Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16354


This item is only available as the following downloads:


Full Text






.. -
* 0 0 0 9
* 0 9 *~
. .~ S


a -


-4*


U1


BR.OA DETARM, & Fl 0


Sio db'.c., 9 do medmO a ez, sob n. 1i8, vraam OS Soldad fierai obre eIe f0gO, .C aueOwmitteram os moridores doBai- cia daprovincia, quo maroodia defe- pelCo
T para exOUo do embarreamento de4 727 me- [iravand..a Anio tma lnta annlOwl- 1" Xgg, ditanto daquella villa umas 5 mi- vereiro, para o comeo daquelles trabalhos. cias fi
___....__ ._ _t______" tros cerrentes na estrada de Itapiisuma a N- lr_' ... do1.... ( 0 grupo liberal dissidente convocou de nlo tin
zareth, autoriso-o a mandar pfr eesa ebra em toL a mortde AntOaio.ltbArafa, c e 0 facto deu-se na maphi de 1 de janeiro, sen lado pelo.orglo o Parahaba, outra reunion, arrasta
I5OWYR. rA APTOMAA BAff~d praga. nos termos daa instruceOea de 30 deo nOS annas do crime nas comarcas de Na- teo o 0 l sellvagens atacado a barra de para o dia 6 do corrente, emcass do sou chefe, e perfe
v uMVvU JU- -,ififa 'AAv,,kH ago.to deo 18, correndo a despeza- or conta zarth, Govana oe Ou% 00 o rimento Fr"ichso Vflaca, onde mataram tree m% o commennador pa4re Galvao, afim de tratar, attribu
,d, do 34 do art. lda lei. do orqmea .. t nna e.on a ,m d e d mnlheres. comose presume, do mesmo assumpto; ago- caracte
(Pelo cabo SUbmarino) to.-Communicou-ses aolnspector do iahM __. b^ _^ .Np Ircont ttes corn esse. mortieiaio, 6a8l- ra, porem. distribuo urn bolotim, transform- tae, e
ro provincIAl. .- .. Li preso, pe, outw V vt, ag**S, i'sVaram comsigo do= menores, qua do o pouso da reunio para os sales do mos- bellicose
PA S de fevereiro.- Ao president vereadores da cals e it' a. -. 1 .id. es pp m'am flechadas. teirode S. Bento. Mas,
PARIS, 3 de feveriro, municipal da Gloria de Goita.-Pelo x)fDfic010 a rQa dos p a feridos ou 0daverea dos asassiinsds, junto dos a Do quo souber ter-se ahi passado, Ihe da- a Turqi
Ao governor ol dirgida, na Cma que respondode do eorrente.mez, Rico intei- au nWitrou-se multo instruments in- rei conhecimento pela primeira occasilo qua que na
Ao governor o dirida, na Cam- d de haverem Vinos. prestado juramento a digtamkas kohavam-se em estado digno de las- tiver. nn
ra dos Deputados, numa interpellateo ausumido o exereicio de oeus argos, afirm de o ,. Lz a OOS tim. Tenho-ma esquecid0 de noticiar-lhe que, nuropel
acersa da political exterior. servirem duranteoo quatriennio de-1881 a.1884. Soddom s Em vista dispo, a presidencia da provineia em fins do anno findo, surgiona imprensa lo- E' so
--Igual sos da cama-ra municipal de Jaboa- ao lugar-ido; lf.e.z zi r1forar o destacamento policial. cal mais um periodic denomnado Desperta- o Sr. Bi
A discussilo dessa interpellangfo te*,5tn 4' pota ao'-41io de22. mit"es eipmi o ea90 vprdodr
A discussion dessa interpeaQ o ; tao em wsposta ao officio do 2. mitels entieo GSjina... i Ad.compailia de navegaglo ai vapor do dor, quo diz professor as ideas do partido li- ten ao
minon pela votae&o de urea moCo Port=1:" 10nri
mTendoi onestadti od ytd o up dUA ons ternmem diversos estaleiros da In- beral. Barlim
-^ Tendo nests data in orido,/ aTta-daII 19f fra t-inOo vapores em constructou e que Eo redigido pelo 1o escripturario d'alfan- estrann-
q6ollanga, approvando a polilica do informao6, uma peaim em quae dvr"W Owdiligencias iegaes, segndo me com- de m chegar ao ported Beldm ate abril dega Sr. Vicente do Rego Toscano de Brito; recent
govero. moradores do mtinicipi de Caruar; reque- B icou por officio d 30 do mez fin .i pr mo, cujos nomes *: Macapd, ,Santa- 6 de pequenas dimenses, e, com quasi se randes
reram o nokpoa5o de urn a ontador WAOe. ma 6 4MM
Ld e oreram o nona earru de um e pontdor ouoea e se ft s ibdelePad,_do 4 district doi -r'fm 1 J Maud e Gametd. occupa da vida particular de um individuo, apresen
LISBOA, 2 de fevereiro. ecarreguedaoonseryatod CalHr- rm ja d ove se adihar em viagem, cujo character e importancia procure deprimir propost
truido, recommend a rBpectiva camras mu- Afogados, foi honte;Xdo ao jUIZO at ra propulsor o hle, a 6 espdrado e menoscabar, o alcunham ja por aqui de- cianlo
Aqui tto n hontem o vapor Iran- nicipal que promova tor si a mesma conser- VBmpetente, 0 mq. t. Olie.al a que o orrnt ez. pioho.
-e- OAENqu E da h oma n o Mao a-valo,- aHis deoqu&eo venha a deteriorar-se 2n1u cutra LT #1.ia, ma- A' 21 do ultimo foi langado ao mar em Glas- a 0 despeito de uma candidature a pro- por de
cez pOrENO? ,da companhia MESS&- oito acude, oSirniclo eam beneficio de sooeu i. ^ maL ,2ad grro Ma k J e a 23o aud, dos afamados vincial mallograda, deu motive sua pu- panha,
GERIES MARITIMES, procedente dos prtos muticipes.-Commuicou-se ao inspector o i ros dos Srs. Lird Irmaos, em Birken- bicao, qu vai cumprindo o sen fadario, aiz, no
do Ba o da Qata pedo r os -SI tsbesouro e'asoeougnhairo ajudants dda repair. do BRfi &O. FrWa DQ di' 19 h ,. perto do Liverpool. do modo por quo o fez o celebre-Buusuet de apoio, i
do o da Prata e do Brasil. tio das obri pAbUam. : fi findo abarH W te ro doardiz oseguinte Jacoca, do execranda memorial creado tambem rents q
Agnra Havas, em Plrnambco,0 Sr. agents --da com-pahia brasii r IM| Mbpdos causau difversos itIM- I CoWersamos corn o illustrado naturalis- para sim identico, e quo finou-se no maiO da campan
Agencia as, em eamuco, e fatransportar a provineia do Par. por' 'a- oserianaSr. John C. Branner, qua se acha influence geral, e acabrunhado do despreso tomana
fevereiro de 1881. ta do ministerio da guerra, no vapor C= .1i .. ubido pelo professor Edison de estudar e do todos os hemens sonsatos. veram
esperado do sul, o 20 cadete do ,40 batallio Deus guard a V. ExC.-Illm. Exm. coilehciar as fibras vegtaes da nosa rie Nada mais occorreu qu mereca men- te era o
______ de artilharia a .p, Ludgero Olyinpio Telles Sr. Dr. Franklin Amerfco de Menezes Do- fibra, qua powsam ser aproveitadas. na mann- 0o. qua obt
de Menezes qua, no seu trajeeto da corte para a, muito digno presidente da provincia. factura de lampadas electrical. -- torio.
Saquella provineia,, dsembareou nesta, por 0 chefa de policia intarino, ,t U a A misalo do Sr. Branner nlo so limita s6- Noticias da Europa ces de
aVl0 a O A telsu irmi ado6 ido durante a viagem, a _0 a ten -quiM nteqo-Pe Armazonas. Tendo feito a.- Pelo vapor francez Girnde recebemos hon- adorna
potato de nio poder continaal-a.-,-Communi- da OS.ta Ribeiro. girns eatodos nas mattas proximas desta ca- tern jornaes e carts de Lisb6a, corn datas ate naco,(
(Pelo telenranho terrestre) cou-se aso general commandant des armas. -- pital, cllecoioneu 10 e taltas amostras de fi- 23 de janeiro. Eis o quo d'elles colhemos: poderos
Sg ph te tr) EXPEDIENTE DO SECRETAO Consulado provincial bras, qua ja foram remettidas ao Sr. Edi- FRANQA. a su c
Officios: DESPACHOS DO DIA 31E VEVEREIO ER son. 0 orna Ofcial da republic franceza aca- -As
RIO DE JANEIRO, 4 de fevereiro, as 3 Ao conselbeiro president do tribunal Brevemente, antes de explorer o Amrazo- ba de publicar dous decretos nomeando rce- desert
horas e 35 minutes da tarde.- (Recebido da Relao do Recife.-De orde de S. Ex. C nao oSr. Branner irai percorrer as provincial bisp de Chambery, o Sr. Leuilheux, e dan- primer
o Sr. president da provincia, accuso o race Igoacio de Si Lopes Fernandes.-S6 n do,-l ate Matte-Grosso. Dep9is voltara aso _do-lhe como successor ne bispado de Gat, o ver con
as 5 horas), bimento do officio de YV. Etc., de 14 do co fu turo exercicio podera o suoplicante sOr Pa, onde ja encontrara um auxiliar, que abbade Jacquenet. parocho do Saint-Jacques, para so
rente, n. ,73'7, commuhicando haver conedi- at~adido se fizer nesta repartiolo a dis- mawdou coavidar nos Estados-Unidos, aim em Reims.
Hontem, reunida sob a presiden- do 30 dias de licenga so juiz de direito da co- da li n de bir o Amazonas. A camera dos deputados de Frana, adian- Corre
marca de Nazareth. n que ra t. a i *Em today esta explorao deveri o Sr. do se ate ao di 20, depois de se ter conforma- embaixi
ia do Sr. Visconde de guary, a com- AO engenheiro ajudante da repartiao ,99. Breaner consumer um nno apenas. do estrictamente, pela su curta reunion do xado ao
missAo encarregada da divisao dos das obras publicas.-De ordem de S. Exc. o Joio de Oliveira Thomasio.-A' I.' s8c- MARANHXO dia 11, a constituio .que estabelece a aber- respeitc
districts eleitoraes do imperlo, ele- Sr. president da provincial accuso o recebi- o para os devidos fins. -No vapor Yiranga seguira para oPiau- tura da seso odinaria na segunda tera- acera
geu para secretary o Sr. LelKo V mento do offucio de 21 do corrente, sob n. 16, Jeronymo Salgado do Castro Guima- hy-.presidente dessa provincial, Dr. Sinval feira de janeiro, praticou um acto muito sim- gorican
ge para seretario o Sr. Leo Vel- m qu V. S. eommunica que mandou pas-o OSeo do Moura. plea emil vzsjustificavel. -0
loso. sar certificado de pagamento da 1 presta res.--Inore a i. secSao ODr. Ernesto Torreoo, juizdedireito da A camera quiz quo os sous membros podes- foi nsus
E seuia dibo nu a do contrato dos reparos e pintura das pontes Jose da Costa Caseiro & G.-A' I.- See-, comarca de Caxias, -aliorriou dous escravos sam tomar part ate ao ultimo momento da por con
Em seguida, deliberou annunclar do 4e district, a quoe temrn direito o reepecti- gao para os fins convenientes. soans, livres de todo o onus. luta travada, a proposito das eleicSes muni- artigo r
que recebe representaCOes escriptas vo contratante Joaqum Elias de Moura. harl Manl ms Vieas CuER cipa
sobre e assumpto. Ao 2o supplants do juiz substitute da BacharelManoel oms igas Junior.- Por ordem do governor imperial segue to certoja qudo seu resul tato rdependia-a des a
mu n a t tcomarca doe Iguarassd.-O Exm. Sr. presiden- Informe a a.a secio. para a c6rte a cominisslo de fazenda, quo ha prexima renovaelo de um tero do senado. reino di
A municlpalidade da c6rte no- te da provincia manda accusar o recebimento 4- alguns mazes estava na capital examinando Os jornaes reaccionarios censuram o proce- cezes.
meon os seguintes empregados: se- do officio de V. S., de 1 do corrente, corn- Domingos Jose da Silva & C.-Certifi- as contas das despezas corn soccorros as victi- dimento da maioria da camera, acc(sando-a Em 1
Smunicando haver na mesma data assumido 0 mas da secca. de tar abandonado os ngocios publicos, pare vio Pel
cretario, Dr. MagalhAes Castro So- exercicio do cargo de juiz substitute desta -"UO4 O A commisGSo cempoe-se dos 20 escriptura- se occupar de inter2sses pessoaes. S&o balas Comp
brinho; chefe de seccAo, Dr. D. Fran- comarca us qualidade do 20 supplente.-Corn- Gaspar Jos6 de Mello.-Indefenrido, em rarios do thesouro Migul de AzevedoFeixo de papel qu nlo abalam as instituies. liticas,
municou-se aso inspector da thesouraria de fa- vista das informagSes. a major Joio P'aulo da Costa, e do 3 Manoel A quto de Tunis vai seguindo um ca- Austria
edsoo de Assis Masemarenhas ; advoga- zenda. Joo Jacintho Guedes de Lacerda.-ln. Antonio de Carvalho Aranha, send coadjuva- nho pacifco. Dous deputados, os Srs. Deze- que ae
do, Dr. Alvaro Caminha Tavares da Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro da plo 1 e 2 escriptnrarios da thesouraia, forre e Perrochel, haviam projectado inter- acontc
Silva; e procurador Dr. Azevedo Ma do Recife a S. Francisco.-De ordem de S. Roolpiano Padilha e Manoel do Carmo Fer- pellar o minirtro dos negocios estrangeiros Em
Sdvao. p urd ,r. ou a Exc. o Sr. president da provincia, commu- Ferreira Rocha & C.-Sim, venrificado 0 rei Chaves. a esse respite, e de pedir especialmente ao criptos
cedo.- nico a V. S. qua nests data teve-o convenien- pagamento do imlposto. Pela presidencia da provincia ri esco- governor communicabo dos documents rele- morali.
te destiny o relatorio qua acompanhou o seu Jos dos Santos Oliveira.-Informe a' e'a do par& president e da sociedade Artist a tivos aos negocios tunesinos. Tiveram ulti- E
-O MM HMSMH -offlicio de 22 do corrente., sob n. 19. se o Booeflcente Conservadora, o Sr. teneunt Fe- mtmente ura entrevista corn o Sr. Barthele- parlam
7ART OFFICIAL oE DMia r Air L A' A lipe do Araujo-Sampaio. my Saint-Hilaire. d verno
U F L DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 4 D M3nia Henriqueta Ailves Lima.-A Em Baturit sentia-se excessive calor. SegundO'diz o oo, o ministro dos nego- -F
FEVEREIRO DE 1881 secGao para attender. A. J acava-so no exercicio de inspector d cios estraneiros, tranquilisou-os acerca do conspire
Governo da provincia Autonio da Silva Campos.-Indeferido. Manoel Cardoso Ayres.-A' I.& seco thaesouraria o Sr. Candido Fabricio Gomes de caracter da prudencia; mas paree quo razoes trou-se
EXPEDIENTE DO DIA. 25 DE JANEIRO DE 1881 Abaixo assignados, residema- n as.us, para fin t ea -a cama nM al... 'doiei l dasra sfta contenioncia o obrigavam ai iitar a alguns
Aco:d ooe usuaoPrii os oMloGiwB..'nmaoun ro~erva do govem.. talieno. quo oxoime do. Cemc
Actos: do Coronel Suassuna e Imperial.-Tendo Pria Rosa deMel m adou commission pars examiner La id-verde todos os documents, relatives a naquel
0 president da provincia, de conformi- ordenado ao Ja promoter public proce IV seqcao para as devidas notas nos livros agua de Bemfloa, publicou edital declarando ase incident. Ddo est case provavel va as
dade com a proposts do Dr. chefs da policisoat ea i
em officio n. 126, dc hontem, resolve nomear d6sse contra os delinquentes, o estando eli- do la6amento, afim de ter lugar a des- no poder ditaquua servir pars ser ingerila, qu a interpellagbo nao se effectue.
o cidadlo Augusto Rufino de Almeida, para minadas as duas pragas da guard civic criminaeao no foturo exercicio., mas sim dsa6ment29 do parssadox foitern A Frana, oSdia l9 de janeiro, unicipedeu pro a substitp
o cargo de 1 supplente do delegado de poll- e a praa de policia, a qu alldem oSoza Bas Amom C.-certifique a o andar tereo do pao d assembl6a pro- d qu no 6 o paiz leviano e caprichoso de federal,
cia do term de Palmares.-Communicou-se supplicantes, nao ha quo deferir., que constar. vincial, a repartigo do correio. quo-porvezes a accusam. A Su
ao chefs de policia. -Lmsn erfsd 8d nio o p
Ao general commandant das armas.- Eugienia Rodrigues do Oliveira.-Infor- Souza & C.-Informe a 1-- secO. Lmos no earese, de 28 dejaneiro, e do Prevaleceramo ana por parts das commu- habitat
Tendo o Institute Archeologico e Geographi- me o Sr. inspector da thesouraria de fa- Fernandes da Costa & C.-Informe a 1do requerimento do presidentnas da soe- Gamettaobteve, nes ts electoral sempre
co Pornambucano de commernorar em sessbo zenda. .a A'requerimanto do president ia sqpio-. abta bee(essc3aneeotrasmr
co Pernambucano de commemorar em sesSio zenda. seCao. d_ ad- e Cearmse Libertadora, o Sr. Dr. chefe de u assignalado triumph. Os candidates in- data, a
restmagaio desta 27 provincial do domirrente, a niversario dahol- Barlo de Jundii.-Deferido com 0 offi- policia fez desembarcar de"bordo do vapor transigentes, os antigos communatistas, fo- gares
lradez, sirvac-so V. Exc.sta providoominio ho-r par o de ho., a. -- inspector da thsouraria Camara municipal do Recife Par a escrava Euzebia e 4 filhas, embarcadas rm derrotados, par assim dizer, em toda a s6 um
qua niea guards do honre so echo postal de fazenda.. DESPACHOS DO DIA 3 .DE FEVEREIRO DE no Maranhbo corn destiny ao Rio de Janeiro. linha. Isto prove que a amnistia foi uma Os je
em frente a sadd do mesmo Instituteas 12 ho. Bemvindo do Souza Castro.-Informo 114884 Esta escrava se diz lirre, e, affirms corn medida sabia, previdente. No -signifcou a que se
ras cia reanhb do mencionado dis, am2 do P"o Sr. V.eredor Com i ,ssrio de insistencia ser natural desta provincia, donde rehabilitation ida ommuna, mas simplesmen- quea I
briha antar eqedo aectoao born assim are Sr engofnbeliro ajudante da ropartigaO das LCeO w '^1^Lomsaoa sahio coin on 10 ennos; diz mais qua so che- t o 0esquocimani. As ci
abrilhantar aquelle acto, e bem assim pra Sro. ob genpbica ar edificaaoo ma Fuancisca e nao Euzebia, e que seu pai foi No entanto 6 just consigner quo depois dia 20
qua da ter do BruFa di usca saliva s poboaras public. Antonio Jobo Furtado. Como requer, de vaqueiro do Sr. Dr. Gongalo no. Jaguaribo- dos revezes infligidos quotidianamente ao par- novo e
ra da tarde. Francisco Jose Espindola.-SxIr.orme o accordo corn a informabse do ebgonhelro, a merim. tido bonapartiste, cujos merbros, por modo Suissa
-- Ao mesmo.-iSirva-se V. Exc. nomear S Dr. ju de direito das execugoes cni- depois de assignar termo nas obras publicas. Tendo esta preta sido interrogada na po- algumn se entendemcu Paulo de Cassagnac, o vice-pUi
examiner osobjoctos pertencentes a eina inaos. 0 mesme.-Concedido de accord corn a in- licia, daremos em seguida urna noticia mais fogoso partidario da dynastia napoleoniea, Teme-s
companhia provisorie doe cavellaria ca pro- Jos6 Cornelio do vasconcellos.--Comile- formagbo do engenheiro. circumstancueda a respeito della. renege o principle Jeronymo Napolebo, e quo vindo-:
vincia do Ceara, qua acondicionados em 19 to o sell. Antonio Joaquim Cascbo. Como requer, e Consta qua form depositados 2005000 pa- sonha cern a possibilidade de outro preten- allemo
caixcids forar reqettidos pola presidency JOt 0 Antonio Dias-Informo o Sr. ins- de accordo cin -a informagbo do engenheiro. ra pegullo da referida preta, cuja quantia se- donto do appello ao povo, quo nao seja o prin-
Maria Jose dos Prazeres.-Concedido, de ac- ra applicada 6. sun liberdade, caso se verifique cipe Ploui-Plon, nbo perdeu terreno no depar- Hag
daquella provinia paro esta corn decstino ao sector da thesouraria de fazenda. cordo corn a informacao do engenheiro. nio ser ella livre, como allege. tamento do Gerz, em que pradomina, -gragas Inglat(
rcferido arsenal onde se actim em depositor i ,nParD. Manool Gongalves Soaros do Secretaria da camara municipal do Recife, Hontem (27) qnaho so pretendis amber- 6 su energia, 6. sue forga de vontade, a ma- meros
conforme me doclara o respective director in- Padre Dr. Manoe oaves Sares fo o fevereiro de 1 .1. par scravos par srm vendids no Rio, al neira como conduzio a batalha eleitoral pars quead
terino em octio n. 3t, de hontem datade. Amo Anm.--Sim o. porteiro guns membros da Sociedade Libertadora, quo el cercada de perigos de today a ordem. minho
Ao inspector da thesourani a de fazenda. Manoel Antonio Gonales.--Sim. Leosoldoo C. Ferreira da Sia. se achayam na praia, manifestaram ihdigna- Ninguem, como Paulo de Cassagnac, se sabe correo
V. S. qu por despacho dests data abonoi a Pedro Gomes da Silva.-Informe o Sr. _____ co per esse trafico despresivel, e os jaaga- manter na adversidade. Ninguem o p6de ox- est i
falts d exrciio o jiz unicpale d or Dr juz d diritodase xcues rim- aires racuserain-so a conduzir pare bordo os coedr na rude campanha quo tonazmeonto tern polo te
faltas do exercicio do juiz municipal erdo or- Dr. ]u1Z do diroito das exnouaeDl u0 DE nI0 escravos que at6 entb. nao haviam embar- empenhada contra a republican. dous n
phbos do tormo do Limeairo, bacharoIr Jose naes* do DU lA lO DE rf flau KuDu Uu cede. No die 21 dove ronnir-sa o parisameito. E' Na I
Mauricio de Torres Temporal, dadas no pe- Rita Isabel de Albuquerque.--Informe* -- a Urn escrava ne iastava a bordo foi f6ra de duvia qud e Leon Say sara eleito pro- public
.iodo .eco..do.o. (JaUreadoeszorbr pro oaSr dirctoraaacoaniaorabelfoiD FEVEEIRDdedesunberadsqrn quesideto yo serdo, quoitsmDpree ozors beiu


riodo decorrido de a de dezem0ro pro- 0Sr. director da colocis Isabel. RECIFE, 5 DE FEVEREIPO ; desembarcada Lpor'possuir um peculio, qua sidente do senado, e que IamDelia ooiera na a
ximo findo.REIE iuzv
xim- Ao findeso. -Autoiso V. S. a mandar Secetariac da presidencia de Pernambuce, o t d n t d i foi augmentado por alguns membros daquella ura votamso menor do quo tods as quo tern Trans'
pagr a conta juntoa em dtrplicat, na impor- 4 de fevereiro do,1881. Noticias do norte do iperio distinct sociedade eoutros generosos cava- obtido pars president da camera dos depu- Os
tancia de 6500, proveniente do gaz consu- io Palo vapor Espirito Santo recebemos hontem heiros qua promovem a sue libertagio. tados. 0 cafe do opportunismo attingio tualm
mido corn a illuminacrio external deste pals- Joao Gonas dos Satos Junior. names acartas com dates doAmaonas21 a Honde se pembegunaa os por tcia qe ocap seum
tacs o6550 pooiot d e cnn-0prtio jornses a carts corn dates: do Amnazonas 21, a Hontom (31) pela bogunds vez, por ocea- sere a menor duvide o apogeo dia sue impor- broso-
cio e respective casa 'da guards, no trnmestre do Par 29. do Maranho 31 de janeiro, do (ea- casino de se ir embarcar scravos pasos por- tancia, qu os prbprios intransigontes, ais eo
de outubro a dezembro proxim passado a RepartlU9Lo da policia r o10, do Rio Grande do Norte, e da Parahy- tos do sul afie doe serem vendidos, guns tanedos por Clemnceem, Rochefort, mais em Du
que se referee essa thegouraria em officio de ba 3 do corrente. Eis o qu delles_ colhe- membros da oad earse Liertadora, e conphus do radicalismo lh reconhem s a dmn
0do corronte, sob n. 28w Secoo 2.a-N. 472-Secrotaria do po-mquomuitas pessoas do pdvo, manifestaram des- ostentago. est6 se
2dcretson2. Seccao.,--N. l7--Secretaiaade po- mos: agrado p6r ainda se tazer esse commercio pelo -- A circular dirigida pelo Sr. Barth6lemy de, ab
Ao mesmo.-Sirva-se V. S. de mandar ]cia de PernambuCo, 4 de fevereiro de AMAZONAS agrado porto, e mais ua vez os jacom gadeiros Saint Hilaire aos agents diplomaticos fran- Londr
pagar aos interessados per conta do credit 18.--llbne Eim. Sr.-Participo a V Escreveram de Manacapuru:ns re a rnsva s e ros a in H ro0 ent aprt co or
destinado ao fundo de emancipagbo o valor ic t Deus factos de grand. barbaridade sea- s recusaram a transporter os escravos cezs define prfeitmente a qesto trco guera
s esravos constantes das reaes juntas, iC. que form recolhidos ca de e- barn de se dados aqui, no lu denominado bordo. grEsse document tern po im chamar a at- prolo
dos escra '6cntats6a8rl ~sjunts, a osrdao qi olgardnmao
deolarados libertos palos juizes de-orphios ten ao os seguintes individuos: Muriru-miry. ( sa&o elles defloramento da Pars acalmar a agitagio qu hvia sna o dorai mi r a t polo
dos termos de Goyannaa e Bom.Conselbo.- A' ordem de subdelegado do Recife, menor Alcina Maria de Barros, orphi, filh& praia, compareceram. algumas pragas depoli- teno d a potncias sobre a eventualidad nos CE
Communicou-se aceaJuizes municipaes e de Joaquim, Fabricio e Jos6 Folppe do Melloo de-Urula Mat-&do Barrob, e o asssinato do Oia, e nR0 hours, come alguem receiou, ne- do
orphos dos, ter eoyana e Bo-C or disturbios menor Manoel, pot meio de incendi teado hum cnlto. Tu quia, sobr os poigs qu dahi resul- dit
Aehoo u.dAopositalmente am um casebre em quo 0oin, a Em signal de regosijo palo fak.to d9 notalA
-0eiz se achava enfermo, tudo praticado por ter side possivel conseguir-se o embarque do
Ao me"mo.-Communico a V. S. qume. ded de Santo Antono, Paulo r ue2
nests data, neguei provimento ao recurso de Jose Pinheiro, por embriaguez e distur- Isidoro Frederipo Ribeiro. A. defiorada 6 urma um escravO sequer pars os portoe do sul, di- cedents a situao actual. No congress
Joao Ferreira Coimbra, a qua se referee a infer- bios. menina de 11 annod a qua Isidoro conseguio versos socios da Sofdade Ceareme Liertado- de Berli, as potncias tinham-se empnha- appro
dossa0- thesours nieo doep18sdosgrovesabrei1
mago dessa thesouraria, de 18 de novembro A ordem do do .,, district de S. Jos, levar em sua companhia para o seringal,.iud- r, grande numero de pessoas grades e muita do em exercr asu ediao, no casaom t rs
ultimo, sob n. 827, por ter sido interposto f6- dindo apobre mai, 6. qual dissera qua preci- gentle do povo percorreram hontemA'noite as ue a Grcia a Tuqui no chessm a to sc
utmra do prazo egal. f- Manoel Nunes de Oliveira, por disturbies; save de Alcina pars acompanhar os seus fllhos nossas ruas 6, frente d'uma music. .rsolver a questoas frteirs, pr io a ca
Aomesmo.-Nesta data deferi os reque- Jo0o Rodriguaes Xavier, por insiltOS e em- quando ell e sue mulher fossem para as as- Informam-nos qu tudo esteve muito ani- de ngoiaes drts. Esas ngocia s, quist
rimentos de Antonio Netto Carneiro Leso, Fe- briaguez. ..estradas extrahir seainga. made, a nada houve quo alteoasse a ordain e tendo-so mellogrado em 1819, em Prevoso, a tura.
lippe Jos de Luna, Joo Chrysostome do Son- A' ordem do do 2.0district acio, Foi empossada a nova directorial a as- tranquillidade publics. dpois e Constantinopl, rands potn- -
naoapioca, FranciscoJos,6. Mellp Posxoto destnictrAap social% commercial do Manios. Rio GRANbE cies oxerceram asua mediagbo em junho do
o c Frncco o e e scravo d anoelThm6 d e- presidential nomeou o bacharl Thee- Nada dizem os jornaes, qua mereamen- 18a conferci i a el A e
informaines de V. S., de 18, 0,a27 a 30 de no- andar fogido. dote Thaden de Assump~go pars servir doeIgo. cac
vembro e 28 de dezembro ultimos, sob us. A' ordema lo da B6a-Vista, Arcelino. An- procurador fiscal da thesurar de fazend PARAHY acitpl Greia, esta nao, dpois tro g
828, 834,84, 50e 911, relevando-os das mul- tedio !dos Anjos eCorbeniana de tal, por duranteo impediment do respective serven- Da capital escrove nosso correspondent rjitado a proposal turca, d eome Na
tas quo 1hes r apnzeram os collectors geraes tuario. te, eam 3 dQ correnteo: ram as negoeiSes directs, manifesto. a in- a ond
dos municipios do Cabo, Esada, Gaanhuns disturbios. Tambemin foram nomeados os bachareis a Realisou-se no die 30 a rennilio do parti- tengio de appeIlar para o recurso des amas, appr
Victoria por infraco do regla to A' ordem do d-Santo Amaro das Sali- Gregerio Thaumaturgo de Azevedo e Antonio do liberal, qua Ihe noticiei, convite do che- e pare esperar peo mez de abril par entrar da, a
4,835 do ddeze ro d11. nas, Bendicto SoarsPerira, por em a-Dis dos Santos pars os cargo de adjuntos fe Dr. Paula imo. a dos deputados geraes eampn.a
-. Ao inspector interino do arsenal do ma eedisturbios. c da repartigbo das obras public. Drs. AbdonMilanez e oaManoel Magalhbes, a Tel 6summariarento a exposigbo historical as no
-.A o i nspector intend. 42, do 10arsenal do cema- g disrbos.- As aguas do rio Amazonas tern augmen- equal teve lugar no pago d'assemblda provin- contida na circular. A questo de direito -o
rinha.--Em arise n. 42, de 10 do corrente
declaroun o xm. Sr. ministry cda -mareinba, Tendo alguns cidados, moraores na tado consideraveirlmente o seu volume; re- cial, sob a presidencia do commendador Cor- tambem all 6 tratada. A s respeito s- 45
em additamento sao de 4 deste mez, sob n.1, povoaoo de Allian~a, da comarca de ceiando os criadorep grande mortandade do reia des Neves. tabelece a cic r q a deciso tomd pe pl
qe 6 nome do alferes homeado por titulo de Nazareth, recebido aviso de qve um grupo gade. a Consta-me qua a reuniio foi bastante Grecia, d reivindicar pe on o ia arms as s d
PARk" cccurrids, levrnando-so nina acts do qua nel- frosteiras tragadas plel conferoncia do Bar- A (
idedezembro flndo, para exercero lugar de de ladroes domiciliados Do lugar deoia- A nov direcoria da Associacaio Com- la e paou, assigando today s pesoas lir, 6 fundadan'um erroevidente. c
Francisco Pereira Gitirana e nbo Antonio nado Barris, da comarca do oyanna, mercial assumio o respective exercici 6.24 do presented.,- Coin offeto, no congreso do elim en excl
Francisco Teixeira Gitirana como menciona pretendia assaltar aquell povoalo, reu- passado. '. 0 grupo dos dissideL de qua 6 chef eo grand potencis compr ettra- uni. Ingla
mesuo titulo ; o qe fago constar a V. -8. pa- nirim-se e eto dia 27 do mez find se di- A thesturaria de fazenda.9agou9 com- commenda4ar.padre Gal%,nlc pareu memte intpr a media, no cae qu
raB eun cnbheimento e devidos fln.-Comma- rigiram com o subdelegado respectiyo ao ahido Amazonas, no die 2d o pssaqdo. bilhou porasueno ea. ee dret
nc soipco'd adefg it --.:0008000, i mportafica cda aubveanco reipee- a1.Aquelleaigo, nomn on- Pa
n-se sao inspector cda the.ouaina de". f- indicao am d se ctifia de novembro d1 a jnho U tendonr a ,r8o b fatS s p a- As
re art, c~ s omm ne'o 81MVr
-- O engenheiro aju. a ro eptio o existncia de ta rpo e dar- caa s Corn destiny colhnia Benevdes o Sr. nd o' em tosoin .eg, trat
'diebrsa publios.--Aess dataOeSe possi'vol. o. ,ngenheiro Dr. Martinho DuminAaePiato Bee- toldor, delib ,e, .. ta a oS- a' circular,,,,
w ebis.,ul. .....,L, =,. uw w. d ta,.I...m... ... _..-,
do lo 'e to .coftraram no ugararis tdos EBtados-Un 4o osh diuhe de S as localadi -4 podi .
amS'sT c n aN..meiadataladi qo^ Wo aeo.am ftbU useenawar -a --am t teh po- & vapor.,%a met ai te1k
doanBesoss"' a nispn un o6 v ta Uf xut
Sc bre,0 qua s -- Noit do iddin f-rmidad -

f -.. *,. ,-; o A '- d r i ." ,- .. p .v s -A .
*,-.," A 'i -, -" ? -. ; -; -. a
.- I .. ,.


M S .. a
,." .,


ngresso de Berlim, as grande poten-.
aram completamente livres, visto quo
ham adoptado compromissos quo as
ssem a assumir urma attitude energica
itamente definida. Comtudo a Grecia
e ao acto da conferencia de Berlim um
r definitive e obrigatorio, qua nao
disso proved os seus preparativos
I.
no estado actual em quo se encontra
uia, serial difflicil localisar a guerra,
buralmente se "estenderia a toda a pe-
dos Balkans, constituindo um perigo
1.
bre os meios de cortar esse perigo quo
irthelemy Saint-Hilaire, chama a at-
las potencias garantes do tratado de
A circular do ministro dos negocios
eiros de Franca produzio, ao que pa-
)rofunda impressao em algumas das
Spotencias, a ponto de que as que se
tavam hesitates, decidiram apoiar as
as de arbitragem. Entretanto, a G re-
se mostra resolvida a desistir d.a
rojectos bellicosos, apezar de nao t-
elementos serious para entrar em a*a-
confiando unicamente, seguudo 'se
grande poder do hellenismo I Fraco
na verdade. se nao fosse material or-
ue, a semelhanga d'o qua succedeu'na
iha turco-servia, em que as tropas ot-
s, derrotando as suas contrarias, ti-
depois de presencear qua praticamen-
Sprincipado servio o vencedbr, pelo
teve augmento consideravel de terri-
A T-rquia esta nests tristes condi-
ficar prejudicada, mesmo quando se
corn os louros da victoria. E' urma
qa se dissolve, um imperio, outrora
1o, nue camrninha a passes largos pars
ompleta aniquilacbo. -
inundacoes da Franga e da Belgica
am ja os sentiments caritativos da
a sociedade de Paris, qua vai promo-
certos, cujo product sera destinado
ccorro aos inundados.
ITALIA
ra o boato de que o general Cialdini,
idor de Italia em Paris, se tinha quei-
Sr. Barthelemy Saint-Hilaire, corn
i linguagem da imprensa franceza
de Tunis. Este boato ja veio cathe-
nente desmentido.
diario clerical italiano Verona Tedele
enso por ordainem do procurador regio,
tar ultrages aos reis da Italia em urn
elativo A passage de suas magesta-
r Palermo.
lleceu o conde Arnrivabone, senador do
a Italia, decano dog economists fran-
329 f6ra companheiro de prisao de Sil-
ico, em Veneza.
iromettido em diversas quest5es po-
foi obrigado a fugir do Italia. Na
Sfoi condemnado i morte, pena do
livrou, voltando a Italia' depois dos
pimentos de 1860.
1870 compilou os seus prinfcipaes as-
em um volume qua intitulou Scritti
' Italia ainda nbo foi apresentado ao
ento o parecer sobre o project do go.
ibolindo o curso forcado.
)i descoberta eam Napoles urma nova
'aco contra o rei Humberto. Frus-
, porem, e cahiram nas maos da policia
individuos conhecidos por socialists.
D o rei devia passar pelar Calabria, era
la provincial qua os scelerados trama-
isassinar o rei.
SUISSA.
lemica dos jornaes suissos relative e
uigio do Sr. Anderwert no conselho
e das maiores que se tern conhecido.
iissa nao allemi, que conta 800,000
ites, quer ser representada por dous
os no conselho federal, como succedeu
desdo. 1848 atd 1875. Nests ultima
Suissa allema monopblisou seis lo
em sete, deixando por conaseguinte
para a Suissa nio allemin.
*rnaes da Suissa nao allema -pedem
volte a tradicgbo de outr'ora, pedido
,ern acolhido pelo campo contrario.
uas cameras devem ter-se reunido no
em assemblea federal para elegerem o
conselheiro federal. 0 candidate da
nbo allema e o Sr. Luiz Ruchonnet,
residente actual do conselho naecional.
ie qua elle recuse e qua as camaras ser-
se deste pretexto eacolham um membro
O.
INGLA.TERRA
grande tempestade de nave em toda a
erra, e um violent furacbo causou nu-
os naufragios nas costas. Estbo blo-
cs pela nove diversos comboios do ca-
de ferre. A carreira de vapores do
de Douvres pare Calais e Dstende,
interrompida. Os prejuizos causados
imporal no Tamisa sbo calculados em
ailh~es de libras. -
nglaterra a preoccupacSo dos homens
os ainda continue a ser a questbo agra-
T--i--us U- -- -- w ....... ur[ -,n "~'~ t


inraua e a. insurre,-ot u ous uvo u,
Waal.
negocios irlandezes apresentam-se ac-
ante por um prisma muito menos tene-
E' verdade quo o deputado Parnell e
s colleges, que estavam sendo julgados
blin, despresaram completamente o an-
ito judicial da causa que contra elles
eguindo os seus tramites naquella cida-
andonando-a para se apresentarem em
es, onde fazem no parlamentg crua
i ao governor, caracterisada sobre tudo
systems impeditivo qua adoptaram,
agando as discusses. Mas nao 6 me-
arto que alguns dos sous correligiona-
astantes, os abandonaram porque acre-
em que o gabinete Gladstone dar sa-
o0as justas aspiracoes da Irlanda. re-
Ldo o bill que, acerca da questbo agraria,
:eu no anno passado os deadens e a des-
wvagio da camera dos lords. E' possivel
mo natural que, em presence do quan-
o critics as circumstancias, os membros
mars alta nio sejam tbo difficeis de con-
ar como o foram na passada legisli-
Na sessio do di a 17, o Sr. Gladstone, res-
endo ao Sr. Wedder, disse que nbo ha
acimento algum de mediaggo no Trans-
Svindo de Hollanda, ou de qualquer ou-
overno. "
camara, o deputado Dillon foi chamado
lem. 0 Sr. Parnell disse que se forem
ovados, os meios coercitivos para a Irlan-
primeira prison realisada sera o signal
se suspenderem os pagamentos detodas
ndas de herdades.
i rejeitada na camera dos commons por
votes contra, 37, a emenda apresentada
deputado Parnell, a resposta do discur-
) throno.
discussion da mensagem em resposta ao
arso da corda, continue pois a occupar
isivamente a camera dos commune de
Aterra. A culpa nio 6 do Sr. Gladstone
tern feito tudoquanto tern podido Paft
ella termine, mas sim dos Obar6cCiOW
dezea. -
SdiscusSoes foram aiadti
Udto iasto is_. o que fa
n isuleis o
S- .- dolat --.




b ." ..-. .. .


a -


0
I 0- P
5-


41 :
', s *''


* .i .
u .. .


-. :,
-v
* *


-~*r
S


3-- -
~..1
2 2
:1


.4
I 6 0
V S S
-I


1 0 *


A, ARE-
^


-~ i



- .. 0


1







/

I











i0


V/


* *
* *


<-


?<**. **


m
r


*-, ; .,'.^





















guerre iIqN~da Prfl~uieje at
Irlamdsa. paref sacud oi6amritir b
se limit por agora lel ri e
nomas proporg5es qqMbvW awftro W
quando o fenhmmsmdw m--
gou a constitdr umn MM'perip 1j
glaterra.
ps irlandezes emprehenderam umn mio ci
minho, se por esse pretendem servir a cause
da saa emancipagilo, que, por fim jserit ua
causa jsympathica -a tod_ a Z andi, As-6ua
sustentada comn mais Tranqueza e berdifmi
Per Oerto.que tgovernao igez 'doe she -si
iktado uesa oeesilto 'cemo ni'f The Sege
am dlgMnMn'tmBwnque os iranm es tem qm
i4do hintar onutra e 'seus ,itnaderes,. u ia
auiuio quo p6tle er effieaz ; ta'l a intrrmel
Sdo do pwr ano eofflidto irlandez.
N w sessa de T7,.,da camera deslords, lei
GwreYive. deelaron que uma carts-do bee Il
XIII, dirigida ao arcebispo de Dublin, 'prv
o,mtTnde inflteeee ,to V-tifano 9m ?Sra1r
IrkaMfta eacfaseORa pruAentemente os itran
dwes.
Quante a c4estgo dos boers o8 TransWa]
cada vez se complica mai. A causa d's
qaele pyvo esympathica a grande maiori
da8 naces da Baropa, e lanto marior 6 'o nu
mro de affio6es q.une essa resa vai conei
lindv, quarto imais energicos slo os esfbr6
qus e les empregamn para reconquistar a sua
iadspepdnefa.
00 proprio Daity News, orgio di political d.
Sir. (hliasove, e de opiso qcue nlo vale
pwa gastar saague e dinheiro inglez par
provar qua a (Gr Bretanha 6 capaz de bate
ow boors.
& Ampre'nsa de quasi todos os pfaizes euro
peas faz votos pela victoria dos boers, porqu
o p eito qee dispntam corn as arrnmas a mfi
tea a sea favor a justice, as mais dignas
nebree aspiracefs e as sympathies de todo
os homes livres e generosos.
Urn dos ministros deelarou ha dins na ca
mara dos comm'ias que o governor inglez na
tinha solicitado da governor portuguez auto
risacio peara a passagem de tropas por Lou
renco Marques fDelagoa-bay, como elles lh
chamam), neom earecia de a pedir.
Terminon a qirve dos mineiros de Man
chester, pelo restabelecimento do accord en
tre os patroes e os operarios.
Noticias do Cabo da Boa Esperanca, qu,
as forces inglezas alcanqaram vantagens con
tra os basutos, aos quaes inflingiram perda:
muito series.
0 inimigo foi expulso do todas as posicoes
As perdai das forces coloniaes foram 15 mnor
tos e feridos.
0 governor inglez trata ao que parece, polos
meios ao seou alcance, de remover as difficul
da4es que se Ihe levantam de toda a part,
ji o lado da India, ji da Persia, ja da Africa
Oriental, j d-a Irlanda ; mat pouco resultadc
tern obtido dos seus esforqos.
F.4.IZES-BAIXOS
A noticia da revolta dos boers (campezinosi
do Transwaal contra a dominacio ingleza que
Ihe foi imposta durante o gabinete conserva-
dor presidido per lord Beaconsfield, causou
uama grande impressio nos Paizes-Baixos.
Apezar dos boers nio serem hollandezes (ri-
gorosameate fallando) muitos delles sio de
-ortI'om franceza a outros de origem ingleza,
sao corn tudo da raca hollandeza, e a luta pa-
ra reconquistarcmn a sua inddpendencia, d a
cdntinuaceo em ponto pequeno. da luta dos
seas ante'passados contra a dominacio estran-
geira.
A raca hollandeza nao pdde soffrer domina-
cao alguma, porque preza antes de tudo a li-
berdade e a independeacia. E' pois escunsado
dizer que os boers tem todas as sympathies,
na Hollanda.
Mas de que serve essas sympathies intei-
ramente platonicas, se a Hollanda 6 impoten-
te para Ihes prestar urnm apoio serio, emquan-
to a opiniAo public na Inglaterra nio se
pronunciar em favor dos boers ?
E' certo que os orgaos da opiniiio public
na Inglaterra comecam a pronunciar-se nes-
to sentido, e que ja se ouvio no parlamento
inglez a voz de personagens influentes. To-
davia, a situacilo da Hollanda e os seus inte-
ressos politicos exigem que ella mostre uma
reserve escrop'ilosa perante urea grand po-
ttncia amiga.
0 Cabo da Boa-Esperanca, hoje uma das co
lonias mais importantes da Inglaterra, sobre-
tudo por causa das immensas vantagens da
sua posicao como estacio military e como an-
coradouro entree a metropole e as colonies no
oceauo-imdjco fir occupado em 1650 polos
hollandezes, aos quaes portencea ate 1795,
epoca da iastituicaio do prim iro governo in-
glez.
Foi o primeiro acto da posse dos "stabeleci-
mentos hollandezes de toda essa parts do con-
tinente africano.
Em lB15 a perdd da rica colunia hollandeza
foi consumnmada pelo tratado de Paris. De-
pote da abolii'So da escravatura, em 1833, os
colons abandonaram o Cabo para fugirem ai
dominacilo ingleza. Em 183'7 for fundado urn
estabolecirrento pelos boers emigrados em
Porto Natal. !


Mas esse exodo nao lhes servio de grande
cousa. Em vez de os salvar, teve como resul-
tado o ostender a esso territorio a autoridade
britannica.
Sir Georges Napier, governador do Cabo,
considUrava o Natal comoa uma especie de de-
pendencia do governed do Cabo; reclsmou os
boars como sabditos britannicos, e em 1843 a
bandeira ingleza foi hasteada no Natal.
Mas o character tenaz dos boers hollandezes
nao se mod:flcou. A maior part delles emi
Wraramn sob a direccnao de Pretorius para o
Transwaal, onde estabeleceram em 1851 a sua
republica independent.
Polo tratado do Zandribier o govdrno in-
gloz reconheceuern 1852 a independencia des-
ta republican. Em 1872 o Sr. Burgers (qae
desampenhou desde entio um papel deplora-
velN foi proclamado presidents da republican a
cinco annos, depots teve lugar a anaexacio a
Inglaterra.
Como se effectuo. essa annexacao ?
Senio fosse a leviandade (para nao dizer
traiqo) das autoridades. nunea a' bandeira
ingleza teria substituido a bandeira tricolor
em. Pretor a.
Nos primeiros dias de janeiro de 1877 o pre-
sidente Burgers recebeu um despacho officiaL
do governor de Natal, informando-o qua Sir
Theophiluais Shepstone, commissario especial
de sua magestade britannica se preparava pa-
ra ir a Pretoria. Sobre o fim de urma missao
nerm palavra.
0 commissario britannico DU6z-se a cami-
nho.
Em tola a part foi recebido corn enthu-
siasno. Apenas levou comsigo urma escolta
de triata soldados de cavallaria e o tim da
sua viagem parecia ser estreitar os lacos de
amisade, entice a reoublica e a colonia do
Cabo.
Sir Th. Shepstone nao havia dito differen-
tes vezes que a sua missio era entender-se de
urma maneira pacifica corn o governor de
Transwal acerca das relacses entire os bancos
e Os cofres, visto quae o governoro britannico
era de parecer que toda a eliminacio do pres-
tige dos bamco erh faco dos cofres no Trans-
waal pod inflair perigosamenteo nas dispo-
siVe dos inmlgeaa nas colonies limitre-
phes ?
Mase ovAro iugle& foi maia forte. Os ban-
ause.a ropetiram-s. Oc. frequenoia, e meio
aSgun foi poupa.o pelo agante de Iprdi Bea-
cou'tield para dispOr em seu favor a opipiio
publics no Tranawaal. PorIuimno ,hegou a
eapitaL da republiea Pretoria. anude es at 6
certo ponto urma estrda brilhante e ruidoasa. '
A maioria julgava .qua o tim da viagem
ira travar ralacomes aigavei8, entire o.Naal a
a wpnJbiMiea.
Mas :h S ad Pretoria, Sir Theophilua
deixou c sir a mascara. Declarou que havia
"ido eamrelda da missAo deorganisar suns
Eoiedlrpgi do todos. os @stados da Africa
austral; e quoe estava pois encarregado de


a- I ecto fI "4 "mM do cmi
nistro inglez das colonies. lord Carnarbeu) fo
a- rejeitada pelo conselho [ Volkaraad 1.
sa Depois d'essa votagio SOr Th. Tdhloni
La teve ursa entrevista corn o0 vice-prsiidente
MI A.fmogie~alo "a ufa oim As- H 68H o a'-
asa cues oo tamente 4oeeliaand..q4, .av'
fa encarre dpain sa .goviao sdo anbaar a
n! renDIuUia.as OWeWM08!fa. "
a- o.&a l ZeO.jaiEO le?77 a bhdeira in
m glesa trenmulou 4a :PrAtnra. A tral9o ha-
.-' via triwmiphado.
Os boars sreuwjasubditos ibgleesos.
A Sab.,se o qae suocdeu depois.
o ".ma d.piudaaO do Traowaal f~i mandada
i Ls cOrtes europdas, mas seam resultado a.1
a guru.
L- Todavia bs boars (os boers hillaUdozea) por
que oas boers inglezes haviam conspirado
1, contra arepublica, aao sej ulgaram perdidos;
- nao cessarana de protostar contra a viulagao
a doe tratsdos, e direitos deas gentes.
Depois le muaita resisteaota isecidiram-se
emfim a reconquistar pelas armas, o quo ihes
i havia sido roubAdo pals traiglo.
S A 1 de dezambro de 1880 as fllhoe de
Huys (P. Huys, foi um dos gaerreiros mais
o intrepidee dos.boers hollaadezes) enotrou erom
a 2,000 tranaswaliaaos em Dardrecht, e alguas
A dias depois, a bandeira repqblicana era iada
r "nas torres Pretoria de Utrecht, de Dardrecht.,
de Leiden, e de Heidelberg.
Os Srs. Kruger, Pretoriuas e Joubert, fize-
e ram uama proelamagio, em iaonme do governed,
o e do Vojsksraad, 4telar*nado qua o s boers es-
e tavam 4ecididos a iasigtir par o'bteram a saa
independencia.
Sabe-se depois, o0que aconteoeu no Tras-
waal.
0 ALLEMANHA
Sabe-se que o chefe do partido ultramon-
Stano, o Sr. Windthorst, dove apresentar pro-
Sximnamente a camara dos de utados da Prus-
sia, urma proposta de lei peiudno a suppres-
so das penas contra os padres, que, depois
de interdictos, disseram missa, e admninistra-
ram os Sacramentos nas parochias privadas
e dos seus pastors. Bern que esta proposta
esteja-apenas em project, ha ji a quasi cer-
s teza de que sera rejeitada por uma parte
mesmo dos catholicos, e em todo b caso pelo
Sgoverno. 0 Sr. Windthorst concoboeu a sua
proposta na esperanca de que o governor a
approvaria come preco do apoio qua o centre
Spromette a political do pnrncipe de Bismarck,
Smash e possivel que tenha errado o ealculo.
A linguagem ministerial assimf o faz
supper.
6s separatists, qua forinavam antes da
sua separacio, a frac.o mais liberal do an-
tigo partiido liberal naclonal, resolverama
Sapoiar a proposta Windthorst, mas dom urna
emends.
A immanidade proposta pelo deputado ul-
Stramontane, deveria ser extensive ao exerci-
cio do culto em todos os pontos da parochia,
emquanto os separatists so a querem se os
Sacramentos sao ministrados e se a Missa 6
celebrada fora dos edificios publicos.
A proposta Wiadthorst, como se v6, rasta-
beleceria a liberdade do cults publics ; a dos
separatists diz apenas respeitd a liberdade
do culto particular.
Esta ultima sera portanto mais difficil de
combater.
Seo governor a rejeita, o seu procedimento
significara quo., se nas parochial ngalo houver
umn padre-que se tenha submettido as leis deo
maio, os habitantes d'essas parochias n 6m
mesmo poderto ouvir Missa e communagar em
suas casas. Nao 6 provavel que o governor,
quando a question se apresentar, leve a um
tfAo grande rigor a applicaglo das lets de
maio. A discasslio da proposta Wmdthorst,
e da emenda dos separatistas vai pois ser a
pedra de toque. Essa discussion fari ver-as
disposicOes actuaes do governor prussiano nas
questOes religiosas e podera, por coaseguin-
to, modificar o agrupamento dos partidos e
as relagoes de cada um delles corn o go-
verno.
Comega a produzir-se na Prussia uma reac-
coa energica contra as promotores do movi-
mento asti-somitico. 0 caso inaudito 6 no
paiz de Frederico o Grande, d'esse monarcha
esclarecido e tolerante que disse ; a No meo
reina cada qual podera trabalhar na salvaglo
da sue alma como extender, e na P~russia
quo se via abrir essa campanha de intoleran.
cia e de fanatismo, de que se nao encontram
exemplos senoa em tempos felizmente pas-
sados.
0 padre Stoecher, que foi a alma do movi-
monto antisemitico, depois de ter side o seu
iniciador, comega a modiffcar o seu procedi-
mento e a attenuar o que as seas primeiros
ataques contra os judeus tinham de insensato
e odioso
As classes elevadas, e, sobretudo as classes
populares, teem-se conservado afastadas d'es-
sa estupida agi~agio, e suppoe-se quo nas pro-
xirnas eleicbes ficario derrotados todos as
candidates suspeitos de favoraveis-as leis de
excepgio.
BUSSIA


Contrariamente as informagoes pablicadas
ultimamente, nosjornaes deLondres, segundo
os despachos chegados de Terehau, Os russos
alcangaram urna grande victoria na Asia Cen-
tral sobre os turkomanos tekkes.
Depois de dous dia de combat, os russos
apoderaram-se no dia 10 das obras avincadas
dos turkomanos. As perdas dos dous lados
foram muito importantes.
0 general Skobeleff, diz-se, batea-os com-
pletamente, apezar de serem superiors em
numero, e assenhoreou-se da important po-
siciao de Geok-Tepo.
A Russia para nio perder o ensejo, prepare
o caminho para o Afghanistan, submettendo
as tribes tekkes, qua poderiam cortar-lhe a
passgem.
Corre a boato de um project de accordo
entire a Inglaterra, a Russia e a Allemanha
Acerca da nova linha que a Ports aceitarL.
Realisada o accord, ria ,f Athenas um di-
plomata russo para aconselthr i Grecia a
aceitagiao da nova linha de fronteiras.
ORIENTH
A Presse de Vienna, acaba de publicar o
texto da circular franceza relative aos nego-
cios da Grecia, de qua tanto as tern fallado, e
qua contdm a proposta'de arbitragem. Essa
circular 0 datada de 24 de dezembro ultimo,
e cdirigida aos diplomats francezes no estran-
geiro.
Segundo parece, o St. Barthelemy Saint-
Hilaire, refuta a interpretafao dada pela Ore-
cia a3 decisoes da conferencia de Berlim, a
qual segundo aquella naclo, teria adjudicado
o Epiro e a Thessalia a Greecia.
a Ha n'isso, 'diz a circular, um erro eviden-
to que tern sido muitas vezes rectiffcaft,, e
que 6 precise rectiflcar ainda toda a vez quae
alle se reproduza.-~ As potencias em confor-
midade corn o artigo 24 do tratado de Bferlim,
chegaram na conferencia de Berlim, a fazer
um tragado qua ellas apresentaram as parties
interessadas a titulo de conselho, mas que
nao podia tornar-Se deflnitivo sem o consenti-
mento doessas parties.
A Turquia nlo aceitou esse tragado. A me-
diaiao, a qual as potencias se haviam corn-
promettido no congress de Berlim, estava
terminada, e a Europa desembaragada das
suas obrigales. A Turquia propoz entho ne-
gociar sobre a baze da saas antigas propos-
tas. A Qrecia recusou, eapreparou-se para a
guitrra. .
A. dRo ws que haja uma intervengto das
potmleia*, U-p0vavef ulna colfstea em abnril, e
BnO .tbido s txuald Turqnia, sepia difflcil, se-
'guunda ictrjlu frauneeo0, localiaal-o.
8 tad beUdI* tafetm-g par a prdoes Es-
_ odoa wcwLw I -
t Ike aoerem rs
convi'g qua aX & S
i "Z ; r wn


wa it i
i de Atbenas como rejeitada. Xassfeas folh on
sideram a.guerra como uma simple quest
i 'de tnepo e dizem-U'o ioevit*I..
A coina porem, nio esta ti'feia cobo pri
.A diplomaia aiana aDo U i ae a sua uTnim
palava aria pito dsuast o, o aiaea. retmm
ciou 1 sua aegAo paci ed.
Dizemn d Rrfmaquegando as ultimas co
-, ticias orecbidas n'aqueia capit~a, a 'ranca,
I gIlaterra, a Russia, e a It a, 9 erteo de0 e
cerdo para urma aeo collective junto do go
verno hellenico.
S As reapoatas da Allemanhaa da Austria sa
ainda esperadas, suppobdo se todavia quoe
Austria adherit.o
r T4olegraamaa ohfeiaos .e Vienna eer
SliM approvals a oeitular da Turquia, consider
; raindo-a como ponto de partida par uama so
SlucAo pratica da qOestao grega.
De Vienna annanuciaim que a circular di
SPorta foi entregue no dia 19 de janeiro a todai
B as poteneias, quae a consideram conciliadorm
CrA-se que as potenciaa antes de adherirem
D ped.itfo iPorta qee indique as suas ultimau
SconoessOes. Aneqoci*o duraria,o mrm*iuim
quinze dias.
A circular da Porta, de 15 de j aneiro deehftr
que uoe perigosa a attitude da Grecia para a pa;
da Europa. 0 governo ottomasao espora do
j ustig4 e da imparcialidade deas potencias qu<
Sseja proposta a reuniko do urma confewenci
de embaixatores em CoanstaUntinopli.
As noticias de Vienna conaAmam quo as p0
tencias nao reaponder&e a erreular turca anto
de eonhoceremn as novas concessoes do gover
no ottomano. CrO-se que a Turqaia cedeor
Larissa, conservando Jaaina e aetzovo, que
situadtas como estao na linha.das MontanAhas
formamr fronteiral natural centre a Grecia e a
Turquia.
A Presse de Vienna, tratando da situa 10
dos negoeeios do Orieute, faz algunmas refle-
xoes aeerea da possibilidade de so renovar o
accerdo des trfs imperadores russo, allemao
e aaatrisco, que merece cbamar a attenclo
por mais difficil que seja, chegando aquelle
a ser am facto, per casa da diversidaoe, ou
pare melhor dizer da opposicio dos interesses
da Russia, e da Anstria-Huagria na penin-
sula dos Balkans.
SSeria facil localisar uma guerra eveuntua]
entire a Turquia e a Grecia (diz a Presse,) soe a
Russia e a Austria podessem entender-se, e ha
mais de um indicio que autori4sa a support qua
tern havido movimento ano s6 entire estasduas
potencias, mas tambam eatre a Russia o a Al-
lemanha, uma tentativa de aproximnacio cu-
jos resultados nao poderao fear ignoradoe
por uauito tempo, post que devem mnaanifes-
tar-se necessarmmento nas relaqGes interna-
cionaes.
s Nao 6 para duvidar que seja necessario
vir a um accord, e emqusnto aos inteoresses
austriacos, parece que seessa eventualidade
se realisar, ficariam completamente a salvo.
A primeira alliance mostra cjaramenite os es
colhos que teria que evitar um novo accord.
se se quizer seguir no Oriente urma political d4
aegio assegurar alli a tranquillidade.
HESPANHA.
Acerca desse reino escreve nosso corres-
pondente de'Lisb6a:
a No parlamento hespanhol toern continua-
do a mensagedn em resposta ao discurso do
throne.
c Foi votada per 209 votos eontra 65. 0
minitro do reino maadaita pedir a todos'os
deputados os que estavam ainda nas prwvin-
cias quoe ao filtaeemi a votagao.,
a Na camara dos deputedos a o Srt. Fran-
cisco Silveta, discutindo a respeito A mensa-
gem da coroa, disse quae pertence ao partidt
conservador liberal,e queo dtfende todai-se pre-
rogativas da coroa. 0 Sr.Canovas respendendo
aos ataques da opposigio, louvoa o general
Ravia per ter expulsado as cortes em 3 de ja-
neiro de 1874.
S Os oradores opposicionistas trm'colloca-
do, nas mais critics circumstaneias, o Sr.
Canvas del Castillo, qua inlste em tonA-
servar-so no powder corn repugnancia mani-
festa do paiz, e corn prejuiso da dynastia
quo ajudou a restaurar. 6 Sr, Canovas quo
eum prodiguoso talento, nlo omprehende,
ou tange nao comprehender lutoe Esta dan-
do forqa ao partido ropublieano, affastando de
si as liberaes de todos as nuatizes, aos quaes
repugna vet coma silo se entrega lee brdqos
da reaeio, como perfilha a linha de procedi-
mento do Gonzalez Bravo, q. deo em resul-
tado a qued. do throne, de D. Isabel II, coreo
todaa assua fuafestae consequencias, qua se
deriyaram d'este acto. E' realmente para ad
mirar come as licoes da historia nao aprovei-
tern a aortas iatelligencias, ainda megmo quo
estas seja~m cultivadas 0ooe0 a do Sr. Cano-
vas del Caetilho.
Estio annuncrados na comers varias in-
terpellagOes ea relaeao a politic exoterna do
governor, e sobretudo do president do conoe-
fho de ministros.
r c As cheins coatinuavam a causar grosses
avarias em todo o reino.


SEstiao-inundadas as planicies de Granada,
Cadix e Sevilha.
t A commission nomeada pela academia de
Bellas-Artes de S. Fernando de Madrid, paraa
representar no centenario do eximio poeta
hespanhol Calderon de la Barca, deliberou ee.-
lebrar certamens, construir um magnifico
mansoleu, illaustrar uma das comedies do ce-
lebrado dramaturge, cunhar urna medalha
commemorative e organisar um concerto.
( Em todos os circulos politicos se falla
bastanta no empenho que mostra o governor
em obter outro interregna parlamentar, que
permitta a Canovas reorgamnsar c ministerio.
,be tal acontecer, 6 muito possivel, que tome
conta da pasta da justicga o deputado Vida.
Em todos os jornaes, e por iniciativa da
com jissao dia imprensa, s5 abrio uma seglao
coin o titulo delCentenario de oalderon, na qual
sto inseridos todoe os s aasumptou referentes a
esta grande selemnidade, porque todas as
corporaqoes a todas as ecademias mostramn o
maximao. empenho. -
a Parece que alguns monarchicos conser-
vadores projectam um baasquete para 23 do
corrente, din do nome de el-rei D. Affonso. v
PORTUGAL
De Lisb6aescreve nosso correspon.
dente em-23 de janeiro:
STern sido fotissima a inverneira e
tonga vai ja a relagio dos prejuizos acu-
sados pelo transbordamento dos rios cau-
dalosos e dos seus affliuetes e confluen-
tes. Em Alcantara, quae 6 como sabem
um bairro de Usboa, a cheia da ribeira
d'aquelle nome, fez tambem das suas. 0
rol minucioso destas inundacoes serla
quasi que uma repetic;o do do inverno
passado, e ainda agora a procissgo vai na
rua, pois a inverneira comeuou muito
tarde. -
a Nao menos tempestuosas tbm sido as
sess6es na camera elective. A opposiao,
como desaffogo, ao logo silencio do in-
terregoo parlaawstar, e Wuito& irriLada
pela fornada dos 16, pares que Ihe ewmm-
chou os pianos, deei rn dar batalib ao
ministerio na discuss-o da resposta ao
discearso da cor*a, doaimeato parlown-
tar, us, q w j do algm anmosm era eW
tyHo ser couidorado Como MUpes actor
do cortezia para com soberano.
cOaNdeb s Moaehuadiuimome
allops radI WOm4kte lwadS 16 sub-'
mwiftS'Ehhi'i* corilr o fr. niovMO


M as legislati 4e I4qu$StA itc-:J
_PI-o agora siiinJMeulm m hoar,


f0), A.. Bra nOI ( oaInlglata -ekFrAW PiOi6 l do n lf 14 recebi
Ak i lho), etc., etc.; 4 Guardadas0 m e iRore ri Wl pooPaor dt onduz"o
A fi-lltancia do j. l 040ni'e ap4eto 6 poibtslkARb iatible. aft 111 n mi. f 1ou hen-
tralbo relator d9U4Mb 1 4 Consta queebof. ,onb4e ..g irtn ob o ^ uaho Soeh
.a,ono sarnamen. I a .iK.astro, que 80i*wb w^ ,,4 kl r ata= in w arril, o
phran anas e coi0ti'q io n0 'tfleiario no Rio &6 beiro toi coauTladoUm.I aili'bti, Ior t I W~ r0m oin-
2- dsdoro Pra tato de sumptrarmaterial nero paraa rues.
desdouro paras partidos monarchicos pelo telegraph se queria vir paroa olugar ma coampanhia, quelo sea ultimo cntrae
Lo U wtarf 4 2At fia cbI do 4.Wao, 'qfe. ima v IWO ministerio dos negoclos to, nao so se acha obrigada a substituir seus
OMi trtdo co 0rotfto, 0o'brltudo n1 estrag.iros Pilo fallecimento do conse- actuaes trilhos, cometambem eata adstricta
A %"raOsentor wo w s 10ke wii
"' 0regresso do Sn. h'midt &noes tsto mais
G 6 aMMtO cob ntitmi lquq oAo 'st. ltt r a f t la'"to era! Uda- grato, quanta sa-a f rhuei t ista sendo
,e j- jorGM, D 4opw r aftr,, e .r aggrMdidca [aaa, a ua em fiecio.amio da dir o- carrots da companhia. por isso que linhas e
908p4So 4Oi OOIUO OOnivenu etas ati4a dlo 4neso mfmtgio. No ClSo 6 carros, em todas as direccoes, mas prineil-
a ,peSsetdo~poi'soe onnienie en t'riad0q[ m|ist~o.NO ascde'monte na da Magdeletr, 'eetatm .e del-
;': m ov es queeetroese B tenrbniam-i ..ce S..B d Noueik fc
"nso* b aceIta~o JOrrlgue ser& noieado fl~i digces pouco satisfactorias, e o serving ia
a"dmiWteai oa re ador4.. portaguek bt tio de Janeiro o Sr. Ma- cada dia peccando mais par falta de regula-
o, A A elebradasw 6s -8s dos coroweis 0riano Cyrillo de Carvalho (redaotor do ridade.
Ster sid objectI de reiteradas expli D opuar Enpossado o Sr. Schmidt no seu horse
sa torn sido object de reiteradas oXpliftgOm Di~sarw Poyn4Lar),. cargo, cremas quo tuds isso seroA ,emIloAiO
naiomara do.depobts. 0 Sr. Able. e Ea-ho-ae tattibeth ottia verso, 0 6 e quo cessarno as reclamaroes que tomos on-
Sotzaz lioa e u (oedimento, is '6,que, desjando o Sr. Mathias de Carvalho, Vido de muitas pessoas, rhesmo poiqf, bn-
Squo to prisip. ,pbr occeasilo de se con- que eoseso ministry em Roma, regressar do nmaturasl qe a compnhia dentro mA bt e
cedera em oft e geowral de diviso ae a Liboa, i he 6 olfferecido 'o tlugar do fa- condigSes do sraeo meihoranoi conside-
a Coonel dosfaiekrte .Af, A de Campos 4ecido cousethfro Vonteverde, voliando ravelmonte, ganhando earn issoee pabBho
. $e faHieco -m eoaeeqniaeda de ema nesse caso para ioma o Sr. Boages de queserAmelhorservido.
p, bwe aO a apa.ada Ma mOWbras do Castro ,e irdo aiumbem nesse caso o Sr. Passamento. Cartas de Paris noticibeh
a e preca q desee pr- Mariauo de Carvah a o Rio. que, em Ineiados de oJ. ritro, falleeeu ili,, vfe
00out0aemo) s ods t pweca re -iesse pr-Ma .deCrvaho a o io. tima de padecimentos antigos, D. ViTgiWit
,cedolte so podbsseaw apr V itar mais de Lec]erc (outr'ora D- V. Falque), quo pornmui-
6obs8 ceomhis;;ueqmuoU c:mu6 tIi .... ,s--h tos annos foi aqui proprietaria da fabrica de
7 6,qu vio que oip e#edmte 6 & aprovertar cfbwwa T chapeos de sol, a rua Primeiro de Margo n. 4.
Sao dobro e-ao ripto ; quoe osseus colle- alkalia U A Era Sra. de corasio magnanimo e bemfaze-
' gasB em slho deo iaitrbs a~o oC -- .....0....0. .jo, que entire nos gosou sempre de verda-
deira sybipathia. e de born acltinw&nrto.
darn ose a o de despa e qw T t toes.-Por pdrtaria da pro- A' se inconsavel esposo nossas condolen-
Salara ass a do d e~sidencia d pr vincia, de -3 do corrente, foi cs
F6lgara oats deses deeoro dgouda.'e nomeado Gelaine Pere Moes, 3. sup- ineiro.- 0 vapor sirito Santotfie
Ssepavr-se delles, mas mo se separam plente do juiz municipal dese mo Dinheiro.-O vapor EspirtoSantotoe
- amig qu e epresam, embora se encon- AiWt4dades toIledaes. Por portarias Luiz Goncalves da Silva & Pinto 1:400000
Stream divergentes n'algum assumpto. da ptsidencia da provifcta, de 4 do corrente, MIonhard,'Mettler & C. 18.I20O
Asaplica do. ministro do reino i. 'sob proposts do Dr. ,chefe de policia: Generos alimenticios.-Pelo navio Br-
A e b leidrSOcad iro dequo a o Form ei eriados: Joo da Silva Santos, tannia e pelo vapor Gironde vieram para nos-
bre este melidf-ase UfApulo, de que a e btisoRfge dsSnse1.e
breeHpitul, mF'dera0ncisso Rod2igues dos Santos, d 1.o 0 mercado: ameixas, 31 caixas; bacalhao,
SforLinoriaaquiz fazer cavaiodeoebatalha, 2.0 suppleates do subdelegado do district 1.686 barricas e 255 meias; champanha, 10
foram catheg OAios, cheias de expresses do Bdbeibe.l caixas; conservas, 41 ditas ; lieores, 35 ditas;
doq affect para com 0 ,Sr. Aare eo Souza Foram nomeados snpplentes do subdele- manteiga, 15 ditas; masses alimenticias, 20
b aact o p ra a ter Sido epso gado do dst/icto de B eberibe : Steliano Pes- ditas; mortadellas, 1 dita; queijos, 31 ditas :
(que a opposiio bradava ter side expulso soa de Lemos, Martinitno Gouvda de Mou- sardinhas, 10 ditas; -inho, 398 ditas.
S(Sic) do gabifite. ExKlicou-se o Sr. .as- ra, e Francisco Jannario Nunes da Silva. Arcadia Litteraria.-Essa sociedade s -
troa, OVO MilJisLro da guerta e de todas Caes da rua da Aurora. -Da secretary lebra amanh, As 10 horas do dia, seasso dA
P~ta pxlippnpi infA< n~ rpnitvamda pre'sidencia Wo-nos remettido o seguinte aaia s1 oa oda espd
estas explica6es juntas unao resultavam da pr osidenublicar fns rettido eguinte assemble geral, para a eleicio da nova direc-
acolfradkes. Pois whon-as a minoria e part publicaro toria.
cotr es. Pt h -sa or a Ministerio dos nego'ios da agricdltura, Rio da Prata 0 vapor francez Gironde
como ultimo rocarso qiz fazer etcandalo, eommercio eobras publicas.-Direetoria das recebeu, em nosso porto, corn dstino ao de
l seftoQ mtarros valentes has secretariat, obras pubticav.-3 secdo.- N. 40 --Rio de Buefios-Avre, 500 barricas corn asstcar.
Janeiro, 20 de novembr6 de 1880. -- ll1m.e
Sbarafastou, fez chinfi-im, cono diz aqui Exm.S.-Devolv a V. Ex., Proviciado Cear Pedem-nos aa Pu-
a plebe talfacinhav. ssea officioo6Srdeovout ub V oem iesposta blicagao do segdinte trecho do relatorioada
a peb l~c~na o- sea officio de26 de outubr6 proximo pas- inaugt~racio da socied-ade Cearense Libeta-
S Sobre 6s motives que presidira i sado, soease aaesmpeza ro uco P dodoradads Ceare Li -
Sidea de proper a cor6a a nomeaglo de da parte do cees da rua da Aurora, na ex- Por entire palmas surgio na tribune o
tnais paws do reino, tamrbem foi o born me tremidad do note, T io puder ser feita corn sympathico Dr. G. Studart, coma represen-
os recarsaos das drba consignada par a con- tante do Gabinete Cearense de Letura.
o bonito. Muitos atcog assumptes se tern serva-eo do porto, ser6i precis agaardar u De estylo dourado de todas essas filagra-
ahi esttayardo, e por fila 4e cents o pro- quoao poder legisla'ivo a decrete, vista nao nss poeticas de qa o illus'rado e joven me-
jecto de resposta ha & se votado talvez existir credito especial para aquell im. dico sabe revestir as suas prodwcces littera-
na seg afera (25), por grande ma- Devolvo os trabalhos qu companharamn nrias, devia, como o foi, o sea diecurso, ser
ria Wiqulle officio, conform V. Exc solicitou. ura prece, urma supplica ao coraclio sensivel
--Deus guarded a V. Exe. MI. Buarque de Md- da mulher.
Disse estragado cauito de proposito ; cedo. Sr. president da provinucia de Per- (( 0 illustre orador primoa pela escoliha
porquanto as utlnorim naestes outeiros par- nambco-.D r on a e ess object amad commolegitimode
((d'esse obrectdiamado some mete legitimo0de
lamentares, abocanhando todas as ques- 1 2Ministeiai mer e realisar urn formidavel contingentse a erat-
toefraqueque mas ,obras publhcas.-Decreto do 31 de anosto de da abolicionista.
t~e& enfraquedtse, oue mats taede, 1874 e aviso da maema: data n. I,5il. Di- (Do f6rma sublime sunguam da cra prosa
quando tem de tratal-aS ex-professw, j rectoria das obtas de conservaco dos pot- brilhKante notas dulcissimias e qua entremtat-
a matoria cntutee a fat dos seus argue toe da provincia de Pernambuc6. Escripto. das de ura mimosa carta de C. Alves 6m
neatos e os segredos da ava tactical; s rio do engenheiro director. Recife, em 25 perfeita analogia corn o seu discurso, fel-0
dorado ddoutubro de 1880.- Iia. e Exm. St.- collier metecidas palmas, enthusiastiidos bra-
0radolra da, Opokao'4o aft ft n de VetEm fttprimento des orders do V. Etc. yes.
tar iquelles assumptos somo.quie ste ea- oxatAdas em officio d'e 11 do cor-rente, in- Exames de preparatorios Eis o resul-
VergenQam dkfepizar as s abetus ijnvw cluso trenho a honti de remetter a plant e tado *m qme S effeetaratm hoftemi
as e deoreproduzira mesmissima oamento dat despeztas tfazer se cn re- Arithmtica.-Plenamente 1, SimpleeMento
meutasIe e proia s restt oissifa, aesa ccnstracco do lanco do c'aes da nra da Au- 3, reprovados 6-total 10.
-et epla, na e-UtiSidside dant mecrna nun. Geographia.--Distinecao 1 simplesmente 7,
Se a f6rmina, afrouxam-se na diaectiCae Deus guarded a V. Ext.-Illm. e Exm. Sr repovados 3, faltou pra al 1-total 12.
pardem terteno qao rem poderatni ga- Franklin A. de M. Doria, muito digno pre- Nucleo Dram atico-rEssa soiedad fa
6har da primeira vez nem conquistam da sidete da provicia. engnhero, At- sessriao amanh, s 11 horse do dia, no edificio
segadnia; Vi.ente do NasPOtacimetOto Feit s qe J. do theatre Thalia, para dar posse a nova di-
segtVindar. otato alsoa m qleo iso tcamento qua s refers este offi- rectoria, e deliberar acerca do proximo espec-
stalva de role laser Utltdalhsbo Aom pro- Cia 6 do 'A2:I8 a tacula mensal.
dour debates apaixonado0 na discossio Efpa~eamento.- No dia 3 do corrente, Propagadora da Instt'uiho Publiea
da mensagem cor6a era auional e isto, as 9 hoas da aorte, foi recelhido ao hos- Cinco cidadbos qualificados da freguezia ds
ereprseta u retrocesso parlaenspital Pedra I1, temottido pola poi da Varzea, autorisados pelo conselho superior
queoersnau tocsopraetr freguezia da Varzea, Jose .fosqutim Mantel- da Soeiodade Propagadora da Instrudegio Pa-
foi altamente inhabil e a minoria the sen- to, pardo. de 28 anmos de idade, solteiro, bliea, convocarar urma reunio de sueas pa-
sentira o erro no decurao da sessae. Ainda para set tratado de divercee feriientos quo rnohianos, afirse roroganisoram a eoh8eiho
ha aais a o~tibante aboquata Ihfizeram as indiv~u~os Jabo, Domingos, director di mesma Sociedade n'esa freguezia.
ha mnis: ocmttrbaite abe quantoc- g de Tioipi^d, T a aSo ^^^
thsasa; e oBatnto, no lagar Jangadinha do Tiii Essa reunilo deoe ten- lugar- amanhi, pOlae
ta cada dia de sessao ao thesosso ; s o OS se do destes capturados os dams primelrOs, 4 honas da tarde, na peroalo do aangl.
debates sao para emendar, corrlgir OU e evadindo-se e altimo. Club Commercial En teape-Coino un'.
VeJetat oteerto e dotermiuad9 projecto Os fernmantos, quo f-oram considetados mero do od es, quo compirecer, dove area-
deo di debate peatico, nao chora o graves, por procisars do mins do 30 dueshi, ae meto dii, realisar-se a assenblea fie-
se rco dinhiro, qu tato the custa pa tvo e paderem prdzir defeito ral dessa associae^, nao s6 parn apteciar
sen ico inhiroquatast lh cusa apbysieo, etonsiteft : em du~s feri die cox~tn- relat~nrio do seinestte findo, coopreceera
ganhar; faus qando observe estas intern. sas, as rqule parieltal ecquerda (euboea), ?leio di now's direetaia.p
peranGas oratorias putaftada mais que sa- interessando o couro cabelludo ats o 0550, Locomotora PernambTeaua--D 10 do
tisf^io do vaidades, desabafo prolixo de da exteasno cada uma do quatro centime- corresto em diante a gerencia doess erptev
despeit0a, ouprurido de locu~o, deplora lios, e em sentdo obliqu o; outro us parts eleven us preqos do transport. now seas air-
despoitos, anterior do lobolo di o~relha eaquer-da, dta roe pela forms seguinte: pot sacca do aso
a tempo perdido e maldia de um system extensbo de trns centimretros; o uma gran- car da ostagie dssCinco Pontus so Recife 200
em qua a parlanda e a base e a essencia, de contusea, corn ecchymose em todad no- ndia; po-ersaca d5 a2godlo da mesna osta91o
e as cousas ateis, meros accessonos. .,oa,,Sapu- ra. e inchacao do bra- so Recite 200 rose; per pip s do aguardenta


demais estao peiadtes ainda mai- '-` co;;Qtuaa o5e,"u ntoS-,fereanrts dsssa estacso ao Rec ife0; e per sacde
t E dpe'do pidenl ida eul*conia eti e s o in menuto.--Refere a parts assucar do& trapiches aos armazens 100 rdis.
los projects de fazenda o ooi pouca s ponlicial as souintee faetoe: Complnhia do eberibe -- Depis de
propostas essenci^aaeUs praticas, 4os di- Alguns cidsdos da pooaco de Aliana, famanha (7 do corrento, so meo dma, no aundr
versos ministerios. No seo pode allegar pertencente A comarca de Nazareth, tendo terreo do preodio n. 61t da rus do Imperador,
spretexto desaid avisados de quaum grupoe d padres, dove reunir-se a anembl6a geral des aftio-
para pretelto destas digreu6es tribunicias domiciliados, no lagar But-is; da imrarCa do nistas dsesa companhia, pars, de accordo
Sfalta de material prima, e, se porventura Goyanna, ptenda st aqulla p corn mo art. 52 dos respectivos estatutos, pre.
o goverwn fose denstado iestricto na cao, reunuram-se cora o subdelegado respoe- cOarn resolve sobre a reforma dos mesmos,
9am inis tiv a BS ados asste o0 di- tivo, no dia 217 de janeiro proximo find, e so qua se acha feita.
raeit doini e i &, L dirigirim ao referido lugar Barris, arim doa s Pars realisarse a sessfio di assemblia go:
certifcfem dd e sai^ tia, do dito grupo, e, ral, 6 indispensavel qua comparegam, per i
c No die x25 dav*e S apresntiado na se fosse possivel, 40t4t1sa9. tpar procuradanes osp.ciaos, accionistas
camera dos pares o project de resposla, Effectivmente encontraram elles no lugar qu represent metad e do capital dacont-
Sfalta do throne. E' relator r. Ato- Barrios cerea de o30 ladroes reunidos eo m um pnhis.
di dor Vo o casebre, e esses ladrOes, apenas avistaram 0s Fesia religiosa em Olitda. -' Celebra-
nio Rodriguos SnapaiO, 0 danB6o1U o, referidos eiidlaos, fizerami ogo contra elles, se smanhi, 6 do corrente, corna o devido es-
ministro quo foi corn a situaglo regenera- travando-se enti uma renhida luta, da quiT plendor a festa do Noses Seshora do Am-
dora. resultaram,: a maort de Antonio [tabaiana, paresns igreaj daidade de OlmdUa
tCoincidenia notavel : se ao ST. Ma- celebre crIminoso as comareas de Nazareth, constando de missm solemne, itsI horse
taGoyanna e outras, e o ferimento do um cors- da manhi, occapando a tribana sagnada o
rianno de Carvalho podiam, como retalia-panhro de nome Joaqaim de Mello, qu foi Rem. conego Antonio Manoel de Assump-
9ao, os seus adversaries relembrar as pala- preso, evadindo-se os demals do grupo. ceo, e To-Dem rn is 7 horas da noite. E' on-
vras desagradaveig qae pablicou oa fez Quanto aeos paisanos, ficaram feridos grave- 6arregado da orchestra o habil professor
mente Jose Fnaneisco-de Mournae Luiz Amiaro, Trajano de Barc(ilos.
blicarnoseujornal,aoSr.Sampaio, se e lvemente diversos oStros. nos Esta
acaso a mensagem a cor6a iver Os cam- 0 delegado de Nazareth, quae so transportou Unidos.-O assuear brasilecro esti amea cdo
primentos do estylo, poderiam as seus ao local do conflieto, tomeu conhecimente do um grande meal
etnulos. recorder o quoe outr'ora escreveu dos factors e fez as diligencias reeommenda- Segundo refers urna carta dirigida de New-
no celeberrimo Espectro contra a SrL D. des na lei. Yord para uma casa exportadora desta cids.
Maria II e semu maride. Stiarlo do Oinda.-Hontem, on a do', o cubanos emprehenderam uma.campa-
a ongrogavSq dos.R.vms. Srs. profeseorua d'es- oha corn o fima de levar o Congresso Anterica-
.a politcs do retaaes, pr 6, seestaboelecimento,'sob a presidencisadoExm. no & elevar a taxa doe ntrada do assuear na
obnaaa, e de nada serfepmtaa cansa pa- monsenhor vigario capitular Josd Joaquim gtaado republican.
blica: CaN1t doAndfteade,, abriram-se ali es traba- Esem elevagiao, quo peeari da um modo ar-
0 fato oS. eamp uS otrso os leativos do present raugo uinador sobre os assucares brasileiros, atio
fa 0dfa tod o S r. SaaW 0:As cadeiras em exercicio contiLuam a sero: dove corner A revelia do nosso governor, que,
legas da commission de resposta na cama- primeiras lettras, portuguez, latim, francez, come sugere o author da indicada carts, p6de
ra alta toerem sido eleitos, foi, dizem, 0 rhetherica, geographic, philosophia, historic e dove intervir na luta dos eubanos minediante
primeiro cheque recebido pelo miaisterio upiversl, catheeismo, liturgia e canto. uma contra-campanha levantada pelo nosso
est sesso po aqeAa camarainsrip par F par s exames preparatorios representante nos Estados-Unidos.
nesta sesame, peir aqttella, camera. Fat an- estari aberta do dia 5 a 15 do corronte, e us Eis alguns trechos da d ita carta, cuja leitu-
tes uima sorprea deqaee uam cheque; mas, exames deo 6ao ultimo do mesmo. ra recommeudamos:
que fosse, mais estava elle provando a Os eminaristas interns pagarto a ensao Os cubanos estao se empenhando forte-
necessidade da fornada que se fez. annual de 3609X000, pr trimestres aianta- mente e empregando todos as metos para re-
P ali a dscuso ha d dos, e s e0xternos 9000, tambem por trimes- solver o congress dos Estados-Unidos A fa-
i allia disuadA ha de irri- tes, cor direito a frequentar todas-asaulas. ze urma hnova tarifa para assuear, a qual Ihes
tants, immodermada, tempestuasa tambom. ntradas ,de assucar e de algodae.-- serA muito favoravel, e arruinara os inters-
0 governor tern maioria, dizem, e as si l 0 Por mar e pr terra vieram ao nosso mercado,. ses do Brasil como paiz exportiAor dose go-
creio ; peois se ia atinha ,aateo da 'for- no mez de janeiro: nero.
Aada, agoras, co a admso de lu' aSw A tarifa proposta tern per fimna fazer cOm
usada, agra, -p08a a in d e da u 1277.282 saccos. qua o direitos sobre todas as qutalidades de
dos. novos pates, pals samd n~o entraram ]879
dtos- Rdofve" tPl-sfa m 11 MUM= 189244.29 V assucar sejam iguaes por s6rena0s assudaros
todos, deve tel-a tamtbm. 8ifl" 2. de Cuba mttito mais fortes do quo as do Bra-
t No admiravel discumrso do Sr, Atonio .1881 .128, oil, e de muito maior valor, est proporSaoo
CaedidO, na camram a tia, ayasnW aste A1 Aio s s assucar mascavado, quo o que o aBrMl eox-
notabilissnao orador as staa aspira pn.tars lsoja reforadar as Wcas sra-ra 2.814 ode dinreitos, quo p6de ser razoavef pre as awl-
para vie seja reformi.ada acamara ata. .M sucares de Cab1, fa c o bm qu ie Im -
Q uva M seo dire asma Goo e0 -.ra 3. ,idade de assuca do 9raolJ no p dpr gw'er ,Mn o nti e outalgs poliuic& a &SCKA* -- A' bardb do, vapor Sapsre.- mais entruda nos Etadoa-tJnidis. .u
Orgm amlrSisao acharn-so dous O'aavos, OamddtBo quf o assuear do cfinstado 3 eoatavoepW^e
a tr ida 'mals adiajd. quO 0o der-.so io T do Janeiro, send.I .tbarcado no Pa-b ra doe pio apde spa r 'ong direitoa 4 .
minava.a confonimade cm 9S cont. 'r, e 1 no Mpranhio. ,I, centavos por libav*so aeq ue -ssssao"
niendias d49 UQ eeCtO Oj POVtUUiSl quo 8 "'u i o*Qa ftn w 18t dmraa8 de eii- ca-to de I centaevoft por libra Bo sealii
be"osy .maeCesnieja 4. eaavwe,auruaa squalls, tax& as mesma, pmupy f~.
'*ociso gffidar quasdo 59. i fR iMoato .destM*i9,rpenesd,i oda,, iede o aq Haimdoieta dodnaEmap doqpor i al. /,
MrW .p.. AaON T Ir- btadbui. B 'avado, soBasil, foi cannae puidopu


'a 7 ^ -


I -
.J.t I q
-N-


: ..^- .


1

'4


-a3 -
.&


L'>
/y -
' *f .


n i t i ..... ....


.91























)


i t ." -.- I p.








~1


1-*474! -
, r.'6"-^'/
W ^*,;^:/ -. : ;.,.*


- -... .
4." ..


I I


,/
A .


V -mt J --* __ 410 1 --^ ^S ^- o~f.d^^ .


=' la~aestio.

Sda*' oulras sasaSes do feiressmo
z1- n L T.ima fl amigo s fomon
contra diatei ; yprdm S, et vas oef 6w
..iniUT. tefer;, e reeniaos artmot
venaidos; se. o goverfo o Brinlo ae aja.u-
d r., tmMMdW aedidas immoedlatm e onrgi-
cas aim de eviT wrem pfeJdKeidos ow ik.
aramu da principal feat. de riquex dam
proviaoits do norte do Brasil b
Thui ro ftaM Antonio-Bepete64 ho.
je e oatam nested theater o dramw peetoril.
S9 aetos e 7 quadroy, do Sr. Cantidig C.
d&mNeves-Qsbrui Lu"e ou oe mnjo bom en a
jo .edf--., eujo desempeasbo estA coqffadoa
am oderes a i meninas quo nunca pisaram o
palco.
0 austor, o Sr. Cantidio, que tambem toms
parts na execucto, 6 um moqo de limitada
educago littoraria, e ease drama e a sta
primeira oomporsigo, o sen primeiro traba-
ho. Entretanto, e emboraos innumeros de-
feitosque se nota nessa producgo, revelou
elle algam osto per uase'genere de litters-
turan, e, se cultivar o seo espirito, provavel-
mnffte Viri i produzir outroa trabalhos que
o recommended.
A music, em que foi posts a major part
do drama, foi arranjada por commum accor-
do centre o autor do mesmo drama e um jo-
ven artists de oome Jovino, que rege a or.
chestra, e que most a possuir aigum talent.
E' esaa musical urma sucoessao bern ordenada
de escolhidos trechos de operetas, operas e
canqOes e modinhas tudo accommodado is
circumstancias e de modo a ser agradavel
a quem ouve as melodies. Destaeam se ahi
sobretudo alguns trechos do Guarany do Car-
los Gomes.
Mesmo na instrninentagio, e no arranja-
mento dos trecnos ha senses notabilissimos,
e nota-so especialmente as longas pausas,
verdadeiros intervallos. que separam os can-
ticos pastors acompanhados de dansas. Es-
te ultimo defeito e facil de corrigir, e pars is-
so bastari que o joven regente da orchestra
prehencha esses intervallos corn outros tre-
chos, que, por modulacoes gradativas. levemrn
de umar a outra caneo, deixando resfole g-
rem as paLtoras, se;un cangar a pacienciaa os
espectadores.
Seja, porem, como f6r, quer o libreto-dra-
ma, quer a music. tern seus laivos de estu-
do intelligent e contere promessas fagueiras
para os dous jovons quo se colligaram na pro-
duccfio e arranjamento do entretenimento,
que tern feito as delicias de born numero de
espectadores.
Quanto a execucao, e ella o que se podia
e dela esnerar'de meninas e amadores da
arte dramatic. que apenas a conhecern de
some; mas, ainda assim, nao desagrada o
todo, principalmente porque algumas vozes.
embora incorrectas, sio entoadas e flexiveis
as exigencias do canto, e taminbem porque os
dansados sao graciosos e estio bemrn ensaiados.
A's repetic~es de hoje a ainanhn dove pre-
ceder um entr'acto pastoral de composicho do
bern conhecido artists Lisb6a, entr'acto que
se intitula-O peccador arrependido-, e foi
post em music pelo referido Sr. Jovino,
regente da orchestra do theatre.
E' mais um incentive para a concurrencia
' public, que nfio tern faltado ao theatre, e
que naturahnente se repetiri hoje e amanhi,
indo assimrn em auxi!io dos improvisados ar-
tistas, alguns dos quaes sio credores de sym-
pathia.
Fallecimento.-Escrevem-nos do Ceara-
mirim, no Rio Grande do Norte. em data de
3 janeiro ultimo :
a Hontemn falleceu nesta villa, victim do
amolecimnento cere 'ral, o Dr. Mathins Nunes
Bandeira do Mello. natural de Pedras deFo-
go. d'Tessa provincia, contando apenas 36 an-
nos de idade.
a Formado na Faculdade de Direito do Re-
cife em 1864, fixou aqui a sua residencia em
1865, dedicaado-so deste eptao a profisslo da
advocacia. cujo exercicio interrompeu somen-
te durante o period decorrido de'1874 a 187$,
em que occupou corn muita integrioade e in-
dependencia o cargo de juiz municipal e de
orphdos deste t-reo.
( 0 Dr. Mathias era um maco honesto, acti-
vo, bastante intelligence, e gosava merecida-
mente da reputacfo de advogado distinct e
illustrado.
c Deixa viuva e oito filhinhos de manor
idade, aos quaes legs um name honrado e
moclesta ft'rtuna, adquirida a custa de infati-
gavel esforco e bem enty ndida economic.
o A sua morte encheu de profundo pezar
o coracao de seus amigos, e corn ella perde o
partido liberal do mnunicipio um deseus main
importantes meembros, e o fOro da comarca
um dos seus meihores advogados.
Desastre. Hontem, cerca de 7 horas da


noite, urna mulher parda de name Clara Ma-
ria da Conceicao, de 50 annos de idade, ten-
do descido de Afogados n'um dos carros da
companhia Ferro Carril, pretendeu apear-se
no lugar Cinco Pontas, serm que deixasse o
carro parar completamente. 0 resdultado foi
cahir, ficando cornm urn dos bracos nos trilhos.
e sabre esse braco pissarem as rodas trazeiras
do vehiculo, produzindo-lhe*o esmagramento
desse mnembro, que provavelmente sera am-
putado no hospital Pedro II, para onde foi
ella levada polo filho, que e caixeiro do Sr.
Amancio de Carvalho, a rua do Cabuga.
Em soccorro da pobre malher acudio o Sr.
Dr. Adrifio, que Ihe fez o primeiro curative ;
mas ao local do aecideate alo compareceu
nenhuma autoridade policial, para investigar
do facto.
Pagadoria de fazenda.-Nesta estacao
pagam-se hoje as seguintes folhai:
Culto public, officiaes reformados e recibu
de etapa, empregados do arsenal de guerra.
ditos da estrada de ferro.
Estados-Unidos-Ern Nova-York foi inau-
garada a estatua do general Kearny, send a
ceremronia presidida polos goneraes Grant e
Sharmann.
"Wodos viventes-Diz um journal hespa-
nhol, que a condessa Ferrares, e um rapaz
due teriL uns 19 annos, por nome Felisberto,
que passou po fi tho da condossa, acabam de
ser press em Florenga, accusados de falsift-
clo de mais de 40,000 peeetas. Pela conside-
racao que a condessa gosava e sou intitulado
filho, a prisao cause enorme espanto.
Frades expulsos-Segundo a estatistica
do governor traneez, o numero dos religiosos
expalsos de Franca atd 3L de dezembro do
anno proximo passado di a somrma de 7,578.
Madame Thiers-Com a more desta, se-
nhora, fica vago umn lugar da ordemn hespa-
nhola das damas nobres de Maria Luiza.
As damas francezas, que possuem a referi-
da ordem, slo a princeza de Bauflremont
Courtenac, as duquezas de MIagenta, e dj Mou-
chy, as marquezas de iervey, e de Turgot e
de Barrot, e as condessas de Commnenye e de
Bourbon. e a baroneza de Lostonde. e final-
meate a Sra. de Lesseps.
Distrae&o--Por miniciativa do celebre com-
positor Wagner. vai formar-se enm Londres
uma sociedade intitulada Kyrl4 Sdciety. cujo
fim e former pequenas orchestras para con-
correr aos hospitals. proporcionando agrada-
vel recreio aos doentes.
Quarenta e dous veslidos-Dizem os pte-
riodicos estrangeiros que urma modista de Pa-
ris esta encarregada de mandar fazer quaren-
ti ae dous vestidos, para mademoiselle Perug-
gia, qua est4 para casar corn o barao Leopol
do de Rothschild.
Are de comer sem pagar 0 E-vine-
wmat, de Paris, revels urn novq maio de j.an-
S tar sem pagar.
'"ta doos mealores roagursnU eaarou ha
dias um janota muito b.em vetid., e mandou
qouer aservissem umn succulent jantar. Vi-
u fi lnos, caga, nada alli faltava. 0 1l sau-
jelto tinha nma fome devoradora, 'a despejava
arrafas de modo tal que aa iguari harisin.m
i.. ,ar nwsdan A dematro. .
3gttdII 4 st. q4W p urnm


'7 T~
ty~wotefl,% ('L V Bi Ifthioutj ataT
-uobt e i' Ms?~l

Wtes tu t rd-o e pti rfla Wns wn
0O dbno d ctsa oeu-so e preaa a sq demtbri-
gar do enargo.
Or otsa Nm et6Iif ahi a men care be-
raol exelama.o eomlio. .Li vou n'umn fT-
fnte. Qtueftrn umf o doew, queeu volto
J*6
E "ahio. 0 age&t p.mde-o no mesme
instante. C l0awai b oppoz anhuma
residUnci, 6 metUtv-o no tream, qvm parties
a Wsriop.
No dm aeguii o done da cae Itvou so
eommissario a conta do jantar, queo era de lh
tirar o chapdo... Responderam-lhe quenin'-
guam fora'preso no as codigde quoe elle di-
zia, e enteo eomprehoadeu, j6 tardea-que
fora victims d'um habil espertalhao do seu
cumplhes.
Novo egtabeledlmento-Pddem nos a se-
guinte publicaeslo:
v Abre-se hofe ao public um no, e avasto
estabeleeimaento de fazendas a modas, a rua
do Bario da Victoria n 38, confrote & igrieja
diConceigio dos Militares, pertencente aos
Srs. Silva, Carneiro & C.
a Esti montado corn muito gosto, pars o
que os sous proprietaries nlo pouparam sa
crificio., pondo-o a par dos melhores dests
praga.
g Visitamos este estabelecimento ficamos
muito satisfeitos do esplendido sortimento que
ahi encontramos, pelo que pedimos as Exmas,
families que se dignem visital-o. certas de
que, al6m das fazendas que estio patents.
que s.o da ultima mods, encontrarlo da par
te de seus proprietaries muito agrado e sin-
ceridade, bemrn como modicidade no's pre-
gos 2
Loteria de Madrid.- Relagho dos nume-
ros mais premiados na extraccau veriflcada a
20 die janeiro :
NS. PESETAS NS. PESETAS

6390 160.000 9781 3.000
17887 SOOtO 11951 3.000
1512-2 50.000 13181 3.000
1317 25000 135-5 3.000
732 3.000 15741 3.OUO
16(08 3.000 18364 3.000
1685 3.000 18743 3.000
2633 3.000 18955 3.000
4467 3.000 19360 3.000
7043 3.000 19375 3 00
759i 3.000 6389 5.000
8600 3.000 6391 5.000
8747 3.600 17886 3.400
8839 3.000 17888 3.100
Lelloes.-Hoje realisa-se o segatnte:
Pelo agent Pinto, as 10 horse media, na run
do Marquez do Herval n. 31, de piano, moves,
tapetes, quadros, louga, crystaes. etc.
Segunda.feira dove realisar-se o se-
guinte :
relo agent Martins, as 11 horas, na rua do
Imperador n. 16, de pianos, moveis, etc.
Quarta-feira dove realisar-se o seguinte:
Pelo agent Burlamaqui, is ]1 horas, na rua-
do Imperador n. 49, do diversos predios e ter-
renos, pertencentes 6 mass fallida de Ma-
noel de Azevedo Andrade. ,
Missas Iu nebres- Serio celebradas:
Hoje : is 6 e meia horas, na capella
de Joio do Barros, pela alma do major Do-
mingos Soriano de Azevedo e Silva.
Segunda-feira: is 8 horas, na igreja da
Madre de Deus. pela almna de D. Maria J. 'das
Neves : as 7 horas. na igreja do Corpo Santo.
pela alma de Antonio Clementino Coelho Ca-
tanho; is 8 horas, na matrix da BOa-Vista,
pela alma do commendador Antonio Carneiro
Machado Rios.
Quarta-feira: ais 10 horas, na matriz do
Cabo, pela alma de Vicente Francisco Mendes
das Chagas.
Matadouro da Cabanga.-Foram abati-
das, hontew, pars o consume desta cidade,


63 rezes.
Vapores.-Slo esperados
Cord iera do sul
Pernambuco do sul
City of Rio de
Janeiro do sul
Trent da Europa
Commander da Europa


os seguintes:
hoje
a 9


a 10
a 11
a 12


Ceard do note a 13
Tagus do sul a 14
Bahia do sul a 17
Equateur do sul a 20
Loterla da provincla Quarta-feira, 9 do
corrente, se extrahiri a loteria 98., em bene-
ficio da matrizde Nazareth, no consistorio da
igreja da Conceileo dos Militares, onde se
acharbo expostas as urnas e espheras arru-
madas em ordem numeric, a apreciaaeo do
public.
Hospital Pedro II-Movimento do die
3 do corrente :
Entraram 16, tiveram alta 7, falleceram 3.
Existiam no dia anteeedente 596 enfermos.
Existem 605, send: nacionaes: soldados
15 ; do sexo masculine 299, do sexo femenino
196 : estrangeiros 74. estrangeiras 12 ; escra-
vos 6 e escravas 3.
Passageiros.-Chegados dos portos do
norte no vapor national Espirito Santo :
Juvino C. Cassiano Maia Silva, Valerio F.
Salles, Francisco Dias da Silva, J. E. H. Bra-
zileiro, Joaquim Jos6 de Oliveira, Francisco
Salgado, Antonio Simoeb sa Cuz, Ray inundo
Tavates da Luz, Olympia da Silva Mello e 2
flihos.e Primo Pacheco Borges.
Seguem para o sul no mesmo vapor:
Dr. Joio Mendes Correia, sua familiar e cria-
dos. Antonio Gomes dos Santos, Philadelpho
Ramos, Joao da Rocha Moreira, Alfredo Vil-
lar, Jos6 da Rocha, Camerino Facundes e
Mendes, L. Cusengarthen, Jose Germano Pe-
reira Jromes, Maria da Encarnacbo, Jose Do-
mingues Martins Pinheiro, Abel Maria da Ga-
ma e Silva, Innocencio Barros Vasconcellos,
Francisco de Olhvira Cabral, sua familiar, Dr.
Augusto Gurgel do Amaral, Arthur Napo-
lebo Gurgel, JoAQ Feilppe Correia, Vioente
Regino da Costa, Francisco Baptista do Nas-
cimento e Francisco de AssiO.
Chegados da Europa no vapor francez
Giron4de: I
Emile Onesteit,. Maria Vincent; Francisco
Limrongi, Giovani Moliterni, Nicolat Verdira-o
ne, G. A. Scbmith, Luiza George, Maxima
Leitio, Josepha Borgat, Augusta Rodrigues,
Ismael de Santa Maria, Amanda Berarez Main,
Manoel Vidal. Antonio Josd de Souza, Eduar-
do Bento da Luz e Marcolino da Rosa.
Sahidos no vapor francez Gironde, para
o sul do imperio :
Luiz Amaro, sua senhora, e 1 fllho, Dr. An-
frisio Fialho. Antonio Francisco Loureire, Os-
car Falkeisen, sun sogra, 1 filha e 2 criados,
Alfredo Moreira da Siva Guerra, Damilo Lu-
baldo, Affonso Valein, Joao Ferreira da Silva.
Casa de'DetenAo.-M6vimento dos preo-
sos no dia 3 do corrente :
Existiam presoas 456, entraram 9, sahiram
11, axistem 464, a saber: nacionaes 400, mu-
Ibheres 11, eastr egiros 15, eacrrvos 28.-To-
tal 454. '
Arragoados 384, send : Bons 357, doen-
tes 27.
Movimento da enfermaria: '
Tiveran baiza :
Balthazar Alves dos Santos.
Salustiano Gomes da Silva.
Tiveram alta:
Ludgero Heleno da Annunciaceo.
Manoel dos Santos Ferreira.
Antonio Maninhosde Souza.
Ceiterlo publico-Obituario do dia 2
de fevereiro de 1881:
Caetano de Lemoa, preto, Africa, 6 annos,
solteiro, Boa-Vitta; aseite. :
Joanna Baptista Sears. braunca, Pernambu-
buco, 85 anneo, viuva, u8mto'4ntooio; diar-,
rh6a.
Marceollna doNaseimoeato, 'parda, Ceari, 3
annos, solteira, BDea-Via, hospital Pedro II;
beriberi 1 4


f., 4 '1 ,/ *
S' '.i W- W. 7 4 ."'
IiA".' L.'; : .'
-&B a^-, ** *;^ii .

'Naria da Contsfgao. 10 taow, reuttpa. w
pelo aubh -ida ntbo- Amaro.
Mariawu^^bHM~aeo,2 mazes, S. Jo-
8e; .eoflynii.ce8. ,
Vitatao, Pernambuco. 6 8Mezes.



C .adt d& 'f -. .
SESn iO OoDURINA Ic 4 D7 F EftEI-
PBBNSDEACIA DO 'IM. 5t1. OONSBLEMEIRO
SOUZtA. L1O, -
Sevtario Do. Virgili Coeilo.
A'h horas do costume, prwntes os Srs. des-
embargiadores em namero legal, fbi aberta a
tessio depois de lida eapprovada a acta da
antecedente. 0
Distribtaidos ea pasm4os os faitos dram-sa
os seguintes
JULGAMENTOS
Habea corpus
Pmciente Antonio Gomes doe Oliveaira.-Man-
doa-se pvir o Dr. Juiz de direito daa eeCu-
gea eCriminases.
Pacloflte Jose Francisco da Silva.-Julgou-
se prajudieada a petigio por star aolto o pa-
ciante.
haciente Manoel F'ranaisco de Lcena,-
Eandou-se ouvir o Dr, chefe de polieia.
Paciente Guilhermisa Maria da Concefigo.
-Mindoau-se ouvir o Dr. juiz substitute do 4.
district criminal, ccintra os votes dos Srs.
destminbargadores Oliveira Maciel a Sertorio.
Paciente Jose Francisco de Souza. Ficou
adiado ate que cheguem as informagOes do
Dr. chefe de policia da Parahyba.
Recursos crimes
Do juize de direito'do 3 districto'criminal.
-Recorrente Joaquim de Medeiros Rapozo,
recorrido Vicente Alves Moreira. Relator o
Sr. desembargador Buarque Lima. Adjuntos
os Srs. desembargadores Oliveira Maciel e
Quintino de Miranda.-Negou-se provimen-
to ao recurso, unanimemente.
De Villa Bella-Recorrente o juizo, recor-
rido Victor Jose Gumes de Maria. Relator o
Sr. consellheiro Lobao. Adjuntos os embargadores Buarque Lima e Domingues
Silva,-Nogou-.e provinmuntu ito recurso; una-
nimemento.
ProrogaA'o de inventarmo
Inlcnthriante Sebastiio Jose de Mendonga.
-Coneedeu-so o prazo de 6 mezsm, unanime-
monte.
Inveo.tariante B. Maria Joaquina da Trin-
dade.-Concedeu-beo oprazo de 6 mezes, una-
nimemente
Appellacoes crimes
Do Inga- Appellante Mathias Antonio de
Oliveira. appellada a justiga. Relator o Sr.
conselheiro Araujo Jorge. Conflrmou-se a
sentence, unanimemente.
De Penedo-Appellante o juizo, appellado
Joaquim Jose Pinheiro e outro. Relator o
Sr. conselheiro Araujo Jorge.-Mandou-se os
reos a novo jury. unanimemente.
Do Recife-Appellante o juizo, appellado
Adolpho Octaviano Leal Ferreira. Relator G
Sr. desembargador Gongalves da Rocha.-
Foi confirmada a sentenrga, unanimemente.
Appellaqoes civeis
Do Recife-Appellante Lino Ferreira da Sil-
va, appellados Manoel Joaquim Mauricio
Wanderley, sun mulher e outros. Relator o
Sr. desembargador Domingues Silva. Revi-
sores os Srs. desembargadores Gongalves da
Rocha e conselheiro Araujo Jorge. Foram
desprezados os embargos contra o voto do Sr.
COLselheiro Araujo Jorge.
Do Recife-Appellante Antonio dos Santos
Vital, appellado Pedro Joaquim Vianna Li-
ma. Relator o Sr. desembargador Domin-
gues Silva. Revisores os Srs. conselheiros
Freitas Henriques e Arauijo Jorge.-Foi con-
tirmada a sentence, unanimemente.
De Campina Grande Appellante o juizo,
appellada D. Janusria Batinga Brags a seos
filhos. Relator o Sr. desembirgador Domin-
gues Silva. Revisores os Srs. desenebargaf
dores Goncalvee da Rocha e conselheiro
Araujo Jorge.- onfirmou-se aosentenca, una-
ni memente.
Da Imperatriz-Appellante o juazo, appel-
lado Jose Miguel do Sacramento. Relator o
Sr. desembargador Domingues Silva. Revi-
sores os Srs. desembargadores Goncalves da
Rocha e conselheiro Araujo Jorge. Confir-
mou-se a sentence contra o voto do Sr. des-
embargador Goncalves da Rocha
Appellac~es commerciaes
Do Recife-Appeflante Antenio Jose Silva
do Brasil, appellado Nicolbo Machado Freire.
Relator o Sr. desembargador Domingues Sil-
va. Revisores os Srs. conselheuros Freitas
Henriques e Araujo Jorge.--Foi confirmada a


sentence contra o voto do relator,
Do Recife-Appellante Jose dos Santos Na-
tividade, appellado Samuel Power Johnston
& C Relator o Sr. conselheiro Freitas Hen-
riques. Revisores os Srs. conselheiro Arau-
jo Jorge e deseonbargador Goncalves da Ro-
cha. Foi confirmada a sentence, unanime-
monte.
Do Recife-Appellante Joio 'Chryaostomo
de Albuquerque, appellado HermenegildoSoe-
veriano Goncalves. Relator o Sr. conselhei-
ro Freitas Henriques. Revisores os Srs. con-
seiheiro Araujo Jorge e desembargador Gon-
calves da Rocha.-Foram desprezados es em-
&argos, unanimemente.
Revista civel
N. 8259.-Relagio da c6rte. Recorrente
Joao Baptista Puppe de Moraes, recorridos
Antonio Alves de Castro e Francisco Ferraz
do Souza Campos. Relater o Sr. conselkeiro
Freitas Henriques. Revisores os Srs. des-
embargadores Goncalves da Rocha e conse-
lheiro Araujo Jorge. Julgou-se unanime-
monte de conformidade corn os fundanmentos
do accordao do supremo tribunal de justioa.
PASbAGENS,
Do Sr. conselheiro Freitas Henriques ao Sr.
conselheiro Araujo Jorge :
Appellagiao commercial
Do Recife-Appellante Luiz Francisco de
Paula Cavalcante de Albuquerque Lacerda,
appellado Augusto Cesar Pereira de Mendonca
Do Sr. conselheiro Araujo Jorge so Sr. des-
embargador1Goncalves da Rocha:
Appellacio civel
De Campina Grande -:- Appellante o juizo,
appellado Jose Avelino de Almeida, senior
dos escravos Pedro, Henriqueta'e outros.
I Embargo infringentes
Do Recife--Embargant- Antonio Jose Fer-
r7ira Refinador, embarrado Manoel Espiadola
de Mendonga.
Do Sr. desembargader Goncalves da Rocha
ao Sr. desembargador Buarque Lima :
I AppellacOes crimes
De Itambe-Appell'ante o promoter, appel-
lado Jose de Arruda Cabral. -
De Campina Grande Appellante Claudino
de Mellb Pessoa, aippellada a justica.
De Cabaceiras-Appellante o julzo, appel-
ladeos Agostinho Francisco de Macedo e ou-
tros. A
De Alagoa Grande- Appellante e j uizo. ap.
pellido Antonio Januario da Silva.
De Garanhuns-Appallante o j uizo, appel-
lado- Rufino Jos6 de Souza.
De Iguarassu-Appellante o juize, appella-
do Antonio Pereira da Silva.
Do Mamanguape-Appallante o juizo, ap-
pltlado Juvencio Elias da Silva.
Db Campina Grande Appellante o juip,
appellado Galdino Fr*neiscu da Canha Mo-
reno.
Do Recife-Appellante o juizo, appellado
Vicente Foreira de Brito.
Do Penedo-Appe1lante o Juizo, appellado
Manoel Florenaio da Silva.
Do Pesqueira-Appellante Jovino Jo@6 de
Carvalho, appellada a justiga.
'A.plWlagoes comammciaesa
Do Recife Apellsnte.Joso PFrreirt 3Bn
go, sppelltdo Jo IMiguel $irbom aPlms.
Do Recife--Appellantes Antonio H-mi
,Eodr* II a.io Luix de it Tabo ,
to Ah Vi

'.*'- V%- -AirBdeawt '


mM-
~I' A. Dlmh,


UJ71W1f *&I.CUlUUe-riU 5ppM
Diligdme /
mtdtfA'* omtir' eo 6-. wml)he pnmo-
) < 1aiwa nee. Ntfitzhaarftft
Appoellaaes crimes
Do Rio PFa.-__Q "Ar tt""6 Dr. Vieente
%tV"f B wrigft l -f l^Ua aj-tfca.
tDwf rftt 6aode A- 04eat jiazo,
ppwlHdo Pel iswt -A.ri dos g astev.
DI3TRISBItQS
As Sr. desembarrdorToeeann Barret':
Deol-PioerAdo ecoraente o j'tizom, rec-
rido Jobo (te Otlvera Bautom.
N r Plod'Aleo-Recorrennto juizo, remr-
rido Manoel Paulincdde Mouia.
Ao aSr. denmbargador Oliveira Maciael:
Do Recife Recorrente o juizo, recorido
Franeiseo Carneift de Vafscncellos.
D! Indeplmdencig-Breejrrnte o juizo, re-
eorride Francisco Jfos da sflva Coatinbo.
AeSr. desembargador Qutntino de Miranda:
Do Recife Recorreonte o juizo, recorrido
Joaqnim Bernardo da Silva.
Ao r. deaembargador Sertorio:
DO Bom Conselhor-Recorrente o ajuizo, re-
corrido Amiaro Francisco de Lim&Carcereiro.
Ao Sr. desembsargdor Domingues Silva:
Do Bonito-Recorrente o jurizo. recorridos
Marianne Tavareg Ledo e Jos6 Joaquim da
Silva.
Ao Sr. conselheiro Araujo Jorge:
De Born Jardim Recorrente o juizo,, re-
corrido Valentim Franeisev Duarte.
Ae 8r. desembargador Gongalves da Roeha:
De Pedras de Fogo-Recorrente o juizo, re-
corrido Jolo Josd Cavalante Ramos.
Ao Sr. desembargador'uerque Lima:
Do Traipfiu-lecorrente o aubdelegado An-
tonic Jose de Moura, recorrido o juizo.
Ao Sr. conselheiro Lobbo :
Do Pilar Recorrente o juizo, recorrido
Jolo Cesar da Rocha.
AppellagOes crime
SAo Sr. desambargador Sertorio:
Do Cabo-Appellante o promoter public,
appellado Manoel Alves da Silva.
Do Bonito Appellante Joe6 Victorino Cor-
reia de Mello, appellada a justiga.
Ao Sr. desembargador Domraingues Silva:
Do Recife-Appellante Antonio Luiz Mar-
tins, appellado Carlos Josed Antonio dos San
tos.
Da Borburema-Appellante o juizo, appel-
lado Camillo Jose de Pinho.
Ao Sr. conselheiro Araujo Jorge :
De Itambe-Appellante o promoter publi-
co, appellatos Pedro Antonio da Costa e Si-
muo Cav, lcante.-de Albuquerque.
Do Triumpho-Appellante Laarentino For-
nandes de Souza, appellado Raymundo Jos6
de Souza.
Do Limoeiro- Appellante Joaquim Martins,
appellada a justina.
Ao Sr. desembargador Goncalves da Rocha:
Do Buique-Appellante Manoel Pereira da
Luz, appellada a justice.
Da Palmeira dos Ind'ios-Appellante o jui-
zo, appellado Jose6 Francisco dos Santos.
Ao Sr. desembargador Buarqe Lima :
De Iguarassu-Appellante Silvino da Costa
Medeiros, appelladaa justice.
De Serinhoem--Appellante Manoel Joaquim
dos Santos, appellada a justica.
Ao Sr. eenselheiro Lobo :
Da Assemblda-Appellante o juizo, appel-
lado Joaquim Barboza da Silva.
Ao Sr. desembargador Toscano Barre to:
De Paulo Affonso Appellante Antonio
Luiz Vieira Rego, appellado Manoel Jefo de
Almeoida.
Da Assemblda-Appellante o juizo, appel-
lade Francisco Florentino Tenorio de Albu-
querque.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel:
De Taquaretinga-Appellante o juizo, ap-
pellado Joaquim 0odriguesde Sobral Campos.
Ao Sr. desembargador Quintino de Miranda:
De Cimbres-Appellante o promoter publi-
co, appellado Pedro Joaquim Ferreira.
Aggravo de petigio
Ao Sr. deseipb .rgadorQuintino da Miranda:
Do'Recife Aggravante Angela, jpor seu
curador, aggravado Manool Francisco de
Paivw,.
Appellacoes civeis
Ao Sr. desembargador Goncalves da Rocha-
Do Recife-Appellante o Dr. eJosd Zeferno
Ferreira Velloso, appellado Joaquim Fernan-
des da Rosa-
Ao Sr. conselheiro Lobao:
' De Macem6 Appellante Telino da Costa
Mascarenlhas, appellada D. Maria Carolina
Emiliana da Costt.
Embargos remettidos
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De Itambe--Embargante Joaquim Montei-
ro Guedes Gondim, embargado Virginio Ho-
racio de Freitas.
Encerrou se a sessbo as 2 horas e 20 minu-
tes da tarde. .


PUBLICAiOES A PEDIDO


Aos Exms. Srs. president da
p ovlncia e chefe de policia.
Victim das mais atroses violencias da
policia desta paovoaco, venIo expol-as ao
public, e pedir providencias aos Exms.
Srs. president da provincia e Dr. chefe de
policia.
Reside ha mais de trees anoos neste la-
gar, onde so.u estabolecido cornm negocio
de molhados, e sempre obediente As leis
do paiz, uao tinha, at ha pouco tempo,
sido encommodado nem offendido em
meus direitos.
Mas, ultimamente, o Sr. subdelegado
Maurino Mendes intrigou-se injuslamente
commigo, por motives que eu ainda corn
seguranca nao ssi e apenas suspeito ter
sido por eu nao Ihe ter querido emprestar
a quantia de o40 que me pedio; desde en-
tio tern autorisado e commettido as mais
atrozesviolencias contra mim.
Gonsente que os seus soldados de poli-
cia, em sua presenca, invadam o meu es-
labplecimento e me insultem e ameacem,
como succedeu ha qoatro dias, levando
um delles a sua bruta'lidde a apontar-me
um pistol, e que talvez a tivesse dispa-
rado sobre mim, se a isso nao o tivesse
obstado minha mulber, e depois arrastou-
me atk, o meio da rua.
E o subdelegado conservava-se impassi-
vel ante tamanha selvageria I
No proposito de me obrigar a abando-
nar o meu estabelecimento, o Sr. Mauri-
no Mendes prende os meus freguezes ao
sahirem da minha venda, e as recowhe a
casa do destacamento ou'quartel e os obri-
ga a dar-lbe mil rei& para obter a liber-
dade. ,


Arvorando-se em fiscal, multia-me arbi-
trariamente, sem fundamento algum,- e
diz que'as suas multas h1o de absorver o
valor de minha casa.
Nestas tristes condiqes, sound coagido a
deaunciar os asboos policies, para qp
no caso do maLor mal, que provavelmete
soffrerei, saber- quaas os resposavis
dos attentados, de es' o G aM maado.
SS6b tenho por iniwm rait),o wm.0


gsem"os paiz.
Pokag' 9u* ,don twmlho;s 4.' de
ami wdsmra dr F ..
Jbi &Pa dirFoam.


Gom- ta am snowam
d ft lf~ IpajlMr MR i qu-

4 L abiaemaotgmbs, ecibstoa s Aae-
Cao dos Guarda Livre- -Rlo de Janeiro. hunra-
dosoom a emmlant d seu respeitavel presi-
dente, para.m oammikae dWmm u sou pare-
eer sobre uwan ouzaul, quo do Pernambuco
f6ra felits A meoa Assooagcao, pelo Sc. Jose
Joaquim de ArauJoMffachadoalli resfdente, vem
da maelhor vontade desempenhar-se deste en-
cargo.
Par a melbor inteliigencia de sua opinifilo, a
commissiao transerve para aqui as terms da
proposal ou c nsita.
a Pedro vendeu mer.:adorias em diversas
dpocat e a diversos inJividuos que Ihe acei-
taramI letias; f'eiro creditou c aeitarLes
'las letras e debitou-letras A receber. Em
acto coqtinuo. Pedro descontou s letras qua.i
do t3ve precisao de tondes, 6 credilou o tilulo
de-letras A receber.
Alguns guar-ja livrt. desta pracga entendem
que o langamdnto dos descontos das letras,
effeclui dos por Pedro, estiA feLto corn toda a
jegularidade, e quo, pur outra f6rma nio se
'leve fazer lal lancgamento.
Oulcos declaraw que o titulo que deveria
Sir creditado para today a clareza serial o de
-letras deseontadas-(desta opiniflo, slo au-
tores conspicuous, os Srs. J.r,,nymo Fiuza e Vi-
nisFieo Criaves) compromisos por desconto de
letras, ou outro qualquer, corn tanto que, no
passive de Pedro se visse na 6puce do balancgo
quakes as obrigagOes A que Pedro se havia com-
promettido. D'abi, tendo Pedro urma question
em jtizo, dous peritos em examse te livros
(divergindo do terceiro) det'Iaram que o ba-
Ingo que se examinava nao demonstrava
o verdadeiro active e passiuo de Pedro, por
quanto as letras descontadas nalo flguraram
no pissivo, quando alii deiam estar por ser
compromisso e responsubilidade aimada nao
solvida.
E, dando-se a (ircumstancia daquelle ba-
lancge ser fechado para dissulucgao de urma SI-
ciedade, entendiam que d viam fazer parole dao
passirove as verbas organisoadas polos descn-
los das letras, vardadeiros endossos que tinham
de set pages par Pedro, ou par quem o sncce-
desse, na fulta de pagamento per parte do acei-
taste. x
PERGUNTA-SE:
a Qual dos dous meios de langar os descon-
tos das letras L o wais regular e que melhor
preencha as formaiidaies exigidas i elo art. 12
do codigo do commercio, e que claramente
sirva para a boa e legal divislo da srciedade ?
(arteficio no case).
0 balanco de Pedlro contlm em p a verdadei.
ra expression do active e lassivo, e conseguin
temente 6 ou tAo inexact e timisso, e foi bern
asseverada a declaragio dos dous peritos ?
PARECER
1. A comnmissao julga acertada a opiniao
dos guard livros de Pernambuco, que enten-
dem que c iane-mento do desconto d4- letras
do mode porque que o fez Pedro 6 regular e
perfeilo, e newu de outr., fdrma poderi seot ef-
fecturdo.
Ao contrario, pordm, do qpe pensam outrs
guard livros da mesma nraCa, t ntende a corna
missAu que SERIA UM EBRO CREDITAR A, CON-
TA DE-LETRAS DESCONTADAS-OU outra qual-
quor imaginada, flm de assignalisar a res-
ponsabilidade INDIRECTA de Pedro, deixando-
se entretanto, CARREGADA a de-letras d re-
ceber-como valor das letras descontadas que
jA nao existemrn em poder do Pedro, e conse-
guintemente j Ibhe nao pertencem. [Alimpew-
se a este guarda-napo os Srs. Jeronymo Fiu-
za e e Vinssimo Cbaves, flustrados e probes
peritos pole ajuste previo nos audictorios com-
meciaes desta praga.] Uma das ,ondigSes
essenciaes do-macanimino da escripturacAo
mercantile por partidas dobradas, debitar to-
dus os valores que entraw para a posse do
negociante e crelitar todos os que.sahem : 6
claro. portanto, que debitando a caixia pelo
valor tue entra em dmnbeiro, tern se forgosa-
monte de creditar letras a receber-pelo
mesmo valor que sahe em titulos assignedus e
que por sua vez jal tinham side debitarlas.
(A vista disto, flea substituida a antiga pi
Ihena, worreu o Neves, --pelo de-mor-
reu o Chaves).
Se todavia quizer-s. tazer nos livros do ne-
gociante resaltar a todas as vistas a sua res-
ponsabilidade, originiria de todas as opera.
goes, independent do ja citado langamento,
6 precise fazer-se ouiro, crando-se cuntas es-
peciaes; e para qiue se .:redite-letras descon-
tudas, nu ontre qualquer tituio, 6 indespensa-
vel que se debite, par exemplo-endossantes,
outro que figure de devedlor.
Convdan notar, porem, que o joga de cant's
ospeclaes, abertas para mencionar responsa-
bilidades indirectas em letras e outros titulks
de div da, 6 aeservado para os cases de en-
dossos ou abonacoes de f..vor-para opera-
goes em conta de terceiro sem-origem direc-
ta e positiva, (corn vistas ao Sr. Chaves).
Nao v6, portanto, a commission a necessida-
de da creagio de credres e devedores novos


que s6 figuram per hypothese de c.so future e
contingente-e que por isso mesmo .e tor
nam perfeitamente dispensaveis.
A responsabilidade-indirecta do negociante
em obrigagces que endossa como-sacador ou
come portador.-afim de transmittir a pro-
priedade, 6 manifesta,-de ninguem desconhe-
cida-e inherent 6 propria operaCao-esti por.
tanto comprehendida e consignada no mesmo
langamento em que inscreve" a hiptoria do
desconto, quando se debita-caiza polo di-
nheiro recebido e se creaita-letras 4 receber-
pelas que sahiram descontadas.
Assim flca-perfeitamente-satisfeita a dis-
posicgo do-art. 12 do codigo do commercio.
2. Parece a commission que os peritos nao
tlveram razeo, quando declararam que.o ba-
lang o que examinaram nao demonsLrava o veir
dadeiro active e passive de Pedro pelo facto de
'nao figurarem n'elle as letras descontadas;
por quanto, as contas que por-DEMAIS SE TI-
VESSEM ABERTO, para registrar especialmente
estas operagOes, noe-representando senbo-
devedores e credores bypotbeticos,-nao cons-
tituirigm tambem partes reaesd'esse activo e
passivo,-e em conclusbo, nao alterariam a
essencia da causa.
No caso porem, de urma dissoluCAo de socie-
dade, onde uma questao judicial em que se
houvesse requititado o balangq, (a dissolucbo
foi amigovel, ficaudo bem scientes de tal res-
ponsabilid'ade, oa socios que subsistiram, on-
tre os quaes e o que sabio uunca houve ques-
tAo judicial; a questao originaria do exame.6
corm terceiros) fdra convenient que se men-
cionasse abi a existencia e a importancia da
responsabilidlade-indirecta-pelas obrigagOes
deseentados. sem-necessitar.todavia incluil-a
no-activo e passivo,-mas' debaixo de uma
rubrica a part a saber-respunsabilidade in-
directa,-(memorial no caso) a qual facilmente
se verifies, examinando-se o movimento da
co0-1-letras 6 receber.-
- Tainbem, para ocaso de fallencia, se requer
que takes letras ligurem patras perfeita science
dos oredores e march do process, e isto se
satisfaz do mesmo mode sob a mencionada
rubrica (aem duvids, no indispensavel memo-
Rio de JaneirQ, 30 de novembro de 1880.
Jerpoymo 8imes.
MN.. A ATibeiro de Faria.
J.F.C. 4ha1t MaoeM.


oa fga A&'l., h ida da

Nodia8doo lst ,aashoraesda tataso-
14 b! Btuniif 4do Nosea Senheta da


O de musiea mililar to4* darante
I im elW'i to M today a pomps a bri
UM ~o as novenas mm-
*I *'.' ea m *SSesaM p et 1a I
SItaliap lnteii4mte


Dr. Jose Ignacio de An-
drade l inua


"




.'.<

;:.




..

*:"


fazenda.
Tendo sido exonerado per V. S. o honrads
tenente Manoel Rodrigues Franca do cargo do
collector geral deste municipio, que hafsito
annos exercia corn honradez e exactideio, tantO
assim que nunca foi admeestado por V. S. e
nerm polo seu antecessor no cumprimento de
sou dover, a pedido do Dr. juiz de dirmita
destas comarca, Balbino de Moraes Pihosiro,
conforme alardeia e declare o sen successor,
Ildefonso Rodrigues Tavares, por antonoma-
sia-Pesquerrim, somente porque o demitti-
do nbo servia de escabello come outros ; que-
remos que V. S. por sua bondade declare M
adem fudccionar o actual escrivlo desta ao-
0ectoriA, Jos6 Bonifacio 'do Rego Barretoa&,o
collector, son primo legitimo filho de dir
irmls, ligados em 24 grio de consanguitida-
de, por ser LuizaPesquerrim, mki do colle-
tpr, irmli do' Hermenegilda mui do earivbm,
notes dos douns amolatos-Jobo odrigaaa Lib-
boa e Felieiano Primo. '
Ora: a nbao haver incompatibilidadt .m
servirem conjunctamente estas das alum
bemadita, quol seri o resultado, fieando s
collectoria em uma domus? l Quo arrat
nio faro umnI a favor do outro? I- A to
direito, come diz o botiSarit f-orges. a
A' vista do eposto, espe"Um doIlVi.k
inspector raspota ia netoso
to eapgoverno, a o l
*e d&We dfr punicidau jna u r
nu go nu cobbeoe l'ft S



ioe!
an chad. 11
gsr '"'J^^ ^-m


---4"'.,


I


I
- I. ~ '--.* -'I


-I


0 abaixo assignado n o podendo Ir ssistir
ao .Jficio que lem de celebrar-se no dia 7 do
corrente, na cidade de Nazareth, pelo repunso
eterno do finado Dr. Jose Ignario de Andrade
Lime. convida aos parents e amigos do mes-
mo resilentes nesla capital, pari assistirem no
woemcionRdo dia 7 6 urna miasa emene:.te qna
pretend celebrar as 7 huras da manbb na Ma-
triz da Paz de Afogados.
Fevereiro, 4 deo 1881.
Vigario. Francisco Raymundo da C. Pedrow.

Ceara
Mais uma vez triumpbou a causa pa-
trocinada pela justia e pela moralidade,
a vontade sobprana do grande partido li-
beral cearense acaba de inflingir o mere-
cido castigo aos que buscavam a sombra
de um norne illustre, implantar na pro-
vincia a mais insupportavel das tyranias.
Os que conhecem a historic dos partidos
no Ceara, sabem que de ha muitos annos
a essa pare, os descendentes do senador
padre Pompeii tern buscado realisar os so-
nhos de uma olygarchia odiosa, pouco se
Ihes dando que fiqnem postos A margem
homes encanecidos na causa do partido,
caracteres acima de toda excepSo e corn
ssrvioos relevantissimos A idea que profes-
sam, e por amor da qual, alguns hao side
victims de perseguioSes e odios entra-
bnhados ,
Os Castros e os Paulos kassumiramfeliz-
mente, os posts a quoe Ihes davam direito-
titutos incontestaveis, e o nome de Casitro
Correia, o benemrnerito, o humanitari9, ea*,.
rense, e o mais votado ,em ambas asl-
tas que os partidos enviam a escolha da
coroa.
Honra ao amigo de Facundo, a quem
os cearenses, por tres vezes, julgam me-
recedor de uma cadeira no senado.
Hlonra ao conselheiro F'eury, que soube
levantar bern alto a moralidade do minis-
terio do quem e digno e leal delegado.
Urma lagrima de compaixao para os ho-
mens que deixaram de'existir, moral e po-
liticamente.
Recife, 4 da fevereiro de 1881.
Um cearense.

Ao public
Constando-me que o Sr Di, Porrer, no in-
tuito de apatrocinar umea cause perdida, de
um constituinte tambeni perdido, tern langa-
1ao mwado de icursos pouco legitimos: 6 pro-
palar cousas que nunca se disse, neo podia
os dizer; venho, por isso, pela ijprensa ee-
clarar a todas as pessoas a quern esse Sr.
Dr. se dirigir. nbo aceiiarem romo verdadei-
ros dito-. e intenioes que este Sr. advogado
me queira empestar.
Born on mao, conio me quizer-m julgar, sou
bemrn conhecido nesta terra, e tLdoenom quern
tenho tratadIo sabem que nunca me servirei da
calumnia para esmagar meu adversario.
A mentira e a calumnia sao armas sdmente
propiias dos covardes. E eu s6 sei baler-me
4 descoberto.
A victoria das miseries humans, eu cedo
de born grado & quern as quizer. JAmais serei
contender no campo das aleivosi;is.
Recife, 4 de fevereiro de 1881.
Antonio da& Costa e Sd.

Partida
Partio para a cbrte, onde foi procurar alli-
vio pars seus incommodos de safide, na ter-
ca-feira, 1 odo corrente, o nossoe amigo e ta-
fentoso poets a elisarno Pernambuco, ama-
nuennse do arsenal de marinha. -
Foi imponente o sea embarque, qditreali-
sou-se no mesmo arsenal.
Diversas sociedades a que pertencia o. die-
tincto poets, se fizeram representar par soes-
orgaes, a alguns amigos que o acompanha-
ram ate a bordo, so o deixaram a hora proxi-
ma i sahida do paquete. Per estes foi-lhe
offerecido um lindo bouquet de flores naturaes
e urna bells poesia : signal do apreco que li-
gavam ao sympathico pernambucano. A tudo
isto agradeceu elle comniovido, promettendo
em breve regressar n seus penates. -
Que bons venues o conduzam, e que volte
breve e restabelecido.
Recife, 4 de fevereiro do 1881.
Um amigo.

CID:ADE DO BREJC, 25 DE JANEIRO DE 1881
Attenac Atten9?o 1
Illm, Sr. inspector da thesouraria geral de


A. I rv. ,/,
4AM-,""4W'
Arnueudo a> b*f i;f ~ulcit^ h ^ M
&fltaria d Ulnh.,aa f it.ft .|^ d. il,
repertorio.
Na madrugadi4do,. l a II. %M .'
ra dbBNsvegvpw, /
A's 11 horas enLrark a miss solemne, sn-
do os i610o catados par ingigneo krttU.S
Pregarp -. I Mimmen-
dador padruq Muoer Bf6reira gdu
Amiitg ba"*iTi Tiwb REWgap4%Q elo-
'gOO&Qm l)Mi-gridj),, 9'I &4Ap$o.S. . AJbuqiwque,.
Um magfudop fo'.t de artit.cip. fei.to qojqp
maior esmero e cii.icbo, ser4.qaijpaA. I1pp
apnza To-Deum.
Ntar tades d&vesper.a e ,tia da f sta, bj-J
pomposaa cavalbidas. corridas ppr ditbngkop
cavalheiros d;. freguezia da Escada, qwo resort
veram concur er assimr, pare o eiplendor da
festa de Nues9 SBnora nt [lca% iagem.
Durante toode u dta e noite a fiesta, a uiusi-
ca do 2? baJbDLt. ltocateA scolbidAplos. su-
binio ao ar in2,umeras gyrandol4s, salvas, ha-
toes, Ot.
A igreja sera exptadidtAvente ornada se de-
vidauminte onfeitadus o u eitertr e o plta.,
aA companhia da estradai de ferro do RAcife-
ao S. Francis(:',- pora a Jisposigfo do pu.ic,,
tirens exLraordinarius pars Wa We wQlta.
Os encarregadoe da festa, nlo popando r-
fotgos para que esm flque na altura (49 Qu40o
devido a Sai.tissimw Virgem, esperamn qu sqaa
eni, me a concurr-,,cia dos fleis.


, t


0


* ^ l- I


,.I


^/)


1


14


I







," ; ( 6
o -- : o :
'- '- ;.
i:BH!' '..:


ubS
napts


ri..

-B


ALFANDEGA
-endimento do dita I a 3
Idemodo dia 4


98:59!5113
42:A24839
141:016%952


Importa9lo
Patacho inglez Britania, entrado- de
Terra Nova em 2 do corrente e consigna-
do a Johnston PaLer & C manifesto :
Bacalhao 1,686 barricas e 255//2 ditas
aos consignatarios.

Vapor fi ancez Gironde, entrado dos
portos da Europa em 4 do corrente e con-
signado a Augusto Labille, manifestou :
Ameixas 29 caixas a ordem, 2 a Manoel
D. Rodrigues. Amostras 3 volumes a di-
versos. Azeite I caixa a J. Lagreen.
Champanha 10 caixas a ordem. Couros
3 caixas a Antonio D. C. Vianna. Calga-
dos 2 caixas aos mesmos, I a H. Nuesch
& C., I a Parente Vianna & C. Cbap6os
I caixa aos mesmos, I a AugostLo Fernan-
des & C. Ditos e flores artiliciaes 2 cai-
xas a Guimarles Irmlo & C. Confeicoes
I caixa aos mesmos. Conservas 10 caixas
a Rosa & Queiroz, I a J. Lagreen.
Drogas 1 caixa a ordem.
Impress6s 4 caixa a J. Polio.
Joias 2 caixas a Augusto F. do Rego,
I a Joseph Krause & C.
Licores 10 caixas a ordem, 20 a Ra
mos & C., 5 a Carvalho & C.
Manteiga 15 caixas a Pereira Carneiro
& C. Mercadorias diversas 2 volumes a
S Parent Vianna & C., I a Rlein Freres, 1
Eugeoio G. Casolo, 1 a Antonio D. C.
Vianna, 1 A irma Bernard.
Mortadellas 1 caixa a Ramos d C. Ma-
Schina para arrolhar garrafas 1 a Cramer
Prey A C: Massas alimenticias 2 caixas a
14 CaO 5, I5 caix6es a Carvalho & C., 2 a
Domingos Joaquim Seve. Meias -caix
a J. P. -Boetlho.
Objectos de escriptorio 5 caixas a Joao
W. de Medeiros, I a J. W. do Souza.
Papel 105 fardos a Soua Bas(ou, Amo-
rim t C., 2 a Redrige de Fartia & C., 8
; caixas a A. F. do Oliveira, 4 -a Pa-ate
SVianna AC., 4 a Manoel Jos4'G. Brnogam
F a Antoso 0. C., lanna, 1 a ,t. tih 4m A
C.., Peg marias I cai'xa a Gaimnat1 Ir ..
'- mos1w4 Porcelana 1 caixa aidanobi
Joaquim b efrira.
Ai Quadrow i caix a Correia de Araujo.
.. Queijos 28 [i W ',a ordem. I a Beltrio
Q2 C 2 tinas a Ramos 6 C.
,, IeloIo, I caixa a A. F. do Rego, I a


- o


~" KB~ SmlU t-er e -Teimira.


Paa'oBrasi~~ro
Pa~aki o sezo femluino
N. 2-RUA DA IMP"RATRIZ-N. 2
As atias deste estabelecimento estats func-
cionando deude o dia 17 de janeiro, s nests
ouliqi continua-se a aceitar meoninas inter-
as,asedi-irdernas, e externas. 'A directera
affaIjaa obum adiantamento de suas alumnas,
para o quk tern escoltidos professors.

Collegio Zima
PARA 0 SWEXO FEMININE
Rua do Livramento n. 38, 2.0
andar.
Professoras e directors:
Amalia Roxo Lima.
Zima Roxo Lima.
A matnricula do 8.'anno lectivo para as aulas
deste collegio estd aberta desde 7 de jaieiro
de 1881 em diante, tao somente par aluinnas
externas.

Collegio de N. S. do

Amparo
Rua da Unio pumez o 4
lste estabeleciment6 de educaClo de meni-
nas estard aberto do dia '-7 de janeiro em
diante

Collegio de N.S. da Graca
N. 10-Ponte d'Uch6a--N. 10
Miss Ar-iid Carroll, lesejando dar mais des-
onvolvimento ao cursor de estudus do seu col-
legio, resolve auxiliar se de alguns professor
res de conheoido merit, afim de poder asse-
gurar as suas discipulas o melhor adianta-
mento a perfeigu nas materials que estuda-
rem.
As materials ensinadas no seu estabeleci-
meots sio as seguintes:
Portuguez, francez, geographia e historia-
lecconadas palo Revm. padre Velloso.
Inglez-pela director a.
Primeiras lettras e bordados-pela Sra. D.
Augusta da Silva.
Piano e canto-pelo Sr. Gustavo Werthe
rmer.
Desenho e pintura-pelo Sr. Aurelio de Fi-
gueiredo.
Instrucglo religiosa-pele Sr. vigario Vel.
lose.
As linguas falladas no collegio sao: o por-
tuguez, francez e inglez.
0 collegio recebe alumnas pensionistas,
sime-pensionistas e externas. As aulas esta-
rao abertas do dia 10 de janeiro em diante..
A lebre amarella e a medicaqio phe-
nicada.
Lemos no journal a Medicina dos fermenlos:
a As esperangas que concebemus e publica-
mos a' respeito da-acglo curativa da medica-
CAo phenicada, acabam de ter urn principioe de
realisaCio. 0 Revd. padre Bosch, do qual os
noss-s leitores nio esquetberam per certo % in-
teressantissima communicaQ6O sobre uma no-
va doenga (novamente descripta pelo manes)
que ataca os negros e que communica-se aos
brancos (o kelavar) acaba ole escapar 6 terrivel
epidemia. 0 Sr. Bosch 6 o procurador da
misslo de Niazobil no Senegal, elle mesmo fi
stacadoda febre amarella durante a ultima in-
vasao que assolou a nossa r.olonia e A qual
succumbiram, como se sabe jA, tantos ,ios
noss)s dedicados colleges. Como acabamos
de mencional-o. o dito missionario curou sA a
si mesmo pelo glyco-phenico tornado em bebi-
da. Elle nos dda pormenores sobre aquella ne-
fanda epidemic ; collocal os-hernos A vista dos
nossos leitores logo que os tivermos por intei-
ro, takes quaes crmo foram registradds pela
stenographia; pnrern a falta le lugar nos obri-
ga a adiar aquella impcrtante questeo ate o
nosso proximoi numero.--Dr. D. ,


COIIERCIO

Junta dos correctores
PRAGA DO REGIFE, D DE FEVEREIRO
DE 1881
eotacoes olticlaes
AS tres horas da tarde
Camblo obre Londres, 90 d/v. 22 7/16 d. e
22 3/8 d. per 1S000. hontem.
M. J. da Motta,
President.
M. J. Affonso,
Secretario.


CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia I a 3 22:0748330
Idem do dis 4 l1:5856947
33:6608277


RECiFE DRAINAGE
Rendiment dia 1 a 3
Idem ido .ia 4


1:8075600
S2:58801685
2:5885285


IOVIIEHTO DO PORTO
Ndvios entrados no dia 2
Bordeaux-14 dias, vapor francez Gironde, de
2,094 toneladas, commandant Morreau,
equipagem 102, carga varies generous ; a A.
Labille & C.
Portos do norte-8 dins, vapor brasileiro Es-
pirilo-Santo, de 1,999 toneladas, comman-
dants A. Isaac. equipagem 60, carga varies
generous; a B. Pantual.
Navies sahidos no mesmo dia
Portos do saul-Vapor franeez Gironde, com-
mandnnte Morreau, carga various generous.
New-York -'Palhabote american o Lamoine,
capitio W. $. Leach, carga assucar.
New.York Palhabote americano Anna W.
Barker, capitao J. Snowmani, carga assucar.


*EDITAES

OBRAS PUBLICAS De conformidade
corn a ordem do Him. Sr. engenheiro c-lefe
director da reparticglo das obras publicas, fago
public que no dia 12 do mez vindouro, ao
meio dia, perante esta repirtig'lo, vai a praca
a construct o da ponte sobre o rio Preto, ns
estrada de Agua-P;eta, orgada em 3:0808. 0
orcamento e condigOes do contrato acham-se
nesta secretaria para serem examinados polos
pretendentes.
Secretaris da repartlcao" das obras pablicas,
25 de janeiro deo881.
Joao Joaquim de Sigueira Varejeo.



DECLAilAES

-Ob-ras publicas. De conformidade
corn a ordemn do li1m. Sr. engenbeiro chefs e
director da repartigio dasobras publicasn, fao
public que ne dia 12 de currents, as melo
dia, perante esta repartigo, vai a p raga o em-
barreamientdo de727 metrOs correntes na es-
ade Itapishuma A Nazareth, orgados em
a condioes do cohtrato acham-
a para derem examinados pe-

3~ds 49^^; ob"8s publicas,
-vrea iotri^


nas frg^TB BM b
,/ -7 "74
.,. :. ;,


IdYfa~ov


Twidoe 1 caixa a-Qew)iadaU Vinho o00 ocaixas a "aii fh ab .,
130 i ordem, -.30 a Camiho 4C.. 13
i. ?iedmr, 8 a' ule Frea, 5barns A or-
dem, 2 a Antoniotz'dos.Santes, 2 a B.
Poptuald, 4 ao conu ladrp, I a H. Lud-
grd&AC', 2 a Cra ,rey :4C., 2a J.P,
Detelho, I aMinoel D. Rodigues, I a
Wetes ]ood,,I a Tavares de Mello Genro.
OKSPAI:HOS D0- -.,,ORTAGAO NO DI, 3 DE
FEVEREulRO D 1881
Portos do exterior
/ Ro patacho allemlo Morcur, carrega-
ram:
Pars Bremen. Borstelmann & C. 308 fardos
corn 53,480 kilos de algodio:
Na barcma norueguense Galathea, carre-
garam: I -
Para o Canal, F. Casco & Filho 2,214 saccos
corn 166,050 kilos de assucar mascavado.
Para Now-York, J. S. Loyo & Filho 850 sac-
cos corn 63,750 kilos de aseucar mascavado.
No patacho inglez $. Joseph, carregou :
Pars New-York, C. R. do Passe 770 saccos
corn 57.750 kilos de assucar mascavado.
Na barcas ameri-ana Blanchard&, carre-
garam: -
Para New-Yoik, H. Forster & C. 3.0, 0 sac-
cos corn 225,000 kilos de assucar mascavado.
No patacho americano M. R. Cubo, car-
regaram :
Para New-York, H. Forster & C. 2.000 sac-
cos corn 150,000 kilos de assucar mascavado.
No patacho americano Jura, carrega-
rem :
Para New-York, H. Forster & C. 1,000 sac-
cos corn 75,100 kilos de assucar mascavado.
No patacho portuguez 3. de Castro, car-
:egaram:
Pars New-York, H. Forster & C. 250 saccos
corn 18,750 kilos de assucar mascavado.
Na barca portugueza Nova Vencedora,
oarregaram
Para o Portn. J. S. Loyn & Filho 5 barris
corn 480 litres de aguardente.
Para Lihboa, F. da Costa & C. 38 saccas coam
2,725 kilos de algodin ; Baiter Oliveira & C.
6 barncas con 419 kilos de assucar branco e
WO dita, corn 703 ditos do dito mascavado.
I Portos do interior
No patacho hespanhol Juanita, carrega-
ram :
Para Uruguayana, DBaltar Oliveira & C. 397
barricas corn 45,716 kilos de assucar bronco e
109 ditas corn 12,577 ditos de dito mesca-
vado.
-No patacho national J Pinto, carrega-
ram :
Para Porto-Alagre, M. Pacheco & C. 475 vo-
lumes corn 38,714 kilos de assurar bronco.
No brigue national Adolpho, cnrrega-
ram:
Pars o Rio Grande do Sul. M. Pacheco & C.
150 berricas corn 14,339 ki os de assucar was-
ca-vado.
Na barca portugueza Marianinha, carre-
ga rant :
Para o Lir Grande do Sul, J. M. Dias 8 0
barricas -,om 46,156 kilos do sasucar branco;
B Olivwira & C. 4 saccos corn 300 ditos de
dito mascavado e 6 ditos corn 450 jitos de diuo
bronco; J. F. Cardoso Ayres 451 ditos coin
33,750 ditos de dito e 50 ditos corn 3,750 ditos
de dito mascavado.
No patacho national Itajahy, carrega.
ram,:
Pdra Santos, P. Carueiro & C. 160 cases
corn :15.400 litreos de auardente.
No lufikar portuguez Mario, carregaram:
Parao io deJanriro, Amorim rmius& C.
300 saccos corn 18.000 kilos de assucar branco
e 200 altos corn 12,000 ditos de dito masca-
vado.
No vapor national Jaguaribe, carrega
ram :
Paza o Ceara. P. Carneiro & Ct. 20 barricas
corn 1,400 kilos desebo; Albuquerque & Filbo
8 ',itas corn 400 ditos de :arv& animal,; Alber-
to Neves 20 ditas conit 1,349 ditos de assucar
reflnado ; J. V. Ferreira da Silva 50 sacc s corn
3,750 ditus de dito mascavado, 10 ditos corn
75' ,ites de dito branco e 10 ditos corn feijio ;
Beltrio Junior & Rezendr :2 pipas rom 440
kilos do graixa e 10 volumes corn 30U kilos de
oleo de mocotd.
N, hiate national Camelia, cerregaram"
lara Mossor6, H. Naesch & C. 1,OOu saceos
corn farinba deomandioca.
-- Na barcaga D. Constanfa, rarregot :
Para Parahyha, J. A. dr, Aibuquerqu 4 bar-
ricas corn 24u kilos de assucar mascavado.

REGCEBEDORIA Dfc RENDAS INTERNAL ,..
RAE8 DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 3 3:5305005
Idem do ain 4 2:5955(69
5:125o274


l rreguezad a o. Jose I
Ruas: Marcilio Dias, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. Joao, Palma, Marquez do
Herval, Vinte quatro de Maio, Dias Cardoso,
Passo da Patria. Padre Nobrega. Victoria, Ca-
deia Nova, Vidal de Negreires, Frei Henmque,
Dique, Assumpoo, Domingos Theotonio. i'a-
dre Floriano. ChristovIo Colombo, Jardim, F(,r-
te, Antonio Henrique, Nogueira, Santa Cecilia,'
Santa Rita. Nova de Santa Rita, Praia de San-
ta Rita, S. Jos6, Pescadores. Ypiranga, Imrpe-
rial, Luiz de Mendonga. -*
Travessas-: Martyrios, Pocinho, Caldereiro,
Gaz, Forte, Sirigado. Copiaes, da rua Nova de
Santa Rita, S. Jos6 da praia do Forte, Peixoto
Lima.
Beccos: Da rua da Palma, Caldereiro, As-.
sumpqlo. 20 da rua Nava de Santa Rita, Ma-
triz de S. Jos6.
Largos: Fdrte, Mercado.
Freguezia da BoaVista
Ruas: Imperatrz,"ConceiCao, Viscnde de
Pelotas, TambrA. Visconide de Albuquerque,
Aurora, Capibaiibe, Ponte Velha. -Conde da
Boa-Vista, Riachuelo, Uniir,.Saudade, sete deo
Setembro, Hcspicio, Camaiauo, Rosarto, Ger-
vasio Pires,- Atalbo, Socego. Principe, Santa
Cru', S. Goncalo, Cclhosl, Hospital Padro II,
General Sedra, Coronet Lamenha, Alegria,
Let.o Codado, Barao de S. Borja. Soledade
Visconde de Gcoyanna.
Travesssas : Gervasio Pires, Principe, Coe-
Ihos., Barr! iras, Veras, Quiabo, Joao Francisco,
MNangueira, Campina, 'Palacio do Bispo.
Becco: Drs C 6;hos.
Pragas: Cornde d'Eu. SantaCruz. "
Largo: Da Campina.

Recife Drainage

A companhia faz public para conbeci-
mento dos interessa4os que collocou no
mez de janeiro proximo findo, os ap-
parelhos abaixo declarados:
Freguezia de S. Josi
Lojas, 5378. 5379, 5380, 5381.
Rua do Marquez do Herval n. 146, apparelho
n. 5382. 1o andar.
Dita n.' 148, dito n. 5383, casa terrea.
Dita n. 150. dito n. 5384, idem.
Dita n. 152. dito n. 5385, idem."
Dita n. 154, dito n. 5386. idem.
Dita n. 153 A, dito n. 5347, idem.
Dita n. 156 B. dito n. 5388, idem.
Dita n. 156 C, dito n. 5389, idem.,
Dita n. 156 D, dito n. 5390, idem.
Dita n. 156 E, dito n. 5391, idem.
Dita n. 156 F, dito n. 5392, idem.
Dita n. 156, dito n. 5393, idem.
Dita n. 158, dito n. 5394. idem.
Dita n. 160, dito n. 5427, idem.
Dita n. 164, dito n. 5428, idem.
Dita n. 166, dito n. 5429, idem.
Dita n. 168, dito n. 5430. idem.
Dita n. T170. dito n. 5451. idem.
Travessa do Gaz n. I, dito u. 539p, idem.
Dita n, 5, dite n. 5398, idem.
Dita n. 5 A, dito n. 5399, idem.
Dita n. 7, dito e. 5400, idem.
Dita n. 9, dito n. 5401. idem.
Dita n. 11, dito n. 5402, idem.
Dita n. 13, dito n.,5103, idem.
Dita n. 15, dito n. 5404, idem.
Dita n. 17, dito n. 5405, idem.
Dita n. 19, dito n. 5406. idem.
Dita n. 21, dito n. 5407, idem.
Dita n. 23, dito n. 5408, idem.
Rua da Cadeia Nova n. 33 A. dito n. 5409,
idem.
Dita n 33 B, dito n. 5410, idem.
Dita n. 33C, dito d. 5411, idem.
Dita n. 33 D, dito n. 5412, idem.
Dita n. 33 E, dito n. 5414, idem.
Dita n. 33 G. dito n. 5415, idem.
Dita n. 33 H, dito n. 5416. idem.
Dita n. 33 I, dito. n. 5417, idem.
Dita n. 33 J, dito n. 5418, i4em.
Dita n. 33 K, dito n- 5419, idem.
Dita n. 35, dito n. 5420, idem.
Dita n. 37, dito n. 5421, idem.
Dita-n. 39, dito n. 5422, idem.
Dita n. 41. dito n. 5423. idem.
Dita n. 43, dito n. 5424. idem.
Dita n. 45, dito n. 54'25, idem.
Dita n. 47, dito n. 5426, idem.
Travessa do Ramos n. 2, dito n. 5432, idem.
,Dita n. 4, dito n. 5433, idem.
Dita n. 6, dito n. 5434, idem.
Dita n. 8, dito a. 5435, idem.
Dita n. 10. dito n. 5436, idem.
Dita n. 12, dito a. 5437, idem.
Dita n. 14, dito n. 5138, idem.
Dita n. 16, dit, ,n, 5439. idem.
Travessa no Ramos n. 18, appare, ie n. 5,440'
casa terrea.
Dita n. 20, dito n. 5,441ridem.
Dita n. 22, dito n. 5,442, idem.
Dita n. 24, dito n. 5.43, idem,
Dita a. 26, dito n. 5,444, idem:'
Dita n. 28, dito n. 5,445, idem.
Dita n. 30," dito n. 5,446, idem.
Dita n. 32, dito n. 5,447, idem.
Dito n. 34. dito-n. 5.448. idem.


Dita n. 36, dito d. 5,449, idem.
Dita n. 38, dito n..5,454, iddm.
Dita n. 40, dito n. 5,455, idem.
Dits n. 42, dito "n.5,456, idem.
Dita n. 44, dio n. 5,457, idem.
Dita n. 46, dito n. 5,458, idem.
Dita n. 48, 'dito n. ,4,59A, idem.
Dita n. 50, dito n. 5,460, idem.
Dita n. 52, dito n. 5,451, adem.
)Dita n. 54, dito n. 5,452, idem.
Dita s. 56. dito n. 5,453, idem.
Dita n. 58, dito n. 5,461, idem.
Dita n. 60, dito n. 5,462, idem.
Dita n. 62, dito n. 5,463, idem.
Dita do Peixoto n. 32 dito n. 5,467, idem.
Fguezia d Boe-vist
Rua 'de Gervasio 'Pires n. 85s apparelho n.
,- loj~l&.Qms terre. "
-.. i tt-f. eir d?. 18 -0 garteo

A-


Iart.__ 0 do.r. u .tsa
.; < o .
saak~ qr 4-uspe j, do, 4 Cr
Rums: 1mgmu q to~p1palasM
ves Cabral, Couii rcio. Bisp.i h Tor-
res, Thom6 de ouN D. Mariade 8oi Hi-
gariq Tenoro; Barret do MenseaS tarlz e
Barroes, Burgos, Amorim. Mooda. Tuuotr, Gom-
panbhia Pemambucana, Madre Doeus,,Doin-.
coS Jose Martins, Maseatem, Reeotauipao, D.
Maria Cesar, Visconde deo Uaparioa, Pharol,
ArealS. Jorge, Vital de Oliveira, Guararapes,
Barlo do Triumpho.
Largos: Da Alfandega, Corpo Santo, As-
sembloa.
Travetmssas: Vigario, Madre de Dous, Cam-
pollo, Domingos Jos6 Martins, Corpo Santo,
Antigo Porto, Bom Jesus, Areal. paras fun-
dicAo, Ocidente, Guararapes, da praQa de
Pedro I.
Pra0as : Do Chaco, de Pedro I.
Caes : Do Brum, -do Apollo, da Gompanhia.
Beccos: Abreu, Largo, Pindoba. Tapado.
Pasohoal.
Freguezis de Santo Antonio
Ruas: Imperador, Primeiro de Margo, Du-
quo de Caxias, Cabuga, Barbo da. Victoria,
Trincheiras. Larangeiras, larga do Roiario,
estreita do Rosario, S. Frapcisco, JoSlo do Re-
go, Ilha do Carvalho, Roda, Patos. Calabouio
Velho, Santo Amaro. Mathias de Albuquerque-
Paz, Pauline Camera, Fogo, Livraimento,.Pe,
nha, Visconde de ,Inhaumrna, Pedro AfpoSo,
nova da Praia, Maroio Dias. ViramCo, Lonas
Valentinas, Coronel Suassuna. 8anta Thereza,
Vinte Quatro de Maio, Palma, Marquez do
Herval, Cadeia Nova.
Becoos: Da travesa da ritna Bella, Calabougo,
Matriz. 1 da Camboa, 2@ Idem, 30 idem, Falcko,
10 da Cadeia Nova, 2o Hem idem, 30 idem idem.
Travessas : Queiwado, Cruzes, Marquez do
Recite, rua Bella, Quarteis. Colabougo, Expos-
tes, Matriz, Florcs, Carmo. Bowba, Livramen-
to. Arsenal, 1I e 2' da Praia, Carcereiro, S.
Pedro, Viraco, Lobato, do becco do Falceo,
Poucinho. Concordia.
Largos: Paraiso,-Carmo, Penha. S. Pedro,
Pracinba.
Caes : 22 de Novembio.
Praca: Pedro II.
Campo: Das-princezas.


tin, no doumlnce [6 do correouel. as to dae to nesta ropartio sea respect.
taldel. d o co vo ob o ate 30 do juomho vindouro, do
0 seeretaro .iterino, oonirids4e onm a circular n. 69 de 31
Adolpho Cawlteri. d do wa to promiwo flndo, qua proiogou o
--Adolpho Ca---- t.prazo satabeleeido pela 'de n. 40 be 13 de ju-
Iho do anno proximo pasado, e corn as ins-
3.0 2.-0 1.0 trucgOos do miniaterio da fazenda de 20 de
...._._ ... ,___ I male deo 1879.
t o Recebedoria de Pernambuco, I de fevereiro
bbh -eb S do 1881.;
r$ 0 The New London & Brasilian
.^. ^, Bank Limited
aO.,O -a, ,ow- &I RUA Do COMMERCIO N. 32


t hanrm di



s.z


8




08
00
U
0.

CD


WtO*
@o0o0'
03
__ 0^



o.m -
OB SCnO
* 0-B 0.
D 0 WCa
* B

h. 0ie
i C *a
'nr



8 E.0

03


a.
0 r


e B 0

CA


C2
. -
0
a.
a
e -Io
3'


'" *' 7-
0
co
0 SC


Cswo 13 0 ** t
a. a e
9 en aoV CCC ,
^'1 ^ h
0 Ci
0
;1
*b~binb L


es o D9I s aCt
-I = "
C3 B.: -


PI "



tO "O I .c ,Is w =-^ "f
0 9. .. I .
0v.
E. p1 c]|-i
I n

g

01 ~i
C5 2, p
0 -> r
n: 61_* */


ADMINISTRACAO DOS GORKEItOS D PE-EH-
NAMBUCO, 5 DE KEVE EIRO DE 1881
Malas a expedir-se hoje
SPelo vapor nacinnal Espirilo Santo, esta ad-
ministragto expede malas para os ports do
sul.
Recebemrn-se jornaes, impressos d cle qualquer
natureza e cartas- a egiestrar, ate 1 hora
da taroe, cartas ordinaries atl i3 horaq, e at,
3 1/2, pagaido p&rte duplo.
0 adtnis:Ii .rador,
Affonso do R fi, LBarrvos.
I I l ,*-"'- 1'.ra In a 4,.g "
DR-

N. S. do Terwo
De ordemin do nosso i u-.,, jz, s5i) cnrivi la-
dos os ,oss.s c:trissmu-s i,wikmi '.-t.: ,eue-
rivel ir uinatiia e paii;a cornp 'ri"'-' n) (i )-
iningo. 6 do corrente., p-l[i :{ I,' hir'rs ia
tarde, para tcarcorpl>'' s, I-.,iQ) ur'irios ;a
pro,'issao ide N. S. da Luz, i t -.i ig ejiI
,ie S. Jose ,- eRil)a mar, p';it o> q'c Io,, .S con
vidad'os pela reapectiva Intiari-.1ae.
Consistlori, d; irianlirn o 'li N. S. don Tc:-
go, 4 de fevereiro de -1891.-O e.'rel.a,
Mhr,-olhno Auk-ust, ,ia SSva Villar.
CONFRARIA

De S. Jose da Agonia
De ordemn da mesa regedira. cnvilo o L.s
nossos crlharisinos irmaos a comparecerern no
consistorio desta ecnf'aiau pars acomripaihar
nos procissionalmente a Excelsa 1mag:rr da
Senhors da Luz, Aconvite da suja veneiavel
irmandade, no do3ningo 6 do correntle, pelas 3
horas da tarde.
Secrptaria .oa confnirria de S. Jose *:a Agnia,
arecta no cnvento doCarmio, 4 de fevereito
de lc8l.
0 secretario.
J. P. Simoes.

Arsenal de guerra
D,) ordem do ilim. Sr. dire tor interino fact)o
public que em virtue da oruem d prtsidencia,
de 29 de Janeiro findo, sorao vendidos em hasta
public, As 11 horas da rnanh do dia 8 dou cor-
rente, os objects abaixo mencionados:
Bluzas ue panno'azul 209
CalQas de dito 92
Capas de brim para gorros 674
Ditas de dito para bonets 20
Capotes de panno azul 9
Gorros de dito 68
Mantas de I1 escuras 21
Sobrecasacoy de panno azul 10
Ditos de brin-.pardo 22
Suspenasorios, pares 4, 649
Algodo trangado do paiz em pedagos,
metros 97,10
Dito oe listra em pedagos, metres 28 28
Chita de c.)betta em pedigos, metros 5
Gordio de Il preto, metros 1.310,84
Botbes pequenos de massa. grozas IQO
Barrilde madeira de dous funds I
Banco de pinho I
Caixas gtandes de madeira 3
Dita pequena de dita 1
Carro corn caixa .1
Ditos corn pipas 2
Cunbetes de pinho 40
C6lhas grandes de madeira 3
Mesas do inferior 3
Quartolla para deposit d'agua 1
Quartinbeiras de madeira 2
Tina do madeira 1
Ditas de bacteria 2
Espeques de madeira de differences
calibres 20
Bussola para agrimensura I
Agulblo corn pinulae nivel de balha,
dor 1
Niveis de engenheiro 2
P6 de nivel 1
Lampebes da antiga illumina&o de rua 2
Panellas ie folha para olto pragas 10
Folhas de Flandres, caixas 5
Forte inglez quadrado de 1/4 de poile-
gads, kilos 1,208
Ago em barras, kilos 743,20
Fortes para lampeoes da antiga illumi-
pagco de'rua 8
Schabraks de panno 25
Seoretaria do arsenal -de guerra de Pernam-
butco, em 4 do fevoreiro de 1881.
-', 0 secretario,
Tamol5o P. de Albuquerqa. Mcranhdo.


Iecebedoria de er-
naibuco


Taxa de escravos
0 #dministrador i As iebedoria faz public
quo finda-se no dia $8 do corxente, o prazo
para pagamento live d e multa da taxa de es-
oravo do correntlMrcioio de 1880 A 1881..
Recebedoria de,Poirkambuco, 1 de feverei-
rode 1881.,
Alexandra ed Sousa Pereip, doCarmo.

Club Conawerc~al Euterw
Domingo 6 &o diemte, ao metOia, seqmo
ordinarta de as lm a g erl, p, a-Mtsv.
der a leitura 4o rohtorio semstupteleir-
s9 a nova director, de aocoM 'Ui ot.
20, 1 dos estatutos; deota.v 4M sein o
numero de soclos que comparecem."
Secretaria do Club, em2 de fevereiro de


18M.


Reci


ibem


0 le sea trio,
los de Castro MPnliros,

iora e 'Per-


miniatrdmrda reoodorla, dando oun.


Sacca por todos os vapores sobre as
caixas do rmes'mo banco em Portugal,
sendo :
Em Lisb6a rua dos Capelistas n. 75.
No Porto. rua dos Inglezes.

Faculdade de direito
De ordem do Elm. Sr. tonselheiro direct.ir,
faQo public que no dia 5 deste, as 2 horasr da
tafeo, seoa incerrada a inrcripco paia o con-
cursu da substmtui(,.o d prithmineLica e germe
tria, e que no dia 4, da 9 hras da umanha,
comecario os exarnes prepa'alouiios die scien-
cias, cujas bancas erao assim Crcosltuidas:'
Philusophia
Preside ntP. Dr. Juino Vi-ira -ile Anrij.,.
Examin0irioie. B ,ch:,rr-I Arni-,r,,, Liz ie
Medl6 Vieira e pa.ie lDr. Jeriorvmo Thvnim da I
Q.I..


h toi t, a { 7 ::
Presideite, Dr. Iloft, J. s Pmnzo Jrmio-. x 1I '
Exan.inalores-D ir Jkv-iiulmr .\Albr.qiierquo j 1 6j
B ; r r to s G ui 'h ia i .es e. b .ii- ,.,,e l J .- >, d e O ii v i r a .
Gfcitbphiri e sto,1Wil l A Adirectoria da rmesma companhia,
Presi.je-i,. 1),.. J i 'll ,mI .d:1 S;a ,le cunfirnridade corn a resolul.o da
Examrm.l,-,re,.;.- .It S,,r;,. S,*za assernblda geral dos Srs .-"ccionistas,
e :Albino Uone,!ves Moire -If.!Vast% 'ietlit.s."
oAriihun -ci e o V,.s.,ii,,,. r'eunida ,mo dia .71 de j:inm iro finIo, con-
Presile i le, I).. ,it ,'z l rI | .iii s .,ira. vid.: asO) lrirsm1 u" actlmut i.i.Liz 'i u euni-
Examinaiorp.; -I,,.;-.i V I -i, ,.,,,i ,i rei-em -sd mft) (i ; 7 luo corirente ni-z, pelbs
r l ,sa e P-.r." -,'v' .:A !!. .:,: Guira- I- hol-as doo (li. A i) escrplorin fie sua
r~ps r~eLi.. jr P :-t rim o du:0 perorliamn. 71, oana,
Secret.,,, ..- ';,.,, i, :.. i, ,'-, ..],, RI,- ,e *r r";t 1o J npcr,,i,)r 71, para,
cite. 0 de Car .i: cI *. i'(. .i. I dc: o.l, uJ CO i E u 2 t. .)2 dos eslatutos,
-. re.r.., ;ipieci.,rum. te resolverem sobre a refer-
._,.___ .I f',r.,c I;c O. a f,: ,,e .e :.= ai O.-. liiesmrid s, 0IhiS I-d fp! I-receituaado o citudo art. 52, que
aJ do P I oo Ui p-a, ,, e;ic de ,tue se trata, se achemrn
Pel& dIec,-,, ,ai,. ,.irras i, rrs-rv: -iio pre-s-r-nitc-., per si e seus especiaes pro-
^dos ;.",..i'Cstcr pr..', c ,.a.-s ', ct, t~radores, ;ccionistas querepr-sentem,
l a tl mtil r, r ls-fr I, s.a irtl ,I- ,Olt-'
[,-r ni-i d,.- --rc :vs, ,. 2,7zer... ,:, .nrais I nde. etade (to capital (di compa-
,.iA o p:iss:,.>, ri,,i ri.i ie- io ,'a ;-ri:ilt(ira. n ii -, a riesma directovia solicit que
,',ineW.C ..... -...... :,. ni,;, .. .i, c, r- os Srs accionistas i o faltpm ao com-
'ri:'ei.r t,,-,x.;,c ,, V l,, I,, :, a i- i -i ri M.10 a-I t ip cr mento tao irndcado dit.
,:;. ... ,,, ,. .....r,,,- .t.i c.,,ri.:!;. ,.-,,,,.,-,, Escriptk rio dai corm panbia do Bebt-
ri:, v. ,, -.i.I ,-I fll .,<,- I r.O.- ,, ,,.,,:.,, ... it ,res 1ibe, 3 dc fevereiro de 1881.


I:t- i'j -. ,-s .'; i | i i r Is .-, -i.i ,r -i



[{ 1.' S ,', .. < .


0 seu:relario,

Gabtnete ,Portuguez de

Leitura


'- ...... .... "'" CONSEL|IO DELIBMEATIVO
*.,I'ni- [t a,'Pot L 'e" i,. 0)1 ordi,-m E S k( uos Sins. vca.-ns jeste, conselhih. A coin-
i e DLULUliitj (I rareceremn A 6 horas da tarie de segunda
VEtupresa^ L o, om tT V t4i, a 7 d-, crfente ; A sessf, e extraordinarily,
Escriptoi jo A rua do Viscon1dei- -cr rt;Asss' xrodnra
Escptol aCav rua do Visc o cooc.ida po- (.frim da directoria, de accord
de Itapi.rica n. 7 cr,; o 30 do art. 61 dos estatutos.
-\ np ,,s. 1 i(,(:o. i'<,.9. o.sta cm!,.it1, f"z.i-{ .GG bmete Poituzuz' le Leitura, 4defeve-
rc.ite : .-:tfr' pis.. l;, cna rm l ,- '.:.!--: nn ;Wir',> ; reiro JQ 1881.
-). ti;,.si-i n- O uen,7?rr.s. (n fvir dics so- !Francisco de Oliveira Maia,
!-h-jres c:'Lc(:iil(ore, espr-rinndr, que, ema vista 1i 1 secietarir.


I 'ANTQNW
m mis

SOG iLAD' LYRI&J PAS t;L

Sabibado 5 e Doiingo 6 de fevereiro de 1881

ENORME NOYIDADE
GBANI)E iAHAVlLHA

SUCCESS CtiESCENTE
Dous pomposos espectaculos corn o brilhante concurso do
eximio, artist


l0a represpntaia do seinpre applaudidn drama pastoral, firiginal do 'r*
C. Candido das Neves, dividlido emrn 3 acos e 7 quadros, denominado


GABRIEL E LUSBEL



O"iOBOII iO M
DarA principio a repr ~Elel~ooaiooesnpod rit


Dar. principio a representagdo o mimoso escripto do artist
corn o additiv ao0 mesmo pastoril denominado

U PECCADOR ARREPENDIDO


P bIE w-
o peregriuo
Lusbel
I.' camponeza, a menina
2.' c ajovemr
Pastoias e camrponezas
Music arranjjda pelo sympathico professor

DENOMI1ACAO DOS QUADROS


1.o quadro


2.0
3.o
4.0
5.o

6o.0
7.o


LISBOA


SR. LISBOA
a Bebiano
Amelia
Dondon


e


0 peccador arrependido
A seducgao
O nascimento de Messias
0 desespero de Lusbel
Herodes perseguiudo as
pastors
A estrella do Oriente
Grande apotbeose


N. B.-Tendo o artist LISBOA escripto urn addilivo ao.pastoril para ser
representado no Theatro Santo Antonio, pela Saciedade Lyrico-Pastoril, esta
aceitando, em prova de reconhecimento, conferio-lhe o diploma de socio bene-
merito, pedindo-lhe ao mesmo tempo para fazer part no sen mimoso trabalho
ao que elle accedeu da nelhor vontade, desempenhando o papel de
PEREGRINO
0 rest dos bilhetes est4 a venda no|escriptorio do theatre no do dia do
espectaculo. _
11 Tinos CHARGIURS REU NIB
I ICompanhia Franceza de Navo-
Pacifip Steam Navigation Co m ga oAo
pafl Liuha mtwalstre o
STRAITS OF](M*JILLAN LINE Havre, Luboa., Pemmrnbeo, Bahia, Rio di
9TRAITS 9FIAJaneiro e Santos
Cordillera VILLE DE RIO tDE JANEIRO
Espera-se dos ports Commandante Le Guen
11K do sul, t6 o dia 5 do ..er
bfrrente, seguindo de- do s potet o
pois da demora do cos-
-tume, par- Liverpool, sul no0 di t
'tocando anm-Lisboa e do 4consne.-
seguindode
Brd sudes recebe carga, pasaagei- job.de.o Iwl
ms, enaommendas e dinbeiro a frete. Iw.
CONSIGNATAhOS,"pan
Wilson Solis & C. Limited, le em
14-RUA DO COMMERCIO-14 R be ea MINO a a da
-L- ros, parna quas ter excellecten a
SD" a m odagOee.
Paras o referdo port vati seguir brevemente 1ugusto F. J M4C. d
oqpatho pertiguez Geomu de Castro, tendo a 4-iB DIk -DO l
orpanl4j'euCrpgsng jada,,resbe o rwesto .B1 j| r
q aoB-am a frets modico; a tratar com r
imnodco Ruibei Ainto GuimrAies, A ru a do om *M -;
Brm nt. .. Ara po


- .i -:


0.
W 0 9
5I


*.- I
1 I


I


3
I
;j


'"I


despeza p ua n b"oe
do, em oonlMMqensla da .rade .pft o de
carga, neta safra quo ha condusir e deap
char, gratis, .de augmentsr sou pes0a1l para
bern aervir, tern deliberado ze ura peq ena
aleracA&o noa preeos, iuto 6 revogar a tabella
actual e restabelecer a anterior, do 1 do fe-
vereiro em diante:
A saber:
Por sacco de assuear da estag&o das Cinco
Pontas ao Recife 200 reis.
Por sacca de algodlio da estaCAo dab Cinco
Pontas ao Recite 200 rMis.
Por pipa corn agu rdente da estaClo das
Cinco Pontas so Recite 2S000.
Por sareco corn assucar dos trapiohes aos
armazens 100 reis. .
A empresa locomnotora continue a conduzir
e despacbar gratuitamente os objects dos
seus freguezes. que form remettidos aos se-
nhores agricultores; encarrega-se de despa-
char qualquer quantia de dinheiro, tirar as
amostras dos asstcares na estagAo e trapi-
ches ; entregar aos senhores correspondentss,
para o que tern um pessoal babilitado e pra-
tico, e pele qual se responsabilisa. Pede e
esperr.. o auxilio dos senrihores agricultores,
correspondents e comiereiantes, mesmo a
bern da agriculture e do commercio.
Recife, 10 ae feveretrc deo 1881.
Jodo Antonio da Costa Moreira,
Gerente.

COMPANHIA.
DO


0


1-0,o


I


I


*
** : v.
^.j. As .'-





















.' .... B, e9 id ip
tdsqrlo oos90a9
,-=' *,. do s0 a dia." 9
I^^^^^^L 'da lmia 6 costime
saeguilir para o0 pqr.
., ~~" tedo marts.I
l eBommendas e ava-

44--RUA Do COIOEWAC-- 44
hCOMPANHIA PER.AMflUCANA


DX
Navegacio Gosteira por
PORTOS DO SUL


Vdpor


Barra-Grande, Porto de Pedra.% Cama-
ragibe, Macei6, Penedo e Aracaj6
.--l Segue no dia 8 do
i r corrente, o vapor Coand
-.*" "I^O 'd'E(, commandants
| Silva,. 5 horas da
tarde.
Recebe cargo a6 e dina 7. Enoommendas,
Dassagens e dinheiro a frets at6 is S horas
a tarde do referido dia.
gscriptorno
Rua da Compasia Pernambucana
n. 12.
t Aracaty
Segue nestes poucos dias o hiate Graciosa.
recebe carga; a tratar na rua da Madre de
Deus n. 8. ou no cues do Loyo, a bnrdo do
iqesmo biate.


LEIL(IS


Leilio
Agente Pinto
0 de m iveis. louca, crystaes, quadros, pia-
nos, da casa em que residiu o major Jerony-
mo Theotonio da Silva L-ureiro, deve tnr hl-
gar .ibb4ilo 5 do corente, no sobrado da run
do Sol n. 31, bern como o de cabriolet, car-
rogas e arreos.

LEIL-AO0
D'um cabriolet de 4 rodas, 2 carroeas pars 2
cavall .s, I machine de cortar capim, ar
reojus para carruoas e 1 arreio para cabrio-
let.
Hoje
Sabbado 5 do corrente
A'S 2 HORAS DA TARDE
Por intervengRo do agent
PINTO
Na rua din Sl, e'n fente a casa n. 31. onde
deve ter lugar o lailo die moves, louca, crys-
taes e um excellent- piano.


LEILAO%
Do m excellent piano forte e quasi novo,
de um dos mnais -onbecidos fabricantes.
Hoje
Sabbado, 5 ae fevereiro
ao meio dia
Por occasiAo do leilho de moveis, louga
crystaes, no sobrado da rua do sol n. 31.


e



e


LEILAO
De moves, louas e crystaes

Um piano forte, em optimo estado df con-
servagao, I linda mobilia de jacarandA, con
I sofA, 4 conisoles, cadeiras de bracos A 12
de guarniCAo. 2 bancas para jogo, 1 tapete de
sofa, 1 espelho uval, 7 quadrus corm finas gra-
vuras, 4 jarras para flores, 4 castiqaes e lan-
ternas, 4 figures, 6 tapetes de port, 2 diLos
do coco; 4 escarrdeiras e 1 tapebe de c6co,
pano de saTa e I carrinho para menino.
Urma cama fraiceza, 6 cadeiras, i mesa e
santuario de jacarandA, I commoda con pe-
dra, 2 lavatorius corn espelbo 2 ca ,ides, I
marquezao e outros objects.
Uma mesa elastic cam 7 tabcas, 1 guarda
]ouga envidraCadu, 2 aparadores torneados,
1 quartinbeira, 1 sofa, I! cadeiras, 2 cantonei
ras, 1 apparelbo pars chA I dito paras jantar,
cops, calicos, garrafas, compoteiras, bande-
S jas, 1 galheteiro de Elect:o-plate, 3 quartinhas
o MuiLos outros objects de casa de familiar.
Hoje
Sabbalo 5 dQ fevereiro
No 2o andar do sobrado da rx~a
do Marquez do Herval n. 31.
(Em frente da escola modello)
0 agent Pinto. autorisado pelo procuradar
do Sr. Jeronymo Theotonio da Silva Loureiro,
levard A leilo as moves o mais objects da
casa em que residio a tirua do Sol n. 31, em
frente da escola modello.
0 leilao principiard
A'S 10 1/2 HORAS


^'

















C^l

4
4J



'al
.','.?.;..
.i" .



..


.. -.*



."


>* ,',* ,.











-.'
,:..
,T -.. / *



























i.i
i% *" ,








































,,.
.
%:.




































1,., J : ,
"j,,


naq Ala-
my*00


terrea em Plo de As*,iar,
.* .


tidos, casacosoe o1 .es pera Toixup
dSras., poles figotrinos ma-is'podedf,
eo prerAosN cids. -

.Acba doeoiMur iKe s".ertimpato para a
j4a do vapo.frqo--i. fu N*va n. 16, a #Ye-
re bertimos, em dumi,, .
uAlup-se .urn pequaoo-segndo' as4Fr,
tenodo I quartos, 9 sales ecominha Mra;'para
pqueaoa famUla, ni rua Duque doCaxfarn.
h a tjotar na mesa n. 3i. bilhar commer-
cial. "-
Fugio da case do.abaixo assigpnado, as
Barra Grande, em Porto-Calvo, um escravo
crioulo, do none Beiendicto, bem pceto, coath
30 annos, mats ou menos, boa figora, levun
vessido paletot preto, chap6o preto alto, e usaa
um aorta pass so lado : queon o pegar, p64e
SIeval-o so St. Joaquim Rodriguqs T. vtreo deo
Kello on ao Sr. Bernardino Pontual nests praI
Qa, on a sou senior em Barra Grande,. ou n.
engenuo S. Vicente, nomesmo lugar, qua serr
born recompensado.


Jlolo Baptista Accioll.
Recommenda-se aos menhores oapilies I4
campo a captura dv escravo Luiz Fialho, mula-
to, moo, queo so achafugiod ad mails de um
msz, o qual fqi escravo do'fallecido Exm. Visa.
ponde de Suassuna, e boje perlence a Manoel
Caldas Barreto, par Ihe Locar em partilha do
respective inventario, a quem sera entregue
no engenho Sapucaia de Beberibe.
-~Aoommissao adminis~radora do patrigio-
nio de N. S. do Lortto convida polo present
aos devedores do mesmoo patrimonio, para, no
prazo de otto dias, virem satisfazer os seus
a(ebitos, perante o respective thbesoureir Josd
da Silva Barros, na povoacAo. da Vencia-Gran-
de ; e so assim o nao fizerem, sous nDomes
serao declarados por este jornal, e al6m disso
se procede'a immediatamente a cobranoa Ju-
dicial. Venda Grande, 15 de janeito deo 1881.
Manoel Francisco Eduviges.
Antonio da Silva Rocha.
Jose Silva Barros.
Antonio Jose Ferreira Azevedo.
Bellarmino V. Souza. ,
Josad Marioel da Rocha.
Precisa so de uma ama para coziohar e
lavar: na rua do Visconde de Albuquerque
numero 29.


= Precisa-se de um caixeiro corn pratica de
taverna; a Iratar em Olinda, Ladeira di Ri-
beira n. 32. .
Precis-se. d i uma professor para en-
sinar a ioer, escrever e costuras. em casa de
um proprietario de urnm engenho distant dez
legnas destaM Cade : quemn pretender encarro-
gar-se desse mister, demixe carta fecbhad con
as iniciaes A B C, em casa do Sr. Correia & C.
A rua do Imperador n. W6. para ser procurado
Precisa-se de um criado : na ruardo Brum
n. 82, 20 andar.
Precisa-se de uima preta esa nrava para en-
gommare fazer o service intern de urmea casa
de familiar: i tratar na rua da Soledade, casa
que fica centre a rue da tonqui.ta Pr.gresso.
Recomirdenda-se ao senhores capitles
de campo a capture do escravo Luiz Fialbo,
mrulato mogo, que se aoha fugido ha mais de
um mez. o qual foi escravo do fallecido ExIc


Visconde di Suassuna. e hoje pertence a Ma-
noel Caldas Barreto, par Ihe. tocar em partilha
do respective inventario, e a quemn serd en-
tregue no eggenho Sapucaia do Beberibe.
-' Aluga-se por muito modico prego a casa
de azulejo da run Imperial n 108. tendo 2 sa-
las, 5 quartos, cozinha externa e quintal corn
portoia. e grande cacimba independent: a
tratar na run Larga do Rosario n. 31. botica.
C7ntinua fugido ha dous mezes o escravo
Cypriano, de 20 dnnos de idade, baixo, fulo,
pescuro grosao, falts de denies na frente,
pernas um pouco tortes : quern o appreheou-
der., p6de ohLtregal-o A rua da Aurora n. 81.
onde sera recomnpensado.


Fugio do engefnho Cavalcanti, da comarca de
Nazareth da matt, na noite de 24 para 25 do
corrente, das7 para8 bhoras da note. o escravo
mulato Bruno, criado. idade 19 para 20 annos,
baixo, espadaulo, cabellos earapinhos, e cos-
tuma conserval-os bastante grande, olhos par-
dos, rosto mais cumprido que redondo, dentes
pprfeitos, p6es regulates, send um pouco lar-
go proximo. aos dedos. E' bemn ladino, sabe
.er e escrever e gosta de recitar poesias.
Quem o capturar sera generosamente recom-
pensado conduzindo-o cem toda seguranga a
est engenho ; igqore-se a direccae que topou
porem ha~suposiCo que seguio para o Recife,
onde nasceu e morou, ate a idade de 10 annos
pouco mais ou menos, tend sido vendido aso
finado major Paulo de Amorim Salgado corn
quern permnutei por umneutro escravo de nome
Gaspar, por occasilo do inventanlo do corn-
mendador Paulo de Amorim Salgalo.
-Firmeze, 31 de janeiro do 1e881. Fugio
deste engenbo o meu escravo Albino no die
27 do corrente, o qual tern os signaes segnin-
tes: alters boa, r6r preta, corn algumas mar-
cas de bexigas, idade 21 a 26 annos, levou ca-
misa de algodlo-riscado,' calga e paletot bran-
cos e chapdo do chile, todo este vestuari' p6de
ser substituid-i por outro; elle 6 bastante ati-
lado e muito bonita figure. Rogo, pnrtanto.
aos capities de campo e a qualquer autorida-
do a priuso do mesmo escravo, devendo ser'
entrogue nests engenho o4 at s meus corres-
pondentes Tavares de Mello, Genro & C.. pra-
ga do Corpo Santo n 15. Quem o apprehender
serd bern recompensado.
SRfario de Piran.y.
Precisa-se de um cozinheiro ou cozinheira
quo seja limpo e perito na sua arte; a rua da
Aurora n. 73.
Precisa-se de um official de funileiro; na
aca da Imperatriz n.79.
"- Preoisa-se e costureiras que trabalhem
corn perfeiclo: na rua da Imperatriz n. S3, o
andar. Fazem-se tambem plissus compreste-
za a40 rs. o retro.


Fabrica de fiaglao e tecidos
da M iags.ana
Nesta fabrisea pree doe teelOes.


Procsea-i denmaliiro de It A 14 abnos
de Idade com pratica de.padaria : A tratar na rna
da Concordia n. 57, padaria.
- Precisa-se deurea ama para co7inbar e. J
casa de pouca familiar: na rua Imperial n.
257.
Precisa-se do um copeiro ou criado para
o servico domestic, que seja morelisado e de
fiador A sua conducts; a enlender-se na rua
da lmperatrlz n. 19, t andar, ou na rua de
S. Bento n. M, em Olinda.
5-8 por %S o segundo and-ar e s
tap do sobrado n. 38 da rua estreita do Rosa-
rio, corn vis-a para o pateo do Carmo e largo
da matriz de Sadto Antonio; pars ver, as cha-
Sves estlo ma losja, trata-se em F6ra de Par-
tas, rum do Pllar a. 56. taverns.
Aluga-se par commode preco, e para
qualquer estabelecimento commercial ounffi-
cina, uma das Iojas dacasa In. 32 da rua" de
Marcillo Dias ou rua Direota :,&a tratar na boti-
ca n. 34 da rua larga do Rosario.
-,/Aluga-se o sobrado da ruada Aurora n.
161, b qual teon excellentes salas e qdartos,
muito fresco, .trm agua e gaz, jardim,. tc. ; a
tratar'nq casa imimediata n.'163, de manhi bt
am9, boras, e 'das B da tarde em diante.
.- Aluga-se a loja do sobrado n. 6 6arba
Direita; a do n. 3 A rua da Penbha; a de n. 8 A
rna 4o Fogo; a de n. 46_Atua de Lomas V.-
lentUam; oo 1 e 2 anderms do sohradp n, 2 A
roa de d ante Rlt&; o I *nd#r do n. 16 ,na.
do Hrtas; a as corn s(ftio, no aspinbelrq o
qus fol do Mangericob :a tratar no segundo
sadi do :ebrado p.A isa ra do Raugeil.ou
oom~aff~t~t-1a!loll 11u11


* *
N ~. -
V '
~: 44- --





= nl
F It.
E to












dtui
Q^m.^


Ii.'







I.'



at
s- 0


U
2:


s*


I

-'*
'.I

'1


e

*
S1
S


I'
S




in


. ,


Mi

I


L*m.F*A


llli i! Otmdaa/.1WUU o
tol.. a-t----_--, com- .a pidla.
I mo empregadas corn Immens uocusmo, ba mat de
Ios, par curar a mi, AmMa Chiloro, (ema p iM


ser e ta d a.

uISmrM s=51Um3d a3
Pwg00w@CEaMiO


e eMIksoam as i
B- M hnamftm
'*-whrO-JMl


VI dco de
wo e oasasPC


Sde ,
(Meaiha df'Ouro da Uoeftade PMnrtacIa *f Paris)
ft diaolugb iod' E vms qf.a. 6 m dos melhores hemostaticos. As e
U yed u s < jpm Bs omprogadasara I"iliMtar o trnKbso do part.
e par, r hmurhmagla, do qualqur nature. ,
iposto Geral : Pharmadia LABtLONYE, 99, ruia 'Aboukir, em Pariw


lmb.o da Actademia de Modlcid doe Parli
ldico.-M r do HopUta i S. ou
OC .. COM CKTEZ&. E RADICALMBNT OL.
RHEUMATISMOS
OOENCIS DA PELLE AS MAIS INVETERABIS
IMPIGENS, ESCMFULAS
ULCERS. VICIOUS 0DO SfXUE
* todos as accideuats p.roviAdo d a.
Doengas contagiosas (syphiui.) recuet_
ou antiaas e rebeldes a qualquer outre
tvrstamentd.
Resulta das eiperientaon feitas nos Hopltado PPA.M
Lndres. etc., que odito Zarope, aprovado pelaA.adeui
le Uwicioau de Paris, 6o amelhor, o mai.neprgieoco mb
4conomico deo todos os depurativos conhecidos.
Conu. a todas as idades e a todos os temperamiMnM d
ambos os eimos.
Acautelar-se conas as falafloagftosa e exigr.
sabre o envottorio lacrado o sellUo impressO co
.ila azwl do Govorno races e aa unmas dm
lois inventories

G%,50M Ci^W
v^ W^7p


Paris, Pha BUUTIGNY, DESLAURIERS Successor.
2, RUA POISSONIEaRE F RUA DR CLEUY, 31
-*Euov#tos em to&as as priapeas ?n rrnufma
f DrowariaeS do ['.iwwo


SXARQPE
QUJINA-LAROCHE
Ferruginoso
Fi'mo--a do exit scmpre ctescnte da
a' XZ A CX 5 honrada dr'um
.preornio e 16,600 *o, 3 saha do
ura, etc., ha uumrrosos casos aos quaes
_ 4a Seniiltdad lrrg iadaS M d ucoM
podema fzer quo um _aoe seja pr-
ridowos nK 4on sa E xlr.si. Quinquilna.
\\* oA lopq sH~u=,fjr-TSJLaoc=cz.
f lavonOSO .
combinado camn o Vyr9piOshato de ferro
sTdnas W com os 9LIIpue dastres me-u
1 nr quinas, conat tue urm -medlcamaento
r1 0o reeomstuutat par exceUencla.
Poi as mea oMaa IomI'
U bM. ,W L 'pS SE -U
Ui c&omu s mw wim.. U
I lttllft .l


'EspecialmwtM pmrars BISNUUTHO
,$"b1MEW w"
E' AIDUTNM ITm o ISL
dando a ium freacurs e0
natures.
Prego da Caixinha com borla, 5 fr.
Paris, Ch. FAT, 9, rue deo la Paiz.
Depositos em todas as
Pharmacias, Drogaria.,
Cazas do Porfum-rias,

Aluga-se umaIdas lojas da cass n.' da
rua Direita. paras, qualquek estabelecimento
commercial ou offlcina: a tratar na botica da
ruan larga do Rosarie n. 34.
Aluga-se o sobradinho de um andar i
run do Coronel Suassuna n. 66, e o 2o andar
do sobrado A rua da Penha n. 29; a tratar na
rua Duque de Caxiaa n. 97.
Aluga-se o sobrado e sotAo da rua do D.
Mar.i Cesar n. M8. corn commodos para gran-
de familiar, tern. agua: A tratar na mesma rua
n.30. '


SVinhos do Douro
Garantidos
Figueira e Bairrada, em quintos e ancorotas.
Tinto. fraco, superior a Bordeaux, caixas de
duzia. da quinta do Barrosa.
Verde, em caixas de duzia.
Porto, fino, em quintos, ancoretas e caixas
de duzia.
Poito, floo, para doeates.
Madeira, engarratado,
Xerez, dito.' ,
Mpscatel, diao.
Cal nova, Lisboa.
Cafe moka. "
Cunha Irmios &,C.
31,- Madre de Deus 34
Ao .oCmmercio
Paras Secia de todos = a quem, pqasa inte-
ressar se'faz publieo qoe'aa "cieade com-
mercial M%?al Irmo & 'etI e0si tinham
Jos DuartA Simr 10e"1 So gias, no
* aabelmento d*ef t jtrairo
Maroo n. 14,sA i 0.066441
Mauo llaiMa>l-..tc:A


y..


D. Balbind- agas Barr, to.
seu filboslha e guro tgradocem a todos os pa-
I!Kaentes i amigos dO seu finade esposo, pat e
1 fl-o, Vioente Francisco Mendus das Chagas,
1queue dignaram acompanbar a o ultimo jazigo
o1eu cadaver; e -Ae novo ce convidam pars as-
1 nistirem as misses do setimo din. quo torle
lugaru na igreja matriz da- cidadi uo Cabo, no
1 dia narta-feira 10 do corrente, as 10 boras

|^0 AL. Q I8115ffagao ^mi
Osr empregados do consulado provincial,
a amigos do finaso coimmendador Antonio Car-
l neiro' Machado Rios, ex-administrador do
Smoesme consulado. tend de mann'r 0'Il.'hrir
/ Iniisas pelo spip ;ilo dosedint 11: ,'iaitin : a
SBoa-Vista, a- ij.ras ,'J dia 7 i ,', -. I...
1 trigesisua du '-.u passauilnito, curviLIi, i, l .
oease acts religioso asos seus ami,. .-, beu.


S, Segunda-feira, 7 do
1 ^ tcorrente, se resario
l : I .i" miss 3aa matriz do
1 i.. B ~Corpo Santo, as 7 ho-
i lsn ra da manhI, em
SI l^ suragio d'alas de An-
1^ tonio Cleomentino Coo-
si^ h Catanho, fallecido
1 enfrd o pusnado, na capital da Parahyb ; e
1 pars este sacto de caridade e religilo convila-


SManosl Zeforina dos Santos convide a todos
on s ses parents e amigos, pars assistirem as
Snissas, qu a manda cerebrar, par alma de sua
esposa, Maria Josephina dos Santos, na matrizs
da Boa Vista, as 7 boras da manbi do dia 7 do
corrente, 300 do seu passamento.

Antonia Barwbosa da Silva
S Bruno Alvaro Barbosa da Silva, ainda pos-
suido do mais profundo septimento polo fallse-
S cimento de sua presada espesa Antonio Bar.
bosa da Silva, ct nvida a todos os seus amigos
e parents A assistirem numa missa, que por
alma da.mesma manda rezar no dia 8 do cor-
renoe, na matriz da Boa Vista, As 8 horas da
manbli, trigesin o dia do seu fallecimento. e
desde ja se confess summaminente agradecido
a todas pessoas que comparecerem a eote actdo
Sde religio e "aridade.


USA


"'*' ^' "? i:
*- K


I : _


E' ,
.:.,


B!ll!A.y, w> marqnw: TlJams n.




,r..- .' : J 1
Olka


AVISO ESPECIAL
'dsa a Mantei4a empaoada na Bearre
Nrilnanil., "garantid.i cimo pura Normandia *
Da *.t ni mistura de outras Maaotigas
Estrangeiras.
Oautel'. -on't ra falsas ionitaqoes.


A.NS
22. MUA 00 Nn JEWs, ATITA lilA BA CMZ. 22


~erzambuco


FIIU


Praca da Independencia

ns. 35, 37 e 39
Aos 4:O00S000


now" 0 abaixo assignado vendeu entri
l Oi es seus bilhetes garantidos daloteria
97a a sorte de 2006000 em meio bilbhe-
te n. 3844, duas sortes de 1005000 em
ldous quartos ns. 903 e 2337, aldm de
:Houtras de326, 16 OSe 800.
SConvida os posstiidores a virem re-
ceber serm desconto algum.
o0 mesmo abaixo. assignado tern ex-
osto & venda os seus felizes bilhetes
urantidos da loteria 98a, a beneficio da
atriz de Nazareth, que tern de extra-
Cso- 'bhir-.e no dia quarta-feira 9 do corrente.
* *PRE OS
Bilhetes inteiros 45000


Meios ,25000
Quartos 11000
Em porqAo deo 100#000 para
cima
S Bilbetes inteirosr 38500
Meios 11750
Quartos 1875
Antonio Augusta dos Santos Porto


CASAB M AMTI

Aos 4:000S000
BI',HTi' GAUANTIDOm
A' RUA PRIMEIRO DE MAR( 0 (O0
TR'ORA RUA DO CRESPO) N. 23 E
CASAS DO COSTUME.
0 abaixo assignado, tend vendi.
du anos seus afortunados bilhetes, I
quarto n.903 coma sort de 1000, 1
quarto n. 2337 corn a sorte de 1001, 2
meios n. 254 corn a sorte de 1000,
eoutras sortes de 325, 165 e 86,da lQ-
oeria (97.a), que se acabou de'eztrahir,
aonvida aos possuidores a virem re-
ceber, na contormidade do costume,
sem desconto algum.
Acham-se a venda os seas atortuna-
dos bithetes garantidos da 6.a partedas
loterias a boneficio do Matriz de Naza-
reth (98.a), queseextrahirf quarta-feira
9 do corrente.


Am


Bilhetes inteiros i000


Meios
Quartos
porgao de
Bilhetes
Meios
Quartos
.Manoel


2SOOG
11000
1001- para cl
3#S500.
1S750
$875
Martins Fiuza.


Ima


JJ:!0 D UR 0



Bilhl r's (iranulidos
Rua do Bar o a Victoria n. 40
e c-;.S do costume
l0 nbix .- ; .^i,.,l, ncrha de vender
?ntre os r ,- 1 .I ii', l ,lhete. t im inteiro
de ii. 3.14l' s ie de 4:OUOM.000,
um Ulelo ,'.,' ". C 206 com i aso"-l de
.SOOOO0 um qpi;,rto de ii. j03 corn a
sort de 1OO I 0 "O e nu,', iw'.'I,,n de n.
..3i7 t,..,l a .. e : it i al1 m
,le ou ,'.-,^ i, :,.,,.s .*^ JOC0 O 10StX0
e 86000.
0 mresr.o ;,:ix., ;,ss'gnadn convida
aos poasuidores a virem receber na
conformidade do costume, semn descon-
to algum.
Aeham-se i venda os felizes bilbe-
tes garantidos da 6,& parte da loteria a
beneficio da matriz de Nazareth (98*a),
que se extrahiri quarta-feira 9 do cor-
rente.
PREVOS
Bilhete inteiro 460(f
Moelo 200.
Quarto 1000
Em porqlo de o0lo00 para
cizma
Bilhete inteiro 3500
Meio 16750
Quarto $875
Jodo Joaquim da Costa Leite.
FNSORIO MILLERET
l elastico, sei ligaduras debaixo
Sdas coxas.
Paraevitarias faLsflcaa,
m -- exigraflrmadoinrentor,estampada
\ ,r em cada suspewnsorio.
E-usL Pando udas. Meals par&a p arae
ummr. P .. :S. Z., L-.-Au@:0.u
DESCOBENTI



P660 D' CLERY
M. dR SILVAP iP.


i" s omp aU ainhas dialaa m extrahida
A ." lS i a t a p a raa 0 o = B r i
'U febr-
of q tm el.ootr nos jardina data
an fobres intermittentea 6 do um aI
-ad". pfls P m a uo,,njaumente prep&awd
&aSbueto e u se u pib,*u do Dr Ca. I
i" t eutao.'? noaO pod*qo k ptvm.4 in
*. a quo ha jar utmolo h oi ri


.. ,''V
,.b4 ""g^ veM *o". f. "' + "_, T |.. _,1'.1,
_KE^ ^^


do ,uitwa globall.. -
j--^L '' .' -11 ..*


U a


LEILAO
De bons moveis e 1 piano de
Blondel
Sendos mobilia de jacaranda a Luiz XV corn
tampao de pedra, 1 piano de Blondel, 1 cadeira
para dito, 2 cadeiras de balanpo, 2 pares de
lanternas, candieiro de gaz, jatros o esoatra-
doeiras. Uma cina franceza de amarello, 1I
guard vestidos, 1 meia commnoda, 1 toillete,
I lavatorio, 1 banquinha, i mesa elastic, 2
apparadoies. 12 cadeiras de junco, 1 sofa e
outros mnitos moveis em born estado.
SEGUNDA-FEIRA, 7 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
No P andar do sobrado n. 16 da rua
do Imperador
0 agent Martins, autorisado par uma fami-
lia qua se retirou para o Ceaid, fard leilto dos
moveis acima.
AO CORRER DO MARTELLO

Agoate lBurlamaqui

LEILAO
Quarta-feira 9 do corrente
&s 11 horas
No armazem da rua do Imperador n. 49
Poir mnandado do Him. Sr. Dr. juiz do direito
especial do commercio, o agente acime farA
161M dos predioa e dividas abahro declarados
pertncentes a massa fallida de Madoel de Aze-
vedo.Andrade, a requerimento de Fernanded
Cai-valho & C.,- administradores da mesma

. Bom emprego de capital
A saber:
1 casa nLerrea na cidade do Pilar nas Ala-
P9ap.
1 dica em Camping Grande, na provincla da
*tu na cidade do Llmoeiro na ru a do
"I some, send usa dellas cornm rman-


PILULAS DE EUCALYPTINA
DO o



TrtlMm outaUo des odu s on febrez intespIttnts

Ciwa radical em trez dias !


-aM-


I m; k


Do-on- do eon
qnlohms, Aath6mag etcr.,


. I


r%


1". ^


%.:-/ :- ./.,






-- 1.
- .~'I .~


* -- ;o 7;'".-i^ .;r'-"-
* ..f.. -. F .


*:
>rtcr cm


140o:o00,000


"'Wwoo

20:OOO$OOO
10:000$000O
S, 000oo0oeo


do
teedeostai


1:000$00O
uistwB *niate*k^ OfWs NWio i herstembeotg a1gun4.bihau A enta.
Ques fbtruMPMM6b' qrNWum timo principesco fev bftprar um destes bi.

i he ,tektipo a perder


A.e 1,000:000o0


U


go
cb
C4* ^ 0 S" {9

0
la00
0)
0
aOw-. --
0 .--, ..
2jl5 I
01 *s@


.4wa
0 a e

0" 0 7"
2- S. *;:



00
a P 5..0 2


03






0,. 5._.. O 0202
W -C 4




4) 2"o 0
0~


06,0




o o
.6. c 0 tr















N o o "-






O ,-ofi .S
C;. cc2 S



















0
0 ,,-
0 g s Q S..
-U,)











-+o'
cc 5
0
i l 'o CISa
















0..

: Cc, -- r,-," S .- i








2S.2+ j
6 j.-a 0 Q






























A:S "-
4)r 0 C. .0
(1 cgs as~ s-
















"0
t^ o c^-g-






cl CZ
04) 0 0












0b.
1~~ -w B





'CD
w^ 0 0^ c


w S' oS0-0
ac~ Cca



1 *S
09 0- o0 ca,

c ^ ^lli-^ i


M4 CIS E. imS'



0 S cc- S"0 "m <



PQ



-<


^
P?
W
PLI


U


I


II


IIA


Woin



0 o#Now o dta-
i^MtHns e da bexip,* +. '^ 1
* ..parroPe de ___ _t1n1104n as ^ -
#las doe eeeldrt IIt-i/
cama do exSiA odM"p q4 ao-
*fi~~Zftfe f~s nIWOl, a qua iOowmmive-.
-a owlm eadlo audoe. quoneoelta-1

cm m 0 p "oftenIi
m mmm usm,imlis di;" .
~a hnibor rowo.,m ir qbi o
*rlo a gmmlar aM urine.
Nn m aquattmtoMildauo so" pm dia
pno os adultos6.e dabd4 s a rsr as orlatgas,
piN ou dissolvidS eft' Ilk.
6Cmidas poDo o0M *tcn0bo es ti-
a"lJ alcoolO",I de pilNNUA, a W"o o0 exti-
D"osito geral
Pharmwee & teogst&aN a uailarga 46 Rofa-
-A& r *f. ^.- ".. t


Reailamento /
Manoel de Modta ft v8es esta retalhaddo
soeu sitio omn afretoe pa oe trtltm. do Ar-
raial, om treBots s t Yt'ia, daM ocaimbas,
muitoe perto d OestagSo da taingabeira do lmsa,
lugar muito saudavel a rodteativo, preo mot-
to commodo; trata-se na rua do lmperador n.
50, toe 3" audsares e nos ias qantifdeados no
nesto sitih .
Remessas para Portugal
e Rlas
MaIl, Pacheco & U., It ruado Comwertco n.
40. dilfton rtteWsaS dte tabnoret e malures
qtO th"f paras Lsboa, Pbto ae ilhbak, e todoa s
de kbais villas, aldeinas, cidades on dependen-
clas dO relno.
Aluga-se
a cast n. 59, i rua doe Guararapes: a tratar
na rua do Commercio n. 34, 20 andar.

Advo00ddos
Os bchbareis Amtont o JustiUnO deo ,Souza e
Pedro Affonso de Mello mudaram o seu es-
criptorioe pta a rui DUque do Caxis it. 61,
cnde pudem otr proebrados to es OB dies urels,
das 10, hours da manihS As3 da tarda..
Ama e criado
Precisa-se t*gar umi -s para cozinbar e
eagomlar, e de o1m eriado para o service do-
mestico : na ria de Mm0 fta. ni.
Tapipfre
Fugigram do engeitho Tapipir6, da comar-
ca do Iarassfit, n oite de 30 dO dozembro
proximo passafo, os seguintes escravos:
Gasper, alto a secco do corpo, representa
45 & 50 e toft pouco tali on memos, preto,
olhos prAndes, pouca btmb*; este escravo foi
comprado em 1878, ao Sr. capital Innocenclo
Furtado de Mendonfa, da Alagfa-Comprida
na Parahyba do norte, e 6 de presamlr que
tenha seguido para alli, per ter irmaos naquel-
le lugar: o outro de otbme Vicente, conbeci-
do por Manoel Vicento, cabra, de 50 i 55 as-
nos de idade, barba branca, e as vezes costu-
ma raspar. tendo bs dons dedos grande dos
p6s muito abertos, paireoendo quesi aleljad. i
este escravo foi comprado ao Sr. Jos6 de
Mello Azevedo, em powder de qeem teft fis fi-
Iho por nome Agripino, e que talvez fosse em
prdcura desse BIO.
Portanto pede-se as autoridadea policies
ou aos rs. capitlSes -oe aampo a uos oaptuer,
ea ertre#ar no referido, ehgenho, ou no Re-
cife ao Sr. Francisco Gomes deo Araujo, rua
do Apollo n. 11, de quem serfLo generosamen-
te rcaapensadov.

Ao Sr. Sabino
Pede-ae 0e Sr. Sabino Romlo de Luna Frei-
re, quenbos diga, bonds oe acha n'esta cidade o
Sr. engenheiro Pedro Fornaghi, ou por este
journal, ou na rua do Marquez de Olinda n. 43.
15$000


E' o aluguel do t1 endar da rua do Padre
Floriano n.'69, e 3S do serviQo de limpeza; a
tratar na Pracinha n. 22. ____
Aluga-se barato
Rua do Visconde de Goyanna ni. 79.
iua do Coronel Suassuna ni. 50.
Travesse do CAmpello n. 1.
Porto da Madeira, rua da Aguasinha n. 7 (Be-
beribe) bom sitio ;'trata-se no larco do Corpo
Sahto n. 19. 10 andar.
Baratas
Aluga-se por 30A o 30 andar n, 21 A rua do
Baric da Victoria ; por 255 a csa it. 16 A rue
Dias Cardoso; e per 125 n. 8 no beccd da rua
da Palma; a tratar dasll horas As 2 da tardo,
a ruea Duque de axias n. 46, 10 andar, e dabh
pbr dlaate A rue do BarAo de S. Borjas i. 51.


Grande scmento de fum e crda, des-
fiado, e em folbia de todas as qualidades, e das
marcas mais ac:editadas neste mercado: nos
armazens de Silva Paiva& C., A rua da Madfe
Deus ns. 24 e 26. ___
Jacob
Fugio no dia 6 de dezembro proximo patse-
do/da casa de winha mai D. Cesaria Candida,
Nobre de Gusimao, o escravo Jacob, preto,
alto, magro, do service de csnfpo, e as vezes
bebe, muito conhecidO em ,JaboatN6 ;6a pri-
meira vez que fugio foi preso- adiante de Una,
onde ahi vivia'oomo livre: quem o apprehen.
der, send em Una., entredue a eu irmeo alti
estabelecidop ,A'llino Franeisco da Silva Gus-
mao ; em Jaboatq A.minha mni, e nesta cida-
de ao abaixo s1i8 o. q4e recompensarg.
a~imqino 4&a Silva Gusmalo.
Fustmk branch a


I

I


EF4B1t14J APOLLO
AL WENERO


; Profs^ j~t m



EstpsfrooSn d ,,
ea'esr.' -. / _,"".-
'A',voodo Mmwlpmm., n'est
S.. agtabelecid uln tO. inoltM l B ,


IiIi 4~kffj>


lb' :


Cbmpras.w, mndoee, aatga-se 9 troca-se
moveil novas e sados de todas as qulidades.
As compfas ffectuam-so de prompto a di.
nbfiro da vita, qualquer que seja sui OIpor-
taliia. t
9m tdas as trangacOes, sao tonadet* em
considOaeAt ag ioceisidadge dos 6'O. pteten,
dMteS quo enconttmro maiors vantagens
d* quo em utr/Jquatquet Mute.
S ARIAZfUll DE MQVEIM
(A' rft do Dugue do paxigs n. 87)
Urn moleque
QueoM tivSr e quizer alugar urn moleque do
12 annos pAra o service domestic, diriji-se A
rat de Hortas n. 15.
Cri~j.jo
Precisa-se de um criado para o stViCo de
casa e loia: na rua Duque do Caxias a. 911
prefeM M o oravo. ___ _. .. .... ....

COZINHEIRA
So ria da Crioules a. 1, Capung, precisa-
so do Ma qu tlenha qoea )he &bone a con-
do~ta)'pogi4e bern.
E' aproVeitar
Fan an vantgm por OM olsa terrea, corn
egua e gpz, e quintal, que tenha polo menos
ginco quartos internos., Pa freguesia da Boa
Vista: quem a tivir dirija-se A rua do Mar-
uez dc Ofinds n. 2., 1t andar.
Casa para alugar
Na rue de Vidal de Negroiros (pateo do Ter-
Co) n. 30, coi armecago pars estabelecimento,
commercial: A tratar na meoma rus n. 18, 2
andar.
Shio.piraalugi r
Corn boa casa armazem. no largo dos Re-
medios, defronte da igreja: A tratar cornm o
commenOador Barroca, em sna residencia e
na Mgdalelfta. 0

Hotel Cetral
Alug-se Odin os bilbares e mobilia, ou cada
andar .oft separtdo: A tratar nO progress do
pavilento terreo.

CMaves perdidas
Qaem perdeu 3 avea emt ura argola pode
dirlglt-w a aMboa do Carcmo n- 3, que, pa.
gando o annuncio e dando alguma cousa ae
Sptiftatao, lb serio e ftregues duas das cha-
ves; parecem decofre.
Prof4ssora
Pars 1ccloaat primeiras lettras e music a
tires meninas, precisa-se de uma para enge-
nhe, na conarca de Barreiros: a tratar no
escrlptntio de Leal & Iroiio, d rua do Marquez
de Olinda n. 56, 1 andar.


*Aviso


Aos devedores de D. Luiza Francisca de
Souza, que teve negoctio de fazendas e rendas
00Lamcldade, e fallecida ha poffo, fica marca-
do o prazo de vinte dias para trem saldar os
seus debftosa rua da Palma n. 34, sob pena
de seMera descriptos os eus nomes no respec-
tivo tMvBtatio, qUe tern da set r tequerido pelo
abstx? assignado, procurador 40 testamentei-
ro. Rdeio&, 3 de favmreiro de 1881.
Joaqaim Canuto de Sant'Anna.
-(ix-eilr0
Precisa-se de umrn caixeiro de 16 a 20 annos
de idade, corn pratica de taverna : ra rua do
General Seara n. 31.


Ama
Prefere-se escrava, que seja boa cozinheira,
para uma familiar na Torre; dirija-se A rua es
treita do Rosario n. 23.


v-:'-
7:* 9.' .
6N


0 abaixo assignado manda celebrar missa-
per alma de seu irmio o major Domingos Sos
riano de Azevcdo e Silva, no dia 5 do corrente
(sabbado), As 7 horas, na matrlz da Boa-Vista,
e As6 1/2 na capeila de Joao de Barros; por
cujo acto desdp ja se confessa grate.
Pedro Gaudiano de Rotes e Silva.

Ao commercio
0 abaixo assignado declara-polo present
que nests data comprou ao Sr. Sebastiftlo Lins
de Brito Vasconcellara o seu estabelecimento
de molbhdos site A rua do Hoapicio n. 34, livre
e desembar&aado do todo e quplquer onus:
se alguemn Julgar-se corn direito ao mesmo,
queira reclamar no prazq d (tres dias, a con-
tar desta dati. Recife, 3 de fevereiro de 1881.
Albino Ferreira dos Santos.
&-Precisa-se de umarns ama para
AU- .j1w casa de pouca familiar; a tra-
/A.,1(Ad tar na rua do BatSo da Victo-
ria n. ?3, loja da esquina da
Cemb6a do Carm6o.
AMLAS Ptecisa-se de duas, uma para
....I..J cozinhar e outra para lavar e en-
gommar: A tratar na rua da Imperatriz n.
2Q, armazem.
Ama Precisa-se de uma ama para cozi
,me 32..- nbiar,, era Afogidos, rua Direita nu
,mr32.
o B0aama de Iite
Qum precisar de uoa amta de elte em ,Iui-
to boas condlcoes, esorava, dirija-se oA rua de
Hortas n. 15, sobrado.
, L r. A-2A---


V [S, Precisa-se de ursa coxifol, e do u N ho-
Na loja doe barateiroS d.a Boa-Vista vends- EMkes vob- pace fast *om e ;tratar do
$a apperioresw fustos brahboo'e cOr de pibe pleS M" S1 idre-4aut 4 o t erAIrtard1,,.
preprio pera qtidps. a rotsupdeo creancM., a f'sd 1SO Gde Cr00o & irSt a00104,
olo btMVtpreode tOO rs. o covado ;istoi na flnn. -
1reb 1.Wtnriz n. P esquine dq beco 4be

-viwmyBD: inn rs da Aurora tan- alOi'1 irflA f
a-be d 013asubs prs We, N o O Mo d o urn we 8 oes d


,<


- ~~#Iw4~1. n.j


ii





Ii



072
HE-


hki ,
. .m


Escravo lugido

100 de gratifica.ao
Ausentou-se dto engenho Tabocas, na co-
marca de PAo d'Aibo, no dia 25 do mez de
julho, o escravo Moyses, coo o0 signaes se-
guintes: c6r fula., cabeoa redonda, cabellos
carapinbos, dentadura perfeita, bern feito de
rosto e de corpo, ternm 29 annos de idade, po-
r6m represent pela physionomia 24, esta
principiando a barbar e tern poucos cabellof
no queixo. tern os peitos cruzados de cabal-
los, bem'feito de pes. altura regular, 6 cria
do referido engenbo, cargueiro e carreiro,
nunca fugio, 6 prevavel quo esteja 'trabalhan-
do em alguma estrada de ferro, ou em algum
engenho como carreiro, corn o titulo de forro ;
pede-se a quem o apprehender, que leve-o ao
dito engenho, ou a rua Formosa n. 13.
Corn urgencia
Precisa-e de una ama para a servigo do-
mestico e que no saia A rua: na rua do Bas
rao da Victoria n. 44, 20 andar.
=-A IABRICA &POLL'O estA constantemoen-
te precisando de offlaoiaes|cigarreiros.
U---A Na ru a do Imperador-n. 28 arma-
".AA" zem do Cambpos, precisa-se de uma
ama quo salba bern cozinhar.

COJIRAS
SAtten.gao
"Compra-se os Diarios de Pernambuco ns. 122,
123, 147, 157, 158. 199, 225 a 251,266. 272 e
276 do anno de 1872, ns 2, 4, 6, 35, 46, 118,
119, 142., 168, 169, 173, 175, 212, 215, 216, 223,
224, 240, 246, e 260 de 1873. ns. 3, 4, 49 a 73,
123 a 145, 264, 2e5, 266. 268, e 273 de 1871,
ns. 258, 259 e 276 de 1875, n. 145 d* 1870, n.
242 de 1877, e bem assim os ns. 2, 3, 6, 8, 9,
10, 51. 52. 57, 62, 66. 75, 79, 95, 160 e 166 do
Jornal e o Tempo do anno de 1878, os ns. 147
e 217 de 1880; a tratar na rua Velha n. 112,
das 4 horas da tarde em diante.


Diarios e joPrnaes


Compra-se A rua larga do Rosario n. 27.


A,'olices gera' .s e provin-
ciaes
Comrase.- ct es
Compra-se na rta Duque de Caxias n. 88,
Ojl._________________
Apolices g :raes
Compra-se apolices geraes: na rua do Bow
Jesus n. 45, 10 andar.

VENDAS
Carrinho para crianca
Vende-se uma victoria nova para um carnei-
ro: A tratar A rua Marquez do Herval n. 113,
1o andar.


FIAIARIA
A' rua largado Rosario n. 20
Tern sempo grande sortimento variado dt-
vidroswbrancose de cOres, assim asomo tud
que peitence A suaofflcina.


iMBazaL
0 Bazar Victoria acaba de receber da Euro-
pa, umrn grandiose sortimento do mascaras, na-
rizes, quelxos e meias mascaras, brancad'e
pretas, feieOes de homes, mulheres, meninos,
mogos, velhos, caricatos e de diversos ani-
maes.
Calqas, camisas, carapas o luvas de meia
brancas e cor de rosa.
Franjas, tranuas, bicos e lantijoulas doura-
das e prateadas, e outros muitos artigos para
fazer-se lindos vestuarios para as folias carna-
valescas.
Recebeu tambem urn explendido sortimento
de bisnagas d'agua de cheiro o de p6, e outros
muitos artigos de sorpreza proprios para os
brinquedos de salio, nos dias de carnaval e
vende-se per pregos commodos, na rua Nova
numemo 2.
SFatendas brancas
Os barateiros da Boa-Vista- vendem
um grande sortimento de fazendas
braqcas, por prepo muito em conta:
Madapollo-Peoas de wadapollo fraffcez
muito fino, com 12 jardas a 35200.
Dito francez, corn 24 jardas, ou 20 varas i
45500, 55000 e 65000.
Algodlo infestado, corn 10 palimos de largu-
ra, proprio pars lenc6esmetro a 900 rs.
.Ditoentrangado muitu encorpado, corn 8
palmos de largura, para toalbas e lenc6es, me-
tro a 15200.
Gregoela. fazenda branca Muite encorpada,
para lengdes e ceroulas, send a peCa con 30
varas, por 14100, ou a vara a 55000.
Bramante de algodio corn 4 larguras, pro.
prio para lenc6es, o metro a 1280.
DIWt doeNebo corn a nmesma largurs, a 2#200,
Atoalbade-Superior atoalbado corn 8 palmos
de largura, sendo com o lavor em alto relieve,
metro 1W600.
Dit6 do linho adamasoado, 'corn a moesma
largura. rmetro a 1400.
Pannots da Cosl, li$trados e de quadros
pe pn aa l cobrir meaa do jantar, covado


-in


Piano
Vende-se barito urn piano de mesa, em per-
feito estado, prodrio para aprender: A ver e
tratar '-" estrada do Pombal case n. 18.
Borracha para limas
de superior qualidade; vendem Rodrigues de
Faria & C., A rua de Mariz e Barrv" ni. 11, s6-
quina da rua do Amrorim.
Papel de impressio
Formatos do Diario de Pernambuco e do Jor-
nal do Recife, vendem Rodrigues de Faria &
C., rua de Mariz e-Barros a. 11, esquina da
rua do Amorim.
Superior borracha para
limas
No escriptorio de Domingos Alves Matbheus,
A rua do Vigario n. 7, tern para vender borra-
chla para ilmas, de superior qualidade, che-
gada no ultimo vapor.
Vende-se
uma taverninha defroate da estaCIo do Porto
da Madeira, propria par& principiante, que
disponha de pouco capital; a tratar no meos-
ma taverna.
Vende-se a casa da rua Duque de Caxias
n. 113; a tratar cornm Damiio Pereira Santos, 4
rua do Paysandd n. t3, Passagem.
Padaria
Vende-se uma padaria em um dos melhores
lugares de Santo Antonio, ou da-qe sociedade
a quem centre cornm algum capital, o motive 6
por sau donlo ter de retirar-se por incommodo
de saide: a tratar na rue Direita n. 55.
Vende se
no escriptorio de Claudio Dubeux. caes 22 de
Novembro n. 28, polvora das melhores marcaS
que veto ao mercado, como Liod-FB, barris
de 25 libras a 20#000, corn 8 '/0 de desconto a
dinheiro A vista; as despezas de carretos e
mais por conta do comprador, sendo de dez
barris para cima.

Liquida ao
Baptistes miudinhas para vestidos a 200 rm
o covado.
Ditas do cores lisas idem a 240 rs.
FustOes "de cores e padrOes miudinhos a
300 rs.
Madap0l1o francez e inglez, preCo baratis-
simo.
Algodlosinbo idem ide idem.
Bramante para lencoes, toalhas e ceroulas a
15200 o metro.
Cretones A Pompadour para vestidos a 320 e
400 rs. o covado.
Ditos francezos, de ceres seguras e IiWdo*
desenhos idem idem.
Cbitas escuras e caras, de various preCos.
Fechus e sahidas' oe bailes a 4S.
-Chales A Pompadour a 55500 e 6A.
Ditos de casemira a 18500, 2A e 4$500.
Na loja da
Fragata Amazonas
Rua do Duque de Caxias numero 47.

LIQ[IUAEIO


Rua Duque de Caxias
n.43
PECHINCHAS


Linhos lisos a 160 reis o covado.
Poupelines mescladas a 240 o covado.
LAzinhas miudas a 2%0 reis o covado. '
Madapol.o francez avariado a 45 e 55000 a
peca.
Fustho branch para vestidos a 500 reis o o-
vado.
Musseliln branca a 280 rmis o covado.
Batites lisas a 320 rdis o metro, grande va-
riedade de'padrOes.I
Batiite-miuidinhas-a 200 reis o covado
Chales de casimira muito grades a 3S cada
um.
Ditos frocados a Pompadour a 6; cada urn.
U 43-


uas DBguliJno UJsiarU ;
S. Esephe.
Chateau Mont, Rose.
Pontet canet.


SVinhos BoPdeaux
Os melhores e mais afamatos sho hoje o


Unicos agents
MAIA PACHECO & COMPANtkA
Fo6rmas galvanisaa s
Tavares de Mello, gro &' C. tbp parm t-
der em sonu escriptorio, A praQa do Corpo
to p. 13, f6rmas -galvaniadea di2begaiid. ,
uimo vapor; A muita sabida que OeWsllMI
prova soflcientemeate a fua boa ,S
ubdl. Jpego. A'miates. pols,
acabem.. *o7

Vdi P -nd '.+.6 f-t'?t
,f 86i ,m ,-, .: A:
to.06


p.,


'-. ".t % ,


I.


C.


ql uo- o~as
M~s Um .aadkb, nao
da cobndo
us "ow a, q plqd
Jill"
klhulgdt doit4Bq




qbah tg:e~f~li~ar.
*_. + nii .oil am ~raioa,



pAftaft-lfd t o do-ft ido

bals .ielota'i-o., pot p1,S1oS
Po bkelaoiss 4 i ntia s 4h6ras
d trBau, a do leaC da
Vtma n.u3, -1.o adar.


na =do-
l~ifilth~ u sj^^ jA


lotera
torn xtrabido no


oc
004
..O
*8
Cal


ap


,i-
*f' .


o, quantua pOi
uma fortana


cI


' :[' .' '
.,...,


m *
dli

I-


Ca SO ft ftf!

Ohm de Mom.

O1m 1o moeotd6.
Potasah ta Russia.
Inxaaas do Ponr.
beumadlras e paudadlM.
Formas tof;tro pmt aMsBWM.
-V ende-se barato a s-taifftp 6HS
afreguezada taverns, no melhor poit6
ro. cor pouos finodno, boa pars p toe;
a tratar na om Dlveitu db Afogdans A, o
meuv ea mda v e dir ao pfttun
Vende-se o esaubelelimento de oamlbado
Rito A rua do LivmetMa a, 31 ; a taer e o
respective proprietario.
Vinho superior do
Douro
Em pipas, btrris 4te 5 e 10: vendem Cot-
reia & C. Suecessores, A rua do Ifperador nu-
mere 46____________
Selmns inglezes
/ Domingos Jose Ferreira & C., A rua do Bardlo-
da Victoria n., 1, esqulna da rua das Trinchbei-o
ras, tern para Tender um grand sortlBmoto
de selling e silbh5e Inglezes e arreios; jbem
como colxoes e travesseiros, tudo born e ba-
rato.
0 BEIJA-FLOR
Este syippathico estabelecimonto reoebeti
agora bopitas ls para vestidos, petltsptt,
em chits, lindos padres a Pompadour, le-
ques chinezes, flchis de soda, de li, phanta.
sia e gosto, cretones, popelines, etc., etc.
0 Beija.Flor 6 pequeno, mas tern sempre
sortimentosescolhidospara mimosear os seus
freguezes, por pregos razoaveis.
2 D-RUA DO CABUGA-2 D
Ja 6 bhstante conhecida a lojinha do Beija
Flor, de


V-
I


';:
4-


U

I





J
*;...
.

< -...r L,


m-J
4114












. ...



I*


C/3
C:1


con~



Cr2


A
'4,










I


,. .
L 1 *...-


-- ---- ='M- Am"m I I


+


4
4,
4


4
14
*1


w
M

^1
^4
^^

^
a


Augusto Figuelra & u.


i


4is


I,., -\ .


,* i


Morels






































Grande pechincha em

ro pas
Na loja dos Barateiros da Boa-Vista,
vende-se.
Calgas de casemira,escuras e claras,
fazenda muito boa a 55 s 550O0.
b Ditas muito fins para 7j e 80O0.
Paletots de casemira, de c6r, muito
bqef feitos a 61500, sendo forrados a
8o00.
Dito de dita, preta, de deagonal e
gorgorao, fotrados e muito bern feitos
a 10O000.
bitos de dita, de cores, sendo forra-
do@a 8550), e sem forro a 66500.
Ditos de oalpaca preta, de 3 ate 76000-
Camisas modernas, corn peito de al-
gooo imitando linho, a 25 e 2M500.
Ditas modernas, corn peito de linho,
de 4# ate 50000.
Ceroulas de greguela, fazenda muito
oncorpada e muito bern feitas a 1#200
e 1 600..
Brins pardos a 320 rs.
Na rua da Imperatriz loja n. 40, es-
quina do Beeco dos Ferreiros, vende-se
brings, pardo liso, para roupa de ho-
mens e meninos pelo barato prego de
do 320 rs, o covado, por ter urn leve
toque de mofo, que larga logo que se


lave.


AGUA FIGARO
infallivel para restituir aos ca-
bbellos grisalhos a cor natural
Sda juventade, garantindo-se
sem perigo : para por si pro-
Spria tingir instantaneamenteos
cabellos e barba.
c UNICO DEPOSIT
Botica- Franceza e Droga-
ria-A. Cars
RECIFE
Rau do Born Jesus n. 22, defrute do chafariz.


Mais pechinchas!
86nontO 5 69 da ua Duque de
Caxias
Casemniras para vetidos, fasenda superior,
lindos padrOes, a 240 re. o covado !
Bbtltas Ms fdrta-c6res, fbzanda irteiramah-
t noaj i d 700 rs. o covado!
Cretones modernos, a 180 rs. o dito!
Nansuks finissimas, lindas cOres, a 220 o
dito
Peoand e madapollo francez, fino, 24 jardas,
a 4S500!
Cortes de casemiras finas, a 26200 e 4#000.
d ellas!
Ditas em peca diagonal, para 2200 e 25600
o covado!
Flanela ingleza. propria pare patitots, a
ItS0 o dito I
Brim pardo encorpado, para roupas de me-
nino.
Dito de cOts, a 400 rs. o covado, apro-
veitem !
Dift branco exposiClo, superior, a 1500 a
vara !
Importance sortimento de fazendas para luto'
como baptlste e chitas pretas, 2t0 rs., la 6
alpacas fTnas, a 400 rs., bombasina e tnerine
de dunas larguras, a 1#400 e 4f800 o covado.
Dispomos de perito alfaite ptra 0 desampe-
nho de qualqa r peca de roupa.
CARNIIRO DA CtJNHA & C,
t Rta Duque de Caxias
Por baixo da bilhar.
FustOes a 400 rs. o co-

vado


Rua do Qtueimado n. 43
Venham a elles
Fustbes branco e do cores, proprios pars
vestidos de senhora e meninos, pelo preco de
400 rs. o covado, valem 760 rs.; vende-se para
liquidar factura.,
Baptistes lisas
corn grande variedades de cores, a 200 rs. o
covado.
Cretones lisos
corn variedades de cores, 6 pechincha, a 280
rs. o eovado.
S6 o43
Defronte da praca da Independencia


FORMAS PARA AS-
SUCAR
Nmovo systems de for-
mas amerneanas para as-

icar, feilas de madeira:


muysterneno uraco con orsfaur-a
amostras no escriptorio d, ,mludin.has a 30 n. o covado.
Alpaclo de cr lisa para vestidos a 5000 o
Saundcrs Brothers & C.. dovado.lo Fragata Amazonas,
/,. ,Na loja Fragata Amazonas, run
prafa do corpo Santo n DuquedoCo .4.
11, primeiro andar Contra a tosse
11 ,-----. ,r aXarope pectoral Jame
fiupa por ind a Uico logalmeni e autorisado pelo conselbo
I Ud de sade public i Portugal, ensalado e ap-
N'este estabelecimento tambem se manda provado nos ho- pities. Cada frasco est4
faier quaeaquer peas de obras. comu Sejam. acompanhado de o a i ipresso corn as obser-
croiss, fraqueu, calcas e colleges, d ventade vades dos principles medicos de Lisb6a re-
dos freguezes, e isto por precos muito razoas- conhecidas pelos consuls do Brasil.
veis ; e para este flm encontraro um magni- Contra a debilidade
flco so'tlmento de pannos flnos pretos, e ca- Contra a debUm uadt
simiras tanto pretas como de cores, sendo Farlnha pectoral ferruginosa gda
francezas e inglezas, assim coma grande sor- IFha rm afr ino a da
timento de merin6s pretos e outrbs fazendas I p arnacia Franco
para luto, e manda-se fazer qualquer encorm- Reconbecida como precioso allmento repa-
menda corn a maior promptidlo, responsabi- radter e excellente tonico reconslitfinte, esta
lisando-se os proprietaries d'este estabeleci. fariaba, a unica legaiimte autorinda e priei-
mento pela boa execueAo de seu tiabalho, legioda em Por*wta, ends 6 de uso quasi geral
isto A rua da Imosratriz n. 40, esquina do be ha muitos annos, applica-s6 corn o mais reco-
co des Ferreiros, loja do he necido provefto em pessoas debeis, nas que
1Slv padecem do peito, eta convalescentes de quaes-
Aleiro & ilnva quer doen.as, em cridn.o s, aneei.eos, o em
W-___ WW geral nas quo carecem de forgas no orga-
S l. 0 Xnismo.
Unico deposit em Pernambuco, A
A run do Marquez de Olinda n. 23, phar-
N macia de Francisco Mlnnel da Silva
Rua Duque de Caxias & c.


VariadisdImo sortimento de imeiin6s do co-
tes lildshima, o qae ha de Miais moderpo,
para vesttdos, a 8n0 rs. o covado.
Alpdcas iagss s do diveraas cores, pars ves-
tides, a 40 e 500 rs.
Fustdes broncos o d9 cores.
flltn d


Cambraia Victoria para 3S a pega.
Chita encarnada corn assento preto a 280're.
o covado.
Chitasouras a 200 r6is o covado.
Lencobrancos abainhados a 15600 a duzia.
Ditos corn barras a 2A100 tambem a.duzta.
Algodao eta Bahia pars sacs a 320 e 34C
r6is o metro.
Brim pret6 para lunto a 600 reis o metro.
Ceroulas de brauainte a 1I200 'ada nta. B'
pecblMsach. -


Leques
De seda a poupadour.
Petit Pais, e corn plumas de lindas cores'
vende-seno Bazar Victoria n. 2, rua Nova.
Vacca de leite
Vende-ge urna, muito boa lefteira, e parida
de pbueas dmadfa: para eVr 0 ttlar nai Mag-
dalem, ditOb do elboftdador Btomia. -


Merinos e apalcas
a 400 e500 r6is
Os Batateiros da Boa-Vista vendem
MERINOS a 500 r6is. Bonitos merin6s de
urma 6 cdr, fazenda de maita phan-
tasia, a500 r6is o covado.
ALPACAS a tQO reis.-Bonitas alpacas de uma
,s6 6r, ten 'o de todas as ',ores e as
maits bonitas que teem vindo ao mer-
eddo, a 400 r6is o covado.
FUSTOES a 640 rdis.-Bonitos fust~es de urma
s6 c6r, tendo de todas as cores e
brancas, a 640 reis o covado.
CAMBRAIAS a 35000,-Cambraias A Victoria,
faZenda muito fins, a 35. 3500a e 4g
atW as mais finas que veem ao mer-
cado, por preQo barato.
DITAS transparentes-fazenda muito final, de
25500 atd as melhores que veem ao
mercado.
Isto na rua da Imperatriz n. 40.


SIL LIIS ilIGLEZES

Pechincha
A nova loja de selleiro deJ. Joaquim de Aze-
vedo, que se abrio A rua do Barlo da Victoria
n. 29, acaba de receber os mais modernos
selling inglezes, que ate hoje tern vindo ao
mercado, e os estA vendendo por muito com-
modo preQo ; A elles, antes que se acabem.
Na mesma tambem se encontrara um cornm-
pleto sortimento de todos os objects da arte
de selleiro e colchoeiro, os quaes se vendem
por menos de que em qualquer parte; s6men-
te para asaim satisfazer os seus freguezes, as-
sim como cochins de linho.


E' vantajoso
Vende-se a olaria corn casa de sobrado, vi-
veiros e bastante terreno para criaVio de ani-
maes, no lugar denominadoaLucas. quern pre-
tender, dirija-se A rua Imperial n. 238, ou na
Passagem, taverna do Bento, que se darA in-
fortnmagoes.

Carrocas para bois
Vende-seo trees carrogas para bois, proprias
para catregar assucar: 4 vOr na-cocheira da
Iocomotdta, e ttatar no pateo do Livramento n.
6. 1< andar.


&A,J.* A d. .....* .. "-. 6, Isd




1N. B. 0 premio prescreverf
urn anno depois da extraco-o.
DOS PREMIOS DA 48. PARTE DAS LOTERIAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 1401, A BENEFICIO DO HOSPITAL PEDRO II, EXTRAHIDA EM 4 DE FeVERE


para tornar os cabellos rd-
pidamente pretos sem of-
fender a cutis
IPREPARADA9POR
A. B. RAMALHO
Rua d6 Marguez de Olinda n. 21,
i.o andar
SALAO DE CABELLEIREIRO
Esta preparagao. tendo sido feita de
icdrdo corn o clima deste paiz, tor.
aa-se at6 hoje a meihor, porque neo
06 faz o effeito rapido, sem offender a
:utis, como se o lizerem bern, s6 bas-
tara retocar de quinze em quinze dia,
A cada frasco acompanhario as inm-
rucgoes precisas
Prego de cada caizInha corn
3 frascos 3#000
Vende-se em grosso e a retalho, corn
Sdevido desconto de 10 a 15/o.
N. B.-E' muito precise explicag6es
los portadores, para meihor acertarem,
lue esta tintura se veide s6 na runa do
Orquez de Olinda n. 21, L.o andar, e
aao sendo IA comprada, d falsa.
(SALAO DE CABELILFIRFiBO.)

Cretones lisos a 280
0 COVADO
Pechinehaf
Cretones lisos de todas as c6res a 380 o co-
vado : 6 pechincha S6 o 43 da rua do Quei-
mado.
Madapolo francez a 35500 a peca.
Batistes de c6res finas a 200 r6is o covado.
Venham a pechfiincha.
Mariposa arrendada, padres lisos, a 240 o
ccvado 86 o n. 43 da rua Duque de CAxias
n. 43. Dlo amostras corn penhor.

Grande pechinchat
Olinda
Aluga-se uma casa para pequena familiar, na
rua deoS. Francisco n. 2, tendo excellent vista
a multo pe&to dos banhos salgados; a tyatar
na fna do lBAo da Vittoria n. 1D.


ey.


|iO DE 1881
*^ -A t -*


NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREM

2 4 234 49 458 49 722
7 45 59 28
12 48 29
14 -" 51 75 44
21 53 76 47
32 54 100Wo 80 4
40 64 49 82 56
44 72 84 60
45 73 85 63
49 83 88 67
56 89 89 69
3 96 O 70
64 -304 503 72
68 7 4 73
70 89 10 10 78
85 4 14 25 80
91 5' 34 83
95 0 37 87
96 40 93
112 44 40 800
13 48 M -. 1
I 49 54 5
18 5t 8 14
20 52 i5 t 19 1
21 6 76 4 20
24. 71 96 16 36
25 73 98" 41a
26 74 GO 43
34 75 9 48
38 77 3 62
39 78 19 63
41 80 %7 64
50 85 32 68
53 86 33 73
54 87 42 -- 79
63 90 16 46 s 8o
65 49 t -J 86
71 -400- t -- 88
75 3 68 89
77 4 75 91
82 10 76 94
83 1- 1 77 l 1
87 3 78 2
27 -, 8 -1, 3.
2O2 33 83
36 84 14
7 M -44 88 13
R 9 9 16.
14 44 705 119
9 45 7.
2 ,48 9 -

-""" / **." 1", f "1; .2 '

*"* .u '' ^A '-*
i1, S


61 T.,


IS.INS.


sop



4*
10
i





















40
W




164


942
55
57
64
63
66
67
78
85
92
95





3c
3100(
t(
V
2.
21


44
4:
41
41


591
5<


8
8

91
9

9










S9
31


3:
31

4
4
4
I
'2
2i
3
3
* S

4


PREMNS. -NS PREMS.N

49 1192 49 1
95 -
-97 -
98
-- 1106 -
9 -
*2 -
-- 13 -
> 20 -
i 32 -
i s16 35
)- 49 36 -
S39
S -- 40 -
S -- 46 -
S 70 161
S 77 4*
1 79 -
) i6s 80 -
3 4* 83 -
4 84 160
-88 40
i, 91 -
93 -3
& 94 -~
95 -
4' 96 -
7 -t302 -
4 -
9 9 -
7 3 -
8 1- 7 -
5 19 -
9 26 -
3 38 -
5 40 -
7 42 -
6 46 -
7 l 47 -

3 51 -
6 S9 -i
7 60 s 8
65 0
P6 67 &
4 -6
S-74

t* 19-
1 -

4 98 -
V d98
fit


'I
~


IS. P1

402
3
6
10
14
20
35
36
38
40
42
43
4416
56
66
70
71
86
1500
3
5
13
16
21
22
31
33
43
46
50
51
52
55
59
60
62
63
S67
76
78
93
03
98





16

17
19


uEMS. NS.

401632
3t
8O 41

4* 5!
5(
51 S


lW
169
40








-It


-a-











so
89
49









49


89
49




'49


PREMS.

49


)
li
6


61
67
75
85
1702
8
10
13
19
18


21
27
28
29
34
39f
38'
42
44
46
90
52
60
S61
70
73
79
94.
95
1800
2
6
8
i 12
22
24 -
26
30
31
40
42
46,
si-

5


NS.

1877
82
88
1900
_2
4
6
8
12


PRl


S23
- 25
- 9
35
37
- 54
-N
66
76
79
-89
99
.162001

16

28
8 20
4$ 31
- S3
- 35
37
38
- 42
-. 43
S48
91
62
-60
S75
78
19
- 891
- 88

-*5

2100

7
20

*7


bMb. NS. PR

4W 2132
33
42
46
47
| 57
58
60
75
78
85

89
92
97
-%213
a<1 20
49 23
in30
32
-- 41
S 431


49
58
-50f
sW 61
4W 69
74
-80
81
-- '83
85
87
-- 9
8912304
8009 16

32
33
34
37
'41
46
54
56

-6 7b
t

73
*'76


IEMS,


so
-6I










8W
a









89
40





so
4,

















1000
4'















1009


NS. PI

2379
81
82
89
92
93
95
2406
2.3
24
28
33
40
50
51
55
63

68
77
6 1
65
87
06
g

91
95
2501
4
13
14
I5
16
t2
S24
37
42
64
;ft

65
70

76
78
85


'1 .
At-A9


*4.~b9~. ~5~*


LREMb. NS. PREMS. NM

49 2619 40 28'
27 -
S 28 -
31 -
32 -
39 -
1. 41 -
329 44 329
4*46 40
47 -
49 -
A- 50 -
157 -
62 -
63 -
77 -
18 8o
8 80 4
82 -
-- 89 -

871 -
=e 88 -
93 -
95
99 --2
270 -

to -

"i 3 -I
10 89
41 40
12 -
22' -
23 -
28 -
36 -
--- 31
36 -
-- 39 -
S- 45 8
-- 47 4
51 -
-' 54
60 -
03

S69 -
70 -

74
C47,
"..'SB -]. :*


PREMS. NS.


02
5
6
14
t16
18
20
21
25
39
41
44
47
49
59
64
69

13
78
81
81
92
93
99
D04
17
18
19
25
30
33
36
38
40
42
4'
46
52
61
07
69
71
173
83
84
932

'9,/

4,'


I


F


4013019
- 22
30
-- 36
45
47
48
53
54
-8 56
57
66
S73
79
80
84
-99
-3100
-- 1




26
__ 28
S36
60 38
49 40
- 45
- 51
- 54
89 55
40 71
- 78
- 79
- 80
- 81
- 85
- 90
- 94
- 97
3208
14


S33
^- 43..

' 47

- 60
- e7
da' OS


MREMS.

40




























49


3289
93
97
3300
3
12
20
25
26
36
41
56
61
67
13
78
81
82
83
91
97
99
340M
8
9
16
19
21
24
38
40
44
45
49
50
51
'52
57
61
67

80
86
90
91'
92
94
96
.97


9L.
30


P


IREMS.

40
89
49


16*
49

89
4W


















81
4W



I6


N.Z
3533
34
36
38
41
44
45
46
47
48
55
64
67
71
85
91
95
97
98
3601
6
7
40
17
18
24
27
28
36
48
50
59
62
63
72
80
82
90
91
94
985
96
3706
11

16
17
25

g ?


PREMS.iNS. PREMS.


.'


40

169~
4.


3762
63
68
69
78
83
85
87
90
94
95
97
3802
3
7
9
I5
19
22
23
31
32
33
38
43
44
48
49
50
%64
66
75
84
87
91.
3904
8
22
24

36
40
Hi2


61
66
61
8k'
8G,


dm





in

--










2009
49


I *1
- ,-('4,..*


' fi.y ..




. .,
: :-;i .


;./"; i,


,. <


5 "



a1


'A"


1





*^




b










- ,,


0






~1"


hft


I


CIILKC .1


. ikv e,. lr% T%


I


*^


NS.


INS.


5
!


dd


':Bl:


,^1....















.1 artga em diioao._ co, a. ulna
i |rtantlif e t P ual 'To.
-Ml ur, ref do as d que
s p bre o assunipto em 1877, si
"'-' f ,! faestol prej judicial da i con-
f M ade doiprojecto. Coivicto, po-
,, or de que o project 6 alta-
oQnstitucional, nio aceita ne-
seons artigos.
.4 arnegavel quo o art. It do project
r art. 96 da constituiolo peloqual.-
pos'cidadlos brasileiros, em qualquer
q lue existam, sio elegiveis em'cada
diWicto eleitoral para deputados on sena-
A aoms, ainda quando ahi nio sejam nasci-
.d0..residentes on domiciliados;-rmas
teih nao se p6de contestar quae a dou-
trina do mesmo artigo seja, nio s6de
conveniencia public, mas ainda de decen-
cia political.
Infelizmente o nobre president do con-
i selho, na 2' parte do citado artigo. atte-
S nua o que baveria de convenient na 1'
partle delle. c 0 ministro de estado, diz
a 1' parte, nao p6de ser votado para se-
nador, emquanto exercer o seu cargo.
AWt ahi a regra mui convenient; mas a
isso accrescentou o nobre ministryo umas
excepQio :-, salvo si a provincia por
onde se der a vaga, tit de sua residen-
cia habitual, ou por essa provincia jd
tiver sido eleito deputado, ou por ella
incluido em list de senador. i Para
que a excepio contida nestas ultimas pa-
lavras ?
0 orador mostra quanto podem ser no-
civas 4 verdade das eleicoes as candidatu-
ras senatoriaes de ministros de estado,
cuja incluslo em uma lista pOde-se at6
dizer que faz corn que esta deixe de ser
triplice. Semelhantes abuses sempre os
verberou, e boje, inbibido, pela razio que
ji adduzio, de votar por urma disposicao
prohibitiva de takes candidaturas, lamenta
profundamente naio poder apoial-a corn o
seo voto, e bern assim de nao poder emen.
dal-a cortando a excepco comque o no-
bre puesidente do conselho tanto enfra-
queceu o principio que estabelecera.
A passage do project tern side gran-
demente auxiliada pela reputaQieo,- alis
merecida, de sinceridade de que goza o no-
bre president do conselIo. S. Exc. ca-
minha para um abysmo, mas de boa f6 a
corn a conviccao robusta de que presta um
bom service ao sou paiz. Isto seduz a
nio poucos e tem valido muitas adhesOes
ao project. Entretanto, as excepcoes a
este artigo abalam aL6 certo ponto e pe-
destal do honrado president do conselho,
e o orador lamenta profundamente qua
assim aconteCa.
Depois de mostrar que as excepcoes po-
dem facilmente prestar-se a muitos abuses,
o orador passa a considerar a questlo d
luz de certos principiosultimamenteennn-
ciados pelo bonrado president do conse-
lho. Segundo a theoria de S. Exc., naoI
se devern impor nacao soberana, regras
quanto a, elegibilidade dos que ella esco-
lhe para seus representantes. Sendo assim,
para que a reslricco que hoje impOe S.
Exc., vedando que o ministry possa ser
eleito senador? No artigo em discussio
o honrado president do conselbo esta.
destruindo os principles que ae discutir-se
ao art. 8o, expoz corn tamanha largueza,
o e que muito 6 para receiar nDo cahissem
em terreno esteril.
No desejando prolongar a discussio, o
orador pora termo as sunas observances,
mesmo porque tern certeza de que nio
Ihes responder. o nobre president do
conselbo, o qual, em vez de insjruir um
debate ample sobro assumptos tao impor-


tantes, contenta-se corn simple declara-
g6es, que sb serve para dirigir a vota-
gao dos seus amigos politicos, e leva mes-
me o son desejo de conservar o silencio ao
onto de impedir que tome parte no de-
bate o nobre ministry da j ustioa, que aliis
taato deseja dizer duas palavras sobre o
project I
Concluindo, diz que, nio obstante as
Ssympathias que lIhe merece a primeira
.parte deste artigo, votari contra elle pela
msconstitucionalidade do project, come
.IW vezes tern declarado.
(Muito bem) I
o Sr. Jaguaribe :-Sr. president,
'-:ncedeu-me V. Exc, a palavra, faltando
. -ptacos minutes para a hera destinada a
Graciliano Octavio da Cruz Martins.
este debate; mas antes de usar della,
quero invocar a reminiscencia de V. Exc.
isobre o que occorreu hontem em igual
6&isc'issio. I
0 Sr. President :-Hontem tratava-se


de um artigo que era muito important; ma.
agora trata-se de um arligo simples que 0
no meu fraco entender, nao offerece as- cown
sumpto para larga discussion. Tendo o mor
prqjecto mais de 20 artigos, e estando guin


FOBIIIETIIIB

AS MULHERES DE BRONZE


POR


XAVIER DE MONTEPIN


i 371EGIKTDA PARTE
0 EVADIDO DA DOURADA
(Eonlinuaco do n. 27)
XXXIX


Leopoldo segurou a coragem corn am-
.'bas as maos, come vulgarmente se o. diz,
- e COmeouo ol urma voz que a emocoi
tomna vtrl/sr'a.
A- D- que tivemos a desgraca de
perder .1hibaMii, pouco tern despendido
commi nA0o 6 Iverdade, meu pai ?
0 o m < alou.se.
Rosa O4"iado este preambulo trocaou
eom Macal um rapid olbhar que queria
dier :
CA estamos... Vai failarde dini4ro.
Os olbos de Maral brilhapa:
Leopoldo continuoa : .
..- .secreioq uat dai ..
c.. c0.imigo, .

m. ,a


0 S*. Jaie la* fd~ri
to; scut4 s 'ms e quate
miltir o reaglm O.
0 Sr."Jagualei;--Sou o primeiro a res-
peitar as decIsoes do Sr. presidoeI; mas
S. Exc. permittirl que eu declare que n0
me parece muito curial que uns artigos
so=j a julga.os polo nobre president do
senoado de difficil diseasso. admitfindo-se
per isso a respeito delles na directio dos
trabalboszuma pratica, e outros de facHi
solucio, e portanto a respeito desses prati-
ca diverse.
Mas, senhores, a difficualdade das ques-
toes 6 da discussion qae surge; as vezes ha
pontos que parecem. simplissimos, e toda-
via installada a discossio, reconhece-se
que dio material pars long debate ; e pois
parece-me, sem querer do modo algum
contrariar a decisao da mesa, que sobre
difficuldade on facilidade da discussion se
deve esperar que esta tenha lugar, e nio
dizer-se de ante-mo : c Nio conv6m re-
tardar, a material 6 simples, P
0 Sr.l Mendes de Almeida :-.Cumpre
obedecer a imesa...
0 Sr. Jaguribe :--ObedeoQo ad mesa, ron-
do-lhe todo 6 acatamento, e tenho esse
doever, gragas aos dons e yirtudes de que
reconheQo revestido o digno cidadio que
centre n6s faz o papel de primuus inter
pares (Apoiados).
O Sr. Mendes de Almeida :-Estamos
accords.
O Sr. Jaguaribe :-Entro portanto em
material.
Sr. president, si eu tivesse alhuma du-
vida sobre as boas intenqoes do;nobre pre-
sidenie do conselho na confecNio destc
project, ou na influencia, que sobre sua
march tern exercido, bastava este artigo
para me convencer de que effectivamente
S. Ex. tern boas intenoes. (Apoiados).
0 Sr. Mendes-do Almeida: -Sobre isso
nio ha a menor duvida aqui no senado,
todos lhe fazem essajustiga.
O Sr. Joio Alfredo : -Das boas inten-
06es.
O Sr. Nunes Gonoalves :-A disposico
deste artigo 6 significativa.
O Sr. Jagauribe:-Mas, reconhecendo
essa verdade, peco a V. Exc. permission
para repetir-lbe um pensamento que esta
no animo de todos: os extremes tocam-se.
Vou explicar-me.
Este arligo, mostrando a boa f6 de S.
Exc., os seus boas desejos em material
electoral, 6 todavia de nalureza tal, que
poe em relevo urn escandalo.
Pois, senhores, si o governor reconhece
que ha ministros que abusam da sua po-
sicol impondo a sua candidaLura as pro-
vincias, o que se dove fazer ? Si 6 um
governor bonesto, come folgo de reconhe-
cer que 6 o actual, o cidadio elevado que
preside ao ministerio, desde que reconhe-
ce esta verdade, nDo tern mais do que di
zer aos seuons colleges: (c No vyes lem-
breis de imitar os maos precedents de
nossos antecessores; si durante este mi-
nisterio nio quizerdes ser homens de bemrn,
no podeis ser meus colleges. ,
Isto entendo eu ; mas o nobre presiden-
te do conselho, para authenticar a hones-
tidade, o pensamento justo de que esta
possuido, nao precisava vir fazer um arti-
go de lei, que 6 unia excrescencia e que
poder-se-ha at6 dizer que 6 escripto so
para inglez ver.
O Sr. Saraiva presidente do conselho) :
-Depois de approvado nao sern s6 para
inglez ver.
O Sr. Jaguaribe:-Tenha paciencia o
nobre ministro, vou dizendo o que sinto ;
per era 6 materla discutivel, nio 6 ainda
lei.
E' una excrescencia, senhores, e de-
mais, eu tenho visto neste project dero-


gados muitos artigos essencialmente con-
stitucionaes, nao sei se diga que nenhum
desses tern a clareza, a saliencia incontes-
tavel daquelle que o presence artigo do
project infringe.
O Sr. Fernandes da Cunha :--O governor
insisted ou aceita a emenda suppressiva?
O Sr. Saraiva presidente do conselho):
-Eu j a disse que votava pelo artigo e dei
a razio.
O Sr. Jaguaribe :-Informnaram-me que
V. Exc. havia dito que lhe era indife-
rente.
O Sr. Fernandes da Cunha:-Agora diz
o contrario.
O Sr. Saraiva presidente do conselho).:
-Dei a razio porque escrevi este artigo.
Elle nDo modifica nem translorna a refer-


Sr. Jaguaribe.-Vou
itituicao a que este
talmente, 6 o art.
lte :


ler o artigo da
do project fere
29 que diz ose-
A


0 Sr. Dereyne sabe isso to bemrn co-
mo o senior, interrompeu Rosa;
Qaatroentos mil francs prodpzem
no minimum vidnte l frahcos, continuous
Leopoido, sm ptestar attenao a interrup-
Oio, e 6 claro come o dia, que as despezas
corn a minha educaeao reunidas A pensao
que men pai me suppre nunca attingiriam
a esse algarismo...
Uosa olhou de novo para Mar'Qal como
para interrogal-o, parece a ler nos soeus
olhos, e responded:
Os seus capitals estio em seguranoa,
ha casa d9 tabellilo da familiar, e o Sr
Dereyne, seu tutor natural, Ihe prestari
contas no dia em que osenhor for maior.
Traduzi bemrn o sea pedsamento, Sr. De-
reyne ?
As palpebras do patalytico abaixaram-
se affirmativamente -
Men pai, proseguio Leopoldo, 6 pre-
cisamenate da 6poca da minha maioridade
que venho fallar-lhe.f
Como ,assim ? orguntou Rosa. FEssa
epoca 6 conhecida. /Sabe-se em que 6poca
o senior complete inte e urnm annos, vis-
to que so d'aqai p quatro mezes fari
vinte.
0 estado em/que o sehor se aba,
men pai, balbucid Leopoldo corn. major
bibaraco... ca4 .no mo profndo dod-
-s k.. .. -Oo.
Uax-o


. .


Ij -


4 Sr. I~a de Vscotills. -Hem S
appticacaoG aaaS '
0 Sr. LrA9TSHboeo :--Ahi, neom o rigo-
rismo do Sr. Candido Mendes.
0 Sr. ,ferniWdes da, Cdnha:-Tratase"
de priv o de, diretoso eoma nio 6 cob-
Stitucional ? Ento' nao ha nada consti-
tucional. A theoria 6 muito commoda.
0 Sr. Jaguaribe --E' o caso ; o pobre
president dor conselho jA declarou que
em material eleitoral nio ha nada cogsti-
tuacional. L.-se um artigo quo dig expres-
samente que 6 ministro de estado pbde ser
eleito senador on depatado ; o que .ner
direr quo o ministry ,de estado, que 6
membro do powder, legislative, pbde ser
eloito para uma on outra camera. Dizelm,
por6m, agora os nobres senadores: 'Re-
vogar este artigo nao 6 ferir a constitui-
0o 1 '
0 Sr. Saraiva presidente do conselho):
-Este artigo nio 6 constitircional.
Q Sr. Jaguaribe :-Oh I, come nio 6
constitucienal I Q artigo trata de uam
membro do poder executive, e per conse-
quencra do representante de um poder su-
premo, a quem se vio restringir attribui-
ioes e faculdades, visto come elUe podia
moito melhor desempenhar os seus dove-
res, fazendo part de alguma das cameras,
e foi isto que a constituigio reconbeceu
ser de vantagem e estar no principle do
system representative para que o poder
executive ficasse mais harmonisado corn o
poder popular. Os nobres ministros, po-
rem, dizem;-Esta disposicao da consti-
tuiio que da aos membros do poder exe-
cutive mais amplido no exercicio de suas
funccoes n o 6 constitutional.
O Sr. Saraiva presidente do cooselho):
-Nao 6 isso, o case tern applicao.o.
0 Sr. Jaguaribe :-Tern toda a applica-
Olo. E si os nobres senadores acham que
a lettra delle 6 pouco explicit, combi-
nem-na comn ado art. 96.da Constituico,
e acharlo o quadro complete, isto 6,
quando o cidadio brasileiro p6de ser elei-
t) deputado ou senader em qualquer po-
siao em que esteja, e per consequencia
tambem na de ministry. Mas o artigo
que li 6 especial para o case ; ningnem
p6de dizer que nao tern applicavao. A
qnestio constitutional nao p6de deixar de
ser aventada neste ponto desde que acabo
de demonstrar que corn esta eleicao um
membro do poder executive dispoe de
maito mais. recursos pars bern desempe-
ohar as suas funcQoes e para mais harmo-
nisar-se corn 'a nago de quern 6 o re-
presentante. come membro de um dos po-
deres politicos, passando a sel-Q come
membro de outro desde quo seja eleito.
(Cruzqm-se diversos apartes.)
Eu estava convencido de que neste paiz
nao havia o rmenor receio do goipe de Es-
tado, emquanto os ministros fossem cava
lheiros do calibre dos actuaes, isto 6, ho-
mens honestos, de precedentes honrosos,
e que inspiram toda a confianca de que
serlo incapazes de violencias, de attenta-
dos. Mas o nobre president do conse-
Ibo diz em apart; Depois nao se quei-
xerM de que o senado deixe de ser vitali-
cie e passe a ser temporario.
O Sr. Saraiva presidente do conselhG).
-Nao foi esse o apart.
O Sr. Jaguaribe :-Entro a que veio o
apart que V. Exc. deo ?
0 Sr. Meira de Vasooncellos :-Foi- em
resposta a outro do Sr. Fernaodes da Cu-
nha.
O Sr. Jaguaribe :-Entro posse ficar
tranquillo de que volto para minha casa,
certo de que aunda sou senador vitalicio ?
O Sr. Leao Velioso :-Isso nao 6 serio.
O Sr. Jagaaribe :-Como nao 6 serio ?
0 Sr. Joao Aifredo da um aparte.
O Sr. Jaguaribe :-Senhores, nao sou
facii de dat-me por offendido.
O Sr. Meira de Vasconcellos :-Nero ha


offense.
Q Sr. Le.o Velloso :-Ninguem effende.
O 8r. Jaguaribe :-...mas garauto aos
nobres senadores que respeito esse lugar
de uma seriedade a toda a prova. (Apoia-
dos.) f
O Sr. Leao Velloso :-Foi um gracejo.
0 Sr. Jaguaribe :-Si foi um gracejo,
foi em resposta a uma cousa, que nio pa-
recia gracejo, mas amea~a.
O Sr. Leao Velloso :--Nio podia pare-
cer ameaga, porque ninguem ameacou.
0 Sr. Mendes de Almeida :-0 Sr. Si-
nimbi j i aqui nos ameaou.
O Sr. Jagaaribe :-Entretanto para sa-
hir deste incident e entrar na material,
declare que repute-me no numero dos mais
fracos, e talvez timidos pela minha organi-
salo physical; mas, si consult omen espi-
rite acheo nelle bastante vigor para decla-
aifsa repetio esta manhi : nao 6 grave e
seraa passageiro.
Estas minterrupoes sem fim, claramente
mal intencionadas, irritavam Leopoido,
ainda qae elle tivesse resolvido ficar cal-
mo perante a insolent aventureira; comn-
tudo responded vivamente:
No me deixari fallar, senhora ?
Parece-me que nao lh'o empeco.
E' corn mea pai que fall e nao corn
a senhora.
E abusa mesmo da paciencia do Sr.
Dereyne... Emfim nada tenho corn isso.
Continue.
No julga, mea pai, continuous o mo
0o, que, ainda que menor, serei capaz de
adm I istrar a minha fortuna e adjinis-
tral-' coM acerto.
Alt6 quoe final I disse Rosa. Ahi esti
uaa pergunta claramenate fornmulada. 0
senhor reclamw a sua emancipaglo...
No a reclamo, solicito-a rtlitosa-
monte.
-, --Pois bem, -desta vez, antes de res-
ponder-lhe, nio precise interrogar o othar
do Sr. Dereyne.
--Porque?
Porque a sua vontade me 6 conbe-
cida. Hoje mesmo seao pai, usando dos
meios de commntiicao 4.que existem en-
tre mime lle, 'fallou-me de seu filhos,
.e do seaho4articalarmente, e eu pergana-
boi-Ihe se nii julgava coaveniepte alliviar-
idor enciago6, dos seus interesses, eman-
cpaadoq"A saa resposta foi cathegori-

S"io conpletoa-os s-
IA? Os es-'*.*


quo
tam


r Moffa, a pelo facto aeserolie mJ-


p


u-pmr irm te;t ao eoniiop g~ .- -o
roau po fz.qet o. e, pento, Lgo tudo isto 6 uema burla. A emen-
de fad da a que cads um da a commisso 6 sapiensma, n-
VoWi cpimo oendeas. dado supprimir o artigo, porque isto 6
Etou cetisimo de que os que nota. material constitutional, -quoe esti prevista
rem contra o artigo do project, votaim' e deve ser reguTada, nao por uma lei, mas
cociwenisamehte, porqee rbsalvau, a pela honestidade public, da qual deve
CoO1tiotico do impeno e um principib do ser paladiao todo governor bonesto. (A-
nosso system. poiados).
0 voto, pois, dod neste, sentido 6 in- Pars que, pois, per meio de uma lei,
teiramente consciencioso. denunciar as chagas vergonhosas deste
Mas acresce aind&,Sr. president, que paiz, prometter que isto se emendari ?
o governor terno .obtidp nas votaoes atW Nio, senhores, emende-se caladarnente.
este ponto maioriawpara conseguir a ap- Procedae o governor come precede um
provacoi do sea prwecto. Nao 6 de sup- bom pal de farnilia, que reconhece que
per que na votaao' deste artigo essa em sua casa se commetteu alguma falta,'
maiona queira votar, fazeodo um mal sos e que faz o preposito de a emendar pre-
membros' do gabinete, que podem por parando um melhor futdro pars sua des-
muito boas razoes e corn muito born di- cendencia.
reito esperar o lugar de seliador, visto co- Proceda o governor per este mode, e
mo outras eleioes existem e entire ololes nao queira reformar, os costumes por
ha membros dignos dessa honra ; e neste uma lei, affirmando que deseja tornar me-
memento recordo-me sobretudo de urn, Ihores os futures destines de nossa pa-
que jA teve grande votaio para senador tria.
per minha provincia e 6 cidadao de tanto Eu ji disse que quande o governor quer
saber'e de qualidades tlo distinctas, que a reform, ella vai-se fazendo insensivel-
iffectivamente o repute corn bornm direito mente sem se precisar de disposiio de
a essa fionra, come qualquer outro de lei.
soeus comnprovincianos. 0 facto do CearA, onde acaba de'fazer-
Portanto, esperar que urma maioria, se uma elei0io livre pela interveneao sim-
que tern approvado o project, va agora plesmente dos homes politicos, semr que
approval este artigo ferindo direitos, alias as bayonetas dictassem come as actas de-
tio legitimos, 6 o que nio ache natural. viamrn ser lavradas, 6 uma demonstracao de
Eu, pois, digo que o artigo em discus- que em o governor querendo o povo 6
sio seondo uma prova da sinceridade do no- docil. I
bre ministry, p6de peor outro lado parecer Senhores, o povo a quem accusais e
um negocio para inglez ver. S. Exc. ji condemnaes tern msede de justiga.
me contestou, e eu nada tenho a replica, 0 Sr. Saraiva presidente do conselho):
porque jAmais duvidarei da boa f% e das Ninguem condemna o povo.
boas inLeno6es de S, Exc.; mas estou no 0 Sr. Jaguaribe : -.0 project con-
meu direito analysando o arligo e dizendo demna-o, e de mode que eu acredito que
que nao obstante ninguem duvidar da o nobre president do conselho corn as
pureza das vistas do nobre president do boas intens6es que tern e cbm a experien-
conselho, elle dove ser considerado sim- cia adquirida no governor, so o vai suslen-
plesmente come cousa para se ver. tanto por houra da firma. Mas sio tio
Nio; o artigo nao p6de passar, nao de- palpitanles o s sous defeitos, e heu conheco
ve passar, estou certo que nao passara, tanto a sinceridade do nobre president
O Sr. Saraiva presidente do conselbo) do conselho, que chego a arriscar uma
di um apart. prophecia, e 6 que, si Deus conceder-nos
0 Sr. Leio Velloso :-N6s votaremos a ambos uma longa vida, espero que um
per elle. dia, encontrando-me corn S. Exc., elle me
O Sr. Jolo Alfredo :-Entie passa l dira: Tinheis razao, quando vos oppu-
O Sr. Meira de Vasconcellos :-Envolve nheis aquelle projecto_
uma grande idea de moralidade. 0 Sr. Saraiva presidente do conselho):
O Sr. Nunes Gonoalves :-Esta duvida 0 que espero 6 que V, Exc. diga que
da part do nobre senador so revela o nao tinha razio.
grande descredito a que tern chegado a o Sr. Jaguaribe:-P6de ser; mas a
administracao do paiz. minha f6 e esta; si tivermos vida longa,
O Sr. Jaguaribe: -Eu principiei dizendo passe on nio a lei, S. Exe. me diri algum
que tinha havido escandalos. dia: tinheis razio, e eu estoun arrependido
O Sr. Meira de Vasconcellos :-V. Exe. de ter cooperado para essa obra, isto si
argument come si fossem excluidos os passar a lei; e no case de nao passar, o
ministros; mas pelo arltigo, poderd o ser corner do tempo mostrar que ella era
eleitos pelas provincias onde forem filhos; corn ef0eito desnecessaria; e S. Exc. corn
o artigo portanto admitted as candidatures a sua franqueza, em um encontro amisto-
legitimas, e contraria o que V, Exc. esti so, nao terA duvida em dizer que eu ti-
censurando. nha razao.
O Sr. Jaguaribe :-Senhores, tudo isto o Sr. Mendes de Almeida : Apoiado,
vem a dar em urma mystificagio, sejamos e talvez que em pouco tempo; talvez que
frances, qualquer destes dias S. Exc. venka pedir
O Ss. Mendes de Almeida :-Apoiado. para retiral-a.
0 Sr. Jaguaribe :-Fstla disposicio, que o 0 Sr. Saraiva (presidents do conselho):
alias combat per inconstitucional, expri- --0 pedido podera ser feito per outro, nao
me urn pensamento de alta moralidade, por mim.
mas devia esse pensamento sen france, O Sr. Jaguaribe : 0 nre presiden-
absolute, sere deixar ensanchas por onde te do conselho ha de concordar que o pro-
escapassem abuses. Si nao se faz isso, jecto e um escarneo A nacao. Peco des-
dedst quo n so sediz trancarnendo qudo culpa quando digo estas cousas porque res-
uimyistro ao p6d, ser senator, tudo 6 peito as opiniOes.
nina mnysiticaco. O Sr. Saraiva presidente do conselho):
0 Sr. Mendes de Almeida :--Inutilisa E' a opiniio de V. Exc.
inteiramente a idea. O Sr. Jaguaribe : Este project esbu-
O Sr. Jaguaribe :-Os nobres colleges lha a grande maioria da nacao do direito
sabem qne tern havido neste imperio elei- de intervir nos seous negocios; conterm
coes de deputados per provincias lougin- tanlas iniquidades que para corn o pobre,
quas, recahindo a votacio em cidadios corn o cidadio, que apenas p6de aspirar a
que nunca Ia foram, que nio as conhecem, ser eleitor, emprega todo o rigor, porque
que neo sdo conhecidos la, mas que to- diz: Nao podeis exercer o direito em qae
ram eleitos per graia do El-Supremo. estaveis de posse por meio de repetidas
Pois bern; um desses cidadaos, eleito per qualificaQoes scm provardes corn documen-
graia de ministerios passados, e ainda os to do thesouro que tendes essa renda. 0
ha do ministerio que findou, o de 5 de project actua sobre o cidadao, dizendo-
Janeiro, porque no dominie do ministerio se alias muito democratic, porque desceu


I passado foi eleito per GoVaz, um cidadio A ultima renda da Constituiio ; mas cer-
que nunca M poz seus p6s... ca a proves de tanlas difficuldades, que
0 Sr. Joio Alfredo: Nunca. bemrn se demonstra que o que se queria era
0 Sr. Jaguaribe :-...esse cidadio, pois, o censo alto. Eu estou agora jostificando
p6de ser ministry um bello dia, quando a minba prophecia de que um dia o nobre
porventura liver attingido a idade senate- president do conselbho ha de dizer: Ti-
rial, e entie, si se der uma vaga per nheis razio.
Goyaz, ahi estarA uma candidatura muito Emquanto ha esse rigor pars a prova
legitima na phrase da lei. da rendas que 6 acobertada pela. disposi-
Sei que isle nDo esti no animo do nobre Cio conslitucional, que diz que para setr
president do conselh9. 'O.pensamento do votante 6 precise ter 100. que, polo cam-
governo e honestissimo, reconheoo-o; elle bio, 6 convertido em 2000, ve-se que o
denuncia ao paiz que muito-se tern abusa- project manqueja, abandon o soeu sys-
do do cargo de ministry e que ha o pro- temans, mascaradamente fundado na Consti-
posito de nio se abusar mais. tulogo, e quando chega ao cidadio que
As palavras, pornm, que aqui 6stio, en- aspira a ser deputado e senator, pars ca-
cobrem a continuaeao do abuse, e estou da um dos quakes a Constituiio servio-se
mostrando um case, em que elle se p6de da mesma phrase, dizendo: deve ter de
dar, a hypothese de ser eleito senador um renda tanto, o project nDo exige a mes-
homem que in illo tempore f6ra eeleito ma prova, nio exige o memo rigor ; polo


tudos; nao foi ainda recebido no greqio
dos advogados; se ficasse livre, piossuidor
de uma avultada quanlia, nio trabalha-
ria mais, seria victim das seducg0es da
sua idade, e arriscar-se a dissipar a sua
fortune. Uma fraqueza faria de mim cum-
plice de suas loucuras. Recuso absolu-
tamente emaocipal-o. Nao recebera a
sua heranga seneo na 6poca marcada pela
lei. P
Leopoldo fez-se pallido.
Levantou-se bruscamente.
E slo essas, minha senhora, as ex-
pressdes de que meu pai se servio ? per-
guntou elle.
--Textaaes, senhor. Demais posso' in-
terrogal-o na saa presenDa. Fui seao inter-
prete field, Sr. Dereyne ?
As. palpebras de Marqal responderam:--
Sim.
-- Ah I minha senhora, proseguio Leo-
poldo corn colerA, tudo isto nao passa de
urna farga. E' materialnisnte impossivel
quo possa ler phrases tio compridas, nos
olhos de am paralytico I
Quer a prova em contrarioe... Se as
intenooes do Sr. Dereyne fossetn confor-
mes aos seus desejos, nao me accusaria
de uma faroa. Felizmente para si, sea
pal tem o espirito firm e a razao soli-
da e ha de protegel-o eontra o senhor
mesQmo.
Ja no sou ma creaoa I
No, mas 6u am mrenor I
-. Qae importa, se a minba conduct 6
boa'l
-J Aacabouosseusestudos ?


N0o, mas hei de acabal-os.
E precisa de quatroceatos- mil fran-
cos, sem duvida, para as suas matriculas ?
disse Rosa ironicamente.
A senhora nada tern corn isso I
Muito bern:.. ji nio digo mais nada,
e nao responderei. Entenda-se sb e sem
o meu auxilio corn o Sr. -Dereyne.
E Rosa fez menolo'de continuar a ler o
soue romance, emquanto Maroal langava
um olhar furioso sobre Leopoldo.
Ah exclamou o mogo exasperado,
a senhora abusa odiosamente da posi-
ao que men pai a deixou tomar junto
delle I
Rosa esforoou-se por dar ao rosto uma
expresso de altiva dignidade, e replicou
corn um torn magestoso:
Devia despresar takes ataques. Se
respond a elles, 6 menos por mim do
que por aquelle que nos oave, e a quem
a saa linguagem affiige A minha posi-
Oo aqni 6 de uma amiga sincera. Devo-a
i dedica o sem limits que me inspira
sea pal e que elle nio encontrou etr seas
filhos. So d ama estranha, 6 verdade, po-
r6m essa estranha podigalisa-lhe cuida-
dos, que en vio elle esperaria de soeus fi-
lhos. A minha posioo, senhor, devo-a a
togffos annos de uma affelio reciproca,
ba6Wada de parte- a parte sobre a mais
alta estima, e eu occupal-a-hei atW e dia
et 'quoe e pal ime nfizer comprebender
que a minha present aqui 6 demaia.. Du-
vido quo ;esse dia chegue. Quanto a si,
senhor,.. %
'A -ex-overnante interrompeu-se e olhou
1.


*>>
ja;


Votou-se, e neo foi approvada, a emen-
da suppressiva da commission de eonsti-
tuicoi a este artigo.
Votou-se, e n0o foi approvado, o ar-
tigo.
Votou-se, e foi approvada, a emenda
da camera dos deputados.
Entrou em discussion o artigo 41 da
mesma proposta.
O Sr. Saraiva (presidete do conselho) c
-Pretendo votar pela emenda da commis-
sio e portanto me parece desnecessariO
acrescentar mais nada.
0 Sr. Mendes de Almeida :-
No contava que o nobre president do
conselbo hoje sequer nos ddsse o prazer
de ouvil-o sobre este art. 12 da proposal,
desde que S. Exc. hontem nos prevenio do
que acabou de dizer, isto 6, que S. Exc. nem
mesmo quiz dar abertas a alguns senado-
res, que nio esteo de accordo corn a pro-
posta para apresentar as objecCes que,
t6mn a esta medida.
(Continua)


para o paralytico, como para consultal-o
de novo ; depois, ao fim de um ou dons
segundos, proseguio:
Quanto ao senhor, sen pal nao tendo
nada mais a ouvir, e nada mais a dizer,
pede-lhe de restituir-lhe sem demors, sa-
bindo de sua casa, um repouso necessa-
rio, por -muito tempo perturbado pela sna
visita.f
Leopoldo, livido, oem toqdo o corpcon*
vulso, conservou-se do pe diante go o-
Iho e corn os olhos fixes nos seus,.isme-
Ihe:
Men pal, 6 realmente o son pensa-
mento que esta mulher acaba de manifes.
tar?
As palpebras de Marial abaixaram-se
dez vezes seguidas, corn urma violencia
inaudita.
Expulsa-me?
A mesma resposta;
E nio quer tornar a ver-me I "
As palpebras bateram de novo e mais
vivamente ainda.
Entio, adeus, mee pai. -Ceatinuo .
amal-o ternamente, apesar de tudo, e las
time do-toda a minka alma que tiwrb
cakido em tawmios. -/
Leopoldo-sahio do quarto, corn -
io opprimido e os o-lbs cheios d, ,i .
mas. "" :.
m Boa viagem axcluan Rfosa,ft i
do a portaSO fchooat -*a*h,?Z*m


I


I


I *
~ ~ .:'


V

V


I,
-',,
,- 1 .

*' -: -."-?


20
... B1 1 Oalan'
Quandp today a* wmarchamwa
o progress e pars a civiisatio, aq re-
trograda-se e excommuna-rw, a ma
da nacao para. fstejar os084*0-ri.
cos e cortejar aquellps queo oggOrno
quizer.
Ora, ha inlquinademjnaior? E', p oan-
to, um project que ha4e Jevantar f-
animadversio, e, convertidOwaen lei, Ide
dar o desgosto ao governode coths-
do quanto andou mal ifiradlo slt fle"
urma obra que ha de encontrar a aWikad-
versio public. .
Eu, pois, nae querendo por mais toob a
abusar da bondade corn qu e s nob U'"-
nadores me tmrn ouvdo (nio apoa..o'4
vou concluir, repetindo dous vers, de
urnm poeta brasiletro que devia ter "ito
mais vega, ta 6 o seu merecimento.; ,re-
fire-me ao Sr. Porto-Alegre em seu poeipa
Colombo porque me parece que esses ver-
sos tein perfeita applicagio ao future qae
aguarda o governor, silpor acaso o project
f6r convertido em lei. Os versos sao os
seguintes:
Guai de quem presunpposo, ingrato, in-
sano
Dos seus moteja, e sua patria avilta.
A discussion ficou addiada pela hera.
SESSXO EM .25 DE NOVEMBRO
0 Sr. Jos6 Bonifacio pedio a pa-
lavra apenas para declarar o seu voto em
material que reputa important, espera
aeo roubar mais que dez minutes ou um
quarto de hora ao senado.
Nio acha o art. 11 da proposta, emen-
dado pela camara dos deputados, offensi-
ve da constituiogo do imperio; polo con-
trario al certo panto pensa que vai de
accord corn o espirito que presidio ao
art. 32 do nosso pact fundamental; que
sujeita o ministro deputado a re-eleicAo.
0 project da constiLuinte nos arts. 66
e 70 liimilava o numero dos ministros
que podium ser deputados on senadores
na proporcao de um para 25 dos membros
de cada uma das salas.
Em nada import o art. 96 da consti-
tuicio, que come todos os outros referen-
tes a direitos politicos, concernente ao ci-
dadio e nao ao empregado public. 0
emprego 6 um mode de ser do cidadio ;
que o aceila, recebe-o come foi instituido
por lei. Se assim nao serve, nao seja em-
pregado.
O powder executive 6 delegado ao Impe-
rador que o exercita por soneus ministros,
e, portanto, o ministerio 6 per assim di-
zer, uma commission -politica, exercida sob
a condi0cio tacita de merecer a approvaolo
do parlamento. Nenhum motive de or-
dem constitutional p6de oppor-se a emen-
da da camera, nos terms em que foi
concebida, reproduzindo e limittando a
doutrina da proposta. 0 art. 178 da con-
tituiao 6 clare.
Em principio reconhece que, aceita a
dissoluCo das cameras corn recurso para
decidir os conflicts travados entire os ga-
binetes e os parlamentos, os ministros de-
vei em regra sahir das cameras e repu-
tarem-se commissaries tambem do parti-
do que triumphou, mas neste paiz, segun-
do a opinion unanime dos partidos, as
eleicoes estio falseadas e Die sao ,as ca-
maras que fazem os ministries e sim os
ministros que fazem as camaras.
Per isso de accordocom o veto que tern
dado em referenda aos magistrados e a eu
tros funccionarios, approval o art. 1i da pro-
posta emendada pela camera, fazendo vo-
tes para que mudem as exigencias da ac-
tualidade e domino o mais brevemente
que for possivel o principle da mais am-
pla liberdade do voto e da representacao.
Nio havendo mais quem pedisse a pa-
iavra, encerrou-se a discussion.


f"


"' --
"%


,Type do Dimio bra dio




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHG5TWHLT_4A75OV INGEST_TIME 2014-05-22T21:58:35Z PACKAGE AA00011611_16354
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES