Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16498


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMMO L MWEBO 203
*:-; A oTdii
f> ,

IV'
I
>
*
PABA A CAPITAL B L.UG4RE9 OXDE N.iO NKPlGl PORTOL
sror tres mev.es adtaotados........... 6CO
forum anno idem...................awo#
............... 32
Cada nwnero avulso
... :j
SEGIINDA FHM 7 DE SETEMBRO DE 1874
PABA DKV1RO B FORA DA PROVINCIA.
Por toes meies adianudos............. Jr7W
Por sew duos idem................. lttSflft
Por ine ditos idem........... 909310
Por oa anno idem. .'.".* ." ." ." .' .* ." 871000
PROPRIEDADE DE MANOEL Fl
I; Ibton
* FILHOS.
_______________________________ A'"'Fem'r""'*""'-Goj^iJoi. Aatouol|Mheo,rofil>rjMm)>M. A1,*C..M )Hhu,.A.X.,ierUit.4C., Bio lain-
i ---------------------------. ------- V---------- i in,______________ __________
Antonio Marque* da Sura, Natal j Jose* Justiao
PARTE OFFICIAL.
(veruu da pi-oviaciu
EXPEDITNTE D: DM II D': ABOIL DE 1874.
1." secriw.
Ado
O presidents d* provinci:, alien Jen Jo ao que
requereu Quirino jxijuim Madeira, resolve con
ceder-lne licenca para ir an presilio de Fernando
da Noronha, com a ouiicio de regressar no mes-
iao vapor em que for, e bem assim levar em sua
companhil oageneros coustanles da relacjio junta,
assignada pelo seeretariu da presidencia, os quaes
nio poderao ser desembarea 1 os sem qae por
parte do comm in lr.ite daqu-dle presilio se pro-
ce-la a exame, ali;n de.se veriikar si ha aguar-
dente ou outra qual juer bebida espirituosa.
(3!ikio :
Ao Exm. brigadeiro commandante dis annas.
Deferindo o reqaerlmeeto do Gorgerio Jos6 da
Silva, recommendo a V. Exc. qua mande annullar
o assentamento de pvaca do manor tiltio do suppli-
oaate, Firmino Jose da Silva Burgos, o qual sem
<> assentimenlo palemo alistou se no dia 20 de
marco ultimo voluntariamente coin destine ao 18
toatalhiode infant ir:a.
2.' ucgSa.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. Afim de ser ins
peccionado e sentar praea em am dos corpos de
i* linha, expe^a V. S. suas orJeas para ser apre-
.-eatado ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
iaas o liberto Jnstioo, qua seacha recolhido a casa
de detencio, e cujo exsennor, renunciando a pres
ujao de servicos a qae era elle obrigade, o offe
rece a esta presideu-ia com a condi;ao le servir
no exercito.
Ao mesmo Para qua possa rasolver 9obre
a proposta de V. ?. pm ofDcio U. 496, de hoa-
lorn datado, preciso se fa* que sejam melhor dis-
riminados ot limiies do9 districtos de Pimentei-
ras e Periperi, do lenno do Bonito.
Ao mesmo. Afim de que se juote uraa
coot a especiflcand) a deipeza diaria, devolvo a
V. S. o recibo junto em duplicata da quantia des-
peodida duraate o mez de marfo ultimoj com o
foraecimanto d'agua e luz para o de>;acamento
do termo de Itambe, de que trata o seu offlcio de
i 1 do corrente, sob a 487.
Ao commandan'.e superior de Olinda e Igja
ra?sii. Accasando o recebimento do oftlcio de
V. S., de 17 de marci ultimo, em que consulta a
respeito da pessoa qae deve deferir jaramento aos
offlciaes nomeados para o 2 batalhio de reserva
da guarda nacional sob o seu commando supe
Ttor, lenbo a dizer-llie que e competente para o
fazer o respectivo tenenie-coronei commandante
dessc bataihao, e em sua falta o capitio mais an-
tigo, devidamente. jurrmeatado, o qual pode assu-
mir o exercieio do commando do mesmo b-.t~.lhao.
Ao commandante superior de Bom Conse
llio, Garanhans e Br.i jue. Acouso o recebimento
do officio de V. S., de '. de maroo ultimo, e da pro-
posta que oacompanhju do tenentecoronel com-
mandante do bataihao de infantarian 22 da guar-
oa nacional sob o sea commando. Nao constaado
ua matricula existente na secreuria desta p.-esi-
iencia que o capita- da 2' companhia do dito ba-
lalhao tivesse passagem, notando qae nesta mesraa
cxmpanhia acha-sf com o norae trccado Pedro
I rquinza de Carvalho Cvalcante; qae na 31 a
vaga para que e propasto Antonio Cavaloante de
Albuquerque Feio esiapreenchida pelo alferes Ma-
noel Ferreira Barbosa desde 14 de nnr-o de 1868,
e flnalment3na 4" :>mpanhia, que, niio verificau-
do se a nomeagJ* daquelle alfere* para capitio
da 2a, nao existe nesta a vaga de tenente para
Manoel Carneiro de S >uza Dautas, o assim na 3'
companhia, para o guarda Luiz T-'mrio de Sa
t'avalcanti ; devolvo a dita proposta para que
vanha com as devidas alteracoes.
Ao commandante do coi-po dj policia.Pode
Vmc. engaiar no corpo sob o sen commando os
paisanos Joao Caroline d'js San'.os e Joao Jose do
Nascimento, como soii'tita em seu officio de 11
('' corrente, sob n. 107.
3.' serrdo
Acto :
0 presidente da proviucia, tendc em vista a de-
in -ira^ao que remetteu o inspect ir d.i thesonraria
di fazendaem offlcio de 28 de marco proximo fin-
>, sob n. 81 aerie G, resolve antorisar sob res-
ponsabilidadedarn3i.nl prefidea^ia, nis termos
do dacreta n. 8,884, aj i de bvereiro de 1862, um
credto supplementar on ImpDrtansia de... .
dj':836*303, afim de que possa a meneionada the-
sooraria ellectuar os piganentos das despezas
G. assim Ih'o communioo para 03 fins conve-
uentes.
Ao mesmo.Tendj, a vista o offlcio de V. S.,
de II do corrente, sob n. 192 serie G. revelado
J.>3epha Maria Pereira, das multas que Ihes foram
imposlas pelo collector do Cabo por nao ter dado
a matricula no prazo legal os ingenuos Justiao e
Manoel, assim o declaro a V. S. para os Qns con-
venientes.
Ao Tnspectar da thesouraria provincial.
Communico a V. S para sua sjiencia que n'esta
data autorisei a repati.;aa das obras publicas a
contractar com o tenente coronel Maooel Francisco
de Souza Leao o quebraraento de pedras no 3* e
4 laaeos da estrada de Goianna a Pedra de Fogo,
da qual o mesmo Souza Leao 6 contractante ; de-
vendo estipular-se que o prego do metro cubico
das peJras quebradas a polvora sera de Si e o
das que forem a picareta de 2^, fieando o contrac-
tante obrigado a renovel as para fora do leito da
estrada.
Ao mesmo.Para satisfazer o disposto no avi
so do ministerio J >< negocios da fazenda,' da 15 de
abril do anno passado, reitero a Vmc. ;a exigencia
feita em offlcio desta presidencia de 9 de maio do
mesmo auno, da copia do contracts eelebrada com
a empreza de canalisacao d'agua potavel da cidado
de Goianna, e informacao a respeito dj citado
aviso.
Ao mesmo.Annuinlo ao que soliciton o Dr.
chefe de policia e.n offlcio de honlem datado, sob
o. 498, recommendo a Vmc. que maade pagar a
Zicharias do Sauta Izabel, fornecedor dos presos
pobres da cadeia de Garanhuns, a iraportancia das
despezas por elle f itas com taes presos durante os
maze*, indicados nos offluos desta presidencia, de
18 da fevereiro e 17 de marge deste anno, visto
acharse ausente o procurador do mesmo fornece-
dor Joao Baptista dos Guimaraes Peixoto.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar ao delega-
do de Floresta, conforme soliciton o Dr. cbefe de
policia em offl.'.io de 23 do mez fiado. sob n. 415,
a quantia de 384200, em que, segundo a relagio e
coata juntis, importou o fornecimento de sustento
dos sentenciados Benedicto Gongalves Torres e Jo-
viao Nuoes da Silval durante o tempo decorrido
de 17 de novembro do anno passado ao ultimo de
fevereiro do corrente.
Ao mesmo. A Genuino Jos6 da Rosa mande
Vmc. pagar a quantia de 129*. constante das re-
lates e comas juntas, proveniente da despeza fei-
ta duraate os metes de setembro do anno passado
a fevereiro ultim- com o sustento dos presos pobres
da cadeia do termo de.Agna Preta, conforme soli-
citou o Dr. chefe de policia em offlcio de lido
corrente, sob n. 490.
Ao mesmo.1'ransmito a Vmc. a inclasa peti-
cao dos presos pobres que estiveram recolhidos
na cadeia do termo do Limoeiro durante o trimes
ire de Janeiro a marco ultimo, e foram fornecidos
de sustento pela respectira eollectoria.
Ao mesmo.A' vista do inclnso recibo em
duplicata, mande Vmc. pagarfao tenente quariel
mestrs do corpo de policia. Antonio Jose de Souza
i4itas,no actual exerclcio por conta da verba pre
siding e cMonias militaresi do ministerio da guer-
ra, pois quo aeba-se extiucto o credit > votado
aquella verta.
Offlcios :
Ao inspector da the; toraria de f.tzenda.Re-
mstto a_ V. s. para seu conheeimento e devida
execu';ao copia do a.-.o de hoje, pelo qual r^olvi
abrir um creJito supplementar a verba presidios
e colonias militaresi dj miniiterio da guerra, na
importancia de 63:836*303.
Ao mesmo.A pessoa qae s? DMStrar com-
petentemento autorisa la man le V. S., em vista da
reiagio, folha e pret junios em duplicata, pigaros
vencimentos do dasiacamonto da villa do Gara-
nhuns, relatives ao mez de fevereiro deste anno,
como solicitou o respectivo commandante superior
em offlcio de 12 d3 marco ultimo, sob n. 22.
Ao mesmo.De conformidade com o que so-
licitou o in^poitor do arsenal de marinha em offl-
cio de 10 deste mes, sob n. 863, rnande V. S. pa-
gar an empresarios da illuminacao publica desta
cidadea quantia de 1:277/1 em qae, segundo as
inclusas coalas, importou o gaz consamido no se-
iuestre decorrido de dezembro do anno passado a
maroo ultimo com a iliuminacaj da casa da ins-
p'fecao e a do mesmo arsenal.
Ao mesmo.A' vista das relacoes, folhas e
pret juntos, mande Vmc. pagar a pessoa qae se mos-
trar competentemento habilitada os vencimentos da
do mar^o proximo undo, como solicitou o respec-
tivo commandante superior em efflcio de 3 do
corrente.
Ao mesmo.Aonuindo ao que solicitou o
coiamaudante da corveta Vital rfc Oliveira em offl-
cio desta data, recemmeodo a V. S.que provinden-
cie afim de que se effectue com brevidade a con-
venient das folhas de pagamen'o dos offlciaes
e praeas da mesma corveta, as quaes foram apre-
s-jntado nessa thesouraria.
Ao mesmo.Para os fin3 conveuientes com-
munico a V. S. que em 21 da margo ultimo assu-
mio o'exercicio do cargo de juit municipal e de cr-
phaos do termo de Cimbres o respectivo 2 supplen-
to Francisco Alves de Siqueira Mello. conforme par-
ticipou o Dr. juiz de direito em officio de 24 do
citado mez.
Ao me-:mo.Para seu conheeimento e tins
convenientes declaro-lbe que nesta ] lata relevei
Antonio Joaquim Cavalcante d'Abuquerque da mul
ta que Ihe (oi imposta pelo collector do Cabo por
nao ter no prazo legal dado a matricula a inge-
nua Cecilia,.filha de sua escrava Miquelina, de qae
trata o ofliciojde V. S., de 11 do corrente sob n. 193
eerie 6.
Ao mesmo. Tendo n'esta data relevado Goncal-
\ -a Alves da Silv a da multa que lae foi imposta
pelo collector do Cabo por nao ter matriculado no
prazo legal o ingenuo Valdevino, .ilho de sua e-
cravo Guilhermiua, e a que se refere o offlcio das
a tnesoararia, de 13 do correute. job n. 20G serie
Iva, a quantia de 36/ proveniente de um semes-
tre de aluguel de casa que no districto de Cruan-
gy serve de cadeia e quartel ao respectivo desta-
camento, a contar de 9 de setembro do anno pas-
sado a 9 de marco ultimo.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar ao bacharel
Joaquim Ferreira Chaves, conforme solicitou o Dr
chefe da policia em offlcio de 11 do corrente. sob
n. 484, a quantia do 1764320, despondida nos me-
zes de Janeiro a mar^o deste anno com o sustento
dos presos pobres da cadeia do termo do Brejo,
como se ve da relacao e conta juntas.
4.' seccao.
Offlcio :
Ao provedor da Santa Casa de Misercordia.
Autoriso-o a enregar ao bacharel Jose Baptista
Gitirana, a educanda do collegio das orphas, Maria
Emilia, rescindido o coutracto feito com D. Caroli-
na Soares de Aomorim Moreira, e nos termos da
informacao do mordomo de mez, datada de 4, que
aeompan'oou o offlcio de provedoria de 10 do cor-
rente, sob n. 822.
5." secciit.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.Autoriso Vmc. a contractar com o te-
nente coronel Manoel Framisco de Souza Leao o
quebramento de pedra no 3' e 4* laocos da estrada
de Goianna a Pedras de Fogo, da qual e o mesmo
teneate-coronel contractante; devendo estipular-se
que o preco do metro cubico das pedras quebradas
a polvora sera de 34000 e o das que forem que-
bradas a picareta de 24000, fieando o contractan-
te obrigado a remove-las para fora do leito da
estrada.
Portaria:
Os Srs. agentes da compaalua brasileira de
navegacao a vap >r mandem dar passagem para o
Para, por con:a do ministerio da marinha, no va-
por esperado do sul, ao pratico Joao Antunes da
da Silveira, que d'alli veio na corveta Vital de Oli-
veira, dirigindo a praticagem da costa d'aquelie
porto ao desta provincia.
EXPEDIENCE DO SECBETARto.
1.' seccao.
Offlcios :
Ao inspector do arsenal de marinha.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S., em resposta ao seu offlcio de 10 do corrente,
sob n. 86i>, que a thesouraria de fazenda tem or-
Jem para pagar aos emprezario3 da illum.iaac.ao
publica desta cidade a quan.ia de 1:2774000,
proveniente do gaz consumido nos raezes de dezem-
bro do anno passado a marco ultimo com a illu-
minagio desse arsenal a da casa da respectiva ins-
pecQao.
Ao commandante da corveta Vital de Oli-
veira.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S., em resposta ao sen offlcio
desta data, sob n. 63, que ao inspector da thesou-
raria de fazenda se recoraraenda urgencia na con-
ferencia das folhas de pagamento dos offlciaes e
praeas dessa corveta, a que allude o citado of-
ficio.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia determina-me que responda o offlcio de V.
S. desta data, sob n. 66, declarando-lhe que fleam
expedidas as necessarias ordens para ser trans-
portado ao Para, no vapor Bahia, esperado do sul,
o pratico Joao Antunes da Silveira, que veio nessa
corveta dirigindo a praticagem da costa daquelle
porto ao desta provincia.
Ao commandante do presidio de Fernando de
Noronha.Tendo S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, por despacho de hontem, cencedido licenca
a Quirino Joaquim Madeira para ir a esse presidio,
com a condijlo de regressar no mesmo vaper em
qae for de ordem do mesmo Exm. Sr. assim o
communico a V. S. para seu conheeimento.
2.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. coaselheiro presidente do tribun, |
da relacao deste districto.S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia manda accusar o recebimento do
offlcio de V. Exc, de hontem datado, remettendo 4
relatorios apresentados por alguns senhores des-
embargadores, que presidiram as sessoes do jury
desta cidade durante o anno proximo passado.
Ao Dr. chefe de policia.De ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, communico a
V. S. que nesta data foi autorisado o inspector da
thesonraria provincial a maadar pagar ao delega-
do do termo de Floresta, ao seu procurador, a
Suantia de 384200, proveniente do fornecimento
a sustento aos sentenciados de qua trata o officio
de V. S. de 23 do maz Undo, sob n. 415.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, com-nunici a V. S. qua nesta
data foi autorisado o inspector da thesouraria pro-
vincial a mandar effectuar os pagamentos de que
11}*. era 0^< de I *o corrente, sob ns.
44, 486 e 490.
Ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vineia, tendo nesta data providenciado ao sentido
do ser pago ao fornecedor dos presos pobres da
cadeia de Garanims, Z ichariai da iauta Izabel. a
importancia das despezas faitas com taes presos
nos mezes de Janeiro o fevereiro deste anno, visto
star ausente o procurador do mesmo fornecedor;
assim o manda communicar a V. S., em resposta
ao sea offleio de 13 do corrente, sob n. 498.
Ao commandante superior do municipio do
Brejo.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S., em resposta ao seu offlcio de
3 do corrente, que nesta data se autorisou o ios-
pector da thesouraria de fazenda a mandar pagar
a pessoa qua se mostrar competentementa autori-
sada 03 vencimentos do desticaraento dessa villa, re
lativos ao mez da marco proximo undo.
Ao commandante superior dos municipios do
Buique, Garanhuns e Bom Conselho.-De ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia, communico
a V. S, era resposta ao seu offlcio de 12 de marco
ultimo, que nesta data se providenciou no sentido
de serem pagos pela thesouraria de fazanda a quern
se mostrar competentemente autorisado os venci-
mentos do destacamento da villa de Garanhans,
relativos ao mez de fevereiro ultimo.
Ao juiz de direito da comarca de Cimbres.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda accu-
zar o recebimento do offlcio de V. S., de 24 de
marco ultimo, comnnnicando ter em 21 do citado
mez assumido o exercicio do cargo de juiz muai
cipal desse termo o respectivo 2* suplente, Francis-
co Alves de Siqnelra Mello.
Ao capitao presidente da junta de qua'.ificacao
di goarda nacional da parochia da Bom Jardira.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda accu -
sar o recebimento do offlcio de V. S. de 30 de mar-
co ultimo, comraunicando haver concluido os tra-
balhos da junta de qualificacao da guards nacio-
nal dessa parochia.
4." seccao.
Offlcio :
Ao 1 secretarlo da assemblea provincial.
iV. 70.De ordem de S. Exc. oSr. presidente da
provincia, reraetto a V. S. para serem subraettidos
a consideracao da asemblea provincial o offlcio
junto por copia, qua ao mesmo Exm. Sr. dirigio
em data de hontem, sob n. 167, o inspector da
thesouraria provincial sobre o credito requisilado
pela respectiva contadoria na importancia de....
63:1794897, para continuacaa das despezas decre-
tadas pelos arts. 3, 5 2', 4 2-, 6* g V, T i 4", 5
e 8', 9- 3 2\ 3', 4*. 7*. 9-, 10, e 10 da lei do orca
mento vigente, bem como o offlcio a qua se refere
aquelle inspector e as respactivas demonstrates
era original.
EXTERIOR.
A crise roligiosa na Euroj'a
por
ERNESTO REMAN.
(Continuacao.j
Diverso porem, e bem diverso, foi o effeito pro-
duzido pelo concilio do Vaticano nos paizes allc-
mscs, onde o catholic), de espirito algura taato
cultivado, tem costumes quasi protestantes, conhe-
cea sua religiio, raciocina sobre ella, e admitte
um is e rejeita outras paries do doutrina.
Com effeito ; na mor parte dos paizes catnolicos
allemaes, ao ladoe de par com o bispo e o padre,
encontra-se o doutor era theologia, cnjas de;isoes,
em materia de fe e de moral, muitas vezes sao
melhor aceitas, tem mais forca de autoridade do
que a do bispo ; e nao rare se observa que o en-
sino religioso, minislrado nos estabalecimentos de
iustruccao publica, e dado por professores secu-
lares.
Ante ties factos, logo se disse qae assim como
era prjvavel que os bispos se nao destacassem da
unidade catholica, assim tambem era natural e
provavel que a rebelliao se manifestasse eutre os
doutores e professores de theologia, por isso quo,
dispondo estes de aprofundadosconlieciraentos so-
bre os textos, nao era crivel que deixassem de
criticar de doutrinas em que maoifestameute a igre-
ja^.-e afastava das traiiccoes.
Nao foi t'33a uma simple? e iofundada suspeita,
nao; mas um dedugao logica, um fructo sazoaa-
do do ensinamento theologico nas univer>idades
ensinacnento contra o qual sempre se pronuu-
ciaram Roma e o partido ultraraontano, ja apon-
tando-o como o supremo perigo da Allemanaa, pe-
rigo que era mister estirpar, ja determinando,
como inaovacaodomaior alciace, da ratis alta
importancia, que o eosinamoato da t'aaologia fos
se feito intra-muros dos semiairios, como alias
so pratica nos paizes catnolicos, excepcao feita
para a Alleraanha I
A's vezes, collocados, como em Tabiogue, de
par com os professores da theologia protestaate,
vivendo ao seu lado como bons collegas, loado e
explicando os m oemos textos, partilhando o mes -
mo genero de vida, e travaado com elles inoffaa-
sivas e iaterminaveis discussSes, semslhantes as
batalhas da Walhalla. em que os contendores de
m inha se estragalhavam ea tarde appareciara saos
e salvos, os professores de theologia catholica ti-
nham-se tornado, na Alleminha, quasi protes-
tantes.
0 mu'.uo contacto obrigava os advarsarios a se
observarem, a apresentarem suas provas, e a ii.ii
desarazoarem sento cora parcimonia.
Consultado acerca do novo dograa qae 3e trata-
va de decretar, Doellinger, ocorypheu da theolo-
gia catholica, respondeuque. se tal se fizesso, per-
der-se-hia tudo, por isso que tornar-se-hia impos
sivel a apologetica contra os protestantes.
Sendo ja estreita e limitada a plataforma da for-
taleza em que se defenlia, declarou elle que ape-
nas ali se podia conservar, e annunciou que a de-
fesa tornar-se-hia absolutamente irapossivel caso
fose ainda diminuido o espa^o d'ixedo a suas
evolucoes.
Da mesma forma qua Doellinger pensaram e se
maaifestarara os demais theologos notaveis das fa-
culdades catholicas allemaes, sendo de notar qae
todos, ha muito tempo, se diziara fatigados pelas
difflculdades que lhes creavam, pelos obstaculos
que no seu caminho puomam os theologos fanati-
sados de Roma, que, a seraelhanga de am mao
cliente, 6e compraziam malignamente em destruir
os argumentos produzidos com imraenso trabalho
pelos sens advogados, embora fossem esses argu-
mentos tirades de textos e de autoridades insus-
peitas.
A' esses theologos revoltados juntaram-se alguns
Icigos instrnidos, theologos tambem, e que estavam
de accordo e na posse das indagacoes historicas e
criticas, a que a estudiosa Allemanha tem por ha
bito entregar-se noito e dia.
Dahi, pois, nasceu uma nova seita, assim, pois,
formou-se uma nova e consideravel coramunhio de
protestantes, que trataram o negocio seria e grave-
mente, cognoraisando-se catholicos vethos, embora
nada mais fossem e sejam do que protestantes do
seculo XIX.
Sem duvida tinham e teem elles o direito de es-
coiner uma denominacao qualquer, e de se charaa-
rem velhos catholicos; mas a nos pareceu e parece
ainda que nao e muito logico que tome o nome de
calholico quem impqgna, quem regeita aquillo que
6, aaceitacao, p>r prinr.ipfode inttridide: de tudoj-
qninto ensim a tgreja de Runt.
Keonvam observar que nao a so o ensinamento
do saoto sabio o que os velhos catholicos regeitara,
nWL,am-'a e"BS ra,:usa|n aceitar as decisaas de
um concilio, contra cujaecumenicidades6 se lem-
brarlim de protestar depois que elle se manifes-
to toi sentido opposto ao inodo do pensar da
no*'seita.
Certainente o Sr. Reinkens repeliriadesua igre-
ja aquelle quo nao aimittisse as decisSes dos con-
cilios de Nicea e de Trento; e por isso o prosedi-
raento dos velhos catholicos torna-so tanto meaos
eompraaensivel, quanto neuhuma razao ha para
que aquelles concilios sejam preferidos ao do Va-
ticano.
Nao importa, porem, qua assim se lenha feito,
visto como as denominates sao livres; cada seita
pode toinar o litulo que mais Ihe approuver e sem
que se Ih'o possa disputar; e tanto direito tem a
nova seftido chamar se dos velhos catholics*, quan-
ta direito assiste a igreja romana de chamar-n
catholica, o a igreja oriental o da chamar-se or-
thodoxa.
Mas o que em tudo isso ha de verdadelro, entre
tanto.e que, nos fins do 1871, uma nova igreja
ehrista, inlepenJente do catholicismo proprlamen-
ta dito e do protestantism), se forinou na Allema-
nha a ni Saissa,e tornou-sa ocaalro de aaalogos,
mas isolados esforcos, produzidos em outros pai-
zes.
As ideas fundamentaes desse novo movimento,
achando-se de perfeito accordo cora as do governo
prussiano e dos liberaes allemaes, foram acollii-
das eta Berlira com verdadeiro jubilo e interesse,
na > so p orque nao eram outros os desejos do go -
verm aljemao, ms tambem porque taes eram as
pretenfoes dos liberaes, que, embora crando pos-
sivei e almejando que os catholicos, sem perderera
sua denominagao, se desprenlessem dos lacos de
uniio qua tinham com o exterior da Allemanha e
sesubrnettessem ompletimento ao cslado alle-
mao, comtudo nunca pensaram cm solicitar-lhes
essa mudanca de denominacao nao so para que
nao podesse parecer-lhes uma censura aos sem
antepassados, que, no seculo XI, nio quizeram
tornar-3e protestantes, mas tambem para que nao
Ihes parecesse qae se aspirav.i a var Duelinger, por
exemplo, lan?ar ao fogo to log os sous volumes de
polemica contra os protestantes.
Assim, pois, o governo Imperial da Allemanha
toraou sob sua proteccao especial o movimeato ve-
Iho calholico, e fuadou as uielhore* esperancas no
futuro desta nova igreja. quo, por seu lado, mos-
tron-se conciliante, nao so collocanlo-se aadepen-
cia do estado, mas tambem confessando o seu ca-
racter purameote allemao, embora corrdndo o risco
de, por esse mesmo facto, comproraetter o sea pa-
pel de catholica ou universal
Convent, porem, assigaalar desde ja que, se o
governo de Bjrlim se tivesse liraitado a proteger
os homens da consideraijao qua tioham-se enca-
minhado por essa nova via; se tivesse se limitado
a garantir-llies todos os direito* e tolas as liberda-
des de eidadao; nao seriamos nos quem Ihe lavra-
ria a censura, visto como, pelo contrario, louvalo-
hia-raos, nao s6 porque os velhos catholicos, se-
gundo pen*amos, tinham pleno direito de se sepa-
rarera dos catholicos infallibilijias, mas tambem
porque era justo que, uma vez separados, tivessem
as facilidades requendas e neces.-arias para o
exercicio do sen culto.
A legislacjta prussiana sobre cultos era tiio ira-
perfeita que, para dar a esses dissideutes um di-
reito qae naturslmeate Ihes pertencia, toraouse
iodispensavel rci'ormar completamento o direito
constituido.
A lei prussiana niio admittia, com effeito, que
alguem permanccesso fora de um dos cultos re-
conhecidos, nao so porque fazia o eidadao de-
pender do clero, a coja communhio pertencia, no
tocante aos actos mais importantes da vida civil,
por isso qua o iudividuo que abandonava uma
igreja sem entrar em outra niio podia casar-se
nem dor a sous filhos um esialo civil regular,
mas tnmbem porque conssntia em qae a excom-
munhao lancada pelo bispo produzisse as mais
graves consequencias, por isso qua punba o ex-
commungado fora da ac^io da mesma lei.
Tal era effectivamente o espirito e a leltra do
direito constituido; tal foi este sempre conserva-
do polos pietistas allemaes. senhores das mais al-
ias inlluencias da corle, e cujo espirito acanhado
jamais permittio qae em retrogada legislacao,
mais harmou'ua com as circumstauciasda Turquia
do que com a legislacao de um estado europsu,
fosse modificada e reformada, o que alias urgio
fazer peraute o raovinianto velho calholico e era
face da gravidade da situacao.
A marcha a seguir, nesse caso, sendo simples,
resuraiase em tres pontos:
1.* Secularisar todos os actos da vida civ I de
sorteque, pelo regimen adoptado, as mudancas
raligiosas do eidadao em nada influissem sobre o
seu estado, nera tao pouco tivesse aiexcommunhao
outros effoitos que nao 03 religioso3, de que alias
so pode ser juiz o proprio exeommungado ;
2. Secularisar a escola, visto ser na Prussia
obrigatorio o ensino; e toraar a mesraa o-cola in-
dependente da inspeccao e vigilancia do clero;
3.* Concoder a nova igreja inteira liberdade de
culto; e, attendendo a que os Hois dessa igreja
provinhara todos da igreja catholica, tirar a esta e
transferir aquella uraa parte dos respectivos bens
e dotacSes, com tanto que guardasse a proporclo
relativa ao numero dos dissidentes, visto como,
ignorando o estado qnaes os verdadeiros catholi-
cos, pois que dous partidos se apresentavam dis
put mdo os proventos desse titulo, nao podia pro-
ceder de modo mais jasto e rasoavel do que, de-
pois de contar os adherentes de cada lado, divid r
entre elles, prorala do numero, o patrimonio ate
entiio indiviso.
Esta regra, esta doutrina, unica que alias podia
praticamanta reahsar todas as docuras e meios ter-
mos necessarios e supervenientes, nio foi entretan-
to a qae adoptou o governo prussiano, que, era
briagado cora os fumos da victoria, mais uma vez
patenteou que nao e embal le que se diz que as
victorias perturbara os raelhores e mai3 esclareci-
dos espintos.
Com effeito, a Allemanha, quepassa o seu tem-
po a criticar a historia da Franca e tem feito della
objecto de tantas observacoes judiciosas, esqueceu
inteiramente as nocoas de tempo, do lugar e de
circum3tancias, e como que entrou 4 iraitar Luiz
XIV e Napoleao I nos sem maioras orros (1) isto
e, nos sens exageros da idea de estado, exagenos
que os levaram, por deducQao logica, ate o extra-
mo da porseguicao religiosa.
(Contmuar-seha).
Offerecidoo rcioerimento e apoiado, entra em
discussao.
0 Sr. Nunes Gon^alves disse quo approvava o
requeriraento pirque, alem de outras razoa s, der-
xou de ser altendida pela comraissao de redaccao
uma eraenda do Sr. Paranagua, e qae foi annrd*
vada.
0 Sr. viscoole de Jaguary (presidente do se-
nado) contestou qae tal emenda tivesse si4o p-
provada.
0 Sr. Junqueira (ministro da guerra) disse que,
para cortar a questao, aceitaria o adiamento por
24 horas. Estava convencido do que a emenda do
.sr. Paranagua fora approvada.
0 Sr. visconde de Jaguary (presidonte do se-
nado) affhncou de novo que estava profundamen-
te convencido que a emenda fora reieitada, ape-
zar de votarem por ella os rainistros. So houve,
porem, equivoco, foi seu, pois foi qaem toraou os
apontamentos para a acta. Poderia nao admittir
discussao a respeito, mas nao so a admitte
como esti prompt.) a declarar-se veueido, caso e
tanto bastara, haja a declaracao nesse sentido
do autor da emenda, o Sr. Paranigua. Pole ter
errado, mas na melhor boa f4 (apoiados geraes),
porque se nio Ihe pode attribuir interesse contra
a verdaJe. (Apoiados.) Da acta que le, consta o
que assevera.
0 Sr. marque* de Sapucahy declarou estar
pelo adiamento, e se 6 elle para estado da redaccao,
votara ate pelo prazo de tres dias, pois tantos
gastou, como membro da comraissao, no tra-
balho.
0 Sr. Silveira da Motta insistio pelo requeri-
raento do Sr. Caudido Mendes. A materia e da
tutor importancia, nio deve haver da parte do
governo tanta precipitacio. 0 iacidente prova-o,
se elle nio fosse, ter-sehia votado lei de tinta
magnitude, com a lalta de uma emenda ap-
provada.
0 Sr. Zacarias votara pelas 24 horas.
Tanto bastara. Quanto a emenda do Sr. Para-
nagua, assevera que o Sr. presilente equivocon-se,
pois a mesma passou e deve esperar-se pela de-
claracao daquelle senador, que nao compareceu a
ssssao.
0 Sr. Figueira de Melio 6 pelo adiamento das
24 aoras.
Encerrada a discussao, foi approvado este ulti-
mo alvitre.
Passando a discutir se na segunda parte da
ordem do dia o projecto da nova provincia de S.
Francisco.
0 Sr. Zacarias disse entender com o Sr. Siaim-
bu que o projecto cora as emendas com que se
apresenta prova um triumpho da opposicao.
Rende elogios a comraissao do parecer e aos
representantes mineiros por nio terera consen-
tido no desmembramento do territorio de sua pro-
vincia.
Louvou o deputado Martinho Campos pela fir-
meza com que na outra camara trabalbou por esse
resultado para a sua provincia.
Mas deve-se isto tambem a for ja dos triota vo-
103 mineiros, nas duas camaras. Tendo prestado
aoxilto aos senadores mineiros nesse empenho, es-
pera que por sua vez o auxiliem em saivar-se o
territorio bahianoda nova provincia de vantagens
duvidosas. Que a querer se novas provincias, nao
se as forme de retalhos ; que a Bahia tire-a de si
mesma, e so de igual modo proceda Pernain-
buco.
Neste tempo de falseamento do systeraa repre-
sentativo, a existencia das grandes provincias e
um estorvo aos caprichos do poiler executivo qae
tudo avassalla no paiz. Snbdividir as provincias
6 augmeutar a centralisacao e departaraentalmen-
te. ftazioes administrativas nio protegem tambem
o projecto. Indaga da receita e da despeza que po-
dera ter a nova provincia.
Aquella nao ultrapassara a 32:0004. Por fran-
queza, declara que nao ha interesse de estado no
projecto.
Nem o brado da opiniiio publica fez-se ouvir.
0 que se visou foi soraente dar Ingar no senado
e ua camara a alguns pretendentes, que podera io-
diear.
Nio da seu voto ao projecto. principalmenie ne-
ga-o no tocante a psdir-se a creacao de um bis-
palo para a nova provincia. Seo chefe do go-
verno executivo qnizer ser chefe da religiao do
estado ao modi, de Henrique VIII da Inglaterra,
faco-o por autoridade propria. mas como 6 elle
a primeira ovelha do santo padre; neste paiz,
nao se va pedir ao papa o que nao podera eonce-
der sem estar resolvida a questao reiigiosa.
Ficou adiada a discussao.
mTERIOR.
RIO DE JANEIRO
27 DE AGOSTO DE 1874.
No senado hontom, indo votar-se a redaccao das
emendas a proposicao sobre o recrutamento, o Sr.
Candido Mendes re juereu o praio de 48 horas
para poder votar, depois do competente estudo.
0 Sr. visconde de Jaguary (presidente do sena-
do), observou que, nao obslante nio estar isso nos
habitos da casa, reqaeresse por escripto.
(I) Nao e de 1870 para ca somente que u3amoa
desta linguagem. Desde 1831 qae. aqui, nests
constitue a propria ossencia do catuojicismo, (sto!Revis'.i (dos jaus mando's) insistiraosnesta HH.
Na camara dos deputados, o Sr. Cunha Ferrei-
ra, depois da leitura do expediente, pedio a pala-
vra pela ordem afim de requerer que seja dado
para a ordem do dia urn projecto datado de 1861,
pelo qual 6 resolvida uma questao de limites en-
tre as provincias de Minas e de Goyaz.
0 Sr. presidente declarou que tomara era consi-
deracao este requeriraento.
Passando se a 1' parte da ordera do dia(conti-
nuacao da discussao do art. 5* do projecto de re-
forma eleitoral) o Sr. Cunha Ferreira declarou que
tencionara abster-se da discussao, porquanto, ven-
do o empenho po3to, qner pelos liberaes, quer pe-
los dissideutes da camara, em embaracar a passa-
gem do projecto, entendera na> dever contribuir
por seu turno para a prolongado do debate. 0
orador, porem, f ji demovido deste seu proposito
pelo desejo de responder a algumas das proposi-
cues emittidas na sessio anterior pelo Sr. Carlos
Pixoto. Proseguindo, fez o orador varias consi-
deracCes soore a generalidade do projecto, e res-
pondeu aos argumentos com que, na sessio ante-'
rior, fora combatido o projecto, era geral, a o arii-
go que se acha em discussao.
0 Sr. Martinho Campos impugn m as emendas
da comraissao. Disse o orador que bem sabia que
perdia o seu tempo discutindo, porque as discus-
sSes, conforme declarara uma folha ministerialista,
nao passavam de mera formalidade. Pronunciou-
se contra o angmento da representa;io temporaria
e vi alicia t cora esta medida adoptada sem base
de qaalidade algama, disse o orador, busca ape-
nas o governo angariar e firmar a adhesao das de-
putagoes de certas provincias, alias pequenas, quasi
desertas, e que constituem verdadeiramente entre
nos os chamados burgos podres de Inglaterra. A
respeito da reelelcio dos ministros para as cadei-
ras qae occupam na camara, declarou o orador
nao crer que haja jamais no Brasil ministro al-
gura que leve a coragera em affrontar a opiniao
publica ae ponto de voltar a camara eleito apenas
por 39 votos, cora pretenclo de competidores que
homvessem obtido o quadruplo ou o quintuplo da
voUcao. Combatendo as disposicSes rolativas a
eleigao senatorial, disse que ellas so dariam em re-
sultado collocar o poder moderador na posicao de
ver os sens actos discutidos conforme a contra-
riedade que em certos casos causassem elles aos
interesses dos partidos.
A discussSo ficou adiada pela hora.
Passando-se a 2* parte da ordem do dia (dis
cussao do orcamento d3 marinha), o Sr. Cunba
Ferreira, pela ordem, requereu o encerramento
da discussio.
Tendo a camara decidido pela afflrmativa, foi o
orc.aro.ento approvado, sendo rejeitada a emenda
apresentada pelo Sr. Carneiro da Cunha.
Entrando em discussio o orcamento do minis-
terio da agricultura, o Sr. Antonio Vrado f- A
versas consideracoos para mostrar o ^i.^"'1
carlo da lavoura, quer no sul, qqer bq ,pri'
imperio. Roeooheceu quo sempre se. tar- lvao
algum proveito do muito dinheiro qae se ha es-
banjadi) com a colonisa^ao. Estrauhou que aindi
nao se houvesse proposto medida alguma tenden-
te a remover os embaragos que se oppoera a vinda
para o Brasil dos bracos laboriosos de qua carece-
raos. -Tratando de estralas de ferro, pedio ao Sr
ministro esclarecimentos sobre tal assumpto e
declaou-se. adverso ao resgate dessas vias de co'm-
municacao. Sobre o melhoramento do porto de
santos, pronunciou seo orador contia o privile-
gio concedido para a construccao de docas alii.
0 Sr. Barros Cobra fez varias consideracoes a
respeito da estrada de ferro projectada para ligar
a 4' seccao de Pedro II aos valles dos rios Verde e
Sapucahy.
A discussao ficou adiada pela hora
- 28 -
No senado, hontem, o Sr. Paranagua disse que
uma vez que o presidente do senado appellou para
o seu testemunho no que diz respeito a emenda
a proposigao relativa ao recrutamento, assevera
qua a mesma emenda foi approvadi ; e declarou
que a comraissao de redaccao das mesmas emen-
das commelten outros enganos, que passou a indi-
car, accresceatando que alguns chegara a alterar
a doutrina do quo foi approvado.
OSr. visconde do Rio-Branco (presidente do
conselho) declarou haver fundaraeuto era mais de
uin ponto referido pelo Sr. Paranagua. A cora-
missao, entretauto, tera tempo em 24 horas de sal-
var esses defeitos. Hequer, portanto, o adiamen-
to nesses termo*.
Entrou em discussao o re juerimento.
0 Sr. Zicarias, susteutou ua sessio nltima o re-
quenmento da adiamento por 24 horas, porqae
tratava-se apenas da oraissio de uma emenda.
agora, porem, outra 6 a questao. Nao e so um
descoido facil de remediar ; o Sr. Paranagua ac-
cusou muitos descuidos.
K preciso, portanto, que o trabalho volte a com-
raissao, mas sem que Ihe designa tempo.
0 Sr. visconde do Rio-Branco (presidente do
conselho) accede a tal alvitre.
0 Sr. Vieira da Silva observou ter duvidas a
respeito desse adiamento, e ser de opiniio segun-
do o que dispoe o regimento do senado, que seja
este quera eraonde o projecto nos pontos argui-
0 Sr. visconde de Jaguary (presidente do sena-
do) retrucou dkendo que o' requeriraento foi ad-
mittido a discussio por virtude do que estabelece
o regimento. Approvado aquelle, a commissao
cumprira o seu dever, e vindo o trabalho, emeu-
da rao entio os Srs. sena lores o parecer da com-
missao.
E* approvado o requerinento.
0 Sr. raarquez de S. \ icente observou ser pre-
ciso saber se a eraenda do Sr. Paranagua foi ou
nio approvada.
0 Sr. visconde de Jaguary (presidente do sena-
do) disse que no estado a que chegou a questao, e
pelas declaracoes do Sr. Paranagua para as quaes
appellara de vespera, deve a commissao considerar
approvada a emenda.
0 Sr. visconde do Rio-Branco : So o senado o
pode assim decidir.
0 Sr. visconde de Jaguary (presidente do sena-
do) declarou que nao oppondose a que assim fos-
se, passava a consultar o senado.
0 senado declarou lei sido approvada a e-
menda.
0 Sr. visconde do Jaguary (presidente do sena-
do) pedindo descalpa, observou qua pelo que aca-
ba de ficar provado, quatorze ou quinze senhores
senadores entenderam que a emenda nao fora ap-
provada.
Na terceira discussao do projecto relativo a es-
trada de ferro do Madeira e Maraore.
0 Sr. Candido Mendes disse que o estudo da
materia exigia o seu adiameoto. Discursou lar-
gamente a respeiio.
Foi adiada a discussao.
No debate do projecto da provincia do Rio de S
Francisco.
0 Sr. Dias de Carvalho declarou que, sera que
desse o governo opiniiio a respeito do como ac-
tualmente aoresenta-se o projecto, nao sabe como
se ha de discutilo. Perguuta ao presidente do
conselho, se apoia a emenda que supprirae o ter-
ritorio de Minas.
0 Sr. visconde do Rio-Branco (presidente do
conselho) :Apoio.
0 Sr. Dias de Carvalho diz que sendo assim jul-
ga altendidas nesse particular as suas reclama-
coes no anuo passado.
Pede nao obslante a demora da decisao deste
negocio. Oppoese a divis.io de proviniias, fora
de um systema geral; outrosim, oppoe se a crea-
cao do bispado para a nova provincia.
0 Sr. barao de Cotegipe disse que nao pode
proceder o pedido de adiamento, pois adiamento
ja houve, e porque so ha materia elu:idada es-
sa e.
Demais a idea da creacao da provincia e anti-
quissiraa. Faz o historico. Os povos das raar-
gens do S. Francisco tem direito a proteccao do
governo, a garantias de vida e de propriedade.
Sao nada menos do que duzentos e vinte e tantcs
mil habitantes, dos quaes somente 20,000 escravos.
Passou a pesar os argumentos do Sr. Zacarias. A
prova do valor do projecto esta no discurso, que
apezar dos sens grandes recurso3 de tribana e de
illustracao pronunciou o mesmo senador. A crea-
cao da provincia de S. Francisco sera o grande
incentivo para o estabeiecimento de estradas de
ferro naquellas paragons.
Em 1830 ja apresentou proposta para essa
creacao: a Bahia lucrara immenso. Como filho
das margens do S. Francisco e como representan-
te daqaella provincia o aiflam.'o.
Adiada a discussio.
Na camara dos deputado?, entrando em discus-
sao o art. 5* do projecto da reforma eleitorai.
0 Sr. Agesilao, respondendo ao discuaso do Sr
Martinho Carapo3, na parte em que contestou a le-
gitiraidade do augmento de deputacao de algumas
provincias que denominou-burgos podresdisse
que era injusta essa classificacao, porqae ossas
provincias tera mostrado que sabem maater suas
opinioes e nio se curvam facilmente aos acenos
do poder. Assim por exemplo, o Amazonas ele-
geu deputado, durante a s tuacao progressista, o
Sr. conselheiro Brosqne, contra a vontade e os es-
forcos do presidente da provincia. Mato-Grosso
tambem nao pode merecer aquella qualificacao por
ter eleito para sens representantes filhos de outras
provincias ; esta razio serviria para quasi todas as
provincias e ate para o municipio neutro que ja
elegeu o Sr. Martinho Campos, que e mineiro. 0
augmento da deputacSo do Para nao foi inspirado
pelo desejo de firmar agora os votos dos seus re-
presentantes ; ja o anno passado se apresentou
am projecto augmentando a depntacio desta pro-
vincia. Nao tendo a commissao, que organisou o
projecto de reforma, feito excepcao alguma em
favor do Piauny, admira que o aepntado a quem
respondeu eensurasse tambem o augmento de sua
deputacao qae segae a regra geral.
Nao concordando pois com as censnras fei'^j vota
pelosubstitutivo da comraissao ao ar '< *' DrojM.
to. Em seguida defendeu tosW^T, par4i(T0 con-
servador do P.auhy > rtCei,-3,5e9 qaeKine tiahao
9iaoif" po. uao ter escolhido para am dos sens
I p mantes o Dr. Coelho Rodrignes tratando de
mostrar que es3o partido nao podia procader de
outro modo desde que o Dr. Coelho Rodngues se
ligara aos liberaes. (Seste ponto foi o orador contes-
tado por varios Srs. deputados, que disseram terem
sido os votos liberaes dados espontanearaente ao
-




;



i___L
--------lU.


r>
____
IJia^J9t 4-J5ernambuco ~ Segunda feira 7 de Setembro de 1874 ftHl'f'l/
____.----------*

]
Dr. Coelho Rodrigaes.)
0 Sr. Eufrasio Corre* c lraecou o tea i
OODlestanda ism o;n quo rere -
deate orador par* nuuflcar a nao reeleicao do Dr.'
Coelho Rodriguw. 'Esie resaltado foiitevido a-falta
de forca do partMo eoH lutar coaira os *s (areas da governo. Passaado a
considerar a emejda ao art. 5.*, eotou que esti-
vesse ella assignada so por tres dos roembros da
ctmmissaa. As disposables da emenda a;>, na
opitmo de orador, iocMilitucioaaes, principalmeu -
le qnando stabeleceal o veto ineomplet) e os elei-
tores especiaes. Cunbaleu esias disposicfles, bent
como a relativa a orgaaisajao das nwsas paro-
chiaes.
Adiado o debate, pa*soa se a f.' parte da ordem
ao ministerio da agrieaHara.
0 Sr. Ca>los dLut declaroo que, pedinloa pa-
tavra contra, naeteve a taleocao de mamfestar se
opposicionistt, porque so diverge do gabinete na
-questao eleitoral. /.escreveu-se coutra, mais para
nao perder a occasiao de fallar sobre este orfa-
mento do que por qualau r oatro motivo. Agra
decou ao Sr. ministro da agricuitura os services
prestado- a provincia de Saata Ca'.banna, no lo-
cante a eolouisacao. Ha, porem, ainda que fazer
sobre este assumpto, raaximeem relacao as colo-
nias do none da praviucia.
Chainou a auea;ae do governo para a necessida-
de de tornar navegavel o rie liajauy de meluorar
as estradas, sendo este o verdadeiro auxilio a la
vnura e o melbor meio de deseuvolver a co oaisa-
eao. Ligar por uiua estrada o municipio de Lagcs
a villa d Itajaby sera preetar a proviocia dt Saata
Catbarina uin grande ueHelicio. lieferin io-se ao
contrato ctlebrado entre a presidencia da provincia
e o eoneessionario das miu.is de earvao de Passa
li ih, disse que ha uelle disposicu s segundo as
quaes parece que se auxilia o coucessionario nao
so na s-ervidao para suas minas, coiuo na eous-
truccao de MttFtt lin .as para diverso mister; e
lembroo atgumasinoditicae/iesquedevera ser feitas
no contrato. Tratoi ta mien da navegacao do no
\*pru r,,mn mam tiu lirar prnwilo da PStmda da
colonia D. Francisea a tern. Chainou ainda a at-
louc,ao do govern > para as colonias de Theresopo-
lis e Santa Isabel, que foram emancipadas muito
cedo, e aearatii abaudonadas pelogoverno ger.il, e
jiesaado subre a proviueia : se o governo nao as
soccorrer desapparecerao
0 Sr. Salathiel occupun-sec m a questao do pro-
Jongamento da estrada de ferro D. Pedro II, repro-
vaudo que se tenba levado a linha muito para o
ii >rte, fazendo uma graode curva, para depois d>-s-
cer ao suf. 0 ponto terminal desta eslrada, desti-
nad.i a ligar tu-Jo o imperiu. deve ser Ouyaba. Nao
vt- uttlidade aiguinaem ir a estrada no Rio das Vu-
1'ias. Declaroj votar pela emenda que consigna
uina quota annual para o prolonga neuto da estra-
da, acreditando que neste assumpto o iioverno
procedena com todo o cruerio. Tenninou Bom al
gumas observaijoe- sobre o perigo de exeitar o fa-
.i,i11m i e pTMuear uma guerra lel'gijsa, tratan-
do-se com dema-iado calor qtiestoes que exigem
toda a ealma.
Oar. Tarquinio deSouza lament>u qaa litia se
lizesse uesta sessao cm benelicio da Uvoura que
deiinba pnucipalmente no none do Imperil. I) v-
se dar grande importancia a lavoura e inJepen-
cia aos lavradores para que faciimente resistam
aos accesses do rjod.-r. Isto dra m-lnores resul-
tados do que as ref'jnnas eleitoraes. N j Rio-Gran-
de do N.irte a lavoura esta decadente pur falia de
capitaes e de vias de communicacaci. Chainjii a
aiieiicao do governo para o portO da capital do
Rio Graude do Norte, que convem ser examinado,
alitn de veniicar-se quaes se pDras de que parece,
e igualmenle pedio que se attenJesse ao m-lh .ra
mento de outros port os da mesma provincia. 0
sertao da previacia reclama uma estrada que dd
paiM|oa a^s product em calecbese, mas nao se applicam os raems para
que ella seja proveitosa : sao puuoos os obreiros
para a seara, sao poucos os missionaries. Desna
a c louisav'ao, e nao acrediia que seja a falta da
iastituii;ao do casamento civil cutre n6a o que a
afasta do nosra pair.
A discussao licou adiada.
- 29 -
No Sinado oroa, bontem, o Sr. S'ieira da Silva,
aliin de justilicar urn rojaeriflAto que mandoa a
mesa e .jue licou adiad> p r p dir a paiavra o Sr.
Men J-h de Almeida, para quo saiba se a bulla pu-
felicaJa em Roma pclo saato padre, sobre a ques-
mn'/mica-religi >si, a que se refere um dn
requenraea os do Sr. Mjndes de Almeid i, ja foi
-..r.-i-.i'i i pp| gnverno imperial c. sfl sobrrt ella ja
a respeeliva seccao do couselho de estado interpoz
parecer.
Eutra era V discusaao o parecer da me.-a que
concede dispen*a do servico ao porteiro da secre
iaria e a um coutiuuo d > seuado.
0 St. Silveira L'ibe propoa que a dispen-a fosse
com todos os veucimeutoj, e nao ad com o or-
denado.
rtoconliecen lo q.ie a mesa c mcluio s?u parecer
de aecordo com oj prmcpios que regain esta ma-
teria, e sen qnerer.-jjortanto, extraobar seu pro
eedimenl entende, comtudo, o orador que, tra-
ta:i lo-se do um empregad-i que coata 36 anao; de
servi;o do sena lo e que acha-sfl affeeiado de grave
molestia, que poe e.n risco sna esistencia, e de
oulro maior de Si aoooa e que tern 10 ann 13 de
servico poblico, nao 6 possivel deixal-os com o
me-ininho vencmiento de GO^ mensaes.
Por isso, a ezemplo do que se tern praticado
*jm outros empregidn qje eoatavam bngos
anuos d* servico, prop5s que a dispensa -eja con-
:edtda com todos os venciioeatos, que, alias, nao
.mportam em mais de 1093 meosaes.
0 Sr. Dias de Carvalho, I' secretario, declarou
qua a mesa proceJera de conformidade com as
regras concernentes ao assumpto ; mas que nao
se oppunlia a que o seaado, por equidade, re
volvesse o que melbor parecesse ; manifestpuse
porem, contra a emenda do Sr Jobim para a read-
missao de um emprej-tdn.
0 parecer foi adoptado com as emendas.
Tratou-se na seguida da 2* discussao da propo-
sicao da camara dos deputados, concedendo a
Companhia de Navegacao Paulista os mesmos pri
vilegios de quo gozam os paqpetes a vapor.
0 Sr. Silveira da Motta ataciu a proposicao por
inuUl e prejudicial.
Se o que a Companhia Paulista pretende e os
mesmos favoresde que goiara os paquetes a vapor,
o governo esta autorisado a fazer-lhe igual con-
cessao ; se, porem, o que a companhia pretende
e algora privilegio exclusivo, entao a proposicao
nao lem cabimento algum. Bra qualquer dos dons
casos, pois, o projecto deve cabir.
0 Sr. Ucboa Cavalcante diz que a commissao
acreditou que alguma duvida bouve em conceder-
se a Companhia Paulista os favores que ella deseja
e que assim se explica a approvacao desta propo-
sicao na outra camara ; em to Jo caso, parece fora
de duvida qua a proposicao nao tera por fin
dar um privilegio de que nao gozara as compa-
nli as de paquetes.
Se e certo que o governo poie conceder o que
a companhia pede, a commissao nao faz questao, e
lhe e indifferenle que o projecto nao pas9c.
0 9r. visconde do Rio Branco votou contra a
proposicao : se ella da o que esta ao alcance do
governo conceder, e desnecessario; se quer mais
do que isso, se nao sao os mesmos favores de que
gozam as compannias de paquetes, entao a con-
cessao seria odiosa.e prejudicial : de qualqaer
maoeira a proposicao nao deve pass'tr.
Posta a votos a proposi^o, foi rejeitada.
Pro-eguio a drscussao do requerimento deadia-
mento do projecto que autorisa a concessao de
garantia de faros de 7 |. a empreza da estrada de
ferro do Madeira e Mainore.
0 Sr. visconde de AbjetA, sustentanio o adia-
mento, mostrou a necessidade e conveniencia de
serem ouvidas, a respeito deste projecto, que
importa uma despeza de 280:0001 por anno, du
rante 50 annos, as comraissdes de fazenda e de
obras publicas.
A discussao ficou adiada, por dar a bora de
pa-sar-se a ultima parte da ordem do dia.
Continuou enfao a 3' discussao do projecto que
crda a nova provincia de S. Francisco.
0 Sr. visconde do Rio Branco sustentou o pro
jecto refutando os argumentos apresentados contra.
A discussao ficou adiada pela hora.
No senado bontem. 0 3r. Candido Mendes fun-
damentou um requerimento de adiamento por
'iS horas, para exaoie da redaccao das emen-
das a proposicao relativa ao recratamento.
0 requerimento foi rejeitado e approvadas as
emendas.
Na 3* discussao da lei de forcas de terra. 0 Sr.
Silveira da Moua, depois de algumas observacoes
relalivas a dimiaui^io do namero de pracas no
nosso exercito, diminuicao que pedia, disse que
por sua posicao de radical era politica, censurava
a mndanca do arsenal de guerra, porque vai nella
uma questao de principio. Nao ha razoes valen-
tes qae soccorram a idea dessa mudanca Em
ultimo caso, escolbesse-se de preterencia ao Rea-
lengo, lugar longiquo, a ilba do Governador, onde
exist'; deposito de pjlvora.
A obra do nosso arsenal orca por 3,i00:000# e
cos doas ultimos relatorios do rainistro nlo cons
u aatorisacSo para tat despeza. Passott atratar
" edaWid**-|iK*H>nr*oJIW(
tuiaisieri'i aflaal pertence.
DSr. Mihiftr'o da Guerra-.An da Rrieo1faf.
0 Sr. Sirveira da Motta: Mrs qom o antori-
sou para fazer a obra ? So o poaer legislativo
pbdexceardaspezis. ... .
0 Sr. lunquaira (ministro da goerra), quanto ao
ponto principal do debate, entende que cada mi
nisterio tendo verbs para as ebras publ can, lem
falcttldade para fazer qualquer obra deatro da ver-
ta. Pa le o governo dar principio a qualquer obra,
embora nao se conclua dentro do exercicio.
Explode as razors que a aconselharam na mn-
danca de arsenal. Ahi, ne Realengo, alem de ou-
tras vaatatens, ha escoia do tiro, carapo vastissi-
mo, defendido por cordilaeira, e isto a sels leguas
do literal.
0 Sr. Eacharias impugnou a doatrina do mjnistro.
A conatracao de um novo arsenal do guerra nao
podia ser determinado pelo governo, sera autori-
sacaa legislativa.
Vota pela proposta, mas com protesto contra
doutrinas tao erroneas.
O Sr. Silveira Lobo protestou contra a doutrina
do ministro Ja o g&verno arroga se o dircilo de
decrelar e de crear despezas I
0 Sr. Junqueira ( ministro da guerra) apresen-
tara am contra protesto. Nao node o poder legis-
lativo ser cerceado nas suas allribuicoes, mas nao
ao ponto de Gear aanutlalo o poder execuiivo.
Pedio os devidos funJos para o novo arsenal.
Nao ha g.vto um ceitil fora do orcamento para
obra de tao grande necessidade, e esta sujeito ao
voto do pirl.itoeot > para a sua continuacao.
0 Sr. Zocharias voltoo a tribuna insistiado no
seu protesto, lastimando que houvessem deixado
para os ultimos dias de sessao doulrina deste va-
lor.
0 Sr. Ministro da Guerra, no easo vertente,
nao encontra a minima razao da parte dos Srs.
seuadores. A despeza esta prevenida no orfa-
mento Teve o parlamenlo conhecimento da obra
eautorisou a naverba de obras militarus. (Routes-
lacoes).
0 Sr. Candido Mendes protestou tarabem, pas-
sando depois ao exame de alguns pontos da pro-
posta.
0 Sr. Nunes Goncalve, pelio informacoes ao
ministro da guerra acerca de certas ob as milita
res no Maranhao. I're.-l in:l > as u Sr. ministro,
declarou se salkfeito.
Nao li .vendo mais quem quizesse a paiavra, en-
cerrouse a di-cussao, nao se votando por falta de
nuraero.
^mmmmma*
K.
(agencia telegraphica HAVAS-REUTER. )
Madrid I de netembrb. \m for
can arlintaii abandvnaram u cercu
de I'HVfiTila. pursr julgnrem inca-
pnzes de veneer a rcslsteucia apre*
Kentdda.
Madrid. S. O duquc de Parma, o
cunde ltui-i, e Caserta rcuniram-se
a (. Carlos.
Kia de .1 aiieini S. A camara dott
deputados liuntem rejeitou pnr
iniaiii midade a raarao para a nccu-
sacao dos ire-, uiinistrus. As en-
in ira foram prorosadas ate 1* do
eorrente, quando deveni ser encer-
radas.
Paris 5. Mr. Chandordy sera no-
ineado euliaixador franccz em Ma-
drid.
tTielUro JMJfUJIiJ^Assucar ; mercado cilino ;
venJeu-se h;)js l,O0J saccos di t'uara a
I9f%, e 1.633 rost 'Mercmii'fiVmft.
Uantnr^4 *ji-Cafii : esto gener.i cnjnli-
iiui Ij.iix.iii lo ; vetideram-se 5 JO saccos7
importaram-se duranto 0 mez de agosto fin-
do 150,000 saccos de Santos, l.Ooo do Rio
de Janeiro, e do outros pfocedeucias 3,500.
Uiorando ; vendas
aina,
Londres I. Cliegon hontcm opa-
iucte a vaporkelj;a HICHAHD COBOES,
coin as mains do Kio da l*rata c do
Rio tie Janeiro.
i.i.lxii 1. O paqnete fraucez das
Messit^erias SENSUAL, eln-smi hun-
tcm do Rio de Janeiro.
COMMEHCI.4E.
Rio de Janeiro 5. Cambio sobre
fjoudres SO d. bancariu, e S6 is d.
parttcular.
Baiiia 5. Cambio sobre Londres
S d. bancario. e 1/8 d. parti-
cular.
Londres 4. Conscrva sea 3/4
a ta\a do desconta. Consolidados
de 3 % foh AGCOOMT, a 9% : I t fun dos
brasileiros de 5 "/ do anno de 186*.
a 9'J t ditos do liruzuay de O */ ,,>
anno de 189t. a 6 i/Z 1 ditos ar-
Sentinos de do anno de IS?I.
a OO 1/2 kk-diviokndo.. Boas prncuras
para carreftnmeutos de al!/ por quintal. O de Santos good
chaunel a 8S/G por quintal. As qua-
lidades colou.iy sao Urmes. in.is os
precos das demais qualidadcs vfio
deciinando. tendo sido geralmente
retirattosos suppriinentos. 3Ierca-
do de cafesem alteracao.
New Yorfc 4. Cambio sobre Lon-
dres i.s; 1 '. Ouro 110 Cafe do
Rio carregamentos fair a 17 1/c. por
libra, e carregamentos good a IS 1/4
c. por libra. Al^rodao medlano uplan-
ds a IO 3/1 c. por libra.
Liverpool 4. Mercado de algodao
frouxo. Venderam-se 14.030 far
dos. sendo 6.1SO da America do
sul. Houverain granites vendas do
de Pernambuco para exportaeao.
O KAin de Pernambuco a s 1/8 d o
dito de Santos a 8 d.. e o de Macelo
9 ir. lo d. por libra. Vendas dase-
mana lii.ftoo fardos. dos quaes....
8,000 do Brasll. luiportacao da se-
mana 8I.OOO fardos. send* 1S.OOO
do Brasll. Ucposito total 890.000
rardos. dos qnaes I01.BOO do Bra-
sll.
Hamburgo 4. Mercado de cafe
sent transaccoes.
Havre 4.Venderam-se 350 sac
cos do bom ordinario do Rio a 98
francos.
Londres 5. nesconto 9 3/1 por
cento. Consolidados de 3 % for AC-
couxr, a 98 5/8 1 fundos brasileiros
de 3 >/., do anno de ISOS. a 99 1/9 t
ditos do Uruguay de 6 do anno de
1891. a C'i 1/s ; ditos argentinos
de ., do anno de l8l. a OO l/.
it carregamento do QUEEN MISTLEY,
de 3.9O0 saccos, de Sam is. vendea-
se a 8o/t> por eeOT, Mercado de as-
sucar sent alteracao.
\c ViirK 5. Cambio sobre Lon-
dres 4.8G 1/9. ouro IOO :i I. Cafe
do Rio carregamentos fair ai6 cents
por libra, e ditos good a 17 1/2 cents
por libra- Precos baivando. Algo-
flao inediano uplands a 1G 3/4 cents por
libra. Cbegaram boje aos portos
americanos S.OOO fardos.
Liverpool S. -Me rea da de algodiio
desanimado. Venderam se lO.OOO
fardos. sendo 535 da America do
sn(. O fair de Pernambuco a 8 1,10
d. por libra, o dito de 8antos a 8 d.
idem, e o de Macel6 a "i 15/16 d.
idem. Mereado de assnear sem al-
teracao.
Antucrpia 5. .lie re a do de cafe
fronxo.
Hambnrgo 5. Xo mereado de ca-
fe os precos sao nominaes. O de
Santos, foi vendido a 80 os lotes
AVERAGE.
Havre 5. Venderam se 3,%00 sac-
cos. Deposilo total 105.000 sac-
cos.
(AGENCIA AMERICANA.)
Liverpool 4 de setembro.Algodao : 0
mercado continua no mesmo estado ; as co-
tagdes de faoje foram Maranhao 8 1/8, San-
tos 8, Ceara" 7 5/8, Bahia 7 1/2; vendo-
ram-se 5,000 fardos para a Russia, sendo
3,000 do Ceari a7 3/4 ; a existen:ia e de
890,430 contra 755,020 no anno passado ;
sendo 16 i,420 do Brasil contra 101,810 no
Fumo : o mirdndn v
d Bremen 4.Algodao: 0 mercado e-ti
fraco. Cotiros : mercado firme e subindo.
llivro 4.-Cafe : mercado fronxo, vende-
ram-s; bej'i 400 saccos ; o doRio a 93 e 0
de Santos a 103. Algodio : vendas de boje
l,300fardos; ode Pernambuco a 97 e 0 de
Santos a 92 ; existencias 180.0JO, sendo
7,900 do Brasil. Couros: finny e pro-
curados. Lu : firme.
Paris 4.0 Sr. de Cbadordy foi nomea-
do reprcsentante da Franca em Madrid.
Madrid 4.O governo prohibio as raa-
nifestar^oes publicas.
l'ord 5 as 8 h. e 35 m. da manba.
Cliegou 0 paque americano MERMMACK.
Rio 5 & 1 b. da tarde. Sahio 0 LYNCE
para o Rio Grande do Sul. Combio sobre
Londres 26 3/16 banco, 26 1/4 e 26 3/8
particular, firme.
Bohia a 1 h. e 35 m. da tarde.Xar-
que: mercado firme; existencia 21,329
arrobas do Rio Gr-nde do Sul e 5 106 do
Rio da Prat ; a do Hi> Grande do Sul ven-
deu-se do 59310 a 69135 e o do Rio di\
Prata de 59925 a 69153. Vendas da sema*
ma 12,i53 arrobas de as am bos proceden-
cias. Fumo : existem em deposito 6,500 far-
dos, procedelites da Cachoeirae S. F lix; de
Nazaretb nao ha. Sahio para P-raambuco
a barca hespanbola MAMA.
Rio 5 ao meio dia.Xarque : mercado
firmissimo ; existencia 00,000 kil do
Rio Grande do Sul e 3;220,000 do Rio da
Praia ; 0 do Ria Graude vende se de 260 a
270 rs. o kilo e 0 do Rio da Prata de 240 a
320 rs. o kilo ; as vendas da seraana mon-
taram a 50,000 klios de ambas as proce-
dencias
Liverpool 5.Algodao : 0 mercado con-
tinue frouxo, nao houve allera^io em pre-
50s.
Londres 5.Consolidados 92 5 8 ; fun-
dos brasileiros 101 i/2;cineopor cenlo
frflncei 98 3/4.
Havru 5.Cafe: venderam-sehojo3,200
saccos, sendo 3,000 do Brasil; 0 do Rio a
98 e 0 deSanOsa 103 ; existencia 166,000,
contra 65,000 no rnesmo periodo no anno
anterior. Algodflo : vendas de h->je 1,500
fardos a 97 0 de Pernambuco, e a 92 0 de
Santos. Sebj : mercado aclivo. Couros:
pricurados. Chegaram o HENDRICKA,
vindo do Rio Grande do Sul e 0 PEGAZO,
de Buenos Ayres.
Lisboa 6. Cuegou 0 vapor KEPLER,
procedente do Brasil ; o S. JOSE e a NO-
VA VEiSCEDORA drocedeutes de Pernam-
buco ; o SALTERDECK e METZ, de San-
tos, e 0 MARINHO, de Aracajii.
DUKLODEeEtt,ViMrJUJ
'j<.
111 gar,
RECIFE, 7 DE SETEMBRO DE 1874.
Noticias do sul do imperio.
No sabbado a"s 7 bor<*s da noite fundeou
no lamarSo o vapjr francez Henri IV,
trazenio datas: do Rio da Prata 22 do
Rio Grande do Sul 25, de Santi Catbarina
27, de Minas Geraes 27, de S. Paulo 26,
e do Rio de Janeiro 31 de agosto.
Dos joroaes colhemos o que vai sob as
rubricas Interior e Revista Diaria, e mais
o que segue :
REPUBLICAS DO PACIFICO.
No Peru ordenou o governo, por de-
creto de 23 de julno, que o preteito de
Hudnuco mandasse quo os jesuitas qu alb
se baviam c ngregado protegidos pelo ad-
mrnistrador apostohco e contra a vontade
das autoridades, se rctiras-em do
marcando-lbes para isto um prazo fatal
Outro decret 1 da mesma data determinou
que 0 tribunal supremo instaurasse processo
ao ao ex-bispo de Puno e 0 cabido, aquelle
por ter se communicado directamente com
a santa se e renunciado 0 bispado e este
por ter eleito um vigario capitular, com-
promettendo assim ambos a independencia
do estado.
Em Venezuela foi sanccionado 0 de-
creto do congresso aboliodo em toia a re-
publicao foro ou privilegio ecclesiastico, e
dispondo que 0 supremo tribunal federal e
competente para tomar conhecimeuto das
causas que, por mao deseinpeubo de suas
funcgOes, ou por delictos commuus, sein-
tentarem contra os arcebispos e bispos.
0 Tradicionalista de Bogota" publtcou
um decreto do presidente Guzman Blanco
desterrando da repoblica M. Baset, bispo
de Me>ida, por ter se opposto, em uma pas-
toral, & execuglo da lei sobre 0 casamento
civil.
Baralt, vigario aprstolico do arcebispado
de Caracas, foi nomeado pelo presidente
Blanco para substitutr 0 bispo desterrado.
Recusou elle a nomeac3o allegando perante
o congresso que nSo considerava canontca-
menle vaga a sede do arcebispado de Cara-
cas posto que assim 0 houvessem declarado
0 congresso e 0 poder executivo, porque era
I materia de fe" s6 obedeeia as ordens da
. santa se" de Roma. Logo qae so recebeu
esta resposta, ordenou so que 0 Dr. Baralt
fosso preso, levado para Laguayra e posto a
fordo do um navio.
RIO DA PRATA.
No congresso argentino fdra apresentada
uma roclainar.fio dos negociantts Risso e
F.jlt;ueras que pedem 80,000 pesos como
indemnisacao do vapor Portenha capturado
por Palmer e Bergara.
Em Montevideo fdra reconhecido senador
pelo departaraento de iDurazno. D. Amaro
Cirve.
Em Buenos-Ayres continuava a escassez
ds ciroe vorde, e continuava na campanha
a mortandade do gado. Segundo um offi
cio dirigidopela municipalidade ao gover
no, essa mortandade era devida a uma mo-
lestia com caracter epidemico que atacava
garganta do gad,o e ulcerava-a corapleta-
mente : depois do animal morto a decom-
postQSo era tao rapida que nem 0 couro se
podia aproveitar.
Em data de 19 0 governo expedio um
decreto autorisando 0 administrador das
rendas de Buenos-Ayres, para perrnittir du-
rante dous mezes a entrada, livre de direi-
tos, da earne verde, ou do gado em pe" des-
tinado paraconsumo da popula^So.
Com 0 intuito de tornar mais conhe^ida a
republica, oa Europa e America do Norte 0
presidente Sarmiento expedira nma circular
determinando, que se fizesse uma collecr;8o
de vistas photographicas dos edificios publi-
provinciaes mais notaveis
cos nactonaes e
que^ioJlprera cada provincia ; uma igual
eoll*vSn|Sosmais bjllos qua inn ij'i" npre-
nORtatsnMbtorezi ; uma vista gerrt da cl-
dail-AOu glades principaes.
Kr esperado em Buenos-Ayrer o Sr.
ArnjajTGondin, procedente da Hfcumpcio.
Foi nomeado comraandante da esquadri-
|a argeiittna nos mires do sul 0 teaanta-
coronet Martim Guerrico ; n esquadriliia
eonapoe-se do brigue Resales, com 4 pecas,
Chubut, comB, Ilio-Negto, com 1, alem
de 1 cbati e varias tancbas.
Em Montevideo 0 corpo legislativo estava
quasi em coropleta inactividade ; 0 senado
ainda nao discutira os assumptos pirn que
foram convoctdas extraordiuatiaraente as
camaras : na casa dos representantes fdra
de novo remettido d commissao de fazanda
0 projecto de lei do emprestuno.
Tinbam appareuido novos protestos con-
tra a eleiijao de Amaro Carve por Durazno.
Esta funccionando desde Ojlia 20 0 pba-
rol do Cabo de Santa Maria, daudo boa tuz
com um raio de 18 milhas.
K10 GRANDE DO SUL.
Estava no exercieto interino do cargo de
procurador da cords, soberania e fazenda
nacioual o desembargador Luiz Josd de
Sampaio, por acbar-se doente 0 elleotivo,
desembargador Adriano los6 Leal.
Reassumira o commando geral da forca
policial 0 coronel Lopez.
FiVa aberto pela presidencia da pro-
vincia um novo credito na quantia de
1:0009, pira pagamanto das despezas mais
urgentes co n 0 lazareto dos bexiguen.os.
No dia 23 tera lugar em toda a pro-
gincia a eleii;ao dos membros da assemblea
proviucial.
O resultado da votacao conhecido e 0 se-
buinte :
1 districlo.Capital. Dr. Silveira Mar-
tins 61, Dr. Florancio de A. e Silva 61, Dr.
Joao Ignacio Teixeira 61, Dr. Luiz da Sil-
va FlOres 61, Dr. Antonio Pinto de F. Bar-
reto 61, r'r.snciseo de Paula Soares 60,
couselheiro Araujo Brusque 60, Dr. Antero
F. d'Avila 59, tenente-coronel J. A. Vs
ques 5j, Dr. Pantaleao Paula Pereira 57,
Dr. Antouio Correa de Olivetra 56, Dr. Car-
los R. Chaves 5ti, veador Frederico de Wer-
na 55, Dr. Carlos T. Fldres 52, Dr. Felis-
berto P. da Siiva 51.
2 districto.Rio Grande.Joaquim R.
da Si I va Santos 39, Dr. Antonio E. de Ca-
margo 39, Dr. Fernando L_. Ozorio 38, Dr.
Titnotneo P. da Riisa 38, Dr. Antonio Soa-
res daSilva 38, Dr. Jose Francisco Diaua
38, Dr. Joaquim V. da Cunba 38, Dr
Francisco A. Maciel 38, Dr. S. E. deArruda
36, Antonio A. Ribas 36, Dr. Candido L.
de Oliveiru 36, Silvastre N. Gongalves Viei-
ra 36, Dr. J. S. dos Santos Coelh-> 36, Dr.
Alvaro Nunes Pereira 36, Dr. J. J. Alfonso
Alves 35.
Pelotas.Dr. E, de Camargo 22, Dr.
Franc sco Maciel 22, Dr. Tbimotheo P. da
Rosa 22, Dr. Autunes Rib*s22, Dr. Arruda
22, Dr. Jose F. Diana 22, Dr. Fernando
Ozorio 22, Dr. Candido L. de Ohveira 22,
Dr. J. S. dos Santos Coelho 22, Dr. Joa-
quim V. da Cunha 22, Dr. Antonio S. Sil-
va 22, Dr. Alvaro N. Pereira 21, Dr. Af-
fonso Alves 19; Joaquim R. da Silva Santos
19, major S. N. Gongalves Vieira 19.
Corria na capital o boato de bver-se
iucendiado a casa de negocio e de morada
de Gervasio de tal, na estrada de cima, que
coniuz ao passo d'Area, morrendo este e
sua in ul tier queiroadfls.
Noticia 0 Bchcr do Sul de 18 :
torneiras ao cbafariz da pra^a do Mercadu
para o experimenttrera perante um nume-
r s > coucurso depovo, que saud verd ideiro jubilo esse important^ melhora-
meuto proraovido em nos
.-.ompanhia Hylraulica Rio-Grandense.
O cbafariz ppresentava um Undo es-
pectaculo com os s us repu hos, de que es-
^uu;liava agua com uma forga prodigiosa.
Esta experiencia e um prenuncio d'
proxt.na conclusao das obras da Hydraulica,
as quaes progridem com uma actividale
digoa dos maiores elogios.
Le-se no Commercial do Rio Grande :
O Sr. Elpidio Augusto da Rocha Lima,
official de fazenda da conhoneira Henrique
Xartias, fez um pedido ha dias para forue-
cimento da dita conhoneira de uns 800 kilo-
grammas de fio de 13 e 300 ditos de verniz
copal, 0 primeiro de custo de 159 e 0 se-
gundo de 49 0 kilogramma, prefazendo um
total de 13 contese tantos mil reis.
Apresentaram-se estas contas no dia 11
do corrente & pagadoria filial desta cidade.
a Tal pedido fez especie nos empregados
da mesma reparticSo, que demoraram 0
pagamento para 0 dia seguinte, para exami-
narem os documentos e ver se podiam fazer
alguma objeccao sobre um pagarnento tao
avultado ; mas estando os ditos documentos
na devida ordem, e receiando offender 0
meliodre dos signatarios, pagaram.
Todavia a descoiifianga dos Srs. Bento
Jose Martins de Menezes e Archanjo L^So
Abrantes, empregados da dita pagadoria
nao os abandonou, e com toda a delicadeza
foram procarando assumpto com varios
officiaes dos navios de guerra surtos no
porto, sobre as avultadas despezas que fazia
a marinha, 0 que alguns respondiam nao
ser hoje tao avultada ; com 0 que tiveram
ensejo em deraonstrar, que nao havia tanta
economic como se dizia, pois que ha dias
tinbam pago um documento da canhoneira
Henrique Marlins so em duas addicoes de
treza.contos e tantos mil r&s nos arligos
a cima referidos.
Este pagarnento fez impressao nos of-
ficiaes com quem os empregados da paga-
doria tinham conversado, e de prompto
chegou ao conhecimento do commandante
da dita canhoneira, que foi examinar a es-
cripturacio de bordo, na qual enconlrou
no livro respectivo uma folha arrancada, e
a numerac&o salteada de 5 a 7 faltando a
6* folha.
capitao-tenente Joao Goncalves Duarte a
pjgadoria, pede os documentos do forn^ci-
raento para examinar a requisi^ao de bor-
do e reconheca estarem as firmas falsifi
cadas, mas tao perfeitamente imitadas que
quasi nenhuraa differenga apresentava das
verdadeiras.
a Sciente ja" os empregados da dita pa-
gadoria de am peculato tao audacioso, di-
rigem-se aos fornecedores que tinham re-
cebido 0 dinheiro, que fleam sorprendidos
do occorrido, e que segundo nos consta,
nao tendo os ditos artigos do pedido, 0
commissario Sr. Elpidio os informara de jd
os ter comprado em outras casas e man la-
do para bordo, e que recebessem 0 dinheiro
para elle Elpidio fazer o pagarnento, o que
na melhor fe assim fizeram os fornecedo-
res.
Leopoldo escrevem ao Rio-
corre aqui 0 boato que um
serrano dissora ter encontrado sets allemaes
armados, no dia 30 de julno, nos campos
da Vaccaria.
Ignoro 0 que haja de verdadeiro nisso;
mas, se e certo que ba alguns muckers nos
matos da hnha Nova, e que dous t6m sido
vtstos nas immediacoes do Ferrabraz ainda
depois do dia 2 de agosto, e f6ra de duvida
que os homens vistos pelo serrano nadd tem
com os muckers.
Tendo os padeiros de Jaguarao foito
um contrato para venderem ao publico 0
pao da 3ii grammas & razao de 160 reis, 0
povo reclamava sobre a infraccao do con-
trato da parte de alguns dos vendedores, e
a camara os tinba multado em vista das pos-
turas da mesma.
Diz 0 Diario do Rio-Grand$:
0 resultado geral das matancas de gado
apresenta este anno um deficit de 637,347
cabegas, comparado com 0 de 1873, como
pode ver-se pelo seguinte quadro :
1873 1874
Urugaay e Parana 791,000 660,400
Rio-Grande..... 465,000 320,262
Buenos-Ayres ... 565.000 256,000
223,347 199,743
2,044,347 1,405,905
Falleceram no Rio-Grande D. Cicilia
da Cunha Reis, filha do cidadSo Custodio
Jose dos Reis, e 0 escrivao da mesa de ren-
das provincias Manoel Germano de Bitten-
CDurt e Silva.
MI.VAS GERAES.
Le-se no Diario de Minas :
a Apparccendo no dia 29 de dezembro do anno
passado, a margem do Rio das Velhus, lugar de
nomiuado Jose dorreia, termo de Sabara, 0 cada-
ver de Egydio Pereira de Sa, e delegado respecti-
vo procedeu a auto de corpo de delicto, e do inque
rito policial q provas de que a tubmersao do inteliz nao foi ca-
sual, mas devida as consequents de um cooflic
to que se deu a 23 do mesiho met entre elle, Ma-
noel Moreira Povoas e Icao Moreira Povoas; pelo
qae foram estes pronunciados a 12 de marco do
Cirrent8 anno no art. 192 do codigo criminal.
Constando ao Dr. chefe de policia da provin-
cia que semelhantes criminosos, apesar da pro-
nnncia, rcaidiam ostensivamente no lugar, expe-
dio d'aqai uma forca, sob 0 command j do sar-
gento For'aaato Jose da Costa Laaa, e ao aminhe-
cer do dia 19 deste, foram presos os reos e se
acham em caminho para esta capital.))
Segundo diz 0 Pharol, de 27, a estaclo da es-
trada de ferro de D. Pedro II, naquella cidade, se-
ra construida entre as raas da Imperatriz e Liber-
dade.
Refere tambem a mesma folha qae em setem-
bro proximo serao inauguradas as estacdes da re-
ferida estrada na Serraria e no registro da Para-
hybuna.
s. PAULO.
0 thesouro provincial pagara a quantia de....
261:053^915, importancia de juros garantidos as
estradas de ferro da provincia. 0 thesouro para
effectuar esta avultada despeza, nao teve necessi-
dade de recorrer a emprestirao; tirou 0 dinheiro
do seus cofres.
O pagarnento foi assim distribuido: Companhia
t No entanto alias furaecedoras, nao
querondo que 0 ere lito de sua casa padeces-
se, ests>arrt promptos" a entrJir com a dita
quantia quo irtim-j liaUmente eff-jctuaram,
solfrendo tSo avultado prejuizo.
a O commissatio Elrjidio Augusto da
Rocha Lima foi logo preso e levou-se ao
conhecimento da autoridade competente
Mte aconteciaaento.
Diz 0 Bate de S. Leopoldo, referindo-se
a este assassino :
Sobre 0 destino que teve 0 chefe de
bandidos ainda nadase sabe ao certo.
c Iuforma$ao exicta poderia dar ao nos-
so ver, 0 vetbo Luppa, visto que este indi-
viduo garantio a muitos moradores desta
cidade que nada mais tinham a receiar de
Maurer : qae elle se fdra embora, que na j
voltaria mais e quetambem nao coraeria
raais feijo preto.
A' vista desta declaracao, cre-se aqui
geralmente que Luppa removesse seu chefe
e talvez tambem o cofre.
Le-se na Reforma de Porto-Alegre :
a Ao retirarem-se para a Europa as Sras.
DD. Ambrosina da Fonseca Quaresma e
Mara da Silva Fonseca, e o bonrado Sr.
Jacinluo G. do Valle Quaresma, libertararo
oito escravos de sua prupriedade, conforme
nos infonnou obsequiosamente 0 Illm. Sr.
Joao Ribeiro Henriquos.
Do Jor-nal do Commercio transcreve-
mos 0 seguinte :
t As populates deD. Pedrito, Sant'Anna
e S. Gabriel continuam receiosas com a
horda de raalfeitores que transitam por
aquellas immediagoes, incetidiando, sa-
queando e assassiuando.
As autoridades de D. Pedrito, zelosas
como se teem mostrado para a captura da-
quelles malvados, cujo numero, segundo se
calcula, e superior a 16, nada tera conse-
guido, em consequencia da falta de forca.
O susto e a desconfianga lavram em
todas as direcc&es das circumnzinbancas da-
qu> lies tres municipios, chegando a evitar-
se a viagem de um para outros, pelo receio
de assalto.
Escrevem de D. Pedrito para o Cor-
reio de Bagi em data de 8 do corrente :
A ordem do dia por aqui, como se de-
ve abi saber, sao os ladroes que andam
pelo municipio e suas tropelias.
< Hontem d'aqut sahio o tenente Eloy do
3 regimento, commandante da ala direita.
Segundo consta, os salteadores preten-
dem atacar as guanlas de S. Luiz e Upa-
niarotim para se armarem melhor, e sa-
quear, mais a seu salvo, as casas que estao
na India e que ficam sob as vistas desses
destacamentos, motivo porque nao foram
assaltadas am la.
O digno delegado de policia deste ter-
mo, 0 Sr. Candido d'Avila dos Santos, ape-
zu dos poucos recursos de que pode dispOr,
tem feito verdadeiros sacrilicios para exter-
inmar, ou ao menus afastar do municipio
esta horda do malfeitores.
Por sua ordem, e em cavallos de sua
propriedade, armados ate a sua custa, con-
correndo com a propria bolsa para essefim,
ells tem enviado em perseguicao dos ladroes
tres ou quatro escoltas, jd com guardas aa-
ciouaes, jd com a policia e ate com gente
do povo..
Por sua parte 0 prestante Sr. capitao
Francisco Simoes Pires e um dos cidadaos
que mais tem coadjuvado ao delegado des-
te termo, ja pondo d disposicao da autori-
rijade todas as forcas que tera podido reu-
nir. como elle prnprio tem procurado por
sua vez capturar os ladroes
O Bote noticia quee u S. Leopoldo cor-
rem duas subscripts: 0 producto de uma
e destioado i indemnisacao dos prcjuizos
causa ios p dos muckers; o da outra serd
empregado ns offerta de dous mimos aos
Srs. Drs. Abilio e Dantas, como testemu-
nho de gratidao pelos servijos que ambos
prestaram a cidado e colonia de S. Leo-
poldo.
Do S.
Grandense :
Ha dias

.-*
lSIloca^a^M 4:V8io,itwma *5:572J500, do
norte .xh27UJoO, ife M,gy-Men.n 2&8>2tG.
No dia\SI for expcriHientada mar* oina loconio-
t.va da i-oinpaiiliu M?yan, partiudo de Campi-
nas e percorren l< a exiensao de cerca d.- uma Ifl-
gua com veiucidaiu satisfacioria.
A companhia Ftuana celelirou no dia 16 a sua
sesjao ordinaria da assemblea geral. Do relalono
da directoria, enUio aarescntado, exlrahe 0 Itua-
iio as segnintes inforaia^'im :
Esperavam e novos earros -a locomctivts
de nma dm fabrieas raais acrediladas da Eu-
ropa.
No ultimo semeatre houve 0 angmento de
1,933 passageiros e 981,230 kilos de mercadD-
rias.
< A renda liquida que comeca a apparecer dis-
pensa pela primeira vez a provincia de entrar in -
tegraimente com os 7 */0 para os cofres da com-
panhia.
F llecera em Campinas D. Iria B. de Campos
Aranha, esposado Sr. Jose Machado de Campos
Aranha.
Noticia o Diario de Santos que 0 Sr. Miller, sa-
cio da concertoada firme Daltey, Mltter r KnoTrt*,
entrando com a quantia precisa, conseguio arre-
dar do captiveiro um preto de name Antonio, es-
cravo de Joao Manoel da Silva Franco.
SANTA CATHARIXA.
Acbava-se no exercicio do'cargo de chefe de po-
licia 0 jnii dedireito de S. Jo?e, Dr. Francelis-o
Adolpho P. Guimaraes, por ter-?e relirado, cum !i-
cen;a. para 0 Rio Grande 0 Dr. Hermidio Fran-
cisco do Espirito Sanio, chefe de policia effei-
tivo.
Fallecera o commondador Francisco Doar'.e
Silva, cidadao geralmente estimado, e qae occu-
pou quasi todos os cargos de eleicao popular, (w
seus irapnrtantes services na gaerra do Paraguay
inereceram-lhe as honras de tenente-coronel com
que 0 govern) 0 rei-ompensou.
BIO DE JANEIRO.
Por despacho de 16 de agosto :
Fez-se inerco do foro de liJalgo cavalheiro d.t
easa imperial a Mariano Bapiista Pereira, filb-3-
legitimo do fldalgo cavalheiro Jeronymo Baptist
Pereira.
Foram nomeados :
Ordem da Rasa. O.Hiial: 0 capitlotenente
Jose Antonio Alvarim Coita, commandante da ca-
nhoneira Taquary, em aitencio aos relevan'.es
tervifos que prestou a commissao de limites com
0 Paraguay.
Cavalrteiros. -Ol1 tenento Frederic* Ferrelra
de Ohveira iramediato da mesma canhoneira, e 0
piloto Francisco Gomes da Silva, por identic
servi^os ; e 0 capitao Julio Augusto de OJiveira
Hires, lente da escoia polytechnica e official da
seeretaria de estalo dos negoeios- da guerra do
reino de Portugal.
Foram naturalisaJos os subditos portnguezes
Fernando Jose da Silva, Francisco Victor Pacheoo.
Jacintho Antonio Teixeira, Joao Mendes d^ Oliveira
Brandao, Antonio Joaquim Pinto, Joaquim Fran-
cisco Praca e Jose Vieira da Costa e 0 subdiio
prassiano Andre Carlos Suet.
Por decretos de 26 de agosto :
Foi exonera'lo 0 juiz de direito Jose Antonio de
Mendonca do cargo de chefe de policia da provin-
cia do Ceara.
Foi, a seu pedido, removido 0 juii de direito
Raymunio Mendes de Carvalho, da comarca do
Riachio, de \' entrancia n provincia do Mara-
hio, para a de Santa Philomena, de igual entran-
cia na provincia doPiauhy.
Foram nomoados juiies'de direito :
0 juiz muuicip-l e de orpuaos Jose Lustosa de
Sonza da comarca da Jeromenha, na provincia do
Piauny.
0 bacharel Firmino Lidno da Silva Soares, da
comaroa de S. Joao do Piauby, na mesma pro-
vincia.
Foi reconduzilo 0 bacharel Sesostris e Silvio de
M iraes S>rmento no lugar de juiz municipal e de
orphaos do termo de Amarante, na provincia do
Piauhv.
Foi concediJo ao lacharel Adriano Fortes de
Bustamante a demissao que pedio do lugar de juiz
municipal e de orphans do termo de Baapeniy, na
provincia de Minas Geraes.
Por titulos de 25 de agosto foram nomea-
dos :
31 escripturario do thesouro nacional 0 3* da
recebedoria, Joao Thoraaz Coelho.; 3* da rece-
hedoria do Rio de Janeiro o da tflesouraria de
E-pirito Santo, Alexandre Norberto da Costa.
Por portana de 17 de agosto foram nomeados
os agnmensores Leonel Pereira Gomes e Jose
Alves de Souza Vianna para aoxiliar 0 engenheiro
Jose Joaquim de Pin ho Junior, na conclusao dos
trabalhas de descntmnacao e medicao de terras
devolatas no territorio da Chapada, provincia de
Sergipe.
Por ac'o de 27 de agosto f >i approvada a
nomeajao ijue 0 ajudante general da armada foz
d 1 2 tenente Jose Virgilio de Almeida Moura para
serv.r iiitenuainenie 0 lugar de ajudante de or Jens
da flotilha do AJlo Uruguay.
Coacedea se tres mezes de licenija com ordenaJo
ao juiz da direito da comarca de Pianco, na pro-
vincia da Parahyb.i, bacharel Francisco Jovita
Cavalcante de Albuqaerque.
Foram despachadis os re (uerimentos seguintes :
Juiz de direito Epaminindas de Souza (iouveia,
pedindo remo;a,i para a comarca de Arm, na
provin.-ia da Parahyba. Nao pode ter lugar a que
reqaer.
Jose P nto Montenegro, pedindo ser nomeado
amanuense da relec4o da Fortaleza. Nao esta
vago 0 lugar. j^,
Solicitouse 0 pagarnento da gratifica;ao annaal
de 1.0304000, alem do respectivo ordenado, ao
juiz municipal e de orphaos do termo de Ingazeira,
na provincia de Pernambuco.
Foram prorogadas :
Por dous mezes com ordenado, a licence do juiz
municipal e de orpha .s do termo de darreiros,
bacharel Joao Carlos d^ Mendon^a Vascon;ellos.
Por um mer. com ordenado, a do juiz de direito
Honor j Teixeira Coirabra.
Aroitron-se em 300i a ajuda de custo de jnia
municipal e de orphaos do terms de Porto Seguro
e annexos, na pnvincia da Bahia, bacharel Jose
Antoiio Floresta Bastos.
Oeclarou-sa ao presidente da provracia de Per-
nambuco, em resposta ao offlcio n. 121 de 28 de
jilliu ultimo, que nao pole ter lugar 0 augmeato
do pessoal para a secretaria de policia respectiva,
por ser necessaria autorisacSo do corpo legislative.
Pelo ministerio do imperio de-larou-se ao
presidente de Pernambuco, em resposta ao otfkio
de 10 de jnlho ultimo, sob n. 50, no qua! commu-
nica, que approvou provisoriamente s ejeigoes
para vereadores e juizes de paz, a que se projeieu
na segunla dominga de Janeiro, na p rochia da
villa do Liraoeiro, sob a presideacia do 4* juiz de
paz, 0 alferes Antonio Jose Oourado da Silva, por
impedimenlo provado dos outros, e na de Taquari-
tinga, sob a presidencia do 1 juiz de pax, 0 cida-
dao Antonio Florentine Beierra Cavalcante, que
bem procedeu. por quanto das capias que acom-
panharam 0 dito offlcio, nao consta que se fizes-
sem r*clamacde* contra taes eleicdes, nem qae se
dessem irregularidades que substancialmente as
viciem.
Falleceu em Valenca, apos doloroso3 soffri-
mentos, 0 coronel Manoe: Hygino de Figaeiredo,
na idade de 67 aanos Perlencia a uma illustre
familia de Pernambuco, e nessa provincia, que era
sen berco, servio ao estado, como official da legiao
de milieias.
Era 0 fallecido coronel reformado da gnarda na-
cional, conferente aposentado da alfande^a da car-
te, exerceu varios cargos Ai eleicao popular, tinha
como remuneracao dos servi^os que prestou ao
paiz 0 grao de official da imperial ordem da Rosa
e cavalheiro da de Nosso Senhor Jesas Christ-1.
Era fidalgo cavalheiro da casa imperial, guarda-
roupa e veador da S. M. a Imperatriz, e em 1850
foi qomeado eatnarista, cargo que exerceu muitos
annos.
Depois de uma sessao que durou dous dias e
duas noltes, no tribunal do jury da carte, foi pro-
nunciada a seguinte sentenca contra os autores e
complices no assassinato Lauglois, no qual figu-
raram como advogados ot Drs. Pedro de Meirelles,
Aydano de Almeila, Achilles Varejao, Pinto Ju-
nior, Siz>?nando Nabnco, Ferreira de Menezes, Af-
fonso Mouteiro, e corselheiro Tito Franco.
A' vista da decisao do jury, julgando 0 rea
Joao C. Cervetto de Stockmam incurso na peua
mmediata a do grao maximo do art, 193 do co-
digo criminal, 0 eondemno aa pena de gales per-
petuas. Quanto ao reo Candido Joaquim de San-
1'Anna, achando-sa incurso na pena immediate a
do grao maximo do art. 192 do mesmo codigo, 0
eondemno na pena de gales perpetuas. Quanto
ao Mo Norberto Jos6 Pecanha julgando 0 incurso
no grao medio do artigo citado, corabinado com
os arts. 8 a 33 do mesmo codigo, 0 condemaa a
20 annos de gales. Qnanto aos rees .Felinpe, es*
cravo de Jnlio Villeneave & C e Jose Jacntbo
Galvso de Barros, julgando-os incarsos no grao
minimo do cita le art 92 combinado com 0 8*
e 35 do mesmo codigo os eondemno a 3 aanos e
4 mezes de prisSo com trabalho, e na forma da
lei substitu'o a pena imposta ao reo Fe'ippe pela
r
1
r>

t- *

C

A:
.


". '
Jife *e Vtamtibm ^'flegaHla 4eira 7" S^SatsiflBrb de MM,
V *~
da 200 acoite*. Pazas as cpstas psl03 rfos e palo
seclior do ultimo.
to
de 187*, era eoatinua.ao da sessao de-27 a *
M
m
deste mpsinp-mez,-- ^i/jiift Bar&oza Gomes
gueira.
03 advogados ie ItSo Celestfno Cirvetto de Sto-
ckman, e de Candida Joajjuira de Saot'Anna pro-
testarara para novo jay. os de Jose Jacintbo
Galvao de Barros (Macei-y, e de Felipps, escravo,
appellarara para a relaeao do districto.
c-Eii as'noticias eomraerciaes da ultima data :
RioG.nttde do Sal 24.-0 cambio para a mala
toCamucs fcetmi as segujates taxas : Londres25
3(1 d. bancario, 26 d. particular. Paris 37? rs.
baauario,3Cj particular; Haraburgo 462 rs.
bancario, 40) rs. particular.
t Cotmj#-aaonca;a3)/400 a 09 soberanos a
9*330 a dinheiro.
0* preco3 dos fretantentos sao : couros aalga-
dos, 32 s. 6 d ; cinza, 22 s. 6 d. e 5 |0 de c\pa
As dhas de Pelotas dao a segititite noticia :
'Consta ijue se effectciara uma imp >rtante tran-
sact commercial, sendo comprada toda a exi3-
tencia de gorduras i]ue ham naquelle mereado,
coustante de 15,000 arrobas, ponco mais ou meuos.
Esta operacjio -lei lugar a qua o geaero ti-
veise granle procun, e subisse de prejo.
Rio de Janeiro 29. Apezar de ter o mereado
da carabio sobre LonJres sutlrido reJucoao de l|$
d., visto que o baaeo que sacava a 26 I |S d. ran-
rou-se completamente, raostrou-e lirme. Os baa
003 em geral sacaram a 26 d. e o papel da praca
foi negociado a 26 t|l6 e 26 l|3 d.
N*Ja se fez em soberanos.
As apolice< geraesde 6|,,continuarama apre
sentar rirmeza jeasivel. Negooiaram se cerca de
300 a 1:0334 a dinheiro.
No mereado de aceoe* avultou a venda de
urn I .I-', importance das do Banco do Brasil a i'fi
a dinheiro. A16in desla transacclo realisaram se
outras dc pequenoi lotes das da Companhia Com-
marcio e Lavoura a 'il J ; compauhia estrada de
ferroda Leopoldiua a 'JOS ; conapanbia de seguros
lategridade Sot, a diaheiro.
As veadas de cafe fo*ani hoje insignificantes e
na aemana liuda de cerca de 54,000 saccj3. A
existeaciae de 120,000 saceos.
Gotamos hoje por 10 kilos:
Lavado.....6.J7O0 a 75600
Superior Guo. 6^700 a 73200
1* boa.....6#?50 a 6J400
1' regular 53850 a 6*003
l'ordiaaria. 3*400 a 5*700
2' bu.....43700 a 4*850
2> ordinari3. 43000 a 43300
A3 vends de assucar foram mais qae rega-
lares. Dj ijue trouxe o lnveneitel venaerarn-se
(500 saccos mascavo aos extrerao9 de 13750 a
13800 por 10 kilogrammas. Da carga do inesno
navio aiuda exbteio 1,800 sac^is. O deposito do
assufearde outr 3 proceieucias pouca alteragio
leva.
Os pregos do aasocar de Pernapabuco sao os
seguintes:
liranco de 2 sorte. 33130 a 33260
de 3- o 23450 a 23790
a da 1' 23210 a 23310
Someaos......23040 a 23-70
- Mascavo......13830 a 13970
t Frelou se urn navio para Gbarleston, cafe, a
22 s. 6 d., e un para um porto dos Estados L'ui-
do3. no atlantiso, Cife, a 20 s.; urn para Saato3 e
Canal, a ordem, Igoiao, 35 s, todos com 5 i0 de
capa.
c Foi-conlratado o vapir jngles Lalande, entra
do hoje, para tran-pmar 14,500 saccos de cafe
para os E-aados-Uuidos a 1 dollar por saccs e 5
, de capa.
\oticias
qtie estacoramals de 150 nomens afmados.
pera-se providencias.
A presiJfneia da provincia diira toda3 as pro-
videncias que aocasooabia, exonerando o del>*ga-
do do term*, nomeanda um official de poiicia para
as* cargo, e fazendb para aril segui.- uma forija.
nao so para eaptarar os criminosos, eomo para
iawr oessar o esudo de exalumeuto em que se
achavam os aairao*.
A' ultima data oonstava estar disjolvido o gru-
poeapazigjada a localidade, tendo se pot'.o am
fuga o aut r.
eiMAMBUCO.
tie
Serg;ipo c do Ala-
H-intem chegou an nosso porto o vapor brasilei-
ro Cumripe, trazendo |oraaas do Aracajo ale 2 e
de Macaio al6 a do corrente. Delles colbemos o
que segue ;
SPRIUPK.
Falleceu, em Propria, o Rvm. Miguel de Al-
buquerque Silva Ham.a:. >, mambro da assemblea
provincial.
Lemos no Jornal do A racajit :
No termo de Simao Dias deu-se o seguinte e
desagradavel facto, em Hi do corrente.
a HavenJo o Dr. juiz municipal expedido man-
dado de prisio contra os criminosos Manoel da
Gruz do Nascimento e um seu irraao, ambos auto-
res do assassinato praticado na pessoa do cabo
Andre Avelino, quando este conduzia um recruta
para a capital, por constar que aquelles crimino
dos se AcoitaTikia om oiwa 4a laqtxiaa Uaria dxa
Virgens, mai dos raesmos. para alii dirigira-ge a
foi\a publica, acompauhada de um ofQciad de jus-
tica.
i Cbegados ao lugar comp-:"..;ute cercaram a ca-
sa da muiher e inlimarara ua para que eulregasse
os criminosos.
Uutretanto, de denlro da mesma casaouviase
uma in que aineacava resisiir a for^a ; e sera
tempo para qual juerraelhor resolucao, de snbito
sahiram armados dous inlividuos e'a diU mullier
que lanjando se sobre a for-;a provocaram uraa^
laeta de mas consequencias para todos, pois que
todos licaram feridos.
t Reconheceu-se depois nio serem taes ind vi-
duos os criminosos procurados ; eram sim dous
irmaos dos mesmos. Foram, porem, capturados
em vista do acto reprovadj e crimiooso que pra-
licaram.
c Fez se o corpo de deiictoe as demais diligen-
ces recora nendadas por lei. E cre-se que ha da
parte das autoridales policiaes e judiciarias todo
o empenho em nao deixarem passar desapercebi-
do um acontecimento, que vai de encontro ao res-
peito e prestigio de que deve ser revestida a forca
publica. )>
ALAGOAS.
Ja se achiva nr exercicio do cargo de chefe
de poiicia o Dr. J >ao da Matta Gorreia Lima.
0 engenheiro An Ire Gamadock, auxiliado
pelo engenheiro Carlos Itoitenstern, tinba comer;a-
do os astudos para melhjramento do porto da Pa-
jussara.
Pelo jury do Pilar foram julgados os assissi-
c;s do capitao Joao Evangelista de Lima e sua
muiher, sendo o reo Vicente condeamado a pena
de nvorte, como incurso no art. 1* da lei n. 4 de
10 &} junho de 1833, por ser escravo das victi-
mas quando corametteu o c iae, e o reo Fran
Cisco, que era escravo do Dr. Joaquim Telesphoro
F-irreira Lopes Vianna, tambera a pena de morte
como incurso no grao maximo do art. 271 do co-
digo criminal, por haver commettido o crime de
morte para veriQcagao do de roubo.
Da sentenca que condemaou o r6o Francisco a
pena ultima, interpoz o Dr. juiz de direito presi
dente do tribunal a appeliacao neceisaria pira a
relacao do districto.
LC se no Jornal do Pilar :
Da v lla de Atalaia nos escrevem o seguinte :
t No dia 27 de agosto, in Jo o official de juatiga
Jose Ign cio T >eobaldo com um mandado do Dr.
juiz municipal deste termo, inlimar a Manoel Fer-
nandes da Costa, proprietary do engenho Brasi-
Uiro, para no prazo de 2i horas pagar ou dar
bens a penhora na quan.tia de 203000 de multa
que lhe foi imposta pelo ox-presideate do jury
deste terjno, Dr, Josti Martins Kontes, o isto a re
qaerlmento da Samara municipal por seu procu-
rador, alii chegado o dito official, foi enserrado em
ura quarto e tomaram lhe o mandado o rasgarara,
e prepararam um clyster de pimenta para appli-
careu ao mesmo; e a nao ser uma senhora, so-
gra de Femandes, tcria o official sjffrido o referi-
do casligo.
c Voltando para aqui o official e narrando i9to,
subiram os autos a conclusa^, e o juiz mandou
passar novo mandado, para ser iaiimado o dito
Feroa ndes.
No dia 28 seguio o tabelliao Jose Maunllo de
UjIIo Gorreia acompaubado de 11 praijas a 3 tes-
temunhas para fazer a intima^io e ao chegar as por
teiras do engenho foi recebido pelo mesmo Fernan-
da, a testa de 1 grano de 100 homen*, poaco mais
ou roeaos, armados de bacamaries, foaeea e taeas,
gritando ao referido eBcrivao a as pra^as que
m nao aproximassem, senio haveria uma des-
gra^a I
Com toda a pradencia, p^rem, o e3:rivao Maa-
rillo etfectuou a intima^o em vozas claras, tenlo
u resposta uma grande descompostura que Ibe
passou Fernandas e seas seqaazes ; avista do que
tea lhe ordem de prisao em ihgranie delicts por
crimes de sediccio e ameajas verbae, iujurias,
desobediencia e resisteacia a forga legal, nao po
dendo por6m, effecluar a prisao por nao ser pos-
4>7el e receiando ser victima e sacriflcar a guarda
que o defendia 0 eschvao retirandose para o
pevoado Sapucaia, lavrou alii o competente auto
de pri?io em tlagrante qae foi asslgaado por daas
testemunhas de rista, a aqui chegado remetteu ao
Dr. juiz municipal, e lnntem mesmo foi iniciado o
competente processo. 03 Drs. juix da direio e
juiz municipal, promotor publico e o delegado, offi-
clar3m ao Sr. prasidente ca e um delegado militar"
i 0 tal Fernaqdej alnla hoje tivemos noljci3
REVTSTA DIARU.
Mete de Sdemiiro. E"a data do dii de
hoje, que asaignal-a na bistoria patria o^graudioso
acontecimento de nos-a emancipacao politica. Um
dos maiores, se nao o mai or das festas considera-
das nacionaes, a este como aos mais, o reg_osijo
publico, se o ha, tem por unica manifesta^ao as
ccremoaias officiaes de estylo em casos taes. Ista
seria desaniraador e eootristaote, se em nossa in-
dule, se nio em nossa elueagio nio ancontrasse-
mos a i xplicacao do phenomeno: 6 qua 6 de nossos
habitos nao erguermo-nos se nao a.s acenos de
cima.
Ainda havemos, porem, de ver desperto e ra-
diante o espirito publico nesses dias gloriosos que
recordam as acgoes maxiraas de nossos avos, nes-
ses Uias, marcos encravad js na estrada do passado
para estiumlar-nos a encravacao 4a semelhantes
nao menoi manumeotosos na Mrada de futuro.
A indifferenya publica 3 um phenomeno occasional
de epucas anormaes : passa.
Sobre este dia grandioso lemos n'um jornal os
seguintes versos, assignados por Americo Ves-
(iuci,. :
Ao sele desetembro.
No meio destas altas serranias,
Ao clangor estridente, soergueu-se
Um povo de guerreiros,
Tenlo ainda nas maos despeda;ados
Os !' rros que opprimiram tantos annos
De Andrada os coberdeiros I
Desta brasiloa terra denodada
Nam o tempo extinguio da bistoria os tragos
De uma incSo ardeote,
Que as injurias vingando os lares patrios
Pole manier de pe seus livres foros
E fez-se independente I
Do Gigante do Sul, ja desprendido
0 pesado ghlhao da vil iufamia
Que nos curvara a froate,
Surgio eniao de esplendida belleza
Da liberdade a luz, que ora rutila
Da patria no horizonte.
E do passado as glorias revivendo,
Nos fastos do presenle applaude o povo
Os bens da redempcao :
Quern vive como escravo e ijie se avitta
Polluindo nos seios. da miseria
As faces pelo cbao I
Da liberdade e sol vivificante
Projectara nos Dlnos de Colombo
Os aureos raios seus;
Daquelle fogo a chamma irradiou se,
E o ultimo estridor angnstiado
Morrera aos-pas de Deus !...
Ao iugenie clario, rompendo as brumas
0 athleta veucedor, gigante immenso,
Que nio trerneu jaraais,
Trazia aiuda o gladio sobracado
E sobre o chao pisava em mil destrocos
Dos genios infernaes.
Sublimr inspira^ao pharol de um povo
Que sjube honrar a sua autonomia
Contra o genio invasor,
E que ao porvir legando um nome honroso
Nao se enrvou em face do combate
A's leis do oppressor....
I'terno monumeato levantado
Em pro da humanidade trucidada,
Que tem soffrido tanto,
Por toda a parte o muodo engrandeceu-te,
Por toda a pane o povo em seus triumphos
Cobrio-se com teu manto !...
Por ti soraente foi que os bravos fflhos
Da Santa Gruz no solo americano
Verteram tanto sangue,
E que de Xavier os lassos membros
Foram pasto ao furor dos assassinos
Quando era tudo exaDgue !
Por ti, entre o rugir da tempestade,
Naquelle colossal, tremendo embate,
Que nos lancara a sorte,
Os gr.uides cidadaos aqui gravaram
No pedestal da patria, em lettras de ouro :
Independencia ou morte I...
o IiospU-io de alieiindos. Como an-
i:U :iiWY'i em nosso numero do dia 4, tera amanha
lugar a collocacao da primeira pe Ira do edificio
destinado ao recolbimento dos infelizes a quem a
razao venha a faltar-lhes. A ceremonia devera
serpomposa edo maior interesse, attent03 os im-
portantes preparativos que se fizerara e se conti-
nua a fazer.
Taremos, pois, uma grande festa, e, certamente,
nunca vista nesta cidade em acto como o de quo
se trata.
Sendo o programma que ja publicamos, apenas
um resumo do que esta projectado, convem que
de raodo mais minucioso informemos ao publico
dos meios empregados para que a festa se conver-
ta em um agradavel e curiosissimo espectaculo.
A's i I |i da tarde de amanha, largara desta ci-
dade um trem especial, conduzindo o Exm. Sr.
presidente.seus araigos, diversas senhoras e os
principaes fuoccionarios publicos. A's 4 1|2 come-
rara a ceremonia da beacio da pedra, pelo Exm.
Sr. governador do bispado, ou por outro qualquer
sacerdote que S. Exc. houver de designar.
Este acto tera lugar n'um pavilhao separado,
elegante e decentemente preparado. Dalli sera
a pedra conduzida entre alas dos paranymphos, e
acompanhada pelo cortejo official que estiver reu-
nido, e por toda e qualquer pessoa que o quizer,
guard via a ordem ostabelecida.
Depois de assentada amssma pedra, o preenchi-
das todas as ccremoaias, passarao os paranym-
phos e canvidedos ao grande pavilhao.
0 9* batalhao de infantaria fara as nonras do es-
tylo, e 7 musicas marciaes tocarSo pegas escolhi-
das. Ao cahir da noite sera f -ita uma illumiaara<
a giorno, por um systema bellissimo e de grande
effeito.
Havera uma grande area lllumiaada, bem como
os pavilhoes e barracas; e n'um bosque de vetus-
tos arvoredos, se vera o acampamento do 9 bata-
lhao, com grando numero de barracas de guerra,
e uma illumina;ao especial, ao gosto das que se
se U3am nas festas de aldeia.
Tudo isto, pois, devera ser da um effeito mara-
vilhoso.
Alera disto, o embandeiramento de todo o e.-pa-
co utilisado e os arcos de flores e folhagera, ser-
virao de maior realce e effeito agradavel.
Em run, e fora de duvida que a festa sera lin-
dissima e digna de ser apreciada; 6 uma festa
que ha de marcar uma epoca na historia da pro-
vincia, e recommendar ao futuro o cidadAo que
lhe deu occasiao.
Jury do Recife.Encerraram se ante-hon-
tem os trabalhos deste tribunal, em sua 4* sessSo do
corrente anno, com o julgamento da re Arminia
Maria da Coneeigio, pronunciada no art. 193 do
codigo criminal, por haver na tempos, assassinado
com quatro facadas a Theodora Maria da Goncei-
Qio em um coriigo a rua da Florentina.
Produzio a aecusagao publica o Sr. Dr. 2" pro-
motor publico, e a defeza o Sr.Dr. Blizeu Marlins,
que na occasiio foi convidado para o .fazer.
Em vista da decisao do coaselho de sent en 5a, foi
\rminia condemnada a prisao perpeloa. Nas tar -
mos da lei 0 Exm. pre3idea'.e do tribunal appsjlou
ex-offl:io, Gcando porem sem effeito este acto,
por haver 0 advogado da defeza protestado por
novo julgamento.
Governo da bispado.-Por provisoes de
19 de agosto Undo e 1* do corrente foram raanda-
dos continuar per mais nm anno os padres Veris-
siuio da Siva Ribeire, na fregaezla do Limoeiro de
Anadla; e Manoel Gorreia db Souza Lima, na da
Bauaneira3.
trremataruo provincial.Foi trans-
feriJa para 0 dia 17 do eorrente, perante a junta
do thesouro, provincial, a arremataclo da obra da
ponte de Sjoes sobre 0 no Tapicura, na estrada
da Victoria, orcada am 1:4833-
FcrjiuentoH e morte. -No lagar Alag5a
do Meio, do districto da Alagoa-Seeca, no termo
da Nazareth, Joaquim Rodrigues ferio gravemento
com um tiro a Manoel de tJ, conhecldo por |5S
Es-10 qua! por sua vez ffo gravemente ao tea aggrei-
liQT, couseguiddo evadir se, vindo Rodrigues a fal-
leeer no dia seguinte.
jL. da agosto arrecadou esu repartic-Jo 8:406*498
Km igual-mez Je (873 8:MS*50
0 rendimento do raez de agOsto ultimo subdivi-
de e assim :
Sellos 3:8063">8O
Cartas 1:9643300
Premios 413800
Astignaotes 1003<00
Mullas 603000
Agendas 3803960
Muvimento de fun Jos 2:0323658
Festa taaclonatl.Por ser hojeo dia anni-
versario da proclamacao da independencia do Bra
sil, e.-larao embaadeirados as estates publicas e
oavios de guerra, dando a fprtalezado Brum salvas
as 6 hora- da manna, 1 e 6 da tarde. A' 1 hora da
tarde havera, no palacio da presidencia da pro-
vincia, 0 cortejo ante a efOgie de S. M. 0 Impera-
dor, fazendo as honras mililares um dos batalh3es
de iinha.
A' noite ha espectaculo-gala tanto no tbeatro
Santo Antonio, como na Phenix Dramatico.
C'Irco equestre. -0 espectaculo que hoje a
noite da a corapanhia do Sr. Antonio Carlos do
Carmo, do circo do Campo das Princezas, 6 em be
neflcio das obras do asylo de alienados.
Roubo. Em bem da verdade, e para satis-
fazer ao pedido de um nosso amigo, declaramos
que 0 ferro roubado a fun Jitjao dos Srs. C. Starr
i C. a vendido na dos Srs. Allan, Patterson Si C,
foi comprado nesta estabelecunenlo sem sciencia
do seu digao gerenie, 0 qual, apenas lhe foi dad 1
scieacia do occorrido, mandou espontaneamente
restituir todo 0 ferro roubado.
Juixudo de paz. -0 juix de paz da fregue-
zia da Boa-Vista, era virtude da ser santificada a
ter;a-feira desta semana, da audieniia na sexta-
feira 11 do corrente.
via ferrea do Caxanga. A gerencia
desta erapreza expedo arnaaha (8) grande numero
de tr. ns extraordinarios do Recife para 0 Montei*
ro e vice-versa, aflm de que possam assistir a so-
lemnidade da collocacao da primeira pedra do
Asyto de Alienados todas as pessoas que i-so de-
sejarem. A tabelia para esse servic.) e a se-
guinte :
Re!/>.-1.03. 2.05, 2.40, 3.03, 3.40, 4,03, 4 40,
5.05, 6.40, 7.03, 7.40, 8.05.
Tamarineira.-I.27, 2 37, 3.02, 3.27, 402, 4.27,
5.00, 5.27, 7.00, 7.27, 8.02 8.27.
Monteiro.1,43,3.43, 7.15, 8.43.
J/ofr/ro.-2.00, 4.00, 7.20. 9.00.
Tamarineira.2.13, 2 30, 3.10, 4.10, 4.30, (4.13,
6.10), 6.30, 7.10, 7.30, 8.10, 9.13, 9.30.
Recife..:. 2.38, 3.38. 4.38, 4.58, 6.38, 6.38,
7.38, 7.58, 8.38, 9*38, 9.58.
Estes treas tocarao em tolas as eslacoes inter-
mediarias.
Trilbos urbanos de Olinda. A ge-
rencia desta empreza, desejando tambem facilitar
os meios de transporte de passageiros para a festa
do assentameato da primeira peJra do A-ylo de
Alienadns, que deve ter lugar amanha, resolved
fexpetlir treus extraordinarios de raeia era meia
hora, a comejar da 2 da tarde, tanto de Ida oomo
de volla ale a Encruzilhada, a razio de 230 reis
por passageiros de 1* classe, e (20 de segunda.
Pagadorla de fazenda.-Nesta e:ta;So
pagam-se hoje as seguintes folhas ;
Guarda nacional, navios d'amnda, aposca-
tados.
Circmlo Iiltterario.Por circumslancias
extraordinarias foi adiadi sem tempo a sessao
magna de iastallacao da sociedade Gremio Litte-
rario.
Via ferrea do Recife a Limoeiro.
Sob 0 n. 5,704 de 5 de agosto ult mo, foi p ubli
cado pelo miaUterio do imperio 0 decreto se-
guinte :
a Atteadeado ao que me requereu 0 barao da
Soledade, concessioaario da estrada de ferro do
Recife ao Limoeiro, com um raraal para a cidade
de Nazereth, aa proviccia de I'eraambuco, hei
por bem, nos termo- da lei n. 2,450 de 24 de se-
teiiibr > de 1873, conceder a companhia que orga-
nisar para construccao da referida estrada 0 son
raraal flan^a da garantia de juros de 7 por ceut'.
ao aano, coaeedida pala lei provincial u. 1,113
de 17 de junho de 1873 soSre 0 maximo capital
de 50:000^ por kilometre, durante 0 prazo Je 30
annos, observadas aa clausulas dos contraltos ce-
lebrados entre 0 referido concessionary e a pre-
sidencia da provjneia em 16 de julho de 1870, 13
de julho de 1871, e 21 de agosto de 1873, de ae-
cordo com os que com este baixam, assignados por
Jose Fernandas da Costa Peraira Junior, do i:iu
ennaplhn. ministro e secretario de eslalo doi no
gocios da agricultura, commercio e obras publi-
cas, qae a3sim 0 tenha eotendida e faca executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 5 de agosto de 1874,
53 da independencia e do imperio. Gom a ru-
bnca de S. M. 0 imperador.Jose Fernanda da
Costa Pereira Junior.
Presideucia do jury. Par decreto n.
2,523, de 26 de agosto, foi derogado 6 art. 6" da
lei n. 2,033 de 20 de setembro de 1871, na parte
que estabelece a competencia dos desembargaiio-
res para presidirem as sessoes do jury nas corner-
cas especiaes.
Nessas comarca3 os juizes de direito continua-
rao 3 preparar os processos, que devem ser jul-
gados pelos respectives conselhos de jurados, ao3
juaes presidirao do mesmo raodo que os juizes
das comarcas geraes, substituindo se uns aos ou-
tros, como nas outras suas altribuico-s crimi-
naes.
0 decreto o. 5,720 de 27 tambam do corrente,
regula pelo seguinte mado a execu.-ao do decreto
de 26, aciraa referido.
t Art. l. A eonvocacao Je presidencia do jury
nas comarcas especiaes lieam pertencendo aos
juizes de direito, como naa comarcas geraes.
Art. 2.' Na corte e nas comarcas especiaes
de dous on mais juites de direito, as scs-oi's do
jury serao convocadas e presididas ,-uccessivamente
por todo3 elles, incluidos os de varas privativas e
os auditores de guerra e marinha, segundo a or-
dem da designacao dos districts criminaes om
que servirem.
t Art. 3. Os juizes de direito da3 cjraarcas,
de qua trata 0 artigo antecedent?, qundo impe-
didos, se substituirao uns aos outros na presiden-
cia do jury, como nas outras suas attribui.-oes
criminaes, pela ordem da substituic.20 reciproca
que for designada de conformidade com 0 art. 4
do decreto n. 4,824 de 22 de novembro de 1871.
Se a comarca liver um so juiz de direito, sera
este substituido, no caso de impedimeato, pelo
juiz substituto.
Art. 4." Em qualguer das referidas comar-
cas os juizes de direito podsrao ser auxiliados
pelos juizes substitutos, ao prepare dos processos
de julgamento do jory, a respeito dajuelles actos
que nas comarcas geraes competent ao juiz mu-
nicipal, quando 0 raiz de direito se a:ha no termo.
t Art. 5." Encerrada a sessaojndiciaria do jury,
juiz de direito, que a tiver presidido, fara 0 re-
latorio deterrainado pelo art. 180 do regulamento
n. 120 de 31 de Janeiro de 1942.
i Art. 6.* Ficam revogados 0 art. 24 e 1,
2, 3, 4-, 5 e 7" do decrato j>.4*24 de 22 de
novembro de 1871, e,o ttecretO n. 4,992 de 3 de
julho de 1872.1
Novas cemarfas. l>pram declaradas da
primsira entrancia, por decreto n. 5,716 de 26 de
agosto, as comarcas de Santa Puilomena, Jerome-
nha e S. Joao do Piauliy, creada na provincia do
Piauhy pela lei da respectiva assemble n. bSO de
18 de junho ultimo.
Veucianeatos de proraotoros. Os
promotoras publicos das comarcas |de Santa Phi-
lomena, Jeromenha e S. Joao do Piauhy, oftima-
mente creadas na provincia do Piauhy,' ter5p os
seguintes vencimehtos annuaes : 0 da primeira
1:6003, sendo 8OO3 de ordenado* 8003 de.rati-
flca;ao, e es da? outras duas 1:4003, sendo 8003'
de ordenado e 600 de gralirlcacaj.
Estes vencimeotos foram mar cades pilo. decreto.
n. 5,717, tambem de 26 da agosto
Juizes niunicipues e de orphaoa.
Na mesma data foram creados os seguintes
juizados raunicipaea a da orphaos, por decreto n.
5,718, era cada um dos terraoa de Bom-Jesus da
Gorgueia, Santa PnHoraena 'e S. Joio do Piauhy ;
e por decreto n. 5,719, nos feuniden de Jeromenha
e Manga. Todos estes termos 3fc> da provincia
do Piauhy.
Commissao explorndora do T-
cantias e Araguaya.0 minislerio d'agii-
cultura approvou a permissao que eoncedeu ao
seu ajudaate, capilSo Benjamin Franklin de Alba-
qiierjue Lima, aflm de reoolher se a efirte, em
vista do mao estado do sua saude, a eommuoi-
cando que por poriaria de 13 de agosto foi| no-
meado para stAstttair 0 mesmo capitao 0 enge-
nheiro Fre'ierioo Ferreira da Silva Santos. j
Ter ran BukUoaa.-^0 ramisterio da agri
cultiiva Qonmunloou aa prasidente do Amazonas
.'ia S. M. b Imperador coacedeu a oamara mn
nicipal de 9aifc duas loguas da terra pan tail
PMrtaoblo, dendo as despezas com raediQaes':
aemarca?3es correr por conta da mesma caoisft.
-Foi expedido 0 seguinte avi*" :
* !- secgao.Miwsterio dos neh.TCtos da 1
Rio de Jaoefro, 20 de julHo de lo7i-J,
Kxaj. Sr.Em soluslo da duvida da que *rla o
offlcio n. 31 Je 11 de miio ultimo, suscilada pelo
juiz de direito da vara commercial desta capital
e da dos fcilos da fazenda, declaro a V. Exe. que
se um juiz de direito 6 charaado a rebcao alim
de perfazer 0 numero indispensavel de juizes, que
e 0 da maioria, para que fanecione o tribunal,
deixa 0 exercicio de sua vara, assume a jurigdiccao
plena do substituido, e percebe 1 gratificacio desle,
alera do proprio ordenado de juiz de direito, aos
termos da ordem do thesouro n. 142 de 8 de abrii
de 1862 ; se porem, 6 chamado para subslitiur a
desembargadores irapedidos no julgamento de al
gum feito, apenas tem competencia para esse jul-
gameuto, e uuo Uca privado do exercicio da ju-
risdiccao de primeira iustancia. E" 0 que se deve
entender dos arts. 6* a 8' do deereto n. 5,618 de
2 do dito mez ciples que regem a maiTia ; pots qua 00 pri-
taeiro caao a aubstituicao e pennanente, para que
0 tribunal funccione, e para todo b servif), em
quanto que no segundo caso a substituicio e tran
sitorla, para 0 julgamento de certos lottos tin
que sio impedidos uui ou mats dos desembarga-
dores em exercicio. Deus gnarde a V. Exc
Manoel Antonio Duarte de Azevedo. Sr. presi-
dents da pro'incia do CearA.
Despucbo do macbinas.Foi expedido
pelo ministefio da fazenda a seguinte circular :
Rio de Janeiro, em 21 de agosto de 1874 0
Visconde do Rio Branco, president* do tribunal
do thesouro nacional, tendo em vista a consulta
feita pelos inspectores da alfanlega do Rio de Ja-
neiro e .thesouraria de fazenda da provincia de
S. Pedro do Rio Grande do Sul,- declara aos Srs.
iaspeciores das thesouraria* de fazenda, para sen
conhecimento, e 0 fazerem constar aos das alfan-
degas, que as machiaas de coatura estao iieutas
do pagamento dos direitos de consumo e de expe-
dieute, por se aclurem comprehendidas ao art.
4* 29 das disposic5es prelimiaarea da tarifa das
alfandegas, ora em vigor, e no art. 1,215 da mes
ma tarifa ; visto servirem nas offlcinas de alfaiate,
sapateiro, c.iapeleiro, c Iclioeiro, etc. ; nao deven-
do, enlretauto, ser incluidas nas supracitadas dis-
posicoes as machiaas-uteasilioa, como as de en-
gomrasr, limpar facas, cortar pao, picar fumo, e
outras para usos semelhanie3, de que trata 0 art.
1,216 da dita tarifa, as quaes por terem natureza
e lins Jiver-ii-, pagam direitos ad valorem, na
razao de 30 por cento.Visconde de Rio Branco.'
\ t-iuim.-iiiti-. a um mestre de of-
flcina.0 minislerio da guerra, era 7 de agos-
to dirigie 0 seguinte aviso a presidendta de Per-
nainliucj :
lllra. e Exm. Sr.Em resposta ao offlcio que
V. Exc. me lirigio em data de 20 de junho ul
tirao, consultauJo sobre os veocimentos que de-
vem ser abonados ao mestre da officma de corre
eiro* selleiros do arsenal de guerra dessa pro-
vincia, Francisco Ribeiro Pavao, que por aviso
de 25 de junho de 1869 foi dispeasalo do com-
parccimento ao ponto, attento seus servigos, ida-
Je avancada e padecimenlos physicos, e nao pode
assim cumprir 0 disposto no art.- 212 do novo
regulamento dos arseuaes de guerra : declaro a
V. Exc. que 0 indicado mestre deve continuar no
gozo da dispensa do compareefmento ao ponto com
o jornal-que^percebia aateriormento a publicacio
das iastruecoes que ace-mpaaharain 0 dito regu-
lamento, e o ex-cnitra-mestre quo 0 subrtituia e
coutinua a substitui-lo deve ser considerado no
desempenho de suas funci;5es coaio operario de
primeira classe, servindo de coatra-mestre, aba-
nando-se-lhe pur esse exercicio, alera do j rnal de
operario de primeira classe, a Jiil'erea.a para mais
que a nova tabelia marca para 0 de contra mestre.
Assim, nem 0 ex contra-mestre sera prejulicado
nos seus veocimentos, nem havera duplicata im
exeesso de despeza, porque a differenca entre 0
antigo e 0 nov.i jornal de mestre, que deixa J
ser ab inr. la ao mestre dispensado, da para a gra-
tiftcagao do operario que 0 substituir. Gumpre,
purem, que 0 citaJo Franci?co Ribeiro Pavio se
bahilite dentro do prazo de dous metes para li-
cir definilivaraente dispensadj do servigo, se mos-
trarq.e esta comprehendido em qualjuer dos
casos de que trata 0 art. 235 do novo regulamen-
to. Deus guarde a V. Exc Joao Jose de Oliveira
Junqueira.'
Corvcta Trajauo. Foi approvada pelo
miuisterio da marinha, em 21 de agosto, a deiibe-
raclo tomada pela inspectoria do arsenal da edrtc
de niauJ.tr fazer nesta corveta a alierac.lo propos-
ta pelo director interino das con^truccoes aavaes,
alim de impedir a >ntrada d'agua nos paioes da
rt>, uii-le s* achaai nt-jeet is de fauil deteriorafio.
Louvor. Polo raesmo ministerio. na mes-
ma data, manduu se louvar 0 commandante e offi-
ciaes da canhoeira Ivahy, pelo auxilio prestado
aos naufragos do paquele nacional Corumbd, que
se perdeu na praia denominada do Roeha, proxi-
mo a Maldonado
Conselho Wuprenao Slilltar dc Jus
ticn. Nas sessOes de 26 e de 29 de agosto fo-
ram julgados os seguintes processos :
Exercilo. Maj ir Joaquim Jose Pereira, aceusa-
do do crimo de falta de respeito, sendo absolvido
pelo conselho de guerra; foi conlirmada a sen-
ten; 1. Alferes Franklin Renjamin Fernandes de
Moraes, accusado do crime de praticar desorde
nados actos de insuborjinacao, sendo absolvido
pelo conselho de guerra ; foi confirmada a senten-
.a. 2* cadete Jose Elysio d03 Reis, accusado do
crime de ter abaadonado a guarda que comman
Java, e maniado castgar uma praca, sendo con-
Jemnado em 6 mezes" de rigorosa prisao ; foi re-
forraada a sentenca em 15 dias de prisao. 2' ca-
dete Carlos Ferreira de Abreu, accusado do crimt
de deixar evalir-se um preso que estava sob sua
guarJa, sendo condemnado em um anno de prisao
simpjes; foi reforraada a seu>enca em 6 m -z de
preao. 2* sargento Isidro Dias de Oliveira, ac-
cusado do crime de ferimentos leves, condemnado
em 1 mez de prisao ; foi reformaJa a sentenca
em 8 dias do prisao. Cabo de csiuadra Nicolao
Jos6 da Silva, soldados, Jos^ Apolinario, Antoni >
Pereira da Silva, e Luiz Jj.-e Soares, accusados do
crime de terem deixado fugir um preso, e con
demnados, os reos Nicolao Jose da Silva e Luiz
Jose Soares, em 6 annos de prisao com trabalho';
Antonio Pereira da Silva e Jose Apolinario em 8
mezes de prisao com trabalho ; foi reformada a
sentenca, para cohderanarem 0 reo Nicolao Jose
Ja Silva em 2 anacs de prisio com Irabalho, e os
mais reos, a 6 mezes de prisao com trabalho, cada
ura, como cumplices. Soldado Gerinaldo J0J0 No-
gueira, accusado do crime de insubordinagao,
canlemnado em um anno de prisao com traba-
lho nas fortiricacftes; foi confirmada a sentenca.
Dito Manoel Joaquim de Smt'Anna, accusado do
crime de fafsida.de, e condemnado em 3 moze3 de
rigorosa prisao ; foi confirmada a senten;a. Dito
Julio Ribeiro, accusado do crime de insuborJinacSo,
e condemnado em um anno de prisio com traba-
lho ; foi conlirmada a seotenga. Dito Luiz Inno-
cencio de Bfitto, accjsado do crime de resisten-
cia a ferimento, condemnado ao carrinbo perpe-
tuo ;, foi reformaJa a sentence era dez annos de
prisao aorn trabalho. Dito Marcolino Francisco
das Chagas, accusado do crime de primeira deser-
eao simples, e condemnado a quatro mazes de
prisao, por se ter apresenlado voluntariamente pas-
sad js os ires mezes; foi confirmada a sentenca.
!um, a C mezes d* prA*^ i foram coafirma'iias as
santengas. Dito Jose FoMppa Ayres de. JJeaeaes,
accusado do crime de 1' de-'erjio simples, e con
demnado em 6 mezes de prisad, po* se ler apre
sentado dent-o dos 3 mezes; foi confirmada a sen-
leaga D.tos Apolinario Antonio des Santo-, Igna-
cio Soares Lemos e Antonio Honorld Soaret, accn-
sad is do crime de 2." dewcao aggravada, e con-
domnados a 4 annos de prisao com trabaibo, cada
um ; foram coaOrmaJas as sentences.
Armada : -Imperial mariobeiro Joaquim Josa"
deBnto accusado do crime da 10." deserc3o, con-
demnado em um anno de prisSo; foi confirmada
a potent*. Duo Luiz de Azevedo Coutinho, ac
eusado do crime de homicidio e condemnado a 12
aanos de gales; foi reformada a sentenca em 12
annos de prisao com trabalho.
Kupri-mo iribumii de justica.Na
sessao de 26 de agosto 0 Sr. coaselheiro'Mariani
expoz os fuodamentos da
Re vista civei u. 8,538, de Peroambaco -Recor-
rente. Joao da Cunha Soares Guiraaraes, curador
da interdicta, D. Francisca Thomazia da Goncci-
cao; recorrido, Joao Antonio Gomes Guimaraes.
feita a exposicio, seguio a revista ao Sr. conse-
Iheiro Sunoes da Silva.
Foi julgada a
Revista commercial n. 8,524, de Pernarabuco.
Recorrentes, os administradurei da massa fallida
de Fernando Stepple da Silva, e os herdeiros de
Luiz Amavel Debourqc e sua muther; recorridos,
0 barao do Livraruento e Jose Antonio de Brito
Bast js. Juizes, relator 0 Sr. Mariani, e 0 Srs. Si-
moes e Gerqueira, revisores. Relatado 0 feito e
debatiJa a causa, foi negada a revista, contra 0
voto do Sr. Mariani, que a concedia.
Foi distribuida ao Sr. Valdetaro a
Revista civel n. 8,556, de Pernarabuco, -em que
sio: Rocorrentes Francisco Joaquim Cavalcante
Galvao, e recorridos D. Anna Joaquina Teixeira da
Motla Cavalcade.
Foiiit-iimEncetamos hoje em nossa 8'pa-
gina a publlcacao do romance 0 baralho de cartas,
do escriptor (rancez L. Lousen le Due, digao da
apreco, no qual 0 autor expoe os perigos que cor-
rem e os contratempos que soffrem aquelles que
empregam seu tempo no jogo, esse terrivel iniini-
go da familia e dos sentimentos nobres do ser hu-
man-'.
A traducjao dasse ro nance foi-nos obsequiosa-
mente offerecida pela Exma. Sra. D. Clara Motta,
nossa dislincta e illustrada compatriota, a quem
daqui enviamos nossos sinceros agradeciraentos.
Apuraaaeuto do ceuso. 0 total da
apuracao feita pela directoria geral 1 eUatistiea
ate 0 dia 28 de agosto e de 8,422,827 habitantes
em todo 0 imperio.
Villa d Bern Conseltao. Da villa do
Bom Coaselno, era I'apacaga, enviam nos em data
20 do passado 0 seguinte :
de No dia 15 do corrente, ilia da Assumpcao da
Santissima Virgera, teve lugar a festa da excelsa
Senhora do Bora Coaselno nasua respectiva igreja
contigua aa odilicio do recolhimeato erecto nesta
villa.
f Prin^ipiaram as novonas no dia 6 com moita
concurren:ia, attento ao espirito religioso que ain-
da se encontra neste povo, apezar da epoca cou-
tristadora qua ora se vai atravessanlo, em que 0
indiflerentismo dos sentimentos religioaos e 0 amol
lecimento dos deveres espirituaes estao em moda.
Durante 0 acto das novenas, que era celebra-
do com to la solemnidade, terminando sempre pela
bencao do Santissimo Sacra nento, reinou iuleiro
recolhimeuto e verJaleira devocao.
No dia da festa almirava MO gosto e harmo-
nia a par da siraplicidade da armacAo do teniplo,
trabalho desempenhado pe.as proprias recolhi-
das.
a Ne3se dia foi espantosa a affloencia do povo,
e Jesle as 3 horas da madmgala atii as 11 da
maoha, de hora em hora era distribuida a sagra-
da citmmunhao aquelles que, tomando parte na
mesa Eicharisticae alii prostrados com reverenna
e acatameuto recebiara 0 delieioso raanjar des an-
jos era honra e gloria da alai de Deus.
a Alein das recolhidas, que sao em numero de
quasi oitenta, coramungtram aproximadamente
duzentas pessoas.
Foi a raissa solemnemente caotada pelo muito
digno Fr. Jose de Bolonha, religioso capuchinho,
orando ao Evangelho 0 Rvm. vigario da freguezia
Floriano de Queiroz Coutinho, que offlciou no Te-
Deam por occupar a cadeira da verlade ncs'.e ac-
to aquelle Rvm. sacerdote.
t Arrebatava e encantava mesmo aos especta-
dores, alera do espirito de verdadeira devo^ao, que
se devisava entre os li-is, 0 harmonioso ciro das
maviosas vozes das racolhidas ao entoarera, tan-
to aa festa como no Te-Deum, bymnos e mai3 '.-aa-
licos om (ouvo'r e honra de sua soberaoa pa-
droeira.
1 Achando-se concluida a nova obra de um dos
raios do edificio dp rocolhiraento,depois da festa
algumas pessoas gradas tanto da cidade do Recife,
que nessa oecasiao acbavam-se nesta villa, como
da localidade, acompanhadas pelos Rvras. Srs. Fr.
Jose e vigario Coutinho, visitaram essa parte do
edificio com admiracao pelo aceio e lirapeza, que
em tudo se divisava.'
a Calculado 0 ore.amento da obra pelos visilan-
tes em 25 contos de reis, flcarara sobre modo ad-
mirados quando Ihes foi dito pelo Rvm. Fr. Jose
que havia gasto em sua construcgio 8 contos de
reis, e que aquella obra era 0 resultalo de 8 me-
zes de trabalho.
Louvores nao podemo3 deixar do tnbutar ao
Uitos Miguel Luiz Lopes, Joao Rodrigues de Mat-
tos, lo:6 Neves Hllario m Alvarenga, Rayraundo
Antopio Borg'.s de Oliveira, Joao Baptista das
Chagas, Thomaz Lopes Baptista e Bertholdo Tho-
maz da Silva, accusados do crime de primeira
deser\'io simples e eonJomnados em. seis mezes
de prisao, c tda um foram oonfirmadas as sen
te5'os. Oitos Joao Francisco, Jo*e Rodrigues dos
Anjose Hermenegildo Jose Alves, Manoel da Silva
do E-pinto-Santo, Wenceslao de Souza, Caetano
Pedro de Adeem ara e Fortunato Jose Goncalves,
accusados do crime de primeira d serQio aggra-
vada^a- condeninados em. doze mezes de" prisao,
cadanm; foram conflrmadas as sontencas. Dito
Belisario Antonio Monteiro, accusado do crime de
segunda desercao simples, a condemnado em dous
anQos de trabalhos publica; foi conlirmada a
sentenga. Dito Joaquim Antonio de Oliveira,
accosado do crime da 2' desercao aggravada a
condemnado em 4 mesas de prisao com trabalho;
i"oi Cbnfirmada a sentenca. Dito Moyses Fran
Cisco de Paula, accusado do crime de tereeira
desercao simples e condemnado em seis annos de
priSao com trabalho ; foi confirmada a sentenca.
Dito Eugenio de Norte Hanteuil, accusado d>
enme de reshtencia, sendo absolvido pelo canse
iho da guerra ; foi eonflrmada a sentenca. Oitos
Manuel Alves da Silva, e Benedicto Relnaido da
Silva, accusados do crime de primeira desercao
simples e condemnados nm quatro mezes de
pri-io, cada um, por se terem apresenlado passados
Ires mezes ; forara confirmadas as senteocas.
Drtu Basilio Gon^alves de Olivetra, Paulq Albino
Feliciano da Costa, Manoel Luiz Nune.:,, Joaquim
Florencio daSilva, Bellarmino Aa'ionio de.Jesus,
Maximo MatuSI doi Santos, NaWlso Corrda de La-
cerda, Jose Joaquim Gdne>e% Jttaaoel Gomes da
sTWa,-AprigioJos.e Ribetro, Manoel Laurlsno Cor-
ral a Zeferino Antonio da Costa, acensados ^0
SubatltuicAo de drscmbarzadores. crime de 1.' de3ercaq similes, e condemnados, cada
de loagocurso, a respaiti do qual opntdm muitaj
e minuciosas iuforraacaat, taato sobra a import 1
Cio como sobre a epac*o, coiaderaado-as na
generahdade, e em cada nraa da) prarlocias do
imperio : sio os divcrsos nappas acoaapaohad^
de comparacow que permittem aprecitr 0 desen-
volviraeato que tem lido o aosao eonweercio ma-
ritirao.
Organisada de conformidade com ant systema
novo e racional, a estatistiei de *H*i. a |S7o |eva
incontestavef vantagem sobre-os trebalhaa da ass-
ma espeeie ijue alii aqui publicara. Nio aoderaos
em uma simples noticia dVscar a espwirka--.%* ,
limitarao nos, pois, a recoobecer a incaatesuvel
utilidade deste trabalho.
E', eotretanto, para lamentar que so> ao anno d*
1874 possamos ter a estatistica do exercicio ie
1869 a 1870.
I.oteria do Eh> a> Jaaelra -R x:
rao da lista da 1* loteria (-52%, > em beaelkio da
capella do Nossa Seahora da Conceicao da Lagoa,
extrahida a 28 de agosto :
N. 101................
N. 1935................
N. 837................
N. 2154...............
Ns. 2179 e 719 -1:000* a cada ura.
Ns. 1432. I6J3, 1748 e 3979 -8d 1* a cada ora.
Ns. 300, 567. 829, 2230, 2662, 7, JJa\7.
4448, 4578 e 4714 -2 Ns. 507. 542, 613, 694. 1610, 2312, 2341, tW,
2808, 3094, 3355, 3457, 3482, 3948, 4012, 4034.
4103, 4492. 5794 e 5807 -100* a cada on.
Ns. 50, 212, 411, 428, 437, 619, 708. 966, ,433.
!*?! !*? !**. 17*6. ?*>. *3, 184. 1H7.
IW^, 1 Wr*j,
1-1:00-*00U
10:OO.i*(Ki
4:iHJi)i(Klii
r.800^000
muito diguo, dislincto e infatigavel religioso Fr.
Jose de Bolonha, pelos relevantes servicos que tein
prestado a e>ta villa.
a 0 governo que lance para tao importance edi-
ficio as suas vistas protectoras, atteudendo a sua
pobreza, nao dispen^ando ao mesmo tempo os va-
liosos servifos do Rvm. Fr. Jose, que a tudo so
atiracora empenho e tudo vence pela perseveraa-
ca no trabalho.
No dia seguinte, 16, um novo acto teve lugar
na igreja malm desta villa.
a Em virtude da pastoral da S. Exc. Rvm., de
12 de junho deste anno, 0 Rvm. vigario, por oeca-
siao de le la na estaflo da missa parochial do do-
mingo antecedente, raarcou aquelle dia para pro-
ceder a con-agraeao desta freguezia ao sagrado
Coracao de Jesus.
t No dia marcado, a hora da HHssa, estiva 0
pejueno teraplo repleto de povo, afora 0 grande
numero de pessoas quo por falta de c-oraraodo fl-
carara na parte exterior.
Subio 0 Rvm. vigario ao altar as 11 horas em
ponto, a na estacao da rais3a dirigio a palavri aos
seus parochianos, como costuma, e, m explicacao
do Evaogelho do dia, depois de raoslrar 0 dever
que tera os christios de ouvirem a voz da igreja
nas pessoas dos seu3 rainistros, congratulouse
por ver que os seus freguezes, atlendendo aos seus
reclames, coin tanta espontaneidade so apresenta
ram a assistir 0 acto da consagracao da freguezia
ao sagrado Coracao de Jesus, em cumprimento da
cit'ada pastoral do Exm. e Rvm. bispo D. Frei Vi
tal Maria G mealves de Oliveira.
Concluida a missa, e presente a irmaulaJe, 0
Rvm. vigario, revestido de conforrailade com a
exigencia do acto, axpoz aa bocca do sacrario 0
Santissimo Sacramento e com voz flrrae e intelli-
givel fez 0 acto da consagracao de sua freguezia
ao ternasuno Coracao de Jesus, pedinlo em con-
clusaT) |Wa paz da igreja e peloj Exms. e Rvms.
bispos prisitraeiros; depois do que, saguinlo-se
as ceremonias do eatylo, foi cantado o Tantum er-
gfl, dando por flm a bea;ao do Saatisimo Sacra-
mento.
a 0 acto toroou-se imponente e raagestoso, nao
so pelas ceremonias que 0 acompanharam, como
pelo profuodo silencio e respeito, que reinava en-
tre os fieis assistentes.n
Dales estasisticoa.0 numero dos es-
craves matriculados na provlacia da Parahyba, a
gundo 0 raappa respectivo organisado pela directo
ria geral de e-talistica, e de 16,023, sendo 12,310
dosexo mascdlino e 13,715 do feminino ; 23,314
solteiros, 2,277 casados a 431 viuvos ; segnndo as
idades, classifkam-se assim : ate 1 aano, 288 ; de
1 a 14 aaaos 10,116 ; de 14 a 40 annos, 12,715 ;
de 40 a 50 annos, 1,841; maiores de 30 annos,
1,065; sao agricultores, 11,949; artistas, 1,703;
jornaleiros, 691, empregados m service domestiw,
4,037 ; nao tera proftsaAo, 7,623 ; 2,813 tem rasi-
dencia nrbaaa a 13^21-1 rural.
Triesrammaa poiiticos. -De seas cor-
respondeutos reoebeu 0 Jorml do Commercio, do
Rio de Janeiro, os segnintes telegrammas:
< Pari>, 28 da agosto. Annual Alves dos Santos,
que tinha side preso em Paris por ter falsificado
notas brasilelras, foi condemnado a 10 annos de
gali>sj, e a 20 sob a vigilancia da poiicia. *
a Bahia, 29 de ag^osto. A assemblea provincial
elevon a 203:0004 a consignacio para obras pu-
blicas, autorisando a aJmiQi-tra.ao a empregar
para esta fim as sobras das operates de credito.
Autorfsou tambem nova emissao de apoliees em
substitute^ das qse foram sorteadas.
Estatistlea.Acaba de ser publicada a l '
parte da estatli:a do commerdo maritlmo do
Brasil no exerciciq de 1869 a 1870, organisada
pela comrrrissao qlrigida pelo Sr. Dr. mm**
Ferreira Saares, .--.-
Gompre,ji?sdo e3ta primeira parte 0 commercio \
2142, 2357, 2583, 2610, 1672, 28 '3,
2924, 2933, 3<43, 3096, 3099, 32JW, *4, 3H.
3630, 3724, 3837, 3863, 3877, 4036, WMlt, 428x.
4384, 4421, 4603, 4">4, 4811, 4827, Mil*. 4875.
4930, 5iK>4, 3187. 5228. 5I36, 5441, 54-itl, 5338.
.3395, 3833 e 3866 -4U< a cada am.
s*roiaina^. -Foram do dia :t<) lidos osseguin
tes, na igreja de So-sa Senhora do Rotario, qan
serve actualmente de matnz da fr<>ga<>ria d ten
to Antonio.
I.* denunciac*o.
Antonio Julio Ferreira, com Russiaaa Pbtladel-
pht Alves.
Gnstav 1 Ernestino <1 a Gunha Galrio, com Maria
da Penha Pereira da Costs.
Antonio Baptista Filh, com Rofaciaaa Maria
-la Conceic>o.
Pedro Antonio Semiio, com Severina Maria da
Conceicao.
Maximiano Pereira da Co-la, com Olya*a
Amalia Borges l.eal.
Manoel Pereira Pinto, eom Francisca Ma.-:>
Magd ilena.
Jo.ao Marinho de Arauj rora Laureatiaa Mar:a
do Espirito Santo.
Gregorio Jose da Silva, com Maria de Freilaa
La pa.
JoMillygino Duarte Pereira, com Marganlt
Donitilla Nobre Caraara.
Fraaeelino Auguslo de Oliveira, com Lilia Caah 1
Sodru da Multa.
Joviao Houorato do Nascimea!". com Maria da 1
Dorc?.
Francisco Ferreira Guiraarks, com Fraa;elica
da Silva Pimeutel.
Joao Maria Fernandes. con Pau'a Maria Ja
Conceicao.
Manoel Jose -le IsMm, ciro Paula Petroa:. 1
de Sou.a.
2.* denan<*ia<.ao
Joao Neporaueeno Ferreira da Cuts, com
raina Maria da Trinlade.
Miguel Joaquim de Sml Anna, esu J-ianna Frar.-
cisca R-gis.
Joaquim Francisco de Maeedo, com Maria Rosa
da C ista.
mmI Malaquia; de Figueirelo, c .a Marci -
ml! 1 Maria de Albuquerque Vilal.
Ileliod ro Sysino de Oliveira Goragem, com Aa
na Maria da Coocei.io.
3.* denuncia.ao
Manoel Joaquim da Casts, com Adelaide Mar 1
de Souza.
Antonio Pinto Lipa, com Maria Amelia Cava
eante da Albuquerque.
Manoel Francisco das Chagas, 01a Avelraa
Francisca Soares.
Gardino dos Anjos Nogueira, ora Rita Franca-
ca dos Anjos Chacon.
Antonio Francisco Ramos, com Rosa Maria P-
res Vidal.
skateria. A qae se schi a ven la < a 11
a bene.K-io da igreja da Caa Forte, a qaal I :
re no dia 13.
CasadA dotosicdo.Moviraeato 4a ca*a
le detea';ao do dia % do eo^*r d- 18/S.
Existiam presos 327, eutraram 4. sahiram >.
jxis'.era 323.
A saber :
Nacionaes 255, mulheres 9, satJMpMi --
iscravoa 33, escravas 6. ToUl 125
Aliraeatados a casts dos cofre publicos 130
Moviraento da enfermaria no dia i d- MssTi
de 1874.
Teve baixa :
Jose Joaquim Antonio dos Sant>s, a.enia.
Teve alia :
Francisco de Paula do Rasario.
Panaaeiroa.-Vindos M vapor naciom'
Ipojuca :
Maria da Concei.;ao, Vicente Ferr ira. CaaJi:
Antonio do Livcamento, c<r Jose aay-
raunlo de Carvalho e 2 flllus, Manu-I C Si 11
beiro, Pedro dc Aibujuerqu" Autraa, sua ssaaan
2 fihis e 3escravos, Eufrazio Alve- de Oiivwr..
Caetano da Silva Azevedo e 1 criala, J ii Arras
de Carvalho Porto, Dr. AlcibiaJ > li M. .1 dc Al:
querjue, sua senhora, 1 filho, seu pai a 3
vo. D. Jacintha Candida de iMairaa, Man-^1 A -
tonio Saraiva, Jose Pere:rada Silv.i, Elmigiii 1 A
ves Accioli, J. Costa, Victoria Vmgre. Aatw-
Figueira da Silva c Maaoel CaiwMs H df ir.-
gao.
Viados no vapor Cmrwrtft .
Um cabo, 3 pracas e ura pras, I .1 ng w M
reira, Joio Marinho, D. Saasstiaaa e uma cn.l.
Anacleto Rodrigues d is Praz-res, capiin l
Alfonso Valadar'-.
Cesaiterio publiro.ObitUuu do dia >
le setembro de 1874.
Joao Jose Eleuteno Lopes, par J t, ivrnamba--
22 annos, solteiro. Boa-Vista, hospital Pedr^ i.
tubercnlos pulmonares.
Aatonio Jos6 Marinho, branco, 3d anno*.
Boa Vista, hospital I'eJro II ; yssns.
Marcelina Maria dis Prazejes, par-la, Peraa j-
buco, 80 annos, viuva. Boa-vista, hospital t
II; hepatite chronica.
Ignez. parda, Perna-abuco, 8 dias, > J^se ; a*-
x igaJ.
Mia, pard), Peraambae^, 8 d pasmo. _
Luiza, escrava, preta, 28 anaos, soRetra. B
Vista; febre typhiile.
Maria Josephs, emraffa, preta,
annos, Graca; mdestia le aaiML
Maria, Pernamoa >, I mns',
riola.
Pernaasl'jco. !
ftm-fssts <
?UBL1CAC0ES A PEDIOR
* Tribaual lUt ji
Os abaixo a-ignados Juizes de facto qu -
vam na sessao hoje coaciuids e eneerra4a, sshB)-
raameata penhora los pelas maneirss dtgass e s>.-a-
dosas com qu*. -luraate 0 period) li*e>sia. -
tratou 0 illustre raagi*trado qae pr.-idio os rj
pectivos trabalhos, 0 Etta. Sr desaankarfSjisv L
renco da Silva Santiago ; consi^aara ne*te dr.
raento, que mandam pubhear pela im aaa,
seus raui sinceros agradeeimealos ;or tqa l-e ;;.
tamento digno ebouioso (uncciouaro qa? .-at*
perfeitameate alliar o iu;srases di justica e*a
os nio menos respeitaveis inter uat d' iala
teoda como alvo s lei, repousala a'uma eseUrec-
da e bem f -r.nada couicieueia
Peden mais os mesmos abaixo as-i^r.
digao ma^islrado Ihes reieve a pabUcacao de**
documento, carlo da qae na- tem isto em "ista <
fender a sua bem conheciJa e h nrjiismi miisaii
tia, mas aim toruar bem patent-) os vot n qae r
zem porque sirva de etemplo Ho J
racter- j ^
Ontrosim aqui mb9 .^S^iaasmti
5 de sef-mbro de IbV.4.
Felictano Roiriput do MM.
Antonio do Carmo ftrrtira.
Paulo Jose sis Oliveira.
JoiauimCUmtnittU Ribeiro d
Frameim Vaaira Ptriiaio.
"",0'.. Jose Dantas Jtuw.
P,.. Silvio Tarw*io VMa$4m.
fBr. Ifnaeio A\diaitt Tt
Manoel Jose de htm ftntv.
ea


-l


z


4W* fmtmbme *- Seguiid* ieiia 7 Sefcmbro de IS? 4.
Ftlubtrto Ferreira de\Ohveira.
Augusto Ptntt Se Lemos.
Bento Jose da Costa.
Hemeterio Muriel da Silo a.
Joaquim Villeta de Castro Mariz.
Antonio Goncalves Pereira' Lima.
Angela Diat it Araujo Cardeal.
Manoel do Amparo Caju.
Andre Ferreira de Almeidt.
Jose de Oiivetra Castro.
A. C. Moretra Diat.
Basilio B. Furtado.
Josi Nicoldo Ferreira.
Francisco it gaula it. Falcao.
Domingos Josi Ferreira.
Jose F. P. R-itnos.
Adolpho Siqutira Cavalcante.
ManoelJLeite Pereira Bastos.
Josi Nicoldo Ferreira Gomes.
Joao Jose da Cruz Muniz.
Dr. Eliseu Martins.
Francisco Egidto de Luna Fitire.
Manoel Josi de Araujo.
Ulfsses de Arruda Camara.
Vietoriano Palhares.
Francisco tapes Cardim.
Dr. Felippe de Figucina Faria.
Para poder responder a quern qaer que me fez
ami pergunta na Provincia de hontem, com refe-
reneia a prisio de uraa mnlher depravada e'dei-
ordeira que foi recolhida ao quartel de policia, se
faz preeiso qae seu autor assigne-a, aim de qae
possa eu julgar se me mereee reiposta.
Direi no eotaoto (nao ao vSr. perguntador que
e mais certo ser mesmo do quartet de poiicia)
que Marianna nao foi presa por emiiiaguez e por
mo ter nesse estado querido satisfazer aos libi-
dinous intentos da patmlha, e sun por embria-
guez, desordem e offensas a moral publica e in-
sultar constaniemente as lamilias kones'.as, ser-
vindo-se de palavras obsenas ; sendo que e tal
essa in-'lher, que, occupa um quarto immundo
na ribeira, e leiu sido obrigada a mudar-se de
todas as freguezias em que leni morado.
E ben possivel que esse perguntador do quar-
tel, fazendo tamanho servico, tenha por flra pagar-
se do modo que disse ter pretendido a patrulha,
tanto mais qne Marianna, ja deve ter curtido a
bebedeira, se e que se 11.e nao tern fornecido no-
vat doses.
Devendo resposia a bservacao Gnal da provin-
cia, direi, que pode o mesmo jornal julgar-me
com conieiencia, visto que deve ter de mini co-
nhecimemo, poi.-, que sirvo desde cutros tempos
a beni a raeu pezar, o cargo de subdelegado da
preguezia da Boa-vista.
Estou certo, porero, que nSo. dira que em tem-
po algom vendi a justica, protegi criraioosos, per-
segui os pobres fillios do povo para poupar os
ricos e fidalgos ; e mais ainda, que. como politico
que fill, (e que hoje nao posso ser, era visti de
t&o modernos patriofas mrmbros desta terra e
mais liberaes d > qiie todos) tivesse eu entrado ou
concorrido a algunia patota.
Confirjiando isto flco satisfeito e agradecido.
Recife, 5 de agosto de 1871.
Decio de Aqaino Fonceca.
Ao R--.I. Sr, i isario dc Santo
Anionio
A licenca de Garaldo Henriques de .Mira, esla
na conta tirada e rel>[la pelo seu administra-
dor frei Ignacio de Santa Umhelina, e como esta
Jenho outras muilas contas, que podem ser exa-
minadas por quein as desejar.
Recife, o de scterabro de 1871.
Agra & C.
Srs. Redactores. Relativamente ao qae appa-
receu na Rcvista de sabbado de ter sido compra-
do na fnndieao de Allan Palerson & C, ferro ve-
lbo e novo que fura roubado da fundicao do Sr.
Starr em Santo Amaro, pesso venia a Vmcs.
para explicar o facto como elie se deu.
Como encarregado da dita fundigio conheci a
pessoa que acaba de vender-me o ferro supradito,
por me ter sido apresentado pela priraeira vez,
ha eerca de 3 mezes, por uma pessoa de meu co-
nhecimento, na occasiao em que eu effectuava
nma compra de ferros velbos, tirado do vapor
abandonado Mamamguape, e desie entao tenho
Ihe feilo diversas compras (importando todas em
8i$000) sem nunea ter tido a menor suspeita
da sna boa to.
Com a mesma confian(a effectuei a compra a
que Vmcs. se refercm, ponderando-lbes com
tudo que de ferro novo somente havjam qaatro
iinguados de ferro bruto, que por ler vindo mis-
turado com o ferro velho nao me despertou a
menor suspeita, e alein drsso nuuca me passou
pela Jdeia '/uc ac podr.*?o praliottr um roubo do
objecto de tao pouco valor e de tiio difflcil trans-
porte.
Espero que Vmcs. se dignera inserir estas li-
nbas em seu con:eituado jornal com o que muito
grato Ihes ficarei. Recife, 5 de setembro de 1874.
James J. Uompson,
Engenheiro.
lj* kilos de assucar reBsalo ; Carpinteiro Pilho k
Sobrinno SO dnas com 1,100 ditos de dito; Costa
Si C. 33 ditas com 1.056 ditos de dito e 18 dltas
com 1,021 dftos de assucar branco; P. Alves *C.
8 ditas com 374 ditos fle dito e SO ditas com 1,335
ditos de dKo reflnado ; A. Costa Araujo 50 drtas
cim 2,533 ditos de dito : para Mossor6, Rodrwne'
Junior 2 volumes com S6 litres de alcool e 2 ditos
eom S6 ditos de dito: para o Natal, L S. Braea 1
barriea com 64 Icilot de assucar reflnado: para
Macao, P. J. Vi de Oiiveira 2 ditas com 170 ditos
de dito : para Acaneu, J. R. de Faria 2 dhw com
120 ditos de dito e 5 volumes com 400 litros de
aguardente.
Para Macao, na barcaea Riachtnlh, carre
gon : A. S.-Campos 3 pipas com 1,440 ftros de
aguardente.
Para Mossoro, na barcaea Raittha Has A njos.
carregon : A. Silva Campos 3 garrsfees com 48
litros de aguardente : para o Assn", H. P. Lemos
4 barris com 384 ditos de dita.
Para Mirid, no hiate nachnal 'Joao Yalle,
carregou : Costa & C. 2 barricas com 131 kilos
de assucar refinado.
Para Mamanguape, na harcaca Ftor po Nor-
te, carregou : 8. Gomes 4 C 10 latas com 16 kilos
de doce.
Sem cbegada, cotamos a 80 reis o
CAPATAZ1A DA AI.PANMBGA
*ndineento do
dcn do dil 5
dia I a4
VOLUMES SAHlUOfi
No dia 1 a 4 .....
Vo die .'>
tYimeira poria.....
UgnnJa poru.....
Tsrceira porta.....
Trvpiehe Ccnesicao .
3:687*933
2214702
3:9094642
3,650
293
114
166
339
4,782
SERV1CO UARIT1MO
ti>*rengas descarrecadas no trapicbe da
alfandeca :
No dia 1 a 4 : .
Ho dia 5.......
1c trapicb* Couceicio .
.HKCEBEOORLA DB RENDAS LNTEH.NAS GE-
RAES DE PERNAMRDCtJ
i*nditnento do dia 1 a 4 5:569*358
8:924*908
CONSOLADO PROVINCIAL
ftendiraento do dia I a 4 8:607*163
dex do dia 3 174*999
8:782*162
RECIFE DRAINAGE
Rendimento do dia 1 a 4 .
Idem do dia 3......
8:307*155
1:633*765
9:940*920
A.GENCIAS PRO VINCI A ES
Liquidos espirituosos.
Rendimento do dia 1 a 3 1:888*810
Idem do dia 1 376*824
...? comninm. Sem cbegada, cotamos de
1*500 a 3*000.
.2^? de Hollanda. Sem cbegada, cotamos de
8J500 a 64000.
Dita era bottjas. Sem chegada, cotamos a 35
reis por footila.
Dita lantern* magica. Sem chegada, cotames
a 4*500.
Dita vida eterna. Sem chegada, cotamos
a 5*500.
Kerosene.Chegaram 4,900 caixas, vendas a
54300 o liquids
, Louca ordinarla. Sem chegada, ultimas Ten-
das a 380 / de premio sobre a factnra.
Dita boa. Sem chegada, ultimas vendas a
280 V..
Mifho.-
kilo.
Manteiga ingleza em latas. Sem chegada, ul-
timas venflas a 2*505 reis o kilo, latas amarellas,
e 2*345 reis o kilo, latas roxas.
Dita ingleza em barris. Sem chegada, ultimas
vendas de 1*524 a 1*831 o kilo.
Dita Iranceza. Sem chegada, vendas a 1*612
o kilo.
Massas. Chegaram 50 caixas, nJtimas vendas
a 74500.
Pimenta. Sem chegada, ultimas vendas a
14045 o kilo.
Papel de embrulho. Chegaram 936 Lrdos,
ultimas vendas a 800 reis a resma.
Phosphoros. Chegaram 142 caixas, vendas a
24500 a groia.
Queijos flamengos eprato. Sem chegada, re-
taltia-se dos flamengos de 24400 a 24600 o qneijo,
e os de prato retalha-se de 14524 a 1*633 o kilo.
Sal. Sem chegada, vendas a 14300 o alqueire.
Sabao inglei ordinario. Sem chegada, eo-
tamos a 280 reis o kilo.
Dito da terra. cotamos de 360 a 380 rejs o
kilo.
Sardinhas. Sem chegada, cotamos a 280 reis
a lata.
Toucinho. Sem chegada, cotamos de 1140(0
a 114500 por IS kilos.
Velas stearinas. Chegaram 450 caixas, vendas
a 529 re"is o majo.
Vinagre. Sem chegada, cotamos de 125*000
a 1354000 a pipa.
Vinho tinto da Figueira. Sem ebegada, cota-
mos de 3204000 a 235*000.
Dito de Lisboa. Sem cbegada, cotamos de
2004CO0 a 2104000.
Dito do Estreito. Sem chegada, retalha-se
a 2104000 a pipa.
Dito franeez. Sem chegada, retalha-se a
220*000 a pipa.
Dito branco franeez. Sem chegada, retalha-se
Sette de conta do retalhador.
Dito branco de Lisboa. Sea) chegada, cota-
mos de 2204000 a 2404000.
Dito do Porto. Sem chegada, cotamos 0
gular de 9*000 a 104000 a duzia.
, Tidal de Negreiroa.
Can terrea milt ... .
36240*0
3014006
900*000
3KI40O0
4064000
994OOO
1204000
8004000
2434000
3004000
3754000
1:3004000
re-
EOITAES.
Edital n. 45
Bacalhao, etc.
Rendimento do dia 1 a 3 61*800
Idem do dia 4 164252
Generos de estiva.
Rendimento de dia 1 a 3 473*588
Idem do dia 4 654897
Farinha de trigo, etc.
Rendimento do dia 1 a 3 523*100
Idem do dia 4 *
Fumo,
Reudimento do dia 1 a 3
Idem do dia 4
Vinagre,
Rendimento do dia 1 a 3
Idem do dia 4
etc.
100*038
414,1060
etc.
77*812
36*477
2:2634034
78*032
339*484
3234100
320*098
11M289
4:042*657
Tbesouro povincial de Pernamuco, 5 de setem-
bro de 4874.
0 escrivao,
Joao Carneiro M. da Silva Santos.
JUNTA DOS CORRETORES
Prnca do Recife, 5 de setembro
de 1874.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICIA.ES
Cambio sobre Liverpool, pagavel em I.ondres.a
90 d|v. 26 1|4 d. nor 13000, letras de
fora.
Cambio sobre Londres
1*000, hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v. 6 d. por 1000, do
banco.
Cambio sobre Paris a 90 d|v. 368 r?. o franco,
do banco.
Desconto de letras 9 0|0 ao anno, hontem.
o. ae Vasconceiios
Presidente.
A P. de Lemos,
S>cre:ario.
a 90d|v.26 1|4 d.por
commercial
a 5 de setem-
31 do agosto
1874.
90 d[v
25 V* d. 26 d.
ReodimeniG
(dam do dia
ALFANDSUA
do (Ua 1 a 4 .
5 .... .
124:177*509
10:064*287
134:241*796
Descarregam hojt 9 de setembro de 1874.
Vapor franeez Mendoza (esperado) mercado-
rias para alfandega, bagageus e amostras
para o trapiche Coneeic.ao.
Patacho allemao Tiger (atracado) mercadorias
oara alfandega.
Brigue allemao Wilhelmine kerosene para o
trapiche Conceicao, para despachar.
Vapor inglez Fire Queen desperado) merca-
dorias para alfandega e trapiche Con-
ceicao.
ALTEHAglO NA PASTA DOS PRECOS DOS GENEROS
SUJEITOS A DIREITOS DE EXPORTA^AO, NA SEMAN>
DE 7 A 12 DB SETEMBRO DE 1874.
Algodaoem rama ou la 476 rs. o kilo.
Carvfo de pedra estrangeiro, tonelada metrica
20*000.
Caro^o-de algodao 20 rs. o kilo.
Crina-animalem bruto 300 rs. o kilo.
Alfandega |de Pernarabuco, 3 de setembro de
1874.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, B de
agosto de 1874.
0 inspector
Fabio A. de Caroalho Reis.
DE9PACH0S DE EXPORTAQAO NO DIA 4 DB
SETEMBRO DE 1874.
Para os portot do exterior.
No navio allemao Lubecl; para o Canal, car-
regou : Keller & C. 20 saecas com 1,546 kilos de
algodao.
No navio inglez Fuzilter, para o Canal, car-
regou : J. Pater & C. 507 saccos com 38,025 kilos
de assucar mascavado.
No navio portoguez Christina, para o Rio da
Prata. carregou : J. J. G. Beltrie & Filho 50 barris
com 4,800 litros de aguardente.
No brigue portuguez Triumpho, para o Por-
to, carregou : Rocha Lima & Suimaraes 12 pran-
cboes de amarello.
Para os portot do interior.
~"i ? **io Grande do Sul, no patacho na-
SPSL .VoncoK. earregou: Amorim Irmaos &
C. 65 Volumes com 5,846 lr2 kilos de assucar
franco.
Para o Rie de Janeiro, no patacho nacional
fZS^ktSKS1'"! Amorim Gardoso 20 saccos
com 18,000 kilos ie ?.ssucar branco.
Para o Aracaty, no hiate brasiieiro Graciosa.
eanjgon,.: M. A. Senaa 11 ttrteu con, 836 kilos
de aasnear refinado.
Para o Ceara, no vapor nacioni]
^rrogon : I A, L. Pimeniel 4 barricas
Ipojuca,
ccm 349
Revista
Da sernana do
bro de
Cambio sobre Londres,
por 1*000 banco.
Dito dito dito, 3 d|v 23 '/i d. por 140A0,
banco.
Dito dito dito, 90 d|v 26 ;( d. por 1*000.
Dito sobre Liverpool, pagavel em Londres 90 div
26 ;( d. por 1*000, leltras de fora
Dito sobre Paris 90 d|v 368 reis o franco, banco.
Dito sobre Lisboa, 3 d|v 111 / de premio,
baDco.
Dito sobre dita, 90 d|v 108 % de premio, banco.
Dito sobre o Porto, 3 d[v 113 /. de premio,
banco.
Dito sobre Hamburgo, 90 frvZi89 re"is, o reich-
mark, banco.
Dito sobre Rio de Janeiro, 13 e 30 div ,' /,
de desconto.
Dito sobre o dito, 15 d. 3/i % de desconto.
Dito sobre o dito, 15 ao par.
Desconto de lettras 9 / e 10 / ao anno.
Algodio do sertao 1" sort?, 74900 por 15 kilos.
Dilo de Goyanna, de 63500 a 6*700, por 15
kilos.
Entraram 839 saecas por terra e mar.
Assucar. Cotamos aos ultimos precos, entrado
pouco do novo.
Eniraram 1,495 saccos por terra e mar.
Aguardente. Vendas de 744000 a 754000.
Arroz. Sera chegada, ultima venda de 2*600
por 13 kilos.
Azeite doce em caixas. Sem chegada, ultimas
vendas a 104000 a duzia de garrafas.
Dito dilo em barris. Sem chegada, ultimas
vendas 24460 o galao.
Alpiste. Sem chegada, a 4*600 por 15 kilos.
Banha. Chegaram 449 barris, cotamos a 914
reis o kilo.
Breu. Chegaram 280 barricas, cotamos a
155500 a barriea.
Batatas.- Sem chegada, ultima venda a 2*500
por caixa de 2 arrobas.
Bacalhao. Chegaram 50 tinas. Em deposito
3,000 barricas. e retalha-se de 224000 a 244000.
Came.- Chegaram 183,000 kilos. Em depo-
sito, 66,400 arrobas, do Rio Grande de 44500
a-54500 por 15 kilos, e 17,500 arrobas, da do
Rio da Prata, de 44200 a 54500.
Couros seccos salgados. Sem cbegada, vendas
566 reis o kilo.
Cafe. Chegaram 589 saccos, ultimas vendas
8450O por 15 kilos.
Canela. Chegaram 10 caixas, cotamos a 14699
reiso kilo.
Cimento. Chegaram 150 barricas, cotamos a
9*000 a barriea.
Cebolas.- Sem chegada, ultima venda a 9*000
a caixa.
Cha. Chegaram 11 caixas, ultimas
a 55356 o kilo, conforme a qualidade.
Cerveja Bass Ihlers. Chegaram 755 caixas,
ultimas vendas 64800 as inteirase 74800as meias
Dita Noruega. Ultimas vendas 6*500 as in-
teiras e 6*800 as meias.
Cognac Sem ehegada, cotamos de 8*000 a
204000 conforme a qualidade.
Farinha de trigo. Chegaram 1,090 barricas.
Em deposito 9,983 barricas, e retalha-se:
Hungria de 304000 a 314000.
Trieste de 28*000 a 294000.
Americana de 204000 a 244500.
Saccos, do Chi|p, 94500.
Farinha de mandioca. Sem chegada. Deposi-
ts e precos reguiam os da semana passada.
Farello. Sem chegada, cotamos o de Lisboa de
o4000 a 54200 por saeco.
Fumo em roles. Chegaram 30.
Dito em latas. Sem chegada.
Dito em caixas. Chegaram 33.
Dito em paeote. Sem cbegada.
Dito em eacapados. Sem chegada.
Nao houve venda Os precos nominaes da ul-
tima cotacao.
Genebra de laranja. Chegaram 450 caUas,
Pela inspectors da alfandega se taz publico,
que nao tendo sido arreraatadas as mercadorias
abaixo declaradas, annunciadas a leilao por editaes
ns. 39 e 40, se transfere a mesma arrematacao
para as 11 boras da inanha do dia 10 do corrente,
a porta detta reparticao.
Armazem n. 4
Marca C J & C ns. 27 e 28 2 caixas vindas de
Liverpool no navo alleiLao Elegante, descarrega-
dasem 2t dc Janeiro de 1873 e consignadas a Car-
valho Guimaraes & C, contendo lamparinas mar-
ca pao, pesando nos envoltorios SCO kilos, no va-
lor de 483*330.
Idem A i' B sem numero 1 barrca vinda no
navio ingiez Empreza, descarregada em 3 de raar-
qo de 73 e consignada a A. P. Barboza, com graxa
em massa para calcado, pesando bruto' nas caixi-
nbas 145 kilos, no valor de 108*266.
Idem J.NS ns. 85 a 88 20 caixas vindas do
Havre no navio franeez Fidelite, descarregadas em
14 a 19 de abril de 73 e consgnadas a Silva Neves
& C, contendo fructas em calda, pesando nos fras-
cos 246 kilos, no valor de 296*366.
Idem C G & C sem numero 1 caixa vinda de
New-York no navio Flora Goodel, descarregada em
20 de agosto de 73 e consignada a Larvalho Gui-
maraes 4 C, ccatendo uenumarias, pesando nos
frascos 42 kilos, no valor de 117.^600.
Idem idem sem numeio 3 ditas idem idem,
contendo p^rfumarias, pesands nos francos 166
kilo9, no valor de 520*800.
Idem S N 4 C n. 381 dita 7inda de Ilamburgo
no navio allemAo Freed, descarregada em 14 de
setembro de 73 e consignada a Silva Neves & C,
contendo fi>as de seda, pesando liquido real 5,720
grammos, no valor de 472*470.
Idem triangulo R no oentro n. 3231 dita vinda
no navio holiandez Elisabeth, descarregada em 17
de novembro de 73 e consignada a J. Dannier, con-
tendo 9 kilos de ilores de panno, no valor de
S404000.
Idem C G 4 C n. 503 1 barriea vinda do Ha-
vre no navio franeez Rio Grande, descarregada em
29 de outubro de 73 e consignada a Carvalho Go-
mes 4 C, contendo 68 Lil'>s de grampos de ferro,
peso liquido, no valor de 114*333.
Alfandega de Pernambuco, 4 de setembro
de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de Carvalho Ileis.
Idem n. 94.
Rn larga do Ttesarie. '
if andar e loja n 24 A. .","'
1* andar idem. .
S. andar n. 24....., *
Rna de Antonio Henrique*.
Casa term n. 26 .....
Largo da Camnina.
Idem n 11 (fecbada). .
PATWMONIO DOSORPHAOS.
fiua da Moeda.
Casa terrea n. SI fechada).. .
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......4SJJOO0
Rua da Lapa.
Casa terrea n. ~.......202*000
Rua do Amorim.
Sobrado de S andares n. S3 6020600
Casa terrea n. 34......; S4OOO
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. SI.......1534000
Rua do Vigario.
2* andar do sobrado n. 27 ,
! andar do mesmo.....
Loia dp mesmo .......
Sobrado tn 2 andares n. 35 .
Rua do Encantamento.
Sobrado de S andares n. 13 (fechada). 1:4004030
Ana da Senzalla velha
Idem n. 16........2094000
Rua da Guia.
Casa terrea n. $5......20940OG
Idem n. 29........2014OOO
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 8OO40OO
Idem n. 19.........60O4OOO
Rna de S. Jorge
Casa terrea n. 100 (fechada) 2414000
Idem n. 103........2074000
Rna de Gervazio Pires.
Casa terrea n. 2.......200*0o(
Rua do Ampare )Olinda)
Casa tercea n. 18 (fechada).... 240*000
Os pretendentes deverio apresentar no aeto da
arrematacao as suas fiancas, ou comparecerera
acornpanhados dos respectivos fladores, devendo
pagar alem da renda. 0 premio da quantia era
que for seguro 0 predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim como 0 servico da lira
peza e precos dos apparelhos.
Secretam da Santa Casa da Misericordia do R
cife, 17 de agosto de 1874.
0 escrivao,
_______ Pedro Rodrigua de Souza.
Paco da camara Municipal do Rrrife, 4
de setembro de (874
Theodort M. F. Pereir* 4a Silva,
Pre-presidente.
Francisco August da Costa,
SecreUrio.
Pela secretana da camara raunicioal desta
cidada se fax pubiico que a mesna camara prin
cipia a sua terceira sessao erdinaria deste anno
em 0 dta 9 do orrente.
Secretaria da camara municipal do Reci-
fe, 4 de setembro de 1874.
0 secretario,
Francisco Angus to da Costa.
Companliia Fidelidade
seguron niHi'itinto* e terrestres
A agencia desta companhia toma seguro* ma-
ritlmos e terrestres, a premios razoaveis, dando
nos ultimos 0 s6lo livre, e 0 setimo anno gratuito
ao segurado.
Rua do Visconde de Itaparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
.A
Companhia Santa Thereza
Sao convidados os senhores accionistas, afim de
reunirem-se em assemblea geral, no dia 10 de se
tembro proximo, ao meio dia, no andor a rua
do Vigario n. 13, para continuacao dos trabalhos
adiados na ultima sessao, inclusive a leitura e
apreciacao do parecer da commissSo fiscal, rela-
tivo as contas do anno proximo findo.
Recife, 29 de agosto de 1874.-0 gerente,
________________JustinoJ.de S. Campo.s
Manta Casa de Misericordia
do Recife.
De ordem da junta administrativa desta Santa
Casa.convido a todos os senhores mordomos e ir-
maos, para que se dignem de assistir ao acto da
collocacao da primeira pedra do edifieio qne se
vai construir para hospicio de alienados, no logar
da Tamarineira, pelas 4 horas da tarde do dia 8
do corrente. *
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 1 de setembro de 1874.
0 escrivSo,
_________________Pedro Rodrigues de Souza
Companhia do cavallaria de Pernambuco
Contrata-se com quem raelnor vantagera offere
cer, 0 fornecimento de toda a ferragem precisa
mensalmente para cada um cavallo em argola,
durante 0 presente semesire ; devendo os propo-
nentes a tal fornecimento apresentarem suas pro-
postas em earta fechada. na secretaria da mesma
companhia. no dia 9 do corrente, as 10 horas da
manha ; declarando-se que nao se adraitlem con-
dicoes era taes propostas.
Quartel no Campo das Princezas, 4 de setembro
de 1874.
Jose Joaquim Coelho,
Capitao, commanlante.
De ordem dq I!lm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provin:ia, sCo convidada
as pracas reformadas da armada Antonio llicard)
e Jose de Mattos Polyearpo oara comparecerera
na mesma; e no caso de fallecimento, sous pa
rentes on successor es.
Secretaria da thesouiaria de (azenda de Pernam-
buco, 4 de setembro de 1874. 0 2* escriptorario,
ser vindo de fecretario,
____________Carlos J. de aonza Correia._____
WlfPANHlA
DOS
TRILIIOS HIA\0S
DO
Recife aOlinda
BEBERIBE
Sullpas.
No escriptorio desta companhia se com-
pram sulipas de oiticica, com 9 palmos de
comprimeuto, 9 pollegadss de largura e 4
dit85 de grossura.
Laurenlino J. de Miranda,
Gerente.
da sympbonia, sera caotado peraate
S. M. 0 nPBRADOK
0 hymno da independencia.
Sendo os solos pelas Sras.
DD. CLARA, GRA^A, ELBA
e os cOros pelo resto da companhia.
Seguir-se-ha um Undo e variado- piugii11
composto das mais lindas pecas do sen reperteci-)
de
Campaaok-gia
r. rnpofihtaii
A companhia agradece aos Exms. Srs. comaun
dantes dos corpus de linha s policia a asabili-
dade com que cederam as bandas de mosiea soft
seu commando.
0 theatre eura conreaientimente oraado t
bandas de mn*ica preencherao os iiurvallw.
A'S 8 l|2 HORAS DA NOITB
Pr*grama.
1.' parte.
Campanolofos.
!. Hnnyadi -marctu (lluugara).
! Barhe Blue. '
3.* Miserere da of^ra Trovttor.
2.4 partp.
Copophunia.
l.s Walsa Indiana.
S. A Faceira Polka.
dos
iBt
Estrada de ferro do Recife a
Oaxanga.
Os trens pela linha do Arraial no dia 8 do cor-
rente, a tarde, era virtude da festa do assenta-
mento da primeira pedra do asylo dos alienados,
serao rcgulados pela seguinte tabella :
Ida.
Recife 1.05, 2.05, 2,40, 3.05, 3.40, 4.05, 4.40,
5.05, 6.40, 7.05, 7.40, 8.05
l>amarineira 1.27, 2.27, 3.02, 3.27, 4.02, 4.27,
5.00, 5.27, 7.00, 7.27, 8.02, 8.27.
Monteiro 1.43, 3.43, 7.13, 8.43.
Volta.
Monteiro 2.00, 4.00, 7.20, 9.00
Tamarineira 2.13, 2.30, 3.10,4.10, 4:30, (4.13,
6.10) 6.30, 7.10, 7.30, 8.10, 9.13, 9.30.
Recife 2.38, 2.58. 3.38, 4.38, 4.58, 6.38. 6.08,
7.38, 7.58, 8.38, 9.o8, 9.58.
Estes trens tocarao em todas as eatacoes inter
mediarlas.
Escriptorio da companhia, 4 de setembro de
1874.
Gerente,
R. C. Batterbee "*
Peja recebedoria de rendas se declare aos
contribuintes do imposto sobre industrial e pro-
llssoes que e no corrente mez e no de outubro
vindouro que devem vir pagar 0 primeiro se-
mestre pertencente ao exercicio de 1874 a 1875
incorrendo na multa de 6 [, todos aqueltes con-'
tribuintes que fizerem depois do mesmo prazo.
Recebedoria de Pernambuco, 1." de setembro
de 1874.
Servindo de administrador,
Jose Felippe Nery da Silva.
I.NSPE CAO DO ARSENAL DE
MARINIIA.
De ordem do Illm. Sr. inspector, fago publico
para conhecimento de quem inieressar, que no dia
9 do corrente mez, as 11 horas da manha, ira a
praca na porta do almoxarifado desta reparticSo,
para ser vendida a quem ma s vantagem offere-
cer, uma porjao de ferro velho, avaliado em 20*
a tonelada.
InspecQao do arsenal de marinha em Per-
nambuco, 3 de setembro de 1874.
0 secretario,
__________Alexandre Itodrigues dos Anjos.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE.
A directoiia desta companhia, declara
aos Srs. concessionsrios de pennas d'agua,
que tudas as obras concementes ds mesmas,
s6 poderao ser feitas com sciencia da direc-
toria e presenga do respectivo empregado ;
isto para evitar os abusos que se ddo cons-
tantemente, e para que nao fiquem. sujei-
tos &s multas competentes, manda fazer a
presente declaracao.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
3 de setembro de 1874.
0 sacretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
CUIIIMMIIA
trilhos urbanos do Recife
a Oliada e Beberibe.
Tendo de ser celebrado 0
acto da bencao e assentamen-
to da pedra para 0 hospital
de alienados, no dia 8 do cor-
rente, as 4 horas da tarde,
no sitio da Tamarineira, e
ficando muito perto da En-
cruzilhada para alii, a geren^ia resolveu expedir
trens do Recife para a Encruzilhada, e vice versa,
de meia em meia hora, da 2 horas da tarde as
8 1|2 da noite.
Escriptorio da companhia, 4 de setembro de
1874.
PRECOS PARA A EiS'CRUSILHADA
1.* clasae. ... 250 rs.
2.' classe. ... 120 rs.
0 gerente,
_______________L. J. de Miranda.__________
Sociedade propagadora da inslmc-
<;ao publica.
A commissao de senhoras, quo promoveu
o concerto vocal, que real iso use no salao
do arsenal de marinha, na noite de 4 de
julho proximo passado, roga a todas as pes-
soas que se dignaram aceitar bilhetes para
0 referido concerto, e que ainda nao remet-
teram as suas esportulas, de 0 fazerem no
mais breve espaco de tempo, mandando-as
entregar ao Sr. thesoureiro do couselho
parochial do Poco da Panella, Jose Rodri-
gues do Souza, no escriptorio das loterias
da provincia, & rua do lmperador n. G ou
ao Sr. Adolpho .Mauricea, que pelo mesmo
Sr. thesoureiro estd autorisauo para esse
Bos.
pelo Sr. Jose Peres e a Sra. do Sr. Auelmo
La sol da Andaluzia.
3. parte.
Campanali.fi a
!. Last rsze of sum>-s 1 by desire).
S. N. 6 da 1 pera Traviau.
3.* Hymno .Sacional Brasiieiro.
AVISOS MAB1TKWS.
Libra ^ eslerlinas.
Vendera Augusto F. d'OIi-
veira & C.
Rua do Commci , A.A. Andersin,capital: 1 > palhaltote amen-
cano Frank Howard, na sn vlagem receate ( -
New-York para o Rio Grand do Sul, tendo arr -
bado a esle porto por forca m;.:or, precisa contr
tar os concertos necessaries, .ruudo a visto::*
feiu no mesmo navio. OSartU para este fim dV-
vem ser entregue em caru fechada ate 0 meio d.4
do dia 10 d 1 corrente act, no coosulalo america-
no, aonde umbem os pratesde ate? a;hirio a no 1
dos concertos n-'sc^ssarios da rhmm.
CUMFAXIIII ICU i^llllHV
DE
MAVEC.ACAOAVAPOR
Porlos do norte _
FUNDICAO
DE *
0. Starr & C.
Sao convidados os Srs. devedores a vir
satisfazer seus debitos, provenientes de let-
tras e contas yencidas; sendo que nao 0 fa-
zendo ate 0 dia 30 do outubro proximo vin-
douro, serao vendidas em leilao. Poderao
comparecer ou mandar ao escriptorio da
fundicSo ou do testamenteiro II. I. Caiman,
rua do Commercio n. 40.
Commanilanle AlColorado.
r.~ "=r>ordo dos pmn
do ?:! ate odia 8 w>
corrente e seguira fan
os do norte depni< da -
mora do costum .
Para carga, eneonraienda*, ralures e pa- tratase no escriptorio
7RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna ^ C.
tOMPANtt
MESSAGERIES HARITDIES.
IJnha mensHl
E-pera-se da E"
rona ate 0 dia 7 I
corrente, s e g u i n
depois da demora >
f :stnme para Bd -
nosAyres, lot
Babia, Rio de Janeiro t Montevideo.
I.fnlin mrnsal
ERYM.AXTHK
nd.
Y: esperadodosr r-
I'? do sul ate '.<
c. : rente, seguindo -
piis da indisper-. -
vel demora para 6:-
dcaax, tocand 1
vendas
vendas de 7^000 a 7^400 a dazia de frascos.
COMPANHIA
DO
BEBEBIBE.
Os Srs. accionistas desta companhia que
desejarem apreciar 0 relatorio e mais pecas
a elle appensas, relativo ao anno que ter-
minou em 30 de a'bril ultimo, dirijam-se A
respectiva secretaria, rua do Cabugd-n. 16,
que Ihes serdo fornecidos.
Escriptorio da companhia do Beberifie 3
de setembro de 1874.
0 secretario,
_______Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO"~
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico me
na sala de suas sessdes, 0 dia 3de setembro, .
as 2 horas da tarde, tem deser arremattdasj
ipem .mais vantagens offerecer, pelo tempo de tun
a tres aiiaos, as rendas dos predios em seguJda
declaradoa.
ECTABELECJJIENTO DE CARIDADE.
RC3 das Calcadas
Casa terrea n, 30(fechada). 221 WOO
Conselho de compras de marinha.
0 conselho no dia 12 do corrente mez, a vista
de propostas recebidas ate as 11 boras da manha,
promove a compra dos seguintes objectos do ma-
terial da armada :
4 ancoras, eada uma com 0 peso de 350 a 360
kilogrammas, 4 correntes de 10 bracas cada uma,
da bitola de 3j4 de potlegada, com as comoetentes
manilhas e chavetas, 60 Kilos de fio de vela, 40
plos de lacre fine, 40 dnzias de lapis, 30 livros
em branco de 50 folbas, 50 grozas de pennas de
ago, 20 grozas de parafusos de ferro, sortidos,
com rosca para madeira, 60 grozas de torcida*
francezas para pharol, 6 duzias de taboas de as-
soalho de amarello, 1 duzia de taboas de costadl-
nbo de amarello, 1 1|2 duzia de taboas de costado
de amarello, 5 dnzias de taboas de fjrro de ama-
rello, 25 traves, madeira de qualidade, de 8m,8 a
9,9 de comprimento e Om, 150 a 0,175 em qua-
dro, 500 kilos de arribites, e 1 vario de ferro in-
glez, redondo, de 0m,200 de grossura e 0,90 de
comprimento.
Sala das sessdes do conselho de compras de ma-
rinha, 5 de setembro de 1874.
0 secretario,
Alexandre Rodrignes dos Anjos
Grande festa nacional!
Anniversario da indepandencia do Brasi
Espsctaculo em grande gala
dado pela .
Sociedade dramalica.
SEGU.NDA-FEIRA 7 DO CORRENTE
Logo qae S. Exc. tiver comparecido na tribuna,
rompera a scena onde toda a companhia, perante
a efligie de S. H. 0 lmperador, cantara 0 bvrano
da
Independencia.
Dara comeco ao espectaculo 0 grande drama
historico, brasiieiro, de costumes militares, em 1
prologo, 3 ados e 1 epilogo :
Os tempos da independencia
Personagens do prologo.
Padre Roma Sr Flavio.
Conde dos Areos Sr. Penante.
Luiz Sr. Emiliano.
Frei Luiz Sr. Carvalho.
Ajudante d'ordens Sr. Braga
Carcereiro Sr. Ponies Junior
Personagens da peca
psssageiros : 1 |
Dakar (Goree) e Li^bda.
Para fretes, "nrommondas
tar com ,.
- AGEXTF.?
H: : Eiueud): A. Ls-.bille.
9 ~ iiua Jo Commercio 9
Companhia de nav?- eo n Z -
por baiiiana, limiiada
Maceid, iVnedu, Arncajti e Bahir.
T e.-perado dos por -
do sul aid o dia 10 1
corrente 0 vapor Pan!' .
0 qusl seguira para
portos arima no dia I -
guinte ao de sua cbr-
gada.
K?ceDe-se carga. passageirt; p dinhelro a '- !-
Agente
Antonio Lou de Oiiveira Azevedo.
57Rna do Bom Jesus57
General Madeira
General Labatu
Capitao Luiz
Major ajudante
Sargento Andrd
Jerunymo Cascudo
1.* horaem do povo
2. dito
Maria
Soldados, offlciaes, povo
Denominacao
Sr. Augusto Cesar..
Sr. Lacerda.
Sr. Emiliano.
Sr. Airosa.
Sr. Penante.
Sr. Flavio.
Sr. Pontes Junior.
Sr. Lima.
D. Dorothea,
etc. etc.
dos acto?.
Idem D. 30
CONSULADO PROVINCIAL
Por esta reparticao se faz aciente aos contri-
buintes dos apparelhos, differenca dos mesons
annnidades e-encanamentos da Recife Drainag'
Company do semesire find* em dezembro de
1872, que foi prorogado por mais dez dias nteis e
recebimento que ora se procede, terminando a re-
ferida prorogacao no dia 14 de setembro vin-
douro.
Coneulado provincial, 29 de agosto de 1874.
0 administrador,
Antonio Carneiro Machade Rios.
Perante a camara municipal desta eidade
estarao em praca nos dias 5, 7, 9,10, li, 12, 14,
10 e 16 do corrente, part serem arrematados por
quem maior preco anerecer, as seguictes rendas :
oe alngueis das caaai da praca da Independencia,
roas de Joio do Rego, Riachuello, Imperis!, das
casinhas da ribeira da freguexia da Boa-Vista, e
dos talhos dos acongues da mesma freguezia
pretndentes a taes arremaiacoes, babilite?
*000 .MtfnMteki.
: c*
5-se[
Prologo.JJItiraos momentos do padre Roma.
1.* acto.A fuga pela bonra.
2. u A prisJo de LabatU,
3 A liberdade.
Epilogo.A festa popular da Independencia.
0 tbeatro se acbara elegantemente decorado, e
a sociedade nao tem poupado despezas e esfor-
c,os para 0 bom desempenho e pompa da festa
que preparou para 0 primeiro dia brasiieiro.
Os bilhetes ja estao a venda no tbeatro.
TBEATRO .
Santo Antonio
Grande e variado espectaculo
pela companhia dos celebres e
untcos no Jsen genera
Campnnologoii escocezes.
Segonda-feira 7 de setembro.
Para solemnisar o anniversario da indepen-
dencia do imperio, honrado com
senija de S. Ec. comoaendador
dente da provincia.
Pacific Steam Navigation Canw
ROVAL MAIL STEAMER
Coramri*
(De 3,9ns taii'ladas).
Commandanle G. >". Coalan.
Espera-se da Eoropa at-,
dia 13 de setembro e segu -1
para Babia, Rio de Janeir .
Montevideo, Buenos Ayrer,
Sandy Point, Valparaiso, Ai -
en. (slay o Callao, para on"'
rec?be-a pas.'agurss, encoim:ndas e dinbeir .
frete.
If. B. iNao sabira antes das tret horas da
tardo do dia da sna chegada.
OS AGEiNTES
Wilson Howe AC.
14PRA' A DO COMMERCIO14
I
I
0 brigue por;nguez Triumphoy pretende seg^ r
com muita brevidade : para carga e passageir
trata-se com os :onsignatarios Tbomaz de Aqaii, >
Fonceca & C, suscessores, rua do Vigario n. to
CBARGEIR9 REU.'VIS
COM PA MI I A FRl.yCEZA DE SAVE-
GACAO A VAPOR
LINHA" MENSAL ENTRE 0
Uavre, Lisboa, I'ernambuco, Rio de Janei-
ro, Santos (somente na voltal, Montevi-
deo, Buenos-Ayres, (com baldeac,ao na-i
o Rosario).
STEAMER
a pre-
presi-
Logo quo a orchestra tiver eneantado nma lin-
Commandanle Capelle
E Esperado do sal
ate 6 do corrente, se -
depois da indispen
vel demora para
Havre com escala pw
- Lisboa.
Para fretes, encommendas e passageiros, trata-
se com
OS CONSIGNATARI06
AUGUSTO P. D'OLIVEIRA G.
43Rua doConynercioEntrada pela rtl
io Torres.
Para a Bahia
pretende seguir eom muita brevidade o P^haNW
Joven Arthur, tent parte de sen carregamento ea-
gajado : para o refto qa Ihe filta, trata-se coo
o sen consignatario Antonio Luiz de OliveirVhn-
vedo, rna do Bom Jesas n. f7.
-

^'


Olaric de l%ttainott* *l&guiid* ieira 7 de Setembro de 18U.
5
I
LEILy
O
Lell
JES, *, & euro e prata, cartei-
jjk **"'* "'" ras para escriptorios, di-
ao
__ ms
tazeidas, aifnagfto a olansilios pertencentes
* mass* laiUda do Autonio Mactuido dos
Santos, existentes na loja n. oi, 4 rua do
Pass* jo PWico
Hoje
as 1 111 horas
Por mandado do IHm. Sr. Dr. jura de direlto es-
pecial do coiD'.nercio desta cidade, e a requeri-
menlo dos euradores llseaes da mam fallida de
Antonio Machado dos Santos, o agente Pinho Bor-
ges hra leilao das fazendas, armacio e utensilios
quo conaUtnem a mass* fallida do snpradito.
Agente Dias
Novo leilao
DE
duos casts de taipa sitas em & rua dos Tdcos,
no povoado dos Monies, terrao de Agua
Preta
Quarta-feira 9 do corrente
A'S II HORAS DA MAN HA
0 agente Dias, em obiervancia ao respeitavel
despacho do Dim. Sr. Dr. jail especial do com-
mercio, levara a leilio, no dia e bora aciraa indi-
cados, as refaridas casas.
Agente Pestana
a Jallida do Azevedo $ Coelho.
0 maadado, contendo o iftventario dm nrfsmas
e os respectivos precos, acha-se em pud.-r du agen-
te, oude desJeja poJo s^r exaininado.________
LEILAO
versas miu-Jezae, jarros
para Acres, 2Tan Uaae CIO t iUSteS aVUlSOS. !*rn>*<;a Vigario Thenorio n. Xi.
QUAIITA-FEUU P DO COHIIENTE
as ii) horas da tnantia
ao corner do marteUo
leilao
DE
moveis, lo_cas, vidros, crystaes, ouro, pra-
ta e brilhantes
QUARTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
as 11 horas em ponte.
No armazem de agenda de leildes da rua do
Vigario Tbenorio n. 11.
0 pf.'eposto do agente Pestana fara leilao por
conta. e Tisco de quem pertencer, de I mobilia de
jacaranda, a Luiz XV, com tampos de pedra, di-
tas de amarello, ditas de faia, ditas de junco, 1
piaao de jacaranda, com manivella, 1 dito sem
.inanivella, 2 ditos de mesa, guarda-roupas, guar-
ds.-loucas, camas para casal e solteiro, marquezao,
marquezas, pares de espelhos, .pares de jarros,
pares de quartinhas, pares de consoles, mesas re-
dondas, aparadores, quartinheiras, cabides, 2 ma-
qumas de costura, commodas intsiras e meias, 1
rico santoario de jacaranda, com ricas imagens,
3bra doPorto, dazias de cadeiras de junco, diver-
sas madeiras, e muitosoutros artigos que se acha-
rao pateates no acto do leilao para os Srs. concur-
rentes examiuarem.
Agente Pestana
Leilao
DE
bum porcSo de ricos vestuarios para mas-
caras
QUARTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
As' 11 haras emponto,
No armazem de agenda de leildes da rua
do Vigario Thenorio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de uma porcao
de vestuarios para mascaras, em um ou mais lo-
:es, a vomade dos Srs. compradores.
maqtunis de costara, de
peemfio, quadios comfi-
nas gravuras, rewol vers, e
immense s artigos do uso
domestico, que se torna
massantemencionar, e que
se torra a troco do barato
QUINTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A's 11 horas
NA
FEIRA SEMANAL
.ti-Una do .iiiperaik-lti
ARMAZEM
pelo agente Martins.
Ultimo
LEILAO
DAS
duas casas de taipas cobertas de telhas, edi-
flcadas em chaos proprios, em Beberibe
de Baixo, rua de Santo Antonio, perten-
centes a massa fallida de Joaquim Vieira
Coelho da Silva.
QUINTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A's It li* horas.
agente Pinto, levara novameme e pela ultima
vez a feilao, servindo de base a oTTerta de 323000,
as dnas casas acrma descriplas, avaliadas em....
SOOgWK), e que fazem pane da massa fallida de
Joaquim Vieira Coelho da Silva, isto as 11 J[2 ho-
ras do dia acima dito.
Em sen escrjptorio, a rua de Bom Jesns n. 43.
cerca de 300 bacricas com farioha de trigo
e outras mercadorias, com avaria
QUINTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A's 11 horas da man ha
Em otrapiche alfandegado do Earn. Sr. ba-
rSo do Livramento, no caes do Apollo.
0 agent* Dias, levara a leilao, no dia e hora aci-
ma designados, por ordem do Sr. N. A. Anderson,
capitao do hiate americano Frank Howard, com a
respectiva licenca do IHm. Sr. inspector da alfan-
dega, e em presenca do Him. Sr. consul dos Esta-
dos-Unrfos, o seguinte, etndo em o navio acima in-
dicado, uliimamente arribado a este poxto por mo-
tivos de forca maior, em sua recente viagem de
New York para o Rio Grande do Sul, a saber :
Cerca de 300 barricas com farinba de trigo, I
fardos com fazendas de algodao, 1 caixa com cba,
algumas ditas com farinha de miiho e ostras, e
alguns barris com banha.
LEILAO
NA
Feira Economica
Rua do Rosario estreita n. i5
QUARTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
is 1 horas da maiiha
pel) agente Marlins.
De um piano, tnaquina para costura, moveis,
.oncas, vidros e diversos artigos._____________
. LEILAO
DE
fazendas avariadas
Constando de:
^ladapoloes. algodoes, chitas, cambraias,
alpacas, pretas e de cores, las, mantelc-
tes, baeta, bonds, chapeos e mdias.
QUINTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A's 10 1(2horas emponto
O agente Finto, levara a leilao, por conta e or-
dem de diversos, nao so as differentes faiendas
: jin avaria d agua salgada, como tambem muitas
Dutras fazendat limpas, que serao vendidas para
'echamento de contas.
O leilao sera etTectuado as 10 i\i horas do dia
acima dito, no escriptorio do referido agente, a
roa do Rom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
chapeos de palba enfeitados para enhoras e
meninas e 6 pecas de popelina branca.
Quinta-feira lO do carrcnle
a's 11 horas em ponto.
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO.
Por ociasiao do leilao de fazendas avariadas,
em seu escriptorio, a rua do Bom Jbsus n. 43.
O agenle Pinho fi-rges, competentemenle auto
risado, vendera em leilao o que acima so declara,
por conta e rigco de quem pertencer.
LEILAO
DAS
metcadorias existentes era o estabelecimen-
lo de molhados da rua Duqu de Cnxtas
n. 40.
Sabbado 12 do corrente
AS 11 HORAS DA MANHA.
0 agente Dias, em obsf rvancia ao respeitatel
despacho do IHm. Sr, Dr. jniajetpecial do commer-
cio> levara a leilao, no dia e hora Mima deaigna-
do, as mercadorias existentes em o estabelecimen-
to indicado, as ques faxem parte da masta fallida
de Joaquim da Silva Costa, e serao vendidas em
um ou mais lotes, a vontade dos Srs. comprado-
res. 0 mandado contendo o invealario das mes-
mas e sens respectivos precos, acha-se em podet-
do agente, onde desde ja pode ser examinodo.
leilao
DE
moveis, louca e crystaes
e uma hurra (cofre)
ao correr do marteUo
\ salwr :
Um piano de armario, de jacaranda, \ mobilia
de .jacaranda, com 1 sdfa, 1 jardineira, 2 consolos,
2 cadeiras de bragos -e 12 de guarnioao, 1 dita a
Luie XV, 2 serpentinas, 5 lancas para cortinados,
2 mesas redondas, quadros, jarros para flores, ta-
petes, 1 carteira para 2 pessoas, 1 presepe, 1 es-
pclbo oval, grande, 2 grandes macacos, ,6 estam-
pas, 6 espelhos ovaes, 1 secretarifl e estante, 1
burra franceza.
Dous aparadores, mesas, cadeiras, marquezas,
marquezdes, camas francezas de jacaranda, ditas
de amarello, maquma para (impar facas, ditas
para costura, mesas de jogo, 1 quartinheira, 1
berco, 2 pistolas, 1 relogio, 1 cama de ferro, 1 la-
vatorio com pedra e deposito para agua, 1 guar-
da-roupa, 1 cama de lona, grande, 1 cama de fer-
ro, 1 armario, 1 balcao, 2 venesianas, louca, vi-
dros, bandejas, cobertas para pratos, anneis para
guardaaapos, e moitos outrus objectos que estarao
patentes ao exame dos concurrences
no armazem da rua do Bom Jesus n. 10.
SEXTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
0 agt-Ete Pinto fara leilao, por conta e ordem
de diversos, dos moveis e mais objectos acima
meucionados, exhlenles no armazem da rua do
Bom Jesus n. 10.
O leilao principiara as 10 1|2 horas.
LEILAO
Agente Pestana
LEILAO
100 garrafoes com cevadinha desemharcados
ultimanmente
QUINTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS EM PONTO.
No armazem do Sr. Annas, defronte da al-
fandega
gJD preposto do agente Peswna fara leilao, por
couta e risco de quem pertencer, de 100 garra-
Joes comcevadiuLa nova, deseranarcados .aitlma-
mecte, em nm ou mais lotes, a vontade dos Srs.
conipradores.
s>
LEILAO
DE
uma parte do predio do becco do Abreu n.
1, que pertenceu a Antonio Jose da Sil-
va e do resto das dividas da massa fallida
de Joaquim Ferreira Lobo,
CONSTANDO DE:
I vale de Antonio Feitosa de Mello, na importan-
ce de 760OO.
1 documento de Manoel Reis Cardozo, na impor-
Uncia de 2008000.
X dito de Henrique Pereira Cardoso, na importan-
cia de 2:881 936.
Ounta-reira 10 do corrente
is 11 horas da manha
O agente Pinto, au'.orisado por mandado do
Him. Sr. Dr. juiz especial do commercio, levara a
leilao, nao so as dividas, como a parte do predio
aeima doscripto, pertencentes a massa fallida de
Joaguim Ferreira Lobo, as 11 horas do dia 10 do
;>crente.
Em seu escriptorio, a raa do Bom Jesus n. 43.
Al
DE
moveis, louca, vidros, 1 piano de armario,
$ll repartiQao para escriptorio, toda enver-
nisada, diversas miudezas e diversos cha-
peos de pello paca liquidacao
QUINTA-FEIRA JO DO CORRENTE
As II horas era ponto
.Ho armazem da rua do Bom Je-
sus n. 68 (antiga Craz). .
O agente Dias fara leilao, por conta e risco de
quem pertencer, de 1 mobilia de jacaranda, com
tampos de pedra, guarda-roupas de amarello, guar-
da-loucas, camas francezas, marquezoes, marque-
zas, cadeiras avulsas, ditas de palha, diversas
obras de plaquet. e muitos outros artigos que es-
tarSo patentes ao acto do leilao.
DE
JOI A. s
Xo dia 1 do corrente
Os mutuarios possuidores de cautelas vencidas,
enjos premios nao foram pagos, venham resgatar
ou reformar ditas cautelas sob pena de serem ven-
didas no leilao que ten lugar no dia acima desig-
nado, na easa do penhore?, a trave-sa da raa 'Du-
que de Caxias n. 2.
Leilao
em
DE
FAZENDAS
mglezas, francezas, suissas e allemas,
continuargo epor liquidacao
CONSTANDO DE :
Chitas escuras, algodoes, cobertords, mus'suli
nas, camisaa de linho, ceroulas, pannos e case-
mira?, pretr-s e do cores, bombazinas, merinos,
rcsdenaples, cspartilhos, cassas do cores, organ-
ys.. cambraias brancas, brins brancos e de cores,
brins pardos, Angola, peitcs para camisas, sarge-
lins, chapeos, peitos de camisa, collarinhos, cha-
les, lencos, tapetes, meias, capas de seda, veos pa-
ra casaincnto, chitas de ganga, damasco de la e
algodao, ri?cados para colchoes, fazendas de linho
propoias para seleiro, e muitas outras fazendas
Terca-feira 15 de setembro
No armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
Os adminisiradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C., autorisados pelo IHm. Sr. Dr. juiz
de direito especial do commercio, continuarao a
dispGr em leilao, por Intervencao do mesmo agen-
te Pinto, ss fazendas pertencentes a mesma mas-
sa, e existentes no acmazem da raa do Bom Jesus
n. 63, onde se effectual o leilao.
Os Srs. pretendentes podcrao examinar na ves-
pera e dia do leilao a variedade e sortimento das
mesmas fazendas, algamas das quaes ultimamente
despacbadas e recentsmente tiradas da alfandega.
GIRfil EflEESTRE
Como fiiho da tort* dos Atwlralia, aucren-
do WMmolsar com pompa o piita oti Ypiran-
ga. (I?ffc.i ao Exrn. Sr. presidente b* especta-
cnle em grande gala, no seropre gl rioso dia 7
de setembro. ciijn prodotrti tlvrd ilu to;Ia -le-j e-
7.i, sera ilTi-rociJu 'Ci Bfljjetticiti d-i l!?JH'i.-ij o-
de m i- fia ,'reen^heii oj
intci-
aH-'naloi.
0 espr.rl.ca!j serj hr.ufllo cor. u Koftnr. du
i, Kxo.
Dtoas ban las
vallos.
Espero nae a illujtre classe aoademica, aman
e como c da liberdade patria, nao deixara do
conoorrer, e o sconce elegante bello sexo, e a
todo bom povo em geral desta heroioa provin-
cia convjda e pede o vosso patricio e aftista pau-
lista Autonio Carlo? do Carmo.
Prineipiari as S 1|2.
Depois dos vivas do estylo, e do hymno nacio-
nal, a companhia fara ealercos para agradar ao
illustre e generoso publica
Grande quadro allegorico do grito do Ypiranga
Independencia on morte.
Grande salto Triampho da victoria.

MOFINA
Esta encouracado! 11
jjjfa mole em pedra dura
Tanto da ate qae a fara.
Roga-se ao IIIm. Sr. Ignacio Vieira de Me 11
**> na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a raa Dnqne de Caxias n. 3, a con-
orair aquelle negocto qne S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
Bug de dwembro de 1671, e dmois para Janeiro,
passou a;fevereiro e abril de l?7J,e nada cumprio;
por este motivo e de noro chamado para dito
flm, pois 8. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito anaos, e quando o Sr. seu fllbo sa
acbava nesta cidade.
gPi~n>i
^MK3BMnC3hg- LEILAO
Feira Semanal
mobilia de jacaranda, a
Luiz XV, com tampos de
pedra marmore, 1 ditade
vinhatico, 2 pianos de ar-
mario, de 3cordas, 3 guar-
da louga, toilettes demog-
no, pao setim e de jacaran-
da, 1 grande guarda ves-
tidos e guarda roupa, ca-*
mas francezas de jacaran-
da e de amarello, espelhos
grandes com moldura dou-
rada, objectos de ouro, bri-
lhante e de prata, crystaes,
Jouca2relogios dealgibei-
DA
9.* parte do sobrado da rua Duque de Ca-
xias (outrora rua do (.lueimado) n. 60
T.-es sitios -em Papacaca.
Uma mobilia de jacaranda com nm sofa, uma
jardineira, dous consolos, duas cadeiras de bra-
cos e doze de guarnicao, duas de balanco, uma
mesa elasiica, um guarda-louga, um aparador,
dez cadeiras, uma mesa, um guarda-roupa, uma
cama de ferro, um relogio de parede, um mocbo,
um banheiro, eneanamento de gaz, 1(2 commoda,
am saalaario, urn espelho e daas venezianas, uma
carteira, uma marqaeza, uma mesa, uma prensa
de copiar, um ccfre francez, uma mesa de pinho e
um md;ho.
Sexta-feira 11 do corrente
as 11 horas em ponto
No armazem da rua do Bom
Jesus n. 10.
Cramer Frey & C, administradores da massa
fallida de Bento da Silva & C, autorisados pelo
IHm. Sr. Dr. juiz de direito especial do commercio,
levarao a leilao, por intervencao do agente Pinto, os
bens aeima descriptos, que fazem parte da referi-
da massa, as 10 horas do dia acima dito, no arma-
zem da rua do Bom Jesns n. 10.____________
Agente Dias
]Novo leilao
i DAS
.mercadorias, armscao, caodieiro a gaz e
mais utensilios existentes bo estabeleci-
n^aDto da rua do Rosario da Boa-Vista
n. 56? pertencentes & massa fallida de
Azevedoa Cofilho
SEXTA-FEIhi 11 DO CORRENTE
as 11 hv.ras manha
0 agente Dias,em observance a respeitavel
despacho do IHm. Sr. Dr. juiz esnecu.1 d4. C0P~
mercio, levara a leilao no dia e hora inu.'f*flos
AVISOS D$E!iS0S
Precisa-se de um criado,
com urgencia, e que d6 fia-
dor a sua conducta; a tra-
tar nesta typographia!__
CASA DA FORMA.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Margo (outr'ora rua de
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
lizea bilhetes um meio n. 8iG com 700X000, um
meio n. 2893 com 200 i, um meio n. 3051 com
100/000, um meio n. 2531 com 100/, e outras
sortes de 40/ e 20/ da loteria qae se acabou de
extrabir (US'), convida aos possuidores a virem
receber na conformidade do costume, sem deseon-
to algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
da 6* parte das loteriasf a beneficio da igreja
da.Casa Forte (116*), queljse extrahira na terca-
feira, 15 do corrente raez.
PREgos,
BilhPte inteiro 4/000
Meio bilhete 3/000
>M POaCiODE 1009000 PARA CWA.
Bilhete inteiro 3/500
Meio bilhete 1/750
___________Manoel Martins Fiuza.
AO COMMERCIO
Os abaixo assignados fazem sciente ao publico
e especialmente ao commercio, que nesta data
dissolveram amigavelmente a sociedade que ti-
nham nos estabelecimentos da rua de S. Jose n. i
e Coronel Suassuna n. 41, que gyrava sob a firma
de Braga 4 PeixoJo, reurando-se o socio Peixoto
pago e satisfeito de seu capital e lucres, fleando o
socio Braga responsavel por todo o activo e passi-
vo dos ditos estabelecimentos. Recife, 5 de setem-
bro de 1874.
Preservative da Erysipela
Descoberto pelo Bacharel
Manoel de Siqueira Cavalcanli
Tendo o Governo Imperial perroittrdo ao de.s-
cobridor vender aquelle medicamento, o publico
o tern a sua disposicao.
BepoHiton nalcoK.
ecfc : rua do Barao da Victoria (rua Nova)
. 40, casa do Sr. Rocha Siqueira.
Bio de Janeiro : Corte, roa do Ouvidor
0 Preservative da erisypela ja e bem conheci-
do : entretanto transcreve-se para este annuncio,
do Jornal do Commercio do Rio, os attestados in
fra.
Qneiram os Srs. doentes os ler, e ver por
quem estfoelles assignados.
Iuspector da tatide publica em Pernambuco.
Em cumprimento do despacho de V. Exc. sobre o
requerimento do Dr. Manoel de Siqneira Caval-
canti, tenho a informar o seguinte : Acho justa
a pretencio do snpplicante, porquanto o seu me-
dicamento preservative da erysipela tern da-
do muitos bons resultados, nao so nesta cidade,
como na cSrte, onde ello tern sido applicado com
vanlagem e 6 procurado. A preparacao dellei
simples, por ser tintura de uma so planta. ;0
inspector, Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscoso.
Declare, por ser verdade, que padecendo de ery-
sipela, foi-me d3do pelo Sr. Manoel de Siqueira
Cavalcanli um medicamento, do qual fazenuo uso
por alguns dias nunca mais. ate hoje, me tornou a
accommetter essa enfermidade. Por me ser pe-
dido passei o presente, por mim feito e assignado-
Rio de Janeiro, 16 de juuho de 1874. Duque de
Caxias.
AUesto, que tendo empregado o medicamento
dymnamisado, que no; foi fornecido pelo Sr. Dr.
Manoel de Siqueira Cavalcanli para o tratamento
da erysipela, colhi sempre resuttados supenores
aos de todos os medicamento? conhecidos. Em tes-
temunho da verdade, e por me ser pedido, firmo
o presente. Rio de Janeiro, 13 de jnnho de 1874.
Dr. Saturnino Soares de Meirelles.
Concordo perfeitamente com o parecer supra.
Dr.Joaquim Jose da Silva Pinto.
0 abaixo as'-ignado, aouior em meuiuina peia
t.f.nia.rto n J-* Jwioire, olrg^-glRo-mOr dc
rigada tionorario do corpo de saiiJe, cavalheiro
da imperial ordem de Cbristo, etc.
Attesta sob juramedto de seu grao, que tendo
usado de um medicamento que lhe foi fornecido
pelo Sr. Dr. Manoel de Siqueira Cavalcanli, de-
nominado Preservativo da erysipela tirou
sempre o melhor resultado possivel, de sorte que
os doentes ate boje nio foram acommettidos das
erysipelas, que soffriam frequentemente. Rio de
Janeiro, 19 de junho de 1874. Dr. Jose Lino Pe-
reira Junior.
Tiveem 1871 dez erysipelas em uma perna, fni
a Europa, e considerei-me eurado, voltei ponco
depois, tive novo ataque ; tomei o remedio Preser-
vativo da erysipela do Sr. Dr. Manoel de Siqueira
Cavalcanli, e cessou a molesfia, ha mais de um
anno. Creio ser isto effeito daquelle remedio. Rio
de Janeiro, 13 de junho de 1874.Barao de Cabo-
Frio.
Gratia aos pobres.
LIVROSA'VENDA.
No primeiro andar desta typographia em
mo do administrador, vende-se os seguin-
te livrinhos:
O matuto Esperto dialogo ins-
tructive), critico, analytico, bistorico e mo-
ral, entre um matuto e um liberal por 500
rs. cada exemplar.
Edncacuo Familiarromance, e
uma serie de leitura, 2 volumes por l#000.
Uartens, mauuel diplomatique1
volume por ljJSOOO.
Obras de Mablycompletas 12
volumes por 89000.
Bignonobra completa4 volumes
por 29000.
FritotEspirit do DroitlJ volume
por 19000.
VatelDroit des Gens2 volumes por
29000.
F. Borges Economia Politica1 vo-
lume 19500.
FieldingThe history Tom Jones2
volume 3#000.
BavoueDes conflits2 volumes 35.
Bistoire i:cclcsias*ic|ue6 vo-
lumes 69000.
RousseauMelanges6 volumes 39.
RousseauPieces diverses4 volu-
mes 29000.
24- Rna do Maiqucz de Olindfi -i\
Esqulna do becco Large
Participa a seas fregaezes e amigos que mudon
o seu estabelecimenlo do relojoe to para a mesma
rua n. 14, onde ebcontrarao nm grande sortimento
de reloglos de parede, amerfcanos, e cima de me-
sa, dos melhotes gostos e qnalidades, relogios dt
algibeira, de todas as qealida es, patente snisso,
do ouro e prata donrada, -foleado (plaqnet), relo-
S;ios de esro, ingles, desruberto, dos mi-lbores
abrioautes, cadeia de ouro, plaquet e prata. Inner s
detodw as qualidades, tndopor precos mnito b-
MtM>
CoDsullom 'fiedw'O
DO M
Br. Murllte. g
RUA DO VIGARIO N. I, ANDAR. ft
\:-"x:r\ ;ifj:a.'iii An ?..:%*. i.de. fra- p
,jnu.:t ..5 hitfpiur* ii. Pai s l.-dr, m
-ir 'if-- .(..i,. : w'/'-' "T* O
d:a wt* oj-1-. j-^-a .:t.-> '.e M pro-
Hasi-j.
UiawlUtt Ja- 6 a: ij ra? da ni.-.nhi e
do men d-* as daa's t WM da Jirdu
ABATIS AOS WBW.
Hspfi'ilidader: Motestias de seokoraa,
da peile e dt> crianqa.
# ^VXVHXC0 t>XVCVVX' #
in muoi
Inao Cirrria de Curvalh", aruU alfr.iate, Un-
do-se desligaiio da soci<'dade da casa com'rerc*'
existent^ a rua do Barao da Victoria n. 86, sr* >
ratio de Arauj". Carvalln iv C., ickoM B"""'^-
te e^tabelHcido n.i sua art*, a rna d-> Marno oV
Olinla n 46, I* a-.J.ir, tmmn os mm W
freguezes o encon'rar5 i-nmipto para ex?<-oar
qnalqu-r obra tendeute a fua arte,
pr. mptidao.___________________
Alnpa-.-e altos bairns do sobrado
Imperial n. I, canto da iravesa do Lima,
srmarao e mais perti-ncas para tiverna, mt
In^ar auito proprio para tal Mptfl : qnem
pretender entenda-se com o proprietary, na raa
do Has^sVio, sohrs'lo n. 35._________
AHipam-se ccntanfin' nw *n\** aeecas e O*
leite : na travessa da Mtrta de Sm MM
n. 6.
m-ro *
N. 11Esquina da rua do Cabii^d\. 11
Este estabelecimento continiia a receber grande sortimento d j'Mat m '. rnas, la mro, I- -
lbaete, e mais pedras preciosas, e b as obras de prata de lei.
Coudecoracjoes.
A Coroa Brilhaute recebeu ricas cummendas. offl>ialato, bahibM de onri e j>rta donrad"
para todas as ordens ; assim come deiicados lacmlins e boi">.'- pira cavalhfiris, iti,1 ,i- e>tr-
mendadores da Rosa e de Christ fitas Unas d sda para a camnanba do I'araftnay, loda M f-
dens, e para liquidacao de muitas joias que tern na 1 la, o ilono r*solven a v< nl-r nii bar d">
que em ontra qualquer parte, garantin to b a qoalidade do ouro e d- prata. por; mm d- uma
conta com recibo. 0 estahelecimento eontiniia aberto a noite at-': i 7 h>ns, na rua do CaMica -
11, loja de joias de Antonio Seraflm da Silva.
I.#H
Vejam !...
0 Coracao de Ouro. liquida :
Corrcntes de ouro, modrrn.u, para rr!..; ". a *. ;' a r'-tiv.i
Relogios de onro para senhor.i, a (Of, que em onti !
R logios de prata ln-m dour dos a 150.
Rozetinhas de brilhaMe a Ii3.
Anneis de pedra com Kttra a 0^.
Anaei- para por cabello a iB.
Pencenez de ouro a II t.
Pmcenez de iirata donrada a 3joC0.
Dedae- d prata. lundo de |ie Ira, a if.
Buncos de coral e enro paia mntina* a 1/800.
Cacolrias muiio modein.ts com 30 por eeatode abal*.
Pulci-iriii'ss tie c ral e ouro para cnanra a \Q$.
Pulc^ira do ouro o'oral, f iiio de uma c t ia. a Irta.
Obras do prata a 400 r*. a oltava.
Brinens para senbora. moil mudernoa, a ISt, em ontra parte t 9..
Volla* de ouro e cruzinha, com 50 por eesio I \
Grande fortira nto d-i Jias da brithante com 51 ibat;
Brinco.^ do arl para senh >.'a a 45-.
Correntes de ouro iiari rcl g; s a 185 caJa uir.t.
AdereQos por meta to de sou valor.
Sortimento comple to de joias, que vend* par me! i v.: r.
/VTinuici
iqui
acao.
fMHP
Attengao


Na rua estreita do Rosario n. 33, propara-M
bandejas de bolinhos de todas as qoalidades, par* ,:
casamen'.os, bailes e baptisa os a 2 '4 e a 131 :
bandejas com bouquets e fitas c^m letrei.-.s a
gosto de seus donos e coin assfio ; pr-para so
bouquets de cravos natura s para noivos, com '.
tas bordadas a ouro, sendo a enc> 3 ou ii dias ante3 ; faz se jaodn-lo- nfailadoK e
pudin-, semedo, tudo propri" para presenti--. ; flo
res de todas as qualidades, lindos doq lie's para
offerta, velas ricas enfpitadas para i apli-ados; lo
da encommenda de S>itps, aicos, palmas, rras,
e capellas ; tudo se fa bantu coin presteza. Tam-
bem se faz gorros bordad qualquer obra burdada a onro.
: .--*7 -.-..
; 2i-Kn Pan ):<. >m I
, DR. MAA'OKL K\K I.NO ll VA .ESt}A
HeaHes
loaaalus das r as u l|. ma- <^
ijhaa
banadi;
da n ito

i yotmmt k r.- it dia as I
Bspecial la'.v i
:;::> o cat

= Precisa de duas amas, sendo uma para co-
zinhar e comprar e outra para engoauaar e en-
saboar : na rua da Cm--cordio n 43
ISodisla Iraiireza.
Mademoiselle Eugenia Loc into & Iuni, avi-aii
a suas antigas fregueza> e ao publico em geral
que abriram novamente seu estabelccim^uto de
casa de costuras a rua meiro andar, pelo que esperam coiitinuar a me
recer a concurrencia das pessoas que preetsarem
de seus servicos.
I Mill llllil 11 ?*":~i-*fF"-w 3
I'Stta Xeferina (Joellro da silvn.
0 Dr. Joao Francisco Xavi r Pus Barreto, sua
mulher e fllhos, repa-sadi.s d > u ainr pezar pela
noticia do fallecimento de D. Rita Zel^rioa Coelho
da Silva, convidam as pessoas de sua amisade
para assis;irem a missa, qae man lam cebbrar
na igreja do recolhimento de Olinda, as 7 horas
da manha do dia 7 de setembro ; por cujo obse-
quio se confessam ettrnameute tratos. ____
a- iia a-a-aaMb-j.SwJ'ggy-?
-. .de.
vt
0. lalfa B Mr. "-mi RarisaarHi, pro-
( .-' ; Is i ran e.i t j r.vi .
non er< aaa siaeipnlaa, fjuiassa om
dado Mia resi Sfl-ii para low :
pod-r'o daqni istan diiipir
qnaliaer ch-mao>, a ma d< P~-
Victoria n. 11, armazem de
Sr. AaeSBdo.

Oliuda.
CASA
Aluga se o segundo andar a rua Duque de Ca-
xias n.'54: a tratar na loja.
_Alugase uma casa em Apipucos, em optima
posicao e bons commodos para familia : a traiar
na rua Sete de Setembro n. 15.
" :-;:*
Macei6.
Baobarel Lourenco do Albu- ^
querque 1
Advo^ndo
Raa do Rosario n. I.
Aluga-se por festa ou vende-se por preco ra-
zoavel o palacete contiguo a lgreia do BomGm,
em Olinda, n. 1, com mobilia completa ou sem ella,
jardim, arvoredos de fruclo, cacimba abundante,
casa de banhos, e commodos para grande familia;
e assim mais duas casas na mesma rua de ns 8
e 12, e ontra na ladeira da Misericordla n. I.
Alem destes predios, aioga-e somente por festa
ou annnalmente o sobrado n. -16, e as rasas de
ns. 31, 32 e 3% a rua de Fernandes Vieira, ou-
tr'ora Mathias Ferreira, aquelle com gaz e agua
do eneanamento, nma pequena mobilia. e grande
3uinta! mundo, Bastante arejado, e estas asseia-
as e com bastantes commodos, e ponco distante
do littoral: a tratar na ma do Bispo Coutinho,
out'rora rua Nova, sobrado da esquina n. 18, ou
no mesmo palacete.____________________^^
Fugio do s-tio denomioado Cafundd uma
preta escrava, de nacao Cambinda, a qual ja d ve-
Iba e chama-se Chatarina, anda sempre com nm
cacete que lhe serve de arrimo por sourer de rheu-
matismo : quem a encontrar, pegue-a e a leve ao
sitio Cafondo, na estrada de Joao de Barms, a en-
tregar ao seu senbor Jose Carlos Ferreira, qne
sera prat: lie a do.
Feitor
- .* ..
com urgencia
Tendo ad' ee'de d f'itor que trat-va do ti ka ?
fazia mas algur.i s.r-"ico, pre;isa-se de am <*u-
scj.i cuidadoso eeoieoda de flares : ?. refmario, no tfaouuin'!'?. o prtine'ro sitio n 2
11
Quem tivereonias eranbcapitao :>'.'.:> \i
di pata' ho r.rger,'.i'..) '.' riot qnrir? tfr a bead
!e as apresenUr al i o dia 9 > c.inent^. M
su?do argeo'ino. a raa do B>ra Jesus. Becif, >
de seL-bi r> de !?r4.
Caixciro
Prcisa se le
verna, de 13 li
na rua de Mariz o ^ rro< n. 4
urn caixeiro eon pratica d> ia>
nonos, prefenndo-sc n3Cioaal
Manoel Gomes Braga.
Antonio de Sa Peixoto.
Precisa-se alogar uma escrava de meia ida-
de, que entenda de vender na rna e qae seja flel,
as mercadorias, armacjio e mais olensilios como". ,,.rata-se na rua Imperial, tavern^ de uma s6 porta:
acima se menciona, os quaes fazem parte da mas- |eneos\2"a a 5aW n- 227.
Fnriaram daas grades de ferro, do terreno
junto ao hospital inglex, qae lhe serviam de por-
tao,_e na estrada de Oliada : quem denunclar do
ladrao com certeza, tera direito a nma, que sendo
como e usada, ainda pode valer cada ami 20*1,
que dara parte no armazem da ribeira do peixe
n. 19- _______________________________
Offeree*-se uma moca portugueta para casa
de poaoa familia ou de moco solteiro : a tratar no
becoo do Veras, siyo ao lado esquerfo, casa com
portio para carroci
0 abaixo assignado participa ao respeitavel pu-
blico, que comprou desde < dia 11 de agotlo pro-
ximo passado, ao Sr Manoel Cavalcante Hacam-
bira, a loja de cabell -ireiro sita a rua de Marcilio
Oias n. 98, livre e desembarajada de qaalquer
onus. 0 mesmo abaixo a-signado nao se respon-
sabilisa por debito algum que a refenda loja esteja
snjeita ate aquella data: porianto, quem se julgar
credor. apresente-se no prazo de tres dias, a conlar
desta data Recife. 7 d<- satembn? de 1874.
Felismino dos -anios Daulas.
Aln^i-se
um sitio em Bfberibe. com casa, coaneiroa a ec-
iras arvon-s U u -irfe-as. e boa baixa de capim : a
tratar n> ma do H">picio n 3d.______________
Aluga-se t*-rceiro andar da casa n. 31, *
rua estreita do Rosario, com commodes e mum
resco : na tbestnraria das lotrrias.
CRIADO.
Precisa se de um criado para todo service
rna do Commercio n 22.
r..
Aluga-se
c loja do s ibrado silo a rua do Hospice n. 6o a
tratar na rua do Vigario n. 31.
_ 0 Sr. Lniz Aprigio de Oliveira Satermo, qoeT-
ra apparecer a rua do Range! n. 67, a negocio d -
particular interesse
Aluga-se
CozinlMra.
Ha uma cozinbeira escrava para alugar : na rua
de Santo Amaro n. 6, 2* andar.
predio n. 28 sito a rna do Bario de S. B. rji.
antiga do Sebo, com commodos para grande fami-
lia, contendo agua e gaz encanados, appareii.es
de limpeza, grande quintal bem planudo, cli
porlao que dciia para a rna do Atalbo ; para ver
a chave acha-se na mesma roa a. 18 : a uat/r
em Olinda, ladtira da Sa n. 6.____________
Aluga-se
uma easa terrea no principio da Estrada tovx
com duas salas, dons quartos, eozinha fora e tfi
quarto ; mnito proximo dos bonds: a trattr
mesmo Ingar. primeiro sitio a diretta, depois da pri-
me ira bomba.___________________
Aluga se por alcana mazes o 2s andar i-
sobrado n. 33 da rua da lmperatrii, cooipletaiiiuO-
te mobilhado, a pessoa de pouea familia, prefer^
dose estrangeira : a tratar no mesmo.



-v
'




,
**Wa& Attaract ffi<$&Jktm\ &J074
i
PENHOBES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qnal for a quantia.
Na mesma casa
eorr :>ra-se os mes-
mos metaesepedras.
Cease fcJo quanto o antigo annuncio diz.
It foe em certo poder assim o quiz.
ktomtfto
Antes de fazer patente as sorprendentes es-
pociaiiiiaiies, conduzidas pelo ultimo vapor, com
fUstino directo ao muito apreciado e frequentado
Arraaxem do Campos, a rua do Imperador a.
118, ccopro nm dever de gratidao agradecendo de
coracao, desde ja, a eoraplaceneia dos leitores
que lerftn este annuncio de principio a eabo
6 ulilrsaram-se de sua iodicacao.
Isto posto:
Espe'o ancioso ver entrar no- armazcm.
Quern qnizer da barriga passar bem :
Alimentacao pura.
Masses Snissimas para sSpa, como aioda nao
vein t. esta praea, allento o apurado gosto e supe-
rioridade da? subslancias primas, como se pode
coaSar na franca e esp mtanea recommendacao
dos medicos mais afamados da Franca e Alle
aianha. Uma expcriencia eonvencera melhor e
jior i-su nao hesiteis.
Escolha franca.
Creme d* rir, crcmc dc tapioca, ficule de pom-
me '.em, flour de farine de mais, seraoule de
fromeni, tapnca do BresiJ, fieur de rir, semoule
de rir 6 eatras muitas qaaiidade* francezas, por-
tagoezas e italianaa. Alcm do qm-'ha rauitas ou-
tras novj.'.jde- qne fcam a disposirao dos aman-
tain saberoso : trigam dinheiro "e garanto-lhos
que satisfarei ao mais exquisito paladar. Ver para
erer, cmprar para saber.
Em couclusao:
Oirei como diria, quern dira,
Vindo todos um ma 50 comprar :
Sao furadas I
Sim, sao velas sfearina
3e hut suave e niui fina :
*5aeo hf ras uma dura
E sao de boa gross ura I
Note bem :
Betvsunenda-ae particnlartnente aos amantes
in baa pisga a muiio saborosa e hygienica canni-
-t& ''- expressamente para regalo dos es-
taaBgos Rwm e de ic-.dos e qne se pode saborear
so? '-'' extasiado em vista deste versinho, que
... tolalo caJa garrafa bermeticameote la-
Brad
Eis r.qui a fina canna
Do baile gota brilbante :
S' pura, e cheirosa e boa,
buro A c pitlpilmotf-
GO
3^
CO
CM
sa=
3 iosssKsessSi
isullorio niedico-eirargico %
5 DE
9 A. B. da Silva Maia. |
Medico parteiro e operadcr. r\
ft, Sua do Kangel n. 51 f^
B Consultas das 8 4i 10 horas. 0
!V Chamadoi a qualquer hora. S
(^! Sralii aos pobres. Q
CHARUTOS
DE
Jose Furtado de Simas.
tins?:- iepc -ito em Pernambuco, a rua do Mar-
tj-i'i d-* {.'iind.i n. 15, de BourgarJ A C.________
Vi>or do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vital idade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello e* uma prepaiaeSo ao
hks1' U mpo agradavel, saudavel e efficaz para
emaemr o cabello. Por raeio do seu uso o
eahc'Io ^nqo, grisalho, e enfraquecido, dentro de
pr-ir tempo revolve h cor que lhe e natural e
priMiLi.a, e adquire o brilno e a frescura do
caldlo da juventude; o cabello ralo se torna
deoso e a culvicie muitas vezes, posto que nao
em todos os casos e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabello
depois dos folliculoa estarem destruidos, e as
gisindcs cansadas e idas, mais se ainda restaxem
aljro-ms iwdem ser ealvadas e utilizadas pela
applicarao do Vigor. Libre de essas substancias
debtorik^ quo tornam muitas preparacoes de este
gencro tam nocivas e destructiyaa ao cabello, o
Vigor somente lhe e beneficial. Em vez de
sujar o cabello e o fazer pegajoso, o ceaserva
lioipo e forte, embellizando o, impedando a queda
e o toxaar-se rugo, e por consequiute previae a
c&hricie.
Pan uso da toilette aio ha aada mais a dese-
Jar; nao contendo olea aem tintura, aio pode
manehar mesmo mais alvo leaco de cambraia;
perdura no cabello, lhe da um lustre laxurioso,
urn perfume muito agradaveL
Para reformar a cor da barba, 6 aecessario
laisie tempo de qne 00m e cabello, pore m se pode
Mressar 0 elfeito. earolTendo a barba de aoito
en um lenjo molhado no Vigor.
PaaPABASO FOB
T, J. C. AYB1 & CA^ I^wcllf MM81
Xhtados Tjnidos,
vajNua: as. bor
Amn Precisa-se de uma aroa forra ou es
ama craya, para casa ie fUyuilia : a tratar1
na rua de Horlas a. 15, ou na ru? Daqae de Ca
xias a. ill.
-----------
Ama de leite
Preci-a se da ama ama de leite que seja sadia e
sem fliho : aa rua Duque de Gaxias a. 91, loja do
Rival Sem Segondo.
- Precisa-se de nma ama que seja boa coil
nheira : na rua do Crespo n. 7
ALUGA=SE
uma grande casa terrea com bastaatas commodos
sita aa estrada do Lacai: a tratar aa raa do Vi-
gario a. 31.
Precis* se de uma ama pa
ra casa de peooena familfa :
a tratar na raa Velba n. 60
AMA
Preeisa se de i
Preeisase de uma ama para coziahaf, e mais
a I gum servico de casa ; na raa da Ioweratriz n.
40,2 andar. ________- ;
4 || Preeisa se de uma ama que cozi-
\ VI A alis e faca 0 mais servico de porUs a
L'-I- -1. dentro, para uma familia de mas pesi
soas : na raa do Gommercio n. 10, 3 andar.
Precisa-se de uma ama para codnbar e
mais algum service de casa de pequeaa iamilia :
no 3' andar d'esta typograpfaia,
Precisa-se de uma ama pa-
ra cozinhar : na I'raca da
Indepencia ns. 1 e 16.
AMA
A \m Preeisa se de uma ama para coai-
^* iMM m. prar e c zinhar em casa de bomem
solteiro ; na rua Nova a 69, loja.
k -]m k Precisa-se de uma ama lr-
/m 'fl /% vre para comprar e coziabar
x-^-i-'-"- -^- para casa de tres pessoas : na
raa do Cabnga n. 3 A, loja do Collar da ouro.
AMA Precisa-se de uraa ama livre
xllTl.fi. ou captiva i rua da UbUo n 47.
Palacete
Ainda esta por alugar-aV 0 palacete da Ilha dos
Ratos, do finado Cnslodio Jose Alves Guimaiaes,
onde morou uliimaraenteoSr. Dr. taaacio de^ar-
ros : a tratar na rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Casas.
Alugam-se as seguintes: na rua do Pilar n. ti,
eGuararapes n. II, com bastante3 commodos r a
tratar na rua dos Guararapes, tavernan. 14.
Traspassa-se uma graode casa com-eommodos
para grande familia, e decentemente preparada,
em um dos mais apraziveis arrabaldes, passando
pela porta a linha dos bonds : quern pretender,
dinja se a raa do Vigario d. 5, 1* andar.
Alwga-se
0 3 andar do sobrado da rua do Vigario n. 5, com
grandes e bons commodos para familia, e agua
potavel : a tratar no armazem da travessa do Cor-
pu Santo n. 25.
ScientiQca-se ao publico que nioguem faca
permnta ou compra a Claudino de Jesus Baadeira,
da casa e lerreno sitoa no Campo Grande, pois se
acba 0 dito em questao com 0 proprietary da
casa de taipa, sita no Campo Grande n. 7, pelo
juizo de paz da freguezia de Nossa Senbora da
Graga ; por isso se faz ver para que se nao ebame
a ignorancia.
Massa Fallida
DE
s & Leinos.
No escriptorio de E. A. Burle & C, i rua
do Bom Jesus n. 48, paga-seo 3. e ultimo
dividendo na razao de 1,351. aos cre-
dores desta massa.
As imjiortancias aue nao forem Drocura-
das ate 0 dia 21 do corrente, serio recolfai-
das ao deposito publico.
Recife, 4 de setembro de 1874.
Escravos.
Sem serein castigados, ou outro qualquer moti-
vo, fugiram no dia 31 de ago=to proximo passado,
do engenho Alegre, da freguezia de Agua Pneta,
dezeseis escravos de ambos os sexos: quera os
pegar e levar ao dito engenho, on nesta cidade a
rua do Imperador n. 50, ou ao Sr. Albino Ferreira
da I'unha, ao largo de S. Pedro n. 17, sera, grati-
ficado.
Recife, 4 de setembro de 1874.
CASA DO OURO
.log 4:080r000
Bilhetes garantidos
Rua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
nuito felizes bilhetes a sorte de 7004 em um
meio bilhete Ce n. 846, a sorte de 100 em um
meio de n. iOSi, e um meio de n. 2531 com
a sorte de 100$, alem de outras sortes menores de
40*000 e 20/000 da loteria que se acabou de ex-
trahir (115); convida aos possuidores a virem re-
ceber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao rsspeita
vel publico para vir ao seu estabeiecimenjo com-
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos m&jmcs
annuncios
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga
'antid03 da 6* parte da loteria a benefkio da
igreja da Casa Porte, que se extrahira no dia ter
ca-feira, 15 do corrente mez.
Pre^os
Inteiro 4/000
Meio 2/000
De 1009000 para data.
Inteiro 3/500
Meio 1/750
Recife, 5 de setembro de 1874.
loao Joaamm da Costa Leite
Alugam se barato umas mei aguas na tra-
vessa das Barreiras (becco do Aquino) : a tratar na
rrua do Cotovello n. 25, casa de azuleio.
Fugio 0 escravo Cyriaco.
No dia 30 de agosto proximo passado, ausen-
tou-se este escravo, 0 qua I tern os signaes seguin
tes: estatnra regular, cor preta, rosto redondo e
pequeno, sem barba e tern a pbysionomia agrada-
vel, e idade de 17 annos pouco mais ou menos ;
foi trajando calca e camisa braaca e chapeo baixo
de feltro branco.
Consta ser visto aa estrada para Apipucos.
quern apprehendel-o, sera bem gratificado, le-
vando-o a raa do Conde da Boa-Vista n. 51, sitio
na Soledade.
COMPRAS.
CAPIM
Compra-se mil feixes de capim para plantar
i tratar na rua do Crespo n. 16,1 andar.
ITJMAS.
de
LEIS PROVINCIAES
Vende-se no i. andar desta typogrtpJ
em raSo do administrado, Cotleeccdes
Leis Provinciaes a 5 it. 0 exemplar
cada anno.
Vende-e
ama casa na villa de Barreiros, na rua do Com
mercio, por preco medico : a tratar cam Tasso
Ixmaos & C.
AlciittJte^108 exclusivos da Casa RIMAD^"
** PARIS, RUA VIVIENNE, 8, PARIS <
A casa GRIMAULT e Cta, oujos Laboratories s5o dirijidos pelo eminent* chymico
DOUTOR LECONTE
Professor da Faculdade do medicina de Paris. Ex-prcparador do curso de Physiologia do Claudio BEBSAnD no Collegio de Franca
GHAMA A ATTBNQXO 1)B TODOa 68 MEDICOS E DO PUBLICO SOBRE OS PRODUCTOS SBOUINTBS QUB MBRECBRAO RA BXPOSIQiO DE VIBHHA
DUAS GRANDES MEDALHAS ESPECIAES DE HONRA E MERITO
por sua elficicia conatanlc provada nao somente nos Hospitaes de Paris, mas tambem nos do mundo inteiro.
I
VlENRA 1873,
Mbdalha dk Mkhito.
Vibww* 1873,
SttBAta* fc Btatmo,
As menstruapOes irrea^il;
As cAres pallidas......
O empobredmento do sangue
As complcic6en debets, .
CorBo-ae com
0 Pko$phato de ferro do Dr Litm.
Xarope e Vinho ferrugiposo de quina
de (irlmnult r C:
As nevralgias
a nevralgias. I___ l o Xarope de chloral do W LMiBt
As d6res rheumatlsmaes. < arflo ,r e.m 0 Xarope de ortmureto ie^HaZZ Z
As dOres nervosas, a gota
rl
MeO.
Os defluxos,
Os oatarrhos pulmonares
Aa irritacOes do peito.
As rouquidOes
< peito. 1
*......./
CorOo-se com
0 Xarope e a Pasta de seiva de pi-
nheiro de Lagawe,
As Pastil has de succo d'alface e louro-
cereja de Grlmanlt e C*.
A diarrhea.
A dysenteria. .
As cblicas.......
As ddres de rentre.
0 ProtovaHlo de ferro it W tH-
A Creaae de bimtho lie Cl
As mo lost las Ad flgado. .
As dares de cadeiras e co-
llcas nephriticas.....
CorOo-ac com
/ 0 Xarope e o El'mir dc Soldo de Crl-
> wtauli c !'-.
I As Pilulas aotibilioeas de 1'odophilina
{ dcGrlnmullrf-.
...),
Aa molestias contagiosas, t Cur*o-ne tmnt> ** J'jeccoas Cassstas de MHieo de
As blennorrhaglas.....> /r-c:^ ftrlwH mW~-
I
As mas digest6es ....
As flaltas de appetite .
O mao gosto na bocca. .
As dores de estomago.
, CurOo-ac com
As Pasiilbas de I armies alcalinos de
Barlii du Hiilooon
0 Elixir e osPOsdigestivosdePp'na.
0 Elixir e o Vinho de coca de Crl-
nwult e Cu.
As molestias do peito.
A tlsica........
A laryngite.......
As affecc&es paimen
0 Xarope de hypophoiphito de caf.de
CairOo-ae com ] As P'^e'33 da todttrou do ferro e mnn-
\ gone* de It all starts.
/ 0 Oleo denjado de bacaltMo ferrngi-
noso de GrlmasM e a?4*.
Aa lombrigas.....
As convnlafies na dentic&o
dlfUcU...........
(AsPaslklbas vermifuyot de Grlmaalt.
CarSo-se com j As Pestilhas de mmnita de Crl-
1 mault c C'1".
A amemorrhea o falta de
menstruacao........
! Cur2o-f- com
As Capsulas de Apipl de
eC.
3
A* estxaqneoas. ,
As dores de cabega
Cwrfto se com 0 Inga da India de GrlmanK e <'"
As affecc6es das glaudulas,
do rosto, da cabefa. .
Os vicios do sangue.....
O lymphatiamo.......
Cnrtosecom
Xarope de rabano iodado de
'It >.
I 0 Vinho e o larase de
1 Udo-phesphate de col.
ao
i. asthma...........,
A oppressao ou affrontacao.
A falta de respiracao. *
CairSo-se com
Os Cigarros indios de eannabis indica
de (Irlmaiilt e t"-.
As molestias da peCle. .
As ernppoes e comichoes.
Aa chagas, as emplgenw.
Carte ac com
As Pilulas ao W
A Gliconina Sickel,o melhor das-pom-
nadas calmantcs.
1
Iepositos> em Pernambuco : FBBBBIRA,
BARB0ZA, e nas prineipaes Pharmacias do Brazil.
GARGANTA:V01 BOCCA
AS PASTILHAS DE DETHAN
Curio as molestias da gargmtta, ruquldi>M, crop das erinri e InOainmn()< s am bocca. 1'uriticao o l>Mlitor destroem a In-Uaciio provoends polo fumo e curaa
effeitos peniiciosos do mereiirio sobtc os dcuteN. Sao prcciosas para os Sre. i>a*egalorea-f professores, oradores e
mature*, perqae fucihiao a emlSMaw da \ox.
Paris, em casa de A. DETHAN, poarmaeeulico, 60, faubourg Si-Denis, e nas prineipaes pharmacias e drogarias do Brazil.
m
i
53 Rua Du^ue de Caxias 53
Augusto Poito recebeu novo sortimMto de Kn-
dos coques de trancav ciotos de coruo cam n>attas
de metal, elegantes gravatas de setim de cor e d3
gorgorao preto com ahothographias, e suporiores
popelinas qne esta vesdendo aUo covado. '
Lavas brancas
da Jouvin : a Magnolia, a raa Daque de Caxias
a. 45, e sd qnem as tern freiras.
FUNDICAO DO BOWMAN
RDA DO BRUH N. 52
(Passando o chafariz)
PEDM AOS senbwes de engeabo e outros- agricultore9>. e compradores dema-
thiiiismo o favor de fazer uraa visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimen
to coaupleto que ahi tern ? sendo4udosuperior em qualidadee fortidSo ; o que com a ins-
trucrao pessoal pode-se verificar.
ESPECIA! ATTENQAO AONUMEftO EEUlAR DE SU\ FUNDICAO
VaporeS e IXXlaS u agua dos mais modernos systemas e em tamanhos cou-
venientes para as diversss circumstancias dos senbores proprietaries e para descaro^ar
algcdao.
Moendas de canna
de toslos os tamanhos, as melbores que aqui eustem.
mumnnf. S0E19 a tftjQ.-
Podendo todos
ser movidos a- mao
por agua, vapor,
ou aaimaes.
Taixas de ferro fidndidor batido e de cobre.
Alambiques e fandos de alambiques.
MacniniSniOS par* mandioca e a.lgod5o, e para serrar madoira.
BombaS de- patente, garantidas,.......
lOGlaS aS maCniQaS e pe^as- de que se costunoa preekar.
FaZ qualqWfir COnCertO de machinismo, a prego mui resumido.
rOrmaS Q.e lerrO tem 88 raelbores e mais baratas existentes no mereado.
lanGOninienuaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer macbinisrao & vootade do
clientes, lembraodo-lhes a vantagein de fazerem as coinpras- por intermedio de pessoa
entendida, e que em qualquer necessidade p6de lhes prestar aas'iUo.
ArauOS ameriCanOS e instrumentos agricolas.
RDA DO BRUM N. 52
Yejant e afcrifem.
A .00 r.s. o covado.
0 barateiro da rua da-Imperatrizn. 60,
vande popelinas pretas eom listras asseti-
nadas pelo baratissimo preco de 500 rs. o
covado. para acabar.
P01IAR
Veade-se pes^de sapotas de optima qualidade
na rua do H spiio n. 75.
ATTENCAO
Vende-se uraa collecsae do CAJtAPUCEI-
RO, periodico critico, satyrico, jocoso e
moral, escriclODolo fUo:a. r.j.. Jiig.-oi
dd S. Lopes Garoa ; a pessoa qfoe quizer
comprar dirijg-se ao 2." andar desta typo-
graphia, de manna* ate 9 horas, edas 3 da
tarde em diante*
Mb.
Pustao branco para roupa de meninos a 500 n
o covado; e pechiacha : na rua do- Ofespo a
20, loja do Guilheerm & C.
E' com as noivas
A-JJOVA ESPERASQA, rua Buque de Caxias n.
36, acaba de receber boas meias da seda propriu
pera noivas, e os apreoiaveis ramos de laranfeira
Grande liquidacao de
faz?ndas para acabar; nao s :
olhara a preeo: na i-mPri-
meiro de Mar^o d. 25.
Venue-se ou troca-se por vaccas par Ida?, um
grande e elegante jumealo, proprio para tirar ra-
ca, chegado agora da Europa : a tratar na rua
Imperial n. 166, de roauha at 7 horas, e de tar
a. a c ._ limit, -
Lustres, candieirse
arandellas,
A empreza do gaz, tendo recebido ultimamente
uma quantidade de lustres, candieiros, arandellas,
globos etc. etc., tudo obra de gosto e da primeira
qualidade ; acha seem posicao de snpprir a sens
freguezes, por preco6 manures do qoe antigamen-
te. Para verem as amostras, dirijam-sa a ma do
Imperador n. 31.
Camisas.
I vii pura.
E'BOM SAREB-SEj Vende-se
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duque de ;
Caxias n. 63,. bem conhecida pela superioridade de- Uraa propriedade a" margem da Cambda
seus artigos de moda e phanlasia, j*b > rece- dos Remedios, contendo barro para toda e
ber diversas encoromendas de mertadonas ae sua r, i
reparSque peU eleganeia bem mostra aptidao qualquer obra, com uma grande olana,
e bom eo:to de seus antigos. correspondentes da.
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com espacialidade ao ssxo
amavel, a visitarem na, afim de apreciarea ate
onde toca o priraor d'arte.
A NOVA ESPERANQA naquer eotrar ao nu-
mero dos massantes (verdadeiros azucrias) com
extensos annuncios e nem pretende deserever a
immensidade de ofijeetos qua tem expostos a en-
da, o que seria quasi impossivel, mas limitarse-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alu novtdade
e toma a liberaade de acoaselhar ao bello sexo,
que a visjtem constantemente, para depeis que
comprarem em outra qualquer parte nio se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta ratio tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nio podera completer a eleganeia de seu toilet
sem qae dd um passeio a NOVA ESPERANCA, a
raa Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguint s artigos de luxo e inleii a novida-
de :
Moderna3 settas para prender 03 cabellos
Primorosos leqnes de phanlasia.
Bonitas sabidas de baiies pan senboras e meni-
DM.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes facnas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto nevo).
Vinho verde de Amarante, especial, vendem Po-
(as & G., a rua cstreita do Rosario n. 9, junto a!
igreja.
TEM
Esta se acabando
E garante se a boa qoalidade do vinho puro das
quintas do Lima, des campos da Beira, superior
ao da Figueira, o so se encontra no armazem de
Jose* Fernandes Lima 4 C, a ma do Barao da
Victoria n. 3, seus successores.
Vende-se mercurio em caixinhas de uma e
de meia libra : na rua do Bom Jesus, armazem
n. 16.
casa de vivenda e tres viveiros com peixes.
Promette-se fazer todo e qualquer negocio :
a tratar com Delfim tins Cavalcanto Pes-
soa.
AGUAS MINERAES NATURAES
DC
Vicliy-Cusset
Prederivels an de iohy-Viobj
por serem as unicas qne conservam todas as soas
propriedades depois ae transportadas.
Fonte S. Marie, % a mais efficaz na anemia, na
albuminaria, na chlorosis, no empebrecimento do
sangue, e nas febres intermiltentes. Os resultados
obtidos nas diabetes sao muito aotaveis.
Fonre Elisabeth, nao se alters nunca e 6 a mais
rica das aguas de Vichy em bicarbonato de s\4a
em magnesia e recommendada pelos senbores me-
dicos pela saa efBcacia nos engorgitamentos do
Sgado, do baco, nas aiTecc5es do estomago, dos
rins, da bexiga, -nas areias e na gotta.
EXIJASE
o nome da fonte na capaala
Vende-se em caixas e a retalho, no unico de-
posito
PHARMACIA AMERICANA
DB
Ferreiraa Uaia ft Coiupanhla
S7-RUA DUQUE DE CAXIAS-S7
Aproveitem
O 43 Queimado 0 43
LazisUtas verdadeiras.
a 200 rs. o covado
Todos se aaLmirani .':
Lazinhas verdadeiras com lindisiraos padriJes
a 200 rs. o covado ; e fazenda de 100 rs. : apro-
veitem que 6 pechincha. O i3 convida as Exmas.
amllias para mandarem buscar as amostras.
Rua da Qiieitunlo.
Lustres e arandelas de vidro
para gaz
Na grande exposicao da rua do Imperador n.
35, junto ao escriptorio da companhia do gaz, ven-
dem-e os mais bonitos e modernos lustres e aran-
delas de vidro para gaz, a-sim como tudo o mais
qne se torna aecessario para esse fi m, sendo tudo
dos melbores faftricaates que ha na Inglaterra. Os
precos sao mais baralos do que em ontra qualquer
parte, e com a vantagem que e o dono do estabe-
lecimento mandar assentar os lustres ou arande-
las no logar que o comprador quizer, sem que para
isso pague alguma cousa. Tambem se compra ou
troea se lustres e arandelas ja usadas. mas que
estejam em estado de poder ser vir.
Pentes girafe.
Pen tes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Cax'as n. 48
e so quern tem.
Papai7 mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera que cba-
mam papai, mamii, choram, andara, etc. So na
Camisas francezas brancas de algodlo Sno com
friiodecor a SaoOd-uma, em duzia a 13)000,
6 pechincha : na raa do Crespo n. 2, loja do Gui-
Iherrae 4 C.
Lai de Lisboa
Veade-se cal de Lisboa : na praja lo Corpo
Santo n. 17,1" anaar. escriptorio de Joaauim Rc-
(";-isties Tavares de atello.
WHsoa Rowe 4 L. vendem ao sea annaus
a- raa de Commercio n. i i :
verdadeiro paaao de algodao azui acoencaao.
Excellente flo de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidadea
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
Pa|alca,
e Patricia.
A tratar com seus proprietarios nesta cidada
e para informacdes com Joaquim Pinto de Mai-
relles Filho na mesma cidada de Mamamguap*
_________________Tasso Irmios 4 C._________
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de linhc
proprio para cigarros, de diversas largnr-.-.
Coques modernos
Cintos decouro
Recebeu a Magnolia, i rua Diiue de Caxias n
15, e esta vendendo mais barato que em qualquer
ontra parts.________________________________
E baratissimo.
Attencao.
Aproveitem antes qua aa acabem, popelinas de I.-
nho, padrdes modeiaos, pe'o baratissimo pre^a
de 400 rs. o covado : qnem duvidar, venha' ver e
comprar: na rua Daqae de Caxias d. 88, loja da
Demetrio Baatos.
VENDE-SE
a taverna sita a raa
muito afregnezada :
Rosario n. 40.
do Barao da Victoria a. 61.
a tratar na raa estrelu do
PeDteudos
de nova invengao.
Com um penleado destes pentea se uma senho-
ra em doas miautos, a acha se decentemente
peateada para um soiree, um- baile, assistir ca-
samento, e para ser noiaa tambem : vende se pe-
lo baratissimo preco de 25A cada um, e s6 na ca-
sa de Otton Duarte & Irmao, rua da Imperatrix
n. 8i, primeiro anaar.__________^^ *
0 PARIS N'AMERICA, A ma Duque de Caxias f jSSJ^J^S^A?!^^
n. 89, primeiro aadar, estA vendendo calcado pelos MaKaolia ^.Duqaa de Ux.as n. 45.
seguintsprecos: liaiolas, sTaiolae.
Botinas de duraque para senhora a 3.500 reis. A M^m,nii.
Ditas de dito preto a 4,000 reis. cebenSa,'
Ditas de dito com botdes ao lado, a 4,000 reis.
Ditas gaspeadas, caao alto, para senhora, a
I ^,SoO re .
Ditas de pellica, ingteza, a 4,000 reis.
Ditas de duraque bordado, para senhora, a
5,000 rtis.
Ditas de duraque, de cores, para meninas, a 3f.
Em quanto e tempo
aproveitem.
a rua Duque de Caxias n. 45, re-
de arame de Iindissimos modelos,
proprias para passaros ; a ell u antes que se aca-
bem.
Vende-se
E httxtUQ
As ahnofadas bordada? de Hi maWsadas qae re-
cebeu a rtova Baraeranca, a rua Daque a>;
ICaxiaa,e*,
Polassa da Russia
Domiogos Alves Vlatheus, a rua do Vigario a.
S, tem para reader superior polassa da Russia
em barris de tS kilos, por preco modico.______
Para concertar meias
A N0VAE8PSRANCA, A rua Daqae de Cax^
p. 63, recebeu desta necessaria linha.
Na rua do Vigario n. 19, vende-se o
Cimento de Portland em primeira mao.
Vinho do Por o engarrafado, umssimo,
de duzia.
Dito em barris e ancoretas.
Dito Sherry inglex em caixas de duzia.
Dito Collares em aacoretas.
Cera em velas de Lisboa.
Dita em grume de Lisboa.
seguinte :
em caixas.
Para o fabjrico de chapeos
A NOVA ESP*2aANCA recebeu o arame proprio
para armn^ao de chapeos.
I Veda-sa um piano novo de Here: 4 rua lar
ga do Rosario D- H.
Yande-se a casa Jerra* da raa de Santa Ce-
cflia a 21 : a altar na raa das Cioco Poatas nu-
mero 31.
Grande iiquidacao.
de mradezas e chapeos: no novo Bazar, raa da
Marquat de Olmda n. 53.______________
Vende-se nm terreno com 100 paknos da
frente e MO de fando, tendo edificada uma casa
de madeira no fundo do mesmo, eonfroate ao ce-
mrterio publico, em Santo Amaru: a tiaar no
mesmo a qualquer hora do dia.
Veade-se a casa da raa do Xasoente n. 10
que olha para a utrada te ferro do Recife ao S.
Francisco, feita ha tres aaaas e da ama coastmc-
5S0 extraoriiinaria, a dita propriedsde tem com-
aodos wr\ grand* famiia : trata-se aa raa Im-
perial -u. JIT



I .-.,** ^


Diatitf' tfc Pertntebiieo Segdhda feira 7 de getembro de lSft
*K*
\
> i
HA
MMVUOIVWAO
NA
Rua da Imperatriz n. 60
PA*A LIQUH>1R
Grnnadina preta a &H r.
covado.
0 PevS ranh granadina preta e lavrads
peto barate pre.o de 80. rs. o covade.
ALPACAS PRETAS A 560, 4_- E 800 RS.
0 Pav*o tern am grande _90rtimento de
alpacas pretas, que vendea 500, 640 e 800
rs. o eovado, assira como grande sorti-
mento de cantoes, bombarinas, princezas
pretas, merinos, e outras muitas facendas
propnas para luto.
CAMBRAIA VICTORIA A 4&000, 4500,
09000 E 19000.
O Pavao vende am grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
$ 1/2 taras cada peca, pelos baratos precos
de 49000, 4_>50O, 59000, 09000 e 7.000
a p&ja, assim corao, ditas- de salpico bran-
co, a 70000, e" pecbincba.
CAM SAS FRANCEZAS A _0OOO, 19500
89000 E 99500.
0 PavSo vende am bonrto sortimento d
camisas frencetas com perto de algdao, i
29000 e 29500. Ditas cm peito de tinhc
de 39000 a 69000. Ditas bordadas muitt
finas de 6900 a 109000: assim come
grande sortimento de eeroula's de lioho e d*
algodao, por precos barmos, e tambera tea
completo 90rtnento defunhos e collatmboi
tanto de hnho como de algodao, por precoi
em conte.
C0RTINAD8S BORDAOOS PARA CAMA l
JANEL'LAS, DE 79 ATE* BSWOO'OPAR
0 Pavfio^ende umgrande sorti cento d*
cortinados-bordados, proprios para cama f
janellas, pele barato preco de 79000,89000,
100006 ate1 259000, assim come : coliai
de damasee de la murto fina de 109000
129000 es_a urn*.
BRA MANTES A lgfttO, 29000 E 2!i0_
O Pavao vende bramantes para len_6e$,
tendo 10 palmos de largura, eendo o dt
algodao a 49800 e 29000 a vara, e de linhc
a 29*00, 29800 e 99000 a wa; e" pecbiD
cba.
Grande pechincha a 4#000
a 49C 00. '
abertas, para
vesti-
branca com booites
c6r, com figurino a
CORTES DE CASEM1RA.
0 Pavic recebeu uma grande por.lo de
cortes de casimeras de cores para cal .as,-e
vendo pela barato pre50 de 49000 e $9000
Cada corte, na rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da .Silva.
E8MERALDCU A 800 0 Pavic recebeu um bonito sortimento
das mats elegantes esmeraldinas com listras
de seda.-seRdo em cores e padr5es as mais
novas .que tern vindo ao mercado, proprias
para vestidos, e vende pelo baratissimo pre-
co de 800 rs. 0 eovado, I rua da Imperatru
n. 60.
C Pav&o queima oe scgwntes:
Cortes decorobraiabraoca, transparente,
com enfeites bordados de la a 5*000.
Dit s todos brancos bordados a 12*000 e
159000.
Ditos muito ricos a 239000.
Bomtas lansinhas para vestidos, com lis-
tras de seda, eovado a'800 rs.
Ditas ditas tran6parentas e de muita fan-
tasia a 500, 040 e 800 re.
Cintos de setim de todac es cores a 59000
1'uuhos com g'tUtnbas de esguiao a 560 rs.
Sedjobas de cores, send de listras e la-
.>adas, com toque de mofe a 19000.
Ditas de dita ditas sem aaofo a 19600 8
29000.
Diversas lansinbaa para vestidos, de 240
Me 500 r-s.
Coldias de fustlo brancas pa,ra cama t
39500.
Ditas de dito de cor
ambraias brancas,
dos, corte a 89000.
Cortes de cambraia
enfeites bordados, de
69000.
Pecas de madapoldo com pequeno toque
de avana a 45500.
Ditas de algodaosinbo muito encorpado,
com leve toque de avrria a 45500.
Madapolfio enfestado com 12 jardas em
perfeito estado a 35000.
Pecas de madapolao com 20 jardas a
4*500.
Brim pardo para roupa de homem e me-
ninos, eovado a 400 rs.
Cobertas de chita para cama a 25500 e
35000.
Bramante de linbo com 10 palmos de
lagura, vara a 25600.
Atoalbado com 8 palmos de largura, vara
a 15500.
Espartilbos brancos e de cores a 45 e
55O00,
Crteos de casimira a 45 e 55000.
A t >500 rs. a iluzitt.
Meias de algodao, finas para meninas e
meninos de todos os timanbos, para todas
as idades, pelo pre^o de 29500 a duiia, por
haver grande quantidade, para acabar.
S6 na rua da Imperatriz n. 60. i.h
Loja de lazendas
DE
(iiiiHuTiiie k G.
9 antigo barateiro MM a vender por mtmoi
do ceridade ]a conhecida.
LJs de cores a S00 e 240 rs. e eovado.
Les pretas superior, a 360 rs. 0 eovado.
U. e seda, razeed* de 1*400 por 700 rs. 0 eo-
vado.
Ghius de cores a 240 e 380 rs 0 eovado.
Metins de cores a 280 rs 0 eovado.
(>etones de padrSes Mndos e modernes a 4001
440 rs. 0 eovado
Baptistas de Hodm padroes a 400 rs 0 eovado.
ambraias de-core 1 miudas e graudas a 280 rs. 0
eovado.
Ditas pretas cem Oores a 200 rs. 0 eovado.
Canbraias brtocas, bordadas 3 abemts, fazenda
mais fina que torn vindo ao mercado, e fazenda
de 8*000 o metro, por 1*000 a vara ; e .pe-
chincha.
Cambraia treasparente, fina, a 3* a peca.
Dita Victoria, fina, a 34800 a peca.
Algodao traacado, alvo, a 440 rs. a'rara.
Brim braeco" de linho a 1*400 a vara.
Ditos de ceres de linbo fmo a 500 rs. 0 eovado.
Madapolao francei veriladeiro, 24 jardas, a W e
7* a peoa.
Algodao T, largo e superior, a 5* a-peca.
Gorgorao preto de seda para vestidc e para collate
a 3* 0 cevado
Toalbas gracdes a 4*509 a duzia.
Colchas grande? a 3* oma.
Lencoes de bramante a 2* am.
Cobertas de^anga, forradas, a 2*-e -3*.
Lencos de iinho, abanhados e em caixmbes a
3*509 a dczia.
Ditos de cores a 3*300.a duzia.
E ouiros muitos artifospor precos baratissimae.
So na rua do Crespo n. 20, loja das 3 portas. Bao-
-se amostras.
Grande (kscokrla
Curativo das molestias peito pelo
Xarope de sulpliito de sad
A. Iti K VI I
Esie importante medicamento qne acaba de ser
reooabecido polos distioctos Drs Zallooi e 1'aras-
eaevas como um verdadetro especifico contra a
pbtysica, segnuao provaram nos grasdes nume-
ros de casos por elles experinientados, como se v6
na aessao da academia de Paris de 24 de marcs
do corrente anno, neontra-se nnicametrte no
Deposito da pharmaoia e drogaria
de
Bailihtlemea A C.
K. 34 Rua larga do Rosario N. 3i
E' eeonomico. j
Graxa gJvcerina prnpria para a conservacao do \
cordovao; vfnde a NOVA ESPERANCA, a rua Du-;
que de Cazias n. 63. 1
t com as seithoras.
A Magnolia, a ran Duqae de Caxras n. 45, par-
ticipa a belle sexo qne acaba de receber da Eu-
ri.pa, um completo sorUroenio de arligos de ulti-
ma nioda, e enfadonho anuuncie, por )& ser bastanre cunlie-
cida.^caprichar sempre em ter bons corresp'OB-
denies, sendo a pr meira que aprestnta 0 que ba
de mais moderno e por prec/js mui razoaveis, por
IMo limita-se a descrever somente 0 seguiute :
SettnB donradas.
icon de cores, tanto de stda c:>mu de guipure.
I.eqaea dountdos, de madreperola, martiio.tar-
taruga, 0&-0, etc.
Aahidns de bai e.
Prcsenteg, diversos artigos proprios para pre-
sentes.
fciolinkas c punhos.
Manual para mis<>a, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
Sapntinhow de setim para baptisado.
I rnmlms bordadas para senhoras.
1 l.ia de seda.
Frunjat) raosaicas.
I Aderccoa de tartaruga.
Voitaa de madreperola.
I Pulm-irnS de madreperola.
! I.iimIiih flores para cabeca.
Boiaaa de velludo.
Perruaiarias dos melhorcs e mais afamados
fabricantes.
t'linpcoa de sol para senhoras.
Fiiaa de veilude de todas as cores e largurai.
Moscas.
Quereis livrar-vos destesmalditos insectos? com-
prai uma machina de matar moscas per 3*000
na Magnolia, a rua Du]ue de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magaoiia, a rua Daqae de Caxias n. 45, ven-
de 0 verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
cabida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tem sardas e panos quetn iuer; poraae a
Magnolia, a rna Daatie de Caxias n. 45, tern para
venter a verdadeira Cuticuleria, que fax desappa-
recer estas manchasem poucos dia<.__________
Assembled do tanerci*
Rua de Commercio n, 22
Meira & Lima
Os proprietaries avisam a sem freguezes. aue
teem para vender o seguiWe :
Cinco rainutos da attenoao
Doces secce* e em calda
Empadas de camarao
Biambres prepaiade1
Salame de L\on
Tudo bom.
Bolos inglezes
Fructas preparadas
Vinhos superlores
Cerveja gelada
Tudo bom.
0 bom care de Moka
Petiscos e bons bocados
Na assemble*
Se serve com agraao,
Tudo bom.
Bolinhos para cha
PutLos, paes-de 46
Cbarutos da Rahia
Ejogo de domin6.
Os doooj deste estabelecimeoto avisam a seus
freguezes que nao sao egoistas e promettea "ven-
der barato, para vender muito.
N. 42 Rua do Comercio N. 22
Armazem da Asemblea.
PBEDILECiA
da
Cera d.is eslrdtaHicuto d'd^'d'a
pela facil applicagSo das
SONDAS OLIYAES
DE
GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
as conhecidas
Veedem-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-sepor barato preco, em porcio ou a re-
talto : na raa larga do R sario n. 34.
INao se a alrevam con-
: IW do Cmbatra n. A.
Os proprletarioa da Predilecta, no intuito
ioaservax o bom conceito qne teem raerecido do
respeitavel publico, distingurado o seu estabelecl-
rnento dos mais que negecfant no mesrao genero
vem scientificar aos seus bons freguezes que pre-
-eniram aos seus oorrespoadentes nas diversaspar-
,-as d'Europa para lbes enviarem por todos os pa-
juetes os objectos de luxo e bom goste, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
iaquelles paiaes, visto aproximar se o tempo at
festa, en que o bello sexo desta linda Veaea
mais ostenta a riqueza de suas toillettes : e co-
mo ja recebossem pels paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear algune
d'entre elles que se to mam mais recoramendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais Kudos que teem
vindo o mercado.
Albuna com ricas capaa de madreperola e da
velludo, sendo diversos tamaabot e baratos pra-
os
Aderecos completos de borracba propries para
icto, tambem se vendera meios aderecos muito bo-
mb*.
Botoes de setim. preto e de cores para ornate de
estidos de se&hora ; tambem tem para collets
nalitot
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc, par I .
harato preco. | 0 barateirp. na rua Pnmeiro de Marco n. 1,
Bouecas de todos os lamanbos, tanto de louca ; anliga do Crespo, esta liuniJando suas tazendas,
como de ceta, de borracba e de massa ; chama-
A NOVA ESPERaNCA, a raa iaqoe te
o. 63, acaba de receber um bom sortim-.i#< aa
nas bonecas que fallam, que riein r ft rvw
tambem astern mudas e surdas ou ,-uio -
venham ver se nao a verdade.
VENDE- K -
um sobrado em caixao e uma casa ter~, .
rua da Sole-Jade ns. 2 c 4: a tratar ut
rua a 54, das 3 as 6 da tarde.
Apparelho6 para ba-
nhos,
Os immensos benefloios oUiC-s aa
cura de variadissimaii molesUas eeaa a
emprego raci nal da ague fria, l-t i-
to inventar apparelhos, que toru.u. taol
e ao mesmo tempo util a aaplicacia *>?-
te meio an peesoas, qne por o"
circumsianeia oio podera tnaa^a'tf *
estabelecimentos apropriados p$m 1
ftm.
A pharmacia cenfal tem i k
venda os anparelhcs que sao I ,
)
Cura dasberAlas, pelas fun-
das de^borracha.
As melharos e mais aperfeicoadas das ate'koje Co-
nhecidas.
Vende se
na
r*Ji;tnunoi;t e Rr-ogaria
de
Rarialemee <* C.
A'
34. Rua largo do Rosario 3-4
Vaccina. Yaecina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourengo de Magalhies,
montado aa edrte am completo servi^o deste ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melbor e
mais reeeote, cujos tubos se encoatram na
Pharmaoia e drogaria
A'
34rna larga do Rosario 34.
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vexes loream-se as criancas um pooco im-
pertinentes por folta de um ob|ecto que as en-
iretenham.
Camisas de linho Ksas e com peitos bordados
oara homem, vendemk,se por preco commodo.
Geroutaa ee linho e de algodao, de diversos pra-
Caixhmas com nusica, o qae ba de eiais Undo,
com dttticos nas urapas e proprios para presen-
18
Coqoss os mass moderuos e de diversos forma-
tes.
Chapeosparasenhora. fteceberanmm sortimeMo
da uMima moda, tanto pxra seiibera, como para
moTsuas.
Cspellas simples e cem veo para noivas.
Caicas bordadas pafa meninas.
Entremews estampedos e bordados, de lindoa
rtsenhos.
Escovas electrlcas para deaees, tem t proprie-
Fraojas de seda pretas e de cores, existe uaa
rude sjrtimento de divercts larguras e barato
preco.
Fttas de saria. de grrgurilo. de setto e de cb*1
naif**, de divenns largurts e bonitas cores.
Facias de coagurao muito lindas.
Ft j aruttotaes. A Predilecta priraa em cen-
erwr sempre-um bello e grande sortimento aes-
as Beres, nao -so para cfeite dos cabellos, como
taaibetn para -am a to de-veslldo de-noivas.
es de aafodlo, de K e de seaa, brancos, pre-
os t de diversas cores.
ravatas de seda para homem e senhoree.
Lacos deaambraiaeite sedade dWersas core*
para -^onora.
L,gas de seda de cores e braaots bordadas para
aaiva.
Livros para ouvir retssa, ccm^apas deimadre-
Cla, marfim, 6s Peates de urtarugfc* marfim para aliaar os ca-
aallos ; teens tambem para tirar caspas.
Port bdfkniet. Um^oello sorticiento de madre-
aerola, toaaro), 6sso e dourados por barato preeo.
Perftmavias. Neste artigo asks a PredUectt bem
ifirovida, afta s6 era extrattoa, eomo em oleos
ianhas dos melhores adores, dos mais afamados
fcbricantos, Loubin, Piver, Setiedade Hyg^ienioa,
Coudray, Gosnel e ftrmel ; sSo tndispensaveis para
festa.
Saias bordadas para senhara, por eommodo
vreco.
Sapanamoe de Be de setim bordados ,para bap-
ataatoa.
Tapetes. Recebeu a Predilecta nm bonito sorti-
cento de diversos tananaos, tanto para sofa co-
para eattada de saias.
Vestiaaeataa para, baptisado a que ha de meihor
Kto e os mais moderno f-recebeu a PredteeU
de or arato preco, par* flcar ao aieanee
jwdquer ttotea.
A^eite de peixe
No trapiehe Daoias, no Porte do Mattos, junto a
corapanhia oeraiambucana, vende-se azeite de pei
xe em barn's a IfbOO o galau.
OLINDA
Boa aoquisi^ao
Vende-se nm sobrado sito no pnteo da Se, em
Olinda, edificado em ebao proprio, eom grandes
aceommoda^See para numerosa Tamilia, reedifi-
cado e pintado de novo, com bellbsima vista
muito fresco e eom qaiutal : a Icatar no pateo
de Pedro II a. C, !. andar.
por mencs 30 por cento do qne em outra qual- A
quer parte ; e a prova disto esta no que vamos \
mencionar.
A saber :
Laziohas burgnezas, bonitos gostos, in'pramen-
te novas no mercado a 140, 160, 180 e 200 r. o
eovado. So o barateiro.
Panama e mariposa a 440 e 900 rs o eo-
vado. Sat) lindos os gostos ? iiuito lindos I
Cretone francez tran^ado, bom gosto, a 300 rs.'
o cevado. Aproveitem. Handem ver amostras '
Cortes de cretone bordados a 5|J. Sera-possivel 1
E' que en eomprei.
CbKat boas a S40, 260 e 280 rs. So aqui no
barati-iro t I I
Baptistas de lindos gostos a 360 e 400 rs. o co-
vado. A ellas, a ellas.
fjue lindos gostos em popelinas e vendemos a ,
if, e 1*500; todoi querem 1*800 e 2*. Sao de
aostos novos.
Grosdenaples de cores a 900 rs., itt^O e 1*400,
e pechlnoka 1
Madapotao francez a 6a, 7* e 7*300, o meihor
que ha.
Cambraia transparente e Victoria a 3*500, 41
e St a peca.
Brim pardo paTa calca a 280 e 400 rs. o eo-
vado. _
Brim Angola superior a 500 rs. o eovado. E
barato.
EsguiSo de lioho e algodao a ;i*-j00.
Dito com tO'jardoS a 18i. Que grande pechin-
cha! 1
Chales i bargueza com listra a 3*500 E' I
desenganar, nao ba quern rivatise.
Lencos de linho a 2*800 e 3*200 a duzia. Quern
-tem iuaes'
Colobas adamascadas a 3&
Meias para homem a 3*500
Toalhas felpudas a 6*500 a duzia. Aproveitem
antes que se acabem.
Brim branco, exposicao n. 5, a t$ a vara.
Atoalhado adamascado a 1*440 a vara. Nao 6
barato 1
Chapeos de casemira para homem a 3*. Como
k barato 1
Bom sortimento de chapeos de sol de seda para
eenhora a U. U e 3*500. So aqni 1
Ditos para homem, alpaca a 3*500.
Ditos de merino, duas cores, a 4*500.
Ditos de seda americana, duas cores a 0* e II*,
mas podemos garantir que sao superiores. Ve-
nham apreoiar I
Alem deslas artigos, outras fazendas que temos
grande depoaito, mas que nao fazemos menqao
dellae, para nao messar nossos freguezes ; mas
que acbar-se-hao patentos a vista dos comprado-
es.
E* o barateirc quern convida a uaa expenen-
cla 1
A' rua 1. de Marco n. 1.
(AaUlga da Crespo)
Agoslinho Ferreira da Silva Leal & C.
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne vem a este mercado
na ua da Maraue* ^atwlDdw '.Kl__________
tados na Europa eorno imn
servindo para os usus med< a
igualmente servir par- banh r-n
peza e de prazer, porque U.
com pouca ago% e em prqu- u
Com taes apparelhos pvda-
banhos em du< hes de chuvi.c.. ta
lumna ascendenle ou descend .
raes, ou parciaes.
0 mesmo estabelecicuenlo I a i*.
I vender apparelho proprio par
a vapor simples, ou com sn1
medicinaes, e pequenos aptiar-... I *
immensa pressao para os cboqui- ii*
por meio da agua fria
li
.
Alteodfi!..
A confelt 'ria do Campw, stta an
dorn. 24, unico estabtlecimento Jarte .
U proviucia, proporciona acs lubi:
maiores vanlagsns
u .'! -i
8e
E senaoWjiJOl
uma pessoa quizer tudo quanta e
cossano para
Um casamento
Um baptisado
Uma partida
Um cha para visiu.
Um lanch
Cut lautr, m
Nao tem mais do que ir ou maod -r i
feitaria do Campos, rua ua
Imperador n. 24
Alii tambem ?e en>arregara de b.i. |UcU,
e folhas para casamento : a*sim cama, de
de todas as qaalidades para firhar nies,
sempre preparados fiamhres int''ir.,: tare*
pasteis de diversas qnalidades, empad d< -a
roes e de rarne.
De tudo que alii se vende, garacte-ec a boa
qualidade, limpexa e promptidlo.
Enfeitam-aefi mbres, bolos, paes ic-W eaaa-
deijas, tudo por precos raceaam ______
Alii alegra-se a vista e satisfaz ss as etipwaao
od paladar.
S6 na confeit^ria do Campos
AO N. 9.
No armazem da trombeU da fama coaoeicial,
no pateo do Carmo, venda se manleig* aatVu
flor a I* e a 11200 a libra, e fr-.nceza 0e
760 rs. a libra ; bem como continiia a .at am
bom rorUmento para qnalqoer chefe de iaailia
laxer sua dispensa, quer seja da praca aa At
man-.
Pechincha.

Para senhoras
Vende se nm pi no armario. com exc^ti
vozes e de poneo uso : na rua larga da H Mario
n. 16, primeiro andar. _______
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de reeeber aaaal-
Como sao lindas e modernas as gravatiohas que ies milagrosos anneis electricos, cura iofakivaldn
a Magnolia, a rna Duqne de Caxias n. 45, acaba nervosos.
de reeeberi
Sedinhas & 1#500 o coy..do.
Venham antes que se acabem : na loja do Passo
a rua i.* de Marco n. 7 A. *
Salsa-parrilha- do Para
Tem para vender Antonio Lniz de Olivri ita-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom .'esaeaa-
mero 37.
9.
LiSTA GERAL

ii5.
DOS PREMIOS DA Um PARTE DAS LOTSRIAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 893, A REMEFICIO DA IGREJA DO ESPIRITO SANTt, EXYRAIIIDA EM 5 DE SETEMRRO DE 1874.
NS. 1 PREMS. SS. rants. NS. PREMS. NS. prems. Ins. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. SN. PREMS. |NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREtoS. NS. PREMS. NS. PBEJB
i 4 337 45 561 4(51 828 44 4062 H 1352 ij 1578 40 1810 40 2067 40 2326 M 2553 40 2759 40 3007 40 3243 10 3519 40 3816 i
3 U 38 63 41 66 58 84 23 71 30 57 61 9 "- 50 20 18
1 40 ______ 69 *0> 45 72 75 93 29 74 35 58 64 13 58 36 19
20 MM 47 ______ 80 tj 46 -OO. 79 85 98 _L 38 80 47 59 71 20 66 53 0 20 -
34 ______ 55 ____ 82 49 W 86 90 G 1603 39 2100 _ 58 62 75 33 83 57 40 24
52 aaaaai 61 88 __ 50 II 92 1408 4$ 5 47 7 65 67 96 36 84 59 --- 28
55 68 ______ 91 _ 54 H21 20 15 %m 58 20 67 70 1O0 2808 49 96 64 i ^* 32
' 57 -* 78 _____ 620 56 22 25 18 H 64 21 71 75 40 14 50 98 1A 80 37
70 mmmm 79 __ 26 78 28 28 21 67 25 75 90 19 51 IOO0 3302 40 83 43
85 *aaa 81 105 27 80 36 30 32 74 28 78 91 '* 21 57 40 16 85 40
99 88 4 51 __. 82 37 31 40 81 34 82 96 24 70 25 94 47 -
107 _ 92 51 85 54 82 46 85 53 83 2613 27 mm. 77 28 i 98 51 -
18 94 _ 59 _ 94 62 39 54 97 61 96 22 29 0 93 36 3600 bo _.__
34 _ 95 %w 69 97 76 44 57 1901 __ 62 97 29 1O0 30 40 97 44 0 3 59 4 62 -
44 BBMBP 96 t 73 _ 900 80 45 58 4:000 5 _ 73 2404 30 40 35 3122 49 40 13
\ 48 ______ 403 90 __ 31 -_ 82 52 72 a 28 _ 75 5 38 :w 38 24 53 15 71 80 -90
i. 49 _ 19 ___ 91 __ 34 to* 86 59 ___ 74 30 -_ 77 6 45 40 43 25 63 24 *
55 _____ 23 _____ 704 _ 36 M 87 69 ^__ 85 35 84 21 46 57 40 65 29
59 /J 40 ______ 6 37 98 97 ___ 1700 . 39 85 23 51 62 42 66 32 3 -
67 M 43 ______ 9 44 ____ 1229 1500 2 _a_ 43 86 24 53 64 44 75 35 9f
69 46 ______ 15 _j 50 a- 31 1O0 2 ^_^ 22 m^ 48 -_ 2200 6,5 28 58 65 *w 45 78 72 0 3905
89 4 52 ___ 19 m 52 - 42 M 4 ^__ 40 _ 56 9 4* 32 59 82 40 53 80 74 40 12
91 4d 55 21 4(5 69 ' ______ 45 10 ^^ 45 _ 58 13 35 64 0 86 61 87 79 jj m -
223 57 28 70 _____ 49 17 ___ 50 _ 75 __ 19 52 105 65 40 89 63 88 98 40
24 70 lO,, 34 ______ 72 -__-. 76 26 __ 55 _ 76 __ 20 64 40 71 91 / _^ 64 89 3701 27
29 81 4$ 40 ______ 78 40,5 79 33 _w 58 --- 79 . 24 : 69 75 93 0 67 90 7 28 34 3* 42 49
41 91 52 _ 82 4i9 .86 34 66 --- 83 37 - 74 79 2903 40 75 93 8
? 43 500 -am 55 84 96 37 __ 67 __ 89 _ 42 _ 83 87 0 14 - 61 98 12
47 ^ 3 ____, 58 7 _ 1310 ______ 4. _ 68 __ 2043 __ 43 __. 87 93 40 317 -# 91 3428 w 20
52 n 9 59 _ 96 ____, 11 _____ 42 _gy 72 14 62 ... 92 95 35 0 93 29 40 25 0 40 48
57 11 69 ______ 97 21 ______ 53 __ 73 m 19 66 - 96 2700 36 40 95 66 26 50 aa
68 83 5 41 14 15 80 95 1009 26 24 26 55 58 i 81 86 26 27 74 75 2500 1 6 15 39 48 59 64 3209 19 67 88 0 40 0 27 41 49 56 84 87 94 SS 64
89* 95 105 44 23 39 96 800 28 29 28 30 59 61 92 94 4* 34 46 tm 76 77 ___, 3 21 __. 19 29 23 26 92 96 6^ 71
323 25 26 O0 4| 44, 49 51 HI 4 2 8 15 37 48 49 ~~: 31 39 46 _-__ 66 71 72 9* 1801 3 - 48 54 60 i 85 87 97 27 28 29 34 44 56 100 tj 75 77 s 31 37 41 - 3502 3 11 89
34 52 20 1 57 50 _____ 74 9 63 - 2306 31 too* 58 1 84 -~"



I^BHHMaHHBH
giafio de Pernambiioo ?5 gegunda feira 7 de Setembro & i?4.





Sr.
mmm gefal
CAM.tRA DOS DEPUTADOS.
REIORMA ELEITORAL.
(CoiitinuacAoj.
presidente, pelas poucas palavras
a de
0 Sr. Martinho JCampos : -E* taata como
le V. Exc.
0 Sr. GusmAo. Lobo :Ha engano da
parte de V. Ktc. A f primio o de*-jn do ver votada este anno a 0 Sr. Florencio e Abkeu :\poiado
refurrnaele.t-.ral; ras nio eraittio juizo, 0 Sr. Ignacio Martins: -Nio senior,
com., a lias po de faze lo. sobre o projecto eu d5o seria sapazde apresentar urn proiec-
apn senudo. |to tlo incomprebensivel e com tantas con-
lfa out-ros "P"1*)' tradiegoas e absurdos com o do nobreo mi-
que
bre
preudeu a S. E*c.o estemporaiieo encerra
ment' de hunlem ; quango a uobre doputa-
do discorria sabre o art. 3* e declrav,4
qu- esse artigo ainda nflo tllfha sido analy-
sa !>, porque os'd .us illusties oraJores que
0 havian preeediilo, seniio a pnineira vez
qun ftllavam na matorie, tiuliam-se apro/ei-
tedo da occasiio para manifestar as suas opi-
niOes a respeito da eleicio diructa ou indi-
rect, .oas que nenbum discuura ainda o
art. 3\ eu disse em aparte a S. Sxe que
se a p.lavra me cuubeise, visto quo esiavj
us npt. em seguida, mo hmilaria a anaiv
sar s-inente o art. 3'; entiu S. Esc, cm
a b-n iade que o caracterUa, ueclarou quo
aguirdava se para nessa occasiao responJer
as obj-ccoes que fosscn apresentadas ao ar-
tig".
D-sie logo, Sr. presidente, eu compre-
hend! que o nobre ministro do imperio nflo
COusstiria que coiitiiiu.isso a discussa desso
artig.. S. Exc. que estd acostumado no
pvler a dingir se sonpre de superior par..
inferior, S. Exc. quo tern tratado a camara
dos Srs. deputedos como -so fosse uma sec-
ca da sua secrotaria (contostacdos da
maioria), S. Esc. que, no sou Maturio, di-
ngin !<>-se a esta camara, diz no amente
VOs pm: irome ;do, osporo que sera' o vosso
pnmeiro cuidado e outrs phrases quo
ua d.motam da parte de S. Ex;, muito res-
peito p.ra coin esta augusta camara (ndo
apoiadns da maioria), nao podia consentir
quo n a deputado da opposiga>, especial*
meute um deputado novo, como eu, oasaase
qunrer analysar um projecto de S. Exc. ;
e out in o no'jre ministro foi iufeliz ate na
'n>u*"H)l Je quern pn>|x>z o encerrameuto!
SrUtiores, ou so-U inimigo d->s encerra-
ment's, a mo a discussao, porque della e
0*508 a vcrdade ; ao contrano do no-
uiiiiistro, que -nao quer discussoes
0 Sr. GusmAo Lobo : S. Exc. nunca
evitou a discussao de nenbum assumpto.
0 Sr. Ignacio Martins: Aiuia hon-
tem ; o eucerrainonto respondoao aparte do
uobro deputado.
Comprehendo, quando uma materia tem
side muiio dcbatida. quaudo os oradores
cm ample diseus*ao teera-se m.mifesiado
pr6 o contra, queseja toleravel um ncerra-
mento, mas esse encerramcnlo deve sor pro-
post" por alguns Jaquellos que tomaram
pdrte ua d!scu?sa9.
C iubre ministro do im^erio tem na sua
man.ria distiuctos oradores : porque nao in-
cumbw. a algum delles a apresentacad do
requerimento de encerrameuto ? ao illustre
e at- lligeu e deputado pelo Maranbao, o
Sr. Grace...
0 >r. }l?.>cwroGi..V5A:Obngatlo.
OSr. Ig.nacio Martins:Porque o no-
bro deputado, comquanto adversario do
projH.-.lo do nobre minhtro, porque e parti-
dario da eleigao dirocta, o tem todavia sus-
tentado.
P..rque o nobro ministro do impeno nao
incumbio doeuctrramonto ao illusti ado depu-
tad. que t'B. tliscutido a maieria? Porque o
nobro ministro do imperio nao incumbio do
encnrramento ao eloquente deputado por
Pernambuco, o Sr. uusmao Lobo ? Porque
o ubre ministro do imperio nao incumbio
ainda do eucerramento a qualquer outro
dos deputados que toem discutido a mate-
ria. f"i iiicumbir disso um deputado que
ainda n3o quiz trazer ao debate o contin-
gento dos seus conhociraentos p;ira esclare-
cer a discussao, e pedio a palavra unica-
mente para propdr o encirramento?
Para esse nobre deputado, quo nera ao
menos tem assistilo aos debates, a discus-
sao do projecto esteve sempre encerrada, e
portanto nao se tomava preciso que S. Exc.
propuz-.sso o eucerramento. (Apares).
Sr. presidente, 0 nobre ministro do im-
peril, o que quer 6 arrancar desta camara
co no lei o projecto iucomprebonsivel que
S. Exc. apreseutou.
0 nobre ministro, Sr. president*, quer
que a camara approve o projecto com a
roesma irreflexao com que S. Exc. o con-
feccionnu, porque S. Exc nao pensou nera
reflectio quando nssignou o projecto que
apresentou a* camara.
Desd* o romeco. Sr. presidente, esse pro-
jecto 'foi iufeliz. V. Exc. record ir-se-ha de
que elle foi aprosenta to polo nobr-. minis-
tro como depjtado por Pernambuco e nao
como ministro, e portanto nao era projecto
do governo.
D'ahi a poucos dias na fella do tbrono se
reco nmendou o projecto...
OSr. GtJSMio Lobo : Recommeniou a
relorma eleitoral.
0 Sr. Ignacio Martins :... que o go-
verno tinha apre?entado.
i de 35, e doixo por ora de mostrar muitas
outras disposijdes incomprehensiveis do pro-
..Sr Ign-ac.o Martins : -A falla do nistro do imperio, mesmo depw de corri-
que nei .lito ve o nobre deputado pelo iU- i-brino do ma o de 1872 diz quo e projecto gido pela commissao
ranhao. que. hontera occupou a attenyao da |'- g 'emo. Mas. seuhores, o nobre mi-' U demonstrei o 'absurdo de dividir-se
ca-a, quenao me sorprendeu, come WI*fm* do impeno podera conseguir que a tras chaves por cinco membros, ficando ca-
a **SPP^,,Ve, Se'D dlscussii0. o Pro- ^ um com uma cbave, ja demonstrei a
5?.n la o r qUrt HMV.6 co;n tat contradicCa, e absurdo das celebres turmas
irr.-ll'xa qumti ou.bro miuistro teve
oonfec.;o dette? (Apartos).
Disse, Sr. presi I -m.., que S. Exc. foi ir- jecto*
reflecti lo na .;oufeccl'i <* projecto e provo-o. 0 Sn. Heraclito Graca :As turmas es-
com as propr/ns Balavras do projecto. t3o supprimidas.
Lhamo a atte^rda camara para as con-' 0 Sa Igxacio Martins : Sii que astur-
ira.iiecdes mii.ifo-w.s h mcomprebensiveis mas forara ultiraameute supprimidas pela
uispos.eoes que ha no pr.jecto do nobre mi-, commissao, eja" o declarei; porem eram
n i Idisposiooes do projecto e serrem parj mos-
u nobre ministro -leclara no$ 1" do art.,trar a irrelloxaa do nobre ministro doim-
> '1 seu proj-cto que. logo depois de feita
a primitiva qiiililiertijao, o presidente
provinci. e o ministro
lixarao o uum-tro I., eleitores de cada piro- |de o seu principio, soffreu tambem a mfe-
cbia. correspouieiid.. eadaeleitor ao uume-jcidade do nobre ministro nao assistir a dis-
ro de 2o voteotoa, e oo 2' que essa desig- cuseio da parte que S-. sC. diz ser a prin-
ua;" "ma cm feiu nao podera" ser allerada' cipal
senio le 5 em S anoos por lei ordinaria.
'fomarei, Sr. presidente, um exempto
para tornar mais dura a discussao.
Terminada
sdes, empregando e asando das suaa ar-
mas preddectas-os encerrameatoi.
0 nobre ministro consegmri, como disse,
a passagem do seu projecto com precipita-
dos encerramentoi, mas nio ba de obtel-a
sera o protesto da nossa parte, porque nds
nao qusreraos ser participantes dos absur-
dos que rasultam do projecto do nobre mi-
nistro; not nio querenos sor resp^naveis
por disposi^oes contradictorias, absurdas, e
incomprohensiveis, que o projecto de S. Exc
contern.
0 Sr.
peno.
na I Sr. presidente, projecto da reforraa elef
do imperio na cdrto toral, que tem sidviufelir, como disse, des-
a pri'iteira qualificacao- de
uma parochial com 2)0' votantes. o presi-
dente da provincia tfxard onumero de 8 os
eleit ires para ess* purochia, pois que este
oomero corn-sponde a 8 turroes de 25 em
que sao di-ididos os rutnates.
A qualificagao, pi>rem que nao tem nada
fle permanent- e cootinu^ a ser aiterada
pelo juiz municipil a t'.do- o tempo, e de
do is em dons nn pela junta parochial,
altera so porque ness* parocbia por qual-
quer circumstancia h.tve um augmento de
popula^ao, e em viv. do 200 subio o- numero
dos quahrica I .s a 400 votantes, mas como
nao so p6 le alter r o numero de eleitores
porque ainda nao tin kram os cinco annos
e e preciso u ia lei pnra alterar, a parochia
continue com ioo votantes a dar nnicamen-
to 8 eleitores. Na aoca.oao, porem, da
oleigao aprese,ntam-se oito cabalistas da pa-
roobia, cada am om a sua tursia de 25
votantes; pelo 10 desto mesmo artigo do
projecto do nobr- mi ustro teem as turmas
preferencia na chmi la e cada uma faz um
eleitor. Apresentam-se as 8 turmas de 25
e f izera os 8 eleitores da parochia, votam
portanto soraente 200 votantes ; o que faz
o nobre ministro dos outros 200 ? Nada,
"bsolutameute na la, ficam sem o direitode
fOtar ap-zar de qualiiicados.
Por consequencia, Sr. presidente, e* f6ra
de questao e eta prova lo com as proprias
palavras do projeoto do nobre ministro do
imperio quo S. Exc. nao reflectio nem pen-
sou qu-ui lo confoccionou e assignou o pro-
jecto.
So S. Exc. tivesse reflectido, se S. Exc.
tivesse pensado e meditado nas consequen-
cias do quo escreveu. no havia por certo
doestabelocer disposi<;5es t3o absurdas.
Mas, Sr. presidente, esta disposigio do
projecto do nobre ministro, que foi aceita
pela comissao no .-eu parecer, foi felizmen-
te agora na ultima bora, e na ausencia do
nobre ministro aiterada, salvando assim a
commi.-sao esse absurdo do projecto do no-
bre ministro.
Para mostrar, Sr. presidente, a inconve-
niencia que o nobre ministro causa arran-
eandu nao discutidos, V. Exc. atteuda para as dis-
posi^oes contadictorias e absurdas que ja"
torn sido approvadas nos art:gos anteriores.
V. Exc. Sr. presidente, deve lerubrar-se
de que no art. 2." foi approvado quanto aos
litotes do qualificacao dos votantes que elles
seriara expedidos pela junta municipal e en-
tregues aos votantes pela junta parochial;
mas si durante o prazo marcado para a en-
trega destos ttulos, os votantes n&o compa-
recore.n, alera da multa a que o nobre mi-
nistro os sujeita em seu projecto, ficam o-
brigados a vir receber os iiplomas que sao
gua-dados en um c.fre; este cofre, Sr.
presidente, diz o 20 do art. 2., ficari
sub a guarda do presidente da junta, e tera"
tres chaves, das quaes tera uma cada mem-
bra da junta. Mas, Sr. presidente, a junta
parochial, polo art. 2. do projecto, cora-
poo-se de cinco membros, como pois ba de
se dividir tres chaves por cinco membros,
fica do cada um com uma chave ? 0 nobre
ministro do inperi. sera capaz de fazer essa
divisao ? Se e, sera" S. Exc. o unico na bu-
manidade rapaz de tal cousa E, Sr. pre-
sidente, o quo e mais para admirar e que
esta absurda disposiQfio do projecto do no-
bro ministro ja" estd approvada pela camara.
0 nobre ministro do imperio, portanto,
na > pensou nem reflectio quando apresen-
tou o seu projecto ; se S. Exc. tivessa
sado, se tivesse reflectido, nao havia
presentar um projecto que contern disposi-
t;6es desta ordem.
0 Sr. Ministro do Imperio :Hei de
pedir eraprestada a sua reflexSo.
pen-
uea-
S. Esc. declarou qws a qualificacao era
a parte principal do seu projecto, qoe
ella era- permanente, que revogaw a lei an-
terior.
Ja" foi demonstrado na camera que a
qualificacao pela lei de 1846-era motto mais
perrnanente do que a do projecto do nobre
ministro : iu&lizmeote, S. Esc. adoeeeu na
occasiao da discussao do art. 2', e,. tendo
incumbido oseu collega da justice, de pedir
o adiamento d* discussao do orgameiito do
do imperio, por que no o incumbio tain
bem de pedir o da reforma electoral'?
0 projecto, Sr; presidente, foi abandena-
do pelos nobres- mioistros da justica e da
agriculture ; eases- dous dignos-ministrc*,
vendo que o sou collega do imperio tinha
abandonado o seu projecto e o enlregara a
todos os golpes de qualquer umbra da
maioria, abandoaeram tambem a diseassae;
passaram os arts. 2* e 3, dous artigos im-
portantes do projecto sem que oavissemos
uma palavra, nem^ do uobre ministro do-l
imperio, nem dos-seus eollegas; e, quando S.
Exc. compareceo na camara, fovparaen-
cerrar a discussao nao tinha sido descutido 1
0 Sr. Martin* -Campos :E' verdade t
Chegou o general Napoleio.
0 Sr. Ignacio Martins :Quando o.no-
bre ministro da justica reqaereu a camara e
e'la concedeu, como devia, o adianento da
discusso do or^ameoto do imperio, por
causa do incommodo do respective ministro,
eu suppunha, o comrazao, que Sv Exc. pe-
diria tambem o adiamento da discussao da
reforma eleitoral; nao o tendo, porem, fei-
to, eu persuadi-me que o Sr. ministro da
jus'.ira viria 6. tribune defender oprojecto de
seu collega, porem elle licou completamente
abandonado pelo governo.
0 nobre ministro. da justice, Sr. presi-
dente, que dos tres ministros da case e e
que mais amor tem i tribuna, S. Exc. que
vem sempre & tribune quando a censurado
e que procura defender-se, sempre com e!o-
quencia, enlquanto muitas vezes com info-
licidade, nao quiz dizer uma palavra em do-
feza do projecto do nobre ministro do
imperio, que, como se sabe 6 inimigo
da tribuna; o projecto nao foi defen-
dido nem pelo Sr. ministro da agriculture,
S. Exc. que gosta de falls? e que procura
ter a habilidade de fallar muito sem nada
dizer. (Risadas. )
Esperave, como disse, que o. nobre mi-
nistro da justice ou o nobre mimstro da
agricultura Sefendesse o projecto da- seu col-
lega, visto estar elle abandoned pelo seu
proprio autor ; isso, porem, n&o aconteceu
e o nobre ministro do imperio compareceu
bontem para fazer encerrar a discussao logo
depois do discurso do orador unico quo tinha
fallado por parte do governo, e se ter elle de-
clarado na tribuna por que o artigo ainda nao
estava discutido e ter se compromettido a re-
ponder as objecQoes que t'ossem feitas, a
resposta que o nobre ministro deu foi o
encerramento que nao me sorprendeu, mas
sim a esse illustre orador, o nobre deputado
Sr. Graga.
0 Sr. ministro do imperio conseguira tu-
do, Sr. presidente, e S. Exc. tem o nume-
ro e os enjerramentos '( apoiados), que sio
as unicas annas com que S. Exc. se susten-
ta neste projecto e, se o nobre ministro es-
td disposto a empregar os encerramentos
precipitados como o de hontera, para que
permittio que V. Exc. declarasso em discus-
sao o falso art. 4 ? E' melhor fazer encerrar
este artigo antes da discussao, bem como to-
dos os outros do projecto.
0 nobre ministro quer que o seu projec-
to passe; mas receia que a discussao fa$a co-
nhecer os absurdos que elle contern, e que
a sua maioria (lhe imponha mais emendas
aos esparsos fragmentos do projecto ja tao
emendado e remendado tantas vezes ; para
evitar isso S. Exc, procura evitar as discus-
Martiniio Campos : Urn rosario
de futihdades capituladas com paragraphos
e artigos, e que nada valem.
OSr. Ignacio Martins ;-0 art. 4 do
projecto trata da eleigao para deputados.
Eu ja disse e repito Sr. presidente, que
n3o comprebeodo o menospreso con que o
nobre ministro do imperio trata a earner*.
S. Exc. ja" declarou aqui que tiaha abaw-
donanlj a sua opiniao do voto ouinomi-
nel, como o melbor systema da representa-
q3o das minorias ; na eelebre reuniao na
secretaria de agricullura, S. Exc. abando-
noa a sua opiniao para aceitar a quo aHguns
membros da maioria Ihsimpuzeram, S. Exc.
declarou que era vez do voto uninomi-
nal, qaer agora o voto ioeompleto : mas no
art. 4 trats-se s6mento do voto uninorai-
nel: qw S. Exc. obrigar-nose discutir o
que n5oe maisdispos;Qao do seu projecto?
Vai-se discutir o ar&. 4", que trata do voto-
nuinonoi'nel, mas S. Exc. diz qjue nao acei-
ta mais este systema, abandonou-o pelo
voto incompleto, e nao aprosenta eraenda
alguma neste sentido; o que, peis, vai-S3
discutir, Sr. presidente ?
0 nobre ministro faz V. Exc. por eon dis-
cussao um antigo que nao existe mais, e
occutla as emendas, para serem apresenta-
das a ultima bora, afim de ndo serem dis-
cutidss. Oque n6i queremos e preois,*mos
discutir e" o que o govermo quer, e nao o
queo governo quiz.
0 Sn. Heraclito Graga.:A cocimis-
sao ptetende apresentar emendas.
. 0 Sit. 'Ignacio Martins :A discussao
nio e do que a eommissao pretende apresen-
tar, mas sim do projecto cone-as emendas ja
aprescntadas.
O Sr Heraclcto Graca :Emendss de
accordo com o vencido.
O Sr. Egnacio Martins :Bevia tel-asjiS
aprDsentado ; e note o nobre deputado que
Mm sido approvades pela camara disposi-
qurveis; a comraissao nao pdie apresentar
emdndas de accordo com-taes disposi^des.
Fortanto, Sr. presidente, pergunto &
coniimrssao se aceita o 2 do art. 4""do
projecto. Diz o nobre deputado que- a
commissao apresentara" emendas-; mas qua
FOLHETIM
0 BARALHO DE EARTHS
FOR
I.. Lcauseii le >MC
TRADUCCaO DE D. CLARA MOTTA.)
I
Nos primeiros dias de junbo de 18....
deixei a Dalecarlia para emprehender uma
o.xcarsao geologica pelas montanhas da Ho-
ruega. 0 tempo estava bello ; a neve tinha
dcs<:pparecido mesmo dos mais altos cumes.
e o u-rreno, endurecido pelo calor do sol
do estio, retumbava debaixo do casco do
njeu cavallo.
E i apressava o pa-so, pois a via
gem que tinha a fazer era longa e difficil.
U mois de reunir-me a dous companhei-
ros quo me esperavam em Dreutbeim, devia
sub r o monte Sul telma, visitar Syltope,
AreskoU, e voltar pelo Jenilland a Sto-
ekUn. Os caminhos poronde eu passava
era a graudioso=, pordm sinislros.
Eram vastas fl .restas onde o ferro nuDca
tocara, e que, bordadas de longe pelo rio
Ulamnem, repercutiam em suas profundezas
o rauruaurio tempestuoso de suas aguas.
Um dia caminhei cinco milhas sem en-
contrar vivente. A' noite cbeguei a" uma
choupana habitade por um carvoeiro.
0 bom do bomem nao me recebeu muito
bem, porem oeu-rae uma cama.
Conhecia tao pouco o paiz, que lhe nao
foi possivel indicar-me onde encontraria u:na
pousada para a noite seguinte. Parti, pois,
a Integra dessas emendas ?
um estedo rncomprehsnsivel.
0 ert. 4* diz: 0 modo de proceder
Loos collegio> eleitoraes & eleigaode deputa-
dos a assemblea geral, e de membros das
assemblersiegislativas provinciaes, fica alte-
rado da raaneira seguinte, etc.
0 Sr. Heraclito Gra<;a :Tambext ha
emendas sobre isto.
0 Sr. Ignacio- Martins :Onde estao
el las ? ?fto as vejo. 0 nobre deputado
podera" dizerhaveea"e naoha.
0 3t diz: Cada eleitor votard em
um so cidadao para deputado,.etc.
Eis aqui o nobre ministro do imperio sus-
tentando neste paragrapho o voto uninomi-
nal, que S. Exc. ja.despresou. 0 voto in-
complete sera s6 para a elei^ao primaria ?
N6s, sonhoros, devemos discutir o artigo
como elle estd redigido, e nao com emendas
que nio existem,: o que tudo isso prova e
que o nobre ministro nao quer a discussao
do projecto, e faz bem em a nao querer.
Sr. presidente, o voto uninominal, quo era
o ideal do nobre ministro do imperio, vio-
se S. Exc. obwgado a despreza-lo, por exi-
gencias de fracgoas de sua maioria na se-
cretaria da agricultura ; e entretanto no ar-
tigo que esta em discussao, trata-se s6 do
voto uninominal.
Em todo o projecto deve haver uma idea
que o predomine ; mas S. Exc. neste seu
infeliz projecto, ora adopta o voto incora-
pleto, e ora adopts p voto uninominal.
0 SrtEscragxolue Taunay :Incomple-
to para ambos os graos.
OSr. Ignacio'" Martins :0 que estd
era discussio n3o e o voto incorapleto e
sim o uninominal, e eu n3o me admjro que
S. Exc. ainda queira o voto uninominal para
aeleiQao secundaria,
0 Sr. Ministro no Imperio da" ura
aparte.
0 Sr. Ignacio Martins :Mas nao apre-
sentou emendas e era a obrigagao de V.
Exc. fazer apresental-as. Quando V. Exc.
ndo esteve na casa a commissao procedeu
muito melhor, porque antes de eatrar em
discussao o art. 3 apresentou as emendas
que julgou convenientes, e agora que o no-
bre ministro estd pres9nte, n3o ha emendas
apresentadas, fazendo entretanto, S. Exc.
encerrar-se precipitadamonte a discussao do
artigo interior.
0 4e diz :
Apurados os votos, a mesa do collegio
man lard transcrever a act! do livro de no-
tas do tabolliao do lugar, ua fdrrQs do art.
1' 10 do decreto n. 812 de 19 de setera-
bro de 1855, e extrabir as tres copias au-
thentiMj de que trrta o art. 79 da lei de 19
de agosto de 1816 ; das quaes reraetterd
uma d camera municipal da capital da pro-
vincia, outra ao presidente da provincia e a
terceira ao ministerio do imperio. Na elei-
53.0 de membros das assemblers legislativas
provinciaes a torceira copia serd remettida
a respectiva assemblea.
0 Sr. Hbraclitj Graq.v : A commissao
propoe a suppsessdo dessc paragrapho.
0 Sr. Heraclito Grac* :E' paragra-
pho inutil, porque a sua disposicdo e?td na
lei actual.
OSr. Ignacio Martins:Diz 0 nobre
deputado, actual relator da commissao, que
ella propora eraenda supprimindo esse pa-
ragrapho -i porque entao o conserva etc
agora no projecto ? N5o compreaendeu
a commissao 0 fim que teve em visfa 0 no-
bre ministro eom semeloante disposicao ?
Determinaodio S Etc. que se extrahiam
trtea copias par* so remetter wna d camera
nuwicipil da capitd da provincia, outra ao
presidente da provincia e a 3* ao ministerio
do iisperio, esqueceu-se entretanto da ca-
mara dos deputados,. poder uftico competent
te pai-a< conhecer da validade da eleigdo, S.
Exc. procedeu assim'por jue considera a ca-
mara dos-deputados eomo uma seegio de
(S-ja secretaria.
E para Scar* mais patents o menospreso
em que o iobro ministro tem a camara dos
cfeputados, S. Exc, referindo-se ds eleicoos
do* membros das assembleas provinciaes,
msfl la que seja uma eopia da apura^ao
remettida & respectiva assemblda.
Cade vez me convene^mais do quedisse,
que S. Exc. organisou este projecto s^m
reflectir, e se-^flectij eniao- quiz de propo-
sito offender a eamara dos deputados.
C^paragrapbo 5** diz :
A commissao muu cipa! da capital pro-
cedera d aporaejo geral dos- votos dos elei-
tores de toda a provincia. ^
0 Sr. Heraclito Grao-: A commis-
sao reandard tambem ememla supprimindo
esse paragrapho por inutil.
0 Sr.. Ignacio Martins- : Se o Sr.
ministro do imperio aceitou n* realidade es
emendas que na-secretaria lhe foreov im-
postas,. substituindoo voto uomominal pelo
voto incompletoye a eleigao por provincia
pela eleifjao por uistrictos, eo verdade a ca-
mara municipal da capital nada tem que
fazer aqui ; mas se aceitou somente o voto
incorapleto para a eleieao- primaria- e nio
aceitou a elei^ao por districtee, essa eamara
tem nuiito que fazer. Ve, pois, V. Exc,
Sr. presidente, que nao podemos discutir 0
1
ao acaso, costeando sempre as margens do
Glamnem.
Doix i-os emfim ; e, depois de andar al-
gumas horas, pareceu-me que entrava em
um paiz menos selvagem.
Jd declinava 0 dia; eo sol cobria-se de
nuvens pardas : e eu sentia aquella raelan-
colie que o crepusculo ordinariaraente dis-
perta no viajante solitario, quando ndo sabe
onde ir passer a noite.
De quando om vez olbave inquieto em
torno de raim. Ndo podia apparecer-me
de repente um lobo ou um urso ? Mur-
mureve, pois, contra a sorte, quando, vol-
tando d direita, vi ao longe uma vereda.
Meu corajao palpitou de esperanca; era
sem duvida um d esses caminhos providen-
ciees que conduzem sempre 0 viajante d
uma pousada hospitaleira. Em breve as
pancadas surdas de um machado vierara
mudar a minba esperanca em certeza, visto
como logo depois ouvi os mugidos de uma
vacca, vi nuvens de fumo que subiam ao ar;
ate" que emfim cheguei d uma habitagdo en-
ceotedore, defronte da qual se alongava
uma campina florida e um campo mui bem
cultivado.
Era uma casa construida segundo 0 uso
doscampos da Noruega, com traves arre-
dondades e sotopostas. Port'rn era maior
do que ahi 0 s3o geralmente ; e distinguia-
se.dss outras por um aceio raro e um as-
pecto quasi senhorial. Tinha uma drea
vesta, bemnivelada e bem tratada, e iocha-
da por uma cerca do" madeira pintada de
vermclho. 0 iuttrior estava em harraonia
corn 0 exterior. As janellas linhara corti
nas brancas, e 0 assoalho seraeado de area
fina e de rarainhos de pinheiro frescos e
cheirosos ; 0 fogdo de ura verraelho vivo, a
mesa e as cadeiras de um feitio engrarado,
ofTereciam d vista ura todo que agradava.
Encontrava-se ahi tambem as commodi-
dades que os aldeoes da Noruega nSo co-
nhecem, por exemplo, um cabide d entrada
da sala de jantar.
Em um dos claros desta sala estavam
penduradas duas espingardes, dous polva-
rinhos 0 duas bolsas, e era baixo, como 0
unico obiecto digoo daquelle lugar de hoa-
rs, um baralho pregado na parede.
Na porta da casa estava sentado um ve-
lho de oitenta annos, verdadeiro typo desses
aldedes do Norte, e proprietario das terras
que fazia cultivar. Seus cabellos brancos
cahiam-lhe em anneis pelas espaduas; tudo
nelle indicava saude e vigor. Seu rosto
tinha poucas rugas, e a alegria de seu carac-
ter moetrava-se no azul de seus olhos, assim
como em qualquer movimento de seus la-
bios.
Era desses bomens abencoados do ceo, e
cuja velhice, ainda que fria, tem entretanto
serenidade e encantos.
A familia do anciao compunba-se de tres
pessoas: seu filho unico, nomera de qua-
renta annos, com qemu elle se parecia quan-
do tinha a raesma idade ; sua nora e um
netinho. Este linha dez annos, e ndo mos-
' trava traco algum de seu pai ou de seu avd.
Em vez dos olnos azues e serenos do pri-
. meiro, elle os tinha negros e melancolicos,
'e seu rosto era magro, de c6r pallida, e
onsombrando por dous olhos negros.
Estamos- em | projecto sem essasemendas. (Apoiados.)
Eu pego ao nobre ministro que teuba
mais alguma consideracdo pare com. a ca-
mara dos deputados. Quando S. Exc. qui-
zer encerrar a discussao de algum artigo,
veja que ja estej^m confeccienadas as-emen-
das do artigo seguinte.
UaSr. Deputado : Pece pritxeiro li-
cence...
O Sr. Ignacio Martins-: Sim,, senbor,
deve pedir licence d cemara.
O^Mesmo-Sri. Deputado : Ndoao no-
bre deputodo.
0 Sr. Martinho Campos :-Direito de
s&rouvido, ndo ba duvida, que cada mem-
bro da casa tem tanto como a ca6a inteira.
(Apoiados.)
O Sr. I,:vai-i.i Martins 0 que eu
asseguro ao nobre deputado, e quo nao sou
do numero daquelles que estao sempre con-
vencidos de que tudo que 0 governo apro-
senta e bom. Discuto e voto conforme a
minba razao determina.
Sr. presidente, ea nao sei o que hei de
discutir no art. 4. E' do voto uninominal
que 0 projecto trata nesse artigo, mas essa
opiniao do nobre ministro esta prejudicada
com a acoitaQao do voto incorapleto ; que-
rerd o nobre mioistro raystificar a cemara e
fazer com que entre tantos absurdos do seu
projecto se conie mais este, que a eleicao
para eleitores seja pelo voto incorapleto e
para deputados pelo voto uninominal ?
0 Sr. Martinho Campos :0 Jomal de
hontera traz publicaJo 0 discurso do nobre
ministro do imperio, que registra 9 voto no-
minal.
0 Sr. Ignacio Martins :Entretanto 0
projecto apresentado por S. Exc. trita, no
art. 4, do voto uninominal, e a discussao
continiia neste ponto. Quererd 0 nobre mi-
nistro que a opposic,ao apresente emendas
nesse sentido ? Certamento que nao, porque
S. Exc. jd declarou que nao aceita as inti-
mates feitas aqui, S. Exc. so aceita as que
s8o feitas na secretaria da agriculture. (A-
poiadose n3o apoiados).
0 Sr. Ministro do Imperio dd um aparte.
Q Sr. Ignacio Martins :Estou muito
moderado, 0 demais hei de proceder con-
forme entender que devo; e asseguro ao
nobre ministro que ndo preciso nera quero
licence sua para discutir.
S. Exc. declarou que ndo aceitava inti-
macoes aqui na camara, mas S. Exc. acei-
tou emendas na secretaria da agricultura.
Direi mais adiante 0 que era a mai.
Fui recebido d porta pelo velho, que me
saudou e convidou-me para entrar.
Aceitei 0 convite sera ceremonia e com 0
desembaraco proprio da minha pretendida
superioridade ; mas 0 meu orgulho desap-
pareceu logo que ontrei na sala de jantar, e
achei-me em presenga da dona da casa.
Ella se assemelhi va tdo pouco d mulber
que eu esperava encontrar n'aquellas para-
gens que a cumprimentei com ar timido.
Em vez de uma ailed de faces avermelha-
das, de roupas grosseiras, fiando na sua
r6ca, ou fazendo meias, encontrei uma se-
nhora de alta linhagem. Seu rosto pallido
e seus olhos negros 0 vivos indicavam uma
origem oriental.
Sua belleza, pois, era adrairavelraente
correcta, e como que iateiramente estranba
d regularidade de suss feicdes. Essa belle
za residia e como que se irradiava das
scentelhas ardentes qie lhe emanavam dos
olhos, e da vida que ressurabrava de seus
labios, traduzia mil encantos. Nella nada
se notava de futil nem de frivolo ; e paira-
va-lhe nas fei$5es uns vislumbres de digni-
dade e de tristeza, que deixavam adeviobar
um luto proximo 0 fatal. Em uma palavra,
a mai da familia era de um encanto inex-
plicavel ; 0 denotava que nSo tinha sido
educada para esposa de ura aldedo.
Como e que semelhante maravilha se
acbava naquelle recanto do mundo, logo
ge adevinhava, assim como percebia-se que
um grande pezar lhe tinha amargurado os
dias, e.nbora, como fazem as almas eleva-
das, ella soffresse sem qneix^-se.
0 filho do ancido m'a apresentou como
sua esposa ; e eu soube logo que se chama-
va Rachel, 0 que alids me fez pensar que,
ainda que fosse chrisia, era entretanto de
origem judaica.
Ella fallava pouco, porem acompanhave
com interesse a conversaQao entabolada en-
tre mim, seu sogro e seu marido. Qualquer
palavra, que se desprendia de seus labios,
indicava uma educacdo apurada, e attrahia
a attenjao de seu marido, que a ouvia sem-
pre com respeito, trocando muitas vezes
com ella olhares de intelligencia, que fa-
ziara-lhe substituir a expressao vulgar por
outra mais delicada e agradavel ao ouvido.
0 raenino, sentado era ura banquinbo aos
pus da mai que brincava com os seus ca-
bellos, folheava um livro com soffreguiddo,
e s6mente parava de quando em vez para
langar d mai olbares ternos. Havia um
quer que fosse de tocante n'aquella creature
pacifica e mimosa, para quern ate os dous
horaens olhayara com emoQdo.
Ndo preciso dizer que tdo estranba scena
excitou-me muito a curiosidade, e fez-rae
conceber suspeitas de que alii se guardava
0 segredo de uma historia, que me accendia
desejos de desvendar.
Depois da ceia, reunirao-nos em torno do
fogdo, onde a lenha crepitava, e eu procu-
rei alegrar a sociedade contando as aventu -
ras da minha viagem, no entauto que,
olhando para todos os lados, como que fui
buscando orientar-me dcerca de uma case
onde fdra t3o bem recebido, ate que nor
flra deparei com 0 baralho de que fallei
acima.
(Apoiados a tOo apoiados).
0 Sr. Gustflo Loto:E
systema parlamenlar.
0 Sr. Ignacio Martms :Uomenagem ao
systema perUnaenUr seria ae S. Exc. acei-
tasse as emendas aqui na camara e nio Mm
do parlamento.
0 Sr. Ministro do Imperio :V. Exc.
discute melhor quando nio esu zaugado.
0 Sr. Ignacio Martins : Nao astou
zangado. Jd estou acostumado a esses ac-
tos de V. Exc. Jd estou habituado a var
V. Exc. proceder ao contrario do que diz,
0 Sr. Ministro do Imperio i Esses
amebilidades sio digoas do nobre dap*-
tedo.
OSr. Ignacio Martins :-NaO aai ae k>
ou nio amabilidade nas miabas palavras, o
que sei c" que ellas enunciam verdadea, e li-
que certo o nobre mioistro que ea ate pre-
ciso de licenca sua para discutir osseus ac-
tos como miuistro, e nem nunca hei de
precisar.
_ 0 Sr. Martinik/ Campos :A sa* poav
cao aqui e muito superior para preeiser de
icen^a de quern quer que seja.
OSr. Ignacio Maotins :0 nobre de-
putado pelo 6* districto da provincia ds Ni-
nas apresentou uma eaenda ao art. 3* do -
projecto; declanmdo ter rend* legal, e nio
admittiado prova em contrario, 0 cidadto
que tivesse 185 de renda por anno, pois a
tanto corresponde o juro de 300>em quai
^quer cana economica. Esta enseoJa foi
apresenteda ou com sacrificio desee nobre
deputado e somente para 0 governo mostrar
que nio aceita todas as emendas apresenta-
das por qu&iqaer membro da sua aaoieria,
00 entao o governo quiz mostrar qoe se o
nobre deputado qaizesse que a sua eraenda
passassi, devia te-Ia apresentado na secreta-
ry da agricultura, porque entao seria appro-
vada, pois igoaes ou nuiores absurdos teen
sido neste projecto approvedes pola camara,
Eu nio sei, Sr. presidente, qoe o no-
bra ministro pretende fazer dnte artigo ;
tudo aqui 0 confusio, e uma verdadaira
torre de Babel onde nir.guera se entende.
No art. i do infeliz projecto do uobre mi-
nistro, e que estd em discussao, so diz: .
I.' A reuniao dos colbgios eleitoraes se
realtserd 15 dias depoia daquelle em que
tiver coraejadO a eleicao primana.
Pergunto d nobre commtssio se conserva
esji disposicao.
0>Sr. Herauto Gra^a :Estd preja-
dieada.
Sr. Ignacio Makti-s : Em virtode
de qjue ? i
G Sr. Heracuto Grk-:a : Em virtude
do. vencido.
OSr. Ignagio Martins:Coaao? Este
artigo entrou agora em- discussao, como
esai prejudicado era virtude do vencido ?
Pordoe-rae o nobre deputado. Eata dispo- ,
siijpo so poderia estar pcejudicada em vir-
tude do vencido, so a commissao tivesse
apresentado emendas, e a camara as trvesse
approvado.
Diz 0 a.": Pan* a eleicao dos dous
secretarios e dous escrutadores da mesa
efiectiva de collegio, cs eleitores votario em
um so nome de eleitor presents, etc.
Pergunto d nobro comra**io ae aceita
este artigo.
0 Sr. Heraclito Graca : A commiseic
tem emendas a apresentar.
0 Sr. Ignacio Martins :Veja o nobre
ministro do imperio a inooovenioncia dot
seus encerramentos precipitados.
Sr. presidente, sio moitaa m% contradic-
coes e absurdos quo content a projeoto, al-
guns dos quaes a camera, infelizmente jd
appro you em 1' e 2* discussao ; precisamos
pois, discutir e analyser ainuciosaaaente as
suas disposiQOes, mesmo contra a vontade
do nobre ministro do imperio, e aproveitar
os poucos momentos de discussao que S.
Exc. nos concede para iazerraos a analjra*
do seu projecto; e nao podendo discutir o
incognito, pois que 0 artigo que V. Exc.
declarou em discussao nao e mais do pro-
jeoto do governo, at V. Exc. que eu procc-
do com todo o criterio. prnpondo o adia-
mento da discussio ate que sejam apresenta-
das as emendas da comraissao, de accord.
com 0 governo.
Se o requerimento dove ser por escripto.
peco a V. Eve. que me mandc papel; se,
porcra, posso faze-lo verbalmeute, requeiro
0 adiamento da discussio, e desde jd peco a
Sialavra para discutir o projecto, logo que
orem apresentadas as emendas. Muitc
bem; muito bem).
O Sr. J*ffo Meaies ettencio 1
Sr. presidente, ndo pretendis tomar part;
na discossdo do art. 4. do projecto, e mui-
to menos na discussio da eraenda subst:
tutive, cujo sentido tornou-se conhecido
pare mini desde que 0 nobre ministro
do imperiofennuncioanos que ultiaumonte
havia preferido 0 processo do voto incora-
pleto. E nio 0 preteadia Ifazer agora,
porque reservava-me para a t-rceira discos
sao, quando houvesse de ser discutido
igualmento o meu projecto substitutivo.
[Continuar-sc-lm.)
A' principio julgaei que esse baralho era
pintado ; mas, leventendo me para certifi-
car-me, vi que suas cartas eram verdadei-
ras, e que alii se achavam desde muito, o
que alias era attestado pelas lianas fume
centas que ornavam-lhes os contornos.
Teudes n'aquella parade um enfoite
bem singular, disse eu sorrindo ao aaao
hospede.
Ninguera respondeu-me ; entretanto uau
tristeza subita derramou-se om todos os
semblantes, 0 um instante depois a jovon
senhora desappareceu.
Quando ella sahio seu marido approxi-
mando-se de mim, disse-me 1
E' com effeito um enfeite exquisito.
cuja historia vos contarei depois da ora-
Qio.
Rachel entrou trazendo uma biblia, que
poz sobre a mesa ao lado de seu sogro.
Tal era 0 costume quolidiaoo da casa.
0 velho abrio 0 livro na pagma marcada
com os oculos, poz estes, e leu om capita-
lo ; depois do que, diante de todos dos.
alii ajoelhados, resou em vox alta.
Alguns minutos depois, Rachel, leaaoda
e menino pela mio, deu-nos boas noitea c
retirou-se. 0 velho Die tardou a sfguir 0
seu -exemplo e eu fiquei sd com Ivaz-
Ivsssera, que tal era 0 nome do moo bos-
pedeiro. Este, sem nenbum preambaJo
estenden a mio para 0 baralho, e difte-me
-<
t



[Continuar-se-ha.,
TVP IH> OlAi'.IU -WA L'l'Ult UK UAJtAa*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E61MKV0QM_Q6OYXY INGEST_TIME 2014-05-27T23:32:23Z PACKAGE AA00011611_16498
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES