Diario de Pernambuco

-ita a-
de onro e prala dourada, foleado (plaqoet), rtlo- Hosario n. 35 defrontt do l)r l^-onardo.________
gios de onro, inglez, deseuberto, dos melbores Pergnau i>e ao stub ir eacarrefaao oV SL*
rabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata. InneUis os preco* correntes ^manalmentp, em qual n \
aetodps as qualidades, tudo por precos muito ba- tem came sBOoa do Rk Graade a iaM |ior t"
ratos- kil-is -Aiguas commcritiaales.
joias
do Gabusra i\.
N. 11Esquina da rua do Gabus:a -\. 11
Este estabelecimente c-mtintia a receber grande sortimento de Was n> i.nus, de ouro, L-
lhante, e mais pedras preciosss, e boas obras de prata de lei.
Condecoracoes.
A Corda Brilhaute recebeu ricas commend3s, oaadsJaMa, aabitos do onro ? prsta d. i.r..i
para todas as ordens ; assim coma delicados la:mhos e boi<".> para cavalhw, i fRcias e coav
mendadores da Rosa e de Christ P.tas finas de seda para a campanb.i aa Paraituax. kdaa a- r-
dens, e para liqnidacio de muitas joias que tem na I fa, o aaaa reolvpu a v>al r ataa aavaM
que em outra qualquer parte. garantindo b a qualidade do ouro e da prata. p>r mei" conta com recibo. 0 estaheleciraento puntiniia abarto a niite ate as 7 hora*, na raa do Catnips -
11, loja de joias de Ant nio Seraflm da Silva.
gfgiiniiijn ui
:-ci-i
0 Cora^ao de Ouro. liquida
Corremes de our", m d.-rm*, para
-. '
I
Relogios de ouro para senhora, a 504,
R logics de prata ln-m dour dos a I'Ji.
Rozetinhas di- brilb.iute a I4J.
Anneis de pedra Cum I lira a Gf.
Anneis para por cabollo a ii.
Pencenez d ouro a li'i.
Pencenez de prata dmirada a 3jo00.
Dedan- ri prala. mndo depeira, a i.
Buncos de coral e ouro para iiierrm- a I 'iOO.
Cac,oleia muito ninderna-< com 3< por c-n'o dc abate.
Pulceirmhas de c ral e ouro para erianca. a ICf.
Pulc-ira di- euro e i-oral, feitio d^ araa : I ra, a 103-
Obras de prala a 400 r. a iUna.
Brioros para senhora. moil" moderns, a loi,MB ontra part*
Volts* de ouro e cruziuha, coin ."!0 par OMUi da ihale.
Grande sortim nte de joias de biiih->:ite com 3 [ le abate.
Brincos dc eral para seahora a ii.
Corrt-ntes de hum para ral< gi s a ISi cada a ..
Aderrcos por meta ie de seu valor.
Sortimento emiipUn de j"ia>, '|ue vinl.' por a I
A Ii
J
qiiKiacao.
Aloga-se uma escrava boa cozinheira e en
goramadeira : na rua de Mareilio Dias n. lid.
P-erdeu-se oa ooite de 7 de setembro, desde
a rua da ImpcraJriz ale o jardim do Campo das
Piincezas, nma pulseira de cornelina encasteada
em ouro. Quem a fiver aehado, fara o obsequio de
levar ou manda-la a dita rua da Imperatnz a. 4,
segundo andar.
Aluga-se
FUNDA ELECTRO-MeDICAL
INVENgAO PRIVILEGED* MRXIS ANNOS
pars enra ur-DUiaC do8dontorea MARIE
radical daa ricr^niMO lrmaos,mediaalnventon*
. **i foe de l'Arbie-6ec, Pakis, Vai accompan-
bada da nma acticia.
ioeiafrnowri>uco.CIAHORBetBA&BOZArA.
AGUA DIVINA
Will Mi]
DITTA AGUA DE SAUDFl
PreconlMda para e tow-ador, coma rnmanaaSa
coMtaDtementa as bllas eSrea da aooMada, e prsaer-
rands da peats s do c,V>lera morbe.
ADTERTERCIi IMPORTiHTE
I'mas Imitsfiss e fsliitlcseoss fraudulent^,
ss mais vezss dsmnosss i Mods, excitadu pels
fama Uo justaments adquihda pels Agna di-
vina, obrigao-ms a reconrondsr sos coniumi-
dores de recoobscer unitimente como Isgitimas
si garrafss as gsrgslo ass oases scJui-m oms
pequenrs faxs eon a minna
fabrics.
&6^f?
todos os parentes e amigos do seu (alleeido marido
Trinqueline Candido ,3a Silva, para assistirem a
missa do primeiro anniversario do seu passamen
to, a qual tera lugar segunda-feira, as 8 horas da
manha, na igreja de N. S. da Penba.
waaeiaco de Souzn SnSrra
Antonio Jos6 Fernandes, socio e
amigo do finado Francisco de Sou-
za Guerra, convida aos seus amigos
e aos do fallecido a onvirem algu-
rnas missas que manda celebrar na
igreja de S. Franeisco, no sabbado
a. 12 do corrente, aa 7 horas da ma-
elojrepouso eterno do mesmo : e agradece
ndamente a aquelles que acompanhar^m o
verdoaeu infeliz amigo a ultima roorada.
Antonia C*aneatve da Silva"
D. Anna Franeelina Goacalves da
Silva, Francisco Sotter de Figueire-
do, D. Franeisca de Figneiredo, Dr.
Bernardo de Hsndonca, D. Maria de
Uendonca, Souza Leio e sua mu-
lher, viuva, genros e filhos de Anto-
nio Goncalves da Silva, fallecido em
Lisboa a 16 de agosto. convidam a saus parentes e
amigos para assistirem ao memento e nns?as qne
mandam resar no convento do Carmo.as 9 horas da
manbi do dia 15 docorrente, 30* da sea falleci-
m^nto. Por este acto de caridade ficam desde ja
agradeeidos para com aquelles que se dignjrem
assistir, -f o
o primeiro acdar com grandes coramodos c sotae
do sobrado sito na rua do Hospicio n. 65, junia-
mente a loja : a tratar na rua do Vigario a. 31.
Alugam-se duas casts terreas pequenas, ul-
timamente acsbadas, tendo eada nma deUas, dnas
salas, Ires quartos, cozmba fora e mais um quarto,
p&jo de serventia exclnsiva e bom quintal mara-
do, na travessa da rua do Prineipe, da freguezia
da Bda-Vista : a entender-se com o seu proprieta-
rio, o Dr. Agniar. ________-
Pede-se ao Illm. Sr. Dr. juiz da capellas,
de lancar suas vistas sobre a do Bom Cooselho,
(Ponte dos Carvalhos) pois e tal a incuria do ac-
tual administrador que deixa deteriorar-se as ma-
deiras qae se acham no campo pertencentes a
mesma capella, e tendo alguem offereeido-se gra
tis, para de accordo com elle recolhe-las, esqoi-
vou-se, allegando nio ter obrigacao disto.
CASA
Aluga-se o segundo andar
xias n. Si: a tratar na loja.
a <"ua Duque de Ca-
Macei6.
Bacharel Lourenco do Albu-
querque
Advogado
do Rosario n. 1.
Aluga-se o armazem do sobrado da raa D.
Maria Cesar n. 37, proprio para recolher fazendas
por ser muito espacoso e reediflcado, ou para
qualqner estabelecimente : a tratar na raa de Do-
miagos Jose Martins n.48, antiga Senzala-Velba.
Agenda de empregados
Anias de leite, cozinheiras, engommadeiras, cos-
tureiras, criados e copeiros, ha sempre de afban-
cada condacta : na agencia da rua do Noguaira
D. 37.
Attengao
Na rua estreiia do Rosarn n. 35. prrpara so.
bandejas de bolinhos de todas as qualiJ.oi>.*, para
casamentos, bailes e baptisa os a x'4 e a 15* :
bandejas com bouquets e fitas C'-m lotnin-s a
gosto de seus doms e com a^sfi.i ; pr- para se
bouquets de cravos natm a s para n->rn*, com ii
las bordadas a ouro, snndo a encomnienna f-'ita,
5 ou 6 dias antes ; fax se ..ao-de-id- pafnitadns e
pudins, semedo. tudo proprv- para ptm-i t ; do
res de todas as qualidades, liodos bou lie's para
oflerta, vela? ricas enfeitadas para i .tpti-ados; to
da encommenda de flares, atcos, pahnav, msas,
e capellas ; tudo se fan barato com presteta. Tam-
bem se (ax gorros bordados a ouro, cnaiutciras c
qaalquer obra burdada a ouro.__________
Hlodisla franceza.
Mademoiselle Eagenia Loc inte & lima, aviun
a suas ac'.igas (regueza- c ao puoiicn em geral
qne sbriram novamente seu esiabelocimmuj de
casa de co^luras a rua da Imperauiz n. pri-
meiro andar, pelo que esperam cootiiiuar a me
recer a concurrencia das pessoas que pneisarem
de seus servicos.
MMt*Utmp***W4*Uum&
Advogados
Vicente de aLetnos
E
Anreliann de CarvHlho.
24Imperador24
'trS|f -t-i-ri-i-f
Catharina fugio.
No dia 28 de agosto proximo passado ausen-'
tou-seesta escrava, a ural tem os signaes seguin-'
tes : estura baixa, rosto redondo, cor prata, pes
pequenos, coslumava vendor leite, aoda sempie
com um cacete qae lhe *erve de arrimo por .o(-
frer de rttenmatismo, ja e iio-a e de na^io Cam-
binda : quem e enconlrar, pegue-a e leve-a ao >itio
do Cafnndo, estrada de Joao de Barros, que sera
gratificado. _^^^

' isaaa I %
Hn.i de Pan !! i i\
i'i
. MANOEL

KXR I NO
^lo d.'<-<
'.' I
i; v.\

bj I .-i -
J ; .
C- jal '.. -
o ji e J..C10
': ; i la dia aa
9
m

-
rinu t. CMli
'. -;'.; !' 'nr.-!i,; r
* i I >'i : c to. I
ii; er vu disespul -. ,').
d.ido .-ja ran en ia aara I
d.' pat r > daq iaats
qaaliorr rh a P a ,' r.
Victoria n. It, arm i? m de
I
i
-MB
1-T-l
ft*
-Si
-fet)
Feitor com urgenda
Tendo .it ec to o fi-iiur que trauva ir, H
(azia masaifan -rne-. M ,.;..,. &. ,,
seja cind-d a a aaHnaa aaaW i: aaa >. .
rfipa;an,ni KaBguaiu. pruajrYasWaa t
:;.
**9
ilttEaHM
um si'.o em 3*beiiho com ;j-: ciraeiros e oi
fa* anrorea (ratiliraf, e ti It- l a
Iiraiarnarii i do II pi.-io n
0 Sr, Luu Apngiude Oiiveira MbBBB, asia-
ra appareccr a rua do Rau^:-' n *'", a ast
particular lalamaa.
\
Atten<;a6.
IoBocencio P. Rabello Braga tem justo e
contratado a venda de sna casa de charutos e
cigarros, a rua estreita do Rosarie n. 16, ao Sr.
Jose Antonio Domiogues de Figueiredo : se al-
guem se julgar credor da mesma, apresente-se
nestes tres dias.
Recife, 10 de setembro de 1874.
Joao Caetano de Abreu, solicitador dos audi-
lorios desta cidade da 1" e instancia, lendo mn-
daio sua residencia para fora da cidade, para o
lugar denominado Sant'Anna, faz sciente a todo3
os seus clientes e amigos, qne tem estabelecido o
seu escridtorio no largo de Pedro II, sobrado n. 2,
onde podera ser procurado das 9 as 10 horas da
manha, e das 3 is 4 1|2 da tarde, que o acharao
prompto a camprir as ordens; depois desta hora
podera ser procurado na sala das audiencias
AttenQao
Se o Sr. Garcia, portuguez que foi feitor do en-
genho Caga Fogo, quizer empregar se, dinja se
ao engenho Santos Mrnds, da freguezia le Tra-
cunhaem, ou ao escriptorio de Oiiveira Filbos &
C-, largo do Corpo Sant. n. 19
Raa do Bom Jesus n. 10.
Aluga-se armazem e o andar do sobrado a
rna do Bom Jesus n. 10 : a tratar na roa do Im-
peradorn. 57, loja:
Quem precisir de uraa ama para todo ser-
vico externo, para casa de pouca familia, para
cozinhar e engbmmar, dirija-se a raa da Caixa
I d'Agua d. 7.
Talho do pateo do Paraizo.
Aloga-se este grande talho com o balcao de
marmore, balanca e pesos : a tratar na ruT 1.'
de Marco, antiga do Crespo, loja do Passo, junto
ao arco de Santo Antonio. '
AVISO
Os eonsenhores do predio da rua Duque de Ca-
xias n SO, declarant ao Sr. Pinto (leiloeiro) que a
parte pertesoente a massa de Bente da Silva & C,
e nma quinta parte de quatro nonas, e nio nma
nona, como declara no seu annuncio.
Aluga se uma mei agua com grandes com-
modos para (amilia, com um quarto pertencente a
mesma casa, de um lado, quintal cercado, propria
para qualqner negocio ou offlcina, e preco muito
corarcodo : a ver na mesma casa, e a tratar com
Bernardo Joaqnfm Gomes, fabrica de sabao, em
fcora de Porias. rua mperial n. 271
Lm moco qae sabe franw, arithtnetica, al-
Sebra e partidas dobradas, offerece-se para aju-
ante de algum guarda-livros : quem de seus
prestimos quizer se utiliiar, dirila-e i rua da Sen-
Mla-Nova n. 4, refinac3o.
aawj~,ytyj por al?aD8 meze 3 andar d-
S"'li' d> raa da Imperatriz, comnleuraen-
e morjiihado, a pessoa de pouca familia, preferino
dose estrangeira : a tratar no mesmo.
SITIO
Aluga-se am aitio todo murado, tendo casa pa-
ra familia, cacimba com excellente agua, 2 tan-
ques. um para banho e onlro para lavapem de
roopa, com arvoredos fructiferoi e muito bom
capim podendo ter sempre um cavallo, tendo a
casa um quarto proprio para es-triharis, ba-tante
fre%po e muito perto da estacao do cammbo de
ferro e bonds ; nos Af'gado.*, a rua d- S. Miguel
n. 105 A : a tratar na Boa-Vista, rua da lmpera-
triz, estabelecimento n 8._________________
Fiiair.-.in no di" lo p-,ra 17 dj proximo t*-
sado .-z, desi, engenho LiberJ*4e, silo aa frr
guezia da Etcada, is esfravos guioi<*
Paulo, ostatera alia, BBBBB Iris, hee>* gro*-
sos, orlhas grandes e saliente*, aa.ix ajpsaaa
chato, liocca gr nde, dent~i i>->rf*>itos e h ni -
(alia de nnha* nos pes idade de 23 anno*. csa ei
aJaataai aannaBn ao Sr Antunio Piato f-
Barreto, resid-nte em Camnina Graade, dri-i* -
teve aa cidade de Real* trotandi m a> an a m
leslia. d'onde -aluo re*tsbelecido.
Luiz, ia,l.> 10 anno*, altara rogBlar, teern a
corpo. desdeotado, calvo, e rabWte praro. tm
nma fistala no qneixo qae Ihe I noaral. mn
caro^o nos peiiiw proximo ao pec >co, o qasl pr
veio de am corns da. e e aseaneesao : rops
as aotoridades asanaai o cspitaea de 'snip..
a qnem os apprehend- r, qi:> o condnza .- n -
mo eoi'eoho acims. on a rna Direita a. 40 tad*
generosameote ftratifica se-ha
\I1 CRIADA
0 pescador pradsa de t
comp>ar : a rna Direita a. 21.
para cozinhar e
Precisa-se de am criado d 10 a 12
annos, preferiodo-se portoguei: a tratar
pa TraTesB* do Vigario n. 1
Administrador
Um estrangeiro chogado ha pouco do Rio de
Janeiro, onde sempre esteve empregado em fasen-
das de cafe e de assocar, tendo b..staiiies coube
cimentos, especialmente da caltara e fabrico ao
assocar, se offerees para dirigir ou admiaistrar
qualqner engenho oa fazenda agricoia, para o
qae apresenta os mais lisungeiros aUealaaos de
saas babilitacoes e condacta ; a procurar no ho-
tel Alhanca, a rna do Cmmercio, onle se dei-
xari caru com sobesTiptu a s. L________^^^
Aloga-se nma escrava para tudo o servico :
pa raa da Gloria n. 146.
Aluga se o primeiro andar do sabraslo a 40 4i
rna da l.aperalrii : a tratar aa mama raa c
86, 2.'an la r.___________________
Nao ha maisfabdlos
brancas.
flNTUMfili JAPONEZA.
56 0 aruca approvada pelas aail aaias ska
teiencias, reronhecida perior a aoda m
turn apparecido ate boje. Depoaito pnmm-
pal a rua da Cadnia do ReWfc, hstfa bpbt-
qaet 6t> Olinda, o. It, l. aadar, a *m
todaa as boticas e casaa 4s
reros.





a

H
df&odftefttaMSu* '44 jfefffeifeb* H fr&ttmblt -de Ka travessa darua
dasCruzes a. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de omo, pra-
ta e br3hantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaes e pedras.
Ama 2f?
na rua de Hortas n. W, on Da r
xias a>*JC.
Ama de4eite
forra on es-d
a tratar
[afte de Ca-
-^-:----
Precisase da ama ama de leite qjte aeja sadia e
seoi lilho : na rua Duque de Caxias n. 91, lojado
Rival Sem Segundo._________
l'recisa-se de uma ama que teja boa cozT
tfheira : pa rua Jo Crespo n. 7
ALUGA-8E
o
Dira grande casa terrea com bastaatas commodos
sila na estrada do Lucas : a tratar na raa do Vi-
garion. iH.-
*
puifflioao
;

Tt
RUA WWW I. 52
Preciease de ama ama para- coiinhar t
mais algun servljo de eaa de pejgaina familia
no 3' andar tteata typegtspma.
Precisa se de uma ama para com-
prsr e c zinhar am casa de homem
solleiro : na rna Nova n 9, loja.'
%If *
AMA
Preeisa-se de uroa ama livre'
ou captiva i rna da nio o 47.
Precisi-se de lima ama de1
mm idadff e de toa conctac-j
la, pa a eemprar e cozinhari
em casa de pouca familia : na raa Duque de Ca-
xias n. 70, andar: il I
AHA
DAS
uukas
-Gesse tado qnanto o antigo annuncio diz.
Ja que am certo podir assim o quit.
Atli'ncSi)
Aet^s "la f.izer pMente as sorprendentes es-
peelalidades, conduzidas pelo ultimo vapor, com
iestinj oiiecto ao muito.apreciado e frequentado
Anoazera d 28, canipro um duver de gratidao agradeceado de
leracao, desde ja, a complaceueia dos leitores
<[ne lerem este aanuncio do principio a cabo
i? otilisarem-se de sua indicacao.
Isto posto:
Espero ancioso ver entrar no armaaera.
(*aem quizer da barriga passar bom :
Alimentacao pura.
Massns ffijlssimas para s6pa, como ainda nao
;i csta praca, aitento o apurado gosto e snpe-
-iort'Jade das substaneias primas, coroo se pode
MBliarjna franca e espjttanea recommendacao
dos medicos mais afamados da Frarica e Alle
jsaoha. Uma expeftencfa convencera melbor e
*wr issu nao hesiteis.
Escolha franea.
Creme if rir, creme de tapioca, ficule de pom-
o?e tana, >1 ir de farine de mais, semoule de
lament, lapi >ea do Bresil, fleur de rir, semoule
5e rir e outras mnilas qualidadcs 'franeezas, por-
toguezas e ilaliaaas. Alem do qu* ha muitas ou-
tras eovii):;u> que lie.im a disposicao dos aman-
Vaa do saboruso : tragam dinheiro e garanto-lh'cs
tjae satisfarei ao mais exquisite paladar. Ver para
csrer, coinprar para saber.
Em conclusao:
Direi como diria, quera dira,
Viado todos um ma;o comprar :
Sao furadas I
Sim, sSo velas stearina
De luz suave e mui flna :
Cioco horas uma dura
E sao de boa gros^ura I
Note bem :
Ree3rnnion'!a-se paVticulamente ac3 amantfs
da boa pinga a rauiio saborosa e hygienica canni-
ttka, i '. ada expresfamenU para repalo dos es-
tomagos Raos a de ic dos e que se pode saborear
aos gote- extasfado pm vista de'te versinho, que
;em uo rutalo caJa garrafa' i'.ermolicamente la-
wada :
Eis aqui a fina canns
Do baile gota brilhaute :
' para, e cbeirosa o boa,
Saboro a e palpitante.
= Precisa de duas anas,
linhar"* cbmpTar e ourra para e
sat>oar : na raa da Cmoeordlo n. 43t
a?rea
co-
en-
Ama
i '
Precisa-sr de nrna ama sem ftfho,
toa conducta : a rua do Cotovullo n.
9eja de
Arna Preciaa-se de uma ama livre ou ef
i\.iu.a> crava j rua ,j0 viatic, n. wt segirado
andar.
Precisase de ama ama eacrava para com-
prar e cozinhar para ama pequena familla es*
irangeira : a rna da Cadeia do Recife n. 24, loja.
AMA
Pesa se d
ra roiinbar eve
rna da Coocordia
njna ama>aa-
sAprar :&a
\TOft Precisase de uma ama
xi i udi interno de nma pequena
Duque de Caxias n. 5i, loja.
Ama
a pall o
familia :
prar
1. 10. ,
em
QO
: na rua
Precisa se de
Ossos n. 44.
uma ama : na rua do
Palacete*
Ainda csta por alugar-se o palacete da Una dos
ftatos, do finado Custodio Jose Alves Guimaries,
oude. moron ultimamente o Sr. Dr. Ig&aeio deBar-
ros : a tratar na rua Primeiro de Marco n. 7 A.

Traspassa-se uma grande c. sa com commodos
para graade familia, e decentemente preparada,
em um dos mais aprazivei3 arrabaldes, pa9sando
pela porta a liuha dos bonds : quern pretender,
dinja se a rua do Vigario n. W, 1" andar._______
X>
CM
CO
CM
S=3
Aluga-sc
(Passando o chafariz)
EM AOS senbores de engenho e outros agricultores, e compradores de m8-
o favw de (naer umariwiU a sou estabeleclmento, para verera o novo sortimeo .
to completo qufe hi tem ; sendo tudo superior ena qualidade e fortidao ; o que com a ins-
truccSo pessoar pode-* veriflcSr.
ESffeCIlt A1TESCX0 AO NUMERO E LUt.AR DE SIJ\ FUNDIQAO
VapOreS e rodaS d ftgna A0S mais modernos systemas e em tamanhos con
OAfa 8idivors*9 circumsuncias dos senhores proprietaries e para descaroe;ar
fidHB^paftlRft de todos sXanMDhos, as mtlhor^fi que aqui existem.
as dptttadtaS para animaes, aga^ vappr. j;i jj|l )-()')!'!'J?f
Tftfom 49 ferm foadido, fcatii) e de cobrej
Alaffibkpies e ivnixtes de alanibiques.
Macbinismos B&n Waj^rocaaigo'd^e par"
BOffifeaft d,e putebte, garadtidaV....! .jj
Todae tm Bjachma e p^ai
fmx^^erCWXfyrtjOi ^ Macb&ia^ a prego rooi resuoido.
irO*Hiafl de HW91' tSh> a* rdelhor^a aais baratas existeates no mercado.
JsQCOmmeHuaSi Incuorfje-se de ma0d%r vir qualq^or macbiuisrao & vontade dos
clientes, lembrando'ifees a vaotageui de faaefem as compras por intermedio de pessoa
eatendida, e que em qnalqaer neeessidade p Ajtti&OB amgrfcAnois
e para serrar aiacfeu
qu se costuma preeisar
i/Meato tado?
ser movidos a aaao
por agua, vapor,
anUnaes.
01

e iaBtrumeote* a
.^.ttSBNCIA CONCENTRADA
DE
nai eiBo- ** i*
Pharmaceutico
Pela escola de Paris
Successor de
ARiSTIDE SA1SSET E.
Ban mercano.
Tratamento pnraraente vegetal verdaderro pnriflcador do saafoe.
A Emuenrln ilc Ctirttbn e um remedio Imje recortMckp esji* SSJi pfderoso depva-
comosi
THOS
tivo e especial para enra de todas as molestias que teem a suS^tBAJtai^^raka do aaane,
q AWam : as molestias STrmLmcas, Bocbaticas e Eschopulosas, RHKiaiArrsiio, Empwckhs, Dab-
, Dlceras, EittrcSES, etc. etc.
Os prodigrosos efTeitos que tem produzi^o a toSiiHa *e CaMM, pot Sail parts
onde ell a tem sido apropriadamente experimentafla, a tem feito adoptar carae uri dot nedieaaea-
tos mate seguros e mais energicos para a cura ds tpdaa as mqla|ln da naiaaan appksUlta
boabatrca: '
A cada fraseo acompanha nma mslrnec^o para a naoeira fc nn*.
PeiMtla anti-aartresa

Contra as aflfecctJe's cutaneas, darlhros, comiebCea, etc., etc.
Ingueirto de Caroba
Para cura das boabas, nlceras, chaoas antigas, etc.. eta.
UN1CAME.NTE PREPARADO Pfi ^^
ROUQUATftOL IPJAOS, StTCCES>:IES
Boiica FraGcea
22 Rua do Bom Jesus 22
ANTtQA RUA DA CRUZ- V
a^meracd
o 3 andar do sobrado da rua do Vigario n. 5, com
grandes e bons commodos para familia, e agna
potavel : a tratar no armazem da travessa do Cor-
po Santo ii. 25.
Massa fallida
DE
Baslos & Lomos.
No escriptorio de E. A. Burle & C, a rua
do Bom Jesus n. 48, paga-seo 3. e ultimo
dividend j na razao de 1,351 /* aos cre-
dores desta massa.
As importancias que nSo forem procura-
das ate o dia 24 do correute, serao recolhi-
das ao deposito publico.
Recife, 4 do setembro de 1874.
% ....... s
KC^BSBlterio meilico-cirurgico ft
DE
A. B. da Silva Maia.

Medico parteiro e operadur.
Rna do Rangel t>. S-l
ConsuUas das 8 a* 5 10 horas.
CUamados a qualqaer bora.
Gratis aos pobres. Nrf
CHARUTOS
DE
Jose Furtado de Simas.
Onlco dap -ito em Pernambuco, a rua do Mar-
aee A. Olinda n. Hi, de Bourgard A C.
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vital idade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello 6 uma preparacSo ao
a-iasmo ismpo agradavel, saudavel e efficaz para
rtmsejrvar. o cabello. Por meio do seu uso O
sabaio 11150, grisalho, e enfraquecido, dentro da
waco tempo revolve k cor que lhe 4 natural e
priaaitiva, e adquire o brilho e a frescura do
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
fienso e a calvicie muitas rezee, posto que nao
cm todos os casos e neutralizada.
ISSo ha nada que pode reformat o cabello
T?pois dos folliculos estarem destruidos, e aa
glaadf.s cansadas e idas, mais se ainda restarem
algnxns podem ser salvadas e utilizadas pela
sgplicncllo do Vigor. Libre do essas substaneias
ieleterias que tornam muitas preparacoes de este
f^eaero tam nocivas e deatruetivas ao cabello, o
yigor somente lhe e beneficial. Em ve de
tiujnx o cabello e o fazer pegajoso, o censerva
: aupo e forte, embellizando o, impedindo a queda
- o toraar-se rucp, e pot consequinte previue a
calvicio.
Para ago da toilette nao ha nada mais a dese-
jar; n3o contendo oleo nem tintuta, nao pode
maiiebar mesmo o maia alvo lenoo de cambraia;
aerdnra no cabello, lhe da um laatre luxurioso,
a um perfume muito agradavel.
Paw. reformat a $ da barba, 6 necessario
^aia tempo do que com o cabello, porem se pod*
sjjtessa o effeito, envolvendo a batba de noite
am mu lanco molhado no Vigor.
HWWiDO POE
XNfc. J. C. AVER & CA* Lowell, Mass^
Botados TJnidou,
Chi.-*** JHr*e*U$ e AimJyiico$,
VBWDH SB POR
CASA DO OURO
Acs 4:000^000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 50, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
muito feiizes bilhetes a sorte de 700* em um
meio bilhete re n. 846, a sorte de 100* em um:
meio de n. 1:051, e um meio de n. 2531 com
a sorte de 100*, alem de outras sortes menores de
10*000 e 20*000 da loteria que se acabon de ex-
trahir (115); convida, aos possuidores a virem re-
ceber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita
vel publico para vir ao sea estabelecimento com-
prar os muito feiizes bilhetes.que nao deixarao de
tirar qualquer sremio, como prova pelos mejmcs
annuncios
Acham-se a venda os muito feiizes bilhetes ga-
'antid03 da 6* parte da loteria a beneficio da
igreja da Casi Forte, que se extrahira no dia ter-
ca-feira, 15 do corrente mez.
I'recos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 1009000 para cima,
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 5 de setembro de 1874.
Joao Jonauim da Costa Leite
A VIS A.U aos senhoras de engenhos- e outros agricultores e ao publico
oontinuam a receber de higlaterra, Fraaee e America, todas as ferragens <
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais rrjodernas- e melbor ebra qr.e-tem vsndo
^0 mercado.
V apOreS de for^a de -, 6, 8 e 10 eavailos, os meiho?3s que tera vindo
vjalueiraS de sobresrieute para vapores.
jlOenaaS lUteiraS emeias moeada, obra como naeea aqui veio.
laiXaS IUnaidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
ttOuaS Q agUa COm cbjede Jerre, Sortes e bem acabada*.
tCOuaS deiltaaaS de todos os tamabos e qoalidades.
Relogios e apitos p*,evapor.
DOmDaS de ferro, de repuebo.
AJaaOS de diversas qualidades.
donnas para assucar,grwides *f*pm.
VarandaS deferro fiindidO^ Jranceias dediveraesebonites-gostss.
r OgOeS Iranceze8 para leDha e oarvSo, ebra superior.
Ditos ditos ^n ga2.
Jarros de ferro fundido para ardim.
Pes de ferro
Maehina
Valvulas
Oorrtjiab iliglezaS para machiuismo.
tJanCOS e SOlaS com tiras de madeira, paraiardim. v
OoilCertOS concertam eom promplidlo qualquer obra oa machine, para o qua- teesr
soa-fabrica bem montada, com grande ebom pessoal.
SnCOmmendaS maa^ara v'r P07 encoramenda da Europa, quakqoer machiaiMao,
para o que se correspondem com oma respeitavel casa de Londres
i eom um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; inewnbem-se de mandar a3sentar
utas machines, e se respoasabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (ma do Bram)ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO d IRiAO.
part
para mesa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banhoiro.
Signaes do negro Feliciano
Crioulo, idade 40 annos, pouco mais ou menos,
alto, corpo regular, bem preto, desdentado, barba-
do, mal feito de pes, tendo um dos dedos grandes
ou ambos bastante tonos. Acha-se fagido ba 6
mezes, desta segunda fugida, e da primeira esteve
dous annos no engenho Tombador, freguezia do
Bonito, pertencente a Francisco de tal, genro do
capitao Christovao Jose Macbado, senhor do en-
genho S. Christovao, da dita freguezia, e por stes
engenhos esta occullo, como tem estado. Veio pela
primeira vez preso pelo capitao de campo JoSo
Ventura, que mora em Agua-Preta : recommen-
da-se a sua captura as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo, eleva-lo ao engenho Minas No-
vas, freguezia de Gamelleira. 0 dito negro intita-
la-se forro com o nome de Jose Feliciane.
ODILON DUARTE & IRMAO
oABELLEtREIROS
Premiados na exposicao de 1&T2
RUA
DA
[JJPERATRTZ
S. 82
1/ ANDAR.]
RUA
DA
IMPERATRIZ
K 83.
!. ANDAR.
55.
J.IHI
Constructor e iiliuailor k pianos
Rua do lmperrdor-
55
Ex-a&nador das antigas e zfaraadas canas Pleyel d Herz, e antigo direr turdar
oflicioa da casa Alphonse Blondel.
Tem a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidad, que tem aberto
sua casa de concertos e aQnagoes de piauos, qualquer que sejao etado do instrument
A' mesma casa acaba de receber um grande snrtimento de pianos dos tnplho-
res fabricantes de Par's, como Erard Pleyel, Henri Htrz o Alphonse Monde!; '
os pianos sahidos da casa Dhib&ut sSo garautidos.
Compra-se e recebe-se em treca os pianos usados.
HOTEL
Rua f. de Marco n. 7 A, primeiro andar
Hoje, 10 de setembro de 1874
01ART0S SIBILUDOS Gil GOSTO
Toma-se assignaturas mensaes
Perito cozinheiro .francez, chegado ultimamente da Eu
ropa. P. Sauvignac
GABINETES PARTICULARES
Sato verde
Salao enearoado
Adnainistrador J. Delsuc.

OLINDA.
Aluga-se por festa ou por anno, na rna de S.
Pedro Apostolo ou Passo Castelhano, tres casas
terreas, com encanamento d'agua e gaz, bons com-
modos e quintaes grandes e murados, com diver-
sos arvoredos de fructo : a tratar no pateo do
Corpo Santo n. 17, 3.* andar.
Acabam de reformar o seu estabeieciraento, collflcaado-o nas melhores con-
diccSes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
qaillo qufi ffir tendente a arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques moderntssimos, tran^as, cachepeign, tecidos> desOThos em cabellos, quadroe tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de rnbdas, e por isso pode vender 20 '/o menos que outro qualquer, gaiantindo
perfeicSono trabalho, agrado, sinceridade e prec^) raaoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porgJo e a retatho e todos os utensilios pertencentea i arte de cabelleireiro.
Alnga se ama casa em Apipacos, em optima
posicao e bons commodos para familia :
na rna Sete de Setembro n. 13.
a tratar
ADVOGADO
UACHAREL JfUQlIM GLEWES DA
SILVA HELLO.
S3 Baa estretta do Rosario 99
primeiro andar.

Alngam-se contantemente amas seccas e de
eite : na travessa da matrix de Santa Antonio
In 6.
no aanbado a noite am par de oculos de aro de
ouro com vtdros acnes, em ama eaixa de ma-
deira : quem o achou e quizer restituir, muito se]
agradecera, e mesmo reeompeniara, na secretaria
da Santa Casa.
Alflgft-ee
ama casa reediflcads, eom commodos aara iran-
rde familia e o aitio com bastantes fructetna, na
Capnnga, rua da Ventura n. 9 : a lr*tar na rna
Duque de Caxias 0. lit. _
MODAS DE PARIS
48RUA DO BARAO DA VICTORIA18
Primeiro andar, enlrada pela fm to Snto kmm.
Madame Potelleret,. modista franceza
tem a satisfacao de aviaar a suas amaveis freguezas, e em. geraJ a todai as senhoras oae se vaatsa e
se toeam a parisiense, que acabi de receber pelo vapor Vittt de Santos, nma raapiitka eacoiha dm tc-
gaioles artigos do ma^s apurado gosto :
CII vPEOS de palba de Italia, ditos a ingleza e dearroz, em tolas as cores, fllo preto para luta etc
DITOS depalba da Italia magniucamente enfeilados para meninos e criancas de mait peqira.i
idade. Uma grande parte destes chapeos foram enfeilados por uma (frs mats' a'famadu raodistai d 1
Boulevard dos Italianoj, alii o oentro da mais apuradt moda.
GHANDS variedade de flores e plumas, tado o qua se no le verde mais iiodo e mais modarn
para um toucado de baile e para guarnicoas de chapeos e vestidos. Aderecos eompletos de 9>>r aa b
ranja odorifera, para casamento, assim como flores e balSes para guarmcao e enfeite de ve-tido.
FITA de gorgorao de core preta, ditas de chamalote para cintos com diversos matlset, filo pret
e branco, renga de seda preta e branea, dita de Ii, velndo preto e da cores, galio de sen ele, tk.
GORGORAO e panne de linbo para vestido de senhora.
Uma escolha de (robes de chambre) ropoe* gaaraccidos de rend as e bordados. Caariaas e fet;
mentas demiajuste, collarinhos para senhoras e mocu.
Temos alem do que acabamos de raencion ir ama grande variedade de peqaeaos artigos que tor-
nar-se-hia massante a leitnra delles, o que basta dizer que 6 tad) quanto se fax mister para o cMa^ie
de nma toillete comm'il fant.
PREPARADO POR
BAETHOLOMEO & C.
Ptaraacenlteosfla casa real de S. 1. F. ekei de Formal
Premiados em diversas exposi^es eom o primeiro pre-
mio de sua classe.
0 xarope vegetal americano, garaotldb purahbntb vbgbtal, nao cont6m em sua composicao
,00196 atomo de 'jflo, e slm fomenle succos de plant** ndigenas, enjas propriedadas beneflcas na
enra das molestias que pertencem aos orgSos da resojrasao, tem sido observadas por longo tempo pa-
log medicos mais distinctoajiue o ra ommendam a presereve a todbs os dlas no tratamento d'aa 0^^
cfaites, tanto agudas camp chronicas, asthma, toss.s rabeld'ap, escarros de sangne, tuislca no Df,rapiro
grao e contra as irritaeSes nervosas.
3~4
DIPQSITO GEBAL
Mualarga do Remrio = 34
DUBARRY
Antiga loja de ferragens linas dDG&Mafo Duba rry.
0 proprietario desta loja tendo chegado reqentanuala & Btm. e seiado oferifado a
voltar muito breve, estd inteirameote resolvido a biquidw, rasyn vmto de hoje em
diante com grande abatimento : a dita lcja ach*se muito ben*aarli4a, aio ao da ierra-
genes finas, ingletas e francezas, das que o aotecesscir ubarrvwmpra wbi, aeado
para carapyia, marcineiro, pedreiro, tanoeico, toofo, etc.etc *vmot*tab9tnCWnphlfi
sortimor'to dobombas para puxar agua, utensi'iqB de QAaiikba, i tmo batido, esUakaio
"('jrradode porcelana ; comosejam bules, cassarolas, frfgidetras, etc., etc. : sorttment)
de espelhos para adorno de salas, varas douraflas para fo<-.-a*r qi*4t*s, fiats e*toma<
nao si't para qdadros como para cosoioramas, ricas estan&as, grrrnras Wtas em ntftlftrs,
em forma to muito grande representando o principio ewa do raufdo : aortimcnlo de
vidroa finos grande e pnquenos para cosmoratias: appwelhoa- brauca, dourado e coloiido, e ditos para jantar, s fraflde sortMnR^'tte'Tasos flares
*ra eiina de toilette, etc., etc. : grande sortimet.j de briaqai&fWra riaooas, e mi-
tos outros artigos, e todo e qualquer arligo se vetje d^b^eeui iiitj^au'eoviJtriu^ tSi-
mento, a fun de llquidar inteiramente, vito o propiiglitiQitea da paafia-mafia bum pt>a
a Europa: na Boa-Yhta, raa da Imperatriz n. 8,


V
-
I
Dial* ia*tf"eiiiwnluiCQBb-4 Somai i&*1 t-&6*&JMm&<&> 1OTV
MM
X
Trepwado rov
Unman < K^md
para ***
iod> a jnuwdaat
de4oensa>,quai
sqja na (jarganta,
to ou boles.
ressamenie
idodosme-
lhoresfigadosdos
quaes se eatrabe
i
liojade Tazewhk's

0
E
cofflassetoa^;
a,t>gneUa, ma Duque .*<*ttMftdjJW,
tiapa aj beflo sex.o gue acaba ne reeeber da
raps, mil etrmplb sortrrtl^Mt) da aYligos dfe .
ma moda, e como acha tf'*WpAwsr'ftfref'
Bjr ja spr.basttntei c&nlie
Uidoa o n'yfeb'Jfectl BpytltaciB ides
SONOAS OLIVAES
.Jlfih8]S 9c
jU'jl.
.18 3
O aoiigo Uratcirq.comicila, a vender pqr merios ,^d^sw anuinrcioi. ,
do tjne outro quaver, com a frtti/lueza e siu' ,cjd4) ecaprictiar seropre en U)r,bou corraapap
eewdada Ja eonheeiaa. ] ^ntes, seIja0 a pr,;uieira que apresenta o que hi.
14s de cures a SCO e ttOrs. ocovado. Ide -mats modrnioi por prfeeos rritli raimtveis; por $ cptihecidsS
Us pretas superior, a too.rs. o covado. tiMB ihrm^sa --#8?wever semente'o %*:: I "lUiiaW m
^Be*aB douiadas. I ViilHl(!HI-6ft
^ ^mals'modernas e aper'fi'i^oada^jle jti
mfcsfo J*mm
T
JSsP^.iNCA, a rnaDuone de
ida pela .-uperiorjdade de
0 43 Quelmado 0 43
l.ailnbo* BwaralaalelraB.
200 rs. o fcovado
q ojeo pao banco
Ja Terra Nova
purificado chimi-
icalmeute, e sues
|valuaveispropri-
edades conserva-
das com todoti
cuidadQ,eni.todc
ofrasoosegaran-
.^perteit&me li-
te puro.
"Este oleo ten
sido submettido
aumcxamemui-
to sever pelc
chimico 4e mail
talent, do go-
verao -bespanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
He conter j
MAIOR TORC>0 B'IGDINA
do que outra qualquer oteo, que ello tee;
examinado
IODINO t UM PODER SALVADOR.
Em todo o3eo de figado de quelle no qaal contem a roator por^So deste
invaluavel propriedade, e o/unico meio f>ax
curar todcs as d^njas de
GARGANTA,PElTO,eFES, HGAfiO,
Pbtysioa, broucbistes, estbraa, catbarrbo.
tosse, resfmmentos, etc.
Uns .poucos frascos dd c^rnes muitc
magr que seja, clarea e vista, fia vigor
a todo o corpo. Nenbum outro artigo co-
ohecido na medicina ou sciencta, dd tanto
nutimento aosystcmac inoommodando quas:
nada o estomagol
Aspessoas cuja orgaqisajao tem sido dcs-
truida pelas affecj6es das
ESCROFULAS OU RHEUMAtlSMO
e todas aquella?, cuja digestao se acba com-
pletamente desarranada, devem tomar
OOLEO DEFIGADO D BACiLHA
OK
LANMAN & KEMP
La e seda, taieuda "de i^idO por ^OQcs, o co-
vado.
Caitas de #M 140-i280 rs. o covado.
Meiins de cores a 280 rs. o eovailo.
CretonjBs de padrSea liados a irwdernos -a AOO e
4W rs. o covaao
BapMstas *s lindos padrSes a 400 rs o cevadu. seuUs
Carabratas de c6avmidas e gniadas a 200 rs. p .<.0urtgS e jmphos.
.'ooMilft. Hpiwutti para rfii^a, com capa de tnadreptirola,
Dilas pretas com Sores a 200 rs. o cusvt*. | ..mrtru|ra, *iar,flm, vpJIndo, Carjjljraias braocas, trordadas a abertas, lazeaoa fJwpatiliihnn -rln infiin para bapUsado.
raais ftna qoe tem vindo aojnercado, e razeada. caiordada* aara, leabprift.
de 2*000 o iwtre, for 1000 a vara ; t pe- WSl
Elcow de cures, unto de soda, come de gqipura
Rttiics douradns, de madroperola, marUm, taf
H t*rur., 88?o, -etc.
! MMOtM e bai .
1 PreacntcR, diversos srligoilproprios paru pre-
PUARMAGU J *BR0e*tUA-'< ('
lea tl *DB-.
Bartholomeu & C
;3~'Rua|la-?aaoaQsario-3ti>i
iaa d.W, Deiri c Vohecid
sHus, at%lsl'dt; nJrtd-:-e|ih*di3.ia, acaba de rero-
etliMHstKotnimeiidM de mr adorias de mi
. ropartivao. qoei>ela elcganei ;.bem raostr apudao i
a bom ga Iticile seus antigos cturesp. ndentes da
to3as Kuropa, e pnr &ta raiio a NOVA ESPERANCA,;
'a'Jna Daqtie'de Caxlas n. 63, convida a ana boa,
e eotstaiKe frefnetiae cum especlalidade ao ictto
imai, a visikirom na, afim de apreciarem ate
onde toca o priuior d'arie.
A NOVA ESPERANCA nao qoer e .Irar no na-
mero dos massaotes (verdadeiro* azucrins) con
exte*e anownoios e'nero prelende descrever a
luinaaaldada deobjeetos que tawexposto* a ven =----------------1-----------
Ja,o ouBserla quasi iotpoMtvel, ma* Jimiur se ha LiUStreS e arJlIlCtelaS 06 YIar(
a aiepcionar algous daqoeiles de mais alu novidade
fkrava t'ugida
Desapparecea da casa de s,eus senhores, hon-
tem 0 do eorreote, -a escrava de nome Julian;.,
com os signaee sagulntes : mulata acatioclada,
cabellos crespos, cara Jarga, con bastantes es-
pinbas, cbeia A cor^o, aliura regular, tem no
rosto do lado direito uma cicatrir. ae qaeimadu-
ra e pernas acinzentadasi, levou vestido de chita
escora, chalej de merino estampado, velbo e de
oor branca, camisa do madapoiio, sapalos de
tranca velbos, e levou em uma iroiua um ves-
tido de cambraia branca, e suppoe-se que mais al-
guma ronpa de uso : ruga-se aos Srs capitaes de
campo que encootrarem dita escrava, leva-la a
rua Ouque de Caxias n. 76, antiga rua do Qtei-
caauo, que serao geuerosamenie recoropensados..
^ Alerta a pdma
Andam qnatro individuos procurando a loja de
refegios e subindo escadai a rua do Cabuga e seus
lados, as 10 boras da nolle.
Precisa-se alugar um escrava para servlyo de
padaria : na ruank Marcilio Dias n. 69.
Compra-se um escravo de i". a 35 annos de
idade, que nao tenba vicios e que seja sadio, pro-
prio para traaalho de padaria, e melhor sera se
entecder do trabalao : a tratar na rua do Cams-
r?.o n. 17.
iNDAS

cbincba.
Cambraia transparente, floa, a || a pe$.
Dita Victoria, noa, a 3*500 a pe?a.
A1god3o tran^-ado, alvo, a 440 rs. a vara.
Brim Lranco deHrAo a *<400 a vara.
Uitos de cores ne Inno fino a WO rs. o covado.
Madapollo (rancaz verdadeirq, 34 >artU, a 6# e
H a peca.
AlgodaeT, largo stpcrloT, arJJ a peca.
Gergorso preto de seda para vestido e para coilete
a 3* o cevado
Toalbas grandes a 4A300*dua.
Colcha* grandos a 3 uma.
Lenc5os de bramante a 2? um.
Cobertas de anga, forrad&s, a H e 3*. _^
Leocos de linh, abaflkados e am QaoMBbaa *
3*500 a duzia.
Oitos de cores a 3*300 a duzia. ,
E ourros muitos artigospor precos baratissimos.
86 narua 4o Crespo B.;20, loja das 3 portas. Dio-
se amoMraa. .___
...Ouo.1
i
1'igaw de seda
I'mnjiiM mosaicas.
Ai.-r*>*-< de -tartarrjtja.
* Itan'rle madreperola.
i*ulsiraS de madreperola.
I.imitiM flores para cabe^a.
oian de velfudo.
PerfHinnrhis dos melhores mats afamados
fabricaotes.
Cbapeoi de sol para senhoras.
FHatt de velludo *e todas as cores e larguras,
Moscas.
Quereis livrar-vos destts maldftfts insectos? eom-
prai uma m^cbtsa de malar woscas por 30000
ua Magnolia, a rua Daaue ae Caxias n. 45.
Camoa.
A Magnolia, a rua Duque d Caxias a. V5, wx--
de o ventefkiro Vigor de Ayer, qoe tmpede
cahida dos 'cabello*.
Muilo nova e grossa.
Veudese por barato pre^i m nirf^o1 ou a w
Ulho ; M w 4arga do R Bario a. U.
Salsa parrllha
Totlos se admlraM Tt
Liiinhai verdadetras ot*n Hndi om^x yaaWa.
a 2UO/8. o eom ; e faaenda 4e 400 r?. : apf*-
vuiiem que ^ pec!iinch. 013 covda as Kaw
amilias para mandarem buscar as amo-traa.
4B ^5aVJ
Rna d Queinaaal*.________
tonaralgu
;l Brormi
de rle acxmselhar ao bello sexn,

para gaz
fae a visltem eoBstsntometite, para depefe qoe .. ^j. S ,m do in,nerader
Kpraim. em outra tfXl!^J! AP?esSplTS da* i^ SS^
peo^WP, vista do -bom e ^lh.do_sorumeBte dem' ^ os mais ^^ e ^^
que ha em dito esubelecimento, eita raiao tam
bem demonstra qe nualquer senhora do bom torn,
b3q afei* cepMir a rtefaneia de sea toilet
amifo&dawpaaseioi >m\'K 1 iANUA,.a
Cortes flecasiraira a ifcW %S&fS&2tTiS&'Z& E>^iMSay-jt
EXP0SI?A0
DE
;FssEendas e artigos de ^lta
novidade
Jardas panos.
Na krJA-'do Pavao, -vende-s cottes de ca-
semira para cal<;a a 4$, '5ft e 6^(000, ditos
nruito Qnosde uma s6 cOr com fetras1 ap'la-
do, feienda qne sempre'se veade*u afyS e
10JO00, liquidr-se a 6^069-nara acabar :
4 rua dalmp0rriz n, 60, ftelelit'Pereira
do SUva.
GmRde dcscftbcrta
So tem sardas e panos qaem qaet; porqoe,a
MagnoUft, a rua Duque de Caxias .ft5, tem ptra
vender a verdadeira Cirtkuleria, qu fai desappa-
recer eas mancbas em poucos mi*.
NA
UUA DO PASSt
liua i*rimm de lai^o n. 7 A.
ffifordetr- wimftcK *., proprieurios Eoces seccos e em caida
AsenHea Rua do Gommeicio n. 22
Mr-d & liraa
Os proprielarios avisam a seus fregtczes qne
teem para vender o seguinte :
Cineo minuios -daattencao
de .
Moderoas settas para premier os cabellos
Priaweosos leqncs de pataotasia.
BoBitassafcidas de baiies para senboras e meni-
nas.
ftKeressafltes gravatas para senboras.
HMgaB4alebas de touquim.
u.-tre; c aras
delas de vldro para gat, a sim como tud i > ma
rine se torbaneeessario para esse Dm, sen- > ta!
os melboiias hbrieanies qne ha Iofrtatcrra
precos sao mais barams dj que m ontra rjnaiqae '
' o d no da estiic-
tres ou *Tmai-.
la no lugar que o compradorquizer, ?em no* par-
isso pagne alguma c"U*a. Taiimem se cimpra H
troca se lustres e arandelas fa. usadaa, maa qae
estejam em cstado de p"der scvir.
Bona;*drecos de maareperota.
Dulicadiis aaerec< pretos de
' (gosto novo). .......

EsUi se aeabando
t, garante'se a boa qnalidad"' do vinno puro das
Iavintas Jlo Uma, d> rtawp' da Beira, superior
as da figueira, e ?6 se encontra no armaiem de
.JasA Fernandas Lima & C. a rua co Barao
Gurativo das HOld&tiai fliiq ^5^fjS6i^r,M
->P >nritn AP^n
peito peio
Xeretpo do suintiitu de
A. Bi3R%E7r
E*te importanta nreihcamento one
wrHwcido BeloS'dBtiactoeDrs'Zsi
ae ftcaba de ser
lorii e'Paras-
..
:
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para ienhnra, (
pufaio e borracba moda) : a Magnolia a roa lMtre de (^x-aa
e so qucm tem.
Papai, mamai.
Como sio lindas as bonecaa de cera qu* eh*-
mam papai, mamai, ch-ram, andam.ete. Semi
Magnolia a rna Uuqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolaf.
A Magn> iia, a rua Duque de Caxja* n. 4^re-
cehrtu gaiola^ rte aranw de MndisirB<'s modirtr*
prophas para passarus; a ell*a aits qua
bem.
de nova lnvencao
Corn um penteadivyk'Stts pcntea se uma senho-
ra ea doui miuolos, e
acha se decentemente
um baile, assistir ca-
ATTENCAO
Vende-se uma eollecgSo do CARAPUCEI-
RO, periodico critko, satyrico, jocoso p
moral, escripto pelo fallecido padre Miguel
dd 8. Lopes Gama ; a pessoa ^ue quizer
comprar diriji-se ao 2." audar desta typo-
graphia, de mariha ate 9 boras, das 3 da
tarde em diante*
LEXB PKQVINCIAES.
Vende-se no 1. andar desta typograpbia,
em mao do admiaistrado, Colleec$6es de
Leis Provinciaes a 50 rs. o exemplar de
cada anno.____________________________
Asunicas verdadeiras
Bi cbas hamburguezas qne vem a este mercaio
na rna do Marnuez deulinda ".8<
Veode-se um terreno eom 200 paluios de
frente e 259 de fuodo, tendo ediGcada uma casa
de madeira no fuado do mesmo, confronte ao ce-
miterio publico, em Sarrtj Amaro: a tra'ar no
mesmo a qualquer iwra do dia.
VENDE-SE
Na rua do Vigario a. 10, vende-se o seguinte
Ooieaio de Portland, em primeira ntao.
Vinho do Porto, angarraUdo, limssimo, em c ai-
xas de duzia.
Dito dito em barn's e ancoretas.
Vinbo Sherry, inglez em eaixas de duzia.
Viabo Collares em aaooratas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cara em grume, idem.
CALCADOS
Cbegou para on. HI, roa de Duque de Oaxia,
um romplato sortimerHo de botinas e eapatos de
entrada baixa, de daraque e abagruj, para 'se-
nhoras e meninaa ; borzeguinside pelliea a de
beaerro, pata menfnes; etiiqoitos de lustre e de
chagrin para criancas ; male outras qvatidades
de Cilcados. tudo raW baraia do qa em outra
parte._______________:___________.
Botoes de a^o para vea-
tidos.
Na rua Daqve de C&tiaa n. tit, aa eneoatrar*
os procurados boioi do a.oo e d metal para ves-
tidos e casacos de senhora e da menjnaa e p^r
precos mais baratos do que em ontra parte.
Cavallo.
\emle-se am bonito oavallo de estioiaeio, gran-
de e novo, russo, proprio para sella e bom an-
dador : para ver nas Ciaco-Pontas, cocheira do
Pedro._________________|_________
Aos Srs. de engenho.
Vende-ae Decay dtf aigodio da Bahia, com 25
varas, tendo nm pequeno dsffjjfo por 5* e "1$ a
pe?*: na raa do Crespo n. SJO, loja. de fazendas
de Guilherme & G,
deste importante estabelechnento, no loavavel pro
prosito de nao desmentirem 0 eonceito qne os
seus Burueresos freguezes Ihes tem dispeosado,
acabam de reeeber de sua conta 0 n:ais nco sor-
timento de sedas, popeHoas, las e artigos ae ul-
tima moda em Paris, e contiuuaffio a reeeber
por lodos os paquetes daquella precedeccia ; por
isso chamao a atteucao de seus freguezes e es
convidam a darem nm paseio ao eu estabeleci-
mento, garentindolhes que encontrarao a r,e,ali-
dade do iqoe 6ca dito, e parapri'Va dao um pe
queno xexuno, cujo infallivelnirnte despertara a
allcncao dos preteudentes.
Maii-Jani fazendas a casa dos freguezes, e dilo
amostras mt-diante penlior.
Arfilios tie aMa novidade e
ullint:i naoiln
Cortes de vestido de linho guarnecidos de teico
da mesuia fazenda e cdr, trazenJo livella, bolca,
cinto, etc etc.
Hiqaissimos chapeos para senhora, de cores e
pretos.
Cortes de carrbraia brancos com lindos bor-
dados.
Ditos de cores com eofeites da mesma fazeDda,
flgurino, etc. etc.
Capas de la para raeninas e senhoras, guame-
cidas de arminho.
Vcstoarlos para baplisado.
Riqnissimas csmisas bTdadas para senhora.
Leqnes de madreperola, para noivas.
Iticas colcbas de seda, para casamento.
Cirtes de seda, lindas cores. ,
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedinhr.s de dellcadss padroes.
Setira Macao de todas as cores.
Crosdeaaples pretos o do ooroa.
Velludo preto e damasco de seda.
Granadine preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquipas de seoa.
Casacos de merin6 de cores, li, etc.
Manias brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, aitas roariposas brancas/dej
cores, lisas e boriadas.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listraa, etc.
Brins de linho para vestido!.
Fustao de cores.
Saias bordadas para senhori.
Grande sortiinento de camisas de linho usas t
bordadas. para bomem.
Meia3 de cores para bomem, senhora, meninos
e meninas.
Sortimento de chapeos de-sol para homens -e
seDhora.
Merinas de cores para vestidog.
Dito pieto ttanjado e de verac, bombazina, eau-
ao, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e algodao para toalbas, e diio
pardo.
Damasco de -la.
Brim de linho branco e de cores.
Setios de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de easemira.
CaiLisas de cbita para homem e ditas de fla-
nella.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordadoe e ditos de latiyrintbo.
Rieos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
para baiies, e tarlatana de todas is cores.
Colchas de damasco de li, e ditas de crochet.
Espartilrios lisos e bordados.
Foulard de seda, lndas cores.
Meias de seda para senboras e meninaa.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temo^ um varialissimo sortimento,
nao so em gosto como em qualidade.
com listras de seda, ditas com pal nas bordadas,
ditas transparentes e de outras muitas quaiidades.
I.uvas
de petlica branca* e de cores, do verdadeiro ta-
hricante Jouvio.
Finalmente :
tapetes para sola, cadeiras, eaina, entrada, etc,
cambraias brancas, chitas de todas as quaVdadee,
madapolSes, eegaiaa, bretaDbas, bramantes, algo-
does, eollarinhos, punbas, meias para homem e
senhora, punbos e eollarmhos braacos e de co-
res para senhoras, gravatas para homem e senho-
ra, peitos bordados, lencos de Hnho brancos e de
ceres, ditos de cambraia de Rnho, toalbas, guar-
danapos, paono fino, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco u. T A
autiga do Crespp.
Empadas lie camarao
Fiambres preparado
Salamede Lycrn
Tndo bom.
Bolos ingleaes
Fcuclas preparadas
Vinfeos superlores
Cerveja gelada
Tudo bem.
0 bom caf6 de Moka
I'eiisi'os -o bons boqados
Na asseiublea
Se serve com agrado,
Tudobcm. -
Bolinhos jura cha
Pudius, paes-de-16
Charotos da:Bahia
E jogo de1 domino.
Os donos deste estabeleeimento ernsam -a-aeat
i freguezes qe nao sao egoistas e psnettem vee-
1 der barato, para vender muito.
N. 22 Rua do Comercio N. 22
Armazem da Asemblea.
Teoe
ahevas como ura verdadeiro espe: Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPT^hANrx recebeu 0 ararr.- proprit
para armac^n d., chapVos.______^______
11
Deposito da pharmaaaielrogoria
de
BatV<* N. 34 Rua '
n. '82, prime*ro andnr.

As almoCadas bordadas de la matisadas qae re-
53 Rna Duque de Caxias 5
Augnsto Po:to Keceteu novo sortir ; dos cogues de Uanea, ciitos de coruo com fivaflK
de metal, elegant s gravaia de s'-'-im i' td t
Boa ae^qiHsioao
4euaNirR Esperanca, a rua Duque de pwgorao'prfti c m i.h Gfflcia^ r ________popelinas que eslii vendeado lUo covdr.
j 11 .t>iX-vXC^C
Lavas hrMit'is
Uma propriedade a margem da Cambda
QfffSS'S^ffiS^^ dosRemSdios, contend-, borro para toda .
' accftiumodacjlus. para nuaierosa familia, leedifi-:!iqualquer obra, com uma gran ie otana,
cado e pintado de uovo, com befli.-sima visia ;,casa de vivenda e tres viveieus com peixes.
muito fresco e com qoiL-tal : a tratar no pateo; promatte-se fazer todo e qual juer negocio :
a tratar com Del fun Litis Cavalcanto Pes-
de Jouvin ; a Mgnolia, a rua Duqu? de Cama
n. 43, c so gucm a.-, teui ti>f-as.______________
AO N. 9.
dw'Pedro H^r 6, l .* adr.
-IB?
ecoeomioo.
Graxa glycerina propria para a coaservacao do
cordo\*> ;-v^ade a NOVA ESPERAflCA, a rua Ba
que- d GB> n.-Oi ______
soa.
rua do Cahupra
No armazem da tromheta di fania c ir.mercii
no pateo do Carmo, v^dJc se maut ua ingl. n.
flor a ii e a 1*200 a lilira, e fr mvza 1 80G <
760 rs. a libra ; l*m rnrno ciiitini;;i a ter mt-
bom ortimeulo para qualquer ibt-f >. d- faui 1
fazer sua dispensa, qner sej. da ,t.'<,- ca d
matt.
Chapeos para senhora.
A ioja da Passo, a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu nm hco sortimento de chapeos
para senboras, pretos e de cores.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoroa e mais aperfafcoadas das ate boje co-
nnecidas.
vendese
u
Pharmacia e Ta^*rla
de
Bartolomeo <& C.
8#. Rua brga do&oarU> 34
Vaccina. v accina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magaibaes,
montado na corte um complete serrico deste ar-
tigo, tem aqui aberto nm deposito da melhor e
mais recente, cujos to bos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
34- raa larga do Rosario M.
Vende-se" a casa terrea da rua de Santa Ce-
cilia n .21 : a fallar u roa da9 Cinco Pontas nu-
mero 31.
1 A.
Os prop^etarios da Predilecta, no intuilo *
conservar o bom cxeoito que *em mereoida -do
respatavel publico, distinguindo o sen estabeleci-
mento dos mais que Begociam no mesmo geserc
veom soientificar aos sess bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes aos diversae par-
kas d'Earopa para es enviarem por todos os pa-
quetes os objectos de luxo e boei gosto, uue *-
jam mais bem aceitos pelas sociedades eldgantai
daqueiles paizes, vistc aproximar e o tempo de
festa, m- tjue o belle sexo desta linda veaei*
mais oateota a riquesa de suas toillettes ; e o-
mo ji reoebessem pelo paquete francez divers^
artigors da ultima, moda, veem pateutear algae?
d'enti* elles que se'torcam mais recommendaveis,
esperaado do respertavel publice a costumads
conemveneia.
Adrcds de tartaruca os mais lindos que teem
vindo ao mcrcado.
Albuos com ricas eaoas de madreperola e 4c
velludo, senoo diversos tamanhos e baratos pr-
os
Adereeos oompletos de borracha pre pries para
Into, tambeu. se vendem meios adere^cs muito bo-
nitos.
BotSes de sstim preto c de c6res para ornato d
estidos de aechora ; taiabem tem pata coilete
nalitot.
Bolsas para senhoras, axiate um babe sorlimen-
de seda, deypalha, de ehagrim, etc, etc., por
barato preen.
Boaecas de todos os tamanhos, tanto de louj*
como de cera, de borracha e de massa ; ehama-
mos a attencao das Ex mas. Sras. para aste artigo,
pois as vezee tomam-se as eriancas um pouco im-
pertinentes por falta de um objecto que as en-
tretenham.
Camisas de hnho lisas e com peitos bordadof
para homem, ver,dem-se por preco commode.
Ceroulas de hnho e de algodao, de diversos pre-
Caixiahas com.mnsica, o que ha de mais Undo,
oom disticos nas tampas e proprios para presen
te
Coques os mais modernos e de diversos torma-
tos.
Gbapeos para senhora. Receberam am sortimeBM
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capohas simples e com veo para naivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindos
degp.nbos.
Eacovas electricas paca denies, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos denies.
Franjas de seda pretas e de core?, axute nm
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco. ^^
Fitas de aaria. da g^rgnrao, deaenm
a>aln.e, de divewas larguras e boaitae eoiea.
Facbas de goraurao muito lindas.
Fi- artinciaes. A Predilecta prlma em con-
ervar sempre m berlo e graade sortimento des-
as flores, nao as pata enfsite doe c-beaos, coma
tambem para orcato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pra-
os et de divemas cores.
Gravatts de seda para homem e aeahoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para senhora
Li gas de seda de cores e brancas bordadas pan
Mm
Livros para onvir missa, com capas de madra-
parola, marfim, ijs-o e velludo, todo que ha ds
wm-
Pentes de tartaniga e marfim para atrsar os ca
bellos ; teem tambem para tirar easpas.
Port bonquet. Um bello sortimeato de madre-
perola, marfim, 6sso e dourados por
Permmarias. Neste artigo esta a Vt< ,
provrda, nto s6 em extractor, come MB- rtew *
baohas das melhoras odores, -das mais imtlifH
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedada fiygiamsa.
Coudray, Gosnel e Himel ; sao indispensaveis part
a (esta.
Saias bordadas para senhora, par conunodo
preco.
Sapatmhos de li e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Reeebeu. a Pteddedta um bonito serti-
meoto de diveraps tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno s reeebeu a Predilecta
de or arcto preco, para tear ao alcance
qualquer bolsa._____________'_______________
Grande liquidaelo.
de mindezat e chapeos: no novo Bazar, rna, do
Marque', de OliodA n. S3.
F.i.i 11 m i I' ',. '''. ,f V' '''
ara concent meias
f Ceroulas e caniisas.
fa isjja 4o, Paado, vend-srceroulas fran-
oez;.s de >4dos s tsmanhos {tata homem a
lJIUio, -e ditas 4e;4tBbo Camisas brancas com peites de algoddo,' perejra da Silva
fazoutla liiiu a por estarem um puueoen-
xuvaiaia'las aj20*010 a duzia, en a 19800
cada uma, ditas com peito de esguiao de
luilio a 3JS5000 e 89a00 c*da uma, ditas
com peitos e punhos de c6r a 29010 ,e
2iL-0:-a-rua de knpeiatriz n,-6o, de Fe-
lix PerarnardaiSiVva.
Laszinhas baratas.
Ma loja do Pavao, pa^a liq> idar, vende-se
uma potr;ao do laazinhas de cfires para -------1--------jy
vestidos, Undo de 32u rs. para cima ; as-, I ara SCililOl'aS
sim como ditas cam listras de seda muito Omo sio lindas e modernas a- paasNia iaa bb-
bonitas a CiOrs. o covado ; alpacas de c6- a Magnolia, a rua Duque ae Caxias n 41, a
res com listras de seda de 640 rs. para
de reeeber I
cima: a rua da Imperatriz n. G0.de Felix SedinhaH a 1,4500 O COV dt>
U
Na rualDireita n. li, vende-ae.noviseiaaa-cal de
Lisboa da ultima cbegada.
Aproveitem
Venham antes qne se aasJMai: na loja || ft**
a rna 1." de Marro n. A.
Fisto.
Fustio branco para roupa de raeainos a MO r-
o covado; e pechmoha : na rua do Creasw c
20, loja do Guilheerm i C.
Aiis meninos
A NOVA .ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
n. 63, acaba.de reeeber um bom soflimenta de fi-
nas bonecas que fallam, qne Tiem ae e ehoram ;
tambem ae tem mudas e surdas ou surdas-mudas
venham-ver se nao i verdade._________________,
VENDESE
um sobrado em oaixao e uma casa terrea, ssto a
rua da Soledade ns. 2 e 4 : a tratar na mesma
rua n. o4, das 3 as 6 da tarde.
. 0 PARIS N'AMERICA, a rua Duque de Caxias
p. 89, primeiro andar, esta vendendo calcado pelos
seguint'-s precos:
Botinas de duraque para senhora a 3.500 rets.
iDius de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com botSes ao lado, a 4,000 reis.
Ditas gaspeadas, cano alto, para seabcra, a
5,-000 re s
Ditas de pelliea, ingleza, a 4,000 re"is.
Ditas de duraque bordado, para senhora, a j
5,000 rais. I
Ditas "de duraque, de cores, para meninas, a 3J. Jaz ndiiS para acabar J HaO 8
E' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rna Buque de Caxias t.
36, acaba de reeeber boa- meias de seda proBvisw
psra noivas, e os apreciaveis ram<>s d L*aagsi*
Grande liquiclacuj dc
olhard a pre^o: na rua Pri-
meiro de Marqo n. 25.
Em quanto e tempo
aproveitem.
I OldN^d Uu Ilu^Mu Venue-se ou troca-.-e por vacca< ja.iuas, am
grande e elegante jumento, proprio para tirar ra-
Domingos Alves Matheus, a rua do Vigano n. ca> chegado agtra da Europa : a tralar aa raa
5, tem para vender superior potassa da Rusia |impOTial n. 166. de manhi as 7 boras, de tar
em barris de 25 kilos, por prepo modico.
de das 4 em diante.
Apparelhes para ba-
nhos,
Os immensos beneficios obtidos na
cura de variadissimas molestias com o
emprego *ici nal da agua fria, *em fei-
\> to inventar apparelbos, que toruem facil
[' eao mesmo tempo otil a applicar-io des-
Bte meio as pessoas, que por qualquer
cireumstariLia nao
)
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de reeeber aquel-
lies milagrosos anneis eiectricos, cura infallivel dos
nervosos. ____
Cal de Lisboa
podem freqnentar-os
estabelecimentos apropriados para tal
m.
A pharmacia central tem exposto a
venda os apparelbos que sao hoje repu-
tados na Europa eomo superiores, e qae
ser vindo para os usos medi os, podem /|
igualmeale servir par* banhos de lira- \
peza e de prazer, porqae fanccionam
com pouca agua e em pequeno espactr.
Com taes apparelbos pode-ge tomar
banhos em duches de chuviscas, em co-
lumna ascendeate on desceadesUe, ge-
raes, ou parciaes.
0 mesmo esubelecimento tem para a
vender apparelho proprio para banhos \
a vapor simples, ou Com substancias
medieinaes, e pequenos apparelhos de
ammeasa pressao para os cboaaes looses
por meio da agua fria.
(
)
)

Aliendei!...
A confeit/rta db Campos, sift i rua do Impeta-
dorn. ft, unieo flstafeeleciBiento aVetegeBero taes-
ta arovincia, proporcioaa aos babitantes della a*
maiores vantagens
sat
E senao vejam
So uraa ptssoa cpuizor tudo quanto e ue-
cossario para
Um casamento
U baptisado oj
Vmrfril baraVisltaa ,.'L
Om re** tewaa
Ura laate jaatw
Nio INHMP *> qae ir a dDdr iicoe-
feitaria do Campos, rua do
Imperadcr n. 24
AlliAamhemsaancarraijam de bouaueta, flares
e ftlhas para ca'samentt) i aasim mo, de doces
8e tod-as qdalMites pars embarqutt! _Wp,
lempre Breparadot flarabtaa OMefnM eiawmlho,
pasleis dediveraas qnalidades, atnpadaa de cama-
r5es e de came., u ^ .
De tudo que alii se vende. garante-se a noa
rfflaiidade, limpef* e prc^BptlaJb.
Enfejtam*se nambtep, bi paaad46 ban.
deijas, tudo por preooa razoaveis.
Aliialegra-se a.visu e 5atj8f as exigencias
od paladar.
So na confeitaria do Campos
Vejait, t adnlren.
A ftaaO rs. o covado.
0 barateiro da rua da Imperatriz n. GO,
vende popelinas pretas com listras asseti-
nadas pelo baratissimo preco deSOO rs. o
covado. para acabar__________
P01IAR
Vende-se pes de sapotas de optima qualidade
narna do;H-apicion. 75.__________
Lustres,
arandellas.
Vende-se cal de Lisboa : ca praca J > Grrp.
Santo n. 17,1* anaar. escriptorio de Joa;niia rto-
drig-es favares de Mtllo.___________________
Wil>on Rowe & C vendem no sen was*
a rua de Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao aznJ amencatx
Excellence fio de vela.
Cognac de 1' qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qnalidades
Engenhos em Mamarrt-
guape.
Vende-se os segnintes:
Barra,
Pre^ulea.
e aTrntrlca-
A tratar com sens proprietarios nesta cd*C~
e para informacoes com Joaquira Piuu i Mr
relies Filho na mesma cidade do Xauia.ngut.
Tasso Irmios C
A eapreza do gai, tendo recebido ultimamente
uma quautidade de lustres, candieiros, arandellas,
iglobds etc. etc., tudo obra de gosto e d? primeira
qualidade ; acha se em posicao de snppnr a sens
fregnasdB, por precos men res do qne antigamen-
te. Para verem as amostras, dirijam-se a rua do
Imperadoc n. 31.
Iva para.
Vinho verde de Amarante, especial, vendem Po-
cas & C, a rua estreita do Rosario b.1*, Junto i
lgreja._______________________
Salsa-partilha do Para
Ten para vender Antonio Luiz de Oliveira Axe-
veob, no sen eecriptorio, a rua do Bum Jesus nu-
mero.57. ________
Vende-se
uma casa na villa de Barn-ir js, na roa do Corn-
mtereio,por preco modico : a tratar com Tasso
UmMs& C
" VEN0E-SE k
a taterna, sk* a rua to Barao da WMarla B. l,
muito afre/UBOrda : a tratar na raa estrefta do
Bpaari6t.t0. ..........
Vaecitta
muito nova, verdadeira, fngleza, chegada pelo
Uend aaia A '-, i ua Diana aa Gaxiae a. 87.________
-7"'f!-----I'l 'I If" 1
Camisas.
__
Camisas franeert$i bwneas e algodao no com
WiodaeOr. a'tlOOOumo, em dmia a 13K)00;
Espartllhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
doa mais modernos a 3JJ500 e 49000 cada
um ; assira coma booitos ciutos com lacos
do setim a 59O0O, e sudmlias lavradas com
toqup de mo(o a 19000 o covado : d rua
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.
Vende se a fabriea de cigarros da rna das
Aos
A NOVA ESPERANCA vende
cigarreiros
paprl de
proprio para cigarros, de diversas larguras.
Coques modernos
Cintos decouro
Reeebeu a llagndha, i fua Dajnc d Caxias e
45, e estf vendendo mais barato qne em .Toakpa.'
outra parte. __________^^__________
E baratissimo.
Attencao.
-I.:-

n. 63, reeebeu desta necessaria linha.
Aproveitem antes qne se acabem, pope'ii
nho, padroes modernos, pe*o baratissimo
da 400 rs. 0 cevado : Baem davidar, veaha Bar <
comprar : na raa Duque de Caxias n. 88, loja de
Demetrk) Bastos. ________
Vende-se a casa da rua do Nascente n. 1
Jue otha para a entrada Ie ferro do Recife ao S
rancisco, feiu ha tres annos e de uma eon?* at -
c3o exiraordfoaria, a dita propriedade lam asaa-
oados para graade familia : trata-e n roa im-
perial n. 217.
. litofb "
Vendese uma peiooaa casa tarrea ds aadra
cal. aa freguezia do Barro : qnem quizer ^aya-
>> dirija se a rua das Calcadas a 29, qoeaoBars.
om quemtraUT. _____________^___
Potassa da Rusia a 600 re
o kilo
Vende se no escriptgrio da Oliveica
C. : largo do gorpo Santo n. t.
Terreno
VendB-sa am rtrreao com 100 aaaan i
e cerca de 500 de (undo, na estrada an
berihe, ao lugar denomlaado Agua-Fria,
versas arvores ftuctitaras a proporpoas para
honita ehacara. Tardbem Mtama-se o'
raao a vonude dos HuBBpTadwaa : a
liamel lose de Aaevade Saaaoa, na .
residence a a raa das
0.3.
PObos ^




I
I

lM
a)


s
GEBAL
^W9,^P CAMARA DOS DEPUTADOS.
REKOaMA EUUTORAL.
(Cootmuacdoi.
ainda mas-!
mo aceita a estimati.a da repartigAe da esta- deve dar 6 ott 9.
0 Sr. Carlos Pjtoio:0 Rio-Grande
um deputado do que S. Paujo,
mo mi
f& M*sJ',*ora IiflBii.W *** P"*'o I O Sr, Joao Mooes : -Da bem o n bre
augmento, autonsa-nos a dizer que o nobre deaaiadn itMj;r.n4. ~- j-Z*. 1
ministro aceitou esla h.o, J!nJi!*!'2?!Tt \ ^rapde. oa der~ 6, ou
'arabyba, que tem adog*do nesta
rasa i> augmento da representacdo da sua
pro ii.i:i,i, deve me auxiliar nesta occnsido.
0 u. Carneiro da Cunha : Estou
prompt i.
0 Sr. JoAo Mendes : Mas ndo basti
dizer que estd prom pin : e necessario votar
contra tudq isto (risadas) e tambem para
que ndo se encerre este debate To.las as
queues devem -* manifestadas, afim de
que s.-iia d'aqui uma. lei d accordo com a
vontade nacionai.
Repito o que disse o nobre minis'ro do
tose die que dous deputados
sdo meras fracgoes; a Pa
base, somente por'd|i4 9 deimttddst nae 'ride dar"j
SffSi"* TT' T"* *" elU (Trocam-se Jparta!) f
na bem aquinboada. As outns nrAirim. I
'oram de tal arte sa
OSttoxoHzsoesT-Viob* deputado Ijj"^^ Provincia de Minas-GtrMt. Actual-
pela "arabyba, quo tea. d<**do nesta 1 ^J^^.^l a.rto,s^r,?cadas.a Pernarx btic*. meuteesta provincia d^ 0depaUdos7reiu-
o total da
nobrei deputados pela Bahia. (HiferiJade.)
tu pego aos nobces deputados da Bahia
queattendam para a comparagdo entre os
favotes feitos a' provincia de Hioas e os que
slo feitos i da Bahia.
tie estava uto >,, ni.k. i i 1 T f'n w,ww owm : o loiai aa
Jo! porquelle JL Ti ^ T^ Tf* Sua P0Pul*v live e de 1,200,000 almas.
rucrXoKala n^Sdo refer,01' OSr. Balboa Craa*/:-Ainda faltam
LZliliffJI'n S *&4Jf*^ a i70p.rocl.JM para epur.r.
ndo se contain
r*hyb", portanto, so dard seis depuledos
O Sr. Carneiro da Cpnha : Jd passou
>
Pereira dos Santos dd
urn
nesta camara.
O Sr. Jo\o Mendes .--Passou somente o
engttwiMo ate" seis.
0 Sr. Cabkeiro da Cunha : -A' que V.
tie. oppoz se.
> Sr.JoAo Mendes i-rVoteivi favor.
Sr. Carneiro da Cunha : Nao tinba
tdo boa vontade em relagdii d Parahvba
como agnra.
OSr. JoAo Mendes :Estou defendendo
a Para by ba.. Disse ba pouco, que a Para-
byha coutinuava como vassal la da provincia
de Pernambuco. Ve o nobre deputado que
sempre a defendo.
P-nso qua a Parahyba deve dar seta de
putadus; e, nesse sentido, talvez resolva-
me a inandar uma emenda d mesa. A Pa-
r-hyba tem direito a mais dous deputados ;
liifel.zmente, no systema da emenda, ndo
obttrd mais de um.
Provincia de S. Paulo. Sou rep reset)-
taut.- desta provincia ; e, por mais de un
titulo, devo defender aqui os seus dfreitos e
os seus interesses. (Apoiados, muito bem).
Segundo a estimativa jd ref-rida, esta pro-
vincia t m 799.992, populagao Hvre ; re-
urnda a 169.96i escravos, Wrma o total de
969,930. C'imo, pois, se lhe augmentam
apenas tres deputados ? A sua popmacao
total...
0 Sr.
aparte.
0 Sr. JoAo Memoes : V. Exc. ndo sa-
be a qua resultados eu quero chegar.
Eu jd sei que foi V. Exn. quem conseguio
otnumpbo na secretaria do ministerioda
agriculture, tudoistoe feitura sua. 'Kisa-
das). v
O Sr. Pereira ds Santos :Estd
dando-me uma importancia que ndo tenho.
(Trocam-se outros apartes).
0 Sr JoAo Mendes :-S. Paulo nao pode
dar apenas It deputados ; deve dar 16. E
se c msiderarmos tambem a populajao as-
crava. deve aquelle nuraero attingir a 19v
1st. por todas as razoes, ndo somente pel.,
augmento da populafao, como pela maior
prospendade; porque S. Paulo estd dfren-
te de todas as outras, e deve raerecer, nAo
digo tator, mas toda a justica. (Apoiados)
Ao passo que Pernambuco, tendo apenas
o total de 988,232 habitantes, dird 17 de-
putados, a provincia de S. Paulo, com
909.956, dara somente 12 I
Isto nan e possivel. Pernambuco serd
suj.erior a S. Paulo em prosperidade ? Sao
quero suppdr que houvesse proposito ; mas
este e o resultado do syst ma adontado na
emenda.
0 Sr. Ministro
diz do Maranhao ?
0 Sr JoAo Mendes :.Id fa I lei no Ma-
ranhao. Nao coslumo deixar mo cegar pe]0
estreho espirito de provincialismo. Decla-
re! que o Maranhao ndo podia ter mais do
qu (i deputados, e s6 terd 7 I vando-se lhe
em c nta a sua populagdo oscrava.
Se a tiasa consignada na emen.Ia, para o
augmento das deputacoes, fosse uma verda-
de, Pernambuco teria direito apenas a mais
to a olho, e corre pelo seu. uionterio.: O Sr. Car*los'Prixoto:-Eso anuradas
Seudo o recenseamento a base do augmen- 190freguezias; IWOUn 170. P
to, nio e duv.dos,) quo Pernambuco nao 0 Sr. Jolo M*m>e* :-Penso oue a do-
sena.oem podena aar prejud.c^lo. Ndo pulacdo apur.da de urn 2S? iiero^a
maos intuitos ; parochias servio de base para a estimativa
mas quem ndo tcm o sentimento uatur^ de, que fez a directoria g?rS5! d ptS as
Ur praponderancia d ...fluencia da aua pro- q> faltava apurar.
iuc^a T E,se Pernambuco, apenas com 13
'attribuo ao nobre ministro
a
d
viuum i B,,se rernaraDuco, apenas
deputados, jd pesa fortemente na balanca
pohticfe jem duvida que mais pesard com
Actualmente, a differenca entre Pernam-
buco e S. Paulo 6 somente de 4 deputados.
Vutada a omen la essa differenga serd de 5 I
A mesma dilTerenga para maisse di ntre a
BaBia e S. Paulo I A provincia de Miaas-
Geraes alcanjard 26 deputados. A diffe-
noca actual entre Minas-Geraes e S. Paulo
eS.
e apenas de 11 : maS, no systema da emen-1 rectoria da 1,200,000 Ilmas
da. essa d.fferenga se elevard alii I uvre, por esU.nativa.
0 Sr. Baliino da Cunba -Da fregue-
O Sr. Balbino da Conha:N*oapoiado.
O Sr. Joio Mendes :V. Exc. estd 6-
ganado : o calcuto da directoria abrange
toda a populacio livre ; eu tomei esta base
pelos estudos feitos sobre a proporgio de um
deputado para certa quotidade da popula-
fiio livre.
0 S. Barros Cobra : A populacao de
Minas 6 de 2,000,000 almaa.
0 Sr. JoAo Mendes :Nao sei se sio
2,000,000 ; sustento que o reiatorio da di-
de populacdo
a regra
DO IsiPERio :0 que
A deputafao a ser considerada entre as grandes deputa-
coes...
O Sr. Balbino da Cunha dd um aparte.
OSr. JoAo Mendes:Eu sinto que o
nobre deputado por Minas, que reside tao
pronmo da provincia de S. Paulo, pense
desse modo.
O Sr. Balbino da Cunha dd um aparte.
O Sr. JoAo Mendes :EnWo veja o meio
de que podemos dispor para inuUlisar esta
mjustica.
A provincia de Pernambuco vai dar 17
deputados, ao passo que S. Paulo dard ape-
nas 12. A provincia de S. Paulo tem
969,956 habitantes, Pernambuco tem...
988,232.
O Sr. Ferreira de Aguiar :E
do terco ?
0 Sr, JoAo Mendes : A regra do ter-
90 foi uma embagadella, foi urn expediente
illusorio. Se a ba>e da populacio everda-
deira, haja a necessaria lealdade para acei-
tai- todas as suas consequents. (Apoiados).
Isto e que era regular. O contranoj po-
'em, estatue-se na emenda : aproveitou-se
a base inrerta da populacao, e depois, para
etifreiar o augmento, inserio se a tal regra
JO terc.0 I Isto e quo ndo corapreheudo.
O Sr. Balbino da Cunba :Para estabe-
lecer igualdade.
O Sr. JoAo Mendes : Ndo ha igualdade
para S. Paulo, cuja populagao poderia ser
inferior d de Pernambuco no tempo em que
se lhe marcou s-nneute 9 deputados, mas
que hoje e quasi igual, sendo superior.
Ate" admira que 0 nobre ministro da jus-
tice, que e deputado por S. Paulo, haja
adherido a essa em-nda da commissao.
O Sr. Eunapio Deir6 :S. Exc. nao se
imports muito com S. Paulo.
0 Sr. Carlos Peixoto :Ao contrario.
0 Sr. JoAo Mendes :Julgo que se im-
ports, mas udo attendeu talvez para a
emenda.
Provincia do Rio-Grande do Sul.Esta
provincia tem 369,99b' de populacdo livre ;
81,437 do populacdo escrava: total.....
454,133.
A provincia do llio-Grande do Sal tem,
alem disso, outros elementos de prosperida-
de, porque para alii aillue grande numero
Je emigrantes estrangeiros.
Ora, segundo a base da emenda, dard
esta provincia apenas 8 deputados ; mas,
observarei que o total de sua populacao li-
vr<> e escrava dd-lhe direito a 9.
Eis esta provincia prejudicada pelo syste-
ma da emenda ; porque ndo p6de 0 augmen-
to ir alem de uia tergo.
zus apuradas,
OSr. JoAOMsndes :Quanto aoaescra-
vos apurados, sAo 235,115; concedo que
attinjam a 300,000.
O Sr. Barros Cobra : Agradecemos
essa concess&o.
0 Sr. JoAo Mendes : Ndo e caso de
agradecer; a vantagem e da provincia que
os tem. Ainda nao podemos dispensa-los
absolutamente.
O Sr. Carlos Peixoto :Depois da pro-
vincia do Rio de Janeiro, a de Minas d a
que tem 0 maior numero.
OSr. JoAo Mendes :Eu calculo 300,000
escravos.
0 Sr. Balbino da Cunha :A populegdo
escrava tem dimiouido; maso total da po-
pulacdo de Miaas e de 2,000,000 de almas.-
0 Sr. JoAo Mendes : -Nde eootesto: re-
gulo-me, porem, pelos dadoa officiaes.
0 que quero demonslrar 6 qoe 0 governo
ndo propoe cousa seria quando refere-se d-
base da populacao.
0 Sr. Barros Cobra:Pois bem, segun>-j
do essa base, quanto calcula V. Exc. ?
0 Sr. JoAo Mendes : Segando esta
base, calculando os escravos em 300,000, a
populagao total de Minas Geraos e
1,500,000.
Dard somente 18 depot a-
FOLHETIM
0 IHILIIJE COTH
bL. I.ciiusen le *mc
IHAOUCgdO DE D. CLARA MOtTA.)
II
(Continua;ao do n. 204)
Tomei isto por uma evasiva ; mas, nao
obitante. joguei, pois 0 que eu desejava
era que 0 meu adversario alinal fosse feliz.
Nuuca em minha vida eu tinha jogad> d
dinbejro, e, pois, 0 que ganhei me encom-
modava como se fosse 0 producto de um
0ub>.
0 estrangeiro tirou de um estojo de oou-r
um lapis e escreveu em um pedacioho de
papfl : Valdous diamantes, umanneleum
broche em forma de cruz, do canto de soo
moedas de prala.
A assjgnatura s6 tinha duas iniciaes.
0 estrangeiro mostrou-me 0 que tinha
escripto ; e eu perguntei d mim mesmo,
leu 10 0 papel, se aquelle homem ndo estaria
doudo ; e flquei quasi convencido d'isso
quando 0 ouvi continuar assirn :
- A posse destes diamantes estd sugeita d
u.na condigao importante.
Qual e ella ? perguntei.
Se os ganhardes, ganhareis com elle
unia mulher.
Nao pude. deixar de rir-me.
Ndo zombeis, pois fallo seriamente.
iois joven e naturalmente vos despjais casar,
uao 4 assira ?
Sim, se encontrar uma mulher & quem
pOS=a araar.
Soisbom, Ivarsen, e mereceis uma
mulher que seja boa tambem. A que tos
proponho e digna de v6s.
Mas, serd ella do meu gosto ?
Eu o espero, e 0 c'reio, me disse elle ;
visto como ella tem todas as qualidades que
podem encantar d um raoco. Tem espi-
rito, bom coragdo, e e instruida : canta co-
tao um anjo, e toca piano e guitarra.
Piano, guitarra; que instrumentos
sdo esses ? Ndo desejo casar-me com uma
rtista.... Disse-lhe eu ironicameate.
DbsiJo entto cada vez mais mo persuadia
de que tinha diante de mim um louco fu-
gido, ha via pouco, de algum hospital.
Mas oude havia elle buscar tanto dinhei-
ro, e aquelles objectos preciosos ?
Sim, ella toca piano e guitarra, con-
tinuou o estrangeiro, e, alem disto, desenha,
pinta, e poderia reproduzir ao vivo estes
bosques, etc. Nada toi poopado para a edu-
cajao de Rachel.
Ella cbama-so Rachel ?
Sim.
E 0 seu nome de familia ?
Sabe lo-heis, se ganhardes os diaman-
tes.
E que idade tem ? E 0 que indica 0
seu todo ? E' moca e bella ?
Tem 17 annos, idade que convem d
fossa. Desejo-vos todas as venturas e por
isso e que jogo comvosco...... Rachel I
A minha perda serd ganho, e v6s sereis 0
meu herdeiro...
Obrigado I homem mil vezes gene-
roso 11 Se Rachel e realmente como dizeis
deveis apressar-vos em ir busca-la ; ser-rae-
ha licito perguntar se ella e vossa filba ?
A-physionomia do estrangeiro entriste-
ceu-se.
Minha filha ? Porventura serei ho-
mem que 0 ceo tenha abencoado nos filhos,
dando-me uma filha como Rachel ?
Muito bem I disse eu comigo, elle estd
em um momento lucido. E' preciso apro-
veita-lo.
E olhei em torno de mim como para ver
um meio da escapsr-me.
Ndo Ivarsen, ndo, replicou elle ; Ra-
chel, repito, ndo e minha filha : ella nasceu
de pais nobres e virtuosos ; quanto d isto
podeis ficar tranquillo. Tendes ainda al-
guma cousa a perguntar-me ?
Ndo, senhor.
Consentis, depois do que vos disse de
Raehel, em torn a-la per vossa mulher, ou
antes me prometteis desposa-la, se a ga-
nhardes ?
Olhei-o comar de duvida; mas elle flxou
sobre mim um olhar tdo penetrante, que
me vi forcado a desviar os olbos.
Entretanto, persuadido como estava de
que fallava com um louco, julguei mais
prudente conformar-me com a sua vontade
e respondi affirmativamente.
Elle apertou-me a mdo com forga, engo-
lio algumas pilulas, e 0 jogo comecou.
A fortuna devia favorecer-me ate 0 ulti-
mo instante. Ganhei tudo ; ganhei os dia-
mantes, e... Rachpl.
Bern 1 Ivarsen, disse 0 estrangeiro ;
sois com effeito digno da vossa reputacdo.
Encontrei afin^l 0 homem que procarava
ha muito tempo. Agora tudo vospertence.
Emprestai-rae, pois, 0 vosso cavaUo, .afim
de que eu possa ir d Christiania buscar a
vossa noiva, a vossa mulher.
0 meu cavallo "",x ------------*- '
0 Sr. Carlos Peixoto : Ainda falta 0
apuramento de 170 freguezias.
0 Sr. JoAo Mendes rIsso nao alfcra o
ponto da minba argumontacao, porque, ain-
da que sejam 2,000,000, a provincia de Mi-
nas-Geraes ndo lucrard mais. E, alias, se
sdo 2,000,000, e ella ainda mais prejudi-
cada.
Portanto, aceitando a estimativa official,
e calculada a populacdo em 1,500,000 al-
mas...
0 Sr. Barros Cobra :Ndo apoiado; sdo
2,000,001).
0 Sr. JoAo Mendes :Os nobres depu-
tados fazem bem em protestar contra oscal-
culos officiaes, mas eu udo posso deixar de
referir-me a elles. E, demais, a maior po-
pulacao favorecerd melhor a minha these.
A sua populacao livre somente lhe p6de
assegurar 24 deputados ; com a populacao
escrava, porem, dard 27.
0 Sr. Horta Barbosa :Sdo 26.
0 Sr. JoAo Mendes : Sdo 26, desde
que 0 nobre ministro do imperio declara.
que dous deputados nao constituent fracgao-
para mais um deputado ; mas eu contawa
27, e nesse sentido, sendo a populagao a
base, efferecerei talvez uma emenda. ii
veem que ndo sou infenso & provinaia de
Minas. (Risadas).
Sois um louco, -replicou elle-,. guar-
dando as cartas no estojo ; emprestai-me
s6mente 0 cavallo e vinte- moedas.
Tomai tudo, lhe disse euy do contra-
rio, recebendo as minhas oitenta moedas,
deixarei 0 resto sobre este cadaver.
; Sois meu herdeiro, Ivarsen ; conside-
rai-vos como tal. E entre duas pessoas tdo
ligadas como n6s, n3o deve haver segre-
dos !
Elle estendeu a mao para receber 0 di-
nheiro, e eu voltei 0 rosto para que n3b
desconfiasse que 0 observava.
Quando voltoi-mo
A Bahia que, segundo os caleulos esta-
isttcos ou a estimativa feita, contem popu-
lacdo superior a 1,400,000 ahmas, dard so-
mente 18 deputados ; ao passo que a de
Minas, cuja populacdo e superior apenas
era mais algumas dtzenas, tem de dar 26
isto e*. mais 8 do que a da Bahia, com um
pouco mais da populacdo. (Contestacdes da
deputagdo de Minas).
Visto como os nobres deputados por Mi-
nas-Oeraes reclamam contra a estimativa da
populacAo da sua provincia, feita pela di-
rectoria geral da estatistica, dizendo que
Smo^00'000 "'"" ""
0 Sr. Barros Cobra :E' 0 qua a apu-
rajdo final ha de demonslrar irrecusavol-
ment'.
OSr. Joao Mendes : ... eu deploro
ainda mais a doutnoa que se contem na
emenda. Se attender ds reciaraacoas do
nobres deputados, direi que 0 systems da
emenda nos conduzir* a maiores injusticas
relalivas, ou desigoaldades.
Eu parto da dados officiaes; os nobres
deputados informanr, pore..i, que a sua
provincia tem 2,0O0,CO0 de habitantes...
0 Sr. Barros Cobra :Onde estd a des-
gualdade ?
O Sr. JoAo Mendes :Esta na falta de
proporcdo da populacdo de cada uma pro-
vincia com o augmento de representaeao,
que Ibe e" atlriboido.
In fell/ Bahia F
dos I (Itisadas).
Asseguro mat dofuturo dessa provincia ;
a deputagdo da Bahia, que sempre tem da-
do as cartas na politic* do impede, ficard
em posicdo somenos.
0 Sr. Azevedo MontehtoJd estd.
0 Sr. Baros Cobra :Ja" ve qua o nu-
mero ndo quer dizer nada.
O- Sr. JoA'Mendes:Como ndo ?
OSr. Barros Cobra:Pois, se elk torn
dado as cartas...
O Sit. JoAe Mendes^Se a provincia de
Minas-Geraes, sem embargo de ter uma de-
putagao mais numerosar nao tem ainfluen-
cia qu merecra e que dbveria ter, e" por-
que, possuindo-se de temores, ou ndo que-
rendo librar-se nos altos interesses, prefere
muitas vezes acompanhar o-governo em vez
de fazer-lhe opposigdo. (Apoiados e risadas).
A influencia ndo se adquire pela subraissdo
ao poder (apoiados) ; com osbomildes sem-
pre se conta. E" necessario mostrar inde-
pendencia para ter infibenotB-. (Apoiados p
muito bem).
0 Sr. Pereira dos Santos:: Nao h
subraissdo era sustentar o governo.
0 Sr. JbAo Menoes :0 nobre ministro*
do imperio ba dias declarou que se ndo ha-
via sujeitado a imposijdo alguma para mu-
dar de opinido no processo eleitoral; en-
tretanto ndo ba quem ignore que 0 ntbre
deputado teve grande parte na modifica-
gdo...
0 Sr. Pbreira dos Saintos : Ndo, se-
nhor.
0 Sr. JoAo Mendes :Talveza priucipal
parte.
0 Sr. Diogo de Vasconcellos : Foi o
autor: foi quem fez o gorerno
las forcas caudinas. (Risadas).
OSr. Pbreira dos Santos-:: Ndo ba
tal.
0 Sr. JoAo Mendes :Ora, quando 0 no-
bre ministro do imperio declarou que nao
se havia submettido d pressao-alguma, por
que 0 nobre deputado ndo reclamou que
ndo era esta a verdade ?
0 Sr. Pereira dos Santos: Reclamei;:
sempre tomho ditoque ndo e-esacto.
0 Sr. JoAo Mendes:Ndo 6 exa.too
que?
0 Sr. Pereira dos Santos : -Ndo 6 asac-
to que eu impuaesse.
0 Sr.. JoAo Mendes :Eu pensei que 0
nobre deputado ia dizer quo 0 nobre minis-1
ouve ac-
que
0 Sr. Pereira dos Santos :Hi
cordo, mas ndo imposicdo.
0 Sr. JoAo Mendes :Entao quem foi
que impoz T
0 Sr. Pereira dos Santos : -Nos nao
bavemos de estar contaodo aqui 0 que se
passa nas nossas reunioes ; 0 uobre depots-
do ndo conta 0 que se passa nas couferen-
cias da opposigdo.
Uma Voz .Ndo se passa nada alii
se ndo possa saber.
0 Sr. JoAo Mendes :Ndo comprehen-
do o aparte do nobre deputado por Mioas.
Nao ba reuutao politica cujo moviiuento e
cujo resultado ndo devara ser conhecidos
do pubheo. (Muitos apoiados.) Assira se
procede em todos os paizes regidos pelo sys
teini representaUro (apoiados) : tudo o mais
e mystiUcajdo, a conluio apenas. /Apoia-
dos ; muito bem )
0 que se passou nas reunioes da secreta-
ria do mmisterio da agricultura devia ferpu-
bucado nos jornaes, como se faz a respeito
de reunioes identicas em todos os paizes.
(Apoiados.) Em Franca, os partidos par-
lameutares aonuuciaoi previaraente as suas
reunioes, e deliberam sobre as ques-
tOes ; cs jornaes, no dia seguiute, ddo co-
nhecimento de tudo to publico. (Apoia-
dos e apartes.) Somente as faccoes a asso-
citdades perigosas exploram o segredo.
Ouvi dizerqueainiciativadaidea triura-
pbaote na reuuido referitfa parBio da depu-
Utgao mineira. Se, poreov,- tem 0 receio
de psrecer que obrigou o aobre ministro
do imperio d subnaetter-se, ndo pode ter a
inlluensia a que ten direito par seu grande
numero.
verno vai ter 0 arbkrto ae I tar o aaasero aa
deputados para cada provincia. (Apoiados. >
Se ndo ha ainda tun nuinaawaulii coral 4a
populacao do imperio, calcalado sobre os
mappas parciaes da populacdo de cada pro-
vincia, ndo podemos deliberar com 01
sario conhecimento de causa, a e
entregar ao governo a decisao fiml*
Repito : ndo ha lei alailaral nossa qae
haja cemmettido ao govarao uaa Uo im-
portante attriboifdo I (Afotados.) Qoal a
base ? E' a populagte raasnaaada. Estes
recenseamentos sdo feitos arbttrariamtnUi;
e basta attender para aseoadiooea aw con-
trato celebrado pelo governo com os ancar-
regados da estatistica : ciaje que M 00 25
rs. para cada noma aparado I Fad ma as
ter conrianga no receoseamento assist feito ?
Ate parece-me qae alem da vaataaem am
favor da provinoia de PwrBiiuaauu, a hau-
te do terco para o augoeoto ten explicacAo
na feita da fe nos trabalhos ea estatistica
geral do imperio. E esta feita de fe pale
bem ser a bandeira qae cebrirf afuelU
carga. Mas, neste caso, aao as digs na e-
menda substitntiva qae a base do augmento
populacao. Se ton a popalacdo, aie

ea
passar pe-
(Trocara-se apartes.)
A provincia deve reconquistar a- sua an-
tiga nifluescia. Perdeu-a em certa- epoca,
para deixar prepondwar a Bahia; mas a
Bahia e hoje u.n (edo senvgarras e desden-
tado. (Risadas.) De eerta tipoca para cd
a diroccdo pohtica passou completamente
para lernambuco, que ehoje quem' poe e
dispoe. (Apoiados.)
Provincia de-Goyaz.-lb sua popufecdo
hvre e 165,000. Hi 2,deputados : agora
dard- 3 ; nao teve favor algu-n.
0- Sr. Taunav .-Apoiados.
0 Sr. Olympio GalvAo Mas os deputa-
dos nao estdo contentes.
0 Su. JoAo Mendes : 5ote-se qus-eu
nao considero a populacdo eserava, porcuie
amJa e ignorada : estou, porem. inforrna-
do que ndo chegard a mil.
Provincia do Cmrd.Esta-provincia dd
actualmente 8 deputados, regula 1 para
83,500 habitantes. A sua populagdo livre
ede60,000. Creio que a sua popuIacAo
escrava-e muito dirainuta. No systema da
emenda, augmentaFa-3, ou somente 2 depu-
tados ? Segundo a explicacAo dada pelo
nobre ministro do imperio, em aparte, ae-
crescerdo jjpenas 2^ Dard, por tanto, lOi
Se attenoermos d populagdo da provincia,
e'sem duvida que esta daria 13 deputado*-;
mas por forga do li(7ute do terco,.0 augmen-
to e reduzido a dous I
Apopulagdo livre do Ceara e inferior a
de Peroambuco, somente em 242,000.
Ora, com tdo pequona differeuga, sorpren-
de que Pernambuco veuba a dar 17
deputados, ao passo que 0 Ceard dard ape-
nas 10. A difference actual de 5 deputa-
dos ; a dlfferenga, depois do augmento, se-
rd de 7 I Adesiguatdade postanto, aira-
vada.
se danam as desigualdadea qoa tenho
cionado, comparando as dharsai provineies
entre si. Nao ba base aejauaa seria. 9
governo vio o que convinha para.0 seu j
go; e depois procurou o prineipio ou a re-
gra qua devena dominar e justifcar a con -
veniencia. Esse princiaio ou regra e 0 li-
mite do tergo para o augmento. (Apoia-
Eu contest qua a popolacAo possa servir
de base para a distribwejo do nuraero dos
deputados pelas provrncias ; mas, mando
pudesse servir de base, nonca dertria ser
attribuida esta foncgdo ao governo.
Entendoqueocorpo legwlativo, depoia,
de /ixar o numero total d* representagao d
imperio, nos terraos do art. &j da cocsti-
tuigdo, deve fazer a sua distribuiglo pelas
provincias, tendo em vista eendigoes va-
rias- de prosperidade e de decadencia. V
distnbuigdo, tendo por base skapfesment".
apopulagdo, i um contra sense. A prova
disto esta" na eautela arbilraria tonsada na
emenda.
(Tpocamse apartes.)
A distribuigao do (numero dos deaeaados
por cada provincia ou circumscripgao e cou-
sa importante, ndo pode- ser detegede ao
governo ; 0 uma< provideoeia qae deve psr-
tir pjrae simptesmentedocorpo feghletivo.
(Apoiados.)
a
Se
Por isso a sua lernbraaga me inquietava.
E, pois, para acal nar o espirito, recorri d
um trabalho arduo, e enbrei a fazec muitas
excursoes.
De muito me valou para a cura moral
estarmos na estagao da ceifa. Ao-cabo de
tres semanos tinha quasi esquecido a aven-
tura, o recobrado a aotiga tranquillidade,
quando uma tardo, i hora do crepusculo,
ao vohar cansado do meu trabalho, trazen-
do a fouce ao hombro, fui sentar-mo em
um banco junto a meu pai, diante dacasa,
[e, estando alii
Comparada a populag3o livre do Ceardeora
a da provincia do Rio de Janeiro, a do Gea-
rd tem em seu favor a dilferaoga de.........
110,000. Naoobstaute, dard someata'i'6
deputados ; ao passo que a do Rio de Janei-
ro dard 12 I
Nao comprehendo isto. E' 0 mesmo caso
da provincia de S. Paulo, que, tendo uma
popuiagao poueo inferior A da provincia de
Pernambuco, dard 12 daputados, ao passo
que a de Pernambuco daud 17 I
(Ua apartes.)
L' preciso quo a camara atteada para
istc^ Alem da desigualdade imposta, o go-
A totahdade ia popuiagao nio noee ser-
vir de base para a distribfeigao do neaaaro
dos deputados, porque ba proviocias-qsie
contem maior naaero do estrangeiros e de
escravos do que outras, 0 frtraanait
os escravos ndo sdo populacio poliaoa.
a populacao em geral devesseser essa
seria mdispeusavel allerar, de legbaatuaa
em legislatura, as nossae wrcumscripgde*
provineiaes, afira de evitar a desiRaaldade.
Nos panes, em qae, alem aa nao haver es-
cravos,. a populate estrinaaira e Dsuita bV
mitadav.ndo ha oaaDConvenseatas apaaiados.
Mas, mesmo na Earopa. alguns paiess herj
adoptado outra regra mats racional: um
deputado para um certo aumero de-coolri-
buintesi
No Bras.I, enteodo quo a regra meoos
injusla e a populacao poiUica. Raaro-me
somente d distribuigio do nuraero dos -ie-
putadospslas provincias, depois. de fiwdo
no seu todo relativamenia i populualo do
imperio. '
A idea suscitaria uma ebjecgdo, a I aue
as provincias mais ricas ou mais proaperas
senam as maisprejudicaoas na distriboicao
Alem deque essa objeeeio 4 fraca, observa-
rei que poderl desappaaecer em poucos an-
nos essa desigualdade,- desde que a lei
emancipacao produ/ir todos
desde que baja uma bo* lei
gdo.
Ha algua apartes.)
que a lei de
os effeitos, e
de natural isa
(CeafoNaavaaea}.
,e, estando alii com 0 peito descoberto, as
para ve-lo, jielle es- mangas arregagadas, sera gravata, e vendo
lo, e partio d galope. 0 suor cahir-me em bicas da fronto, vi 0
estrangeiro dirigir-se a cavallo para nossa
casa I
Conheci-o d primeira vista, e meu cora-
gdo entrou a palpitar fortemente, por isso
que d seu lado se achava uma mulher, que
Com grande admiragdo vi que, oxcepto
as vinte moedas que me pedira empresta-
das, tinha deixado sobre 0 cavallo inorto
todo o dinheiro que perdera.
Conlinuei a crer que elle ndo estava em
seu juizo ; entretanto guardei as notas e
osescudos e encaminhei-me para casa.
Minha cabega ardia; tudo que tinha
aoontecido me parecia um sonho, e cheguei
a perguntar d mim mesmo se seria um ho-
mem 0 que eu tinha encontrado...,, e se
realmente eu tinha iogado cora elle...
Entretanto 0 cavallo morto estava diante
de mim, e, quando eu apalpava a algibeira,
encontrava a bolsa e a carteira...
Mas aquellas notas, aquelle dinheiro,
que valor teriam T Ndo seriam moedas
falsas ?
Esta idea fez-me tremer I
0 Jogador deixdu de parecer-me am lou-
co, para se me aBgurar um impostor, um
tratante, de quem eu fdra victima e ludi-
brio.
Infelizmente todas estas conjecturas, to-
das estas suspeitas, foram tardias.
Entretanto lembrando-me das vinte moe-
das que o estrangeiro me pedira para seu
uso, tranquillisei-me sobre o valor do meu
ganho. i
III
Tendo chegado d casa, contei d meu pai
como tinha vendido 0 cavallo ; mas ndo
lhe fallei no jogo, pois era para meu pai
um objecto de horror. Mostrei-lhe s6men-
te as oifenta moedas e occultei 0 resto.
Quanto ao estrangeiro, apezar das an-
gustias inexprimiveis que sentia quando
d'elle me lembrava, nunca me esqueci do
que podia voltar um bora dia.
Eu ouvira fellar de homens ricos que
raontava n'um pequira alazdo.
Voltei-ine para meu pai quo, embora ti-
vesse notaio a minha emogao, todavia ndo
teve tempo para interrogar-me, visto como
os estrangeiros tinham chegado.
Apezar do sentimento que experimentava,
olhei para a moga com grande curiosidade.
Era uma moga esbelta, e montava d ca-
vallo como uma rainha, mas 0 seu rosto es-
tava coberto.
a nossa
que
sym-
estd ds vossas ordens,Idissipavam a fortuna por'mero capricho
respondi, assi n como 0 estd 0 dinhe'ro qae ou que se affeigoavara de um modo '
mex-
vos ganhei. Ues'e a nossa primeira parti- [plicavel por qualquer pobre coitado.
da., rosolvi nao guardar delle um so schil- de mais notdra tambem que o estrangeiro'
ling, visto como uma somma assim adquiri- embora fosse um jogador desenfreiado ma-
Jda pesana muito sobre a minha coosciencia.'nifestava um caracter serio e reflectido
0 estrangeiro deu-lhe a mdo ; e ella,
inclinando-se para elle com a mesma graga
cora que 0 dlamo se dobra ao sopro do
?ento, apeiou-se.
Nunca me senti tdo confuso em rainha
vida I
- Ver 0 estrangeiro, foi para mim uma
grande sorpreza ; mas ve-lo era coropanhia
da mulher que eu ganhdra ao jogo, e ve-la
quando me achava tao d t'resca, causou-me
uma angustia terrivel.
Levantei-mo enafim para ir recebe los, e
comecei a minha saudagdo, pedindo descul-
pr por me achar n'aquelle estado.
Estd muito bem, Sr. Ivarsen, replicou
bruscamente 0 estrangeiro. 0 trabalho d
sempre honroso. Como estd 0 senhor T
Ah1... este d seu pai ?
Apresentei-o d meu pai, como a pessoa
que tinha comprado 0 nosso cavallo, e fi-lo
entrar cora a sua pupilla em nossa casa.
Aqui estd a minha pupilla, a pessoa de
quem lhe fallei I me disse elle entrando.
A' estas palavras a moga tirou 0 ve'o.
Ndo sei explicar 0 qua aconteceu ; mas
vacillei ao olhar para ella.
Por dous motivos ; eu ndo fallarei de sua
belleza, primeiro porque ndo ha palavras
que possam exprimir 0 qua pensei, 0 que
senti n'aquetla occasi3o... nem ainda 0 que
peoso, e o que sinto hoje,.., depois;....
mas deixemes 0 segundo motivo,
0 estrangeiro fengou sobre meu pai
olhares interrogations. Pareceu-rae ver
em sua physionoraia signaes de duvida e de
inquietagao ; mas estas impressces desappa-
receram logo que examinou 0 velho. Vi
entao apparecer em seu rosto uma bondade,
uma cordialidade, uma benevolencia
solicitavara invensivelmente
pathia 0 confianga.
Sempre breve e decidido em sua con-
versa, como no nosso primeiro encontro,
seu porte era imponente ; e, quando elle se
dingia d moga,. fazia-o sempre. com uma
voz terna e carinhosa.
Sr. fvarsen, disse elle d meu pai, peco-
vos 0 obsequio de dar um quarto d minha
pupilla, e appello para vossa hospitalidade
bem conhecida.
. A nossa casa e simples e quasi po-
bre, mas tudo 0 que estd nella esld ds vos
sas ordens, respondeu meu pai.
Eu vo-lo agradego, tanto mais quanto
sots exactaraente 0 homem que eu esperava
encontrar. Meu nome e Meijir ; rainha
pupilla, que uma md sorte fez prematura-
raente orphda, e filha de amigos que me fo-
ram bem charos ; seu nome 6 Rachel Her-
der.... Creio que, por emquanto, isto d
suffictente.... Rachel sem duvida vosagra-
deceria muito se a mandasseis cooduzir ao qua Meijir nada
aposento que lhe destinardes, pois que,
apds uma viagem, deve sentir necessidade
de mudar de trajos.
Apressarao-nos era satisfazer 0 desejo do
estrangeiro. Rachel foi levada para um
dos melhores aposentos, e Meijir, sabindo
um instante, foi buscar as malas, entre-
gou-as d Rachel, e depois foi ter com meu
pai, emquanto eu fui levar os cavallos para
a estribaria.
Quando voltei, os dous pareciara jd tdo
amigos, e tao confiantes am no outro, que
poder-se-hia dizer que viviam juntos ha mui-
tos annos.
Bom podeis avaliar era que estado se
achava 0 meu espirito : sentia-me como
que embriagado, as iddas fugiam-me, e eu
ignorava se estava acordado ou sonhando.
A vista do meu cavallo (pois foi elle que
troaxe 0 Sr. Meijir) causou-me grande pra-
zer ; e 0 querido animal rinchou e abanou
com as orelhas ao ver a sua mangedoura
tdo conhecida.
Apezar disso, criei coragem.
Posto que ndo passe de um aldeao s*c
instrucgao, disse ou de mim para mim te-
nho todavia um coragdo digno.
a mulher nao deve envergoohar-se da ho-
memhonesto, embora elle ndo traje soda.,
nem velludos J
tJSii r?flex6es Dionae impediram entre-
tanto de observar que era do mister mudar
de roupa, antes de ir ter com meBs hospl
des. Mas como faae-lo, se a moga occuDa-
va justamente o quarto onde estava 0 me*
guarda-roupa Mandei a mulher do aldoao
que nos servia de criada. buscar 0 queTu'
precisava, e fiquei csperando atraz da e<
tribana. os
Mas, aquelles diamantes?... aquela mo-
ga ?... Tudo me parecia incrivel, impos-
sivel I...
Entretanto 0 meu orgulho se revoltava ;
nem eu podia conforraar-rao coma ideade
ter sido 0 ludibrio de um estrangeiro.
-.
Quando entrei na sala, onde se achavam
Meijir e meu pai, notei que aquelle me
olhava com prazer.
Logo que servio-se a ceia, Rachel aone.-
receu. ^*
So ella me tinha parecido bella com as
roupas enlaraeiadas da viagem, avalie ouu
effeito ndo me produzio quando a vi traian-
do um hndo e aceiado toillete ainda ua
raodesta I ^^
S6mente urae vez notei que me olbau
Tratei de oorresponder d seus olhares
ellayirou-se sera erabarago, como quern
ndo fazia caso de mim.
Isto me intrigou, elevou-me a coochiic
lhe tinba dito do que se
passdra entre nds.
Seria eu realmente 0 ludibrio d'eaoelk
uomera ? pensei. ^*^
Esperemos, disse, entretanto.
Arefeicdo foi simples, pordm frugal, a
consistio de pdo, manteig., queijo, lei'te
presunto e lebre assada. A riogf apenas
tocoui na refeigio, eu por meu lado per-
di todo o appetite. *^
Sob qualquer ponto de vista que eu en-
Zll^lT^ "entia uncomoinquie-
tagdo mortal. Se o meu hospede Saea
sdno, eu me revoltava d idea de casar com
uma mulher que me era de algum modo
imposta, e i quem por fim de contas eu
devia considerar como uma desconhecida.
Se, pelo contrario, elle tomava um ar ale-
gre, eu tremia d idea de perder uma crea-
tura Uo encantadora. Minha pobre cabeca
ductuava de paosamento em pensamento
cada qual mais triste e mais puugente.
Depois da ceia Meijir convidou-rae para
r um passeio, no entanto que Rachel
que jd tinha sabido captiw a benevolencia
de meu pai, continuava a conversagao.
(Continuarse-ha.)
TYP UO D!AKh>. -'.tLA UlliUFuFgUlu;
'



MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16501


This item is only available as the following downloads:


Full Text


ANNO L AlUMERO 206
**781 ib cruhn(fis%
PARA A CAPITAL B LUGABKS 0\DK Nio SEPAGA PORTE.
Por tees raezes adiaatadot. ........ iumaa
Form, ditos idem.
Por am anno idem.
Cada namero stuIso

j ?-
1..................mm a
'.................woo ^
""........ 9180
i --*
0
SEXTA FtlM ii DE SETEMBRO DE 18?4
-%
t---------------------1-----------------:
PARA RBMTRO E FORA DA PBOVI\CIA
Por tre. mews adiantados.
Por seis ditos idem
Por note ditos idem
Por am anno idem. .


m.


-
t790ft
4
I-
PROPRIEDAM DE 1AN0EL FMOEIROA DE FARIA ft FILHOS.
m ** ^^"SL*?**9 ^'7 ^ M-r"h,' **** J<**tlN*W*:NgpoBio de Lean* Brag.. Aracaty Joao Maria Julio Hm**!*, Antonio Marqae. d. Sil... Natal, ioeei,
^ Wa dAlmeria.em Mamangnape Carlos Auxencio Montein, da Fr^, a. *m*0t AntooioJaattd****^ da Penh.; Warmino do. Sutto. Bulcao, em Santo Ant^ Domingo. Jo* a. Certain*., !.,
_______________________________:____________Antonio Ferreira da Aguiar.em GayamuqiaaO, Antonio Maenaao, noPilar daaaJagoas; al>e. d C.,na Bahia, e A. Xavier Leite 4 C v Rio Janeiro-
m-------------------------------------.___________________________________________
IHSTBUKAO PGPULAS
Eleinemioa d- plavaica
LIVRO PUIME1RO
CAP1TUL0 VI
CAPILLARIDADE, ABSORrCAO.
fConfjiiKoraoJ
EtTeltoa da emhebicao. Ja deixamos
iito acima quo a embebigao e'a penetraeao de urn
liquido DOi poros Je am coroo solido. E' isto am
'iffeito da ca-oillaridade, visto como, commuoican-
ilo-se enire si, os poros formam uma serie de pe-
quenos tubos irregulares, malt) linos oa teuues,
uos quaes os iit|uiilos ten den, a penetrar pela raes-
ma razao porque a agua ss eleva nos pa |iieaos
tubos de vidro, acima do sen nivel exterior.
Tal 6 a causa daembebi;.^ da agaa nas espon-
jas, nas madeira?, na terra, e em todas as subs-
tancias poros as.
E' por effeito da erobebicio qae o rap; ifumo
em po) tecca r apidamente quaqdo guardado em
eaixaa oa JabaquPiras de madeira, no entanto que
a-sira nio acontece quando guardado em caixas de
prata e ouro, onde se conserva hnmiJo e fresco,
por isso que sua humidade nao 6 absorvida pelo
metal como o 6 pela madeira.
Etnbebendo-se nas material vegelaes e animaes,
a agua augmenla-lhes os volumes, produzindo am
rrande oumero de pheuomeaos que diariamente
so apresentam a nossos olhos e observacao. Por
exemplo :
Se, tendo se medido umafolha grande de papel,
molha-sea depois ligeirameate, acha-se medindo-
a de aovo, qae suas duas diraensdes augmeataram
totavelmeote.
Essa propriedade e atilisada pelos desenhistas
para bem estirar e toruar sem rugas o papel so-
bre que teem de lancar qualquer desenho. Para
i.-so elles molham o papel, e, emqaanto molhado,
I'ollam-a'o peias margeos a uma plaacneta do ma-
deira.
Collado o papel emqaanto numido, isto e, em-
quanto tem maiores dimensdis, logo que vai sec-
cando vao tambem diminaicdo aqualUs dimen
sties ; de sorte que, quando todo secco, fica per-
feitamente 9tirado e sentado na plancheta, por
forca da referida diminaicio.
E' por forca de um effeito semelhante qae os
papeis pintad-'s, com que so forram as pared-s
>ias casas, as vexes se destendern tanto que cbe-
gam a se fenderem.
Nas artes inlustriaes, quatdo se quer curvar
am pedaco de madeira, aquece-sa o lado que se
de^eja curvar e molba-se o lado opposto. Este
aJonga-se em virtude da agua que absorvvu, ao
i>asso que o outro encurta-se por causa da secu-
ra, e d'ahi resalia uma curvatura do lado auue-
cido.
Ii vimos, n'oatro capitufo, cue < era consequen-
cia das madancas de volume, quo experimeoiam
-o!) a iaSuencia da humidade a da secura, que os
raoveis fazem muitas vezes oavir rangidos e esta-
tes por occasiao das mudancas de tempo ; agora
veremos qae pela absurpcao da humidade as cor-
das tornam-se curta?. ao passo quo pela seccura se
alongan:.
Isto pdde parecer, a primeira vista, em conlra-
dicglocom o que acima fui dilo relativameute ao
papel molbado ; mas veremos que assino na) e,
(.-m face d.i espHcacao faeiHma que te u taes phe
uomenos.
Com effeito : send) as cordas fabricadas com fi
Lras de liaho ou do outras arvores. eoroladas e
t ircidas, e inchando essas Boras pela abaorp^iio
da agua, claro (i qae as cordas tornar-se-hao mais
grossas, e qae portant, cad i libra, para coniinuar
a se torcer e enrolar com as outras, (era de fazer
urn circuito maior do quo fazia quando a corda
estava secca. Forcadas a es*e maior^ircuito as
.'bras necessariameuli? se -vncurtam, euibora ef-
ijetivameLte se tenhaiii alongado ; e d'alii resulta
|ae as ccrdas apreientam tanto raaior encurta-
raento quanlo mais agaa tiverem embebido, isto
^, quaoto mais inchadas estiverem.
E' por um phenoneuo semelhante que os pan-
cos novos, como brins, madapoluns, chitas, etc.,
etc., experimentam um notavel enmrtimento,
ijuabio raolbados ptla primeira vez.
A esse propo3ito (de cordas) conta-?e ijue o pa-
pa Xisto V, quereiido erigir n'uma praca de Room
cmobe'isco, trazido de Heliopolis para Ronano
umpo de Caligula, embora deerelasse, sob pena de
raorte, no intuito do quo nao falhasse a operaqio,
ue nenhum dos espeetadoHas fallasse, n3o foi to-
davia obedecido ; e essa nao nbediencia foi quem
salvoo o moQumento. faciliiaudo a operacao.
Com effeito, no momento em que o mo'nnmento,
sustido e leTaatado por apparelhos tirados por
cofftas, estava prestes a repuusar na respectiva
base, as cordas destendoram-se em consequencia
do i-normo peso do oLelisco, a Cfirtamente teriam
liroduzido um dssastre se o architect Zapaglia,
iofringindo o deereto do papa, nSo tivesse griiado
a* meio da turba que assistia ao irabalho mo-
thai as cor,::..
Fez-se o que disse o architecto, e as cordas se
encurlando, produiiram umajreaci-io, e o ohelisco
foi ?rigido.
Passando, por-ira, das granJes as pequenas cou-
saa, direraos finalaieiite, para fecnar este capitulo,
f06 seos caHo3 dos pt^sdoem quando se avizinham
os tempos pluviosos, e isto um effeito da embebi-
lameabsorvendo a humidade do ar.
?ARTE OFFICIAL
Governo da {iroviacia.
fiXPBDlBNTE DO
Acto
DIA 16 DE AUR1I. DE 1874.
1' secqao.
0 presidento da provincia, aitendendo ao qae
ri'-pereu o lcadete 1" sargento do batalhaode
iofantaria, A Jolpbo de Albuquerque Bello, e tendo
em vista a informacao do brigatfeiro commandan
te das armas, da 11 do correnle, sob n. 293, re-
solve, de conformidade com o disposto nos artigos
4* | 5* e 5* % '> do deereto n. 3c79: de 3 de Ja-
neiro de 1806, conceder-lhe tres mezes de licenca
para tratar de saa saude.
Offlcios:
Ao Exra. brigadeiro comraandante das ar-
mas. Sirva-se V. Exc. de dar aciencia aos propo-
nenles Jolo Domingos da Cimha Lages e Vicente
Ferreira de Albuqaerqai Nascimento da infor-
macao da thesoararia de fazenda, censtante do
offlcio indaso de acatera datado, sob n. Hi, quo
me sera devolrido com os detnaij papeis, afim de
que deelarem s; aceitam, sem a clssula por elles
estipulada, o fornecimenlo ao hospital militar,
aquellede assu^ar e feijao, o este da leaha, tudo
no trimeslre de abril a junhadeste anno.
Ao mesmo.Transmiltindo a f. Exc. a in-
elOM copia da informacao prestada pela contado-
ria da thesouraria de fazenda a;erca das poude-
racoes feitas pelo director inlerino do hospital mi-
litar no offlcio annexo ao de V. Exc, de 11 do
corrente, sob n. 289, relativamanie ao fornecimen-
lo de generos ao referido hospital no triraestre de
abnl a maho deste anno, reitero a minba orde.j
no senudo de aer novamente potto em praca o
I'iX:'n? L4 geSer03 dnados is dietas para
os do^ntes e ra;oes dos repectivos ?'opregados no
sohredito trimeslre, certo V. Exc. de qae, para
occorrer as despezas eom a conapra de taes ge-
nerrs, emqaanto nao for resolvido o contracto
para sou supprimento, autoriso nesta data o ins-
pector daqoella thesouraria a man Jar adiantar ao
almoxarife do referido hospital, mediante o com-
petente pedido, a quantia de 2:000^000, de qae
opportunameote prestara coot?s.
2.' ucc&o.
Actos:
0 presidente da provincia, a vista da infor-
macao do Dr. juiz de direito da eomarca do Cabo
em offlcio de 13 da correate, resolve a cisco llermino Rodrignes Campello para o canto
de 3 supplenlo.do juiz raunicipil e de orphao3
daquelle termo, passando os actuaes 2" e 3" a oc-
cupar os lugares de 1* e 2, de conformidade com
o 2" art. 6 do deereto n. 4824, de 22 de novem-
bro de 1871.
0 presidente da provincia, a vista da infor-
maci'i do Dr. juiz de direito da eomarca do Cabo
era offlcio de 13 do correate, resolve nomear An-
tonio Javencio Pires Falcao para o cargo do 3*
supplenle do jniz municipal e de orphios do ter-
mo da Ipojuca, passando os actuaes 2 e 2' a occu-
par os lugares de e 2", de conformidade com o
| 2* do art. 6 do deereto n. 4824, de 22 de novem-
tiro de 1871.
0 presidente da provincia resolve, de confor-
midade eom a proposta do Dr. chefe de policia em
offlcio de hontem, sob n. 510, erear uma delegacia
no termo do Exii com a deuominaclLo de Granito,
a qnal deve comprehender todo o territorio fla
fraguezia do mesmo nome.
0 presidente da provincia resolve, de eonfor-
midade com a proposta do Dr. chefe de policia era
offlcio de ho.atem, sob n. 510, nomear o tenente
coronel Gualter de Alencar Araripe, Jovino de
Araujo e Albuquerque, Antonio Ulysses da Suva
Peixolo e Girnal Ribeiro de Oliveira Castro, o !
para o cargo de delegado do policia do districto
de Granito, nltimamente creado, e os 3 altimos
para aupplentes, na ordem em que se acham.
0 presidente da provincia, atteodendo ao qae
requereu o tenente coronet Ernesto Machado Frei-
re Pereira da Silva, comoundante do 4* batalhao
da guarda nacional deste mauicipio, resolve con-
ceder-lhe quatro mezes de licenga para ir ao Rio
de Janeiro.
Offlcioa:
Ao Dr. chefe de policia.Recommende V. S.
ao delegado do termo de Sslgueiro qae nao cob-
sinta o iransito pablico sabre o balds do acude,
uem o ettabelecimeato de uma dislillacao qae
preteadem fazer proximo ao saagraodoro do dito
acude.
Ao commaodante superior da guarda nacio-
ual do municipio do Recife.Em resposta ao offl-
cio de V. S., de 9 de fevereiro ultimo, acompa-
nhando outro do capitao fiscal do 7* batalhao de
infaniaria da guarda nacional sob o sea commando
superior, nouual representa contra o commandan
te do mesmo batalhao por haver reintegrado em
seus postos o sargento ajudante e o sargento da
t* compaahia, tern atteoder a nomeacio que o
mesmo fiscal flzera de Jose Tavares da Silva V'iei-
ra para o 1* posto, cabe-rae dixer-lhe que regu-
lar foi o procedimento do mesmo comraandante,
nao so porqae (allece ao conselho de qaalificacao
a necessaria competencia para eliminar 03 guardas
por avan^ada idade, como pretendem fazer com o
1 daquelles inferiores, senao tambem porqae o
crime de desergio attribuido ao 2J nio fora legal-
inenie verilicado, e assim nao podiam esse3 dous
inferiores perder os seus postos, em face do que
dispoe o artigo 46 da lei n. 602 de 19 de setembro
de 1850, e aviso de 11 do mesmo mez de
1855.
Ao comraandante superior da guarda nacio-
nal dos municiuios de Buique, Bom Conselho e
(iaianhuns.Hespondeudo ao offlcio de V. S., de
2i de fevereiro ultimo, lecommeudo-lho que em
ordem do dia faca sentir as pracas altimamente
destacadas em Aguas Bellas o irregular e censura-
vel procedimento que tiveram, dando motivo a ser
diisolvido o respeclivo destacamento em conse-
quencia de seu estado de indisciplina e reia-
xacao.
Ao mesmo.Hespondendo ao offlcio de V. S.,
de 27 de fevereiro ultimo, tenho a dizer-lhe que a
sua disposicSo tem sulflcientes recarsos legaes
para chegar ao lira que pretende; deve, pois, no-
mear o conselho de revisao,ariigo 9 do deereto
n. 1130 do 12 de marco de 1853, e immediatamen-
te publicar em ordora do dia a nomeacao dos res-
pectivos membros,artigo 4* do deereto n. 722 de
25 do outubro de 1830. E porque faz um juizo
tao pouco favoravel a seus subalternos, deve na
mesma ordem fazer 3entir a necessidade indeclina-
vel de cumprir cada um seu dever, sob pena de
fazer efT citado deereto n. 722, e de trazer tudo ao conhe-
cimenio desta presidencia para pfovidenciar con-
forme for de direito.
Ao juiz de direito da eomarca do Cabo.
Hespondendo ao offlcio de Vmc, de 13 deste mez,
tenho a dizer-lhe que por portaria desta data fo-
ram nomeados Francisco Herraino Kodrigues Cam-
pello e Antonio Juvencio Pires Falcao, este para o
cargo de 3 snpplente do juiz municipal e de or-
phans do termo de Fpcjuca, e aquelle para igual
cargo en, o termo do Cabo ; devendo Vmc. corn-
raunicar-lhos snas nomeacoes, afim de solicitarcm
o respeclivo titulo no praso legal.
Ao juiz de direito de Tacaratu. Mande
Vmc. por novamente a concurso a serventia vita-
licia doofflcio do 1* tabelliao de notas, escrivao
de orphaos e mais annexos desse termo, uma vez
que nao tinha competencia para o fazer o respec-
livo 2 supplenle ; ficando assim respondido o seu
offlcio de 24 de marco ultimo.
Ao juiz municipal do termo do Triumpho.
Chegando ao mea conhecimento qae Vmc. diaria-
inente empregava em seu particular serviro 5 a
6 pracas do destacamento ha pouco dissolvido era
Aguas Bollas, devo estranhar-lhe este procedi-
mento, tanto mais censnravel quanto era Vmc. en-
tao juiz de direito interino e primeira autoridade
da eomarca.
Ao 1 suoplente do juiz municipal do termo
de S. Bento. Em resposta ao offlcio de Vmc, de
1 de Janeiro ultimo, tenho a dizer-lhe quo ouvin-
do o tenente lose Carlos Vital sobre as accusaioes
que Ihe fez, defendeu-se mui satisfactoriaraeBt'e, e
portanto estranho o procedimento de Vine, a quem
recommendo seja mais exacto em suas informa-
coes offlciaes.
Ao comraandante do corpo de policia.Res-
ponlendo a con-ulla de Vmc em offlco de 13do
corrente, sob n. 171, tenho a dizer-lhe que, sendo
por lei geral isentos de servico militar aquelles que
alcancarara a corapetente baixa, e nao podendo
uma lei provincial, como 6 o codigo penal do cor-
po ^ob sea commando, derogar semelhante dispo
sicao, nao deve ser cumprida a ultima parle da
sentonca que condemnou a servir no exercito ou
na marinha o soldado da 7*companhia desse cor-
po, Pedro Jose Joaquim de Santa Anna, ex-praca
do exercito, convindo qiie em casos identicos a fe
de offlcio da praca declare essa circurastancia de
ter servido no exercito ou marinha.
Acto : *'5eCi*0-
0 presidente da provincia, altendendo ao que
requereu Joao Jose" Anselmo Tavares, 2 escriptu-
i-ano da.thesourana de fazenda, resolve eonceder-
Ihe tres mezes de licence com ordenado, na forma
da lei, para traUr de saa saude, fora da pro-
vincia. l
OflQcios :
Ao inspector da thasouraria de fazenda
Emqaanto nao for resolvido o contracto para o
forneclmento dos generos destloadot at dietas dos
doentasdo hospital racfles doe respective* am-
pregados, no tntoes^ de abril a junho dasle an-
no, mande V. 5. adiantar ao almoxarife daquelle
estanelecimentc, como prop8e a eontadoria dessa
tbesoararia no pareeer ae se refei-e a saa in-
forraaeao de hooiem datada sob n. 2M, serw G,
a quantia de 2.000/1. mediante o competente pe-
dido, afim de eon efla ir ocorrendo as despezas
com ompra de taes generos do quo prestara
opportunameote contas.
Ao mesmo. Tomando em considerafao o
qae allega na peticao junta o bacbarei Joaquim
Xavier de Luna Miranda Couto, joiz municipal e
de orphaos nomeado por deereto de 12 de feve-
reiro ultimo, para o termo de Jagnary na provin-
cia de Minas Geraes, recommendo a V. S. qae sob
responsabili lade desta presidencia, nos termos do
deereto n. 2,884 do de fevereiro de 1862, man-
de abonar ao referido baehafet a ajuda de easts
que Ihe foi arbitrada pelo ministerio da justica, na
imporlancia de 4001, corao se v4 do Diarie Offi-
cial do t do corrente.
Ao mesmo. Amraindo ao que solicitoa o
Exm. brigadeiro commandante das armas em offl-
cio de 15 do corrente, sob n. 895, autoriso V. S. a
mandar pagar sob responsabilidade desta presiden-
cia nos termos do deereto n. 2,884 do i de feve-
reiro de 1862, o que se estiver a dever de venoi-
mentos aos empregados e serventes do hospital
mili'ar.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Transmiito a Vmc. os docantentos juntos das
despezas feitas durame o met de marco ultimo
com o sustento dos presos pobres de outraa pro-
vincias e senteneiados militares recolhidos na casa
de detencao, afim da que por essa thesouraria se-
jara extrahidas as neeessarias contas para ter lu
far a requlsicio do pagamento devido ao respec-
tivo fornecedor.
Ao mesmo. Mande Vmc, em vista do do-
curaento junto pagar ao eonego Laiz Jose de Oli-
veira Diniz, coadjator pro-parocho da freganzia de
Nossa Senhora do 0' do Ipojuca, os vencimentos
relalivos ao mez de marco proximo findo.
Ao mesmo. Para satisfazer o que solicita
a Illma. camara municipal desta cidade em offlcio
de 8 do corrente, sob n. 26, haja Vmc. de remet-
ter uma copia do contracto effectuado com Bel-
larmino do Rego Barros, Jose" da SHva Loyo, Joe
Joaquim Antunes e Francisco Ferreira Baltar pa-
ra assentameoto de carris de ferro para transpor-
te de mercadorias.
4.' seccdo.
Offlcios :
Ao Exm. director da faculdade de direito.
Remetto a V. Exc. o reqaerimento janto, de Jos6
Manoel Cavalcante de Almeida, para 'qae se strva
de inforraar si o requerente esia matricalado nes-
sa faculdade, e no caso affirmative, si a tem fre-
quentado. Queira V. Exc devolver o referido re-
quenmento com a informapao que houver de dar.
cam parlamentos para qae o ministerio tenha
ire maioria, e, se por alguma casualidade,
ponta com a maioria, pouco Ihe importa, por-
Wo mesmo modo se deixa fuar no poder.
BOs mais fortes despotisraos encontraram apoio
Turpa, porque elles cuiJaram de garaaiir ao
Tito sua propriedale e sua segaraoaca pe*-
A3 melhores polieias, as melhoros rauaicipali-
da4ts saj inconlestavelmente as dos povos monar-
ches
Os crimes sao menos fre^uentes etodos sio
peoajdoi.
c Eotre nos se tem perdido a republica, porque
nao tetnos senao poderes qua fazera o que que-
rem; e nos consideramos mui felizes, sem terao
HSbs seguranca individual e de propriedade.
A uaica cousa que nos falta e ter fome.
Sotnos livres? Blaspheraa quem tal o diga. A
Wftflrdade que ainda se conserva em pequena par-
te^.'de eierever, e nma esmola que fazem ao po-
-es horaene do poder.
c A liberdadd 6 seguranca e nao ha quem a te-
e$ A llberdade e nomear funceionarios, e estes
sia nomeados pela falsiflcacao.
< A liberdade 6 pider ir votar, e aqaelle que o
fas se cxpoe a ser assassinado por uraa turbamul-
U Irresponsavel.
A liberdade e poder nomear quem determine
os Biipo'tos, e e eotre nos estes tao deterrainados
peias que galgam o poder.
< As liberdades todos nos as temos qaando se
nos permitte exerce-las e goza-las.
Vivemos dos favores que se dlspensam ao po-
vo, mas nao do que o povo sustenta e possue como
um dom ennquistado.
< Seamanha lerabrar se um governante de or-
denar que ni ;guem saia de sua casa, todos ficare-
mos mui sorprenlidos, porem, nao sabiremos.
Bsta e a verdade.
Se araanha lemhrar-.-e am mandatario de ex-
pedir um coder, abrevlara os tramites e assim ficara con-
aeatido.
Ao presrdente da camara municipal da cida-1adiantada
Por este caminho se chega methodicamente a
saaprimir o voto, a seguranca, os direitos e as ga-
raatias, vindo por lira apresentar-se o segainte
qaadro : urn grapoergmdoao poder, rindo-se da
noeedade do povo.
Nas monarchias nao temos semelhante escan-
dato, porque nellas nuaca se menle. 0 p.vo sa-
ke o que lbe e permittido e nao 6 enganado ; en-
tretanlo, por ca se Ihe faz crer quo pode fazer isto
on aquillo, e elle so se convence de que nao tem
tal poder, quando vii se matar a uns, para que ou-
tros aprendam a nao fazer senao o que a audacia
permitte.
Pode alguem deGnir a forma de governo que
temos ?
cr A constituicao diz qae e a republicana, a mais
proposta por Vmc em offlcio de 27 do marco pro-
ximo Undo, sobre o iraposto que deve pagar o cai
xeiro do qualqucr estabeleeimento commercial qae
sahe a mascatear,
Portaria:
A' camara municipal da villa do Cabo Com-
muniea-rae a camara municipal da villa do Cabo
em offlcio de 8 do corrente, sob n. 432, que tendo
sido autorisada a construir um telheiro no pateo da
feira, para servir de abrigo aos generos alii ex-
postos a venda, e conforme o orcamento apresen-
lado na imporlancia de 1:5001, resolveu contrac-
tar essa obra com Florentino Cavalcanti de Albu-
querque, o qual se obrigon a fazel a pela referida
quantia e nas mesmas condicoes autorisadas. Em
resposta tenho a dizer que approvo o contracto, de
vendo, porem, o contraclante prestar Ganca idonea
em garantia da importancia que houver de rece-
ber por adiantamenlo.
5.' seccao.
Offlcio:
Ao engenhniro chefe da reparticao das obras
publicas. Mande Vmc. examinar si as tarirabas
da guarda da casa do detencao podem ser conve-
nientemente reparadas, e si o nuraero deltas e suf-
ficiente para as pracas do que se compoa a mesma
guarda.
Circular :
Aosjuizes de direito, municipaes, delegados
e jaizes de paz da provincia. Chamo a attencao
de Vmc. para a stricta observance do deereto n.
3372, de 30 de deiembro de 1865, ua parte que Ihe
disser respeito, afim de que esla presidencia possa
no pra3o designado pelo referido deereto enviar os
mappas geraes da estatistica do anno de 1873.
EXPEDIENTF. DO SECRETA1UO.
__ 1." seccao.
Offlcio: >
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. Sua Exc o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. Exc. qae nesta data se auto-
risou a thesouraria de fazenda a effecluar o paga-
mento das folhas dos vencimentos dos empregados
e serventes do hospital militar, conforme solicitou
V. Exc. em offlcio de hontem datado, sob n. 295.
2." seccao.
Offlcio :
Ao Dr. chefe de policia. Sua Exc. o Sr.
presidente da provincia manda remetter a V. S. os
inclusos titulos de autoridades policiaes para o no-
vo districto de Granito. ,
3.' secciio.
Offlcio :
Ao inspector da thesouraria provincial. Do
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, com-
munico a V. S., para os fins convenientes, que o
professor de desenho do gymnasio provincial, ba
charel Joaquim Jose de Carvalho Siqueira Vare-
jJo, resolveu raudar o nome para Joaquim Evaris-
to de Carvalho, segundo communicou em data de
14 do corranto.
qae raostra a theoria da liberdade.
diz qae nao e ta', desde que a Ii-
esla supprimlda na vida pnonea,
a obedecer e a nao ter sobe-
rania.
Se estiva.-semos em nma monarchia muitos
males nao soffreriamos. 0 priraeiro era nao vi-
ver enganadus, e o segundo e* que teriamos segu-
ranca individual, gozariamos de lranquillidade,[e
nos fariaraos ricos, sem fatigarmos para exercer
direitos que nao se reconhecem e parece fazerera
pouca falta pela facili lade com qus os vemos des-
apparecer.
a Desgracadaraente nem monarchia alcangamos
ser, desdo que na praiiea se igaora a que forma
obedece o svstema actual.
As sociedades gostatn viver de illusSes, e as
illusoes sao um apoio do absolutismo.
Dizem geralmente que somos um povo muito
livre, pcrem aaia ha de mais erroneo do que se-
melhante dito.
Somos um povo muito |jvre quando nos rtei-
xam se-lo, mas somos tambem o nvais despotisados
possivel quando assim occorre aos que gover-
nam.
EXTERIOR.
Correspoudencia do Diarlo de
Pernambuco.
Buenos-Ayres, 25 de agosto ds 1874.
I
Comeearemos esla missiva fazendo a transcrip-
cao de alguns trecho de um bem elabocado arti-
go, que a proposito do actual estado critico desta
republica, foi publicado. ha alguns dias no jornal
mitrista La Libertad.
Pela leitura dos ditos trechos so v6 com evi-
ffej8**! 1ue al6 aot proprios paizes extreraamonte
rodubheanos, como este, ja se apreciam as immen-
sas vantagens do systema monarchico, sendo elle
considerado na pratica, mediante jus'a compara-
cao, muito melhor do que o republicanj.
Theoria* e praticas. :
Nos paizes monarchicos, inquestionavelmente
se goza de maiores beus do que entre nos, qae ere-
bos viver em republica.
Nas monarchias, o que esla consignado nas
lets se respeita ; entre nos as leis dizem uma con-
sa e os factos outra.
Um parlamento monarchico sahe do suffra-
gio popular; entre nos sabe da falsiflcacao do
voto. *
. Um ministerio monarchico se retira quando
nao encontra apoio no parlamento ; entre nos ss
No dia 14 do corrente-teve lugar no theairo
das Variedades um grande e esplendido banquete,
dado pelos membros mais pnwuiioentes dos par-
tidos alsinista e avellanedista, em taste jo a victoria
da ultima eleigao presidencial, e offerecido aos Drs,
Avellaneda, Acosta e Alsina.
A sala do theatro achava-se ricamente adorna-
da, e nos camarotes notava se a presenca de mui-
tas senhoras convidadas, ((ue com os seus encan-
tos e adornos foram abrilhantar aquella festa po-
litica.
No decurso do baoqnete foram erguidos vario3
brindes com dicursos apropriados, sendo os mais
notaveis os dos Srs. Avellaneda, Irygoyen e Al-
sina.
0 novo presidente da republica fallou com ver-
dadeira emocao e extrema franqueza, dando a sua
palavra um colorido de sinceridale eloquente.
S. Exc. disse que nao era aquella a occasiJo de
tracar programmas, porem, se alguma cousa podia
dizer sobre a materia, era que elle governaria
cercado de todos os homens de boas intencoes,
sem olhar a paixoes politicas, escutando sempre os
consellio3 de seus araigos, com o proposito nao de
fazer imperar uma vont&de caprichosa, mas sim a
idea quo melhor se amoldasse as aspira^oes na-
cionaes.
0 Dr. Irigoyen pintm a actual situaeao politi-
ca e mostrou sua origem uas transformaQoes da
spiuiao.
Elle disse que, a verdadeira maioria do paiz ti-
nha concorrido para a eleicao do Dr. Avellaneda,
que, a marcha de todas as corporacoes politicas
morlrava estar a Republica Argentina trilhando
um caminho de reorganisacao e moralidade. Este
brinde foi muito applaudido, sendo o seu ponlo fi-
nal nma verdadera surprcza, pois.w Dr. Irigoyen
brindou a felicidade e prosperidale de sens adver
3arios.
0 Dr. Alsina, horaem exaltado e intransigente,
tomando a palavra. comecou censurando algumas
expressSes coneiliatorias dos Srs. Avellaneda e
Irigoyen, susteotando qae, termioada a luta elei-
toral, o anhelo dos partidos e que o candidato fa-
vorecido pela maioria responda aos propositos e
aspiraqoes della, governando so e exclusivamente
com o partido vencednr.
Depois elle recordou as aeensacoes infaraes de
qae tem sido victima o seu partido, e fallou das
grandes ideas deste, que se resuraem na fraterni-
dade e bem estar da republica.
0 Dr. Alsina terminou afflrraando que, seja qual
for a decisao dos sens adversarios politicos, o Dr.
Avellaneda, eleilo presidente constitucional, assu-
mira o poder infallivelmente no dia 12 de outubro
proximo viudouro.
Estea brindes teem sido bastante disculidos pela
imprensa, dizendo os jornaes mitristas quo os par-
tidos alsinista e avellanedista ja estao novamente
desunidos, o que por ora nao acreditamos que se
realise, porem mais tardo com certeza se verili-
cara. ^
As queatdes religiosas qae preseutemente
abalam quasi todos os pa zes da Europa e da
America, parece que vao tambem comecar nesta
republica, porque assim o provam dous factoa im-
portantes que se passaram aqui ultitnamente.
0 primeiro foi ter o arcebjspo de Buenos-Ayres
enviado uma neta ao governo reclamando, em no-
me das confrarias monaslicas, cerlas proprieda-
des, das quaes o poder executivo se apoderou em
1822.
Conforraando-nos com a opiniao geral da im-
prensa, que muito tem tratado do assumpto, en-
tenderaos qae o governo nao deve entregar as
propriedades reclamadas, nas quaes se acham ins-
tituidas bibllolhecaa, raosens, hospitaes e outros
estabeleciraentos publicos, mas julgamos que de
aijukiad* ser ooncediia onfa indemnisacao qual
quer, para acabar amigavelmente a qaestao.
Se n5o hoover um accordo entre a igteja e o
estado, e bem provavel que o o poder legislativo
decrete a abolicao eompleta dos conventos, para
assim Bear a reclamagao categoricamente resol-
vida.
0 segundo facto foi a celebracao de um concilio
denommado platense, que se realisou no templo
allemao, nos dias 15, 16 e 17 do crrente, tra-
tando se nelle de lutar oela purificacao da verda-
de e de trabalhar pela reforma religiosa n^ste
paiz.
0 concilio esteve bastante -concorrido, sendo
presidido pelo Rvm. Dr. Caatro Boedo, bispo ar-
gentine nomeado peloigreja allema dos velhos ca-
tholicos e chefe do novo movimento religioso no
Rio da Praia.
A populagao desta capital esta ameacada
de soffrer uma terrivel epidemia, a peior de todas
que poderia apparecer a fome.
A carestia dos generos alimenticios e excessiva.
a ponto de com dilflculdade encontrar-se carne
nosmercados, a qual ultiraamenle ja se tem veu-
dido a 500 e 600 rs. a libra.
A falta de gado para a matanca, que e a causa
principal de tal carestia, 6 attribuida ao raao tem-
po que ha alguns mezes reinou geralmente no in-
terior do paiz e tambem as especulacoes rommer-
ciaes de alguns ricos negociantes desla pra^a, que
segundo dizem, teem comprado grande quanlida-
de de gado para monopolisar.
0 governo e a munieipalidade teem tornado
medidas para fazer minorar a carestia dos vive-
res, mas ate o presente pouco teem podido conse-
guir.
No congresso argentino foi approvado, na
sessao de 20 deste mez, o tratado de amisade,
commercio e navegacao, que ha algum tempo ti
nha sido celebrado entre esta republica e a do
Perd.
Os dous individuos accusados de lerem feito
parle da quadrilha que assaltou a casa do Sr. I.a-
nus, e que foram presos em Colonia, ja chegarara
a esta cidade, sendo logo conduzidos a cadeia,
onde se acham incommunicaveis.
Antes delles sorem embarcados em Colonia, fi-
zeram-lhes escrever algumas linbas, e a lettra 6
inteiramente igual a das cartas recebidas pelo Sr.
Lands.
Os outros crimioosos, que segundo consta sein-
ternaram no Estado Oriental, ainda nio se conse-
guio captura los.
Os duellos estao agora em moda por aqui e
se repetem quasi diariamente.
Na semana passada dous offlciaes da tropa de
linha, um capitao a um tenente, bateram-se a es-
pada no boaque de Palermo, e sahiram ambos
feridos.
ignoramos a causa do desafio.
Acerca do processo qae esta seoda iastau-
rado contra o iotilalado rei da Araucania, cuja
identidade elle nega, encontramos as seguintes li-
nbas na Republica de ante-hontem :
a 0 fiscal do tribunal nacional, a quem havia
passado a causa do celebre aventureiro rei da
Araucania, cujo nome ja tem soalo tanto nas
chronicas dos diarios, expedio a vista que Ihe. foi
conferida nos seguintes termos : Que o indivi-
duo detido sob o nome de Juan Prat 6 o celebre
aventureiro fran;ez Antonio Tourens, que se diz
rei da Araucania e da Patagonia, com o pomposo
titulo de Aurelio I, o qual tentou publicamenle na
Europa organisar expedicoes para conquistar seus
pretendidos dominios na Patagonia e no sul do
Chile. Faz alguns annos que elle foi feito prisio-
neiro pelas auloridades chilenas, corabatendo a
frenie dos indios araucanios, foi julgado e con-
deinuado a presidio, sendo logo deslerrado
pela intervenoao do ministm francez, sogundo se
vio publicado na imprensa chilena, por ser consi-
derado affectado de alienacao mental.
O fiscal pede que sc continue o summario,
allm de se averigaar os propoiitos e conhecer se
as ambicoes que domina, em sua mania de cha
inarse rei, ao Sr. Aurelio Prat.
Hontem, a uma hora da tarde, foi elle condu
zido do quartel do Retiro para o tribunal nacio-
nal, com o oujecto de prestar declaracSes.
Um crime atroz, um as3assinati cruel c bar-
baro, revesiido de mil circumstancias aggravan-
tes, foi hoje as 7 boras da manna commeltido na
praca da Regoleta desta cidade.
A victima foi um poire italiano, Pedro Mazzini,
que em 30 de jullio do anno passado, domiuado
pelos impulsos de uma paixao que cega muitas
vezes e raciocinio o transtorna as faculdades men-
taes do homem, poz termo a vida de uma mulher,
a quem loucamente amava, porque ella queria
vollar para uma casa de prostituieio, d'onde elle
a linha tirado com o flm de casar-se ; e o assassi-
no, d6a termos de dize lo, foi a sododade. era nome
da justica humaaa 1
Dispensem os leitores os lugubres pormenores
do fuzilamento de um pobre infeliz, que merecen
do apenas o castigo de alguns annos de prisio, o
grao minimo da pena, acabou os seus desditcsos
dias em um patibulo, gracas a inepcia e maos ins-
tinctos dos juizes desta terra, e tambem aos senti
mentos sanguinarios do administrator da provin-
cia de Bueuos-Ayre3, que podendo ter commutado
a pena, como Iho foi pedido humanitariamente
por um abaixo assignido do 800 commerciantes e
outro dos estu James do collegio nacional, mos-
trou-se inexoravel e raandou executar a sen-
ten ca.
E' summamente adrairavel quo um povo, qae
se diz grande e civilisado, como o argentino, dis-
putasse hoje inlivi iualmenle, palmo a palmo, um
pedaco de terra para estar perto de Mazzini I
E no entretanto, no meio de uma multi lao cu-
riosa de cinco ou seis mil pessoas, nem uma so
palavra, nem nma so reflexae se devia ter ouvido
acerca do supplicio que era presenciado 1
Ninguem pensava de certo no effeito do castigo,
ninguem se lembrava que era a lei quo enviava
um homem ao tumulo, ninguem assignalava o
facto como exemplo 1
Todos assisliam ao saogrento e funebre espec-
taculo com satisfacao ou mesmo com alegria,
como se estivessem em am eirco romano ou em
uma praca de touros.
Ah I Dubois tem razao em dizerque um batu-
que no tbeatro da Opera se paga por menos preco
que a localidade qae se obtem para ver rodar
uma cabeca.
0 que nos admira, o que nos contrisla, 6 nao
haver uraa propaganda geral, que impilla asocie-
dade a nao exercer um direito que viola as dispo-
sicoes do Altissimo.
No Brasii devemos cuidar quanto antes de ris-
car do nosso codigo criminal a negra nodoa da
pena de morte, e no dia em que isto so realisar,
poderemos enuo dizer com orgulho que eatamos
mais civilisados do que maitos ; paizes adian-
tados da Europa o da America.
Foi publicado o relatorio do ministro da fa-
zenda da Republica Argentina. Segundo este do-
cument a receita nacional de 1873 foi de.......
20,217,232 pesos fortes, corrdspondendo a um
augmento de 11 por cento sobre a renda de 1872 e
9 por cento sobre a receita orcada. Os direitos
de iraportacao produziram em 1873 a somma de
16,516,706 pesos, ou mais dous milhdes quo no
anno anterior. 0 valor da importacio foi em 1872
de 59,599,143 e em 1873 de 71,069,199 ; o da ex
porucao foi em 1872 de 15,743,192 e em 1873 d.
45,869,314.
Consta qae em priacipio de setembro ievp
partir da Villa Oriental, as ordens do comoua
daoie Ellial, uma forca argentiaa que alr'Tmiri
o Chaco em direccio a provincia do Salto eat ca-
minho encontrar-se-ha com outra forca proceden-
te da fronteira do Salto. o 6m desU expedici
e nao suconservar franca e d*.embaracada a com
municacao, como tambem abrir caminho enu-e
aquelles dous pontos.
II
No estado Oriental f n apres-mtado a camara
dos representantes o orcamento da despeta pan c
anno economico de 1875. A despoia e fixda n
6,7.30,826 pesos, e aendo a receita de 3,M4,159.
verillca se nm deficit de 2.916,667.
0 dia 25 de agosto, anni versario da proclaau
cio da indi-pendencia do Ei 4e
vidamente lestejado em Montevideo, celebrando-at
na matriz sulemne Te Denm, revista de tropas e
illuminagoes.
A junta de credito pablico apreseatira ao go-
verno um projecto de conversao e unificacio dos
fundos.
0 paquete Liffry que nanfragoa no dia 22 d"
corrente, considerava se corapletamente perdido
Na noite de 25 ehegou a Montevideo o vapor ,
qae fora em auxilio do paquete: levava a tea bor-
do 71 pas-ageiros e 67 tripolantes do Ltffrw. ForatB
salvos a correspoodencia e valores qae ella coa-
duzia, bem como a bagagem.
Ill
Do Paraguay as ultimas datas sao de IS deste
mez.
No dia 5 honve em Asaampcio am grand*
conilicto entre os soldados da capitaoia do porto
e alguns brasileiros, do qual reanltou duas morte;
e varios ferimentos.
Os delioquentes tinham sido presos e lam ser
processados.
No p >voado de Valeczaela descobrio-se nl-
timamente um rico thesouro, escondido na pared*
de uma casa, o qual constavi de nm caixao com
dinheiro miudo, algumas oneas de ouro e nma
barra de prata
Dizem qae a casa onde se encontron o tbeaoa-
ro, foi occapada pelo commissariado da guerra,
quando Lopez andou por alii.
IV
Das republicas do Pacifico lemos nolicias tele-
graphicas ate 22 do corrente.
No Chile, a jueslao religiosa eontiaaava .
occupar a attencao publica.
0 projecto de traasformacao da cidade de
Santiago, approvado pelo congresso, esla obraado
prodigio'.
Quasi todas aa roaa tapadas vao aer abertas.
0 governo cedeu o terreno necessirio para pro- -
longar a avenida do exercito Libertador ate o par-
que Cousino, sendo demohdas as cocheiras do ,'
quartel de artilheria.
A riu An N.iau.l vai aor DruluOajaaa in Ml.
metres, tendo os proprietaries cedido o|rataMa-
raente o respeclivo terreno.
Ja se acha collocada no passeio das Deiida*
em Santiago a estaiua que represenu Bueoos-Ay-
res, a qual se inaugurara no dia 18 de setembro.
Em Quilicura merreu, dos fins de jultao. a
Sra. D. Josephi Rmo, que tinha de idade 125
annos. Foi casada cinco vezes, viveodo 15 annos
eom o primeiro marido, 10 com o secondo, 12
com o terceiro, 14 com o quarto e 18 com o ul-
timo. Teve 20 filnos, 30 netos, 10 bisoetos e %
tataraneios.
No Parti foi apresentada umi proposta as
camaras, pedindo que se autorise o poder execu-
tive para reunir em Lima um congresso america-
no que procure os meios de resolver a qaeatio da
independeucia de Cuba, e qui* so vole um milhao
do pes s para auxiliar aos patriotas.
0 governo peruano acreditou uma legarao
na Russia.
0 chefe della, D. Jose A. de la Valla, coategain
que o czar aceite a arbilrag.-m prop ista na qaes-
tao pendente entre o Peru e o Japao, sobre a cao-
tura do navio Maria Luz e prisio Jo sea ca-
pitao.
A decisao deve ser proferida dentro do um anno,
durante o qual se rereberao e se communicarao
as exposicGes e provas de ambas as paries.
Esse diplomala tamb-m alcan.ou ajustar e fir-
mar um traUdo de amisade, commercio e nave-
gacao, que sera submellido a consideracao do
congresso.
_ Per ter a autoridade judicial do porto de
Calhao, feito a bordo do vapor inglez Sintiago, .
averiguacao de um facto criminoso, a legacii bri-
taunica dirigio ao governo do Peni um terminaale
protesto.
Por deereto de 23 de jullio foi ordenado ao
prefeito de Huanaco, que lira retirar de um con-
vento daquella cidade aos jesaitas qae alii se
congregaram, favorecidos pelo administrador apos
tolico, contra a vontade das aatoridades, licand >-
lhes, em caso de resistencia, am prazo peremptc-
rio para qae saiam do lugar.
Outro deereto da mesma data ordena qae a
corte auprema iaicie o respeclivo proceuo contra
o ex-bispo de Pun > e seu caoido, pelo deliclo qae
comraetteram, o primeiro fazendo renancia d..
bispado por se haver comraunicado directameote
com a santa se, e o segundo elegendo vigarto ca-
pitular, compromelteado assim am e oatro a inle-
pendencia do estado.
Na Bolivia a situacJo politic* do paiz era
traoqailla, mas se teraia a sua penurbacio.
0 Dr. Corral e o general Qoevedo, qae dispa-
tara a futura presidencia da republica, dividem
funestaraente a opiniao e exacerbam n paixoes
pesaoaes.
Nao obsUnte, dizem.que e canlidato mais pres-
tigioso para auccedcr a Prias e U. Belisario Sa-
inas.
0 governo ordenou que m fizesse uma ei-
pl.irarao na Bahia Negra para abrir ao commer-
cio esirangeiro o littoral boliviano eom o alto Pa-
raguay.
No dia 3 do passado sahio de Sucre a respect.-
va expedicao, que e dirigida pelo coronel Can-
seco.

INTERIOR.
RIO DE JA\i:iBO
1 DE SETEMBRO DE 1874.
No senado, hontem, no projecto da estrada 4*
Piranhas a Jabota, o Sr. Candido Mendes declaroa
combater o projecto, embora o assigoe o Sr. Caa-
cansao de Sinimbd, por ineonstitudoaal e inutiL
Nao obstacle e favoravel a estrada. Disculio lar-
ga menle nesse sentido.
0 Sr. (1 de Sinimbu mostrou as vanlageat do
rojeclo. Atteodendo em parle a impugaacdes a*
r. Candido Mendes, mandara a mesa nma aatta-
da coaciliadora.
0 Sr. Candido Mendes, voltando a Iribana, iswis-
tio na sua argumentacao.
0 Sr. Leilao da Cnnha votara a favor, mas de-
seja eaclarecimeotos do Sr. presidente do coatelbo,
porque tem duvidas.
0 Sr. presidente do conselho, depois da
rar sobre a inierpretacao qae pode caber a
cie e que deu lugar as duvidas, declaroa qae e
a emeola do Sr. Siniaabu, o governo mandara fa-
zer a estrada, oa pelos cstados do enfeaMr*

s


_ *

_L1L
M *n^ m ut^fyM***




fcraos ou poFonlros a qoe enTeTraSTnahJaT pro^ puTInse o precri^Tm'?n-.o_Jo_pts>Q-^ Jo 'exemto.
ceder. Atiaun.u ser a obra da dklt)ifillliMtl> a\aaflJlaJajtoll*WPIHg Wat**"
Ficou.......rfm1i- ii'iV dp artig/. nao f uma raa< compressor*
No projecj)p.4teMva provincia de S. Francisco, do povo
o Sr. Saraiv^amSule q"ie o governo \iiio'zela"os "sobre
cofres publicwjrreanio 'a provineia de S: Fran-
cisco. PJ%*' .....
Os diseursos do presidente do con-elho e do ba-
rao de Cotegipo em mda esclareceram a materia.
Nao se oppij- ssstojaatictBiente. Nao, sera ajm
delegado do governs aim uma esirada^d Jerro
das,
a'fiscihisafao que Here
08 actos dogoverrro ser*
para- quaesquer abuses aomawttidos n;i txcca da 1-j. 0 ora.dor, pigseguindq, fe% varias ConjiEfer
rar,oes acerca do sy sterna prussiano, respondeu
as objeccfies formuladas na sessao anterior pelo
Sr. Martmho Campos, e oiostrou <|ues eram as dis-
posicOes do projecto e a* emendas do seaado faalo da-je quifid') o parecer 6 aprocnta#B
li >ra dotiu.i la rwra. n expeJie
VMNW'&>T-,- i to.
Pres*fc*ni<
cj ii o i|ti-j a c iiiiira
reu o'parlaTileWvl^ulvrtterte^A^sein.'re roqunrer q.ie 0:Tjr4ttJ
eDJcm cmrecWry res ttto seu u d>cul:dis seaio d Mm an nirWM Jui:> xSc*!
reffH
Sexta feira 11 de Setembro de 1874
80S OH'JKI/1 .J O/./A
| O St. Martroho Campos fat djtersas
"randet provincias eonaji- coea, insistindo soure as objeojki que apreseutat*
cestraltoacio pidltica, pelo na sessao anterior.
visOes. O g )verno nao tem 0 Sr. Miuistro da Guerra, reapoadeodq ao- pre-
to, caniqtianto me o ; .o fovewo so o deu ao cde* do projecto qua haviam sido ieipuguadas.
debate no lim da sessao e se e deii f oi isso devido lia conveniencia nas Isen.oes por meio de sabsti-
ac emprnlin dos preteadeates a repteaeWaeao da, tutos, em nearest os tsJailitnidos raeeoaeavea por
Bva provincia. rVllara ainda sol re o projecto. eifes. a disposicao do art. 9 do projecto
Francisco.
E* d opiniao qi
to;rn bsluartes c
que eppoe-se a essas
nresmo amor ao
eKAfl da falla do
Fica adiada a discu^sao.
enes. a
privilegio
exclusivo aus wUilare* daca os
nao da
ipre-
que
gos publicos; o quo ananas ae <$'>%'. i -\w
Na camera dos depntados, entrando-?e na 1* par-; prstenderem taes eraprtgos mbslrem ter ?atis-
P;
la da ord^'p do dia (I'liiitiniiayin j^ discii""^ do itnlj o jirecci.to dilei. 0 oradoenjummuiu (-",")'in
art. 6 do projecto da reforma Heitoral), o Sr. Cor- varias consideraciJes sobre a creacao em todas as
ra de Oliveira (ininistro do imperio) disse que era provincias de coaipanhtas de aprendUes soldadis,
difllcil saber-se o que pretenle a opposicao : quan-1 sobre o chamamento de for^as extracrJiaarias no
do se diseiilk) o act. 4> do profacto qui\ou-so ella caso de guerra interua ou exiorna sobre o sex- do Recife aai cumprissem o dever de obeiieacij
de nao acharem se sobre a mesa as emendas da vigo que deve prestar a guarda naciona
commissao; agora, ao eaur-ia discussaa o art. i Adiscutsao licou adiada oela tiura.
6, e tendo o Sr. Heraclrto Gra>;a pedido adiamento 4
ate serem apresentadas as rcspectivas emendas, No senado, hontein. a Sr. Zacariaa fiwdaioeotou
pmuunciou se forteincnle a opposi.L^ conlra tal j uin requerimento pedindo ao governo uma copia
adiamento. Com e-te prwedimwito, proseguto o- do re**Hta*t de examc d- traco da etfa4a de
Cauuiada atamara, c- apprjvalj
memo do Sr. Gomes do Castro.
jmeada (Wr est
r a denuncia apr
udn JE^erTa V
0 Sr. 1.* secret*ro fai a lei'.ura da seguinte
fareceffe"
A cemmfrsio tspejj
gn- a .anara paracxa
oousilera- tvd i pelo Sf. def utado
cioir.i o ruiaUtr.is de aydo cdflBteiro
do Rio w-aooo, c?sullielro ioS Alfred
de tilivelra e oonsaheitt ?iscoado lo i
leva em vitta a refenda 4nuneia,i)erj| c#mo
siierouglf^^s o|iciaa a que ella ae ref.
depois de i-onderal a malaria, te.d interpor
paraenr. -Afc_
A denuncia accusa os referidos ministros pelo
criimfcdo taaicao. .*.
t l. Por aarbijaram a deilruicao da relig'uio
catholrea ape'tolicf-romana, coosagrada pel a com
ara as dcicucs doaiu'ta
HlHHtWtiK. ffjMmfujf It HO-
~ Mm tiavlow 1 H^Vne cruca no n.ntf lft H^pa>
" MT. loi uquellu villa ai)ardca-
tin pcla canliuuelra allema ALU I-
THOZ, que dcapcraou os carliMtas.
K'tM mH ut.taaw rrrriiiaaN e
vat partir yara Aiaji n*DM p-
UN.
LfempenliuiiHt' H. Traaallia 1
uoalviiiucie nun rovauoa*es, [
w^tarinmr^eiiitrda'prmmvl! ilfftDW*
ut> pro*
com a
Para
Perna
NORTHS
LmuI o
cs.
.
Uluicao do e&lado.
Por suborno, empregando por intermeiio
Jo seu delegado, presidonte U IVruambuio, f-dj- MiMPj* vlfM^>MV4i|
torio e inllui'iicia para que oi vigarl orador, mostra a opposicaii que :6 eift um lito,
de conlrariar e censurar.
Em segnida pa-*snu a re-ponder a varies censa-
ras e accusacoes. ft-itss a sua pessoa na tribuna e
na impr nsa, tratau !o de moftrar qiw qao teem
elrss fundameato, sjo graves iajusliijas 6 iojpstifl-.
caveis ofleusas ao stu caraeier. Disse quo entra
va em longas con>idr rarues sobre e>ta questJo pea-
>..l po.rqdB considcrava a tionra patrmipuio sa-
grado quo tod"o o liomein que preza a dignidiade
4evia zelar e defenJer com energia.
Kntrando por fltn .na maleria disse que o pro-
jeutu em oi cussao tao longe estava de ser um
araonload.i tie absurdos, coino pretendia a opposi-
cao, que Wra previameate submetlido a apreciagao
de can>ellitii o> de e.-iado, stpadores e deputados;
o facto de estar elle siffrenlo emendas, & so prov
de qne nao pole haver accqrdo unanime quanlo
se traia de uma lei eleiloral. 0 goverao nao fez
do proje.'to um noli me tangere; pelo contrario,
podio aos seus amigos que no decursu da di-cus-
ao (ossem propondo as modiflcacSes quo julgas-
sem eonvenienf.es.
O.projectp. iK.rein, que se diz ler sido repellido
em todas as suas paries, foi aceilj e respeitado em
qviasi tolas as suas Asp sigdes.
Analysando linalmeute o que dispoe o artigo su-
jeito ao debate, resp ,udeu ao quo in sessSp ant>'-
cidente fo*a dito pelo Sr. Ignaciq Martins, quanlo
a niuJaii ;a do dia dealiuado para a eleijaj de ve-
realres e juizes e quanto ao inodo de e'eicao
adoptado para aqufll,\- funccioiiaii-.s.
A discusao ficou adiada pe'a hora.
Passou se a 2* parte da ordem do dia, err.en-
do* si bre rcerotamento.
0 Sr. Cardoso Junior, p< la ordem, requereu que
essas emendas fos?em subinetlidaa a diM;ussdo em
gl b..
9ttsciftra-se-sobre este reqaerirnento aroa di;cui-
sao de jirJem, na qual totnarara pane os Srs. Mar-
tinho Campos e Silveira Martin-, senJo pur fm ap-
provado o remjerimento do Sr. Cardoso Junior.
PosCas em disc issai as emendas.
0 Sr. Paulino de Souza, assignalando a poslcio
n-ie timain sous amfgos naiuelle dibat", dicl.ira
; re se abstera de qnafqae? iniuit) politico, consi-
de.andp aseiqenJas J.j senado uelo roereciinento
do >.uo nellas se di-p5e Antes de cnunciar Wnzo
soSre e>te importante assunipto, recorda a desor-
gani.'acio do exercito quandi dr'^apereebidos sor1
pren ea nos a guerra do Paraguay, o o* niei )8
excessivos de que o governo tevrs de soccorrer se.
Foi ainda dnrante a guerra e quan Jo n3o se po-
ds* prever ao eerto sen lermo, que o gabinete de
li de jullio prom jv.'u na camara o aidamentd do
projecto. As impressoes de eutao nao Ihe deixa
vam o animo tao isento como tern agora, desper-
r.amlo-lhe hoje preoccupa.ujs algumas dasimova.
s-f- > do projecto E-lando eatd prestes a ser lei e
Bid p)dendo mais a camara se^uer emenda-lo, faz
;J;-amas observaco s unicamente para atleuuar a
i- ponsabilidade qae l!ie p ssa caber. Nao quer
desaul irisar a nova lei.
a .fnior nan-! ilas cracnl.. Jv sonarto rnelho-
ram in;onte*tavelmente o projseto, restringindo o
abs Into de algumas das disposicoes votadas pela
camara, combale oulras emendas e conclue mos
lr?ndo-se ajiprehensivo com a f.ciiidade que opro-
jecta pasta dar ao governo de levan'.ar facilnenle
fetcas militares. Nao e levando esia lei a coHec:
cio de legi-lacio que se iransformara a indole na
ional, eJ.tfO'me de lendeneias militires. CHa as
palavras de Evaiiato em 1828 na Aurora Ftumi-
ttenu para nraltar que jii entao hivfa quern
acredita- s-s ceao hoje elle oraJor, que a gloria do
Brafil e;la u.i prosperidale c no bem estar dos ci-
dadao's, que so a pas exterior, a ordem iuterna e
as jarantias da iibordade podem assegurar. Fa
zendo ao ininirti-rio a coDOeesfo de facilitar Ihe
estas leis, a epposijio poderia reconvir exprobran
lo ihe a etlerlllidade da sessao Icglslativa, mas nao
o faz, porque csle v imp.rlurbavel diaule das mais
graves e fundadas 3eensafd*es.
0 Sr. niinislro da guerra man felou sua satisfa-
<.lo por ver o modo porque se portara o precc-
'i nle orador, cujo procedimeato Ihe parecia cons-
iisuir um verdaleiro progresso nos nossos ha^itos
parlaraentares. Aquelle Sr. deputado, comquanto
st-ja hoje iiK-mbro da opiwsigao, nem por isso en-
tende que fleva repellir a pro.osicao sajeHa a de-
bate, proposi.aj (pie alias f6ra adoptada por elle,
adoptada soliJariamente coin o r/abinele de 16 'e
julho. 0 orader, proseguindo, fez diversas consi-
dera^Sei para mo'frar que o 9ystema do alista-
mento e sorteio proposto e o que mai3 se coaduna
com iis direitus imprescripiiveis do cidadai e em
qne ha igualdade na cxigencia d imp. si i de san-
gue. Nao diz que o projecto seja perfeito em t'i
das as suas partes; como obra, que 6, de homens,
deve necessariamente ter alguns senoes. Ptespon
dendo a objeccao posla quanto a exoneracao pecu
niaria, declarou o orador approvar a emenda pela
qaal tal eioneracao so devera ser coocedila a in-
dividoo qae prove ser mais util a socieiade, exer-
cendo qualquer mdustria. Quanto a temer-se
ijus com a adopcao do projecto venha a militari-
sar-se todo o paiz, nao deve haver tal receio; o
qne o governo deseja e facilitar e assegurar o
preenchimento do conlingente marcado pelo corpo
legislativo.
0 Sr. Martinho Campos, fez diversas considera
cSes, mostrando como o senado, em algumas das
suas emendas, invadira attribui(des privativas da
camara dos deputados. A idea de militarisar o
paiz a prnssiana, snjeitandb ao sorteio todos os ci-
dadaos desde 19 ate 30 annos de idade, fora uma
tyrannia, se nao tivesse de ser burlada na pratica.
Proseguindo, lembrou o orador a conveniencia de
ficarem os corpos de policia das provincias sujeitos
ao governo geral, cunstituindo forrjas de segunda
linha, e disse que nao teriamos necessidade de
exercito numeroso se a politics dj governo oas re
laroes exteriores fosse a que aconselha a boa ra-
zlo, a prudencia e a justica.
3
Na camara dos depiitaios, houkm, o Sr. Lean-
dro Bezerra, depois do expedinle, tomou a pala-
vra pela ordem e mandou a mesa diversas rc-
presentactjes da provincia do Ceara a respeito da
^^tfestio religiosa.
Apresentou ao rnesmo tempo o orador uma de-
nuncia contra os Srs. ministro da fazenda, do im-
perio e de estrangeiros, pelo crime de pretend-
ret.h destruir a reiigiao do Estado e pelo dc su-
borno.
0 Sr. Martinho Campos, pela ordem, mandou a
mesa quatro represi ntacfjes : nma de Pernam-
buco e outra da Parabyba do Nolle, conlra o pro-
jecto da reforma eleitoral actualmente em discus-
sao : a terceira. de Pernambuco, acorca dis im-
postos com que sao gravadus os gem ros alimen-
ticios e outros ja tribatados por Jeis geraes, e a
quarta, igualmente de Pernambuco, pedindo pro
videucias em bem da lavoura daqu.-l a proviaeia.
O Sr. Diogo de Vasconcellos, pela ordem, sub-
metteu por seu turno a ensideraca.) da camara
uaia represenlacao de habitanles da provincia de
Aal a^rca d* queslio religiosa.
OSr. Tarqomio de Sjuza, pela ordem, mandou
a mesa dnas petigScs: uma de liabilantes da pro-
vincia de Pernambuco a respoito da qnestao re-
ligiosa, e ootra de alguns pro."e*sores do semina-
rio de Olinda queixanio se de se acharem
Autouiu* a C iriiiba, o da Unha de Paraua^ua a
Murrales, etc.
Foi appr jva I;., depois de algumas obsei;var;oes
do Sr. presidents do conselh.i.
Ni 2* Jiscussao diajt. 2 do projecto de uma
e-i. a.J.i de ferro de Piranhas a J^Uoba, q Sr.
Candido Mendes impuginu o mesmi ari-g i, por
ia .nvi'ni.-iite, e porque as obras euja feilura au-
torisa-se ao governo sin collossaos.
Nao conle ta que taes obras possam ou dtvam
ser feitas, mas iicga a sua upportuiiidade, e mo-
nos, nao estaudo coxple;o* os es(uJos, Hxar-se
quantia.
0 Sr. Sinimbii declarou nio ompreheaJor a
i ase das impugnagoes do Sr. Capdido Mru.l ; De-
pois de haw diseutido nesse seatido, inanduu
uma emenda, que depois r'tirou.
0 Sr- Caudido Mendes, applaudindo a jetiraJa
da emenda, insistio nas suas impuguaoSes.
Foi approvado o.artigo sobro o projectj relativo
a estrada do Madeira ao Mauiore.
0 lr. Silveira da Molla declare eutrar na dis-
cussao, apezar seu, compellido que foi por certos
iucidootes havidos no debate E opp s'.o ao pro-
jecto, por inopporlunt.
Nao contesta que possa haver nells inleressos
politico* e iudustriaes, e-tes nuis remolaipeule.
Uecouliece-os niesiuo. Mas a tslrada 6 de exito
iacerl i e ser^ de readimeuto nullo, e as fju^ng.!;'
do Drasil nap dao margpns para os dispendios que
o projecto exige.
JJuuiais, tem duvidas a respeitj da sua coasti
tuci'inali.lale, porque a inicialiva Je despezaa. pelo
priucipio da iuiciativa dos impo-los, perience a
samva dos deputadas. 0 facto na constituir
uiua novid.di^. Oujro.-ira, naj podia o governo
cotitr.tir a estrada sem audieucia do corpo legis
lalivo, como e expresso na lei de l8i'2. Moslroa
oulras irregular! lades do co:i'.rato, lusloriando-o
largameute e discutindo diveraos lopicot do mesmo.
l'"ici,u a discussSo adiada.
Na camara dos deputados, depois da ieitura do
expclieiiie, procadeu se a eleicao
da coinmi-saj
sobre a denun
especial que tinba de dar parn:er
cia apresenlada na se>.sao anterior pelo-Sr. Le-
an lro Bezerra. Foram efeilos os Srs. Carueiro
da Cuulia, Pereira Franco e Alcncar Araripc.
0 Sr. Ministro do Imperio, pela or Jem, decla-
rou. q;.ie, sendo um dus denunciados, euteuJera
dever absier-se i|e vntar.
Rssahdo-se a I" parte da orJero do dia (conti-
nua^ao da discussfu das emendas do seuajo a
propusicao Ja camara dos deputalos sobro recru
laffiento, o Sr. Juie de Alencar cplnecon fazendo
algumas consi lerai.oes para deuion-frar que, dtSufl
que so dissolveu o gabinete de 1G de Iplhy do qual
fora msinbro, ccssou a solidariedade ministerial
em relacao acs actos admini.-trativos (tesse gabi-
nete ; cada miuistro assumio a sua. antonom a,
e nrio pode ser obrigado, por uma mal mteadida
coherenci3, a sustentar projectos em que nao co-
ogerou directamente e cujo alcance e Importmcia
nao havia devidamento aquilatado. 0 orador,
pois, para salvar a sua resp nsabilidade, nao se
.'i.iu'-ii: \i oom acu voto ryrnholi-o, *> lAmon a p*-
lavra afim de enunciar francamente as suas ideas
a'crca do projecto era discu'sao. As emendas al-
ters m profunaa nente, em muitos pantos, o pro-
jecto primitivo ; e o orador estranhoo a resolucJo
tomada de serem ellas afacutidas englobadmnente
Esta resolucio, no sea enteader, denota que a
maioria se julga perfeitamonte eschrecida, e acha
cenveniente que sejim qna-itp antes approvadas
as emendas do scuado. Depois de algumas cob-
>ideragoes a respeito das attributes re-pectivas
de cata uma das duas casas do parlamenlo, e
accrca dos systf mas de recrutainenti, passou o
orador a analysar varias disposicoes dj projecto e
das emendas em discussao.
0 Sr. R( drif.o Silva, respondendo ao precedente
orador, fez varias eoosideracdes, umas favoraveis,
outias em opposicao a algumas das emendas do
senado.
> 0 Sr. Joao Mauoel, pela orJcm, pedio o encer-
ramento da discussao.
Tendo a camara decidido pela afflrmativa, foram
approvadas as eenenJas e rcmettiJas a coramissio
de redacjao.
0 Sr. Alencar Araripe, pela ordem, requer ur
gencia para apreseotar o parecer da commissao
especial hoje eleita pela camara.
A urgencia 6 approvada.
0 Sr. Prcsidente :Tem a palavra c Sr. Alen-
car Araripe.
0 Sr. Alencar Araripe :-Sr. presiJente, a ca-
mara ouvio hontein ler-se uma denuncia apresen-
tad i contra tres minMros de estado. A denuncia
versa sobre factos do tal magnitude e iue tao
grandemente interessara o paiz, que ell' nao pode
nem um so momento estar na indecisao a este
respeito. (Apotados).
E' neccssario que, quando se trata de questoes
de ordem, que envolvera a dignidade e a sobe-
rania nacional, que nem um so momenlo pare
duvida alguma sobre o juizo do paiz a esse res
peito (Apoiadosl.
Em conseq'iencla disto a commissao, que rece-
beu o honroso encargo de examinar essa denun-
cia, cntendeu qne devia examinar a materia com
toda a promptiJao, c dar o seu parecer, sujei-
tandose a decisao desta casa.
Foi para o Cm de rcmeiler a mesa o parecer
que eu'pedia urgencia, que esia assembl6a acaba
de conceder. Pejo, pois, a V. Exc. que mand
buscar o parecer, afim de que tenha e destino que
o nosso regiraento o.'dena.
0 pareeer e enviado a mesa.
0 Sr. Gomes de Castro (pela ordem): Requeiro
urgencia para que seja lido o parecer que acaba
de ser remetlido a mesa e dado para a ordem do
dia de amanha, precedendo a pnblicacio no jor
nal que publica i s trabalhos desta camara.
0 Sr. Joao Mendes :Peco a palavra pela or-
dem antes de ser votada a urgencia.
0 Sr. Presidente :Tem a palavra.
0 Sr. Joao Mendes (pela ordom) : Desejo sa-
ber, Sr. presidente, se o regiraento esli em vigor.
G parecer, devia ser lido, e foi para isto qua o no
bre aeputado pelo Ceara pedio urgencia. E, se
nao houvess? quein pedissa a palavra, devia ser
voladp. A urgen;ia, agora protista, nao pode ser
rqcebida sem a Ieitura do partcer ; V. Exc. nao
pode submetter a decisao da casa o requerimeotj
apresx-ntado nesse seutido pelo nibre deputado pe
10 Maranhao. (Apoiad s, nao apoiados e apartas)
Cumpramoa o regimenlo.
0 nobre deputado peb Ceara, que sa, apresentou
comi relator da cjm nissao especial, nuo podia
tambem ler sidoaduiiuilo a olferecar o parecer,
tendo passado a hora propria para a Ieitora dos'
pareceres. F, alemdissi, abrindo-se a sessao as
11 horas e 10 minuios, es'.ava esgotado o tempo
da sessao. (Apoiados.)
Vozes :Pedij urgencia.
0 Sr. Joao Mendes :Nao podia pedir urgencia,
sem pedir primeiramenlo a prorogacao da hora,
para apresentaT o parecer. Nora urgencia podia
ser posteriormente pedida para o parecer ser
dada para ordem do dia, se hoje raesmo, nao
navendo quern pedisse a palavra, nAo polesse ser
votadosem debate. (Apoiados) E sobretudo sem
ter sido lido, nao se pola pedir d priori que sej3
priva- o parecer pubiicalo e entre na ordem do dii para
ao seu legitimo prelado.
Assail coBCtuo a denuncia que os mimsUros
denunciados incorrem nas penas declaradas uns
ads. 1 S -" a ** S da lei da 15 de oiilabro do
1827, sendo o priiueiro desses crimes punido no
(iiaximo com morte natural, no meJio 6tm perda
ile ooplianca da nc4o, da todas as nouras, e ip-
ba bili Jade perpelua par a empregos de conllanca,
e '> annos ,1b prisao ; e no minim per Ja de cou-
liauca da nacao, inhabilidade perpetua reslricta ao
emprego, e 5 anuos de suspensao dos direitos po-
iiliiws ; a o segupdo erime com suspensao do-em
prego por 3 aunos no maximo ; por 2 no mdjlo 8
por 1 no miuirao. "*
t A commissao eotende que os faclos expos,los
necessilam do tqdo o fundamenlo para coacluirem
pela criminalidade atlribuida" aos denuociados.
Depois do exame da materia a commissao .
Considerando que os crimes imputadit* aos
ministros consistem em actos long imeute Jiscuti-
dos ante o pajz c o parlameiito tao cUiamante
iuau.fc.-.t3dos em apoio des,ses inesraos actos ;
C msiderando que sobre os factos argudos pela
denuncii o supremo irih -nal de justica ja profe
rio s-nlenga detiniiiva, condemuando os bispos co-
rny violadores das lais c.vjs do imperio ;
Consideraado que o prmredimento dos rnesmos
bispos, qual era o de exe ularem bul as nao pla
l^citadas, contra preceito express' da cunslituicao
poiuica do cr-ia Jo, viola va essa mesma lei i
o Coiisileranlo qne os bispos deixafirnae cum-
pnr decu-fjas da legiliooa. competencia do conselho
da estado, quaes eram as que davam provimentj
aos recursos iuterposu>s pelas irmandades inlerdic
las por orde u desses mesmos b^ispus ;
Cmsilerando que, alem disso, os^ditos bispos
objlarainocumpnmeuw dessas decisoes, organ!-
saudo a'resisteacia dos sens subordioaJos pela
ameaca da suspensao ecclesiastica e elTectividade
de,,4 -A ,
i CousiJcraudo que os miuislros denunci .das.
inanJaado sujeilar o< bispos ao pr cessj judicial,
cumpriara um dever do seu cargo, porquanto
procuravam fazer respeitar as leis, como sao obri
gados ; .
Consideraudo que os mesmos ininiuros denun-
ciados, asim pro.edt-udo, tratavam do resguardar
as prerogativ.is da Miner mia nacional, q e ficaria
prejudicadi so fosse admittida a doulrina dos bispos
que tendia a darobrigautriedade no paiz a actos de
uma autiridade e.-trauha, sem aunuencia e cxame
do nosso puuer soberano ;
t Consideraudj quo nos ados dos bispos. man
dadas processar ataeaya-se as leis Civis qne ga-
raotpin a existoucia das irman'fades, one sao as
socjacoes d' nalureza mixla, tambem destinadss a
tratar da aJminiatraijw de bens :6 regulados p.las
leis temporaes ;
a CvUiideraado ijue os denunciados em tu-lo
quanjj fjzeiam praticaram ajlos ordeuad is p|aj
l.is, alim de se faier eltectiva a responsabilidadc
dos quo iucorrem era ciilpa ou deli to, qaando e
carlo que o uso dessa faculdada naj traz eonse
quencia defjnitiva conlra os mesmos, sujeitando-o^
apjnas a justilicacao perante o pjierjuliciaT, nni
co que responde pela decisao ;
Considexan-Jq que os ueuuncaJos nao tiver m
outro intuitd se'nao garantlr as regalias dos pod
res politico* do estado, e que uma serie de factos
consiantes e hodiernos attestam o zelo do govern>
imperial pelo deso'.vimento da religiao catholica
spoaluuta romann, ja concad^odj auxilio e favor
aos ministros dessa religiao, e ja respeltando o
S'nto Padre no e.xercicoda sua jurisdiccao espiri-
lual, com quern tem procurado enten1er-se por to-
dos os tucios pacillcos e honrosos, afim do terminar
o confliuio levantado pelqs bispos julgados pelo
poder judiciario ;
a Considerando que a prisao e condemnacao dr.s
iiiesmos bispos sao actos desse p.ider, quo e inde-
peodeiili', e por cujas deliberacSes n5o respon-
dem os ministros de estado ;
Considerando que a nossa cons'.ilui^ao politica
e as demais leis do estado que admiltem e man
tem a religiao catholici-apostnlica roinana sao as-
mesmas qua admiUa.n que os bi-pos possam ser
processados e condemna Jos, sem que por isso se
altente contra essa religiao ;
Considerando mais, quanto a) suborno, que
elle nao existe ; e quando existlsse, na> era aclo
proprio dos accusados, e sim de um seu dele-
gado :
t Julga que a denuqeia nao tem procedencia
alguma, e deve ser rejeitada.
c-Sala das commissoes, 3 de setembro de 1874.
T.de Alenar AraripeA. S. Carneiro da Cu-
nha.L. A. Pereira Franc}.
receio tlr
SSHia. .
Sulitii iHta oBftpi
co o vipnr lagl<-s ORE A
TamiMui satilit \kftra
e *mWKb*am*$i)UTff A HE
RICA. Uos jornaea amerlcanos, de
4u<> r4 WU porliUor. wo
KU'iite : rtbentmi em autia
irlia He S. Bomlngos, urrirfTeb
proutovidii neloa pnrllilario* do
aes. Bin Cuba os rcvoltosus tem
iiimis encoa-
a tropa. Os
tiirciio* a'airauUega sao pasos a
oui'o. e as notat do banco asofflTrcm
uw descunio de ciiu-oeitla pur tea
to.
vajlaria
jrmlwim
Sul, .Man al de.Alineil* dost Santos Vtl-w. npW
lode jlferjis |>ara a, ar.qa d? ca,vall,riapar .ai-.tos
da bravura, e aoprovada nir decreto de 19 de
feverelio de 1S70," viAo quo, bao poieudi ser
obrigado a- aceitar t> referido posto a que foi pro*
movido sem o ter solicitado, e de que pedio iinme
Idiataraente ser dunensario, conlinuaado a fazer o
servipo de caoipanti* ale o Qm della. na qualidale
de oiDcial da cval aria bgdra, nao -deve ser cou-
siderado oUlcial perteoc>nS ao qtiadro do exer-
cito.
Pr portarias
dos dos seus ordenados desde Janeiro do correnle ser diseutido. (Apoiados.) p^0 0 curaprhnento
anno.
Patsando-se a ordem do dia (continuacao da
discussao das emendas do senado a propose/to
da camara dos deputados sobre recrulamcnl)
o Sr. Carlos da Luz disse que desde muito re-
conbece a necessidada de ser o actual svtcma
do recn.iami'nto subslituido por uma lei q>ie re-
para a
do r. g.niculo.
OSr. Presidente :0 tempo desiinado
sessio nao esta co.'icluido.
A sessao deve terminar a? 3 horas e 10 minuto*.
Vou submetter o reOueruBeala do nobrc depu
tado p?lo Maranhao a geBMracili da casa, porque
a obrigaeio de quo fafla 0 "0''r'1 ^epaiaao por S.
( AGENCIA TELEGRAPMCA IUVAS REUTEU
Berlim to dc setembro.-O (over
no allemao Julgou bastantc o bom-
bardeio ivii-.i pelas canhoneiras
iicsoa uarao contra os carllstas en-
canioaadus cm tftuetaria, pelo qne
Be cHpera que a esqiiadrilba dclxe
dentro cm ponco as.costas da IIcs-
panha.
COUUGIICI.4E8.
Londres 0.A. taxa do desconto continua
a ser do 2 3(i por cento. Consolidados de
3 por cent}, for account, a 92 5|8. Fundos
brasileiros de 5 |0, do anno de 18C5, a 99
I [2 ; ditos do Uruguay de 6 "|, do anno
de 1871, a G2 1[2; ditos argeutinos de C
(0, do 8iiuo de 1871, a 90 1(2. Mercado
de cafe frouxo e pregos irregulares. Merca-
do de asssucar firrne.
New-York 9. Cambio sobre Londres
i 8a 1(2. Ouro 109 3[i. Carregarnentos
de cafe do Rio fair 16 cents, por libra, e
ditos good a 17 1 [2 idem. Existenoia nos
portos dos Estados Unidos 119,00) saccos
de prooedencia brasiletra, stndo 4,000 de
Sant'S. Durante a semans vendcram-se em
New-York 19,000 saccos do Rio e de
Santos.
Liverpool 9. Mercado de algodao dos-
aninoado. Vonderam-se 10,000 fardos, sen
do 1,900 da America do Sul. 0 fair de
Pernambuco a 8 li 16 d., o dito de Santos
a 8 d., e o de Macei6 7 15[IG d. por libra.
Mercado de assucar sem alteracSo.
Antu rpia 9. Mercado dc cafe desant-
mado.
Havre 9.Merqado de cafe frouxo. 0
bom ordinario do- Rio a 95 francos.
Marselha 9.Mercado do cafe quieto.
(ACENCIA AMERICANA.)
Llvi-rpoui 9 de setembro.O mer-
cado de algodao esta frouxlssimo t
as cotacdeti de bojc foram i Per-
nambuco Ceara "i ,H. Santos
-i 1511!. Bahla 9 s Hi. Slaranhao
I m. Asanear t mercaOo calmo I
o da Batala teudcu-se a IH/O.
Havre -Cafe 95 e Uit o 4a Bio. e
IOO o de Santos. Scbo de boi &1 fr.
e 50 c. o o de carneiro HO francos.
Couros SHtlgAdos de Montevideo 0B.
Londres O.Consolidados 5/s;
rnndos brasileiros loo. As boas
rela^oes entre a China e o Jnpao
tenile>?a a rcstabclecer-se.
DURWDEPERSiJttBUUU
)iinga um n|>-
Paris 9-- poi mercado o dia 4 del em operates contra o governo do Paraguay,
RKClt'E, 11 DE SETEMBRO I)E 1874.
.Hotlclas do sul do impei-io.
Amaoheceu b.mtem em nosso purtu o vjjpor
fra:K-i;i Ery'manthe, trazendo datos: do Rio da
I'r.iu 27 do agosio, de Mmas 1,, de S. Paulo 2,
du lli.< de Jan-uro 4, e da Uaiiia $ d icurrente :
Aie.n do que damoa sob as rujiricas de Kxie-
riar, Interior e lie cist a Diaria, eu:onu;aiuos nets
jornaes o gue segue :
riEi'UBLn;as no t'Ai;ifn;o i: D0: i'U.\ i a.
Hccjitiiuendaiiijs a Ieitura da musiva do nosso
c.rrespoudente em Bueu..s-Ayres.
NINAS Gi.llAKS.
Ld-se aoDiariode Ilfinus :
E' com o inaior petar que noticiamos o falle-
cimento do ooeso amigo Elias cs'icolao Tulenlino,
sepultado boutem, ?8 do corrt^e, i*a cupella de
Nossa Senliora das Mtrces do Ouro Prelo, desta
cap>al
I'rimeiro compositor de nossa afBcina, dedica-
do a arte, a qual preslou servigos duranie longos
aunos, perdomos do liuado um amigo dedicado,
Upi aaxiliar poderojo. um caraeier serio e liones-
to, e um arlista de giande merit). i>
8. I'ACLO.
I'ora extraordinan.i a concurrencia no bazar de
preudas, quo livera lugar na.nuite de-30 em ben lioio d suuiedade Pivpngaiofn pular. Alguns pequeiws ramal'ietes de violetas
venderara se por mais do 4OO4OO0 I
Publicara-se em S. Luiz dc ftyaljyli
vo jornal iutitulad i Pttrahytinga.
Le-so no Corieio Paulistaiu :
t Como e-tava ariuuneiad >, roariiram-i-e em as-
sembled gcral os aciionistas da companliia Paulis-
ta, no domiugo 30 de agosto. Foi acclaraado pre-
sidenlo da assemble* o Exm. Sr. barao, de Tres
Ri.s, e secretano o Illm. Sr. Dr. Juaquim Jose
Vu.r.i de C;irvallio.
0 Sr. Ir. Falcai Filho, presidente da directo-
ru, pedio- dispeosa da Ieitura do relalorio que a
docotoria aure.-entava, por ja ter sido elle puoli-
calo ueste jornal no.mesino dia.
U Sr. Ur. Duiia.K d/iguw,.relulor dacomrois-
saj de conias, leu um parecer quje. cou;luia pela
approvacio das ontas do ultimj seujeslre, o qual
fji uiiaiiiiii-.'iOeute approvado.
Nomeou-se nova cjininisiao de exame de con-
l.1, que ficou assiru compo>ta.
Dr. Fraucisco Antonio Dutra Rodrigues, capi-
lao Joao R idrigues da Fouceca Rjsa, raaj-ir Luiz
Pacheco de Toledo, Juaquim Jos6 Tcixeira Ban-
dim, Dr. Francisco llonoralo de Moura.
Afiual pedi > a palavra o Sr. Dr. Fa.lc.ao Filho,
president", da directjria, e propot que, autes de
bre os seguiuies poiiios, cuj i deliberacao compe-
tia a mesma, e erade urgencia :
l.c Se aalorisava o pagamento dos dividendos
na forma iudicada no relalorio ?
a 2.* Se autorisava o pagamento da. somma des-
linada uas cuntas ao governo provincial como co-
medo da induranisatfao das quautia, por pile for-
neciJas a tilolo de juros do capital gislo na es-
trada ?
t 3." St autorisa a applicacao da quautia de-
duzida,para fundo de remessa em acc5s da com
panhia Paulisla, como no semestre anterior auto-
risou ?
t Goasultada a assemblea subie cada umdos
pontos -eparadamente, resolveu em todos pela af-
lirmativa, depois do que encerraram-se os traba-
lhos.
Diz a Estrelh de Oeste do Rio Claro :
A exploracao do prolongamento da estrada de
ferro de S. Paulo ja se acha, segundo somos in-
formados, ascleleguas alem de Araraquara, es-
land., promptos os desenhos de 20 kilomeiros para
serem apresentados ao governo, e o restante em
trabalhos de escriptorio.
Em Santos, no dia I, comecaram precesna igre-
ja matru para que cessasse a epideraia das best-
g. Hoje deviam tambem comejar na igreja de
Nossa Seubora do Carmo.
nio DE J-.NEIRO.
Por decreto de li de agosto foi concedida a Vas-
co Carneiro de Campos a aposentadoria que pe-
dio no lugar de conferenle da alfaodega da Ba-
lna.
Por decretos e tilulos de 2 do corrente :
Foram noracados:
1. escriplurario da caixa da araortisacSo, o con-
ferente joaquim Ignacio da Cunha Tavares.
:onferente da mesma repartioao o l. escrip
turario Henrique Alfonso Korlt
2. escriplurario da thesouraria de Pernamhu-
co, o 3. Francisco Sabiao Coelho de Sampaio Ju
nier.
3." dito da mesma thesouraria, o 1." dito da do
Parana, Jose Gomes da Silva.
1 dito da thesouraria do Parana, o 2.* W'en-
ceslao Jeron>mo da Cunha Alcantara.
i. conferenle da alfandega da Bahia, o stereo
melra extincto Doraingos Joaquim da Fonceca.
2. conferenle daalfandega de Albuquerque,
Pedro Antonio da Silva Horta Filho.
I. escriplurario, o 2. Bandolfo Olegino de Fi-
guoiredo.
2." ditcs Jose Soares Momz e Fredenco Simph-
cio Gualberto de Mattos.
Foi demittido Manoel Fonceca de Medeiros d^
lugar t'e l" escriplurario da thesouraria do Per-
nambuco.
Por decretos de,3l de agosio foi exonerado
Antonio Carrascosa dj lugar de secrelario da ca-
pitania do porto de Sergipe, e nomeado para o
raesmo lugar Jose Francisco de Medeiros Chaves-
Por decreto da mesma data foi exonerado
Francisco Rodrigues de Almeida do lugar de al-
moxarife do arsenal de marinha de Matto Grosso.
Por decretos de 26 de agosto :
Concedeu-se a graduacio do posto de i. cirur
giao do corpo de saude do exeroito ao 1 cirur-
giao do mesmo corpo Dr. Carlos Jose de Souza
Nobre, na conformidade do t.' do art. 23 do re-
gulamento approvado pelo decreto n. 772 de 31 de
marco de MSI.
Foi transferido, para a priiaeira baleria do 3.'
regiraento de acyrt.arlsna cawllp,. o eapitai da 1."
da mesma arma, Luiz Rabella de vasconcellas.
Passaram aaggregados as armas a que perten-
cem, era virtudw da immediata ertnperiai resolucao
de 20 de julho da IWO, lomada sobre consulta do
conselho suaremo militar, o capitao do 14 batalha
de iofanteria Aureliano Pedro do Paria e o alferes
do 1. regimenlo do cava'laria ligeira Francisco
Ant#:iio de Alrarengt. 1
Concederam se as honras do posto do tenente
do exercito, na forma da immediata e imperial re
solucao de o de abril de 1873, tomada sobre con-
sulta do ".onseltio supremo militar e das disposicdes
do decreto n. 5,lo8 de i de dezembrc de 1872, ao
escrivao da caixa militar da divisao brasileira no
Paraguay, Candido Carvalho de Souza Junior, em
attencio aos bons servi;os que preston na eampa-
nha do araguay como 3.* official, com a gradua-
ca'i de tenente, da cxtiucta paskSoria militar do
exercito em operacoes, e as dealferes ao 1.' sar-
gento reformado fos6 Joaquim do- Patroetato, em
atleocao tambem aos bons.sertijos prestados na
referida campanha, e na forma da tmmedidta e
imperial resolucao de 19 do dito mezde aga-ti>,to-
madatsobre consulta do conselho supremo militar.
Declarou-se de nenhum effeito, na conformida-
de da immediata e imperial resducio de 26 de no
verr.bro do anno passado, tomada sobre consulta
do conselho supremo militar, a prorn'ooao, feita
pelo general commandante em chefe do e^^rcito
do
De 21 de agosto, foi nomeade Julio At vet da
Cunha para exercer o lugar da praticante do Im-
perial observalorio aelronomico, durante a licen-
ga que obteve Manael Pereira Reis para ir a pro-
fvineia do Ria 6rande do SuL
De 29, coiicedatarfh-se lo capitio honorario do
exercit), Francisco Xavier da Silva Deiro, adjunto
fia do arsebii: de guerr* da curte, triula
s de liceoca coia.> desua saude na provincia d^ ll.ihia
0 34, foi traraferide do 13" pa*a o 17 bata-
Ihao de infanleria o alferes Affonso Augusio da
Silva Pego.
Concedeu>se liceuja ao alferes reformado do
exereito, Israael Cosar Pae* Itarreto, para residir
na provincia do Amatonaj.
Nao fbi agraciado o reo Camillo Jose Goo-
calves llegoa, ondemnado em t de agosto do cor-
rente anno a pena de tres mezes de prisao, por
accoidau du conselaosjpremo militar de jusuca,
hpor crime de deserclo simples, Commettido a 12
de maio ultimo.
Tt-iilo sido espalhada na corte do imperio, a
aotieia d quo o governo brasjieiro ia conlrahir
um novo e.oprestiino na praca de Londres, o Jor-
nil do Commercio declarou nao ler nenhum (un-
daineulo -I'uielliant" uoticia.
Falleceu o amigo professor Erailio Doux.
Come;ou a publicar-se n corte um jornal
denominado France et Bresil, escripto em fiance?,
deslinado a advogar os interos.es da coloniafran-
ceza all residoote.
A apu'agau do rece.nsaamenlo da populacao
do imperio era de 8,457:007 basitanles ate 31 da
agosio ultimo.
A alfandega rendeu de 1 a 3 ds corrente...
37l:793;8fl<.
Eis as nolicias commeroiaes da ultima data :
a 0 mercado do cambio esteve pouco active,
mas continuou a moslrar se extrem imente lirme.
0; banc >s aiuda operarara sobre Londrus a
S6 1|8 d. letras para o paqaete de amanha (4> ;
mas uas ultimas horas da praca hav.a uflV-.rtas do
pap-il a 20 1)4 d. a enlregar ate o lim do correut-.
mez. En papel particular pouco se iei a 26 i|4
e 26 348 d. Passararo-se sobre Frauca sommas
msigndicanies a 366 rs. por franco papel b,n ,-.a-
rio, 36i> rs particular.
Nad se fez em soberanos.
As apolic:s geraesde6 O10 foram prccuralas,
. bitt-n J 1 faciluieutc o- possuidores de peqneno*
ioles l:0Jii, 1:037^. i:038, 1:039* 0 i.OiOi a
diulieiro. *_
No msreado do a:g5es apeuas se n-g.-ciou um
lute das do Banco Rural e ilypothecario a 227* a
diulieiro.
Ju veudas de cafe foram imignificautes e as
de assucar pequenas, para consumo.
Frelaram ae para carregar cafe com destico
a um porto dos ENlados-Umdos do Allaolico: 0
Idgar nort^-arnericauo Lwze A. On; 5,000 sac-
cas, a 17 s. 6 d., e o lugar da mesma uacionali
dade Emmn H. Druuvu ad, 3,000 dilas, a 22 s. 6
d., auibos com '> 0(0 de capa. >
jTJt r'r^P^de, efjla altimo, lunaci-*
', irlies Uuzerra, f-r:.. c.. iim"tjro a Antonio Xi-
vHt dos S nltrs, no di.-tricto e Areviia, do lerma
^MAMBIHSli
REVISTA DIARIA.
UoKpicio de \lienadrtM. Continua
rio da rtl ..i.au das joias olforladas petes parauym-
plios da primeira pedra deste hospicio :
Trausporte
RoJolpho Krukembe-rg
.Thomson
I). Joaquina Candida Nobre de Araujo
D. Eugenia Leopoldina Lobo Moscoso
Major Manoel Cavalcantc de Albu-
queque Sa
Exina. esposa do tenente-coronel Bel-
iniu.j da Silveira Lins
L>. Arminda Britto de Sa Pereira
Tiburcio Valeriano liapti;ta
Major Jose Pereira do Araujo
Ttfuonte coronel Au.-triclmo de Castro
Sa Barrett >
Manoel Coelho Pinheiro
Dr. Joao Sev.Tiano Carneiro da Cunha
D. Maria Luiza dus Santos
Jovino Bandeira
M.'jur J aqaim Goncalves de Albu-
querque Sila
Antonio Joao Furtado
Commendador Joao Jose de Amorim
Manoel Jose de Sa Araujo
Major Jose Antonio de Urito Bastos
Coronel Autero Vieira da Cunha
D. Maria Carlota Vianna Maciel
3 0003000
500*0(11)
400*000
1100*000
200*000
200*00I
2> 10*000
200*000
2*10*000
200*000
200*000
200*000
200*000
200*C0O
200*0tt0
200*000
200*000
2-)0*i DM)
aooiooo
; 1.1*0 in
200*000
20 'i' (i.i
7:800*000
Dceiaracao neccssaria.A comma-
sao encarregada do prepare do b^zar de pren-
das, na festa do assenlamento da primeira pedra
do hospicio de alienados, e da recepcao de senho-
ras, comooz-se dos Srs. : commendador Luiz Goa
calve! da Silva, GosttTO A. Schmidt, Francisco
Ignaeio Pinto, Joaquim Dias dos Santos, Jovniano
Fernandes da Silva Maota, Rodolpiio Krukemberg,
Joao Ctrlos Bastos de Oliveira, Joaquim Ol.nto Bas-
tos e Dr Pedro de Albayde Lotio Moscozo.
A commissao de rccepcio de S. Exc. o Sr. com
mendador presidente da provincia compoz-se dos
Srs.: Dr. Moscow, commendador Goncalves da
Silva, R. Krukemberg, A. Schmidt e J. Manta.
Do preparo dos barracSos e demais arranjos
locaes encarregou-se S. Exc. 0 Sr. Barao do Li-
vramento.
I'nia catastrophe Escrevem-nos do
Exti em 13 de agosto:
< Antonio Pereira Lima, morador no sitio Ga-
melleira, do coron-1 Gualter Martiuiano do Alen-
car Araripe, proximo a villa do Exti, subio a serra
Araripe com sua mulher afim de fazer farinha,
deixando em sua choupaaa de pallia tres iuu-oeu -
tes fiihinhos, em lugar ermo : Francisco, de 8 an
nos, Roque, de 5, e Antonio, de 2. Na raanha de
13, achando se as mencionadat criancas tiriundo
do frio, fizeram fogo proximo a biqueira da chou
pana, que era muito baixj, e eotraram para um
quarto tapado com folbas do gravata, fecbando a
porta apossi, e foram dorm ir (segundo se suppoe.)
0 fogo coramunicou se as palbas da choupana e
ateiou-se por tal forma que, quando elle> acor
daram, nao poderam sahir, m>.rrendo quelmados
os dous meninos Francisco e Roque, outrotant 1
nao acontecendo a Antonio que na vespera a tarde
fora a casa de sua madrinha. As 8 para 9 horas
da manna, passando proximo da choupana uma
pessoa, e vendo labaredas, approxinou-se e viu a
casa completameote incendiada, e as criancas car-
bonisadas .' 1
Para a Euro pa. Com 6 recebido* era nos-
so porto, levou 0 vapor francez Erymanthe 150
passageiros
Dinbeiro. 0 vapor Erymanthe trouxe
para :
Manoel So3res Pinheiro 2:000*000
0 vapor Cururipe trouxe para:
Joao Quexino de Aguilar & C. 2:500*000
J ,!: Rodrigues de Souza 800*000
J. J. Goncalves Bellrao & Filho 6:9*720
Miguel Jose Alves 249*0ik)
Antonio Joaquim de Vasconcellos 201*000
0 vapor Dint is troaxe para :
Joaquim Jose Gomes l.OOO*'.^
lo=6 Manoel da Araujo 658*000
Migrwi Jose Alves 400*n00
A.Vidigal 200*000
Clemontino T. do Passo 19i*00o
Pagadoria de faaenda. -Nesta esUcao
pagam.se hoje as segointes folhas:
Hospital militar, e todos os demais tuoccionarios
que recebem por meio de recibos avulsos 0 tam-
bem os que deixaram de receber nos dias qne
lhes foram mnrcad s.
Maiiidiiuro publico. Chegaram hen-
tem do Rio de Janeiro os Srs. Evaristo Julia no de
Sa e Augosto Eiras, eontratantes da construccao
e expl.raclo do matadouro publico do munleipio
do Recife, qae veem terminar 03 preparatives para
0 comeco das obras desse estabelecimento.
DlsenrsoM c poeslas. Ammha dare-
mos comeco a publicacao dos disenrsos e poesins
recitidos na solemnidade do assenlamento da
primeira pelra do Isospicio de alienadoi no dia 8
do corrent*, 0 que nao fazemns no prcsente nu-
mero por afflutncia de materia.
Luzo-Brasiieira. Hoje, as 6 e rreia
horas da tarde, havera tWsag do conselho Gsc.l
desta sociedade.
de Hrvjo. I-Jvadio-se e di-Jii
Farada. Na villa de ffafcstrts, Joaquim
de tal foi yrave:u6ule feriJo, an 23 de ago*to
ultimo, por uma facada que recebeu de Joa^uia
(jorcunda, que logroll evadir-e.
lie ami. o c-sc (actos Inmas annhtcimento a
policia, o irose%a lies termos da lei.
mill 'H#S Sm aMiUinesto a oolicia
hoatem pahlicaife n-4a aec^auwirc 0 .->enta-
mento da prunoira peirado hefllMo d- alrnado*.
cumpre-iius arerescenttr, por aaar a verdade. que
a idemrHdade daquette act aaeblirani tolmm
mmis6es ropreseiiUnlas da socieiade Moom;
Pio Brasileiro a da Assoelacio Cwmuierrial Benc-
liceate, ejuipodo-M a desta da ais membros.
AlaKoas.-Chtgou hcnlem vai>or lirasilei-
ro DtnldS, procelente da Bah 11 pelas esealas. So
recebemos jotoaes de Maceio it dia 9 do cor-
lente.
Pela presidencia da pnvincia foi de-ijrnal i
0 dia II de outubro pr ximo para w pro'eder a
eleicio de nrn deputado a asseisM^a pnj^Bewl,
pelo 2" di-lriclo, em sulutiluigii) do failed lo adva-
gado Jose Corral da Silva Tnara.
Para praenctier e>-;e c*rgo era apre*entad>
co no eaadidato cooservadof o Dr. Fraticiso Paula Leile OiUcica, pr,eu tor puldin d^ Aoadia.
A Ci^ana. -Sahio a rut 11. I de ara novo
jornal crnieo illustrado, dimaiin Cj it. Agra-
de.'emos a remessa.
A Idea. Reeb.-m* o n 3 4 vU- jwraal Jo
scieucia- e lettras, qne xs publi-a m nsalni.-n'.e no
Rio Jo Janeiro. Tai <:sm ouisero: rV-rik sor .-
pen, Knsiu publi-a. C ..'eaiuna, Oa parlauie:
Esludo critic:, A liberdaie Ingleza, Palestra btte-
raria etc.
Camara do* dcpaiiadoo.Sufc a rubri-
ca Interior pnblicamos o parecer. dado pela com-
inissao especial, non.eada pela camara do- deputa-
lo-, sobre a denuncia apreseuUda a essa cori.o'a-
cao contra os Exms. brs. mm-trs da fize;.Ja <;o
imp 'rio e de eslrangeiros. llccoiniuendainos a sua
Ieitura.
Mer* too do eaorcits e da an-nas do.
la tin-.a paashaa oa camara doa saaaaaaaw 11a-
,ecto eobre o scrvic" do exercito e aa ruiada ua-
cionaes, e foi rcwiltide ao goveruo mi;H.nal para
ser s^n -ci. uado.
CiiluuiMiirat ua prot inria do Par:;.
Foi ii'ii. na camara dos de,.ulads, t- remoUiuo
a commissao resnecuva, 0 Kguiule projecto :
1 A a serablea geral resolve :
Art. 1.* u governo toandara pur a di.-po-icao
do corpo consular d-> llrasil 00- bstalns LUido- o
srodUo de 30:00:>J, aiii-nsando-o a eouceJer aae*
sagem e Uao-qiorle debazagem, macbinas, m-ira-
mentos e objeclos de usa ale o porto do I'ara a..s
iiiimigrantes dos niesm..s pstad'M, uae f.iniB convi
ladjs a vir par* o BmmI i^l-os a" enraaot qu* .
acliam cstabelecido- nas aVaWaaaflai deS*mareio.
E-les iara.. o c .iiviiena furnia coosUnle d 1 BaaVr
li anu^xo, quese maudara impruoir.
S I.* U coo vile sera, pur inlermedto do preai-
dcule u.i provincia, enviado ao consul do aufte .
oude o coQVi.lado deeja seguir. O eaaMaV depoi*
le robiicai-'. iransmiiul-o ha ao Of.-tmaUrio ; e,
jiiiiidi e^t^ n-querer, Ihe ponceli-ra pa?sag-,m,
servmdo 0 documeato dc provade ioeaiid..dt- e I-
caodo em poder do cou>ul.
3 2.* 0 unmigrauto liea di.-pensado ia 011-
ga;ao de radt-minsar a girwrso da aasav auca da
pas^agem e do irausporte d suas bagag. a>, ina-
cbinas, etc 1
Art. 2 Independenle do- imiuigriutos de q**
trata 0 arligo anterior, pud.ra a diio coos ii pr. -
mover e eacamiohar a remes-a do astaea uoaav
graules Ue igual naci nalidade ou wasaloajor 1
tra, para 0 mesmo destino, uma aaa vrniic-ias as
suas boas quahiades moraes e apt da > ?ra a *4V
cullura.
Art 3.* A prciidaicia do Paaa-iera anlorav'a
a dar transp'orie ate ultimo dosliuo aos reieridos
immigrant.'s e sua< bagageas, macama-, 1 tc pi-
dend 1 para isso ulilisar-se das l .ueiageo* de qcc
dispoj nos vapuies >ubvonciuii*dus pclu govern j.
Art. i'Ogjverni aataMaHM e:u laatt-
rcm uma a^encia de r piitro e vruda de t?rra\ f
uomeara uma co.nini.-s*j para medir I AaaaaNal
as terra devoluta? untie us nos Curua e Tap,,
na margem t-squerda dcsle.
1.* Os irakaNaM da oi-dicao priucip
nos iiigares Inlicidos pelas iminigraciei aciuta r
r-ndos, calabelecidos nas viMuhancas de Santi
rem.
*% 2.* 0 str.ico da medicao, demar--a;a venda
e regislro das U-rras, sera lei to na forma da- aat-
truccoes dadas pelo miuistro di agn:ullura ao em-
prezario C G. Gunter. em lo do setembro ik
1867.
a Ail. 0. A agenda sera anlorisada a vender
as terras medidas, aafe as seguinles c mdicoi* : I.
aos immigianl-s que vi. rein na c inforuiidatle da
:lauiula I.-' e i' a vcoda sera f'-ita pel-i pre\'" -'
H 0 hectare, pagavel cm cinco iguaes praaii
annuaes, aconlar do tin do s gjudj anno d-pots
de feita a venda, podeuJo r-ada familia c aatu
ale ii'O Hectares ; 2." aos demais immi|.'ranle* re-
cem-chegados as vendas strao feitis nas bbbbbI
condicocs, nao polendo e.-tcs, porem, seoao em ca-
sos c'-p ciaes, comprar ir.ais de c-m hecUio -
aos irumigranlcs que, n > acto do terceiro paga-
meul-s-p.-ovjrem t-r cultivalo cam aproveit-men-
too seu i-.-rr. me forem bem pro:ediios e nionge-
rados Ihoa serao deduzi los 25 *|.
  • tivei 0:11 de pagar ; n- acto do quarto, 5 1 -|.. e no
    quinto dispensa total do ultimo pagamento; 4.* 4
    nacicnaese estrangeiros resideatesnopaiz,veiider-
    se-bao Ioles de cem, da/entos ou trezeotos iiec'a-
    res pelo mesmo profa, sendo, porcm, 0 pagamento
    a vista, ifi.n do que possam desle logo outer o titn-
    lo deliuilivo dus terrenes que comprarem.
    t Art 6.* 0 eugeuheiru tncuabido do f.rv.;o
    da medicao, de accordo com os sobredilos am r>-
    canos, cstabelecidos nasirameli.; ia Saatsaaa*,
    e com a camara municipal da localidale, ad
    ra 0 tragado das estradas n .cssanrs, procedeado
    desde logo a aberlura das que furem mais urge*
    les.
    Art. 7." As bagageas, aaachina-, insirum"n:
    e obje.los de uso que truuxerem comsigo ou inan-
    d.irem vir depois, dentro do 1 raw de cioco aoaos.
    os lmraigrantes vindos na conformidade da clan-
    sula 1.' serao i-enios de direilos de impjrl.-
    BJHk
    c Paragrapho unico. 0 governo dara as pi
    dencias para facilitar 0 promplo desp.ictu dos
    mesmos objeclos na alfandega d Para.
    a Art. 8. A agenc a do rejislro e veod. de
    terras sera anlorisada a aaxiliar 0 primeiro esu-
    belecimeaio dos immigrautes vin'os na conformi-
    dade da clausu a I.' pela forma que com elle* e >ai-
    binar, podendo gastar com os auxiiios at-im (d -
    a cada familia ale a quantia de 120*, pr cada 111-
    dividuo da mesma, maior J A us aon >-.
    l.1 A imporuncia detes auxiiios sera rwm-
    bolsada ao governo pelos referidos inmigrant*
    seo juris, n.1 lira de dius annos.
    < g 1 Nao sendo paga ne-la cpoca, voacera
    juros de 6 *|0 ao anno e, nio 0 sendo no fin do
    quitr-', vencera juros de S (..
    3. Esta divida e quacsquer outras feitas ao
    goverao pelos referidos imuiignntes sera garaati-
    da pela hypotbeca de suas l-rras e dis beaafeito-
    rias que Dallas thereto.
    Art. 9 0 governo anxiliari 0 esttbeweiinea-
    to de escolas no local constaote da clausula 3." enn
    uma subvencao auuual correspoaJeiUe a 30* por
    cada alumno.
    Art. 10 0 goverao manJara desde ja p'.r a
    d.'spesicao da presidencia do Para a quantia oeees-
    sana para as despezas de qut tratam os arts. V\
    g. e 9^.
    Art. 11. Picam revogida? a* dispo,icJaa aaa
    contrario.
    Paco da camara dos depuiados, em I 4s ee-
    tembro de 187i. Dr. Antonio Joaquim Gooes 4a
    .4aru7.
    I foi lido e aandado impriinir o scguinte parecer e
    projecto:
    < A commissao de justica civil, tendo exabii
    nado 0 projecto offerecido pel > Sr. deputado Brr-
    nardo do Menlooca, e.iteode que a di-poicio da
    art. i; embora seja contra 0 dire-iio civil ecoc:-
    raerciai, que comaaale pormitte a accio deces4ial
    entre aa pioprias part? C0^HLf IS mm "
    adoptada como plausivel exi^^^^M
    deprorii,'.! execufio das hypotht. 4N /"*
    ral-da ana das paries c ntratanto*. 0 q-"*
    de interv se publico, nao raz prc-juizj re*.
    hcrdeiros.
    Quanto ao t artigo, observa qjoe ae, a
    racao de sob istir 0 prlTilegio esiibilsnii peta let
    do 30o> agnsio de I8M. emp*Uu1 a* km**?
    ca, noe term e seu respectivo regulamntd; fsmreee eoa feral a
    acrieulttl'a, ev'l ,;1l> a P ro5* <*I *ra*a9 a
    e animaes que lorera effeclivamotJla eapisgadaa
    na laboraescr da* f-.bnea- de propriedade raral
    immoral j-prejndica aaa crear-s que sio Mam
    hypo'.hecarios; dimioue o rn'duo do agricahor e
    da cabimvn 1 a interrainareis chicanas ape eo-
    vam ovitir: se ha razao par:, qi:-' eeaea an pritt-
    iegio, av i-t-j

    i
    0


    Darf*lderPeBflMatoo ge*U; fto,-Jl ae Seteaahno rfi. J^>R
    \
    *-r^>-
    aslipolad vro -vfrtup-j da'rnfuriAi : taitttiBhom I* *%
    f'VS**** ?****> axeeotfie. out eral, e gap;
    n^ *au*tin. *# bypoifwcis
    ,n^f*!,n1Q**,*,t,bme8 Waa^-aati|aa*|
    strado cnterio da eamara,
    v'dam^le>zal>ftiadaaf a poj*'arfo e de parSeer!
    <1M 9 Pr*eie-eiflr > na ordi)ai do* ir^bateos pa/a-
    qua seja convoaiBHlerBto iuoatido.
    ..;'****. oimiHi^My 0*0 *l 4a agosto Ae;
    1**4,-/oia B. (hAttofvrodiki-a'.di Mitncar Av4-\
    A aawcobjea geral ratAve :
    Art. I A ac^ao bypotbecaria estatwleoida' peJi
    -AC*. 14 da Jet u. 1,237 de 24 de setembro de 188V
    e oompeteste entre as paries', contratantes, sens
    saciessores e ..mbrugadus.
    b Aftf 0 Pfivllegio das fabrioas de awnc*/
    e mineragao, da qaal trttn a lei da< 3d de agosto
    de 1873, .-6 foi revogade* fieto 2- da lei e artigoi
    eitados em favor do credor hvpothecario, e con-
    tinua cm eu lujc-iro vigor e a relagio aos uuis
    credores.
    Art. 3." Ficam revogadas
    posigfia* am ooalrarij.
    agosto do 1874.-/^rn Mrhdonra
    tomerwu ao dos portos. -0
    smrtwt'&tiU'i'Ssi
    tGdas as lei* e dis-
    usio ultimo..
    goverao
    -- i.m'/. approvou pro
    Bates Mra/cges; *rganisa-
    eonsfrvacSo dos portos do
    im&erta1
    visoMafc
    das para
    imperio.
    I.-Sob a desjgnacai da consarvaoao dos portos
    comprehendf?-*,: ?> Drajag-ent da ancoradouros
    e oanaee aV Goastrdepio 9 eoaservacio de caes e
    rampas pnuli \\s.
    II.Aos servigjs de dragagerj preceJera ura. es-
    tuuo contend) plant is, sondagens, direccao a in-
    tensidade de correntes, allnris de mares e lo-
    dos os phenomeaos que'iululrem no regimen dos
    portos
    ill. -Nos port sujeitos nu nio i inflteneia de
    mares pregar-se ha e3cahs de observacao da-
    oscillates J'ag.ir^', tnntas qua alas exigirera as con-
    digoes do port* 0 forem ueeo.-sarias a melhor
    veridcaeaoe examc coraparativo das quotas cbser-
    vadaj.
    H'.Bssas eeal.is, g'aduadas era ra tros e
    subdivides em decimoros e ceatiractros, leado 0
    zero on a linha do datum situado absixo das ajqa^
    min:rna5, serao observadas diariaaieute de l.'J a 30
    rninat's, organisando-se carvas diarias e raensaes
    delerminadas pelas-obswvac jes.
    V.As ptiiias/'acoRpaiiriariD, serapre qae for
    p.>s;.ivel, |ier:is IJixiUiJlnatS coinp#rati.os do es-
    tado do< nc* e dis partas, aatee dfepois das ope-
    rarpes de dragagem.
    ^ I.As soudagens serio praticadas com a fre
    quencsa qae exigirern os trabalhos de Jragagera,
    a mtensidada e effeitos das correntes fluviaos 0
    oceanicas.
    VII.-0 engi'iiheiro eqcarregado dos services
    .1^ ronserva.yo Jo portj iera a saa cargo :
    Dirigir as opsneue* de dragagam, pr.jeetar e
    construir caes e rampas neccs iarios para conte-
    rem as terras, nas secgoes do i^urto sujeitas a ex-
    javacjp, reparar e conservar 0 caes, que, por do-
    faitos de con forem damaifkiJos pelas dragagea3.
    Determioar li uites certos 0 iivariaveis a exca-
    vates qie pratioar, tanto nas pcoximidades das
    caeserampas, corao aos Was, canaes e'fundea-
    douro ;tulo d.; aceordo com as condicoes 21
    e 3. v
    Organiiar urn regubmento para 0 service de
    d.-agagem, precnando ohorario.dividiudo 0 traba-
    ibo Je forma a aviur inierrupooes e prevenir era-
    baraco.
    To-nar a seu cargo a dire^ao geral dos scrvigo-*
    teelmicos eadministralivos, organisar am e^crip
    torn com 0 pessoal ncce>sario ao eoaipletodesem-
    peqlio dos trabalhos a sea ear=;o, se raontar ana
    oQlcina de reparos e conservacaj das dragas, ap-
    parelbos, vapores 0 baieloes.
    Organisar relatorios semestraes, contendo minu-
    c;osa noticia doj trabalhos emprehendidos, acom-
    panhados de plantas, perils, sondageaa e oatros
    desenhos explicativos, assiin como. do historico
    da parte aiministrativa, urcamentos e descrijicao
    das obra, em projecio e cnstrnigao.
    Deterrainar 0 loal nwi3 apropriado para 0 Ian
    amento da vasa excavada. procedendo mais t*r-
    de a exames .que comprovem a conveniencia da
    escolha.
    Obstar os langanenlos de lastro de navios e
    lixo da cidade nus fundeadouros, caes e rampas.
    bujeitar a apreciagao do governo medida3 ten-
    dentes a melhorar os services de dragagem e ma
    icnal em uso, todas as vezss qne as coudicoes de
    momento reclamarcm.
    sldere uulla
    porquanto :
    conlemn
    pru WAi.
    p?r a,ecprJaj do 1
    -1 iu|8fftC' hTP ff-a ;de 2
    mfimala ao rnes^jo jmz, q^iaojo presidu. os traba
    Ihos eieitoraei: pbr &se|mate,-aladi permanecia!
    a saa conapetencia, Seguulo a diatrina do aviso
    a. 20J de .Wijfffilfb de 1859, i a disposi-
    avuo rf o5b Tde fl 9e ^z&broTa&l!".1 Nio
    se achando iraoedido d Juiz di.paz raais voiado|
    eralS^italitSrfleVrWttd^Tr***!ft^den.
    cia dos actos oleitorafes 4 purtorttJ illegal a eleicaa
    por ella prsidida. Deus guard*, a V. ExftJoSa
    Alfredo Carrey ik Ofiveira *>X -""j
    eiu oxcrcl-rlo i|av^^^AA| i ulfautari'j
    deate da 'pruviucia da Ce*i, pwi faiar ontUr
    a. lUiBectorida iiiisaurrii do (waal^ique,^ m-
    pn.eed-jiito a duviJa cpuslaule do olflcio da 13 de
    inlho uliKiiu, pir.|uau'to 0 juii de direjto qiiapdo
    em oxercicio na relagio para c niplelar 0 nuaiero
    de eus inembr 's, qjo percebe os vencimeutos in-
    S. 8,503.-(Da ParnanSac^.-r^^favi^^H^M^^s^on^J^^^aau.da.ivw
    fejre.ra _da Siva ; recorridfs, -jH.dwfeirta* de \,uta &*) da uHtfrwMilWi nagpaioB. ft ,4fr*s'
    tegnas do deseinbirf9l mento 0 respective ordenaao e gntilicacao do lu-
    te
    Organisar, linalmente, 0 pessoal sob suas ordens,
    nao era vista as con/enieaeias do servjeo e a ue-
    servigo e a ue
    submettenio a approva>;.lo do
    des empregaios e rabellas de
    o;?saria ecoaomia.
    gove.-noo quadro'
    venciraentos.
    VIII.-0 diretor dos trabalhcs podijr^ ter por
    ajudan'.e am engenheiro, devlgaado pelo goverao,
    qaacdo 03 servi;os forern de Ul liatardza 0 impor-
    tance que exrjam 0 seu concarso.
    0 ajudaute sub dinientos.
    Excnvaciio entre aw ponies do Re-
    cife e e l>edi-o ft. 0 ministerio da
    agricultara, era 31 do passado, dirigio a pruvincia
    de Pernarabuco 0 seguinte aviso :
    Illm. e Exm. Sr.-Uemetto a V. Exc, para que
    faca executar, as jaslrucroes inclu-as sobre 0 ser-
    vi^o de coaservaeao dos p'ortos c'o imperio, decla-
    raudo-lhe que tuaho designado c eugenheiro Vic-
    tor Fournie para director desse ;ervico nessa pro
    vincia, tendo por aiudante 0 eDgenheiro Antonio
    Vicente do Xa^cimento Fei'osa. Alera d,s medi-
    dis, que, de accurdo com as ci.sdas instruccoes,
    devera 0 engenheiro-dire.-tor don trabalhos propor
    com urgencia, cumpre qua r-metta, depoia dos ne
    cessarias exames, 0 projecto e condicoes a que tem
    de sr.tUfazer a pe^uena draga para 0 servigo dfi
    exc.avatao entre as pontes do Recife a de 0. Pedro
    II. Quanto a eucommenla dos novos rebocadores
    e bateloes que 0 governo jalga aecessario ao ser-
    vigo de dra'gagem do po.'io dese provincia, op-
    portunamema comraunicarei a V. Ex;. 0 que for
    resolvilo. Deus guarde a V. E.:c.Jose Femm-
    des da C sta Pereira Junior.
    Deniaacia crime.- A que foi apresen-
    tada a camara dos deputados 11a sessao de 2 do
    cot rente, 6 assira concebida :
    1 Leandro Ikzorra Monteiro, como ciiadao bra-
    sileiro, usando do direito eonferido pelo 30 do
    art. 169 da constltuifao do mperio, e pelo art. 8'
    decreto de 15 de outubro de 1.S27, 0 como depa-
    tado tambem, serviadose do outra disposigJo
    desta mesma lei, vem perante esta augusta cama-
    ra den^nciar do conselheiro Visconde do Rio-
    Branco, actual presideote do conselbo de minis-
    tros, do censeiheiro Jcao Alfreda Correia de Olt-
    vein, ministro e secretario dos negocios do im-
    perio, do censeiheiro Visconde da Garavellas, mi-
    niitro e secretario do' negocios estrangeircs, pelo
    crime de maquinar deslruir a i-eligiao do estado,
    adoptada pelo paeto faudamenta1, e pelo crime de
    suborno.
    t Os factos crimioosos sao : persegaigao a D
    Vital \Iaiia Goagalvesda Oliveira,pispo de Olinda,
    e D. Antonio Maeedj Costa, bispo do Eara, presos
    e martyres em sitisfagao ai vordade q caprichos
    da majoaaria, seita maitas vezes cendemaada pDr
    diver3os sinhssimos padre3, cuja precoito queriam
    asses rainistros desobedaieisera os refaridos pre-
    lados; a porque nuis, por intennedio da seu de-
    legalo, presidents de Pernarabuco, erapregarara
    pedit >rio e inflacncia para que os vigarios da ci-
    dade do Recife nzessam 0 que ni.i deviara, desobe
    iectr ao prelado, seu chefa e superior legitimo.
    B como taes calpad s devem ser puaidos
    com as penas inarcadas no % %' do. art. e t'
    do art. 2* da ja referida lei de !.d de outubro de
    1827. re|uer seja recebida es.a dsnuncia para
    que se procela na forma de direito.
    c Oflr-rece-sa como docuui3nM3 03 avi303 de 12
    de iunho, 27 de setembro, conf.dencial do presi-
    dente de Pernambuco da 25-de julno, todos do
    anno de 1873; instrucaws do ninisterio dos es-
    trangeiros ao ^ario Je Peaeelo em missao a
    Roma, e falla do thruno d corunte anno. .
    a E 'iffereee eo.flo testemunhas insuspeitas as
    pessoas aba xo em rol.
    0 que tudo jara, se far preciso. E. R. M.-
    Tes emunhas: Manserfar Joaquim Pinto de
    Campos. Coneji Th:waz de Moraes Regp.-,Pa-
    ire Francisco Pinto Pessoa. Or FcmiAio Ai-
    res de Carcalko. Protomlario Ernesto Gamillo
    mnetto.
    a Camafa, Jdeseiemhro de 1874. Lemdro
    Bezerra Monteiro, d;putado pelo 1* districto de
    ^rgipa. p
    Vapor Dantas. 3ahe haja as 5 hcras da
    u/'e para a Bahia pelas respeci.ivas escala;,
    Oecisao eleitaral. -0 mini-;i|irj0 aQ ;m.
    g? (Srtndi8^ ^:-> d'ri*ic ^presidoada do
    llio tr/ano u|) S9tii 0 aagdtnte aV|:o: _
    \ Mlui.e Bxm. Sr.-Ar vista da iafjrmacaoxons-
    tMte d.) uffltfiu da V. Esc, 0. 183 de2 de DJEfho ul-
    Wmo, 0 -do* docomenios qae 0 acorapaoharip, coa-
    aera^ntes as duaa eIei.-o4a 'IUQ. '' 1 da sMembro de
    i872, so iiwrani para weii^Z* Jol*e, ^ p?z
    iu fre^ezia da^^mflSSfcto .^rVf A
    ores, I: las uma p^o'l^ui Te p?z PeW ** *
    raspectn
    lar sjlfirqr^. of ffnia do ajvj*T ie3) da tawpo
    de liH.a^ifeirfrilareoafai; llJ da 8 da abril
    do mesmo anna. j
    Vjuda Ue cut to. Em 27 do nv-z passado
    foi arbilrada' em *3ff;)4 a a'jula da ciisto do juiz
    inunicipal e.de ornbaos do terrao de Bezeups, na
    provracia de Pernarabuco, bacb*Je' Lycurjo Ayras,
    cro Hascimon\q. ,
    PensSeq. -0 decrelo n. 2,oli, de 13 de ages-
    to ultima, approvou as pansoas oaajwaes: de kii
    concedida a D. Carlota Froira de Carvaiho Bitten-
    court, mai do tenente de voiaalarios da patrfa Joa-
    imun Anselmo Freire Bittipcjurt, falf?cia>' i\ ehv
    lafa morbus no' hospital do C>rrito ; rapartida-
    raeote, a D. Francisca da Paula de Oiiveira Li-boa,
    Mat aides, Maria e Erapeisca, v(uva p litoas men)
    res do tenente da gaarda" nacional da prr.viacia do
    Rio Grande do Sul, J)se Pereira db Oliveira Pavao?
    mono em combate, no Paraguay ; de 213, sen
    prejuizo do meio sold) ijue percebe, a 0. Mirian-
    na da Co-la Rm, viuva do t>:aeute d> 13' wmi
    de cavallaria da gaarda jiacionat aa^provia:!! do
    Rio Grande do Sul, Faustino Teixetra da Costa,
    DMKto na referida gaarra.
    0 decreta n 2,313" da mesma data apprivoa as
    seguintes pensSas aoncadidas : da 36,4 meaiaes ao
    atferes honerario d> exareilij Talemaco Mariath da
    Silva S loto ; da oOJ reis diirios ao cabo da esqaa
    dra reformado $*> exercito Manoel Rayrauado dos
    Santos; a de 400 reis diaries ao soldado ref>rmi-
    do Manoel do Sacramento B -If rt; 03 qua es, 09
    con3equancia de ferimentos recebid>>a na ca'mpa-
    nha do Paraguay li:aram impossibilitad s de jiro-
    curar meios de sabsistencia.
    0 decreto n. 2,316 da mesma data approvou a
    pensao de 400 reis diarios coacaJida ao soldado
    r.'lo in id 1 do corpo de voluntaries d'a patria Sebas
    tiao Gomes da Siva, qae, em cmseqiiencia de fc
    rimento recebido em combate flcou impossibilitado
    da procurar incios de subsisteneia.
    0 decreto n. 2,317 da mesma data approvou a
    pensao de Hi mensaes coneediJa ao tenente ho-
    norario d0 exercito Joio Fernandes de Sampaio
    Jnnior, qa^, em onsequencia de feriraento race-
    Dido em comb .we, liou impossibilitado de procurar
    meios de sabsistencia.
    0 decreto n. 2,518 da mesma data, approvou as
    pensdas concedidas : de 605 ao eapiiAo do 16J cor-
    po provisr.no de cmllaria da guarda nacional da
    provincia de 5. Pedro do Rio Grande do Sal, Justo
    Dias de Siqaeira, 0 qual, an conseqoencia de fe-
    rimeoto recobido em omb)te, ii;ou impossibilita-
    do de prucurar meios de sabii3tencia Ao capitio
    honora'io do exercito, Albano Nunes de Mello e
    Costa, 0 qnal, era conseqaencia de ferimento re-
    Ci-bido em combate, licou impossibilitado de procu-
    rer meios de subsisteneia ; de 425 a D Maria Fe-
    iippa do Souza, raai do tenenta d> 34* corpo de
    voluntaries da patria, Joao VirgolkiD Leal, unit)
    em combate na campanha do Paraguay; sem pre-
    juizo do meio soldo quo comoetir, a D. Uonatanea
    Fernanda Areas P raira da Cuaha, viava do major
    de artilheria Manoel Balbino Efolaseo Pereira da
    Cuolia, fa'.lecido a bordo do vapor .i/ tia contrahida na guerra do Paraguay ; e da I85,
    sem prejuizo do meio soldo que competir, a D. Ar-
    melioa de Cassia Carneiro da Cunha Aranha, mai
    do 2" tenente do exercito Aptouio Olympio Caruai
    ro da Cunha Aranha, fjllecido na campanha do
    Paraguay, em conseguencia de ferimento recebido
    em combate.
    Forara igualraente approvadas as pensoes: de
    604 mensaes ao capiiSo bouorario do exercito Pe-
    dro Birges de Barros, 0 qual, em conseqaencia de
    ferimento recebido em combate, ftcou impossibili-
    tado de procurar meios de subsisteneia; de SOi
    measaes a D. Ignez Augusta Daltro e Silva, raai
    do 1 clrurgii'j da armada Dr. Manoel Simoes Dal
    tro e Silva, laffecido era consequencia de raolestia
    adqairida era campanha ; e de 300 reis diaries ao
    cabo de esquaira relormai) i) exercito Joio
    Baptista dos Santos, 0 qail, teadj perdid) a mio
    direita par occasiio da u in salra no dia 2 de da
    zembro de 1871, na cidado de S. Gabriel, provia-
    cia de S. Pedro d) Rio Grande do Sul, liou impos-
    sibilitado de procurar meios de subsisteneia ; e a
    de 48j mensaes, repartidaraente, a D. Maria Ange-
    lica Corte Real e D. Adelaide Maria Curie Real,
    iraiJs do tenente coronel do exercito Atfonso Jose
    de Almeida Corte Real, fallecilo em onsequencia
    de ferimento recebid* em combate, pensio que per-
    cebia sui falleeida mai, D. Lislarda EmiUa Corte
    Real.
    0 deereto n. 2,319 da mesma data approvou as
    pensoes concedidas de 300 reis diario3 ao cabo de
    eaquadra reformado Severiano Ferreira do Nasci-
    mento, e de 400 reis tambem diaries ao3 soldado3
    reformados Jose da Silva Braga e Silver 0 da CoWa
    Rosa, os quaes, era conseqaencia de ferimentos re-
    cebidos em combate, ficaram impossibilitados de
    procurar meios de subsisteneia.
    Por este decreto declarou-se que a pensSo da
    60$ mensaes, a que foi elevada a de 305 cancedi
    da a D. Amelia da Fouceca, irmi siltaira i) capi-
    tio de infanteria e major de coranissao Eluardo
    Emiliano da Fonceca, raorto no corabite de Itoro-
    ro, deve entender-se sem prejaizo do meio soldo
    qae compete a pensionista por falleciraento da seu
    pai.
    Ptaarol de Santa Maria.0 ministerio
    da marinha publiou asseguintes observagoes re-
    latlvas a este pharol, ultimaraente callocado no
    cabo de igual nome :
    a Commando da canhoneira Ioahy, surta em
    Montevideo, era 4 de agorto de 1874. Illm. Sr.
    Coraraissionado por V. S para informar sobre a
    nalureza do apparelho, distancia e rumo3 a que
    se pode avistar 0 pharol do cabo de Santa Maria:
    suspendi desta porto no dia 23 as 9 i|2 horas da
    manhA, cheguei a Mallonado as 7 horas da noile
    deste mesmo dia, e ahi esperei que 0 tempo per-
    mittisse fazer as observagoes de que fui incura-
    bido. No dia 27, amaahecendo claro a calrao, sus-
    pend! de Maldmado e naveguei em demandi do
    pharol do cabo; avistei 0 as 11 horas da maoha
    desse mesmo dia, parei a vista delta ate a noite,
    mandei disparar um tiro de caohao para que ac
    cendessera 0 pharol corao se havia cjnvenciona
    do, e fiz as observajoes qua sa segue n.
    0 pharol collocado na lattitude de 34* 40' S.
    longitude de il 0' 41" 0. do Rio de Janeiro, e
    vizivel a 20 milha3 de distancia, 6 de eclypse,
    fazendo sua rotagao em urn minuto, occultagao em
    48", e appariglo em 12., sua luz abranga um ar-
    co de circulo de 234*, a contar do N para E. ale
    0.4 SO.
    0 apparelho e dyotrico a esta collocado a 37 me-
    tro* acima do solo a 43 metres do nival do mir;
    sua terra e circular, sen to a parede externa ao
    lugar era que esta collocado 0 appirelho 1 imino-
    so da ferro, teido 16 face3, das quie3 11 eavidra-
    cadas. As observaedes foramfeitas do passadico
    deste navio, qua esta collocado a 0 metros aciraa
    do nivel do mar.
    0 temp 1-'ra inigairio, lua cbeia a brilhante.
    vento regular de E. EXE, marsando 0 barometro
    77,9 e 0 thermometrj centigrado 13'
    Deus guar Je a V. S. -Rim. Sr. Elisiario Jo6
    Borbosa, capitao de mar e guerra, commandant*
    da cstagio naval do Rio da Praia -Francisco Fe-
    lix dt Foncect Pereiri Pinto, commandante.
    Snpremo tribunal Ie juatica. N'a
    sessao de 2 do corre ;te :
    0 Sr. jouselneira \ aldetaro expo', a revista civel
    n. 8,336 (de Peraarabaco) : Recorrente, Fran-
    cisco Joaquim Cavdcanlo GalvSo; recorrida,
    0. Aona Joaqaina Teixeir* da Motta Cavalcante.
    Feita a expjsigao pa3sou os autos ao Sr. Albu-
    qtti'rque. .
    Forara ju'gadas as rev^tas eiveis :
    N. 2,170.f(Do Maranhao) : Recorranla, Ba-
    rata Paiva & C.; rscorridos, Joao Mandas Calan-
    driai, Pedro MenJes Calandriai, 0 e3cravo Laiz e
    a justiga. Jaites relator 0 Sr. Valdetaro, 'a raviso
    res os Srs. Aibuquorqae e Costa Pinto, Negaram
    doorrenta foram jalgados dRfiaiuva-
    nteate os seguiniw.ffocaisij*: ,,-,.- '
    Siercito. Soldad) Frapuisiio tPweirajiCj^'j
    SQqisado do crime d ho nicidio, 1 e oaniieuMvitl *j
    IJ ana >s da prislo com trab.illw; foi ooaur*i>
    lteaga. Manoel Siivwire Gareez. aoeusdi i]
    jRlfie de ameacas e erabriaguez, tesdB aid1* atowi-1
    *d. pelo conselho de gitena ; foi sta aaataaija
    rrfirmadR para imporem ao r6o um anon, ia pri-
    a*> uum trabalho. -Diids.fianiiino Vie^a,.fl piTrajano de Lima, Antmio JUbaira Sanewaae;
    iMlMdlia) Pereira dos Saalo*, Francisco Paraira
    da Almeida e Justin) n\ Mont^ir j, aiicasa.lo
    da-^iiraa da primsira deserglo simpltfs. oeoadam-
    oadas, cada um, a seis m'iz/s deprisin ;' tora-n
    coolinnada* aa seateagas. Dito AnWBio Viaira
    dos Santos, accusado do crime do'segiiiil* doaer
    gao simples, a condemnado a dous auaos e tra-
    balhos pablicos; foi conHrmada a aantenga. |
    Af ma la. Inatarial marinhairo 1'edro Valentiin,
    accusalo do crime paoa da gales perpeiaas; foi conlirmada a sen
    teqea,
    4.encia tolevrapbioa amiiricaua
    Banns em seguida os leiegrammai publieados
    no Rio da Janeiro por esta agenda e que na) no;
    ror*m comraunicados: .
    c ktoatevideo, 31 de agosto. 0 codfiesio jura-
    guayo approrott. a. aomeaci0 de D. Xayajs Satrta
    pararraiuistro plenipotanciario em missao especi*
    juat) ao governo do Brasil. 0 abjaoto! da mis
    e tratar da questao dos limites eatra. a rapabliea
    do .Paraguay a a onfederagao Argentina e 01 oa-
    tros.piizes liraitrophes. 0 mmistro argeotioo D.
    Carlos; Tejedor segue no primairo vipoc par-an
    Brasil,- encarregado de uma missao-. dip)idftiattc,
    eowalqualja se tern oeodpado a nnoransa. No
    mesmo vapor era que se diz que partira 0 minis
    tro argentino, segue tambem o secretario da lega-
    gao brasileira Gurgel Valenl*.
    Lnndres, 1 da setembro. Parace que 0 go
    veroo prussiano vai responder ao protasto d) ga-
    biaetj da Copenhague, explicando as razoes, que
    aio'.itaram a ordem de expulsao con.ra as subJi-
    tos dinamar juezes do Schleswig. Dizem, do Ber-
    lim, qne alguns deiles teataram agitar a popala-
    eao. No Schleswig tem havido agita'dio. 0 na-
    gocio ompliea-se, a opinBo 6 favoravel a.Dina-
    idarca. 0 ex raa echvl Bazaina chegou h)atem
    de Bade a Bruxallas. Foi recebido frtameola pa-
    hs francezes aid residentej. E' esperado aqui
    amanhii. Os bonapartistas prapariam-lha uma fas-
    tiva recepcio. Dos estadeiros de Bldekwal, foi hon-
    M:n lang 1 lo ao mar 0 vapor transporle Purus, que
    alii so achiva construindo por eonfe to gaveruo
    bfasileiro. 0 navio correu perfeitaraente A-sis-
    -lirain ao langaraanlo os encarragadoa da vigiar a
    coa3truegio p)r conta d) Brasil. Nada s i sobre
    a fragata Independencia. Anuaacia-se a abartu-
    ra do coagresso postal de Berne A Inglaterra ja
    nom4)u 0 seu delegalo.
    t Pari3, 1 de setembro. Tem continaado a
    perseguicio ontra os bonapartistas. A oolicia
    proeeleu hontem a uma bas:a na casa do Coalite
    central daquelle partido. Foi sdapansa a publica
    oao de dous jornaes em Bordeaux. Parece que
    se receia a rxeeaeio de um plan) iptalquer, a |ui
    mesmo em Paris. 0 presidenta Mac-Mthon, qua
    devia partir amanhl, adiou a sua viagem. Oca-
    pitalista SclnoiJer'esta melhor; 0 sau e-tada da
    esparangas de poder ser salvo. Tem havid) agi
    tafSo do Schleswig. Falla-sa u'uma complicigi)
    entre a Prussia e a Din marci. 0 principe har-
    deiro da Prussia deu hontera um jantar ao priaei-
    |)e de Galles. Biziine ja se ach\ em Hruxellas.
    Correu aqui que 0 ex-prisioneiro de Santa Marga-
    rida penetrara em territorio fraacet 0 cnolera
    ta b feito progresses na Pomerania. Prepara se em
    Strasbourg uma estrondosa ovajao ao imperador
    Guiliierme, por parte da guarnigao.
    a Turim, 1 selemar0. -A guaraigio do Palermo,
    aug.nentada com os reforeos qae para alii tiaham
    partid) deNapoles, sab 0 da cidide por orlo a d->
    prefeito para perseguir os ban lidos. No dia 30
    le agosto, a 20 kilomefos de Paler:ii), foram ell -s
    alcaacaljs pela tropa. Tr.vou-e um vardaleiro
    combate, e os baadidea, apezar da sUa furiosa
    resislencia, fotam derrotados, lie nil.> grande nu-
    mero deiles em poder da tropa Parte do exercito
    recolheu se a Palerm) com os crimiuosos que ita
    serjulgalos. 0 goverao raand)ii elogiir a enorgia
    do prafeito. As excur5ojs contra os bandidos vio
    conanuar em todi aSicilia. Os ultimos reforgos
    que tinham partido >le Nipoles chegarain aate-hoa-
    tom a Palermo. Nj mesmo dia houva uma gran-
    da rapjii. no miato Btaa. f) vulfli) lailCOU
    chammas sob e alguraas povoacSes que fleam ;
    immensa diataacia. A erup;ao Jiminuio de iu'an
    siiade, mas inda ontinuava. 0 estadp de saula
    de 4|i9]X nao inspirava cuidade. No domiagojase
    acliava"melhor, e pole refteber a visiia de alguns
    catholicos estrangeiro3. 0 ministro Minghetli ja
    se acha em Roma. Foi concedi la pelo ministro
    do interior licen;a pira a reuniao d) coazresso
    typographic da Mill). Foi limitalo 0 nuraero
    dos raprasentautes que ne la devem toraar parte,
    a cs seus n) nes serao corarauaicados as antonda-
    des. Aconselhoa estas medidas a reecnte tantitiva
    dos operarios internacionalistas
    t Londres, 2 de setembro. Diz-se na balsa que
    van ser abertos dous emprestinns, um para 0 g >-
    verno russo a outro para 0 goverao d-i America
    Meridional. A somma pedida pela Russia e de379
    milhoas de rublos. Sobre 0 seguni) emprestirao
    espero informagoes seguras. Apenas sei que a
    somma e de 4 milhoes esterlinos a que os baa ju si-
    ros Rotschildsa)Os euearregidos da sua emissa^.
    Conliauam asgreves dos operarios. No dia 31
    de agosto 6,000 mineiros suspenleram os trabalhos
    na Escossia. Alguas proprietarios mandaram fe-
    char as minas. 0 governo le Berlim ja noraeou
    embaixador para Madrid. Diz se que parte lioje
    e vai encarregado de comraunic;r a) goverao hes-
    panhol o aceordo das tres potencias qua resol re-
    ram resonhecer a llespanha. Diz se que sao :
    a Allemanha, a Austria^ a Italia.*
    t Turira, 2 de setembro. -Vao pirtir para a Si-
    cilia mais dous regiraentos. A campanha contra
    os ban h dos nao terminara senao depois que todos
    0? crfmraosos tenhara cahido nas raaos da justica.
    Foi proclaraada a lei raarcial na ilha, e os prisio-
    neiros do recente combate vao er exeeulados em
    Palermo. Continiia a erupgao no monla Etna.
    Fazem-se preparativos para a prox-ma campanha
    eleitoral, indicio de ser certa a di-sulu.-a > do par
    laraento. Diz-se que os ultraraontanos nao aban
    donarao as urnas, apezar da fallada recoinraenda
    gao do santo padre. Diz se qua 0 Khedive do Egy-
    pto, que se acha em Vichy, vam visitar a expo-
    sicao historica de Milio. Fallase tambem na pro-
    xima visiia do imperador Guiliierme
    Paris, 2 de setembro. Os jornies bonapar-
    tistas das proviacias aggridera 0 governo pelas
    psrsegnigoes contra a iraprousa do seu partido.
    Fallara n'ura protesto quo sera aprasentado a
    eom.nissao permanence. AyCUsara 0 govarno de
    proteger as macbinagoes dos ligitiraistas, e allega-
    rara qae 0 conde de Chambord esteva uesta ci la-
    de. 0 process.) do govern id >r militar da ilba de
    Saata Margarida, do coronel Villote, 0 dos oatros
    implicados na fuga do ex marechal Bazaina deve
    comegar no dia 9 do corrente. Foram hontera ap
    prehenlidos pela policia, na estagiio dos carainhos
    da ferro do norta, rauitos folhews da Lantema de
    Henry de Rochefort.t
    t Madrid, 2 da setarabro.Ante-hontem houve
    gran Je movimento da tropas entre Logrono e Taf-
    fala. 0 genera; CebaUos, oujo corpo marchou na
    vanguarda, fiou hontera acampado pert) deOtei-
    za, era communicagao :om 0 corpo do general Mo-
    rionas. No dia 30 dp agosto, os carfcstas gae. ti
    nhara voltadb a sltlarPoijcerda, foram repentlna-
    mente atacados pela brigida do corrael Arrend),
    qua fora mandada era soccorK) da praea. As fac
    goes caHislas que se cdmpnahara de l,50f> hbrnens
    defenderam-se com deaespero. 0 combate durou
    2) horas sem resultado decisiyo. Iatervindo a nol-
    le, a columaa dos liberaes retlrou-sa, acarapando
    a alguma distancia da praga. Na madruzada de
    31 reeomecon 0 ooatbat*. Ainda senae sabem as
    consequencias. Partca dyafinitivd-0 recoohecimen-
    to official por parte di Allemanha e da Austria:
    Espera se aqui 0 embaijtador all8tnao que sa acha
    va era Vienna.Disvse qaa elle vam encarregado
    da apresentar comulativaraente as sredeociaes
    em nome doa gabinates de Berlim e Vienna, para
    tratat do reconhecimanto. Consta qua uma oulra
    potencia acompanbara eatas duas nacdes. Ua poo
    ca animacao na boha. Tra havido grandas des-:
    ordens por cauaa do prMiasn- de reerutanveato.
    E 0 Albaeela (oram presas maitas pessoas.o
    <( Landres, -3 da setembro. Os erabaixadores
    he8panh*3a junto do3 governos que reconnecaram
    a Hespanha, receberam ordem para apreseatar aa
    era-tBOCIaw. 0 feitorlittjifo recetotoyito impe-
    rador Guilherrce, e ira depois a Vienna paradee-
    empenhar ignal missao. 0 tjoven* roaao taaoieni
    *sua resotagj.) de nao recenbecer Hbsflanha Q
    .ao uao estaUelO'ier pfecaJsule
    iz-30 que os ttofis emprestiraos sera^) aberWp fi-i
    ,dia 7 dfl.cHTonja. A,^fpo alas benapa*|istas
    qde ilaqui salriran*, para item rerebe'r 0 -.ex-ma*
    reejtal Bazaine, tem feto forVeV Wde uHb 'pretfcn
    H dimorait^e na Belgica.
    t Paris, 3 dfl4alea*ro.-O dia de hootem foi da
    fetU-B^ta a Aljwpaau.-. Em muilaa cidades 0 an-i
    niversari) da victoria do Sedan deu lugar a gran^'
    des do.nontragBe'sde regosjo por parte da p>>pu-
    Ia(). Em BerliaiiiivaraiB .feeaedas f .raparti-
    goas publicas; os ("dieiaps .da guarnigli foram-
    cumprimentar 0 minmro da teuerra. Os noraos de
    fliMfark e do Majike foram vjtftorhdos romo fun-
    ifaUore3 da unid.ide do povm allemao. Nutou-je a
    mai >r consideragao para com a Franca, prpcttwn-
    se in)primir a festa 0 caracter commemdralrvo do
    aconteclmento que concorreu para rtalfsar a
    am*) dos estaios a'llemles e fundar "0 actual Im-
    perio. 0 embaixador hospaghol, qua iaflr-' Je'
    Vienna para Berlim; ja aprqseatou ab gereroo al-
    leiqao as saas credeaciae. Dit-se que transmittio
    ao gjrinnete de Berlim, em dome do seU1 governo,
    as mais orliaos demonatracoos de sympamia, pe-
    los esJorsos por elle orap>egados a bem dqs inla-
    ressqs da Hespanha. Considera 0 apolo prestido
    aosea paiz, pelo recpnbecimonto do acfual g/rrtt-
    pfveomo 0 meio mais efllcaii pamlaiaxiliar 0 pro-
    xnlJO restabelecimento da pax. Promejte'u
    Va*>or acfeaal' Carfa da l|lrtj-
    Alnoe damstras a Mo ink IWihfaes taVii-
    MtEStMHCIA DO EX51. Sit. CONSELKIRO
    CAETARO SANTIAGO.
    Vo-ffilio Coelho.
    - title 0
    sett governo saberra jorresponder a edbfianca' quo
    Ina-rol demonstrada por algumas potedcias da Ea-
    rop.a, roanifestando a sua resolucao Iraraediata da
    riieaahecer a Ilespaaha.
    Uejoliirfin import ante. -0 consclho
    mtmicipal do Paris resolveu qap se estahiJIeeeksa
    pa pl/nun elevah de Mery sqr.Qise un c mite-1
    rio piirisiease, qqo sera llgado i wpiial por um ea- "
    minho d fern) especial.
    .llejeiDu a propo'sla de estabelecer um cemiterio
    ettb>e as aldeias da Missy e de \Vrssous.
    Q mesmo conselbo adapted n'essa sessao 0 voto
    pelo qual 0 governo 6 convidado a soRcitar do po-
    der iegislaliv.'ouma lei atttorrsandojo uio da iceine-
    ragio das cadavefes na coramuira de Ph'ris.
    As sessoes era qae se irate a d'este grave as
    sumpto sao interessantissimas pelo lado qae res-
    peita a sidle publica e aps perigos a que se acha
    exposiaqialquer cidale populosa que tem cemite-
    rios deotro de sous rauros.
    Deeseitberta enriasa. Escrevem de En-
    traigues ai Revel de Ardeche:
    Acaba de fazer-se uma desCoberlo curiosa na
    com nun) da Ayzac, a quinhentos metros pouco
    raais on menos da cratera do vu'cao extincto de
    Am u; Batraijraas.
    ITns taes J lanny, da dita Omrauna, sao pro-
    prietaries de nm Deqneno cimpo situado a alguus
    pis^os da p)voagao. r
    Apezar da; ten'itivas decu'.tura que se reno-
    yavam ha bastaotes annns, aqael'e canrpo flcava
    improdictivo ; as batatas, 0 trigo, fosse |o que
    fasse, deliahavam n'aquelle ponto, apenas seraea-
    dos ou planleados.
    a Os r.aros fi >s de lierva que cresciam nas im-
    meiiagoes pareeiam como que queimados por ura
    incendio recente.
    1 Querendo ayerigaar de fanio tan anormal, um
    dps pruprietar.T)3 le-n iroise de cavar 0 terrene ;
    chegaal) apeaas a profuodjdade d'um metro,foi
    impelido por exhalagoJsmepniticas de levar raais
    loage 0 sou trabaino, e obrigadj a abrir, nap sem
    graades precaa8es. uma galeria lateral quo Hie
    pcrraiitio chegar a 4 metros de profuniidade.
    a 'Js nhenomeaos mepaitiCjs proluiiram se ea-
    lao com nova iatensidade.
    Fizeram-se expenencias nnmefosas. Uma
    vela access, introduzida no pogo, apaga-se instan
    taneameaie.
    A ottainma de um feixe de giestas seccas apa-
    ga-se igualmente.
    Jatos, caes, cabrilos, galliahas nao polem re-
    sistir mais tres minutos'a acgao mortal d'aqude
    gaz, que se julga ser acido carbonico ou sulpuu-
    reto de i-arbone.
    0 granite quartzoso uue em parte compoo o
    terrene desiggrega-se ao conticto do ar, a ponto
    de nao olferecer aonsisleacia alguma apreciavel ;
    desfaz-se eui areia de um brand aujo, a;gil iso,
    uoctuoso a.) ta:to, e qua nao olfereca ao olfacto
    oa ao palalar, nem cheiro nam sabor caracteristi-
    co.
    Riireau Verizas fraiaceat. A direcgao
    do BAre u Verit is fr .ncez acabi de pablicar a lis-
    ta dos siaistros aiarilimos, de que ha conhecimen
    to durance 0 mez de junho de 1874, concernentes
    a todas as bandeiras.--I)a as seguialos estalisticas :
    Navios de vela perdidos 115.
    \. saber :
    laglezes 53, iilicoiaoa is, -n>,-;.,,v,, ia, r,00
    cezes 9, nirueguezes 7, hollaad zes 4, dinamar-
    quezes 3, russos i, auituaeos 1, haspaahol 1, gre-
    go, Italian) l.sueo I, e 3 baaleiras de-on'ieci-
    das.
    N'este numero estao comprehendidos 17 navios
    de vela, supoostos perdidos, corpo a bens, por falta
    do nolicias.
    Navios a vap)r perdid )3 : II.
    A saber :
    Iagices 4, hespiahoes J, allemao 1, americano
    1, brasileiro 1, taro 1 o sueco 1.
    N'este numro se ompreheade um vapor sap-
    post) perddo por fait) de noticia.
    Liateria dt* ilia do Jinelro Resu-
    me da lista dal'hteria (oTi.) em beaoficio das
    obras da matriz d 1 Candelaria, extrahida a 2 do
    corrente :
    N. 2367...................... 20:0003009
    N. 430)...................... 10:000,5000
    N. 3430..................... 4:090*000
    N. 3400...................... 2:000*000
    Ns. 899 e 2606 1:003* a cada ura.
    Ns. 117, 7S3, 2833 e 3735-800* a cada am.
    Ns. 3(7, 2466, 3123, 3426, 3470, 4173, 4183,
    4olo, 3527 e 5999-J00* a cada um
    Ns. 194. 357, 31)3 409, 362, 628, 823, 1131,
    2303, 2369, 3379, 3236, 3461, 3770, 4492, 4931,
    3091, 3223, 3303 a 3944 -100* a cada am.
    Ns. 18 103. 133, 294, 338, 843, 988. 1093,
    1179, 1246, IMS 1348, 1342. 1781, 1925, 1982,
    2il6. 2260, 2266, 2456, 2557, 2619, 2793, 2924,
    3172, 3267,"3284, 3447, 3485, 3649, 3847, 3852,
    3833, 3862, 3879, 3955, 4017, 4123, 4137, 4239,
    424V, 4283, 46H7, 4824, 4833, 4928. 4S64, 5093,
    5208, 5214, 5332, 3438, 5594, 5602, 5636, S703,
    St*tet As,IP hqras da man)**, presents* o*' Sc. das-
    erobar^adores Almeida Albuquerque, Accioli, e
    Souza I^sao, deiiSmdo tie cbmparecer 0 3r. des-
    embargador Reis e Sl*a, ahrio-.-e a sessao.
    0 Exm. Sr. cunstdbem fez 0 reiatooio dos ag-
    gravos qua f.ram julgado^ for eJIe, e osadjuoctos
    sorleados em sessao anterior.
    AggraroJ de petiao.
    N'. 80. Aagravanra Adolpfto Mar jaw dos
    Siiilyp, aggravido EuglU Banks if Rio de Janeiro.
    Adjanelog os Srs. deserabargadores Almeija Al-
    buuuerqiae, e,aouaa Leao. Nao tomaram comae-
    ciioento. (
    N. 52.- Aggravaote Maria, por sen curador,
    aggravado Jmu Ferreira Coelho. Adyauctos os
    Sr.s. deseinbargadooaa-Soaea LeSo, e Accioli.Ne-
    goUj-ise pro-vimento.
    Daixaram do ser julgados os aggravos sob as,
    33, 54, por ni1 tor connKtrecldo 0 sr. desembar-
    gador Reis e Silva.
    Nada mais hauendo a tratar, encorrou-se a ses-
    sao a uma iSora da uru>.
    i^
    des.
    fiaoaistde 300 Uoas a
    J. Tasso.
    saccos a Antonio Lnii de Otifeit* Aaa
    Leal & frmScf, J a
    a Manuel S. !*>fQei-
    pacoies a J..ie Jw
    de suJ J cauaa a K
    MM* A PEDIDC.
    -----------1 111 Ml IM
    Srs. red'cloj-ei, Na Ckronka do jornal -?
    frosincia n. 388^ de 14 fle ag03to proximo passado,
    e que agora vimos, esja insertdanma fal-idadeque
    suamuita perversidade podia produzir : pasma 0
    warp facibdale com due os redactores daquelle
    joraal con-oatem taes pulilicac5es em anas eolum-
    nas. E' so por amor a verdade que fazemos estas
    linhas de que oedimos a publicagao.
    E' s,abido que. a illibada reputa;ao do Illm. Sr
    tenente Antonio lluielho Pinto do Mesqnita, digno
    subdelegado 4a Laa de FJores, do termo do Booi-
    t), jamais pode ser abalana por semelbante publi-
    cagao e nem era necessario que a bem dtdla dis-
    sessemos alguraa consa se nos nao revoltasse so-
    bremaneira 0 vermos alterada a verdade dos fac-
    tos do modo porque 0 fez 0 noticiador de
    Gamelleira, fazendo grosseiramente crer noticia
    da la por pessoa deste districto, no principio do
    seu aranzel e terminando que alii era Garaelleira
    ha mnitas testemunhas d) facto.
    Por tal modo tem agradado a policia fcita par
    tlo digno cavalheiro, d tado de maneiras tao
    urbanas, quo podemos asseverar que ninguera
    havera de qualquer credo politico qne possa at-
    tribuir-lhe factos de perseguicio aos bans e cum-
    pridores de seu deveres e nem ;io pouco protecgao
    a criminosos.
    0 actual sublelegadq do districto da Ilha de
    Flores, no cumpi haanlo de serfs deveres so lem
    em visto a lei, e 0 mesmo faeto alludido aa tal
    pubUeagao prova a ruaneira imparcial porque fax
    elle a pulicia mesmo a respeito de seas morado-
    res.
    Constanos que logo qae chegou as maos do
    subdelegado a carta ou olilcio por alguera feito em
    001113 de Jose Quintino e em que se dizia ser le*i
    Severino ladrao do cavallos, aquelia autorilade
    sujaitou este immediatamente a rigorosas averi-
    guacSes pohciaes, apezar do todns as irregulari-
    da ies e estar este ao engenho I'edra Finne, ha
    tempos e nao detido por conduzir dous cav.Hos,
    que UUnoer Quintino conheceu screra furtados,
    como cavilosamente diz 0 noticiador.
    Dessas avenguagpes, porem, conheceu-se qua
    Jose Severino nao passa de um pobra homein ca-
    lumpiado por alguem qae levianamentc escreveu
    a carta, occultaado seu proprio nome a assig-
    nando 0 de Miguel Quintino, pobre aaalphabeto,
    e e.-ta nossa ultima assergao nao 6 mais do que
    a'summa do depoiraeato do proprio Manoel Qcin-
    tino.
    Deixaraos de publicar pegas importantes e qua
    provam a quanta falsidade avanjou 0 tal agente do
    jornsl A Provincia, em Garaelleira, porque nao
    queremos apresentar servigos ao muito digno sub
    delegado, rejuerendo certidio do occorrido, e
    mesmo porque 0 descredito e ridiculo era que tem
    cahido a Chroaica do referido jornal, que levado
    ao deseapero, so trata de ferir aquelles qae teem
    reputagoes Qrmadas, poupa-nos a esse trabalho.
    Se por outra occasiao pretenJe apparecer 0 tal
    embusteiro daado noticias do districto de Ilha de
    Flores, pedimos-lhe qne venha mais bem informa-
    do, do contrario conte com a contestagao formal
    de aossa parte.
    Ao rauito digno chefe de policia desta provincia
    u mm. 3i. Di. Autunio Correia de Araujo, agrade-
    ce a populacao laboriosa e paciQca deste districto
    a excellente" escolha que fez do Illm. Sr. tenente
    Antonio Botelho Pinlo de Mesquita para subdele-
    gado.
    Nao ha entre nos e 0 digno subdelegado rela-
    coes de intimidade ; temos apreciado seus actos
    como antoridade policial, com toda a imparciali-
    dade e as vezes que 0 temos commanicado nos
    tera agradado seu trato corao homem particular.
    A publicacao destas linhas muito penhorara seu
    constaute leitor.
    S. C, 3 de setembro de 1374.
    J. P.
    5721, 5810, 3868 e 599240* a cada um.
    a revista, nao votaado 0 Sr. Villat'es, por WT h* J ministro dos negocios estrangeiros daqnelfe impe-
    gal) depois do jnigament). Irio fez saber aos repre.sentantes das outrw potea
    doteria. A que se acha a venla e a 116*
    a beaeiicio da igreja da Casa Forte, a qual cor-
    re no dia 13.
    Leilao. Hoje, effectda 0 agente Bias, as 11
    horas da manhs, 0 leiiao das nwrcadorias, arma-
    gao a mais utensilios existeotes em 0 estabeleci-
    mento da raa do Bosario da Boa-Vista n. 56, per-
    tencente3 amassa fallida de Azevedo 4 Coelho.
    Casa dia detenfiia.Movimento da casa
    Ja deteneao do dia 9 de setembro de 1874.
    Exiitiam presos 337, entraram 6, sahiram 8,
    sxistem 333.
    A saber :
    Macionaas 261, mulheres 7, estrangeiros 23,
    jscravos 39, escravas 3. Total 333.
    adimentauos a custa dos cofres pablicos 252.
    Movimento da enfermaria no dia 9 de setembro
    de 1874.
    Tiveram baixa :
    Peiro Ferreira Nobre, ftbre.
    Antonio Ferreira de Lima, indigestao.
    Jose Barbasa do Oiiveira, bronchite.
    Tiveram alta :
    J036 Joa|uim da Soaza.
    Franci3co Jos6 Floreaeio.
    Pnsaaajciros. Vicdos des portos d sul
    no vapor basilairo D inku :
    Bernardino Loarengo Perreira, Miguel Gongal-
    vei Flores, Ju'io Klein, Raphael Callado a 3 uMaos.
    Viodjas dos portos do sul no vapor francez
    Erymantne:
    G. Guirere, C. Cherice, B. de Sa, A. Eiras, M.
    Ahelooda, C. Ruez, L. Sully, L Melhiao.
    Cemiterio iMblteo. Obitaario do dia '.'
    le eterabro da 1874-
    Pedro Teixeira da Harro, pardo, 3ftanno3, sol-
    tairo, Graca ; esnugado pelo trera.
    Luiza O'tilia Vrcani pard'a, Varaea, 24 annos,
    3olteira, Boa-Vista, hospital Pedro II ; cancro no
    nariz.
    Jose, preta, Pamambuco, 38 annos, solteiro,
    Boa-Vista, hospital Pedro II; wrielas.
    Maria do Espirito Santo, parda, Pemambac 1,
    22 annos, solteira, Boa Vista ; tubercul03 pul
    mooires.
    Felix Jiase Mircplino, pardo, Peraarabuo, 62
    anno?, Recife ; coigftao cerebral.
    Matnias, pardo, Peroambooo, R anno3, S. Jose ;
    tobre ouligna.
    a^ari'a do 0' da AununciagSo, parda, Pernam-
    budo, 48 annos, oasada, Sagto Aatpoio ; be-
    Ursula Baptlsla de. Soaza, b/anca, Pernarabuco,
    l^aaans,oasada, B04 Vista; febre puerperal.
    Clndid.'a Maria do Uviraraeato, brwa, "er-
    Oleo puro medicinal de lisado de
    Bitcalliao, de Laniaan \ Kemp.
    Como balsamo pulmooico, lonico, contra-irritan
    te, fortili:ante e curative, e corao meio de reparar
    os cstragos prodaiidos nos systemas pela moio4|4a,
    0 oleo de ligado de bacalhao, occupa um lugar
    proeminente no repertorio da proQssao regular.
    0 grande objecto esta era alcangal 0 debaixo da
    forma legitima e mais eflicaz, e so repetimos a opi-
    niao da faculdade, quanlo disseraos que a prepa-
    ragio feita pelos seahorts Lanman A Kemp preoa-
    che p3rieilameate este3 requisites. Os figados fres-
    cos extrahidos dos raelhores peixes da estagio e 0
    material de que se extrahe cuidadosamente. Exis-
    tem duas qualidades, u.iu sem cor e a outra ne-
    gra, e ambas ellas sao perfeitamente puras. Os
    medic>3 attestara que com qualquer uma d'ellas
    teem logrado as curas as raais extraordiaarias,
    uus casos de phtjsica appareate, febre pulmonar,
    paeuraonia, bronchites, asthma, tosse chronicat an-
    ginas, pleuresia, affec^ao do figado, debilidade
    geral. ^etc.
    vedo. Charut.'s 3 cjii^s a
    Domingo.- Alves Mattiem, 2
    ra,-l a Miguel Jre" AHes, I
    Meadei. Utax^js
    nrle &*C.
    Fazendas 5 vWurriM MUls buhtm 4 C, 3 a
    Cramer Frey A C. Pa'hitra de trtgn 2 barricas a
    Joio 2 H. Mendes.
    1'anao de algodio 20 fardos a Hva mm
    Saaio 50 caixa< aos miiii.
    Viaagre 2 quiatos a Joaa-lMe Rodrifaai Men-
    des. Vinho 2 quiotos ao mesmo. Velaa 4* ears
    2 catzM a D. A. Matheas.
    DBSPACaOS DE BXPOKTACAO NOOttfl*
    SETEMBRO DB 1874.
    farm 0$ -pinto* do exitrtor.
    ffo- navio ingle/. Fritter, para Liverpool,
    carregou 7. CVi-aiaosea 5,000 (.onus de ..
    No v air franc-z Erimamthr, para Bordfaox.
    carreged : T. Be La Grange 1 bifrfca com 19
    abaeaehis.
    Pkra os ptrtos de tmUrnr.
    Para o Para, ao vapor aarloaai Ctmri, ear
    reran-: Amortm rrmaVa A C.50 barrteas coo
    4,027 I|t'kilos de afsoeaf braneo.
    Para 0 Aracaty, no biate branleire Grwt-mm.
    earregen : J. A. L. i'imenta 4 Mrrieas torn 411
    kilos de assucar braaeo.
    Para Bossrro, no Mate naehnal Me YMr.
    carregou : Monteiro Jun or Pernoile 4 harfteaa
    com 303 kilos de assurar bjtaee ; F. de Mkm-
    qnerque Maranhao 1 dita cam 60 sritot de (Me .
    A Otiveira & C. 1 Att com 58 dito* le Cite I
    dita com 58 dilos d di* reftna4o.
    Para Pcrto Seguro, 110 i.iate nacional Pert*
    AWftt, carregou-: J. A. Fires Jnnior 6 barricas
    com 70tJ kiles de assaear braneo.
    CAPATAZIA "> Mf*\mt 4:ISMl dam do dia 10 571WI7 4:7t7070
    v-OLua*i No dia i a 9 Mo dia 10 .^imeira j'oria..... tagunda portt..... Tarceira portt..... Ttrpiche Ccnceicao . 5,07 H 17 152 rio f,U7
    SKRViCO MABITIMO
    4j>*rengas desearrssadas ne traricte da
    alfandes* :
    N'o dia 1 a 9 ..... 8
    No dia 10.......
    lo trapieba Ccmceieao -
    OI\IA DB.
    BAES DK
    tendimenu) do dia I a
    dam do dja 10.
    l;B>t'AS 1JO.
    PERM AM
    Hi GE-
    M>:6A35I
    S|U*69I
    10:979*042
    GO.NSULADO FhOVINGlAt.
    (taadimento do dia I a 9
    >daoj ao du 10
    RECIPE DRAINAGE
    Beadimento do dia 1 a 9 .
    Idem do dia 10......
    tV:9fiftaOol
    37*W'i
    atflbJiwr
    ii:64947--.
    17:
    AGENCIAS PROVINCIAES-
    Liquidos pspirituosos.
    Rendimcnto do dia 1 a 3 2:330*813
    Idara do dia 9 220*233
    Bacalhao, etc.
    Rendimento do dia 1 a 3 90*412
    Ueui do dia 9 289*7*2
    Generos d* estiva.
    Rendimento de dia 1 a 3 649/4*4
    idem do dia 9 343*108
    Farinha de trigo, etc.
    Rendimento do dia 1 a 3 323*100
    Idem do dia 9 5CS*288
    2:37l*9i'
    .**)*rSi
    1:194*0-2
    Fmo,
    Reudiraento do dia.l a3
    Idem do dia 9
    --------tmWtm
    etc.
    320*G99
    87*330
    JUNTA DOS CORRETORES
    Praca do Recife, IO deseieatabro
    de 1894.
    AS 3 HORAS DA TARDE.
    COTACOBS 0FF1CIA.ES
    Cambiosobre Londres a 90 d[v. 26 d. por 1*000,
    do banco, hontem.
    es. ae Vasconcetloe
    Presidents.
    A P. de Lemos,
    Secretario.
    ALFANDKOA,
    Rendimento do dia 1 a 9 .
    'dm do dii 10.....
    K3 477i644
    27:290*610
    190:768*263
    Desc vrregam hoja 11 de setembro de 1874.
    Brigue allemau Wilhelmine kerosene para 0
    trapicha Coaceigao, para de-pachar.
    Vapor inglez Fire Queen (atracado) merca-
    doria para alfaadegi, vinho para daposi-
    to no trapiche Cuuha.
    Vapor nzcionalDantas genero3 nacionaes para
    0 trapiche '.antas, e estrangeiros para al-
    tandega.
    Barca ingleza Fuzilier mercadorias para al-
    fandoga.
    Lugre ingiez Octavio tarinaa de trigo ja das-
    pacbado para 0 caes do Apollo.
    Lugar portuguez Julio vinho para deposits
    Impartacilo.
    Vapor nacional Dual is, enlrado das portos do
    sul em 10 do corrente e consignado a Antonio
    Luiz de Oiiveira Azevedo, manifeslou :
    Algodao 3u saeeas a Beltrao & Filao. Abobras
    tOO aS. Manoel Taques.
    Chape-* 1 ciixa a Joio Qaeriao da Aguilar
    & C. Charutos 3 caixas a Domingos da Costa Fer-
    ro ii a. Coaros 806 a Pereira Carneiro & C.
    Inhames 96 a S. Manoel taques.
    Lyrio fterentino 1 pipa a Meurou k C.
    Machiuismo e perteusas 9 vola ae) a Meuron
    &C.
    Pa pel 30 cainas a Parrrate Vianna 4 C.
    Sj*cos vasios-4 volume* \ Miguel Jo^Alves, 1
    a iase" da Silva -Lovq A Pittto, { a Jxwo Qaerino
    JdeAgaJiiariC. '
    Vinagre.
    Rendimento do dia 1 a 3
    Idem do dia 9
    etc.
    114*289
    226*326
    tmtm
    340*6 r.
    6:187*51 :
    Thesouro povincial Je Pernamuco, 10 de" setem-
    bro de 4874.
    0 escrivao,
    Joio Caraeiro M. da Silva Santos.
    MOVIMENTO 00 PQRTP.
    Navios sr.tradfs no dia JO.
    Rio de Janeiro e Babia 6 dias, vapor trearez
    Ergmantht, da 1,343 toneladas, commandant*
    Contonne, equipagem 96, carga difJeraatas ge-
    neros : a Haresmandy A: Labiile.
    Baiiia a portos intermedios 10 Jias, vapor bra-
    sileiro Dantas, de 671 loneiadas comnaadaQle
    Francisco Pereira, eqaipagem 26, carga alg.-da >
    e outros generos; a A. L. de 0. Azevedo.
    Navios sahidos no mesmo dta.
    Cron-tadt Brigue allemao Lubeck, capita)
    Scbeuermonn, carga algodio.
    Portos do norte Vaoor nacional Cearu, eom-
    mandante C. .V. da Quadras Junior.
    Obervacao.
    Su-penden do lamarao, 'para 0 Rio da Pratt, a
    sumaca he.-panl.-ola Guadi'.upe, capitio P.OKveir.i.
    carga a mesma qne trouxe de Valencia.
    DITAW
    Secgio 5.*.Secrettria da presideocia da Pttraam-
    bnco, em 9 de agosto de 1874.
    Por eata secrettria se fai publica para eonbe
    cimento das pessoas a qn<*ra possa int^fessar qn
    fica marcado 0 prazo de 60 dias.contados da presen
    te data, para serem apresentadas ao Exm. ^r. pr^si-
    denle da provincia, propostts ?m carta ferhada para
    fundagao de eogenhos centraea nos muatcipios de
    Jaboatao, Cabo, Ipojnca, Seriahiem, Bacada, Bar
    reiros, Agna-Prett, Iguarassu, Goyanna., Rie-For-
    moso e Sanlo Antito, iguaes aos existeaue aa<
    ilhas franciizas da Martinica e Guadelop*, rae*ar.
    te as vantagens e condicoes expreatas ao aitig-
    66 da lei n. nil, de 8 de jnabo du conrnt-
    anno.
    0 secretario,
    Joio Dinii Riheiro la Cunha
    Edital n. 46.
    Pela fosaeetnta da altaadega se iaa podaheefae
    as 11 boras da manhi d> dia 14 lo mez miraatf.
    se ha de arremattr, livres ua direitos anjaaes
    ao irapasto da capataxia, no armazem d<* bagajam,
    os volumes abaixo daclaradcs, annanciadoe a eon-
    sumo por edital u. 16, qne deixaram de ser aatpa-
    chados d-ntro do prazo marcado.
    Arraaiam de bagagem.
    Marca J F 5 sera nuraero I caixa coatend..
    uma imagam de barro, no aior , tawa
    de Li-boa no navio portng'iet Arabella, aeecam
    gada em 13 de desernbro de 1873 a eyaaa*1" *
    J. Franci-co de Souza. _.. __
    Viscount NevoHa n. !2 1 dita waiiw r.
    kilo de ronpa feita d bnm de llnfco i*Htav a
    especiflcad), 1 chape > de paiha de palawra, IF
    de aapatos' de conro de sola fiaa ae ea *2
    centimetres de comprimento e m*n'>0;iif*iC4
    mursa nai classHlcadas, no valor >H*am^>
    de Liverpool no vapor iaglex Araaic idem, ign -ra-ae a eonignacio.
    Francisco Ramos, sem nunero
    .leaakraibo



    r
    v*
    9
    yjttdJG^^euiMaiDuwu Sexta foira if ae Seteathio'ldlftf4iU
    -Htsr
    *ateado ua benfala cadeira nio classificada,
    no valor 4 U800, vinde d Hamburg*, no uavio
    bollandez Catharina, desearragado em 18 de afOs-
    lo de 73 e consigoedo a Pranasco Ramos.
    Diversa* marcas Sx pe jut nos vommes com
    smostras, sem valor.
    Alfandega do Pernambiico, 0 de setembro
    Je 1674.
    0 inspector,
    Fabio A. & Carvalho /tew.
    DECLA8ACQES.
    Pela reoebedoria de rendas e deoJara ao
    coalribuinles do iraposto solire industrias e pro-
    flssoes que no cornel* max e u it oatubro
    vindouro que devem vir p.igar o prwneiro se-
    tneslre pertencente ao exercicio de 1874 a 1875,
    incorrendo na ruulta de ",, lodos .aquefces con-
    tribuintes que fizerem depoin do mesmo prazo.
    Receaedoria de Pcrnambuco, L de setembro
    de 1874.
    Servindo de administrador,
    _______________Jc8*Pelrppe Nery da Silva.
    Juico do* feitos crivao Torres Bamleira.
    Sexla feira, 18 de setembio proximo vindouro,
    depots da audieucia respeclti-a as It horas do dia,
    4Fa a praca por veada o seg*nme ;
    As quatro partes da casa a 9 da rua de SauU
    Rita, a qual lem 41 palmoa de vao e 6'J ditos de
    fundos, 2 salas, quartes, cozinha fora, quintal
    aiurado e caeimba, em mao estado, solo foreiro,
    avahadas em 1:200000, para pagamenjo da exe-
    :ugao por decinus coutra Joaquim Candida Fer-
    reira e oulros.
    A' casa n. 5i da rua do Aniparo em Olinda, com
    06 palmos de compwineolo ti 33 ditos de largura,
    3 salas, 3 quartos, quintal eai aberto, em mao es-
    tado, avaliada em 70U.C00 para pagaraento da axe
    oucio contra Antonio Gomes de Moura.
    Idem n. 6 da rua da Mangueira, freguezia do
    Poco da Panella, com 2 jau.jUas e uma porta de
    (rente, 31 palmos de vao, 60 ditos de fundos, 2 sa-
    las, 4 quartos, cozinba fora, quintal em aberto, ca-
    cimba uieeira, avaliada em 1:UOO000 para paga
    mento da exeeucao c.ntra os liltios de Joaquim
    Pires Ferreira.
    0 sobrado de d)us andares n. 20 da travessa do
    Livramento, com 2 salas e um quarto em cada urn
    dos andares, com 38 palmos de comprLo sobre 18
    ditos e 2 pollegadas de largura, avaliado em .
    3:000000 para pagameoto da exeeucao contra
    Jose Martins Pontes.
    A casa n. 11 da rua do Amparo em Olinda, com
    16 palmos de vao sobre 99 de fundos, 2 .-alas, um
    gabinete, 4 quartos, quiutai em aberto, cozinha
    interoa, solo proprio, avaliada em i:000j$000 para
    Eigaaeoto da exeeucao cu.itra Rufino Augusto
    endes. B
    Recife, 29 de agosto de 1874.
    0 solicitador da faze.uda provincial,
    ___________J- F. Correia Ai Araujo.
    COMPANHIA
    DO
    BEBERIBE.
    Os Srs. accionistas desta companhia que
    desejarera apreciar o relatorio e mais pecas
    a elle appensas, relativo ao anno que ter-
    minou em 3 de abril ultimo, dirijam-se A
    respectiva secretaria, rua do Cabugd n. 16,
    que lhes serio fbroecidos.
    Escriptorio da companhia do Beberibe, 3
    de setembro de 1874.
    0 secretario,
    _______JMiz Manoel Rodrigues Valenca.
    -Perante a camara municipal oa villa de Ja-
    boatio, eslarao em praca pnblica nos dias 16, 83
    e 30 do correite met para serern arrematados
    por tempo de um anno, os impostos de coqoei-
    ros, a razlo de 80 rs. por cada pe de produeeao,
    exceptuandO-se 10 pes para o uso do proprieta-
    ry, e avallados por 1:2004 ; de afeiicao por
    1:2004, obrigando-se o arrematarfte a aferir os
    pesos e medidas pertencentes a mesma camara,
    sem iademoisaclo alguma ; de 500 rs. por cabe-
    ca de gado vaccom, por 5004 ; de mascates e
    boceteiras, por 1001; de 200 rs. por eabeca de
    gado suino, ovelbum e cabrure, por 1904.
    Oa preteuilenie deverao comparecer com seus
    fiadores, babilitados da forma, da lei.
    Pacp da camara municipal da villa de Santo
    Amaro de Jaboatao, 9 de letemhro de 1874.
    Autonio da Sa e Albuquerque,
    Propresidente.
    Miguel Germano dos Santos Pereira de Rasto,
    Secretario.
    Consulado de. Franca em Per-
    11311)1)1140.
    Convoca^at* de oredores
    AVISO
    Os credorns de fioado Eduard Turpin, sJo con-
    vidados a se reunirem quarta-faira 16 do corrente,
    ao meio dia em ponto, na chancelloria do consu-
    lado de Franca ; para proceder se a verittcacao
    de seus creditos, sob juramcnto ; e deliberjrem
    sobre as medidas a tomar para a successlo do
    ditj fioado.
    Toda e qualquer reclamacio ulterior nao sera
    aceita para os credores presentes nesta praga.
    Depois do exame dos creditos futuros, sera
    apresentado um estado approximative do passivo
    e activo da dita successao.
    Pernarcbjco, 10 de setembro de 1874.
    0 gerente do consulado,
    E. Dumar.
    IS
    EM
    H.-iiei<->o do i-> lo de \ I i.na.li)-,
    -NO
    S1TI0 DA TAMARINEIRA
    Domingo, 13 do correntu, das 4 horas da
    Urde em diante.
    A coramissao eocarregada do Bazar de Prendas,
    tfferecidas em benelicio dc Asylo de Alienados,
    tio tendo podido dar exlrac^io a todos os objectos
    que the foram cntregues, continuara a dispor
    delles no dia, lugar e hora acima indicados para
    o que convida a populagao d'esta cidade e seus
    snburbios, sem dMinccao de classes, afim de
    comparecerem a essa festa dj caridade.
    Durante a festa, diversas bandas de musica en-
    tre as quaes a al;euia, farao ouvir, variadas e es-
    colhidas pegas; a noite estara o sitio bnlhante
    mente illuminado como no dia do assentamento
    da primeira pedra ; e para fi.cilitar a concurren-
    cia havera trens cxtraordinarios tauto da compa-
    nhia de Caxanga, como da de Olinda, os quaes
    partirao das respeclivas estacoes nas horas nue
    amanba se annunciar.
    Recife, 10 de setembro de 1874.
    Joaquim oliciho Ilastos.
    R. Krukernberg.
    loaa Carlos Bastos de Oliveira.
    Dr. Pedro A. Lobo Moscozo.
    F-.uiz G.n^alves da Silva.
    Joaquim Dias dos Santos.
    Joviniano Manta.
    Francisco Ignacio Pinto.
    __________Guslavo A. Sclimith.
    Rela^ao das cartes que xarani de seguir por falta
    de iianquia.
    Antonio Joa'juiiu Dias Mec'ironho, Antonio Ro-
    drigues .Martins, Antcnio RiLe.ro, Antonio Monteiro
    dos Santos, Antonio Jose da Cruz, Antonio Fran-
    cisco de Oliveira, Antouio Francisco Ferreira, A.
    J. Gomes Ntiito, Antonio Maria da Cunha, Antonia
    JoaquinaAlvesde Briu, Bernardo de Faria Soares,
    Domingos Jose da Costa Araujo, Ernesto Madeira
    Pinto, Francisco Salles M Francisco da Silva Luna Junii r, Francisco Martins
    Rodrigucs da Conceicao, Francisco Fernandes i ruz,
    Henrique Pinto Alves, James W.Hael.Justina Rosa
    de Souza i'eixoto, Joaquim da Silva Maia, Joaquim
    Monteiro da Cruz, Joaquim .lose Gomes da Silva,
    Joaquim Antonio de Vasconc. Ilos, Jo5o J. P. de
    Vasconcellos, Jo:6 Joaquim Correia, Jose Uoncalves
    Marlins, lose de Figueiredo, Jose Rodrigues Fer-
    rosa, Jose Joaquim da Silva, Joso Pereira de
    Lima, Jose da Silva Motta, Leacoch ^ C, Maria
    Amalia da Silva, Maria da Silva Ramalho, Maria
    Rosa da Natividade Gome3 Leite, Maria Ricardo,
    Maria Ferreira, Maria Custodia Gomes, Manoel
    Jose dos Santos, Manoel Ferreira de Moraes (2),
    Manoel Feruanues Monteiro de Freilas, Manoel
    Coelho, It. Knuwles A U, Rwmundo Fernandes,
    Serzedello & C, TnemoteoCap-illo (i), Thomaz Jose
    de Oliveira, Trajano Luiz de Franca, Thereza Mar-
    tins Torres, i'hereza Balga Martins, Thereza de
    Jesus Minharro, Viceute Jose Contc. Victorino de
    Almeida Rebello.
    Correio de Pernambuco, 11 de setembro de 1874.
    0"2 official encairegido da expedicao,
    _______________Agnello It. de A. Pernambiico.
    I mandade de Santa
    Cecilia
    De ordem da'mesa regedors. convidj a todos os
    irmao? professores para mesa geral no dia 14 do
    corrente, as 11 horas da man ;i, afim de tratar-se
    de negocio urgente a bem da irmandade.
    Consistorio em m^a, 10 de setembro de 1874.
    0 secretario,
    Bento da Silva Ramalho.
    Sociedade benelicente dos
    typographos em Pernam-
    biico
    Por ordem do presidente desta sociedade con-
    vido_a todos os seus membros a comparecerem a
    sessao extraordinarja que tera lugar no dia 13 do
    corrente, as 9 horas da manh.a, na rua Nova de
    Santa Rita d. 8, primeiro andar, para deliberarem
    o que for mais conveniente para o progresso da
    sociedade, ou entao a sua dissolucao.
    Sala das sessoes, 9 de setembro de 1874.
    0 1. secreiario,
    Belmiro Ferreira da Fonceca Cadaval.
    Philolintia
    18 e 16 do corrente, pf t serein arremaudes por
    quern major *reco dwreeer, as segumtes rendts :
    os alugaeis das casas da ptaca da Independencia,
    ruas de Joio do Refo. Rlacnrjello, Imperial, das
    cai'nhis a rlbelra da frefUeiia da Boa-VisU, e
    dos talhos dos acongues da mesma freguerta-: *
    pret*ndentea a taes arrernatacSes, habilitera-M
    na fo-raa da lei.
    Pagoda catnara.municipal do Reife, 4
    de setembro de 1874
    Theodoro M. F Pereira Pro-presidente.
    Francisco Augusto daCosta,
    Secreiario.

    t
    900*000
    3104000
    4084000
    994000
    Sao convidados todos os obb \ desta off.-, a se
    reuuirem no dia 13 do corrente (domingo), pelas
    10 boras da manna, afim de proceder-se as eleicSas
    das novas LLuz.-. e DDig.'. para o anno social de
    1875 a 76. Recife, 10 de setembro de 1874.
    0 secret.-.
    _______________G. B. dos Santos.
    CONSF.LHO DE COMPRAS DO ARSENAL
    DE MARINHA
    0 conseiho manda fazer publico qne nao tendo
    contratado hoje o fornecimento de came verde aos
    navios da armada c estabelecimentos de marinrn,
    durante o trimestre proximo vindouro de outubro
    a dezembro, transferio isso para 12 do corrente
    mez, em cujo dia cumpre aos pretendeDtes apre
    sentarem suas propostas ate as 11 horas da manna.
    Sala das sestoes do conseiho de compras
    do arsenal de marinha, 10 de setembro de
    1874.
    0 secretario,
    Alexandre Rodrigues dos Anjos
    08
    INSPECCAO DO ARSENAL DE
    MARIMA.
    Faz-se publico que nesta daia foram vistoriados
    aporcs Camaragibe e Impcrador, propriedale
    do Barao do Livramento, e a comrnissao achou que
    podiam conliuuar no servico de reboq;.e em que
    se empregam.
    Inspeccao do arsenal de marinha de Pernambu-
    co, 9 de setembro de 1874.
    Francisco Jose Coelho Nctlo,
    Inspector in terino.
    SiNTA CASA DA M1SEH1CORD1A DO
    RECIFE.
    A lllma. junta administrativa da Santa Casa da
    Misericordia do Recife, manda fazer publico que
    a^Jialade suas sessoes, o dia I7de setembro, pe
    las 3 horas da tarde, tem de ser arremaudu >
    quem mais vanlageos offereccr, pelo tempo de um
    a (res annos, as rendas dos predios em seguid*
    ieclaxados.
    ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
    Rua das Calcadas
    Caaa terrea n. 30 (fechada). 21UOO!
    Idem n. 36......... 2214000
    Vidal de JJegreiros.
    Caia terrea o. 114......3C240OII
    Mem n. 94......... 3014006
    Rua. larga do Rosario.
    L audar e loja n 24 A. .
    2* andar idem, .
    2.* audar n. .
    Rua de Antonio Henriques.
    Casa terrea n. 86 ...... .
    Largo da Carapioa.
    Idem n 11 (fechada)..... 1204000
    Rua do Nogueira.
    Casa terrea d. 17 (fechada). .... 33I4Q00
    PATRIMONIO DOSORPHAOS.
    Rua da Moeda.
    Casa terrea n. 24 fechada).. 5004000
    Becco das Boias.
    Casa terrea n. 18. ... 4214001:
    Rua da Lapa.
    Casa terrea a. S ..
    Rua do Amonm.
    Sobr*do de 2 andares n. 23 .
    Casa terrea n. 34 .
    Ruar do Bugos.
    Casa terrea n. 21.......1534000
    Rua do Vigario.
    2* andar do sobrado n. 27 2434000
    I* andar do mesmo......3004000
    Loja do mesmo.......3754000
    Sobrado de 2 andares n. 25 1:3004000
    Rua do Encantamento.
    Sobrado de 2 andares n. 13(fechada). l:400*o:c
    Rua da Senzalla velha
    Idem n. 16........2094000
    Rua da Gnia.
    Casa terrea n. 25......
    Idem n. 29 .....
    Rua da Cruz.
    Sobrado de 2 andaresn. 12 (fechada).
    Idem n. 19.........
    Rua de S. Jorge
    Casa terrea n. 100 (fechada) .
    Idem n. 103........
    Rua de Gervazio Pires.
    Casa terrea n. 2.......
    Rua do Amparo )01inda)
    Casa tercea n. 18 (fechada).... 2)04000
    Os pretendentes deverao apresentar no acto da
    arreraatacao as suas fiancas, ou comparecerem
    acompanhados dos respectivos tiado-es, devendo
    pagar alem da renda, o premie da ouantia em
    quo for seguro o predio que cou.ver 'estabeleci-
    mento commercial, assim como o servico da iim
    peza e precos dos apparelhos.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia dc FW
    cife, 17 de agosto da 1874.
    0 escrivao,
    Pedro Rodrigucs de Sauza.
    2024000
    G02d000
    240iXI
    2094001
    2014000
    8004000
    6004000
    2414000
    2074000
    200400H
    Santa Thereza.
    Xao tendo comparecido numero legal de accio-
    nistas, aDm de funccionar a assemblea geral, con-
    vocada para hoje, sio do novo c.nvidados os mes
    mo3 senhorcs para reunirem-se no dia 17 do cor-
    rente, ao meio lia, no 1 andar da rua do Vigario
    n. 13. 0 ilm da reuniao e a apresentacao do pa-
    recer da corarafssSo fiscal, relativo as contas do
    anno passado, e bem assim pa^a tratar-se de ou-
    tros assumptos de inte/esie da companhK Na
    forma do ait. 16 dos estatutos, a reuniao tera lu-
    g>>r "otfinitivainente no dia 17 do corrente com os
    senhores accionistas que comparecerem, e suas
    decisoes obrigarao a toda coapanhia.
    Recife, 10 de setembro de 1874.
    0 gerente,
    Justine J. S.Campos.
    Imperial Sociedade dos Ar-
    tistas Mechanicos e Liber
    raes.
    Tendo sido santificado o dia terca-feira, 8 do
    corrente, foi transferida para sexta-feira a sessao
    ordinaria da presente semana.
    Santa Casa de llisericordia
    do Recife.
    Perante a lllma. junta administrativa desta San-
    ta Casa vai a Drar;,a em sessSo do dia 17 do cor
    rente, pelas 3 horas da tarde, o fornecimento de
    generos que forem precisos no trimestre de outu-
    bro a dezembro vindouro, aos estabelecimentos
    pios a seu cargo, exceptoo hospital Pedro II, cons-
    tantes da relacao em segu>da :
    Aletria, kilogrammo.
    Aguardente, lltro.
    Azeite doce, idem.
    Arroz, kilogrammo.
    Bacalhao; idem.
    Sanha de porco, idem.
    Ratata, idem.
    Cna hysson, idem.
    Cafe em grao, idem.
    Came secea, idem.
    Cebjlas, cento.
    Farinha de mandioca da lerra, ii.ro.
    Feijao, idem.
    Farel.lo, sacco.
    Furao do Rio, kilogrammo.
    Gaz, lata.
    Milho, sacco.
    Manteiga, kilogrammo.
    Potassa, idem.
    Rape, idem.
    Sabio, idem.
    Sal, lilro.
    Tapioca, kilogrammo.
    Toucinho, idem.
    Velas de carnriiba, idem.
    Velas slearinas, maco.
    Vinagre de Lisboa, litro.
    Vinho Unto, idem.
    Yinho branco, idem.
    Devocao de N. S. do Rosa-
    rio da igreja da M>> dre de
    Deus.
    Tendo a mesa regedora obtido licenca do viga-
    rio geral e provisor do bispaa'o para usar de in-
    aignias com o emblema da nossa padroeira, pelo
    Cenie convido a todos aquelles que fazem parte
    i devocao a eomparecerem no dommgo 13 do
    corrente, pelas 4 horas da tards, afim de assisti-
    rera a bencao e distribuicao da mesraas insignias.
    Recife, 11 de setembro de 1874.
    Francisco Jose Cbaves,
    Escrivlo.
    A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
    ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen
    to do assucar refinado de 2* e 3* sorte que teem
    de consumir todos os estabelecimentos pios a sen
    cargo, no trimeslre de ontnbro a dezembro vin-
    douro, e recebe propostas para isto na sala de
    suas sessoes, pelas 3 boras da tarde do dia 17 do
    corrente, devendo serem apresentadas as amostras
    perante a mesma junta, em frascos devidamente
    acondieionados.
    A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
    ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
    to da came verde que teem de consumir todos os
    estabelecimentos pios a sen cargo, no trimestre de
    ontubro a dezembro vindouro, e recebe propostas
    na sala de suas sessoes, pelas 3 horas da tarde do
    dia 17 do correme.
    A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
    ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
    to do pao e bolacba que teem de consumir lodos
    os estabelecimentos pios a sen cargo, no trimestre
    de outubro a dezembro, e recebe para iste propos-
    tas na sala de suas sessSes, pelas 3 horas da tar-
    de do dia 17 do corrente.
    Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
    cife, 10 de setembro de 1874.
    0 escrivao,
    Pedro Rodrigues de Souza
    Armazens da companhia per
    nambucana.
    Seguros contra o fogo
    A companhia pernambneana, dispondo de ex
    -ellentes e vastos arm'.ens em seu predio ao for
    te do Mattos, offerece-os ao commercio em gera
    para deposito de generos, garantindo a inaior con-
    servacao das raerciciorias depositadas, service
    prompto, prejos medicos, etc.
    arabem recolhera, mediante previo accordo, ex
    :lnsivamente os generos de uma 6 pessoa.
    Estes armazens, alem de arejados e commodos
    So inteiramente novos e aspbaltados. Uontoo j.
    ;upim, ratos, etc., etc,
    As pesseas gue quizerem utilisar-se destes ar
    mazens, pedorao dirigir-se ao escriptorio da com-
    panhia pernambucana, que acharao com queir
    tratar._______________________
    CONSULADO FROvLNCIAL.
    Por e.-ta reparticao se faz publico aos devedores
    dos impostos peitenceutes ao exercicio em liqui
    dagao de 1873 a 74, que no dia 29 do corrente tin-
    da se e pra?o marcado para o recebimenlo deseus
    debitos com a mulla de 6 OjO, ficando sujeiloss o
    que nao pagarem ate aquelle dia, a serem ajuiza-
    dos com a mulla de 9 OiO.
    Consulado provincial de Pernambuco, 1
    de setembro de 1874.- 0 administrador,
    ____________Antonio C. Maehado llios.
    CONSULADO PROVINCIAL
    Por esta reparticao se faz sciente aos conlri-
    buintes dos apparelhos, diffcrenca dos mesmjs,
    annuidades e encanamen'.os da "Recife Drainag-
    Company do semesire finds em dezembro de
    1872, que foi prorogado por mais dez dias utcis e
    recebimento que ora se proiede, terminando are-
    ferida prorogacao no dia 14 de setembro vin-
    douro.
    Consulado provincial, 29 de agesto de 1871.
    0 administrador,
    ____________Antonio Carneiro Maehado Rios.
    Pelo thesouro provincial se faz publico para
    quern interessar possa, que foi transferida para
    o dia 17 do corrente mez, para ser arrematada
    perante a junta deste .thesouro a obra da
    ponte de Moes sobre o rio Tapacura na estrada
    da Victoria, Dreads em 1:4854000.
    Secretaria do thdsouro provincial, 5 de setem-
    bro de 1874.
    Q secretario,
    ____________Miguel Affonso Ferreira.
    10MPA1MIA "
    DO
    BEBERIBE.
    A directo:ia desta companhia, declara
    aos Srs. concessionaries de pennas d'agua
    que todas as obras concernentes ds mesraas*
    s6 poderSo ser foitas corn sciencia da direr>
    toria e presenga do respectivo empregado ;
    isto para evitar os abusos que se dao cons-
    tantemente, e para que nao fiquera suiei-
    tos a"s multas competentes, manda fazer a
    preseDte declaracSo.
    Escripterio da companhia do Beberibe,
    3 de setembro de 1874.
    0 secretario,
    Luiz Manoel Rodrigues Valenga.
    ibHeo.
    Autonio Dommjoi Pinto
    Autonto Maria Gonzaga
    Antonio Maria do Rosario
    Abraoio Cuslrenvard
    Antonio Bernardino de Sena
    Alexandre Baebaman
    Altes & C
    Antonio Jose de Souza Guiraaraes
    .intonie Luiz T. Marqnes
    Antoolo Maria O'Conell Jersey
    Anlonlo Fernandas Ribeiro
    Antonio Barbosa de Bastos H
    Barboza & SimSes
    Brito Queiroz Rego k C.
    Bahia Irmios 4 C.
    Carvalho & C. Clara Benthriih
    Celestlno da Costa
    Custodio Floro da Silva
    Caetano C da CosU Ramos
    Caet* i O. da Cost*
    Camara Goimaries
    Cai*a FiHal do Banco do Brasil (saido)
    Domingos da Rocha
    David Selessie
    Eduardo Pretlnn
    I'adre Ernesto Ferreira da Cunha
    Francisco Simoes da Silva
    Francisco Menu
    P. H. Cardts
    Kraacisco de Pauli Sa Peixo->
    Felizardo da Costa
    Fi; P. Borges
    Francisco Guedes de Aranjo
    Francisco Manoel do Monte
    Francisco Goncalves da Silva Pereira
    Flonano Francisco da Silva
    Francisco Lniz d Oliveira Azevedo
    Guilherme Ferreira Pinto
    Gaspar Antonio Vieira Gnimaraes
    Isabel Maria da Costa
    Jose Gomes Vieira
    hi6 Maria Ferreira
    Joao Manoel da Costa Aranjo
    Joio Silverio de Souia
    J >se Nogueira da Cosia Soares
    Joao Antonio Ribeiro
    Joaquim Coelho Barboza
    Jose de Conto Guimaraes
    Jose Goncalves da Cruz
    Jose Thompson
    Joins Lilly
    Jose Felippe Martins
    Jose Luiz Ferreira da Costa
    Jose F. de Nazareth (africano)
    Jose Poriella da Costa e Silva
    Jose Fontes
    Joio P. dro Adour 4 C
    Joanna Maria dos Prazeres
    Joio Baplista da Fonceca Junior
    Joaquim Jose de Gonveia
    Joao Jose de Lemos Magalhies
    lose Joaquim da Silva (orpnao)
    Jose Francisco Barreto
    Krab Tom & C.
    Luiz Puech
    Lucrecia (escrava de L. Jose da Costa
    Amorim)
    Leocadio Joaquim da Conceicao
    Lourenco Jose Carvalho
    Manoel de Azevedo Canario
    Manoel Ferreira da Silva
    Manoel Jose Antunes Torres
    Maria Eleuteria
    Massa fallida de Francisco do Rego Mello
    Manoel Antonio de Azevedo
    Manoel Goncalves de Oliveira
    Manoel Alves Barboza
    Mauoel Antonio da Costa Brancanle
    Marianno de Souza
    Massa fallida de C. J. da Silva Guimaraes
    Maria Isabel da Costa
    Maria Isabel da Fonceca
    Manoel Antonio de Carvalho
    Manoel da Silva Sampaio.
    Pedro Vonshostem
    Pedro Maurer
    Raymundo (escravo de F. F. Borges)
    Robert Austin
    Raymundo Carlos Leite 4 Irmao
    Salustiano J. Lima
    J. Leon Ploeg
    Samuel Power Johnston & C.
    Salvador Rodrigues da Silva
    Thomaz de Aquiuo Fonseca Junior (her-
    deirosl
    Thomaz Fernandes da Cunha
    Theodora J. da Silva Braga lilha
    Thomaz Eabornc
    Victorino Augusto de Carvalho
    Victorino D. Alves Maia
    Massa fallida de Jose L. Pereira Junior
    Ferreira & Mariint .
    James Hutton
    4396
    244520
    144880
    8|360
    M46J0
    34320
    14050
    234980
    14170
    4320
    54890
    14010
    40
    44720
    1:9794190
    44#360
    44880
    294250
    34900
    14950
    64500
    104920
    84390
    164600
    8*360
    134650
    34900
    204470
    104900
    324700
    24300
    14170
    4030
    394000
    44040
    14950
    24060
    4090
    24760
    94090
    105330
    604700
    *i990
    254970
    24280
    84360
    164480
    274220
    204070
    314190
    4050
    394000
    34790
    34900
    244370
    74800
    2694180
    24920
    24560
    24170
    3*900
    64200
    174160
    64830
    824680
    AVISOS MARITIMOS.
    Libras eslcrlinas.
    Vendem Augusto P. d'Oli-
    veira & C.
    Rua do Commercio n. 4i.
    14950
    34900
    44260
    854800
    114380
    414U00
    14090
    214200
    1344960
    14760
    24410
    44870
    3900
    119250
    35900
    3 $750
    7*270
    S660
    71*250
    1S950
    4J290
    118330
    9 050
    22*730
    31900
    18i300
    54S6G0
    28M40
    17*720
    31*180
    11S700
    6J170
    B :07o
    49J680
    9r-nn
    7i990
    COMPANDIA PERNAMBUCANA
    DE
    Ivea;* costeira a vapor.
    MAMANGUAPE.
    Q vapor Coruripe,
    commandante S.ntos,
    segnirt para 0 por-
    to acima no dia 14
    do corrente mez, is 5
    horas da tarde.
    Dio-se bilbetes de earga ale" 0 dia 12 e de pas-
    saged, encomraendas e dinheiro a (rete ate as 3
    horas da tarde do dia da sahida : escriptorio do
    Forte do Mattos n. 12. ______________
    GHPANHU
    VlESSAGERIES MARITIMES.
    I.inliit moiisal
    ERYMANTHE
    E' esperado dos por-
    tos do sul ate 9 do
    corrente, seguindode-
    pois da indispensa-
    vel demora para Bor-
    deaux, tocando em
    Dakar (Goree) e Lisboa.
    Para fretes, encomraendas e passageiros : a tra-
    tar com
    OS AGENTES
    Harismendy Labille.
    9 Rua do Commercio 9
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    i*Vavega$ao oostelra a vapor.
    Maceio, escalas, Penedo e Aracaju'.
    0 vapor Jaguaribe, com-
    mandante Julio, segui
    ra para os portos acima
    no dia 15 do corrente, as
    5 boras da tarde.
    Recebe carga ate 0 dia
    14, encommendas, passa-
    e diaheiro a frete ate as 2 horai do
    sahida : escriptorio no Forte do Mattos
    Seiros
    ia da
    n. 12.
    Pacific Steam Navigation Comnam
    ROYAL MAIL STEAMERS.
    Companhia Fidelidade
    seguroe luaritiiuos o (orrestrcs
    A agenda desta companhia toma seguros ma-
    ritim s e terrestres, a premios razoaveis, dando
    aos ultimos 0 solo livre, e 0 setimo anno gratuito
    ao segurado.
    Sua do Visconde de Itaparica, antiga do Appolo
    n. 51.
    Feliciano Jose Gomes,
    ___________ Agente.
    FUNDjCAO
    C. Starr & C.
    Sao convidados os Srs. devedores a vtr
    satisfazer seus debitos, provenientes de let-
    tras e contas vencidas; sendo que nao 0 fa-
    zendo ate 0 dia 30 de outubro proximo vin-
    douro, serao vendidas em leilao. PoderSo
    comparecer ou mandar ao escriptorio da
    fundigao ou do testamenteiro H. J. Cannan,
    rua do Commercio n. 40.________ ________
    De ordem do Illm Sr. inspector da thesoura-
    ria de fazenda desta provincia se faz publico, para
    conhecimento de quem interessar, que no dia 26
    do corrente mez, pelas 2 horas da tarde, perante
    a juiita da mesma thesouraria, sera posto em hasta
    publica para ser a/rematado por quem maior lanco
    efferecer, 0 proprio nacional, denomioado Cala-
    bouco, silo a rua do mesmo nome, nesta capital,
    servindo de base para a arremalacao a quantia de
    3:1104, maior lanco oll'erecido na ultima pra(a.
    Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
    nambuco. 5 de setembro de 1874.-0 2 escriptu-
    raio, servindo de secretario, .
    Carlos J. de Souza Correia.
    (DE 4081 TONELADAS)
    t'ommandanle Shannon.
    Espera-se dos por-
    tos do sul ate 0 dia 27
    do corrente, e deuois
    da demora do costu-
    me seguira para lis-
    boa, Bordeos, e Liner.
    pool, para onde recebera passageiros, encommen-
    das, e dinheiro a frete.
    N. B.Nao sahira antes das tres horas da tar
    le do dia da sua chegada.
    AGENTES
    Wilson Rowe A C.
    14PRACA DO COMMERCIO1
    COMPANHIA BRASILBIRA
    DE
    MVEGACAOAVAPOR
    Portos do sul
    CERYANTES (fretado)
    5 mesas redondas, quadra*, jams para I
    petes, I carteira pan S pnmii, I
    pelbo oval, grande, 2 p
    pas, 6 Mpefcoa ovaes, l mam
    barn fraacexa.
    Dous aparadflras, mesas, aslisras, 1
    marqnezSea, caraas fraaenas de jjtea
    de amarello. maquiua para linpar faea*,'
    para costura, mesas do jugo, I qnaniiheira, I
    berco, 2 pistoias, 1 rel.)gio, 1 cam* 4a Cerro, I la-
    valorio com pedra deposito para agia, | gai?-
    da-ronpa, 1 eama de looa, grande, I caaa fe*
    ro, 1 ariaario, I balcao, 2 Venetians*. Iswf*, v,-
    dros, bandejas, coberUs para pratos, aaaait pan
    guardanapos, e muitos outrws objeclo* qae ertari*
    patentes ao cxame dos concorresHes
    no armazem da rua do Bom Jesus a. 10.
    Hoje
    0 agt-nle Pinto fara leilao, por eoata uriam
    de diver""-, dos mnveis < mais obteclos acim*
    mencionad.s, cxi-tentes no armaiem da rua 1
    Bom Jesus n. 10.
    _____ 0 I'-iiao principiara a 10 l|t horas.
    Agente Dias
    ^ovo leilao
    DAS
    mercadorias, arma^ao, candiesro a gaz
    mais utensilios '\isteutfs no estabele- -
    mento da rua. do Rosario da Boa-Vi--j<
    n -i'i, pertencontes 6. mrssa fallida .
    Azevedo <& Coelho
    Hoje
    is 11 h >rasda man hi
    0 agente Dias,.em ob?ervancia ao respe<'
    despacho do Illm." Sr. Dr. task especial do ectr-
    mercio, levara a leilio no dia e hor iadiea>.
    as mercadorias. annarao e mais Etensilios c
    acima se menciona, us qua-" fazem parte da ra*--
    sa fallida de Azevedo A CoeJba.
    0 raandado, contend) o ir.veotario daa mesou-
    e os respectivos precos, achase em poeVr do ag :.-
    le, onde d"sdej* pode ser eiaminad-i.
    LEILAO-
    DAS
    mercadorias ei stentes cm o estabcSecin:
    lode moliiadosda rua Duqui de Ca
    n. 40.
    Sabbado 12 do corrente
    AS 11 HORAS DA MAN Ha
    0 agente Dias, em ebrrvancia ao re*[eit
    despacho do Illm. Sr, Dr. juiz.especial d-> aaaaae
    cio, levara a leilao, no dia e bora acima dr-
    doc. as irercadorias existcutes em oe-tabeleci
    to indieaJo, as qn;.cs fazem parte da mas*a UC
    dc Joaquim da Silva Costa, e serio veadidas
    um ou mais lites, a v,>otade dos Srs. compr
    res. 0 man dado contendo o ioventario das nv
    m. do agenie, onde desde ja p > ser cxaminjd'"
    j
    .-
    '
    leilao
    E' esperado dos portos do norte
    ate o dia 17 do corrente e se-
    guira para os do sul depois
    da demora do costume.
    Portos tfo norte
    iiiA-ij-
    Cnmmandante CarlosGomcs
    E' esperado dos portos
    do sul ate odia 17 do
    corrente e seguira para
    os do norte depois da de-
    mora do costume.
    Para carga, encommendas, valores e passagens,
    trata-se no escriptorio
    7-RUA DO VIGARIO-7
    ____________Pereira Vianna & <'.
    "Pacific Htm feigalbn C apaij
    ROYAL MAIL STEAMER
    DE
    8 cavalios com andares em boaf can. r
    Sabbado 12 do corrente*
    No armszorn da rua da Conceicao
    n. 2.
    0 agcLtc Martins fara leilao nor eaata < r
    de quem pertencer, de 8 cavalljs proprios pa .
    sella o nrncsmj pa: a earro, chegados ha puueos du-
    do centr >, en boas carnes e algons comaac-
    res.
    W 11 boras do dia acimaa
    No armazem indicado.
    Terceiro

    C(ircovad.
    COMPAMHIA
    dos trilhos nrbanos do Recife
    a Olinda e Beberibe.
    Sulipas.
    No escriptorio desta companhia se com-
    pram sulipas de oiticica, com 9 palmos de
    comprimeuto, 9 pollegadas de largura e 4
    ditas de grossura.
    Laurenlino J. de Miranda,
    Gerente.
    ADMINISTRAGAO DOS CORREIOS Dtt PER-
    NAMBUCO, 10 DE SETEMBRO DE 1871
    Halaa a cxpedtr-se
    Polo vapor nacional Dantas, esta administracao
    expede malas para a Bahia, Scrgipe, Penedo, Ma-
    ceio, e Jaragua hoje (II).
    Recebem-se jornaes, impressos de qualqner na-
    tureza, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
    cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate" 3 1|2,
    pagando porte duplo.
    Affonso do Rego Barros,
    Administrador.
    (De 3,805 toneladas).
    Commandante G. IV. Coitlan.
    Espera-se da Europa ate o
    dia 13 de setembro e seguira
    para Bahia, Rio de Jneiro,
    Montevideo, Buenos A y r e s,
    Sandy Point. Valparaiso. Ari-
    ca, Islay e Callan, para onde
    recebca passageiros, encommendas a dinheiro a
    frete.
    N. R. Nao sahira ante? das Ires boras da
    tarde do dia da sua chegada.
    OS AGENTES
    Wilson Rowe A C.
    11PRACA DO COMMERCIOII
    MS
    fazendas, irmvr.*o e utcnsiliis p-r'-n
    ;i maasaialiiia de Antoni-i Machsdo
    Santes, esistenles n^ loja n. 5i, a ru-
    Tasseio Publico
    SABBADO 12 DO CORRENTE
    A's 11 horas damanha
    Por nuadaJD d. Ill B. Sr. Dr. juiz ll aMsi
    p-cial do eora :> rt-' I* cidid-, e a rej
    mento dosi n saaa nn*;
    agontel-'ii ..;.!. at f>.
    arma;".;; pi c aWama a [ :>"
    massa,servi base a quantia aa J.033
    ofcrta do sagnnd i! ilio
    Agente Pcstana
    Terceiro c ultimi
    I
    1.
    ^cilao
    ao
    0 brigue portuguez Triumpho, pretenfie seguir
    com muita brevidade : para carga e passageiros
    irata-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
    Fonceca & ., successores, rua do Vigario n. 19
    B\Mt
    LEILAO
    DA
    9.1 par.e do sobrado da rua Duquc
    xiai 'outrora rua do Queimado) n.
    IMassa fallida
    Perante. a camara municipal desta cidade
    estarao em praja nos dias 8, 7, 9, 10,11.1S, li,
    DE
    Amorim, Fragoso, Santos &
    Companhia.
    Sao convidados os senhores credores, abaixo de-
    darados, para receberem o ultimo dividendo no
    escriptorio a rua do Vigario a. 13, andar.
    0 pagamento e feito as quintas-feiras, das II
    boras da man ha a 1 da tarde.
    As importancias qne nao forem procuradas ate
    o dia 17 de setembro proximo, serao recolhidas aoj
    THEATRO k
    Santo Aiitonio
    Sabbado 12 do corrente.
    Pcniillima represenlarao
    pelos colebres
    Canipanog;olso^Escocezes
    Em, beneflciojde _
    It. C'lara. D. Soplila. D. draca e D.
    Ellaa.
    As beneficiadas, gratas ao acolhimento, protec-
    jao e sigoaes de sympathia que teem receb.do do
    gsneroso povo desta provincia, nao podiam dei-
    xar nesta occasiio de agradecer a este mesmo po-
    vo, protestaodo um eterno reconbecimento.
    Inda "ma vez appellant para estes mesmo ssen-
    timentus generosos, offerecendo-lhes este seu be-
    neQcio e convictas de que continuario a merecer
    a aniraacao publica. terao mais um motivo pa-
    ra a grau recordacio que Ievarao desU bemfazeia
    provincia.
    0 programma sera anounciado antecipada-
    mente.
    Os bilbetes desde ja estio a disposicio do publi-
    co, no hotel de France, a rua do Commercio.
    deCa-
    CO
    Tres sitios em Papacaga.
    Uma raobilia de jacaranda com um sofa, uma
    jardineira, dous consolos, duas cadeiras de bra-
    cos e doze de guarnigao, duas de balanco, uma
    mesa elastica, um guarda-louca, um aparador,
    dez cadeiras, uma mesa, um guarda-roupa, uma
    cama de ferro, um relogio de parede, um raosbo,
    um banheiro, oneanamento de gaz, \\i commoda,
    um santuario, um espelho e duas venezianas, uma
    carteira, nma marqueza, uma mesa, uma prensa
    de copiar, um cofre francez, uma mesa de pioho e
    om m>':ho.
    HOJE
    is 11 horas em ponto
    No armazem da rua do Bom
    Jesus n. 10.
    Cramer Frey & C., administradores da massa
    fallida de Bento da Silva & C, autorisados pelo
    Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial do commercio,
    levario a leilao, por inter vencao do agente Pinto, os
    bens acima descriptos, que fazem parte da referi-
    da massa, as 10 horas do dia acima dito, no arma-
    zem da rua do Bom Jesus n. 10.
    correr do marieRo
    DA
    rauito at traaaj KaaaCras, dc j
    mci a pr-gando 800 saccos (
    mil arroJ
    SABBADO 11 DO CORRMNTF.
    as 11 boraa esta pomto.
    Hi porta 2j Assorir;ao Commrcial.
    0 prepostn io agaata Pesiana fara leilSo,
    conta o risco d; rj-.vm pertencer, da l.arca^a
    Oral, comp'.etamcnt? nuva e suas pcrten; -
    prompta a navegsr para qualquer porto. a an-,
    se acha fundoada no caes do Ramos para' o
    pretendentes a podsr exsminar.
    0 mesmo prepjsU) avisa aos Srs. preteaden "
    que nao so vends a dinheiro como lambem a pr
    zo, e para mais informa'."ea na agncia de I-
    a rua do Vigario nencrio n. II.
    Agente Pestano
    LEILAO
    100 ganv .' :om revadinha e I
    com eominbos, dojcmbarcados
    menle
    SEGUNDA-FEIRA 14 DO CORREKTI
    as 11 boras eaa potato
    No armazem do Sr. Annes, defronte da
    tandega
    0 preposio do .-.g:nte Pcstana fara leilio
    conta e risco lie quem perteicer, de 100 far
    f5es com covaiiuha e 'i far Jos com comiabos. d
    embarcados ullh:iamenle, era ura oa mais I
    a vontade dos Srs. compradores.
    tare. -
    Leilao
    leilao
    e crystaes
    (cofre)
    DE
    moveis, louca
    e uma burra
    ao correr do marteBo
    A saber:
    Um piano de armario, de jacaranda, 1 mobilia
    de jacaranda, com 1 sofa, 1 iardinoira, 2 consolos,
    2 cadeiras de braeos e 12 de gnarnicao, 1 dita a
    Lniz XV. 2 serpentinas, 5 lancas para cortinados,
    DE
    FAZENDAS
    inglezas, iranceras, suissas eallemJs,
    continuario epor liquidario
    CONSTANDO DE :
    ChiUs escuras, algodoes, cobertores, moasuii-
    nas, camisas de linbe, ceronlas, pannos e ra---
    miras, protas e de cures, bombazinas, merwy -.
    Srosdenanles, espartilhos, cassas de cores, orfas-
    ys, cambraias brancas, brins braacos e de <
    brins pardos, Angola, ptcs para camisas, aarr
    Iins, chapcos, pcitcs de camisa, coUariakot, ct i
    les, lencos. tapetcs, rccias, capas de seda, vtat pa-
    ra casaacto, cnitas de ganga, damaseo aa Ik'
    algodao, riscadu3 pi.": !?>lcb6es, faztadas Ac Hal t
    proprias para seleiro, e murU: putraa taaaaaM
    Terga-feira 15 de aalembro
    No armazem da rua do Boa Jeans a. 6).
    Os administradores da massa falida satasjaa
    de Hello & C, autorisadoa pern asm. 9r.
    de direito especial do oomtaercto, easaaas
    dispor em leilJo, aj, mtervencio do i
    te Pinto, as ^mdaa penenoeotos i i


    i/uno dePemambuoG Sexta feira 11 de Setembro de 1874.



    sa,a existentes as trtmem darua do Bom Jesus
    B. 63, onde se efsckuu a o leHao.
    OsSrs. pretenientes podcrSo examinar n
    pera e dia do leilao a varied|fle a^rtim^nj^Mf
    mesmas (azendaa, al#nma
    despachadas e ree JaWm* ft a ft i ri
    LEILAO
    OE
    D cakoesde pirihc, vjizirl,
    . e 10 caixas de
    ziimojje flnrnrfts
    TERfA.-FEIRA 15 DCf CORRSETE
    a 1 hoi-a era panto
    <0 armazem da run do Bn Jesus n. 63.
    Por occasiao do lelUo da fsxendas lirapas e ava-
    riadas, pertenceules a massa fa] ida de Pereira de
    Mello & C
    LEILAO
    DE
    camisas do linho, lisas e bordadas
    AVAR I A DAS
    % Terra-feira |1& do cor rente
    a* 11 boras em ponto.
    Por intervencjlo da agentc Pinto
    No armazem da rua do Born Jesus n. 65.
    Por oc:asiao do leilao da fazeatas da massa fal-
    hda de Pereira de Melb & d, conforme esta aa-
    naociade.
    '>
    LEILAO
    DE
    jjiom. _
    mm dia IS do corrente
    OS wutuarios possuidcrea de cautalas \wcidas,
    cujos premios nao foram pagos, venham resgatar
    ou reformar ditas cauleiaa sob pen* de serem ven-
    dMas bo leilio que tori lugar m ala aeima desig-
    nado, aa casa de penhoies, a travessa da rna Du-
    qae de Caxias a, 2.
    AVISOS D VERSOS
    CRIADO
    Precisa-se de um criado,
    com urgencia, que d fiador
    a sna conduct a: no caes de
    apibaribe n. 40.
    V camari municipal.
    Pergunta-se quem 4 o encarregado de fa-
    zer a limpeza das ruas da freguezia de San-
    to Antonio ; ssa pergunta se faz por se a-
    charem as roas em pessimo estado de lim-
    peza, priucipalmente nos dias em que os
    taes varredores drzera fazer oservico. Vol-
    :aremos senSo houver uraa providencia.
    0 scnlinella.
    CASA DA F0RT1A.
    AOS 4:0Q0#0O(L
    BILHETES GARANTIDOS.
    1 rua Primeiro de Marco (outr'ora rua 6*
    CrespoJ n. 23 e rasas do costume.
    0 abaixo assignado, tendo veadido nos sens (e-
    !ize bilhetes um meio n. 8i6 com 700$000, um
    meio d. 2893 com 2003, um meio n. 3051 com
    100*000, um meio d. 25:11 com 10o*, e outras,
    sortes de 40a e 20* da loteria que se acabou de-
    ?xtrahir (115*), convida aos possuidores a virem
    receber na conformidade do costume, eem descon-
    o algum.
    Acham-se a venda os lelixes bilhetes garantidos
    Ja 6' pane das loterias a benefleio da igreja
    3a Casa Forie (116'j, quo se extrahira na terca-
    eira, 13 do correate mez.
    PREfOS,
    Bilhote iuieiro 44000
    Meiobilhete 2*000
    tH. POR^iO DE 1009006 PARA C1MA,
    . Bilhete inteiro 3*500
    Meio bilbete 1*750
    Manoel Martins Fiuza.
    Aluga-se
    Um armazem na rua At Cacimba : a tratar na]
    ua do Marquez de 01 in da. n. 35.
    Precisa *e alugar n n eseravo de meia idade
    7ue sa'ba trabalii2r de euxada e que seja jntelli-
    i*ente para vender taboleiro, e que do liador a sua
    :onducta na Carunga, eatrida da barreira, sitio
    aumero 2.
    ' Bons pianos.
    Gbegadoa de-sayo.
    Vcade-iic.
    Ti'o('ii-e.
    Nr> armazein do i*ap<.r (raucex, a rua do Oarao
    da Vic'-oria^oub'ora Nova n 7.
    MOBS LI AS
    dc Vimc c (le l-iia.
    Vende-te muilo era conla ; cadeiras avulsas, de
    balanco, de bracos e de dobrar : no armaiem do
    vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
    ra Nova n 7.
    Perfumarias.
    Finos extractos, banhas, oleos, ojiiata e pos den-
    triilce, agua de (lor de laranja, agua de toilete,
    divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
    crosmeticos, muitos arligo delicados em perfnma
    rla para presentes em frasccs de extractos, caixi-
    nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
    d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
    dos bem cobhecidos fabricates Piver e Coudray,
    No armasem do Vapor Francez, a rua do Barao
    da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
    Qiiinquilnarias.
    .rtl;oa de diflerentes gestoa c
    phantazias.
    Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas,
    canivetes, caixinhas de coslura, albuns, qaadros,
    e caixinhas para retratos, bolsinbas de velludo,
    dita.de couro, e cestinbas para bracos de meniaas,
    chicotes, bengalas, ecufo, pencinez, ponteiras para
    chamtos e cltjarros, escovas, pentes. canetriatia de
    madreperoia, tapete para lanternas, malas, uolsas
    de viageas, venesianas para janellas, esterioco-
    pos, lanternas magwas,cosmoramas, jogos da gloria,
    de damas, de bagatella, quadros com paisagens
    globos de papel para illominacSes, macbinas de
    fazer cafe, espasadores de palhas, realejos de veio,
    accordios, carrinhos, e bercos para criaBcas, e
    oatras muitas quinquilharias.
    Brinquedos para meninos.
    A maior variedade que se p6de desejar de to
    dos os brinquedos fabricados em differntes partes
    da Europa, para entretimeBtos das criancas, todo
    a precos mais resumidos que e possivel: no ar-
    mazem Co Vapor Francez, rna da BarSo da Vic-
    toria outr'ora Nova a. 7.
    Calcado francez
    A 9^
    Botinas para homem
    ^Acabam de ehegar grandes jacturas de botinat
    de bezerro, de cordaVao, de pelica. de tiuraqut
    com biqueira, de bezerro com botoes, e com ilho-
    tes a 9jjK)00 (a escolher) por ter vindo grande
    quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
    ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao dt
    Victoria (outr'ora Nova) b. 7.
    Para aenhora.
    BOTINAS pi etas, brancas e de cores, diflerentei
    Hsas, enteitadas e bordadaa.
    SAPATINHOS de phantasia com sal'.o, brancos,
    pretos e de cores differentes, bordados,
    SAPATOS Para naeninas.
    BOTINAS retas, brancas e de cores differentes,
    lisas, enfeitadas e bordadas.
    ABOTINADOS de diversas qualidades.
    SAPATOS de tranca portuguexes.
    Para meninos.
    BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
    A BOTINADOS e sapatoes, de bezerro, de deversas
    qualidades.
    SAPATOS de tran?a.
    Botas de montaria.
    Botas a Napoleao e a Guilherme, perblr
    meias perneiras para homens, e meias perneira
    para meninos.
    No armazem do Vapor Francez, a rna do Barai
    da Victoria n. 7.
    um.
    Roga cA- "|4ojS qneiJWei) n s abai-
    xo assignad.<-*|te tiajam de vir oa man
    darem p'gat os i-eus uefiit':s de csrnei
    Verde', <1-:ntro Jo praro de 10 4laiS ion-
    i.i.'ii.i desta ddta, s.t> pena de ntcmpii-
    laVarin os seua nomnj neste j jrual we
    oue s;:<\ (again os ditos debitos : podem
    dirigirse a rua do Rangel n. 35, ou na
    rua da Am^ra n. 13, 2- andar. Recife, 7*1
    de setembro de 1874.
    Felippe Pomares C.
    ^^ -^^ ^^ ^P*. ^9T\ 7^K ^K ^W ^K ?ft^ ^m^ ^H y^^ ^*
    f CONSULTDRIO *
    HEMCO-CIRL'KCICO S
    ^ DO
    a Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso ^
    PARTEIRO E OPERADdfi
    lua do Vigconde de Albuquer-S
    MOFINA
    Estd encouraQado !!!
    *
    Men. S9.
    ESPECI ALIDADE
    Molest!** de lenhorai e
    mrnlnon.
    Consnltas das 7 Is 10 boras da ma-
    nha, todos os dias.
    Das 6 as 8 da noitc, nas segUcdas, quar-
    tas e sextas'feiras.
    Os 6oentesqne mandarem os sens cha-
    mados por escripto at 10 boras da ma-
    nha serao visitados em snas casa*.
    *
    I
    i
    *
    ***** *********
    O Monte Lima
    lem um complete saflimeato de galao e franja de
    onro e prata, verdadeiro,. de todas as largnras,
    abotoadnras douradas para offlckes, canutilhos e
    enfeiles para bordado. Tambem se encarrega de
    todo e qualqner Tardamento, como seja : boaets,
    talias, pastas, espadas, dragoaas cbarlateiras, ban-
    das, abotoaduras lisas e dtmradas, para triado,
    etc.; assim como um compteto sorttannto de
    ranjas, galao (also para ornaroento, cordao deli
    com borla para quadros e espelhos (conforms o
    gosto da encommenda) tudo por mnito menos
    preco que em ontra qaalqaer parte : na praca da
    Indeuendencia n. 17, jento a loja do Sr. Arantes.
    Agaa mule em pedra dura
    Tnafa 14 ate que a turn
    Uofa-*o* mm. Sl ignacio Vieira d M?ii
    ?*crirao na cidad* de Nazareth d-su [.rPvir.ia,
    fa'or (. vir *. rua Dunne de ra<*-. a. 36, a con
    iivr aquelle oegneiv que ~>. S. .-o coi-jpiofrietleu -
    -;.alisar, pela tutt-lrk rhama&i dc.-te iornal, ea.
    bbb de dezernbro de 1871, d depoia para Janeiro,
    Pob a.fevereiro e abril de 1871,e nada enjoprio;
    I por este motivo e de anvo chamado para diu
    am, poi S. S. se deve lembrar que este negocio
    le mats de oito annos, e qnando o Sr. seu Slho u
    achava uesu eidada. '
    JoaQuiiu Johc Rodrig;ues da
    Canha.
    Jos6 Francisco Lavra Penna e sut
    mulher, repassados do maior pezar
    pela noticia do fallecimento do ses
    amigo Joaqnim Jos6 Rodrigues da
    Cunha, no dia 17 do mez proximo
    passado, na cidade de Lisboa, con
    vidam as pessoas de sua amisade
    para assistirem a missa que mandam celebrar na
    igreja do convento do Carmo, as 7 horas da ma
    nha do dia 14 de selemhro, por cujo obsequio
    ennfessam f-ternamente grains.
    Anlonio de Az^edo Viliarooee.
    Pelo present? sae coavidadoi os afilhados e all-
    .nidas de Antonio de Azevedo Vil.'srouco, (alle-
    :ido em Portugal no mez de outubro de 1873, a
    ipresentarem dentro do prazo de60dia<, aeon
    tar de-;ta data, a certidio seu naseimento, era
    "ata do abaixo assignado, testameoteiro instiiuido
    ilo dito (alleeido, aQra do qnc sejam devidameote
    Utendidos na partilha 'a que tern de proceder-ee
    :om a precisa igaaldade, le accordo com a d'spo-
    iiQao testamentaria. Reci(e, io de setembro de
    1874.Man e! Azevedo Ce Andrade.
    Caixeiro para li\Taria.
    Precisa-se de um caixc m que tenha boa lettra
    e alguma pratica de Iivr; ria : na rua Primeiro
    deMareo d. 2.
    VELOTJTINE
    B UMA EISPECIK DB
    POS de FLOR de ARROZ
    Especialmente preparedob com BISMUTH
    e por consegninte d'ntoa accao aandavel
    soDro a pelle.
    K' ADHKRKNT3S e totalmente HfYI-
    SIVKL, dando & pelle nma freaenra e
    aveludado natnraes.
    Preco da Caixinhit com borla 6 fr., em
    caaa deCb, FAT, 9,medelaPaix, Pariz.
    Depoeitoem Pema.nbueo, A. REQORD.
    ciu-iilcciiroiict .!;io Valccitim
    T'ileila.
    Isabel Ignacla de Gusmao Vilella,
    sous filhose genros agradcCem pro-
    (andanente a todos os parentes e
    amigos quo se dignaram dc acom-
    panbar ate o ultimo jazigo os restos
    morl.ies de seu sempre ciiorado es-
    poso, pai e sogro, o tenente coronel
    Into Valentin) Vilella ; e aproveitando o ensejo,
    rcgam a todos os parentes e amigos do mesmo se
    sirvam assistir as missas de requiem qae, na igre-
    ja de N. S. ib Carmo mandam resar as 7 horas da
    manna do d:a li do corrente, setimo do passa-
    meato. ___^^_
    iiaa-ia Nernjtleina da il^a
    Joaqoim Pires da Silva, Jose Caetano Pires da
    Silva, Maria do Carmo Rodrigues da Silva agrade-
    cem a Mas as pessoas que se dignaram assislir
    no cemiterio publieo as exequias Icitas a eua pre-
    sada irmi e cunbada Maria Serephina da Silva ;
    e de novo as convidam para as-i?tirem a missa do
    setimo dia, a qual tera lugar na igreja da Gloria,
    no diasabbado U do corrente, pelas 8 horas da
    manha : e de3de ja agradecera aquelles qne se
    dignarem ascistir a este acto de caridade.
    Antonio Alarques u Aiuonm e sua fainilia pe
    dem as pessoas de sua amizade e parentesco para
    assistirem na terca-feira, 15 do corrente, pelas 8
    horas da manha, as missas que devem ser celebra-
    das no convento do Carmo desta cidade, por alma
    da digna e virtuosa esposa de seu particular ami-
    go o Sr. commendador Victorino Pinto de Sa Pa9-
    sos, do Rio de Janeiro ; e faieado extensivo este
    conyite aos amigos do mesmo Sr. Passos, Ihes fi-
    cariio extreraamente agradeeidos por este obse-
    quio.
    smwammmmmmmmmmmmmrnvtif^iv-^^1-' -
    Gertrudes de Oiiveira Mello Silva convida a
    O A fl> V4H. % MO
    Alfonso de Albuquerque lello
    incumbe-se de promover cabrancas amigavel
    ou judicialmente, assim como tie outros negecios
    concernentes a sna profissao, nos lugarcs proxi-
    mos a linha (errea, e nos outros terraos pro imos
    a esta cidade; para cujo aaxilio tern o annun-
    ciante 3olicitadores habilttados e probos, respon
    sabilisando-se no entanto pela boa gestao e conta
    do qu9 Ihe (or confiado.
    Mediante modico honorario acode aos chmados
    para diligencias ou consufeas (bra da cidade e do
    termo e incumbe-se da defeza de appellacoes ante
    o tribunal da relacjio. Pode ser procurado de
    meio dia as 3 horas da tarde em seu escriptorio
    tprna do Dnqoe de Caxias n.37.
    JARDI1H DAS PLASTAS'
    Area da Ventura n. SS (Capunga)-
    Ahi se eneontram:
    Larangeiras celecta e de umbigo enxerladas a 3*
    Sapotiseiros e sapoteiros em vasos, de all
    palmos e ate ja com flores para dar (ructo, alem
    das seguintes plantas de ornate e de (ruoto por
    preco murto commodo.
    Abacati.
    Acacia.
    Ariticum a p6.
    Canella.
    Casuarina.
    Carolina do princi^e.
    Condeca.
    Cora^ao da India.
    Figueira.
    Flamboyant.
    Fructa-pao.
    Inga do Para.
    Jamba.
    Jasmim laranja.
    Laranja da China.
    Uita do ceo.
    Dbaia e outras mvitas.
    Laranja cravo.
    Dita de doce do Para.
    Dita branc.
    Dita tangerina.
    Lima da Persia
    Dita dbig.
    Liraao (ranccz.
    Dito doce, enxerwdo.
    Oiticorn.
    I'almeira iprial.
    Parreiras.
    Pinheiras.
    Romeiras.
    Rociras.
    Rozeda.
    Ubaia.
    Preservative fa Eryslpefe
    Descoberto pelo ftacharel
    ianoel de Slqueira Ca\a!eaii
    Tendo o Governo Imperial permittido ao des-
    cobridor Vender aquelle mediramento, o publieo
    04 tem a sna di.posi< ao.
    Deposttos ualcoa.
    WjMslie : rua do Barao da Victoria (rua Novai
    n. 40, casa do Sr. Rocba Sinneira /
    lo de Janeiro : Cortei rot doOuvidor
    n. 78.
    0 Prjservativo da erisypela ja e bem eonbeoi-
    nO : tntretanto trantcreve-se para este annnncio,
    do Jornal d Commewcia do Rio, os attestados in
    !ra.
    Queiram os Srs. doeates 01 ler, e ver por
    quem estio olles assignados.
    Inspector da saUde pnblica em Pernambneo.
    Em comprimento do despacho de V. Exc. aobre 0
    requerimento do Dr. Manoel de Siqueira Caval-
    canti, tenho a informar 0 seguinte : Acho josla
    a pretencao do supplicanie, porquanto 0 sen me-
    dicamento preservative da erysipela tem da-
    do muitos bons resultadbs, nao so nesta cidade,
    como na corte, onde die tem sido applicado com
    vantagem e e procurado. A preparacao dellec
    simpks, por sertintura de uma so plant a. JO
    inspector, Dr. Pedn> de Athayde Lobo Moscoso.
    Declaro, por ser verdade, que padecendo de ery-
    sipela, (ni-me dado pelo Sr. Manoel de Siqueira
    Cavalcanti um medicamente, do qual fazendo oso
    por algnns dias aunca mais. ate hoie, me tornou a
    accominetter essa enfermidade. Por me ser pe-
    dido passei 0 presente, por mim (eito e assignado-
    Rio de Janeiro, 16 de juubo da 1874. Duque de
    Caxias.
    Atlestu, que teudo empregado 0 medicamente
    dymnamisado, que no* foi (ornecido pelo Sr. Dr.
    Manoel fie Siqueira Cavalcanti para 0 tratamento
    da erysipela, colhi sempre resuttados supenores
    aos de todos os medicamentos conhecidos.Em tes-
    temnnho da verdade, e por me ser pedldo, flrmo
    0 presen'e. Rio de Janeiro, 13 de janho de 1874.
    Dr. Saturnino Soares de Meirelles.
    Concordo perfeitamente com 0 parecer 9apra.
    Or.Joaquim Josi 4a Silva Pinto.
    O abaixo assignado, doutor em medicina pela
    (aculdade do Rio de Janeiro, cirnrgiao-mdr de
    'brigsda hoaorark) do corpo de satide, cavalheiro
    da imperial ordem de Christo, etc.
    Attesta sob juramedto de seu grao, qne tendo
    osado de um medicamente que lhe foi (ornecido
    pelo Sr. Dr. Manoel de Siqueira Cavalcanti, de-
    nominado Preservative da erysipela tirou
    sempre 0 merhor resultado possivel, de sorte que
    os doentes ate hoje nao foram aoemmettidos das
    erysipelas, quesoffriam freqnentemente. Rio de
    Janeiro, 19 de junho de 1874. Dr. Jose Lino Pe-
    reira Junior.
    Tiveem 1871 dez erysipelas em nma perna, (ni
    a Europa, e considerei-me curado, voltei ponco
    depois, tive novo ataque ; tomei 0 temedio Preser-
    vativo da erysipela do Sr. Dr. Manoel de Siqueira
    Cavalcanti, e cessou a molesha, ha mais de nm
    anno. Creio ser isto effeito daquelle remedio." Rio
    de Janeiro, 13 de junho de 1874.Barao de Cabo-
    Frio.
    Gratis aos pobrea.
    /9ii\
    OiBsiiilorii medico
    DO
    l>r. MnrllU.
    RPA no Vir.M'.in \ 1,5. AMiAR.
    Raiwi dwnaa < Bna,*ds> fr>-
    q.1iiu ;i-pir^.'- *V ".n> -; ludrsh,
    iio-fc r 1 pr- iMnl a .|*lin r h..r 4>.
    ..ia 'ii i--ii 4e u pro-
    Conmha*; da4 a H hfir 4a nihi
    do MMio dia a <1ii.i> tmra* AO PDBLIGO
    GRATIS AOS POWMH.
    Bspecialidadet: V da peile d criaM.A
    Joao GtnvU de C.rvalli\ ati do-se desligaito da oci>(liiie in mm r, mmc
    exfotme a roa do Raran da Vk-t^ria a. *". a
    ratio de Aranjo, Carvalho A. t, *- ivtrrmm-
    te estabrlecido na sna art*, a rna do Marqn** d-
    Olinda a. 46, I* andar, aoade os e-
    (regm-zes o rnconirari* pronipio para nfiU:
    (|'ial'P.i-r obra tendente a mi art*. eo*a prnr: -
    pr mplid.io.
    I
    (jomedorias
    Ao comraercio.
    0 abaixo assignado teado s-.cado nma lettra a
    favor de Andre1 Cnelho Cordeiro Cintra, e aceita
    por Francisco de Paula Cavalcante Lias, a quatrc-
    mezes, a veneer em 10 de Janeiro de 1875, de-
    claro que ninguem fara transaccao alguma, sob
    pena do nullidade.
    Recife, 8 de satembro de 1874.
    Antonio Luiz da Silva Junior.
    Ao publieo.
    Somente em atten^ao ao publieo responde 0
    abaixo asgoado ao annuncio do Sr. Antonio Lniz
    da Silva Junior. E' (also que esse senlior tenba
    assignado como sacador em uma letra que pos-
    suo, a (avor men, mas sim do Sr. Francisco de
    P.'.ula Cavalcante Lins, aceitante da mesma le-
    tra. 0 Sr. Antonic Luiz nao d'clara porque seja
    nulla a letra, qua possuo, e desde ja advirto a
    esso senhor, qne nao serd 0 seu annuncio quem
    haja de invalidar a letra nem fazer com que esta
    nao seja pratestada na occasiao do vencimento,
    caso nao seja paga.
    Recife, lo de sjtembro de 1874.
    Andre Cordeiro Coelho Ontra.
    LIVROS A VENDA.
    No primeiro andar desta typograpbia em
    mao Ao administrador, vende-"se os seguin-
    te livrinbos
    matnto Esperto dialogo ins-
    tructive, critico,. analytico, bistorico e mo-
    ral, entre um matuto e um liberal por 500
    rs. cada exemplar.
    EdncacSo Familiarromance, e
    uma serie de leitura, 2 volumes por l?J000.
    Martens, mauuel diplomatique1
    volume por 1JP000.
    Obras de Hablycompletas 12
    volumes por 89000.
    Blgnon-obra completa4 volumes
    por 25000.
    FritotEspirit do Droit1 volume
    por 19000.
    , VatelRroit des Gens2 volumes por
    20000.
    F. BorgesEconomia Politica1 vo-
    lume 1500.
    FieldingThe history Tom Jones2
    volumes 3^000.
    BavoueDes conflits2 volumes 35.
    Histoire Fcclesiaslique6 vo-
    lumes 65000.
    BousseauMelanges6 volumes 39-
    BeusseauPieces diverges4 volu-
    mes 29000.
    E. A. DELDCHE
    24-Riia do Marqiicz dc Olinda -24
    Esquina do beeco I>nrgo
    Participa a sens (reguezes e amigos que mudou
    o sen estabelecimento de relojoe ro para a mesma Prepara-se comedorias para qnalqaer p***(\
    rua n. 24, oade eBtontrarao nm grande sortimento man'I'ndo se levar em "nas tn de relogios de parede, americaBos, e cima de me- !e' e mai* era co,,,, *' I** rm oatr qnlTO-
    sa, dos melbores gostos e qnalidadrs, relogios dt nar,e : I"'"'" qnitr exp-rtm-^ntar, pole vir cna-
    algibeira, de todas as qualida es, patente suisso, traUr 0) wbrado da fl irista. aa rna e
  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EG3N85ZNW_61VJVC INGEST_TIME 2014-05-28T00:29:04Z PACKAGE AA00011611_16501
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES