 dias patacho brasiieiro Invencicel, de
218 toneladat, capitao Frauciico Pedro de Al-
meida, equipagera 9, em laslrog; ao mesmo ca-
piiao.
Rio Grande do Sul 31 dias, patacho nacional
Moreira, da 261 toaeladas capitao Jose Luiz Pe
reira, equipagemll, carga 182,880 kilos de
came ; a Amorira Irmao & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do sul Vapor francez Ville de Baktn,
commaQdante Robert, carga parle da quo irouxe
dos portos da Eurcpa e alguma que recebeu
nesle porto.
New-York. Patacho inglez Galatea, capitao John
Ball, carga assnear.
Idem Hia'le americano S. T. Backer, capitao
Davis, carga assucar.
01TAB
i
' O procarador fiscal do U> ouro provincial de Peruambuco, declara aos conlrjbulDtes do
iraposto de-decima da freguezia da Uoa-Vsta a cargo do cousulado provincial, do oxercicio de
l8Jfca 1873; qae lhea fioa nuraado* ariae ifiir'T,'r*'"'J-fft J3*1t"JL "LHTfidli C'a^frilat^'V^iYif*1''
conformidadatli'Ur.tt. OU-art.;5d; paw *)ir^tWrai da e^Io, /To cpn]eJcEsb"aTgwas fbspecuvas,
afim de MMaawnt-sttu debitoaptovaiikhtes do mismc' ImpWroi ce'i tnFd?q6e; WSo o fiizebdo ^entro
detltfHrapipe,4>rflflvdra.* cobraOcaljadicialaMmte, |^J^W^f6Ji?arpara' isto a relacao dos d^vedo-
TOol'jMMO ^uaifeiftt^i / .
SftcciMo uonteittciosc, #royiuoial 4e Pernaorttteo, te de-eetembro del874.
Gypnano.Feqelon Guedes Alqofor.
i '|^afiajr4o^-dcve . saus4ebrtos, no aano floanttlro de WTSMSTJ. ;-
pagar
Baa*.,
Www
Primelto e gun-
do semeslxe,
80}**m
Multa.
uva e herdeiro^ de Joao
Viscoiiue de All
Pedro
Aurora n. l9.-Filb.os dJeronymo Jose da Silveira
Dita n. 3-l^-JDse,p,aiel Carflefro da Cnnha
Dita n. 81.'Jo's* lgnaio'd"Avlla
Uoiao 52,- 0 meame -
Aurora n."177.Joaanimjlasi p. Costa Pioheiro
Total.
29,130
13-7,310
39,210
frapciaco Ferreira Catjo e
Poule Velha a. 12.' Jose
tros
Dita n. 13,Omaanjo e ouiros.
Dita n. 29.-Jos6 Leopoldo da Silva
Conde da Boa-yista u. 9. JoSo Baptista Gonjalves
reira
Dita n. 33.-Dr. Jose Augusfo,Cesar Nabu.c,o;.de Ara\o
Dita n. 35.-0 mesmo
'
0 desembargador Francis;o de Assis Oliveira Ma-
ciel, official da imperial ordem da Ilwa, ejuiz de
direito p.rivativo de orpbaos da cida :e do Reci-
fe de Pernambuco e ?eu termo, por S. M. o Im
perador, a quern Deas guarde, etc.
Fa50 saber a quern 0 conbeermento do pre>ente
chegar, que por e te juizo e a roquerimento de
Francisco Luiz dos Santos ;e procedeu a justifica
cJo de prodigalidade contra sea filh0 Manoel Luiz
dos Santos, e depois da pruva testemuohal, e pa-
recer do Dr. curator geral, subiram os autos a mi-
nha conclusao, nos quaes proferi a sentenca do
theor segumte :
Vbtos os d. cumentos de (Is. 5, a fls. 11, e in-
quericao de fls. 13 a (Is. 16, que provam estar 0
jostilicado Manoel Luiz dos Santos praticando actos
de completa poodigalidade, 0 hei por incapaz de
administrar svia nessoa e bens, que ficarao sob a
adminiitracao de seii pai Francisco Luis dos San-
tos, a quern nomeio curador.
0 escrivao passe edital para ser aQlxado no lu-
gar do costume e publicado pela imprensa, e cus-
tas. Recife, 14 de setembro de 1-871.-Francisco
de Assis Oliveira Maciel.
E para que nioguem faca nogocio algum com 0
prpritMa Drodigo Manoel Luiz dos Santo3, senao
por intermedio de seu. curador, com prCvla autori-
safao deste juizo, mandei passar 0 presente que
sera afflxado uo lugar do costume e pub:icado pela
imprensa.
Dado e passado nesta cidade dj Recife de Per-
nambuco, aos 16 de setembro de 1871.
Eu, Manoel do Nascimtnto Ponies, escrivao, 0
subscrevi.
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
Recife, 16 de setembro de 1871.0 escrivao.
Manoel do Nascimento Pontes.
Aosello 300 rs.V. S. S ex-causa. Oliveira
Maciel.
. ita 0. 80.-Joao Antonio Pires Moura e outros
R.achuelon. 22 Dr. JoaTOim Anlonia Camefro da L M.
randa
Attracclo u. 9.0 mesmo
Riachuelon. CO.-Filbos do Dr. Jose Gonjalves da Silva
Coelbos n. 3.-Os mesmos
Dita d. 7 Os mesmos
Camarao n 2Joao Bastos
Dita n. 3.Jose Berenge
Hospicio n. 73 Dr. Jose Antonio de Figueiredo.
Rosario 0. 42. Jose Antonio de Magalhae'S /ik
Gervazio Piresti. 2.-Jos* Januario P. Andrade
Dita n. 3.Jcse Maria Seve
Dita n 23.-0 mesmo jjp. "fl*
Dita n. 25.Jose P. Sere
Travessa do Principe n. 10 A Jose Cardoso Barrelo
Sahida para 0 Prineipe n. JO 9.-0 mesmo
Sahida para Joio de Barros n. $# Joaquim Francisco dos
Santos
Dita n. 9.-Justo Jose Gomes Pereira
Dita n. 11. -O mesmo
Santa Cruz n. 61.-Dr. Jesnino Lopes de Miranda
Visconde de Goyanna n. 2.Dr. Jesuinno Lopes de Mi
randa
Becco dos Coelhos n. 2.Juse Carneiro da Cunha.
Dito n. 4.0 mi smo
Dito n. 6.-0 mesmo
Dito n. 8.-0 mesmo
Diton. iO.-0 mesmoT
Dito'n: 12. 0 mesmo- -
Dito n. 14 0 mesmo
Dito n. 16.0 mesmo
Largo dos Coelhos n. 4.-Jo>e" de Aiuorim Lima
Dito d. 3.-Jose Francisco do Rego Mello
Dito u. 3 A.-O mesmo
Duo n. 3 B.0 mesmo
Dito n. 3 C. 0 mesmo
Coronel Lamenha a. ,31. Jos6 Mam dos Santos
cante
Dita n. 36.Joao Henrique Doy
Becco da uacimba u. 5. lustina A- Carneiro da Cunha.
Dito n. 7. A mesma
Travessa das Barreiras n. 6. Joaquim Antonio da Sil-
veira
Dita n. 8.-0 mesmo
Dita n. 19.-0 mesmo
Travessa de Joao Franci co n. 1. Joao Pedro de Oli-
veira
Largo da Can pina n. 13 Joanna de Jesus Neves Uua-
resrr.a
Bar3o da S. Borja n. 4.Joao Sezinando Peretti
Dita n. 12.-0 mesmo
Joao Fernandes Vieira n. 24.-Jose Machado Buleluo
Pumbal n. 4.Joaquim Fernandes de Azevedo
1* becco do Pombal n. 2.-Jose Martins do Rio
Nympha d. I.Joao Souvim
Paysaudd n. 1 A. Jose Cordeiro da Silva
Dita n. 17. Herdejros de Januario Alexandiino R. Ca-
aeca
Joao de Barros n. 9.-Joio Fernandes dos Santos
J
Largo de S;nlo Amaro n. 12 Joao ,Luiz da Silva Monteiro
Dito n. U.-O mesmo
Dito n. 16.-0 mesmo
Estrada de Antonio Lima n. 41. Joaquim lose da Fott-
ceca
Dita n. 61Joao Francisco Regis
L. Rege n. 16 A.- Jose Ignacio Vital
Norte n. 2. Viuva de Joaquim Jose Pinto
i'ravessa da Santa Cruz n. 2.Joao Luiz Ferfeira Ribeiro e
out: os
Visconde de Ahmquerqie n. 111. Josd Domings Codiceira
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, jui.z
de direito especial do commercio desta cidade
do Recife de Pernambuco, por S. M. 0 Impera-
rador, que Dcus guarde, etc.
FaQo saber aos que 0 presente ediLl virera ou
delle noticia tiverem, que pclcs administradores
(la raassa fallida de Faria & Le-sa, me foi apresen-
tada a segumte classiflcafao dos ceditos de dita
inassa.
Credorcs chirographarios Eoglisck Banck
of Rio de Janeiro, 357*980, Monhard Meltler &
C, 1:613*100, Cnnha & Mauta, 179*500, Antonio
Joaquim Antunes Alves, 500*, deixa de ser admit-
tido por mail 135*, de que apre3eotou conta sob
n. 6, por uiio constar dos papeis dos fallidos, Costa
lrmao< & C, 2:013*!>10, Mills Latham & C...
132*600, Cramer Frey&C, 657*100, H. Loger
91*050, D. P. Will C, 98*, Silva Neves & C.
100*, Rodrigues frmaos 4 Guiraaraes, 6:9(4*760,
Adam son Howie & C, 678*680, T. Je(Ieries& C,
Hi*, E. A. Burle & C, 835*523, Joao Bernardino
Uotelho, 600*, e adrailtido semente por esta im-
porlaoeia, por ter recebido dos fallidos 200* por
conta, Jose RoJrigues de Souza, 91*110.
E por este editai sao citados os referidos credo
res para no prazo de cinco dias, contados da
publicacao do mesmo, dizerem sobre a dita classi-
ficacio dos creditos.
E para que cbegue ao conhecimento de todos'
mandei passar 0 presente, que sera publicado pela
imprensa e alQxado no lugar i) costum?.
Recife, 22 de setembro de 1874. Eu, Manoel Ma-
ria Rodri*ues do Nascimento, escrivao, 0 subscrevi.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer-
da, juiz de direito especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife de Pernam-
buco, por S. M. Imperial e Constitucio-
nal, etc., etc.
Fac/> saber que uo dia 13 de outubro
proximo, as 11 boras da maoba, na sala
das audiencias, deverd ter lugar a reuniio
dos credores da inassa fallida de Joao Bap-
lista Goncalves Bastos, para procederse k
tomada de cont8S do administrador de dita
massa fallida, certos os credores de que,
nao serio admittidos por procurador sera
que es teexbiba procuracSo especial, a qual
nao ppdera ser coofciida a devedor do falli-
do, nao podendooutro sim, um s6individuo
representar por dous diversos credores, e
que sera bavido 0 credor que nao compare-
cer como adberente 6 quitaijao plena ao
fallido, nos termos da lei. E para que
cbegue ao conhecimento de todos, mandei
pos>ar 0 presente, que ieri publicado pela
imprensa e aflixado nos lugares do costu-
me. 'Cidade do Recife, 23 de setembro de
1874.Eu, Manoel Maria Rpdrigues do,
Nascimento, escrivao, o subscrevi.
Recife, 23 de setembro de 1874.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda
A camara municipal desta cidade, peto pre
sente convida tolas as irmandades e proprietaries
que teem tumulos e catacurabaa no cemijerio pit-
b)ico, a manaarem quanto antes limpa los'e repa-
raMbs, como, se fai necessarfd a conservacao, 0
formos'eamento e decencia do mesmo oemeterio
I'dco da camara municipal do Recife, 22
de'setembro de 187.4,
If J do Rego e Albuquerque,
Presidente.
F. Augusto da Costa,
Secretario.
Dita n. 31. Luiz Ferreira Almeida e outros
Aurora n. 171.Ludgero Teixeira Lopes
Ponle Velha n. 66.-Luiz Pereira Raposo
Rosario n. 8. -O mesmo
Socego n. 61.-0 mesmo
Dito n. 63.-0 mesmo
Dito n. 65.-0 mesmo.
Principe n. 7.0 mesmo
Visconde de Goyanna n. 33. 0 mesmo
Conde da Boa-Vista n. 78.Luiz da Costa Amoriro
Bom Fim n. 22. 0 mesmo
Conde da Boa- Vista n. 61. -Lourenca Maria Joaquina de
Sant"Anna
Riachuelo n. 55.-Luiz de Oliveira Lins
Rosario n. 32. Luiz Goncalves Agra
Garvasio Pires n. 8.-0 mesmo
Coekios n. 11 Luiz Antonio Pereira
Dito n. 13.0 mesmo
Dito n. 15.0 mesmo
Soledade n. 40.Luiz e Amalia
Progresso n. 5.Luiz Rodrigues Vellozo
U
Imperatriz n. 61 A.T-Maria Libania Monteiro
Conceicao n. 9.Maria T. de Assumpjao
Ponte Yelln n. 106. A mesma
Vis-ondo da Pelotas n. 14. Manoel Jose de Azevedo
Santos
Ponte Velha n. 127. -0 mesmo
Tambia n. 1. -Herdeiros de Miguel Bernardo Qjioteiro
DUo n. 6.Filhos de Maria Eugenia Cruz
Dito n. 18 Miguel Jose B. Guimaraes
Dito n. 17.Manoel da Medeiros Souza
Visconde de Albuquerque. n. 20.-Manoel Autoni.. Car-
dozo
Dita n. 100. Manoel Mauneio Dantas
Aurora n. 47.Manoel de Sa e Souza e oulros
Ponte Velha n. 121.Os mesmo3
Alegria n. 44.Os mesmos
Aurora u. 71. -Nto3 de Manoel Alves Guimaraes
Ponte Velha n. 20.-^Manoel Francisco de Moura
Dita n. 91. Militina dos Santos Jorge
Conde da J3oa vista n. 79.-Manoel Ferreira Coeihu
Nympha n. 2,-0 mesmo
Riachnelo n. 17.-Viuva 0 herdeiros de Manoel Antouio
Goncalves
Gervasio Pires 0. 18. A mesma
Dita n. 20.-A mesma
Dita n. 22. A mesma
Dita n. 24.A mesma
Dita n. 26. A mesma
Riachuelo n. 41.Miguel Araujo de Figueiredo
Dita n. 43.O mas mo
Dita n. 47.0 mesmo
Travessa da rua do Principe n. 18.-0 mesmo.
Dita n. 20.-0 mesmo
Dita n. 22.-0 mesmo
Dua n. 24.0 mesmo
Dita n. 26,-0 mesmo
Uaiao n. 25.Manoel Luiz V'iraes
Dita n. 67 Maooel Jose da Costa Pereira
Gervazio Pirea n 81.Mauoet Antonio Silva Hios
Paysandu n. 7.(j mesmo
Dita n. 9.-0 mesmo
Dita 0. 11. 0 me.-mo
Secego n 18. -Manoel ignacia de Oliveisa Martins
Dita 0. 20.0 mesmo
A n. 3 A.0 mesmo
Dita n. 14. Manoel Ribeiro Fernandes
Dita n. 16.0 mesmo
Dita n. 18.jr.0 Snewno
Dita n. 20.M3 Sriesmo
Dita b. 22.0 mesmo
Dita n. 21.-0 mesmo
Primetia travessa de Joio de Barros n. 2.-Manoel Goncalves
Ferreira -*'
Oita n. 4.0 nfesjao
gita n. 6.0 mesmo
ita a. 8.0 mesmo
pita n. 10.0 mesmo
BaUta Cruz h, 22;-^-aria Elisa D. M. e outros
CoGlhos n WMatcelijifo Jo%6 Lopes I
Hospital Pedro 11 n. l.-O'mamo
Dita n. 3.-OmeSTCo
I>ita n 5. -0 mesmo %
Dita n. 7.-0 mesmo
Visconde deGojatSna n. 151,0 mesmo .
Travessa d$ Jaap- Francisco n. 18.-MbiuelFrauci.-c) de Sou-
zaRcdrleues
Leio Coroado*n-.e.f Maria do Rosario Rorgos
Bart,4e S. Bonan. 64,-Viova e het^tros de 3|aaoel Jose.
^ Silva 6aimara%
4.0,000
t8,0(0
6,180
6,480
17,280
17,280
7.560
2,700
10,800
8,610
27,000
27,000
17,280
27,OUl
10,800
9,000
27.000
I2; 7,560
7,560
7,560
17.i80
27,520
27,000--
19,6}0
2,760
21,600
21,600
5i,<00
21,600
13.5CO
1,320
4,320
7,560
6,100
12,180
32,100
16,200
21,600
' 22,500
21,600
10,800
27,000
27,000
43JU0
8,610
45,000
'
19,140
23,70)
I5,t20
32,100
2i,760
124K50
12,960
17,280
10,800
16,200
21,800
81,000
21,600
27,000
2'J.IOO
19,140
27,000
8,640
5,940
51,000
10,870
72,000
72,000.
72,000
72,000
17,280
27,000
43,200
21,600.
19,440
21,600
i 9,410
21,600
45,000.
30,000
12,960
I !,960
i7,000
27,000
13,500
6,480
18,900
2>t>
2,700
1700
2,700
2,700
2,700
3,400
3,400;
3,400
5,400
o/.OO
:!6,0CI0.'
i;i3;:qh
1.555
1,555
680
243
972
777
2,130
2,430
1,555
2,130
972
810
2,430
1,156
080
680
680
1,503
4,276
2,430
1,765
218
1,914
1,749
2,138
1,360
2,911
2.138
l.iW.
1,10'i
l,5o3
922
1,458
1,941
7,280
1,944
2,1.30
2,610
1,749
2,430
777
ii3
4,860
972
6,480
6,480,
6,180
6,180
1,355
2,430
3,888
1,944
1,719
1,911
1,719
1,944
1,050
3 210
LI
M
2,430
2,480
1,2(5
583
1,701
243
243
17,280
3,013
1,168;
3,* IS, 13V
4,5.53 .
1,355.
170,591
19,620
11,772
98,100
16,180
28,218
18,069
30,600
49,030
19,620
14,126
15,910
2,913
11,772
38,817
29,430
18,833
29,430
11,772
9,810
29,130
11.126
frogr*
.cilva e Senna'
^SS^-nto
.

27^AO-Mal lose Alves
AfcaJ- n. Hj.-MiBoel-AntAoto da Paixao
*-p. M* Maria; do Ca#mo /.- """" .
Visconde de Goyano* fl;-M9.-^Marf das Netb** Carneiro da
I r-.be Canba.
Capitlo Antomo de lima n. 60.^-Manoel Joaquim GoDcalSes-
Lwrt-do Rego b. 3.-Maoel Gomes da Croi
Ponte Velha n. 97.Miguel Francisco Souia'Reg e oulros
Difs n. 79-T'WJguel 4rclianjo da Silva 0 qptr.os-
. J* r -. 4 ,
Aurora^B, 173. -Nicplao Jose Laydilarn. ; R '' -1
Hospicfo n. 26.-Or, Nahor Carneiro Bezerra Cavaldante
Dita n. 5L0 mesmo e dutros
36,720
5,100
13,50ry
**li
i,*!5
6,18ftv
1,166
r.
Progresso n. 21.Pedro da Hora Santiago
Terceiro becco da travessa do-Lima In. L-Porflrio Antonio de
Scuza Pialwirp
h)ilo n. 3.-0 rneenwj -|
ao,8oa
90,000
216,000.
18,900
14,715
78,480
-lU2u
49,030
23,341
33,844
um
98,100
235.444

Dito n. 5.0 *K>*tm

II
Capibaribe n. 22.Rampck
Dita n 46.0 mesmo.
Poate Velha n. 20 mesmo
P.ysacdtl n.-I.-Dr. Rolina August j d'Almeida
Velha Passagem n. 7. Rosa Fraocisca da Silva
CapiUo. Antonio de Lima n. 36.-Rofino Manoel
Dita d. 38.-0 mesmo
Becco da travessa do Lima n. 13*0 mesmo


e outros
da Cruz C.
'Imperatriz n. 6.Sebastiao Marques do Naseimento
Visconde de Goyanna n. 23. Sebastiao Jose da Silva Braga
Capitao Antonio de Lima n. 19.Theodore Rampck
Conde de' Bfti--Vista n. 46.Tito Francisco de Mello
Luiz do Rago n. 33.Ursula Cordolina R. Oliveira
C
e outro
Attracao n. 3.Valerio Joaquim de Mello
M
6,48tt
6,480
6,480
21,600
32,400
21.600
1)3,000
21.600
8,610-
8 610
8,400
162,000
15,120
14,100
17,280
45,000
62,610
82,*)*
68,670
23,544
24,720
17aYJK8
16>M
18,8T1!
14,580
1,360
-
1,296
1,555
i,o:;o 49,05
5,637 68,277
|Visconde de Aibutjuerque n. 45.Viuva de Zacbarias L. Ma-
chado

Dita
.

Seccao do contencioso do thesouro
12,960 1,166
151,200 13,608 178,931
provincial de Pernambnco, 16 de setembro de 1874.
0 1." official,
Horacio tt'nlfrido Peregrmo da Silta.
--------------------------------------------------------------------
0 Dr. Joaquim Goncalves Lima, juiz dos
feitos da fazenda desta provincia,
S. M. Imperial, a que Dous guarde,
etc.
Fago saber aos que 0 presente editai vi
rem que, em cumprimento da ordem do
thesouro de 30 de
E para yue cbegue ao conhecimento de todos os
p0P pretendentes, mando que seja 0 presente publica-
}\ : do nos lugares do eslylo, p
m
24,720
18,835
51,796
29,430
21,383
3,008
23.541
1,911 23,511
4,860 31,866
1,944
1,215
388
088
680
18o
1,117 75,338
2,916
1,4 -'8 52,971
1,911 23,510
2,023 21,525
1,914
972 35,316
2,430
2,130
3.88.S 105,918
777 9,417
4,050 49,050
21,189
13,378
61,215
14,186
14,126
18,835
11,772
17,658
23,514
141,254
31,719
21,189
29,430
15,891
pela imprensa, ta^to
desta cidade como da cortc do Rio de Janeiro e da
! provineia fle Pernambuco, 0 que cumpra.
Bahia, lode setembro de 1871.
E en 01 rio Jose RodNgut* Pidienta, a
dezembro de i860, e; *" 0 *%fr J Cerqiuira pim
das instruccfies que com a mesma ba.xa- : A camara lllUn3,b;i, desla Cld,de, faz pu.
ram, findoo prazo de tres mezes a contar |,iico para conhecimento dos interessados, que a
da data da publicagao deste, serd vendido e licenci.dada aoscapatS2es, talhadore?, tnagare-
arrematado em ha-Ja publica celebrada na fes, ajudantes ou apr'endiaes. valera lomente por
-.,a Ho ItMktJ a nuPin maior nrpca nm anno, e a falta delta nos prirr.eiroa i^4us do
comarca de Ita.nbe, a quern maior pre^o mn de oulubro ^ a(mo liuanceiro ,runi,jpai
offerecer, d vista ou a prazo 3te II annos :equiValera aperda doemprego, coaforme detsrmi
quando rauito com juros de 6% ao anno : ua 0 art. 231 das posturas muaieipaes de24 do
pelo tempo da demora a comprebensao de-: junho de 1874.
ouminada, Buraco doextincto vinculo1
de Itambe, sita naquella comarca a qual se
acha avbliada era cinco contcs de reis e
content segondo a medicao a que se proce-
deu e consta dos autos aextensao seguinte :
do lado do lesto 1,110 bragas, do lado do.
norto 409 bra^as, do lado do noroeste 082
bragas do lado do poenta 411 bracas e do .
lado do sul 681 bragas, sendo todo 0 ter-;
reno proprio para a cultura de mandioc.i e
Manoel
Joaquim do Rego Albuquerque,
Presidente.
Francisco Augu.-t" da Costa,
^ecretario.
SECU8A0O

outros legumes e ficando certos os interes-
sados de que, tanto por taulo sera" referido
0 lanco do posseiro respectivo, na confor-
midado da ordem do thesouro, n. 15 de 28
de Janeiro do 1874.
Recife, 15 de setembro de 1874.Eu,
Jose Francisco do Rego Barros, escrivao, 0
subscrevi.
0 Dr. Carlos de Cerqueira Pinto, official da impe-
rial ordem da Rcsa, cavalueiro da de Christo
e juiz de direito especial do commercio, nesta
leal o valorosa cidade de S. Salvador Bahi dea
Todos os Santos e seu termo, por sua magesta-
de imperial 0 constiluc'onal 0 Sr. D. Pedro II,
quein Deus guarde, etc.
Faco saber que no dia 8 do viudouro outubro,
as 11 boras da manna, a bordodo vapor nacional
Cruzeiro do Sul, fundeado na ribeira de Itapagi
pe, tern de ser vendido em l ilao, pelo agente de
leiloes Luiz Zuany, 0 mesmo vapor e snas perten-
cas, avaliado em "sessenta centos de reis pelos pe-
ritos que procederam as vistorias, sendo 0 dito
elilao em 65 lotes, os qnaes sao :
1." lote e 0 sen casco com todo* os seu3 mss-
tros, gurupes, vergas, pios de carga e ensarcias,
cabos, machina8 de vapor, 4 tanques de ferro para
agua, um fcrro e uraa corr-ule de 60 btacas.
2.9 dito. 1 machina de vapor, chamada gurrien,
de forca de quatro cavallos qaa serve para des
carga.
3. dito. 1 bote n. 1.
4. dito. 1 dito n. 2.
5. dito. I dito n. 3.
6 dito. 1 dito n. 4.
7.' dito. 1 dito n. 5. Salvavidas.
8." dito. 1 ferro grande de 14 qmnlaes.
9' d:to. I dito de 12 sites.
KVdiW.-S anea^s.
II. dito I loaM da GO bracas.
!2,.!dilo. 1 dita He. 15 dital.
13 dito. Pannes constantes de 1 latino, 1 traque-
te, 1 velacho e 2 velas de proa.
14 dito. 6 toldos de lorana.
15 dito. I'uliame do servi^o do n .vio, conslante
de cadernae?, moiloes e cabos de talha.
16 dito. 20 remos e sua pala/nenta do servico
dos botes.
17 dito. 80 toneladas de carvlo de cardin.
IS dito. 3 bitaculas com suas agulhas.
19 dito. 1 relogio da camara.
20 dito. 0 barometro.
21 dito. 3 lampeoesda camara.
22 dito. 5 lantern :.s e pharoes.
23 dito. 3 phroes dc roda e UJU3tro.
21 dilo. 15 baldes.
25 dito. 1 bomba de inceudio com suas perten
pas.
26 dito. 1 aparador coin espelho.
27 dilo. 1 espejbo 0. 1.
28 dito. 1 dito n 2.
29 dito. 1 diton. 3.
30 dito. 26'di*is peqnenos dos camarotes.
31 dito. 1 mesB ujI.T V! v
32 dito. 1 dita n. 2.
33 dito. I dita ri\ 3.
31 dilo. 1 dita n. 4.
35 dito. 1 dita oval n. 5.
36 dito. 6 bancos da mesa da camara
37 dito; ditos de dita.
38 dito. fiotoxoffde deasseoto de palha.
39 dito. 2 aommodas.
393,300 40 dito. 1 armario de vidracaa.
11 dito. 2 gnarda-c-ip s
42 dito. 1 cadeira da braco.
43 dito. 10 banegs do conves.
44 dito. Louca 'de mesa consume de pratos
chicaras, pires, pratos travessos a coberlos.
15 dito. Vidro de m-s constante de garrafas,
couos, calices e compoleiras.
208,363 46 dito. Apparelhos de camarotes.constando cada
19,050 nm de bacia, jarro, ourindl, escova e saboneleira.
39,210 47 dito. Dairies de folha para despejo dos ca-
marotes.
48 dito. Trem de metal, constante deterrinas,
pratos cobertos, asaueareiios, raantogniras, galba
102,416 teiras e palmaloiias.
49 dito. Talberes de mesa, constantes de facas
garfos, colbere* de sopo e de cbi.
12,379 50 dito. 86 colcbSes da e.ima dos 9amaroles com
seus tfaveaseir, j 1
Si-dito.laoTwHTies.
52 dito. 80 cobertas da caraa.
53 dito. 30 toalhas de mesa.
54 dito. 150 guardanapes;
17,658 55 dito. 100t)lbas demaq.
56 dito. 362 fronhas.
57 dito. I paofao d* tieza,,
58 dito. Trem de cmba/Mnstante de caldeiras,
cassaralas, paoellaa,,efi
59&i\tt. I fafioo*! feldeltt portatel.
29,430 60 dito. I .lote da resto de tinlas, oleo e outros
2W3 oblfictos de snbresalente. dd 'navio.
29,430 6l.flltd..t 'ViraflQr de linho dfe'lpollegadas.
62dito. 4 ospla'9* de coure.
63 dito. JJma pbrcSo de cobre novo e veiho.
61 dito. 1 gui.mtastc volante.
65 dito. isinos e I caaifa da metal.
278.211 Cujos objectos serao tendidos em Wtes desigoa-
idoi pela nuraeracao mencionada, a quem mais
9,417 cder, visto me ter assim requeiido 0 cbmmandanle
49,090 ido sobre dito vapor Guillierrce WadJington, e qae
Po abandonou por innavagabiUdadei i as companhias
19,813 pde seguros delle, nao quuerae, tomar conta.
SANTA CASA DA MISE1UCORMA DO
RECIFE.
A Hlma. junta.adrainistraiiva da Santa Casa da
IliSMSTieordia do Recife, taaoda fawr pubheo que
a'^salade suas sessoes, 0 dia 24 de .-e embro, pe-
las' 3 horas da tarde, ie;u do ser arrematadas *
quem mais vantagens oilerccer, pelo tempo do. nm
a tres annos, as rendas dos predios era segaiau
declarados.
ESTABELECIMENTO DB UARIDAOE.
Rua das Calcadaa
Casa terrea n. 30 (fecliada). 200*000
Idem n. 36 221*000
Vidal de Negreiros.
Casa tertean. Ill......362*00.'
Idem n. 94.........301*006
Rua larga do Rosario.
S audar e loja n 21 A.....
l. andar n.Jl A.......
3.- andar n. 24 A. ...
Rua de Antonio lienriques.
Casa terrea a. 26......
Largo da Campina.
Idem n 11 (fechada)......
Rua do Nogueira.
Casa terrea n. 17 (fechada). .
Rua do Coronel Suassuna
1* andar do s brado numero 91 .
PATR1MONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).....
Becco das Betas.
Casa terrea n. 18. .... 42(*C Rua da Lapa.%
'.asa terrea n. 11.....
Rua do Affiotim.
Sobrado de 2 andares n. 23 .
Casa terrea n. 34 .
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 2!.......183*000
Rua do Vigario.
I' andar do sobrado n. 27 .
1* andar do mesmo.....
Loja do mesmo.......
Rua do Encantnmanto.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada).
Rua da Senzaila veiha
idem n. 16.......
Rua da Guia.
Casa terrea n. 25 .
Idem n. 29......
Rua da Crur.
Sobrado de 2 andaresn. (2 (fechada).
Idem n. 14........
Rua do S. Jorge
Casa te:rea n. 100 (fcerar!.:) .
Idem n. 103 Z
Rua do Ampart; JOiinda)
Ca-a tercea n. 18 (fechada) ....
Os pretendeutes deverao apresenur
arrematacao as suas fiancas, ou comparec^iem
acompanhados dos respeotivos fiadores, devendo
pagar alem da renda. 0 preiuio da quanta' era
que for seguro 0 predio qua contiver estabelec.
mento commercial, assim como 0 servico da lim
peza a precos dos apparelhos.
Secretana da Santa Caaa da|Misericordia do B
jife, 17 de sstembro de i874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigves de .Sous a,
Companhia Fiddutad?
aegiaros anaritiiuos o terrestres
A ageneia desta companhia toma seguros' ra.i
.-ilini s e (errestres, a premios -razoaveis, daml
aos ultimos 0 solo livre, e 0 setimo anuo gratuiw
jo segurado.
Bus do Visconde de Itaparica, antiga do Appoio
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
Arrematacao.
Pelo juizo da seganda vara, escrivao Athayd\
vai a praga no dia 26 do correute mez, diver-
sas taboas e pipas vasias, botijas com cer-eja 0
um caixao e balcao ; objectos estes peitencen-
tes a vends que, foia rua do Visconde de Ii}bn-
ma 0. 1 : cujos bens foram penhorados a An-
drad.' Si C, por execucio lie Antonio. Ferreira
Pinto, e avaliados por61*0Q0.__________________
Cap/. RegeaeracAi'.
Con?id) aos Uf. CCap.'. a couiparecerem %
ses.-. de eteicad para.o futuro anno, sabbadq 20
do correnle, pelas 6 1|2 boras, da tarda
^I ,________Ath.\__________
No dia 29 do corrento mez de setembro, fin
da a andiencia do Sr. Dr. juiz substitute do da 1'
vara cfvel desta'cidade, se ha de arrematar eiu
praca paMica ma bilhar em tote* esl do}- com It:
taeos, bo!as e 1 tabella, avaliado todo por 5)*.
para pagamento da irajmrttneia da execa^So quo
mbve Jjse Fernandes dos Jaotos oontra'sea^ de
vedoret Henrique Linden & '
Per a nle a camara municipal desta cidade. ts
arao nOvamenle em husta pufettca, nos lias 81
correnle e 1* do mez proximo vindocm.
arrematado por tempo deumauno, portju*.1
offerecer, 0 alueuel *o'sobrad a: 9, siio ii p'r<*
do Corpp Santo do Reii'e, por 721*, e o* imposW*-
de capim de plant* porWiiOO, e 420 >r*,pcr
carga^peixe exposM a ve-ida 9 nplrcado- fi-
bllco: pdr 1*.
310*000
408*000
251*000
99*000
96*0O<'
300*COO
386*000
100*000
202*000
602600O
S43*000
2i()*00o
300*OOu
1:400*0.0
209*000
209*00v
261*600
800*000
6<.0*(i0'!
241*C0O
207*10(>
MOfOOU
no acto da
v


-"*
I
SMttio de Peimmbaco.*- Sexta feba 25 *fc Seteaibro de 18tt.
Ob pretendentw deverao
leateaaeote hibiiitados.
Paeo da camara municipal
*fcmbro da 1874.
Bario da Tacaruna,
Presidente.
Marcolino Dias de Aranjo.
Secret ark).
apresentar-se compe*
de 01inda,[17 de
COMPANHIA
DA
Estrada deferro do Recife a
Caxanga.
No domingo 27 do corren-
te, a tarde, serao expedidos,
pel a linha do Arraial, por
occasiao do leilao em behe-
fieio do asylo de allenados,
trees a t hora e 5 minatos,
3 e 5 ditos, 4 e 5 ditos, 5 e o
6 e 5 ditos, 7 e 5 ditns, 8 e 5 ditos e 9 e 5
os qoaes devem voltar do Monteiro as 2
7. 8, 9 e 10.
da companhia, 23 de setem-
Servindo de administrador, .
Jose Feiippe Wary da Silvau____
cidada
litos,
litos
horas, 4, 5, 6,
Lscriptorio
bro de 1874.
A. C. Batterbee,
iereiite.
No du 29 do corrente mez de setembro finda
a audieocia do Mini. Sr. Dr. juiz de direito da 1*
Tara eivel desta cidade, se ba de arrematar em
praca publica am sitio no lugar de Sant'Anna, da
freguezia do Poco da I'anella, pertencente a viuva
e a herdeira do fallecido major Joaquim de Albu-
auerqoe Hello, para pagamento da importancia da
execucao que contra ellas move Joao Christiani ;
cujo escripto se acha na mao do porteiro do juizo,
e nelle constant as dimensoes e bemfeitorias dJ
dito sitio, e que o val.r delle e de 4:000*.
; Vice consulado deEspafia
Ei Exruo. Sen5r presidente del puder ejecutivo
de la nation, re servio aprobar por decreto quince
de julio proximo pasado, la unfa de los derecbos
que se dcber.in percibir en los consulados y can-
cillerias de Espana en paizes exlrangeros, la que
se pooe en ejecucion y su pleno vigor desde esta
fecha, lo que se comnnlca a I pnbheo por orden
del represenlaote de la nacion residente em la
eufte de e.-te Imperio.
Pernambuco 21 de setiembre de 1874.
El vice-consul, Juan Busson.
Perante a camara municipal desu
estario em praea nos dias 23, 24, 23, 26, 28, 29 e
30 do corrente para serem arreraatados por quem
maior preco offereeer, o seguinte :
Os alogueis das casas da praca da Independen-
ce, rnas de Joao do Rego, Riachuellu e Imperial:
os pretendeotes a ues arrematacoes habilitem-se
na forma da lei.
Pago da camara municipal do Recife, 3
de setembro de 187i.
M. I. do Rego Albuquerque,
Presidente.
Francisco Augusto da Costa,
Secretario.
Sociedade Propagadora da
Instruccjio Publica
Nao se tendo real sado a renniao da assemblea
geralno dia 30 de agosto Undo por falla de nnme-
ro, sao novamente convidados todos os soeios a
comparecerem no dia 1* de outubro proximo vin-
donro, pelas 6 horas da tarde, na rua de Pedro
AlTonso n. 29 (escola normal), afira de coostituida
a assemblea geral com o numero que se apresen-
tar, ouvir ella e resolver sobre o seguinte :
Approvacao da acta da ultima assemblea.
Exposicao do movimento da sociedade durante
o corrente anno social, pelo presideote do conse-
lho superior.
Leitura e approvacao das contas do mesrao con-
selho.
Pareeer da coumissao none a da para indicar a
refo- ma de que precisam algun9 artigos dos esta-
tutos.
Eleicao do novo conselho.
Secretaria da sociedade Pnpagadora da Ins-
truccao Publica, 18 de setembro de 1874.
V. de M Mello,
2 secretario.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DK
navenei* costelra a vapor.'
Maceio, escalas, Peoedo e Aracaju'.
0 vapor Jaguaribe, com-
mandante Julio, segui-
ra para os portos acuna
no dia 30 do corrente, as
5 boras da tarde.
Recebe carga ate o dia
29, encommendas, passa-
e diabeiro a frete ate as 2 horai do
sahida : escriptorio no Forte do Mat'os
geiros
dia da
o. 12.
ESTRADA
DE FERRfl
E
DO RECIFE A
E,
da coiie.
1* clause 250 rs 2
Ficando muito perto a
Encrnzilhada da Tamarinei-
ra, a gerencia desta compa-
nhia expedira trens todas as
meias horas, no domingo
27 do corrente, das 2 l|2 ho
ras da tarde as 9 l|2 horas
dita
120 rs.
0 gcrente,
L. J. rie Miranda.
Lnso-Brasileir..
A directoria c>nvida a todos os seohores asto-
ciados a comparecerem no dia 27 do corrente as
10 boras da rnanha, no convento de S. Francisco,
para ouvire.u a missa mandada rezar ao Glorioso
Patnarcba 5. Jose, segundo preceitiia o art 79
da lei social, e daii, enc rporados, dirigirem-se
a sele social ondo tera lugar a sessao niagna em
cotnmemsr3cao do 2* anniversario da installacao.
A* noite, de 6 a 10 horas sera frrqneada a
entrada do templo as Exinas familias que se
dignarem honrar com suas rtspectivas presencas
e aos soeios e seus convi iados.
A directcria pede aos oradores ce commissoes,
aoa soeios e convidados que por ventura deseja-
rem pronunciar discursos a dingirem se aos lins
da associacao que sao vastos caridade, ins-
!rucyo Iralcrnidadc.
E-pera a directoria que esta Testa de caridade
-eja muito concorrjda.
Resile, 2i de setembro do 1874.
Bodrigoes da Costa.
_______________Secretario.
fuwdi<:Ao
DE ^
C Starr & C.
S:o convidados os Srs. devedores a vir
sn'i;.":.: : s is debitos, provenicntes de let-
Ires e. o:i'.. i venci'las ; sendo que nao o fa-
leaJo a'.j o dia 30 de outubro proximo vin-
douro, rio rendidas cm leilao. Poderao
oaapareter ou mandar ao escriptorio da
fundicao ou do testamen'.eiro H. J.-Carman,
rua do Commercio n. 40.
CONSULADO PROVINCIAL
Por e:a repartigao se faz sciente aos contri-
buintes dos apparelbos, differenca dos mesmjs,
innu dades e eneanamentos da Recife Drainag-
Company do semes ire finde cm dezembro de
1872, que foi prorogado por mais dez dias nteis e
reeebimento que ora se procede, terminando a re-
'ridi prorogacao no dia li do setembro vin-
douro.
Coasaiado provmeial, 29 de agosto de 1874.
0 administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
Manoel daSilva Faria <#0V
administradores da massj lallida de Ignacio
Pessoa da Siva, pagam o 1." dividendo da
mesiia, na rz3o de 29,14, 27.9+ e .. ..
26,63, : cm sen escriptorio afua do Vt-
gsrio, n. 20.
A directoria desta humanitaria as-oeiacao, de
sejando quo os Ons sociaes fossem iielmente cum
pridos e'se tradurisse em facto a idea grandiosa
consagrada no artigo 2.' 2. dos estatutos, re-
solveu abrir uo dia 27 do corrente, por occasiao
da sessao raagn.i, uma aula de instrucjao pri-
maria, nao so |iara os soeios, seus lilans, como
tambem para as criancas pobres que quizerem
della utilisar-se, a qual funcionara todos os dias
uteis, seado a bora brevemente annunciada.
'A directoria aceitou o olTerecimento que fez um
pretimoso couocio, e resolveu tambem abrir no
mesmo dia uma an!a de franccez, que funccio-
nara nns tergas-feiras de 8 a 9 boras da noite.
A raatricula esta desde ja aberta, podendo os
Srs. soeios, no gozo de seus direitos, inscreverem-
se para qualquer uma destas aula?. para cujo
fim encontrarao (at*; sabbado 2t>) das 9 as 3 horas
da tarde; nasede soeal pessoa habiliuda.
A directoria esta conscia de que os Srs as?o-
ciados e demais pessoas interessadas reconhecen-
do a vantagem que re?ulta da instruc^iojre-
quentarao as ditas auias com assiduidade, dando
assim prova solemne de que nao foram inuteis
os exfircos daquellcs a quem a assemble* geral
confo'fios l'*!i i iuciaes.
Recife, 23 de setembro de 1874.
Rodrigues da Costa.
Almeida Garret
( ommandunte Tamaslni
E' esperado de Por-
tugal ate 30 do cor-
rente, tamtem, depois
de pouca demora den-
tro deste porto, se
guira para a Bahia
e Rio de Janeiro.
Passagens a fretes de cargas, encommendas e
valores, tratam-se com os
AGENTES
E. R. Rabella C.
17Rua do Commercio 17
Entrada pelo largo do Pelourinbo.
Ilho de IS. Miguel.
Com mnita brevida4e segue para S. Miguel o
cooh-cido palhabote portuguez Novo S. Loorenco
Para o resto da carga e passageiros trata-se com
os consignatarios Thomaz de Aquino flkceca &
C. snecessores a rua do Vigario n. 19.
Pacific Steam Navigatif.s C(Miipan)
ROYAL MAIL STEAMERS.
sara cha e jantar, garrafas, copoa, caliees, coropo-
teirai, candjeiros a gaz, 2 jarras e 1 tacho.
Uma taboa de engommar, 3 mesas, 2 cadeiras. a
*r,de8' iJ?2*4,aina P*r 8 flandres.
TERgAFElRA 29 DO CORRENTE
o sobrado da rua da Imperatriz a. 10.
Joaquim Baptisu Nogueira, tendo de effectuar
^a,3mpa,Ea!;op1' hr4 leil5. PW interventao
do agente Pinto, dos moveis e mais objeetos de sua
caia de residence, a ma da Imperatriz n. 10;
sendo que ditos moveis aa acham em bom estado
por ter s.do montada dita casa ba pouco tempo
e ser uafamilia composta de poucas pessoas ^
_________ leilto Principiari as 10 lil horas. .
Atteocao.
LEILAO
gaoga e
DE 4081 TONEADAS)
Commandnnte Shannon.
Espera-se dos por-
tos do sul ate o dia 27
do corrente, e depois
demora do costu
me seguira para Lit-
boa, Boidi'os. e Liver-
pool, para onde receberi passageiros, encommen-
das, e dinheiro a frete.
N. B.Nao sahira ante* das tres horas da tar
le do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilsea Rowe a C
14PRACA DO COMMERCIO-1
COMPAMH1A nUAiII.IilIlA
DE
\AVEGACAOA VAPOR
1'orton do nolle
Commandante A. Ixaar
E' esperado dos portos
do sul ate o dia 27 do
corrente e seguira para
os do norte depois da de-
mora do costume.
TBMTR1
Santo Antonio
Sevta-feira
25
do corrente.
Espectaculo extraordinarife
Em beneiicio do ex ponto
Julio Cesar.
' Depois que a orchestra liver executado uma
das suas melhores symphonias dara principio ao
espectaculo com o drama cm 3 acios :
A
Coiuuiandantc Quadros Junior
Portos do sul
Continuara
dueto :
0
o espeitacnlo com o lindissimo
Armazensda cornpanhia per
nambucana.
Se^uros contra o fogo
A umpanhia pernambacana, dispondo de ex
eilentes e vastos armaens em sou predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio cm gcra
para deposito de generos, glramindo a maior con
servirao das mercadorias depositadas, service
prompto, precos modicos, etc.
ambem recolhera, mediante pievio accordo, ex
:lusivamente os gmeros de uma so pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodes
$2o inteiramente novos e asphaltados, isentos d
sapim, ra'os, etc., etc.
As pawoaa gue quizerem utilisar-se desies ar
jiazecs, pederao dirigir-se ao escriptorio da com-
janbia pemambn(^na, que aclu.rao com quen
jatar.________________________________
Imperial sociedade dos artis-
tes mechanicos e liberaes
Nao se tendo proeedido a eleig.io da directoria
qne tern de reger no anno de iS7i a 187-'i, no dia
ancunciado, foi designado o dia 27 do corrente, e
para esse lira convido a todos os soeios quo se
acharero habilitados, a comparecerem pelas 10
boras do mencionalo dia, para elegerem os mem
t*ros que julgarem aptos ao bom desempenho da
jrande missao de dirigir tao importante corpora-
fio. Recife, 25 de setembro de 1874.
0 1* secretirio,
Pedro Paulo dos Santos.
Aeba-se legalmenie depositado por esta sub-
daiagaeia um cavallo rudado, o qual foi encontrado
ao lugar Barbalno, desta freguezia, com cangalha
e cassuaes, vagando : quem for seu legitimo dono,
compare"-a nesta subdelegacia dentro do prazo de
10 dias, que provan lo, Ibe sera entregue.
Subdelegacia de policia da freguezia da Varzea,
21 de setembro de 1874.
0 subdelegado,
Manoel Candid ode Albnquerpne.
O meirinho e a pobre.
pelo Sr. Flaviano e D. Leopoldina.
Pioalisara o espectaculo com a novissima scena
comica :
Babera e realejo
pelo Sr. Penante.
Serao preenchidos os intervallos dela banda do
musica militar do 9."
Principiara as 8 1|2.
GRANDEBAILE
Com mascaras e sent ellas
Sabbado 26 do corrente
0 proprietario deste theatro, attendendo aos
pedidos feitos por diversos amadores desse diver-
timento, resolveu dar esse baile com mascaras e
sera ellas.
Confia cm qne sens esforcos
didos. -
As familias teem camarote3
gando somente o chffe.
Pro;os os do costume.
sejam correspon-
gratoitamente, pa-
T1ATRI)
E' esperado dos portos do norte
ate o dia 29 do corrente e se-
guira para os do sul depois
da demora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-.-e no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO-7
_____________Pereira Vianna & C.______________
Re?! cSpSfia de paquetes in-
glezes a vapor.
' Ale o dia 26 do cor-
rente espera-se da
Europa o vapor in-
glez Bg'jhc, comosan
dante Keeks, o qual
depois da demora do
-.wsiume seguira para Buenos-Ayres, tocando nos
portos da Bahia, Rio de Janeiro o Montevideo.
No dia 29 do corrente espera-se dos portos do
."1 o vapor inglez Neva, commandante West,
o qual depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa. j
Para passagens, fretes, etc., trata-se na agencia,
rua do Commercio n. 10.
Ilha de S. Miguel
>egue com brovidade para S. Miguel o palha-
bote portnguez Novo 8. Lourenco, para onde rec-
be carga e passageipes : trata se com es consi^
natarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Sacoae-
scres, rua do Vigario n. 19, 1' aadar.
LEILOO
DE
fazendas echapeos
(Em continuacao e por liquidacao)
A saber:
Chapeoii a Cavour, de pha, de merino, de clina
de seda, de castor e la.
Chales de merino, de seda, de la, de metim, de
gaoga e casenura.
Lencos de cassa, do seda, de chita. de
cambrala.
Merino preto e de cores.
Casemira preta e de cdres.
GravaUs de diversas qualidades.
Chapeos de sol de alpaca
59 pecas de mussulina branca.
100 ditas de oamhraia bispo.
20 ditas de granadine de cdres.
10 ditas de atoalhado era.
4 ditas de atoalhado de liobo (bramante).
30 ditas de damasco de cores.
24 ditas de dito de 13.
13 ditas de dito de selim.
20 ditas de filo preto francez.
120 ditas de panno para colehao.
100 ditas de mussulinas abertas.
10 dnzias de veos para casamtmtos.
2 ditas de capas de casemira.
1 dita de tunicas de chuly.
11 ditas de cintos de seda
SO pecas de cbitas de ganga.
60 ditas de cassas para cortinados.
15 ditas de algodio enfe-tado.'
10 ditas de damasco de linho.
10 duzias de camisas de linho.
100 pecas de sargelim preto e de cores.
10 ditas de damasco lustroso.
Tapetes de diversos tamanhos.
E muitas ontras fozendas.
Quarta-feira 7 de outubro
Rua do Bom Jesus n. 63.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C, usando da autorlsacao que tern do
Illm. Sr. Dr. juiz de direi'o especial do commer
cio, continuario a dispor em leilao no dia acima
dito, por intervengSo do agente Pinto, das fazendas
supramencionadas, que fazem pane da mesma,
e que tornam-se recommendadas por serem mni-
tas deltas ultimamente despachadas, e proprias pa-
ra a presente estacao.
0 leilao princifiara as 10 1)2 horas em ponto,
no armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
Os pretendentes p.derao examinar ditas fazenT
das na vespera c dia do leilao.
avisos pv&Rsos
ifi ENSINO %
*3 DE P-
j PARTIDAS D0BR.4DAS |
ARITHMETICS
5 dirigido por ?
S MANOEL FO.NCECA DE MEDEIROS T
Aluga-se uma excellente escrava sern vicio al-
gum, a qua! engomma soffrivelmente roupa de
senhora, e cozinha tambem, com a condicao de ir
todos os dias, at 7 horas da manha ate as 3 da tar-
de : a quem convier, ^lirija-se ao 1 andar do so-
brado da rua Nova n. 21.
CASA DO OURO
Aos 4:OOOrOOO
Bilhetes garantidos
Rua do Bardo da Victoria (outrora Nova
n. *, e casa do costume
0 abaixo assipado acaba de vender nos seas
muito felizes bflhetes a sorte de 4:000* em um
meio bilhete de n. 2584, alem de outras sortes
menores de 40/000 e 20*000 da loteria que se
acabou de extrahir (IIT); convida aos possuido-
res a virem receber, que promptamente serao
pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeitt
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes.que. nao deixarao de
tirar qualquer preroio, como prova pelos mumc s
annuncioa
Acbam-se a venda os muito feliies bilhetes ga-
'antidos da 4" parta da loteria a beneflcio da
igreja de N. S. do Livramento de Pao d'Alho, que
se extrahira no dia qnaru-feira, 30 do corrente
mez.
Prcfos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De lOOSOOO para eitaa.
Inteiro 3*500
Meio J*750
Recife. 5 de setembro de 1874.
Joao Joaauim da Cotta LeiU
Oaixeiro
Precisa ae de um caixeiro que ten ha intaira ora-
uca de taverna, para ir para uma proxima a via-
ferrea do Recite a S. Francisco : na rua Direife
n. 139 se dira quem precisa.______
Roga-se ao Sr. Chico Ramos, quo
queira vir a* rua Duque de Caxias n. 60 A,
para negocio de seu particu'ar interesse.'
I Aluga-se
o sobrado de um andar e sotea, a rua Direita c.
84, com bons commodos para, familia e agua p.>
tavel : a tratar na l"ja do mesmo._______________
j Aluga se a casa da ilha de BemHca n. 10 A,
com sele quartos, quintal fechado, com eacimba
e banho na frente, por Hear a margem esquerda
da ponte da I'assagem da Magdalena, lngar mm
saudavel e pittoresco : a tratnr na rua estreita do
Rosario n. 17, !. andar.
131333
Admlalsirafio: PARIZ, boulev.rd Montmartre.
GRIDDt-SRIllE Aftccifif lyraphaticaj, docnei
dt Tlu dlgauvu, otnlracfOu do flgado do bmco,
obstrucjOct fiaccrut, concrefSts calcalosu di bile.
HOPITtl. Airer;uFs du viu dlRtstiru, Incom-
modti do eitomago, dlgesiio difflcil, lBapcetencIt.
gaitralgla, dytpepla.
CfLESTINS AffecfSes dos rlni, da bexlga, arelit,
eonereeOea das ourinaj, gota, diabetea, allrumlDarU.
MaUTE SIVE AffccfSes do rlnn, da besiga, areiaa,
concrfc6es dis cnrinaa, gota, d.abeles, albaminuria.
EXIGA-SE
o NOME da FDERTE M CAPSULA
Bazar das Familias. 11
At Pontcs da Vichy, aclma nomeudas, achlo-jc :
Em Pmamluco HARISMENOT e LtllLLE. ras
do Commercio. j
1
RET A ERASE
Na botica t'ranceza n. 22
Rua do Bom Jc mis
Reis e'.silva & Guimaraes, proprietarios desta
roni importante loja, sita a rua do Duque de Ca-
xias n. 60 A, esquina di ejtreita do Kosario, no
intuito de satisfazerem seus freguezes, estao re-
solvidos a vender por menos 30 por cento do que
eraoutra qualquer parte ; pelo que poem a dispo-
sicSo do respeitavel publico, e especialmenle do
bello sexo, as seguintes fazendas com os respecti-
vos precos :
Riquissimas Dalonezas de gorgurao preto, rica-
mente enfeitadas, pelo diminute preco de 38*0l0
cada uma.
LiDdissimas popelin3, padrOes inteiramente no-
vos, que veDdemos polo diminuto preco de 2*210
o covado.
P-pelinas de difforentes gosto?, inteiramente no
vidade que vendemos pelo prego de 1*GC0 o co-
vado ; e baraiissimo.
Popelinas de linho com iistraa, fazenda inteira-
mente nova, que se vende por;'ii?0 rs. o covado ; e
muito barato I
Lindissimas
fscravo fogido.
Fugio do/ebgeiiho Ajudanie, na freguezia da
E^cada, na^ez de jnnho do corrente anno,
escravo Jwiinho, de cor preta, com 22 anno-
. de idade, pouco mais ou mm altura e corp -
regulares, emios grandes e branoos, com princip i
de barba, dentes perfeitoa, cabellos carapinhado;,
pes grosos e compridos ; anda um pouco dec! -
nado para frenie, ccrn a vista firmada para i
chao; e muito oantador e official de carreir .
De?conffa-se que o dito escravo esta occulto ea
terras do engenho Para, na freguezia de Ipojuca,
pelo que, incorrera nas penas da lei, quem o liver
occuHo. Roga-se as autoridadis policiaes e aon
j capilaes de campo a captura do dito escravo, e
ser entregue a seu tenhor, Emilio Pereira de
Aranjo, no referido engenho, de quem terao i.
, a paga de 30i000.
tres vezes por semaoa
a tarde ou a noite
Rua do Marquez do Herval (outr'ora
Concordia; n. 138 a 140.
Aluga-se o armazem de recolher,
do da rua dos Burgos n. 11, por deUvz
Vigario : a tratar com Jo?6 Feliciano
rua da Praia n. 30.
do sobra-
da rua do
-Nazareth,
Aluga-se a casa terrea n. 41 da rua 2i de
Maio, outr'ora, Praia do Caldeireiro : na rua de
S. Francisco n. 6.
Agente Dias
leilao
DE
32 ac-{0es da companhia de Beberibo (agua)
e8 ditas do Banco do Brasil
Aluga se uma preta crioula, que sabe cozi-
nhar o diario'de uma casa e engommar : quem
pretender, dinja-se a rua de Pedro AlTonso n. 34,
cutr'ora rua da Praia. ________
Aluga-se o armazem da rua da Madre de
Deos n. 30, com sahida para a rua da Cacimba,
quo servio e serve para rejolher generos de esti
va : a tratar na rua Duque de Caxias n. 73.
alpacas, gostos novos, muito lar-1
gas, que vendemos pelo preco de 1*000 o covado. j
Lindas alpacas pretas coml istras brancas, mui- j
to larga?, que vendemos pelo diminuto Dreco de
1*000 o covado. I
"Setim branco macao, r'^zenda muito superior, a;
2*000 o covado. I ptllea$i(l
Riquissimas caixinhas com eepelbo. cada cai-1 E?!i era Apipucos o meu escravo Ignacio, -
xinba contenao uma dnzia de lencos, pelos precos 9i?al tera .s ?i.8naes seguintes : cabra acaboclad.-,
seguintes : 3$3u0, 6*000, 6*500 e 7*000.
Apipucos
Riquissimas caixinhas de'madeira enfeitadas, ca
da caixinha contendo uma dnzia de meias para
senhoras, pelo prego de o*M0 e 6*000.
Lengos brancos, fazenda muito superior a 2*000
a duzia.
Lindissimas cambraias Lirancas bordadas com
listras de crochet, fazenda inteiramente nova a
1*100 o meiro.
Riquissimas saias bordadas para senhoras, a
6*000 uma.
Um completo sortimento de laainhas de cores
fazenda muito boa a 200 e 360 rs o covado.
26 annos de idade, altura e corpo Dgulares, c?.-
bellos pretos e cresp(;s, bigodmho fino e mui;.'>
pouca barba na ponta do queixo, tern um caroc -
nho do nm lado da raoella por fora. nao terj
unhas nos pes a excepcao de um dedo, tem no
e-rpomareat dechicote e na pa direita nm p>-
! queno calo, falla mansa e baixa, cara b?xigosa -
olhos brancos. Da-se 130* a quem o trouxer s i
i engenho Arendepe, freguezia le Ipojuca, ou Des-
ta praca ao Sr. Francisco Izidoro Ribeiro de Ca--
| valho.Manoel Feiippe de Souza Leao Junior.
^recisa-se
Riquissimos pannos de crochet, tanto para pre-! alugar um moleque de 10 anns para oservico de-
lta rua Duque
cadeiras de guarnicao de salas,
de alpacas de cores,
n. 20 a 7*000 a
Caixeiro.
Precisase do um menino portuguez com alguma
pratica de taverna, dando conhecimento de sua
conducta : a tratar no pateo daPenha n. 8.
Aluga-se
o 1" andar e sotao da rua do Fogo n. 27, e tambem
se aluga um separadi* lo cutro : trata-se a rua do
Apollo n. 30, armazem.
DA
ENCRUZILHADA
*2 do correnle
Sociedade R creativa Ju-
ventude
De ordeai do Sr. presidente convido aos sonho-
res soeios a reunirem-se em assemblea geral ex-
traordiaaria, domingo 27 do corrente, as 7 horaa
da manha, para eleger-se o'vice-presidente, por
ao aeeitar o cargo o eleito eai a f,essao passada
Secretaria da sociedade Recrea'jva Juventnde,
24 *e setembro d Orestes Monleiro.______
Pala reoabadoria de rendas se deciara ao
eoaatribointes do imposto tasdet que t no corrente mez e no de outubro
viafeuro que devem vir pagar o primeiro se-
aestre perteacenta to exereicio de 1874 a 1873,
acotrendo na mmta de 6 y todos aqueltes con-
aritaajtsa qne fizertm depois do mesmo prazo.
Beeebedoria do FtrDambnso, !. de setembro
de 1874. \, 1
Kspectaculo dado pela companliia
do 1'iKiiix Dramatica em
fteneflclo do i.aienla.
Drama em 3 actos, muito applandido :
0 (riuinpfio da impreosa livre
OU A
Queda d'um ministro
Terrrfinando e especUculo com a 3cena comica
do syrapathico actor Lima Perante, intitulada :
Concerto de rabeea e realejo.
Principiara as 8 l|2 boras.
O resto dos bilhetes estarao a venda no dia do
espectaculo a porta do mesmo theatro.
Trem para o Recife.
4VIS0S MARITtMOS.
A's 11 horas da manha
No sobrado da rua do Marquez de Olinda
n. 37, primeiro andar.
0 agente Dias, competentementeautonsado, leva-
ra a leilao no dia e hora acima designados, 32
acgoes da companhia dejReberibe e 8 das do Ranco
do Rrasil, como acima se roenciona, as qnaes sao,
as primeiras de valor realisado dc 30*000, e as
segunda? de 200*000 cada uma.
LEILAO
DO
Rio de Janeiro
Brigue nacional S. Paulo
Sahira com brevidade : para carga e escravos a
frete, trata-se na rua do Vigario n. 7.
m\ 0 NnW.
0 brigue portoguez Triumpho, pretende seguir
com mnita brevidade : para carga e passageiros
trata-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonceca A C, successors, rua do Vigario n. 19
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 48.
HOTEL D'EUROPA
Em continuacao
CONSTANDO DE :
Um fogao de ferro grande, trem de cozinha, jar-
ros, roupas de nso do hotel, cal;as, cauisas, e mais
roupa do uso, quadros, moveis e muitos outros
objeetos existentes no andar terreo e 3' andar do
sobrado da rua do Commercio n. 12.
Hoje
23 DO CORRENTE
aa It horas em ponto
0 ageute Pinto contiaiia hoje o leilao comocado
hontem no Hotel da Europa, rua do Commercio
n. 12.
Em continuacao
vendera tambem livros francezes periec:entes ao
mesmo espolio do Sr. Eduardo Turpin.
Das 9 as 11 horas entregara os moveis vendidos
hontem, e das 11 a 1 hora vendera os mais objee-
tos.
LEILAO
DE
moveis, louca e crystaes
A SABER:
Um piano forte, 1 mobllia de jacaranda, 1 sofa,
1 jardineira, 2 consolos, 2 cadeiras de bracos e
12 de guarni.;io. 1 secretaria, 2 cadeiras de balan-
go, 3 espelhos, 8 quadros, 1 candelabro, 2 terpen-
linas, 4 figuras, 4 jarros, tapetes e escarradeira*.
Uma cama de jacaranda, franceza, 1 commoda
de jacaranda, 1 lavatorio, 1 toilette, l mesa de ja-
caranda, % guarda-vestidos de mogno, 1 guarda-
ronpa, 1 marquezlo, 1 maquina de cosiura, 1 bi-
noclo, 163 vistas e 4 venezianas.
Uma mata elastica, 1 guarda-louca, 2 apara
dores, 1 sofa, 2 consolos, 12 cadeiras, 1 quart!-
nbeira, 1 lavatorio, 1 relogio de parede, pv.-jylia
Attencao.
Fortnnata Fortes avisa aos pais de suas alumnas
e em geral a todos os chefes de famiiia, tanto daqui
como de fora, que se acha modada para o I* an-
dar do sobrado n. 21 da rua Nova, onde contiuua
com sua aula de instroccao primaria, ensinando
tambem todos os trabalhos de agulha, bordados de
todas as qualidades, trabalhos do la, crochet e flo-
res, com muita perfeicSo; e m sua casa ensina
tambem o francez, desenho, musica e piano, por
ter para isso escolbidos professores. Aceita ext-r-
nas e internas, aul.n;a bom tratamento, muita ap-
plica^ao, e o preco mais favoravel que em oatra
qualquer parte.____________________________
CASA DA FORTUM.
AOS 4:000jg000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do
Crespo) n. $8 e casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido not sens fe-
lizes bilhetes um meio n. 2584 com 4:000*000, um
meio u. 36 com 700*000, um inteiro n. 1747 com
1003000, nm inteiro n. 410 com 100*000 e
outras sortes de 40* e 20* da loteria que se
acabou de extrahir (117*), convida aos possuido-
res a virem receber na conformidade do costnme,
sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido.-
da 4* parte das loterias a beneflcio da igreja
de Nossa Senhora do Livramento de Pao d'Albo
(118*), qne se extrahira na quarta-feira, 30 do
corrente mez.
PRECOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
CM PORglODE 1009000 PARA OKA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*760
Manoel Marlins Fiuza.
'entes como para
a 1*300 um.
Um completo sortimento
a 800 rs. o covado.
Cambraia tapada, Victoria,
peca.
Cambraia; bordadas com paimas de cores, a 400
n. o covado.
Cambraias transpareotes muito fioas, a 65 c 7*
a peca.
Cambraias transparoa'.ei "Nanssuc, a 43000 a
peca.
Um completo s->rtimcnto de meias de cores para
homem, a 8*000 a duzia.
Ditas brancas em caixinhas, a 64300.
Ditas ditas de 1*000, iioOO, 3*000, 3^300 e
GiOOO.
Toalhas felpudas muito encorpadas, a 65000:e
6*500 a duzia.
Ditas alcochoadas imitando linho, a 3*500 u
duzia. j
Granadina3 com listras as^etioadas, a 800 rs. o
covado.
Merino [.reo ituaez, fazenda rnuito boa, a :'* '
o covado.
Cortes de casemira, go^tos novos, a 4*500 e
5*00u o corto.
Sramante de linho, quatro larguras, a 2*300 a
vara.
Dito de algodao com 10 paimos dc largara, a
1^400 a vara
Dito de dito trancado, le quatro larguras, a
15600 a vara.
Madapolao francez madraste a 6*800 a peca.
Dito superior lrancoz, a 6*800 a peca.
Dito inglez, maravilha, a 5*000 idem.
Dito, elephantt, a 4*600 idem.
Um completo sortimenso de chitas escuras e cla- ;
ras pejos seguintes precos : 280, 300, 320, 360 e
400 rs. o c vado.
I'm grande sortimento da chale de merino es-
tampados com listras de seda, a 3*200, 4*500,
3*300 e 6*0U0.
Ditos pretos lisos, a 2^000jum.
Um completo sortimento de algodao, de 3*800,
4*000, 4^200 e 3*500 a pe;a.
Assim como outras fazendas quo n.Io mencio-
namos os pregos e qne se vendem muito barato.
Keis e Silva & Guimaraes,
Corram quanto antes a grande pechincha
So no Bazar das Familias,
Rua Duque de Ca-ias n. 60 A.
rnestico de casa de ponca fam
de Caxias n. 9T.
la
*0 j:0iX^X>QK| Li
i
i
CoDMidorio (iiedi<
DO
Dr. Slurillo.
RDA DO VIGARIO N. 1, 2." ANDAR.
Recem-chegado da Europa, i-nde fre-
qnenton os hospitaes de Paris e Londres,
podera ser procurado a qualquer bora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
uasao.
Conanltas das 6 as 8 horas da manha e
do meio dia as dnas horas da tardo.
GRATIS AOS POBBE5.
Espcrir'.''.' : esuas de senhoras,
da pelie o ae cr..:ii;a.
I
I
IOOSSQOCXSJ QSSSKSS50 #
mm
Ao
Eseravos fogidos
Continnam a estar fogido3 desde o anno de
1870, os eseravos seguintes : Francisco, crionlo,
com 28 annos de idade, pouco mais on raenos,
altura e corpo regulares, olhos grandes e brancos,
denies per feitos, cabellos carapinbados, uma ci-
catriz por cima do olho esquerdo, barba a Cava-
nbac, muito conversador e risonho. Antooio, ca-
bra, com 23 annos de idade, pouco mais ou me-
nos, alto, secco, olhos grandes e vermelhos, ca-
bellos um tanle soltos, pouca barba, dentes per-
feitos, pes compridos e seccos; ambos foram com-
prados ao barao de Nazareth. Deseonfla-se que]
os ditos eseravos estao occultos na comarca de
Pajeu de Fores, ou no Rio de S. Francisco. Ro-
ga-se, portanto, as autaridades policiaes e aos ca-
pilaes de campo a captnra dos "mesmos eseravos,
e serem entregues a seu seu senhor, Emilio Perei-
ra de Arauio, no engenho AJudante, na fregue-
zia da Escaaa, de quem terai a paga 6V1 300*000
por cada um.
commercio.
Os abaixo assignidos fazem scieate ao respeita-
vel.publico e com especialidado ao corpo do cjm-
mersio. que nesta data di-solveram amigavelmente
a sociedade que tinham na taverna sita ao pateo
da Ribcira o. 15, sob a firma de Magalhaes ^ Pe-
reira, ficando o activo e passivo a cargo do socio
Pereira, e o soc o Mag-utiass pago e satisfeito do
seu capital e lucros ; e fazem sciente que nadn
devem :i prarja : so alguem se julear crcdor, apre-
sente contas ou letras r.te o dia 30 do corrente.
Recife, 2o de setembro de 1874.
Francisco Antonio de Magalhaes.
Francisco Pereira de Oliveira.
ESCRAVO FUG1D0.
Fugio do eagenlio Atalaya. na freguezia de Se-
rinhiem, no anno de 1863, o escravo Francisco,
mulato, com 16 a 18 annos de idade, pouco mais
ou menos, altura o corpo regulares, olhos|rasos e
azues, cdr bem clara, cabello3 bons, dentes per-
feitos, nariz afilado e curio, feicao bonita, sem
barba, muito moderado, pes seccos e bem feitos.
0 dito escravo foi do Sr. commendador Antonio
dos Santos Pontual, senhor do engenho Cabeca de
Negro ; comprado ao corretor Oliveira, morador
no lie-il'e.
Fugio do engenho AjudaDte.^oa freguezia da
Escada, no anno de 1872, o escravo Guilherme,
com os signaes seguintes : pardo, com 25 annos
de idade, pouco mais ou menos, altura o corpo*
regulares, cabellos cacheados, olhos grandes, rosto
comprido, com alguns signaes de barba, nariz
comprido e um tanto arquerda, denies porfeitos ;
tem umas sardas pelo resto, e faz movimento no
corpo auando anda, e na occasiao de cumpnmen-
tar a alguma pessoa, leva o ch3p6o por cima da
cabeca para a retaguarda, 6 muito alegre e diver-
tido. Desconfia-se qne esteja na cidade da Para-
hyba, ou em Nazareth. Por tanto, roga-se as
autoridades policiaes e aos capitaes de campo a
appreheosSo dos ditos eseravos e serem entregues
a seu senhor, Emilio Pereira do Aranjo, no refe-
rido engenho de quem terao a paga ds 300*000
por cada nm. N. B. 0 escravo Guilherme tem
oma cicatriz sobre uma sohrancelha.
ADVOGADO
mum JOAQUIM ClffiES DA
SILVA HELLO.
93 Una estretfa do Rosario 33
primeiro aniiar.
00 000000-00000
21Boa de Paniino .amara 21
JR. MANOEL ENEMNO R. VALENCA
>Eedico
1'onsultas das 7 as 9 l|2 aoras da ma-
nliaa.
^bamados a ^oaiqaer bora do dia ou
da noite.
Especialidades-Tijh'stias dos polmoes ?
e do coracao. 0
000 00000 000000
Maceio. 0.
" t'achareJ I d irenro de Albu-
'$ q jerque
AiEvo^ado
Rua do Rosario n. J.
0
0
0
0
0
as
0
0
0
0
I
Alnga-se urta loja com commodos para pe-
quena familia ou negocio : no largo da matriz de
Santo Antonio n. 2.
Doces, fructas e flores
Bate estabelecimealo, conbeeido ha mais de 20
annos nesta provincia. a rua da t>uz n. II, o se i
proprietario tem sempn em sua maior attenci
em servir bem a tod3s as peisoas que lizerern a?
| suas encommendas dos ..'guinies generos : doce~-
de calda do todas as qualidades, ge'eas de difT- -
rentes fructas, e mao de vacca. xaropes de tod: -
as fructas, bandeiias com finos bolinhos, pao-de I",
pndiro, bolo, e oatros de muitas c-species; tambeTa
vende sementes de hortalices, muito novas, larai:-
geiras, limas, figoeiras, li;:iS-.-doce, laranja cra\
o outras plantas para jardim, tudo isto muito cro-
cido, e cada uma planta em 3ua vasilha ; apromp-
tam-se bouquels para noivos, bailes.opara jarro-.
cap'lias de rosas e outras flores finas, de fro*-
tas, de preferepcia a dc contas. etc.
0 DESENGANO.
rua i dg marp.o n. 25
Iunto a loja da esquinn.
HOLLANDA
Brim Hollanda, proprio para costumes para h -
mens e meninos a 600 rs. o covado e pechincha '
Lenco com barra de cor, duzia lW0(i
Cambraia trausparente, peca 2*50'
Brim branco de linho, vara 1*60)
ileins para senhora, em caixas moJernas,
dnzia 3*50.)
Cambraias pretas com pintas brancas, co-
vado 26<
MadapolSes francezoi unos, pc;a 3*300, 5*80>
bramante de linho com II pahni'S do lar-
aura, vara 2*60")
S6 o DESENGANO da rua 1' de Marco n. 2.".
junto a loja da esquina.
Ao commercio.
Antonio Caserairo daTrindade faz sciente acrcor-
po do commercio, que s.improu a loja de cirgueir
n) iargo da matrix do Santo Antonio n. 2, Tivre <
desambaracada de rroataner r- Rpr- 25;.-
seEembro de l7'i
?


y


!...-..

I>irio de Pemambuoo Sexta feira 25 de Setembro de 1874.
fiRAlE UHHHACia DE JMAS ATE FE-
nmm promo futiro
mwk do lobrnja N. 5.
Os propriutanos desta antiga loja de joins, rcs..lveodo-sr, d-il:.iii.
Timenti! iiquidar oseu-estobelecimpntu; tendera i>j.r* *<*bar tls
as suas joias ritourn, prata ebrilhai.tts com enorinn Aatimrrtfl ims
precos, assim como as encommeudas ia feitas. que ioiem chegaudo da
Europa, pelos pre$os da faetura.
Grande Liquidieao
Do Mnseo de Joias
" m)
Rua do Cabuga n. 4
Neste important^ estabelecimento, rende-se para acabar ate feve-
reiro proximo futuro todas as joias de ouro, prata e brilhates rlli
existetites, por pregos ate hoje desconhecidos, bem assim as remessas
qae forem chegando da Europa, pelo preco das facturas.
GRANDE L1QUJDACA0
TOLENTINO DE CARVALHO
Rua do Cabuga n. 1 c
Ten do resolvido Iiquidar o seu estabocimento de joias, declara
que desta data era diaote os seus pre$os serfio extraordinariamente
redozido, como nao poderd haver competencia.
Grande Liqni
EXPOSigiO UNIVERSAL DE 1855
- MED4LHA DC I.' CLASSE
AL. LAIURRAQUE & 0/
ItSS
QUINIUM
APPROVADO PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARIS
0 COLLAR D'OU-RO
Rim do Labug&n. 3 A.
Os donos desta grande loja de joias.^resolvendo-se a liq-iidar o seu
estabelecimento ate" principio do anno proximo futuro, vendem com
grande abatimento de precos todas as suas joias de ouro, prata e bri-
lhante-corao tambem as que for recebendo da Europa, pelo prec,o
da fabrica.
Grande Liquidacao
aooel Antonio Gonplves
Rim do Cabugd n. 3.
Tendo rezoivido Iiquidar no menor tempo possivel o seu estabe-
lecimento, vende para acabar todas as suas joias de ouro, prata e bri-
lhantes, com enorrce abatimento de precos. E as remessas que fo-
rem cbegando da Europs, pelo preco das facturas.
FUINDICAO DO BOWMAN.
RUA DO BRXII Pf. 52.
Passando o chafariz.
Vende taxas de ferro batido a 300 rs e de ferro fun-
dido a 150 rs. a libra.
f*edeaattencao dos Srs. agricultures, a qualidade e
reco de seus maquinismos de toda a especie e tamanho.
FUiYDICAO DE FERRO
4 m do Barao do Triomplio (roa doRnm) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMA0
AV1SAM aos senhores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral an
utinaam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens 9 machina s ne-
mmmmim.mmmmm agncolas, as maismodcnas e me'hor obra qoe tcmvmdo
apOreS de forga de 4, 6, 8 e 10 cavallos. os melhores que ten. lindo ao meraoo
.alaeU*aS de sobresateme para yapores.
jloendas inteiras e meiflS moe.Edas, 0bra como QQnCa 8Uui vwo
Taixas ifundidas e bal;das> dos melhores {abncantes a 300 el50 r*.a
libra
Sodas d'agua com cubajede ferro, fortes e bem acabadas.
Kodafi dentadaS de todos os tamanfaos e qnabdad.*.
Helogios e apitos para evapors.
BombaS de ferro, derepucho.
AiadOS de dirersas qxialidades.
mannas para assucar,^^ e mueuM,
Varandas deferro fundido, francezas de diTersos e bonitos gost
rogoes francezes para Ienha e carvao> obr8 saperior
Ditos ditos para gai.
Jarros de ferro fundido para ardim.
i es ue ierro para mesa e banco.
Macnina para geiar agna-
alVUiaS para bomba e banheiro.
Correias inglezas ^ machmi3mo.
BaneOS e SOfaS com &M de madeira, para jardim.
'^OncertOS ^^^ra com promptidao qualquer obra ou macbma, para one tw-n
saa fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
SnCOmmendaS mandn w por encommenda da Europa, qnalqcer macbinismo
para 0 qne se correspondem com oma respeitavel casa de Londres
'^. ^- OSmelh0reSe,lgf^eirosde lD8^erra; incurabenJ-se de mandar asunte
mm machinas, e se responsabibsam pelo bom trabalho das mesmas.
KuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
__________F U a D I C A O DE CARDOSO d IR MAO.
X.5 A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 \
LOJA DE JOIAS
DE
jose joAonn dias do iilgo.
Utm l"" J* e liquidarao e aaeima!!
O prjpneun* desta novo estabelecimento aturdido com o inespsrado estridor dos aribM mo
.ircemde tod b r**]050 fl.carl -pSI.N'110, apeur de bem avaliar as grandes vantagens que mSmASK.'
fr; lomoo a .uabalavel resolucao de QUEIMAR todas as suas joias. com oVnico L do TwJ.
se a jrande caravaaa, e, com ella, segmr am romaria para.... I.. e segredo 1 cnsorporar-
Apyracstaardente-asvictimasaguardambrilhantes o moroento do sacriflcio-so faltam
0 Q11111 ium Labarraqiie ^ um vinh oeminen-
temente tonico e febrifugo, destinado a substituir todos
os outros preparados de quina.
Os vinhos de quina ordinariamente empregados em
medicina, sao preparados com cascas de quina, cuja
riqueza de elementos activos 6 extremamente variavel;
accresce ainda que em razao d'esse modode praparacao,
estes vinhos contem apenas alguns vestigios dos ele-
mentos activos.
O Qiiiiilum Labarraque. approvado pela Aca-
demia imperial de medicina, constitue pelo contrario
um medicamento de composicao determinada, rico de
elementos activos e com o qual podem sempre contar
os medicos e os enfermos.
Pode-se dizer hoje como uma verdade incontestavel
que nao ha indisposicao continua sem principio febril
do qual, quern sofTre,-Dao tern conhecimcnto algumas
vezes, mas que nem por isso deixa de existir. Por isso
as pessoas i'raeas e debilitadas, quer por diversas causas
de esgotamento, quer por consequencia de molestia, os
adultos cancados por um crescimento rapido de mais,
as raparigas que t6m difficuldadeem se formar e desen-
volver, estao sempre submettidos a uma accao febril
continua. n'estes casos que o Quinium Labarraquc
podc ser administrado com a certeza d'um exilo com-
plete Nas convalescencias, o Quinium & o tonico por
excellencia : junto com as PHulas de Vallel, produz
effeitos maravilhosos.
Nos casos de chlorosis, anemia, e cores pallidas, elle
e um poderoso auxiliar dos ferruginosos. Junto por
exemplo com as pilulas de Vallel produz effeitos nota-
veis pela rapidez de sua accao.
Acon?clhci o uso de Quinium Labanaque a um grande numero de
doentes, i into na minha casa de saiide como na minha clinica externa.
Cemo trato especialmente as alfeccOes oancerosas, procurei por muito
tempo um tonico poderoso. Tendo-o encontrado no Qtininm, o qual
consio>ro como o restaurador por excellencia das constitutes exhaustas.
* D' Cabaret >
X
f
A Snr.' A... de Bourbon, coin vinte e oito annos de idade^ tinha fobre
sob differentes typos, ha deroito mezes. Ella toinara uma enorme quan-
tidade de sulphato de quinino, de inaneira que seu estomago nao podia
mais toleral-o, inesiuo inislurado com opio. 0 estomago achava-se de taj
sorte tatigado que nem muni podia supportar o sulphato de ferro; e=te
sal provecava-lhe colicas e uma exeesMva repugnancia. 1'oi n'essai cuu-
diedps que receitei o vinho de Quinium, cuja apparicSo era reccnte. Estando
pouco familiarisado com seus effeitos, grande loi minlia surproza ao ver
com que promptidao, elle fizera desapparecer a febre da Snr.* A..., que
ha dous annos nSo tern tido, a menor recalrida.
* O SfirR..., de trinta < dws annos de idade, proprietario-iultivador
cm Ygrande, teve durante os veroes procedentos alguns accessos de febre
que cederio com o uso do sulfato de quinino. No inez d: Agosd) de 1859,
foide novo atacado pela mesrna febre ; mas, desta vez, o sulfato da qui-
nino nao produzioo resultado acostumado. Occasionava-lhe grandea ddres
de estomago, e, em seguida, uma repugnancia invenciv.:!. A febre aug-
mentava de intensidade. Apparecerao o fastio, grande fraqueza e tristeza
com u pensamento que elle succumbiria, vislo que n.lo podia tom.u- nem
supportar o unico rcmedio capaz d; o cuwr. Receitei-llio qualro caHccs
de vinho de "Quininm por ilia... A febre desappareco; o tecnte i .u-
perou de novo o appetite, o somno e a alegrla, o so faz uso do vinho, dmii-
nuindo as doses de dia cm dia. .)
A Snr." P... de vinte e seis annos de idade, cstava derorada por uma
febre, haviaocinco annos. Apezarda sua nwcidate, jpreseutava o aspeeto
da velhice : pelle er de terra, oBros einharados, eic." Desde sen casa-
mento que datava de rencia, sobrc uma collina, acuando-se entreUnte no alto do tanqoe .ie
Mcillers. Ora a metade d'esse tauque esta secea durante o verSo.
* Receitei-lhe o vinho de Quinium por doses de qualro calicos por dia.
Tassados quinze dias, o marido veio dai-me parte de grande melhoi I do
estado de sua mulher. A febre desapparecera completamente, a pelle
lornara-se alva o appetite e o somno voltarao; mas e tal o inedo que < m
derecahir doenle, que ella rcelamou-nic ainda uma garrafa de vinho le
Quinium.
D' Rh^n.mlt.
i Ha alguns annos que trato os doentes da fabrica de Mazeline et O
receitei sempre com exilo constante o vinho de Quinium Labanaque como
febrifugo e tonico em todos os casd que os operarios (em numero de 800
a 1,000) achavao-se enfraqueeidos pelos miasmas paludosos que exhalte
os terrenos do Eure.
* O-S'. Mazeline mesmo, achando-sc cm estado de magreza assaz grare,
por causa do execsso de trabalho, numa localidade onde as febres io
frequentes, foi regencrado pelo vinho de Quinium tornado em dose de um
calice pela manbl c a noite, recuperando desta sorte sua perfoita saude
D' Rri.levi's.
-*
Daposito era Paris na casa, L. PRERE, 19, rua Jacob
Na pharmacia de P. Maurer & C.j rua do Barao da Victoria n. 25.
1-UNDICA0 DO BOWMAN
RUA DO BRUM H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenho e outros agricultores, e compradores de ma-
cbinismo o favor de fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimen
to complete quo ahi tern ; sendo tudo superior em qualidade e fortidao ; o que com a ins-
trucc.iio pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUt.AR DE SUA FUNDICAO
VaporeS e rodaS d agUa dos mais .modern* systemas e em tamanhos con-
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietaries e para descarooar
algodao.
MoendaS de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
Rodas dentadas para aaima8S( agua e vapor<
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos para mandioca e algodao> e para serrar madaira i jjgo ^
ISOmbaS de patente, garantidas........ )lr ? vaPor-
m j r i tou animaes.
TodaS as machinas e pegu do qne se costuma precisar.
Faz qualquer concerto de macDinism0) J preQ0 raui resumido>
^Ormas de ierro tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
^!!?mmK ^fj Incumbe"se de mandar vir qualquer machinismo a vontada dos
SS", ,(f brando-lhes a vantagem de fazerem as compras por intermedio de pessoa
entendida, e que em qualquer necessidade p6de lhes prestar auxilio
AradOS americanOS e instrumentos agricolas
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
ODILON DUARTeTTrmXo7 ~
bABELLEIREIROS
ESSENCIA
JHIIiHSTftCAIIRS o
IMC
Premiada nas expo-
sicoes de Pernambuco
o Rio de Janeiro.
Pliaimacenlico
Premiada na expo-
sicao de Vienca d'Aus-
V tria.
Pela t'scaila tie l*arig
Successor de
S -Mm*
UEDALHA DE HE TO
ABISTIDE SUBSET E.
-- ~.^ wa ~- ^ ^.^
Tratamento in^rameuie vchpuI verdadeini uriflcad-ir do sangoa. sem mercurio.
A Essencia de Caroba e um remedm h. je rec:nnhKCi ;':> como nm poderoso depuri-
tivo e especial para rura iff t< u a* molestias qne tenni a m orisaro na impureza do sangae,
como sejam : as mol-n.is Syphiliticas, Boudaticas f. Escbiwulosas, Rheuhatismo, Emhkgcts, Dab-
tros, Ulceras, EnurgdES, etc. e c.
Os prodigios.is Mft>iti que tem pmdnzi 0 a Essenciu rfe Caroba, por toda parte
onde ella tem smo apropriadamente exuehuieniaaa, a tein lena ath>fitar eomo um dos medicameo-
tos mais seguros e mais en^yuM pa>-a cura de tudas as mnlestias da aatareza nyi hitftica e
bonbatiea.
A cada frasco acompanha uma inslruccao para' a maneira de usar.
PiiHiiiila aiili-darlrosa
22
99
Contra as affeccdes ctrtaofas, dartbms, mmtch&es, etc., etc
lg*'Hlfl de (jirlia
Para cura das boobss, ulceras, rhagas antigas, etc.. etc.
UNICAMENTE PitFPAKADO POU
It lini Iiducp/a
Rum do Rom Jesus
ANTI6A RUA DA CRDZ )
, m
*
,m@F
mm\mn in erymrla
DO
Premiados na exposicao de 1872

_ Isto posto, esiwra-se com jusla razao, uma grande concurrencia dos amantes da economia
SS 7.5?? r3i'',de-se pr0Verem de 0bjectos l2es; e deveron' ainda asUfalS^viS
TW. aepojs de lodas essas Iiquidacoes, com o novo anno, acabam se as JOIA^ deta cidade e nta miu
tara o poMijo ainde dclias se possa proven cmaae, e bjo matt
.4 ella* A ella* !
CODEIW
XAROPE PASTA e HI IM III
*t met ^r orasar&r* sss.*itt
Da
'4PERATRIZ
S. 88.
1/ ANDAR.*


RUA
DA
IMPERATRIZ
W. 82
1. ANDAH.
Bacbiirel Manuel de Siqueira Ca\alcauti
li^^^JStSSiT" "*"*' ** ^ripeh, como para I
Approval, pVln gnverno imperial, acba ? a di gTnde8 reSS: ^^ >***> T* ^'^^^dK" PBft
Dep(>sitos unicos.
Hocha sSra," "* d Ba'M* VICl "* l NVi-' D' ^ **
Rio de Janeiro : Corte, rua do Ouvidor, n. 78.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhr-os con-
diecoos possiveis de bem serrir ao publico desta illustre capital, e is Exmas Sra n*a
qnillo qo for tendectc a arte de cabelleireiro. "
Fazem-se c-belleiras tanto para hemons como para seuhoras, tupete. chignon
eoques modern.ssimos, trancas, cachepeign, tecidos, desinhos em cabcUw auadroV to'
mnlares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho im.aginavel em caMh
o estabelecimento acha-se proyido do qoe ha de rnelhor nos mercados .stran-
gatr,, rccebe d.rectsmcnte por todos os vapores da Europa, SSESS o flw-
rmo, de modas e por isscrpode tender 20 /. menos que outro qXr Ra-antSo
perf.. q?.o no traba!ho, agrado, sinceridad e prec,o rwoavel. 4 H S
Pentoam senhoras, tanto no ostabelecimento como ttra : tende-se cabellos am
porr: o e retell) e todoa os utonsilios pertencentes i arte de cabeUeireiro
__
m mii
A 240 RS. O COVAD0
Lindas cassas de cores e.bran<-a?, com listras o p*lmas assetinadas a 240
rs. o covad-i: na loja de Antonio Correia d Vascoucello*. rua Primeiro de
Marco n. 13.


V
Oi^i^^PteJttfiJbrWo & mfax^M& -25 WkmsEMtoMtift
jlllcncil)
A loja de louca da rua.da>lmpcratriz n. 6,
qaereodo aeab; r qganlo ajflfc, veude por atacado
e fin retaiho, louca s baui grossas, vidrcs, ricos
caodieiros e iarros da-.versus autores, per ara
p.vci resumdo q:>e f.x adaiirar ; vende se tarn
bem a r.ca arraacao de auurello, toda envidraga-
da? : quern pretender dirja-sc a mesma loja.
Soares de Amaral & C.
ansam aos sea* fregueies qae raadarara o seu
e*u eJectraenlo degeneroj de estiva, do arraazem
dr. caes da alfandega para o armazem da rua da
Madre de Deus a. 22.
- Madama Faaice, modista brasdeira avisa ao res-
peiUvel publico, qua continua na sua arte de
modista; assioa eoino, recebe por todda os va-
pores da Ertrapa Sgurinos, os qaaes achamsw
a dfepaMcaj dofcaeus freguazes, podendo ser pro
rnrada para exaraer a sua proflssao, a rua Di-
re.** n. 16.
I)
Com eale titulo acaba de se abric uroa loja
de fazendas i rua Prirneiro de Marco n.
25, junto a |i>j;i da esquina, e os proprie-
taries estao resoividos a vender rauito
baralo paraassim apurar muito dinhciro:
so vcudo-sa e que se acreiita.
Lazinhas.
I.aziuhas de quadros pretas e brancas, a
200 rs. o covado, assia como de mais pa-
ird"S; ddo se amostras.
Metius.
Metius, padroes modernos a 280 e 300
rs. o covado, chlas c'arase escuras a 280
< 300 rs. o covado, cambrais Victoria e
transparente a 35003 e 3.->.'>00 a peca, ma-
Japoloes rom def ito-a 45000 a peca, meias
;>->ra meninos e kneninas a 25000 a duzia,
[rim Angola verdadeiro, com bonitos pa-
l a 700 rs. o covado.
Chita preta com defeito a 28500 a peca,
IdS lisas corn diversas cores a 2S0 rs.' o
ivado, algoddo marca T a i#000 a peca ;
n com muitas ou'.ras fazendas que se
' rna -ufadonho mencionar. S6 o Desen-
da roa !*ri:neiro de Marco, n. 25 jun-
I a loja iia esquina.
amisas bordadas.
Camisas delinlio, ingbzas, bordadas com
UBpeqoeno Aefeito de avaria a 35000 a
duzia e a 35000 cada in a. S6 o Desenga-
!i rua do Crespo, ti. 25 junto a loja da
GHI.VDO.
I're*isa-se de um eriado que seja fiel : no largo
i= maii.z ;anto Antonio n. 2, 1 andar.
Boa moradia.
A!rga-se o ;:ii) da estrada de Agua Fria n. 2,
a c? a para onmerosa fan-ilia e excellente
a bo no riaeno faeare, perto da estafao do ca-
de ferro : a tratar na ua Prirneiro de Mar-
^________________________________
A VI Ml
I abaixo a= gna io faz seiente ao respeitavel
viuioa c c m asaeeialidada au cju.mereio, que
ista p eontrama a taverna s ta a rua Vidal
N cri--i> o. i';8, pcrienceote ao Sr. Joao da
.rani livre e esembarapada de qualquer
sjulgar *om direito a caewa,
Mangel D. I, no prazo de tres
a c .lar '- tta data. B< eifo, 2z de setcmbro
^Ti | '.c. iar do urn optima copeiro, para
ds fan le ii mem sotMiro, dinja-se a
'i hi., ':.'.' n. 63, nrimeiro aa-
.~-r Oliveira Salermo, quei-
ipareeer a raa do <\-.-. a. 67 a negocio
ar i-
jan | incipio do cerreute rr.ez, da es-
irada rtv.i Kiia.uiv, eavallo alasao, frente
eaclra I de iJade de 0 anno?, tern o pe
i ktanoo e sreiha tambem eaquerda
e h ii o .-.-jiu ale terra M5 no quarto di-
qjpea dele d liciader eu leva-lo a rua
S go i. 3!, sera recompeasado generosa-
___________________________________________________________________________________________________________
- -i.nga-::; uma ca>a ictr.a na roa dos Pesca-
i -.-:.i.-, 3 quartos, oozinha fdra e quin-
le, eo* aeimba : -. tratar na trave-sa de

r.'lJRTlMENTO
M K D HI 1 N A
Preparado po;
l.anman & KemrJ
para ih\ ;iaca
toda a qualidadf
de doencas, quei
seja na garganta,
pc-ito ou bofes.
Kxpressamentc
escolhidodosme-
lhoresfigadcisdos
quaes se extrahf
o oleo no banco
l.i Terra Noti
puritir-ado chimj*
calmente, e stis
Ivaluavoispropri-
edades conserva
das com todo c
cuidado, emtod'
ofrascosegaran-
leperfeitamen
te puro.
F-$te oleo ten
side submettid:
a urn examemni
to severo pete
ibimico 'le mai;
dento, do go
crno bespanho.
^m Cuba e fo
pronunciado por
(?I!e a contei
HJHOR POMCAO D'lODINA
utr qnalqaer oleo, que rum
ISO K r.Mpniti i: SALVApOR.
I o lefigado le-bacnlhaV), e na-
no qui I ontem n maior purijuo destt
propriftlade, ountco meioparr
> et:;.is de.
r,\ ioaHTA, PF.ITO, BOFES, Flf>ADO,
i, bf iiisies, astbma, '"Jtharrbo
tos-?e r-sfriarr; -ntos, otc.
3 ', '.;. os frascos d.i c^rnes ao muiU
vista, e '\& vigor
' corpo, Nenhum outro artigo co-
'i.ina oi: scioncia, d^ tante
:-t.vna ii:- rnincKlandoquss*
rda u i.si na^pn.
top< ija orgaoisiQio tern sido ilcs
o^s daa
KOFL'US "!: KHKUMATiSMO
-.'luellar, coin iligestao se acha com
.:.' dt^sirranja'ila, devem tumar
''KO DKFrtftV'DO DEBACALHAO
M
1XNHAR (&KE1IP
-
Ao Bazar Universal cuegon um sortimento de
ratoeiras de ferro para pegar peqnenos ratos, e=tas
sio de tanta yatitagem que uma $cralofl;ra fara
desapparecor todos oa raii que hoover em uma
casa, 6 intelramenu uma novidade de vauf!gemJ!
ua rua do Barab da Vic oria n. it.
Or. FelippedeSouz^eaj^homa^Meda
ilva Gu^mao, Perminio Franiisco de Paula Mes-
quita, D. Rrmelinda de Sonza Lelo, Nardaa Am-
trosma de Moraes Gasroao e Elvira de Paula
Mesquita, agradecem 4s pefsoas que acompanha-
rani ao uliimo jazigo os restoe iartaei 'le 'sua
mai, sogra e avd, D. Maria Cysualro Fraire de
Murals, e rogam as raesmas pessoaz e aoa seus
anngo- o obzequio de assistirem a miisa, qua pelo
tepoosa d'alma da mesma nnada, mandam c*.-le-
brar ua sexta-feira Z1 do corrent'1, as 5 boras,
^etirno dia do seu passamento, no convento do
i'armo.
m

tea
Uexandre Be
U deseinbargador Alexandre Ber
nardino dos Reis e Silva e D. ha
bel Jcaqnina de Figneiredo Rels e
.Silva e seoa lilho?, por occasiio do
Irigesimo dia do passamento de seu.
mui presado cunbado, irmao e tio,
corone! Manoel Hygino de F guei
redo, mandam resar missas no convento de S.
Francisco desu capital, no dia 18 do eorrente, as
8 horas da manha : e para aasistiiem a eMe \:to
de caridade e religiio, convidam seus parenles e
amigos, confen.-and -se desde ja eternauu-nte gra-
to* aqaelles <;ue comparecerem.
B. Irauciscn de Paula llnp-
0 baeharel Manoel Barbosa de. Araujo, Felix
Coelho da Silva (ausente) Lourenca Krmelinda da
Silva Barbosa, Eliziaria Oelho de Albuquerque,
Franoisoo Antonio de Albuquerque e Antonio
Franoisco de Albuquerque, tenro, filhos e netos
da tinada D. Franciaca de Paula Baptk-ta, agra-
decem do intimo d'alma a todas as pessoas, que
se dignaram de acompanhar o seu cadaver ati o
cemiterio publico, e rogam aos sens pareutes e
amigos o caridoso cbseqnio de assistirem a uma
miss a que, por alma da mesma sera celebrada
no convento da Gloria, no dia 26 do eorrente,
pel. s 6 horas da mauha, seiimo de seu passa
mento. \
O. Slariauua Glioeriu l d'm-i-
iieat'tt't Bauleir.
Antonio Jovino de Turres Bandeira, Jose do
Car mo Ferreira, Baibina A. Josepbiaa Ferrira e ii
Ihos menores, manifestaado o mais pro/undo re-
conhecimento a tudas as pessoas de sua amisade
e especiaimente as associafoss Monte-Pio Popu-
lar, Coracao Livre Popular, BeneGcente dos Ar-
tislas Alfaiates e Club Popular, pela espontaneida-
de com que se dignarm no dia 22 do eorrente
mez a ompanhar ao cemiterio desta cidade, os
restos mortaes de sua sempre lembrada espos^,
mai, irma e cunhada Marianna Gliceria da Pa-
riflcacio Bandeira, rogam aos seus parentes e
as pessoas de sua amisade o caridoso obsequio
de assistirem a missa que pelo repousj eterno da
mesma linada mandam rczar na igreja de Nossa
Senhora do Terco, as 6 da manha do dia segunda-
feira, 28 do eorrente, setimo dia seu passa
mento.
..- .- fww "-''- -- i-' ; ~:^vjsrjai,-jsj.->
Franeisco Luiz dos Santos, mrador de seu
lilho Manoel Luiz dos Santos, pede a todos que
forem ere lores deila apresentem seus tiiulos no
prazo de oito dias. Recife, 18 de setembro de
1871.
Alui'a ?e por algans inezes u JJ andar d-
sobrado n. 53 la rua da Imperatriz, complelamen-
te mcbybado, a pessoa de pouca familia, preferino
dose estrangeira : a tratar no mesmn
iluga-se
uma ex.-, Ileute casa lerrea em Oiinda. pateo de
S Pedr-i Xovo, com gai e agua : a tratar cum
Marc lino de Souza Travassos, no Forft do Mat-
tos.
CAS 4
Aiuga S'i o ?egundo andar a rua buque de Ca-
lias o. 81: a tratar na Joja.
.\a travessa d.i matrix de Santo Antorio n. 6
ba uma ama de leit<', e ieccas'.ccnsianteioente pa-
ra alugar._______________________________
Auliiii;)k Azcvcfe Villarcueo.
Pelo presc-nte sao convidados os sfilhados e afi-
lh das de Antonio de Azevedo Villarouco, faile-
cido em Portugal no mez de cutabro de 1873, a
apresentarein dentro do prazo de CO dia a con
tar de-ta d-.ta, a certidao de seu nascimento, em
ca?a do abaixo assignado, testamenteiro instiiuido
pelo dito fallecido, afim de que sejara devidamente
attendidos na partilba a que tern de proceder-se
eom a pr*-ci>a igualdade, de accordo com a d;spo-
sicao te*tameutaria. Recife, 10 Je setembro de
1874.Man el Azevedo de Andrade.
Signaes do neg\o .Feliciano
Crioulo, idade 40 annos, pouco mais ou menos,
alto, corpo regular, bem pielo, desdentado, barba
do, mal feito de pes, tendo um dos Jedos grandes
ou ambos bastante torios. Aeha-se fugido ha 6
me-es, desta sgunda fugida, o da primeira esteve
dons annos no engenho'Tembador, freguezia do
Booito, perteneente a Francisco de tal, genro do
capitao (]hristovao Jose Macbado, senhor do en-
geuho S Christovao, da dita freguezia. e por estes
engenhos esta occullo, como tem estado Veio pela
primeira vez preso pelo capiUo de cainpo JoSo
Ventura, que raora em Agna-Preta : recommen-
da-se a sua eaptura as autoridades policiaes e ca-
pitals de campo, e leva-lo ao engenho Minas ;No
vas, freguezia de Gamelleira. 0 dito negro intitu-
la-se forro com onome de Jos6 Felician...
Massa falhda de Jose Ber-
nardo da Motta.
Pelo presente sao cenvidos todos os credores
da referida massa, a apresenureru os seus titu
les no praso de 8 dia., aQm de serem conferidos e
classifieadis como pre.-crevd a lei : na rua da
Imperatriz n. 86, i-ja.
Recife, 22 6e seteu.bro do 1871.______________
Pergunta que uao offende.
Pergunta se aos Srs. eollectcres do iinposto so-
bre as casas que veudem cal de Lisboa, se as do
i airro de Santo Antonio tambem d5o e^tao sujeitas
ao mesmo imposto ? A lei deve ser ignal para
todos.
Os prtiiidicados.
Na travessa- da raa
das Crazes n. 2, -pri-
rneiro andar, da-se
dinheir*- s^le*-pe-.
1 ores de ouioypta.-^
e br&antes, seja
qual for a quantia.
compra-se os mes-
mos niefcae^e-pedraaj-, j
nma grande casa terrea
sita na eslrada do Lucas
garto n. 31.
ntes commodos
a rua do Vi-
Preeisa de doas amas, sendo-waa para co-
zinhar e comprar e outra para engtaafear e en-
saboar : na rua da Cinocordio n. 43,.
Amn Precisa-se de uma ama puts*) servico
amt* mterno de nma pequena faniiHa^ na rua
Duque de Caxiaa n. 54, loja.
Ii li
SUVw CA4
Uagf'-sfr
till.I
o 3*. andar dp sobrado'.da rua dp Vi|
grapdese bbns commodoS pafraf
%rJ>J
e a
potivel : a uatar no armaztm da trave-sa dn (lor-
po Banlo n. 2,"i.
jfsaQSa^sasffi3fe^^
ConsBlWrto niedie^clrer^ w
DE'
A, B. da Siria M^ia. S
Medico parteiro e operaaor.'
Kn: do Rnngt i n. 64
LConsultas das1 8 A; 10 boras.
Cbaoiados a qualqaer hora..
Gratis aos pobres.
CHARUTOS
DE
Jose, Fur tado.de Simas.
Uuico deposiio em Pernambuco, a rua do Mar-
eczo de Ollnda n. 15, da Bourgard & C.
1
i
Esta encouragado I! I
Agua mole em pedra dura
lantodaateque a luVa.
Roga-se ao lilui.. St.. Iiaacio Vieira de ii>li
sscfivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Daque de Caxias n. 36, a eon-
jluir aqnelle negocio qu S. S. se uomprproeUeu a
realisar, peia terceira cbamada deste joraal, em
Qns.de dezembro de 1871, e depots para Janeiro,
passon a fevereiro e abril de 1872, e aada ctuoprio,
s por esta motivo e id. novo cbamado para dik
um, pois S. S. se dovs lembrar que esta negocio
le mais de oito annos, e qnando o Sr. son nine as
i'.-hava nesta cidadA.
Aluga-se nma loja no sjbrado atraz da ma-
tria n. 44, muito fresea : a tratar no Corredor do
Bispo n. 73, a auaquer hora. Na mesma casa
tcm para se alugar um > xeejleu^e copairo muio
fiel, e um escravo trabalhador de enxada para se
vender : a tratar a qualquer hora.
Alnnrse p armazem .do sobrado da rua D
Maria Cesar n. 37, proprio para recolher fazendas
por ser muito espajoso e reediGcado, ou para
qualquer esUbelfciiuen'o : a trata^ na rua de Do
mingos Jose M rtins n. 48, antiga SeDzala-Velha.
Juao Corceia.de Carvajho, arlista alfaiate, tea-
do-sa desligadu Ua ^ociedaio da casa comuMafc'al
existente a rua do Bario da Victoria n. 26, sob a
razao de Araujo, Carvalho ck C., acha-se novaman-
te estabelecido na sua art'', a rua do Marquez de
Oiinda n. 46,1* andar, aonde os Betas numerosos
fregueze3 o enconirarao prompts pira executar
qnalquer ob-a teadeate a ana arte, com esmero e
pr. mptidao.
^fm%
ULINDA.
Alusa-se por festacu por aun. ua rua de S.
Pedro Apostnlo ou Passo CasleHiajio, tres casas
terreas, cum encaoamentod'agua e gaz, boas com-
modos e quintaes grandes e innrados, com diver
sos arvoredos de fructo : a tratar no pale* do
Coro Santo n. 17. 3 andar.n
Atteiigao
Madau a Albuquerque &
Irma
Rua 1." de Marco n. 14, l. andar.
Teem a satisfacao de avisar as Fxmas. Srs.,
que recebem por todos os vapores, riguriaoa, os
^juaes estao patentes para todas. aqneHaS que aui-
zerem vestir-se com gosto. Seado seus trabalbos
perfeilos e mais baratos do i|ne em outra parte.
______14 Rua do Crespo 14_____
~ Bom bocado.
Recebe se encoramendas de qualquer q,ua!id-
da de beios, bauleja- para ca-amanlos, partidas
ebailes : a tratar na rua d> Imperadjr n 14,
armazem Fidelia"ad _____
Preeisa se alugar nma preta escrava, para
andar vend ndo cm tabdeiro a rua : a tratar sa
rua de Santa Rita n ii.
Banhos e dormida iresea no
Monteiro.
Aluga-se alii duas casas pequenas, jeado cada
uma, duas salas, tres quartos e cozinhV: a tra
lar na rua .Nyv, luja n. 7.
E. A. DELOUCHE
24-Rua do Marque? do OSinda-24
Gaiquina do beeco Largo
Participa a sens freguezes e amigos one mudon
o seuestabelecimento de rclojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encoiitrarapum grande sortimento
de relogios do parcde, americanoc, n cima de me-
sa, dos melhores gostos c qualidad- s, relogios de
algibeira, de toija^as qualida es, patente suisso,
de ouro e prata dcniada, foleado (plaqaet), relo-
gios de onro. inrfz, desenberto, dos melhores
fabricantes, cadaia de euro, plaquet e prata, lanetns
de tod?s as qualidaJes, tudo por precos muito ba-
ratos.
(
VJP.
Aluga-se ou vende, se pma, grande casa tarroa,
em Oiinda, pro^ria i/ara gcadde familia ; tem gaz
e*agua eoealauJ sit* a cuf io Aljube n. 31 : a
tratar na rua da Imperatrre n. 86, l. aodar.
Para admlnistrador de angenhe, tutro quaj
qner emprego, e mesmo para coorancas no mafo,
offerece se um i pessoa qua tem bataote pratica,
a qual da flad,r, tefor para cchrancas : a tratar
na rua larga do Roeario n. 22, Joja.
Obraa lnedietns do finado vignrio
Franclxco Ferreira Barreto
Achandose rmprcso o 1 volume (prosa) deit
importante obra, os elitores avisam a todos os ae-
DBOrea snbscriit;res da o ir receber no Ing.ir
aonde subscreveratn a sim como q senhores que
alnda qoJserem subs:ri;ver, o podein fazer nas li
vrarias desta praca, ou nesta typographia, rua do
Torres n. 10, melianta a importaneia de t>& paga
nesta occasiio. Otttro sim, fazemos sc ente as
sociedade-. a quera enviamos cifculares, que re
meltam nos as listas dn assignaturas adquiridas,
para serem enviados os exemplares Recommen
damps essa obra ao illu?tre clero.
Alngi-se pot preco razoavel uroa casa na
ppvoacao do Caxanga : a tratar na rua do mpe-
rador, livraria Universal, n. 54.
Dividendo
Paga se o segno So.e ultimo, na razao de 3,4,858
0|0 da massa tall ds de loao Hygino de Soasa, na
rua do Vjgario n. lO.. ______ _
Atagar-8
o terwiro andjr d* sobrado n. 5 da rua do Viga-
rio, com bons o grandes commodos para familia :
a tratar no armazem n. 25, da traveea do Carp
Santo.
Offer*ce-se nma
engommar e c( zinhar
de pouca familia, da
1 deulro : quem precis!
* rua da Lapa n. I.
la para
ira casa
ertas a
Hirija-se
La
Ama de leite.
Precisase de nma ama de leite sera MIio :
rua Duque de Caxias p. 54. loja.
Preeisa sh de uma que coziin e com-
pre e outra para engommar a mais ser-
a rua da Coieordia n
Ama
aiajjadafciBjtoih
Precisa-se alegar
crava para andar
tratar na rua do
ma es-
aa : a
ga n 3:
AtHftMrie leite i
Preci?a'se de uTOft'iriBade leite sen.*ho : na
ruado.Liyaapaenk) B.!a3.____________
Prcisa-se de unit ama pa
A 31A
ra duas pessoas
Imperador n 63,
J|i rna do
idar.
Atten^^b ^
mm
Da-se sociedade cm uma tav-.-ma bem lucalfcar
da e afreguezada, com poncos fnnios : a pessfla
que quizer, dirij%-5e a.rua da Itibeira da Boa-
Vista n. 25, que se Ihe expjicara todo o nogo-
cio.
Bons pianos.
ubegados do novo.
%'ende-ac.
Troca-ae.
E alaga-ae.
No armazem do vapor francez, a raa do Barao
da Victoria, ontr'ora Now n. 7.
MOItlf J AS <
de vinie edc4faij
Vende-se muito era conta ; cadeiras avolsas, det
balanco, de braces o de dobrar ; no iraaiotu do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n 7.

ti mimmjtt Prerifa SB Q*1** Pa
A ]WT7mT^%rra c zirill:ir '-outra iara!
-^-**-"'Wa;Mi;aJteDgommar> earn mole-
quo ou pr escravaa :' a iratar na pharmacia TorjS a rua
de Mareilioi)ias' n. -I38jitfas (1 horas dtfSlia as 3
da tarde. _____________^^^^
Na rua Direita m 14, pre-
eisa se de urra amawle meia
iJade para comprar e c .zi-
nhar para uma pessoa.
Precisa-se de uma ama livre cu cap-
tiva, para casa-de pequena faroiUa : na
rua da Uniflo n.47.__________________
Pracija-se de uma ama que sail.a [cozinhar;
na rua do Vigari i n. i'J.___________ ^^____
' Preeisa se de um? ama para casa ; na familia: na rua dos fiuararapes n. 94.
AMA
Ama
Ama para cozi. har$
Precisa-se de uma1 ama para cozinh:.>- prcfn-j
re-t^o escrava : oa rua. Prirneiro oe Marr/' n- 20
A, loja.
Casa e terrcnos baraios \m Sal-
gaili&ho.
' Antonio Jose Rodrlgues de Souzr., na fl^soura-
ria dasloterias a rua. do Crespo n. o", vemle sua
casa de taipa e terrenos de seus sitioa no lugar
do Salgadinno : a tratar somente com o mesmo.
Alii
ga-se
o prirneiro andar com grandes commodos e sotao
do sobrado sito na roa do Hospicio n. 65, junta-
men te a loja : a traUrna rua do Vjgario n. 31.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas,.okeos, opiatae pos dam
triflce, agua de flor de mramaj agu* dfl toMeter
divina, Florida, lavande. pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, muitcs artigo delioados em pqrfnmai
ria para presenlel em Irasccs de efflr*5tos,! caixv
nhas sortidas c garrafas ie dirTei'entas tamanhua
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade.
dos bem conhecidos fabricaniei Piver e Coodrav,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Ndva. n. 7.
Quinquilliarias.
4rtl;os de phantncian.
Espclhos, leques, luvas, joiasd'ouro, tesqurjnhjrs,
canivetes, caixinhas de costtrai allaifa cajdro*
e caixinhas para retratos, bolslnhaS Tde v?lludoi
dita de couro, e cestinbas pr.ra braeo.s de meniaas,
chicotes, bengalas, eculo, pehcinez, ponteiras para
charutos e cigarros, eseovas,. pentes. carteirinha de
madreperola, lapele para lanternas,. malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas maglcas,cosmoramas, jogce da gloria,
de damas, de bagatelta, quadros com paisagens
globos de papel para illuininacoes, macbioas de
fazer cafe, espanadores depalhas, realejos de veto,
accordaos, carrinnos, e bercos para criancas, e
outras muitas quinquilharias.
0
Praga da Indapendtncia ns. 13 e IS.
Baiinaa. de pejiiaa d'onreda, eanno alto
e la?b, para sermom 7*000
Ditas de doraque preta e de cores,
para senhoras 5*000
Ditas de dnraque de cor, gaspeadas e
enftitados, para senhoras 4*000
DiUs de duraque, gaspeadas, e prela
de 2*000 a 3*000
Ditas de pellica; preta, caono alfo 4*000
Ditas d bererro, pans nomeas'' 7*000
Sapates de doraqner de cor e couro 2*000
Botiaaa de ,|uzer e Polach, muito novas, para
homens, ditas pretas e de cores para senhoras
na I ja d^*
r. Vende-se
uma-caga m^tiMd-de Barreiros, na rua do Com-
.nwrcio, r^*.4)re4iaedica.i a trttar com Tasso
lrmaos.i&(C-
_i------------
AlpaeasAyeareaj fiaas, com listras
da chrafraaTem, a]3p4 rs o covado, <
le I f so na" rora' ao Crespo n. 20, loj
listras, largura
e fazenda
loja de Gui-
Na loja do Pajrio vende-se madapolSes france
zes muito inaerpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
ditomuilj fino com J2jardasa3^0O e 3,500 ; as-
sim como nm, grande sortimenlo de.Diadapol5es
inglezes de 4,800 ale 8,090 e 9,000 : a rua da Im-
perattiz-B.60,deitfelix Pareira da-Srrva:_______
> FechmcTiaT
Odilon Dna'rte c\ Irmao receberam pelo ultimo
v]ior:urrjgrainda e variado sortimento de toques
de cahelie mmano, o que ha de mais moderno,
yeode se.aJo baratiseimo preco de 10* cada um .
a eries, arrt^s qne se acabem.________________
Vende se um terreno com 100 palmos de
frente e 400 de fnndo, -plantado-com fcoas froctei-
ras e com porporcaea para se edihcar um bonito
gredio, por ser o Ingar em .urn dos. pontos que
para o trem da linha do Apipjicoe : a tratar na
rua da Cruz n. It.________________________
A: 120 rs. o covado.
_ ,- .. Na raa da Jmperatriz n. 60, vende se para aca-
Brinquedos para meniiios. has ama gram* 4*"'.*a A maior variedade que se pode deiejar de to "'ewasdoriimeetos,- desde 120 rs ate 500 rs.; no-
jando-se que, quando havia sortimentos comple-
+0%, sa venAiam-.a 1^280 e. 1*600 o covado, ha
grande varidade em padroes, os que prirneiro
dos os brinquedos fabricados em.differiites paries
ia Europa, para entretimentos das criancas, tudo
i precos mais resumidos que 6 possivel : no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. i7.
Ca^a para alugar
Aluga se nma casa na rua do Vis :> le de Goy
anm n. 109, com a saias, i i.uarto cozinha, ap-
pwelho de ^imbrone, granle quintal murado e
ci m diversas arvores de f ucto, cacimb*) a portap
para a camboa, aonde se pode toraar banhos sa
(ados e temperado3 : a tratar no largo^da Santa
Cruz n. 4.
Alnga-se
uma casa lerrea sita na rua Velha ,n..66. rom 4
quartoa, cozinha, bom quintal e cacimba : quem
a pretender dirija-se a rua do Sebq n. s._________
O abaixo assignado declara ao respeitavel cor-
po do commercio que iissolveu a sociedade qoe
tiftha com o Sr. Luiz Manoel do Freitas Ribeiro,
na taverna que gyrava sob a Pinna commercial
de Campos & C, desde o dia 11 do eorrente, fi-
caodo o mesmo abaixo assignad) obrigado pelo
activo e passivo da mesma casa.
Villa do Cabo, 22 de setembro da 1874.
Manoel Fernandes Campos.
LaviMe
e engomma-se com aceio e perfeieao roopa de
homeun e de senhpra : na rua de Paulino Cimara,
loja per traz da fabrica de chapeos de sol da
rua d) Barao da Victoria.
CRIADO
Para o servico do uma casa de pequena fami
Iia pre:isa-se Je um moleque escravo e do boa
condocla : quem Ih'er e queira alugar, dirija-se
a rua do Comtneroio n. i 7, prirneiro andar, lado
do mar, entrada pelo la go do Pelourinho.
Aluga-se um excellente. sitio no Montejro
junto a eslaijao da liuba ferrea, com miutos com
modc3 ; tem jardim, coxeira e gaz : a tratar na
rua '.o Imperador n. 83 2.* andar.
Escrava fugida
Desappareceu pela segunda vez, de casa de seus
senhore3, hoje 23 do eorrente, a escrava da nome
Juliana, com os s:gnaas seguintes : mulata aca-
noclada, cabellos corriios, cosluma traze-ios amar-
rados, cara larga e com Sastantes espinhas, nariz
chato, com falia de denies na frente, cheia do cor
po, altura regular, i Jade 25 annos, pouco ma's ou
menos, levou nas orelbas uns brincos de latao com
pedras brancas, tem as pernas acinzentadas, levou
um chale de merino estaropado, de cflr branca, ja
Velfio, 1 par de sapaloa de tranca, 4 vestidos de
chin, sendo 2 claros e dous ecuros, 4 camisas de
madapolio, t dea.lgodao e,3 lencoes; alguma desta
ronoa levon a no corpo e o resto em umatronxa.
Snppda-se que dita escrava e-ta acoutada em al
gum eallogy aqui nesta c dade, vindo do Rio Gran
de do Norte, embarcada, por is.'o nao sabe estrada
nenhuma parao centro : roga-se, pjrtanto, a to-
das as autorioades policiaes e aos Srs. capitaesde
campo que eniontra- di a e-crava, leva-la a rua
Duque de Caxias n. 76, antiga do Qu^imado, quo
serao genero-amente recompensades_____________
Prot sto.
Chcgandaao cenhecimento do abaixo assignado
que seu inn.io Joaquim Jose de Meira preteode
vender o e cravo crioulo, de no;ne Terluliano, o
mesmo abaixo issignado, previne, desde ja. afim
de qua aioauera corapre dito escravo, e :e chame
a ignorancia do oresentq, prote'gto, visto como sao
consenhores do dito escravo, nao so o annuncian-
le que prel^nde faciliiar a alforria do referido es-
cravo, dispeusando a parte que Ihe toca, mas lam-
hem Sezinando Marcolino do Meira e Izal.el Victo-
ria de Meira, que ignoram semslhanle venia.
Recife, 23 de setembro le 1874.
Ladisldu Candido de Meira Lima.
0 padre Jose Fernandes de Medeir.*, coad-
jutor da villa do Acary e capellio de Curraes No-
vos, no Rio Grande do Norte, avisa a quem inte;
ressar possa, que desla data em di.inte soassignara
p)r Jose Fernindes de Miria. Villa do Acary, 8
de setembro de 1874.
Modisla I'ranceza.
Mademoiselle Eugenia Lecomte & IrniS, avisam
a snas antigas freguezas e ao publico era geral
que abriram novamenle seu e?tabeleciraeuto de
casa de costuras a rua da Imperatriz n. 5, pri-
rneiro andar, pelo que esperameontinuar a me
reeer a coDcurrencia das pessoas qae precisarem
de sens services.
Oatharina fugio.
No dia 28 de agosto proximo passado. ausen-.
tou-seesla escrava, a qual tem os siguaes segain-
tea: estura baixa, rosto redondo, cor preta, pes
uequenos, costumava vendor leite, anda sempre
Jom am cacete que Ibe serve de amtuo por sof-
frer de rueumalisrno, ja e" ilosa e de naj5o Cam-
bin *a : quem e encontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
da Cafundo, estrada'' de loao de Barros, que sera
graiificado.
Calcado francez
A 9$
Botinas para hrnnem
-Acabam de ehezar grandes jartoraa de botink
de beze-rry.de.cordavao, de pelica. de dura(iut
com biqueira, detiezerro com botdes, e com ilho-
zes a 9#QO0 (a escolhei) por ter vindo grande
quanlidade por conta e ordem dos fabricantea;
ao arraazem do Vapor Fraucez. a rua do Bario de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pi etas, brancas e de cores, diflerentes
lisaa, enleitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantosia com sal to, brancos,
pretos e de cores diflerentes, bordados,
SAPATOS de tapetes. chariot, ca3tor e de tranoa
Para meulnns.
80TUNAS preus, brancas e de cores diflerentes.
lisas, enfeiladas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas ijualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para nieninos.
BOTINAS de beze.rro, lustre e de eorda-ao,
-1 BOTINADOS a r'apalSoa, dc boacrro, do do.rajj
qualidad es.
SAPATOS de tranca-.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme, pefu*r
meias peroeiraa para homens, e meia3 perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. ".
Fazendas imiita barat^is paraj
li^uidai'.
Yj irem uYprossa, antas que se ucabjin.
Gambraias de cor, organdvs, covado, a 240 rs.
Algodaaazul, covado, a 160 rs.
Idem de listras a 240 rs. -
uQita preta muito fina, cova.dq, de 269 a 310 r?
a'eias para meninas,.duzia, a 2* e S^jO'i
Chales de merino, a 2J. /
E muitos.outros.artgos de fazendas e n upas
feiias por- n3Cito,roen9s..de-,ae.n valor ;p>.r se que-
rer mudar de .sortiuiento : na rua do Barao da
Visl rian. 14.
Quem precisar alugar uma prrta escrava,
perfeita engommaleira, e de boa conduct', dirija-
se a rua da Aurora n. 49.
O Monte Lima
lem um completo sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de toda3 as larguras,
abotoaduxas douradas para offlciaes, canutilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualqu'-r fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragoBas, ctarlateiras, ban-
das, ahotoaduras lisas e douradas, para eriado
etc.; assim como um completo sortimento d*
ranjas, galao falso para ornamento, cordio de la
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da encommenda) tudo por muito menos
prego qne em outra qualquer parte : na praca da
Independensia n. 17, junto a loia do Sr. Aranles.
~~Z- Ma rua do Marquez de Herval n. 166, preci-
sa-se de uma pessoa escrava ou forra para com-
pr-r e vender na rua
Aluga-se 0 seguudo andar, ea rua do Viga*
rio n. 33 : a tratar no prirneiro andar do mesmo
Massa falhda de Bernardino
Pinto Coelho
Sao rogados os credores do fallido Bernardino
Pinto Coelho a aprtsentarem seus titulos de cre-
dito para classincacao, dentro do prazo de oito
dias, no escriatorio dos administradores Joao Qui-
rino de Aguilar & C, n. 62, rua do Marquez de
Oiinda. 1 andar.________________________________
Aluga se uma escrava para todo o servico :
na rua da Gloria n. 146.
chegarem melhnr pech-neha farao, a ella a rua de
imperatriz n. 10.
Venrte-sn o sobrado.meia ngua(dadous anda-
res e sotao, sito a rua do Fogo..B.,18,~-em terrsno
proprio, ede muito boa coostruccai, e que da bom
rendimento: a tratar com sen proprietary, na rna
da Conceicao n. 22, ale as 9 da manha, e das. "
6 boras da tarde.
Para senhora.
Chapeos, gtavatas, eollariobos flrancoaie de
cores, ieqnes e Ilorcs arlifloiaes. : vende se Bo Ba-
zar Vitoriad( ru do Barao da Victoria n. 2.
Cervejp
Vende se por pregos baixos eerveja branca.
"'"m Doj o prrta, rnarca Barclay, "em barricas,
ambas de superior quali lade : "? <*"i-* J-
Kduardu Fenion, rua do tomm.reio a 22, prirnei-
ro andar. -
Itibras sterlmas : Caboga n. 2 B___________
Vende-se um'a taverna bem afreguezada-para
a terra, com poncos rondos, propfia para um prin-
eipiante, ua iua de Riachucllo n. 40 : a tratar na
mesma._________________
Vende se uma casa terrea na ma do Cotovel-
lo n. 33 : a iratar na mesma rna n. 25.
Vende-se a taverna sita a rua das Carroras
n. 1, esquina da rua de S.-Joao, cora, poucos fun-
dus, propria para um principiaote, e o moiivo da
veuda se dira ao comprador : a tratar na mesma.
- Wilson Rowe & C. vendem no seu arma-*^
a rua dtf Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul amanean^
Excellente flo de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as ma no ad-"
Gr.tnde liquidaqao.
De caicaJos, fitas de sarja largas e estreitas, e
tudo o mais concernente a uma loja de miudezas.
rua da Imperatriz n. 86.
Para conoertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de.Caxias-
n. 63, recebeu i!esta necessaria linha.
Compra-se um tauque de ferro que leve 10
cane:os d'agua, pouco mais ou menos : na rua do
Apollo n. 10, armazem. ___________
Associaqao commercial be-
neficente
Ccmpra-se os re!atorios dos anno3 de 18S3 e
1857, de9ta a'sociacao : ^uepi os tiver e quizer
vender, eatendase "cm o archiviita da mesma
LEIS PRQVIi*faAES.
Vende-se na \- andar des,ta tj/oojirapbia,
em mSo do adtntnistrado, Cblleec^oes de
Leis Provinciaes a 500 rs. o oxemplar de
cada anno.
Rna do Livrainf nlo n. 2$
Aiiciiftti). Exmas. Mcnlmrna ttttt
Aos viato mil cov,ados!U
A loja das tres estrellas acaba de receber um
important sorfimento de lazinhas com, lijiras e
flores de seda, que esta veniendo pe'lo diminuto
preco de 280 e 400 rs., fazenda que val S00 e
900 rs.
A ellas, antes que so acabeaaa
Boa venda
Vende se o estabelecimeoto.de eabelleireiro, sito
a rua do Rangel n. 36j prompto deHodos os ot-
jectos tendentes a arte, e tambem muito atregue
zada, visto a pessoa ter de se retifar para fora da
provincia, muito propria para principiante.
Vendet-e urn terreno com 62 palmos de fren
te e 170 de fundo, com uma casa no ceatro, pr -
pria para familia, todo m irado em. roda, alguns
pes ie fructeiras, por pnecp cramqdo, sito a rna
do Capitao Antonio de Lima, em Santo Amaro : a
tratar na taverna n. 70 da inesma rna.______'
Vende se duas casas na rua do Visconde de
Goyanna ns. 20 e 22, e nu sobrado na rua da Res-
laurac.ao n. 84. Aluga-se o Armazem na rua do
Senhor Bom Je?us B. 6 : todo a tratar na rna
acima n. 16, d 6 ae a horas da manha.'________
A V ISO
Vende-se um casa lerrea nos Afogados, na en-
(raia dos Remedies, tendo '2 salas, 2 Qflartos,' co-
zinha dentro, e quiataj : a tratar com Pedro Jcse
Marinhe, morador na inesma casa.
CURA 1N>TANT^EA lilt
Grandiosa doscoberta !H
No*idade iuinprtantissiina III
Qflro quotidiana d/lra, calS do superior vino*
GE^EROSTjqhe se vend? noi- aodar do sobrada
i. 56, a rua da Cruz, tem a propriedade de snb3-
titLr coai|rapd jrantagani e extraorCiaaria eco-
nomia, oyll'.aratfvjs tao'apreixoiilos e conheci-
dos por &yff?e ~car4ba, etc.' O'medicami-nto quo
auBunciauios, nat cufa todas as molestias eomo
*d?.cefle as-psnSceias ifbe se aflnfinciam, acompa-
nhadas dealtestadbs; toda via.'feslabflece imme-
diatamen'te as f fcas, e puriBea o sangue, sea a
degvaqtagem deser nocivo saude. _______
Grande liquida^ao
Loja a rua da Impera-raa n. 49
Collar da Raiuba.
EsU jranie loja'de raiudezis e ailigos de pbau-
U-ia, vein declarar por esse" jornal, qae esta veo-
dendo por menos de 50 00 do que em ontra qual-
quer Barte* bem como botinas para senhora, em
perfeito estado, 3J50O o osi\ ditas de custo de li,
por 53, borzeguins para homens, e um grande
sortimento de fitas de seia, e oulras muitas raer
radorias e artigos deiuxo, que so a vista faz fe.
T^Sm^R
ii***,*.
ww*S'i*4i.M-Jfip electrtcoi, cora lnfaiTf'
;ei-
.Ql
J
t
I


^tibdWVmfam&-^ :Bteta'*lttra -'2Si8atmSb^ Wi
*m
a
.t
7
A.
DE
novidade
HMWMBSO
4lta Mnieiro de lireo n.
ECardclro Sin*rn A c, proprietaries
eWirtrrtortante estabelecimento, no louv'avel pro-
lMVaM0.de o de^mentifem 0 *ohfreit* que o
Ni isrosos freguezes lies lem d'spensado,
acatuai de receber de saa conta 0 mais noo tor-
timenlo de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
tima moda em' Paris, e contra'darao a receher
par todos os paquetevdsqfltefla' prdeedencia ; tor
ao ehaoiam a alien cao de seus freguezes e 03
coovidam a darem am passeio ao sea estabeleci-
meato, garantindo lhes qae encontrarao a reali-
tede do que fica flito, e para prova dao um pe-
raeiwresumn, cnjo infallivelfffente flespertar'a' a
Mtlo d a preleudenles.
Hwidam fazeodas a oasa do* fregMzes, odao
aooslra? mi'diante penhor.
AVltgos de alia notidade e
nlttma moda.
Carles de ve>tido de linho gaaroeeidosde bico
da aieaina fazenda e cor, trazendo fivella, bolca,
ciato, etc oic.
RiflMstiffios chapeos para senlibra, de cores e
*._________int.1
Grande liquidacao de fazenda s
j No
N.72.- -Rua da I mp era t ri z ifc 7 2.
|U
DE
rides Guimaraes & 1 rmaos.

013
On ^eimado
I.axiuUah vcidnaclras.
"i.4.2#0 ra. o covado
Tmlos so nilmirnm It
I.ajinb&s vardadeiras com liodi eimos padroes
a 200 re- o covado ; e fazenda de 400 rs, : apror
veltemtohe e'paprnhchsi. 0 13 cunvida asExmai.
amllfas para rttatidsrem buscar as amoitras.
Tendo os propriefarlos deste eslabelecitacnto reSolvido 'dirninuir o grande deposild de fa-
zendas, cutenderam fazer esta grands liquidacjto, cjmose ve dos pr^wjos abalxo rdeMotfaMos :
Prim de cons a 100 re.s
brim nardo e de cOrcs para ca'c is" t
* o-eflvN4o: '
BlKT,
e3
Chitas largas a 160, 200 e 280 reis.
Vende-so chitas francezas e Unas a 120,280
rwWao.
LSilnhas a J 20 reis.
Vende se laziohas para vestidos a 120, 240, 320 e
'400-reis o covado.
Chitas para'cch'e'rtjrs a 2S0 reis.
VenSe-se chitas para cobertas a 280 e '360 reis c
cotado.
Alpacas de cores a 610 iiiis.
Una do QHelniado.
Ceroulas e camisas.
''Naloja do'Pavao, vende-se ceroulas fran-
oefcaa de tcVcros os tamaahos para homem a
19600, e ditas de linho a 2900, 20500 e
89000.
GamiSafe brancas com peitos de) algodao,
fazonda fina e por cstarem Urn1 pouco en-
xovalhadas a 204000 a duzia, ou a 19800
cada Hma, ditas com peito
linho a 8900 e 39500 cada uma, dims
'com peitos e pbnhos de cdr a 23J000 e
29500: a rua da Imperatriz o. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Vende-se pes de sapotas
na rua do H -spieio th 7S.
de optima qualidade-
VENDE-SE
Vende* alpacas de cores, Unas, para restidos de
genhoras, a 640 r^is o covado.
Melim de cores a 320 rei'.
Vende-se melim de cores para vestidos de senho-
r'as, a 320rels o covado.
Cassas finas a 280 reis.
360
Gone* de eambraia braaoos eom |indos''bor-
daios.
Dilu; de corps com enfeites da raesma fazecda,
figUTtno, e!e. etc.
Gfcpas de l para toentnas e scnhoras, gflatae-
cidas de arminho.
Vasioartos par., baplisado.
Uiqaissimas camUas borJadas para senliora.
I^eiaes de madreperola, para noivas.
ftieas eiJrhas de ?eda, para casanrento.
Ortes de eda, lindas core?.
iorgorao d>? strda 1 ranca e dilo preto.
Sedichas de deliCA4js padroes.
^im Incio d^ todas as cores.
3wdenaplcs pretos e tie cores.
VeHaJr- preto e damasco de seda.
iraaadine preta e de cores.
F.16 de seda branco e preto.
Rica? basquinas de secfa.
Casaccs Je mflrMo de cores,-la, e::.
Hautu brasdeiras.
Cap* Has e maotas para noiva.
Cambraia de core*, ditas mariposas bra&cas, de
cores, ltsas e borJadas.
Flor do bosque (novidade).
PercalicM de qaadroa, listras, etc.
Brins de linho para vestidos.
Fauio de ocres.
Siiis bjrdadas p .ra senhora.
Grande sorttmeiito de camisas de linbo Hsas -e
hoNftias. para bomera.
lleias de cores para homem, senbora, meoiaos
e taentBas.
Sorlimcuto de chapeos de sol para homens e
senbora.
Meriois di cores para vestidos.
Dilo picto t.-ji)/adu e de verao, bombazina, can
ao, alpaca, ct:. etc.
Atoalhado de linho e algodSo para toalhas, e dito
pardo.
Dainasco de 11
Brim de linb) branco e de cores.
Stlias de iindas cores com hslras.
Ckaies de merino de cores e pretos
Hiloi de touqrcim e ditos de easemira.
Can.isas de cbita para homem e ditas de fia-
afjlla.
*3eroalas de linho e ditas de algodao.
Pannos do crochet para sofa, cadeiras, etc.
l^eocos bordados e ditos de laDvrintbo.
Rscos cartes de vestidos de tarlataoa, bordados,
para bailes, e tarlatana de todas as cores.
Golcbas de damasco de la, e ditas de crochet.
Espartiho* lisos e bordados.
Postard de seda, liadas ceres.
Ueias de seda para seihoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo lcmo< am variaiissimo sortimento,
ao s6 em sresto como em qnalidade.
Las
com hs'j-as dc seda, ditas com paluas bordadas,
ditas tran-paren'.es e de oalras muitas qualidad,s.
Luvas
de pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
bricanta Joovin.
Finalmente :
upeies para s fa, cadeiras, cama, entrada, etc..
rarabraiss brancas, chitas de todas as qaal'dades,
na'apoloes, eseuw >, trctanhas, bramantcs, a!go
Ides, cuilarinhjs, punbos, meias para homem. e
MShora, pao'ios e collariahos brancos e do c6
res para senhoras, gravatas para homem e senho-
-a, poit a bordados, lencos de linho brancos e de
vires, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
4aaapos, panno fin-, etc, etc.
Loja do Passo
Rui Primeiro de .Marco n. 7 A
anliga do Crespo._____________
E' com as senhoras.
A Magnolia, a rua Ouque de Caxias n. 4o, par-
jcipa a> Lello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, um compleio sortimento de artigos de ulti-
ma moda, eVomo acba desnecessario fazer um
_fadonho anuuncio, por ja ser bastante eonhe-
cida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
icates, sendo a pr.meira que apresenta o que ha
de mais moderno e por precos mui razoaveis, por
:<3 limits-sc a descrever somente o seguinte:
*-tia douradas.
Birs de cores, tanto de seda corao de guipure.
LrtnrK dourados, de madreperola, marfim, tar-
taraga, osso, etc.
iakMaa de bai'e.
rreacateti. diversos artigos proprios para pre-
sentes.
ColiahRM c punhos.
Haaaai para missa, com eapa de madreperola,
Urtarnga. inarlim, velludo, etc.
*M|Mtiaiioi4 de setim para baptisado.
c*_iis:iM bordadas para senhoras.
Ucssh de seda.
frsanJaiH mosaicas.
tdrrrruM de tartaniga.
Voltaft de madreperola.
srulneiras de madreperola.
LfBdat (lores para cabec.i.
BoImsh de velludn.
Perrumarias des melhores e mais afamados
fabricaotes.
Ctaaocoii Ac sol para senhoras.
Pi tats de veiluri" de todas as cores e largurzs.
Moscas.
QaereU livrar vos destes maklitos insectosf com-
pru uma m&china de oatar moscas por 3^000
na MaD'-lia, a rua Du jue de Caxias n. 45.
Calvice.
k Uaguitiia, a rua Duqae do Caxias u. 43, ven-
ds o verdadeiro Vigor do.Ayer, que impede a
ca-uida dot cabelios.
Sardas e panos.
So t m sardas e panos quem quer; pjrque a
Magnoiia, a rua Daquc de Caxias n. 45, tem para
vender a verdadeira Culiculeria,,qoe.fa4e8app-
recer e.4as manchas em poncos dia.
deseoberta
Curativo das molestias do
peito pelo
Xarope tie sulphite de soda
A. BKRKKT
E-te imporlante medieament. que acaba da ser
recoDhecido pelos distinctos Dr-t Zailooi e Paras-
ctoevas como um verdadeiro e-peciftco contra a
pbtysica, segundo provaram nn grandes nume
ros de easos to- ell. s exnerimpntados, corao se v6
na sessao da araiemia de.Pnris.de-24 de rnarco
do corrente anno, encorHra-se unicamente no
Dep)>it'> da j harmac'.a e dmgaria
de
Rarlbolomen &' C.
W. M P.ua larga do Tiosario N. 34
Jj_>de-se a taverna Ja rua da Ponte Velha
I, bem a'reguezada e com pequenos.fundos : a
tntar na mesma.
Vende-se cassas frabcezas. finas a 280, 320 e
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3I00
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3|,
3*500 e 4*000 a pec.
Qmhraia transparenie a 2 e 3*000.
Venrte-se pecas de cambraia transparento a 3*t
'3A500 At e K*.
Cortioados a 14*000.
^Vnde se cortinados bdrdados para camas a 14*'
16* e 18*.
Gaoga ainarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarelJa para vestidos de senho-
ras e rdu;a pararaeninos. a 400 reis o covado.
320 Venue se
lOO^els
Toalhas para rasto a;700 rtls.
Vende-se toalhas dc linho para rosto a 700 e 800
reis cada uma. i
Chalesdft U'aCiO reis.
'Vende-se ohales de la ae quadros a 610 reis, rh*
les de metim a 1*160 reis, chales de rtisr-no
liMis a 2*, e chales 'de merino eslampados, a
3*600, 4* e B*. ,.
Aberturas a 2,5009.
Vende-?e aberturas de linho bordadas, para ea-
misas.^a 3* e 3J300. Diias de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de easemira. a.5*000.
Vende-se cort-s de casemiras fiaas para calfas a
'"d,B*30(> 6*
Cortes de briih a fyt400.
- Na rua Wreita n.' 14, Vende*Se novissima cal de
Dsboa da nhima t-hegadi.
Para o -fabrieo de' chapeos
_ A WOVA-'bppbraNC.A' reeeben o ararae proprio
oara^arrnacap deebpeos...................
Diios
Vende se Cortes de brim do. cores; a 1*400.
de brim de Angola a I *SO0 e 2*500.
(JoberUs a 2'iCOO
Vende-se cobertas de chitas de iforos a 2*.
CoWnas a 4*300
Vende-se colchas de fustao para cama a 2*,-3* e.
4*.
TJma propriedado a margem da Cdrtbda
dos Kemedios, -contendo barro par> toda e
quajquor bra, ar.m""Btrta-grant' ' easa de> viverrda^ ires viteiros com peixec.
Promette-se fattr todo e qualquer negocio':
[a tratar com1 -DeHim Ltns a\al08Bto PS-
:soa.
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
3,000 rs. j'calcas de easemira precede core
leies de easemira preta e de cores, e outra s
tas roupas feitas Liaratas e fazendas que est
quidando no Bazar NacRina), a rua da I in
Iriz u. 1

Grgaiidy.

---------UL



PREDILEC i A iE' m SABER-SE
mXJLAMJkiJMJ\4 SL LA Que a NOVA ESPEIUNCA, a rna Dinpie de
Organdy de scedtn branco e de cor, cor* flo-
res nnudas e lislras de seda c de !a a 400 rs. o
! covado, e 'fazenfla de I *, e e pechincha : so na
' rua do Crespo n. 2-\ loja dj Guilherme A C.
_^j---------1--------- >------1-------------------------- n l
Loiade
DE
riuilhcrnu1

re.
Que a NOVA ESPEIUNCA,' a Tna Duque1 de
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de
proprietary da Predilecta, no mtnito d! jeus arligoa de mods c phaniasia, acaba de rece-
'"'"* -..*- 7T?.J!-------.j. bet diversas encoinmendas de mer adonas de sua
CiiFa-di)S- estreitaHiento d'uretra temFe1
pela foci! applicagSo-das
S0NDAS OLIVAES
um sobrado em caixao e uma casa terrea, sito a
, rua da Soledade ns. 2 e 4 : a tratar na mesma
de esguiao de rua n. 54, das 3 as 6 da tarde._________________e
Cortes de cambraia
1 Na loia do Pavao vende-se cortes de.cambr.-la
transpafente com babadiss largos, tanto brancos
como de cores, por baratos pre;os, por terem al-
gun^peqneno defeito : a rua da Imperatriz n. 60,
' "ix Pereira da Silva.
DE

A' ma !<* Cai>oara a. A.
GOMMA ELAST1CA
As mais moaernas e apeffei^oadas de todas
as couhecidas
Vendem-sc
PHARMACIA E DROGARIA
DE
DaTtholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Cortinados para camas
Na loia do PavSo vende se um grande sortimen-
to' de"cm*r'nados' bbrdaflos proprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, astim como oolchas de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 rcis-e pechincha: a
rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva. ______________
Fentes girafe.
Pentes gjnrfo, prop'ios para senhora, ( ultima
moda) : a,Magnolia a rua Dujue de Cax'as n. 45
e ;6 (juera tern.
Papai, mamai.
Como sao'liadas as bonecas de cera que cha-
jssssssssssst saaassas ^m^^a&?^
Engenhos cm Mamam-
onservar o bom coneeitd que teem merecido do
respeitavel publico, distfnguindo o sen estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo generc
teem scientificar aos sens bons fregnezee qne pre-
veniram aosseus correspondentes nas diversaa par-
jas d'Europa para lhes enviarem por todos os sa-
quetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais Lem acettos pelas sociedades elegantes
daquelles paiies, visto aproximar-se o tempo da
festa, em que o Lello sexo dosta linda Venesa
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebessem pele paquete francez oiverso
artigos da ultima moda, veem patentear atguns
d'entre elles true se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais '.ndos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e d
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
08
Aderecos completes de borracha pri prfos para
tato, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
. Bot3es de setim preto e de cores para omato dt
estidos de senhora ; tambem tern para coUele-
palitot
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de pallia, de chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencio das Exmas. Sras. para este artigo, |
pois as vezes tornam-se as crianeas um pouco im-
pertinentes por falta de um objecto que as en-
iretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco comraodo.
Ceroulas de linho e de algodao, de diversos pre-
(OS.
Caixinhas com musica, o que ha de mais Undo,'
com disticos nas tampas e proprios para presen-
ts
Coqnes os mais modernos e de diversos (orma
los.
Chapeos para senhora. Receberara um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como parz
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Oalcas bordadas para meninas.
Entreraeios estampados e bordados, de lindos
Escovas electricas para dentes, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos deutes.
Franjas de seda pretas e de c6res, existe nm
grande sortimento de divercas larguras e barato ;
preco.
Fitas de saria. An g^rgt'rSo, de setim e de cba-!
foplnte, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Fi. r^ artificiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flores, nao so para enfeite dos ci>ellos, como
ambera para ornato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de 13 e de seda, brancos, pre
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para seonora
co-
do que oulro qualquer, com- aifranquvza e 6in-
ceridadc ja conhecida.
Las de cores a 2C0 e 240 rs. o covado.
Las pretas superior, a 400 rs. o covado.
Li e.seda, fazendade l-*400 por 700r*
vadb.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.1
Metins de cores \ 280 rs.: o covado.
Cretdnes'ide' padroes lindos e' ffioderno3 a 400 e
440 rs. o covado
Baptistas detoddsipidrdes a 400 rs o covado.
reparticao, que pela ete'ganci > bem mostra aptidao
e bom go to de seus antigos cenrespapdeBtes^ da
Europa, e por e^la razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freg'uezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, aura de apreciarem ate
ondetoca o prim or d'arte.
A NOVA ESPERANCA nad quer e-otrar no nu-
mero dos massantes (verdadeiro* azucrins) com Cambraias de core; raiudas.e graudas a 280 rs. o
extensos aunuhcios e nem pretende descrever a : covado.
immensidade de objectos qne tem expostos a* -ven- Drtas pretas com flores a 200 rs. o covado.
da, o que serta quas* impowivel, mas limitar se-ha Cambraias brancas, bordadas i abertas,'"fezenda
Gaiolas,; gaiolat.
A Magncjia, a raa Duque de Caxias n. 48, re-
cebeu gaiolas de aiame de lindissimos mooelos,
[proprias para passsros ; a eHis ant-s que se aca-
bem.
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
IVegwiea.
e Patricia.
A tratar com seus proprietaries nesta cidad
e para informacoes com Joaquim Pinto de Mei
relies Filho na mesma cidade de Mamamguap
?so Irmaos A C.
Attencao
Salsa par-ilha
Salsa parrilha
Salsa parrilha
muito nova e de boa qualidade, tem para vender
Bartholomeu & C.
.________:-4 Rqa larga do Rosario-34.
Vqam e admlrem.
A &OO rss. o covado.
0 barateiro da rua da Imperatriz n. 60,
vende popelinas pretas com hUraa asseti-
nadas pelo baratissimo prec/) d5u0 rs. o
covadr-. para acabar.
Lustres, candieiiDse
iuvas lirancas
arandeiins.
A empreza do gaz, tando recebido altirnamentj
uma quantidade de lustres, candieiros, arandelias,
globos etc. etc., tudo obra de gosto e d-' primeira
I qualidade ; acha seem posicao de tnpprir a seus
| freguezes, por precos men res do que antigamen-
i te. Para verem as amostras, dir.jam-se a rua do
I Imperador n. 31.
a mencionaralgunsdaqueliesdemais alta novidade
e loma a lileriade de aconselhar ao bello_ sexo,
que a visitem constantemente, para depois que
comprarem em ouira qualquer pane nJo se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sorriroeflto
que ha em dito estabelecimento, esia razao tam-
bem demouslra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completer a elegancia de seu toilet
: sera que de um passeio a NOVA ESPERANCA, a
: rua Duque de Caxias n. 03, a qnal acaba>de*rece-
i ber os seguinl.s artigos de luxo e inleiia novida-
de : ,i
Modernas settas para prender oscabellos
! Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes pan senhoras e meni-
^ nas.
i Interessantes gravatas para senhoras.
Elegante's fachas de touqnim.
, Bons aderecos de madreperola.
! Delicados aderecos pretos de pufaio e borracha
(gosto novo).
Allendei!
in
A confeit ria do Campos, slta i rua do Impera-
dor n. 24, unieo estabelecimento destegeneromes-
ta provincia, proporciona aos habitantesi dell i as
maiores vantagens
E se nao vejam
uma possos quizer tudo quanto e ne-
cossario para
Um casamento
L til baptisado
Uma partida
Um cha para visilas
Um lunch
Um lauto jantar
Nao tem mais do que ir oa mandar A^con-
feitaria do Campos, rua do
Imperador iw-. 24
I .Alii tambem se encarregam de bouquets, flores
e folhas para casamento : assim como, de doces
; de todas as qualidades para embarques, e tem
sempre preparados (iambres inleiros e a retalbo,
pasteis de diversaa qualidades, empadas de cama-
roes e de came.
De tudo que alii so vende, garante.se a boa
qualidade, limpeza e promptidao.
Enfeitam-so fumbres, bolos, paes-de-16 e ban-
' deijas, tudo por.:precos razoaveis.
Alii alegra se a vista e satislax-se as exigencias
od paladar^
m.-.is fina que lem vindo ao mercado, e fazenda
de 2^000 o metro, por-liOOO a vara ; e pe-
chincha.
Cambraia tfaosparente. flna, a-3* a p?e3.
Dita Victoria, lina, a 3*300 a pega.
AlgodSo trancado.-alvo, a-440 re. a vara.
Brim branco de linho a-1*400 a vara.
Ditos de cores de linho fiao a 300 rs. o Covado.
Madapoiso 'francez vePdadeiro, 24 jardas, a 6| e
7* a pe?a.
Algodao T, largo e superior, a 5$ a peca.
Gorg(>iao pretj-da-seda- para vestidos para collete
a 3** o covado
Toalhas" grandes a ia-'iOO adcrzia^
Colcbiw grandes-a 3* oma.
Len^oes de bramanle a,3d-urp.
Cobertas de ganga, iorradas, a 2/e 32.
Lencos de linho, ?banhados e em caixinhas a
3*300 a duzia.
Ditoide cores a 3*300 a duzia.
E outros muitos artigos por preeos bratissimos.
So na rua do Crospo-n. 20, loja das 3 portas. Dao-
se amostras.
de Jouvin : a Magnolia, a rua Duque de Caxias
n. 43. e s&qaem a tem fres-.as.________________
r'ara senhoras
Como sSo lindas e modernas as gravatinhas que |
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aeaba !
de receber I_________________________________| Vende-se na rua do Vigario, escriptorio de Tho-
" i maz de Ajuino Fonneca & C Succes^ores.
Fio
Sedinhas a 1^500 o cov.do.
Venham anies que se acabera : ua loja do Pa3sc
\ rua t. de Marco n. A.
i Grande liquidacao.
de miudezas e chapeos: no novo Bazar, rua do
-Marque* de Olinda n. 53. _________
Fiambres
CHEGA
Cortes de casimira a
e :.'6j00ft.
Na. loja do.Pavao; vende-so cortes de ea-
semira para cal^a t 41, 5} e 6i000, ditos
muito fin sde uma s6 c6r com listras ao la-j
do, fazenda que sempre se vendeu a 98 e ,
109000, liquida-se a C$000 para acabar : \
A rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
dl Silva. !
as desejadas lazinhas a 200
rs. o covado.
Rus do s^ueimado n. 43.
(Oefronte da loja de chapeos da Pracinha)
[' Lazinlias a imitaqao de seda com riquissimos
_________' padroes a 200 rs. o covado. So o 43. Dio-se
AW pLW amostras. Venham antes que se acabem,_______
Chocolate hespanhol
muito lino, tem para vender na Assembles do
Commercio, Heirs & Lima, rua do Commercio nu-
mero 22.
Tem muito bons a Asstmblea
22, a do '.ommercio.
di Commercio n
Salsa-parrilha do Pard
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesns na-
mero 57.
cigarreiros
Aos
A NOVA ESPERAN\T\ vende papel de linb;
proprio para .cigarris. d.- diversas larguras.
E' baratissimo,
E' economico.
Graxa glycerina prruria para
oordovao; voade a NOVA ESPERANCA, a rua Du
qne de Caxias n. 63._________________________
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
talho : na rua larga do R >sario n. 34. _____
Atteucao.
??Aproveitem antes que se acabem, popelinas de li-
nho, padroes modemos, pe'o baratissimo preeo
I de 400 rs. o covado : quem duvidar, venha ver e
a coBservacaodo COmprar: na rua Duque de Caxias o. 88, loja de
Demetrio Bastos.
Vende-se
j na rua do Vigsrio n. 19, primeiro andar :
Vinho do Potto engarrafado, em barris e em
ancoretas.
Cera em velas, dc Lisboa, superior qualidade.
Retrot do Porto.
Cimento Portland, legitimo
Na
.Espar.tilh.os.
loja do Pavao, vende-se espartHbos
Farinhade milho
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para S5 na COnfeit ria do CampOS
ttaiva.
Livros para ouvir missa, ccm capas de madre-
perola, marfim, 6so e velludo, tudo que ha d
bom.
Pentes de tarlaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marnm, 6sso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nSo so em extractos, como em oleos
banhas dos melhores odgres, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Condray, Gosnel e Rimel; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
prec/j.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimenlas para,baptisado o qne ha de melhor rt__ !:.
sto e os mais moderno s reeeben a PredilecU 0 bom de
Assembled do Commercio
Rua do Commercio n., 22
Mrira 4 Lima
Os proprietarios avisam a seus freguezes que
teem para vender o seguinte :
Cinco minntos da altencao -
Doces seccos e em calda
Empadas de camarao
Fiambres preparado
Salame de Lye n
Tudo bom.
Bolos inglezes
Fructas preparadas
Vinhos superJores
Ccrveja gelada
Tudo bom. .'
Vende-se farinba de milho moida a vapor, dia
, riamente, da qualidade, para cuscus, 12patacas
dos mats modernos a 39500 e .49000 cada a arroba. da 2., para cangica e pJo de provenci
um ; assim corno bonitos cintos com lagos all patacas; da 3', para ;-.n :ii, a 10 pataeas; da
de setim i 5900ft; e sedinhas lavradas -com 4% para mangunza, a 9 patacas : na rua do Coto-
toque demofoa-19000 o covado:. & rua !vell ia> 2S de aznleJ-___________________
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da- FUSl&O.
Cilua
Fustao branco para roupa de meniaos a 500 rs.
o covado; e pechincha : na rua do Crespo n.
NSSO, loja do Guilheerm & C. ________________
Esta se acabando
fOStO
de or arato preco,
qnalquer bolsa.
para ficar ao alcance
Petiscos e bons bo.cados
Na assemhlea
Se serve com agrado,
Tudo boni
Bolinhos para cba
Pudins, p5es,-,de.-l6
Charutos da Bahia
E jogo de domino.
! Os donos deate estabelecimento avisam a seus
freguezes que nao sao egoislas e promettem-ven-
dor barato, para vender mnito.
N. 22 Rua do 'Comercio ;J.-^
Arraazcm daAsemblea.
liaazjinhas baiatag.
Na loja do P4vAo,'pflfa Jiqtiidar, vonde^-ie
uma poicao de laazinhas dc cores para
vestidos, tendo de 320 rs. para cima ; as-
sim como ditas com lislras de seda muito
I bonitas a 040 rs. o covado ; -alpaofts ,de eo-
; res com listras de soda do 640 rs..f*ra
cima : a rua da Imperatriz n. 60, de Felix
i Pereira da Silva,
Oura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ale hoje co-
nhecida?.
Vende-se
na
Pharmacia c Drogaria
de .
Bartolomeo A C.
A'
84. Rua larga do Rosario 3-4
Vaccina. Vaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
mofitado na corte nm completo serviQo deste ar-
tigo, tem aqul aberto um deposito da melhor e
mais reconte, cujos tubos se encontramna
Pharmacia e drogaria
A'
34rua larga do Rosario .34.
Aproveitem
0 PARIS .TAMERIOA, a rtia Daque de Caxias
n. 59, prirooiro andar, esta vendehdo calcado pelos
seguintes precos:
Botjnas de duraque para senhora a 3.500 reis.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com bot5es ao lado, a 4,000 reis.
Ditas gaspeadas, cano alto, nara senhora, a
5,000 r6;s.
Ditas de pellica, iugleza, a 4,000 reis.
Ditas de duraque bordado, nra senhora, a
5,000 reis.
Ditas de duraque, de cores, para meninas, a 3|. I Vende-se a Saverna n. 88,da rua de S. Jorge,
Em quanto e tempo I (era F6ra dj Portas) bem afreguezada, com pouccs
nnrAVAif Am fundos, o muito propria para um principiante.
cipitjvoiicm. i A tratar na mesma.
E gar an to se a boa qualidade do vinho puro das I
quintas do Lima, dts i'ampos da Beira, superior j
ao da Figueira esose.encontra no armazem de
Jose" Fernandes.Lima .4 C, a rua Co Barao da1
Victoria J^oeus.sucoessores.
7
Luscres e araridelas "devidro.
para gaz
Na grande exposirao da rna do Imperador n.
35, Jonto ao escript^io da companhia do gai, ven-
dem seos nais.bonitos e modernos lustres e aran-
delas de-vidrq,para gaz, a-sim coma tudo o mais
2ue se torna nccessario para esse fim, sendo tudo
os melhores fabricantes que ha na Inglaterra. Os
precos sao mais baratos do que em outra qualquer
parte, e com a vantagem cme e o dono do esUbe-'
lecimento-macdar aasentar os metres ou arande- t
las po^ugar que o comprador gujzer, sem que para
isso pague ilguma cousa. Tambem se compra ou'
troca se lustres earandelas ja usadas. mas que
iPstojamem.eatado dapbder servir.
Cal de Lisboa
^ Vend&ae cal de Lisboa : na praca doCorpo
:Santo n. 17vl an?ar, escriptoriD de Joaquim Ro-
*ng.iea favares de Me|lo.
Asunicas verdadeiras
Bichas hambnrguezas one vem a este mercado
na me do Marouez daolmda ".51
Vende-se nm lerreno com 200 palmos'de
frente e 250 de fun Jo, tendo odificada uma casa
de madeira no fundo do mesmo, confronte ao ce-
miterio publico, em Santo Amaro: a tratar no
mesmo a qualquer hora do diaj ^______
Casemiras
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de casemiras de cores e mescladas, tanto claras
como escuras, proprias para cal?a; paletots e co-
letes por preeos rnuit j baratos, assim como no
mesmo estabelecimentos se manda fazer qualquer
obra tendente a alfaiate, com a maior presteza e
pot precos mnito razoaveis: a rua da Impera-
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva. .
VENDEtSE
Na rua do vigario n 10, vende sc o seguint6 :
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, fini3simo, em cai-
sas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry,, ingiez em caixas de duzia.
Vinho CoMares em anioresas.
Cera em velas, de Lisloa
Cora em grnm<>, idem.
Vende-se duas paries di uma casa terrea,
slta a rua Velha n 70, com mnitos bins commo-
dos : a tratar a rua da Couccioao n. 60.
Bramante para len96es
a 1^800 .2*000 e 2*500
Na loja do Pa5o vende-se superior bramsnte
para lencoes, com 10 palmos de lurgura, que ape-
nas precisa de 1 vara 1/4 para um lencol, sendo
de algodao a 1,800 rs. a vara, ditn mais eu-
cornado a 2,000 rs.; dito d? linho puro a 2,500 o
2,800 rs.; assim como atoalhados superiores, tan-
to de linho como de algodao, porpreens muito em
conta, e pecas de algodaozinh o p.ra l.i.o >ese toa-
lhas, tendo de 4,000 rs. para cima : a rua da Im-
peratriz o. 60, de Felix -Pereira da Silva
E:' btwilo
As almofadas bordadas de la matisadas qae re-
cebeu a Nova Esperanea, a rua Ouaus do
Caxia. r <"____________________________^_
Aos tiienjnos
A NOVA ESPERANCA,* rua Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sortimente de fi-
nas bonecas que fa I lam, que riem se e choram ;
tambem astern mudas esurdas ou surdas-mudas
venham ver se nao e eerdade.
E'
com as noivas
A NOVA ESPERAXCA, rua Duque de Caxias n.
36, acaba de receber boa.' meias de seda propria?
pera noivas, e os apreciaveis ramos de larangeira
Cartes de easemira. ,
Cortes de easemira* finas, gostcs modernos, a
5*500 o corte ; a elles antes quo se aoabtm. e
pechincha: na rua do Crespo u. 20, loja d(
Guilherme & C.__________________
VEHDE-SE
de noya invencao.
Com um penteado destes pentea se uma senho
' ra em dous minutos, e aeha se decentemente
\ penteada para um soiree, um baile, assistir ca-
j samento, e para ser noiva tambem : vende se pe-
lo baratissimo preco de 25& cada um, e so na ca-
: sa de Odilon Duarte & Irmao, rna da Imperatriz
n. 82, primeiro andar.
Taverna A Novidade!!
Venham antes que se acabe!
iMadapolao francez fino a 3*200, 5*000, 6* e 7*
a peca.
Dilo inflez, fino, a 3*800, 4*. 4*800, 8*000 e
5*500 a peca.
Algodao bora a 3*500, **000, 4>*500 o "5*000
a peca.
jCbitas claras e escuras, a 240t60, 280,300 e 320
rs. o covado.
Ditas trancadas, fina, a 280, 300 >e MO rs. o co-
vado.
Las japonezas a 200, 220 e 240 rs. o covado-
Sapatos de chatlote e de easemira, paTa homem,
a-*.
Dito de dko,ipara meninos e tnenioas, a 1*800.
Chapeos de todas as qualidades, para homem, a
2* .2*500, 3*, 3*500 e 4* um, e para menino a
1*800 nm I i
Collannhos de linho a 2* a daiia, a de papel a
200 e 240 rs. a duzia.
E ontras mmus fazendas qne se vende com 30
por cento menos de seu valor, na rna do Livra-
piento-n. 30, loja do Lima Continho & C.
Salame de Lyon
Liquidacao de roupa feita
Na loja do Pavao limida-se uma grande por-
cao de xoupa para homens e meninos,como sejam:
calcas de casemiras pretas o de cores, para todos
os precos e qualidades ; ditas de brim de An-
gola para differentes prec/M ; ditas de brim de
cores, pardos e brancos; paletots saccos, casacos
e fraks de panno preto e de casemiras de cores;
coletes de todas as qualidas, por precos bua-
lissimos, assim como grande porcao de camisas e
ceroulas por menos 3 Ojo do seu valor s6 para
acabar : a rua da Iroperalriz n. 60, de : Felix Pe-
reira da Silva.________________^___________
Chapeos para senhora.
A loia.4a Passo, A rua Primeiro de Marco n.
7 A, reeeben nm rico sortimeoto de chapeos
para senhoras, pretos e de cores. __________
a taverna sita a rua
muito afreguezada :
Rosario n. 40.
do Barao da Victoria n. 61,
a tratar na rua estreita do
12 Rua doCabuga 12
LIQUIDACAO
dejoias de ouro, pnata e pedras prcciosas.
Oiiro rte lei
Correntes do ultimo gosto, a oilava 5*500
Alfinetes para retrato, circnlado de
perolas
Idem idem idem esmearladas
Idem idem idem robins
Relngios de prata bem dourados, de 15* a
Relogios para senbora, de ouro, de 40* a
Ricos aderecos com pedras finas com
50 0(0 de abate.
Bonitas polseifas do ultimo gosto com
50 0|0 de abate.
Brincos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao mercado, de 15* a
Voltas com um bonito laco, por menos
'ffo'tfne se vende em otitra pane.
oo5000
60*000
65*0 0
3CJ000
80^000
60*000
como para homem.
Anneis de diversos feitios, de 3* a
Pulseiras de cobra de coral por 500|0
de abate.
20*OCO
A ihoo a libra
So na A-sembl6a do Commercio n. 22,
Commercio, Meira 4 Lima,
rua do
PAM LUfO
como com pintas de 320 rs. rara crnia cantao
preto a 800 rs. e muito fino a 1,000 rs ; bomba-
zinas, prineezas e alpacas de todos os pretos ;
precos barat.ss.raos ; tambem uma-grange porcao ,lM *L"[^^JSSt bem como ao respelu-
de chales pretos de las a 1 000 rs por estarem um ^K,^ eqUaVse acha sempre prompto a servir
pouco russos : 4 rua da Imperatriz n. 60, de Fe-, ^p^'a a4exactidao como costuma; cartos do
lix Pereira da Silva.__________________________ i qae ^m nm recibo, pelo qual fica responaabi-
Cokhas para camas lsadopela lnm^ .------*--------
Naloja do PavSo vende-se colchas defastao; I ^HIISHS.
de FaHfrfereira de Silva. 1 *erme & L
f.


'
*--.
8
^iario de Pernambuoo Sexta feira 25 de Setembro de 1874.
ASSEMBLEA GEHAL
CAMARA I)6s DEPUTADOS.
REFORMA ELEITORAL.
(Continuagao).
O Sr. Ignacio Martins disse em aparte ao
orador que elle estava interprnt vreoente asopiuides do Sr. Marlinho Cam-
p que provocava os proteslos dos seus
amigos.
O orador proseguindo diz que, so fosse
essa rmio, seria tuna injust.ca. Os elcitos
nao sio sempre das prnvincias que os ele-
0 deputado p >r Minis jd entrou na ca-
mara pela municipio neutro.
Trata depois da aceusagd.) feita ao Pa d.
Ikixque nao poJe attribuir-se o augmento da
deouUcAo dajuelia provincia aquurer-si se-
gurar o voto vadUaatfl da sua deputagao ;
porquanto jd u. aouo passado ella havia
raorwcido da camara um projecto especial,
augmentando os scus representautes. A
commissao, pois, nao fez ranis que ruanter
no projecto de refortna o que jd estava as-
scete pela camara.
E a entreliuha 1 disso em aparte o Sr.
Ignacio Martins
O orador respondeu que < sse heto j,i es-
tava esplicado ; era uma ce:isura banal.
Cnega fiualraeutc a provi.icia lo f ia ihy.
Nao enconlra ain facto algum que justiuque
a opiniAo do Sr. Martinhj Campus : s6 se
e por ser uma provincia osseucialnfenta cou-
servadora.
Ma soa parte o voto que dd ao substitu-
tivu I* commissao ao art. 5. do proj -cto
d> reforms e eiloalc sem restricgao alguma.
Ell nao pode Ser considera lo como paga
dV favonss peasoaes que tenha recebido Jo
go V-TOO.
E' bacharel formado em direito e advo-
gado. Nao tern emprego do governo, nem
reoebe cousa alguma dos cofo-s geracs ou
provioriaes. E'fonnado ha pouco tenpo,
f mereceu do governo imperial a nuraeagao
para dons cargrs, de quo pedio exoneragao.
Nao tern muito gotno, nem inuila queda
pra os cargo; publicos. As suis ambigbes
li Q'tam s<* a prestar ao seu pirti lo e ao seu
piiz os servigos que couberein om suas
MM.
Depois de justiiiear assim a razao do seu
vc4 em favor do projecto c em apoio do go-
verno, tratou largamente disquestdes poli-
tic** to Piauhy, fazondo muitas accusagdes
Dr. Coelho Ro Ingues.
As suas palavras produziram por muitas
\rts vivas redamagdes do Sis. Uelisirio,
Eufrasio Correia e e outros depulados, em
favor docaracter daqueile cidadao, lembran-
do que rib esiava auscnto e nao podia de
leu l*-se na casa.
< ora lor replicou que elle podia defen-
drr-se na inprensa, onde o ncompanharia,
tl o que affirms yj 6 camara, porque era a ver-
dade dus factos.
En! re as refercuciis quefez, alludio a
um Eara ?c sctasquc em coafiaiiQa Iheen-
!!*; ra, eajM aqucl'.o cidaddo Ihe nao res-
Uturj.
Est^ facto fi contestado em nuiitos apar-
tf*, m-:!ind-i o jrad'ir ean insistencia, asse-
gur-mdo a sui veracidade.
Tendo o orador dado larga extensao a
est larrativa, aco;npanbando- de muitas
ciratttstancias. todas relativas a questdes
p 4iucas eeleitoraes do Piaaby, pedio o
psi ieateque se restringisse d matcria, lem-
b-nl.-!he que estava em discu sao o art.
5.' d.1 projecto ei-itoral.
O uradur ainda fz mais algumas conside-
r'.^>, t-rminanlo por sustentaros b'iosde
sa- p- ivi cia e assegurar o sea voto ao arti-
s > m nroj^cto em discussao.
*r. Hiilratiio Correia comeca
d z; nlo que em amor a verdade se \& for-
$in a f.zer notar a grande injustiga do
d iHi'.ado pelo Piauhy, naaccusa;8o que a-
'.-va de faxer a um cidadao muito intel-
i e muito digno. Elle nao raerecia
as iiaUvras amargas qae Ihe foram dirigi-
Ih, nem pelo ,eu caracter nem pela sua po
M-;i. nem pela ngidez de principios, quo
spanpre tcm mostrado.
fr h d-f^za do cidadao accusado, e em re-
i a- qu^slues politicas do Piauhy, leu
ai i V >i!d-i. transcriptos no livro do Sr. Bcli
sobrrt reforma elodora!.
Houvb ainda neste ponto contesta$6es do A opp>si(&Qf notando que n8o tomaram
Sr Agesildo, -lizen lo que a acta alii publi- parte no debate os mimstros, que teeni as-
cada n*o era compteta ; faltavam-lbe topi- sen to na cimara, procura Isolar o miaistro
cos importantes, que modificavaar muito o do imperio dos seus dous collegas; mas
sentido. |n8o-vtj que assim Ihe da* maior prestigio.
0 orador sustant* que ella nJo fora con- Ellcs, porem, agralecem'o favor que sethes
testada q-ando sopublicou aquella obra, e quer fazer queenvolve uma ottensa.
nem ate hoje.
Ksta '.ontesta0o .dea lugar a rauitos a-
nartes. forcvindo a presidente a tocar repe-
tidas vezi< a campamha e pedir ordem.
O orador diz que, tendo defendido com
eoergia njn am'go. passa a occupar-se da
omeuda da commissao.
Estranha que ella ainda nao morecesse a
nais simplos iff-'Zi, e acha notavel qae da
commissa >s6 tres inembros assignem as e-
m*n las, e quo so um venhi defendel-as &
tribuha.
Diz que aliim desse facto ainda e vista
corn eslranheza a C"iitradicgao em que OS
uicmbro* da oom'nissao se acbam.
E* certo que a ele qSo em um s6 grio tern
feito u s-'u caminho, tern entrado era todos
os arraiaes. -stA na opiniao, e* a verdadeira
e uuica medida s.ilvadura do syatema repre-
sentativo. Pois a commissio que por causa
de u na s6 palavra da constituicdo nao quiz
a reforma directa, veio apresentar em subs-
tituigao um priucipio constitucional na elei-
fAo do senadores.
Aprecia ontao a lista triplice, o voto in-
corapleto, e os eleitores ospeciaes, fazendo
muitas c msidera^d s sob re a constituciona-
bdadu desses prin<-iphs.
Analys-i ilepois o 4.* do art. 5. do pro-
jecto, disculindo largame'nte aemenda, e
combatendo com rnuita energia o que se
lispoe sobre organisarSo das mesas paro-
chiaes.
Uepois de uma pequena pausa, em que
ouvio algumas palavrasdo Sr. Heraclito Gra-
ca, di-se queretirava as phrases com que
acabava de argumentar, perque raodificara a
sua opiniao c>m a explicajao que em parti-
cular Ihe d-ira o relator da commissao.
Dd assi n o que disse por nSo dito. Deve
esta exphcacao d sua lealdade.
O Sr. Heraclito Graca comegou
ii/.eu lu quo o s u estado de saude nao per-
milte o alargar se na respostt. aos discursos,
que se tem pronunciado contra o artigo em
discussdo.
Serd por isso muito breve, occupando-se,
lodavia, dos pontos capitaes de que trata-
ram os oradores, a que tem de responder.
Ooscrva que a discussao, em Vez de se li-
mitar aos artigos que se discutem, torna a
recah r em matena jd vencida nos artigos
antecedentes, m serd essa a razao de se tor-
nir banal, na phrase do deputado por Mi-
nas, o Sr Marliubo Campos.
Pede d mesa que daqui em diaute faca
que o debate se restr.nja ao artigo que se
discute.
Ref-rindo-so ainda aquelle deputado, diz
que elle sabe pelo seu grande talento enfei-
xar todas as discussdes, procurando discu-
tir a materia. A-sim, na discussao do art.
Diz que se insistio na pergunta sobre o
raeio dee effectuar a reelei^ao do deputado
da minoria nomeado miuistro da corda.
E' raateria jd explicada ; mas o oraior quer
ser franco. Declare que foi vencido na
commissao. Elie nao queria a excepgdo
para- o ministro, queria antes a excepefio
nas regras, decretando-se para este caso a
maiori i absoluta.
A opposicao deve dizer a este respeito
quaes sao as suas ideas, para que o par/,
saiba o que querem os que. combatem o
projecto do governo.
Disse em aparto o Sr. Deiro, que a oppo
si^So nao e-td obrigada a governar. E o Sr.
Ignacio Martins accrescentou que a base da
oppos yao era a eleic&o directa.
0 orador pas-eu a occupar-se do aug
mento das depuUcoes.
A j.a base uao e o receuseamento. E' o
augmento do ton;) das deputa^oos actuaes.
Responde em aparte a esta proposicio Sr. Pinheiro Guimaraes que as bases sao
duas, o reconseameuto e o augmento do
ten;), uma restriogindo a outra.
0 orador entrou na defeza do principio
adopt.ill pela commissao.
Entende que a p >pulacio do imperil nos
50 annos de sua existencia deve tor aug
mentado pelo meuos um tergo.
Se nio ha pois, nessa basejustica absolu-
te, ha a relative.
As provincias que hoje d5o dous depula-
dos, jd nao tinhara direito a essa represen-
tanao. Ha, port n, uma razio que a de-
termina, e poder morrer o deputado e se
fosse s6 na camara, Gear a provincia sem
representante.
A commissdo reconhece que o receusea-
mento nao p6Je ser uma base segura, e por
i.sso adoptou o tergo.
Tambem considorou o elemento de rique-
za. Foi por essa razao que a camara o an-
no passado augmenlou a deputacao do l'ard.
0 orador quereria que esse augmento se es-
tendesse ao municipio neutro e a provincia
do Rio-Grande do Sul.
Tendo-se referido ao Pari, expde os mo-
tivos que determinarain a entrelinba na
emenda da commissdo. 0 facto foi muito
simples. Esquecera sa de incluir aquella
emenda, e, advertidona camara, foi A mesa
e ahi, dianle de todos, a escreveu. Diz
com muita energia que ndo cedeu a nenhu-
ma pressSo.
Jiberaes o consarvadores.
Com as ideas do parlido conservador diz
que elle 6" o poder neutro, o poder irrespoo-
savel, sendo assim livre nasua escollia, quo
nio pdde difliculur a marcha politic* do
governo.
Esta opiniao foi muito cootestada.
0 orador, depois de outras considerables
de orddm menos elevada, concluo dizendo
que podia ter-se dispensado de ir d tribune,
porque nada disse de novo, como na Ja adian-
tara tambem a opposicao. 0 discursodo Sr.
Marlinho Campos s6 se tornaranotavel pela
energia nas aggressoes d maioria.
Sr. Ignacio Marlins come^a
por fazer sobresabir a circumsUncia de se
ter eucerrado a discussdo de um artigo sent
estarem promptas as emendas do seguinte.
Foi o que siguificou o requerimento an-
nunciado pelo Sr. Heraclito Gra$a.
M >s, retirado esse requerimento, que fi-
card para disculir ?
Estranha depois o silencio do ministro do
imperio. Elle adoeceu infelizmente, mas,
quando melhorou, devia comparecer para
disculir e nao para encerrar. Na 2a discus-
sdo ainda elle nao disse uma palavra.
Na. admitte a doutrina sustentada pelo
Sr. Graca de que, quando fa I la um raembro
da maioria, falls o governo, visto que o pro-
prio relator da commissdo esta divergente.
0 ministro promette seinpre, mas nunca
vem d discussao.
0 ministro em aparte disse ao orador em
torn euergico: Discuta a materia e eu
responderei. *
0 orador replica que tem discutido a ma-
teria ; mas que o ministro foge da tribune,
ndo so quer explicar; so quer encerra-
mento.'.
Elle ainda ndo deu as razoes por que
adoptou a emenda contra a sua profunda
conviccdo, aceitando o voto iucompleto em
opposii;do ao voto umnominal.
Neste ponto a discussao tomou um carac-
ter meuos calmo
0 ministro do imperio pedio a palavra,
troeandose entao com elle e o orador, por
entre muitas apartes de ambos os lados da
camara, phrases ate certo ponto violentas e
aggressivas.
Tranquillisados mais os animos, o orador
diz quo vai entrar no artigo, e corae$a per-
guutando qual e o systema nolle adoptado?
Depois do muitas consideracoes disse que
o ministro abusou da camara, encerrando o
artigo sem ter as emeodas.
Por isso se retirou da camara para nao
votar. E ha de retirar-se sempre, emquan-
to existir este projeclo, que esta condemns-
do. Nao fard casa para os encerramentos.
Faca-o psssar o governo, que tem tanta
Quan lojustificava as altoracoes feitas ao maioria. Pela sua parte oppor-se-lhe-ha
FOLHETIM
JOANNA
UK JOGO DEPAIXOES.
POti
firerjse Sand.
'.THADCCCaO DF. X. X. X.,
PARTE PRIMEIKA
I"1
vconunuacao do n. 217.)
forqae sou exclusivista. Wao me sinto
f *-c*s para ter varias paixoes ao mes-
mn tTpo. Pmvavelmente eu araaria meu
an** ; c mcus filhos f.... idolatra-los-hia.
:sana de amar e de estudar a musica,
n sinti. Aqnellas outras paixoes tal-
t^rnassem des^ragada, pois ninguem
mver o faturo,... ao passo que a
ie encanta. e preencbe-me a vida.
I'a i \-i- sacrificar o certo ao incerto e des-
lio ?... Jd disse bastante ; e, pois,
itoTn'jntes mais, porque sera* ino-
I ri a NMara ao meu amigo Vianne,
j^ j.*rtio triste, porem ndo desencoraja-
dj. pviue nao vin alt motivo bastante
para r^wanciar a csperanfa.
s pstds c rto de que ella nao tem
ia outra affeicAo, disse-me elle, es-
..
Mai Baflo disso, respondi-lhe, e dou-
ra 1e que assim e*.
LU- vjltftu para Montpelier, onde residia
, e eu ja me preparava par ir ter
irifc\ quando meu pai voltou de Paris
mmodado. Fiquei, pois, com
*, a hamei o medico para ve-lo, um
hoa u. ico ; m^s que entretanto eDganou-
aowca da gravladp do rr.al. ristO como,
anSe.*odo a fo Is constituigao de meu pai,
Bfcij-'goc qae u molestia fosse de longa
j"_ t*' ocai tomasse caracter serio. Assim,
alat awniitQeeu ; e o raal adiantou-se com
a r _*>a pai aooca tinha conl.?cido a afflic
Soaaw vec am sua vida f6ra viva-
*"' aoaprawionado : foi qaando vio o do-
te *V =ua mulhef derreter-se-lhe nas maos.
5', elle repetio as perguntas que se fizeram
sobre o art i, jd vencido.
Foi mjosto aquelle deputado em suas cen-
sures. A discussdo tem corrido amplamen-
te. Para o provar faz uma breve resenha
do andamento que tem tido o debate. Na
4* discussdo apraciou se largamer.te a mate-
ria. Na 2* discussdo e no art. 1 o debate
teve igualmente a maior extensdo. A dis-
cussao dos outros artigos tem corrido com a
maior amplitude.
Accus u-se primeiro a maioria de nao en-
trarem em discussao ; agora accusam-na de
noo deixar fallar o governo. Isto ndo e"
conhereute, nem e leal. Quem diz maio-
ria, diz governo e quom diz governo diz
maioria.
>se fosse a ouvirse o governo, os mem-
br >s da commissdo especial e a maioria a
proposito de cada artigo, a discussdo seria
interminavi'l.
E demais a maioria obra como entende.
I. ella e ndo a opposicao que ha de gover-
nar a camara e dirigk as discussoes.
0 orador defende depois o ministro do
imperio da censura que Ihe foi foita por ndo
lomar parte na discussao, de todos os ar-
tigos.
Se ndo fallou no art. 2, e porque a ma-
teria estava discutida e no art. 4 sabe a
camara os motives dolorosos que o afasta-
ram da tribuna.
E neste pouto estranha que o Sr. Marli-
nho Campos ndo respeite as grandes dores.
Depressa, porem, reparou esse mal ; mas
o mesmo oao podia acontecer d'est'outra
vez. porque a perda era mais seria.
Homem positivo, nao pdde resignar se
com perder a fortuna que tdo penosamente
adqoirira ; e, pois, desejou morrer, e mor-
reu !
Foi isto um golpe terrivel para minha
mai, que sempre o amara ternamente, e
uma laeeragdo profunda para mim, queo
estimava muito, e que so conhecia lbe a
induigente bondade e os ternos arrebata-
rnentos.
Joanna flcou consternada e chorou mui
to. Nao sei se ella se obstinava ainda em
ndo consi'era-lo como pai ; mas o que e"
certo 6 que ella pranteou-o sinceramente, e
que mostrou uma sonsibilidade profunda,
que apertou mais os lac,os dos nossos cora-
coes
Nos occultamos as lagrimas A nossa po-
bce mai ; mas choramos juntos e como que
em segredo ; e promettemos amarnaonos
tanto maisquanto tinhamos perdido aquelle
qae muito nos bavin amado.
Quando tratamos de liquidar nossas con-
tas e uegocios, veriGcamos que meu pai
chegara a realisar uma fortuna de trezentos
mil francos ; mas que, tendo queride ser
milionario, aventurara e perdera cerca de
dous tenjos do seu capita!.
0 que nos rest*va compunba-se da pe-
quena casa quehabitavamos em Pau, e que
nos pertencia, do albergue dos Pyriueos, de
alguns titulos de renia, e de alguns titulos
de credito, mais ou menos garantidos, en-
tre os quaes figurava um emprestimo feito a
Antonio Perez, mas cujos titulos nao me
pareceram offerecer as precisas garantias.
Meu pobre pai, conhecido pela lealdade
de suas transaccdes, depositara todo a con-
entretanto nenhuma
projecto, disse em aparte o ministro do im
perio, que nunca em parlamento algum foi
approvada lei eleitoral sem muitas emen-
das.
0 orador proseguindo em sua argumen
tacao, lembra que o Sr. Martioho Campos
entende ser preciso augmentar as deputa-
coes, e pergunta como 6 que elle, julgan-
do assim, impugna a emenda com tanta
vihemencia ?
Este em aparte disse que em geral acha o
augmento vantajoso
0 orador, para ojustificar, citouo exera-
plo de varias nacoes. Portugal, tendo me
tade da nossa populacao, tem uma camara
quasi igual d nossa. ve tambem muito
mais numerosas as representacdes da Fran-
ca, da Inglatorra e da Belgica. Por ultimo
refirio-se aos Estados Unidos.
0 Sr. Marlinho Campos disse entao em
aparte que o que quer e a igualdade para
todo o imperio.
0 orador passa a tratar da impugnacao
de iuconstitucicnalidade feita ao voto iu-
completo para os que julgam inconstitucio-
nal a eleicao directa.
Contesta esto principio em uma forte ar-
gumentacao.
Sustenta que ella nao tem fundamento na
lettra da constituicdo, e 16 o artigo resp^c-
tivo, discutindo-o largamente para provar
o nenhum fundamento da impugnacAo.
Ndo acha tambem perigosa a escolba de
senajores, confiada ao Imperador pelo me-
thodo disposto na emenda da commissao.
Corabate as objecgoes quese tem apresen-
tado com exemplos de escolher a corda se-
nadores de politica contraria d do governo.
Diz que no modo de considerar as attri-
buigdes do Imperador vai a differenga de
Tudo foi liquidado e recebido dentro de
pouco tempo, excepgdo feita dos vinte mil
francos de Perez, a quem escrevi reclaman^
do essa quantia, mas de quem so oblive
respostas obscaras e evasivas.
Resultando das minhas indagagoes que
elle estava entao em Pampelune, aceitei os
conselhos do nosso procurador, rauni-me
dos documentos precises, e parti para a
Hespanha.
N'essa resolugAo nao entrara de modo
nenhum o desejo de tornar a ver a verda-
deira Manoela, visto como, ante o fero gol-
pe que receberamos, eu a tinha quasi es-
quecido. Mas, ao ver as torres e campa-
narios de Pampelune, senti uma certa suffo-
cagao nervosa, de que outr'ora eu soffrera,
e que me reappareceu como um mal chro-
nico, e disse de mim para mim e em torn
de censura :Pois que, terei por venture
tempo e coragao para fazer o papel de es-
tudante romantico ?
com o voto, com o numero, com todos os
meios que poder empregar.
Quer discutir o artigo, mas a camara
comprehende que nao o p6de discutir, sem
que se lbe responda, se eo voto iucompleto
que se adopta na eleigao de juizes de paz e
de vereadores.
OSr. Heraclito Gra^a respondeu em apar-
te que a commissao o aceita para a eleigao
de vereadores.
0 orador deduz desta declaragdo que a
commissao ndo o aceita para a de juizes de
paz.
Proseguindo em suas consideragoes sobre
o artigo, diz que, desdeque o u.ioistro acei-
tou o voto incompleto na secretaria da agri-
culture, devia ter aptesentado um projecto
substitutivo, para nao haver emendas a cada
artigo. Assim uao sabe o que ba de dis
cutir.
0 ministro diz em aparte que 6 o artigo
que estd em discussdo.
0 orador sustenta que nSo e o artigo, e
pergunta novamente, qual p systema que
adoptou ?
Julga assim inutil discutir o artigo ; en-
tretanto aprecia-o largamente, combatendo
as suas disposigoes sempre com muita
energia.
Sr. (orrea nistro do imperio. Attencao) :Sr. presi-
dente, nao e sem difficuldades e embarago
que eu tomo a pslavra hoje. Nao alleg8rei
como motivo as minhas enfermidades, nem
os desgostos por que ten ho passado, mas,
certa predisposigao que tantas vezes se ha
manifestado para receber mal as minhas pa-
lavras, inverte-las eattribuir-me intengdese
procedimentos que nao tivu.
E' diflicil saber o que pretende a nobre
Entretanto essa suffocagao augmentou, e
complicou-so com fortes pancadas do cora-
gao, quando depois de ter alugado um
quarto n'uma estalagem, dirigi-me para a
hospedaria do parador general, a melhor
da cidade, e que me fdra apontada como
aquella era que de ordinario costumava hos-
pedar-se dous tPerez de Panticosa.
Fiquei sorpreso ante o sorriso com quo o
criado, a quem me dirigi, respondeu-me por
esta unica palavra: ausente.
Desde quando ?
Quinze dias.
Por muito tempo ?
Indefinidamente.
Sabe-se onte estA ?
Sd Deus e elle sabem-n'o.
Impacientado por tdo emphatic) lacouis-
fianga n'esse Perez, que entretanto nenhuma mo, desci para fallar ao dono do estabele-
Me inspirava. [cimento, que alids era um homem de rosto
Tratava-se de ans vinte mil francos ; e araeno e melancolico, que me examinou
isso para nds era muita cousa. Icom uma especie de temor, o disse :
Quando, em nossa casa, A primeira ddr! Antonio Perez 1 0 Sr. procure An-
succedeu a resign.g8o, julguei que era de-'tonio Perez? E's acaso seu amigo ?
ver meu pdr em ordem tnnto qua:;tj fosse1 Oe raodononhura; mas tenho negocio
possivel, os nossos r.'gocios; c desde )go com elle.
forraei o ioteatj de, logo que podesse cxer-' Ndo o encontrard aqui
cer a medicina, pmver eis minhas necessi Ja-'tio I Deve-lhe diDheiro ?
dos, c deixar d minha irmSa e a minha mdi; 0 senhor parece suppor que n5o 0
a minha parte da heranga. ''encontrarei em parte nenhuma .
Ella..,, pur-
. Justamente I Elle deve-me tambem,
e o seu debito e dinheiro perdido.
Estard elle arruinado?
Arruinado? Quem ? Antonio Perez,
o contrabandista ? Oh I ndo. Fugio le-
vando comsigo o dinheiro que deve a todos
que com elle tiveram negocios.
Entao e um infame ladrao ? Jd o
suppunba.
Oh I fique certo de que e o ultimo dos
homens. Liquidou a fortuna, e sem duvi-
da vai gozar na America o fructo de seus
roubos e tratantices.
Nao estaria com elie uma pessoa....
0 senhor chama aquillo uma pessoa,
A amante de Perez, & imraunda Pepa T
Elle estava so com ella, aqui ?
Na ultima vez, sim, porque deixara a
ulna n'outra parte.
No convento ?
No convento ?l qual I o que !
Ouvi dizer que ella fdra edacada, aqui,
n'um convento.
Isso e" verdade ; e, segundo penso,
ella ali eslove dous annos. Mas, sendo ella
muito linda e muito perseguida, commet-
teu a loucura de fugir com um joven offi-
cial ; e, sabendo d'isso, o pai veio busca-la,
e disse que ia pd-la n'um convento de outra
cidade. 0 certo e, porem, que partio com
ella para Franca, e qae de Id voltou pouco
depois para Madrid,onde dizem que passou-se
outra aventura, que, segundo uns, foi a fuga
da menina com um inglez, e segundo ou-
tros a sua venda A um russo ; e como pai
6 muito capaz disso ;... masse o senhor
tem interesse em encontrar o homem, o
melhor eira Madrid e Id se informar, visto
como aqui ninguem Ihe poderd dizer mais
do que eu. Todavia, se o senhor quer al-
mogar, nao terei duvida em faze-Io conver-
sar com algumas pessoas da cidade.
Encommendei um almoco adequado, e
convidei o meu bospede a fazer-lhe as devi-
das honras, afbu do obriga-lo a conversar
mais.
El.a loruou-se realmente communicativo,
e poz raeem relagao com algumas njtabili-
dades d'entre os seus freguezes, por raeio
dos quaes vim a ter as mais desagradaveis,
torpes e immundas noticias quo me podiam
dar acerca do meu devedor.
, opposigao. Quando entrou em discussao o
art. do projeclo eleitoral, porque nao es-
tavam sobre a mesa as emendas que a com-
nissdo tinha de offerecer, a camara lembra-
se dos clamores que dequeues bancos se lo-
vantaram, dizendo-se affronter ate* o bom
senso pretender-se discutir nm artigo, cujas
emendas ainda nao tiaham sido lidas. En-
tao, a nobre opposigao eutendeu ser preciso
requerer o adiamento, e sabre o adiamanto
travou-se uma longa discussao, na qual tra-
tou-se de tudo. (Apoiados). Mas hontem,
votado o art. 5", ndo estando ainda sobre a
mesa a emenda que devia ser offerecida a
um dos do art. 6, e que hoje foi apre-
sentada, lembrou-se o meu amigo, deputado
por Maranbdo, o Sr. Heraclito Graca, da
fazer o que antes a opposigao fizera, isto e,
de requerer o adiamento ate a apresentagdo
da emenda ; e aquillo que a opposigao jul-
gara indispeusavel quando se tratou do art.
4*, foi hontem motivo de censuras e de es-
carceos. (Apoiados).
Disto, Sr. presideute, o que resulta e que
da parte da nobre opposicAo nao ha senao o
designio de contrarkir e censurar a todo
proposito e a todo trause. (Muitos apoiados
e nao apoiados).
0 Sn. Martinho Campos :N5o se res-
pjnde a observagdes tdo banaes.
(Ha outros apartes).
OSr. Ministro do Imperio: v. Exc.
tem-se arrogaJo o direito de dirigir-me
offensas da cadeira em que se seuta ; todos
os dias V. Exc. mo pravoca ; eu tenho o
direito de dizer-lhe que o Sr. deputado por
Minas ndo pdde e nao deve insultar-me.
(Muito bem).
(Trocem-se apartes veheraentes eutre os
Srs. Martinho Campos e Ferreira de Aguiar.
0 Sr. presidente reclama att^ngdo).
A que especteculos nos quer conduzir um
deputado antigo, parlamentar amestrado,
homem a quem sempre prestei toda a consi-
deregdo e respeiu, tomando para si atarefa
de provocar-me diariamente, de dirigir-me
offensas, de ndo empregar palavras mais de-
licadas do que estes, que o ministro faz
consideregdes banaes t! Quem deu ao no-
bre deputado o direito de se erigir em juiz
severo e censor aspero? 1 (Muito bom, mui-
to bem).
- 0 Sr Martinho Campos dd um aparte.
0 Sr. Ministro do Imperio : Espero em
Deus que, ao menos, uao hei de fazer o pa-
pel de trapeiro, que vai nos monturos da
inaledicencia encher a alcofa que despeja na
ca nara.
0 Sr. Martinho Campos : Nao ouvi,
mas as cousas recebem-se da rado de quem
vem.
0 Sr. Ministro do tMPERio :De hoje
em diaute, roceberei tambem o que vier de
V. Exc, como undo de um homem que faz
o proposito de provocar-me e injuriar-me.
0 Sr. Martinho Campos :Ndo ha duvi-
da, na sua apreciagao...
0 Sr. Ministro do Imperio : Hei de
ter para V. Exc. o respeito que todos os
membros desta casa me merecem como de-
putados; mas ndo hei de, pelo impulso de
suas provocagdes, aceitar a luta indecente a
que me querem arrastar.
0 Sr. Martinho Campos : Luta indecen-
te e V. Exc. capaz de fazer.
0 Sr. Ferreira de Aguiar : Os exem-
plos provam o contrcrio. (Muitos apoia-
dos)
(Ha outros apartes).
0 Sr. Presidente :Attengao I Attengdo I
0 Sr. Ministro do Imperio : Tenho-
me revestido de uma prudencia estudada e
muito meditada, mas e sacretissimo o direi-
to de defeza, e ninguem em consciencia
quererd tomar para si o papel daqueile que
se ve offendido diariamente, e nao tem ao
menos um momento de energia para repellir
as offensas.
0 Sr. Moraes Rigo :Esta no seu di-
reito. (Mui tos apoiados).
0 Sr. Ministro do Imperio : As provo-
cagdes cbovem todos os dias e ha muito. E'
tempo de pedir, tudo aconselha e o nosso
decdro exige, que ellas cessem. (Muitos
apoiados).
Sr. presidente, ainda o anno pass&do le-
vantava-se daquelles bancos uma censura d
maioria. A maioria ndo discute, a maioria
ndo dd urn apoio efficaz ao ministerio, a
maioria ndo e sincera na adhesdo que presta
ao gabineto, os ministros sao os unices que
occupam a tribuna, que discutem, que veem
defender-se. E este anno, senhores,
sempre ouvir pronunciar o nome de meu
pai como tendo sido um dos amigos d'aquel-
le homem ; mas felizmente n5o fallerem
n'elle.
Evitei fallar de Manoela ; mas todos se
occuparam d'ella mais do que eu desejara,
dizendo uns que era uma menina inexpe-
riente, muito interessante e digna de lasti-
ma, e outrosque era uma astuciosa -na-
moradeira, que facilmente abendonara os
seus amores com o joven e pobre official
para aceitar da mao paterna nio um esposo
melhor dotado e mais digno, porem, sim
uns commercios maisrendosos e lucrativos.
Passei o resto do dia a colher mforma-
gdes na cidade, e no dia seguinte pela tna-
nhaa fui para Madrid, onde me deram no-
ticias de todo ponto conformes as que eu
obtivera em Pampelune.
censura e inverse, a maioria e" quem quer
fallar, oa daputados discutem, os miuistroa
recolhem-se ao silencio !
De modo qua com os nobres depuUdos
da minoria nao ha.meio de evitar a censura,
aggridem pelo m, aggndem pelonia.con-
formti as circumstancias, conforrae o dia.
(Muitos apoiados). E a opiniao que acabo
de citar foi nada mends do que a do illustre
deputado pelo Rio-Grande do Sul, oSr. Sil-
veira Martins.
Era elle quem fazia as maiores increpa-
gdes a maioria por deixar que os miniatros
somenle se defendessem, e discutissem as
matenas sujeitas a deliberagao desta cama-
ra ; agora outros daputados da op'posigdo,
que dvem ser solidarios com o seu colle-
ge, levantani-se e censuram em sentido con-
trario os ministros ndo discutem, deixam
que a maioria sd discuta I
Porque se ha de censurar que em um
projecto de reforma eleitoral, materia a res-
peito da qual o ministerio entende de maxi-
ma couveuiaucia a liberdada plena da m*>
nifestagao de todas as opiuides, os ministros
deixera da ter as unicos a tomar a palavra e
a discutir artigo por artigo, desde qua ami-
gos dedicados do governo, identificados com
elle nas mesmas opimdes e nos- mesmos in-
tuitos de fazer adoptar a reforma, querem
defende-ia, querem manifestar as suas opi-
nides?
Por venture vai d ahi motivo de censura,
quer aos deputados que assim procederam,
quer aos ministros que cederam o lugar a
oradores distinctos cepazes de disculir como
teem discutido o projecto ?
Eu disse que e manifesto o proposito de
censura, que e especial e muito positiva-
mente manifesto o proposito de offender-me,
de magoar-me, de detrahir-me por todos
os modos.
0 Sr. Euprasio Correa : V. Exc. e"
injusto quando se re fere nestes termos i
opposigao toda. (Apoiados).
0 Sr. Ministro do Imperio : Perdde-
me o nobre deputado, nao me refiro A oppo-
sigao toda ; jd disse que este procedimento
que me s jrprende, e que me offende, con-
tra o qual nao posso deixar de reclamar,
partira daqueile que devia dar exemplo de
moderagdo, e que de mim nao tem motivo
de queixa, ou resentiiueuto, e, se tem, que
o aponte. (Apartes).
Tenho respeitado no nobre deputado, re-
pito e repelirei ate & saciedade, ndo sd o
meu n ob re coilega que se sent a nestas ca-
deiras, sendo o parlamentar antigo, e, mais
do que isto, o anciao que a todos deve dar
exemplos de acatamenlo e prudencia, e de
todos recebe as maiores attengdes. (Conti-
nuam os apartes].
A que vem esta insistencia diaria, repeti-
da do dez mil modos na tribuna, na im-
prensa, em todos os lugares, com a escolha
dos termos mais affrontosos, de que o mi-
nistro do imperio foge da tribuna, nao quer
discutir, ou vem A tribuna a yincho, come
dizia jocosamente o nobre deputado por Mi-
nas, o mesmo illustre anciao, a quem acabc
de referir-me ?
Sr. presidente, qualquer dos meus nobres
colleges, os Srs. ministros da justiga e da
agricultura (ndo e um favor que Ihes fago,
mas um testemunho muito siniero que dou
pdde discutir e discute com muito mais ta-
lento e illustragao; mas, o mais humilde
dos ministros, aquello que nSo duvida con-
fessar que teme a tribuna como um lugar a
que sd devem subir distinctos oradores, este
se tem desempenhado dos seus deveres,
sendo dos ministros deputados o que mais
vezes a tem occupado nesta sessdo. (Muitos
apoiados).
Como, portanto, repete-se de todos os
modos e todos os dias que e" um ministro
que vem a tribuna a gancho ? que nao quer
discutir ? E chega-se com grave injustiga a
dizer ou a dar a eutender ate que esta mi-
nistro fingio molestia para nao discutir,
quando o certo 6 que o humilde orador que
estd na tribuna ainda hoje faz um grande
esforgo para desempenhar o dever que des-
empenba de responder ao nobre deputado 1
(Apoiados).
Pois quem ha que ignore que minha sau-
de enfraquecida ba muito tempo, vejo-a de
dia a dia cada vez mais debiiitada ? (A-
poi ados).
0 Sr. Ministro da Justiga : Ndo se
defenda disso. (Apoiados).
[Continuar-sc-ha.)
com al-
<4
Suppunha-se geralmente que Perez tinha
ido para a America do Sul, code outr'ora
commerciara com escravos; e, quanto a
filha, de quem todos, a despeito meu, me
davam informagdes, fallando d'ella como se
fosse uma perola de belleza, e lamentando
que tivesse por pai semelhante homem,
ninguem sabia ao certo onde parava nem
que dm levara, embora fossem todos accor-
des, posto qae partindo de versdes diversas,
em que tomara o mao caminho que Ihe
fdra indicado.
No meu regresso do Madrid passei por
Panticosa, onde demorei-ma alguns dias,
com o dm de ali colher tambem informa-
gdes, qua me tranquillisassem a consciencia.
Foram inuteis, porem, as minhas tenta
tivas, porque, tendo cahido, como depois
conheci, n'um ninho do contrabandistas,
ndo se prestaram estes a responder as mi-
nhas perguntas, o mostraram-se desconfia-
dos, como se, tendo sido complices das em-
prezas de Perez, receiassem denuncia-lo,
nao obstanto as queijas que d'elle tinham.
Com effeito, procuraram illudir as minhas
pesquizas, e desviaram sempro as questdas
quo lhes fiz a respeito de Perez, e obstina-
ratn-se e.n fallar-me da gentil Manoelita, de
quemdiziam que era bella, affavel, a boa, o
que fazia berreficios e dirigia palavras ho
nitas e affectuosas A todo muudo, quando
rnorava ali, e antes de ir para
. o convento.
Quando me refenram taes cousas receoi'Depois d'isso, diiiam ellts, ninguem mais
a vio, e todos suppdem que casou
gum grande de Hespanha.
Voltei para casa i pee pelasmontanhas,
passando por Luz, onle fui receber o pregc
do arrendament > do albergue de Rergonz, e
onde respirei um pouco de ar puro, e sem
temer ouvir dizer mal do meu pobre pai,
pois que ali deixara elle excelles tradicdes,
confirraalas poles recordagdes que d'elle
guardava muita gente honesta, que respei-
lava a sua meraoria e d mim dava prazer,
conSrmando o juizo que eu fazia de que
elle procedera sempre lealmente nos nego-
cios illegaes de quo se occupara.
E esse juizo era bem fundado, visto co-
mo o tempo incumbio-se de ministrar-me
numerosas provas da sua lealdade, e em
prol da crenga que me alimentava de que
elle fdra o typo d'essa inconsequencia que
leva certos homens, embora, prudentes e
atilados, a serem facilmente illudidos por
traficantes grosseiros, e & se deixarem cora-
prometter em negocios fraudulentos, nos
quaes todavia nao tomaram parte d recta.
Em todo caso consoleva-me a idea de que
se elle tirara proveito de sua sociedade com
o ignobil Perez, ndo nos cabia gozar das
vantagens de tal proveito, visto como, por
esse lado, estavamos arruinados.
0 que nos restava da fortuna de meu pai
nao podia deixar de ser coosiderado como
legitimamente adquirido por um trabalho
em que toraararaos parte, por isso que o al-
bergue prosperava, e produzia-nos tres mil
francos por anno.
Aquelle que nos arreudara essa casa fazia
verdadeiras extorsdes dos seus freguezes;
mas, a medida que augraentava a conenr-
rencia da alta sociedade As aguas dos Pyri-
ueos, tambem tod, s se habituavam a pagar
caro os generos que consummiam, e a casa
Bielsa nao era exceptua la da regra gera!.
Ali passei um dia, melancolico e enter-
iiecido, por isso que tudo ali me recordou
meu pai e os rapidos, porem doces movi-
mentos de effusdo que elle tivera para co-
nugo.
{Continuar-se-ha}.
IiP Uu UlAl'.lO. -HCA uiyLfl. uH i
s^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E656Q8X01_82LM2O INGEST_TIME 2014-05-27T23:08:21Z PACKAGE AA00011611_16513
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES