Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16509


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO L NUMEBO 214 ^81 sb p
PAJIA A CAPITAL. B L.UGABBS !VDB NlO SCrACTA PtBTE.
tw tres mazes adiaotados................ 69000
Potseisditos idem..................139000
For am anno idem.................. 514*000
Cada numero avulso....., ..........; 9890
-
:
f Its. Gerardo Antonio Alve* d Filbos, no Para; Gong-alvei d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose' de Oliveira d Filho, no
Fereira d'AJmeida, em Mamangnape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomel,
Antonio Ferreira de Aguiar.em Gojanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar
fsi:::ciD popular
Tratain eleiHentar t geoicraitiiia
do Iti'WMii. pur Heriiiillo Diipcnun,
natural de Pernnmbnro.
GR.\0-PARA
1813
ladustria.
Agricola : poaco explorada ; algodao, arroz,
anna, etc. Fazeudas de gado 814 : cabegas
106,595. Uanufaclora : quasi nulla ; azeile, obras
de barro. peixe secco, red'ts, tapioca, etc. Com-
-mercial (1871) : produclos oaturaes do so'n ; gom-
ma elastiea 7,743:000 kilogrammes ou 10 G4b con-
tos, segundo o valor oi'.i :ial; cacaa 4,433.000 di-
tog ou I,lit;; contos ; castaohas 3,900:000 ditus ou
432 contos; couros 680,000 ditos ou 415 can-
tos ; arroz 300,000 ditos oa 18 coatos ; algodao
36,000 ditos oa 19 contos ; assucar 68,000 ditos
ou 12 contos; cumaru' 4,000 ditos ou 3 con-
tcs ; grude de peixe 29,000 ditos oa 73 contos
teo de cupahiba 38,000 ditos ou 70 contos : pias
.-aba 155,000 ditos oa 33 contos ; s ma 5.300 ditos
na 10 contos ; ur ucu' 93,000 ditos ou 25 contos,
oic. Exportagao 17,000 contos ; imporlagao 8,000
ditos; direito* arrccadados.
Movimento do porto do Para : entrarias ; vapo-
res nacionaes 124 ; ditos estrangeiros 63 ; total :
187 ; navios de vela naciouaes 9 ; ditos eslran-
geiros 46 ; total*: 55 ; total geral 242. Saliidas :
vapores oacionaes 128 ; ditos estrangeiros 50 ; to-
tal : 178 ; navios de veia nacionaes 6 ; ditos es-
trangeiros 10G ; total : 112; total geral : 29 >.
Navegacao directa com os Eslados-l'nid s, Fran-
ca, Inglaterra e Portugal; 3 linhas da vapores en-
tire os porlos de Liverpool, Lisboa, Para, Mara-
nio e Ceara ; do 1 ao Havre, Lisboa, Para, Ma-
ranhio e Ceara ; entre New York e Rio de Janei-
neiro com escala por S. Thomaz, Para, Pernambu
co e Iiahia.
Navegagio cosNira eatre Para, I'eara, Natal,
Parahyba, Pernambuco, Maceio, Bahia e Kiode Ja
ueiro ; entre Para e Ceara com escala por Mun-
iahu, Acaraer.', Camocim e Amarracao ; S. Luiz,
Caimaraes, Cururupu' e Tury-Assu', Viieu, Bra-
;;anca, Cintra e Vigia.Tres de compaohias de na
vegagio tlavial a vapor (hoje redazidas a umai
com 22 vasos.
A 1* com 7 linhas : de Belt- n e Manaos com es-
cala por Breves, Gurupa, Porto de Moz, Prainha,
Monte Alegre, Santarem, Obidos, Villa Bella n Ser-
pa ; de Manaos a Tabalinga com escala por Cu-
ilajaz, Coary, TelTe, Forile Boa, Tocantins e S. Pau-
lo ; de Belem a Oaraeta com escala por S. Domin-
gos e Abaete; dc Belem a Chaves com escala por
Muana, Btia-Vista, Curralinho, Breves, Araraa, Fu-
ro do Abreu, Atnajaz e Maeapa ; de Belem a Ta-
pera no Arary ; de Belem a Soure e de Belem a
obidos com escala por Breves, Gurupa, Porto de
Moz, Prainha, Monte Alegr*> e Santarem.
A 2* com 4 lianas : de Belem para Moju' o Cai-
rary ; para Aeara ; para llujaru', S. Domingos e
S. Miguel ; para .Muana, Curralinho. Oeiras, Bre-
ves, Porlel, ilelgaeo, Anajoz, Macapa e Maragao
A 3' para navegacao do Madeira, Puriis e Rio
Negro ainda nao kuuaurau o service.
Pharoes : liana pharnl entre os 2 bancos do
canal de Bragan.;a ; Lat. S. 0 26' V ; Long. 0.
R. I: 4 46' 30" : allura 10 metro? : alcance 48
k. Salinas, na il::a do masrao uome : Lat. S. 0'
:;' ; Long. 0. R. 1 I- 13' 15" ; altura 31 metros ;
alcance : 100 k. Piiaroielea em : Coapeo Vira
do, Cotijuba. latabj, Goiabal, Panaquera e Ma-
riano e do Capim, oa ilha do mesmo nome, ponta
do N. ; Lat. 5. lr 32' 30"; L. 0 II. I. 5'41" 40" ;
altura 8,n,o0 ; alcance 12 k.
Reeeila.
Geral: 4,410 coutos ; despeza 1,200 Jito*.-/Yo-
inciel : 1,533ditos ; despeza : 2,iNi2 ditos.ifh-
iticipal : 35-j ditos.
Forca publica.
Guarda naeional: eotomando saperiores 9; pracas
:i6,174 (artilharia 1,514, iufanlaria activa 30,675,
rcserva 3,965) ; forca polieial : 505. Total 36,679.
Instruccao.
Publica primaria : escolas 192 ; frequencia
8,787 alumuos (sexo mascnlino. esc. 117 ; ftraq.
5,990 ; sexo feminino, esc. 75 ; freq. 2,797). In*
L-luem-se 8 nocturnas eas do corpo da policia, dos
arsenaes de marinha e guerra e do 11 batalhao
de infantaria. Primaria particular : escolas 34 ;
lrequen;ia 1,008 alamnos (sexo masculiao, esco
las 21 ; freq. 7i', ; sexo (em.; esc. 13 ; freq. 354).
inciuem se 7 Doctarnaa e uma para escravos., Pu-
Llica secund:.ria : eslabelecia>eutus o ; (requencia
424 do sexo maseulino e 200 do sexo femiuino.
Mais uma cadeira da musica e o collegio do Am-
paro destinado para menims. Particular secun-
daria : estabele^imantos 8 ; frequencia 740 (sexo
maseulino, estab. 4 ; freq. 430 ; sexo feminino, es
tab. 4 ; freq. 310) Total: escolas 240 ; frequen-
cia 11,449 alamnos.
Representacao.
Senador 1 ; deputados geraes 3 ; ditos provin-
ciaes 30; eleitores 573.
* Imprcnsa.
Oiarios 5 ; semi-hebdomadarios 3 : hebdoraa-
darioa 6. Typ3graphia3 16.
desfecho da denancla do Sr. Leandro Bezerra, de i Ahi diz Ganganelli, tratando da votacio
que tratei na caru anterior.
Entrou elfectivamente em disuussao no dia 4 o
parecerdi comwissao. como the disse; e nat foi
sem sorpreza que se viu o Sr. Ferreira Vianna
lomar a palavra em primeiro lugar para coraba-
t:l-o, quando se esperava que fosse o proprio Sr.
' mara.
c B se altendermos que tal decisio foi tomada
por unanimidade de votos, porquaoti ainla os
mais exagerados ultramonuaos, oa fagiram da \*
camara ou votaram contra a denuncia, podemos,
sem mado de errar, repeliulo quanto par vezes
PASTE OFFICIAL.
Goverao da provincia.
DESPACHOS DA TBESIDENCIA, DO DIA 18 DE SETF.MDRO
DE 1874.
Adelia Paulina de Oeus.Indeferido.
Bacharel Alfredo Ernesto Vaz de Oliveira.
Passe-9e portaria, concedendo um mez de licence
.-.-m ordenado.
Antonie Jose de Magilhies.loforme o Sr. Dr.
chela de policia.
Bernardo Vieira da Silva.Ao Sr. Dr. chefe de
pdlicia, para attonder o supplicante-como achar
conveniente.
Companhia dos trilhos urbanos de Olinla o Be-
teribe.Informs o Sr. inspector da thesonraria
de fazenda.
Demetrio de Gasmaj Cofilho. Deferido com
o offlcio destr. data ao Sr. inspector do thesouro
provincial.
Irmandade da N'assa Seahora da Conceicao doi
M.ntes da villa de Palaiares.(festa data expejo
a convenient^ ordem ao thesouro provincial no
.-intido de ser entregue a supplicant o prodacto
a que allude, medianta llanca idenea.
Bacharel Jose Domingues da Silva. Aguarde o
.vjpplicante que venba ordem do poverno imperial
quanto ao pagamento.
Luiz da Veiga Pessoa.Informe o Sr. comman-
c:nte superior da guarda naeional do municipio
ci&sta capital.
Manoel Gomes de Barros e Silva. -Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Manoei Felippe do Monte.-Re pieira pslos ca-
eaes competentos.
Maria Magdalena da Natividade. Tendo sido
removida a sappl.cante, nada ha a deferir.
Bacharel Paulo Martins de Almeid a.Pa9se-s
portaria na forma requorida.
desde a vespera se haviam antecipado em inscre-
verem-se contra. E am Ja maior sorpreza causou
o modo porque se exprimio o orador condemnando
desde as pri'meiras palavras a denuncia, segundo
os preceitos do catholicismo. A igreja, disse
flli', nao accusa, perdoa. >
E com este estribilbo,' ao passo que fazia as
mais acres censuras ao procedi aiento de governo,
reprovava tambemo deseu compaohsiro de dissi-
dencia.
Para dar-lhe uma idea resumida do que foi a
sessao daquelle dTa, transcreveroi de uma folha go-
vernista a seguinte noticia :
< Oaspecto da camara nada tinha de anormal.
A concurrencia que de ordinario attrahem os de-
bates daquella casa do parlamento, era a mesma
que nos dias raenos solemnes. Nao se diria, ao
penetrar no recinto, que a camara devia occupar-se
de decretar ou nao a accusacio de tres rainistros
de eslado, tres cidadaos emiaen'.es a quern a con-
sciencia naeional deve tantos e tao reconhecidos
servigos. 0 bam senso publico indicou por esta
primeira manifestacio o nenhum apreco que era
de altribuir a curiosa queixa.
a Apeaas annunciado o debate, o Sr. Joao Men-
des enviou a mesa a seguinte emend subslitutiva
a conclusao do parecer:
i A camara, sem entrar no exame do mereci-
ment i das razoes do parecer, entende que a de-
nuncia nao esta devidamenle instruida a funda-
mentada para autorisar a accusagio criminal dos
denunciados.
Era demasiado transparente o pensamento do
Sr. Joao Mendes para que a illustre opposicao,
tendo de pronunciar se em caso tao grave, se dei-
xasse colher no verdadeiro lago habilmente dispos-
to pelo trefego.ullramontano.
> A emenda subslitutiva adiava a questao sem
a resolver. Apartando o ex'ine da denuncia por
indevidamente instruida, fundamentada, ella en-
volvia mais uma questao da forma que de apre-
ciacaoda boaou ma fe dos il ustras accusados.
a Quaesquer que fossem as razoes que a isto o
detenninaram, o Sr. Joao Mendes nao esperou
senao que o debate fosse eneerrado para retirar o
seu engenhoso substitutivo.
Provavelmente obrando por si, a sem nenhum
concerto com seus amigos, o autor encontrou por-
ventura resistances a que tevede ceder.
Em lodo caso e vencido ou nao que focse, o
Sr. Joao Mendes deu com este acto um claro testa
munho de honrosa docilidade e de homenagem a
justica e ao direito.
< De igual docilidade nao quiz dar o exemplo o
Sr. Leandro Bezerra que, segundo a sua propria
declaracao, obrou de sua propria con'.a, sem con-
sulta de quern quer que fosse, a, manteodo a de-
nuncia at6 o momento de ser vouda, resistio a
conseltios de seus amigos para obedocer somante
as proprias inspiracSes.
0 debate sobre o parecer correu calmo e ele-
vado.
0 Sr. Ferreira Vianna, a quem coube abrd-o,
fez um discurso em parte humoristico, nio esque
cendo accentuar com um certo vigor de phrases
qqe o Sr. Leandro Bezerra o nio consoltara, nem
ouvira, e aconselhando-o a retirar a sua de-
nuncia.
t S. Exc de:Iarando votar pela conclusio do
parecer, procurou combater Ihe os fundametos
e, como era bera de osp3rar, lembrou Basilio e
Chrisostomo a proposito dos prelados-martyfes,
chamou de inaudito attentado a conde.mnacio dos
dous bispos, e acclamou-os por anjos e grandes
luzeiros da chritandade, e acabou como sempre,
entre as felicitacoes a ternos abragos dos Srs. Tar-
quinio e Diogo.
t Cabendo-lhe entao a palavra, proferio o nosso
illustre amigo Sr. Alencar Araripe um vigoroso
discurso em que, defendendo com severa dialectica
e em phrase por vezes animada, 03 fundamentos
do parecer, produzio a mais brilhante e energica
defeza da politica do gabinete em relagio ao
contlicto suscitado pelos bispos de Olinda e do
Para.
0 Sr. conselheiro Alencar Araripe, provocando
no correr de seu eloquente discurso, ardentes ap
plansos da maioria, foi vivamente felicitado ao
deixar a tribuna.
0 illustre magistrado tinha proferido um dos
mais notaveis discursos ouvidos sobre a questao
religiosa.
a 0 Sr. Leandro Bezerra, vencendo instancias de
seus proprios amigos, tomou a palavra.
a Declarou ter procedido por deliberagao pro-
pria, e ser 0 unico responsavel do acto a que fora
levado por impulso de sua consciencia offendida.
Offerecendo uma deouncia contra tres ministros
de estado, estava longe de suppor ou de receiar
que della podesse provir a qualqner dos accusados
a applicacao de qualquer pena. Se 0 fez, foi so-
mente em cumpnmento do que julgon ser 0 seu
dever.
a Depois de largas consideracoes sobre 0 contlicto
religioso, e particularmente soDre a carta Anto-
nelli, 0 oralor terminou, segundo sua propria
phrase, dando e pedindo perdoes.
a Eneerrado 0 debate a requerimento do nosso
amigo Sr. Bittencourt Cotrim, 0 Sr. Leandro Be-
zerra declarou abster-se da votacio.
t Posta a votos, foi approvada a conclusio do
parecer por unanimidade de votos. >
De facto 0 Sr. Leandro deu e pedio perdao.
Procarando justilicar 0 seu procedimeoto e dar a
razio por que nao bavia ouvido aos seus amigos,
disse, era resposta ao Sr. Ferreira Vianna, que fez
reparo em nao ter sido consultado, que somente
se bavia guiado pelas proprias inspirarjdes e fe de
catholico, e que por iss> nao tinha se entendido
com os seus amigos, aos quaes quiz deixar inteira
liberdade.
Conslantemente interrompido, 0 orador nio raos-
trava zangar-se, e com calma, e como que com-
pnngido, entreteve 0 auditorio por cerca de uma
hora, sem responder aos apartes, alguns dos quaes
produziram hilaridade.
Leandro, ou 0 Sr. Diogo da VaacuQcellos, que lemos escripto, dizer qae nas accusagoa* Jeitas
ao governo, nesta incanJe.-ceate questao episcopal,
nao a conviccjio, mas 0 simples calculo politico a
pelo poder, daterminara taas accusacoas, hoje
anoulladas e espontaneamente rejeiladas pelos pro
prios que as produziram !
< Ainda notaremos uma circumstancia, 0 que
rn'iito pesa nesta emargencia altamenta politica :
a falta de conoicgSo do proprio denuacianle I
a 0 Sr. Leandro Bezerra contentou-se com pre-
gar 0 seu sermao de lagrimas am prol dos saus
martyras de eneommanda. Abandonou, porem, a
sua denuncia, 0 nem se quer com 0 seu voto a
amparou !
Abaadonou 0 alto posto que lhe foi confiado 1
E porque f
a Responda a consciencia d > proprio denun-
ciante.
0 qae resta dessa celebre denuncia 1
Os telegrammas passados in continent* para
Roma, para toda Europa e para as provin-ias do
i 11 peno, apregoaado que o governo tinha de ser
responsabilisado e puniJo em desafkaonta <4>os
BISPOS CONDBMNADOS I
t Estes telegrammas, porem, foram ia neutrali
sados pelos que 0 governo deve ter expedido para
os mesmos lugares, dizendo qua a denuncia nio
passou de uma (area, de uma imbecilidade inqaa-
liticavei, e que a camara, un mime mente rejeitan-
do-a, dau plena a esplendida approvacio aos actor
do governo na questao episcopal.
c 0 governo, portaoto, foi armado, por uma
volicao unanime, de necessaria forca moral para
proseguir, contra os ndramontanos, contra os
bispos rebeldes, contra os prepostosdestes a em dm
para fazer mauler os preceitos constitucionaes em
toda a sua plenitude. >
Como, entretanto 0 illustre representante do
Sergipe nao 6 horaem que desanime por qual-
quer cousa, dous dias depois apresentou se na tri-
buna para jusiiGcar um requerimento sobrane-
gocios d'aquella provincia, cujo presidents censu-
rou fortemente. Mas ainda ahi nao foi feliz com
os amigos decideotes ; porque 0 Sr. Tarquinio,
em apaites, conlrariou 0 repatidas vezes, dando
testemunho das qualidades e meritos do Sr. Passos
Miranda.
Na sessao immediata respondeu-lhe 0 Sr. Marti-
nho de Freitas, deputado pela mesma provincia.
Nestes ultimos dous dias nao tam bavido sessao.
Amanha deve tar lugar 0 encerraneuto no pago
do senado, e os nossos dignos legisladores, do nor-
te, devempaitir d'aqui nodia 14, pelo Para, que,
segundo cou-ta, vai repletis^imo
Deus Ihes de boa viagem.
Tendo a Re/orma inicialo que 0 ministerio se
reliraria brave, ou pelo raenos passaria por pro-
funda modilbacao, raspondeu-lbela Nacao, negan-
do ambas as hypotheses ; a de facto parece que
nao ha 0 menor fundamento em tal nsticia.
A mesma Reforma, refcrindo-se a cartas recehi-
das dessa provincia, annuncia a proxima retirada
do Sr. Lucena, e nomea;io de novo presidante
para Pernambnco. Passoa bem informada me
assegura que nao e exacto, que se trata'-de seme-
Itiante cousa. Trata se, e]verdade, de nomeacao
de novos presidentes para diversas provincias,
mas nao para Pernambuco, cujo administradbr
continua a merecit a contianga do min sterio, a
tem por si, ao qae parece, 0 apoio da respectiva
daputacio.
Com referenda a provincia do Rio-Grande deu
0 Globo a nomeacao do Sr. Perelra Franc >. Tara-
bem nao 6 isto exacto, assim coaio outras nomea-
goes que ease jornal noticiou.
A discussao relativa a denuacia de Sr. Leandro
produzio hoje um episodio, que merece ser refe-
rido.
Quando orava 0 Sr. Ferraira Vianna, e tocou ua
missio Penedn, deu 0 Sr. Diogo de Vasconcellos
apartes offensivos a honra do nosso diplomata. 0
filho deste, tendo noticia do incidente pelo extrac-
t j do Globo, pedio explicagao por.carta a aquelle
deputado. Este respoudeu da modo pouco satis-
fatorio. 0 outro replicoa, e este treplicou, e ludo
veio a luzda imprensa.
Hoje as 2 horas da tardeencontraram-se ambos
na travassa doCarmo, indo 0 Sr. U.ogo acompa-
nhado do Sr. Joao Mendos. Trocaram explicagoes
pouco amaveis, e por li 11 pas-aram a vias de fac-
to, atirando um uma beogalada, a outro, um soco
0 Sr. Joio |Mendes, que raetteu-se de permeio
para separar os contendores (ambos 03 quaes fica-
ram illesos) recebeu uma e outro, e foi e tertius
gaudet.
Eis 0 que acontece a quem quer corapor as de-
savencas do proximo.
Entretanto cumpre confessar que a nao ser esse
resullado protico, nenhum outro produzio a famosa
denuncia. E se a alguem deve 0 Sr. Leandro pe-
dir perdao pelo incommodo que lhe causeu, e ao
Sr. Joao Mendes
Se quer en To rear ministros, ao raenos nao en-
foraue gramatica, disse um membro da maioria.
SEGEWA FEIR 21 DE SETESffiRO DE 1874
P*BA DK^T
Por tres metea adianiados. .
Por eeis ditos idem .
Por note ditos idem ....
por am anno idem.....
FORA DA PttOVINCIA.
.
JffW
1JJBMH
M9M0
root*
I
PROPRIEDADE DE MANOEL FKUEIROA DE FAR1A A FILHOS.
[ Antonio de Lemus Braga, no Aracatj ; Joio Mark iuiio Chr >ej, no Asr&; Antonio Varqnes da Silva, Natal ; Jose Justino
rilla da Peoha; Be'armiDo dos Santos Balcio, em Santo Ant> ; Domingos Josd da GostaBraga, emSaxaretht
lagdas | Alves d C.,na Bank; A. Xavier Leite 4C.r Rio Janeira-
^.^l4.rf e-men,da Qur|a wlvar o prin- arrogar-se o direit) de proceder t5o abu Com effeilo, Senhor, se geralraente raektseca-
va mente como as dous prelados provueado- "lo e nada na vida das na^oes, outro tanlo sa nio
to constitucional que defends, mas assim
0 e. A doatrina que levantou implica
a pureza do systema representativo. E
outrina e* liberal. Eutristece-se" de que
marquezes de CiraveHas e de Queluz
ntsssem ns-conlitnic8o do imoerio prin-
cipios mais liberaes do que os quo hoje s3o
ssstentados.
Por sua parte d3o pdde aspirar a mudau-
cs ministerial, uma vez que nao ho de
restaurar as dou'rinas constitucionaes que
tiveram seu brilbo na upoca da regencia
papular.
l^uerem agora favorecer o senado & custa
rattio temporario; assim tambem e no
ado que vao buscar os chefes dos gabine-
, epur tal fica tudo valendo o senado, e
r isso e que o visconde do Rio-Branco
pouca attengao presta i camara dos de-
patados, que por Id passa, quando pissa,
cem a rapidez do planeta Venus por entre o
sol e a terra. (Apoiados dos Srs. Fernandes
da Cunlia, Abaete c Candido Mjndes).
O.Sr. Zacarias observou que na questao
dabatida nao ha escola liberal ou conserva-
dora. A quests) 6* de. interpretar^ao e de
precedentes. Ua muito fundamento no que
avanra o Sr. Silveira da Motta. A doutrina
da iniciativa da camara dos deputados e in-
cencussa, e cabe ao senado resp:ita-la. Este
nio faz politica, e com isso ganha e nao
perde.
P6de ememlar, sim, mas nao iniciar, e
menos obrig senado e um poder moderador.
No debate do projecto da nova provincia
de S. Francisco, o Sr. presidents do conse-
Iho sustentou mais uma vez o projecto,
apresentando dados e informafoes da im-
portancia das margens daquelle rio. Con;
clue dizendo que, tao convencido esta das
vantagens da creacio da provincia, que, a
nio ser approvado o projecto, a opiniSo
publica ba de prouunciar-se a favor dossus-
tentadores do mesmo.
INTERIOR.
* orrespondencia do Diario de
Pernambnco.
RIO DE JANEIRO.
Dlrle, 11 de setembro de 167i.
Aprovejto c Julio Diniz para dar-lhe noticia do
Em todo o caso, ponderou um outro deputado,
6 preciso confessar qae a sua denuncia foi infeliz
Denuncia tin nao laudatur, disse outro.
Mas o orador sem dar se por achado, concluio,
como fica dito, pedindo e dando perdao.
Tendo enmprido o seu dever de catholico, disse
elle, nao teve por modo algum a intencao de offen-
der on molestar a nenhum dos ministros denun
dados, aos quaes nao desejava punir com a pena
da morte, e sim no grao medio ou minimo (I);
mas, se ainda assim tinha causado algum incom-
modo de espirito aos ditos ministros, pedia-lhes
perdio. E assim lambem tendo sido muito moles-
tado, tanto na imprensa como mesmo na tribuna,
perdoava a todos, asseguranda qae nenhum rancor
guardava a ningaem.
No dia seguinte sahio-se Ganganelli com um
artigo de tal ordem, em relacio ao mesmo Sr.
Leandro Bezerra, que o Jornal do Commercio, nao
o quit aceitar, pretextando que o seu contra'.o
para a publicacao dos debates da camara vedava
a publicacao de artigos offensivos aos membros
do parlamento.
De igual pensar, porem, nao foi o Diario do
Rio, a folha do catholico Sr. Ferreira Vianna, que
admittio o artigo e publicou-o integralmente !
RIO DE JAMIIIIO
5 DE SETEMBRO DE 1874.
No senado, hontem, o Sr. Candido Men-
des^ustiGcou um requerimento em que pe-
dio informagoes ao governo sobre as com-
panhias de Co.nmercio e Navegacao do Ama-
zonas e Fluvial do Alto-Amazonas ; ficou
adiada a discussSo, depois de algumas ob-
servacSes do Sr. presidents do conselbo.
No projecto da estrada de ferro de Pira-
nhas a .latuba o Sr. Candido Mendes decla-
rou que ia insistir nas suas impugnac/>es,
pois cada vez mais se ve obrigado a votar
contra, e tambem porque aceita o principio
de que o senado n8o p6de crear despezas.
0 Sr. Sinimbti disse que o_ Sr. Candido
Mendes, batido pelas duas votacdes que ja
ganhou o projecto, vem agora erguendo
aquelle principio.
Nio considera tal doutrina como do par-
tido liberal. Tem que oppdr algumas re-
servas.
0 Sr. Si'veira da Motta : E' entao por-
que o partido liberal nao tem doutrinas li-J
beraes.
0 Sr. Sinimbu mostrard com artigos da
constituigSo que nas attributes de cada
uma das camaras ha, nSo obstante, faculda-
des coramuns a ambas, posta que seja pri-
vativa ao ramo temporario a iniciacfio dos
impostos; mas uma cousa e crear despe-
zas, e outra decretar impostos.
Passou a iembrar casos de dsspezas, ini-
ciados no senado. Entrando na materia,
entende que, devendo dar-se meios ao go-
verno para que o mesmo possa levar a effeito
a autorisacSo qae o projecto concede, man-
da uma emenda nesse sentido.
0 Sr, Silveira da Motta notou ter-ihe pa-
Na camara dos deputados, dvntro da hora
do expediente, foi lido um officio do minis-
terio do irnperio transmittiudo c6pia de um
decreto do poder executive que proroga ate
so dia 12 do corronle a actual sessao do
eprpo legislativo.
0 Sr. Ferreira Vianna, pela ordem, fez
diversas considerag6es ao mandar & mesa
varias repres^ntnecjes de catholicos-apostoli-
cos-romanos sobre a questao religiosa.
0 Sr. Ignacio Marlins, pela ordem, pedio
que sejam dadas para ordem do dia as in-
terpellates que ainda estao por ser discu-
tidas.
0 Sr. miuislro do imperio, pela ordem,
disse algumas palavras para mostrar que da
sua parte nao tem havido propostte de evi-
tar o debate decrca da interpellacao que lhe
lora dirigida.
Passaudo-se A discussao do parecer da
commissao especial sobre a denuncia dada
pelo Sr. Leandro Bezerra, e tendo sido lida
e apoiada uma emenda do Sr. Joao Mendes
supprimindo os considerandos desse mesmo
parecer, o Sr. Ferreira Vianna tomou a pa-
lavra. Declarou que ia expender o seu modo
de pensar cingindo-sestrictamente a materia
em discussao.
A denuncia sobre que versava o parecer
da commissao especial causdra ao orador
uma sorpreza so igual d que elle sentira ao
ver a rapidez com que a mesma commissdo
deseinpenbdra a sua tarefa.x Tendo feito
algumas consideracoes sobre esse facto, dis-
se que, no seu entender, a denuncia nao
estava fundamentada e instruida, e que o
parecer da commissao nao correspondia ds
uecessidades da occasiao e aos maximos in-
teresses quo se acnavam empenhados na-
quella questdo. 0 orador declarou que dis-
cutia c votaria como simples juiz de facto,
porque, para haver-se como juiz de direito,
faltava-lhe a condic&o constitucional da
perpetuidade.
E, pois, como juiz de facto, votava pelas
conclusdes do parecer, julgava innocentes os
Srs. ministros do imperio e dos estrangeiros,
e ate mesmo o Sr. presidente do conselho;
o verdadeiro responsavel, ndo dird o orador
se jd alguem o descobrira, porque nao quer
ser por seu turno denunciante. Proseguio
o orador fazendo diversas consideracoes so-
bre o modo por que se tem havido o governo
na questdo religiosa, e concluio citando um
facto historico para mostrar que a misori-
cordia e a autoridade moral da igreja sem-
pre aftnal prevalecem contra o poder o a
prepotencia dos que a perseguern.
0 Sr. Alencar Araripe disse que a com-
missao se sstisfazia com ter demonstrado a
justica da causa qoe se pleiteava. No seu
entender o precedente orador s6 tivera em
vista accusar o denunciante, cbegdra ate
acoima-lo de ter feito um grande mal d causa
da religido.
A commissao n5o procedeu precipitada-
mente, mas sim segundo os principios mais
sautos e justos: obedeceu a constderaQoes
de ordem politica ea considerac,6es dictadas
pela justica. A questdo s^bre que versava a
denuncia nao era nova, jd tinha sido larga-
mente discutida. 0 orador proseguio fa-
zendo varias eonsideracdes em defeza do pa-
recer da commissdo ; estranhou o facto de
na" denuncia s6 raencionar-se o bispo de
OKnda, quando o do Pard fdra igualmente
processado por ordem do governo, e estava,
por seu turno, cumprindo a pena imposta
pelo tribunal competente ; disse que a or-
ganisac,fio da nossa sociedade, para cujo
desenvolvimento todos trabalham, seria im-
possivel, se os prelados brasileiros pudessem
res do conflicto com o governo ; e concluio
declarando que, no seu entender, o minis-
terio, em vez de ser accusado por causa do
modo por que se houve na questdo sobre
que versa a denuncia, devia merecer os
applausos da nacao.
0 Sr. Leandro Bezerra cornecou dizendo
que de certo nunca teve em sua vida dia al-
gum tdo solemne como aquelle ; porquanto,
lilho do povo, sustentado apenas pela cora-
gem quo Ihe inspirava um dever do con-
sciencia, levantava a voz para accusar os
grandes do imperio, a quem todos cortejam,
e que teem meios sobejos para sempre con-
tar com a adhesao e os applausos de todos.
Passou depois o orador a defender os ter-
mosem que formuldra a denuncia, analysou
os factos com que a fundamental, e con-
cluio, depois de ter fuito varias considera-
Sdes, apreciando os actos do governo por
occasiao do conflicto suscitado entre o podor
executivo e os diocesanos de Olinda e do
Pard.
0 Sr. Cotrim, pela ordem, pedio o en-
cerramento da discussao.
0 Sr. Joao Mendes, pela ordem, reque-
teu a retirada da sua emenda.
Tendo a camara approvado ambos estes
requerimentos, foi retirada a emenda e
approvada unanimemente a conclusao do
parecer da commissao.
6
Nao houve hontem sessao no senado, por falta
de nuinero lagai para deiiberar.
0 Sr. presidente convidou a daputar;ao en ;arre-
gada de apreseutar a S. M. o Imperador os decre-
tos da assamblea geral lixaodo as forcas de mar
e terra, para cumprir a sua missao a hora desig-
nada.
Na camara dos deputado.', o Sr. Leandro Rezor-
ra, depois da leilura do expediente, tomou a pa
lavra pela ordem e funJamantou e mandou a mesa
um requerimento, pedindo informatics ao gover-
no, e espeeialmeute ao Sr. ininistro do imperio,
acerca de certos actos do presidente da provincia
de Sergipe.
Este requerimento thou aliado, por ter s bre
ella padido a palavra o Sr. minislro do imperio.
Entrando em discussao o parecer da commissao
de policia sobre a publica.ao Jj* Annaes, susci-
tou sa um debate en qae tomaram parte os Srs.
Klurancio de Abreu, Campos de Medeiros (I* se-
cretario), Martinho Campos, Araujo Goes, Marti-
nha de Freitas, Silveira Mariius e ininistro do im-
.peno.
Encerrada a discussao, foi o parecer approvado,
seudo rejeitada uma emenda do Sr. Goes Junior.
l'as.-audu se a 2' parte da crdem do dia (con-
linuacSo da discussao do orcamento do ministerio
da agricultural o respectivo ministro, Sr. Costa
Pereira, respondendo ao Sr. Martinho Campos, dis-
se que a proposta submettida a apreciacao da ca-
mara fora redigida de conformidade com as dispo-
sicoes da lei de outubro de 1859. Dos 21,000:0004
de que falloa aquelle Sr. deputado, 16,OCO:O0Oi,\
foram despendidos por confe da verba volada para
a daspeza no exercicio de 1872 a 1873 a 8,000:000$
foram empregados em despezas exlraordinarias,
feitas em virtude da lei, e para as quaes bavia
credito3 especiaes.
Quaato ao prolongamento da estrada de ferro
D. Pedro II, disse o orador que o goveruo trata de
colher informapoes e pareceres para decidir a
questao como cjnvein seja ella decidida.
Proseguindo, explicou o orador o que realmen-
te se dera com as fazeadas do Piauhy : nao foram
doadas a pessoa a'guma, mas sim submettidas a
direcca > dc um professional muito competente ; os
libertos que nellas se congregaram nio foram a is-
so coagidos, trabalham alii da muito sua livre
vontade.
Aind,i nao se realisou emancipacao alguma pelo
fuudo respective, porque cumpre coahecer-se pri-
meiro o numero exacto de escravos que ba em
todo o imperio, e o governo nao se tem descuidado
de activar os trabalhos estalisticos a qua para tal
tin) mandou proceder.
Depois de haver respondido a varias outras obser-
vances feitas tambem pelo Sr. Martinho Campos,
tomou o orador em consideracio o que lora dito
pelo Sr. Antonio Prado. 0 estado da nossa agri-
cultura nao 6 deploravel, pelo conttario, ha muitas
provincias em que ella progride mui lisongeira
mente. 0 governo, dentro da esphera. de suas
attribuicoes, nao se tem descuidado de empregar
meios adequados a facditar o transporte dos pro-
duces da lavoura, a immigracao ale colonos, etc.,
etc.; o mais 6 da privativa competencia dos go-
vernos provinciaes.
0 orador, proseguindo, respoudeu as observa-
coes que haviam s do feitas pelos Srs. Carlos da
l.uz e Cotrim a respeito da colonisacao e estrada?
da provincia de Santa Catharina, e ao que fdra dito
pelo Sr. Carlos Peixolo acerca da administrate
da estrada de ferro D. Pedro II.
A discussao ficou adiada pela hora.
8
Commemorou-se hontem o S3" anniversario da
independencia do imperio.
Depois de um solemne Te-Deum celebrado na
capella imperial, houve no paco da ciJade cortejo
a SS. MM. Imperiaes.
Nessa oc.asiio o Sr. Jorge Buckley, Mathew, mi-
nistro de Sua Magestade Uritannica, proferio em
nome do corpo diplomatico estrangeiro, as seguintes
palavras :
< ienher.OBrasil celebra o anniversario de
sua independencia, e os representantes das potaa-
cias alliadas a Vossa Magestade reclamam o direito
de apresentar suas felieilacoes por occasiio da vol-
U de am dia, qae o progresso, sempre crescente
deste vasto imperio, coroa de gratas recorda-
coos.
a Possaido do mais vivo interesse pelo bem es-
tar da nacao e pelo desenvolvimento dos graades
recursos do paiz, o corpo diplomatico regosijase
de ver que o Brasil mostra-se digno, pelas sabias
raeiidas legislativas das vistas esclarecidas de V.
M. e assim tambem do bello porvir a qae se enca
minha.
Dignai-vos, pois, senhor, aceitar seus sinceros
votos pela-prosperidade do imperio e pela felici-
dade de V. M., de S. M. a (mperatriz e da femilia
imperial.
Monsenhor Joaquim Pinto de Campos, como re-
lor da camara dos deputados, disse o seguinte :
Senhor Coraprimos o honroso encargo que pe-
la camara dos deputados nos foi commettido, apre-
sentando-nos em tao festiva occasiao ante o throao
de V. M. Imperial.
Raia hoje, pela quinquagesima segunda vez, a
aurora do dia qae tornoa o Brasil independents e
autonomo ; e se tao curto espaco mal basta para
nos alar aos altos destinos qae a Providencia re-
serva a eite abencoado torrio, 6 todavia sofflcen-
te para patentear ao mundo, e convencer-nos a n6|
raesmos, de que esta grande naclo se acbava ja
madura para reger-se, a de qae em seas fllhos. r
na sua natureza esplendida possne todos ^ eje'
mentos para vir a conqujiiar um dos ^ljajs pro9
mip^ntes lagares eptr es povos civi!'rJados.
poda dizer em relacio a terra da Santa Crur, qae
nesse curto prazo goza e admira magnilicas pro-
vas de progresso em todas as suas inanifestacoes.
a Crearam-se, aperfeicoaram-se e arraigaram-
se as instituicoe*, a cuja sombra fruimos todas as
vanlagans da liberdado, da ordem, da prosperida-
Je e da paz externa e interior. Coosorciaram na
America o throqo e a nacio, coadjavando-se mu-
tuamente para ventura coramum. Respeitando'a
todos os povos, somos por todos respeitados. Se,
algurta vez, dolorosa, mais indeclinavel necessida-
de, nos foicou a brandir a espada, nnnca, se nao
com honra e gloria voltoa ella a bainha. Impera
o direito, qae so em si mesmo, e Bio na foica, vai
haurir a forga que Hi e coiigenila. A digoidade
humana. supremo jus social, tem na lei sua norma,
como a sua protecgao. Co.uplicarain-se os recur-
sos de todas as especies. Creon-se o espirito de
associacao. Navegacio e commercio subiram a
grao assombroso. A's riqaezas do solo, as entra-
ahas da terra, aos prodigios da iudustria, ao im-
pjlso da autoridade, a iniciativa particular se de-
vem, dedia era dia, molhoramentos novos.
a Riscaram-se da nossa legislacao paginas que
aos olhos da rclegiio, da philosophia e dos estra-
nhos a conspurcavam Cresuemos em considera-
cio e bemquerenca da Europa e da America, por
nossa lealda le, illustracio a pradencia. Somos, e
mais seremos em future proximo, alvo de nobres
invejas.
E as redea* do governo da sociedade tal tem
sido empunhadas em nome de Vossa Magestade
Imperial, ha 43 annos, e por suas proprias maos,
ha 31. E' assim que tamanbo esplendor se reflee-
te da nacio para o imperante, como do imperante
para a nacao.
< E' festa de familia a qae boje commemora-
mos. 0 povo brasileiro, na pesoa de seus irarae-
diatos representantes, saiida no dia 7 de setembro
o primeiro de ;eus cidadaos e seu angnsto che-
fe.
A guarda de honra no paco da cidade foi dada
pelo 1* batalhio de infantaria e armada com es-
pingardas a Comblain. 0 sen pessoal tstava bem
disciplinado e nada deixava a desejar em relacio
ao aceio e luzimento.
0 anniversario da nossa emancipagio politica foi
celebrado, alem das solernnidades olnciaes, com a
inau2uracao da escola municipal da freguezia de
S. Jose, qae em seguida noticiamos, a com festas
populares, nas quaes teve parte principal a Socie-
dade Commemoratica di Independencia, qoe le*
vou a efTeito seu programma ja por nos publicado.
Muitas ruas da cidade estiveram ornadas com ban-
deiras, qae tambem lluctuavara nos edificios pu-
blicos e varia< casas particulares.
Na praga da Constituicao vislosaraente enfeitada,
erguiam-se ao lado da estatua equestre de D. Pe-
dro I dous elegantes coretos, onde foi cantado,
Juan 11 se annunciou a alvorada, o bymno da in-
ependencia. q
- M casa do Sr. narao de Lorona, a praga da
("on.tituuvio, f,ii afferrnndn a directoria da Socie-
dtde Commemnrntiva da Independencia nra copo
d'agua ; trocaram se diversos brindes, sendo o ul-
timo a Sua Magestade o Imperador a a familia
imperial.
Estiveram embandeirados e salvarara as horae
do estylo as fortalezas e navios de guerra nacio-
naes e estrangeiros.
A' noite illuminau-se a cidad;.
No theatro lynco houve espectaculo em gran-
de gala, a que assistiram Saas Magestades Impe-
riaes.
- 10
No senado nao bouve hontem sessio.
Na camara dos deputados o Sr. Luiz Cat I)?, de-
pois da leitura do expediente, tomou a palavra.
pela ordem, para participar a camara qae o Sr.
Diogo de Vasconcellos doxava de comparecerpor
acbar se incommodado, e que aquelle Sr. deputa-
do o auturisara a retirar a interdellacao que bavia
feito ao Sr. ministro do imperio a respeito da ques-
tao religiosa.
0 Sr. Martinho de Freitas, tendo previamente
pedido e obtido urgencia, fundamenlou um reque-
rimento, exigindo do governo informagoes sobre
negocios da provincia de Sergipe. Aprove tando
o ensejo, fez o orador algumas consideragoes para
demonstrar qae eraminlundadas as censuras feitas
peloSr. Leandro Bezerra ao actual presidente
d'aquella provincia.
0 lequerimeato do Sr. Martinho de Freitas fi-
cou adiado por ter sobre elle pedido a palavra o
Sr. ministro do impeiio.
Passandose a 1." parte da ordem do dia (couti-
nuacao da discussao do orcamento do ministerio
da agriculture). Sr. Araujo Goes comegu ponde-
rando qae Sr. ministro execedera os limites qae Ihe
haviam sido marcados pelo orcamento vigente para
despeza com o material e pessoal da sua secretaria.
Esta despeza fora fix ada em 170:0004, e concedera-
se autorisagao a S. Exc. para reformar a secretaria,
nao augmentando a de;peza alem da 20 0|0 ; por-
taoto a somma ora pedida devia ser a de 304:00041,
e ua j a de 254:0004 consignada na proposta em
discussao.
Tratando da verba de 80:000/1 para plantas e
sementes, disse o orador que o Sr. ministro nio
devia Jimitar-se a mandar vir flores, arbustos, pa-
rasitas, etc, mas que muito urgia cuidar S. Exc.
de soccorrer os favradores de canna, os quaes,
taato no norte, como no Rio de laneiro, estao ven-
do as suas plantagoes assohdas pela peste qua
nellas se declarou. O orador pedio ao Sr. minis-
tro que olnasse com solicitude para o estado de-
ploravel da lavoura nas provincias do norte : a
da Bahia, par exemplo, carrega com uma divida
superior a 20,000:0004, e estes 20,000:0004 serao
pagos anualraeute a custa do capital.
Em geral, disse o orador, as necessidades da la-
voura em todo o imperio se resumem no seguin-
te : bracos, capitaes e instruccao profusions!.
0 orador, proseguindo, fe diversas considera-
coes sobre iramigragao de colonos, sobre a necessi-
dade de uma lei de locagao de servigos, sobre ga-
rantia de juros as estradas de ferro, sobre o pro-
longamento da estrada de ferro da Bahia, score a
administracao dessa mesma estrada, sobre os por-
tos de mar, sobre as subvencoes as companhias de
navegagio, sobre telegrapbos, sobre a irregulari-
dade do servigo dos correios, etc., etc.
0 Sr. Elias de Albuquerque, requereu o encer-
ramento da discussao.
Tendo a camara decidido pela afflrmativa, foi
approvado o orcamento com as emendas que se
acham em outro lugar desta folha, sendo rejeila-
das todas as outras.
Passando-se a segunda parte da ordem do dia :
0 Sr. Martinho Campos disse qae adoptara como
sua a interpellagao feita ao Sr. ministro da agn-
cultura, esperando qne S. Exc se decidma a dar
as explicacdes pedidas acerca da direccao da es-
trada de ferro de Minas.
0 Sr. ministro, porem, nao quiz adiantar cousa
alguma ao qae esta no seu relatorio : e, pois, o
orador desistia por sea turno da interpellacao.
Entrando em discussao a emenda do seojtfo ^0
projecto de lei que estabelece o r>^0 porque deve
ser contada a antiguidade oooositores das ta-
caates tLSPiC'P-- P"1 a r"Pec,iva InbU^--
que ma-- Campos impugnoa a emeu^
2- .-ua sejam os oppositoree aalaaes proyido*
.* mgares de latrtes cathedraticos. por ""8^"
dades, nas respectivas secjoes. 0 orador w J?m
versas consideracoes para mostrar que taas laga-
res go deviam serprovidos roediane concur*?.
Fallou no desgosto an que parece achar-se pot'f

: I
l

^-~T


K81 3(1 tttWa;ir,fc M IS gllll fllFfe# Peraambuco'- .Segun^a ieira 21 de Setembro de 1874 yj} OJ13lf J/I i 0//A
mt
suido o pessoaI docenle das n
desgisto ma a* manifesla na*
pelo* lenteWftPjolieitartm al su*s jutiiUeoes-e no-|
facto de nWMM quern se rascreva para us con
carsofl ab|M9Ut nosafis faculdades. Cbamamlo
a at!eDC*oaJpj$f Miqistro^o Imperio para "este'
assumpto, tei o orador varias consfderacoes* no
intoito de censurar o modo de proceder do e >ver-
no para com os lejlw; aaer das faculdadea de
tnedicioa, qner da&X diftito.
0 Sr. ministro Bmperio responded to pfece-
uente orador, diseaS- c;io approvar a emeuda do
senad-, contra a Ml h.tvia de votar, porque eu-
tendo serem indlljensaveis os concjrsot, ccmo
meio de obstar que chegue as lugar de lenie ca-
thedratico alguerp mrnos habilitadu d) que outro
qual ,uer quo se sufcmettesse a novij coucilrso.
Explicoa o orador o facto las jmbilacoes feqaeri-
das par algiMM dos nossos mais distinctos lentes ^
fez v.frtas eonsiderac/Bes para mostrar-que o go-
verno tern posto o maior- escrupulo em demons-
trsr o muito qua aprecia os lalentos e os bows ?er'
vlgns dos profes>ores das nossas faculdades,
Na) havendo quern pedisse a palavra depois $>
sr. n-.misfro do imperio, licou a dTscussld eticer-
rada,nao se proicdea'o a votaead por falta de
oumero legal.
*-il
No senado hoT.tem o Sr. Teixeira Junior
disse que tinha neoessidade d jastificar-se
de certos acios que Ihes sao attribuidi s co-
mo presideRte da camara dos deputados,
que foi.
No que itssevera o actual
mesma ca nara ha
tJ secratario da
NifHM mandou
-le reparos alii,
Foi o ministro
!i<;n'>.
por si s f^rnccder a obttts
nem fefc cofKralo aigudf.
do imperio quem exiui-iio aviso aft da agri-
i-ultura par. fawn arruelhis obrM. E fi-
zeram-se [via Verbs de i:nnserva$ao de edi-
ficios-puhliCos. Tambem qunlo a ter no-
meado empreg Procedt-u dtrtT*^i i|,i mesa e sd interi
namente fui o cargo ( ccupado. N*am e
por si e nem fir-
So, quo os acompanho com os oais $iiw>-
roj votos por sua felicida le.
;(.VIuitobem.) '. X3^
Realism se hdnlem nd pafo do sehado' a s&si'd'
do encerramenlo da 3 sa?sao da 101 legislatura da
assembiea gerai. w
Pi-ea recebw S. M. o lin^erad^r :
Depuiaios os S. Hodtlgo SiHa, Wilkens *T 21
Mattos Philo da Umpot, JoSo Meade-. Aranjo
.'.M,jJ,e,M de KeT!i t'ewir* Franco, Heunques,
!iSS t.lenieJfbna, Oaodeira da Mdlo, Joao Ma-
li .' ,^ Henriques. Anguatj Cttavts. coade de
lorto-Alettn, Pinto Lima, Rabello, Faastn de
Agmar eCaidido Maria.
SenaJores os Srt. Uchoa (^valeaate, Godoy, Di
V'i'- aJ? a* ^Wj'pei bario da L^gona, 4ni*o,
lofiirn, bernandes Braga, viscon'de do Gamaragibe,
Cuoha Figueiredo, Jaguaribe e Nunes Gjujalves.
Para receber S. M. a Imperalriz:
Deputados os Sri. Radrigo Silva, \Vi*ns de
Mallos, Joao Mendes e Araujo Goes.
Seriadofes os S7s. vlscooJe do Dom-Reliro e vis-
conde de Abie e.
Para receber S. A. Imperial e o Sr. conde d'Eu :
Depalados os Sis. Leal de Menezes, Pereira
Franco, Henriqnes e Manor! ClemerUino.
Seaadores os Sfi. Paes de MenJjuca e Figueira
de Mello.
A' toeia hora depois do meio dia, annuneiands
se a cliegada ds S. A. o Sr. cende d'Eu, o Sr. pre-
sidente convidou a depuUcao para ir roceb -!o. .
A' uma Jioia da tarde, aonnnciando-se a chega
da de SS. MM. Imperlae<,sahem as depntaf5es a re
eebe-los a porta do edtHoio, e entrando $< M. o Im-
yirador no salao, e ahi recebido pelo* Srs. presi-
denie e secretarios, os quaos, uoindo-se aos njanV
bros da Cespectiva depulajao, acoinpanham o mes
mo angusto senhor ate o tftrorro.
Logo qne S. M. o Impetador t&rna assento
n'tJutro caso nao de'uberou
mou coutrato hlgum.
Mnda a mesa urn requerimento do infor-
0 Sr. ViScbadn de Abarjte justificou um
requerimento de infonna;des s-Jjre o nume-
ro de aggravos de petifao e de instru-nen-
tos, etc., que existom preparados na rda^ao
da c<5rte, sem julgam.nto, at^ 29 do raez
proximo passado.
0 Sr. Presid^nto do Conse=!ho declarou
no se oppor A passa^em do requerimento,
e explicou a demorn das iuformagoes.
Discutindo-se o pa recur da mesa, a res-
peitoda publictQao d,is debates.
0 Sr. Barao de Cotgipe pedio que o go-
verno informasse s est4 o Uiario Official
babiliiado para aquelle mister.
O Sr. Pres:dente do Conselbo disse qe
o Mario Official eita prompt) para nquelle
trubalrio, 1'altando, p >rem tachygrnphos :
nao podendo por isso marcar o tempo em
que tomara' a si e pubbcar^o.
0 Sr. Barao d-s r.otegipe oppoz-se a que
se mande vrr ta^hygraphos ile Portugal. I"
de opiniao que os debates do senado devem
ser dados a jornal degrau ie circulaciiu. G
Diario Official conta apenas quinhentos e
poucos assignantes. 0.jornal que publica
o trabalhos da casa tern carnprido com
seus dever.-s. Votarii contra o parecer da
mesa.
0 Sr. Bias de Carvalho defendea o pa-
recer da mesa, como assignatano Jo mes-
mo.^|Referio as r.-zo3sque aconselharam o
mesmo parecer. i
, ^0 Sr. Zacarias sustentou o parecer da
E?sa, pois t que dove o Diario Official publicar os
debates.
Depois de cbservacSes geraes, declarou
que iiunca mars serd rrrrrfrstro, que o que
diz, ctimnre: que o seu pa>tido, desJe que
foi despecfcdo deS. Chris'.ovao, e o de de-.
fender di sua cadaira de senador a verdaie'
constitucional.
Dad ao debate o projocto da
do Hi i d-3 S. Francisco,
0 Sr. Fernamies da Cunha
oppor-se formal e positivamente ao projecto.
Sera" uma vergonba que elle passe, pois ^
oada u.enos do quo urn rctalhamento em
proveitu de feodos. Ainda nao ouvio uma
proposi^ao qu? o convencesse da sua utili-
dade on necessi lade. Mo 6 uiais o pro-
jecto do que uma trausacgao parlamentar e
nSo veio ao senado para sellar transac^Oes.
Depois do longas Obsorvacdes declarou
jue yotard contra o anniquilamento de sua
proviflcia.
12
NdT bouve hontem sess.'io no senado nem
na camera dos deputados.
s^Nesta camara, o Sr. PortHia, relator da
commissSo encarregnda de Jsaijer do S. M.
o Imperador o dia e bora da scssao impe-
rial de encerramenlo, declarou, que S. M,
Imperial designara para esta solemnidade o
dia de hoje, d 1 bora da tarde.
0 Sr. presidente convidou os Srs. deputa-
dos a acharem-se no pago do senado d refe-
nda hora, e em segaida profenc as segoin-
tes palavras :
Antes de mandar proceder a leitura da
cata, desejo, seguindo os precedent-s, diri-
gir aos mens honradoe collegas algumas pa-
lavras de despedida.
JJio e men proposito reraemorar ^gora os
servi^os prestados por esta angustacamara,
sobre os quaes cada um dos nobres deputa-
dos tern formado o seajuizo; mas pelir
desculpa de qualquer acto, que nSo fosse
conforme d sua opiniao, por mim pr-ticado
no desempenho do meu cargo, e sdmente
para nao faltar 6 responsabiiidado que esse
cargo me impunba.
A camara me permittira accrescentar
aqui que, qaaesquer que sejam os desgostos
pessoaes que possa trazer o exercicio do ele-
vado cargo que me conficu, eu
umprir o meu d ver.
maaJa assenlarem se os Srs. deputados e senado
res, M a seguintc falla :
Augustos e dignissimos senhores reprcsentan-
ts da naqAe.
Agradeco-vos mais nma vei o;?entiaientos quo
me expressastes por occasiao do maj successo do
ininha muito prezada 61 hi, a priuceza imperial,
qae m-rtfe" de Deus, jae a;ha restabelecida.
o 0 socego pubhoo nao foi perturbado em todo
o imperio, com exceptao do municipio deS. Leo-
poldo, ond umi seita de homens fanatioos c>m
metteu graves attentados, que fui prcciio reprimir
com inter-enfao da foica militar.
As alterac5e3 do estado sanitaria teem de:ap
parecido em quasi lodos ospontos onle grassavam
a variola e otitras eufermidades.
Cmtinuamos em paz com as domais polencias,
corre?pondendo eilas constantemenie ao empenho
corn que o Bra?il proeura cullivar as melbores re
lacoes* promuver os iuteresses reciprooo?.
Espera-se es:e anno abundaute colheita de al
Sues dti nossos productos agricolas; mas o fuluro
a lavoura reclama especialm-mte o piderosoau
xilio dj crediio sub condi^oes favuraveis, asslrfl
como o desc-nvolvimento da viaijao ferrea e do en-
sino prolis-ioaal.
_< Os saorifletos que fizermos com este intuit-j se-
rao ampluneute compensad js peias vanta?ens que
dalles hiio Je provrr a todas as classes sneiaes, e
pel-) aug i ento da riqueza uacio al. 0 goverao
co:ii|irelienda a magnitude dessas providencias, e
Ihes i.resta a mais desvelada altencao.
A nova lei d> recrutatneuto vai acabar com o
antigo e muito defeiiuoso sjMema da leva fofcada,
realcando a eondieao do soidado brasiletro, e dis
Iribiiiadii com igualdade e sem vexames o onas do
servieo militar. E' uma reforrna conJigna de nos-
so patriotism) e adiautameito.
a Fiiarara dependeutes de vossa illnstrada deci-
's4>i varios projeetos de reconlierila utilidade pa-
bliea. Aiem do orcamento ger.il do imperio, men-
cionarei, com) rnaia urgente-, a reforma eleitoral,
os aosillos a lavoura e a reorgani.-a;ao do en-ino
prirna io e -ecundario.
Nao deltareis de considerar principalmente a
al:a tMnvcniencia de que a proxima eleicao >e Ta-
ca por novas dispisicoes, que p evenindo ps arm-
s99 i'eve-lad.is na pratica da lei vigeule, assegmem
por modo elBcaz a livree genuioa inanifestacio do
voto popular, sem alierar as bases estabeleci las
pela constitnifSb politica do estado.
Augustos e dignissimos sennore3 representan
tes da naedo.
So imervallo dos trabalhos l.'gislativos. estou
cerlo deque proseguireis em vussos esfon;os pelo
bem geral do povo brasileiro, a (|tiem a natureza
tudo concedeu para que seja grande c feliz.
Esia encerrada a sessao. >
Terrainado este acto, retiram se SS. MM. Impe
riaes e S. A. o Sr. conde d'Eu, corn o mesmo ce-
remonial com que foram recebido', e immediata-
meute o Sr. presidente levanta a sesslo.
Liverpool 19. -No mercado de cilgi
9i^fiewm-i8 partiJas dn todas a^_w
i^fr v*B-ierq.n-so hoj'i 12,000 far-.*
/Was ,l,H$* da America ,lo SalV,
de l'erjnrbco o de Santps aSd., e^Njk
>lacei6 a 7 7,8 d. por libra. Assucar am?
ricaoo. bom de I'ernambuco 21/0, roascava-
i\j purgaOt) %i dito regular 4ti Mtceio
6.
Anluefpi* 19.Venlewni-so HO sacoos
do cafe oninario ^om orilidario do Rio
a 41|
Hamborgo t9.*0s lotos decafiida San-
tos AvEiAr.K a Hi 1/2.
Havre t9.Veidram-se 2,100 taoco.-.
de cafe bom ordimrrh do Rio de'1rT"a 91
fraucos. 0 depjsito total cleva-se a I50ft00
saccos.
Mars'olha 19.Cafe* do Rio km ordin-
arin rfli francos. Assocbt dar Pernanrtwco
n. SO a 27 IraacOS. .
[Pelo vapor Pard, via Buhia.)
Rib de Janewo 14.-*Cambio sobre Ln-
dres '.Q 1/4 bancario, e 28 3 "d a 26 1/2 d.
particular.
Rio l.Chegflo o paquefe da 'rflv^diala
iagteza MISHO. Cambio sobre Londres
sem altera^do.
Rio 16.Apolices gerW a liOio^DOO
Cambio o mesmo.
Rio 17 Cbegou o paquete da real mala
ingleta NYGEH edevosahir amanha. Cam-
bio inalterado.
Rahia 17 e IS.Cambio sobre Londres
26 1|8 d. bancario, 26 3[8 d. particular.
sSs^-
#$^:ZT~* ~ffiESff*tS^^^ ai^
ru*
(AGENCIA AMERICANA.}
provincia
protestou
&mmm&mm
St
( AGENCIA TELEGRAI'iliCA HAVAS REUTER. )
ScwVork 18 iii'sctciiiiiro. l(s in-
Hiirer-ntes ic Xova Orleans Mubmrt
teram-e a* aulorldades do gover-
no, as (|iia<~ se acham de prcsente
Londres !.Xo foi aceita a ap-
pellacao interposta pelo Sr. .41cs
do* -Santos, tla eoademnarao que
solTreu por ter falsiflcado 'scdulas
do Elrasil.
Londres 19. Os carlistas afHr-
mam ter o liuperador da Russia
escriplo uma caria na tiual paten-
U>a siiassympathias por u. Carlos
c pela sua causa.
COMHERCI.4ES.
Londres 18. A taxa do
praga centimia a ser de 2 3 4
Consolidados de 3 "'
Liverpool 18 de selcnabro. Alo-
dao s i/ltt mais bai.vo ; ode ivinara-
nuro e Maranlino s. o da Ballia
* 5/8 j tent liiiviit!) ehi'~.-td:is; exls-
tencia do llrasil I50.S80 fardoN.
Couros de cavaiio do Uruguay
-. Cafe : vendcram-se lOO sae-
eos. o do Rio bom 9 1.
Havre is. Caf* : venderam-se
*,oo saecos t o do Rio a l e o de
WiiutiiM a vUwlan as vendas
de lioje I u.uii S.300 fardos I o de
Pernainbuco a OO e o de Sorocaba
a !!S. 8ebo de boi de Sf r. e "37, .
a 5% f. e SO c, e o de caraeiro a
51 r. e so c. Couros: mereado
en lino.
Paris 18. Concluio-se o prncesso
dos cornplloados na ri^u do cxnia-
rechal Kazaine. viliet. Plantler e
BHxaine sobrinho foram condem-
uados a sets meics de prisan : Boi-
'"'I a dous, e <.i;ouv aunt.
Madrid 18. -Os carlistas aiacuram
nuvamente a cidade de Cnencat
r.;-;im ropellidos valorosamente.
Tarim 18.A dui|uexa de Aost.*i
esta enferma.
I'ara IO. Foi assignado o contra-
to para a construccao da cstrada
de ferro desta capital ate a eidade
de Bragauca. Vxici.i- recebidas
assassinados da us commercianles
porttiKiieses na noite de 7 destc
mex, e que se nao rora a presenca
do Sr. vlsconde de Arary e Or.
Raiol na f Ilia de Slacapa, tltilia ba-
vido grande iilortlcini!* na colonla
porttixueza alll residente na mes-
ma noite de T. (I presidente da
provincia. apenas recebcu partiei-
pacao do occorrido, enviou para alii
Immediatanicutc o r. Dr. chefe de
polieia cm um vapor de guerra. A
imprensa pede enei-fticas providen.
cins. Bntre as nolicias trouve o vapor CEAR.i, do tfaranhao.
velo a de cOnstar na cidade do
Capias, tfiie se acliava gravemente
eitferuio no Piauliy o presidente
dai|iiella provincia. Dr. Adolpbo
Lomcnbn Lins. Os agricultorcs do
Uiirnnbao csperam ter abundaute
colheita.
Lii-crpool lO.Aigodaoi mercado
cat mo. Assucar : eoni nua flrme i
venderain-se hoje e i.uoo saccos de
Nazareth a I a/9.
Londres 19. Consolidados 99
5/81 fundos brasilelros lOO. Cafe :
lirinissimo alteando.
A'ew York 19AUoilai. mediano
16 1/8. Os insur^entes de "*<>va Or-
leans, na Luislauia, foram Ja sub-
EIK-ttil'U-.
Paris 19. A imprensa esta sendo
fortementc comprimida pelo gover
no do marecbal Mac Alahon. Hoje
foram supprimidas as sevuintes
Kazctas: FIGARO, KVEXEMENT, GAULOIS
SOIJl e PARIS JOURNAL O celebre es-
piao Regnier, que tao sallente pa-
pel representou na ultima guerra,
acaba de ser condemnado a mor-
te.
RIO 0R.VMDB D^S^fef
coahociJj o sjguintsi-rtSwlfcJ) ia etei-
mpinbros da asseinblo*..-^iicial, .4. dii
([Viola.- Uio Grande, AteMte, CaDgussd,
^guarao, Bage 0 ftratiny): Diana' 149, Ti'rnotn'eJ
til, teruando Oiono Ul, Vieira da Cunha liO,
Soarwda SUva 110, Cam.ara UO, Candid* iW
N3es fiprira 137, Ska Sa'aias 13& S of S-
^r nl&.S-.Aor,J(,a m e **"oih 131.
-- U am deS. Leotioldo uotirU one e petiiBKi
o eitado sautano na colonia, a tobrSdo no Cam
pOWMMMre-Eterop, ami* fracsa 0 typho coa
extraorMia mtensifade. Al familial dos Srt.
Carlos mm pastor llasberg tma silo diziiMdaa
por es** Wfnvel enferttidad*
N>*a 19 seguirajle B.ige para a Saioan 0
corooel Carlos Resin Filho, nomeado pelo gorerno
da provincia Dara conhecdr a causa da grande
moriaWadeda cavalbada do estado alii existeate :
e no dia 3 para Lafras 0 Dr. Ladniao ."fatto, riae
wexaminaro* trabalhos encetados da compa-
flnla exploraiRra das ffiinas de.-se Iiigar
-Acopahiahydrauiica de Pelotas abrira
uma ioserpco para a fcroecimento de azua aos
particu lares.
Fallecdra em iagaarao Manoe! Joaqnim Cor-
;a Mirapalneta.
Le se no Echo do Sul d"a 30 :
Hontem, a ctiegada do Catnuei ao nosso porlo,
dirigio-se immealafamente a bordo 0 Sf. delefado
de polieia e ahi prendea 0 .passaseiro de Dome
Sfanoel Kodngues da Roeha, por lha ter sido feita
a djuuncia, em um tolegramma de Santa Catha
rina. ijue ease individuo tcmara pane actita em
um rodbto perpeirado em uma casa commercial
daquefla prafa.
A autoniade procedeu a nma fistofia na ba-
gagem lesse individuo e encontrou apenas algu
ma ferrarnenta de carpinteiro, sobfesahindn um
marieilo com a cabeca cuiJadosamente coberta de
pannos, indicio irrecusavel de criminalidade, se
attendermos a que esse instruraento asiiin prepa-
fado nao podia tr outra serrentia seoao a de fane-
cionar sera ser preserrtidd 0 sea barulho.
Manoel Uodngues da Rocha ja residio desta
cidade e por duas vezos soffreu a as^Jo 83 ju^tica,
por ter eommettido 0 crime de roubo ; nma das
vezes foi a bafra do jury por causa do roubo que
fes em casa dos Srs. H. Kettemburg & C. de-ta
praga. Gonsta que rai ser enviado para Santa
tatharina.
0 naturalista Dr Ladislao Netto partira a 2J
para asLavras.
Le-se no Jornal do Commercio, de Peldtas :
A Rivera continua a ser alfauJega da eariipa-
descooto na
por cetito.
assucar
procurarei
A justice e urn nobre mas difEeil sacerdo-
cio, ainda que tUstribuida em um tribunal
sereno, quando nada e oatreguo sorpreza
dos acontecimentos e do excitamento das
paixces, cis vezes provocado pelos iinpulsos
de apreci.iveise generosos sentioiGiitwj.
A difficuldade de dislribuir justira e
niaior o'uma assemblea politica, onle, Vn-
bora todos nSo defendam seo5o uuia g'ranJe
ausa, 0 melhor servfijo da patria, por cuja
prosperidade pulsam todos os coracles, ba
divergencta quanto aos meios de consp-
guil-a.
Sirvaesta difficuldade para attenuar qual-
quer falta que eu houvesse involuntaria-
ZtaTvT^t'' \com?h-my esP- rcado de caf^ estd flrm^o" ha' proeura"
"^"alU!.. conbecerao que procedi sempre da accordo
CQra os dictames de minha consciocia,
Sera nenht,mf' prevenco, e sem outro in-
tuitonhio 0 de actj.'ar. (Apoiados.)
Uma cerleza tenho, a dc iuo nao (iz a
nenbura 0 mais ligeiro aggravo (Apoia-
dos.) a todos respeitei, e de nenrram .***
ervo resentiroentos.
Agradecwdo mais uma vez a honra que1
me foi feita, devo, ao encerrarem-
DMnos da presente sessao
,0. for account, a 92
5/8. Fundos brasileiros de 5 % do anno
de 1863, a 99 I'2 ; ditos do Uruguay de
0/., do aano de 1871, a Gi 1,2; ditos
argentmos de 6%, do anno de 1871, a 91.
0 mercado de cafe continua firme ; 0 carre-
gamento do de Santos pelo na\io T1TI LV1
foi vendido a 79/6. Mercado de
sem alteracas.
New-York i8. Cambio sobre Londres
4.81. Ouro 110. Carregamentos de cafe do
Rio 1 air a 16 1/2, e good a 18 1/8 cents
por libra. Algoctao mediano uplands 16 3/4
cents por libra ; chegaram hoje aos portos
amencanos 4,000 fardos.
Liverpool 18.Mercado de aigodao fir-
me ; venderam-se 12,000 fardos, sendo
1,725 da America do Sul; fair de Pernam-
JucuQ ,de S^itos a 8 d., e 0 de Maceio a
7 7/8 d. por libra; o deposilo total e de
795,000 fardos, sendo 150,000 do Brasil;
venderam-se in semana 90,000 far-
dos, sendo 17,000 do Rrasil; chegaram na
semana 42,000 farJos, sendo 6,000 do Bra-
sil. Mercado de assucar sem altera<;ao.
Tods os demais mercados do continence
nao seffreram altera^so.
Londres 19.-Coatinua a 2 3/4 por can-
to a taxa' do desconto Ha praga de Londres.
Consolidados de 3|%, for account, a 92
7/8. Fundos brasileiros de 5%, do anoo
de 1865, a 10d ; ditos do Uruguay de 6%,
do anno de 1871, a 67 1/2; ditos argenti-
nos de 67-. do anno de 1871 a 91 1/2. 0
DlARLODEPKLiMAJiliiiJiJU
RECIFE, 21 DE SETEMBRO DE 1871.
Wotlcius tla sul do imperio.
Chegaram os vapores portuguez Julio Diniz
brasileiro Pard, trazendo datas : do Rio da Praia
3, do Rio Grand-, do Snl 6, do Parana a de Santa
Ullianna 8. de S. Paulo H, de Minas 10, do Rio
de Janeiro 14, da bahia 18 e das Alagoas 19 do
correnle.
Alem do que damos sob as rubricas Interior e
Revtsta Diana, encontramos nos jornaes 0 que
segae:
mo BA PRATA.
-No dia parlio de Buenos-Ayres. a bordo
do vapor lycho Brake e em Montevideo tomou
passagem a bordo do almani, 0 secretario da
legacao brasileira na Republica Argentina, por-
tador de despachos para 0 governo imperial.
Comegava a apparecer a desharmon a entre
os dous grupos, ahiuista e aveilanedi.-la, que se
ligaram para a eleicao presidencial.
O governador de Buenos-Ayres, Acosta, de-
via, denlro de poucos dias, apresentar" a sua re-
uuocia daquelle cargo, que seria pro'vavelmente
preenchido pelo Dr. Alsina.
Devia partir de Buenos-Ayres, a bordo do
Pavon, com destino a Villa Occidental, 0 ministro
da guerra do governo argentino, general Gainza
levando como secretario 0 capitAo Lauro Lago
vaf elle ao Paraguay, dizem as folhas de Buenos-
Ayres, tratar de questSte que se prendem ao tra-
tado da allianca.
0 governo argentino resolvera crear uma
re vista quiozenal intitulada Immigrafao e dfestina-
dar informac33s snbre 03 reenrsos da renu-
nba, e 0 commercio licito passa nor uma crise
treinenda. O governo tinha um meio simples de
brigar Montevideo a entrar erri uma llj?a do al-
landegv ; era supprimir as alfandegas da provin-
cia e fazer assim com que 0 contrabando fosse da-
qui para la. So deste modo 0 governo oriental
MHrla mio das vantagens que a republica aufere
do contrabando para a provincia. 1
No lugar denominado Palraas, em dias do
mez de agosto findo, um bando de ladroes invadi-
ra a casa do negociaate Antonio Lima de Souza, e
depois de roubarem tudo quanto cacontraram em
dioheiro e joias, fugiram para 0 Estado Oriental.
Durante 0 mez passado entraram na barra
do Rio Grande 30 embarcacoes d s seguintes na-
ciouaudades : allemaes 8, brasileiras 21, hollan-
dezas 2, inglezas 2, italiana l a portdguezas S ;
sendo suas proiedencias : da ihhia i, de Barce-
lona I, de Cardiff 2, do Chile 3, de Glasgow 2 de
Liverpool 1, de Lisboa 2, de MiateviJeo i, de
Nova-York 2, de Perannbuco 1, do Rio de Janei-
ro 10, de Richmon I 1 e de Santos 1.
Le se no Diario de Pelotas :
* Sabbado 89 du passalo, ao raei) dia, n) Pa-
vao. na chacira do >r. PoJro Lobo Vinhas, cstan
do 0 ;>ret) Paulino, escravo d) Sr. Brutj AlmeiJa,
a abnr um p co, amaitado do capataz Miguel
Ba-tos, lioinem casadoe con lillios. foi por este
reprehendldo Paoilno, e n razio de nao fazer 0 ser-
vieo como the era determinado.
Com a enxada cj.ii que trabalhava atirou se
Paulino sobre o capatiz Miguel Bast)?, dando-Ihe
com esta algumas bordoada*, entrc ellas uma na
cabeca, da qual result)u a mort: instantanea do
capataz.
0 escravo, dap)is de o.nmetter 0 assassinat),
Velo para esta cidade apresentar-se a seu senhor,
declarando ter mono 0 capataz, e acto coatinuo 0
Sr. Uroti maodou reiAid lo aprislo e particioar
0 occorrido a aulondade.
Fallecera em Pelotas 0 3r. Joa piim Antonio
Martins Gorreia, nilural de S. Paul), ffliior de 70
atoos e residente na iuella cidade bavia cerca da
i0 annos.
Na) fez te tamento, devendo a sua fortuna, cal-
culada e:n cento e tantos coatos de reis, ser dis
triouida por sua espwa e ires fllhos. N)s seus
ultimos raoraeotos, e depois de sacraraentado, dis-
poz que o seu enterro fosse feiio 0 mais simofes
inente possivel.
Era uma declaracao fechada e dirigida aos Srs.
Visconde de Plratiny, Dr. Joaqnim Jose Affon'o
Alves e Antonio Raphael dos Aojos, fez as seguin-
tes disposicoes: libertou, sem eondieao alguma, os
seus iscravos Antonio, Lucas, Jose Benguella,
Iranclsca e Virginia. Tambem libertou as suas
oscravas menores parda Eva e crioulas Gregoria e
Thereza, com a clausula. porem, de sorvirem 20
annos, a contar da data do fallecimento, a sua se-
niiora D. Luiza Amalia Correia. Se durante esse
tempo houver esta fallecido, passarao a servir a
sua lilha menor Leonidia ate 0 cu Dprimento do
prazo designade.
Falleceram tambem : no JaguarSo 0 nego-
ciante Francisco da Silva Correia e Manoel Joa-
quim Correia Mirapalheta ; na capital D. rgoacia
Hodngues Alves Teixeira, raai do Dr. Joaquim
Jos* Alfonso Alves; e no Rio-Grande demardo de
Miranda Ribeiro.
da a
Mica, setts costumes, suas bellezas nturae= seus
monument-* e flaalraente sobre tado quanto nossa
deseovolver a .mmigra5ao para 4 mesma repu-
blica. Estavam nomeados redactores da revista
Samuel JTavarro e GaHherMe tfilcken. Mandara
se cootratar na Edropa gravadores especiaes para
as eslampas que .teora de acompanhar esta mi
Em Montevideo reeeiava-se qae fosse nertur-
bada a ordem paWica pelo coronel Florls uue
it dizia ligado para este fi com Mowrao e Perez ficio do MercadoT
Os projeetos tlnanceires do governo encon- Esta 1aasi coaeluida
traram energca oppoai^ao -em loda
SANTA CATHAniNA.
Fallecera, na capital, 0 coraroissario refor-
mado da esquadra Jacintho Gomes dos Reis.
MINAS GERAES.
Fallecora no dia 3 0 Rvd. JoSo Ferreira de
Carvalho, vigario collado da freguezia de Antoaio
Dias, da capital.
Ld se no Diario de Minas :
Grande e 0 eslrago que em Santa Quiteria,
municipio de Sahara, esta feudo afebre typnoide.
t Familias iiiteiras desapparecem em poucos
Jias, viciimas de tao fatal eprdemia, seenndo nos
communicam
Qaando 0 mal affecta com caracter toxlco e
dynamfco e incuravel; quando iothmmatorio e
billoso, ainda ha esperanga, havenlo zelo, limpeza
e cuidado.
Deos se compadeca de nossa provincia, que
soffre resignada, e ha tanto tempo, os horfores
da variola.
Le* se no Plinrol do Juiz de Fora :
Por oceasiio do inventario e partilaas dos
bens do finido tenente Francisco de Assis Alves
foram libertos 21 escravos, sendo pela veneranda
viuva D. Ignacia Candila d? Moura 12, pelo her-
deiro Jose de Assis Alves 3.
Por este mesmo herjeiro foi agenciada uma
subscripcJo entre seus irmaos e parenles, para a
quil concorreu elle com 200/, em favor da escra-
va Januaria, que flcou p)r isso llvre.
'jEi?0!B a c'ansula de 0 servir por 5 annos ;
ainda libertou 0 mesmo herdeiro 0 escravo Fran-
eisco, carpinteiro.
Pelo herdeiro Minoel de Assis Alves a do es
eravo Bento, pedreiro, com a clansnla de 0 servir
por o annos. ,
a E fiaalmente pelo herdeiro Fraaoisco de Assis
Alves, 0 escravo Braz, dando-lhe este herieiro
1:000/, e delle recebeu 800/, com 0 que comple-
ton a sna avaliaeap, que era de 1:803/.
PARANA'.
Seguira no dia 26 para a colonia militar de
Jatahy 0 direetor capitao Fernando Ferreira de
Abreu.
Devia inangwar-se na capital ay dia 7 0 edi-
,, ?TT- .1^ Tlr1> 1'WMgno lenuroente,
aua--viagem, pelo-simple< fwfo dePn5o Ihes tado-que-ljcsapra*. e airopeHad-rporuma abrida
ine^orada, poe jhj em 4sojdem.sua tropa. n
,T -A fi''e3idancia concedera demissao ao bacha-
rel loao Franco de Oliveira Soaza, do lugar de ins-
pector geral da instrucpao puWica, sendo nomeado
para subsulail 0 interinamenie 0 profesaor Joao
Maaoel da Cunha.
0 mercado wdert no met de agosto fi a lo
436/650.
A WWiothecadoClub Litterato de Paranagua
tem sido frequentada, durante esta anno, por 2. til
socios e ift visiiantes. 0 socio eontribuinte Eu
genio BendaszowsJxjr offorecera ao mesmo club,
aiim do ser eollocado no sea s.ilao, 0 rctrato do Sr.
Dr. Manoel Eufrasio Correa. 0 refer id) Sr. Ben-
daszowsky, como procurador do Sr. coronel Jose
Antonio Pereira Alves, linnara um contrato com
a presideoeia para a colonia Eufrozma, obrigan-
do se a entrar com 4,000 colonos em quatro an-
nos. ___________
Falleceram em Paranagua os cidaifos Jose
Pires Camargo, empregado da Companhia Progres-
sita, e Januario Antonio Lessa, na idade de 95 an-
nos.
s. PAULO.
fe.ncerrara-96 no dia 3 a exposicao, que se fi-
zera na capital, deprenlasofferecida's iPropaga-
dora dalnstrvcfao Popular. Todos os objectos
comprados Toram pelos que os haviam adquirid)
de novo offerecidos em beneficio da associate
Organisou-se um sorteio e lodos os bilhetes foram
promplamente tornados.
Ao terminar 0 leilao, todas as pessoas presentes,
precedidas da banda de musica do corpo de pcr-
maneotes, f ram acomnannar 0 Dr Leoncio de
Carvalho e sua senhora ale a casa de sua residen-
ce, havendo enthusiasricos vivas durante 0 tra-
jecto.
Sob 0 titulo llomicidio, refere 0 Constitutio-
nal, de Campinas :
..'.-J* estrada d M'^gy para esta cidade, foi, no
dia 29 do passado, assassinado um genro do Sr.
Joaquim Antonio Salgado, cojo nome ignoramos,
por um viandante que por alii passava. Ignora se
os pormenores deste fatal successo e sna :ausa, e
quem seja 0 autor delle. A autoridade prosegue no
respectivo inquerito.
A Imprensa em data de 31, publicou 0 se-
guinte:
Informam-nos:
t No dia 28 do corrente reuniram se mais de
vinte negocian.es da nosa praca, para organisarem
uma asoc.iacao, cujo lira e ter diariamento tele-
grammas da Europa, sobre 0 estado dos mercados
europeus.
Foram acclamados presidentes interinosos Srs.
Prates de Souza e Santos Dias, sendo nomeada
uma commissao compos'a desses dous senhores e
mais 0 S.*. Rosas para a confec;ao dos respectivos
estatutos.
t 0 contrato c m a Ccmpanhia Telegraphica
Submariaa para forneceros telegrammas diarios ja
esta feilo, pelo prazo de seis mezes, por 1:8003000.
Inaugurara-se com toda a solemnidade, no
dia 7. 0 chafariz que a camara municipal da capi-
tal mandou construir na nova praga, entre as ruas
de S. Bento e da Imperatriz.
Nos dias 9 e 10 0 Sr. Joao Pereira Monteiro,
defendera the-es para obter 0 grao de doutor, e
fdra approvado plenaraento. .^No dia 11 devia 0 ba-
eharel Genuiuo Vidal comejar a defender theses
para 0 mesmo Dm.
Ld se no Limeirense de 30 do passado :
a No dia 27 do corrente, pelas 5 noras da tarde.
algumas prjrcas do corpo policial permanent, aqui
de-tacadas, conspiraram-se contra- 0 seu commau-
Jante 0 sargento Antonio Rcdrigues de Barros, que
depois de um confllcto desagradavel, que poderia
ser de coosequencias funesias, foram fellzraente
acalrnados o- aniraos com a prese-ica do juiz mu-
nicipal Dr. Pedro Augnsto da Costa Silva e tirMe-
legado de polieia tenente Francisco Eugenio das
Cnagas, coadjuvados por diversas pessoas do povo,
que neste acto concorreram ao lugar do coulficto,
a convite das memas autoridades, chegando ao
p.onto de cidadaos e estrangeiros e-ppregarem for^a
bracal para coneguir se a prisao de seto sollados
que se constituiram insuborJinados as ordens de
seu commandaate.
Essas pra?as seguiram no dia 31 para a capit.l
escoltadas pelo alferes lose Soares de Siqueira e
por varios cidadaos, que todos se prestarara volun-
tariamente.
A variola fazia estragas cada vez maiores em
Piracic iba, onde ja haviam morrido 26 pessoas.
A terrivel epidemia aiieajava Jacahery, cons-
tando que no termo do Parnahyba, em casa de
Pedro Branco da Camargo, ja tinham fallecido 7
pessoas e estavam 4 enferma?.
Refere 0 Piracicaba, de ConstituicSo:
a Os trabalhos de desobstru;c,ao do rio Piracica-
ba, encetidos ha 22 dias, mais ou menos, progri-
dem com regalaridade correJeira do enxofrea ; a
primeira que encontfa-se desce"ndo do porlo desta
cidade ja esta canalisada e prompta. Actualmenle
trabalha se na canalisagio da corredeira d)'AI-
godoal.
a 0 Sr. Bruhns raosira-se aniraado e satisfeito
com os resullados que vai obtendo.
No !. semestre deste anno a estrada de farr.**
de Santos a Jundiahy rendera l,6i7:45o/050 e dear
pendera 470:419/603. 0 saldo Bra pois de.... ?
1,177:035/420.
Fallecera em Mogyrairirn 0 Dr. DelQno Piaheiro
de Ulhoa Cintra.
Refere 0 Piracicaba, da cidade da Constitui-
cSo :
Acaba de fallecer na villa de Sanla Barbara 0
Sr. Victor de-lal, con a avan?ada idade de 130
annos. Foi um dos homens que. segundo consta,
trabalhou para derrubar as matas do lugar ond^
se acha collocada e:-ta povoacao; ja nessa epoca
dizem que era elle viuvo. At6 os seus ultimos mo-
mentos nlo 3e notou falta de juizo, tanto em
suas conversacoas como em sem trabalhos.
L-se no Dezenove tie Dezembro de Cori-
tiba :
c Falleceu nas immediac5es da barreira do Rio
do Pinto, no dia 20 do corrente (agosto), Clemencia
Maria, natural e baptisada em foritiba, com mais
de 1 iO annos : gozou sempre de perfeita saude, e
pouco antes de seu falecimentoainda capinava na
roca, assistia a fadangos, e conservou ate os ulti-
mos momentos as suas faculdades. Sua prole
consta de 2 filhos, ambos em idade avancada, 22
nelos, 27 bisnetos e l.tataraneto.
I RIO DB JANEIRO.
Por despachoo de 9 do corrente :
Fez-se merce :
Do tiiulo de barao da Escada, ao tenente coro-
nel Belmiro da Silveira Lias, da provincia de Per-
narnbuco, em attencao aos relevantes servicos que
tem prestado a religiao e a instruccSo publica.
Do fdro de fidalgo cavalheiro da casa smperial a
Theodoro TeixeiraGomes.
Foram nomeados :
Ordem da Rosa. OJBcial, 0 capitao Joao Gon-
Calves Magalhaes, pelos relevantes servicos pres-
tados a instrucgao publica na provincia do Pianby.
Cavalheiro, Antonio Xavier Freire, da provincia
de S. Paulo, pelos que tem prestado a religiao e ao
estado.
juizes municipaes 0 de or-
peculagao ; diversos carregamentos de Ssn-
|tos foram vendidos, m*s a pre Mercado de assucar firme 0 raascavado
bom de Pernambuco n. 8 a 19/6,
New-York 19.Gambi'o *obre Londres
4.841/2. Ouro 109 3, i. Carregamen-
tos de cafe" do Rio fair a i6 1/2. e
^tOOD a 18 1/4 cents por libra. Aigodao
media.?0 wlamk a 1012 cents por libra j
se os tra-1 chegaram u0'6 dos portos americanos6",000
assegurar. 00s'fardos
Entre outros projeetos que venam prlnctpalmenie
sobre impostos, fora aoresentado um autorisando
0 poder exeentivo a ehamar lieitantes para a ac-
quisicio do direito de eraittir aid quatro rnilhoes
de pesos, eni bilhetes fraccionarios de 5, 2 e l
pesos, 50 e 80 centesimus.
Cftfgara a Montevideo D. Jaime Sosa, enviado
extraordinsfio e ministro pleaipoteneiario do od-
verno paragtfayo em missad espeeial junto do go-
verno brasileiro, para tralar da questao da lit
mites,
Em Assurripcio/dizS!!! os Jarnses argentinoa,
houve nm serio coafllc'to entre braitieiros e argen-
Hirms era am baile: interviersm forpds de ambos
os lados e bouve aiguna mortos e feri'.T.entos.
Notieiarh ainda as mesmas folhas que na
quartel brasileiro de S, Francisco Incertdloa- se um
carro do raunic3es, raorr?ndo dous offleiaes e fl-
cando algumas raortes e ferimentos.
anaTtii hT- aiSdaoa?. mesrna8 folhas qua a9
car 1^?'!? dfl S" Fra*co ioeendiou se
carro de mumcSes, morrendo dous offleiaes e
a obra do caes de An
tonina. Traiava-se da construccao de uma ponle,
aflin de atraearem os vapores.
-4 Ld-se no Dezenove de Dezembro;
tHa dias foi accommettido na serra da Graciosa
0 empreiteiro Gouvda. quando por eiia sedirigia
conduzindo uma boiada.
No lugar Boa-Vista, segundo communicou-nos
0 Sr. Gouvd), na casa do allemao Aaler, foi elle
assaltado por alguns carroceiros, qae proenrarara
mallralal-o, 0 que, porem, nao conseguiram, em
vista da reaistencia que oppoz 0 dito Sr. Gouvda.
t 0 faclo deste genhor pedir passagem on mar-
gem para sua boiada ociashnou a desordem, qne
poderia ser (anesta.
Commissario vacciaador e inspector de saude pu-
blica da provincia do Ceara, 0 Dr. Antonio Do-
miugues da Silva.
Foi apresenudo 0 conego de meia prebenda, Dr.
Emilia Lopes Freire Lobo, na cadeira de conego
de prebenda inteira, que se achava vaga na se
metropolitana.
Por despachos de 2_corrente :
Fez-se merci}:
Do titalo de barao de Santa Viotofia a Manoel
Alfonso de Freitas Amorim.
Do foro de fidalgo cavalheiro da casa imperial,
ao marechal da campo reformado, ialdim Juli-
niano da Silva Pimentel.
Foram nomeados :
Ordem de Ckmto.Commendador.-O lenle ca-
tbedraiico de pathologia interna da faculdade de
medtcina da Bahia, 0 Dr. Deraetrio Cyriaco Too-
nnho, pelos relevantes servicos que tem prestado
ao estado.
Ordem di Rosa.CommendaJor.Joao ftodri-'
gues Germano, da prov'neia da Bahia, pelos rele-
vantes servicos prestsdos a instruccSo publica.
OfflclalT0 major Richard, subdito de Sui Ma-
gestade Britannica.
Cavalheiro.-0 bachafel Luiz Salazar Moscoso
da Veiga Pessoa, official cnefe de seccao da secre-
taria do governo da provincia de Pernambuco," em
anenclo aos relevantes servreos qusitem prestado
ao estado.
um
a-
Entretanto nao convem pas3ar deaapere a attitude perigosa que de dia para dia tomara esses
senhores da eilrada, como se appelfidam I
a Na serra, Tednidos, e a mahir pane ebrios,
praticam toda a sorte de desaeatos, nao respeitaa-
do a viandante algam qae pacrticjmf>nte por ella
(ransita.
i 0 escoteiro, que muijas vezes proeura 0 me
lhor.'^dO ?a. estrada, 6 de ordiaario despertado pelo I
.- 4,
Secretario do govern) da provincia de Mat!)
Grosso, JalioCesaf Leal.
Commissario vaccinadof e inspeetot de sartde
publica da provinsia do Rio Grande do None, 0
Dr. Manoel Dantas.
Foram concedidas :
A exoneracao que pedio 0 Dr. Henrique Leopol-
do Soares da Camara, do3 lugares de commissario
vacclnador e de inspector de saude publica da
provinciado Rio Grande do Norle.
A pensao de 400 reis diarios, que fica dtpenden-
geral, ao sollado
.reforrndd'i -la M.erpo de velaoftrios da patria,
Mircis Pereira de Rarnis, .0 qua*, em consequen-
cia do ferimehto-receuido em coaobile, fisoo im-
possihilitado -de procurar'ra*iCs de subsistenria.
Declarou- so sem elfnilo a ^feata imperial de 19
de juuho de 1860, pe'a qual foi naturalisado 0
subditj poriuguez Jose de Abren, vist) ter renun-
eiado 0 foro da efifadao kfas'leko perante 0 consu-
lado do Brasil em Lisboa.
Foram naturalisados snbditos portugnezes, Fraa-
Cisco Ferreira Lordello, Fraadseo Jose Nogueira,
Francisco Joaqnim da Silva Kates, Joao Ferreira,
Jose Maria Vasconcellos, Manoal Joaiuira Souza,
Thomaz de Souia Dias a padft Francisco Joaquim
Alvares Soares 0 Mathens Monira da Cunha.
Par decrete de 9 do oorrente foi nomeado
Aatomo Moraira de Souza. theaooreiro da thesou-
rana de fazenda.do Ceara.
Por decretos de 9 do corrente.
Foram nomeados :
0 juiz de direito Levindo Ferreira Lopes, para 0
cargo de chefe de polieia da provincia do Ceara.
0 baclurel Maaoel Antuaes Pimentel, paj^ 0
iugar de juiz de direito da comarca de SolimSes, na
provincia do Amazoms.
0 bacharel Joaquim Damasceoo Nogueira, para
0 lugar de jniz municipal e de orphaos do termo
de Paranagua, na provincia do Piauhy.
Foi recondnzido 0 bacharel Francisco de Assis
Pacheco Junior no lugar de juiz municipal e de
orphaos do lermo de ltd, na provincia de S. Paulo.
Fui concedida ao bacharel Joaquim Celidonio
Gomes dos R-iis a demissao que pedio do bigar de
juiz municipal e do orphans do lermo da Areas, na
previncia de S. Paulo.
Foram ref- rmados a pedido :
JoSo Paulo Carneiro do Seuza Banleira, tenente-
cnronel eommandame do batallrio deiafaotaria n.
39 da gnarda nacioaal da provincia de Pernambu-
co, no posto de coronel
Antonio Lo?es Braga, major ajudante d* ordens
do commando superior da provincia do Amazonas,
no posfo de tenente-coronel.
Por decretos de 2 do corrente.
Foram, a pedido, removidos :
0 juiz de direito Joao da M.tta Corr-ji Lima, da
comarca de Vianna, do2 inlraocia, na provincia
do Maranhao, para a de Areas, de igual eulrancia
n\ provincia da Parahyba, ficando sem effeito 0
decreto de 13 de jumo deste anno, que 0 nonieou
para 0 lugar de chefe do polieia da provincia das
Alagoa-J.
0 juiz municipal e de orphaos, Jo>e Cieraenlo da
Silveira. dos terraos reunidos de Imperairiz e Porto
Franc para 0 de Barra de Corda, todos na pro-
vincia do Maranhao.
0 juiz municipal e de orphaos Severino Eulogio
Ribairo de Rezende, do termo de Cabo Verle p^ra
o de Dores da Boa E^peraoca, na provineia; de
Minas-Geraes. /
Foi nomeado 0 juiz de dirdilo Joaquim Guides
Correa Gondlm, para 0 cargo de chefe do polieia
da provincia das Alagoas.
Fjram nomeados jui'es de direito :
Bacharel Francsco Domingos Ribeiro Vianna
da comarca de Flores, na pro.incia de Pernam-
buco.
Bacharel Ulysses de Barros Mendonca, da co-
marca do Riachao, na provincia do Maranhao.
Bacharel Carlos Tompson Flores, da comarea
de Passo Fundo, na provincia de S. Pedro do Rio-
Grande do Sul. -
Foram nomeados
pbaos :
Bacharel Joaquim Moreira de Barros Oliveira
Lima, do termo de Vianna, na provineia do Ma-
ranhao.
Dr. Ulysses Sigismundo de Araujo Batinga do
termo da Imperatriz. na provincia das Alagoas.
Bacharel Joaquim Francisco Vieira de Mello, dos
termos reunidos de S. Sebastiao e Villa Bella, na
provincia de S. Paulo.
Bacharel Francisco Xavier Rodrigues Campello,
do termo de Baepeudy, na previncia de Mioas-
Geraes.
Foi, a seu pedido, aposentado 0 eontinao do
tribunal da relacao do Recife, Manoel do Nas-si-
meni'j Pacheco de Medeiros, com 0 ordenado pro-
porcional ao tempo de servieo, na forma dos arts.
14 e 15 (1) decreto n. 5,457 do 6 de novembro de
1873.
Foi marcada a ajuda de justo de l:2O0009 ao
juiz de direito Cordolino Barbosa Cordeiro.
Tiveram despacho:
Desembargador Angelo Francisco Ramos, pre-
sidente da relacao de Cuyba, pediudo 0 adianta-
meato da quanlia de 2:060g, de conformidade corn
0 aviso de 14 de fevereiro do corrente anno.Sim.
Desembargador Francisco da Serra Carneiro,
pedindo seis mezes de licenta com orienado.Ao
presidente da provincia do Maranhio, para infor-
mar.
Pelo rainisterio do imperio :
Declarou-se a-) presidente da provincia da Pa-
rahyba, que mereceu a approvac.io do governo
imperial, 0 acto pelo qual annullou os trabalhos
da junta "de qualilieacao da parochia de Nossa Se-
nhora das Dires da villa da Alagia do Uonteiro,
era razao de haverem elles comecado e terrainado
fora das epecas legaes e dar-se eonseguintemenle
pretericao das disposicoos dos arts, l.t, 20 e 22 da
lei n. 387 de 19 de gosto de 1816.
Coramunicouse ao pesidente da provincia do
*Para que foram annulladas as eleicoes prirnarias
effectualas em maio ultimo, nas freguezias de
Cintra e Santarem, senundo consta do offlcio do
secretario da camara dos deputados de 14 do cor-
rente mes, sob n. 371.
Por portaria de 12 do passado f)i nomeado 0
2* tenente reformado secretario d) deposito do
aprendizes artilheiros Augusto Cesar Pereira da
Cunha para exercer intenna e cumulativaraene 0
lugar de secretari) da fortaleza de S. Joio, perce-
bendo a gratifleacio men Nao foi atlendida a peticao de gra;a feita por
Maria Amelia Miquelina, em favor do soidado do
I* regiment) de cavallaria ligeira Jose Ignacio dos
Santos, condemnado em virtude de sentenca de
cdnselho supremo militar de jnstica de 11 de jn-
II10 ultimo, a seis mezes de prisao pelo crime de
desereao.
Por decretos de 2 do correnle :
Foi concedida a graduacao do posto de coronel,
na conformidade do art. 22 2* do regulamento
que baixou com 0 decreto n. 772 de 31 de marco
do 1851 ao tenente coroo;l do corpo de estado-
maior de 2' classe, Francisco Cauiello Pessoa de
Lacerda.
Foi transfe ilo para a classe do exercito,
sendo qualificado na 3" eompanhia do 5" bataibao
de infanteria, 0 capiiao aggregado a mesma arma
Domingos Pereira da Silva, visto ter sido jolgado
prompto na inspeccao de sadde a que foi snmetti-
do na provincia do Piauhy em 9 de fevereiro deste
anno.
Foi nomeado capellio tenente do corpo eccle-
siastico do exercito 0 padre Luiz Alves da Silva.
Passarara a aggregado as armas a qae perten-
cem,. de conformidade com a imperial resolucao de
20 de julli) de 1870, tomada sobre consulta do
conselho supremo militar, 0 2 tenente do 4 bata-
lhao.de artilharia a pe, Daniel Joaquim Rodrigues
Lima, e 0 alferes do V de infanteria, Laurentino
Jose Marques.
Concederam-se :
Ao ex tenente de commissao de voluntaries da
patria Joao Luiz do Prado Mineiro, as honras do
posto de tenente do exercito, era attencao aos bong
servijos quo prestou na provincia de Maltb-Grosso
em relacao a guerra do Paraguay.
Ao capitao do 1 batalhao de artilharia a pe,
Diogo Ferreira de Almeida, e ao alferes do 4 re-
gimento de cavallaria ligeira, Joao Baptista Menna
Barreto, a demissao que peliram do servieo do
exercito.
Foi perdoado ao alferes do 7 bataibao de infan-
taria, Segismundo Augusto de Mendonca Lobo, 0
resto do tempo que ihe falta para curaprir a pena
de seis mezes de prisao, a que foi condemnado por
sentenca do conselho supremo militar de iuslica
do-28 de raareo do corrente anno.
Foi exonerado Avelino Pereira da Cunha do lu-
gar de escrivao do hospital militar da provincia de
Pernambuoo.
Por portarias :
De 31 de agosto foi nomeado 0 capi&i bdDora-
rio do exercito Manoel Jose de Soaza para exercer
interinamenie 0 lugar de adjunto a intendeflcia da
guerra, durante 0 impe'diraejto do effectivo, que
esta servindo de ajudante.
Da 2 do correnle :
Foi tambem nomeada Maria Candida Theodora
Alvos para 0 lugar de professora de primefras le-
Iras do presidio de Fernando de Noronha, que
exercla interinamenie.
De i : Forara tran*feriIos :
Da companWade mfanteria da provincia de S.
Paolo para o4* bataibao da mesma arma 0 alfe-
res Padlo Pioto Auto Rangel ; e deste batalhio
aara aquerla companhia 0 alferes Manoel Bairtwta
Escobar Bneno.
Do 4.- regirnento de cavallaria ligeira para o es-
qaadrao da mesma arma da provineia do Parana 0
alferes Maaoel Gomes da Rosa.
De 5, f)ram igualmente transfertdos do 9." bat a-
lhao de infanteria para a companhia da mesma


'
:


\
'^r*
' ----- II IUI__JJ_Jl



OBtio^feiiUattfcbabo i *- ->Segi*i*i* ie&a ^21 kH8rtBl^ Md 14G
*S
-
*
armada proving do R;9 Gr.iale da N>ri* a le-
uoote Aatonio rVaoaisao da Mello,-r de.u oam-
ranliia |)ari,MUona baUlhjj, o teaen'.c E-avaiio
Fratrclso deSa'JitfragalBaes.
* IWpftrtffHrftl dd aofWMe, tof to-needo o
capitao tenente Francisco Leopoldo Cabral do Coi-
to a T4^ipaacpr10:lmM*a professor da >
cola pratica *e. ar*Ubaria.
Por p'pftariif da 5 faram noraeados : o 1'
lerrtnte Pelinto Perry para caoiraindaf' rnterftik-
mea.aeaDh9o^imMnnf'( Diat, o 1' tenente
Jose Marques Mancebo tambem par* fcomraaodir
iQWrinameiite a woipanliia de aprenJiz's man
nhajros da providciado Para ; e o 1J teuente Aa-
tonf-i CiVloa'Preire de Carvalho, ajuJante do di-
rector das offkinas do arsenal rida provincia, para exercer o emprego de dtrec
tor das eiliiioas de machinas do arsenal de mari-
nha da Bahia durante o impedimenta do 1 te-
nente ErrrfliO AttgrJsto de Meflo e Alvim.
Por poriaria- de 3, foi nomeado o capitao
tenente Franoace E-periJiao Rodrigues Vaz, para
corarnandar o transporte Purin qua esta senio
consiruidp na tnglatefra.
Na mestna data foi nomeado ol.1 tenente Pe
dro /wttuaio tU Menu Itesius, para commaadar o
patacho Paranogud.
No dia 4 do cofreita S. A. o Sr. conde d'Eu,
awmaan'.ado pale presidents interino da coiiiuiis-
sao de mettioramontos do material do exercito,
marechal Soares de Andrea, e pelo chefe da 2.'
secgaa da masrna commissaj, coronel Lima e SH-
vaf visilou a escola. de tiro d i Campo-Grande, son-
do reeebido pelo comraandaute e offlciali Jade da
referila escola.
Assistio aos tiros, qua se lizeram com uma ma
tralhadora do sy-tema mais aperfeicoado da Eu-
ropa, estando o alvo a 030 jardas de distanci.%. ou
734 metres. Todos os tiros foram empregados no
alvo com per la apenas de 2 (o em descargas com
pontarias tixas e oscillanles.
En seguida fizeram se sete tiros com o canhlo
Krup, e3tando os alvos a 1,0'0 e 1,500 raelros de
distancia, sendo o alvo aerribado ao primeiro
tiro, e e'npregados todos os oulros iaclusive o
terceiro, que ferio o centro do alvo.
I)--aois do almop, offerecido pelo tenente-coro-
nel Alencastro, sua alteza examinou minuciosa-
raente o eJifieio da escola, e esteve presente a au-
ia de arlilnaria, lecctsnada pelo capitao Costa Gii-
mar.vs.
Ao meio dia sua alteza assistio nao so aos tiros
que S3 fizeram com os coaaoas Whitworth, de
carregar pela culatra e pala bocca, acertando to-
das as balas no alvo, a excepcao das duas primei
ras, como tambem aos de carabinas, systema Com-
blain aperfeicoaJo, usadas no nosso exercito, e
de clavinas de cavaliaria.
S. M. o Imperador, no dia 6 do corrente,
acompanhado de seussernananos, visiton o Ins-
titute dos Surdos Mu lo? denoranda-se mais de
umi hora a percorrer o estabeleeioaento e a inda-
gar do adiantamento dos meuino3jiao s6 nas au
las c mi especialmente na ofllcina de sapateiro,
que ent.io trabalhava. Passando pela cozioha. sua
magestade provou 03 alimentos, que haviam res
tado do jantar d p* almnnos.
OSr. D. Manocl Lorente y Vasques entre-
gou no dia 4 do corrente ao Sr. ministra dos ne
gocii?s 8itrangeiros a caria quo o acreirta como
encarregado de negocios da llespanha junto ao
governs imperial.
Foi inaugurada no dia 7 do corrente a es-
ola municipal no largo da Mai dj Bispo, com as-
sistencts de SS MM. II.
Na tarde de 0, n'um dos salSes do Club Mo-
zart, teve Ingar uni banqueto offerecido ao conse-
Iheiro Paulino de Sonza por alguns seus amigos
da camaia dos deputiJos.
Cbegara, proceJeLte de Londres, com esca-
las pela Madeira, o vapur nacional Goytucar, se-
gundo que a companhia da estrada de ferro Ma-
cahe e Campos mandmi construir em Inglaterra.
0 Qoytac ir mede 187 pes de comprimento, 24
de bocca, H de pontal, 14 palmos de calado e
oil tjneladas.
Foi con>truido em Newcastle nos estaleiros de
C. Mil;hel. & C. sendo as inachinas fabricadas
nis olli:iuas de Pavenliill Ba&toiu & C.
Na viagem de Londres a Made ra ^eitou 10 a
10 i|2 milhas por hora.
Segundo informa(des que oblivemos, ja partio
d; Londres com deslino ao nosso porto o Imbiti-
ba, terceiro vapor da companhia da estrada de
ferro de Macahe e Campos, a3hando-e quasi
promptos em Newcastle os outros dcus, denomi-
nado Presidente Travassjs o Bariio de S. Diogo
Chegaram a corte, no dia 9 do corrente, a
, bordo do transporte nacional Madeira, o Sr. D.
Jayraa Souza, enviado extraordinario e minislro
pjonipotenciario do governo paraguayo, em mis-
sao especial junto ao governo imperial, e o Dr.
Jo3e Gurgel do Amaral Valente, secretaric da le-
gacao hrasileira junto ao governo do Paraguay.
Falleceram : a Sra. Scully, na corte ; e o
coronel Ladislao Jos6 da Fonceca, em Resende.
Achava-se funccionando em sessoes prepa-
ratorias a asssmblca pr<>vincial do Rio de Janeiro.
Eis as noticias coromerciaes das ultimas
datas :
Buenos-Ayres, 1' de selembro. 0 mercado
nnnelario vai melhorando ; o de exportacao este-
ve nesta iiuinzena mais animalo do que na ante
rior, e nas operagoes de cambio houve tambem
maior animagio.
Melhorou o preco do assucar de Pernambuio,
tendose vendido a retalho de 62 a 63 p. por 1',
6'J por 2' e 54 por somenos.
0 cafe Oca pouco procurado e com tenJencia
para maior baixa.
t Venleu-se a pequena existencia que tinhamos
de aguardeutejlo Rrasil a 6i p. f. em deposito por
I'tS galSes
bnlera no mat W?W> :567i378. e desp-ttf
dera M:WJfi^ A dirpctpria da Oiixa Buuuomjca ficou a3sim
domposta J^9tmumfmm^iimufM?eT6\ri
de|Ca#va4lfli- Mumtim, Off., E, Baddjues, da
Silva, e Salvador Tires da."EaT>aibo e Albuqoer
que ; direetores, Dr. Priancraco J. Teixeira e An-
tooia Dia Jlagillales. .-.1-
9- Seguira para S. Vicente a corveta dMMaVfli
ilaliana Owwor*.
A directoria da soeiedada Spirltlca fico as-
sim compost:
PreBldamai Dr. Maioel TeliiolPa Sosrsa.
i vwe-preMdntB, Dr. Joaiuira Caroeiro dfe
Campos,
8* ? fc ptesidente, Luiz Olympio Talles de
Menezes.
Scretario principal, pliarmaceutico Doraiogos
Rodrigues da Costa.
Secretario adjnuoto, protosaar Antonio Rodri
gtiM"J*hfibeirO.
Orador, Ernesto Augusto Barbosa Coelho.
vi-itiBta, Or. Ig*acio Jos6 da Cnoh i.
Tbesoureiro, Edoar lo Tarqnicio de Mello.
Falleceram : o bedel aposentado da Facul-
dade d Medicina, Jose Castodio Gorreia Palmeira,
com 76 annos de idade ; e o ex-empregado da
thesouraria pF Foi ssnccionaita e putdicada a lei do orija
mento provincial, na qual sao ercaaas : a recelta em
2,172:433* 0) e a despeza em 2,172:473*000.
No termo do Capirn GroMo, no principio de
agi-to, Maria Dunda asaassinoo barbaramente com
acoites um sen fimo menor, por ter este tirado e
eomido um pedaco da rapalura.
No dia 16 foi extrahida a 1* loteria em bene-
ficio da igrefa de SmfAnn*. do-Rio ds Contat,
sendo o resumo da Hata o secointe :
874.........3:000*000
961......... 800*000
3223 ... ... 500*000
23......... 200*000
3, 3380 e45S .... 100*000
3018, 3203, 391, 180, 2314 e 2975 40*00J
2984, 1616, 2260, 1743 167, 2887
3144, 2333, 370 e 940 .... 20*000
704, 3083, 1178, 3W8, 1=W8, 2999,
3it0, 1461, 36, 1797, 6, 799, 21*3.
2*4, 2193, 1596, 3101, 3433, 3153
e 2429........ 10*000
ALAGOA8
No dia 13 do orrentf foi solemnisada, na
matriz le Maceio, a consagracao da parochia do
SS. Coragao de Jesus, com todo o oiplendor e mag-
ni&cencia, occupando a tribooa sagrada o Rvm.
Pedro Lias de Vasooncellosp.
Em virtude da lei provincial a. 515 de 30 de
abril de 1870 foi feriado o dia' 16 do corrente, por
ser o do anniversario da elevacao das Alagoas a
cathegoria de provincia em 1817.
A variola cootinua a grassar com iitensidade
no Pilar. No mez de agosto foram accommettidas
cerca de cam pessoas, e de 1 a 10 do corrente
cincoeota e tan'as.
Tendose de proceder a urgente3 concertos
na matrix de Maceio, foi o SS. Sacramento trasla-
dado para a igreja do Rosario.
i'ijA-IM
Esta procurala a farinhi de Santa Cathariua,
e o primeiro lote que chegar poder se-ha vender
a 20 ps por arroba despach >da ; a de Porto-Ale-
gre dara 22 a 23 ps.
t Estao fir nes o fumo em rolos e a herva-mate.
Montevideo, 3 de setembro. Continuou na
quinzena tin la a paralysagao do nosso mercado ,
sao poucas as relaQoas com a campanha em con
sequencia das chuvas que difDiultam o transito.
a 0 cam'jij sobre Londres manteve-se entre
50 3[i e 51, sobre Franca 5,3i a 5,30, sobre o Rio
do Janeiro de 9*330 a 9/360 por libra esterlina.
a 0 assucar do Brasil esteve meaos animado do
que na quinzena|anterior os precos, entretanto,
iuatentaram-sc a 2 p. 63 para o branco de 1"; 2 p.
4"i para o dt 2*; 2 p. 30. para o somenos ; 1 p. 80
a 1 p. 90 para o mascavo.
a A perda do Liffiy, portador de 300 saccos de
cafe, conleve a baixa deste artigo. Venderam se
algmnas partidas de qualidade superior a 23 p.
50, 24 p. e 24 p. 50 por quintal.
c Baixou a aguardente gracas as grandes entra-
das. Cotase a 80 p. por 500 litros despachada.
a Esta melhor a farinha por ter-sa vendido tudo
que havia.
Continua calmo o fumo em rota
Ha procura para o mate de Paranagua d^
boa qualidade.
t A importancia dos saques sobre Londres pelo
Illiinini 6 orcada de 160,000 a 180,000 aos
prac/M da 50 7|8 a 51 d. p r peso corrente.
Rio de Janeiro, 13 de setembro. 0 mercado
de cambio continuou a motrar-9e activo e firme.
Effectuaram-se transacvoes regulares sobre Lon-
dres a 26 l|4 Ol. papel ban:ario. 26 3|8 e 26 1|2
d. particular e pequenas sobre Franga a 356 rs.
por franco particular e sobre Lisboa a 103 '\. de
premio.
< A' ultima hora const:n-nos quo o banco alle-
tnao effe :tuara uma importance operacao sobre
Franca, de cerca de 1,500,000 francos, a 360 rs.
por franco.
t De soberanos apenas se negociaram hoje lotes
insignificantes a 0*300 a dinheiro.
a As apolices geraes de 6 "|. conservaram se
iirmei e activas. Negociaram-se cerca de 400 a
1:045 a a dinheiro.
No mercado de accoes apenas tranjpiroti a
venda de uma parlida regular das do banco do
Brasil a 250* a diaheiro.
As vendas de cafe foram boje meaos qne
regulares.
a Durante a semana flnda venderam-3e cerca
do 93,500 sa:cos. Ficara em ser hoje cerca de
135,000 saccas.
Coumos por 15 kilos :
Lava Jo 6*100 a 75200
Superior e fi.no 5*950 a 6*450
1- boa 3*450 a 5*600
! rejrahr 1* ofaMM 5*200 a 5*330
4*650 a 4*950
* boa 4*100 a 4*300
. 2* ordinaria 3*60o a 3*900
< Da assucar fizeram-se pequenas vendas para
consumo. Os prefos desta genero nao soffreram
alterseio sensrrel.
a Fretaram-M dons navios para earregarem
cafe etaa deuino a Nova Orleans, sendo um a 25
s. e ) outro a 27 s. 6 i, ambos com 5 'j. da
capa.
A alhndega da c6rte renden de 1 a R do
correa*91,aHJ:227*802. O
BAHIA.
A estrada de ferro da Bahia ao S. Fraactsco
REVISTA DIARIA.
Fellcltacfto.A commissio nomeada pela
camara municipal do Recife para felicitar ao Exm
Sr. uresideute da provincia, commendador Dr.
Henrique Pereira do Luc na, pelos importantes
servicos xestados a esta provincia com a iniciacao
do asylo de alienados, foi por S. Exc. recebida no
dia 19 do corrente a unoa hora da tarde e pronun-
ciou o seguinte discnrso :
Iiiiii. e Exm. Sr. -A camara municipal desta
cidade do Recife tenJo na devida consideracSo os
valicsos e importantes esforQos que V. Exc. ha en-
vidado para levar a effeito a humanitaria e gran-
diosa idea do eslabelecimento de candale -Asylo
[-de Alienados -e que acaba de iniciar collocando a
primeira pedra do respectivo edificio, nos envia em
commisjio para signiiicar a V. Exc. quanto ella se
congratula com V. Exc. por tao assignalado ser-
yigo.
A camara municipal do Reeife nao podia Gear
inditferente as inequivocas prova3 de adhesao qie
todas as classes sociaes, principalmenf; as mais
elevadas, tem manilestado a V. Exc, concorrendo
com a maxima espontaneidade para a realisacao
de tao sublime pensamento, o quo justilica plena-
ments o apoio que prestam a pessoa de V. Exc. na
qualidade de administrador, que com tanta pru-
dencia e sabedoria tem desempenhado a ardua ta-
ref.i que Ihe foi conliada pelo governo imperial.
i E quando a popula;5o por todos os modos se
mostra grata pelo servico de elevado quilate que V.
Exc. com a fan e digno louvor presta a parte della
a que a inf licidade occasiona a perda da razao e
que ate o presente tem se acbado privada de rece-
bor os soccorros scientificos e humanitarios que
tanto nobilijam o seeulo actual, a camara nao po-
dia ficar quuda ante tao portentosa demonstracao
e por isto nos envia como seu orgao para raanifes-
tar seus sentimentos de apreco e applauso por tao
assignalado servico.
a A commissao, Exm. Sr, sen'.e nao dispor de
expressoes sufllcientemente demonstrativas do
quanto compreheude a magnitude do servico pres
tado por V. E*c. a esta provincia : mas e elle tao
nctavel que para assignala-lo nao fazem falta as
phrases de escolha, nem o polido e pompas do es-
tylo.
As.im so resta a commissao com o devido res-
peito e acatamento saudar a V. Exc. em nome da
camara, de que 6 orgao, signilicando a V. Exc. a
sua adhesao, e cumpriraentar por si a V. Exc. a
qaem cada um do3 membros da commissao tributa
a mai3 alta considera?io. -Recife, 19 de setembro
de 1874. Joao da Cunhs Soares Guimaraes Be
latmino d-i R-ijo Btiros.-Pedro de Athahyde \j)bo
Moscoso.
S. Exc. respondeu :
e Agradeeo com toda a ellusao do meu sincero
reconnecimento a felicitacao que a Illma. camara
municipal do Recife me acaba de dirigir por vosso
orgao pela fundacao da grande obra de caridade
que se denomina Hospicio de alienados, e bem as-
sim a3 expressoes benevolas c-.m que encareceis
os meus pejoenosservifo*.
Trammitli, Srs. membros da commissao, a tao
distincta e patriotica corporapao os protestos de
minha perfeita estima e distincta consideracio.
Attentado selvatico,Como verao 03
ncssos leitores, na sec^aodos telegrammas, foi come
mettidono lugar Jurupary, do Para, um gravissi-
mo attentado, na noite de 7 do mez corrente, e
outro ainda mais selvagem esteve quasi a dar-se
na mesma noite na ilha de Macapa I
Esse telegramma, a qne chamaremos lugubre, e
que tem a data de 19, veio revelar-nos um mnndo
de miserias, uao estado de civilisacao tae pequenino
que punge nos n'alma confessal-o.
Dous commerciantes portugqezes pereceram
victimas da sanba infernal produzlda por odios que
julgavamos de todo desvanecidos, por preconiM-
tos 13: aros que suppunhamos totalmente extinc-
tos.
E 0 que mais e, em Macapa, se nao fora a pre-
senja do visconde de Ararye do Dr. Rayol, d.z 0
telegramma, teria havido grande morticinio na co-
lonia portugueza I
Quanto e isto doloroso, quanto e pungente, devem
comprehendel 0 todos aquelles que, como nds
veera nesses estrangeiros amigos dedicados que com
0 seu trabalho vem augmentar a riqueza deste
paiz, regando 'com 0 suor da fronte uma terra que
por tanta* causas lbes e chara.
E, com que litulos, com que dlreito os habitan-
tes de Jurupary e de Macapa se aivoraram em
executory de seatencas lavradas por seus cere-
bros exaltados ? So a Ignorancia e am estado
quasi selvagem de costumes podem explicar esse
extraviameolo da razao, esses allenudos commet-
tidos em nome de estupidos odios, fomentados por
especuladores sem coracao e .sem vislumbre de
sentimentos de dignidade I
Sem dignadade, sim I porqne, seao menos esta
tivessem os vis especuladores que procuram desunir
dons povos feitos para viverem harmonisados, sa-
beriam avaliar devidamente 0 qne vale a honra de
seu paiz, e de certo nao buscariam mareal-a, apre-
sentando 0 povo bra-ileiro oomo incapaz da com-
prehender a hospilalidade, como incapaz de prati-
cal-a, como sabem-c'o fazer os povoa cultos.
E em qne dia, ^anto Dens, se deram aquelles at-
tentados I No dia 7 de setembro I N'um dia cn-
jas auras s6 deviam inspirar sentimentos de amor I
N'um dia em que os brasileiros 16 deviam e so de
vem lembrar-se da patria para mais estremecel-a
e para mais fazel-a amar pelos estranhos I
Pelizmeute, e 0 vw dos vafe e wnpara, 0
pavo portuguez, esse illustre povo irroao e amigo,
sabe bem distinguir um panhadode malfeUores, m-
conscientes e fanalicos, do povo brasileire sensato
e pacifico, que se vmgtorfa em estender-lhe os
bracos para apertal-o ao seio, chorando deridas h
faimls de amor, como 0 filho qua redina a tronta
Btem/sentiaawlos de reciprooa aflfcif>ol
t Mas campra fle dxis autrus bamene da imarensa
de Parnaqibu'co, juntemos os nossos aos nergicqs
RrptCstos1 ai jmpretCTS paraeoso.
1] Nos, biasleiros'saiao e Dio fasatisadoi; nos,
Noendo peosamtnlo e nao da forpa brata; udi,
liomeas do porvrr e nao da um pequenino passado
que do.funio dakna denloramos i devemos erguer
Uifi aftlacmd bradb enntrl taes attentalos, protes'-
tando 8m nome1 da" nessa httora, do nosso brio-e'
diguidade nio andunnoeneia a mais levaparticnla
da responsabilidade de taes crimes.
Caia,' com todo 0 peso, a accAo da lai sobre os
culpados; qaebre-3e 0 ferro homiciaa nas maos
dbl rehefailos.qae ass4ml)iBcam maitaKosbrt-
Ihos do pendao auriverde ; dasfaja se como verbo
da luz intclleclual as trevas da igoorancia fanati-
ca; taes devem serasnossas exigencias, para com
as autoTidadas depositarlas do poder DUblico, taes
devem ser 09 pfeludlos dd nosso protesto.
Dovemos am aperto de naao a impreosa do Para
pela sna nobre altitude, cuopramos cssa dever,
dizendo com ella:
Em nome da" cfvillsacap do secnlo; em nome
dos principfos'tld hnmanldade; em >me da nossa
honra, brio e dignidade; em nome dos laoos uue
nos 11 gam aos portuguoz-s; proteatamos solemoe
mente contra os crimes de Jurupary e contra as
lentativas de Macapa !
Cremos qae nao s3o outro3 05 sentimentos dalm-
preosa de Pemanibuco, cremos que nao sao diver-
sos os senunwfatos do povo pemambucano.
>a\ io de iiiii'rru, No sabbado pela ma-
nha chegou ao nosso poito, procedente do Rio de
Janeiro, a canhoneira nacional Ueartm, sob 0
commando do capuao-teneote Edusrdo A. de Oil -
veira. Este navio, qua so destinaa fazer part; da
divisao do 3' distncto naval, seguira para 0 Para
logo que houver tornado carvao.
Boa viagem. Clisgou hontem peha manha
ao ncso porto, prucedeate do Rio da Janeiro, pela
Bahia e Maceio, 0 vapor Pdrd, trazendo & dias c
horaa de viagem. E' uma das melhores de que
temos conhecimenlo, 0 que de algiun modo recorar
inenda 0 seu commandaaie.
Ajuroncla postal. De Alagoa dot Gatos,
pertenceiie a comarca de Panellas, nos pedem para
lembrar ao digao administrador dos corretos desta
provincia, a creacjo alii de uma agenda postal, e
n^s dlzem'qhe 0 servico pode ser feitd com toda a
facilidade pelo estafata que vai a Panellas, por
passar elle um quarto de legua distaote desse po-
voado, e sem este caminho melhor e mais curto
do que ate" agora seguido.
Ladrfteg de cavallbs. No dia 1* Bo
corrente foram presos em fligraote, no districto
daTajnara, do termo de Limoeiro, por crime de
furto de cavallos, Joao Paulino de Messias, Manoel
Martins aa Rocha e Antonio Francisco de Mello.
ridade de Ollnda.A commissao, encar-
regadi de promover a acquisicao de prendas em
anxilio as obras do hospicio de alieoado-, roga as
Exmas. familias, residents em Olinda, que qnize
rein concorrer com alguma prenda ou outro qual
quer obolo de caridade que Hies dictar seus piedo-
sos coracoe^, oueiram eoviar ao Varadonro a resi-
dencia do Sr. Juviniano Manta. digno membro dessa
commissao, na qu nta feira 24, das 3 as 6 b ras da
tarde.
lnstituto Medico pPemambucano.
A's horas da noite do dia 16 do corrente 0 Ios-
tituto Medico fez a sua sessao ordinaria soh a pre
sidencia do Sr. Dr. "Cosme e com assistencia djs
Srs. socios Drs. Pereira do Carmo, Cnacon, Santos
Mello, Cysneiro, Bellrao, Malaquias, Joao Raymni-
do, Santa Rosa, Ermiro Continho, Ramos, Esjevao
Cavalcante c 0 pharmaceulico Barbosa.
Leu-se a acta da sessao anterior,.a qual fora ap-
provada.
Tratou-se em segnida de nma qnestio de ordem
e nella tomaram parte 03 Srs. Drs. Santa Rosa,
Cosme, Ermiro Continho e Estevao Cavalcante^
Foi lido pelo relator da re'pectiva comnnssao 0
parecer da mesma sobre as emendas e os substitu-
tivos ao regimento interno.
Pas3andose aordem do1 dia, entrou em discus-
sao a observa^ao clinica do Sr. Dr. Estevao e sobre
ella fallou 0 Sr. Dr. Jjao Raymundo, que sustan-
tou 0 seu diagnostico de erysipela, ja emititd) em
uma das sessoes passadas.
Em ultimo lugar 0 Instituto nomeon uma com-
missao para apresentar os seus estatutos a S. Exc.
0 Sr. presidente da provincia.
A's 10 1/2 horas levantou-se a sessao e f >ra
marcado para a ordem do dia da prexima sessao
a -iii da anterior.
Companhia Itranaatlca italiana.
Acha se entre nos, procedente da Bahia, 0 Sr. Fre-
derico Boldrine, director de nma companhia dra
maiica italiana, a qual, depois de haver trabalhado
com muito successo, segundo (orniese cartas que
recebemos do sul, nos theatros da corte e da Ba
Ilia, propoe-se a offerecer-nos alguns espectaculos,
para 0 que devera aqui chegar ate 0 dia 26 do
corrente.
0 Sr. Boldrine ja conseguio 0 theatro Santo An-
tonio, 0 unico que lhe pole servir a falta de outro
melhor.
Muito ha a esperar da companhia dramatica
italiana a aferirmoso merito relativo dos 18 artis
tas que a compSe, pelo do primeiro 0 Sr. E. D>
mmice, altamente discutido e proclamado pelo Dr.
Filgueiras Sobnnho, cujos conhecimenios littera-
rios e talento provados, nada nos deixam duvidar
de seu juizo critno, era um pomposo artigo publi-
cado no Diario da Bahia de 17 do correnta, a
proposito do trabalho do Sr. E. Dominice, na noite
de seu beneficio.
Conliando, pou, quo a companhia dramatica
italiana do Sr. Boldrine seja realmente digni da
considerarao e applausos do nosso pnblico, em
taes casos, prodigo sempre de generosidade, cre-
mos que 0 melhor successo a coroara tambem en-
tre nos.
Transporte WernecK. Voltou hontem
do Maraohao e Ceara este navio da armada brasi-
leira, conduzindo a sea bordo 0 Sr. Hawkshaw.
ntoiieiro. ~0 vapor Pjrd trouxe para :
)s & C. 11:5455000
Araorim Irmaos
Barao de Nazareth 8:000*010
Domingos da Silva Torres 5:500*000
Manoel Josquim Pereira de Carvalho 5:000*000
Manoel Soares Pinheiro 2:000*000
Lidstone Robilliard & C. 1:900*000
Alfredo &C. 1:630*000
Jose R )drigues de Souza 400*000
0 vapor Cervantes levou para 0 Rio de Ja-
neiro 4:444*400.
Para o tneaouro nacional0 vapor
Cervantes levou da thesouraria de fazenda de=ta
provincia para 0 tnesouro nacional 221.000*000,
seudo 4:000*000 em notas inutilisadas.
Para a Europa. Com 12 reccbidos em
nosso porto leva o vapor portuguez Julio Diniz 87
pa-sageiros.
Xunicipio de Juhomtao -Pela camara
respectiva foi nomeado porteiro da reparticJo Joao
Paes BarbOsa.
Boa lembranca. Tendo sido salvo, do
incendio do barracao 'do silio da Taraarineira, um
pequeno album, que fazia parte das prendas desti
nadas ao bazar em beneficio do hospicio de aliena-
dos, a commissao encarregada do bazar comprou-o
e fez delle-presente a S Exc. 0 Sr. commendador
presidente da provincia, com a seguinte dedicatoria
na primeira pagina :
Offerecido a S. Exc. 0 Sr. commendador Hen-
rique Pereira de Lucena, horaenagem ao seu pa-
triotism i e rememoragao de seus incansaveis e
inexcediveis esforcos em prol da construccao do
hospicio de alienados, e para que, com 0 seu, se-
jara nolle inscriptos os n imes dos que caridosa-
mente corresponderam ao sen appello, concorren-
do para 0 raesmo pio e caridoso lim. 0 album e"
mesqainho na forma, e esta estragado pelo fogo
que devorou 0 pavilbao de prendas na noite de 13
do corrente mez, sendo por isso mesrao obtido em
leilao pela commissao infra inscripta. Recife, 1ft
de setembro de 1874.Luiz Gongalves da Siloa,
Gustavo A. Schmidt. Joaquim Dias dos Santos,
Jovintano Manta, Mo Carlos Bastos de Oliveira,
Dr. Pedro de Athahyde Lobo Moscoso, Joaquim
Olynto Bastos, Francisco Ignacio Pinto, Rodolpho
Krukemberg,
Arrematacdeg provinciacn. -Perante
a junta de tlies .uro provincial vao a praQa, no dia
24 do corrente (quinta feira) ao meio dia :
0 foraecimento da movais preoisos as eseolas
publicas do sexo femlnino do Campo Grande, do
Campo Verde, dos Coelhos. e do Fundao, eonforme
0 edital pnblicado no lugar competeote.
0 foinecimento de alimento e dieias dos presos
pobres da casa de defed-jao, no lrimesii de outu-
bra a iezembro, constante do edital pnblieado no
lugar wmnetente.
0 imnosj) de 8 por cento sobre 0 capim de plan-
ta cenMOMaido na provincia, orcado em 1:939*400.
Kniprestlmo brasileiro. Lemos no
1 Jornal do Commercio, do Bio da Janeiro, de 5
I #*MMM liwiMJi vagMs attonidoa aa0 ada da
<[tkH>r**f'*,saiz/adjj8lcjs qiwnn^nj .farasilalaoao
Jd^ral/rH'wtoWfi, cadeft'eujos ;e1oslao Sorf-J
tfde^^o^ef^'^parpifcnr'sob o impttiso;dV 1 *Wjbt0 faadanrwow co-sd #
hihk saa^af B*n^ e.em.xnajo *nagn se^aOi- lottcta. A eomar;ao dos nttlmos tlre^ dws ti-
(UlM4MsitHfiias de 185, isto e, 101 t\1 no dia 1
dW i|frM *e de baixa de 2 i|4.
inv effeito, vencendo se n.> dia 1*'tl* setenAro
Os juros se-mestraes do emprestirt0 da <8M (2 l|2
0|0) S'liqutdando-se nns qnarlaS-'feirBS as*pera-
coes na pra^ja deLoadres, foi 00 dia 2, quart* re, eolsdo 0 eroprestimo brasiietro de 1855 pelo
que en:Bo ralia, isto e, lt)l l[i menes-9 12 de jn-
r*> tentido, ou eemo volgarmenle se diz no com-.
merei->, fx-divfiongo. A eotaoio davla ser, pols
na tarde dodia 2 do correnft 99 Oil; fi*e, 99
ft)4 querdizer alta de lit, isto e, mais nma eooflr-
roacao de que nao roi-iioda- apreseatadcr neahum
omprestimo brastleiro na praca de L nidr-n.
.. E"*r"a de e^iAArrs 0 daCf Ao n.
3>,735 de 2 do corrente declaron de iBtraocia a
comarca de Passo-Fundo, cread 1 na provlnMa de
S. Pedro do Hio Grande do Sol.
Vciiciinciitn de pronoior.-0 decreto
n. 3,735 da referida data marcou ao prsmotor pu
blico da mencionada comarca 0 vencimeuto annual
de.*;pM>*, ssaao m>* U# urUaaadd 8'J0*UU;) de
gralificacao.
Archlvoa dos evrpoa de vvlumta-
rios.-0 ministerio da guerra expedio a seguin
te circular em 12 do passado :
lllm. e Exm. Sr.-Sendo de toda a cohvenien-
cla coanaatrar na rapa-rtieao do aiadaofe general
os archivos dosexlimot-oerpos de vuluotanos da
patria, expeja V. Exc. at pracisas ordens, para
que tenham aquelle destino os que porventura
exiitirem nessa provincia. Deu's guarde a V.
ExcJoao Jose de Oliven-a Junqueir dente da provincia de...Communicou se a indica-
da reparticio do ajudante general, a qoeni se or-
denou que enviasse para a reparti;ao fiscal as re-
Iac3ea da mostra que furem eueoulraJas nos mas
rao3 arehivos, e seautorisou a nonear, como pro-
poz, uma commissao composta da dous olIiMaes
suijeriores, qua se acham lazendo parte dos con-
selhwde guerra, de que ficaram dispensados du-
rante esse servig >, e d 1 major chefe da commissao
archivista, afim da examinar os papeis existences
nesta commissao, e dar em consu.no os que, por
sua natureza, nao forem mais necessario*.
Hinlsterio da gnerra A' presidencia
da provincia do Ceara foi expedido 0 aviso se-
guinte :
Rio de Janeiro, 13 de agosto de 1874. -lllm. e
Exm. Sr.Em seuofflcio n. 76 de 22 de junho fin-
do remelteu V. Exc. eopia do que em data de 18
do mesmo mez dirigio-lhe 0 tanaule coronel com
mandante. do 13* batalliao de infantaria, cmi
municando que voltou as fileiras do balalhao 0 ca-
bo de esquadra Francisco dos Santos Vera, oqual.
em 22 de niar$> deste anno, foi escuso do servico
por tfif assent ado prae/i em sua snbstituijao 0 pai-
sano Thone Alves Hondas, exclnido a II dorefe-
rido mez coma rdi de 1* de*er>;a> simples, e bem
assim que aquelle cabo declarou desistir da sub
Htut^aO, no caso de q le seja apprahendido ou sa
apresente 0 sou substitnto, visto desejar concluir 0
seu engajamento. E consultando 0 mesmo com-
mandante como deve proceder para com 0 substi-
tnto, depois de cumprida a sentcngo pelo crime
de desercao, por nao se achar este caso previsto
em nenhuma das disposicoes contidas no reguli-
meoto n. 2,478 de 28 do setembro ee 1839, e as-
sim tambem com a praija que ja concluio 0 tempo
de servjp;o, e se escosa por igual motivo, no caso
de qae deserte 0 seu substituto ; declaro a V.
Exc. para seu conuecimento e fins convenientes,
que a primeira pane da consulta esta resolvida
pelo 4 das disposieoet cmtidas na imperial re-
solucao de 21 d; outubro de 1863 : e quanto a 2'
que 0 substituido, no caso de desert ao do substitu-
to, dave regressar as fileiras, onde aguadara que
Ihe to]ue baixa por escalade antiguidade, como
presereveni as instructs de 31 de maio de 1837.
a Deus guarde a V. Excioao lose de Oleveira
iunqueira.'
Pens6cs-0 decrreto n. 2,524 de 26 de
agosto approvou as pensoes mensaes encedidas :
de 60* a D. Rita Maria Muniz da Souza, viuva do
capitao do commissao do 46" corpo de voluntario3
da patria Domingos Jose de Souza fallecido, em um
dos luspitaes da f>rtaleza de Hamaita, em conse-
quencia de feri mento recebiJo emcoraba'.e; de
82w, rcpartidameiitc a D. Josepba Michae'a Rigaud
e D. Maria Emilia Alves Rigaud, viuva e filha do
cirugiao do exercito, Dr. Platao Jose Alves
da RjrJha, para coddemnarem a fiaifa om dalles
a '1 metes de prlsSd com tr'aialho Dito AndrS
Francisco Nasario, JWctWSdo tfff pfrTrtft de reslsten-
lia, ferimento e- embrfsjujer, s-yndo condemnad0 a
se^afCabuzado ; foi esta sentenrja reformada em
12 anrrts de prtsJo com trabalho. D'to Cr'upfm
Pereira de'Souza, acctuado do Crime de ferlmeato
a condemnado nas penas da 2" parte do artigo &
do regulamehto da infanteria de 176! ; foi refor-
mada a sentenCaetn !J aon is de prisao com tra-
1
Rigaud, que, a bordo do vapor Cuyabd, em via-
gem do Paraguay para esta corte, falleceu em con-
sequencia de molestias adquiridas em campanha,
sem prejuizo do meio soldo que percebe a referida
viuva.
Oircito adiniuisiratito. -|Do Jornal
do Commcrcio.lio Rio de Janeiro, lemos :
Pnblicou o Sr. Dr. Henrique do R go li.irros,
um volume de 640 paginas com 0 titilo de Apon-
lament >s sobre 0 c-mten 'io%o ad,ninistriUivo e so-
bre os privilcyos e prerogativas it (idministraclo
nos amratos elmmaccoes qne celebra como poder
publico
Vese logo 0 diffbil assumpto ou melhor 0
ennovelado assuinpt>), que o autor tomon aos
hombros.
0 Se em verdade pode a'guma const dasenlpar
0 compjsilo systema da nossa legislacai civil, e
aara bem da ver 0 quasi estado de tloresta virgem
em que temos 0 nosso direito admicistrativo.
1 Com menor dispenlio da tempo e da cerebro
chegaria alguema possnir 0 alphabeto chinez, do
que demarcar limites e accusar a natureza e a
indole das nossas praticas administrativas. A pr j
pria especie escolhila pel0 Sr. Dr. Henrique de
Barros a que & chamado -Conleniioso ad nimstra-
tivo-e sa entioha muito que vai passando como
pedra philisophal, uasiniagaco:s esp3culaliv.is da
DOSsTa jnrispru lencia.
t Do rapido relance sobre 0 livro do distincto
autor, parece-me qua f warn empenhos seus har
monisar, por exemplo, 0 que decide 0 tribunal do
thesoaro com 0 que doutrina era seatido oppos
to muitas vezes 0 conselho de estado, e principal-
mente sendo isto a pedra capital do seu trabalho,
0 que diz no feoho do livro nestas palavras :
t E' preciso acabar-se com 0 mao habito da se
encarar a administracao como suspeita, que so
sabe punir, como uma funcgao que so pode ser
exercida por privilegiados, aue ni) teem os
nesmos interesses que a sociedade em garal ;
convem pelo contrario demonstrar queo governo 6
uma entidade necessaria a tola a sociedade e que
os altos eargos da hi?rarchia social sao accessiveis
a todos, uma vez que se tornem apt03 pela instruc
0o e pelo trabalh >. a
Com estes axiomas constitucionaes 11I0 suppo
raos que 0 autor ten ha concluido granle cousa,
porqua do que se precisa no tocante as praticas
administrativas e de encontrar-se 0 meio, a chave
ou a alavanca de nao haver motivo ou prelexto
para aquella a suspeita.
e Seja como for, certo e qne muito flea mere-
cendo o Sr. Dr. Henrique do Rego Barros com es-
sa prova de intelligencia, estudo e amor patrio.
Sen eslylo e por 7ezes diffuso e dasencami-
nhada a sua argumentacao, mas como nao haver
eansaco era ob-a de tanto folego e sombras em es
cript-ir tao novei ?
a Mas e nm escaiptor do nteis e salotares as-
sumptos; eis tudo dito.
Expoalcao Internacional do ClaUc-.
A commiseao direclora da exposicio interna^
cional do Chile que deve ter logir a 16 da setem-
bro de 1875 nomeou os seguintes Srs. membros
da commissao especial do Brasil :
Visconde do Bom Retiro, Visconde de Jaguary,
Viseonde de Souza Franco, senador Francisco
Octaviaoo, Dr. Luiz Francisco da Veiga, commen-
dador Joaquim Antonio de Azevedo, Dr. Luiz Gui-
maries Junior, Dr. Nicolao Moreira, Carlos-Stair,
Gijilherme Capanema.
CuuMcInu Miaprento militar. Nas
sessoes de 6, 10 e 13 do corrente foram julgados
definitivaraente os seguintes processos :
Exercito. Cabo de esquadra SimaO Francisco
Gomes, aeeusalo do crime de hontieidio, e cendem
nado nas penas do artigo 8 dos de guerra do ra-
gulamento de 1763 : 0 conselno supremo militar
de jnstica raandou voltar 0 processo ao eonselho
de gaerra para declarer a peoa era qne entender
que 0 reo incorren matando 0 cabo Jose Leandro.
Aspecadaa Tnomaz Amancio da Mendonca, Joao
Francisco Alves, e soidado Manoel Antonio I.ou-
ren?o, a^.casados do crime deombriagnez e feri-
meotos, tendo pek> consemo de gaerra absoltido
0 (eo loao Francisco Alvee a eondemnados os
ontros dous reos a serem arcabuzados ; foi esta.
sentem;a eonfkraada na parte em que absolveu 0
reo loao Francisco Alves e reformada quanto aos
reos Thomaz Amanoio do Mendonca e Manoel An-
tonio LaureacQ, pats coodeoanarera a cada um
deles, a doas asms da prisao com trabalho.
Soldadps ASonso Maria da CasU Ferreira, Joao
- do
noseio materoo para esquecer uma dor que q di- corrente :
lacera, 1 Contiauou a corrr hontem 0 boato de qae se
balho. Ditos te Fraiieisro de O'liveira, Joio An
tomop de Jesus, Manoel do Espirfto Sailto e Manoel
Sfachado, acensados do crime de 1' desercSo sirfl-
djes, e cotideranalo-' clda nm em 6 raezes de prf
sao; foram c mlirmadas as sentenjas. Ditos Ja-
vencio Joaquim de Sant'Anna, Joaquim Josii de
Saof Auna, Antonio Panto Jose de Sant'Auna e Jo-
s6 tfa ftneeca Junior, accusados do crime de 1*
desercao aggravada e eondemnados eada um em
12 mezes de prisao ; foram cuntlrmadas as sen-
tences. Dims Manoel Jos6 de Lima e Francisco Cns-
lofllo.accusados do crime de 2* desercao aggravada
e eondemnados cada um em 4 annos de prisao com
trabalho ; foram confirmadas as sentencas. Dito
Joaquim RooVigues dos Santos, aecusado do crime
do 2' desprcan aggravada e condemnado em I anno
de prisao com trabalho, por terse apresentado
volunta'riamente dantro de 3 mezes; foi confrrma-
da a s*ntenea. Dito Belizario de Souza Vieira,
aecusado do crime de doixar evadirse um preso,
teodo sido absoltido pelo conselho de gaerra ; toi
refcrmalaa sontedca pa^a condemdarem 0 r0> a
3 mezes do prisao. DiW3 Theotonio Vjctorino,
Pamphilo le Mello Carloso, acensado do crirae
de deixarera evad r-seom preso e eondemnados a
serem postos em lugar do crirntnoso ; fi> reforma-
da a sentenca para condemnarem 0 re"o Pampbilo
de Mello Cardoso a 2 mezes de prisao, e absolve-
rem 0 r6o Theotonio Victorino, por nao Ihe resul-
tar crime do facto que lhe e imputado. Dito At-
varo de Mendonca Lyra, accassado do crime de V
desercao simples e condemnado a 6 mezes de pri-
sao ; foi refarmada a sentenca era 2 mezes de
pr.sao, visto terse apresentado dentro dos 3 mezes.
Ditos Jose Gaetano Cardozu, Cypriano Oilielo Ja-
cob, Eusuauio Jote da Rosa, e Athanagildo ilves,
accusados do crime de primeira deseri^o sioiples,
e eondemnados era seis mezes de prisao cada um;.
foram confirmadas as sentencas. Dito An'ouio
Carlos da Silva, accasado do crime a> primeira
desercao aggrafada, e condemnado a um anno de
prisao ; foi' conlirmada a sentenca. Dito Joao
Vieira da Silva, aecusado do crime de segunda
desercao simples, e condemnado em dous anno*
delrabalbos puMicos; foi confirmada a senten;a.
Dito Porfirio Matimiauo Bomlim e Antonio dos
Santos, accusados do crime de primeira desercao
simples; 0 conselho de guerra declinou de sua
oompelencia, po- nao terem os reos completadi a
desercao; foram cnlirmadas as sentencas. Ditos
Manoel Gomes, Joao Antonio da TrinJade, Jos6 de
Souza, Jose Joaquim da Silva e Domingos Pereira
de Souza, accusados do crime, de primeira deser-
Qao simples, e eondemnados a seis mezes do pri-
sao cada um ; foram conGrmadas as sentencas.
Dito Antonio Gomes da Silva, aecusado do crime
de primeira desercao aggravada, e condemnado a
quairo mazes de prisao, por se ter apresentado vo-
Inntariamente dentro dos tr;s mezes; foi conlir-
mada a seutenca. Ditos Jose Ramos Rodrigues e
Eli ea de Paula Bueuo, accusados do crime de
primeir 1 desarcji'i aggravada, e eondemnados em
um anno de prisao cada um; foram ciinlirmadas
as sentencas. Ditos Francisco Jose de Maria, An-
tonio da Costa Soare*, Manoel Vicente Ferreira de
Almeida e Antanio Jose Joaquim de Santa Anna,
acensados do crime de segunda desercao simples,
a eondemnados, cada um, cm dous annas de tra-
balhos publicos; foram confirmadas as sentengas.
Dito Cesario Jose de Oliveira, aecusado do crime
le desercao em tempo de guerra, e condemnado a
ser aroabuzado; foi reformada a sentenca em
cinco annos de prisao c m trabalho.
Armadi. Batalhio naval. Soidado Antonio
Fada, aecusado do crirae de deixar evadir-se um
preso, tend 1 sido absolv>do pelo conselho de guer-
ra ; foi Cunfirmada a sentenca.
Supremo Tribunal de dustira.Ra
sessao de 5 do corrente foi ju^gada a :
Revista civel n. 8,343. De accordio da relacao
dePornambuco. Recurrent>, aba oneza de Jara-
gua ; recorrida D. Amorosina Froes de Mendonca
Juizes, relator 0 Sr. conselheiro Co ta Pinto e re-
visores os Srs Valdetaro e Veiga. Relatado 0 fei-
to, foi negada a revista, unanimemente, por nao
haver injuslioa notoria, nem nullidade rnani-
festa.
Tribunal da Relacao da corte.-Na
sessao de 4 do corrf nte foi julgada a :
Revista commercial. N. I. I'ernarnbuco. R. Ea
genio Moreira da Silva. Recorridos os adrninis-
tradores da massa fallida de Antonio .1 >s: de Fi-
gueiredo. Julgou se nullo 0 processo dos embar-
gos desde fl. 98 e mandou-sc prosezuir a execucao
da sentenca de que negou se revista.
Entrada de assucar e algodsio.
Na semana de 1 i a 20 do corrente entraram na
praca do Recife 5.498 saews com assucar, e 2,001
sa -eas com algodao.
4','i'iiiia telegrapbica americana.
Pela directoria desta agencia foram recebidos
no Rio de Janeiro os seguintes telegrammas, que
nao nos foram communicados:
Buenos-Ayres, 4 de setembro. Os amigos e
partidarios politicos do presidente S r.niento foram
ante -hontem convidados para uma confereneia, que
tove logar no palacio do governo. Correu depois
que 0 actual presidente nao aceitara lugar no fu-
luro gabiuete. Diz se tambem que adiscussa) ver-
- I'd soore a conveniencia de impedir qnalqner g pi-
pe revoluccionario, no momenlo actual. Conli
uuam, no cntanto, os receios de um proximo le-
vanlaraenm. 0 ministro da guerra Gainza partio
a bordo do vapar Pavon para 0 Paraguay, onie
vai, em commissao do governo, visitar 0 eslabele-
cimento da villa Occidental, e providenciar sobre
os seus meios -de defeza e oammunic irio interior
com a reputlica, sem dependencia da via flu
vial.
c Valparaizo, 2 de setembro.A tragica Ristori
tern sido objecto das mais calorosas raanisfestaroes
por parte de todas as sociedades desta capital. Fa-
zem-se grandes preparativo3 pan 0 dia de seu be-
neficio. A festa sera esplsndida ; en'.re outros
brindes, ser-lhe-ha offirecida uma corda de ouro.
Toda a iraprensa louvou 0 acto de clemencia, pra
ticado pelo presidente.
a 3 de setembro. Noticias recebidas do Peru
dizem que 0 presidente daquella republica esteve
a ponto da ser victima de uraa tentativa de assas-
sinate. Assaltado inesperadamente por alguns si
carios, fraca resisteacia pudera oppor. Antes, po
rera, que 03 assassinos tivessem tido tempo de rea-
lisar n seu tenebroso piano, 0 presidenta foi mila
grosamente salvo pelo prompto soccorro de al-
gumas pessoas que casualmente acudirara ao lu-
gar do crime. Supp5e-se que a tentativa foi pro-
movida pelos inimigos pessoaes do presidente.
Corria na vespera deste acontecimenlo que 0 che-
fe do governo tencionava apresentar ao congres-
so um project 1, propondo uma amnistia geral para
os crimes politicos. Isto fazia crer que 0 attenta-
do nao tivesse sido premeditado pelos seus adver-
saries politicos. Dous do3 assassins foram pre-
sos ; espera se as snas declaracoes. 0 cungresso
mandou felicitar 0 presidente pelo seu milagroso
salvamento. 0 ex-presidente da republica, Pra-
dos, foi eleito presidente da camara dos depuiados.
A proposta do governo, para que se c uivid issem
as potencias araencanas a tomar parte em um
congress j, qae se dave reunir em Limi para t-a-
tar dos negocios de C.ma, foi entregue a uma com-
missao especial. 0 co.igrasso marc au 0 prazo de
15 dias para ser apresentado 0 seu parecer. Ee-
clarou tarabem que a diseussao do projecto sobre
0 emprestimo destinado a acudir as despezas qae
tiwssem de ser feitas, com quaesquer tantalivas,
para 0 lira de preparar a indepenieacia de Cuba,
icava deoendente da approvacaa da primeira pro-
posta. Consla que 0 representante do governo dos
Estados-Unidos sa mostrava muito favoravel a
idea A imprensa de Lima pre via am favoravel
acotoimento por parte de todos os governo* atae-
rioanos. >
Montevideo, 10 de setembro. Cambio sobre
Londres aid. 0 mercado. de xarque esta firme e
os pregos subindo. Entrou de Pernambnoa 0 na-
vio Levante. Sahiq para 0 Rio 0 paqu*te icglez
Hypparehus. Claeisoa no dia 27 do passado a As-
sumpcao 0 Sr. Vascanoellos, secretario da legacao.
E' provavel qae seja nomeado ministro 0 Sr. Ma-
chain. A sesao do congresso paraguayo foi pro-
roaada ate 30 da novembro. Neta-se agora mah
animafao no commercio e a situacdo da republica
oslenta-se em condigSes muito mats vantajosas do
que nos periodos anteriores.
Baenos-Ajrres, 9 ds setembro.Foi des'uznado
2' vice-presidente da repiiblica 0 Sx. CoJoJrairo.
ymkfriin*>
Bc.s>ea geuaaal Gaiaza.
49. d. par pe*o
Isina a, sna mwiiKti, '*' tid^v?'detlar6u
aceitar a caoiidauira. 0 cosgraso sanccioaou a
4WAboHm 0 pagaraeaajo d**vl ridas da guerra
1828, r^clamadas pelo tfoverna ta*uleirn,. Dia-s.
f ue 0 presidente Sarmienio, ao ie'xu oaatopoato
H'jxoccupa.nodia 12 da outubro u/oiiipo,*eri an
aarregado pefo noVo presidepj"
tiarcjtos, am aa provincia ajaj
Bio Quarto a outro em Buenos
man to deste uitUno eoafiado ao'
0 cambio sobre Londres regula
forte.
Rio Grinde, do Sul, fl dausiUerrbtt).-Cbeflai
do Rio e escalas 0 paquete nacional Calderon. Se-
f.w amaaba para Montavideo. Eut'uu da \iotaam-
fcoeo 0 brigoe 5. Manoet. Sihiram : #.ara 0 Rao.
lngratidao e para a Balaia ueftruda, ambos aom
larqae. ,
u Santos, 11 de solccrrfero. Cafe : Deseavolwa-
se boa procura bo mercado, porem, ate esta mo-
menlo na'o se tem realisado transuccio alguma, tan
vista das *Mst prenncRss dbs pntrtrTdparw.
Rio d*Jptasiro, 14 de lelembrc.IUiwer.ru
ansacgop> partiaularas a 2b- 50. 15, 3 b. to m.
da tarde. -Baacario 26 1/4 particular 36 3/# a*
a-meio. AiiaVbiif '
Rio da Janeiro, 17 de seterabro.Entrou 0 p,i-
lacho illnho. SaWo a b:irca Italiam Enei, Ch.?-
gou e sahe anianha 0 rapor Niger. Cambio sobre
Londres, 26 tfi, baocario 25 \fs partrcular e 360
bancario sobre Paris*.
Proelaiuaa.-Foram hiantem lidos as SBfuln-
tes, na igreja de Nossa Senhor^ do Roario, qow
serve acloalraente de matriz da fregnezfa de San-
to Antonio.
!. denonciacSo.
Quirino Lopes da Aesnmpcao, com Leandra
Maria do E-pirito Santo.
Pedro Mai veira, afrieanc'. cam Peitemioa SfHria
Villa-sec.ca.
Dr. Aiitonio Manoel com Maria il'is Anjos de Socua Leao.
Bachar.-I Silvio Reiner0, :> Clarinda Diaman-
lina Corrda Araojo-
Antonio G-jacs|ves Ferreira, com Maria Magda-
lena dos Passos Soares.
Thomaz Ant ni do Fanla Madeira, c m Candl-
dida de Mello Lins.
Francisco ArtTooir) d- Oliveira Santos, com Eu-
lalia Maria da Trind-.de Lima.
i.' (ieoun^iagao.
Augusto Xavier Cardeiro da Cucba, com Ame-
lia Gibson.
Estevao Francl.'Ci'iamt-s, comAntonia Aqailina
do Nascimento
Ezequiel Barboza dos Santos, com Angelica
Maria.
Luiz Jose de Souza, com Maria Isabel do Espi-
rito Santo.
Bacharel Jose Cavalcante de Albuquerque Uchoa,
com Rita Angelica Wanderley Caval.;ante.
3." denunciacao.
Francisco pgspfiano da Silva Santos, com Clara
Felician.a Ribeiio Ja Silva.
\rararo Aleixo da Silva Santos, com Maria Mar-
celina do Jesus.
Antonio Gomes Ferraz, com Luiza Candida Pas-
tora.
Jose Fernandas da Silva, com Lidia Maria de
Jesus.
Loteria do Rio de Janeiro. Resu-
me dos premies da 72.-- loteria (206.-) em benefi-
cio das casas de caridade da provincia do Rio de
Janeiro ; extrahida em 12 do corrente :
N. 218...................... JfcOOOjeW
N. 5713...................... 10:000*000
N. 4128..................... 4:000*000
N. 5717..................... 2:000*000
Ns. 1686 e 5339 -l.-OOO? a cada urn.
Ns. 962, 2986, 3125 e 4967-801* a cada mu-
Ns. 82, 695, 749, 1*2-5, 3049, 3583, 3744, 3927,
4292 e 5-J13 200* a cada nm.
Ns 532, 677. 1210. 1317, 1381, \W\ 1620.
2204, 2450, 2563; 2591, 2595, 2838, 2999, 3327,
4421, 4717, 5480, 5683 c 5?21 -100* a cada um.
Ns. 74, 96. 354, 371, 412. 466, 486, 509, 529,
654, 679. 822, 985, 1178. 1216, 1301, 1361, 1475.
1516, 1617, 1860, 1894, 2247, 2261, 2322, 2388,
2534, 2657. 2680, 2811, 3062 3066, 3072,
3220, 3308. 3441, 352), 3743, 40i7, 4070,
4094, 4573, 46*2, 4761, 4829, 4S80, 4907,
5165, 5216. 5178, 5397, 5534, 559 r, 5806,
5922 e 5942 -40* a cada um.
Resume do3 premies da 35. loteria
em favor do hospital da Santa Casa de Misericor-
dla da efirta -T extrahida em 9 do correnK
N. 5984..................... 20:010*000
N. 4173...................... 10:000*000
N. 2502...................... 4:000500(1
N. 1833...................... 2:000*000
Ns. 1388 e 30291:000* a cada um.
Ns. 01, 408, 1096 e 3948-800* a cada um
Ns. 241, 306, 1427, 1635, 1905, 2115 2:59,
3133, 3453 e 5431-200* a cada um.
N>. (16. 301, 87fi 1242. 1270. 1408. 1850.
3118, 3193, 3312, 3346, 3396, 3854. 4161, 4333.
4736, 4982, 5509, 5618 e 5634 -100* a cada nm.
Ns 36, 72, 114, 179, 263, 407, 443, 332, 931,
1145, 1157, 1186, 1344, 1363, 1540, 1591, 1753,
1758, 1817, 1848, 1996, 2034, 2152, 2411,
3 61,
4074,
4978.
5865,
'526.*)
153'i,
3098,
3895.
4702,
5498,
Mapoel do Bbmflm e Luiz da Rocjaa accpsados dtr Fundou se am club pditicp, oqual proclamou a,
crime de deixarem etttfKf-se-am press setHencla-
do em 6 msset prtaao ; :tdo pelo ttaiaaJmo
d ffterra absoivido 0 reo Affonso Maria da Costa
Ferreira e. Qoademaadoa ds outros dous reos a
eandidatura do Dr. Alaina para 0 poste de gover
nador de estado de Buenos Ayrea. vago pala re
aojncla do tu. Aeosta, eleito i* vice-pr.silanto da
2555, 2626, 2725, 2747, 2775, 2948, 3022,
3103. 3124, 32)5. 3305, 3746, 3767, 3856,
3906, 4121, 4153, 4169, 4434, 4491, 4667,
4763, 4824, 4859, 5013, 3411, 5412, 5471,
5573, 5669 e 5879-40* a cata um.
Leiloes. Amanha, 22, efleclua 0 agente
Pinto, 0 leilao dos cofres, carleiras, prateleiras, ba-
lances e mais objoctos do escriptorio e armazem
da raa do Bom-Jesus n. 63, bens pertencentes a
massa fallida de Pereira de Mello & C.
Em con'inuacac, venders 0 mesrao agente,
os cal>;ados, perfumarias, miadezas, e outros objs-
ctos, perteaceates a mesma massa,
Tambera quarta-Mra, 23. effectiia 0 agente
Pinlo, a venda do brigue brasileiro Jaboatao.
"Fiaalmentj, quinta-feira, 24, vendera 0 mes-
mo agente, os moveis, loucas, crystaes, generos, e
mais objectes pertencentes ao Hotel da Euro-
pa, a rua do Commercio n. 12.
Loteria. A que se acha a venla e a 117'
a beneficio das obras do altar da confraria de S.
Benedicto, a qual cerre no dia 22 do corrente
mez.
Casa de detenciio.Movimento da ca-a
le detencao do dia 18 ae setetubro de 1874.
Existiam presos 337, entrou, 1 sahiram 5,
jxistem 333.
A G^hrtl" *
Nacionaes 263, mul ceres 8, estrangeiros 23,
jscravos 35, escravas 4. Total 333
Alimentados a custa dos cofres publicos 254
Movimento da enfermaria no dia 18 de setembro
de 1874.
Teve baixa :
Claudino Jose Francisco da Cruz, hepatite gastrico
Tiveram alta :
Antonio Tertuliano do Nasc'mento.
Passagelroa.Entrados dos portos do sui
no vapor portuguez Julia Dinii :Dr. load d>-
Hollanda Cavalcante, sua senhora e 2 filbos, Adria-
no Mendes Guimaraes, Joao Baptista Ferreira Sea
Ires, \V. H. Burch, Feliciana e Manoel Antonio de
Matter
Entrados dos portos do sul no vapor nacio-
nal Para : -1* teusnte Joao Candido Brasil, Jea
quira Octavio Brasil, Carl Spieher, Dr. Jos6 B
Alcoforado, 1 Qlho e 1 eseravo. seoajor Alvaro B
L'choa Cavalcante, senador visconde de Camaragi-
be, Dr. Xarquinio de Souza, d^sembargador Ma-
noel de F. Henriques, Dr. Ignacio J. de Souza
Leao e 1 escrava, barao de Arajagi e 2 eseravos,
Dr. Francisci Mamede de Almeida e sna senhora.
Dr. Antonio J. de M. e Silva, Dr. Franeisco R do
M. Rego, sua senhora, 2 fllhos e S eseravos, Dr.
Elia^F. de A. Albuquerque, sn*9enhora, i Who
e 1 escrava. Dr. Manoel C. C. da Cunha, tenente
coronel Ernesto P. da Silva, Olympio D. Macha-
do, Felix da Silva Viriato 0. do Nascimento, Can-
dido P. Argomiro, 10 pracas para 0 exercito, 1 di
U para marinha, Dr. Candido X. de Brito, Sste-
vio N. Cardozo, Gil A. de Aranjo, Aagosto C. W.
Leben, B. Frederico, Rodrigo Martins, Aagusto P.
Ramos, Joaquim Soares Barbsza, IX Prancisoa J.
A. Leile, Manoel J. dos Santos, Cupertino Bas-
tos, Guillierme B. Santos, Manoel G. Almeida Lei-
te, Antoraio J. A. Costa, Bento Jose Ribeiro, Silves-
tre G. Braz, Euzebio A. da Costa, Antonio Lope
Vianna e J. Brown.
. Seguem para 0 norte no mesmo vapor :25
passageiros, 7 pracas do exercito, 4 ditas para ar-
mada e 13 criados e eseravos.
Sahidos para os portos do sul no vapor na-
cional Ceruoates -.Julio Klein, Joao* P. de Aran-
jo, i filha e 1 menino,D. Alexandria Ferreira da
Lima, Antonio Duarte de 0. Rego Netto, Francis-
co de Assis Machado, Jose V. Ferreira da 9Hva
Games, Antonio Ferreira da Roch, Manoel Alves
de Aguiar, Jose Bernardo C. da Cunha, Dr. loao
Lias (1 de Albuquerque, 4 filbos, 1 sobrtnho, e
I criado, Antonio de Arruda Beltrlo, Lanriano^
Brandao da RoUha, Antonio BrandSo da Rocfaa,
Dr. Antonio de A. Garcia, Joao Machado Soares,
Joaquim F. da Silva, sua senhora e 6 fHbos, lose
de Souza e Silva, Silvino da Silva Sonza, Anasta-
oio Jose de Azevodo, Bjai Fernandes Fetjd, 'Joa-
quim V. da Silva; JosePereira, Manoel Pinto da




I
'

-.-
1
republica, ITmacomraissSo do. club foi soiieitar de 'C. Coalinho, Eajenio J. dos Saoios hwoto, LoJ
"~~~~


:
Diatto de fernambuira "21 tie 'Setemfcro -.
Jot* Monteiro, Jos* do Rego Mel'o, Joao U. 4a SU-
?a, Jos* Joan Besa y Prin, Perseco, Imperer, Ma-
noel Pereira de Carvalho Robim, Candido A.lla-
ehado. Manoel P. Nery, Manoel de Si Ctiraeiro,
Frtnetsco Joaqoim Dias, Prancifco delesns, ipren-
di* marraheiTos Yanof A. de Souza e Praaclsco
G. da Silva, I preso, 2 praew de poticia, itmxa-
tas e ill eseravos a entregar.
Onafterlo pvblico.-Obitaario do dia 18
de setembro de 1874.
Antonio Alv*3 Bezerra, pardo. Peroaratttco, 94
annos, viavn, Santo Antonio; degenerapao senil.
Lauriana Maria dos Prazre3, parda, Pernam-
boco, 22 annos, easado, Recife; tetannlraama
tieo.
Bduviges Maria dos Prazeres, parda, 86-atoos,
casada. Graci; bexigas.
Lnzia, ecrav, parda, Parabyba, 61 aanos, c*
uda, S. Jose: diarrhea.
Peftemina Maria Pereira da Silva, parda, 32 an
nos, casada, S. lose; tnbercalos pulmonare*.
PASTE PQL1T1CA
l tit II DO CO\i:itV\OI)K
RECIFE, 2t DE SErEVlBRO DE 1874.
Adopuda, como foi pelo senado, o systema do
aliitamento e sorteio, versou a discasgao do pro
jecto do recratamento sobro os nieios detornal-o
raaii efflcaz e nais justo.
Sobre tres pontos capitaes o mais importantes
correu a discussao desses meios : a idade dos
inscriptos, as IsencOes e o tempo de servico para
as classes que teeui de couatiiuir a graode re-
serva.
0 projecto estabelece a idade de 18 aanos, den-
tro da qual o eidadao fica sujeito ao sorteio; al-
guns iliustres senadores, porem, enteadiam que o
servjco das annas devia er de.stinado aos maiores
de 50 annos, e outros, como o Sr. senador Heades
de Almeida, aos"23.
Cada am desses iliustres senadores fucdamen-
tava seu voto com razoes qae Ibes pareeia convin-
cenies; prevalecea, porem, a idade de i8 annos,
sendo approvada uma emenda do Sr. conselheiro
Paranagua neste senlido.
0 illustre senador fundamentoa sua emenda do
seguinle modo :
0 individao qae e sujeito ao sorteio aa3 18
annos nao entra para o servico etfeclivamente
senio aos 20, e aos 24 pode voltar a saa prollssao,
e am eidadao que volta aos seas lares com 24
annos de idade, ni > 6 um homem inatilisado para
a prolissao que tiver escolbido ; mas se o sorteio
se liver de fazer em uma idade superior aas 18
annos aos 21, como quer o nobre senador pela
bahia, que fallou em priraeiro lugar, tendo o sor-
teado de entrar' para o servico com 23 annos,
Snando foi restituido a vida civil realmente tera
e lutar com raaiores dillleuldadrs. >
A este respeito o Sr.. consellieiro visconde de
Nictherohy em resposla ao Sr. senador visconde
de Souza Franco, disse o seguiute :
Eutende o nobre senador qae pondo o servico
das armas para os 21 annos, t;rna-o menos vexa-
lorio do qae para os 18. Ningnem pode reconhe
cer procedencia em sewlliante razao. -Maior vio-
lencia sera feita ao individuo do 21 annos, qae
tern adqucrido ja um eslado, uma posicai, qua ja
tern o sea plan-) de vida assentado, do qae o mo:.
de 18 annos, que esta justimente na quadra de.
tentar aindn uma qual quer carreira, de procurar
qualquer cllicio on mister da vida. Se S. Exc. re-
tlectisse que aos 21 annos principianlo a pesar a
tremenda responsabilidade do onus do servico de
gaerra para todo3 a quern for repugnanle tal ser-
vice, e o sera ao maior numero, o casamento tor-
nar-se-ha guarida, procurada n idade de 20 e 21
annos, idade propria e na qual aio u possivel des-
conheeer-se a sua conveniencia ; e seria entiio,
sobre cruel, impolitico e immoral nao considerar
a procedencia da is~n(ao que razoavelmente nao
era para ser consiaerada aos 18 annos de idade. >
Pelo que diz respeito as isencSes variara tarn-
tern as opinioes: pensavam a I guns illuslres
senadores que era convenient* conservar-se as
isencoes estabelecidas nas inslruccoes de 10 de
junho de 1822 ; outros qne era preciso, como
remeJio unico de moralisar o exercilo, acabar com
taes privilegios, e Gnalmente outros, pensando que
nao era conveniente passar repentinamente de um
extremo a outro, fazcr uma tran-formaoa;) radical,
snstentavam que era c nveniente e justo restringir
as isencoes, conservando aquellas que se acham
radicadas nos habitos da populaclo.
Prevaleceu alinal esta ultima opiniao, de modo
quo as isencoes creadas pelo systema, ora em vi-
gor, foram apenas restringidas.
Das i:?n;i5es, que licaram prevalecendo, a qae
mais fui combatida e a que estabelece a esonera-
^ao por dinheiro. Entretaato aquelles que com-
bateram esta isenjao, feriram desde logo as leu
da logica, pois que irapugnando a, aceitavam a
Mibsii.ui;;j-i pessosl de liouiem a Iijuic.ii.
Ora, em verdade comprehende-se que nao se
aomittia substituigSd alguma pessoal ou pecucia-
rio, como succede na Prussia o aetualmente na
Fran;a; masaceitar asubstitui;ao pessoal e rc-
jeitar a pecuniaria Se combate se a substitui^ao pecuniaria por
amor a moralidade d) exercit-.i, entio daviam os
impugnad ,res serem logicos e di: hios substituicao ; o sorteado lu de nacessaria-
mente servir durante o t-.-mpo determinado na
lei.
Ma,5 se n5o e justo aceitar um preraio offerecido
pelo sorteado, com o qual se pode obter urn ou
mais voluntarios, muito menos o pode ser a idea
de ser permittida a substituicao pessoal, de ho-
mem a homem, que sera quasi sempre um merce-
cenario.
Isso o logico. Ou se aceita o systema prussiano
em tcda sua plenitude, ou a se fazer restric^oes
nao se pode deixar de aceilar a substituicao pecu
niaria, que alias habilila a nacao a adqairir vo-
luntarios.
E' que. estes illuslres senadores reconheciam
que nao convinha constituir o sern(jo das armas
como um leito de Procusto, em que nao podesse
haver rederapcao por formaalguma ; mas emfim
era preciso dizer alguma couca contra o projecto,
e ao paso que abriam a valvula da substituicao
pessoal, fecbavam a porta a substituicao pecu-
niaria.
0illustre Sr. minisro da gaerra, em um dos
sens brilhantes discursos, profeno as seguinles pa-
lavras :
Prohibir aisencao por diaheiro, prohibir as
snbstituicoes de individuos, t adoptar o systema
daquelles paizes militares da Europa, que preci-
sam ter um cxercito immenso, porque se veera
em perigo em cada momento. Nos nSo estamos
no mesmo caso ; nao podemos romper de repente
com todas as tradicjOes de nossi historia ; nao po-
demos acabar com os habitos, com os costumes de
nossa sociedade, e, portanto, em uma lei como
esta r.ao nos e licito de repente passar de todas as
isencoes consignadas nas instrucQoes de 10 de ju-
Ibo de 1822, para uma disposicao dura, absoluta,
como e aquella que rege na Prussia e na Franca
hoje, depois da lei de 27 de jaltio de 1872, Coa-
segaintemente me parece que conservar se na
projecto a isencao pecuniaria, elevada alcm da
pequena somma boje exigida, uma medida que
se coaduna com os nossos costumes; e uma me-
dida altamente equitativa, 6 uma medida qae al
gumas vezes fara benelicio ao exercito, porqae
afastara de suas fileiras aamou outros homem que
nao tenhaa compleicao muito idouea e nem a vo-
cacaoprecisae que podera ser substituido por um
voluntario, o qual, sem duvida nenhuma, ha de ser
:ima rtelhor piaca do que aquelle moco que, ten-
do bens de fortuna, nao se acha com vocacao para
a vida miliiar, e vai ser um industrial importante
e um commerciaute de primeira ordem. Os
noDres senadoros farao servijo ao seu paiz
adoptaudo o projecto. E' uma medida irami-
neutemente liberal. Se por ventura a experiencia
noe deraonstrar qae elle e digao de ser emendado
em alguma parte, ahi esta a sabedoria da assem-
bles geral para fazer emeodas. Nao vamos un-
bar a opiniao pnblica com objeccoes que nao tern
"undamento ; conjuro os a bres senadores a qne
deixern de parte suas objeccoes quanto a tm-
popularidade do projecto, porque Ss. Exes, nao
tern o privilegio-de terem fechados a popularidade,
como Eolo tiuha os ventos, e soltr la quando lhes
aprouver contra uma idea, contra uma corpora-
;ao. Ahi esta a popalacao para dizer : rendeu-se
nomenagam ao princ pio de igualdade, agora fica-
reraos livre de am recratador arbitrario, ha de
ser o nosso direito pleiteado perante as mesas ins-
criptoras dos nomes, havera os recursos estabele-
idos oa lei e nuaimeste ainda appellaremos para
j juizo 3e Deus que e o juizo da sorte.
Contiaoaremos.
Sobre a epigraphs acima/dizem ruProtineia de
sabbado:
c 0 Sr. Pereira de Lnewa seas asteclas cou-
Rnuam no ingloric arabalho de nao deixar pedra
sobre pedra. Entre.outros, a ultima lei, qae re-
forraou a instrucciw pubtic.i, e ana exceilente ar-
ma nas raaos dessos Hagefladoras.
t Sem iae desse molrvo nara panic&Q,-segando
nos informam, acaba o professor Manoel Clemente
da Costa Santos de ser tx officio removido da po-
voaca) de Canhotinbo, oaie era muito considerado
e leccionava ha mais Be 30 aluranos, paa outra ca
deira distante 40 Jegoas daquella locaiidade. E o
qae occasionaria essa contradanca ?
E o que aconselharia mais esta dapla mentira,
provinoianot das :trabias ?
0 professor de Caohotinho nao foi reroovido,-
como diz a Provincia nai suas costumeiras aleivo-
sias, e ainda Da R,wista Diana de sabbado (19) o
Exin. Sr. commendador Luceua aceita e agradece,
por um offlcio, o-oITerecimeiito dc'ste orofessor para
abrir naquella povoaQio uma esc&la nocturna,
sem remuneraqao dos cofrcs.
Sue provinctcmos aleivosos 1
ue Provincia desastrada!
0 professor de 'Canbottnho, Manoel Clea ente da
Costa Santos, alumno da Eicola Normal, tendo si
do nomeado para'Cimbres em 23 de julho de 1870,
foi removido para saa actual cadeira em 12 de ju
Ibo de 1871, e os provincUnm a dizerem que elle
foi removido pur castigo para uma cadeira* distan
te de Canhotinho 40 legaas !
Que cadeira e esta que os proviucianos nao qui
zeram nomear? 1
Ainda ha ponco, o professor e a professors de
um dos lugares do can tro, ligados ha muito pelos
lai;os do matrimonio, sem motivo plausivel, sao
removidos um para o norte, outro para o snl !
Isto nao se-commenta I.....
Ainda esta nio se -agoeota I.....
Digam os protinciauos qnaes sio os professores
assim descasados, a que seraferem, se nao pre
tendem que adiviabemos as mentiras que lhes
pairam no cerebro.
Oigam, e verao que a verdade nunca sera suffo
cada pela mentira.
E essa gente pensa fazer politiea assim !
Forte insania 1
ubl;cacoes a pedipo.
O 1." pronaotor publieo ila capi-
tal e os processes da alfau
dega.
Peco licenca a illustrada redaejio do Diario
para defender-me da censnra que me fez m !!"
vis!a de bontem (18) a respeito dosprocessos da
alfaodega.
Se eu publicasse desde ja ludo o que tenho feito
em relafao a esses processos, talvez a censura
fosse logo substituida por um raerecido elo-
gio ; seria, porem, uma indescripcao entregar ao
dominio da imprensa trabalhos ainda nao conclui-
dos e pareceres ainda nao apreseotados em juizo.
Assaz me defende o honroso docamento qae
abaixo publico, firmado por um magistrado dis-
tinctissimo e inlegerrimo, superior a qualquer
suspeita de condessendencia.
Recife, 19 de setembro de 1874.
Oiiveira Fonci-ca.
Illm. e Exm. Sr. desembargador juiz do !. dis-
tricto criminal.0 1." promotor publico desta co-
marca, tandu sido a V. Exc. remettidos por parte
do govi-rno 03 documentos relativos a numerosis-
siin.is defrauda;5es com immenso escandalo, pra-
ticadas na alfandfga desta provincia por muitos
fuuecionorios de diversas cattiegorias; e tendo
sido iustaurados por V. Exc. os respectivos pro
cessos, que sommam quasi 50 ; requer a V. Exc.
se digue de attestar, como magistrado iotegerrimo,
e despindo-se de toda e qualquer benirjnidade, se
elle sapplicante ha, ou nao procedido em rejacao a
esses processos com hastante zelo e dedicacio ;
requerendo a V. Fxc. as diligeocias necessarias, e
procedendo em virtude e por occasiao dessas dili-
gencias, a minuciosas e trabalhosas investigates,
cujos resnltados hao satifeito a V. Ex~. ; porque
assaz concorrem para o inteiro esclarecimento dos
factos (de qualquer modo que elles tenham de ser
apraciados por V. Exc, e qualquer uue haja de
ser o juizo, ainda hoje ignorado de V. Exc. a res
peito de cada um delles.) Requer outrosim a V.
Exc. se digne de attestar se a dcrnora que o sup-
plicante ha tido ultimamente em dar o seu pare-
cer a respeito da innocencia ou c:iminalidade de
cada um dos indiciados, pode com ra*ao se consi
derar excessiva, attendendo-se a quautidade do-
procossos, ao numero elevado da pessoas incrimis
nadas, e aos grandes embaraco3 que se oppunham
a complota elucidaQao dos factos.
Faltando ainda alguns dias para que possam ser
apraciados por V. Exc. os pareceres que o sappli-
cante esta concluindo, mediante o mai^ accurado
esiudo e o mais decidido (e pouco vulgar) empe
nho em bem cumprir o seu dever, aguarda-se o
supplcan'.e para ojporlunameate ouvir, com o
mais profundo respeito, a opiniao autorisadissima
de V. Exc. sobre ell'es.
0 sapplicante, aproveitando o ensejo, requer
linalmente a V. Exc. se digne de attestar qual lem
sido sempre, segundo o teslemunho pessoal de V.
Exc., o seu procedimento, quer como curador ge-
ral de orpbaos. quer como promotor pablico.
Pede a V. Exc. assim deQra.-E R. M.-Recife,
IS de setembro de 1874. Jose Joaquim de Oiivei-
ra Fonceca.
pareeer o bazar das prendas que Iheaem silo of- C, dilo ckombrulhe 49% fardos aos coneig-
natarios, 440 a Jose M. da Rosa d Filhos,
12 a Francisco Guedes de Araujo, dito
de drogras 10 caiias a Pedro Maurer & C.
Periumaria 1 caixa Faria d Irmio, 17 a
Vaz Junior AC, if a Vaz d Leal. Piano
1 caixa a Joaquim Jose Alves AC, 1
a Paulo Jose Gomes & Climaco, 4 a H. Vo-
geley, 1 a Daniel C. Ilamos, 1 a Beltrao &
Filbes. Porcelana 1 caixa a Pereira Irmaos,
1 a Paulo Josd Gomes & Climaco. Pregos
3 barris a Otto Retires, 1 a ordem, 1 a Faria
.<&.Irmaos, dita perfumaria, vidres e terra-
gens 16 volumes a >s consigoatarios.
Quadros de medeira e vidros 3 caixas a
Saunders Brothers & C.
Re I lias 1 fardo a Pedro .Maurer & C. 1
a Manoel da S. Faria & C.
Sardinhas SO caixas a Keller -A C. Sac
cos vasios 20 fardos aos consignatarios.
Tecidos 2 caixas a Moabar i Mottle r & C,
7 a Keller & C, 7 aos consignatarios, 2 i
ordem, 1 a Jose* de Almeida & C.
Tints caixas e 5 barns a Augusto Caors,
2 barris a Manoel da Silva Faria & C. Tin-
ta 2 barricas a De Lailbacar d C
Vermelhao 20 barris a Francisco Manoel
da SilVa &C. Vidros 6 caixas a Bernardi-
no Duarte Campos & C, 4 a Augusto Caors,
3 a Monbard Mettler & C Vinbo 40 cai-
xas a H. Kuesck, 4 a Carlos Leclere.
eneasaa.
Para previnir qualquer aectdeeM-os abaixo as {
signados ja obtiveram da aeroswkd do Es.
Sr. bario do Livramento a recoastrB(o do barra-
cio qa dotta vet seri eoberto *s ainco e espapo
so de owdo a offerecer as possireis comnoaidaaas.
A ceminissio faitaria a am dever-do deiicadeea
se tambera nio agradecesae aos qu lhe Qzeram
dosativ. s, por isto pede-lbes que aceitwu mais
esta prova de seu reconhecimvoto.
Co.fiando ainda na generosidadu dos babitaates
desta cidade, a commistSo -espera receber aovoi
presente* para a festa futura.; e, para facilitar a,
entrega de alguns objectos que lhe teem sido
offertados, resolveu autorisar a cada um dos mem-
bros qae a corapoe, a rece'b*! os nas casas de suas
residencias, on eseriptotios de commercio.
Recife, 14 de setembro de 1874.
Luiz Ooncalves da Silva.
Joaquim OlynthoBaitos.
Joaquim Dias dos Soutos. ,
Adolpho Schroith.
Joao Carlos Bastos-de Almeida.
Rodolpho Krukomberg,
Joviaiano.Manta.
Dr. Pedro de-A.-Lobo Moscoso.
Francisco J. Pinto.
I
I Mtl't I
COMMERCIO.
___
JUNTA DOS CORRETORES
Prnca do Recife, 1* de seteaaalaro
de 1994.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICIAKS
Algodio de Goyanna sem inspeccao 6390 por
IS kilos, hontem.
Assucar bruto bom 1/960 e U980 potiS kilos,
hontem.
Couros seccos salgados 566 rs. o kilos, hontem.
Ottos ditos espichados 783 rs. o kilo, hontem.
Aecao da corapanhia de Beb-jribe 78/000
cada accao.
Apollces = da divida provincial de 8 OjO, 986/000
cada uma
Ranha de porco de Baltimore l/%9 o kilo.
Gambio sobre Londres a 90 d|v. K 1[4 d. por
I /GOO, banco, hontem e hoje
Catnbio soDre Hamburgo a 3 d|v. 460 rs. por
R. M., banco, hontem e hoje.
Cambio sobre Lisboa a 3 d|v. 109 0(0 de pre-
raio, banco.
Cambio sobre o Rode Janeiro a '6 d[v. ao par.
B. ae Vasconceiios
Presidente.
A P. de Lemos,
Sacretano
ALPANDK'.iA
Aeaaimsnio ao dia 1 a 18. .
dm do dia 19
409:122/684
23:128/179
43i:5o0^863
Attesto affirmativamente a primeira garte do
que requer o supplicante na presente peticao.
Quanto a segunda parte, attesto qne, atteotas
as muitas e mdispensaveis diligencias que com o
mils louvavel zelo ha requerido para o esclareci-
mento da verdade em quarenta e tantos processos,
nao e excessivo o tempo que em seu poder tera
demorado os mesraos processos.
Finalraente attesto qne o supplicante, como
promotor publico e curador geral de orphios de3-
ta capita', tern procedido, debatxo de qualquer
ponlo de cista, de modo digno dos maiores ap-
plaitsos
Recife, 18 de setembro de 1874.
Oiiveira ilaciel.
MAIS UMA PERSEGU1GAO I
Os proviucianos cumprem o seu !ado.
Triste fado I
Mentir, para ser desmascarado no dia segainte,
e condicao digua de lastima.
Sabem qae o publico e gescavao e perdoa por
caridade; mas isto pio e q#ro par abasarem
janto.
Ouricury.
Pende-hoje do alto conheciraento da veneranda
rclai;ao do districto, uma denuncia calnmniosa,
que, contra o intergerrimo e illastrado juiz de
direito do Ouricury, bacharel Antonio Lopes da
Silva Barms, deu o celebre criminoso Reinaldo
Goncalves Torres, preso na cadeia desta villa,
por suas numerosas facanhas.
Possnidos da mais justa indignacio, pelas fal-
sidades irrogadas a t.io digno magistrado, nao po-
demos deixar de protestar contra ellas, iilhas uni-
camente da perversi jade de seu author, e male-
volas insinaccoes do seboso bacharel Rolim e por-
tuguez Manoel Alves dos Santos.
0 Dr. Silva Barros, tendo chegalo a esta villa
em fevereiro deste anno, e assumindo as fnnccdes
At seu cargo, trabalhou incessantemente e conse-
guio restabelecer a ordem publica gravemente al-
terada pela judicatora do bacharel Rolim, entao
interinamente na vara de direito ; e da calamito-
za anarchia em que a comarca se ahava, firmou o
duplo imperio da paz e da lei.
E que o digam os bonrosos document que o
Dr. Silva Barros tem involuteariamenti recebido
da populacao mais caracterisada.
0 criminoso Reinaldo, porem, homem de pessi-
mos precedentes, e para quem a populacao hones-
ta requeria unanimemente a appllcacac da lei, vio-
se em poncos raeze> pronunciado e recolhido a ca-
deia pnblica, atravez de cajas grades, contempia
hoje suas victimas: d'ahi o furor hydrophobico
com que accommette calumniosamente, perante um
tribunal superior, ao honrado mag strado a qusm
alludimos.
Continue o Dr. Silva Barros, a proceder do mo
do porqae o tem feito, qae recebera sinceros agja-
decimentos da publica opiniao. e iirmara cada vez
mais, a reputacao de qae ja goza na alta magfs-
tratura do paiz.
Esperemos o resultado.
Ouricury 26 de agosto de 1874.
B. B. J. S.
Festa campestre.
Os abaixo assignados membros da commisaao
encarregada de agenciar prendas em benefkio do
asylo de alienados, extremamente agradecida a to-
dos qae eoncorreram a festa de domingo, vem
pelo presente manifestar o seu reconbecimento:
e convidar oara comparecerem novamente as 4
boras da Urde do dia 27, no mesmo sitlo da Ta-
marineira, onde pola ultima Tea tem de offerecer
ao publico as prendas qne receberam.
Acommissao senteqne por motjvos independen-
ies a sua vontade, nio fosse mais brilhante a festa
de domingo, porem espera satisfazer plenamente no
I dia 27, a todas a3 pessoas qae ve 4ignar%n> com-
Descarregam hoje 21 de setembro de 1874.
Vapor nacional Marquez de Caxias (esperado)
mercaJorias para o trapiche corapanhia.
Patacho inglez Galatea (atracado) mercado-
rias para alfandega, raachinisrao para o
trapiche Conceicao, para despachar, e
carvao ja despachado para o caes do
Apollo
Lugar portuguez Julio mercaJorias para o
trapiche Conceicao, para despachar.
Barca franceza llwviffuna(atracado) mercado-
rias para alfandega.
Vapor portuguezJulio Diniz generos nacionaes
para o trapiche corapanhia.
*LTEBAQAO NA l'AUTA 00S PREQOS DOS OENBROi
SUZEITOS A DtREITOS DE EXPORTAQAO, SA SEMANA
DE 21 A 26 DE SETEMBRO DE 1874.
Algodaoem rama ou la 4itt rs. o kilo.
Couros -de boi seccos espichados 763 rs. o kilo.
Alfandega de Pernarabucu, 19 de setembro de
1874.
0 1" conferenteRaymundo F. Barbosa.
0 1 conferente J. Ribjiro da Cunh.a.
Approve Alfandega de Pernambuco, 19 de
setembro de 1874.
0 inspector
Fabio A. de Caroalho Re is.
ImportacSo.
Barca franceza Reridiana, entrada do
Havre, em 19 do corrento e consignada a
Eduardo A. Bur.'e guinte :
Amoniaco 1 caixa a Ferreira Maia & C.
Alvaiade de zinco 10 barris aos mesmos, 27
a Pedro Maurer & C, 10 a Augusto Caors.
Agoa de seltz 5 barricas d ordem. Acido
2 caixas a Manoel da Silva Faria & C, 1 a
Jose F. da Costa, 3 a Pedro Maurer & C
Agua de Ricby 6 caixas a Keller <6C. Alfine-
tes 1 caixa a Moreira Halliday & C. Armas
21 caixas a Parento Vianna fiC, 6 a Von
Scbsten & C. Alcool 1 caixa a J. F. da
Costa.
Batatas 300 gigsa a Manoel da Silva Maia
& C, balances 6 caixas a Moreira Halliday
Cimento 200 barris aos consignatarios,
crystaes 6 caixas a J. A. Pereira it C, la
Pereira & Irmaos, 1 a Saundres Brosthers
AC.
Chapeos 1 caixa a Pedro cado 3 caixas a Faria & Irmaos, cerveja 30
caixas a H. Nucsek, collodio 1 caixa a
Francisco Manoel da Silva & C, dito e acido
1 caixa a Bartholomeu & C. Cutilaria 1
caixa a Otto Bobres. Couros 1 caixa a Jose
de Almeida & C. Espelhos 1 caixa a Car-
doso & IrmSo, 4 a Parente Vianna <& C.
Encerado 1 caixa a Pedro & Bartholo.
Ether 2 caixas a Pedro Maurer & C. Envelo-
pes 1 caixa a Vaz & Leal. Espoletas 1
caixa a Lebmann Freres ifi C.
Fumo 1 caixa a Bourgard d C. Fundas
1 caixa a Bartholomeu <& C. Fogoes de ferro
e pertences 6 caixas a Irraa Doudign^.
Fitas 1 caixa a Cra"mer Frey & C. Fecha-
duras i taixa a Vaz fe Leal. Ferragens
2 caixas a A. Hyvernat S C, 2 a Otto
Bobres.
Gesso 70,000 kilos a Josi Augusto de
Araujo. Comma arabica i caixa a Meuron
dC, 1 a Augusto Caors
Instrumentos de musica 7 caiias a Anto-
nio Jose d'Azevedo.
Joia 1 caixa a Monhard Mettler & C.
Louca 3 barricas a Pereira cj Irmaos &
C, 1 a Bartholomeu & C. Livros 1 caixa a
Jose Barbosa de Mello, 1 a Daniel C. Ra-
mos, 3 a De Lailbacar & C. Manteiga 50
barris e 100 ditos meios a Antonio Fran-
cisco Corga, 15 e 30 a ordem, 15 e 30 a
Johnston Pater & C. 93 e 95 aos consigna-
tarios, 10 e 12 a Jose" Marcelino da Rosa
& Filhos, 40 e 60 a Paulino Jose da Cos-
ta Amorim & C. 25 e 25 a Moreira Hal-
liday & C.
Mercadorias diversas 3 caixas a Faria &
Irmaos, 3 a Vaz & Leal. Medicamentos 8
caixas a Bartholomeu & C, 5 a Manoel da
S. Faria & C. Moveis 11 caixas a ordem. 5
ao barao da Soledade, ditos crystaes, por-
celana e louca, 22 volumes aos consigna-
tarios. Moveis de ferro 2 caixas a Parente
Vianna A: C, 2 a Joao Cbristiani & (',
Olere de linha^a 1 barril a Pedro Maurer
& C, objectos para escriptorio 1 caixa a De
Lailbacar & C, 2 a J. A. de Araujo d C.
Oca 2 barris a Augusto Caors.
Papel pintado 1 caixa a Bourgard & C,
dito liso 2 caixas a Samuel P. Johnston d
C, 2 a Monhard Mettler d C, 12 a Maga-
lhSes d Irmaos, 1 a Vaz d Leal, 4 a Jose*
Barbosa de Mello, 1 a Bourgard d C, 3 a
Manoel Cardoso Ayres, 4 & ordem, 1 a Bar-
tholomeu d C, 15 a Paulino Jose da Costa
Amorim d C, 3|a E. da Costa Madeiras, di-
to de impressOes 2 fardos a De Lailbacar d
Vapor portuguez Julio Diniz, entrado
dos portoado sul na.Hies.rna dataeoousig
nado a E. R. Rabello d C, tnanifeftou :
Cafe ISOsaccos a Fernandes da Costa d
C, 50 a Fernandes d Irmaos, 50 a J. J.
R. Meodes, 100 a Joaquim Jose Leitao d
C, 140 a Jose Marcelino da Rosa & Filbos,
100 a Domingos Joaquim Ferreira- Cruz, 50
a MagalhSes d Irmaos, 40 a Joao do Rego
Lima, 32 a Ricardo Jose Gomes da Luz, 20
a Beltrao d Filbos, 50 a Manoel Duarte de
Figueiredo, 50 a Joaquim Jose de Azevedo,
130 a Soares do Amaral d C, 50 a Anto-
nio Francisco Corga, 1 a P. Jose da Costa
Amorim d C.
Fazendas 7 caixas a Cramer Frey dC.
Massas 300 caixas a P. Jose da Costa A-
morim d C, 50 a Antonio Amies Jacome.
Vapor nacional Pard, entrado dos portos
do sul em 20 do corrente e consignado a
Pereira Vianna d C, manifestou:
Carga do Rio de Janeiro.
Cafe 50 sacces a Lebre d Reis. Chapeos
1 caixa a Monhard Mettler d C Cola 4 sac-
cos a Fortunato Ribeiro Bastos.
Fumo 148 latas e60 ditas meias a Bel-
trao d Filho, 76 rolos a Bourgard d C, 40
pacotes a Jose Maria Palmeira. Fumo em
folha 1 fardo a Bourgard d C
Maquinas de costuras 3 caixas a Joao
Baptista de Oiiveira.
Tinta 3 barricas a De Lailhacar d C.
Carga da Bahia.
Charutos 4 caixas & ordem, 2 a Leal d
Irm&os. Cera em velas 2 volumes & ordem,
2 a J. P. de Miranda Cunha. Chapeos de
sol 4 caixas a Oiiveira d Irmaos.
Panno de algodao 100 fardos a Amorim
rmaos & C.
DE-5PACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 18 DE
SETEMBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No navio inglez Fuziher, para Liverpool,
carregou : J. M. da Cruz 130 sac-as com 11,390
kilos de algodao.
No vapor portuguez J. Diniz, para Lisboa,
carregou : J. J. Gongalves Beltrao & Filho 3i vo-
lames com 3,095 kilos de sola, F. R. Pinto Guima-
ries 2 ditos com 176 ditos de assucar branco : pa-
ra o Porto, J. J. G. Beltrao & Filho 50 siccas com
3,498 ditos de algodao.
No brigue hespanhol A malia, para o Rio da
Prata, carregou: F. R. P. Guimaraes 2 barricas
com 120 kilos de docc.
Para os portos do interior.
Para o Natal, na barcaca Henriquela, carre-
gou : Fraga 4 Rocha 5 volumes com 367 kilos de
assucar branco.
Para Mamangoape, na barcaca Prudencia,
carre?ou : A. Oiiveira & C. 2 volumes com 12
litros de aguardente.
Para o Aracaty, no hiate nacional Deus te
Guarde, carregou : J. B. de Carvalho 4 barricas
com 240 kilos de assucar refioado e 7 ditas com
460 ditos de dito.
Para a Villa da Penha, na barcaca Uuiao do
iVorte, carregou : M. I. Rodrigues & Primo 1 bar-
riea com 60 kilos de assucar reflnado.
Para Mossoro, na barcaca Dous Amigot, car-
regou : J. L. Vieira 1 caixa com 60 kilos de doce
CAPATAZIA
'e'jiiiiGento do dia 1
dsm do dia 19
DA ALFANDEGA
a 18. 10:2601598
. 1 3891405
10:650*003
No dia 1 a 18 .
Vo dia 19
.'rimeira pom .
Uganda porta .
Terceira porta .
r'?picb CcDCicao
vOLUUES dAHLDOS
16,985
279
142
130
52i
18,060
SERVICO MARITIMO
ti>drengas descarregadas no trapicbe da
alfandega.
Nodialal8.....
So dia 19:......
17
1
2
20
ilECBBKDORU OB RENDAS LNTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
tscdimento do dia J a 18 27:265*532
30:370*184
GONSOLADO PROVINCIAL
Rendimento do dia t a 18.
idem do dia 19 .
30:880*724
3:052*923
33:932*617
0 Joao CaraeiN K. da Silva Saatoa.
Itevlait* e*mmerei*l
Da semana de 14 a 19 de setembro de
1874.
por 1*000 Mbr* LOqdre8' *> d|T if* V* d
ttXSTtSSs^d,v M *d-M vd-
Djto sobre dito, 3 d(v 16 d. por 1*000, banco.
Dito sobre Paris 90 d|v 363 reis o franco, banco:
Dito sobre Porto, pagavel em Lisboa, 90 div
105 */ de premio.
Dito sobre Lisboa, 3 d|v 109 -,. de premio.
banco.
Dito sobre Hamburgo, 3 d|v 460 reis o reich,
mark, banco.
Dilo sobre o Rio da Janeiro, 5 d|v ao par.
Apolicei da divida provincial, de 8 /. 980*000-
cada uma.
Aecoes da companhia de Beberibe, 72*000,
por accao.
Algodao da Mossoro, 1-* sorte, 7*600 por 15 kilos.
Dito da Parabyba, 1* sorte, 7*250 por 15 kilos,
poito a bordo. frete ik e 3 0J0.
Dito da dita, sem inspecoao, 6*400 por 15 kilos.
Dilo de Goyanna, I* sorte, 7*000 por 15 Kilos.
Dilo de dita, seal iuspeccao, de 6 400 a 6*500,
por 15 kilos.
Dito, 1' sorte, 7*600 por 15 kilos.
Dito do aertao 1* sorte, 7*600 por 15 kilos.
Eiit.aram 1,921 saccas por terra e mar.
Assucar bruto bom, de 1*960 a -1*980, por 15
kilos.
Eutraram 5,128 saccos por terra e mar.
Aguardente. Cfitamos a 61*000, a pipa.
Arrez. Chegaram 130 saccos, cotamos a
2*600 por 15 kilos.
Aaeite doce em caixas. Sem chegada, cotamos
a 10*000 a duzia.
Dito dito em barris. Sem chegada, cotamos
a 2*460, o galao.
Alpiste. Sera chegada, cotamos a 4*600 por
15 kilos.
Banna. Chegaram 525 barris, vendas de 958
reis a 1*089 o kilo.
Breu. Chegaram 383 barricas, vendas a 11*
a barrica.
Batatas. Sem chegada, cotamos a 2*500 por
caixa de 2 arrobas.
Bacalbao. Em deposito 1,600 barricas. e re-
Uiha-se de 20*000 a 22*000.
Came. Sem chegada. Em deposito, 43,000
arrobas, do Rio Grande de 5*000 a 5*800 por 15
kilos, e 8,000 arrc bas, da do Rio da Prata, de
4*400 a 5*500 por 15 kilos.
Couros seccos salgados. Chegaram 998, vendas
556 a 566 reis o kilo.
Ditos seccos espichados, vendas 763 reis o kilo.
Cafe. Chegaram 1,090 saccos, cotamos a
8*5(10 por 15 kilos.
Canela. Sera chegada. cotamos a 1*633 reis o
kilo.
Cimento. Sem chegada, colamos a 10*000 a
barrica.
Cebolas. Sera chegada, cotamos a 9*000.
Cha. Sem chegada, vendas de qualidade in-
ferior 350111 o kilo.
Cerveja Bass Ihlers. Chegaram 200 barricas,
cotamos de 7*000 a 8*000.
Dita Noruega. Cotamos a 5*000 a duzia de
garrafa.
Cognac- Sem chegada, de 9*000 a 20*000,
conforrae a qualidade.
Farinha de trigo. Chegaram 2,777 barricas.
Em deposito 9,983 barricas, e retalhase:
Hungria a 30*000.
Trieste de 28^000 a 29*000.
New-York de 19*000 a 2u*000.
Baltimore de 21*000 a 22*000.
Richmond de 22*500 a 24*000.
Saccos, do Chilo, 9*500.
Farinha de raandioca. Sem chegada. Deposi-
ts 3,000 saccos, de 2*500 a 3*500, nominal.
Farello. Sem chegada, cotamos a 5*000 o
sacco.
Fumo em rolos.Sem chegada.
Dito em latas. Sem chegada.
Dito em caixas. Sem chegada.
Dito em pacotes. Sem chegada.
Dito era encapados. Sem chegada.
Nao houve vendas.
Genebra de laranja. Sem chegada, cotamos a
7*000.
Dita commura. Sem chegada, cotamos a
4*000.
D.ta de Hollanda. Sem chegada, cotarao3 a
3*000.
Dita em botijas. Sem chegada, cotamos a 380
reis por botija.
Dita lanterna magica. Sem chegada, cotamos
a 4*500.
Dita vida eterna. Sem chegada, cotamos
a 5*500.
Kerosene. Chegaram 1,430 caixas, vendas a
5*600 a lata.
Louca ordinaria e fina. Chegaram 42 gigas. e
12 barricas, e cotamos da ordinaria a 380, e da
fina a 280.
Milho. Chegaram 50 saccos, vendas 70 reis
o kilo.
Manteiga ingleza em latas. Sem chegada,
vendas 2*396 reis o kilo.
Dita ingleza era barns. Sera chegad3, ven-
das 1*033 r'is o kilo.
Dita francoza. Sem chegada, cotamos a 1*012
rei3 o kilo.
Massas. Sem chegadas, cotamos a 7*300.
por caixa.
Pimenta. Sera chegada, cotames a 1*002 reis
o kilo.
Papel de erabrulho. Sem chegada, cotamos
de 900 a 1*00).
Phosphoros. Sem chegada, a 2*600.
Queijos flamengos. Sem chegada, vendas de
25400 a 2*500 o queijo.
Ditos prato. Sem chegada, vendas a 1*324
reis o kib.
Sal. Chegaram 620 alqueires, vendas a 1*400
o alqueire.
Sabao inglez ordinario. Sem chegada, co-
tamos a 280 reis o kilo.
Dito da terra. Cotamos de 330 a 360 reis o
kilo.
Sardinhas. Sem chegada, cotamos a 280 reis
i lata.
Toueinho. Sem chegada, cotamos a 11*000
por 15 kilos.
Velas stearinas. Sem chegada, vendas, 520
reis o maco.
Vinagre. Sem chegada, ultimas vendas do
1255000 a 1355000.
Vinhotintoda Figueira. Sem chegada, ultimas
vendas de 213*000 a 230*000.
Dito de Lisboa. Sem chegada, ultimas %'endas
de 200*000 a 210*000.
Dito fraccez. Sem chegada, retalhase a
210*000.
Dito branco francez. Sera chegada, Sette de
conta do retalbador.
Dito branco de Lisboa. Sem chegada, ultimas
vendas de 230*000 a 240*000.
Dito do Estreito. Sem chegada, retalhase a
210*000.
Dito do Porto. Chegaram 12 caixas, cotamos
a 9*500 a caixa.
1/2, Taper nacional Pard, de J09> tona-
Udas, commandaotc o 1* tenente Carlos
Antonio Gomes, equipagem 62, carga,
differentes generos ; a Pereka Vienna d
C.
AttU'pelo Rio-Grande do Norte-* dias do
ultimo nprto, hiate naciomrt Olinda, de
142 toneladas, capitao Atttoivio Jose Ro-
drigues, equip gm 7, earga, sal; a Jouo
J. da C. Lages.
Rio de Janeiro15 dias patacho allemao
Diamante, de 160 toneladas, capitao If.
Meyer, equipagem 7, em lastro; i or-
dem. V
Maranhao pelo Ceara5 dias, transpose na-
cional Werneck, commandaUte eapit&o-te-
nente Manoel I.opes da Cruz.
Navio sahido no dia 20.
Rio-Grande de NorteBrigne aMerafo We-
ihelmime, capitao Fraager, era lastro.
d
EDITAES.
MOVIMENTO 00 PORTS,
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espiritnosos.
Rendimento do dia 1 a 17 3:923*370
Idem do dia 18 97*180
m Bacalbao, etc.
Rendimento do dia 1 a 17 760*643
Idem do dia 18 *
Generos de estiva.
Rendimento de dia 1 a 17 2:565*277
Idem do dia 18 265*856
Farinha de trigo, etc.
Rendimento do dia 1 a 17 4:297*902
Idem do dia 18 *
4:020*550
760*643
2:831*133
Fumo, etc.
Rendimento.do dia 1 a 17 1:778*011
Idem do dia 18 *
-------- 4:297*902
Vinagre, etc.
Rendimento do dia 1 \ 17 1:337*561
Idem do dia 18 38*491
1:778*611
1:376*052
15:084*891
Thesouro povincial de Pernamaco, 19 de setem-
bro de 4874,
Navios entrados no dia 19.
Rio de Janeiro o Bahia2 dias do ultimo
porto, vapor portuguez Julio Diniz, de
880 toneladas, commandante J. J. R.
Contente, equipagem 48, carga, diferen-
tes generos; a E. R. Rabello d C.
Babia2 di3s, curveta nacional a vapor
Mearim, commandante capitao-'.enento
Eduardo Augusto de Oiiveira.
Havre43 dias, barca franceza Verediana,
de 211 -toneladas, capitao Fretet, equipa-
gem 12, carga, varios generos ; a E. A.
Burle d C.
Maoeio*20 boras, barca ingleza Honduras,
de 314 toneladas, capitao G. D. Sbaud,
equipagem 10, carga, assucar e algodao,
a Sawndres Brothers d C. Arribou a es-
te porto para desembarcar a tripolacao
que se amotinou a bordo.
Navios'sahidos no dia 19.
Portos do Sul-r-Vapor nacional -Servanles,
commandante Jorge Goncalves, carga va-
rios generos.
Rio da PrataPatacho portuguez Olinda,
capitao Manoel Andre* Branco, carga, as-
sucar.
Navios entrados no dia 20.
Portos do Sul5 dias e do ultimo porto
0 Illm. Sr. inspector do thesonro provincial
manda fazer publico, qne em cumprimento da er-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 21 de
agosto ultimo, 1km de ser contratado perante a
junta do mesmo thesouro, no dia 24 do corrente,
o fornecimento dos moveis precisos para as escolas
do sexo femmino, dos Coeihos, Carepo Grande,
Campo-Verde e-Fundio, os quaes vio deelarados-
na tab>lla abaixo transcripta.
As pessoas i|ue qnizerem contratar dito forne-
cimento, co:nparecam na sala das sessdes da me*-
ma junta, pelo meio dia do dia acima iodicado.
Secretaria do thdsouro provincial, 16 de setem-
bro de 1874.
0 secretario,
Miguel Alfonso Ferreira.
TABKLLA.
Quatro quadros com a etltgie dij Senhor Cru^i-
ficado coin 0,66-c de aliura e 0,11-c de largura
am (10*) 40*000.
Quatro mesas de amaiello com lm, 11 de ccn-
primento, 0,ra 65 de largura eO.ra 75 de a It lira
eom pea torneados c duas gavetas, um (22*(J0J)
88*000.
Quatro cadeiras de araarello, de bra cos. u'na
(16*) 64*000.
Oito ditas singe las 64*000.
Quatro estralos de louro com l,m 60 de corapri-
mento l.in 40 de largura e 0,ra 15 de altura, um
(20*) 80*000.
Doze classes ou mesoes de araarello com 2,m '34
de eomprimento, 0,m 44 de largura, 0,m 7t de al-
tura na frente e 0,m 76 do lado opposto, com ps
torneados, coutendo quatro tinteiros e tres tras.'a-
dos em quadro, uma (34d) 408*000.
Dezeseis bancos de amarello, assento de palhi-
nha, com 2,in 44 de compiimento, 0,m 25 de lar-
gura e 0,ra 45 de altura, com pee torneados, cm
(23*) 400*000.
Quatro pedras para calculos com l,m de eom-
primento e l,rn 20 de largura, nma (10*) 40*.
Doze cab.ides de amarello com 8 tornos, um '5*)
60*000.
Qualro r^guas de jacaranda, uma (oOO) 2*.
Qua'.ro escrivanias de metal, uma (5*) 20*.
Quatro theares siogelos, um (10*) 40*.
Quatro jarras, uma (5*> 20*.
Quatro cocos de folha de ferro 4*'00.
Doze bacios corn tampa, inn (2*) 24*.
Quatro cuboi de araarelb, um (7*i 28*.
Conforrae.Miiiuol Alfonso Ferreira.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda,
juiz de direito especial do commercio nes-
ta ci lade do Recife e seu termo da capi-
tal da provincia de Pernambuco, por
S. M. imperial e constituciunal o Sr. D.
Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle ncticia tiverem, que Antonio Gomes da Sil-
va Junior & C., me Jirigiram a peticio do tbeor se-
gninte :
Illm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio.
Dizem Antonio Gomes da Silva Junior 4 C, coai-
raerciantes estabelecidos nesta praca, que, tendo
sido anuunciada a venda em (eilao da armacao e
utetisilios da taverua sila a rua do Vigario The-
norio n. 33, segundo se verifica do jnrual jut: .
cs suplicante3 c:rapraram ditos btensilios e arma-
cio pela quautia do 133*, jalgaodo achar-se o
precitado ieiiao devidatuente autorisado oor deter-
rainacao deste juizo por accordo dos crcdores de
Joao "Alexandre Vieira, por conta e risco de quem
foi feito. Chegando, porem, agora ao conheci-
merdo dos supplicanles que n5o procedera a ar-
rematagao por autorisasao de V. S., visto noi
haver contra o referido Joio Alexandre Vieira
pr( cedimento judicial, nera accordo dos credor*3
do raesmo, os supplicantcs veem em temps pn-
testar, para se^uranca do seu direito, que nao se
dcham responsiveis por qualquer divida do mes-
mo Vieira, vi':iiatadooestabeleciraen-
to nos termos acima expostos; e requerem qce
seja tornado por termo o 3eu pr^testo, e publicach
pela iraprensa, durante tre3 dias uteis, para "?
lies de direito. .a.sim, pedem a V. S. deferimen-
to. E. R. M.Recife IS de setembro de 1874.
Antonio Gom.'s da Silva Junior & C.
Estava a dita peiicSo sellada com o sello de es-
tampilha de 200 rs, regularmente inulilisada.
Na quJ dei o lespaeho seguinte : Distribuid:,
como requer. Recife, 13 de setembro de 1874.
Barros de Lacerda.
Era virtude do goal fora a peticao distribuida a >
escrivao deste juizo Manoel Maria Rodrigues do
Nascimento, o qua! fez lavrar o termo de protest!
do theot seguinte : Ti-rmo de protesto.Aos J<
de setembro ds 1574, na cidade do Recife, em men
cartorio appare;eran os supplicantes Antonio Go-
mes da Silva Junior & C, e disseram perantamii.i
e as testemuntm infra assignadas, que redutiam i
protesto o conteUdo de sua peticao retro, a qtuf
offereciara como parte do presente que flea sen-
do, e de como assim o disseram e protestaram,
lavrei este termo, no qual depois de lido, se fir-
mararn com as ditas testemnnhas ; eu Secundino
Heleodoro da Cunha, escrevenle juramentado o
escrevi; eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, esorivaO, o subscrevi, Antonio Gomes
da Silva Junior & ',., Joaquim Jose de Abreu e
Francisco Joaqu'm Pereira. Por forca do mei
despacho o escrivao fez passar o presente, pe'o
qnal chamo, cito a hei per intimado a Joao Ale-
xandre Vieira, e bem assim aos sens credores,
para que fiquem ssientes de todo o oxpendido.
E para que cheque ao conhecimento de
tod'.s, mandei passar c presente, que seri
publicado pela imprensa e affixado nos lu-
gares do costume.
Recife, 17 de setembro de 1874.
Eu, Manoel .Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao, o subscrevi.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda^
Ao sello 300 rs.V. S, S. ex causa.
Barros de Lacerda.
Perante a .araara municipal desta cida
estara em pra;a U3S dias 18, 19, 21, 22 e 23 a-
corrente, para ser arrematado por quem menor
pre jo offerecer, s reparos da rua do Qaiabo i.
freguezia dos ...ViJos, orgados na quantia d.^
398*224: quem pi slender arrematar esses con-
certos, coinpareca nos indicados dias, no pap
municipal, mar...3= de fianca idonea.
0 orcaraent? a:ha-se na secretaria da mesu.i
camara, onde sera ajresentado aos que os quiz- -
rem consultar. '
Pa^o da camara municipal do Re.'ife, 17
de setembro de 1874
M. J. io Rego e Albuquerque,
Presidente.
Francisco Augusto da Costa,
___________________Secretario.
0 Dr. Joaquim (Jonc.alves Lima, juiz dos
feitos da faienda desta provincia, po-
S. M. Imperial, a que Deus guarde,
etc.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem que, em cumprimento-da ordem di
thesouro de SO de dezembro de 1865, e
das instrucgoes que com a raesraa baits-
ram, Gndo o praro de tres mezes a con^.-
da data da publicagSo deste, sera* vendido a
arrematado em hasta publica celebrada n^a
comarca de Rambe, a quem maior pre;)
offerecer, i vista ou a prazo atd 11 annos
quando muito- com juros de 6/. ao ann:>
pelo tempo da demora a comprebensio de
nominadaj Furaco doextincto viaculo
S
1
t
\



I
^
TSSrio defernambubo Segunda feira 21 de Setemtad*: 1874.
dias, contados
sobre a dita
para que cVguG ao coniifij.imetito da,
todos, mandei pa snr o ('ii'stu, (j."5 sera
publicadc pela unpronsu oat'lkada nos'sug*-
rw J vn.-turn*'.
lii, M:m .ijI Mafia. R.'lrigucs rnehbt, userivao Recife, Hi .In icliyiiliro .fa 187V.
Sebtistiw lit Hepn lifi'. 'n d<: l.nccrda.
Ao Sbllo 3U0 rs. -V. S.'Sy eVcausa.
barros de Lacerda.
ao
e Itambd, sita nnqtralla omarca a qual se' B por este edital sao eitados tos referidos credo- Secreuria da Santa Casa de Misericordia do Re
acha avaliada in cineo Witos de reu e ^ Prt dentro dogmata |W cipdo ,:
contetn Sogundo a medico a qtteSe proce- *? P^l,ca.Sao do "*w**V diierem
deu e cpnsta doladofloleste 1,110 b5Ji, doVdo'do
none itft.JiM^s, do Ivlu iio iiorouste GS2
bTflf;.is do lado do pojflle ill lirscas e d<
l'ad.tdo snl'68t bra.'ij. seci'd'o todo o ter-
reno proprio para a culturn de roaiid'nca e
onlrns lajnimcs i; licanity ct^S. s.vk>s dttlque, laifc) put Uate gmJ referido
o lauco'iio posseiro cespuciivu, na qoufor-
natdade dawdero do thesouro, o. 15"de 281
de Janeiro de T87i.
Recife, 18 de selembro de I87i.En,
Jose* Francises do Rego Barros, escrivao* o
subscrevi.
cite, 18 de setembro de 1874.
, fl escrivao,
I J Ptdro RW'itetti* So-iza
------------.. .. f >' i>
i'n re.*heAona reutfas > riedara
eootrih'jiii! >. sin hnnorth mhte iudnsrrU* < prrj-
ftsyto. qua <' ii'i corfiiie urn e no > d., ontuliro
viUdour.) i|i!U dcvi-in vir 'jamr ( pritneiro *>
meslre (., i t-mcenlt; ao exorckio de |874 87S.
iii;..irivu I.) na muu de 6 '|. India aqileltes con-
iribuinti's i|uti tiierun dt-pois flu mesnm praiui.
It.ioltert.tii* de Ptiwwiuuco, t." de selembro
rte I87V.
Senindo de administrador,
li.fi Felippe Nery da Silva.
I
atGUftACOfcl.
Perante a eamara municipal da villa de Ja
boat**, esupao em pra^a pabliea nos dias 10, *$
De ordum do lllra. Sr. iosptclur da tbesou-
raria de faaend' ilesU proiacia, ciivida-*e as
3 do correate mez para serera arreuiatados
pea* tempo de um aauo, os imposlos de coquet-
na,-urai3o de 80 rs. por cada pe de prodaccJo,
eTtceptuai do-se 10 pes para o nso do proprieia-
mi, e avahados por 1:200# ; de aleiicao por
1:100^, obrlgando-se o arrematante a aferir os
pesos e medidas perleneentes a mesnu eamara,
sem iademilsajao alguma ; de 5C0 rs. por cabe-
ca de gado vaccom, por 500} ; to masoates e
beeeteiras, por 100* ; de 200 rs. por cabeca de
galo snino, ovelhum e cabruro, por 120}.
Os pretendeote deverao comparecer com seas
fiadores, babiliudoa da forma da lei.
l'ai;o da eamara municipal da villa de Santo
Amaro de Jaboatao, 9 de tetembro de 187i.
Antonio de Sa e Albuquerque,
Pro-presid*nte.
Miguel Gerroano dos Santos Pereira de Basto,
__________________Secretario.______________
0 Dr. Sebastiio do Rego Barros de Lacer^
da, juiz de direito especial do commer-
cio, nesia cidade do Recife e seu terrao,
capital da proviucia de Pernarabuco,
por S. M. I. o Sr. 1). Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente edital, que do dia pri-
meiro de oulubro do correate anno, se ba de arre-
matar por veoda a quem mais der, em praca pu-
blica deste juizo, depois da audlencia respectiva os
objectos-seguintes :
lima qnnaQao de amarelk), envidra^da com
seas psFteacas, inclusive o gaz, cento e ciDcoenta
mil row; uma caiza de musica, por juinze mil
reis; oi to |ie(as de chita com cento e nsveota me-
tros, a duztiitus reis, triata e oito mil reis; quatro
centos e quarenta e dous metros de chita em reta-
lho a duzentos reis, oiteula e oito mil e quatro ceu-
tos reis ; cincoenta metros de cambraia de listra
preta a duzentos rei>, dez mil reis; dous cortes de
cambraia de listra de cores a dous mil reis, qua*
tro mil reis; seis.pecas e ineia de cambraia bran-
ca a dous mil reis, treze mil reis; duas ditas vic-
toria a dous mil reis, quatro mil reis ; tres cortes
de cambraia de lislras de cores a dois mil reis, seis
mil reis; quatorze varas de cassa da Russia a tre-
zentos reis, dous mil e oito centos reis; cento e
triata e tres metros de lazioba a duzentos reis, via-
tee seis mil reis; cento e cineo covados de lazi-
nha a centu e sessenta reis, dezeseis mil e oito
cento reis ; triata e oito pecas de obras a quinben-
los reis, quiuze mil reis; duas toalbas de algodao
a seis centos r6is, mil e duzentos reis ; vinte lea-
ca* de chita e cassa a cento e sessenta reis, tres
mil e duzentos reis; vinte e quatro covados de
algodao de azulao a cento e sessenta reis, tres mil
pe;sois abatee declaradas, para camparecerem
nesta tbesouraria, por si ou por pessoa conhecida
que as re presente.
Antonio Manuel da Cunha.
Antonio *Clementino da Costa Ribeiro.
Antonio lose Cardoso.
Amaro \ieira Jose da Silva.
Benedicto Alves dos Santos.
Caetana Felicia Cherabiaa Collaca.
Cecilia Joaquina Monte'ro da Costa.
Emrgdio Vieira de Letnos.
Francisco de Paula Peoa de Albuquerque.
Joio Francisco do Rego Barreto.
Joio Franci-co.
Jose Luiz Moreira.
Jose de Mattjs Polycarpo.
Jose Vicente dos Anjos.
Manoel Ferreira.
Manoel Severioo de Souza.
Maria Alberta dos Martyres.
Maria da Annaneiaoao Carneiro de Sampaio.
Maria da Assompcao Cesar.
Maria Joaquina de Araujo.
Maria Jacintha Pereira.
Maria Urm.na Pessoa de Albuquerque.
Marianna Hermogenes da Cooceigao Sampaio.
Marianna Leocadia da Fonceca.
Rita de Cassia Vieira Cavaicante.
Secretaria da tbesouiaria de fazendade Pernam-
buco, 16 de-setembro de 1871.-0 2* escripturnrio,
servindo de secretario,
Carlos J. de Souza Correia.
Armazensda companhia per
nambucana.
Seguroa centra o foe*
A companhia pernambucana, disponoo de ex
.ellentes e vastos armaens em seu predio ao (or
te do Mattos, offerece-os ao commercio em gera
para deposito de generos, garantiado a inaior con
servacio das mercadorias depositadas, service
prompto, precos raodicos, etc.
ambem recolhera, mediante previo accordo, ex
clasivamente os generos de uma so pessda.
Estes armazens, alem de areiados e commodos
sao inteiramente novos e aspbaltados, isentos it
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas que qui.-.erem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escrigtorio da com-
panhia pernambucaaa, que acbarao com queoc
tratar.
CONSELHO
DE COM PIUS DO ARSENAL
DE MARLNHA
Nio tendo havido hoje se?sao para o contrato
I concernente a divcrsos fornecimentos e compra
oito eentos e quarenta reis; cineo chales de algo-1 de objectos do mate-ial da armada, faco publico,
tres mil reis; dez peitos de orJdem do IfcL Sr> pre3idente db conselho,
1 reis; dous achar-se isso transferido para o dia 23 do corren-
reis, seis' Je rae, B0 qUa| os pretendentes deverao apresen
-' r&tbanu)'8 8' pa Pr S m tar 3uas PrPita9 at6 ^ 11 horas da manha-
Sala das sessoes do consellio de compras
!do arsenal do marinha, 19 de setembro de
dao a seis centos rets,
para camisas a duzentos
cortes de veslido de babalos a tres rail
FUNDK-AO
DE S
1 0. Starr & C. \J
Sio convidados os Srs. devedores a r
satisfazer seus debitos, provenientes de let-
tr8S e CMitas vencidas { sendo que n8o o fa-
zendoateodia 30 deoutubro proximo vin-
douro, serfto vendidas em leilfio. Poderio
' comparecer ou mandar ao escriptorio da
1 fund!c,ao ou do testamenteiro H. J. Cannan,
rua do Commercio n. 40.
Thesouraria defazenda
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provincia coavida-ae as pessoas
abaixo declaradas para comparecerem nesta the-
i souraria, por si ou por pessoa conhecida que as
repfesente.
| Anna Clara Joaquina Barreto.
Anna joaquina de Souza.
Anna Joaquina de Souza Range).
Anna Maria Ferreira.
Antonia Maria Jecuina de Jesus.
Adelaide M.na Germana de Agaiar.
Candida Rosa Alexaodrioa da Silva.
Candida Rosa da Fonceca.
Catbarina Miquilina da Silva.
CUrinda de Albuquerque Maranhio.
Francisca Henriqoeta Fernandes Gama.
Gertrudes das Virgens Gomes do Nascimento.
Guilhcrmina Olympia de Souza Rangel.
Josepba Helena de Locio.
Jusla Rulioa dos Santos Portugal.
Maria do E-pirito Santo Souza Rangel.,
Maria Ferreira da ?az.
Maria Fuueira de Oliveira Rodrigues.
Maria Ignacia de Jesus.
Maria Isabel de Souza Rangel.
Maria Joaquina de Siqueira Senna.
Maria Jose Felicidade Barreto.
Maria Luiza de Mendonca.
Maria Pessia de Meile.
Maria Joaquina do Espirito Santo.
Miquilina Getulia'de Assumpcao.
Rulina Antonia Xavier.
I'rsula Maria de Souza Magalhaes.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernara-
buco, 18 de setembro de 1874.-0 2 escripturarlo,
servindo de secretario,
Carlos J. de Souza Correia.
1874.
0 secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Mmdezas : 4 pares de botinas para senhora a
2*000, 8*000; 1 dtto de menina, 1*000 ; 4 pares
de botinas para homem a 800 rs., 32u0 ; 1 sapa-
lao de bezerro para homem 800 rs. ; 4 cbiquilos
para menino a 300 rs., 1*200; 8 sapatos de tran-
ga a 500 rs., 4*000 ; 8 sapatos para senhoras, sur-
lid s a 500 rs., 4*000 ; 2ocacbimbos a 100 rs., Com autorisacao do lllm. Sr. Dr. juiz espe-
2*500; 8 pedras para meninos de escola a 100 rs., I cial. do commercio, alugase o sitio e casa da Pas-
800 rs. ; 20 mascaras de papelao a 80 rs., 1*600 ;! sagem da Magdalen*, pertencente a massa fallida
30 pe;a.- de tiu de la a 100 rs., 3*800; 65 pecas' de Caudido Alberto S hire da Metta & C, com vas-
de tranca de casaco pur i*300 ; 3 macos de lita, tas accommodates para grande fjmilia : os pre -
de cadaco com 42 pecas, 840 rs. : 7 sapatos de la tendentes dirijam suas propostas am carta fechada
a 100 rs., 700 rs.; 1 pequeua quantidade de linba ao curador fiscal da mesma massa, no escriptorio
em relalho, 2*000 ; 1 pequena quantidade de; do English Bank of Rio de Janeiro Limited ate o
raiudezas, corxetes, alliaetese botoes" de vidro para dia 24
calca, etc., por 3*000 ; 40 pecas de tranca a 20 rs.,; 1874.
800 rs. ; 1 pequena porcao de miudezas a reta-
Iho, por 5*000 ; diversas ferragens a relalho, por
'1*0U0 ; 13 pares de meias para meninas a 100rs.,
1*300; 1 pequena porcao de papel a retalho, por
2*000; 1 pequena porcao de banha franceza e
perfumarias, por 3*000 ; 1 caixao
do corrente. Recife, 19 de setembro de
SA.NTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Ilima. junta administrate da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
envidratjado I Qi.sala de suas sess5es, o dia 24 de setembro, pe-
com miudezas dentro e a retalho, por 10*000. i '** 3 horas da tarde, tem deser arrematadas a
Cujos objectos vao a praca por execucao de Ber-' 'V-^tn mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
nardino Jese Leitao, conu-a Joaquim Autonio Paiva' a tre3 annos, as rendas dos predios em seguida
da Foncew, a quem pertenciam ditps objectos. E d
na falta de iicitantes que cubram o preco da ava-.
liacao sera a arrematacao foita pelo preco da adju
dicacao eom o a'atemente da lei.
E para que chegue ao conbecimento de todos,
mandei fazer o presente eiital que sera alfixado
nos lugares do costume e publicadj pelos ior-1 p353 terrean. 114
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
Rua das Calc&das
Casa terrea n. 30 (fechada). 200*000
Idctn n. 36........221*000
Vidal de Negreiros.
naes.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 19 de setembro de 1874.
Eu, Francisco Xavier de Souza Ramos,
ascrivao interino, o subscrevi.
Sebastian do Rego Barros de Lacerda
0 desembargauur Francisco de Assis Oliveira Ma-
cial, official da imperial ordem da Rosa, e juiz de
direito privativo de orphaos da cidaie do Reci- ,
fe de Pernarabuco e seu termo, por S. SI. o Im-. *- lorrea 5" 17 .(fechada).
Rua larga do Rosario.
2. andar e loja n 24 A......
2." andar n. 24 A.......
3.- andar n. Ik A. ...
Rua de Antonio Henriques.
">asa terrea a 26......
Largo da Campina.
idem c 11 (fecbada)......
Rua do Nogueira.
perador.a quem Deus guarde, etc.
Faco saber a quem o conhecioiento do presente
chegar, quo por e;te juizo e a requerimeuto de
Fraucisco Lniz dos Sautos se proeedeu a justiSca-
;a>i de prodigalidade contra seu lilho Manoel Luiz
dos Santos, e depois da prova testemunhal, e pa-
recer do Or. curauor geral, subiram os autos a mi-
nba conelasao, nos quaes proferi a sentenca do
theor seguinte :
Vistos osdocumentos de fig. 5, a ils. 11, e ia-
lueri^o de tls. 13 a ils. 16, que provam estar o
jusUlicado Manoel Luiz dos Santos praticando actos
de completa poodigalidade, o hei por incapaz de
administrar saa pessoa e bens, que Qcarao sob a I
adminiotracao de seu pai Francisco Luiz dos San-1
loa, a qaem nomeio curador.
O escrivao passe edital para ser aulxado no lu-'
gar do costume e publicado pela imprensa, e cus- j
tas. Recife, 14 de setembro de 1874.Francisco I
de Assis Oliveira Maeiel.
362*000
301*000
310*000
i08*000
251*000
99*000
96*000
300*000
386*000
Rua do Coronel Suassuna
1* andar do s-brado numero 94 .
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrean. 21 fechada)..... 400*000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*000
Rua da Lapa.
Casa terrean. 11.......202*000
Rua do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 23 002^000
Casa terrea n. 34 ..... 2J 2*000
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigario.
2* andar do sobrado n. 27 243*000
l andar do mesrao ....... 210*000
Loja do raesmo ... 300*000
Rua do Eucantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1:400*030
E para que ninguem boa negocio algum com o | M |6 Rtuda Senzalia velha 9ftqimm
precitado prodigo Manoel Luiz dos Santos, senao jiaera n- 10 R % .' WWW
por interraedio de seu curador, com previa autori- r ,- snoxfrfv,
sacao deste juizo, mandei passar o presente que' ^% "..... SiSSn
sera afflxado no lugar do costume e publicado pela iaem n* ZJ ji^ j, cnu. *
mpreQSa- Sobrado de 2 andares n. 12 (foe'hada). 800*000
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
aambuco, aos 16 de setembro de 1874.
Eu, Manoel do .Nascimento Pontes, escrivao, o
subscrevL
Francisco de Aisis Oliveira Maeiel.
Recife, 16 de setembro d 1874.-0 escrivao.
.Manoel do Nascimento Ponies.
AoselJo 300 rs.V. S. S. ex-causa.-Oliveira
Maeiel.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer
da, juiz especial do commercio desta ci-
dade do Recife de Pernambuco, por S.
M. Imperial, que Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem que pelos administradores da
massa fallida de Manoel .lose Monteiro Torres,
foi apresentada a seguinte classificagao dos credi-
los de dita massa :
Credores simples ou ch rograpiianos. Rabb
Schmettau & C->: 903*680. J. 0. C. Doyle.....
363*800. Vaz & Leal 1:048*180. Simpson &
1:7969700. Duarte 4 Irmtios 484*200.
nacia do Rego Medeiros 72*030.
Idem n. 14.........600*000
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 100 (fechada) 241*000
Idem n. 103 3 207*000
Rua do Ampare )Olinda)
Ca3a tercea n. 18 (fechada).... 210*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematagao as suas fiancas, ou comparecerem
acompauhados dos respectivos fladores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio quo contiver estabeleci-
mento commercial, assira como o servico da lira
peza e precos doe apparelhos.
Secretana da Santa Casa dagMisericordia do R
eife, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
Sociedade Propagadora da
Instrucgao Publica
XSo se tendo real sado a reuniao da assemblea
geral no dia 30 de agosto Undo por falta de nume-
ro, sao novamente convidados todos os socios a
comparecerem no dia de oulubro proximo vin;
douro, pelas 6 horas da tarde, na rua de Pedro
Affonso n. 29 (escola normal), aura de coostituida
a assemblea geral com o numero que se apresen-
tar, ouvir ella e revolver sobre o seguinte :
Approvaclo da acta da ultima assemblea.
Exposicao do movimento da sociedade durante
o corrente anno social, pelo presidente do conse-
lho superior.
Leitura e approvacio das contas do mesmo con-
selho.
Parecer da co nmissao noraeada para indicar a
reforma de que precisam alguns artigos dos esta-
tutos.
Eleigao do novo conselho.
Secretaria da sociedade Propagadora da Ins-
truccao Publica, 18 de setembro de 1874.
V. de M. Mello,
2 secretario.
(fneda (ie um minislro.
Tcrminaca o especiaculo com o aeupre festejado
dnelo :
0 mfeirinho e a \tobra.
I'rincipiara ** 8 ||2 horas.
0* hepe/Tiiarji oaw, t.in iKMipviJ^iiiPiitf. aceiiaraui os sen> Mlin
'**. r*rfi*f prutoc^fili uA r-|i-Mi-.v,| uufcliiio pa-
ra u horn cxbo >e seu,espeeiarnl i
JTiiiii dm unnv.illew os beiielicidiios.ir.lo agra-
decer pelos i-autaruhes.
GRANDEBAILE
Com mac caras e seniellas
Sabbado 26 do corrente
0 proprletarlo deste theatro, attendendo aos
pedidos feitos por diversos amadores desse diver-
timento, resolveu dar esse bade com mascaras e
sem ollas.
Confla em que sens esforcos sejara correspon-
didos.
As familias teem camaroles gratuitamente, pa-
gando somente o cVfe.
Precos os do costume.
AVISOS MARITIMOS
COMPANHU PERNAMBUCANA
DE
Navegia^So costeira a vapor.
iaAHYBA,NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACa-
tt, cearx, handahu, acaractj* e
maranhAo.
O vapor Pirapama, corr.man-
dante Silva, seguira para os
portos acima no dia 22 do
corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 21, en-
commendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sahila : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
Ilha de S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel o palha-
bote portuguez Novo S. Lourenco, para onde reae-
be carga e passageiros : trata-se com os corrsid/
natarios Thomaz de Aqnino Fonceca & C. Succes-
sors, rua do Vigario n. 19, 1* andar.
Libras eslerlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 42.
consul de S. M. BnUni<:a
Eraa a Casa forte, confroHte a estacao do Chacon
HOJE
0 .igente rias. aniorisado pelo Illrn. Sr. capitao
Doyle, consul de s. M. Britanica, que se relira pa
ra-a Eoropn, lev.ir;i a h il.ii>. no ilia e logar .-icima
iiidicailns, ii. fn -i. ciirai* *tv- s otw atarx*i
'menrwfiaii. ..\il-iitn ia r*>.i Uom-'Miu. Sr.. n.i Cn-* Kii. *,Miiioiite a e?ac4t'
do > h.icou.
A S A !i K K :
S.ila ilu i.-11.-.s
D. uasofas de airarello r, i/, i cortSolos, 5 dita
de Jacarauda, com tampos de pt.lrft, 1 me.*a if>
abrir par.\ raieib ile sala, 2 caJira* lie h/acoa
amerieai.as, J2 ditas de gua.-uic;iu, 2 ej-piigaja-
deiras, a iliUs de bracus, eslufada-, 2 espelhos
grandes com moldura dourada, 1 piaao de armario
e 2 pares de jarros para Qores.
1," quarto
Um guarda-roupa de amarello, I lavatorio com
pedra, 1 cana de bronze para snlteiro, 1 espclho
com columnas, de jacaranda, 1 pequeno. tola, |
espelho com columnas, de jacaranda, menor, e 1
mesa de pinho.
2." quarto
Um guarda-roupa deamartllo, 1 marquaUi ,1
dito para solteiro, 1 meia enmmoda, 1 cabide, 1
banca, 1 lavatorio e suas perten;as.
2. sala
Uma mesa elastica de 5 taboas, 1 grande apara-
dor de amarello coin pedra, f espelho grande com
moldura dourada, 4'quadros coin diversas vistas,
3 bancas de amarello. 1 dita com pes de columns
It cadeiras de guarnicao, de aro-irelio, 2 ditas de
braces, 1 dita de balanco, 2 espregui^adeiras, 2
candieiros para kerosene, 2 pares de calicaes de
vldro e I par de jarros para flores*
3. quarto
Uma cama de ferro, 1 banca de jacaranda, com
espelho, I dita de amarello, 1 espelho com colum-
nas de jacaranda, para citna de mesa, 1 armario
envernisado e 2 balaios para roupa.
Sala de juntar
Uma mesa elastica de 6 taboas, I gnarda-louca
de amarello, 1 apa**ador de dito, 1 dito de dito
eom columnas, 1 sofa, 2 banca*, 1 mesa redonda
da jacaranda, com tampo de pedra.
Anionio Jorge Rnlrigucs
Antonio JosJ de Azeveilu
Igmicio Joq" Piclwe". i
J(.-e Harbosi d %ieflo
Bento de FcMta OoiinaiifS
Or. Thomaz A. ptWU'ao jy.
Je.'eJCie ano Je Aibu fiiVrijoa
Antonio Allnj i M.;i
Allii'iui "r ii:e* '"i .Ii i
J.;y,. Kii I!. Mil ,
M : r.. .1 S I;. .-:,
'\ I.i-.e l'.::il4.J
;}>: Fcrr.ira P.nb.'
0 Illm. Sr. inspector do thesouro provincial,
manda fazer publico, que em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia de 12 de
eorrente, tem de ser arrematado perante a junta
do mesmo thesouro, no dia 24 do mez que corro,
o imposto de 8 p r cento sobre o capim de planta
consuraido na cidade do Recife, orcado na quantia
da 1:939*460.
As pessoas que se propozerem a csta arremata-
cao compareQam na sala das sessoes da junta do
mesrao thesouro, no dia acima indieado, pelo meio
dia, competeotemente habilitadas.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, 14 de setembro de 1871.
0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
De ordem do Illm Sr. inspector da thesoura
ria de fazenda desta provincia se faz pnblico, para
conhecimento de quem interessar, que no dia 26
do corrente mez, pelas 2 horas da tarde, perante
a jniita da mesma thesouraria, sera posto em basta
publica para ser arrematado por quem maior lanco
offerecer, o proprio nacional, denomioado Cala-
bonco, eito a rua do mesrao nome, nesta capital,
servindo de base para a arrematacSo a quantia de
3:110*, maior lanco offerecido na ultima praca.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
narabuco, li de setembro de 1874.-0 2* escriptu-
raio, servinjo de secretario,
Carlos J. de Souza Correia.
Companiiia Fiddidade
seguros maritinios e terrestres
A agencja desta companhia toma seguros ma
ritims e terrestres, a premios razoaveis, dando
nos ultiraos o solo livre, e o setimo anno gratuito
ao segurado.
Rua do Visconde de Itaparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
CONSULADO PROVINCIAL
Por csia reparticao se faz sciente aos contri-
bnintes dos apparelhos, differenca dos mesmjs,
annuidades e encanamentos da Recife Drainag-
Company do semestre find* em dezembro de
1872, que foi prorogado por mais dez dias uteis e
recebimento que ora se procede, terminando a re-
ferida prorogacao no dia 14 de setembro vin-
douro.
Consulado provincial, 29 de agosto de 1874.
0 administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
CONSULADO PROVINCIAL. =
Por esta reparticao se faz publico aos devedores
dos iropostos pertenceutes ao exercicio em liqui-
J IdagSo de 1873 a 74, que no dia 29 do corrente fin-
joaTlg-1 da-se e prato marcado para o recebimento de seus
Pereira de Mel- debitos com a multa de 6 0|0, ficando sujeitoss o
lo & C. 14:511*630. Thomaz Jefferies 7:800*590. 3ne n5 P8rem ate aquelle dia, a serem ajuiza-
Keller & C. 29:480*220. Cramer Frey & C.... j dosriCom a, "Sa,to de ? "I0", ., n
20:293*590. Antonio Valeatim da Silva Barroca' Consulado provincial de Pernambuco, 1
3:7i9*900. Cunha & C._ 1:248*420. Phipps Bro- (de setembro de 1874.0 administrador,
thers i C 7:268*190. Carneiro & Nogueira....
15:712*430. Saunders Brothers & C, 13:267*720.
D. R. Wild& C. 13:139*320. Mendes Azevedo
& C. 2:572*820 Pinto da Silva &Cascao 148*330.
Adriano Castro & C 90*000. Mills Lathan & C.
9:226*770. Braga Son
Luiz Goncalves Ferreira
Irigues Irmiios & Guimaries ..
Widman 4 H 27:925*680. E. A. Burle & C...
15:718*M5. Mesquiu Cardoso 4 C 2:656*520.
Crador privilegiadaAdaouon Howie & C....
Antonio C. Machado Rios.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
Perante a Illma. junta administrate desta San-
consumir os estabelecimentoa pios a s?a cargo, no
tnmestre de outubro a dezembro vindouro, tma-
do por base o menor prego offerecido de 360 ,
iSiShiZir T*m ^^\o)T&rS&rmM ne9,e senti1<* *!* ^ imprensa livre ou a
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PER-
NAMBUCO, 21 DE SETEMBRO EE 1874
Mala* a cxpedtr-se
. Pelo vapor portuguez Julio Diuiz, esta admi-
nistracao expede malas para S. Thiago, Lisboa e
Porto, e para Hespanha, de conformidade com a
convencao postal de 30 de setembro de 1873, hoje
m.
Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
tureza, cams a registrar (somente para Hespanha)
e cartas ordinarias ate 10 horas da manha.
Pelo vapor nacional Para, esta administracao
expede malas para os portos do norte, hoje (21).
Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
turcza, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate 3 lr2,
pagando porte duplo.
0 administrador,
Affonso do Rego Barros.
Almeida Garret
Commandante Tomasini
E' esperado de Por-
tugal ate 30 do cor-
rente, tambem, depois
de pouca demora den-
tro deste porto, se-
guira para a Bahia
Rio de Janeiro.
Passagens e fretes de cargas, encommendas e
valores, tratam-se com os
AGENTES
E. Bt. Rabello <& C.
17Rua do Commercio 17
Entrada pelo largo do Pelourinho.
Companhia de navegacSo a va-
por bahiana, litnitada
Maceid, Penedo, Aracajii e Bahia.
E' esperado dos portos
do snl a;.' o dia 23 do
corrente o vapor ilurquez
JeCaxias, o qual seguira
para os portos acima no
dia seguinte ao de sua
chegada.
necebe-se carga, encommendas passageiros edi-
nheiro a frete.
Agente
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
_________57 Rua do Bora Jesus-37
CHARGEIiHS RUUNIS
COMPANHIA FRANCEZA DE NAVE-
GAQAO A VAPOR
LINHA MENSAL ENTRE 0
Havre, Lisbda, Pernambuco, Bahia, Rio de
Janeiro e Santos.
STEAMER
\IULE HE. IVYUW
Commandante, P. Robort.
E' esperado da Eu-
ropa ate 23 do cor-
rente, scguindo de-
pois da indispensavel
demora para 03 por-
tos do sul de sua es-
cala acima referidos.
Para fretes, encocmendas e passageiros, trata-
se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
i2-Rua do CommercioEntrada pela rui
do Torres.
LEILAO
DE
objectos de escriptorio
Constnndo dr :
Uma burra, prova de fogo, grande, de 2 portas
e sobre rodas, do muito conhecido fahncanle Mil-
nes, 1 dita tambem granie, do fabricate Haffner
freres, 1 carleira para 4 essoas, l dita para i
pessoas, 2 ditas para 1 pessoa, repartiment) d^
escriptorio, I balca 2 armarios, 1 relogio, 1
prensa para copiar cartas, tinteiros, envtlopes, pa-
pel e livros em branco.
Duas grandes arincoes para meio de arma?em,
com 3 ordens de taboas e 6 palmos de fundo.
Duas ditas para parede, com 5 orden* e 4 pal-
mos de fundo.
Tres armaches do armazem, 2 balaios nara car-
regar faaendas, taboas para rrcsas e muitos ou-
tros objectos de escriptorio e armazein.
Terca-fcira '' do corrente
No armrzem e 1 andar do sobrado da rua
do Bom Josus n. 63.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello 4 C, autorbados pelo Illm. Sr. Dr.
juiz de direito especial do commercio, farao |pi
lio por intervencao do agent8 Pint dos moveis,
miudezas e mais objectos de escriptorio e arnia -
zem que fazem parte da referida massa e existen-
tes no primeiro andar e andar terreo do sonrado
da rua do Bom j\..-;: n. 63.
Os pretendentes acharao aberto nao so o arma-
zem como o escriptorio, na ve.-pera do dia c'o lei-
lio, afim de que possam uielh- r examinar as hur-
ras, armacdes o mais object.s -cima indicados, e
concorrerao aoacto do leilao, terca-feira 22 do
corrente.
Em continuacjio
vander-se-ba 30 caixoes rosios ae madeira do pi-
nho, grandes e pequenos, e caixas de zinco oflan-
dres.
86606O
13i|62'J
536gOi0
4i|6i!J
S0HI50
126
apfsso
W7SVO
18lj> i
128S
mm^
I69|OSO
1:000'!103
1538130
I5IS260
744S6IO
1498613
1 9SH03
i60|28j
55i20
1205540
2958420
1298480
12600O
2558220
6'.iSO0O
i58a?5
I900
1.1016500
2808404
57i 680
658910
168S070
1198540
1698300
529854<>
978215
1268121)
1308880
216S560
1:K042(KJ
2266.j>
406898")
637S5<3
300008
132300*
6371630
7()s 81-:iS)
Vas^oncellos Filho & C. o1 820'J
Barroca ft liarbalho 903J320
Alem destas que se achan d-.suintas exsiem
outras rnenoro- na imp-irtancia de 3:3978060, as
quaes consta do mandado qua se acha em poder
do referido agente, e que podera desle ja ser exa-
rainadas pelos Srs. pretendentes.
.'.]..;.' il l..-.e
Yr,
* ijiva B stos
Manoel (rjmcs-Mor.ir.i
Siiiipbronio C. Coutinh)
Frj uijisca de Miranda Leal Sere
Antonio Valentira da Silva Barro-a
Domingos Jo-6 da Silva
Lidstone Robilliard & C.
Ferreira Cascao 4 Filho
Clemeoie Jose de Miranla
J. G. Rellrao & Inr.ao
Oliveira & It
Companhia Santa Thetrza
Anionio L. de Albuquerque
Francisco Correa de Mesquita
Ferreira de Almeida 4 C.
Zeferioo Juse Lima
Joao Cardoso Rabello
Bartholomeu Lourenco
Jute Antonio fi'-nr iiws
Smygdio Juse i.:....
Joaquim Souza Silva Cunha
Beltrao 4 Costa
Joaquim Silverio de S. 4 C
Joselgnacio de Medeir s & C.
Jose" F. Cabral de 'asconcello?
Antonio Joaquim de Vasconcellos
Alfredo Garcia 4 Irinao
Manoel Cavalanie de Albuquerque
Jnao Cavaicante de Albuquerque
Cotta Moreira & C.
Braga Gomes & C.
Domingos Jose Cuuha Laites
Bernardino de Senna Poiituaf
Nestor Jo:e da Fonceca A C.
Mar-flino .losf- (j. da Foote
Oliveira Mi amla 4 ll
Manoel Jose D .ntas A C.
Bernardino A. ereira Maia
. 1 guarda-c?i-
mida de amarello, com caixa de arame, 1 cabide Antonio Jaciotho Oliveira Caminha
para roupa, 1 filtrador, 12 copos para agua, 8 va-
sos para lavar os dedos, louca para almoco e jans
tar, caliees para vinho. garrafas para dito, palhi-
teiros, 1 porta-licor, 1 dito de vin bos, do crystal,
4 pratos de electro-plate e guarnecidos de prata,
com tampos que podem servir dc outros tan'os e
1 salva de metal.
Cosinha
Uma machina para limpar facas, 2 me^as de
pinho, algous cavalletes para taboas de engomma
do, tampos de arames, 1 balanca, I machina para
engommar ronpa, 1 dita para serrar capim, 1 dita
para lavar roupa, 4 cadeiras de ferro Ipara jardim
e 17 vasos com flores.
Os Srs. concurrentes enenntrarao as 10 1|2 ho
rasemponto, na estacio junto ao arco de San-
to Antonio o trem que os codduzira ao referido
leilao.
LEILAO
DE
brigue brasileiro Jaboatao
238
toneladas inglozss
Illio de S. Miguel.
Com muita brevidade segue para S. Miguel o
conhrcido palhabote portuguez Novo S. Lourenco.
Para o resto da carga e passageiros trata-se com
os consignatarios Thomaz de Aquino* Fonceca &
C. -snecessores a ma do Vigario n. 19.
Pacific Steam Navigation Company
ROYAL MAIL STEAMERS.
THEATRO 9
Santo /Vntonio
Terqa-feira 22 do corrente.
Knpe< (< ulo em beueflclo da ctriz
ib:opommvi
e o anliso biltaotciro
.;.. Zebedeu
Logo quo a orchestra tiver execntado uma lin-
oa ouvertnra, subira a scena o importante drama
em 5 actos;
A,
(DE 4081 TONEADAS)
Commandante S!;.union.
Espera-se dos por-
tos do sul ate o dia 27
do corrente, e depois
demora do costu-
me seguira para Lis-
boa, Bordios, e Liver-
Soot, para onde recebera passageiros, encommen-
a, e dinheiro a frete.
N. B.Nao sahira antes das tres horas da tar-
le do dia da sua chegada.
AGENTES
"Wilson Rove A C.
14PRACA DO COMMERCIO1
DE
miudezas, calijados, perfumarias, chapeos,
livros em branco, papel fino para copiar
cartas, dito de peso, pautado, dito amiza-
de, balances, fitas, botinas par spnho
ras, sapatos de la preta, elasticos, grava-
tas, meias e muitos outros artigos
Terca-feira 3 '3 de setembro
Por intervencao do agente Pinto
No armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
Principiara" is 10 1|2 boras em pnnto.
QUARTA-FEIRA 23 DO COKREXTE
Ao mein dia
Em frento ii Assnciai;ao Commeni.d.
0 agente Pinio h galmente, autorisado, levari
leilao, dia, hcra e lugar acima mencicnaoos, >
casco, mastros.ancoras, corientes, velas e mais p-i- -
tineas do brigue brasileiro Jaboatao, cm um ;6 I -
te e prompto para navegar.
Km roiit'nua^uo
vendera o mesmo agente, depois de novos ann -
eios, os sohrefalentea do mesma brigue, const;
tes de unn nota em poder do agente.
Os pretendentes poilerai desde ja examiner j
dito navio quo -eacha aaeorado em frente do tra-
pii'he Loyo, v-rem o inventario. nao .-6 do ^ue
pcrlence ao navio, como >s criitorio da ma da Bom Jesus n. 43, o coucorre-
rem ao Mao em frente a Associaijao Commerciil
no dia 53 do c rronte.
Lei lc
H)
NO
^"^^ISft. -
Hoje t Ifectua u agente Diaso leilao do.* movi
e vidros, perleneentes ao Illm. Sr. caiit.in Doyle,
con.-nl de S. M. hrilaonica 0 leilao tera lugai i i
sou sitio na casa Forte, juuto a estacao do haca.
as 10 i|2 harai da manha parlira um tn-ni di
estacao d arco de Santo Antonio, o qnal con luzir;
gratis os Sr*. concumnies.
Em sontinnacSo se-venderi u.:. *a~a1lopeqae-
do, pn pri) para senhora.
leilao
iillil V 1UU1UI
0 brigue portuguer Triumpho, pretende seguir
com muita brevidade : para carga e passageiros
trata-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonceca & d, successors, rua do Vigario n. 19
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\avegaeffo costelra a vapor.
Maceio, escalas, Penedo e Aracaju'.
0 vapor Jaguaribe, com-
mandante Julio, segui-
ra para os portos acima
no dia 30 do corrente, as
3 boras da tarde.
Recebe carga ate o dia
29, encommendas, passa-
e dioheiro a frete ate as 2 boras do
sahida : escriptorio no Forte do Mattos
Seiros
ia da
n. 12.
LEILOES.
Agente Dias
leilao
DE
DE
moveis, cofr s, carteiras,
paos para estivas, pian-
choes, taboas, balanqas,
armarios, prateleiras e re-
partimentos de escriptorio
e armazem
Terca-feira 23 do eorrente
RUA DO BOM JESUS N. i3.
Em continuacjio
LEILAO
DE
miudezas, calcados e perfu-
marias, existentes no mes-
mo armazem.
Por iiilmeiipo do agente Pinto
estabelerinrn'io de c-ilgado da rua Ho Li-
*ra.nento n. 33 pertencente ao espolia
d i fallecidn Paulino Onofre Nunes
Quarta-feira 28 do correate
AS 11 HORAS DA MANHA.
0 agente Dias, levara a leilao, no riia r* hon
acima le-ignados, por ordtm da eommissso liqui-
dataria, d.' aspolio do fallecilo Paulino Onofre Nu-
nes, a arimcao, calcado nacional e estrangeiro, e
mais uten?:lios exi-tentes em o referido estaneh-
cimeBti.
Era continuaQao vender-*e ha alguraas j ias ?
' oveis, os qunea farem parte do mencionado e--
polio, asabfr: I cadeii de ouro para reliigio, 1
annel de dito, I alfinfte de dito e 1 relogio dedit?.
Um sofa de amarello, G cadeiras de guarnicao, 2
dita- de balanco, 2 cnnoolos, 1 mesa redonda, 1
marqujzao da amarello, 1 carteira de dito, 2 me-
sas de pinho, 3 lanlernas e 2 jasticae?.
0 balanco do estab-lecimento acha-se em poder
do agnte. a rua do Marquez dc Olinda n. 37, nc-
de pods J'sieja -er ex.iminad-> pelos Srs. pretcr:-
dentes, aos quaes se garante a casa para cootinua-
5ao da mesmo negocio, ou qualouer outro.
Leilao
divi ias da
DAS
massa fallida
de Jose Frauciso
Bittencourt,
2:00^)230.
na importancia de.
LEILAO
DAS
dividas da massa fallida de Joao Ferreira
da Costa Soares, na importancia de .
98:5274(37i, servindo de base a offer:a
de 8705000.
Novo leilao
DAS
dividas na importancia de 21:3970060, per-
tenccntes & massa fallida do Thomaz
Fernandes da Cunha & C.
TERQA-FEiRA, 22 DO CORRENTE
as 11 h raw da nii-.iii a
Em o' andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 37.
0 agente Dias,eem observancia ao respeitavel
despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, levara novamente a leilao no dia e hora
indicados, as divijas que abaixo se menciona, as
Jiuaes fazem parte dos bens pertencent<>s a massa
aliida de Thomaz Fernandes da Cunha & C
A SABER:
Joaquim Lniz Vieira
Antonio Bandeira de Mello
Vicente Jose de Brito
Jose Duarte das Neves
_,.,,- -i .. ,. j. jos uarie uas neve*
moveis, vidros e diversos artigos na casa del Joa0 Ferreira Cbaves
resideocia do Illm. Sr. capitao Doyle, Ijose Antonio F. Fradique
5IS000
7|905
13S280
73178^
7075Mi8
LEILAO
DA
9.* parte do sobrado da rua Duque de Ca-
^xias (outr'ora rua di> Qaeimado) n 60,
servindo de base a oiferta de l:95530uQ.
Dos tres sitios em Papacaca, servindo de ba>e a
offerta de 9ii4000, bens perleneentes a massa fal-
lida de Bento da Silva & C
QUARTA-FEIRA 23 DO CORRENTE
a* 1 hra da tarde
0 agente Pinto levara novamente a leilao, a 1
hora da tarde do dia acima dito, nao so as divi-
das, como as paries dos predios supramencinna-
dos, servindo de base as maiores offertas obtidas
uos leiloes anteriores. Era seu escriptorio, a r;.
do B >m Jesus n. 43, onde podera ser examinadas
asjrelacoes dos respectivos devedores.
leilao
DE
um terreno com 60 palmos de frente c 280
da fundo, com frente para a rua da-Uoi8o
e fundo para a rua da Sa*udade, ja* ater-
rado
QUARTA-FEIRA 13 DO CORRENTE
a 1 hora da tarde
POR INTERVENQAO DQ AGENTE PINTO
Roa du Rom Jesus n. 43.
-.


v>
>DwtiMi>ffaiiQj^Duco Segunda feft& 21 te .fhfamto*bfotif&4
>!
grande hotel d'Europa
i rua do Commercio D: 12
SENDO:
O arrenJaraento da cssa em que esta raontado o
too bole).
Os movei', utensilios de coziuha, louca, oorce
lana, eamas de ferro, vinhos da ditferentes quali
dades, licores, conservas, rajsas de marmore, I
grande aparador, cadeiras, relogios, commodas,
paimos de linho e mais objectos pertencentes ao
disc hotel da Europa.
Ouinla-feira U kmmte
is, 10 boras em panto.
O agente Pinto, levara-a krlio, por aulcrisacio
do Sr. E. Dumax, gcrente do.ccasulado de Prauea,
liqn;datario do espolio do Praadu Eduardo Turpin
em presenca de sea chancellor, os moveis e mais
objectos que fazeni parte do hotel da Europa, a
rua do Coramercio n. 12 : garantrado se Jo tras-
passe do arrendamento da raesma casa, ao com-
prador.
A venda sera feita ou era urn so lote ou em dous,
sendo o primeiro o arrendaTnento da casa, e o se
guudo dos moveis e mais objectos, ou em muitos
e differentes lotes, a v.. i u\ dos Srs. compradores
Leiiao
das divides da massa fallida de Joaquitn
Ferreira Lobo, na importancia da.....
3:1579936, servindo da base a offerta
de 5055000. Da parte da casa do becco
do Abreu n. 1, perteucente a* raesma
massa.
Ratoeiras magica*
Ao Oazar Univei*a.i| ohegoo urn sortimenio de;
ratoeiras de ferro paMpagaripequenos ratos, eslas
sao do ta-nta vantagem quo ; uuu $6 ratoe.ra fara
desappaiVcar todos os ritoB que ho:iver em-araa
casa, e jmeiram'snt j uma novidade de vaol3gora :
na rua do Barao da Victoria n. 22.
Francisco MiuioeldeSlqueiraCa-
valcante, Antonio de Siqusira Ca-
valcante, D. CLra Guilbermina de
Siqueira e Chrutuvao de Barros
Rego, Glbos e genro do fallecido
tenente-coronel Francisco^ Manoel
de Siqaeira, agradecetn as pessoas
que a;ompanharam seus restos mc-rtaes ao cemi-
t-no publico; e rogam a seus amigos o ob3eqaio
de asslstirera as missas, que, em homenagera a
raemorla de pessoa que Ihes 6 tlo chara, mandara
due as 7 horas da manha do dia 23, na igreja de
a. Francisco.
Agente Bias
IJILlO
Era a Casa Forte, confronte a" estacao do
Chacon.
Em c .utinuacao ao leiiao de moveis, o agente
Dias vendera urn cavallo de bons andares, pro-
prio pata senhora.
fcH&QSDVFRSOS
0 advogado
.VIT.>nso dc Albuquerque .Hello
Tendo de ir a cidade do Araca;y, no vapor que
aahe no dia|22 do corrente, offerece, a quem'con-
tier, os servicos concernentes a sua prolissao, na-
*e lugar. Pode ser prccurado no sea eserip-
torio, a rua Duque de Caxias n. 37, nos dias 19 e
ii de 1 as 3 horas da tarde.
C. F. Martins Kibeiro
_Ferreir:i .lunior ft llodrigue-j rreeisam Ihe fallar.
Escrava fugida
Em primeiros dias do corrente mez fugio do
9Dgenhn Capivara, freguezudeGamelleira, estagao
do Kibeirao, a escrava de nome Generosa, levando
r>m companhia um (ilhinho de idade de 6 mezes,
d.? nome Manoel, o qual tern a cor bem alva ; a
dita escrava torn 30 e tantos annos de Made, cor
parJi e averuielhada, estaiura e corpo regulares,
cal lies carapinhos, conservandc-os grandes, po-
rem sem amarrar, pes seccos e dent's limados.
Alum destes signaes viziveis, tem outros encober-
-1, como sejam, as veias das pernas impoladas e
urna etealriz em um peito, pelo qual nao da leite :
nmenda-se as autoridades compatenles, bem
a eapilaea de canipo a captora de dita es
i, qne poderi sot eulregue no mesmo enge-
ao depositatio Joao Hospiro Chaves, ou no
i roa da Cadcia n. i>6, onde se recompen-
- ra_ core ->05 ou mais.
Dasa pareeeo ao ; I i do. trajava calca preta, jaqueta e
j >!' ft-.'tro, preto, que se achava no poder
d assignado, apnmdcnd'i o offlcio de al-
c re i all esta data nao tenha apparecido,
8 as :r,ioridades polieiaes ou a qualquer
. | e "lt!le tenha noticia, a entregar na rua
ti roi'ii Dias n. 116
Antonio Jovino Torres Bandeira.
AngeFa Franciaca das Naves, lose
Duarte An Neves e seus filhos
mandam celabrar algumas missas
pelo descan;o etemo 4a alma de
sua muito preiala e sempre chora-
da mai, sogra e avo, 0. Maria Jos6
dos Passos Leal, no dia 21 do cor-
rente, quinta-feira, trigesimo de seu fallecimento :
rogam a todos os pareates e pessoa? de sua ami-
zade o caridoso obsequio de assistirem a esse aeto
de religiao e caridade, as 8 horas da maoha, na
igreja de S. Jose do Mangumbo, pelo que Ihes
erao eternamente agradecjdos.' '
rranciscoMMmoeidTsiqaeira^P
valcante. Antonio de Siqueira Ga-
-&;.

valcante, Clara Guilhermina d Bar-
res Rego e Christovio de Bafh>s
Rego, apradecem as pessoas que
acompanharam ao ultimo jazigo os
retos mortaei de seu pai e sogro, o
tenente coronel Francisco Manoel de Siqaeira, 01
rogam as mesmas pessoas e aos seus amigos 0 ob-
sequio de assistirem a missa, qne pelo repouso
d'alraa do mesmo linado, mandam celebrar quin
ta-feira 23 do co-rente, as 7 horas, setirao dia do
sen passamento, no conveato de S. Francisco.
M3*iWWiBMt loao Baptlsta vieira Blbelro.
D. Llara Vieira Ribeiro, manda celebrar, no dia
21 do corrente, (segondafeira) segnndo anniver-
sario do passamento de seu sempre chorado ma-
rido, no convento de S. Francisco, pelas 7 ij2
horas da manha, algumas missas pelo descanco
etemo de sua alma, pi.ra 0 qne convida as pes-
soas" de sua amisade e da do mesmo fraado ; e
desde ja agradece Ihes este acto de caridade e
religiao.
Altcflcao
A loja Je louca da rua da Imperatriz n. 6,
rid.i acabsr qyanto antes, vende por atacado
nil rclaiho, lougas Unas e grossas, Vidros, rico?
andieiros e jarros de diversos autores, por urn
, eco rcsum do qae fax admirar; vende se tam-
m a rjca armacao de anurello, loda envidraca-
I isj^ qiiem pretender dii .ja-se a mesma loja.
. Attengao.
Fngiram no di? 16 nara 17 do proximo pas-
1 -, dpte engenho LiberJaie, sito na fre-
-i'. di Eicada, os escravos seguintes:
olo. estatura alta, muito feio, bejeos gros-
, orelbas grandes e salientes, na:iz crosso e
b icca gr,:nde, dentes perfeitos e limados,
de unha* nos pes. idade de 23 annos, cabeca
. lada ; pertenceu ao Sr. Antonio Pinto Paes
: rreto, residente" em Campina Grande, depois es-
?eve na cidade da Recife tratando se de uma mo-
. d'unde sahio restabelecido.
Luiz, idade 40'annos, altora regular, secco do
rpo, desdentado, calvo, e cabello pouco, tem
1 liitula no queixo quo Ihe e natural, e um
;o nos peitos proximo ao pescoco, 0 qual pro-
n-io de nma cornada, e e encanecido : roga-se
as autoridades polieiaes e capitaes de campo e
3 quern, os apprehender, que os conduza ao mes-
ir,') engecho acima, ou a rua Direita n. 40, onde
c^nprosamonte gratificar-se-ha.
A.uga-se um grande sobrado de um andar e
a rua nova de Santa Rita n. 57, com 13
gabioete, |uem uretender, diriji se ao Foilt da Maltus, por
. do trapiche Dan tag.
Casa
Aluga >s a loja cim armac-o para taverna, na
?r.a DireiU d. 36, muito bom l-ieal, esta la iiilha'a
v., a ch?.ve esta junto, na casa n. 2'J, loja de
Tarnam- >s.
Jorge Cieineute de Burba Cavalcaiite e sua mu
I her D. Maria da Ceaeeieao de Borba Cavalcaate,
feridos da mais pungent.' dor pela morte do seu
DMi estimado-e nunci esquecido cunhado e irmao
Manoel Joaquim Cavalcante de Albuquerque, man-
dam re.-ar algumas mi sas por seueterno repouso,
na igreja de S. Pedro desta cidade, pelas 7 1|2 ho-
ras do dia 2i do corrente, vigesimo do seu passa-
mento ; para 0 que convidara a assistir, nao so
>eus parentes e amigos, como os do flnado, e desde
ja se confessam gratu3 por este acto de amizade e
caridade .Xesse mesmo dia e hora, na mesma
igreja, alguns amigos e consocios do mesmo fina-
00, visto que pertencia a sociedade Uniao Catholi-
ca desta cidade, mandam resar uma missa por
sua alma, conforme haviam annunciado naVmao
de 10 do cirrente.
Natravessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-^
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pa-
Lihore3 de ouro,
ta ev brilhairteg,
qual for a quantia"
N rrtetftta oa&a
compra-se os rn.es-
mos metaesepedras.
Predisa-fe
nheira : na roa
ii ntna a'ma qoe-Seja ttcaeoii
do CMirio 4. 7
ALUGA=SE
4in.a grande casa lerrea com bastantes commodos
sila na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.
Precisa se de nma araa para cozinhar e
mais algum servico de casa de peqnena familia
no 3' andar d'esta typographia.
Vluga-se
o 3* andar do sobrado da rua do Vigario n. S, com
grandes e bons commodos para familia, e agua
pouvel: a tratar noarmaeftn dairafessa do Cor-
po Saoto d. 2."i.
lOiiSSQCS
CmisBKorlw KBdico'finirgico g
A. B. da Silya Maia. j}.
Medico parlciro e operador. f^
Kurt do UariRcl n. &4
Consilltas das 8 ds 10 horas.
Chamados a qualquer hora.
Gfatis aos pobres.
CHARUTOS
DE
Jos6 Furtado de Simas.
Unico deposilo em Pernarabuco, a rna do Mar
eczn de Olinda-n. 15, de Bourgafd A C.
= Precisa de duas amas, sendo uma para co-
zinhar e comprar e outra para-engommar e en-
saboar.: na rua da Ctnocordio n. 43-
A mrfiw. P^^ase de uma ama para o servico
interno do-niaa pequna familia : na rua
Duqat de Oaxiaa n. i, luja.
Ama
OITertce-se
nma ama para
fingommar e cozinhar para casa
de pdcta .familia, de pertas a
aeniro : quera.proetsar dirija.-se
a" rua da Lapa n. 1.
"'----------- iiti --------_____^^__
Ama de leite.
Preclsa-se dc nma ama de leite em filho : na
rua Duqao de Caxias t). 54, loja.
Preoiea-se de uma ama para cozi
r e para assitteacia in tern a de
ma casa de pouca familia : na rua
do Barao da Victoria n. 22.
AUCB0O.
mni
Alugase o excellente sobrado do PSfo', parte
da Matriz, em optimo estado de limpeza e com
accomodacoes para grande familia ; e muito pro-
prio para collegio ; assim eomo a casa logo a u-
bida da ladeira de Apipucos, perto do banho, mui-
to fresca, e bons commodos, tudo por preco muito
razoavel. A tratar no escriptorio do Dr. Alcefo-
rado, das 10 horas da manhl as 4 da tarde
AMA sr
Precisa.se de nma ama : na roa wtretta do
iRosario n. 36.
Fo
gad
Vende se um grande fogSo de ferro, obra feita
de encummenla, pelo mais habil artista da cidade
do Porto, tern todos os melhoramentos economicos
para ga'tar pouco combustivel, serve para lentn
ou coke. S-uio ha poucos dias da alfandega, e
vende-se por ter sabido com proporcoes muito su-
ptriores a juelLs que exige uma casa de familia.
E' proprio para eslabelecimenlos pios, hospitaes,
internal is, ou grande hotel, tem depe3ito d'agua,
forno, guarda comidss, etc., etc.: para ver, no
caes do Apollo n 47, am azera de farinha, e para
tratar, na rua do Aiiorim n. 37.
Jiodisla Jhnceza.
Mademoiselle Eugenia Lecomte & IrraS, avisaoi
a mas antigas freguezas e ao publico em geral
que ahriram novamenle seu eslabelecimeuto de
casa de costuras a rua da Imperatriz n. 5, pri-
meiro andar, pelo que esperam continuar a me
recer a concurrencia das pessoas que precisarem
de seus scrvigos.
Advogados
Vicente de Lenios
E
Aureliano de Carvalho.
24Imperador24
in
Gatharina fagio.
No dia 28 de agosto proximo passado, ausen-
tou-se esta escrava, a qual tem os signaes seguin-
tes": estura baixa, rosto redondo, cor preta, pes
pequenos, costumava vendor leite, anda sempre
com um caeete que Ihe serve de arrimo por sof-
frer de rheumatiiuio, ja e iijsa e de najao Cam-
bin !a : quern e encontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
do Cafundo, estrada de Joao de Barros, que sera
gratifi^ado.
Precisa-se de
uma casa de pouca
va, loja n. 21.
;*;,
-...

uma ama para o servigo de
familia : a tratar na rua No-
Previne-se ao Sr. thesoureiro das lolerias e
aos Srs. garantidores, que oao paguem, caso ssia
premiado, o meio bilhete n. 22?!6 da 117 loteria,
que corre terca feira 22 do corrente, visto se ter
perdido dito bilhete.
Alugase uma boa casa com excellentes com-
modos, a rua do Coronel Suassuna n. 169 : aja-
tar na mesma rua n. 171.
Ao commercio.
0 atuixo as.-igaado declara ao publico e cum
'..hi ao coramercio, que compron a Sra.
I na do Rego Machado Xv.'ier, a s-.-a loja
lias sila a rua Primeiro d.-Marcj n. 2>,
J"sembaracada de qualquer onus. Recife,
17 J. setcmbro de 1874.
Daniel Ferreira Ramos.
Soares de Amaral & C.
u; fregnezes que mudaram o seu
i elecimeato de generos de estiva, do armazem
4.>caes la alfandega para o armazem da rua da
Vidre dfi li^us n. 22.
Nao se entenle com o abaixo assignado a divida
que se acha na reiacao publicada pelo agente Pi
nho Borgea, para o leiiao de 18 do corrente, vfsto
como o abaixo assignado nada deve ao Sr. 'Paulo
Fernandea de Mello Guimaraesj cotfio o mesmo
declarou na pre.-enca de mail de duas pessoas.
Heeife 17 de seteraqro de 1874.
Joaquim Demetrio de Almeida Cavalcante.
Aluga-se o 1 andar do sotralo da rua do
Padre Floriano n. 69 : a tratar na praca da Iode-
pend -ncia ns. 18 e 20.
Francisco Luiz dos Santos, curador de seu
filho Manoel Luiz dos Santos, pede a todo3 que
forem credores delle apresentem seas titalos no
prazo de oito dias. Recife, 18 de aefembro de
1874.
Bazar das Familia?.
Este montado estabelecimeolo de fazendas, sito
a rua do Duque de Caxias a. CO A,, esqninadi
estreita do Rosario, recebeu um graode e variado
sonimento de fazendas do ultimo gosto, e Reis e
Silva A Guimaraes, seu3 proprietarios, estao re-
solvidos a vender por menos 30 por cenlo que em
outra qualquer parte.
Teem em exposicio conslantemente e a venda,
o seguinle :
Popelinas de linho e seda, padrGVs inteiramente
novos, pelo diminu'.o preco de 1^600 o covado.
Granadine de seda com listras assetinadas a 8X)
rs. o covado.
Grande sonimento de alpaca de cores, gusto mo-
dernissimo, a l& o covado.
Saias bordadas pari eenhoras a 6^, preco que
nao ha em outra parte.
Um completo sorlimeato de lencos dc linho ja
abainhados, cada duzia em uma caixinha com um
espelho, pelo prep de Sjffiw a 6$.
Rioas caixinhas de madeira enfeitadas eada uma
com uma dnzia d? meias para senhora, pelo pre-
go de 6 a duzia.
Ditas para homem, nas roesm3s caixinhas. de
6*300 a 75000.
Um completo sonimento de cambraias branca
e bordadas comjpalraas de cdres a 400 rs. o co-
vado.
Cambraias de ceres com listras de crochet a
520 rs. o covado. Fazenda inteiramente nova.
Lindas alpacas pretas com listras brancas, pro-
prias para Into, por preco que ninguem pode ven-
der, a 1$ o covalo.
Luva3 de retroz, sem dedos, para senhora, a
1*400 o par.
Lindos pannos de crochet para cadeiras e pre-
sentes a 1*300.
Um completo sortimenio di meias de cores para
meninos e menina-', a 3*300 e 4*.
Meias de cores para homem, 9*.
Um completo sortimento de meias brancas, para
homem, peles preeos seguintes : 3*300, 4*. 5*500
e 6*500.
Cambraias traosparentes a 4*, 6* e 6*300.
Cambraias transparent, suissas, a 7*300 a
peca.
Cambraia Victoria n. 26, pelo pre?o de 7*500
a peca.
Um completo sortimento de lazinhas de seda
pelo diminuto preco de 320 rs. o covado.
Lindus sapatinhos de la, ioglezes, para meninos
de 6 mezes a dons annos, pelo preco de 1*000 o
par.
Lindas touquiobas de 916, enfeitadas de seda,
pelo prer;o de 2* uma.
Riqaissimos cbales de merino e seda, pelo di-
minuto prec;o de 12* um.
Grande sortimento de chales de merino estam-
pados, pelo preco de 3*200, 4*, 5*300 e 6*000
um.
Chales de rrerino, lisos, por 1*800 um.
Um completo so-timento de camisas de raeia
para homem, de 1*200 ate" 2* uma.
Um completo sortimenio de camisas brancas,
inglezas e francezas para homem, de 303 ate 60*
a duzia.
Um completo sortimento de collarinhos de linho
pelo preco de 4*300 ale 7.* dnzia.
Lindas capinhas de 15 e-seda todas guarnecidas
de arminho, a 9* nma.
Madapolao francez, madraste, a 6* a peca.
Dito muito superior a 6*800 a pe$a.
Dito ingle?, fazenda muito boa, de 4*600 ate
7* a peca, preeos que ninguem pode vender.
Argrjdao de marcas ja conhecidas, Jafgbs e es-
treitos, de 3*800 at6 7*000 a peja I
Assim como outras fazendas que nito mencio-
namos os pre?os e que se vendem muito barato,
Reis e Silva & GaHtioaes,
Cerrara quanto antes a grande pecbincha 1.
So no Bazar das Familias.
Rua Duque de Caxias n. 60 A.
Hotel do Commercio.
Participa-se ao respeilavel publico, que abrio-
ise o hotel acima denominado, sito a rua da Ca-
Ideia n. 64, no qual se enconlrara verdadeiros
petisco a portugueza e a hespaohola. Ignalmenle
recebe-se assignatutra* por roodico preco, garan
tindo-se asseio e promptidi.i. A rapazeada que
venha, pois que nao ta airependera._________
Casa e lerreuos baralos n Sal-
gadinho.
* Antonio Jose Hodrigues de Souza, na thesouraa
ria das lolerias a rua do Crespo n. 6, vende sua
casa de taipa e terrenos de seus sitios no lugar
do Salgadinho : a tratar somente com o mesmo.
CASA DO OURO
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'o-a piovi
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender n s seu?
amito felizes bilhetes a sorte de 700* tin um
raeio bilhete c!e n. 3833, a sorte de 100* era um
bilhete inteiro de n. 1183, e um meio d u. 2n06
com a sorte do 100*. alem de outras sortes meno-
res de 40*000 e 20*000 da loteria que so acatwu
de extrabir (116); convida aos possuidores a vi
rem receber, que proroptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes.que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova peios me^mes
anuuncios
Acham-se a venda os muito felues bilhetes ga
'antidos da 1 parte da loteria' a beneficio das
obras do altar da irraandide de S. Benedicto, que
se extrahira no dia terca-feira, 22 do corrente
mez.
Pfeyos
inteiro 4^000
Meio 2*000
De 1009000 para eim*..
rnteiro .3*800
Meio 1*750
Recife, 5 de setembro de 1874.
____________Joao Joaaum da Costa Leit*
Aluga-se
o primeiro andar com grandes commodos c sotao
do sobrado sito na rua do Hospicio n. 65, juota-
mente a loja : a tratar na rua do Vigario n. 31.
Livraria popular.
Fazem-se cartoes de visita e casamento.
Marca se papel e envelopes a vontade do fre
guezes, com ioiciaes ou nome por extenso em typo
Gothico.
Romano,
Biblico,
Rennaissance,
ou outro qualquer : pelo modico preqo de 1*000
cada caixa I
39Rua Nova59
Quem preoisar alugar nma prela escrava'
perfeiu engoramadeira, e de boa conducts, diriia
se a rua dn Aurora n. 49.
Madaina Freire, mudistx brasileira avisa ao res-
peitavei publicu, qu-j coniiniia na sua arte de
modista; a<- H n-s da Er.rupa 8gurinos, os quaes acham-se
i (ii.-rm-icao de seus fregnczes, pod-'ndo ser pro
rirrada para, ixercer a sua pronsaao, a rua Di-
reita n. 16.
Preei-a se d^ um cria^o para tudo
ji ru.i '!o Comrnprcio n. 22.
o servico
Dividendo
Pagase o segundo.e ultimo, na razao de 3,4,858
0|0 da massa fallida de Joao Hygino de Souza, na
rua do Vigario n. 19.
Aluga-se
uma excellente cafa terrea em Olinda, pateo de
S. Pedro Novo, com gaz e agua : a tratar eom
Marc lino de Soaza Travassos^no Forte do Mat-
tos.
Pcrguntii que naootfende.
Pergunta-se aos Srs. eollectcres do imposto so-
hrt a- ci.san qm; vendem cal de Lisbos, se as do
' firr 1 San'.o Antonio lambem niio e>tao sujeitas
M n.- ... miposta f k i deve ser igual para
' id .
_^______ Os prejudicadM,
MAMA.
rua de S.
tres ea.-as
Aluira si por fest;. ou por ana,,, na
tuaio \po-U.ln ou Passo Catelhno .
ton**-, h. -ucanamentud'agna e gax', b..ns com-
mx> hues grandes e mnrafis, com diver
so* ai iA* aCoro .; .. n. 17. 3. andar. y
CASA
Aluga se o segundo andar a rua Duque de Ca-'
xias n. 54: a tratar na loja.
- Na travessa da matrix de Santo AaHotte n. 6
ha uma ama de leite, e eceas eonstanlemente pa
ra alugar.
MOPINA
Esta eneoura^ado !! I
Agna mole m pedra dura
Tante da ate que a fnra.
Roga-se ao Illm. Sr. ignacio Vieira de Mall
sacrivao na cidide de Nazarofc desta provincia,
fajor <-% vir a raa Duque de cViiaa n. 36, a eon-
clttlr airnelte negocio que S. S^ee comprometteu a
realisar, pela terceira ohMiada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depois para jantfro
passou a fevereiro e abril de 1872, nada ctfmprio;
por este motivo e de novo chamado para dito
flra, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. sea filho se
ichava nesla cfdade.
4--------------_-----------1---------1------M-------
Aluga-se
em Olinda, no largo de S. Pedro Apostate n. 10, a
casa com muito bons aommodos e bom local, para
paesara festa, com gaz e agua encanadoi, perto
dos banho* : a tratar aa rna do Barfo da Victoria
(oatr'wa rua tfovaj a. 3.
Mto>m dc tevedo \\\\mm.
Pelo presfnte s*o convidados os afifliajbs e jrfi-
Ih.das de Antonio de Azevedo Villaroneo, falle-
cido em i-uriogal no mez de otqbro de 1873. a
apfe?Hitarem iieotro d. prazo de 00 dia-, a eon-
lar de-ta data.-a certidio da seif nascimento, em
raia'do abaixo assignado, t"-timealelro uutitniad
pe| dito fallecido. afim de que sejam dwridamente
altendidos na partilba a que im de proeeder-se
com a precisa igualdade, de accordo com aia sieao testamentaria. Recife, 10 de ieteafcfo de
1874.- Mao el Aievedu de Andrade,

EnoPaod'Alho
0 Rvm. Joao Olyrapi i de Souza Lyra venba ou
minda t rna esttWtado Rosario n. 6 entender-se
com Basilio Magno di
AJuga-se uma Ibja no sobrado atraz da ma-
triz n. 44, muito fresca : a tratar no Corredor do
Bispo n. 73, a auatquei' hora. Na mesma casa
itt para se alugar um excellente oop?iro muito
del, e um escravo trabalbadar de edkada para se
vender : a tratar a^aajpaa %ot .________.
-- Aluga-se o arrnaicTn' 9o"obraflo da rua D.
Prcservalivo da Erysipela
Descoberto pelo Bacharel
Manoel de Siqaeira Cavalcanti
Tendo o Governo Imperial perrailtido ao des-
cobridor vender aquelle medi^amento, o publieo
o tem a sua dieposicao.
IX-|)OHilOM UBi Recife : rua do Barao da Victoria (rua Nova)
n. 40, casa do Sr. Rocba Siqueira.
Rio de Janeiro : C6rte, rua do Ouvidor
n. 78.
0 Preservative da erisypela ja 6 bem conheci-
do : entretanto iranscreve se para este annnncio,
do Jornal do Commercio do Rio, os attestados in-
fra.
Queiram os Srs. doentes os ler, e ver por
quem esteo elles assignados.
luspector da saiide publica cm Pemambuco.
Em cumprimento do despacho de V. Exc. sobre o
requerimento do Dr. Manoel de Siqueira Caval-
canti, tenho a informar o seguinle : Acho justa
a prctencio do supplicante, porquanto o sen me-
dicamento preservativo da erysipela tem da-
do muitos bons resoltados, nao so nesla cidade,
como na cdrte, onde elfc tem sido applicado com
vantagem e e procurado. A preparagao delle e
simples, por ser Until) a de uma s6planta. ;6
inspector, Dr. Pedro de Athayde Ldoo Moscoso.
Declaro, por ser verdade, que padecendo de ery-
sipela, foi-me dado pelo Sr. Manoel de Siqueira
Cavalcanti um medicamento, do qnal fazenao uso
por alguns dias nunca mais ate hoie, me tornou a
aocommett-r essa enfermidade. Por me ser pe-
didopassei o presente, por mim feito e assignado-
Rio de Janeiro, 16 de jnaho de 1874. Duque de
Caxias.
Aile'slu, que tendo empregado o medicamento
dymnamisado, que no? fbi fornecido pelo Sr. Dr.
Manoel de Siqneira Cavalcanti para o tratamento
da eryalpela, colhi sempre resuttados sbperiores
ads de todos os medicamontos conhecid-is Em tes-
temunho da verdade, e por me ser peoido, firmo
o presen'e. Rio de Janeiro, 13 de junho de 1874.
Dr. Saturnine Soares de Meirelles.
Coacordo perfeitamente com o parecer supra.
Dr. Joaquim Josl da Silva Pinto.
O abaixo assignado, doutor em medicina pela
faenfdade do Rio de Janeiro, cirnrgiao-m6r de
brig-da honorario do Borprj de sitilo, cavaihelro
da imperial ordem de Chnslo, etc.
Attesta sob juramedto de seu grao. que tendo
J osado de um medicamento que Ihe foi fornecido
pelu ST. Dr. Manoel de Siqueira Qavalcantii de-
nomioado Preservative da erysipela tiron
stmpre o melhor resnltado possivel, de sorte qne
os doeotes ale boje nao furara acommettidos das
erysipelas, que soffriam freqnentemente. Rio de
Jaaeiro, 19 de junho de 1874. Dr. Jose Lino Pe-
rttra Junior.
Tiveem 1871 dez erysipelas em uma perna, lot
a Europa, e considerei-me curado, voltei pouco
depois, live novo ataque ; tomei o temedio Preser-
vativo da erysipela do Sr. Dr. Manoel de Siqueira
Cavalcanti, e cesson a molefia, tia mais de nm
anno. Creio ser isto effeilo daquelle remedio. Rio
de Janeiro, 13 de junho de 1874. Barao de Cabo-
Frloi
OrtkCis aos pobreaf.
Aluga se on" Vende-se nm piano de arma-
rio : a tratar aa raa do Barlhoiomeo a S3

Bons pianos.
Chegados de novo.
Vende-se.
Troca-se.
E alutra-se.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, ontr'ora Nova a. 7.
MOBILIAS
de virae e de faia.
Vende-se muito em conta cadeiras avulsas, de
balango, de bracos e da d'obrar : no armazem do
vapor francez, a rua de Barao da Victoria, oulr'o-
ra Nova n. 7.
Perfumariae.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e aos den-
tnfice, agua de flor de Uranja, agua de toilete
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonelesl
crosmelicos, muitos arligo delicados em perfama
ria para presentes em frasccs de exteactos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamauhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qaalidade
dos bem conhecidos fabricantes Fiver e Coudray
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, oulr'ora Nova d. 7.
Quinquilharias.
Artlgos de riifTerentes gostos r
phantaaiaa.
Espelhos, leqaes, Invas, jolasd'ouro, teeeurintias,
canivetes, caixinhas de cosrora, albuns, qnadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
dita de couro, e eestinhas parabraeosde meninas,
chicotes, bengalas, eeulo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, eseovas, pentee. carteirinha de
madreperola, tapete para Iaoternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas raagicas,cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, qnadros eom paisagens
globos de papel para illuminacoes, machinas de
fazer caf6, espanadores depalhas, realejos de veio,
accordaos, carrinbos, e bercos para crian^as, e
>utras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes partes
Ja Europa, para entretimentos das criangas, tudu
i pregos mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcado francez
A 9$
Botinas para homem
'Acabara de cheear grandes jacturas de botina:
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraque
com biqueira, de bezerro com botoes, e com ilho-
zes a 90000 (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao dv
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentes
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, ca3tor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qnalidades.
SAPATOS de tranca portnguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e do cordavao,
ABOTINADOS esapatoes, de bezerro.de devef"sas
quafidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Gnilherme, pen>nr
meias perneiras para' homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Banhos e dormida fresca no
Monteiro.
Aluga-se alii duas casas pequenas, tendo cada
uma, duas salas, tree quartos e coziuha : a tra-
tar na rua Nova, loja n. 7.______
0 Rvm. Sr. Conego Manoel Cavalcante Fer-
reira de Mello, lenha a bondade de comparecer
no escripto io de Keller & C, a rua do Bom Jesus,
a negocio de seu Int-resse.
-n*-t
LEIS PftOVINCIAES.
Vende-se no i. andar desta hpographia,
em mao do admioislrado, [Colleeccdes de
Leis Provinciaes a 500 rs. o oxeniplar de
cada anno.
Calpilo barato
Loja do Irani eg
Praca da Independencia ns. 13 e 15.
Botinas de pelliea d'oarada, canno alto
e laco, para sen horas
Diles de dntaqne preto e Ae c6res,
para senhoras
Ditas de duraque de cOr, gaspeadas e
enfeitados, para senhoras
Ditas de duraque, gaspeadas, e preta
de 23000 a
Ditas de pelliea, r/rcla, canno alto
Ditas de bezerro, para hornens
Sapatos de duraque, de c6r e couro
Botinas de Suzer e Polacb, muito novas, para
homens, ditas pretas e de cores .uara seahoraa
na l ja do
Camisas.
Camisas francezas braneas de algedao fino com
fnzodecor a 2*080nma, em duzia a 23^000;
epecbincha : na rua-*>Grpo* 20 loja do Gui-
Iherme A C
Vende-se
uma casa na villa de Barreiros,
mercio, por preco modico
IrmSosi C.
na rua do Com
tratar com Tasso

12 Rua do Cabuga 12
LIQUIDACAO
de joias de ouro, prata e pedras preciosas.
Ouro delel
Correntes do ultimo gosto, a oitava
Alfinetes para relrato, circulado de
perolas
Idem idem idem esmearladas
Idem idem idem robins
Relogios de prata bem dourados, de 15* a
Relogios para senhora, de ouro, de 40 a
Ricos aderecos com pedras linas com
50 0,0 de abat.
Bonitas pnlseiras do ultimo gosto com
50 0|0 de abate.
Erincos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao merca^o, de I5fi a
Voitas com um bonito laco, por menos
do que se vende era outra pane.
Bonitas cacoletas, tanto para senhora
cm i para homem.
Anneis de diversos feitios, de 2$ a
Pulseiras de cobra de coral por 50 0|0
de abate.
Tendo o proprietario deste estabelecimento rece-
bido uma grande porcao de joias dos ultimos gos-
tos de Paris, e por pregos ja resumidos, participa
a todos oi seus freguezes, bem como ao respeila-
vel publico, quo se acha semi re prompto a servir
com toda a exactidao como cost uma; certos de
que passara um recibo, pelo qual fica responsabi-
lisado pela transaccao.
5/500
55/000
60/000
65/0 0
30/000
80/000
60/000
20/OCO
Vendo se uma mulata com 15 annos de ida
de e com hahilidades, vinda do matto : a tratar
na rua da Concordia n. 30.
Alpacas de cdres.
AlpaCas de cores, finas, ccm lislras, largura
de chita franceza. a 360 rs o cuvado, 6 fazenda
de 1/ : so na rua do Crespo n. 20, loja de Gui-
Ihernie A C- \
Madeira.
Vende-se, por prego commodo, algnmas dnzias
de laboas -de amareilo de 2 paimos de largnra,
com 27 a 28 d6 cumprimento, madeira para por
tas e forro : a tratar na rua do Imperador n. 50,
terceiro andar.
Alusica nova
Grande successo musical Phantasia para
piano Dinorah ou le Pard >n -Preco 2/000 !
LIVRARIA POPULAR
Rua Nova n 59
O Monte Lima
tem um completo sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeirp, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para oflkiaes, canulilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardaraento, como seja : bonels,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado,
etc.; assim- como um completo sortimento de
ranjas, galao falso para ornaraenlo, cordao de la
com borla para qnadros e espelbos (conforme o
gosto da encommenda) Aide par muito menos
preco que em outra qualquer parte : na praca da
Independencia n. 17, junto a jaja do Sr. Arantes.
Aos prejudicados.
Era resposta a pergunta que nao offende, cha-
mando a atlencao dos senhores eollectores para as
casas que no bairro de Santo Antonio vendem cal
de Lisboa, informa-se que a da rua Direita qne
tem esse gfeoero, ja mais pretenden eximir-e ao
pagamento do respectivo imposto, tanto qne antes
de recjber esse artigo, foi ao cons u la do pedir in-
formaroes. Portanto, tranqnilisem a sna conscien-
cia os prejudicados, porque a fazenda nao sera
lesada pelo n. 14.
Salame de [von
A l tsntt a lihra
na Assembled do Commercio n. 22, rua d>.
Commercio, Meira 4 Lima,
So
Fiambres
do Commercio n
Furto.
Furtaram 2 cabras bicho, mai e filho, as 4 ho-
ras da tarde de sabbado 19.; forara vistas pucha-
das por nma negra na ponte da Boa-Vista, sendo
a grande araarella e a pequena preta e com a
testa branca : quem der noticia on levar na rua
da Paz a. 12, sera recomp,ensado. Levaram am-
bas corda era volta do pescogo.
Vende-se um boi e uma carrora em bom
estado, por preco commodo : no sitio do commen-
dador Tasso ; sendo objectos do feitor delle.
Casa para alugar
Aluga-se uma casa na rna do Viscoade de Goy
anm n. 109, eom 2 salas, 4 quarto", cozinha, ap
prrelho de tambrone, grande quintal murado e
eom diversas arvores de fmcto, cacimba e portao
para a cambda, aonde se node tomar banhos sal-
gad is e temper^dos: a tratar no largo da Santa
Cruz n. 4.______________________________
!- Quem ppecl?ar do nm optimo copeiro, para
casa de familia ou de homem solteiro, dirija-se a
rua da Imperatriz, sobrado n. 63, primeiro an-
dar.
Tem muito bons a Assembled
22, rua do Coramercio._________
Na loja do Pavao vende-se madapoloes france-
zes muito incorpados, com 20 jardas a 6.000 reis,
dito muiti fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como nm grande sortimento de madapoISes
ragtezes de 4,500 at6 8,000 e 9,000 : a rna da Im-
peralriz n. 60, de Felix Perefra da Silva._______
Fechincha
Odilon Duarte & Irmao receberam pelo ultimo
vapor um grande e variado sortimento de eoqnes
de cabello humano, o que ba de mais moderno, e
vende-se pelo baratissimo preco de 10/ cada am ;
a elles, ant-s quo se acabem.
Vende-se nm terreno com 100 paimos de
frente e 400 de fundo, planlado com boas fractei-
ras e com porporcoes para se edificar nm bonito
predio, por ser o lugar em um dos pontos que
para o trem da linha do Apipucos : a tratar na
rua da Cruz n. 11.
AHen-fito.
Vende-se a afreguesafla e bera localisada taver-
na, denorainada Farrritfar em Santo Amaao das
Salinas, na rua do Bom Gosto n. 40, tem porjeos
fundos e 6 optimo negocio para nm prlncipiante:
a tratare na u.esna rna n. 38.
Casas.
Vende-se duas caasw na cidade de Olinda, sen-
do urna na ladeira da Misericordu a 23, e outra
na rna de Matbins Ferreira n. 26 t a tratar em
Santo Amaro n. 21, ou na rua do Imperador D.
22, armazem de tiulas. ________
Arcematewjat).
Terca feira 22 do correnUi, depois da aadiencia
do Dr. juiz de direlto da vara, val a praca de
venda as fazendas e arraaeao da loja n. 54 da rua
da Im eratriz, pinhorada por execticao de D. Ma-
ria Candida dos Prazares Qimi, contra Joaquim
da KrvaBoa-Vlsia ; o* preleriaentes pedem exami-
, .naretn o escripto em poder do porteiro dos a*dl-
^MlqtieT estabeleeimentb : a tratar na rtia de-Do- torSoa, aaaim-aomo arremauc^o sera effeetuada aa' cnefos (TaBua, aotwo mais on meno
njingos Jos6 Mntins n. 48, aotiga Seozala-Velaa. J in?** ^ 8 Dera Puco maiB m menos, 1 Apallo n. 10, armazem.
Haria Ceiar n. 37, proprio para recolher fazendas
nor gr muito ^espagoso o reedificado,^oa para
COMPRAS.
Compra-se nm escravo de raela idade, qde
[saiba tirtr leite, para utn sitid: na rna larga do
Rosario, leja a. ^________________________
Compra-se u* coWao de Lisboa : quora o li-
ver e quizer vender, dirija se a rua do Vigario
numero 26.
Coaprase um escravo de xo a 35 acaot de
idade, qua nao tenha vicioa, e qua aeja saudavel,
proprio para irabalhq de padaria, e melhor sera
ae enjendY? do tKiblbo : a tttlar na rua. da Ca-J1js]5t^Si.iiW)*f'
~" tromprawe um tanque
A 120 rs. o covado,
Na rua da Imperatriz a 60,. vende ste para aca-
bar nma grande quantidade de las, restos de di-
versos sortimeetos, ffead'e 1TO rs. ate 500 rs.; no*-
tando-se que, quando tiavia sortimenlos comple-
tes, '.se vendiam a 1/280 e 1/680 o covado, ha
grande variedade rtn rpattrSes, os qne primeiro
cbegarem melhor peCtvncha fario, a elia a raa de
Imperatriz n. 60.
Vende-se o sobraJo rneia agua, de dous anda-
res a sotao, sito a rua do Fago n. 18, em terreao
proprio, e de muito boa const'rucca j, e que da bom
readimento : a tratar com sen proprietario, na rua
da Coaeeicao a. 22, ate as 9 da manha, e das 2 as
6- horas da tarde.
i i. I ii i ii til m I I ------ '
Fazendas muito baratas para
liquidar.
E' irom depressa, aotta que se acabeav.
Cambraias de cflf, orgaadw, ebvado, a 240 rs,
Algodao azal, covado, a t60 rs.
Idem de Wsttw a 240 rs. -, o_
Chita pret*awaa, oftvaMoi-de 260 a 3zi>m.
Miiaa frnimellim, duzia, a 2/ s 1/500.
E mult* *rJtr(U a*W-de tnavda* e tootMe
de ferro tft tat a Ift lettas por- fcWi^nlMiMhr *J*3fl'
narua diarwrr B**" **** %* *'*> paria da,
Vict^ian. 44,
n

-?






I



.*..
*>Bfer% m PeraSmttuc** -^egurida ffeira *PL,toB^3iIftfe ^*&74.
?

bli
DE
e artigos de alta
novitiate
NA
Grande l'iquida^fb de fazendas

UNDO PASSO
Ana Primeiro de flhrco n. 7 A.
NO
r.

id
c
INACWJNAL ; m
Imperatriz JN. 72 TBura d<
DE '< jil

a
1
a
Muito novae grossa*
Vende-se por barato preco, em porcao on a ra-
larga dp Bosariofy^.


^cnrdcira siniocn a c, proprielarios
oeste importante estabelecimento^no louvavel pro-
proslto de Mo desmetnirem o eenceltn que 03
seas wwerosos freguetes Hies tern dtspensado
acabam de receber de saa coma 0 roais ro sor-'
timento de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
tima moda em Paris, e corittnuarao a receber
portod#* paqaetes daquelia procedeneia : nor
aso cfcawra a atlengio de seus freguezes e os
coovidam a darera um passeio ao seu estabeleci-
mento, garantindo-lnes qae enaontrarSo a reali-
dade do qae fica dito, e para prrva dao um pe
qneno rewuno, coto iofallivelmente despertara a
MtencJo dos preteodentes.
Mandam fazeodas a casa dos freguezes, e dao
amostras m^diante penhor.
Artigos iu- alta novidade e
ultima muila
Cortes de vettido de
da ue-raa fazenda
cinto, etc etc.
Riqaissimos chapdos para
pretos.
Cortes de earcbraia brancos
dados.
Mendes Guimaraes & Irmaos.
Tendo os proprietaries deste estabelecimento resolvido dimmuir 0 grande deposito de fa-'
zeadas, enteodejcrn fazer esta grande Jiquidai.-ao, cjmose ve dos precos abaixo meucionados :
ITende-se
lioho guaraecidos de bico
e edr, trazendo flvella, bolca,
senhora, de cores e
com Jindos bor-
Chilas largas a 160, 200 e 280 ri'is.
Vende-se chitas franeezas e flnas a 120,280 e 320
0 covado.
Laa'ohas a (20 reis.
Vende-se Iazinhas para vestidos a 120, 210, 320 e
400 reis 0 covado.
Chitas para cobertas a 260 reis.
Vende-se ahitas para cjbertai a 280 e 360 reis 0
covado.
Alpacas de cores a 640 .reis.
Vende-se alpacas de cores, flnas, para vestidos de
senboras, a 640 reis 0 covado.
Metim de cores a 320 rei*.
Vende-se metim do cOres para vestidos de senho-
ras, a 320 reis 0 covado.
Cassas finas a 280 reis.
400 rc.s
cdres para
ca 5 b
800
Ditos de cores com enfeites da meima fazenda,
figurino, etc. etc.
Capas de li para meninas e senhoras, guarne-
cidas de arminho.
Yostoarios para haplijado.
Riquissimas camisas b rdadas para senhora.
Letiues de madreperola, para noivas.
Risas colchas de seda, para casameoto.
C< rtes de seda, lindas cores.
Gorgorio de seda branca e dito preto.
Sedrahas de delicad^s padrSes.
Setim Macao de todas as cer-es.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto e damasco de seda.
Granadine preia e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Riras basquisas de seda.
Casacos de merino de cores, 14, etc.
Manias brasileira?.
Capellas e mamas para noiva.
Cambraia de cores, aitas mariposas brancas, de
eores, lisas e borJadas.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc
Rrin de liuho para vestidos.
Fostao de cores.
Saias bordadas para senhori.
Grande sortimeuto de camisas de linbo lisas e
bordadas. para homem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
e meninas.
Sortimento de chapeos de sol para homens e
senhora.
Merioas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verao, bombazina.can-
ao, alpaca, etc. etc.
Atoaihado de linho e algotlao para toalhas, e dito
pardo.
Damasco de ia".
Rrim de linho branco e de cores.
Setias de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de tonqnim e ditos de easemira.
Can.isas de ehita para bomem e dilas de fla-
nella.
Ceroulas de linho e dita3 de algodao.
Pannos do crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos tfe lahyribttlo.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
para bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
Espartilhos lisos e bordados.
Foulard de seda, liadas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras prelas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temos urn varialissimo sortimento,
nao so em gosto como em qualidade.
L&i
com listras de seda, ditas com paliias bordadas,
ditas tran^parentes e de oatras muitas qualidadcs.
Luvns
do pell'.ca brancas e de cores, do verdadeiro fa-
bricante Jouvin.
Finalmente :
tapetes para sofa, cadeiras, cama, entrada, etc..
cambraias brancas, chitas de todas as qualidades,
Vende-se cassas francCTas: flnas a 280, 320 e 360
reis 0 covado.
Cambraia Victoria a 34000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3J,
3*500 e 4*000 a pe?>.
Canrbraia transparente a 2 e 3*000.
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3*,
35300,4* e 5*.
Cortinados a 14^000.
bordados para camas a 14*,
Vende-se cortinados
16* e 48*.
Gan'ga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos d_e senho-
ras e roura parameninos. a 400 reis 0 covado.
Rrim de.cores a
Vende se brim pardo e de
400 reis 0 covado.
Toalhas para ro;to a 700 reis.
Vende-se toalhas dt linbo para rosto a 700
reis cada uma.
Chales de lit a 640 reis.
Vende-se chales de li >1e qnadros a"646 reis, cha-
les de metim a 44160 reis, chales de merino
lisns a 2*. e chales de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Aberturas a 20009.
Vende-se aberturas de linho bordadas, para ea-
misa*. a 2* e 3*Ci0O. Ditas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cortrs de casemiras finas para calcas a
Si, 54800-e 6*
Cortcis do brim a 1*400.
veDde se cortes de brim de core* a 1*400. Ditos
de brim de Angela a 1*^06 e 2*500.
Cobertas a 2*(i00
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 240CO.
\ende se colchas de faslaa para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preta a.3, 3,60
p,000 rs. j'calcas de casemira preta'e de core
le:es de casemira preta e de cures, e outras
tas roupas feitas barafas e fazendas que est
quidando no Bazar Nacional, a rua da Im
Iriz n. 7
las htPBia, petas fim-
das de borracha. |
As melhoros e mais aperfeicoadas das, ale *oje^o.
nnecidas. ^
Vende se
na
Pharmaeia e Dvogarla
de
Uartolomeo A C.
^'
34r--Baa larga do Rosario 34
vaccina. Taccina.
Tendo 0 Sr. Dr. j0se Lourenco de Magalhifis.
monladonacurte;uaicompletoservico deste ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melher e
mats reeetile>, cnioe tubos se encontram na
Pharmacia e drogaria
3i-rua larga do Rosarjo 34.
mtmm Vifarlo
Vinho do Porto
ancpretas.
Cera em velas, de
H*re do PortOi
Cimento Partlaad, leghimo
k !? p*imiro wdar :
eogarrafada, em barris
t
VENDE-SE
Lisboa, superior qualidade.
, a taverna sita a rua
" "m, maito nfregnezada :
, Rosario n. 4Q.
do Barao da Victoria ,
a tratar na rua estrete im
TEM
0 43
a
Queimado 0 43
l.a/inlia* ii-rdadciras.
200 rs. o covado
Wll>on Re we & C. vendem no seu
a rua de Commerclo n. 44 :
verdadeiro panno de algodao aznl atnenca*,
fc-xceilente fio de vela,.
Cognac de 1* quaiidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidad.
To dos se admirana 11
Lazinhas verdadeiras com lindi sinms padroes
a 206 rs. o covado ; 6 fazenda de 400 rs. : apro-
veitem que e pechincha. 0 43 coovida as Exmas.
amllias para maudarem buscar as amostras.
Rua da Quciinario.
oa
As unicas verdadeiras
Bichas hamburguezas one vem a nste mc**Q-
rnado Marnuei de ul;nda n. 51
Vende-se
um terreno com 200 palmos da
irente e 250 de fando, tendo edificada uma casa
de madeira no fundo do mesmo, confruota ao ce-
miterio publico, era Santo Amaro :
raesraoaqnalquer hora do dia.
a itaiy an

Cortinados para camas
Na loja, do Pavao vende se um grande sortimen-
to de cortinados bordados proprias para camas e
janellas, pelo barato prego de 8, 9 e 10,000 re. o
par/assim como colchas de damasco para camas
a 350O e 4*000 cada Sllv-
Espartilhos.
dos mais modernos
um ; assim come bonUos cintos com lagos
de setim a 53000, e sedinhas lavradas com
toque de mofo a tSQOK) o covado : a rua
da Imperatriz n. CO., de Felix pereira da
Silva.
fOIAI
S BOM SAREK-SE .. VKSllE-sj
Vende-se pes de sapotas
na rua do H spicio n. 75.
de optima qualidade
um sobrado em caixao e uma casa terrea, sito a
da SolesJade ns. 2 e 4 : a tratar na mesma
rua n. 54, das 3 as 6 da urde.
Vtlendri!
PREDILECi'A
A' rua do Cabuga n. 1 A.
Os proprietarios da f'redilecta, no intuito d*
conservar o bom conceito que teem merecido do
respeftavel publico, distinguindo o sea estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo genero
veem seientiiear aos seas bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
cas d'Europa para lhes enviarem por todos os pa-
quetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mats bem aceitos pelas sociedades elegantes
laquelles paiaea, visto aproximar se o tempo de
lesta, em que o bello sexo desia linda Veaeza
mais osten.ta a riqueza de suas toillettes ; e eo-
mo ja recebessem pela paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tornarn mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem ,
vindo ao mercado.
Albnns com ricas capas de madreperola e it i
velludo, sendo diversos tamanbos e baratos pre- <
OS |
Aderegos completos de borracha proprios para i
Loja de fazendas
DE
(ittiliieniic k C.
0 aotigo barateiro continua a vender por menos
do que outro qualquer, com a franoueza e sin-
ceridade ja couhecida.
Las de cores a 200 e 240 rs. o covado.
LSs pretas superior, a 400 rs. o covado.
La e seda, fazenda de 1*400 por 700 rs. o co-
vado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Motins de cores a 280 rs. o covado.
Cretones de pad roes lindos e modernos a 400 e
440 rs. o covado
Baptistas de lindos padroes a 400 rs o covado.
Cambraias de core; miudas e graudas a 280 rs. o
covado.
Ditas pretas com flores a 200 rs. o covado.
Cambraias brat.cas, bordadas t abertas, fazenda
mais flna que tem vindo ao mercado, e fazenda
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara
cbincha.
Cambraia transparente, fina, a 3* a peca.
3ita Victoria, fina, a 3*50'.l a peca.
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duque de'rr
| Caxias n. 63, bem couhecida pela superioridade de !
seusrartigos de moda e phanlasra, acaha de rece- j
i ber diversas encoiomeudas de raer adorias de sua I
reparticao, que pela eleganci. bem mustra aptidao
: e bom go to de seus antigos corresptndentes da j niivnus i m
Europa, e por efta razio a NOVA ESPERANCA, A confi-it ri! rfn r,m. ta ~ ,, ,
a-rua Dmuw de Uxias n. 63, c.nvida a sua Q dor a 2i LXL -.L'ffi 2! h riJa do Impera
: e constanti freguezia e com especialidade ao sexo .-T-a:^'-Wlica e9tabe''mento deste genero ces-
amavel, a visitarem na, afira de apreciarem ate
, onde toca o prinsor d'arte.
j A NOVA ESPERANgA nao quer e, trar no nu-
i mero dos massautes (verdadeiro* azucrins) com
; extensos annuncios e nem prelende dcscrtfver a
immerisidade de objectos que tem expostos a ven-
; da; o que serta quasi impossivel, mas limitar se-ba I cossario para
i a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade Um casamento
{ e toma a liber Jade de aconselhar ao bello sexo, Um baptisado
que a visitem cunstantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte t.ao se arre
penderera, a vista do bom e ccolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completar a elegancia de sen toilet
I sem que de" um passeio a NOVA ESPERANCA, a
, ma Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
i ber os seguJht s artigos de luxo e inteira novida-
Casemiras
Na loja do Pav2o vende-se am grande eortiu.,
to de casemiras de cores e mescladas, Unto daras
como escoras, proprias para calc,a; paletots e cc-
letespor pre?os muitj baratos, assim coa ao
rnesmo estabeleeimenlos se manda fazer qualitae?
obra tendente a alfaiate, com a maior presfcei o
por precos muilo rasoaveis : a rua da Impera-
iriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende ce cortes de cambraia
traneparente com bbads largos, tanto brawn
como de cores, por baratos pre;os, por lor era al-
gqrn pequeno defeito; a rua da Imperatriz a. ,
de Felix Pereira da "Silva.
Botoes_ de
ta provincia, proporciona aos h:.bitaufes della as
maiores vautagens
E se nao vejam
uma pessoa quizer tudo quanto e ne-
>es^cie aco para
tidos.
Na rua Duque de Caxias n. Ill, se tncowrar*
senhora e de meninas e par
do qae em outra parte.
tidus e casacos de
preets mais baratos
e pe-
Icto, tambem se vendem meios adereeos muito bo-: M&06*0 traneado, alvo, a 440 rs. a vara.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Ditos do cores de linho fino a 500 rs. o eovado.
Madapolio francez verdadeiro, 24 jardas, a 6* e
7* a peca.
Algodae T, largo e snperiir, a %$ a peca.
Gorgorlo preto de seda para vestido e para ccJIete
a 3* o eevado
Toalhas grandes a 4*300 a duzia.
roadapoioes, esguiao, tretanhas, bramantes, algo
does, collarinhos, punhss, mtias para homem e
senhora, punhos e collarinhos brancos e de co-
res para senhoras, gravatas para homem e senho-
ra, peitos bordados, tenets de linho brancos e de
;ores, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
danapes, panno fino, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Margo n. 7 A
antiga do Crespp.
disticos nas tampas e proprios para presen-
de diversos forma-
v com as senhoras.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, par-
.icipa a j bello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, um completo sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como acha desnecessario fazer um
enfadonbo anuuncio, por ja ser bastante eonbe-
cida, e capricbar sempre em ter bons correspon-
dentes, sendo a primeira que apresenta o que ba
de mais raoderno e por precis mui razoaveis, por
isso limita-se a descrever somente o seguinte :
Setta** douradas.
Kicoa de cores, tanto de seda como de guipure.
Leques dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
Kabidas de bai'e.
Pregentes, diversos artigos proprios para pre-
sen tes.
Golinhas e punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
Sapaiintios de setim para baptisado.
caminaH bordadas para senboras.
Lisas de seda.
Franjae mosaicas.
Aderecos de tartaruga.
Voitas de madreperola.
PulseiraS de madreperola.
I imu tlores para cabeca.
BoImuh de velludo.
Perruuaarlas dos melbores e mais afamados
fabricantes.
Chapeos de sol para senhoras.
Pitas de velludo de todas as cores e largaras.
Moscas.
Quereis livrar vos destes malditos insectos? com-
prai uma machina de malar moscas por 3*000
na Magnolia, a rua Doqne de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, ven-
de o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
ahida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tem sardas e panos quern quer; porqne a
Magnolia, a ma Dbqne de Caxias n. 48, tem para
vender a verdadeira Cuticuleria. qu fax desappa-
recer estas maachas em poucos dias.
Grande descoberta
Curativo das molestks do
peito pelo
Xarope de sulphito de soda
A. MERWET
Este 4niportaDe mddicameato doe acaba de ser
recontecido pelos disUnctos Drs Zalfoni e Paras-
cbevas irao um vTdadeiro especiuco contra a
phtysica, segando prbvaram nos grandes nume
ros de casos por eBes experimentados, como se ve"
na sessao da arademla de Paris de 4 de raarco
do corrente anno, encontra-se unicunente no
ueposito da [ harmacia e drogaria
de
IM. .n Rqa larga do Rosario N. 34
Venae-sa duas paries de uma casa tprma
ilia a rua Velha n. 79. com moi h"?,!"6*.'
dos
MM.
Botdes de setim preto e de cores para ornato de '
estidos de senhora ; tambem tem para collets
nalitot.
Bolsas para senhoras, existe um bejlo SortJmen-
de seda, de palba, de efaagrim, etct, etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanbos, tanto de loaca 10
como de ce"ra, de borracha e de massa ; chama- I t/0,cn.as grandes a 3* nma.
mos a attencio das Exmas. Sras. para este artigo, o!?5^s. *. bramanl.e a 2.* arn-
pois as vexes tornam-se as eriaucas um pouco im-
pertinentes por falta de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para bomem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulas de linho e de algodao, de diversos pre-
(09.
Caixinhas com musica, o qne ha de mais Undo, I PnrtfQ fio nncimin n
com dlStlCOS nas tamnas e nrnnrin nara nroaan. v-,-'1 vKJ
te
Coques os mais modernos e
tos.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
da ultima meda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Cai(as bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoi
esenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe am
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. de gcrgprao. de setim e de cba-
->loe, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao mnito lindas.
Ft tei arttficiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
as flores, nao so para enfe^te dps cbellos, como j As mais modernas e ape"r"feic"oadas" de todas
tambem para ornato de vestido de noivas.
Galdes de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
cs et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Cobertas de ganga, forradas, a 2* e 3*.
Lencn.; de linho, abanhados e em caixinhas t
3^-jOO a duzia.
Ditos de cores a 3*500 a duzia.
E outros muitos artigos por precos baratissimos.
So na rua do Cre?po n. 20, loja das 3 portas. Dio-
se amostras.
e 6#000.
Na loja do PavSo, vende-se cortes de ca-
semira para calya a i|>, 5U e 63000, ditos
muito fines de uma s<5 c6r com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 98 e
10J8000, liquida-se a 6(J000 para acabar:
a" rua da Imperatriz o, 60, de Felix Pereira
da Silva.
de
I Modernas setlas para premier os cabellos
Prim- rosos leques c"e pbantasia.
Bonitas sahidas de bailes pan senhoras e meni-
nas.
Interessarjtes gravalas para senkoras.
Elegantes fachas de touqnim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e Borracha
(gosto novn).
cou-
Cura dos cslreltamento d'uretra
pela facil applicarao das
SONDAS OLIVAES
DE
GOMMA ELAST1CA

as conhecidas
Vendem-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34~ Rua larga do Rosario 34
E' economico.
G.rax,a K'ycerina _propria_ para a conservacao do
Esta se acabando
E garante se a boa qualidade do vinho puro das
quintas do Lima, des campes da Beira, superior
ao'da Figneira, ese^se encontra no armartsm de
Jose Fernandes' Lima & C, a rua Co Barao da
Victoria n. 3, seas suceessotes.
Laazinhas baratas.
>'a loja do Pavao, pa^a liqeidar, vende-se
uma poiQao de laazinhas de cures para
vestidos, tendo de 320 rs. para cima ; as-
sim como ditas com listras de seda muito
bonitas a 640 rs. o covado ; alpacas de cd-
res com listras de seda de 640 rs. para
cima : Pereira da Silva,
Aproveitem
O PARIS N'AMERICA, a rua Duque de Caxias
u. 59, primeiro andar, esta veodendo calcado pelos
seguintfs precos:
Botinas de dnraque para senhora a 3.500 reis.
Ditas de dito preto a 4,000 rtis.
Ditas de dito com botfies ao lado, a 4,000 rew.
Ditas gaspeadas, cano allo, para senhora, a
5,000 re s.
Ditas de pellica, ingleza; a 4.000 reis.
Ditas de duraqae bordado, para senhora, a
5,000 reis.
Dilas de duraque, de cores, para meninas, a 3*.
Em quanto e tempo
Uma partida
Um cha para vtsitas
Urn lunch
Um lauto jantar
Mo tem mais do que ir oa mandor A
faitaria do Campos, rua do
Imperador n. 24
Alii tambem se enearregam de bouquets, Qpres
e folhas para casamento : assim como, de doses
de todas as qnalidade3 para embarques, e tem
sempre preparados fiambres inteiros e a retalho,
pasteis de diversas qualidades, empadas de cama-
roes e de carne.
De tudo que alii se vende, garante se a boa
qualidade, limpeza e promptidao.
Enfeitam-se fiambres, bolos, paes-de-16
deijas, tudo por precos razoaveis.
Alii alegra se a vista e satisfaz-se as exigencias
od paladar.
Liquidacao de roupa feita
Na loja do Pavao lijuidase urna grande por-
cao de roupa para homens e meninos,como SHJaic:
calcas de casemiras prelas e de cores, para to4os
os precos e qualidades ; ditas de brim de As-
gola para diflVrentes precos ; ditas Oe brimde
cores, pardos e brancos ; paletots saccos, casacos
e fraks de panno preto e de ca*emiras de cata;
coletes de todas as quaJidas, pnr precos bira-
tissimns, assim como grande porrao de can rsas
ceroulas por menos 3 0|o do seu valor << pan
acabar : a rua da hnperatriz n. 00, de Felix Pe-
reira da Silva.
Chapeos para senhora.
A loja da Passo,
7 A, recebeu um
para senhows, pretos e de cores.
a rua Primeiro de Marco b.
rico sortimento de chapeo*
PARA LUTO
S6.naconfeitaria. do Campos
Vende-se chitas ioglezas. pretas com piaUs a
200 rs. o;covado, diia franceza muito fina. tanto lisas
como com pinlas de 320 rs. pars cima ; cacuj
preto a 800 rs. e muito rno a 1,000 rs ; boaiba-
zinas, princezas e alpacas de todos os precos:
lazinhas pretas lisas de 400 ate 500 rs.; assim
| como uma grande porcao de retalhos tanto de
e ban-1 ehi:as preta* como de las, qae so veudem po?
i precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
de chales preto.'' de 19s a 1,000 rs. porestarem tim
pouco russos : a rua da Imperatriz n. 0, de Fe-
lix Pereira di Silva.
aproveitem.
Gal
Na rna Direita n. li, veide-se novissima cal de
Lisboa da ultima chegada.
Penleados
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, dsso e velludo, tudo que ha de
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-1 j v -niYl"nA """'"" "v<,u ,Houcau< \mm um soiree, um uaue, assisur ca-
perola. marfim, osso e dourados por barato pre$o. corao.vao,; yende a NOVA ESPERANQA, a rua Da- J saffleBto, epara ser noiva tambem : Vende se pe-
Perfumarias. Neste artieo esta a Predilflc.ta bem q"e ge t-axias n. bj. \0 baratissimo preco de ioi cada um, e so na ca-
sa de Odilon Daarle & Irmao, rua da Imperatriz
de nova inven^ao.
Com um penteado destes pentea se uma senho-
ra em dou3 minutos, e acha se decentemente
penteada para nm soiree, um baile, assistlr ca-
Novidade!!
Venham antes que se acabe!
Madapolao francez fino a 3*200, o*000, 6* e 73
apeca.
Dito inglez, fino, a 3*300, 43, U800, 3*000 e
o5o00 a peca.
Ahgodad born a 3*500, i*000, 4*300
a pe?a.
Chitas claras e escuras, a 240, 260, 280,300 e 320
rs. a covado.
Bites MbfJtffe; Una, a 880; 300 e 350 rs. o co-
vado.
Las japooezas a 200, 220 e 240 rs. o covado.
Sapatos de charlote e de casemira, para homem,
Dito de dito, para meninos e meninas, a U800.
Cbapeos de todas as qualidaaes, para homem. a
?*Jli500,3* 3^300 e 4* Hra. e para raenino a
1 *800 nm I
Collarinhos de linho a 2* a duzia, e de papel a
200 e 240 rs. a duzia.
E outras muitas fazendas que se vende com 301
por cento menos de seu valor, na rua do Livra-
mento n. 30, loja do Lima Coutioho & C.
Sobrado.
Vende-se em nma das me.lhores roas des-
ta cidade, nm scbrado em bom estado '- a trabr
oa rua do Barao da Victoria n. 69, taverna; oa
na praca do Conde d'En n. 17, taverna.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Lniz de Oliveira Aze-
a rua do Bom Jesus na-
e 3*000 vedo. no seu escriptorio,
mero 57.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de hofcc
proprio para eigarros. de diversas larguras.
VENDE-SE
Na rua do Vigario n. 19, vende-se o seguinte :
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, em eai-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima I
moda) : a Magnolia a rua Duque de Caxas n. 43
e so qnem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera que cha- as deSftia.daS lilzinhflQ q 9Aft
mam papai, marnai, choram, andam, etc Sona)*18 uracJdUdB IdZlUUdb a ^UU
rs. o covado.
Rua do Queimado n. 43.
(Jefronte da loja de ehapeos da Pracinha)
Lazinhas a imitafio de seda com riquissiaws
padroes a 200 rs. o covado. So o 43. boa-se
amostras. Venham antes qae se acabem,
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 43.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Daque de Caxias n. 43, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
proprias para passaros; a ell is antes que se aca-
bem.
Luvas brancas
irfumarias. Neste artigo esta a Predilecta
provida, nSp s6 em extractos, como em oleos
banhas dos melhores oderes, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
usados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta am bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa eo-
mo para entrada de saias.
Vestimenias para, baptiaado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno s recebeu a Predilecta
de or arato preco, para flcar ao alcance
qualquer bolsa.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
e Patricia.
A tratar com seus proprietariog nesta cidad4
e para itiformacoes com Joaquim Pinto de Met
relies Ftlho na mesma cidade de Mamamguapi
__________________gso Irmaos A d
Para qualquer fervigo
Vende-se um escravo bom, c^r par da, bastante
possante, e chegado ha pouco de outra provincia,
proprio para todo o service : na rna do Imperador
a.....oa na rna da Imperatriz n. 60.
Asserablea do Cominereio
Rua do Commercio n. 22
-Heira k Lima
Os proprietaries avfsam a sens freguezes que
teem para vender o seguinte :
Cinco minutos da atteocao
Doces seccos e em calda
Empadas de camarao
Fiambres preparado
Salame de Lyon
Tudo bom.
Bolos inglezes
Fructas preparadas
Vinhos superlores
Cervefa gelada
Tudo bom.
O bom cafe de Moka
Petiscos e bons bocados
Na asseMbKa
Se serve com agttdo,
Tudo bem.
: Bolinhos para cha
Padms, paes-de-16
Charutos da Rahia i
E jogo de domino.
03 donos desle estabelecimento avisam a sets
; freguezes que nio sao egoistai e promettem ven-
der barato, para vender ffiuito.
N. 22 Hua do Cofnefcio N. 22
Armazem daAsemblea.
P- 82, primeiro andar.
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANCA recebeu o arame proprio
para armacao de chaplos.
Vende-se
Uma propfiedade d mat-gem da Cattibda
dos Remedios, contendo barro para toda e
qualquer obfs, com uma grande oraria,
casa de vivenda e tree vireiros com peiXes.
Promette-se fazer todo e qualquer ncgocio :
a tratar com Derfim Lins Cavalcsnte Pte-
soa. ^
de ipuvin : a Magnolia, a rua Duque de Caxias
n. 45, 6 so quem as tem fressas.
Para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas qne
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, acaba
de receber I
Sedinhas a 1$500 o covudo.
Venham antes que se acabem : na loja do Passo
a rna i. de Marco n. 7 A.
Fihiao.
com muitos bons commo-
a tratar a rua da Conceigio n. 657
Attencao
Salsa parrilha
Salsa parrilha
E' baratlssHBe.
Attengao.
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavlo, vende se ceroulas fraa-
cetas de todos os'tamarjbos pant botnem a
18600,-e dftas de Mnho a 2*00, 2#5G0 e
Camisas brancas com peitos de algodlo,
fazenda fina e por estarem um poaooenr
xovalhadas a 20^000 a duzia, ou a l80O
cada uma, ditas cora peilo deesguMode
linho a 38000 e 3300 cada nma, ditas
com peitos e ponhos de eOr a 29000 e
28500: d rua da Imperatriz n. 60, do Pe-
\ir Pereira da-Siltt.
k
muito nova e de boa qualidade, tem para vender
Bartholomeu & C.
________34Rua larga do Rosario-34.
Aproveitem antes que se acabem, popelinas da li-
nho, nadrdes modernos, pelo baratissimo pr6eo
, de 400 rs. o covado : qtfem dntidar, venha ver e
OalSa parrillia comprar : na rua Duque de Caxias n. 88, loja de
Demetrio Bastos.
Vejam e admirem.
A 500 rs. a covado.
0 barateiro da rua da Imperatriz n. 60,
vende popelinas pretas com listras asseti-
jiadas pelo baratissimo prec/) de 500 rs. o
covado. para acabar.
Potassa da Rusia a 600 rs*
o kito
Vende-se no escriptorio de Oliveira Filbos 4
t. : largo do Corpo Santo n. 19.
Cartes de casemira.
k.Sa" de casem,ra?. fina. Kostos modernos, a
5ITO0 o corte ; a elles antes que se acabem, e
EhwmV'&nc;raad0 Cre9po *>> ,oja de
Lustres e arandekts devidro
paragaz
Na grande exposicao da rua do Imperador n.
36, junto ao eseripttrio da eompanhi* do gaz, ven-
dem se os mais bomtos e modernos lustres e aran-
delas de vidro para gai, a*sim como tudo o mais
3ue se torna necessario para esse Um, sendo tudo
oi melbores fabricantes qua ba na Inglaterra. Os
precos sao mais baratos do qae em outra qualquer
parte, e com a vanlagem que e o dono do estabe-
lecimento mandar assentar os lustres "ou afande-
las flo ragarqaa o comprador qalzer, sem que para
isso pagne alguma cousa. Tambem se compra ou
FnstSo branco para ronpa de meninos a 500 rs.
o covado; e pechincha : na rua do Crespo n.
20, loja do Guilbeerm 4 C.
Colchas para
Nalqja do Pavao vende-se
camas
- colchas de fuslao
brancos, para cama a 2,300, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para c madapolao a 5,000 : a rna da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
W com as noivas
A NOVA ESPBRANQA, rna Buque de Caxias n.
36, acaba de receber boas meias de seda proprias
ptra noivas, e os apreciaveis ramos de larangeira
Aos meninos
A NOVA ESPERANCA, a rua Dnque de Caxias
n, 63, acaba de receber nm bom sortimento de fl-
nas bonecas que'fallam, que riem-se e choram;
tambem astern mud as e surdas ou surdas-mudas
vephap yer se nao e vtrdade. ____________
Grande liquidacao.
CALCADOS
Chegou para o n. Ill, rua do Duque de Caxias,
um completo sortimento de botinas e sapatos de
entrada baixa, de duraque e chagrin, para sa-
nboras e meninas ; borzeguins de pellica e de
bezerro, para meninos; chiqultos de lu.-tre e de
chagrin para criancas ; e mais outras qualidades,
de calcados, tudo mais barato do que em outra
parte. _________
I intuito
As almofadas bordadas de la matlsadas qae re-
cebeu a Nova Eaperanra, a rua Dnque is
Caxias _________ __________4
Polassa da Russia
Domingos Alves Matbens, a rna do Vigario n.
5, tem para vender superior potassa da Kcusta
em barris de 25 kilos, por prefo modico.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de receber aquat-
ics milagrosos anneis elecu-icos, cura infallivel dos
nervosos.
Para concertar meias
A NOVA ESPERANgA, a rua Duqne de Caxiaa
n. 63, recebeu desta necessaria linha.
Bramante para len96es
a 1JT800 2#000 e 2)?500
Na loja do Pavao vende-se superior bramante
para reocoes, com 10 palmos de lurgnra, qne ape-
nas precisa de 1 vara 1/4 para um lencol, sendo
,de algodSo a 1,800 rs. a vara, dito mais en-
*^Ta.ertlSrwfWSin0 novoBoar' raa *> corpado a 2,000 rs., dito de linho puro a 2.500 e
Marauez fle Ollnda n. 53 [rOOOrs.; assim como atoalhados superlores, tan-
Vende se um sitio na Capiinga, rua da Bai-1to ^e "n* como de algodio, porprecos muito em
xa Verde n. 14, com 81 parmos de frente e 300 de conta, e pecas de algodioxlnho para lencdese toa-
fando, teta dma casa, e basuotes arvoredos : a i ^na8 teD(l0 de 4.000 rs. para cima: a rna da Im-
tratar na tnesma. peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva_______
Lostres, candieiros e
arandelias.
Pesos e medidas.
Vende-se em casa
Bom /esns n. *.
de Havrk'es AC, a rua
Organdy.
A empreza do gaz, tendo recebido ultimamente
uma qnantidade de lustres, candieiros, arandelias,
globes etc. etc., *udo obra de gosto e de primeira
-._-._ ,_. .c.u^vuj oc w...F.o uu 'qualidade ; acha seem posi^ao de snpprir a sens n
troca se inures e arandelas ja usadas, mas que, freguezes, por precos menures do que antigamen-! covado, e fazenda de It, e e pechincha : so na
estejam em estado de poder servir. __________ te. Para verera as amostras, dirijam se a rna do rua do Crespo n. 20, loja de Guilbemw & C
Cal de Lisboa !?' -------------- Chocolate hespanhol
Vende se cal de Lisboa : na pfaca do Corpo *10 muito fino, tem para vender n AssemWea de
ar. escriptorio de Joaquim Ro- | Vende-se na rna do Vigario, escriptorio de Tho- ] Commercio, Meir? & Lima, rua do Commeroio na-
1 mero 21
drigaes Tavares de Mello.
Organdy de acento branco e de cdr, com flo-
res miudas e listras de seda e de 12 a 400 rs. o


I
Vende-se na raa do Vigario, escriptorio de Tho-
. max de Aquino Fonceca & C. Successores.


:
8
Divao de Pwnambuoa Segumia teira 21 de getembro ASSEMBLE* SERAI,
CAMArU.DOS DEPUTADOS.
REFORMA ELEITORAL.
(Continoagao).
Direi ainda, Sr. presidente, que seria tal-
vez preferivel a intervenes) no processo
eleitoral somente de agentes do governo, a
de funeciouarios eleitos pelo povo: por-
quantu a experieucie turn demonslrado que
estes, entre os quaes us juizes de paz mesmi
que nascera directanieute do povo, nao sdo
os mais acanliados em materia de arbitros,
e que ndo ofterecom garautia de imparci li-
dade, sendo mu.to salu ar a idea de arre-
dar esses magistrados populares das lutas dos
partidus. (Apoiados).
Se itilerviessem no processo eleitoral agen-
tes do governo, hav.-ndo para cohibi-los pe
lias fortes, seudo entdo do governo toda a
responsabilidade pelos abuses que praticas
sem, e possival que as cousas melhorassera.
0 Sr. Caxmdo Murtha da urn aparte.
0 Sr. Carlos Peixoto : Em resposta ao
aparte que acaba de dar o meu amigo, re-
presei.teute do 6 districto de minba provin-
cia. recordarei a S. Eic. o que s del em
relagdo aos couselhos municipal em que
intervem o eiemeulo popular e os agentes
do poder, quesalvas excepgoes, sao a ga-
rantia que nesses couselhos so eucoutra as
pivtun 1,003 dos par idos.
0 Sr. Candio Murtua : A policia e"
quern mais abusa era epocas eleitoraes.
0 Sr. Carlos Peixoto : -Sr. presidente.
seudo a primeira vezque occupo a atteneao
da camara na discussao deste projecto, con-
vira V. Exc. quo eu faltaria ao meu d ver
se nao dissesse com franqueza ao paiz o que
penso em relagdo a naturez* dos systemas,
que tem feilo o objecto principal do debate
do parlamento.
lnclmo-me a crer, Sr. presidente, embo-
ra "e tenbarn manifestado em favor da elei-
gau directa opinioes das mais autirisadas,
que o nosso pacto fundamental serd ferido
com a decretagao della. (Apoiados).
Tenho, Sr. presidente, o maior respeito
pela n >ssa carta, porque e nella que re-
pousam as mdis caras esperaugas do paiz, e
e ile sua fiul execucao que p6de resultar
nosso bem-estar e a certeza demelbor futu-
ro para a patna I (Apoiados).
Se me fallecem dados para emiltii- a res-
peito umjuizo seguro {nao apoiados), ad-
mittidoque seja para mim duvido-a a ques-
tdo, prefiro que seja mautida a eleirdo iu-
directa, porque, no case de duvida, antes a
contiuuagao de um systems a respeito do
qual ninguem poderd dizer que em objecto
tao grave foi violado o preceito constitu-
cioual.
0 Su. Joaquiu Bexto :Apoiado.
0 Sr. Cablos Peixoto:Eu, Sr. presi-
dente, considero a questdo de tanta gravi-
daile que, se fosse necessario iiiterpretar-se
o artigo constltucional que se refere d e'ui-
cA>, julgava da maior vanlagem para o
paiz dar-se uma interpretagao contraria d
que pretendem os sustenUdores da eleigao
direnta, porque me parece de grande peri-
go tirmar-se a doutrina de que o exercicio
do direito do voto nada tem que ver com a
constuuigaodo impeno (apoiados), podendo
portanto em legislatura ordinaria moditicar-
se esse direito e seu exercicio. (Apoiados).
Desde que nao se considere direito politi-
co o direito do voto, deveremos, levando o
priucipio ds ultim-s consequencias, admittir
que na legislatura ordinaria poder-se-ha de-
ClVtar a respeito aquillo que parecer mo.hor
a parlamento, Qcando este importantissimo
direito a merce das paixoes dos partidos.
Ndo serd menor o perigo a que se licara ex-
po-to de poder elevar-se ou abaixar-se o
cens<\ sempre que isso aprouver, o quedi-
rrinuindo ou augmentando a massa capaz
do extrcicio do voto, poderd produzir o seu
quasi aniquilamento.
A bistoria des revolugoes francezas, Sr.
presi'ente, deve pfir-nos de sobre-aviso ;
ella nos dd a medida da influence que
exerce nas populagdes esse direito, e a que
extremidades se p6de cbogar pela tendencia
sempre crcscente para o abaixemento do
cntiso, que alii se operava ap6s as revolu-
co s, tendo-se passado a de 1848, quando
vigorava a leide 1831, promulgada por F.uiz
Fnlippe, que reduzio o censo, ao som de
vivas d reforma eleitoral, que effectivamen-
te loi realisada, estabelecendo-se o sutrragio
universal e direclo sem condic6es de censo I
FOLHETIM
JOANiNA
UM JOGO DE PAIXOES.
4por
Cieorge Saud.
(TRADUCgaO DE X. X. X.)
PARTE PRIMEIRA
II
(Continuacao do n. 213.)
Depois deminha mdi, era Joanna d quem
mais eu amava. Se a impetuosidade inhe-
rente ao meu sexo muitas vezes afastiva-
me d'eila, se 0 amor ds letras e ao estudo
tinha occupado um grande espaco em rainha
\':da, nem por isso deixava de revelar-se
cm mim uma grande ternura para com a
companheira de meus primeiros brincos e
folguedos. Mas a unica cousa que as mi-
nbss remioisceauas accusavam era a idade
em que minba mSi, julgando-me bastante
fofte para carregaressa menina, dissera-me,
pon lo-a nos meus brajos :
Presta atttugao ; tem muis cuidado
ccm ella do que comtigo mesmo I E' tua
irmaa, tua irrnaa ouvis'.e ? uma cousa mais
pre iosa do que tudo, e que deves defender
cotao lua propria vida 1
TiHiiei isso muito ao serio como tudo
qu ....0 me dizia minba mai, e demasor-
gulfa i-me por ter depasseiar com essa rae-
nin*. 'ao linda, tao aceiada, e jd tfio con-
fiai>'p em mim.
Eu a protegia tdo bem que minha mui
deisuva-me leva-la ao campo d colher flo-
res, 0 train, tantas as que colbiamos que eu
e trazia Joanna ao hombro ou do seu
corrinlio litteralmente coberto de flores e
de bervas, de entre as quaes apenas surgia
sua linda cabe$a loura.
Cur to dia, tendo um pintor dos encontra-
do, fez-nos parar, e pedio-nos que deixassB'
mos retratar-nos e aos nossos attributos.
Consentimos; mas, querendo elle quando
acabou, beijar Joanna, oppuz-me com
uma tal digaidade que fe-lo rir dewras.
Algum tempo depois, quiz ser seu pro-
Estas licdes ou estes factos devem aconse-
Ibar-nos 0 maximo orkerio ao Grmar-se
doutriaa que pode produzir as mats serins
consequencias.
Teobo assim, Sr. presideote, eaunpiado
os motivos de meus escrupulos quanto ao
ponto constltucional da questdo...
Vozes : E muito b-m.
0 Sr. Calo$ PeWot*: ....que me pa-
rece odo ifbdev ser resolvida no seotido
mais applaudilo pela nacAo sem que ella
pe oi meios regulares nos de os necessarios
poderes. (Ap >iadi.s.)
0 Sk. Uorta Barbosa :Folgo de ouvir
a V. Exc. essa lmguagem.
0 Sr. Carlos PeiXoto :Ndo sdo por-
tanto sympatbias pela eleii;ao iudirecta e
nem tdo pouco a certeza de que se fere a
constiluicAo, e sim os perigos que vejo na
doutrina quese procura firrnar deque essa
altcracao radical do systema pode ser decre-
tada pelas legialaturas ordinaries quede-
terminam minha opiniao.
0 Sr. Horta Barbosa : -Mais do que
sympatbia, conviccdo.
0 Sr. Carlos Peixoto:E nio e\ Sr.
presidente, da uatureza do systema que nos
vem 0 bem on o mil e sim das condicGes
de nosso paiz iuteiramente diversas dos
paizes que toios osdias nos sao apontados
como raodelos e cujos passos queremos a-
companbar.
Sabc-u a camara melhor do que eu, que
o Brasil 11S0 tem uma quinta parte talvez de
sua populagio c >m os requisitos necessa-
ries para intcrvir na escolha de seus repre
sentantes adoptada a eleicao directa. (A-
poiados )
Se isto e uma verdade, embora seja um
mal admiltir-se aos comicios eleitoraes a
parte di nagao que ndo tem a capacidade
precisa, e em todo o caso uma necessidade
iwposta pelas circu astancias especiaes de
um paiz, novo como e o nosso, cujo povo
ainda nao estd sullicieatem-'nte instruido,
ainda nao tem perfeito conhecimeuto dos
seus direitos, ndo tem nem ao menos/Jabi-
tos de trabalho, o que em grande parte
deve mesmo ao parlamento, que sem injus-
tice nao pode por esses motivos retirar-lbe
um direito de que tem estado de posse.
Ndo pense a camara que eu acredito ser
o povo que faz os eleitores.
0 Sr. Heraclito GRAr.A :Lla>povo e
povo.
0 Sr Carlos Peixoto :Ha povo e
povo ; e certo, porem, que se a parte do
povo menos idonea, nao se fallando do que
pratica impellida pelos maoejos empregados
pelos agentes do governo para compril-o,
nao se maoifesta com a liberdade e isenrao
que era de desejar-se e se deixa corromper,
e tambem certo que os meios de corrupcjto
empregados com elle sao sem duvida em
muito menor escala, do que aquellesque
podem ser empregados com a classe que
terd de intervir na eleicdo directa, porquan-
lo e certo que essa parte do povo, que os
direitistas julgam dever excluir dos comi-
cios eleitoraes se se deixa corromper, e
quasi sempre por meios que ndo podem ser
sempre applicados, porque oossas fortunes
ainda nao os comportam, ao passo que dis-
poe-se de uma iuGoidade de meios em rola-
cdo a essa outra classe que se contenta mui-
tas vezes com a satisfacAo de pequenas am-
bicoes para servir a quem tem 0 poder. (A-
poiados.)
Actualmente vemos que pequenas in-
fluKiicias locaes sao muitas vezes mantidas
em posico.s oQiciaes de importancia, uni-
camente porque tem valor partidario, que
fazem apparecer nas eloiQdes em que 6" sem-
pre interessado o governo, pelo que sao
suas arbitrariedades, tropelias e abusos a-
cobertados ou relevados pelo poder que
precisa continnar a tel-as presas.
Ora, 0 que ndo serd quando essas inlluen-
cias locaes forem eleitores permaneotes e
portanto poderem ellas e os seus parentes,
se afastando das ordens do governo, fazer-
Ihe o mal de que tanto este se arreceia e
que procura evitar satisfazendo as suas pe-
quenas ambigoes e os seus caprichos ? I
Nao e isto sem alguma importancia, por-
que devemos procurer evitar por todos os
meios a uecessidade de se achar 0 governo
na contingencia de violar a lei e sacrificar
direitos importantissimos, pelo desejo de
fazT camaras que o apoiem (apoiedos), 0
que e 0 seu paincipal desideratum.
Provar esta ultima proposigao, Sr. pre-
sidente, seria abusar da attencdo da camara,
fessor ; e fui quem the ens'nou d ler, 0
que ella fez muito depressa e sem trabalho
nem lagrimas.
N'esse tempo, e na nossa aldeia, ate 0
momento em qu-i entrei para 0 collfigio,
fomos inseparaveis, e as mulheres>dojovo
instruilas chimavam-nos Paulo B^'r^t-
nia.
Depois que fui para 0 collegio, deixamos
de ser tdo intimos, mas nem por isso eu\a
estimava menos.
Parecou-me, pois, cruel que ella quizesse
persuadir-sc de uma cousa impossivel com.
ij fun de nao ser minba irmaa e de deixar
de amar-me como eu a amava.
Pouco d pouco emretanto esse sonho foi
se desvaoeceodo de nossos espiritos ; mas
assim nao aconteceu com 0 meu phantas-
tico amor pela descoDhecida Maooela.
Vendo que ndo se tratava mais d'eila,
tentei realisar um projecto romaotico que
concebera no anno anterior, isto e, resolvi
ir secretamente d Pampelune a fun de ver
aquella maravilha da belleza.
Jd calculava 0 numero de dias necessa-
rios d essa viagem e procurava um pretexto
que justiGcasse minba ausencia, quando
uma circumstancia fortuita e inesperada
veio facilitar-me muito a sortida.
Foi ocaso que um bom dia, meu pai,
collocando sobre a mesa uma carta, incum-
bio-me de leva-la ao correio, e que, ao
langar os olbos ao sobrescripto d'e$sa carta,
e vendo que era esta dirigida & D. Antonio
Perez, em Panticosa, na Navarra, senti-me
alvorotado e incendido, e live logo a asta-
cia de ler aquelle sobre-escripto em alta voz
afim de despertar a attengdo de minba mai,
que sstava occupada no fundo da cozinha.
Minha mdi voltou logo a cabeja, eper-j
guntou & meu pai:
EDtao, mora ali esse Perez t
Sim, respondeu meu pai, 6 essa sua
moradia, e elle ah estd com a pequena.
Depois, approximou-se d'eila e disse-lue
algumas pelavras baixinho, d que ella ndo j
respondeu s>mdo levantando os bombros e
abanando a cabega com uma expressao bem
accentuada de recusa.
Levei a" carta ao correio ; mas, em vez de
pd la na caixa respectiva, melli-a no
bol'jo, con'ilerando em que, se partisse im-
meJiatacnonte, cu poderta entrega-la pes'
bastando-me, entretanto fazer um brevissi-
[ mo retrospecto 'doque se tem dado no paiz.
Felizmeute 6 uma questdo julgada e deci-
Idida. -
0 Sr. MARTitnio CamfOs :E confes-
sada.
0 Sr. Caklos Peixoto : A intervened
franca e manifeata do governo em materia
eleitoral e" doutrina correote que ate jd se
acua aoeita oomo llcita e necessaria ds oos-
sas instituicoas.
Nesta cesa jd um raembro illustre do par-
tido conservador sustentou que essa inter-
vencdo era ate certo ponto necessaria e in-
dispensavel.
0 Sr. HeraclitoGraqa:Confundem 0
1 governo opiniao e governo poder.
0 Sr. Carlos Peixoto :E se 0 governo
entre nos se limitasse s6 a auxiilar os par-
tidos concedendo-lhes medidas, que enabo-
}re fevoiaveis, podem ser justas, ainda era
isto desculpavei ; vemos porem que os go-
vernos de certo tempo para cd estdo se a-
vesand 1 a ndo auxiliarem s6mente os par-
tidos, mas sim a grapos ou pessoas com
cujo apoio julgam poder couler em tolas
as hypotheses.
Exprimindo-me esta dfdrraa, Sr. presiden-
te, ndo pense a camara que refiro-me espe-
cialmente d bistoria das eleigdes da raroha
provincia, por Delias depararjgrandes vicios
devidos a abusos do governo que nem sem-
pre tem alii sido bem suceedido : em lionra
daquello generoso povo, forga e confessar
que. alii jd felizmente o governo ndo pode
tudo, porque gragas a sua indepen lencia,
tem os ulbos daquellas montanhas opposto
mais de uma vez a mais louvavel resisten-
cia d vontade dos seus proconsules. E ac-
crescentarei, comquanto de3egrade a um
dos lados da camara, que antes do dominio
nefando dos progressistas ndo eram conhe-
cidas em Minas-Geraes duplicatas, oem em-
pregados ceTtos meios decorrupgao entdo
postos em pratica pare desvirtiutr o pensa-
mento da provincia e abafar nao s6 conser-
vadores, como l&eraes de reeouhecida io-
flueocia em sen partido.
Devemos, Sr. presidente, d essa situagdo,
e especialmente a um delegado- do governo
geral que faz hoje as delicias do seu povo,
pugnando por direitos que phantasia em
perigo, ser elle arvorado como principio,
que em elcigdo 0 uoico crime e ndo veneer
e quo todos os meios .sao licitos para con-
seguir aquelle fim.
Lerabrando-me, Sr. presidente, desse pe-
riod negro da bistoria cootemporaoea de
nosso paiz, ndoposso deixar de congratu-
lar-me pela convicgdo que nuiro de que an-
tes de deixa: mos 0 poder, a legislagdo e ei-
toral estard reformada, epo. tanto os nossos
adversarios radicaes subindo ao poder ndo
poderdo com tanta fa-ihdade fazer calar a
opiniao do paiz diante das bayonetas e por
todos os meios que foram empregados na
ultima situagdo e que ainda ndo desappa -
receram de n issa memoria.
A camara satisfaz por certo a vontade na-
cional realizando a reforma eleitoral, por-
que e crenga geral que no dominio da le-
gislagdo de 18V6 e disposigdes subsequea^
tes que se presta a toda sorte de abus06>
quem estd f6ra do poder nem ao menos de-
ve tentar fazer valer osacratissimo direi-
to do voto, mesmo u6s, Sr. presidente,
que por mais que 0 contrario digam os nos-
sos adversarios, contamos sem duvida al-
guma com a maioria da nagdo. (Apoia-
dos.)
Ndo conhego 0 partido liberal, Sr. presi-
dente, so pelas boas doutrinas que apregda
em opposigdo: comecei a minha vida po-
litica quando governava 0 paiz sob 0 no-
me |de progressistas e tive occasiao de a-
preciar 0 molo por que eram por elles tra-
tados os direitos mais sagrados do cidaddo ;
tive occasido, Sr. presidente, de convencer-
me de que com a actual legislagdo e um
sacriGcio inutil, sem 0 micimo resultado,
concorrer-se ds urnas.
E', Sr. presidente, a razdo porque tenho
applaudido a opposigdo no desejo de coocor-
rer para esta reforma, desejo que tem sido
posto em duvida sem 0 menor fundamento
por alguns membros illustres da maiorie,
que mais de uma vez tfim dito sem motivo,
e contra a verdade constante das actas, que
a opposigdo tem dado lugar a ndo haver
sessdo em muitos dias, e qua se nao fdra
ella a discussao poderia estar muito mais
adiantada.
E' uma injustiga que se faz d opposigSo,
soalmente d Antonio Perez tdo depressa, ou
talvez ainda mais depressa do que 0 proprto
correio.
Fiquei tdo commovido pela minha subita
resolugao, que resolvi ndo voltar d casa,
porque de certo me trahiria.
Atravessei, pois, sem perda de tempo, a
montanba, e fui ter d cabana de um pastor,
que era meu amigo, e i quem pedi que,
logo que anoitecesse, fosse a nossa casa e
dissesse que eu nao voltaria n'essa noito,
porque alguns cacadores me tinham man-
dado dizer que me esperavam do vale de
Ossoue.
Obtive do pastor um pouco de pao e de
leite, e, assim munido, segui a direcgdo de
Ossoue durante algum tempo ; mas, logo
que perdi de vista 0 pastor, internei-rae por
um desGladeiro lateral, disposto d cbegar d
fronteira 0 mais depressa que me fosse pos-
sivel.
, Para atravessar e veneer todos os obsta-
culos era preciso 0 grande conhecimeuto
que eu poisuia das localidades e 0 babito
em que estava de franquear as mais peri-
gosas passagens. Pars mim era isso um
prazer, e muitas vezes me aconteceu passar
em lugares em que nunca houve quem
tentasse penetrar.
Cheguei d fronteira i noite, e pernoitei
na primeira pousada hespanhola que se me
offereceu & vista, e que era uma pobre ca-
bana.
D'aquelle lado eu nao conhecia 0 paiz ;
mas, fallando facilmente a algaravia semi-
bespanhola d'aqueUa regido, nada receei, e
ao romper d'alva puz-me d caminbo, atra-
vez novos desGladeiros de montanhas, ndo
menos asperos do que os da vertente fran-
ceza, e annal cheguei a. Panticosa, quasi ao
meio dia.
Panticosa era uma aldeia composta de
miseraveis e arruinadas cabanas, e abrlgada
par magnificas nogueiras.
Essa pobreza de aspecto alentou-mo 0 es-
pirito, tanto 6* certo que qualquer pessoa
entra com mais coragem e nrmeza no tugu-
rio dos pobres do que no palacio dos ri-
cos.
Perguntei pela casa de Antonio Perez ;
mostraram-me na eacosta da colina uma
pequeaa casa, a unica da aldeia que estava
como jd foi comprovado pelos extractoades
actes que se exhibiram na imprensa, dos
quaes, como cada um dos nobres deputa-
dos pode verificar, se v6 que sem o oosse
concurso 0 governo ndo teria tido durante
tolo esse periodo parlamentar mais do que
tres ou quatro sessdes. (Apoiados e ndo
apoiados.)
0 Sr. Heraclito GRAgA:Estd enga-
nado.
0 Sr. Joio Mendes :Eu ate tenho
muitas vezes lido a acta e feito a cbamada
em falia dos secretarios.
(Ha outros apartes.)
0 Sr. Carlos Peixoto :-Pois bem, pe-
go aos honradjs membros da maioria que
me contestam, quo provem que a opposigdo
ndo tea concorrido para se fazer casa. Te-
mos os ajudado. (Apoiados nao apoia-
dos.)
Agora se Vv. Eics. entendem que devia-
raos ir ate" a ponto de acompanhal-os oa
quasi ebstengdo da drscussdo, 6 outro caso :
ete ahi nao chega 0 empenho de satisfazer
a aspiragdo uacional da reforme, que se e
urgente, epara melborar-se e ndo pare fi-
car-se no mesmo ou peior'estado. (Apoia-
dos.)
Sr. presidente, send a discusaao do art.
5.* por demaa limitada, jd tenho abusado
muito da attengdo da camara (muitos
ndo apoiados), que tao benevslamente
me tem sido dispensada.
Confusso a V. Exc. que ndo ultra-passaria
s limites restrictos delle, vencendo c-rcceio
da desa-gredar d camara, fazendb-me ouvir
odo apoiados), se ndo me julgasse olbriga-
do, pel inexoravet lei do dever.-a dizer da
tribuoa todo 0 meu pensamento a respeito
do-projecto, provando aos meus committed
tes da grande proviacia de Mktas que win i
elles, tambem ardentemente desejo a refor-
ma do nosso systema eleitoral eomo a prin-
cipal medida pora a salvagdo de nossas iss-
tkuig,6es grandemente- compron>ettidas petos
excessos do- poder.
Como julgo de veotogem estar sempre 0
parlamento de accordo com a opiniao do
paiz que dtwe ser a sua, me parece que nao-
deixard de ter valor e coacorrer para dar
cunho ile aatoridade a essa magna lei an-
tes- de ser ella definitive men te votada, e-
que por certeza ndo se dard este anno, pro-
curar o governo ouvir o paiz a respeito,
servindo-se das camaras municipaes ou de-
outros quaesquer meios que posatm escla-
recer-nos. (Apoiedos e apartes.)
Se e certo que a reforma eleitoral nao
poderd ser votada nesta sessdo, havendo
portanto tempo mais que sulfieiente pere se
ouvir es camaras municipaes, ikio vejo in-
ODveDieDte em que se lance mao desse-
meio, nao sondo certo,. como sa me diz em
aparte, qua a opinido do paiz esta sabila pe-
la maioria da camara.
Porque Sr. presi ier.to, se attendermos d
vontade ou d opiniao dos membros desta
casa, e a considerarmos- oomo opinido do
paiz, ndo se pode por em duvida que elle
deseja a eleigdo directa (epoiedos), por-
quanto nao e obstaculo que ndo se poesa
remover a disposigdo constltucional que se
julga ferir, por isso que nas maos do paiz
estd a reforma da coustituigao.
E' certo, Sr. presidente, que muitos dos
nobres deputados da maioria deseja.n a e-
leigao directa eo tem declerado com tode
franqueza, e nao e menos-certo tambem
que quasi toda a opposigdo a deseja ; estd,
pois, f6ra de duvida, que a maioria da ca-
mara deseja a eleicdo directa, divergindo a-
penas quanto d questdo da poder ou ndo
decretal-a em legislatura ordinaria
Se portanto, a maioria do paiz a prefere,
deve ser resolvida a questdo no sontido de
suas aspiragoes, reforniando-se a constitui-
gdo nesta part-.
Sr. presidente, eltm das considerago ;s
geraes que fui obrigado a fazer em relagao
as differentes medidas consignad&s no pro-
jecto, provei que nao se deve admittir voto
incompleto para a ejeigao de senadores, de
que trata 0 artigo emendado em discussao,
convindo que alem das mutilagoes que tem
soflrido, soffra mais esta toda em bem do
paiz, e do respeito d nossa onstituigdo.
Agradego a camara a benevjlencia com
que me tem ouvido, sendo eu o menos com-
petente para tratar de assumplo dc tanta
magnitude (nao apoiados)
Vozes :Tem fallado perfeitamente.
0 Sr. Carlos Peixoto:... o que Gz
por entender ser para mim um dever im.
em bom astado de conservagao, e para Id
me dirigi alcangando-a n'um instante.
Encontrei 0 patrdo d mesa, sendo servi-
do por uma bellmoga, que odo podie dei-
xar de ser sua Gllia, 0 ante cuja presenga
teria de certo desfallecido, se 0 olhar atten-
to e desconfiado de Aotonio ndo me tivesse
dado forgas para lutar contra a emogdo.
Apresentei a carta a Antonio Perez qua,
abrindo-a, leua com quemo decifrava com
difficuldade os caracteres escriptos.
A linda moga que 0 ser via cootemplava-
me com tanto saDgue frio e impudeacia que
sem duvida ter-me-hia feito descoacertar,
se eu nao tivesse tornado a resolugao de vol-
tar-me de forma d odo encontrar os seus
olhares.
Aproveitei-me d'esse instante de tregoas
para examinar seu pai. Era este um ho-
mem reforgado, de compleigdo athletica, de
cabellos crespos, de feigdes regulares e lin
das, e que tinha a barba grisalha, a cor
bronzeada, e uma tal expressdo de astucia
e de ferocidade que mais revelava um sal-
teador do que um contrabandista.
Autipathisei-o ate a repugoancia ; e, ap6s
0 exame, e ante assa repugnancia, examinei
a filha sem mais receio, resolvido d fugir e
d esquece-la se por venture ella se lhe asse-
melhasse.
A moga, pordm, nao se parecia com elle,
porque era ainda peior. Atravez sua bel-
leza real devisava-se a expressdo de uma
impuencia natural, sem coutar que era no-
twvelmente immunda.
Curado, como por encanto, da miuba
paixdo, a envergonbado, posto que liber-
tado de to das as angustias, esperei que 0
meu hospede acabasse a leitura, e mais do
que nunca decidi-me d ndo dar-me d co-
nhecer.
Antonio pareceu satisfeito com as noticias
qne eu lhe levara, visto como vi-o sorrir,
contar pelos dedos ds escondidas, e afinal
guardar a carta no fundo da algibeira como
se fosse um objecto precioso ; depois do
que fez um signal d sua Glha, que sehio
immediatamente da sala, e, voltaodo-se para
mim, disse :
Muito bem, meu rapaz ; andaste mui-
to para trazer-me isto, e por isso tens direito
d um copo do meu melhor vinho. Como
te chamas ?
. presciptivel, como menbro da opposigdo
que ndo modiGcou sua attitude, e que pro-
curard concilial-a com a opinido da provin-
cia que represeuta, cleramente pronunciada
quanu* d neeessidede da feforma de nossa
legislagdo eleitoral. (Muito bem, muito
bem.)
(0 orador e comprimentado par muitos
Srs. deputados.)
SESSAO DE i DE AGOSTO DE 1874.
ORgAMENTO DO 1MPRRI0.
O Sr. Tttrfuiuio de Nouza:
Sr. presidente, tendo peJido a palavre so-
bre 0 orgemento do imperio, V. Exc. ba de
comprebender que eo nao venno examinar
as verbas deste orgamento nem regateer
quanties ao honrado ministro por cuja
pasta correm os negocio desta repartigdo.
Outro e mui diverso e o meu fim. Oue-
ro aproveiter-me da opportuuidade que nos
ollerece a amplitode deste discussao, que-
ro prevalecer-ma da fsculdade que Doa con-
cede 0 regimento da casa, para aitide uma
vez diseutir desta tribune a pohtica religio-
sa do gabiuete 7 de margo, politico fetal
eo peiz e ceusa principal se nao unica de
acher-me hoje com essento nos bancos de
opposigdo, (Muito bem.)
0 Sr. MtaiSTRO do Justi;a :Sinta
muito.
0 Sr. Diogo de Vasconcellos : Pro-
cedeu perfekemeute, ado se pode euompa-
nbar hereges.
OSr. Tarquinio de Souza :Disse, Sr.
presidente, qae ndo vinba discutir as ver-
bas do orgamento do imperio, e devo dar
as razoes qua para isso tenho.
CoHhego da longos annos 0 honrado- Sr.
ministro do imperio, fago justiga d sua pro-
bidade e folgo de dizer que em materia de
orgamanto deposito plena oonGenga em S;
Exc. (Apoiedos-.)
0 Sr. Diogo- de Vascohoellos :Sem
duvidar tambem fego justiga ao carecter de
S. Exc.
0 Sa. Carlos Peixoto : Se todos- os
ministros fossem assim, as cousas estariam
melboras-;
0 Sr.1)ARQUinide Souza^Alem deste,
ume outra rezao me aconselha a ndo per-
der tempo comlesta materia^
A ultima discussao que precisa mos aqui,
no dia em que o Sr. ministro- de faienda
fui interpelledo pelo nobre deputado pelo
2. districto do Rio- de Janeiro, fez-me cod-
ivencer de que e t nistregao-financeira, que o poder legislalivo
node pode fazer de mais util do que ume
lei de orgemento.
Com ell -ito, desde que as verbas do or-
gamento sao constanteinenta alteradas pelos
creditos supplementares, uasde que noves
verbas sa eugmeotam pelos creditos extraor-
dinarios, que os ministros abrem a seu.bel
prazer, e ainde mesmo coatra formal dispo-
sigdo de lei, ndr> conhego nada mais inutil
do qua a decrelagao da uma lei. de orga-
mento. (Apoiados.)
Vimos todos naquelle dia as grandes di-
ticuldedes com que lutou 0 belio-talento do
nobre presidente do cooselho e ministro da
fazenda, pare justiGcar os creditos aberlos
durante o seu ministerio, e que manifesta-
meate violavam disposigdes de leis. S. Exc.,
poado em coutribuigao todas as vantagens
da sua grande intelligencia e reconbecidos
dotes oratorios, nao fez mais que mostrar a
eonveniencia dos diversos creditos abertos,
durante o seu ministerio, sendo certo que
se questiouava, nao sobre a eonveniencia,
mas sobre a legaudede daquelles creditos.
E, sob este ponto de vista, sinto disel-o, S.
Exc, nao satisfez d espettativa da camara
dos Srs. deputados.
0 Sr. Diogo de Vasconxellos.:Nesse
dia deixou-se lever preso.
O Sr. TARyutN'io de Souza :Em vista do
quo ecabo de dizer, melhor fora queentre-
gassemos os cofres da nagao aos Srs. minis-
tros, descangaado unicamente na probidade
delles, c jino eu agora fago com relagao ao
hoorado Sr. ministro do imperio.
Mas, Sr. presidente, disse-o a sabedoriaj
increada : 0 110 in em nao vive sdmente do
pao, mas de toda a palavra que procede da
bocca de Deus ; e se eu deposito inteira coa-
Gaaga no nobre ministro do imperio com
relagao d.materia de orgamento que 0 0 pao
do corpo, infelizmente nao acontece 0 mes-
mo quanto ao pdo do espirito,. e pelevra
de Deus, a doutrina calholica, que estd a-
Madar Tosas, respondi-lhe.
E's de Luz ?
Das cercanias.
E 0 que fazes ali ?
Cago ursos.
N'esse caso deves ser tao bravo e des-
tro quanto e's liodo rapaz. Yamos ; bebe
d minha saude como bebo d tua I
Maooela tinha voltado com um caugirao
de vinho doce com 0 qual enchora um copo
azulado, mal lavado.
Emquanto bebi 0 vinho Perez Gtou-me
com malicia, e depois, dando d voz e ds
palavras uma expressao de familiaridade
protectora, que me fez enrubescer de asco,
disse-me sorrindo :
Creio, canalha, que ndo e's contra-
bandista, heim ?
Ndo, nao sou contrabaodista, respoo-
di-lbe levantando-me, e nem pretendo se-lo.
Tens razdo, replicou elle com admi
ravel tranquillidade ; e um otlicio imraua-
do,e mais perigoso do que a cagada de
ursos,accrescentou elle com um impercep-
tivel movimenlo de desprozo.
Ndo 6 0 perigo que receio, pois ndo
estou habituado i ter medo, nem eu disse
que 0 ser contrabandista era occupagdo tm-
munda. 0 que disse e repito e que tenho
outra occupagdo, e que desejo conserva-la,
eis tudo ; e, d proposito, aceite 0 senhor
assim coxo a senhora os meus cumprimen-
tos, e vou-me embora, d menos que 0 se-
nhor odo queira responder d carta que lhe
eutreguei.
Dize d Jodo Bielsa que tudo vai bem ;
mas deves estar fatigado. Queres comer,
descanrsr, ou mesmo dorrair sob 0 meu
tecto ? Tudo aqui estd d tua disposigdo.
Ndo, obrigado, respondi ; tenho 0
que fazer em outra parte.
E parti d trote largo, embora alquebrado
pelas fadigas. Fui jantar n'uma povoagdo
roiima, onde dormi duas horas ; depois
0 que, tendo franqueado Boucharo, fui
passar a noite em Gavernie.
Na manbaa seguiutc, veloz como um pas-
sarinho, desci 0 raonte por um bom ca-
minbo, e d noite entrei em case, cabisbeixo
sim, porem ^com 0 coragdo satisfeito e a
imaginarao calma.
Como quer que desde elgum tempo cu
ostivesse triste e taciturno, minha m5i, em-
ferrolbada e presa na pessoa de dons dos
mais illustres fral&dos da igfeja op Brasil,
com grande escandalo dos fieis, com 0 maior
detrimento da liberdade de consciencia dos
que sdq filbos espirhuaes daquelles incbtos
preiades. (Apoiados.)
0 Sn. Ministro da Justiqa s Ndo sei em
que isto affeete d liberdade de consciencia.
0 Sa. Tarouinio de SoBza :Sioto que
ndose achepreaente a este debate 0 nobre
ministro do imperio, e o meu pezar eresce
de ponto, por estar informado de que a au-
sencia de S. Exc. e determinada por motivo
de enfermidade, quo todos n6s deploramos.
Mas, ndo estando a meu arbitrio escolber o
momeato de foliar, vejo-me na OBcessidade
de user agora da palavra que V. Eie. bene-
volaraente acebe de conceder-me, e, vindo
a tribune, ndo me e possivel deixar de to-
mar em considera^ao elgaraas proposigOes
que foram eraittidaa pelo nobre irioietro,
quairdo teye de responder & ioterpeirgdo
qua lhe foi feita pelo honrado deputado pelo
munieipio neutro a respeito da questdo re-
ligiosa, dVata magna qoestdo, que egita* e
be de ogit&r por muito tempo aioda todo*
us espiritos no Brasil, e fora dehe.
Antes de todo eu devo agradeeer eo no-
bre ministro do imperio que, sempre bom
e generoso para e)migo, ainda naquella oc-
sasiao quiz, dar-me uma prove de sua
generosidade e bondade attribuindo-me no-
minalmente a qu&lmcagdo de ultremontano.
0- Sr. Diogo dc Vasconceulos:E' um
titulo de gloria.
0 Sr. Taauuimo e Souza '- Mil gragas
rendo pois, a V.. Exc., assegerando-lbe que
dquella quabficegdo poderie a^inter ainda
a de jesuita, aeu aceiterie com grande se-
tisfagao estes dous epitbetos, que sunaraa-
mente me hom-am e enoobrecem.
O'Sr. JoAO' Menoes -,Muito bem.
0 Sr. Tarquinio df Souza ;E nem
pense alguem, Sr. presidente, que ha des-
peito ou falta de sinceridade no que aoabo
de dizer. )Ndo,.senhoreSvse nma grande in-
telligencia, um distincto- magistrado* um
illustre protestante, o Sr. de Gerlacb> na
camara dos deputados da- Prussia, ainda o
anoo passado solicitava e reivindicava para
si tambem a bonra de ser chsmedo jesuite e
ultrarajntano, ndo deve causar admiragao
qua eu, catholico sincero, de orengas
tirmes, aceito aquelles titulos com- sum-
ma jubilo, fazendo delles 0 maior pa-
drao de minha gloria a a manifesta*.r>> mais
expliciia de minha fe.
Sou em verdade urtramonteno p quero
antes adorar a Deus- do que a Cesar;
professo o catholicismo sem restriagoes, a-
ceito-o em toda a sua plenitude ; quero a
liberdade e a indepeadencia da igreja de
Jesus Chiisto, ndo gosso vel-a sujeite aos
poderes ephemeras e transitorios do mundo.
Sju jesuita e ultramontano, ndo pretendo
negal-o^ uma vez qjue se tem convencionado
dar estas denomioag.oes a todas aquelles que
ndo approvam que 0 poder civil invade os
do mini os do espiritual, a todos aquolles
que, vendo na igreja uma instituigdo divi-
ne, nao podem consentir que ella seja.do-
minede pela vontada e caprichos bumaoos ;
sou ultramontano a jesuita porque, como c
declarou 0 cbefe supremo da igreja catholi-
ce, o grande e immortal Pio IX, am, um
breve dirigido, em 6 mar$o da 18X3, ao
circulo catholico de Santo Arabroslo de Mi-
lao, aquelles epithetos sdo- applicados aos
mais zelosos e obedientes filhos da igreja.
(Apoiados.)
0 Sr. Diogo de Vasconcellos tS6 os
que macaqueiam Bismark e que ado se bon-
ra m com elles.
0 Sr. Tarquinio de Souza :0 honradc
ministro do imperio mostrou-se receioso da
theocrecia que vem apparecendo, e que, no
dizer de S. Exc, pretende estabelecer-se
para perturbar a acgao regular do poder
civil.
Senbores, theocracia e tambem uma des-
sas palavresK que servem aos edoradores de
Cesar de arma de guerra contra os Glhos
submissos da igreja, e assim nao me levareis
a mal que deGna a theocracia, que abrago e
nem posso deixar de seguir.
[Continuar-se-ha).
bora igoorasse a causa do meu mal bem
como a da minha cura, rejubilou-se ao ver-
me curado, e animou-me, aceitando as ex-
plicates que lhe dei, e nas quaes havia seu
tanto ou quanto de verdade, e era que ti-
nham repentina e completamente desappa-
recido as nauseas estomacaes de que eu
soffria, havia um anno.
Alguns dias depois, achando-me sentado,
juntamente com Joanna no banco do jar-
dim, a espera di hora da ceia, e, sentindo-
me alegre, estando d brincar com um passa-
rinho que ella criava, disse-me Joanna :
AGnal tornaste d seramavel; n3o estds
mais apaixonado ?
Sabes 0 que e estar apaixonado ? res-
pondilhe, interrogando-a. Ndo sabes, e
fellas ao acaso.
Sei perfeitamente, replicou ella, que
amar e pensar sempre n'uma pessoa que se
prefere a todas as outras.
Foram as religiosas que te ensinaram
isso ?
Ndo, disseram m'o algumas compa-
nheiras.
Mastu, que nao queres te casar, des-
prezas isso ; ndo 6* assim 1
Ndo sei 1 Entretanto tenho quatorze
annos, e e esta a idade de tomar uma re-
solugao.
Oh I Ainda tens muito tempo.
Ouve; se tu quizesses prometter-me
que ndo te casarias, 0 mesmo faria eu.
Porque razao ? que mal te faz que eu
me case ?
Tenho necessidade de amar alguem.
Da verds I
E eu te amaria, se tu sd amasses .-
mim.
Entdo es ciumenta ?
Muito ciumenta.
Mesmo da tea irmdo T
Principelmente tratando-sa d elle.
Em verdade^ddo-te no convento bem
falsase extravagantes nocoes I Uma irmaa
ndo pode ter ciumes de seu irmdo... deraais
tu ndo me amas d esse ponto.
Amo-te apaixonadamenle.
(Continua.)
lii' DO DlAUiU.-Kla. blifcUi; VS UOIaj


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL3QGM729_9I86Z0 INGEST_TIME 2014-05-27T23:13:39Z PACKAGE AA00011611_16509
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES