Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:15697


This item is only available as the following downloads:


Full Text















do reaemo dia..


- j
, .'. .


P.'r seil -ezes.adian
Por noveodi'os idonem.
Por umnamn oidem.
Cada numero avulso,


tados. ........


-do dias anteriores.


prieNaite te Aranod Jfi ta -e Jaria & Ji


TELEGRAIMAS





(Especial para o Diario)

BRUXELLAS, 11 de junho.


0 mnisterlo belga deu |ona de-
mAissao collectiva.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
13 dejunho de 1884.



JISTRUCCIO POPULAR

VIsa (Er trahida)O M
(Extrahida)


; PARTE IV
DESCRIP(AO DOS PRINCIPLES PEIXES
: 1.a SUB-CLASSE-PEIXES OSSEOS
(Coitinuagao)
Temos que mencionar ainda outros peixes, d'este
grupo, muito nossos conhecidos. Taes sa'o os se-
u 1 guintes:
o 0 Savel (CliUtpea alosa),-que 6 um peixe grande,
c iomprimido, prateado, malbado de negro nas ilhar-
go, s6b os rios na primavera.para desovar; n'es-
ta 6poeha a sua came A muito apreciada e esti-
ninada.
& A Enckova (ou antes Anchova),-que (ao con-
trario do arenque) tern o queixo superior mais corn-
prido, e mode urn palmo em comprimento,-6 em-
pregada como adubo saborosissimo, depois de con-
vemnientemente salgada e preparada (tirando-se-
Ihe previamente a cabega e os intestines).
0 Sadmo (tanto o Salmdo ordinario como a
Truta salmonea)--6 um peixe grande que s6be os
rim para desovar, e que pelo seu delicado sabor
tern grande apreco entire os gastronomos.
A Truta-que habitat os ribeiros-6 um peixe
salpicado de pintas negras e vermelhas; a sua
came 6 um pouco menos apreciada que a do sal*
Mao.
Devemos ainda meacionar, n'esta occasion, os
Licwos,-genero caracterisado polo seu corpo es-
camoso e alongado, corn a guela muito rasgada e
guarnecida per muitissimos dentes. Os dons quei-
xos apresentam-se achatados horizontalmente e
formam um bico mais ou menos comprido. Teem
d4 7 a 12 raios na membrana dos ouvidos, e sao
vorazes em extreme.
0 peixe-agulha ordinario (Esox belone)-perten.
ee a este gonero. Habitat os nossos mares; tern o
corpo comprido, os dous queixos alongados forman
do unm bico bastante delgado; 6 comprido e arre-
dondado. As espinhas, depois de cozido, fazem-se
eamcuras; e saboroso, nio obsante esta cor o tornar
urn ponc retpante A vista.
No Brasil ha o peixe-agulha ehams4ado Timacu,
no qut o qu o peior multo eurto, em-
.to o'iniferior se apresenta estreito e prolonga-
(Contin~a).


PART OFFICIAL

Governor da Provincia
EXPEDIENTE DO DIA 3 DE MAIO D 1884.
Actos :
0 president da provincia, tend em vista a
informaglo do commando superior da guard na-
cional da comarca de Goyanna, e proposta do
commandante do 420 batalhio do servigo active,
resolve nomear os seguintes officials:
3.a companhia
Tenente, Floriano Moreira da Costa.
Alferes, Jose6 Alves de Vasconcellos.
4.a companhia
Alferes, Jos6 Augusto Serpa.
-Communicou-se ao respeetivo commandant su-
perior.
0 president da provincia, attendendo.ao que
equereu Luiz Antonio Cordeiro, 1.o tabellito e es-
-(vao de orphios do term do Born Conselho, re-
solve concerder-lhe 30 dias de licenga para vir a
eota capital, devendo entrar no goso da referida li-
cenca no prWao de 30 dias.
-- 0 president da provincia, tendo em vista o
que expoez inspector da Thesouraria de Fazenda,
em officio de hoje, n. 289, resolve abrir sob sua
responsabilidade nos terms do decreto n. 2,884 do
lo de fevereiro de 1862, o eredito da importancia
de 18:175j453, as verbas dos 5, 7, 10, 11, 17 e
23 do Ministerio da Guerra, exercicio de 1883-
1884, para occorrer ao pagamento de vencimentos
de pessoal relatives ao mez findo, send :
S5. Instruceo military 674500
7. Corpo dle saude 1:551,985
10. Corpos arregimentados 10:1244899
11. Pracas de pret 5:848A028
17. CommissSes militares 354M000
23. Eventuaes 229X041


18:175A453
-Communicou-se a Thesouraria de Fazenda.
Officios :
Ao president da provincia da Bahia. Em
satisfaglo ao que solicitou V. Exe. em officio n.
355 de 17 de abril find, incluso remetto a certi-
dao passada pela Thesouraria de Fazenda desta
provncia relativamente a data em que o alteres
do 90 batalhio de infantaria Jos6 Mathias da Sil-
va Junior, ioi escuso do serviwo do exercito.
Ao inspector da Thesouraria. de Fazends.-
Deelae a V. S. para os fins convenientes que o
torno do pesos e medidas do systems metrico de-
cimal, destinado so municipio. de Quipapi, deve
aer etrege ao cidado Francisco Isidoro"Ribeiro
de Csrvho, enearegado pelo engenheiro Affonsoc
Lustosa de tazl-o seguir a sea destine.
A meAesmo. Communico a V. S. que o va
S pr Giq id, seguiri pars o presidio de Fernando
daNoronih no dia 10 do orrote, ase meio dia.-
Fizeram-seoas devoid commune nos.
A director inteino da Faculadede Direi
to do Befe.-Para fins conveunientes, commu-
% mu.i a V.- S. quennomeoi as Drs. Albino Gon
Voew in do asconceeos JIAo de Oliveiran
# us .ir dedoexaminadres no eoneurso a aque
^' ; u* rceeder nDa& urovlnento dm cadeira di


families (conjuges perteucentes ao mesmo .B
nhor). '.l
Podendo, por6m, ser a quota distribuida 0 esse
municipio esgotada corn a libertagao dos 31 es-
cravos que tiveram a prelaeAo na nova classifisca-
9;o, ou dar-se o caso de nao haver nesse munici-
pio escravos d'aquella classes (o que verificado em
contrario por essa junta, deverA ser levado ao co-
nhecimento do juiz competent, para nao deelarar
libertos senao os 31 escravos alludidps ou outros
das mesmas classes, que roclamarem perante elle,
e corn melhor direito, a sua inclu~ao) approve a
dita classificacao, e recommend que o collector
geral, membro dessa junta, esgotado o praso mar-
eado no art. 34 do regulamento de 13 de novem-
bro de 1872, proceda de conformidade corn o art.
57 e seguintes do dito regulamento, tendo em mui-
ta considerato, sob as penas da lei, as terminan-
tes instruc95es da ordem circular do Thesouro
Nacional de 16 de julho do anao passado, da qual
o inspector da Thesouraria de Fazenda, den scien-
cia ao dito collector em circular de 30 do outubre
seguinte. Communicou-se ao respective juiz de
orphAos.
Ao 20 supplente do juiz municipal de Aguas
Bellas.-Tendo o 10 supplente do juiz municipal
desse termo Jos6 Ramos de Vasconcellos exercido
o cargo de promoter public nos trabalhos da res-
pectiva classificacao de escravos, e achando-se por
isto incompatibilisado para a execucao dos arti-
gos 37 e 42 do regnlamento de 13 de novembro de
1872, cumpre que Vmc. para este fim assume o
exercicio daquelle cargo na auseneia do juiz mu-
nicipal effective, e averigue se o escravo Cesario
10 no numero de ordem, 6 paralytico de um- perna,
mudo e idiot pelo que foi abandonado polo sou
senhor e acha-se vivendo em companhia do pai,
que A liberto, e proceda nos terms do 4o artigo
60 da lei n. 2,040, de 28 de setembro de 1871, e no
negative tenha em vista o 1" artigo 40 do regu-
lamento n. 3,135, de 13 de novembro de 1872, e
ordem circular do Thesouro Nacional, de 16 de
julho do anno passado, afirm de nto serem preju-
dicados os interesses da Fazenda.-Officiou-se nes-
te sentido ao 10 supplente do juiz municipal de
Aguas-Bellas.
Ao commandant do corpo de policia.-Man-
de Vmc. fornecer ao destacamento da cidade da
Victoria as barras de madeira de que tract o bri-
gadeiro commandant das armnas em officio n. 245,
de hontem datado, junto per e6pia.--Commumnicou-
se ao commandant das arms.
Portaria:
0 Sr. gerente da Companhia Pernambucana
de Navegaoao Coeteira pr Vapor made dar pas-
sagens a r6 at6 Mossor6 a Job de Souza Lima e
Abdon Felix da Costa, per conta das gratuitas a
que o gozerno tern direito, no vapor Jaguaribe, que
segue no dia 6 do corrente para os portos do nor-
te.
EXPEDIENT DO DB. SECRBTAI&IO
Officios:
Ao commandant das anmas.-De ordem de
S. Exc. o Sr. desembargador president da provin-
cia declare a V. Exc., que autorisou-se o Arsenal
do Guerra a mandar fornecer as vassouras de que
tracts o pedido que aeompanhou o officio desse
commando, de 1 de abril findo, sob n. 187.
Quanto, porm, ao outro pedido que veio annexo
ao dito officio, solicitou-se credit do ministerio da
guerra para occorrer a respeetiva despeza.
Aoagente da Compaahia Brasileira de Na-
vegaao a Vapor. 0 Ex. Sr. desembargador
president da provincia mandsa accusar o recembi-
mtato do ffMi em quo V. Exe. Esommuniea ue o
vapor Mando, chegado hoje os 6 horas da mnanK,
dos portos do norte, seguirA panra os do sul hoje
mesmo As 6 horas da tarde.
Ao Dr. 1" seeretari' da assembl6a provin-
cial.-De ordem de S. Exc. o Sr. desembargader
president da provincia communico a V. S. que no
officio de hontem datado, sob n. 83, a qclue acom-
panharam a relao nominal dos deputados que
compareceram as sesses dessa assembl6a e o pen-
to dos empregados da secretaria relative ao mez
de abril find, foi hoje proferido o despacho se-
guinte: Remettido aoSr. inspector do Thesou-
ro Provincial pars mo devidos fins. 1
Ao mesmo.-De ordem de S. Exc. o Sr. des-
embargador president da provincia transmitto a
V. S. o incluso officio, por e6pia, corn os respecti-
vos documents em que o president da Camara
Municipal do Rio Formoso, participando a impos-
sibilidade de reunir-se a Camara, submette a ap-
provasao dessa assomblea o orcamento junto da
receita e despeza daquelle municipio para o exer-
cicio de 1884 a 1885.
Ao mesmo.-De ordem de S. Exc. o Sr. des-
embargador president da provincia transmitto a
V. S. a informaao preetada pelo inspector gaerl
da instrucio public, sobre o object da indica-
cao junta por ce6pm aso sen officio a que respondo,
n. 68, de 22 de abril findo.
Ao mesmo.--De ordem de S. Exe. o Sr. des-
embargador president da provincia transmitto a
V. S., pars os fins convenientes, os inclusos qua-
dros de que tractam os artigos 89 9 90 da lei n.
1,221, de 21 de junho de 1875, enviados pela Ca-
mara Municipal de Caruaru.
0 Exm. Sr. |desembargador president da
provincia manda communicar sa Camara Munici-
pal de Caruaru que flea inteirado do assumpto de
sou officio de 24 de ab'il findo, relative a eleico
procedida a 15 para juices do districto de paz de
Itambe.


a
B


&ata Isabel.--.
edidigiram ol
eitorTen- es
-fees ese thm-
para a matinee
ar no domingo
ouro Povhn-


0 Exm. Sr. desembargador president da
provmincia manda communicar a Camara Munici-
pal do Alagoa de Baixo, que flea inteirado do as-
sumpto de sea officio, a que respond, de 21 de
abril find, relative A eleigio que se procedeu para
ios cargo de president e viqe-presidente dessa
Camara.
Ao Sr. John Cocks.-O Exm. Sr. desembar-
gador president da provincia manda aceusar o re-
cebimento do officio de hontem, em que V. S. com-
munines ter assumido nesse mesmo dia a erencia
da empreza de illuminaglo a gaz nesta cidade.


DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 11 DE
JUmNHO DE 1884
Amorim Irmaos & C.-Informe o Sr. engenheiro
fiscal da companhia Recife Drainage, devolvendo.
Antonio Maximiano de Barros Leite.-Sim, corn
ordenado somente.
Antonio Matheus de Sounza.-Informe o Sr. Dr.
chefe de polieia, ouvindo o administrador da Ca-
sa de Detenclo.
Antonio Clementino Freire. Sim, per dezoito
dias com ordeoado, e dose provisoriamente asem
vencimentos.
Gomes & Goaveia.-Indeferido.
Gomes MMaia.-Indeferido.
Ignacia Fortunata de Alencar Miranda.-Infor-
me o Sr. Dr. inspector geral da Instrucno Pu-
blica.
Joaquina Maria da Conceiglo. Prove a sup-
plicante qnue 6 casada comrn o preso.
Jos6 Alfredo de Carvalho Sim, pagand, o
sello da respetiv portais.
Commenda.ot Joe Jolo de Amorim.-Informe-
o Sr. engeireo fiscal da companies Recife Drai-
devolvendo.
uim Facundes do Rego. InfhOnmew o Sr.
Dr. chfe de polieia, ouvindo o administrador da
Cam de DetoDots q.
Joaqm Pereira do Nascimeinto.-Sim, mudian-
.Iu Jo6 da Seir.-dfido.


Dr. jui municipal effectivo do termo de S. Bento.
Major Manoel Ferreira Escovar. -Ao Sr. com-
mandante do presidio de Fernando de Noronha,
para providenciar convenientemente sobre o as-
sumpto deste requerimento, que'serA devolvido.
Tertuliano de Mello Carneiro. Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Srecretaria da Presidencia -de Pernambuco, 13
do junho de 1884.
0 porteiro,
J. L, Viegas.

RepartIieo da Polclla
Secao 2.a -N. 636. Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 13 dejunho de 1884.
-hIm. e Exmr. Sr. participo a V. Exc.
que foram recolhidos ia Casa de Deteng9lo os
seguintes individuos:
No dia 11:
A' minha ordem, Jos6 Maria, remettido pelo
Dr. juiz de direito da comarca de Olinda, eomo
sentenciado.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos6 Fran-
cisco Tigre, por disturbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Domingos Jos6
dos Reis, como pronunciado na comarca de Olin-
da; Elias Pereira da Silva e Gongalo Coutinho
Palma, por disturbios.
A' ordem do do 1o district de S. Jose, Jos6
Matheus de Oliveira, Manoel Mauricio de Oliveira
e Eduardo Antonio Contente, por embriaguez e
disturbios.
A' ordem do do 1o district da Boa-Vista, Mar-
cionillo Francisco dos Santos e Izidro, escravo de
D. Olympia de tal, poi disturbios.
A' ordem do da Magdalena, Antonio Valeriano
dos Santos, por crime de ferimentos leves.
No dia 12:
A' ordem do subdelegado do Recife, Maria Ro-
salina da Penha, Manoel Gaspar Pereira e Sal-
vador Alberto, por disturbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Rogerio Anto-
nio Alves. por embriaguez e disturbios.
Communicou-me o delegado do termo de Quipa-
pA, quo no dia 30 do mez findo fdra alli assassi-
nado corn um tiro de pistola o official de justiga
Luiz de Franca Marinho.
Foi autor do crime um individuo de nome JoAo
Grande e o tiro foi dado na occasito em que
ambos iogavam.
0 delinquent evadio-se e contra o mesmo pro-
cedia-se nos terms do minquerito policial.
Deus guard a V. Exc. him. e Exm.
Sr. desembargador Jose Manoel de Frei-
tas, muito digno president da provincia. -
0 chefe de policia, Raymundo Theodorico
de Castro e Silva.



PERNAIBUCO


Assembly a Provincial
48a SESSAO EM 7 DE MAIO DE 1884
PRESIDENCIA DO XXK R. D B. AUGUSTO DE SOUZA LEO


(Cowsucleo) /
0 Mr. NUo de Mranda-Sr. president,
owo parse n'esta diseusB.em horse rauito adjan-
ada, 41/2 oba" d trde, horeM, que 'cas- jiL-
estA tio canadmga, como creio deve estar a actual
ituago politiea.P Fallo em hora adiantada, pore-
para censurar, verberar os actos criminosos, e o
patrioticos da actual situacao polities, sempre ha
tempo, porque, Sr. president, 6 ever imperioso,
principalmente de n6s opposigo n'esta casa nio
leixar que essa situaglo que atravessamos va con-
luzindo este paiz a um future que visivelmente
se nos antolhu cheio de males e males irrepara-
Veis. (Apoiados).
Sr. president, eu tenho acompanhado mais oun
menos todo o desenvolvimento que tern tide afpo-
itica inaugurada em 1878, e tenho visto, corn tri-
eza o digo, que ellatem estado sempre distanciada
los seus programmas pompasos, das suas ideas da
opposigio, ideas estas que fizeram a sua propa-
gauda durante o long dominion do partido conser-
rador. Vejo que ella se acha distanciada e este
facto para mim, Sr. president, poderia passar
sem reparo, poderia passar sem ceniura se o par-
tido liberal abaudonando o seu programs corn isso
nbo causasse os males que tern causado a este
paiz. Elle podia no poder renegar todo o sen pas-
sado, elle podia no poder abrir mio de todas as
suas apregoadas reforms, mas devia satisfeito
solar pelo bern estar public, zelar pela prosperi-
dade d'este paiz, e nio deixar que as nossas con-
diqoes moraes, politics e financeiras vio cada vez
mais peiorando.
Os politicos liberals de posse do poder nao teem
cogitado ate hoje, senAo de se manterem n'este po-
der, perigue ou nio perigue a causa public, re-
trogade ou nbo este paiz.
Sr. president, ura ligeira exposieio dos actos
mais salientes e desastrosos de todos os ministe-
rios desta situaco, deixara bem justificados ob
motives que eu tenho pars pronunciar-me assim
contra a actual situaao politics.
O S&. EsTEzvIo DE OLtvEA-N6es estamos corn a
opinion do paiz.
0 SB. AwruNiNs Pticumoe-Opiniao da classes as-
salariada.
0 SB. MEiRA-Estlo renegades por ella.
O SB. NW-o-Sr. president, o pnmeiro gabinete
d'esta situacao tend a sua frente o Sr. conse-
lheiro Sinimb, ministerio composto alifias de ele-
mentos heterogeneos, pois ao ilado de monarehius-
tas, outr'ora conservadores, viam-se republicans,
outr'ora liberaes monarchistas, dea logo uma prova
da political de intolerancia que tinha A seguir, ele-
vando a altura de prineipio de governor a celebre
phrase authoritaria-.o poder o powder. E d'ahi,
Sr. president a reaco mains tremenda que o pais
tern visto; d'ahi a eleio de umas camera una-
nime, send rasgados diplomas de legitimos re-
presentante da naguo.
. Tomando come objective de uma conquista per
amor aos falsos programmas, ate entio sustenta-
dos e desenvolvidos, a reform eleitoral per meio
de urma constitnte coustitudda, embora garantido
Lelo servilismo da camera, foi ter o Sr. Sinimbd
esatroso desengano perante o Senado, vendo ba-
quear sua reforms, e vendo repellido corn digni-
dade os seus assomos de authoritansmo.
Outros desengs toeve esse ministerio.
As finances e a economic foram fontes explora-
da&L
0 actual dos beno dos frades,
gerindo a pasta da marinha, tendo desorganisado
todo o servigo corn unm aetividade quichotewa de
que fallen a impreni doeUn e triste exeuodo
apresentar so pai' como reslteado de w ifor9o
a muito decautada ecnomia de palitos.
0 ministro do fa bwda Silveira Mart*4 o 0ri.
buno de ehilenas e de rebengue, de eoO
muito se ewperava, fasendo eiisvaos rizi wo*A-i~
too-se tio desastradamente na _Srencia deiowtpu
ta, Aponto do swo credito wr no esk"aim-
que final fbi Aado o inutie prejud
ao niechanismo da, gOqeiM~pablica..v1^"' '*:
F Ate ministerio theBwao ponto de mandar es-
Pinksole-ar 81 Rra"eObpndg fiftdados in"rineh offo


se aquelle estadista impossivel para governor coin
a maioria liberal da Camara. Elle nao quiz ma-
rear suas glorias.
Estats recusa, Sr. president, prova exuberante
da fraqueza da situacao, alarmou os espiritos dos
cardeaes do liberalisino que ambicionam o poder
polo poder e entiAo a nago presenciou o facto cs-
tranho do powder irresponsavel bater as portas de
alguns chefes liberaes que peor sua vez tambem re-
cusaram, e final tirar do seu antro de conspinra-
dor politico o republican Lafayette, que ainda
hoje nos domina.
0 Sr. Lafayette, hompem sem forca em seu par-
tide, que nio fez na opposiqo as suas armas, nem
na tribune, nem na imprensa, que nio tinha adhe-
soes sinceras, pois vivia envolto no seu egoismo
de advogar boas causes, foi entretanto, Sr. presi-
dente, o home mais capaz de n'aquella emergen-
cia tomar o poder. NIo tendo forsa propria, pre-
eisav da forca de todos; o prim- severe nao po-
dia ter melhor representante. (Apoiados).
Ease minaisterio de prepostes, porque quasi todos
os estadistas recusantes derain home per si, nio
podia ter outro programma politico, do queo ser
francamenteop.sAtidario, ainda que prejudicados
fossem os inteietses publicos. D'ahi essa political
de compreassio, intolerancia e de arranjos que as
proprias institnioes vilo arruinando.
Comprehende-se, Sr. president, que depois da
reforms eleitoral nio se pede admittir um governor
frnucamente partidario. (Apartes.)
Os reutados deata political vio sendo nefastos
ao paliz. Os graves problems, as grandes ques-
tes da actualidade que exigem solueo vio sen-
do adidas ; as finangas que deviam ser talvez o
unioo objective de urnm governor patriotic nas
aotuaeuircumatancias, teem side descuradas ; e
as medidas empregadas pelo Sr. Lafayette para
pparentar que disto eida ternom tide offeitos no-
gativoo e muitas veses prejudiciaes.
eaha ptinttam t rsoido mais os effei-
toe do goveruo partidario do gabinete de 24 de
maio do quoe a provincia de Pernambuca.
Este fact 6 tato mais notavel ,quanto existed
se6se gabiaete umministrp peruambucauno.(Apoia-
o Sr. president, r qe dve sber re
oalmentop esta prov D a polite
ftintoleTwa*i re ancamente ps*tdanla a que
61 <*awkjI&3,A iL m <^ a -"^'' 'i -. :1


scifs do partido liberal n'esta provincia vem
d'a A.
O0SR. B,1O DE NAZAIETH-Qucm foi este ?
0 SR. NLo-O Sr. Sinimbu. Se o nobre depu-
tado me tivesse ouvido nao me dava esse aparte e
e se tern intencao de interromper-me, perde o seu
tempo.
Depois d'esse ministerio de triste recordagao,
veio o ministerio do Sr. eonselheiro Saraiva. Este
trouxe eomsigo a id6a de rcalisar a reform do
systhema eleitoral, para a qual nio teve forca e
pela equal baqueou no Senado o ministerio Sinimbd.
0 Sr. sonselheiro Saraiva, conseguio porem que
essa reforma fosse um facto, emb6ra renegando
suas ideas, emb6ra fazendo corn que a camera
dos servis ustentasse o approvasse hoje o que des-
approvra e repellira na vespera.
Enttlanto, Sr. president a realisagao dessa
refor'ta dera numa certa gloria ao conselheiro Sa-
raiva, Cemtudo Sr. president nao decorreu muito
tempo qne esta mesma conquista feita corn o auxi-
lio do partido conservador, viesse ter um desmen-
tido, logo apozla sua primeira execugao.
O facto tristissimo das depuragtes na Camara
Temporaria, a creaciao de um 3' escrutinio para
dar-ae'ntrada franca na Camara a verdadeiros
phosphoros, foram o 1 golpe nesta reform, no
monusento legislattlvo que estA alluido em sua ba-
se; porque polo modo porque vai procedendo o
actual governor, apenas neste monumento ficara' es
cripto em caracteres indeleveis o nome do Sr. con-
selheiro Saraiva e nada mais. E' este o unico
acto Utte recommend ao paiz o ministerio Saraiva.
Vej| depois o Sr. Martinho Campos que com-
quanto distinct opposicionista, nunca teve entre-
tanto ,s prodicados de estadista. (Nao apoiados
da bacada liberal).
Snkiores, 6. at6 corn certo pezar que eu digo:
sondo um home honest, o que folgo de reconhlie-
cer, cahio cornm e sea ministerio do modo mais de-
sastrado possivel, diante das gargalhadas na pra-
ca public. (Applausos dos conservadores, con-
testagoes dos liberals).
0 SR. PjzsmrxTS-Eu peco aos nobres deputa-
dos que deixemn o orador proseguir.
O S. NiLo-Este homear que se distinguio na
opposigao, mas que desmentio todo o seu passado
no govemno. (Muito bemrn dos conservadores, nao
apoiados dos liberals).
Quando d'elle tudo se esperava, polo sen tino po-
litico e pela sua long experiencia nos negocios
publicos, elevado a president do conselho, orga-
nisando miniseries, procedeu de modo tal que foi
object de risota, tanto que o sen ministerio foi al-
cunhado, per elle proprio e depois pela imprensa
de oa6a do pai Martinho.
UN Sa. DEPUTADO-Do tio Martinho.
O Sa. Niwo-Mas, Sr. president, o partido libe-
ral quo, come jA disse, depois que subio ao poder
s6 tern procurado manter-se n'elle per todos os
meios, acha sempre sahida para todas as difficul-
dades, ainda que se desmoralise perante a opinion
public.
O SB. Jost MARIA Os conservadores 6 que s6
desejam o poder polo poder. V. Exc. esta fazen-
do o retrato do seu partido. (Contestacoea dos eon-
vervadores).
0 Sa. PzswsNTz-AttenKIo!
0 Sn. Nno--Ao Sr. conselheiro Martinho Cam-
pos suceedeu no poder o Sr. Visconde de Parana-
gua, o mais plmicioao dos estadistas 'liberaej.
jApolados dos conservadores, nao apoiados dos li-
berael).
0 aitis p "coso, repito, dos estadistas libe-
Ia af ai.nacio, pais 'fi a qelleqe qu praticon
versiuucrau l~tteatiscomijustificavois
R SB. BAa'O fw AAuxtr-Quern foi este ?
0O SR. Nuo-0 Sr. Visconde de ParanagnA pra-
tieou um acto altamente criminoso que veio ani-
quilar esta pobre provincia, collocando-a em con-
dig6es de nao poder por muitos annos prosperar ;
diminunindo oonsideravelmente os seus recursos,
depauperando as suas forgas, reduzindo o sen era-
rio a nao ter uma migalha! (Apoiados, muito bern
da bancada conservadora).
D'esta tribune, Sr. president, esse actor do Sr.
Paranagua tern sido verberado e corn toda a justi-
9a, porque nto ha ninguem que deixe de condem-
noar ease facto A vista do estado lastimoso em que
nos achamos.
Mas, Sr. president, o Sr. Paranagua nio podia
per muito tempo permanecer no poder, porque elle
proprio cavou em torno de si a sua ruina. E
quando elle suppunha ainda contar corn o apoio de
seus amigos, retirado este, elle cahia condemnado
pela opiniao public. (Apoiados). Deu-se entio
um acontecimento politico estranho e novo neate
paiz. 0 poder esteve, por assim dizer, em leilao
na praca public; como que se ouvia dizer:-
quem quer govemnar este paiz!! E este inter-
regno grotesco duroa muitos dias Isto o que
pr'wa, Sr. president ? A falta de estadistas, per-
que os melhores caracteres recusavam-se a acei-
tar o poder de semelhantes ianos. Nessas circums-
tancias esteve o paiz muitos dias sem governor a
espora que da Bahia viesse o Sr. Saraiva, o veliho
estadista que frsa convidado para apanhar o po-
der, que sahido dos pacos baixos de S. Christovao
rolava pela rua do Ouvidor !
0 Sr. conselheiro Saraiva, porem, teve o born
sensor de ngo entrar para a governacao, e entree os
motives determinants deste acto, esta o de achar-


ordem?
Nio, Sr. president, e quando penso que passou
pela mente da mesma commission actual de orna-
mento a idea de ate extinguir algumas cadeiras
existentes, eu siuto profundo pezar e lastimo que
a minha provincia tenha chegado a este estado.
Fiquei, Sr. president, sorprehendido quando vi
esta idea consagrada no relatorio do Sr. president
da provincia.
Pois estancar as fontes da instrucqo popular
nio 6 um crime commettido contra a civilisasgo,
contra o progress ?
Pois nao 6 um crime dizer se que se deve privar
do pao spiritual a infancia desvalida, s6 por que
n'um dia um estadista liberal errou e sacrificou
urma provincia important como a de Pernambuco?
E, Sr., president, tanto mais, quanto u6s vemos
os esbanjamentos que ha na corte e n'esta provin-
cia.
Este mode de proceder, Sr. president, nao re-
commenda political alguma.
Eis tun dos effeitos moraes e leniaveis do atten-
tado Paranagui.
Agora vejamos, Sr. president, se a provincia
de Pernambuco tern hoje elements para garantia
do individuo, para garaptia dos direitos do cida-
dio, se pode contar corn a seguran a de vida e
propriedade a que tern direito nuo s6 o individuo
que moral nas cidades, como o in*ividuo que mora
no centre.
Sr. president, eis-me n'este moment chegado
ao ponto principal a que qneria attingir, o qual
diz respeito ao project em diseussio, eis-me che-
gado ao project de forea public, eis-me prompt
a combater este projeeto que vejo que nuo pode
reinediar a necessidado que acabo donotar.
No anno passado, Sr. president, quando se
transmittio a noticia do grande desastre financei-
ro, quando se reconheceu o effeito pernicioso da
suspensao do imposto de consume, a idea principal
que surgio ioi a da descriminacgo das despezas
geraes e das despezas provinciaes.
Era o unico meio Salvador para a provincia, o
de tirar de sons hombros aquellas despezas que
nao Ihe compotiam, tazendo revertei-as pars o
governor geral, per que assim aliviado ficava o
nosso orcamento e corn a minguada receita que
poderiamos obter teriamos um eqilibrio orgamen-
t trio e a ausencia do deficit, o que ji era um
grade desideratum.
(Apartes).
N6s eramws nests casa maioria opposicion4sta,
e nao podiamos de memento no estado em que es-
tava a provincial, de falta de u6guransa individual
e de propriedade, mortar today a verba parns a ma-
nutenro da forq& public que 6 despesza geral.
Entretanto come meio coneiliador quer par nio
deixAr eta provincia entregue amo cearios e ban-
didos, come par lnidiar estarefOrma qual ado
governor geral vir em auxilio da provineia tsnando
a si despeas que so sas marcando metade da
quota s ei orgamento, dxando margem se
par o governor vir satidfa ro0resto.
Niao ha Ss. quoe Ilia v 'ede n-
to d"im as smblpdaasosenlo m ato d patrio-


Quando se esperava que o governor geral d'esse
um exempio de moralidade que elle concorre
ainda mais para a desmoralisagAo d'aquella pro-
vincia ?
E assim, Sr. president, na provincial do Mara-
nhio, do Para, do Amazonas por toda a part em-
fim, vio se repetindo scenas que cads vez mais
desacreditam a situagio actual. Sio notorious os
factos que caracterismn perfeitamente bern o ga-
binete regido polo Sr. Lafayete, o mais despres-
tigiado dos estadistas hliberaes, porque dispondo de
talento e rigorosa illustragao, nio pSe eases ele-
mentos a disposigio da causa public, antes os
occupa no desconceito das institui95es, que calcu.,
ladamente pretend demolir.
A prova esta na systematic indecisbo em que
permanece diante das maiores quest5es da actua-
lidade e no cynismo de suas deliberac5es.
Sendo, portanto, Sr. president esta a political.
do governor geral seguida corn desenvoltura e im-
pavida ostentacao nesta provincia polo actual pre-
sidente, n6s da opposigAo nilo podemos deixar de
reagir, nao podomos corn ella absohutamente con-
temporisar.
A hora vai adiantada e sintoque a nobre maio-
ria tivesse abandonado sen posts.
Eu queria dizer-lhe acceitar o project de forgs
public por n6s formulado o anno passado, que te-
reis dado ao menos um signal de patriotism, ja
que n political nao evos permit mais.
O SR. PESIDnENTE-Eu pego ao nobre deputadoe
que restrinja o sen discurso, porque a heora estA a
findar.
0 Su. Nnmo-Veu terminar. Ficam bern paten-
tes os motives que me impede de votar pelopro-
jecto, e quanto a political da situacio actual, direi,
oem ser prophets e Berm agouro, se ella continuar-
do mesmo modo em breve ouviremos o rumor da
dissoluho social.
(Apoiados, muito bem, muito bemrn).
A discussio fica adiada pela hora.
0 SR. P SxDxzEiT levantou a session designando.
a seguinte ordem do dia: la discussilo dos pro-
jectos ns. 43, 44, 53, 54 e 144; 2- do de n. 73 *
continuaeio da antecedents, send os referidos
projects todos deste anne.

49.& SESSAO EM 8 DE MAIO DE 1884
PRBSIDENCIA DO XM. SBl DARAO DE ITAPISSUA
Ao meio dia, feita a chamada e verificando-se es-
tarem presents os Srs. Aristarcho Lopes, Baro
de Itapissuma, Silvino Cavalcante, Visconde de
Tabatinga, Pereira de Lyra. Cunha Beltrilo, Er-
minrio Coutinho, Amaral e Mello, JaoAAugust,
Louren o de SA, Baroe de Nazareth, Santos Pi-
nheiro, Ferreira Jacobina, Francisco Tiburcio, Ju-
venclo Mariz, Constantino Lis, AmaroFawsi,
Maximiano Duart, Praxedes Pitanga eAugeste
Leao, o Sr. president declara aberf s "aiaS .
Corparemo e poii)onBra.
Estevio^o OIRi o6 Mari* Pal: lie
ra,: Neirs, de'Vaaw^iellsAndn-Wk^hZ
do Miranda, Arr uB^cb mtmS| FilwRai-
sa e Silva, Launa Alt ^ 1^
tow C ,rros. -
a st &i. DmNOit Oaw laifts. 06Mes CO-


n6o todma


. 1, |ll l --. i 1! ^ ^^^ ^^ ^^^ ^^i ^^. Btf ^^^ .^ ^i ^^ ^ ^^NOON"--


males que isto produzio, cstao na consciencia de mos que este acto fosse acceito e pesto em pratica
tolos. Todas as classes soffreram. para produzir seus devidos effeitos, o actual pre-
Paraprova, Sr. president basta passar em re- sidento da province, home incontestavelmente
vista o que succedcu coin relacao ao commercio, partidario, (nao apoiados e apoiados) vendo on
A agriculture, a classes dos empregados piblicos, suppondo haver ahi qualquer sentimcnto politico,
dos artists, em .una palavra, corn relao A todas negou sanceao ao project para deppis commet-
ais classes contribuintes. ter a maior das illegalidades que urn president
S0 grande commercio, Sr. preaidente, quo levan- pode omfietter, abrindo credits exfraordinarios
tou a questao da suspensao do impost teve que soffrer logo os effeitos .#cto p)reita- De modo, Sr. president, que aquillo que
do do Sr. ParanaguA. A crise mn|tar a appare- n'aquella occasion era unia mcdida salvadora
ceu. 0 credit da proviucia ficoui Utlado e af- transformou-se pela nao sancqao do projeeto em
nal veio o augmento do imposioao ; porque era uma media prejudicial e pessima.
necessary) que se viesse em auxilio da provincial Prevejo, Sr. president que este exercicio na
que nao tinha recursos para as suas mais impe- vae se liquidar sem urn deficit para mais de 900
riosas necessidades. contos de reis.
0 pequeno commercio ainda mais soffreu, por- 0 president da provincia nao s6 negou sane-
quo vio quasi classes inteiras rctirarem-se do mer- <'o ao project e abrio credito suplementar para
cado por nao podereinm, em tempo, satistazer seus pagamento:do rest da for9a, como fai mais adian-
compronmissos. to: abrio credit extraordiuario para despezas nao
Eis aqui, Sr. president, em largos trash os 0 cogitadas no orcamento, commettendo assim umn
males que o cowmercio soffreu tudo por causa da crime perante as nossas leis, e este acto foi en-
aboliao do imposto. campado pela maioria que approvou os credits e
A agriculture, Sr. president, que ja lutavacom precura encartar no orqamento future as autorisa-
difficuldades, a fonte principal de nossas rendas, q5es de qua Exc. necessita.
que actualmente neeessita mais do que nunca de (Apoiados e nao epoiados),
animagao, de todos os reeursos, a agrieultura vio- Mas Sr. president, se o actual president da
se privada de repente nao s6 dos recursos indirec- provincia nao se inspirasse cmn outros sentiments
tos, como, pelo retrahimento dos capitals, dos di- alheios a justiga e a equidade ; so elle nao con-
rectos at6 para uma proveitosa colheita. tasse corn o apoio de sua maioria, se nao se tives-
E nao 6 s6 isso, Sr. president, a agriculture se insurgido contra o acto legal e just da Assem-
foi tambemn onerada corn mais impostos e quando blea passada, talvez que as nossas condicSes fi-
se diz augmento de impostos sobre a lavoura diz- nanceiras fossem outras.
se diminuicao da produceao ; e novos embaraqos Mas, Sr. president, para que se commetteu tan-
para a satisfa.o dos compromissos ja existentes. tas illegalidades ? Para terinos uma forca eomo
A classes dos empregados publicos, essa classes temos que em lugar de ser urn elemento de ordem
desprotegida e sempre verberada n'esta casa, pa- 6 antes urn element da anarchia.
recendo como que una classes condemnada ao ex- Expresso-me assim, porque esta forca vai ser
terminio por crimes que nao commetteu ; essa eutregue a autoridades peliciaes verdadeiros ins-
classe que tern a sua aetividade limitada, porque trumentos, a individuos que nao estao na altura
o empregado public nio p6Sde ir alem do sea or- dos cargos que occupam, que s6 querem ter em
denado por mais que trabalhe ha de possuir so suas maos a forca para abusarem, servindo-se
aquillo que esta marcado em Ici e muitas vezes d'ella para commetter toda a sorte de p:essao e
nem isso mesmo ; essa classes que final faa muito violencia, como jA por mais de uma vez tenho de-
sacrificio, porque presta A provineia os seus ser- nunciado a casa, narrande tactos occorridos no 4o
vieos tendo em vista uma remuneragio, remune- district.
ra~ao que 6 muitas vezes insufficient As necessi- 0 SR. ROSA E SILVA.-Apoiado.
dades do home, essa classes tambem foi preju- 0 SR. NILo-Mas Sr. president, factos de abu-
dicada so e desprestigio do principio da autoridade em
0 primeiro mal que soffreu foi ver que os seus nosso paiz siao takes, que 6 bern difficil que tenha-
ordenados nio eram pagos em dia; eV. Exe. sabe mos em pouco tempo o reminedio para elles, porque
qual 6 a vida do empregado public. Elle traz a quando eu vejo, Sr. president, que na propria ca-
vida regrada de tal modo que basta o atraso de pital do imperio, diante das primeiras autoridades,
urn dia no pagamento dos seus vencimentos para defronte da propria secretaria de policia se assas-
que logo se estabeleoa o desequilibrio, desequili- sina barbaramente a urn cidadao que se abrigara
brio que levara muito tempo para desapparecer. a sombra da propria autoridade; quando eu vejo
Entretanto esta classes tambemn foi tributada, que perante a propria policia se apunhal-a a
entretanto esta classes ha de ainda ser muito mais victim quo vem pedir soccorro, sendo assassina-
tributada, porque me consta que no actual pro- da at6 pelos proprios agents da forca public ,
jecto de orqameuto se eleva o imposlo sobre os quando eu vejo scenas como esta de verdadeira
empregados publicos A 10 /.. selvageria, descreio de tudo e s6 receio uma dis-
*Eis, senhores, encarado por um lado os terriveis solucao social.
effeitos do attentado ParanaguA. Agora vejamos Se pass uma vista rapida por todas as provin-
por outro lado .que de males nao causou elle corn cias, em todas ellas vejo repetirem-se as mesmas
relaelo ao progress desta provincial. scenas perturbadoras da ordem public e collocan-
Nos, na margem que nos deixava o imposto de do este paiz em urna situacao normal, que s6 po-
consummo, iamos fazendo certos melhoramentos dera- ter funestos resultados. (Apoiados).
necessaries ao eagrandecimento da provindcia; a Nao sabemos por exemplo que em S. Paulo urn
agrienltura ia tendo ele-rentos para prosperar, o chefe de pelicia, porque procedeu contra um eri-
commereio luerava porque se offereciam melhores ninoso, porque quiz cumprir corn o seu dover, foi
condiq6es para a sua actividade, e mesmo porque demittido e o president da provincia, home ho-
es capitaes mostravam-se mais francs, e d ahi nesto que depositava toda confian"a neste chefe de
certa animaco, certo movimento progression. policia, enxergando nisao urn ascinte, nomeiou-o
Mas tudo isto desappareceu, e a provincia de immediatamente para continuar a servir interina-
Pernabuaoama ctuaee.eumatauneias por effeito mente.
desse descalabro financewro nemo ao menos hoje Isto 6 bern expressive. Mas depois, vend. que
pode reparar as suas pontes, as suas estradas, por este seu acto nao era sustentado, pedio a sua de-
que pars eases servi"os nio podemnes votar as ver- missao, de mode que na provincia de S. Paulo, on-
has necessariais vista como as contnibuicoes j A sao de o facto se deu, ficou provado que nem as pri-
pesadi sirmas nao as podendo n6s eleval-as, sem meiras autoridades, as autoridades superiors es-
commettermos grandes erros economics. tavam no caso de merecerem a confianca do go-
Ate os edificios publicos, Sr. president, nUao verno, porque nio se prestavarm a pactuar corn o
podem ser reparados, e v6s bern podeis calcular crime.
quaes os prejuizos que adusem desse facto. Mas, Sr. president, a este facto se addicionou
Afinal perde-se nao s6 o capital que estA empre- ainda uma circumstancia que eu passarei a nar-
gadopor que nao o concertando se arruinarao, rar: quando se esperava que depois da demissiao,
como por que priva-se a provincia de melhora- do president e do chefe de policia, o governo ge-
mentos que ella nas actuaes circumstancias nao ral maudasse para alli hliomens que estivessemona
pode substituir por ountros. altura da situacio nomeou-se para 1I vice-presi-
Este fact, S. president, tambem influio coin dente que devia entrar em exercicio urn home
relailo a instrucoio public; n6s vemos que hoje que es ava compromettido corn a fazenda por cau-
nto 6 mais possivel crear sequer uma cadcira de sa do desfalque do Correio.
instrucao public, pjr que as condieoes financei- Pois, senhores, quando competia ao pwedr geral
ras da provincia naoo permitted; e sera possivel, tomar Uria posicAo energica e digna e que elU&
Sn. president, que urea provincia como a de Per- lanea mae de urn recurso que esta abaixo de toda
nambuco possa prescindir de urn beneficio dessa a cntica ?


r...1'


13#500^'


27 t;:1

































1 da lei .-


10 peto


;;,3nsulado a o'ra al.. A" commisso aeoregis-
Ef hd-e-fit m-sadiasa por-ter pe4ide a palavra o-
&.Jaauoi,o segaintepaeoer:
.x A comBmisaO de instrucgiapnlsica, A -quem
fpvesenm e a petio de Cordaimi Amtelia do C1Paz
puotaiae. plieac. Viceacia, da cmauraEc de Na-
iaetsr, a qusrequer- que-a sua cadeira seja con-
niderada de N entrancia; conaiderando, que oa
pkes, ou entrancia- do magistrio primario se
sacham reguladoes p lel, 6 a mesa& commission de
puacerr que seja indeferida a mesma petiglo. Sala
das comamissoes, 7 de maio de 1884,-- AddidO A
de.Lumea rre iJunior. -Aristareho Lopes.
S1o lidos e approvados asnegnintes pareeereas:
a N. IG0.-A eomniasAo de iaatregeo pnulia,
teantdo em vista a petico da Cireumcisa Pouvet
Calumby, professor interina de Santo Amaro de
Serinhaetu, que requer license paurs, estudar par-
tieAlarneate as materials leedionadas pelta Eascohli
Normal e Soeiedade Propagadora da .nstruegiao
Publiea, sateitaado-se pesteriormenteto a prestar
exames annuaes eum qualquer d'esaas escolas; e
considerando a material de que traeta o requeri-
meanto se- acha prevista na lei n. 1,636, de 25 do
maia de1582,e Reg. de 17 de setembrodcl880,6 de
parecer quoeseja indeferida apetiiao dasupplicante
que fica corn o direito salvo de requerer a compe-
tente autoridade admiuistrativa, a quern compete
providenciar. Sala das commissoes, 7 de maio de
1884. Aristareho Lopes -ErmiNe Coutinho. a
a N. 161.-A commiasao doe legislaeao tendo
apreciado devidamr.nte a material da peticao de
Francisco Xavier Soares, pensa se r ella da cornm-
peteneia da commissio de petioes para a qaai de-
clina, urei vez que a aposentadoria qutie o peticio-
nario requer nio east. reguLada por nenhunaa lei
provincial. Sala das commissoes, 7 de maio de
1881.-Rosa e Silva.-\'ilo de Miranda. A
a N. 162.-A commissAo de legislaSo ,tendo de
dar parecer sobre a petiado de Jos6 Teixeira da
Motlta Cavaleante precise que seja oavido o The-
souro Provincial. Sala das commissee,, 7 de maio
de 1884. Rosa e Sgua.--Nilo de .iranda. #
a N. 163. A commnissilo de obras publieas a
uern foi remettida a peticlo do eapitao Joao Lins
avalcante de Albuquerque para que possa crite-
riosamente dar o seu parecer Aceroa de seu padi-
do, precisa que sobre etle seja ouvida a nomnmis-
sao de oreamento provincial. Sala das commis-
soes, 8 de. isio de 1884.-Maximiaao Duarte.-
Santios Pinkeiro.-Tabatinga. ,
a N. 164. A' commissaoe de obras pablieas, a&
uemn f oi:present un, abaix&' asiignades de mora-
dores travesa d- Femandes Vieira e sua im--
mediacoes, no qual pedem a colloeaVlo deo min 3
eandierros de gaz, aeha se r rasoavel o seu pedido,
entretanto preeisa que a respeito seja ouvida a
commissae, d- orcamernto proviueial, declarando se
p6de ser eoansiderado na forca do oreamento o pe--
dido dos supplicantes. Sala das commissies, 8 de
maio de 18t4.-M. Dtmrte.-Santos Pinheira. -
Tabatinga. ,
a N. 165.-A. commission de obras pablimwa, h-
quem fbi present apetieAo de Fr. Venancio Maria
de Ferrara, preffito da Penha, entende que,- ra-
soavel o sea pedido, entretanto A de pareecr' q
seja ouvida a eommissao de .orgamento provincial,
para que declare se elle p6de ser-atteudido nas
forias do mesmo orgamento.
a Sala das commissues, 8 de maio- deo 188L-
Maximiano Diarte, Sanstm PFInheiro.- Taba-
tinsGa. a
SN. 166. A commissIo de obras.:pwblieas a-
quem foi present urn abaixo assignados de proprie-
tami; a moradores no povoado da Torre, que pals
3.a vez pedem autorisaqAo para construegio de
urma- poete que ligue o referido povoado as- de
Ponte do Ucha eutende que & rasoavel e de van-
tagemn a seu pedido; entretanto precise, qae a
eommaisIo de orcamento provincial declare, sendo
ouvido o que eLles pretendernm pode sor present,
mente considerado nas forlas do mesmo orca-
mento."j
a Sal-b das cominiss5es, 8 de nmaio de 1884.-
.tacximianto Duarte.-Santos Pinheiro. Taba-
tinga. ,,
N. 167. A coanisslo de obras publicas, a?
uem foi present o officeio da Camara Municipal
e Limoeiro, allegando a necessidade de reparos,
no so6 na eadeia daquella comnarc coma na casa
que serve de Camara e de andieneias, assim como
a necessidade --rgentissimlrrtde-das ponniet sobre-
os riachos Caprieho e snas barras, e de parecer
que seja ouvida a commission de oraminento pro-
vincial. ,,
< Sali das eommissoes, S de maei de 1884.-
Maxiimiano Dirarte.--Santos Pidheiro. Taba-
tanga. ,
E' iido o segninte :
a Parecer n. 163. A commi siao de obras publi-
cas para bem proceder acerca do que allege Jose
Ignaeio d'Avila em sun peticaio,. preeisa que seja
ouvida a respectiva conimissao de orcamento pro-
vincial, que dirA tambem sobre os documentos of-
ferecidrs pelo peticionari,-.
Sala das conmtissoes, 8 de maei de 1884.-
Maximlano Duarte.--Sa-'!:s Pinheiro. Taba-
tinga. ,,

0 Sr. Dariao de Nazareth -- Sr. presi-
dente, sern pretender fazer coasura a eommissio de
obras publicas. me pareceo que a ella cabe o dever
de decidir da questAo que tracta-se do reconheci-
mento de um direito, e este reconhecimento 6 d.i


sui, competencia e nao do. da no')re commissa'o dc
orcamento que s6mento cable o ever de marcar
quota quando esse direito esteja liquidado.
Portanto, me p:.rece, que a doclinatoria nao tern
razao de ser, e eu peqo venia para dizer que a no-
bre commission unao andou bemn n'ese negocio.
Em 1882 fui relator da commissao de obras pu-
blieas e n'aquella occasiAo li urn discurso do enge-
nheiro das obras'publicas em que reconhecta o di-
reito d'esse cidadao.
Eu quero saber se esse cidada.o tern o direito
ou nao, e n'este caso cabe a commissao de fallar
n'esta material dizendo que deve ser deferida ou i
indeferida essa pretencao, isto e, dar um parecer
pr6 ou contra.
A commissao decline para a de fazenda ; a de
fazenda neo 6 a competent.
E' isto o que me parece rasoavel; em todo o
ease a commissno proceda coma entender e so6 a
casa pdde conhecer de seu proeedimeuto.
0 Sr. G.- de Drummond o ilbo-(Nao
devolveu seu diseurso.)
0 Sr. Maximiane Dmarte (pela ordem)
-Como minembro da commission de obras publicasm
lonva-se no que vem de dizer o seu college e!
samigog
Achando inteiramente just o quo pede o sup-
plicante pedindo urma indemaisaco, aasaim come
quae se marque quota no orcamento, nao. podia a
toamiano de obras public da r parees proferil
urn despacho summario a commisea- do oroa-

NUo acsao proeedneoia no qnu dix o nobre depu-
--do pelo 8.0 distrieto, defendenda os direiteo diia
.-(flaiaode fasenda>.
Eiiwin.uwnemai; pedido d apalavra A eneerrada al
-AFMa0, e p9oW a votoa a paoee 6 Aappre-
-Yade-


as seguinte
i d Feam
ras de ensis

ru da cidsd


cidade de Olinda; da 2m asda oatr id adee,
villas; Ig an" du porna-ues &dos povoades.-
2a As cadeimss 6.d poierlenser ptoroid. s per
coneurso, qualqnner quo sei a claas aqua perten-
sam; e,. emuqnauto nib o fpuem, finambo saga..
g 30 Os pofessoros do easin prira r u e-
cuadsnrio, nomeadaB em virtede dosta lei+, tab ta-
mae direito a'vitalieiodade, e pemeobembosa primeiro
9100S, d ordeoindo e 8390 de gmati'eaio, on se-
guidos 1:20051 de ordenado e 4005 de grttficealo
podendo aquelles aspirar ao coneuro de quaqueri
classes, umrn vez que tenham nunea moasno d 2
annos de oexerieio nit cadeira que preteadem
deixar.
4o Os actuaea professors s9 tvraodireito A4
vantagensde qua estivermm no geo, e al aairmn
as que por leis anteriores poderiam resultar da
contirauato no magtnterio.
5o As cadeiras do ensino secundario que fo-
rem frequentadas por espae-o de 3 m-zes aot correr
de 1 anna por menos do 20 aiuminos, e as do pri-
maria por menos de 40, seado da 3A classe, d& 30
da '2a e de 20 da 1 seorio supprunimidas, a nuo ser
que se prove que a falta do frequeneiam renultou do
professor, easo em quo este se:i. demittido-
6' 0 professor da cadeira supprimida ozaupa-
rA interiuamente a qaeeastiver-vaga corn os ven-
dmentos que tiaha, e devercA ompar-eer ao primei-
ro aoncurso eobi pens de doemissao
7 0 professor demittido, urma vez que o n&(o
tenha sido per actor de immn)ralidada our crime, po-
dera coueorrer as cadeiras vagas, na. se Ihe eon-
t'adio todavit ptra, aittignidade o tempi do ante-
rior exericiio.
S 80 0 professor qae, ear proeesso disciplinar
con recurso para o president da provineia for
por duas vczes condemnalo, sera deittid)o.
9- Nao se contariL parA aatigaidade o tetwno
dans licenas que o professor tiver obtido.
10. S6 p.)r mr)tivo der molestia btin comnprovad)
poderito ser concedidai liemrncas co:n ordenado por
inteiro at6 3 mezes, corn meio da 3 a 6 e sein or-
denado de 6 a 12 maezes.
11. A falta dc exereicio par tempo superior a
L auno, qualquer queo sja o mn)tiv) quo- tumha oc-
caaioeado, deteramnara a demissao do professor.
12. Nenhum profess r d .ensipe) prim.nrio ou.
secundario podera' ser apoentado scam qae prove
po modo o mair irrefragavel, unpossibilid.ide phisi-
pat on moral d& continuar no exericio do magia-
terio.
1M A aposaotadoria podera ser eonceedida
wom ordenado proporcional, teado o prifessor mais
de 15 asauas de magisterio, par intaeiro mais do 25
annos, e cornm todi o vecimemntrs mais do.e- 30
annos.
14. 0 exereicio port msa.: (1de 25 anmos dar di-t,
reito a tira gratifieacio de 3009 aanuas, e por
mais de 30 a outra igual.
15. A falta de exercicmre por motive concur-
reancia necessari-a a umas.oa imais eadmsira nos tfr-
mos d, g 6 ', se computarmn-a favor do professor at6e
amn annao paraajabila.eo por intairoie a t6 moezas-
para a proporeioa.L
16. Par maurte do professor aboac.-se-ha ai sua
viava e seus filihoas menores, a importonciacoremres-
pondente a 2 mees -de ordenado.
Art. 20 Revogaidas as diaposios, eiB eoatram
rio.
Sala das seswes, da Assembli, ProvineiaL de
Pernamuco, 8dc maioe de 1884-Silvinmo Camnl-
cante de Albuquerque;
N. 163.-Art. 1.O Fica autorisade-oo presideate
da provineia a contractor com Albuqurqu.Ae:
C-utinho, negoeiantes estabeleeidens r a. eidade ,d*-
Nazareth on coin, quo- mnelhores vantagens ,oMre--
eei: a eonstraegao de urma liamb fero.-earril, eujo.
vehiculos sejam mowidos- por ,aninae*, que ligaem'
a enscaio t.rminai do ra-malda ferre-via de za-
reth a c iade do mesmo nome, para o -traaspor-
te de cargA e psasgeiros, mediante as seguintes
)nidices :
!i 1 Os concessionrria ssernon obrigad"m a come-
qai: o service dentre deo 2 sanos, euntadon da
data do contraceto, qua para esse fim for celebrade,
:; 2o Seri sempre gratuita a condueaol do todos
os generous, mercatdlrias e objeetos perteneentes aw
provincial e a municipalidade.
| 3 0 preqo de- tran-portes- nao execederA em
caso algum de 20 reis poar 15 kilogrammaa, e 7reis
par centimetre caubico na razio do pese on do vo-
lume que for cenduzido para a estate, oat desta
para a cidade, e de 200 r6is por cada passageiro.
Art. 2 0 privilegio nao poderi ser concedido
pot prazo superior a 30 annos; e os coneessiona-
rios se utilisar3.o para colleens'co dos trilho de 10
palines da entrada public de rodagem, fcando a
oelnpresa isenta de pagamento de direitos quer mu-
mc-ipaes quer provinciaes.
Sala das commissuaes, 8 de maio de1884. -Barato
de Nazareth.-gAuegtto de Souza Lsao.-Dr. Jodad
Auyusto,
N. 161. Art. 10 Fica contado coma de effective
exereicio o tempo decorrido desde a data di sus-
paisio criminal do professor Francisco Silveria
de Farias, em 1 de dezeotbro de 1865, ate a data
da seatenca que o absolve em 16 de marco de
1.868.
Art. 2o Ficam revogfadas 'as disposiSes era
comtrario.
Sama das commissoas, cm 7 de mamo de 1884.-
Adelino A. de Lrnma F-eire Junior.-Erairio Con
tinho.-A. Lopes.
r9 fr. Irpeuidente declare quo acha-se so
brc a mesa o projucto de or-amento municipal e


que vai a; imprimir-se.
i1) Mr. Drai-nmend Filio-(Nio devolve
sen discurso.)
0 Sr. Antonio Correla-(NIC devolven
set discurso.)
Veim mesa um requerimento do Sr. Antonio
Correia.
0 So. Psn EsXNTE 0 requerimnento do nobre
deputado sera ld 3 em tempo.
ContinuA a disaeuasi do requerimento do Sr.
Drummond Filiho sobre a acephalia policial de Mua
ribeca.
0 Sr.. Lourengo de SA faz diversas con-
sideranes.
0 Sr. Barao de Nazareth Sr. presi-
dente, tomando part no debate e apreciando de-
vidamente as palavras que aqui foram hontem pro-
feridas pelo nobre deputado pelo 7o district e
eonfirmadas pelo nobre deputado pelo msmao dis-
tricto, o meu illuatre amigo, o Sr. Lowreneo deo Sa,
venho declarar a assemble qu e ouv i ao Sr. chote
de polieia e erea do facto aqui denuneiado polo
nobre deputado o Sr. Drummond Filho, censuran-
do o praoeedimento dan autoridades polieiaes de
Mnribeea. S. Exe. me disas o seguinte: que o
delegado de Muribeca, tendo-se indiposeto earn o
aubdelegado da freguaezia, exigira a sua demas-
sao.
(Apartes.)
Eu quero me mauter nests discussno cown a aior
calms possarel, porq4u de ttm lado vrejo*m adver-
sario, me t amigo particular qua maito ooawi-
dero...
0 S. D uo m K.e Pao- ObrigadiO
0 S*. BBADIXoB NA&anw-.. e do otro itdo
umcrlgionario muito distineto, a1 qaem nio-,
quero defender. Masa, Sr. preeideirt*, o dewg"ado;


0 'lrax BA o y?3 -Az=u-O que 6 certo 6 qup
4i4a Idao V. Ex afgtewa uwmacouaa e dooutro
66esa amevemo pwitrio dek-qae V. &f--, 4fa
C'Au um dendoudofter 4|.eMabI& $gulma 4e zoo que fique cads umrcorn
goS o. a e daputo. toew o tatednriko d dete-
gado, ea anteponbo a este o testemunho do proprio,
cbefe de poleia, oem queam me etendi ainda A
QI. DTKMwLD-FI da um .aparte.,
q0 S 'UARlO DO Nqzau&aiwm--DiaQa nobre' de-
putado que aquella delegacia estA acefala hi. 1
mezesa emn Muribeca e sedo awsim eu doit oapa.
ra-beu aquefla localidad., onde date tanta tem-
p, no tern havido crime algom a laniqntar
0 So Ixua, xoo EiaO-EstaV. Exe. engaL*

O S%. Lounaueo DB S--Taem havido muitos.
OSR. BAO DE: NAUARTH-Sr; peesidemte estott
eolleado eitiuna situ a um ponce vexatori*
porque doe uam lad vejo umaiig>padie ar,sebem.
qua adversario, do outrw Ia& vejomun correligio-
nario maito distincto, procurando ambos oontesta-
rein as minhai palavras.
Eu pore, fallo eom os dados officials que, de-
vem servir de base a toda a discuasaa deasta As-
3embla, que deeidira' come for mais covenieate.
Li 6r. president o document offereeido pelo
nobra deputado, aeerca destas- autorihdades ati-
roa-se sabre a administraoao dizendo que ella pro-
eura nomear ladres paxa autoridades policies.
0 SB. DuMMOSD FILHmOm-Peco a palavra.
0 Sm. BAAo DE NAZAmETH-Sr. president. oete
factor econ que argnmentoa o nobra deputado nao
te:n razao do ser. S. &Exe. qua tern tanto talent,
wuto tem neccssidade para. accusar a admiai traw
de laiarr miao doeesasteo%.
Sr. president, este Frasao de quem se occuapow
o nobre deputcdo na, idade de 21 annos, morando
em Caruard, travou uas amnores con.iuma certa
-nullih, eomrn quemn praciso dizer a verdade,..
0 Su. DnuxmoxSO FiLtto-Eu nAo tracto dos amo-
res, tracto do ronbo.
0 Sa. BARIO DE NAZARETH-~... con quem gas-
toa inauitta dinheiiro; don Ihe algumas cousas, fez-
Ihe preseates de joins e afinol eneheu-a de favu-
res. Maii tarde cssa murheb cabio no sea des-
agrado. Frazlo iilo foi cavalleiro procedende
como procedeu : levon, todas as.joias que lmvia
da-do. Essa inuhiwrdeu unra queixa e d'ahi resul-
ton umn procosso por crime de roabo. Esae pro-
cesse lot julgado por um leigo qua o proaunciou.
ille rceorreu d'esse despacho pard o juiz de' di-
reito que 6 hoje nosso desembargador. Per con--
sequeacia pergunto ao nobre depatado : por eate
fecto qredesappareceu por forga de um despicbho
superior dceorridos 14 annos e vivende o homent
na cidade d. Victoria; poder coademnar wuum -
dadao laborioso, quo vive do sena nego.:io e que
eahio infelizmente no desagrado d'ceae juiz de
direito?
E veio aqui o nobre depitado ler umams natas
que apeseutoaucontando a historia da, proauncia.
II parece, Sr. president, quo diaatte dresses fac-
tos, quando Frazie 4 urn home preotante, uia 6.
justo qae selhe accuse uwn home que teve a infe-
lieidade de ger pronuneiado, e creio qoe nao foi;
se niao foi, comno se traz para o recinto da Assem
blta uma accusafoi d'eeta order ,po- ter sido elie
nomeado subdoelegado, 14 ansos depoi disto.? 0
men cot*ga, qmae advogad nU sab. que*initow
cidado .qualificados de nossa terra teem ida a-
prisio, teem side promeneiades, e dopoio-disto teem
sid m n prneadOs ra y awgm- superioc ?
S. ic remm saber quet b. ho bMui distiet.
que por prcstarm, servi s -aB: M"-vincia Poo,
serem- iui mmg.do crimae e e coatra e
defendendo e sustentando a lei, teem sido pe oea-'
sadbs e msettidbs na pris4 rmisi >n- osa piv-
ram derser autoridft-dpoi?' r
0 Si. quo-sa r ft l-bSa cif odhtm cfahids
processada por crime de r iabo
0 Sa. B Rib rm NAzARaTH, Eu naio quero de-
clinar nomes; eu appellb para a memorial do V.
Ekc. quewsabw bTOCe bea eolloeado teem eahido
sob a ac.fat da jvAtia.
Sr. presidbnte, ea podia lembrar faetos ban mre-
cenites que se teem dado uesta provineia de cida-,
dios qualfficados proeessados- e que voltamt ao
seio da sociedade; mas en railo quero aqri f"'e
declaraoes pessoaes; apenas digo-a. nobve de-
putado qpie ease facto que para aqui troaxie nae
tern merecimento.
Tenho dito.
(Continua,)
Declare que votei contra as emendas ns. 158 e
161.--llhino Cavalcante.
Declaramos ter votado contra a emenda n. 161.
-Ermirio Gouitinho.-P ereira de Lyra.
Votamos a favor da emenda n. 161.-Dr. Pi-
tanga.--Dr. CuahM Bedtrdo..
Votei pola, emendas ns. 138 e 139.-Dr. Pi-
tanga.
Votei pela emenda, que abatia o impostor de re-
particao a favor dos mercieiros; per estar con-
vencido da justice da mesa emenda. Amaro
.J'oaseca.
Declaramos que votamos contra as emendas ns.
22, 25 e 271.- Silvino Cavaleante. Arruda
Falcdo.
Votei ela. emenda 218.-Dr. Pitanga.


RFIVISTA MARIA

Assewbi1a Provincial Funccioouo
hontem sob a presideneia do Exm. Sr. Baro de
Itapissuma tendo eomparecido 23 Srs. deputados.
SNao se aehaadu sobre a mesa. deixou de ser lids
a acta da sessao aateeedeate.
NTo houve expediente.
Passando-se a ordem do dia continuous a proee-
der- se a votacia das emendas ao prqjecto n. 158
deste anno, nio se concluindo por falta de numero
e orando pela ordem os Srs. Estevio de Oliveira,
Paulo d! Oliveira, Jos6 Maria, duas vezes, Silvi-
no Cavalcante e Bare de Nazareth.
Vieram A mesa divers.s declaragoes de votes
que inserimqs na secAo respeetiva.
0 Sr. Estevao de Oliveira deelaron ni o tomar
parte na vota,9o das emendas ns. 225 e 271, re-
tirando-se do recinto.
A ordem do dia 6: continuaco da antecedente.
Antoridadem poliqlae.-,-Por- aetos da
Presidencia da. provimcia, doe 11 do cormn*i sob
proposta do Dr. chefe de poieia :
FPoram exonerados :
Manoel Lopes de Barros, do cargo de subdele-
gado do 4, diatricto (S. Domaingos) do term de
Villa-Bella;
Manoel Franueico de Vaeoneelea Qixamba, do
cargo de subdelegado do 10 distrieto do teomo de
Bezerros, par ter aide, nnemmado I1 supplente da.
respectiva delegacia;
O capitio Jose Carlos Vital, do cargw de dele-
gado do termao de Bewmrosa visto ter sido removi-
do d -oommando do distacamento respeetivo.
dorm n Io d itt memdm B:-
Suodeleado do 4 district dotemo de LVi!a-.

-roe Amsotdo do 14iitite a de


tanroA re ae su nw v n W &deo
Mas, .ft A e certo e queom sm.- iaguloa pw iw
ailigencias qua para isto empregase.o
.0 Sr. Comoletti, apoegar dos incriveis esforqos
,quo fez par a e tomnar bem qtisto do publieo, ape-
as conseguio aerlouvdo. Nao jnos pareceu mio
artist.
p*An,tomiwaiuaa-.9 actr foi.hamadlat. ii. a, aff
avb em!prezaria St. izeffio, quo so tbtan
Mretirado ; e quando se-levantou o panno pars oe3
aceo novas ehamadas A seena, mais reiteradas e
no ieio de um rumor e tumult indescriptiveis,
partirn-d, aordem, a tal ponto que no o p6de
contiuaar a kepreasentaqao senio depois de .tnia
horse de eapera.
Final appareecu o Sr. Mazella qae nao teve
outroremaedio asenile reeeber a manifesta* o dos
que, a todo o transe, o queriam alli ver no sce-
nario.
Aose c6ros, qua estavam bem ensaiados e a Sra.
Arnoldi, couberam as honras da noite.
0 espectaeto de ante-h6atem, Ray Bias, foi
esplendido. Todos os artists deasempenharam
bemn os seuas papeis, sendo chamados a scena e
ealorosameute appiudidoes, bem comoo Sir. Mu-
zela.
0 Sr. Parodi, jil reetabelecido de seus encom-
modos cantou coin muito sentiment
Hoje serA repetida esta opera em recita de as-
signatura.
lerm-oia, de Oliwma -- Ante-lhntena o
trem denta ferro-via deseendente de- Olinda, As
6 i/, horas da inanhai, quando passou entire as es-
taqees do Priucipe e dos Pirea, fracturou a perua
esquerda de umn menor, de cerca de 14 ainnos de
idadte, o qual corn a maier das impruwencias quiz
galgar a plata-forma de um ds caerrus, estando o
treom a mover-se con tod. a veloeidade, e nao pa-
dcndo fazol-o cahio e foi apnuhasdu plans ro las
dos vehicetos.
O menor foi condazido pAra o Hospital Pedro
II, onde Ihe f-i amapatada a, parm pulo tereo su-
perior.
Aksama iato. Hontems 5 bhtas d a tarde,
ena rim do Arraorim. da paroehia deoS. Frei Gon-
Goncalves do Recife tra.varam disputa o pardo de
nome Joalo Francisco, conhecid ,par Joio, do Cisco
e outro de nonv- Antonio FPraneisco de Paula, e
e:te ultitno, que cstava ar.nado de pistolla e faeca,
fariq aqwlte raortalmente, dande-the utna faceada
uo lad o direi do peit do pta.
0 ass:ssino foi proeo em flagrante, e o ferido,
que ja sppuhain cadaver, foi conduzido parn a
igreja da Madre-de Dens.
Sabeado disi, o 8r- Dr. Sousa, sempre incansa-
voi4 e prompto, para os mysteries de sua profissao,
alli caparecea espontaneameante, e examinando o
corpo ainda o roconheceu corn- vida. Mementos
de-pois, por&em, era cadaver Joio Francisco; c en
tio o digno medico procedeu ao exame, reconhe-
,cendo quo o ferimento tinha penetrado no pulmbo
direito, eausando hemorrhagia coiosa, deter.ni-
nando a morteodo paiciete,
Totuak do Jluwy Forams hotem soub-
mettidtsajigasmentoos r6os Jos6 Francisco de-
Souza e Joaquimr Cavalcante de Hollaunda Albu-
querque, acensados este de have eit dias do mez-
de marco do anun passado, extraviado do cartorio
do escrivao Burgos, uns autos de Ibello cweil, e-
aquelle par haver em a noite d- 17 de agosto tam-
ben-.do.a BB.pwsad, frta&d uln bode e dua' c-
bran do sitio do D. Jose Dinix Barrebom
Em vista dt Lempostaa do jury foi o r6o Souza
eondaeunada 2 annos 5 mezes e 5 dias de prisio,
tendo por patrono nomeado Dr. Luiz Emigdio
Rodriguesn-WwjoaaeJoaquirum deoatlada absol-
vido unaniren-te, send patrocinado pein Dr. Gas-
par d& Drunnmmn Eilh.a
Ferro-via do Caxanua Em earta de
hontem, o acki Sr. gerente dests ferro-via refe-
rindo-se ao que dissaem-,awte-hontem, sobre o ac-
eidente e estA da ponte,, eatre arua da.Aurmra e
Slar.go do- Capia, nos informa qu, a-spnes tomou
poasse do sea cargp, reeonheceu a necemsidade de
substituir dfta. ponte, e nesse sentido se dirigio A
diectoria, da cempanhia, em Londres, a qual de
boa voatade eoaveio na substituiqao e providen-
ciou acerca da coastrueAo de urna ,nova ponte.
Assegurs maia o Sr. gerente que, durante o
tempo da interrupcio do trafegor, so esforWAra pars
que nao haja o menor meonveniente em detrimen-
to do public.
Daluaeir --0-vaplor national Jagwiribs tron-
xc dos portos do note pars:
Mouhard, Mettler & C. 17:343^000
H. Burle & C. 16:000000
Niemyer Conh & C. 13:0005000
Parents Vianna & C. 7:2705000
Possidomo Lolon & C. 7:0005000
Rodrigues, Lima & C. 6:2905000
biera s Irmmos & C. 5:876s000
Luiz OGaqalvea da Silva & Pinto 5:0005000
Machadoea Pereira 2:47855O(1
+Maehado Lopes & C. 2:0005000
-Gemes de Mattoe Irmuos 2:0005000
Euzebio da Cunha Beltrno & Irmio 2:0005000
Amorim Irmaos & C. 1:8844725
Costa Carvalho & C. 1:8005000
Fernandes & Irmio 9005000
F. F. Saboia 500.5000
Antonio Pinto Lapa & C. 3825479
ljhberdade. Informam-nos que o Sr. Dr.
Joaquim Francisco de Barros Barreto, residents
na erte, conceded liberdade gratuitamente e sem
onus ao seu unieo escravo, de name Joaquim, exia-
tento n'esta Drovincia.


Registramos o acto com prazer.
Conminiae Central Eumaneipado-
ra.-Esta uommissAo funeciona hoje, as 7 horas
da notrte, no primeiro andar do predio u. 31 da rua
do Imperador.
Luta Litteraria.-Hoje, as 4 e 1/2 horas
da tarde, e no lugar do costume, reune-se esta so-
ciedade.
bSeenaw da Eseravaria.--E' o titulo de
urma poesia que o Sr. Thiago da Fonaeca deu a
estaminpa em opusculos.
Agradecemoa-lhe o mime que nos fez de num
exemplar.
Coneurso de, geometria.-As provas do
coucurso pora o provimento da cadeira de goome-
tria do Gymnasio Pernambueano, comegaml no
rmes:no estabelecimento, As 11 horas do di 17 do
corrente, conforrne o edital de 10, que publicamos
em outra seceio d'este Diario. Ha 9 concurrentes
inscriptos.
Conrerencia AmanhA, s 11 horas do di,
o Sr. aademaico Anisie de Abreu faz urna confe-
rencia no theatre Santo Antonio, A convite do
Club Abolicionista Martins Junior e por occasiao
da matinee que ali celebra o mesmo Club,.
O orador procurA demonstrar quernm sos os re-
volaucioarios na questdo do eleieuto serviL
Of*enea a pudoar-Comamunicam-nos da
cidade do Cabo qie o empregado da ferro-via do
Recife a S. Francisco, deo nome Francisco 1 lemea-
tino M etretendo rel S amantetiaess
corn a or Mariaque vivi honestamente em!
eoapanhia d e sas-&6 Hits, do Rego, prevaleeeu-
se do ensejo de havrer a velha te ausentado de casa,
no, d 8 do cormnte, e eneontrando a pobre orphb'
eom ea a e dacoilpauhada 'violestou-a.
- 0 o para e ouseguir o seu libidinso in-
tento pometter asarse corn a pobre victima,
que dwiudida. pOrT uma triste arealidade, deplora
0 Dr. J'awiade, csphain do ternao, ssbedIor- o f ac-
tol, owxBw tutorao&fodidaao dicktadow Roti-
li% q~w koqwwme emttra. o seduetar o respective &


"IWO onedebi& J i rew
A gorajiulgapao loiter a
'VOR~Aldo qwmdiwp& ffavewU4& em- 7
do coererrte:
Na madrug4a d ; Edo eointe,. p_4w ilo
de S. Benedieti,. Jos&- QrkmW desmlon uul-bro
do piatola e= Luiz M nam iao qas &l ao
meio dia. .'
0s dousaeanais pa s Ja aa4wde
a Vespers e bofim >Bijap r l
la hora susceitae "o qu po & ns
que term;inuttr&,ufat nt:.
A A sutoridab, pnwsdemsmia fua4 i4 t
eriminoso fugio em seguida a perpetragao do de-
lieto. "
STerminaram corn benAo do SS. os exericiios
do mes marianno a 31 do corrente.
f Foi grande a cocaurrencia de donzellas it of-
fereeer as sunas ailmas artificiaes a Senhora das
Sa No dia- 2 procedeu-se a eleicao para um do-
putado provincial.
S Houve aqui proteston, pela primeira vez, pelo
facto de, nab tendo um eleitor apresentalo o seu
titulo tomar-se-lhe o veto cm separado porque ja
era eleitor conhecido da parochia; mas o seu vote
per urn descuido da mesa, eahio nas profundezas
escuras da urna.
A mesa eatendeu de funccionar come corru-
pie; tendo deliberado para que se tomasse o voto
e.n separado, tornou a deliberar que ficasse o dito
per nao dito.
Votou tambem um eleitor que, chamado por
urnm norne, apresentot um tituol assignado per outro.
A lei e a lei, assim cumo o poder J o poder.
a No dia 4 -A tardei, colloeoa-se a cumieira do
armazem n. 1 da estaego d'esta villa.
n, Houve uraa pequena festanga por part dos
operarios para a qual tambem concorreu o enge-
nheiro Firmino Morada, fiscal da obra. Esta con-
tinua corn mavaravillioso progress. a
a Os dias de sol de quo Ihe demos noticias na
ultima de 20 de maio, prolongaram-se at6 31 e ja
se sentiam seus perniciosns effeitos por quanto, os
milhos ji ha dias desabrochar:m os peudes e'-em
tal epoeba perdem-se so faltar a chuva; houve
aguas a 31 c no dia 10 para desappareeerem at6
hoje.
Para os agrestes e cat ngas de S. Bento, di-
zemn-nos que j4 sc perderam muitos milharaes e
feij5es em quanto que no Caryry Velho e Pajehu
lireraram-se todas as lavouras.
a Vimes outro dia o ponto de urma aulaque ad-
mirou-nos a magna frequencia e eutio estudarnmos
o soguinte apology para atiral-o aos ventos em prol
da instrucao:
,, Os professorews contractados, tern mritos attrae-
titvos; elles sado verdadeiros imams qw attrahemn
grande numero de diseipulos.
0 digno inspector da [nstruceio Ptublica exa-
mine, compare ocsse, pontos em sua repartiqio e
admire a profusdo do ensiso; corno a media das
eadeiras bern frequentadan das villas, n-o attinge
a metado do algumas c-ntractadas recenlemeate
eon alguas logarejos.
a Par a concliir, vimos solicit-ir noticias dos
collegas que nofim do anno pass to esereviam das
diversas localidades da provincia.
a Hoje, e jA ha mtrito, tres ou quatro, apenas,
appareeem na arena. Nautragaram? Furam me:-
tidos nas forjas de Vulcano? 0 que houeave? Em
quanto nbo responded deixem-nos condazir a cruz
ate que desapareca como v6s outros.
GarmUnliun .- Escreve o nosso corresponden-
to enm 2 do corrente :
a Prlneipianos hoje por um assumpto que por
mais de unma, veg temrn merecido nossa attenflo :
queremos fallar da nossa ferro-via, cujoa trabaihos
vao sendo executados na 3a' seao corn uma moro-
gidade digna de nota.
E' corrente aqui que o Sr. Dr. Games Callaqa,
pretendel ne fimn do anno vindouro entregar ao
tra&go today liaha, esta.ndo para ease fim mareado
o dia dons de dezembro.
S Vejamos, entretanto, eai que condieoes do
propriedadei se acham aetnalmente os trabalhos
d & 3a see*, e soe o ilustre eugenheiro podeM
ver coroado de feliz reaultadoo o eu bello project.
De.Canheotiuh w, C'aawmtre aca-see, iearn
pequenasmBdificaiee1 puompto a leito da estra-
da wtuma eoteaqc de 8 kilometros ; de Campes
tro, peodm aSora dAmBoia, onde existem gran-
don ddIfldadee' 4 veneer, paueo> rleativaaeett,,
mnuito poueo se ha feitae 0 grand aterro dot
Taniaeril, paris ouja exeea'i1 aeh.so mareadoo
loango eapaao de 18 maezes, neha-wa ainda per ata-
car. 0 Sr. Crisafully, representante da empre-
za cotructra, e a qaem acsb-se confladaa -li-
reeeao des trabalhos desta seccao, vai-se revel-
lauro poe demnaia inepto na execu~aoda rmissao
que Ihe foi confiada, jA porque p, uea iniportancia.
larwece liga ac sevos awdea&-deveres, jta sobrota-
dos. por quo se teon tornado excessivameste groas-
sei'o car osn eus enmpregados e trabalhadores, ne-
gauto-ne sti a pagar-lhaos os5 ae0 veaeiwentos, o
que vai diaaiiameate affugentando o pessoal, tor-
nando difficilima a execuao dos trabalbos sob a
sun guard exelusiva.
o Quauto ao trecho comprehendido de S. Joao
ao Paulista, que se aeha coafiade o sub-emprei-
toiro Joao Ricar do, esta send mais oumenos ata-
cado n'mna exteonso de kilometros, notando-se


qua, aiada devido ao Sr. Crisafuly, as pagamen-
tos feitoo ao pessoal ali empregado na tern side
regular, alum da insuufeiencia do salarloe (800 rs.
diaries) o que tern poderosamente inftuido para a
grande falta de trabalhadores qae tern existido
n'esse trecho.
i Quanta, finalmente, ao trecho do Paulista a
esta cidade acha-se inteiranmente par ataca r.
- f Para a execueqio das obras d'arte nada, abso-
lutamente nada, se tern feito, e cremos que a em-
preza n'em d'ellas ainda se tern oeceupado actual-
minte.
E diante d'essas difficuldades podemos affir-
mar que o Sr. Dr. Callaca vera naufragar os seus
bonds desejos de eneontro ao indiffeientismo da
;empreza constructora, case S. S. nao use dos
meios extremes que o contract the faculty.
a Isto nao 6 deelama9go. Talvez nao esteja
long o dia em que se realise o que acabamos de
affirmar Acerca do retardamrento da nossa estra-
da de ferro, que vai, entretanto, prejudieando sen-
sivelmente a tao abatida agriculture, unica ori-
gcm public, do bern star das popuIacoes, da
grande prosperidade do paiz e que mais series cui-
dados deveria merecer aos publicos poderes.
a Voltaremos ainda sobre o assumpto.
SNo dia 10 do correlate teve nlugar a festa da
consagracao do mez Mariano, dedicado aos louvo-
res da MAi de Deus.
a Foi nomeado pelo digno vigario tuna commis-
silo cemposta do Sr. collector Francisco Xavier
Carneiro, e do author destas linhas, para agencian-
do donativos promoverem aquella solemnidade.
( A's 11 horns da manh! foi celebrada a missa,
officiando o Revm. Herculano Marques da Silva,
sendo cantada a epistola pelo nosso bom vigario
Pedro Pacifico.
a A' tarde sahioe a Virgem Santissima em pro-
cisSbo, sendo acoampnhada por grande numero
de mogas veatidas de branea
SA' noite depois da ladainha e bengao do San-
tissimo Sacramento, queimou-se um graade fogo
artificial, largando-se lindos aereostatos.
a A guard de honra foi prestada pelas formas
de policia aqui, no BrejAo e Palmeim destacadas,
sob o commando do Sr. capitio Jos6 Geraldo de
Lrma.
S0 Sr. Paulino Ayres,,subdelegado da Palmei-
ra, acaba de fazer mais urma prisilo illegal, sen-
do a victims Antonio Pires fda Costa, conhecido
por Antonio Cerino.
a Remettido o preso aoSr. delegado, capital
Jos6 Geraldo de Lim, foi, em vistade um' certi-
dio do es-civao do crime, de nUo se achar el le
pronunciado, immeditamnte post emiberdade..
S JA e6 aterceira ves Atwio'66 .erino e6 pre-
so por aijueUa atoridtame, sendo que em us del-
las foi solt pow uBma ordem do habewt-corpw, on-
de fie Mhe recoimn

A' enhman so&i .i pemmittido aade a do$,
bena-w fazeinte CiaL a -
a. jsKoefdad ia diigduapeb-.o q / offe-
rewMaior araiitia.L.I I' r o .'
Ja, admitie tdor de from ero o & ouciao si-
rKifc'Nles Fontado. *v ..-1,,.a'1
a' Eria de flizs e asereat dde associaoes
deata tureza, qnpe no ftio podem r prodp i-.

\ *LTesum tido nfima nte umrigoroso verio
,,wrjA 'veweamamd. aigim apprehensOes aos
CArnar*i-Escrevem-nos em 8 do corrente:
a JA 6 tempo de interrouapermos o long* silen-
ClO devido A falta de assumeto, digno de pub iei-
dade ; c a n no ser a variola quae rela m t provi-
dencias urgentes, ainda nio escreviamrnos estas
liahad..
S Corn effito 6 digina de compaixIo a popula-
91o desvalida d'aqui.
( A variola grass, embora lentamente, decade
o principioe do anno ; e a nao ser a infl-i tmeia ad-
versa do clima, cornm certeza n1o coantariamos so-
mente ciuepo victims at6 esta data.
Estio accommettidos desta terrivwl peste seis
oa otto individuos a margein da entrada e Aquem
da cidade am kilomnetro. E' ginte pauperrima e
por isso digna dai caridade public, ja. que a par-
ticular conserve occult ambas as maos.
Nenhuma providencia se tern dad. a este res-
p 'ito, a nio ser a ordem de ura autor*dade para
no seremin enterrados nos cemiterios os fallecidos
de variolas.
,, E' o memo que dizer : quem morro entrega
ao desespero da indigencia e to cruel desprezo de
seas seinelh:tIants, nio deve tmr sepaiLura no sa-
-grado.
Urge portanto ijue S. Exe. o Sr. presideate
da provincial tenha coininserao-,o desta pobre po-
pulacIo, pois a peste tnedra e apre.,enta sympto-
in'is dt irradiar-se por todai a cidado.
a Deus queira que este presagio nao fe tore
realidade.
Escreverami pam a redaegla da.Foata do
Norte noticiando a fanmdacao de urma sociedade
abolicionista aqui sobt) a iniciativa do Sr. cni-o
vigario Freire e Dr Estevio de L -erda. Em
abono da verdade cumpre-nos declarar que tal
coinmuniiicado nio passa deo bons descjos, coin os
quaes sominos solidarios.
Mas nIf-) poleinos coasentir quc se di cornom
reali-iada urna id6.L que, ainda estando c:n cm-
brylo, pods inaito bern suueembir a miniguas de
adhest"es. Ainda 1mo ha, e nunea houve aqui so-
eiedade abolicionista. Eiitretanto pode h iver no
future, pois urma boa part da soeiedade earaa-
ra nense sente-se attrahida pelo moviminto emaasi-
pador.
Estarnos cm junlho e ainda na ) sa inareou a
2.a sessn-, jundieas deste term. 0 pa'lre Joo
Shares 6 quemn vai sotirendo preterito no diretto
de defeza.
(, Reabrio-se a eseola nocturna do Club, cuja
frcquencia coutinuda a scr, coma d'antes, do al-
guns aluiamo qac freiaquestain a seola pabliea
diurna, corn alguma excep'Ao.
Tanna era uma rnmllierzinha que residia duas
loguas acima de S. Uaetano di. Raposa, e que ha
rnuito trocara o [maridlo par um tal Severino de
Souza, corn quern vivia amasiada. Q.iorendo ul-
timnamente trocar Souza par umrn terceiro amante,
eujo noinae ni nons souberain dizer, uAto steve Se-
verinoe pela troca e juroa matar ao novo conquis--
tador. Foi o caso de no dia 28 do passado, Seve-
rino eneontrar-se eom o adversario dentro de sua
propria casa, sendo per elle comniprimentada corn
um tire de pistola. Severino, por sua vez, ja es-
,anlo ferido mortalmente, atira no seu competi-
der, cuja bala empregou-se no oranee d Tamnna,
quenaquelle moment tomara a vanguard. de sen
ultimo predilecto, o qual evadio-se, deixando dous
cadaver,.s por terra. A policia..... compareeeu
e na ausencia do criminoso, que dizem ser do alto
sertao, preeneheu as fbrmalidades da lei.
a At6 outra vex ,
Freguezia de Viteencia-Escrevem nos
em 9 do corrente :
Nao obstmte as protests de certas autorida-
des, vamos mal e muito mat de policia, especial-
meitanesta freguezia, qne acephala come se acha,
poi. apeaas temos um subdelegado qu s6 fune-
eioa. (per ja ter podide saa demissAot quaudo atar
eado pela responsabilidade do cargo que aceitou,
ea:aiguus easoe gravest come vistorias, corpo de
delicto, etch, etc.
a No dia 28 de maio preterite. Mariano de Al-
buquerque, bastante toucado, ferio corn duas fatsa.
dinhas a sea irnuibo Joao Motta, dando-lhe em se-
guida umas d6ses de quiri! Ainda bern que sio
rrmaoa!l
Hontea, 8 o-curmteB mez foi ferida mortal-
mente cora urnafonruidaslt facade par urn seu ex-
morador, o senhor no engenho Guarda.Vara, Joiao
Coutinho, moso Laborioso, verdadeiro e exeellente
pai de familiar.
,, 0 assassino evadio-se, perseguindo-o alguns
homens do pave ate urna certa distancia sem exi-
to algorm, pais o feliz destacamento d'aqui nada
podia fazer per ser muito insignificamnte mesmo por-
que nao tern 1. muita vocaceo para a cousa !...
U subdelegado por6m fez as respectivas diligen-
cias pars o proeesso. Ao menos valha-lhe isto!


a 0 que 6 verdade 6, que nao podemos e nem
devemos continuar nesta acephalia, sem um des-
tacamento maior, que possa fazer corn proveito
algumas diligencias, especialmente hoje, que nes-
te povoado acha-se muita gente desconhecida
vindas da comarca de Timbadba, que acossados
plans autoridades de lh, veem refugiarem-se por
aqui, onde infelizmente teem por certo a impu-
nidade, onde teem por certo nao serem encommo-
dados!
a A' quasi 2 mezes que estA vaga a cadeira do
:sexo mascolino deste povoado; e, havendo diver-
os pretendentes, ainda nenhum foi nomeado; sof-
frendo d'est'arte a populacao infantile, que, alum
de nio aprender, vai esquecendo o pouco que ja
sabia.
a 0 nosso inverno, se bemrn nio seja dos peiores,
nio 6 1. muito catholico, pois, as cannas nbo teem
o creseimento que era de desejar-os cereaes po-
diam ser melhores; entretanto peior poderia ser,
haja chuva esta amiga benefica dos agricultores,
e tudo irt' as mil maravilhas. Deus o permitta.
Tivemos urma loteria para a nossa matriz,
que jA foi extrahida, cujo product consta-aos quo
ja foi recebido per um amigo do nosso respeitavel
vigario ; mas, at6 aqui na'o nos consta que os dig-
nos Licurgos-da provincial, nos tenham obsequia-
do em seu ornamento corn a preferencia de outra
loteria, das tires que ainda temos. Eperamoa que
os dignos representantes deste 5o district, n.o se
esquegam da dossa matriz qua se acha em traba-
lhos, cuja necessidade 6 extraordinariamente gran-
de. a
U lbiotheca d GoyaMna.* 0 movi-
monto no mez de maio do corrente anno, foi o se-
guinte:
Frequentaram 357 socios e 12 visitantes.
Sahiram para leitnra dos mesmos socios 354 vo-
lumes.
Houveram as seguintes offertas :
Pelo socio Francisco Leovegildo de Albquer-
que Maranho: Guma do viajante na Eurompa, 1
vol. enc., e mais 23 vols. broc
Pelo*socio Pedro Pereira de Souza Lemos: Os
Lusiadas de CamoSes, 1 vol. ene.
Pelo socio Sindulpho Melibem Lima: Beaut&s
de Chateaubriand, 1 vol. ene.
Pelo Sr. Ovidio Tavares : Os desgrawdosper
L. C. da Silva Lisbosa, 1 vol. broc., e joraew de
Sergipe: Eeho Liberal, 0 Guramy eJor"I de
Serg "*.-.
"Pelas respectivas redagies, Do Re&e: Diario
de Petramw o, Seis de Outsrd' A 2i&umw, Po
do NMore, 0 Bebatei 40wica Ilusra**me Grwiio
dos Profenw Prrmariwo

aidas a esta srepartiiosomwd. I ew
to annoasnsegnte Obra: : i
Polo tIyn~gro^ui Cetrl


-I',







I


i



*I
+'"'?-
t : [ii









-+ :.!


-*






















comproamisi


ete Re ife 184, eeVl.
a~^,^^.... ^*f^;.^ i"

-|ida Presideuacisdesta provincia;
AlxAlWl Ad tinativo, mercautil, Industrial e
S.d.. provineia do Pernaibueo, parsa o anno
Wl52O 4.r1881'. (Duplicata). -Recife 1884, 2
volib hr.-
P*o Sr. Dr. Antonio Ferri-o Muniz: Catalogo,
geral das obras de sciencias e litteraturas que
coutem a Bibliotheca Pablica da provicia da Ba-
hns organisado polo seu bibliotheeario Antonio
FerraMuniz. (D)uplieata).-Bahia, 1888, 6 vols.
bir.
Pela typographia Nacional: programmas do
ensiao da s materials da. la 2a 3a 4a 5a e 6' saerie
naedic na faculdade de mnedicina do Rio do Ja-
neiro durante o anno do, 1884, approvados pola
congregaoio. Rio de janeiro 188,1 -6 folhetos;
prograinmmas do ensino das clinic a na Faeuldade
de Mediciua do Rio de Janeiro, para o anao de
1881, approvados pela congregate. Rio de Ja-
neiro 1881-1 folneto; programmas diversos da
EscolaPolytechina etc. Iio de Janeiro 1884 11
folhetos ; regulamento interned do collegio Mar-
Hespanhense na provincia de Minas-Geraes. Rio
de Janeiro 1884 1 folheto ; relatorio apresenta-
do a assemblea geral da associatAo Proteetora da
Infaneia Deaamparada pela directoria da mesma
associaao. Rio de Janeiro 1884-1 folheto; re-
latorio sobre a lavoura e cria*o do gado apresen-
tado pelo Dr. C. Re-ourgeon ao Exm. Sr. conse-
Iheiro Affonso Augusto Moreira Penna, ministry
da agricultura. Rio de Janeiro de 1884-1 folhe-
to; trabalhos da scti4i a conferencia pedagogica
dos professors pubhcos primaries do muaicipio
da Corte. Rio do Janeiro 1884 1 folheto ;
Congress de instrucV.ao. Pareeer de Araujo Fil-
gueira Junior. Rio de Janeiro de 1884-1 folheto.
osameamento d. cidade do Bo de Janeiro. Memoria
apresentada a S. Exc. o Sr. conselheiro Francis-
co A.utunes Maciel, miuistro do imperio, polo Dr.
Antonio de Paula Freita-s, engenlih-iro a cargo des-
te ministerio. Rio do Janeiro 1881-1 folheto; o
Brazil e os Estados-Unidos na questao da immi-
graglo. Conferencia effectuada na augusta pre-
sena de S. M. o Imperador em o dia 16 de de-
emnbro de 1883 polo Dr. Jos6 Pereira Rego Filko,
na escola public da Gloria etc. RIio de Janeiro
1884-1 folheto; diversas rela95es dos signata-
rios das notas do goveruo, valores diversos etc.
Rio de Janeiro 1881-9 folhetos; Escola Polyte-
chnlica, baario para o auno de 1S84. Rio de Ja-
neiro 1884-1 folheto; commissao mixta da revi-
siao do regulamento eleitoral etc. Rio de Janei-
ro 1884 1 folheto; revisao da list dos desem-
bargadores pela ordem de suas antiguidades. Rio
de Janeiro 1884-1 folheto; idem dos juizes dQ
direito, at6 31 de despmbro de 1883. Rio de Ja-
neiro de 1884-1 folheto ; relatorio dos trabalhos
do Senado para ser apresentado na primeira sea-
saia preparatoria cm 27 do abril do 1881 -1 fo-
lheto-; rnlatorio e syaopiae dos trabalhos da Ca-
mara dos Srs. deputados na sesasao do aana de
1883 acompanhiados de differences documentos,
quadros estatistieos e informacues etc. Rio de
aneiro 1881-1 volume; manual do empregado
de tazenda, colleceao dos acts legislativos e exe-
cutives expedidos polo Ministerio da Fazenda em
1882 etc., tomo XVIII. Rio de Janeiro 1884-1
vol. broch.
Pelo Sr. Dr. F. L. de Guamao Lobo: relatorio
apresentado a assembles g-.ral na 4a sessia da
18a legislatura polo ministry dao. agriculture, Af-
fonso Augusto Moreira Penna. Rio de Javeiro
1884 -1 vol. broch.
Palo Sr. director dai Bibliotheca Nacional Dr.
Jolo Saldanha da Gama : annaes da Bibliothea
National do Rio de Janeiro, volumes V, VI, IX e
X dos anoas de 1878, 1879, 1881, 1882, 1802-
'1883. Rio de Janeiro 1883-7 vols. broch.
Pelo Sr. director da secretaria da Camara dos
Srs. deputados : relatorio e synopse dos traba-
Ihos da Camara dos Srs. deputados na sessaoi do
anno de 1883 acompanhados de differeates doeu-
mentos, quadros estatisticos e informaeZes, org&-
nisados na secretaria da Camara dos Deputadoa.
Rio de Janeiro 1884-1 vol. broeh. Remettido por
S. Exe. o Sr. president desta provincia. Relato-
rio apresentado a Assemblea Geral na 4a sesaso
dai 18 legislatara pelo ministry e secretario de
estado dos negocios da agriculture, eommercio e
obras publieos Affonso Augusto Moreia Pensa.
Rio de Janeiro 1884-1 vol. broeh.
Club Litterario Victorlense-O mo-
vimento da biohio heca desta sociedade no mez
findo foi o seguinte :
Sahiram para a leitura dos socios 65 obras em
72 volumes, entraram 53 em 61 volumes.
Frequentaram a bibliotheca 65 socioas e 22 visi-
tantes.
Recebeu as seguintes offertas :
Pelo socio Joaquim Gomes do Rego: Jesus
Christo perante o seeolo, 1 vol. enc. Os Martyres
Pernambucanos, 1 vol. sne. Yvain, par Earie
Emery, 1 vol enc. Discursos parlamentares de
Jose Bonifacio de A. e Silva, 1 vol. broeh. His-
toria da Conjuracao Mineira, 1 vol. broeh. Vade-
mecum HHomoaopatha, 1 vol enc. 0 Genie do
Christianima, 2 vol. ene.
Pelo socio Dr. Elisiario A. de Moraes : Manuel
de Anatomic, 1 vol. ene. Hermeneutica Juridica,
1 vol. ene. Codigo Criminal, 1 vol. one.
Pelo Sr. capitio Manoel T. de Saldanha Arau-


jo: A Regerneio Social (direurso) por J. C. da
S. Carvalho, 1 vol. broch. Programma do Partido
Liberal, 1 vol. broch. Visoes da Tarde (pesias)
por A. Coelho Pinheiro, 1 vol. broch. Uma lieao
s)bre fianWas commerciaes, 1 vol broch. Aponta-
mentos sobre a estrada de ferro da Victoria, 1 vol.
broeh. Umna carta ehorographiea da cidade do
Recife.
Pela xedae*o do Vauowwwe': Rmnismoeicias
e Phantas6ias, pelo Viscoade de Araxa, 2 vol.
broch.
Polo socio Alfredo Jos6 da Silva: Considera-
qies sobre a historic e cultural do cafeiro, 1 vol.
ene. Direito eleitoral modern, I vol. ene. Con-
ferenacias mcdicas a cebeceira do doente, pelo Dr.
Cosine de A Piereira, 1 vol. enc. Institnigoes de
D)ireito Criminal, 1 vol. enc.
Polo sio ahonorario Austrieliano Pergentino de
Oliveira Andrade: 0 Ferreiro da Abbadia da
COrte de .Deus,.por Ponsoi du Terrali, 8 vol. ene.
Pelo soo honoreIio ommoendador Francisec
Benimio, dm Chagga : 0 Filho e Monte Christo,
por .Iioerwies,
Pelo soveio honoraria padre Amaro J. de O,
Barllos ; DMccionario 4e Permabucanmos Cole-
bnesI o ,F. A. Pereira da'Costta, 1 vol. ee.
P' ? ocio honorario Jeolo Duarte Fiho : Pri-
mitiw (paesias) por Sampaio Moeda, 1 vol. broch
*Harmias da Tarde (poesias) por Ribeiro da
Silw, I vol. eeoch.
Pe-rcio professor Jos6 Angusto Porto Car-
reiro: itw por Victor Hugo, 1 vol. b6oeh.
Hi6toire Nturele, 1 vovL ene. 0 Frade, pelo pa.-


odaCaiba Mette : Nosa Se-
r *'iar H eaplvob. bbro,
to P.. Mello: E:scs*.
fdapte ,.I voL br och.
ramudio Junior:
affovincia de Per-


-Pelo agente Afredo Gtimaraes ao meio dia, no
caes do Apollo, em freateaso armazem de Macliado
Lopes &0. de fainha de trigo. '
Peeo agente Brito, arua Direita n. 36, 2o-an-
dar, doe maoveis. louas e vidrs.
Segunda-feira:
Poo agent A. GUa4r4e, as 11 thoras, na rma
do Bom Jesus n. 45, de predios.
Pelo agent Pinto, as 11 bhorns, na run do Bomn
Jesus n. 43, de fazendas inglezas.
Terga-feira:
Pldo agent Burlamaui, As 11 horas, na run do
Imperador n. 22, de predios e fazendas.
Pdo agente Pestana, ao meio dia, no trapiche da
Companhia Pernambucana, de Couto Vianna, de
velas stearinas e utencliow de navies.
Pelo agente Gusmdo, as 11 horas, A ma do
Marquez de Olinda n. 10, de tacos pars bilhar,
fazendas, louna e doces.
Missas funebres-Serno celebradas:
Hoje: as 7 horas, no convento de S.
Francisco, por alma do Dr. Manoel de Figueiroa
Farii ; As 7 horas na ordem 3a do Carmo, por alma
de D. Rita de Cassia Cordeiro.
Segunda-feira : As 8 horas, no Oorpo Santo,
por alma de D. Paula Joanna de Miranda Pinho.
iatadouro public. Foram abatidas
no Matadouro Publico 96 rezes para consume do
dia 14 de junho.
Loteria da provincta Hoje, 14 do
corrente, sera extrahida a loteria 45.', em be-
aeficio da igreja dos Martyrios de Goyanna, no
consistorio da igreja de Nossa Senhora da Con-
ceigio dos Militares, onde se acharlo expostas as
urnas e espheras arrumadas em ordem numerica
A. apreeiaio do public.
Loseria-A de n. 150 B, do Rio de Janeiro
de 25:000000 serA cxtrahida hoje 14 de ju-
nho.
Bilhetes A vendana Casa daFortuna, rua 1'
de Margo n. 23.
Lateria dle 25tOOSOOO-A loteria 150a
series B., corre impreterivelmente hoje 14 de
junho
O rest dos bilhetes -ha-se a venda na Casa
Feliz A praa da Indep dencia ns. 37 e 39.
Grande loteria. 5OOOOO0~000-
Esta extraordinarin lotei a serA extrahida na cO6r-
te no dia 16 de julho pro me vindouro.
Os bilhetes acham-se venda na Cas& da
Fortuna, a rua 1 de Marco n. 23.
Mercado Municipal de S. Jose 0
movimento deste estabelecimento nos dias 11 e
12 do corrente foi o seguinte:
Entraram para serem vendidos : 113 bois,pesan-
do 16,477 kilos.
Nos mnesmos dias entraram para o amesm es-
tabelecimento:
Peixe 477 kilos
Farilnha, milho e feijio 185 cargas
Fructas diversas 62 ditas
Suinos 4
Carneiros 8
Preeos do dia:
Carnet verde de 480, 400, 320, atW 160 reis o
kilo.
Suino a 640 reis o kilo.
Carneiro a 1I idem.
Farinha de 500, 400 at6 280 reis a cuia.
Milho de 480 a 360 rdis a cuia.
Feijlo de 14200, 1 I000 e 640 rs. idem.
Foram oecupados:
128 talhos de came verde.
2 ditos de ditos do lado do sul.
36 ditos de suino.
22 ditos de fressuras.
80 idem de farinha e comidas.
120 compartimentos de legumes.
Dove ter sido arrecadada neste dia a impor-
taneia. de 442A540.
Foram mandadas langar ao mar, depois do exa-
me medico, grande porgao de fressuras arruina-
das.
Casa de Deteaefio.-Movimento dos pre-
sos no dia 12 dejunho :
Existiam press 326, entraram 4, sahiram 4,
existem 326, a saoer: nacionaes 289, mulheres
10, estrangeiros 12, escraves 15-Total 326.
Arragoados 298, send : bonds 293, doentes 15,
-Total 298.
Cemiterio publico,- Obituario do dia 8
do eorrente :
Florencia Rodrigues de Miranda Franca, Per-
nambuco, 91 annos, viuva, Olinda; decrepitude.
Maria Hermenegilda da Silva Mirauda, Alagoas,
40 annos, viuva, S. Jose; lesio cardiac.
Rita de Cassia Cordeiro, Pem'imbuco, 24 an-
nes, solteira, Poo; febre typhiea.
Marcellina Pinto de Faris, Parahyba, 42 an-i
nos, casada, Recife; lesao cardiac.
Eduardo Floriano Alves, Pernambuco, 25 an-
nos, solteiro, Santo Antonio; bexigas.
Fnsweiaea Gronalves do Nascinento, Pernam-
buco, 20 anuos, solteira, S. Jose; vermes.
Julia, Pernambuco, 23 dias, Boa-Vista; ente-


rite.
Maria, Pernambuco, S. Jose; ao naseer.
Cypriano, Pernambuco, 18 annos, solteiro, Boa-
Vista ; hepato-cardite.
Germano Gui'herme Borges, Pernambuco, 56
annos, casado, Santo Antonio; spoplexia.
Manoel Ferreira do Nascimento, Pernambuco,
22 annos, solteiro, Boa-Vista; variolas.
Joaquim, Africa, 80 annos, casado, Boa-Vista;
anemia.
Jacob Massing, Allemanha, 26 annos, solteiro,
Boa-Vista; pneumonia.
Joao Baptista de Oliveira, Pernmbuteo, 23 an-:
non, s6tteiro, Boa-Vista; desynteria.
5 d'estes pela caridade.
9-
Albins Ferreira dos fiantos, Porto, 40 annos,
solteira, Boa--Vista ; edema, do figado.
Jovita, 'iJauWbWte, 2 aanus,em-Vit; pga-
nula.
Luiza Maria da Concei*a, Ceari, 52 aunos,
viuva, Santo -4ntonio; tysiea,.
Belmira Juliana Soares Pacheco, Pernambuco,
42 annos, viuva, S. Jos ; o tysica.
Antonio, Pernambuco, 4 dias, Boa-Vista; con-
vulsoes.
Maria, Pernambuso, 8 mezes, Boa-Vista ; con-
vulsos.
Severino Ferreira Lima, Pernambuco, 6 annos,
Boa-Vista; febre.
Henrminao Fesmia Lima, Prnambumoo, 22 an-
nos, eMoltiro, Boa-Vista ; eorophula. -
Jose Seres, Para-hy*a, 33 Lu& o, saltri, Boa-
Vista; tubereao oplmooares.
Joa Raymuando de Cairo, Penwambco, 21
anuoo, aolteiro ; Boa-Vista ; various.
Stetres, Peruamrune, 6 moexs, Bo.-Vista;
4iarrhea.
4 destes pole caridade.
-10-
Anna&Heorelinda.de Arnrd Pwreira, ?vuam-
bueo, 70 sanof, essada, Santo Antonio ; -fabra
p alu stre. 1 ::* 1, 1 1 1.* l.li 1 '1. .
Carios, PeBrambco, 53 dia., S&antlAideaio;
conv~~e
PaulaIie dJoam Mi4ane a U Wm. Pouham.


-JULGA.M EXTTG
H~ scorui
Pacientes
Js6 FranCisco 'Gomnes da Silva. Mandoa-se
uvir 'aDr. juiz de dirnito do 5o districto, unani-
UrbanSabino Pessoa de MeUo.- Mandou.-ae
soltar, unaniieimente.
Aggravdo de ptio
Do comBiercie do Recife-Aggravoato Dr. Am&a-
ra Carneiro Bezerra Cvalwute, aggravadea os
herdeiros de Francisco Arcioli do Gouvoeia Lilns.
Relator ,o Sr. desembargador Pires Goxaualves.
Adjuntos os Srs. rw.. eiro Monteiro de Andra-
de e desembargador Pires Ferueira. Negou-se
provimento ao aggravo, uaai meniate.
Appeall".o crime
Do Ing--Appelante a j izo, appellado Manoel
Anizio Baptista Guedes. Relator a Sr. conse-
llkeiro Monteiro de Andrade.-4iLandou-se a novo
jury, unanimemente.
Appellaqes eiveis
De Born JarditnaAppellnte Joaquim Jos9 de
Sant'Ana, appcllado Vicente Ferreira Barbosa
Lila Relator oa r. coneelheio AraTsjo Jorge.
Revisores os- Srs. eonselhleus. Monteiro de An-
drade e Queiroz Barros.-Foram recebidos as em-
bargos contra o voto do Sr. ebnselheiro Queiroz
Barros.
De Alag6a do MoateWr-AppeUIate Jos4 Mar-
tins Leitao, appellado Ceeilio Areili Carneiro de
Albaquerque. Relator o Sr. ccnaelheiro Monteiro
de Andrade. Revisores os Srs. conselheiro Quei-
roz Barros e desembargador Buarque Lima.-
Nao se torau conhecimento da appellavao, uuani-
memente.
De Macei6-Appellante Felino de Castro Mas-
carenhas, appcll'do o gerente da estrada de ferro
de Alagoas. Relator oa Sr. conselheiro Monteiro
de Andrade. Revisores os Srs. cateltheiro Queiroz
Barros e desembargador Buarque Lima. -Confir-
mou-se a senten"a, tmanimemente.
Assignou-se dia para julgamento do seguinte
leito :
Appellacao commercial
Do Recife-Appelantes a viuva e herdairos de
Augusto a aors, appellados Damase Rouqueirol e
outro.
PASSAGENS
0 Sr. conselheiro Araujo Jorge como procurador
da coroa e promoter da justica deu parecer nos
seguintes feitos :
Appellacio civel
Da Escadae-Appellante Daniel Antonio Duar-
te, appellado Antonio Fernandes dos Santos.
Appellacao crime
De Garanhuns-Appellante o jaizo, appellado
Antonio Pinto ardoso.
Do Sr. conselheiro Queiroz Barros ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellagao civel
De Macei6-Appellante D. Lydia Angelica dos
Santos, senhora da escrava Leonor.
r Appellaoes crimes
Do Buique-Appeilante o juizo, appellada a
justiga, r6o Americo Jose de Andrade.
De Pao de Amsucar-Appellante o juizo, appel-
lado Felippe Alves Duarte.
De Jaboatio-Appellante Jose Pedro da Silva
appellada a justiga.
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toscano Barreto :
Appellaco civel
Do Buique-Appellante Jose Maria Goncalves
Vieira GuimarIes, appellado o juizo da provedo-
ria.
Do Sr. desembargador Pires Gaoalwes ao Sr.
conselheiro Freitas Henriques :
Appellagao civel
Do Recife-Appellante o juizo, appellado Au-
relalo dos Santos Coimbra.,
Encerrou-se a session ao meio dia.
/


INDICA(OES ITEIS

Illedleos


Consultorio medlco-olruargieo do Dr
Pedro de A"talsydeJLoboMoae&soe a
rua da Gloria u. 839.
0 doutor Moscozo dA consultas todas os
lias uteis, das 7 As 10 horas da maaMh.
Este consultorio offerece a commodida-
le de poder cada doente ser ouvido e exa-
nimado, sem ser presenciado por outo.
)De meio dia As 3hozas da tarde sera o
Dr. Moscozo encontrado no torreao A p.m-
ga do Commercio, onde fimucciona a ins-
pe) o. de saude do porto. PaNa qul er
I'estes dous pontos poderlo setr irigilos
)s chamados por cartsa nas indicadas horas.
Dr. Baptista de Morac, ,rua do Mao
& Victoria n. 37 1.', andar; consultasdas
10 hora ao meio din; chamados por s-
cripto a qualquer hora.
Dr. Leonardo de Albuquergmue Cavalcanti,
medico da Faculdade de Paris, pode ser
procurado em seu consultorio a rua do Im-
perador n. 44, 1.' andar, das 11 As 3 ho-
ias da tarde. Resideoncia a rua do Hospi-
eio 36, onde dA consultas das 8 As 10 da
manhA e recebe chamados por escripto a
qualquer hora do dina ou da roite.
Dr. Lyra, medico, da consultas das 8 as
11 horas da manhia run do Bario da
Victoria, n. 48, 1." andar, para onde Ihe
p6de ser dirigido qualquer chamado.
oedico cirurgico dentaro
Joaquim Camara, corn consultorio A rua
do Duque de Caxias n. 57, lo andar, de
volta de sua viagem a uBropa, onde few
estudos especiaes de molestias da bocca:
encarrega-se de qualquer trahalho de ci-
rurgia e prothcse dentarias, extrahe dentes
eom anestesia por meio de apparelhos aprno-
priados: obtura (chuubo) com ouro, platina,
cimento: corrige as irregularidades denta-
rinm; colloca denotes polos processes mats
aperfeigoados.
A~vogade
Dr, Mild. 1' promoter public da ca-
pital trn seu escriptorio de advocacia, Arua
doCrespo-n. 18, oade pode er procurado
para os misteres de sua profiasbo.

Dr. Brreto Sapaio, consultas de 1 Ao
4 horas dii t are,:-nay ma -do Bariko da


ie Uiachuelo u
Recife: : a
16 Santo Ant


Ma


L9a4o -da
D motion
A' nwiteI


la l4 bhems4a mauhg, ser-a resada
j ia8ntraenqo de todos os fieis devoto
I|e u 0c blopara tao jasto fim,
nda a qua usa Aalva real de 21 tiroas deperta-
ra aos habitantes desta eidade, 4annmciando.lhes
quo 6 chegado o dia de sua festividade.
As 1 thoras entrarA a festa solemne, send a
orchestra dirigida polo habil professor Franceli-
no, oceupando a tribina sagrada no Evangelho o
di$tineto pregador Dr. padre Jos6 -de Souza Oli-
veira.
A's .7 horas da noite, tera lugar o Te-Deum, oc-
cupando a tribuna sagrada o distinct pregador
da Capella imperial Froi Augusto da Immnaculada
Conceicao. To"indo em todos os actos duas ban-
das de musicas marciaes.
A mesa regedora nao tern poupado esforlos
para que eata festividade tenha maior brilhantis-
nmoo deeencia possivel.
A mesa regedora convida a todos os seus dignos
irmaos para comparecerem em a dita igreja no dia
e hora indicada afin de assistirem a mesa festi-
vidade.
Capitulo da eonfraria de S. Benedicto no con-
vento de S. Antonio da cidade do Recife, 13 deju-
nho de 1884.
0 secretario,
Victoriano Antonio do Sacramento.

Cabo
Pedimios ao vigario da freguezia de Santo Agos-
tinho do Cabo que seja mais delicado coin as ove-
lhas de sua freguezia e iio imagine estar nos
tempos quejA 1a vilo ou na feitoria de algumn en-
genho para d;rigir-se tio pouco convenientemente
As families como succedeu em a noite do 12 do
corrente por occasiao do uma ladainha s6 por elle
organisada e simpiesmente avisada por elle mesino
na miss parochial d'esse dia.
Pretendemos voltar mais succintarnento, so o
effeito que esperamos produzir for contrario.
Cabo, 13 de junho de 1884.
Os Parochianos.


A0o public
Corre-me o rigoroso ever de vir a imprensa dc-
clarar solemnemente que o artigo insert em o n.
46 do Thermomeiro de 26 de abril deste anno, fo-
lha que se public nesta cidade, nao foi escripto
como eu havia pedido ao redactor daquelle perio-
dico, o qual, abusando de minha b6a f6, redigio o
alludido artigo corn inverdades e deo inodo offen-
sivo, ealumnioso e injurioso ao major Joaquimn
Nunes Machado Coutinho, digno delegado de po-
licia naquelle tempo.
Certamente nunca foi minha inteacao offen-
del-o, nem como autoridade, nem como simples
cidadio, em quem folgo de reconhecer as mais dis-
tinctas qnalidades, send que, como a-utoridade
foi sempre uma garantia da vida, propriedade e do
direito do cidadao.
0 que 'cabo de affirmar, C o que esta na cons-
ciencia d. todos os nazarenos, sem distinc(,a de
c6r polityca,
Assi=, pois, victim de minha b6a f6, repito: o
artigo do Thernmomwetro de 26 de abril, firminado
com o men nome nao p6de nem de love offender
ao nobre character do major Joaquim Nunes Ma-
chado Coutinho, sendo certo que meun fim unico
foi expor ao public um facto como ell ce se passou;
e foi isso o que pedi ao redactor do Thermomne-
tro.
Peqo aos Srs. redactores que deem publicidade
a estas linhas para restabelecimento da verdaue e
correc;,o de quem deu a isso lugar.
Cidade de Nazareth, 6 de junho de 1884.
Bellarmino Rodrigues Alno.


Antonio Alberto de Souza Aguiar
por diversas vezes tern annunciado nio se respon-
6&b.isar par debito algum contrahido em seu no-
me, e como algunsa iacautos tenham sido illudidos
por dous vadios sendo um sea afilhado e outro diz-
se sea criado, aos quaes desde muito prohibit o
ingresso em sua casa em eonsequoncia de seu pes-
simo comportamento, e, se algum d'estes innocentes
se apresentar a fazer compras em seu nome (como
tern feito at corn bilhetes falsos) pede or favor de
agarral o e entregal-o a policia.
0 annunciante ainda confirm que suas com-
pras em venda, agougue e padaria slo pagos dia-
riamente a excepeio da casa do Sr. Carpinteiro
cujas contas de care sao mensaes, sendo-lhe dita
carnme entregue diariamente em sun casa por um
empregado daquelle eenhor.


ia sinaths e Bom Jatm
Nio venho confessar o quo se disse a
meu respeito noartigo insert neste Diario,
edicao de anteohontem, 12.
Prevenindo, que o despeito faria explo-
sao, fui o primeiro a pedir ao mneu presa-
do amigo Dr. Felippe de Figueir6a, que
nao rejeitasse nenhuma publicaglo do Born
Jardim, por mais insultuosa e offonsiva,
que Ihe chegasse is maos contra mim.
Embora nao seja positivista, tambem
gosto de viver as dclaras. E' melhor dis-
cutir pela imprensa, corn toda publicidade,
do que enredar e fallar pelas lojas e es-
criptorios,
Vonho, por6m, corn a maior calma e so-
cego de espirito contestar o final do refe-
rido artigo, onde se diz-quo Louren9o,
prestos a fallecer, dissera, que recebera os
tiros de emboscada; que as testemunhas
aifnimam, que o ponto onde se achava Joao
Barbosa, Qiympio, Francisco e Roinaldo
nio e plant de capital ; que essa plant
foi fundada por Lurengo, e, finalmeato,
que ano houve luta.
Lourengo nao fez aquella confiswao; as
testemunhas nao negam que aquelle lugar
onde Jolo Barbosa achava-se, seja oprmn-
cipio da plant (nagrdta do aqude); e, q.uo
houve hluta, basta saber-se, que Reinaldo
ficou ferido na cabeoa e no bra9o por ca-
cetadas, que lhe descarregou Lourenu9o.
Se Lourengo trocoa palavras corn Jola
Barbosa, isto nao 6 questAo ; o que se a&-
be 6, quo, defroutando cornm os rapazes,
ele disse para Hereulano, que o acompa-
nhsva, nrmado de uma espingardade dons
canos : Segura o tiro.
Parn quern era esse tiro, que elle man-
dava sgurar I Nlo sendo parn elle, s6 po-
dia ser para os rapazes, isto antes que es-
tes houvessen praticado qualquer asto, oa
proferido alguma palavra.
Louno, coitado desceu a ladelra fr-
tisot seden'o do lutar, como disse a tes-
temunha de vista, cujas reilaoes corn elle
tira today suspeita de parcialidade0 peto
-wiar aio, lui aifiaz i &u depoitento, minde


do~~ ~ not~0 I 1o .teiit 5


e, mortee j 1


Recife, 13 dejuhode !804.
Derocrito Cavakate.

Empreza telephonica

Bourgard
Para commodidade dos Srs. assignantes,
a empreza public os nomes que podem
entre-communicar-se.
1 Associagao Commercial Beneficente.
2 Dr. Raymundo Bandeira.
3 Cemiterio Publico (Santo Amaro).
4 Henry Forster & C.
5 Bourgard & C.
6 Henry Forster & C.
7 John Alfred Thornm.-
8 Baltar Oliveira & C.
9 Francisco de Paula Mafra.
10 Ferreira Guimara-es & C.
11 Companhia de Seguros Phenix Per-
nambucana.
13 Saunders Brothers & C.
14 Jose de Souza Agniar & C.
15 Jose da Silva Loyo & Filho.
16 Hospital Portuguez de Beneficencia
17 Ricard H. Connoly & C.
18 Companhiade Seguros Indemnisadora
19 Reis & Santos.
20 Oliveira Bastos & C.
21 Diario de Pernambuco.
22 Samuel Power Jonston & C.
23 Allan Paterson & C.
24 William Halliday & C.
25 WiUam Halliday & C.
27 Dr. Constancio Pontual.
28 Ferreira Rocha & C.
29 Jose Antonio de Souza & C.
30 Manoel Gongalves Agra.
31 Dr.. Malaquias Antonio Gongalves.
'32 Mendes Lima & C.
33 Martins & Bastos
34 Luiz Jose da Silva Guimartes.
35 Restaurant Portuguez.
36 Cardoso & Irmito.
37 Companhia de Seguros Amphitrite.
38 Silva Guimarties & C.
39 Companhia do Gaz (escriptorio).
40 Companhia do Gaz (Gazometro.)
41 Associacao Commercial Agricola
42 Bourgard & C.
43 Tavares de Mello, Genro & C.
44 Companhia Pernambucana.
45 Shares do Amaral & Irmlos.
46 Miranda & Souza.
47 Augusto Kruss Successores.
48 Antonio Augusto de Lemos.
49 Hospedaria D. Antonio.
50 Baltar Oliveira & C.
51 English Bank of Rio de Janeiro, Li-
mited.


52
53
54
55
56
57
59
60
61
62


68
69
70
71
S72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94

95

96
97
99
100
101
102
103
104
10
106
107
108
109
110
Ul
112
113

114
115
116
117
118
120
-121
122
m
12~3
124


'1271


Andrade Lopes & C.
W. W. Robilliard.
Gongalo Braz dos Santos & C.
Amorim IrkAos & C.
Johnston Pater & C.
Amorim Irma'os & C.
Maia Ramos & Santos.
Antonio Jose Maia & C.
Bartholomeu & C.
Dr. Affonso A. Cysneiro de Albu-
querque.
Visconde do Livramento.
Jos6 da Silva Moraes.
Moreira & Braga.
Francisco Antonio de Albuquerque
Mello.
Antonio Pereira da Cunha,
Manoel da Cunha Reis.
Dr. Josd de Miranda Curio.
Borstelmann & C.
Dr. Malaquias e RodriguesjMendes.
Jose da Silva Loyo & Filho.
Jose Joao d'Amorim Junior.
Machado Lopes & C.
Dr. Jose de Miranda Curio.
J. C. Lewy.
Jose Joaquim Alves & C.
Dr. Carlos Bettencourt.
Manoel Alves Barbosa, Successores.
Dr. Jose Maria de Albuquerque Mello.
Fabrica de FiaqIo e Tecidos.
Journal da Recife.
Antonio Augusto de Lemos.
Jose Cysneiro da Costa Reis.
Santos Selva & C.
Hospital Pedro II.
Justo Teixeira & C.
Antonio Soares Raposo.
Dr. Barros Sobrinho.
Gomes de Mattos & Irma'os.
Cramer Frey & C.
Eugenio Coelho & Vieira.
Joao Maria d' Albuquerque Oliveira
& Filhos.
Dr. Estevao Cavalcante do Albuquer-
que.
Pereira Carneiro & C.
Paulo Jose Alves & C.
Bettencourt & C.
Parent Vianna & C.
Albino Cruz & C.
Dr. Sabino.
Joaquim Gusma.o Colho.
Luiz Antonio de Siqueira.
Jose Pereira de Carvalho & C.
Joao Wright & C.
Francisco Manoel da Silva & C.
H. Nuesch & 0.
Browns & C.
Alfandega (sala dos despachantes.
Palacio da Presiencia.
Secretaria da Policia.
Companhia de Trilhos Urbanos, Re-
cife, Olinda e Beberibe.
Numa Pompilio.
Rouquayrol, Irmaos.
-Theod. Cbhristianien.
Bernet & C.
SArruda & C.
Casa de Detenoo.
Sevenino & Irmao.
Jos6 Vicente Godinho.
Moreira & Braga.
SJos AugustoA dos Santos & C0
*H.Buie &C.
J Bei~rdio Gomes de Carvalh. "
j'onseca rmios & G. -
PJo. Jos Mario Caieiro da Ouna.
V-iuta Lages. :.; ,


l4^3 Dr. Santai Rosa
14-4 Antonio Soures Rapozo
145 Thezoraia Geral.
146 Martinm Yiegas &C.
147 D. Leonor Porto
148 Pesena & Dantas
149 Valente Irmlos & C
150 Escritorio da Empreza Telephonica
Burgard. "
151 Francisco M. de Souza Gouveia.
152 Campos Garcia (Restaurant Comercial)
153 Manoel Cardozo Junior Dentista.
154 Dr. TristAo H. da Costa(Residencia)
155 ManoelJoaquiiu Alves Ribeiro & C.
156 Dr. Mello Gomes. (Oonsultorio e resi-
dencia)
157 JoAo W. de Medeiros Livraria Fran-
cesa.
158 Francisco Gurgel do Amaral & C.
Louvre.
159 Martins Cordeiro & C.
160 Jose Braz da Conceigao e Silva Far-
macia Imperial.
161 Climaco da Silva.
162 Manoel Soares do Amaral.
163 Antoaio Daarto Carneiro Vianna.
164 Fernando Silva & C.
165 Secretaria da Ordeinm 3a de S. Fran-


166
167
168
169
170
171
172
173
174
175
176
177
178
179
180
181
182
183
184
185

186
187
188
189
190
200


cisco.
Antonio LAI. Veras.
Pinto Alves& C.
Dr. P. Wild & C.
Antonio Lourceiro & C.
Fernandes & lrimao.
Rodrigues Lima & C.
Faria Sobrinho & C.
Dr. Inspector da Alfandega.
Dr. Inspector da Alfandega.
Antonio de Oliveira Maia.
Secretaria da Camara Municipal.
Paulino d:a Camnara.
J. A. A. do Livramento.
Augusto Fernandes & C.
Agente de leilhes Pinto.
Mercadlo de S. Jos6.
Corrcio Geral.
Ferreira lrmnios.
Rocha Meirat & C.
Azevedo & C.-Deposito da fabric
Caxias. ,
Azevedo & C Fabrica Caxias.
Dr. Carneiro da Cunha. Residencia.
Herm. Peterson.
Deodato F. da Silva. Cocheira
Moreira Lopes & Irmao.
Augusto Figoeira. Caldeireiro.


BOu~sELB#LOS
DE


Santo Anlonio, S. Joao e

S. Pedro


Faz corn toda perfei~do
Muilo boas iguarias,
0 confeitero Zacharias,
No vinte e trez da Viracoo!


Afri-eguezado e conhecido
Nessa sna profissao,
Deve pois, ser preferido,
A' todos sem distincao!

Bolos, does, pao de 16,
E pudins do qualidade,
Vcnde cornm modicidade,
Mias aos seus freguczes s6 I

Papos d'anjos excellentes
Bandejas de allegories;
Fios d'ovos p'ra presents
E outras takes especiarias!

Toucinho do Ceo ou manjar
Pasteis mixtos corn cidrao,
Gelia e semedo quo sao,
Sem igual ao paladar!I

Afinal corn promptidao
Trabalha em culinarias,
Na rua da Vira~ao,
0 mui perito Zacharias!

4presentamos ao grande parti-
do eonservador da provlnela
a unica chapa capaz de conel-
liar os interesses do mesmo
partido.
1.- district Dr. Manoel do'Naseimento Machado
Portella.
2.- dito Dr. Joaquim de Souza Reis.
3.o dito Conselheiro Theodore Machado Freire
Pereira da Silva.
4.' dite Dr. Bellarmino Correia de Oliveira.
5.- dito Dr. Francisco do Rego Burros de-Lacer-
da.
b.- dito Dr. Henrique Marques de Hollanda Ca-
valcante.
7.0 dito Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leio.
8." dito Barao de Araesgy.
9.0 dito Dr. Jolo Barbalho Uch6a Cavalcante.
10.0 ditoDr. Francisce de Assis Rosa e Silva.
11.o dito Dr. Bento Ceciliano dos Santos Ra-
mos.
12.- dito Dr. Antonio Goncalves Ferreira.
13.* dito Dr. Antonio Francisco Correia de A-
raujo.
11 dejunho de 1884.
Mzuitos deitores conaervadoreu.

AiO distincto e independente e-
leltorado do Ii. distrieto
O fallecimento do Dr. Innooencio Sefraico de
Assis Carvalho abrio uma vaga no seio da re-
presentaao national e para preenchimento della
tern de se proceder neste district no dia 4 de ju-
Iho vindouro a eleigio de um deputado a Assem-.
bla (Qeral.
Aspirando a honra de representar esta briosa
provincia no parlamento brasilteiro, venho dea-
rar ao diatincto corpo electoral deste district quo
sou eandidato ao lugar do depnutado na el o a
que se vai proceder.
Comprehendo todo o alcane de ainia i
o e aeutir-me-hia vac Umnte e desalht
aao tivesse 'de entrar ma pujante olutade
,garda, tendpor ar n lado tode S,
iwoehefe demeu pardoit 6
"owfsir ,Jab Aoo Aed -ei-de:
Awr dilts n nrMeatria e dedinAf d S dis B JM


*: r'


SS'


I I























O'-aos


ablec


J.P eut sa1I w t..warruru.


4WENSULT@RI@

Iedieo.irnrgico dentarlo

RUA DO DUQUE DF CAXIAS
N. 57 1 ANft)Al (
0 Dr. Joaquim Camara de volta de
sua va;gem a Europa, ondefez estudos
especiaes de molestias da boca; encar- )
rega-se de qualquer trabalho deo cirur- }
gia e prothese dentarias: extrahe den-
tea corn aiestesia por meio de appare-
lhos apropriados : obtura (chumba)
eom ouro, platina, cimento, corrige as
irregularidades dentarias, colloca den. )
tea pelos processes mais aperfeicoados.
CongultaM ) (
( (-I
De 10 horas da manha As 4 da tarde.


>-- "- -- '-' -- -" '


Dr. Domguls Jnioir {
MEDICO
Consultas A rua do Cabugici n. 14
Residencia a ruma do Hospicio n. 62




MEDICO E PAPRTEIRO

Dr. Joaquim. Loureiro
Oonsultorio e residencia rua Duque (
ae Caxmas n 39, defrionte do DIARIO .
DE PERNAMBUCO, onde dA consul- l
tas das 10 As 2 horas da tarde. .
-'


Dr. Bette


ncourtl


Opcra5oes, fistulas, vias uriaarias, mo-
lestias de senhoras e crianmas. Estreita-
mentos da urethra tratados pela eloctro-
lyse secn dor. Affec5es de pelle e sy-
philis. Molestias do poito e da garganta.
Marquez di Olinda n. 34, das 12 As 4.


I


*xxxxxxxx--xxkxxxxx*
m 0 Oculista
S0 Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
14 list, ex-chefe de elinica do Dr. de Wee-
Sker, da consaltas am rua do Barao da Vie-
toria n. 45, segundo andar, de 1 is 4 ho-
ras da tarde, except nos domingos e dias
santificados. Chamnados em sen eonsultorio
Sou cm asa de sua residencia &rua de
SRiachuelo n. T7, canto da ruai dos Pires,
xxxxxxxx-- XXxxxxxx0

fadlita a denli &o e previne as

convulses

Cardornus
UnlCeo deposit na Pharmaela

Do Dr. Sabino
,43-Rtua do Barao da Victoria-43
PERNAMBUCO.


Dr. Simnocs Barbosa
Medico e parteiro
Da consultas de 12 as 2 horas aa tarde, na rua
-do Marquez d'Olinda n. 18, primeiro andar.
MUDOU sua resid-meia para a rua d'Aurora
u.81.

COIBERCI

Pirapado Recife, 13 de junho
de 1884
As trees horas da tirde
Cota ,oev, oifieiaes -
Cnmbio sobre Londres, 90 div. 20 114 d. por li,
do banco.
.Dito sebre dito, Avista, 2- d. per 1 000, do banco.
A. M. de Amorim Junior,
Pelo president.
A. P. de Lemos,
Pelo secretario.


RENDIMEENTOS
NMcz de junho
4LruAmDOA=De 2 a 11
idem de 13


ICrBiBOaA==De 2 a 11
Idem de 13


.ostuLjDo movw-XCa.--De-1l
Idem de 13


m DksA asAr-De 2 a 11
dem de 13


PUBLICOS
do 1884
315:299A078
36:2624676
351:561A754
16:4934687
1:589,220


18:0825907
54:0940995
2:339A533
56:434A528
2:831658
32:155J27
8:155;227


.CHOS DE IMPORTAVAO '
)nal Jagwribe, entrado dos port<
lig 13 0o repnte e-coinado


Aos pobres das


Sibylia Mederna

rNovo ltvro de sortes para as fol-

ltes ide Santo Antonio, S. loio

6 S. Pedro
Contendo, alem de doze assumptos poetieos va-
riadosrescolhida eoleceao de espirituosas anecdo-
tai e epigipamnias para os amautes do riso e da
galhofa, e juntamnente unr poqueno diccionario de
flores, folaas e-fructos, dedicado aos fieis subditos
de cupido
A' VENDA
Na livraria franceza, rua 1o de Mar9o n. 9
Preco--1000



DR ,1BLLO GOIf118H
Medico operator
RUA DO BARXO DA VICTORIA (ANTIGA RUA
NOVA) N. 14
SEGUNDO ANDAR
Especialidades: febres, molestias dos plmnucs,
venercas e syphiliticas (em ambos os sexos).
Consultas : de 10 ao mneio dia.
Ch:iamaos: por escripto,*
t ura e opera estreitamnentos da urethra.
Acode de prom-pto t qualquer chainuado a noite,
ou [)ara fora da capital.
D'a consultas todos os dias uteis, Ais 9 horas da
mianihA, no 10 aindmir por ciuma da pharmacia do
Tr[ero.
Apparelho telephonlco n. 159

0Dr. Adrio
MEDICO
Coutinia a dar consultas das 11 ias 2 horas da
tarde, em sen antigo .ousultorio, A rua Larga do
Rosario n. 36, la.Udar. Chamados por escripto
a uqalquer hora, na pharmacia Bartholomeu & C.


Aos jornalistas e lilteratos



FARPAS
I. Ortigaoe Ea do Queiroz
1, 2a e "' series comnpletas em 1 vo-
Iumes encadernados a aueio chagrin. Os
42 fasciculos, de.que se conmpoe esta excel-
lento collecqAio, ua wr part achuan-so ab-
olutamnente esgotaiidos.
reo 60$000


REVISTA BRASILEIRA

0llec ll cOM1Mtoa prociosa
10 VOL.UMEENCAD mDltAO 3
Preo 23$000
A' rua do Impesrador n. 81 1'andar


ERBSWURST

Linserwurt, Bohnenwurst
Conservas legumninosas em p6, corn tou-
cinho e fiambre, excellente preparado para
qualquer viagem por mar ou por terra,
para abastecimnento de navios, tropa, etc.,
dando em poucos mementos uma refei9So
suoculenta e nutritiva.
Conserva-se em born estado por alguns
antos.
A' tratar corn
THEO. JUST
18---Pra9a do Corpo Santo---17
1.* andar.
cas corn 1,461kilosideoisiucar branch e 14 dita
coin 1,271 ditos de dito reinado; J. J. da Silva
Campos 4 barris corn 320 litros de reel.
-- No hiate national D. Antonia, carregou :
Pmara Macmo, E. C. Beltrmmo & Irmito 10 barricas
co:n 503 kilos de assu-ar refiuamd,, 4 i ditas corn
1,614 ditos de dito braneo e 17 ditas corn 1,29"2
ditos de dito mascavad.).
Na barcaca F. Sociedade, carregoa :
Parso Natal, E. C. Beltrato & Irmao 6 barricas
corn 365 kilos de assucar refinado I


MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 12
Pelotas-13 dias, pataeho national Maia II, de
166 toncladas, equipagem 8, capitao Joaquim
Jose. Mendes, carga sebo e xarque ; a Maia
Rezende & C.
S. Vieente pelas Canarias 8 dias, vapor inglez
Dada, de 1473 toneladas, equipageam 76, com-
mandante Tindel, carga apparelho' telegmraphi-
eo ; A companhia de telegraphos subamnarmnos.
PSahidos no memo dia
orto- ataeho portugez Luzitam, eapitbo Joed
Antonio Pinto, carga varines generous.
Porto-Barca portugueza Nova Vencedora, ea-
pitao edro dos Santos Oliveira Lessa, carga
varies generous.
Navio entrado no dia 13
WMaranhio com escalas 11 dias, vapor national
Jagmaribe, de 429 toueladas, equipagem 32,
eommandante Franei8co A. da Costa, eaga va-
ries generous ; A Companhuia erambuaeana.
Sahido no"eswm dia
Fernando de Noronha Vapor national Gfpquid,
commandant Mafra, earga various geiergs.
0bservq&a
Smahio para o norte Qaflpo. tngles Wvlponm,
commandaite W. 1H. Lacey, afim ieo ar e
fio do cabe ,sbmi o.


von.t% a-saber.
Mare THR&C, l eaizis:u. 46,093, vinda do
Havru no vapor frances 'Vile de Santos, deseacar.
remada etu 24 do rnaro i 1882, eonutendo 6 kilo-
granmaas, peso liquid, de ocartes para annuneios,
de uwla so cor.
Arnazem n. 2
Lftreiro Adamson LH. & t., 1 caixa sea numie-
ro, viudia deo Liverpool no vapor inglez Chrysolite,
,tscairregada em 5 de setembro de 1883, eonteldo
7 kilograwamas, peso liquid, de cartocs pars an-
nuncius impresses em uima so cor.
Armazein n. 7
Tres fogareiros quebrados, viudos de Loadres
no vapor inglez Nellie, entrado em 26 -de outubr.t
die 883.
Terceira oeecao da Alfandega de Pernam.bu-
eo,l 10 i junho de 1881:.
0 chefe,
Cicero Brasileiro de .11ello.
Editai n. 649.
0 professor publieo Lindolpho Coriolanuo Bezer-
ra Cabral, removido por acto da presidencia da
provitcia de 6 do corrente mez para a cadeira pri-
inmaria de Olho d'Agua da Onga de Taquaretiaiga,
pvcr;v assuumir abi o exercicio no prazo de 60
ita, a coitar da data da remonao, sob as penas
da Iei, o que se declara de ordemni do inspector ge-
ral ila iinstrucao publiea.
Scerctaria da Instriieto Pablica de Pcruambu-
co,, iO de junho de 1881.
0o seerctrlo,
Pergenf.ina S. de Aramjo Galv&o.
Edital a. 650
lD ordemn do inspector geral da in.truc.o pa-
baic,.t so declara ao alumnio-incstre titulado pela
Eso,,ah Nonrma Francisco Mairques da Trindade,
,icu p 1.l: jpresideucia dia provincia oi constderada
seie etlcito a portiria de 13 de nvmrQo do c )rreatt
;i) qit o nomneon pa'a; reger a eadeira primnaria
de Olh d'Agua da Onca de Taquaretinga.
&'cretaria da Ihatrhcao Publica de Peruamn-
buco, 10 d jaanho de 1884.
0 secretario,
Pergqantiao S. de Ara,:vo Galoao.
Edital n. 651
Nt dia 21 de maioi ultimo (data da nomeaw1o)
coenial a c orrer|o prazo de 60 dias para o profes-
sor pablico Americo Pereira Bramblo assumir o
exereici3 escolar na cadeira priinariai de VicOeeiia,
s'itb as penas da lei, o quo se declara du ordem Io
ins;:,ctur geral.
8e.rettaria d. instruc,.1o public de Pernanmbu-
co, 10 do junho de 84.-0 secretario,
Pergentino S. tie Araujo G:dvAo-.
Edltal n. 651
l)e ordem do inspector geral da instrncq,o pm-
hlica, faco saber aos interessddos qune no dia 17 do
utorreite incz comccara' peas 11 horns da inanha,
no Gymnasio Pernainbueano, As provas eseriptas
(d, tenieurso para prvimento da eadoira detic Geo-
motrii d(laquelle estabelocinmento. Aclhani-se ms-
'ripto- os seguintes senh-rIwes :
tmiquim (Cavaleante Leal tde Barros.
D)r. Joaquimi Aptniot dfe Castro L'LurTirm. ,i
Enugetheiro Joil Jose Fernandes da Cunha.
D)r Mauoel Augusto Ferreira da bilva.
F,.liipo Saboia imandeira de Mello.
Trajano Alipio Temporal de Mendon9a.
.lose Ferreira (ldai Cruz Vieira.
l)r IJ-urindo Carneiro Leao.
Dr. Abili, Cavalcante de Albuquerque.
Scoretaria da Instrucgao Publica, do Porinain-
iuco, 1- de junho de 84.-0 secretario,
P. 8. de Araujo Galvioe.

Alfandega de Pernambuco
EDITAL N. 59
l'or ordetn do Him. Sr. inspectorr se faz.publiA)
que no dia 14 do eor-ente, Ais 11 hioras da manha,
no trapiche Concdicao, serao Vi ndidas em hasta
pulica clivormns pranchues de pinho de resina,
por conta de quem pertencer e lives de direitos.
3a see*o da Alfaudega do Pera1ubrco, 4 de
junhlio de 1884.
0 chefe,
Cicero B. de Mdllo.
0 procurador dosfeitos da Fazenda
Provlncial, tendo recebido nesta data, da
see,'o do Contencloso do Tiiesouro Provin-
cial a redat o abaio transcripta dos contrl-
badntes do imposto do exercicio .de 1882
188.3, dasfreguezias do Poco daPanella, que
deiaaram de pagar o mesnw imposto no tena-
pj, conipcteiite decklr-a (os mesmos cont.--
bmdntes quo lies fica marcado oprazo de 30
dias, (a confw di putl/cC'i'o do presence
edit -d, n confirnudade do disposto no art.
5" dm lei n. ,91, /)tra recollierem a impor-
tancia de seus debitos ao Consulado Pro-
vincial, certos doe quef jindo o referido
praso, se proccderd a cobranga caxcutiva-
mente.
Recife, 19de maio de 1884.
O procurador dos feitos,
Jowo Francisco Teixeira.


Relaoo dos devodores de decima da fie-
guezia do Pogo da Panella dos exerci-
cio do 1882 a 1883 qae deixaram de
pagar em tempo, e vai parajuizo fiAdo
o prazo da hi
Estrada do Arraial n. 42 Abdilio. 124125
Dita 27 B. Adelaide Maria
da Silva 12#125
Poeo n. 4. Adelaide Rosa da Sil-
va Fonseca 36401


Estrada para o Engenho n. 15.
Agostinho Dius trabuco
Travessa do Arraial n. 2. Ale-
vaadre A. Rodrigues
Estrada do Macacoa n. 9. Ale-
xandre Mofiteiro do Espinrito
Santo
Chacara n. 28. Alexandre dos
Santos Barros :
Estrada do Brejo n;. 28. Alfredo
Ganett A -
Apixiucos n. 28. Am 'Jis6 Lo-


30#312

94699


79,5274

50O52


Jos6 Men-


Qitabo n. 1. Antonio Jos6 Pinto
lito i. 3. 0- mesmo.
|PedrMole xn. 2. Antonio Jose
S ailva do Brasil
Ditan,2A. O-mesmo
IMoti.ro n. 59. Antonio Pereira

Etrada do Engenho n, 39. An-
toio Pinto Lapa
Eneaamirnato n. 18. Antonio Si-
Iniiao da Silva
Largo da 'Matriz n. 1. Aristides
Duarte C. da Cunha Gama
Dito n. 3. 0 mesmo
Travessa da Matriz n. 2. Omes-
a;mo
Beece do Quiabo n. 2 A. Augus-
to C. Vaz de Oliveira
Ilha dos Ratos n. 2. Augasto
Muniz
Dita n. 3. Affonso Temporal
Estrada do Arraial n, 27 E. A-
imancio Francisco Mendes
Ruta do Costa n. 5, Antonio da
Silva Cabral
Encanaamento n. 28 G. 0 mes-
m1110
Rua do Costa n. 1. Augusto de
Moraes Pimentel
Eneanamento n. 19 H. Augusto
Octaviano de Souza
Via Ferrea do Limoeiro n. 4 Bal-
biuna


Harmonia n. 3 C. Bernardino de
Alineida Lobe
Via Ferrea do Limoeiro n. 12.
0 mesmo
Estrada para, o Engenho n. 23.
Barao de Nazareth
Apipucos n. 3. Bartholomeu Fran-
cisco de Souza
En.anaiaento n. 7. Benvinda Ma-
ria da Conceiqao
Tra.vessa da Ponte d'Uchoa n. 2
Beito Jos6 da Costa 1
Cruz das Almas n. 1. 0 mesmo
Dita n. 3. 0 mesmo.
Estrada para o Engenho u. 14.
Bento da Rocha Wanderley
Dima n. 15 0 mesmo.
Estrada do Cemiterio 2 A. Ber-
i nardino de Ahlneida Lobe
Dita do Macaco u. 2. Bernardi-
no Alves Berbosa
Dita do Arraial n. 7. Bcrnardo
Jose Rodrigues Pilhhiro
Sant'Anna n. 5 A. Brasiliam
Steauct R. G. Limited
Cemiterio n. 4. Candido Lou;
rengo de Lima
Ruai Real n. 3. Carlos Eduardo
Rudel
04-pipucos n. 7 Carlos Martins,
do Almeida
Casa Forte n. 7. Carjiina Fran-
cisca de Rego Barros
Travessa do Caroll n. 1. A mes-
.Aua
Dita n. 3. A mesma
Pedra Molle n. 4. A mesma
DJita n. 4 B. A mesma
Largo de Apipucos n. 6. Ceci-
liano Accioly do Rego Barros
Rio n. 23. Ceciliano Rodrigues
d os PAssos
Estrada de Sant'Anna n. 21.
Chapman
Chacom n. 2. Clara Sophia Fen-
ton
Cruz das Almas n. 4. Claudino
de Araujo Gauimarles
Sant' Anna n. 35. Cosine Jo.s
Santos Calado
Chacon u. 1. 0 mesnmo
Estrada do Macaco n. 3. Deoda-
to COelino de Souza
Lairgo dc Apipucos n. 38. Do-
aiang-s da Silva Guimaraes
Eia.-iit;Inento n. 19 D. Emilia
Carolina da Cumha Costa
Ilha (lodus Rates n. '3. Escolastica
A-lari: da Conccigto
Smit'Anna de Dentro n. 4 A.
E.t:.ujis'io Augusto Maximiano
*la. Paz
Trravvssa do Caldeireiro n. 3. Eu-
zbio Raphael Rabello
Poeira n. 31. Faustino Jose da
Fonsec., e outros
Estrada para o Engenho n. 19
A. Felippe Silverio de Mello
Eucananmento n. 11 B. Francisco


15W
3o0
15

40O
24,4



30o

14#


15M
i9


18^


96,
96,

31
66


151?S ,Feormie somtideo, do 2 A 5 centimetroe, urn.
012 Hltias, uaa. *
(Ke2o zene, latrs.
9 e~sda lUn-loU~m.
DItos de algoddo, idem.
156 Limasr. chatas sortidas de 7 a 10 pollegadas, duia.
2512 Ditas meia-eanai sortidas, de 5 a 10 pollegacas,
idem.
.762 Ditas triaagulares, sortidas, de 5 A 10 pollegadas,
idem.
1417 Ditas chatds de desbastar, de 16 A 18 pollegadas,
.251 ider.
Limatoes sortidos, de 8 A 10 pollegadas, idem.
Lapis pretos de Faber, idem. -
(187 Lapis parma carapina, idem.
Linha branch, carritel.
0313 Madapol'o para mortalhas, ataduras e com-pres-
sas, pega.
Ourinoes de lou"a, urn.
(549 PAos de jangada, direitos, corn 10 metros de coin-
primento e 22 A 25 centimetros de diametro na
%147 part mais fina, urn.
1156 Pedras de amolar, uma.
Papel alma9o pautado finuame, resma.
Dito cartao matta-borrao, folha.
5399 Pennas d'aWo caligraphicas de Perry, caixa. -
Pregos francezes sortidos de 1 li2 A 3 pollega-
5187 das, kilos.
Seecante, fezes de ouro, idem.
Serras de volta, uma.
5699 Taboas de amarello para soalho, idem.
$699 Taboas de cedro, idem.
Ditas de louro, idem.
Ditas de pmh:o de 314 de pollegadas de espessura,
5637 idem.
Toaluas de algodao para a eufermarit, idem.
062 Tinta preta, litros.
Dita azul da Prussia, kilos.
Travesseiros de linho, cheios de paella, um.


5,5455

246251

146549

4844


76274

76274

18#187

805834

8.$486

216251
20#208
246251

126125
156126

6,062

C#)62



12,125

64062

70#720

206208

13,337

125125
12,125
126125
95699

12,125

120125

24#251


50#521

304312

9#699
20#208

206208

124125

7.5274

9`099


66062

604625

12o,125

966699
10*911


(Coutinma)


DECLARA OES
Thesoiararla de Fazenda de
Pernamibuco
Fornecimento do generous e outros a-tigos para o
presidio de Fernaxdo
De ordem d&I L1. Sr. inspector da Thesouraria
de fasenda se faz 1ublieo que a I hera da tarde
do dia 17 do eorrente mez, e sessmo da junta, se
recberAo ina mesinma .Thes.ouraria propostas emn
Seartas feehadas selladas para o fromneiuento dos
Igoero e diversos artIgqpsnecessariesaos suppri-
mtniado presidio d oFpu xdo da Noronl du-
rt iaeestredt d ho Adez*tmbro- proximo
vin'dbumo
Qeoejos


la sort, idem,


Vasso-ras de piassava corn arcos de ferro, uma.
Verde chromo, kilos
Cura amarnella, idem.
Dita preta, rodas.
ourcs cortidos para forro, urn.
Fae;,i americAnas coin cabo de pAo para sapatel-
ro0, uma.
Grosas chatas sortidas, duzia.
Pregos francezes de uima pollegada, kilos.
Sola, mneio.
T;txats de ao para palmhnilliar, kilos.
Ditas de amo n. 16 A 18 para saito, idem.
l)itas de. latAm u. 11 c 12 para encostar, idem.
VY quetas preparadas por alnbgs os lados, meio.
Condiges
Os gemeeros deverilo scr de boa qualidade, e os
foriecedores serlo obrigados a depositail-os en
umn dos armazeus da comnpanhia per-amubacaua on
oitro qualquer dasigmado pela presidencia para
serem e)ammados, pes'dis e icutidiciuonados, dc
mnodo que possam coin facilidade prestar-sc ao re-
ferido process, sendo para isso, obrigados tam-
bemn a rmiaistrar o pessoal e os instramrnentos ncces-
.arios, afim de que possim sor transportados.
Afm despesas corn a conclnsaq e transport dos
gemeros serao feitas por conta los fornecedorcs,
de conformidade corn as instruccoes da presiden-
cia da provincii, do 20 de janeiro de 1882.
Thosouraria d9 Fazenda de Permnambuco, 10 de
junho de 84.-0 secrttario dA jmits.
F. A. de Oliveirt ,o Silva.


Santa Casa de Misericordia do
Recife
A Illma. junta administrative da Santa Casa
tde Misrricordia do Recife, na saila de suas sessoes
pelas 3 horas da tarde do dia 17 do corrente, re-
cebe propostas para o fornecimento dos generous
abaixo declarados, que forem precisos para os es-
tabelecimentos a seu cargo, a saber: Hospital Pe-
dro 11, Hospita-Ifdos Lazaros, Casa (dos Expostos,
Asylo de Mendicidade, Hospicio do Alienados na
Tainarincira e Collegio das Orplits em Olinda, no
trimnestre de jaulho a setembro do corrente anno :
Aletria, kilo.
Arroz, idem.
Aguardente, litro. 4
Azeite de oliveira, idem
Arauta, kilo.
BacalhAho, idem.
Baihla de porco, idem.
Blatatas, idem.
ChA Hysson, idem.
Cafe em grmo, idem.
Carne secca, idem.
Cebolas, cento.
Farinha dle mandioca da terra, liiro.
FeijAio, idmim.
Faumo do Rio, kilo.
Gaz, lata.
Milho, kilo.
Manteiga franceza, idem.
Potassa, idem.
Rape, idmrn.
abiao, idehnm.
Sal, litro.
Tapioca, kilo.
Toucinho, idem.
Velas de carnadba, idem.
Ditas stearinas, idem.
Vinho tinto, idem.
Dito branch, idem,
Dito do Porto, idem.
Fayello, sacea.
As propostas devepito ser em carts fechadas,
devidamente solladas, indicando o fiador e obri-
ganclo-se o :;rroinataintO a pagar a multa de 5 o/
sobre o vai ,r t t;il lo farnccitncnto, se no pr:aso
de 3 dias, n.o vicr assignu"- o compete-aite trno.
Sata ( .'-. 't dc Misr;croi." do Recife, 5 de ju-
nmho do 1881.
0 escri\;lo,
!Pedro Rodrigutes de Souza.

ocigagodl Lillararia
(oauido os semihorcs socios dezuta sociodade que
teem faltado A mais do trcs sessoes consecutivas,
a compareeerem hoje pelas 4 112 horas da tarde,
cm aossa sede, no lugar do costume, afimr de jus
tifiearem-se, sob pena do Exrm. Sr. president lan-
gar mno dos meios que ihefacultam os estatutos
que nos regem. Recife, 14 de junho de 84.
0 1o secretario,I
Guennes Junior.

Locomotora Pernambucana
S onvida se aos senhores subscriptores desta
companhia a compareeerem no dia 17 do corrente,
is 11 horas da manhi, no edificio da Associacau
Commercial Agricola, pas a discutirem os etatutos
da mesma companhia e deliberarem o que for con-
veniente aos seus interesses.
Joio da Silva Loyo Junior.
tanta Casa de Misericordia do
Riteele
A' Illma. junta administraftiva da Santa Casa
de Misericordia do Recite, na sala das suas ses-
swes, pelas 3 horas da tarde do dia 17 do eorren-
te, recebe propostas para o tornecimento da caone
verde, da melhor qualidade que houver no merca-
do, a que f6r precisa pars os estabelecimentos i
seu cargo, a saber: Hospital Pedro II, Hospital
dos Lazaros, Casa dos Expostos, Asylo do Mindi-
ci ade, Hospicio dos Alienados, na Taarineira,
e tollegio das Orphas, em Olinda, no trimnestrede
intlh.a setemaro do itrrte anint am. <' "


Santa Casa dol Ead:9

Perante a Ilbna. junta atpminisnrtvs est
santa casa, na sala de snaas s e ls.as 3ST u
da tarde do dia 17 dejunho viEdgtw,- ha d ser
arrematida a quem rmais vantagewi ioerecera
propriedade Ilbha do Nogueira, perteoeete aos
estabeleeimnentos -de caridade, sob a&s eguintes
eondieOes :
Pagar men-almente a renda annual de 1:600X.
Ser- o arrendamento per tempo de tres annos.
Fazer a sua casta o; concertos de que precisa-
rem as camas e o viveiro do sitia e entregal-os em
born estado de conservacamo na couclasao do arren-
damento; n1,o crimar gado o plantar emn cada anno
150 pis de coquciros, sob pena de pagar 21g de
multa per cada am que doixar do plantar, de mo-
do que findo o prazo devnl apresentar os 451)
pes, bern tratados e couservados, seudo da trees em
trees mezes ve:ificado pelos resoectivos mordomos
o field camprimento da obrigaoes da present con-
dicao, e nao poder abrir nem consentir le'gradouro
nos terrenos da Ilha.
Apresettar-se no acto da arrematagao corn o
fiador idoneo ou carta deste.
Secretaria da Santa Casa le Misericordia do
Recife, 29 de maio de 1884.-0 escrivito,
Pedro Rodrigues de Souza.


Arsenal de Guerra
De ordem do Ilhn. Sr. coronel director, faco pu-
blico que nos tcrmos dos arts. 95 e 96 do regula-
inento de 19 de outabro de 1872, esta reparticio
precisa contractor para o 20Oemrnestre de 1884, o
seguinte:
Para o almoxar-iftdo
Azreitet do carrapato, litro.
Azeite de coce, idem.
Cabo de linho branco de differentes grossuras, ki-
logranmma.
Cab1 de dito alcatroado, idem.
Fio Il algodao ntacional, idenm.
VilssoUr-as de piassava chapeadas de fterro, umna.
Vassoura do junco, idem.
Para at olflicina
Arcos de forro cortidos, kylogramma.
Agua-raz, ilenm.
Alvaiade de zinco, idem.
Azul ultramar, idem.
Aldrabas de latio e ferro de differences tama-
11I(is, UnIMa.
Botues de metal prateado, grandes e pequenos, urn.
Bot5cs d( metal amia rello, grandes e peqnenos, umn.
Botaes dc osso branco c preto, grandes e peque-
aos, p;tra bluzas c fardetas, urn.
Bot'es de osso brancos o pretos, grandes e pe-
qienos, pora caleas e camnisas, grosa.
Cost&do e costadinho de pao carga, uran.
Cstado e costadinho de amarello, urn.
Craves dc ferro sortidos, milheiro.
Carvio do pedra, kilogramma.
Culla da Bahia, idem.
CordAo de 1, e de aigodao branco e enearnado,
metro.
Cr6, kilogramma.
Enclanmts, duzia.
Espirito de vinbo, litro.
Ferro inglez do differences qualidades e grosusa-
ras, kilograinmma.
Ferro sueco, idem.
Ferro em lencol, idem.
Fio de vela, idem.
Fezhadura de broca para port de diffexentes
qualidades e dimeue5es, uma.
Goinmma lacca, kilogramma.
Limas e limnataes de differences qualidades, duzia.
Oleco de linhaea, kilogramima.
Ocre amarello, idem.
Pranchao de amarello, urn.
Pranehao de jacaraindi, uni.
Pranchio de sicoinra, unn.
Pxanchao de pinlho d,.L Siecia, un.
Pranchan de pinho do Riga, urn.
Pregos de diffi'rcntt s tan.innhos e qualidades, Dl-
Ibeiro.
Pregos franicczes, kilogramma.
Pedras hamburguczas polidas para rebolo de dif-
ferentes qualidades, urna.
P6 preto, kilogrammia.
Parafusos de ferro e latao de differentes dimen-
soes, grosa.
Roxo terra, kilogramma.
Seceante, idem.
Seccante branco, idem.
Seccante fezes de ouro, idem.
Taboas do soalho e de forro de amarello, duzia.
Taboas de soalho e de forro de louro, idenm.
Taboas do pinho americano, idem.
Taboas de pinho de Riga corn differamntes dimen-
s5es, idem.
Taboas de pinno da Suecia, corn uma pollegada de
grossura, unma
Tranra chata de la para fardas de corneteiros,
metro.
Veruiz copal, kilogramma.
Verde chromo, idem.
Verde francez, idem*
Zarcao, idem.
0 fobrnecimento dos artigos acima, sera feito
por pedidos parcimes, conforme as exigencias do
service, deveudo sel-o de prompto. Previne-se
que nilo seiteo tomadas em consideraqco as pro-
postas que nao ftbrem feitas na forma do art. 64 do
Reg. em vigor, em duplicata, corn referencia a aum
s6 objeeto, mencionando o nome do proponente,
a indicagio da casa commercial, o pr to de ecada
artigo, numero, marea, e finalmente deelara ao
express de smjeitar-se a multa de 5 o/. no case
de recusar asstgimar o respective coutracto, de-
yen Io alitas proptstas e amostras serem apreen-
tadas anesta secretaria as 11 horas da manha do
dia 17 d, corrente.
Socretaria do Arsenal de Guam-m do Pernam-
buco. 11 de junho dc 1884.
.i ,'ncisco Joaquim de Soaeza, secretario.
JRaata Casa de Eisericordia do
Reelite
A Ilhtamm. junta da Santa Casa de Misericordia
do Rccife, na sal.i das suas sessoes, pelas 3 horas
da tarde do dia 17 do corrente, reeebe proposta
para fornecimento de pato e bolacha que for precise
para os estabelecimentos a seu cargo, a saber:
Hospital Pedro II, Hospital dos Lazaros, Casa dos
Expostos, Asylo de Mendicidade e Hospicio de
Alienados na Tamarineira, no trimestre de julho a
setembro do eorrente anno.
As poopostas deveril, ser em cartas fechadas,
devidamente selladas, indmeando o fiador e obri-
,gando-se o arrematante a pagar a multa de 5 o%
sobro o valor total do fornecimento, se no praso de
3 dias Alo vier assignar o competent termo.
Secretaria da Santa Casa de Misericorcia do


Recife, 5 de junho de 1884.
0 escrivio,
Pedro Rodrigues de Souza.
8anta Caaa de Misericordia do
Recife --
A Illma, junta administrative da Safita Casa de
Misericordia do Recife, na sala das sessSes, pela
3 horas'da tarde, do dia 17 do corrente, recebe
proposta para fornecimento do p'o e belacha, que
for precise para o Collegio das Orphas em Olinda,
no trimestre de julho a setembi o do corrente aWrimo.
As propostas devermlo ser can earnas fechadasi
devidamente selladas, indieando o fiadr) eobri-
gando-se a pagar a multa de 5/ % saobre valor to-
tal do fornecimento, se no praso eo3adias,a k
'ier assignar oaeompetente teril;mo.i :' d
ISeCretariar da Santa Casa mC oie 'Recife, 5 doeJu jao de 1884. -
0- $00"7-'
'rPedr JVO#?O^"ft & &uma


Ii,;<


/ a


,/ |


V.





a- -
-a,


n 11


























Ioe de s onuza. :.
.,amara Manicipe.I, Aii
tboeeiimientos das fte- I
,zea, para virem A& see- [
"sos, medidas e balan-
no mez de jnnho, sob |


o da Camara Municipal do Recife, 31 de
0.de 1814.
Jos6 Candido de Moraos,
S President. Sd
Pedro G5aud.two de Rati e Silva,
1 Secretario.
mrte de Soeeorro de Pernam-
)s pos'suidores das cautelas dlo penhores
1xo0, aO eonvilnaAs a reegatal-as at6 o
14 'e jiunho proximo vindouro.


4 -.7135 7920


7946-7955 7960
-8000 -8001- 8004
8035-8041 -8042


- 8063 -8065
74 8076 -8077
13 8117-8120
62-8164 8169
90-8192 8201
10-8212 8214
3-8225 8228
2 8241 8245
.. 8269-8274
6 8289-8299
P, -8325-8329
37-8338-8339-
|6 8348-8349
)5-8356 -8358
18 8369-18372


7926-7929 -7932


7975
-8009
-8047


8066 -8067
-8082 8085
8123 -8141
8182 8183
-8202 -t206
8216 8218
- 8229 8233
8250-8254
-8278-8279
- 8300 8301
8332 -8333
-8340 341
-8350- 8351
8360 8361
-8373 8376


8419-8441 -8426-8429
-84438 8439-8442-8444
- 8461-8462 8464-8465


8486-8505
8528 8529
-8550-8554
-8071-8209
8110 8222
8151-8235


- 8507 8509
8534 8535.
-8560-8573
8285 8354
8321 8367-
8335 -.-8387-


8187 8262-8345-8432


-7986
-8013
-8050
-8068
1-8100
-8 146
-8184
8207
8219
8234
8259
-8282
-8302
8334
8342
- 8353
-8364
8383
- 8430
8450
-8466
-8519
-8536
8583
8453
-8472
-.8520
-8542


i ,Recife, 21 de maio de 1884.
'0 gercnte,
.': Francisco Joaquha Pereira P'nto.
Companhia Phoenix
Pernambucana
D e eonformnnidade corn o art. 19 dos estatutos,
serto vendidas 15 aces desta companhia ns. 536
i s preteudentes sao convidados a apresentar
sia propoistas em cartas fechadas, por interme-
i110 do corrector geral, atOeao dia 23 do corrente,
2so meio dia, no escriptorio desta companhia.
Companhia Phcenix Pernambucana, 11 de juaho
de 1884.
Os directors,
I ) Lizw Duprat"
SManoel Gomes de Mattos.
Joto Joae Rodrigues Mendes.
Est irada de ferro do Recife a Ca.
i 1 xanga
kAo publlco
i': Sendo necessario suspender o trafego dos trends
Sdesta companhia sobre a poute da mesma, entire
ias rus dq Sol e Aurora, previno ao respeitavel
pu iblico que os treus. ate segundo aviso, partirio
SchegarAo na rua Formosa As horas da tabella
alli.
Recebe-se nos dias uteis carga na rua do Sol.
Escriptorio, 11 de junho de 1884.
S;.: Gerente,
W. W. Ostler.
S:The New London and Brasiliaw
*iBank Limited
Rua do Commerci n. 32
Si Sacca por todos os vapores sobre as cai-
ixas do mesmo banco em Portugal, sendo
i.em Lisboa, rua dos Capellistas n. 75. oN
ll Po, rtorua dos Inglezec.


SEMPREZA DO G AZ
0 Gerente pede aos
Srs. consummidopes que
tqueira.n fazer qualquer
4c,0iunmcacao ou recla-
SmacIa seja esta feita pop
E escripto e a elle dirigida,

que se achara nos dias
uteisa rua do lmperador
n'iO a,10 hornas da

manhaa thoradatarde,
Aaiwbein se rece-
`,qwduer co~nta que


'Os


AGENTS
SaugimrsBrotlion & ,.
11--CORPO ANT.--11






IMPERIAL

COIHRUANIA DE 8-tURG8 {
I CONTRA



FOG0
STendo reduzido as suas taxas da
premnio offerece grandes vantagens
aos Srs. negociantes e proprieta-
rios.
Premiois modicom,
N eguranca indubitavel,
E prompt pa&gamento de
prejuizo o
=ute
Capital 16,000:000O000
Recife, 1 de agosto de 1881.
AGENTES 1
S Browns & C.
> IUA DO COMblERCIO N. fy




SECGUROS


MARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenix Per-
nambueana
Rua do Commercio n. 34.

COMPI fIA DE SEEMIOS
CONTRA FOGO
North British & Mercantile
CAPITAL
9:000,000 de Ubras sterlinas
A G ENTE S
Admnson Howie & C.
RUA DO COMMERCIO N. 3.

THEATRO
SA1T4 iSABL"


o~il~l I lot[,
COMPANHIA DE OPERA ITALIANA E DE
BA[LADOS
Empreza P. M. Musella


Sabbado 14 do corrente

3. a elta d 9 assigltran
Representar-se-ha a esplendida opera de Mar-
chetti:




Trem e bonds depois do *3pectaeulo.
PrincipiarA as 8 c 1/4 de horas.
NOTA.-A empreza pede encarecidamente aos
Srs. assirnantes o favor de so absterem do desejo
de assistir aos ensaios da companhia, visto que
resultaria d'ahi grande inconvenience, ae alcance
de todos, por ficarem os artists acanhados e o re-
gente coagida, de modo que as operas nunca po-
dero ficar to bern ensaiadas cornmo deseja a em-
preza, para satisfaole do respeitavel public e es-
pecialmente de seus assignantos.
Quanto a noticia que se tern divulgado n'esse
sentido, pede a empreza desculpa para dizer que
talvez informaV5cs inexactas tenhamin havido a esa-
se respeito, porquanto apriori todoscompreheade-
rao a inconveniencia que resultaria de uma tal
conces"oo.
Espera, pois, a empreza, cujo pensamento prin-
cipal 6 ser sobremodo agradavwl ao respeitavel pu-
blico e seus assignantes em particular, que es-
fte fakam o saerifieio que Ihes pede, eujo resultado
serA todo em proveito meu, visto que assimn scrao
postal cm scena corn maior eorreeao as operas
quoe tiverem de ser representadw.


J


Pols vapors destaL companhia dio-se- passae-
eus .paiera Liverpool ao preo deo 200 dollars o
Ipassageiro desembaroando em New-York tem ga-
rantia a passagens pars Liverpool quando ]he ap-
prouver por vapores le 1 aordem.
Para carga, passagens, eneommendas e valores,
tracta-se corn os


AGENTES
Henry Forster & C.
.8 RUA DO CXMa,.KaA0
l.'cndar


-N. 8


COMPANIUIA PENUAMBUCANA
DE
Navega.io Costeira per Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macdo, Mossord,
Aracaty, Ceard, Acaracit e Camossim
Seguenodia 20deja-
nho o vapor Ipojuaa,
commandante Santos,
its 5 horasda tarde.
Recebe carga atk o
"dia 19.
Encommendas, passagens e dminheiro a frete at6
as 3 horas da tarde do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
COMPANHIA PEBNAM1BICANA


Navegaio Costeira por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei6, Penedo, Aracaji, Estancia e
Bahia
k 0 vaporJacuhypecom-
andante Telles, se-
=5 .s' guirA no dia 16 do
corrente, As 5horas da
tarde.
-^ ^ Recebe carga ate6 o
dia 15.
Encommendas, passagens e dinheiro a firete ate
As 3 horas da tarde do dia da sahida.
ESCIPTORIO
Caes da Companhia Pernambu-
eana n. A
CHARGERS BEUNIS
Compankia Franceza de Navega-
$eo a Vapor
Linha quinzenal entire o Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Steamer
Ville de Maranhao
Commandante Breant
kEspera-se des portes
do sul at o dia 18 de
junho, seguimndo de-
oi da indipe.avel
Ipas o Havre,
.***f^^ '^^gigI'am NNW&l por La-


Os vapores desta companhia entrain no porto
ancorando em frente ao cases da pra"a do Commer-
eio e send muito incommodo o embarque dospas-
sageiros no fundeadouro das paquetes transatlan-
ticos, no Lamar-o e demais devendo todos aportar
ae Have, que 6 o porto mais visinho de Paris, 6
f6ra de duvida que ha grande vantage para quem
quizer ir a Europa ,ei# aproveitar-se dos ditos va-
pores $anto mais quanto, a lm de serem os pregos
das passagens mais modicos, as despezas do embar-
que aqui e as do transport do Havre a Paris, sao
muito menores do que as ue demandam as viagens
nos paquetes das outras imhas.
Canduzem medico a bordo, salo de march rapid
e offerecem excellentes commodos e optimo passa-
dio.
As passagens poderlo ser tomadas de antemlo.
Recebe carga, encommendas e passageiros, para
os quaes tern excellentes accommoda95es.
Steamer
Ville de Xacei6
Paat6W o dia 20 de
junho, seguindo de-
pois dae indispensavel
emora par. a a -
a. *la ede d a-
neifw. e SNant.s.
Roga-se aos Srs. importadores. de carga pelos
vapores desta linhaqueiram apresentar dentro de 6
dias, a contar do da descarga das alvarengas, qual-
quer reclamaeao concernente a volumes, que por-
ventmua tenham seguido para os portos do sul, afim
dese poderem dar a tempo as providencias necessa-
rias.
Expirado o referido praso a companhiea Ao si
responsabilisa por extravion.
Recebe carga, encommendas e passageiros', para
os quakes tern exeellentes ecommodaces.

Augusto F. d6Ie Oliveira
&C.
42-ERUA DOCOMMEK1CIO-42

ROYAL lSTEAl IPAUET
COMPANY ,M


Grande
0


prer0o dlam
APOR


Southampton


.. 18
7
*q4 9r
27 12
13
29 14
21
11 28
80
15 2


86 tocara se pre)isar earvao.

Itiii O n ja 08NOs Etales

0 VAPOR
Guadiana
Commandante Horton
Espera-se do Rio
de Janeiro no dia 14
dejunho o qual de-
~poi8 da necessaria
demora seguirai para r
New.York via S. Thomaz
Pretos das passagens
Ia classes 2a classes 3: classes
Londres (via No-
va-York)..... 42.0.0 28.0.0 17.0.0
Nova-York..... 27.0.0 18.0.0 11.0.0
Slo Thomnaz ou
Barbados..... 23.0.0 15.10.0 11.0.0
Para passagens, fretes, etc., tracta-se corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
3-Rua do Commerelo--3
Companhla Brasileira de Nave-
gaeio a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor
Espirito-Santo
Commandante JoJto Maria Pessoa
fB E' esperado dos portos do
S sul alt6 0 dia 16 de junho
^^ ^ e seguira depois da demo-
7ra indispensavel, para os
ni'os.. .'- portos do norte at6 Ma-
nios.
Para carga, passagens, encommendas e valeres,
uracta-se na agencia
44 RUA DO COMMERCIO-44
PORTOS DO SUL
0 vapor


xmanaos
Commandante Guilherme Waddnigton
S E' esperado dos pertos do nor-
lte at odia 21 de junho e
seguirA depois da demora
do costume para os portosdo

Recebe tambem carga para Santoa eR io Gnm
de, frete modico.
SPara carga, pasagea, enomraenda vatoru
tracta-se na agencia
44 RUA DO COMMERCIO --44
Companhia DaBahlana de Navega-
ipeo a Vapor
Macei6, Penedo, Aracajui, Estancia e
Bahia
0 vapor
Marinho Visconde
Ccmmandante Pedro Vigna
9 E' esperado dos portos aci.
ma atA o dia 15 doe junho e
regressarA para os mesmos,
depois da demora do costu-
me.
Par earga, passagens, encommendas e dinheiro
frete tracta-se na
AGENCIA
7-Rua do Vigario 7
iomingos Alves latheus


LEILOES


Leildo
De eerea de 480 barrias con
farlmha de trigo avarlada
8aIM o, I14 do corrento
AO MEIO DIA
No caWis do Apollo confront ao armazem dos
Srs. Macdado Lopee & C.
0 agent Altredo Guimarlaes levara a leileo cer-
ca de 480 barricas coin farina de trigo avariada
e descarregada de bordo do navio inglez Hawy
Kedak por ordem dos Srs. H. Nuesch & C., e por
conta e risco de quem pertencer.

Leilao

Agente Britto
Rua Direita n. 36, 20 aadar
De moves, loufas, vidros e es-
pelhos
Sabbado 14 de junho
A'S II HORAS
Em traneferencia do de hontam 13
.0 e ultimo leilao
SDacosaterrenecon sotlo corrido, frente
doeazqiej0- agua, terrago fdra
'Sgndav4eira, 16 de junho
AS 1 IIHORAS .
Por aia o fidio.ne. ExEm. Sr. Dr. juiz da pro
ved *a n keqi^ento det Jos6 Antonior. 1faeedr
Lopes, t~est rnteiro e inventarianto do espoliode.
O IN JoaquhiiRibeiro Soams e eom assis-


POR INTE1WEN(VXO DO AGENTE4! U OR 8'ILV-A
Ai .. d: I' Plenamente atorisado venderA0os se-
gulut ; 1,, a :es predios
-1 sobrado de 1 andar e sqtao a rua das Trincei-
fte Pe tnl ra 40 em solo prop i,1 d4o de andares a
ue n Brua Padre Floriano n. 40 solo p'oprioe, 1 casae ter-
Age terea sita a rua 7 de Setembro n. 20 corn 2 salas4
^W]'i '1^ O i quartos, cosinha fora e quarto externo quintIl em'
L ei ao .solo foreiro, 1I casa terrea sita a rua Imenral n.g5
corn 2 salas 4 quartos cosinha externa, quintal solo
Do velas grande, ditas a meios, ditas a estates, foreiro. 0
nmoitoer, cadernaes, turcos, cabos, correntes, lemes
cabrestantes, bolinetes, ancoras, umn rico barome- tui ul uu 11 9 Bo IWlO
tro e muitos outros pertences de navio.N
Tera-feira 17 do cor- Na Travessa do Corpo.Sanato 27

rente ..in a a


Ao melo dia
NO TRAPICHE COUTO VIA]
VESSA DA COMPANHIA
BUCANA.
0 agent Pestana competentemen
fara leilao dos pertences do navio a(
n s dos.
Em lotes, A vontade dos con
SAo correr do mart

Agente Burlama

Leilao

Do ftondas avaria
Terpa-feira, 17 do coi
A's 11 horas em
NO ARMAZEM A RIUA DO
DOR N. 22
0 agent acima levarA a leilao os f
dapolSes e outras tazendas descarreg
mente de diverse vapores estrangeir
e risco de quernm pertencer.

Leilao
De 2 duzias de tacos novos para bi
prova de fogo, cerca de 60 duzias de
cerveja alema, 100 libras de marmels
mnobilias, mesa, aparadores, quartin
tes, secretaries, lavatorios, guardas-v<
das-lougas, eadeiras, colheres, copos,
jantar e almo^9o, caixas corn sortes, ol
diversos moveis avulsos que estarao D
No armazem a rua do Marquez
n. 10
Tersa-feira 17 do co
A's 11 hora
POR INTERVENqaO DO
Gusmao

Agente Burlama
Leilafo


De diversas easas terreas em
boas freguezlas
Terpafeira, 17 do corrente
A's 11 horas em ponto
NO ARMAZEM A RUA DO IMPERA-
DOR N. 22
0 agent acima, autorisado, levark a leillo :
uma casa terrea n. 41 A rua de Vidal de Negrei-
ros, freguezia. de S. Jos6; uma dita terrea n. 25 A
rua do TambiA na Bov-Vista; outra dita terrea
n. 10 A rue da Alegria, freguezia da IBoa-Vista;
outra dita terrea n. 2 A travcssa dos Expostos,
freguezia de Santo Antonio.
Os Srs. pretendentes desde jA poderao examiner
as casas; querendo alguem informago dirija-se
ao agent aeima mencionado, cm seu escriptorio.


AVISUS UIDJLRSUSt


cima mencio- "
ipradores
citllo Dr. Hanoel de Flgueiroa Faria
A viuva, a mai,jos irmaos, cunhados e cunhadas
I do Dr. Manoel de Figueliroa aria, man-
|ii| dam celebrar missas por sua alma, no convent
de S. Francisco, as 7 horas da manhia' do dia 14
do corrente, 20 anniversario do fallecimento do
mesmo Dr. Manoel de Figneir6a Faria; e para
assistirem a esse actor convidam aos seus e aos pa-
rentes amigos do finado, aos quaes desde ja se
|d contessam gratos por esse acto de caridade.
S Aluga-se por preco cammodo a excellent
rrente chacara a rua do Caldeireiro, no Caldeireiro, corn
magnificas accommodates para familiar, muitas
on0jnf arvores de fructo e boa agua potavel. 0 sitio
1-o esta perfeitamente raurado em teda a longa area
IMPERA- de. terrenos que abrange, e tern alem da casa
principal, muitos commodos exteraos para cria-
ardos dos, grande estribarit, gallinheiro fechado corn
Fardos deultima grades de ferro, banheiro, etc., etc. : trata-se na
'os por cota rua do Apollo n. 32, 10 andar, escriptorio.
.-os, pot conta
Aluga-se o primeiro andar da casa n. 25 A
ru. velha de Santa Rita, o primeiro e segundo do
de n. 24 a rua do Aragao, as casas terreas de n.
36 a rua da Ventura na Capunga, as de n. 1 na
I travessa da Hora, e 26 a rua de Nunes Machado,
ilhar, 1 cofre no Espinheiro : a tratar na rua do Hospicio nu-
garrafas corn mero 32.
ida em latas,
neiras, toilet- Aluga-se quatro casas novas ao p6 da ponte
estidos, guar- dos Remedios. mas nao para grande familiar, por
loucas pare s6 terem 2 salas, 2 quartos, cosinha e cacimba, a
iwas de our e 12J000 mensaes, dando-se por 10, a quem pagar
atestes no eseis mezes adiantados : a tratar no mesmo lugar,
hde Olindo casa de azulejo, taverna.
Precisa-se de um home para feitor de en-
genho, prefere-se portuguez; no becco da Penha,
rrefnte segundo andar n. 8.
Preeisa se de uma criada para o service do-
S mestico, de uma casinheira e de um criadinho para
T E casa de familiar : na rua Nova n. 39.
1 Aluga-se uma casa na Torre, a rua Real,
perto dos bonds, tern bons commodos para fami-
lia e cacimba corn boa agua ; a tratar nesta typo-
S graphia. u a t
Iill I Aluga-se um sitio no Chacon, corn casa rej-
i' I ~dificada, corn acommoda' cs para familiar ; a tra-
tar na rua do CabugA n. 7 A, ou A rua da Aurora
n. 81, armazem de molhados.


Aluga--e os andares superiores do predio n.
51, sito A rua do Imperador : a tratar no pavimen-
eto trreo do predio n. 10, A p g ;a do Commercio.
Aluga-se a casa n. 8 do largo da Soledade,
tern commodos para graude famnilia, aguae canali-
sada, gallinheiro e banheniro, e se acha reparada -
caiada de novo : a tratsr na rua Direita n. 32.
Precisa.se de umea ama p-a flavar e engom-
mar, a tratar na rua da Impeiatriz n. 16, lo an-
dar.

MOLESTS dM a BR9NCHIOS e da GARGAfTA
(Deffuxos, Catarros, Coqi4iuche; LrynIfts)
XAROPE e PASTA de VAUQUEIum
PAMIS, Ph', 31, rus de Clry, e em todWas Ph e f
---------- ---- -- -----------


PRARMACCA LEVY
Antiga pharmacia de P. Maurer

25 RUI A O1IBAO VA YICTOBIA
Elixir depurativo regenerador do



Frmiradi oA tmancalco
SJOSE' FRANCISCO BETTENCOURT
COIl
Salsa parrilha, velame, cainana e caroba
Os resultados adminraveis d'esse medicamento e a grande aceitaego que toarn sug-
-ido, faz.ma-no reconmmendado para as mais ltoiesyphliticas oe impurzas do mognie


JOSEPH KRAUSE a C.
Acalam de augmentar o seu ja bern conhecidO


important estabelecimento a ri


la 10-


de marot n. 6 corn mais
um salio no 10 andar luxuosamente pepar.-
fads e provide de uma exposi-
lo de obras de prata do Porto e electro.pl
dos mais afamados fabricantes do


mndo inteiro.,
Convida, pois, as EInmas. ftilias, -seus nine-
p x* 1. 111:. ^ 1 1. 1


rosos amigos e
0 sea estabel


Bom Jesusn.


a visitaren
abitde
rosto mque


a
' '0-B'


'.4.


RNA, TRA-
PERNAM-
te autorisado


ite


M,














































le on captiva, para
to pequena ifamias,
e cravos da mesa
n. 32.


mar e comprar1
tatarna rua
a) n. 28, se-


uanaCordeiro Pon-
dtiro, D. Brisida
D. Isab Ephige-
profundamente a
n acompanhr at6
Bsua presada cu-
usmia Oordeiro, e
missas do setmo
a Thereza, as 7
rente.

ier0(ue convida as
finado inarido Mi-
para ouvirem urnsma
avento As 6 horas
e anteeipadamen-


no, Anna Fran-
ais parents sa-
waw qua oe digna-
correate ao Gemi-
le snua mui presa-
ogam aos mesmos
5 pars a sistifreu
indam resar ai 8
iz do Corpo-Santo
ate, 7- dia do seu


Wzas as

as fMw
A A--


eus
com


shs e weorts-
gvras, pomta-


o sguudo andar d
Msrgo, proprio para
mesmo predio.


Precisa-se de UB
usna mrua doCabaga i
pela rua das Laran


Precisa-se de rn
de conduct : na m


U. 18, A rua lodeo
a tratar na loja do



que seja cosinheira :
undo andar, entrada


ro, daado informagao
e deCaxias n. 95.


Precisa-se de urna ama poa cosiunhar e comorar
par duas pessoas ; na rua Duque de Caxias n.
48,segundo andar.

(>ioado I
Precisa-se de umn criado : no largo da Penha
numero 3.) hotdw,
Alugi-se a casa terre n. 8 no largo da Soe
ledade, corn commodes para grande familiar ; -na
rusa Direita n. 32.*


Alugra-se barato
A canatesreas n. 107 rua do Visconde de Go(
Idem idem n. 4, rua de Lomas Valentiuas, c
as)tao.
o 1 a andar A traveesa do CatnopeUo (Recife) n.
0 20 e 30 andares no largoido Corpo Santo n.
A tratar no largo do C(ofpo 8antn. 31, prxm9
*tdar.


Preciss-se dedo ua anvw, do. ite e coskiti*;
na travessa de 8. Peiro n. 8.
Preeisn-se de uma ama para cosinha e"
servicos, porem que durman em caasa ; ua di
Praia n. 12.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 41
A rua doRangel; o primeiro do den.25A i ru
nova de Santa Rita ; a easa terrea de n. 17 no
largo de Apipucos ;1 da travessa da Hera no Es-
pinheiro ; 36 ,A rua da Ventura, na Capunga : a
urstar na rua do Hospicio n. 32.

Preeisa.se alugar uma eserava de boa uon-
ducta pars o servio de casa de pouca familiar :
trata-se corn o Sr. Franc. J. R. Pra~a, A rua do
Praise n, 70, armazcm de came seeca.


Admlalstra Vi : PAfRlZ,22, Bouword iiutiwd
GRANDE-GflI.TZ.-AffcTeo .aVdasviasitdigestis,oabStruccedo nigadiiedoi
obstsracsis visceracicone9es o caiculcsum ]
HOPFITAL. -Aflcine3das viasdige'stivastnew
dlos do stomago, digeiao difficil, i(appoSU
gastralgias dyspepsia.


sCsLsasss.-Afweco
-Quem nprecisar d e uma senhora para ensinar cunoreesdasouriaas.
doutrina, portuguez, francez, musical, piano, flores jAVTEmlVE.-AMfr:
de couro e madeira, dirija-se ao Caminho Novo conreuvdasourinaa,
a. 128, na mesma casa precisa-ae de urna mulher N i
que sua de ba conduct para companhia e pres- E J -OI
tar seus servigos em casa de pouca familiar, na Kma Hmn.,o, as AS
mesmrna cam tomam-se orphs desvalidas,e dA-se B aima noieads.,
IIJMWZN..Z & LAB:
eduaeso, ensina-se per earidade, us messma asa AII jU &Air
vemnde-se unma casa na ru Imperial n. 3)1, co rn I .. .u .
244 palmos de fumdo. 26 do frente acabada ha eda aa
poneo tempo, muWto bnito lugar, estA sempre aln- Avendadem casaC
gaoa. rna aa Cadeia n. 36.


*.'...
OQ&g.
os 0c .



p.4.0
3 0 g

0 gI

ew i' '



9I [Ii"
I'^t0





0O0P


SpamuWosoMIum7

PPROVA0 PEU IUPtL RADA JUNTA DE
HYGIENE PUBL1CA DA CORTE

WDORMSD PDA DECHMT IKFMPK DI
2 DRiumao is


comPOsigAo


3irmire Ca be


o0 ATIffo qUAmLQUmU tATuD B
SM TODAS AS MOLBSTIAS DA PEUW,
NAB BCORRItAS ( JWoRBB BArj,
'044lojWCmEaA BSAMSBIM, BaJ^n
W",OiBJEPX v6R*M D TfWUnaU


pBS







-4A
LD














am-
La-
o tl<


sar dos benhtos ha Rim-an i "tado dA inol0ti15.



SFABROA APOLLO

R4 do HsVCSo 7


1 ..[
/:\ I
! | '


,esdos iaes, da xiga I ageas,
gota, dkibekv,akn .
-6es dos rins, di bexigaar*eW
gota, diabetes, albamiiaaria.
laflTaCPU&
gues du Fons t i* V i :
Arhko-se em casas de iai ,.
ILLI, ), rua do C'm-nercat;
eSLIN z 2. ruKr Ck t

de Sulzer & Kookip


i 1


I


^aiaB'.aawe-

ffOsO BUse-




























do


^ri~sem TOMtt de pvdaB{*o, quis.


Satte u as melhorakts para
de fomustivel que ten introdnzd.
uhos -IerefrM, Arara ,e ri desta
, e &a Vista de Maranguape, aonde
go do assentamento se produz ova-


nemsari para a moagem.
it moemdas, rodas dayT vapores etodo 9
Ne ferragens precises para enge-
I ten a veada grande sortimento -da me-
1. qaydait.
RiLHOS PARA CANAS Tern de system por-
siples, sem s ineonvenientes que al-
s apresenta; coi ecarros proprios, loeo-
was etc. a prefos razoaveis, podendo fa-

eC1 oa o assentamento.
ta, a mais antiga desta pro-
ita, vende-se a praZo, on a dinheiro com


DEII
DE


CAIOO& IMo:

RUAnOB; R R.100WA1104
IlmTI uA Ji1 Atom t us.2 1 2 B
Os proprietarios deste bern conheeido es-
tabelecimeuto pelas suas rela 6es direetas
eom os melhores fibricantes, e corn um dhs-l


tincto


engenheiro


grades. vaatagens para


de Inglaterra,


offermcemi


encommendas, Como


Sproyam corn os apparelhos completes asse
Sites nos engenhos Massauassn' e Bosque,.


meioapparelho no engenho Conceivao.
MACHINAS a vapor trabahando s6


e logo do assentamento, podem
.das as qne foram assentes nos
1km, e Tinmboassu', Cucau, ei
Piamante em Goyanna, Pao.


II.


el


corn
*


que


oatro


qualquer, visto rec
.berm directamente.,


STodos
vendidos


00 reloglos


nesta


easa


s4o grarantidos.
saa g.


Siio no Sagadinh,
Aluga-se urn sitio junto a establo Teimira, Lo-
pes, corn grande casa de vivenda; a tratar na rna
do Impe. ador u. 16, armazem de trastes.
Ara
Precisa-se de uma ama que compare e cosinhe,
para casa de pequena familiar : trata-se na rua
Duque de Caxias (antiga das Cruzes) n. 39, 1-
meiro andar.


Leite de aveloz
Pa~~ma wr e eva* ro" de "do a
especle
Perfeitamente couservado liquido graxo e con-
demsaco, approvado pela Exma. junta de hygiene
public do Rio de Janeiro.
Privilegiado pelo governo imperial, pelaeffica-
cia da sua appliecasa.
Os frascos trazem o retrato do bacharel Joa
Baptista Gitirana Costa corn a sua asaignatora do
proprio punho e sao ,mrubricados con tintseInew-
sda pelo cirurgiio dentista Numa Pompili.
Unico deposit em Pernambaco, ra do Bario
da Victoria n. 54 1K andar.
Pfego de cada frasc parsa nmeros 65000
Paa ulteraeaes e granaulaoes do eo.li do
ero e eanemo syphiliticosr febu-likf-
ei[U 55000
Co inheira
Procisa-se do urns. area para. cosinhar
n o 3" andar do prodio a. 42 day Da9i
do Ca~ias, pt ma ca d y ographis debate
D~or
Lncise mmsere. fu n
no 3le andar do apredio on. 42 danioup
de- Camias, por civma da typographic& dests
Dwario,.

Laz briltoe seff to,
Oleo atomautiew


iwi I OIENW


Martins & Bstn


Pernamibuco
i?-mero teliepnfcro a,. 88


ser examma-
engenhos Be- MIGUEL WOLFF &0.
Partieipam ao res-
n Gramelleira,eitavel p bice,
A areUo. LCa-.l 1: _c


ra e Lages em Itambe, Vidravio em Pao


ho e outros no Rio Grande do


Champs a


atteneao


dos Sys,


Norte


agricultores


os novos vapores que teim recebid .,do
litad fabrieante Babey uwe se recom-
lam pelafaeilidade de conuo asen-
nto e eeomia de eombustivel, deixando


6nar osWeng eAieo. em-e os temncol- t
eopja tere.,.i.. msrve ijdiversos.
e por issajt d eem ser e-


timento


de ioias das


mais modernas


e dos


oai& apurados gost
Coiapromettemse
a vender mais barato
do que em outra qualk
querparte.


I


se tornam recoiei
~~ow


0 ttax jinxotem exposftoa
4&da os seus ffizei bilhetes garattido. da
pIte 4.. loterias da igej^a do* Marty-
>8 de Goyanna, 45a "I, se extrhiura
bbado 14 d& center.
Bbtoia"tt sir


quarto .
am perqoe ti 1e 050
: ^ 1 1 '1 lmin


)00
inn


para


Bilhetwri nteiro 34500
Meio 1#750
Qiarto 6875
Antomio Augusto dos &atos Porto.
Proveitoso
Urn pesoa competentemente habilitada n'arte
de florista, se prople a dar licoes em casas parti-
culares ou em algum collegial, mediante modico
preo : quem do sen prestimo se quizer utilisar
p6de deixar o sen adresse i livraria economic a
rua 1 de Mairco (outr'ora, do Crespo n. 2) para
ser proenrado.
Alert'
Avisa-se para que pessoa aIguma faga qualquer
contrato corn oas: predios seguintes : sitio de Belem
n. 14 e o sobrado & rua do Coronel Soassuna n.
22, pertencentes ao espolio da finada Christiana
Maria de Souza, que vi entrar em questAo por
dividas que deixou a mesma finada.

Roseiras


Vende-se quaenta peS de roseiras, grande,
de diverfas qualidades finas bern aceondicionadas
em latI, pnrstaedo-s assim a qualquer trauspor-
te ; a tratar naCapunga, rua da Ventura n. 11.


Boa easa
Aluga-se a cs. corn sotao, da Travessa dos Pi-
res n. 31 (Gxir ity) toda caiada e pintada, corn
o pavimento terreo todo cimentado, corn 5 quar-
tos,4 salas, quartos par% dispensa, coJinha, quar-
to f6ra par criados e quintal grande cm n uma
boa eacindmba ; reeommenda-se por ser muito fres-
ca e perto da cidade : a tractar na rua do Lima
n. 30 (Santo Amaro) ou na Lytographia Phrcell,
rua do Marqez de Olin(di .
CoDt aseio e Iproidpb
Lava-se e engomma-se : na rua Imperial n. 16,
segundo auda


N$WO SItTUIENTO
DE

lau~s pranhns
POR
Pre. os baratissimus
IUa'&-iUwtrtz I.. 4
L.. ADOf.BASATEMRO&
'fuVistz,Yveifl-i
PaletalB-dwemR a ( d*' i ngdeadikuho6, fa..
Diet d aann et fia, fazend. manito
bot 5-OM,
Ditoivel tMmim de qua4rinle elistri-
nhaa. fmnguwo 8
Ditos da &asemina eseura, de cordlo, for-
radog 80
Ditos d*&Xuelatnl; forradoi semido ra.-
zen la que nao desbota 6000
Ditos de casemiras de cores claras e es-
curia 10000
Ditodkpanno preto fine, forrados 104000
Ditos d3 casemira preta de cordao I09 e 120MG0
Calgas de casemira corn differences pa-
d ,6S500i, 8Je 105000
Dita s denarapeta sedl.a.85 e 105009
Ditas de casemira dc cordao 65500
Ditade casemira prmeta 6000
Srnlkas d creguela, obra maito bem
feita a 15200 e lw0-
.iM. de Hamiburgo delinho a 15800 e 25000
Colletinhos para dcntro, soendo de cre-
guella e muitDo bemrn feitos a 800 e 15000
anqisas, grande sortitento de camnisas
* branieastantraaceuascomoa inglezas,
tanto de linh* omino de algodo, send
do 219, 25600; 35, atW 61000
de cretone de cor de 2A, 2A500 e 3U000
Meias, grande sortimento de meias cruas
para hensi de 320- rs. o par, at& 500
Collarinhoa, grande sortimento de cola-
rinhos, tend de 54 a duzia ate 85000
ToJhas, grande seortimento de toalhas,
tanto pars resto como para banho, que
se vendem por pregos maito razoaveis.
tTu&d.a isto eamn grande reduce de pregos : na
AUdA aia, dia beo dos Ferreiros.
Drogaria.
aiia S"obrihb ,& C., rognistas por atacadi.,
it ta do Marquesde Olinda n, 41.
Vuidie-se
lythgrp a da'runs 'deS. Born Jestus (outrlora'
Cuz) : a tnratar nameama.


FarMsha
Saccos grandes : na Madre de Dens a. 28.


De superior quslidade, aassno oma amsueaz me-
nuado especial para os mesmos vendh-se re-
8aaeoda a ra angel n..43, e por pre aserm
etenda, visto a grande quantidade que ha
p 8di'se Wivi'anr veravser, qunlo

^*r;^,^i^|^ da rna do Bangel-43 8


4.eiradtcres, dims linguras, a 15800, Cern

^U~fl~fe~t .t^eqaBn tooa, 3600O


( Vistorian.
fds)& n
dod*e '1- I-


WMW DORElGO iMAU
a iafiwU jduatrial, rma do Barlo
7, e em todas as livnarias dest ci-
t __1 ^^ i : ___-._ _!___ '4 eVJY~/U\


/ u ,u&p w cuam exemplar 1t,0W.
i 4 *orth0graphia [da


G. MAIRTnIANO D SOUZA
Vende-se ur I ,ana industrial, ra do Jarlo
da Victoria n. eem todas a's livrariaa desta
Cidade.
SPregd ada exemplar 10O"eo ,
Fazendas

Para vestidos
Setineta lisas e lavradas, sendo eom as
core.w e lavrores o main honito que tern
vindo ao mercado a 500 rs. e 640
Ditas muito bonits, corn barras largas e
estreitas, covado 640
Gorgoroos bonitos de 11, lavrados, para
vestidos, tendo do todas as cores, co-
vadb 640
Merin6s de amn s6 co6r, tendo de todas as
cores, fazenda de gosto, covado 500
Fustoes brancos, proprios para vestidos e
roupas de cri.nsas, de 440 rs.. 500 e 640
Cretones corn barra u muito encorpados,
proprios para vdstidos, cainisas e roupas
de criangas, covado a 360 rs., 400 e 500
Chitas, grande sortrmento de chitas claras
e escuras, de cores fixas, de 200, 240 at6 400
Mariposas, as mai lindas mariposas que
tern vindo 0o mercad,, corn desenhos miu-
dinhos, c7ado 7d 360
Baptistes corn delicados desenhos miudi-
nhos e graudos,'assim como lises 200
Cambraias brancas tapadas e transparentes
corn 8 jardas a pega 3)00
Ditas mito finas, tanto tapadas como
transparentes, tendco lOjardas cada peca
a49,44,500,50|e tj 7M000
De toda. estas fazendas se dao amostras corn
penhor, na loja doe barateiros da Boa-Vista, es
quina do beeco dos Ferreiros.
Brim pardo
Covado a 360 rs.


Na loja da ru la ozImperatriz n. 40, vende-se
brim pardo liso, -proprio para paletots, calgas e
roupas de crianga a 360 rs. o covs do, isto porter
um leve toque de mofo, que larga logo que se
molhe ; e grande pechincha ; na loja dos bara-
teiros da Boa-Vista. esquina do becco dos Fer-
reiros.

FarihkaLactea
Nos primeiro mezes a alimentaglo mais
natural e apropriada para alimentar a crian-
$a de peito 6 o proprio leite materno o qual
em caso de necessidade dove ser uibstitui
do pela
FARME *LACTEA DO DR:
FERcHs!
A seiecia e a pratica adoptaram a fan.
nha Lactea como poderoso etbmento nua
trictivo para a infancia e distinctos medi-
cos do Brasil e da Europa reconheeeram
ser A do Dr. FREICHS a melhor n'este
genero.
Deve-se pois evitar confiar o filhinho i
oma pessoa estranha e de comportamento
n1a conhecido muitas vezes o germen
numerosa molestias.
Vende-se a verfdera fawirmha Lactw
&o Dr. FrierKCs:
55 -RLUADOIMPERADOR 55
Estabdecimento do musicas e piano de Vie
tor Prall e


Vende-se uma taverna propria para qualquer
principiante, bern afreguezada, e o motive da ven-
da &o doao achar-se doente, na rua de Hortas n.
56: a tratar na rua de Marcilio Dias n. 14.

AVISO
Adamson Howie & C. tern pars vender:
Vfi do &Porte fino, em caixas e barris.
Whiskey Donville vordadeiro.
Tint de impresioj, boa qualidade.
Brins de Marshall yverdadirom, de todes es nume-
ros.
Remedios de Ayer.
3-RUA pO COMMERCIO--3
Quijos do sertao
o que ha demais especial, feitos em muxill as:
SVENDEM
Poas, Mendes & IC., & rua estreita do Rosario
numero 9.

CIAAVOS E FLORES
Na rua da Unio 0n.

a5 ha sempre para se

veirnder Cravs e stores

Nova iachiu tde cos-
tra
Denoinada Aurora
EstA em exposiggo rua do Barlo da Victoria
n. 30, ioja de Anaoidio Pedro de Souza Soares &
C., a nova machine ; cose corn dous carmeteis de
liu&a4 pdndod s.e de 500 jardas cada urn, e
f6rma os dous p ontos como se fosse de lanca-
deira, 6de grande vantagem. No mesmo estabe-
lecimento tern ce istantemente ur grand sorti
mento das melhores machines de costura de todos
os principles fabri43antes, e vendem em portao e a
retalho sempro pim preo o muito razoaveis; na
rt do Barao dai .tonia n. 30.


Vehd~te barrici
a 8;000; no largo
numero 12.


Ore sapmr |
7corn quat0o ariobas liqiidas
da Campahia Pernambcana


AA


DE
Fazendas finas e -grossas
AR go Inxo pIX fmnwias 0
OitRos 08o005ou lssano1sas
OpaihlnmOQ
2 -Rua tdoI]ario da Vletorla -I
0 proprietario deste
imptaute estabebe-
leeimento de fazendas,


tend de


se retirar


brevemenmte para fora
da provincia, resolve
vender per todo o
prepo, para acabar!
os artigos acima espe-
cifeicados eoutros defi-
nissiio gosto eultimas


Nat-se


-amas vu*"ramtq


ii'


jMwiq^ c4peas oe madapolo fli ances
I enfstado corn 12 jardas a :3500
Dito inito largo com 20 varas a 4AOOO 5000
Dfto~cM faxob muito efteorpada quo DR-
rece cretone, corn e20 vaRs a 50
6A0"00 6a00
Dito fee anieca.z a5muito
finameenorpda&d 7aew 125000
Algodao enwestrn ~ cern 9tpal Sgun. pea. axer lBon9ewdeBts6pa
no, metro a. 90
Dito tranado corn a mesma largu,
proprio ptam leneoes e toala, de
mesa, metro a 1I200
Bramante de algodo eotR 10 oalupn de
largura, proprio pars, fazer IenOe de
um s6panno, metro 15S280
Dito francez, sendo de linho, metro a
1I800 e 21000
Dito inglez de quatro larguMras, saftd
de linho, metro a 25500 e 25800
Ureguellas proprias para lenses, toa-
lhas, eeroulas, sendo faenda nmuito
encorpada, cada peca eom 20 varas
por 104800 e em vara a 500
Ditas corn a mesa media a 800 rs., ou
vara a 400
Atoalhado adamascado parsa toalhas de
mesa, tend 8 palmos de largura, me-
tro a 1;800
Assim como um eompleto sortimento de
peWus de algediozinho americano e
inglez, que se vende por peqa de 35 ate 65000
Isto ii loja da esquina do becco dog Ferreiroa.
Casemiras de cores
ne 2:000 atf4N:0 rs,
Rronopor i Ge a
Alheiro & Silva A rua da Hperatriz i 40, tern
um immense sortimento de casemira de cores,
tanto claras como escuras, que vendem a 24000,
25500, ate 6, o covado, e das mesmas mandam
fazer qualquer pc.a d'obra ou costumes, por pre-
cos muito ra oaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e pannos pro-
tos ate ao mais fino sedan que vem ao mercado, e
des mesmoas tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer pea de roupa vontade do fre-:
guez e corn today a perfeiglo e presteza : isto na
loja dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
becco dos Ferreiros.
Merinos pretos
a16OO,200, 16400, 900 e 26200
Os Barateiros da Boa-Vista, & rua da Imperatris
n. 40 tern um grande sortimento de merin6s pretoe
para vestidos que vendem de 15200 ate 2;200,
send muito boa fazenda, assim como ditos encor-
pados para roupas de homes e meninos que vel-
dem muito barato, na loja da esquina do becco dow
Ferreiros.

Os Barateiros da Boa-Vista vendem muito bo-
nitos linhos de urema s6 c6r e de listrinhas pra
vestidos, send a 160 rpis o covado ede c6res fis,
isto na ruas da Imperatriz n. 40, esquina do beceo
dos Ferreiros.
Brim pardon
Covado a3 M rw*
Na loja da rua da ImperatriS n. 40, vende-se
brimpardo lisaj proprio para paletots, calgas e
roupas de criangas a 360 rs. o covado, isto poi
ter umn leve toque de mofo, que larga logo que so
molhe, 6 gTande pechincha : na loja dos baratei-
ros da Boa-Vista, esquina do becco dos Ferreiros
Fustfesa380 440,500
e 640rs.
Os Barateiros da Boa-Vista A raw da Impera
triz n. 40, vendem um grande sortimAento de fus
toes broncos, proprios para vestido e roupas de
I criancas, pelos preges acima ihdicados : isto na
esquina do becco dos Ferreiros.
Setinetas a 500 e 640
Na loja da rua da Imperatri? n. 40, 4 esquina
do bece dosr Ferreiros, vende se urn olegante sor-
timento de setinetas, tanto lisas coma lavradas,
send as cores mais bonitas que tern vindo a.
mercado a X0) e 640 rs. o covado ; assim coma
un bouito sortimento de lasinhas lisas e lavradas,
proprias pars vestidos, de 5' ( ate 8.0 rs., e pe-
chincha : na loja dos barateiros da Boa-Vista.
Espartilhos
a 46 e @o4
Na loja da rua da Imperatriz n. 40 vende-se
muitos bons espartilos paia senhoras a 55000,
ditos para meninas a 45000, assim como um be
nito sortimento de fichus a 35000 ; isto na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.


Liquida0ao a dinheiro


: '"*K> *

: !I


$
," A >! .
i", "


^


I


ICluiimm~u-Al ter U- sr
























ao* per nloser
por cichopiras,


whor tom duia EAtaqa ")J$Zcprn8 84 e DNW
\;|ltl^^|:palto. L 8imit W~
a Senha do BoConselho deGranito. Limit-se aonote
cm provincial do tearA,-to a Sulcom as coinarcas da Boa
Vista e Petrolina, aleste corn acomarea deSalgueiro, eoA
oeste corn a probincia daPiauhy..
A villa doOarnicury, sile d co.Marca, extU situada k
margem esquerda 4o ripL-.aNhyba., tributario do rio|-
car6, que desagaa no S. Francisco, banhandosa pelo lado
opposto umn pequeao riacho, quolnasee nasa fraldas da ser-
ra Gamelleira, e lanuga-se no rio Carahybas, junto A villa;
terreno piano, pequena e mal'edificada, casas arruinadas
em sua quasi totalidAe; igreja matriz, cermiterio, casa
da camera, cadela eoquartel, escolas publicas, agencia do
correio etc. Clima sofnrivel, febres intermitentes e per-
niciosas no comego do vereo; a criaglo de gado vaccum
e cavallar 6 o principal genero de industrial e commereio
da comarca, mas hoje muito decahido polos enormes pre-
jnizos causados pela ultima secca, que devasto os sertoes
.desta e-de outra provincias do norte; ha tambem alga-
an tdtu'de feijigo, milho, batatas egerimuns, mandioca, e
outros g*eros, que chegam para o consume, quando o an-
no 6 de inverno regular; populagio pobre, coAmmercio pe-
queno e insignificant, nao passando de algans vendedo-
roes de fazendas A retalho, e de poucos generous de estiva.
Municipio e freguezia do Exu. Ternom por s6de a vil-
la do mesmo nome, situada a 845 kilometers da capital,
em urma planicie na base da serra do Araripe, nas nas-
Scentos do riacho da Brigida, e quasi que circulado de ser-


Bs nota' em Ca-


oA*- i o ada Boa-Vista 4/ d dpqenara i tania
pelo -sepmeorcio, industria, popu8o^lal o 6iqnezs; pois
al|6m 4ai eao dogado vactmw eocavail'ar, feitaempeun-
c nais do ianeoenta fazendas, da, pqnaindustriad
rapduraa seaguardente fabricadas em kisengphocas, e
da plataod imanddoc", r.ilho, feijlo, batatai abeoba-
nra e otros generos pars o proprio consumo, do nada mais
consta, apezari da fertilidade do solo.
A cornarca em geral offerecw ameno e agradavel clima,
e boa salublidade, menos porem As margens do vrio S. Fran-
cisco, durante a epocha da enchente e vasante, nos mezos
de margo ajunho, em cujo period grassam as febres in-
termitentes e outras molestias.
Os meios de viagio geralmente preferidos, sio pelo
rio S. Francisco, at6 o porto de Piranhas, nas Alag6as,
em bareos a vapor, e d'ahi a villa, ou por terra, por mAos
camihos, em urma extenslo de 407 kilometros ponco mais
ou menos, ou polo mesmo rio, em canvas, navegaoo en-
commoda e difficil, pelas muitas cachooiras que interrom-
pem o sen curso ; nao obstante, a viagse fluvial 6 geral-
monte preferida A terrestre.
A villa da Boa-Vista dista da capital 900 kilemetros
pouco mais ou menos, e ficas a 276 da projectada estaglo
de JatobA, da estrada de ferro de Paulo Affonso.
Povoagres : Carahybas, a 3 kilometros da villa; do Ja-
toba, a 90; e Estreito a 102.


Petroilna


-rTotes; tlm. de altura acima ao mvcl do mar; pequona,
insignificant, ireja matriz, cemiteirio, escolas publicas, agen Comarea geral de 1 entrancia, creada pela lei pro-
cia do correio etc.; born clima, solo uberrimo, boa agua vincial n. 1,445 do 5 de junho de 1879. Consta de um
potavel. mattas deoptimas madeiras de construcio. Ne- s6 municipio, Petrolina e de urma s6 freguezia, Santa Ma-
nhuma industrial, pequena agriculture de goneros quo silo ria Rainha dos Anjos de Petrolina, corn 4,906 hahitantes.
consumidos na propria localidade, sendo por6m as suas Limita-so ao norte corn a comarea do Ouricury, ao sul
tern'as muito appropriadas A cultura do algodlo, mas serm corn a provincia da Bahia, a leste corn a comarca da Boa-
desenvolvimento algum, nao s6 pela baixa do prego, como Vista, a a oeste corn a provincia do Piauhy.
pela falta de vias de transport; cultural do caf6 nas fral- A villa de Petrolina, s6de da comarea, esta situada
das da serra do Araripe, engenhocas de rapadura, e fa- em terreno felevado, A lmargem do rio S. Francisco e
zxLas de crisalo de gado, prineipaes generous de indus- fronteira a villa do Joijeiro, no lado opposto da provincia
trial ceommercio do muicipio. da Bahia. A villa comprehend urma pequena area, for-
Povoeaes: Tabocas, a 15 kilometro ; Baxio a 40. mada de poucas russ, mail dispostas, e de alinhamento ir-
Municipio e freguezia de Granito. Tern por s6de a regular, e as casas, corn raras excepg5es, slo de pessi-
villa do mesmo nome, situada em urma planicie A margem ma construegco. Clima quente, chegando a temperature
esquerda do riacho da Brigida; igreja matriz, capella de no verto a elevado grAo, terreno ponco fertil, agua abun-
Nossa Senhara do Born Conselho, casa da camera etc.; dante e de boa qualidade; igreja matriz, cemiterio. es-
born clima, quento e saudavel, terTeno secco e fertil nas colas publicas, agencia do correio, etc.
proximidades da serra do Araripe, agua potavel de mA Commercio e industrial em pequenas proporgces.
qualidade; commercio insignificante, nenhuma industrial, Grande criaglo de gado vaccum e cavallar, commercio de
fazondas doe criacao de gado, 7 engenhocas de rapadura; couros e penas de emas, por via da provincia da Bahia;
pequena agricultural de mandioca, algodlo, fumo, feijlo, abundancia de peixe, interessante pescaria a arco e flexa
miho, arroz, canna, e outros generous que escassamente pelos indios. Pequena agriculture de arroz, feijlo, milho,
chegam pars o consume local; cultural do caf6 animada, mandiocas e outros generous, nas epocas da vasate do rio
optimos resultados. S. Francisco, mas em condigces tio insignificantes, que
0 termo de Granito flea a 805 kilometros da ca- nao chega para abastecimento do mercado, o qual 6 pro?-
pital, a 400 da villa do Penedo em Alagfas, A 270 da es- video, pela visinha comarca do Ouricury, e pela provincia
trada de ferro de Paulo Affonso, e de 50 a 175 da provin- de Minas Geraes; cultural da canna, 40 engenhocas de
cia do Ceara. rapaduras.
A villa de Ouricury, s6de da comarea, flea a 845 ki- Povoaoes: Cachoeira do Roberto, situada a 180 ki-
lometros da capital, e a 400 da, ostagaoe da via ferrea de lometros da villa, corn capella sob a invocacgo de Nossa
Paulo Affonso; os lugares mais proximos das provincias Senhora das Dores, cemiterio, etc ; Caboclo, a igual dis-
limitrophes sao: na do Ceara, a villa do Brejo Secco, de tancia, capella do Sr. Born Jesus do Bom Fim, cemiteri,
70 a 80 kilometros; na do Piauhy, na fazenda Campinas etc.; Santa F6, a 72 kilometros; e Pontal, a 96 kio-
de 60 a 70 kilometros, e na daBahia, na villa da Boa Vista, metros, capella de Nossa Senhora dos Remedies. '
de 160 a 170 kilometreos ; camihos maos, tortuosos-e es- A villa de Petrolina flea a 918 kilometres da capital
treitos. a 130 da villa da Boa-Vista, e a mais de 420 de Jstol*,


Boa-vlsta


Comarea geral de a1 entrancia, creada pela lei pro-
vincial n. 58 de 19 de abril de 1338. Consta de um s6
municipio, Boa-Vista, o de urma s6 freguezia, Santa Maria
da Boa Vista, corn 2,464 habitanes. Limita-se ao sul,


ponto termi aal da estrada de ferro de Paulo Affonso, per
onde geralmente se faz today a communicagoo; mAos ca-
minhos porterra, viagem muito dispendiosa, sendo a va-
gbo preferivel a fluvial, por6m muito perigosa e morose,
principalmente A subida do rio, em can6as e pequenos bar-
cos movidos a varna e remos.


nossos vestidos e das nossas cadeiras fios pitu, creditur a mile, qawinv idiota sit
V IR EUAU de today a cor par defender a propria la- ie.
VARI ADES- jvra do frio, da chuva e das outras intern- Um home bern vestido p6de ser jul-
vestido 6 part viva do nossoperies, gado um home eminente, quanmdo mesmo
eorpe 0 home, por6m, fez s6mente da neo fosse um estupido.
La brute se couvre le rice sot se para cessidade de cobrir-se e defender a pelle Proverbios quo os sardos traduziram
l'homme elegant s'habille. das calamidades meteorologist umna arte livremente neste outro :
0 animal se cobre, o rico e toloseen-quoe mnultiplica ao infinito as suas bellezas, Sor bestires component Jfinzas 'ainu.
feitam, o home eleant svest. e a transform quasi em outras tantas pes- I Os vestuarios fazem tambem os bur-
Ssoas, quantas a0o as ss corn as quaes ros deixar-se ver.


0 vestir-se n/o 6 um privilegio do Ho-
mo sapiens. Tambem o bicho de soda em
alguns moments muito graves e solemues
da sua vida quando deve transformar uma
pobre lagarta n'uma borboleta graciosa. e
amorosa, fia aquelle vestido A que cha-
mamos casulo.
Muitos insects sabem tecer paletots de
madeira, de palha, de area e cemento, e
o maligno caoncho roubsa ao panno dos


0 ORLBfETITA


o GRILUETA


FOR


G. PRDIEL


PIIRBA PART


(Continuagio do n. 135)


0 egredo do Aline


Era effectivamente loUcura, porque ei-
tava conveinldo de que os pais na& con-
Patirim A vista da =a diminuta fortune,
am oonceder-lhe quell rica herdeirs.
'Sm vmm^opepsaeav e em pedil-a, parque
- l iwlaR ito Vol quo oto-,

O nto B -a. .- 1 -


p6de embrulhar-se.
Os proverbios de todas as linguas nos
demonstram, em altissima voz, a grande
importancia do vestuario sobre as praticas,
os costumes sobre as leis, sobre a moral,
sobre o culto religioso e sobre quantas
cousas humans pode o home pensar e
fazer, amar e o odiar.
Os labios divisdo:
Vis ben. w tibu, pro vestibus eses ps.-
monte, tornava-se, quanto ao moral, com-
pletamente outra.
No ultimo dia do quinto mez, Roberto
jantou no palacio Vanni6res, umjantar in-
timo.
Depois da refeil;x ficou muito sorpre-
hendido vendo o banqueiro fazer-lhe um
signal mysterioso e leval-o pars o sen ga-
binete de trabalho.
Roberto, disse-lhe elle, supprimindo
pela primeira vez a palavra senior, '6 um
rapsz honest e urn perfeito cavalheiro.
Deve partir d'aqui a um mez e estar au-
sente duranto tres annos.
E' verdade, replicou corn tristeza o
Sr. de Laitres.
Esta partida, continuous Vanni6res,
causa-lhe uma grande maguna. Ni have-
ra um meio, remexendo c6os 'e terra, que
o impeca de partir?

NIo aceito, replicou Roberto corn vi-
vacidade. 0 Senegal e onsiderado na
armada como ums das noissas ma esta-
fot. Se, por favor, eu obtivesse trocar,
um do. mens camarada teriA de tomar o
meu lugar, e competw-me partir.
Isso 6 muito bonito, e admiro-o. Ha
cousa melhor. Nao se soaa vermelho. To.


Una bona cappa ogni made tappat, que
nao tern precislo de tradu clo.
Su bestire agenin de totu, aer wmdigu
a genius meu.
S 0 vestuario ao goito de todos, o co.
mer por6m a men" gosto, proverbio que
confessa a omnipotencia da n moda.
A 11, a soda, o algoilo, e as peicas,
todos os tecidos tirades do reino animal e
vegetal, modellados ums yex sobrO a os-
os olio BertoM e eem segeida no r.
Vanni6res.
0 banqueiro achava umn certo prayer no
embargo de sua filha e na sua perplexi-
dade.
Aline, disse elle depois de urnm pe-
queno silencio consagrado a olhar parasus
filha corn umn sorriso cheio de amor e de
ternura, entendi que devia tomar um gra-
ve resoluclo sme to consultar, Acabo de
pergntar a Roberfo se te quer pars mu-
tore...
Nio acabou.
Corada, confuse, Aline atirou se ao pes-
coo do Sr. Vanni6res, eabraawdo-ocom
ambos os bramgos, murmurava corn uras yvo
abafada, reprimindo as lagrimas, de pra-
zer.
-- Cale-se, cale-se 1 o melhor do
pais. Adoro-o. E' mnuito ,M0Ao, r me
tonr asim sorprehendido... 6 a 6 I
Robo;rtodie Sr.deVai6m .
E o maneobo, nao meno. confuo o
qcp aquells a qu e faziam su oiva, abr-
gou-o por son turno. E Ro" a. 'vistas do

ras qua se alievam, co* xu"aa o $or-


lwoe# ta -socoum vLivquo rallA, Ina
0 s eA&b onte taoto, ou a d",q'IeuIo
l ado. a mielaeoli, quo expri-
,01 a Q1 soexo, o carader, e a
iotelligenpe doquar o traz.
Vos podeis corn os artifieios da arte
drarnatica transformar um home n'iumna
muller, um camponez em uan ministro,
urn ignorant n'um philosophy, mas sao
sempre mentiras que demonstram a omni-
potencia do vestuario sobre as nossas pri-
meiras impresses; e se todas podem yes
tir qualquer roupa que se ageite ao corpo
pela altura e pela largura, nemr todo's po-
de d'um A outro moment saber vestir-
se de general, de padre e de professor to-
gado. E' porque al6m do panno da f6r-
ma de vestir ha o mode de trazel-o, que 6
uma arte, uma lingua nova quo nao .se
aprende n'um dia.
Sem o vestuario desappareceria mais
que A metade da historic do sexo, o gran-
de part. do historic das classes sociaes.
N'um banho o rei e o porteiro sio iguaes
perante a nua natureza, e muitas leis ou-
saram impor em diversos tempos os modos
de vestir a cada classes, afirnm do que a es-
cala das gerarchias fosse devidamente res-
peitada e a harmonia dos Thronos, das
Dominates, dos Anjos, dos Archanjos e
dos Cherubins nao fosse perturbada por
falsas notas.
Entre os mil documents lede um curio-
sissimo que se conserve manuscripto em
Pariz no Museu dos Archives.
E' um decreto de Hearique II, que pro-
hibia sos artists e as suas mulheres de se
vestirem como os senhores.
Tern a data de 17 de julho de 1549:


&ctlvldade yankee
Os Estalos Unidos construiram o anno
passado 10:560 kilometros de caminho de
ferro. Em 1881 construiram 18:260, e
18:546 em 1882.
Os 18:546 kilometros construidos em
1882 custaram 707,422:000 dollars: o cus-
to m6dio por cada kilometro foi de 180:000
francs.
O comprimento total das vias ferreas dos
Estados Unidos era em 1 de janeiro de
192:000 kilometros, e seria precise som-
mar todas as da Europa pars chegar a urma
cifra equivalent, porque, centre todas, che-
gavamr em 1882 a 18:000 kilometros.
Todas as linhas foram construidas corn
umas rapidez vertignosa.
0 Union e o Central Pacific, qu3 nao
formam na realidade mais do que urma li-
nha continue que une o vale do Mississipi,
e o do Sacramento, o Atlantico ao Pacifi-
co, e mode, sem os ramass, uma longitude
total de 2:880 kilometros, foram construi-
das simulthneamente desde 1862 a 69 e
terminados trez annos antes da data offi-
cial prevista.
No ultimo dia collocaram-se 17 kilome-
tros de via pars unir as que vinham ao
mesmo tempo do Lest. e do Oeste. N'es-
teo desertos foi preciso buscar a agua em
poos artesianos, tanto para as obras como
parsa os homes. Estes, irlandezes por um
lade, e chins por outro, iam armados de
rwolvenra e carabinas pars luctar corn os
pelles vermelhas, e dormiam em wagons
blindadoes que avangavam sobre rails.
Este primeiro caminho interoceanico nao
bastou ao ardor dos americanos e ha poucos
mezes abriram so norte o Northern Pacific,
que vae de S. Paulo, no alto Mississipi, a
Portland, no Oregon e a Olympia, no terri-
torio de Washington, ambos no Pacifico.
Este caminho do ferro que atravessa o
Minnesota, o Dakolah, o Montano, o Ida-
ho, tern uma longitude de 3:163 kilome-
tros.
0 chamado Southern Pacific, ou Pacifi-
co do Sul, cruza ao oeste da California,
desde S. Francisco at6 os Anjos e Fqrt
Yussa, tornas a passar o Arizona, atravessa
A Passagem, sobe sao Novo Mexico e se
13 A linha de Alcbison-Topeka-Santa-F6,
que pelo vale de Arkanras vae terminar
em Kansas City, umar das grades cida-
des do Missuri.
A distancia do Kanzas City a S. Fran-
cisco 6 de 2, 448 milhas, das quaes 1,150
se percorem em caminho de ferro de Al-
chison-Topeka-Santa F6 e 1,208 no Sou-
thern Pacific.
pratico. Sio ambos ainda muito niovos,
mneus filhos, e a hours ebriga Roberto a
partir.
Deve ir sao Senegal fazer os soeus tres
annos de estagso. Nio 6 das cousas mais
agradaveis, convenho ; mas apesar de to-
doe os meus desejos, 6-me materialmente
impossivel evitar tal contratempo a este
honado rapas, que, al6m disso, como ja
me fez ver, nlo ecoasentiria em fugir
ao cumprimento de seus deveres.
Tres annos, repetio Aline como um
6-co.

Sim, tres annos,. minha querida, mas
na tua--lade passam-se depressa. Por ou-
tro lado, meua filhos, nio quero por em
duvida o veuso amor, mas sao aiuda muito
novos, e naio ficaria tranquillo, confeaso,- se
os unisue immedistameote um so outro.
So d'aqui a tres an.osinda estivorem no
mosmo propouxto, Boberto serA noaso filho,
eo 1he occuho que 6 omeu mais arden-
to d s~, poi q om c fraqugea o digo,
oorn no oIb podia imaginan melhor.
-i disse Aline corn a yoe fir-

-REporsrei, repetio Roberto, aportaudo
tsxnn Loama. & mral JatVairni~psa. *


DJ:ll m |e irrjquo, -e sejam qiuaes forem
as crise Os o4 vazo-s resultarn -,a nao 6
s6 a coloi saAo rapid e sorpirehendente
de todo e treino oeste, quo os imericanos
devem ao seus caminhos 4eferno, onde 6
eompleta livre competencia; mas tam-
bemrn Ihes evemr o transport barato de
todos os pr oductos agricolas, dos ce-
reaes e doI gado, levados desdei as mais
longinquaw regiea deo oeste at6 Chicago eC
Nova-York, o quo Ihes permitted competir
na Europa aom a produccao de todos os
paizes agricolas.

Urma eom uiftiieaicao entire o me-
diterraneo e o mar vermelho
Dizem de Constantinopla que lord Dtf-
ferin pedio ao sultio urma audiencia para
o duque de Suthbrland, que acaba de cher-
gar Aquella capital, depois de ter estudado
nafPalestina o project de am canal mariti-
mo entire p Mediterraneo e o mar Verme-
lho, atravoz' a Terra-Santa.
0 duquo dc Sutherland declara que o
project, de que jA por mais de urma .vez
tivemos o~casilo de dar noticia, 6 perfei-
tamente p'aticavel, se o sultao quizer con-
coder aut6risa9gAo para elle, e so os pro-
mnotores encontrarem os iundos reputados
necessariois para a sua exccugao.

0 naufraglo de Daniel Stetin-
man
A Agencia Havas deu-nos ha dias no-
ticia d'este horrivel sinistro, em que per-
deram a jida 124 pessoas.
Osjornaes que temos presents aecres-
centam rais alguns pormenores d'esta
grande catastrophe.
0 Danid Steiman baton n'uma rocha
is 10 horas da noite de 5 d'este mez, do-
baixo de um temporal desfeito e sob um
espesso nevoeiro, a cerca de 300 metros
do pharol do Sambra nas costas da Ame-
rica do note.
0 capitAo mandou immediatamente re-
cuaro vapor, mas n'esta manobra o barco
tornou abater n'outra rocha, e, sorvendo a
agua pelos dous rombos, foi a pique em
poucos minutes.
A' meia aoite chegou a Sambro um pe-
queno escaler, que levava cinco homens
de tripolaglo e dous passageiros.
De madrugada, o capitao e um outro
passageiro que tinham subido para a mas-
treaago e que alli tinham passado urma noi-
to angustiosa, puderam ser salvos.
Todo o resto da taipolagio e passagei-
ros em numero de cento e: vinte quatro
pessoas tinham morrido.
0 Daniel Steinman era um grande va-
por belga ; pertencia A companhia da Cruz
Branca de Anvers, e tinha partido d'esta
cidade no dia 24 de margo cem destiny a
New-York. -
A rocha em que bateu flea proxima A
ilha de Sambro, a 20 milhas de Halifax.
0 vapor levava a bordo 93 passageiros e
34 homes de tripolagao.


Uma gloria parlslense
Morreu ha dias na idade de oitonta an-
nos uma das glorias da gastronomia pari-
siense, Adolpho Duglere, o chefe do caf6
inglez.
Today a imprensa de Paris Ihe consagra
oalavras de sympathia.g
Duglere-Adolpho pars os parisienses
iniciadoi-dirigio por muito tempo as co
ginhas do Barao Rohtschild. Deixou-asem
1848, tentot fazer concorrencia casa
Richer, mas nio foi bemrn sucodido, em se-
auida, depois de ter estado per pouco
tempo no FP6res-Provengaux, entrou para
o caf6 inglez. Dahi fez ainda urma peque-
na fuga para o caf6 da paz, mas voltou
bemrn depressa para a casa do boulevard
dos Italianos, d'onde nunca mais tornou
a sahir.
Nio contente de ser um cozinheiro
emerito, quiz ser tambem escriptor e col-
laborou no Livre de cuisine, de Alexandre
Dumas, pai.
Era tambem um grande amador de pin-
tura. Foi o amigo ass horas difficeis do
inicio, e o protector de muitos pintores
distinctos, taes como: Millet, Diaz e Cou-
ture.
Adolpho Duglere deixa A viuva e a
urma filha urea pequena colleeglo de qaa-
dros, onde ha algumas telas de muito me-
recimento.

nao se p6de I'conter por mais tempo e re-
solveu ter urma explicaglo corn elle.
A' noite, Aline trabalhava depois dojan-
tar, em uma obra de tapeoaria, junto de
sua mai.
0 Sr. Vasxi6res recolhido no seu gabi-
nete verificaVa umas contas ou punha em
dia urma correpondencia atrazada.
A moca levantou-se, atravessou o sallo
na ponta dos p6s e dirigio se pars o gabi-
nete de sen pai.
Muistas vozes Aline vinha assim sem ser
esperada interromper seu pai, e o Sr. Van-
nires tinha orn isso um grande prazer.
Na occasion em que a filha querida en-
treabrio a poIxta sem prevenir, fechou-a nsu
'litamente. Vanni6res nao estava so : um
home, umn dos seus agents, estava de
p6, ao seu laao. Aline recordou-se do o
ter encontradO muitas vezes quer na esca-
da, quer no gabinete mesmo de seu pai.
Applico0u o ovido.
Bern, senhor, as suas ordefis seerao
cumpridas.
Dito isto, o agent saudou o Sr. Van-
ni6res e saio per ura ports que dava
accesso a umr escada particular ,que is ter
arua. |
Aline ap eeu. Ao ruido que fez, o
bauquei' vo li' a cabega e o rosto xpan-
,dio-atlhi n3 um Bortiso.
060o e.rol, tdiaes e.lsa,, vindo
Ow a Toms alaUma ous


iuzbauJa 1 J r Jl upwa PaJ ra-,
gu"s faucegs, 2150 at~re
colhidos da eir iscriW
a directio de 80 oflciaesi no
ministerio da guerra. -
Urn dia d'pstes devia ter lga -
ca9to de 10,000 camisolas e cil
cessarias.para o equipamento d'esti
queno exercito.
Nao quer isto dizer que o effecti
batalhoes escolares seja definitivamr
xado n'este numero: por um lade
certo numero de alumnos serA, ves
custa dos pais, e por outro ha de
corn certeza novas inscrip9es qu$
institwuiqo for mais conhecida.
Em resume, conta-se corn um eff'l6tiver
total de 14,000 rapazes de 10 a 15axtus;
e a partir do dia 14 de julho proximo Me-
tade d'este numero poderA ser post cm
linha.
Um process o abominavel
Osjoraaes juridicos franeezes publica-
ram ha dias a narrative de um process
abominavel que acaba de dosenrolar-se em
Ajacio o em Bastia. Custa a crer que um
aconteeimento de tal orlem se tenhapas-
sado na Corsoga.
Infelizmente, qualquer divida 6 impos-
sivel.
Em junho de 1883, um rapaz de 28 an-
nos, Mr. Sainte-Elme, fuudava em Ajaci-
umjornal intransigent, intitulado Le Sam-
piero.
0 novo jomral atacava corn urma violen-
cia e grosserias inauditas, funecionarios
publicos, deputados e simple cidadios. 0
prefeito da Corsega era tratado dq alcaiote
ojornal chamava a prefeitura urmsa casa
tolerada e ainda ((uma succursal daforet
de Body. ) Urma noite, quando entrava
para sua casa, Mr. Saint-Elme toi ata-
cado por muitos individuos armados de
benglas.
Saint-EIme, passado tempo, depois de
ter feito a sua queixa inutilmente, encon-
trou o prefeito assentado corn o seu se-
cretaria geral, defronteode nm caf6 e pedio-
Ihe explicag9es.
Mr. de Tremontels, o prefeito; Voltti7"
Ihe as costas, o que provceou insultos por
part de Saint-Elme, Nisto o dono do


cafe corn tres criados e um outro individuo
armados corn um varao de ferro, cahiram
sobre o jornalista e deixaram-n'o por mor-
to. A policia accudio e levou Saint-Elme
ferido e escorrendo sangue.
Durante 35 dias, o jornalista esteve met-
tido no segredo. Comparecendo em po-
licia correctional, foi condemnado a 5 annos
de prisio. 0 jornalista appollou pars o -
tribunal de Bastia, Saint-Elme tinha side
posto em liberdade.
Nos primeiros dias dejaneiro, quatroindi-
viduos mascarados atacaram-n'o proximo
A prefeitura e Saint-Elme ficou como morto
estendido em terra. No dia 2 de abril o
process foi julgado no tribunal de appel-
la9gio de Bastia.
Saint-Elme foi levado n'uma cadeirinmha
respirando apenas (porque morria d'ali a
6 dias), o o advogado geral, Mr. Biasand,
pronunciou estas palavras, que tiramos da
Gazeta dos Tribunals:
a 0 estado em que estA Saint-Elme nao
poderia inspirar a piedade dos juizes...
Saint-Elm e recebeu a ligo que mericia.
Os protests que se levautaram contra
estas palavras odiosaa foramOtaes que foi
precise evacuar a sala.
No dia 8 de abril Saint-Elme succumbia
em resultado dos sons ferimentos.
0 que ha de espantoso nested process 6
que so nio proeedeu A menor diligencia
contra os individuos que assassinaran
Saint-Elme. Ter-se-hlo procurado serm
que se tenham podido descobrir? NIo
parece, porque a Gazct dos Tribunaes
assegura que todo o mundo os conhece, e
diz em alta voz quern elles slo.
E depois disto, escreve o iornal francez
de onde transcrevemos esta noticia, per-
gunta-se so ha ainda umajustisca na Cor-
sega.
a 0 governor, accrescenta a mesma fo-
lha, vai sem duvida, mandar proceder a
um inquerito, Os infames que assassimas-
ram Saint-Elme nao terlo protectors t6o
poderosos ique os possam subtrair A acqio
da justiga. Emquanto ao advogado geral
que desempenha as suas funcqea corm
tanta imparcialidade, o ministry da justice
nio poderA esquecel-o. P
0 Sr. Vanni6res levantou a cabe-qaa&
mirado,
Nio to comprehend, querida flUa.
Explica-te ; bemrn sabes, querida, que ipl
ha precaugoes oratorias a tomar couoas .
Aline explicou entlo a soen pai os boats
qae em toda a part corriam de quo de
jogava forte na Boalsa, e ue isto era, para
ella e pars sua mui, motive de conatas4s
angastias.
0 banqueiro mostrava-se cads ves mai
sorprehendido, e encolerisado den urmsa
pancada na secretAria.
Quoern diabo to podia contar essas to-
lices ?
NIo digo, interrompeu a moea 'quo
foram pessoas amigas que vieram .
nir a minha mai e a mim. E' e1A F^
quo estlo furiosas e ciosas corn aM &:
felicidade. Mas pouco import, o fto 6


real.
0 Sr. Vanni6res encolheu es
Nio to tdigo que naiojogn
disse elle ; serial mntir. Mas, x
bre filha, jogo como joga to
coloegas. Jogo seo peNa, at
anas quantias ji*niii QloB
!manias, ^extrtagapni"2 iibx'2
*res ; mnas W ana& qu teAan ptom
,tar a tua' M& e a; t. ittgii


v


4,

I


IL


'J' '




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMY1OV2ED_Q6GU6V INGEST_TIME 2014-05-19T22:43:20Z PACKAGE AA00011611_15697
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES