Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:15912


This item is only available as the following downloads:


Full Text









I~ ~~0wA0 By ~


* a 0
- 'a '0


^;^^ '^^l.. : .. ...
.. ". *-'^ --''* tr.ttr t 'aft^ '

.A 7 '


* .. ,
a .


'4-'


*rA. .-

. *., .


~~eprieIiabt lie Alaawtt


dizendo, appticaqio do rnicroscopio a pholtogra-
phia. 0 maicrosoopio am imntrumnento do qptics
que, augmentando immenasamente adpequminas
parties de umn object, nos permitted o sou eatudo e
99 f ihI~ aA g i'ipreciao ; mas 6 este trabalho muito fatigante e
) DAll ARM L UIAV incowwodio,-e por isoo so obteve grand vania-
pim corn a desooberta da photo- micrographi% ou
Di o autes corn a applieaqio da photographia ao nnl-es-
it l l part ie 0 WW ) eopio, porque per ella podem obter-se inmvrgn
muito amplificadas do* infuaorios, dos nmicrozoarlem,
SLISBOA, 4 de fevereiro. dos graos de pollen, etc.
0 mreecopio solar oompmto de am espelho em
fol n nameado ministrer das Obras um system apropriado a laser incidir os raioa
solares sobre o object, uaq systems de tubes e
uibllea*. Ceommerelo e Idustirla o lentas para fazer convergir a lusZ, nm support
preltd-nnI, eqMwelheio, Ex- iar. epars o object a examiner, urma lent e objeetiva
-M te .IP leI..ra d'e ello. que dA a maior oeu meaor amplifieslo do object
pr metereira eo ae urn parafuso, e uram disco furado que
Da pasta da Julstiea e Cult. tol Ia- serve para mais brilhantemente fazer representar
eumbido Iumterimuente o Exmn. or*a objecto; ouo microsoapio photo-eleotrico (em que
< -d e retmt eo r.alet do sol 6 substituida pela luz electrica) se
rIer nai de Freitla. pode adaptar uma camnara escura de folio de um
Emia 1oeelnado CougeSOmetro de alcane :--6, qualquer d'elles, o instru-
mento necessario para esta nova arte, pots que,
Postal, cu.jos delegado eslto sende collocando uma chapa sensibilisada no sitio onde
multo obsequlados. se forma a imagem, e fazendo incidir a luz sobre
o objecto, estaremos depois reduzidoa a applicar
Ae a ii e P ib qualquer d *s processes photographicos que jA atraz
Agencia Havas, filial em Pernambuco, deseriptos ficaram.
4 de (evereiro da 1885. Na pratica tornam-so necessarias certas cante-
las, sendo a principal o fazer corn que baja per-
-... _. ,,:- ;... J..feita concordaucia entire o eixo da machine photo-
I Uaflf lUfaAUU l rv UrtJA qAssim como se consegue isto, tambem se pode
~_____~~__________ _^ ltazer o inverse, isto e, photographer a image de
um object reduzido a pequenissimas dimensoes;
PHOTOGRATHIA 8s0o d'isto exemnplo uns pequeninos oculos, que se
PHOT OG AP IA venderam na exposicao de Paris, em 1867, onde,
(E trah*da) era um quadrado de papel cuja supcrficie era igual
( raia) ida cabega de urn alfinete, se viam os retratos dos
450 deputados do impero francez.
o~^n mi wrr


-V 6A.hC'LJL J JLJLJ
.pplteae6es da photographic
CAPITULO II
PHOT9-MCROGRAPIIA E OUTRA.S APPLICAUES PhIOTO-
GUAPIMICAS
A photo micrographia 6, conao a nalavra o esta


Como exemplo mais frizante e mais dignos de
ser mencionado, diremos o que succedeu em Paris,
no cerco de 1870 a 1871, quando a capital de
Franca estava isolada completamente do resto do
mundo.
(Continua.)


PAiRTE OFFICIAL


GOVERNOR DA PROVINCIA


Relatorio corn que o Exm. Sr. Dr. Sancho de

Barros Pimentel entregou ao Dr. Au-

gusto de Souza Leao,3. vice-presiden-

te, a administraWo d'esta provineia
no dia 26 de janeiro de 1885.

Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 26 de janeiro de 1885.-rlm. e
Exsi. Sr.
Honrado, per carta imperial de 9 de agosto do anne passado, corn a nomea-
meagiao de president desta provincia, prestei juramento perante a Camara Municipal
do Recife e tomei posse do cargo a 20 de setembro seguinte.
Ao entregar hoje a administraglo a V. Exc. "cuinre-me referir os factos mais
dignos de mengo, qne so deram durante aquelle period.
As informaao'es, que vou prestar, constant mais detidanmente dos relatorios
annuos quo quasi todos os chefes de repartigio, corn louvavel solicitude apresenta-
ram antecipadamente, afirh de que eu podesse instruir a V. Exe. de todaa as occur-
renaias.M
reas. ELEI(OES

Este assumpto, sempre important per sua natureza, ainda maior interests
desperta actualnente.
Sabe V. Exe. que o gabminete de 6 de junhi de 1884, acompanhando a asp-
raglo du paiz, accord cor o pronunciamento patriotic da opiniao public a beneficio
de nma causa nobro e humanitaria, inserio no seu programma de governor a promessa
de tratar corn empenho da questlo do element servil.
Para conseguir o sea sincere desideratum apresentou um project, que in-
feliznente foi rejeitado em prinmeira discussio, na Camara dos Sra. Deputados. As-
sim que, manifestou se uma profunda divergence de ideas, entire os augustos represen-
tantes do povo, oleitos quatro annos antes o a aspiraglo geral do paiz, accentuada pre-
sentemente, mais que nunca a favor de medidas mais largas e adiantadas, que apressem
gradualmente, mas efficazmente, a soluglo do tao momentosa questaeo.
Para resolver o conflict, a Coroa houvo per bemrn fazer umn appello A nagao,
dissolvendo a Camara dos Deputados e convocando outra, que dover-so-ha reunir ex-
traordinariamente no dia 1" de marno proximo vindouro.
Quando assamn o exercicio do cargo de president desta provincia, o meu
illustre antecessorji havia providenciado, em cumprimento do eordens do governor im-
perial, para que se procedesse a respective elei.lo no dia 1 de dezeobro find, confor-
mc a disposi'ao do decreto n. 9,271 de 3 do dito mez de setembro.
Acompanhando o pensamento do governor e procurando corn toda a lealdade
corresponder A elevada prova de contanga, corn que havia side distinguido, esforcei-
me, desde logo, para quo o pleito eleitoral corresse livre e pacificamente ; -de mode
que o seu resuhado fosse a expressao fiel e verdadeira do pensamento do elei-
twrado.
Para evitar qualquer suspeita, ainda mesmo infundada, de intervengio ou
,coacgao official na eleiclo, proveitosa ao gcverno, abstive-me da pratica de quaesquer
actos administrativos, que podessem alimentar semelhante suspeita.
Conservando as autoridades policies que encontrei, s6 destitui qaatorze cuja
conservagaoojulgava inconvenient A boa march de minha administrators, sendo que
mais nove foram exoneradas A pedido.
Poer igual, abstive-me de fazor evoluago da forga policial ou augmentar os
destacamentos do interior da provincial, con poucas excepeges e por exigoncias imperio-
"as Aa tranquillidade publiea-
Ainda assim s6 o fiz em virtude de requisigo5es, plenamente justificadas, das
auta6 ded locaes.
Corn effeito, o process eleitoral corrett livre e pacificamente nos 21', 4o, 5",
, 6o, 7*, 6", 11o, 12 e 13 diatrictos oleitoraes, decidiado-se, desdo logo, em 1 escruti-
nio a aorte dos candidates.
Embora boatos propalados, algum tasto assustadores, procedou-se corn igual
rte calina public no dia 4 do corrente, a 2o escrutiaio no 3' district, sendo que na pri-
mceira eleigo nenhuma perturba Ro houvera.
JInfelizmente, pornm, occorreu na capital, no din 10 de dezembro, urm tristissi.
mo acontecimento, que corn profundo pezar refiro a V. Exc.
SAo terminarem-se os trabalhos da .1a seegco da fregueszia de S. Jeos, quandc
* .. me estava lavrando a acta, urm gr ipo numeroso de individuos penetrou no consistoric
UIj da igreja, oade funccionava a mesa eloitoral, e ahi travou-se um conflict, do qual re-
)"] i'ul.aram a morto de Antonio Lisboa Esteves e varies fesimeutos, vindo a fallecer u<
+, irMginte, xo. e q on uencia dos que recebeu, "o major. Manoel Joaquim Ferreinr
^'V i SSlfS q.. .
L -^;.Log. aie fui avisado do que urn gruaapo Bo oncaminhava para aijuola xa~tris
0 &La pars alii siuirem o commandants das arms e o cef de policia, que se aehA
's'K.' aWM w. p co, mug infelis0.u~s y.Ausd chefaa w arn 4*s-4 'dfiSfll~ 0~f e zef66

,..,',*


o Constando que esatae, n'e,11 1e I. o a f Orjem 4
V. Exc., seguimos a toda a preua, o ga '*4 iaaundnaete dan ar *l' ea, e orde-
nou-se a Uma torga de infantaria e outra d cvwadhria, que seguiase.i... S. Jo4 86
nossas ordens.
a Chegando a matrix de S. Jos6 '*eftmtramos umn numerosissimo grupo de
pessoas no pateo e dontro da matriz, em grande -Walta9Io de anime, e manchas de
sangue polo chUo. "
c Emquanto o general Tiburcio jmWo corn pDr. Jos6 Marianno estava ac-
comanodando ease povo, eu o mbi ad pare 9 grade corridor esquerdo, ondo so ouvia um
horrive! baulho.
Ahi chegando, encontrei cerea trinta ou quarenta pessoas, em sua rMaio-
ria armados de faca e em grande alarido, .&
No consistorio jazia um cadaver, quo soube depois aer de Antonio Esteves;
a urna quebrada, muitos papers rotos no chlo e uma porta lateral, completamrnto arre-
bentada. 0 I .
bentada. Nocorredor, dentro da grade, estavaa sentado e gravemente firido, guar-
dado por dous individuos, mn eidadAo quo oube aern major Ferreira Estoves.
SSabendo ahi que pretendiamin assassinal-o, colloquei-me a seu lado e a muito
custo consegui diminuir a agitaglo dos animnos. Minutes depois subio o general com-
mandante das armnnas corn o Dr. Jose Marianneo ; consieguimnos a retirada da maior parte
da gente que estava no corridor e soube quo havia chegado a forga public Per-
guntei ao major Esteves quern the havia foito o ferimento e elle respondeu-me que
nato sabua, 6 se tinha presumpgqes de quem foray o author, disse-me tambcn que nao.
( Perguntado se queria ir para ua casa ou para o hospital, optou pela pr-i-
meira. Nio havendo mais trabalho eloitoral, manudei s,4ir algumas pragas do lina e
foi ele conduzldo em cadeira, cercado pela tropa, afire do evitar qualquer desaeato,
porquanto ouvi as possoas do povo que estal" bai. h .[ 1iidb qu6 elle era, assas-
sino e que feora o primeiro quo dera tiros, ped'di em.ltas vozes a sua prisao; ao que
neguu-.me energicamento..
0 0 sen ferimento fui examinado polo Dr. Mello Gomnes, que o julgou
mortal.
o 0 estado era gravissino; mal p*diiaresponder As perguntas pepor monosyl-
labos, vindo a fallecer no dia seguinte.
a Vi balas cravadas nas paredes e o assoalho cheio de manchas de saungue.
a Das indagagoes a que procedi, ralmniente, oheguei a conviccAo de que a
eleigao havia corrido em paz: que o conflict fora entire a mesa eleitoral e possoas do
povo, e que nenliuma autoridade policial ou military estava present, nem havia tornado
part direct oum indirecta.I
SNio posso, por6m, desde jA external juizo sobre os vcrdadeiros culpados
de scenas tae tristes, porque serA precise apwar a verdade no meio das mais contra-
dictorias verses, e isto s6 e a process, ouvidas, sob juramento, as possoaess qu e as-
sistiram.
o Depois do inquerito, a que se estA- procedendo, participar3i a V. Exe. o
resultado das averiguagoes.
Dispersado o povo o mais acalmados os animos, retirei-me, per ter-me
constado que a ordem public es.tava alterada em uma freguezia suburbana, facto que
feliznaente foi inexacto, e incumbi o Dr. delegado do 1 district de proceder aos cor-
pos de delicto e abrir o inquerito policial sabre o lamnentavel acontecimento, durante
o qual, aletn das duis mortes referidas, houveram alguns terimentos graves e loves.
i Em todas as outras freguezias e seegges dos dons primneiros districts, as-
sim como em todes os pontos da provincia, do que ha noticia ate hjje, o pleito electoral
correu livre e calmamente, nao se dando incideate algum desagradavel.
A autoridade policial procedeu logo a rigoroso iaquerito, e, terminado este)
foi entregue aojuiz competent, que o remetteu ao promoter public para proceder na
f6rma da lei. tt
Cabe-me declarar a V. Exc. qua zx p ea eleitoral da referida sece3o lavrou
corn data de 10 de dezembro uma acta dos trabalhos a que havia pfeldido, declaran-
do que em conseqnaeniaa das occurrencias, quo refvri, se rennia n'aquella data, attento o
motive porque nio pudera eoncluhir a mencionada ata no dia da. eleiglo.
Constando ao Dr. juiz de direito, president dajunta apuradora, que esta acta
Ihe soeria apresentada na occasiao da apuraeoo, dirigio-no elle uiea consults, quo sub-
metti ao go governor imperial e que corn a solug.o deste passe a transcrever.
# Recife, 18 de dezembro de 1884. -N. 493.-;-I*m. e Exmn. Sr. Rogo e
V. Exc. que se digne declarar-me se deve ser apurada uma acts langada dez dias
dep)is do proceder A eleigco e nao transcript em seguida no livro de notas; so o pro-
sidente da junta da apuaragrto deve sujeitar-se A deliberaglo da maioria da junta, quo
resolve contar os votes constantes de umna acts assim irregular, e no case negative da
que providencias deve usar; assim como se na hypothese de dar-se empate na votaglo
tern o president da junta vote de qualidade. Deus guard a V, Exc.-Illm. e Exm.
Sr. Dr. Sancho de Barros Pimentel, president de Pernambuco. -0 juiz de direito,
Adelino Antonio de Luna Freire.a
SSecegio 4a Palacio da presidencia de Pernambuco, em,20 de dezembro de
1884. -Tendo submettido ao governor a consulta que me fizera V. Exc., relativamente
As hypotheses, que se poderiam dar na aparaco da eleico do 1" district, recebi hoje,
per telegramma, do Exm. Sr. ministro de imperio a seguinie resposta:
a Deternina a lei que se faga a aptiragao pelas anthenticas, e nilo 6 authen-
tica a acta nao lavrada em seguida A eleigito, segundo o disposto no art. 149 do regu-
lamento; nio p6de, portanto, seo apurada.
a Se a maioria da junta proceder em contrario, dove o juiz paesidente provi-
denciar, conforme a part final da consults de 17 de novembro de 1881, resolvida pelo
decreto da mesma data, convocando os substitutes legaes dos membros da junta, que
embaragarem a fiel execugio da lei. Case se de o empate, deve o j uiz proceder do
mesmo modo relativamente aos que embaragatem a field execugio nos terms da lei.
Deus guarded a Vane. Sancho de Burros Pinentel. Sr. Dr. Adeline Antonio do Luna
Freire, president da junta apuradora do 1" district eleitoral. a
O mesmojuiz, a 19 de dezembro, pedio-me providencias, arni do ser garan-
tida a juuta em suas deliberagoes, per constar-lho que alguns desordeiros pretendiain
pertlrbar os trabalhos da apuracao. Respondi-lhe quo ja havia dado as providencias
solicitadas.
Corn effeito, nonhuma perturbacao houve.


Tendo havido, quanto a validate da referida acta, divergencia de opinioes
entire os membros da junta, dividio se esta em dous grupos um dos quakes composto de
sets mesarios, resolve apural-a e expedir diploma de deputado ao Dr. Manoel do Nas-
cimento Machado Portella ; o outro, const.tuido de quatro mesarios, sob a presidencia
do referido Dr. juiz do direito, excluinico da apuragco a mencionada acta e attendendo
quo assim nenhum dos candidates, A vista do rasultado constant das demnais authenti-
cas, obtivera maioria absolute de *votes, determinou quo se procedesse a 2' escrutinio,
o qual realisou se tranquillamente no dia 9 do corrente, send postoriormnentc expedido
diploma de deputado ao Dr. Joaquim Aurclio NLibuco de Araujo, em virtude da apu-
rag9o respective.
No dia 2 de dezembro, um grupo cm passeiata perturbou a ordem public
em Aguas Bellas, pelo mode constant do seguinte officio:
I Promrnotoria public da comarca de Aguas Bellas, 3 de dezembro de 1884.
Illn. e Exn. Sr.--Hontem, jA quasi a miai noite, foi osfa villa theatre de urn aes-
pectacu'o assaz desagradavel, porquanto o Sr. deputado provincial tenente-coronel
Constantino Rodrigues Lins do Albuquerque, seus dous irmlos Beonigno Rodrigues Lins
de Albuquerque e Soverino Rodrigues Lins de Albuquerque e mais ainda o tenente-
coronel Aptoinario Florentino de Albuquerqpe MaranhAo, a pretext de ter obtido vic-
t ria no ultimo pleit' eleitoral o candidate cohservador, Dr. Bento Ceciliano dos Sautos
Ramos, capitaneando uni grupo de minais de 50 possoas, armados do clavinotes, pistolas
1 e punhaes, depots de faizorem as maiores prov6caoa's As pessoas mais consideradas da
- villa, dirigiram se oA casa do Dr. Linddim. juiz de direito desta comarca, o qual, depois
de haver side agarralo, suas vestes rasfg.ldas, teria sido assassinado, so em sou auxilio
no houvesseni chagado diversos amigos.
Consta-me que o mesmo grupo procura fazer segunda aggressAo, e comin
Sme parece que o delegado do policia vai proceder a inquorito, para minha garantia o
a ainda do diguo jnaiz de diroito interino, recLam do V. Exc. providencias s(rias e ener-
Sgicas. 0
h a Apresnto a V. Exe. os meus protests de estima o diatincta consideragilo.
SDeus guarle a V. Exe. Ifm. e Exm. Sr. Dr. Sancho de Barros Pimentel, diguo
presideonte de Pern-.mbuco. Alfred Seraphico de Assis Carralho. 9
Por etM motive:fiz para sli aWgmr um destacamento military sob o commando
- do, m official de liahi- a qus.n nom9e'r-dteIgalo da p)le'i d) ter.no c ex2o.
I di ao D& jUita diwi o r&ioa- o- t o io- ,:
*, Pwnatbuo,11-do dse mbre do
X, da o Amsmia
.. .. .. ...
o a uatta


teas, de quo se queixam as |kidades signatarias dos preditos officios, e pr3videneiari
para que procedoia nos ter; lei contra quoem, por qualquer modo, haja concorrido
para a pratica de takes dia os e desacatos. D
Do officio, em seguida transcript, verA V. Exe. que a ordemn pulica estA
restabolocida na localidade.
Juizo do direito de comarca deste termo, para o qual foi nomeado por por-
taria de 10, tambem do corrente mez.
a Lamentando sinceramonte as occurrencias havidas nesta villa, em a noite
de 2 de dezembro corronte, apraz-me noticiar a V. Exc., que desde o dia 15 do co r-
rente mez, quando assumi o exercicio do cargo de juiz de direito desta comarca, para
r qual fui removido por decreto imperial de 11 de outubio do corrente anno, gosa today
esta comarca de intoira e complete tranquillidade.
v E n~o podendo, como desejava, former iuizo seguro e impartial sobre os
lamentaveie factos, de que trata V. Exc. eta officio de 11 do corrente, porque nto os
presenciei, passe As maos do V. Exc. uma c6pia authenutica do inquerito pol.ciai, proce-
dido a requerimento do Dr. promoter public desta comarca.
( Ruitero a V. Exc. os meus'protestos de alta estima o considcrago. -Deus
guard, etc., etc.-0O juiz do direito, Gaudino Eudoxio de Brito. i
Correu placidamente o 1 escrutinio no 9 district.
0o mesmo por6m nao acontceeu no 2" escrutinio.
Receiando-se alteraglo da ordem em S. Bento, fiz para alli seguir o Dr. cheie
de policia, que no soguinto document referee minuciosawente o que se passou :
( N. 25. -Secretaria da policia de Pernambuco, em 12 de ianeiro de 1885.
Iim. e Exm. Sr. -Ema cumprimento da ordem verbal de V. Exe., segui no dia 6
do corrente, corn destine a villa do S. Bento, gara prevenir qualquer alteracito na or-
deorn publics, na efieklo que devia ter lugar no dia 8.
) Parti da estagio de S. Benedicto As 6 horas da tarde e pousei na villa de
Panellas, onde cheguei alta noite e passed algumnas horas do dia 7. Ahi entendi-me
corn o Dr. juiz de direito da comarca, corn as autoridades policies e corn o comman-
dante do destacamento, pedindo ao primeiro e recommendando aos uhltimos os eaforgos
precisos, para que a eleicao corresse livra e pacificamento. Todos me garantiram em
pregar os mcios para esse desideratum.
a Fui tambem procurado por ama commissao de conservadores que veto pe-
dir-me providencias, para nao liaver pcrturbaqao no pleito eleitoral, declarando, por6m,
o seu chefe que nada receiava da parte do chefe do grupo democrat, o Sr. Gonugalves,
por ser home born e moderado. Respondi que havia feito as mais terminantes re-
coammendagces n'aquelle sentido, c quo em todo case nada receiassem da forga public.
De Panellas segui para S. Bento, onde cheguei As 5 horas da manha do
dia 8, depois do 13 horas de viagem, por caminhos onde nao encontrei nem agua ca-
paz de ser bebida. Ali chegando procurei inteirar-me do que havia e verifiquei existi-
rem series receios, de ser inutilisada a eleiglo d'aquelle collegio per amigos do candi-
date o Exm. Sr. Dr. Jes6 Leandro de Godoy e Vasconcellos. Entendi-me corn elles,
e demonstrei-lhe que isso seria um crime e um erro, quo altamente reprovariam aquelle
distinct braaileiro e os amigos da capital, que so interessavam por sua eleico.
SConversando corn o juiz municipal Dr. Joaquim Homem de Siqueira Ca-
valcante, este garantio-me quo nenhum disturbio haveria na eleico e a mesma garantia
deram-me as autoridades policies e o advogado Luiz Aurelio Godoy de Vasconcellos,
irmito do Dr. Godoy.
Minutes antes de comegarem os trabalhos eleitoraes, recommended ao de-
legado e subdelegado toda a moderagao e estes me disscram que nenhuma desordem
haveria, porq'xe s6 fariam o que determinasse o Dr. juiz municipal e este Ihes bavia
ordenado paz e ordem.
a Seguro per este lade e tendo a garantia dos Srs. Drs. Miguel Pernambuco
e Moreira ALhres, de ue da part dos conservadorea nada havia a receiar, quanto a
garanti ta erdem e regularidade do pleito, deixci de comparecer na casa da Camara
durante o process eleitoral, apesar de ser requisitada a minha presenga polo 1.' juiz
de paz, president da mesa, por me parecer desuecessaria.
Demais encontrei emn S. Bento o alferes do Corpo de Policia Paulino Ayres,
que alli fora votar. Sendo die conhecedor da localidade e do seu pessoal e mc ha-
vendo garantido que os animos estavamn serenades e nenhuma desordemn era de receiar,
incumbi-o de assistir aos trabalhos eleitoraes e communicar-mo qualqner occurrencia
que fizesse necessaria a minha presen9a. A votavao eorreu placidamente. Quando se
lavrou o termo de encerramento respective entrou na casa da camera o subdelegado
Francisco de Oliveira Valenga, de chap6o na cabeca e charuto acceso, e, a uma obser-
vag.o quo Ihe fez urn irm'ao, poz-se a declamar que os capangas conservadores o que-
riain assassinar. Vieram accomodal-o diversas pessoas centre as quakes o Dr. Gaspar
Drummond e o mesario Julio Valenca, dizendo-lhe que alli nao havia capangas nerm
armas. Luiz de Godoy nao podendo accommodal-o retirou-se da sala dos trabalhos.
Neste interim salt para dentro do recinto, onde funccionava a mesa electoral o escri-
vito Jos6 Antonio da Silva Lemos e tenta apoderar-se da urna, que 6 defendida pelo
mencionado Julio Valenca, e president da mesa. Nao podendo apoderar-se d'ella
empurrou-a e cae ella ao chio. N'esta occasiAto o subdelegado Francisco Valenca que
corn muitos outros so achavam dentro do reeinto, apanha a urna e joga-a corn tanta
for~a no chao que arrebentou-a, espalhando-se as cedalas, que continma.
o Apenas comecou o conflicto, o tenente Paulino Ayres, cujo procedirnonto
foi digno de louver, apitou e sendo eu avisado d'este, segui para a casa dai camara
encontrando ao sahir o Dr. Moreira Alves que vinha chamar-me. Alli chegando esta-
va terminado o crime. Haviam algumas pessoas exaltadas pela indignacao, entire as
quaes o mesario Julio Valenga. Recommendoi Ihes moderacao, e quando tudo es-
tava serenade cae este morto por uma apoplexia fulnfinante. Disseram.me que havia
luctado corn Francisco e Clementino de Oliveira Valenca, seus primes, para acalmar o
primeiro e desarmar o segundo, que ostava corn urea faca na maio, segundo contou-me.
Immediatamente comecei o inquerito, fazendo corpo de delicto em Benicio Ferreira
Calado, que recobera um ligeiro ferimento nas constas, e exame do cadaver de Julio
Valenga, fazendo tambom auto de perguntas a dous mesarios
Interrompi o trabalho, per jA ser tarde, e no dia seguinte conclui o inque-
rite, ouvindo quatro testemunhas, e fazendo mais dons autos de perguntas.
a Antes de rctirar me, ordenei ao alferes Pauline Ayres, que ficasse com-
mandando o destacamento, incumbi-o de policiar a villa e manter a ordem, que pode-
ria ser altorada, a vista da exaltaao dos animos, se continuassem alli as autoridades
policiaes do lugar.


K 0 resultado de tao criminoso, quanto audaz attentado, foi nao haver elei-
gao no co)llegio de S. Bento. Deus guard a V. Exc. 111m. e Exm. Sr. Dr. Sancho
de Barros Pimentel, muito digno president da provincia. Monoel Ventura de Barros
Leite Sampato. D
Em vista do procedimento criminoso do subdelegado Valenaa, o demitti A bern
da moralidade publiea.
Em Panellas houve um tumulto, sein consequencias lamentaveis, do qual
deu-mo communicaglo o juiz municipal no seguinto officio:
( Juizo municipal de Panellas em 9 de janeiro de 1885.-[lm. e Exm. Sr.-
Participo a V. Exc. que hontem, segundo estava designado, procedeu-se o segundo
cscrutinio para eleigao de deputado pelo 9." district, do qual faz part este termo, du-
raute o qual deu-se o seguinte :
Proseguia regularmente a mesa os seus trabalhos, quando foram ouvidas
duas denotagoes dous tiros que attingiram dons eleitores, os quaes ficaram ligeira-
monte feridos ; continuous a mesa oa seus trabalhos corn a substituiglo de um dos me-
sarios, quo em virtude do referilo in:idente retirou se. 0 que levo ao conhecinriento
de V. Exe. come me curupre, Dos mais precisos terms. Dcus guard a V. Exc. -
111m. e Excn. Sr. Dr. Sancho de Barros Pimnentel, muito digno president da provin-
via dc Pernambuco. O juiz municipal, Diomedes Goqailves da Silva. D
A 17 de novemrbro do ainno passado, procedeu-so A eleiglo do um vercador
da Camara do Brejo, em consequeneia da vaga per fallecimento do cidadao Jose Al-
yes Marinho Falcio.
Dcsignei o dia 10 do margo proximo vindouro para a eleicio, em preenchi-
mento da vaga do mesino vereador do municipio do Rio Formoso tenente-coronel Jos6
Antonio de B. Bastes, que falleceu.
0 men antecessor, em 15 de julho do anne passado, fez constar As autori-
dades competentes quo, em vista do artig.) 167 do regulamento expedido corn o Dec.
n. 8,213 dc 13 de agosto do 1881, nio podia ser executada a lei provincial n. 1,824
do mosmo anne, por ter annexado A parochia de Nossa Senhora da Concoigalo dos
Montes, do 8.0 district eleitoral, territorio pertencente A freguezia do Bonito, do 9.0
district.
0 Governo Imperial ainda nao decidio a consult feits pelo Dr. juie do di-
reito de Palmares: a Si quatnto aos effeitos policiciaes, criminaes o ma i"paes tam-
bemrn pcrmanee. inalteravel a circiucripnio territorial das referidas parohias. 2
Alguns negociantes de Marayal me representaram que em virtude de tal du-
yida as eama de Palmares e de Bonito julgavam-so amba cornm jurisdiwl* pa Sr-
Srcadar impoao a n'aqwello povoado, e en decide n.e ate ulterior delibomoqo dvrlo
p>rramneow irialteravois para gp7 uer sifeito. os limito4aQ9 ue i u B fm da Sa o Ia li dtada* I w
Tado ot d iearido no ser pouaavel proceder-s01
iA s ;& do JaMim, creeda pes lei proviam n. 1,830 corn i ,"a0



o. '*.'
W T
--.


:~"~"' -


.', a ~ a ~ a
-'4-
-- ~ ~ Cl'
tik
-'.'~'-.-

'4


- ~


* S
a
.. U


. o
*.


'tt'- 0


4.5


I-.


I I I -


*
. .


o


S* *Mob


/. **


. a












Ai4~ ~ -. -


A 4o J*N=S', poosita 4, pat A cb dekri 01A
rdb lWar deuinado para a vesnite dos eleiteree do


l'Z! district. -.. T .
f^r Aindk ,Ws a poaito do aasumpto eleitoral expedi oe seguiate- actos:
.e' 4.r 80lo. -Palacio- da -Preeidencia de Pernambuco, em -18 de outubro do
S 1884.- 0 president da provincial, tendo cm vista o officio de 24-de setembro findo,
do Dr. juiz de dirati d.omnMw.o Bral e .e a,04 fCord
corn a indicaqAo c odmae cibo tio .t m dah w v reg .doto s
S 8,213 de 13 de O d 186k8 qlya ealorma dS*ctt.e_ 2 na 6hia n
S S. Jose do Brejo 0a deA. T Tocaa.hpjeia uniAAq-af j l le". 1,811 correo
F- to anno, se reunam"WrotJtos eleitmas nintresp vasgqpv rat& ; os do,. Aistmi
do Pogo na igrejatd S. Wcenm da. SerapU Vbff ; ofde JOeU .a igrua, .Non
Sen a di Concei da Bko Jardi* e os-do diglria. Casppt6s. no ie)a' de N
S Senhora da Concei0b. Assiuuifica.awm offtito a portaria dast PWi4vami% do 15 4j
S setembro de 1883..-
4.a Soecjo. Palacio *da Presidencia de Pernambuco, em 29 de outubro de
1 884. 0 president da provincia, tend em vista as officios de 24 e 27 do corronte
S moz, do Dr. juiz do direito do 3- district criminal, dos quaes se verifica que excede
de 250 o numero de eleitores das secoes da parochia do S. Jos6 do Recife, determi-
na, em viaa. do art.. 94 do regdamueto. e did-. foio LI& .8,. L-do LA& a;
S to de 1881 que a referida parochia seja dividida em tres secV-5es; compondo-se a pri-
S moira dos eleitores contemplados no 35" a 42" quarteiroes d Io district policial e to-
dos as quarteirges do 2e district, quo reunir-se-hio no consistorioda respeetiva matriz;
a 2' dos eleitores do 1 ao 6" quarteiroes e 22 a 32 do 1" district, rounindo-se no con-
sistario d& igreja dos Martyrios; a 3' dos eleitores do 7' ao 21 e 33 e 34 quarteiroes
do lo district policial, reunindo-se no consistorio da igreja do S. Jos6 de Riba Mar
Fica aesim sem effeito a portaria desta presidencia de 25 de agosto de 1881 na part
relative A referida parochia de S. Jose do Recite.
e Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 17 de novembro do 1884. 0
presidrnte da provincial, tendo em vista o officio de hoje datado do Dr. juiz de direito
do 4e district criminal do Recifo, do qual so verifies que em consequencia da revislo
procedida em 1883 exeede de 250 o numero de eleitorea de algumas das secqes da
parochia do Santissimo Sacramento da Boa Vista, determinado, de accord cam a indica-
Tao-eontida no citado officio e em vista do art. 94 do regulamento, expedido corn o
S Deer. n. 8,213 de 13 do agosto de 1881 que, embora mantido o nurmero actual daquel
las seccoes e suas s6des, sejam as respectivos eleitores assim distribuidos: 1" secro,
S tendo por sede o Pago da Assemblea Legislativa Provincial, camper-se-ha de todos as
eleitores do 20 district policial, e os do 1 e 2o quarteir~os do Io district ; 2' seceao,
consistorio da matriz da Boa Vista compor-se-ha dos eleitores do 3 ao 7' quarteiroes
do 1 district policial; 3' s-cso, censistorio da igreja da Santa Cruz, eleitores do 80
ao 13 quarteiroes do 1 district policial; 4a seecao, consisterno da igreja de S. Gon-
Valo, eleitores do 14P ao 19' quarteiroos do 0lo district policial; 5a sec9o, consisto
rio da igreja da Soledade, el stores do 200 a 25o quarteiroes do 10 distrieto policial.
Assim flea sero effeito a portaria de 4 do onutubro de 1883, relative a su-
pra-mencionada parochia, sem prejuizo, entretanto, do que a mosma portaria estate
quanta a freguezia de Nossa Senhora da Graca da Capuiga. D
( 4.' Seccao. Palacio de Presidencia de Pernambuco, em 21 de novemnbro
de 1884. 0 president da provincia, tendo em vista o abaixo assignado de eleitores
S do 20 district da fregu-zia do Nossa Senhora da Paz de Afogados, da qual consta que
o consistorio da capella do povoado -Remedies nato tern espago sufficient, determine,
de accerdo corn a informagAo prestada a respeito em 17 do corrente pelo Dr. juiz de
direito do 30 district criminal do Recife, que todos as eleitores do referido district se
reunam para actos eleitoraes no recinto da mencionada capella; ficando nessa part
modificado o 10o da portaria desta presidencia'de 17 de setembro de 1881. ,


Governo da provinela
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 3 DE
FEVEREIRO DE 1885
Aureliqno Jose Themoteo. Informe o Sr. ins-
pector geral da Instruccao Publica.
Anna Senborinha Monteiro Pessoa.-Nio estA
vaga a cadeira a que se revere a supplicante.
Companhia Pernambucana.-Aguarde o credit
pedido hoje ao Ministerio da Marinha.
Cyrillo Augusto da Silva Santiago.-Indefe-
xido.
Clementino A.ccioly Lins.-Hoje dirijo-me ao
Ministerio da Guerra.
Eugenia Maria da Conceiao.--Prove o que
allega.
Francisco Cavalcante de Lacerda.-Indeferido,
em vista das informagoes.
Generosa do Rego Medeiros Cavalcaute de Al-
buquerque.-Indefcr ida.
Joaquim Jos6 Goncalves Beltrao.-O suppli-
maite deveril fazer valor o direito que tiver,
perante o juizo eompetente, depois que a classi-
fcaio tiver sido approvada por esta Presi-
dencia.
J).LO Henrique de Albuquerque Mello.- 0 esa-
cravo, de que trata o supplicante, nio pode ser
classificado, por ser resident em muuicipio diffe-
rente do da mae, aviso do Ministerio da Agricul-
tura, Commercio e Obras Publicas de 19 de ja.
neiro de 1883.
Leoucia de Luna Freire.-Sim, na form da
lei.
Major Manoel Joaquimn Bello.-Forneca-se.
Tenente Manoel Carneiro Machado Frcire.-
Fornega-se,
Manoel Jacintho da Silva Cavalcante de Al-
bnquerque.-lIuforme o Sr. inspector geral da Ins-
truccao Publica.
Manoel Games da Cunha.-Hoje autoriso o The-
sonro a pagar ao supplicante os ahlgueis corres-
pondentes ao exercicio corrente, eumprindo ao
inesmo supplicante, requerer a ispeetor do dito
Thezonro a escripturacao do debito relative ao
exercicio encerrado.
Dr. Miguel Theminudo Lessa.=Informe o Sr.
inspector da Thesouraria dt Fazeada.
Manoel de Castro Fonseea..O suppkcantt)A
foi attendido.
Miniervina Francisea Cardozo.-Indeferido.
Capitao Napoleao Cesar Duarte.-Deve o sup-
olicante recorrer para a. Thlsouraria de Fasenda,
a visfita da ordem do Iesonro Nacional de 9 de
outubro de 1884.
Secretaria da Presidencia de Pernamibu-
co, 4 de fevereiro de 1885.
0 porteiro,
J L. Viegas.

Commando das Arma"
qUARTEL DO COMMANDO DAS AIMAS DEPER-
NAMBUCO 4 DEFEVREIRO DE 1885.
Ordem do dia n. 1,506
H1;.vendo o Exm. Sr. viee-presidente da pro-
vineiia por portara de 31 dejaneiro ultimo conce.-
dido ao Sr. alferes do 140 batalhao Pedro Alexan-
drino Beckman, 30 dias de licenca para tractar
de sua, na provinicia da Parahyba: asirm o de-
claro a gutarmnio para os devidos effeitos.
(Assignado). Francisco Camello Pessoa de
Laceria, coronel commandant das arms into-
rino.
Conforjnme. 0 ton nte Joaquim Jorge de Mello
Fimho, ajudante "dc ,rdeus, encarregado do deta-
The.

IRepartiao da Polcia
.Sec$o 2.1-N. 101. Seeretaria da
Policia de Pernambuco, 3 de janeiro de
1885.-Di1m. e Exm. Sr.-- Participo a V.
Exe. que foram reeollidos A Caaa de De-
tengo aos segintes individuos:
No dia 31 de janeiro.
A' nrdlen do auhdelenadn de Santo.


Francisco Ferreira da Cunha, Haves Ale-
xander e U. Sandwell, por disturbios.
A' ordem do do 1- district de S. Jose,
Antonio Marinho de Campos Mello, Au-
gusto Francisco de Paula, Antonio dos
Santos Pinheiro, Antonio Mathias Pinto e
Braz Braziliano da Silva, por disturbios.
Deus guarded a V. Exe. Illm e Exm.
Sr. Dr. Augusto ae Souza Lea% muito
digno vice-presidente da provincia. 0
chefe de p licia iuterino, Jose Mwaria de
Araujo.
Seccao 2a. -N. 109.-Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 4 de fevereiro de
1884.==Illm. e Exm. Sr.=-Partieipo a V.
Exc. que foram hontem recolhidos A Casa
de Detengao os seguintes individos :
A' miuha ordem, Joao MMonteiro de Lima, vindo
da comarca do Limoeiro, como desertor do 7 ba-
talhao de infantaria, afim de ter o convenient
destiny.
A' ordem do subdelegado do 1. district de S.
Jos6, Julio Correia de Barros, por disturbios.
A' ordem do delegado do district de S. Lou-
renwo, Jose Moreira dos Santos, por crime de fur-
to de gado.
Deus Guarde a V. Exc.-=Illm. e Exm.
Sr. Dr. Augusta de Souza Ie.Lo, mnui di-
gno vice-presidente desta provincia. 0
chefe de policia interino, Jose Maria de
Araujo.

Thesouro Provincial
DESPACHO DO DIA 30 DE JANEJRO DE 1885
Wilson Sons & C.-Ao Sr. Dr. admiaisatrador
do Consulado para attender.
Jesk Soares do Amnaral.-Inforrie o Sr. Dr.
administratdor do Constlado.
Miguel da Cuaha Ferreita.-Ao Sr. Dr. admi-
nistrador do Conaulado para attender,
Dr. Josd Austregesilo Rodrigues Lima, Dr.
Praxede OGomes de Souza Pitanga.-Haja vista o
Sr. Dr. prcsuradr fisGal.
Ordena Tercaira do S. Fraucisoo e Franeisco
Jose Alves Guirnaracs.-Informe o Sr. cont4dor.
Irmandado de Sant'Anna da Madre de Deus.-
Ao Sr. theoureiro para os devidos fins.
Manoel Antonia de Albuquerque Machado.-
Junto couhecinaento de decima do ultimno semes-
tre.
Joao Fernandes Vianna. -Faamn-se as devidas
notas de portaria de lieenqa.
Antonio Gaspar da Cunha, Maria da Conceicao
Shares Branda.o e Francisco Joe d3- Paiva.-In-
formne o Sr. Dr. adiuniatrador do Cousulado.
Manoel Jose Affonso, Aurelio dos Santos Coim-
bra, Jose Domingos Codeeeira, )Francisco Fer-
reira Baltar a Manoel Jose Dantas.-A secio do
Contencioso para as devidos fins.
31 -
DC nocrito Carlos de Almeida Peixoto -Haja
vista o Sr Dr. procurador fiscal.
Antonio Piaheiro da Silva. Ao Sr. Dr. admi-
nistrador do Cousulado para attender.
Alfredo Garrett.-Ao Sr. Dr. administrator do
Consulado para attender.
Dr. Jos6 Austregesilo Rodrigues Lima.-Regis-
tre-se e faamn-se as devidos assentamentos.
Irmandade de Sant'Anna da Madre de Deus,
Henrique Bernardes de Olivcira e Martinho Jos6
de Jesus.-Haja vista o Sr. Dr. procurador fiscal.
Vietorino Jose da Rocha e Souza J. J. Alves
de Albuquerque.-Informe o Sr. contador.
Pedroso & Henrique.-Informe o Sr. Dr. admi-
nistrador do Consulado.
Torres & Irimao e Pavao & C.-Haja vistd o
Sr. Dr. procurador fiscal.
Quiteria de Almeida Bastos. -Facam-.ee as de-
vidas notas de portaria de licenca.
Henriqueta Amelia de Menezes Lyra.-Regis-
tre-se e facam-se as- devidos assentamentos.
Dina de Albuquerque Goncalves Lima.-Haja
vista o Sr. Dr. proctirador fiscal.


Antonio, Argemiro de tal, alionado, ate
que possa ter o convenient destiny ; Fran- Camara ulmleipal
cisco Correia de Meilo, Lucas da Paz e DESPACHOS DO DIA 31 DE JANEIRO DE 1885
'Silva, Joaquim Pereira da Silva, Francis-
co Jose6 de Sant'Anaa, Cypriano Siares de Polo Sr. tenente I7egas, verendor conm-
Barros, Cypriano de Souza Vie-as, Pedro mis8ario de policia:
Virgi ida Paz e Luiz Josd a Paz, per Adolpho Alves Guimaraes, pedindo bicenDa para
canalisar agua paraso predio n.151 Arua da Au-
disturbio. rora.-Sim, pago a impasto.
A' ordem do do 1- district de S. Jose, Antonio Maria Marques Ferreira, pedindo que
Jos6 Manoel, per disturbios. seja-Ihe relevada a fault& de ndo ter em tempo corn
A' ordet do ca Varzea, Atonio j086 petente communicado a Camara que contiduava
A ore dod Varzea, Antoo J om o seu estabeleciimento de pharnucia na praca
Bafba t .i ma, por crime de estapro. do Condo d'Eu n. 19.--Indeferido.
.Na d4.1 do fevereiro: Barbosa Lima & C., pedindo lieoenVa pars collo-
-" A' rdm do abde d Be6fe 11- car diatioo em aru estabelecuiento de miudezas
lfeoPa ,pe embf0e sito rua do Duque de Caxias n. 65.- Siw, pago
M el R u f o P i x ~ o P o r e m b i a p e o0 im p as to .
"o.ode P ta .Aoatokp, APneUaelp a Rvd. padre Mello, commissario de,
Foper wn 1 tdoWa rediice: -
Ct-: 1n ra 4rimaqui de Magatbles, pedindo ii-
'i dQt 4. Jv", enma pa sMnadar famr oomia, oammnalisar as
.psu dos... W'aa' s.*^ettuir per arsanda de fma do mis
S quo ^ o 2o 2andairlx e ali &ernte do jwe


s p h *.deoara que
ia o. P.l
^^^p j^^ilB^ ^yw^ W M>|^Idbiffi, ^ hafe.10 queb p een e efid


LwpodwQ .Frr-eiMod da 4


0 Sr. de Bismarck respondent que, no estado
actual da Europa, nada justificava as apprehen-
soes man.festadas pelos oradores da opposicao ;
que as relagSas da Allemanha cam as outras po-
teneias nunca foram melhores, e que nenhuma ra-
zao havia paras receiar-se que a par do mundo
fosse alterada. Estes declaracoes explicitas do
ehanceller concorreranm muito para o resultado da
votacao.
0 principe de Bisminarck renunciou definitiva-
mente A, sua viagem ao meio dia da Europa. A
princesa farl a viagem s6 e se as circumstancias
o permittirem, o Sr. de Bismarck irA buscal-a na
prim avers.
A Gazeta da Allemanha do Norte declarou
que as artigos que motivaram a expulsio de Ber-
lin do Sr. Cirineni, correspondent do journal it&-
liano o Diritto estavam repletos de injuries e c-
lumuias contra os servidores mais dedicados e mais
altamente colloeados do imperio e que a imprensa
andou mal considerando eases artigos como inof-
fcnsivos.
Oriente
Em seguida as desordens sobrevindas na Mace-
donia, a embaixada russa em Constantinopla en-
viou um agent a Macedonia pars fazer um inque-
rito sobre a situaI.o d'aquella provincia.
As desordens continuam nao obstante as nume-
rosas prisaes. Os jornaes russos publicam corres-
pondsncias alarmantes, pintando a aituacao corn
oores muito carregadas.
0 Russ, orglo do Sr. Aksakof, accusasa Austria
de ter provocado esta ordem de coisas pela propa-
ganda catbolica e pela dos jesuitas fiancezes que
circulam em grande numero no paiz.
N;io obstante o sentimento geral de iucere-
dulidade cam o qual as seus artigos t6m sido aeons
selhados pela opiuilo public, o publicist belga,
Sr. de Laveleye, prosegue corn perseveranga na
campana que emprehendeu em spaie da agitaeao
que as juntas pauslavistas procuram organisar nos
Balkaus.
O que o Sr. de Laveleye parece noo oompreheu.
der. e que esta sendo instrumento d'essas juntas,
pois que aceita oearn urma confianca eega as mais
pbantasiosasinnformaoes e os mare suspeitos do-
cumentos, segundo a opinigo do Memorial Dipj.
matique.
Depois.de ter feito a arrativa, fundado imi
autoridade-de ura fetho. bulgara deo Phlilpp'pO|i
das prueimdidas mudb wa
fie" inofienorfv", o*-&, d Lqw~syodnfln
pub] wou uaM nu~t oU*II que toriajubtP
gidanS fagran oftnn~flatB46f~-
94Ao. -. ',-.
Nioasm dom andameat. avMa e m:.t
blkeTta bola v ist. on,- tmo s
4*elRe 9V b~icifoo r66~l~5Pn s~~
T l Pi lo 1. t w ^ ^ ^ ~ ~ i f
Xeft' Mmaw "w ISIPM


ares do 3s
a votar 4


vai publicada na rubrica Exterior, trouxe elle "
mais ap seguintes :
de2~l6 =a4 01'arreopnd4te
Ebereve a 6 de o C '-
d Lisbona:
W r WA fiAi at, in M4ljdatrf ond oa errAnn-
tos produsram e continuum a produatr ainda as
modonbas devastagUes que tarts fmiH-a t la- 1-
ram namiseria. Chag* quasi a 1,500 indiviidmos
o numero dos feridos. 0 dos mortos attinge qua-
si, segundo as estatiscas officials o do 800 e tan-
toa. Continuara de toda a part a affluir soc-
corros.
0 governo-contrahio umn emprestimo paza ooeor-
rer a tantas desgracas; as eneargos do empresti-
mo serbo satisfeitos pelas provincias de Malaga e
Granada e nuo menos pelos donativos e subscrip-
95es do estrangeiro.
As oscillacoes continuum ainda nos teritorios
onde se ostA passando umna graaude coavulsao geo-
logica, de que tern resultado successivas derroea-
95es e desmrronamentos j de penhascos e roebas
que rolam do alto das moutanhas, j dos m uros
das edificaqoeb que ainda tinham ficado dep6. A
fame e a falta de coberturas afflige as populaces
acampadas lopge das aldeias e povoados onde ha-
bitavaxn, tiritando de frio, ou ensopadas em agua,
porque o inverno vai muito rigoroso. 0 rei dis-
tribtuo por suas mios avulsadas smolas e foi al-
vo des mais sympathicas demonstra-ee per toda
parte onde appareceu.
Em Malaga, onde chegou no dia 16, teve um
acolhimento enthusiastic. No dia 15 estivera em
Anteqaera : d'alli foi visitor Archidona onde des-
tribnio SOCCOITOS, a
Sao extraordinarias as tempestades de never qae
teem eahido sabre as provincias do norte. Na de
Saragoga tambem ficou detido um comboio perto
de Sigueoza.
Dove sua magestade chegar a Madrid amanha.
Em algumas localidades da Andaluzia tern mar-
rido geladas algumas pessoas, o que ndo admira,
visto o desabrigo em que se encontra aquella po-
bra gente.
No dia 16, na camera dos deputados, o mi-
nistro dos negocios estrangeiros respondendo a
uma interpellacoa, disse que o governor nao trata
de fazer acquisi5es de territorio no occidente da
Afiica ; mas que julga do sen ever fazer como
as outras naioes, que protege as acquisiioes de
sociedades ou de particulares seus nacionaes.
Continuam a manifestar-se profundas dissi-
dencias political, sendo digna de especial menco
a da esquerda dymnastiea, indo alguns dos seus
membros mats influentes e conspicuous alistar-se
nas fileiras do Sr. Sagasta. Poueo tempo foi pre-
eiso pars que o exemplo eneontrasse eeho entire o
partido conservador que hoje esta no poder.
Os desatinos do Sr. Pidal, ministry do fomento,
a su a political acceutuadamento reacionaria, as
seus pianos funestos A liberdade, que tanto sangue
tern custado sos hespanhoes desde o reinado de
Fernaudo VII ate A acclamagao de Affonso XII,
a feiilo de descomedido ultramontauismo que o
gabinete ternm imprimido A sua palitica, a ponto de
suscitar atS conflicts caomo o estrangeiro, como ha
pouco succedeu coin a Italia, que se considerou
offendidas por urn membro do governor hespanhol
pugnar polo reatabelecimento do poder temporal
do papa, todos estes actos altamente inconvenien-
tas e at& perigosos, teem desagradado a greges e
troyanos, surgindo agora urma pronuncia da di-
vergencia no seio do partido gcvernamental, ag-
gravada coan o-descontentamento que, por outro
lado, tern provocado osexageros do ministryo do
reino.
Este grupo dissidente esta, no entanto, prompt
a aeguir fielmente o Sr. Canvas del Castillo, me
e'.'. affastar de si o Sr. Pidal, e fizer modificar o
procedimento do Sr. Romero Robledo.
Faoi igualmente por causa dis tendencies reacio-
narias do gabinete de Madrid, que o Sr. Manoel
Silvela, embaixador de Heapanha em Paris den a
sus demisaso, afim de recuperar a sun independen-'
cia e liberdade de aeAio pars no senado hostilisar
energicamente o procedimento do Sr. Pidal, cam
respeito ao conflict cam estudantes e lentes da
universidade.
Allemanha
0 principo de Bismarck, por mais que faga,
neo oonsegue obter as boas grajas da maioria do
reichstag. As vorasecs contraries caiem sobre
eile coma um aguaceiro.
Sx na questao polntica de colonisaafo e que pan.
do obter um voto favoravel ; mas n'esse ponto
tratava-so de um assumptd que S hoje grato a to-
dos os allemaes, e ainda assimfoi neeessario que o
chanoeller fieasse vibrar a cords patriotiea e pro-
nomeiasse uns poucoso edicurseo.
Tratava se de um pedido de credit para abo-
nar o vencimento ao governador da nova posses-
sao no rio do Camarnes. Afinal i aseembla ra-
tou-o quasi par unanimidade; mas a diseuabao
uao deixou de ser accidentada.
0 central ultramontano, peor voz do Sr. Wind-
thorst, apresentou ponderosas objects contra a
ao'do colonial, que poderia deixar a Allemanha
insufficiontemente defendida no continente euro-
pea ; e o Sr. Richter, em name dos progressistas
cam quanta em principi protestasse a adhesao do
sou partida As emprezas colonies, recommendo'n
ao governor a manor pradencia parn evitar conflie-
tos corn a Inglaterra.


U*Nbmmlfm


sendo indifferente o applause public, nao quer
sahir do poder sem a estrondosa ovasao daqueles
que do port de Lisboa melhorado s6 veem as bel-
lesas sem Ihe attontarem nos encargos.
0 correspondent de Lisboa para a Actualidade,
folha regeneradora que se publics na cidade do
Porto, depois de transerever e citar alguns tre
chos de jornaes regoneradores, que se occupam da
proposta do Sr. conselheiro Antonio Augusta de
Aguiar paran a construcao do porto de Lisboaes, diz
que tudo indica que anda mouro na costa e se pre-
para laneamento de home ao mar e que tambem
da a entender a perspective proxima da sahida
d'aquelle ministry e portanto a de urma novissima
recomposigao ministerial.
Com o Ihes contara na minha de 12 do corrente,
a que esta serve de complement, or iniciativa
do Sr. Antonio Games, director do Correio da
Noite fAi convocada toda a imprensa de Lisbon a
reunir-se para, cm c3mmum, se occupar de obter
soccorros para as infelixes andaluzes que as re-
centes catastrophes reduziram A miseria.
Na primeira reuniao a que todos as periodicos
da capital enviaram as seus representantes, foi
eleita uma eommissao executive.
Nesta nasceu a idea de um r( bando precato-
rio A imitabao dos que no estrangeiro se fazem
corn analogo intent, idea que parece ter partido
do Sr. Raphael Bordalo Pinheiro e que a commis
slo execoutiva perfilhon. 0 governador civil, pordm,
sob pretextos futeis, recusou a necessaria licenga
e o ministry da guerra nao permittio que as ban-
das regimentaes dos corpos da guarnicao da capi -
tal fossem contratadas para acompanhar ou pre-
ceder o prestito. A commissao executive recor-
reu para o governor procurando ('irectamente o Sr.
conselheiro Barjorma de Freitas, 'istro do reit-
no, que estando convalescente, : ;.-e .-stou a rece-
ber a commissao em sua casa.
Na vespers a eommissao executive; tiuha convo-
cado a assemble geral dos jornalia:.ss de Lisboa,
onde tambem, como na prirnmeira, havia redactores
de folhas regeneradoras, progressistas, republica-
nas e legitimistas, al6m de muitas outrins nao po-
hIticas, nern diaries. Uns opinavamrn pela resisten-
cia, isto 6, pela sahida do bando precatorio v a
despeito da prohibigAo da autoridad,';-outros
pela desistencia da realisaiAo iAquelle p samruento ;
outros, finnalmente, pela insistencia i.ira com o
governor directamente.
Resolvido isto forai as mnemibr- u .jinmissoda
executive reforqada corn mais sr 4 jrnalistas, e
ouvirain da bocca do minidstro d reiuo a confir-
macAo da recuisa cam que o govei iador civil res-
pondora i pr;m(iro solicitacilo.
Todos foram uranimnes em confi.ssar a extrema-
da urbanidade eom que o aininstro do reino os
acolheu, oppondo por6m corn urma pertinacia que
derionstrava a pressao, ou compromisso a que es-
tava obedecendo fatalmnente, as mais rebuscadas
objecqses ao que osjornalistas Ihe allegavam como
flanca das suns boas intenjues, do que elle minis-
tro, aliAs, nao duvidava.
Convocada novamente a assembl6a geral da im-
prensa, a discussao foi interessante e muito ani-
mada, mas ehegAra-se A meia noite serm nada se
ter decidido sabre a proposta apresentada pela
e9mmisido executive e assignada por todos as
sous membros, terdo-o feito, mais do metade del-
lee, em declarages, que provavam que mesmo no
k- e da eoatisaslib via dabuswdo. No primei-
reartigo d ,prepitsa dizia- as que a acomnmisnlo de
tddoa as joraaita& Uvawria urm solemue e energi-
Uo protest contra a ecumade 9 vernao; no eguamn-
que apr da roewmn a commaou
Ui ak o ]prtiitmdufp0kei paos =au -
t. 'da" AB* ^ ^ntu Am .go
'tiJiaUrpr a R, a. iST Mi 5 )ae- Wi
fmporavoes, etcri tp-a a
atti3tO rtwtia e^ ana qaet Of o-


-


l^ ^ que nao indica forga j~los assassi. I
que o documento Mk oa oao apoery. i
|&^ prwta ; 0 emucnial 16 Wft fe os fae- i
Selle rela.t form reameprpetrado.
O, todas as informacoe provenmentes de -n-
Le iniparciae i pem ema duvida oa acts de baido.
eir19.ttbDidos aas llaijM !
O M$h ranville o, a ,, .intA m
p iesB o ptlamento britai 0,oo r-
atIp& dfkogentes inglezm ia|oi, ~ a* a.
Be tia.jtsamcao pacifica e U no d|ir.
lowa u ,annos, o estado p ci
.em-em- 1ilo melhor.
0 uniqf.g5emento de dqo .< ewe Q
*aqcedon4,6A constituido pm 4w M a 48s4,
iadorec ros os qua0 ^ O i
Fronteirr incur8oes]|e L
roubos, 0i o & approxima da a tropaa.
A configura-o topographica do paiz torna a
persegluiCo d'esses m ritores njaxto difficil, en-
cma-ado elloseal6m 'btDm rafagio .egura junto
doS sees eompatriotas do outro lado da linha de
demarea*.
1,mraia^1^ dCirgtIa polo
Sr. de Laveleye na imprensa iugleza, as juntas
panlavistas organsam nas cidades da Bulgaria e
locardades visinhas, demonstrates de Macedoni-
cos, que aflimnam ter conhecimento dos actos de
oppressao contadas polo Pall Mall Budget e po-
dieram testewunhar a sua authentidide.
Ainda ha pouco tempo houve em Sofia urma reu-
nilo publics cornm urn fim analogo.
Seri inutil dizer que eases macedonios sao bul-
garos e partidarioas, claro, da grande Bulgaria do
tractado de S. Stefano.
O peior e que, por mais positives que possum
ser as suas informaes e os seus testcmunhos, sao
desmentidos pelas declaranes nAo menos affimati-
vas de outra cathegoria de macedonios, que con-
fiam as suas impress asos priucipaes orgaos da
imprensa hoeleca e garantem a complete inexac-
tidao das tragedies saugrentas suppostameute pra-
ticadas n6 seu paiz.
Os macedonios de Atheuas fizeram ate um mee-
ting para protestar contra as resoluc5es tomadas
no meeting organicalo pelos macedontos de Sofia.
A imprensa hellenica, pela sua parte, public
constantemente desmentidos enviados polos habi-
tantes da Macedonia as narrativas, que as juntas
panalavistas procuram propagar.
Este movimento de opiniao que so produz entire
os habitantes christa'os do paiz ao qual o Sr. de
Laneley podia todos os seus affectos, devia fazsl-o
honrar, e ver que prestando-so ao jogo pansala-
vismo revolucionar-io e das aspiraSes bulgaras na
Macedonia, arrisca-se a provoear nosesa provincia
dissensoeas e discordias intestinas que padem ser
funestas a tranquilidade e ao bemrn do paiz.
logypto
E' jA conheeido o text das propostas financei-
ras apresentadas polo governor inglez para resbl -
ver a questao financeira do Egypto.
Segundo ellas, sern a emittido urnm emprestimo a
3 1/2 O/o sob ga.rantia do governor britanico, coin
destine a pagar a divide flutuante, a fazer face As
despozas da irrigagio etc.
Esse ermprestimo nao excederia provavelmiente
a 5 milh5es de libras sterlinas.
Os juros do nova emprestimo seriam pagos de
preferencia a quaesquer outros pelos rendimentos
egypcios. A admintracqao das terras do Daira e
dos dominies conservar-se-hia nas maos do gover-
no egypcio, mas sob a fiscalisalo do governor in-
glez.
Os rendimentos da Daira e dos dominios seriam
arrecadados no Banco de Inglaterra e os juros do
nova emprestimo serifam delle deduzidos autes de
qualquer outra verba.
Sao estas as mais importantes disposic5es das
propostas, a que as potencias estiveram tanto tem-
po sem responder, constaudo so agora, por tele-
grammas ter chegado a Londres a resposta da
Franca.
E effectivamente, no dia 15, foi entregae a lord
Granville a resposta do Sr. Julio Ferry As propos-
tas inglezas acerea do Egypto. Os embaixadores
da Allemanha, da Austria e da Russia entregaramn
respostas analogas.
As propostas offerecidas polo governo francez,
em substituiao, diz-se que sao coneiliadoras, que
insiatem simplesmente no terreno financeiro e que
nao entrain na questiao politics do Egypto,
A F.n~a pretende que O emprestimo seja de 9
'eAo de 5 milhoes de libras, afim de fazer face
prr urea vez a todas as despezas, partindo do prin-
eipie de que um emprestimo garautido par todas
as potencias, tern a maior probabilidade de ser
contrahido em mauito melhores condicoes.
Tambem nao admitted qtie as rendimentos da
Daira e dos dominios sejam arrecadados no Banco
de Iuglaterra, o que destruiria as ultimos vesti-
gios do condominium anglo-francez.
China
Chegaram jA a Kelung 1,000 homes de refor-
9o, ides no transported Cholong.
Dove a estas hor destino a Ckandonagor corn 2,500 honens. Sao
ao todo 3,500 pracas de desembarque cam que o
almiran te Courklet padera contar alum das compa-


-~ 4-r- -
'a a-- ~--if.t
1.- -~ --- i.iiti'- -

./' ~


._- vw O u aqito m toe o uw peaosa i- t
J3 .prou, portm, anr, a nmprudenoiaA nancei-
ra das uituacoea regeneradoras.
A. refra d fisalisaglo extorna, a da caixa t
economize portguera, a celebre converaio, a cor-
rupo eleitoral dispendendo oem maos largas,
avo Muoaram as despezas e deatruiram em poneos
nmoeses todos as beneficios da anterior administra-
^lo.
" Derrubadoo ani4pkji9 Sagqja mucsdw=- 9
0 r. Poutes Pao' qis a pr'us ;
1 0 .. do wpowt.-"-en
. extincaodoji -Ap:nreq* doiwos. a
.ela moderaoao "o s ig os-i Ib|smlWr- n I-
e materials. U
0 piano finaQAgip d .U F6Ngsd e Ta ama a
sppultado na ereo o dnt&oK ii ft cV
po rento, feiioa fnt rikl p mg !
deu quasi todasaa.rig|mRlasx imta M dff
0to, e os exceaasAe.1Mesa ni M MAW
nram a poucos P.|ftIrecih& ,dA.-
As promessas de moderar as despezas eom me-
Ihoramentos materials traduziam-se em caminhos
de ferro para a Beira Baixa, pars o Alentejo, pars
o Algarva, pars Vizeu, para Mirandolla, para-
Cintra, e Torres Verdes, para a Figueira, para
.Leiri.'arSalatnanca; nas obras de Letxues,
avaIadas em 4 s00 c"ntos (fortes) no project das
obras de Lisb)a, calculadas em 15:000 cantos !
A verdade 6 que se trabalhava A farta, como se
estiveramos na mais floreseente situa* o econo-
mics.
Ainda antes dresses melhoramentos comegaram
a pesar sabre o thesouro, erarn absorvidos as....
2:500 cantos da conversao, mais 4:600 cantos d'um
emprestimo e crcscia desmesuradamente a divida
fluctuate.
Chegavam emfiin as emprestimos de 18:000 con
tao, contrahido, quando jA estava demonatrado o
malogro dos pianos finaneeiros- do Sr. Fontes,
quaudo o Sr. Hintize Ribeiro (actual ministry da
fazenda), deixava findar urma sessao legislative
sern qualquer providencia financeira de algum va-
lor quando o Sr. Fontes como ministry da guerra
e o Sr. Pinheiro Chagas ministry da marinha e ul-
tramar ameagavam o contribuinte corn as reformas
onerosas do exercito e da marinha cam a rultados
dispendios em compras de material de guerra e da
armada.
E' certor que o emprestimo fallio em Portgal e
nem foi po~sivel emitdl-o em Pariz e Lonlires.
Logo n'esaa occasiao a3 funds portuguezes sof-
freram urma baixa enorme nos mercados estrangei-
ros.
Este phenomena financeiro panrece que deveria
por umn prego na roda das temeridades e servir
de indicaAo sao gabinete pars mudar de ramo.
Poueo depois vinha a dictadura reformer o ex-
ercito e os quadros da marinha military, vinham
augments de despeza par todos as ministerios,
vinham concessoes duvidosas demonstrar mais urma
vez a imprudencia coin que se estava compromet-
tendo o nossao credit, peraute urma situag9ao fiuan-
ceira tao augustiosa.
Abrem-sat as cortes depots de um adiamento que
nao fez seniio irritar as animos e romper o celebre
-accordo- celebrado no findar de 1883 entire as
diversas parcialidades monarchicas para so effec-
tuarem as reforms politieas.
Abertb o parlamento, logo as primeiros actors go-
veraativos sao o orcamento accusando o deficit ap-
pr~ximado de 7:0)0 contos e 'ima divida fluctuan-
te de 9:000 contos para a epochs proxima; -pro-
pastas de lei pedindo avultadissimos dispendros;
annuncios de outras cm iguaes circumstancias.
Ao memo tempo comecam as demonstraSes de
irintaao popular contra os onus tributaries, de-
monstrando qae nao podemos esperar do imposto a
resolucao das difficuldades financeiras.
No Porto.ficam mortos pela tropa dous homes
do povo, mas revelando, todavia, o governor sua
fraqueza, suspendendo a cobranca dos impostos
municipaes e prohibindo em Lisboa a sahida do
bando precatorio em favor das victimaa dos de-
sastres da Andaluzia.
Todos estes factors accumulados deram ema re-
sultado a baixa extraordinaria dos nossos funds
na praca de Londres. Milagre fdra que succedesse
o contrario!
A inquietaso, poias, motivada pela deseida rapi-
da dos funds portaguezes preoceupa a imprensa
de todos os parti4os.
0 Jorna do Commercio, que segue e apoia a po-
litica regeneradora, attribue a descontian'a Ie-
vantada nos mercados estrageins e o sea recent
exacerbamento principalmente A apresentacao
do projeeto do St. w.inistro das obras publicas (A.
A. de Aguisr) pars o pwto de Lisboa. E de-
pals de provar que nem a iaieiativa do project
nem a sua parte technical pertencem a este cava-
Iheiro, porque antes d'elle projectara essa obma o
Sr. Loureate de Carvalho, e quanta arsua realisa-
9ibo technica nao faltaram ao Sr. Aguiar as excel-
lentes ongenheiros que tern A sun disposicao e o
parecer das numerosas commissoes que S. Exe.
consultou, diz que a iniciativa do nobre ministry
das obras publicas se reduz a apresentar o sen
project na peior occasiao que se podia imaginar,
quando a despeza cresco, quando a receita fallece,
quando o credit foge.
E de deduccao em deduccao chega a concluir
que o Sr. conselheiro Aguiar bern conhece que o
sen project e agora irrealisavel, que niao passara,
que nilo serA resoin disoutido, mas que, nao Ihe


I



I- -


a Grande commissdao da imprensa.-Reunio hon-
tom A noite esta grande eommissao, resolvendo
publicar o protest contra a prohibicao do bando
precatorio. Como se haviam demittido, por moti-
vos particulares quatro membros da commissao
executive, foram eleitos para as substituir as Srs.
Dr. Gusmaro, Centeno, Games da Silva e Simoes
Ferreira. A eommissao exeoutiva vat proseguir
nos seus trabalhos. )
N'essa reuniao o Sr. Bordalo Pinheiro, redactor
do Antonio Maria declarou que teominava como
protest, a publicaeeo do seu lornal, deixando de
ser j rnalista, em presen"a da attitude do go-
verno.
Nao esteve present a essa reunido quem es-
creve estas linhas.
A verdade porem S que o protest, assignado
por jornalistas da opposicao nao siguificarA o que
significana uma succinta exposicao dos tactos,
firmada por todos os redaetores, incluindo os go-
vernamentaes, o que succederia se tivesse sido vo-
tada a mocao conciliativa proposta na penultima
sessgo. 0 Sr. Simoes Ferreira publicou urna car-
ta nos jornaes progressistas explicand) o seu pro-
cedimento e qualificando depastel a substituicao
proposta por dous dos seus correligionarios, carta
esta que a Revoluado de Setembro tern comments
do largamente.
E entretanto, ji todas as casas de espectaculo
tern dado os seus beneficios a favor da Andaluzia
cam exito enorme ; as bazares-kermesses preps-
ram-se ; osjornaes-unicos, pois havera mais de
urn, collig m artigos dos mais conhecidos escripto-
res, ou poesias dos mais festejados poetas, as cor-
porailes, a comeqar pela Assoeiagio Commercial
de Lisb6a teem contribuido coarm sommas avulta-
das que todas teem sido pastas a disposicao da le-
gasao hespanhola n'esta c6rte, de modo que se a
maioria dos representantes da imprensa chegarem
a aocordar em qualquer expediente de solicitanao
a caridade national, ji cadas um terA dado a que
podia ou toncionava dar e as fontes da public
generosidade se encontrara o exgotadas par a este
assumpto. As subscripqoes abertas nos jornaes
proseguem. A do Diario de Noticias excede a
8004 fortes. A colonial ingleza d'aqui premove
donativos ; os funccionarios publicos de todas as
cathegorias tern cedido cads urn, um dia de orde-
nado, e as membros da camera dos deputados, um
din de subsidi'o. Sabem todos que este dinheiro
uai parar. nao as niios dos andgluzes, mas ao
thesouro hespanhol. que adiantou, por meio de
um valioso emprostimo as sommas precisas pars
soccorrer as provincias de Malaga e Granada de-
veido fizer face ao cinprestimo, as receitas pro-
prias d'aqnellas provincias e o product das sibs-
crip('es estrangeiras e nacionaes.
Por este motive se t-.:mrn por vezes m nif.staio
alui a idea de remetter mantas, generous ;limen-
ticios, etc., em species, imas coni o e mais comnmolo
subscrever corn dinheiro, rf o que se tern feito.
Ngo devo coneluir sem lhes niencionar uma nota
discordante : e a quo result dos artigos do novo
diario As Noridades, que em polemica mansa wm
o Jornal do Commercio se tern rido jovialmente
da.quiilo a que o primeiro chamrnou a sentimentalida-
de international, comruquanto haja declarado que se
associa do coriIVao ao impulse que nos levou a
promover sacarroas cm favor das victims dos ter-
remotos, embora condemned todos as acetos de espa-
Ihafato e todos as exageros. Proseguia asasim
ante-hontem.
a 0 governor hespanhol deu-nos a ligao. E' in-
suspeita. Levanton um emprestimo pars asoccor-
rem-as victimnas, declarando que o emprestimo fi-
ear a cargo das duas province as andaluzas. Se
a propria Hespaha' oestabeleceu a solidarieda-
&d& cinal pata os socewros, que ocabida tern ea-
treo-w a seutimentatidadeintemaional? E tod.-
via, s6 combatemas os espalbafatos e os exageros
desta.


* ," '4N-- .. -' "
*. .. .r .,^"_ .'-.**.. .' *
.- -' t-T ,"


r"M n para ow doativo ea favor daquel-
a b pr iL = -o 'a" ,.
Foi neate ponto queu am dos red s do Pro-
rrwfo, Lain Felippe Leite, apresean90ma subs.
ituiglo pars quo em vez do protin se fizes-
Be uma simple exposi*o ao pblioo dos motives
lI. tinham impedido a commisslo de real-sar o
Bea intend.
Que a eommissao envidasse todos as seas enfor-
os e boa vontade pars, por eqaettq r meios exe-
1uivoeiksAicangar og roo p -a Andaluzia e
per u se o Be oP= pNttwfe ainda o fos-
e prMMMn que A rmn a mUcitar esmolas
parMa.q, s desados. Esta pmoposta foi lo-
go aW f par todo aos membras divergentos da
sfllea. sendhwi.a mco de substituilao A
woputa pnmiitiva, ea esta qeo deaia ser votada
primniduM-te e no easo e obter masioria, que se-
gumwinte obteria, fieari~n as dmais propostas
wm ttsda4W como smwced em todas as assem-
SibMteo. Un redatr de Correio Por
tugueu, tamnibemn progressista o Sr. Dr. Antonio
JCenteno, fez tambem sun a substituiciao apoian-
do-a calorosamente. 0 president da assemblea,
por6m, o Sr. Dr. Simoes Ferreira, redactor da
mesma folha, a quem o Sr. Ennes pedira que pre-
.idias, por ter elle de. austetta a prposta da
eommissao exeeutiva, usou largamente 4a palavra
para mostrar que a approvagao da moao Leite
eira a negacao do protest, as interpreta&5es a que
essa votacio poderia dar lugar, e alum disso, como
na exposi.ao proposta por L. F. Leite se podia
tambe.n stygmatisar o procedimento meticuloso e
arbitrario do governor.
Por outra, o president destruio em poucas pa-
lavraf a obra da concilia%&o cam que e propo-
nente da moao queria evitar o desire de se
mostrar a imprensa desunida e facciosa quando'
apenas se tratava de levar a "effeito um pensa-
mnento generous) e caritativo pars acorn as desven-
turas de um paiz estranho. Oa animos explosi-
ram irritados, as protests e reclamanc s chove.-
ram c quatro representantes de folhas governa-
mentaes sahiram tumultuariamente da sala da
conferencia. 0 que ficoujA iao era urma reproe-
sontaeao solidaria da imprensa de Lisboa, mas
sin as representantes das folbas da opposiilo e
pondo-se em seguida A votacao a proposal primi -
tiva, que o president propozera A substltuicao
contra todas as praxes estabelecidas, foi esta ap-
provada por 22 votos.
No dia s,'guinte, appareeia no Ecunomista, Re-
rolnColo de Setembro, Gazeta Commercial e Correio
da Manha a seguinte declaragao collective :
,, Depais de uma sessao interessante, em que
so tinh% debitido o alvitre do protest contra o
governor pela prohibiga, do bando precatorio e o
alvitre contrario, corn todo o caloor, mis corn foda
a Mn3-Traio, appareceu o animo c)nciliador do
Sr. Luiz Felippo Leite, secundado nobremento pe -
If Sr. Antonio Centeao, propondo que a commis-
slo expozesse apenas ao paiz o motive porque se-
nao realisAra o bando, que se eontmuasse no em-
penho de obter donativos para as victims das
catastrophes de Andaluzia, e que as membros da
commissao sejulgassem preciso recorrer a esse
expedient, sahissem a pedir donativos pars as
mesmas victims, quando o tempo o permittisse.
S N'estc terreno conciliador estavam quasi to-
dos, senao todos, de accord.
Tralava-se de dax a ultima redaccio A pro-
pasta no sentido de nao ferir susceptibilidades de
ningue!rn e de poder ser aceito por todos, quando
o Sr. Simies Ferreira que presidia a sessao, cha-
mando a attenuao da assemblea pars se ir votar,
come;ou explicando o pensamento aggressive da
proposta initial deixando jantever coi.o ainda se
podia e devia tornar aggressive a proposta conci-
liadora, irritando todos as animos, que estavam
serenog e lanqando accentuadamente no debate a
nota political, que semnpre se tinha procurado evi-
tar de part a part.
( Entaio as abaixo assignados redactores dos
jornaea Revoluyio 'e Setembro, Economista, Ga-
zeta Commercial e Correio da Manha protestaramn
contra aquelle proeedimento, contra que tinha pro-
testado o redactor do Diario de Noticias e reaol-
veram sahir da sala das sessoes, onde nao era ja
possivel restabelecer-se o accord e harmonia, vio-
lentamente quebrados, nem era possivel recome-
gar a discussao por ser porto de uma hora da noite.
Niao pertence pois, aos jornalistas do partido
regenerador a responsabilidade da quebra do ac-
cordo e s6 lhes compote narrarem as facts que as
determinaram a affastar-se de qualquer delibe-
racao colleetiva dos seus colleges, a cuja boa von-
tade e leal desejo de hirmonia, salvo este inciden-
te final, teem a satisfas'io de prestar public ho-
menagem.-A. M. da Cnnha Belhm, redactor da
Revoluco de Setembro.--JosS da Giama Lobe La-
mare, redactor do Economista.-Sebastido de Sou-
za Dantas Baracho, redactor da Gazeta Commer-
cial.--Urbano de Castro, redactor do Correio da
Manha.
0 Jorsal do Commercio, a Revolucdo de Setem-
bro e outros jornaes de LisbOn tem-so occupado
detidamente de todos estes incidentes. Ante hoen-
tem reunio-se novamente a assemblea geral da im-
prensa ; mas apenas estiveram presentes 20 jor-
nalistas.
Os jornaes de LisbOn dAo conta d'esta reunido
nos termos seguiates :


ohias que faziam part da esquadra. 0 almiirante
alargeu jA umn poaco a linha de occupaaao da ilha
Formosa e apoderou-4e da nminas de carvgo de
pedra de Kelung. o que o um facto important.
Segundo refekre m eorrespondente do um journal
i z em Shangae, as grande encommendas de
aroaus e munioes fbets pela China, tem.n'o side
exclusivamente As caaas allemies e americanas, o
que tern contribuido para tornar a causa chineza
;pouco sympathica & colonial ingleza, que 6 a mats
podorosa no extreme Oriente.
Elta4on-Unidos
Nao toi a Inglaterra a unica potencia que se
sobresaltoa aoom a iniciativa tomada pela Allema-
nba. Succedeu o mesmo a America, onde as aspi-
ra~ues coloniaes e a necessidade de extenslo terri-
torial e commercial nao 6 m nos viva que do outro
lado do Atlantico.
A camnara dos representantes de Washington
occupa-se n'este momonto 4e urma proposta, que
declara contraria A political tradiccional dos Esta-
dos-Unidos umasoonven~io do genera da quo esta
submettida A conferencia.
O president da Unimo foi convidado a commu-
nicar A caamara os motives que determinaram a
enviatura a Berlim de delegados ainericanos e a
fazer conheeer a natureza das instrucgoes c a ex
tensuo dos poderes dados a eases representantes.
Os autores da proposta pedem informag5es sabre
a f6rma political que sera, dada ao nova Estado
fundado na bacia do Congo, e propoem reservar o
direito da republican americana, de protester con-
tra tentativas analogas quo os gabinetes europeus
poderiam ser levados a tazer eventualmente sabre
6 continent negro.
Eata ultima part da moiAo apresentada ao con-
greaso serA evidentemente determinada pelo boato
que tern corrido da constituicio de territoriof, ad
quiridos pela Associacgo Africana em reino, corn
am soberano escolhido n'uma dynastia europea.



EXTERIOR

Correspondenela do Diarle de
Pernambunco
P.)RTUGAL LISBOA, 18 de janeiro de
1885
A decide rapid dos nossos funds na praia de
Londres de 46 3,8 a 45 7/8, ficando hontem 17, a
46, esta sendo o assumpto de todos os commenta-
rios nas folhas politisas e commerciaes.
E' a cota.o mais baixa que ha muitos annos
teem tido.
Acima das fluctuacoes promovidas pelos interes-
sados una collocagAo dos titulos do ultimo empres-
time, 6 evidence que se pronuncia umrn movimento
dekbaixa, que nao ficari por alit.
A' quanta deseerlo amauhl? todos o perguntam;
-quando pararlo na sua mareba descencional ?
Desde 1883 os nassos fandoes teem se conserva-
do constantemente frouxos na balsa do Londres,
que 6 o grande mereadb regalador no undo fi-
ninceiro.
Uma depresa.o suceeesyva tern pemado sobre e-
ie* Depeas da honesta gerenia do gabinete pro-
smia,ob.ervewjbranabut'esta parcialida-

a. .dr ] Hta u.. a f e. ae nahniBmi























e*DuamfI 9 hAt fwet testaa nmunho do boa aml
t n ftc* defo* da saentinontali
4 i? Etodavia su sotemos eoma
baido 08. Ts e pl e lhafate de phulantropia
({9pWft5U5* uofiproe&&ade onmeprtqar! *
Xbn& t tuaaMbo qiao f eommi~ao doe jorea*lis
tsa. quea a Um ter 6dioIvw-w.s .
A pi4-Crus do Isabel i Catiolies dads saO
pelO goveo hespahol ao 8r. Peito de oCrvsl
(gvreaador civil de Lisbo-,) em testeinso dd
applause per ter prohibido o bando, poso oramate
ao deeprestigio e A dewconsideragao. a
0 Jornal do GCommereio respondis- WhO o diase
guinte, e seo me tenho aloagado anemia oarrativa
porlue entoead qae uestas muaiives deve reflec-
tir-se o que ansis preocupa *qi o espirite pubui
co e de facts, as fentas de earidade es program
mase perspeativas queasda se d effeetatna
as divugeaciaws dojn-eaB wems" em lam-
gos artigoe e omumntarits a.a esaM peiodieos, e
a sombra negra dos ,Weg iR vindo do theater
do eataclmmo, 6 o quoae na a&ide auis term pin
dominado neates ultinwo dias, pasado quami des
apereebido os trabalhospactmseatsres, oade al-
gums rhetorical se tem feilo a prposito daLeei--
"oes da Madeira, veneeado-ae por graale usiori
que o respective proeesso alo fiam o tribuaal
judicial, eom a. rectna lei da refirma eleitomal
determine pars ojulgamento dos proeu.eoatna-
taveis e nmae easo e&Mtan o da lats eieitsil am
Madeira, de quae rianlttimn atlgin mbo ot ra.
noventna e tanteos pupares iada preaese
O deputado republican o Sr. Consiglieri Po-
droso, lente do curso superior de lettras, tern to-
rnado active part n'estes debates. A camera,
alWm diaso, tern eleito as suas commissoes, pois o
eneerramnento deo 2 do corrente e reabertura do
parlamento, emn actor successivo, fez com que tudo
fosse mister recemeqar para a camera powder funuc-
cijuar com regularidade.
O orcamento foi jA apresentado A camara o teow
dado margem aos commentarios e A critics menos
benevola da oppjsi).io; inas co.no ao coineq.ar
d'esta carta tate os entretive corn a situameo fi-
nanteira do no,)sso thi -souro, nil, reaovarai hoje este
assumpto coin prolix idades fazendarias.
Os mininscrosa raras vezes teem ;apparecido una ca-
mara.
Falleeeu ia peouceso diais no Porto o abastalo
capitalista, conde da Silva Monteiro.
Em Lisboa o Sr. Lnaiz Carneiro de Abreu B.a-
cellar Castelle Brauco, nmcio-irmnao do fallecido
coude do Cavalleiros, (D. Rodrigo dc Mecuezes).
A' saun fortune habilitamin-se como herdeiroe a Sra.
mnarqueza de Pemafiel, o marquez de Brba, e con-
d s da Figneira e do Rio MItior. 0 fallecido naer
d(ix )u tcstaminato.
Succumbio tambem em Lisbon coin oitcnta e
trees anos o Sr. Dr. Joss de Sonz:i e Silva, anigo
vogal dajunta consultiva de saude.
Depois da despedida brilhantissima de manda-
mine Fides Devriesa no theatre do S. Carlos, ve-io a
estrda do ni dainu MAreella Sembrich, a celebre
rival e successors da Patti, co-n a Lucia de Do-
nizetti. No primeiro e segundo actos a plateau
maut-.ve se n'umA reserva puuc mnenos do hostile;
mas na cavatiun do terceiro acto, grande seena
d;L loucura, arrebatou o auditorio psla zagilidade
da sua voz cujo timbre e tao rare que chlieg ao
fd agudo, facto mieo no theatre de S. Carlos. Foi
alli que irromparain os applauses freueticos e as
m inifostai3be ddlir-inton, entratanto no faltou
qumn a cominparasse ao teaor G(.syarre, quo na
Favorila se giiardava pars assombrosa execuiao
do spr'ito gentile, e'nquaato ate' alli poleriam to-
mnal.-o p)r urnmt vulg.tritlde no seu gdnero. En-
tret:anto a Semabrich teim ti-de enorans applausos
em Lmdres, em S. Petersburgo e Madrid, d'onde
regress3a e pars onIIt volta e por iss), ate que a
proligiosa agilidade da sun voz se roveloa em todo
o seu splendor alguns pensavain ter sido mysti-
ficados e que tivese lavyde chaagez de dames, no
caminho.
Eis outro assumnpto a que a atteniloe do nosso
public toin prestado nblo poucos mementos. Hoen-
tern aquella notabilidade lyrical reappareceu na
L',tcia.p
Fui demittido do gevernador geral da pro-
viacia de MooAI biqu _9.o *r. Ag tiau o 01t~il o>
senuo noaea, .a, n ir on tr. M'g,--sda
Castilho B mrceto e Noronha.
Vai ser dada a c.rta de conselho ao Sr. Je-
ronymo ds CunhA Pimentel, director da Peniten.
ciaria de Linboa.
-- Iii poucos dias houve seato de assembles
germ-l da Ceaminmil-, )CCemtral Primmneiro de Dezem-
bro, "a qpa presidio o Sr. Foa:teos. Era pars elei-
,'io doe corpus g,,rentes. Estavam presented 36
vogues, man como taltavamn eortan formalidades re-
gulanmuintatreus na eonvoeac-o o prenidentc delibo-
run adiar ma leicio pars o dia 23.
A reunito desta voz um'a, foi ao antigoe histori-
co p iacio don condos d'Alnada, mias noe pacos do
concelho, undo dn is do avliant-sda a sessaa.i o Sr.
prenideute do conse ho, que o e tambem da com-
missilo C 'utr.al e en outros soeioe tavoramn occasiao
de oxaminar on espl.eudidos tri.balhl-a do ornamen-
ta~ao das salas d'aquelle soberbi"alcaztr muaici-
pal. Estava patented o qua'tro iaeo:npleto do fal-
tecido Miguel Aigeloiaupi, o anarquez de Pombal
appr.nvandli o pl:aio da reedificaqio de Lisbon, de-
o)'is di t'rra'.nmti? Fez as honras da cana o Sr.


Fo.itns e dominais voaes a corntnissao, o presiden-
t- di t Cun'tra Miuicipal do Lisboa, Sr. Rosa
Avuujo.-
Uia violent inceadio q1 ase manifesto:t de.
pots de duas hmras da nolte devorou em pimcos
miauto- a casa de D, Joanwt Pereira, viuva do
failecialo medico natural da India, cenhecido pelo
appellido de Pereirinha, cuja celebridade comno ha-
bdl cliuico ainde mais se revelou per oecasiao das
fibres paludos3a: a que succumbiram em 1860 os
Sr'. D. Pedro V e seus irma'ms on principles D. Joau
e D. Fernaudo, conseguindo a porCiea c ze)o da-
quells medico salvar ainda o Sr. D. Augusto.
A caisa agora iucendiada estava situad:A ta tra-
vessa da Entrella,, ee a m'sma que figurou ha pou-
cos auos3 no tragico process do asssasinate do
pianists Cyprano, cujo cadaver toram lanar n'um
barrocal proximo de oMafr', sendo entiao presa D.
Joanna Pereira e o tristemente celebre carroCei-
ro... qame ivou o cadaver de Cypriaa para Ma-
fra, depois d'elle se ter enforeado n'uma arvure
do jardim da casa que as chammas destruiram na
noite de 14 para 15 deste inmez.
ToJas estas lugubres reminicencias acordaram
agora aos elareb sinistro)s d'aquefle brazeiro!...
-- Esqueceu-me aind agora de mnencionar-ihes
mais douns proiectoi de lei do Sr. miaistro dais obras
publieas que p -r certo neo sio destinados a fazer
mingnar o deficit, nem a restabelecei o nivei dos
nossos fiandoas nos mereados inglezes. E' pira a
creagao) de umna seric dI' escolas praticas de agri-
cul'ura corn diversos professores razoavotimente
esti pendiados.
T.rnbem na n esm nL a *s's-), que foi ha poucos
dias. S. Exc. aprease-itoe a propoita para crea-
'ao d'umn i roi)part(aio de camiuhos de ferro e de
ian-l junta consultiva de camnin tom d. ferro, c-on
amrn grand, estadu-o.mior deo funecionarios, quasi
principaseamntte dotados. Bern podem presumnir
qai.ul o ton das critical da opp3s5iqpo.
L^.





Caso grave
(Gazeta de Noticias da carte, de 27 do
janeiro)
A mal comneada e p'ior defendidi questao pro-
vocada pelo aviso de 15 de setembro do anno pas-
sado arabs de dar mais urn paeSo uo escorregadio
piano inclinado cm que a collocaram, e que a le-
vara, e ao noeso bum nome conjunctamente, para
uma valla pouce convenient para os nssoa in-
tresose comro psiz, que quer entrar or eom sid
'as iWaa do p "rtreeo e. riancipalmeente. ane ca-


OOMI& CM v-6atiero braki d eir ees
* tudo, a* agoecitYmo os 06Odtrton le eaamoeult
*t- celebrados e rqgirsado. por funceiowim4w* jsd
, corn t6 publics, n"o tbstanto ditm a oa ite
gIsltwdo, Ord. 1. 3.;T. '25 0.0jaft PfWtA
*o osasanento-por qu~wdqe vfia entpud~sw!.
FZsta confisauo elara franca, qua vio faxer as
a noOses agents diploAnAtiio. pew tBtai jiij.
a roc Wadltot do ,mundo, 6 o masis bea prepwadc
e trabalho, para nos exfibir of me pm ; -a
e barbaro, e que ainda nio tern parim ps tMate
sobre o direito patrio, public privado, e ainda
* menos sobre o direito internacioanl.
S Partindo deste absurd juridieo, ponco pensadc
- e estudado entire n63, mnis qeuo vati ser agora pa-
* tente a today geante, conclude se que o brazileiro
* presbyteriano on lutheranc, para conatituir fami-
a HIa, depend de urn cstrangoiro qualquer, sea f
- publics, e ainda mais, obedecer sem praeet a esse
est etgeiro, conservtndo impuuemeatea sua na-
D cionalidade, o que crumeo prevista no art. 7 4
* cedigo erhninal, vantages que nile tern o*a*o-
* Hoes reaanoa, isto e, os que seguem a religiiodo
EBtado !
S Coftclue-se mats : que todosa oa abitantes do
iBrasil, que nao tiverem pastors eou sacerdotes
I dawrmas creneas, nao podem ter familiar legal, as-
1 aim eomo oe sque, mao obstante tem oreu'as reli
giosas, se dispensarem do culto externo, os mate--
t rialkts, as atheus e os isdeeimos emtaumaptoi
Sreligieo si. umembros de mina casta, abai dos
parias indianes, e does proprios .arqv a
menos podem ter espoeas e fitihoe, comrn potw dl-
reitos, mas semnpre eom alguns mais do que esses
outroas homes ivres, que naseeram nests terra e
o os que a prefenriram para suan nova patna.
Conclue-se, finalmente, que o casamento patati-
Vo, existente ainda na nossa legialaiao, Ord L. 30
T. 59, 21 ; L. 4 T. 46, 2, e que s6 deixou de
ter for-a de lei, para os catholicos, que erarn en-
tito todos osnportuguaezes, quando se publicaram o
decreto dp 12 de setembro de 1564 e a lei de 8 de
abril de 1563, pondo emin vigor o disposto pelo Con-
cilio de Trento sobr.- a formula do matrimonio,
mas que expressamente estA em vigor pelo art. 50
da Censtituiq'io do imperio, que dA a liberdade
da ceoascienCia e ipso facto a liberdade de easar
fora da formula catholiacs, e ainda mais pela lei
eleitoral do 9 do janeiro de 1881, que di aos supre-
mes dircitos sos niao catholicos, repetimos, con-
clue-se, que esta especie do casamento civil legal,
embora deffeituosissima, na.o e respeitada, neron
que soja precedida de urma eceriptura pnblica,
que, per su vez, e prova ssuffiieate de casamen-
to.
0 governor, que uio quiz recuar diante do gra-
vissimo atteutado que praticou contra os mais sa-
grados direito de t..utas families, v-aijuigando
poder defender-se, envergonhar-nos la fora, ex-
pondo a nossa rachitica legislaqilo sobre a material
e principalineutit o decreto de 11 de setemabro de
1861, que, s6 por si, e uma provays do nosso ac:a-
nhamento politico e intellectual.
Quem quizer desaereditar-nos b.asta publicar e
analisar este decreto e a letIi d) co tracto de locoa-
c',) de scrviio3, para que a imnmigraqio fique a
tfl1o earninho t mude de dcstino.
0 nosso honrado college do Jrnal do Commner-
cio, qu, neste assumpto concords comnosaeo emin
tudo, pede, pars as victims do attentado juridico,
umn: especic de amaistia na qial se considered
validos os easamnentos que o governor arbitral e
illegslmente dissolveu, pars que nAo fasa, tao mAo
effelito na Europa o ultimo procedinmento official.
Pela nossa parts nao qAcremos amnistia para
as pcssoas lesadai pela leviandado administrative;
queremos, pelo contrario, garantia para a lei ex-
pressa, e que, ein virtudc dessa lei, nesta terra
ninguem se julgue sufficientemente forte e pode-
rose para decretar divorcios.
Os cases que o powder executive tentou destruir
por uin pseudo-avieo, s9o e estao pernnte a nossa
legislagAo, perfeitamneate legalisados; e so o po-
der moderador quer decretar alguma amnistia,
ess0L s6 pode ser applieavel ao rainistro do Esta-
do, que praticou um actor gravissime, c contra a
lei, e que, alrm do injusto, 6 anti-politico.
Se ecte nao e overdad'-iro lade jurilico da ques-
Ho ; .e r Uoen^ cd~~eItciaa&jg
"t 7e '-preaerComo *i cotlega io Jornalido
Commercio, apezar da sua prudencia e cautela
acoaselha ao goverao que, por sua vez, e sem lei
para nsso, celebre, A forqa, os cisamentos das
I pessoas, qpi vivem em manecbia, pois tanto im-
plicaria essa espocie de amnistia, come Ihe chama
o collegA.
Se os casamontos sAo legaes corni temos a cer-
teza, o miulstro que confasse o seia orro, decla--
raudo de nenhum effeit.) o seu aviso; se nuo hou-
ye casamentos, naio sera' o g.)vorno a entidaidc
moral competunte pars agora on dreretar.
Do tudo isto p deanos concluir urea cousa : e
que e aa tal maateria ha mnit) a fazer. c quo care-
cerms, quante antes, decretar o casamento civil
obrigatorio pars todes, deixando as ceremonias
religiosas i. voaatcdc ,los nibantes.
Sean essa medids, muitas families continuario
a viver f6ra di p)rotC9eo d-i lei.



t1UiSTA DIARIA


sergipe e Alagoas -0 vapor bahiano Ca-
ravellas, entrado hontemn, trouxe folhas de Sergipe
;at 17 do janeire, e de Alagoas at6 3 de feve-
reire.
As folhas de Sergipe nada referee digno de
nota.
As noticias da capital das Alagoas szo tamn-
bemn destituidas de interense.
Escreveram do Riacho do SertAo ao Traba-
lho, de Pao de Assucar:
SO ericmonnoso caminpeiam inpnuanmeate.
SNo dia 21 de dezembro ultimo, Is 7 horas da
noite, houve unm couflieto entire os crinmiiosos An-
tonio Valente, Tibartino Medeiros e umn outro, e
acodindo Luiz Medeiros em socorro de seu irmlo
Taburtino. aconteceu quie Antonio Valente descar-
regou-lhe uni punhal de que se achava premunido.
ferindlo-o gravemente.
a Outros ecriainosos, "unigos do o,.nidido, to-
ianado A sua conta Antonio Valente derawm-lle 4
tremendas faccatlas, nI. morrendo doellas logo ;
porque pessoa?' da familiar Medeiros pedia que nao
o auabassem de matar; sen to porem, conduzido o
tal Valente e mettido eai umn tronco,ahi succumbio
depoias de receber um tiro de espingarda, que di-
zem ter sido deacsarregaido p)r Tirburtino.
c Se o governor nao tomnar series providoncias,
vamos mal e inuit) anal.
Lemos na meusias tolha de 17 de jaaeiro :
0 Regressou de sun viagem ao alto S. Francisco
o nesse digw':' patricio Sr. Joaquim Alves Car-
neiro.
SMo o tralbldhaJdr a today prova, o Sr. Carnei-
ro vencendo ditfeculdades bern aerias, transportou
duts canoes grande pela ferro via de Paulo Af-
funso e coan today ta elieid:ade percorreu tresentas
e tantas leguas, ri, a cima, entrauhiando-se p it
provineia de Minuas OGer.es.
SFoi o Sr. CGrueiro umn dun primeiros que es
treou a navega,,'o de cauoas a vellas no alto S.
Francisco, pelo qux recebeu mavifestaqes inuitj
jubilosas daquelled habitantes, a sua matior p)arte,
trataveis e huspitaleiros.
0 systems da: nossa navegaao prupagada no
alto 8. Franeisco pelo Sr. Carneiro o outros, tern
sido motivo de grande contentamento para aqul-
ies 'povoa, vendo o lindo panorama que oftoree as
n aossaa canoas eom vellas soltas, systems mait,>
different da p3nosa navegaqlo de grosseiras bar-
cas empuradas a vara&,.
yNUi4 W amo. Abn-
Sram se no diA 3tCtowrrentetas aiasdosteesta-
Sbelecimento de itstruelt, publicsa eoin a soleani-
dade do eosttumeia, Ttc'andase ipryeafteso Exms.
Sbilp, dioeesano c- tpesitte sip roviacia e outraS
pesosadaasit ^ ^i 1 -10
Fezo -oilanaosw dartuns ^eumo-Dr. lea-


Al -'rm ~in A l*.6
Am, dn o ie-tg u ai e.Iso.Mfteyer, to
- Antonio Tavares deCarvalho e Si va.
SAn ito a h rveaolde Araujo.
D a Aesmnino Tavrxes de Meleio.
a Bernardino Jose6 MartinU Maia.
Cicereo Martins Pesseoa.
(Celso Columbbuea da Cota Cirne.
Lista supplementar :
Cincinato Cmnboim Mendonca Vaseonoellos.
. Carlot Moreir&"t,.
SDionisio CavastU Maia.
* -oaw Urbano Figueiredo de Melk.
qenes deo m id Permaanwbueo. a
h D No^es Bsrret. '&
Diogo &aarea Gttbrl do Mello, :
Faste Fa-w ire de Carvalho Piwuiredo.
Franisco Maiado Teixeira Ciavalcante Sobri
SFraneisco de Salles da Silva Brags.
Francisco Emilio de Audrade. -
Francisco-is AibaqiuWM NieOW.

NA10o ed b do h A*A t some, oeto
o hamados a nomieiji p"Ubsdos no Ditoa e
-Saito chamados 14q e S~inc
A iai oi ii Sd aretA Ale
t6igio de Miranda Castro.'1
our Bellisardo Freire Mariz.*.
Athur M. Preiries aw a ilva.f
Sde Mersa sraento.t'
Areautio C. de Uiwdonga Vas.eftello3.
Aurato-OAmw~e~xia~bioi A*A

BeNl Elfeute o de Sousa Oa9ta,.*
Oydido Affonso da Silveira.-.
ista sUpplementatr :
Carlos Arthuar. da Silva LeitAo.j
Cl1os Moreira Reis.-#.
Carlos Nages Ferreira CoimbraT ,
Carlos Columbiano da Costa Cirue.
Chriatiano F. Martins Ribeirom
Chnrivio de Holanda Cavaleante Uchoa.'j
Cicero Martians Pesoa.
Cla%ipo Gones Correia de Oliveia.$
DeocleeitAno Aegusto Lobo.r
Eduardo Eugeniano Dantas Barroca.f
Estvlkavaleapte de. 84 e Albuaqnerque.4
Seraoeo hmadoa" hojeem Arithmetica
Alberto Casteilo ,uieo.
Antonio Fernandes de Albuquerque.
Antonio Marques da Costa Ribeiro.
Agostinho Jose dos Santos Junior.
Arthur Octaviano da Silva Ramos.
Antonio Vieente de Magulbhes Filho.
Antonio Luiz Gonqalves de Castro Masearenhas
Arthur Eugeni, Dantas Barroea.
Bemvindo Teixeira Lins de Barros Santos.
Belmiro Antonio de Oliveira Roatrfol.
Bian r de Oliveira.
Carlos Lopes Fernanides.
Supplentes
Carlos Dantas Bastos.
Daciano Carneiro Linr de Albuquerque.
Diogo Soares Vabral de Mello.
Estanislau Cardoso.
Elpidio Barbalho Uchlda Cavalcante.
Epitanio Line Caldas.
Eduardo de Aquino Fonseca.
Elisio Amancio Go mes de Mello.
Francisco Paes Barreto Lamenha Line.
Fran'isco Lucio de Oliveira Lopes.
Fernando Pedro da Neves.
Francelino da Silva Machado.
Um equivoco-Na noticia que honten de-
mos sobre a cxposicAo provincial, escapou um equi-
voco, que danimo-nos press em corrigir.
0 Sr. Dr. Pedro Correia de Araujo, no dicurso
que proferio, nio. fez mensilo da Revue SAd Ame -
caine, de Pariz, pois que este journal sabidanente
6 desaffecto do Brazil; referio-se o Dr. Correia
aos periodicos Le Brezil, Le Courrier Intemacdo-
nal e La Revue dai Monde Latin, que nnquella
grande cidade teem tornado A peito a defeca dos
intereeses brasileiros.
Ananivereario Amanbah 6 o aneivifsario
da coroaeAo de D. Joao VI no Rio de Janeito, e o
da annistia dos revoltosos de Pernambuco.
Walleeimento-Falleceu ante-huntetn e fgi
Itoutent jepaltaci, emi 4andat o tent.e aya~
fnia de Arau|o, seretaro aposentado da0inara
Municipal daquella cidade, vereador da ineama
Camara, e official reformadco da guard national.
Era um homem estimavel, e pulitieo firmse sin
cere, era cujo caracter preston bona servigos ao
partado consejrvador.
Nosnos penames A sua familia, e especialnente
aos seus dignos irm.o e primo, o vigario Guarita,
cunego Dr. Luiz Francieco de Araujo.
Ave Libertas -A esta sociecade for-m of-
fertados ua seguintes quartos de bilhetes da lote
ria 101, da provincas: 1986 pelo commendador
Rodrigues de Souza, 91 pelo coronel Fiuza, 1991
pelo Sr. Pires, 1721 pelo Sr. Santos Porto, 2240
pelo Sr. Noguei'a Lima.
Expoaieo de PerMnambueo-A As-
sociniao Conamercial Beneficente recebeu hontem
csta communicacio :
Palacio da Presidenia de Pernambuco, 3 de \


fevereiro de 1885.--3' seeqdo.-S. Exe. o Sr. min's
tro da agriculture, commercio e obras publicas,
em telegramma de hontem manda significar a es-
3a associagao a Eua congratulacto e agradecimen-
tos pele assigualado service por ella prestado a
causa do progress do paiz, inaugurando-a expo-
sioo preparatoria de Antuerpia nests cidade.
Deus guard a Vs. Ss.-AVisto de Souza Ledo.-
Illms. Srs. meunbros da Associagao Commercial Be-
n-ficente. a
Conselheiro Diogo Velho Ao bordo
do paquete Senegal, vait de viagem para a corte o
Sr. eonsehlciro DiMgo Velho Cavascanto de Albu-
querque senator do imperio, que volta da Europa.
Medico illustre Tambem regressa da
Europa pars a Bahia, ao bordo do referido paique
te, o Sr-. Dr. Virgilio Climaco Dainazio, lente da
Ficuldade du Medieina d'aquella cidade.
Juizo docieamm ercio-O S Dr. juiz do
commercio d( spa ha todos os aias, das 10 horas
em diaate em casa de sui, residencia ou na sala
d;as audiencias publioas.
Le-Srell-Pelo paqueti francez S'enegal re-
cebemos houtem o n. 81, de 7 de janeiro, do Le-
Bresil, que tern por suanmario :
Notre einqeieme annie. L'Ouverture des ports
brheiliens. NosInformations. Le-Guide de l mi-
grant pour le Brdsil. Notice sur quelq'aes colonies
de la province de ParanA. Chronique parisienne.
Ad.-Desprez. Nowuvelles des provinces. La Pro-
pagande du cafe. Le Calendi-ierdu Co',rrierfran-
qais. Lettre do Cayenne. Revue financi6re. La Co-
te de quelqu,-s emprumts ;ila B mrsa de Loadres.
ComFagaite gcn6rale de Chemimns de fer brMiliens.
Nuveau Papier pour billets de Banque. L'i Cal-
tare du afe em Itailic. Les Mines du district
d'Ouar Preto. M nivenmeit maritime. Departs de
Paquebots. Annonees, etc.
Rovisitac de Medicina-Veio-lios lhontemrn
pelo Senegal o n. 110 do 5 de janeiro, da lRevista
de A:edecina, de Pariz, coin este sumnimario :
1. Acadeinia de mnedecina de Pariz.-SessLs de
23 e 30 de dozembro de 1884.
2. Soeieda Ie de cirurgia do Pariz.-Scssues de
3, 10, 17 e 24 de dezembro de 1884.
3. Soeiedado media dos hospitaes.-Sessses de
28 de nove'nbro e 12 de dezembro de 1884.
4. Sociedada de biologia -Sessio de 6 de de-
zembro de 1884.
5. Therapeutiea.-Iucomnpatibilidades mendica-
mentosas.
6. Pathologia interna.-Consideraces sobre a
lhiitoria e a geographia da febre amnarella, pelo
Dr. BWrenger-F6raud (continuado do mm. 109.)
7. Instrumentos e apparelhos.-Galvano cauto-
rio corn accumuladores, pelo Dr. Julio Ch&ro,
doutor em sciencian, medico do hospital S. Laa-
l -Bo nraatn, a .. a .. ... .. I +s*..i ,
I8.+ -Rofad ,/.nlM+n Parw.tt/aggtl18a\


^E__)j#PwqLM* -Ago%, ttP W eb U Eatwera gla-is
Pr i. rnq,... .. B- salad do Bsnw) do hPe rpi nPodrwAof, r uer do

vapor hwfatih O a Qsruuea trou- 82 lualheres, 21 homan, e 19 pratnca
eftmi a Carmn o&,C.-2MA00 am no-**tal PedrolU nodia 81 do mee find, as
0 vapor namiomal BaAia levou para: aguintes:
8.i,8, 8100OM 1 Pelo Dr. Maliquias.
U9 'e Jaeiro 4:0fWO Amlptoao da exa direiti no 31 inferior pelo
-0 "Mwl e -.0 tram da fervo-viw do Bec t nmethodo a dons retalhos reelamada por ferimento
(uxaNaAa no 8Apir pel Unih incipalP ra Api- de arms de fogo na perna.
pI 6dhd i d 52oV ur u Tama. Amputa o doasntebrago esquerdo no 30 infe
raege 91/2 h ora anote-a um indi- rior pelo method a dous retalhos reclamada por
viduAa de omM Antonio Josuiiai Lamietha Line, ferimento de arms de Ibgo na mo.
~ j~or~s. IDua 4
40 iifiu. quidWigia mdua eataa com noveis, Pelo Dr. Wlaquis :
deavioue mal do treb, e foi po le apmnhado, Uretbrotomia intense pelo process de Maison-
wdebdwttlsbdo' neuve, reelamada per estreitamento da urethra.
oi ot edlmdo pot ". loto Maior, e depois Extirpao deo un tumor fibroso da mama di
coadusido para o Hospital Pedro II, onde falleceu reita.
meia hora depois da eatrada. Pelo Dr. Berardo:
Paamento. -Victima de urma febre billio- Pupilla artificial reclamada por mancha da cor-
Ba htleeett aite-lontem, e foi hontem sepultado,lo nea.



A191i0a"0a de Per&amablco-Damos em segukiaa o mappa demonstrative do rendimento
da Alandega de Pernambuco no mez de janeiro de 1885, comparado corn o de igual mez do anno
de 1884.


DF4OMINAQ1O DAS BENDAs



Importunao
IDireitos deo consumo .
Addcionaes de 50 %/ .
Augmento de 10%.
I Expediente do 5%.
'krmazenagem .
Capatazias .
Imposto de 40 /% sobre fume.
i Despacho maritime
Imposto de pharoes.....
Dito de d6cas .
Exportagao

Direitos de 9 /......
Idem de 7 %/. ......
Idem de 50/0. .
Interior

Se1o por verbas. .
Dito adhesive .
Imposto de transmissao de 5 O/o

Extraordinaria


Multas


Somma.


1885


407:0034781
203:4574429
40:6914485
4:5504200
8:1204287
2:8924756
904240


6:2804000
1:2134500


6:0405411





1:35550001
5


615A569
791:4554598


1884


=1Para mais


668:0994632
333:7695385
66:753J049
3:660,216
16:926A835
4:3074747
2254900


6:7404000
1:5604510


3:832A613
434129
164:165A271


84A800
2:6144000
2224750


1:3474596
1.274:353,433


D[FFERENgAS


Para menos


4
4
4
889,984
A
4
4

4

A



2:2074798
5






A


3:0974782


A A man: 0 -.... **' :i ++
,a dWdepo lm d kn
A~mbiA: _1 .
wes homs n l
A's 7 hor8 as Ijreja da' ta~ita s, o atj
de Joae Gonoaves Penna. d 0 4
Pwsa~efrWN-Uhega.es dIos pos'^o. o a lj
no vapor pacional Carave : .la
Joao de Araujo Lim; Miguel ThosaB Aqs ,
Lopes de Araujo e Antouio'atmb6, j nftneiaa
Jos6 dos Santos, David de Almeida, Dotiag
Henrique Mafra, J. H. Gauss e Felix Pertira de.
Souza. i
Sahidos parsao sul no vapor naiomud Ba:t&:
Jose6 Affonso B. da Silva, Dr. Luias C. Line w .
Wanderley, Dr. Sigismundo A. Gonvalys. s*sa-
nhora e 6 filboes, Dr.Jbaqrim'T; de M etBwrret ,o *
D. Cesaria C. N. de Gusmmo e 2 criades, i r. D i=
Lopes P. da Costa, Alfredo V. de Soza, Candid*
Ferreira Franco, Dr. krminio C. T. dos Santos,
Dr. Gaspar de Drummond, Dr. Barcinio Paos
Barreto, sua senhora e 1 criado, Sebastilo Leao,
Antonio da Silva Ramos, Firmino C. de Figuei-
redo, Dr. Evangelino de Vasconcellos Costa e 2 fi-
I hoa, Victorino Paula Ramos, Dr. Jose Marianne
Carneiro da Cunha, sua senhora, sua sogra, 3 fi-
Ihos e 1 sobnnho, Dr. Manoel Dantas C. de Goes,
Dr. Albino Meira, Claudia'o Luia Pina, Igniacio
Beltrao, eugenheiro Joto M. Portella, Manoel
Leilo, Alexandrino M. Ferreira, Joio Sinithd, Au-
ria de Araujo, A. Failone, 8 criados e 2 cscrvos.
Loterla da provlnelsa d iie
de Janelre: = Eis os nutneros mais
premniados na 1P parte da 99a loteria (350 A)
das casas de caridade, extrahida em 24 de
janeiro find:


I___ NUMEROUS DOS PREMIOS


261:09541851
130:3114956
26:061564
4
8:806A548
1:4144991
1350660


4604000
3474010



434129
55:0204331


844800
1:2594000
2224750


7324027
485:9955617


RECAPITULA91o
[moortaAo 666:806S178 1.093:742,4764 i 426:9364586
Despacho maritime. 7:493,.5, 8:300 510 4 8074010
ExportaAo. . 115:185A3511 168:041013 52:8554662
Interior ..... .I 1:355O000 2:9214550 4 1:5664550
Extraordinaria 6150569 1:347596 7324027
Total .. 791:455A598 1.274:353A433 482:897$835

2.a seeao da Alfandega de Pernambuco, 3 de fevereiro de 1885. -0 chete, DOmngos Joaquim da
Fonseca.-O escripturario, Odilon Goelho da Silva.


Beserros. -- Escrevem-nos em 1 do cor- Do Rio de Janeiro-Diario Official, Paiz, Apes-
rente : tolo, Diario do Brasil e V'atria.
Aqui chegou, no dia 28 do proximo findo mnez De Sergipe- oz do Povo, Gazeta de Aracaju,
de janeiro, o Rvd. frei Venancio, digno preteito do Guarany e Jamral de Sergipe.
convento de Nossal Senhora da Penha do Recife, Da S. Paulo- 'ustica e Imprensa Evangelica.
em missao especial, para cuidar do levantamento Do Ceani-Cearene e Constituigao.
pZiei. 4 pwaDmiaa, 2.0 ditriato d'eeta ei-1 -P Min" C-titir l a.
dade de Bazerros. Do Espirito -Santo-Cachoeirano.
-. Em obra, ha tanto tempo reclamada quer Do Rio Grande do Sul-Federagdo.
pela religiAo, quer pela hygiene, afigurava-se aos De Santa Catharina-Verdade.
moradores de t amossim umrn quasi irmapossivel, visto Do Piauhy-Semanario.
como, nio obstaate terem elles preparados ceres Do Rio Grande do Norte-Correio do Natal.
de 10:000 tijollos e terem a melhor disposicao d'a- Pelo Dr. Leopoldo Marinho de Paula Li --A
nimo para leval-a A cabo, nio podiam encontrar Lente-journal publicado no Rio Grande do Sun.
quem a sua testa se p0aesse e desse-lhe o impulse Pelo Sr. Heurique Pritchard A Offrenda de
necessario. Ouro, vol. 3 n. 1.
SReclamado o auxilio dos religiosos capuchi- Pelo Dr. Francisco Justiuiano Cezar Jaeobina
nhos, que deedsde maito se haviam compromettido A -o Cacique, journal de Sergipe.
executal-a, logo que as circumstancias o permittis Em seguida foram propostos e approvmIdos so-
sem, nio se demorou o digne frei Venancio em cios benafeitores os Illms. Srs. Dr, Albano A. Bar-
aeaudir ao reclamo, e de facto, como flea dito, aqui reiros de Oliveira e Arthur Saner.
chegou no dia 28 de janeiro, sendo recebido A Levantou-se a sesaeo A 1 hora da tarde.
grande distancia por muita gente Avida de ouvir- Rewista llualtrada.-R- cebemos da cor.
Ihe a palavra inspirada e contribuir corn o seu con- te o n. 400 deste semanario illustrado.
tingente de estorgea para a referida obra. Wincelanea -Urma noite Frederico o Gran-
S No mesmo dia o Rvdo frei Venancio abrio a de achava-se no theatre da Opera, na Prussia,
Santa missile, celebrando o incruento sacrificio da quando se annunciou ao public a mudanga de es.
missa e fazendo um discurso, que soergueu os brios pectaculo por star rouca a prima-dona.
do povo, animou-o na send do trabalho, e edifi- 0 rei philosophy chamou um dos seus ajudantes
cou-lhe o espirito pela uniaog do seu verbo e'o- e disse-lhe algumas palavras em voz baixa.
quente. A diva eatava tranquillamente recostada ao fo-
h Immediatamente foram incetad)s us trabalhos gieo, regosijando-se interiormente da peoa que aca-
do cemitermo, send escavadas as covas para os baya de pregar ao rei, quando de repeute s u lhe
alicerces do miure que deve cereal-c, e ncsse traba- apresentou umn official seguido por quatro drag5es.
Iho tAnnaram part muitos, grande numero do pes- Menina, el-rei encarrega-mnx de voas condu-
soas de amboa os sexes e do todas as idades, cada zir ao hospital military atd que se cure a vossa
qual se incumbindo do nmyster que lIhe permittiam constpamao.
as toruas. E seam esperar resposta, fez umn signal sos dra-
,, No dia 31 estavam abertas as covas em gran- goes, que a conduziram a unsa carruagem, que es-
de extensAo e dispostos o0 materaes da construe- perava A ports.
Vito para ser este logo comegado, c bhoje o digno Para o hospital military, ordenou o official.
frei Venancio, no meio de numerosissimo concurso E a carriage patio iminmediatamente. A peu-
do fieis, benseu a pedra fundamental da obra e cos passes, porem, a cantora gritou :
assent-)m-a no local proprio, sendo o aeto muito Esperai! Creio que estou nelhor.
testejado e applaudido. El-rei deseja que vos acheis completamente
a A obra do cemiterio, dentro em pouco, e gra- boa, ou que canteis o vosso papel esta noite mes-
nas aos prodigies que sab e fazer o povoe quando m 0.
animado pelo exemplo do seu guia spiritual, seri Tental o hei.
uma explendida realidade, e ficaraoa satiafeitisioues Pars o theatre ordenou o official ao co-
os moradores do Camnossim de Bezerros. ch eiro.
0 Rvd. frei Venancio, sem embargo do long A diva vestio-se a today p press, e dispunha-se
tempo que despetad corn a direegAlo da obra, e a entraur em seen, quando o official lhe disse ao
Ha- obtante achar se, sen adjuctoria do paro- ouvido:
cho local ou dos visinhos, que nenhum aqui se achi Tende cuidado, priacipalmente, em cautar
t-m frequentado, com muito proveito pars a reli- bemrn Tenho umrn dragio a eada uma daas portase
giao, a cadeira da verdade, missionando, celebran da sahida, e, a menorffia queo derdes, teem ordem
do miss, confessando, baptisando, casando, etc., de vos conduzir ao hospital military.
etc. Conm esta receita a rouqui.dito desappareceu
JA sobem a avultado numero es baptisados, completamente, e nunca a artist cantou melhor
confissoes e casamentos celebrados pr elle, e se do qu nessa noteigentes empre.arios pule-
infatiganvel zello n" diminue. So os noneos intelligence emprerarias pules-
SPosteriormente Ihe darci noticia circumstan- sem ,is vezes appiicar a receita d- Frederico da
ciada de tudo quanto occorrer. Prussia, nie teariam p ssado par certAs decepV;es.
Estranhavam em presenas de d'Alembert
iablinete de4lSlfmt I8araaMueuRme que as ecantorasraraa4 veses enriquecessem. quan
Funccionou este gabincte em sessie ordinaria, do quasi naoi ha dansarina, quc neao disponha de
ao dia 2 do onrrnte, mob a presidencia do Rvdm. cabedaes.
vigario Floriaon dr Queiroz Coutinho. presents 0 geometra responded :
11 socios : De que se admiram ? Isso urma couse-
0 Dr.1 secretario leu o seguitte expedient : queacia necesaria das leis do movimento.
Officio do Exm. Sr. Dr. Sanclo de Barros Pi- LeP6c--Effectuar-se-bao :
mentel. dechtrando aceitar reconhecido o titulo de Hoje :
secio b)enfetter : Pete agente Pestamna, mis It horas, no largo do
OfficiodoLilma Sr. Henrique Pritchard, accu- Corpo Sauto n. 2, do pavilhIo maritime ahisito.
sand a remese de um livro, contend 2 volumes t do agent Martins, As 11 horans, no 2' audar I
ca-Offrenda de Ouro. rua Duque de Caxias n. 61, de moves.
Apreaent)u aiada o Dr. 1 secretario a seguin- Pelo prepoto do agent Burlamaqui, is 11 huras
te lists de livros, joraas e mais objects, recebi- na run- do Implrador n. 22, de umrn sobrado.
dos no mez de jaoeiroproximo findo. Pelo agent Carmo e Silva, ia 11 horas, a tra-
Pelo socia belafeitor, Dr. LeAopoldo Marinho de vessa do Corpo Santo n. 27, de predios.
Paula LiAnm: ,0 gto de hoa-do, por Ernesto Ca Pelo agente GwUmo, Ams 11 horas, a rus da Ba-
pendn. vaB. eu ,; A familia, per Paulo Janet, rio do Triumpho n. 84, de moves; em continuagao
1 vol. ec."; S ian (pai rPa) 1 vol. enc. no armiaaem Ado ,r. Anues d e bars de toueinho.
Polo socio beaofeitor Joaquim Drummond: Die- Amanw:
cionao Po p Iep Otp Piuheiro Chagas, 4 grossos Pl 9oagte Brito, as 11 horas, na run do Li-
volumwt Pvramento n. 21, de un sobrade.
PelwsSMs.,Cr& y C., 3 importantes folhi- Po.Peto(Wee Pinto,a 101/2 horas, i rua do Hes-
uha, ,s pRoie n. 3, de moves, louenase chrystaes.
polo. G A j.-aCaaha, &-C. ma folhinha Peo agnt A/fredo Gimardes, is 11 horas, na
f1^-+daMA fhn do-Ba'Bow Ja. n. 51, de; fumoeom rolos.
i P Sn.'R msuian & Guimariles : diver- Pelo agente Guamo, an 11 horas. A rua doBorn
lAr2'a iii i i ditadaiii emf n s awrkdi- Jesus It. -'1 -d&Ieno.
"ia' t'elo 'astesramo e Silha, as 11 ihca.-?, ua tra-
|s : vesa do Cowpo Santo a. 27, de models, louaa,+etc
Ji~wnaiiggeiggaujs^ J Fda ei!iudaJ,^ 11 hora,, ;,;ina da

-+.- + + Bom Jesus n. 51, de touciaho e cof-'s.


DE 20:0004 A 1:0006


,6013 20:000#000
6923 10:000#000
6116 4:0006000
4600 2:00.000000
2861 2:0006000
2578 1:000#000
2820 1:000#000
3(662 ... ..... 1:0004009
3705 ... .. 1:000#000
3961 .. 1:000460u0
6012 Appr. 1:0006000
6014 Appr .... 1:0006000
NUMEROUS DOS PREMIOS DE U500000
142 1886 13854 6922 Appr.
444 2009 4655 6924 Appr.
553 2391 5949
858 2535 6005
1847 3063 6120
NUMEROUS DOS PREMIOS DE 2006000


61
523
600
696
748


1260
1608
1669
1691
1859


1910
1932
2402
2639
3113


3522
3953
3973
4507
4658


4673
4827
5032
5136
5359


5455
6343
6579
6713
6763


NUMEROUS DOS PREMIOS DE 100#000

92 924 1772 3649 5097 6128
222 973 1878 3879 5237 6607
353 1370 2036 3881 5244 6616
462 1452 2073 3949 5311 6846
533 1512 2319 4355 5445 6963
554 1525 2747 4626 o606
559 1559 3474 4763 5917
598 1633 3571 5083 6082
NUMEROUS DOS PREMIOS DE 404000


34
55
205
281
384
458
478
552
569
608
816
831
847
1113
1136
1153
1163


1178
1285
1324
1326
1379
1104
1529
1552
1862
2246
2258
2270
2343
2361
2381
2441
2636


2723
2776
2826
2852
2869
3090
3158
3165
3269
3573
3620
3622
3636
3690
3717
3740
3790


3836
3847
3864
3885
3928
-3032
3966
4084
4163
4234
4332
4378
4425
4434
4439
4589
4826


4873
4999
5060
5230
5291
5300
5305
5342
5418
5447
5525
5644
565.3
5784
5804
6039
6017


6072
6086
6187
6354
6396
6417
6446
6483
6501
6505
6646
6736
6836
6893
6915


Loteria da provlncla Hoje, 5 de
fevereiro, se extrahirA a loteria n. 104, em ben-
ficio da matriz de Santo AntAo, pelo novo plana3
approvado, no consistorio da igreja de Nossa Se-
nhora daConceigio dos Militares, onde se achari
expostas as urnasa e as espheras arrumadas em
ordemn numeric a aprecia*io do public.
Loteria do CearA-Esta loteria serA ex-
trahida no dia 14 de fevcreiro proximo vindou -
ro.
O rest dos bilhetes na Casa da Fortunia, rua
1 do Marno n. 23.
Loateria Extraordinaria do WYi-
ranga-Esta loteria, cujo maior premio e de
100:0004000, sera extrahida impreterivelhnente no
dia 5 de marno proximo vindouro.
Bilhetes A venda na Cana da Fortun'a m. ruP I*
ie Margo n. 23.
Loterla da Bllahia-Esta loterk.a, cujo pri-
mio grande 6 100:000;000, consta quo corre iLa-
preterivelmente ne dia 10 do fevereiro proximo
vindouro.
Bilhetes a veuda na Casa Feliz A pra-;a da Ia-
dependencia ns. 37 e 39.
Grande loteria de Nitlieroy-Esta lI-
teria, cujo premio grande e de 400:000000, sera
extrahida no dia 11 de abirl proximo vindouro.
Bilhetes A -'eada na Casa da Fortuna, A rua la
le Marco n. 23.
A6raude Ioletria da core -Eats -graundy
moteria, cujo preraio grande 6 de 500:0004000,
ser r extrahida revemente.
Os bilhetenacham-s'- tA vends na Caaa Feliz, A
'prae. da Independencia vs. 37 e 39.
3a grlande lateria da corte de......
DOOl^ooo4OO-Com novo plano muito van-
tajoso.
Oa bilhetes acham-.se A veida A Casa da For-
tuna .1 ru:.a do Crespo ne. 23. v- bilhi-s data late-
Loteria de a0:000000 A lut-'ria 171
sirie B. do Rio de Janeiro, cujo pl;,ai) foi inui-
to melhorado, corre no dia 7 tie fever'iro.
Bilihotes a venda na Casa Feliz A>rau, da aia-
dependeacia -a. 37 e 39.
Loterta-A den. 171 B, d-, Ri.. ite Janearo
cm.' 30:000,000 sera- extrahlida no dia 7 de feverci-
re.
Os bilhetes acham-sc A vendas na '.-sa da Fur-
ttuna i run do Crespo n. 23.
Mercaado lla UIO li de U. 4.. 0
movimnento deste estabelecimento DO dia 3 de
fevereirofol o seguinte:
Entaram pati seracm veudidioe : 3 *oia, pesau-
flo 4,673 kilos.
No mesmo dia entrirman para omesmc es-
tcabelecimento:
Peixe, 109 kilos.
Parinha, milho e feijao, 31) camrgas
Fructas diverzas, :31 ditas.
Suinos, 4
Carneiros, 5.
Pregos doe dias:
Came verde a 720, 48 e 40') r-:a c &io.
Suino a 600 rAim o kilo.
Caneiro a 14 idea.
;'arinha dlt 00, 400, at6 280 rka a cuin
Milho de 480, a 320 r6is a cuia.
Feijao de 800, e 500 rs. ideT
SForam occupados:
40 talhosa de oeae-, lude
18 ditoam deai-o51.
10 ditos de fressuas.o
3b coaArtifista s de farnha as eowidoian
70 idea delagu se- .
++i eSw er'hIdo- rreudnalaa:teste alt a a ianp^ n
t eiSde 16412 + 4**.




















i do : bon 345, oents 14


u &tina Antonio Pereira.
see vioeto dos Santos.
AMAMoa JQ96 d& Ar"uo

Elas Coelho da Silva.
Feliabino, ecravo de D. Herculina.
Antoio Felix da Silva.
Manoel Muniz Falco.
Ceo llerlo I'Pablce.-t)bituario do din 31
de janeiro:
Antonio Jos6 Pereira da Silva, Portugal, 22 an-
nos, solteiro, Santo Antonio; febre beliosa.
Odilon, Pernambuco, 18 mezes, S. Jos6; eclanp-
sia.
--1--
Luiza Rufina Cardozo de Magalhbes, Pernam-
buco, 30 annos, solteira, S. Jos6,hemorrhagia puer
peraL
Thomaz, Pernambuco, 4 annos, S. Jos6, hemor-
hjagia umbelical.
Um recenascido.
Poneiano (eseravo), Pernambuco, 23 annos, sol-
teiro, Recife; encephalite.
Luiz, Bahia, 65 annos, solteiro, Boa Vista; he-
morrhagia cerebral.
Um pela caridade.
-2-
Alfredo, Pernambu-o, 18 mezes, Boa Vista;
diarrhea.
Lourengo Scares, Pernambuco, 35 annos, soltei-
ro, Recite; bronchite.
Sebastianua Salom6 de Faria, 20 annos, solteira,
Graga; tuberculo pulmonar.
Francisco Casciano Bispo, Macei6, 54 annos'
viuvo, Boa Vista; tuberculos pulmonares.
Jobo, Pernambuco, 4 annos, Boa Vista ; inani
Tao.


Jose, recemnascido.
Maria, recemnascida.
J. Maria da Conceicao, Pernambueo,
solteiro S. Jose; bexigas.
Seis pela caridade.


26 annos,


PERINAMBCO

Associa o Commercial Bene.

neficentle
Srs. da Associacio Commercial Beneficente !-
A Associacao dos Funccionarios Publicos Provin-
ciaes de Pernainmb'ico, nao podendo de f6rma algu-
ma deixar de qcceder ao honroso convie que lihe
S enviaste, manda que eu a represent em tao so-
S lemne moment; confesso-vos senhores, que e
grande o mcu einb.iraco nesta occasiao, a magni-
S ficeneia da vossa festa, deslumnbra-me, e cu quizc-
ra possuir o precise talent c illustraqiio para po
der bem dcsempenhar-me do encargo quoe me foi
confiado e satisfazer completamente a vos3acx-
pectativa.
Infelizmente 6-me isto vedado, pela complete
ausencia de recursos quie me Ihabilitem a tno gran-
de commettimento; razio pela qual cirgir-me-hei
apenas a dirigir-vos alg';minas palavras cm nome
da Associacio que oprcsento. e pedir-vos quI, s*
por acaso nao conseguirem (elias cahir no vosso
,grado, n.o vos queixeis de inim, inas sim d'u-
quelleq que aqui me mandaramin.
E' por demais sublime o -notivo que lhoje aqui
nos eongrega, 6 digna de todo o applause a ini-
ciativa que tomastc na promoglo da fiesta que ne.
te memento assistimos
0 dia 1.0 de fevereiro de !885 serA de imnnotre
doura memorial para a provincia de Pernamnbuco,
porque Ihe rccordarA a data cm qne pela primeira
vez a digra dircctoria da AssociacIo Cimmercia!
Bencficcnte, conscia da sua a.ta missio expoz a.-
vistas dos seus comprovinciaiinus os products qum.
mais tarde devem figurar nAi exposiVao estrauge i
ra e quie corn certeza nos darA m lugniar de lionrL
na senda do progress !
E havera, senhores, coraeao que n-uo pulse de.
cuthusiasmo, ao ver realisada tao louvavel id6&i ? !
HaverA quern se conserve indifferente, ant! o
pass gigautesco, quo acaba de dar csta heroica
provincia ? e do irinftirno (I'almna niao vos diri.ja
umn voto de lonvor pelo interesse que mostraste ,;w
reahlsacao desta testa ? !
NAo, senhores, o movimento progressive de umna
provincia, 6 olhado seinpro coin grande intcressv.
ainda memo pelo mais indifferent de seus filhos!
0 pass' que acabii. de dar digao d..i ser imi
tado, e oxanitA que d'ora avante, tenliamos inuitos
desses momentous, que serA umn protest energico,
contraL aquelles que dizein quoe somnnos estacionari's
na estrada do progresso, que a promoiAo de fes
tas come esta, nos incite ao ardor do tr.iballvhi, e
estou eerto que chegaremos ao tempo emin quc pos-
samos viver dos products da nossa industrial, e
tenhamos pouca necessidade de mandar buscar ao
estrangoiro aquillo que na nossa prjvinci.i e de
S grande fertilidade !
Continuai, senhores da Associatao Commercial,
S a fornecer-nos instantes comino estate, que serao scmn-
pre oceasiues d yevos serem tecidos es mais justos
elogies.
E' precise nacionalisar a industrial, 6' precise que
a provincia de Pernambuco, essa filha proscripta
do norte, se ache sempre habilitada a acudir A
chamada do movimento progressive da humanida i
de. r'ara isto, muito tern sido o governo auxiliaido,
pela iniciativa particular, o que demonstra a b-;a
indole doe brazileiros e o amor que votam ao en-
grandeeimento da sua patria.
Eu sou d'aquelles que peasam, que assim comIo
ao governor assisted o dever de trab.lhar pelo prn
gresso do paiz que dirige, ao particular assist.
tambem a cbrigacao de coadjuval-o, n:a realisaauo
de tao grandiosa intenAeo.
Sim, senhores, porque aos povos civilisados, nr,
cumpre. crusar os bragos e esperar que todo o me
Ihoramento Ihe venha do governor, porque este tern
muitas e series questoes a decidir.
S Fclizmente, na provincia de Pernambuco, a ini-
ciativa particular, toern-be sabide collocar n'uma
Saltura digna de louvor; a a exposiao que hoje
abre a Associago Commercial Beneheente, 6 uma
S prova cabal do que acabo de dizer.
Se digno de admiraeao 6 aquelle que emprega o
S seu tempo, alagado em suor, no trabalho do en-
grandecimento da nossa industrial, dignos de elo-
: gic se tornam tambem aquelles quo Ihes sendo su-
Ji perior em intelligencia, procuram incital-os na
continuacao de tao graadiosa tarefa !
I Agora, seinboree, ante. de terminmar. o mandate,
que" aqui eaton exereendo, eu yos peco 11ec.a,
paa render umna verdadeira homenagem fazendo
especial menlo do nome de um distincto caval-1
!il leiro, que a par dos muitos trabalhadores em prol
do nosso progreono, se tern mostrado incansavel
-i'- pelo eongrandecimento industrial desnt provmncia;
fazendo.o eao temo que a maledicencia me taxe
de liso giro, porque nm siquer tenho a honra
de conhecer pesacalmente a peae de quem vou
faar ; o seu nome porem, 6 muito conhecido de
todon quo tomato iatereMe pelo bem estar desta
provinia; eu You lallar do irlm. Sr. oommendador
J Joao Fornaados Lope., denst denodado campelo
| do noano engrandecimento, e dia me a eonscncia
r ton cmprido mn dever do que muito me ufamo;
^ come diane. nao do4min era mir a lisouja, nao


Squemo uinenso A quern mao merece, mam vnem-
haunte aon amuanbobe.deEnlpwtua eurvme rove-
renta ante oon grande homes da miba patria.
vo ttt iuiz .
He Sr. 4 Au.Sjs. (omereial Bgaeieen.
te, qae a provuia d is e naernbco exult. de cdam
teUntamo e vna premnurosa autslir "Omaa fee-
-i g qeaom a mAo im olva amabaes do


,v pN* ate pr ue tale M v ikaie ves-,
as uM period& Muito cribw a ew aouho,; 6 sn-
mmsio deoeavolvr se todms as fonte, de 6ique-
a11, abnr niovos eeatio ode oUazuo, atkwr se a
imdustnriae l-'a aparal-I liw sebia.& pewto-
rmw, e dar n coneser uo.* o ewssundor mtnez;i
doe products, a &o_ boa qualidale e prqooso qua
se consegue vantajouamete por UeW. de expo-
sicoes.
0 cOmm3ttimento que a e ba de promoter a As-
sociaao Commercial Beueficente digno do mais
enthusiastico applause. e. imita*o, pelo que se tor-
na credora da estima e cousideraoio dod pove per-
nambucano.
A Associoaio Communercial Agricolo- po iotler-
medio do sun direccao euvia um aperto de mao
aos membros que comp.n'u.a digur. dihecSo des -
ta Associaqao 6 a patriotic conunissao etcarre
gada de agenciar os produetos. dest-i exposivAo1 e
da qual sa destaca um cidadieo, fervorso athleta
do progress, que, embora estrangeiro, ten. se em-
penhado deveras pelo engrandecimento agikola
desta provincial. HIm. Sr. conunendador Ju1)
Fernandes Lopes.
Per sua vez tambem a direeVAo- Ida Associa,1o
Commercial Agricola se congiatula comvosco polo
proveitos que podem advir a esta provincia d:i
exposi..io que hoje se solemni.a.
Recife, 1 de fevereiro de 1885.
Exm. Sr. president, ineus senhores, Srs. da
Associanibo Commercial B'neficente -Ao Clutb
Dramatico Familiar foi present o honroso eoovi-
to que esta csta digna e illustrada associac.Io di-
rigio para. assistir a piresents sesailo inangurati-va
dos products agricolas e industries desta peo.
vineia, quo devemn figurar em a prosiima exposicao
international de Antuerpia, comno orador d'aque4la
sociedale cumpria-jne o imperioso dever de fazel-
a representar uma vez qio acquiesce grratarmen-
te ao vosso generoso convite e eis asstmr explica-
da a minha present nesta tribune, que certamem-
te para voz seria fastidioso a nao ser um rigoroso
cumprimnento de ever, mesmno porque seria into-
leravel a miniha audacia, tendo side precedido-de
de eloquentes oradures que coa ons atavios .ila r.-
thorica satistizramn |ilcnametute a nossa geral .s-
pectativa, pretender eui o mais obscuro talvez d'en-
tre v6s prender a voss.i prceioaa attenuco coin o
que pass a dizervos; a:nmnai-mne porem corn vussa
gencrosidade c en vos promentto nmao abimzar.
Meus scuhoros. -i or mnais quo se qtueira occul
tar certas verdadis, por mais que se prtenude ap-
parentar urmni L vida risonhlia qluauda sc temn ocuita
mente enlutado o corailo c sempre u-n esrorq'j
vio, 6 seinpre un.i teItativ'i inutil, pois a verda-
dte, pela forca motora que Ihe i peculiar, pelat au-
to-.tade propria quie pussue imeinam-eC irrecuisa-
velmcnut ao espiritoo in- ia desprevcni-o, E' ccr-
taxcntc dolor)so tocar ein chag.is qiuo s:ingraim,
6 d-shumatuo revolver o purmhal na feridla, p rein
as Lircuinsancias me cotugeia; o assuomptJ p-resta-
se e cu tenhu inecessikd-id din, c.u ) oridor do nina
sociedade, qie or- represent, cino li)in 'in p)liti-
co pcla nccczsidade de ser nos tempos aiiorinLej
quc atravessumnos, c fiialvnnte "como bra.-silciro ce
brasileiro periammbuc;n' dlizcer-vos aIgmun:a c nmoa
qus sc preila:t ao astim;npto prinicip-i.tl da present
festa, reinontamndo-me pira isto a u:nai sirrt( dI
acontecimntos qneuo teem deteriinaldoo encrvainen
to on atrphi:t deste culosso giguntesco qu, so
chama coumnercio.
Permitti qia. trala 'it a rcalis-u-.i di prcewite,
quo alias u.-b)ita-iuos cmn demazia u pnj o r.sultal.J
de uinn stupr -inm) cxtfjro d utna d:is in-i3 mvbi'rcs e
uteis ieatituies existentes nesta provitci.i-A-i-
sociaao Comiirci:til B3nmficente-e i1,) co);no a
emsejlueuiiai da bma in irtha, dit prosperi-ale, d1i
actividade e toflicidJale (iu.in; reima eatre o corp
commercial le P`ru.:;ib:ico, dostn infteiiz provii
cia digna por istot de in -iu)r s--te, conu lig.-ir.t-
mente proponho-me a prova-vos.
Sim, mtinIs senhores, nIaa lii qn -in consc-mmeioii
mente querend.) trat:r i i)s tempisJ hoJiernos, da
agricultmia do co:nin-mrcio, di inlustria e las uartms
do noss0 noiz n,'lo sinta deuitro cmi si o cinbatb de
sentiments apI. s o ,ls0ie.idld.i:AntIt ,I d tean,.>c-
tades mnoraies, cada umaa por si digna da min-ixim:
import:mcia c to.lat f-3rirmi-n) ami cminjuet de v.r-
dadcs irrecusaveis. Q icin ia quo prct.-nial, n,!'gir
(lie o iomnicrei-) 6 : alint da s m leiL:tl,.s civilisi
dHas, a:sim coinmo quii- a aigriiulturai 6 iiura ftnito. dc
riquezui, especialmn -ute no Bi';,sIl ? Q cl:n ha la (i-
ouza einprestar o sea iin liff'rentisino A esta tItoas
for-as poderosas qie sc nbra reciprocamente o lp, culigadas eiguem a ctvilisa-
tibo e desima a mincudicidade ?- Ningicmn.-Qufiai
pois nuao lamentutarA so inma so abatt e o.itr-t so
atrophia ? so ellas seopmarn se c am-'inmcs dete-r
minam ainvasAo di anizerim oe n.o teem fore us para
impeimir quo a permcrAo dos bois costumoa do
campo livre ao crime, tondo sobr, ella a primasim.
o latrocinio ? Tambem uinguem.--E' entrtitai -
to este o quadro quo A nomsas vistas so des,.maroli,
6isto o que Jcdsgostosauniute preseneiaino.', 6 est-a
a f-uin:t que tril'iam.,s serm p derm s mnmdir aunte
cipadamnente a altura do despLmnhademro qua so
abre si noss-, pcs, nemn a consequeneia fatal di
ruini' (1ue amei;a desuibar sobre, o ex gignito c Ihmjc
subserviemmte [Pernambuco Cenmfc-so qnuamto u
co'orido dos tactos na tela d:m verd:lde sinti-me
.vestiginoso do Vergonha e que suito c'mOmimn a hat-i
d,1 iudefiumuveis sentimentos quando passe em revista
o mi-mso glorioso p~issado e confront corn o n isa-i
vergonhoso presemite.


PNas grades e pequenas sociedades, nas in;iis
inodestais emprezas n s mnais reeonditos prejectoi,
c fin:lmente em todas a n-wiees a prosperidade, o
engrmudceiunento, o aperfeicoamncuto e t.6 inmesinmo
sa sublniadade 6 o ponto de mira que todos vis-
lumbram, tudo procura rear ou elevar-se, 6 maes-
inm) da ordem natural das cousas a leii do progress
so, entretanto o que vemos se inveotigarmos, s,
memoo desapaixomadamcnte aqu:tdrinhamaos a si-
tuauilo agricoh, industrial e commercial de Per.
nim.nbu-oo? E' deploravel dizel-o, mnas necessa-
rio.
A industrial agoniza do leito do indifferent sin)
caleada pela sola esmagadora dos tacSes dos riches
ignorantes e da sordid;a ambiu,0o. 0 coinmercio
sente-se asplhyfixiado polo apgo ao cstrnngerisinmo
e aniquilade pelo deseredito geral que lavra mcm
todas as camnda sociaes e a agricuitura a grande
agr-icultura cobrio-ag corn osan lrajo. da miseria
e espcra resign?.da que bita a sua ultima hora.
Repito, 6 cruel esta affirmaeAo, porem e necessa-
ria e tanto mais quanto mais nos assists o direi-
to de em nnome destL mesma civilisacgo a que hA
pounce me refer, cm nome de nossas gloriosas tra-
diceges e finalmente em nome de nossos brios pro
fligarmos, protostarmos e defendermos-nos energi-
camente contra a cansa mot6mra de tudo isto. Eu
sou d'aquelles que pensam que se nao pod e ser um
born filho, um born pal e um born esposo sem ser-
se urn bomrn cidado, e aquelles que presam ease
titulo, aquelles qune n renegam a sua pttria,
aquelles que ainda se nao viciaram aos bafejos
das brisas enroplas devem protestar contra a cau-
sa miseravel de enosso aniquilamonto, devem com-
bater corn denodo em defeza desses direitos e so-
bretudo ao consentir que o Brazil seja uma nuli-
dade no banquet do Estrangeiro ou que IA faca
umia figure secundaria.
Honra, pois, a Associacao Commercial, quo as-
sim pensa e executa. Procure o governor de nos-
so paiz collocar-se na altnra que deve, seja bra'-
leiro antes de ser politico, procure corn honestida-
de equilibrar seus orgamentos, nio economist as
migalhas dos que per si sacrificam-se para deepen-
der proctetoramente em futilidades reprovadas,
legisle corn sapiencia e cerque-se de caraeteres il-
lustrados e tudo m ea remediado, as arts prospe-
ru a agriculture tomara a envergr a sua. tu-
nis, o commereio respirara.A e a indutAria se pro-
pagaa, e para que se nio diga que eu fallo com
eparcialidade, almojo que isto se fta comqualquer
d polimic a ilitante p3is ambas podemi e teem
elemeato para o faMseenm.
Po*e, ktmq quo a Ju x da sciecia no tiuba
aind. se mostrado ele.doertm em w owm plagas
oramos felzeS, nespCUo ericos,"aqeaquoate-
tgm somos infelizes, eneonhuoes -
4e estA ento o nomso progreo? Q m razuao de
.er tern tanto palavrae, 60m de entido, que se tem
0 ?
Os nam" bornes en eom-se diariameataom a


vidwkdS .to Wamselas' '
dostao, m Benrs fferrell'ZW5C
conKin de todoW-20 on-prodatto .o1euI1ki-
sempre mal .apreiadae epotoide6es p Pe"" Pe-M*
que se nos impinge, o que. 4vomSs pena1uI,
Pois bem, restatbelea-se e trabhtto e a cenfia-
ga, laja mais gr-tidao, leim queo obriguem meC-
mo trabalho, reaja-se contra a inepeia do govern-.
obrigue-so mesmo a manter-se na sua poaiosi "
tudo sera remediaio, voltaremea ao nosso pr aitli-
vo estaduo de felhcidade e poderemno enta read-
quirir os tros de un povo civdiiado a instidoi
Que samos intelligentes e eapams de srandW
commettimentos dizem os produeto agniola"i e
industries hoje expostos A oA-sa curiosidado, -e
qu3 somos bern intencionados, bonds cidadiaos e
aminmtes de nossa patria attesta o zelo da Asso-
cia-?.o Commercial Benefieente.
Eis o que tinha a dizer-vos. Desculpal a in-
perfeicio de minha linguagemreuaceital i eorw -
da directoria desta associaqeo,.um.ampleo cor-
dial qie vos envia o Club Dramatico ,Faniliar.
Disse.
M. Jo4s de Castro ViUlda,.
Olinda, 1 de fevereiro de 1885.-


.... .0..


8a. 2,45O6c016250


;*Ra correntes
#004 a prazo
|Fpe leon aviso
[ perletras..


Panivo
38S838M 960

1,31G:84*420


.qtu a pagar .
It eo em caucgo e deposit
Piversoa contas .'.. .


1,705:371880
. + 977G0
. 166:256 0
. 584:873490

Rs. 2,456:601i250


- s,:*& o.----
P.mmambuco, 4 de fevereio de 1885.
Henry K: Groy manager.
Pre 1i oo a ki&ufS styn~n nantant-


Minhas senhoras e meus senhores.-Cabe-me X L,. ..
nestc memento dirigir-vos a palavra para ag-ad- v
cer vosso honroso eoncurso tomando parte e abri ,,
lkntando e fesfeta da agriculture, ,do -commerAei m I1 A l01 A wBa tu
eda i nlustria, Ii U t.iALUk A Y U I
Estia, pelo trabalho desta directoria, reunifdo t
os objects que, em breve espago de tempo, pode _c l
ram ser colleccionados para attender ao pedid- d CciiwW
Centro da Layoura, no Rio de Janeiro.. S ob a epigraph e acima, deparamos em oAn 25
TIdo isso 6 poaeo,, eemnduvida;.mas caida u r- do Recife com umarns tirada dirigida aos
de n6s, ajulado intelligentemente -pelos uossos hi rofessoreasprimario s desta provincia, onde oon-
bilissimos e devotados socios os IlIlms. Srs.co W &elo do- Gremio chegou a ponto, de constituir.se
mendador Joiae Fernandes Lupes e Jos6 -Jo o. nmniaeionaio de oboe., apresentundo como .dop.
Amorim Junior, tern empregado os mais -extrem :das taes e taea A venda em easn de G. Zaport
csftrcos em obter -quanta ides observer e que (z C
Associacao Commercial Beneficente de Pernambi ua enmmenda adrede amnjada poderia
co, conseguio, em eumprimento ac honroso convi ozir um parte tao laborieso Onde a conve-
o cucrgo uo Ie e o qu b ~produzir urn parto- tilo labonioso I ends a conve-
e cnergosque he doram c de que aeabo de-fa niencia deo comprar.tal ou qual iro impree' por
lar ,este ou por aqumlle ?
rs objects qne vamos remetter- p-tra o Rio est er il iteresseira ; e sea
Jan -ro, para que d alli sjam eneammhados a. tE t-A bn- visivol a meo nt-esseina;e, scm
psao da Antuerpia. estou cert f;rao reeonhircular t aquino n-
cer que para n6s pernambucamnon mais-agrada c queo ator do circular tern no podemos aquino-
t-ela sn u-ilmu on aizdo uo ossm gand gaeio, por quo do out-rn form. nile podornos aqui-
vel o ser until a seu paiz do que pos3uir grande antur boa f rdesinteresse aboegago oesse ou
riquezats. eases do (h-erio peloo negoeioa: do instrucgio pri-
A directorial, portanto, fatz. votoi para qu e cad ease d
vez manis se desenvolva centre nu6 este emp-nh Pa mostrar-mos o nenhlt eroerieo polo progresso dc Pernambuco e permitta at Pro r da tirad bast mostrarmso que pede aos pro-
videncia que os futures leitores da historia qn fesores primaries adoptarem entire outros a
desrowve -a marha do nosso adiantamento no ca- ra atieas e arithmetia de Castro Nunes, revis-
mai;ilru de tolos os melachrm ainentos da agriculturoignammatica.oanithmotiea doastro Nunes, rovis-
(h c'minor ic, d03 mindtrna o das art-es, inavi tmts per um distinct professor, quanmdo ease tal pr->
t1m -nnsmer.c, da indnstav a e das arteq ts-esor 6 apocrypho, e s6 existed nu nentc dos inte -
Ihcm s ceadimiravel lhs parcqa quanto todosWes- essados ;. a grammatica aeo aritimetiea cit-tdas
ses c-:mos avangaram, a d-speito da rise que ac- ns as; a tra i vergonhosa reopilaeao dos
tit unente os fliugella e acLbranha. ` amo passarn do mm vergonhosa recopila9zo doso
Du incrm entoAliquzL(a 0050piz antigos livros de C. Nunes.
sD.r osso unicrnto pesa nqueznto da nosso paizcaio-ie. Se o Conselhodo Gremio m ain conameiencioso vies:
se.a uosso unico pusamesto; ha ossa dedieamq ,-o, dse-nos dizer--os livros adopta-odsa.o taos e taos e
t,,doe-s s diaso, porque se h:i epoea dm que os pro t, orconseguinte deixasse a eseolia de cada um do
,htctqs deste solo, os principacs de sua cultivan ior"-i si o adoptar aquelle quo melhores eabedaes
slfreinquebranto pr anpos a ntas causes agrnomeinr-- I recess em ptwol da instruccao prinaria, vw;
das, chegar, pr sem duvida a d reaco, en suf- inas querer o rigar aos professors a adoptar o
fS:rado qualquer c mentanmeo desatimo, ser nos- Le nenhuma importancia tern, 6 fazer delles ma-
ss pa tria florescente ce a prova, do vale,'(itene m.a.", de
iiativa pr (limio ue adr do cdarrneiros e querer que sejam tao beocios
iniciativa particula-r. ue adopted o que nenhuma itportancia tern !
Q unI hje reeonhelerik, por exemplo, se o po- esolha mais razoavel dos livros de C, Nu-
dor b1: magroa os desenhaasse, os. antigos 6-campsem. dvida dos annatados plo distineto
pm-a I ,., ha ~os e pramims d-u [magmat-errm ?- c,6sr aiadsantdspl itnt
Epr Ises c apos epsseus p-ailos, esses lagos, inul professor Jos,6- Martiniano do Souza, coan os umii-
S s, s c p asptos, ese prasos, msses alo s, odcul cos capazes de preencher a lacuna quie existia, mi-,
tos, past dos animaps,4-is acres. d..-ac,, ou de es, 6, ias im ortntes annaes que elles e,,ntu
p ilihudas, solitarias cabanas.;, si a hojo a sde d& a im pot quo elles uitm
eonuimdas h05itan5s dba si>,o jvrin e d tecordo.com a ultima palavra da philoogia,
co~nawdas liabita-5.!s, de sumyttiamos j m-dis cone tambemu pela clarezi dau onesinmas ao alcamiom
par; neis; nesses, uu~tr'ora dotsertos e triste.,4luaf- I; enotme eacae~ a eusa iac
rps, i-est-o aseunentroru dsertgui os t ibella cgr.Aln-dm g intelligencias menos cultivadas.
s, sto actlneit -Suie. aprego.d.bs pelosonselho do Gremio,
fabnicas, e nas pruias em. que so estendiatn, rodes b de orig estraneira, f peor conseguinte per-
de pbres pescadorei cconstruiraim-se coimod.d- tet(entesd eatmageorom; e, em 1enseg f'aco eeod
mubiigosdo aveguu~7t. teteent-es, mu. eatnaagono1; e, omo umosso fraco inodo
es~iox)sos- p.,-rtos, abrigas da n-tvog~tl'o.
sposo 'po-rtosia .psdanav, ne 9.n-ra psm.ihl depensar mito devemus dr course a publicao.'-s
XA iosss (m. dcixasse de s-l-?,-foi pumco o tempo, quite estate *oss volwitariameut prtegendo quem ulo co-
directoria teve para ul-eanvar objecT)s e dcvi- muccmos, conm tambemim d aoprsumog outros cemi
dai reate eoineo a -o as analysa udo-a obs er anhcem os, eom ) tam bern despres. m s o tr s e
duireiste colletcioiaah l-os inss artlysanmdoa os- mdhores cozudices, sahidos dos prelos naciumoes
vaumis o tr-abamlho dos mnonse artists Entre 0 e nactadoapor comprovincianos de mais ou mc-
objectos expostos p or estes, alguns destacaim. sto autoritativa. Eta opin veio en
.sc-a primor,mn)stran iverdadeiro meriti. m vi- ;,omooauxilio por alguns ocios do Institute des
Ahtneiam, orgulhandi-nos, qnc htt tambem, eur., Phfesaores, asocidadc pe.agogiea de maior re-
aiuqumaponme ~otsd iueic ed i- -rnf-ssores, a socidade pedlagogica do un-ior ne-
wn^ qnein posse osdotei da invenicl, c ,d- pericia. p9o,.nao s6 por sera mais anti, coo-t por
Q, ie conseque-ntemeutv, udever patriotico dos qjpc tao,.nu s6 proe m mats uutiga, coae )o-
giamti a riqueza dar-llR.o o abramo uiinmdor da coter eu sec ueio provectos ensinadorgs da mo -
ir-ot o e auxilial-os qnto pomsiviul., cilado.
( uiin(al qianto .8, M..Portanto n6s, c em none de alguns professors
,:bqis, sm diuvida, qid a pirt-i deo18lq, a emum- minquemt tonU tallado, protesbuntns desde jA pelo1
a:.. na Europa, ciam sc ouz~t(~nii d~n +cqmmmmi;'vt,
I na -so tornado n c(lzia gm coatfmie da tal circular, e pedimos aos que igno-
ten-se tornado gerat a" niao,ffin, quc visa a tal pablicagao, de ivb) dci-
Cada povo, a seu tuons o, deve ftzer .o srecen-oq. xamli-se levar per semelhliantes lamnurias, que s6
uto de suas tbras ; eiever qua os meoqa servea para encher as algibeiras de alguem em
t,- m para tomnr part nu'cssa luta d dinltelligencia, ldetimentoe do progress e engrandecimento da
.berta sobre a ruperfiew do mundo civi.isaado. iaitmuc 'o da mocidade, inst.tucqao que temos o
Per imperfeita que seja a nossa teotativa te-, der de zear coin todo o affinco, par ique so u.
nhamos em montc o progresso que tfne chegaduo no alaunhe de ignorantes.
aqiuielles que ta-b, coatuf.irnna tia c.mparaco das U p ofesso ,r.
for'as e mhabilidalc leais a uWi;6es eu lta de aportf-i- J
co-i mont-. ,
Uma exposi;-o, miuhbis senhoras e senhores, por
modesta que seja e ucia nccesmdade inexprimnivel Triumpho
dii Paz.
E' a dependeneia reciproca das naioes, na phra.- Sn. redactores.--Nito deverma vir a. imprenast
s do celebre economist Blanqui; 6 a abmundancia occupar as columns do seu conceituado Diarlo
do todos os bens sob o regment di liberdade. pma justificar-me, perante o publico que me co-
Finilmente nos 6 agrad-mvel mostrar o iosso re- n"bee ; o commercio dessa cidade, daquillo dco
conhecimento a todos quantos ajudaram a Asso- quoe me nio accuse a consciencia, se nao fosse a
ciaeAo Commercial Beneficente a desemanpenhar-se aecesoidade quo tenho em desmnasearar a inimigos
do sun honrosa tarefa apresentando-vos os diver- pequeninos e eovardes, que vivendo mergulhlados
sos objects que ornait as suns salas, cuja coordc o0 charco immundo dos vieios e devassidoes e
a1aiAo, arranjo e born gosto sAto espeoialmento de- frequentadores da eseola da corrupein, procuram
vides ao prstimoso nosso socio o Iiim. 8r. con- eaviloaa e infamente acutir no aninmo de umn povo
miendadn Jo Ponandems Lopes. wiexpeniente e beocio, que sou devedor aos Srs.
cnvdtamdben mencJrnan corn sineer louver Getnalees Irmao & CI. ou a firma individual de
Ilm. Sr. Antonio Henrique Mafrma, quo coin oos m- Antonio Gooalves de Azevedo, de mais de seten-
tigos, mnoveis e mais curioso, objectos qne eaiirole coot-on d r-is, per entend-rem que dest-n for.
concorreui minte Pmi': dar na-"ualee A nossa test.a. mi mil destonccitminm perante os homnms crinteom-
Amduto semhi)r,a uidie-otdai i A iatluCoin lesta comnarca c daa vizimha's. b par ales-
mercial mauitlit, ustrcummentnete mgratcida o sd m'tt r orsoliniiniemnte a ests letr-aetores, sere qua-
i udl-evel amr-cgo. h tidades nem reptmta-;o, paee-i u Vuaes. que so dig-
mulue(hoit'-s.i 1*tn de doiuilicu mm cart-mu junt-, mifm de quo o0 "
Tn __ lit, o o c3m ri-oii fiqucin sab si o --a qulunito silo
i w STA LvnDUSrRIAL "J \Tp'zcs certos (squeletos conmiunrciacs desta cida-
FEltSTA IhDU'Ieh t de, quo so acham preparadus pmara prejudicaremn
;ms snsr cdoreos, come o tempo provara ; o por
P.-rniitti que um'a crcane a i jugama quo doevn me-hr-m' nas snas bito-
"Vrnhut-u-l.|u-al ri-ml do esjacrlun'.-a- 1LI
Voassi fat-ta illuuuinar. 0 -- r-
Tragm-ivos fires o palmas,
Conquista das vossas almas _____________----_
No progressive lidar. I raca do lteelfe, 41 de fevereiro


Vosso esforno grandiose,
0 vosso exemplo famoso,
Ha de por certo florir !
S entAo a industrial, o trabalho,
0 arado, a serra, o malho,
Terlo brilhante porvir!


Mais que a acno governativa,
A grand e iniciativa
Da forga individual,
Escreve feito3 ingentes,
Epepeas eloquentes
Do progress universal!


Tendes aqui o incentive
E o fascinante m-)tivo
Para lutar polo bem...
Hoje, a exposi*o modest,
* Amanhb, a grande feet
E os brilhos que a industrial tern.

Modest. pela riques,
Mas nebre pel grandza,
Do intuit que a i -..
Ha nesta volenmui
% cunho d'alta vetrdade,
Que Pelletan prodamon.


- ,-5
* .- a


Er


Nlp poderia animar-voft,
mm~pdbr-vol iBmtima-vm
**Neit odaau-far**
SMa" quem c a a" 4"
PA +o tr vaw "AmokI
Perout que =ma r<
' uha--quall ra d t
V.- -2 1oaetitWF.


de t105
As troes horns da tarde
CotaQoes officials
Cambio sobre Santos, 30 d/v. 3/1 0/0 dte desconto.
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 19 38 d. prr 1I,
particular.
A. Leonardo Rodrigues,
President.
M. J. da Motta,
ecrct ario.

RENDIMENTOS PUBLICOS
Mtez de fevereiro de 1885
ArimMDEG-i-De 3 28:1661197
Idem de 4 32:6725320
S 60:838S517


REoEsBuIOnIA-Do 3
Idem de 4


C?SIILADO P OVINCIAL
SIdem de 4


-De 3


RcIm damAIHen-De 3
Idem de4


2:1984837
2:305$526
4:5045363

6:6515260
9.-601408

16:252A668

6635205
24A144

90849


Reufe, 1pm do
Ma d demubra pde lseM-Sr. Jerony
B etode dt, Sa lisLoami*o-TiumpdO.-
amigo e Sr-o.m rereucia ao wpresdo favor
&do paawdo, em quso pd peIbh deilr vs
T 11dBr o om firmscomnmcieroiai "wim Como
A indiid"49 do,9r. Antonio Gonpivs do Anve.-
do, cumpre-no, deelarar que con anmbas se n cha
quitis dead 7 4e-outubro proximo pasmado.
Desta soma resiostA pod.fAe ar o -a0 quo Ihe
Coni tods eatIer consideras*o sorto de Vme.
amigos e criadoe.-Pbr procuroaio de Sonoalves
Irm0o & C., Antonio' Augusto Pereira da Silva.


1


consistorio as 8 horas da manhiAv, de K do
corrente, afiim de oncorpo-rulos ouvirmos
a missa votiva ao Espirito.Siubo, e dpo1is
procodermaos a eleioi;o dos fanccionanio& que
dovein admuinistrar a inesina ir.nandade noi
anno vindouro.
A mesa regedora aproveia- a opportnil
dade para pedir desculpa ao. public pelo
facto do nao ser cumprid& o programina
da festa na part relative a &muica do 14-
batalhailo, visto come apezar de ser ella
contratada e paga comrn anteccdencia, a ul-
timna hera deixou do coinparecer. em v[r-
tude do ter de tocar,. per ordem do gpover-
no, cm uni dos arrabaldes d'esta cidaAle.
Consistorlo da irmnandado do I. da
Luz, 4 de fevereiro do 1885.
O secretario,
Fervea Fvaraa.



Dunisla Mmdarii
De Instruccio prilmaria para osexo
inaasul iuoe
0 abaixo assignado, particip ano illustrado pi-
blico d,'sta capital, que abrio mna ,'sola particu-
lar para iieninosi run do Prinacipe u. 14, onde
pretcimde coin esminar dedicar-se aoeusino do sens
aluoins.
0 gnrAo da esc.ia comnsta : ler, eserever e contar,
arithmnetica, desenho linear, e nt,.5es do francez.
Gaiuante rapido adiantanuinto do sons alumnos,
pelo sea systeina de ensino, ea desafio a todas as
escolas desta provincia.
SEspera infeeer a onfiatia e a proteeao do
povo perna'mbucano, e em particular ternm f6 robus-
ta em todos os pages e tutores do meninos que
queiram aproveitar o rapid adiantameuto de scus
Mhos o'- t >t,i'lanl s.
AMeii.k'Sild- :--2S$i)9lJ pag-.s ;di:iuta da nll t l)icu.a.
Hoi."rio : -\)a9s 9 ilruad 'u imanbt as 2 d:i tarie.
Rlt fhb i n iiios iii ttrnimus c inhit) p'-isiounist;ai
pot i ii.el !'l Ii l's i rua-u. t.-' i.
Ruin do Prineipe u. 11-
Jullo S'oares de Azevedo.

DESPACH(OS 3 D EXPO TACAO
Em 3 de fevereiro de 1885
Para o exterior
= Na barca ingleza S. Antonio, carregou :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 210 saccas cam
21,3#8 kilos de alg duo.
No vapor inglez Secaly. carregon :
Para. Liverpool, J. H. Boxwell 100 saccas cornA
8,856 kilos do algodio ; Borstelman & C. 1,000
ditas corn 67,514 ditos de dito ; P. Vianna & C.
117 ditas corn 7,031 1/2 ditos de dito.
= No lAgar inglez Florense, carregou :
Para New-York, F. Cascio & Filho 420 saccos
corn 31,500 kilos de assucar mascavado ; M. J.
da Rocha 550 ditos corn 41,250 ditos de ditr.
Na barea americana Wallace, carreg-mu :
Para New-York, J. 8. Loyo & Filbo 690 sac-
cos corn 51,750 kilos de assucar mascavado.
Na bares americana M. G. Reed, carregou:
Para New-York, M. J. da Rocha 650 saccos
corn 48,750 kilos de assucar maseavado.
Para o interior
No brigue national Marluko 12, carregou:
Para UruguayaLa, F. do Morases 39 eascos corn
7,550 litres de aguardente.
= Na barca nacion il Mimosa, carregon:
Para Pelotas, B. Oliveira & C. 250 saceos corn
18,750 kilos de assucar branco e 50 ditos corn
8,71,0 4itos de dito mascavado.
No brigue national Monarckia, carregou :
Para ,0 Rio Grade do Sul, J. M. Dias 450 vo
lumes corn 32,0 kilos do asnsucar branch.
No vapor mnaci'al Bahia, carregou :
Para o Rio de Janeir%, J. C, de Moraes 118
melos de sola.
r a H M.F. Marqme & Fllho 100 iac-
005 002) 7,500 kio d amsucar branco.
-- We hate n "cion DaZ to Gue, carregou :
SPara Mouord, J1. A. G. Pi,. Junior 5 barricas
corn 3S0 kilo. do amsucur refinsdo.


+++i ++ff ^1iy ::^ a lga ^[^:*?l::lB! +
6onsultua e operaw9en dug 9 box"s ds=mSha is
4da tarde.
Ci tS. a- p' e' u
57- RUA DUQUE DE CAMA &W

eo pimro eleil dW 8lad0 de
b"caltlao, de Laiirawd[ emp
N6
Uma toss pertinaz e fatigalora qe H de ves em
quando arranea sanue, corn d6r e oppreslo no
peike pulso alterado e febril, extraemmisuaio rubor
ou vermelhidao das faces, snores ucturmmos, ma-
gre e debilidade crescent, annnciam-4to doente
tisiem dynos, o0 expectorantes, os tonicos e aopas, e at6
mesmno a mudanea dares, sAo geralmeto emi, vio.
Abandone, poise, o doente todos esses moioe palm-
tivos, e experiment o oleo pumre mediinal d& fi-
galo de bacalhao, do L Uinan & Kemp -. F. ura
prcparaAo preciosa da union cousa qcw a expe-
nrencia tern demonstrado, qua se p&6le em-Aodon as
casos depender e confiir d'ella; eo 0 seas-bonn ef-
feitos mumoca falbam.
0 oleo do figado de bacalhio, limpidoe puroi 6
o remedio mais poderoso e effieaz par a enferii-
dades doe pulmues, garganta e bofes, de quaitos
se teem desceberto at# agora. PDepoitai, pS inr-
teira f6- n'ell e experimental o sem susto,. Pofmn
nao voes equegaes de pedir a preparao mmica e
verdadeha de Lanman & Kemp ; porque o merea-
do inielkamente acha-se inundado de oompoeifies
frauduleatas em si tao mis como inuteis. lxami-
ne-se, pois, o letreiro e a capa afim que possia ver
a marca commnuiercial da casa.
Acha-sc l vend' em todas as principaes-lojas
de drogas.
Agentes em Pernambuco, Henry Forsteom& C.,
run do Cummercio n. 8.



A NOVYA-YORK


SNe work Life Insuranse Conm-

pany


IA-senoo princip, t.P technico da-Fran"a,
que trata de questoes- viuieolax, a -Sevue deo
WVian et ilqumeus i um artigo cheio de in-
teresse o sobre a recent descoberta foit? por um
proprietario de Blaye perto de Cognac (Franca).
Delle extrahimos trech.. que nao deixarilo-de in-
teresaar tambem nossot leitores.
0 8r. Ardwra (6 onome do inventor)- *mito
conhecido senior do gerat dos consumidores' pelo
moenos doe bonds entendedores em Francs, pela'su-
perioridade deo seus preparadon, vinhos e spbretu-
do cognac, conseguio por, 6o easo de dizer, o me-
Ihor de tcdos os licores, o velte AmConae.. ao
aleanuee de todos os estomagoa e a juntar A seu
principio aloolico e incomparavel aroma todas-as
propriedades do tonico poe exeellencia, queremos
dizer da quina. Sin, a Cognacklna, que- jA
6 tao procurada, que vai faaer rapidamente a vol-
ta do mundo e toraar se o licor das licores,,r ,
como sen nome o indica, naio somente de consuming
agradavel e quotidiano, coma benefice e tao diges-
tivo como aperitive.
Misturada corn agua torna-se uma bebida da
mais hygienicas para todas as pessoas expostas A
fadigas, grande calor, climas humidos e miagsmm
paludosos. P6Ne, em raziao de suas propriedades
tenicas e anti-febris, prestar on mais. relevantes
servigos aos exercitos colouiaes, vist6 que todos os-
medicos reconhecem que a asocia:Lio do alcohol
aos principios da quina e particalarnmente do qpi.
rno, que nells sc aehamn contidos, favoreec sua
efficacia. Isto explica as numerosts r.oceitas- de
porcues corn quina e cognac, poache, etc., cujos
effeitos tonicos e tebrifugos sitomanifestos e sa-
tistactorios.
0 Sr. Ardura poderia com.razioo errogar se
a vellia devisa M Utile delci v porque aehou a so-
luo de um n problem& at6 entaio iusoluvel. OA l i-
cores os mais agradaveis nio seralo por ventura
mais ou menos nocivos A sade ?- E de todas as
bebidas hygienicas conhecidas, haveril uma sequer
que ae tome verdadeiramente comoaprazer ?. Per
isso umas sio o priileg o das p ssoas de boa. smaU
de e as outras so acham consuminidores- entre os
doentes ou comrvalescentes.
Pois bem, a Coguackina realisa 5e5se desi
deratinm, destina-se A tol-.s, p i-que possuce o aro-
ma do mais deli-ioso licor e comn-oiertcza nito liha
outro quie imuis agrade aoI paladami delicado das
senahoras, alem disto fuacutta umi dos meios- inmuis
poderosos de melhorar e conservan-a sumdle.
E' portanto imn acto de philantropia o chauunar- a
attenqmio de to;los, inaxime das peseoas-q(ue- iiabi-
tamn as colounias e paizes quentes, para a prcciosa
desceberta do Sr. Ardura.


Irmando .8 & dlm
Em virtude do quie deteriuimna o nosso
comnpromisso, convido aos. nosos charis&si
inos irmrto)s para se reunimnrem ei. noo


de vida


Qtiurenta annos de constaumte
prosperldade
UNICA COMPANHIA NESTA PROVINCIA
EXCLUSIVAMENTE NEUTRAL
Attio ,ffect'vo, 31 dA Dezembro do, 1883
CEIICA DE
C.eato e quarenta e dlou mil contos
Renda annual
CERCA IDE
Trituta e cinco muil conto
Desde a sua fundai;o at6 31 de dezeaubro de
18683 a histena da companhia reaum.-se nos se-
iuuintes factors :
Aceitou
Cuento e oitenta e sels mil emegramdom
Recebeu de prestacoes
CERCA DE
Trezento raill conto deo- vrim


Pagoa por fallecimentos de segtwados
CEUCA Dl.
setenta e douas mail contos- de reim
Pagoupor dotaies, pensmes, primios de-
volvidos e dlvldud&dO-
CEICA DE
Cenlto e treze mil contos de rtis
ESCRIPTOR[O CENTRAL
346 e 348 Broadway Nova-Yorlk Filiaes emin
todas as principaes cilades da Europa e America.
ESCRIPTORIO FILIAL EMl PERNAMBUCO

17---Paa fR do CoU P Not---17


EDiTAES


Theosoraria z tendla
Dc ordemrdo Ilihn. Sr. inspector, faqo public
que nv'cessitando :le divrsos meparos o edificio em
que tuncciona esta repartiqro,. ica aberta ai con-
,urrinucia pubhlica para quem se quizer proper a
executal-os, recebendo--se pasa iso propostas em
carta fechada at6 as 11. horas da& manhl do dia 5
de fevereiro proximo vindoimwo.
0 oriaminento se aclia uesta repartigio, para
quem o quizer examiner.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 28 do
janeiro de 1885.-0- s.eCeCtario,
Luiz Emygdio Pinheiro da Camara.

Edital n. 46

De ordem do Illm.. S. maniqpeector, se faz publie
que as 11 horas d- dia 4 i:i cur-rite mez, .-',er-o
vendidas em lcio ,u.,triapieho !;i c-nipaiihia per-
lmainbcmiinma, as. iuftwnl'i-iis :;lmixmi: declar;nlas,
apprvlienidl is. :o.et tI's1il1 ti. F 1rmuai0lo tiU Nru-
lliia :
5 g.ir,-af,,c.. .cijteudo 120 litros dc viiiho cin-
inimiin.
4 b,,ijas e goteiml' gemebra, m-,linMdo 2,700 li.
tro- de hlcl-ol p.iro.
l'('re(,ira' secto ',la Alfaulega de P.rimnobu.-
co, 3 de Pveroiro de 1585.
0 chiefe,
-,.i.o TIi,-.,Si. 'iro de TC!llh .

MOVIMENX)0 DO PORTO
Navios entrados no dia 4

Rio Grande do Sul-30 dias, ligar holiawlea
Koerier, do 160 toneladas, capitao D. K. Wy-
gmnciyer, equipagem 7, em lastro; a Aiaorim
Inrnaos & C.
llhia e escalas-11 dias vapor naciona l Caravel-
las, de 351 toneladas. comminandante Henrique
Augusto Trindade, equipagem 28, carga varies
generos ; a Domingos Alves Matheus,
Rio Grande do Sul-28 dias, lugar hollandez Tia-a.
lassa, de 228 toneladas, eapitao Stukye, equi-
pagem 8, em lastro; & ordem.
Rio le janeiro-28 dias Giusto dell Argenti, de 331
toneladas, capitiao Giacomo Ragussin, equipa-
gem 10, em lastro de ferro e ago; a Johnston
Patetr & C.
Cabo Frio-18 dias. barea ingloza Celia, de 326
toneladas, capitao R. R. Drew, equipagem 10,
em lastro; A order.
Liverpool-44 dias, barea allemil Agnes, de 342
toneladas, eapitao F. Pagels, equipagem 10.
carga carvao de pedra; a Companhia do Gaz.
Navios sahidos no mesmo dia
New-York-Barca americana M. G. Reed, capi.
tao G. A. Warren, carga assncar.
NewYork-Barea americana Benjamim Dicker-
man, capitio J. W. Cook, carga assuuar.
Obmervacto
Procedento de Bordeaux e esealas, fundeou no
Lamario o vapor frane Se&negal, o qual nao com-
numicou corn a terra per estar em quarentena de
observacao.


VAPORES ESPERADOS


Santo do sul
de New-port-News
do note
da uropa
do note
c teoal.
ia :k1deWa:

4 a,1.*<' z^*' ***'W -s .at 1'1^ ':l;ll.lltl'l*>


emanhi
amaohi

alO
a 12
a12


Seguros













Lbaix4o dicradoa,
iuda Proviucial.


SIL,


ic'


Vorre
0454 wmbawada A Estrada Real u. 6 C. corn w
7 a os e 45 eeutitntroe do v4o 19 metros e 601 r o t. d etia, a todos o.s
eanimetros do fwado, tend o andar superior 2 chores socics eflfetio aso reurmirm 5 a i6eso-
:--al i sfroeelxsta. feirA 6 do aorfnte_ a mdo er liari,
.jtuast, 1 porta e Vara.nda do ferro e 2 jan-llae, ia! et fdr.6 r idot
no 0its, salas, 2 quartos, eosiiha fore; o i- assemblbagera do z l promimopastesado. Ap
ferior 1 port e 2janeIlas de frente, 9 janellas nas senate sessao so fara eom o numero de socios ue
oitasa, 2 salas, 5 quartos, cosinh-i f6ra, tcrraeo, compareear. .
sitio grande emin aberto. coin .olhria arruinadla vi- Seeretaria da imperial sociedade dos Artiista
veiro, mcaimb.t, avali iti tin 1 :5;)0JoJ pJrt-ten-c1cI. Mechanicos e Liberaes cm Pernamuco, 4 de
to aos l .rdeiros de Fr.m.isea Tnercz t Khriucs fevereiro de 1885. ,
Campello. Fraicisco da Costa Ramoa,
AfEat1os 0 secretarie.
Casa terrea A Estrad;L Nova n. 4 cinm 5 metros A.DMINISTRACAO DOS CORRELOS DE PER-.
e 15 centimaetros do frint.t, 8 metros e 15 Centi- NAMBUCO, 5 DE FEVERELRO DE 1885
metros de fun.I,, 2 jAn -II4i( d0 fru,'tc, 2 salas, 2 Jfala a expedlr-se hoje
quartos, eosilihL fui-.1, cm3 sl.) f t'ir> aval1:a e C11 Pelo paquete Senegal, para Balia, Rio de Ja-
16Ubj0J pertetccutca Al[cxwdrmua dc Souz t Ruai- ueiro, Buenos Ayres e M[utevida, esta adminis
gel. traeo recebe impressoa e objects para registrar
Barro at 12 horns do dia e carts ordinaries at6 I1
Ca3: terr-a na lu'tr dc):nainado Paul, n. 138, hora da tarde, ou 1 1/2 corm port duplo.
corn 7 inetroi c 7J c',titnactroi d freite, c 5 me- 0 administrator,
tros e 10 tcentisnIts do fan to, 3 jan illas de .fin- Affonso do Reo Barros.


te, I I orta c 2janouiasua oin u,, salas, 4i quitros,
cozinhlia interim, em prfcit) estalo, sitio c arvo-
doq, por 24109J.) jA fecito o ;0bttl dA li, perten-
coite a Atitimio JosA d C.irmnn.
Poo. da Panellh
Casa terrea no Ecanua.neuto n. 12 corn 3 minc-
tros o 53 ceatincmtrow do liArgnr.t, 1I metros de fin
(do, 2 partas do frent, 2 salais, 1 quarto, cosinha
interns, quintal em abrto, du taipi cim solo pio-
prio, avahi4da emt 20)3093, pertencente a Maihias
Muniz Ta;-':rcs.
Apiptllos
A pjsse do terreno enm qna existio a casa no lar-
eo de Apipucos n. 22. corn 4 metro e 20 centi-
inetros ie largira, e o fia lo Ite a levadla por
'20).) ),ji feito o iabate da l i. p'rteaccnetc a Jus-
iuo Percira R inmos.


H IARITIIOS
COMPANNIIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaio eosteira por vape
PORTOS DO SUL
Maeei6, Penedo, Araeaju e Bahi
0 vapor Jacn/dy
S commandante Rii
N seguir no? dia 10


)r

ia
pe,
no10,
do
-1


S1o T o",'euco correntcAs 5 nras ad,
C:s8 terra n largI d) .matriz n. 10, coin ( mO; e-crttarde.
tros ide vIo e 10 minetros c GJ centimnetr :s do fun- Recebe carga at
do, 2 portas c 1 j:inclla dc fr-nte, 2 jancllas no oi- dia 9.
t0o, 2 S2ihis, gabinete ao Li:ldo, 1 quarno, cosinlia Encommendas, passagens e dinheiro a frete at
fErwi, iTiintal ein aberto avaliadai ci* 2,030.0J per- As 3 horas da tarde do dia da sahida.
tencente a Mauocil Mfdhan,,. ESCRIPTORIO
A l u g u eI Caes da Companida Pernanmbucana
C:isa tcrror ;i r d ) Pia.mrol n. 6-;, corn prta .v n. 12
j1ueeIlia de frente, 2 salats, 1 quairto c q'(,tiutal, por
8,.333 meansics, p,,-rL-,n tce a Jiaj.iin L.ces de COIPANIUHIA PERNAMBUCANA
Almeid:. I DE
Casa terrea, ; rua d:) Pharol n. G6, C)in 1 port I
o 2 janmcllas ,Ie frcnte, I port no oitito do lado d,' avegaplo Costeira por Vapol
sulp 1 sala, 2 i{imartos, cosiuhn iinternA, sem quin- u7 iTr i
t-11. 1)r )I )) plcrtt ucia Fernando det aoronha
Ftirniimvi do Alineida.
Poup dI aNelN a u Segue no dia 10 defe
Casa terrea i triavessa da rwt di Cast FPorte n. _.f vereiro.as 12 Ihoras di
19 c)in 2 pirtas dc trenito, 2 salis, 2 quirrto., p)r -p manhA o vapor Giquid
12-SJ) in us:mos, jAi f-it abiate dlit lci, perten- -i"commandante Mafra
cents a .XIm *el di Cot~ Percirei c Souza. -- Recebe caiga at6
C.sa assobradala u li-a d.)r) Chiic :ai n. 7 cein dia 9.
1 sail, 3 quartos, cosinni i t6r 2 ,qiirt)s cxternos Encommendas, passagens a dinlicheiros afrete at
,opi-imr, s'tio e o andi s ,iriorl-, 1 jaiul;ia do ti-en As 4 horas da tarde da vesperalda sahida.
to e 4 nos oit6es, I sali, 3 qu;:rtos, siti miurado.
portLo de ferro, jiardin, c:w-irnhbk, anhlieiro por ESCRIPTlORIO
:230 0 neiMisaes, porteoiucate a Fraiinisicu Atouio Cae8s da Compankia Periamb'irana
dc AlbuquerIicrle Mello. n
Rocife, 3 de fever-iro do 188. n 1


Thesouraria de Fa-

zenda
Nni sc tendo cico:iitrado nesta cidade o cidadao
J00j:1i.l,, Eh'sb;io Ribeiro, proprierari, d.o briguc
.iciuminal Elvira, naufnigado ein viiagciin dcste
I orto para o ltavro, inttina-so pelo prisente ediial
o mcsmo IRlibeiro piara rccolher a est;i 'Icsoura-
via no prazr do quinse dias a importance a corr's-
pmiondeutc a 3,365 fr., 19 'lespendida pelo consul
v:.'rl rm lixll;s corn tjs triplamites do) dito bri-
cue, c ij L ind,'miisatia) fioi ordenadad plo aviso
41o Mimisteri) dc Estriangciros do 17 de dezcinmbro
i'o 1unmo passaru, d( aocnrd.o' corn o desp:ichou des
ti Tthsourarmi, p-roterido ('em sessio dai j ,ita do 7
do corrente miez na lpetielt.) d Rabelio & Sobii-
nho, consigniitarios do inesino brightr.
Tlhrisouraria de Fazenda de Pernambuco, 31 d'
.janciro do 1885.
0 secrctario,
LtJz Ewnyydio P. da Caiara.
Thesouraria de Fa-

zenda
De orlein do Ilhn. 'Sr. inspector so faz public
(iac Ai-i 11 horis do die 5 do feverciro, proximo
vindouro em session da junti, so recoberao niesta
I'lhcsouraria piopustas cm cmi-rtas fechladais scl/a-
1las p ra o fornecinmento de diversosi artigos neccs-
sarios no abastecientno do alinox.,rifado do pre-
-sidio d- F-ernando de Noronlia, born como para o
forneimcunto do med-icamentos precisos A enater-
imaria do incsnsmo presidio.
Ncsta repartieiio achain-se os respectivos pedi-
1<>,, para serem exnirninados pelos proponents.
Thesouraria de Fazonda de Pernambuco, 31 de
.ininiro de 1875.
O secretary",
Lniz Emygdio P. da Camira.


DECLARA OES

Arsenal de arinha
Concurso para amanuense
Em eumnprimento ao aviso do Ministerio da Ma-
riluna sob n. 26 de 9 do correate, o Exm. Sr. clie-
> do division inspector Jos6 Manoel Picango dat
Co)st;i, imanda fazer public que no dia 2 do mar-
,: vindouro, Ais 11 horns da manhi,, tera l iar
fiOtmta repairti'ao o coucurso para a vaga quc
,.xiste, do amanuense, de confwrmidade corn o
:1rt. 203 do regulamento que baixoa coin o deere-
ro n. 5622 de 2 do muio de 1874 ; ficando para
)io aborta a inso;p 'o nesta secretaria atk o dia
t do proximo mez de tevereiro.
Os pretendentcs devervo instruir suas petiqes
v ,.n documents que provem born comportamento
-a idade de 18 anuos completes, pelo menos, po-
,ciido juntar quaesquer outres documents que
:- istremn suas habilitaeoes.
As inmaterias exigidas sao : Icitura e analyse
;rt-n:natieial, escripta dc trechos cm Portugucz,
,i-th igraphia, verAio das iinguas ingleza c frau-
-caza, exercicio de composigbo em portuguez, re-
,.icgno e estybla de actas officiaea.
Secretaria da InspecAo do Arsenal dc Marinim
ne l'ernanibuco, 31 tic janeiro do 1885.
0 sccrctario,
Antouio da Silea Azevodo.

JTnizo ip hd io f'rognei l oo

8. J0o
A audiencia deste juizo tern lugar nas tergas e
,xtais-foiras, as 10 horas da manl'i, na case da
iesidencia do respective, juiz de paz, Aprigio Jose
0i1 Silva, a iruna Imperial n. 181.
Sodedade Re reativa Juvenlude
Soiree bimestral cn 8 do eorrente
De novamente secienitifie.' aos seuhoros soci~s,
qnu cite soirne principinra as 7 horas da noite.
Ingressos em mnto do Sr. thesoureiro; assim
como pede-se today a simplicidadc nos toilets.
Recife, 4 de fevereiro de 1885.
Maoeod Bandeira FilUo,
1" secretario.


6 decatrrente mez, depois
e pax d% Boa-Vista, irao em
Sms rmata&A c.li'Aic


audiencia
Atapwti-
- @00tatti


Companhla Bahlana de Vavega-
VIo a Vapor
Macei6, Villa Nova, Penedo, Aracajii,
Estancia e Bahia
S0 vapor
Caravellas
Conamandante Trindnde
-L ^ "Segue para os portos
nacima no din 8 dc fc-
^^^, L-f,^^- y vereiro As 2 horas da
"S B tarde. Recebe carga
.... .. 1uuicamentei atn ao 1/2
-dia de sabbado 7.
Para earga, passagens, encommendas e dinheiro
A frete tracta-se na
AGENCIA
7--iua do Vigario 7
iomingos Alves Mathbeus


ROYAL MAIL STEAM PAC ET
COIIPANV
Grande reducpio nos preoos dat
passages
0 PAQUETE A VAPOR
Tamar
Commandaute A. E. Bell


E'esperado daEuopa no dia
A 10 do corrente, seguindo de-
I pois da demora necessaria
pars
Bahia, Rio de Janeiro, Monte-
video e Bnenos-Ayres
0 PAOTTFhTP, A VAPOR


V L ,\K'w'Ul.JL Jx. l ki.L VbL
Trent
Connmaadante Diekinson
S E esperado
do sul no dia 14 do
corrente, seguin-
ido depois da de--
morae necessaria
para Lisboa, Southampton, etc.
Tern optimas accommodates.


Passagens para a Europa podem ser toma-
dos na ida dos vapores para o sul
Redueio nos pre~os para o RIo
de Janeiro
1- classes 90#000. 3- dita 27#000
Para passages, fretes, etc., tracta-se corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Hlowie & C.
3-Rua do Commerelo--3

Pacific Steam Navigation Companr
STRAITS OF MAGELLAN LINE
0 VAPOR
Araucania
E Espera-se dos
ports da op
a odin lb de fe.
vereiro e seguir
pars os do snl e
do Pasicico depois
Sda demora do costume.
Pars carga, passagens, encommeudaa e dinheiro
o frecte: tracta-se com os
Consignatarios
'Vilson sons & C., Jiulted
N. 14-RUA DO COMMERCTO-N. 14


COEPANEIA BURMNAL OCANA
%avegavfS Cotoira ?p VaPor
PORTS X DO'NOM
PaahyX, NW4--l a Mwdo, osswrl6, Ara-
caty' GrdN vill *I
-^ Rmmma ciaA (fa doAw


la
c


Conmpanhia Brasllelra de Nave
gawao a Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor
Pars
Commanwndante. o 1 tenente (Qa'los An-
tonio Gonmes
L E' esperado dos
portos do norte
Wat e dia 6 de fe-
vereiro,. e depois
da demora indis-
.pensavel, segui-
rA pars os portos
do sui. -
Recebe tam-
bern carga p:ara Santos, Pelotas c Rio Grande do
Sul, frete minodicos.
Para carga, passagens, encommendas e valores
trata-se na agencia
46 RUA DO COMMERCIO 46
PORTOS DO NORTE
0 vapor
Espirit0-Santo
CommandanteJ oo Miaria Pessoa
E' esperado dos portos do sul
( at6 o dia 6 de fevereiro e
seguirA depois da demora in-
dispensavel, para os portos
do note at6 Mabonis.

Para carga, passages, encommendas e valores
cracta-se na agencia
46 RIJA DO COMMERCIO -46

CiiABGEURS ilREUNIS
Companhla Franeeza de Navega
*io a Vapor
Linha quinzenal *ntre o Havre, Li&
0oa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Mte.aer

J. esperado da Euro-
*paat6 odia 16 de fc-
vereoro, seguindo de-
pois da indispensavel
demora pars a a a-
hia, iRhde ,sa-
meliro e antou.
Roga-se aoa Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar deqtro de 6
dias, a contar do da descarga das alvarengan, qual-
quer reclamaeo concernente a volumes, que por-
ventura tenham seguido para os portos do sul, afim
desse poderem dar a tempo as providencias necossa
rinas.
Expirado o referido praso a companhia nio sa
responsabilisa per extravios.
Recebe carga, eneommedas e passageiros, pars
os quaes tern excellentes accommodates.
AGENTE1
Augusto F. de Oliveira

3 &C.
42-RUA DO COMMERP-IO -42
,'' i I.-1 ..- A-- J. IL\


--9


ma-a deNew-Pcrt-N
ate o dia 6 dle 'ever<
regpind6 depois da don
neceesaris pami


Daia N Rio de Janeiro


Pelos vapores destas companhia dio-se pai
gens para Liverpool ao preo de 200 dollars
passageiro desembarcaado em New-York temrn
rantia a passages psta Liverpool quando Ihe
erouver por vapores de la orden.


Para carga, passagens, enconmmendas e vale
tracta-se corn os


|


AGENTS
eary Forser & C.
- RUADOCM iO -.
1.'andar


N.


te
ein
no


55
g
a
it


pa-
os
es



8,


0 vapor
Merrimac
Sy E' esperado dos portos do
_. /|\ s /4 da 1 no dia 12 de fevereiro, c
Qdepois da demora necessaria
Ila segneriessrrla

Patr,. Mar:anhao, s. Thomaz e
New-Vork
Pars carga, passagens, e encommendas, tracts-
se corn os


AGENTS
Henry Forster & C.
N. 8 RUADOCOMMERCIO -
1.- andar


I-


r-.ntraua pewa rua no 0orresT


Aviso maritime
I. Krack, capitio do lugar hollandez Ipe fpws,
chegado a este port no dia 28 de dezembro do
anno passado per arnbada forqada, necessita con-
tratar os concertos que precise o dito navio e re-
cebe para este fim propostas em cartas fechadas
ath As 11 horas do dia 7 do correuto mez, dirigidas
ao mesmo capitilo quo devem ser entregues no
consulado dos Paizes-Baixos, desta cidade, aonde
serto dadas todas as informagdes necessarias po-
dendo os pretendes mesmo a horde verificar as
obras necessarias.
Recite, 4 de fevcreiro de 1884.


LE LOES


Leilao


Em eontinuanio
De 1 mobilia de jacaranda corn tampo de pedra,
2 espelhos deurados, 1 par de serpentinas, 1 can-
delabro, 4 pares dc jarros, 1 aleatifa. grande, 2 ca-
deiras de junea comn balance, 1 camas franceza de
jacaranda, 2 guards roupas, 1 secretariat, 2 os-
tantes para papeis, 1 mesa elastic de 4 taboas, 1
guard loua, 2 aparadores de armario, 4 ditos
torneados, 1 commoda, 1 marquezbo, 12 cadeiras
de amarelio; I soft, tapetes, lanternas, relogio de
parede e muito outros objects existeutes no 2
andar do sobrado da rua do Bar-to do Triuinpho
n. 84.
Quidnta-felra 6 do eorreate
A's 11 horas e tponto
Por intervenglo do agent
Gusmao


"P ~


!


Leilao
Do wn sobrado grande de 3 andares, site
A rua do Vigario Tenorio n. 18, fre-
guezia do Recife.
Ouinlamfeira, 3 de fevereiro
A's II horas
No armazenm da rua do Imperador n. 22
Rodrigues, proposto do agent Burlamaqui, de-
vidamente autorisado lIv::rmi a leillo o important
sobrado da rua do Vigario, em perfeito estado de
wonsevaegao, corn duas frentes e dando urn born
rendimento.
Os pretcndentes desde j.I poderao examiner o
reterbio predio.

OARMO EISIVA


Leilao


De 53 rolos de fumo, de boa qualidade, quoe scr
vcndido ao correr do martello, em lotes a vontad
dos compradores. por conta e risco de quem per
tender.
Sexta.feira, 6 do e orrente
A's II horas
0 agcnte Gusmaeo, competentemente autorisadc
fari leilao em seu-eeriptorio a rua do Born Je-
sus n. 51 dos roles de fume acina mencionados.


.' Leilao
Do sobrdo0 de 2 andares e sot6a, A rua do
Livramento n. 21
'1' 4...._ enle Pdhiila
'4igente acima a mandado e presenga do 1Ilm.
Ex-. Sr. Dr. juiz de direito da provcdoria, e a
requeriento da Illma mesa regedora da irman-
dade das Almas erects na igreja do Corpo Santo,
venderA em leilo o referido qobrado.

t -foira 6 oe federiro
A'S 11 HORAS.
Rua do Llvramento n. 21


Leilao

De moveis, looa, erystaes
e quadros


A' saber
Um piano de armario, 1 mobilia de jacaranda,
corn 1 sofA, 2 consolos, cadeiras de bragos e 12 de
guarigao, 1 mesa redonda corn pedra, 1 candela-
bro de crystal, 4 castigaes corn mangas, 1 espelhbo
oval jarros e quadros.
UrnSa qobilia de juaeo preto corn tampos de pe-
dra, 2 estantes grades parn livros, 12 cadeiras
de p0o carga, 2 caudieiros gaz e 1 espreguiga-
deirsa, 2 gadelra :de balancee.
Urmas cama franeeza, 2 marquesscs, 2 commodap,
12 cadeiras de jinco, 1 mala, 1 bengala, 1 revol-
ver, 1 b-hi gronde e 3 camas de ferro.
Uma mesa elastiea corn 6 taboas, 1 guarda-lou-
ca envidragado, 2 aparadores, 24 cadeiras de guar-
niqilo, 1 apparelho de poreelana para jantar, 1 di-
to parsa chA, cops, ealices, compoteiras, 1 porta-
licori 2 fructeiras, mesas, cadeiras, outros moves,
e 1 bombs de rods.
Sexta-felra, 6 do corrente
AGEINTE PINTO
No primeiro aidar e pavimento terreo do sobrado
da rua do Hospicio n. 33
0 leilbo principiara as 10 e meia.


Leilao

Sexla.feira 6 do eorrente
A's 11 horas
Carmno e Silva
Ricae mobilias de jaearand4 e paio carga, en-
vernizada de preto, guarda-vestido, guard -loua,
estantes, commodas, aparadores, 1 rico toilette,
corn pedra e espelho, 1 sanctuario, obra do porto,
carmas, marquez5es, 1 mobilia usada de jamico pre-
to, quadros, espelhos, relogios, candioiros, loua,
vdrms, bembas niovas e usadas, machines de lim-
par flea, ditas dc costura, ferragens, miudezas,
joias, relogios e outros muitos objects que se
acharig patents e setao vendidos sem reserve do
precgs, diversos canaries belgas e do imperio.
Na agenda a Iravessa do Corpo
Santo n. 27


Leiiao
DE

Sexaf~n_6do corrente


two do Pa-
Es. Sr. Dr.

aEm .leiio


Do cam de 15 bsr4. ami toucinio, 1 collndro
americano para padriIa, 1 cofre prmas do fogo, %
.ditos meores, 'moveh uvoe e usados, e muaito*
optros objto eista no armawm a rua do
Bm Jesus n. 51. I
SSexla.fetrn 6doentreile


As 11 horsa
Por oceasiato do leiblo de 54 roos comn fumo.
POR INTERVENVIO DO AGENTE


Agente Pestana
IT A a llHl MA I^A V A4


io ,Oltlut v ul.ilao Precisa-se de uma cosinheira boa c honest,
para, casa de uma familiar nos Afflictos ; a tratar
DE na rua Nova n. 13.
A R "~oi oluig ap su!nbso 'UItOoiA p
A saber: oWug op UnI 'V 8t *a : op!puoidgo oeuo(tioq
1 sobrado de 2 andares sita A rua do Marquez "
de Olinda n. 43. m f
1 dito de 2 andares sito A rua de Domingos
Jos6 Martins n. 58. _________________
1 dito de 1 andar sito a rua do Torres n. 4. *OLVyV oquuS ap wuinbso 'UI.oIPA
1 casa terrea sita A rua de S. Jorge n. 75. uP cyBugl op nnt 'Y f u- i "; 1'o0 'snI 'soanbalo
1 dita dita sita A rqa de D. Maria Cesar n. 51.
1 dita dita sita A mesma rua n. 33, todos na fre- i1 I
guezia do Recife. .
Sabbado 7 do corrente up W~lnv 'R TOS!JA "Oq a
o.iH1m ouw op vunmab's o A
Ao melo dia
No armazenz da rua do Vigario Tenor io lo ll|^s l
n. 12
0 agent Pestana, autorisado por alvarA e as- *"oimv ojueS p untabso '8uooTA Up o0013
sistencia do Illm. Sr. Dr. juiz de direits de capel- OP UAi 'V- "u i Pp nod tlinni ap 00019 9
las e residues a requerimento da mesa regedora,
autorisada pela mesa geral do 17 'de inargo def
IBQAI fla ;--a_gla1- da A- 1-. -I -I- I IMB iK


doDuqued Caian. a mi aol d
tamae, page o satiafeioa a
ficando o soeio Samareo sw a
passivo do memo estabieeenuto
Recife, 31 de janeiro de 1886.
Josw Joaqim &wmarcos.
Joao Capistrano de Oliveira.
AMA Precisa-se de uma, que saiba eom-
prar e cosiuhar, que seja de conducts afianada,
para servir em casa de homcm solteiro ; na rua
estreita do Rosario n. 43, 2- anduar.

PBoa n clnhlb'nei


f


U
~~7&vIsos~1ty~iSos-


Quem tiver e quizer
vender uma casa ter-
rea grande ou sobrado
de um andar em algu-
ma rua boa do bairro
de Santo Antonio ou
um pequeno sitio na
Boa-Vista, pode an-

nunciar para ser pro-
curado, ou deixe carta

nesta typographia corn
ainicial W, declaran-
do os commodos daca-
sa, rua e por quanto


D lons rNveis e videos
SCONSTANDO:
Dm Imobilia de pin carga entalhada eeoi
taMpo de pedra, 1 guarda veatidos de amarelo, 1
toilet. corn pedra, I lavatorio, 1 espelho, later.
nis,. arros, bollas, tapetes pars sofA e porfas e 2
veniisiana.
Urna mesa elastiea de 5 taboas, 1 guard louga
dean1arl10o, 2 aparadorps, eadeiras para sala de
jat; 1 marquess, marquezoes, 2 camas para
i "s, I bergo e outros muitos moves.
uinla-feirda do ceorrente
N A's 11 horas
No andar do sobrado n. 61, a rua Du-
que de Caxlas
0 agente Martins fart leilao por conta de urma
familiar que se retire desta provincia, dos moves
e maim objects existentes emin dito sobrado.
Ao correr do marteHo

Agente Pestana
LEILAO
Da rica armaglo, generous, diversas qualidades
de vbift, carteira, cadeiraq, tamboretes, camas,
balancas, frasco de vidro, candieiros de gaz e to-
dos os objects existentes no armazem Pavilhao
Mariio no'largo do Corpo Santo n. 2.

lta-foeirai 5 do corriOte
A's 11 horas
No referido armazem
0 agent Pestana ecmpetentemente autorisado
Far, leilao per cnta c riseo de quem pertencer de
iue acima flea mencionado.
Ao correr do martello


FhrIca dal0e P oT Ti e


Peoraleco -'
Seo convidados os Srs. accionistas A se reuni-
rem cm assembly geral ordinaria, As 12 horas do
dia 20 do corrente, no sallo d'Associa*o Com-
mercial Beneficente, pars approva*ao das contas
do anne findo, e nomeagbo da commission fiscal.
Recife, 5 de fevereiro de 1885.
Manod Joao d'Amorim,
Presidente.
Antknio Joao & Amorim,
Seeretario.

Egen 0 JS. 010,---Pgalm s
Na rua do Marquez d'Olinda n. 50, precisa-se
fallar corn o Sr. Henrique Velloso Freire, do en-
genbo S. Joao, em Palmares. -

Ama
Precisa-se de urma para too o servi de casa
pequena familiar; i tratar na rua Nova n. 15 ou
na rua da Paz n. 30...

Criada
Precisa-se de uma qne saiba cosinlhar com her-


enteo foive, ~a~pa casa do r a z solteiro; it tratar na
vendes____r^ ^ ^^ Par easa" d, =M
ruie DuqueCaxias ln. loila.
Aluga-se na rua Imperial duas casas, uma A m a
de padaria, cnforn foo e utensilios, e outra de moo
radia. ns. 198 e 199, por preco muito commodo Pars o service de cosinha precisa-se de umna
a tallar corn Jose Feliceiano de Nazareth. A rua ama : na Capunga, ruan da Ventura n. 16, casa
de Pedro Aflbnso (outr'ora raa da Praia), arma- de azulejo amarello.
zem n. 20. "-\~a -- -^ --- --
zerosm__ n. 20.IAr Vende-se um piano forte ; no pateo do Ter-
Aluga-so a case n. 1. A rua Lembranea do 90 n. 18.
Gomes, em Santo Amaro, grande, fresca e pintada
de novo, tern agua : a tratar na rua da Impera- Al f A0
triz n. 32, 1- andar. A o os
Quern precisar de uma senhora par& ensi- Beeco do Quiabo, sahindo pars a estrada do
nar primeiras lettras, flores de couro e madeira, Remedio, tern par ngociar-s ur boa tavern
dirija-se ao Caminho.-Novo n. 128. Na mesma parn pnucipiar a vida: h1 mesmo se dir corn
casa se dirk quem vende nm xarope vindo do cen- quem se falla.
trol tinRrt aan nara r{ .mn '.cfs ti *wf a .l qntihl B I -ia


u lV O CtV A Unupair LW j JmIU pUeUIUem. I


Joaquim de Gusmaitao Coelho declare ao pu-
blieo quo desde o dia 5 de janeiro proximo passa-
do, deixou de ser o admiuistrador da cociheira da
rua de Santo Amaro n. 1, e que ncnhuma respon-
sabilidade individual tern corn as transace5es ef-
fectuadas pars o costeto e conservaglo daquella
mesma eocheira.


- Precisa se de rama ama pars casa de pouca
familiar, quo eftnda bem de cosinba e de mais
servings de easa ; a tratar na rua da Aurora n. 7,
primeiro andar.
Aluga-se o 1- andar do sobrado a rua de
Marcilio Dias n. 4, corn mbastailntes commodos para
familia. e quintal, e o 1 andar da rua de Domin-
gos Jose Martins n. 128 : a tratar na raa do Mar-
quez de Olinda n. 3.


N, 4A A
Para cosinhar par% dous rapazes : na rua do
Livramento n. 19.
Freceisa-se de umai cosinheira ; na rua da
Uniio n. 69, por detraz do Gymnasio.
A ma
Precisa-se de ,mama aa que saiba cosinhar : na
rua do Sol n. 23, 1 andar.
Na rua do Coronet Suassuna n. 147, lava-se
e engomma-se para L-cmcm e senhors.


Precisa-se de ittr criado : na rua de Ger-
vasio Pires n. 30.
Precisa-se de uni- criada para casa de fa-
milia, que saiba coibar corn perfeillo: na rua
do Marquez do Herv J n. 21.
Precisa-se de iun -criada parn easa de ta-
mil!a, paga-se bern ; a tratar na rua Nova n. 39.
loja.- _______
Cosiaheira
Precisa-se de uras c .inhcira perita ; na rua
Duque de Caxias n. 86.
Menina
Precisa-se de r,"a nmcnina de 10 A 11 annos,
para companhia de rnriher e niarido, da-se bom
tratamento: na runt da Detenqo n. 12, G em fren-
e A ru a do Mangue.


Precisa-se de uni.a maR para duas pesaoas : na
rua de Hortas n ';'", obrado.


UJrgencia
Qnem se achar habilitada a fazer corn muita
perfeigbo vestidos de senhora, crianpas e mais
trabalhos de um complete toilette, em suas casas,
queisa mandar a esta typographia su noarada e
os preeos dos vestidos e mais trabalho, em carts
fechhda, corn as iniciaes=W. H


Uma senhora estrangeira, fallando o por-
tuguez e corn muita pratica de governante, offe-
rece os seus servijos, preferindo casa de nge-
nho. DA, as melhores informaoges : 0 Sr..Cini,
no hotel do Universe, rua do Commercio n. 1, in-
dies onde p6dc ser procurada.
Precisa-se de uma ama pars cosinhar para
duas pessoas : na rua do Imperador n. 81.

Ama
Precisa-se de urma ama para serving domestico
e andar corn urna crianga ; a tratar na zL*a da
Cruz a. 28. 2- andar.

A violeta
Os abaixo assignados avisam no respeitavel pu-
blico e especmalmente As Exmas. famflias que
abiiram o estabelecimento cem o nome acima, no
ual encontrarAo um complete sortimento de miu-
ezas de phantasia, do que ha. do mais modern. e
estao resolvidos a vender per por precos limita-
dissimos, pars tornar sua casa bem eonhtcida.
Rua Duque de Caxias n. 65
Barbosa Lima & C.

5,000 bisnagas
Na rua da Imperatri nunmero 14
Estas bisnasgas sAo preparadas cornm perfuma-
rias de aromas agradaveis e de primeara ,qali-
dade, e slo eapecialmente escolhidas entire aguel-
las do natureza mais innoccnte, nai offendem a
vista nem mancham a roupa, so contrarlo das
existentes no mroado, que sio wad aas vir va-
sias park evitar os direitos da alfaodegs, e aqui
saocheias dopeoaeimas misturas, Bem aroma e
perniciosas i sxide e a group no entretaato que
se vende pelo duIlo do que L65 vendemos.,


Mudan a
Jesuino Alves Feruandes, participa ao corpo
commercial quo mudou seu cstabelecimnento da rua
Marque de Olinda n. 48, para a runa do Born Je-
asu n. 52.

Aviso
Bog-se ao Sr. Fredri-co Vieira, paws- geiro do
vaS e*epdo do ort.c no die 2 do conom te,
v qe tesiha f bwtajidde de ooduigir A rua do
liuqasa de Olinda ir- 41w, qon mnuito so Ike doseja
cor|n- rlt~io1 a uugocie. ;'1 11^,


xT-,


- a Jf


Mom%


0


@


!W


Ama.


0


I"


,


I


I


I


N. 8


I


Aula Particular-
Lccciona-se primeiras lettras, portuguez, frian-
cez e piano; A tractar na rua de Gervasio Pires
n. 43.

JO Q S'GORVA Yes Penla
Franchsco d'Assig GonDalyog e'npa, Marianna
Silvana Vieira Penna, Manoel 6. Pentla, tPQuio
G. Penna e Viridiana da Silveira Penuna (auson-
tes), pai, mAi, irmbos e cunhada convidam aeos pa-
rentes e amigos do finado Jos6 Gongalves Penna,
afim de assistirem as missas que mandam resar
na igreja da Santa Cruz, As 7 horas da manhA, de
6 do corrente, terceiro anniversario do eu pas-
samento.


I


11


o


11


0


I


14,


I


.Lo, u ...aunucm uia Almas ua marinz ao Uor-
po Santo, levarA a leillo os predios aci-na mencio -
nados, es quaes se achamn livres e desembaralados
de todo e quialquer onus, servindo de base as of-
fertas obtidas no 2 leiltlo.
0 mesino ageute pede aos dignos irmaos o seu
comparecimento.
Pars qualquer informalo os Srs. pretendentes
dirijam-se ao agent no minesmo armazem.


I


k


I -


I -


I


I


e

e


I


^


4


,7.


5


I -





- -. id -


.p


UBII.M.U
Vinho Nutritivo de Came
Unico legalinente auctorisado pelo
go\ orno, e pela junta de saide pulica
de Portugal, docuinentos legalisados
plolcOIsul geral do Imperio do Bra-
zil. E tuito until na convaleseenA de
o(h,;s ;, doencas; augmenta conside-
rav(eliuuwle as forcas aos individuos
dlehilituados, e exeita o appetite de um
emdo extraordinario. Um ealice d'este
vihlio, r 1presenta umn bom bife. Acha-
A i venuda nas prunciDaes pharmaias.

Caixeiro
Precisa-se de um menino de idade de 12 annos,
para caixeiro de taverna ; a tratar na rua do
Visconde de Goyanna n. 1, preferindo se national
e que d& garante A sua conduct.

FirTO
Furtaram do engenho Minas-Novas, aa noite
de 31 de janeiro proximo findo, uma best russa,
grande, bastante gorda, e quasi em dias de pa-
rir, tendo nat anca do lado esqucrdo a 14ttra A, e
direito V ; quem a apprehender leve-a ao dito
cngenho, que sera generosamente recompensado.
Precisa-se de urnm menino para criado, que
saiba comprar : a tratar na rua do Barao da Vie
toria n. 54, nova agencia de moveis.


A PEPTONA
Sob a f6rma adVINHO de PEPTOIA,
preparado par Doereane do Pa'6, 6 um,
medicamento que muito contribue jo-a faci.
ilitar as funcq6es to estoaugo, e regalarim a
digest, uDico n eic Je 'avfecer t w mtriei.
do doente.
Semnumero de experaias feidas pelos'
mais afamados m dicw de Paris e outror
i azes demcnstrara% a effMia;ia dotVINSGO
DE PEPTONA DNFRESSfB; na ia-
Spissibilidade em que atamos de -vproduzir
todas as suas cartas, limitamo-ros a apre-
setar ajui a earta dirib"ia o Stir Defrwr.'
por dm facultativo, cujo nome 3 a fema io'
bern conhecidos pelo mundo medical.
Diz o D' J1uiet ao Sr Qefi *sne: o
Senlis, a '9 tea M odoe 18. L
a lemtako o gostu do lh maijfestar a -,
tisfaSo que tive corn #% Fptoma, p"ol
b ms resultados que corn ella A.lcaneew wos
c graves em crue a teo.ho en pregado. '
a Sempre quando tive de trata : um i te-
mago cansadn, doente ou corn .as digs-,
tWes, a saa preparaga< allivioa o0
djente..a-lhorande-lhe as func6.a digesti-
,&S mudtag Rm"lheres idosas outras"
anesicas c meninot rachiticos devem a
naude ae a da Peptona. Por i.:5 quo
consider. coa # um verdadeiro dever o ro
eommendal- Os meus doentes m' on granui
numeral de casts.
a Tanhopraticadocomo-medicoprancodH-
rante os annos de 181 t 1860, period em
S que a neessidade de dijrir as alimentos,
-.nmediatamento aumsumdos era memos iia-
nariema dp a re hbio; entlo tcnnUtlicnt
e-am mais vigorosas, mgi no", ex'gleas
S,lotadas d'um robusto appetiu. eavor( n dag
,or uma frands ahundancla de succos gas-
trieo j.? prevocava a prempta transftkua-
gfo on ahw.entos maim refractarios.
Hoje, poredm iique os estomagos daili-
l eos carecem de envgia, 4 oonvenloest
,laur mAo de todas as sumbstancis 'o fa-
cilithm a digestlao, como, por exemnb, do
sua Pancreatina.
0 preceito de hygie maeu important,
iordm mais despreiadi 4 este : Gamter
mnuito r. Q rV, rar mOFg tto e M-
gredo da saude, e durinte muite tempo as
mODs estudqs tiveram e ste anupto par
principal objecto; aldm d'isso, a ninba sa-
tuaio de medico na Repati tiao de Benefi
cencia d'esta cidade, em que os aserofuloMso
e lymphatios abundam fora de medids me
pernmttem fazer muit felies tappiaes &
de ueus e!C.idtes prodactos. a
Acha-se o deposito do tao valice 'zned1- !
camento mae Pharmacias Drogariu d'essa
cidade. E' reewo cui'dar em recoi'hecel-o.
,e nio acei ar as imita ces, exi ninxrot
mtaqwidfflrVWHlO fDaBW




-t/rii? BRA VA/S
umdos ferruginosos mars euer,
glopoiS qule algumnas g~ttat
por dia bastain para restabele~er o,
ea~rde em p~ouco tempo.
0 FERRO BRA VA 1.9
na produiz cai nbr~zs, ftoriqa de
estomagc diarzlea nero pri-
sito de vesito.-


o0fEiOBRAMAIS f|
nlo tew sabo:r r,.rn cheiro e nWc
dA mu g .sto ao viuho, agua cu .
q"-a!quer !iq,-1') o-. que fr )of a([o i
o FEBRO BRAVAIS
1o mais barato dos ferrugino c.s,
visto o frasco inteiro durar de umni
mez i ses semanas, importando o
tratamento em alguns reis por dia. i
0 FERRO BRA VAIS
oaaa tanegrecQeos d4etes
0 8nr DnAVAIS s6 p041s g antf ( tf,2- 2
Cqicaa a./ rero e gue d ivento, qavu} i
a ro.do los os pas.os tiverem z su &&a^.i-
gnatzra f"i-r,,.a co, ttCta encoarnada.
ym pramoto ctetalbalc aconapanha
IMtda irtia" e inli'ca o modo. da uar
dltel prma lerso r ripoao.a
VWDA V l GROaOSSO
3m Ca d4 BOUTRON C'
40, Ri(' St-Lazato a
UPOpfWOS Ua PRICHIPM PlMUACIA|


--Ar 4L Aw I


MIAOPE EPUSATIVO r" sI, I OD'ftEH BE PWASSI6
Sl~tfi M A fa dec8,s uwratr.aaa. oaaosrooaa, T,..-r*, i c b 'a Aaia s A g" f& U=aap
L&odtt f*Da mypblitioM u ndarto o er iaul .
IAROPE SEOLATIUV B.OMcURET6TO, POTASIQ
4S l B Mpteint. vT-C. ~*,. D n do S.. Say. !,aonc-ats a&. da-. =a3 2-ra" D .
'^^ *ss*ae r. a ?** so m aro*eaz as 6saaura.
4V


L -


OL EO OE FIGADO
ido. wet anQuin2
A; m7m A AN a-


a* mam,- .v 4.d
smwA~o dr- I" ma
a m grn~ '
0 OLEO JUCOUX
M p ummse, mdNto
oam" a A.mo -*e


o Itftmte d'te n me pai -- --
% 6 devido ao etudo at ", Asu m'
nuinwemme elvrienclasfel-s-Imm TteIM. Ate- 'a
tos paolo 3 DUCO UX du- e tmi,
rans long,. a nos trim ~ uD!D Irde 4 d rsc.W
remlr&num W6 prducto, o n0 SOftp 6i $PC*t dff t6a~aix r BrldgB w ftw<,a* 44MMO .
2 0 M9Se t1f6 dr ue StttOM.

ftMI- y ^ HaMfi r-k a a '
; a o r 3 1 O --N *--- ,
aw, amaiat-0a..0i

-^'o^ t^ -a7A4- .. .i0 ;.2


ntrm:1. .. n2
I ^ z.3 ..--.0 -
0"',5 ,. -; ,/ ,
S A'WE, fY:.a. 'ac .;.--.,. y& :>;-.s- ;


AOB 0llA O 1!07
--- s, -
w ^lbomivs sfn mejor3w3jm
I~ eon0uir ana
Vende-se urn sabia da matt e outro de
Minas muito cantadores, proprio para um
present: na Cnes 22 Ide Novembro n.
42 A.


/MELt40?

-* a-eS36 ^*S fi '4.T %
^1111 aL U. J^



,xtrahido a frto
!QA. C~E-
a ibfL*,I&JJe


V enice pe, &iiM (Lras.'
vi'1la-,I 91n todas ats caift
a v moffhrils dno af 'p-)-
EXL'IQI 0 PRO'UWL

VIC aELoL9,O ES


T OBRAS LITTERARIAS |
'MT.PRESSAO NTTTDA, PAPEL SUPERIOR, PRE? MODICOy ,^^0

JORNAESb, PERIODIC08 E REVIST'S
UMA OU DUAS CORES COM ARTE E CORRECIAOgia 1W
DIPLOMAS E QUADROS DE LUXO
DOURADOS, PRATEADOS, DE CORES E EM PRETO
ANNUNCIOS E CARTAZES
4 PARA CASAS DE COMMEKCIO E THEATROS// T
^ji /^ W^CARTOES t
C ARTAS DE C OMVlTE XT 0o0o,8 08..
SIMPLES E DE PHANTAS1A / ROTULOS
^ /^'Kfy'/y ROTULOS r
FACTURAS / %S/ PARA GARRAFAS
J)DE QUA1LQUER FORMATO mA.P
4| / ^W/ TALOES j
MEMORIAES
M TODA ROTIDA ,SERRILHADOS E EM LIVROS
COM TODA PROMPTIDAO 0
VINHETAS / MAPPAS E TABELLAS
PARA PHARMACIES E M IPRETO E EM 2 CORES
PAR RA ^/Jic^IMPRESSAO SEM COMPETENCE
ETC., ETC. iq
/ OBSERVAQAO
Para ajuste, os senhores interessados poderdo ,0
expedir avisos por intermedio dos deposits da
Fabrica Apollo i rua do CabugA n.0 4, e rua do
Marquez d'Olinda n. 52,Ou pelo n. telephonico 68
afim do respective empregado ir corn elles tratar. :

A. P. DA CUNHA
/ 79 Rua do Visconde de Camaragibe 79
1-PERNAMBUCO
4 -` .. . . .............. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .
-- 4Y 4 74r i 4, ,I, 4- |^



MOLESTIAS DE PELLE
Approvado pela fanta centr&1 de Hygiene dof Brazil.
SABONITE DE ALCATRXO DE ORIMAULT & C* consolida e vivifica as earna 6 de
efficacia admniravei nas affecges da pelle, espinhas, empingens, lichen, herpes, eczema,
comiehes, prurigo, etc. Se recommend aos agricultores para os animals atacados
de enfermidades da pelle.
SABONWTE DE ACIDO PHENICO DE GRIMAULT & C", tern todas as propriedades
desinfecta"tes do acido phenico, sendo excellent preservalivo contra o cholera e febres
putridas, niodificandooar viciado das habitaeoes e combat ado as transpiracts w oeuft.
Preserva das affecfes oontagiosaw e 6 sem egual para picada de insectoa,
'O Deposto em PARIS, 8, rua Vivienne e nas princip. Parmaacibs e wrogarias.



MFERRUGINOSO


d tl, ifsm ds LWraras e de Quassia a Ma
'i P8OTO'fOD&RfETO di FEBIW
^ t.~uaao por I,"P. LAROZK, T~armacv^t)
W 9009- 2, Sl- s ~aies *SeMd-PTl Til ;- ,
^ tawmOTApO PHA JUNTA flB K?!EBU 00 3aamI,.
S _- .._ geh^ o 1' r-d tePidos, esti.s,_e-.- e.a,. ia..
y sm 2Upw>Fpaado, hem ouaervzrdo~,py sarias if sums fuucesie divteraa.
SS Pro'araSS?^Yej1a^*10 e ae 03p W^o(
qu wroduuo8B~lhoreI suriaos.Sobe medicos da F '
a lnnlueca; ( triuips er 0e o especifico mais acertao pus a
C tB alt< csfc deiarsa,1 e din 3oen~fa ie IaAeor, ChJiros. A^n-
9uq._s amera, o fenn 6 assrdla<[o mn, chlori Ane,. a r iC n '. blu-
?facailmeaae e produs effeito prmpto oem corn d-xe-at.oAorSS 3 5-
K eggeMi! &Utltta^ ,,angue, a forva; lectias esaoobutleas e ssrutt i
y w a 4 4 ^ ^wo ^aWW *ei tieu vs'ai~ Ms zagiasi P'odar. Lta .A-r^9fS
S liAROPE LAROZE "" TO cIC', &'ThItEMBSB
) Wt^_ a **tri-,, oGtralfgua. Dya ipla, Daese Catinf.wtas dae, ma,


Em prestaoes





18000


Por


P6de adquirir-se as verdadeiras machines de

SINGER
Quem ndo deixara de comprar agora nma destas afamadas machi-
nas?
Venham a succursal da companhia Singel na


RUL DO CABUGA N IA
N. B.-Vendemos lambemni linha superior, relroz em carreleis,
agulhas, oleo, linha de crochet, peas avulsas para as machine s
tudo de superior qualidade e por preqos sem competendia.


FUBDICEi0
I&


HE FERN


DE


CLARDOSO & IRMAO
RUA DO BR M N. 100 A 104
DIPPUITO JRA IIA\POLLOH8I 1l2lB
Os proprietarios deste bem conhecido es-
tabelecimento pelas suas relapses directs
corn osmelhores fabricantes, e corn um dis-
tincto engenheiro de Inglaterra, offerecem
grandes vantagens para encommendas, como
provam coin os apparelhos completes assen-
tes nos eng'enhos Massauassu' e Bosnue, e


meio apparelho no engenho Concei(ao.
MACHINAS a vapor trabalhando s6 con
o fogo do assentamento, podem ser examine
das as que foram assentes nos engenhos Be
lem, em Timboassu', Cucaii, em Gamelleira
Diamante em Goyanna, Pao Amarello, Ca
f t f
mara e Lages em Itambe, Vidragao em Pa(
d'Alho, e outros no Rio Grande do Norte <
Parahyba.


Chliamam a attencao dos


Srs. agricultore


para os novos vapores que tehm recebido (1
dcreditado fabricante Robey. que se recomi
mendam pela facilidade de conduccao, assen
tamento e economniia de coribustivel, deixand(
de mencionar os engenhos em que os tern col
locado, porja terem vendido 85 para divers,


lugares, e por issoja d(levem ser bem
cidos.


conhe-


Sao os noicos recebedores de trilhos porta-
teis de Fowler que se tornam recommend.
veis pela facilidade da colloca(ao e por sun
duratao.
Quanto a moendas, rodas d'agua, taxas ba
tidas e fundidas, e todas as mais ferragens pre
,cisas a agriculture, tem sempre grande depo-
sito, sendo, tudo da melhor qualidade.
1*Vdetne, a!'prano on a dinheiro corn des-
conto.


rn


RUA PRIMEIRO DE MAR(O N 20.

Grande varledade de diversos tecidos de algo-

dao, la e seda apropriados para vesluarios de

MASkCARAS e por precos ba.

ratissimos, assim como velbutinas e artigos proprios

para o mnesmio rim, na anliga e bemn conhecida casa da

RUA PRIMEIROP DE MARCO N. 20


SINGEI! SINU[I! SI*GI!


AGIDO PHOSPHATOD BE HORSFORD
preparado em harmonica corn a fir'mula do
do professor E. N. Horsford, de Cam-
bridge,
para indlgestuio. pro-l racio mental
e jliylcan. ftnores EnocturIo!, etc.
E' esta urna preparaAo de phiosphato
de cal, magnesia, potassa e ferro corn aci-
do phosphorico, do tal forma combinados,
que mrui facilmento se assimila ao system.
NAo divergenm as op)inics na elevada
autoridade medical, relativa)mente ao me-
rito (los phosphates; entretanto at6 hoje
nenhuma preparacuo se offereceu ao pu-
blico que corn os mais ielizes resultados te-
nha satisfeito A necessidade geral, como
esta.
E' agradavel o paladar, e sua acAio se
harmonisa perfeitamente corn os estimu-
lantes que seja necessario tomar-se.
Os medicos mais celebres dos Fstados
Unidos tern ultimramente empregado o
Aeldo Phosphato corn minelhor exito
para combater OS 11aos effeitos pro-
duizidos pelo effeito do fumo.
Faz sum delieloso tonico sinm-
plesmneute coin assuca e agna.
AGENT EM PERNAMBUCO
Adamson H0ovie & C.
3 Itua do Commnerclo 83





Heleodorio de Aquino iFon%.eca
A mesa regedora da irmandade das Almas d:i
matriz do SS. Sacrawento da Boa-Vista manda
no dia 5 do corrente, :is 7 1/2 horas da iminhi, na
mesmina m'itriz. celebrar mnissas pela alma de seu
irmao ex-juiz Heleodorio de Aquino Fonseca, tri-
gesimo dia de seu falleciwcnto. Convida a Exma.
familiar, parents e amigos do fluado, para assis-
tirem a este actor (1f religito e caridade, pelo
(lual ficari cterniamente grata.
Consistorio da irmandade das Almhnas, 1 de to-
vereiro de 85.- () escrivao,
J. M. Lemos Duarte.
Mlaunoel Milva Couuta Camnpo
1 annivcrsario
A viuva, sogro, sogra, cunhados, cunhadas e
concunhaao do tallecido Manoel da Silva Costa
Campos, teudo de mandarcm cclebrar uma missa
no dia 5 do corrente, na igrcja da Soledade. as 7
horas da manhbA, convidam a todos os amigos c
parents do finado d assistirem este aeto de reli-
giao e caridade, pelo que so confessamn antecipa-
damente agradecidos.


Precisa-se de tunia perfeita cosinheira para
casa de pequena familiar, quecompre e nao durma
f6ra : a tratar no cseriptorio deste Diario
Aluga-se barato


Armazem da travessa do Campello n. 1. Recife
k casa A rua do Viscoind le Goyaunna n. 79
A loja n. 10 da travcssa do Carmo.
- 0 armazem n. 13 do largo do Ccrpo Santo, o
qual tern conmmunicaqAo c,.m o n. 4 A no caes da
Companhia Pernamnbucanai. coin guindaste.
19 A tr tar no largo io Corpo Santn. 19, primeurt
audar
Aluguel Iiazoavel
[ Um sitio coinm casa prn f;n;milia, rua do S. Mi-
guel, em Afogados n. 99, ejunto 0aunho salgado.
e Urn casa para fanuilia. e banho logo junt
(nit Varzea), run de S. Jolo.
Uma casa prqueni, A rua de S. Francisco n. 1.
Um' casa pequen ;i rui di ) Dique n. 2.
A tiratar no rua de Suint; Thereza n. 38.
S Quem rrecsa de um cosinheiuo, dirija-se
ao Forte do Matto, dcfrcnt&1 do chaf;.riz n. 15. 1
) andar.


SAttencao
Aos senihees de engcuenho
S Uma pessoa corn todts is habilitac.es para ad-
minuistrar engenh,,. se cfr'ce prs este fiu. c
taimbenm offerecc-se urMa pessoa coin habilita.cs
para enlsiiiar div rc-is atiiitrias- in 1L qiilnqucr u-
genho : quem pretender deixe carta A rua larn.;
(1do R, sairio n. 42, 3 :indar. cornm as inicaes I B.
para ser irocuradu.

B0om negood
,enude se ulna bca lil)ilia dejacarand;i eim flr-
f'ito estado, corn differitn s pcqas importantc-,
send piano, gu;'rlda louI. guard 'i-ij)i 0 e CU1
rico santuario : A tratar em Olinda, rua de Fer-
i-indes Vieira n. 12. antiga Mathias Ferreira.

SJoao 0Rabhuil
Estabelecido corn (hfficina de dourador e pintut-
ras, a rua do Bum Jesus n. 47, tendo soffrido um
arrcsto no sou estabelecimuonto, A requeriinento doi
Srs. Laport & C. -,rtcrio do escrivio Ernesto. c
nao podeudo chegar a uinm aceordo corn estes seuns
credores, pelo present, avisa aos demnais credores
do dito estabelecimnento, desta occurrencia, 6fim
de que cada urn. pelol-s u-ios legaes, procure re-
* salvar os sens direitos:
R:cif.,31l de jAneiro de 188i.
Jouo Rabut.
Ama
Precisa-se de urna..ma que cosinIhe e engOrnim-
bern, para casa de familiar de duas pessoas :
tratar na rua do Bario da Victoria n, 23, ]oja.


~me ,,. -


.~ ~ .- =~- *~~-


".U f


- -_ f 1.


DUCO


" o IL" ,< .0 -8S5


iI WAlI)ADE E CCR HATLSWES
a FuAvAO SEMm iJuAL
i "11* '"^'Y A3A 0 CABELLO,
(i^^TORNANDO-0
M ACIO, FLEXIVEL E LUSTROSO.

DEPOSIT GERAL
13--Run Primeiro de Marco-13
Rio de Janeiro
Unico agente em Pernambuco
ADAMSQN HOVIE A C.
N. 3 == Rua do Commercio = N. 3
A venda em todas as boticas e d -ogariae


I


(Ij


-1<
i;


. -.r- AIL


semana


- II1-1 "- 1-, 7 1-1


-Ww


















articipam ao res-
peitavel publieo, que

continuam ter um sor-
Limento de joias das
mais modernas e dos


mais apurados gostos.
Compromettem-se
a vender mais barato
do que em outra qual-


quer part.






AO COHEiCIO

Viagens ao0 centre
De Ollnda AItabayanna por Igua
rassun, Goranna e Itamb6
Todos os sabbados, as 4 horas da tarde : passa-
gens tomam-se A rua Primeiro de Margo n. 1,
loja.
De Itabayanna a Olinda por Itanm-
b6, Goyanna e Iguarass6
Todas as ter9as-feiras, As 4 horas da tarae:
sassagens A tratar corn Louren"o Pereira d'Amo-
rim, em ItambW.
Viagens avulsas para qualquer parte e em qual-
quer dia, partiudo do ponto que se convencionar e
a pregom commodos. Essas contratam-se i rua da
Companhia Pemrnambucona n. 4. Encarrega-se das
bagagens que nao podetem ir nas dilerencias.


OPai Kn llr otall oPi rryDais
Matador da dor
Um amigo dos pobres, economic e de
facil applicaoo, 40 annos de success es-
pantoso.
Nenhuma familiar deve estardesprovida
deste remedio.
Externamente cura: furunculos pana-
ricios e outros tumores torcedura dos ten-
does intumecencias das articulagoes do-
res de dentes -nevralgias- rheumatismo
- queimaduras- golpes, etc., etc., etc.
Internamente cursa: cholera, molestias
do figado, dispepsias, ulceras doengas de
garganta, tosses, etc., etc., etc.
Acautelar-se contra as imitag5es.
Agentes em Pernambuco, J. C. Levy
& C.


DROGARIA E FHARMACIA
Jua do Barao da Victoria n.


PREOS
Frascos grande
Pequenos
Duzia de frescos grandes
Pequono


At


g5


1,55000
1#500
91#000
920(


U t FUI&AI


lXEus do9 uga*6



0 abaixo assignado vendeu nos seus
venturosos bilhetes garantidos os premioi se-
guintes: 1 inteiro em quatro quartos corn
a sorte de 4:000- no n. 2662 1 inteiro
em 4 quartos corn a sorte do 100# no n.
3707 al6m de outras mais de 32,#, 16# e
8#, da, loteria n. 103.
Convida aos possuidores a virem receber
sem desconto algum'.
Acham-se A venda os venturosos bilhe-
tes garantldos daloteria n. 104 em beneficio
da matriz de Santo Antao que se extrahirA
na quinta feira 5 do fevereiro.
P I o(ICOS


Inteiro
Meio


4,000
2,5#000


Quarto 1,000
*endo quantldade superior
a 100:000
Inteiro 36500
Meio 16750
Quarto 875
Joaquim Pires da Silva.

Gt de rapa
Roubaram das casas da companhia, na praia de
1-. Franciseof em Oinda, uma linda gata de An-
oros. De cor einzenta, tendo a barriga toda
Imrouta bastaate peliuda de cauda frocada e por
demtis ma tsa, Gratifea-se a quem a apprehen-
der e quizer restituil-a ao dono, para o que pode-
TA obter esclarecimentos dos chefes da estagAs
,o Recife ou do Carmno em Olinda.
Medie'o


DUr. Jctoim C mra fixi
.cidadw de lftbnoes, onde'
qpar oa.HMstwwe le, sua profit


sua residence 'na
ie ser proeurado
0.D


A


Inteir(
Meio
Quarto
Em quant
Inteirc
Mcio
Quartc


D 46000
24000
? ~1,S(000
idade malor de 1100
p 3,1500
1#5750
^ #875
Manoeld Martins Fiuza


CASA BDOOURO
Aos 4:000A000

BM n W.. 11
B OL) TI] RMlI208

Runa do Barlo da Victoria n. 40
e easas do costume
0 abaixo assignado acaba de vender
em seus felizes bilhetes quatro quartos de
n. 3,109 corn a sort de 2:0009000 e
quatro quartos de n. 3,628 corn a sort de
200W000 e diveraos premios de 32#000,
166000 e 85000.
0 mesmo abaixo assignado convida aos
possuidores A virem receber na conformi-
dale do costume, sem desconto algunI.
Acham-se A venda os felizes bilhetes
garantidos da 14.a part das loterias a be-
oeficio da matriz de Santo Antao ,(104.'),
que se extrahirirA na quinta-feira, 5 do
fevereiro.
PRECOS


Inteiro
Meio
Quarto
Grm porfio
Inteiro
Meio
Quarto


4,5#000
2,5000
1,5000
de 100000 para
elma


Jo.o Joaquim da


3V1500
15750
5875
Costa Legite.


LASA FELIZ
AOS 4:0004000
-E
2:0006000

BILETfEWE* GARAXTIDO@S
Pra~a da Independen-

cia ns. 37 e 39
0 abaixo assignado vendeu entire os seus
telizes bilhetes garantidos da 103a loteria,
a sort de 100,5#000 em 4 quartos n. 2290,
al6m de outras muitas de 32#, 16# e 8#.
Convida os possuidores a virem receber
sem desconto algum.
0 abaixo assignado tern exposto A
venda os seus felies bilhetes garantidos da
14a part emi beneficip. da natriz de Santo
Ano,, 104, quo. so extrahiri quinta-feira
5 de fevereiro.
Preoes
Bilhete inteiro 4#00.
Meia 2A000
Quarto 16000,
im per o, dei 1005~0 pipaa-
Bilkhete inteirp 3#500
MI6io 17FDQ
Aotonio0 Augusto dos fanmtos.Porto.


Luz brilbante sea. furm

Oleo aromaftiro
UVGEMC O E CNOMHiCe

Pinalaminas


Martins & Bastos

Pernambuco
Nnmero telephonico a. 3.1

Ao commercio
Esteves & Secades, estabelecidos com refinacao
de assucar por grosso e a retalho no Caminho
Novo n. 26, resolveram collocar o telephone em
eeu estabelecimento para mais commodidade nos
pedidos de seus freguezes. Recebem tambem en-
commendas pars f6Mra des praa, garantindo
pontuajidade, modieidade em pregose inceridod.
em asa trauvaeos. Ot-proprwetanos esperam
mercer a proteegik de 4i0 fiiie|e e wW
Num~ero do telepbste77
a


rC.


0 abaixo aaaignado, tama vead nos
sen afrtumaados bilhetes gaidos 4
Iuartos n.3,775 com- aorte da 200000,
Squartos n. 2,188 coma sortede 2004000,
4 quartos n. 4,958 comn a sorted 10050(),
4 quartos n 1,044 cemorn a sote, 100000,
al6m de outras sortes de 3241, 165 a 80, *
loteria (103.'), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
na conformidade do costume sem desconto
algum.
Acham-se A vend& os seus afortanados
bilhetes garantidos da 14a part das lote-
rias emi boneficio da matriz de Santo An-
tao, (104.a) que se extrahir na" quiUta-
feira, 5 de fevereiro.
PRECOS -


Loteria da Parahyba
No estabelecimento n. 2 C A rua dor Cabuga,
acham-se expostos a venda os bilhetes de numa
nova loteria da Parahyba, organisada segnndo urn
bom piano, que contm&n os seguints preios :
S 1 de :00uJO0
1 de 1:0001000
1 de 200OO0O-
2 de 100O000
4 de 50,000
15 de 20,9000
40 de 10,000
50 de 5J000
500 de 2A500
Este ultimo e o prego de cada urn bilhete alli,
sendo elle em Pernambuco 2J750 para os vende-
dotes e na casa 3,000.
Os premios sao aqui e alli pagos integralmente,
sem desconto algnm, A vista da lista da extrac-
c$o.
Sao estas vantagens que nao podem deiiar de
ser apreeiados pelos que gostam do jogo das lo-
terias.

Rt. DE DRUSIN & C.

Rn go Bot-Jes no 18
(ANTIGA DA CRUZ)
Casa de commissoes
Grande e variado sortimento de amos-
tras e catalogos de produces da Allema.
nha, Franga, Inglatera, Austria, Hespanha,
Italia e Estado-Unidos.
N. B.---Informages sobre machinismos
agricolas, ditas para engenhos centraes-
bombas, etc. para incendios e outras ma,
chinas e utensilios.

Botica do Recife
Sobre direcciso do phprmaceutleo
ALPHEU SOARED NPO8O
Promptifica-se as receitas corn a maior preate-
za e cuidado a qualqper hora do dia e da, noite:
ra rua do Born Jesus (antiga da Cruz) n. 26,
Pernm mbuco.
lj i~ o iti-blekliaic8

DO
Pharmaceutico Alphen oareo
RapoSo
Cura rapida e sem dor : unico depesito, na
Lotica do Recife, A rua do Born Jesus (antiga da
Cruz) n. 26, Recife.

Trastes
A' rma do Imperadorn. 16 compra-se, vende-s,
luga-se e troca-se novs e usidos.
ITNHA COATS

a Iiwtros para machina, e a Macia de 6
f* a tanto para machifa como para -cozser a mo.
-Nao se usa mais linha em novello-,-
Peda linka em carrte, ceam Q nome
--, J. &P. COATS -


Precisa-se de uma cosinheira para casa de fa-
milia : na rua Nova n. 45, 1- andar.


JA chegeu para o unico agent nesta provincia
o acreditado kerozene imexplpsivo de Coral &.
Cardoso, que se acha A venda no unico depoito WA
rua do Born Jesus n. 38, junto ao correio.


Convidmmos e rogamos ao Sr. HeUrique Gomes.
de Barros e Silva, abastado proprietario da comar-
ca da Escada, a vir ao nosso escriptorio na rua
de S. Bow-Jesus... dar as raises porque tern se
mostrado tao obstinado em responder as -nossas
cartas, e remisso em pagar un debito jA de an-
nos! Fiqae certo V. S. que emquanto serrar os
seus ouvidos insistiremos neste nosso convite.



Precisa se de urna ama para servico domestic
e andar corn crirnca : a tratar na rua da Cruz
n. 28, 2" andar.

Casa de negodo
Aluga se a casa n. 56 A rna da Unito, muito


apropriada A qualquer estabelecimento e tern corn-
modos para famifia, corn agua e gaz : a tratar
na rua Duque de Caxias n. 30, ou em Parnamei-
rim, sitio do Dr. Goes.

Pertau ,so eu venIe0-se
urma part de terras corn mats, tended madeiras
de todas as qualidades. e grossuras, no engenho
Utinga, em K. LourenVo da Mata ; vende-se ou
troca-se por uma easa nos arrabaldes desta eida-
de : os pretendentes dirijam-see irua do 0mpera-
dot n. 717. .


FvI eo Txelw
^ -sQ L


-MIGUEL WOLFF &'C.
ifferecem ao respei-

tavel public mu gran-
de e variado isorti"en.
to de relogiosdos mais
acreditados fabricani-
tes, e se acham habili-
tados a vender mais
barato do que outro
qualquer, visto rece-

berm direetamente.
Todos os relogios
vendidos n'esta casa
sao garantidos.

un1 go Gn-tis 4


Para vender
A dmnheiro ou fianga idonea, vendo-se uma das
meopM.aw -de Aiogados, bern situada, corn
cirao' grandejardim, bom sitio e
todf arbd. de arvores fructiferas, quartos
par< criadb, gailnheiro, banheire e outros com-
ferro terno& funos f sahida pa er o & da
ferro-via de S. laiclkeo, B,sviiteiros t coquei-
ral: quem pretender entenda-se corn o Sr. Joao
Duarte.

BORRACHA -
PARA
Vendem Souza & C., A rua Estreita do Rosario
n, 22. E' especial e commodo o pre90.

A' elles!!
Nova remessa de fust5es de cores a 240 rs. o,
covado!!
Lmdos-poidr.es ema fustoes, brancos .a 400 rs. a
ditp.
CortmadQ* bQrddos, (noyQ, deenpos) a,700Q0,
0 par I!
-S6 ns conheejdaL e aereditada loja de Carneiro
da CuIAha & CQ, A; ruo. Dpque de, Caia. n. 59.
gircjA^ I %?.II Ic^.r^.;.. ....

Verdadonima pecbinebas
59 = Rug .*qjpe dq Caxils = 59
GITe4_..,.,u rs`
cova 0d
Alpaea de seda furta-cores a 400;rs. o dito I A
'ell MerinAs de duas larguras, todas as cores, a
1,200 o dito!
Idem prgto superior a 1A200 e 1,500!
Casemira diagonal pars palitot a 24200 o ce
vado! sao de ,4ua larguras.
Idem de cores, inglezas, a 15200 e 15500!
Flanella ingleza, azul, a 15400 o dito
Camisas brancas francezas, superiores, a 2819
a duzia!
Ceroulq de bramawte a 165 a dita! I
Lens de linho em caixinhas a 3A a dita!
Damascos e pannos proprios para mesa a 600 e
1,5000 o covado!
Bramante de urma largura, trangado. a 600 rs. o
metro fazenda de 15-
Len96os editor, grandes, a 2a urn!
Cobehtide gangA, forradas, a 25500 urma I
Colch0d de ast4o- brancas e de cores a 25500 !
Dita, quisis 'de crochet a 10A !
Chalesde iiase0ra, nodernos1a ,6500 e 3,A.
Ficha suaperioris a 2,500, 3e445.
Setim macao verdadeiro a 1A400 o covado!
Dito preto superior a -,5200-!
Cambraia victoria a 3550 a pega de 10 jardas!
Madapollo boa-vista a 65 a dita de 24 jardas!
Brins de coreassperiores a 24 o e6rte !
Dito pardo, Ibna, a 320 rs. o covado!
Dito bronco n. 6 a 14500 a vara!
Atoalhado bordado, de linho, a 15 o metro !
E outros artigos a preos resumidos.
59=-Rua Duque dc Caxias=59
Vende-se
urn boi muito born de carroca e tambem se vende
amesma carroca corn todas as suas pertencas,
send a' de vender agua, etc. : a tratar
em AMgo no becco do Quiabo, cem o proprio
don g. -


i rua Ado Cmomrnio a.


da R~a-"sta,
"-sm d0R a ~ rftrix 40
moito largo cum o0vasoa44a e 56XX

Dito fires, mae o, f6Aeoi muite
fina eeopar&te ece eTr opn
.no,metroa (
Drto tmamd coa mem largura,
*prio par len6esn e toalhas do
,omes, metro a 11320
B manto de algodao corn 10 palmos de
larga, proptio par" faier lenoes de
um a opanO, metro lj28.
Dito france, sendo de linho, metro a
I5800e 2;M00>
Dito inglez de quatro larguras, se ido
de bahs, metro a 2500 e 2J9800
%tegullas propias para leneos, tooa-
dlas, eeroulas, sendo faenda muite
encorpada, cada pega corn 20 vans
.por 10890 e em varaa 50
Ditas corn a mesa media a 800 m., ou
vaI a 40C
Atoalhado adamascado pars toalhuas de
mesa, tendo 8 palmos de largura, me-
tro a 18006
Assim come unm ompleto sortimento de
Sp" de algoedsinho americano e
mglez, que se vende por peg de 3A st6 6M000
1st ua loja ds. esquina do bece dos Ferreiros
Caseniiras de cores


Uv/es
Ll ir;.s
CA STRO TNU S, op n i el w rt r d

Fontada pot Jose arinado de SonM I
IDE,, ommt. do ii do di


vBISPDO PARA, hisorJia bibli, o naati-
rv4e1 m0da douvria n chrid ., ra d o a-
o aa Vitrie a nnot a livraria Economite s,
PJOm o d M a1RT eijunto no dte antoa
Vends -s




propom~oi pars natifase trea e main ml pies do
boa proDO PAALo, muitos ritia d ouqueiros tonarrae-




non prqpnio.par so plantarn an mail coqueiros
qutej~ue~ira, tern salinas, viveiros, forno. do cai
o bsserims, mattas e porto do embberque jun-
to s ege ho a tratar nVo mesmo engenho .
A ve8AS l Jvraria Indu*W iaL& 7, rua do Ba.




r da Vitoria ; e n oa vraria Economdes
Primeirou Dujue de CMaro, junto ao aro de Santo
Yende-se




0 enenho Amaro da Iha de Itamarao cado.
propor*.Pftopr sitisfauser trds e mais milL ples de




LindasU ehitas moerrdern as a 200,p240et 260 rao de maito280.
Bring pardos, limos sitiosa 240, 320, 360, o00 queiros. e terre-




covado.
oBramante pars lenl e plantarguras a 800 mil coqueiros




metro.
qwue quoiura, tem, sajia%, viveiros, fornos de cal




C bas emira *kimta 400 rs. o e ovado, qu peehineha.n-
to ao eteaho e lav trat s a 360 meo o ovado,
Basempre 'fvdadc



aproveites
PoUenas o lists ae se a a 8la0 s o ovad,
Casemira meicano corn 24 jardguras a 5.ninguem e a




Dito-Boa,Vista corn24 jardaa a6,5.
Cortinados bordados a 6.
Ditondas dchitos mecortadoas a 7200,24. 260 e 280.
Brins pardotos a 2800, 900, 130, 100 e 15C500 rs. o
covado.
CBramisante paca fralnces 4 larg2ras a 800u rs. o
metro.







Ditas de-crtones francezas a 2,5, aproveitern.
Espartii'ls corn coutaqa finissimos a 4,5500.
Ceiasem biramaas pars homem a v 800 a duzie pehincha.
Setinetas li-sas e lavrad-is a -36 rs. o eovado,




aproveitem. s6 vendo. E' arto!
Popelienas bnco lis dcorn fro preto a 800 rs. o covad,
e bem bom.



Madaptos co bamericano cores a 1rd800 a duzia.




Ditos do linho-paro senhoras 1,56000a duias.
Ditos iBoa ista oe 24 jardas 15800 a 6ita.
Ditos rtinados boidados da 85 p 3500 a duzia.6.
inditos bandeiato s naeionaes e portguezas a 47800.




a dazia.
MerLindos Pretos m a 800, 9300 12 e 500ovado. o
Veludiho bordado a1 o covado.
RiCamisas vetarolncas francezas a 2 e 60800 uma. .
Ditas dite bordadane s a 1 2. aproveitem.
EspartHiMha comn couraga finissimos a 44500.




Mlaneias dbA todas an homres. a 2800 a dzi.
Iarlatans, gangs ser paivagendo. E' barato as.




Caus~a
Lens broncos odm friso preto a 800 r.
Ditos coft-barra de cores a 1A800 a duzia.
Ditos de linho-para senoras a, 1$1600 a duzia.
Ditos ioae do seds a 1 &800 a dita.



Dito de linhe finos de. 80. por 3500 a duzia.
~LindasDos bnacionaes e portugezas a 48rateiros00
a duziAproveiea..
Lindos satins mxeao a- 1 %300 o covado.
Velludilho bordados a 14i o covado.
Rieas ventarolas chinezas a 600 rs.
Ditas ditis bordadas a 1S.
Flanelas de todas as c6res.
Tarlatanas, gangas cown paisagens tAo barstas.
Causa
Admiraglo
Dos barateiros
Aproveitetro.


Cazemirak Inglezas a 28500 e
*4m
Na loja dos Barateiros da Boa Vista, vendc-se
um elegance sortimento de cazemiras de duas lar-
guras, send inglezas e corn benitas cores que me
vendem a 25500 e 25800 o covado, send muito
proprias para costumes, e das mesmias tambem se
mandam fazer costumes muito bern feito de eal1
palitot e eollete por 305 e 354i e grandpa pecinchs
na loja da rua da Imperatriz n. 40 a eoqina do
becco Jos Ferreiros.
Fusloes a 400, 306 e E40k
Os Barateiros da Boa-Vista, A rua da Impera-
triz n. 40, vendem um grande sortimento de fus.
toes broncos, proprios para vestidos e roupas dt
creangas pelos preeqs acima indicados; isto na es-
quina do beeco dos Ferreiros.
Lasinhas para veslidos
Alheiro & Silva, A rua da Imperatiz n. 40 aca-
bam de receber um grande soitimento das mais
bonitas lansinhas pars vestidos, sendo alpacas
de cordao ccmr lindas cores a 500 rs. o covado,
gurguroes lavrados tendo de todas as cores a 560
rs. e ditos muito finos corn brilho de seda a 800 rs.
todas estas Ifinhas sao inteiramente modernas, e
vende-se na loja da rua da' Imperatrils n. 40 a ee-
quina do becco dos Ferreirm.

Papel Ou O,
pars forrar salas de visit e jantar, quartos, al.
covas, correodores, etc. Gra4d e vaadoo sorti-
monto por peos eg m "m mdloos


acaba de chegar pars s
_ d9 raria XadIstriaR
A rua do;Jf a i c,: ', 17


De 1:00 at6 0:000 rs,

I. ron m orudida
Alheiro & Silva i rua da Imporatri z n. 40, tern
um immense sortimento deo casemnira de cores,
tanto clamras como eseuras, que vendem a 21000,
21500, at6 6W o covado, e dos mesumas mandar
fazer qualquer poga d'obra ou costumes, por pre-
"0 muite ratoaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e pannoes pr-
tos ate ao mais fine oseda que vem ao mercado, e
dos mesmos tambem se enearregam de mrandnr
faser qualquer pegs de roupa A vontale do fre-
gue e corn toda a perfeigo e presteza : isto na
oja dos barateiros da Boa-Vista, nfa esquina de
becco dos Ferreiros.

L hos a IO0 r is
Os Barateiros da B a-Vista vendem muito bc-
nitos linhos de uma s6 c r e de listrinha pars
vestidos, sendo a 160 reis o covado e de cores fias,
isto na rua da Imnperatriz n. 40, esquina do beeo
do. Ferreiros.
Espartilhos
a 4#5 e 5o4
Na loja da rua da Imperatriz n. venae-se
muitos boon espartilhos para senheras a 5,000,
anton pars meninas a 419000, assim como um be.
dito sortimento de fichds a 3,000; isto na loja do
qeiuina do becco dos Ferreiros.
Para festa
Veade soe

Roupas para homes
ion
Preo os baratissimof
Rua da Imperatriz a. 40
LOJA DOS BARATEIROS
Paletotes de casemiras de quadrinhos, fa-
Ssenda que so lava 61g0(i
Dis de panpo preto finojfazendawmito
boi oa-
Dit de osuemira de quadrinhoes e liutri-
nhas, forrados 8,00M
Dites de casemira escura, de ecordIAo, for-
radosn 8,00(
Dite de flanella azu], forrados, send fa-
zea Ia que nae desbota 10,900t
Ditos de casemiras de cores claras e e-
curmas 101Ot
Ditos dc panno preto fino, forrados 10;00C
Ditos da casemira preta de cordaio 101, e 12/00M
Calcas de casemir corn differentespa-
droes, de 55500, 65500, 85 e 10500L
Ditas de caseminra preta seaa a 8,5 e 9 10,50-
Ditas de casemira de cordiao 6;550(
Ditas de casemira preta 6/100(
Seronlas de creguella, obra muito bemrn
feita a 11200 e 1;60(!
Ditas dc Hamburgo de linho a 1,5800 e 22000
Colletinhos para dcntro, sendo de cre-
guellae muito bern feitosa B0Q 1,- 5O(
Qaip~w grpnde, iaceut:q desarisa,
biaatatop ancez eomo ingl.
tanto de linho. como de algod sin iond.
de 25, 2500; 35, atWe 6A0X
Dit'tadeeetone.de zor de 2,, 25500 e 3,5Q(
Mejas, grande sortimnto do meiau cruas
,pa^opeps,: de ,320 rs^ o par, ate 5
C6larino, .grade SQrtimenfoi de colla-
-. rinhos, tendo de 5, a duzias atm 8,500
Toalluja, grande sertinimito de toalhas,
t tanto pars. rostpo omo, para bonb, qu0
so vendei poer preos muito razoaveis.
Tudo isto e eom grande redugo de precs : n
ftja da esquina, do been dos Ferrebiros.
Novas setinetas lavrada ,;001,
Chegou para a loja do. BaAatejiro da.Boa-.Vista,
rua da Imperatriz um gindea sortimento dasn
a iflindas setinetas lavradas, fendo de todas as
c ores mais novas que tern vindo ao.mercado, inclu-
sivamente pretas, sendo a fazendamis bnita que
tern vindo pars a festa, e venzer-se, a 500 rs. o co-
vado, isto na loja da esquina do becco dos Ferre-
ron.


Ycnde se duos moendas corn pouco uso e em
parfeito estado, pela quinia part do val.r, tendo
ura 17 pollegadas de panadura e a outra 19: na
rua larga doRbsmrio n. 22.


Muito p6de progressed
Grande loja de fazenda de Cuisto
dio de Hendonca & C., rua Duque
de Caxias n. 61.
Neste estabelecimento estA abolido o system
de vender caro. Os seus proprietarios teem adop.
tado o system de vender pelo custo, ganhando
tAo somente o desconto. E' o system mais aper-
feigoado e que garante ao comprador ser sempre
bern service. Todos, portanto, qne quizerem conm-
prar, estejam convudados a honrar este estabele-
cimento, onde encontrario, a par da sinceridade
e agradu, um complete sqrtimento de todas as
fazendas, como sejam :
Setinetas. lavradas e lisas, o que ha de melhox
em gosto a 500 rs.
Setineta preta adamass6, fazenda lavirada, de
born gosto e muito larga a 800 rs.
Merin S preto fino a 1;400, e superior a I800,
Merin6 setim preto fino a 1,800.
Setins de cores finos a 1,400.
Setim preto superior a 2,500.
Fustio branco fino a 500 rs.
Saias bordadas a 4, 5 e 69000.
Comiplto sortimento d4e fichus.
E muitos.outros artigos que 6Adtho men-
cionar, mesmo nio 6 agradavel tag4 ra'pa-.-
onionar, e e-42
cienia das Emnas, lei~tras.


Vend-seR a Difque de C-axl AWL a
, -wl. Tm, A b- A,
ua-amaehiiisrn -




#iAPta lo Dr. Di Tarqutinono
n1 1"MeTromofl ^^ ^ B '


Pall 0sll8 r1OSO
Os verdadeiros anneis etectrieos encontra-se na
loja do Pedro Antunes & C., A rua Duque de Ca-
xias n. 63.
Como sao lindas!!!
Bonitas e elegantes bonecas, e o Pedro Antu-
nes & C. quem tern, torna-se indispensavel entre-
ter o espirito das interessantes criancas, polo que
os proprietaries da Nova Esperanca nao poupam
exforos ; rua Duque de Caxias n. 63.
10,000 b tas deborracha
Especialidade paras fazer present as criancas,
o Pedro Anpimes, & C. distribue gratis aos eus
freguezes.; Nova EsperAnqA ii. '63, A'rua Duqique
de Caxias. '
Cabel&tm bIraiWo, N6 ter. ql.uep
A verdadeira e especia preparago, vende o
Pedro Antunes & C., pela. quantidade que vende
prova a sua especial qualidade ; na ria Duque de
Caxias n. 63.
bao tmta
as luvas de seda ahertas, canno alto, que acaba
de receber o Pedro Antunes & C., A rua Duque
de Caxias n. 63.
Para os banhos salgados recebeu o Pedro
Antunes sortimento de sapatos especiaes ; rua
Duque de Caxias n. 63.
Sapatoes napolitanos, especiaes, pa. o tra-
balho do campo, tern o Pedro Antunes & C', ea
estA liquidando pars fechar factura ; rua Duque
de Caxias n. 63. E' a Nova Esperanca.

M~oendatt


a


,,3


^


/-x, '] rf


Popeiffmef -SM do firti a bmin"t. '
M1g de rjadvas,,eseessxu e laytadu.
Apuaca inas de de itrtas.
Csubmaias bordadu e bertas.
iVotuauios para meninos.
Lequet.
ChUp-. parn sonhora.
SChfa lisas e de cores.
Fidhut de seeda e do l
Capas de malha de I.
Pra coutinuar
UOla9inhoa e punhos pam senhora e home., d
versos feitios.
aUMiUio m coflrinhos e sem punb.s, coi pS.
nhoso e corn coularinhos e punlho para boou,
deede n. 35 A 45.
Camnisas pars meninos decade n. 28 A3-5 sem col-
larinho, de n. 32 a 35.
Camisou, uaias, penteodores, calval, goraiespu
nhos para senhora.
Gravatas, grande variedade.
Meias cruas, broncas, de cores e pretas.
Capachos, tapetes, malas, esteiras, bolsas, velludi-
Ihes, brings broncos e de cores, uvas, perfunn-
rias etc.. etc.
Papoula & C.
18 Rua do Cabugh--r
Em frente a matriz de Santo Antonio

FarlnhaLactea
Nos primeiros mezes a alimentago mab
natural e apropriada para alimentar a criam
9a do peito 4 o proprio leite materno o quaf
em caso de necessidade deve ser substitfi
do pela
FARINA LACTEA DO DR.
FRERICHS!
A sciencia e a pratica adoptaram a faWi
nha Lactes como poderoso element B=
trictiro para a infancia e distinctos medi-
cos do Brasil e da Europa reconheeerm
ser A do Dr. FRERICHS a melihor n'e*
genero.
Deve-ae pois evitar .onfiar o filhinl
uma pessoa estranha e de comportamenok
nao conhecido muitas vezes o germen
numerosa m:olestias.
Vende-se a verdadeira farinha Lactu
do Dr. Frerichs:
55- RUA DO IMPERADOR 55
Estabelecimento do musicas e piano doe Vr
torPrfalle
Pharmacia homieopathia
DO
Dr. Sabino
Vendas em grosso e a retalho, descontos van-
tajosos ; rua do Bargo da Victoria n. 43.
Pernambuco.

Bilhar

:BEI010 LU BIASIL111O
Rua do Imperador n. 83
OB proprietaries deste bemr montado e eonhe-
cido estabelecimento, tends reeebido directamente
da Europa um grande sortimento rie tacos quo ha
de mdlhor nested genero, ternos de lbas de marfim,
de primeira qualidade, jogos de domin6 e outros
artigos concernentes a este fim, e como tenham
tambem feito urma reforms adm seus novss bi-
lhares, forrando-os e colloeando mareaderes nan
tabellas de todos elles; por isso convidam sos
seas freguezes e amigos, A visitarem como de cos-
tume este estabelecimento onde encontrargo tam-
beua uMn cowpleto sottimento do bebidas man, osmo
sejam: vinhos, cervejas, lieores, champagne e re-
frescos gelados de dizersas fructas do pai, e o
magnifico cafe moka a qualquer hora do dia eu
da noit&
Outrosim, vendem bolas, pans e tacos usade
por modico preoo.

















**Al Mill on! P sods

Pna asb*i em 1.5t levou-nos. a
4qs muaimPoitante* dis is -
.(I "teaido pronuniasdos n&Aeaade-
MadicinA doe Paris desde quo so
u o certaimen sobre es.a terrivel me-
%W quo ainda hojo esta too pico al6-
S-.a4 como no primineiro dia emr que appa-
rl ftst vista a -bservalto -dos medicos
i'I duBiidaimas quo apesar do mais n6-
v,0 09*9-s. Prosut, Bpuardol, Rochard,
SBouhardat, e outros, tenham tanto mere-
cimento come o Sr. Jules Guerim, quo as-
sistiu e observou as epidemias de cholera
dsd 1832W ate o present; e que aposar
de acreditar quo exist contagion no cholera,
nega quo olle Beja importado na Asia ; e
sustenta coin a maior lucideoz que nao s6
Ow Toulokm, come em Marsellha elle desen-
olveu-se in loco, sem que fosse posssivel
a ninguem per mats cmpenhado que se
mostrasse nisso, achar o menor vestigio de
importaglo.
Em Paris provoa-so A ultima ovidencia
que o cholera apresentou se em centenas
de lugares differences semr que so podesse
achar a rolaglo de pessoa A pessoa. Sem-
pre a identidade de factos em today a par-
te do mundo.
Pars aquelles quoe naio vein senoue o con-
tagio de pessoa A possoaes, 6 sempre a inesma
historia a mAi que trata do primeiro
doentc que a seu turn adocce e more:
depois a tia, depois o sobrinho, depois, a
comadre, o compadres, o avO etc., etc.
Em Pernambuco foi Hermenegildo, o pri-
meiro atacado : cm Toulun fi outro Her-
menegildo -mas a propagato foi identica.
Havemos de mostral-o em outra occasaio.
Para aquelle quo tern lido as REMINIS-
CEXCIAS serA de interesso lerem corn at-
tenuAo o discurso do Sr. Jules Guerin.
E' pena que a traduceao n;lo fosso feita
per quem tivcsse profundo conhiecimento
das duas linguas para poder corn desemba-
rago apresentar o pensamoento do author em
today sua plenitude, sem ser obrigado as
-'ezcs a cingir-se a urna certa coaci.o da
phrase, o que outro mais opulento de co-
nhecinmcntos das duas linguas, poderia cvi-
tar alargando o ambito da phrase e alor-
nando-a corn mais lind is expr.-'ses. 0
leitor quo conhecer a difficuldade por minim
apontada, certamente desculparA a quem
per necessidade, c nao per presumprito,
se afouta a vir a arena scientific corn mues
quinha provis'io do conhecimentos.
As questM-s medicas infeliztnente ainda
hoje estio, para bf'mn dizor todas e:n liti-
gio. E come se pode a cada passe dizer -
isto estd provado ? Sr 6 coin urma razao uni-
ca : Magistgr dixit. E quemn 6 esto ma-
gister ? No basta prcsuiuir quo podo dar
licwes3quem se arvora per si minesmo ein
-MESTRE. -Mo basta ter aprendido a faller
corn um certo geito e certos ademanes pa-
ra dizer quo vac dar lic5,s. E' prciso
ostentar a erudic'to, os conhliecimentos de
maneira que aquelles que estio habilitados
a apreccial-os possim fazol-o. N6s nito esta-
mos adstrictos s6ieuonte A m assa ignA-ra;
n.o 6 esta certaminente que nos applaudira
e fara o juizo quo convem a quem nao s6
tern graitnde copia de conhecirn-entos, como
o criteria e born aenso para ext-os -c eoru
a ordem que requcr a sciencia. 0 mais 6
presump~o fofa, ou orgilho despeitado.
Aquelles quo tO n lido as RE3[ NISCENCIAS.
cuja aridez do materia 6 bem compcnsada
pela flaidez da linguagom o bern alinhada
phrase, lucraruo mnuito cni '? 9 Jjjeurao
do S-. Guerin quo sO I o convon'era a-
que~les que fechain os olhs ft cierildvilo do
bu ou u Au *UZ electrical O dlZen quo nao0
vem.porque cstaio em cornpletas trevas.
Pego-lhes que leiam por que so assim po-
derbo saber o que 6 que estd provado.


Diseurso
SOBRE A EPIDEMIA DE CHOLERA


0 cholera de 1884 Toulon Marsdeha
M. J. Guerin. Estava convencido de
que, depois das grandes provas da epide-
mia de Toulon e de Marselha, e principal
monte depots dos equivotos que tiveram
lugar da parte dos hcmens tao habilitados
que haviam sido encarregados da mission


FOLHETII


AMOR MATERNO
POR

JULIO MARY


PRIMEIRA PART


ITEY TYMA -TTM DIUTRA


(Continuaglo do n. 26)


E ninguem foi!...
Assim ficou ella today a
ras ." ,


noite As escu-


S E. de manhba, quando o sol illumiaou a
sua janella, vie no chao, a seus p6s, unma
carteira vermelha, marcada deum lade corn
as iniciaes deo Gaspar de Lesguilly, por
baixo de uma corua de marquez, e perto
da4 crteira, eapalhadas- polo eb'o, urta
S de de notas do banco, 'todas de
uamf icos, a somma corn quo Gaspar
.,quizenprar o sou silencio e pagar a sua

A caeirti na fiado aMli no chao, on-
d4 tiuha zataido, depois 4; bater no roeto,
iasrquez, quaido Al~iiuaja arremes-
SOW,,
-]Ik "A PMAP6


as Wftuas m*M& o 1ttir
l on rosa :- ,: + *^u r '
Entretanto,01 nosso s8b64_o C 93 M.
Brouarda no crao- de po o dhs quIes-
tSa que deviam sers6ubmiettid ao #s
sastentou suas precedontes laa -
Provou assim que a evidoneia pas 4hiv i5
espiritoo, 6 a obcunidade pars alguns on-
tros. Nao 6 pois inutil recomeoar a qatao
que os aeontoeimentos, mais ainda que n6s,
pareciamn t r esolvido.
Para reatar' a continuidade e o encadea-
mento de nossas id6as, somos coagidos a
lombrar:
10-Que, segundo confessa a commis-
sao de inquerito, nao foi possivel achar o
manor trago, a mais insignificant prova
da importaglo do cholera em Toulon.
2' Que, pelo contrario, estA confirmado
que a epiHemia foi precedida de urma cons-
tituigao cholerica c racterisada per urma
series de manifestagZes choleriformo termi-
nando em cholera confirmado ; esta acom-
panhada em seguida de esbogos mais ou
menos distinctos da molestia; de sort que
os priaieiros cases, officialmente declarados
haviamjsido procedidos de um certo numero
delles que estam ligados A constituigio epi-
demica.
A conclus-bo necessaria dostas duas or-
dons de facetos era portanto que o cholera
nao havia side importado em Toulon nrem
em Marselha, ma. gerado naquellas cida-
des, sem germen indiano.
Apesar desta demonstragAo, os membros
da commissa.o de inquerito continuamn a de-
fender o system da importaglo. Ora a
consequencia necessaria deste systemna. 6
a manutengAo da erigem indianna do cho-
lera e a conservagao da dualidade choleri-
ca: cholera-morbus e cholera-asiatico.
Para quo so consider novamente a ex-
trema iuportancia desta persistencia, leom-
braremos que o sobre ella que repousa to-
to o edificio da piophylaxia actual cordoes
sanitarios, quarentenas, lazaretos, sem ou-
tra preoccupaclo que a vigilancia polieial
de uin mral quo nos choga do f6ra comple-
tarnente preparado, come um phantasma
o)!n que so faz me lo As populaqoes, quan-
do polo contrario se podia encorajal-as ins-
trauindo-as a rcspeito do verdadeiro inimi-
go quo as ameaga.
A este system, antes administrative que
scientific, n6s oppomos unaa doutrina que
visa o fim de reformer ao mesmo tempo a
sciencia eamninistraguo sanitaria. Corn ef-
feito esta doutrina contem urma etiologia,
nova, assiiu come ursa therapeutic e urma
prophylaxia novas, istol a procura das
influencias que podem reprodusir na Eu
ropa as influencias pathogenicas da India;
as condiioes que determninam nestes dous
paizes a evolugAo da constituigo preepi-
denica ; o estudo desta constituiclo na sue-
cessao de suas phases, do suas forms, de
sens graus, emfiin a procui a, nAo tanto das
dlifferengas susceptivois de m atercm a op-
posigvo systomatica centre os dous choleras,
mas das condigces cap:ases do modificar-
thes e diversificar as manifestago5os em to-
dos os paizes cm quo a molcstia aparoce.
Um tal programina e takes consequences
nao s'ao suffluientes para legitimar a insis-
tencia que empregamos paraiaiz.r compre-
hendcr verdades the eonsideravois e tloe
diff 'cis do fazer-sc admittir. E 6 em
quanto so confiontam os facts corn as opi-
niohs quo 6 possivel pedur-lhes a ultimna pa-
lavra da situa'ibo.
Isto posto, chego A question da dualida-
do ou da identidado dos dous choleras, cu-
jas consequcncias acabci de resumiir.

I

Antes de fazor urna deinonstracao ex-c-
thedra vej.,-mW obrigado a mo de morar al-
guns imst:.tcs em uran questao de liugua-
gem e de logica scientificas para dissipar
urna certa confusbo introdusida neste debate.


Porque eu deolarei, desde principio que
ha duas doutrinas simultamaneas, importa-
gco e gengse no lugar, tern se fingido acre-
ditar-porque eu nlo posse supOr que seja
um engano scrio -que todo debate versa-
va somente sobre urma differenga de theoria.
Corn esta declaragio nossos contradietor'es
se julgaram dispensados de examiner os
factos, obrigados As condigles propostas:


Bateram.
Ella nao responded logo.
Bateram de novo, por6m mais devagar,
sem duvida porque receiavam acordal-a,
se estivesse dorrnindo.
Quem esiA ahi ? Quo quer ? pergun-
tou Albina, que via urma sombra mover se
atraz da janella e um rosto collado aos vi-
dros.
Felizmente, para a moga, uma camada
de gelo embaciava os vidros e obstava qua
se visse o interior da casa.
A nao ser isso, e a despeito das corti-
nas, ter-se-hia visto que ella nio estava
na cama, ter-se-his visto as notas do ban-
co espalhliadas pelo chite, today essa fortune
espesinhada, e a menina estaria perdida,
per que nada teria impedido os commenta-
rios.
Era Tienuetta quem batia.
Ainda nao te levantaste, Albina ?
Nao, tia Tiennetta, hoje dormi muito.
Tens r&zlo. Mas tu nao sabas ?
-Quo 6 ?
Niao s falls em outra eousa.... 0
marquez de Lesguilly foi assassinado a noi-
te passada.
E Albina, em voz suffocada pelo medo :
-. Por quem ?
Estlo procurando. Oh I corn certeza
hlto de achar I AtA logo, poquena, nato te
levantes por minha causa.
EI a tia Tiennetta afastou-se.
Albina, entao pensoa queB se ainda nbo
estava nas malo 4| juti"a,' porqae nao
a ti hamn vistoenutrar ner sahir fo cas-
tello, e que nto -:4eionfavrnm d'etla; e de-
is d ter, dde -avespers;,? efito 0 Saefi-
eci a dvila,; 'oi ia o onservaVi6 des-
-L AL-- .. J1 1 : ... : 1 '


ob* rid*&sdo queelle a ta dW
Ein thesepgeratza-ttflheuri
.ciusl, e lstucone ..o 6 a ro'aM
factor iuiVt4*is por ella. :
Hia+ poisi'seiUp'ro en toda th oria, verda-
deira om fids, os facts que a t a ivam- e
8t8 c .elt,Uaa lls|a so tirant e so e
obrigado a loab t, I+ o valotI'de .uma 6
a cosequoncia da exsztidlo das outraw.
Se n6s (* plioarmos esta pequo.awtebran-
*a das bases immutaveis, de toIo raeiaci-
nio As questoes qunos occuplum, fail nos
serA fazsr oomprehender que nossos oitra-
dictores pondo A part dos estudos propos-
tos a consideia'lo das duas thoorias que
toern de ser examinadas, nao comproheu-
dem quo fechain os olhos aos factos nume-
rosos e novos que estito ligados a ells e
lhes dito motive.
Assim quando uon oppuz A pretendida
importato do cholera eta Toulon o facto
da manifestaViao simultaaea delle em mui-
tos lugares affastados do Toulon e Marse-
lha, invoquei um facto real que podia ser
examinado fora das theorias, da mesma for-
ma, quando eu affirmnei, e julgo que de-
monstrei, a existencia da constituif1o epi-
domica que reinava em Toulon e M rlia
antes da esploslo da epidemia, assignalei
uru outro facto que mostrava immodiata-
mente a extenslo de uma influencia arbi-
trariamente circumrnscripta polo system do
itoportaglo; da mesasma form ainda quan-
do eu affirmnei que os cases do cholera con-
siderados pela doutrina da importagco como
os primeiros da epidemia sAo sempre pre-
cedidos do outros cases lig:tdos A constitui-
gao epidemic, anunciei duas ordens de
factos, alguas dos quaes condemnam as
doutrinas dos outros.
Nestes diversos exemplos--quo ea pode-
ria multiplicar, que fiz eu, so nro expar
factos de observaglo, susceptiveis de serem
doesligados da doutrina do que elle. aa
base, e per censeguinte appreciaveis sob
o ponto de vista do sua vordade absoluta,
se nIo tambem da vcrdade do system?
E alias, o que sao os elemcntcs do&iues-
tionario proposto por nosso sabio colloga
M. Marey, se nro amn complex de facts
que estao por verificar e proprios a inausir
a uma doutrina qualquer, a esdarecer a
etiologia do cholera, isto 6, o limited theo-
rico que elhs tom o destine de confirmar
ou de negar ? Os facts quo so tern afasta-
do deste questionario, come tocados de
doutrinarismo, podium, pois ser compre-
hendidos nelle pela mesma rasio de to-
rem nelle admittidos; e a conclusito ul-
ti:na que eu tiro 6 quo -assim como a ob-
servaA.o me escapou por occasion da es-
pocie de proscrip9io quo Mr. Broudel pro-
fligava contra a consideragio em que so
tomaram as theorias etiologicas do chole-
ra na relac.o sobro as questoes a estudar -,
esta exclusao me parece denunciar a con-
fasIo quc acabo de procurar fazer desapa-
recer.
EstabAecidos estes prAiainairs, vamos
examiner, ia luz dos factors c das concluso3s
per els auihorisados, o vytor respective
das duas doutrnins : dwilhKade e twi.4eaW o
dos choleras nostrus e asiatico..
(Continua)'

LITTERATURA

ehos Plts iaenses
DE PETROPOLIS
(Do Paiz, da curte)

Acordei cedo, muito cede, segundo o
costume. -
No caupo s6 acordam tarde os lag.r-
tos.
0 dia amanliecer, fresco, risonho, coin
as bochechas vermelhas.
Sob o docel sombrio dos cedros, por en-
tre o verde azulado dos silgueiros, a mar-


gem do rio, nos galhos dos arbustos, sal-
titando per entire as flores, na orla plrda-
centa da estrada, os pissariahos cUta-
yam uns idyllios, urmas pastoraes e umas
sonatas, que fariam morrer de inieja o
proprio Beethoven.
As borboletas azues sacudiam sobre as
candidas azaleas, as hortencias e os bran-

Poz lenha no fogo, mas a lenia eoava
verde, precisava ser aquecida; a despeito
de todos os seus esforgos, nao se inflam-
mou, produzio apenas fumo acre e nausea-
bundo.
Naio era bastante para consumer o ouro
da carteira.
E o tempo corria.
E era precise, se queria evitar uma sor-
preza,. acabar corn isso o maia depressa
possivel.
Entlo sahio, tomou uma pai, em um
canto da cerca do sen quintal, fez umn bu-
race, em que enterrou a carteira verme-
lha.
Voltou para casa alliviada ; dep *Imet-
teu-se na cama, corn febre, batendo o qutiei-
xo, de p6s gelados e cabeca ardendo.
Nato dormio, ficou alli, esperando./:
N'essa manhbl toda a villa passou lhepe-
las janellas.
lam todos ao castello saber notieias.
Receiou que reparassem quo a sua casa
continuava obstinadament fechada, e quo
so inquietassem per vel-a fear na cama
tanto tempo.
LDvantou-se, final, colloeou-se a *'porta
da casa um memento, afi de poder ser
vista oelos transeuntos. .
E a cada instant, os curiosos q -pas-
savam corrando, azafnaados,' ''
guilly, pergnntsvam ;1 +. >-;:. ::.+
Ento .xio veas, Albina ";
Ella abanava, a caba, no dusando
idlar, corn reeeio e qe a vo. t*-
hiss"-. .... ::
SEsse dia e os -seguiintopassaram

-Os portBr~asdoi


As ruas, pife"7ita i"adas
aAMaias +ovez
te deltas empiia l do-
peito uanm interior -hoal"andeubasiaisIn-I :
xuosas pragas da& (itu : do vho
mundoe.
Sobre a grutna todo; can es,
irreprehensivelhiente aparada, vitai-se de
espago a espago -desenhos. eapknkosos
formados coin- as m1in variegadas fo-
lhagens da nossa flora inesgotavel.
No moole daquella moldura corriam lim-
pidas ea.abuudantes as agnas do Piabi-
nha.
Percorni de urna cxtremidade A outra a
-rua do Imperador.
O sol era brilhante: mas a dunsa fo-
lhagem do arvorodo pvrfumado, quo co
bria today a rua como una told, detendia-
ma contra os seus raios ardentes.
Sentindo-,ie fatigtido, entrei na grande
prag, ajardinada om frente do palacio, no
lugar onle os dous rios se encontrarm sob
a artistic ponto de minarmore, ponte offa-
recida A cidade imperial per umn rico e
distinct ropresentante do high life, o Sr.
Barilo do...
0 jardim estava povoado de mooas c
creangas.
Sentei me em umn banco, cujas curvas
pareciam dizer-me :
Rocosta-te, estende as pernas A von
tade o dize-inmo so so pdde ituaginar nesto
mundo nada de oma;s commode!
Corn prazer inT'zivel contemplava o
risonho quadro que so cesta lia diante do
mirnm, quando ougo urma voz dizcr-ne :
Oia Tainbem estA per cA ? !
Vo!tei-me :
0' meu care viscondo I Quando
chegou ?
Hoje.
Depois que parti para a Europa,
nunca mais cA vim. Comine esta isto mu-
dado!
Tambem jiA lA vao uns bonds quinze
annos.
Vinte e dous, men care amigo.
Come se passa o tempo !
E' verdade. Pois, senhor, Petropo-
lis estA sem tirar noein por unma verdadei-
ra cidale de aguas, come as da Europa.
Bonitos edificios, osplendidas alamedas,
soberbos hotels, magnificos r-estawruntes e..
O qua se faz por aqui ?
Urna infinidade de cousas. Olhe an-
tes do almnogo pereorrem-so todas estas
bonitas ruas, ou fazem-so excursos at6 a
cascata do Itamaraty...
A p6? 1
Nio: pela estrada do ferro, em trons
de recreio, que partem do hera emh lri
pela manhA at6 ao moio-dia, e A tarde das
quatro As seis. Nais noites do luar ha umrn
trem especial, chamado dos Inglezes, que
sahe de Petropohs As nove horas e volta
Ai onze.
Bravo !
Depoip do amhnog vai-se ao Cas-
sino.
E' vrJadoevi-o h )nltemn. Qae bl-
to edifulio! E -come estA bem situado na
praga de D. Affonso, quo 6, em minha
ojinilo, um dos lugares mais pitorescos
desta cidade.
No Cassino jog-i-se, ltem-se os jor-
naes c as revistas mais importantes do
novo e volho munlo, conversa-se aeorca
do politico, arts, letras, commereio, in-
dustrias; commenta-so ontre a fumaga de
um regalia e boas girgalhadas o pequeno
esoaudalo da vespera...
TMl qual comr em V-lhy, Lichon,
Trouvillo, Biarritz...
Exactamente.
A's duas horas esta praga, onde nos
achamos...
E' verdade, coma so charns esta lin-
da praga ? No mau tempo, isto era um
daposito de lixo I
Jardim Isabel. A's duas horas este


jardim enche-se do que ha mats belle e
select na alta sociedade. 0 belle sexo,
ease eterno femenino, que foi, 6 e serial
sempre o enlevo do mundo, traz pars
aqui os seus crochets, os seas romances e
os sous albuns, e e interessante ver come
todas ess.s lindas creatures occupam-se
e:n closer, ler e desenhar ou pintar, ao

ragadas, e sobretudo porque parecia evi-
dente que ella nuto podia ser estranha ao
assassinate do soeu neoivo.
Quando isto chegou aos ouvidos de Al-
bina, o seu susto redobrou.
E' qnue occorreu-lhe uma reflexao :
6 Sr. Rev6ron deve saber quem 6 a
verdadeira culpada, e ha de indical-a !
Picou, pois, muito admirada de ver pas-
sarem dez dias, quinze dias, sem quo a in-
commodftssem.
0 Sr. R6v6ron teve d6 do mim, di-
zia ella de si pars si... Corn uma palavra
podia deilar-me a perder... Essa palavra,
elle nao a dira.
E continuous a esperar!
Lombrou-se do ir As forjas, mas faltava-
Ihe animo para affrontar o olhar de R6v6-
ron.


Um dia, quando ella voltava de Recey
pelo bosque, tendo trabalhado dosde cedo
na herdado do Billoret, achou-se, em ,ca-
minho, em ,frnte do done das forjas.
Este quiz voltar, mast jA era tarde.
Ella, suffocada, parou, de olhos abaixa-
dos, horrivelmente pallida, e encostou-se A
beira do camiraho estreito.
Passou-se uaa scena muda entree essas
duas creatures: cada urna-penetrou na al
ma da piutra e leu os seus pensamentos mais
intimos.
-E quando Rv6rion passon, quasi a ro-
j .I r, a moa ju t +uini mnur.uar:
Por 3 is'. i4:e4inaIQa vida pro-
parou para, s 1 -
E 0110 Sevio: pe o* k


despito ,i


pro a ms a & MwiA A Itia.M emae
as is *a, .m as a rds.
taios a patq .Ae bw aasa Ptropo-
lIs j an ta. "*1- .; I: I-:1^ 1': ^ -;*l!1-, ;
"- Q- pmrogramma encantador!
A' tlMarde .a elegacia masoulina po-
voa os estasrants eo ca6s..
O-tvi dizer, per6m, quo A- tarde Pd-
tropoli vai A. estate do caminho de fbrro
eomprimentar os que chegam.
Comnpriment-ar os que chegam I Se
assim fesse, ai desta cidade i
Por que ?
Ainda o pergunta ?! Pois o viscon-
de nlo sabe que hi ciuco tress per dia,
dousdos (0inanhb, dous A tarda e uta A
noite ?!
-Dasculpe-.mo meu amigo. .Na Eu-
ropa nunoa tive tempo parsa lor os jornacs
do Brasil.
E nAo acha quo a viagem presento-
mente 6 mnuito rapid ?
Rapidissima. Quarenta minutes de
barca e cincoenta de caminho do ferro.
Ao todo hera o meia.
E' verdadeI E que bareas 1 0
ideal do conforto e da seguranga I
A' uoite...
Ahl! o que se faz per aqui Ai noite ?
0 quo so poda fazer em arna cidade
illUuminada a luz electriea: canta-se, dan-
sa-se, joga-se et cetera. Os artists dra-
maticos mats importantes vein dar aqui as
suas represontagies; os eoneertistas afa-
mados sao applaudidos coin frenesi...
Estava neste ponto da narragAo quando
senti ua-na pancida no hombro e ouvi uma
voz diz!r-me:
0' doutor? 0' doutor? Acorde,
quo jA chegamos.
Levantei-me semi-espantado e vi o
Dr. Coutinho e os dous Calogeras.
Eu estava na barca.
Na minha frontoe acocorava-se come umn
negro velho a ponte de Maua, sobre a
qual via-so o tremn vomitando a sua loura
comna de fume.
Acabrunhado pz-lo calor, ea havia ador-
inecido. -
E o somno foi do tal ordem que produ-
zio o belle sonho cur de rosa, que ahi fica
descripto em pallidos traces.
Sonhei Petropolis come devia ser.
F'm todo este artigo, pois, o quo ha de
real 6 o meu sonho, o sympathico Dr.
Coutinho, os aminaveis Calogeras o a ponto
de MaiuA corn o son tecto de zinco, que
na'ia tern d- synpathico e ainda menos de
amavel!
FBAN('A JUNIOR.


0 PAIOEM P
POR
ElUGE IO10 CItAVETTTE

PRIMEIRA PARTE
0 VIRA-TRIPAS
( Con t inuagilo)
XII
!Oh! oh! v.to roeonh.cer tratantes
que trazem barbas postiuas ou envolvem a
cabe~a n'um pcdaco de crepe preto.
Meuzelin voltou do novo a fallar sobre
a mulher.
DJ sorte que nato sabos dizer qual 6
i rmulher que fAi assassinadla ?
N/to; mnas ci fecil saber. Cortando-
Ihe a cabca, os salteadores nao form
muito espertos. BIasra ir a Angers, ao es
criptorio da diligencia, e informar-sq so-
bra a mulher quo tomou a carruagem esta
noit3, As quatro horas da i.adrugada.
Sim, objectou Meuzolin; mas nin-
guem pode certificar que a victim foi a
outra mulher, aquella qae ja vinha na di
ligencia quando ella chegou a Angers.
E' unicamente interrogar a quo
vive.


E sabes quern ella 6 ?
Ouvi pronunciar bastantes voezes o
seu nome per aquelles que, esta noite, a
urma legua distance do lugar do ataque, es-
peravam-n'a para a acompanharem quan-
do descesse da garruagem. Parece quo 6
urna condessa de Meralec, quo i-nmigrara;
voltando nsgora ao soeu castello de Briviere.

tempo, o done das forjas tinha, varias ve-
zes, manifestado o desejo de vender Cha-
lambot, se encontrasse comprador.
E a occasibo nio se podia fazer esperar
per muito tempo.
Ora, Chalambot vendido, era muito pro-
vavel que R6v6ron conservasse alli apsnas
alguma casa e fosse morar em outra part
corn a filha.
Por causa de Mathilde era esse scm du-
vida o melhor partido quo elle podia to-
mar.
0 future da mooa estava muito cempro-
mettido, e se havia ainda alguma probabi-
lidade de fazer ella um casamento vanta-
joso, nao era per certo na terra chattillo-
neza, onde a g'nte tern a memorial long.
Eis o que diziam e que ti iha today a ap-
parencia de verdade.
Albina mesmo pensava que scria um
dia obrigada a sahir da aldeia e ir pa:a
alguma cidade onde passasse desapercebi-
da, onde se escondesse, ella e o filho.
Porque a ti riao podia ficar corn o pe-
queno para sempre.
Maria Anna Peyroux estava velha e
adoentada.
Podia acontecer qualquer accident.
E que seria do filho ? .
Era precise prevenir esse accident, quo
podia ter; para Albina,- consequencias as
mais desastrosas.t -
Seoa boa velha morr=sse de repente,
o que aconteceria? -
A filha do Maria Anna, aquella que pas-
sava por sernmli do pqueno Paulo, seria
avisada, eCappareberia a'aer-lide.
Sa roprei 4 evitar a tdo o custo.
jiA j. pa hunea fihiral cout amente os
okSgiw'1simo, j aulor n b des- .
.e i t b l,


-uBa dimme Meimelin, t 0ai-do -d
imemoria todas- estas inforaaoA.
SDepois lanoun un ultiwmo ohar sobre o
cadaver, cuja nudez estava cobertapelas
roupas, e voltando se para o cstalajadeiro,
disse:
Doixe entrar toda essa gente.
Depois que tivermos sahido, disse-
Iho Vasseur.
Nlo, nao, lficamos ainda, responded
o policial.
QUA esperas tu descobrir no meio -
destes alden s, quo nao passam de curio-
SOS?
Quern sabe, disso Meuz lin. Levados
por urnsa curiosidade selvagomo, os aldeoes
entrarain aos eneontrocs. Irnmediatimreu-
cercaram a mesa distrahindo se corn o In-
gubro espcctaculo, espreitando coin um
olhar de soslaio aquelles a qu in tomavam
por magistrados e do quern osporavamn al-
gumnas palavras.que lhes dessem a conhe-
cer o resultado do inquerito; trocando em
voz baixa as suns refl'x5ts8, Mouzelin col-
locara-se por traz dos seus cempanheiros.
Corn a face immovel, a bocca aberta,
ollhava para aquella scena corn um olhar
indifferent e spparentemente parade, mas
que onvolvia to la a assemnbl6a.
Oh! Oh ouviu-o murmurar o tnene-
to, que estava na sua frente.
JA descobriste os assassinos ? per-
guntou Vasseur cm voz baixa, voltando-se,
corn urn ar do zombaria.
NAo. Mas descobki uina ma rez-
E corn firmcza acrescentou:
Acabo do descobrir a possoa que de-
capiton a mulher.
Depois, devagar, em voz baixa, aconse-
lhada rola prudencia, proseguiu ;
(ContinUa.)

VARIEDADES
Primiclas
POESIAS DE M. T. DE ARAUJO SALDANRA
(Concluslo)
A. segtnda, tambem urm soneto -A me-
mo\ ia de mca Tio estai um pouco realis-
ta e bua.
Libertacao do Ceard apezar de r.ui-
to resumida e de center alguns defeitos
de metrificagao, nao 6 ma.
Entre todas diatingo:- DTr Matervwi na
qual o author exprimue em tragos animados.
e coneisos o soffrimento do coraglo mater-
no pelo ente que ama: A Camponaza, An-
jo Cahido e Umn beijo.
Usando de urma linguagem natural a
simples, nao procurando phraseados bom-
basticos para cu tosamente escrever suas-
poesias, Sardanha nao plagiou.
Aquillo que pensava, isto escreveu.
Escreve corn a maior facilidade e tern
uns bons escriptos em. prosa, alguns dos
quaes foramn publicados no Incentivo, pe-
riodico do que 6 redactor, sob o pseudony-
tie Colibri.
Ao amigo que enceta modestamente a
sua carreira litteraria, desejo mil felicida-
des, e que a critical maligna, nio autorisa-
da, n.o o faga desanimar.
Um conselho. 0 poeta modern 6 urn
luetador, um home fbrte. Encara a ad-
versidade como um incentive ao trabalho
c a cormgem e inspira-se nos grandes sen-
timentos do coracao.
Athleta do porvir a suna misseo 6 incitar
a todos ao trabalho, nao vivendo egoistica-
monte a chorar como uma crianga anomica
as suas contrariedades.
Vise, pois, o joven poeta das Prirmicias,
o lado social, os grandos inventos do secu-
to, as aceoes nobres e heroicas do coracaa
human e acliarA em demasia assumpto
para se inspirar.
0 lyrismo sentimental esta morto. A
missao do poets 6 muito nobre, e 6 esta a
razao de nao terms entree n6s poetas dig-
nos de tal nome.


Estude, estude muito o autor das Pri-
micias. Coragem! A estrada 6 ampla e
em sen t6rmino poderbo aquelles que tra-
balham, conquistar a gloria.
Parabens pela sua estr6a, um aperto de
mao, eis o quo Ihe dA o seu animador
amigo
RANGEL SOBRINHO.

Pesava-lhe a auseneia do menioo; ti-
nha press do viver por elle e junto d'elle
e tinha ciumes de ser Maria Anna a unica
a receber as suas primeiras caricias.
Resolve partir.
Para onde iria ella ?
Para Pariz, unica cidade onde podia fi-
car ignorada, onde se amesquinharia em
alguin canto, para nato ser vista, onde des-
appareceria no turbilhlio immenso.
Mas era precise tomar precauoes, afim
do poder sahir da villa sem despertar sus-
peitas.
Urna partida brusca pareceria uma fuga,
teria feito os camponezes fallarem, teria
concentrado n'ella a attengao geral, e quem ,
saba so a descobririam.
Era precise annunciar essa partida corn
minuita antecedeneia, maduraminente pensa-
da, que pretendia por em execug1o logo
que chegasse a primavera.
E, corn effeito, na primavwra, ella sahio
de Recey, depois de ter vendido o campo
que se estendia atras da sua casa e jardim.
A velhlia tambem communicou a todos os
visinhos e visuihas do bairro que o rapa-
zinho estava bastante forte para supporter
a travessia e quo a mai o reclamava da
Algeria, par isso ia lh'o levar.
0 que ella fez sem que ninguem se ad-
mirasse disso.
Assimn, cerca de um anno depo" da mot-
te de Gaspar de LesEguilly, eis em restimoiu
a posigao respcctiva dos nossos pr* ipan-i-i
personagens.
Albina Miranda tinha ido instaUlar-so ta
Pariz corn o filho.
Mathilde R6rron e o pai, de volta da
Italia, fm tambem paa Pari, -o
grande raceptatulo de todos osinfwi"N
Ey7pois,. i .P*4riz qu :.
ver os faco gnnda.parte i nossa n. ,ativw., '
FIVt DA P.I)WIR~PIA PIAT -


I


I


^'An




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZMZSQFHG_PXO4UI INGEST_TIME 2014-05-21T22:58:38Z PACKAGE AA00011611_15912
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES